Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11435


This item is only available as the following downloads:


Full Text
BM
3*.
f

V
i
i
J
ANNO XLIIL NUMERO 278.
.Td8k 9b 'MU:
Per Irea ames aiantades.,. .. JJ L
Par w tas Mea.. .1 .1 .] .1 .1 o
Per a uui iem.. .1 *>>.:..! .1 4
fa UMTtJmiM W| ,T .M .J j ice!,.
OJIDE IB HiO r*CA F#**"V
M000
* .-> t; .alAAn
.., r.1 .i %t r.i vi ;i c i*|000
51 W| wt m m k s 24a0*

0(0
H

tul ftOf> 0*8
I
p WkMWM
Tull ; MODO
h|tl
Sipo

leq i
TERCA FEIRA 3 DE DEZEMBRO DE 1867.
"
K ol
Per tras mm>
Per seiailas dem. 1.
Per aere tes !...
A DKNTBO E FOBA DA FBOTOVCIA.
r.
.. ..
r. ,.

i
i
>
^^ w

en.
.




j
> I
ul I
I .1 II ?t4ilip9
i oV.
jc otial':H-! oqwi.
I1 '
SBatRBi-sii im ipuiiif\mii d iaaaaipvaiw> n>i ibaidm mih siia a di jaiaim jaoBa sitos iPKDMUiAiitDS


|ENCARBEGADOS DA 8UBSCR1PCAO.
Parabyba, o Sr. Antonio Aleisndrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva ;Ancaty,
oSr. A. de Leos Braga; ear, o Sr. Joaqun)
os de Oliveira ; Para, os Srs. Gerardo Antonio
Alves & Pllnes ; Amazonas, o Sr. Jeronyrao da
Costa; Alagoas,o Sr. Prancino Ta.v.res da Costa-,
Babia, o Sr. Jos Msrtins Alves; Rio de Janeiro,
Sr. Jos aibero Gasparinbo.
PARTIDA DOS 8STAFRTAS. i Seriohern, Rio Pormoso, Tattandar, Una, Bar-
Ollnda, Cabo, Escada estaco da tu frrea at j Jn>% Agua Preta e Pimoateras, as quima*
Agua Treta, todos os di.is. I eiras.
Ignarass e Goyanoa oas segundas e sextas reiras. I AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Santo Aoto, Gravat, Boxerros, Bonito, Caruar, I
Altinho, Garantaos, Boique, S. Beato, Bom Con-1 Tribunal do commereio : segar.das e quintas
seibo, Aguas Bellas e Tacarald, oas tercas-feiras. I Relace : tercas e sbados is li) horas.
Pi d'Albo, Nazarelb, Limoeiro, Brejo, Pesqueira, | Fazeoda : quintas as O horas.
lagazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa-Vis-I Julzo do eomraerc/o : segundas as II horas.
ta, Oureary.Salgaero e Ex, as qaartas /eiras' Dito de orphos : (arpas s sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas a sextas ao meio
dia.
Segunda vara do cival : quartai e sabbades a
1 acra da tarda.
EPHEMBRIDES DO MEZ DE DEZEMBRO.
4 Quarto rese, as 7 b. e| 29 m. da m.
11 La ebeia as 9 h. a 18 m. da m.
18 Quarto ming. aos 42 m. da m.
35 La nova as 8 b. e 47 m. da i.
DAS
DA SEMANA.
.nao
.tv '
I
i Segunda. S. Bibiana v. m., s. Adata m.
3 Terca. S. Francisco XavUr, S. Mgica m.
4 Quana. S. Barbara v. m., S. Osmundc
3 Quinta. S. Pedro Crisologo b., S. Sabas ab.
6 S-xia. S. Nicolao b., S. Geraldo are.
7 Sabbado. S. Ambrosio b. dr. da igr.
8 Domingo. A Inmaculada Conceigo de Mara.
PREAMAR DB HOJE.
Primeira a^ 5 boras e 18 m. da manba.
Sagunda as 5 boras a 4i minutos da tarda.
PARTIDA DOS VAPORES COsTEIROS.

Para o sal at Alagoas a 14 a 30; para o noru
at a Granja a 15 e 30 de cada mez; para Far-
nando nosdias 14 dos metes Janeiro, marco, buuc
julno, aetembro a novembro.
INTERIOR
t ORIlKS0\K\CI V DO IA-
HIO 1>E PERMAHIBIICO.
Parahjba 21 de Bovembro de 1867.
Hontem tocn do dosso porto o Paran proce-
dente do sal, e as 11 horas da maoba anda nao
sabamos de tal noticia, nem bavia um s sigaal
no telegrapbo, qoando a essa hora, correa o Tt
mudo todo esbsforldo, a eollocar na vara da gaiola
de torre, que constroio em cima da torre Jo colla*
gio dos Jesutas, o tnorderno eogenheiro Luiz Es-
tanislao, a esfarrapada bandeira aznl, que nesta
provincia, diiem ser sigaal de vapor do sal.
Apezar das boas noticias de que foi portador,
nada bouve qae se parecesse com regosijo e ape-
nas um moleqoe, na ra Di re la, soltou tres lu-
quetes do ar.
A noite nem nma s luz, nem um so viva, ape-
zar dos programmas verbaes, que pelas mas desla
cidade propalava o Gregorto, que (ertil oessas
iovencojs, e tem muila queda para pbantasiar (es-
irjni ; todo (oi silencio.
Nao obstante, eonbeceu-se o bom effeito, que
produziram as noticias no animo deste bom povo,
que se vera' livre do maior dos flagelbs que o
atormenta quotldianameote; o recrutamento, com
o termo final desta maldita guerra.
Realmente que eausa horror o qae por aqu se
vai passando.
Diariamente entram levas e levas de pobres bo-
mens enfrentados e algemados, diariamente, esta
cidade povoa se de inelixes mulberes, que cbo-
ram a pedem justica, sem qae se as atienda.
O arbitrio o elemento dominante no recruta-
mento, cada inspector de quarleirao um soltao,
e aqaelles qae se aeham no caso de seguir para o
nosso exercito passelam desasombradamente, em
quanto qne paisde familias,0lho3 de pobres viuvas,
sao diariamente arrancados de seos lares, para o
calebooco do qoariel da primeira lioha.
O Dr. Serfico, novel como esta' ainda na pro-
vincia, nao conbece os bomeos, e ellas vao llludin-
do a suaboa f, e praticando qnanta proeza en
tendem. Entretanto, de esperar qne o novo ad-
ministrador da provincia, que abi sempre (oi olba-
do como um carcter recto e honesto, d quanto
antes um remedio a este estado de coosas.
A mao da (atalidade parece qne, cada dia cabe
com mais torga sobre esta ln(eliz provincia, e a
destina a sempre viver em atrazo, e a nao possuir
cousa algoma, por mais que os cofres provio-
ciaes dispendam.
A nova ponte, sobre o rio Sanhoa, que custou
dozentos e qaarenta e tantos eonlos a provincia,
(endo sido entregue ha bem poneos metes, esta'
abatendo de nma manelra espantosa. Construida
com materiaes de m qoalidade, e sem a necessa-
ria selidez, de todo isto resultou o abatimento do
caes do lado e de oeste e de algumas columnas d i
lado do snl, segnindo-se como conseqaencia do aba-
tinento, a separacao no esgradamento, de sorte
que os parallelipipedos ja se actiam em urna parte
du ladrio com ama fenda de mais de palmo.
E' pois bem provavel qne no prximo invern,
alguma das (requemes alluvioes do Parabyba, leve
os restos mortaes da ponte, e com ella os dozentos
o quareoia contos da provincia, que ainda desta
vez ficara' privada da sua melbor va de eommu-
nicago com o interior.
Os fiscaes eslao agora em multa actividade con-
tra os caes e contra as propriedadef, Bradam to-
dos os dias por limpeza e mais limpeza, e o Xtxtr-
ra, nao cessa de multar aos propietarios, e de dei-
tar bolas aos caes; entretanto, parece pilheria, ca-
da vez a cidade esta' mais soja, e nos beccos do
Rosario, S. Francisco e ladeira de S. Uslo ba de-
psitos immensos de lixo, qne causara nao s in
commodo aos que traozitam por esses Ingares, co-
mo nm damno absoluto a salobridade publica, qae
por aqui nao das melbores.
Aproximam-se as eleicoes provlnciaes e os po-
lticos estao no fervet opas. Todos querem ser de-
putados, todos querem o bem da provincia, de ca-
da canto surge um patriota, e muitos ba qae ja
vo (azendo discursos aos eleitores para mostrar-
Ibes que sao talentosos; entretanto tnnta o nu-
mero dos depotados e mais de quarenta os preten-
demos. A urna decidir' quaes os novas legislado-
res da provincia.
Esta' marcado o dia 9 do viodouro, paraabrir-se
a nltima sessao de jury deste anno.
Ha poneos das enloquecen nesta cidade, nm mo-
co estudante de preparatorios, e acba-se em um
estado deploravel; ignorando-se a causa qne pro-
duzio a (atal doenca que atacou a esse pobre mo-
to. Elle perlence a urna familia distiucta desta pro-
vincia, a qnal tem passado os maiores dissabores
com a loucora desse mogo.
O enfermo acba-se recolhido ao hospital da San-
ta Casa, onde recebe e melbor tratamento possivel
da sua familia.
Todava, de esperar a melhora do enfermo,
apezar dos poneos iotervallos lucidos que elle
goza.
Decididamente nesta cidade ha alguma caveira
de borro enterrada ; porque neila nada progride,
tudo morre.
O ealcamento das mas qne princlplon aqu com
muito excesso, esta' parausado, e dizem que a (al-
ta de pedras, de sorte que, quando estas vierem,
nao se podero applicar a continuagao do calca-
meato e slm ao concert da pessima juocco de
pedras que vo (azendo aqui as ras.
Brevemente estaremos aqu em urna Italia, tere-
mos msica por toda a parte, por toda a parte te-
remos melodas e cantos.
Ainda bem poneos dias s tiobamos a banda de
msica do 1* batalho de guardas nacionaes ; mas
os bomens entendern) que deviamos ter urna in
vaso de msica, e crearam mosiea para o corpo
de polica e educandos artfices. O resultado de
tanta creaco que brevemente nao temos urna s
banda de mostea, porqae aqui a trra dos ex-
cessos; on todo oa nada.
Os religiosos franciscanos pretendem celebrar
este auno cora toda a pompa, atesta da lmmacu
lada Cooceico e oeste sentido, consta-nos que o
guardio esta' trabalhando. Dar-lhe-bemos urna
discripco da (esta e do templo de S. Francisco,
se por acaso ella se realisar.
Os gneros alimenticios estao se tornando aqui
por um prego excessivo, e os condurtores quasi
que nao vm ao mercado, amedrontados cora o re-
erntamento, e os poneos que entram, monopolisam
os vveres com os fiseaea e os atravesadores que
nao trepidara em extorquir da populacao am sobi-
jo prego pelos gneros de prim ira necessldade.
ajan' muito conveniente que o presidente da pro-
vincia (ac cessar o escndalo e immoralidade des-
des eropregados monlclpaes.
Aalfandega rendeu do dia 1 a 22-14:7511816.
O consulado al o da 22-6:672*355.
A entrada do algodo (oi de 2,594 saccas at o
da 22, e a exportaco do assucar at esse mesmo
dia t de 4,000 saceos pesando 20,010 arrobas.
Esto a'carga no porto; o brigue prussiano .An-
ua e barca tngleza Warrior.
.-Nudamais. ... .
Apto Claudio.
RIO DA PIUTA.
Da esqnadra escrevem o segrate ao Jornal
do Commereio da corle, em 4 do passado :
t No dia 1 do correle, dia de Todos os Santos,
Rvm.conego, capelio da corveta encooragada
Brasil, celebrou urna mls.sa no Cbaco cora grande
pompa, a qual (ot oovida nao s pelos offlciaes e
pracas licenciada da armada, como por toda a gar-
bosa brigada do exercito, em grande uniforme de
parada, commandada pelo mol digno coronel Gur-
jao.
< Terminada a missa e a homila, que lambem
houve, desfilou a tropa em continencia aS. Exc. o
Sr. vice-almirante, depois de ter execatado dina-
rentes evoluedes militares.
c Poi a primeira missa celebrada neste inhspi-
to logar, sentlndo-se a (alta de nm Molla para, em
ootro qoadro original, como elle ja' (ez a respeito
da primeira missa celebrada no Imperio da Santa
Cruz, descrever eom caracteres leglves em todos
os tempes a santidade da religiao ebristaa, e reve-
lada neste acto solemne e magestoso.
Realmente para sentir-se a subllmidade desta
religiao faz-se mlster e-lar presente, ao menos
urna vez na vida, a um sacrificio qae tenba por
templo a immeosa abbala celeste, azulada como
se acbava, appareceudo apeaas ama oa oatra
' branca nnvem dispersa na sua immeosidade.
c Emquanto o sacerdote evoca o espirito de
Dos sobre a trra e o misero mortal asslsteote
presta por om instante alteocao a' magestade e
simplicdade do templo era qae se acba, urna sea-
sagao, mais rpida do qae a electrlcidade, o per-
corre todo, abala-lbe a alma, obscureee-lhe a Intel-
igencia de tai (rma que nao ha Ideas que se lio
guew, nem pensamenlo3 qae se formero, nem peo-
na qoe descreva o sentimento experimentado.
Digo sncclntamente a verdade, porque digo
aquillo qae em mira se p ssou ; reconheci a minba
pequenez na presenga de Dos e do universo.
Depois da missa, o Sr. vice-almirante baro
de Inbama dignou-se cfferecer aos seas cmara-
das de mar e de trra ara expleodido alrooco, nao
s em safstago a' soa remuuerago pela jornada
de 15 de agosto ultimo, como em sigoifieag a'
sua memoravel ordem do dia, em qoe declara dever
lambem os seos louros aos eslorcos de seos cama-
radas, repartindo assim com elles nma flor de sua
corda.
Qoe todas as occasiSes de prazer como esta
dlfTerentes brindes (orara dedicados aos Srs. vis-
conde de Porto-Alegre e de Tamaodar, bardas de
Herval e de Amazonas, e a todos os hroes bra-
sil ei ros que teem chegado s trinche!ras Inimi-
mtgas, etc.
c O Sr. vice-almirante ao comegir dirigi o pri-
meiro ao bravo exercito brasilelro, qae se acba na
defesa da honra nacional, insidiosamente ultraja-
da, e ao sea condigno general o Sr. marquez de
Casias. Agradecen o Sr. coronel Gargo, e bna-
dou por seu turno a briosa e valente armada brasi-
lera e a S. Exc. o Sr. vice-almirante baro de
Iobaraa.
O de S M. o Imperador, feito pelo Sr. vico-al-
mirante, foi entbasiastica e pbrenetieamente cor-
respondido por todos os convivas-.
c Houve urna segunda mesa, onde reinou a for-
ma a mais democrtica e popolar.
Foi urna (esta condigna de S. Exc, e lembra-
vamo-nos que estavamos na guerra por onvirmos
de qnando em vex o trear longiquo de canhes,
que se confunda com o bombardeio do celebre
Humana : e que no dia seguinte soubemos ter sido
mais ara dia de gloria para o Brasil com a victoria
deTay.
c Eoqnanto encamiobavamos nossas oracojs ao
Ente Sapremo, Elle neste mesmo dia nos conceda
urna gloria e victoria para irmos com mais brevi-
dade a' Assnmpgao.
t No dia anterior (esta o Sr. vice almirante,
em conversagio cora o Rvm. Sr. conego, dizia qoe
desej iva ter noticia de um (ello d'armas memo-
ravel e (e'iz para complemento de seu prazer; e,
em verdade, no da posterior a ella (oram salisfai-
tos os seus desejos.
Sobre as perdas dos paraguayos ainda escre-
vem ao mesmo jornal, de Tuyuty era 7 :
Relago dos corpos paraguayos qae atacaran)
o acampamento de Tuyuty, na madrugada de 3 de
novembro de 1867
c Batalbo de inlantaria de 600 pragas, ns. 1
(vindo de Humana), 3, 6 (vindo de Humait), 8, 9,
11,13,18,19, 20, 27, 34 38, 900 pra?as 40 (bata-
liioes Lpez.)
t Corpos de cavallari de 500 pracas: ns. 2, 8,
9,10 e 20.
c Batalb?s que Acarara em diversos acampa-
mentos : Hamait, 2 batalbes de infantaria, nm
de 700 e ootro de 500 pragas; Passo Poc, 2 ba-
talhdes ae inlantaria, ora de 1,000 e outro de 400
pragas, e 1 regiment de cavallari; Cornpaity, a
gnarnigao da artilbaria e 1 batalho de infamara.
f Paraguayos morios 2,319 inclus;ve 78 pfTkaes,
feridos 142 e prisioneros 33, total 175.
t Brasileiros morios 210 inclasive 5 officiae-,
feridos 587 inclusive 54 lucaos, total 797.
i O coramandante em chele das forgas para-
guayas foi o general Barrios.
c f,.remandante de forgas paragaayas qae ala-
coa o redacto central coronel LalzGongalves.
t O inimigo levoa ama pega de 32 ralada brasi-
lera, e 5 canbdes obases argentinos.
Resumo das perdas paragaayas de 13 de se-
tembro a 3 de novembro do correte, tomadas pelo
mnimo das sabidas por participad-oes offlciaes.
Morios. Prisioneiros.
Jm 13 desetembro.. 100 ia
1 18 ...... 200 60
> 24 ...... 500
1 3 de ontubro.. 535 200
I 21........ 600 200
> 29........ 50 50
3 de novembro. 2,319 175
;'
DIABIO BE PElfflAMBIJCO
, Do Rio de Janeiro e Babia ebegoa domingo o
vapor americanoATorft America, trazendo jornaes
da cor le do dia 27e da Babia de 28 e 29 do passa-
do. Els o que dallas coleemos.
4,304 697
oa um total de perdas de 5,101 pragas em 51 dias,
sem Incluir neste nnmero as perdidas pela chole-
ra-morbos, os passados, e um ou outro piquete
qae se entrega sem fazer resistencia, e para tudo
Isto calculo mais urnas 500 pragas, e entao tomo a
media de 100 borneas por dia, eslarei porventnra
engaado ? que lempo ser neesssario para Lpez
acabar com o sea exercito ? >
RIO DE JANEIRO.
Em 22 do passado foi expedido, pelo ministerio
da guerra, o seguate aviso contadoria de ma
rlnba :
S. M. o Imperador, attendendo ao que repre
sentn o 1.' leneote Saturnino Vieira de Carvalno,
a a cajo respeito essa cooudona ioformou em 01-
cio n. 37o de 18 do mez passado, manda declarar
a V. S. que a disposigo 2* do aviso regalamealar
de 30 de novembro de 1863 comprebende uoica
mete os offlciaes do corpo da armada e classes
aooexas que estiverem eropregados on embarcados
dentro do Imperio, e nao aquelles que se acbarem
servindo em pa'z eslrangeiro.
c O qoe a V. S. commnoico, para sua iotelli-
gencla e execogo. >
Pelo ministerio do Imperio foi expedido o se-
guinte aviso, em 23, ao presidente da Parabyba :
c Illm. e Exm. Sr.Foi oovida a secgao dos ne-
gocios do imperio do conselho de estado sobre a
eleigiio de vareadores e mises de paz ltimamente
(ella na parochla de Nossa Senhora da Piedade da
villa de Cajazeiras des?a provincia.
c Aquella secgao poaderou qae as daas eleigSes
que all se fizeram no da 10 de margo deste anno,
nma na matriz, presidida pelo % juiz de paz, a
outra na casa da cmara municipal, presidida pe-
lo juiz de paz mais votad.' sao nallas pelas seguir..
tes razos :
< Na matrls orgaoisoa-se a mesa paroebial cora
os sappleotes do jaix de paz, dndose execogo a
nma disposigo da le qae s tem applicagao em
casos especiaes nella declarados. HavU eleitores
e suppleotes na parochia, e estavam exercendo
suas fuocgoes sob a presidencia do 1.* juiz de paz.
O 2. nao poda arrogar-se a attrlboigo d'aqoelle,
que eslava no districto, e at comparecer na
igreja, como afflrmam as actas.
Na casa da cmara deram-se estes deleito* :
< 1.* Servio para as chamadas a qoalificago de
1863, quando a de 1866 estava concluida.
Nao procede contra e;ta qualificagao a allega-
rla de nallidade por ter sido membro da junta res-
pectiva om cidado nao qaalificado, porque tal
nallidade nao se mostra declarada pela autorldade
competeote. Essa facoldade alheta das mesas
paroehiaes.
2.* Nao foi observada a lei nos actos das cha-
madas e da apurago de votos : d'aqoellas a 1.' a
2.a se dizem feitas no mesmo da em que se orga-
nlsoa a mesa, devendo ser 1,018 os votantes.' A
apurago se da como effectuada desde o da 11 em
qoe se fez a 3.a chamada, centaram-se as listas, e
escreveram os nomes dos ausentes at o dia 13,
sendo reeebidas 876 listas para vereadores, e oa-
tras tantas para jaixes de paz. Se a lei fosse ob-
servada nao era possivel o desempenno de tanto
trabalho em lo poaco tempo.
Poi, portanto, a secgao de parecer, em coa-
salla de 19 do mez fiado, qae ae mande proceder
a nova elelgo na sobredita parochla.
Conformando se S. M. o Imperador, por sua
immediata resolago de 20 do corrate, com aqael-
le parecer, ha por bem qu-i V. Exc. expega as
convenientes ordens para que se eBectae a nova
eleigo de qae se trata.
E porque coasta do offlcio dessa presidencia
de 25 de jullio ultimo que a referida parochia
muito importante cumpre que a elelgo para ve-
readores seja feita em todo o municipio, verificada
a hypotbese do aviso de 21 de fevereiro de 1853. >
Lemos no Jornal do Commrcio :
t Foram aote-bootem (23; a noite entregues ao
Sr. Dr. Antonio Ferrelra Vunoa, na casa da soa
residencia, as daas coras de qoe j demos noti-
cia. A offertada por advogados da corte foi apre-
seotada por ama ommisso cumposta dos Srs. Drs.
Jos Joaquim Machado, Joo Monteir j da Los, Iz -
dro Borges Moateiro, Candido Gomes Vasconcelos
Gaaoabara, Joaquim Jjs da Fraoga Jnior e An-
tonio Affooso de Agoiar Witbaker, e a doada por
membros do corpo do commereio por outra com*
misso coraposta dos Srs. baro de Sllveiras, Joa-
quira Jos de Freitas Gaimares, Charles W. Law,
Carlos Guilberme Gross e Miguel Natim. Orara m
em nome da primeira eommisso o Sr. Dr. Joao
Moateiro da Loz e em nome da segunda o Sr. ba-
ro de Sllveiras; a ambos respoodea o Sr. Dr.
Ferreira Viaooa agradeceodo a boora qae se le
fazia e declarando modestamente qae por obedien-
cia a aceitava.
< Varias oatras pessoas, algumas mesmo estra-
nhas a advoeacia e commerch, recitaram discur-
so-, e em seguida cantou-se um bymno composto
para este acto e dedicado ao laureado.
t Acbando-se presente am lazido coocurso de
pe representadas quau todas as classes da sociedad--,
rompeu entao brilbante e animado o baile), prolon-
gando-so-at madrugada a testa alternada eom
dansas e caoto, sem qoe a alegra e satisfago eo-
tretidas pela amabllidade dos donos da casa, qoe
tratavara os seus hospedes com regia magnificen-
cia, delxassem perceber o fugaz curso das horas >
Sahio para Pernambuco, no dia 24, e brigue
portognez Boa Fe.
baha.
Deffendeu Ineses, para tomar o grao de dnu
(or em medicina, Pedro AIjosi de irvalhi-
_ No da 30 do passado devia ter lugar a colla-
go do grao aos alumnos do 6o anno medico, da
facoldade de medicina.
No domingo, 1 do correte, daviao prestidi-
gitador Hermaoo dar o seu primeiro espectculo.
No dia 26 (oram submettidos a' julgamento
no jury os Implicados no processo Soares.
Dos jornaes da capital transcreremos o seguinte
resnmo dos trabalhos, qae dararam 52 1/2 h>ras :
O tribuoal do jury (uoccloooo boatem (26) ni
processo Soaras.
or A's 10 e rana horas, o Sr. Dr. jaiz de direo
da Ia vara crlroe, teodo a soa direita o Sr. Dr. pro-
motor publico mandn (azer a chamada, e verifi
cando-se haver numero legal abri a sasso.
< Anda oao estavam presentes os r.s, estavam
porm os Srs. Drs. Pedro Eunapio da Silva Deir,
Joaquim Jerooymn Fernandos da Caoba e Francis-
co Antonio Pereira Rocha, advogados dos masmos.
A's 11 horas (orara admiltidos os reas a' barra
do tribunal, e tomaram rom seos defensores os lu-
gares que Ihes erara destinados.
Ames de comegarem os trabilhos, o Sr. pre-
sidente dirigindo-se a's galeras, recommenloa-Ibas
toda a clrcomspego, o maior sileocio e abstengo
completa de sigoaes de approvago oa reprovago
para se nao reprodozrem as sceoas de que a capi-
tal ja' foi testeraonha, adverliodo aos espectadores,
que por ventura, transgredido suas observages,
(altassem o respeito a' aaloridade do jaiz, e ao tri-
bunal que os (aria pooir com os meios qoe Ibe fa-
culta o cdigo do processo.
< Igual recommeodago (ez ao conselho de jura-
dos, exigalo quanto aos que t'nbam de ser sortea-
dos toda a Iocommoolcabilidade.
c Maudou o Sr. presidente lr o rol das lestemu-
nbas da aecusago e da deleza, e verificar se esta
vara presentes os facultativos do corpo de delicio.
t Cicilia Mara da Conceigj disse, que ouvira a'
Mara Jos Alves, que Luiz Ibe dissera ter oovido
dizer, que oos horneas preparavam anginhos, cor-
das, etc., para agarrar om mogo, mas nao qae li-
vesse (.uvido em casa do Sr. Sampalo Viaooa, e
Mina Jos Alves confirma, qoe Luiz Ibe disse, mas
que nao Ibe declarou ter ouvido em casa de seo
amo.
c Maria Jos Alves d sse mais no tribunal, que
qoando presin o sea dep lmenlo no proeesso es-
Uva muito doenle, e perturbada, de tal sorte, qae
ebegoa a' langar sangae pela bocea e, qae em ver-
dade esteve coacta por te-la o Sr. Dr. Galeo amea-
gado com prfso se ella nio dissesse a verdade,
considerando sea depoimento Incompleto.
c Esta declarago causou em todos grande ira-
pressao, como era natural, a' vista do fado e da
autoridade inculpada. As oulras teslemunbas fo-
ram dispensada.", segando requeren a promotorla e
com annuencia dos membros do conseibo e dos ac-
ensados.
A Etma Sra. D. Alcioa de Faria foi ante
bontem a noite dispensada de permanecer no tri-
bunal por estar moito incomraodada, conforme,
por ordem do Sr. Dr.jaix de dirtito, verlfleou o
Sr. Dr. Azevedo Monteiro, chamado e logo juramen-
tado para esse (ira.
c Terminada a Inquirigao e reperganta das tes-
temunbas movense om incidente, que oceupoa por
algam tempo a atteogo do tribunal: o Sr. Dr. IV
reir Rocha, requereu qne a promotorla comple
tasse a aecusago, vista como tratando apenas da
perpetrago do acto e de seus suppostos autores,
nao havla desenvolvido e provado a quahficagio do
delicio e a penalidade, qne se pedir no hbello:
depois de om pequeo debate, o Sr. Dr. juiz de di
reito decidi, que teodo a promotoria dado por lia-
da a actosago. nada mais Ibe era psrmltlido ae-
crescentar, teodo a' seu ver, sido satl&feito o pre-
ceilo. legal.
Outra qoesto de ordem do proeesso soseitou-
1u acerca do compareclmeoto dos peritos dos qu es
achavam-se s nenia doos presentes, os Srs. Dr.
Cliouco Daoaazl o Freitas. Hoava povo debate

entre os Srs. Dr. Fernandos da Caoba e a promo-
toria, e como esta declartsse, qoe se a deleza in-
sistase na presenga dos peritos, devendo a soa in-
timagio ser (ella com as formalidades legae?, Dio
naveria tempo, e reqnereria o adiameoto da causa,
o Sr. Dr. Cuoba mostroa, qae nao havla oecessida-
de de adiameate e qoe o seo reqaerimento se ea-
tendesse para o um de serem ouvidos, caso (osse
necessario, os qae se acbassem oo tribunal.
Em seguid leve a palavra o Sr. Dr. Delr,
advogado dos acensados, o qual orou at meia hora
depois do meio dia, sendo substituido oa tribuna
pelo Sr. Dr. Fernandes da Cuaba.
c Durante o seu discurso um dos espectadores
deu palmas e por Isso o Sr. Dr. jaiz de direito man-
dou retira-lo das galera- por um policial, orde-
nando, que prohibisse a's sealnellas a sua re-
entrada e caso tentasse Iludir a vigilancia dalias,
(osse preso para ser processado por desobediente.
c Terminou o Sr. Dr. Cunba o sen discurso a's
5 3/4, qoando o Sr. Dr. Pereira Rocha pnncipioo
a desenvolver a parte da de(eza, que Ibe tocoo, a
das qoestes medico-legaes.
t O tribunal deste ante-bontem, tem estado com-
pletamente ebeio de espectadores as galeras, os
corredores e tribuna nao tem espaeo desoccopado,
reinando a maior ordem e atteogo, apenas alie-
radas por ama ou outra leve demonsfago de ap-
provago oa reprovago, logo cohibida pelas admo-
estagoes do presidente do trigonal. O Sr. Dr. Ro-
cha orou at 7 boras da noite.
< Depois priocipioo o Sr. Dr. promotor a replica,
que durou at 9 3/4. Nessa occasio o Sr. Dr. joiz
de dirtito levantou a sesso para qae os membros
do tribunal podessem fazer algoma refeigo e des-
eansar nm poaco, devendo os trabalhos continuar
s 5 horas da manba.
Acbando-se apenas o Sr. Dr. Virgilio Climaco
Damazio, o qnal lambem jurado do presente con-
selho, con-ultou aos procaradores da deteza se en-
tendalo absolutamente iodispeosavel a presenga de
taes peritos oa se poderiam della prescindir, ao qae
qae o Sr. Dr. Pereira Rocna pooderoa que como
meio de derramar maior loz na qaesto medico-le-
aal repula va coovenieote que esllvessem elles pre-
sentes, mas se os jurados prescindissem, a defeza
tambem por soa parte o (ana.
< Eotao oSr. presidenta mandando encerrar as
tesiemuohas presente?, maodou proceder-s ao sor-
telo de 12 jaizes de faci ; ficando o tribunal com-
posto dos segolotes senbores :
Jos Francisco Mendes Chamosca, Lino Pereira
Soares, Tenente-coronel Fortunato Jos da Cunba,
Joaquim Jos Con ua, Fabrlcio C. de Vasconcel-
os, Severiano da Silva Gomes, Jos Ribeiro Coelbo,
Baldulno Candido de Barros, Feilppe Jostinlanoda
Costa Ferreira, Francisco Pinto Gongalves, Joo
Jos de Oliveira, Francisco Jos de Azevedo.
t A justiga recusou 12 jurados, e a defeza 2.
< Composto o tribunal, o Sr. presidente deferio
o jurameoto ao 12 jaizes sorteados.
Teodo de interrogar os reos, e comegando a
faz-lo pelo Sr. Joio Coelho de Ollvalra, fez reco-
Iber ns ontros em sala fecDada, durante o enterro-
gario deste, observando o mesmo quanto aos outros
tres, cada um por sua vez.
t Na bora em qae escrevemos (9 da noite) ter-
rainarao os interrogatorios. Foram suspensos os
trabalhos para tomar-se urna refelgio, finda a qual
ter couieg> a letira do proeesso.
< A leitara do processo, qae bavia piiociplado
ante-bontem (26) as 9 i/2 boras da noite cooti-
naon hontem (27) s 6 horas da manhaa, qnando o
Sr. Dr. juiz de direito sospendea a sesso por 3
horas para continuar das 9 em diante.
t Com efleito essa bora proseguirn) os traba-
lhos, lendo-sa, como requeren o Sr Dr. Pereira
Rocha, os oltimos interrogatorios fetos no tribu-
nal, qae nao tincara sido comprehendidos na leiiu-
ra geral do processo por terem sido lidos cada ura
de per si,depois de felos aos aceusadus.
< Dapois de concluida a leitnra, comegou a ae-
cusago, orando o promotor publico o Sr. Dr. Ma-
noel Caetano de Oliveira Passos de 10 horas i i
1/2 : foram onvidos os depoimentos dasteslemu-
niias de aecusago os Sr;. Faria Rocha, Rodrigues
Pinto e Cornelio Csar e Maria Jos Alves, Luir
Mana da Conceigo e Cecilia Maria da Concegao.
t Cuotra atestemuoha Luiza Maria da Coileel-
go requeren o Sr. r. promotor certido do seu
depoimento, que reputou falso, para proceder op-
porlunamenle na forma da le, ao que deferio o Sr.
Dr. juiz de direito mandaado escrever o depoi-
mento, o requeriraeoto e o despacho nos autos.
As lestaraouhas explicaran os seos depoimeo-
tos dando miior luz ao processo acerca dos (acios,
e circumstancias.
t Luiza Mana da Conceigli, a ama da casa do
Sr. commeodador Sampaio Viaooa snstantoo no tri-
bunal o mesmo que bavia deposto na formago da
culpa, dizendo, que nada disse a Maria Jos Alves
sobre anginhos, cord^s elr.
< Hontem (28) s o horas da manba, voltarara
o; jurados ao tribunal e continuaran) os trabalhos.
Orou o Sr. Dr. Pereira Ro ha desde 5 1/2 at 8 ho-
ras, quando deu-se por lermloado o debate. O Sr.
Dr. juiz de direito resumi toda a materia da aecu-
sago e da defeza e (orranlou os qoesitos, qae os
leu ao tribunal.
i Acerca dos qoesitos boaveram observag5es lej-
as pela promotoria e pelos advogados dos accosa-
dos, algumas das qoaes foram attendidas pelo Sr.
Dr. juiz de direito. O cooselho retiroo-se sala se-
creta as 9 1/2 boras e depois de 3 boras de traba-
lho, quasi 1 bora da tarde, baleu na porta e vol-
lando ao salo, o presidente o Sr. tenente-coronel
Fortnalo Jos da Canha leo as resposlas aos qoe-
sitos sobre cada um dos reos, negando por uoani-
miJade de votos, que elles fossem os autores dos
tactos argnidos no Hbello.
c Em virtade da deciso do jury o Sr. Dr. juiz
de direito lavrou a soa sentenga, absolvendo-os,
condamnando a mnnicipalidade as cusas e man-
dando que fossem os reos sollos, expirado o prazo
legal.
0>r. Dr. promotor publico pedio vista dos
autos.
t Grande foi a concurrencia, o tribunal esteve
inteiramente ebeio.
c Houve al o ttm malta atteogo da parte de
todos os espectadores.
c O jolgameoto darou 521/2 horas: (oi a maior
e mais importaote sesso, qae tem havdo no trl-
banal do jury oestes ltimos anuos. Foram obser-
vadas com a maior austeridade todas as formalida-
des legaes.
Realisou sa o emprestimo eotre o cofre pro-
viocial e o banco da Babia, de 200:000*, para oc-
correr o dficit existente na receita da provincia.
__O cambio regolava : sobre Londres 20 1/2 s
20 5/8 d., sobre Pars 460 rs., s.bre Hamburgo
855 rs., e sobre Portugal 145 /..
PERNAMBUCO
REVISTA DIARIA
Domingo a' 1 bora da larde (ol a populago
desta cidade sobresaltada pelo toque de fogo, que
se aleara no sobrado de tres andares n. 16 da ma
da Cadela, na (reguezia do Recife, no qual tinbam
armazens de faienda em grosso os Srs. Adriano
Castro & C ,
Devido a' ser velho o predio, oa a ootras causas
desconhecid?, qoaado se descobrio o incendio II-
nha elle ja' proporg5as assosUdoras; que aogmen-
tiraro com a demora da.chegada.dos soccorros ne-
eassaros. .. ,
Deots de esoieoS; loauiuos,, a s 3 boras da lar-
de consgnio-se concentrar o incendio a' esse pre-
dio, soffrendo os doos adjaceotes pequeos es-
tragos. H
Comparecer^m ao Ingar o Exm. Sr. presidente
da provincia, Drs. chefe de polica e delegados, di-
versas autoridades, sendo os fabalbos da extine-
gao de incendio dirigidos pelo Sr. eogeoheiro Pau-
lo Jos de Oliveira.
Coosegoio-se extinguir o incendio pelas 5 boras
da tarde, nao bavendo felizmente, a lamentar de-
sastre algam, afora o Ineommndo de qae (oi victi-
ma o Sr. Victoriano Palbares, o qual prestando-se
a auxiliar os trabalhos, soffreu urna grande panca-
da na cabega com urna pega de (azenda, do que
Ibe resoltoo (ractorar o crneo com a queda e per-
der os sentidos, sendo logo coodazldo em bracos
para o hospital do arsenal de marinba, onde se Ibe
prestaram todos es soccorros, e de noite acompa-
abado a' ;ua casa por diversos amigos. Felizmen-
te consta-nos que ja' se acha quasi restabeleeido.
Ainda hontem permanecen urna bomba no logar
do incendio, a qual trabalbava na extiocgo do
fogo qoe ainda bavia as minas do predio.
O prejuizo dos Srs. Adriano Castro A C infor-
mramos-, elevase a duzentos coritos de ris, dos
quaes 150 estao seguros.
Damos em seguida os nomes das pessoas, qae
mais se desiingoiram no trabalho, segundo nos in-
formad :
< Os Srs. Francisco Gongalves Torres, Joo da
Silva Pereira dispenseiro do vapor Mamanguape,
Aotooio Jos Lisboa de Oliveira, Dr. Paulo Jos de
Oliveira, Jos Alves da Silva Gaimares, Joaquim
Monteiro da Craz, Victoriano Palbares, Beroardioo
A. Salasar, Joaqoim de Souza Teixeira Jnior, Jos
Antonio Pereira da Caoba, Maooel Joaqoim da Ro-
cha, Aotooio Jos dos Res, Jos Antonio Moreira,
Jos Maooel da Costa, Maooel Gongalves Ferreira,
Carollno Francisco de Lima Santos Jnior, Alvaro
Augusto de Almelda, Maooel de Oliveira Faoeco,
Antonio Jos Ferreira Monteiro, Carvalho, cafxelro
dos Srs. Keller & C, Maooel Satyro, Manoel Fran-
cisco Cardoso Gaimares, Joo dos Santos da Costa
Moreira.
Hontem, por ser o anniversario natalicio de
S. M. o Imperador, estiveram embanderadas as
estagoes publicas, navios de guerra e mercantes,
salvando a fortaleza do Brum e o brigue-barca Ha-
marac, a' 6 da manhaa, a 1 e a's 6 horas da tarde.
A' larde bouve parada e eortejo, que estiveram
muito concorridos.
Por ter sido domingo o anniversario da res-
taurago de Portugal, estiveram embanderados o
respectivo consulado e os navios portugaezes sal-
tos no porto.
O vapor Pirapama, da companhia Pernambo-
caoa.condnzio para os portos do norte 191.-644^000,
sendo 99:200$ para a Parahyba, 33:000 para o
Rio Grande do Norte, 47:500$ para o Aracaty e
11:9444 pari o Ce ara'.
Na capella da Soledade colln so vigario da
freguesia de Santa Maria da Boa-vista, o Rvd.
Joo Jos de Aranjo, sendo padrinbos do acto os
Rvms. vigario Antonio Marques de Castilha e Va-
leriano d'Alleiuia (Jorr)
Igoalmente foi collado, oa mesma capella,
vigario de Santo Aoto o Rvd. Antonio Pinto de
.Abren, sendo padrinbos do acto os Rvms. conego
Joaqoim Marques de Catilha e vigario Antonio
Marques de Castilha.
Foi nomeado vigario encomraendado de San-
i'Aona do Sacco, na comarca de Cabrob, o Rvd.
Manoel Simplicio do Sacramento.
Teve lugar antebontem s 4 horas da tarde
na igreja matriz de S. Jos, a benglo dos sinos no-
vas que foram enllocados na torre d'aqoella igreja
que se acha era via de acabamento. A ceremonia
esteve inda e moito concorrida. Foi guardado o
programma d'essa festa eseropolosameole.
Pelas certidoes mencionadas no ari. 104 do
regiment de custas nao sao devidos i000, e sim
i'lO rs., conforme os avisos do ministerio da jus-
tiga de 21 de agosto da 1855 e de 21 de marco do
crreme anno.
Estando sem comego de execugo o calga-
mento do pateo da Santa Cruz, convra | embrar,
qoe abi antes se faga um calgamentosemeihaote ao
praga de Pedro II, do que esse que parece ir-se
executar.
Pata qae subsistir essa larga calgada da igreja,
qnando rednzida ella i proporgo harmnica com
os passeios lateraes fie ara a praga formando um
bonito parallelogrammo ?
A permanecer a referida calgada, poder ficar
bom o calgameoto ; mas desapparecer a belleza
do quadro e a harmona qae poderla apresentar
com agrado da vista essa pracela.
De Franga escrevem o seguinte :
Vi as provas, ha pouco, de gravoras destina-
das a ura folbeto allemo, publicado sob d.recgo
do Dr. Blaroenan ; as quaes representara o Porto
do Desterro,* Villa Blamenau, i Igreja, o Templo
protestante, a Casa de bw colono, e as prineipaes
aores do paiz.
t E* nm trabalho utilmente empreheodido ; e o
folheto ser o mais efficaz commentario da recom-
peosa esoeeial concedida a colonisagio do Brasil,
sendo destriboldo nos paizes qoe do maiores coo-
tineentes para a emigrago allema.
t Disseram-me tambem qoe a estatua de sua ma-
gestade o Sr. D. Pedro II, commemorando a soa en-
trada em Urogaayana, sabir eopiada na Exposi
pao tllustrada.
Ser o tercelro de-enro qae a exposigo brasi
letra dever a este interessante peridico, do qual
se destribuem militares de exemplares. >
Na Esperanca, de Corrientes, l se a segulote
carta em data de 5 de novembro :
Os tropbos que nos levaram os Paraguayos,
foram oito pegas a nos, e urna de 32 aos Brasileiros.
Em compensagao porm deixaram-nos 2,500 cada-
veres, levando um numero superior de feridos. >
De urna carta para esia provincia coasta o se-
guinte :
c a pega elles nao poderam levar na occasio da
retirada, por que ficou n'um alagado. A nossa
gente (oi busca-la, ellas a repelliram ; e a noite
tranquilamente poderam vlr tlra-la d'abi.
Na retirada s deixaram de aeompanha-Ios, os
que nao podiam levantar-se por beba ios.
c O offlcial de marinba Petrequim.a quem foi pelo
commandante das forgas incumbida a misso de ir
observar e dar sua opinio, diz publicamente qne o
cartaebame dos Corrieotioos acbados nesse com-
bate nao tinba bala. Nao poseo crer em traigie da
parle d'aquelles a quem com Isto pode (azer nascer
suspeitas. O limbo em pouco se destara.
O Dr. Molina, argentino, escrevendo a um
amigo sobre o ataque do Tayl, assim se expressa
era sua carta
i .... houve um combate no passo do Tayl entre
as forgas brasileiras, e urna forga paraguaya, que
desembarcara ali a noite, sendo completo o trlnm-
pho por parte d'aqoellas ; e o qae melbor e de
mais importancia, qoe 3 vapores de Lpez, que
apoiavam sua forga, foram medidos a pique....
Si tirarem-se as vantagens desta victoria, assestan
do-se baleras sobre a costa, em tres metes estar
terminada a guerra. >
Igualmente escrevendo a D. Cecilio Echavar-
ria, assim se exprime sobre o combate do potreiro
Ovelba :
f Fazem 5 dias qoe urna forte diviso brasileira
das tres armas, por indcago e ordem do general
em chefe, oceupoa o potreiro Ovelba e a costa do
rio Paraguay, era coja operago cahiram morios.
110, e prisioneros 45 paraguayos. >

A Esperanca, de Corrientes, pnblica o se-
golote:
a chismographia de nossos inlffligos polticos,
qae se coraprazem de exagerar os felos, e de des-
merecer as glorias adquiridas pelo exercito alllado,
contestamos nos com a lgica irresistivel dos factos
expressos nos seguintes al(tarismos :
' 3 de outubro 700 paraguayos-oalxa
21 350
c 29 1850 >
3i 200
1 de novembro 800
3 2000
So rama total 4,900 bomens.
Ha ainda a aecreseenlar tres vapores metlidos
a pique pelas nossas forgas. *
Acba-se enterrerado um projecto que tem
por fina transformar o Campo de Marte em um Im-
meoso bazar internacional.
Os commissarios geraes das secgdes estrangeiras
foram consoltados, ama nica opposigao se mani-
festoo, mas esta opposlgio, qae emanava da eom-
misso iogleza ja' nao existe.
To gigantesco projecto exige avadados capl-
taes, mas para ama obra de tamaoba atilidade nao
tal'aria de certo diobeiro.
O palacio se tornara asiim um trapiche immen-
so, onde teriam entrada todos os productos do
mando, onde os negociantes da lodos os piizes do
globo teriam om deposito; seria om muzeu do tra-
balho aberto de continuo como am easloo perma-
nente.
O Brasil poder a aproveitar-se mnl vanidosamen-
te desta nova combmago, para resabeleer a ver-
dade a respeito do virdadeiro valor de seus cafs e
demonstrar qae a maior parle dos cafs Martinica,
Boarbon, Java, Moka, vendidos pelos relalbistas,
sao realmente cafs brasileiros.
Tona elle ainda assi.ii occasio de fazer que fos-
sem coohecidos e apreciados diversos productos,
qaasl inteirameote desconbecidos na Europa,
seas doces, seus licores, a maior parte de suas
drogas.
Provocara finalmente por este modo de continuo
o exame de um conslderavel numero de materias
preciosas para a industria.
O projecto tem um inimigo... implacavel, o mi-
nisterio da guerra, qne reclama o seu Campo de
Marte para paradas e exercicios das tropas e para
experiencias com es novos meios de estraigo,
como se nio hoovesse em Pariz ontros sitios onde
os soldados possam tater exerelelo eom a mesma,
seoo eom maior commodidade que no Campo de
Marte.
A guerra e a paz I
Ei-ias ambas em luta e maoifeslando-se as
suas asplragoes.
A guerra quer que se destrua o palacio em ca-
ja coostruego foram empregadus to considera-
veis capitaes; o palacio onde as diversas indus-
trias do globo se reuniram solemnemente.
E' ioexoravel para com os po'temos da lodos-
tria, para com o panorama de Soez, para rom o
palacloziobo manoelesco -onde estao ezpostos os
productos das colonias portoguezas; e tudo isto
dev; desapparecer, devem perderse os milbSss
qoe se gastaran), slm, porqae compre que a forga
teoha o primeiro logar, e a espingarda Chassepol
esteja cima do telegrapho electrice.
A paz, pelo cootrario, de accordo com a 'ario
e o bom seoso, declara qoe tal destruigSo seria
urna impiedade e urna estoltice, e que cenviria
conservarse, em proveito da sciencia, da indus-
tria e da civilisago, o palacio construido no Cam-
po de Marte.
E' a amiga Inta da torga e da idea.
E" o qoe entristece prosudamente ver que
em Franga, em pleno XIX seculo, ntnguem pode
de anlemo dizer qual dos dous principios anlogo-
nicos levar a melbor I
Na tomada do potreiro Ovelba pelas nossas
forgas, deu-se este felto heroico de um porta ban-
deira.
Na occasio em que era renhido o fogo, e mais
aterradoora a passagem, atirou-se para a (reote o
porta bandeira com o pavilho brasileiro em pu-
nbo, atravez de urna ebuva copiosa de balas, bra-
dando :
Quem (or brasileiro deenda a bandeira na-
cional I
E tendo galgado a (rinebeira, pregou o estan-
darte sobre o parapeito d'ella.
Estimulados por aquellas palavras de fogo pa-
tritico, e arrastados pelo brilbo coruscante do
pavilho auri-verde, que tremolava no meio dos
paraguayos, os soldados brasileiros atiraram-se
como om ralo sobre os ioimigos; e um momento
depois eram senbores de todas aquellas poslgoes.
E' um d'esses rasgos de occasio, qae prodazem
railagres; e este lerobra aquelle movimento de
Napoleo oa ponte a'Arcole.
Sentimos ignorar ainda o nomed'este hroe bra-
sileiro, para estmpalo aqu a josta admirago de
nessos compatriotas desde ja com ufana do Bra-
sil.
Antebontem deu a socledadeClub Perambu-
cano o baile com qae solemnisou o anotversario de
sua fundago.
Escolbida sociedade compoz essa explendida reu-
nio, a que nao falln oem muita flor, nem multa
luz e enthusiasmo ; notamos todava que havhm
poucas senboras, embora para isso tivesse concor-
rido a estago em que grande parte da nossa popo-
lago elegante se acba no campo. O servigo do bai-
le este luxuoso.
O escrivo dos protestos Jos Mariano esta' de
semana : a ra de Sanio Amaro o. 30.
Lotera.A qae se acba venda
a 47.a, a beneficio da matriz do Ouricary,
que correr quando se anauociar.
Banbos publicados no dia 1* de dezembro da
1867.
Ia denuneiago.
Jos da Silva Vidal, quer sa mostrar desempe-
dido.
Alfredo Gibson com Francisca Adelaide do Reg
Barros.
Joo Pereira Gaimares, com Maria Magdalena
do Nascl ment.
Jos Policarpo de Freittas Jnior, com Amelia
Angosta Alves Cardoso.
Miguel Arcanjo da Craz Maoiz, com Isabel Ma-
ria da Conceigo Ferrelra.
Lniz Leopoldo dos Gaimares Peixoto, com Ida-
lina Monteiro de Qneiroz.
G;.ldino Marcohoo Bizarra Vasco, com GuilUer-
mina Carolina Chaves.
Joo Antonio Ramos, com Mariana Josepbina dos
Santos.
Manoel Alexandrlno Gongalves dos Santos, com
Francisca de Assis Rabelo da Luz.
Apollnario Carnero da Conha, com Marta Emi-
lia Maoiz de Almelda. ..'.'..
Lonrengo Gonjalves de Brilo, eom Seoborinha
Maria da Conceigo.
2a denuneiago.
Jos Domingues Caroeiro, com Jacintha Alexan-
drina da Silva.
Francisco Antonio d Oliveira, vlnvo de Laiza
Maria da Conceigo, com Joaquina de sant Anna
das Virgeos. .
Joo Gomes de Souza, com Mariana Pires da
Araujo.
Maooel Joaquina Izidrodo Nasclmeoto, com Jo-
anna Baptisla de Paula.
Jos da Silva l.oyo Sobrloho, com Maria Candi
da Leal Loyo.




,T0'
B

'rTvrin
71 <*
lia-i .tu*.
------------it ..j^,------------------------------------- "--------------
da Paola Costa, com Anna Jo- does convertido em resinoso sem ceoir)ifyo} ne le
fc -~- Terca felra & 4%f>ezenibr i |867.
*T<: 4ft3MJ?[ JUd/ OHA
Jos Francisco
quina do B Feliciana Marques Viaona, com LeooiUa Ros
de Gusmlo.
Joaquina Innacancio Gomes, com Anglica Ro-
drigues da-n.'
Lola de Oliveira Lima Jnior, con Paola Gapal-
eante Lius.
3' dennneiacio.
Luir Jos Marque, com Delphlna Mara da Je-
ZU.
Antonio Francisco Daarte, coa Mara das Do-
res Torres Galiodo.
Maaoel Gomes de Oliveira, com Mara da Glo-
ria da Silva Lobo.
Manoel Acacio dos Prazares, eom Umbellna Ma-
ra do Livramento, vio de Jos Canato Romual-
do da Silva.
Pedro Antonio Francisco, com Felippa da Lu.
Manoel de Si L'itao, com Anna Alexandriaa.
jo, unidad, moral,a religio; o podar dilrtrndldo
as aias das pravas e nada resumido; em auto-
ridades qne erran em de le execotada pfla. MUWl-
dade primaria ; o edificio social suspenso
bracos do povo, em tez de estar baseado em
que nao queremos por
sobreranos a ou
alicorees eotrobados na solidez do slo ; isto
qne se chamarepblica,
nenbum modo.
Um goterno da um milhao de
tros tantos ministros improvisados da noite para o
dia, depdls de terem feito barricadas; incapaz de
estar serio por mais de orna hora; soffrego de lado;
que faz les de improviso e as execota no mesmo
memento; que delega poderes em om dia, lando
j de ante-mo nm decreto para no sogulnte faier
sallar, si Isto Ihe apraz, a cabeca do aclamado e en-
deosado delegado da vespera; e tn lo sem ootro
processo mais do qae a soberana vonlade, sabida
do p de orna tremenda revolocio; um governo
Jos Jeronymo Buslrfl, com Leopoldina Candida emfim que comparado ao systema dos effeitos sem
Ramos Noves.
Joao Goelbo de Oliveira Sobral, com Maria Eu-
frozina da Rocba.
Joao Cona Loureiro, quer se mostrar IIvre e
desempedido para lomar o estado de casada
Lncas da Costa Evangelista, com Clara Mara
do Espirito Santo.
Passageiros do vapor Pirapama, sabidos para
es portos do norte :
Jote Mandes Pereira de Vaseoncellos, Gusiavo
Alves Ribefro, Jos B. Teixeira, Samuel George
Senglehersi Brocklerst a sua senbora, Manoel Va-
rella do Nasclrfleito Jnior e 1 criado, Dr. Fran-
cisco Lios Caldas, sua mal, 2- pessoas de sua fami-
lia e 1 escravo, B. Antonio Floriano, padre Manoel
Vicente de Magalhes e seu irmo Alexan irino Vi-
cente, Jos Clementino de R. Borro, Jos Pereira
Maia, Jos F. de Vaseoncellos, Francisco Teixeira
de Vaseoncellos, Jos lluno Dantas, Malheos J. da
Silva, Anca Francisca das Naves, Alfredo Weber,
F. Antonio O. Prxedes, Joao P. da Silva Pereira,
Fabio Cabral de Oliveira, Javencio Francisco Alves,
Juvencio Jerpk, Antonio Gomes de Capalbo Bel-
tro, Eroigdio C. Vaseoncellos Lima, 1 menor e 1
escrava a entregar.
Passageiros do vapor braslleiro Patengi, sahi-
do para os portos do sol :
Gemlmauo Brasil O Gei, Manoel Barbosa A.
Ferreira, Dr. Aotooio Martlns de Miranda, Tbomai
Francisco R. Muoii, Francisco T. Pitoi, Dr. Remi-
gio Faria B., Joaquim Jos Aguiar e 1 criado, Joa-
quim Cavalcantide Albaqaerqiie, Joao Paer Freir,
Francisco F. Madurelra, Frarre e 1 criado, J. de
Almeida, Domingos J. de Amorim, Antonio G:mes
de Carvaibo, padre Sebistio C. /Ieira, Antonio I!.
de Souza, Joao Ferreira da Silva, Francisco Eduar-
do Gomes da Araujo.
Passageiros do hiate brasileiroEmtii'o, entrado
do A-.- :
Antonio Bevenuto Fernaodes Pimeo, Alejan-
dre Clementino de Freitas e 1 escrava a entregar.
Passageiros do vapor americano North Ame-
rica, eoindo sul :
Vicente Najar.
Seguem para o norte :
Cromt>ac Leen, Samuel Abudarhan, Roberto B.
Davidson.
Passageiros da barca francea Spcre, sahlda
para o Cear :
Lepert, cnsul Irancez.
Cbmiterio publico.Obituario do dia l# de
de dezembro de 1 Mariano, China, 42 annos, solteiro, Santo Anto-
nio ; par'alysia.
Mana Torqnata do Carmo Lios, Pernambuco, 72
anuos, vluva, Santo Antonio ; erysipela.
Maria D Ifio da Concelco, Pernambuco, 21 an-
uos, viova, B 'a-Vista ; tubrculos pulmonares.
Joaquina Mari do Nasciraeoto, Pernambuco, 33
annos, solleira, B.a-Visia ; coogestao pulmumr.
Joaquim, Pcrcau.buco, lo mezes, Boa-Vista; con-
VUlsSes.
Maria, 6 mezes, Santo Antonio ; bepatite.
Francisia, Pemarribuco, 15 annos, solleira, es-
crava, Santo Autooio; euterile.
2
Francisco Manoel Rezende, Portugal, 35 anuos,
solteiro, Boa-Vist; tubrculos pulmnares.
Guiloermina, Proambuco, 6 mezes, Sanio Anto-
nio, escrava; espasmo.
Caeuuo, Peruambuc, 4 anuo?, Boa-Vista ; es-
pasmo.
Anna, Pernambuco, 70 annos, Boa-Vista; eu-
terile.
Coniinunicados
Da origen irhiiliva do rgimen dos povos e dos
effeitos perdidosas do poder, qaando elle fun-
dado puramente na razo geral das raultidoes.
O orgulho selvagem e dominador
procura elevar se cima de indo.
A modestia, contente de si mesma
na> procura nem escravos nem sub-
ditos. Ella ama a paz e a offereee
a todos os amores proprios : a ci-
cilisarSo da sociedade.
(lamennais).
VIH
Do que temos dito se nao deva concluir, que
nosso fim se a coutesiar, que muitas vezes os pa-
vos como quo inspirados, sao capazes por si, cora
a forga dessas grandes correnie= do Ocano, da con-
seguir grandes reformas e melhoramenios. E a
tal respsito a historia mostra as reformas uteis por
que tem passaio amitos povos mediante revolufoss
geraes. Verdade que estas, eato, em vez da te-
rem por principio o erro e as pau5es, sao conse-
queucias da razo universal, e da couscieocia
gaiada pelo dlo da Deus. Aqu qse esta a
grande e verdadeira differenga entre a insorrei.;o,
a anarcba, a demagogia, e a revolugao propia-
mente dila, firmada no direito e na JQsPoa.
A revoluco qne tem por movel a viogaja de um
povo contra urna rainha e nm re, so porque esie
della esposo, barbaria. Aquella, purera, que toma
por alvo o bera gerai ou universal e por meio o pa-
triotismo, a sa razas e a justija, a revoluco -la
verdade, que pode dar em resultado, por exemplo,
a independencia de um povo, sua regenerado, ele.
Os Belgas em defeza de sua liberdade, va|-nso-
eonlra todos os povoi das Galias, sao por isso anda
boje dignos de commemorago. As causas subli-
mes eograndecem as rnvola(5es, como es ignubeis
ensangneotam-nas e desmaralisam-nas.
Na phrase de nm grande pensador, o povo pode
ser sublime. Saiba o povo, diz elle, servirse do
vasto abrasamento dos principios e das virtude-,
que crepita, s:inliKa e estremece eracertos bsrss.
Gragas a essa vil ari, que se calea aos ps, Ga;
lileo se deve e a Newton a deseoberta dos as-
tros.
Pois bem : a deseoberta dos astros, no universo
politieo seja o bem geral pela ordem, pela liberda-
de regrada, sustentados pele principio da autoriJa
de reQectidao povo a ara: mas, possa tambem
essa ara, bem combinada e laborada, dar era re-
soltado os mais fios crystaes brilbautes e transpa-
rentes ; sendo o goveroo a mi qne a prepare, que
a combine para o grande pbenomeno.
Em todo caso, urna eonsa nao pode deixar de aju-
dar a ouira: o povo, como nm so hornera, preocu-
pado sempre de grandes pensaraeptps, delegue
um o poder que deva cooitair o m9llnr rgimen,
ou antes delegue a um poderes para dirigir o po-
der e a naco; mas, de modo, que elle submisso
ao delegada aceite a influencia do poder que dele
i ara como am bem geral. E o poder, que o so-
: rano do povo, porque deste receben a soberana,
ave amar o povo como o depositario de sua gran-
deza, e com a lealdade de qnem se onera do dever
de pensar no bem de todos, como am bom pai de
sua familia.
Mas, eomo qner que o poder ama vez delegado
nao se possa manter, firmar oaconsolidar sem orna
Certa somma de prestigia, sem ama base invaria-
Vel, o inlependeote da brlga das maUidSes. e das
macniuacdes dos usurpadores e anarehiftas, justo
i qae ama vez delegado o poder seja ate garantido
por ama gaarda, que deve ser a le; de manaira
que contra o soberano e a lei nao possa, por torga
da mesara le, a maioria das pregas tramar a qa Ja
sempre qae lhe aproaver; porque ento, a nao ser
o poder constituido, beralmente constituido, por
tal forma garaotido, segoir-se-ha o espectculo me-
donbo de qpe temos faltado em relagao a primeira
repblica fraaeeza.
E a iei, como guarda 4o primeiro delegado da
nago, deve ser legislada pelos representantes da
mesma nacoponjne o nao pode ser por toda ella
era assemblade modo queeontenba a forga pre-
cisa para legitimar o direilo de saccessio na pea-
soa do primeiro delegado, a podar assim firmar a
' g manea do estado desoa da marte de sea esco-
Ibido.
E' em lado iato qne est o primor da systema rao-
narchico representativo; systema. que em ultimo
resaludo nao se fonda, nem na f do direilo divino
o, nem na razo t ; mas sim--aa rato aniver-
sal, e na religio, qae sao as bazei das resolucas
benficas dos povos.
Emfim, a obra da louca de Malebrancbe-a
cansa, acha soa condemnagio no proprio carcter,
e na negagao de toda creoga do testemnobo da rea-
dade...... ser por nos sempre combalido ; do
mesmo modo qae combaleremos as aberrares do
verdadeiro rgimen, que a mooarcbia representa-
tiva, que 6 o rgimen da clvillsagao, eom quanta
forga podermoa dispor.
Kotretaoto, ba ama verdade qae aqu deve ser
admiitida. e qae a repblica de 1792 foi o tupo
do verdadeiro sysleraarepublicano,porque nella pelo
menos jraais1vio-se o que Infelizmente tem sido obser-
vado : j mesmo na Franga em 18i8, qaando a bao-
deira republicana foi arvorada mais pela lome o
penuria de que petos principios -, ja nos Estados-
Unidas; j aas repblicas do Prata e do Paraguay,
onde a soberana do povo urna cbiraera, utopia
a llberdade, a ordem anarebial Repbli-
cas de escravos, de direito e de faci, de nobrezas
que allrontam a' razo uuiversal, dignidade do
hornera, a oivilisago, e religio da cruz I Rep-
blicas, de soberanos absolutos, armados de punbal
.para derramaren) sangne bomano, a sua pbaut'.sia,
em sacrificio a dolos da tyrannia, coloridos desao-
gue... nao por certo a repblica de 93, apexar da
grande carnificina, que arripia ; s carnes.
, Verdade que aquellas tem ebegado a dorar por
muito tempo ; e esia, no fin de cinco annos (que
foram cinco scalosI) perecea afioal. Porque?
E-la, foi a razo desvalrada.os principios confusos;
aquellas, tem sido a escravido ebnsmada.por ama
nica palavrarepblica. E a escravido pacien-
te de maisebeha a ser senil, sera dar am s ge-
mido.
Sim, a repblica de 1792, cujo goveroo foi sem-
pre o protesto vivo contra a vaniade absoluta de
um, cora Isto ao menos salvou os principios; posto
se aflgurasse ella urna grande parle do povo fr*n
cez a eacher de saogue humano nra abismo para a
nado atravessa-lo, aira' out-o lado, onde urna vi-
sb o ehamava. Esta viso era o desapparecimen-
lo perpetuo da penuria, e a felicidade celeste na
trra, teBdo por pretexto a mesma penuria. Isto ,
nem foi o materialismo aflrontador dos Estados
Uaidos, nem o egosmo, era a Igoorancia, nem a
barbaria, nem o amor a' tyrannia de um s.
Eot-etauto, na Ara?nca do Sol, hoja em dia, di-
zm, que ha am bom typo de repblicaa' do Pa-
raguay: ao povo chamaragrande; aochefeum
bere 11
Realmente, nm vulto medonho, armado de cu-
tello e azorrague a fazerdegros de cadveres, isto
a' longos annos, para a semeibanga de Babel enbir
a9 co, e abrigar-se do diluvio, e da morle que
tanto teme.... de feito um famoso here I
Lopes sem duvida um hornera mltiplo, porque
elle s ludorepblica, povo, poder, tyrannia,
vonlade geral, absolutismo, algoz, vida e morte :
Caligua emfim, a frente de um povo famoso pela bu
miliago.
Caligula dizia : eu quizara que o povo romano
livesse uraa s cabega para corta-la de ua s gol-
pe. Solano tambera diz : eu quizera que o povo
Paraguay livesse urna s garganta para sangra-la,
como fago com as ovelhas dos meus rebanbos ao*
das de grandes festividades. Psalraos a' um tai
chefe de repblica I Que declara a guerra a' ara
povo civllisado como se fosse o re da Abyssinia ao
i Nova-Caldonla, sem respeilo aos tratados I
Que manda matar e rapiar por sua conta e risco
em nome da religio qne professa, qae a que
prega o dogma da resurreigo dos soldados na ca-
pital da seus estados!
Jurez I.... Oh I Esse outro lypo de um fa-
moso chefe republicano. Entreunt, acaba de dar
ao mundo o espectculo mais horro-nao que se tem
visto na historia dos tyraouos.
Infeliz I E mais anda do que a victima de sua
gana o eisimperador Miximiliano, cujo crimecora
meltido foi vir a' America salvar alguus milbares
de bomens, que se dilaceravam na anarchia por
falla de nm rgimen.
Onde est a elvilisago est o direilo de civilisar
a' barbaria ; onde esta a ordem, o de levar a paz
onde reinouo extermiuioda hnmanidade pelo modo
porque a justiga e o direilo impem. Ea nao ser as-
sim a raga anglo-saxoaia dequii descandem os ame-
ricanos de hoja deveriater sidoenxotada da Ameri-
ca aojos habitantes primevos sao os coiurabianos
Peaux rouges.)
A America do Norte tauto dos colombianos
quinto o Braiil dos Gaoranis e Botocudos, eso
delies.
E o que feito das ragas das duas AraericasT
Os mglezes se converteram em americanos, os por-
lugujzes t-m guaranis : na*, quer uns quer ou-
tros 6ra nomo da cfvliisagao, inimlgos acrrimas
da cor de robre, inatarara e devaslarara por amor
do L'rritorl, era vez de civilisarera.
E si snente tivessem civilisado, nao estariam
defendidos pelo direito firmado no amor ao prxi-
mo, conservando o lypo da rsga verdaderamente
Americana ? Teriam "os Americanos de hoje a cor
e o lypo caucasiano (anomala) para por este meio
material irmarem urna supenorloridade, offansiva
as leis divinas e bumauas, sobre a cor natural da
America I
Entretanto sao esses tataranetos da raga europea,
os verdadelros usurpadores do direilo do bomem,
que boje agolara impamente os barbaros do M-
xico contra a civi:isago da Europa, trazida ao
mesmo Mxico, alias decabido per urna perenne
auarebica, mais filba do atrazo da razio e da
moral do que da outra coasa, por mao de ara
priacipe dos mais civiiisados da Europa; e qua
havia sido induzido, adestrado e anteparado pelo
primeiro poltico daquelle continente 1
Seo rgimen do Mxico ja' eslivesse constituido,
se a civilisago ai, em voz de ser um simulacro
fosse alguma cousa de real, iodefensavei seria a
tnvasao : mas quando o povo mexicano, sem r-
gimen, sem cultura, sem ordem, em constante
devastago de si proprio, lutavz na mais de mel
secuto, aos applausos dos Americanos, sem nada
t-r conseguido no adiantamento, e todo por causa
do maldito systema de goveraarem todos a cada
ara da totalidade .. o pan-amento da Napoleao
nao pota deixar de ser to grande qaanto o ssu
genio.
Eotao se hoave usurpador nao foi o infeliz Ma-
ximiliano, foi .\ ipjlr i : aquello principe, cidado
da eivilisago, hornera de eucagao, de fortuna, de
moralidade, amigo de sua familia, onde viva na
maior riqueza e tranqnilidade, e berdeiro presump-
tlvo de urna cor3, nao podia ser nm lyranoo e
ogo invasor.
Se elle foi in1uido a vir a' America plantar o
regimea moaarcblco-representativo, possuido da
idea de am dia ser considerado o pacificador do.
Mxico ; se vido da gloria, pols nao pona n'elle
dominar sentimentos mais proprios dos paladl-
oo-, nao fez mais do qua obedecer a poltica
la Franga, que a do mando, por mais que dissi-
mulera os loiraigos d'ella ; nao poda ser reo de
grandes culpas.
E o que quererla tambem Napoleao no Mxico,
oe nao unir sea diadsiaa de glorias mais ama
a de ser elle o iniciador de uraa poltica, qae
leodo por fim coratater o dominio da America oa
America, coosegais.se esmagar o protestantismo as-
sobarbado e to fatal aos povos T O qae qaereria
elle se nao ter mo a' urna repblica ja' to amea-
gadora, pelas Ideas do paganismo materia e s
materia, industria e nada maisprincipiando por
tirar o Mxico do dominio dessa mesma repblica
americana, e ahi logo desenvolver o principio an-
tagonista 0esse consorcio raon-iro de liberdade cora
escravido, da Igaaldade eom a disparidade, qae
consiiae o progresso moral dos E-udos Unidos 1
Ao tempo qae Jurez, com esforgo selvtico,
tiotava fater brotar das aris abrasadas do Mxi-
co, da urna forea qae fionra, doces frectos e Dore?
aromticas, mais crescia a anarchia, e corra sao-
gue umaoo a ensopar essas aras.
E os Estados-Unidos, mesmo antes da guerra
fratricida, que Ibes dea em resaltado o qae n9o
euperavam, porque a Providencia vela pelo direito
d o bomem, de bragos cruzados lado conteraplava,
a spera da melOor occasio talvez para absrte-
los ; posto qae, sem qae davida baja, os agalasse
elaod6liaameote l
O regimea r^pablieano parece ter em si o ger
mea d mal, que faz eom qus os bomens ou os po-
vos percam o aeotimeoli de bumauidada pela vida
bcimana I
Sempre o systma cianleslino noi Americanos
191, como por ba ver m
da bonastidade.
de esperar qpe todos os mais tribooaes con
Irmtaa auna aaoteuga to justa, nao s pola boo-
nhal foram da repblica esencialmente materia-' obeclda a probidada do administrador, e que se
lista e realmente piga. oasasse negar nao ser elle to zeloso e observador
Mas, de-so qne seja Jurez o beroe ; esse hornera da le. A prova est na consulta de 17 de feve-
sodeoto de saogue, qoal vida fra qaando se apo- relro de 1862 feita por elle, e poblicada de novo,
dera de nm homem, ferindo a lei divina-nao mi- no Diario de Pernambuco de 20 do mez passado.
urs-matoo cruelmente am principe, j prlsio- Se aquella redaeco pablicoa ama inexactido foi
neiro de guerra, e sea superior em todo, por sna sem davida mal loformada ; Ulvez por algara pro-
inialllgencia, saber, moralidade e civilisagSo, coja tector, amigo ou prente de Tbomaz, qae com
culpa s fora ter ide-aH fazer o que elle Jurez j- malta razo devem ser seos pagnadores, avista da
mais conseguir-firmar o rgimen o salvar o Me- forga que tem o sangoe, e parentesco : O resto
leo da anarchia, e da ambigo dos Eslados-Uoidos. dos agootes para prebeneber a conta da sentenga,
Afioal, a fera fartaodo-se do sangne de am princl- foram danos em Olinda, qnando elle para ali vol-
pe, anda lua polas carnes do cadver contra os!loa, eomo ramio publico.
--------------------------------------iWTailH IUM ni r, B 'nipn mt'
empregado todos oa oeios e pbilantropieas aecSos, to maltiplicadas eram el
I las, qae baldado se tornava sea* esforgo para se
conservar lo preeeilo do evaigelbo. Ee oa grao-
de numero dos .beneficios qae fea escamn ao nos-
radez ao^raetido dos seus membros, como por ser [ so conbecimeaio, am sem namero nos foram re-
mallo revoltante assassinar se am pai de familia \ vallados pelas ongaos o loavres Oos Infeliz* se-
lo benfico, sem baver nenbum motivo da inim-. corridos. ^^^^
zade, e a sangue fro. S decapitado para exea- Pestes testemnnhas, meas sanhores, no iofaas-
plo da triste namanidade, e dos mais servos. to da em qae foi assaasinado traicoelra e eovar-
0 reo Thomaz nao deve continuar na cadeia de demente o infeliz Braz, do espectculo aflictivo
Olmda, sanio ser posto em llberdade, como j o eonsternador qne aflareciaaa as roas desta el-
acontecen por duas vezes. Nao deve passar desa- ; dada aonde se alberga a pobreza : eram alli ex-
parcebido o que dice a Opmiao Nacional de 15 de elamages e lagrimas, pregos do desamparo em
novembro do anno correte. Que o reo Tnomaz que Dcavam orpboi, viuvas e val i tu diarlos a
ivo soccorrla
conselbos oa
individuo contra Individuo, de pava eootr
povo f'
O eerto 6, qae ainda nltlmameme Intervlndo
alias qu*lo do Mxico sraolaram odioconlia
Jurez, ooas depois de morto Maximlllioo I
Tndo foMalvarem-so do anathema da^istoria e
do talare : am principo lio outade averia mor-
rer par exemplo na repblica o fra d'ella ; oa
antea asas ligio deveria ter raeebido a Europa,
poros de modo qne nio fossem elles o aoettre vi-
sivel da Ugo.
Pele qae, pode se dizer, te hoave beroe pelo u
sasslnato de Maximiliano, nao fot esse beroe Ju-
rez, mu sim os Estados-Unidos.
A mao que desearregon o golpe fatal o indigno eslava sendo castigado occuUao>ont com acontes! qaam esse bomembndoso Vcaritaivo
ex, o is a inlciallva, a vontade, o pa- na deteogaa. Era preciso que nio fosse tao co- eoo os seos baveres, cornos seus cot
i^i i i im
parent-'s do morto 1 Que aoeiedade I Agora cao-
tai-o, Vctor Hugo I
Mas, para Jurez e qaanios concorroram para o
grande feslm, nao na salvagao possivel. A historia
6 a gnilhotina dos scelerados qae escapara ao ri-
gor das lei* humanaso futuro o jalz inalieravel.
E tanto ama cerno ontro zoncbam dos sopbismas e
ardis dos aleirosos, oa dos qae mal sabem apreciar
os acontecimenlos.
Se no correr da guerra en te a civilisago e a
barbaria, a le fataldente por dente, olho por
olbodominou do parto*a parle como se diz, o qae
certo qae o principio de execugio parti do la-
do da repblica. Mas, o grande alternado nao est
as reaceos dorante a guerra : finda esta, a coa
tiaaago da matanga do parte dos vencedores con
ira es veacidos prisioneiros, que consiilue a in-
famia e o erime abomloavel ; nrmente quando
ceno que grande Damero de poltico-, sabios e ca-
iholicos, inclusive o Chefe Sapremo da Igreja, o
mesmo sonarebas, todos, em ama s voz em am
s pensamento intercederam pela vida do princi-
pe I... E Jurez matoa, porque desejava sangae
por om iovensivel insliacto, e porqae os Estados-
Uaidos qaz qae elle mata-so ; pois certo que se
este nao qoizessc qae se matasse, aquello nao ousa-
ra faze-lo.
Crirae mltiplo : porque matou-se no correr da
gnerra a bomens sem armas eso pelo crime de
lerera combatido ; matou-se depois da guerra a
prisioueiros s por lerem-se deizado preader; raa
toa-se om priacipe s por ser o herdeiro da sobe-
rana da Austria e ter sido vencido; matou-se
anda porqae o Papa pedio qae nao matassem ;
matou-se para se rebaixar a Europa e adalar se a
America caucasiana; matou-se para se avtllar Na-
poleao /
Emfim o quo esta' feilo irreparavel. Agora
resta, Joarez, que oanteis a earmanhola a roda
dessa mootao de cadveres, dos qae teas a vista, e
dos provaveis. Mas, olho vivo nos Dalormes, nos
Bodis, nos Grisons, nos Faliots e Hurtevaotes II...
Sabei, que urna gotta da sangue precioso correa
um dia de ama cruz e apagoa por ama vez, eter-
namente, a lei barbara da viorabilidade da vida hu-
mana, qae a'eila havi.ini gravado, eom erande
afao e sumira soberba, Herodes e Ualfaz I E que,
apagada a le p:r aquella gotta de sangoe, para
que jamis se dsse o espectculo de ser por ella
(n Ja alguma cabega innocente como chegara a
ser urna divina, vio-se com espanto logo outra ins-
cripta no mesmo lugar, e eitanao matars;
esta loi violaste-a l, a sangoe fro, veocedor, con-
tra inermes a vencios; cem a circumstancia mais
agravante de baveres desrespeitado o poder do che-
fe da igreja cuholici MI.... Ests perdido.
t -Morte a* morte, na phrase da Vctor Hago. Morle
a* repblica porque sempre sdenla de sangue,
inimiga acrrima da vi3a humana I...
Mas, ata que urna voz fere-me os ouvidos cora a
celeridade do estampido e interroga: i E esse regi
meo monarch.co-reprosentalivo, que era these e por
nielo da boa regra de exclusao o proclamaos supe-
rior a todos, o uoico possivel e exequive', nao po-
dara' tambem por sua naturea mixta coaverler-se
em.lyraauia e era anarchia exterminad ira ? Figu
ra, por momentos, sua dirsego um eenlro, coja
persoualidade desvairada pelo orouAo selvagem e
dominador, a tomar as medoobas propon,o-s de um
monstro de oinos vesgos, sempre vacillantes,
uubas aduncas e enormes como dessas harpas do
uiTeroo de que falla a raytbologia; cabellos hiri*
sobra um crneo de malenaes combu?Uveis, a lau-
car raios sobre povos decahidos pelo desanimo o
mencidalea tuJo coocenirar para de lulo dis-
pflr, matando f-oine e a' sede para ao depjis jac-
Ur-sa da exercer o mandameuto calbolico dar de
comer a quem tem (orne e de beber a quetn tem sede;
com poder elstico e divisivel ao iafioito, fra e
diairo da lei, sempre que lhe apraz; teado forga
de miis a par de pueril timidez, to egosta quanto
ni rt' ; sera aquelle patriotismo innato de uraa
virtuda innali, e nobreza que provena das grandes
accoes... e dizei nos o que issa seja ?
Nem mais num meaos < esta a resposta > do
me o resaltado da nalaral decadencia de am po
vo, que seado mal eacetado'.ristemeote coosti-
tuio se I E que, aos paizes era qua o espirito hu-
mano, em vez de ser a otelligeooia servida por
meio deorgos, om composto de orgios servidos
pela intelligeaciapensar loucura, comer vi-
var. Eotao o poder impeccavel, e todos procurara
servir ao poder, para d'elle subsistir, e por ell es-
magar o genero humano.
Feliz o povo qua sabe escolher o verdadeiro re-
giraeo, e mais ainda raanle-lo esta a grande
difflcaldade 1 E so em urna e outra cousa nao
elle verdaderamente livre ; se nao capar, de
eleger, o resultado ou porecer pelas reveluges
sangrentas, de desatino em desalio, ou de cansaco
da escravido reduzda a habi to.
cima de lado os principios e a religio : como
principio o rgimen munarchico representativo o
mais conforme com a lodole dos povos christos.
Eatret-joto, campre dizer urna verdade e que
o Brasil pcnle'.i s perdendo sua raga nativa, sua
liogua, seuscostnmes radicaes ; esses, que consu-
mera o germen da civilisago correspondente a n-
dole e nainreza, da raga a que pertouce o solo,os
brases de am povo emfim. Para o Brasil ser gran-
de a casta de si mesmo, seus Sinos primevosos le-
gtimos e uo os bastardos-deverlaracoostituir da
geraglo era gerago a base de sua verdadeira oacio-
nalidade ; porque ento, hoje, elle nao teria neces-
sidade de aceitar em empreitimo to grande nume-
ro da eoa'arraneos.
Essa raga mildita, urna vez educada e civiiisada,
se. teria constituido nagao respeitavel e iadepen-
deote palo real patriotismo, flores :eota pelo com-
raarcio proprio, pelas artas, industria, sceocia, mo-
ral etc., ainda que tudq cora mais morosidade, se
um impulso Ibe fosse dado em vez do exterminio
brutalo um impulso era lodo o necessario. As vas
frreas s percorrem bem camiahos aateriormente
preparados a custo, e nunca aberlos por ellas mes-
mis com precipitago.
A uvdisac,ao que determina e favorece a des-
truigao de urna raga privilegiada escolbida por
Deus a oceupar am ponto do globo, um monstro
a encher de sangoe humano um enorme vaso sem
fundo. E qaando nm albeio progresso forga as
condigSas de ara palz, fallando as relagSes neces-
sarias com as cousas mais essenciaes, ou quando
estas nao existem ainda, esse paiz calninba, mas
sobre as rodas da anomala arrastadas nicamente
pelo vapor do tempo. Emfim, prazera' a Deus que
nunca chage o dia em qne ns Brasllelros excla-
mara com Tcito : cA gratido faz a lofelicldade
das nagSes, porqae foi ella que fez os reis.
Dr. Carolina.
Contina, vigilante nao perdendo de vista a tris-
te viuva e camiobando com passos lentos at aebar
a sombra qae deseja o
Argos.
Homenagem i memoria d lf nente lirat Machada r-
mente!, eirargiio da gaarda nacional de (Miada,
oflereeida ao Illtn. Sr. Dr. Jos Cirdoso de Quei-
roz Fonseca, tenle-coronel commandante da
9 balalbioda gaarda nacional por J. Ferreira
Villela.
Senbores. (I)Qual o motivo porque hoje nos
reunimos no mbito augusto e msgestoso desta ca-
sa de orago dedicada ao Deas Verdadeiro ? Por-
qae razo os plangenles sons do bronze sagrado se
fazero oovir e fendendo. 03 ares perdera-se nc es-
pago delxando em sen transite Ideas de dof, ideas
de morte ? Porque motivo a desolada Marino, a so-
berba mal da amiga nobreza pernambacana, en-
volta em pesado Into, arrastra ondas de negro cre-
p Porqae todo isto, meus seobores ? Ah I Todo
este sentimento manifestado sob mil formas, todas
estas angustias, todo este loto e todo esto pranto
sao a demoostragio externa da dor latente que des-
pedaga o coragio do pevo de nma eidade inleira
pelo fatal passaraeoto de om cidado distincto, pe-
la perda prematura de um amigo da humanidade,
pela morte do nanea assaz chorado Braz Machado
Pimental.
Disponame a dizer algamas palavras em boora
da memoria do illusire finado por quera de com-
mura accordo viemos elevar preces ao Todo Pode-
roso, sinlo que a minha intelligencia nao estoja oa
altura do assumpto; quizera que o espirito de
Deus, que inspirou ao rei propheta quando entoou
o sea sublime cntico pela morte de Sal e de Jo
oathas me aaimasse oeste momento solemne ; de-
sejra ao menos dtspr dos recursos iotellectuaes
de Fleehier, ou da facundia e erudicg&o do Ilustre
bispo de Meaux para tragar un bem acabado qua-
dro ds virtudes desse homem distioeto, qnadro
qae nao s servisse de indelevel epitaphm a sua
campa, como tambem fleasse gravado em vossas
lembrangas como am typo, urna norma digua de
severa raedltagao, e de exemplo a Imitar.
- l nem, sentiores, melhor occasio se rae podia
offerecer do que a margera desta sepultara meio
aberla para fallar-ves da religio da abnegago, da
pbllaotropia, do amor do prximo en-, to alta esca-
la professada por aquella de quem ora me oecopo,
e que pan-cia merecer de Deas ama vida mais
looga, e um fim menos fatal; suppra, porm, se
nhores, a deficiencia de talento o bom desejo que
me anima, e por elle vos deva alguns momentos de
attengo, e a Indulgencia de vossos generosos co-
ragdas.
Nao Ignoro, senhores, que a magestade do San-
tuario de Deus ivo nao pode, nSo deve ser pertur-
bada por vozes profanas, sel que oeste logar s
dado fallar aos levitas doSeohor, porm.como nes-
les ultimes lempos tem se tolerado o aso de se
apreciaren as virtades de algom cidado illa-tre
junio ao seu tmulo, deixo-ra-- levar pela allavio
e veoho hoj ftllar-vosdo finado Braz Machado Pl-
meotel, e desfolbar ama perpetua simples e agres-
te sobre o seu sarcopbago.
Um hornera desvairado pelas consequencias de
um crime ja por elle comraettido, procurando fugir
a vindicta da sociedade, julgou em seu allacinado
cerebro, qae eommeitendo ara novo e maior aten-
tado escapava a pumgo que lhe havia sido decre-
tada pela justiga por soa piiraeira iniquidade ;
cam a pacieocia da serpete mina e destre os mu-
ros da prlso qne o reliaba, e como a tempestado
dos desertos do Sahara oa antes, como um tizre
sdenlo e esfaimado escapado da jaula, langa-se no
meio da sociedade q-ie o havia repellido de si.
E-.se homem em um deo-demnado sabbat de
ideas de vjoganga, da represalias e de assassioatos
faz passar por sea Incompetente e defeitnoso tri-
bunal toda urna cohorte de victimas qae coodem-
na e vota ao exterminio. Depois deste esforgo des-
coramanil, para... ecomo que assustado vacil-
la... nao sabe por qum d v.< comegar a executar
seus tenebrosos plano, nao lhe indica a fugitiva
razao qual das victimas deve ser a ecolhida para
o primeiro sacrificio; qor ferir a todas, a nenhn-
raa prefere querendo a todas dar o primeiro lugar,
porra ara rao genio, ou a fatalidade lhe arroja
aquella em que elle menos pensara, e precisamen-
te a mais pura, a mais digna, a mais estimada por
todos, como o atiesta a numerosa e ttrica assera-
bla neste momento aqal remida... Aquelle mons-
iro nao trepida, aquelle lonco, aquelle pobre des
amparado da Graga Divina levanta os bragos ar-
mados de ora instrumento mortfero, e om novo
Abel roja por trra immolado a ama sanha sem
qualificago possivel.
Foi um crirae horrendo e inntil. Horrendo pela
sna especi e pela innocencia da victima, e intil
porque o cobigado resultado dos planos do verdu-
go fji neutrallsado por Deus e pelas jusligas da
trra.
coa os seus remedios.
Permitli que vos recerde, meas senbores, qne
qaaotis vezes a peste, esse aeoite de Deas, vlsitou
esta cldade, acbou sempre a Braz Machado Pinte-
te! prompto a sacrificar os seas commodos, a pas-
sar das e ooites inteiras a correr do travesseiro
de nm amigo para a eneberga de um infelfz, de
nm miseravel, a quem- nic- s6 lovava proserlpgdes
medicas, como os remedios o maltas vezes o sea
dinheiro.
Emqoanlo ospecnladores, levados de lostlncio
egosta o abrazados da torpe sede de onro, apro-
veitaudo essas crisea felaes, elevaran) em suas
pharmaelas a prego* fabulosos os remedios pro-
prios e adequados ao tratamento dessas molestias,
Braz para o rico ou para o remediado eooservou
em soa pharmacla sem a manar alteragio os pre-
gos coobecidos, mandando distribuir gratis os me-
dicamentos aos desvalidos da fortana.
Se Braz Machado Plmenle! livesse sido om des-
ses feiizes qne contara seas baveres por centenas
de mil crusados, os actos de carldade e pbilantro-
pia de soa vida, nos autorisam a julgar que a mor-
te nSo nulo teria arrebatado, sem que elle nos li-
vesse deixado mais do um e&tabeieclmaato pi
destinado ao alli vio das classes soffredoras, labo-
riosas e desamparadas, e o pbilaotropo capito ge-
neral D. Thomaz Jos de Mello nao estara at bo-
je sem soccessor no thealro de suas mais benficas
e loovavflls aeges.
Meus seobores, nao r-orequecia somente o cora
gio de Braz Machado Piraeniei essa virtade moder-
na, que tem a -ua origem ua frateroidade pregada
pelo cbrlstiaoismo, nao ; naquelle corago se abr-
gavam todas as virtudes que tornam o hornera
distiucto e venerado par seus conterrneos.
Como eidado fui Braz sempre um fiel respeita-
dor da lei e dos principios que nos regen, e non
ca se recnsou a qualqner servico. ou a sacrificios
qae a patria reclareasse d'elle; a sua recalada
modestia, porro, constantemente o fez recusar
cargos honorficos, ou recompensas pelos servigos
que prestava.
Se me f-a dado, senhores, levantar o veo qae
cobre o lar domestico, eu vos mostrarla aioda nm
qaadro magestos-o de sublimes virtades, a..nde as
lates o as sombras sao representadas por tbesou
ros de previdencia, de obedi>ncia e Je amor filial,
de bondade e de ternura conjugal, mas sendo-nos
vedado, ainda mesmo para apreeiago do bello,
penetrar no santuario da familia, apeoas vos
apontarei para as lagrimas que banbaro as faces
da virtuosa e amante consone d'esse homem de
quera me tenbo occopado... Pergontai essas la-
grimas o qna exprimen?, e a triite viuva vos res-
pondera' :Ellas correm porque o fanal de minha
existencia foi exmelo pela morte.
Tenbo coocluido.
pagem 6, carga 5i fardes4a alejadle a outro;
gneros ; a Jos de S Lellio Jnior.
Rio de Janeiro e Babia6 das, vapor americano
torth Amtrwtx de ifl Snelaas, eouran-
daoid [.. f. Tenmernun,., uf MiffM MI,-barga
dlDerenies gneros; a Hanry Forstar & C.
Navios saludos no SjUMULj^.
Mwceillo Btigae francez Taima, i piteo Berlrand,
carga assatar.
Naw York o portos intermediesVapor americano
Nortk Amonen, comnunaanle Tonoaerman.
JVaoioi entrados no da %F
Rio dei Jaeeiro^-2 das, brigne bolsteioez Cari,
de 515 toneladas, capito Peterseo, eqaipagem
10, em lastre; a Hanry Forsier & C.
Rio de JaneiroJi dias, lugar nornogoaose Lgder
Sagen, de 374 looeladas, eapitao L H. Biog,
eqaipagem 9, em lastro ; a Heory Porster & C
Navio sahido no mesmo dia.
Liverpool-Brigoo aostriaco Thereza Catharim,
capito J. Jassich, carga assncar e algodao.

'Til-
DECLA1UC0ES.

Pela secretaria da cmara municipal desta
eidade, se faz publico que a mesma cmara prin-
cipia a qnarta e ullim; sesso ordinaria deste anno
oo dia 4 de dezembro prximo vindouro, e oos
segointes.
Secretaria da cmara municipal, 30 de novem-
bro de 1867.
O secretario,
Francisco Canato da Boaviagera.

Publicatfoep a pedido
Foi convocado para o dia 25 do passado mez de
novembro o jury da eidade de Olioda. Teve logar
a completa reuoiao dos cidados oo dia 26. Na
sesta-feira 29 comparecen o assassino do Infeliz
Braz. As cinco horas da larde voltaram os mem-
bros do conseibo, qae acabavam de julgar um reo
de tanta ignominia. Foi geral a satisfago qaando
os mesmos declararan), qae por unanimidade da
votos (avista das provas e testemunhas de vista)
acbavam o reo ocurso no artigo 192 do cdigo,
(pesa ultima).
To justa deciso foi sem davda eoeamiobada
por pessoas que pela sua dignidad jolgaram, que
despretanlo a negligencia da polica de va dar
ama satisfagas ao publico d'aqaella eidade, dasaf-jaervem para soccorrer o prximo carecido.
fr, ntando ao mesmo tempo aquelles qae e-ta- Mailo embora Braz Machado Pimental eoi
HUMA VIDA SALVA!

-
Nao foi, seobores, Braz Machado Piraeotel des-
cendente de alta e nobre estirpe, nao foi nm hroe
e nem tambem um sabio, oa um profundo politieo,
fui apenas um homem phianlropbico, que preferio
sempre viver na penumbra oceupado em alliviar
as dores ao seo semelhaote, a soecorr lo em suas
fadigas e angustias, a approximar-se da luz, a en-
carar o sol.
O graode Turenna depois de ama brilhaole car-
reira militar, contando por victorias quantas bata-
Ibas ferio com todo o seu immenso genio e scien-
cia da taclica ou arle da guerra. Rechelieo esse
cardeal ministro, que dominou a todos os sobera-
nos europeus pela eombinagio de snas habis pro-
fundas e tenebrosas manobras, e qne na phrae de
Montesquieu se fez representar ao re Loiz XIII o
segundo papel na mooarchla, o fez tambara oceu-
par o primeiro lugar na Europa, Ilustrando o seu
reinado, Hnmboldt depois de urna vida mteira de
profundos e nniversaes estados, dotando a scieocia
e as artes de innmeros ibesonros desconbecidos
antes delle, todo esses hroes, esses supremos es-
forgos da intelligencia humana nao sao canamente
mais dignos de admlrago e de amor do que aqael-
les iadlvldaos que como Francisco, ou Vicente de
Paulo se votam ao atlivlo e soceorro da pobre e af-
flicta humanidade, e passam ama vida chela de
aegoes edificantes e de continuados sacrificios em
provlio do prximo.
A Agaia da Corsega, esse hroe coroado,
............ esse hroe,
Que eom a poma do seu gladio
Nos mappas das nages tragava as ralas
(MaoaM'S.)
nao foi em Arcle, Marengo ou Austerlitz aonde
mais deslumbrante se lornou aos olbos da posteri-
dad, foi sim. quando oos empestados corredores
e sallas dos bospitaes de Jaffa percorria todos os
catres e todos os recaotos consolando, animando e
soccorreodo aos iofelizes feridos pelo flagello da
peste.
Vdes pois, senhores, qae o bomem philaolro
Nfio u-mus conliecimento algum de nenbum
caso que too perfectamente mostr il'umt ma-
neira a mais clara e persuasiva o poder da
Soitncia Medica sobro a molestia; qual seja. C
di- Antonid Joaquim Pekeika, da Babia.
Este homem infeliz havia mais d'um anno qua
soffria as dores as mais atrozes e pungente*
proveniente de
Troze
Twrijeis ChBgas Abertas
espaladas por sobre differentes partes de tea
oorpo, sendo urna das quaes sobre o peito do p
ama funda e maligna chnga, a qual o privara
de andar, cauzanao-lhc as dores as mais agoni-
sautes quer de dia quer de noute; continuada-
mente atormentado por taca affiicOes e dores,
e quasi que aborrecido da continuai.Oo de sim-
ilhantu vida, temi jiosto de parte toda a f e
confi.inca eiu inedecinas, c na rcalldade pareca
qu para elle nao lhe resta va mais esperanca
alguiua; asshn pois resignado esperara com-
paciencia o termo final de seus mutlpcadot
Bofiriincntos, ca que milagrosamente por fci-
tuna sua lhe receitarao o grande purificador
Jo sangue
A Salsaparrilha
DE BRISTOL
o mediante f. sua grande eflicacia e excellencia
e-ile se acbou dentro de pouco tempo, livre do
eu irremediavel estado de desespero, e a doce
e risonha esperanza tornou de novo revivar
m seu coraf ao; sob a poderoza e benvola in-
fluencia deste admiravel medicamento, as suas
:hagas em breve principiarao assumir um ca-
rcter favoravel dimlnuindo o aspecto de su*
malignidade. A massa do sangue e mais
humores do systema tornou adquirir urna
gpparescia clara e caudavel, as dores ator-
mentadoras d'outro ora o deixaro, e urna doce
s suave tranquillidade principiou a precorrer
:f do o sea systema, restaurando-le a desejada
paz e socego d'espirito; as chagaa urna nn
se- ferio fechando at 6 que finalmente se cica-
Uizarao d'um todo, e hoje acha-se perfeita-
mente sao, gosando d'um perfeito estado de
sande, depois de se ter visto privado d'este
grande gozo durante mais,d'um anno. Elle
durante esta sua cura,, api-cas fea uso de
Desatis garrafas da Geuuica Salsaparrilha
da Bristol, preparada exclusivamente por
LANMAN & KEMP
De NOVA YORK.
Reoommenda-se mui particularmente aos
Doentes d'ambos os sexos, que empreguem
toda a cautella na escolha d'este admiravel
remedio, afim que nao obtenhSo outra eom-
pocl^ao qualqner, quo nao seja a Salsaparrii-
ba Genuina de Bristol, pois que todas as
mais preparaotk* imitacoes d'esta aturez*
^f falsas nSo possuindo virtude 'gum

COMMEBCIO.

EM LIQIDflQO
Novo banco de Pernambuco
vam coborlos de vergooba per vereao qae (Inba
sido pratleado s onze horas do dia 23 de ootn-
bro om a.ssassioato to desbomano I
Os conspicuos Srs Dr. jais de direito Q tintino
Jos de Miranda a Dr. Manoel hidro de Miranda,
orgio da fostica publica, s5o merecedores de to-
Os Srs. accionistas podem receber o 3.9
dividendo (em oeda correte) de 10 o/o do
capital, assim como o 1. de 30 o/o, e o 2.
pico rva"isa'eom~ os ra's ditoctos~oo lllastres' de 46 n/o, j annanctados.
hroes, e que a sna memoria digna de ser ac-'
tajlae revereocada por todos qoantos lhe sacce- jfQYQ fanG0 fa PeraambUCO
Braz Machado Piraeotel era Incontestavelmente p,^. lillliflflAn
Os pessuidores de notas da emissao do
banco qoeiram quanto aotes apresental-as
ao troco.
. i.
I
nm desses bomens, ara desaes hroes, qae fazem
da soa vi Ja om sacrificio perenne t-m proveito dos
tristes parias da sociedade, om desses borneas pa-
ra quera os bens da fortuna s tom valor qnando
imaginacao-; e opoder descrlcionarij das oolli- do liarle, sempra o egoism?, sarapra a soberba |dos os eocoraios, nem so por terem sido jnstieei
doce modestia qae o adoroava empregasso o mais
constante cnidado em occuiiar as suas generosas
(I) ste discorso foi proferido por ocecaslao dos
surTVaglos do 30? dia celebrados oa Igreja de S. Se.
astio da eidade de Otioda em 83 de novembro de
1867.
Constlalo de compras do ar-
senal de guerra.
O conselho de compras do arsenal de guerra em
virtade de ordem da presidencia precisa comprar
para o presidio de Fernando de Noronha o se-
Koinie :
Pregos eabraes 10 milheiros.
Ditos caixaes 10 milheiros.
Ritos francezes de 1 1/2 e polegadas 4 arrobas.
Gomma laca l|? arroba.
Limas de c-ffender *.
Tarracha de esplngardeiro 1.
Cobre em chapa fina para cobrlr as rodelas das
casas de farioba 1 lencol.
Barbante !|3 arroba.
Garrafas de tinta rxa 48.
Caetas de pao iO dazias.
Folhas de (landres 2 cana-, sendo ama dobrada.
Dobradigas de cruz 190.
Feixadnras de broca 20.
Ditas ingieras 30.
Lapis de cor 6 daras.
Penna lapis 10 duzias.
Prego- rlpaes 20 milheiros.
Diamantes para cortar vidro 2.
As pessoas que qoizerem vender os arligos ci-
ma declarados aprsentelo snas propostas do dia 5
de dezembro prximo futuro, na sala do conseibo,
pelas 11 htras da naobaa
Sala do conselho de compras do arsenal de guer-
ra de Pernambuco, 30 de novembro de 1867.
J. M. I. J. da V. Pessea e Mello.
Coropel-presidenie._________
CoHselho de compras da arsenal de
guerra
O conselho de compras do arsenal de goerra,
em viriude de ordem da presidencia, precisa com-
prar para fornecer a repartidlo do alistamento de
pravas para o extrcilo, o seguinle :
Livro alpbabetico de 300 tolbas para recrutas e
guardas nacionaes designades 1.
Dito dito do 300 folbas para voluntarios e guardas-
oaeiooaes designados qae promptamsote ecucor-
rem 1.
Dito dito de 100 folbas para substitutos 1.
Dito dito de 100 folbas para, libertos 1.
D|to de 200 filias pautado para registro de corres-
pondencia 1.
Impressos para termos de inspecejio 1,000.
Raspadcira 1
Caivete fino 1.
As pessoa? que quizerem vender os artigos ci-
ma declarados, comparegam ^com suas propostas
na sala do cooselbo, no dia, o de dezembro prxi-
mo futuro, pelas il horas da manhaa.
Conselho de comprando arsenal de guerra 30 de
novembro de 1867. pt^a
J. M. L J. da V. Pesso e Mello
,______________Presidente.__________
Santo Amaro.
Tecdo de serem arrematados os concortos ne-
i-.essai ios no quartol de Santo Amaro, destinado a
rcepQao dos immigraotes, convida-se aos preten-
deoies a no dia 26 de dezembro prximo pelas 11
horas da manhaa, apresenlarem oa tbesouraria de
fazenda snas propottas em carta fechada. O orna-
mento da quaclia de 1:3405000 acba se na ra dos
Pires n. 41, casa de residencia do abano.
Recife 25 de novembro de 1867.O engenbeiro,
Chryssoliuo Ferreira de Castro Chaves.________
Santa Casa da Misericorda
do Recife,
Alllma.junta administrativa da Santa Casa dt
Misericordia do Recife manda fazer publico qui
oa sala de suas sessoes. no dia 5 do vindooro pe-
las 4 poras da tarde tem de ser arrematadas a
quem mais vantagens offerecer pelo tempo de am
a tres annos as rendas dos predios em seguida
declarados:
Elabelecimeuls de caridade.
Rna do Padre Floriano.
Casa terrea n. 17.......186*000
Casa terrea n. 45.......182*300
Ra larga do Rosario.
Terceiro andar do sobrado o. 24 301*000
Ra da Gloria.
Casa terrea n. 25........ 195*000
PatrimMiio de rpalo.
Roa do Vigario.
Primeiro andar do sobrado n. 27 181*000
Ra do Pilar.
Casa terrea o. 99...... 286*000
dem n. 94.........201*000
dem n. 108......... 201*000
Sitio n. 5 oo Forno da Cal. 180*000
'As arrematarles serao feilas- pelo tempe deum
a tres annos, devendo os licitantes virem acom-
panbados de seos fiadores oo munidos de cartas
destes.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Recife 28 de novembro de 1887.
O escrivo,
Pedro Rodrigoes de Sonza.
Pela recebedena de rendas internns geraes
se faz publico qae ca marcado o prazo de 30 dias,
cornados da publicado deste, aos devedores de di-
zima de chancellara, aveibada em virtade do de-
creto 230 de 22 de oulubro de 1842, afim de virem
paga-la ; rindo o referido prazo sero remettidas
a tbesonraria de fazeoda as relacoes de lodos os
devedores qae teem sido remettidas pelos difieren-
les escrlvaes, relativas a cau.-as ja decididas, para
se prc ceder a cobranca execotiva.
Recebedvrla de Pe/nambuco, 22 de novembro
de 1867.
Manoel Carneiroe de Souza Laeerda.
Conselho de compra na va es.
O conseibo contrata no da & do dezembro do
correte anno, avista de propostas receidas at as-
11 boras da manhaa, e sob as cendicoes de estylo,
o foroecimento aos navios da armada e estele-
ciroenios de marnha, no trimestre de Janeiro a>
marco prximo vindonro, do segninte :
Vveres, dietas o outros.
' i-up Objeclos de consomo.
Arroi do Maranho, agurdente de 10 graos, as-
sucar branco grosso, aletria, aramia, assncar
branco refinado, azeite doce de Lisboa, bolacha,
bacaibao, bolachioba americana,. carnauba em ve-
la*, cb hysson, cevadinha, carne secca do Rio
Graode do Sol, caf em grao, carne verde, farioba %
de mandioca da torra, (eljo. galianas, loaba, man-,
lelga inglezi, matte, manteiga francesa, pi, sal,
sabo, touejobo de Lisboa, tapioca, lijlo de alve-
naria grossa, vinho do Lisboa, velas stearnas
vinagre da Lisboa.
Sala das essdes do conseiho do compra* naraes
26 de novembro do 1867.
Alexandro Rodrigos dos Aojos
Secratart.

ti
1
*
Santa Casa da Misericoroia
do Recife.
***_
Pela secretarla da Santa Ca-
do Recife sso convidados os senhores proprletarios
dos predios abaixodeelarados, cujos terrenos por-
lenceram outr'ora ao Sr. Francisco Lina Paos Bar-
Nanot entrados iso dia 1. roto e soa molher e por ellos doados a Santa Casa,
Ass-d das, hlaie brasilero Emilia, de 135 to- pan que comparecam a esta socreiaris, ale de
nelada% pifio Trajino Aotaoes da Coala, eqoi-' pagaren os frjros qae se acbam a dever, o asslgua-
v


.70U1
mtom&*'+mr7$w*l"*******-mM
1867.
rem a respectivo urmo, reconbeceodo a mesma
Santa Casa como seobor do dominio directo do di-
tos reros. v "w
Roa 4a Boda.
Casa terrea n. lfAaloato Ferreira Braga.
Ideo dem n. 15.Jos" Leopoldo da Silva.
Sobrado n. 17.-0. Emilia Carolina Madelia Per-
reir.
Casa terrea 19.-Caa>itio Minios (morador em
Bebera.)
dem idem o. 21.Joaquim Pachaco da gilva,
dem dem d. 23.Antonio dos Santos Vieira.
dem dem n. 25.-Igoio da Sa' Lopes Fernn-
dea.
dem idea n. 27Fnlix Antonio Alvos Mascare-
nas.
dem idem n. 31.-Migul J.oaquim da Costa,
dem idem n. 33.Bernardo Alves Piuboiro.
Idem ideo n. 35.Maria Francisca da CoaceieSo
e Silva.
Sobrado n. 39.Hirdeiros de D. Joaquina Mara
Per eir Viaona.
Casa terrea o. 41.Paulo Margues e Antonio Fran-
cisco Macla.
dem idem n. 43.Futios de Jos Rodrlgoes dos
Passos.
Sobrado n. 47. Dr. Bernardo Pereira do Carmo
t Jnior.
l.iera idem n. 4.Mosteirol S. Bento.
dem idem n. 6.dem idem.
dem Idem n. 8.Irmandada da Santissime Sacra-
mento de Santo Antonio. ____*.
dem idem n. 10. -dem idem.
dem idem n. 12.Meno idem.
dem Idem n. .-Bernardo Aires Pinbeiro e ou-
tros.
dem idem n. 20.Anna Tbereta do Sacramento,
dem dem n. 24.Sabino da Cunha Fragoso.
dem dem o. 26.Antonio Ferreira Braga,
dem idem n. 28.-Irmandade das almas de Santo
antonio. I
dem idem n. 30. Joanna Mara dos Santos Mo
2A a **PECTULQ.
Quarta-feira 4 de iezembr
9*ttk fe director e reirtrte da orchealra
1P. I*. COLA**
Representar-se-ha o excellente e muito
applaudida comedia-drama em 3 actos
O FOGO DO C
\
exe-
Finda a coraedia-drauM a orcbestra
catar em sceoa aberta pela primeira i&t
neste theatro a grande batalba nata! de
RIACHUELO
composicao do distinti professor Cardim,
deajada ao dramaturgo portugue o Sr.
u de La erda.e por este seohor offerecido
ao beneficiado.
Segair sena urna poesia de despedida re-
citada pela actriz a Sr. D. Antonia Joaquina.
A comedia emum acto
Mel e fl.
Terminar o espectculo com a comedia
em um acto ornada de msica
Morrer para ter dinheiro.
Comecar as 8 horas.
O beneficiado desde j agradece ao res-
petate! publico.
dapolSesd-varias marcase rotlo*. slgodSes tran-
os pretos e a/.ues, be osa e ouretos,
, Amella, casealras de dres pre
os de linftn, cbapos do Cbill 6 mol
!promp|ex*fco.
Unirta-felra 4 do orrente
as 10 horas da mftaa, em sen escriptorij a rna
MASSADOl
I- Preeisa-se de ara aroassador para t
ira : na ra-dos Piree n. 42.
da Cadeia n. 4, per
das do Sr. Barroca.
ci
faten-
LE
dor para tiestre mas
42.
tten#o.
H. 2 i Roa do Livrauealn m 2$
Deposite d* lmaseos e calcado nacional da fa-
brica da ra do Jardlm n. 19, de Jos Vicente Go-
dmhojplojo deposito coma na fabrica seapromp-
tam todas as porcoes de calcado o mais barato
possivel, esta fabriaa tam todas s machinas pro
prias para os calcado ja bem acreditados pelo
grande numero .de reguexes qoe daqal se for-
neeem.

n,MS
IJem dem
n. 32.Dr. Antonio Joaquim de Mo-
raes e Silva.
lera idem n. 34.Manoel Jos do Amaral.
lldem idem n. 38.Tutor de Francisco Goncalves
da Rocba.
Casa terrea n. 50.Os mesmos.
IJem idem n. 52.Dr. Joo Capistrano Bandeira
de Mello.
Idem idem n. 54.Loiz Jos da Costa Amorim.
Idem idem n. 56.Jos do Reg Pacheco.
dem idem n. 58. Bartholomen Francisco de
Soma.
dem idem n. 60.O mesmo.
dem idem n. 62.Manoel Gomes Yiegas.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do Re
cife, 9 de no veratro de 1867.
O escrivao,
_______________Pedro Rodrigues de Souza.
Consulado provincial
Pe.- mesa do consulado provincial se faz publi-
co que no da 3 de dezembro vlndonro se princi-
piara a coataros 30 das atis marcados para a
((branca i bocea do cofre dos irapostos da decima
dos predios urbanos das fre#uezias desta cidade,
dos Afogados at Giqoi, e do Poco da Panella at
a poveaco dos pipucos, e de 5 0/J sobre os bens
de raiz pflrlencentes a* corpcrac.es de roao morta
rehtivi ao 1 semestre do anno flnaDcelro de 1867
a 1868, Asando sojeitos a mola de 6 0/0 os con-
tribuidles qae pagarem depois de Dodar os ditos
30 dias.
Mesa do consulado provincial de Pemambuco 2t
de no ve cubro de 1867.
Francisco Amyntbas deCarvalho Monra.
Aliiga-se
AVISOS MARTIMOS
companhu
^k
W (#
BRASILEIRA
DI
aqueles a vapor
Dos portos do snl esperado
al o da 7 de dezembro o vapor
Cruzeiro do Sul, commandante
Alcoforado, o qual depois da de-
mora do costume seguir' para
os porlos do norte.
Desde ja se recebem passageiros e engaja-se a
carga qoe o vapor poder condazir a qual derer
ser embarcada ns da da saa chegada, encommen-
as e diobeiro a frete at ao dia da sna sabida as
2 boras. Previne-se aosSrs. passagelros qoesnas
pa-sagens s se recebem nesta agencia roa da
Cruz o. 57, primeiro andar, escriptorio de Anto-
nio Lniz de Oiivefra Azevedo & C
De un pulseira de onro de 14 quilates, una di-
ta de moeda--, nma dita de coral, urna volta de
ranadas, ucea'dita de balas, urna volta de cor-
do da onro, urna dita de dito, nma medalha
com lago, nma lantla de caia d prata, nma rrecisa.se de orna ama na rna de Sania Tbe-
vol de trancelim de ouro, urna dita de dito, o. te, para comprar e cosinbar para daas
om Jinete com pedras, orna volta com nma I *.
cruz, om par da brincos de moeda, ama pnl-
seira com 5 oitavas e om quarto, 12 cadeiras
de Jacaranda de gnaroico, 2 ditas de batan-
eo, 2 ditas de bracos, 2 consolos com pedra,
tima mesa redonda com ti copo de pedra, om
fila de Jacaranda', ama cama franceza do Ja-
caranda', om espelbo com moldara, om can-
ditiro de gaz, um relogio de cima de mesa,
una serpentina,
u agente Martins fara' IjIISo a reqnerlmeoto do
testamenleiro de Vlcencla Mara ooe Prazeres dos
movis e oais objectos de onro cima.
Quarta-felra 4 do correte.
No sobrado do pateo do Paraizo o. 29, e.-quina
para a travessa do OuviJor. primeiro andir, as 11
horas do dia.
De escrvos e om |indo nulatiuho.
Quarta-feira 4 do torrente.
O agente Pestaa fara' leilo por coota e risco
de quera perteneer de nma escrava que cose bem,
cosiaha algnma coasa e engomma pooco, ima ne-
gra qoe lava bem, boa Agora e um mnlatlnbo bo-
nita figura com 10 a H annos, com principios de
sapateiro, sero vendidos no da cima menciona
do as 11 horas da raanha no largo do Crpo
Santo.
a
rt?,n\? ,BiU,0Q por om aD00> oa> "a em
uimda com eicellente vista e muito fresca, com
s?"las e c'dco quart.s, cozinha fra e bom
quintal, cora terracos adhnte e atraz com acentos
'f'6"1 ':* iar na praea de Pedro II, li-
!?fa d* to^ncia n. 6.
nT Vra. m,!,0 babiUtio para ser ajodante de
ora guarda luros de urna casa commercial, tendo
muito boa letra eescrev.sn.do cora otthograpbia e
sendo perito em coniabilidade deseja erapragar se
em nm escriptorio, se offs^rce qaalqoer girantia
soDre saa conducta : qoem precisar pode se diri-
gir a ra estrena do Rosario n. 10, das iFboras
da raanhaa as 3 da tarde, aalar.
~. *t>al assignado declara ao corpo do com-
a.C'*8'?d0seiD 9ral "l119 Sr- Mathiasde
Aiovedo Villarouco deixon de ser o guarda livros
a procorador de sua casa. Recife 28 de novem-
bro.de 1867.
I\0SSA SIHIA 04 CiNCEIjlO
Para eduencSo de sexo masculino
Director Manoel Aires Vianna
O collegio da Concec3o, mudado ltimamente para o bairro de Santo Aa-
tonio, ra de S. Francisco, casa n. 72, contfgua 4 sUcSo central dos trilhos
urbanos dos Apipucos, contina a funecionar regularmente, recebendo alum- pa*
us externos e internos, tanto para as aulas primarias, como para todos os !9|
preparatorios necessarios matricula de qualquer faculdad, sendo os seos Cp^
respectivos professores pessoas moratsadas e de um concito magistral j
bem firmado nesta cidade.
O director deste boto collegio contiuuando a empregar toda a solicitude no
desempenho de seu mandato, espera fazer-se mais digno da confianca com
que o v5o honrando os senbores pais de familia, confiando-lhe bondosamente
os seus filhos.
Os estatutos do collegio, assim como o franco ingresso em todas as suas
||^dej)endencias, esto sempre a disposiejo de quem possa interessar.
Joao de Siqaeira Ferrao.
Para Lisboa.
Vaif sabir com brevidade a barca portugneza
treUidao por ter parle da sna carga prompta; pa-
ra o restante e passageiros traase com Olivelra
Filbos & C, largo do Corpo Santo n. 19 03 com o
capito na praca.
Cm\mk BRASILEHA
DB
Paquetes
le AO
De 25 decimos de rinho do Porto, 5 barris
dit-), 3 pipas vinho da Figoeira.
Qamta-feipa 5 do corrate.
O agente Pestaa fara* leilao por conta e risco
de qoem perteneer d s vinbos cima mencionados
os quaes serao vendidos para liquidar ao correr
do martello : quinta feira 5 do corrente Dlas 11
horas da manha> uo Annes defronte da alfandega.

No da 4 de dezembro, depois de lida a an-
dieccia do Illm. Sr. Dr. juiz ronnicipal da 2' vara,
lia de ser arrematada por venda por ser a ultima
prrp, a casa n. 8 do pateo da Penlia, cbos prc-
pri s, cojo escripto acha-se em poder do porteiro
do julio, e vai a' praca a reqoerimento do testa-
ra.nteiro do lente-coronel Caetano Alberto Tei-
;> ir.i Cavalcanti para cumprimento de legados
pos.
Repartirlo das obras paelicas.
De ordem do Sr. engenbeiro, chefe interino da
repartidlo das obras publicas se faz publico qne,
d";d leodo concorndo oppositor algara aos Ingares
vago? de conductor desta repanicao, e tendo sido
jui^'ido inhabilitados os que concorreram aos lu-
gar -i de praticantes, no da 9 de dezembro prxi-
mo vlilouro tera' Ingar novo concurso para pre
enchi n-nto das referidas vagas de conductores e
j rati ?arj'fS.
Os concorrentfis ero argidos as materias de
qoetratirm o- 1 e 2* do art. 10 de regalamento
de i!I de julio de 1866, e que vo abaixo decla-
rada--.
Os requer atentos para inscripcao dos candidatos
de verlo ser apresentados at o da 7 de dezembro,
e poderte ser instruidos com quaesquer documen-
tos ou ttulos scientificos qoe abonera acapacidade
do? ic Secretaria das obras publicas 7 de oulubro de
18G7.
O secretario
Feliciano Rodrigues da Silva.
Materias do concurso para conductores e prati-
eantcs dareparc5o das obras publicas.
Para conductores.
MathentC3s elementares, algebra at equacoes
do 2* grao, ihigooometria, elementos de geometra
analityea e d.scripliva, d'aslronomia, d'arcbitectu-
ra e de resistencia de materiaes, conhecimento
parfeit i des instrumentos grapbicrw e dos trabalhos
- en:vlaneulo e planta, desenho linear e de aqoa-
della.
Para praticantes.
Linsmn n-icional e francez, aritbmetica, geome-
tra, as do** e ires dimonsoe-, algebra at eqna-
toes do i grao, desenbo linear e de aquarelia.
Secretaria das obras publicas 7 de oulubro de
1807.
O secretario
____________Peliclan Rodrigues da Silva.
HOJE
Trca-feira 3 do corrente, depois da audiencia
do \az> iuoiiic \\\ da primeira vara sera) arre-
matados e ai praca publcaos seguintes objectos:
urna arraagj para taberna em ponto pequeo e
asada, comeado dous paos para cantelros de bo-
tar pipa?, nm laizo para guardar farinha e urna
balan'.-t Bdffl d-jos pesos sendo um de 16 e outro
de 8 libras, avaliados em 50J, por execugao de
Psdro de Araujo Beltrao contra Mtuoel Lopes de
O.or?. ^_^________
Pe!* fublelegacia da freguezia de Santo An-
tonio do Ks'-if-, roram apprehendido3 20 chapeos
-de biela ota o formato dos da feltros em mo de
om pretoqie oj andava vendendo e se tornou sus-
peito de ni) Ih* pertencerem, mailme fleando de
?ir provar a na irtoneldade e nao voltar mais a
este jqizq : q'iem for sen dono dirljs-se a esta
subdelegacia que provando serem seus Ibe sero
entregues. Recife 2 de dezembro de 1867.
O subdelegado,
Manoel Antonio de Jess Jnior.
a vapor
Dos porlos do norte espera-
do at o dia 10 de dezembro o
vapor Paran, commandante
o capito de fragata Santa
Barbara, o qual depois da de
mora do costume seguir' pira
ospsrtos do sul.
Recebam-se desde j passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir a qual devera'
ser embarcada no dia de sua chegada, encomrnen-
das e dinheiro a frete at o dia da sabida as 2 ho-
ras. Previne-se aos Sr. passageiros qoe suas
passagens s se recebsm nesta agencia ra da
Cruz n. 67, andar, escriptorio de Antonio Luiz
de Oliveira Azevedo & C.
II&0
LISBOA
Acbando-se com a maior parte de seu carrega-
manto prompta o biate partuguez Pensamento, se-
guir' em pencos dia3 para o referido porto:
quera pretender embarcar o reto dirjase a ra
do Vigario p. 10, a Baltar & Oliveira.
HE JANEIRO
Pretende seguir com rouita brevidade a barca
Despique H, tem dos tercos de sea carrega-
mento a bordo para o resto que Ibe falta tratase
cora os seus consignatarios Antonio Loiz de Oli-
veira Az vedo & C. ra da Cruz o. 57.________
Fara Lisboa
vai sahir com muita presteza a bem conheclda
barca Harta : para carga trala-se com os consig-
nadnos Carvjlho & Nogueira, ra de Apollo nu-
mero 20.
Por'o
Pretende seguir cora a maior brevidade possivel
a barca portegneza Cfaurfma, por ter a maior par-
te do seu carreeamenloengaiado : para o resto e
passageiros, aos qoaos offerece exceltentes cora-
modos, trata se Cjm Cunha Luaos & C, a' ra da
Madre de Dos c. 3't, ou cora o capito a bordo.
Rio-Grande do Sul.
Patacho brasilelro Gardiao, capito Manoel
Francisco Fernandas, segu com brevidade por
ler partj da crga contratada. Para a que Ihe
falu trata-se com Miguel Jos Alves, n. 19, roa da
Cra.
11 ha de S liga el.
Para o porto aeiraa segu o patacho porluguez
tJoxgense de primeira marcha, para carga e pas
sageiros trata-se com o consignatario Jou do Re-
g Lima, rua do Apollo n. 4.
urna caleche,
O gente PoBluat fara' leilo de urna grande
caleche com poueo uso, muito bem construida e
elegante
Quinta feira.
Em frente a cocheira do Sr. Claudio Dubaux,
as II horas.
AVISOS DIVERSOS.
Para seu interesse
Muito se precisa tallar com o padre portoguez
Jos Bernardino de Paiva que suppSa-sa inorar
era Marcago, e com o Sr. Jos Lourenco de Me
I o.iros Mnnii que mora nos arrabaldee da Santo
Aniao : na praga do Corpo Santo n. 17, primeiro
andar.
Desapareceu no correr da "aoi'te de 2o-do
corrente ao poder d9 abaixo assignado, no enge-
nbo Contra-assnde, de Jaboato, o escrava Jos,
cnoolo, com os sigoaes seguintes : baixo, bem
consiroldo, rosto largo e nariz cbato, ventas mui-
to ibirtas, tendo na testa tima cicatriz de pollega-
da mais <,u menos, tera' de 20 a 21 arreos, nao
se distioguindo no rosto signal de barba, vesta
camisa de chita encarnada trazendo em trouxa
oais r upa. Aoimado pelo que sa esta passando
foi encontrado em Afogodos declarando que vinha
alistar se no exercito. Protesta o abaixo assigna-
do conir* quero o tiver acoutado da mesma ma-
neira que contra qualquer autoridada qne sera as
indispensaveis pejquizas o houver recebldo se isso
se nvfr dado, gratifica se a quera o apprehender
levando-oa ra Direa n. 29, segundo andar, a
entregar ao.Sr. Antonio Pedro de S Brrelo J-
nior. Recife. 30 de novembro de i867.
____________ Jos Marijues Carneiro Lea o.
Precisase de um criado de pouca iJade for-
ro ou lvr<\ para lodo servigo : na ra do Impe-
rador u. 73, 2* andar.
Que um elegante estojo para viagem
cvrk\i>o :
Io20 cadernos de papel branco,pautado, beira dourada, marcado comas ni-
ciaes do comprador.
2o100 envelopes brancos.
3o100 penas de ac (marca lauca).
4o1 caixa obreias de gomma: 1 caixa obreias de mossa.
5i tinteiro devidro com tampa de metal
6o1 arieiro idem idem.
7o1 pao de lacre.
8o1 caivete de duas folhas.
9o2 lapis.
102 canelas.
Todos esses objectos reunidos, dentro de urna bonita caixa
custam apenas
Rs.

fcita para este fun.
60000
un m mmm.
.
Islitoi.0 i relie lgico e Geographice
peroambucaBO.
Havpra" scsso ordinaria quinta-feira 5 de de-
zembro corrente, pelas II horas da manha.
ORDEM DO DIA.
Relatorics, parecers e mais trabalhos de com-
al i ssd es.
Secretaria do lostiloto, 2 de dezembro de 1867.
J. Soares d'Aitvedo, "
_____ ____ Secrelarto perpetuo.
Preparatorios para os exa-
mes de mnroo,
Curso de Ilogua fraciceza.
de geographf.; c h!strorls.'
de phtlttsophia.
de rethorlca e poet'ca.
Jos Suares de Azevedo, professor de,
liDgua e litleratura nacional do gymnasio1
provincial de Pernnfiuco, tem aberto em
sua casa, raa Bella n. 37, um curso especial'
de cada urna das materias acim;i indicadas,!
para os estudantes que se prop5em a fazer1
exame em marco no collegro das artes. Ileiro- manhoso, barreftsoer, pesado
irijain-se residescia mencionada, de^'!";""*1 "orld9>e ,,ra u farro
marth-Sa atp A? Q hr.ns f Ap larri,, a nnal.inor' d^reU,3Iiar d,rJ*-*a a ste engeulio que sera
manada ato as J oras e ae larae a qaaiquer generosamente gratificado. Tapera 2 de dezera
hora.
Candido Alberto Sodr da M"a e J,>s Mara
Sodr da Motia, sob a impresso do mais doloroso
seniiraeuto pela marte de sua nunca asss pran-
teada mai D. Gandida Alberto da Pureza, fallecida
na iha de S. Miguel, convidara aos seus amigos e
prenles para ouvirem as ralssas que pelo repou-
so eterno de sua alma mandara celebrar no dia
ijuartaJeira 4 de dezembro pelas 7 hora- da ma-
, Db as raairiKs de S. Fre Pedro Goncalves do
j ReciM, S Jos, B vista, ireja* da Madre de Ueos
e o. Pedro M-arvr de Oilnda.
i triiriTiiT nimnTiTiiiiini|ii ii'iiiwik
7- O abaixo a.-sigBido declara ao respeltavel
corpo commercial desia prava e a quem interes-
sar possa qoe da data de 28 do errente, deixou
[de ser gereot* procurador dos negocies de Joao

MARTIMOS
CONTRA FOGO.
A companhia Indemnisadora, estabebei-
la nesta praca, toma seguros martimos so-
bre navios e seus carregamentos, e contra
togo em edificios, mercadorias emobilias:
na raa do Vigario n. 4, pavimento terreo
Alnga-se o sitio dos i lto;s a' ra de Joao Fer-
nandes Vieira, com excellenfe casa de vivenda e
outros cornmudos: a tratar na loja n. 18 a ra do
Queimado. ____
Aluga-se
Urna exceHente casa no lugar do Monteiro con?
bom jardim e perto do rio Capibaribe: a tratar na
SSaMSSu r gg^^.^^ht^g^ygM.aKk"
turo.
p^ssado, presente
Recite 29 de novembro da 18G7.
__ Matuias e Azevedo
e fu
Villarouco.
Furinrra do ccc*l desle engento ao ama-
nhecer debojedons cavallre, nm castanho, cora-
prido. castrado, de 9 annos de ijada, ferido da
cangalha, carrea baixo obrigad-o, est com n cri-
na e canda compridas e tera esie ferro MF ua
na. Outro rnso, gross--, de bom taraanho, in
a espora e a
cima : quera
Coiopauliia ulidaile publica
Adirecco paga o 14 dividendo de 5i por ac-
c.3o, em seu escriptorio rna da Cadeia u. i!, pri-
meiro ndar. Recife 2 de dezembro de 1857.
Os directores
Feliciano Jo> Ge me?.
Thomaz Fernandas da Gunba.
bro de 1867.
LEILOES.
Oe 120 saceos com farinha de man



THEATRO
DE
ECITA
EMPREZACOIMBRA
Terc-i-feira 3 4e dezembro.
ESTIIAORDIMARIA PENLTIMA DA
EMPREZA.
(Passaila pal Sr. Ezabedeo.;
Variado especsacuto dividido em 5 partes.
FR1ME.RA PARTE.
A primeira representaco da comedia em 1 acto
do rpertorio do actor Macedo
0 capricho de urna mulhe*
IlOtlK
O agente Pestaa fara' leilao por conla de quem
perteneer de cerca de 150 saceos com farinha de
mandioca em um ou mais lotes : no da 3 de de-
zembro as 11 boras na porta do Aunes.
I mi i A
De fazejidas de le,
A 4 do correte.
O agente Oiiveira fara' leilo por conta e risco
de quem perteneer, de perfeito sortlmeoto de fa-
zendas principalmente loglezas, todas de lei eas
Na uoite do dia 30 do mez pass-ad foriaram '
de ura dos ranchos da estrada nova ura burro e i
urna burra ; o burro castanho, pequeo, e-a bar-
riga muito pellada : a burra castatiha escura e dej
tamanhn regu ar, t-ndo ni quarlo esquerdo um O :;
quera os aprehender pode leva-Ios nesta cidade
da Recite aos Srs. Narciso irmaos & G., que sera'
recompensado.
o-naes para 1868
Na livrana franceza assignam-se todos os jor
uaes da Europa, os Srs. assignantes encontraran
amostras dos pertodicoj e catlogos d.'s mesmos
RtlA DO CRESi'J N. 9.
Aa.
Precisa-sede urna ama para cotinhar
do Livr;mentn o. li.
na ra
Officina de carapioa, ra do Encanta-
mento n. 4.
Tomam-se todas as obra do mesmo-officio por
rroco cora-i ido ; alii se achara' eoru quem tratar.
Tambera se vendera cadeiras americanas.
Nao t-ndo comparecido .nffiWro saffleicnte
s para se proceder afreleieo dos novos
illl
.
c
-se
de irmaos para se proceder afreleiei dos
fuocciooarios que teradeTeger a ii mandada de .\.
S, da Scledade no anno de 1W5, manda a. mesa
regeJora d9 novo convidar sens irruios para se
rennirem as 4 horas da tarde do da do corrente
mez para ter efleito a eleicao.
Consistorio da irraaudade de N. S. da Soledade
i* de dezembro de 1867.
- Chrlstovo Santiago de Oiiveira
Escrivao.
-
Joo des Santos Coelbo e Jos Goraes de Fre-
tas azem scieule a quem interessar posa, e com
especlalldade ao corpo do commercio, quo amiga-
veiment-o dlsselverara a socleflaifc qno nbam na
confeitana a nlrlra Cruz n. 16, fleando todo o
activo e passivo a cargo do socio Freitas, e asocio
Coelbo livre e desonerado, e pagd de seu capital.
o tercero and*r do sobrado da ra do Amorim n.
37. cora gran le sot3o e coTO.oij.dos para familia ; a
tratar no arm'azern do rriesmo.
A o publico.
O aitaiao assigqado, morador na villa de Agua
Preti faz-scieute ao respeltavel huMico, que teudo
assignado urna folha de papel em branco pat"a se
proceder uraa conciliago perante o juiz de paz de
Quipap, snecede ter-sa extraviado dita folha de
papel, e para avilar qualquer fraude futura figo o
pre.-eale annuncio.
____ Manoel JosArieiro Vianna.
Ama.
Preeisa-6'' de um para en^oraraar : na ra do
f rapicne n. 36, 2 andar.
Cambraias largas a 1*000 e !$28
a Tara.
Vende-se cambraia transparente com oito
palmos de largura, que facilita fazer se um
vestido com qualro varas, a ljt 4 vara: na loja e armazem do Pavao, ra da
lmperatriz n: GO, de Gama & Silva.
Espartilhos.
Vende-se am grande sorlimento de espar-
tilnos dos mais modernos: na loja e arma-
zem do Pavao, ra da lmperatriz o. GO, de
Gama & Silva.
Anadlne a CICoo.
Vendem-se os mais bonitos cortes de ana-
dine, sendo fazeoda inteiramente mo erna,
transparente, com bonitas palmas brdalas;
esta fazenda, qoe de muita pliantaja, ven-
de-se pelo baratsimo preco de 6^000 o
corte : na loja e armazem do Pavo, ra da
lmperatriz n. GO, de Gama & Silva.
Ricos corles de mediaa pro-
prios para Iule.
Chegaram os mais modernos cortes de
medina, sendo urna fazenda inieinmente
nova e transparente, com lindas paliis e
qnadros de seda, e vendem-se pelo barato
preco de 22S00O o corte : na loja e arma-
zem do Pavao, ra da lmperatriz n. GO, de
Gama Silva.
Cortluados para cassmen-os.
Vende-se um grande sortimento dos me-
lbores cortinados bordados, proprios para
camas ej mellas, pehs b.ratos i rejos de
n, 105, 15i, 203 e 255000 o par: da-
Auacleto Jos de Matos a:hando-se residi-
do nos Afilelos pode ser procur.do das 9 da ma-
nha as 4 da tarde, ua ra do Apollo n. 36, pri
raeiro andar, onde ser encontrada,
Precisa e e urna arai que saiba coser e
eugommar para um bomem : a' ra da Penha n.
2 A, 2 andar.
-Precisa-Mi da uro frianiro andar com cora-
modo para uraa profesara que admita de 20 a 30
meaioas, ua ras seguintes: Cruzes, Crespo, Quei-
mado, Rozario larga, Gabu^.i, .Nova etc. ; a tratar
na roa do Rozario targa n. l ; e na raesma casa masco de la a im'taro de sea, com 8 pal
aluga-se uraa caui d, carrein mensalraeute. mOS de largU'a, a 43 00 ; Colchas de cro-
Ama. che ; ditas de fusto.brancas e de cor; cro-
Precsa-see nma ama |,:n, i: -.lubar e comprar' ches proprios para cadeiras, sofs, cadeiras
para casa de hornera solteirt
^ Vende se orna casa n i s:r..da que
Corconda a encontrar coto o d > fundo, cora cinco
qtrarto?, duas salas, cozmlia lora, um grande ter-
Taco, esta'-eaacapam>olo, nimio periodo banho :
a pessoa que pretender dirjase a ra Augusta n.
17, qne achara' com tpfem tratar.
wmmmm wm :mmm
'0 Companhia fideliJade de seguros $.
martimos'e terrestres ||g
estabelecida no Rio de Janeiro >5
na ra Nova o. o i. de halanco, para cobrir presentes, etc. etc.:
s'ie do na loja e armazem do PavSo, ra da Impe-
Boleeiro,
Na Capungt, porto do Lacerre.casa em que mora
Jas Duarte das Neves, precisa-se de um bom bo-
Alusa-se
Urna casa para pequea familia, calada e pinta-
da, multo fresca, com quintal e catmba, boa vis-
la por ser defronte da matriz de- Poqo : a tratar
na mesma ou na travessa dos Remediqs.
Prec!sa-se de nm caixeiro que tentia pritica
de taberna- na rna do Imperador n 83.'
Offsrece-se urna ama para casa de mogo
solleirq :na ilba dos Ratos junto ao hospicio.
Aluga-se um* esexava Imoca para todo sjrvi-
. .
SEGUNDA PARTE.
A scena cmica pelo texot Pedro An^nsto
AMANUVA' VOU PEDI-LA.
TERCEIRA PARTE.
.% eomedi em nm acto original do Sr. Mendes
Leal(iBtonlo).
MEL FEL
Q4ARTA PARTE.
rmeira rc,[u.-entacSo do dialogo cmico em
la me.m. antor
-V CATA DO HXXJL
ornado ae Hod* rougets.
mais propr^# AGENTES Eil PEIINAMBL'CO
Antonio JLuiz de Oliveira Azeredo & C.
competentemente autorisados pela
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
Cortea de chita com tO eva-
dos a 35, 330 e 3J6f.O.
Vende-se cortes de chitas francezas, es-
curas e claras, de cores flxas, e tendo 10
covados, a 35UOO; ditas com 11 a 3300 :
ditas com 12 a 35600. E* pechincha, s
para acabar: na loja e arma7em do Pavo,
ra da Imperariz n. GO, de Gama & Silva.
Percalas a 320 rs.
Vendem-se ioissrnas percalas de cores
dir doria da companhia de seguros b;(fixas, rjelo baratissirno preco de 3-20 rs. o
^| FiiloiUdot tomam seguros d na-
M vios mercadorias e predios no sen
,*f escrTprnrir) ra da Cruz n. i. ffj
Sfflef-fower Jafcuston & Jompanhia
Rna da Senzala Nova n. 42.
AqSUCIA DA
FU'ndfcS de JLow SSer.
Machinas a vapor de 4 e 6 oavaltos.
Moendas e meias moendas parangenho.
Tatxas de ferro coado e batido para enge-
nho,
ArrekJFt1 carro para dUdona cavallos.
Helogios de onro patente'ingles.
Arados americanos.
Machinan para descarcar algodo.
ftlotorepara ditos.

MichinaB de castora.
-
',!- ti -.

"J'J
'
-----------------------------------------------------------------------
-
lU
m a : "led se
ASSOCIACO nnASILEIRA DE SEGURO MUTITJ
BRE A vipA --nii-m _
Tabella da companhia dos trilhos urbanos, dos dias uteis do mez de dezembro.
IOA.
i.'l ^il.
1
TARDB.

' IUI
Recie...........
Ra da Aurora...
Rna des-Pires.............
Soletlade......
Cara nho Novo
Manjrufrrho..............
S.Jos...........I*'f.
Torra............j*..
Ponto de UehOa..,/.".^
Jaqueira4*>j............
Parnameirim.............
Sant'Anna...............
Ca?a forte...............
CaldeTeiro...........___
Monteiro...............,.
" Porta d'Agua............
Apfpifcos...-...... ......

|,|"m""'"'-t- raauiVnralacnni a nkima
rep
re
sontacao a*vui6 sica '*-t rtmi i
Morrer para ter dinheiro.
Coroec>ra' as 8 horas.
.....'
-------------------
VOLTA.
----------------T-r-r
MANIA


Apipocos.............
Porta d'Agaa..'......'.-
Moaleiro...............
Cildereiro........v*ho
Casa Forte.............
Sout'Anna..........t..f
Parnirneirt..........
Jaqueiroaut>(Ui*.MllQ.
Ponte de Umo-V*;.*
Torre.............!.
. Jos..............
Vlan|{uioho....at4i'.-
CimiQho Novq^HttiiMt'l
Soled id^^-^.gj^
tua los P.res:........
IIj da Aurora...-.-...1
Recifi................
6.15
6.17
6.
6.35
6.28
6.30
6.33
6.35
6.37
6.40
6.42
6.U
f.45
6.i9
6.51
6.33
6.551
7.20
7.28
7.18
7.30
7.p.
7.33
7.42
T.aV
7.46;
7.48
7.50;
7.M
7.54
7.36
7.58
7.59
8.0
S.io
8.17
8.20
8.2o
8.28
8.32
8.37
8.40
8.42
8.44
8.46
8.48
8.50
8.5
S.ai
.53
m'uq of.paiiml A
.iiiafl- Mi>dlJI !> t
-A'l ai e' "f-oev m* tm iuid- ob alasA
i o otan ofui b 09M eiv ^rnoihb sMarmr art!
. : -
# j.MfibifiBp86*- Dominaos- e
* uaLom ao bot $b aia?ldwsi)
.aotnobiTq Mifamo'l
j^iooflirTrwraiul
-|ttuudlu*qjnat)L
Do Recife para Apipnoos..: ,6.| 7.5| 8.1
De Apipueos para o Recife I 7 0| 8.01 9(
9.0

dias santos. "*i**s ti:'*
,^jti'i>-> j-5r: h Bramt
00 swq aocuoiidcu tabit
tards. .niabtai ai, MoiT
9.ia
9.17
9.20
9.25
9.28
9.ai
9.37
9.40
9.42
9.44
9^48
9.30
9.52
9.54
9.56
10 0
*

TAI
OE.

;
3.W i.20 o.to
fcSbfi
4.30 5.25
4.32 5.27
4.95 3.30
.S5 4;40 3.32
4.45 8.35
4.47 8.37
4.49 5.38
4.7
4.10
.32
4.54
4.56
4.57
4.5
3.0
5.41
5.43
5.45
5.47
3.49
0^
6J).
II
6.10
4.14
6.18
6.23
6.25
.J7
6.29
6.30
6,32
fi.34
G.35
6.37
6.38
C.40
___
8.0
8.3
8.5
8.10
8.44
8.48
8.23
8.23
8.J7
8.29
8.3fff
8.32
8.34
8.33
8.37
8;88
9.10
9.14
9.18.
0.23
9.25
9.J7
9.29
"9.30
9.32
9.34
3.33
9.37
9.38
9.40
colado', por ter um pequeo toque de mo-
lo : na loja e armazem do Pavo, ra da
lmperatriz n. 60, de Gama e Silva.
Cambraias a 30500 rs.
Vendem-se finissimas pecas de cambraia.
branra e transparente, de 3#*iOO ale 103 a
peca ; ditas tapadas muito finas, de 50 at
40{J; ditas suissas com I vara de largura a
83, 10^ e 12(5; na loja e armazem do Pa-
vo, ra da lmperatriz n. -80, de Gama A-
Silva.
Precisa se de uraapreta escrava, para vsoder
na ra; a tratar na ra dellortas n. 14, sobrado
de um andar.s 1, 1
_____________________________________
Protectora das familias
so-
Pelo presente se previoe notamente aos
senhores contribuintes do contractos abaixo
enumerados, qoe ainda- n3o.pagram as se-
gundas annidadeS de -qu Ibes enmpre sc-
tisfase-las at ao dia 3i de deaembr do
corrente anno de 1S67, sob peoa de oadu-
9.0 cidade, imposta peo artigo -89 fio regula-
9.3 ment. *
Oj K n t. -9bMv.w
"*r Si se lembra -aorsqnbores contribuintes
das liquidaces de iS71 e 1872 de que de-
vem pagar, aqaeltcs a 3*, e estes a I* e 21
armntdades dos sens contracta? at 30 refe-
rido dia.34 dedeambrode 1867,sropena
d s fh_s.serem recebidas de enlo em
diante, com as multas correapondeores.

.s-io'sri aibq 9 aisj ,cioo B*qico .mfnao ,
ltaWiDi>M> ib ido itoyisop ia) im BHdccJ -_
ottUiaro nopUflp bul
-----------------MI Mili Y tB-MKtt.L&iMWL.feq a? i3 t M-iboada ahalMb o alM^ax ut
3.0| 4.0 5.01 ti.()|.5S7jjBI)'o rnmh' 9.0 .Ma* aw *a MU--* : oba
4.0| 5.o; 6.01 7.0| 87oT 9.]
191,
_ IIEBVEL __
Nmeros 66, 67, 88, 180, 190
I!>2. 238, 239, 3! 7, 378, 390, 39]'. 454
l' f* ?73' m- 478' 479' *80. 49P!
RSH, RR7. 688,
84S, 8*9,850,
__861. 864,
'tffWtS *6S>4rtOia|l47,
'- U"D., hi. rte J..nrt^^fdttloleiu-
Drode 18 JosJaslinianoRodrcnes.
mu
^68r0707L ttrft
689, 690, 8 851, 85!s1MW, -:7.
(K ';!". B




t
Tf^ i*MWVAWU^-:Ytf^ i^MVW *-fc^ift mi.





.


DE
TODAS A QUALIDADE
'
w
&
m <-fc a aI m
Neste novo estabecimento, tem um completo sortimeoto de
chapeos para homens, senhoras e meninos, vende-se por precos
razoaveis.
X-
. i BU.4
ira deSouz*,
XOVl =



A GAZ.

!T"

'



45Ria DireiU-45
A empresa do gaz desta cidade desejaodo faciliiar geralmente o uso do gaz na
casas e estabelecimeotos particulares, offerece desde j as seguintes vantagens:
i. Urna redaccJo consideravel nos pregos dos canos, apparelhos e todos os mate-
riaes preceos para a installacao desta luz.
2.a O gaz fornecido boje de extrema pureza e nao offender a prata, o bronze
oa outro metal differente, assim como nenbum damno poier causar as pinturas, quadros,
ornamentos, papel de forro maisdelicado que seja, lornando-se ao mesmo tempo tao sau-
davel e mais econmico outra qualquer luz, j conbecida, alinal, evitar tambem a obs-
trucc3o dos canos e tobos dos apparelhos.
3/ Os apparelhos existentes, como lustres, arandelas, bracos de vidro, de bron-
ze, etc., etc., sao proprios para os senhores que preferem luxo e elegancia, como para
os que necessitam simplicidade e economa.
4.' As pessoas que qoizerem cullocar o gaz em seas casas podem dirigir-se em-
Chega, gente!
Borzeguins ingieres para ticmem a ._
Ditos trnceles dem a 5i.
Borzeguins para senhara, eofeiados, a 4#.
Di lo para menina, Ideo a 3f.
Sapaio-s ingieres par horaem a 4.
Ditos americanos a 34500.
Chinelas do Porto a I600.
'a patos-tranca para senhora a i280.
Ditos aveladados, dem, a i280.
Aproveitem emqaaato tempo.
-;


J. FERERIRA VILLELA
RETRATISTA
Da casa Imperial do Brasil
Roa do Cabag, 18, entrada pelofpateo da matriz
Retratos por todos os systemas photographicos.
Retratos em vidro.
Retratos em papel.
Retratos em porcelana.
Retratos em talco.
Esles retratos s5o espcciaes para se collocarem em alfinetes de peito, cassoletas
botos e aneis.
Retratos em cartoes de visita.
Retratos em carte-album.
Retratos timbres-poste.
Retratos comees.
Existe sempre um vanadissimo sortimeoto de caixinhas, passe-par-touts, qua-
dros pretos, molduras douradas, alfinites e cassoletas de ouro fino para a collocaclo de
retratos. Vendem-se tambem albuos, stereoscopos, vistas para os mesmos, vistas de di-
versos edificios e pontos desta cidade, apparelhos para photographia, e cinicas para
mesma arte.
UREA PENNSULA
Fabrica de destilaco e bonificado
DE
MARQUES 4 FERREIRA
ltr.l no AMORIM -FORTE DO HIATOS
PERNAMBUCO.
Esta fabrica achando-se montada com todos os necessarios perteaees a nma destilaco e eom
materias primas, que entram na conteccio de todos os seas prodnetos de superior qnalldade : promp-
littea-se a receber toda e qualquer encommenda e a vender os seas prodactos por precos nimiamente
redolidos, osqaaes obtiveram premios nasexposicoesdePernambaco, Rio de Janeiro e Paris em 1867.
Temos sempre em qnantidades geoebra, dita de laranja, aniz, agurdente do reino, cognac, ab-
cmtbo, bitter, wermntb, kircbe, jaropes para refrescos, primeira e segunda qualidade, licores Anos e
entre Abos, tinta para escrever, perfumaras, vinagre, marrasquino, coracSo, espirito de 40, 38 e 36*,
dito de alfazema, limonada gazoza, agoas : flor de laraoja, rosa e ortela pimenta ; orcbata de pevide
de melancia e muitos oatros gneros, os qaaes se vendem a vontade do comprador, em barris, cana-
das, em garrafas com vistosas tarjas. Promptilica-se a condicclonar e a" enviar qualquer remessa que
dos seja pedida para toda e qaalqaer parte, devendo ser os pedidos acompanbados de ordem sobre
la praca .
o
o.
o
-o
-I
a.
p, sr
f
-l
s
O
s.
s
i
o
V>
O
O)
i

I
O
B ._,
LT
o VI
i e
1 i.
y- B
_\
(O
n

5'
EJ
Di
O
V.
".
2.
o
2.
o
3
c
O
r.
m
-TQ
t
"5

&3
t_
o
a
H
S
o
o
M
c
5
o
i
a.
a
3
5
v>
a
"3
-1
o
O.
T3
-I
a>
T
a.
o
a
-i
H
O
&3
O)
a
J3
C
5
c
o
Vi
B
y.'
3
u
o.
a
m
o.
&
9
a.

o
3'
a.
i
o
O
O
So
3
o
en
-1
u
a
o
Cu
Bl
c
-!
O
o
H

C-
O
O
s
o
VI
a
B
"SL
o
o
8
i
(O
D
Cu
5
8
3
o
s
Cu
2. -
S> -o
2-
o
s
Cu
O
a
Aluga-se
O lerceiro andar do sobrado da roa do Amarina,
n. 37, com grande solao e commodos para familia :
a tratar no armatem do mesmo. ____
D. Senhorinna Germana do Espito-Santo, ten
do abarlo no sen sitio do Arraiai mas para reta
Ihar a vontade dos compradores, fax ver a todos
que as ras tem sessenta palmos como marca a
cmara e qce tem de fundos 310 palmos, e com
diversos arvoredos de frocto, boa Ierra e a 15500
o palmo. Assim como tem tambero bons terrenos
preza, a qual se encarrega da collocacao de todos os apparelhos, canos, etc., tomando toda no mesmo Arraui, a t joto o palmo, com diversas
a responsabilidade pelo perfeito cumprimento do masmo, ou por outra, podem empregar arvores de frucioe todas carregadas, e com 600
qualquer maquinista reconhecido pela empreza, sendo o mesmo maquinista responsavel 5S?'rXoTo^le *
pelo sen trabalho.
5.a A empreza obriga-se anda a reparar gratuitamente qualquer falta de luz,
obstruccao de canos, etc., devendo o consumidor pagar somenle as pecas novas que forem
precisas para o mesmo concert; qualquer redamacSo que possa naver, ser dirigida ao
escriptorio da empreza ra do Imperador n. 31, afim de ser logo providenciada.
CASA DA FORTUNA
Aos 5,0000
BILHE1ES GARANTIDOS.
A ma do Crespo n. 23 osas do costme.
O abaiso assignado venden nos aras amito [li-
tes bilhetes garantidos da lotera qae se acaboa de
extrabir a beneficio das familias dos voluntarios
da patria ostgaintes premios :
N. 3421 ao meio com a sorte de 5:0005.
N. 1913 doos qaartos com a sorte de M0#.
N. 838 um meio com a sorte de 4005.
E ootras muilas sorles de 1605, 405 205.
Os possnidores podem vir receber seas respecti-
vos premias seca os descintos das lela na casa da
Fortuna ra do Crespo n. 23-
Acnam-se a venda os da a beneficio da matriz
de Ooricury (46*) (que se extrablra' guando lr
annanciado.
Preco.
Bilhete. .... 6500O
Meio......3*000
Quinto.....15*00
Em porc3o de 100)$ para cima.
Rmete.....55590
Meto......25750
Quinto.....15100
Por Manoel Martius Pinza.
Gentil H. Rodrigues de Scuza.
: a
S A
A -Ra do CabagM.
Agostinho Jos dos Santos # &
Acaba de chegar a este estabeleciment um esplendido sortimento de
joias do ultimo gosto, perfeicao artstica e modellos eoteiramente novos; como
seguem: aderecos com rubim, esmeraldas e perolas finas, pulceiras, broches
para retrato, anneis, botoes de punho, brincos e cassoletas com letras, etc..
etc., etc. Salvas de prata do Porto, faqueiros, paliteiros, calis de mesa c
frocteiras, cojos precos sao incompetiveis, pois que os proprietarios desta casa,
recebendo seos artigos directamente da Europa, podem servir vantajosamenta
aos seos freguezes. Gompram-se brilbantes, podras finas, ouro e prata, page
se bem, tambem se incumbem de fazer concertos.
COSWHEIRO
Oilerece-se um ptimo eosinbeiro, escravo anda
mogo na roa do Trapicho n. 46.
Qaem qoizer alagar o sobrado n. 42, a'
ra da Aurora, dirija se ao escriptorio n.
4, a' rna do Crespo, que achara' com quem
tratar.
mmummm-mmmmmmm
Ctllegi da onceico.
Corso de ferias. jQ
Achase a berta a matricula das aulas ***
preparatorias rara os exames de raarc) M
vindoaro.
f
0pim 4%i-
FBA\C\ & BR4ZIC
Largo do Corpo Santo n. 27
Mr. Jo3o Mercie tendo ebegado de Pars da
grande exposico universal de 1867, faz sciente
ao respeltavel publico e aos seas numerosos fre-
naeze que temum grande sortimento oe faiendas
i (loas, assim como cortes de caicas e colletes de
I casemira e costamos intelricos e ricos corles de
colletes de seda pretos e de cores e de la ; assim
como fazendas proprias para montarla de seobora.
I Ootro slm, faz vettaanos para montarlas e recebe
figunnos todos os metes para homens, senhoras e
meninos; assim como tem sargelin francez que
vende em pega e a retalbo por preco razoavel, e
brlns brancos e de eores variadas.
Ama.
Precisase de nma ama qae saiba eozinbar e en-
gommar para casa de pouca fcmilia : na rna da
Cruz n. 8,1' andar.
Ama
Precisa se de urna ama para cosinbar
do Apollo o. 14, armazem.
Alj""
Nova n.
na roa
a-se o primeiro andar da casa
8 : a tratar na mesma.
da roa
Preeisa-se de urna ama para cosinbar para
tres pessoas : na praca da Santa Cruz n. 12, ta-
berna.
Sgirattaf^ll 9MB
''0, O Dr. A. S, Pereira do Carmo (medico)
CaJ est morando no sobrado n. 12 da roa da
Imperatriz.
mira mam
8
ti
adqnerir para o nosso estabelecimento mais um ar-
feliz e conseguio eogajar um destincto pintor de
Mk
Trecisa'e alagar ama ama forra ou escrava,
preferlndo se esta ultima, para o servico de nma
easa de pouca familia, pagase bem : na rna No-
va n. II.
Precisa-se de urna ama para o servico de
nma cata de pouca familia, prefere te escrava e
pagase bem : no caes do Ramos, armatem n. 10.
_ Urna fenbora professora publica de lostrnc-
cao primaria, por motivos de molestia deseja per-
mutar sua cadeira por outra nesta cidade do Re-
cite, at a distancia de urna legua, e offereee por
compensaco ama vantajosaofferta : quera se pro-
pozer a razer este negocio, dirija se ao caes do Ra-
mos, armatem n. 10, ou annnncie para ser pro-
corado.
O Dr. Jjaqulm Jos de Campos da Costa de
Medeiros e Albuqaerqae mudou o sea escriptorio
fie advocada da easa n. 22 para a casa contiena
D. 24 da roa do Imperador, de fronte da re acao,
jory e sala das audiencias.____________________
Jiota de eorretores
De conformldade com o art. 2* do regiment In-
terno, sao convidados os senbores eorretores a se
reunirem no dia 30 do crreme, as 2 boras da tar-
de, no lugar do costnme, para a eleicao da nova
junta, que tem de foneeionar no ano de 1868.
Sala das sesses da junta dos correteros 26 de
novembro de-1867.
O secretario
J. da Cruz Macedo
AMA
Precisa se de ama ama para servico de casa de
pequea familia : na rna das Crozes n. 41 A, por-
ta larga.
Aluga-se o 3* andar do sobrado o. 8 roa
da Imperatriz: a tratar eom J. I. de M. Reg, raa
do Trapiche n. 34.
Trocam se
as notas do banco do Brasil e das calas flliaes-
fiom descont multo rasoavel, na praca da lnie,
OMdeocia b. 21.
Preeisa-** e bou *bm C,ra tod o servico de
nma cas de peqaaoa (Mafti} ^nneipalmeote |-
ecoronare engommir, preferlidose preU ns-
r': raiar em Pora em Portal r do Pllau
D. 143, 2* andir. CflBBj
Geometra
O padre Francisc) Joo de Azevedo, aotorlsade
pela directora da instruccao publica, propde-se
lecciona r pelas ferias em ana easa no caes fio Ra-
mos n. 4, a comecar de dezembro, anthmetica, al-
gebra e geometria tanto aos qae se preparan para
exames da facoldade como aos qae se dedicam a
ootros roisteres.
Alnga-se a casa terrea sita a' roa do Gato-
metro, confronte ao poni lateral da fabriea ; tem
commodos para pequea familia, e de preco da
145 por meaja tratar no mesmo logar.
0 Sr. Justioo da Silva Cardoso queira
vir nesta typographia negocio argente.
Na praca da Independencia n. 33, loja de
oorives, compra-se ouro, prata e pedras preciosas,
tambem se faz qaalqaer obra de encommenda e
todo e qaalqaer concorta
Alaga-se ama easa eom sitio na Passagem
confronte ao cbafarlz acbando-se a casa em per
feitc estado ; a tratar na mesma easa.
N. 2 largo da matriz de Santo Antonio n. 2,
RETRATOS A OLEO
Temos a honra de partecipar ao respeitavel publico a volta do Sr. Alberto Hens-
chel que foi Europa com o duplo fim de se por ao correte dos mais recentes pro-
gressos da arte photographica
lista de talento.
O Sr. Alberto foi summamente
retratos, p
SR. CARLOS ERNESTO PAPF
membro honorario da academia real de pintura da cidade de Dresda, e do qual a reputa-
cao bem fundada nos autorisa a erperar producoes notaveis no seu genero de trabalho.
Um progresso immenso ltimamente execulado na photograpbia, um dos mais
importantes consiste n'arte de obter retratos em tamaoho natural, fixando direclamen
te na grandeza que se desaja, sobre a tela do pintor, o retrato pbotographado, por meio
de um instrumento especial chamado : cmara solar de augmentacao.
Pi.r esta forma o talento e o saber de um artista habii maravillosamente se-
cundado pela precisao absoluta e iufallivel dos contornos e das sombras que Ibe poe a
photographia sobre a tela, e ludo se rene assim para se alcancar o maior grao possivel
de semelbanca incoDtestavel, ao que d anda maior real:e o sello artstico, que imprime
ao retrato um bello colorido.
Pelo mesmo processo nos podemos reproduzir e pintar oleo, urna vez que se
nos d urna photograpbia, seja de que tamanho for qualquer retrato de pessoa morta ou
a a-, ente e no tamanbo que se desejar.
As pessoas que qizerem julgar por si mesmas deste novo genero de trabalho,
sao convidadas a nos fazer a honra de visitar a nossa galera, aonde eslu expostosuma
serie desles retratos como amostras.
AMBROTYPOS
Retratos em caixinhas
Para satisfacer a numerosos pedidos de muitos dos dossos freguezes, estamos pre-
parados para fazer retratos neste genero, para osquaes tambem temos agora um grande
ve ariado numero de ricas e bonitas caixinhas.
A. A V, PIMEMTEL
Com loja de relojDeifo na raa Dircita
Damero 139.
Recebe toda qualidade de relogios e caixas de
msica para concertar, se|a qual for seu estado,
doara qualquer obra, garante a sna boa execucc,
como prova com seos numerosos freguezes e af
flanea ser por menos 20 a 40 por cento do qae
em oatra parte ; pede as pessoas que tem eoncer-
tos ja' a' tempo a bondade de ir basca-Ios pois do
contrario marcara' dia e usara' do direito que a
ei ibe concede. _______________
O Sr. procurador ae causas Frederico Cha-
ves queira mandar pagar es alugueis da casa da
ra do MonCego.__________________________ _
Aluga-se a casa de leSes da ra dos Praze-
res o. 36.
Precisa-se de urna ama qae cosinbe e engom-
me para ama s6 pessoa. na roa da Cruz n. 68.
Forum.
Sabio a' luz o i* nnmero desta folba, qae trata
de assnmptos forenses ; assigna-se na raa do Im-
perador n. 57, i* andar, e na lypograbia do Cor-
ren do Recite, na mesma raa o. 79.
Precisa-se de ama ama para casa de pouca fami-
lia para eozinbar e ensaboar : a tratar na praca doj
Corpo Santo n. 17. lerceiro andar.______________
Ama
Precisa-se de ama ama para eozinbar e engom-
mar para bomem solleiro : na rna do Livramento
n. 26._____________________________________
Gratifica se com 5'^$
A quem capturar o preto da Costa de nome Ja-
cintho, idade 38 annos, estafara poueo menos de
regalar, tem (alta de dente-, talhos bem visveis
as magas do rosto, e os beicos grossos, pernas ti-
nas etc. Fugio em 29 de outabro prximo passado,
levando calca e camisa brancas, chapeo de paiha.
A primeira vez que fugio inttulava-se forro de na-
cao e empregava-se como servente de pedreiro,
ganhador, etc. Foi visto ha poneos das na cidade
de Olinda, Agua Fra e Santo Amaro das Salinas,
em rancbos de outros negros da Costa. Rogase,
pus, as autoridades puliciaes e a qualquer parti-
cular a captura de dito negrj a ser entregue a seu
senbor Joo da Silva Lene, a' roa da Cadeia do
Recife n. 10.
Roga-se encerecidamente a todas as pessoas que
contrabiram dbitos na loja de joias no coraco de
ouro o. 2 B na ra do Cbuga', o favor de em
qoanto antes virem saldar sens dbitos, islo sem
perca de tempo, pois muito se agradecer'.
Club do Recife
A partida do mez de Dezembro prximo
vindouro ter lugar na noite do dia 7 do
mesmo mez.
O Secretario
________Joaquim Leocadio Viegas.
Precisase
de urna ama a' rna de Aguas Verdes n. 70, pri-
meiro andar, que cosinhe e compre. _________
Fundi$o da Aurora em San-
to Amaro.
Completo sortimento de taixas de f rro
coado, molde raso, ltimamente aprovadas
para o fabrico do assucar.
Hospital Portugaez de Benetl-
ceacia.
Por autorisac.o da provedoria do hospital portu-
gaez de beneficencia, Dr. Prxedes Pilanca, d
consallas gratis lodos os dias das 7 l|2 as 9 ho-
ras da manha, nos saldes do mesmo hospital, no
sitio do Cajoeiro.
Escra?.
No colleglo da Conc-icJo precisa-se alagar um
escravo.
\m\* m mw*M&
Alm do grande sortimento das melbores machinas, americanas para descarrocae
algodao, de i0, 12,14,16, 18, 20, 22, 25, 30,35, 40 e 50, neste estabelecimento sr
encontra mais o segninte:


Azeite de esperncete propria para machi-
nas de todas as qualidades.
Vapores de forca Qe 3 a 4 cavalloi.
Serras avulsas para machinas.
Mancies e todos os mais pertences para as
mesmas.
Carros de mao para aterro.
Cylindro para padarias. ..
Debulhadores para milbo.
Arados americanas.
Escadas de madeiras americanas.
Carrinhos proprios para armazem.
Moinhos para renacoes.
dem para milito.
Machinas para cortar capim.
Bombas para regar jardins.
Vaquetas para eebertas da carros.
Camas de ferro sortijas.
Bombas de Japy.
dem americanas.
Ferros a vapor para engommar.
Vassooras americanas.
Baldes americanos para compras.
Tinas de madeira.
Ballaios e cestas de vergunbu.


1 Guarda comidas.
Peneiras d'arame para padarias e refinaces.
Correntes para almanjarras.
Machados e facoes americanos.
Calas com vidros de todos os lmannos.
Cannos de chombo de todas as grossnras.
Folha de cobre idem idem.
dem de latao idem idem.
Folba de Flandres.
Ferro de todas as qualidades,
Arcos de ferro.
Latas coa gaz.
Trens de porcelana para cosinba.
dem estanhados para dita.
Baudeijas finas.
Bataneas americanas.
dem rovervaes.
Taixas de cobre.
Estanho em vergonhas.
Folhas de ferro de todas as grossuras.
Correntes de ferro sortidas.
Espingardas de todas as qnalidadesj
Revolvis de todos os modellos.
Ferrameota para oorives.
dem para tanoeiros.
dem para ferreiros.
ATTEWCAO.
Perden-se na raa do Imperador desde a casa n.
43 at a re a cao, onde este ve a pessoa que os per-
dea, ceoto e tantos mil ris, tesdo entre este di-
nheiro nma sedula <*e 1001 : gratifica se a pesoa
qae os queira restituir na mesma casa n. 43, 1*
andar.
Para que o juiz de direito da
comarca de Jttamanguape
veja e providencie.
Tendo sido processado o bacharel Jos Joaquim
de S e Benevides, perante o maito digno jaix de
direito da comarca de Marcanguape, pelos crimes
previstos nos arts. 119 !, V e 6, e 142 e 143
do cdigo criminal, e por terem sido esses crimes
commettldos eom as circnmslancias aggrivantes
do art. 16 4a, 6* e 10 do mesmo eodigo, consta-
nos qae esse processo lora remeltido para o bacha-
rel Benevides responder aos Importantes pontos de
aecusaco no prazo de qoinze dias, no entretanto,
qae ba moilo maior prazo decorrido e sem respon-
der 11......
Espero qae o muito digno juiz de direito nao
consentir' por mais tempo semelbante abnso, e
que ctive o processo embira ex-offlcio como ,
p..ra que a le, qae foi calcada a ps pelo baebarei
Benevides, seja desaggravada sabiamente por S. S.
O Dr. Benevides esta tranquillo porqne conta com
a proteceo do Eira. Sr. Dr. Felisardo, conbado do
juiz de direito, porm pode ficar certo o Dr. Bene-
vides qae eo darei poblicidade a qualquer cjuza
tendente ao referido processo para o publico e o
mondo inteiro. Acareen sciente da juslica ou isjas-
nca qae se fizer, (bei de tocar o clarim) e a sua
influencia nao ser lio grande qae ebegae ao
C.RSPICUO TB1BCNAL DA HKLACAO.
Recite, 25 de novembro de 1867.
Jos Gomes Vlar.
Cartas
Na eompanbia pernambacana ba cartas para os
seguintes senbores :
Dr. Antonio Vieira Caldas.
Ur. Raymando Braalio Pires Lima.
Carolino de Lima Saotos.
Dr. Ernesti de C. Pife Lima.
Lizardo Bernardido da Rocha.




HISTORIA DE
XII
Eei da Suecia

POR VOLT AIRE.
Vende-se esta excellente obra por
brochara, na livraria Econmica roa
a. 1
Na mesma livraria tomam-se assigoaturas para
avida de Horacio Nelsono celebre almirante
anglez a lf cada exemplar.
1*200 em
o Crespo
A Salsaparilha
r>E ayeh.
Par a cura radical ele
Escrfulas, ulceras, chagas, fer-
idas velhas, molestias syphil-
iticas, e merenriaes, Enforn-
dades das mulhercs, como re-
tencio, menstro doloroso, nlcer-
aco do tero, e flores brancas.
A JTevralgia, Convulsdes, Ery-
Eipelas, Enfermidades Cutneas,
borbulhas, nascidas, etc.
O extracto eompoto de SALSAPARILHA, confercion-
ado pelo Dr. AYER, c nma eombina^o dos melliores depura-
tivos e alterantes conhecldos i medicina; oomposto sef^indo
as lela da aclencla, approrado e reeeltado pelos primeiroi
mdicos dos Estados Unidos, da America do M, do Mxico,
das Indias c dos principnes Estados da Europa.
A SALSAPARILHA do AYER i especialmente cfflciz na
cura das molestias que tem sua origem na escrfula, na
Infecoao venrea, no uso excessivo do mercurio ou em qualquer
impureza do Singue.
Entre todas as molestias que affligcm o genero humano, mo
ha urna mais universal c terrlvel do que a cMt-rufula ; por si
nao to destructiva) porem a causa principal de multas en -
fermidades que nao lhe sao feralmente ottrlbaidns.
urna causa directa da tsica pulmonar de nial do
ligado, c estomago, affoccoes do cerebro, Rheumatismo
e affeccoew oto* Jtins: entre seos symptomaa ha os segulnte?;
Falta de apetito, Fraqueza e moleza em todo corpo; Mo
cheiro da boca, semblante plido e luchado, aa vexes d'unu,
alvura transparente, outros vezes corado e amarello ao redor
da boca; Digesto frr.ca e apetito irregular; Ventre indiada
e eraauacio irregular; Quando ataca oa pulmoea urna cr
azulada mostra-se a roda dos olhos, quando no estomago
sao avermellia dos, as pessoas de dlsposl^io escrofulosa
apparecem frequentemente eriiprlet na pelle da cabe;a e outras
partes do corpo ; sao predlspostas as afeceSes dos pnlmles, do
figado, dos ris e des orgaoi digestiros e uterinos. Portan lo,
nao sao somonte aquellea que padecen das formas ulcerosa*
e tuberculosas da escrfula que necessitam de proteceo
contra os sens estragos; todos .iquellcs em cajo sanguc existe
o virus latente deste terrlvel flagello (e is veses hereditario),
esto expostos tambem a sofrer das eufirmidaslu que elle
causa.
OVreeemos a estas pessoas asa abrigo seguro e um anti-
doto emcaz contra esta molestia e las consequeneau, na
Salsaparilha de Ayer
que opera directamente sobre o sanguc, purifleando-s e ex-
pulsando delle a eorrup;o e o veaeno da molestia: penetra
todas as partes e todos es orgos do corpo humano, Uvrando-
os da raa aecao viciada e Inspirando-Ibes novo vigor. E'um
alterante poderoiiMima para a reaovajao do sangue, c di ao
corpo i enfraqueeido pela doen^a forca e energia renovadas
como as da juventud*.
TAXBEX O XELBOJt AJfTX-STPMIZITICO
COXHECIDO ;
cura permanenraeate aa pesores formas de 8YPHILIS e as
saas eoasesjaeassaa. Pouca neeetsidadu hade Informar o pul,
Uco do laestimarel valer de um remedio que, come cate, uv*s>
o saagae desea corrupfio e arrebata n victima das garras de
urna morte lenta e Ignominiosa, porm InevUavel se o mal
nao i logo combatido com energa.
Nao pretendemos promulgar, uem queremos que le lnlra
que este remedio influir! para a cura de todos O! padec
meatos hamauos, o qae saseato* i que a
Salsaparilha de Ayer
e wulkor preparace ate hJe desceben pan estas e Jotras
anlogas, q
molestias anlogas, que --------
mais encases conhecldos, e qae temos eoascleaeia sosserecer
ao pnblleo snssar isataltado- qsw 4 possivel pssttuir, da
lntelligencla e perista medica des assasi tempes. f
A instruyo publica
NO BRASIL
pelo cfji8Qlkeir
Dr. *Iai sLlbcrato Barroso.
Aeaba de chegar esta obra e vende se na livra-
ria econmica defronte do arco de Santo Antonio.
BEMEDId DE AYER PARA SMOES ;
Infalirel aaa fobrsw intsmnittaniea, remUtantsw,
rteos Biliosas taris, mal do fltd*>, in-
oresaento do bstso, nssgosjm. DOrnosi .4
ouTieJos) palisrtaoate, qvumdo
aao QSMissaclosi psjtaa
RBRES INTEKMITTENTES, OU REMITENTES.
As preparaedes de Ur. Ajei sao vendida em toda a
Boticat e Progarsu do Imperio.
1
aaaa^g



~~ :. '
u\H t

abftbta
COBAdlO DE OCHO.
.
A loia n 1 D intitulada Coracao de Oaro na ra do Cabogi, acha-se d'ora em diacle oflerecec
io ao resoeitavel publico com especialldade as pessoas que honram a moda os objectos do ultime gos
Id Parte) per menos 20 por cento do que em oatra qualqoer parte, garantindo-.se a quaiidade e a so
O^respettavel publico avaliando o desejo qae dte ter o proprietario de um doto esUbelecimen-
to ane ouer prosresso em sen negocie dte chegar inmediatamente ao coracao de ouro a comprar
aneis com perfeitos brilbantes, esmeraldas, rubios e perola ; verdadeiras em agarras, modernas pele
diminuto preco de 10*, brincos modernos de ouro e coral para menina pelo preco de 3*, maracas de
orata com cabos de marfim e madreperola obra de moderno gosto (o que o encontraro no corado d
oaro) volus de ouro com a competente crusinba ricamente enfeitada pelo pequeo proco de i 21, brin-
cos de um trabalho pereito por um mdico preco, cassoleas, tranealins, pulceiras alflnetes para re
tratos e ontros modelos ludo de alto gosto, aneis proprios para botar cabello e firma, dito para casa-
mento no rtico roseta tem o Coracao de Ouro um completo e bem variado aortimenlo de diversos
gostos' butdes para punhos com diamante, rnbins e esmeraldas, obra esta Importante Ja' pelo sen va-
lor ja' por gosto ds desenno, brincos a forma da delicada moslnha de moca com piogente contendo es-
meraldas, rnbins, brilbantes, perolas, o gusto sublime, alOnete para grvala no mesmo gosto, relo-
gios para senhora cravadoa de pedras preciosas, ditos para homem, diversas obras de brilbantes de
muito gosto, crusinbas de rnbins, esmeraldas, porolas e hrilhantes, aneis com letras, escoletas d
trystal e ouro descoberta para retrato (a inglesa) brincos de franja, ditos a imperairize toda e qual-
quer joia, para secolocar retratos e obras de cabello, e outros rauitos objectos que os pretendeotes en-
contraro no Coracio de Onro que se conserva com toda a amabilidade aos coucorreutes delxando-
se de aqnl mencionar precos de certos objectos perqu (desculpem a maneira de fallar) dizendo-se
preco talver alguem faca mo juno da obra, por ser tio diminuta qaantia a vista do sea valor.
Na mesina loja compra-se, troca-se ouro, prata e pedras preciosas, e tambem recbese concer-
tos, por menos do que em outra qualquer parte, e dao-se obras a amostra com penhor, conservando-s
a Coracao de Ouro aberto at as 8 oras da noile.
Qualquer pessoa que se dirigir ao Coracao de Oaro nao se podera engaar com 3 casa, pou
nota se ua sua frente um coracao pendnrado pintado de amarello, alem de outro que se Dota em utt
rotulo (;.siu se adverte em consequeocia de terem ja' algamas pessoas engaado com outra casa.




Fedegoso de Pernambuco
A planta, conhecida entre nos sob a de-
nominac5o de ftdegose, e no Rio de Janeiro
e pro incas do sal deste imperio pela do
orista de gallo, o tiaridium utilissimum
oq tiaridium elongalum de Schom, e o he-
liotropium cura&sadium de Mart., pertence
familia das boragineas.
O feegoso considerado, na therapeoti-
ca peraambucana, como urna das plantas
mais recommendaveis por suas virtudes cu-
rativas, e applicado interna e externamen-
te, copio calmante do systema nervoso, n;
paraljsia, asthma, tosse convulsa ou coque-
luche, tosses recente? e antigs, suffocaces,
catarrbos pulmonares, etc., e em geral con-
tra todos os soffrimeotos das vias respirato-
rias; sendo um excellente unitivo para
aqueles quepadecem de phtisica pulmonar.
Sua eflicacia contra o ttano ou espasmo
incontestavel, e ninguem ha que a deseo-
ubeca.
Nao ignorando nos o que acabamos de di-
zer, e esforcando-nos por ser til humanida-
de soffredora, preparamos o que abaixo indi-
camos, pondo a disposico dos distinctos m-
dicos, e dos doentes desta e das outras pro-
vincias deste imperio oossas prepara^oes,
que sao:
A JURUBEfML
ea extracto aicoolico, c rupias
tr. oleo, tincara, plalas, xa
ropo e Tlaho.
A J;UEBA iaa das substancias me-
tcamerilosas que perteacem ao rerao vegeta!
e enrsm na classe 'dos tnicos edesobstru-
entes, sendo empregada com vaeagem con-
traastfebres intermitenles acompanhadas de
eogongitamento de figado e baco.
Ella tem sid aplicada com incontestavel
proveto contra -a anemia ou cWorose, hy-
dropesia catarrbe da bexiga, e mesmo para
excitar a menstraaco difficil, resultante da
mesma anemia-ou chlose.
i F s. Ia


3
M -i
es 2.
*S
So
I B
2$

S'oB

o-
SSB
3 g-g^S
p- n 7. b
ai v>
o. o
n v *^
ai m
-o
O = _
2.w B
O Q V
re c v> o "2,
'-!
WM

&t* >
crnaHbaco Terca letra 3 ce DeitmUro de m\7.
ItIVAL SEU SEL\D0
a lo <|nelmado n. 49, loja d*
mludzaa
DE
Jos Bigodtnno
Varas de babado bordado du Porto a ;(
C-'.rri'iiiis de retro: prdo com duas mtavas
Parriteis de reteot de todas as coras a (H
Frascos d'agua de Colonia mullo superior a !W
Frascos de o eo muito tino a...... (Ot
'Juila de tesouras pequeas a..... 48<
Frasco; d'agua para llropar dentes a m
Re IJuzs de pennasde ac mallo Moas a fii
Caixas de liaba do gai de 30 norellos a &<
dem de palitos de seguranza a i
Garrafas de agua Florida verdadeira IfKi
syllabarlos eom estampas para meninos a 32t
Memento da roupa de lavar a..... ik
nilas de meias tinas para seahoraa 4o *
Agulbas francezas a balo (papel) a fit
Pegas de fitas de lia de todas as cores a m
Grozas de botdes de porcelana prateados a l&f
Caixas com alflneites trnceles a 81
Caitas de 100 envelopes mnilo Baos a 60(
Resma de papel de peso braneo liso a 5X001
Fr-sco com superior lima a..... i (
Pares de botdes de punbo multo bonitos *
Unbas em carlo de 200 jardas a 10<
Caixa de superior linba do gax com 50
nortlos ............ 70(
Talheres para meninos a....... IV
Masso eom superiores grampos a :v
Bonets para meninos a........ ilOOt
Pentes com costa de metal a ...,... 40
Realejos para meninos ...... <0<
. ,
5-8
1
fVB?
o. s
s
w a a
??
M ,
Attencao.
Um moco portugoei com 20 aooos de i daie se
offerece p ,ra tomar conta de um estabalecimento
de molbadoe para o qae se acba habilitado, dando
conbscimeato de sua conducta : quem precisar
aouunciepara ser procurado.
COMPRAS
0 ARROBE UiTTU
*E* muito superior aos xaropes de ClS-
NIER, e de LA^ROY. De fac digeslo, a-.
gradavel ao paledar e ao olphato, elle cura'J
radicalmente, -sem mercurio, odjs as affec-
coes da pelle, 'impigens, alpercas tumores,:
ulceras, sarnas degeneradas,-escrfulas, es-
corbuto. E' sobre tudo poderoso as moles-
tias rebeldes ao mercurio e ao iodureto dr
poUrssia.
Boa vermlG gos paraSombrfgas.
Preparado a mals segnra para a expulsan com-
pleta das Umbrigas e outros vermes, sem acarre-
lar os incioveoientes que se tem-Jado com ouiras
preparares Sao de grande cccac verroiciva,
agradavais ao paladar e compativeis com toar s as
idades e completes, variando smente na quao-'
dade.
XARPt ESALSA"pARanjfA DO PARA,
ou
BEPlRAflVO DO IA\CIC
HJSAD06 AS M0L6CTIAS DE PELLK, IMPIGENS,
DORES HHEUMATICAS EULCERAS VENREAS
PII.L.1S AS TI PERIDICAS |
Contra as frlires jnterinitentes, en texies
z&ia O MULUNGU' tem accao directa sobre os
centros nervosos, e por isto faz dormir seaa
determinar aflluencis de sangue eo cerebro
como o opto e substancias simples qae del le
se extraen, pelo qae o somao tranquillo
e reparador, calma a tosse as broocbites,
a- modera os accessos de asthma c de tosse
^"uisa. ^
TODOS T POB
-*af^a d'l me i da Ptnto.
PHARMACEOh, 0 EM PERNAMBUCO.
Ra larfla a, RmTM N. 10
Juto m qnKkMe puiieia.
|aitr prfeo
que-en outras parles, cempra:o moedas de onro
e prcta : na loja de ourives roa do Cabega' n. I,
esterna da roa larga ao Rosarlo.__________
Hoedirs de ouro
nacional e estrangeiro, essim como bferas sterli-
nas : compram-se na Toa do Crespo c \6, primei-
ro >odar-
Mosaas de ouro.
Nacionaes e estraageiras assim como libres
-esterlinas : carapram-w na rna do Crespo n. I'J,
primeiro andar.___________________________________
Compram-$e
oem premio oeedas de ouro e de prata'naclentes
estrangeiras : na-faa da Cadew -do Qiecife a. 16
ermazem de Adriano. Castro & C
Maior vanta^eni
O coracao de oure ra do Cadupi. n. 2 D, oCere-
te-se em compra tes moedas ide ouro e prata.
A iC por ce
Compra-se a prata na praca
B.S2.
Chocolate vermieida
DE
Antonio Hites de Castro.
Desde 1857 que sao as tabellas vomicida
appiicadas em Portugal, como o remedio
prompto e efficaz para a exputeSo das lom-
brigag, que lo graves padecimeotos causam.
e que quasi tempre se suppe ellas a ori-
gem.
Este virmifugo preferivel a qualquer
outro pelo seu agradavel paladar e fcil ap-
plicaco s enancas, as qoaes geralmente
ao mais atacadas de semelbante mal.
Denosito especial
34.Ra laca do Rasa rolo3i.
"Balancos
Urna pessoa qae ba lempo a eta parte irabalba
em eompanbla de um dos mais afamados e abal-
atdoi guarda Itvros, enearrega-se, mediante um
ajotte raioavel, de fechar balancos, e de fater
Onaffaer irabalbo de escripluracao, seja porque
*yslema Lr, no recebeudo paga alguna em quanto
o trabalho nao estwer promplo, t vomtade de un
dono: qoem precisar procure na roa larga do
Rosario n. i8, i ndar. ou por meio das iniclaes
** ,, i ______________________________________________________________________________
Existe nesu lyoograobia orna carta do 8r.
Manoel Jeronymo Uehoa Cavataanti para Ihs ser
Mtragoe, qae deixa Domingos Maruoi de Barro*
iNMro.
06 independe ca,
MOEDAS
de Quro c pr a
Compram-se moetfas de ouro aaeionaes e estran-
geiras, bem comoisatacdes dos dtwrsos cantas :
em casa de Adamseo, Howie & C, Tua do TT-ipi-
ebe-novo n. 4Q.
Morcas de pcata
tacienaes, assim como pauceee porlugaesee e
bespanbes, eomorem-se com premio : na rut. c
Crespo n. 16, prime andar._______________'
Compra-se ouro e praia ea obras velbas :
na praca da Indepeadescia a. 22.________________
Oua^ e prak
oedM de oaro e prata naeionaes, estrangeiras
de lodos os valore, se comprara na Joja de oari-
ves (unto ao arco de % S. da Cooceijao, ra da
Cadeiia do Recife, assa como ourc e prata tos
obra* velbas, briHiMtes e diamantee, e se paga
be oh_____________________________________^^^
Compram-se escravos
Sillico Guilberme de fiarros, compra, vende e
joca effectivamente esocavos de ambos os sexos
-de todas as idades : a'rta do Imperador n. 79,
erceiro aodar.
Moedas de oara e prata.
Compra-se sempre por mals do qae em oatra
qaaiqner parte todas as qoalidades de -moedas de
onro e .prata, nacional e estrangeira, e tambem se
troeam sedlas dos beos do Brasil e aftas fi-
liaos de outras provincias ;ju rna da Cadeia do
Recie o. 58 loja de amlejo.______________________
C!ompra-e o Jornal do Recife a. 472,
de 29 de julhu do correte auno ; oesta
typograpbia. ________^_^____
Cumpra-se
per mais cambio preco do que em ootra qualquer
parte moedas de oaro e prata naeionae* e estran-
geiras ; Adriano, Catiro 5 C, rna da Cadeia n. 16,
A/varo Augusto de Alaelda, rna do Crespo n. 20.
ESCRAVII
Compra-se oa aloga-se nm bom escravo : a ira-
lar na roa do Queimado n. S.
LOJA DO GALLO VIGI-
LANTE RA DO CRES-
PO N. 7.
Os propietarios deste muito bem conhe-
do eslabelecimento tem a salisfacSo de levar
ao conhecimento do respeitavel publico que
ai-abam de receber pelo ultimo vapor da Eu-
ropa om grande e variado sortimenlo de ob-
jectos de inteira novidade, dos quaes se li-
mitam a mencionar apenas um pequeo nu-
mero Qcando o respe tavel publico na serte-
za de que oeste estabelecimento sempre en-
contraro um c >mpleto sortimenlo de arti-
gos de gosto e inteira novidades como sejam.
Cintos
Os rauitos desejados cintos com ponas,
bordados a vedrilbo, fazenda de muito gosto
e completa novidade, respeito a estes cintos
nao fazem observares e sim deixamos a
apreciado d s esclarecidas freguezas isto s
no Gallo Vigilante na ra do Crespo n. 7.
Leque
Muito lindos leques d'osso, madeira, sn-
dalos, e madreperola ; pretos, brancos e de
cores, e muito se lernam recommendavel
pelas bonitas paisagens.
IHtM
0 melhor que se pode desejar neste arti-
go as qoaes parecem naluraes assim como,
tambem recebemos urna pequea porclo to-
das pretas e se vendera na loja do Gallo
Vigilante ra do Crespo d. 7.
Capcllas
Mu lindas grinaldas brancas e de cores
aquellas para noivas, e estas para bailes, ca-
samentes e baptizados.
Lavas
Luvas de todas as qualidades para se-
nhora, homem, men as, sendo de algodo,
fio da escocia, seda e pelica muito fresca e
do fabricante Jouvin, parece-nos que nao ba-
ver quem ignore que por todos os vapores
da Europa o Gallo Vigilante, recebe grande
quantidade deste artigo e por isso sempre
tem sortimenlo a vontade do comprador, e
tambem n5o se valle da falla o seu preco
sempre o mesmo.
Penes
Muito bonitos pentes de tartaruga para
coque e alizar os cabellos, assim como para
arregacar os mesmos e rauitas outras quali-
dades.
Escovas
Grande soriimentodeescovas, para roupa,
cabellos, chapeos, dentes e unbas, sendo de
osso, bfalo, baleia, marfim e madreperola.
Nava) has
Superiores na/alhas pequeas para bar-
ba sendo cabo de marfim, tartaruga e ou-
tras qualidades, as quaes o fabricante ga-
rante a toa qualidade.
Abotnaduras
Chegaram as mui lindas guarnieres gde
be toes para colle'es fazenda de gosto, assim
como grande sortimenlo de botoes para pu-
ahos. _____
Attengdo.
Na roa da Seezala Nova n. 2i, se acba a venda
um grande e vanado sortimeato de estelras ebe-
gadas do Aracaiv, por pre?o tazoavel : quem pre-
tender fllrija-se a mesma. ___________
Rcjp Viajado e Paulo Cordciro
A loja do cordelro prevideote a' ra do Quelroa
dvo. 8, recebes nova remessa dessas qualidades
de rap.
Aos agricultores
Eaunders Bratbers & C acanam de receber
de Liverpool vapores de torca de 3 a 4 cavallos
cota lodos ds rvrtences, e mui proprios para (ate*
teic mover macbinas de descarogar algedo, pu-
dendo cada 'vapor trabemar al com 110 sorras,
tambem serven para edfardar algedo, ou para
oum> qualquer servico en qae asam de trebathar
com animaes. Os mesmos tambem tm a' venda
ma<_inas americanas de 35 a 40 serras.
6s proiendeates dirijam-se ao largo do Carpo-
Samen, i i.
HU

BOTAS
Nmmeoie chegedas botas rnssianas e
ras da melhor qualidade qtie -temos visto :
do vapor rna ova o. 7.
Vende se letas superiar e lijlos de todas as
qualidades, fabricado com barro d'agna doce por
menos 40 em miinelro do qae em oatra qualquer
pane : na alaria de Jos Carneiro da Cunta Ha
djsPrazeres d. 36.
peraei-
na 'toja
LiiigBica* etarresBMs.
Cbegadas uii^mamenle das libas na barca Pa-
rary, a vender na rna da Lingaeta n. i, em latas
4 eoguiotes qualidades cada urna, como sejan:
Cbowicai.
LiQguigas Boas.
HoraeUas de gata
Trresenos.
Costelletas de vioha d'albos.
Vende ee urna canea qne carrega tres mil
lijlos de alveoaria* grossac ; a tratar fia ra 4a
Gloria numero 49.
Bride* e picadeim it |pej_*f.a.
Vendem a' na do Queimado Aievedo & Irmo,
Veade-se om ca vallo barate, bom andador :
na rna do_BangeJ a. 9. ,
Attenc&o

;f
VENDAS
Vende-se ama taberna em um povoado dis-
tante desta cldade 1 1.2 legoa, a qaal faz multo
Degocio por ser bem collocada : qaem pretender
dirjale a ra Augusta o. 114.
Novidade
para presentes, boneeas rlea mente vestida* a mo-
da aetnal e cabellos amarrado lambem ao olilmo
gosto o oeibor possivel escolbidas na exposleeo
ebefadas ao armaiem do vapor roa Nova o. 7.
Vende-se
Na roa d* Smala f-coenetra ingleu) na ex-
cellente barro para carro e riagem, e rnuita novo:
qir o p'eteoder dirjase a Bfina cocbelra.
Ainda est para ce vender a pequen laberna ds
ilba dos Raio, coa mallo poneos loados e bem
afregoeada.
Vende-se urna eserava crlou'a, booiU figura
e idaete 24 annos, qae saoe corioar, engommar e
avar ;atraiar na ra Nova n i, loja do Anselmo.
Vendem-se
Gn eseravt de idade 36 aono^, insigne eogomma-
deira e cotianeira, 4 ditas para ledo o cervleo, 1
moleque peca, idade 10 annos, om perfeito coxi-
nneiro; na travesea do Carrao n. f.
Cassas e lias baratas
Na roa do Queimado n. 3t. loja de A. M. Rolim-
vende-se muito boas cassai a 240 e 300 rs, o eova,
do, e lias (boa fatendaj a 860 rs.
Attencao.
A
Cateas finas a 240 e 3JO rs. o eovado, basqui-
nas de seda prela a 15* e a 22* : na ra do
Crespo n 17.
Vende se urna excelente machina de cesto-
ra : na >r*ca < B*-vi?ta a. 30, 2* andar.
ATTENCAO
No armazem de fazendas dt
Santos Coelho, ra do Quei
mado n 19.
liona e barato
Lansinhas Poil de Chtrre a W o eovado.
MadapolSo enfestado a 80 a peca.
Gambraia de cores malisadas fnissimas
800 a vara.
dem brancas transparentes finas de 4
5000, 6(, 7, 8& e 9looo a peca com iC
jardas.
dem branca tapada de 8,5 e 9f$ a pec<
com 12 jardas.
dem branca franceza mu lo larga a 94 s
peca com 8 varas.
Baldes de 35 e 40 arcos nesgados pan
sennoras, a 4(5500.
dem de mursulina nesgados a 5.
dem de crochet a 5)5.
dem de mursulina para meninas a 34 e
345oo.
Saias bordadas a 5,5.
Cambraias admascadas para cortinado
124 a peca com 2o varas.
dem para forro a 34 a pe?a com 10 jar-
das.
Gambraia de linho muito fina de 64 e 94 s
vara.
Madapol5es finos de 64, 74, 84, 94,104.
114 e 124 a pe?a.
Platilha de algodSo superior fazenda pan
saias a 34200 a peca com lo varas.
Cobertas de chitas de ramagem a 246oo.
Lences d bamburgo fino a 24400.
dem de bramante muito fino a 34200.
Pannos adamascados para cobrir mesa
45O0.
Guardanapos de linho adamascados a 4
a duzia.
Atualhado adamascado com 7 1/2 palmo!
de largura a 24 a vara.
Mp; adamascado de linho com 7 1/2 pal-
mos de largura a 34 a vara.
Algodo enfestado com a mesma largur;
a 141oo a vara.
dem trancado de algodlo a 14600 a vara.
Toalbas alcochoadas de linho lisas H
a duzia.
dem de algodo felpudas a 134 e i 40
a duzia.
Colchas de fusto a 64.
Lencos de cambraia brancos fiaos a 14800,
4 e 2#5oo a duzia.
Loncos de cassa fimssimos a 34200 e
3460o a duzia.
Fil de linho liso a 800 a vara.
dem com sal picos a 14ooo a var
Grosdenaples preto bom a i4>, 24
248o o eovado.
Morantique preto superior a 248oo o ne-
vado.
Fianella de tedas as cores a 800 rs. e ce-
vado.
Tarlatana e todas as cores a 800 rs, a
vara.
Bramante de linho com 10 palmos e lar-
gura a 24500 a vara.
idem de linho com 5 palmos a i#2oo >
vara.
idem de Ikiho com 3 4/2 palmos-a 8oe a
vara.
Riquissimos basquins a 254000.
Assim como outras nsitas fazendas que
se -vende pur menos que em outra qualquer
parte, e d-se amostras de tudo,
Baies de a, 25, 3o, 35, 4o e 5o arcos
para senhora a 24,245oo, 34, 345oo 44 e
34.
Ditos de 253o arcos com mollas a 54
e4.
Ditos de morculina estreitos a 64.
Espartilbos fios a 64.
Percalias fimssimas a 4oc reis o cesado.
Ai S800.
Venden-se, na fabrica da roa do Crespo
a. 4, muito bons chapeos de sol depanni-
nfio, com armado de ac, pelo diminuto
preco de mil e oiuwentos rie, por se ter
graade quantidade. A' elles, antes que se
acabem 1
ARMAZEM
DO
VAPOR FRANCEZ.
RA NOVA N, 7.
Acaba de cnegar de Pars este estabelecimen-
lo um grande e escolhhlo sortimenlo de calcado
dos raelboies fabricantes daquella grande praca,
as.-im como grande variedade de quinqnllbarla e
de niivos brinqcedos para crlancas, cojos artlgos
se arham exposios a escolia e vontade dos com-
i-ra.K.re?, c:mo sejam alguos qne passamos a
mencionar.
tildma moda
Ricos en a peo; i o nos de gosto para senboras fei-
ios ao capricho de urna grande modista de Pars.
Bolinas para senhora*
de seiim branco, doraqoe dito, pretas e de outras
diflerentes cores eofeitadas a rigorosa moda.
Botinas para meninas
de mullas qualidades bem sortldas.
Brseos de oaro
de lei s ultima moda dos Campos Elisios e boule-
vards de Pars, para seohoras e meninas.
i, ii vas de pe I lea
do verdadeiro labrieaole Jouvin, brancas, pretas e
de outras differenles 'cores.
Leques
nm eseolbido sortimenlo de leques de diversos
gostos e qualidades.
Perfumarla
finos extractos, hachas, olos, pos de arror, agua
de cologne, agua Acida e sabonetes.
Eapelhos
de diflerentes tamanbos e gostos para salas, gabi-
netes e pequeos toncadores.
Calilnhas de costura
de novos modelos ricamente guarnecidas e com
lindas pegas de msica.
Delicado presente
bolombas e cesiinbas de seda e de velludo muito
importantes para trago de meninas passeio.
Chapeos de sol de seda
de cures e muito cellos para sennoras e meninas.
Boiiqucts da exposico
delicados booquets de flures de porcelana com lin-
dos jarros para mesas de salas e santuarios.
Lonetas
de ac, tartaruga e (hualo.
Oculos
de ago, btalo e de praia doorada.
Ricas bengalas
de canoa verdadeira com casto primorosamente
trabalbados em marfim, compradas na expsito.
Botinas para homem
grande sortln ento bem eseolbido em Pars.
Botinas para meninos
de moitos modeles bem sonidos.
Sapatos de tapete
de charlle, de tapete avellu Jados e da (ranea de
Lisboa para homens, senboras e meninos.
Botas ruslanas
Perneiras.
Mantas de feltro bonitos padroos.
Ubicles fortes compridos.
Luvas de fio da Escossia.
Cartelriobas para dinheiro.
Saceos de tapete p.-.ra viagem.
Mala? e boleas sorlidas.
Pooteiras para charutos e cigarros.
Charuteiras e cigarrelras de palha.
Caximbis de bonitos modelo?.
Grvalas pretas e de cores.
Gordas para violo.
Bengalas para hmeos e meninos.
Meias de fio da Escossia para homem.
Venezianas transparentes para janellas.
Quadros pequeos para retratos.
Objectos de pbaDtasia para loilet.
Abridores de lusas.
Tesourinbas delicadas para costura.
Ganlvetes finos com tesourinha.
Picos pentes de marfim para tirar caspas.
Pares de lindas figuras peqnenas de porcelana.
Jarros mui pequeos de porcelana.
Objectos de porcelana para botar banha.
Taiberes finos para meninos.
Objectos de mgica para divertir familias.
Pbotcgrapblas mgicas.
Globos de papel para illomioacao ne campo.
Gaas de rame para passarinboi
Gastabas de vtmes para meninas de escola.
Geixiebas de msica e reajeijos para meninos.
Velas a gai para caudieiros e candelabros.
Garrmbos de quatro rodas para cooduzlr changa
Snecas de massa, de cera e de porcelana.
Bercos e camas com cortinados para boneeas.
Gabr.ok ts e cavallinbos de madeira com machi
nUmo para meninos de 3 a 8 annos moniarem
Ricos albnns
de vellido e de marroqoim para retratos.
Esterescopos
cora Nadas pbolographias transparentes.
Estampas
de figuras, paisagens, cidades e de sanios.
Molduras douradas
de diverjas latguras para quadros.
Abat-jonr
para candielros e lanternas de piano.
Cosmoramas
grandes e pequeos com 50 on mais vistas escc-
tbidas a' vontade, muito piltorescas.
chicotes para passeio
cxiito fios de bateia e cabo de marfim.
Realljos
pequeos, de quatro e seis pegas de mnsiea.
Aeeordions
e concertinas, o que ba de melbor neste genero.
Para presepes
f oras para ornar presepes, caslnbas, animaes,
pastores, e ontros muiles objectos proprios.
Attencao.
Nao sendo possivel meoeionar-se aqa. todas as
qalidades de calcado, nem todos os artigos de
pioquilbarlas, e muito menos da grande varie-
dade de novos brioqnedos ; pede-se ao publico om
passeio a este estabelecimento, certo de qne en-
coatrarao bastante paciencia para bem escblherem
o e.ue desejarem comprar, e preces baratissimes
ea virlade de baver em todos estes artlgos grande
qnantidade, e terem sido comprados mesmo na
Europa pelo dono do dito estabelecimento, arma-
ren do vipor, rna Nova n. 7.
Oleado para mesa
de multo boa qoalidade, novos e bellos padrdes: no
armazem do Vapor, roa Nova n. 7.
Lavas de pellica.
Novo sortimenlo de luvas de pellica de jonvm
branca;, pretas e de outras bonitas cores para bo-
rneo* senboras: no armazem do Vapor, roa Nova
0. 7.
4 AGUA BRANCA
Per connecer a influencia qne costuma baver
em lodes os aoans, por esse lempo, e per ver o
quoto se desenvulve e *[ pura-fe o bom eo.-to em
Pernambuco, ella ue tem sempre em vistas agra-
dar, e sinceramente bem servir a sua boa fregoe-
tia, antecipoa-se em mandar buscar es difierentes
objectos de gosto e fantasa, qne agora mesmo aca-
ban de ehegar.
Qae a loja d'Agola Branca, com especialldade,
onde primeramente se encentrara qoaesqoer des-
ses object js de novidade e moda, Isso esta' geral-
menie recouDecido; mas anda assim a gata lo-
ma como por dever identificar ao bello sexo, en
particular, e ao respeitavel publico em geral, sem-
pre qoe cerno agora, recebe os Impertamos objec-
tos que abaixo menciona, e por mais essa vez el a
loma a liberdade de pedir a alieocio das Exm**
apreciadoras do bom, para os novos e bellos rna-
los que formam um lindo e ricotoillet.
Nao ceriamente com ama mal aparada penna
d'Agnia, qne bem se r de descrever o bom gosto e
desempenbo de taes obras, sim, a propria iniel-
agencia d'uma excelienlissima, qne bem podera'
apreciar o alto grao desses perfeitos objecto?, tai-
vez os primeiros que nesse genero tenbam viudo
oli nos so Pernambuco.
A Agnla Branca, tara' apenas conbecer os ob-
jectos de qoe se compoem esses novos e bellos or-
natos. Em om bello carlo vem Hbilmente arran-
jado, nm moderno cinto de fita de setim en acba-
maiotado da largara de 7 a 8 pollegadas, om bel-
lo leque de madreperola, om par de luvas de pel-
lica, ramos de finas flores para o ceqoe, peito,
guarnico para as luvas, etc., etc., e finalmente
urna almoradlnba de setim com aromticas pasli-
Ibas em i .
Alem disso
Attencom
Vende-ce a loja de fuailetro da roa Direita n. 66,
cara todos os pertences e algamas obras /ellas; '
tratar na rsa da Lingaea n ti, 2 andar.
Esli em orden do dia as novas e bellas trancas
de fina palba de Italia, e outros diflerentes eofeites
da mesma qoalidade e proprios para vestidos de
las, chapeos de senboras e meninas, resta someuie
qne os pretendentes comparecam na loja u'Aguia
Branca na ra do Qneimado n. 8.
Diversos objectos
de gosto e novidade, vindos
para a Agnla Branca ra
do Qneimado n. 8-
Eofeites de flores, obras de mnito gosto, a ultima
moda, proprios para bailes, casamentos e pas-
selos, etc., etc.
Meias cbapelinas de diversos moldes, e mui
bem enfeitadas, com veos e sen elles.
Ricas capelias cem veos e sem elles para noi-
vas.
Outras brancas e cor de rosa para mosteas.
Cintos com fuella e fita branca para noivas.
Ontros de ponas e sem ellas, pretos e de cores.
Outros mui ricos e de variados moldes e gostos
e de diversas cores, com grades de vidrilhos e pin-
gentes.
Para eufeitar vestidos e basqaines.
Bonitos bicos de blonde, com vidrilbos e sem
elles.
Bonitas rendas de dito, tambem com vidrilbos e
sem elles.
Trances pretas de vidrilbos, com variedade de
larguras e de moldes os mais novos e bonitos.
Outras de cores tambem com vidrilbos e confor-
me as pretas.
Ouiras de s Ja com vidrilbos e sem elles, e de
diversos desenbos, crese larguras.
Corddes prelcs e de cores, grossos e fiaos, com
vidrilbos e sem elles.
As novissimas e bonitas trancas de fina palba de
Italia.
Ramo?, lagos, cordoes e outros diversos enfe1-
tes tambem de palba e proprios para vestidos, cha-
peos, etc., etc.
Botoes pretos e de outras moitas cores, cem
pingentes e sem elles.
Outres de palba tambem com piogentes e sem
elles e lodos t nfeitados com vidrilhos.
Outros de fuslao, brancos e amarellos, e at
mesmo marcas de madeira ovaes para cobrir-se da
cor que se qulzer.
Flores,
Um bello e completo sonimento de ramos c de
flores finas, rosas camelias, Alexandrias, ele e
em todas es-as flores se nota o aporado gesto e
perfeita imiiacao, onde se conbece qae nesse gene-
ro nada mais ba a desejar.
Boneeas.
Um novo e bello sortimenlo de elegantes bone-
eas de p de pedra mal bem vestidas e encl-
lenles para presentes.
Outras com rosto de cera e igualmente henil; :
mas nao vestidas.
Filas lavradas e lisas, tendo nestas, de menor
largara at a de qoasi um palmo, e propria paru
ciatos.
Outras de t&Ja de cores para debruar-se ves-
tido.
Obras de porcelana e p de pedra.
Bonitos jarros, e boquets feitos de p de pedra,
obras de muito bom gosto para sallas, e santua-
rios.
Conxas de p de pedra com figuras dentro.,
obras mui bonitas e de gosto.
Entre essas obras, tem algons jarros com pe-
queos defeitos, por isso vendem-se baratamente.
Essencia de rosa, outras concentradas, finos ex-
tractos, e pomadas, ele., etc.
Emqnanto a' perfumara todos sabem que a
Agnla Branca lem a primasia, adquerida com o
vender constantemente fios extractos e de agra-
daveis ebeiros, pomadas de finas qnalidades e es-
coltados odores, agua de Colonia, sempre da me-
lbor, e assim tudo o mais, qae enumerar se torna-
rla enfadonbo.
Compre peis, que, quem quizer ser bem servi-
do, se dirija a' loja d'Agna Branca a' roa do
Queimad n. 8, que alem do grande sortimenlo do
bom, achara' Inalllvelmente o qae se torna sem-
pre precisoagrado e sincerklade.

O
i
i I
S
-4
1
5"
attmn
"22":
85r3
5 | 8..
S'Oo? 3.8 2 I &>.
re: s! !
S
a o sr =5 s i
ti?*!
2 9
cu
o-
ffffllih?
a
Obarateirovaiallar ao
publico.

Chitas largas, cores escuras e claras de liodos
desenbos e cores Asas a 360 rs. o eovado, riscadl-
nbos franceses a 240 rs. o eovado, madapolo fino
com 24 jardas a pessa por '500, dito muito fino
elepbante por 7^ a pessa de 24 jardas largo, al-
godiosinho a pessa por 4J, dam-se amostras com
peobor; na loja do baratelro a' roa da Madre de
Deas n. 16 oa 29, defroole da guarda da alfan-
dega. Bi i
Vende se urna negrioha com 12 anuos de
idade, bonita Sgara : na rna do Hospicio, sobrado
n. 8?, coro portao de ferro.
CONDECORARES
Cbegaram de Pars no nllimo paquete commen-
das de Cbrisio e eras perlenctes s aiesmas,
hbitos de Croselro, da Rosa e de Cnristo, com
uag corapeienies fitas; vende-se por Dreco com-
modo na roa do Cabogi, loja dejoias'n. II, de
StrapbM t Iraio.
"!' Veotfe-se } flaou e om pequeo metbo-
do para a maima, lado em bom estado, e por com
modifimo preeo; i (rilar Di rna das Cruas
1.99.
Francisco Jos Gennannf
|RUA NOVA N. 21,
acaba de receber nm lindo e magnifico so
mento de ocnlos, Innetos, binocaloi, do
timo e mais aparado gosto da Europa a oci
los de alcance pan brameles e'par* <
marit irnos.
Vende-se
Fazendo se todo o negocio con a taberna do pa-
leo da Peoba o. 6, a prazo ou a dinheiro, eom iita-
limeato vanujoso na armaco e gneros existentes:
trata-se no mesmo armazem.
lea e riciaa
Vende-se oleo de rlclao em latas de 30 libras ,
na ra da Cadela-velha p. I, no 1 e 2 andacei.
CondecoracOes
ebegada no vapor loglez iSeine, om serusMto
oa loja d oorives de Josa J. Goncalvee Barros A
C roa do Cabogi n. I, esquina da roa larga do
Rotarle.
c
i
a
"V
O
cf
. i o. S a-a S i3
Rkb
w o. 3
.a.
II
Iftalg
. 9 I S
liquidacu de calcados.
u do Imperador n. 32,
7*000
Bortegoins de bezerro para borneo).
Ditos de lastro para homem.
Ditos cordavo.
Ditos para seobora eofeiados.
Ditos p|ra meninas.
Saaalois de beserros.
Botinas branca paia seniora.
Bous peqoenas para montara.
Ditas pandes nam montara.
6#PfX-
3JO0O
34500
s^ooe
I800O
25*0 (*
Erra mate.


Na praca 4o Corno Santo n, 17, i* andar, ba pa
ra vender erva mato moito nova. Cal de Uii>o
ultiauffieote ctegal, p-.r freso cenunods.
I


pp



Piarlo 4c PernaaiHieo Terca lelra S de Dezeaabr 4c 4867.
ifr
ji
DO
Ra da Imperatriz n. 15.
DR. SE VIAL.
Para o tratamiento e cura rpida e completa das molestia sypbilitps, **"
as, rheumatismo, bobas, gota, debilidade do estomago, iufiamrivacoes ebronicas ao ngaao
baco, dores sciatieas, cephalalgias, nevralgias, ulceras chromcas, hydropesias, Pon-
rias, gonorrheas chronicase em ge; al todas as molestias em que seteaba em vista apa-
ficacao do systema sanguneo.
Consldcraces geraea
k saude um bem iaapreciavel, cuja importancia e valor so est reservado ao ens
ermoo avalia-lo. ,
incontestavel que ohomem neste mundo constantemente, e por todos oslador
uacado por urna afinidade de agentes morbficos que todos tendein, dadas certas e deter-
minadas circumstanoias, a alterar o regalar exercicio das funcces orgnicas, resultanbo
oesse desequilibrio o que se chamamolestia.
A molestia nao mais do que a desvirtuado das Torcas vitaes, occasionada,- d,
fundo as investigaces e experiencias dos mais abalisado mestres da sciencia, pela depm-
racao dos humores geraes, consequencia da accSo maligna desses mesmos agentes mora e
ticos introducidos no organismo pelo acto da respiracSo, pela via digestiva, pelo contacto
inmediato etc. etc. etc.
A syphilis infelizmente tem sido a partilha da humanidade, e como fra de duvi-
da que esse terrivel Proteo da medicina ama molestia hereditaria, ella tem sido obser-
vada em todas as idades, e debaixo de todas as suas formas to variadas, enfraquecendo
jonstituicoes robustas, produzindo mutilagoes, e cortando ainda em fl6r da idade vidas
preciosas.
Eliminar da economa esses principios deleterios. e purificar amassa geral dos
rumores tem sido desde tempo immemorial o fm constante da medicina, e os purgati-
vos flguram em primeiro lugar para preencher esse desiteratum ou fim.
O Elixir depurativo do Dr. Sevial parece merecer a preferencia sobre todos: os
inmensos successos obtidos pelo uso deste salutar agenie tanto na Allemanba, como em
'ranea e Italia, o tornam o companheiro inseparavel de quasi todos os doentes.
Sendo as melestias, como cima dissemos, devidas s alteracSes dos humores, o
ilixir depurativo do Dr. Sevial pode serempregado vaotajosamente na syphilis, erisy-
jelas, rhe un a liamos, bobas, gota, debilidade do estomago, itiammacoes chronicas do
igado e baco, dores sciatieas, cephalalgias, nevralgias, ulceras ebronicas, hydropesias,
jleurisias, gonorrheas ebronicas etc. e em geral em todas as molestias em que se tenha
"t que elle indispensavel nos casos gravissimos para minorar os soffrimentos, pre-
parar o doente para medicales superiores ; e as menos graves a cura a eonse-
(uencia do seu oso, convenientemente repetido.
As substancias que entram na composico do Elixir depurativo do Dr. Sevia
pertencem todas exclusivamente ao reino vegetal, e grande cathegoria das substan-
cias depurativas e antisyphiliticas; assim, ao passo que este remedio depura o orga-
iismo, eliminando os principios nocivos saude, pelo mecanismo natural das eyau-
icoas alvinas, neutrasa ao mesmo tempo o virus syphilKico quando este virjem.
em feito erupcao no exterior debaixo de suas multiplicadas formas; e previne taui
jem os estragos dessa terrivel molestia, quando' por ventura se aehe ella, ainda no
stado de encubado, isto sem se ter manifestado sob formas exlernas: beneficio
itrnenso, tanto mais quanto neste estado o individuos ignoram completamente se es-
to contaminados por este terrivel inimigo.
O sabor agradavel d'este Elixir convem a todos os estmagos, *sua accSo so-
>re o tubo intestinal suave e benigna, e de nenhuma forma prodaz mtMeitias medi-
wnentosas, como acontece ao purgante dito Le Roy, que na sua qualidade de drs-
tico forte irrita a mucosa intestinal, e consecutivamente a seroza, resultando deste es
ado, mutas vezes, hydropesias, que quasi sempre terminam pela morte do doente.
Assim pois esperamos que o uso deste remedio justifique cabalmente as nos-
as asseveracoes, porque sendo um medicamento to simples na sua composico. a
, a'.iea tem confirmado sua ulilidade.
nico deposito em Pernanibc
/

Vende se mantega ingleza flor a 800 e 1oo.
Sal refloado em pacote de 3 libras a 2oo rs.
P de tijollo para lira jar facas a 12o rs.
Latas com p5o-de-l a lSoo.
Azeitonas de Elvas em latas a 800 rs.
- Alpista e painco a 16o rs.
Frotas em caldas seoras a 5oo rs, a lata.
Farello de Lisboa marca M. a (J6oo e s^ooo.
Caixinhas com massas para sopa a 25iao.
Vende-se urna armacao de louro envidragada propia para qaalquer negocio em
ama principal ra: atratar na ra da Imperatriz o. 43, com Miguel Gomes de Souza,
que tem poderes e-peciaes.
.

i
mu imiHiiinni.nTO
PREPARARES FERREAS-HAH6AHIGAS
.
APPROVAlHs FU*. ACADEMIA Bl MDICUI*
DE BRIN DU BUISSON
f karaKiilie, InuUt pa Icadeiia U tttum fc

O cordeiro previdente
Na antiga loja de miadezas a roa do Quei-
mado n. 16.
Tea Jo sempre em vista nao roabar o tempo aos
seas fregnen, coa lensos auooocios ; mas
tambem nao aoereado qae o mesmos frgaxes
ignoren o que de nova lem elle recebtdo, por uso
resumidamente o dir': cnegando aaaim ao co-
nbeennento de lodos que a dita loia do Coraelro
I PreviJt-Die, roa do Qoeimado a. 16, recebea o re-
galte :
Bonitas e doradoras ligas da pellica para metas,
tanto para senboras como para meninas.
Leques de diversos e modernos gustos.
Peoies com enhila doorados a nao doorados,
par meninas.
Coques simples centellados,moldes lnteirameo-
te dovos.
Bom papel em caixinbas liso, paulado docra
do e timbrado, e outros nioiios objoctos, que men-
cin a-los seria bastante enfadonbo, a qne sa ven-
de em dita loja de miadezas-do Cordelro Previ-
dente, roa do Qoeimado n. 16.
Nao faltan Dores,
O Cordeiro Previdente a roa do Qoeimado n. 16
tem constantemente um lindo sortlmento de fi-
nas e bonitas flores, por isso quando algum ba.
bilidosa joven quizar preparar qaalqaer enleile de
bello gesto deve logo lembrar se qae ba dita loja


tama
O eminente professor Thomsbao, n* nhimt edico de sel Tratad it Thera-
feulica Materia medica, reconhece que os ferruginoso eioiples s3o muias
veze inefficazes para curar as molestias qae teem por causa o empobrec ment
do MQgae. Mnitos mdicos dos mais dislinctos atlribuem esse m o xito k ausencia,
n'essas preparacoc-s, do mangrtele, qne se acta no zangue, como o tem reconbecido
os ehimicos os mais peritos, sempre intimamente untdo com o (erro. '
E' pois, prestar-se um verdadeiro servico aos Sr" Mdicos, o obamar-ee ana ttiencSo
sobre u prepar.coes seguiaies.
Io P fafTph mirunnien dando immedialamente urna agua, acidulada,
11 rcucuo maugauGUo mou, agradavel, zubsliiuindo com vantajem
economia as aguas mineraes ferruginosas.
2 Pullas e Xaropc de iodnreto de ferro e de manganese inalteraveis
comeado cada ama cinco centigramos de iodnreto de ferro manganico indicadas
particularmente as molestias TympbaUCas, escrofulosas, e as chamadas caa-
croeas e tuberculosas. v
V Iraee* de laeUto de ferro e de malese) jSfSSST
Piloto de earbottaio lemo uangaaico j SCTSSSt
sitrt ost 4s yeptiAiioes ii m memores rewiludos.
O 9 Bsrin 4a Buissea desejando obter adheslo ooapleu da publico mebs a
cerca 4o valor de saas preparares, previne qae fie as pde fratuiumentt a sus
disposicio, dirigeo4o-;
Ne Ptmambuco, a sea gente feral, HsrSrar O", phanaacticos, rea flora.

Vende-se na pharmacia de P. Maurer V.C., ra Nova.
Na botica e drogara
DE

Barthotomeo Compartida.
34RA DO ROSARIO LARGA34
SiOVO DEPOSITO


DE
ACHINAS
?K i)ESCAROCAR ALGODO
Manoel Bento de Oliveira Braga.
53Una Dlrelte .53





FAZENDAS das lojas e armazem da
Tendo o proprietario destes dous estabe-
lecimentos resollido liquidar grande parte
de suas fazendaspor isso resolveu por em li-
quidado para vender mais barato do que
em outra parte.
Chitas 160 o covado.
. Vende-se ditas em retalhos a 160 rs. o
covado, ditas em pega a 200 rs. o covado :
Alpacas de lista a 5oo rs. o covado.
Vende-se alpacas de listas e de flores
proprias para vestidos de senhoras a 5oo,
600 e 56o rs. o covado: roa da Imperatriz
lojas da Arara ns. 56 e 72.
Casemira com pequeo toque de mofo a 1
Vende-se casemira para calcas e pilitot.
com pequeo toque de mofo a 10 o covado:
(W
1% .

Neste estabelecimento se encontrarSo a
verdadeiras machinas americanas chegadas ultima-
mente, as quaes s5o feitas P9I0 mais afamado fa-
bricante da America, por isso avisa a todas as pes-
soas que precisarem comprar, de se dirigir a este
estabelecimento que comiirarao das mais perfeitas
neste genero, assim como mais barato do que em
outra qualquer parte, por isso que se recebe por
conta propria, bem como caunos de chambo e moi-
nhos para moer mtlao, e grande sortimento de fe -
ragens e miudezas em grbsso e a retalho.
Facas de cabo crneo de meio balanco a '.0
a duzia, limas finas de todos os tamnhos proprias
de trbalho de escultura.
cassa franceza a 24o, 28o rs. o cuvado: ra ra da Imperatriz lojas da Arara ns. 56 e 72.
da Imperatriz lojas da Arara ns. 56 e 72. j
Lazinhas da Arara 24o o covado. lnnnn fAiffl nnmii
Vende-se lasinhas para vestidos 2io, | i>Upa IGlta IldClOnai.
28o, 32o, o covado : ra da Imperatriz lojas Venae-se palitots de panno a 5$, 6$,
da Arara ns. 56 e 72. '8^ e 100; paitots de casimira de cores a
Madapuio a a peca. 6^ 8, e lo5, palitots de meiacasimira a
Vende-se pecas demadapolao a 4(?,55.d'uo 333oo e fr, calcas de casimira a 5$, 60 e
muito flno65, U, 84,9^, lo^: ra da Im-114, ditas pretas 5,5, 6,5, 14 e 8& ditas de
peralriz lojas earmazem da Arara ns.56e 72. meia casimira a 2j53oo. 3,5 e 3^5oo coletes
Cortes de cambraias de barras a-20. de casemira a 35, 3|35oo seroulas a i$,
Fabrica e [undico de bronz
?tf outros metaes, caldeireiro,
ifttoeiro, e funeiro, situada
4 na Soledade, vua do Prin-
cipe n. 3, e com deposito na
ra Nova n '38, da cidade
do fecife
DE
BRAGA &SAMPAIO
Fabricm-se neste importante estabeleci-
mento todas as obras concernentes as artes
respectivas como sejam :
Alambiques de todos os tamaitos em
feitios, os mui acreditados apareibos de
Derosne com as dimences delicadas dos
fabricados em Franca.
Fabricam-se avulsas quaesquer pecas des-
apartnos, como sejam o dilatador, ratifica-
dor e condensador, ou esquema garapas,
resfriador, serpentinas interiores.
Fabricam-se bombas de todas as limen-
*n(Ji?,em0^ln"lenie, a raa d0 QaeiDad0 n-16, Q6es e qoalidades, pelo systema francez ou
americano, simples, de press3o, repnxo, e
com especia idade a estanca rio 1 assim -p
nominadas pelo enorme volume de agua
que absorvem calculada em 100 pipas por
hora, e das quaes algumas est5o promptas a
serern experimentadas.
Existem bombas por este systema, me-
nores, para regar sitios, garaBtindo-se nao
s sua duracao como a grande quantidade
de agua que fornecem pelo qae sao cwts.de-
radas boje as primeiras bombas coahecidas.
Todas as mais obras se fabrwam vonta-
de dos freguezes e a seu capricho.
Existem sempre promptos no deposito in-
dicado na ra Nova n. 38, um completo sor-
timento de obras solidas, bem construidas e
a precos rasoaveis, como sao alambiques,
serpentinas, taxos, passadeiras, repartidei-
ras, escumadeiras, cocos, candeias, e muitos
outros ntencilios preprios para engenbos,
como sejam mancaes de bionze, parafazos
para rodas de agua e outra.
Cavilhas, machos para lenes, pregos de
todos os tamnhos e para o forro de cobre
de navios.
Aprompta-se tudo quanto diz respeito as
obras de latao torneadas e polilas com toda
a per!eii;3o.
Vlvulas para tanques de banbo, torneiras
de todos os tamnhos e qualidides, assim
como todos os ornamentos para militares,
botos para farda, apareibos para barretina,
nmeros, espheras, espadas, cornetas, alam-
padas turibules, caldeirinhas, Bartas, almo-
farizes, perfumadores.
Obras de folhas de flandres de todas as
qoalidades, bahs, bacas, bules e outros
utencilios domsticos.
Lampies para gaz para engenho?, foiha
de flandres em caixas, folhas de cohre e la-
to, tubos de chumbo para en calamentos de
todas as dimences, folbas de zinco, estanto
em barras e verguinha, lancees e barras de
chumbo, vidros finos para espelhos, de co-
res, bordados, e opacos, e outros para vi-
drafas, diamantes para cortar vidros, cadi-
nhos ordinarios e de patente, rea para mol-
dar, folies para ferreiro, lavatorios com ba-
das e jarros, trra podre e outros nmeros
objectos proprio de taes estabelecimentos.
Sendo todas as obras inspeccionadas e
feitas sob a direccSo do socio administrador,
Jos Baptista Braga o qual se acha de novo
especialmente incumbido da gerencia de tao
importante estabelecimento, isso urna ga-
ranta pela sua longa pratica, que tem os se-
nhores freguezes de qne ser3o servidos a
contento, com promptidSoe preco commo-
do, pelo que os proprietarios lhe serSo agra-
decidos.
nao faltam flores.
Pera alvejar es dente.
O cordeiro providente a raa do Qoeimado D. 16
receben do bem conbeeido fabricante Jonh Gos-
nell & C. urna oplima qnalidade de pos para den-
les aromalisados cora cantora qne realmente lem
merecido lodo concelto porque nao s alveja per-
(ei I amen le os denles como la m bem conserra-os
sempre no melbor estado de perfeicio, assim pois
qaeiram vir comprar ditos pos na mesma loja
do Cordeiro Previdenle, roa do Qoeimado n. 16
Knfeiles com pona.
O Cordeiro Previdenle recebea um lindo sern-
meoto ds enfeites com pontas para, vestidos, tanto
de seda como de laa qae combinara pereitamen-
le cora os cintos modernos do mesmo formato, por
isso para poder enfeitar-se com gosto qaalqaer
vestido indispensavel comprar-se ditos enfeites
na mesma tuja do Cordeiro Previdente, a ra do
Qoeimado n. 16.
Chapellaaas de seda
Modernas e bonitas cbapelinas de seda para se-
nhora recebea o Cordeiro Previdente roa do Quei-
mado n. 16 e por ser peqaeoa a quantidade re-
cebida, quem prelendar ama moderna e boaiu
chapeliaa deve aprecar-se em mandar compra-la
em Ata loja do Cordeiro Previdenle a raa do
Queimado n .16.
CAIXINHAS ENFEITADAS.
Estas muito desejadas caiiiubas vasias e enfei-
tadas com gosto, que tanta exlraccaa tem lido e
que realmente servem para diversos flns, existem
na loja do Cordeiro Providente a raa do Qoeimado
d. 16 um completo sortimento de ditas caixiDbas e
sao vendidas por pregos to rasoaveis, qae o expe-
dente fregoez nao objectara' em compra-las em
dita loja de miadezae do Cordeiro Previdenle a raa
do Queimado n. 16.
POiNTEIRAS E CHARUTOS.
O Cordeiro Previdente, roa do Qoeimado n. 16,
tem um bom sortimento de Boas poDleiras para
charuto?, sendo lisas e com figuras em alto rel
vo ; e para que os seas freguezes nao se Incouv
modere em comprar charutos em algumas das lo
jas de cbaratelros, recebeu tambera um bom sorli-
meoto de finos charutos do afamado fabricante
Portado de Simas; assim, pois, encontraran os
apreciadores um bom sortimento na dita loja do
Cordeiro Previdenle, raa de Qoeimado n. 16.
Para offertas no hospital por-
tugus.
Bonitas cestinbas com fractas de cera, obra
muita perfeirao e bom gosto.
Para cortar moldes e embrnlbar fazendas.
Vende-se papel pardo folba grande.
Para lustrar calcados.
Vende-se superior graxa econmica.
Vende-se papel para matar moscas.
A loja do cordeiro previdente
Ra do Queimado n. 16.
Nella acbarao os pretendemos um grande e va
rlado sortimento de perfumaras finas, tanto iogle-
zas como francesas, seBdo :
Finos extractos para lencos.
Iaulus a pomadas para cabellos.
Oio philocome e baboza para dito.
Pos bygienicos para dentes.
Ditos campboradospara ditos.
Opiata ingleza e franceza para ditos
Pacotes com pos de arroz.
vasos deporcelooa para ditos.
Sabonetes para mo e barba.
E muitos outros objectos que serio presentes
ao comprador qae se dirigir a raa do Queimado
n. 16, loja do cordeiro previdente.
BauJeijas peqaeaas.
Veodem-sa na rua|dojQaeimado a. 16. |loja(do
cordeirotprevidente.
de

"Charutos
Vende-se cortes de cambraias de bonitas 106e-o, 2# e 25oo: ra da Imperatriz lojas da acreditada fabrica de Jos Furtado de

FABRICA DE CHAPEOS DE SOL


:de

Este estabelecimento acaba de receber de Paris urna rica colleccao de chapos
le sol ie seda, de alpaca e de algode, com armaces de balea, de ferro e de janeo dos
nelhor-s osios 9 fabricantes, que vende mais barato do que outro qaalqaer estabeleci
ment, pn- serern fazendas viadas directamente.
Igualmente tem fazendas de seda, de alpaca, de algodo e de linho para cobrir
e sol, tado de boa qualidade e por preco commodo.
LoGirrega-se de qaalqaer concert, com presteza, segaranca e garanta.
i :v


,0 P FAZE1D1S
Por baratos presos.
barras a '4, 2^5oo e 3#ooo.
Ditos de cambraia bordadas brancos e de
cores a 4$, 45oo e o4: ra da Imperatriz
lojas da Arara, os. 56 e'72.
Arara vende algodo a peca 30.
Vende-se peca de algod5o a 35, 45, 55,
65, 75. 85; ra ra Imperatriz os."56 e Ti.
Riscado francez de listas a 38ors. o covado.
Vende-se riscado francez de listas para
vestidos a 36oe4oors: rna da Imperatriz
lojas da Arara, ns. 56 e 72.
Ditas franceza a 24o rs. o covado.
Vende-se chitas francezas finas a24o,.28o,
da Arara ns. 56 e 72. Simas#
Algodo enfestado a 14 a vara. Vendem-sejna loja,docordero previdente a roa
Algodo entestado para lencoes e toalhas; do Queimadogo. 16
a 15 dito transado 1528o 4 vara: ruada
Imperatriz lojas e armazem da Arara ns. 56
e72.
Cortes de I5a de 14 covados
Vende-se cortes dela de 14 covados a
35,45 e 55: ra da Imperatriz lojas da Ara-
ra ns 56 e 72.
Ricas saias borda las a 3530o.
Vende-se ricas saias bordadas para senho-
ra a 3$5qo, 55,65 e 14, bales de arcos r
32o e 4oo rs. o covado: rna da Imperatriz 25.25ooo, 35 e 355oo: ra da Imperatriz
lojas e armazem da Arara ns, 56 e 72. Hojas da Arara, ns. 56 72.
1

Fwndiqao d*Aurora em\ Rival sem segundo.
Santo Amaro
Completo sortimento de tallas' batidas e fnnai
das, alambiques de todos os tamnhos e fundos di
ditos, naoendi8etoas os tamaehos de superior
qualidade, crivos e boceas de fornalua, o qua tu.'.'
se vende por commodo preco.
Lidas muito lindas la a 500 ris o
covado
Vende sa.Ba toja tio Alvaro a' ra do Crespo n.
20 B. >t *
iCfligou afnal

A pomada galopeflH
para cura rpida e completa do callos daros.



VEDB SE NA
Botica e drogara
Bartholomen A C.
34ftna larga do Rosarlo34
l.ir.

Cussis frarjeezasdacoresja 240 rs. o'covado.
Ditas franelas, superior aualidade, grande variedade de padres,
8 rs. a v.ira, a 320 rs. oeovado*.
Ditas ditas muilo finas a 400 rs. o corado.
w)gf rioss chitas francezas largas de cores fixas a S60 rs. o cowdO:
yrrd.:' Ibs de cores com salpicos e im flores a 340 rs; o Uitas com yalmas de seda a 320 rs. o covadq.
Ditas coa listas imitando poil de Chvre a 400 rs. o covado. >ei ab idx
Supiitfts alpacas de comb de duas larguras com listas e com flores, grande va-
1;. > u i!e .idees e gestos- inteiramente lindos (fazenda de 15 o covado) a 500 rs.
Sedas de cores de quadrirrabs e de listas a 800 rs. o covado. io, lBh]
mtoa pu capas de.menn, bordadas e enfeitadas com reada preta, 'o que
nade.tBil *Knw para hombro desenhoraa-^, 105 e425cada um
.golees a 5,M,Hta Pee- M->t?4
Condecoraedes
A bem conbeelda loja de jolas de Moreira S
m Duarte, a' raa do Cabog n. 7, acaba dp receber
! por?o de hbitos eoiBealatos da ordem da Rosa,
Wa (le e babltos da de Cb'rist de difTerentes tamanbos
que vende por preco moi raioaveis,. alm disa
contioaa a ter cerno sempre om completo sorti-
mento de joias dos gostos mais modernos para as
quaes coota com o concurso de seus bon (re-
guezts. -
31
i
Ui
ti
100
Stfr
320
9(i
GRANDE BAZAR
RA NOVA N. -0 E 2

*;
a
m
A sim
I 1 ,
algodaosnho branca com 20 jardas a 45 a peca
outrasmuius fuendas ** n^ do en valor pM liquidar; '
LOJA MS COLUMDA&Tt
: *!t
jncdma i*q
.iifiajg^ajijj'-o
"ulHDr^WJDHv*
,ffl BTI
de Vasconceiii
Da
b 'ilo >"- fcaoV
dl9V-AitaO abaoi as
1 Mi
4. ,uu I ,W *m* oajwO 134*1 K 1 *
. Ofl 4MM AMB ari Mt-MV 11 Ot
" Atoa. m
i3Hni*2a telyat vc^ar oo ifcbam^es
*Tl*Ma .1 Ml b.MVltSO Hfc 1 IB
ai A ifcof-fl ,1 n i|o(tL' op ut ,.0
mn3 i
Veade-se saceos com fariob de mandioca
de 2J800 a $}, assim como saceos com feijao, por
baralissirao preco, oo trapiche Bario do Livramen-
to no P^rte do Mallos o. !3.
CCIIIIICIIM
b o *a : ojjaaiHioa ,jibi I
demue pequeos albuns de alaibeira,
Rna de Qaeiiuano u. 49.
'lacr acabar com as fazendas abaix
meBCroaadas.
Qaeiram vir Ter o qae i kom baralissim,
Toalas do labynntho com bico, fa2en-
da boa a........... 30DI
Carrateis de llnba com iOOjarJasa .
Grvalas pretas e de cores ranito finas a
Csixas de oireias de massa muito nrms a
enflaores" para espartilb da cordo e
tita a..............
Carretalsde linha Alexandre com iOo jar-
da a .. .:' .......'. >|
Sabonetes muito finos a 60, 60, 200 e !
Ditos de bolla muito -finos a 840 e
Miadas delinbafroxa para bortar a .
Varas de cordao para espartilho a .
entes volteados para regacar cabello da
meninas ..... ^ ....... .
Frascos de macaca' oleo mae fino, a .
Abotoaduras muito finas para cohetes a .
Cirilas de liaba branca e de euros a .
Ubra de ara preta-superior a ..... 101
Escovas pan fato, fazenda boa, a .
Varas de franja branca de linbo
toalha a ..............
Caixas de palito balao a.......
Caixas de.palos de-eguranga semen-
cbofre *- .--. .-........ Je
Sabonetes de familia a 100,160 e 21C
CartUba da doutrina cbrista a 3J0
Quadernos de papel pequeo superior a ,M.
Datia de baranos traneeies superior MQOOi
Groxa de ptiosporos mano saperlores l^O
Cxs a retalbo dos mesmos..... -& -
Caixas de pbosphoros de vel liaba conten do ,
500 velljobas maito sp(||lores a 160
Resmas do papel almaco mrto superior J^oCK
Resmas de papel pautado superior quali-
dade ................3460C
Duzas de meias para bomem.....2*800
Dozias de metas croas maito superiores 40u0.
Pars, 36, Ra Vivenne. l>
CHABLvE;MtDEC.N SPCIAL
AS E.NFtKUlUADAS VZS StXUAES, AS AFFXO
' "s '"UTAMIAS. K A -.TE1U.C0ES DO SUiGUa.
" 30.000 curas das impingeni,
pstulas herjxi, iarn,
eamixott, aertmoni*, e al-
Urcoet,vicintPt dotavg-n\
_ Dirua, allerafOf do .a
gve. (Xarujje vnjefcil mu merctrio'. e|iur!.
TCf-ter lUMio* Mliitii tomio-se Jos
por semana, se^uindo o tnctamralo Depurativo : *
i*\a i\x> niesiTias molestias.
Este XaropeCiiMlfc"
ile CHAliLE. cara k.<. .
unieuteijualquerpuruiftio,
ctaxaeaa,e.dbiHdc:e, s


Machinas para descarocar algodo. do mt
Ihpr autor que tem apparecido na Amrica
E' tal a execucao do rnacbinisme, que o ai-
godjo sahe quasi 15o perfeitocomo o debo
landeira. Recommenda-se a attencao do
Srs. agriculfores, estas machinas.
GAZ GAZ GAZ
320
-IM
806
w
para
50C
IOO
Cbegori ao airtrf eposlto de Henry Forster ij
C, rea do Imperado^ nm carregamento de gaz di
primeira qualidade.o qaal se vende era partidas
i retaiho por menos preco do qae em oatr* qua
7oer parle.
igualmente os fwnos e flor
ranea* das uiulnres. Esta, injectao bea%jin
crega-se coa s Xarope de Citracfo de Ferru.
ncBorraidaa. Pomada que as cara em tras diaa,
POMADA ANTIHERPETICA .
Cor.tr: as affic(0e* cuiaueat amisxti.
PILULAS VEGETAES DEPURATIVA8
i tr Chebto. cada (rasco val accoBsahafio *"*
jJl'yVT
AVISO AOS SRS. MDICOS.
IV canrrlmt, oi.-e
co(ue'.U' es :r:-.i '. -i-oi'.' mj '--fr-' .--<,: -
lM*S c lUril i: r 1
. dopctfo; l*Ui .ln.'nU
uma .-ollrir ri+.>frffli?t(S*f5ir>',f r" )?.r-
i. CHABI.Rein l>..rii. rr. ,-: .
A venda na pharmacia de P.^faurer f
e C, em Pernambnco.

Fazenrias baratas
1^ ra do Queimado 17
Loja do Cirios.
Cambraias brancas Anas eom ara pequeo sn>
"fle moro a 5J a pessa".
4G Lanzinhas mescladas, padres novos e oDiqaes
a tm res e corado.
Cambraias da eoras, padrSes miudinbos e ga-
lantes a 500 reis a jara.
Unas Anos de lioho, cores moi baai, por serem
escuras alja vara.
Cilos de seda e setim, bordados caprichosa-
mente a vidrilho a u.
en os albuns de algibeira,
pare eiratos en mifliatora, para 6 e 36 re-
tratos,.pelo diminuto preco cada um: na ra do Crespo n. i, fabrica
de chapeos deso.
'
Cabrio^
de i rodas e 1 avallo
i
|asoo a<0'
(I '!
1 I "1
Canos

wbafe
para 2*860 e ML ""
(Mcbas braacas ilcochoada?, faienda inteira-
mente moderna a nossos olhos a 84.
Bal loes de arcos para senbora e meninas a 2*V
Ditos de mussulina com 3 arcos a 430G.
Salas com barra, para serem osadas por cima
dos baldes a 4.
. Lencos de cambraia de lioho acabadas com per-
ei cao para mo de senbora a 2o00 I I
\tY.
NO armazpj do pateo do Terco o. 12 vendem-
caaos de todas a iargura*, vidrados e por vidrar,
por preaarazoavel, o melhor.peue gearo.

CiU
7
osura
No escriplAio de l'beo. Iat roa do Vigarlo n.
arior, rene-se 9#.vegdaoK |pata trator aa-rna-dCreepo Bv-ffr 1 andar, p>-1 llraajaenleMtegadas eEstads-raldos, por pre-
roa de s:Amaro. Icos maitocommedos. .Ti .__
--i: n MT-ae na oocbetra do Riajlmo
j a i. IM >
UL tm SO Htfll A ojsio.
Ge8so
para estaques de -casas: nos armazens de Tasso
trme, t ^ A pollo.
Vapores.
i (<
t'jiU'SjBMMa I Mtaa
1
.
o aaii' iai *jae>i|jif. ni. tos
CASTRO IONES
Grammatica nacional.
,?a *s JSexti edlcJo
Ibaictct de IsTaixas : a travtt m*i 4a,lt:.i. r-?.*a""
W3D JUm de^orpo Santo o. 17. LliTMM lrMli4 leooiJi
. Vende-se em casa de Saonders Brolhera & C.
o. largo do Carpo Santo a. 11, vapores patente!
oro todos os pertences proprios para faxer movar
natro mai tipias jiaa^a descaiu^at "algodar
Vende-H
' ^
Boi a4t pmfi.i* ito raBu t w .xul
lca *0'M SJitle, na rul..lo Ironrr^jn w|n-
nliowai-a'Sai.u imui e coTiiid^Mau.
/v >r -'>-.-
idcaiat.aMi. i
ir S*:ft t'nii '.n-
krthru. scrttaral
ijwARKAwwy j^-^.:4-
Deposlto na pharmacia deF.'Mtnrer
C. em Pernambnco.- bB "^ S.a k*ii
.UM*. t ;0f- J M>ir-aff ?
ILEGVEL
'i w : ai
ia
OVM wlioai o .iu?g|i eiias (Um 111*1 ole.
Jtlrtvn ci! a -lhib iio>i9i -
Olfc'l b
leooiit
-*aawit
i
^
<


:'T\:
^T
LH t Per.a.bnc* Ter,a lelr, 3 de <*er 4e 1867. io

r
Collares Royer
fu anadiaos elctricas magnticos
DepMtta acreditado
tija da agaia branca roa do Queimado a. 8
Apregoar aiada os prodigiosos effeitos dos
Collarts Royer ja n3o eosinar ou querer
introduxir novidadee, porque a fama de sal
edlcacia tem-se tanto estendido, e os seos
felizes resaltados a tal altara elevado, que
boje rara a pessoa que por experiencia
propria, ou por intermedio de seus amigos
e prenles, ignore ou deseonhe :a as virtu-
des desses sempre apreciaveis collares
Royer.
A agaia branca porm se gloria de concor-
rer para um tito justo flro, se nao por ou-
ro modo ao menos por ter sempre, e cons-
antemente um completo sortimeote desses
collares magnticos, que bem se podem cha-
marsalva vidas das enancas.
Resta ainda que os sensores pais de fa-
milia se fafam convencer (de qae convem
nao esperar que as chancas sejam atacadas
do mal, e por isso necessario ou conve-
niente que com antecedencia se deite na
enanca um desses collares para assim estar
ella preservada das convaleces e se contar
Uvre des rigores da dentiejio.
A aguia branca ra do Queimado n. 8
contina a receber por todos os vapores
francezes a quandade que ha contratado e
por isso acha-se ella sempre provida dos ver-
daderos collares Royer eletricos magn-
ticos.
A Agufa Branca a rna do mado n. 8.
IncontcstavelmeBle na loja da Agaia Branca
onde os apreciadores do oora podem .roelhormente
prover-se daquelles objectos de gosio. E*-sa verda-
de ja por tantos e tantas vezes reconbecida ainda
agora se taz confirmar com a ola dos preciosos
objectos de gosto e valor que a agaia tem a satis-
fagio de patentear e pdr a disposigo de qaem os
deseje e possa comprar. Ella principiar pelas ri-
cas caixas com msica e sera ella, para costara.
Essas caixas por saa perfeiges, gostos e rique-
zas, se tornam recommendaveis para algum im-
portante, presente, ou mesmo para quera tenba gos-
to de possoir orna bella obra, porque de certo sao
ellas as de maior valor qae se encentrara em Per-
uambuco, ten lo urna que sobresahe a todas as ou-
tras. Alera deltas ha outr*s de precos menores, as-
sim como timbera ha b nitas caiiinhas vazias de
roadeira, envernisadas e marebetada?, com fecha-
dura o chave, para costara.
Em legues o qoe se pode encostrar de melhor,
sendo:
Todo do madreperola, bordadas, jobra de gesto e
valor.
Outros de madreperola e seda, bonito? desenhos,
Outros de madreperola com tardados coloridos,
obras do omito gosto, e geralraeate apreciadas.
Oatrus todos de sndalo.
Oatros de sndalo e *edacom bellos desanos.
Ootros todos prelos para luto.
uutros pretos com desenhos roxo?, proprios pa-
ra seohoras vio vas.
Outres de sndalo e faia,formando qaatro vistas.
Oulre* de sndalo e sndalo o seda, para mi-
ninas.
Oatros de madelra e papel, obra barata.
Cuarri;5es de Olas, ditas de bonitas e modernas
trancas para vestidos
A Aguia Branca reeebeu novameute aru tello
soiliffioi.'todaquellas apreciadas guarnicoes de fi-
tas; assim como outras de lindas e modernas tran-
cas. Os apreciadores do bom comparecam na loja
da Aguia Branca a roa do Queimado n. 8.
Fiuissiaas meias de lio de Escossia para enancas.
Venderu-se na ra do Queimado loja da Aguia
Branca n. 8, onde tambera ha outras muilas de al-
godo para criangas de 3 a 12 mezes.
Mu filas luvas de G > de Escossia e seda, para ho-
rneas e senhoras.
A Acuia Branca a ra do Queimado n. 8, rece-
ben a n nom sortimento de 6nas lavas de Gc-e Es-
cossia e seda, brancas b de cores, bordadas e lisas,
tanto para homens como para senboras ; quem as
pretender e dirijir-se a dtta Inja d3 Aguia Branca,
eoohecera que em tal genero nao se enconira me-
lhor, o talve era mesmo igual em alguma outra
parte.
Requifes brancos on traacinhas papa-fia.
A Aft'uia Branca acaba de receber um novo e
bello sorilraento dessas to procuradas trancinbas
papa-fina, com diversos e agradavels moldes, e co-
mo sempre a Aguia Branca a roa do Queimado n.
8 contina a vender barato.
Golliuuas e pnnhos, manguitos e gollinhas, obras
modernas e de gosto.
A Agota Branca acha-se recentemeole provida
de bonitas gollinhas e punbos bordados, manguitos
o golliohas tambero bordad;*, e tudo do melhor
gost. e uKima moda, tendo as gollinhas e punbos
muilos, ja entenados com Atan enadas, e algumas
pequeas.para meninas. Os preces apeur de com-
modjs variara com as differotes qualidadjs das
obras. Os preteudentes comparecam na loja da
Agaia Branca a ra do Queimdo n. 8 que sero
servidos a contento.
Eiitrea-eios bordados m pecas grandes.
A Aguia Branca a ra do Queimado o. 8 est
veudendo bonitos entreraeios bordados em pegas
grandes de 12 tira?, e pelu baralissimo prego de
25300 cada peca. A grande extraego que elles
tam tido confirmara os diversos fins para que ser-
vem, as im pois convra que a boa fregnezia da
Aguia Branca aproveite essa boa 6 barata fazeoda.



AHITAS
HA
LOJA E ABMAZEM
DO




ra do Crespo a. A, esquina da ra do imperador
Aeaba de chegar pelo vapor Gutenne, am variadi.-siroo sortimento do farendas que ditam os
nossos correspondentes qoe forana as melbores, as de mais gostos e novidades que encontraran eos
Pariz, e por isso mnito recommendamoa a apreciacaa do respeitavel publico, os seguales artigo quo
go encottraro na loja do Passo.

Una da le peralrii
ra




Riqnisslmos cortes de seda de cores, com liodos
matizes completamenle novidade.
Lindissimos veaidos de eambraia branca bordados
com gosto.
Ricos basgoines, primorosamente bordados, e ulti-
ma moda em Pariz.
Riqoissimas cbapelinas de seda, palba a iroitagio
e enfe nadas com mnito goslo.
Coqnes para senhoras, sendo estes de ultima moda
em Pariz.
Llndissimas gravatlnbas para senhoras.
Lindos colares evottas de viIrilhoe seda, ntlima
moda e Inteira novidade.
Collariofloi, pannos e gravaiinhas de Cbony, com-
| pleta novidade.
, Rlquissiaos leqaes de marflra lodos abertos e de
ultimo gosto em Pariz; assim como de sndalo
madreperola.
Riqaissimos veitimentas de eambraias priroorosa-
meute bordados, com todos os pertences para
creancas se baptisar.
Ricos vestoarios de cores, todos completos para
meninos do I a i aanos.
Mantas do blonde para noivas.
Moiriantique, grosdenaple e sedas prela, branca
de cores.
Riqnisslmos cintos, ultima moda.
Ricos enfeites para senhoras e meninas.
Lindsimas cbapelinas de seda e de palba para
meninas.
Riqnisslmos cortes de fantasa para vestidos de se-
nhora.
Lindos cortes de lia para vestido, novidade.
Chapeos de castor a canotier, o Htm a moda para a
rapasiada em Pariz.
Grande deposito de luvas de Jouvio recebe-se por
lodos es vapores grande sortfmento.
Casemiras, eambraias, las, mosselinas, precalias, chitas e ama Inflnidade de objectos qae
deixamcs de mencionar por se tornar macante.
Isto so na loja do Passo ra do Crespo n. 7 esquina da do Imperador.
ANDE NOV

AUGUSTO PORTO A C.
11Ra do Queimado11
GiMl fc SILVA.
Tendo os donos deste grande estabelecimento resolvido liquidar a maior parte das
suas fazendas resolveram vender com grandes abatimentos em precos, assim como teem
recebidp ltimamente urna grande porcSo de fazendas novas tanto inglezas como francezas,
alemSas e suissas, teem destinado venderem-nas mais barato que em oatra qualqner parte
aGm de apnrarem dinheiro, dando de todas ellas, amostras deixando ficar p nhor, oo
mandam-nas levar era casa das excellentissimas familias pelos seos caixeiros; assim como
as pessoas que negociam em pequea escalla, neste estabelecimento compraro pelos mee-
mos precos que compravam as casas inglezas; ganhande-se apenas o descont.
Tira* bordadas e Babadinhos Baldea a 2, 3(55oo e 30
Quem quizer fazer boa compra de tiras Vendem-se um grande sortimento de cri-
bordadas ou babadinhos, achara um grande nolinas ou balSes de arcos para senLora pelos

Ultima moda
. Bcilcs chapeosinhos do apnrado gosto para se-
nhoras feitos ao capricho de orna das pnmeiras
modistas de Parlo echegados ao armazem do va-
por rna Nova p; 7,
E' baratissimo a 500riso
.covado.
Superiores lias para vestidos com exceltentes
padrSes a 800 ris o eovao, aproveitero antes qoe
se acaben : na roa do Queimado n. 46, loja de
unimaraes & Basjos.
.

Attenco
sortimento para escolher e por preco muito
mais barato do que em outra qualquer parte,
oa loja e armazem do Pavao, ra da Impe-
ratriz n 6o, de Gama & Silva.
Fazeadaa para luto na loja do
ParSo
baratos precos de 2& 245oo e 3)J por haver
grande porc3o, na loja e armazem do Pa-
vSo, ra da Imperatriz n. 6o, de Gama &
Caasas a flo r>-. s o pavao.
Vendem-se bonitas cassas inglezas de co-
res flxas pelo Isarato preco de 2i0 rs, o co-
Este estabelecimento acaba de receber e vende por commodo$preco as segaiotes 9|j( e lo#, finissimos sobrecasacos de panno a
Vende-se setim da China com 6 palmos de, vado, ditas francezas fazenda muito fina com
largura proprio para, vestidos a 20 o covado, 'padrSeslistrados e de Dores, assim como com
15azinhas,pretas lisas, alpacas com listra bran- palminas miudas proprias para meninos a
ca a 1 o covado, cassas brancas com listras 3oo rs. o covado ou a 5oo rs. vara : pe-
pretas a Soo rs. a vara, ditas pretas lisas e chincha na leja e armazem do Pavao roa da
com salpicos vara a 56o rs. ditas francezas Imperatriz n. 6o de Gama 4 Silva,
com listras e ramagens vara a 8oo rs., me- P P T HIN P U A
ri preto, alpacas e princezas, mais barato J T E Ufll IH L l H
pa\ao, ra da Imperatriz n. 6o, de Gama & ra da Cadeia n 2 i- andar
Silva.
PALITO'S DE PANNO A 60
Vendem-se palis de panno preto saceos
a 60, ditos sobrecasacos a lo& calcas de ca-
semira preta a 60 e 70, dita muito floas a




ftsendas finas:
Vestidos de b.'ood para norva com manta e apella.
Ricos vestidos de eambraia branca bordadas t que ha de melhor.
Cortinados bordados e admascados para camas de 2o0 a 8o4-
Ditos bordados e admascados para janellas de 90 a 2o0.
Coisas de seda e laa e seda para cama de noivas.
Basquinas modernas de muito gosto de 2o0 a So0.
Toalhinhas de croch para cadeiras e sofs, e colxas de-croch para camas.
Cbapelinas de crpe braEco, e chapeos depalha da Italia para senbora.
Moir branco e preto, grosdenaple preto e de todas as cores para vestidos.
Camisas para homem fraocezas e inglezas de linho, e de algodo.
Guardapisa de crinone para fazer mais elegantes os vestidos de 15a e de seda
a 32o rs. a vara.
Superiores saias bordadas de linho, camisas e camisinhas bordadas eambraia bordada para senhoras, ricas toamas bordadas com muito gosto, e lindos ves-
tuarios para bapttsados com o respectivo enroval.
Las com listras de seda de varias cores que ha de melhor.
Chapeos brancos de castor, e ricos chapeos de sol inglezes para homem.
Malas de diversos tmannos para via^ens.
Panos Seos e casen iras pretas e decores e outras incitas fazendas -que se vea-
dem baratissimo.
Este estabelecimento contina a receber as melhores.
Esteiras e alcatas para salas.
(iRoa do Veode-se um bom piano de mesa de jaca-
randa em perfeilo estado : na ra da Camboa do
Carrao o. 20.

GRANDE BAZAR
ra Nova n,20 e 22
Machinas pa a costnra do autor Wbeele?
d Wdson, chegadas ltimamente da Ame-
rica;-oas qaaes pode cozer-se com don
pespontos, toda e qualquer fazenda, emb>-
inhar, frangir, bordar e marcar roupa; tudt
com perfeicSo. S5o tSo simples, que coro-
prehende-se fcilmente a maneira do trab-
Iho e a pessoa tendo pratica de coser em m>-
rhmas, pode fazer por da o servico que fr
ciam 30- costa reiras.
Chama-se este estabelecimento a atten-
co do publico, visto que elle se aeha com-
pletamente sortido de objectos de gostt.,
como bem leqaes de madreperola e de sn-
dalo, fiwlas, fitas, para cinto, cokos perfO'
mariaeetc,
Na ra nova n. 20 e 22. Carneiro Viai.
na &C.~
Vend^-se por prego commodo urna machina
nova a vapor, porttil, de forca da seis avallo* e
de perfeita coostruccao com toda lerragers precisa
para mover vajlas itachiQas de algooao ou ootro
qualqtur mlster, e bem assim urna prensa amen
cana de enfardar algodao, de syotema moderno, e
de multa forca e algons toaefs proprios para depo
sitos. A ver e tratar na fabrica da travessa do-Ca
riecan. 2, caes do Ramos.
L'iVAS i>OV4S
A Aguia Branca a rua do Queimado n.
8 reeebeu "aquellas bonitas lavas-de pelli-
ca eofeftadas, e j bem coonecidas por luvas
i duqneza.
PAR4 O BULE DO CLIB
Chegaram pelo vapor de 27 deste mez, riquissimas -6ahidas de baile, como se
usara na Europa, todos estufadas de seda etc. Vieram s seis, por isso reeommendamos
s excellentissimas senboras para se proverem de um objecto de esmerado gosto e que
julg8mos nunca ter vindo ao nosso mercado.
No referido vapor tambem vierammui lindos enfei'as .proprios para o mesmo
baile, assim como luvas de pellica de Jjuvo, bancas e de cores: a rua do Crespo n,
5, loja de Gregorio Paes do Amaral A C.
Rua da Imperatriz-----N. 64.

Xova loja de miodezas e at*tig*s de modas
DE
SILVA & NEVES.

Os proprietarios deste novo estabelecimento oflerecem ao respeitavel
^?^ poblico desta bella cidade, e do interior um lindo e escolhido sortimento de ,
20$ raiudezas e artigos de modas, concorrendo para isto o terem na Europa, pes- fi
.;? S soas habilitadas a executarem suas encominendas no quo houver de mais no-
*ra
vidade e gosto, e garaniem vender pelos precos mais rasoaveis do que em
- f utra qualqoer parte apar, de maneiras delicadas e sinceras.
2j^ Acabam de receber pelo vapor francez Gutenne, os seguintes bellos
j*^ artigos de moda e fantasa.

i
f&p


Luvas de Jouvin para senhoras e homens, de ledas as cores.
Livros para missa com capas de madreperola etc.
Indispensivcis e boleas de to as as qualidades.
Coques os mais modernos.
Espartilhos. collares, e cintos de seda e vidrilho.
Reoaas de Guipore, de seda, (blonds) e de algodo, de todas as
Ss| qualidades.,,
^ Cocplelo sortimento de trancas, fitas, botoes e guarnicoes de seda
;? S com vidrilho e s;m elle, gravatDhas de seda, e manguiios de lustro bordados
|5^ ludo do.ultimo gosto de Paris..
Leques de sndalo aberto do mais apurado trabalho
Agua Florida e tnico oriental de Laman & Kemps.
Ricos enfeites, e guarnicoes de flores para vestido e caneca.
P Calcado para senhoras e meninas.,
) Perfumarlas as melbores e mais escolladas de Lubm Piver, e Cou-
dray, em rjcos e elegantes vasos de porcellana, crysUl e prala ingleza.
Meias de algodo, as mais finas e melhores que teem at boje vindo
ao mercado, para senboras e bornees.
Chapeos de palba da Italia, e a mitaco para meninas.
E um sem numao de artigo, de gosto e fantazia que s a vista
podem ser, apreciado.
fe

INJECTION BROU
' rrmdpKw Unen 4 Busdo (Bxlftr >i|i|i|i HO. (W mam
' fc-Hf HB. t.da.iW tlifti. HS. ^^

MttlW. VIMI
Vende-se na Botica Franceza rua Nova n. 25.
______

-
iVoro e grande deposita de superior carvilo de Cardiffna
Babia,
Antonio Gomes dos Sanios 4 C, rua Santa Barbara n. i, esli bahiUdos a sopprir do
avao o m eoBdicdes mais favoraveis que em oatt j qualqaer deposito, a todos os navios a vapor qw
cewm naaneH porto, A contratar nenia cora Domingos Alves Matheus.,|
20(J e 25 8$, um grande sortimento de coletes de toda
a qualidale e outras mui'as qualidades de
roupas que se vendem mais barato do que
em outra qualquer parte, na loja e armazem
do Pavlo, i ua da Imperatriz n. 6o, de Ga-
ma & Silva.
As salas do ra5o a 3500.
Vende-se urna grande porjao das mais bonitas
salas brancas com lindas barras bordadas de co-
res, tendo 4 pannos cada urna, sendo fazenda in-
teiramenie moderna, pelo barato prego de 3#50 >
cada urna seudo faienda que sempre se veodeu
por mui|o mais dinheiro ; na loja e armazem do
Pavo, na rua da imperatriz n. 60, de Gama A
Silva.
CASAQ1NH0S DO PAVO A 185, 20(?
m E 3o#
Chegaram o mais modernos casaquinhos
ou jaquetas de grs preto, ricamente enfei-
tadas sendo uns com cintura e outros soltos
conforme se usa ltimamente e vendem-se
pelos baratos precos de 18#, 2o& 250 e 300,
na loja e armazem do Pav5o, roa da Impe-
ratriz n. 6o, de Gama~& Silva.
Motre-antique.
Vende-se superior moire-antique do eflr, com
algum toque de mofo, por prego muito barato, para
acabar: na loja do Pavo, rua da Imperatriz n. 60,
de Gama Si Silva.
Camelabas a 3.
Vendem se as mais modernas camhiinhas com
manguitos tanto hordados coma de pregsinhas com
elegantes punhos e -bonitas abolladuras pelo bara-
to preco de 3'!00.; na loja p armszem do Pavo,
rua da Imperatriz n. 0, de Gama & Silva.
ppchinchaem casimiras a 1600 seo
Pavo.
Vendp-se urna gradde porco de casimiras supe-
riores entestadas, sendo escuras e alegres proprias
para caigas, poletots, cole|es e roupas para meni-
nos pelo baratsimo -prego de l800oovado ou
a 2,4800 o corte de caiga, graode pecbiocha na
oja e armazem do Pavao : rua da Imperatriz d. 60,
de Gama & Silva.
alpaca ministro coa o palmos a 280.
S o Pavo.
Vende-se alpacas de quadros sendo padres es-
coros proprios para vestidos tendo 5 palmos de
largura que facilita (ater-se um vestid j ale com
8 cavados pelo barato prego de 280 rs. o covado,
garantindo se que fazenda que val multo mais
dinbelro, portanlo pecbiQcba : na loja e arma-
*ro do Pavo rua da Imperatriz n 60, de Gama
& Silva.
Pouselinas para a festa a 320 rs. o covado.
Veode-se orna grande p^rgao das mais bonitas
ponpeltoas transparentes com palminbas bordadas
a la ou qnadrinhos a imitgS-j de flo de seda, pro-
prias pera vestidos pelo baratsimo prego de urna
pataca O covado, graade pecbiocha : na loja e
armazem do Pavo rua da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Lencos para mSo na loja do
Pavo a 640, i e (5600.
Vendem-se bonitos lencos de cassa bordados
proprios para roo pelos baratsimos pregos de
640, 15 e 15601, isto na loja do Pavo rua da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
cortes de Seda.
a 285000 res na leja do Pavo.
Chegaram os mais modernos cortes de seda de
cor coro elegantes desenhos claros o esenros, ten-
do molla faienda para um vestido e vendem-se
peloAarato prego de 285003 rei?, por estarmos
muilo prximos da festa, isto na loja do Pavo,
roa da Imperatriz n: 60, de Gama A Silva.
Bertasha de linlio
Com 30 jardas a I2J000 reis.
S o Pavao.
Vendeavse pegas de superior bertanba de linho
puro, tendo 30 jardas ou 25 varas cada pessa pele
baratissimo prego de 12>000 res, sendo esta fa-
zenda propria para leoges, camisas, toslnas, ele.
Isto na Iota do Pavo, rna da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Bramante de linho.
Com 20 jardas a 85G00 res.
Vende se superiores pegas de bramante de linbc
proprio para leoges, toalhas, camias, etc. tendo
20 jardas cada pessa pelo fcarato prego de 85000
reis, na loja a armazem do Pavo, rua da Impera-
triz n. 60, de Gama & Silva..
SAUs ECONMICAS.
a 2,500 res.
Vndese nma grande porgao de salas de cor
com benitas barras pelo baratissimo prego de
25500 res, na loja e armazem do Pava] ; roa da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
PTJNH03 COM GOLINHAS.
a 15000 rois.
Vende-se urna grande porgao de puchos con
goliohas de esgniao da llnbo, com os mais lindo.-
bardados pelo barato preco de 15000 o lerno, di-
tos bordados de cor a 640 reis, sendo grande pe
chincha pelo prego, na rua da Imperatriz n. 60 de
Gama & Sirva.
POIL DE CHEVRE.
a 660 e 800 reis.
Vendem se as mais bonitas laosianas com listas
de seda, intituladas poil de cbvre pelo baratissi
mo prego de 560 re9 o covado, ditas com as lis-
tas mathisadas a 800 reis, assim como um gran-
de sortimento das mais bonitas o modernas lansi-
nhas que se vendem pelos pregos de 280, 400,
500 e 560 reis, bonitas alpacas de seda de nma
s cor a 640 e 800 reis, Isio na loja do Pavo,
rua da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Balees esgios.
a 25500.
Chegaram os mate moderos baldes esguios sen-
do verdaderamente americanos e vendem-se pelo
barato prego de 25500, na loja do Pavo roa das
Imperatriz a. 60, de Gama & Silva.
Cortes de alpaca a nete patacas.
Vendem se corles de alpaca escura par; vesti-
dos pelo baratissimo prego de 25240 o corte,
grande pecblncha na loja earmaem do Pavao rna
da Imperatriz n. 60, de tierna & Silva.
Pregos vaatajosos
as mindezas do graade estabeleci*
meato de Sonza Soares k Jrmao.
Rna Nova n. 28.
Vendem en grosso e a retalho.
Lionas novellos, muito soperiores, libras sortldas
a 252OO e 25300.
Dita em nvelos, mais inferior a 1500 o 15800
a dita.
Dita branca em caixas de 50 nvelos a 640 ris
Dita para marcar, caixas de 16 ditos a 240 r..
Dita branca em ditas de 10 ditos grandes a 560.
Dita em carros de 100 jardas a 360 rs. a do/ia-
Dita em carros de 200 jardas a 15-00 a duzia.
Dita em carles, branca e preta, a 160 rs. a dita.
Rosetas de cores em cana- de duzia, a 15500 a
dita.
Grampas cora cabega de vidro a 160 rs. a dita.
Agulbeiros pntalos a 240 rs. a duzia.
BfiSes de moedinhas douradas e prateadas, para
punhos, a 15900 a duzia de pares.
Ditos de madreperola, para camisa, a 500 rs. a
groza.
Ditos de osso, para caiga, a 240 rs. a dita.
Caixinbas com soldados de chumbo a 120 rs.
fispelbos-de multara dourada a 15400 a duzia.
Peales de lago dourado, para coco, a 65 rs. a
duzia.
Ditos de lagos lisos, para coco, a 55500 a duzia.! es diversos objectos
Ditos djurados, com flores, 25400 a duzia.
Ditos de bofalo, muito bons para alisar, a 25300 ,
e 25400 a dita.
Dedaes aroareios e prateadof, finos, a 240 rs. a
dita.
Clcheles em calxlnhas a 640 rs. a dita.
Ditos em cattoes a 600, e 900 rs. a dita.
Pegas de fila para coz, larga, com 10 varas, a
500 r?. a peca.
Filas de seda n. I/,, pegas com 8 varas, a 2C0
rs. a dita.
Cadago branco para cerclas a 563 rs. a
de pegas.
Las de todas as cores, para bordar, a 65500 a
libra.
Phospboros de cera, em caixinbas, a 360 rs. a
dotia.
Ditos de pu encerado, sem ebeiro, a 360 rs. a
duzia de caix.obas.
Ditos de cera, em caixas grandes de folha, a
15M0 a dnzia.
Cartilhas da Doutrina Cbrisia a 320 rs.
Obreus de colla, m caixinbas, a 320 e 500 rs.
Sabonetes Anos a 800 e 15 a duzia.
Facas e garphos cabo de osso, fazenda boa, a
2J50G a duzia.
Ahumadoras Boas para coletes, cintos com five-
las de crystal, e muitn3 ouiras qualidades, pulcei
ras de coalas, nenies com pedras para coques, en-
feites para cabega, um completo sortimenlo de per-
fumaras de todas as qualidades, colarlnhos, can-
deelros a gaz, ferragens de todas as qualidades etc.
etc.; a rna Nova n. 28.
o
Vendem-se pegas de algodoiinbo moiio largo
>uperior qoalidade com-am pequeo tcque de ava-
ria pelo barato preco de 45, chitas largas de co-
res a 240 rs. o covado, briro pardo muito bem a'
600 rs. a vara : na loja de Antonio Jos des Reis
& C, a rna do Passeio Publico n. 6, por baixo do
sobrado novo.
Grande novidade para a
xSta
Ka loja da pavo raa da Imperatriz i
60, de Gana & Silva,
Modernas poupelinas com palmlnhas
bordadas e quadros, covado a. .
Modernsimas lazinbas com pal-
mas, salpicos, quadres, listas, ele.
etc., covado, a 400, 500 e........
Lidas las com listas de seda, co-
vado, a 560 e....................
Verdadeiro poil de Cbevre com listas
modernas, covado, a 800, 15 a....
Finissimas mussellnas de cores, co-
vado, a.........................
I!, mus sedas de cores com 4 palmos
de largura, covado, a.............
Grosdenaple azul, roxo, lyrio, cinza,
etc. etc., covado, a..............
Modernas cassas com listas largas,
vara, a 640, 720, 800 e...........
Modernissimos organdys de cor, vtra,
Organdy largo, com lista e quadros,
vara, a........................
Cortes de organdy com listas brac-
eas e de cores, tendo 8 varas cada
corte a.........................
Lazinbas de urna s cor mathisadas
covado a.......................
Corles de eambraia branca bordada,
sendo neste genero o mais rico qoe
tem vin Jo ao mercado...........
Bonitos cortes de sedas cores claras a
Bonitos cortes de pbantazia a......-,
Cortes de organdys listados com 10
varas, a.......................
Fil branco bordado, sendo de meia
largura, vara, a..................
Bonita fazenda branca para saias,
tendo pregas de um lado e lam-
beta bordada, vara a 15. 15:80 e
i l as saias bordadas a 6500e>, 85 e
' Ca=saj. de urna s cor do flores, cova-
I do a...........................
I Ditas fraoceras mnito Anas, sendo de
lisias e Ares, vara a 500 rs. e co-
vado a..........................
I Modernos punhos com golinbas, sen-
do de esguio do llnbo, bordados,
brancos e de cores a.............
, Modernos manguitos com guillabas a
' Ricos corpinhos de eambraia muito
bem enditados e bordados a 85 a
Saias ecom micas e escora?, para
quera dr passar a festa fra a___

400
560
800
1520
640
25000
15800
15000
I5OOO
15000
55060
280
245OOO
S5000
105100
65000
640
15600
IO5OOO
240
300
15000
255OO
IO5OOO
25500
ealdade
Esle estabelecimento rna da Impc-ratr.z n. 70
recebe de sua conta por todos os paquetes franco-
da ultima moda de Pariz,
como seja nonios coques lisos e enfeilados, fitas
de serja, ditas de eda lisas o bar Jadas de todas
as larguras e de superior qualidade, lindos sapa-
los do merino, de casemira e l, toncas de ISa,
muito bonilos chapelliohos, babadinhos e ntre-
melos com lindos bordados, grvalas de seda pre-
ta e de cores para homem e seohoras ; as verda-
deras luvas de /jovin brancas o de cores muito
binitas, cartelras de diversos eilios e tarnaabes,
ranas de muito boa qualidade, para homem, se-
nboras e meninos, um lindo sortimento de t>ico<
duzia espartilhos, toucadores da Jacaranda' de diversos'
tamanhos, Utas de veludo, trangas pretas e de co-
res, lindos enfeites para vestidos, cintos de diver-
sas qualidades muilo bonitos, alboos, abotoaduras
para colletes, lia para bordar de superior quali-
dade, urna infloidade de bonitos brinquedos para
crlangas, as melhores perfumarlas de Lubim, Piver
e Ceudral sociedade Hygenica, immencidade de
objectos qoe deixo de mencionar para nao se tor-
nar massante, ludo por pregos mnito coi. modos.
fefi
Chocolate hespanbol
Vende-se a 800 rs. a libra.
Na rua Nova n. 11 e 51
Rua do Cabug numero 1 A.
VENDE-SE
Motores americanos para dous cavallos.
Dito dito para quatro cavallos.
Machinas para descarogar algodo de 11, 16.
18,20. 30, 35 e 40 serras.
Prengas para enfardar algodo fazendo os sac-
eos coro 6 palmos de comprimento com o peso de
150 o 200 libras, viudas ltimamente da Americs
no armazem de Henry Forster & C, no .caes P
drn H n. 2 jnnto ao Gabinete Portngnez.



A ESMERALDA
5 Rua da Imperatriz 5
A* moda f moda I que tempe,
Da festa o genio nts diz :
Ide ver cousas mu bellas
Na roa da Imperairit.
Ide, e ao passardes s portas
o numero cinco attendel;
E' all qoe assiste o genio,
' all que o gosto le.
Escravos futidos
Nos primeiros das do mez de outubro dest*
anno fugio do cngenbo Bomflm, propriedad* do
Sr. Silvano Antonio Gaiio, na fregoezia do Bem
Jardtm, o escravo Damasio, preto, de idade ie 26
a 30 annos, altura regular, chelo do corpo, ponca
barba, rosto um pooco carnudo, olhos abotoados,
ps malfeitos, andar banzeiro, molero e de falla
moderada : este escravo foi comprado poneos dias
antes da fuga ao Sr. Joo Barbozado Reg o Silva,
da mesma freguezia do Bom Jardim. Recela-se qae
elle se aprsente como voluntario da patria, pelo
qoe se previne as respectivas autoridades
:pegar leve-o a sea senbor,
qoe sera' recompensado.
de 1867*
quem
no referido engenho,
Recite, 15 de novembro




Tem lavas de varias cores,
Do aflamado Jouvtm;
Tem ricos cintos e flores,
Pilas lindas e setim ;
Enfeites de vatios goslo;,
Cbapelinas e toncados,
Tem vesudos mono simples,
E tambora os tem bordados;


i
Trangas. ligas, faiecs, franjas,
Pente, leques e cordSes,
Gaxe de seda, bom crpe,
Blonds ricos e baldos ;
Tem aderogos de flores.
ntremelos o babados,
Pelerinas e manguitos,
Coslumes p'ra bautisados.
All, nada falta moda,
T mindezas encerra;
De Paris ao centro ide,
Fregueses da minba ierra.
km .
0

...fj
.

Ido ver cousas nial bellas,
Da festa o genio nos dlx ;
Ao numero cinco allende!,
Na roa da Imperatriz.
BatRAl-p*.
J ciey.ra
Cemento romano : no armazem de Tasto lrmaoi
no caes de Apollo.
100^000
Fagio no dia 2o do correnle mez de oulubro, de
engenh Limoeiro fregoezia da Escada, o escravo
coro os seguintes signaes : cabra fusco, alto com
bom corpo e booiu figura,, cara bexigosa, barbt
pouco (errada, costuma rapar o bigode e a peira
cabellos um tanto carapinbados,- pouco cambeta
tero os dedos grandes dos ps mais compridos.
um pooco gago, com slgumas cicatrizes velbas d
chicote as costas em ama pa' e em um brage
vtsiindo camisa de algodo da mata ou algodoii-
nbo, caiga o palott de brlm pardo, chapeo de i ac-
ta preto, e leva vara de carreiro que e supp5e-si
ter. ido assentar praga como voluntario : recom
menda se as pessoas cncarregadas do recrutamer
to e as autoridades Dollctaes com especiahdade u
d) Rfo Forooso, Una, Agua Preta, S. Bento o Por- ''
to Cafvo o a ootra qca'quer pessoa a apprebeosie
do dito escravo, e eotrega-lo no dito engenho, qot
recebera' a gratificado cima. O escravo chama
se Francisco.
~

Paga-se bem.
Foglo em dias do mes prximo pas-ado de poder
Agostinho Jos de Ollveira, em Cmaro' o seo

escravo Runo, mulato claro, Idade 30 annos, secos
do corpo, pernas Soas, olhos nm tanto amortecidos
nariz afilado, ponca barba, multo cor tez o bem fal-
lante, mettido a valente, gosla de agurdenle e le
yon japona preta i foi encontrado, no dttTvo cc/r^
rente no logar Bafateira, ero direccaoa estradfcf
ferro e suspeita- e que lenta ido offcrecer-se como
voluntarlo para a guerra : rega-se pnanlo as auto-
ridades policlaes e,cjpiles da campo a aprehe^slo
do dilo escravo, que ser entregue a seo sensor ot
a Severino Alve da Silva, em Trorobeta.

GRMCArSB
a quem capturar e conduzir a' fabrica de sabo ao
Afogado. oo a' rua do Amorim a. 41, no Rerife, o
escravo Lniz, pardo, idade 35 aanos, o qoal ja' em
principio de>te anno foi preso por fogid; d*
novo eadio se C mesma fabrica, bode trabatba-
vn, na madrugada de domingo ultimo, 24 de no-
uembro ; cujo escravo (agio vestindo a roupa do
uso, de algodo de listras, csstuma emhroafar-se,
negar o proprio come, e bem como o do senhorj e
trazhi por castigo orna corrate fechada na cintura
e no tortotello, do qoe leven' conservar ao me-
nos bs manchas.

>


T!*-
*m
w

man

Diario e Peraafibli* Yerta felra B de Beiembro de 1881
LITTER&fORA.
san
de horneas ferozes e criminosos qoe conti-
etoamea
il modos os despojam e ator-
Ajuntemos a isto que a academia aihoW-\ publica : Defeimrda seguranza publica e repassavan os Tiritantes, todos em trage
_ 'ntor da i
nuamente os espantam com ameacas de toda ca dejfar^ria tem^sid^destpijda e <}^ os| Esta anda lb pjflSlBtftnunciar qne a vigi- domingueiro.
a especie e de
mentara.
Porm alm diste, nos estamos reducidos
a deplorar ainda ootros males, sobre qtie se
nSo pode asss lamentar. Tendes sabido
ser mais proficuas s mesmas almas, o sero
por certo aos vtos-participando dos bens
menta de ama triste ruina. Oque n'isto ha
de mais deplorare?, qjM.se tem encontra-
do un padre chamado Wajieski, homem de
muit bem, ?rin ipalroent pela nossa alio' nm* suspeita, o qoal em despreso deto-
cuco consistorial de 9 de ontubro do-anW das as penas e censuras eclesisticas, esem
passado, edepois por ama exposico imprea-- temer oterrivel juizodeDeus, nao tem re-
sa cora os documentos justificativos com que ceiado de receber do mesmo poder civil o .na cama
ii I i-i rv\ iiin > Z_____* .1*__ **.-% til lirtfl nr\w i r*n a i% r\ o *- */\ f4 aaI n m 11 m n aiaaiika r Ja /' j
.a i calumnias a isfreia catholica e os seus filbos gortrno eo cargo d'esta ultima diocese, ede
Carta enerellea do nosso
tfssltao padre Pi IX
A todos os patriarchas, prim^zes, arce*
bispos e bispos do *jtiiverso Chatolico, es-
tando em graca e comraunlio com a Sania
S apostlica.
Veneraveis Irmos.
Saude beoco apostlica.
Levntalos olhos ao redor de VJ """"do imperio da Russia e do reino da Polonia fazer j nanitas ordenaces que 3o contra-
plorareis vivamente comnosco as aootniod-, s_0 miserave|inenle atormentados eoffendi* ras disciplina eclesistica e que favore-
coes detestareis que boje, desolara prmci- dos 0s pre|ados cal|,0iico?t os ecclesiasti-'cem nm scisma dos mais funestos,
plmente a desgracada Italia. co8 e os fiejs secu|are s3o desterrados, lan- No meio de todas estas calamidades e de
Era quanto a nos, nos aaorano nuito. dos nas masmorras, vexados de todas as todas estas agonas que teem ahido sobre
humildemente osiosondave.sju.zos de Deus maneras despojados dos seus bens, oppri- a igreja e sobre nos, como nao ha ninguera,
a quem aproare que vivessemos neU epj- mdos pe,as penas majs seTrira3i e os ^-'excepto Nosso Senbor Deus, que sustenta a
cha tao dolorosa, em que pelos me a.i- nes c as ,ejs da -a nleramenle atrope- lucia em nosso favor, ros supplicmos, ve-
^bo^*^aotor^tdaq^te.a |ad()S< neraveis irmSos, em nome'.db vosso amor e
80^^!^}*"^..^^^^^ Nao contente com isto, ogoverno russo' do rosso zelo pelos intereses catboticos, e
,n.ortDnad^raa lu a n*"^**^ cottMna, seguindo o plano dos seus prede-! em nome da ossa profunda piedade para
presados os renerare.smaodamentoS de Deus, cessonjs a violar a disciplina da igreja, a nos, que unaes as vossas mais fervorosas
bispados d Melm e de B... (Boitinens dio- lela estava convertida em Hercules. Desde --~que atfbtffllva a atfe^^fcs cu-! que ella dervam>-e "aos i irnos coniribu-
Ruthenorum) eslo ameacados igual- ento os Parisienses "comecaram a transitar 'riosos eram as diversas scenas do Averno mieJ> qQe n5o drtjjrao de conbecer que
de ntite pelas roas e a dedicaren mais no-' que se viim em varios dos nichos enlloca- f^em nmt ^ obrj e de gosar a sasfcco
ras i vida actira. I dos ao dofs lados do pavilho e em que &4qU( resultar deste coaAecimeoto.
Esta madanca mtroduz.o ooU : a das goraram as almas dos malvados recebendo Mais de vinte mil duros se despenden
horas de comer. Nc reinadolle Francisco I o castigo a qae as haviam condemoado os almocava-se s nove horas, jantava-se s cin- jui/.es infernaes tendo cada condemnado unr (oSj Do podendo satisfazer aderoc3o com
co, e s nove horas da noite todos estavam rotulo ao pesclo em qae se ennnmerava oa" qae contribuem para officlo publico, illu-
as leis da santa igreja, levantando a impie-
djde impune ricloriosa a cabeca.
D'aqoi procedem todas as iniquidades,
todos os males e prejaizos que vemos ct>m
urna profunda dr da nossa alma.
D'aqai estas numerosas phalanges de ho-
rneas que caminham pela impiedade, serrem
debaixo do estandarte de Satanaz, em cuja
fronte est escriplo tMentira equoappel-
Ldados rebeldes e voltando a sua boca con-
tra o Co, blasphemam de Deus, profanam
e despresam tu lo o que sagrado, e atro-
pelando todos os direitos divinos e humanos,
s respiram, como os lobos rapaces, a des-
truido, a carnificina, derramam o sangue,
perJem as almas pelos seus gravissimos es-
cndalos e buscam mui injustamente o pro-
veito da sua propna malicia roubando vio-
lentamente os bens alheios, contristando o
frac e o pobre, augmentando o numero das
desgranadas viuvas e dos iofezes orphos,
e pelas recompensas agraciando os impies,
em quanto que recusam aos justos a justica,
os despojara, e, na corrupto doseu coraco,
se esfore. am por saciar vergonhosamenle to-
das as paixoes ms, com grande prejuiso da
propria sociedade civil.
!'.' desta raca de homens perdidos que nos
estaraos rodeados, reneraveis rmaos. Estes
homens animados de um espirito totalmente
diablico, querem arvorar o estandarte da
mentira al em nossa cidade centro de be-
neficios, ao lado da cadeira de S. Pedro cen-
tro da verdade eda unidide catholica. E os
chefes do gorerno subalpino, que deveriam
reprimir taes bomens, nao se enrergonham
de os apoiar com todo o seu zelo, facilitar-
Ibes armas e todas as cousas necessarias, e
preparaiMb.es o ac;esso d'esta cidade.
Tremam por n, todos estes homens por
nuis alto, que estejam collocados no mais ele-
vado posto do poder civil; porque, por es-
ta conducta verdaderamente perversa caem
debaixo do golpe dos castigos e censuras ec-
clesiasticas. E ainda que na humildade de
Dosso oracio nao cessemos de rogar ede
supplicar cora todas as noseas fo cas a Deus
rico em misericordias, a fim de que se digne
conduzir todos estes homens desgracadissi-
mos para urna silutar .penitencia e no recto
minhoa juetica, da religio, e di pieda-
de1 nao podemos comtudo callar os graves
p..rigos a que estamos expostos n'esta hora
do trevas.
Esperamos com urna alma inteiramente
tranquilla, os acontecimentos quaesquer que
forem, ainda que sejam excitados pelas frau-
des, calumnias, traicoes e criminosas menti-
ras ; porque nos collocamos toda a nossa
esperanza etoda a nossa confianca em Deus,
auctor da nossa salvjco, que o nosso soc-
corro e a nossa forca em todas as nossas at-
tribulagoes. que n3o soflre que aquelles que
n'ea esperara sejam confundidos, que des-
tros as machinacss dos irapios e desfaz os
piojentos dos peccadores.
Entretanto nos nao podemos prescindir,
reneraveis irmos, de denonciar-vos e a to-
cos os fiis confiados aos vossos cuidados,
condiejo extremamente triste e os perigos
to graves em que nos encontramos boje por
culpa particularmente do governo subalpino.
Pois ainda que estamos defendidos pela bra-
vura e dedicaejo do nosso fidelissimo exer-
cito, que, por suas proezas tem dado pro-
vas de um valor quasi heroico, evidente
que nao pode resistir mais longo lempo ao
numero cada vez mais consideravel de seus
indignos aggressore?.
E posto que experimentamos grandsima
consolado pela piedade filial de que dos d
prova o Festo dos nossos subditos reduzidos a
um pequeo numero por criminosoj usurpa-
dores, tambera temos a lamentar os graves
males que Ibes occasionam esses balalhes
quebrar os lacos de uni3o-e de commuho' oraches s nossas para supplicar a Deus *em
que existem entre estes fiis, e nos, e esta descanco com lodo o rosso clero evosso po-
Santa S, i fazendo todas as tentativas e es- ro, que lembrando-se da sua cteraa mise-
forcos possiveis para destruir completamen- ricordia, retire de nos a sna indignado, e
teos s:us dominios a religioeatholica, ar- nos livre, a nos 3 sua igreja, d'este dilu-
ancar a estes fiis do seio da igreja .arras- vio de males: que preste o soccorro e a
tando-os ao scisma mais funesto. E' com
urna dor incrivel de nossa alma que vos fa-
zemos saber que este governo tem publica-
do recentemente dons decretos depois da
nossa ultima allocuco cima mencionada.
Conforme os termos do decreto de 22 de
maio ultimo, em virtude de orna horrivel au-
dacia a diocese de Podlachia, no reino da Po-
lonia, tem sido completamente destruida com
a sua collegiada, seu consistorio geral e seu
seminario diocesano; o bispo da dita dioce-
proteccao do seu poder infinito aos fifbos
d'esta mesma igreja, qo*' em qoasi todos os
paues, e sobre tudo na Italia, do mesmo
modo que no imperio russb'e reino da Po-
lonia, se encontram luctandb com tantas ma-
chioages, e sao affligidos coffl' antaa provas
dolorosas, para que os conserve e fortaleca
cada vez mais cada dia na pfbftssao da f
catholica e da sua doutrina salaar, para gue
confunda os projeclos rapios des- inimiaos
da igreja, a fiaste a estes do abvsnfto da mi-
se foi arrancado ao seu rebanho eobrigadojquidadee os condaza pelo carainbo'dbsse
a abandonar immediatamente o territorio da
diocese. Este decreto anlogo ao de 3 de
juoho do anao precelente, do qual nao te-
mos podido fazer menc3o, attendido, que lhe
ignoravamos a existencia. Por este decreto
o mesmo governo nao tinba pois receiado
superimir por sua propria vontade e por sua
propria autoridade a diocese de Kamenetz
de destruir a sua collegiada, o seu consis-
torio e o seu seminario e de arrancar vio-
lentamente o prelado a sua diocese.
Yendo-nos privado de lodosos meios, ven-
do fecbar-se-nos as vias pas quaes poda-
mos communicar cora os fiis, e nSo que-
rello que elles fossem expostos priso, ao
exilio e aos outros castigos, temos sido Tor-
eado a inserir em nossos jormes um aclo
pelo qual temos julgado dever oceupar-nos
do exercicio da jurisdiccSo legitima destas
vastas dioceses e das necessidades espirituaes
dos fiis, afim de que a nova resolucao toma-
da pbr nschegasse a estas localidades por
via da imprensa: todos comprehendem fcil-
mente em que espiritoe em qne fimos de-
cretos de^ta natureza s5o publicados pelo go-
verno russo. pois que ausencia de muitos
bispos se junta ainda a suppressSo das dio-
ceses.
O que mais augmenta a nossa amargura,
veneraveis irmos, um decreto publicado
pelo mesmo governo, em 22 de ma pas-
sado, decreto pelo qual tem sido constitui-
do em S. Petersburgo um collegio chamado
collegio ecclesiastico catholico romano, e
presidido pelo arcebispo de Mobitew. Ora,
todos as perguntas, mesmo aquellas que
tem relajo aos negocios do dogma 6 de
conscencia que nos s5o dirigidas a nis e
Saota S apostlica pelos b.spos, padres
fiis do imperio russo e do reino da Polonia
devera ser primeiro transmittidas a este col-
legio, o qual est encarregado de as exami-
nar, de vr-se estas perguntas excedem o
poder dos bispos, eneste.caso d3 no-la fa-
zer ebegar. Depois qnando chegue a nos-
sa Jecso ao presidente do dito collegio,
est obrigado a envia-la ao ministro do in-
terior, afim de qae examine se acba nella
alguma cousa contraria as leis do e:tado e
aos direitos do soberano, e que Ibe d se-
guimento segundo sua vontade e seu apra-
ser, se nada encontra desta natoreaa.
Bem vedes, veneraveis irmlos, qu de-
testarel e condemna>el um decreto d'este
genero, fomentado por um poder leigo escis-
matico, decreto que d um golpe at na
constituico divina da igreja catholica, que
contrario i disciplina ec lesiaslica e cons-
ume o attentado maioraos direitos do nosso
pontificado supremo, assim como ao poder
e autoridade da Santa S e dos bispos, que|
poe obstculos liberdade do pastor sobera-
no de lodos os fiis, e que impelle estes l-
timos para um scisma dos mais fuaestos-
decretoemfitn qae viola e atropella opro-
prio direito natural em relacao aos negocios
que interessama f e a consciencia.
mandamemos.
Por consecuencia queremos que ordenis
em vossas dioceses um riduum de oraedes
no praso de seis mezes a contar desd este
dia, e de um anuo para os paizes do ultra-
mar. Aura de excitar o zelo dos fiis para
que assistam a estas rogativas publicas a ro-
gar a Deus por s* meamos, concedemos mi-
sericordiosamente no Senbor; indulgencia
plenaria e remissaodos seas peccados a to-
dos e a cada um dos fiis de oiff e de outro
sexo que tendo confessado-se e commonga-
do, assistam devotamente aos ejercicios es-
tes tres dias, e pecara a Deus conforme os
nossos desejos, pelas necessidades- actuaes da
igreja.
EmqaaDto aos fiis qpe contrctbsrao me-
nos em sea- coracSo, pratiquem as obras
proscriptas em cada uredos dias sspraditos,
Ihes concedemos, segunda as formas- babi-
tuaes da igreja, urna indulgencia dsete an-
uos e sete qnarentenas pelas peniteoeiis em
que ti ve re ni acorrido de qualquer ctass
que sejam.
Todas estas indalgenciw, rera'rss3cd pec-
cados e de penitencias, as- concedemos no
Senbor aos fiis que unidos a Deus- naca-
ridade tem detxado este meado, appiteaodO'
se-lhes por via de saffragi, nio atestante
qualquer oopoeico em contrario.
Por ultime, nada seguramente ntws doce
para nos do qae aproveitar com jaHsM c-
casio presente para atieste* e confirmar de
novo a grande benevolencia qnaa tooa-pro-
fessamos era Beun; e como-elor penhor
d'esta banevoJeacia recebei a bencjto apos-
tlica que voe -damos cora afuso de eorac3o
a vos, veneraveis irmaos,. a a- todos-os ee-
clesiasticos & leigos, fiis- confiados- a. vigi-
lancia de cada uno de vos
Dado em Ruma em S: Pedro, emitTde
outubro de \S67y no ann XX do noesc
pontificado.
Com o augmento progressivo da Ilumina- sua peregrinado na trra.
c5o os habitantes foram progressivamente Entre estes desgranados, que d
entrando pelas horas de descanco. sahiran impenitentes, sobresabia naf cor-
No reinado de Lniz XVI almogava-se s rector do chachaes preso a urna grcfSsa cor-
onze ou onze e meia, jantava-se s seis, de- rente da ferro candente, beliscado, esbofe-
pois ia-se para os dvertimentos, e ceiva-se leado, esmorrado, alanazado e esqoartejado
meia noite. do mesmo modo brutal como elle em vida
Dorante o reinado d Francisco I as co- baria tratado as pobres victimas que bavia
medias representavam-se entre o almoco e} aliciado, engaado, apanhado, cozido e pre*
o jantar. parado no sea cumto para os sorredouros
Pouco e pouco fui augmentando o gosto! de Havana e Per!
pelo3 tbeatros', e no reinado de Luiz XV \ Viam-se tambera muitos chuebaeiros
havia j muitos. Comecou a conhecer-se a entre os demonios oceupados a retribuir-lhes
necessidade de illomiiar bem a cidade. Em'ao cntuplo os seus feitos criminosos cora
crimes de queje'finha feito reo dotante .* ffiiDara suas casaS; queimtUrmontes de pa-
Mml e fazeni oolras ceremonias religiosas,
i de modo qae o bairro cbinez da colonia-oes-
1776 roudou-se o systema de illumioacSo.
Os candieiros substitoiram as velas, stibsti-
rarias sortes de tortoras anlogas s qae
elles bariam consentido que se appcassem
tuicSo qae causou espanto, den assompto' aos pobres chuchaos que recusarara abando-
para caracos, e iospirou urna peca em verso nar suas familias e entregar-se ao capti-
intitutada: Pobres lair&es e ratoneifs,
grac~a$ aos candieiros.
No reinado de Luiz XVf mwdaram-se as
horas das comidas, e reduziranr-se a duas
o almoco e jantar. Esta mudaoca nao foi
Riba da
praticou
veiro t
c Eram esses chnchaeiros ymbosa'los
uns era ardentes tic5es, outros em sardi-
nbas assando-se sobre grehas em brasa, al-
guos em monstros de espantosa e mrbida
frugalidade ; nunca em Paris se! obesidade, o em esqueleto hediondos,, be-
essa virtude seno em tempo da chqposos, e lvidos.
fome, e desconfiamos com razo que Rabe
lais qoiz reprehender a sna glotonera fa-
zendo o quadro da terrirel consummafSo
de Gorgantua. O nosso accordo lez com
que o tempo se empregasse com mais me-
thodo, a dividi o dia era duas parte mui
distinclaa : a mahaa, que passavamos tra-
sudo dos nossos negoc os eu fazendo risi-
taa, e a tarde, que comeca'ra depois de jan-
lar, s 6 horas, era
m.
t O poro todOy o bello sexo sobretodo,
coDleaplad'o absorto esses quadros assueta.
dores, que de certo ibes tenam causado so-
nhos desagrada veis-, e aos chachaeiros qae-
os presencearam, terrireis pesadelfos.
Onde se via m&lor grupo esttico o bc*-
quiaberto, abi se representava algum3 dessas
scenas que- acabamos de- descrever.
horores,
< Comtudo.a par de* tantos
consagrada" aos praseJ viam-se, em- saliente centraste, campa ri-
denles e floridos onde espaireciam os justos
X maior parte dos Francezes tiobam env em cojos semblantes se lian as venturas Je
ta*o-por costuro almocar e comer muito ao
jantar, D'ab o grande numero' d indiges-
tes que hou\ e, e cora1 as- quaes a morte
ganbov bastante.
Desde que se passou v jantar s-rjuatro,
{imeo e* seis horas; comecaram' osthaeatros
Vmudar as horas de espectculo:
"Pudo derido illuminaco. E per isso
bftje vivemos muito; porque a vida n3>
outra couoa seno ama eadeia e agora procuram-se oom afinco, como nun-
ca, se procuraran!, as commocoas fortes-, as
grandes sorpresas, oe-dscobrmentosnsara-
vilkosos. Qoe phreaes de gasar e d ver
tudo!
Qbe infleaeia to deliciosa exercera so-
bre ns os espectaculos^octuross Era r5o
sabiu querer inspirar-nos uaaa maneira
de virer mais normal; asna voz encantadora
diz-nos-: Segu por esse flrido can*
nho, respira esses perfciaes e esse ar que
embriaga ; pega na coroados featns e re^'de regosijoaos que a-*lcaoca7am;-
colbe os sorrisos gracisses.
qae j gozaran em' paga das tribola^oes
porque aqui p39sarm & daben que pra-
ticaram.
Yian-se ao-ftind do piv16So,,que era
assaz elevado, dispostas noitas rezes simi-
lhQ'dt> altares, sobre as qnaes bonzos en
grande numero o ricamente -palamenta dos
oravem cantando som da flauta*e outros-
Bstrumeotos, cuja dissonaneia- quadrava
perfeitaroente coa a monotona as suas
vozes:
Sobla-se ao pariM per ama ompri-
da raacaberla de-lostres, fores- osoraes,
e arteficiaes, e oorw coriasidads- e or-
lada de centenares- de mezas,- em qpeven-
dilhes-de todas ae-sortes d doces, bo-
los, sepasv froctas, et servan essas- golo-
dices aos-derotos depois de satisfeita a sua
devoc5)u eoriosidade. Reiaara insuppor-
tarel vezera, mas de-nenhum> modo ibeom-
moda aos-cbnas qua^tomava por signal
l* POICO Ni TODO.
(Conclw&h)
b(FLOE!*CI*.\ BA ILLMr?*ffAO SOBaR-.OS C03-
tumks. Em principios do seculo-XVll, os
roubos e oo-assassinios saccediam-ae em to
grande numero e to paqueos Aterrallos,
que o parhaieotoj vio-fi* obtigado .a pronur
ciar senteacas commecieatorias ;. porm a
desordem- nao cessava,
Em fina, Lo'u Xyi *asttu'u os pbaroes p-
blicos, qpeeram unas velas q\ic ardiam
quando vento da va kitdsca e qsa iUuminara
muito mat.
O espirito de melboramento. que-caracte-
risou o reinado da fcuiz XVI Q8teodeu:se a
tudo qt-aato poda garantir a seguranca e a
commodidade dos habitantes de Paris, orna
medallia da mes.-a epocha Representa wa
Hercuas armada de urna nassa e tendo a
segoicte inscripSo : aihelor: se cuntatis
FOLHETIH
iss mm DE POETA
P0
D. MARI* AMALIA Vil DE CARVALBO.
X
(Continuaco do n. ,275.)
Naquelle instante Maria abri os olhos.
espalbando urna vista dulcissina em torno
de si.
O seu olhar encontou-se logo com o de
Jayme. Que segredos leu ella abi, nSo
nosso eu dize-lo ; o qae certo que pelo
rosto abatido de Maria difundiram-se uns
refiexos de celeste serenidade, e que ella
murmurou com um triste sorriso, e com a
placidez que nunca deixa as mulheres, nem
mesmo nas mais criticas conjuncturas :
Meu bom amigo, que pena I... Veio
talez para assistir a um casamento, e tem
de fazer parte de um cortejo fnebre 1
E, enxugando com um beijo as lagrimas
que corran dos olbos de sea pai, disse-lhe
com muito mino :
Meo pai, nao chore, nSo quero qae se
afflija por nioha causa; ba casos em que a
morte urna felicidade.
As criadas levaram a enferma para o
quarto, e niatos depois roltoa una, di-
zendo : senhor D. Nano, a neninapede
para fallar con V. Eic.
O velbo corren ao qaarto de sua nina e
entren.
Maria, branca e fbrnosa eono um estatua
de alabastro, estar deitada sobre o leito ;
brilhavam-lhe na meia escurido do quarto
os grandes olhos melanclicos. Ao ver seu
pai, a donzella estendeo-lbe a mo transpa-
rente, e disse-lhe con tristeza:
E' tempo de fallar-lhe sen reboco,
mea pal ; engana-lo seria tornar mais lan-
A- FESTASDO TA-TR9fa. O'FcA
Pavor; jornal- de Hongkonfr no seo numero
de 10"de seteaafcro, d dessas festas cele-
bradas' este anao, como o foram aos annoa
anteriores, anegante eoriosa dsscripco:
c As festas-aonuaes &Ta-tchi comeca4
rara r.a noite de ^6 e conlinuaram at a ma-
nba de 31 da passado eum a &06tumada>
pompa e alegre rebolicoi O espaco e ele*
vade pavilho .em SalyeEgpun, oade as di*-
vindades infernaos erara propiciadas com sa-
crificios e praces solemnes que ibes offere-
ciara dia e licteos bonzos-, a presenta va urna
perspectiva brilbante eos*os variados e rices
Ornatos em sedas multiiores, floras variega-
das- e lustres qne o adornavam, s-um ciarn
desiambrant> da profuso immensa de lazee
offuseava de-noite. os coweorrentes de todos
os credos qae ahi se cf-inharam, era nuna-
ros^espanlosos para ad:wr-alo.
Era uoi fiaxo e rafluxo incrivel de gfi-e-
te-que ato coocorrla Oa e noit e a toda a
hoMos chinas levados pela devoco -so-
pe-stico ees Europeos pela curiosidad de
contemplar e admirar mil objectos cucio-
sos e valiosas anligoelhas qoe nesse vasto
recinto aiardeavam.
Arbustos sem. cont, exquisitos ex-
ticos, aos quaes nm cuidado-paciente e atu-
rado baria dado formas diversas e bizarras
de bomens, passaros e outros animaos, cu-
jos- vestidos, p 'nnas e pellos, eram formados
das folbas e florss dos mssmos; moitas ar-
vores. de flores e fructo, todas am bellos
vasos de porcellana, viam-se por toda a par-
te, formando alas entra as quaes- passavam.
steve egualmente brilbaote a procis-
fso quedarante tres--(fcis percorreu >cida-
de todat Precedida, de urna immenea-co-
/ ceante o golpe que o espera. Querido pa'
a sua Maria nao tem mais que dias a river I
Filha...
Nao tenho, meu pai; se o medico
quizer fallar rerdade ha de confirmar lhe o
que lhe eu digo. Pensa que me nlo rato ?
Agora ouca-me om pedido supremo. Se
mea amigo, se ainda se lembra do tempo.
em que eu ria pequenina nos seus bracos,
se amou alguna vez a ninba santa m%
pai... neo pai adorado... n5o ne enve-
nene as minbas ultimas horas, obrigando-
me a casar com Gustavo !
Nao... filha... em nome de Deas le
juro que emquanto esliveres doentinba, nin-
gue:n tratar de casamento...
Nem se eu melborasse, meo. pai, nem
se eu melhorasse por um milagre do Senhort
Se soubesse como eu tenho padecido I ae-
crescentou ella com um gesto de inneffarel
sopplica, ao rer qne talvez mesmo a sao
pezar, atesta de D. Nuno se havia franzido
com severidade. Olho, meu pai... os mo-
ribundos nao saben mentir... peco.-lbe,
pelo que ha para si de mais sagrada qae ne
n3o deixe ver outra vez meo primo...
Faz-memal... faz-me muito nal tsolucou
con energa febril.
Mas, filha, essa repugnancia nao ten
desculpa, que nal te fez o pobre rapaz ?...
Que mal me fez ? exclamou Maria er-
guendo-se violentamente do leito, que mal
me ez ?... Assassinou-me a fogo lento I
Se nao fosse elle, talvez eo podesse vi-
rer ainda, respirar o bom ar de Deus..
ver as arvores... ver o sol-
brincava tao alegre de maoha
ses dias de festa apparece sempre bellamen-
te Iluminado.
Einfim, ba rail modos de snffragar as
A
das as cores?efeitios* andas con rapases e
raparigas- representande varice hroes-, he-
roinas e dkindades? abioezasr a o rago
de uns omeeenta pe de compwmente cem
longos trifnea de prato, No-houve becco,
por estreito e imanado que fosse, ess > qae
nao entpasse o dragr- acolhido em teda a
parte con grande enthnsiasm pelos ehinas,
persuawflos como esto todos do graede
presumo-que tem sse monsisro como adro-
gado contra a peste e todas as malesSaecon-
tagiosas
* Havia concorrido das-- Tillas e cidbdes
visinbas mnila gente para -ver as-restas e
comprar relicarios ebentiabes que se ren-
dan) en urna graode meza levada diante
do drago. Os devotos de-ambos os sexos
e de todas as edades os traaiam ptndeates
do pesso^o oo d^ma casade bol3o.
OMriBte mi!,toros- qae despenden) os
chinas aenualmente em suffragar es morios
podiam- eertamsute sermelbor e&pregados
do que o tem sido at boje; nao am pom-
pas vaseceriraonias-imitis que nadaapro-
veits aos manes dos seus irmos; masem
obras de benaficencia, como insliluico de
bospiues pasa os seos doentes desvalido;
quasaosem numero;;de hospicios para 03
velbos e valetudinarios qme a cada passo sa
encontrara merlos nam montura principJ-
nente no invern, ete-.
. Somn. annuaimente con'xftuidas para
Sos to loavavcis. dadas esponlaneamcAle
cora o fita no sufftagio das almas, dos seus
que j c3o sao doste mundo sobre peder
exclamara o Dobre pai, a*, ver a desowtem-
dos movi mentas de Mam, e ella continua va
sea, attende-'o.
Ningaam lh!o disse ainda, nao ver-
dad.:?... Nao iraaorta, digo-lho eu...
meu pai... Eu araeiJ.ayme desdi- qae e
vi a primara vez.... ameio-ocom desvarios
que niogoem adevinhou, nunca... nem eio
mesmo... para quem eu vellava. o excesso
do meu amor.... Amei con um desies
amores que destrem urna vida... Ea
sua voz, meo pai, assassioava-me qoaudo
me ordenoa que perteocessa a Gustavo...
e en padec infernos sem qae niagaem m'os
e&tendesse... e cada ama das pabvras de
toda essa gente que me rodeia.... arranca-
va om pedaco anda palpitante e san-
grento a este pobre coraco dilacerado 1...
Pai, deixe-rae viver estes dons oa tre
das ao p do meu Jayme... deixe-na ve-lo
ao menos... para que va para o co resig-
nada... para que a ierra me mo prenda
com as suas garras de abutre... para que
os profanos delirios da minba paixo se nao
interponham entre mim e a eternidade !...
Ai I a vida f... Como doce a vida I.
e o sol, que aquece tanto... e as flores,
que cheiram to bem I...
E o sangue suffocou-lhe outra vez a voz
rouca e oppressa, e outra vea o deliquio
veio rooba-la ccascieocia do seu mar-
tyrio 1
Quando o velho fidalgo sahio do quarto
de sua filha, vinha lvido como o espeetro
da agona, e duas grandes lagrimas, duas
o sol qae perolas de amargura paternal, salcaram-lbe
nas vidracas lentamente as faces enrogadas I
almas sem ser enebendo a paoca aos bonzos
que Sao uns verdadeiros zangues e grandes
mandries qoe vivem sempre costa dos
outros,

O PAPA E OS PRESOS OAMBALDINOS. DO*
Roma ercrevem Gazttte da Midi:
Hoare no castello de ?anto Angelo ama
sema, para caja descripcao seria precisa
nma penna sublime oo um pincel primoroso.
< Mais de duzenios presos garitnldinos
se acbam reunidos na sala do mausoleo de
Adriano, como se esperassem atirunr fausto
snccsso, qwmdo de repente apparecen om
venera ve i anciao vestido de branco.
< Este anciao era o papa Pi iX., que ea-
trou na priso s, tranquillo e radiante ds
santidade.
c O santo padre pereorreu a sala, e col-
locando-se no meio do presos Ibes falln da
maneira seguinte :
c Eis-me aqu^ meus amibos; junto a ros-
<< est o vampiro' da Italia, em qoe tantc
< vos falla o vosso general.-
r Vs ha veis tomado as amas para me
perseguir e nao acbais* era> ms mais que
< um pobre anciao.
r Profondo e sepulchral silencio reinava
em toda a sala; os garibaldiaos ajeelbaram
movidbs por secreto impulso,-
ftonh eonnovidDj pernaaeceu por al-
gn tempo no meio- dos revolucionarios
pros Irados a seus p?.
A rrjs; roeusami^s;falunvDs-vesti-
dos, camisas e sapato-; pois bemi o pa-
i pa, contra qoem baveis tomado as armas,
vos vestir, e calcar, vos mandar1 de-
t pois pan' o seio das vossas Amina, s
* quaes res levareis a mba benae1.-
f Porm, antes de partir, fazei como ca-
e< tholicos o pele amor de Deus, atrjura?ao
* espiritual' Esta a ornea suppHsa que
ros fa^o. '
Todos os garibaldino- pedirn** sua
santidade l ien$a para Ibe beijarem oe-ps.
r Muitos delles- eboraranu O padre-san-
to- abencoouia'toda.
^.MOVA OPBRAy WK PARS. -----AS OfcflSMJh
cantara do novo tbeatro de Opera; de- Pftis,
j estao terminada*; e as d esculpais j
principiaran ha das.
A estatuaria- ter larga margena n'esteo-
berbe monumento. Na fachada principal'a
decaraclo dos frises comprehender qoatro
grupos. A Pintara e Esculpiera sero re-
presentadas no frontispicio-da direita.;-sr>
bre r> da esaaerda a Architectura
dusina..
A>. Msica, collocada enpe-duas Baas,
figurar n'un>j -das extremidades dafacha-
da r a Poesia, na outra, igualmente-entre
duas Famas,
Sete bustos j, decoran) a, lachada. priaci-
paJf .e vinte c 'quatro mais-aada um dos->a-
vilhoes-da direia e da esqoarda.
Os-seto bustes-da fachadaiprinoipatao os
da Rossini, Mosart, Spono, Auberj Bee-
tioven, Meverbeer, Halfjl. Os oulros re-
preseniam Oooizetti, Veril- Boilieo. He-
rold, Grely, Monsigoy. Bellioi, Adam,
Johul, Scnbe^ Quinault,, Weber, Ncolo,
I. Jv Russea,. Phiiidor, Camber^ Qanpra,
Clierubini, Prccini, PaesiaUo, Jomellik, Mon-
teverde, Bestaa e Duran':.
No ioleriori no grande vestibatoy. a m-
sica france-Ai, a, italiana, alenme agleza,
sao representadas por quatro estatuas: Ra-
meau, Lulli, Gluck, HceBdel.
As galenas e o foyer, possuirao tambera.
unas quarenla. estatuas; e o-edificio ser
encimado por um gnopo cotessal: Apollo
apoiado aa Dansa e na Poesia.
*
*
^
i

do meu quarto t A vida bella, mea pai, senhor Jayme de Vilhena, disse elle
o en tenho de morrer sendo moca e ama- depois de supremo esforco da sua vontade
da I.. Ob, meo Deus preciso que em de ferro, pecolbe o obsequio de dispor
lugar de coraco tenha ahi dentro do peito desta casa cimo sua; os poucos dias qae a
um pedaco de gello... para no perceber, minha pobre martyr tem a viver, quero re-
trae tremendo este ultimo latar t... Aju
de-me, pai... ajade-me a morrer sem
desesperar de tudo.
Filha, filha.. olha que te natas i...
deiar-lh'os de todos os carinaos da ami-
zade.
Depois chamou Gatavo ao seu qaarto e
conserrou-se n'atna conferencia cora elle ces.
meta hora. .0 que l se diese naoset;
affirma me quem l/esteve queso sabir ex-
prima Gustavo n$ semblante a porco,de
pasmo qoe pode saber n'um cerebro hu-
mano, e murmurara entre denles :
Ora esta I.... esta L.. vo l enten-
der mulheres/ Eu que me sogaitava a
casar com urna phtysica,. por julgar que ella
estava mora por isso Sempre ha gente
bem tola I... .
Horas depois, o noivo regeitado parta
para o Porto. Nao me consta se a jornada
lhe dea tempo para digerir o espanto !
Os tolos sao felizos !'.............<.
XI
Quinze dias depois de Jayme se achar
no Falacia dos Cysnes, melhorava Maria
olhos vistos.
O poeta e Ernesto nao deixavam a gra-
ciosa enferma. D. Nuno tamben estava ao
p della nuitas vezes ; porm, o velho, na
sua I uta de prejuizos, nao podia esquecer-
se do sacrificio de todas as suas opioiSes,
feito saude da filha; por isso havia menos
realidade que affectaco no jubilo das suas
palavras t
Se Maria tinha mais deleixo no sorriso,
maior animago n s olbos, mais esperanzas
nas expresses, comecava D. Nuno a olbar
para Jayme, como mera nao considerara
necessaria a sua presenca no palacio. Eo-
to Ernesto intervinha, mostrando com a
evidencia do passado qoe urna nova tenta-
tiva para separar os dous amantes matara
a pobre doeote ; e D. Nuoo affastava-se de
lodos descontente de si, e mais descontente
ainda dos outros, nao podendo vencer as
conviccSes de toda a sua vida, e recuando
ante a idea da morte daxfllha que elle estre-
meca.
TJma palavra basta para exprimir o modo
porque e-ia acoihera o Gibo prodigo, na volta
dessa romagera dolorosa que o troaxera
rico da sciencia amarga que ensiaan decep-

Maa era mnlher, e tinba a meluor das
grabas, do seu sexo: grao que consiste nao
era perdoar ao som dabozina, ma&.emes-
queeer a proposito, cora, a divina delicadeza
das. crea turas ele i tas.
Depois > volta de Jayme era ainda na
preciavel aomenagem^ destas, qae as u-
Iberes de sentimento entendenve.se rego-
sij.im de receber, pela, simples razo de que
oo sao vulgares.
Ao ver Maria, niogoem podia jolga-la rao
ribunda, prestes a despedii-se da trra
reassumia a gacoidice dos seos dias de ven-
tura ; proenrava^ a forca de arte e de elegan-
cia, esconder os estragos da terrirel moles-
lie, qae a definbava ; enfeitava-se como
quem na vida nao v seno continuas festas.
Tinba risos, que lembravam gorgeios de
aodorinha feliz ; tinha olhares, que faaiam
scismar ao paraizo ; tinba vozes que eram
cnticos, de meio dia aprendidos com as ce-
reias por nontes de luar.
Jayme, a quem a subiinidade daquelle
carcter se bavia revelado completamente,
eque amava a Maria como quem vive no
continuo terror de a perder, Jayme ajoelhra
un dia aos ps da cruz, solucando estas
palavras:
Oh f Cbrist I oh I Deus I que resur-
giste Lzaro, d-ne o neo anjo, pela f que
eu te don!
E ella, que se tinha aproxinado sen ser
presentida, cabio lanben de joe'bos, or
morando entre lagrimas de alegra :
Meu Deus, quanto vos agradeco a
minha morte, se por ella restitu a alma
delte ao vesso altar 1...
Desde aquello diasamio-se o nico obsta-
calo que separara os dous anantes; e as
sin devia ser, porque so a f os podia jun-
tar alen do tmulo......
Que poenas de nelancolia dilacerante de-
ven ser os ltimos dias da nulher que
ana !
As vezes, no meio de urna animada con-
vejsaco, Maria erguia-sa abruptamente do
p de todos os seus,. e correado ao quarto,
ficava alli como louxa, deseniwnhando-se am,
gritos, qpe pediam. a. vida, com a sacrilega
forca de quem na morte tito v mais, qpe
a eterna anniquilaoo.
E.a. tentadora serpente dos prazeres^ter--
restres envolvia-ae aperiava-a nas suas ros-
cas magnticas, e Maria via passar jor dian-
te ios-olhos. em cortejo voluptuoso,, todas as.
horas de frvida alegra, que o futuro ibe
guardara, e agarrava-se a vida com deses-
perada energa ; e a vida fugia-lhe, bota a
hora, em cada una das tremendas parejas
com o deraeoi0' Que wz 'acillar a Christo
nos jardins de Geibsanani I
Depois, rinha a resignecfo con es seas
doloridos arruines de rola ferida, com as
suas notas queixosas do concert dos aojos I
rinha a saudade, que se pranteiava em ora-
ces, apoz o delirio desabafado en blasphe-
nia 1 e a pobrezinha pedia perdo Deus.
das suas agonas, come se para ella Dea,
nao livesse ihesouros de Merecida niserV
cordia I...
Para Jayme foram aquelles das urna es-
pecie de iniciaco dolorosa nos mysterios de
padecer, miciaeo excruciada de pungitivos
remorsos.
D'ali s podia elle sabir morto oa trans-
figurado ; Deus bavia disposto qae fosse
a ultima das duas cousas I
A esperanca comecava comtudo a sorrir
a lodos; Mana tinha o herosmo que teem
raros doente ; escondia-se para dar largas
dr qoe a trocida va I
Hei de salva-la I afflrmava Jayme com
o orgulho, qae desde Prometheu at nos
tem sido o escolho de lodos os homens.
Deus o permuta I responda Ernesto
eatre receioso e crente.

(Contifmar'St-ha.)
\ i
lie. DIARIO-RIJA, DAS GRUZ&S J.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EW80RMLQN_VGOXEB INGEST_TIME 2013-09-05T00:39:37Z PACKAGE AA00011611_11435
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES