Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11436


This item is only available as the following downloads:


Full Text
PHH
*
*

I
P>

_ ANNO XLffl. NUMERO 279. .na;,.:., a ,a
e,c,.litrf.,.,. I.. ........... WM
Par (m
Per le dttss Mea
Por a a san idea..
CaJa laaerajarais*
aw., 3 j j
.. .i .i .5 i] .: ., .. .i ,; } ..i .] 'ti |S
- .1 .1 3 ..1 .1 .1^..a.raSI.0 S h
4 ]..*...,
mooo ^*9s.
24000
320
sh<4i*sUARTA FEIRA 4 DE DEZEMBRO DE 1867.
WAMM BEXTBO B FOBA DA PBOVI* CA.
rw uan mmurn.................................
Nw **.,#..... .............
-
mu
754
1SI800
twwo
27*000
Miwn!A\>aa a$ ipki^adbbkkd bd istiKQiPVWia a saimh* fnumnatN di hamv a maros cus iPi i
tENCARKEGADOS DA 8UBSCRIPCA0.
ParahyDa, p Sr. Antonio Alexaniirino de Lima;
Xa tal, o Sr. Antonio Marques da Silva ;Aracaty,
oSr. A. de Lemos Braga; Guar, O Sr. Joaquiao
os de Oliveira; Para, os Srs. Gerardo Antonio
Alves \ Filbe>-; Amazonas, o Sr. Jerouyrao da
Costa; Alagoas. o Sr. Franrioo lavares da Costa;
Babia, o Sr. Jos Martina Alves: Rio de Janeiro,
Sr. Jos Ribeiro Gaspariobo.
PARTIDA DOS ^TAWWB.-^
Olinia, Cabo, Escada e estacoes da Ta frrea al
Agua l'reu, lodos os lias.
Igaarass e Goyaona as segundas e sextas feiras.
Santo Anlo, Gravan, Bezerrus, Bonito, Carnard,
Attinbo, Garantios, Bolqae, S. Beato, Bom Coa-
Selho, Agaas Bellas e Tacarat, as tercas-felraj.
Pao d'Alho, Nazaretb, Lnnoeiro, Brejo, Pesqueira,
lagazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa-Vis-
ta, Ouricury.Salgueiro e Ex, as guaras feiras
Serinhacm, Rio Potomso, Tamaodar, Una, Bar-/ Primeira vara do eiva: tercas e sextas ao meiol
reros, Agua Preu a Pimenteiras, bm quintas!
eiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL,
Tribunal do coramercio: serpr.das e qrvin!?.5
Relami : tercas e sbados is 10 horas. .
Faxenda: qu/otas as 10 horas.
Joizo do commercio : segundas as 11 horas.
Dito de orphaos : tarcas a sextas ia 10 horas.
|3egun4avara do cival
1 acra da tarde.
qaartai e sabbades a
DAS DA SEMANA.
"SWMMERIDES DO HEZ-DI DEZEMBRO.
4 Qnarto rese, as 7 h. e29 m. da m.
II Loa ebeia as 9 h. e 18 m. da m.
18 Qoarto ming. aos 42 m. da m.
35 Loa nova as 8 b. e 47 m. da t.
2 Segunda. S. Bibiana V. m., S. Adria ra.
i Terca. S. Francisco Xavier, S. Mugida m.
4 Qnarla S. Barbara y. m., S. Osmoodo.
5 Quinta. S. Pedro Crisotogo b., S. Sabas ab.
6 Srxta. S. Nicolao b., S. Geraldo are.
7 Sabbado. S. Ambrosn b. dr. da igr.
8 Domingo. A Immaeulada Conceigo de Maria.
i PREAMAR DE BOJE,
j Primeira as 8 horas e 30 m. da manla
Segunda as S.boras t 54 minatos da tarda.
PARTIDA DOS VAPORES COsTEIROS.
Para o sal at Alagoas a 14 e 30; para o noru
at a Granja a 15 e 30 de cada mes; para Fae-
nando nos das 14 dos mexes Janeiro, margo, Bala
julbo, satembro e novembro.
EXTERIOR.
(Inesto romana.
A idea de om congresso para tratar da questio
romana, nao parece ter xito. Ditse que o impe-
rador da Aasirla dea o sea asseotimeato verbal;
mas os Ignoramos o que Islo qaer dizer, se
\\-rdade que Francisco Jos renancioa a todos os
privilegios de om monareba absoluto, e se verda-
de que Mr. de Beosf declarara n'ama circular que
a Austria 5o se envolver as desinlellegencias
que surgirem entre a Franca e a itatia.
A Inglaterra e a Rossia parece maoterem-se no
principio da nao ioterveogo. A Prossia propSe
enigma* e espera a sna bora, e o propno Portugal
< se abstem de toda a iotervencio neste negocio.
Apenas a rainba de Hespanba ollerece o sea coo-
curso zeloso e oficioso.
Os amigos do poder temporal qne percebem o
dedo da Providencia na salvaco milagrosa na bar-
ca do padre santo no meio do temporal de tantos
scalos, encaotraram om dos seas mais fortes ar-
gomentos na eleicao de Po VII em Vneta em
1800, do momento mesmo em que Roma e a Italia
se acbavam sob o Impulso do eotbosiasmo repu-
blicano da Qlba mals velba da igreja, fllha eterna
e capncjiosa.
Nessa poca vlvia a igreja em c?pliveiro, sob a
proteccao austraca, e o conclave era favorecido
pelos inglezes herecticos, rassos sclsmattcos, tar-
cos iocredalos, inimigos Inveterados da santa s,
que eras por interposicao divina > Abrigados a
serv la. Mas o que este phenooeno em comp-
rala j da Franga do scalo XIX, demovendo-se do
tal raanelra para maoUr o poder temporal, qae
calca aos ps os seus proprlos priocipios de naclo-
nalidade, de snffragio popular, de liberdade de
conscienc a, encarregando-se de fazer conservar
nm svslema de qae se tem desligado os estados
mais atratados do continente, a* excepto da Hes-
panba
Mas, per mais lamentavel que seja a aeco (sola-
da da Franca neste negocio, seria intil procurar
ii'ri n congresso o remedio do mal. E' preciso qne
o congresso seja earooea oa catbolico. Como esta-
do poltico, o estado pontificio existe em virlnde
dos tratados de 1815, os qaaes nao Impedirn) a
queda da Toscaaa, de aples, da Hesse, do Huno-
ver, o desmmbrameos dos Paites-Baixos, da Tur-
qua, da Dinamarca e da Austria.
Em qae se differencara' o papa dos dermis so-
berano- aos olbos dos mgleses e dos russos ? Nao
de um congresso europea qae o congresso pode
esperar boas palavras. As probabilidades nao sao
melbores n'oma conferencia catbolica. Em pnmei-
ro logar difflcil dizer qaaes sao na Europa os es-
tados catnoiieos a nao ser a Franga, a Italia, a
Hespanba e Portugal.
A Austria e a Baviera nao sao na sua mxima
cathollcas, senao pelas predilecc5es das familias
reinante?. Um terco do prlmelro daquelies estados,
eduas quintas partes do segundo, recosam toda a
submissio espiritual ou temporal a' santa s.
Em segundo logar o catnolielsmo compe-se nao
de estado, xas de dioce*es. N'utn congresso, os
atbolicos da Rossia e da-Allemanba, da Inglater-
ra, da America, nao seriam representados. Em vir-
tuie da sua posicio de prtocipe, o chete da igreja
ba trezentos annos nm padre Italiano, cereado e
influenciado pelos italianos.
Compreheode se fcilmente que os ultramonta-
nos fraocezes pecam em alus gritos, em nome da
liberdade da igreja, qoe o reino da Italia seja ex
cluido de Roma. Mas o qne excede a compreben*
sao, que o resto do mando catbolico se submette
a' palavra de ordena dos ultramontanos fraacezes.
Dizem el es : o poder temporal necessario para
assegnrar o poder espiritual. U papa nao ple ser
padre sem ser re i. Collocae o sob a influencia do
rei de Italia, e entao comega um novo captlvelro
de Babylonia.
Todo islo pede ser verdade; mas nao vemos
era que impota aos calbolicos alemes, inglezes
ou americanos, que o papa esteja sob a Influencia
franceza, em vez de estar sob a influencia italiana.
Nao pois para admirar qae as potencias catbo-
licas, como sao a Au>tna, Portugal, Blgica, te,
reeu-i-m auxiliar a Franca a manter um systema,
que reverte em seu exclusivo proveito.
Come poleocia puramente temporal; o papado
tem pooca importancia para os bomens polticos.
O qoe para surpreheoder, a cegaeira e a apa-
tbia dos calbolicos. Fallam da propriedade com-
mum dos fiis, e abandonara n'o a' desordem ita-
liana, ou a' supremaca da Franca. O que se cha-
ma s iberaoia do papa sao o captiveiro da igrejt;
isto que nos parece evidente depois da voila a'
Homa deam seguodo exercito de occapaco.
Hospitaes e quartels brasilelros.
Recordamos a grita qoe levantavam algans pe-
ridicos movidos por um odio syslematico, inqua-
lificavel, vul^arissimo contra os estabelecimeatos
occopados pela tropa brasileira, e sobretudo dos
bospitaes, d'oade diziatn ellas, qae partiam todas as
eolermidades que darante o vero ameagaram e
atacaram como nos ameacam e atacam desde al-
guns annos.
Preveado qae algum collega tomasse por pre-
texto para a mesma grita a approximacao do mez
de novembro, poca em que costumam a appare-
cer as eofermidai*es cutneas e urna ou outra fe-
bre de typo caracterstico cumprimos um dever
como vigilantes da imprensa e fomos percorrer os
bospitaes e qoarteis brasileros para disfarcada-
mente insneccionarmos a bygieoe desses lugares.
Podemos assegarar que tamo nos bospitaes como
nos qoarteis eocontra-se o maior asseio, e todo na
melnor ordem possivel.
A densa Hygaca poda passar por todos os esta-
belecimenius oceupaijs pela tropa e eofermos bra-
sileiros, sem correr o risco de manebar saas can-
didas sandalias, e sem ttpar o nariz delicado, co-
mo tal vez se vissa obngaia a fazer se livesse a
dasgraca de ir ter a certas eslabeiecimentos onde
se preg'a moita limpeza, e vive-se como em om
cbiqoeiro.
O ranctiO do soldado, asslm como a dieta do
doeote nada deixam a desejar ; sao abundantes,
saborosos, delicados e variados.
O quartel est sob a illaslrada direccao do com-
rainJaui) Heuriqae Augusto de Sepulveda Conra-
do e do andante alteres Candido de Azevedo Vlei-
ra, qae caldam rom o maior esmero da observan-
cia dos mais restrictos preceltos de hygiene.
A' testa do hospital est o major Laiz Antonio
Gaerrelro Drago, director interino, e a roopa esta
sob a guarda do sargento Jos Ferreira Ramos que
\o credores de bem merecidos elogios porque a
eltes deve-se estarem estarem estes estabelecimen-
tos (os bospitaes sao diversos) improvisados em pre-
dios qae, nao sendo construidos para tal fim, rivali-
zara com os mais bem arranja ds e asseiados.
O corpo medico, affavel e extremamente hatos-
niiario, contribae poderosamente para o estado ad-
mravel desta morada de dr onde o paciente en-
contra em qaem o dirige um amigo, no medico nm
piedosos, om sabio irmao, no pobre capachinb o
italiano, qae com elles partilha Jas penosas trelas,
nm soccorro esplrltoal e paternal consol.
Sentimos nao saber os nomos dos qoe nos acom-
panbaram com tanto cavalleirlsmo dorante a nossa
visita, para termos o gosto de publcalos asslm
como seotiraos nio pdennos entrar em mais de-
tallada descripcao.
Nao podemos sem embargo terminar esta resenba
sem observar qoe o ment recabe qaasi todo sobre
S. Exc o Sr. general Antonio Nones de Agotar,
*
qae vela incansavel para que nada falte aquel les
que o goveroo imperial confion aos seos cuidados.
S. Exc. v lado, todo examina pessoalmente e
no coDbecimeoto dos : eus entros deveres revela
ama amabllidade, om espirito activo qae sao dig-
nos de ser apernados como exemplo.
Com laes disposicdes, com taes ebefes, com laas
oflhues, os quarteis e bospitaes brasilelros, looga
de serem focos de iofecco, como calumniosamen-
te se atreviam a escrever, ba tempo, os insultado-
res por oficio e alarmistas por proflsso, podendo
chamarse modelos de saade, de ordem e de bu-
manidade.
(Nacin Argentina.)
PERNAMBUCO
REVISTA DIARIA
Foi ante booterri a cena pela primeira vt o
drama do joveo e talen1 oso Iliterato o Sr. Victoria*
no PalbaresUm drama do ssculo, a o nosso
publico fez justiea a essa joven iotelligencia ap-
plaudindo essa bella prodoco e a sea autor a qaem
cbamoa ao palco por duas vezes, saadaodoo nes^
sa occasio os Srs. Souta Pinto e Jiio Candido,
qoe recitaran) poesas, as qaaes mals tarde pabli-
caremos.
Como |*' aqni dissemos, o drama do Sr. Palba-
res, rico de pensamenlo?, de estylo e de lances
nimiamente bellos.
Foi no amago da socledade qae o Sr. Palbares
bascoo o assompto para o sea drama, qoe offerece
orna eloquente llco de moral a esses paes e tuto-
res desnaturados qne sacrificara seas Albos no al-
tar do onro incensado pela cubica, e a esses bo
mens sem coracao, qae cavara a ruina da socleda-
de pizando aos ps as lels da honra das familias,
em cojos santuarios esfolham as capellas das vir-
geos, e depois as abandonan) aos vendavaes da
desgraca em companbia dos froctos de amor ve-
dado.
Jallo de Oliveira, ama flor brasileira que terral-
nou seo desabrochar sob o co asol da Italia, o
protogonlsta do drama. Educado polo bario de
Flores na qoalidade de engaitado, esse pobre moco
amon lonco e apaiioaadamente D. Mara, sobrioba
daquelle; e o bario, carcter balxo e mesqainbo,
affastoa o de si enviando-o a' Europa, onde o adren
a' esmo.
_ Julio, de perigrioacao' em perigrinacao, foi ter
a' Italia e all servio como criado oa antes como
Albo a nm velbo fldalgo adoentado, qae morreado
legoa-lbe ama belfa fortuna.
Antes norm de partir Julio qnelmara no altar
do amor a corda de virgem de D. Maria, qne foi
me antes de ser esposa de Jorge de Aguiar.
O bario, em qaem domioava a sede de oaro,
obrigoa sua sobrioba a desposar Jorge de Aguiar,
obleado o consenlimeoto deste n'utn momento
de embriague!.
D. Mara, essa pobre e desgranada creatora, a
aobre victima da cubica do barao, curvoo se ao sea
destiao e foi malber de Jorge, mas s foi sua es-
posa no corpo porque a alma dera-a a Jallo, no
rosto de cajo Albo acbara allirio aos seas padeci-
mentos.
Dado o primeiro passo o bario nao trepidoo em
continuar na exteuco do plano que formara para
salvar sua casa das minas. Mancomooado com
Mauricio de Soma, robou ao jogo toda a fortuna
de Jorge, de qaem se clizia amigo o cyoico Mau-
ricio.
Jallo, de volta da Europa, appresentou-se em
casa do bario justamente na occasio em qoe este
dava o nltimo golpe na fortuna de Jorge, e assisiio
a scena ridicula que se passoa entre essa victima e
sen algoz.
Jorge vendo-se desgrajado, deseen al a lam a
tornon-se ladro.
Poaco depois de commeller o roano de om cofre,
vagueando elle tarde da nolte pelas ras, encon-
troose com Mauricio de Sooza qoe Sabia da casa
de Jallo, a quem acaba va de vender ornas cartas
de D. Maria dirigidas a' elle, por um cont de
ris; alacou o para roaba-lo, e aps ama peque-
a Iota foi ferido pelo pooba de Mauricio.
Jalio faz recoloer o desgracado assassioado a
sua casa, e ajuda-o a morrer tendo o coidado pre-
vio de se informar do nome do assassioo.
Abrlodo o cofre qne trazia Jorge, Julio acba
nelle um bllbete de malber, assignadoCarolina
Amalia, oo qual 14 que essa infeliz fdra eoganada
e sedozida por um bomem, que nio nomela, e
abandonada sendo ja' mi de um filbo a quem d-
ra o come de Julio.
Um relmpago illamina as irevas de sea nasci-
mento ; Jalio abala o cadver de Jorge para qae
Ibe diga a' qaem roabra aquello eofre, mas da
mudez da morte nada obleve.
O barao, a cbamado de Jallo, vem a' casa deste,
sabe do occorrido, e manda entregar o cadver
polica. Vendo o cofre o bario estremece e interro-
ga Jalio, mas este nada Ibe diz porque nada sabe,
e o bilbete de Carolina Amelia ja' se nio acbava
no cofre.
H j da immediato Jalio andando com a polica
no encale-) de Mauricio de Sooza, eoeontra-o em
casa do bario na occasio em que commetlla um
aovo crime. O bario eutrira no gabinete para ir
buscar dinheiro qce Ibe pedir Mauricio para fu
gir, e este temeodo qae elle nao fosse bastante ge-
neroso foi atcalo ao gabinete.
Sob a influencia da lgica de fogo de om revol-
ver, Jorge, qoe nio tem animo para cravar no pe-
to o ponhal com qae minlos ames ameacra o ba-
rio, entregase a' polica e vai para a priso.
Viava e sem ter mal o pbaotasma de om
marido que se interponte entre Jalio e o sea cor-
po, D. Mara aceita a ollera da mi do escolhido
de sea corado.
Julio dirgese ao bario e pede Ibe D. Mara em
casameoto ; o bario, porm, revolta-se e declara-
Iba qae nio coasenie na noiao de soa sobrioba
eom um eogettado. Jalio nio desanima, deflne-lhe
o qoe o engeitado e conclae provando-lbe qae elle
sea pal- O bario porm s o er depois qoe l o
bilhete de Carolioa Amelia qae elle guardara.
Eolio o bario qaer abracar o filbo, este porm
repelle-o e nega-ibe o direfto de dar esse doce e
temo nome ao eogeitado Jalio de u iveira.
Nesse enireqoanto um criado da' o alarma no
palacio do bario de qae lavra um ioceodio nos
aposentos internos ; Jallo faz sabir os moradores, e
o bario, exasperado por se ver arruinado, pois
qoeimira-se o gabinete em qae gaardava toda a
soa fortuna qoe eonservava em moeda, atira-se so-
bre urna eadeira blasfemando em delirio. Cba
mado, porm, a' razio, elle procura recooeiliar-se
eom o iho a cojos ps se ajoelha e ebora lagri-
mas bemdiias, qae Ibe restitaem o sen amor e a
paz do coracao de qne necessllava o verdugo de
Carolina Amelia.
Depois dislo natural a anuo de Jalio e de D.
Maria.
E' este o enredo do drama do Sr. Palbares, ao
qual dea elle cores mol liadas e variadas, ornando
a Imgoagem de flores odorferas e os pensrnoslos
de lindas imageas.
O drama dmde-se em qnatro actos, cada nm dos
qoaos se subdivide em mollas aceas cheias sen-
pre da vida, de belleza e de laoces puramente dra-
mticos.
A execaeio do drama correa bem, peritamen-
te bem, por parla dos Srs. Lisboa, ao papel de
Mauricio de Sooza ; Peregrino no de Julio d*Oii-
veira (protogonlsta); a dixeira no de Ignacio,
peronagem accessorio do drama grande ftcle
de cha e jaMaies parsita das secudadas.
t
O Sr. Tnornaz tambera desempenhoo bem o sen
papel de bario de Flores, assm como trabalboo
seffrivelmente (com indulgencia) a Sra. Julia no
de Olimpia, personagem pouco importante do dra-
ma, amiga de D, Maria.
Quanio, porm, a' Sra. Aotoma Macedo e ao Sr.
W acedo, torga coofessarmos qae nos nio agradoa
e sen trabalbo.
O aotor, estamos disso convencidos, nio escre-
veu e delioeoa D. Mara tal como no-la den a Sra.
Anlola Macedo, e nem lio poaco imagiooo a des-
crevea o Jorge de Aguiar que o Sr. Macada repre-
senten. >
Os esposos Macedo, ja' aqai dissemos e repeti-
mos, sao boos ai usas embora o defeilo da falla ;
por uso nos admirou o sea trabalbo de domiogo,
que reveloa poaco estado do drama a do carcter
das personagens que tiobam de representar.
Ao nosso amigo o Sr. Palbares damos ns nossos
emboras pelo sen triumpho, bem como nos felici-
tamos com o uoseo publico pela obtensio de ma
ama flor para a nossa i literatura patria.
Receberam-se honiem a nila em casamento
o Sr. D. Luii de Sooza da Silveira a a Exma. Sra.
D. Ermelinda Aognsta de Oliveira, em oratorio
particular, precedendo as competentes 11 cencas.
Foram testemaobas o Sr. Dr. Maooel de Figueira
Farla e soa seabora, a o Sr. Justino Jos de Sooza
Campos e soa senbora.
Escapoo-nos boatem na noticia qoe demos
sobre o incendio dos armazens dos Srs. Adriano,
Castro & c, o nome do Sr. Jos Pedro de Castro,
que esferconse bastante m salvamento dos objec-
tos de mais valor daqoelies armazens.
No primeiro quarleirio do tereeiro distrieto
policial do termo da E cada, no dia 25 do passado,
tol espaneado o inspector de qaarteirio Jo.- Felt
ciaoo da Silva, por ama patrniba de guardas na
ciooaes, coramaodada pelo tensle Emilio Perelra
de Aojo e alferes Flix Pereira de Araojo.
Tendo seguido para a corte o Sr. Alexandre
Bel mar, agente da Associacao Protectora das Pa
milias, ficoc encarregado da agencia o Sr. N. P.
de Vidal, a roa do Ltvramento n. 19, primeiro ao
dar.
D. Cindida Kosa Pereira de Lyra e o Sr. Ma
noel Candido Pereira de Lyra, professores prima
nos de Correales, offereceram 10 por cenio de
seas vencimeotos para as despezas da guerra a
cont ir do 1* de novembro nltimo.
Na publicarlo da eleicio da festa de Nossa
Senbora do Carmo, do fronte ro de 20 do passado, escapou de ser publicado o
nome do Sr. Bento Maooel de Castro Amara!, pro-
curador da mesma.
Tenlo ebegado os premios conferidos pelo
jary-geral da nossa segunda expislcao oaeiooal
aos expositores desta provincia, all derem estes
mandarem recebe-los.
As pessoas qoe se acbam nesie caso, sao as se-
guales:
Antonio Javencio Pires FalcSo.Medalba de
bronze.
Antonio Pes de Mello Brrelo.dem.
Antonio Maria de Brilo.Mensio bonrosa.
Antonio Raymundo Paes de Mello.dem.
Aospicio Antonio de Abreu Guimaries.Meda-
Iha de bronze.
Alexanire dos Santos Barros. Mensio hoorosi.
Baribolomeu Fraaetaoo.de Souza & CMedalba
de bronze.
Claix & Gasse.Mensio"hoarosa.
Teneote-coronel Coriolano Velloso da Silveira.
Mensao bonrosa.
Candido Jos de Ges Flix.Medalha de bronze.
Custodio Looguinno Braga.dem.
Inspector do arseaal de marinba.Mensio bon-
rosa.
Domelviro de Castro Fonseca.dem.
Delouche & Gadaut.dem.
Frederico de Souza Gomes.dem.
Francisco Jos dos Passos GaimarSes. dem.
F. H. Carlos.Medalba de bronze.
Francisco Gomes de Figueiredo.Mensio bon-
rosa.
H. C. de Paula Mooteiro.Medalba de bronze.
G. Ferreira Gomes.Mensio honrosa.
Joo do Amaral Raposo.Mensao Honrosa.
Teoente-cornoel Jos Flix da Cmara Piraen
le.Medalha de oaro e de bronze.
Jayme Eneas Gomes da Silva.Mensao bonrosa.
J. Ferreira Villela.dem.
>- de Moraes Gomes Ferreira.Medalba de
bronze.
Len Cbapelin.Mensao honrosa.
Dr. LoareocoBezerraCameiroda Cooba.Ideo.
Dvlo de Souta e Silva.Medalba de prata.
Laiz Antonio Goncalves Penca & C dem
Manoel Marques de Oliveira & Cdem.
Meuroo & CMensio honrosa.
Manoel Francisco da Costa & Cdem.
Dr. Ramaog dem.
Casa dos exposlos.dem especial.
Colleglo dos orpbaos.dem.
Casa de detencao.dem.
O Sr. Dr. Francisco Amynlhas de Carvalbo
Mour.;, admioistradordo consalado provincial, aca-
ba de ceder 25 por cenlo de sea ordenado para as
urgencias do estado, na presente situacSo da guerra
do dsz com o Paraguay.
E om acto de patriotismo, que faz o elogio dos
seotmentos generosos de S. S., e do sea amor pelo
paiz de que Albo.
A companhia de segaros Utiliiude Publica,
paga o sea dcimo qoarto dividendo na razio de
oi#000 por accio.
O Novo Banco de Pernambuco em sna liqui-
darlo satisfaz aos respectivos accionistas o 3* divi-
dendo, oa razio de 10 */ por accio.
Este eslabeleclmento ja' tem realisado por
cento nestes dividendos, qae ha felto.
O Sr. lente Francisco Xavier Rodrigues de
Miranda, foi nomeado recruladcr do termo do Brejo.
Pela presidencia foi declarado Ilegal o pro-
cedimento do com mandante superior da guarda na-
cional de Cabrob, saspendeodo ao t nente-coronel
commandante do batalhio n. 48 da guarda nacio-
nal daquelle municipio, visto nao competir tal at-
inbuicao se nao ao goveroo imperial, oa aos presi-
dentes de provincia, em face do art. 63 da lei o.
602 de 19 de setembro de 1859, eabendo aos com-
maodantes superiores apenas solicitar da presiden-
cia a applicacio de tal medida, conforme o 18 do
art. 1 do decreto o. 1354, qaando for ella neces-
saria.
1-to poste, foi determinado ao referido teneote-
coronel, qae contiaaasse no exercicio do commanib
do sen ba tal bao.
Fizeram actos no dia 3 de dezembro na Fa*
cuidado de Direitoossegolntes senbores :
5* anno.
Bartbolomeu Teixera Palba, plenamente.
Mieuel Peizoto de Vasconcelos, dem.
Benedicto Raymando da Silva, dem.
Getalio Moreira de Castro Lima, dem.
Lista dos esludantes chamados a exame de
pbilosopbia no da 27 de novembro :
Plenamente....... 3
Simple-mente..... 7
Reprovados....... 2
i!
Lista dos es'adantes de geograpbia cbamado;
a exame no da 27 do coi rente :
Plenamente...... 7
Simplesrueuie 4
Reprovados.
12
Lista dos estudantes chamados a exame de
latim no dia 29 de oovembre :
Plenamente.......22
Simplesmente,
8
30
h.
Geograpbia no dia 29 de novembro :
Plenamente....... 5
Smplesmeote..... 10
Reprovados....... i
17
Phllosopbia no dia 29 de novembro :
Plenamente........ 8
Simplesment..... 8.
Reprovados....... 4
i
Lailm ou dia 30 de novembro :
Plenamente........22
Simplesment..:... 4
. Reprovados....... 4
30
Rbetorlca no dia 30 de novembro :
Plenamente...... 10
Simplesment...... 8
Reprovados........ 9
27
Tendo tranferido sna residencia para Cma-
ro, o tente do batalhio o. 23 de ofantaria da
guarda nacional de Sanio Aotio, Francisco de
Paula Bezerra Cavaicant, foi-lbe concedida passa-
gem para o respectivo batalhio.
Sob proposta de Sr. commandante do ba-
talhio de iofantaria do Recife, foram nomeados :
Alferes secretario Francisco da Rocha Passos
Los.
1' companbia.Alferes Joo Capistrano da Oli-
veira.
2* dita.-Alferes Miguel Jos da Molla eJoSo
Leopoldo do Reg Villar.
5* ditaAlferes Jos Vital de Negreiro.
7* dila.Capilao Allomo Jos Alves de Brito.
8' dita.Alferes Vicente Teixeira Coimbra.
Sobre as machinas para o (ratamente do al-
godo, offerecemes aos plantadores as seguntes
eonsldan$des eaotorisadas informarles:
O deearoeo por assim dizer, o eomplemenlo
da eultnra, e o modo por qoe elle se faz loflae coa-
slderavelmeate na qualidade do producto. Urna
boa desearocadora deve deixar a felpa intacta, e
por demais sabido qae nio isto o qae saccede
com os suwgins empregados pelos nossos fazen-
dairos.
A galera das machinas na exposicio foi menos
rica, do qoe se cria, em n achinas deste genero, e
isto prvelo, sem davida, de considerarse o pro-
blema como qnasl resolvido pelas descargadoras
do typo Macarthy.
As machinas deste genero construidas pela casa
Plan pareceram aos commlssa/io? brasilelros as
alt.bem combinadas e as mais efficazes.
As machina? ja assignaladas em 1862 s8o mnito
simples e coosisiem no eotralhe de urna folha de
faca, applicada a um cylindro forrado de borracha,
no qual ha sirias poaco profundas.
A fiara aperlada entre a folha da faca e o cy-
lindro, e brandament < separada do caroco, qaasi
como o poderia ser pelo movimento dos dedos pol-
legar a indicador.
Estas machinas de pouco cnsto (de 13 a 16 S),
que pesara 20 arrobas qoaodo moito, e sio facis
de transportar, apenas oemandam ama forga de
2/3 de cavaiio vapor ; e dio por hora 15 a 35 ki-
logrammas de aigodo linpo, isto i a 2/3 arro-
bas.
Estes algarismos referem-se aos aliiod5es das
lodias (1 arroba por hora), do Egypto (1 1/2) e da
Georgia (2 1/i), mas vio fazer-se experiencias com
os algodCes brasiieiros para formar se orna idea
exacta do trabalbo desta machina com os nossos
prodactos.
No entretanto, esta oacbloa parece nao deixar
nada a desejar no qae respeila a' pareza ; todos as
Obras sahem limpas e Bcara intactas, qaando o ap-
parelboesla' convenientemente regulado.
B* ama gloria para o Brasil ler contribuido
com a ana boa e larga parte para preeocher o la
mentavel dficit qae se fez sentir ni prodaccio do
algodio que e torooa iodispeosavel os economa
das sociedades modernas; e o jury ioteroaciooai
da exposicio recoobecea com um brilbante teste-
maoQo, o mrito dos exforcos tio iatellgentes
qoio vigorosos dos nossos f ciise.
O Brasil foi o primeiro proposto e aceito para
om dos graodes premios excepciooaes conferidos
pelo jory a' cuitara do aigodo
O Egypto e a India inglesa s depois delle qae
obiiveram ama recompensa igual.
O nosso paiz acbon, alm disso, nos proprios re-
sallados do seu trabalbo urna recompensa de valor
infinitamente malte mais elevado, consistente pa
importaocia econmica tio ceosideravel desta cul-
tura, acceesivtI a' pequea propriedade, possivel e
mesoao facH com os trabalhadores livres, e de um
deseovolvimento tio rpido qae pede abraager
qaasi immediatamente ama superficie immensa,
as provincias onde era anda ba pouco desco-
oheeida, o dar ama aoimacao inslita a algaos pe-
queas portos, menos qae secundarios, das nossas
provincias do norte.
De nm algarlsmo qoasi ioslgolflcaote, a exporta-
cao do nosso aigodo elevoo-se durante o exerei-
co de 1863 a 1866 a'qoanlidade de 2,870,860 ar-
robas, segando o relatorio do ministro da fazeoda.
Lotera.A qoe se acba 1 venda
a 47/, a beneficio da matriz do Ouricury,
que correr qaando se annuDciar.
RiPABTigAO da polica__Kxtrato das parles
dos das 1, 2 e 3 de dezembro de 1867.
Foram reeolbides a' casa de detencao no dia 30
de novembro:
A* ordem do Ur. delegado da capital, Pedro, es-
cravo de Casimiro Lacio forge, por fagido. A'
ordem do subdelegado de Santo Antonio, Clemente,
escravo de Jos Francisco Ribeiro Machado,- para
correecio. A' ordem do da Boa-vista, Luisa Mara
Cltadioa, para correecio. A' ordem do do Peres,
ifi-ievao Jos da Luz, por crime de tentativa de
uKirta.
I de dezembro
A' ordem do subdelegado de Santo Antonio, Ao-
na Mara do Espirito Santo e Mara Genoveva da
ConoHeao, para correecio. A' ordem do de S.
Jo.-, Maooel, escravo de Genoveva Correa de
Araojo, para averiguarles em crime de morte.
A' ordem do Illra. Sr. Dr. ebefe de polica, Vi-
cente, escravo de cooego Manoel Tbomax de Oh-
vetraf* dlsposicio deste.
O che fe da 2- seecio
1. 6. de Mesguita.
Passageiros rio vapor nacional Mamanguape,
vindt do Rio Formoso :
Gabriel Aoteaio, Joao Fernandos Vianna, Joio
da Deas Mooteiro, Funcisco G. da Silva e sna se-
abita, Manoel F. do Nascimeota, Antonio Francis
ca dns Cbagas, James W. Sprat, J. Costodio.
Movimeoto do hospital Portugus no mez de
novembro de 1867:
Fatleceram, de dysenteria I, bydropecardite
bepatite 1.
I.
3
M
5
>
o
a
00
o
Masculino. J g
Feminino
Masculino.
Feminino.
Masculino.
m 1 -
I-
Frmini'no.
M
en
g
<
O
-I s
Masculino.
Feminino.

OS
Masculino.
Si -
e
s
Feminino.
I
TOTAL.
2.

a
2.
3
SS
I
3
vi
ADVERTENCIA.
Na tolidade dos doentes exlstem 188 ; sendo, 103
bomens, 85 molberes.
Foram visitadas as enfermarlas :
As 6, 7 1|4, 6 1|2,6, 6, 6, 6 1|2, pelo Dr. Ramos.
As 10,8, II, 10,11, U, pelo Dr. Sarment.
Fallecern):
Aoastacio Joio de Carvalbo, gastro bepatlle ebro-
nica.
Maooel Fernaodes, bepalite.
Maria Deloa da Conceicio, tubrculos pulmo-
nares.
do dia 30 de
Santo Antonio;
10 an-
ea
be-
cemiterio pcbuco.Obituario
novembro de 1867.
Frankn, Pernambuco, 6 annos,
febre perniciosa.
Joao Sevenno dos Prazeres, Pernambneo,
nos, Saoto Antonio ; desynterla aguda.
Mana Francisca do Amor Divino, Pernambuco,
annos, viuva, S. Jos ; Interite.
Laiza, Pernambuco, 6 mezes, Santo Antonio
xigas.
Serapbim, Pernambuco, 20annos,escravo, S. Jos;
variolar.
Mana da Cencrtcio, Pernamboco, 100 annos, vio-
ya, Santo Antn io ; congestao cerebral.
Luiza, Pernambuco, 5 mezes, Saoto Antonio ; be-
patlle.
Candida Nones Correa, Pernambuco, 77 annos,
viuva, S de Olinda; inflammacio de intes
tinos.
Jos, frica, 80 annos, escravo, Boa-Vista; as
ib ma.
Francisco, Pernamboco, 8 mezes, Bja-Vista ;
vnlsoes.
I IBM as
Joaquina do- Santos Abren; appellado, Maooel Fe-
liz de Oliveira Lima. Appellaoie, Joio Ferreira de
Carvalbo; appellado, Joio Pellope da Cnnaa Ban-
deira de Mello. Appellaoie, a Santa Casa da Mi-
sericordia ; appellado, Candido Jos da Silva Gai<
maraes.
Ao Sr. desembargador Almelda Albuquer-
qoe.-Appellacio eivel: appellaot*, Jos Olympio
Mana de 8eixas Bargas; appellada, Marta da
Conceigio Gomes Maris.
Do Sr. desembargador Lourenco Santiago ao Sr.
desembargador Almeida Albuqoerque.Appella-
cao crime: appellaote,ojoizo; appellado, Themo-
teo Jos do Espirito-Santo. Appellacoes civeis: ap
pedante, Pedro Pereira Jnior; appellado, Antonio
Manoel de Jesns. Appellaote, Antonio de Siqoeira
Cavalcante; appellado, Virginio B. da Silva.
Do Sr. desembargador Almelda Aibaquerqne ao
Sr.desembargador Mota.Appellacoes civeis : ap-
pellaote, Jos Jeronym) de Albaqnerqne; appella-
do, Francisco de Oliveira Lima. Appollaote, o con-
sol portaguex; appellaJo, Antonio Alves de Miran-
da Guimaraes. Appellicio crime: apoellante, An-
tonio Jorge dos Santos; appellado, Vicente Beto-
ton.
Do Sr. desembargador Moita ao Sr. desembarga-
dor Assls.Appellacoeseiveis: appellaote, Joaqun)
Jos de Oliveira Apolim; appellado, Maooel da Cos-
ta Mooteiro. Appellaote, Manoel do Reg Barros
Sooza Leio; appellad ; Francisco Bapllsta de Al-
meida.
Do Sr. desembargador Domingoes da Silva ao Sr.
desembargador Ucboa Cavalcante.-Appellacio ei-
vel : appellaote, Manoel de Almeida Lopes; appel-
lado, Manoel Frmino Ferreira. Appellacio cri-
me: appellante, Joio Ferreira da Souta; appellada,
a justiea.
Ao Sr. desembargador Gitlrana. Aopellacio
cvel: appellante, Joio Paes Barrete de Laeerda;
appellaoo, Manoel Ignacio de Albuquerque Mara-
nbo.
Do Sr. deseraDargador (Jcboa Cavalcante ao Sr.
desembargador SonzaLeao__App4llacds crimes:
appellante, Antonio Joaqoim de Meodooca; appel-
lado, o joizo. Appellante, o joizo; appellado, Joo
Cleroentine Freir. Appellaote, o joizo; appellado,
Jos Vicente Ferreira. Appellantes, o joizo e Joa-
qoim Alves Lima Verde; appellado, o joizo e Luir.
de Francia favila. Appellacio civel: appellante,
padre Jos Paolioo da Silva Mooteiro; appellado,
Antonio Andr Cavalcante e Albaqoerqoe.
Do Sr. desembargador Assls ao Sr. desembarga-
dor Domlnnoesda Silva.Appellacoes crimes: ap-
pellante, Clandino Macis de Carvalbo; appellado,
ojoi.o. Appellante, o joizo; appellado, Hercalano
Jos do Nascimeoto. Appellacio civel: appellan-
te, Rosa por sea carador; appellada, Marinba
Amalia da Silva.
Do Sr. desembargador Sooza Leio ao Sr. desem-
bargador Santiago.Appellacoes crimes: appellan-
te, Francisco Avila de Meodooca; appellado o jui-
zo. Appellaote, Francisco Joaqoim de Oliveira;
appellado, e jaizo.
Eacerroa-se a sessio as 2 boras da tarde.
li-
con-
CliROMCA JUDICUim.
XftlB.WL DA HELACO
SESSAO DE 30 DE NOVEMBRO DE 1867
FRESIDBNCU DO EXM. SR. C0NSKLHE1R0 SOUZA.
As 10 boras da machia, presentes os Srs. desem-
bargadores Santiago, Gitirana, Guerra procurador
da corda, Lourenco Santiago, Almeida Albuqaerqae,
Mona, assis, Domiogaes da Silva, Ucboa Cavalcan-
te e Souza Leao, abrio-se a sessio.
Passados os feilos deram-se os seguntes jalga-
mentos:
Qaeixa de Clemeolino de Ges Nogoeira centra
ojuizdedireito Joio Quirino Hodrlgues da Silva,
sorliados os desembargadoras Molla, Domiogaes da
Silva e Assi9, sendo relator o Sr. desembargador
Santiago. Uaodou-se proceder a inquirido das
testemunhas.
recurso commercial.Reccorreote, o joizo; rec-
corridos, Jos Joaquim Gomes da Silva A CRela-
tor o Sr. desembargador Ucboa Cavalcante, sortia-
dos os Srs. desembargadores Looreoco Santiago,
Gitlrana e A. Albuquerque.Improcedente.
appkllacobs ci aisAppellante, D. Isabel de
Miranda Leal Seve; appellada, a fazeoda.Refor-
mada a senteoca- Appellante, Maooel das Neves;
appellada, Belarmioa Maria dos Res.Continuada
s senteoca. Appellante, Manoel Bezerra Guedes;
appellada, D. Cosraa Maria do Espirito-Santo__Con-
firmada a senteoca. Appe lante, Mariano da Silva
Queirz; appellado, Joaquim Igoacio Ribeiro.Des-
presados os embargos. Appellaote, Dr. Laiz Jos
Correa de S; appellados, os menores Aooa e Fran-
cisco.-Despresados os embargos. Appellante, D.
Mariana Francisca de Paula Cavalcante Maranhio;
appellado, Jo^ Francisco Accioli Los.Despresa-
dos os embargos. Appellante, Joio Francisco Al-
ves da Silva; appellado, o pardo Antonio.Despre-
sados os embargos. Appellante, Antonio Pinto de
Barros; appellado, Francisco Geraldo Moreira Tem-
poral.Confirmada a sentenca com deelaraco. Ap-
pellante, Jos Alves Barbosa; appellada, D.Eogracia
do Amparo sania Rosa.Despresados os embar-
gos.
Assigooa-se dia para jalgamentos dos segaiotes
feilos :
appellacoes crimes.Appellante, Alexandre de
Barros Arraes; appellado, Alexandre Ferreira de
Sena. Appellantes, o juizo e Antonio de Santiago
Guimaraes; appellados, o juizo a Joia Alves
Prado.
appbllacao civel.Appellante, Joio Laiz Fer-
reira Ribeiro; appellado, Joio Marques Fernn-
des.
dligencia chime.Cora vista ao Sr. desembar-
gador promotor da justiea.Appellante, o promo-
tor; appellado, Antonio Cardoso de Arfada Cma-
ra. Appellante, o juizo; appellado, Manoel Fran-
cisco da Silva. Appellante, o juno; appellado,
Antio Bezerra de Araojo.
PASSAGEM.
Do Sr. desembargador Santiago ao Sr. desem-
bargador GitiranaAppellacoes civeis: appellan-
te, Jos Paulino liooholix; appellado, Joao Antonio
do Amaral. Appellante, a Irmandade de Santa Hu-
ta; appellada, a irmandade do Saniissimo Sacra-
mento. Appellacio crime : appellante, o promo-
tor; appellado, Jos Firmino Teixeira Caval-
cante.
Do Sr. desembargador Gitirana ao Sr. desemt ar-
gador Lourenco Santiago.Appellacio crime: ap-
pellante, o promotor; appellado, Manoel de Freitas
Nogoeira.
i io Sr. desembargador Guerra ao Sr. desembar-
NOVO UNCO DE PERNAMBUCO.
Balaaco do Noto Raneo de Pernambaco, (em
qaidaclo) 30 de novembro de 1867.
activo.
Apolices da divida publica........ 174:600,5000
Estrada de ferro da Baha........ 131:0745706
Ttulos depositados...... 43:845*550
Letras descontadas..... 40:9034314
Letras protestadas.....237:785^181
Remessas...................... 10:000*000
Francisco de Flguelredo & C, do
Rio de Janeiro................ 571*642
Fornecimento....... 5:000*000
Aluguel de casa...... 233*320
Juros.......................... 17i*575
Desjiezas geraes....... 6:787*273
Caixa.......................... 276:283*600
Reis.... 927:259*171
FASS1VO.
Capital..............
Emissio.....................
Contas correntes com juros
Coatas correntes simples.
576:79**000
20:400*000
61:456*157
5:7323024
Fundo de reserva...... 112:953*473
ritulosem caucao
Knowlcs & l'os'ter, (Je Londres.i
Banco da Bahia S/C .
Banco Mercantil Portaeose.......
Saques..........................
Mascas fallidas cargo do Banco.
Dividendos........
Oescontos........................
43:845*350
15*270
21:482*997
390*070
56:804*733
7:628*995
4:189*200
13:566*702
Ris. 927:239*471
Estad* da caixa.
Bm ouro amoedado............. 10:224*700
Km notas do thesouro de 10*. 10:7404000
Em ditas menores............. 4:892*000
Bm ditas da caixa filial do Ban-
co do Brasil................. 230:210*000
Bm ;raUe cobre............. 218*900
Ris 276:285*600
Demonstraco da emissio.
48 notas do valor de 200*000
78
60
100*000
50*000
Ris.
9:600*000
7:800*000
3:000*000
20:400*000
S. E. & 0-
0 guarda livres,
Francisco Joaaum Pereira Pinto.
Publicacdes a pedido
Ha ja' 5 annos qae troaxe miaba malber a esta
praca aflm de fazer orna operagao de cataratas em
ambos os olbos de qae soffria avia dons aonos ;
procure! o Illra. Sr. Dr. Cosme de Sa' Pereira para
este lio diffleil e delicado ttabalbo.
O estado em qae entioseachava mloba malher
qaasi sem ver cousa algoma, absolutamente priva-
da do servico domestico de soa casa, irazia-me da
continuo contristado e ebeio de apprebensdes.
Foi ella sobmetllda ao tratameolo ; e bem se po-
de avaliar o grao de arrebatamento em qne fiqaei,
qa<->ndo, 32 mnalos depois de feta a operario vi
q i! minha mulber se acbava ra&tituida de ama de
saas mais apreciaveis facuidades. Pan-ceu-me nm
sotbo; mas nao: era ama realidade I 22 das pas-
sados tambera me assegoravam a efflcacia do cura-
tivo, e nem deveria en dnvidar mais do seu com-
pleto restabelecimeoto. Diziam me porm alga-
mas pessoas que bem poda succeder qae no cor-
rer dos sanos miaba molber voltasse ao sen ao-
ligo estalo, tal receio porm desappareceo por qoe
ennerga perfelamente, fasendo apenas oso da oc-
colos para objectos ao longe, oa maito pequeos
trabalbo de
ao perto, bem como para algum trabalbo de soa
gador Looreoco Saniiago.ippeUa^Seseveis: ap-! dlstracio ( como ara feito por ella e qae esta' em
pellaote, Manoel Cesar Falcio: appe'*0'0. Antonio poder do Sr. Ur. Sa' Pereira.)
Leitto Vielra de Mello. Appeluije, MAooel Barbo-1 Venho. pois, dar sciencia do resoltado de ara ca-
Isa da Silva; appellado, FeliriaooTJoaqoim dos San- rativo qoe deve interessar em gerai. Mea Bm nio
tos. Appellaote, Manoel Geraldo Montetro; sppel-, recorameudar o Sr. Br. CoEra, por que, como sa
lato, Joao de S Cavalcante. Appallaole, Maria (abe, om raeqlco bem ceqbecido nesta prcviada.
i Mlm
f4t





p*
*^*w
IVHMI^^HHB^HHH
mbshmmi
a
-J
R.T38I 3tt ffM3l3 1131 TU
__
lirio de FMMheo t,narU Wj 4 de Dezembro de 18C7,

a fra d'alla por sua lllastragio e pratea ; seria
por 4e aais desneceesario qotlquer elogio que eu
qaliene tecer-lhe ; pi,A meu Um o qae levo di-
to ; agradecer-lhe as mapeiras delicadas e^ pericia
eom "qae traten micha molbr tambero bao, por
3 feito per mals de nma ver, assegaran'
o-lbe a roloba eterna gratidio ; reitero Iba apenas
a minba solicita estima, fazendo votos para qae o
sea talento e proflsso sejam apreciados eom Tan-
tagem, conforme o fot esta ves.
Engenbo Pereirinha 2 de deiembro de 1867.
Felippe & Altes Perreira.
I nwnuiv*** ------------------
eom agua como meio agradavel para, enxa-
goar a bocea e alvejar os (lentes, e analmen-
te como tita eicettent e admiraval meio ca-
ratlvo em todos os casos de nerypsidade,
desmaios,, verfigens e ataques esteheo, m
si ella merece um nome de atera medica,
assim como em oceupar um lagar indispen-
savel sobre o toocador. Afim de se evitar
o desgosto de se comprar um genero He in-
ferior qualidade, nada mais se precisa fazer
do qae perguntar-se pelaAgua, Florida de
Murray & Lanman.
Ach-se de venda em casa de A. Caors,
de J. da C. Bravo & C. eP. Manror.
COMMEaCIO.
Has urna perda senslvel.
A patria acaba de perder am de seos mals es-
toreados lidadores, e a Babia om dos seas mais
distiuctos filbos I o bravo e lalelligente teaente-
coronel commandante do 38* de volootarios Lan-
dolpbo da Rocha Medrado aeaba de expirar oo
ultimo combale de Tuyuy, victima de tanto de-
nodo I Tanta bravura e patriotismo devia Andar-
se nesse eampo boje convertido em eemiterio da
nossos betoes, e cojas ossadas jazem descoberlas
pelo fro sopro do pampeiro, qoe rt se do despreso
em qoe temos as reliquias do nosso ezercilo...
A soa murte era esperada, porque elle a quera
e presiglava. Um da abragando-me sobre essa
mesma sepultara qoe o cobre disse-me:
c A patria vae abysmar-se; preciso qae nos
sacrifiquemos e ea voa morrer por ella 1...
Ja era coobecido de todo exercito, e o visconde
de Porto-Alegre deposltava neile as suas maiores
esperanzas, e em ama ordam do da mandava que
todo o seu exercito o tomasse por modelo e a sa
batalbo. Pilbo da comarca do Rio do Contas
oavira os reclamos da patria, e orgaoisaadu um
eorpo viera eom elle offarecer-se ao goveruo. O
Sresidente de eolio por motivos polticos o
Imitte, entregando o eommaado a ouirem, quao-
do elle era o stu commaodante natural como le-
nente-coronel ebefe do estado-maior d'aquella lo-
calidade.
O sea patriotismo anda assim nao arrefece,
acrysola-se cada vez mais pela adversidade, em-
barca-so para a corte e abi oceultando nome e po-
slgo assenta praga no batalbo da eagenbelros
pre-tes a marchar, e nao fui setu grande costo qae
o arraacaram para eommaodar o batalbao 38 de
voluntarlos, a frente do quai morrera, o que bo-
je chora o seu disliacto chafe I
Ioscrevamos sobre sua sepultura estes versos
immortaes qae um poeta paulistano desfolbava so
bre a aemoria de sea (loado Irmio, Jjs Joaqaim
Landalpbo que tanto se bavia Ilustrado na im-
prensa e na trifcuoa em defesa da patria e da h-
nerdade, ltimos verbos que cahiram de seus la-
bios no momento supremo I..
De Jaalbos I ah jauto da cimpa
Beijai a trra que acoberta o bravo I
Modula o v -iti no cipreste am hymao
Foi bravo e forte, nunca foiescravo 1
M.reolino de Moura e Albuquerque.
' n'~?rjaBB*^rjravaKjnsBB9aaBB>*s>9i

Os abaixo acunados vem pelo presente dar um
poblieo lesioinoobo de sua profunda gratldo aos
seus generosos amigos, e a' todas aquellas pessxs
que se ibes de.tearam nos relevantes servigos pres-
tados por Qrxa6)aa do incendio em sea armazem da
roa da Cadeia o. 16.
Di mesma sirte agradecen} a' todas as autori-
dades publica- o* valiosos auxilios prestados na
mesma occasiao.
Adriano, Castro & C.
HUMA VIDA SALVA!
Nao temos conbecimento algum do nenhum
cago que tilo perfeitamente mostTe d'um ma-
n-ira a -.r.is <\ora e persuasiva o poder da '
Setnela ifediea sobre a molestia; qual seja o
de Antonio Joaquim PEitEtEA, da Babia.
Este liomem infeliz havia ciuis d'um anno que
soffria rs dorca as mais atrozes e pungentes
proveniente de
Troze
Tciiivcis Chagas Abertas
espalhaJas por sobre differentes partes de sen
corpo, sendo ama itas quaes sobre o peito do p
urna funda e ::.'ijna ch.-.ga, a qual o privar
de andar, eauzamio-iho as dores as mais agoni-
santee quer de da quer de noute; continuada-
mente atormentado por taes aftlicceg e dores,
e quasi que aborrecido da continuaran de aim-
ilhante vida, tendo posto de parte teda a i e
con fian co. cm medecinna, na rcalidade pareca
qo para elle nao lbo restara mais esperanca
lignina; assrm pois resignado esperava oeoi-
paciencia o termo final de seus mutipUcadoa
eoffrimentos, eis que milagrosamente por for-
tuna sua l'.ie receitarao o grande purificada
do sangue *.
A Salsaparrilha
DE BRISTOL
e mediante & sua grande eficacia e escellencia
elle se achou dentro do pouco tempo, livre da
fea irremediavel estado de desespero, e a dooe
rieonha esperanza tornou de novo i revivar
em sen coracao; sob a poderoza e benvola in-
fluencia deste admiravel medicamento, as snaa
ibagas em breve principiarao assumir um oa-
racter favoravel diminuindo o aspecto de sua
malignidade A masea do sangue e mais
humores do systema tornou adquirir urna
apparencia clara e saudavel, as dores ator-
mentadoras d'outro ora o deixarSo, e urna doce
s suave tranquillidade principios a precorrer
todo o aeu systema, restanrando-lhe a desejada
paz e socogo 'espirito; as cbagav urna ama
se foro fechando at que finabaiente se cica-
trizarao d'um todo, e boje acba-se perfeita-
mente sao, gosando d'um perfei'o estado de
aude, depois de se ter visto privado d'este
grande gozo durante mais d'um anno. Elle
dorante esta soa cura, aptuas fez uso de
Dc*am garrafas da' Genuina Salsaparrilha
d Brisiol, preparada exclusiramente por
LANMAN &KEMP
De NOVA YORK.
Recommenda-se mui particularmente aos
Doentee d'aiulx os sexos, qne empregnem
toda a cautella na escolha d'eete admiravel
remedio, afim que nao obtenbio ontra coin-
poeicao qualquer, qne nao seja a Salsaparril-
ba Genuina de Bristol, pola que todas ai
mais preparacr.es e imitacoes d'eBU natura
"^falaag nao possaindo. virtude algnma.
Asna Florida de Mnrrajr e
I.naraan.
Em virtade das senboras serem a precio-
sa porceilaaa do barro bumapo, por isso
mesmo ellas teeta todo o soberano direito
eleicSo de toda a especie de elegantes laxa-
ras, que a arte estimulada pela galantera
pode inventar. Entre todas as qae perten-
cem oa figuram no toucador nenhoma ha
que possa exceder em aromtica delicadeza
aquella cima mencionada no alto deste pa-
ragrapbo. Possuindo urna mimosa e deli
cadissima fragrancia sumtoameote u eagra-f
davel em varias formas, quer como afirmo-
seadora da compleicao, encllente misturada [


EM LIQUIDAClO
Novobanoo de Fernambuco
Os Srs. accionistas podem receber o 3.
dividendo (em moeda cor rente) de 40 o/o do
capital, assim como o 1. de 30 o/o, e o 2.
de 46 o/o, j annunciados.
Novo banco de Pemambuco
em liquidado
Os possoidores de notas da emisso do
banco qaeiram quanto antes apresental-as
ao troco.
ALFANDEGA.
aeudimeoto do da 3.............. 39:159$z3o
-----1t: b e=g=
Jfovimeoto da alfaodega.
Volumes sahidos eom fatendas... 241
a < gneros.... 1*9
------390
Volantes estrados eom fsieodas... 86
gneros.... 184
------70
Descarregam boje 4 de dezembro
Vapor iBglez-Cr/ti/o/ikmercadorlas.
Galera \n%\eu-HermiQne carvo. ^iii
Barca iog leaReyal Brideidam.
Urlgue InglezPara -dem.
Importaeo.
Vapor itglez Chrysolile, viudo de Liverpool e
Lisboa, maoifeston o segaiole :
6 caixas presuntos, 18 ditas cb, 4 ditas lencos,
1 dita alpaca, 51 fardos estopa, 39 ditos e 63 cai-
xas tecidos diversos, 50 barrls manteiga, 4 saceos
e pacotes amostras, ll gigos e 33 barricas loaga;
a ordem. ,
100 caitas fotba de Flandres, (00 fogarelros, 37
barrica-, 30 (eixes e 5 caixas ferraeeas, 10 barr*
oleo de Imbaca; a Voo Sbosten & G.
. 50 barr} maoTelga : a D. C. & C. C. Sirapson
4 c.
25 ditos dita ; a C. A. Sodr da Motta.
70 cestos nozes, 2 caixas e i barrica fractas; a J.
P. da Costa Soares.
20 caixas frucia, 30 ditas cera em velas, 1 dita
ercario ; a Thonm A. Fonseca 4 C.
- 30 ditas c-ra em velas, 3 ditas passa?, 3 ditas
ag, 15 harris toncinn, 15 ditos choari^os; a J.
J. Lima Btiro.
1 caira calcado ; a J. F. dos Santos Porto.
2 tardos fatendas ds algodio ; a E. R. Ra-
bello.
200 caixas ceblas; a Oliveira Filbos & C.
1 dita livros; a LailOacar & C.
10 ditas cojfc-ervas ; a Marque?, Barcos & C
3 ditis paisas; a Beroardiuo Aivel Perreira.
20 ditas ditas ; a J. J. Gongalves Beltrao.
2 ditas mas-a de tomates, 2 ditas frucias ; a Ha-
noel Moreira Ribeiro.
237 ditas passas; a T^sso Irmlos.
8 ditas carne ; a J o do Reg Lima.
2 ditos livros e papelo ; a Jos Nogaeira de
Sooxa.
2 caixas tecidos de algodio, 1 dita alpaca ; a
Mouhard, Melt?r & C.
3 barricas e 1 cana ferragens; a Shaw, HWkes
& C.
3 caixas e 3 fardos tecidos de algodo, 1 dito di-
tos de la, 1 caixa objectos diversos ; a Monteirotft
frmio.
5 di s t icidos de algodo ; a J. C O. Doyle.
15 a.tas e a fardos ditos : a Greemp Schwiod
&C.
i caixas conservas ; a K. W. Landon.
2 ditas tecidos de aigolo, 1 dita objectos para
escriptorio ; a Henri^ae $ Azevedo.
27 caixas e 12 fardos leciJo de liaba e algodo,
4 titos estopa ; a Carneiro & Nogaeira.
4 dit-s e S caixas tecidos de algodio ; a Joo
Fernandes Lopes.
47 ditas o 28 fardos ditos, 50barris manteiga ; a
Mills, Latbam & C.
3 fardos e 5 caixas tecidos de algodo ; a A. C
de Abren.
3 ditas ditos de algodo e linbo ; a D. P. Wild.
2 ditas cbapos de sol, 5 das tecidos de iinbo e
de algodo ; a L'nden Weidman & L\
38 caixas e 15 fardos tecidos de algodo e de li-
nho ; a Phipps Brothers & C.
32 caixas ditos ditos ; a Braga son & C.
. 3 Utas e 3 fardos ditas de algodo ; a A. F. de
Oliveira.
18 caixas ditos ditos; a Almson H wie & C.
3 caixas tecidos de algodo, 1 dita rinda-, 1 dita
allinetes ; a Alves Hamburger & C
47 fardos tecidos de algodo, 6 feixes cobre ; a
A. V. da Silva Barroca.
25 barricascerveja, 1 fardo tecidos de algodio;
a J. A. Toom.
2 barricas ferragens ; a Prente Vianna & C.
1 c ixa rendas; atto Bobres.
i pacote amostras ; a Tneo. Jast.
1 eaixa ebras de borracha-, a Lehmana freres.
1 dita qutijj?, 25 barris manteiga ; a A. Da
mooL i
50 caixas cha ; a Luiz Jos da Costa Amo-
rim.
6 ditas e 1 fardo tecidos de algoo ; a Mello Le-
bo &U.
15 caixas ditos ditos; a Joo A. de Araojo
&C.
4 ditas ditos ditos; a L. A. Siqaelra.
56 ditas ditos ditos, 1 dita ditos de linbo, 2 far-
dos ditos de la; a Ferreira di Matbeas.
2 ditos e 2 caixas ditos de .Igodc ; a Rabe
Scbumuelaa & C
96 ditas cha', 23 ditas canella, 245 ditas folha
de flandres, 17 ditas e 2 fardos tecidos de lioho, 20
saceos cravo, 100 dilos pfmeota, 8 barricas ferra-
gens, 05 ditas cerveja, 25 barris manteiga ; a Patn
Nash & C.
2 caixas ronpa e chapeos ; a H. A. Alcoforado.
12 ditas tecidos de algodo, 2 ditas tinta, 2 ditas
objectos para escnptorio; a James Ityder & C.
18 ditas e 3 fardos tecidos de algodo, 3 ditos
ditos de linbo, 3 barricas e 2 caixas candieitos; a
.Th. Jcffees.
2 ditas que i jos, 1 dita presumo.-, 5 ditas biscou-
tos, 1 dita conservas, 1 dita molno; a Jos P. Lima.
3 ditas objectos para selleiro, 8 ditas e 13 fardo/
tecidos de algodio, 50 barrls manteiga; a Simpscn
Broad & C.
150 ditos manteiga, 9 ditos e 2 caixas mantimen-
tos, 17 ditas tecidos de linbo e algido, 7 ditas mo-
vis, 3 ditas, 3 feixes e 3 pejas machioismo; a
Saooders Brothers & C
5 caixas pbcspboros, 4 ditas tecidos de linbo, 12
ditas folba de flandres, 23 ditas bisconlos, 1 dita
linha, 2 ditas burras de ferro ; a Isidoro Bastos
&C.
7 ditas e 31 fardos tecidos de liabo ede algodo;
a II. Wilmer.
7 ditiis e 1 caixa dilos ditos; a Adriaao Castro
6 C.
64 ditas o 39 fardos dos ditos, 50 barris man-
teiga ; a Johaston Pater & C.
10 caixas e 1 fardo ditos de algodo e de la ; a
Schapbeiteio & C.
4 ditos e 15 eaixas ditos de algodio, linbo e lia,
35 arria toocmho, 40 ditos carne, 10 dilos mantei-
ga ; a Keller & C.
7 feixes cobre, 10 ditos ferro, 2 fardos barbante,
7 ditos tecidos de liabo, 2 barricas rame; a S. P.
Johaston & C.
4 caixas e 1 barril maotimenlos; a viuva Ray-
mundo.
PAUTA DOS l'BICOS DOS GBNKHOS SJITOS A D1BWT0
DB EXPOBrACAO. SEMANA Di 2 A 7 DO MBZ DI
DEZEMBRO DE 1867.
llercadorus. Unidades. Valores.
Abanos........cento 2/5O0
Aleool oa espirito de aguaar-
dente. ). caada 900
dem caxa^a....... 450
Agurdente de cana..... 900
dem genebra i 880
dem restilada ou do reino 806
Algodio era carolo arroba 2J400
dem em rama oa em lia >
Angicos (trosj.......dnzia
Arroz eom casca.....arroba
dem descascado oa pilado
dem branco....... >
ASsncar nascavado ; f
dem refinado.......
Azeite de amendoim oa mendo-
bim.........caada
dem de coco......
dem de mamona.....
Batatas alimenticias .... arroba
Bauoiiha........libra
Bolacha ei diara, propriapara
embarque.......
dem Mna........ >
Caf bom........ >
dem escolha oa restolbo >
dem torrado...... libra
Caibros.........am
Cal........... arroba
dem branca.....
Carne secca (xarqae) w.
Carneiros........am
Carvio vegetal.....arroba
Cavernas de sienpira ama
Cera amarella......arroba ,
dem de carnauba em bruto libra
Ilem idem em velas ....
Cevados (porco)......nm
Cha..........libra
Cha rotos........cento
Cocos seceos.......t
Colla libra
Coaros de boi, salgados ...
dem seceos espichados ...
dem verdea........
dem de cabra cortijos am
dem de opea......c
Doces seceos.......libra
dem em gela oa massa.
dem em calda......t
Baxams ,.....am
Uspaoadores grandes .... i
dem pequeos .......
Esteiras para forro de estivas
de navio. ....... cento
dem de carnauba.....orna
arroba
Estopa nacional
Farinha de mandioca. .
dem de ararata .
Feijao de qcaiquer qualidade .
Frechaes
Fumo em. folha, bom. .
dem ordinario ou restolbo. .
dem em rolo bom. ....
dem ordinario oa restolho .
Gallinhas........
Gomma.........arroba
Ipecacuanha (raz).
Jacaranda (cos-ueira). duzia
Lenha em achas..... cento
de mangue em loros >
Linhas e estelos......om
Mel ou melaco c.nada
Milho.........arroba
Osi-os ,..... >
Paiba de carnauba.....molbo
Papagaios.......um
1*500
2*600
4*000
2*700
6*600
1*500
1*800
1*400
1*500
1*500
3*000
7*000
7*000
6*500
440
360
400
580
3*800
43000
1*600
3*500
e*ioe!
320
500
20*000
2*000
3*000
4*008'
660
198;
360
110
380
10*000
1*000
360
520
1*5001
4*000
2*000
12*000
160
2*000
---------,

. .
alqneire 2*500
arroba 10*000
i 4*000
nm 5*000
arroba 15*000
85000
10*000
> 8*0 nma 1*000
iSOOO
25*0110
95*000
3*000
1*000
6*000
200
1*600
240
1*000
BflOOO
6*000
5*000
12*000
900
800
1*000
2*000
160
quintal
nm
arroba
ama
3*800

.....
......
.....
......
tranco. .
20*000
10*000
1*000
160
400
Pao Brasil,
dem de jangada. .
Pecbory ....
Pedras de amolar .
dem de filtrar......
dem de rebolo......
Penas de ema......libra
Piassava........molho
Pontas, ou chifres de vaccas ou
novilhos.......cento
Pranchoes de amarello de dous
costados, .
dem de louro
Rap .
Sabio .
Sal ... .
Salsa parriina .
Sapatos de caaro
Sebo em rama.....*
dem em velas......
sola em vaqueta.....
Taboas de amarello ....
diversas......
Tapiocas .......arroba
Tatajuba ......quintal
Travs ......... orna
nbas de boi......cento
Vassouras de piassava.
Ditas de timb......
Ditas de carnauba..... >
Vinagre.........caada
A.fmdega de Pemambuco, 30 de novambro de
1867.
Asslgado. O i. cenferente, Jos Ribeiro Gut
ma- oes.
O 2. confereBie, Jos Utgvel de Lira.
Approvo Alfaodega 23 de novembro de lr>7.
Antonio Eulaho.
Conforme. O 3.6eriptorario, Eulclto Mon
dim Pestaa.
RECEBKORIA DE RENDAS INTFRNA
GERAES.
fteadimeotodo dia 3.............. 2:132*733
CONSULADO PROVINCIAL
fteediojeoto do da 3............ 4:223*3G
um
libra

alqueire
arroba 30*000
p.r 800
arroba 5*000
> 7*000
urna 2*0U0
duzia 140*000
87*000
3*000
2*000
6*00
380
10*000
8*000
6*i0O
800
MGVIME1VT0 m PORTO
Navtos entrados no da 3.
Bahia 10 dias patacho prossianno Oriente, de
209 toneladas, capito Scbroden, eqaipagem 8,
em lastro ; > Greenup Scbulnd.
Rlo-P'ormoso 7 horas vapor nacional Maman-
guape, de 340 toneladas, commaodante Costa
equipagem 20 em lastro; a companbia Peraam-
bucaua.
06rt>acao.
Nao heuv-ram sabidas.
,DECLiM50ES.
Pela secretaria da cmara municipal desta
cidade, se faz publico qoe a mesma cmara prin-
cipia a quarta e ultim; sesso ordinaria deste anno
uo da 4 de dezembro prximo vindoaro, e dos
seguintes.
Secretaria da cmara muuiclpal, 30 de novem-
bro de 1867.
O secretario,
^_______Francisco Canuto da Boaviagem.
Conseibo de compras do ar-
senal de guerra.
O conselho de compras do arsenal de gaerra em
virtade de ordem da presidencia precisa comprar
para o presidio de Fernando de Noronha o se-
! ituinle :
Pregos cabraes 10 milbeiros.
Ditos caixaes 10 milbeiros.
Ditos francezes de 1 1/2 e polegadas 4 arrobas.
Qjmna laca 1|2 arroba.
Limas de offender 2.
Tarraea de esptngardeiro 1.
Cobre em chapa fina para cobrlr as rodelas das
casas de farinha i lencoL
Barbante 1|2 ai roba.
Garrafas de Unta rxa 48.
Caetas de pao 10 duzias.
Foinas de flandres 2 caixas, sendo ama dobrada.
Dobradlcas de croi ISO.
Feixaduras de broca 20. .
Ditas ingieras 30
Lapls de cor 6 duzias
Peona lapis 10 duzias.
Prego- rlpaes 20 milbeiros.
DiamaDtes para cortar vidro 2.
A* pessoas que quizerem vender os artlgos ci-
ma declarados apresentem suas proposlas no dia 5
de dezembro prximo futuro, na sala d9 conselno*
pelas 11 boras da naoba
Sala do conseibo de compras do arsenal de guer-
ra de Peroamboco, 30 de novembro de 1867.
J. M. I. J. da V. Pessea e Mello.
Coronel-presidente.
Consolado provincial
Pela mesa do consulado provincial so fax publi-
co qae no da 3 de dezembro vindoaro te princi-
pian] a cootaros 30das otis marcados para a
cobranza bocea do cofre dos impostes da decima
dos predios urbanos das fregaezlas des cidade,
dos Afogados at Giqui, e do Poco da Paoella at
a povoaco dos Apipocos, e de Ifl/J sobre os beos
de raiz pertencentes a' corporaSes de mao morta
re-tiva ao 1 semestre do anno flnanc'elre de 1867
a 1868, 0-aodo sujbitos a molla de 6 0/0 os coa-
tribuiotes qae pagaren) depois de Andar os dltot
30 das. L aa
Mesa do consulado provincial de Pernambueo 26
de novembro de 1867.
Francisco Amynthas deCarvalb)Moora.
CnUio de compras doarseial de
gnm,
O conselho de compras do arsenal de gaerra,
m virtade de ordem da presidencia, precisa eom
*rar para fornecer a repartilo do allstamento d#
pragaa para o exercito, o seguate :
Livro alpbabetico de 300 folbas para recrutas e
guardas nacionaes designados I. .
Dito dito de 300 folbas para voluntarios goardas-
naclooaes deslgoados qae promplameote concor-
rem t.
Dito dito de 100 folbas para substitutos 1.
Dito difo de 100 folhas para libertos 1.
Dito d 200 folhas pautado para registro de corres-
pondencia 1.
Impressos para termos de inspeceio 1,000.
Raspadeira 1.
Caivete fino I.
As pessoas que quizerem vender os artigo* n-i
ma declarados, comparecam eom soas propostas
oa sala do cooselbo, no da 5 de dezembro prxi-
mo fuioro, pelas II boras da manha.
Conselho de compras do arsenal de gaerra 30 de
novembro de 1867.
J. 11. L J. da V. Pessoa e Uello
Presidente.___________
Pela reeebedoria de rendas internas gerae-
se faz publico, qae no eorrente mez de dezembro
qae os devedores das rendas laucadas relativas ao
exereicio correte de 186768, a saber : decima
addidooal das corporales de mi morta, socieda-
des aaooymas e ouiras, imposto sobre lujas, casas
de descont etc., dito sobre casas de movis, roa-
pa etc., fabiicados em. palz estraogeiro e laxa dos
escravos (sendo esta at 16 do mesmo met) teem
de paga-las sem muUa,|liade qae seja, lerio de pa
ga las eom a multa de 6 porceoto em virtade da
circular n. 37 do ministerio da fazeoda de 30 de
setembro ultimo : oatrosim, qae no mesmo mez
devem ser pagos os sobredilos impostos e mais os
seguintes : renda dos propros nacionaes e foros
de terrenos e de manabas perteneentes ao exerei-
cio de 1866-1867 em liqaiaaco, seguindo-se de-
pois a cobranci executiva quanto as rendas deste
exereicio.
Recebedorffde Pemambuco, 3 de dezembro de
1807.
O administrador,
Mi noel Carneiro de Sonta Lcerda.
Santa Casa da Misericorda
do Recife,
Alllma.juDia administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Recife manda fazer publico que
oa sala de suas sessoes, no dia S do vindonro pe-
las 4 horas da tarde tem de ser arrematadas a
qoem mais vantagens offerecer pelo tempo de um
a tres anuos as reudas dos predios em seguida
declarados:
Estabelecimentos de caridade.
Roa do Padre Floriano.
Casa terrea n. 17.......186*000
Casa terrea n. 45.......182*500
Ra larga do Rosario*
Terceiro andar do sobrado n. 24 301*000
Roa da Gloria.
Casa terrean. 2o........ 19*000
PatriRumo de orphos.
Roa do Vigario.
Primeiro andar do sobrado o. 27 181*000
Ra do Pilar.
Casa terrea n. 99.......256*000
dem n. 94.........f0*O00
dem n. 108......... 201*000
sitio n. 5 no Forno da Cal. I5*00i
As arrematares serio feitas pelo tempo denm
a (res aouos, devendo os licitantes virem acom-
paBhados de sens fiadores ou manidos de cartas
destes.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Recife 28 de novembro de 1867.
O escrivio,
Pedro Rodrigues de Souza.
Pela reeebedoria de rendas internns gerae3
se faz publico qae ca marcado o prazo de 30 das,
cootados da publicarla deste, aos devedores de di-
zima de chancellara, averbada em virtade do de-
creto 230 de 22 de outubro de 1842, afim de virem
paga la ; lindo o referido prazo serio remettidas
a tbesouraria de fazenda as relacoes de todos os
devedores qne tee:n sido remettidas pelos differen-
tes escrlvies, relativas a causas ja decididas, para
se proceder a cobranca executiva.
Reeebedoria de Pemambuco, 22 de novembro
de 1867.
Manoel Garneiroe de Sonza Lacerda.
<;oosellio de compra nava es.
O conseibo contrata no da 5 de dezembro do
eorrente anuo, avista de propostas recebidas at as
11 horas da manbaa, e sob as condiedesdo p-iylo,
o fornecimento aos'navios da armada e esiabele
curenlos de marinba, no trimestre de Janeiro a
raarc.0 prximo vindoaro, do seguinte :
Vveres, dietas e oulros.
Objecus de consamo.
Arroz do Maranhio, agurdente de 20 graos, as-
sncar branco grosso, alelria, ararata, assucar
branCo refinado, azeite doce de Lisboa, bolacha,
bacalbio, bolacbinba americana, carnauba em ve-
las, cha byssoo, cevadinha, caree secca do Rio
Grande do Sol, caf em grao, carne verde, farinha
de mandioca da trra, feijao. galinhas, lenha, man
teiga ingiera, matte, manteiga frauceza, pao, su1,
sabio, toucinho de Lisboa, tapioca, lijlo de alve-
naria grossa, vinho de Lishoa, -velas stearinas e
vinagre de Lisboa.
Sala das sessoes do conseibo de compras navaes
26 de novembro de 1867.
Aiexandre Rodrigues dos Aojos
Secratarlo.
Por esta secretaria se faz publico, de ordem
do Illm. Sr. Dr. chefe de polica, que a' casa de
detencao se acbam recomidos os escravos abaixo
declarados, cujos seohores sao pelo presente avisa
dos para retira-los da dita casa, requereodo a sua
entrega medanse documentos comprobatorios do
dominio legal que sobre os mesmos tiverem.
Faustino, escravo da F. Siqoeira, Roraao, de D.
Emilia Constanca de Moraes Ferreira; Joo, de
Miguel Ferreira Pinto ; Jos, de Matioel Bezerra
de Meneies ; Izaias, de Miguel Jos Alves ; Gol-
Iberme, de Joo Bapiista do Reg ; Manoel, de
Jo.- de Moraes Gomes Ferreira; Deonizio, de Joio
Joaquim de Saol'Anna ; Joao, do Dr. Ernesto da
Silva Tavares ; e Domingos, de Manoel Severluo
de Arruda.
Secretaria da pelicia de Pemambuco 3 de de-
zembro de 1867.
O secretario
Eduardo de Barros Falco de Lacerda.
Santa Casa da Misericordia
do Recife.
Pela secretaria da Santa Casa da Misericordia
do Recife sao convidados os seohores proprietarios
dos predios abaixo declarados, eujos terrenos per
tenceram outr'ora ao Sr. Frauclsco Lin< Paes Bar-
reto e soa malber e por files doados a Santa Casa,
para que comparecam a esta secretaria, afim de
pagarem os foros que se acbam a dever, e assigaa-
rem o respectivo termo, reconhecendo a mesma
Santa Casa como senbor da dominio directo de di-
tos terrenos.
Roa da Roda.
Casa terrea o. 11 Antonio Ferreira Braga,
dem idem n. 18.Jos Leopoldo da Silva.
Sobrado n. 17. -D. Bmllia Carolina Madelra Per-
reir.
Casa terrea n. 19.Capito Martins (morador em
Beberibe)
dem idem n. 21.Joaquim Pacheco da Silva,
dem idem n. 23.Antonio dos Santos Vleira.
dem idem n. 25.Ignacio de Sa' Lopes Pernan-
*' des.
dem idem n. 27.Flix Antonio Alves Mascare-
mos.
dem dem n. 31.Miguel Jiaquim da Costa.
Id-m idem n. 33Bernardo Alves Piobeiro.
dem dem o. 35.Mara Francisca da Cmeeicao
e Silva.
Sobrado o. 39.Herdeiros de D. Joaquina Maria
Pereira Vianna.
Casa terrea n. 41.Paulo Marques e Antonio Fran-
cisco Macota.
dem idem n. 43.-Filhos de Jos Rodrigues dos
Passos.
Sobrado n. 47. -- Dr. Bernardo Pereira do Carmo
V Jnior.
dem idem n. 4.Mosleiro de S. Benio.
dem Idem n. 6.dem idam.
dem Idem n. 8.Irmaodade do Santissime Sacra-
mento de Santo Antonio,
dem idem n. 10. -dem dem,
dem idem n. 12.-dem idem.
Wem dem n. 18.Bernardo Alves Pinbeko e ou-
tros. *"
Idsro idem n. 20.Aona Thereza do Sacramento,
dem idem n. 21 Sabino da Caoba Fragoso. '
idem dem a. 26. Antonio Ferreira Braga.
Idem Idem o. 28.Irmandade das almas de Santo
.Antonio,
idem idem n. 30- Joanna Mara dos Santos Mo
raes. *.
dem idem n. 32.Dr. Antonio Joaquim de Ma-
raes- e Silva,
lem idem n. 34.Manoel Jos do Amara).
Ildem idem o. 38.Tutor de Francisco Goncalves
da Rocha. *
Casa terrea a. 50__Os mesmos.
dem idem n. 82.Dr. Joio Capistrano Bandeira
de Mello.
Idem Idem n. 54.-L.aiz Jos da Costa Amorlm.
Idem idem n. 86.Jos do Reg Pacbeco.
Idem idem n. 68. Barlholomen Francisco de
R rn.
dem idem n. 60.O mesmo.
dem dem n. 62.Manoel Gomes Viegas.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do Re-
cife, 9 de novem ro de 1867.
O,eserivo.
Pedro Rodrigues de Souza.
Repartleio las oura pdicas.
De ordem do Sr. eogenheiro, chefe interino da
re, arnfio das obras publicas se fax poblieo qoe,
oo teuo concorndo oppositor algam aos logares
vagos de conductor desta repartirlo, e tendo sido
julgado inhabilitados os que concorreram aos lu-
gares de praticaotes, no da 9 de dezembro prxi-
mo vindouro lera' logar novo concurso para pre-
enchimento das referidas vagas de coaductores e
praticantes.
Os concurrentes t erao argidos as materias de
que tratam os 1 e 2 do art. 10 do reglamento
de 31 de jalbo de 1866, e qae vio. abaixo decla-
radas.
Os requermentos para inscripgao dos candidatos
deverao ser apreseotados at o dia 7 de dezembro.
a podero ser iostruldos eom quaesquer documen-
tos ou ttulos scientificos qoe abonera a capicldade
dos mtsmos candidatos.
Secretaria das obras publicas 7 de outubro de
1867.
O secretario
Feliciano Rodrigues da Silva.
Materias do concurso para conductores e prati-
cantes da repartido das obras publicas.
Para conductores.
Matbematicas elementares, algebra ateqaacoes
do 2* grao, tbigonometria. elementos de geomatria
analityea e descriptiva, d'asironomia, d'arcbitectn-
ra e de resistencia de materiaes, conhecimento
perfeito das instrumentos graphlcose dos trabalhos
- enivcllamento e planta, desenbo linear e de aqua-
della.
Para praticantes.
Lingua nacional e francs, aritbroelica, geome-
tra, as duas e tres dimonsdes, algebra at eqna-
coes do Io grao, desenbo linear e de aquarella.
Secretaria das obras publicas 7 de outnbro de
1867.
O secretario
Felician" Rodrigues da Silva.

Para Lisboa.
_ Val* sabir eom bnvidtde a barca portngoeza
tirattdao por ter parte da sna carga prompta ; pa-
ra o restante e passageiros tratase eom Oliveira
ftlbos 4 c., largo do Corpo Santo n. 19 on eom o
capito Ba prarca.
LISBOA
Achando-se cora a maor parte de seu carrega-
nento prompto o biate portofuez Pensamento, se-
guir em poneos dias para o referido porto:
qiiem pretender embarcar o reito dirjase ta ma
do Vigario n. 10, a Balur f, ouveira. _________
rara Lisboa
vai sahir cora moila presteza a bem eonheclda
birca ifaria : para carga trata-seom os consig-
natarios Camino & Nogaeira, ra de Apollo nu-
mero-20.________________
Porlo
Pretende seguir eom a maior brevidade possive)
a barca portugueza Claudma, por ter a malor par-
le do sea carreearoente engajado : para o resto e
passageiros, aos quaes offereee excedentes com-
modos, trata se eom Cunba Irmios & C, a' ra da
Madre de Dos n. 34, on eom o capito a bordo.
Rio-Grande do SuL
Patacho, oras leiro Cardtao, capito Manoel
Francisco* Pernandes, segu eom brevidade por
ter paite da rga contratada. Para a que Ibe
falla trata-se.com Miguel Jos Alves, n. 19, ra da
Croz.
Pela subdelegada d freguezia de Santo An-
tonio do Recife, fram appretendidos 50 chapeos
de biela eom o formato los da fellros em mi de
om pretoque os anda va vendendo e se tornou sus-
peltc de nij Iba pertencerem, mxime fleando de
vir provar a sua idoneldade e oio voltar mais a
esta jaizo : quem for sen dono dirija-se a esta
subdelegaeia que provando serem seus Ihe serio
entregues. Recife 2 de dezembro de 1867.
O subdelegado,
Manoel Aatonio de Jess Jnior.

THEATRO
DE
EMPREZ ACOIMBRA
EXPECTULO.
Quarta (eir 4 de dezembro
Be:ficio do dirtclor e resr nle da orchestra
F. t. COLAS.
Represenlar-se-ha o excellente e muito
applaudida comedia-drama em 3 actos
OFOGOiPC
Finda a comedia-drama a orchestra exe-
cutar em scena aberta pela primeira vez
neste tbeatro a grande batala naval de
RIACHUELO
composifo do distmeto professor Gardim,
dedicada ao dramaturgo portuguez o Sr.
C. de Laerda,e por este senbor offerecido
aobeneQciado.
Seguir se.hi urna poesa de despedida re-
citada pela actriz a Sr.' D. Antonia Joaquina.
A comedia emum acto
Mel e
Terminar o espectculo eom a comedia
em um acto ornada de msica
Morrer para ter dinheiro.
Comecar as 8 horas.
O beneficiado desde j agradece ao res-
peitavel publico.
.ff.1
SE233
AVISOS MARTIMOS
Ilha de S- Miguel.
Para o porto cima segu o pauebo portuguez
Jorgense de primeira marcha, para carga e pas-
sageiros iraia-se eom o consignatario Joo do Re-
g Lima, rna do Apollo n. 4.

LEILOES.
LE1L 0
De fazendas de lei.
A 4 do eorrente.
O agente Oliveira fara' leile por conta e risco
da quem pertencer, de perfeito sortiaieato de fa-
zendas principalmente loglezas, lodas de lei e as
mais proprias deste mercado, consistindo em ma-
dapoloesde varias marcas e rtulos, algodones tran-
cados, pannos pretcs e azues, bae:oes e ourelos,
bros pardos, flanelUs, casemiras de edres e pre-
tas,coHarinbos de linho, chapeos do Chili e mui-
lasoutras de prompta extraego.
MOJE
as 10 horas da manha, em seu escriptorlo a ra
da Cadeia n. 4, por cima do armazem de fazen-
das do Sr. Barroca._________________________
LEILAO
De urna pulselra de ouro de li quilates, una di-
ta de moedas, nma dita de coral, urna volta de
moedas, ama dita de balad, ama volta de cor-
dio de ouro, ama dita de dito, orna medalba
cora lago, urna lunta de caixa de prata, urna
volta de trancelim de ouro, urna dita de dito,
um .-mete eom pedras, urna vjlta eom urna
cruz, um par de brincos de moeda, nma pul-
selra eom o oitavas e nm quarto, 12 cadeiras
de Jacaranda de guaruigao, 2 ditas de balan-
go, 2 ditas de bragis, 2 consolos eom pedra,
urna mesa redonda eom Umpode pedra, um
sefa de Jacaranda', urna cama franceza de ja-
caranda', um espelho eom moldura, um can-
dieiro de gaz, um relogio de cima de mesa,
urna serpeoiioa.
u agente Martios fara' lilao a reqorimento do
tettamenteiro de Viceccia Maria dos Prazeres dos
movis e mais o!j-ctns de ouro cima.
No sobrado do pateo do faraizo n. 29, esquina
para a travessa do Ouvidor. primeiro andar, as 11
boras do dia.
De escravos
nm |indo mahucho.
IlOJE
O agente Pestaa fara' leilo por conta e risco
de quem pertencer de urna escrava qus cose bem,
cosioha alguma cousa e engomma pouco, i ma ne-
gra que lava bem, boa figura e um mulatinbo bo-
nita figura eom 10 a II aunas, eom principios de
sapaleiro, *ero vendidos oo da cima menciona-
do as 11 horas da manbaa no lamo do Corpo
Santo.

De 2o decimos de vinho do Porto, 5 barris
dib, 3 pipas vinho da Figueira.
Quinta-feii'M 5 de correte.
O agente Pestaa fara' le lio por conta e risco
de quem pertencer d s vjnhos cima mencionados
os quaes sera) vendidos para liquidar ao correr
do marielio : quioia feira 5 do correte pelas 11
boras ia manha oo Aunes defronte da alfaodega.
GOMPANHIA BRASILEIRA
DE
Paquetes a Yapor
Dos portos do'sul esperado
al o da 7 de dezembro o vapor
Cruzeiro do Sul, commandante
Alcoforado, o qual depois da'de-
mora do costme seguir' para
os p-irlos do noi te.
Desde ja se recebem passageiros e engaja-se a
carga qoe o vapor poder conduzir a qual dever
ser embarcada na da da sna chegada, encommen-
das e diobiro a frete at ao da da saa sabida as
2 boras. Previne-se aos Srs. passageiros qa^ suas
passageos s se recebem Besla agencia ra da
Cruz n. 37, primeiro andar, escriptorlo de Anto-
nio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
nolPAMiiv msmum
DE
Paquetes a vapor
Dos portos do norte espera-
do at o dia 10 de dezembro o
vapor Paran, commandante
o capito de fragata Santa
liarhara, o qual depois da de
mora do costante seguir' para
ospertos do sul.
Recebem-se desde j passageiros e engaia-se a
carga que o vapor poder conduzir a qual devera'
ser embarcada no dia de saa chegada, encommen-
das e dinheiro a frete at o dia da satiida as 2 bo-
ras. Previne-.se ao3 Srs. passageiros qae suas
pafsagens s se recebem uesta agencia ra da
Cruz n. 57, l" andar, esenptorio de Aatonio Laiz.
de Oliveira Atevedo & C.
Transportsmaritimes a vapeur
PAQUEBOTS FRANCAIS
At o dia 12 o i eorrente espera-se da Europa o
vapor fraoeez Savote, o qual depois da demora do
costme seguir' para Bueoos-Ayres pela Baha,
Rio de Janeiro, Sanios e Montevideo.
Para condicc6s, fretes e passagens' tratase na
agencia ra da Cruz n. 58.
E JANEIRO
Pretende seguir eom multa brevidade a barca
Despiqne II, tem doos tergos de- sea eixrega-
mento a bordo para o resto qne Ibe falta tratase
eom oseens consignatarios aniooto Luix de Oli-
veira Ained) & C. ra da Cruz o. S7.
De urna caleche,
O gento Pontual fara* lei'.ao de urna grande
caleche eom puuco uso, muito bem construida e
elegante
Quinla feira.
Em frente a eocheira do Sr. Claudio Dubanx,
as 11 boras.
Ce 10 barrU coui banha de porco
Quinta-feira 5 do eorrente.
O agente Pe^aoa fara' letlao por conta e risco
de quem pertencer de 10 barrls eom banha de
puco no dia cima mencionado, as 11 boras da
manha no Aunes defronte da alfandega.
AVISOS DIVERSOS.
Instlalo trehe logice e Geegraphice
peroa ni bacn*.
II.iv.Ta" se.-si i ordinaria quiuta-feira S de de-
zemDro correte, pelas 11 horas da manha.
ORDEM DO DIA.
Relaioros, pareceres e mais trabalhos de eom-
misses.
Secretara do Iustituto. 2 de dezembro de 1867.
J. Soares d'AzeveJo,
Secretario perpetuo.
Preparatorios para os exa-
mes de marco,
Corso de llogaa franceza.
de geographt* e historia
-r- de pbtlusophia.
de retnorlca e potica.
Jos Soares de Aievedo, professor de
lingua e litteratora nacional no pymnasio
provincial de Pern mboco, tem aberto em
sua casa, ra Bella a. 37, um curso especial
de cada urna das materias acim indicadas,
para os estudantes que se propem a fazer
exame em marco no collegio das artes.
Dirijam-se resideecia mencionada, de
manbaa at as 9 huras e de tarde a qualquer
hora.
Cozinheiro. ou ama,
Preci.a-se nesta typographia de um co-
zir.heiro ou ama forra Oo escrava que saiba
aqaelle mister e que compre ao mesmo
tempo.
i
' \
V;
M


BB-BaBBBBWBBl

Urlo de Pwn^ffr QatrU luejp 4 Beze_.br o de 1867.
?
Aaprovad pela facalaaide
e Medicina, rmpreca'a Oa
pltaea de Parla.
ELIXIR DO DB THERMES

daaravado arla taeadaWaa
de calttaa, eaipreyda au
acapice* de Parla.
Occnpa o primeiro lugar entre as preparaces ferruginosas as mais assimaveis. 0 Elixir do V THBatafM empregado diariamente nos hospitaes da Pars jb principalmente no
Hotel-Dieu (serrioo da Faculdade de Medicina da Pars). Administra se com o maior xito as doenca de eonaump^a* resultantes OT exhanstar&o ta Manante. *>!
rosis ou crea paluda*, flores tiranta, anemia depois das hemorrhagios, ou durante as convalescencias de febres perniciosas, anabcacocs, e palpltaeoa das mul-
heres pejadas. Nao menos efficaz contra o racbltlamo c obra poderosamente para os homens cujas forcas estam esgotadas pelos trabaibosintellectuaes, abusos de todos os gneros, etc.
Tonaa-e com a daala de ama calnerlnba depois de cada rcfclcae.
Deposito cera! na pnarmacla, ra Reaumur 43,, e em casa de E. G ALLOIS, pharmaceutico do S. M. Imperador, placa Vendme, 2, ena Parla.
BepsMite em P EBNAHBI7C4), P. MAUHBR *r O, am todu u Pharaaeiej me Brufl.
J
A LEBITIMA
aiuriimu
DE BRISTOL.
I
PREPARADA MCAMENTE POR
LAMAN & KEMP,
NOVA YOEK.
Esta
excellente e
DO SAMGUIGa
'
---------------------
admiravel medicina preparada de urna maneira a mais scien-
A LEGITIMA

tinca por chimicos e droguistas muito doutos e de urna instrucco profunda, tendo lido
muitos annos de experiencia.
A SALSA PAIilULHV DE BRISTOL

urna medicina segura e digna de toda a conflanca, conbecida e receitada pelos mdicos
os mais sabios e entendidos neste imperio, dorante o espaco de tres annos, e nunca falta
em produzir o desejado effeito.


A SAIiSAPARRILHA BE BRISTOL
Entre as numerosas provas do grande merecimento da legitima, preparada por
Lanman e Kemp, de Nova York, nao a mais fraca o fado que tem produzido tantas
I imitaces e falsificaces fraudulentas.

CONTINUAMENTE
IPPARKtKM
NOVOS
TESTEftKUXIIOS
EM FAVOR
da legitima
SA1SA PABR1LHA
DE

BRISTOL.
cuidado
legitima
Os doent s deverao ter bem o
de obterem genuina e nica
salsa parrillia de Bristol, a qual preparada
por
LANMAN E KEMP
BE MOTA YOHE.

A SALSA PAUKILIIA DE BRISTOI..
E' muito natural que aquelles que se acbam occupados em preparar e vender as
soas misturas em garrafas pequeas murmurem e gritem contra os frascos grandes, os
quaes contm em si tres vezes mais do extracto puro do qae qualqucr ama dessas ootras
preparaces neste mercado.
A SULSAPAllRILHil HE BRISTOL
foi estabelecida no anno de 1832.
No anno de 1848 o proprietario adoptou, com grande sacriOcio seu,garrafas maio-
res, sendo agora de quarlilbo, offereceDdo deste modo aos consumidores urna maior por-
fi de extracto purissimo, como nunca foi offerecido.

A NICA LEGITIMA
E'
SALSA PARRILHA DE BRISTOL
PREPARADA POR



DE
NEW-YOBK
Cautela contra as novas salsas parrilhas de Bistol que
sao perniciosas.

DE BRISTOL
PREPARADA MCAMEUTE POR
LAMAN & KEMP,
NOVA YORK
ESCRFULAS
CHACSAS ARTIGAS
Ulceras
Feridas ulcerosas
Tumores
Herpes
Erupces
Lepra
Debilidade geral
Rheumatismo
Salsugem
Febres malignas e beliosas
kmpigens
Febres intermitentes
Nervosidades
I


A SALSA PARRILHA DE BRISTOL
De Lanman e Kemp


KEW-YORK.
E" A MELHOR
A MAISFORTE
E A MAIS BARATA
Em frascos grandes,
Haa^wj-, -r
Nao bastam os elogios para justificar o uso de un remedio, nec3ssario que. o mesmo, mediante urna experiencia de tantos annos e o testemonbo dos scientificos tenha
adquirido urna extensa e incontestavel popularidade. A salsa parrilba de Bristol de Lanman e Kemp tem provado a sua eficacia pelo curso de 34 annos, e durante o espaco
de 24 annos tem sido receitada pelos primeiros mdicos no imperio do Brazil. Pdem outras preparaces inspirar a mesma confianca.
Vende-se em Pernambuco em casa de A. Caors, J. da C. Bravo e P. Maurer,dc C.
ISO?
familias rna
RESTAURNT A LA CARTE
Eiira&a geral ra larga do Rosarlo n. 37 e para
estrelle do Rosario a. 41 A.
Frsncisco Garrido & Hermano, proprielarios deste grande estabeleciraento cjm a chgada da
Europa do primeiro, tem o prazer de annoneiar aos seus amigos e fregueze, qoa ce acha oatra vez
no mesmo estabelecimento ancioso por ver todos os seos parochianos, lauto da praca como do mato e
de outras provincias. Os proprietarios lera feito todo o posslvel para satisfazer a sua lllustre concur-
rencia. Os hospedes acbarao toda commodidade de grandes salas e asseiados quartos por pregos ra-
zoavei?.
Ha sala ara leitora de jornaes nacionaese estrangeiros,na mesma sala na um maguifico piano
para reereio.
Gome-se a mesa redonda a la carta e manda-se a domicilios.
Os vinbos mais fios do mercado acham-se do estabelecimento.
A nuite ha sorvete e refrescos, caf, cbe chocolate a toda a hora.
Ttu Je mpgno os bilbares, nubres divertlmeutos des res e outres jogos. Falla-so hespanho),
francer, italiano e ioglez. No estabeltcimtnto vtudem-se libras sterlinas e cempram-se ongas bes-
panholas.
I
I* A
i4i
Para edneaeao do sexo masculino
MA SENHOA DA
u
Director Manoel Alves Yianna
Que um elegante estojo para viagem
COXTESiSO :

d20 cadernos de papel branco, pautado, beira donrada, marcado com as ini-
ciaes do comprador.
2o100 envelopes brancos.
3-103 penas de a?o (marca langa).
4ol caixa obreias de gomma: 1 caixa obreias de massa.
5! tinteiro de vidro com tampa de metal
Ci arieiro idem idem.
7oi pao de lacre.
8o1 caivete de duas folbas.
9o2 lapis.
102 canelas.
Todos esses objectos reunidos, dentro de urna bonita caixa, fcita para este fim,
custam apenas
Rs. 6#000
HB
s
0 collegio da Conceigao, mudado ltimamente para o bairro de Santo An- ^^
ionio, rua de S. Francisco, casa n. 72, contigua estaco central dos trilhos ^^
urbanis d.;s Apipncos, contina a funecionar regularmente, recebendo alum- ^'y
nos exteruos e internos, tanto para as aulas primarias, como para todos os ,*
preparatorios necessarios matricula de qualquer faculdade, sendo os seus
%& respectivos professorea pessoas moralisadas e de um concito magistral j
TQ bem firmado nesta cidade.
5 O dircct-ir deste novo collegio contiuuando a.empregar toda a solicitado no
0$ desempenho de sea mandato, espera fazer-se mais digno da confianca com
^s que o va > honrando os senbores pas de familia, confiando-lhe bondosamente' ^^
6 os seus lilhos. >^
Os estatutos do collegio, assim como o franco ingresso em todas as soas \
jde.pendencia, estao sempre a dtsposico de quem possa interessar.
J \
FILLAS de BLAHCASD
O MBVaRO n rtUO nULTIlATal
Approradas pela Academia do Medecina de Pai
tmiaiNinu muo mmteu. m utmna.
BHMMWHI>0 MWnTAEt M FAlCi, B* BB'LOKA, B* UIARdA, DA TOBfalA, aTC.I
Jfmfcrfl ktnrma M Exp*r(oi% Onifrfaii d$ t'tv-York, VM, a* F*ri$, II5S.
Esta raolas eavaMaM n'imi eamada resino-btIimici de ama tennWade excetfrra, tea
irintagem de terem malteravel*, tem wtor, de um feqaeM Telme, e de na* cantaraa
rlact-

.
noadigestrio. Gaundo da propriedada do Iodo e do Imo, duca
plmente as affecco CUorotictu, Burofulnuu, mttrtutanu, Caaartm, ma
i i km, fmi; ale.; nBa, ellas offereeea a. ftotict m bk"
Rfca vara oaodifiear U wnfttatioeB lymfikMtiuu, frtcs* M itbiitmUt.
f B. o Mor it ferro toporo o alterado un aealoa-
ment iaM, rrluwe. Cateo erora da aureu a da aalaHCHMe O
*crja Acbam -m ca toa a. u ntarauetaa. fp"(piajl"ajij, riii^inipfll',**-
Cambraas largas a \000 e 1,s280
a Yara.
Vende-se cambraia transparente com oito
palmos de largura, que facilita fazer-se um
vestido com quatro varas, a U e 1#280 a
vara: na loja e armazem do Pavo, rua da
Imperatriz n 60, de Gama & Silva.
Espartlihos.
Vende-se um grande sortimento de espar-
tilbos dos mais modernos: na loja e arma-
zem do Pavo, rua da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Anadlne a 60GOO.
Vndem-se os mais bonitos cortes de ana-
dine, sendo fazenda inteiramenle moderna,
transparente, com bonitas palmas bordadas;
esta fazenda, que de muita phantasia, ven-
de-se pelo baratissimo prego de 6JC00 o
Wrte : na loja e armazem doPavao, rua Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Ricos cortes de medlna pro-
prlos para baile.
Cortinados para cassmentos.
Vendase um grande sortimento dos me-
lbores*60rtnados bordados, proprios para
camas e janellas, pelos buratos precos de
9A, m, W, 200 e 25(5000 o par; da-
masco de la imitacao de seda, com 8 pal
oos de largura, a 4$,00 ; colchas de cro-
ch ; ditas de fusto brancas e de cor; cro-
chs proprios para cadeiras, sofs,.cadefas
de balango, para cobrir presentes, etc. etc.
oa loja e armazem do PavSo, rua da Impe-
ratriz n. 00, de Gama & Silva.
Corte de chita com O eova
dos a 3.3, 3*300 e 34610.
Vende-se cortes de chitas francezas, es-
curas e claras, de edres fixas, e tendo 10
cavados, a 30000; ditas com i I a 3JI30O;
ditas cora 12 a 35600. E' pechincha, s
pina acabar: na loja e armazem do Pavo,
rua da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Percalas a 320 rs.
Vendera-se finissimas percalas de cures
fixas,. pelo baratissimo preco de 320 rs; o
colado, por ter um pequeo toque de mo-
Chegarara os mais moderaos cortes'defina loja e araiazem" do Pavio, rua da
meiina, sendo' urna fazenda inteiramente- Imperatriz n. 60, de Gama e Silva.
nova e transparente, com lindas palmas el. -i----------------.............
qosdros de seda, e vendem-se pelo barato Ama Vjvnq--
f lecisa-se de ama ama para cozlobar ; na rua
prego de 225000 o corte : na loja e arma-
zem do Pav5o,rua da Imperatriz 60, dfl|doLi,r3meDlon-14:
Gama & Silva.


cambrafas a 35500 rs
Vendem-se finissimas pegas de tambraia,
branca e transparente, de 3/500 ate 10 a
pega; ditas tapadas muito finas, de 5tt
10/1; ditas suissas com I vara de largura a
4W,|10(J e 125 ; na loja e armaecn do l'a-
Alufira-se
DAS
MJL

O abaixo asslgoado, sob ageale da PROTECTORA DAS FAMILIAS,assoeiaeo brasileira de S-
goro-Motoo sobre vid, aatorfsada por decreto Imperial de 13 de junio d 1861, gerida pelo banco
Rural e Hypctbecarlo da cdf te, tem honra de chamar a anaoco de V S. eara o refulroento, inserido
oesle /Mario de 55 e 28 do correte coja leitora e estado orientara' a V. S. ftire as vantageos qae Ul
institalcao oflerece oas doas grandes operacoes que tila tem por fima creacao de capitaes e a crea-
cao dt rendas (Art. 2* do regolameoto), as quaes poJem ser eflectaadas separada oa simultaaeamea.e.
A creacao de capital o tem se pelo augmento progresuvo cu juro que elle prodoz, successlva-
mente capitalisado, e pela aditicio das qaotai da berancr correspondente jos capitaes dos contratos, ca-
jos segurados fallecerem aotes do sea praie.
As contribaigoes destinada* ornaco de capital oa a da renda.podem ser feitas por ama s
rez(anicas), ou por prestares "a onuaes iguaes (aBnoidies). Art. 4.
A seguinte tabella m istra os resultados provaveis que se eocseguem fazenda entradas anaaaes
de 100*000.
Segundo esses calclos aquellas resultados augmentara de 20 a 25 por "|., qaaodo a entrada, em
vez de aooual, feita oe urna vez.
Idades.
Por cabega de 1 crlanca de i da a 1 anno
Em 5 annos
de 1
de 1
de 1
de 1
de 1 a 2
de 2 a 3
de 3 a 4
de 4 a 15
annos
>
de orna pesoa de 15 a 20
de > de 20 a 30
de i i de 30 a 40
de de 40 a 50
1:1004000
9O0000
861.&00
860*000
860*000
860*010
860*000
860*000
km 10 auaos
4:O0JOu0
3:0005000
2:SOO<300
2:8004060
2:7004 2:7004000
2:7004000
2:7004.0
9O0AO00 3:0O04l'O0
tui liiau
9:0004
7:500*
7:2004
7:1004
7:0004
7.0004
7:1004
7: 00*
7:5004
gaZOai Ea2aa
20:0004
17:0004
16:0004
15:6004
13:5004
15:4005
15:6004
16:0405
18:0004
47:000*
37:0005
35:0005
34:0005
33:3005
33:3005
34:0005
37.0035
50:0005
o Urceiro andar do sobrado da roa do Amorim o.
37. com granle soto e commodos para familia; a
tratar no armaiem do no.
Ama.
o,:iuei2i>; na mja eariaa*em tioi'a-i A'tHU. AUU i
V50, rua da Imperatriz n. 60, de Gama & Li...* d orna par, cD.;ou)mar: na rtr* do P,eci5 se alog: oma errava^wiromm -
SlIVa. Trapiche u. 36. S'aoiar. conak.v a comore : na roa de S. Francisco n. 54.
Urna contribuido nica de 2.5005000 por qualquer numere de quinquenios costa 2:6285500
a saber :
Coniribuiclo......... .
Commlssaode 5 por #|. sobre 2:5005000 .
Apolice...........
Sello a fazenda nacional......
Rs.
2:5004000
1255000 (art. 62)
1*000
2*310
2:6285500

E mais I por j. sobre 2:5005000 por cada raez decorrido desde o f ae julbo de 1865, na for-
ma do art. 13 do regolameoto.
A mesma cootribuico de 2:5005000, sendo paga em prestac5es aBnaaes costa os mesmos
2:628*100, sendo pagas no acto da 1" preslacao as despezas de gesto, e aos annos segainles a annut-
dade simplesmente.
E neste caso a multa de 1 ), ao mez conla-se smente sobre a l* annaidade, devendo as se-
gaiotes realisarse ero dezembro dos annos consecutivos.
A creacao de reodas operase depositando na associac.ao p>r nma s vez, ou tambem por annai-
dades, qoantias que accumoladas produzam, de certo tempo era diante, e depois annaalmente, orna
renda.
l E esta operacao vera ora auxilio tambem da hrmaco de capitaes, acerca da qual muitos con-
(ribaintes se preoccopam, temando nao poder continuar por um largo prazt o pagauento de annaid*-
des precisas para que os seas beoeficiajos venham a alcanQar um bom capital.
Mas tai preocopacao, on difflculdade, desapparece desde que o contribulnle puder assegurar,
sem dependencia da sua via, o pagamento das 5 primelras annoidades, e fiter tambem um contrato
de renda, que desde a liquidacSj do Ia qainqueamo prover, por cernis, ao pagameoio das annaida-
des a que est obrigado o contrato de capital. Com effeilo, gure se, por exemplo, um contrato de
2:500* para creacao de capital por meio de prestaces annoaes de 100*.
Para salisfaier as primeiras 5 annuidadas lancara' o contrituinte mo de um meio que ni fa-
Ibe, ainda por sua morte, qae just.mente quande o seu beneflciado mais precisa de recursos
E para egurar no futuro as 20 seguintas annoidades instituir um outro contrato de l:60J*Ouo
pagavel em 5 aonmdades de 300*, qae, permanecendo conslaotemante na Ass.ciacAo, prodozira. des-
de a 1" liquidaco, qae ha de ter lugar no correr do 6 anno, e conforme os clculos do Banco Uai!1,
e o prospecto oa Compauhia Tutelar, tima renda annnal de 4005, equivalente ao quadroplo do valer
da annuldade que se tonva para base do contrato de creacao de capital.
O desembolso a f-ffectoar sera, poli, o segoinle :
Para o contrato de capital de 2:5005000
11.* anBuidade.........
jCommisso de 5 por *{, sobre'2:500*000
1." Anno.
|Apolice.
(Sello a fazenda nacional.
10(5000
1254000
14000
255C0

2.*, 3.', i." e 5.a asnuidades.
22855C0
400*000
6285500
Para o coBtrato de venda de 1:500*000
ha a despender :
l. annnidade.......... 3J04C00
Commlsso do 5 por (. sobre 1:500*000 754000
Apolice............ I*ii00
Sello fazenda nacional....... 15500
3775300
e nos 4 seguiotes a 300*000.........1:2004000
1:5775500
2 2C050JO
Total despendido......2 2C050JO
No co. rer do 6* anno, e d'antao em d aote annualmeote, recebe-se 4005 de renda, do cootraO de
1:5005, da qoal se appiicara' 1005 para a annuidade do contrato de capital, ticando, portaulo, liquida
a qaantia de 3005 al qae aquel e coilrato se flode.
E fiado que seja, ao cabo dos 25 annos, recebe-se por elle 47:0005000, fidade de 1 dia a 1 an-
no^ e temse recebido do contrato de renda a qaantia de 6:0005 lquidos da annuidade de 1005 a qua
asujeitou durante 20 ancos o contrato de capital, e que, hvre deste ona*, passa a renda a ser de
4005, e vitalicia, se se conservar sempre o capital de 1:5005 na Associagao.
Taes sao ao censideracoes e deduccSes que resaltam do esludo que tenho feito sobre a materia,
e qae me parecen dever levar ao conhecimento de V. S. de quem
As jjessoas que desejarem Inscrever-se sao convidadas a dirigir se ao -r. Narciso Francisco de
Vidal no escriptorio da dita assoclacao roa do Livramento n. 19, primeiro andar.
Precisa-se de om primeiro andar cora com-
modo para urna professora que admita de 20 a 30
meninas, as mas seguintes: Cfozes, Crespo, Quei-
roado, Rozario larga, CabagS, Nova etc. ; a tratar
na rua do Rozarlo larga n. 16; e na mesmi casa
alagase nma canda da carreira measalmente.
Ama.
Precisa-se de urna ama para cozinhar e comprar
para casa de homem sotteiro ; na ua Nova n. 53.
Preelsa se de orna pret eserava, para vender
na rua ; a tratar na rua de H rtaa d. 14, sobrado
de um andar.
fliciaa de carapina, raa do Eucaota
meulon. i.
Tomam-se todas as obras do mesmo officio por
proco commodo ; alli se achara' eora quem tratar.
Tambem se vendem cadeiras americanas.
Nao teodo comparecido numero sufficiente
de irmSus para se proceder a eleigo dos novos
fuoccionarios que tem de reeer a irmandade de M.
S, da Sdedade noanoo de 1863, maoda a me-a
regadora de aovo convidar seus irmaos para se
reqnirem as 4 hors da tarde do da 5 do correte
mee para ter effeilo a e'eicao.
Consistoii. da irmaudade de N. S. da Soledade
1* de dezembro de 1867.
hrlstovao Santiago de Oliveira
4- Escrivl'i.
Precisase
de nra menino de 10 a 12 aunos que siibi ler pa-
ra caixeiro : o rua do Livramento n. 36._______
Antonio da Silva Ramos avisa a todu as pes-
soas com quem tem relacoes commerciaes que o
Sr. Joo D^tnlrsrues Alves M.reira deizoa da ser
seu caixeiro desda o dia 30 da oovembro.
Antonio Jos Lisboa'de Oliveira, declara pe-
lo presente que porhaver outro e gu*l nome, se
assigoara' d'hora em dunt? Antonio Joaquim de
Oliveira Lisboa.
Precisa se
Nova n. 29.

de urna engommadeira : na rua
Precisa-se de um caixeiro
Imperatriz n. 19.
Caixeiro
noCacidor, roa da
Aluga-se um primeiro andar na rua da Praia
com commodos para graode familia : a tratar na
roa cVova n. 24. ^^^^^
A possoaque aanaaei>u precisar de 1:6004
a joros, dirija-so. a roa estreita do Rosario u. 47,
qae dir' qalnTW^^ __ _________________
Jos Aotoaw Pereira, subdito portgnez, re-
tirase pan Europa._________________________
Precisa-vade ata bom coiiaheiro o de dous
criados, todos para r) servico do hotel do Monteiro:
Jco dos Santos Coellio e Jos Gomes de Fre-1 a tratar na roa do Crespo n. 8, loja dos Srs. An-
tai lazem sciente a qaem interessar possa, e com
especialidade ao corpo do coromercio, quo aroiga-
velmeci-i dlssolveram a socledade que tinham na
co|feitaria a' roa da Grnz n. 16, tkaodo todo o
acSvo e passivo a carg do socio Freitss, e o socio
Coelbo livre e desonerado, e pago de sea capital.
?- Na fioite do dia 30 do me ^assado fnrtaram
de om dos ranchos da estrada nava um burro e
urna burra ; o burro castanbo, pequeo, e a bar-
riga muito pellada ; a burra castanha escora e de
tanianho regalar, tmdo no quarlo esquerdo om O :
quem os apprehender pode leva-Ios nesta cidade
dofeecife aos Srs. Nareiso Irmaos & C, que sera'
recompensado.____________
f- Precisase de cm caixeiro jue tenha pratica
de taberna : na rua do Imperador n83.
iTfllSOAiO
Aloga-se-o sitio dos 4 leoes a' rua de Joao Fer-
niades-Vieira, com excellente casa de vivenda e
ontros commodos: a tratar na foja o. 18 a rua. do
eQnimado._______________________
Fugio no dia Io de dezembro de om sitio no
logar Paratiba, nm ascravo perteocente a Fran-
cisco de Paula Pes Brrelo, cojo escravo tem os
signaes seguintes : boa estatura, cor fula, olbos
grandes e afomagado?, falta de dentes na frente,
nariz afilado, pernas oas, p> apalhetados, cn.u-
le s-seiD barba : qcc-m o prender pode trazer ao
mesmo logar qae ser gratificado ; assim como
protesta contra qua'qner pesoa onde elle se acbar
nao avisar, o dito escravo ehacos^H Moberto.'i
Boleeiro,
Na Capunga, porto do Lacerre, rasa em que mora I
J.t Ouarlo ds Noves, precisa-se de um bom bo-
leeiro, e cuidadoso de uas obrigacoes.
Ao publico.
O abaixo assigoado, morador na villa de Agua
Preta faz sciente ao respailavel publico, qae tea Jo
assigoado urna folha da papel em rano para sa
proceder urna conciliario perante ojoit de paz de
Qulpaj. succede ter-se extraviado .dita folba de
papel, e para evitar qulcjaer fraude talara f.co o
presente annuncio.
Manoel Jos Arieiro Vlanna.
_______________._________-
; Joio de Siqotira Ferrad faz publico, qoe
desappareceu-lhe nma letra aceita' pelo senbor
[ir Jacintho Paes de Mendong, de principal
2:0501,000 sacada em 24 de ago.to de 1864,.ven-
cida em 24 de fevereiro do cerreDie-socw, e pede
ao dito Sthor Jaciolbo que nao a pague seoo a
lie, protestando proceder crimioalmeQto contra
r WB QQ" que se apresentar.como dono da di-
ta let a, R;c1fe 3 da dezembro de 1867.
j~ Offerecese om rapax paratafieiro coJjm-
laote pratica de padaria molhados : na roa do
ffitpel n. 9.
drade A Reg".
Aluga-se
Urna excellente casa no lugar do Monteiro coro
bom jardim e perto do rio Capibaribe : a tratar na
roa do Crespo luja da esquina o. 8.___________
qae saiba coser a
a' roa da Peana u.
Precisa se de urna ama
engommar para um homem :
2 A, 2 andar.
Aluga->6
Urna casa para pequea ftmiiia, calada e pinta-
da, muilo frase:., com quiutal e cacimba, b >a vis-
ta por ser defronle d* matrii do Poc>: a tratar
oa mesma ou na travessa dos Remedio?.
i
Atteii$.o.
- N. 2) RnadoUTrameato N 25
Deposit > d:i taraancos a calgado nacional da fa-
brica da rua do Jardim a. 19, da Jos Vicente Gor
dioho.tantonodep'WTtq.oiBo ua laj.rie-sepromp-
tam todas as po--oss do calcado o mais barato
possivel, esta fabrica tera to^s as machinas pro-
prias para os csljados j bem acreditados pelo
grande nomer ,de fregaezes qne daqat se for-
ncem.____ ,. "., -
MARTIMOS
.n
ji

AtJU
coiuh.-, e compre : na rua de
COWEBA FOSO.
Aomtmuhia iQdcmnfeAi** estahelecv-^
Jarjefi^;: csoss.'
jre Qvips e ^eus carriigaTiiiiaKii, e conirs
ogo em edificios, mercaduras euaobilus:
oa roa do Vigario u. 4, pavimento -terreo
i imm i


~jr
larlo de peroambne* ^ arfa tetra 4 e Bezcartr de
!
CHAPEOS
DE
TODAS A QUALIDADE
DE
N. **
Manoel Moreira de Souza,
== HUA NOVA ===
M. 4
(
Neste novo estabecinaeoto, tem um completo sortimeuto de
chapeos para homens, senhoras e meninos, vende-se por precos
razoaveis.









A empreza do gaz desta cidade desojando facilitar geralmente o oso do gaz na
casas e estabelecimeotos particulares, oferece desde ji as seguiotes vantagens:
i." Urna redaccio consideravel nos precos dos canos, apparelbos e todos os mate*
(3g riaes precisos para a iostallacao desta luz.
j> 1 2.* O gaz fornecido boje de extrema pureza e nao offender a prata, o bronze
'?'? ou outro metal difireme, assim como oenbum damno po-ier causar s pinturas, quadros.
^g* ornamentos, papel de forro mais delicado que seja, toruando-se ao mesmo tempo t3o sau-
jj|g davel e mais econmico outra qualqoer luz, j ooobecida, afinal, evitar tambem a obs-
truclo dos canos e tubos dos apparelbos.
3.* Os apparelbos existentes, como lustres, arandelas, bracos de vidro, de bron-
ze, etc., etc., sao proprios para os sectores que preferem luxo e elegancia, como para
os que necessiiam simplicidade e economa.
4.* As pessoas que quizerera collocar o gaz em suas casas podem dirigir-se em-
preza, a qual se encarrega da collocaco de todos os apparelhos, canos,etc., tomando toda!do mesmo Arrau!, a t*Ot)0 o palmo, com diversa
a responsabilidade pelo perfeito cumprimento do masmo, ou por outra, podem empregar afores de froeio e todas carregadas, e eom 600
qoalqoer maquinista reconhecido pela empreaa, sendo o mesmo maquinista responsavel **lmc* poaco meD0S de ando> 8 no fll
.
J. FERER1RA VILLELA
RETRATISTA
Da casa Imperial do Brasil
Ra do Calinga. 18, entrada pelojpaeo da matriz
Retratos por todos os systemas photographicos.
Retratos em vidro.
Retratos em paoel.
Retratos em porcelana.
Retratos em talco.
Estes retratos sao especiaes para se collocarem em al fine tes de peito, cassoletas
bctoes e aneis.
Retratos em cartes de visita.
Retratos em carte-album.
Retratos timbres-poste.
Retratos comee*.
Existe sempre um variadsimo sortimeoto de caixinhas, passe-par-tonts, qoa-
droa pretos, molduras douradas, alOnites e cassoletas de oaro no para a coll jcaco de
retratos. Vendem-se tambem albuos, stereoscopos, vistas para os mesmos, vistas de di-
versos edificios epootos desta cidade, apparelbos para photographia, e chimicas para
mesna arte.
UREA PENINSULAR
Fabrica de destilago e bonificado
DE
MARQUES i FERREIRA
Rl'.V DO OIORIHFORTE DO MATOS
PERNAMBUCO.
E-ta fabrica acbando-se montada cum todos os oecessanos pertences a ama destlla^o e com
materias primas, que entram na confeceo de todos os seas productos de superior qaalidade : promp-
fjflea-se a receber toda e qualqoer encommeoda e a vender os seas productos por precos nimiamente
redando*, osqaaes obtiveram premios naseiposic5esdePeroambuco, Rio de Janeiro e Pars em 1867.
Temos sempre em qnaotidades genebra, dita de laranja, aoiz, agurdente do reino, cognac, ab
etntbo, bitter, wermatb, kirebe, xaropes para refrescos, primeira a segunda qaalidade, licores Anos e
nlre finos, tinta para escrever, perfumaras, vinagre, marrasquino, coracSo, espirito de 40*, 38 e 36*,
rilo de alfazema, limonada gazoza, aguas : flor de laranja, rosa e ortela pimenta ; orebata de pevide
de melancia e mnitos oatros gneros, os qaaes e vendern a vontade do comprador, em barris, cana
tas, em garrafas com vistosas tarjas. Promptifica-se a condieelonar e 3 enviar qnalqner remessa que
nos seja pedida para toda e qoalqoer parte, devendo ser os pedidos acompanhados de ordem sobre
la praca .
T3
O
ir.
u re V.
&.-I
er o
u
L3 H
re
a
i/ CJ
D
B =!
-i a
re o =5
-a
3
8
~-
<.
Be
&
a.
s
3.
o
.7a
i
fe
w
>
o. "o "a 5 3 2.
a .- o
=.&(/:
a -o a
timo rata ogc
J. O, w
3 s
8" 3 5 a. S
5 3 2? a
H S ** M <= a o q
t 8 M
O. a
a> B _
oa O. S M
B s- 5
S4 i -
W ce b> o. 3 O. O 3 O K re en -So3 $ s
a. 5 3 S M
f--------------a^^a^aW >o a
L o. a -, B B
el i j a 5* B 8 "H. "i 2. o O Cu
^^ O" S
13 -r
^^*^?^ 3. 3 C.
.TTt^a-ar. s B
^^^ -. ij re
g i

Q,
0.
s. 3
B ,2"
8 o
i ^ l
SMiAf f RMN
45Kna DireiU45
Chega, gente!!!
Borzegnios nglezes para bomem a 5
Ditos franceies dem a 5 ^^ -~*r. -i"
Borzegotns para senhora, eDfeitttts, a i#r
Ditos para menina, dem a 3#.
Kapaioee fngleies para homem a 4#.
Ditos americanos a 3d'0O.
Chinelas do Porto a i600.
*Sapatos-tranca para senbora t $280.
Irnos aveodado-, dem, a l$280.
Aproveitem emquatlo lempo.
Aluga-se
O terceiro andar do sobrado da rna do Amarim,
n. 37, com grande sotao e eommodos para familia :
a tratar do armazem do mesmo. __^_____
D. Senhorinba Germana do Espito-Santo, ten
do aberto no seo sitio 4o Arraial mas para reta
Ihar a vontade dos compradores, faz ver a lodos
que as roas tem sesseota palmos como marca a
cmara e qoe tem de fondos 320 palmos, e com
diversos aivoredos de frocto, boa Ierra e a 14500
o palmo. Assim como lem tambem bons terrenos
pelo sen trabaibo.
5.' A empreza obriga-se ainda a reparar gratuitamente qaalquer falla de loz,
obstruccSo de canos, etc., devendo o consumidor pagar somente as pecas novas qoe forem
precisas para o mesmo concert; qoalquer reclamacao que possa baver, ser dirigida ao
escriptorio da empreza roa do Imperador n. 31, aiiin de ser logo providenciada.

I


9.' S A -Ra do
S A
CabugM.
Os propietarios deste estabelecimento c ffereeem ao respeitavel publico
um esplendido e variado sortimeoto de jotas de ooro ebegadas recenterxente
da Eoropa, cujos modelos sao nevos e de bom gosto como sejam: polseiras
com perolas, rubios, esmeraldas e brillantes, brincos dametma ferma, aunis
de i bantasia, proebes para retrato, etc etc botes de coral rosa para p to
de camisa e cafoletas com retractos.
Compra-se e recebe-se em troca ooro, prata e brilbantes pelo sea en-
trinceco valor, assim como moedas nacionaes e estrangeiras. Tambem se en-
cembem de fazer concertos
Agostnho Jos dos Santos S? C
&
0$** Atlt^
Mk
Trecisa""e alogar orna ama forra oo escrava,
preferlndo ss esta ultima, para o servido de orna
casa de pooca familia, paga-se bem : na roa No-
va n. H.
Frecisa-se de orna ama para o servico de
orna casa de pooea familia, prefere-se escrava e
pagase bem : no caes do Ramos, armazem n. 10,
_ Urna enhnra professora publica de instroe-
<;o primarla, por motivos de molestia deseja per-
motar sin cadeira por outra nesta cidade do Re-
eife, at a distancia de orna legna, e cffereee por
compensaco orna vantajosaoBerla : quera se pro-
pozer a fazer este negocio, dirija se ao eaes do Ra-
mos, armazem d. 10, oo annnneie para ser pro-
corado.
O Dr. Jjaquim Jos de Campos da Costa de
Medelros e Alboqoerqae madon o sea escriptorio
de adv .cania da casa n. 22 para a casa eoaUgoa
o. 24 da roa do Imperador, defronte da re acio,
jory e sala das aodleocias.
Aluga-se o 3* aMar do sobrado n. 8 roa
AMA
Precisa se de nma ama para ser vico de casa de
pequea familia : na roa das Crozes n. 41 A, por-
ta larga.
Geometra
0 padre Praocisco Joo de Azevedo, aotorisade
pela directora da iotruccao publica, prr.poe-se
leccionar pelas ferias em sna casa no caes do Ra-
mos n. 4, a romeear de dezembro, aritbmetiea, al-
gebra e geometra tanto aos que se preparara para
eiames da faealdade como aos qae se dedlcam a
oatros mlsleres.
Aiuga-se a casa terrea sita a' roa do Gazo-
metro, confronte ae porlio lateral da fabrica ; tem
eommodos para pequea familia, e de preco de
llf por mes : a tratar no mesmo logar.
O Sr. Justino da Silva Cardoso qneira
vir nesta typographia negocio urgente.
Na praca da Independencia n. 33, loja de
onrves, compra-se ouro, prata e pedras preciosas,
N. 2 largo da matriz de Santo Antonio n. 2.
RETRATOS A OLEO
Temos a honra de partecipar ao respeitavel publico a volta do Sr. Alberto Hens-
chel que foi Europa com o duplo fim de se por ao correte dos mais recentes pro-
gressos da arte pbotographica e adquerir para o nosso estabelecimento mais um ar-
tista de talento.
O Sr. Alberto foi summamente feliz e conseguio eogajar um destincto pintor de
retratos, p
SR. (ARLOS ERNESTO PAPF
rrembro honorario da academia real de pintura da cidade de Dresda, e do qual a reputa-
do bem fondada nos aotorisa a erperar produces notaveis no sea genero de trabalho.
Um progresso immeoso ltimamente executado na pbotograpbia, nm dos mais
importantes consiste n'arte de obter retratos em tamaobo natural. Asando directamen
te na grandeza que se desaja, sobre a tela do pintor, o retrato pbotographado, por meio
de um instrumeoto especial chamado : cmara solar de augmentaco.
Pi-r esta forma o talento e o saber de nm artista habii maravilhosamente se-
cundado pela precifao absoluta e infallivel dos contornos e das sombras que ihe pe a
photographia sobre a tela, e tudo se rene assim para se alcancar o maior grao possivel
de semelbanea incontestavel, ao qae da ainda maior realce o sello artstico, que imprime
ao retrato um bello colorido.
Pelo mesmo processo nos podemos reprodazir e pintar oleo, ama vez que se
nos d orna pbotograpbia, seja de que tamanho for qualqner retrato de pessoa morta ou
au. ente e no tamaobo que se desejar.
As pessoas que quizerem julgar por si mesmas deste nevo genero de trabaibo,
sao convidadas a nos fazer a honra de visitar a nossa galera, aonde estu expostosuma
serie destes retratos como amostras.
AMBROTYPOS
Retratos em caixinhas
Para satisfazer a numerosos pedidos de muitos dos nossos fregueses, estamos pre-
parados para fazer retratos neste genero, para os quaes tambem temos agora um grande
ve ariado numero de ricas e bonitas caixinhas..
prietano qoem nao qcizer.
COSIMIEIRO
Otlerece-se um ptimo cosioheiro, escravo ainda
moco na rna do Trapicho u. 46.
Qoem quizer alogar o sobrado o. 42, a'
roa da Aurora, dirija se ao escriptorio n.
4, a' roa do Crespo, que acbara' com qoem
tratar.
Collegia da Onreicae.
fXg Corso de ferias.
S Acha-se a berta a matricula das aulas jg
I preparatorias para os exames de mar(o J
IB vindouro. Sq3
FRANCA & BRAZIC
Lar#o do Corpo Santo n. 27
Mr. Joto Hereje tendo ehegario de Pars da
grande es posicio universal de 1867, faz sciente
ao respeitavel publico e aos seos numerosos fre
guezes que tem um grande sortimeuto de fateodas
finas, assim como cortes de caigas e colleles de
c;emira e costomes mteiricos e ricos cortes de
colleles de seda pretos e da cores e de la; assim
como fazendas proprlas para montarla de senbora.
Outro sim, faz vestuarios para montarlas e recebe
tiguriuos todos os mezes para homens, senooras e
meninos; assim como lem sargelin francez que
vende em pega e a relalbo por prego razoavel, e
brlns brancos ede cores variadas.
Aluga-se a casa de Ie5es da ra dos Praze-
res n. 36.
CUS OA FORTW
Aos 5,000$ s\
* BILHE1ES GARANTIDOS.
A roa ik) Crespo n. 3 E casas do costdm>.
Oabaizo assignado vendeu mws muito feli-
zes bilbetes garantidos da lotera qae se aeabou de
eitrahir a beneficio das familias dos volautarlos
da patria os seguiotes premios:
2" ?i!i 2 mei coin wrte 8 8:000*.
, l ioa* Q0rtos com a sotte de 9tX>*.
N. 838 um meio com a aorte de. 400*.
E outras muitas sortes de 1004, 40* e 20*
Os possnidores podem vir receber eos respecti-
?oe premios sem os descootos das lels na casa da
For tu ni ra do Crespo n. 23.
Acnam-se a venda os da a beneficio da matriz
de Ooricory (46*) {qae se extrablra1 quando I6r
annonciado.
Freco.
Bilhete. .... 6*006
Meio. ...... 3*000
Quiote.....1*200
Em porcao de i 000 para cima.
Rilbete.....54500
Meio......3*750
Quinto.....14100
Por Manoel Martios Fiuza.
_____________Gealil H. Rodrigues de Scnza. _
Ama.
Precisase de urna ama que saiba cozinhar e en-
gommar para casa de ponca Lmilia : na roa da
Croz n. 8,1* andar. _____________________
Ama
Precisa se de ama ama para cosinbar : na ra
do Apollo n. 14, armazem.
O Dr. A. S, Pereira do Carmo (medico)
est morando no sobrado n. 12 d roa da
Imperatriz.
^^^
Precisa-se de ama ama para casa de poaca fami-
lia para cozinbar e ensaboar : a tratar na praca do
Corpo Santo n. 17, terceiro andar.____________
Gratifica se com 5"$
A quem capturar o preto da Costa de nome Ja-
ciotho, idade 38 anuos, estatura poueo menos de
regular, tem falta de dentes, talhos bem visiveis
as macaas do rosto, e os beigos grossos, pernas fi-
nas etc Fogio em 29 de ootunro prximo passado,
levando caiga e camisa brancas, chapeo de palba.
A primelra vez que fogio iolitulava-se forro de na-
gao e empregava-se como servente de pedreiro,
gaohador, etc. Foi visto ba poneos das na cidade
de Olinda, Agua-Fria e Santo Amaro das Salinas,
em ranchos de outros negros da Costa. Roga se,
pcls, as autoridades puliciaes e a qnalquer parti-
cular a captura de dito negro a ser entregue a sea
senhor Joo da Silva Leile, a' roa da Cadeia do
Recife n. 10.
Precisa-se de ama ama que cosinbe e enga-
me para ama so pessoa na roa da Croz n. 68.
Foruiu.
Sabio a' las o 1* nnmero desta folha, qoe trata
de assamptos forenses; assigoa-se na ra do Im-
perador n. 57,1* andar, e na lypograbia de tCor-
ren do Recife, na mesma ra n. 79.
Rega-se encerecidamenle a todas as pessoas que
contrabiram debtlos na loja de oas no corago de
ooro n. 2 B na roa do Cabaga', o favor de em
qoaoto antes virem saldar seas dbitos, isto cera
perca de tempo, pois muito se agradecer'.______
Club do Recife*
A partida do mez de Dezembro prximo
viodouro lera lugar na noite do dia 7 do
mesmo mez.
O Secretario
____ Joaquim Leocadte Viegas.
Aluga-se
para passar a festa oo por om anno, ama casa em
Olinda, com excellente vista e ramio fresca, com
tres salas e cinco qaarls, cozioba lora e bom
quintal, com terragos adunte e airaz com acentos
de pedra e cal : a tratar na praga de Pedro II, 11-
vrana da Infancia n. 6.
Offerece-se ama ama para casa de mogo
solteiro : na ilba dos Ratos junto ao hospicio.
Fundicao da Aurora em San-
to Amaro.
Completo sortimento de taixas de f rro
coado, molde raso, ltimamente aprovadas
para o fabrico do assucar.
Hospital Portngaez de Benefl-
c enca.
Por aotorisago da provedoria do hospital portu-
guez de beneficencia, Dr. Prxedes Pitanga, d
qneira restituir na mesma casa o. 43, 1* consultas gratis todos os dias das 7 1|2 as 9 ho-
ras da manhaa, nos sa!oes do mesmo hospital, no
sitio do Cajueiro.
Escrav.
No collegio da Conc^igao precisa-se alugar um
escravo.
JLTTEHTCAO.
Perdeu-se na roa do Imperador desde a casa n.
43 at a relago, onde esleve a pessoa qae os per-
dea, cento e tantos mil ris, tendo entre este di-
nheiro nma edula >*e 100* : gratifica se a pessoa
qae os
andar.
HISTORIA DE CARLOS
XII
Rei da Suecia
^m m mww&

s
Alm do grande sortimento das melhores machinas, americanas para descan-ocae
algodSo, de 10, 14,14,16,18, 20, 22, 23, 30,35, 40 e 50, neste estabelecimento sr
encontra mais o seguinte:
A Salsaparilha
I>E AYER.
3?ara
.i cura radical do
POR VOLTAIRE.
Vende-se esta excellente obra por 14200". em
broebura, na llvraria Econmica ra do Crespo
n. 2.
Na mesma livraria tomam-se asslgnaturas para
avida de Horacio Nelsono celebre almirante
anglez a !* cada exemplar.
Para seu interesse
Muito se precisa fallar cam o padre porluguez
Jos BeroardiBO de Paiva que suppde-ss morar
em Marcago, e com o Sr. Jos Lourengo de Me
deiros Muuiz que mora nos arrabaldes de Santo
Anto : na praga do Corpo Santo d. 17, pnmeiro
andar._________________________^_
Desapareceu no correr da noite de 2o do
correte jo poder do abaixo assignado, no enge-
nbo Contra-assade, de Jaboato, o escravo Jos,
criooio, com os sigoaes segrales : baixo, bem
construido, rosto largo e nariz chato, venias mui-
to ib Tia, len da mais oa menos, lera' de 20 a 21 annos, nao
se distingnlndo no rosto sigoat de barba, vesta
camisa de chita encarnada trazendo em trooxa
mais r upa. Aoimado pelo que se esta passaBdo|
foi encontrado em Afogodos declarando qoe vinba >*>> ^ universal o terrivi do qne a c*cro/i; porei
alistarse no exercito. Protesta o abaixo assigna- *' imUmin, porem a cansa principal de maltas
Tenuidades qne no lhe sie geralmente ai tribu das.

Escrfulas, ulceras, chagas, fcr-
idas velias, molestias syphil-
iticas, e merenriaes, Enfermi-
dadea das mnlheres, como ro-
tenco, menstro doloroso, ulccr-
acio do tero, e florea branca*-.
A Nevralgia, Convulsdes, Eri-
sipelas, Enfermidades Cutnea,
borbulhas, nascidas, etc.
O extracto comporto de SAT.SAPABILHA, confeccion-
ade pelo Db. AYER, urna combinaoao dos melhores depura-
tivos e alterantes couliccidos medicina; composto segundo
as lels da ciencia, approvado o receludo pelos primeiros
mdicos dos Estados Unidos, da America do Sui, do Mxico,
das Indias e dos principaes Estados da Europa.
A SALSAPARILHA do AYER c especialmente efficaz r.a
cura das molestias que tem sua origcm na escrfula, na
infeocao venrea, no nso excessivo do mercurio ouemqualqucr
Impureza do Singue.
Entre todas as molestias que afiligem o genero hnmano, co
do contrs quem o liver acontado da mesma ma-
neira que contra qoalquer autoridade que sem as
mdlspensaveis pesqnizas o bonver recebide se isso
se iiv-r dado, gratiBca se a quem o apprebender
levaodo-o a roa Direila o. 29, segundo andar, a
entregar ao Sr. Antonio Pedro de S Brrelo Ju-
nior. Recife 30 de novembro de 867.
Jos Marques Carneiro Leao.
Precisase de um criado de poaca idade for-
ro od llvr<, para lodo servigo : na roa do Impe-
rador o. 73. 2* andar.
S SZS!'!/ ,nttr ^l' L d M' !e ****<* fx qaaijoer obra de eacommenda e
do Trapiche n. 34.
Trocam se
as notas do banco do Brasil e das calas Dliaes-
om descont muito rasoavel, na praca da Inde,
oeodeneia n. 12.
todo e qoalqoer concert.
Aloga-se ama casa com sitio oa Passageo
confronte-ao cbafariz aebando-se a easa em per-
feito estado : a traar na mesma easa.

Precisa-se de orna ama para tod i o servigo de
ama casa de pequea familia e prinelpaloeole pa-
ca eosiohar e engorara r, preferlndo-se preU es-
Tnf*J tar era Pora em Portas roa do] Pllaj
a 143, ^ aodarY
Companhin ntilidade pnblica
A dfrecgio paga o 14* dividendo de 52* por ac-
(9o, em seo escriptorio rna da Cadeia o. 4!. prl-
meiro andar. Recife i de dezembro de 1867.
Os directores
Feliciano Jos Gcmes.
____________Tnonax Peroandes da Conos.
O wertvlo do >ory aaodeo o sea eartorl? pa-
ra roa do Imperador n. 35, f andar.
Azeite de espermacete propria para machi-
nas de todas as qnalidades.
Vapores de forca de 3 a 4 cavalios.
Serras avulsas para maehinas.
MancSes e todos os mais pertences para as
mesmas.
Carros de mo para aterro. __.
Cylindro para padarias.
Debnihadores para milho.
Arados americanas.
Escadas de madeiras amerkaoas.
Carrinhos proprios para armazens.
Moiohos para refinacoes.
dem para mlho.
Machinas para cortar capim.
Bombas para regar jardlns.
Vaquetas para cobertas da carros.
Gamas de ferro sortidas.
Bombas de Japy.
Man americanas.
Ferros a vapor para eogommar.
Vassooras americanas.
Baldes americanos para compra.
Tinas de madeira.
Balltios e cestas de vergaiobas.
Gnsrda romidas.
Peneiras d'arame para padarias e refinacoes.
Correntes para almanjarras.
Machados e facbes americanos.
Caixas com vidros de todos os tamanbos.
Cannos de chambo de todas as grossnras.
Folha de cobre idem idem.
dem de lati idem idem.
Folha de Flaodres.
Ferro de todas as qnalidades.
Arcos d ferro.
Latas com gaz.
Trens de porcelana para cosinba.
dem estanhados para dita.
Bandeijas Coas.
Balancas americanas.
dem rovervaes.
Taixas de cobre.
Estanto em vergninbas.
Folbas de ferro de todas as grossuras.
Correntes de ferro sortidas.
Espingardas de todas as quaUdadesJ
Rewoi via de todos os modettos.
Ferrameota paraoorires.
dem para tanoeiros.
Mera para ferreiros.
Candido Alberto sutire da Multa e Jos alaria
Sodr da Molla, sob a impresso do mais doloroso
senlimento pela morie de sua nunca aisas pran-
teada mal D. Candida Alberto da Porosa, fallecida
na Iba de S. Miguel, convidam aos seas amigos e
prenles para oavjrem as mlssas que pelo repon-
so eterno de sna alma mandam celebrar no dia
quarla feira 4 de dezembro pelas 7 hora: da ma-
nbaa naa mainos 'de S. Fre Pedro Gooealves do
Recife, S. Jof, Bja vista, Igreja da Madre de uaos
e 8. Pedro Mariyr de Olinda.
O abano aasignado declara ao respelttv!
corpo commercial desta praga e a quem inters-
sar possa qoe da dala de 28 do crrente, deixoo
de ser gerente e procurador dos negocie s de Joo
de Siqoeira Ferrdu, o qae laijpublico para sna re-
salva e evitar duvidas no paseado, prsenle e fu
toro. Recite 29 de novembro de 1867.
_____________Maibias de Aievedo Villaronco
Furiaram do cercado desle engenbo ao ama-
nhecer de boje dous cavallos, om castanho, com-
pndo. cabrado, de 9 aseos de idade, ferido da
cangalha, carrega baixo obrigado, esta com a cri-
na e canda compridas e lem este ferro MF na
anca. Oalro rnaso, grosso, de bom tamaobo, io
leiro, manboso, carregador, pesado a espora e a
eip, canda eoruda, o um o ferro cima : qoem
os apprehender dirija-aa a este engenbo qae sera'
eoeros*av>ete graufleado. Tapera 2 de dezem-
bro de 1867,
urna causa directa da tltlea pulmonar do mal do
figado, e estomago, affeocBes do cerebro, ltheumaUsmo
e affeccocB dos Ria: entre seos svmptbmaa ba os seguate^ *
Falta de apetito, Fraqueza e nioleza em todo corpo Mo
cheiro da boca, semblante plido e buhado, s vezes d'nma
airara transparente, outras vezes corado e amarcllo ao redor
da boca; Digestto flaca e apetito Irregular; Vcntrc inckade*
e evacuacao irregular; Quando ataca oa pulmoes urna cor
azulada mostra-se a roda dos olhos, quando 6 no estomago
sao avermellia dos, as pessoas de disposico escrofulosa
appareoea frcquentcmcntc enq>ctei napelle da cabeea e outra*
partes do corpo ; sao predkpostas s qfecclts dos pulmta, do
figado, dos Wns e dos orgaos digestivos e uterinos. I'orlanto,
nao sao some.it e aquelles que padece m das formas a Ice rota
e tubereuloia* da escrfula que necessiiam de proteccia
contra os sene estragos; todos aquelles cm cojo sanguc existo
o virus latente deste terrivel lagello (o a vezes i hereditario),
esto expostes tambem a sofrer das enflriaidaaas que elle
causa.
Oflerecemos a estas pessoas um abrigo seguro' e un anti-
doto eOcaz contra esta molestia c suas oonsequenolas, na
Salsaparilha de Ayer
qne opera directamente sobre o sangue, purificando o e ex-
pulsando delle a eomrpco e o veneno da molestia: penetra
todas as partes s todos os oreaos do corpo humano, lirrando-
o da saa aeco rielada o inspirando-lhes novo rigor F'um
alterante poderossimo nara a reaovaeao do sangne, cdao
corpo Ja cnrr<|iie.ido pela doenca forca e energa renovadas
como as da Juventud. 8""
t TAMBEM O XELBOR AXTI.nPBXLXTICO '
COyHECIDO;
cura penaanenmentc as peiorea formas de 8TPHILIS a*
r^COf,e UM do ineitimavel valor de um remedio que, come este, frra
o saugae dessa corrupeo o arrebata a victima das garras do
urna aorta lenta e Ignominiosa, porem Ineritarel se e mal
nao e logo combatido com energa.
Nao pretendemos promulgar, nem queremos que se Infira
que tete remedio Infallrel para a cura de todos os padeci-
mentos humanos, o que dizemos que a
Salsaparilha de Ayer
a vulhor preaaracao ato hoje desoebtrU para estas outr.
molestias anlogas, qae urna cembtaaeao dos alterantes
mala effioazes condecido, e que temos roascicncla de oflereocr
ao publico melhor rasalwdo que 4 aosstvel ptaiulr, da
intelligeucU e pericU medica de* aoseot tempe*.
REMEDIO DE AYEK Pili SIMES
C
Aluga-se urna escrava moca para iodoaerv-1
co: na rna dn Agoa Verdea n. 22,1 andar.
Precisa-e de om copeiro para ama casa (s
irantetra, preferdo se escravo : a rratar Ba rna
do Trapiche n. 3.
InXaliTol aaa febraa intermittootoa, raatoKautea,
Pobre* Biowu ttrmm, mal do fl*ad*v ia.
cremento do bato, oagueirtk. Dor no
ouridoa paleitacea, quando
ato oandos patea r?
UBEES INTEBMirTENTES, O REMITTENTjS.
As preparaos** de Dr. Kjt.a ti vendMM era toaat a
BotiCW e PrnjTrfe. do Tfnrerto,



I to^MMMHMMHBi
X
Url* de rer.b.eo Quar.a felr. 4 :t Dezembro de 18
67,

.
1/
JOIAS
_ N,2D "? N. 2 Di
(HF* CORIClO DE Ol IU>. ^J^
A loja n. 5 D intitulada Coracio de Ouro na roa do Cabog, acba-se d'ora em diaote offereceo
jo ao respeilavel publico com especialldade as pesaoas qae honrara a moda os objectoa do ultimo gos
Id a Parla)per meaos 20 por cento do qae emoatra qaalqaer parte,garantmdo-se a qaalidade ea so
da cbras.
O respeilavel poblico avallando o desojo qae deve ter o proprietario de om novo estabeleeimen-
to qae qaer progresso em sea negocio deve cbegar inmediatamente ao coracao de ouro a comprar
aneit com perfeitos brilhantes, esmeraldas, rubios e perola ; verdadeiras em agarras, modernas ele
dlminato preco de 101, brincos modernos de oaro e coral para menina pelo preco de 3*, maracas d
prata com cabos de marflm e madreperola obra de moderno gosio (o qae o encontrara no coracao d*
ouro) voltac de ouro com a competente cruslnha ricamente enfeitada pelo pequeo preco de 121, bnn-
eos de oro trabalbo perfeito por om mdico preco,cassoleas.traaealins, pulceiras alfioetes para re
tratos e ontros modelos todo de alto gosto, aneis propros para botar cabello e firma, dito para casa-
mento, no rtico roseta tem o Coracao de Ouro ara completo e bem variado sortimento de diversos
gostos, botSes para punbos com diamante, rubios e esmeraldas, obra esta importante ja' pelo sea va-
lor ja* por gosto ds desenbo, brincos a forma da delicada mosloba de moca com piogente eontendo es-
meraldas, rubios, brilhantes, perolas, o pisto sablime, alfloete para grvala no mesmo gosto, relo-
gios para senbora cravados de pedras preciosas, ditos para hornera, diversas obras de brilhantes de
moilo gosto, crasinbas de rubios, esmeraldas, perolas e brilhantes, aneis com letras, cacoletas de
erystal e oaro descoberta para retrato (a ingleza) brincos de franja, ditos a tmperatrize toda e qual-
qner joia, para secolocar retratos e obras de cabello, e ontros muitos objectos que os pretenden tes en
contrario no Coracao de Oaro qae se conserva com toda a amabilidade aos concurrentes deixando-
se de aqol mencionar precos de certos objectos porqae (desculpem a maneira de fallar) dizendo-se
preco tai vez algnem faca mao juno da obra, por ser lio diminuta qaantia a vista do sen valor.
Na mesma loja compra-se, troca-se oaro, prata e pedras preciosas, e tambem recbese coneer-
tos, por menos do que em oatra qaalqaer parte, e do-se obras a amostra com peohor, conservando-s
t Coracao de Ouro aberto at as 8 horas da noile.
Qoal jner pessoa qae se dirigir ao Coracao de Oaro nao se podera* engaar com a casa, pou
nota se oa sua frente um coracao pendarado pintado de amarello, alem de oatro qae se nota em un;
rotalo (isto se adverte em conseqaencia de terem ja' algamas pessoas engaado com oatra casa.
Fedegoso de Pernambuco
A planta, conbecida entre nos sob a de-
notninafo de ftdegoso, e do Rio de Janeiro
e pro incias do sul deste imperio pela de
arista de gallo, o tiariiium utilissimum
oa tiaralium elonoalum de Scbam, e o he-
liotropium curas&adium de Mart., perteoce
familia das boragioeas.
O fedegoso considerado, na therapeuti-
ca pernambucana, como urna das plantas
mais recommendaveis por suas virtudes cu-
rativas, e applicado interna e externamen-
te, como calmante do systema nervoso, na
paralysia, asihma, tosse convulsa ou coque-
luche, tosses recente? e antigs, suffocaces,
catarrbos pulmonares, etc., e em geral con-
tra todos os sofifrimentos das vias respirato-
rias ; sendo um excelieate Unitivo para
aquel es que padecem de pbtisica pulmonar.
Sua c.fficacia contra o ttano ou espasmo
incoBtestavel, e uioguem ha que a deseo-
o beca.
N3o ignorando nos o que acabamos de di-
zer, e esforcando-nos por ser til humanida-
de soffredora, preparamos o qoe abaixo indi-
camos, pondo a disposic3o dos distiuctos m-
dicos, e dos doentes desta e das entras pro-
vincias deste imperio nossas preparaces,
que s5o:
i.
a> 2.
a,
ifi
i
O.T ,
* O.
O
C/3
BB
O
5
B.
srgj-B
I a 3
a
m

n_, r

i-fff

O iSi
flfrfs
5op.2
B
cr S.
ec
-fi
5
as
H.EJg s
-IBS
(6 (
B
o
a.
9
:g2
,m ~ TI
> W

% JIUIR!
eiu extracto aleoollco, emplas-
tro, oleo, tintara, plalas, xa-
rope e vlnho.
A JUiUBGBA urna das substancias me-
dicamentosas que pertencera ao reino vegetal
e eniram na classe dos tnicos e desobstru-
entos, sendo empregada com vantanem con-
tra asfebres intermitentes acompanhadas de
engnrgitamento de figado e baro.
Ella tem sido aplicada com incontestavel
proveito contra a anemia ou chlorose, hy-
dropesia catarrho da bexiga, e mesmo para
excitar a menstruaco difficil, resultante da
mesma anemia ou chlose.
0 ARROBE VEGETAL
E9 muito superior aos xaropes de CUISI-
NIER, edeLARROY. De faciidigesto, a-
gradavel ao paladar e ao olphalo, elle cun
radicalmente, sjm mercurio, todas as afec-
c5es da palle, impigens, alporcas tumores,
ulceras, sarnas degeneradas, escrfulas, es-
corbuto. E" sobre ludo poderoso as moles-
tias rebeldes ao mercurio e ao iodureto d?
poosw.
Pos vermfugos para lombrlgas.
Preparado a mais segora par a expnlso com-
pleta das Umbrigas e outros vermes, sem acarre-
tar os inejnveolentes que se tem dado com ooiras
preparaces Sao de grande acjc vermiciva,
agndavais ao paladar e compativeis com lo s as
idades e compleicdes, variando smente na qnaa
tidade.
XAROPK UE SALSA P ARRILHA DO PARA,
ou
DEPURATIVO O S V\GIE
USADOS AS MOLESTIAS DE PELLE, IMPIGENS,
DORES RHECMATICAS EULCERAS VENREAS
PlLULAS AVTI PEaiODICAS
Contra as febres interaiteotes, oa seiies
O MULUNGU' tem accao directa sobre os
ceiros nerv sos, e por isto faz dormir sem
determinar affluencia de sangue bo cerebro
como o opio e substancias simples qne delle
se exlrahem, pelo que o somno tranquillo
e reparador, calma a tosse as broDchites,
e modera os accessos de astbma e de tosse
convulsa.
TODOS ESTES MEDICAMENTOS SAO PREPARADOS
POR
Jeaquim d'lmeida Ptnlo.
PHARMACEUTI O EM FBRNAMBUCO.
Roa larga do Rosario N. 10
Jiito ao qnartlde p Licia.
Precisa-se fallar aos Srs. Maooel Joaquim
Lourengo, G. Antonia da Graga Mal, Francisco
Ignacio da Nova, Jos Joaquim Barreiro, Jos de
Oliveira ('oacelco Fitoeiredo, Jjao Evangelista
da Silva, Castodio Jos Ferreira, Jos da Silva Ro
drlgaes : na roa do Vigario n. 19, i andar.
Atten$Io.
Pede-se aos senbores Francisco de Siqaeira Ca-
valcanti e Manoel de Siqoeira Cavalcanii Fllho o
favor de virem a raa da mperatrtz n. 38, a nego-
cio de seu interesse.
LOJA 00 GALLO VIGI-
LANTE RA DO CRES-
PO N. 7.
Os proprietarios deste muito bem conbe-
do estabelecimento tem a satisfacSo de levar
ao conh^cimento do respeitavel publico que
a abam de receber pelo ultimo vapor da Eu-
ropa um grande e variado sortimento de ob-
jectos de inteira novidade, dos quaes se li-
mitan) a megcionar apenas um pequeo nu-
mero Ocando o respe.tavel publico na serte-
za de que neste estabelecimento sempre en-
contrarJo um c >mpleto sortimento de arti-
gos de gosto e inteira novidades como sejam.
Cintos
Os muitos desejados cintos com pontas,
bordados a vedrilho, fazenda de muito gosto
e completa novidade, respeito a estes cintos
n3o fazem observacSes e sim deixamos a
apreciaco d s esclarecidas freguezas isto s
no Gallo Vigilante na ra do Crespo n. 7.
Leques
Muito lindos leques d'osso, madeira, sn-
dalos, e madreperola ; pretos, brancos e de
cores, e muito se tornam recommendavel
pelas bonitas paisagens.
Plores
0 melhor qae se pode desojar neste arti-
go as qoaes parecem naturaes assim como,
tambem recebemos ama pequea porcao to-
das pretas e se vender na loja i do Gallo
Vigilante ra do Crespo d. 7.
c apellas
Mu lindas grinaldas brancas e de cores
aquellas para noivas, e estas para bailes, ca-
samentes e baptisados.
Lavas
Luvas de todas as qnalidades para se-
nhora, homem, mennas, sendo de algodio,
fio da escocia, seda e pelica muito fresca e
do fabricante Jouvin, parece-nos que n5o ha-
ver quem ignore que por todos os vapores
da Europa o Gallo Vigilante, recebe grande
quantidade deste artigo e por isso sempre
tem sortimento a vontade do comprador,
UVAL SEM SEGUNDO
a do ttoelniafe n 9, loja dr
mindezas
DE
Jos Bigodinho
Varas de baba Jo bordado do Porlo a ,
'/arn-tels de retroi prtio com duas oitavas
Harriteis de reteo de todas as cores a .
b a "oa de Golooia mDto ,0Prlr a
frascos de o eo muito tino a ;
Outia de lesouras pequeas a
frascos d'agaa para liropar denles '. '
Redes pretas lisas para segurar cabello
UQUaa de pennas de ac multo Gnus a .
Lanas de loba do gai de 30 noveilos a .
laem de palitos de seguranca a
!,Tt>s de agna F|'rida v"didelr '. '.
>>iiabarlos com estampas para meninos a
Memento da ronpa de lavar a .
aiiasderoeiasflnaspara senhora .'
Agulbas fraucezas a balo (papel) a. .
Pe?as de fitas de 13a de todas as edres a
toreras de botSes de porcelana prateados a
Unas con alOneltes tranceres a .
t-anas de 100 envelopes multo Anos a .
i'esma de papel de peso branco liso a .
frasco com superior tinta a.....
Pares de botSes de punbo mallo bonitos
una* em cartio de 200 jardas a .
Uilxa de superior iinba do gai com 80
noviios .......
Talheres para meninos '.'.'..'.'.'.
Masso com superiores grampos a '.
onets para meninos a.......
Pentes com costa de metal a......
Kealejospara meninos a.......

MI
50(
UU
60
2
fKH
2i
35t
101
ilIKfc
6t
SOt
161
81
601
im
i <
SI
I0<
ARMAZEM
DO
VAPOR FRANCEZ.
70.
Si-
3<
1JO0I
40(
40r
o seu preco
COMPRAS
Maior prreo
qae em outras partes, compra "e moedas de oore
e prata : na loja de oorlves ra do Cabuga1 n. I,
esqqlna da raa larga ao Rosario.
Moeds de
nacional e estraogeiro,
oaro
como
assim como libras stfrli-
nas : compram-se na rna do Crespo n. 16, primei-
ro andar.
Moedas de ouro.
Nacionaes e estrangeiras assim como libras
esterlinas: campram-se na raa do Crespo n. 16,
primelro andar.
Compram-se
com premio moedas de ouro e de prata'naclenaes
e estrangeiras: na roa la Cadeia do Recife n. 16
armarem de Adriano. Cstro & C.
Maior vantagem
O coracao de oaro rna do Cabog n. 1 D, offere-
ce-se em compra das moedas de ouro e prata.
A IC por cento.
Comprase a prata na praca da Independe ca
n. 32.
tambem nao se valle da falta
sempre o mesmo.
Pentes
Muito bonitcs pentes de tartaruga para
coque e alizar os cabellos, assim como para
arregacar os mesmos e rauitas outras quali-
dades.
Escoras
Grande sortimento de escovas, para roupa,
cabellos, chapeos, dentes unbas, sendo de
osso, bfalo, baleia, marfim e madreperola.
Vivabas
Superiores na/alhas pequeas para bar-
ba sendo cabo de marfim, tartaruga e ou-
tras qualidades, as quaes o fabricante ga-
rante a boa qualidade.
Abotuadaras
Chegarara as rtui lindas guarnces[de
botoes para colle'es fazenda de gosto, assim
como grande sortimento de botoes para pu-
nbos.
Chocolate vermicida
H
AutnoioSaues de Castro.
Desde 1857 que sao as tabellas vomicidas
applicadas em Portugal, como o remedio
prompto e eflScaz para a expulso das lom-
biigas, que lo graves padecimeotos causam,
e qoe quasi lempre se suppe ellas a ori-
gen*.
Este virmifugo preferivel a qualquer
ontro pelo seu agradavel paladar e fcil ap-
phcacao s enancas, as qoaes geralmente
sao mais atacadas de semelbante mal.
Deposito especial
34.Raa loga do Rosaralo34.
Balan^os
oia pessoa qoe ha lempos a esta parte Irabalha
m eomoanhia de ao dos mais afamada s e abali-
s*dos gMrd* Ucros, eoearrega-se, mediante um
ajostH rawavul, de focbar baiancos, e de bter
quf^Ktr trbala de escriptoracin, seja porqae
sjMMm | r, meo rectbeudo paga algumn em quanto
otrabaika mi etttver prjmpto, e coniade de te
" : *!* Pci4r procure na raa larga do
rVwario n. iS, i lodar, oo por mel das nielaos
A. S.
MOEDAS
de ouro c pr
ta
Compram-se moedas de oaro nacionaes e estran-
geiras, bem como pata roes dos diversos con nos:
em casa de Adamson, Howie & C. raa do Trapi-
ebe-novo n. 40.
Rap Viajado e Paulo Cordelro
A loja do eordeiro previdente a' ruado Qaeima-
d> n. 8, recebeu nova remessa dessas qnalidades
de rap.
Aos agricultores
Saunders Dratbers & C. aeanara de receber
de Liverpool vapores de forca de 3 a 4 cavallos
com todos os pertences, e moi proprios para fate-
:em mover machinas de descaregar algdao, po-
dendo cada vapor trabalbar at com 140 serras
tambem servera para enfardar algodo, on para'
outro qoalquer servieo em que usam de trabalbar
com aoiroaes. Os mesmos tambem tm a' venda
machinas americanas de 35 a 40 serras.
Os protendentes dtrijam-se
Santo n. II.
ao largo do Corpo-
Moedas de prata
nacieDaes, assim como pataeSes portogaeies e
bespanhes, compram-se com premio : na ra do
Crespo n. 16, prime andar.
Compra-se ooro e praia em obras velbas :
na nraca da Independer u 22.
Oro e prata
MoedM de ooro e prata nacionaes, estrangeiras
de todos os valore, se comprara na loja de oori-
ves iuotoaoarcodeN. S. da Cooceico, roa d
Ladea do Recife, assim como oaro prata tm
obras velbas, brilhantes e diamantes, e se
bem.
BOTAS
Novamewe chegadas botas rossianas e pernei-
ras da melhor gnalidade que temos visto : na Iota
do vapor roa ova o. 7.
Vende se telhas superior e lijlos de iodass
qualidades, fabricado com barro d'agoa doce por
menos em milhelro do qae em oatra qoalquer
parte : na Mara de Jos Caroelro da" Caoba roa
dos Prazeres r>. 38.
paga
Oompram-sc escravos
Silvino 6ailherme de Barros, compra, vende e
jwa efectivamente escravos de ambos os sexos
de todas ai idades : a' roa do Imperador n. 79
erceiro andar. '
loedas de aro e prsla.
Comprase sempre pnr mais do qne em retra
qaalqaer parte todas as qnalidades de moedas de
ooro e prata, nacional e eslrangelra, e tambem se
trocara sedulas dos bancos do Brasil e calas fl-
llaes de outras provincias; oa roa da Cadeia do
.-.ecife n. 58 loja de azulejo.
Compra-se o Jornal do Recife n. 172,
de 29 de julbo do crreme anno ; nesta
typographia.___________
Compra-se
por mais cambio preco do qae em ontra qaalqaer
par le moedas de ooro e prata nacienaes e estran-
geiras ; Adriano, Castro roa da Cadeia o. 16,
A/varo Augusto de Almrida, roa do Crespo n. 20
ESCRAU I
Compra-se oo aioga-s um bom escravo : a tra-
tar na roa do Qaeimado n. 5.
^ 11 POR CENTO
Se paga por prata nacional e estrangeira :
loja de oarlves no aret da Concedi oo Recife.
Lingufcas etorresmes.
Chegadas ltimamente das lints na barca Pa-
rary, a vender na roa da Lingoela o. 1, em latas
d>s segointes qnalidades cada urna, como sejam :
ChoaricJS.
Liogolcas finas.
Morsellas de sangae.
Torresmos.
Costelletas de vinha d'albos.
na
VENDAS
- Vetde-so va* tarcaca de l eaias
ar oa uraca do Cor pe Saolo n. 17.
BnMea o lieaiieiras de loojica.
Acaba de sahir a luz
E acba-se venda oa livraria franceza
roa do Crespo o, 9
O SEGUNDO ANNO
DO
MEMORIAL PEKMMBIJC4P0
ou
MEMENTO DIARIO
PARA
1868
( OVTIMM
Heia olba cm braeco para cada (lia
do aooo
O calendario do presente anno, signaes do tele-
grapho do Recife, a aogostissima casa imperial
corpo consular estrangeiro, associacao Commer-
clal Benedcente, tribaoal do commercio de Per-
oamoaco, jaiio especial do commercio, janta de
corretores, beos, servijo do crrete, estrada de
rerro do Recife ao S. Francisco, linhas regal4res
de navega?o a vapor, liabas regalares de oave-
gacao por navios de vela do Havre a Pernambaco
vapor de reboque, sello proporcional, tabella dos
emolomentos dos trlbonaes do commercio regu-
lamento sebre iocendios, systema mtrico d'ecimal
taboa de cambio eotre a Inglaterra e o Brasil'
quadro dos divisores, qoadro do Saoo civil, redae-
cao de pesos e meJidas brasileiras com as de di-
versos palies.
Um booUo vofuiae eacaderoado
pelo otodlco preeo de tjj.
Atten^ao.
Joi Nogoeira qaereodo retirarse para Enrona
pretende vender a parle da cc--.b*ra quo loe per-
teneeslu oa rnado W n. 35, quem pretender
oomprar diru se a maso coTbeira cima aoe
\ta-:x, cu L Q-la:!; Akvc. i !rafct'aetare :3m juta \nin. *
v ATTENCAO
No armazem de fazendas dt
Santos Coelho, ra do Quei
madon 19.
Boa e barato
Lansinhas Poil de Chvre a i6 o covado.
MadapolSo enfestado a 8 a peca.
Cambraia de cores matisadas finissimas
O a vara.
aS11 brancas transparentes finas de4;
WOO, U, U, U e 9^ooo a peca com iC
jardas.
dem branca tapada de 8 e 9,5 a peci
com 12 jardas. W
dem branca franceza muito larga a 9a i
peca com 8 varas.
Baro* de 35 e 40 arcos nesgados par*
senhoras, a 40500.
dem de marsulina nesgados a 5)5.
dem de crochet a 5,5.
dem de mursnlina para meninas a 30 e
305OS.
Saias bordadas a 50.
Cambraias admascadas para cortinado
120 a peca com 2o varas.
dem para forro a 30 a peca com 10 jar-
das.
Cambraia de linho mnito fina de 60 e 90 j
vara.
Madapoloes finos de 60, 70, 80, 90,10.
110 e 120 a peca.
Platilba de algodSo superior fazenda pan
saias a 30200 a peca com lo varas.
Cobertas de chitas de ramagem a 206oo
Lences de hamburgo fino a 20400.
dem de bramante muito fino a 3^200.
Pannos adamascados para cobrir mesa i
40500.
Goardanapos de linho adamascados a 40
a dozia.
Atualhado adamascado com 7 1/2 palmoi
de largara a 20 a vara.
dem adamascado de linho com 7 1/2 pal-
mos de largura a 30 a vara.
AlgodSo enfestado com a mesma largura
a 101oo a vara.
dem trancado de algodSo a 10600 a vara.
Toalhas alcochoadas de linho lisas a il
a duzia.
dem de algodo felpudas a 130 e 14,5
a duzia.
Colchas de fustSo a 60.
Lencos de cambraia braneos finos a 10800,
20 e 205oo a duzia.
Lencos de cassa fimssimos a 35200 ?
306Ou a duzia.
Fil de linbo liso a 8oo a vara.
dem com salpicos a 10ooo a var
Grosdenaples preto bom a 10oo, 20
28oo o covado.
Morantiqoe preto superior a 208oo o co-
vado.
Flanella de todas as cores a 800 rs. o co-
vado.
Tarlatana de todas as cores a 8oo rs,
vara.
Bramante de linho com 10 palmos de lar-
gura a 205oo a vara.
dem de linbo com 5 palmos a 102oo
vara.
dem de linho com 3 1/2 palmos a 8oo
vara.
Riquissimos basquins a 250000.
Assim como outras muitas fazendas qnt
se vende por menos que em outra qualquer
parte, e d-se amostras de tudo,
BalSes de 2o, 25, 3o, 35, 4o e 5o arcos
para senhora a 20,205oo, 30, 305oo 40 e
50000.
Ditos de 25 e 3o arcos com mollas a 50
e60.
itos de marculina estreitos a 60.
Espaitilhos finos a 60.
Percalias finissimas a 4oo res o covado.
A tenco
Vende-se a loja de funllelro da ra Oirelta n. 68,
eom todos os pertences e algamas obras feilas; a'
tratar na roa da Lingoela n 14,2* andar.
Vende-se urna flauta e nm pequeo metbo-
do para a mesma, todo em bom stado, e por com-
modissimo preco; tratar na roa das Crozes
n.39._________________________________
Veoue se orna casa na estrada qae sabe do
Corconda a eacontrar com o do fundo, com cinco
qoartos, daas salas, cozinha fra, om grande ter-
raco, esta' em acaoamento, muito perto do baobo :
a pessoa qae pretender dirja-se a roa Aognsta o.
17, qoe aebara'_com quem tratar.
"jftRflUl DAS FVIIim
Publicaco lla&trada, artstica, recrea-
tivo, etc.,
ornada de ligarioos, gravaras, pecas de mu.-ic,
moldes de vestido, e em geral de todo quanto
doncernente irabaibos de seoboras. Sabe urna
ves por met. A^sienatura por nn. anno de Janeiro
i dezembro 12*000.
Livraria franceza, rna do Crespo n. 9.
Loja do passo ruaTdo Cres-
po d, 7 A
Grande quantidade de cambraias d-* cor pelo dl-
minato preco de 300 rs. o covado, la para vesti-
do as mais modernas qne lia no mercado a SOt) rs.
o covado e outras maltas fazendas qae turto se
vende por menos do que em oatra loja : s na lo-
ja do Passo. ______________________
Vende-se om offlcialat j e abito da R isa e um
dito de Cnristo por barato preco : na raa Nova
a. 63.
Veode-se a casa terrea n. 61 da ra Velha e
o pequeo sillo da Capones. com e*a de vi venda
defroote do sitio do Sr. Paulo Jos Gomes : a tra-
tar na rna N iva 1'jads ferren* n. 31.
Oeo de ricino
ETJA NOVA N, 7.
Acaba de cbegar de Pars este estabelecimen-
l to uro grande e eseofblde sortimento de calcado
' dos raelbo es fabricantes daquella graode praja,
assim como grande variedade de qoinqnharla e
de ivos hrinq edos para crlaofas, enjos artlgos
se arham eipostos a escolha e vontade dos cora-
pradures, como sejam alguns qae passamos a
mencionar.
Ultima moda
Ricos ehapeosiohos de goslo para senhoras fei-
tos au capricho de urna grande modista de Paris.
Botlaas para enhorao
de setim branco, duraqoe dito, preUs e de outras
din>reoies cores eofeibdas a rigorosa moda.
Botinas para meninas
de mniUs qnalidades bem sortldas.
Brseos de oaro
de le a nltima moda dos Campos Klizios e bonle-
vards de Paris, para senhoras e meninas.
Lavas de pellica
do verdadeiro fabricante Joavio, brancas, pretas e
de outras diferentes cores.
Leques
om eseolbido sortimento de leqaes de diversos
gostos e qualidades.
Perfumarla
Anos eitractos, baohas, leos, pos de arroz, agua
de cologoe,agaa fk-lda e femete*.
Espelhos
de differentes tamanhos e gostos para salas, gabi-
netes e pequeos mocadores.
Calillabas de costara
I de novos modelos ricamente guarnecidas e com
lindas pe^as de musir.
Delicado preseote
bolcinhas ecestinhas desedae de velludo moito
importantes para braco de meninas passeio.
Chapeos de sol de seda
de cores e moito cellos para senhoras e meninas.
Boaquets da exposico
delicados booquets de Dures de porcelana com lin-
dos jarros para mesas de salas e santuarios.
Lelas
de ac, tariaroga e (bfalo.
Oca los
de ac, bfalo e de prata doarada.
Ricas bengalas
de caona verdadeira com casto primorosamente
trabalbados em marflm, compradas na exposico.
Botinas para homem
grande sortio ento bem escolhido em Paris.
Botinas para meninos
de muitos modelas bem sonidos.
Sapatos de tapete
de charlte, de tapete avelludados e ds tranca de
Lisboa para homens, Senhoras e meninos.
Botas rnssiaaas
Pernelras.
Mantas de feltro bonitos padroes.
Chicotts fortes compridos.
Luvas de flj da Escosia.
Cartelrinbas para dinheiro.
Saceos de tapete p.-ra viagem.
Malas e boleas sorlidas.
Ponieiras para charutos e cigarro?.
Charuterase cigarrelras de palha.
foximbjs de bonitos modelos.
Grvalas pretas e de cores.
Curdas para violao.
Bengalas para bomeos e meninos.
Meias de Bo da Escossia para homem.
Venezianas transparentes para janellas.
Quadros pequeos para retratos.
Objetos de pbaotasia para toilet.
Abridores de laas.
Tesourinbas delicadas para costara.
Caivetes Anos cora tesourinba.
Fleos pentes de marfim para tirar caspas.
Pates de lindas figuras pequeas de porcelana.
Jarros moi pequeos de porcelana.
Objectos de porcelana para botar baoha.
Taiheres Qnos para meninos.
Objectos de mgica para divertir familias.
Pbutcgrapbus mgicas.
Globos de papel para llomioacao no campo.
i!nolas de rame para passarinbo.
Castinhas de vlmes para meninas de escola.
Ceixiobas de msica e reajeijos para meninos.
Velas a gax para candieiros e candelabros.
Carnnbos de qoairo rodas para cooduzlr crianza
Bonecas de massa, de cera e de porcelana.
Bercos e camas com cortinados para bonecas.
Cabriolis e cavalliobos de madeira com machi-
cismo para mentos de 3 a 8 aonos montarem
Ricos albuns
de velludo e de roarroqoim para retratos.
Esterescopos
com lindas pholngrapbias transparentes.
Estampas
de figuras, paisagens, cidades e de santos.
Roldaras douradas
de diversas largoras para qnadros.
At>at-jour
para candieiros e lanternas de piano.
Cesmoramas
grandes e pequeos com 50 oa mais vistas e;co-
lindas a' vimtsd-, mano plttorescas.
Chicotes para passeio
moito fiaos de baleia e cabo de marflm.
Real 6 Jos
pequeos, de qoairo e seis pecas de msica.
Aeeordhics
e concertinas, o qne ba de melbor neste genero.
Para presepeo
figuras para ornar presepes, casinhas, animaes,
pastores, e ontros muitos objectos proprios.
AttencSo.
Nao sendo possivei mencionarse aqni todas as
qoalidadea de calcado, nem todos os artlgos de
quioquilbarias, e mnito menos da grande vaiie-
dade de novos brioqoedos ; pede se ao poblico om
passeio ja este estabelecimento, certo de que en-
conlrarao bastante paciencia para bem escolborem
o qne desejarem comprar, e precos baratissimos
em viriode de baver em todos esies artlgos grande
ooantidade, e terem sido comprados mesmo oa
Europa pelo dono do oifo estabelecimento, arma-
zem do vipor, raa Nova n. 7.
Oleado para mesa
de multo boa qualidade, novos e bellos padroes: no
armazem do Vapor, roa Nova o. 7.
Lavas de pellica.
Novo sortimento de lavas de pellica de jonvn
brancas, pretas e de ontras bonitas cores para ho-
mens e senhoras: no armazem do Vapor, roa Nova
A AMIA BRANCA
Pir eonheeer a influencia qoe cosioma haver
em todos os anos, por esse lempo, e p:r ver o
quanto so desenvclve e *\ pura-se o bom gosto era
Pernambaco, efta ,ue tem sempre em vistas agra-
dar, e slBcerameote bem servir a soa boa fregue-
zia, aotecipou-e em aaodar bascar es differeotes
objectos de gosto e fantasa, que agora mesmo aca-
bara de chegar.
Que a loja d'Agala Branca, eom especialldade,
onae primeramente se encentran qoaesqner des-
ses objectos de novidt.de e moda, Isso esta' gerat-
mente recoobecido; mas anda assim a Aguia to-
r?,ari?0mo por dtver ClenOcr ao bello sexo, eo
particular, e ao respeilavel publico ero geral, seav
pre q0e como agora, rec-be os Itrportar,tes obiee-
I?LQ0B !IM meDC,D. Por mais essa vez el a
toma a liberdade de pedir a attenco das Exm-
apreciadoras do boro, para os novos e bellos orna-
tos que formara oro lindo e rico loilli t
Nao cerlamenie coro urna mal aparada peona
d Agola, qae bem se t de deserever o bom gusto e
desempeobo de taes obras, sim, a propria ioiel-
ageocia d'uma excelentsima, que bem podera'
apreciar o alto grao desses porfolios objectos, m-
vez os primeiros que nesse genero tenbam viudo
ol nosso Pernambaco.
A Aguia Branca, rara' apenas eoobecer os ob-
jectos de qne se compbem estes novos e bellos or-
natos. Em nm bello cartio veo hbilmente arran-
jado, om moderoo cinto de fita de srtim en acba-
malotado da largora de 7 a 8 pollegadas, um bel-
o leque de madreperola, om par de luvas de pel-
lica, ramos de floas Odres para o ceqoe, peito,
guamicao para as luvas, etc., etc., e analmente
urna aimofadinba de settm coro areroaticas pasU-
Alem disso
Eslo emordem do dia as novas e bellas trancas
de fiua paiba de Italia, e ontros differentes tnfeies
oa mesma qaalidade e proprios para vestidos de
las, cbapus de senhoras e meninas, resta someote
que os preiendenies compare^am na loja O'Agnia
Uranca na roa do Qoeimaoo n. 8.
Diversos objectos
de gosto e novidade, vlndos
para a Agola Branca ra
do Qaeimado a. 8-
Enfeites de flores, obras de moito gosto, a nltima
moda, proprios para baile?, casamentos e pas-
selos, etc., etc.
Meias chapelinas de diversos moldes, e mai
bem enfeltadas, com veos e sem elles.
Ricas capellas cem veos e sem elles para noi-
vas. r
Ootras brancas e cor de rosa para meaioas.
Untos com flvella e tila branca para noivas.
Ontros de ponas e sem ellas, pretos e de cores.
utros moi ricos e de variados moldes gostos
e de diversas cores, com grades de vidrilhos e pa-
gentes.
Para enfeitar vestidos e basqaines.
BonUos bicos de blonde, com vidrilhoa e sera
elies.
Bonitas rendas de dito, tambem com vidrilhos e
sem elles.
Trancas pretas de vidrilhos, com variedade de
larguras ede moldes os mais novos e bonuos.
Outras de cores tambem com vidrilhos e confor-
me as pretas.
Ootras da soda com vidrilhos e sem elle?, e de
diversos desenhos, corts e larguras.
Gorddes pretos e de cores, grossos e fios, com
vidrilhos e sem elles.
As novissimas e bonitas trangas de fina paiba de
ildlOa
Ramos, lago?, cordoes e oulros diversos enei-
les tambera de paiba e proprios para vestido?, cha-
peos, etc., etc.
BoiSes preos e de outras monas core?, cea
piogentes e sem elles.
Oulns de paiba tambem com pingentes e sem
elles e todos f nfeitados com vidrilhos.
Outros de fostao, brancos e amarello?, e al
mesmo marcas de madeira ovaes para cebnr-se da
cor qoe se qoizer.
Flores.
Um bello e completo sortimento de ramos e de
llores fina?, rosas camelias, Alexandria-, ele, e
em todas es-as flores se nota o aparado gasto e
perfeita imiiaco, onde se conhece qae nesse gene-
ro nada mais ba a desejar.
Bonecas.
m novo e bello sortimento de elegaotes bone-
cas de j de pedra mu bem vestida?, e cxcel-
lentes para presentes.
Outras com rosto de cera e igualmente tsniUs
mas nao vestidas.
Filas lavradas e lisas, tendo nesta?, de menor
largora al a de qoasi um palmo, e propria para
ciotos.
Ootras de seda de cores
tido.
para debruar-se ves-
Obras de porcelana e p de pedra.
Bonitos jarros, e boquets feitos de p de pedra,
obras de muito bom gosto para salla?, e santua-
rios.
Conxas de p de pedra com figuras dentro,
obras mui benitas e de gosto.
Entre essas obras, tem alguns jarros com pe-
queos dtfeitos, por isso vendem-se baratamente.
Essencla de rosa, ootras concentradas, finos ei-
tractos, e pomadas, etc., etc.
Emquaoto a' perfumara iodos sabem qua a
Aguia Branca tem a priroasia, adqaerida com o
vender constantemente finos extractos e de agra-
daveis chelros, pomadas de linas qnalidades e es-
coltados odores, agaa de Colonia, sempre da me-
lhor, e assim todo o mai?, qae enumerar se loma-
ra enfadooho.
Cumpre pois, que, quem qnizer ser bem servi-
do, se dirija a' loja d'Aguia Branca a' rea do
Quelmad n. 8, qoe alem do grande sortimento do
bom, achara'Infallivelmente o que se torna sem-
pre precisoagrado e sioeeridade.
O
M
E

o s?
o s-"iB|s
a
9
iffSsfLoSJSJ

?fl!
* 3. ? 2.9
B
o !* o 9
co < ce. S g -
JiflSl
ifrlilf'B
&- a. Si oq
all
i" O-,
*9 ^ rt>
S*2-^ 2 3 oZWS
I ya|||9
?!*11*88
H
a B
II
i
CD
BIS1
Francisco Jos Germannl
|RA NOVA N. 21,
acaba de receber nm lindo o magnifico n-
timento de ocalos, Innatos, binocnloi, do t,
timo e mais aparado gosto da Europa a oc-
ios de alcance para observacoes e,par i
maritimos.
Novidade
para presentes, bonecas ricamente vestidas a mo-
da aetoal e cabellos amarrado tambem ao ultimo
gosto o melhor possivei escolbidas na exposico*
chegadas ao armazem 4o vapor roa Nova n. 7.
Vende-6e

i?
l
M 9 o. b
nao c n
d. o 2 o
* o,

>
a
I
a.
a
Sfj
o.
|
8
1
I
a> A m
s
Fl
S^S'S.B.
2
CIO
|e|I3
o a o-
o. a.
Um
2 B
S a r
Veade-ss oa fabrica da
2 Cid tic ILuws.
Iravessa do Carioca
Na roa da S*niala /coebeira ingleza) om ex-
cellente borro para carro e tiagero, e moiu novo:
quem o pretender dtrlja-M a mesma eocbelra.
Condeoorac^s
chegadas no vapor ingle: Seloe, om sortimento
na loja de orives de ose i. Goncalves Barros &
C, ioa doCabog o 1, esquina da raa larga o
tesado.
Liquidaco de calcados*
Bu do Imperador n. 32,
Boriegoios de bezerro para bomem, 7^000
Ditos de lostro para bomem. 61000
Ditos de cordavo. 81000
Ditos para senbora enfeitados. noo
Ditos para meninas. 31000
Sapalott da lezerros. i'ji'O
Bolinas braocas pata senbora. 51008
Botas peqoeoas para monuria. 8J00O
Ditas grandes para montara. S3JC00
Erva mate.
Na praca do Corpo Santo n. 17, i* andar, ba pn
ra vender erv mate moito nova. Cal de Lisboa
BlUu:5aie etcaaia, p;i jrege ccttitada.


I -
Urio e pernaioe marta feLra 4 de DezeMbro de 1867.
DO

Kua da lmperatriz n. 15.
DR. SE VIAlio v
Para o tratamento e cara rpida e completa das molastli sypbitcas, eris-e-
as, rheumatsmo, bobas, gota, debilidade do estomago, iofiammacCee chronicas ao ngaao
baco, d6res sciaticas, cepbalalgias, nevralgias, ulceras chronicas, hydropesia, pieuri-
as, gonorrheas chronicase em ge: al todas as molestias'em que setenna em visia apa-
-ficaco do systema sanguneo.
Couslderaces feraea
A saude um bem inapreciavel, cuja importancia e valor ai est reservado ao em
' bcoitestaTe!que ohomem nestemundo constantemente, e por todos oslador
atacado por urna infinidade de agentes morbficos que todos, tendem, dadas certas e aeter-
ainadas circnmstancias, a alterar o regular exercicio das funcgoes orgnicas, resuiianoo
pesse desequilibrio o que se chamamolestia. t-j^jm
A molestia n5o mais de que a desvirtuado das torgas vitaes, occastonada,- a,
cundo as investigacoes e experiencias dos mais abalisado mestres da sciencia, pela depm-
'ac3o dos humores geraes, censequencia da acco maligna desses mesmos agentes mora e
5eos introduzdos no organismo pelo acto da respirac5o\ pela via digestiva, pelo contacto
inmediato etc. etc. etc. .
A syphilis infelizmente tem sido a partilha da humanidade, e como e tora de duvi-
ia que esse terrivel Proteo da medicrna urna molestia hereditaria, ella tem sido obser-
,onstituic5es robustas, produzindo mutilaces, e cortando ainda em fl6r da idade vidas
preciosas.
Eliminar da economa esses principios deleterios. e purificar a massa geral dos
iumores tem sido desde tempo immemorial o fim constante da medicina, e os purgati-
vos flgnram em primeiro lugar para preencher esse desiteratum ou fim.
O Elixir depurativo do Dr. Sevial parece merecer a preferencia sobre todos: os
mmensos successos obtidos pelo uso destesalutaragenie tautona AUemanha. como em
Franca e Italia, o tornam o companheiro inseparavel dequasi todos os doentes.
SeDdo as melestias, como cima dissemos, devidas s alteraces dos humores, o
Slixir depurativo do Dr. Sevial pode ser empregado vantajosamente na sypaihs, erisy-
jelas, rheumatismos, bobas, gota, debilidade do estomago, tiflammages chronicas do
'agado e baco, dores sciaticas, cepbalalgias, nevralgias, ulceras chronicas, hydropesias,
aienrisias, gonorrheas chronicas etc. e em geral em todas as molestias em que se tenha
am vista a purificacao do systema sanguneo; pois que urna pratica constante tem feto
er que elle indispensavel nos casos gravissimos para minorar os soffrimentos, pre-
parar o doente para medicacoes superiores; e as menos graves a cura a conse-
cuencia do sea uso, convenientemente repelido. .
As substancias que entram na composiclo do Elixir depurativo do Dr. Sevia
:33rtencem todas exclusivamente ao reino vegetal, e grande cathegoria das substan-
cias depurativas e antisyphiliticas; assim, ao passo que este remedie depura o orga-
lismo, eliminando os principios nocivos saude, pelo mecanismo natural das eyau-
;eos alvinas, neutrasa ao mesmo tempo o virus syphilitico quando este virjem.
em feito erupcao no exterior debaixo de suas multiplicadas formas; e previne tam
:>em os estragos dessa terrivel molestia, quando por ventura se ache ella ainda no
lado de encubaco, isto sem se ter manifestado sob formas externas: beneficio
aunenso, taato mais quanto neste estado os individuos ignoram completamente se es-
;u contaminados por este terrivel inimigo.
O sabor agradavel d'este Elixir convem a todos os estmagos, a sw ae$lo so-
;re o tubo intestinal suave e benigna, e de nenhuma forma produz molestias Hki-
amentosas, como acontece ao purgante dito Le Roy, que na sua qualidade de dras-
ico forte irrita a mucosa intestinal, e consecutivamente a seroza, resultando deste es
adc, muitas vezes, hydropesias, que quasi sempre terminan! pela morte do doente.
Assim pois esperamos que o uso deste remedio justifique cabalmente as nos-
as asseveracoes, porque sendo um medicamento to simples na sua composicSo, a
pratica tem confirmado sua ulilidade.
nico deposito em Pernambiscc
Na botica e drogara
DE
Barthotomeo Companhia.
Vende se manteiga ingleza flor a 800 e I o*.
Sal refinado em pacole de 3 libras a 2oo rs. *
P de tijollo para limjar facas a 12o rs.
Latas ccm po-de-l a 15oo.
Azeitonas de El vas em latas a 800 rs.
Al pista e painco a IGo rs.
Frutas em caldas seoras a 5oo rs. a lata.
Farello de Lisboa marca M. a 406oo e 5oo*-
Caixnhas com massas para sopa a 2coo.
Vende-se urna armacao de louro enridracada propia para qualquer negocio em
urna principal roa: atratar na ra da Imperatriz n. 15, com Miguel Gomes de Souza,
que tem poderes e^peciaes.
O cordeiro previdente
Na antiga loja de miadezas a ra do Quo>
mado n. 16. T
Teodo sempre em vista nao roobar o tempo aos
seos freguezes ea tensos annuoaos ; mas
tmbem nao qaereodo qae 01 mesmos fregnexes
Ignorem o qae de novo tem eHe reeebldo, por lseo
resoroidamenie dir': cbegando ajeim ao co-
nbeeimeuto de lodos qoe a dita loia do Lerdelro
Providente, roa do Qaeimado n. 16, receben o se-
gnlnte : .
Bonitas enduradoras ligas de pellica para meias,
tanto para senboras como para meninas.
Leqoes de diversos e modernos gostos.
Pentes com enleiies doarados e nio dourados,|
PCoqTeX'pIes e enfeludos, moldes lntelramen-1 m(
Fabrica e fundico de bronz
e outvos metaes, caldeireiro,
latoeiro, e funileiro, situada
na Soledade, iua do Prin-
cipe n 3, e com deposito na
ra Nova n 38, da cidade
*b Recife
DE
BRAGA aSAMPrIO
Fabricam-se Deste importante estabeleci-
.-.

xas
.....
fe^ri
PREPARAQfJES FERREAS-I116AIIGAS
appRovADia pin ickCKUu ob nmcmi
DE BURIN D BUISSON
fkarauceafea, Inrud? atb ludmia it It&iaa m Par
O eminente professor Trol-sssad, na ultima edicio de tea Tratado i Th$n-
peutica MaUria medica, recoehece que os ferruginosos tioiples sio m-uias
vexet inefficaies para curar as molestias que teem por causa o empobrec ment
do sangue. Muitos mdicos dos mais disiinctos attribuem esse m o xito a ausmeia,
n'essu preparaeeee, de numgatiete, que se aehtt no sangue, como e tem reconhectde
ea ckimieoe oa mais.peritos, sempre intimamente unido com o ferro. '
E' pon, prestar-seum verdadeiro servico aos S'" Mdicos, o chamar-se sua altenc5n
sobre u preparacoes aeguiates.
Io PA forro IHinffniPAJ dando immeiaumente tima agua, acidslada,
II IClieUS IDailgiUlWr gaZ0M> tgradave!, subsututudo com vantagem
economa as aguas mineraes ferruginosas.
Fillas e Xircpe de iedareto de ferro e de manganese inaltemeis
eontendo cada ama cinco centigramos de iedureto de ferro manganico r.di"a' -.
partieularmeBle as moleaas lymphalieas, escrofulosas, e as chamadas ets-
roaas e tuberculosas. "'
Brajes de laetato de ferro e de mmese I ^fSS^t
Punas de Carbonato ferr mingaiieo i ZTLm**
alternar ata duas prepane9ea 41 os melbores resaludo.
O ra au Bnissen deaejasuto obtar ai arineato eerapteta i pnakHen aasee a
crea do valor de suas preparacoes, previne q*e ella as poe gratiURnte a asa
dispoaicio, dirigendo-ee;
He Ptnumhueo, a tea agente geral, Haanrar O, pbarmaceatieoa, rae Xova.
te oovos.
Bom papel em caixinbas liso, pastado doura-
do e timbrado, e ootros muitos objectos, qae meo-
ciona-los seria bastante enfadonbo, e qne se ven-
de em dita loja de miudezas do Cordeiro Provi-
dente, rna do Queimado n. 16.
Mo faltnm llares,
O Cordeiro Previdente a rna do Qaeimado a. 16
tem constantemente om lindo sortimento de fi-
nas e bonitas flores, por isso quando algama ha.
bilidosa joven quizer preparar qualquer enteite de
bello gosto deve logo lembrar se que ba dita loja
do Cordeiro Previdente, a rna do Qaeimado n. 16,
nio faliam flores.
Para alvejar es denles.
O cordeiro previdente a rna do Qaeimado n. 16
receben do bem conbecido fabricante Jtmh Gos-
nell & C. ama ptima qualidade de pos para den
respectivas como sejam:
Alambiques de todos os tamanhos em
feitios, os mai acreditados aparelhos de"
Derosne com as dimences delicadas dos
fabricados em Franca.
Fabricam-se avolsas quaesquer pecas dea-
aparelbcs, como sejam o dilatador, ratifica-
dor e condensador, oa esquenta garapas,
resfriador, serpentinas interiores.
Fabricam-se bombas de todas as dimen-
ces e qoalidades, pelo systema francez oa
americano, simples, de pressSo, repaxo, e
coiQ especia idade a estncanos 1 assim -p
nominadas pelo enorme volume de agua
que absorvem calculada em 100 pipas por
'tes aromatisados com canlora qne realmente terohj0ra e 3S quaes alnunias estSo promptasa
merecido todo conceito porque nao so alveja per-1 J experimentadas.
: i1
19
4
T
a i ? e y.
Vende-se na pharmacia de P. Maurer &X., ra Nova.
Lourenco Pereira Mend>s Guimaraes, tendo de dar balanco em suas lojas de fa-
zenda no fim do anoo e teodo muita fazenda em ser, por isso resolveu fazer urna gran-
de liquidarlo, que ter principio no dia i al o fim do mez, as lojas e armazens da
Arara, ra da Imperatriz n 56 e 72.
Pecbincha em chitas a 160 rs. Cortes ds lasmhas a A$, i^iOO e oOO
Vende-se chitas para vestidos a 160 e; Vende-se cortes de lasinb s de cores
200 rs. o covado, cassas lrancezas, a 240 para vestidos com 14 covados a 4:> e 5$.
Alpacas de listas de seda a 800 rs. o eovade.
Vende-se alpacas de lisia de seda para
vestidos a 800, 52o, 5Co
31RA DO ROSARIO LARGA-34.
NOVO DEPOSITO
DE
MACHINAS
PnA i)ESCAROCAR ALGODO
Manoel Bento de Oliveira Braga.
53Rna Direla .53
Neste estabelecimento se encontrarSo a
verdadeiras machinas americanas chegadas ultima-
mente, as quaes sao feitas pelo mais afamado fa-
bricante da America, por isso avisa a todas as pes-
soas que precisarem comprar, de se dirigir a este
estabelecimento que compraran das mais perfeitas
neste genero, assim como mais barato do que em
outra qualquer parte, por isso que se recebe por
conta propria, bem como cannes de chumbo e moi-
nhos para moer milho, o grande sortimento de fer-
ragens e miudezas em grosso e a retalho.
Facas de cabo oranco de meio balanco a 10
m
5 Jgg_ a duzia, limas finas de todos os tamanbos proprias
de trabalho de escultura.
4-m m 1
FABRICA DE CHAPEO
DE SOL
MADAMl FA
Este .-tabelecimento acaba de receber de Paris urna rica colleccSo de chapeos
Je sol de sedi, de alpaca e de algodo, com armacoes de balea, de ferro e de junco dos
me'hores jjistos c fabricantes, que vende mais barato do que outro qualquer estabeleci
ment, par serena fazandas vindas directamente.
Igu 'ente tem fazendas de seda, de alpaca, de algodo a de linho para cobrir
rudo de boa qualidade e por preco commodo.
rrega-se de qualquer concert, com presteza, seguranza e garanta

'
'




UIDAGUO DE FAZENDAS
Por baratos presos.
Cassas acezas de coresj a 240 rs. o "covado.
Diua f > ac zas, auperior qualidade, grande variedade de~padres, fazenda de
8j rs. a van, a 320 rs. o covado.
Dita? ditas muit'j finas a 400 rs. ocov|do.
Supffi > chitas francezas largas de cores fixas a 260 rs. o covado.
f.ind;i s de cotes com salpico e com flores' a 320 rs. o covado
Ditas c-:: (jalmas de seda a 320 rs. o covado.
Ditas cotn listas imitandopoil de Cbvre a 400 rs.>o covado.
Superi...-' alpacas de cores de duas larguras com listas e com flores, grande va-
Je de p3'. es c gost)S nteiramente lindos Cfazenda de i# o covado) a 500 rs.
Sedas le cores de quadrinhos e de listas a 800 rs. o covado.
Ricos r '....ns"ou capas de mer*n, bordadas'e enfeitadas com renda preta; Jo que
da di m 'nr& hombro de senhora a 8|5,105 e 12i!l cada om.
** ,oI,tsa5?.5e7apflca. ^^
UlUli .; nllat'' TI
Sup.'i. 1 .!^daosabo branco com 20 jardas a 44 a peca.
A mo outras muitas fazendas por meos-do sen vaiorjpara liquidar.]
LOJA DAS COLUMNAS
280 e 320 rs. o covado.
S na Arara, cimbrias a 25 o corte.
Vende-se cortes de cambraias de barras
e 5oo rs. o cova-
e listas a 20, 2,500 e 3fl, cortes de cam- do, organdis branco e muito fino a 1$, a
braia bordados a 35200, 40. e 50. vara.
Ursulinas de cores a 500 rs. o covaflo. Lasinhas para vestidos a 200 rs. o tovado.
Vende-se brigantinas e mussulinas de Vende-se lasinhas para vestidos de se-
cores para vestidos de senhora a 500 rs. o nhoras 00, 24o, 32o, e 4oo rs. o covado,
covado. barege de listas a 24o rs. o covado, mos-
Chitas francezas largas a 240 rs. o covado. sambique com pilmas e' listas de seda para
Vende-se chitas francezas largas a 240, vestidos a 28o rs. o covado.
280, 320, e 360 rs. o covado, percalas fi-
nas a 400 e 5(jO rs.
Organdis de quadro de cores a 320-rs.
Vende-se organdis de quadros de cores
paravestidos a 320, 360 e 400 rs. o covado.
Las linas de lista a 100 rs.
Vende-se lasinbas de lista de cores para
vestidos a 400, e 500 rs. o covado.
Madapolo do Arara a i&
Chales de renda
Vende-se chales 'de renda muito pretos
a 4500 e 55, rotondas de linho a 55 e 60.
Koupa feita nacional.
Vende-se palitos de alpaca braoc e de
cores, propros para os dias de festa a 3#oo
e 40, ditos pretos a 3$, e 4$, idemde mea
cazemira 3#5oo e 40, idem de casemira pre-
Vende-se pecas de madapolSo fino e largo la e da cores a 60, 83, e lo5, calcas de
a 40, 5,0, 60, 70 80 e 100, a pe?a alRo'meia casemira a 208oo e 30, dem de case-
dSosinho em pecas encorpadoa 40, 5000, mira a 00, e80, collctes de casemira a 30,
60500 70 e 80 a peca. 'e305oo.
Fundico d'Aurora em
Santo Amaro
Completo sortiment' de taixas batidas e fundi-
das, alambiqaeF de todox os tamanhos e fondos d*
ditos, mtipodas de todos os taraannos de sapenoij
qualidade, crivos e bureas de (ornaiba. o qne Indi
se veDde por coromodo pre?o.
Lidas 111 Hito lindas la a 500 ris o
eovade
Vende se na loja do Alvaro a' ra do Crespcrn.
20 B.
Chegou afinal
A pomada galopean
para cora rpida e completa dos callos duros.
VENDE SB NA
Btica e drogara
DK
Bartholomeu C.
34Ra larga do Rosario31
Condecoracoes
A bem conbecida luja de jolas de M jreira &
Duarte, a* raa do Cabula n. 7, acaba de rer.eber
porQo de hbitos e offlclalatos da ordem da Rosa,
e babitos da de Ctirislo de diOeremes tamanbos
qne vende por presos mai razoaveis, alm disso
continua a ter como sempre um completo sorti-
mento de jotas dos gostos mais moderos para as
qoaes conta com o concurso de seus bens fre-
goeits.

Kival sem segundo.
Ra do Hieiinano a. 4,9.
4er acabar com as fazendas abaix
mencionadas.
Qneiran vir ver oque bom e baralissisio.
Twlbas de labyrmtbo com bico, fazen-
da boa a....... ... 3#00t
Carretels de linba com 100 jardas a 3(
Gravatas pretas e de cores muito Anas a 30
Cuias de oSreias de massa muito novas a 4(
enfladores para espartilbo do eordo a
fita a................ '
Carreteis de liaba Alexandre com 400 jar-
das a ............... 100
Sabonetes muito finos a 60, 160, 200 e 32(
Ditos de bolla muito finos a 2*0 e 320
diadas de linha froxa para bordar a 2(
Varas de cordao para espartilbo a -'<
entes volteados para regagar cabello da
menicas a............ 320
Frascos de macaca' oleo muita fino, a 120
Abotoaduras muito tinas para coiletes a 50c
Marides de Lnha branca e do cOres a 20
Ubra de ara pruia superior a..... 10(
scovas para tato, fazenda boa, a UOi
Varas de franja branca de linbo para
toalha a.............. 100
Caixas de palito balao a........ V
Oixas de palitos de se^uranfa sec: en-
cbofre a............. 60
Sbonetes de familia a 100, 160 e 240
Cartilha de doutrina cbrista a 320
Quadernos de papel pequeo superior a 20
Duzia do baralhos francezes superior 25000
Groza de popspQoras muito superiores 1V.0G
Cusas a retalbo do^ mesmos..... i(
Caixas de pbospiraros de velliaba conteudo
SOOvelIinbas muito superiores a ... 160
Resmas de papel aimaco muito superior 2^o0(
Resmas de papel pautado superior quali-
dade : ............. 360X
I Dnzias de meias para homem..... 2800
feitamente os denles como tambero conserva-os
sempre no melhor estado de perfeigo, assim pois
queiram vir comprar ditos pos na mesma loja
do Cordeiro Previdente, roa do Qneimado n. 16
Enfcites com ponas.
U Cordeiro Previdente receben um lindo sorti-
mento de enfeites com ponas para vestidos, tanto
de seda como de ISa que combinam perftitamen-
te cora os cintos modernos do mesmo formato, por
isso para poder enfeitar-se com gosto qualquer
vestido indispensavel comprarse ditos enfeites
na mesma loja do Cordeiro Previdente, a ra do
Qaeimado o. 16.
Chapellnas de seda'
Modernas e bonitas cbaplinas de seda para se-
nhora receben o Cordeiro Previdente rna do Quei-
mado n. 16 e por ser pequea a quantidade re-
cebida, quem pretender ama moderna e bonita
ebapelina deve aprecar-se em mandar compra-la
em dita loja do Cordeiro Previdente a roa do
Queimado n .16.
CA1XINHAS ENFEITADAS.
Estas muito desojadas caixinbas vasias e enfei-
tadas com gosto, qoe tanta exlracca tem tido e
que realmente servem para diversos (ios, existem
na loja do Cordeiro Previdente a roa do Queimado
o. 16 um completo sortimento de ditas caixinbas e
sao vendidas per precos to rasoaveis, qae o expe-
dente freguet. nao objectara' em compra-las em
dita loja de miudezas do Cordeiro Previdente a ra
do Queimado n. 16.
PO.NTEIRAS E CHARUTOS.
O Cordeiro Previdente, roa do Queimado n. 16,
tem nm bom sortimento de Boas pontetras para
charatos, sendo lisas e com figuras em alto rele-
vo ; e para que os seus freguezes nao se Incom-
modem em comprar charutos em algnmas das lo-
jas de charuteiros, receben tambem um bom sorti-
mento de finos charutos do afamado fabricante
Furtado de Simas; assim, pois, encontrarlo os
apreciadores um bom sortimento na dita loja do
Cordeiro Providente, ra de Queimado n. 16.
Para offertas no hospital por-
tugus.
Bonitas cestinbas com froctas de cera, obra de
muita perfeico e bom gosto.
Para cortar moldes e embrolbar fazendas.
Vende-se papel pardo folha grande.
Para lustrar calcados.
Vende-se superior graxa econmica.
Vende-se papel para matar moscas.
A loja do cordeiro previdente
Ra do Qaeimado n. 16.
Nella acbaro os pretendentes nm grande e va-
riado sortimento de perfumaras finas, unto ingle-
sas como francezas, seado:
Finos extractos para lencos.
Banhas e pomadas para cabellos.
Oleo pbilocome e baboza para dito.
Pos bygienicos para denles.
Ditos campborados para ditos.
Opiata ingleza e frauceza para ditos.
Pacotes com pos de arroz.
Vasos deporcelona para ditos.
Sabonetes para mi e barba.
E muitos ontros objectos que sero presentes
ao comprador qae se dirigir a ra do Queimado
n. i 6, loja do cordeiro previdente.
Bandeijas pequeas.
Vendem-se na ruldo]Qaeimado n. 16. |loja]|do
cordeirotprevidente.
Charntos
da acreditada fabrica de .Jos Portado de
Simas.
Vendem-sejna loja- dojeordeiro.previdente a ra
do Queimadogn. 16
GrUNDE BAZAR
RA NOVA N. -0 E 22
Existem bombas por este systema, me-
nores, para regar sitios, garantindo-se nSo
s sna duracSo como a grande quantidade
de agua qne fornecem pelo qne sao conside-
radas hoje as primeiras bombas conbecidas.
Todas as mais obras se fabricam vonta-
de dos freguezes e a sen capricho.
Existem sempre promptos 00 deposito in-
dicado na ra Nova n. 38, um completo sor-
timento de obras solidas, bem construidas e
a precos rasoaveis, como sao alambiques,
serpentinas, taxos, passadeiras, repartide-
ras, escumadeiras, cocos, candeias, e muitos
ontros utecc'lios prepros para engenhos,
como sejam mancaos de bronze, parafozos
para rodas de agua e outres.
Cavilbas, machos para lemes, pregos da
todos os tamanbos e para o forro de cobre
do navios.
Aprompta-se tudo quanto diz respeito as
obras de iato torneadas e polidas com toda
a perfeicjSo. "
Vlvulas para tanques de banbo, torneiras 4
de todos os tamanbos e qualidades, assim
como todos os ornamentos para militares,
botoes para farda, aparelbos para barretina,
nmeros, espberas, espadas, cornetas, alam-
padas turbulos, caldeirinhas, navetas, almo-
farzes, perfumadores.
Obras de folbas de flaudres de todas as
qoalidades, babs, bacas, bules e outros
utencilios domsticos.
Lampies para gaz para engenbos, foiha
de (landres em caixas, folbas de cobre e Ia-
to, tubos de chumbo para encaoamentos de
todas as dimengoes, folbas de zinco, estanho
em barras e verguinha, lancees e barras de
chumbo, vidros finos para espelhos, de co-
res, bordados, e opacos, e outros para vi-
dracas, diamantes para cortar vidros, cadi-
nhos ordinarios e de patente, rea para mol-
dar, folies para ferreiro, lavatorios com ba-
cas e jarros, trra podre e outros nmeros
objectos proprio de taes estabelecimentos.
Sendo todas as obras inspeccionadas e
feitas sob a direcc3o do socio administrador,
Jos Baptista Braga o qoal se acha de novo
especialmente incumbido da gerencia de to
importante estabelecimento, isso nma ga-
ranta pela sua longa pratica, que tem os se-
nhores freguezes de qne serlo servidos a
contento, com promptidSo e preco commo-
do, pelo qoe os propietarios lbe sero agra-
decidos.
Pechincha
Vendem-se pequeos albuns de algibeira,
para retratos em miniatura, para 6 e 36 re- oSzias de dm cruas mue superiores 40ut
tratos, pelo diminuto preco de l#oo ris
cada um: na rna do Crespo d.A, fabrica
de chapeos deso.


DE

>uio Correia de Vaseencellos & Ct
.*)Wi! J7lHRua do Crespo n. 13.
a atoi. qi
. *
.1 ca



Cabriolet
de 4 rodas e 1 cavallo muito superior, vende-se
para tratar na roa do Crespo n. 16, 1* andar, pi-
ra ver-se na cochelra do Panhao rna de S. Amaro.
Vende-se urna taberna em om povoado dis-
tante dosta cidade 1 1,2 legoa, a qoal faz muito
negocio por ser bem collocada : quem pretender
dirija-se a roa Augusta n. 114.
tteoco,
Cassas flaas a 2i0 e 30 rs. o covado, basqui-
nas de seda preta a 15 o a 221: na ra do
Crespo n 17.
Vndese nma excedente machina de costu-
ra : na praca da. Boa-vista n. 30, 2* andar.
Vendem-se
urna escrava de idade 36 auno*, insigne engomma-
deira e cozinheira, 4 ditas para todo o servico, 1
moleque peca, idada 16 annos, om perflto cozi-
nbeirof nt traveMa do Carao d. 1.
Canos
No armazem do pateo do Terco n. 12 vendem-se
caaos de todas as iargnras, vidrados e por vidrar,
por preco razoavel, o melbor neste genero.
Machinas de costura
No escriptr rio de l'heo. Ju^t, roa do Vigarlo o.
9, vendem-se excedentes machinas de costura, l-
timamente ebegadas dos Eslados-Uaidos, por pre-
cos muito commedos. __________
Cassas e las baratas
Na roa do Queimado n. 31. loja de A. M.Rolim-
vende-se muito boas cassas a 210 e 300 rs, o cova,
do, e las (boa fazenda; a 360 rs.
* i i ii i. .i
Veode-se um cavallo barato, bom andador:
na raa do Raogel n. 9.
Attengo
Alada esta para se vender a pequea taberna da
ilba dos Bato*, com muito poneos fundos e bem
afregactaaa.
Vende-se urna escrava erlou'a, bonita figura
e idade 24 annoa, que sabe corlohar, eogettaar e
lavar ; a tratar na-raa Novan 4, loja do Anselmo.
iXarcipe wgeul siti mercurio). rp-. Btae* UAA11CM IMatlUI'J U)io-a do.
semana, fcpmado o trclamenlo Depurativo .
ar^MT^'*
Machinas para descarocar algodo. do mt
Ibor autor que tem apparecido na Amerc?
E' tal a execucao do machinisme, que o al-
godo sabe quasi to perfeitocomo o debo
landeira. Recommenda-se a attenco doi
Sr5. agricultores, estas machinas.
m GAZ GAZ
jr
Chegoo ao antigo deposito de Heary Porstar
J., ra do Imperador, um carregameDlo de gaz d*
primeira qualidade.o qnal se vende em partidas
t retalho por meaos preco do qae em oatr* qua
Toer parte.
Gesso
para estuques de casas: nos
Irmos, caes a Apollo.
armazens de Tasso
Vapores.
Vende-se em casa de Saunders ;Brothers & C
o largo do Corpo Santo n. II, vapores patente;
om todos os pertences proprios para fazer mover
es oa quatro machinas para descarocar algodac
Vende se nma negrinba com 12 anuos de
idade, bonita Agora : na roa do Hospicio, sobrado
n. 82, com p-rto de ferro._________________
0 barateifo vai fallar ao
publico,
Chitas largas, cores eseoras e claras de lindos
desenos e cores fixas a 260 rs. o covado, riscadt-
nbos franeeiM a 240 rs. o covado, madapolio 6no
com 24 fardas a pessa por 5J500, dito mullo fino
elephante por 7J a pessa de 24 jardas largo, al-
godaosinho a pessa por 4$, dara-se amostras com
penhor ; na loja do baratelro a' ra da Madre de
Deus n. 16 oa 29, defronte da guarda da alfan-
dega. ^^^^^^
CONDECORARES
Paris, 36, Raa Vivienne, gf
CHABLE MDCJ SPKIL
BAS FNFl UMIDADAS DES SEXL'AKS, AS AFFEO-
MKS rUTANF.AS, E A ^TF.RAgOES DO SANGl^.
mm 30.nao curas das impingeni,
pulalas, herpes, carn,
comixocs. acrimonia, e -
!ercoet,viciosm dosangutj
lima, e cUertieoe* do sf.
fut
por semasa
improgadu ra mesmas mulesiias.
;:>::Xarp8Citric:i
* doi;llABl.E. cura._..
tanier.iequalquerpuruaca,
relaxarn, t debilidad,
MU. ,
"sXeSr:ai ijwalmonia os Ktucos e ftorn
bancas das muicres.Esta irjeccao iatnigaa *
arsga-socciB o Xarope de Cilracto de Ferro.
Bcmarroidan, Pomad: qoe as cura trai diaa,
POMADA ANTIHERPETICA
Contra: as aftecuet cutanaa covunoti.
PILULAS VEGETASS DEPURATIVAS
;. D' Chablo. cada raaco val atcoaaakaao i t*
**AVI80 aos sns. MDICOS.
C.jir eiwrM, mi-
coqulucha :". .-V,
erteOt ui itr< ir -
tlHtt < l**u i-' MMMNt I
u::ia mlh l*hili^ ;<-!. f.iMp !'' !'..
t>r. CHAUIt n P A venda na pharmacia de P. Manrer f
e C, em Pernambuco.

i?n itivnifi
AiUiJilraiilu
r y fti*j
Lii wM ; i re
dt OISIOnKT, tXKlur-M-J-o E
Ru de Saine, Bi a a
E *a
2
|
*. e o i t *,.
S&V9 ^i'-
'A Vb.
% <> '% %

<



B i-
,1 ..i
Chegaratn de Paris no ultimo paquete cominea-
das de Christo e criiz periencentes s mesmas,
hbitos de Cruzeiro,*a Rosa e de Christo, cora
suas eompettes Blas; vende-se por Dreco com-
modo na raa do Caboga, loja dejlas D. II, de
Serapbim & Irmo. '
*>it \f*it
ai. fir.t a r^;.Ktvrmi*Ml'<
rtUc*m san ilrwfcoi'uo
ff, B rr.rt I
-a^-' T!*#>a;,v!i.rt |
DaCTEtift-E0Cir7<^ -^-i
ET PMARMACIEf*^/ >*m+.*imj-
Eme;
i 11U IrTl O tira

M
Deposito na pharmacia deP.l
C. em Pernambnco.
CASTRO WHES ^B
Grammatca nacional 'S*
JSexta edicio
liOOO J^
livrtris fraieei, A -~^
4 i^.. f
/
_Mnnnn_
i

-


n*
>iar
leo Q
,oU Mr. a Dembr 4e 1807.
'


------
-"
Collares Royer
9o Anodino electrices Magnticos
Deposito acreditado
toja da aguia branca ra do Queirnado n. 8
Apregoar anda os prodigiosos effeitos dos
(ollares Royer j nSo ensinar oo atierer
tradnzir novidides, porque a fama de sua
efflcacia tem-se tanto estendido, e os seos
felizes resoltados a tal altura elevado, que
hoje rara a pessoa qoe por experiencia
propria, ou por intermedio de seas amigos
e prenles, ignore on desconhe*^ as virtu-
des dsses sempre apreciareis collares
Royer.
A agaia branca porm s gloria de concor-
rer para um to justo flm, se nao por ou-
ro modo ao menos por ter sempre, e cons-
antemente um completo sortimento desses
collares magnticos, que bem se podem cha-
marsalva vidas das enancas.
Resta ainda que os senhores pais de fa-
milia se fagam convencer (de qno convem
nio esperar que as criancas sejam atacadas
do mal, e por isso necessario ou conve-
niente que com antecedencia se deite na
crianea um desses collares para asslm estar
ella preservada das convulces e se contar
livre des rigores da denticjo.
A agaia branca ra do Queimado n. 8
contina a receber por todos os vaporesj
francezes a quantidade que ba contratado e
MUITAS FAZENDAS
NA
LOJA E ARMAZEM
DO
Llodi-simas gr.tvatiohas para senboras.
por iSSO acba-86 ella sempre provida dos ver- diodos colares e vollas de vi Irilho e seda, ultima
dadeiros eolhres Royer eletricos magn-
ticos.
A Agola
Branca a ra do Quei-
mado n. 8.
Incoolestavelmeote na loja da Aguia Branca
oda os apreciadores do bom podem melbormente
prover-se daqoelles objectos de gosto. E-sa verda-
de ja por tantos e tamas vezes reconbeclda ainda
agora se faz confirmar com a nota dos preciosos
objectos de gosto e valor qne a agaia tem a satis-
fagio de patentear e por a disposigo de qoem os
deseje e possa comprar. Ella principiara pelas ri-
cas eaixas com msica e sem ella, para costura,
fissas eaixas por sua perfeicSes, gostos e rique-
zas, se lornam recommendaveis para algom im-
portante presente, oo mesmo para qoem tetina gos-
to de pofsoir ama bella obra, porque de certo sao
ellas as de maior valor que se enccnlram em Per-
namboeo, ten lo urna que sobresabe a todas as ou-
tras. Alm de-tas ba oatr*s de preces menores, as-
sim como tamben ba bonitas caixinbas vazias de
madeira, eavernisadas e raarebetadas, com [echa-
dura e chave, para costura.
Em leques o que se pode encontrar de melhor,
sendo :
Todo de madreperola, bordados, ;obra de gosto e
valor.
Outros de madreperola e seda, bonitos desecho?.
Ootros de madreperola com birdados coloridos,
obras de moito gosto, e geralmeote apreciadas.
Ootros todos de saodalo.
Ootros de sndalo e seda com bellos desenos.
Outros todos pretos para luto.
Ootros pretos com deseados roxo?, proprios pa-
ra senboras viovas.
Outros de sndalo e faia, formando qoatro vistas.
.
Outros de sndalo e sndalo e seda, para me-

rui do Crespo n. 9 A, esquina da ra do Imperador
Acaba de ebegar pelo vapor Gmenne, ora variadissimo sortimento de fazendas qne dizem os
nossos correspondentes qne foram as melbores, as de mais gostos e novidades qne encontraran em
Pariz, e por isso maito recommeodamos a spreclaco do respeitavel publico, os seguales artigos qoe
g encontrarao na loja do I'asso.
Riqusimos vestimentas de eambraias primorosa-
mente bordados, com todos os pertences para
creangas se baptlsar.
Ricos vestnarios de cores, todos completos para
meninos de S a 4 annos.
Mamas de blonde para noivas.
Moirianllque, grosdenaple e sedas preta, branca
e de cores.
Riqnlsstmos cintos, ultima moda.
Ricos enfeites para senboras e meninas.
Llndissimas ebapelinas de seda e de palba para
menioas.
Riqusimos corles de fantasa para vestidos de se-
nhors.
Lindos corles de Isa para vestido, novidade.
Chapeos de castor a canotier, ultima moda para a
rapaslada em Pariz.
Grande deposito de lavas de Jonvin recebe-se por
todos os vapores grande sortimento.
Casemiras, cambraias, lias, mnsselinas, precalias, cbilas e urna infinidade de objectos qoe
deixamos de mencionar por se tornar mcame.
Isto so na loja do Passo ra do Crespo n. 7 esquina da do Imperador.
wm Q3


Riqnisslmos cortes do seda de cores, tom lindot
matizes completamente novidade.
Linditsimos vestidos de eambraia branca bordados
com gosio.
Ricos basqulnes, primorosamente bordados, e ulti-
ma moda em Pariz.
Riqnissimae ebapelinas de seda, patha a imitacao
e entenadas com maito gosto.
Coques para senboras, sendo estes de ultima moda
em Pariz.
moda e Inteira novidade.
i Collarlnbos, pannos e gravatinbas de Cbany, cem-
I pela novidade.
Rlquissimog leqoes de marfim todos abertos e de
ultimo gosto em Pariz ; assim como de saodalo {
madreperola.

GRANDE NOV
AUGUSTO PORTO & C.
11Ra do Queimado11
Roa da Ioperatrii
BE
G4M1 A SILVA.
Tendo os donos deste grande estabelecimento resolvido liquidar a maior parte das
suas fazendas resolveram vender com grandes abatimentos em precos, assim como teem
recebido ltimamente urna grande porc3o de fazendas novas tanto inglezas como francezas,
alem5as e suissas, teem destinado venderem-nas mais barato que em outra qualqoer parte
aflm de apararem dinbeiro, dando de todas ellas, amostras deizando ficar p< nhor, ou
mandarn-nas levar em casa das excellentnsimas familias pelos seus caixeiros; assim como
as pessoas que negociam em pequea escalla, neste estabelecimento compraro pelos mes-
mos precos que compravam as casas inglezas; ganbando-se apenas o descont.
Ultima moda
Belkscbapeosinbos de apurado gosto para fe-
nboras feitos 10 capricho de ama das primefras
modistas de Parla e ebegados ao armazem do va-
por roa Nova n. 7, _______^^
E' baratissimo a 500riso
kcovado.
Snperlorea lias para vestidos com eieelientes
padrees a 500 ris o eovado, aproveiiem sotes qoe
se acabemrna roa do, Queimado n. 45, loja de
Guimaraes & Basjos.
----------------------- '?
Attenco
Tiras bordadas e Babadlnhos
Qoem quizer fazer boa compra de tiras
bordadas oo babadinhos, adiar um grande
sortimento para escolber e por ^reco muito
mais barato do que em outra qualquer parte,
na loja e armazem do Pavao, ra da Impe-
ratriz n 6o, de Gama & Silva.
Fazendas para luto na loja do
Pavo
Baldes a U, 35oo e 35
Vendem-se um grande sortimento de cri-
nolinas oubaloes de arcos parasenbora pelos
baratos precos de H, 20500 e 30 por haver
grande porcSo, na loja e armazem do Pa-
vo, ra da Imperalriz n. 6o, de Gama &
Cassas alie rs. so o pavo.
Vendem-se bonitas cassas inglezas de co-
res Iix3s pelo barato preco de 240 rs, o co-
Vende-se setim da Cbina com 6 palmos de, vado, ditas francezas fazenda muito fina com
largura*proprio para vestidos a 20 o covado, padrSes listrados e de flores, assim como com.
lazinhas.pretas lisas, alpacas com listra bran- palminas miuilas proprias para meninos a'
ca.a 14 o covado, cassas brancas com Ustras 3oo rs. o covado ou a 5oo rs. a vara : pe-
pretas a 5oo rs. a vara, dita pretaa lisas e cbiucba na leja e armazem do Pavao roa da
com silpicos vara a 56o rs. ditas francezas Imperatriz n. 6o de Gama & Silva.
com lislras e rama gens vara a 8oo rs., me- prrilfiypijfl
ri preto, alpacas e priocezas, mais barato _,, ,, J tl#r lUlH
do queem outra qualquer parte, na loja do po^'0dae SSSwoo o., M "-. SKr" na
Pavao, ra da Imperatriz n. 6o, de Gama ra da Cadeia n. 2, andar.
Silva.
PALITO'S DE PANNO A 60
Vendem-se palitos de panno preto saceos
a 60, ditos sobrecasacos a Io0, calcas de ea-
semira preta a 60 e 70, d ta muito Anas a
Cortes de alpaca a sete patacas.
Vendem se corles de alpaca escora pan vesti-
das pelo baratissimo prego de 22iO o corte,
grande pechlocha na loja e armazem do Pavao ra
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Este estabelecimento acaba de receber e vende por commodojpreco as segumtes 9,5 e lo0, finissimos sobrecasacos de panno a

,

fazendas finas
Vestidos de bond para noiva com manta e capella.
Ricos vestidos de eambraia branca bordadas 1 que ba de melbor.
Cortinados bordados e admascados para camas de 2o a 8o0.
Ditos bordados e admascados para janellas de 90 a 2o0.
Colxas de seda e la e seda para cama de noivas.
Basquinas modernas de muito gosto de 2o0 a 5o0.
Toalhinhas de croch para cadeiras e sofs, e colxas de croch para camas.
Chapelinas de crpe branco, e chapeos de palha da Italia para senhora.
Moir branco e preto, grosdenaple preto e de todas as cores para vestidos.
Camisas para homem francezas e inglezas de linho, e de algodo.
Guardapisa de crinofine para fazer mais elegantes os v< stidos de 15a e de seda
a 32o rs. a vara.
Superiores saias bordadas de linho, camisas e camisinhas bordadas e lencl de
ninas.
GairnWe d52r borada- pa/a seDQoras> ric.as toalhas bordadas com muito gosto, e lindos ves-
traecas para vestidos
A Apaia Braoca recebeu novameola um bello
urttmeot daquelias apreciadas guarnigdes de fi-
tas; assim como outras de lindas e modernas trac-
gas. Os apreciadores do hora compnregam na loja
da Aguia Branca a ra do Queimado n. 8.
Fiuissiiais meias de fio de Escossia para crianfas.
Vendem-se oa ra do Queimado loja da Aguia
Branca n. 8, onde tambem ha outras ojuilas de al-
godo para criancas de 3 a 12 raezes.
Hui finas tovas de fi) de Escossia e seda, para ho-
rneas e seuhoras.
A Aguia Branca a ra do Queimado o. 8, reco-
beu om bom sortimeato de floas lavas de 0o de Es-
cossia e seda, Dranchs e de cores, bordadas e lisas,
tanto para homens cemo para seohoras; quera as
pretender e dirijir-so a dita loja da Aguia Branca,
conhecer que em tal genero nao se encentra me
lnor, e ialve aera mesmo igu&l em alguma outra
parte.
Requifes broncos on (ranciulias papa-fina.
A Aguia Braoca acaba de receber um novo e
bello soriimealo dessas to procoradas trancinbas
papa-fioa, com diversos e agradavels moldes, e co-
mo sempre a Aguia Branca a ra do Queimado n.
8 continua a vender barato.
Gu'liabas e puncos, manguitos e goliinlias, obras
modernas e de gosto.
A Aguia Brauca acba-se receotemeote provida
de booitas golliohas e puohos bordados, maoguitos
e golliohas tambera bordados, e tudo do melhor
gosto e ullima moda, lendo as golliohas e puohos
moitos, ja enfeitados com fitas enfladas, e -Iguaias
pequeas para meninas. Os presos apezar de com-
modos variara com as diereotes qualidad >s das
obras. Os pretenderles coroparecam na loja da
Aguia Branca a ra do Queimado o. 8 que serao
servidos a contento.
Entremeios bordados era pecas grandes.
A Aguia Braoca a ra do Queimado 0. 8 est
vendendo bonitos entremeios bordados em pe?as
grandes de 12 liras, e pelo baratissimo prec,o de
2^500 cada peca. A grande eztracsao que elles
t9m tido confirmara os diversos flns para que ser-
vem, asim pos coovm que a boa fre^uezia da
Aguia Braoca aproveite essa boa e barala fazenda.
Veode-se um bom piano de mesa de jaca-
randa em perfeito estado : na ra da Camboa do
Carmo d. 20.

tuarios para baptisados com o respectivo enxoval.
L3as com listras de seda de varias cores a que ha de melbor.
Chapeos brancos de castor, e ricos chapeos de sol inglezes para homem.
Malas de diversos tamanhos para via^ens.
Panos finos e caseairas pretas e decores e outras muitas fazendas que se ven-
dem baratissimo.
Este estabelecimento contina a receber as melbores.
Esteiras.e alcatifas para salas.
11Hua do laciniado-11
PARA O BULE 1)0 LLB
Cbegaram pelo vapor de 27 deste mez, riquissimas sabidas de baile, como se
usam na Europa, todos estufadas de seda etc. Vierain s seis, por isso recommendamos
as excslleotissimas senboras para se proverem de um objecto de esmerado gosto c que
julgamos nunca ter vindo ao nosso mercado.
No referido vapor tambem vierammni lindos enfeites proprios para o mesmo
baile, assim como luvas de pellica de J mvin, brancas e de cores: a ra do Crespo n,
5, loja de Gregorio Paes do Amaral & C.
mmmMmMMMMM m &mm%MW^

3

fe^
m
N. 64-----Eua da Imperatriz-----N.
Kova loja de miatlezas e arligos de uiod.s
DE
64.
:vi

SILVA & NEVES.





GRANDE BAZAR
na Nova n. 20 e 22

m
Machinas paa costura do autor Wbeele
c Wilsen, chegadas ltimamente da Ame-
rica; as quaes pode cozer-se com dooi
pespontos, toda e qualquer fazenda, emb-
inhar, frangir, bordar e marcar roupa; tndt
com perfeicSo. Sao t5o simples, que coi'
prehende-se fcilmente a maneira do traba-
lbo e a pessoa tendo pratica de coser em mi-
rtinas, pode fazer por da o servico que tV
ciam 3<) costureiras.
Chama-se este estabelecimento a attefc-
c3o do publico, visto que elle se acha com-
pletamente sortido de objectos de. gostt.
como bem leques de madreperola e de sl-
dalo, flvelas, fitas para cinto, cokes perfu-
mara e etc,
Na ra nova n. 20 e 22. Carneiro Viai
na & C. ____________________________
Veod-'-ae por pre cunraodo urna macbma
nova a vapor, porttil, de torca de seis cavados e
de permita consiruci;ao com toda (erragem precisa
para mover varias machinas de algodao oo entro
qnalquer mister, e bem assim ama prensa ameri-
cana de enfardar alaodo, de systema moderno, e
de moita forca e a'guns loneig proprios para depo-
sito;. A ver e tratar na fabrica da travessa do Ca-
rioca o. 2, eaes do Ramos. ____________
Os proprietarios deste novo estabelecimento cfferecem ao respeitavel gra
V^ publico desta bella cidade, e do interior um lindo e escolhido sortimento de (g||$
'0$ miudezas e artigos de modas, concorrecdo para i.-to o terem na Euroca, pes- ^^
.;".; *^ soas habilitadas a executarem suas encominendas no que houver de mais no- ^:$
'' vidade e gosto, e garanem vender pelos precos mais rasoaveis do que em ^
outra qualqoer parte apar de maneiras delicadas e sinceras.
Acabam de receber pelo vapor ftancez Guienne, os segumtes bel'os
artigos de moda e fantasa.
Luvas de Jouvin para senboras c homens, de todas as cores.
Livros para missa com capas de madreperola etc.
Indispensaveis e boleas de to as as qualidades.
Coques os.mais modernos.
Espartilbos. collares, e cintos de seda e vidrilho.
Rendas de Guipute, de seda, (blonds) e de algodao, de todas as ||gj
qualidades. !' %'}
Completo sortimento de trances, Gtas, botoes e guarnices de seda 5*^
$0%8. com vidrilho e sem elle, gravatinbas de seda", e manguitos de lustro bordados W
^ tudo do ultimo gosto de Paris. "Jg
Leques de sndalo aberto do mais apurado trabalho
Agua Florida e tnico oriental de Laman & Kemps.
Ricos enfeites e guarniges de flores para vestido e cabera.
Calcado para seohoras e meninas.
Perfumaras as melbores e mais escolhidas de Lubm, Piver, e Cou-
i dray, em ricos e elegantes vasos de porcellana, crystal e prata iogleza.
'^o^ Meias de algodao, as mais finas e melhores que teem at boje vindo
y ao mercado, para senboras e homens.
Chapeos de palba da Italia, e a imitacao para meninas.
E um sem numero de artigo, de gosto e fantazta que s a vista
podem ser apreciado.
m
m
m
1


w NOVAS
A Aguia Branca a ra do Queimado n.
8 recebeu d'aquellas bonitas luvas de pelli-
ca enfeitadas, e j bem coDbecidas por luvas
a duqueza.


ycto-aic*, isiaimcl n mrwiw, b
*H prt dpin b*Ueu t* (BiiW la
kaiataliei. >iganil ton. I.
Vende-se na Botica Franceza ra Nova n. 25.
* a mea qu* eun m nnuai4ima. Vcuda-n
.Vovoe grande deposito de superior carvao de Cardiffna
Babia.
Antonio Gomos dos Santos & C, roa Santa Barbara n. I, estao habilitados a snpprir At
irvao o m condigSes mais favoravels que era oufto qaalqaer deposito, a todo* os navios a vapor que
cofrera naooelle norto. A contratar nesta com Domlnijos Altes Matheas.,1
I
2o(5 e 25)9, calcas de casemira de cor a7e
85, um grande sortimento de coletes de toda
a qualida e e outras mui'as qualidades de
roupas qu se vendem mais barato do que
em outra qualquer parte, na loja e armazem
do Pav5o, 1 ua da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
As salas do Pavao a 305OO.
Veode-se ama grande porciio das mais bonitas
saias brancas com lindas barras bordadas de co-
res, tendo 4 pannos cada nma, sendo fazenda io-
teiramente moderna, pelo barato preco de 330i
cada orna sendo fazenda que sempre se veodeo
oor muito mais diobeiro ; oa loja e armazem do
PavSo, na ra da Imperatriz u. 60, de Gama 4
Silva.
CASAQU1NH0S DO PAVO A 180, 2oJ
250 E 300
Cbegaram o mais modernos casaquinhos
ou jaquelas de grs preto, ricamente enfei-
tadas sendo uns com c'ntura e outros soltos
conforme se nsa ltimamente e vendem-se
pelos baratos precos de 180,2o0,250 e 3o0,
na loja e armazem do Pavo, ra da Impe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
Mol re-antique.
Vende-se superior rooire-aniique de cor, com
algom loque de mofo, por preco-tnaito barato, para
acabar : na leja do Pavo, ra da Imperatriz c. 60,
de Gama & Silva.
Camisinhas a 3#.
Vendem se as mais molernas camisinhas com
manguitos laolo bordados como de preparabas com
elegantes puohos e bonila abolladuras pelo bara-
to preco de 3 iOO ; na loja e armazem do Pavo,
ra da Imperatriz a. 60, de Gama & Silva.
Pichincha em casimiras a .$600 s o
Pavo.
Vende-se ama gradde porgo de casimiras supe-
riores eofestadas, sendo escuras e alegres proprias
para caifas, poletots, coletes e roupas para meni-
nos pelo baratissimo preco de I 800 o covado on
a JBOO o corte de calca, grande pecbiocba na
loja e armazem do Pavo : ra da Imperatriz n. 60,
de Gama & Silva.
Alpaca moDStro coro 5 palmos a 280-
S o Pavo.
Vende-se alpacas de quadjos sendo padr5es es-
coros proprios para vestidos tendo 5 palmos de
largura que facilita fazer-se um vestid] al com
H ovados pelo barato prego da J80 r3. o covado,
garaniindo se que fazenda que val mullo mais
dinbeiro, portamo pichincha : na loja e arma-
rem do PavSo ra da Imperatriz n 60, de Gama
& Silva.
Poupelinas para a festa a 320 rs. o covado.
Vende-se ama grande psrcao das mais bonitas
poupelinas transparentes cora palminbas bordadas
a la ou quadrinhos a imitica de fio de seda, pro-
prias para vestidos pelo naratissimo prego de ama
pataca o cavado, grande pechiucba : na loja e
armazem do Pavo ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Lcacos para irSo na loja do
Pavao a G40, U c iG00.
Vendem-se bonitos lencos de cassa bordados
proprios para mo pelos baratsimos pregos de
640. 15 e l600, Hio na loja do Pavo roa da
Imperatriz n. 60, de Gama A Silva.
COHTES DE SEDA.
a 28000 reis na loja do Pavo.
Chegararn o- mais modernos cortes de seda de
cor com elegantes desenhos claros e escaros, ten-
do muita fazenda para om veslido e vendem-se
pelo barato prego de 280U3 reis, por estarmos
mallo prximos da festa. isto na loja do Pavo,
roa da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Bertanha de linho
Com 30 jardas a 124000 reis.
S O Pavao.
Vendem-se pegas de superior bertanba de llnbo
puro, tendo 3) jardas ru 25 varas cada pessa pele
baratis.-imo prego de 12JS000 res, sendo esta fa-
zenda propria para leoges, camisas, toalbas, etc.
i.to na loiado Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Bramante de Hubo.
Com 20 jardas a 8to00 res.
Vende-se superiores pegas.de bramante de linbo
proprio para leeges, toalbas, carnizas, etc. tende
20 jardas cada pessa pelo barato prego de 8J0O0
res, na loja e armazem do Pavo, roa da Impera-
triz n. 60, da Gama & Silva.
SAlAs ECONMICAS.
a 2,500 reis.
Veode-se nma grande porgo de saias de cor
com b-nius barras pelo baratissimo prego de
25500 res, na loja e armazem do Pavo ; ra da
Imperatriz o. 60, de Gama & Silva.
PUNHOS COM GOLINHAS.
a i000 reis.
Vende-se ama grande porcio de pnnhos com
oiinlias de es guio de linbo, coro os mais lindos
bordados pelo narato prego de l00O o terno, di-
tos bordados de edr a 640 reis, sendo grande pe
cbincba pelo prego, na ra da Imperatriz n. 60 de
Gama & Silva.
POIL DE CHEVRE.
a 860 e 800 reis.
Vendem-se as mais bonitas lauslnhas com listas
de seca, intituladas poil de cbvre pelo baratissi'
mo preco de 360 reis o covado, ditas com as lis-
las mainisadas a 800 reis, assim oomo om grao-
do sortimento das mais bonitas e modernas lansi-
nhas qoe se vendem pelos precos de 380, 400,
800 e 560 reis, bonitas alpacas de seda de ama
s cor a 640 e 800 res, isto na loja do Pavo,
rna da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Baldes esguios.
a USOO.
Cbegaram os mais modernos baldes esgnios sen-
do verdadeiramente americanos e vendem-se pelo
barato prego de 2J500, na l ja do Pavo rna das
Imperatriz 0. 60, de Gama & Silva.
Presos vantajosos
38 miudezas do grande estabeleci-
mento de Sonza Soares & Ii mo.
Ra Mora n. 28.
Yrmleni em grosso e a retalho.
Linhas novenos, muito superiores, libras sortidas I
2200 e 22100. '
Dita em noveles, mais inferior a 12300 e 12800
dita. ,
Dita braoca em eaixas de 50 nvelos a 640 ris
Dita para marear, eaixas de 16 ditos a 240 rs.
Dita branca em ditas de 10 ditos grandes a 560.;
Dita em carros de 100 iardas a 360 rs. a du.-ia-
Dita em carros do 200 jardas a 12200 a dozia. i
Dita em carteas, braoca e preta, a 160 rs. a dita.'
Rozetas de cores em caixa= de duzia, a 12500 a '
dita.
Grampas com cabega de vidro a 160 rs. a dita.
Agulbeiros pintados a 240 rs. a duzia.
Boies de moedinhas dooradas e prateadas, para
poohos, a 12900 a duzia de pares.
Ditos de madreperola, para camisa, a 503 rs. a
groza.
' Ditos de osso, para caiga, a 240 rs. a dita.
Caixiohas com soldados de chumbo a 120 rs.
Espelbos de muldura dourada t 12400 a duzia.
Pentes de lago dourado, para coco, a 62 rs. a
dozia.
Vendem-se pegas de algodozlnho moito largo
soperior qoalidade eom am pequeo tcqne de ava-
rla pelo barato prego de 42, ebias largas de eo-
res a 240 rs. o covado, bnm pardo n u to bom a
600 rs. a vara : oa loja de Antonio los dos Res
A C, a roa do Passelo Publico n. 6, por baixo do
sobrado novo. ^^_^^_^^_
Grande novidade para i?
festa ,
Na loja do pavo roa da Imperatriz d.
60, de Gaiua Silva.
Modernas poupelinas com palminbas
400
bordadas e quadros, covado a.
Modernsima* lazinbas com pal-
mas, salpicos, qoadres, listas, etc.
etc., covado, a 400, 500 e........
Lindas las com listas de seda, co-
vado, a 360 e.......,............
Verdadelro poil de Chevre com lisias
modernas, covado, a 800, 12 e....
Finissimas mossellnas de ,res, co-
vado, a.........................
Bunitas sedas de cores ctm 4 palmos
de largura, covado, a.............
Grosdenaple aznl, roxo, lyrio, cinta,
fte. etc., covado, a..............
Modernas cassas tom listas largas,
vara, a 640, 720,800 a...........
Moderoissimos organdys de cor, vara,
Organdy largo, com lista e quadres,
vara, a........................
Cortes de organdy com listas bran-
cas e de cores, tendo 8 varas cada
certe a.........................
Lazinbas de orna s cor matbisadas
covado a.......................
Corles de eambraia branca bordada,
sendo neste genero o mais rico que
tem vindo ao mercado...........
Bonitos cortes de sedas cores claras a
Bonitos cortes de pbaniana a......>
Cortes de orgaodys listados com 10
varas, a.......................
Fil bruoco bordase, sendo de meia
largnra, vara, a..................
Bonita fazenda branca para saias,
tendo pregas de um lado e lam-
bem bordada, vara a 12, 12280 e
Ricas saias bordadas a u'iOOO, 82 e
Cassas de nma s cor de flores, cova-
do a...........................
Ditas francezas muito finas, sendo de
listas e flores, vara a 500 rs. e co-
vado s..........................
Modernos ponhos com golinbas, sen-
do de esgnio de linbo, bordados,
brancos e de cores a.............
Modernos manguitos com golliohas a
I Ricos corpinbus de eambraia muito
bem nfcitados e bordados a 82 o
i Saias econimicas e escoras, para
qoem tr passar a festa fra a___
560
809
12iC0
640
22000
12800
12000
12000
12000
280
2420CO
28-5000
io;ooo
62000
640
126CO
102C00
240
300
12000
22500
tPJOOi".
22300
Este estabplecimento a rna da Imperatr-z n. 70,
recebe de sua conta por todos os paquetes frunce-
Ditos de lagos Usos, para coco, a 52500 a dozia. zes diversos orjectos da ullima moda de Pariz,
Ditos donrados, com flores, 22400 a duna.
Ditos de bfalo, multo boas para alisar, a 22300
e 25400 a dita. V
Dedaes amareios o prateados, finos, a 240 rs. a
dita.
Colcbetes em caixiohas a 640 rs. a dita.
Ditos em candes a 600, e 900 rs. a dita.
Pegas de fila para coz, Iarg3, com tO varas, a
600 rs. a pega.
Fitas de seda n. 1 /z pegas com 8 varas, a 260
rs. a dita.
Cadago branco para cerculas a 560 rs. a
de pegas.

Las de todas as cores, para bordar,
libra.
Phospboros de cera, em caixinbas, a 360 rs. a
duzia.
Ditos de pu encerado, sem ebeiro, a 360 rs. a
duzia de caixinbas.
Ditos de cera, em eaixas grandes de folba, a
12400 a duzia.
Cartilbas da Doulrina Christaa a 320 rs.
Obreas de colla, em caixinbas, a 320 e 500 rs.
Sabonetes finos a 800 e 12 a duzia.
Facas e garpbos cabo de osso, fazenda boa, a
22500 a duila.
Ahumaduras finas para coletes, cintos com flve-
las de cryslal, e muitas outras qualidades, pnicei-
ras de cuntas, penies com pedras para coques, en-
feites para cabega, um completo sortimento de per-
fumarias do todas as qualidades, colarinbos, can-
deeiros a gaz, ferrageos de todas as qa&lidades etc.
etc.; a ra Xuva o. 28.______________________
VENDE-SE
Motores americanos para dous cavaiios.
Dito dito para quatro cavaiios.
Machinas para descarogar algodo de 14, 16,
18,20 30, 35 e 40 serras.
Prengas para enfardar algodo fazende os sac-
eos com 6 palmos de comprimemo cem o peso de
150 e 200 libras, viudas ltimamente da America
no armazem de Henry Forster & C, co caes Pe-
dro H n. 2 jnoto ao (iabineip Porlngnex.
como seja Donitos coques lisos e enfeitados, Blas
de sarja, ditas de seda Usas bordadas de lodas
as larguras e de superior qoalidade, lindos sapa
tos de merino, de casemira e la, tuncas Jh la,
muito bonitos cbapellinbos, babadinbos e entre-
meios com Modos bordados, grvalas do seda pre-
ta e de cores para homem e senboras ; as verda-
deras luvas de Jouvin brancas e de cores muif
b.nilas, careiras de diversos feiios e lmannos,
meias de muito boa qualidade, para homem, se-
j nhoras e meoioos, om lindo sortimento de bicos,
duzia ; espartilbos, toucadnres de Jacaranda' de diversos
j tamanbos, filas de velado, trangas pretas e de co-
a 62500 a | res, lindos enfeites para vestidos, cilos de diver-
: sas qualidades muito bonitos, albons, abaleadura*
! para colleie?, la para bordar de superior quali-
I dade, urna ufioidade de booitos brinquedos para
crlangas, as melhores perfumarlas de Lubiro, Piver
I e Couarai sociedade Hygenica, immencidade de
objectos que deixo de mencionar para nao se tor-
nar massante, tudo por pregos muito cou modos..
mmrmmmm mmm&mmm
H Chocolate he^panhol
Veode-se a 800 rs. a libra, m
Na ra Nova n. 11 e 51
Ra do Cabug numero i A. M
Escravos iugidos
1

Nos primeires das do mez de cutubro deste
: anno fugio do engenbo Borafim, proprledad? do
; Sr. Silvano Antonio Gaio, na freguezia do Bom
Jardiro, o escravo Damasio, preto, de idade e 26
I a 30 annos, altara regolar, ebeio do corpo, pouca
barba, rosto um pooco camodo, olbos abotoados,
I ps malfeitos, andar baozeiro, molero e de falla
moderada : este escravo foi comprado poneos dias
antes da foga ao Sr. Joo Barbozado Reg e Silva,
da mesma freguezia do Bom Jardlm. Recela-,e qne
elle se apreseote como voluntario da patria, pelo
que se previne as respectivas autoridades : quem
pegar leve-o asea seobor, no referido engenbo,
que sera' recompensado. Recite, 15 de novembro
de 1867.

A ESMERALDA
Ra da Imperatriz
A' moda I moda I que tempo,
Da festa o genio nrs diz :
Ide ver coosas moi bellas
Na roa da Imperatriz.
Ide, e ao passardes as portas
A o nomero cioco attendei;
E' all que assiste o genio,
E' all qoe o gosto lei.
100#00

-'
Tem lavas de varias cores,
Do aflamado Jouvim;
Tem ricos eintos e flores,
Fitas lindas e setim
'
Enfeites de varios gostos,
Chapelinas e toncados,
Tem vestidos mtrtio simples,
E tambera os tem bordados;
Trangas, ligas, blcos, franjas,
Pente, leques e cordes,
Gaze de seda, bom crpe,
Blonds ricos e bal5es ;
Tem aderegos de flores,
Eotremeios e babades,
Pelerinas e mangados,
Costumes p'ra baptisados.
All, nada falta moda,
T miudezas encerra;
De Parts ao centro Ide,
Fregaszes da miaba trra.
Ide ver coasas mai bellas,
Da festa o genio nos dia;
Ao nomero cinco attendei,
Na roa da Imperatriz.
BSMIKALDA.
'
Cemento romano
no caes de Apollo.
che?oa
no armazem de Tasso Irmios
Fugio no dia 25 do corrente mez de outubro, do
engenho Limoeiro fregoezia da Escada, o escravo
com os segointes sigoaes: cabra fusco, alto om
bom corpo e bonita figura, cara bexigosa, barba
pooco serrada, cosioma rapar o bigode e a peira
cabellos um tamo caraplnbados, poueo cambeta
tem os dedos grandes dos ps mais compridbs.
um pouco gago, com lgomas cicatrizes velbas de
chicote as costas em ama pa' e em nm brago
veslindo camisa de aigodo da mata ou algodoi-
nbo, cblga e paletot de brim pardo, chapeo de re-
la preto, e lava vara de carreiro que e sappde-s
ter ido assentar praga como voluntario : recom
menda se as pesoae enea/regadas do reerutameo-
to e as autoridades policiaes com especialldade as
d) Rio Formoso, Una, Agua Preta, S. Beato e Por-
to Calvo e a outra qualquer pessoa a apprebensSc
do dito escravo, e emrega-Io no dito engenbo, qu
recebera' a graticago cima. O escravo chama
se Fraocisco.
Paga-se bem.
Foglo em dias do mes prximo passado do poder
de Ago tinlio Jos de Ollveira. em Caruarn', osen
escravo RurJno, mulato claro, (dade 36 annos, secoo
do corpo, pernas floas, olbos am tamo amortecidos
nariz afilado, posea barba, mallo cortez e bem fal-
lante, metiido a valente, gosta de agurdeme e le-
von japona preta ; foi encontrado no da 3 do cor-
rente no lugar Batatetra, em direccSo a estrada 11
ferro e sospeita-se qoe lenha Ido offereeer-se como
voluntario para a goerra : rega-se portaoto as auto-
ridades policiaes e pitaes d campo a aprehenso
do dito escravo, qoe ser eotregoe a seo seobor on
a Severioo Alves GRATIFICASE
a quem capturar e condnzir a' fabrica d sabio no
Algado, ou a' rna do Amorim o. 41, no Recife, o
escravo Loiz, pardo, Idade 35 annos, o qual ja' em
principio de>t anno fot preso por fagido, e de
novo evadise da mesma fabrica, onde trabalba-
va, n madrugada de domingo ultimo, 34 de no-
uembro ; ojo escravo fugio vestindo a ronpa do
oso, de algodao de Ustras, cssluma embreagar-se,
negar o proprio noroe, e bem como o do seobor; e
traiia pjr castigo nma corrente fechada na crotora
e no tornozello, do qne devera' conservar ao me-
nos as manchas.






Diarlo Je Peraatttwco Qnaru lelra 4 de Dczenbr* de 1867.
LUTERaTPRA. _
Seaana Iliteraria
Antes de proseguimos na noticia critica
sobre a obra do cosso compatriota, o Dr.
Marcos Amonio de Macedo, que acaba de
sabir luz com o titulo ePelerinoge aitx
Lieux Saint.*, suiri d'vve ercttrsion dar,s la
bastr Egypte, en Sytie da Consiantincpt?,
noticia critica que, por motivos urgentes e
tmperiosissimos, vimos-nos toreados a inter-
romper no -egundo artigo, cumpre-nos, e
iuteressa-nos mesmo dar conla aus nossos
tiros Telo Imprimir um respeitavel sello ae
autoridade em todo quanto abalancamos nos
artigo* precedentes, pois que, n3o apre-
goa alto e bom acra a pia compunctio coa
que esereveu o pirigr ioo o ?en livro, corno
tambem, apezar de amigo, e amigo minada
seado, n5o deixa de apreciar, l mesmo do
seu retiro aliento, o justo sentimento dos
brfsileiros, convertido em resectimento oa
pezar por urna t.aldeaco Iliteraria que a in-
telligencia eocoracSo reprovam econdem-
nam.
II
Terminada esta previa e necessariadigres-
s5o, e encararaherao-nos para Marseraa de
Tfeucbttie), e sobretndo pelos do iocompara-
vellago Leman, cojas aguas espernadasre-
flectiam muitas veces a sombra movediza e
fugidia dos enflammados wagons.
Q ual dos oossos leitores n5o conbece o
lago Leman, reoommendado a coevos e ps-
teros pelas immortaes endeixas do cantor de
Jocelyu ? -, \ i
III
Deixando Marselba, que o nosso compa-
triota acba em muitos pontos semelbante da
1 des riquezas qne Ibe teem sido offerecidas e
que elPVB||j'za!
ClfTCo das depois desta scena, ao des-
cambar da tarde comecaram os passageiros
do Danubio a lobrigar esparcs na fimbria
do horisonte, pontos niveos que se destaca-
vam da raperncie aznl do mar como primei-
raa- estrellas do crepsculo : eram as torres
la Alexandria, a cidade dos Pharas.
Ser, pois, sobre a trra Ejrypicia que
havemes de acompanhar o Dr. Macedo na
Lisboa, e era todos, differeute dos portos de semana litteraria^ prxima.
qoe de algnma mane'ra nada tioha de m-
loitores de um interesante incidente, inti- onde deve partir o autor no vaporDanu-
mamente ligado com o assumplo de que nos biopara comerar a peregrinarlo,
oceupamos, e quedurante aqoelle nter- Abiencootra-lo-bemoscbegando pelolrem
valloveio do urna maneira solemne conso- de ferro aos 25 de fevereiro de 48r3.
lidar cora o grande apoio das opinies de1 Comprehende se que n3o podemos acom-
ura sabio, o severo e a) mesmo tempo fa-'panhar paripassito Dr. Macedo emsuas dif-
voravel jaizo que formulamos acerca da obra fereotes excorses, e que pelo contrario os
publicada, e do seo conhecido autor. I limites do jornal obrigam-nos a pedir s aguias
Este incidente foi a ebegada s nossas m5os o privilegio da rapidez do seu vo para sa-
de urna importaote carta do celebre natura- tisfazer as exigencias do nosso empenbo. NSo
liita Dr. Martiu, a quera, seja dito de pas-jdeixaremos, porro, de consignar urna ou
sagem, mas como preito de homenagem,! outra belleza Iliteraria que formos encontran-
tanto deve o Brasil, escripia da cidade de do em sea livro, sobre cojo todo nosso pa-
Stuttgart ao proprio Dr. Macedo, e por ob-' recer est dado em mais de um lugar,
sequo de um amigo commura proporciona-' O autor aproveita a saa demora em Mar-
da per copia ao nosso conbecimenlo. jselna para tracar nma apreciado histrica
A carta, a que nos referimos, datada de desta cidade, desde o tempo de sua presu-
9 de agosto do corrate, e trata de ma s de' mida fundacJo pelos phoceanos sob a deno
um as rampto concerniente i essoa a quem. mlnacSo de Massalia ou Massilia, at a ac-
enderecada. Eis aqui, porm, a traduc- tualidade em que pompeia como um dos
Inglaterra, o Dr. Macedo descreve o seu tra-
jelo pr'lo Mediterrneo at Alexandria, pri-
meira cidade em que piza depois das plagas
europeas.
Nada de extraordinario perturba a plac
dez e regularidade dessa viagem concluida
(Diario do Rio).
UM POUCO DE TlllO.
Um marido physionomista.Esta vamos
em sete das. Mas de umaoccasiao se apre-: semana pasada em casa do camtSo Paulo
c5o da parte relativa ao livrp que estamos | maiores ncleos commerciaes
analysando, qnica que ueste momento nos
pode interessar.
Ao passardes por Gastein deixastes-me
um precioso mimo.
A vossaPeregrina cao aos Sanios Lo-
gares e ao Egi/ptoenriqueceu a lilteratura
com urna obra ebeia de sans e profundas ob-
servares e toda ella respira o doce balito
de urna alma seusivel e benigna, saturada
das sublimes impressoes que s sabe com-
municar-lhes o aspecto do tbeatro em que
se desenvolveu a misso do Chrisio. Ho-
rnera algam que se baja compenetrado dos
portentosos successos realisados no mundo
desde a apparic3o desse bomem divino, des-
sa diviodade humana, poder 1er vosso
bello livro sem grande abalo, sem inefaveis
commoces.
t Expuzestes os vossos sentimentos e as
vossas ideas em um estylo nobre, simples e
elegante.
NSo conbeco livro escripto por brasilei-
ro que se possa equiparar vossa Peregri-
naco aos santos lugares ; tanto mais quari-
lo sois, raeu caro amigo, talvez o primeiro
filho do Brasil que se lbe teoba apresentado
fallando e senlindo como peregrino,
< E' verdade que podem os vossos com-
patriotas guardar contra vos um resentimen-
to : o de Ibes n3o baver o autor falla do
em poituguez. E com razSo... porque vos-
so trahalbo uo perdera um seitil de vigor,
de profundeza e de dncur. se tivesse sido es-
cripto na lingua de Camoes, de Cont e de
Alexaodre Herculanu.
J se v que, transcrevendo estas impor-
tantes linhas do Ilustre autor da Flota Bta-
silsira, n3o tivemos nicamente por tim ofJe-
rece-las orno um mimo Iliterario aos leito-
res do Diario, Um pensamento at certo
ponto egosta, mas altamente justificavel, nos
induzio a esse procedimento. E fcil de
compreheoder.
no p'iraeiro artigo collocmos ao lado do
encomio da obra urna grande censura e urna
admiracio.
A censura baseava-se na, por nos intitula-
da, falla de patriotismo em que incorrera o
nosso compatriota Dr. Macedo, privando a
lilteratura brasileira de um precioso e tao
carecido contingente. Arguimo-lo ento de
haver transigido com o interesse do vende-
dor.
A admiracio assentava na sbita transfor-
mado sentimental com que em sua obra se
nos apresentava o antigo companheiro incr-
dulo, sceptico e atheu.
Um e outro juizo eram graves, e alirados
imprensa com ousadia haviamos affroota-
do ao mesmo tempo a aprechejio devida dos
fados, e a susceptibilidade do autor, com
quem eotretemos relagoes de reciproca sym-
pathia.
A caria porm, do venerando Dr. Mar-
FOLBETM
BUS 4H08KS DE POETA
POR
D. MUl AMALIA VAZ DE CiRVALUO.
XI
(Cootinoaco do n. |276.)
Nao podia baver na trra mais cariobosa
dedicacao qne a do poeta.
Um di a, dissera Mara, com nm triste
sorriso: que pena n5o baver j flores 1
e accrescentou mentalmente para en-
feitar o meu caixo I
Jayme, que ouvira so as primeiras pala-
nas, correa com a rapidez do desejo a pro
curar por toda a parte as ultimis flores do
outono; e duas horas depois ebegava can-
cadissimo, mas contente como um rei, 1ra-
zendo-lbe um feixe dellas, que lbe espalbou
no regaco.
A douzella estremecen e descoroa ; mas
agradecen com om olhar de ternura; era
t3o triste a satisfacio daqoelle desejo I
Nesse dia sentio-se ella muito melbor e
pedio a Jayme para irem respirar o ar da
tarde no seu jardioziabo predilecto.
Era por urna tarde como as tem o outo-
no s vezes ; aspirava-se na atmosphera a
serena religiosldade do silencio ; baria no
ar sons vagos, que pareciam perfumes; entre
a ramagem lustosa das viobas, avistavam-se
cachos de uvas dourados e vermelbos, que
fariam eodoudecer de alegra Anacreonte ;
havia no horisonte desenbos admiraveh como
s os sabe idear esse pbantasioso artista
que se chama Deas, edificios de nuvens,
cinzeladuras delicadissimas, frontoes rendi-
IhaJos, e todo isto frouxameote allamiado
pelos ltimos raios do sol, qoe ora se esvaia,
ora se aviventava, na sua looga e saudosa
despedida I
E Mara contemplava esta scena encanta-
dora C"tn um sofreg olbar de moribuodo.
D. Nuno passou pelos doas amantes, as-
seotados sob um caramacho de jasmineiros,
e franzio muito a testa, continuando no ca-
minbo, sem se deter ; ora, qoaodo D. Nuno
apparecia carancudo, rerto era qoe a espe-
ranza lbe aodava a florescer dentro d'alma I
os pais enganam-se fcilmente.
do mondo.
N5o lhe escapam edificios, costumes, ha-
bitantes, estabelecimentos, ijoliette ea mes-
ma polica que minunciosamente descreve e
calorosamente elogia.
Fallando espeialmente do porto, ao qnal
deu nome o grande Julio Cesar, e comparan-
do-o com o famigerado de Cherburgo diz o
Dr. Macedo:
Em Cberborgo, depois de urna lula qoe
durou seculos, lu .a em que o g-nio dos bo-
mens acabou por vencer o furor das vagas,
construio-se um dique, enjas imponentes di-
mensoes atemorisam a imaginacio quando
o contemplamos de perto. No entretanto
ueste porto, apezar de tao magnifico triom-
pbo, nao se v o menor movimento, a nao
ser o do seu monstruoso arsenal. Tres ou
qantro navios couracados jogam all tranquil-
los, e parecem quaes tartarugas colossae*,
esperar apenas o ensejo de sabirem afim de
deitar seus formidaveis ovos de cento e cin-
coenta kilngrammas I
t Em Marselba, pelo contrario, o espec-
tador admira-se de encontrar nma verdadei-
ra floresta de mastros, floresta despojada de
folbas, como victima de om invern eterno,
ou anda denunciando passadas tormentas.
t O massame representa em ao vivo os
innmeros cipos que se enfeixam as arvo-
res giganteas do novo mundo, e as bandei-
ras, galhardtes e fammulas fiada-.mes se-
melbam-se aos festoes de flores que ador-
nam de ordinario aquellas parasylas.
Augmenta para nos o valor destas compa-
racoes proso-poetics a pratica que temos
dos espectculos da natureza virgem da nos-
sa abencoada America, e por isso que nao
resistimos ao desejo de mencionar tambe d,
antes de abandonar a cidade de Marselh
a comparagSo fantstica que, entre a gibo
e ama linha de waggons, estabelece o auto
oestes termos:
Habituado, desde a infancia, a ver rep-
tis enormes rojarem, Ireparem sobre as ar-
vores com admiravel ligeiresa, nadarem so-
bre a superficie dos rios e at mergulharem
as profundezas das agoascomparei sem-
pre um irem do caminho de ferro em via-
gem s ondulacoes aboa-constriclor.
t E com effeilo, quando vemos urna fila
de wagons assobiar, correr com mxima ra-
pidez, encolher-se, voltar atrs, avancar len-
tamemte, tomar para a esquerda e para a di-
reita, vomitar turbilboes de fumo, ter im-
petos de furor como para empolgar urna
presa, moderar de repente os impulsos re-
nova-los com furia cada vez mais frentica,
soltando sil vos agudos e furiosos, e por fim
desfilar com extrema velocidade, julgamos
assistir aos differentes meneios de um gran-
de reptil.
t Esta comparac3o,accrescenta o Dr. Ma-
cedo,salieava-me mais o espirito quando
passei pelas margena do IUieno, do
lago de
Sou tao feiiz quando te vejo assim,
lillia, murmurou Jayme, depois de um longo
silencio ebeio de pensamentos intraduziveis.
E Jayme dizia a verdade : ha destas pau-
sas no infortunio : horas saboreadas com
avidez, e que exhalara de si enlevos desco-
nbecidos; deleites requintados, acrisolad :s
sensagoes, que s podem ser entendidas
pelos grandes infelices, e que ellos com-
prara, as vezes com os pedacos do coracSol...
Meu pobre anginbo, conlinuou o
mancebo em voz carlnhosa, tens padecido
muito, bem o sei. .. que importa que m'o
escondas, se o revelam as linhas do teu rosio
emmagrecido... as orlas roxas dos teas
olhos, t5) lindos, e a contracto eloqueote
dessa bocea, Ufo risonha anda ha pooco
lempo ? E sempre tao paluda, :to paluda I
E a primavera sem vir, mea Deus I lenbo-a
chamado tanto, Mara !...
E Jayme acariciava-lhe, com meigaice
inneffavel, as m3os pequen i as e cor de cera.
O mancebo sofreava todos os transportes da
sua alma de fogo todos os desvarios da sua
paixo impectuosa ; era om pai ao p da fi-
Iba ultima do sea amor I Moderava o lom
as vezes vibrante e exaltado da voz, velava
a caamma dos olbos apaixooados, evitava
com inacr editavel delicadeza de sentir tu lo
que podesse lembrar a Mara as lao lembra-
das ventoras de um amor feliz!
Que linda tarde t murmurou Mar
mansinbo e como que despertando de um
sonho que a absorvia toda. E' tao bella a
natureza I qoe solemne, o socego desta boral
d'aoies era a mioha escolhida para scismar
no futuro que son ha va tao lindo.. quando
eu o liaba !.... Seatava-me abi n'alguma
parte ao p das flores, qae rescendiam
perfumes, e ds passarinhos, qae cantavam
amores.. e deixava me estar horas e ho-
ras callada... pensativa... feliz 1 QaauJo
a gente moca tem ideas exquisitas... a
mim parecia-me a vida urna coasa encanta-
dora... tioha esperances qae andavam
roda de mim, a voar como as borboletas 1
depois j n3o sei oque bouve... ba mo-
mentos em qae todo se me confunde na ca-
beca .. parece que um lempo fui mais fe-
liz aioda do qoe eu jalgava possivel se-lo...
mas de urnafelicidade difirante... eram
muitas flores, mu.tas;... mas Acres feitas
de fogo I Agora..- agora, mea Deas...
creioqaevoa morrer t...
E lancou em torno de si um olhar espa-
senta para qoe o autor nos forneci cariosas
informan") js, e o faz de modo natural e apra
sivel.
N3o pascaremos, porm, adiaotesem trans-
crevermos dous trechos dessa parte do livro.
Versam s bre diversissimo assumpto e ser-
vem para provar aos leitores a variada apti-
d3o do escriptor.
O primeiro um exemplo do gosto hu-
morstico do Dr. Macedo. Quando desem-
barazado do porto vai o Danubio solear pro-
priamenteomar=>dizoautor:. ..o mar!...
Esta potente divindade jamis permiti qae
dos aventaremos impanemente pelos seas
dominios I
Nao aceita acommodages, nem arran-
jos com seus con tribu n tes. E' o enjoo
um imposto directo e immediato qne
preciso pagar-lbe sem remissao nm agra-
vo.Imposto para o qual contribuo desde
a infancia.
Mas o qae curioso qae cada contri-
bu te tem saa maneira especial de deso-
brigar-se, para com o mar, de semelbante
tributo. Qanto a mim.., ais aqai como se
passam as coasas.
c Logo no principio nma estranha ira-
ponderabili iade assenhoreia-se de todo o
mea ser e isso por tal forma que se me
afijara qae subo aos ceas para pedir o au-
xilio divino contra is iras de Neptnno. Do
ea deseo depois s profundezas do mar,
cojas fauces se me parecem abrir-se para
sorver os temerarios viajantes I Um soor
glacial invade entao todo o meu corpo, e lo-
go em seguida sioto fazer-se em mim om
vacuo intestinal. Este estado desapparece
para dar logo a outro nao menos afflictivo
qne o de om turpr e indifferentismo do-
loroso, acompanbado de nauseas, de angus-
tias e outros tormentos, que s podem ava-
har os outros contribuintes.
Cabe aqui confessar qae, atravez da pbrase
zombetena e do estylo humorstico pinta o
nosso patricio com exadissimas cores esse
martyrio que s na lingua franceza encon-
tra seo verdadeiro nome,
O ootro trecho como dissemos, de ge
ero muito diverso, e constitue orna espe-
cie de oblaco a nm dos hroes do mundo
moderno e contemporneo.
Deixemos, sem mais prevencSo, fallar o
proprio auctor.
No segundo dia de viagem, escreve elle,
por volta de urna hora depois do meio-dia,
achando-se o vapor bem defronte do roche-
do qae tem por nome llha de Caprra,
reuairara-se sobre a tolda todos os pas-
sageiros no empenbo de verem a casa de
Garihaldi, que surga das ondas, e avultava
proporcSo qoe avancavamos.
A julgar-se pelo silencio e pela alten-
cao com que dirigiam todos os- olbos para
um s ponto, dir-se-nia que cada um havia,
como eu, esqoecido o assampto ordinario
de suas meditaces afim de concentrar sobre
um nico objecto, a celebre rocha qoe serve
de exilio ao bere italiano I
Sua casioha ostentava se deslumbrante
de alvura, como a conscieocia do seu dono.
Com o meu ocak> pude distinguil-o,
porta da entrada, apoiado sobre snas nobres
muletas, tropbus qoe ganboa conquistando
um reino, e que conserva e venera como
CbristovSo Colombo eonservava e venerava-
seus grbes,
Esta i I nota grantica, esta casinha bran-
ca, da qual foi Garibaldi architecto e obrei-
ro, e finalmente estas muletas perfaze n to-
dos os seus haveres, e este tbesouro tem
mais valor para elle do qua todas as gran-
vecido e aterrado, aperlando por um gesto
convulsivo a m3o de Jayme.
Que tens tu, Mara ? pergutou elle
com susto. Que ests a dizer abi de morte f
n3o sabes que era impossivel semelbante
horror ? n3o sabes que eu tenho urna vida
inteira de abnegares e de amores para te
pagar com ella o que le fiz padecer l
Tu s minha... n'mguem te ha de
roubar aos meus bracos, capazes de dispu-
tar-te ao mundo inteiro! Nao te dtsse an-
da que estes ltimos das tenho feito- muitos
planos; pois tenho, nao quero viver em
Portugal, hei de levar-ie para a minha tor-
tuosa Italia; tu nunca a viste, nao assim ?
pois pena, que tu foste creada para esse
paiz da poesa e do amor ; oiha, suppe tu
que ba l casas muito brancas, com muitos
loureiros e myrios de roda, e defronie um
rio transparente e placido com margeos ar-
relvadas de flores ; urna dessas casas que
eu quero para nos... sao muito bonitas,
tu vers; parecem mesmo uinhos de cysnes
beira dos lagos.
E em qaanto assim fallava, Jayme segua
com um olbar consternado a decomposic3o
progressiva do rosto da sua amante.
E ella continuava, sem parecer dar-lhe al-
ten ;o :
Ea quera ser urna das novis que va-
gueiam no co, quera ser nma das estrel-
las que palpitara no seio das noates de es-
to... quera poder escolber o mea folaro
eterno... e longe da ierra poder ao menos
ve-la !
Jayme, eu levo saudades... moitas,
muitas saudades de ludo qoe voa deixar 1
Mas tu n3o morres, Mara ; nao me
digas que morres, que me desesperas 1.. >
Eu bei de roubar a m irte a sua presa Oh !
mea Deus, meu Deus I impossivel I...
nao poder eu inocular Das tuas veas eafra-
quecidas o mea sangue frvido e juvenil I
Koubar-te a vida e nao me ser dado resti-
tuir-t'a 1 Ter o poder de crear e negarem-
me o de conservar I... Tu, aojo qae me
perdoaste... nao me servir de nada o mor-
rer a Uus ps para te aviventar a existen-
cia t
E Jayme, o poeta das commocoes selva-
geos e das extravagancias descommunaes,
chorara como urna crianza, cubrilo de
beijos a mSode Maria, emquanto ella mar-
murava com a sua voz, que era ama melo-
da de syllabas:
que goza, com sua joven e encantadora es-
poso, um mez de liesnea em Ville-d'Avray,
em Paris.
Coaversavamos acerca das inconsequencias
do coraco humano e quaoto, mesmo os
mais sobranceros, sao algumas vezes frageis
e propensos lentaco.
A proposito, lembra-me, disse o capi-
13o, de urna aventura recente, que nao
destituida de interesse e moralidade, e ha
pooco tempo acooteceu a um dos meus rae-
Ihores e esiimaveis camaradas.
Conta-nos isso, dissemos urna voz.
Entao prestem-me alguos momentos
de altencSo. O commandante Jacques de*'*
, como eu, casado e tambem n3o tem de
que se queixar da sua escolha; pois que se
me consuitasse, e julgo-me autoridade em
questo de mulheres e governo de casa, me-
recera mioha plena approvacjSo. Ella com-
prebendeu-o s vil maravilhas, e tambem
amada com todo o extremo.
Ora, o commandante recebeu urna manh
urna cartinha onde se lhe dizia, entre muitas
phrases bonitas, o seguate:
t Aotecipei-me para ter o prazer de ir
esperar-te e receber-te em um verdadeiro
ninbo do< arredores da turbulenta cidade de
Paris; nSo muito perto nem muito longe.
Estamos mudados, s tenho o indispen-
savel para o nosso servico; apenas me falta
o dono da casa... Vem <
Eis o nosso commandante Jacques de*"
corrrendo para o primeiro wagoo, e saltan-
do de contente chega a Paris onde no dia
antecedente chegara a saa bagagem. Tendo
de esperar tres compridas horas para tomar
de novo o caminho de ferro, peosou com
seus botes e disse:
Se eu desse ama vista d'o'hos pelo
caf d'Helder, segaramente encontrara um
ou outro dos meus anligos e queridos colle-
gas de Saint-Cyr.
A resoluto foi executada de prompto. O
commandante chamou um mnibus para o
qual entr.iii cantarolando alegremente. Tinha
apenas decorrido um ou dois minutos que
se achava s, quando urna elegante e tra-
vessa passageira tomara logar, sentando-se
defronte d'elle.
E esta f no exercito fraocez -se namora-
dor, e eu disse que meu camarada nessa oc-
casiao estara muito disposto para as syrapa-
ihias, alera de possuir nm genio alegre e
expansiro.. Com um simples olhar obser-
vara a physionomia insinuante e ao mesmo
tempo discreta de sua compaubeira de via-
gem.
Minha senhora, pergunlou elle com
um tom acanbado, anda qae decisivo, pro-
vavelmente fallo com nma parisiense ?
Esse introito era absurdo ; no entante a
bella moca n3> se mustroo oflendida :
Nao, senhor, respondeu, nunca venho
s a Paris, boje porm tal foi a necessidade
que ti ve de vir buscar os meas retratos
para repartir com mioha familia e meus
amigos que arrostei esta viagem.
Tioha urna voz t5o maviosa que o com-
mandante, cada vez mas entbusias nado, nao
pode deixar de replicar com convicio.
Se o re: rato se assemelaa, permrtta-
me que d3o duvide um s instante que de-
ve ser mui lindo.
Creio que assim acontece, disse a pas-
sageira com algum desemboraco, lira:do de
sua carteira orna porgo de pbotographias;.
abi as tem para julgar.
Ah I estao- a cem ps ab-aixo do- ori-
ginal !
Depois de exprimir assim a sna opioo,
Jayme eo gostava de saber se haver
no co ventaras que nos compnsete, do que
perdemos na trra, Tolos fallara na beraa-
venturanca, como se podessem explicar os
arcanos que esta palavra entreraostra...
Eu nao sei /... sinto-me presa trra co-
mo se cada tima das. suas all'eicoes, dos seus
sentimentos. das suas lindezas tivesse gar-
ras que ae enterrassem inexorareis as mi-
aas carnes palpitantes I Se a eternidade
socego... n3o socego a que eu aspiro...
Qaero viver Jayme... quero viver, anda
que seja para deixar um pedac ensangueniado em cada urna das carcas do
caminho I... quero viver, embora fique nm
rasio de lagrimas a ensioar a estrada por
onde ea passei no munlo h.. Eslavasme
anda agora a fallar do tejara r; quem
ama pode ludo, pois nao verdade ? Oh !
meu Jayme, dame a vida... dame a fe-
licidade. .. d me as festas do amor, como
eu as tenho sonbado em todas as minbas
ooutes do iaferno... porque eu tenho so-
ohos, filho, sonhos em que vejo cousas que
nunca vi, era sabia que bouvesse... vi-
ses que me passam pelos olhos a rir... a
rir de eu as n3o poder alcancar nanea !...
Fallam-me em resignarlo.. olba, meu Jay-
me, conlinuou a pobre enferma, aproximan-
do por um gesto louco, a sua cabeca do
peito do poeta, bontem um padre velho dis-
se-me que me preparasse para as eternas
bodas... que era Deus quem me chamava
para esposa... Qoe sei eu... mil mucu-
ras!... Elles, que s3o fros e ignorantes,
fallam-me em morrer... como se fosse pos-
sivel morrer quando uus bracos de amante,
mocos e vigorosos nos enlagam e nos pren-
dera com iuneffaveis promessas 1... Frus-
traram-me a existencia com mentiras, que
boje me fazem rir. E Maria soltou um riso
estridulo, que fazia mal. sacalindo as ton-
gas trancas assetinadas com om gesto cheio
de gracas, mas a que o delirio roobava a
santa dignidade do soffrimenio. O espelbo
dizia me que era bella, a conscieocia ensi-
nava-me que era inklligente... enm velho
por ser mea pai, abusn da saa Tor-
ca... e urna meutira, que se cbamava de-
ver, saenficou-me no seu altar sanguinario!
Jayme... eu podia reinar... ser fe/iz...
prender-te com os sabios clculos qae tem
mu1here3... dominar-te, endradecer-te...
e apaohar todas as rosas da existencia... e
embriagar-me com os seus perfumes cal-
previsto e novo, olhou por muito tempo
para as pbotographias em questSo, e como
por descoido tirou urna e guardou-a.
A passageira esqoeceu-se tambem de re-
c!amal-a.
Entretanto o mnibus continala o sea.
caminho,
Ser meu destino, seniora, n5o nos
tornarmos a encontrar n'este mando ? F-
caria inconsolavel se assim acontecesse.
Assim deve ser, a meos que circuras-
laocias que nao ouso prever... Senhor,
como j lhe dis;e, saio poucis vezes e noo-
ca deixo de ser xompanhada. Minbas obri-
gac5es.de veres....
Esta resposta, dada com certo movimen-
to de cabeca fcil de adiviobar com um tom
que nada tinba de severo, d3) era para desa-
nimar ura soldado.
Entretanto se a senhora fosse t5o boa
como bon ta.... yoderia, mediante algu-
ma indulgencia.
Acre lita isso? replicou ella reque-
brando-so. Pois bem, domiogo, talvez, na
exposicjlo, as duas horas.... Ao p da por-
ta Repp.
Confessemos que n3o se podia ser mais
explcito. Neste momento atravessava o m-
nibus o arrabalde das Capucines ; o cora-
mandante despedo-se de sua agradare! e
recem-conbecida, que lhe disse baixinbo ;
At a viita. Dirigio-se para o caf Helder,
Conveoho que o commandante Jacques
de foi muito leviano, mas, coahec ndo-o
eu como as palmas das ruaos, asseguro que
isso nao era mais qae um passa-tempo mui-
to innocente e que elle eslava decidido a nao
proseguir a experiencia al a porta Rapp.
O romance devia acabar no arrabalde.
A' noite j elle nem se lembrava do m-
nibus nem da dona do retrato : e quando as
10 horas batia porta hospitalera e amada
de sua querida e incompararel companheira
riscra-lbe todo do pensamento.
Urna criada veio-lhe abrir a porta,
Ab! senhor, exclamou ella cora um
tom repassado de medo, nao me queira per-
der!
Ea! disse o commandante admirado,
venho perguntar se aqui que mora a Sra*"
Acabava de reconbecer a elegante e tra-
vessa visioha do mnibus, muito palli la e
estupefacta.
A commandante lancou-se nos bracos de
sea esposo ... Puucos instantes depois elle
lhe dizia :
Minha amiga, estudei com moito afin-
co o systema de Gall e Lavater, e com isso
aequiri urna certa sciencia que me permute
julgar irrevogavelraente as pe sionomia ; sou om phrenologo!
Nunca me disseste semelbante cousa;
o qae quer isso dizer?
Qaer dizer que preciso despedir a
criada que me abri a porta, quanto antes!
Tem ama physionomia sinistra t
Nao ba tal, mea amigo ; Alexandrina
gentil, obediente, cuidadosa ; nao ha ra-
z3o para maoda-la embora.
Repito, bota-me para fra esta crea--
tura. Estoa maito persuadido qae ser-me-
ha impossivel dormir deba.xo do mesmo
tecto que ella.
Alexandrina foi despedida no mesmo ins-
tante, e no outro dia a commandante, cu-
riosa, como sao todas as senhoras, desde
Eva, laucando vistas iodiscretas nos papis
particulares d) commaodante, encontrn o
retrato. Foi entao que ella comprehendeo
o systema de Gall e as opinies de Lavater,
invocadas tae eloquentemente por sea ma-
rido.
Arrufim-se ura qoarto de hora, seguindo-
se o perdSo, manifestadas as eircumstanciag
attenuantes em toda a saa plenitude. Ha-
ver peccado mais venial f
Pronunciando estas ultimas- palavras o
capilao Paulo trocoa com sua amavel e
graciosa esposa um olhar que-nao era desti-
tuido de malicia e ternura.
Ah! se eu quizesse, accrescentou en-
tao a Sra. Paulo desatar- um pouco as
mascaras e tirar as dragonas do comman-
dante ... Mas, jaque se fez a paz, d3o
vamos adianto!...
C03BATK DE MO*TE R0T0ND0.N30 b T6-
latork) oflicial deste combate irarado, no
dia 3 do corrents, entre tropas do papa e
voluntarios garibaldiuos, mas a folha oficial
franceza, a France, de Pars, e a Opinione,
de Florenca, dio bastantes pormenores do
acontecicaento,
MooteRotondo devia ser atacado ao meio
da pelas tropas pontificias, ap;iadaspor
um corpo de soldados raacezes. Estavam
dadas as ordens cecessarias, desde a ves-
pera, peto general de Fajlly e pelo general
Kanzter ; mas os garibldinos cao tiveram
pacieocu para esperar, e na vespera m
bando pouco numeroso tioha-se posto a ca-
minho para tomar posicoes eraTivoli.
Esle bando eocontrou um corpo ae pen-
tificios que iam preparar o ataque contra
M nte-ltotondo, e travou-se urna lucta sm
resaltado para nenhuma das partes. N'esse
momento chegavam reforcos de Monte-Ro-
tondo quo eogrossaram as fileras ganbal-
dinas, e por outra parle as tropas pontifi-
cias, que se dirigiam para Monte-Rotondo
por outro caminho, acudiram em soccorro
dos seus camaradas compromet idos. Tra-
vou-se en'.au um verdadeiro combate, e, de-
pois de eiicaruioa la luda, os garibldinos
foram derrotados e perseguidos moito- de
perto al alm de MoDte-Rolondo. Grande
numero delles foram morios oa aprisiona-
dos, e (s mais viram-se obrigados a fugir e
a passar a fronteira, onde foram desarma-
dos pelas tropas regulares italianas.
O combale de Tivoli veriflcou-se as al-
turas que costeam ao norle o caminho de
Roma a Subiaco. Essas altaras formam um
passo montaohoso, limitado por um lado
pelo caminho de Subiaco, e por outro pelo
camiobo directo de Roma a Terni. Descem
por um i parte ao valle de Teverona, e por
outra a Monte Libieti, Nerola e caminho* de
Passo-Corese a Rieti, estando marcado o ei--
mo dessas altaras por MonteRotondcr e Pa-
lombara.
Portante, provavelque Garibaldi, amea-
cado pela frente pelo exercitofrancez neea-
minho de Roma a Terni, tratasse de alcan-
car o caminho que vai de Roma aos Abra'
zos por Frosinone ou a crista das monia-
nhas do lado de Palombara, onde por Mo--
neooe e Nerola estara em disposicSo de en-
trar na estrada de Pieti.
Durante a sua marcha ao longo da cumia-
da mooianha, tendo j os Francezes pela re-
taguarda, foi de certo quando encontrn os
pontificios, que o procuravam para impel-
i lo para o lado dos francezes, pela parte de
Tivoli. E' porm, singular que, vigiados
pelos francezes pela parte de Roma, obser-
vados pelos italianos em Passo-Corese, ataca-
dos pelos pontificios em Tivoli, femados as-
sim em nm triangulo de ferro, consegus-
sem abrir passagem e escapar, quando mes-
mo fossem poucos horneros.
A Gazeta di Tarm faz a seguioto pin-
tura da miseravel sltuaco do voluntarios :
Urna correspondencia de Marcrglrana, com
data da 30 de outubro, indici a miseria e a
desnudez dos voluntarios. Nunca se viram
victimas de maiores privaces. As Muses
rermeHws s3o raras; o-ato aprsenla o as-
pecto da maior miseria. Todava Garibaldi
est sempre sereno e cora- boa sade, e nao
cessa de contemplar Roma, objecto do seu
Gito.
Sentenca, singular.O que se vai ter
contado pelo Internacional de Londres r
< Em um tribunal daquella capital jal-
gado John Smith que roubou um joialbeiro
de High-Street.
O- larSo abrir na- parede um buraco
bastante largo para poder entrar nede a
parte soperior do corpo, e estendeado o
braco roubou ludo o que esava em urna ta-
boleta ou vitrioe.
O advogado do-reo tm a singular idea-
defenderlo dizendo que a le puma qaem se
ioirodaziria em ama casa, mas n3o quem
mettia Delta smeole meio corpo.
O jury, depois de alguns minotos.de de-
liberaran, declarou, com a maior seiedade,
que o busto de John Smith-era ouIpado>mas
que a> outra rnetade do- corpo en- inno.
ceote.
Eoiio o juiz coodemaou-o leagmatica-
mente a metade culpada a um auno de 1ra-
balhos forcados, deixando a Smith a-liberta-
de de sopara-h da metade innoceate-ou.de
leva-la comsigo para o lugar ande ser
expiado o crime.>
Iid06 !... Agora que jo percebo o qu
per-di !... agora... que-om demonio me
arrastou pelos cabellos at esta altura, d'on-
de- eu abranjo a minba vida toda.^. illu-
raaada por satnicos claroes!...
Mas, filtia, que eaaltacSo essa ? di-
zia, o poeta em voz branda, tentando acal-
ma-la, como se acalma urna creaaca. Tu
ests mais daentinba ; fez-te mal o ar; nao
te assusles, em nomo do nosso amor t'b
imploro Juro te qoe has de ser ainda
feliz; que- bom tempo nos espera, filha da
minha alma, sempre juntos, em t Ja a par-
te armando um ombo, com taato que seja
azul o cao, nao* verdade ? E' celebre
termos dos em tado os mesmos gostos: foi
o que nos aproxwnou! Sem ti n3o podia
eu viver j t Vamos para dentro, anda
minba doentlnba, vou-te 1er alguns versos
daquelle livro qae tu gostas tanto; es versos
sao como a msica, abrandam as tempesta-
des interiores. E o pobre moco sorria-se,
em quanto pela testa lhe escorria o suor fri
do pavor.
Cala-te, cala-te, sao me falles na vida,
nao me falles na ventura, exclamava em de-
lirio a infeliz. Se era tarde para que o leu
amor me salvasse... se eu voo morrer sem
que baja ninguem que me sustenha borda
da sepultura... Para que vieste lembrar-
me prazeres qae ea devia esquecer... evo-
car imagens doudas, que me escaldara e
que me prestram ?...
Era o grito supremo dos sentidos em re-
volta, que ebegava pela primeira vea, com
a eloquencia persuasiva do rastrado, aos ou-
vidos apavorados do mancebo !
Era a branda influencia da tarde, e s
exhalacoes fugitivas dos fructos maduros e
o magoetismo do amor, e as enervantes me-
. lodias da natureza estorcendo em desejos
impossiveis aquella alma impotente de mo-
ribunda !
Jayme pegou-lbe em bracos e trouxe-a
para dentro; a fraqaeza da enferma aug-
mentou de tal modo, que foi preciso dei-
ta-la logo.
D. Nuno foi seotir-se cabeceira do leito,
e passou all toda a noite. Jayme velou ao
p d'e le, e o velbo lapportou-lhe com in-
differenca a presraca, tanto certo qae s a
dor os poda aproximar.
Desde esse dia Maria nao pode mais er-
guer-se; n3o 'se viam porm ao p d'ella,
nenhura desses objedos qae tornara quasi
sempre repugnante o paarto de nm doente.
Era ludo bpanco, per-iumado, virginal.
Sob as pregas fluduantes das cortinas do
leito, divisava-se a dbil forma da-doent, e
o seu rosto, descoaado e pensativo, onde
brilhavam ainda ebeios de vida dois olhos,
que a magreza Azora maiores, porm nao
conseguir fazer menos bellos-, e que inda
revelavam celestiaes segredos ao embusca-
rem-se na sua dessa e avelodada rama.
Aos ps do leito via-se o pobre amante,
em quem as doaes de Maria se doplicavam,
e coja rosto, sob a saa rigida lividez expri-
ma tudo quaato um cora$3o pode soffrer
sem sahir do peito feito pedacos. ,
As vezes Maria murmurava baixinho: cNao
chores Jayme e o mancebo ergaia-se movi-
do per sbito impulso, edevorava-lhe com
beijos as mios transparentes; depois, fi cava
tudo no silencio pesado e solemne, sem que
dois olbares, um saadoso e temo, outro r-
dante e cheio de aociedade, se desGctassena
por om s instante.
O resto da existencia de Maria reragiararse
neste raio luminoso de ternura, que aflagava
o poeta com todas as pungentes sedceles
de urna irrealisavel promessa.
Na tarde do terceiro d'estes das, Maria
teve urna agona cruel e pedio os sacramen-
tos. Jayme, ao ouvi-la, sahio do. qoarto
sera pronunciar nma syllaba, sem fazer um
s gesto de desespero; quando vottou alve-
javam-lbe entre os cabellos negros uns pou-
cos de fios de nev.
O velbo prior da freguezia veio confessar
a martyr e trazer-lhe, sem outras pompas
e outras riquezas mais que as da f e do
perdo, a visita sublime do rei dos reis.
Foi urna ceremonia tocante de melanco-
la e singeleza.
Os camponezes segoiam, mudos e choro-
sos, o velho padre coroado de ura diadema
augusto de cabellos brancos, e o sol no oc-
cidente veio allomiar com a aureola dos
seos raios derradeiros a fronte mysteriosa-
mente bella do Christo suspenso cabeceira
da moribunda!
Nada mais do qae isto I Mas aqu s que
mandos se n3o resamiam t
Antes de commungar, Maria teve ama
longa convulsSo de choro ; foi a sua ultima
fraqueza I...........................
[Continuar-se-ha.)
"TYP. DO DIAR10-HA DAS CHU&fe>,t..W~

t\
^.'
I
I
. ',


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EOYEPOGOQ_FJRQIS INGEST_TIME 2013-09-05T03:15:07Z PACKAGE AA00011611_11436
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES