Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11434


This item is only available as the following downloads:


Full Text

mm
ANNO XLUI. NUMERO 277.
.:ae 9 taidatvi
itsE wjlo wm
I,

l
.----------*. te.ru.1 al WP
er fre iians tatata**.,. ;JJL**e#St.
Por seis tufos /dea.. .1 *in i 1 .lo .i IV, 01 r*l iA ^tKi.vi.V tai _
Nr mu KG .1 *^ (alampa*! ra'mtg0s^t,iat9nAk a**<* "!,rt'
alta X 09's*w$ ,?i *>"n* *V- "6.?b*lfa! T d d/y ; ,,?v) ti i
I r.7|f-
SJ -,
l MI


3% anwtwV rf
s ,*ats tisq
ijoau Cl III
Al c>

la
DifOJl!'
; O(*ftJv>t0Kii ao en
?o MI *.-q fo
ti
it8'di tb
ol TI ,il)
JtOl.r fc B
(jqu? f.-:og 0
K'KOblOjK
t C*l
'1 .1
1
um
SCfitttiDA FEIRA 2 DE DEZEMBRO DE 1867.
mvrss
B>0 r/.
, Ro *nr -b /
-tb 00
'i mi
oiomit.'ai nada
*AA DENTRO
'frim^***?. r. r. r. ,.
Per ata ditas Mea.
rir aov faUt
hrm.li...a
*
-.j *
'

i. .. .. r. rr
4* .. .. .. 4* .. ..
'*
...
wm
...



171000

\9fi!ffllta*81 Iffi lPl!Ill!i\BriB111) H& IQQOUHPffMUW ID1 ffilH>ia mtMKWMl ID3 MA JMDB 6193 IPI&DIPIMa!l.\!&a


ElSXAfcREGADOS DA SUBSCRIPTO.
. PARTIDA DOS 8*TAPETAS.
I Olioda, Cabo, Escala e estagdes da via frrea at
Parayha, o Sr. Antonio Alejandrino deJJma;/ Agua Preta, todos os diaj.
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva ;Aracaiv
oSr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. Joaquina
os de Oliveira ; Para, os Srs. Gerardo Antonio
Alves 4 Filhes ; Amaionas, o Sr. Jeronyrao da
Costa; Aiagoas.o Sr. Francino lavares da Costa;
Baha, o Sr. Jos Martins Alies; Rio de Janeiro,
Sr. Jos RJbeiro Gasparlnho.
Igaarass e Goyanna oas segundas e sextas feiras.
Santo ABiiio, Grvala, Bezerros, Bonito, Caruar,
AlliDho, Garanhuns, Buiqae, S. Beato, Bora Con-
seibo, Aguas Bailas Tacarat, as tercas-feiras.
Pao d'Albo, Nazareib, Limoeiro, Brejo, Pesquera,
lagateira, Plores, Villa Bella, Cabru, Boa-Vis-
ta, Ourieur y, Salguero e Ex, as guanas /eiras
I Sertnaern, Rio Por maso, Tamandar, Una, Bar-
reros, Ag-i Preta a Pimenteiras, as quinta*]
feiras.
AUDIENCIAS D08 TRJBUNAES DA CAPITAL-I
Tribunal do coiamereio: seguradas e quintas
Relavio : tercas e sbados s 10 horas.
Faienda : qa/otas ia 10 horas.
Julzo do comraoroio ; segundas as 11 horas.
Dito de orphos : tercas e saetas a 10 horas.
Prineira vara do civel: tercas a sextas ao meio
dia.
Segunda Tara do cival : qnartai e sabbades a
1 ocra da Urde.
EPHEMERIDES DO MEZ DE DEZEMBRO.
4 Qaarto eraac as 7 h. e|2 o. da m.
ti Loa cheia as 9 h. e 18 m. da m.
19 Qaarto ming. aos 42 o. da qo.
25 La nova as 8 b. e 47 m. da t.


DAS DA SEMANA.
2 Sewda. S. BUUm *. ro., S. Adria m,.
3 Terca. S. Francisco Xavier, S. Magina t.
4 (Juana. S. Barbara v. m., S. 0Made.
5 Quiat*. S. Pedro Criaologo b., S. Sisas ab.
6 Sexta. S. Nicolao b., S. Geraldo are.
7 Saboado. S. Ambrosio b. dr. da Igr.
8 Domlogo. A Inmaculada Coneei^ao de Mara.

PREAMAR DB
Prfnura as S horas e I* m. da nunhia.
Seganda as 5 horas a 42 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COsTEIROS.
Para o sal ai i Alagoaa a 14 90; para o Mrv
at a GraBja a 13 e 30 de cada as; pan ftr
Dando nos das 14 dos metas Janeiro, marcea, aata
julho, setembro e uovembro.
PARTE 0FFIGI4L
MIXMSTERIO DAJFAZEMBA.
"Uecrelo n. 4,019 de 20 de novembro de 1867.
{ara execnco dos arts. 3* da lei o. 1,083 do 22 de
agosto de 1860 e 38 da le n. 1.057 de 26 de se-
tembro de 1867, sobra a cunbaeem das moedas
de brome.
Usando aaaotorisa$5o conferida oelos arts. 3* da
lei n. 1,083 de 22 de agosto de 1860 e 38 da lei n.
4,507 de 26 d* setembro do corrente anoo, e
Teado ouridu a seceso de (tienda do conseibo
de estado.
Hai por bem decretar :
Art. 1.* Para sobsiltoico das moedas de cobre
que ai-ioalmente eirenlam, conhar-se-bio moedas
compostas de orna liga de 95 partes de cobre, 4 de
estanbo e 1 de tinco.
Art. 2.* As novas moedas terc o valor, peso e
modulo seguinte:
Valor Peso Module
eni ris. em erammas. em mildmelros.
20 7 25
10 3,5 20
Art. 3. A tolerancia para mals on para menos
sera' de 2 centesimos no peso das referidas moe-
das, e de 1 centesimo para o cobre, e meio cente-
simo para cada ora dos cutros metaes na composi-
Art. 4.* As moedas, de que trata o art. 2', terao
no anverso a effliie do imperador com a era do
cuntu a i exergo; por inscripeo a masma das
moedas de praia na forma do art. 3* do decreto n.
3,966 de 30 de setembro do correte aono ; no re-
verso a corda imperial sobre o escodo das armas
do imperio, e de um lado os algarismos que re-
presentara os respectivos valores e do ouiro a pa-
lavraResem abreviatura.
Paragrapho nnico. O contordo das ditas moedas
sera' liso.
Art. 5. As novas moedas, nos termos do art. 3*
da lei n. 1,083 de 22 de agosto de 1860, sero da-
das e recebidas em pagamento at a quantia de
200 rs., valor da mnima moeda de prata.
Arl. 6. O ministro da fazeoda, em execucSo dos
g 3\ 4 e 5* do citado art. 3' da lei n. 1,083, re-
gulara' definitivamente por iostrucedes a forma e
coodirjSes da substituido das moedas de cobre que
actualmente circolam, assim como a poca em que
deitarao de ter corso legal.
Art. 7. Ficam revogaas as disposicoes em con-
irario.
Zicarias de Ges e Vasconcellos, do mea con-
selho, senador do imperio, presidente do conseibo
de ministros, ministro e secretario de estado dos
negocios da fazenda e presidente do tribunal do
tbesouro nacional assim o lenha entendido e faga
execDtar.
Calado do Rio de Janeiro, em 20 de novembro
de 1867, 46" da independencia e do imoerio.Com
a ru'rlca de Soa Magestade o Imperador.Zaca-
ria.- de Ges e Vasconcellos.
EXTERIOR.
Buenos Ayres, 14 de novembro de 1867.
Se bonve lempo em que os meies se succediam
sera baver nenhuma oolicia importante da guerra:
se enlo os correspondentes precisavam entrar em
longos comraentarios para ter alguma cousa que
d.-' r ao publico brasileiro ; se isto aconteca ha
um f.nno, ha apenas seis metes, boje as consas
corrern por modo inteiramenle contrario.
Us sucmssos da guerra muiliplicamse, aecumo-
lam-se no breve iotarvallo de nma qoiozena, e in-
lerminaveis teriam da ser as correspondencias de
cada oaquele se entre elles nao houvesse sempre
vapores extraordinarios que antecipam muitas das
ooticias e reduzera assim a menores proporcoes a
historia quinzenal.
M lis coramoda seria ainda a minha tarefa, e de
algam collega que possa eu ter nesta cidade, se
esses vapores extraordinarios que parlara sempre
de Montevideo, promptiflcando-se naqualle porto,
r.hegando alli de Corriente, flzessem constar era
Buen is-Ayres a sua ebegada e prxima sahida pa-
ra o Rio de Jioeiro.
Nao era isto difTisil, visto que ha entre as duas
cldades a coramunica^o telegraphica, e nma pe
quTU despeza eita pelos consulados brasileiros fa-
cunara ao commereio, as Iegac5es brasileiras, e
emfiu aos correspondentes saberem da occasio
qae se apresenta de escrever para a corle, ao pas-
so que agora quando teem conhecimenlo dalla
j depois que o vapor extraordinario vai em via-
gem.
Parecerara-me opportoms estas observacoes al
para explicar como e porque em vez de commuoi-
car as noticias do llieatro da guerra a medida que
vao ebegando as tenho que guardar todas para a
corre.-pondeocia do paquete.
Mas apresso-me a entrar na narraco dos Tactos,
sna nrande importancia, a gloria que delUs resulta
para os exercilos braslleiros e a promessa qua ga-
ranten) de um fim prximo e glorioso da espinbosa
contenda paragaaya, nao consentem que eu me
aloogUi em coosideracoes de secundario Inleresse.
Acredito estar boje asss comprovado, que o
meio de dar impulso a guerra era eque adopiou o
marquez de Caxias, de dividir em dous ou tres
corpos oexercito alliado e deixasdo um para guar-
dar a base de operaedes, avancar com todas as ou-
ras forcas sobre o flanco do inimigo, e dabi a sua
retaguarda, aBm de assedia lo em suas po-lcojs
que, sem enorme sacrificio de gente, nao podiam
ser conquistadas.
Porm se novas provas fossem necessarias ellas
.? achariam na multlplicidade de fallos de armas
que vio o mez de oulubro, e que da ceno o mez
de i o cubro nao desmonte, quando no da 3 desle
mez ja' se contavam dous grandes combates e dous
importantes triampbos.
Tendo nao menos de cinco feilos de armas a re-
ferir, o (arai pela soa ordem chrooologica, que de
alguma forma coincide com a crescente importan-
cia que se Ibes da/e recoobecer.
Do dia 3 de ouiubro, em qae leve lagar a com-
pleta derrota de 2,000 horneas de cavallaria para-
guaya, como a sea tempo commanicarel at o dia
21 do mesrao mez, os combates nao so renovaram,
mas ludo se dispuoha para elles em terreno mais
avancado.
1,' que o Inimigo, escarmentado as qualco on
cinco derrotas qae sua cavallaria tiohasoffrido del-
xava a oossa senbora de todo o terreno qae Ihe
aprazia percorrer, internndose tambera pelo iota
rior do paiz algamas partidas ligeiras de for^a ar-
gentina e brasiieira.
Ha quem enunda qae para a immobilidade, se
por ventura a bouve entao, das forgas brasiieira?,
concorria a espera em qae estsva o marqaez de
Caxias de sea chafe do estado maior, qae tioba ido
a corte e se dlzia qae a pedir ao goverao autorisa-
;oes especiaos para o general brasileiro.
Urna cansa alada tena justificado qualqaer im-
mobilidade nessa qaiazena : era qae matiplica-
rara-se no exercito argentino os casos de cholera-
morbos, a ponto de fazer erar no reapparecimento
de ama mortfera epidemia.
Ns forcas brasiielras, partlcnlarmenta as da
vanguarda que commanda o general Osorio. tam-
bem ja' se contavam manas dezenas de casos, e o
alarma, senao o desanimo, era grande, quando fe-
lizmente a infleencia epidmica principiou a de-
clioar, e desappareeea de todo no e-pago. de(a/na
/emana, granas a uaa rpida debida da tempera-
tura. A salabridade tornoo se ento ainda mais
cmplela qae oos lempos ordinarios.
Emquinto os das socrediam-se sem apresentar
incidente notavel, o marqaez de Caxias nio perda
tempo em dlspdr certos melos de accao. Segnndo
as mesmas correspondencias argentinas, dous pla-
nos estratgicos propoz elle ao general Mitre, sea-
do am da carcter mais demorado per exitir
maior torga, e a mudanca da base de operarlas,
mas o sea effeito podase calcular mathematica-
mente.
O outro mais simples poda ser de prompto exe-
cutado.
Esiavam as coasas neste p quando o mesmo
mar.juez veodo que nada se tentara seqaer para
dUlrabr o exercito da apatbia em qae os receios
do reapparecimento da cholera o tioham deixado,
dirigi ao general Mitre o offlcio que corre Im-
presso com data de 19 de outubro, indicando como
maito possivel bater ama columna de cavallaria
paraguaya qae todos os das sabia a dar pasto aos
cavados.
O general Mitre respoodea diztndo qae ja' ti-
Uohi observado bavia tres dias essa circomstancia,
e at qae na vespera aquella torca inimiga se ll
nba repartido em tres divisoes, tornando-se por
isso maito fcil bate la. >
E-iraoha maneira de desempeohar nm cora-
mando em ehefe I Fazer observarles sobre a pos-
slbllidada de derrotar nma forrea inimiga, e guar-
da-las m petto at qae oalro general Ibe lembre a
idat
Se respondendo por essa forma o geoeral argen-
tino leva era vista disputar ao marqaez a iniciativa
da operacao, entao direi qae foi ama pueril lem-
braaga e... e nada mais.
Approvada pelo geoeral Mitre a operario qae o
marqaez indicara, e.-tj no dia 20 dea sais ordens
e instracedes as divisdes de cavallaria, commaoda-
das pelos brigadeiros Victorino, Manna Brrelo e
Aodrade Neves, e a br gada do eoronel Astrogildo
que entre todas formavam 4,000 borneas perlelta-
mnole montados.
O plano que se adoptoa foi o segaiate, segaado
os melbores dados:
A forca do coronel Astrogildo estabelecease a
dlreiia teodo um grande piquete avancado, o bri-
gadeiro Victorino, qua cornraandava era ebefe. oc-
eapoa coro sua diviso a frente, o brigadeiro Ao-
drade Neves poz-sa sobre o Daoco esquerdo apoiao-
do se em S. Solano, e emfim o brigadeiro Menna
brrelo sobre o Passo Hondo devia enfrentar o ini-
migo se elle se inelinasse para o norte.
No da 21 ao amaubecer a columna paraguaya,
que constava de 1,600 a 1,800 bomens, sabio como
costumava.e sem suspeltar a armadilba qua se Ibe
havia feilo.
Pelas 11 horas da maohia o piquete da brigada
do coronel Astrogildo avancoa bastante, fingindo
depois pr-se em retirada.
O iniralgo adiantoo se rpidamente para o cor-
tar, mas eis qae ento carrega-o de frente a divi-
so Victorino, e o envolve, concorrendo para ls~
to a morte do ebefe snperior qae vinha na soa
frente.
Ao mesmo tempo a brilbante diviso do briga-
deiro Andrade .Neves snrge-lba pelo flanco, e car-
ragando impetuosamente leva lado por diaote.
O combate nao era desigual pelo numero como
as correspondencias (da Tourlouro, por exemplo)
lem dito, pois nao chegavam a 2,500 as ftreas bra-
sileiras que euiraram na peleja, oreando por dous
mil as do inlmgo qae alia dola a seu favor o
perfeito conhecimenlo do terreno.
Tanto assim c que os Paraguayos combaleram
com bravura, anda depo*is de desordenados, espe-
rando talvez qae Lpez ihes mandasse am reforco.
Nao socce-dendo isto, e tendo qo? bave-las com
os valorosos Riograndeoses, a derrota foi comple-
tissima e s cumaram de ogir.
Fizeram-no em to raedonba desordem que al-
guns vieram em direccao a Toyu-Cu,mas o maior
oomero dirigio-sa a Huraait, e lao de perto eram
perseguidos pelos nossos, qae e=sa fortaleza rora-
peu o fogo, a risco de matar mana gente ropna.
Como a pnmeira vez que as pegas de Humaita
se tem feto ouvir, supp5e-se que grande seria o
terror do iolmigo, julgaodo por vtnlora que nos-
sas forgas eotrasera as trinebeiras de envolia
com as delle, o que nao es'.eve acaso muito longe
de succeder.Mas lera isso urna loueura sendo as
oossas tropas ex<:lu*ivamente de cavallaria, e mul-
to a tempo dsu-se a ordem de suspender a perse-
guido qaaodo se ebegon ao alcance da artilbana
de Humana.
No campo de bat3lba, segundo os dados offlciaes,
deixarsra elles uns 500 morios, alm de 138 pri-
sioneros, inclusive 7 offlc:aes. Grande porgo de
armaraeulo e de cavados arrelados, alguns estan-
dartes, 4 carretas com bois, munigoas, etc., ludo
ticon em poder das forgas braslleiras.
A perda destas andou por 60 bomens (ora de
combate, eotre elles i capito morto e i offl:iaes
uridos levemente.
Refere se a esse capito o seguinte tpico da cor-
respondencia de Toulourou, que ninguera julgara
aspeita de benevolencia comnoseo :
c Um capito bra-ileiro, qae ioierceda a favor
de um grupo de feridos qae oo quera reoder-se,
foi morlo pelo3 mesmos a que n quera elle salvar.
Sera ou oo semi-selvagetn a gente paraguaya ?
D. Baroab Rivera firmo do celebre Fructoj foi
ba annos trucidado pelos goaycarj do Estado
Oriental, a quera tanto apadrionra; ha, creio eu,
bastante analoga no* dous fados.
Este importante falto de armas, augmentando a
serie dos que contavam as forgas de cavallaria foi
motivo para que aioda urna vez se eoafirmasse a
repulago dos ebefes brasilelrns que as coramao-
dam.
O brigadeiro Aodrade N-ves juslificava o bello
titulo mente Ibe conceda quasi na masma data o gover-
oo Imperial. O brigadeiro Victorino Jos Carneiro
Monteiro tirava a pnmeira, mas oo de carto a ul-
tima, desforra de 18 de julho (1866), em qne lol
obrigado a relirar-se gravemente ferido pela me-
tralha paraguaya. EmQm, o coronel Astrogildo,
o bravo dos bravos em Caraz, foi qaem soabe at-
trahir o iolmigo ao terreno em qae devia ser es-
magado.
Tojos, pois, devem felicitar-se por essa bella jor-
nada.
Nella tambera como em 3 de outubro, ao mesmo
tempo que as cavallarias braslleiras destrogavam
ama forte coluroaa paraguaya aadreita, as forgas
argeotoas alguma cousa leatavam contra o iolmi-
go na esqaerda.
Forana os regimentos S. Martin e 3" de linha o;
encarregados de envolver as guardas paraguayas,
que tioaam na soa frente. Parece que S. Mamo
alacou antes de tempo, do que resalton ser recebi-
do por Torga muito superior, que resisti carga,
o/hgando-o a relirar-se soffrendo algomas perdas.
Nesse recontro nossos alliados tlverara tres offl-
ciaes morios e ontros tres feridos, e 15 individuos
de tropa lora do combata. A do inimigo era diffl-
cil calcularse pois elle ficoa seobor do campo de
balalba, entretanto o commandante da forga argen-
tina Ihe assigoala a de 70 bomens, dos quaes sete
offieiaes e sargentos.
Alada ama terceira operago, em menor escala,
inicioa-se ao mesmo da 21, a como ella fosse eje-
cutada por forga oriental, sacceien qae os tres
exereitos alliados tlvessem factos proprios regis-
trar. Eis o qae os Orieataes realisarm.
O major Coronado com 54 homens de cavallaria
parti deS. Solano meia noile de 20 para 21, e
depois de perseguir ou aprisionar aiguos piquetes
paraguayos, chgoa povoagio de Guaz-Coa, qae
flewi a ei leguas de Toya-Qu, e hl fez prisin

oeiro o miz de pat da villa, o commandante militar
da de Taquaras, e trala individuos mais. Tomoa
cera ravallos, cunto e tantos bois, e troaxe a ban-
deira da povoago. Como a forga era to diminuta,
e foi logo pressentidj, leve qae retirarse para o
exereiie, o qae veriflcoa sem ioconveoieote algum.
Coincidindo estes diversos factos e considerados
sobre ludo de graodeconsequencia a derrota da ca-
luma de cavallaria paraguay* pelas forgas*1>rasi-
letras, o exercito lave ara da de regosijo, eraquao-
to os geoeraes em ebefe meditavam na neeessida-
de de operagdas mais avangadas.
De faci, quasi nao poda restar duvida de qae a
cavallaria do exercito paraguayo, arma com qae
Lpez mais coolava no principio da guerra, eslava
aniquilada : doze derrotas mais ou menos cooside-
raveis, qne tinba soffrido no espago de tras metes,
com qae 2,000 soldados e 50 offlciaes baviara fina-
do morios no campo, alm dos prlsioneiros e dis-
persos, ditiam-lhe bem alto qae com as cavallarias
no-graodenses nao devia mais bascar rita, ac-
creseia a falla de cavados para remontar aovas co-
lumnas dessa arma.
Sabe-se qae a soa ebegada a Tuya-Cu, oa pelo
meaos desde qae tomoa conhecimenlo exacto do
terreno e das posigd^s inimigas a idea do marqaez
era que se devia m avancar torgas at occopar a
margena do rio Paraguay cima de Huraall, ope-
rago que podia fazer-se s com tropa de trra, ao
passo qae o general Mitre jalgava qae sem a subi-
da da esqaadra oo se devia levar a effeito.
As ultimas exploragoes fetas, os triampbos obti
dos sobre o ioiango, particularmente o da villa do
Pilar, tinbam confirmado o marqaez naqaelle pla-
no, e depois do eombate de 21 o mesmo general Mi*
ir ja nao conservou duvidas de que elle era reali-
savel e serla muilo vanlajoso.
Nesse cmenos nm pausado paraguayo tendo for
nacido alguns dados precisos sobre onovocamiabo
de qae Lpez se servia para recebar em Humaita
os sapprimemos de gados e cavados, sobre as for-
gas que o defeodiam etc., o geoeral Mitre apros,
sou se a transmit! las ao marquez de Caxias, em
occasio em que este ja dispuaba o movimeato de
forcas sobre o Tayi.
Neste offlcio, qae leva data de 25 de outubro, e
ja foi pablicado o general Mitre indlcava qae a
operago devia ter o carcter de exploradora, sen-
do formada de ca -allana com alguma iofaotaria, e
duas pegas da artilharia ligeira, conviodo que ella
permanecesse s algum dias (textual) no ponto que
escolhesse.
O marquez, porm, formn a base da columna
de infinia-ia (2,500 borneas) e artilharia, cem
qaatro pegas raladas, e jootando-lhe 2.000 de ca-
vallaria Ibe deu por objecto a oceupago perma-
nente dos terrenos em qae la entrar. Ver-se-ha lo-
go qne os resultados mostraram ser o pensamento
do marquez, o mais militar, o mals conveniente,
e muito superior cora sea effeito material e moral
ao do geoeral argentino.
Aotes de enejar a e-s3 ponto direi qae a noticia
de qae ama forga ligeira de cavallaria paraguaya
andava pelos districto de S. Joo, o marqaez fez se-
guir o bravo coronel Camillo Mercio Pereira com
sea corpo de cavallaria, e encontrando effectiva-
meote o capito paraguayo Salinas com nma forga
de 30 homens, batea-o no lagar chamado Hana,
raatou-lbe um homem e tomoa-lbe 16 prisioneiros:
o resto fugio para o mato, deixaalo em podar de
nossa forga oos 30 cavados arraiadns. O coronel
Mercio chaguo a li leguas da Tuy- Cae, sem en-
contrar mais forgas paraguayas
Explorada esa zooa de terreno, era ebegado o
momelo da ezpedigo contra o Tayl. Segundo as
laformacSes dos passados, o novo camioho qua ser-
via s coinmuuieacors de Huraula' tinba un pon-
to interceptavd no potrelro Ovelha, no qual se pe-
netra pelo proprio estahelecimeoto rural e pelo
passo Tayi, nicas entradas facis do meociooado
potreiro. (I)
No da 29, pouco antes de amanhecer, pOt-se em
movimento a columna das tres armas qua devia
verificar a occonago do Tayi. Era composta dos
baialhdes 1, 2, 7, 8e 9 de iofaotaria de liaba, 23 e
24 de voluntarios da patria, 50 pragas de ponto-
neiro?, 4 pegas de artilharia e a 1" e 2" diviso de
cavallaria. A forga toda ia sob o commaodo do bri-
gadeiro Joo Maooel Menna Brrelo.
A posigo que o inimigo oceupava era forte, pois
a nica aberli, ou entrada para o potreiro Ovelna
consista em urna picada, ou desflladeirode 70 pal-
mos de largara, defendido por um primeiro e se-
gundo fosso, alm de urna estreita a i.rofunda la-
ga, qae Ibe Acara em frente ; o flaneo esquerdo
apoiava-so na espessa mata, e o direito era defen-
dida por esteiros cobertos coro abatizes.
O digno brigadeiro Meona Brrelo tomou as dis-
posigdes para o ataqn com moita pericia, obli-
gando o emprego das diversas armas o melbor que
o terreno permittia.
Dada a ordem para o ataque, emquanto a arti-
lharia despejava metralha, a iofaotaria atlrou-ae
da encontr s trincheiras, soffrendo urna chuva
de balas, e nao podiam marchar de frente, pela es-
treiieza do da.-fualeiro, mais de 30 bomens 1 Cbo-
gada ao primeiro fosso estabeleceu-se bi am com-
bate baioueta com o ioiiiigo, que aflaal lol desa-
lojado. No segundo e terceiro fosso ainda a peleja
foi mais eucaro gada, e por ultimo oos mesmos bi-
abados ou esteiros, onde os Paraguayos tenlavam
resistir.
Uas 100 delles Gcaram monos no campo do
combale, fizerarn se 56 prisioneiros, tendo o resto
da forga inimiga fgido para Humana em comple-
ta desorddiii, e nao sem ser aculilada pela cavalla-
ria, mao grado as difllculdades do terreno.
Es;e completo triampho nao foi alcaogado sem
perdas coosideraveis por parte de oossas forgas,
subindo a 370 entra raortas e feridas as pragas
qae nvemos fura de combale, inclusive 12 a 15
offlciaes.
Um fado moilo deploravel orcorreu ainia. Tea-
do o coronel Maooel Rodrigues de Oliveira, o br -
vo eotre os bravos da guarda nacional do Rio-
Grande, dirigido ao capito Atbayde algumis pa-
lavras insultuosas, este contestn Ihe com altivez,
e como o coronel ebegasse a ametga-lo cora o chi-
cote, o capito poxoa pelo revolver e atiroa-lhe
am uro que quebrou o brago.
Presos, tanto o corooel como o capito, por or-
dem do brigadeiro Meoaa Brrelo, o primeiro se
sentlo lamo, qne foi accommeltido de urna apople-
xla fulminante. Essa morte caasou dolorosa sen-
sacio no exercito.
Vollando aos resultados do combate, direi que as
perdas de nossa forga mostrara bem quanto era fa-
voravel a poslgiio oceupada pelo inimigo, e a era-
gam com que leve de ser accommelilda pelos sol-
dados do lrapeiio
Considera-se mesmo esse feito um daquelles em
qae a tropa brasiieira tem melbor mostrado do
qne capaz; atacar ama posigo inimiga por um
desfiladero nao mals largo que a ra do Uovldor
(do Rio de Janeiro), cortado por tres fossos de
qoioze palmos de largara e nove de profuodiJade,
defendido por am batalhio de lolaotarla qae fazia
um fogo infernal, e lado levar de vencida no es-
pago de ama hon, dar prova, creio eu, de que
os soldadtt brasileros rivalisam cora os melbores,
e nada teem que Invejar aos zuavos francezes.
No mais recoobeco ser maito seasivel a oossa
perda, comparada com a do Inimigo, mas alera de
qae era natural que assim fosse, a importancia da
posigo adquirida tal, que compensara nao s a
de 200, mas de 2,000 homens, se tanta fosse neees-
(1) Potreiro chamara no Parag-nay a nma cia
rea de terreoo fachado a todoios hdos por wpes-
sa mala, ou per esteiros invadeavei?, ten rio or-
dinario ama a ,ua earracjw s-jmjnte.
saria, foi o proprio inimigo qaem nio tardoa em
dar-nos disso a prova.
Aulas de la' chegar obsemrei que, coaqaistad
a eotrada do potreiro Ovelha, foi elle explorado e
| eollocadas as gaardas e piquetes de modo qae ne-
i ahuma sorpreaa pode&se auflrer a columna exped-
| cunara, que ah acamp >u na noite de 29.
Na manba de 30 o brigadeiro Mana Barreto,
i deixando a metade da forga, avsogou com oalra
melade at descobrir a barranca de Tayi.
Pala Importancia que esse ponto val lar, direi
I aqu que essa barranca domina completamente o
rio Paraguay e a bocea do Rio-Vermelbo, que Iba
demora em frenle. E como Ja' relo haver notado
qne ella demora tres leguas cima de Humada'
; segue-se qne urna balera nesse ponto devia nter'
; ceptar a coramonicago fluvial entre a grande
fortaleza paraguaya, a capital eo resto do paiz.
No Tayi s achou-se ama pequeoa guarda para-
guaya que fugio deixando dous prlsioaeiros em
nosso poder; mas tres vapores de guerra a urna
cbata laogaram muitas bombas desde o meio do
rio, onde se tiobm ido codoear, contra a cavalla-
ria brasiieira qae provisoriamente occopou a bar
ranea.
Urna exploragao levada al a' villa do Pilar faz
qae a guarda inimiga que abi exista abandooasse
a povoago, iodo refugiar se o'uma cbata, que li-
nha proinpia para esse fim.
Fieoa, pois, desde esse raomenti estabelecido o
assadlo do exercito da Lpez as suas posigdas de
Humaita. O qae ainda restava era levar artilharia
sufflcleote, e faier as obras necessarias para tor-
nar inexpugnavel a posigo que baviarajs adqui-
rido.
Mas corlado assim o nnico camioho que restava
a Lpez para o interior do paiz, e ao mesmo lem-
po a soa comauQicago fluvial, nao era possive
soppr que detxasse He de fazer grandes esforgoa
stim de recuperar as posigdes perdidas, e afortu-
nadamente o fz de prompto, dando occasio a
mais urna assigoalada victoria da columna expe-
dicionaria.
No dia, ou antes na noite de 1 do correnta, per-
ceben-se que urna columna da infamara pa-
raguaya, protegida por tres vapores de guerra,
desembarcara junto a' mesma barranca de Tayi,
e abi lomava posigo, ocenpando-se cora toda
pressa em abrir fossos levantar trincheiras.
Mas o marquez, que ja' Isto previa, tinba dado
ao brigadeiro Mnna Barreto ordens e ioslrucgdas
convenientes, que eram, segundo parece, nao per-
der um instante era desalojar qualquer forga ini-
miga que qaitesse lomar um ponto em trra.
Na man ha do da 2 avangou o brigadeiro Men-
na Barrete cem as infamarlas qae liona s suas
ordens, e indo dispoz para tomar por assalto a po-
sigo que occopava o inimigo.
A forga deste coostava de dous batalho-is de lo
lactaria com 800 homens, na tolalldade, e ampa-
ravam-se ja' 0e trincheiras construidas com incrl
val rapidez A iafantaria brasiieira avangou em
tres columnas de ataque, e secoalisparar um tiro,
apelar do viftjssimo fogo do inimigo, apossou-se
das suas innoaeiras, seguiodo-se am combate a'
bayoneta, que dorou poucos mnalos, mas que an-
da.assim foi torrivelmenle mortfero para os Para-
guayos.
500 morto* delxaram elles no logar do combale,
de 60 a 70 prJioniros, a o que restava da forga
dejerabareoX quereudo salvar-se nos vapores,
perecau afogada por nao Iba poderem elles pres-
tar auxilio, e antas achar-se tambara era gravsi-
mo penga.
E'qae emquanto os bahlboes de iofaotaria le-
vavam a' baiooeta as forgas paraguayas desembar-
cadas, nossas pegas raladas (calibre 4), eollocadas
era pesigo convenieale, haviam feito vivo fogo
contra os tres vapores paraguayos; e, como o rio
abi bastante estreno e as pontanas eram excel-
entes, nao tardou era ser derrotada a mesma es-
quadnlha inimiga.
A'frd'agua receben duas ou tres balas ara
desses vapores, qua comecou logo a submergir-se,
lendo aoeuas tempo para pr era trra a sua guar-
oico aotes de ir a pique ; outro incendiou-sa e o
terceiro, tendo urna roda quebrada e a machina
provavelmenie destruida, deixoa-.ie raguas abal-
zo, hivendo incerta noticia de qua nao tardou era
submerir-se. Tambem melleu se a' pique ama
chata.
Segundo cartas vindas ltimamente do exercito
esses tres vaporos eram c Pirobeb; o Kmfe e Cinco
de Mato (tomado aos Argentinos era Corrientes; e
o gurey, iodos dos melhores da Lpez.
To completo descalabro das furgas de trra e
de mar que o inimigo liona trazido para recuperar
a posigo da Tayi, e a certeza de qae agora esta'
ella dormitivamente era poder das forgas brasiiel-
ras, o Inimigo assediado, e por isso em termos do
nao poder resistir alem de algumas semanas, ludo
Isto fez que o exercito adiado applaudisse com
grande enlhuslasmo o successo do da 2.
Quer ao campo brasileiro, qaer as forgas adia-
das, as bandas da maslea tocaram os bymnos na-
ciooaes duraoia o resto do dia o urna parla da
00113, e nao se encoatravam ofDciae* e at solda-
dos sem trocarem as mais expansivas (eliciiagoes.
lira pensamento iixousa ento era todos os ni-
mos : era o de qua a iniciativa, exclusiva inicia-
tiva do marquez de Caxias, a seus ennhecimeotos
estratgicos e energa de sua atrio militar se
devia a serie da felizes combates que tioham tra-
zido aos exercilos alliados a dominante posigo em
que agora se acbavam, e redazido o inimigo a al-
ternativa da rendarse on de saecumbir a mlogua
de recursos, em um ou dous metes ao muito.
Nem podia valer ao geoeral Mure dirigir ao
marquez e fazer logo publicar nos joroaes de Bue-
uos Ayres ofhcios comeado indicagoes do que ja
eslava notoriamente planejado e resolvido pelo ge-
neral brasileiro.
Algous correspondentes dos jornaes de Baenos-
Ayres, ootavelmente o da Nacin Argentina, nao
s atlriboem ao marquez toda a gloria das opera-
ges, to felizmente realisadas, mas vo at dizer
que aellas nao concorreram tropas argeotoas,
porque o general Mitre as desapprovava.
Eis em cooflrmago disto como se exprime o ci-
tado correspondente da Nacin depois de fazer di-
versas consideragSes:
< Parace-me o mais seguro acreditar qae a ope-
rago effactuada nao eslava de accordo com as
ideas do general em chefe, e que, partindo a ini-
ciativa do geoeral brasileiro, elle quiz s asiamir
a respoosabildade, coatando nicamente com seus
recursos. ,
E mais adame :
c Na<> PJe resla'" duvida depois de lido esse
lopice (um da ordem do dia n. 144) que foi o mar
quez qoem iniciou esse plano, e quem Hvre e de
sassombradameote o executou com as forgas do
seu commaodo: >
Ao terminar sua longa carta diz ainda. o mesmo
correspondente:
c Em conclnso : deve crer-se que as operagoes
qae boje levam a effeito formara parte do plano
proposto pelo marqaez de Caxias, e qae ella vai
execataodo por sua coota e risco. >
Precisarei agora dlzer que, atlrboindo ao mar-
quez os bons resultados das ultimas oparag5es, nao
o fago ladto por sentimenlos de adneso oa amita-
de a S. Exc, como porque a gloria qua fr delle
ser de todos nos Braslleiros, ser do torro qae
aos vio ascer Y Deverei atada ponderar que
lano mais necessario doixar discriminado e firma-
do na hisioria o qafcabo do general brasileiro,
quando o enramando, em chafe das forgas adiadas
exarcdo por um general argeoao T
Vollo a? successo de Tayl, e para dizer qua o
sea efleilq Oioral deve ter sido desastroso tjo cm,-
Po mi migo : a aniquilagao de urna forea cooslde-
ravel e a destruigo de melado da saos recursos
martimos nao eram fados qae Lpez padasse es-
conder aos olhos do seus soldados, como Ha pro-
curado fazer com todas as derrotas mals oa menos
coosideraveis que tem soffrido. e que tem failo
applaadir e festejar no seu campo como-oulfas
tantas victorias I
Dentis, era assat perigosa a sltoaeio am qae
se vinha acbar, e a risco de perder matada de sea
exercito qoalqaer cousa devia empreheoder para
sabir dalla.
Se tal foi seu pensamento, como lodo faz erer,
elle tratou logo de o por em pralica, a foi nada
menos qua um ataque s liabas de Tujruty a em-
preza qae acommaiiea.
Torna-se aqu neceisaria urna explieago sobre
o estado dessas liohas.
Desde qae os adiados occoparam aqoe'.le terre-
no, toda defesa das lindas da esqaerda para o
ceoiro e qaasi toda a frente do campo eram defen-
didos por forgas braslleiras : a direila, porm, f
ra exclusivamente entregue defesa do exercito
argentioo.
Quando a grande forga deste parti acompa-
obaodo o i. e 3. corpo de exercilos brasileros a
esquerda e a frente continuaran a ser defendidas
por forgas mperlaes, e a direita por nma de ar-
geotioos, qae no prundo de exagerar o numero
de tropas da repblica fatiam-se sabir a I,-00 ho-
rneas, quinto a verdade que nao passavara de
400, inclusive a legio paraguaya, que conslava
de ceoto e tantos.
Ha mais: o estado das trincheiras pir aquello
lado era deploravel, porque o terreno era lodo de
arel, e desmoronando sa estas dos parapaitos ao-
cha os fossos, resallando assim am duplo eofra-
quecimeoto da linha de defesa. Se exceptuarnos
os bastidas, onde a cooservago das obras era me-
lbor, pode dizer-se qae as trioeberas direita do
campo de Toyaty lam desappareceodo.
Fallo de visu, e, pois, fallo sem a mioima besi-
tago.
Se raim era na parte material a defesa qae all
havja, qaanlo ao pessoal nao era maito melbor. A
forga, como j disse, era diminuta, e a consli-
toiam elementos heterogneos.
Havia, cerio, alguns destacamentos de tropas
de linha, da diversas armas, mas o principal da
forga composto de Ccrrentinos, tropa valenle,
mas pou:o disciplinada, e da legiao paraguaya,
que em nenhum caso devia aspirar excessiva con-
fiaoga.
Se a ludo isto reanimaos a circumslancia de
panirem desse lado do campo as diversas estra-
das que se dirigem a Tuya-Cae, e que tem feilo
nivelar os fossos em varios pontos, taremos que
bem poned mereca o nome de foriiQcagao o qae
restava das aotigas linbas argentinas.
Talvez prevendo que tal acontecera foi qne o
marquez de Caxias antes de empreheoder a mar-
cha de Toyuly fez construir urna segunda liaba
de trincheiras e proteger o qaarlal geoeral, os has-
pitaes, os depsitos, ele, com frticagoas parti-
culares, de modo qae pudessem ser defendidas
sobre si, e ainda depois de ter o inimigo penetra-
do no campo.
Sem esta prevengo, quem sabe se a esta hora
nao teriamos a deplorar am imraenso desastre ?
Qaem seriara os responsaveis d'elle ? Sera du-
vida os ebefes argentinos encarregados dess* paria
da linba, mas nao o seria menos o geoeral bra-
silero que coramandava em chefe a posigo de
Tuyuly.
Quaesquar que fossem as coosideragSes aguar-
dar com os adalos, o visconda de Porto-Aiegre
devia ter era lerabrauga que a ruira d-l .. da sua
direita coraproraettia lodo o exercito, talvez a sorle
da guerra, e gravissimas coatas Iba pedira o paiz
se tai acontecesse.
Nao hesito am formular desde ja' estas censaras
contra o general brasileiro, por isso mesmo que
vou ter occasio de levantar muito alio seas fetis
nesse dia, e, quaot^ de minha fraca penua de-
pender, rodear sea oome de urna gloria iramorre-
doura.
E' fra de duvida que havia nma cga e Mal
confianga, pelo meos da parte de nossos alliados,
em que o iolmigo jamis traria uro ataque a Toyu-
ly, e se algue n disto quizer cobvencer-se lea as
corraspoodenclas argentinas, e abi vera' que se
jalgava excesska a forga deixada para defendar-se
esso campo, iadicando que nina parte d'ella bem
podia tomar pane as operagoes do exercito de
Tuy Cue.
Nao faltaram aos Paraguayos meios de saber
quaoto a defeza de Tuyuty se havia enfraquecido
pela datenorago das obras, e alada mais por essa
fatal coofiaoca dn que elles oo vriam ataca lo ; e
Lpez tena j bem estudado as facilid .des de o
raalisar, quando o successo de Tay Ibe impoz a ne-
eessidade de procurar orna prompta e graode des-
forra. Te-lo-hia conseguido sem a bravura das tro-
pas brasiieira?, primeiro, e logo das argentinas que
acudiram a' terrivel rufrega.
Era ao amaohecer do da 3, e, nSo tendo-se per-
cebido na vespera mivimeoto algora especial no
campo inimigo, nem sendo dia de eomboio, nenhum
alarma podia haver em Tuyuly. Na parte das li-
abas qae as tropas braslleiras guardam mand-
ona se como sempre inteira vigilancia, e em todo o
campo das nossas forgas a regularidade da servigo,
qae nada pode dispensar na frenle do inimigo.
as lindas argentinas nao snecedia o mesmo ;
coallano; na legio paraguaya que eslava de ser-
vigo, o resto das tropas dorma, e to mal caberlo
estava o campo que os tmmigos chegaram at os
raesraos bastios sem serem presentidos: a baio-
netadas, dizera cartas do exercito, foram acorda-
dos offlciaes e soldados. Eis o que linha succe-
dido :
Lpez fizera dorante a noite sabir das suas trin-
cheiras o melbor de suas forgas, eonstando de
15 ou 16 batalboas de infamara e quatro ou cinco
reg mantos de cavallaria, parle d'ella a p, e:s
fez avaogar com grande siglllo- Por am rodeio
quasi de urna legua foi tomar ama das estradas
qua da direila da Tuyuty partem para Tuyu-Ca.
Nao pereebea a legio paraguaya que eslava de
vanguarda a approximago do exercito inimigo, ou
veio esta por caminhos to desviados, e lo moni-
canawunU, que era impossivel percebe lo 1 S as
averigaaees posteriores traro a luz a este gra-
vsimo ponto.
O qne esta' bem averiguado que as forgas ini-
migas chegaram s irlocbelras da/andidas pelos
corpos argeoiinos sem qae um tiro dsse o alarma,
e ama grande parle d'ellas ja' eslava da pacte de
dentro quando nossos alliados correram s arma?.
Tomados lo de Improviso, anda assim tenta-
rais defoader suas posigdes : os offlciaes e sida
dos, qaasi lodos em roupas menores e com a aspa-
da ou espiogarda em rao acudiam os bastidas, e
aioda chegaram a fazer algaas Uros de artilharia.
E-raagadus, porm, pelo numero, tlveram da
abrir sa camioho a' espada e balonata. Algaas offl
ciaes, eotre elles am Irmo do geoeral Mitra, cer-
cados em os redados a que tioham acudido, s
poderara escapar pulsaoao o ssso, e saulodo es-
pada em mao, alravs de um enxame de ini-
migo?.
Nao se crea que estes tioham lavado o ataque
s a' direita de nossas linhas ; tambem a' esqaer-
da, note esli as (urcas brasileras, foi accom-
mattioa, mas o namaro de tropas qae ah havia, o
a vigilaocra com qae estavam, Azarara que o ini-
migo fisse repollido, e desengaado qne por sse
lado nada laria carregoa tolo sobre o centro e di-
reita. .
Gamo por esta purls da linba piles panatrav^
al. eu oaluaiia; e ataque,
se
fui
a W! DiHi"^.offlciaes,p>rt) de
viram-se logo flaoioeadas, mas dando eotao fran
a' direila sustentaran) eotre a arioeira a eegaatfa
linba da irio'-.heras um combate corpo a carpa
com os Paraguayos, sendo estas aa ratao da dtoau
para ora.
Mas isto nao constitua alada o mais grava ia
silaagao. Aa forgaa da cavallaria paraguay. |>* n-
obam violo parece que para asta anico Ora, pata
urna parle d'ellas eslava, como ja du*a, nata taca-
da, lam avangando pelo campo dentro atiaat)
quanta gente eocootravam, incendiando os ras-
caos, roabaudo ou destrejado o qae achavam taav
le do si.
Ja' estavam em chammas o deposito bellico *
quartel geoeral da forga argenena, o ptqaeao hos-
pital que abi havia da mesma torga, aigaos raa-
cbos do commereio, o deposita do* fornicada***,
em summa, todo qae o lamino liaba aeaado aa
sea camioho da davastago.
Urna multidio da dotas mil paseos ulvez, ani-
dados dispersos, pejes, oegoeianles, maifteres o
at mangas, todo fugia em direcgo ao Paisa Aa
Patria.
As tropas paraguayas ja' locara ao Esieiro-
Velhaco, e araeagavam vr pela r-tag iarl ata-
car o qnartalgeneral e os depsitos do exereito
brasileiro.
A situa;ao era raedonba, e tremendo o perigo da
perderle a poiigo da Toyaty, basa da oaaracae
dos alliados : por foriona da soa insta eaaaa, a
para gloria do nome brasileiro, nm aoaMea
achou a' altura dessa situagia a desse perigo ;
o visconde de Poilo-Alegre.
Eu qua ha ara mez abria espaoo s gravas i
sagdes qoe se fatiam a esse general por mriotiu
do ataque ao oomboio, a qoe ha am momelo oo
Ibe poup -i censura?, bei da ser acreditado ittaoe
que jamis geoeral em chafa algam leve nrooor
taraeoto mais alto, mais digoo, mais baroieo, qoo o
visconda da Porto-Alegre no aiaqoe da Toy aty I
S. Ex:, comprehendea logo qae davka
lisar a soperloridade nnmtrlea do loioaigo, a
vea qae sua* forcas se recolbesseo a' %t%i
trinchera. As ordens para isto foram daaas
tanta serenidade e pericia, qoe em poneos
tos sa p la realisar lo difficil operacao sea pardi i
de maior importancia.
Quando o inimigo vio as tropas hrasihtiras pro-
tegidas por ama boa trncheira conhecea qoe todo
devia empenbar para se apossar dalla, sob oaaa da
ser completamente destrocado.
Tronxe, partanto, primeiro, segando a terearo
aeeommetliment a ellas, seodo seapra repeliiao.
Poi sobretodo contra o baluarte em qae se arha-
va'o qaarH general do viscoode qua elle se ncar-
nicaa, porqua, alm da slgaiSeago do pool, ora
essa a chava da nnba que atacavj.
Vendo, porm, suas mela >res tropas repellidas
dessa ponto, o mesmo chefe da forga pingaaya
major Castilla se poz na trente, to-aoa a biodavn
de ora batalhio, e com ella em poobo, seguido de
alguns offlciaes, adroo-se a' trinchera.
Este herosmo achou um herosmo igaal : o
proprio general em ebefe, o digno vicoa to-Alegre, sabio-lbe ao eneootro, e crea la da soa-
ajudaotes de ordens travoo-se ea p#lja ea os
inimigos. Par sua mo faz morder a ard ao efa
d'elles, e am s das Paragaayos qoe lint.) oass-
do pular a triocheira nao eseapou com vida. Qias
ao p da asie qae mantinha a baadera tras Mra
flearam os cadveres da iodos aqo*-i!e* qsa qai-
zeram levantar em frente d'ella adaimaigoat
imperio.
uraole esse combate eorpo a corpo, e de oa
puntudo de iatrepidos maocebas eaotra oaa Ito-a
amaros, mals de ama vez o visconda da Porta-
Alegra ach ou-sa isolada dos seo, mas
um instante a heroica serenidad* ; p-lejav* i
guerreiro, ao masma tempo qua Java as ord
como general.
Era homarica a figura do nobre viscond-* f Trav
janio stu uaiforraeda ieooie geoeral, spad* m
mao, combaieodo aos 63 annos da idade oaa o
mogo mais vigoroso, e com a voz o atoa; i ata-
mando suas tropas, sem exageraga ple dizar-se
que foi ella quem salvoo Toyaty.
Durante qualro horas affrontoi o mair petigo.
pois um* chava de balas loe cahia em retar, a por
vezes as bayonetas e espadas i>araguayaa s; dmgv
ram rontra seu paito. Doas cavados perd-a soe-
cessivameoie, e depois combalen lo a p su* eaer-
gia e sereoidade oo se desmeollan* ora al ios-
laolo. Ferido, mas nao de gravidade no orna ar-
deote da ieeja, occolleo esla cirenro'iaoea at>
o momela de proclamar a victoria.
Nao era elle, parra, o nico hroe qae aaaaa
dia levaoiara lo alio a fama do exercito Ir a-met-
ro. Todas os commaodaotes de diviso. de brtga
da, e aioda mais os di s corpas, e a joveo e nata
siaslica offi-ialidada de nossos baialh ?, e-aba-
liam tambem corpo a eorpo, exaluod, a-sia a eo-
ragem dos soldados.
To tenaz resistencia nao poda deiiar de pro-
duzr seu resoltado.
O aecommeitimeoto do inimigo affraaxao, a par
deoJo a esperaoga da conquistar as Iriach-in*, cu
mesrao prevendo a prxima ordea de retirar, o
f ramios Paragaayos quiteram lvar alguma
de tamo qae o cpmmercio a depsitos apra
vam a saa avidez ; e, pois, nma grande pane
delles abandouaram o combale para se eotregarea)
ao saque.
Quando isla observan o viscoode leve a fetix
inspirago de maodar de novo sabir das iriacaat
ras seus batalboas e carregar o ioiaigo a' baaa-
nela. Este reeaoo, foi levado da vencida, a ktaoa
os que nao puderam relirar-se coa aroaaaMaa
suecumbiram.
Em roda do baluarte do viscoad*. diz oaa
carta do exercito e em toda a frente das tracba-
ras lio ou uir. tendal da cadveres ioia*fo, aao
nos ranchos do commereio e depositas sda
delles que se encontraa. >
Ja ao decorridas qaatro horas de oaa
trmica, as tropas paraguayas ea desordaa pro-
curavam relirar-se com a menor perda aosavat,
todas ellas, on quasi toda* ncara sido asp
das trincheiras quando eis qae Ihes sargea
flanco, primeiro a diviso da cavallaria
do brigadero Vlctonoo, o logo doas rota
da cavallaria argentina as orlaos o
Hornos.
Estas forgas eahiram sobre o ioiaigo <
bravnra, e deram-ibe cargas soceessivis para aar
se de todo as destrogavam ; mas, apezar da dtaar-
dem em que se viam, ama aassa d eiaeo atl te-
meos da infantera anda resiste, ailo
do a seu favor as coodiges da lerreao.
Todava tof grande o servigo que prest
doas divisdes de eavallaria, pois b'tiit
Paraguayos at elles gaobarea as saas
ras, e impedirn) qae escapasse io ata aao sa
tioham atrasado na retirada.
Ao meio-dia o exercito de Toyaty precia
sua esplendida victoria ao soa do ayt
lelro e argentioo.
Esplendida vicwria pdJe. sia, diter-sa,
merece esse oome o fado do eoavetirr-sa
sorpreza pelo Inimigo no recaigo delle,
um tergo qaigt' da soa torea.
Elle carta qae levoa trapeaos ea eie
nos cz.nnois das bateras argeotoas e
to avaogado de Brasileros, aas foi pul aao i
do era sea poder p.o principio do eoataaH,
oa loga i' anh.\ de cavados, caao eoetaao dr>
inimigo.
JSnx wir*. dessas pacas dalxaa ell- ao caaaodto
^Jl6*. .O-X) de seu melhorea sold*!w, awtaa,
a n) prl-i >o'iro<, varios etiefs, com aaaataa
3,000 esataaarata, t*pvia,a\-
I ILEGlYfl |


m
.T98i aa oiioifisaa la s jis
-"
colbidas de jorpreu e eompwmetUdu pela loca-
rla de ootrcev .. .. .
Nao se consegoio, porm, lado isto sem perdis
dolorosas da parle dos B.aslfeiros e 'de seu al-
liados, .^a-au.-^
Qaasi toda a forca argentina do lloba que bata
Das tnocbelras da dlreiu suceamblo oa (01 feita
pnsioneira, inclusive o major Altada arios offl-
ciaes.
Dos Braslleiros nao consta que os Paraguayos
fizessem prlsioneiro algom, roas flcaram nos 600
borneas fra de combale, sendo 200 morios e o res-
to ferido.
Perdemos qoatro offlciaes superiores, tendo nra
dalles o bravo e distioeto eommandante de corpo
Liodalto da Bocha Medrado, e eomo trinta offlclaes
subalternos.
Ha anda muos offieiaes feridos de todas as
elasses, sendo grave, mas nao considerada mortal,
a (erida do brigadeiro Jos Laiz Menna Brrelo, a
quem orna bala destreeoa bocea.
O viscoode de Porto Alegre Bcoo (crido, oa pe-
lo meaos contato, mas sem carcter de gravi-
tado.
Correa a principio qae o coronel Antonio da
Silva Paranh js tambera eslava ferido, mas Inexac-
to. O que, sim, arias cartas do exercito o do co-
co ttm dos beres da jornada, assim como os com-
mandanies dos varios batalboes, cojos nomes sioto
ignorar oeste momento.
Teobodado com maiores detalbes qae oalros o
combale de Tuyuty, porque nao seria estranbo qae
03 ioimigos da alliaoca qulzessem ao looge de;-
gora-lo ou amesquinha-lo; aqu mesmo tentaram
elles faze-lo, a ponto qae anda bontem fUeram se
correr a re-peito delle venOes sinislras.
Por fortuna o vapor qae ebegoa de Corrientes
desmeatio-as, e entre outras noticias do os jor-
naes de boje ama caria do general Mitre, que p
de servir como parle offlcial dessa balalba, e por
isso aqoi a iranscrevo. Chamo mullo a aitenco
para o- sea comeado no final.
Diz assim:
Qaartel general, 7 de novembro de 18G7 Exm.
Sr. vice-presldente da repblica, Dr. D. Mareas
Paz.
t Meo estimado amigo.Depois da miaba ultima
emque lbedava noticia do recost de Tuyuty nada
mais de importancia tem recorrido.
c A perda do inimigo naquell jornada tem sido
maior do que annunciei.
i Al b jute.-o tinbam-se enterrado 2,040 morios
do inimigo, e srguia-se recolhendo cadveres pelos
esteiros, especialmente pela parte do poireiro Pires
de onde foram rechazados os assaltos consecutivos,
de a. udo no campo grande quanlidade de mor-
tos. (i)
Teera-se recolbido ja 1,650 espingardas para-
guayas pilas torgas brasileiras e 260 pelas argen-
tinas.
c Em lira confirmo o que antes disse, qae meta-
de, i u mals de melada da columoa paraguaya qae
alacou Tuyuty suecumbio na einpreza, isto calcu-
lando que techa tidj menos feridos do que mor-
ios. Eatre os cadveres inimigosteem-se reconbe-
Cido 71 chafas e oificiaes.
c Depois de 11 Oe maio, em qae o iniuiigo leve
5,000 morios, nao tem bavido hecatombe mais
espantosa Besia guerra.
Xossas peraas teera sido tambera maiores do
qae aoleriormt-Fite annuociei, e todava nao sao
relativamente cousideravels.
As forgas orasil ras que gaarneciam Tuyuty
leem tido pono mais, de 600 bomans de perda
total, dos quaes mais de 200 morios. As torgas
argentinas que ah se acbavam tiveram 12 morios,
9o feridos e 40 dspersos. A cavallaria argentina,
que fui em auxilio daquella posieo, leve, como ja
disse, 70 bomens entre morios e feridos, total 827,
dos quaes urna quarta parte morios e grande parte
dos feriaos levemente.
Nossos caulioes perdidos sao seis. .
Logo que se colDerem os dados com loda a
exactido, mandare! a parte official.
< A furga pai aguaya que levou o ataque constavj
de quinze baialhoos, tres regimentos Oe cavallaria
montada, .lo a p, e um esquadro do artilba
ria. Puuco mais ou menos, como 8,000 horneas,
sem contar a torea que alacou pelo potreiro Pires,
avancaodo dc^ie a liuha da saa direiu e protegida
por seiis fugo.
Nossa posico em Tayi fortifica se mais cada
dia Com os elementos que ja tem pode recbagar
por si um atiqaa formal, e podemos em duas
boras marenar em seu auxilio com urna culumua
de 8 a 10,000 bomens das tres armas.
< As baleras collocadas sobre a margem leem
IntercepUdo ja a commuoicago do rio Paraguay,
e a esquadra i ai aguaya que o daminava esta cor-
tada, eusiiude dous ou tres vapores em Humana e
dous em frente ao Pilar, sem que ous.'in aVoatar
o trajelo, rest da sua esquadra esta na As-
sumpgo e a> Alio-Paraguay.
Por trra j i nada eulra no exercito paraguyo,
e o bloqueio fluvial e terrestre completo.
c Em tal situacao i-stamos igualmente prevenidos
contra urna leuto! i desesperada de Lpez.
< Os Vasos paraguayos i,ue se melteram ao fui! I
dias pa.-sadi'S foram uS vaperes oosso Vinte Cinco
de Mato, e Btsoo, e orna chata com urna pega 0e
68. O Perabe eacapou com urna roda despedaza-
da e outras avarlas.
i Temos em Tayi urna esquadrilba de escaleras
e candas, que levamos em carretas, e com urna
cbata de paasagens, que lambem levamos, traba-
lba-se em tirar aarlilharia do Pinl Cinco de Mato,
que de todo nao afuudou.
c O Bispo e a cbata estn debaixo d'agua.
< luciu alguos dos papis actuos a bordo do
Vinle e Cinco do Mato, cujo eommandante morreo
no combate.
t Nesse navio encontraram-se unsSO cadveres,
pois I:.uve uelie exploso causada por urna bomba
nossa.
De V. aa'go, etc.Barlhome Mitre.
A caita que acabo de transertver completando a
descripgo do combale do da 3 em Tuyuy, e mos-
trando o quauto fo> ellee-pecialmenle honroso para
as forgas brasileiras, anda omissa em alguos
pontos, como o da incrive relaxado em que eslava
o servigo da liaba argentina; felizmente ludas as
correspondencias nao deuam duvida sobre esse
pomo, e o KConul de bunlem a larda exprime-se
a tal re-priio com lodo esie sarcasmo:
a Como ; e euieuJe que ebefes de batalhoes (3),
cfficiaes e soldados tenham sidosorpreheoJidos em
sua barraca, ta sua cara?, ou sabindo delU a nielo
vestir?
E' possivel acreditar qae na linba interior,
dentro das mnebeira?, nao boaves-e seotinellas.
Leu vigilancia alguma? Que se durma a perua
sola ?
Assim parece na verdade que aconteca e
acontece. Pjr'jue?
c Vamos Une lo, porque uosso exercito i um
exercito democrtico.
Entenuem o que isto qaerdizerT Uro exercito
qae nao segoveraa pelas ordeaangas militares, mas
por si mesmo democrtica mente.
Em lugar do povo seberauo governando o povo,
o exer lio soberano governaudo-se lambem a si
mesmo.
E por este estylo val longo o Nacional, em seas
comuieutarios.
Quaoio ao general Mitre, e elle fol indulgente
Das censuras, generoso fot as recompensas; ao
general Horno-, que Dada, mesmo a vista da parte
que elle oa, (l de extraordinario, conferio ibe o
posto de bngadeiro, com data do uia do com-
bala.
P Je nao ler se querido com esse facto chamar
sobre o exercito argentino a gloria principal do
recbago dos Paraguayos, mas de ceno fol ama
compensago da ^ora pouco bonita em que deixou i
ao general doros a ordem do da do marquez,
referlmio o ataque da villa do Pilar.
Deixaodo estas pequeninas cousas, lermiaarei
sobre o combak; ao uu 3, dizeado qae elle am
os maiores (eilos da guerra actual, e com j lal
deve ser applaudio no Imperio, eenomo do beroi-
co vi-conde de Purt-Aiegre, de seus valenles ebe-
fes de ivit3o, brigadas e corpos proclamados
como os dos dignos sustentadores do nome brasi-
lero em pengoso m.-meoio.
As grandes vaougens, porm, colhidas no me
anterior e pnmelios das desle acbam-se na posi-
go cooqui.-Uda em Tayi.
A caria dugeaeral Mollados
que se vo tirar, e que se resume nestes dous
grandes succosmis: pntneiro, lotercepgao do no
Paraguay de Bumaua a Assumpeio; segando,
assedia completo terrestre e fluvial do exordio
ioimlgo.
Imporu mais isso do qae orna balalba campa-
em que oinimigo fosse esmagauo, pois alada eoio
Ibe restarla a ionga e eufadjnoa guerra de
recursos.
Il.jj-, cercado Lpez as snas mesmas posigdes,
revo.ve-su cumo o tigre na jaula, e ah succumbil
r, se as tenuuvaf detsperadas que tLer, e e io-
nio ir alm do prasa qae resta do anao da,
1867.
Nem ba Disto illasao. Lpez desmoralizado por
contrastes e derrotas soecesslvas : sea exercito in-
terceptado da capital e do interior do paii; priva-
do de receber sapprimeotos de qaa'qaer espeele, e
nao tendo feito provavermenteem Humada grandes
depsitos de mnotcSes e de vveres, pois jamis po-
da elle snppor ser ahi sitiado pela parle superior
do rio : Lopes, digam o que quVzerem, acha-se em
situado apnradisslma, e 6 lgico sappor qae den-
tro de algamas semaoas, mais oa menos, tenba de
render-se. t-
O Brasil v, pois, mallo prximo o termo de seas
nobres sacrificios, e o qae o deve consolar e satls-
faxer de os haver feito qae sao seas exercitos e
seas generaos os que troaxeram qaasi de prompto
a guerra a esse ponto.
< Em Tayi trmula someoie a bandeira brasilei-
ra i, observa com despeno um correspondente ar-
gentino.
E' exacto, mas tambsm o qae o sangue brasi-
leiro o qae ltimamente lem corrido a jorros dos
campos paraguay s, assim como que o veaera-
vel marqaez de Citias nao leve reeeio de arriscar
soa repBtacioemoporag9es oQsdas.qaoeram alias
as uoicas possiveis. Se convertea anta cacupaulia
de conlemplacSo em ama guerra a* americana, Isto
, de combates diarios, sangrento?, assim a enea-
mioboo rpidamente a seu Qm, e nao so o imperio,
mas lodos os povos da America leem razio para
exalurem seo oome.
Qaando lo bnlbaote serie de fados apreseota o
exercito de trra, contando no espago de ama quin-
cena qjatro triamphos sobre o inimigo o a acquisl-
gao oe posigdes importantsimas: qaando tal
acontece, bem para sentir qae da nossa forimsa
esquadra nao baja feiio algom notavel a consignar;
mas nao a primeira guerra em qae ama poderosa
frota se acha na Impotencia de ajudar os exercitos
da Ierra, em razio de dllOeuldades materaes iasn-
peraveis.
A nossa faz indo o qae pode, e mais do qoe hso
fura absurdo exigir.
Saas bomoas a todas as horas do dia e da noile
levam a destroigao e o sobresalto s posigdes ini-
migas; e em Hamalti, da igrej ao ultimo casebre
de familia de soldado, ludo aprsenla a prova dos
estragos qae faz.
ltimamente esse fogo lento mas terrlvel pelo
calinre dos projectis tem lomado maior certeza do
que nunca, e tanto assim que os mesmos qae zom-
bavam da efflcacia desse bombardeamento recoatie-
cem agora que ella & inconlestavel.
Pelos passados do inimigo, qae agora sao fre-
quemes, tem-se adquirido o coohecimento de que a
esquadra val destrulndo lodo em Humaiti, e como
seus tiros maltas vezes acertara Ba fortaleza de
Passo Poc, oodo reside Lpez, nao seria estranbo
que urna bomba bem Inspirada precipitaste o ter-
mo da cooteoda.
O medo qae ja elle lem esta' patenleado na eoor-
me altura que fez dar aos parapeitos ou antes mu-
ralbas dessa forlifleagao.
Se tambera agora a esqoadra contina em sua
sedlga tirefa de laogar bouibas contra Humana,
possivel que apeoas principio o desciment das
aguas alguma operagio mais seria realise ella, al-
terna a circumstaneia d-i exercito de trra prestar-
me seu apoio rio cima daquella fortaleza.
Curupaity lambem pode qual juer dia soffrer da
esquadra um ataque mais serio : ja os navios de
madeira e alguos dos encoura.adjs o teem hoslili-
sado bastante as ultimas semanas. *
Taes sao as importaotes noticias do thealro da
guerra qae leva este paqnjle, ao monos no anior
deseavolv:meoto deltas, pois bem podem ler sido
antecipadas por vapores extraordinarios despacha-
dos do exercito.
Se o desejo de gloria para os exercitos brasileiros
nao se satiaiaser com a noticia de iriumptm lo
repetidos : se o desejo da ver terminar a goerra
nao achar nesses fetos toa aprobabilidale de sua
prrapta realisagao, que sobejamente grandes sao
as exigencias neste duplo sentido.
O bom senso, porm, do paiz Ihss servir' de
correctivo, e erto de que breve vera' voltar seos
exercilos victoriosos, lera' bracos e hurrahs para
receber as noticias que agora Ine vo ; e os nomos
do marquez de Caitas, do viscuode de Porlo-Ale-
gre, do brigadeiro J .> Maooel Menna Brrelo se-
rn de um extremo a outro do Brasil pronunciados
com eotbusiasmo f
Bem o merecem I
**+*-*
1867.
TTS 033KJH .UIJL/ O^/A.
versas bandeiras, e emflm deixoa a esporanga de Ira as qnaes ba ja tomadas, cerno diz o genaraK Relal;nloas ceremonias daquella
jamis vencet-as tropas brasiler, ainda nuaedo Mure, todas as providencias, bSo tarortfts do (jto Wl fWaMasas, a folba offlcial
precipitar so ruina.. c A Mfeflrffea da forma nfimo s
D abi ebegam toda; as cartas, o corrspondet*44s #Mpeiia>ceBroos das repblicas hesTnao-i
do exercito a esta uniforme conclaso: ajaerr*. tanas.piua Oejem trabalbado com ni'oasifaaao
Bndr.' mesmo pinia moitb "aceita qw'cntWfflIB nragdes internaeioaaes de seafpailes
sr
INTERIOR
(2) O potreiro Pires o (oda a liaba da es jaerda
guardada por forgas bratileiras.
(3) Referencia aos eommandamesPrederlcoMitre,
I turbara (da legiao paragaava),B;niies, ele
Rio te Janeiro
21 de Dovembro de ic>67.
O paquete fraocez .4nnis, entrado bontem do Rio
da Prata, apenas adunta um dia, tr.izendo datasde
BueU'is-Ayres at 14 e Mootevido 13 do passado.
Nao havia notic as ulteriores do ln- airo da guer-
ra. as folbas apeoas encontramos mais algumas
correspondencias sobre os ltimos suecessos ja'
conhecidos; leu Jo, porm, recebido a carta do oos-
so correspondente do Boenos-Ayres, que vai publi-
cada no Supplemenlo, nada carecemos de extrabir
dallas.
Das provincias argentinas do Cuyo nao ha noti-
cia de vulto. As guerrilhas por all cooiiouavam
a vagar na sua missao do exterminio. Discutia-se
as diversas caudidaturas a' futura presidencia da
repblica.
No Per aioda nao linha sido suffnoada a revo-
luco, que ameagava legsoarar em guerra civil
prolongada.
O y-icional, folba rffliial do governo da Bolivia.
descreve miudameote a ceremonia com que a 2
de setembro, oa cidade da Paz, se troc.irara as ra-
i tk'ro-s do tratado de limites, amisade, commer-
co, n":iv-gaco e extradigo celebrado entre o Bra-
sil o a Bolivia.
As ratiflcagSas foram trocadas na legagso brasi-
lera entre oSr. looseiheiro Lopes Nettoe o minis-
tro de e-traugeiros da repblica, Mariano Donato
Mo', ao esirondo da artilnaria, qae salvava,
aeeaodo-se formada toda a guaroigo da cidade.
llalli dirigiram-se ambos ao palacio da presidencia,
ende o Sr. conselheiro, em nome do Imperadir do
Brasil, apresentou ao presidente, general Melgarejo,
as insignias da gra-cruz da ordem do Cruzeiro, e
ao ministro Muoz as da gra-cruz da ordem da
R >sa. A coodeeorago para o presidente era aoom
panhada da seuinte carta aotographa.
D. Pedro II, Imperador constitucional e defen-
sor perpetuo do Brasil, etc., enva mono saudar a o
crinde e bom amigo o Ilustre general D. Mariano
Melgarejo, presii-ote provisorio da repblica da
Bolivia, a quem muito estima e preza.
i Qnerendo man'feslar-vos o alto aprego em que
teulu a' vossa pessoa, como prova deste sentimeo-
lo, oa qaalidade de grio-mesire da minha ordem
imperial do Cruzeiro, anonocio-vos com a maior
satisfagan qae acabo de contemplar vos com a no-
meago de gra-cruz da mesma ordem, cojas iusig
oas ser-vos haj apre-entadas pelo mea enviado
extraordinario e ministro Dienipoteoeiano em mis
sao especial junto a essa repblica.
Lisoogelo-rae de que recebareis esta offarta
como ara verdadeiro peooor da sincera amis.ide e
cordial estima qae vos consagro. Illustre presi-
dente provisorio da repblica da Bolivia, Nosso SJ-
nhor vos baja em soa santa guarda.escripia n
palacio do Rio de Janeiro, aos 19 de juibo de 1867.
Imperador (com guarda).Antonio Coelho de
Sa' e Aibuquerque.
A's palavras com qoe o Sr. conselheiro Lopes
N'eito a orapanhoa o acto de passar elle mesmo a
tila azul, rom as insignias da ordem a llracollo do
preseol", responden este:
t Sr. ministro.Acabis de snrprender-mu apra-
seataodo-rae ama condecorado de summa vana
rem-ui 'a por vosso soberano, em demnnstragio
sem duvida da satistagio com que receben i ceie-
bragao do tratado de limites, amisade, eommereio,
nav-gigao e extradirgio, que ajustamos, e de que
os meus antecessores se baviam descuidado, apezar
das b-llas oecasides qoe se Ibes olT-receram
t De boje em diante os Brasileiros e os Bolivia-
nos conhecertoo sea proprio terntino, desappare-
cen 5 aquella vida commum em que al agora ti-
nh.im vivido.
Assim como fostes enearregado por S. M. o
Imperador, mea grande e bom amigo, de oflarecer-
me estas insignias de alta siguidcago para mim e
para o povo botivtauo, sede lambem, vo lo rogo, o
lolerprte dos meas seminemos o dos desla nagfto
que represento, para agradecer-lbe em nomo de
ambos.
Terminada a ceremonia, a tropa desfiloo em con-
tinencia. *
Da larde o oosso ministro extraordinario reca-
ben a visita particular do presidente da repblica
e de inaumeras pessoas, quo se apresentavam a
comprmanla lo, sendo panuco e geral o regozijo
por H -arera lo felizmente terminadas as qaeslrjes
eatre os doas paites.
com o imperio do Brasil.
Os i publcanos demcratas dos primeiros dias
da iepal)llca tinham horror, porm horror IrrBec-
lido, horror nada illastrado, a todo que fosse too-
narcbtoo,sem dilltrenca alguna. Porm os povos
dos estados bespano-amencanos toroam-se de dia
em dia mais Ilustrados, e tm aprendido a apre-
ciar e respailar o sytema representativo das mo-
narebias europeas, e por cons guite o sysleraa po-
pular representativo do imperio viziobo.
< Alm de suas 1nsiitmg5es liberaos, dos pro-
gressos da saa industria, agricultura e commercio;
alm da difidso da insiraege pelas diversas co-
marcas do imperio : lm da transformacio lenta
qae all se opera pelo tacto da immigrago euro-
pea ; alm da benfica estabehdade de sea governo:
ba dous novos motivos qae tem valido ao Brasil
nm accrescimo da sympathia e a approvagao da
Europa o da America : a aboligo da escravatnra
e a abertura dos nos do imperio a' oavegago o ae
commercio do mondo.
O governo da Bolivia .comprebendeo qae a si-
taago geographlea da oagio cojo bem estar e por-
vir ibe eslo boje confiados, Ibe irapunha o dever
de estender e fortificar primeiro em pro) da Ame-
rica, e depois em prol da Bolivia, os vinculo? coo-
tinenUt s, apressuraodo-te a aceitar franca, aberta
e sinceramente a amisade to" nobrmente offere^-
da por S. M. o Imperador e sea governo, e a cor-
responder dignamente a ella.
< Os tratados internacronaes foram ajustados na
Pal, a 8 de abril de 1867, eotre o ministro pleni-
potenciario e enviado extraordinario de S. M. o
imperador do Brasil, Dr. Pellppe Lopes Neiio, o e
ministro das relagoss exteriores Dr. D. Mariano
Donato Muoz.
c Os craudos foram ratificados e as ratificagdes
trocadas na P..z, boje 23 de setembro de 1867 en-
tro os mesmos altos digniianos ioleroaclonaes.
A questo, por este lado, acha-se, pois, termi-
nada, e o imperial governo do Brasil (ara' timbre
de toroar-se guarda dos direltos da Bolivia.
Per decretos de 10 do novembro correte foram
norneados
En attengo aos dstinctos servigos prestados a'
soeiedade de Beneficencia Brasileira Uoiao, es
tabelecida na capital da provincia de S. Pedro do
Rio Grande do Sal, o Dr. Jos Aotoolo do Valle Cl-
dre Fio e Jos Martios de Lima, como presidente
da directora daquella sociedad?, cavalheiro da or-
dem de Cbristo; e os rs. Antonio Eleoteno de
Camargo e Antonio Mascarenhas Tulles de Freitas,
eomo professores granillos de algamas aulas esta
beiecidas tela mesma soeiedade, cavalbelros da
ordem c a Rosa.
Por decreto de igoaldata:
Poi concedida a.D. Carlioda Angosta de Mello
Paranapoza, viuva do 2 cirurgio de commlsso
da armada Dr Alcibiades Agesislo de Magalbes
Paraoapuza, fallecido a bordo da crvela Mag, em
eoose juncia de molestias adquirida em servigo, a
penso mensal de 420O0
O capitao Pedro Eroesto Roirigaes da Silva c-
rurgio-mr do commando superior da guarda na-
cional dos municipios de Sanio Antn e Escada, da
provincia de Pernambaco.
O capno Galdine Apolooio de Soaza mijor aja-
dante de ordeos do commando superior da guarda
nacional do municipio de Alhandra, da provincia da
Parabyba.
Jos Barbosa Cordeiro Jnior tenenla-ceronel
eommandante do baialho de lofaotaria n. 18 da
guarda nacional da provincia do Ceara'.
Concedense a Joaquim Marcellmo Rosa, capitao
aggregado ao Ia batalbo da reserva da guarda na-
cional do Para, reforma no posto de major.
Tiverara mote da serventa vitalicia .
Joao Paulo de Barros, dos officioi de labellio do
publico, judicial e uolas, e escrivao do crime, civel,
orphao3 e mais aonexos do termo de Pedro II, na
provincia do Piauhy.
Angelo Alefxo de Paula, do officio de escrivo
de orphos e ausentes do termo da villa de Ala-
goinhas, da provincia da Babla.
Por decreto d iO do correnta foi approvada a
promo.-io dos offlciaes abaixo meoc,nados, a que
proceden o marecbal do exercito marques de Ca-
xias. aj
Arma de cavallaria.Para majores, por actos de
bravura, os capnes do regimeato Jos Loureu
go Vieira Souto, do 3* dito Isidoro Fernn-es de
Oliveira, do 3" corpo decagadores ac vallo Man mi
JiCintho Os-.no, do 5 dito Joaquim PaoUleo l'el-
les de Qjeiroz, contando todos anliguidades de 3
de outuoro deste anno.
Para alferes, pordistiogo, o 2" eadela Io afg^o-
lo do 3 regiment de cavallaria ligeira Eloy Ro
drigoes de Menezes eAlmeid, cootanlo aotigai-
dade ne-te posto da 21 de outubro do corrate
anno.
O Sr. presidenta do conseibo recebau ante-hon-
lera do presidente da provincia de Matto-Grosso a
seguinte carta, datada de 26 de setembro :
Oficialmente levoao conhecimeolo do Sr. mi-
nistro do imperio os estragos que aqu lem feito a
varila, mas juiguei do mea dever commuaict-lo
em carta a V. Eic. para com mais algum detalbn
dar Ihe coma do que se tem passado.
Os Paraguayos transmittiramnos a peste, a
nos, e a Bolivia, on-le tem feito tambera estragos
borrivels.
t A vacuna que nos tem vindo leve o inconve-
niente de fazer crer que evitava a infecgo, rjutn-
do por falsa nao tem a virlude preservativa da boa ;
a iufecQo.a princpio limitada as forgas,pas*ou bem
depressa a po.,ulago, porque os soldados, qaasi lo-
dos da elasse do povo e sem illustragao, apeBas
virara o mal, possuidos de horror, desertan m em
aumero superior a 200, levando comsigo o ger-
men do rail, qua se fol desenvolver pela provincia,
como efl-icti va mente se dsserivolveu nesta capital,
em Santo Antonio Melgago, Pocon, Guia e L'vra-
melo, ficando al agora isenta a parte da provm
ca uceupada pelas povoagoes de Diamantiuo e Vil-
la Maria, assim como o lado que se encost-. a pro-
vincia do Gjyiz e Miaas, onde as grandes disun-
cas despovoad is impediram provavelmeote o coo-
tagio.
< A mortalidade, a principio pequea, da i a 10
subi demasiadamente al 23 de agosto, da em
que suecumbiram nesta capital 137 pessoas. Dtil oa-
ra.ca tem deerescido lenlameole,e de 66, 58 e 48,
nos ulllmos tres das. As entradas, porm, para os
hospuaes do mejbores esperaogas, por isso que. no
hospital varilico militar regulara, oa ultima se-
mana, entre quatro e um, e os dous d-i soccorro
publico poneos, sendo que nos das 24 e 23 nao ea-
irou nioguem.
O total de morios at hoja em Da a provm
r.la de 3,168, seado s nesta capital de 2,200.
Por osses dados V. Exc. avallara' por que hor-
rores temos passado, e nao ba etpress5es suOUcien-
temeote enrgica* nara dar idea do grao de sofiVi-
meuto que nos afligi.
Desde o pnueipio que creei ara hospital mili-
tar o um paisaoo para esperar a pesie, assim eomo
organiset cora sonidos os servigos de coaduego
de doentes para eMes, e de eooducgao e eniarra-
raenio de cadveres-, orgaaisei eom sollados por-
que na i havia omro meio : esse, hospuaes, dota-
dos o militar com roaparia para 200 enfermos, o
paisano para 100, ni foram bastamos; o recrude-
cimentu da peste fot to sorprebeudedor e excedau
por lai forma a expectativa, o pessoal de que se
dispuaha era tao pequeo, qae fui neeessario con-
vertir os arseuaes de guerra o mariabaem fanric<
de roupas e uleasllios, creoa-se mais um np-p til,
distriDuiram-sepela pjpulago soldados que, tenlo
ja ti lo a eotarmldade, serviam de enfermeiros, as-
sim orno parte das maloeres lomadas em Corum-
oa : e nem havia ontro alvitre, porqaa cada casa
particular convertea-se em am hospital, e algamas
nouva em qae cabiram tolos doeates.
t Cree., um hosp.til mais em Samo Aotonio, am
ao Meigioo, um ao Cissaoge, e aliimameme am
ao Pjcoo'j.
Deseen am dos navios da flotilba do Melg'go
ao Mnurutubi, levando remedios aos euferojos, e
i?*) por quairo vezas snecessivas.
O servico do eoterramonto de to grande au-
mero de cadveres, qaasi toi is am comego de ou-
irefaego, qae esle am dos eff-uos da molestia,
nao pile coaiinuar a ser feito em eovas : o obefe
do polica, a cuja disposicaj pus as pragas qae o
deviam fazer, leve de mandar passar da eova aos
vailos, destes a queima e euterramenio pastenor
das cinzas.
O atrato da popnlagio, o borrar qae a moles-
tia ms jira, (es com que ale um cadveres fossem
abaadoaados pelos malos ^aourbaoos, o erara
eacoatrados qaando o ftido, os corvos oa os ces
o indicavaa; queimava-o* os logares em que.
eram eacoatrados e abi se eolerravam as eia&as.
H* nesta cidade ama quaotidade prodigiosa de
caes, e com a morie oa eoferaidade da gente ta-
bre e fecfe miento da maior parle dosagmgues va-
gavao desesperados por foraa, e atlravam-se aos
Nlo permlttio qae as forgas derrotadas tor-
ne os traosporuvam ; a pro-' nassem a entrar para as tnoebelras, e deixoa as
m campadas em Yatay Cor', defrooie do layutj.
. Vi a raortinlade do dia 3 e posso dizer com
verdade qae'a mude s de bomens de mais de
16 aonof, na* oarra ntetadb ba* mritos verbos de
60 anuos para cima, e a maior parte sao criaogas
de 9 para 12 anno*.
as provincias argentinas do interior pareca ir
raalhorando o estado das coasas. Ja se nao re-
celtva Invaso do lado do Chile.
O vice-presideote da repblica eslava anele
havia dias.
ijf-j decretos de 23 de novembro crreme :
Pe-se merc do titulo de bario de Bajary ao co-
ronel Antoaio Francisco Pereira ; e do loro da mo-
go fidalgo com exercicio na casa imperial a Candi-
do Jos de Araujo Vianna Juaior, Eduardo Augus-
to de Araojo Vianna e Augusto Candido de Araojo
Vianna.
Por carta imperial da mesma data :
Foi ooraeado cavalleiro da ordem de Cbristo o
subdito fraocez Laureo! Cocbelel,ex-consal franeez
no Paraguay.
Por decretos e cartas de igual data foram no-
meado, em attengo aos relevantes servigos pres-
tados na provincia de Pernambuco, em relago *
guerra aoioal cora o Paraguay:
Digoatahos da ordem da Rosa.Dr. Pedro Pe-
teras Mmeno**4escaido chegandn a ponto 4e
avanear ascarrocat^
i mata-ios nao pilla ter lugar senio
M possivel enterra los tambera, o isto s
izar depois da chegada da forga, qae leve
a wnbn do dia 17 do corrate; em resu-
mo esieo aira Meando ama situagao que nao creio
que boawi Hpm possa supporiar duas vezes
sea perder o jnio.
f Agora qu a epidemia declina cometamos i
acudir a oatro genero da aecessidads o do abas-
tecimeflto da capital. FelizmeBte em tempe, e cora
o Om de abastecer as forgas, creei grandes depsi-
tos de vveres, alemos em abundancia sal e feri-
aba.
t Os cortes da carne Acarara reduzdos n'ura,
qae cessou de fdnecioaar. Felizmente, prevendo
Isto, pois esia a terceira epidemia qae airavesso,
na minba viada dos pantanaes contrate! bofadas e
j estabelecemos ba dous dias nm corle de carne e
venda de farinha e sal no qaartel do plqaete de ca-
vallaria. O servigo como todo o'mais, feito aior
offlciaes e pragas.
Depois de agitagd destas V. Ete. prever
que, qualquer que seja o deseio o boa vootade que
tenha de servir, easseguro a V. Exc. qae sao gran-
des, coralodo devo estar ac brnnbado de eorpo e
espirito; assim acontece, e por isso pego a V. Exc.
mioha retirada quaoto antes.
S. A. I. a Sra. daquata de Braganga, sentiodo
anda aa ausencia os males do pait que por algom
lempo Iba ful patria adollva, ceden a quinta parte
da saa dotago no anno de 18Cfr favor das uH
gencias do estado, dando assim mais ama prova
do interesse qae Iba inspirara os destinos do
Brasil.
U -
Enlroa bontem de Montevideo e portos do sol
do imperto o vapor Guapor.
As datas qoe trouxe do Rio da Prata sao ante-
riores as qae recebemos pelo paquete fraoces Am-
m. as do anterior alcaogam : Porto Alegre ii,
Rio-Grande 17 o Santa Camarina 19 do corrate.
Cootiooava a faaccionar regularmente a assem
bla legislativa da provincia de S. Pedro do Sai,
tendo ja votado em 2* discusso o projecto de le
do organismo provincial.
L se no Rio-Qrandense, folha da capital da pro-
vincia :
c A p o pul ac o do Rio Pardo, rece be u com o alvo-
rogo que era do esperar a noticia do ltalo concebido
pelo governo imperial ao bravo Aodrade Naves.
Cidadaos de lodos os credos e cores polticas ap-
pfaudiram essa oomeago, e a noite rauiu-, de suas
casas se illumiaarara, e urna banda de msica
acompanhada de numerosa concurrencia percorreu
as roas da cidade, victoriando S. M. o imperador,
a o general bro do Triompho.
< Em nma reuoio quo boure aessa mesma noi-
te no club, resolveu-ae que fosse lirado o retrato
em corpo inteiro dodisilooto general, para ser of-
ferecido a saa Exma. familia.
As faganbas obradas pelo valeote baro do
Triompho acharara, corao era de esperar, um echo
valeote nos oorages dos brasileiros residentes no
Ri> da Prata, e unto os de Montevideo como os
de Bjen js Ayres se reouiram para oflerecer-lhe
urna espada de honra oa nm revolver.
O Otario do Rio-Grande noticia :
Augmentam se dianame .te os clamores cootra
o commissario oriental, que commanda z. frooteira
de Chny.
c Parece antes um legitimo saecessor do finado
coronel blanquilho Oild.
c Nimiameuie acanbado de ideas, nao compre-
bende qoe necessaria loda a harmona cora os
brasileiros qae sao possuidores all de quasi todas
as estancias ateo departamento de Rocha.
Q.lando nao pode elle impor, seiuz os pedes
brasileiros, que se erapregara nessas estancias,
para se alislarem na polica do Estado Orienta: e
usando semore da liagaagem de-alficta ao B-asll.
t Assim que boje aquellos estancieiros vm-se
merc dos caprichos e desvos desse pequeo re-
galo, que alias tara ia-traeco-s do general Fl res
para manter boas relages com os braslleiros, at
faier-lhes as concesses possiveis.
t A actual symphia que une o Brasil a repa
blica Oriental nao permuta que as suas frootelras
sejam commandadas por homens que tendara a
estabelecer a discordia entre estados adiados.
Alguos pequeos resent mantos que anda pos-
sam existir, originados palo governo passado dossa
repblica, uo devem ser dispertados ; ames deve
elle procurar amorleee los
t Assim, porem, ao tam procedido esse rom
missario oriental, fazeodo reviver amigos odios.
t Para esta procedimenlo chamamos a attengo
do Exm. Sr. presidente da prov ocia.
Ame bontem 5 (diz o Commertial), segain
para Pdlotas o Sr. Laraoja, enearregado da eolio-
caga.) da linha telegraphica.
< Fomos infrmalos que, finalisados os traba-
irlos da linha entre esta eidade e Pelotas, S. S. da-
r comego a eoliocago dos postos entre esta cida-
de e a barra, fazeado um* esligao no sul da mes-
ma, eraquanto nao vier o cabo sub-raannho para
se communicar cora a admiaistraco da pratica-
gem da mesraa barra. >
Em Sania Camarina fez-sa no dia 3 a eleigo
dos membros nara a nova as-embla provincial.
O monitor Par, couduzdo palo robocador, lar-
gou pela lerceira vaz oo da 18 para o sul. No
mesmo dia segmo o transporte Itapicur com a
tropa que levou desla corte.
23
S. M. o imperador acorajanhilo dos seus semi-
narios visitou houtera o monitor Aligoas, qae fez
urna vlagera de experiencia oa baha.
am aome do invern, ifraliaw a* Sr
'os actos de caridad pratieados ao "
O Sr. Hormaan posstM avrta i
eiosa do Sr. nurqwz da Cax**
ty,.agradeeendo Ibe a oOerta de t\
ridos do exercito braslleiro,
levar esta generosa aecao ao
varno imperial.
Coocimram este ai
vil os Sr.. : Joao Ma
tura I do Para'; Joao
natural da Babia ; Aegras.o
toral de Minas Geraee; Prai
Juaior, natural to Rio de Jara
ma Lobo, natural de Para i mama.
Por carta imperial da SO o
do cavalleiro d* ordem da Rosa
subdito de sna magesudo o i
cezes, pelos servigos qae tem
Por decretos de SI e tS de
ve sos mageslade o Imperador por beta
a Leonel Martiniano de Arencar
tario da legagao no reino da Prassb, a
que ligue considerado em dueoeibiltaaV. oa
da le ; e a Cassiaoo Candido Tararas aTiit do
gar de addido de primeira elasst %
reir Bezerra de Araojo Beltrio, diio Jos Joaquim Dt tevaM[a a, Bal1via.
de Moraes Srroeolo, Antoaio de Soaza Leao, coro-
nel Rodulpbo Joo Barata da Almeida.
Commendadores da mesmaordem Coronel Loo-
rengo Cavalcanti de Albnqnerqne, baro de Campo-
Alegre, leoente-coronel Luiz Franctseo do Barros
Reg, baro de Tabatinga, eommandante superior
Epamiooodas Vieira da Caoba, major Lniz Jos
Pereira Simas, Dr. Filinlo Heariques de Almeida,
desembargador J ,s Pelippo da Souza Leao, leen-
te-coronel Si I vi no Goilberme de Barros e Dr. Cae-
Uno Xavier Pereira da Brilo.
Ofciaes da mesma ordem.Jos Joaquim da Pa-
na Machado, Dr. Atoilio Jos Tavares da Silva, te-
nantecoronel Fernando Francisco da Aguiar Mou-
larroyos, Dr. Francl-co Gongalves da Rocha, major
Francisco i j.- Alvares, Dr. Luii Felippe de Souza
Leo, Jaaqulm Rapbael de Mello Jooior, ten-ule.-
coronel Francisco Camello Pessoa da Lcenla, An-
tonio Jos Rodrigues de Souza, tenante coronel Fe-
liciano Joaquim dos Santos, dito Ernesto Jusiioiano
da Silva Prelre, capitao Antonio dos Santos Pun-
tual, dito Miguel Jos de Almtida Pernambuco, ma
jor Theotoaio da Silva Vieira, lente coronel An-
tonio Fraociseo Paes da Mallo Brrelo, corooel Jos
Flix da Cmara Pirxentel, major Antonio Pereira
da Cmara Lima, teneote-coronel Jo> Carlos de
Meodouga Vascooeellos, eommandante superior Ao
dr Dias de Araujo, Luiz Auiooio de Siqueira, Jos
Joo da Araorim, leneote-coronei Thomaz de Aqu
no Cavaleanti, Francisco Joo de Barros.
Cavalleiros da mesma crdem.Coronel Jos de
Carvalho de Araujo Cavaleanti, lanenle-coronel De-
co de Aqaiuo Pooceca, Dr. Joaquim Fraociseo de
Mello Cmicaoti, Dr. Fraociseo da Paula Salles, Dr.
Joo da Silva Ramos, Dr. Jos Caodido Dias, major
Raj mando de S Araujo,Dr. Jos J>ajuim Firrarao.
teoeote-coroael Joajunn Goncalves Guerra, capitao
Vicente Coelho ParreiradaSilva,eoronal Roque Car-
los de AlencarPeixoto, major Aotonio Gallado Alves
de Castro, capno Jos Sancho Bezerra Cavaleanti,
Dr. Filisbioo de Maadonga Vasconcellos, Paulino
Augusto da Silva Freir, capitao Firmmo Francisco
da Paula Mesquita, Manoel de Carvalho Paes de
Aadrade, ma).r Presciilaoo de Barros Accloly, c -
piiaoHrr.jtaai Alves da Silva, dito Jos Cavalcaa
ti de Albaquerque Wanderl-y. dito Francisco Pe
reir de Carvalho, dito Miguel Luccio da Albuquer
que Mello, Googaio Teixeira de Carvalho, capital
Jos Cooegundes da Silva, dito Agosunno Correa
da Mello, t.-neute Joaquim Jorge da Mallo, dito Joa
quim da Cooba Cesar Pessoa, Joo Pauno de
Gouvea, tenenie Pedro Alexandnno Rodrigues L'ns,
Carlos Hnok, Eluardo Mornay, Haopnray Hitha
oay Sevifi, Felippe Needham, major Fraociseo An-
looio Pereira dos Sames, dito Francisco Aotoaio de
Si Brrelo, Ignacio tsate de Loyola, Manoel Ma-
chado Das, leneole-coronel Mataias Ferreira de
Mello, capitao Loureoco Bezerra Alves da Silva,
majir Alexaodrim Ferreira de Alcntara Miranda,
leaenle-c.oronel Manoel Cavaleanti de Albuquerque
Neceo, Rufino Jos da Cunta, Dr. Manoel de Fi-
gue.nit Karia, Manoel da Silva Saolos, Francisco
Ferreira Biltbazar e Francisco Jos da Cisia.
Cavalleiros da ordem da Consto.Capitao Zefe-
rio R i lulpno Delgado de Burba, padre Domingos
Alves Vieira, Dr. Joo Fionpes Dias Brrelo, teoea
te-cur>nel Francisco Cordeiro Falco, Dr. Antonio
Pereira Barroso de Moraes, D.-. Jos Bernardo Gl-
vio Alcoforado, Dr. Jacintho Pereira do llego, Dr.
Manoel Nicolao Rigueira Pinto de Souza, leante-
coronal Jjs Joaquim da Rocha Fana, coronel Ma
noel Jacoma Bezerra da Cirvalho, conego Fraocis-
eo Ropiael Pereira da Bri'.o Medeiros, uadre Albi
no da Carvalho Lessa, padre Joaquim Francisco de
Araujo Vasconcellos Pimeniel, Dr. Agelo Jos G >n
zaga, Dr. Antonio Looes da Silva Barros, vigarlo
Jerooyno J i- Pacheco do Albuuerqua Maranh
Antoni.i Jos Duartj Coimbra, Miguel Joaquim lo
R cha! i, J laqnuo Bitas da M ura G)udira, Jaio Igoa-
r.a
;o Pacheco Alves, Fraa"
da
Por decretos de 22 do crrante :
Foi nomeaio offlcial da o^dem da rlosa n. Al-
varo Raposa, sabino da S. M. a raiuha da Hespa-
aba.
Foi exonerado o bacbarel Jesuiao Jos de Frei-
tas, do cargo da secretarlo do goveruo da provin-
cia do Piauhy.
24 _
Pelo iraoaporte Lmu e Siloa, ontrdo hornera,
recebemos f jlbas do Rio da Prata de l6 do cor-
rala, um dia alera dis dos Aunis.
Tioham chagado a Bueaos-Ayes varios vapo-
res procedentes de Corrientes a o telegrapho traas-
mlltn para Motevidi as ooticias seguiotes:
Chaguo o vapor Yaguaret do Paragaay.
i Os commerciaaids uesertaram da lupr, e o
fornecednr Lanas madou todos os seus depjsilos,
mandiado grande parle para Tuyu-Uu.
i Omro incendio terrlvel palos Paraguayos. Os
passagetros do Pingo virara cbammas jualo do Cer-
ni, mas nao ha detalbes.
julgava-se imminouio outro auiaa e es alija-
dos euviavam reforgos para Tuyoty.
FalUra-se d i urna expedigo a Villa Rici.
Tayi esta fortificado.
< O lelegrapno est destruido. Lopaz mantera
crrelos oo Cuaco.
Cneguu o vapor Jiguaribe de Corrientes
Na nono de 7 da aovembro os Paraguayos
atacaram os redactes do flanco esquardo de Tuyu-
ty. Foram recbagados, detxaado SOO morios e
30 prtsiooeiro*.
< Os brasileiros asseotarans sais milbas do tri-
tios da farro no Cuaco, eatre Carupayu a Huraai-
ta'. i
< As aotieias que traz o vapor aguar ebegam
a 11.
A 7, a noite, os oaragaayos simohram nm ata-
que a esquerda de Tuyuy sobre as liabas brasi-
leras.
t Fol nm baulhao de lofaotaria que ebegoa at
as primeiras liabas, deixaodo 30 pristoneiros e 200
morios. >
De algamas correspondencias de Corrientes da-
tada de 7 enrabenos o segrale :
* Do batalbo 4o de animara brasileira aioda
se nao ttm notlea, pojando, porlaato, suppor-se
que cabio prtsiooeiro.
t Amonio Decoal, Albo dessa familia paraguaya
que lo lyranisada tam sido por Lopes, acaba fi-
nalmente de recobrar a liberdade.
t Por nava parle da divisan paraguaya qie ala-
cou Tuyuty a 3, e, ferido gravemente, floglo-se
raorio, para ao ser levado com os oatroe para
Humana'.
Actualmente esta' no bospital da Corrientes e
.
corrobora as doeiaragoos dos outros prisionairos
de que Lpez nao lena para cima de 12,1100 bomens
em Humana' e 1,900 a 2,0.0 uo i menor do Para-
guay. Acredita que, sa os Miados corlaren o
abastacimaoto da praga pelo norte, Lpez nao se
soteoUra' mals de duas meses.
c As ragdes do exercito lera sido muito diminui-
das. Ha tras mases qae o supremo ni sabe* do
sea forte easamatado da Passo-Poei, onde lodo
osle lempo tem trabalbado 1, OJ borneas em tera-
pieoos qoe madera 5 metros da altura e 12 da es-
pateara.
B' esta a saa bravura.
Hmiem o anto-b ratera houve escaramugas
eotre os postos avaocados brasileiros e paraguayos
ao Potreiro Pires.
Acabo da ebegar da Tuyuy e Passo da Iiaol-
rd. Ma nma causa digna de coaiar se. Lopes, de
pois da graole derrota que levou, Hcou doudo fa-
oso. Soraent) assim te eoocebe o segrate:
?
elide M-lelros Reg,
cisco de Paula Silva.
Foi promovido a commeolador da ordem
Rosa o sarao da Mir., dcaado sem effeito o de
creto de 12 de outubro ultimo, que o noraeou ol
cial da m-sma ordem, por ja ter elle esta conde-
eoragao.
Foraraconiedidas as seguintes pausos em re-
muoeragio de senrigos prestad is na guerra actual
contra o Paraguay.
A D. [guaca Liocidia Pereira da Carvalho, D.
Roa Joaquina Pereira de Cirvalho e D. Mana Be
nalicl Pareira da C.rvalbo, ir naes soltairas do fi-
nado conselhairo crurgio-rar do exercito, Ma-
ooel Feliciano Pereira da Carvalho, 1:800JJ0 au
auaes raparudameate.
Por decreto de 23 do correte mez, foram no-
maalos :
Hiracio Braga da Souza Leao, tbesoureiro la
thesouraria de fazeoda da proviucia da Pernam-
buco ; Hrcuhno Ja Arauj) Salas, thasoureiro da
ihesour*rU de fazaoda da provincia do Ceara ;
Luiz Jiaqmm de Cirvalbo, ajudame do porteiro
da alfaaiega da corte, porteiro da masan repar-
ligo.
Por decreto da 23 do correte se coocedea ao al
faras do I." regiment de cavallaria ligalra, Luiz
Brrelo Pedroso, a damis-o que peo do servigo
do exercito.
Por decratos da 10 crranla :
Coneelea se as deraissfcs que pediram :
O baeharel Aotonio Alvares Velloso de Castro, do
lugar da julz muoicipal a da orphos do termo de
Juo iiahy, oa provincia de S. Paulo.
O bicharal Aolooio Bpammonias de Barros Cor-
rea, do lagar da juiz muuieioal o de erphaos do
i-rnio do Brujida Madre de Deus, na provincia de
Pernambuco.
Poi reformado :
Aaiesto Cirnante Maleher, leoente-coronel com-
raaadanta do 3.* batalbo de Infamara da guarda
nacional da provincia do Para no posto de coronel.
Foram reeondozdos :
O bacb.re Fraociseo de Paula Lame, oo lugar
de juix municipal e de orphos do termo do Ampa-
ro, na pr.iviucia da S. Paulo.
O oacnarel Custodio alves des Santos, ao lugar
da uiz muuicipal o do orphos dos termos reooi-
dos de Carapo-Maor e Barras, oa proviocia do
Piauny.
Foram nomeados :
O bacbarel Laceas Antonio Moatairo de Barros
Jnior, juiz municipal e de orphos do lermo de
Caelb, oa provincia de Miaas-Geraes.
O oaeharel Jwo Alvares Pareira de Lyra, jais
municipal a de orphos do termo do Brejo da Ma-
dre de Dos aa provincia de'Pernambaco.
Joo de Albaquerque H iliauda Cavaleanti, leen-
te-coronel comraaodaote do balalhao de infaatana
o 40 da guarda nacional da provincia do Caar.
O capitn V/ladoir Firmiuo Pereira Perraz, pa a
capitn quartel-mestre do commando superior da
guarda nacional do municipio da Valenca da pro-
vincia do Piauhy.
O alferes Joo Baplista da Cuoba Mairelles, para
capitao eirurgio-mr do mesmo commando su-
perior.
O oapto Jos Clamante Maleher, teoeote-coro-
oal coramandaue do 3 balalba o de afamarla da
guarda oacioi al da provincia do Pan'.
Tivera n uoerc da serveat a vitalicia :
Jjvrao Epiphaolo da Cunos, do offlcio da escri-
o da chancellara do tribunal da relago de Per-
aaobuco.
Hfppolito da Silva, do offlcio de escrivSo de or-
phaos, ausentes, cauellas e residuos do termo do
Pao d'.Vno, da provffcia de Peroambnco.
Por decreDs d i-T do correala :
Foi croado no maucipio do Cbo, proviucia de
Paraambuuo, mais um Datalni j de infamarla com
6 Cjiopanh as, e a desiguagao de oi do servigo ac-
tivo da guarda nacional.
Por decreto de 20 do corrate foi
merec memo a teoeale-eonoel do estado i
sagonda ciarse o major do mesmo eorpo Do*at*f04
Jos Ferreira de Carvalho.
No transporte Marcilio Das segnirara
430 pragas que vio encorporar se ao aosso oxarn
to em operagdes ao Paraguay.
DIARIO DE PERIfaiMBCO
Sabbado ehegoo do Rio de Janeiro e Baha va-
por francaz Gnienne, traa odo joraaes 21 a S4
da corle e 26 e 27 da Babia.
Sob as rubricas Parle OffUial, tMtrwr In-
terior vo as noticias mais importantes ; alera das
qoaes apenas encontramos as qoe sega era.
RIO DE J INCIDO.
Arribara, com agua aberta, a aaWa bpa
obnla Esperanza, que la de Cdiz para Hoog K og.
com 65 das de viagem.
j No da 2t segua para Montevideo, o vapor
Luyab, conduzmdo pelrecbos ballleos.
Bevia ler lugar, no da 25, a inaogrrrago do
diqur mandado coo-truir pelos or. H-tt Wnscn A
C, na Iba de Mucaogo pequeo.
A alfandega da corla renden, de 2 a 22 do
passado, 1,696:312?.
As noticias commerciaet da ultima data sao :
< Incluindo pequeas transaegow effaetoadas
hoje sobre Londres a 20 d. para o papel Uacano e
a 20 1|8 a 20 l|i d. pira o tapel particular. so-
bre Fraoga a 472 o 480 rs., soamam os sacres-
para o paquete fraocez Gutenne :
Sbre Loodras carca de 9 300,003 a 20 it.
20 1|S e 20 d. para o pap! baoeano ea 21, 20 Jfi
20 3|l, 20 I|2, 20 3(8, xO i|i, 20 1,3 e 30 d. para
0 papel particular.
Sobre Franga cerca de frs. 1,900:000 ao ex
irem de 4-58 e 480 r.
Sabr Hamburgo cerca de 300,003 a L 85,
850 e 870 rs. ^^
Sobre Lisboa e Porto reguloa a ubelli se-
guinte :
t 162 a ir.5a vista.
161 a 164i 30 d|/.
160 a 163-a 60 div.
159 a 162-a 90 d|v.
Apolices Nada .e fVz.
t Acces.Ne-ociaram-se 570 do banco do Bra-
sil a ISyj, cada urna.
< Descojtos.Nos beos a laxa coatiarta a ser
9 00 ; na praga as noeib 'es letras eaeootraea di-
obeiro a 7 e 9 0|0.
M'tae-. Nao cooslam traosaego'*.
O vapnr americano Nortk Amencm devia par-
tir no da 25 ; e o Cruzeiro do Snl, aodia Ia de
corrente.
S. PAITLO.
Ja se acbava na capiul, de rolla de aatos.
0 presidenta da urnvinria.
Laraos no Ypiranta de 16 do passado :
c No da 3 do carrela foi barbaraesecte asaas-
smado o Italiano Miguel Baro, no lermo da cida-
de de Cuaba.
i Migu-l era mscate de f.zeodas. Nee mes-
mo da achava-se em casa da 'zendHra D. Rita.
oo bairra denominado Parahviiofa, vea**a*o al-
gumas fazenlis, a aessa rnasnn '.eeiso aai se
aciava um escravo de nome Porianaw, perveo-
cente a Jao Luiz Guimares, e ojue comprara al-
anos objecios a Miguel, qae ao fazer trocas, den a
codhecer o diaboiro que Irtiii em osa rart-rra
ja velha.
.< Passados alguns instantes o escravo peraltaran)
a Miguel sa segua ou pousava all. O ras, aja
nada snspeitara, e e raneen o rs-ravo, aasae-KM
rae ia peromiar aa fazeoda da yaao Pru-leote de
Toledo.
Portoslo f.i entoo postarse aa estrada por
oo I' trah i da passar o italiano, abi, arma* -
uma f race, com toio angja fno, ao eOegar a r-
uraa, descarrega-lhe imm-n-os colpes. Nocoe-
teate comiso, sipooaln que Migoel anda vrvia,
Jecepa-lh a cabtea I ludo tsiocom usa de roa-
bar I
i Ananas o delegado de polica sonta do o*enr-
rido, fui -to lugar do cooflicto o oroceden ao cao*
la corpo do d-liclo.
< Nassi ecenstiaa mesma aaloridale ar rebenVa
um barro cora I-us fardos de faieodaa mus !--ta
le viagem, ura aoimal de sella a fdJU|OO. qa- as-
uvara occall is por apotro da camisa Oo a**s-ioa-
do; tolos e-t-s nbjectjs foram depositadas ea aso
do f'zonlein capitn Franeiseo Jos da Sirva.
Da-l-'S as mais enrgicas e pronapias pruv(4a-
cias, ao .i de ser capturado o aggressor, foram eil.s
baldadas.
t No dia 6, vendo o delegado qae se ni> eaV-
tuava essa prisio, e constando qoa o rscravo assa>-
siuo sahira do municipio, pdx-se a' frente de anta
escolta de trlnta e lautas pessoas, fot de novo ao
logar do delir-o, postou escollas em diverja ira-
das, e palas 3 boras da mi dragada do dia 7ed*ec-
tuou a (iris i".
i A cart-ira, ainla intacta, foi eneootraaJa ata
poder do issassiao: r miraba aignos p*pam, cbsm
urna licenga da cmara iiuuvipal para a*>g"ociar,
receitas de fazendas, el-., bem como 9T4 em otan
nota de 50J. que nada vale, pois e estampa re-
comida, e \Q era ramios.
< Capturado o escravo, foi Ibe instaurado o pre-
ces-; >, e no iat*rrnfatorta roofessoo o eriroe.
L-se no Parahuba da 10 do passado :
c En um iropa mtueira que miimaraeola dsela
para l'.r.uy io duas be-tas carregadas de rtMeba
de cobre, com que algura e-pe -mador a vizioaa
proviucia soahava seguramente realizar gran'-s
lucros no mercado da tH to. Mas.....o hom m p4e *
Deas dispe.
O locador do lote, de qoe faiio parte as duas
besias, e que era o ultimo da tropa, foi oo da to
repeolioama ite acommetlido na serra por tras ionV
viJuos sabidos do mato, om dos qoae i
tou urna garrucha ao p-uo, emqnanto os
dous se apoderavam daqaeiles animaes e da are-
ciesa carga, dlrlglodo-se com elfos para o lana o
Taboo, onde todava nao eon-ta qae passs*em.
O armador, que se havia adiaetado nev ir,
sabeedo do oceurrido, reuni algamas paseana *>>*
as quass voltoo, batea as matas e irevessra- pr-
ximas, ebegaodo analmente al o Taboo -em fia
nioguem Ins desse noticia nem dos ladro**, rtata
das besias e cargas roobadas.
< TuM laduz a crer qae os laes metras aco*wpa
obavam a tropa, talvec desde o lagar o> *nm ara-
cedeacia, pois, s-gunio refe e o camera*, aa
nao pule di-toguir Ihes as feigo-a-,ou pur ateta
ou porqaelraztaui os rosios mascaradas te earvae
ou lala preta, dirigiram-se elles exaetaa
as bostas earregadas de cobre, sea se li
com as outras.
Creio que passaram a barreira doraate a aorta
oa evitaram-a segralo algura de.vio, aner rae
pareoer qaa sero infructferas qaatjrpar pra*n-
dencias que tenba tomado a polica te Parar a
intento de caplora-lns .
Lemos oa Revista Commerciat de Id : ____
Saleidon-sa ante bunlem aa e?tanto da eoa*a**a
de ferro de Cubalo o Sr. Prederieo Ivaa. JtJt-
mo, qoo era atM empregtto. Bafuiaaa aa
ama coma na armario de ama eaai*.
Ignoramos o moi'vo qae ala asa a <
desespero. _
Da cidade de S. Sebaslio eserevata
correte a ama casa commerclal da
H ralam, palas 7 boras da noite, fot,
asessd) do Jury a qaa respondern os i
assasstoato
Pt^
Por avio de hootam o Sr.
vos implicados ao brbaro
tevo da SiufAooa, soa mnlber, sea
dinas, nma anajregada e duas enancas,
I no da 30 de i-tembro ultima.
Os assassiao foram todos e



T'wl
W**^**
guada f elra % de Drzrnbro de 1867.

e
Tenante Candido Beluario Qaiaiaai-
ha Jordao.............?.".......
DHo La;z Francisco de Aievedo
Brasil.............................
Dito Jos Urcicio Paz Barreta.......
Dito Australiano de Torrea Gatiodo.
AKeres Manoei Aceioli de Moara
Gcodim.........................
Dito Jos Pedro de Moara Goodim..
Uito Ernesto Airas Pacheco........
Dito Joo Pereira da Lu '.ena.......
Dito Torqaato de Souza Ramalbo..
4 : Bernardino, aotor de todo o /"ama, e Sebasuio
Moa de norte, eco rirtode da le de 10 de jando
da 1835, por terera assassinado a seas sensores.
Florencio e Francisco titeram a uiesma pan pelo
art. 191 do cdigo criminal, como assassitos da
amlber, ama alba e aggregada. O oulros don*,
Bernardo, feitor, e Onofre, complicas a instigadores
dos cima mencionados, foram coodemnadoj a ga-
les perpetuas.
BARIA.
Defendern! toases, para tomar o fri de
doutor em medicina, os Srs. Antonio Seram de,
Almeida Vieira, Joaqaim de Almeida Villas-boas, Dito Olavo Antonio Ferreira........
Manoel Ignacio Lisboa, Francisco Joaqaim de Ol-. Dito Heoriane Flix da Dacia.......
reir Santos e Manoel Augusto Gomes Guimares. Dito Antonia de Albaqaerqae Mara-
Seguir, no dia 25, para a liba Boarboo, a; nhe Cavaleanli..................
canbooelra franceza Luafer. | Dito Jlo Baptista de Siqneira.......
Falleeeram o major Manoel Jos de Telve a Dito Francisco Cllmaco de Salles Bar-
Argollo e Flix Larcher. -J>0?...........................
O cambio regulara : sobre Loodres 10 1/i ef-Drtp--Fraucelino Teixeira de Carvalbo
20 5/8 d., sobre Paris 460 rs., sobro Hamborgo 855
r?. e sobre Ponogal lio >/
Sahirara para Pernambuco : a 13 brigue in-
glez Mary Scott; a 14 bri*ae brasileiro Infeliz; e
a 25 escona prossisna uritnlt.
I Galera iafNtaf/rmtcicarvio.
14*0W Barca ingleza-Ray"' Brideiddm.
BrlfMe InjtozPar dfcdemjf
lUm KCVBBOKIA tJHKSf)AS INTERNA?
liftOOf
4*000
54000
s
5|000
oOO
sjooo
5*000
'SOOO
5*000
Kendimeoio do dia t a *..?*-.. 35:9I8|9M)
dem dodia30..,,............. I:l24loo
f
37:943*096
CONSULADO PROVINCIAL
Recdimento do dia 1 a 39....... 7l:fl95?.i,
Idam do dia.30............... 7:282 J410
~78:977514
PERNAMBUCO
5*000
S#000|
REVISTA DIARIA
Hoje. anniversario natalicio de S. M. o Imperador,
terio rogar em sna solemnisa{ao os actos offlciaes
do estylo.
A exposleSo martima internacional do Havre
abre-se no da 1* de junh) do aooo prximo, en-
cerrando-se a 31 deoutabro do mesmo aooo, sob o
alto patrocinio do imperador Napjleao e do princi-
pe Imperial.
Esta expsito comprehende 43 classes, repre-
sentadas no respectivo programa nos segaintes
cinco grupos : navegacao, mercaduras, pesca,
agricultura, classes complementares.
Esta grande fasta tem logar em gateras (echa-
das, coja ediflcacio comedn em julho do correle
anoo a borda do mar, em frente do caes, barendo
alm dessas galeras um recinto exposto, e ara an-
nexo fluctuante para as exposicSes especiaes.
Socorrer da eiposi.o devebaver um congresso
martimo internacional.
Os objectos admittidos serio expostos sob quaes-
qoer norees, que queiram os expositores, tendo
os primeiros quiobentos desles o direito de serem
aomltiidos gratis a fazer parte do circuj da exp-
sito martima internacional, qaa o lagar de
reunio o ponto dos negocios dos expositores.
Segando o art. 3* do regalameolo dessa exposi
cao, os pedidos de admissao devem ser dirigidos,
at o ultimo dasta anoo, cu a' direcc.ao da expsi-
to no Havre, ou aoseommissarios della em Fran
Qa e no estraogeiro, seodo-o nesta provincia o Sr.
Max Hombarger, a qaem se poderao dirigir
quaesqaer pedidos em tal sentido.
Fizeram actos ao dia 30 de novembro na Fa
cuidada de Direito, os seguales seabores :
5* asno.
Augusto Alvares Gaimares, plenamente.
Jlo Jos Rodrigues de Almeida e Albuqaerque,
idem.
Marcoiino de Moora e Albuquerque, idem.
Lista dos estadantes de franeez chamados
a exame no dia 27 do cor rente :
Plenamente....... 1
Slmplesmente..... 1
Reprovados...... 10
Total 12
dem no mesrao dia, segunda turma:
Plenamente....... 0
Simplesmenle..... 1
Reprovado....... 7
Tolal 8
Para comporem a nova junta dos corretores
da uossa praca, foram no sabbado eleitos os Srs.
correares : Goncalo Jos Affjnso, Lulz Amavel
li ibourcq Jnior, Jos de Aquioo Fonseca, Fran-
cisco Mamea de Almeida e Birnardino de Vas
concellos.
Teve logar sabbado a renmao da assembla
geral dos accionistas da companhia de seguros Uti
tidade Publica. Foi approvdo o parecer de comas,
appresentada pela respectiva commissao, e o divi-
d-odj da 32 / sobre o capital realisado ou 520
por cada acfao.
Procedeu-se a' eleicao da nova direct-ri, que
ficoa assim composla : commendador Joao Piolo
de Limos, presidente; Lnlz Antonio Siqueira, vire-
presidente; Antonio Jos Coimora Guimares e
l)r. Joao Raymuudo Pereira da Silva, secretarios;
Feliciano Jos Gomes e Thomat F*raaodes da Ca-
rina, directores; Francisco Jos da Cosa Araujo e
Cbristorto Guilherma Breik-rafeld, supplentes.
No dia 29 do passado fol submeltidoa' julga-
menlo, no tribunal do jury de Oliada, o preto Tilo-
mas, quo assassinou ao pharmaceutico Braz Pi-
aientel.
Nao teno advogado. fol convidado pelo Dr. Jait
da direito, e encarregou-se da defea o Sr. Dr. Al-
fredo Sirgio Ferreira, que desempenbou oom sa-
iisfaQo seu mandato.
Em vista das respostas des quisilos, foi o preto
Tnomaz considerado incurso no grao mximo do
art 152 do cdigo criminal, e como tal coademna-
do a' roor'.e.
O Dr. jo de direito appellou ex oficio da decisao
para o Tribunal da Relagao.
Foi recommendado ao engeoheiro encarrega
do das obras militares, como presidente da com-
missao encarregada dos reparos no edificio de Sin-
to Amaro, destinado a' recepto de emigrantes,
que d-se todo o andamento a essa Incumbsucla.
No Guar seguiram desta provincia para a
curte urnas cem pragas com destino ao ejercito 3
a' manaba.
Na acco entre a cana filial desta provincia
e os Srs. Luiz de Moraes Gomes Ferreira e Jos Je-
rooyrao Monleiro, nao eoncedsu o supremo tribu-
nal de jnsca a revista alentada pela referida cai-
xa do iulgamento do tribunal do commercio desta
provincia.
Iformam que nma casa de negocio perten-
cenle ao Sr. Aotoaio Evaristo da Rocba e simada
as vmohaocas do engenho Ploma, districto 'A-
gua-Preta, fez exploso em conseqnencla de um
resto de mortalha de cigarro, laogad aqoeiln Sr. Rocha, ser impellida por vento anda
iocei;diada, e ir cabir era uiu barril de plvora,
que hera aberto na referida casa.
A explosia foi iostaniaaea, nao caodo da casa
se nao destrozos; e os gneros nella existentes fo-
ram todos pelos ares.
O caixeiro, qae tambera fora irapellido pela ex-
ploso, encootrou-se carbonisado; e sabiram quei-
mad os mais ou menos intensamente, o referido Sr.
Rocha, dous filos ednas mnlheres, que aebavam-
se naquella fatal occasio allL Destas ama leve
urna perna quebrada, e ontra ambas !
Foraecem-nos o seguiole doeamento, qae
urna copia exuberante do nosso patriotismo, e que
assim deve ser dado a' noticia de tolos em justa
admiraba. ao qae nelle se contera, sendo nos tacto
mal honroso qaanlo iniciasao de um corpo da
Pernambucanos.
Nao satisfeitos com o sacrificio patritico dos
seus scrvioos em carapacha, alada apreseotam
mais esia prora da dedicaco, caja iniciativa parti
do Sr. Capito Florencio Rodrigues de Miranda
Franco, com acqaiescencia completa dos seas ca-
ntaradas, e aceitacao do general em chefe marqaez
de Caxias.
Este proeeimeoto ama coroa de gloria, para
a (roate daquelles bravos Pernambucanos:
A offi-ialidade abalxo assignaea, pertencente
S3* corpo de voluntarlos da patria, tendo em con-
slderarso a enorme despeza faita pelo imperio do
Brasil com a actual guerra a que foi levado pelo
despola da repblica do Paraguay ; e qnerendo
dar mais ama orow de sea patriotismo concordon
expontanearaente offerecer mentalmente a qaantia
que em eada noma ra declarado, a contar do 1*
da novembro prximo (atoro, para com quaoto di-
minuta, auxiliar as mesmas despezas, sendo des-
contada pela pagadoria militar do exercito.
Sapplica a roesma offlcialidade ao Exm. Sr.
marquez de Caxias, general commandante em ene-
fe das (oreas brasileiras em operac5as contra o go-
verno do Paraguay a' aceiiaeao de to diminuta o(-
ferta aflm de ter lagar o descont respectivo para
o flm que tem ella em vista.
AcampamaoUdo 53* corpo de voluntarios da
patria era Tuy Cu, 26 de outubro da 1867.
Commandante Aieandre da Barro*
PEAgADORECIFL
SO DB MltFTUlUO BE I8B*.
AS TRES HORAS DA TARDE.
Reg.......................... 5*000| Rer/Ista cmainal.
APel.\ presidencia da provincia (orara desig- ,<^l0S,7f,cel!|-,o,0b" if5-drei*,,*VI %
nado>Pa servir de majores, os capitaes Francia- i *'*& *- sobro Pars de 455 a 457 rs por fr.
co Manoel de Siqoeira, do batalhao b. 40, e Tbom 2*""SJ5E 8?? Pr M/B, sendo o valor do
de Castro Leo do d n. 51, aquella de Ipojaca e qoa ** W.000 peto rapor (raocw.
..urf. p^a'nu ALGODAO-VendeaseodePernambuco de 8*oOU
a 8700 a *, o o da Parabyba do 8*700 a 9*000,
posto a bordo.
Assucai.Vndense o brinco de 4*100 a 4J>800
a ($,o sameno de 3*800 a 3*9tlO. o mascavado
porgado de 2*850 a 3*100 e o bruto de 2*oa0 a
2*750.
AGUARDENTg.Vendeu-se a 80*000 a pipa.
Arroz.O pilado da (odia venden-se da 3*000
a 3O0 a a e o do Maranno a 3*03C.
Azbitk dck.Vendeu-se o de Lisboa a 4*000
este de Pao d'Albo.
O rapor franeez Guieni, troaxe para
a nossa praca em notas do gorerno 190:706*, das
do sul do imperio ; e para as da Europa 56:600*
em moeda de ouro, 932*760 em barra e 2:600
em moeda de prata.
Da oossa praca eoodazlo elle para a Europa
136,900 francos em moeda de prata e ouro.
Com destino a Europa troaxe o raesmo rapor
71 passageiros, entre os quaes o cnsul italiano oo
Rio de Janeiro, a o cnsul franeez no Paraguay.
o galo.
Bacalho.Em atacado renden se de 12*200 a
Lotera. A que se acba venda e i2lf5oo a barrica e a retalbo de 12* a 14*.
a 47/, a beneficio da matriz do Ourieury,
que correr quaodo se anauociar.
Reparticao da polica.'Extrato da parle
do da 30 de novembro de 1867.
foram recolbidas a' casa de detengo no dia 29
do cor. ente :
A' ordem do Illm. Sr. Dr. chefe de polica, Jero-
nymo Baruosa de Moara, como alienado, aflm de
Batatas.Venderam-se a 2 } a $.
Bolachinhas.dem a 4*600 a barriqaioha.
Caf.Venden-se de 5*000 a 6*5'0 a arroba.
Cha.dem de 1*800 a 3*400 a libra.
Cerveja. A duzia de garrafas rendeu-se de
4*800 a 8*000.
CourosOs seceos esalgados renderam-sede
a 20o rs. a libra.
Farinha de trigo.Retalhou-se de 213 a 263 a
sei-recomido ao respectivo hospicio. A ordem do barn(.a de New.York e M 264 de Balt.more,
subdelegado do Rec.fe, Ventura, escravo de Bpa ; de 27 28j fl(J pni|ade,pni*de 33000 a 2i30
m.nondas V.e.ra da tunha, a reqaer.menlo des e. a oe no| de m 3|'a dfl Trlesle a m
A ordem do da Saolo Antonio, Quiteria de Jess ;(a sacca a Cm|e" flcan^0 em d it0 3m
para correego.
O chefe da 2* secgao
/. G. it Mesouita.
Passageiros do vapor ioglez Crysolite, rindo
de Liverpool por Lisboa :
barricas da primeira, 1,000 da segunda, 1,400 da
terceira, 300 da qoarta, 400 da quinta e 3,000
saceos da sexta; (atondo um tolal de 6,100 barri-
cas e 3,000 saceos, alm de tres carregamentos do
Cmle, nados do Rio de Janeiro, os quaes eslo
Joaquina Novaes Peres, Jos Regaeira Lopes, sendo descarregados.
Passageiros do vapor brasileiro Guar, sabi- LoucA.-Aingleza ordinaria vendeu-se oom 315
do para os portjs do snl: por ceato de premio sobre a (aclara.
Vigario Antonio da Costa Guimares, Jos Felip-; Manteiga.Vendeu-se a ingleza de 800 a 850 rs.
pe dos Santos Jnior, Narciso Duperrou, sua se-; a libra e a franceza de 610 a 640.
nbora e 1 rjlba menor, Francisco Antonio da Costa Massas.Venderam-se a 6*300 a caixa.
Loureiro, Jos Laiz Pereira de Castro, Lulz Mara. Oleo de HKHaga.Vendeu-se a 2s500 o galo.
do Bom Sccesso, Jos Joaqaim da Fonseca Merey ( Passas.dem a 7*500 a caixa.
le, Joaquira de Olivaira Mala Jnior, D. lgnez das j Presuntos.Venderam-se a 16* a ($.
Virgens Pinto, Alexandre Belinar, capito Manoel Quedos. Os flamencos venderam-se de 2^200
Joaquim da Cosa e sa senhora, Manoel Balbiuo a 23400 cada nm.
Gomes, Joioua Vieira de Jess, Tdeodoro Amonio Sabao.Vendeu-se o inglez a 140 rs. a libra e
da Silva Carneiro, Cornelio Ferreira Franco Filho, 0 do Mediterrneo a 200 rs.
Julio Dofhrque, Dr. Antonio Ferreira de Souta Pi-. Touci.nho.Veadeu-se o de Lisboa a 7*800 a
tanga, U. Augusta Pazo do Reino, capito Ignacio arroba.
da S.iva Oairo, su senhora e 2 escravos, Theodoro Vinagre.Vendea-se o de Portugal de 903000
Jos, Luir Antonio Ltl, Jacinlho Candido de M;l- a 1153 a pipa.
lo, Joiiao Fuersiimberg, F. Howsley, Domingos, Viniios. Os de Lisboa venderam-se de 190*000
Carduso, Joao de Miranla R. Sobreira, Isiduro Ros- a 21i>3 a pipa e os de outros paizes a 180*.
sini e sua senhora, Francisca Maria da Gocei^ao,
Beajamim Alves de Carvalbo, Esmeraldo Octavo
de Souza Letta e 1 criado, Jos Aives de Souza,
firmino Leocadio de Lima, Mauoal Pereira do Bom
Fira Morelra, D. Adelaide Chnstiana Vasconcello-
Feroanes e i filho, F. Nalnr, Pedro Antonio Fer-
reira, Thom de Franca, Domingos Jos de Parias
Q. b'. Fraio, H tonque R. Jjnior, E. de B. Be
zerra, Eduardo de Mello Continho, bacharel Joo
Baplisla Corle Real e 1 criado, Jos Corro de Sam-
paio, Jos Garca da Silveira Jomar, Jacintho Jos
Nuues Leite, Manoel Ferreira Guimares, Joaquira
de A. Mai i Antonio Ribeiro Rosa Junmr, Honorato
C de Abreu, F. Jos Das Fernandos, Dr. Luiz
Vianna e 2 escravos, Joaquim Newton de Carvalbo,
Eipidio J. de C. S)uza, Balbioa O. Jisu-, Marcos
(liberto), Manoel Joaquira Teixeira Eugenio Jos
Naves de Aodradi, sua fl'ha e escrava, Joho
lil ,w,it, Marianao Joaquim da Silva, Joo Caplslra-
no de Olivera, Francisco de P. M. de Oliveira,
Alexandre Joo Ozorio de Castro M. da Cosa, 20
aprendlzes mannheiros, 19 guardas-naclonaes, 46
reeruus para o exercito, 1 praca do exercito, 1 vo-
luntario da patria, 1 liberto, 23 recrutas de mari-
uha, 15 libertos para a raarinh?, 2 pravas desig-
nadas,! raernta, Isidoro Felippe Bezerra, 13 es-
cravos a entreear.
Passageiros do vapor franeez Uuienne, viu-
do dos portos do sol :
R. P. B. Pierre, Mauoel J. da Fonseca Ciroca,
o^ Pinto, Benlo Antonio Torres, fre Antonio de
S. Braz Maciel Pinheiro, Manoel Bernardas, Lou-
rengo C da Silva, Antonio da Silva Graja, 71 para
a Europa.
Segu-m desta provincia :
Antonio Duarte da Costa, Pedro Pouglene, Ma-
thias Ferreira, Dr. Molesto la Porte.
Cemitebio publico.Obituario do dia 30 de
de novembro de 167 :
Manoel, Pernambuco, 4 mezes, S. Jos ; con-
vqIcos.
Mina, Pernambuco, 9 annos, S. Jos ; febre per-
niciosa.
Velas.As de composigao venderam-se a 600
ris o pacote de 6 velas.
Descont. O rebate de letras regulou de 8
a 10 por cento ao anno.
Fretes Para Liverpool: d'.>qui, em aluodao,
3/i por libra 5/. a vapor, e 5/8 por libra 5/. a
vela, era lastro 23/ por tonelada a vela; a carregar
na Parabyba: em aigodo, 3/4 por libra 3*/. a vela,
em lastro 25/ por tonelada a vela ; em assucar : a
carregar em Macei para Marcellia por Gibraltar,
42/ por tonelada 5/, a vela, o'aqui Idem, dem,
40/ por idem, 5*/. a vela ; a carregar no Rio-Grau-
da do Norte para o Reino-Unido pelo Canal 12/6
por tonelada 3*/. a rea.
MOVIMEISTO O POETO
Tarracba de esplngardeiro 1.
Cobre am chapa fina para cobrir as jodatas das
catas de faBha 1 lol.
#)ll|i|lol. i
Garfa(asdetBirdial.l
Canelas da uo-lUjtaziaa. ikw 13 _.
Kolnas de flaodres 2 canas, sendo ama dobrada.
Dobrali^as de cruz 120.
Feixadaras de broca 20.
Ditai ingleza 30
I.apis da cor 6 dorias
Fauna lapis 10 dunas.
Prego i rlpaes 20 railheiros.
Diamtotes para cortar rMao 2.
As passoas que quitaren vender os artigas ci-
ma declarados apreseotam soas propostas no dia 5
de dezembro prximo futuro, na sal do conseibo,
palas II horas da tcanha
Sala do cooselho de compras do arsenal de guer-
ra de Pernambuco, 30 da novembro da 1667.
J. M 1. J. da V. Pessaa a Mallo.
Coroqel-presdeote.
l'oaseilio de compras do arsenal de
guerra
O cooselho de compras do arsenal de gnerra,
era virtude de ordem da presidencia, precisa com
erar para (oroecer a reparticao do alistameoto de
pracas para o exercito, o seguinie :
Lirro alpnabetico da 300 fol has para recrotas e
guardas nacionaes designados I.
Dito dito de 300 folhas para voluntarios e guardas-
nacionaes designados que pramptamente concor-
rem 1.
Dito dito de 100 folbas para substitutos 1.
Dito dito de 100 f dnas para libertos 1.
Dito de 200 folbas pautado para registro de corres-
pondencia i.
Irapressos para lermos de inspeccao 1,000.
Raspadeira 1.
Caivete fino 1.
As passoas que quizerem vender os art;gos ci-
ma declarados, cotoparecam com suas propostas
na sala do cooselho, no dia 5 de dezembro prxi-
mo fuioro, pelas II horas damaoha.
Conseibo de compras do arsenal de guerra 30 de
novembro de 1867.
J. M. 1. J. da V. Pessoa e Mello
________________________Presidente.
Inspeccao do arsenal de
marinha
Faz-se publico que a commissao de peritos, exa-
minando, na forma determinada oo regularaento
annexo ao decreto o. 1,324 de 5 de ferereiro de
1834, o casco, machina, caldeiras, apparelho,
oastraacao, velames, amarras e ancoras do va-
por Mamanguape da companlia pernambncana de
navegacao cosleira, achdTj todos ess.es objectos era
estado de poder o vapir navegar.
Inspecgacdo arsenal de raarinha de Pernarabu-
eo 30 de novembro de 1867.
11. A. Barbosa de Almeida
Inspector,
avisos martimos
Companhia ainericana e brasileira de
auuetes a
/aquetes a vapar.
de dezembro esperado dos portos
do sal o vapor americano North America, o qual
depois da demora do costme seguir' para New-
York, locando no Para' e S. Tnomaz para (ratas a
passagens trata-se cora os agentes Henry Fotser
& C, ra do Trapiche n. 8.
Para Lisboa.
Va i* sabir com brevldade a barca portuguea
tratidao por ter parte da sna carga prompta ; pa
, ra o restante e passageiros trata se com Oliveira
i Filbos di C, Largo do Corpo Santo n. 19 oo com o
capito na pra *
COMPANHIA BRASILEIRA
DB
Paquetea a vapor
Dos portos do sul esperada
at o da 7 de dezembro o rapor
Cruzeiro do Sul, commandante
Alco(orado, o qoal depois da de-
mora do cosame seguir' para
os nortos do norte.
Desde ja se recebem passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir a qnal derer
ser embarcada ne da da sua chegada, eocommen-
das o dobiro a frete al ao da da sna sabida as
2 hora3. Previnese aosSrs. passageiros qussnas
pa>sagens s se recebem nesta agencia rna da
Cruz n. 57, primeiro andar, escriptorio de Anto-
nio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
THEATKO
DE
mmm brasileira
DB
Paquetes a vapor
LEILAO
De ama puUelra de ouro d 14 qnlaaaa, aaia al-
ta da moeda, ama dita de coral, san roltt tt
moedas, nma dita da balo. unta volia tta car-
dio de ouro, nma dita da dito, nw
cora lago, nma Inneta da cana a> ara,
rolla da traneelis da ouro, ama dita *
um ueta com podras, nma villa caos
rrmt, ont par de brincos de moeda, osa
eir com 5 oitavas a nm qoarto, 12 c
de Jacaranda de goaroico, 2 ditas dta
Co, 2 ditas da bracos, 2 eooso os eo
urna mesa redonda eom umpoda awaVs. oaa
sof de Jacaranda', nma canta fraseis a> jn-
caranda', um a.-peiho cora moldara, ana caav
dieiro de gaz, nm relogio de el ai a Men,
ama serpentina.
U agente Martina fara' I.Ho a reqmrf alo a
testamenteiro de Vicencia Mana ais Prazeres don
moris a mais objectos da oaro acias.
Qjarta-feka 4 do r. rreo.
No sobrado da roa das Crozas o. 28, pnmetro
andar, as II horas do dia.___________
De escravos e |iida l*liait.
Quarla-feira 4 do correte.
O agente Peslasa fara' leilio por costa a risco
i quera pertencer de nma escrava qae eo-te baei,
cosioha algoma consa a engomma pooro, i asa an-
gra que lava bem, boa figura a nm rao I atiabo la-
mia figura eom 10 a II ann, coa pnaeistes da
sapaleiro, serio vendidos no da acimt meaewea-
do as 11 horas da manbaa no lamo do Cana
Santo.
Dos portos do norte espera-
do at o dia 10 de dezembro o
vapor Paran, rommandant
o capilo de fragata Sania
Barbara, o qual depois da de
mora do costume seguir' para
espartos do sul.'
Recebem-se desde ja passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir a qual devera'
ser embarcada no dia de sua chegada, encommen-
das e dinbeiro a frete al o dia da sabida as 2 ho-
ras. Previue-se aos Srs. passageiros que soas
passagens s se recebem nesta agencia rna da
Cruz n. 57, 1* andar, escriptorio de Antonio Luii
de Oliveira Azevedo & C.
LISBOA
Acbando-se cora a maior parlo da sen carrega-
raento prompto o hiateporluguez Pensamenfo. se-
guir' em pencos dias para o rtierido porto:
qoero pretender embarcar o retto dirjase a ra
do Vigario d. iO, a Bailar & Oliveira.
M\
Publicacoes a pedido
Navio entrado no dia 30.
Rio de Janeiro e Babia0 das, vapor fraucei
Gumnnt, de 1,187 toneladas, cemmandante A.
de La No, equipagem 115, carga diiTerenles g-
neros ; a' Tessat Frare.
.Vatios salados no mesmo dta.
Go-l b-ie- 's'"" ovare/, v.piwv Oa-let tJTO-"
ckiebatk, carga assucar.
Babiapatacho hauhurguez Maru, capiio Dabl,
carga parlo da que troaxe de iSe'wYork.
Liverpool pelo Rio Grande do N..rteLugar inglez
Cely of Sonl Aiap, capitSo \V. Lowis; em latro
de assucar.
Acarac e portos intermediosvapor brasileiro
Pirapami, commandaEte Torres.
Aracajd e portos intermediosvapor brasileiro
Potenyi, commandante Pereira.
Bordeaux e portos intermediosvapor fracc.-z
Guienne, cemm ndame A. de L No.
Obse voqo.
Saspendeu do lamaro pra a Parahyba a l^rca
ingleza Presin, capito Mell.-r,com o mesmo las-
tro qua trcuxe de Macei.
itoi __..._.. jl aa iii
__j -^ ?,'l
EMP EZ A-COIMBRA
Segundd'fnra 2 de deiembro.
Espectculo em grande gala para
soi.emn'isar o feliz natalicio de s. m. o
Imperador o Su. D. Pedro I!.
Logo que o E.tm. Sr. bata) de Villa Bella milito
digno pnsidente da provincia se dignar appare-
eer na tribuna, a orcheslra tocara' um pequeo
entre aelo.findo o qual a Sr.* D. Carolina Falco
cantar fecundada pelos artista* dramticos
0 HYWiriO NACIONAL
Era seguida representar-se-oa pela primeira
vez o drama em 4 actos, original brasileiro, com-
posicio do Illm. Sr. Victoriaao Palhares
wi mmn do reculo
Denominara!) dos ac'.os.
1.*Ouro ,e amor.
2'Obra do diabo.
:>.-Luz no abysmo.
MS-WSeraca ahencoada.
- m:iii>ma :i:v,:.
Bario de Flores......O Sr. Thomaz.
Jorge do Aguiar..... Macedo.
Julio de Oliveira.....a Peregrino.
Mauricio de Souza. Lisboa.
i Teixeira.
A Sr.* D. Antonia.
> > Julia.
i Jesuina.
O Sr. Emiliauo.
Barrete
> Guimares
> i
i Santa R^sa.
i Siijaelra.
,DSGLia?OIS.
Coinpanhia do Beberibe
Profundamente pjnhoralo pela prova de cun-
flar.Qa, que me acab de dar o corpo eleitoral do]
primeiro districlo desla provincia, elegendo-me de-,
pulado a' assembla provincial; recorro a' im-
prenaa, para tejtamunhar ao< dignos Srs. eleitores [
daquelle dlstricto toda a mi nha ^ratidao por seme- i
lliaute (acto ; gralido taon mais prounda e sin- i
cera, (manto foi espontaneo o acolhiraento que leve' dividendo de SUaS ac.CS na proporco de criptorio do theatro.
a mmha aprasenta.o enlre as infancias eieitoraes 3^000 Cada uma, no seu escriptorio da raa
d%udffa?erPaVarCqUue possa corresponder a esco-! do Vigario n. 19, das 10 horas da manlia
Iba com qae (ai honrado, asseguraudo aos distinc-
IgnAcio.....
D. Maria.....
D. Oiimi.ii. .
.Magdalena.
1* convidado. .
2a dito......
3* dito. ,. .
Ciramsndanto da (or.a.
Um criado. .
Antonio, criado. .
Soldados de polica.
poca actualidade.
A empre/a lenJo e fazer representar p^ra
maior colpmnidde desse dia, u;n drama nova,
original brasileiro, pretorio entre outros de que
di-pnnba, o j;rama do dislincto litterato o Sr.
Victoriano Paihares, nao s pelo merecimento do
pela< qualida-
;drama em si mesmo cuno tambera
A directora desta COmpanhia faz scieDtO des do autor, e por ser elle lho d.-sta provincia,
aos senhores accionistas, que o caixa desla Te sem2ffcc avlda ?e airf'ar n,crec,a,ent0
companbia commendador Thomaz de Aqoi- ^dae lSSSrf* ^
no I'OQCeca, esi autorisado a pagar O 19 O liilneiesac.am se desde a.' a'venda n) es-
real
acolbi-
tos Srs. eleitores do primeiro circulo, que em lem-
po algum ov| larei tamaona honra.
Cidade deGoianna, 30 de novembro de 1867.
Luiz Goncalves da Silva.
Albpqaerqae......................
Major Antonio Joaqoim Bacellar.....
Dito WB^J22OTSa* Mer-
gnlhao............\..............
DiloNprvaldaSiir Pareira oe La-

Dito Florencio Rodrigues da Miranda
25*0*0
i8#oon
10*000
10*000
101000
10*000
COMMEBCIO.
PRACA DO RECIFE 30 DE NOVEMBRO
DE 1867.
As 3 J_ horas da tarde.
Cambio sobre Londres 90 d/v 20 7(8 e 20 3/4
d. por 1*000.
Fretelastro de assucar da Parabyba para Liver-
pool 23/ por tonelada e 5 0/0
Frete de algodo da Parabyba para Liverpool3/i
d. por 1* e 5 por cento
dem assucar de Macei a' M.rcelba i2/ por to
nelada e 5 0/0
dem de assucar do Rio Grande do Norte para
Caaal-42/6 e 5 %
Silvelra,
Presidente.
Macedo,
Secretario.
EM LIQUDRCAO
Novo banco de Pernambuco
Os Srs. accionistas podem receber o 3.
dividendo (em moeda corren te) de 10 o/o do
capital, assim como o l* de 30 o/o, e o 2.8
de 46 o/o, j anaunciados.
Novo banco de Pernambuco
em liquida$io.
Os poksuidores de notas da emisso do
quanto antes apreseotal-as
banco queiram
ao troco.


ALFANDEGA.
rtandimanto do lia 1 a 29........
dem do dia 30..
iMKIMISSdf <

632:208*418
32:016*601
3 da tarde.
Escriptorio da companhia, 18 de novem-!
Dro de 1867.
O secretario |
Dr. Praxedes_GomS de Souza Pitange,
Pela secretaria da"cmara muocipaTde.-(a
cidade, se (ai pdico que a me*ma cmara prin-
cipia a quarta e ultim; sessao ordinaria dote annoj
uo dia i de dezembro prximo vindouro, e nos!
seguiutes.
Secretaria da cmara municipal, 30 de noven ;
bro de 1867.
O secretario,
Francisco Canuto da Boaviagem. i
Terca-feir 3 de dezembro.
RECITA KSTUAORDINAltU PENLTIMA
EMPREZA.
pe j ah^iro
Pretende egnir cora malta brevidade a barca
Despique IIt, tem dous turcos de seo carrega-
raento a bordo para o resto que Ihe (alia trata-se
com os seus coosiguatanos Actinio Luiz de Oli-
ve ira_Az_vedo&(^OjadaQuzn;Ji7.________
Fara Lisboa
val sabir com muita presteza a bera condecida
barca Mana : para carga tratase com os consig-
natarios Camino & Njgoeira, ra de Apollo nu-
mero 20.
LE AO
De 25 decimos de vinho io Porto, I barris
dih, 3 pipas vinho da Figut'iri.
Quiuta-feira o d corrate.
O jente Pestaa fara' leilio pr-r eonu a riaea
de quem pertencer d s vinbos cima aaeocioaaaas
os quaes serio vendidos para liquidar ao torrar
do martello : quioia (eir 3 d correte pelas II
horas da manhaa no Anoes delronte da aKaadega.
Porto
Pretende seguir com a maior brevidade possivel
a barca portuguesa Claudina, por ter a maior par-
te do seu carrecamente enga:ado : para o /esto e
passageiros, aos quaes ollerece excellentes com-
modos, trata se com Confia I maos & C, a" ra da
Madre de Dos o. 3i, ou com o capito a birdo.
Kiu-Graude do Sul.
Patacho tiras:leiro Curdtao, capilao Manoel
ter parle da ci-rga contraiada. Para a que Ihe
f.lia trata-se com Miguel Jos Alves, n. 19, roa da
Cruz.
liba de S Miguel.
Para o porto cima segu o paiacho pertuguez
lorgense de primeira marcha, para carga e pas-
safjeiros irala-se com o consignatario Joo do Re-
g Lima, a ra do Apollo n. 4.
m
ffT?,

.
Segu com brevidade o patacho nacional Volan-
te por ter grande parle da carga engajada ; para
a que anda pode admitir trMa se com o respecti-
vo cpnaiinalario Aotculo do Almeida Gomes, a
ra da Cruz u. 3, 1* andar.
LELOES.
DA
Conselhe de compra* do ar-
senal de guerra.
O conselho de compras do arsenal de gnerra em I am acto do mesmo autor
Variado espectculo uiviiido em 5 partes.
PRIME RA PAUTE.
A primeira repre.-eniaco da comedia em I aclo
do repertorio do actor lacedo
0 capricho de urna mulher
SEGUNDA PARTE.
A scena cmica pelo actor P-dro Augusto
AMANIIAA.' YOL PEDI-LA.
TERCEIRA PARTE.
A comedia em ura acto original do Sr. Mendes
Leal (Antonio).
NIEL EFEL
QUARTA PARTE.
A primeira representaclo do dialogo cmico em
b
virtude de ordem da presidencia precisa comprar
para o presidio de Fernando de Noronba o se-
gninte :
Pregos cabfaes (0 milheiros.
Ditos caixaas 10 milbeiros.
Ditos francotes de 1 1/2 e polegadas 4 arrobas.
Gomma laca 1|2 arroba.
Limas de offender 2,
A1AIV DO MAXKL
ornado de lindos couplets.
Terminando o espectculo com a ultima repre-
sentacao da comedia em um acto ornada de m-
sica
Morrcr para ter dinheiro.
Coraecara' as 8 horas.
gaz e mais per-
sita a raa da
i
Da armac, gneros,
tences da taberna
flangucira n* 2.
u ageote Martins (ara' leilao competentemente
anlborisado da arma^ao, gneros, gaz e perteoces
da taberna cima em um ou mais lotes a vonlade
dos compradores, a qual se acha multo afregue
rada
Terca (eir 3 de dezembro.
As 11 horas do dia ca me>ma taberna, o balan
eo pode ser examinado em mao do mesmo agente
a ra do Imperador n. 10.
AVISOS DIVERSOS.
Precfsa-se de nma ama na ra d Saata Tae-
reza o. 16, para comprar e cosiobar p-i i doas
pessoas.
Aluga-se
para pascar a fe-ta ou por um ann., nma casa em
Olinda, c^m ezceliente vi-la e roano fr**r\, eom
tres salas e cinco qusrt s, c zmh (ora e bom
quintal, com terraecs aliante e airas eom acentos
de pedra e cal : a iratar na praga da Po4r j II, li-
vraria da inlancia n. ti._________
Aluguel
Alugase no caf commercial nm ascravo oa
(orro para todo o servido : a tratar no av.-mo ca-
f, no largo do Curpo-Sann p. 9.____________
= Um moco habilitad.) par* ser aj'i-tanta de
um guarda livros de urna casa eomTi T;ial, teado
rauito boa letra e eserevodo com ort ..-ri?hi e
sendo perito em contabilidad djs--j e ujr-gir se
ero um escriptorio, se eflorece BjB-ajBar gar.ntia
sobre soa coudueti: luem pre-i gir ama estrena do R)?ario n. 10, das 10 biras
da manbaa as 3 da larde, 1* an lar.
O abaixo assigoado declara ao orpo i < com-
mercio e a todos era gral que o Sr. Mtthusde
Azevedo Viilarouco deixou de ser o ffaarta livros
e procurador de sua casa. Recite 2S d-j aovea>
bro de 1867.
_________________Joo de Sigoeira Ferro.
Aluga-se nma casa om sitia na Pa--.,ren
con(roote ao cha(ariz achand ose a c taa ero per-
teito estado : a tratar na roesma ca-a.___________
Attenco.
\. 2> Raa dt Livraac<|a) _\ 7$
Deposito de tamaneos 0 calcado .nc, t.I la fa-
brica da roa do Jardim o. i')', d^ J >- V
dinho, tanto no deposito como aafaonra ip' rap-
lam LidiAji Dorcoaa da t\Ic.i-^
possivel, esta fabrica tem todas as ma^ii-i i- pro-
prias para os calcados ja bera acreditad pelo
grande numero .de (regoeiea qne da -i se fjf-
necem.____________________________
Para seu interesse
Muito se precisa (aliar om o pa ir p"rtuc3*r
Jos Bernardino de Paita que seayoe rae
em Marca.o, e cora o Sr. J s Ljoreafi Aa lle-
deiros Munii que m ira no< arrr.aldjs de San'.)
Antio : na praca do Corp*. Saon o. 17, ana
andan___________________ _______
Desaparecen ao correr da nit- oa i> do
correle ao poder do abano atsigaad', n
nho C.ntra-assude, de Jaboatao, o a- ra?j J >-?.
crenlo, com os signaes segmates : 11
eoDstroldo, ro.-to largo e nariz crut >, v -r.u* moi-
to :b-rias, tenio na testa nma ci-.n 1 p i 1 -c-a-
da mais ou renos, lera' de 20 a 2t .an >s, ao
se distmguindo no rosto sigoal d-f aarta,
camisa do chita encarnada tmenJo eaa
roais r upa. Acimado pelo que ^-:l d~
oi encontrado em Afogodos deela-an ^ev; vtaoa
alistar-sa no exercilo. Protesta o afcatu a > gs-
do contra quera o liver acoutalo iia roesma raa-
neira que contra qualquer ant .1 i.:- i* m as
indlspensave.s peaqnixas o brover r re
se livtr dado, Rratiflca se a queoa o .r --.Ir
levando-oa ra Direita n. 29, sjo-d' an.r. a
entregar ao Sr. Antonio P'dro 1- &a Bar
nior. Recife 30 de novembro de 1867.
Jos Marques Carneirt 1.
Precisa-se de nm criado de poaca 1
ro ou livr, para todo servi.o : o rui t lape
rador n. 73. 2 andar.
De 120 saceos com farinha de man-
dioca
Terca-feira 3 de dezembro.
O agente Pestaa fara' leilao per coota de qoem
pertencer de cerca de 120 saceos com farlnba de
mandioca em nm on mais lotes : no dia 3 de de-
zembro as 11 horas na porta do Annes.
Candido Alberto sodr da M tu e -- M-ria
Sodr da Molla, sob a impressi do m-n i
sentimento pela morte de sua noaca ,> t- praa-
leada mai D. Candida Alberto da Para, I.
na Iba de S. Migue!, convidaos M m amigos 4
prenles para onvirem as rolssas qoa peto r^poo-
so eterno de sna alma m.ndam celebrar ao d
qoarta (eir 4 de dezembro petas 7 h ra- di ma-
nbaa as matriies da S. Fre Pedro G)0<-iei do
Recite, S. Jos, Boa vista, igreja da Madre di Usos
e S. Pedro Mariyr de Olinda.
Escr-T.
No eolleglo da Conceicao precisi-se alagar na
escravo.
Tabella da companhia dos trilitos urbanos, dos dias uteis do mez de dezembro.
IDA.
664:225*019
Movimento da allaadaga.
Volamos sabidos coa f atondas...
. a. a !......
Volamos entrados cota faxaodas...
1 groaros...
Recife...................
Ra da Aurora..........
Rna dos Piras............
Soledade.................
Caminbo Novo...........
Maogninbo..............
S.Jos.................
Torre...................
Ponte de Uchoa..........
Jjqueira.................
Parnameirim..........
Sant'Anna.............
Casa Forte...........
Caldereiro........
Monteiro
Porta d
Aplpncos
-n-"
MANHA
slro..............,
ro..............***t
'Agua............I
lOS* 'f
1,1
147
- 252
U
87
Vap' l^^Ct^oiftaerciorlif.
------133
6.1S
6.16
6.(8
6.20
6.22
6.24
6.2*
6.29
6 30
6.33
6.40
6.42
6.4
6.46
6.50
6.3
6.56
"
3b
7.20
7.23
7.2
7s27
7.30
7.32
7.35
7.33
7.40
7.4:2
7.45
7.47
7.50
.7.51
7.515
7.57
8.0
8.15
8.18
8.20
8.22
8.25
8.27
8.30
8.3
8.35
8.37
8.40
8.42
8.45
8.47
8.50
8.53
8.55
TARDE.

3.10
3.14
3.1*
3.18
3.20
3.22
3 2.
3.26
3.28
3.30
9.0,
9.3
9.5
9.7
9.10
9.12
9.15
9.17
9.201
9.23
9.25
9.27
9.35
9.37
9.40
VOLTA.
MANHAA.


'.io 1 olwJsb iwtowsfi.
.sd7nuorutq &
. K Bt 616*4 I
Domingos 9 dias santos.
,T*O(0-/3--> '"i tj TXJ5T t *OTMT| l .n a
w;^aj^ auq
De Apipoco! para o Recito
Apipncos.............
Porta d'Agua.........
ooteiro...............
Caldereiro.............
Casa Forte.............
Sant'Anna.............
Parnameirim..........
Jaqoelra........
Ponte de Uchda.......
Torre...............
S. Jos..............
Mangninbo............
9.30 Caminbo Novo.........
9.32 soledade..............
daa dos Piras.........
ftoa da Aurora.......
Recife.......
.?a "..'i
. .0 am2-r()i)qjftjl *> tJM") *!
J 51SW ,0-BO ?* **VB (
|g :
6.15
6.17
6.20
6.25
6.28
6.30
6.33
6.35
6.37
6.40
6.42
6.44
6.46
6.49
6.5>
6.53
6.55

?-.a
7.25
7.30
7.33
7.38
7.42
7.44
7.46
7.48
7.50
7.52
7.54
7.56
7.58
7.69
8.0
8.15
8.17
8.20
8 25
8.28
8.3?
8.37
8.40
8.42
8.44
8.46
8.48
8.50
8.51
8.54
8.56
9.0
TARDE.
9.15
9.17
9.20
9.25
9.28
9.32
9.37
9.40
9.42
9.441
9.46
948
9.50
9.52
9.54
9.56
10.0
1
3.40i
3.55
4.7
4.10
4.201 5.15 6.0 8.0
4. 5.17 6.3 8.3
4.35 5.20 6.5 8.5
4 30 5.23 6.10 8. Id
4.3* 5.27 6.14 8.14
4.35 5.30 6.19 8.H
4 4"> 132 6.23 s.st
4 45 5. as 6.29 i.ti
4,47 1.37 6.17 8.27
4,49 3.38 6.29 H.2S
4.50 .40 6.30 8J>
4.5* 5.4I 6.3 8.31
4.54 1.41 6.34 S.34i
4. 4.45 6.3 8_U
4.57 4.58 1.47 6.17 8.37
3.49 6.38 8.3
5.0 S.W 6.60 8.4.V
.
fa
:s
Mi
Mi
9.18
9.23
9.23
9.C
9.
9.31
9.3B
9.31
9 35
9.37
9.3B
9.40
6.4*1 7.01
7.O S.|
8.(
9.'1
JkmtJk
6 taj mi
'
3.
4
* I*
__ {_ 9f aV*lP*lt!|**"* Fal iaam a*. __

ltf^0
t-6 lai

aaaa
i lilva i
.


m
I Vi a
Blarlo ic ternambac Secunda letra t lie DezeMbr* c (867.

NOVA FABRICA
I>E
>
CHAPEOS






DE
TODAS A QALIDADE
ILLUMINACAO
til
Cf IMITO IM?)
4^Hna Direita45

Chega, gente!!!
Boriegoins inglotes para domen a 5*.
Ditos franceies dem a o*.
Boriegoins para senhora, enfeiados, a 4*.
Ditos para meoioa, Ideen a 33.
, Sapatoes iogleies para hcmem a 4*.
A empreza do gaz desta cidade desejando facilitar geralmente o uso do gaz Ditos americanos a 3*500.
oas casas e estabelecimeutos particulares, olerece desde j as seguiotes vantagens: Chinelas do Porto a ,$600.
1." Urna redoeco consideravel nos precos dos canos, apparelbos e todos os mate-' Sa1p,os",r"t" par*Mnbo" **8-
__- m ;ni.ii..x i.i i Ditos aveludados, dem, a lazoO.
naes precisos para a iDstallacSo desta luz. Aprovenem S tempo-
2.a O gaz torneado boje de extrema pureza e nao offendera a prata, o brooze
ou outro metal differente, assim como nenbum damno poder causar as pinturas, quadros.
DE
Manoel Moreira de Soiiza,
-= RA NOTA ==-
X. 45.
Neste novo estabecimeoto, tem um completo sortimento de
para homens, senhoras e meninos, vende-se por precos
Precisa se de ama cosir.hfira, vre ou escra-
va : na roa da Imperatrli n. 63.
Precisa se de orna ama para engommar
do Trapiche n. 36, segando andar.
na roa
SSg ornamentos, papel de forro mais delicado que seja, tornando-se ao mesmo tempo t3o sau-
||p davel e mais econmico outra qualquer luz, j conbecida, aQnal, evitar tambem a obs-
^ Vi truccSo dos canos e tubos dos apparelbos.
3.a Os apparelbos existentes, como lustres, arandelas, bracos de vidro, de bron-
ze, etc., etc., sao proprios para os senbores que preferem luxo e elegancia, como para
os que necessitam simplicidade e economa. AlllTil-SG
4.* As pessoas que qoizerem collocar o gaz em suas casas podem dirigir-se em- 0 terceiro andar do sobrado da roa do Amarir,
preza, a qual se encarrega dacollocacao de todos os apparelhos, canos, etc., tomando toda o. 37, com grande sotae e cemmodos para familia
a responsabilidade pelo perfdto cumprimento do masmo, ou por outaa, podem empregar
qualquer maquinista recoDbecido pela empreza, sendo o mesmo maquinista responsavel
pelo seu trabalbo.
5.a A empreza obriga-se ainda a reparar gratuitamente qualquer falta de loz,
obstruccao de caaos, etc., deveado o consumidor pagar somenle as pecas novas que forem
precisas para o mesmo concert; qualquer reclamaco que possa baver, ser dirigida ao
escriptorio da empreza ra do Imperador o. 31, alim de ser logo providenciada.

J. FERERIRA VILLELA

RETRATISTA
Da casa Imperial do Brasil
Roa do Cabag, 18, estrada p rio]pateo da matriz
Retratos por todos os systemas pbotograpbicos.
Retratos em vidro.
Retratos em papel.
Retratos em porcelana.
Retratos em talco.
Esles retratos s5o especiaes para se collocarem em alflnetes de peito, cassoletas
botos e aneis.
Retratos em cartes de visita.
Retratos em carte-album.
Retratos timbres-poste.
Retratos comees.
Existe sempre um vanadissimo sortimento de caixinhas, passe-par-touts, goa-
jiros pretos, molduras douradas, alfinites e cassoletas de onro fino para a collocaco de
retratos. Vendem-se tambem alburas, stereoscopos, vistas para os mesmos, vistas de di-
versos edificios e pontos desta cidade, apparelbos para photograpbia, ecbimicas para a
nesma arte.
UREA PEN
Fabrica de destilaco e bonificado
DE
MARQUES & FERREIRA
RA DO OlORIM FORTE DO HATOS
PERNAMBCO.
Esta fabrica achando-se montada com lodos os necessanos perteoces a ama destilaco e eom
materias primas, que entram na confeccio de todos os seas productos de superior qaalldade : promp-
uQca-se a receber toda e qualquer encommenda e a vender os seas productos por precos nimiamente
redolidos, osquaes obliveram premios nasexposigSesdePcrnamboco, Rio de Janeiro e Pars em 1867.
Temos sempre em quantidades genebra, dita de laranja, aoiz, agurdente do reino, cognae, ab
elnlho, bitter, wermotb, kirche, xaropes para refrescos, pnmeira e segunda qualidade, licores finos e
entre fiaos, tinta para escrever, perfumaras, viuagre, marrasquino, coragao, espirito de 40*, 38 e 36*,
lito de alfazema, limonada gaioza, aguas : flor de laranja, rosa 9 orlela pimenta ; orebata de pevide
de melaocia e muitos ootros genero?, os qoaes se vendem a v mude do comprador, em barris, cana
da?, em garrafas com vistosas tarjas. Promptificase a condicclooar e enviar qualquer remessa qne
nos seja pedida para toda e qualquer parte, devendo ser os pedidos acompanbados de ordem sobre
ta praca .
a
E
c
co
"
o
c
B

5'
6?
I
C
O.
r.
-1
e
e

a
E
5
Er
?
O
~-
--
c
M
O. T3
3
e= B
o
2
o
J--
5
D
B
S
3
O K.
m
c
V.'

c
S'
v.
-1
d
O
m
%
t

u c ce
0 r. c a -1 0. < ~=! 0
*0
-1 CD c/.
QB T3 c^
- 3; u
H
B -i
O rs
n * O
0 a
O &5
W
a. B re
a
EJ c
Ti B O
u T>
3 ^--
0. B CJ
B M C-
3 0 O
0 B
e a
a s p_
0 i
d
-1 B
t. -
CD a 0
n en B
M s "O
3 <3) 0
0 Di
0 H
it M 3
s = ;_'.
a> OQ B
B, ,-D 3
CD s
q o
5
B'
o
8
re
re
re_
c
os
5'
c
s: t A -Ra do CabagM. S A
Agostntio Jos dos Santos % G
Acaba de ebegar a este estabelecimento um esplendido sortimento de
joias do ultimo gosto, perfeicSo artstica e modellos enteiramente uovos; como
seguem: aderecos com rub^im, esmeraldas e perolas finas, pulceiras, broches
para retrato, anneis, botoes de punho, brincos e cassoletas com letras, etc..
etc., etc. Salvas de prata do Porto, faqueiros, paliteiros, calis de mesa c
fructeiras, cojos precos sSo ncompetiveis, pois que os proprietarios desta casa,
recebendo seus artigos directamente da Europa, podem servir vantajosamenta
aos seus freguezes. Ck)mpram-se brilbantes, podras finas, ouro e prata, page
se bem, tambem se incumbem de fazer concertos.
^^APHA Alim
ti
mm mi
e adquerir para o nosso estabelecimento 1
feliz e conseguio engajar um destnelo pintor de
K *S
-o
MM
Trecis*"*e alogar ama ama forra ou eserava,
preferindo se esta ultima, para o servico de ama
casa de pooca familia, pagase bem : na roa No-
va n. II.
Precisa-se de orna ama para o servico de
nma casa de pooca familia, prefere se eserava e
paga-te bem : no caes do Ramos, armazero n. 10_
Urna senbora professora publica o in>iriie-
co primarla, por motivos de molestia deseja per-
mutar sua cadeira por oolra nesta cidade do Re-
cite, at a distancia de orna tegoa, e cfferece por
oompensaco nma vantajosa oferta : quem se pro-
pozer a fazer este negocio, dirija se ao caes do Ra-
mos, arraazem n. 1U, ou annuncie para ser pro-
corado.
O Dr. ioaqalm Jos de Campos da CosU de
Medeiros e Alhuqaerque mudoa o sea escriptorio
de advocada da casa n. 22 para a casa contigua
n. i i da ra do Imperador, defronle da reacio,
jury e sala das aodiencias.
Aoga-se o 3* andar do sobrado n. 8 roa
da Imperatrit: a tratar eom J. I. de H. Reg, roa
do Trapicbe n. 34.
Trocara se
as nota*, do banco do Brasil e das calas fliiaes-
dom descont multo rasoavel, na praca, da Indi,
oeodeacia n. 22.
JoDta de eorretores
De conformidade com o art 2* do regiment lo-
terso, sio convidados os senbores eorretores a se
reooirem do dia 30 do correte, as 2 boras da tar-
de, no lugar do cosame, para a eleico da nova
junta, que Um de fonecionar no aano de 1868.
Sala das sesses da junta dos correteres 26 de
oovembro de J867.
O secretario
J. da Craz M a cedo
AMA
Precisa se de nma ama para servico de casa de
pequea familia : na roa daa Crotes n. 41 A, por-
ta larga.
Geometra

Pracisa-se de ama ama para tod > o servico d
orna casa de pequea familia principalmente pa-
ca eoeionare enfommar, prefarlodo-se preta es-
rrava: a tratar em Pora em Portas roa de) PiUa
B. 143, od.r. 9tm
O padre Francisco Joio de Axevedo, antorisade
pela directora da instraeco publica, propSe-se
lecciooar pela* ferias em soa casa no caes do Ra-
mos a. 4, a comecar de dezembro, aritbmeliea, al-
gebra e geometra tanto aos que se preparara para
exames da facaidade como aos qoe se dedicara a
ootros mistares.
Alaga-se a casa terrea sita a ra do Gazo-
metro, confronte ao portao lateral da fabrica ; tem
eommodos para pequea familia, e de prejo de
1*4 por raei: a tratar no mesmo logar.
O Sr. Jostioo da Silva Cardoso queira
vir nesta typographia a negocio urgente.
Na praca da lodepeodvncia n. 33, loja de
oortves, compra-se ouro, prata e podras preciosas,
e tambem se faz qualquer obra de etcoomanda
todo e qaalqaer concorta
Prscisa-se
N. 2 largo da matriz de Santo Antonio n. 2.
RETRATOS A OLEO
Temos a bonra de partecipar ao respeitavel publico a valia do Sr. Alberto Hens-
cbel que foi Europa com o duplo fim de se por ao correte dos mais recentes pro
gressos da arte pbotographica
lista de talento.
O Sr. Alberto foi summameote
retratos, p ,- ,
SR. IKLOS FIO ESTO PAPF
rsembro honorario da academia real de pintura da cidade de Dresda, e do qual a reputa-
cao bem fundada nos autorisa a erperar producQes notaras no seu genero de trabalho.
Um progresso immenso ltimamente executado na photograpbia, um dos mais
importantes consiste n'arte de obler retratos em tamanbo natural, filando directamen
te na grandeza que se desaja, sobre a tela do pintor, o retrato puotographado, por meio
de um instrumento especial chamado: cmara solar de augmentaco.
Pi r esta forma o talento e o saber de um artista babi maravilhosamente se-
cundado pela precisSo absoluta e infallivel dos contornos e das sombras que Ihe pe a
photograpbia sobre a tela, e ludo se rene assim para se alcancar o maor grao possvel
de semelbanca incontestavel, ao que d ainda maior realce o sello artstico, que imprime
a j retrato um bello colorido.
Pelo mesmo processo nos podemos reproduzr e pintar oleo, urna vez que se
nos d urna pbotographia, seja de que tamanho for qualquer retrato de pessoa morta ou
au unte e no tamanbo que se desejar.
As pessoas que quizerem julgar por si mesmas deste novo genero de traba lio,
sao convidadas a nos fazer a honra de visitar a nossa galera, aonde estu expostosuma
serie destes retratos como amostras.
AMBROTYPOS
Retratos em caixinhas
Para satisfazer a numerosos pedidos de muitos dos nossos tregnezes, estamos pre-
parados para fazer retratos neste genere, para osquaes tambem temos agora um grande
ve ariado numero de ricas e bonitas caiiinhas.
a tratar no armazem do mesmo.
D. Senborinba Germana do Espito-Santo, ten
do aberto no sea sitio do Arraial roas para reta
ibar a vootade dos compradores, faz ver a todos
que as ras tem sessenu palmos como marca a
cmara e qoe tem de fundos 3!0 palmos, e coro
diversos arvoredos de fructo, boa trra e a 15500
palmo. Assim como lem tambem boos terrenos
do mesmo Arraial, a ifiot o o palmo, com diversas
arvores de frocto e todas carregadas, e com 600
palmos ponco menos de fundo, s oao ficara' pro-
prietario quem nao qczer. _________^_^
Ao grande panorama na roa du Impc
ralriz n. 86
Amonio Lzaro, chegado a pouco nesta cidade, e
tendo colocado na ra da Imperatriz n. 86 um
elegante panorama com multas e ricas vistas de
todos os paizes da Europa e America, representan-
do ao natural perfeitamenle.
Nao se tendo o mesmo seobor peupado a des-
peras e trabalbo para esta obra, afioi de flear com
aceio e digno de merecer a atieo^ao deste illastra-
do publico peroambucaoo.
Abenara hoje as 6 horas da la de, entrada por
cada pessoa 00 rs., sendo estes appiicados a ama
sorte de bilbete que Ihes pode sabir algum objecto
que tem o mesmo estabelecimpnto.
CASA DA FORTUNA
Aos 5,000
BILHE1ES GARANTIDOS.
A'ma do Crespo n. 3 c cajas locornrav.
O abaixo asVignado venden nos seas aoito 'ti-
zos bilheles garantidos da lotera qoe se aear>,o
eilrabir a beneficio das familias dbe vofwtasiM
da patria os segumtes premios:
N. 3421 um meio com a sorte le SitCO*
N. 1913 dous qaartos eom a sorte d M#.
N. 838 um meio com a sorte de 400*.
E outras moitas sortes de IOOV 40#> a 9BJ.
Os possoidores podem nr receber seos respeti-
vos premios tem os deseontos as lela aa> casa de
Fortoot ra do Crespo n. 23_
Acbam-se a venda os da a eeraecVio da asadrst
de Oorcory (46*) |qoe se exuaMra* ejsiestdo feV
aoounciado.
Preco.
Bilbete. .... CJOOO
Meio......3*000
Qololo.....1#JU0
Em porco de 100* para cima.
mnete.....5*500
Meio......2*750
Qoioto.....1*100
Per Manoel Mirttei Fina.
_____________Gentil H. Itodrfnes de S a-a.
Ama.
Precisase de ama ama ojm saeta eorrabar e M>
gommar para easa de pooca faasHo: na roa da
Cruz n. 8,1' andar.
Ama
Precisa se de nma ama para
do Apollo n. 14, aromes*.
Na roa do Padre Floriano n. 34 precisa-se
da urna ama para servir a duas pessoas^______
~^ Preciase de ama ama, na ra Nova de San-
ta Rita n. 43.
COSIMIEIRO
Ci'.-'rece-se um opiimn cosintieiro, escravo ainda
moco na ra do Trapicho n. 46.
Luiza Candida Soares, pjrlugueza, com sua
filba menor vai a Europa.
Aluga-se o pnmeiro andar da easa da roa
Nova o. 58 : a tratar na nesma____________
Preeisa-se de orna ama para ceeiaaar para
tres pessoas : na praca da Saara Grao a. 1% ta-
berna.
O Dr. A. S, Pereira do
est morando no sobrado
Iroperatriz.
Precisa-se de urna ama qoe eeefcata e i
me para ama s pessoa ta raa da Crea a *8.
Precisa-se alog r um preto t orna preta es-
cravos para entregar pi na ra e todo mais ser-
vico da casa, paga-se bem : a tratar na padarla
de Si nto Amaro atraz da luodicao.____________
Quem quizer alugar o sobrado n. 42, a'
roa da Aurora, dirija se ao escriptorio n.
4, a' roa do Crespo, que achara' com quem
tratar.
Collegio da Onceice.
Corso de ferias.
Acba-se a berta a matricula das aulas
preparatorias para os ezames de marco
viDdouro.
Forum.
Sanio a* los o 1* noaero desta foiha, aoe traca
de assoroptos forenses ; ass>gaa-se na roa do Ira-
peraoor a 57,1* aadar, e aa lyaufratua de Cjt-
rei) do Reeife, na messsa roa a 79.
Roga-se encerecidaroente a tedas as p*sesee sjaa
cootrabiram dbitos na loja de ioias na coraro ite
i uro n. 2 B oa roa do Cabo**, fevar d era
quanto antes vlrem saldar seas defeitu, he seta
perca de tempo. pois awito st> i
Ama
FRA\C\ & BRAZIL
Largo do Corpo Santo n. 27
Mr. Joao Mercie tendo chegado de Pars da
grande eiposigao universal de 1867, faz scieote
ao respeitavel publico e aos seus numerosos fre-
guezes que tem uro grande sortimento de faiendas
finas, assim como cortes de caigas e coiletes de
casemira e costantes ini-in'co e ricos corles de
coiletes de seda pretos e de cores e de l ; assim
como fazendas proprias para montarla de seotiora.
Outro siro, faz vestuarios para moolarlas e recebe
ogunaos loaos os mezes para boraeoi, seoboras
meninos; assim como lem sargilo francez que
vende em pega e a retalbo por prego razcavel, e
bros brancos e de cores variadas.
A. A V. PIMEHTEf
Com loja de relojoeiro na raa Direila
nncaero 133.
Recebe toda qualidade de relogios e eaixas de
msica para concertar, seja qual for seu estado,
doura qualquer obra, garante a soa boa execacic,
como prova com seus numerosos freguezes e af
liaiiga ser por menos 20 a 40 por cenlo do que
em outra parte : pede as pessoas que tem concer-
tos ja' a' lempo a boodade de ir busca-Ios p.is do
contrario marcara' dia e usara' do direilu que a
ei Ibe concede.________________________
Antonio Jos L>boa de Oliveira, declara pe-
lo prsenle que por haver outro de igual nume
passara' a assignar-se Aulonio Joaquim de Olivei-
ra Lisboa. Hr>ii[e O de noven.bro de IHCT.
Precisase alagar onu eserava para eoziebar 9
engommar : na roa de S. Fraacssea a 54,
pequea familia. ________
Ama
Precisase alagar ama a
para cozionar para casa de
lar na roa do Raogel n. 10, 2 ladie.
Precisa-se da qaantia de l:M0*
pagndose os loros de I l/i per coaso
quero tiver annancie para seri
eserava
: a r. -
a ereaan.
Sitio
alo^r
para
Alaga-se por preco eoeaejoda aos msm
Oca oa margem do Capitanee, e portao pera a
estrada conugoo ae do Sr. Dirisiiaai : a ornar
na ra da Cadeia do Reeife a '.
CJub do Reeife,
A partida do mez de Dezeatro prr.ximo
vindocro lera logar na norte do dia
mesmo mea.
O Secretario
__________Joaqmim Leocaim fu ja'
Precisase
de ama ana a' roa de Agaas T-rdes a 70, pn
meiro andar, qoe eosioae e 1
A Salsaparilha
E AYER.
Para .- or rnllol a

^
w
O Sr. procurador ae causas Frederico Cha-
ves queira maular pagar os alugneis da casa da
roa do Mondego._________________
Aloga-se a casa de leSos da ra dos Praze-
res 0. 36.
^m
Precisa-se de ama ama para casa de pouca fami-
lia para cozinhar e ensaboar : a tratar na praca do
Corpo Santo n. 17, terceiro andar.
Alm do grande sortimento das melhores machinas, americanas para descarrocae
algodSo, de 10, 12,14,16, 8,20, 22, 25, 30,35, 40 e 50, neste estabelecimento sr
encontra mais o seguinte:
de tres trabajadores de pada-
rla para e Rio-Grande do norte e Irata-se na roa
larga do Roiario a 46 padarla.
Azeite de espermacete propria para machi-
nas de todas as qualidades.
Vapores de forca de 3 a 4 cavaos.
Sorras avolsas para machinas.
Mandes e todos os mais pertences para as
mesmas.
Carros de mo para aterro.
Cylindro para padarias.
Debulhadores para milho.
Arados americanas.
Escadas de madeiras americanas.
(arrinhos proprios para anoazeot.
Moinhos para refinac5es.
dem para milho.
Machinas para cortar capim.
Bombas para rogar jardn*.
Vaqoetas para .bertas de carro*.
Camas de ferro sortidas.
Bombas de Japy.
dem americanas.
Ferros a vapor para engommar.
Vassooras americanas.
Baldes americanos para compras.
Tinas de madeira.
Ballaios e cestas de verguiihai.
Guarda comidas.
Peneiras d'arame para padarias e refinacCes.
Correotes para almanjarras.
Machados e facoes americanos.
Caixas com vidros de todos os tamanhos.
Cannos de chumbo de todas as grossnras.
Foiha de cobre idem dem.
dem de laiao idem idem.
Folba de Flandres.
Ferro de todas as qualidade?.
Arcos de ferro..
Latas com gaz.
Trens de porcelana para cosinha.
dem estn hados para dita.
Bandeijas finas.
Balaocas americanas.
dem rovervaes.
Taixas de cobre.
Estanho em verguinhas.
Folbas de ferro de todas as grossurat.
Correntes de ferro sortidas.
Espingardas de todas as qualidades.|
Befvolveis de todos os modelaos.
Ferramenta paraoorives.
dem para taaoeiros.
dem para ferreiros.
Ama
Precisa-se de ama ama para cozinhar e engom-
mar para bomem solteiro : na ra do Livrameoio
n. 26.
,

Ama
Precisase de urna ama para todo o servico de
ama casa de pequea familia, e principalmente
para cosinbar e engommar; prefer;ndo-se preta es-
erava : a iratar em Fra de Portas ra do Pilar n.
143, segundo andar._________________________
Vida de Horacio Nelson, por
Forgues,
Sem contesiago algama Nelson
como o priraelro almirante do mundo, e se nao ti-
vesse alcangado as victorias d'Abookir e de Tra-
fagar, talvez que I s-e a Inglaterra vencida ror
Napoleio. A soa tenacidade e consclencia d>> genio
traduzem-se na eloqaenle proclamacio de Trafal-
gar : A Ingtattrra espera que cada um cutnpra o
seu devir I E', pois, com razo qne os ingieres
idoioiram a memoria de Nelson, e o proclamara
salvador da sua patria.
Vende se esta obra interessante por 1*600 rs. e
ezemplar cartoaado, na livraria econmica defroa-
le do Arco de Sanio Antooio, assim come a histo-
ria de Carl'-s XII por Voilaire a 1*200 rs. em bro-
ebura ; e a bistoria de Gil Braz a S* encader-
nada.
Gratifica se com 5 #
A quem capturar o preto da Costa de nome Ja-
eiotbo, idade 38 annos, estatura poueo menas de
regular, tem falta de dentes, talbos bem visitis
as magias do rosto, e os beigos grus sos, pernas fi-
nas etc Pogio em 29 de outubro prximo passado,
levando calca a camisa brancas, chapeo de palba.
A pnmeira vez que fugio iotitulava-se forro de na
gao o empregava-se como servente de pedreiro,
gaobador, etc Foi visto ba poneos das na eidade
de Olinda, Agoa-r*ria e Santo Amaro das Salinas,
em rancbos de outres negros da Costa. Rogase,
pils, as.autoridades policiaes e a qualquer parti-
cular a captura de dito negro a ser entregue a seo
sennor Joao da Slira Lene, a' roa da Cadeia do
Reeife n. 10.________^___________^^^
atbScaoT
Perdea-se oa roa do Imperador desde a casa a
43 al a relacio, oade estere a pessoa qoe es per-
dea, rento e tantos mil res, tendo entre este di-
obeiro orna edola de 100* : gratifica se a pessoa
qoe os qnelr restliolr oa mesla casa a 43,1
andar.
O rrtract compon! de SAUArABILB.I.
vio pelo Dr. ATKB, e
tiro* e alterantes conb*cfctoff maMdmmi 4
is lili da ideac, apprarad*
mdicos do* Ectado* Catea
iln. India, do* princfpoea
A SAI.SAPABILIIA de ATXB e 11 aa illa |
cnt;i das nMleatlat qne teta
lafeeco i aerea, ao ei
Impnrexa do Sanfue.
Entre todaa aa nole.iiaa qaa
ta ama mala universal e ti
R lo c to destructiva, poresa a i
lennidadea qae ao Ibe ata (rralau-ate atara,
urna eaasa directa da flslua
ligado, c estomago, af.tpm ato ,
c uffrc'firi do Itiiu : entre i
Falta de apetito, Fraoaesm saolexa aa* tasto i
clieiro da boca, siasbbiats ;
tirara tratupareate, oatra*'
da boca; Dtgeataa fraca e apetite
e cTacaaco Irregalar; Qnaadi
azulada moatn-sc a rada daa ilbn, saasaato 4 ao i
ao uvennellia do, Xa*
apparaeesa freqoeatesMate ti aa^u aa asttoda
partea da carpo ; aso aran
j/aJo, dea ra a atoa araa* a ni a*
nao sao ssasats agasUas ja* asataat*
, e tuberculotat da e*rrfulm sjaa :
reCODhecidO coutrao* sea* estraga*; lodo* i
o vira lateoto d**t> tcrrirel aaacBe (a i rean e I
e-too expostas tambesa a soflrer ala*
cao?a.
lnVreermot a asta*
uio tUca coulra esta
Sal-.aatarlka Je Ayer
tjM opera dh-ectameate
pulKuudo delle a emana i
tdas a* parte* todo* aa
os da raa aeso Tifiada a I
nif nmir podrosla* I ato aar* "a tvawvasaa ato saa*ae **,
corpo j tnfrsitterido pata tksasa S**ca o BBrTaSa li>o-ra*a*
como a* da Jar jtude. ^^
TAMBEM O MF.LBOR .4.TT/-JT1//. / r/' >
COMMMCIDO,
cura paraunenmeate aa petare* Sataaaa da smilA*
suaaeoaaraasart**. Feaa.....li*iL lafctolaawsM

lioodolnaaUa**!*!
0*aaraa aaaaa iniiap.ii arrasa
urna morta lala e lajaoiasalisa,
nao toao aaaabatM
S< prrlia lili*
','.;' este rrasedto 4 taaslls iT nasa a
mrnto* baaatno, a aaj* dtacaata ja* *
SalaaftaHIma
ta SMettorprair*|ii aU bap
molestias aaalsp, qae aa
mai9 eStoaara rsabsaU*, a ja*
ao
publico
eTlitnc.
.ntelligenc r periala
RKMEf 10 DE ATI1 PAMA 8Utl8
lualivaJ ftee latees
Feteae ElUoaaa a
a*
a
;
RBRES INiUCaURaUno, O aaVREim
At prapane*** de Da, Arca *>
***** t PisaBtiM do Iinpedi,

.




rae
u
rio de pernaatoco Nefanda felra -


H. 2 D ^ N. 2 D
gHP^ CORACAO HE OURO.
A lojan. 1 D intitulada Coracao de Ouro na roa do Cabog, acba-se d'ora em diante offerecec
Jo ao respeitavel publico com especlalldade as pessoas que honram a moda os objectos do ultimo gos
td fa Pars) por menos 20 por cenio do que em outri qualquer parte,garantiodo-se a qualidade e a so
da obras. L .
O respeitavel publico avaliando o desejo que (leve ter o proprietario de um novo eslabeleomen-
lo que quer progresso em seu negocio deve cbegar immedatameote ao coracao de ouro a comprar
aneis com pereitos brilbaoles, esmeraldas, rubins e perola; verdadeiras em agarras, modernas pel<
diminuto preco de 10*, brincos modernos de ouro e coral para menina pelo preco de 3*. maracas de
prata com cabos de marfim e madreperola obra de moderno gosto (o que o enconlrarao no coracao de
ouro) voltas de ouro com a competente erosiona ricamente eofeitada palo pequeo preco de 12*, brin*
eos de om trabalbo perfeito por uai mdico prego, cas-soletas, tranealins, pulceiras alfiuetes para re
tratos e oatros rxodelos ludo de alto gosto, aneis proprios para botar cabello e firma, dito para casa-
mento no rtico roseta tem o Coracao de Ouro um completo e berr, variado sortimento de diverso*
gostos' butes para punbos com diamante, rubins e esmeraldas, obra esta importante ja' pelo sea va-
lor ja'por gosto ds desecho, brincos a forma da delicada mosinba de moca com piogecte conteodo es-
meraldas, rubins, brilbantes, perolas, o gosto sublime; alQnete para gravata no mesmo gosto, relo-
gios para seobora cravados de pedras preciosas, ditos para bomem, diversas obras de brilbantes de
noito gosto, crusinbas de rubins, esmeraldas, perolas e brilbantes, aneis com letras, cacoletas de
erystal e ouro descoberta para retrato (a ingleza) brincos de franja, ditos a imperatrize toda e qual-
quer jola, para secolocar retratos e obras de cabello, e ootros muitos ebjectos que os pretendemos en-
contrarao no Coracao de Duro qoe se conserva com toda a amabilidade aos concorrentes deixando-
se de aqai mencionar preeos de certos objectos porque (desculpem a maneira de fallar) dizendo-sa
preco talvex alguem faca mao juno da obra, por ser to diminua qoantia a vista do seo valor.
Na mesma loja compra-se, troca-se ouro, prata e pedras preciosas, e tambem recebe-se coneer-
tos, por menos do qoe em oatra qualquer parte, e dao-se obras a amostra com penbor, conservande-se
Coracao de Ouro aborto at as 8 horas da noile.
Qualquer pessoa que se dirigir ao Coracao de Ouro nao se poden' engaar com a casa, pois
nota se oa sua frente um coracio pendurado pintado de amarello, alem de ontro que se nota em un;
rotlo (isto se adverte em consequencia de terem ja' algumas pessoas engaado com outra casa.
Fedegoso de Pernambuco
A planta, conhecida entre nos sob a de- i
Eominacao de ftdegose, e no Rio de Janeiro i
e pro indas do sal deste imperio pela de
arista de gallo, o tiaridmm utilissimum
oa tiandium elonqalum de Scbum, e o he-
liotropium cura&sadium de Mart., pertence
familia das boragineas.
O fedegoso considerado, na therapeuti-
ca pernambucana, como urna das plantas
mais recommendaveis por suas virtudes cu-
rativas, e applicado interna e externamen-
te, como calmante do systema nervoso, na
paralysia, astbma, tosse convulsa ou coque-
luche, tosses recente? e antigs, suffocages,
catarrhos pulmonares, etc., e em geral con-
tra todos os soffrimentos das vas respirato-
rias ; sendo um excelleote unitivo para
aqueles que padecer dephtisica pulmonar.
Sua eficacia contra o ttano ou espasmo
incontestavel, e nioguem ha que a deseo-
nbeca.
Nao ignorando nos o que acabamos de di-
zer, e esforcando-nos por ser til humanida-
de soffredora, preparamos o queabaixo indi-
camos, pondo a disposicio dos distinctos m-
dicos, e dos doentes desta e das outras pro-
vincias deste imperio nossas preparaces,
que sSo:
A JURUBERJL
em extracto alcooilco, emplas-
tro, oleo, tiatara, pllulas, xa-
rope e vinho.
A JUftUBEBA urna das substancias me-
dicamentosas que pertencem ao reino vegeta!
e entrare na ciasse dos tnicos e tlesobstru-
entes, sendo empregada com vantagem con-
tra asfebres intermitentes acompanbadas de
e-ngnrg i lamento de figado e bago.
Ella tem sido aplicada com incontestavel
proveito contra a anemia ou chlorose, hy-
dropesia catarrho da bexiga, e mesmo para
excitar a menstruacao difficil, resultante da
mesma anemia ou cblose.
O ARROBE VEGETAL
E* muito superior aos xaropes de CU1S1-
NIER, e deLARROY. De faci digestao, a-
gradavel ao paladar e ao olphato, elle cun
radicalmente, sem mercurio, todas as a'ec-
coes da pelle, impigens, alporcas tumores,
ulceras, sarnas degeneradas, escrfulas, es-
corbuto. E' sobre tudo poderoso as moles-
tias rebeldes ao mercurio e ao iodurcto di>
potassi.
Pos vermfugos para lombrigas.
Preparado a mais segura para a expulsao com-
pleta das Umbrigas e oulros vermes, sem acarre-
tar os inconvenientes que se tem dado com outras
preparabas Sao de grande accac vermiciVa.
agradaveis ao paladar e compativeis com toJ1 s as
idades e compleicSes, variando smente na quao
tidade.
XAROPU LE SALSA.TARRILHA DO PARA,
ou
Di;i>iK\rn do n.vxgue
USADOS AS MOLESTIAS DE PELLE, IMPIGENS,
DORES RHEUMATICAS EULCERAS VENREAS
PILI'LAS AVTI PERIDICAS
Contra as febres intermitentes, oa sezes
O MULUNU' tem ac?ao directa sobre os
centros nervosos, e por isto faz dormir sem
determinar affluencia de sangue no cerebro
como o opio e substancias simples que delle
se extrahem. pelo qne o somno tranquillo
e reparador, calma a tosse as bronchites,
e modera os accessos de asthma e de tosse
convulsa.
TODOS ESTES MEDICAMENTOS SAO PREPARADOS
POR
Jcaquim d'lmeida Pinto.
PHARMACEUnJO EM PERNAMBUCO,
Ra larga do Rosario N. 10
Jacto ao qnarlelde polica.
i*
Vi
= 5 =
o.
c
p
< *"' "2 ja H
5* S S B"
S 5 B M 3*=
3 y a 2-B
Be gs
So|s8_
p 5 3 =: s-
ce
a, -i o o. "O
S 2 a a> i
S 3 M B
a o. c*
o o
K~
"O
O c
B* B
CJ
ZV\ B3
_.* 3-
B--0 B
O w o Bit 73
V, MO
O W M
a, an o,
f OS 05 ^'
re b w n_ "a?,
I fif
* o 2 "* w
- s
B
< /r,
<- -3 os o
O ahaixo assignado declra ao respeitavel
corpo commercial desta praca e a quem inters-
sar possa que da data de 28 do correte, deixon
de ser gerente e procurdor dos negoc s de Joo
de Siqueira Ferrar), o que faz publico para sua re-
salva e evitar duvilas no psssado, presente e fu
turo. Rtcife 29 de novembro de 1867.
Matbias de Azevedo Villarcuco.
COMPRAS
Haior prtro
que em outras partes, compra ie moedas de ouro
e prata : ti3 ioja de ourives ra do Cabuga' o. 1,
esquina da ra larga ao Rosario.
Moedas de oura
nacional e eslraogeiro, assim como libras sttrli-
compram-se na ra do Crespo n. ib, primei-
nas
ro andar.
Moedas de ouro.
Nacionaes e esirangeiras assim como libras
esterlinas: campram-se na roa do Crespo n. 16,
primeiro andar.
Compra m-se
com premio moedas de ouro e de prata'naclenaes
e estrangeiras : na ra da Cadeia do Recife n. 16
armazem de Adriano, fostr A C.____________
Maior vantagem
O coracao de ouro ra do Cabug n. 2 D, ofTVre-
ce-se em compra das moedas de ouro e prata.__
A 1C por eeoto.
Compra-se a prata na pra^a da Independe cia
n. 2}.
LOJA DO GALLO VIGI-
LANTE RA DO CRES-
PO N. 7.
Os proprietarios deste muito bem conho-
rto estabeleciment tem a satisfacSo de levar
ao conhecimento do respeitavel publico que
a abam de receber pelo ultimo vapor da Eu-
ropa ora grande e variado sortimento de ob-
jectos de inteira nlovidade, dos quaes se li-
mitan a mencionar apenas um pequeo nu-
mero ficando o respeitavel publico na serte-
za de que neste estabelecimento sempre en-
contrarlo um c impleto sortimento de arti-
gos de gosto e inteira novidades como sejam.
Ciatos
Os muitos desejados cintos com pontas,
bordados a vedrilbo, fazenda de muito gosto
e completa novidade, respeito a estes cintos
nao fazem observacoes e sim deixamos a
apreciacaod s esclarecidas freguezas isto s
no Gallo Vigilante na ra do Crespo n. 7.
Leques
Muito lindos leques d'osso, madeira, sn-
dalos, e madreperola ; pretos, brancos e de
cores, e muito se tornam recommendavel
pelas bonitas paisagens.
Fldrcs
O melhor qne se pode desejar neste arti-
go as qoaes parecem naturaes assim como,
tambem recebemos orna pequea porcJSo to-
das pretas e se venciera na loja do Gallo
Vigilante ra do Crespo n. 7.
Capellas
Mu lindas grinaldas brancas e de cores
aquellas para noivas. e estas para bailes, ca-
samentes e baptisados.
Lavas
Lavas de todas as qualidades para se-
nbora, homem, men as, sendo de algodo,
Qo da escocia, seda e pelica muito fresca e
do fabricante Jouvin, parese-nos que nao ba-
ver quem ignore que por todos os vapores
da Europa o Gallo Vigilante, recebe grande
quantidade desie artigo e por isso sempre
tem sortimento a vontade do comprador, e
tambem n3o se valle da falla o seu preco
sempre o mesmo.
Peni es
Muito bonitos pentes de tartaruga para
coque e atizaros cabellos, assim como para
arregacar es mesmos e rauitas outras quali-
dades.
Escovas
Grande sonimento de escovas, para roupa,
cabellos, chapeos, dentes e unbas, sendo de
osso, bfalo, baleia, marfim e madreperola.
Aava has
Superiores na/alnas pequeas para bar-
ba sendo cabo de marfim, tartaruga e ou-
tras qualidades, as quaes o fabricante ga-
rante a boa aualidade.
Auotii.iiiuras
Chegaram as nui lindas guarnieres Jde
botSes para colle'es fazenda de gosto, assim
como grande sortimento de botoes para pu-
ubos.
rival sem mmm
na do Cfeticlmado n 49, loja *
mtudezas
DE
Jos Bigodmno
Varas de bibado .bordado do P^rto a .
Carretela de retroz preto com duas oiiavas
barritis de reteoz de todas as cores a .
frascos d'agoa de Coioniamuitosuperior a
frascos de o eo muilo fino a...... &y
Buza de tesouras pequeas a..... 4,8;
frascos d'agua para liropar dentes a 3Cs
nedes pretas lisas para segnrar cabello a
uziis de pennas de ac muito Unas a .
Unas de linha do gaz de 30 novellos a .
dem de palitos de seguranca a .
Garrafas de agua Florida verdadelra .
Bl
KOI
3
6'
80
ARMAZEM
DO
VAPOR FEANCEZ.

laooi
syliabarlos eom estampas para meninos a 3(
Memento da roupa de lavar a..... lot
Uuzlas de meias Anas pira seuhora a .
Agalhas francesas a balo (papel) a .
Pecas de fitas de la de todas as cores a
brozas de botoes de porcelana prateados a
Uiias com alflneltes trancezes a .
Caitas de 100 envelopes muito dnos a .
Resma de papel de peso branco liso a .
Prasco com superior tinta a.....
Pares de boldes de poobo multo bonitos
unhas em carlo de 200 jardas a .
taixa de superior linha do gaz com 50
noviios .............
Talheres para meninos a......'. 24<
Masso com superiores grampos a 3<
Bonets para meninos a........1|00(
rentes com costa de metal a...... 40!
Realejos para meninos a....... iflt
RA NOVA N, 7.
Acaba de cbegar de Pars Me estabelecimen-
! to um grande e escolbi lo sortimento de calcado
*' id<>s ra-lbotes fabricantes daquella grande praca,
tjOfK
fiOt
i
8(
601
2*001
11
81
KM
7CH
3I0EIIAS
de ouro e pr
ta
Compraro-se moedas de ouro nacionaes e estran-
geiras, bem como pataroes dos diversos cunbos :
em casa de Adamson, Howie & C, ra do Trapi-
che-novo d. 40. ___
Comprase urna mobilia de mogno ou Jaca-
randa, rnnderna em hora etado : a ra do Livra-
menlo n. 33, toja do Zuavo._________________
""Moedas de prata
uacienaes, assim como patacoes portuguezes e
hespaobes, compram-se com premio : na ra do
Crespo n. 16, prime andar.
Attencdo.
Na roa da Seniala Nova n. 22, se acha a vend
nm grande e vanado Sortimento de esleirs che-
leadas do Ancaty, por precj razoavel : quem pre-
tender dinja-se a mesma.
IIup Viajad j e Paulo Cordelro
A loja do eordelro prevideute a' ra do Queima-
d^ n. 8. recebeu nova remessa dessas qualidades
de rape.
Aos agricultores
Sauoders Bratbers & C. acanam de receber
de Liverpool vapores de forja de 3 a 4 cavallos
com todos os pertenec, e mui proprios para faze*
tem mover machinas de descarocar algedao, po-
den do cada vapor traba I bar at com 140 ser ras,
tambem servero para enfardar algodo, 00 para
ontro qualquer servigo em qoe usam de trabalbar
com aoimaes. Os mesmos tambem tm a' venda
machinas americanas de 35 a 40 serras.
Os pretendentes dinjam-se ao largo do Corpo-
Santo n. 11.
Compra-se ouro e praia em obras
oa rraca da Independencia 22.
velhas

Chocolate vermicida
DE
Antonio Kanes de Castro.
Desde 1857 que sao as tabellas vomicidas
applicadas em Portugal, como o remedio
prompto e efficaz para a expulso das lom-
brigas, qoe 15o graves padecimeotos causam,
e que qoasi sempre se sappoe ellas a ori-
gen,.
Este virmifugo preferivel a qualquer
outro pelo seu agradavel paladar e fcil ap-
pitcacao s enancas, as qoaes geralmente
sao mais atacadas de semelbante mal.
Deposito especial
34.Roa laga do Rasarnlo34.
Balancos
Una pessoa qoe ba lempos a esta parte trabaiha
em eompanbia de ora dos mais afamades e abaii-
sidos guarda Itvroi, encarrega-se, mediante om
ajo*e raiif *t. de fechar balaoc*, e de fazer
VMfqoer trabalbo de escrlptaracao, seja porque
Ouro e prata
Moedas de ouro e prata nacionaes, estrangtoiras
de todos os valores, se compram na loja de ouri-
ves junto ao arco de N. S. da Conceicao, roa da
Cadeia do Recife, assim como ouro e prata em
obras velhas, brilhantes e diamantes, e se paga
bem.
Compram-sc escrav^s
Silvino Guilberme de Barros, compra, vende
joca effectivamente escravos de ambos os sexos
-de todas as idades : a' roa do Imperador n. 79,
erceiro andar.
i
tatema Lt.hoo reciuio poQa alguna em quanto
trabalho ndo eUmr prompto, t oo*tade de ten
d*no : foaai precisar procure oa roa larga do
Rosario 48, andar, ou por meio das iniciaes

AJL
~ Eaisie Aesu ivpograpba uma carta do Sr.
Maooel Jeronymo Cchoa Cavalcaati para lhe ser
otretae. que i>wia Domingos Martin* de Barros
lUaleir:.
Moedas de oaro e prata.
Compra se sempre por mala do que em oBtra
qualquer parte todas as qoalidades de moedas de
oaro e prata, nacional e estrangeira, e tambem se
trocam sedlas dos bancos do Brasil e caitas O-
liaes de ontras provincias; na roa da Cadeia do
ecife n. 58 loja de azulejo.______________
Compra-se o Jornal do Recife n. 472,
de 29 de julbo do corrente anno; nesta
typograpbia. ^^^^_^_^_^____
Gumpra-se
por mais cambio preco do qne era octra quaJqoer
parte moedas de ouro e prata nacionaes e estran-
geiras ; Adriano, Castro C, roa da Cadeia n. 16,
A/varo Augusto de Almelda, roa do Crespo n. 20.
ESCRAVII
Compra-se oa aluga-se om bom escravo : a tra-
tar na roa do Queimado n. S.
Erva mate.
Na praca do Corpo Santo n. 17, 1* andar, ha pa
ra vender erva mate muito nova. Cal de Lisboa
ltimamente chegada, por preco commodo.
Rap Principe Alberto.
Cbegou este rap e vndese em botes de
qu'rta, na luja da ra do Crespo n. 5 de
Gregorio Paos do Amaral & C.________
Vende-se orna flauta e om pequeo metbo-
do para a mesma, tudo em bom estado, e por com-
modissimo preco; tratar na roa das Crnzes
n.39.__________________________________
BOTAS
Novamenie ebegadas botas rnssianas e pernei-
ras da melhor qualidade que temos visto : na loja
do vapor roa nova n. 7.
Vende se telhas superior e lijlos de todas as
qualidades, fabricado com barro d agua doce por
menos 4$ era milhelro do que em outra qualquer
parte : na fiara de Jos Caroeiro da Conha roa
disPrazeres o. 38.
LiDgalcas etsrresmos.
Chegadas ltimamente das Ubis na barca Pa-
rary, a vender na roa da Lingoeta n. 1, em latas
drg segniotes qualidades cada ama, como sejam :
Chourc.4s.
Liogulcas finas.
Morsellas de sangne.
Torremog.
Costelletas de vinha d'alhos.
VENDAS

Vende se orna canoa qoe carrega tres mil
litlos de alveoarias grossas: a tratar na roa da
Gloria numero 49.
" Brides S pieadeiras de Ipojica.
Vendem a' roa do-Queimado Azevedo & Irmo,
"_ v<-nde-se om vallo barato, bom andador :
na roa do Harta! n. 9.
CONDECOKACOES
Cnegarara de Paria no ultimo paquete commen-
das de Ctiri.-lo e croa pertencentes as meara as,
hbitos de Cruzeiro, da Rosa a de Consto, com
suas competentes titas; vende-se por oreco com-
modo na roa do Cabugl, loja de jolas n. 11, de
Seraphim A Irmao.
4TTENC0
No armazem d fazendas dt
Santos Coelho, ra do Quei
madon 19.
Bom e barato
Lansinhas Poil de Chvre a i& o covado.
Madapol5o enfestado a8 a peca.
Cambraia de cores matisadas finissimas s
800 a vara.
dem brancas transparentes finas de W,
amo, U, 7|, U e 9ooo a peca com C
jardas.
dem branca tapada de 8J e 05 a peca
com 12 jardas.
dem branca franceza muito larga a 9i a
peca com 8 varas.
Bales de 35 e 40 arcos nesgados para
senhoras, a 40500.
dem de mursulina nesgados a 50.
dem de crochet a 50.
dem de mursnlina para meninas a 30 e
305oo.
Saias bordadas a 50.
Cambraias admascadas para cortinado a
120 a peca com 2o varas.
dem para forro a 30 a peca com 10 jar-
das.
Cambraia de linho muito fina de 60 e 90 a
vara.
Madapoles finos de 60, 70, 80, 90,100,
110 e 120 a peca.
Piatilha de algodSo superior fazenda para
saias a 30200 a peca com lo varas.
Cobertas de chitas de ramagem a 26oo.
Lences de bamburgo fino a 20400.
dem de bramante muito fino a 30200.
Pannos adamascados para cobrir mesa a
40500.
Guardanapos de linho adamascados a 4(5
a duzia.
Atualbado adamascado com 7 1/2 palmoi
de largara a 20 a vara.
dem adamascado de linho com 7 1/2 pal-
mos de largura a 30 a vara.
Algodo enfestado com a mesma largura
a 10ioo a vara.
Wv" *iwuyulxj Jo alguUKu a 1^*000 a icio
Toalhas alcoch/iadas de linhn lisas a 11/
a duzia.
dem de algodo felpudas a 130 e 14
a duzia.
Colchas de fustao a 60.
Lencos de cambraia brancos finos a 10800,
20 e 205oo a duzia.
Lencos de cassa finissimos a 30200 t
360u a duzia.
Fil de linho liso a 800 a vara.
dem com salpicos a 10ooo a var
Grosdenaples preto bom a 108oo, 20
208oo o covado.
Morantique preto superior a 208oo o co-
vado.
Flanella de todas as cores a 800 rs. o co-
rado.
Tarlatana de todas as cores a 800 rs,
vara.-
Bramante de linho com 10 palmos de lar-
gura a 205oo a vara.
dem de linho com 5 palmos a 102oo a
ara.
dem de linho com 3 1/2 palmos a 800 a
vara.
Riquissimos basquins a 250000.
Assim como outras umitas fazendas qw
ge vende por menos que em outra qualque;
parte, e d-se amostras de tudo,
Baloes de 2o, 25, 3o, 35, 4o e 5o arcos
para senhora a 20,205oo, 30, 305oo 40 e
504OM
Ditos de 25 e 3o arcos com mollas a 50
e60.
Ditos de murculina estreitos a 60.
Espartilhos finos a 60.
Percalias finissimas a 4oo reis o covado.
E' muito barato
a oflO rs a vara oa 300 rs o covado.
Um lindo sorlim< nt) de cambraias francezas de
cores que castavam 800 rs., vendem Gregorio P.
do Amaral (k C por aqoelles preeos : na sua toja
t>a roa do Crespo o. 5 Tambem neste estabeleci-
mento se vendem chitas de bonitos desenhos e co-
res Oas a 260, 280, 300 e 320 o covado, bem co-
mo esperam reetber pelo vapor qoe deve cbegar a
29 deste mez ricos corles de aeda do mais apara-
do gosto, poil de cbevre liso e ontro smuitos arti-
go! de novidade.
4 1S800.
Vendemse, na fabrica da ra do Crespo
n, 4, mnito bons chapeos de sol de paoni-
mo, com armacSo de ac, peto diminuto
preco de mil e oitocentos ruis, por se ter
grande quantidade. A' elles, antes que se
acabem !
v>iiu como grande variedade de quioqulihiria e
de a .-os brinqtedos para enancas, cojos artlgos
se aehtm expostos a escolha e vontade dos coa-
pradores, orno sejam alguos que passamos a
mencionar.
i itinia moda
Ricos chapeosiohos de gosto para senboras fe 1 -
ios ao raprirlio de uma gr?nde modista de Pars.
Bolinas para senhoras
de seiim branco, duraque dito, pretas e de outras
diferentes cores entenadas a rigorosa moda.
Botinas para meninas
de rauitas qualidades bem sortldas.
Brincos de onro
de le a oliima moda dos Cau pos Elisios e boule-
vards de Pars, para senhoras e raeoioas.
i.uva* de pellica
do verdadeiro tabricaote Jouvin, brancas, pretas e
de outras dilTerentes cores.
Leques
um escolbido sortimeato de leques de diversos
gustos e qualidades.
Perfmnarla
finos eatractos, bandas, leos, pos de arroz, agua
de cologne, agua fie "ida e sabonetes.
Espelhos
de differentes tamanhos e gostos para salas, gabi-
netes e pequeos toacadores.
Calxluhas de costura
de novos modelos ricamente guarnecidas e com
lindas pe$as de msica.
Delicado presente
bolcinbas ecestiabas de seda e de velludo muito
importantes para braco de meninas passeio.
Chapeos de sol de seda
de cores e multo bellos para senhoras e meninas.
Bonqnets d exposlco
delicados bouquels de flores de porcelana com lin-
dos jarros para mesas de salas e santuarios.
Lunetas
de ac, tartaruga e |bafalo.
Oculos
de a^o, bfalo e de prata donrada.
Ricas bengalas
de caooa verdadeira com eastao primorosamente
trabalbados em marfim, compradas na expsito.
Botinas para homem
grande sortlo ento bem escolhido em Pars.
Botinas para meninos
de mallos modelas bem sonidos.
Sapatos de tapste
de charlte, de tapete avelludados e di tranca
Lisboa para homens, senhoras e meninos.
Botas russianas
Pernelras.
Mantas de feltro bonitos padrees.
Chicotes fortes .compndos.
Luvas de fij da Escossia.
Cartelrinhas para dinheiro.
Saceos de tapete p,ra viagem.
Malas e boleas scrtidas.
Pooieiras para charutjs e cigarro?.
Ctiaruteirase cigarretras de palha.
Caximbjs de bonitos modelos.
Grvalas pretas e de cores.
Cordas para violo.
Bengalas para bomeos e m -rilaos.
Meias de fio da Escossia para hornera.
Venezianas transparentes para janellas.
Qoadros pequeos para retratos.
Objectos de pbaotasia para loilet.
Abridores de lavas.
Tesourinbas delicadas para costura.
Caivetes finos com tesourinha.
Paos pentes de marfim para tirar caspas.
Pares de lindas figuras peqoenas de porcelana.
Jarros mui pequeos de porcelana.
O. J':lils uo (lun-eiauj para lioui uaui*.
de
Taiheres finos para meninos.
Ubjectos de mgica para divertir ramillas.
Photcgrapblas mgicas.
Globos de papel para illominacao no campo.
Gaiolas de rame para passarinbo.
Castrabas de vimes para meninas de escola.
Ceixiobas de msica e reajeijos para meninos.
Velas a gaz para candieiros e candelabros.
Carrmnos de qnatro rodas para conduzir enanca
Bonecas de massa, de cera e de porcelana.
Ber(os e camas ara cortinados para boneca?.
Cabnoltts e cavalliobos de madeira com machi-
nismo para meninos de 3 a 8 annos montarem
Ricos albuns
de velludo e de marroquim para retratos.
Esterescopos
cora lindas pbotographas transparentes.
Estampas
de figuras, paisagens, cidades e de santo;.
Molduras douradas
de diversas larguras para quadros.
Abat-jour
para candieiros e lanternas de piano.
Cosmoramas
grandes e pequeos com SO oa mais vistas e;co-
Ibidas a' vontade, muito pitturescas.
Chicotes para passeio
multo finos de baleia e cabo de marfim.
Realijos
pequeos, de qnatro e seis pecas de msica.
Aecordlons
e concertinas, o que ba de melbor neste genero.
Para presepes
figuras para ornar presepes, casinhas, animaes,
pastores, e oatros multes objectos proprios.
Attencao.
Nao sendo possivel menciooar-se aqai todas as
qualidades de calcado, nem todos os artigos de
quinquilleras, e muito menos da grande varie-
dade de novos brioqaedos; pede-se ao publico om
passeio a este estabelecimento, certo de que en-
contraio bastante paciencia para bem escolberem
o que desejarem comprar, e preeos baratissimes
em virtude de baver em todos es.es artigos grande
qontidade, e terem sido comprados mesmo na
Europa pelo dono do dito estabelecimento, arma-
zem do vipor, ra Nova o. 7.
Oleado para mesa
de muito boa qualidade, novos e bellos padroes: no
armazem do Vapor, roa Nova n. 7.
Lavas de pellica.
Novo sortimento de lovas de pellica de jouvin
brancas, pretas e de outras bonitas cores para bo-
rneas e senboras: no armazem do Vapor, ra Nova
0. 7.
A AGUA BRANCA
Per conbeeer a inBoeocia qae costana baver
em todos os ann a, por ease lempo, t p r *;T
quinto m feMovolve e r-pora-se o boa gosto
lVroarrjiuc. ella ,ue lera sempre em i-us agra-
dar, e sinceramente bem servir a toa b-o frrga-
zia, antecipua-se em mandar bascar oa alertles
oljectos de gosto e fantasa, qoe agora bomo aea-
bam de ebegar.
Qae a laja d'Agula Branca, com especialidad*.
on'ie (trmetramente te encentran) qoae.'|o>r dos-
tet objact,s de novid;de e moda, itso etu' geral-
mente reconhecido; mas amia assim a Agu-a -
ma como por d-Trr rclrutifiear ao bello sexo, *
p^rticolar, e ao respeiuvel publico eo feral, seea-
pre que como agora, recebe es irorxruoi^ obiee-
>s que abano menciona, e p.r mais .-a vz el a
turna a 'il.erdade de pedir a .iieucio das Exa.-
apteciadoras do boro, para os novo e bellos otm-
tos que formara ara lodo e rico toillet
_ Nao et-namene rom orna mal aparM* penna
d Aguia, qne bem se tde deterever o l>om m e
deaempeubu ae t agencia d'uma excelienlfesima, que bem podera'
apreciar o alto grao desses perf-itos obj.eto, tal-
ver os primeiros qoe nesse genero tenham vindo
oli nosso P-rnambaco.
A Aguia Branca, fara' apeis coabeeer os ob-
jectos de que se compdem estes novos e bellos or-
natos. Em um bello eartso ven hbilmente arras-
jado, um moderno ciuto de Ote de se tim mi acna-
malotddo da largura de 7 a 8 pollegadas, om bel-
lo leqoe de madreperola, nm par de lovas de pel-
lica, ramos de linas Odres para o ceqoe, peito,
guarnido para as lavas, etc., etc., o Ocalmente
uma airoofadlnba de setim com aromticas pasti-
Ibas em p.
Alem disso
Bslio em ordea do dia as novas e bellas trancas
de fina palba de dalia, e oatros differentes eofeiles
da mpsma qualidade e proprios para vestidos de
las, ebaput de senooras e meoloas, resta tmente
que os pretendentes comparecam tu loja 'Agaia
Branca na roa do Qneimaao n. 8.
Diversos objectos
de gosto e novidade, viudos
para a gula Branca ra
do Qiielraade n. 8-
Eofeites de dures, obras de muito gosto, a ultima
moda, proprios para bailes, casameotos e pas-
selos, etc., etc.
Moias cbapelinas de diversos moldes, e moi
bem entenadas, com veos e sem elles. .
Ricas capellas cem veos e sem lies para noi-
vas.
Ootrat brancas e cor de rota para meninas.
Cintos com Qella e fita branca para noivas.
Ootros de pomas e sem ellas, pretos e de cores.
Outros mui ricos e de variados moldes e gotloa
e de diversas cores, com grades de vidrilbos e pia-
gentes.
Pan en fe i lar vestidos e basqoines.
Bunitos ticos de blondo, com vidrllbos e sem
elles.
Buoitas rendas de dito, tambem com vidnlbos a
sem elles.
Trancas pretas de vidrilhos, com variedade de
larguras e de mol les os mais novos e booitos.
Ouiras de cores tambem com vidnlbos e confor-
me as putas.
Uutras de seda com vidrilbos esem elle?, e da
diversos desenhos, cortse largaras.
Cordrjes preus e de cores, grossos e finos, eom
vidrilbos e sem elles.
As nevissimas e bonitas trancas de fina palba de
Italia.
Ramos, lacos, cord5es e ouiros diversos eofei-
tes tambem de palba e proprios para vestidos, cha-
peos, etc., etc.
Bot5es pretos e de outras umitas cores, com
pinzentes e sem elles.
Ootr s de palha tambem com pingentes e sem
elles e lodos tnleitados com vidrilbos.
Outros de fustao, brancos e amarellos, e al
mesmo marcas de madeira ovaes para cobrir-se da
cor que se quizer.
Flores,
Um bello e completo sortimento de ramos e de
flores finas, rosas camelias, Alexandria-, etc o
em todas es-as flores se nota o aparado gasto e
perfeita imiiac->o, onde se conbece que oesse gene-
ro nada mais ba a desejar.
Bonecas.
Um novo e bello jortimeoto de elegaotes bene-
fas de I lia Dadra a*ut b.nv wa.;4 a #.!-
ines para presentes,
uutras com rosto ae cera e igualmente bnl;s
mas nao vestidas.
Fitas lavradas e lisas, tendo nestas, de metor
largura al a de qoasi um palmo, e propria par.
cintos.
Outras de seda de cores para debruar-se ves
tido.
Obras de Borcelana e p de pedra.
Bonitos jarros, e boquels feitos de p de pedra,
obras de muito bom gosto para sallas, e sanlua-
I ros.
Cooxas de p de pedra com figuras dentro,
; obras mu bonitas e de gosto.
Entre essas obras, tem algons jarros com pe-
1 quenos defeitos, por isso vendem-se baratanit-ote.
Essencia de rosa, outras concentradas, finos ex-
tractos, e pomadas, etc., etc.
Emquaoto a' perfumara todos sabem que a
Aguia Branca tem a prima&ia, adquerida com o
vender constantemente fiaos extractos e de agra-
daveis cbeiros, pomadas de finas qualidades e es-
co Indos odores, agua de Colonia, sempre da me-
lhor, e assim tudo o mais, qae enumerar se torna-
ra enfadonbo.
Compre pois, que, quem quizer ser bem serv-
do, se dirija a' loja d'Aguia Branca a* ra do
Queimad n. 8, qu- alem do grande sortimento do
bom, achara'infallivelmeote o que se torna sem-
pre precisoagrado e sinceridade.
S? 5
9 W
s
a
m 35 si
2-
"I
o
2.
2. < w 3 m n s? 2.2
1 CD-1
"5
M
0.0 >
' i o>
- H S i
a5 *g?.0Bl
la1
Vende-se orna taberna em um povoado dis-
unte desta eidade i 1 S legoa, a qnal fat mallo
negocio or ser bem collooade : qoem areteoder
dirija-so a ra Angoste o, 114.
oviade Coadecorao5es
para yesaates, bioecaa rleaaeaie vestidas a roa- ebegadas no npor IngJet Seiosi,
da actual e cabellos amarrado tambem ao ultimo
otto o metticr pottiveJ escolhidas na expotteio
etvjadjt* g ukuw to v*por r N?vi 1. 7. Resano.
" penbfi
D*M
'timentoJS:
Attencdo.
\ ende-se a loja de (uuilelro da ra Direita n. 68,
e*m todos os pertencet e algumas obras feitas; a'
tratar aa ra da Lingoeta o i,i* aodar.
O barateirovai fallar ao
publico,
Chitas largas, cores escuras e claras de lindos
desenhos e cores flias a 2G0 rs. o covado, riscadl-
obot fraocetea a 210 rs. o eovado, madapolo fino
eom 34 jardas a petaa por 54500, dito muito fino
eUpbante por 7a.pe&ja de 24 jardas largo, al-
godiosinbo a pessa por 4J, daro se amostras com
penbor; na loj do barateiro a' ra da Madre de
o- i oa 9, defroote da goarda da alfan-
om sortimento
limo M eja de ourivet de "lose J. Gonaives Barros 4 I ?bode- ae orna negrioha com 12 aonos de
ao c, 1 ua do Cabugi o- J, esquina da roa larga do itade, bonita Agora :
na roa do Hospicio, sobrado
!b. 8,'om p-ftio de /erro.
Francisco Jos ttennannf
|RUA NOVA N. 34,
acaba de receber om lindo e magnifico 10
niento de oculos, lonetos, binculo, do o
timo e mais aparado gosto da Enropa e oei
los de alcance para obserocSes e.pur
martimos.__________________________
Vende-se
Fatendo se todo o negocio com a taberna do pa-
teo da Penba n. 6, a prato ou a dmbeiro, eom aba-
t ment vantajoao oa armacao e geoexos existentes:
trata-se no mesmo armazem.
2 S o BSfto c


> ir* o sJ >
Bl8SeIo>S,=
G S u> a O O
S3Q.0 gtliS. W
Otea de rician
Vende-se oleo de ricino em lates de 30 libras,
na roa da Cadela-velha o. I, no i Stj Indares.
Al\)g*dos
Veodem-ae por preco comrn^d cifoa atat ler-
as oa roa de S. Higoel ni. U, 17, 46, 47 e 82
reas
quauo dltaa na roa dotrai da Pax *>*. 6- l8
30 : a tratar a roa do Qaetmad) n. 18.
Liquidacu de calcados.
Bu do Imperador n. 32,
Borzeguins de beterro para bomem. 7*000
Onos de lustro para Doea.
Ditos de cordavao.
Ditos para seobora entallados.
Ditos para meninas. 31000
SapatSts ds bezerros, 3*510
Botinas brancas paia seobora. 5*000
Botes pequeas para montara. 18*000
Ditas grandes para rooataria. 25*000
MSSMH)*
Preeita-se de nm smassaor para uiastre mai-
Nira : na roa dos Pires a


MHnWMM^H
PUrlo de PCf.te. e|ud> felra de Dezemfero de 1867.



3iffjJ

DO
DR. SEVIAL. ,A

_
Para o tratamento e cara rpida e completa das molestias syphiliticas, eris-o-
j, rheumatismo, bobas, gota, debilidade do estomago, infiammacSes chroiiicas do figado
i baco, dores sciaticas, cephalalgias, nevralgias, ulceras chronicas, hydropesias, pleuri-
lias, gonorrheas chronicas e em ge; al todas as molestias em que se tenna em vista a pu-
-iflcacSo do systema sanguneo.
OMOURODEVENZA
Ba da Imperatriz n. 15.

'onslderaces geraes
A saude um bem inapreciavel, cuja importancia e valor s est reservado ao ena
ermo o avalia-lo.
ineontestavel que o bomem ueste mundo constantemente, e por todos os lador
itacado por orna inflnidade de agentes morbficos que todos tendem, dadas certas e deter-
minadas circrimstancias, a alterar o regalar exercicio das funccoes orgnicas, resnitaobo
pesse desequilibrio o que se cbamamolestia.
A molestia no mais de que a desvirtuado das forjas vitaes, occasiooada,- d;
fundo as investigacoes e experiencias dos mais abalisado mestres da sciencia, pela depm-
acSo dos humores geraes, consequencia da acgSo maligna desses mesmos agentes mora e
Seos intro'duzdos no organismo pelo acto da respiragao, pela via digestiva, pelo contacto
nmediato etc. etc. etc.
A syphilis infelizmente tem sido a partilha da huraanidade, e como fra de duvi-
la que esse terrivel Proteo da medicina urna molestia hereditaria, ella tem sido obser-
vada em todas as idades, e debaizo de todas as suas formas tao variadas, enfraquecendo
;onstituices robustas, prodazindo mutilacoes, e cortando ainda em flor da idade vidas
preciosas.
Eliminar da economa esses principios deleterios. e purificar a massa geral dos
Humores tem sido desde tempo immemorial o fim constante da medicina, e os purgati-
vos fignram em primeiro lugar para preencher esse desiteratum ou fim.
O Elixir depurativo do Dr. Sevial parece merecer a preferencia sobre todos: os
inmensos successos obtidos pelo uso deste salutar geme Unto na Allemanha. como em
Yanga e Italia, o tornam o companbeiro inseparavel de quasi todos os doentes.
Sendo as melestias, como cima dissemos, devidas s alteracoes dos humores, o
Slixir depurativo do Dr. Sevial pode ser empregado vantajosamente na syphilis, erisy-
pelas, rbeomatismos, bobas, gota, debilidade do estomago, inflammagSes chronicas do
5gado e bago, dores sciaticas, cephalalgias, nevralgias, ulceras chronicas, hydropesias,
pleurisias, gonorrheas chronicas etc. e em geral em todas as molestias em que se tenha
em vista a purificacao do systema sanguneo; pois que urna pratica constante tem feito
rer que elle indispensavel nos casos gravissimos para minorar os soflrimentos, pre-
parar o doente para medicacSes superiores; e as menos graves a cura a conse-
(uencia de sen uso, convenientemente repetido.
As substancias que entram na composigo do Elixir depurativo do Dr. Sevia
pertencem todas exclusivamente ao reino vegetal, e grande cathegoria das substan-
cias depurativas e antisyphiliticas; assim, ao passo que este remedio depura o orga-
nismo, eliminando os principios nocivos saude, pelo mecanismo natural das evau-
>c5es alvinas, neutralisa ao mesmo tempo o virus syphilitico quando este virjem.
.em feito erupgao no exterior debaixo de suas multiplicadas formas; e previne taui
>em os estragos dessa terrivel molestia, quando por ventura se ache ella ainda no
astado de encubago, isto sem se ter manifestado sob formas externas t beneficio
amenso, tanto mais quanto ueste estado os individuos ignoram cornpWlamente se es-
fo contaminados por este terrivel inimigo.
O sabor agradavel d'este Elixir convem a todos os estmagos, a" saa accSo so-
5re o tubo intestinal suave e benigna, e de nenhuma forma produz molestias medi-
amentosas, como acontece ao purgante dito Le Roy, que na sua qualidade de dras-
ico forte irrita a mucosa intestinal, e consecutivamente a seroza, resultando deste es
ado, murtas vezes, hydropesias, que quasi sempre terminam pela morte do doente.
Assim pois esperamos que o uso deste remedio justifique cabalmente as nos-
as asseveraces, porque sendo um medicamento tao simples na sua composigo, a
pratica tem confirmado sua ulilidade.
Laico deposito em Pernamlmu o
Na botica e drogara
DE
Barthotomeo Companhia.
34-RUA DO ROSARIO LARGA3*.

T

Vende se manteiga ingleza fl ir a 800 e leo*.
Sal refinado em pacote de 3 libras a 2oo'rs;
P de tijollu para limoar facas a 12o rs.
Latas com pao-de-l a liioo.
Azeitonas de El vas em latas a 800 rs.
Alpista e painco a 16o rs. _-i^M
Frutas em caldas seoras a 5oo rs. a lata.
Farello de Lisboa marca M. a 46oo e 5oo.
Caixinhas com massas para sopa a 25oo.
Vende-se urna armario de louro eovidragada propia para qualqoer negocio em
urna principal ra: atratar na ra da Imperatriz 0. 15, com Miguel Gomes de Souza,
que tem poderes especiaos.
v --
rrn

VTT
ro
TTT


PREPARARES FERREAS-M4HGAR1CA5
AFPROViDas PIU AC&OBVIA DB HED1CI1U
DE BRIN D BUISSON
ftanucttim, Inmdt pia Icadeaii le Mein tt tu i
^^^____
O eminente professor Troussbao, nt ultima edicto de sen Tratado i Thtra-
ptutiea $ Materia medica, reconhece que os ferruginosos simples sJo maitis
vece* inefficMes para corar as molestias qne teem por causa o empobrec memo
do tingue. Muitos mdicos dos mais ditlincios attribuem esse mi o xito a ausencia,
n'essM prepiracSc, do mangarme, qne se acba no sangue, como o tem reconhecido
os chimicos os mais peritos, sempre ltimamente unido com o ferro.
E' pois, prestar-senm verdadeiro servico ios &"' Mdicos, o cbamar-se sua atteneSo
sobre as preparaedes segnintes.
PftS frlTriit ISIIffJnipftR d,nd0 nmediaUment urna agua, acidulada,
11 lCllCUi) UiauganitUB loza, agrdate!, substituido com vantagem
t economa as aguas mineraes ferruginosas.
flelas e Xaropc de iodnreto de ferro e de manganese inalteraveis
contendo cada urna tinco centigramos de iedureto de ferro manganieo indicad u
particularmente as molestias Tymphatieas, escrofulosas, as chamadas caa-
eroaas e tuberculosa!. *
Draees de Iactat3 de Ferro e de muyese
Pillas de carbonato frreo nan-gamco
alternar ctas dnas preparaoow di oa methores resaltados.
O P Burin da Bnisson desejando obter a adbeslo corapleu do publica txke a
cerca do valor de suas preparacoes, previne qae elle as poe gratuitamente a sua
dispoeieao, dirigendo-te;
, No Pirnambuco, a sen agente geral, Mnarnr O, pnarmacentieoa, ru-a Nora.
2o
V
9
3
para a chlorosis, a aue-
nwa, a leucorrhea, a ame-
norrhea. A iudicacao de
iViiii
JIM 11 H ihlUEL
o
Vende-se na pharmacia de P. Maarer 4]C, ra Nova.
QiOVO DEPOSITO
DE
MACHINAS
PrvA i)ESCAROCAR ALGODO
Manoel Bento de Oliveira Braga.
53Roa Dlreifan53
Neste estabelecimento se encontraro a
verdadeiras machinas americanas chegadas ltima-
mente, as quaes sao fcitas pelo mais afamado fa-
bricante da America, por isso avisa a todas as pes-
soas qne precisarem comprar, de se dirigir a este
estabelecimento qne comprarlo das mais perfeitas
neste genero, assim como mais barato do qae em
outra qualqoer parte, por isso que se recebe por
conta propria, bem como cannos de chumbo e moi-
nhos para moer milho, e grande sortimento de fer-
ragens e miudezas em grosso e a retalho.
Facas de cabo Dranco de meio balango a r
a duzia. limas finas de toaos os tamanhos proprias
t^SSfT do trabalho de escultura.
FiBlICl DE CIllfDS DE SOL

DE
9I1D1N1 FAIiQIJJE..
Este estabelecimento acaba de receber de Paris urna rica collecgSo de chapos
Je sol de seda, de alpaca e de algodo, com armagSes de balea, de ferro e de junco dos
oelhores gostos e fabricantes, que vende mais barato do que outro qualquer estabeleci
ment, por seren fazendas vindas directamente.
Igualmente tem fazendas de seda, de alpaca, de algodo e de linho para cobrir
jfcip* de sol, todo de boa qualidade e por prego commodo.
Eocarrega-se de qualquer concert, com presteza, seguranga e garanta.



GRANDE

...


LIQUIDADO DE FAZENDAS
Por baratos presos.
FAZENDAS DAS LOJAS E ARMAZEM DA
Tendo o proprietario destes dous estabe-
lecimentos resolvido liquidar grande parte
de suas fazendas por isso resol veu por em li-
quidado para vender mais barato do que
em outra parte.
Chitas 160 o covado.
Vende-se ditas em retalhos a 160 rs. o
O cordeiro providente
Na antiga loja de miudezas a ra do Quei-
mado n. 16.
Tendo sempre eco vista nao roubar o tempo ios
seas fregnei, co* extensos auoaeios ; mas
umbem nao ejaereido qae os mesaos fregneus
Ignorem o que de novo tem elle recebldo, por isso
resumidamente e dir': chegando assim ao
nhecimento de todos qoe a dita loja do"^
Previdente, ra do Queimado n. 16, receben o se-
guile :
Bonitas e doradoras Hgas de pellica para meias,
Unto para senboras como para meninas.
Leques de diversos e modernos gostos.
Penies com enfeites doarados e oo dourados,
para meninas.
Coques simples eentenados, moldes Inleirame-
te novos.
Bom papel em calxiobas liso, pautado doura
do e timbrado, e ootros mnitos objectos, que men-
ciona-los seria bastante enfadoobo, e qae se ven -
de em dita loja de miudezas do Cordeiro Previ-
dente, ra do Queimado n. 16.
Nio faltan flores,
O Cordeiro Previdente a rna do Queimado a. 16
tem constantemente nm lindo sortimento de fi-
nas e bonitas flores, por isso quando algum ba.
bllidosa joven quier preparar qualquer enfeite de
bello Rosto deve logo lembrar se que ba dita loja
do Cordeiro Previdente, a roa do Queimado o. 16,
nao falta m flores.
Para alrejar os denles.
O cordeiro previdente a roa do Qoimado n. 16
recebeu do bem conbeeldo fabricante Jonb Gos- j
neil & C. ama ptima qualidade de pos para den-
tes aromalisados com canfora que realmente tem
merecido todo conceito porque nao s arveja per-
feUmeole os denles como tambero conserva-os
sempre no melbor estado de perfeicao, assim pois
queiram vir comprar ditos pos na mesma loja
do Cordeiro Previdente, roa do Qneimado n. 16
Enfeites con pontas.
U Cordeiro Previdente receben um lindo sorti-
mento de enfeites com pontas para vestidos, tanto
de seda como de la qae combioam perfeitamen-
te com os cintos modernos do mesmo formato, por
isso para poder eofeitar-se com goslo qualquer
vestido indispensavel comprar-se ditos enfeites
na mesma loja do Cordeiro Previdente, a ra do
Queimado n. 16.
Chapelinas de seda
Modernas e bonitas cbapelinas de seda para se-
nhora receben o Cor Jeiro Previdente roa do Qoi-
mado n. 16 e por ser pequea a quanlidade re -
sebida, qaem pretender urna moderna e bonita
cbapelina deve apresarse em mandar compra-la
em dita loja do Cordeiro Providente a ra do
Qaeimado n .16.
CAIXINHAS EN'FEITADAS.
Estas moito desojadas calxiobas vasias e endi-
tadas com goslo, que tanta exlraccaa tem tido e
qae realmente servero para diversos flos, existem
na loja do Cordeiro Previdente a roa do Qaeimado
o. 16 um completo sortimento de ditas caixinhas e
sao vendidas por precos to rasoaveis, que o expe-
nste fregaez nao objeclara' em compradas em
dita loja de miudezaa do Cordeiro Previdente a ra
do Qaeimado n. 16.
P0NTE1RAS E CHARUTOS.
O Cordeiro Providente, roa do Queimado o. 16,
tem um bom sortimento de Boas ponteiras para
charolo?, sendo lisas e com Qgaras em alto rele-
vo ; e para qae os seas fregaezes nao se Incom-
modem em comprar cbarntos em algumas das to-
jas de cbaroteiros, recebeu tambem um bom sorti-
mento de finos charutos do afamado fabricante
Furtade de Simas ; assim, pois, encontraro os
apreciadores um bom sortimento na dita loja do
Cordeiro Previdente, roa de Queimado n. 16.
Para offertas no Hospital por-
tugucz.
Bonitas cestinbas com fructas de cera, obra de
muita perfeicao e bom gosto.
Para cortar moldes e en brulhar fazendas.
Vende-se papel pardo folba grande.
Para lustrar cateados.
Vende-se superior graxa econmica.
Vende-se papel para matar moscas.
A. loja do cordeiro previdente
Ra do Queimado n. 16.
Nell.acharaoos pretendentes um grande e va-
riado sortimento de perfumaras (loas, tanto ingle-
zas como francezas, sendo :
Finos extractos para lencos.
Baohas e pomadas para cabellos.
Oleo pbilocome e baboza para dito.
Pos bygimicos para denles.
Ditos camphorados para ditos.
Opiata ioglea e franceza para ditos.
I'"...f' n^m | '. Af\ Arroje.
vasos de porcelona para ditos.
Sabonetes para mao e barba.
E muitos outros objectos que sero presentes
Alpacas de lista a 5oo rs. o covado.
Vende-se alpacas de listas e de flores
proprias para vestidos de senhoras a 5oo,
6oo e 56o rs. o covado: ra da Imperatriz
lojas da Arara ns. 56 e 72.
Casemira com peqneno toque de mofo a 13
Vende-se casemira para caigas e pilitot.
covado, ditas em pega a 200 rs. o covado : 'com pequeo toque de mofo a l& o covado:
cassa franceza a 2io, 28o rs. q covado: roa j ra da Imperatriz lojas da Arara ns. 56 e 72.
Urf Iuipcidtiii lojaa lia Arar* Tta^aO-xr-r.
Laazinhas da Arara 24o o covado. RoiliH fiftfl napinnl
Vende-se laasinhas para vestidos 24o, *WP llld H*U,10Iiai#
28o, 32o, o covado: ra da Imperatriz lojas j Venae-se palitots de panno a 50, 6&
da Arara os. 56 e_72. 8$ e 100; palitots de casimira de cores a
"Madapuio a 4p a pega. 6& 80, e lo3, palitots de meiacasimira a
Vende-se pegas de madapolo a i$,5f$,diio 335oo e 5, calcas de casimira a 50, 60 e
muito fino6, 70, 80, 90, lo0: ra da Ira-170, ditas pretas 50, 60, 70 e N0, ditas de
peratriz lojas earmazemda Arara ns.56 e 72. meia casimira a 255oo, 30 e 305oo coletes
Cortes de cambraias de barras a 20. 'de casemira a 30, 305oo seroulas a 10,
Vende-se cortes dei cambraias de bonitas \*/*f>Jj neo 25oo: ra da Imperatriz lojas (da acredtada fabrca de Jos Furtado de
barras a 20, 205oo e 30ooo. da Arara ns. 56 e 72. Simas.'
Ditos de cambraia bordadas brancos e de Algod5o enfestado a 10 a vara. Vendem-sejoa loja-do[cord'eiro'previdente a roa
cores a 40, 405oo e 50: ra da Imperatriz Algodo enfestado para lencoes e toalbas ^ Queimadogo. 16
lojas da Arara, ns. 56 e 72. a 10 dito transado 1028o avara: ruada
Arara vende algodo a peca 30.' ^ Imperatriz lojas e armazem da Arara ns. 56
Vende-se peca de algodo a 30, 40, 50, e 72.
60, 70. 80; ra da Imperatriz os. 56 e 72. cortes de la de 14 covados
Vende-se corles de la de 14 covados a
30,40 e 50: ra da Imperatriz lojas da Ara-
ra ns 56 e 72.
Ricas saias bordadas a 30ooo.
ao comprador qoe se dirigir roa do Qaeimado
n. 16, loja do cordeiro previdente.
Bandeijas pequeaas.
Vendem-se na ruajdo2Queimado n. 16. |loja{do
cordeirotprevidente.
Charutos
Fabrica e fundigo de bronz
e outros mttaes, caldcireiro,
laloeiro, e funiUiro, situada
na Soledaie, ra o Prin-
-. cipe n. 3, e com deposito na
ra Nova n 38, da cidade
do Recife
de
BRAGA &SAMPAIO
Fabncam-se neste importaste estabeleci-
mento todas as obras concernentes as artes
respectivas como sejam:
Alambiques de todos os tamanhos em
feitios, os mu acreditados aparemos de
D'rosne com as dimenc5es delicadas dos
fabricados em Franca.
Fabricam-se avulsas quaesquer pecas des-
aparelbos, como sejam o dilatador, ratifica-
dor e condensador, ou esqnenta garapas,
resfiiador, serpentinas interiores.
Fabricam-se bombas de todas as dimen-
ces e qualidades, pelo systema francez on
americano, simples, de presso, repuxo, e
com especiaiidade a estanca ros 1 assim -ap
nominadas pelo enorme volme de agua
que absorvem calculada em 100 pipas por
hora, e das quaes algumas esto promptas a
serem experimentadas.
Existem bombas por este systema, me-
nores, para regar sitios, garantindo-se nao
s sua duraco como a grande quantidade
de agua que fornecem pelo qoe sao cous de-
radas boje as primeiras bombas condecidas.
Todas as mais obras se fabricam venta-
de dos freguezes e a sen capricho.
Existem sempre promptos no deposito in-
dicado na ra Nova n. 38, nm completo sor-
timento de obras solidas, bem construidas e
a precos rasoaveis, como sao alambiques,
serpentinas, taxos, passadeiras, repartidei-
ras, escumadeiras, cocos, candeias, e muitos
outros uteccilios preprios para engenhos,
como sejam mancaes de bronze, parafuzos
para rodas de agua e outres.
Cavilhas, machos para lenres, pregos de
todos os tamanhos e para o forro de cobre
de navios.
Aprompta-se todo quanto diz respeito as
obras de lato torneadas e polidas com toda
a perfeicao.
Vlvulas para tanques de banho, torneiras
de todos os tamanhos e qualidades, assim
como todos os ornamentos para militares,
botes para farda, aparelbos para barretina,
nmeros, espheras, espadas, cornetas, alam-
padas turbulos, caldeirinhas, aavtas, almo-
farizes, perfumadores.
Obras de folhas de (landres de todas as
qualidades, bahs, bacas, bules e outros
utencilios domsticos.
Lampies para gaz para engenhos, folha
de flandres em caixas, folhas de cobre e la-
to, tubos de chumbo para encanamentos de
todas as dimences, folhas de zinco, estanho
em barras e verguinha, lances e barras de
chumbo, vdros finos para espelhos, de co-
res, bordados, e opacos, e outros para vi-
dracas, diamantes para cortar vdros, cadi-
nhos ordinarios e de patente, rea para mol-
dar, folies para ferreiro, lavatorios com ba-
cas e jarros, trra podre e outros nmeros
objectos proprio de taes estabelecimentos.
Sendo todas as obras inspeccionadas e
feitas sob a direceo do socio administrador,
Jos Baptista Braga o qual se acha de novo
especialmente incumbido da gerencia de to
importante estabelecimente, isso urna ga-
ranta pela sua tonga pratica, que tem os se-
nhorea frngiiAZAR contento, com promptidio e preco commo-
do, pelo que os propietarios lhe sero agra-
decidos.
Parte, 36, Ra Vivienne. D1
Riscado francez de listas a 36o rs. o covado.
Vende-se riscado francez de listas para
vestidos a 3Co e ioo rs: ra da Imperatriz
lojas da Arara, ns. 56 e 72.
Ditas franceza a 24o rs. o covado.
Vende-se ricas saias bordadas para senho-
Vende-se chitas francezas finas a2io, 28o,: ra a 305oo, 50, 60 e 70, bales de arcos a
32o e 4oo rs. o covado : roa da Imperatriz
lojas e armazem da Arara ns. 56 e 72.
Fundicao d'Aurora em
Santo Amaro
Completo sortlmcntc de tatxas batidas e fundi-
das, alambiques de todos os lamarrhoi e fondos dt
ditos, raoendis de todos os tamanbos de superior
qualidade, crivos e boceas de tomaina, o que tud'
se vende por commodo preco.
Lindas meilo lindas la a o ris o
covado.
Vende se na |0ja 0 Alvaro a' ruado Crespo n.
-O B.
Chegou afina!
A pomada galopeas
para cara rpida e completa dos callos daros.
VENDE SS NA
Botica e 'rogarla
DI
Uartholomen A C.
34Rna larga de Rosario34
:

Cassas francezas de coresj a 240 rs. o'covado.
Ditas francezas, superior qualidade, grande variedade de padroes, fazenda de
8-u rs. a vara, a 328 rs. o covado.
Ditas ditas multo finas a 400 rs. o covado.
Superiores cuitas francezas largas de cores fitas 260 rs. o covado.
! .indas lias de cores com salpicas e com flores a 320 rs. o covado.
Ditas com palmas de seda a 320 rs. o covado.
Ditas com listas imitando poil de Chvre a 400 rs. o covado.
Superiores alpacas de cores de dnas larguras com listas e com flores, grande va*
ried de de padroes e gostos ioteiragaeote lindos ffazenda de 10 o covado) a 500 rs.
- t Sedas do cores de qoadrinbos e de listas a 800 rs. o covado.
k:cob remos ou cipas de merm, bordadas e enfeitadas com renda preta, [o qoe
hardo.m us moderno para hombre de senonr a 80,10^1 e 120 cada om.
ut ui ui luuueiuu yn* ui-uium uc sounura a OQ, IUQ (i 1ZQ C3
Bous madtpolSes a 9>#, 60 e 70 a poca.

Ditos a. 3#.
^u>erior algodosinho branca com 20 jardas a 40 a peca.
Assim como OQtrasmtjitasfezends por menos do sen valor para liqtiidar.|
i ab cu;
CoudecoraceH
A bem eonbeclda loja de jolas de Moreira 4
Dfl.rte, a' roa do Cabog o. 7, acaba de receber
poreie-ne hbitos e offlclalatos da ordem da Rosa,
e babitos da de Cbristo de difTerentes tamanbos
qoe vende por proco* mol raros veis, alm disse
continua a ter como sempre om completo sorti-
mento de joias dos gestos mais modero pa s
quaes mota com o concorso de seos boas fre-
|uess.
Vende-se saceos com hrioba de mandioca
de 21800 a 5, assim como saceos coa feijao, por
baratissimo preco, no iraplcbe Bario do Livramen-
to no Parte do Mattos o. 15.
25,205oo, 30 e 305oo: ra da Imperatriz
lojas da Arara, ns. 56 72.
Rival sem segundo.
Ra do Quclmanon. 40.
Qaer acabar com as fazendas abaiiY
mencionadas.
Queiram vir ver o que bem e barassimo.
Toalbas de labyrmtho com bico, fazen-
da boa a ........'.....3f001
Carreteis de linba com 100 jardas a 3C
bravatas pretas e de cores moito finas a 50(
Caixas de obreias de massa muito novas a 4(
eofladores para espartilbo de cordo e
fita a............... to
Carreteis de linha Alexandre com iOO jar-
das a ............... 20b
Sabonetes muito finos a 60, 160, 200 e 320
Ditos de bolla muito finos a 240 e 320
Viadas de linha froxa para bordar a 20
Varas de cordo para espartilbo a 20
entes volteados para regacar cabello de
meninas a............ 320
frascos de macaca' oleo muita Abo, a 120
Abotoaduras muito Boas para colletes a 500
Candes de liaba branca e de cores a 20
Libra de ara preta superior a..... 101
. 800
GRaNDE BAZAR
RA NOVA N. :0 E 22
Machinas para descarocar algod5o, do me
Ihor autor que tem apparecido na Americ?
E' tal a execucao do machinisme, que o al-
godo sahe quasi tao perfeitocomo o debo-
landeira. Recommenda-se a attenejo doi
Srs. agricultores, estas machinas.
m GAZ GAZ
Chegou ao antigo deposito de Henry Forster C, roa do Imperador, om carregamento de gaz di
primeira qualidade.o qual se vende em partidas
retalho por meos preco do qae em oatr* qual
raer parte.
BAS fcNmiMIUAIMS KS ShXUAES, AS AFFKO
_i;or.S n.TANEAS. E A TERAgrjES DO SANGU1.
"1 30,000 cura Ju impingm*,
ptistulae, herpe*, tarns,
comixoet) acrimonia, e aU
lerfoa.vteiosas dosangu*
lirut, alteraeoee do *air*>
g-t (Xarupe veeut ?m mercurio). Bpuri>~-
cicir B!vx4o* xniium touno-sa dov
por eaana. eguiodo o traeamento Depurativo : *
empregailu as mesmas molestia.
Kate XaropeCitraeteat
ie CIIABLB. car la*i>
lamente qualqoerpurjocoo,
/ /u-rf iiu, e debilidad!, i
igualmente os ftuxos e flortt
hrancas das Biulherce. Esta injeccao benigna *
KM es coa o Xaropc de Cifrado de Perro.
He*>rrlda*. Fornida que a* cara im Iril das,
POMADA ANTIHERPETICA
Costra: du affeccoet cutneas eonixoee.
PILULAS VEGETAES DEPURATIVAS
ftjg OuMm, cada fraiso val aeena>aaado de*f4
"aviso aos srs. mdicos.
Cura camrrhoi, tosa
coqueluchei, irriuiftl
neixos t tai Jo, bron-
chias c tadal as .\.-:v -M
do peno; hasta a doent*
urna eullit* rrilea dtl;- larofut >f KoaCK
l>r. HABMem Pru. -ij wIt^o.-. f.m
A venda na pharmacia de P. Maorer t
e C, em Pernambnco.
DrFOReE
TERDADS1R0 LE BOT
i* ISHBBBT, Dodeur-UMicln
Ru de Seinct, 61, e\ PA.HI5.
para
06 Pechincha
~Kte4Mi
LOJA DAS COLUMNAS
o >t en 1
'5 oelo >
,<-. adljv-aieUO
:* M+U U<,
^tttonio ^i-aTTaii6j|ie^
***.<**.. ii.
ttll Lt

TU O)'
M j u)iJ
II

Vendem-se pequeos albuns dealgibera,
para retratos em miniatura, para 6 e 36 re-
tratos, pelo diminuto proco do 11 too ro* rL
cada um: na ra do Grtpo n. i, fahn'ci
de chapeos de sol. Y
O i i li \ >**ettatele
Caenrtet
M m eoil o* aoi ua : %v#
9X -". ik .'A tal al stileb c a ei.U vtof.
a titamtQ '. *: -

le 4 rodas a 1 avallo multo soperior, de-se
para tratar na roa do Crespo a. tS, l* andar, pa-
n wrnii wnmw i* n**m tfHtffrSafb.
'-.'i oa *c% la : co^O abaov>toC $:<
scovas para falo, fazenda boa, a
Varas de franja branca de linbo
toalba a..............
Calas de palito bailo a........
Gaitas de palitos de seguranga sem en-
cbofre a.............
Sibonetes de familia a 100,160 e ... .
Cartilha de dootrina cbrislaa a .
Quadernos de papel peqoeno soperior a .
Dozia de baralbos francezes soperior .
Groza de pbospboros muito superiores .
Cixis a reulbo dos mesmos.....
Caixas de pbospboros de vellinba contendo
500 velliobas moito superiores a .
Resmas de papel almaco moito soperior .
Resmas de papel pautado soperior quali-
dade ...............
Dazias de meias para bomem.....24*00
Duzlas de meias croas multo superiores 4J0wC
100
46
60
340
320
90
SJOOO
II
160
ajfioo
3*600
Fazendas baratas
17
17 ra do Qaeimado
Loja do Carlos.
Cambraias braoeas floas eom om pequeo sujo
de mofo a Sf a pessa.
Lanzinbas mescladas, padroes novos e chiques
a 500 res e eovado.
Cambraias de cores, padroes miudinbos e ga-
lantes a 500 reis a vara.
Brlns finos de llnno, cOres moi boas, por serem
escaras a i* a vara.
Cintos de seda e setim, bordados caprichosa-
1* 00 menta a vidrHho a 5*.
Canos
rameal do pateo do Terco n. 1S vendem-se
os e- todas as iarjoras, vidrados e por vidrar,
PfPNt/seMvek o mettor aeMe *emtr*.

Mitos para 25300 e 4*.
Colchas braoeas alcochoada?, fazenda ioteira-
menie moderna a nossos olhos a 8*.
Balldes de arcos para seobora e meninas a 2*.
Ditos de mossulina com 3 arcos a 4*560.
Saias eom barra, para serem osadas por cima
dos balde* a 4*.
Lencos de carobraia de liono acabadas com per-
ei cao para QMo-de senbora a 2*500 11
1 l
Machinas de ceurm
*e Mufruit* u mio.im, rw aamrouctofadAS fia stiflos-Unidos, por pre-
s moiiBk)**
Gesso
para estaques de casas: nos
Irmos, enes de Apollo.
to da cerrar, tU, ate, roUu.t p,wl trul
fu le o ara mu, < rotulo lmprfvo m ta,t.
~ 3LM luriaiAl M *UK rtAttCFl.
relie
armazens de Tasso
Taparea
. SS^ef1 "I? iBrothers ortl
olarfodoCorpoSantn. 11, vapores patentes
s^nSssrm0i?ssr^t m
i- r n prat o Corpo Saam
IT. 8, cmrt-
1 ttnd ttuma i- lira
e> Iuthxh so-
kreParu.iccIUTtt
a M diai iU i'j,
Mea it !:. fos -h
eteatatlaacnlaed* I

V
. i


i b r.0%;/: A s b a*i ..3 &> *xt ca h.
Deposito na pharmacia do P. Manrer
C,. em Penuaeimco.
C1SIW Utti
Gramrotica naclonaL <
____uSL ^-
u-jM
j> iJ-.'' W|!lB \


**-
WM

i.
larl* de PeriaMbnee -- egH v


Collares Royer
Oo *o Depoalt9 uereUa d o
toja da agnia branca roa do Qaeimwo a. 8
Apregor atado-os prodigiosos efeitoo dos
Coliara Royer j* nSo 6 ensionr oa qoorer
iatreddzir novidides, porqaoi fama Jfle sai
efQcaci tem-se tanto estendido, e os seas
felizes resaltados a tal altara elevado, qne
hoje rara a pessoa qoe por experiencia
propria, ou por intermedio de seus amigos
e prenles, ignore oa desconhe;a as virtu-
des desses sosapre apreciareis collares
Royer.
A agaia branca porm se gloria de concor-
rer para um to justo flm, se n5o por ou-
ro modo ao menos por ter sempre', e cons-
antemeote um completo sortimento desses
collares magnticos, que bem se podem cha-
marsalva vidas das crianzas.
Resta anda que os senhores pais de fa-
milia se {cana convencer |de que converjo
nao esperar que as crianzas sejam atacadas
do mal, e por isso necessario oa conve-
niente qae com antecedencia se deite na
eriaoea um desses collares para asslm estar
ella preservada das convnlcSes e se cootar
livre dos rigores da dencSo.
A agaia branca roa do Queimado n. 8
continua a receber por todos os vapores
francezes a qoantidade qae ha contratado e
iWeii<< em
b: i sIoi
f> c o^ns
tonto sobh' tot,i
-^iri- (1

-
jOfl .

9 A, esqulua da ra do imperador
Acaba de ebegar pelo vapor Guitnne, om varladisslmo sorf-raento de fazendas qae direm os
nossos correspondentes que foram as memores, as de mais gostos e novidades qoe encontraran em-
mi"!/ecDmcmeil,u,no Preciacao do respeitavel publico, oa seguintes artigos que
Riquissimos vestimentas de eambraias primorosa
q m
!8
ra do
ISSO
H
mu r-'n
od
IC'J -I
MUITAS FAZIM%*
LOJA E ARMAZEM
DO' rg.
ffiv 13 W D tfu>
JLj) Mk AJ JA JIM
ni <*_ 142 B wt f*m*

:
-
.fl




Pariz. e por
8 encontraro oa loja do Passo.
Riqoissfmos orles de seda de re.% com lindos
matires eompletameote novidade.
Lindsimos vestidos de cmbrala branca bordados
cora gosio.
Ricos basqntnes, primorosamente bordados, e ulti-
ma moda em Parix.
Rlquissimas ebapelioas de seda, palba a imitacio
enfeltadas com mailo gosto.
Coques para senhoras, seudo estes de oltima moda
em Pariz.
Lindsimas gravatinbas para senhoras.
por isso acha-se ella sempre provida dos ver-, Lindos colares e voitas de vi trilbo e seda, uiiima
dadeiros collares Royer eletricos magn-
ticos.
A Agaia Branca a ra do Quei-
mado n. 8.
Ineootestavelmente na loja da Aguia Branca
onde os apreciadores do bom podem melborroeote
prover-.se daqoelles objectos de gosto. E-sa verda-
de ja por tantos e tantas vezes reconbecida aluda
agora se faz confirmar com a nota dos preciosos
objecios de gosto e valor qoe a agaia tem a satis-
fago depatentear e por a disposigo de quem os
deseje e possa comprar. Ella principiara pelas ri-
cas calzas com msica e sem ella, para costura.
Essas canas por suas oerfeicoes, gostos e rique-
zas, se tornam recommendaveis para algom im-
portante presente, ou mesmo para qaem tenha gos-
to de possoir urna bella obra, porque de certo sao
ellas as de maior valor que se encentrara em Per-
cao,bui:;i, ten in ama qae sobressbe a todas as ou-
tras. Alea destas ba outras de preces menores, as-
sim como tambem ba benitas caixinhas- vazias de
madeira, enveruisadas e raarebetadas, com fecha-
dura e chive, para costura.
Em leqites o qae se pode encontrar de melhor,
sendo: *
Todo de madreperola, bordados, obra de gosto e
valor.
Oniros de madreperola e seda, bonito* desechos.
Outrosde madreperola coro b>rdados coloridos,
obras de muito gosto, e geralment apreciadas.
Oatros lodos de saodalo.
Ontros.de sndalo e seda com bellos deseabas.
Outros todos prelos para luto.
Outros pretos com desenbos rozo?, proprios pa-
ra seobo'ras viuvas.
Outrorde sndalo e faia, formando qoatro vistas.
Ontros de saodalo e sndalo e seda, para me-
nta:?.
Outros de madeira e papel, obra barata.
Guarnices de fitas, ditas de benitas e modernas
trancas para vestidos
A Ajtnia Branca receben novamente utn bello
sorlimeBtodaqaellas apreciadas guarnios de fi-
tas; a.-stm eomo ouiras de lindas e modernas tran-
cas. Os apreciadores do bom compare^am na loja
da Apuia Branca a ra do Qaeimado n. 8.
Fioissimas meias de fio de Bscossia para enancas.
Veodem-se na ra do Qaeimado loja da Aguia
Branca to. 8, oude tambem ba oolras mulas de al-
godao para criancas de 3 a 12 mezes.
Hu litrts lavas de fis de Escossia e seda, para be-
meas e senhoras.
A ARBia Branca a ra do Queimado o. 8, rece-
beu um bom sortimento de floas lavas de fio de Es-
eossia e seda, brancas e de cores, borladas e lisas,
tanto para borneas como para seohoras; qaem as
preleo !er e dirijT-se a dIU loja da Agoia Branca,
conhecera qae em tal genero nao se encentra me
ibor, e taive nem mesmo igual em alguma outra
Part''- l c_
Reqnifes brancas on traaeinnas papa-fina.
A Anua Branc* acaba de receber um novo e
bello sortlmeato dessas lo procaradas tranciobas
moda e Inteira novidade.
Collarfnhos, puobos e gravatinbas de Cbooy, com-
pleta novidade.
Riqoissimos leques de marflm todos iberios e de
ultimo gosto em Pariz; assim como de sndalo
madreperola.
todos os pertences para
completos para
mente bordados, com
creaocas se baptisar.
Rrcos vestaarios de cores, todos
meninos d 2 a 4 anoos.
Mantas de blonda para noivas.
Moirianltqne, grosdeuaple e sedas prela, branca
e de cores.
Rtqufssimos cintos, ultima moda.
Reos enfeites para seoboras e meninas.
Liadissimas cbapenas de seda a de palba para
meninas.
Rlqulssimo3 cortes de fantasa para vestidos de se-
nhori.
Lindos cortes de lia para vestido, novidade.
Chapeos de castor a canotier, ultima moda para a
rapasiada em Pariz.
Grande deposito de luvas de Jonvin recebe-se por
todos os vapores grande sortimento.
Casemiras, eambraias, las, mosselinas, precalias, chitas e orna InBoidade de objectos qae
deizamos de mencionar por se tornar macante.
Isto s na loja do Passo ra do Crespo n. 7 esquina da do Imperador.

GKANIIE NOV




AUGUSTO PORTO & C.
11Ra do Queimado11
Este estabelecimento acaba de receber e vende por commodojpreco as seguintes
fazendas finas:
Vestidos de b'ond para noiva com manta e capella.
Ricos vestidos de cambraia brancj bordadas i qae ha de melhor.
Cortinados bordados e admascados para camas de 2o?> a 80^.
Ditos bordados e admascados para janellas de (J51 a 2o^.
Colxas de seda e 13a e seda para cama de noivas.
Basquinas modernas de muito gosto de 2o# a 5o#.
Toalbinhas de croch para cadeiras e sofs, e colxas de croch para camas.
Chapelinas de crpe branco, e chapeos de palba da Ralia para senbora.
Moir branco e preto, grosdenaple preto de todas as cores para vestidos.
Camisas para homem francezas e inglezas de lioho, e de algodo.
Goardapisa de crinofine para fazer mais elegantes os vi stidos de 13a e de seda
a 32o rs. a vara.
Superiores saias bordadas de linho, camisas e camisinbas bordadas e lengl de
cambraia bordada para senhoras, ricas toalhas bordadas com muito gosto, e lindos ves-
tuarios para baptisados com o respectivo enxoval.
Las com listras de seda de varias cores a qoe ha de melbor. 1
Chapeos brancos de castor, e ricos chapeos deso inglezes para homem.
Malas de diversos tmannos para via-eas.
Panos finos e casen iras pretas e decores e outras militas fazendas qoe se ven-
dem baratissimo.
Este estabelecimento contina a receber as melhores.
Esteiras e alcatifas para salas,
11Ra do Queimado11
Ra da Iuperatrj a. w
Tendo os donos deste grande estabelecimtnto re6olvido liquidar a maior parte das
saas fazendas resolveram vender com grandes abatimentos em precos, assim como teem
recebido ltimamente urna grande porc3o de fazendas novas tanto inglezas como fraocezas,
alem3as e suss, teem destinado veoderem-nas mais barato qae em oatra qaalqaer parte
aflm de aporarem dinbeiro, dando de todas ellas, amostras deixando ficar penhor, oa
mandam-na8 levar em casa das excellentissimas familias pelos spos caixeiros; assim como
as pessoas que negociam em pequea escalla, neste estabelecimento compraro pelos mes-
mos precos qae compravam as casas inglezas; ganbando-se apenas o descont.
omtyqe.ii J1US .^a
Blica onapMonftoo,4B*ffpaTrte*fo*to para <
nhoras feitos ac capricho de orna daa primeiras
modistas ce Pars e ebegados ao armazem do va-
por roa Wova n. 7,
' baratissimo a SOOriao
coyado.
Superfore lias para vesfldqs rom ezeetlentes
padrSes a 300 ris o eovado, aproveltem antes qne
se acabem ; oa roa do Queimado o. 46, toja de
G_aimaraes& Basto. ..
, -fon kJ
Vendem-se pegas de algodozlnbo moito lario -Mil
superior qoalidade com um pequeo Mae de ave-
ria pelo barato preco de 4, chitas largas de co-
res a 240 rs. o eovado, brlm pardo zru.to bem a
600 rs. a vara : oa loja de Antonio Jos dos Rh
& C, a roa do Passeio Publico n. 6, por baixo do
sobrado novo.____________,______________
Grande novidade para a
festa

Tiras bordadas e Bahadlabo
Qaem quizer fazer boa compra d tiras
bordadas oa babadinhos, achara um grande
sortimento para escolher e por |.reco moito
mais barato do qae em oatra qualquer parte,
oa loja e armazem do PavSo, ra da Impe-
ratriz n 60, de Gama & Silva.
Fazenda* para lato na loja do
PavSo
vende-se setim da China com 6 palmos de
largura proprio para vestidos a 2(J o eovado,
Iazinhas,pretas lisas, alpacas com listra bran-
ca a 1# o eovado, cassas brancas com listras
Baldes a 25, 35oo e 34
Vendem-se am grande sortimento de cri-
nolinas 00 bal5es de arcos" para senbora pelos
baratos precos de H, 25oo e 30 por haver
grande porc3o, na loja e armazem do Pa-
v5o, roa da Imperatriz n. 60, de Gama <
Cassas a 14o rs. so o pavo.
Vendem-se bonitas cassas inglezas de co-
res flxas pelo barato preco de 240 rs, o eo-
vado, ditas francezas fazenda muito na com
padrCes listrados e de flores., assim como com
palatinas miadas proprias para meninos a
3oo rs. o eovado ou a 5oo rs. a vara : pe-
PECHINGHA
Cal de Lisboa em brns a 3f, assim como orna
porcao a granel a 14400 o alqaeire: a trahr na
roa da Cadeia n. 2, 1 andar.
Cortes de alpaca a sete patacas.
Venden se cortes de alpaca esenra par vesti-
dos pelo baratissimo prego de 2J40 o corte,
crande peeblncha na loja e armazem do Pavo ra
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
_s
PAR4 O BULE i)0 CLUB
Chegaram pelo vapor de 27 deste mez, riquissimas sabidas de baile, como se
usam na Europa, lodos estufadas de seda ele. Vieram s seis, por isso recommendamos
as excellentissimas seoboras para se proverem de um objecto de esmerado gosto e que
julgamos nanea ter vindo ao nosso mercado.
No referido vapor tambem vierammui lindos enfeilos proprios para o mesmo
baile, assim como lavas de pellica de Jouvin, brancas "e de cores: ra do Crespo n,
papa-Boa, *"Jj*!*1'M^"" 5, loja de Gregorio Paes do Amoral C.
mo sempre a Aguia Branca a ra do Queimado D.
mo
8 continua a vender barato.
Golliuhas e punhos, maBgui'.os e goliinhas, obras
modernas e de gosto.
A A(jaia Branca acha-se recentemeote provila
de bonitas goliinhas e panhos bordados, raaogmtos
e colliohas tambera bordad, s, e ludo do melhor
gost e oltima moda, tendo as gollinbas e puobos
moitos, la enfeitados com Atas eufladas, e algomas
nequeuas para meninas. Os pre?os apetar de com-
modos variara com as dliTerenles qoalidados das
obras. O* pretendentes comparecam na loja da
Agaia Braoca a ra do Queimado n. 8 que serao
servidos a contento. *
Entremcios bordados era pecas grandes.
A Aguia Braoca a roa doQaeimaio n. 8 est
vendeno bonitos ntremelos bordados em pegas
erando de 12 tira, e pelo baraiissirao prega de
2300 oada pega. A Rrande extraegao que elles
tsm tido conflrmam os diversos fias para qae ser-
vem a*-lm pols cohvm qne a boa fregnezia da
Aguia Branca aprovelic essa boa e barata fazeoda.
__Vende-se nm bom piano ao mesa de Jaca-
randa em perfeito estado : oa ra da Cumbja do
Carmo o. 20.______________________

OCTSN

U. 64-----Ra da ImperatrizN. 64.
Xova loja de mitideza* e arligos de modas'
DE
*8%
"SBt
m
m

SILVA & NEVES.


*
t
CMS
&.


GRANDE BAZAR
ra Nova n. 20 e 22
Madrinas pa'a costora do autor Wbeele?
i Wilson, ebegadas ltimamente da Ame-
rica; as qoaes pode cozer-se com dooi
pespODtos, toda e qualquer fazenda, emba
inhar, frangir, bordar e marcar ropa; tndi
com perfeic3o. SSo t3o simples, qae com-
prebenile-se fcilmente a maneira do traba-
lbo e a pessoa tendo pratica de coser em ma-
rtinas, pode fazer por da o servido qae IV
ciam 30 costoreiras.
Chama-se 4 este estabelecimento a attet-
(fio do publico, visto qae elle se deba coa I
pletamente sortido de objectos de goste,
como bem leqoes de madreperola e de sal-
dalo, ivelas, fitas para cinio, cokes perfu-
mara e etc,
Na roa nova n. 20 e 22. Carneiro Viai-
na & C. ,^__________ i
Vend-^-se por preco commodo ama machina
nova a vapor, porttil, oe forga d sls cavallos r-
de peUla coosirocgo eom loda ferragern preelwi
para mover vanas mchicas de aigoio moors
qoal<|u*r mister, e bem assim orna irena am- J^
cana de enfardar algodo, de systema moderan. 4
de marta forga e a'goos tobis proprios para df|t*
sito-. A er e tratar na fabrica da travs do f a-
rieca'. eaea i*o Ramos.
Os proprietarios deste novo estabelecimento offerecem ao respeitavel (
publico desta bella cidade, e do interior um lindo e escclbido sortimento de (g*
miudezas e artigos de modas, concorrendo para isto o terem na Europa, pes- p
soas habilitadas a executarem saas encommendas no que liouver de mais no- 5g|
vidade e gosto, e garanem vender pelos precos mais rasoaveis do que em ^^
: S outra qualquer parte apar de maneiras delicadas e sinceras.
5^ Aeabam de receber pelo vapor francez Guienne, os seguintes bellos
vi|2) artigos de moda- e faotasia
Luvas de Jouvin para seBboras e homens, de todas as c&res.
Livros para raissa com capas de madreperola etc.
' IndispeuSaveis e belgas 'de lo as as qualidades.
Coques os mais modernos.
Espartilbos collares, e cintos de seda e vidrilho.
Reodas de Guipare, de seda, (blonds) e de algodao, de todas as
qualidades.
Completo sortimeoto de trancas, filas, botes e guarnices de seda
com vidrilho e sem elle, gravatinhas de seda, e mangnos de lastro bordados
tudo do ultimo gosto de Paris.
fleques de sndalo aberto do mais apurado trabalbo
Agua Florida e Inico oriental fie Laman & Kemps.
Risos eofcites e goamies dft flores para vestido e cabeca. ,
Calcado para seoboras e meninas. tj$%
Perfumaras as melhores e mais escolhidas de Lubm, Piver, Coa- ^^
em ricos e elegantes vasos de porcellana, crysUl e prata inglesa. .'-.-.
Meias de algodo, as mais finas e melhores qne teem at boje vindo !
ao mercado, para seoboras e borneas.
Chapos de palba da Italia, e a imitac3o para menioas.
E um sem numero de artigo, de gosto e fantaza que s a vista
podem ser apreciado.
dray,
L VAS N0VV8
A Agu Branca a roa do Queimado n.
8 reoafeeo d*aquellas bonas lavag di. pelli-
ca enfettadas, e j bem coohecidas por lavas
a duqueza.
INJECTION BRO
i mi HM^ui bslma* t mmmtm. ( Kiif f
t kMW llil. > !*! Mlllll, MI.
Yende-se oa Botica Franceza ra Nova n. 25.
-

__
tfovoe grande deposito de superior carv&o de Cardiffna
B\bia.
Antonio Gomos des Santos & d, roa Santa Barbara n. 1, estio habilitados a sopprir de
i-vo 3 m condig5e mais favoraveis qae em oatvo qaalqaer deposito, a todo os navios a vapor qw
cerrem naooaJi-i porto. A contratar nesta eom Domioiros Alvos Mathes,.|
pretas a 5oo rs. avara, ditas pretas lisas e.chincha na leja e armazem do'Pavao roa da
com sulpicos vara a 5Co rs. ditas francezas Imperatriz n. 60 de Gama 4 Slva.
com listras e ramagens vara a 800 rs., me-
rino preto, alpacas e princezas, mais barato
do qae em outra qaalquer parte, na loja do
Pavao, ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
PALITO'S DE PANNO A U
Vendem-se palitos de panno preto saceos
6(?, ditos sobrecasacos a lo& caigas de ca-
semira prela a 6\J e 7&-.d.ta muito finas a
9 e 10(5, finissimos sobrecasacos de panno a
2o,5 e 250, caigas de casemir de cor a 70 e
80, um grande sortimento de coleles de toda
a qualidalee outras muas qualidades de
roupas qu; se vendem mais barato do que
em outra qualquer parte, na loja e armazem
do Pav5o, toa da Imperatriz n. 6o, de Ga-
ma & Silva.
As salas do Pavo a 305OO.
Vende-se nma grande porcao das mais bonitas
salas brancas com lindas barras bordadas de co-
res, tendo 4 pannos cada ama, sendo fazenda lo-
leiramente moderna, pelo barato prego de 350 >
oada ama sendo fazenda que sempre se veodeu
oor muito mais diobeiro ; na loja e armazem do
Pavo, na rna da Imperatriz n. 60, de Gama *
Silva.
CASAQUiNHOS O PAVO A 180, 2o0
250 E 3o0
Chegaram o mais modernos casaquinhos
ou jaquetas de grs preto, ricamente eofei-J
tadas sendo uns com cintura e outros soltos
conforme se usa ltimamente e vendem-se
pelos baratos precos de 4 80,2o0,250 e 3o0,
oa loja e armazem do Pavao, ra da Impe-
ratriz n. 6o, de Gama & Silva.
MoIre aotlqne.
Vende-se superior moire-aouqoe de cor, rom
algom te quo de mofo, por prego murto barato, para
acabar : oa loja do Pavo, roa da Imperatriz n. 60,
le Gdma & Silva.
Camelabas a 9g.
Vendem s? as mais modernas camisinhas coro
maogoitos tanto bordados como de pretmiohas com
elegantes puohos e bonitas abobadoras pelo bara-
to prego de 34'KX); na loja e arma tem do Pavo,
ra da Imperatriz n. 60, de Gama <& Silva.
PechiDCba em casimiras a i$6U0 sdo
Pavo.
Vende-se nma grdde porcao de cssiroiras supe-
riores entestadas, seDdo escorp o ioQreS preprias
para caigas, poletols, toletes e roupas para mrm"-
oos pelo baratissimo prego de 1800 o eovado oo
a 24800 o corte de calca, grande pecbmeba na
loj a armazem do Pavo : ra da Imperatriz o. 60,
de Gama & Silva.
Alpaca nioastro cora 5 palmos a 280-
S o Pa^o.
Vende-se alpacas de quadros sendo padroes es-
caros proprios para vestidos tendo 5 palmos de
largara qae facilita fazer-se um veslidj at com
8 covados pelo barato pregj de 280 rs. o eovado,
garaotindo se qae hreoda qae val muito mais
oiohelro, portaoto pechiorba : n- loja e arma-
'm do Pavo ra da Imperatriz o 60, de Gama
& Silva.
Poupelinas para a festa a 320 rs. o eovado.
Veude-se orna graode ptrgo das mais bonitas
poqpelinas transparentes com palmichas bordadas
a la oo qaadnohos a nuil u.Ti > de fio de seda, pro-
prias para vestidos pelo baratsimo prego de orna
pataca o eovado, grande pechiocha : na Inja e
armazem do Pavo roa da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Lencos para mao na loja do
Pavao a 640, 10 e i/,6()u.
Vendem-se bonitos leog s d cassa bordados
prnprkis para mo pelos baratsimos pregos de
640, 1 e 1460>, isto oa toja do Pavo roa da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
CORTES DE SEDA.
a 28,5000 res oa loja do Pavo.
Chegaram os mais moderos cortes de seda de
cr cora elegantes desenhos claros e escaros, teD-
do muita fjzeoda pata ora vestido e veodem-se
pelo barato prego de 28OOU res, por estar mof
mnito prximos da festa. isto na loja do Pavc,
roa da Imperatriz o. 0, de Gama & Silva.
Bertaoba de lioho
Com 30 jardas a 12000 res.
S o Pavao.
Veodem-se pegas de soperior bertaoba de linbo
poro, leodo 3J jardas baratissimo prego de 12$000 res, sendo esta fa-
zenda propria para leoges, camisas, toalbas. etc
ist'i oa toia do Pavao, ra da Imperatriz o. 60, de
Gama & Suva.
Bramante de linho. .
Com 20 jardas a 800 res.
Vende se superiores pecas de bramante de liobc
proprio para leoges, toalhas, carnizas, etc. tendo
20 jardas cada pessa pelo barato prego de 83000
res, oa toja e armazem do Pavao, rna da Impera-
triz n. 60, de Gma & Silva.
SAlAs ECONMICAS.
a 2,500 res.
Vende-se nma grande porgao de salas de cor
com b- Ditas barras pelo baratissimo prego de
2*500 res, oa loja e armazem do Pavao ; roa da
Imperatriz o. 60, de Gama i Silva.
PDNH05 i.OVJ GOLINHAS.
a 15000 reis.
Vende-se orna.grande porgao d puchos eom
gohnhas de esgalao de linho, com os mais lindos
bordados pelo barato prego de IJGuO o temo, di-
tos bordados de cor a 60 reis, sendo graode pe
rhincba pelo prego, oa ra da Imperatriz o. 60 de
Gama & Silva.
POIL DE CHEVRE.
a 60 e 800 reis.
Venden so as mal bonitas laoslnbas com listas
de seta, intituladas poil de cbvre pelo baratissi-
mo prego de 360 res o cevado, ditas eom as lis-
tas BJthisadas a 800 res, assim como om gran-
de sortimento das mais bonitas e modernas lassi-
nha qoe te veoovn) pelos precos da 280, 400,
600 e 560 res, bonitas alpacas do seda de ama
s cor a 640 o 800 res, Isto na loja do PavJo,
rna da Imperatriz o. 60, de Gama & Sirva.
Bailes esgaios.
o SIMM.
Chegaram os msi moderaos balSe.s esgnios seo-
do verdaderamente americanos e vendem-se pelo
tara!; ;'reco de 2500, na I ja do Pavo roa das
imperatrii a. 80, do Gama & Silva.
Precos yantajosos
n:s miudezas do tira mi estabeleci-
mento de Soza Soares k frmo.
Rna Xova n. 28.
Venden em grosso e a retalho.
Linhis oovellos, mullo superiores, libras sortldas
252OO e :!-(Kl.
Dua em nvelos, mais inferior a 15800 e 15800
a dita.
Dita branea em caixas de 50 nvelos a 640 rls
Dita para marear, caixss de 16 ditos a 240 rs.
Dita braoca em ditas de 10 ditos grandes a 560.
Dita em carros de 100 jardas a 360 rs. a du;ia-
Dita em earros de 200 jardas a 15200 a dazia.
Dita em cartdes, braoca e preta, a 160 rs. a dita.
Rozetas de cores em cana* de dazia, a 15500 a
dita.
Grampas com caneca de vidro a 160 rs. a dita.
Agnlheiros pintados a 240 rs. a duzia.
Bmdei de moedinhas douradas e prateadas, para
punhos, a 15900 a dazia de pares.
Ditos de madreperola, para camisa, a 503 rs. a
groza.
Ditos de osso, para caiga, a 240 rs. a dita.
Caiiiohas coro soldados de chambo a 120 rs.
Espetos de muldnra dourada a 15400 a dazia.
Pentes de lago dourado, para coco, a 65 rs. a
duzia.
Ditos de lagos lisos, para coco, a 52500 a dazia.
Ditos dourados, com Sores, 25400 a dnzia.
Ditos de hlalo, multo bos para alisar, a 25300
e 25400 a dita.
Dedaes amarlos o prateado;, Anos, a 240 rs. a
dita.
Clcheles em calxiohas a 640 rs. a dita.
Ditos em cartes a 600, e 900 rs. a dita.
Pegas de fita para coz, larga, com tO varas, a
500 r?. a pega.
Filas de seda n. 11/2. pegas com 8 varas, a 260
rs. a dita.
Cadago branco para ceroolas a 563 rs a duzia
de pegas.
Las de todas as cores, para bordar, a 65500 a
libra.
Phospboros de cera, em calxiohas, a 360 rs. a
'ojia.
Diiu *.. o*,, eocerado, sem cheiro, a 360 rs. a
dnzia de calimbas.
Ditos de cera, em caixas grandes de folba, a
15400 a duzia.
Cartilhas da Dootrina ChrisiSa a 320 rs.
brelas de colla, em caixinhas, a 320 e 500 rs.
Sabonetes tinos a 800 e 15 a dazia.
Facas e garpbos cabo de osso, fazenda boa, a
250OO a duzia.
Ahumaduras Boas para coletes, cintos com ive-
las oe crystal, e maltas outras qaalidades, polcei-
ras de cootas, pentes coro pedras para coques, en-
feiles para cabega, um completo sortimeoto de per-
fumaras de tudas as quaii ladrs, colariohos, can-
deeiros a gar, ferragens de todas as qaalidades etc.
etc.: a roa Nva n. 28.
16.
VENDE-SE
Motores americanos para doas cavalos.
Dito dito para qaatro cavallos.
Machinas para descarogar algodo de 14,
18,20 30, 35 e 40 serras.
Preogas para enfardar algodo fazendo os sac-
eos com 6 palmos de enmprimeoto com o peso de
150 e 200 libras, vindas ltimamente da Americt
no armazem de Henry Forsier & C, nc caca Pe
drr> S n. 2 jonto ao Gabinete Portogaez.
A ESMERALDA
5 Ra da Imperatriz
tempo,
A' moda I muda I qoe
Da festa o genln nrs diz :
Ide ver cousas mol bellas
Na rna da Imperatriz.
ill
'"
.
'

Me, e ao oassardes as portas
Ao somero cinco att-ndel;
E' all qae a.-s sie o genio,
E' all que o gosto le.

Tem loas de varias cores,
Do aflamado Joovim ;
Tem Heos cintos e flores,
Fitas lindas e setim ;
Enfeites de varios goslo?,
Chapelinas e toncados,
Tem vestidos moito simples,
E tambem os tem bordados;
Tranga, ligas, bicos, franja?,
Peote, leques e eordow,
Gaze de seda, bom crpe,
Blonds ricos e baldes;
Tem adereces de flores,
Eotremeos e babados,
Pelerra >s e ruanguitos,
Coslames p'ra baptisados.
AUl, nada falta i moda,
T miodezas enrerrs ;
De Pars ao centro lie,
Fregares a mioha ierra. <
Ide ver eoosas mol bellas,
Da festa o genio nos diz -,
Ao no mero cinco atteodei,
Na rna da Imperatriz.

Esatu
J fheeoa
Cemento remano : no arroaiem de Tass* rrmaoi
no caes de Apollo.

1 loja do pavo roa da Imperatriz
60, de Gama 4 Silva.
Modernas poupelinas eom palmichas
bordadas e quadros, eovado i. 490
Modernsimas liazinhas com pal-
mas, salpicos, qoadres, lisus, ele.
etc., eovado, a 400, 500 e........
Lindas las com listas de seda, eo-
vado, a 660 e....................
Verdadelro poli de Chevre cem listas
moderaas, eovado, a 800, 15 e...
Fmisiinas mns.-elioas de cores, eo-
vado, a.........................
Bonitas sedas de cores cem 4 palmos
de largura, eovado,a.............
Grosdenaple azul, roxo, lyrio, eioza,
etc. etc., eovado, a..............
Modernas cassas com listas largas,
vara, a 640, 720, 800 e...........
Moderoissimos organdys de cor, vara,
Organdy largo, com lisia e quadros,
vara, a........................
Caries de organdy com listas bran-
cas e de cores, tendo 8 varas cada
corte a.........................
Lazinbas de urna s cor matbisadas
eovado a.......................
Corles de cambraia branca bordada,
sendo neste genero o mais rico qne

ttt
810
15260
640
25000
15800
15000
1*000
1500O
4508O
qne
tem vio Jo ao mercado...........
Booitos cortes de sedas cor6s claras a
Bonitos cortes de pbantana a.......
Cortes de organdys listados com 10
varas, a.......................
Fil branco bordado, sendo de meia
largara, vara, a..................
Bonita fazenda tranca para saias,
teodo pregas de nm lado e tam-
bero bordada, vara a 15, 15280 e
Ricas saias bordadas a 6000, 8 e
Cassas de nma s cor de flores, eova-
do a...........................
Ditas francezas muito floas, sendo de
listas e fl,res, vara a 500 rs. e eo-
vado a ..........................
Modernos punhos com gohnhas, sen-
do de esguio de lioho, bordados,
brancos e de cores a.............
Modernos maogoitos com goliinhas a
Riros corpinbos de cambraia moito
bem enfeitados e bordados a 85 e
Saias econtmicas e escuras, para
quem r passar a festa fra a___

245000
2*5000
105000
65060
040
156CO
105000
240


I50OO
25500
IO5OOO
25500
Este estabelecimento a rna da Imperatr-z n. 70,
recebe de sua ennta por todos os paquetes trnce-
les diversos objectos da ultima moda de Paris,
como seja bonitos coques lisos e afeitadas, fitas
de ssrja, ditas de seda lisas e borladas de tedas
as larguras e de superior qaalidade, lindos sapa-
tos de merino, d> casemira e la, looeas de laa,
muito bonitos cbapelliohos, babadinhos e ntre-
melos com lindo bordados, grvalas da seda pre-
ta e de cores para bomem e senhoras ; as verda-
deras luvas de loovln brancas e de cores muito
b nilas, carteiras de diverses fetios e lmannos,
meias de moito boa qualidade, para li-.m-ir, se-
ohoras e meninos, uro lindo sortimeoto de bicos,
espartilbos, toocadores de jacarapda' de diveisos
tamanhos, filas de velodo, trangas pretas e de co-
res, lindos enfeites para vestidos, cintos de diver-
sas qaalidades muito bonitos, albons, abotoadoras
para colletes, la para bordar de superior qoa-
daoe, orna infioidade de bonitos brinquedos para
crlangas, as melhores perfamarlas de Lnbiro, Piver
e Couaral Miciedade Hygeoica, immencidade de
ui-j^.^. deixo ,je meDciooar para nao se tor-
nar massaote, todo por p.^~.,mu,Xft,, mod9.
-mw mmm mmmm&mm
!g Chocolate hespanhol
Vende-se a 800 rs. a libra.
Na ra Nova n. 11 e51
| Roa do Cabug numero i A.
tt&SB mm mmmmm
Escravos fligidos

Nos priroeires das do mes de cotobro destp
anoo fogio do eogenho BjrcrJm, proonedad^ de
Sr. Silvano Aotonio Gaiao, oa fregoezia do Bom
Jardim, o escravo Damasio, preto, de tdade e 26
a 30 anoos, altara regular, chelo do corpn, pone
barba, rosto om ronco camodo, olbns abotoados,
ps malfeitos, andar banz-iro, molero e de falla
moderada : este escravo foi comprado pooeo' das
antes da faga ao Sr. Joo Barhozado Reg e Si va,
da mesma fregoezia do Bom Jardim Becela-se qae -
elle se aprsente como voluntario da patria, pelo
qoe seiprevioe as respectivas autoridades : qoem
pegar leve-o a seo seohor, no referido englobo,
qne sera' recompensado. Recite, 15 de novembro
de 1867.
roOfooQ
Fogio no dia 23 do crreme mez de ontobro, do
eogenho Limoeiro fregoezia da Escada, o escravo
com 0$ seguintes sigoaes : cabra, fosco, alto coa
bom corpa e booiu figura, cara bexigusa, barba
pooco'serrada, costoma rapar obigode ea petra
cabellos um tacto carapiobades, pouco cambeta
tem es dedos grandes dos ps mais compndost,
nm pouco gago, com algomas cicainzes velbas di
chicote oas costas em ama pa' e em oro braco
vestindo camisa de algodo da mata oa algodoxf-
obo, caiga e palelot ae bnm pardo, chapeo de an-
ta prelo, e lera vara de carreiro qoe e snppde-ss
ter ido assentar praga eomo voluntario : recoo-
meoda se as pes-oas encarregadas do recroiamen-
lo e as autoridades pollciaes com especialidade al
d) Rio Forteoso, Uoa, Agna Preta, S. Beoto e Por-
to divo e a oatra qaalquer pessoa aapprebensi
do dito escravo, e entrega-lo no dito eogeobo, qat
recebera' a graliflcago cima. O escravo chama-
se Francisco.
____________

Paga-se bem.
Fuglo em dias do mes prximo pas-ado do poder
de Agostinho Jos de Oliveira, em Caroarn', o sen
escravo Raoo, molato claro, idade 30 aooos, seeet
do eorpn, peroas Boas, olhos nm tanto amortecidos
nariz afilado, pooca barba, moito cortez e bem fal-
lante, mettido a valeole, gosta de agurdenle e le-
voo japona preta ; foi eucontrado no Oa 3 do cr-
reme no logar Batateira, ero dirfegao a estrada ll
ferro e suspeita ie qoe teoba ido arTrcer-se como
volunlario para a guerra : roga-se p< naoto as auto-
ridades policlaes e eapitaes di campo a aprehenste
do dito escravo, qae se/ eotregoe a se senbor 00
a Severin Aires da Silva, em TrombeU.
T
filtTincA-SI.
J
a qoem esplarar e cooduzr a' fabrica de sabio m
Afogado, 00 a' roa do Amorim n. 41, 00 Recite,
escravo Loir, pardo, Idade 38 annos, o qnal ja' ejB
principio de te anuo fol preso por rugido, ds
oovo iivadlo se da mesma fabrica, onde trabalha-
va, on adrogada de domiogq nliimo, 24 de no-
nembro ; cojo escravo fogio vestiodo a ronpa do
oso, le algodao de listras, csstoma mbreagar-sc,
negar o proprio nome, o bem como o do senhorj o
trazia por castigo orna correte fechada na cintora
e no tornozello, lo qne devora.' conserva; ao Be-
os ai manchas.


I HJBtWE I



"*"
-*--
""

p'^T4#^yiw#w^^fi^^gLt^ Pv*mto*MW> ,i
LITTniTOMF

-,
.
DI MOCO DE TTDO.
Estatua df. vandel.De ama correspon-
dencia dirigida de Amsterday Indepn-
dance befa extractamos o segoifltfl :
O dia 18 do correte oi de festa em
Amsterdam. Celebrava-se a inaugurafiau
da estatua de Vandel. Vandel o Mi.'ton, e.
o Dantp o Cimjs da Hollanda; para serojo porem o horado homem acabcu de
fazer idea da popularidade e estiia-com que resolver os seus problemas, eis que olha para
este poeta considerado na Hollanda, b s -a mulher e vendo-a com osolbos pregados
tara dizer que a sua tragedia Ghybrer,//! van no tf)' rame Ibe diz :O' Maria, que
tac5o, a que achraos multa pilheria, e por, mo sentimento, sem poder-lhe resistir, vol-
tov^-a^be pafer/6omo ^afiastm o
o~^
isso ajui a reproduzimos.
Chegando^m |a pea
>'ras ri
acaso a lima
mrahas janellas (palavra* do nosso a
depari por baixo d'eltas junto est:
com ora pobre aldeSo, fa saa cara me
aquelle encostado ao sea bard3o estiva pen-
sativo, e pareca querer resolver grandes Af-
gculdades, e esta voltada para o fio elc-
trico, empregava ali toda a sua attengio,
diabo
Amslel ba dszenlos vinte e nove annos que
se sustenta no repertorio do theatro hollau-
dez.
c Vaotel foi eminente em todos os gene-
ros de poesa; ganhou celebridade na trage-
dia, na satyru, na poesa lyrica e ua religiosa.
< Vaudel era um pobre empregado de
um monte de piedade, com o pequeo or-
denado de 650 florins, mal pa^es.
A estatua de Vandel foi feila por subs-
cripta ">, qoe esteve aberta por espaco de se-
ta1 annos.
c A festa da inauzuraco comecqu na nou-
te de 17 por um brilbaute concert dado na
vasta sala do Parque. No da seguinte, logo
pela manhaa, reuniram-se na igreja, aonde
esto os restos mortaes de Vandel, as so-
ciedades de msicae Iliterarias, que deviam
assistir ceremonia : juntaram se a estas
sociedades os pensionistas das hospicios dos
orphSos e dos invlidos. Assim o exiga a
tradico, porque os hospicios devera muito
ao poeta.
A's dez horas saio o corlejo da igreja
em direceo praca aoode fra levantado
monumento. Figaravam no cortejo tres car-
ros, representando a lypographia, a poesa
e a imprensa. De cima d'esle carros tanca-
vam-se mutos irapressos, qoe c rotribuiam
para augmentar a animaco e entbusiasmo do
povo.
Parou o cortejo ao p da estatua ; era
ali que realmente comecava a ceremonia, a
qaal foi aberta por om discurso do Sr. Vao-
Leoness, fallando na qualidade de presiden-
te da commisso central. .N'este discurso,
o Sr. Van-Lenness exprimi em termos clo-
queles todo o que se poda dizer, nao s
do poeta, mas tambem do horneo?. O Sr.
Van Lenness tinha, mais do que qualquer
oulro, o direto de tomar a palavra, por isso
que acaba de fazer ama explendida edico
das obras do hroe da festa, trabalbo em que
empregoa dez annos.
c Ao discurso do presidente da commisso
central seguio-se urna cantata. Na Hollan-
da n3o ha inaugurarlo sem cantata. A le-
tra da que saudou a estatua de Vandel era
do Sr. H. Bulger, a msica do Sr. Heioze.
Emquanto se executava a cantata correu-se
o veo que cobria aim gem do poeta, a qual
foi feila pelo Sr. LeRoyer, que representoo
o auctordo Lucifer sentado, coroadodelou-
ros, c >m penna na mo e olhar inspirado.
Em redor do pedestal vem-se a tragedia, a
salyra, a poesa lyrica, a poesa didctica.
Esiis estatuas sao de pe ira, mas a do hroe
de bronze.
c Terminada .a cantata seguiram-se di-
versos diseursus. O governo estava repre-
sentando na ceremonia pelo Sr. Heemskerk,
ministro do reino, e pelo seu collega da fa
zeoia. O Sr. Heemskerk lomou a pa'avra
para elogiar os esfoeos feitos pelo Sr. Len-
ness, para honrar a memoria do poeta e po-
pularizar as suas obras; nio se limitou po-
rma esta homenagem lisongeira, participou,
no meio de calorosos appUusos, que o pre-
sidente da commiss central estava noraea-
do commendador do Lelo rieerlandez. O Sr.
Heemskerk tambem entregou as insignias de
ommendador da Cora de Carvalho ao Sr.
Nulet de Bransvere van Steeland, presidente
da commisso das provincias belgas de Bra-
bante e de Luisburgo, e as de cavalleros da
mesma ordem aos Srs. Van Lee e Quaet, se-
cretarios. ,. .
a xerminm.. oo. cuerna com nm discur-
m ao Sr, Joors, secretario da legacao bel-
ga na Haya. _
A' noute houve representacao de gala
ro grande theatro. A peca tinha sido escrip-
ia pelo Sr. Van Lenness, e servia-lhe de the-
ma a vida de Vandel. O auctor foi muito
applaudido e chamado scena.
Assim termioou a festa da inauguracao
da estatua, que realmente foi urna festa na-
cional,
O ALDEO E 0 FIO ELECTBICO =*Ha tempOS
contou-nos um nosso amigo da villa de Man-
gualas a seguinte ancdota, presenciada por
cl:e mesmo d'uma das janellas da sua habi
FOLHETIH
OS AMORES DE POETA
Urna noiteWiU^aBurnett ( o nome do
igleij ia para snEBfia*quaado ao dobrar o
ngulo da ra aaarrado por algunsho-.
pi-Beita OienaaoMo ett ftasiioBra mensf qoe ligando-ihe os ps eJMffl^H
a^>mflmBtaK h^elicftdpJ filia fes- ponda-Ihe orna mordaca na btm o mette-
ponletraoxbmprimento. ~*" aw.m_ i rain j'uma carruagem que se fUffrto lar-
A primeira idea de Alberto foi apear-se e go trote de vigorosos cavaos.
seguM-a, porra faltou-llieo valor ; e qoando. Depois 86 urna hora de marcha parou a
depois'de reflexionar um pouco, se decida a carruagem, William descido e traospor-
fael-o, coraprebendeu que era j tarde. tado uta*, vasta salla mal allumiada por
Se llorphen nos respondesse a urna per- deas caodejas. Tirarn-lhe a mordica e um
gun,_dir-nos-ia quanem Alberto \V. nom homem qoe elle nao conliecia di/,-loe com
acontec ment, partiu logo com as suas tre-
pas nara aproveitwat enthnsiajafl^ue a
bogada do pripjl#Jfcdazia aqyjgpelia;
mas nao foi mafcjliz do que nos encoptros
precedentes; e assegura-se, que. obligado
a urna retirada precipita la, teve, par} co-
brir, defaer fogo denaetralha cootrt ami-
ges e inimigos. ^CZ|
Befere-se tambem que, n'este ataque.
ilo Dr. Riou-Kfan^aL dedico priKpjrf d
G uyanna, ah pf tremo faeR a tfiwfor-
mcSo da simples bronchite em broochite
tuberculosa, o qoe est em rela5|>- com a
marcha rpida desla doenga. NaaAnlUbas
na Guyanna as affecces tuberculosas per-
oorrem as suas eToluces multo rapidamenie
a gente moca, eraquanto que em cerlo pe-
ntodo ,d* vida, nos quareota e opeo a cin-
esias tu a fazer ? O' ha Antonio, com/rme
disseste que as noticias passavam por este
fio elstico tenho estado ha coma d'uma ho-
ra a olhar para elle, e apezar de o ver bulir
algami vez, nem pelo diabo tenho visto pas-
sar noticia alguma : l como isto se faz que
eu nSo sei 11 Cora certezi nada vs, disse.
o aldeSo, porque ludo isto movido pelo
diabo. Se tu visse a tal eoiisa l na ins-
taco, ento que eu digo que ficavas mes-
mo de boca aberta.
< Olha aquillo urna especie de roda
com duas campaohase esta roda tera urna
manivella como a do nosso sarilho, e esl
em communicaco com um fio, que vai en-
terrar-se na trra at s profundas dos in-
fernos.O hornera que estudou no livro da
taldiabrura, d a tal manivella. perguotan-
do se o diabo est desoecupado, e no caso
affirmativo d urna das campainhas o signal.
O homem ento continua a dar com ligeireza
tal manivella, pedindo alcatrao ao di >bo
maioral, o qual sem nnguem vr-Ibe minis-
tra pelo tal fio tanto quanto necessaro pa-
ra fazer mover tudo isto.
c Ah I por isse que Deus manda tantos
castigos! Pois olha Antonio, se tojas as mu-
Iheres e bomens fossem do meu genio, ha-
vamos de deixar tudo isto abaxo e quei-
mar vivo o tal tratante, que tem pacto com
o diabo.
am3r a todo OBiuGA. Ha muito tempo
que estavamos persuadidos de que tanto na
Europa como na America teem os mnibus
concorrido bastante para tornar numerosas
as estatisticas dos casamentos. Milhares de
fados nos auctorisavam para isso. e agora
veio-nos dos Estados-Unidos nma historia qoe
corda o edificio da nossa persuacao. Ahi vai
a historia.
N'uma formosa tarde de primavera, o jo-
vem Alberto W... depois de terminar o seu
trabalbo em urna casa de commercio de New-
York onde era carxeiro, metteuse u'um dos
mnibus que saem de Futton Ferro, param
esquina da ra 43a. e seguem depois at a
roa 46.a.
Prximo de St. Nicholas Hotel, urna for-
mosa rapariga, que esperava o mnibus, fez
signal ao cocheiro para fazer parar os cavaos
e sobiu para a carroagem.
Eram quatro horas da tarde, e a essa ho-
ra todos os mnibus que se dirigem para a
parte alta da cidade, vo cheios de gente,
sendo quasi tudo bomens que, fechados os
eslabelecimentos commerciaes, se retiram
para suas casas. Nem am s ausento da
carroagem ia desoecupado, e os passageiros
continuaram leudo os jornaes da larde, sem
olharem sequer para a pessoa que tiona aca-
bado de entrar.
Alberio W... levanlou-se |immediatamen-
le e cedeu o logar recemchegada, com
urna galantera, to pouco vulgar entre os
tiluos d'aquelle paiz, que nao deixoa de cha-
mar a attencao da linda miss Ketty P..., a
qnal lhe agradeceu com um comprimento
gracioso.
Havia as roaneiras de Alberto tanta deli-
cadesa e naturalidade, que a formosa Ketty
cemecou a sentir por elle urna especie de
sympathia, A seu pezar tinha fixo n'elle o
pensaraento,e doia-lhe vl-o de p e encom-
modado por causa d'ella. Por fim saiu do
mnibus nm individuo perlo de Uniqn Sa
e tfiPO"-llao a AILei'lO SOQtai-aB
loura Ketty.
Mais de urna vez se encontraram as vista
dos dois e o rosto da bella americana cobriar
se ento de vivo carmim. Alberto nao deixou
de olhar para nella um s instante, e vio cswn
pezar aproximar-se o termo da viagem
Ao passar o mnibus pela ra 3^4* a bella
miss dispunha-se o puchar a correa pana fa-
zer parar o trem, porm Alberto, qt* lhe
havia advinhadq a intencao, adautoa-se a
fdzel-o, o que loe valeu o mais doce thank
yon que se possa Imaginar.
Contristado Alberto viu-a sabir e enca-
mnharse para a ra 34a, e quasi desespe,
rava j de tornar a fitar aquelle bello rosto-
quando Ketty, que ia tambem presa do mes-
Ketsy P... poderam conciliar osomnoaquella
noita.
Quem ntf da segulnfe se dsse ao trabalho
de lr a seccSo de Pessoaes no Herald teria
encostrado o seguinte annuncio:
< mnibus da 5.a Avenida, segunda feira.
lila/*
aefroute u
POR
D. IARU AMALIA VA/. DE CARVALUD.
IX
(Continnac5o do n. 274.)
Eu ti ve sempre um odio cordidlissmo
aos \iajantes que se extasiam perante os
hroes da antigudade, e da cada canto
veem surdir a sombra de Cicero, o car-
rancudo aspecto de Cat3o, ou o phantasma
anda pretencioso daquelle celebre Bruto,
que para mim nunca passon de um trgico
em ponto grande, que representava para a
posteridade, como nos, os acanhados co-
mediantes desta poca de pygmeus, repre-
sentamos uns para os outros ; detestaves
antiquarios, que no engodo da sua admi-
rado esquecem que a patria de Scyoio e
de Fabricio tambem a patria de ero e
de Tiberio, que o povo do austero republi-
canismo o mesmo que celebrou com a em-
briaguez do entbusiasmo as monstruosas or-
gias das saturnaes; salva-me portento essa
aotipaUia salular de te contar agora, meu
Augusto, o qae eu sent e meditei naquella
noute divioa / Como para mim renasceu
o passado que seclos viv naqaellas duas
horas de poesa 1
c V. urna estava ao meo lado, e eu, que
me esqoeci no arrebatamento daquelle ins-
tante, da frieza da soa orgaoisac5o, e qoe a
sonhei o que a ootra era realmente, fallei-
lhe muito... foi o que son agora poucas
vezes... verdad ai ramete poeta !
O me lhe disse, o5o se... provavel-
mente fallei-lhe de mim. da minba vida
agitada e devastadora... da minha infancia
potica e feliz 1...
c Hoje conheco qoe fui absurdo e ridi-
culo ; naquolle momento, era orna ne-
cessidade o expandir a superabundancia do
s 4 horas da tarde. Se a senbora de ca-
bellos louros, que se mettep no mnibus ao
p de Si. Nicholas Hotel, saiu na roa 34a, e
saudou o cavalheiro que Ibe cedeu o lugar
se dgnar mandar dizer a Alberto W,,, onde
mora, far especialissimo favor a um dos
seos admiradores.
Na'quelleda o moco1 namorado foi ao-cr-
relo mais de dez vezes, porra n3o enesntroa
a resposta desejada.
No dia seguinte receben om bilbete, com
bonita lettra de mulher, qoe disia o seguinte:'
Conheco que imprudente o passo qoe-
vou dar ; porm desejosa de man fe star-1 he1
o meu agradecimento pela tteli adesa com
que me tratoa no mnibus, af roveito este
meio. Razoes que julgo inutrT expor, im-
pedem-me de lhe dizer onde moro; per-
mitto-lhe umeameote que me aecuse a re-
cepto desta carta. A direccao deve ser
esta Ketty P Statione *
Nos julgamos tambem intil dizer qae
Alberto nio se demorn muito em respon-
der ; e aproveitou raobem a licenca edesen-
volveu tanta elocuencia na sua cart9i que
entre os doos se eslabeteceo logo rani acti-
va correspondencia.
O pai de Ketty era am" rico banqoeiro; o
qual j tinha escoltad para a filha um ma-
rido que elle estimava muito porque era? r*
quitsimo. O banqueiro ria-se qnando lhe
fallawmera coracSo e dizia: Ocoracao-
o diaheiro. A infeliz Ketty n3o amava o
hornera que lhe era destinado para esposo*;
porm o pai nJo se importara com essa ni*
nbaria; para elle o ouro- era tudo.
Quando Alberto teve a certeza de queoj
amor de Ketty era igual ao seu pensou n'um
plano para supplantar o noivo pela astucia,
visto que abertemente sa tornava de todo
impossivel. S a idea de que uo> caixeiro
pudesse pretender a m3o de sua flua teria
enfureoido horrivelmeote o ricaco banqoeiro.
Suube Alberto que o pai de Kelty bavia
despedido am coebeiro, porqnese atreyeu
a pedir ugmentode ordenado; e vendo n'isto
urna opportuoidade para se iatroduzir na
manso da sua amada, sem' o participar a
esta e escotando apenas a voz de dmts me-
nino, apresentou-se ao banqiiro e pedio o
lugar.
Grac^s s boas nfonnaces-que d'eile de-
ram, fot attendida a sua pretenco.
Jslgue-se da surpreza de Ketty qcaodo vio
o amante convertido em cochetro; e esta ab-
negado de donzel, prova evidente de gran-
de amor, fez. que augmentasse o da bella
americana.
Eira fim para naV> eancarmes-os- leitores.
diremos qu a formosa Ketty que-at ento
raras vezes saia a passear s de carruagem,
coa a mudanca di* cocheiro mudoui de eos-
turne : raro era o dia em que nao da va um
paneio.
Ha pouoes dias Ba vespera d'aquel'e em
que se devia realisar o casamento forcado
de Ketty,. desappareceu a noiva, o cocheiro,
a carruagem e oo-cavallos ;. e algumas pes-
soas bem informadas asseguranv que os dois
amantes estao j anidas dg^* sagrados lacos
do m-riA><> canado noivo, nem o rigor do avarenlo
pae poderam jraais despedacap.
Dcrw e scicmjo.-Urna cortespondeneia
datada de Newport, capital do. estado de
Bhodo-Island, refere um horrivel drama que
ha pouco se passou em urna berdade per-
tencente a um inglez recenteaente chegadb
America.
Ete ingles, que apaas- con'ava 27 annos
de idade, conquistou bem, depressa o fiera*
cj de urna viuva, sua visinha, misiress*%o-
la js Wood.
Promettida em casamento a um america-
no, propriet-rio da herdade de Lady's Hou-
se, mistress Wood receben um dia urna car-
ta anonyma avisando-a de que JohnMass,
seu futuro-, tinha jurado vingar-se, d'ella.
urna voz aeicidora : Eu amo mistress
Thomas cujo corafo me acabas de roubar;
prepara-te para morrer. Assim dizjnloj
tira d| gaveta da rama mesa dois punhaes,
aprsenla um ao inglez, d duas palmadas e
apresntam-se quatro homens conduzindo
dois esquifes. Deiie-se, diz o americano.
Williara paludo de terror, n3o se atrev.: a
mover-se. A am signal do dono da casa,
dois dos homens agarrara o desgracado, me-
tem-n'o forca n'um dos caixes ao qual o
ligara, slidamente deixaodu-lhe nicamente
livres os bracos. Os outros doi desconhe-
cidos prendiam ao mesmo tenpo-ao segundo
esquife o americano.
Concluida esta ceremonia, os dois eaixoes
sao postos ao1 alto e collocado em frente
um do outro a um p de distaacia simptes-
menle, e as quatro testemunlias- reram-se
para o foodo da sala, tQuer-me assassi-
nar f exclama o infeliz William qqe cooj-
prebende finalmente o qoe quer o seu ad-
versario,Nao; mas qoero ter o praeer de
matar-te, responde' era1 tom colrico- Jobn
Mass levantando o seu punfia!, que dirige
contra1 o petto do sea* adversario.
Wllliam eseuda-se de repente com o bra-
co esqoerdo e recebe' c gol pe na' m5o. Fu-
rioso pela dr, brande pela sua vez o puntal
e fere no rosto- o antagonista.
Perto- de tres quartos de hora estiveran
os dois apunhalaodo-se, e quando as teste-
muohas, borrorisadas cora esta carnicaria,
se resolvem a iotervir, William setava o
ultimo suspiro.
Jobn Mass sobreviven duas horas a suas
fertdas. A bella vitwa, sabeod-o* resoltado
deste duello, enforcou-se.
1 Escusado* ser draer ao leitor que- n5o
acreditamos maito na-veracidade d tai- no-
ticia, e que a julgamos, como muitas cutras,
filbas do costume que tera alguns jornaes
americanos de inventar canarJ com qoe
ntretenham os seus milhares de leitores,
que segundo parecem sao facis de os eego-
'lir, d o Coixmrcio ib-Porto.
mais seguro, n5o querendo expor umifvida
que Ibes era lo preciosa. )*!
c O bey, que anda est no seu palacio de
verao, em Goulette, depois de haver reuni-
do muitoscooselbos, aos quaes chamou to-
dos os outros seus irm3os, dec;diu mandar
ao campo Sidy-Ali-fley, qas o principft he-
reditario,
Este principe parta precipitadamente
antes dehontem, 16.
t Nao se sabe se elle tera per instruccoes
tomar o commando das tropas, e fazer reti-
rar El-Z.rouk, tentando meos de concilia-
co. Era geral, deposita-se pouca confian-
ca no esito desta nusso, tanto n'um como
n'oulro caso.
c Um bey frente da revoluco, e em
posices inexpugnaveis, tob um governo qa&
seraeou a miseria e a desolac5o, des^ojaode1
todos os eidad5os, e bypotecando o rendN
mentos do estado; qae, serSo mesmo insuf-
ficientes para pagaras dividas enormes crea-
das em pouco terapo, leva a fazer puerca-
mente voto para o triumpho de SadyEl-
Aadeon, como meio de por termo a um es-
tada de cousas, que se tornou intoleravel.
Cada. f;0i

I DI
meu sentir, nisso que no meu delirio jul-
gava um coracSo de mulher i
t No fim de contas, que lhe quera eu
provar ? Que me senta cangado de ter
vivido tanto em pouco temoo l Que me
devorava a sede dos impossiveis amares!
Que para comigo era a sua missSo nobre e
sagrada I...
c Emma achou moito original tudo quan-
to eu lhe disse, comparou-me com Lara,
com Manfredo, e n3o sei com quantos mais
hroes fataes, que a memoria lhe surgi e
acabou por me pedir que a acompanhasse
ao theatro t
O theatro !... a multidao Bolicio e
mentira, no instante em que eu acabava de
inicia-la no mysterio augusto de nma alma
de poeta ; em que eu verter aos seus pos
insensivos a mais perfumada essencia do
meu coracao I...
c Creio que houve am instante em qoe
Ibe ti ve odio t...
c Depois perdcei-lhe, e perdo-lhe l E'
urna tremenda expiado a que en tenho a
cumprir !
t Sai sem lhe atteader os pedidos, puz-
me a andar, a aodar e fui sentar-me por fim
n'uma pedra de ruinas do Colysea, onde
me deixei ficar parte da noute.
. c Pareceu-me ver desenhar-se vagamente
no espaco urna forma femenina, airosa e ne-
vada, um.rosto de madoBa humanado pela
paixao, e ouvi tima voz bem minha conhe-
cida, -que murmurava em toada saudosis-
sima:
Eu entendote, pobre alma transviada l
Entendo te, e queria poder emballar-te co
mo a filho nos caeus bracos, que sao fortes
para ti I... Quera apagar o fogo que te
devora as entranhas com a sua frescura das
minbas lagrimas I Queria ioterp&r-me co-
mo escudo entre ti e a fatalidade ; fazer-te
feliz, ou morrer abracada tua cruz I...
< Se eu nao '.ivesse vergonha... mas de
que bei de te-la, Augusto ? Isto ama
confissao sincera I -.. Chorei ao ouvir
aqaella voz amorosa'e terna, e essa voz do
meu sonho,,. era a de Maria '.
Noticias de' toxis.- Escrerem d'ste
paiz:
*Um dos p.incipes toaesinos passou para
o lado dos insurgentes,, em presenca do qpe
fieoa empallidecida a estrella do Leo veri
deSaW, o f.:aaoso Acraet ElZrouck
*-0 principe e Sii^ El'-Aadwn irraio
mais novo do re; teo" oes trela annos de
idade,-de urna-figura sympatbica e manei-
ras- afaveis. Segundaaiguns faates que se
coetan, d-se4he am*intelligencia medio-
cre-
Na escandalosa qtjeet5o das<-dividas St^
dy-Et-Aadeen entroui eom urna pequea
somma justificada pelas circumstancias a
que estavam reduzidoe osirmaos do rei
Preparou-se a^sua fugav e realisoo-se se
qua livesse bavido a menor sospeita. O
pretexto da caca serw*ibe pafa-occultar a
sua ausencia na quinta^feira a..noite, mas co-
mo nao volt-.sse parv o seio da>saa fararlia
na. sexta-feir, julgourse dercr prevenir o
bey.
No dia immediate, tena-se espa'bado
a noticia da-sua faga, soube-se que tinha
sido visto era Emssasscl-Bep, edizia-se q.pe
aira daqooMe ponto se reunira urna grande
quantidade-de Arates cavatlo que enteo-
deram recoohece-!o por Dj^betia; que de-
pois de haver cortado em rauitws pontos o
fio do telegrapho,. tinha podido chegar sera
inconvenieote ao seu destino..
Este acto estebeleceu maior desorden!
no governo. t-c.-mandactologo geute aca-
nallo pvra lhe corlar o cr.miuho, e espedi-
ram-se a esse respeito ordaas ao geaarai El
Zaroncli, Essc& medidas- foram completa-
mente imitis; o principe chegou .monta-
nba, onde foi acolbido com o maior enthu-
siasmo.
Os chefes dos Dgibelia, cora tambores,
segundo o estylo, e acorapanhadoi. de nu-
merosos cavalleiros, vieram ao seu. encontr,
e depostaram aos ps do seu cavado urna
poreao de ourodis-se que cem mil pias?.
tras, a titulo de homenagem.
El-2^rok, que eslava acompanhado em
ianran-lied-Bussela, sendo prevenido d'este
* Pobre Maria ^... Ter-me-hia ella es-
quecido como eu a esqueci ?
Essa sim l Essa era urna mulher como
deve ser a musa de um poeta I
Dimanava-lhe a intolligencia do cora-
cao, dera-lhe Deus a alraa s para ma en-
te ider.
Amava a poesii como as mulberes a de-
vem amar, que toraaaoV-a como a nica
manifestado terrestre da mysteriosa e di-
vina religiao do amor t
Talento tinha ella e muito. Era cono
a luz interior que a illuminava toda, dando-
Ihe fronte paluda nao sel qoe inneffaveis
reflexos: em quanto a intelligencia de Emma
se expande em constantes pbrases de espi-
rito que produzem em mim o mesmo effeito
que as continuadas gyrandolas de um fogo
de vista............................
N'este momento entrou no quarto um
criado com urna carta na rao, q ie entregou
seu amo.
Jayme, ao ver o sobrescripto, levoa a m5o
ao peito, afiogando am grito e abri a car-
ta rpidamente.
Nos conhecemo-la ; o testamento de
afiecies, legado por Maria ao sea iogralo
poela.
Leu este a carta apressadaraente, revel-
lando apenas pela mais pronunciada pallidez
do rosto, o que o sea couteudo lhe desper-
lava de commoces; chamou o criado e den-
lhe rpidas ordens para urna viagem repen-
tina.
Quando momentos depois Jayme appare-
cla porta de casa prompto para partir,
chegou ora criado de farda com urna carta,
dizendo:da parte de miss Emma Howard,
e tem resposta.
Dize-lhe l que me nao possivel
agora escrever-Ihe, respondeu Jayme, e a
carruagem para que elle subir parti a ga-
lope.
Decididamente o poeta tinha a bossa da
inconstancia I..........
Nio o seguiremos na viagem, nem to
PbOCAS PALABRAS" SOBflE O EnGOtTSMO NA>
trae.Com esta epgraphe d o-Archivo'
Rural a seguinte noticia :
As- aves domesticas (patos, galiabas pe-
rs, ele.) que comem- em grande qaaotida-
d e por largo tempo e cootinuadaoaeate
limpadora de cenfeio esporoado, dito tam-
bem' cornudo, padecem urna ou oot^a vez
urna especie de affescSo quasi sem pro chro-
niea, verdadeiro eoTenenamento profundo e
potrido qoe- conhecida na medicina pratica
dos animaee- sob o neme de rrgotismo na-
tural:
Eis os syraptomas ejoe assignalam oriS-
narameate esta doenca:
Cabeca entontecida e pesada, crista encar-
qailhada, dilatado da popula, vertigens,
movimentos cenvalsos nos merobros poste-
riores, torpor, eneorreiaaent, duresa, fri
e cor mais oo menos vidacea das pernas^
espachftn ou mortificac*) prlncipalment!
dosps, da pooa da lingoa e-bieo-, movi-
mentos -om ta to' lolhidoo plumagem des-
bota, eaamagresimento pregressivo, e lenti-
do e fraqueza da circuag3o de sangue;
ha alterado prefooda des liquido-, como
mostra a abertora dos cadveres. A ave
conserva o appeSte, mas este sentimento
irregular, mesmo- caprichoso.
Na mar parte dos quadrupedes domsti-
cos (porco. vacca, carneiro,. ele), assim co-
mo no bemem, e ergotismo natural tam-
bem raro mas setapre mui grave.
Os efeitos ou paenomenoe morblos s3o
sknilhaotes queKee que seflianifesiam nos
volateis.
O ergosmo distingue-se-, em convulsivo
ou espasmodico, que acompanhado de es-
pasmos ou converses;. e gangrenosc ou ne
ertico, que prodoz agangrena scea. O
ultimo mais fre-jaente,
Quando urna ououtra d33tas varisdades
bem constituida, a mono quasi sempre
certa.
Para tratar esse mal, a simples observan-
cia dos bons cuidados hygevcos ste-de per
si oao- basta geralmente. E' preciso ioter-
vir com urna rcedieaco activa e racional.
Primeiro que ludo importa tirar da ra^ae
diai ia a causa occasional do accidente, isto c,2
qorq
POIJER DE MA BULLA DO PAPA.-^NaS fiph-'
merids da Union Medcale o Pr. Cbereaux
lombra o fado seguinte :-r-\9 desetembro
de 1398. Os doutores lentes da faculdade
de medicina de Paris reaniram-se para fe-
solver umi grave quesiJo. Tratarsr-se de
sjber se seu collega Jo3o de Marles, qae ti-
nha a desgraca ou a fortuna de ser casado,
sera, contra os estatutos, admittido a rwger
cadeira. O bom do medico tomou as suas
medidas, e no dia da sessSo apresentou-se
munido de urna bulla do papa. ae 'ne cmt'
cedia aqoetfa grafa. A facldade corVon-se
diante de om tal documento.
_
Influencia va illuminaco sortne- 09 cos-
tumes.Ha madaneas de uses que passam
desapercebidas aos olhos do observador, e
que sem embargo tem sobre os aossos- coa-
tumes urna influencia de-isiva : deste na
iaero o augmento da Hluminaco fias prin-
cipaes cidades da Europa. Por causa disso
tom-se introducido' lo grandes mudaocas'
nos nossos hbitos e costme?, qoe nao-vira
lora de proposito e- apresentarracs aqui ere--
soltado d um exame que sappamus ter sido
conscieacioso.
Se podessem sahir' dos seos tomlos, que
diriam os nossos pas ao ver-nos circular r
meia noite pelas ras e pracaa ? Julgariam
:;em duvida os bons cidados que os seus
natos tinbam encontrado ontro sol para sub-
stkuir Fobo, diz a Ga&ta'de Portugal-
Cerlamente, dirthes-hiamos, tendea
pensado bem; nao vivemos da-mesma ma-
neira, nem s mesmas- horas qoe vos vi-
vieis, o sol, esse antigaalba, qoe- taV> ado-
ravei de dia, nao presenceia seno urna
pequea parte de nossa- aeces; designa-
mos para viver e gos ir ae horas em que a
noite v brilhar" os milhares de candieiros.
Ha pessoas cae s por acaso tem visto
nascer e por o sol: sao serprendidas por
elle quando se deitam ; recebem-lbe-as des-
pedidas- quaado se levantara da ca*. Es-
sas consideram-no quasi unttdnHtihdade, e
se nao (ora precise- para a vegetatao-passa-
riam bem sem ette.
Os nossos a vs; ao ou vivera estas pata-
vras, voHariam a encerrar-se oes sepuWires
> imagir:'.riam qoe- as cidades esiao habita-
las por necromantieos.
Os homens da idade media eran* multe
sflfeicoadas ao sol; elles, coma- os ds-tera-
pos primitivos, celabravam as suas fastas no
vero. E .que lhe* soccederiavranda-Deas,
> elles, que nao sbeos em que dwertip-se, se
depois de-cruel interno e com as prkMfrM
lrea naoviesse um sol resplaodecente inunv
dar cora es seus raios- vivificativo, a f^ce vene-
ravel dos-templos a-refledir nos vidioe das
anellas ? No seu tempo os rais-e as raiohas
recem-caaadas, os- principes tnumphantes,
nao esperavam s-portas de-Paris, que um
sol formoso viesse brilhar sobre hordas du-
ras e ouiros adoraos para faserem a soa es-
trada na cidade ? Sem um tal rudimento
era impossivel fazar-se orna, grande-procis-
?.o que dava nait voltas pelas ras,, e pas-
sava por- muitas igrejas e cujas terrea se
eecarpiavam desalmados sineiros que ba-
alejavam-hymnos-airoadorss. E para en-
tornar oo queimar: um herege ou am advi-
nho nc espera van tambe por asa-dia bo-
nito ?
granea esporoada. substancia esseocialmea- Na idade .media, depois do sol posto, ces-
pouco tentarei eu descrever e classificar o
qoe 3le senlio durante esse tempo.
Ha na vida horas, que ainguem sonda, e
ninguem queira sondar l Basta diaer que
no arrebatado jorrar do pensrnoslos, que
Ibe eaxameiavam no cerebros havia infernos,
que expiassera nao s os seus passados,
prazeres mas tambem os tormentes da sua
amante !
Por muito mais que elle tivesse a viver,
por muito nctar que elle podesse anda
sugar no pomo da felicidado humana, eram
aquellas angustias que para sempre lem-
bram, especros que surgem em todos os
banquetes da existencia, gellando os risos e
emmorchecendo as flores !
Uns diriam ; foi expiado Ea direi :
foi mais urna agona........
Se eu creio na fatalidads que persegue
certos entes I........................
Ai t o outono 1 estaco das tristezas I su-
dario de saudosissiraa melancola t Adeus
mansamente murmurado pela natureza aos
seus primores!
Quera ha ahi que nao ame o outono ? qoe
n3o escute embevecido os tristes echos da
sua voz, solucos de juvenil moribundo !...
cahir corapassado de seccas folbas i... vago
segredar de aragens fras t... pos melan-
clicos de avezinhas sem ninho I ....
Ea sempre o araei I... Pequeaiaa, se-
guia-lhe no co as nveos pardaceutas, no
sen formar de phantasticas sombras, e lem-
bravam-me as almas errantes a vagarera no
e-paco, sem descanco, de que me fallavam
os contos infantis I
Ainda hoje, quando olbo o co do ou-
tono, sinto ama indeGnlvel tristeza.a pran-
te ir me dentro d'alma, tenho ainda o mes-
mo terror indistincto ao seu lento desfilar
de phantasmas, to outro diqaellas vapo-
rosas nuvens brincas purpureas e doaradas,
com quena primavera o firmamento se en-
feita, e que se nos afiguram barcos de ouro
j esmaltad js de perolas e rubis, one os aa-
jginbos eraballara sea placido dormir!,..
te toxica e de aeco raanifestamenle lenta.
Depois eliminar o venano suspendendo ou
misturando, com a agua Jostmada para a
oeDiuaquotiiana, medicamentos purgan-
tes (aloes ou sulphato de soda) ou diurti-
cos-(nitro oacremor trtaro soluvel) era pe
qizenissima Jos, e, com as papiengas ou
caldos papacentos alimentares, yo de. valeria-
na, para remediar as- desordena nervosas.
As com^licaces ou chagas gangrenosas
sssas deveai ser curadas ao mesmo terapo
segundo as indicaces; recommenda-se so-
bretodo a caulerisacao com a.soluco aturai-
nosa phenica, ou aramoniaco liquido.
Frecuencia da piithisioa. pulxscmar na
guyanna fraxceza. Segundo o relatorio
Era por om formoso dia desetembro.
A aldeia trajava as suas galas, dotaiogosi-
ras; a capellinha branca, quoficavaao fim
de urna alameda da quinta, ostenlava orna
luxuosa profaso de te2.es, de alampadas- de
prata o de vestimentas doaradas j as ras
estavam seraeadas de bnxo e folbas de rosa;
tudo sorria com appareneia de festa t
Era o dia do casamento da fidalga.
Maria estava do- sea gabinete j vestida,
mas encostada n'um divn, e como arque-
jante de cancasso.
Ficavam-lbe a matar as gallas ranches ;
mas, embora Ibe coroasse o virginal emble-
ma a airosa cabeca, mais a juJgarieis urna
dessas apparices de alm tmulo, de que
fallara as legendas do Rbeoo, que noiva
preparada para realisar perto do altar o de-
sejo mais charo de urna alma de vin'.e annos*
Fra, durante quinze dias, a sua vida,
febre com rarissimos momentos de lucidez 1
sostivera-a o inebriante philiro que se cha-
ma esperang* I Os inf-ir ionios- supremos
teem isto de bom consigo ; sao taes que
nem a gente chega a acreditar nelles i es-
pera-se Ibes o termo de urna hora para a
outra, como o de am tremendo pesadello I
Maria nao acreditara at ento na con-
sommacao do seu atroz sacrificio I
Sublime cousa a fe t... borda do
abysmo sustinha-a... imaginera o que...
am preseotimento f................
Urna criada entrn dizendo : O' me-
nina, j todos l esto soa espera, quer
vir j ?
Meu Deas, Thereza, estoa meio mor-
ta ; n3o sei o que te.-.ho, espera am boca-
dinho.
A criada aproximoa-se della, como para
ampara-la. e ficoa muda de pasmo ao ver-
lhe a lividez cadavrica das faces.
Por algara tempo conservaram-se as duas
mulberes em silencio, s interrompido pelos
jubilosos sons do sino da capaila.
Eis qaanlo ao longe, muito ao longe co-
mecou a sentir-se o vertiginoso glope de
una ravallQ,
sava a vi-da activa, a vida aoimada ;. cada um
rocolbla-se ao 3eio da soa familia, eotrin-
cheirava-se na sua chamin, e^ depois da
ceia. Ua o que-sabia ley, ou cor.iava histo-
rias dos temgos antigos. Que apocha foi
mais fecunda em comes extraordinarios, em
leudas maraviihosas, d que a idade media ?
At o secute XVI Paris era intransitavel
noite: estava escura, triste e nao havia-
segaranca individual. ?
Em 1533. foi nocaeado um: logar-tenentt
tritninal encarregado de fazer cumprir a lei,.
qoe ordenawi que todos os. habitantes tivesr
sera porta urna lantern apara se preserva-
rem dos aunes dos maife;lores.

(Continuar se 1*.)
Caso de vida ou de morle. devia ser o
que aisra irapellia o cavalleiro na deliraate
corrida de .Mazeppa t
Maria ergueu um-olhar entre esperanzo-
so s aterrado para a sua criada, e esta, na
rapidez curiosa que o atiriba'o do sexo,
correu janella, e deitando am olhar para
o cavalleiro, que naqoelle momento entrava
pelo pateo, exclamou. bateado as palmas:
Olhe, menina, o senhor Jayme de
Vilhena. Como elle acertou com o da I
Um brado angustioso e estrangulado oi
a resposta, e Thereza, louca de espanto,
cabio de joelhos aos ps de Maria, que. se
prostrra sobre o divn, coberta de sangue
que lhe rebentou pela boca era borbotos.
Valba-me Nossa Seohora, gritaba a
aitribulada rapariga : acudam, acudam aqui
era nome de Deus, qae a menina esi a
morrer!
Aos gritos estridentes de Thereza, entrou
D. Nuno no quarto.
O que depois se seguiu foi urna scena de
indescriptivftl confusao.
O velbo fidalgo solucava de angustia e re*
morsos, segurando nos bracos a forma ina-
nimada de sua filha. Gustavo deslaza-se
'
i

em clara-rosas exclaraaces de espanto, e
Jayme, qoe ninguein sospeitava de ter sido
o causador da catastrophe, contemplava esta
scena hirto, lvido e mudo orno am phan^
tasraa.
Ernesto, o aolcb qae conservava presen-
ta d'espinto, procurava por todos os meos
trazer vida sua pobre irmaa.
Filba... minha filha... solucava D. Nu-
no, falla comigo... falla comigo, pomba da
minb'alma... lu nao ests mora ?... nao
verdade, filha? tu conbeces o leu pai...
vaes dizer-lh'o j... raes dizer-lh'o, se n5o
queres que elle morra !... Ea fiz-te pade-
cer maito, Maria.. mas agora prometi fa-
zer o que ta quizares... ninguera mais te
ha de contrariar... Mas vive.,. mas acor-
da, .. Ento ? enti), nao me ouvas ?.
(Continuar-se-ha.) \
fTTTDrj AHl6-HA bAS tifft&t k U l
Shfeas
\h


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EZKZ6E5LQ_93THRR INGEST_TIME 2013-09-04T22:29:54Z PACKAGE AA00011611_11434
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES