Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11432


This item is only available as the following downloads:


Full Text
<'**
ANNO XLUI. NUMERO 275* > *
-

ivmi a cipinii s iiiim u.\ue fl .vio paca pOhte,
Por tres aes adiaalados.,. ...-........?
Per seis ditos idea.. .i
Por uji aaao ida a.. .1
(uii numerojarais* .] .
1 J .7
.1 -.1 .1
J .:

.! .: ... rt) ;i -n r.i .? tf *
.1 .1 i VS .71 na rss en c s v
6,5000
124000
244000
sao

-
'8EXTA FEIRA 29 DE NOVEMBRO DE 1867.
i PAMA UK.MUO ttlIA DA PROVINCIA.
P*r Ires meaos adiaitadw.. ... ,. ,. r. ,, ,. ,. r, r.
Par seis dit*. dem...............................;;
P*r MN dito litm.................................
Por Hm auno dem., a......, ,...................
64751
184500
264260
274000
AMalHUHSl im VKMMHM6 IN> 18CI&111PV0&B0 ID1 mUOTH millimWa QMS AMA MHfclBM* 8113 IPMMIKISaxMDS,
lENCARREGADOS DA SUBSGRIPgAO.
Parahyba, o Sr. Amonio Alexandrino de Lima;
Natal, o Sr. Amonio Marques da Silva ;Araeaty,
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. Joaquim
os de Oliveira ; Para, os Srs. Gerardo Antonio
Alves <& Pilhes ; Amazonas, o Sr. Jeronymo da
Costa; Alagoas.o Sr. Franrino lavares da Costa;
Baha, o Sr. Jos Marlins Alves: Rio de Janeiro,
Sr. Jos Rlbeiro Gasparinbo.
PARTIDA DOS ^TAPETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estages da va frrea at
Agua Preta, todos os das.
Igaarass e Goyanna as segunda? e sextas feiras.
Santo Anto, Grvala, Bezerros, Bonito. Caruar,
Altinbo, Garanhuns, Buique, S. Bento, Bora Coa-
selho, Aguas Bellas e Tacarat, as tergas-feiras.
Pao d'Alho, Nazarotb, Liraoeiro, Brejo, Pesqaeira,
Isgazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa-Vis-
ta, Ouricury.Salgueiro e Ex, oas qnartas feiras
\ Serlnhaem, Rio Pormoso, Tamandar, Una, Bar
reros, Agua Preta e Pimenteiras, as quintas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio : segundas e quintas
Helago : tercas e sbados s 10 horas.
Faxenda: quintas s O horas.
Julzo do commercio : segundas as 11 horas.
Dito de orpbos : terc*s sextas s 10 horas.
Primeira vara do civei: tercas e sextas ao meio
dia.
Segunda vara do clvel : quartas e sabbades
1 acra da tarde.
EPHEMERIDE3 DO MEZ DE NOVEMBRO.
4 Quartocresc. as II h. e 35 ro. da m.
II La cheia as 10 h. e 17 m. da t.
18 Quarto ming. as 2 h. 14 ro. da t.
20 La nova as 2 b. e 19 m. d m.
DAS DA SEMANA.
55 Segunda. S. Catharioa v. m., S. Mercurio m.
56 Tr-rca. S. Prdro Alexandrino b. m.
57 Quaria. S. Margarida de Saboa v.,Si Acacio m
28 Quinta. S. Jac b da Marca f. S. Soslbenes b.
59 Sexta. S. Saturnino m S. Iliumioata v.
30 Sabbado. S. Andr ap.. S. Troyano p.
1 Domingo. S. Nantum prot, S. Eloy b.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 4. horas e 30 m. da tardo.
Segunda as 4 boras e 54 minutos da manha.
PARTIDA DOS VAPORES CObTEIROS.
Para o sal at Alagoas a 14 e 30; para o noru
at a Granja a 15 e 30 de cada mex; para Fer-
nando nos das 14 dos mezes Janeiro, marco, naaio
juiho, setembro e novembro.
PARTE OFFICIaL
UlMMiRIO Di tlURRl.
go, que se poz logo em completa retirada para
soas trinebeiras.
c Depois de postas em movimento estas forjas,
mandei fazer alguus tiros de bomba contra as
trinebeiras Inimigas deste lado, e dispuz as nossas
(oreas de modo que o inimigo suppoiesse por al-
gu'ii lempo que eu me dispunba a ataca-lo.
< O visconde de Porte Alegre anda me nao en-
vin a parte oficial do corob'te ; mas em urna
caria que me escreveu, momentos depois d'elle
concluido, deu-me eslas intorroages. Calculo as
nossas perdas no combate de 3, em cerca de 60J
O Sr. ministro da guerra receben aote-bontem
do Sr. general marquez de Caxias a seguiote
carta :
Toyn-Cu, 4 de novembro de 1867.
No dia 26 de ootobro Ando fiz marchar uro
arpo de cavallarla. s ordens do coronel de tuar-, bemens," enire morios e feridos.'e at prisloneiros,
das-nacicnaes Gamillo Mercio Perelra, e ordenei-; pois que dos artilbeiros do quarto corpo, qne guar-
Ihe qne se internasse pelo Paraguay, com direcgo j neclam nm dos reductos onde estiveram os Para-
a Laurelles, passando por Pedro Gongalves. pois j guayos, nao apparecem senao 10 mortos, o que
consiava-roe qne por essas immediages vagavam ; faz crer terem sido os mais levados prisioneiros.
partidas inimigas, que incommodavam a retagnar-1 O movimento que Lpez emprebendeu contra
da do uosso exercito ; e Ibe recommendei que pro-, nossa base de eperoges, nao pode ser considerado
corasse bater essas pariidas, bem como reunir todo coma pensaroentu estratgico, pois elle bem sabia
o gado a eavalbada qoe encontrare. que nao poda bter as tropas que all deixei; e
Logo no dia 27, na altara de Ibarra, 14 le- j ooesmo quando isso podesse acontecer, nem quatro
goas a'aqul distante, encontrou elle orna partida horas eu o deixaria a Mi permanecer. Sea fin anteo
de 40 bomens, commandada por um capillo para- i foi dar anda signal de vida, e ver se me obrlgava
goayo de nome Salinas, a qoal fez atacar e derro- a concentrar mais a minba direita, desoccopanda
INTERIOR
com
ur, roatando-lhe dous hmeos, fazendo-lhe 16 pri
sloneiros, e tomando 33 cavados ensilbados.
< Tendo se, porm, encaminhado os fogttives na
direcgo de Laurelles, sendo natural que avi.~a-se.rn
as oolras pariidas daquelle lado, da estada d'elle
naqoella altara, contramarchoa o mesmo coronel
com a (orea que levava. e recolben-se ao acampa-
mento, condazindo os prisioneiros, carados, armas
e algum gado qoe enconlron.
c No mesmo dia 27 reconheci a necessidade de
mandar ama columna das tres armas, eompost de
2,000 bomens de cavallaria e de 2,400 de inlanta-
ria e ariilharia, com 4 canbSes de campanba, ao
riuco Ovelha e villa do Pilar, com o fim de bater
as (creas inimigas que por alli estavam, e oceu-
i>ar barranca do rio Paraguay, no ponto de Tayi,
vedando asslm a communicago de Humada' com
a Assnropco e Interior do paiz.
A 28 marebon o brlgadeiro Joo Manoel Men-
ea Brrelo a' testa da columna expedicionaria, le-
vando as instruccoes qoe remedo a' V. Exc. por
copia.
c Esse brlgadeiro desempenhon peritamente
o qne Ibe foi determinado; e tendo encontrado, na
entrada do rineo Ovelha, nm batalbao inimigo
forteroente entnncbelrado, atrs de tres orden- de
fossos e parapeitos, o atacoa e derrotoa depois de
tres horas de renhido combate, roatando-lhe 80 ho-
snens, aprisionando 56, e dispersando o resto pelos
matos e bandados. Alm disto apprehendea 6 car-
retas, 1 carrelilba, 200 armas, 1,500 bois e 20 ca-
vados.
< Nos (vemos de lamentar a morte de 76 dos
nossns bravos, entre elles 9 offlciae?; licando feri-
des 273, entre estes 18 offlciaes. Foi de certo este
combate muito mais sanguinolento do qne pareca
dever ser, por motivo da posico que o iniroigo
oceupava, em urna picada de mato virgen, ce m os
dous Cancos apoiades ero banbadas quasi invadea
veis, que os nossos liveram de atravessar debaixo
de fpgo. com agua al o pescoco.
< En (ui pessoalmente reoonbecer a posigio de-
pois da lomada, para poder bem avadar as difflcul-
-dades qne tiveram nossas tropas de vencer.
c Dorante o combate deo-se nm episodio digoo
de n>tar-se ; quando nossis tropas avaocavam on-
tbusiasmadas, danio vivas ao Impe-ador, o porta-
band^ira do segondo batalho de inlantaria, alfa-
res Joo Antonio de Sinza Costa, adiaolou-se e lio-
coa a bandeira do batalho sobre o muro da trin-
cheira ; mas, estando anda rsta ocenpada pelo
iDimign, nm Paraguayo a qaiz tomar : o alteres a
deendia. luanlo com elle, quando (oi morto por
urna bala. Ento o teneote do mesmo batalho
Joo Barbosa Cordeiro Feltosa, que eslava prximo,
matou o Paraguayo, que ja' a tinba era seu poder,
e a guardn at o fin do combate, nao obstante
ler sido nessa occasio (erido.
Cnmmandou a divisao de cavailaria o bnga
deiro Andrade Neves, a inlantaria o coronel Salns-
tiano JtToeymo dos Res, a batera de ariilharia
o capito Joo Thomaz Goncalves ;_a estes, assim
como aos eommandaotes dos batalho^s de inlanta-
ria, faz o brigadeiro Menna Ba-reto os msiores
elogios.
< Depois de ter sido executada a primeira parte
da commisso de que foi eocarregado o btigadeiro,
ordeoei Ihe qu> cumprisse a segunda, e se m n11 -
vesse naquella importante posigo al nova orden),
fazendo retirar o grosso da forga mais a retaguar-
da, para lugar onde .os tiros de dous vapores que
crazavam no ro Paraguay, nao o offendessem ; e
que mandassem fazer fogos na margen) do rio, e
mesmo codocar algans coaros e carretas velhas
qne la' havla, a ti.ti de Iludir o inimigo e obriga lo
a dirigir para esse ponto os seas ti-os intilmente,
tendo nos a vantagem de Qcar conhecendo o alcan-
ce de soa artilhar'a.
c Tendo tido lugar o combate, que refer, no dia
29 de manha. levaram coro effeilo os dous vapores
toda a noite seguinte a fazer tiros de ariilharia .-em
proveito para elle e menos prejuizo nosso ; mas
vendo que nao eram respondidas, retiraram-se
para Humada', d'aade voltaram no dia Io do cor-
ren'.e a' noite, com mais outro, todos carregados de
tropa qne desembarcou no Tayi.
Logo que esta noticia chegon ao meu conbeci*
ment, ordtoei ao brigadeiro Menna Barreto qne
atacasse o Inimigo a' baiooeta, com todo o vigor, e
que o fizesse evacuar o ponto de Tayi.
c No dia 2, ao raiar da aurora, foi cumprida
esta ordem com toda a exactido e valor; pois em
menos de duas boras estavamos senhor da poslgo
sem cnstar-nos nem nm cartucho ; e os dous bata-
ibSes paraguayos que alli lioham de-embarcado na
?espera, completamente destruidos, deixando 500
mortos no campo, entre estes os dous offlciaes que
os commaodavam, alm da 60 prisioneiros. Os
restantes langaram-se ao rio Paraguay, onde mor-
reras, afogados uns, e a tiro outros que os nos-
sos soldados fnsihvam da barranca.
j O brigadeiro fez collocar as 4 pegas de calibre
4, que tinba a sua disposigo, na barranca do rio, e
com ell 'S fez metter a pique um dos tres vapore-,
incendiar oatro e fuglr o terceiro ja' muito arrui-
nado, pois s mova com muita difBculdade urna
das rodas.
c No da 3, vendse Lpez completamente sitia-
do, perdidos seos melos de commuoicago com a
capital pelo rio, e destruidos seus vapores, tentou
o n ataque desesperado contra a nossa base de
operagdes; e atacando, ao romper do dia, a direi-
ta da nossa linba de Tuyuty com seis a sete mil
bomens, sendo cinco de inlantaria, e mil de ca-
vallaria, apenas consegua necupar o reducto avan-
zado da extrema direita da dita liona, que era
guarnecida por 200 bumens do exercito argentino
e algons artilbeiros nossos commandados peto ma-
jor Caoba Mattos. E penetrando por abi (ol at o
centro do nosso acampamento d'onde foi repellido,
d pois de 4 boras de combate com as nossas (or-
eas, pertencentes ao segundo corpa do exercio
que guarnecem aquelle ponto, deixando 1.500
morto* e prisioneiros, armamento consideravel, etc.
levando anda crescido numero de fendas, e sen-
do lh-s retomadas duas pegas que tiraram de um
dos reductos e que teatavam conduzir.
No mesmo momento em que percebi d'aqnl o
movimento do inimigo, oavindo os primeiros Uros,
maodel sem hesitar nma diviso de cavallaria e
ontra de inlantaria, com om batalho de artilba-
ri, a's ordena do brigadeiro Victorino, orrer em
auxilio do segando corpo do exercito. isa (ore,
nrr-la a urna diviso de cavallaria argentina de 800
nimens, que o general Mitro manJ u tambem
marchar, coo>eguio chegar muito a lempo de aju-
iu o aegnuio corpo da exercito a repelr o iBlmi-
o ponto de Tayi, que sem duvida o de maior ira
porlancia para o estreitamenlo do sitio.
Nao mandei oceupar deQnitivamoote o Pilar,
por duas raz5es : por nao estender mais a minba
liona, en(raquecendo-a demasiadamente, e por nao
ser ponto militar, nem ter importancia, desde que
o Tayi esteja ocenpado e fortificado.
< Tenbo concedido postos a alguns offlciaes qne
se leem distinguido no campo da batalba : por
exemplo, ao capito de artilbatia montada Jos
Thomaz Theodoro Googalves, que com 4 pegas de
pequeo calibre, consegoio, em 3 boras de activo
logo, metter a pique um vapor de guerra artllhado
com pegas de 24 e caronadas de 30, inceodlar ou-
tro de igual forga, com suas granadas e arruinar o
terceiro, a ponto de fazer fogir rio abaixo I
N'j dia di tomada da trincbelra de rioco Ove-
lha tive o desgosto de perder nm dos mais valeotes
ebefes de cavallaria dos que tinbamos no exercito :
o coronel da guarda nacional do Rio Grande do
Sul Manoel Rodrigues de Oliveira, mais eonhecido
por Mandnca Rodrigues, foi para o combate, Ja'
doente, fallecendo, poucas boras depois delta con-
cluido, de urna apoplexia, segundo declamara os
cirurgioes qoe procedern a autopsia no ca-
dver.
< O general Mitre, por occasio dos trlomphos
que obllveram os nossos soldados nos das 29 do
passado e 2 do corrente, proenrou-me, em grande
uniforme, para dar-me os parabens, dizendo-me
muitas cousas lisongeiras sobre o estado do exer-
cito brasileiro e a direcgo que tenbo dado as ope-
raco.-s, qoe ltimamente tenho mandado pra-
ticar.
< Opportonamenle enviare! a V. Etc. as ordens
do dia qoe tratam dos combates navidos at boje,
com os nomes que mais merecem do governo im-
perial, j
i No combate de bontem, o visconde de Porto
Alegre perdto nm cavado e flcou ligeiramente con-
tuso ; o brigadeiro Jos Luiz Menna Barreto foi
(erido gravemente, assim como o coronel Francis-
co Gomes de Freitas e outros offlciaes, coja falta
muito lamento. Como, porm, o Paraguayos tu-
rara completamente derrotados e muio disimados,
sirva-nos isto de compensago.
< Felizmente meus Ineommodos de saude nao se
teem aggravad*, e tenbo sempre podido montar a
cavado.
Rio de Janeiro
16 de novembro de 4867.
Entrn bontem o transporte Mareilio Dias,
folbas do Rio da Prata at 10 do correte.
Do Iheatro da guerra temos agora partes offl-
ciaes e correspondencias um tanta detalbadas so-
bre os successos dos nltimosdias de que ja' demos
noticia.
A respelto do ataque do potrero Ovelba, temos
a seguiste parte offlclal do Sr. marquez de Caxias
lllm. e Exm. Sr.Apresso-me em levar ao co-
nhecimenlo de V. Exc. a parte do brigadeiro Joo
Manrel Menna Barreto, qoe oeste momento acabo
de receber e que segundo minbas ordens e inst uc
ges devia atacar Tayi com as torgas expediciona-
rias sob seo commando.
Por escaldes sobre as fortifleagoes que nos tinha
tomado o inimigo, conseguindo por flm fazer Ibes
abandonar a poslgo.
< Dalli emprebendeu o inimigo a sua retirada,
persegaiodo-o tenazmente a nossa cavallaria, a tu
do o que coneorraram tambem o brigadeiro Victo-
general visconde de Porto
Sr. ministro da guerra, em
, velo acompanhada da se-
corpodo exercito,
de novembro da
.----------------------------- -( kwwbvnwiaiu lauunu v/ uiianuviiu i i""*"
uispostas em linhas paraladas, reforgadas por (rio com a forga do seo commando, nm esquadro
tres columnas de ataque, orna na direita, ontra no das forgas do Sr. visconde de Porto Alegre, que fo-
centro e a oltima na esqnerda, carregararo baio j ram dos que derarn as primeiras e vigorosas car-
neta e com a maior intrepidez avangararo sobre o gar sobre o inlroigj ; assim como o coronel D. Ni-
entrmcheiramento qoe o inimigo com incrivel ce- eolio Ocampos, qne se me ncerporou cora as for-
lendade havla levantado all; nao s o tcmararo gas do seu commando, e o coronel D. Frederico G.
como o flzfram sem disparar ora tiro, derrotaran, Baez com a legio paraguaya de cavallaria.
completamente dous baialhSes de in(antaria inimi- Na carga ao reducto, o major D. Florencio Ro-
s ras. ,es,""",r *b,!p""'"'"", &%"'KSBaffiSjtfJSB sr r aaaeftaassau:
slleiras em operagSes contra o governo do Para
guay.
f Quarte'-general emTuyuCu, 1 de novembro
de 1867. '
' lllm. e Exm. Sr. Levo ao conbeeimento de
V. Exc. que segundo acaba de participa me por
escriplo o brigadeiro Joao Manoel Menna Barre-
to, encarregado por mim da commisso de qne V. strVgada
f.S*T, VC'a' KST ea n"rcb* D "7.S: E'- aR"davel transmittir a V. Exc. noticias
di ,rr JLP*r-M PrX"D tmNLSS 8o Ml'httorias para a jost causa que deeude
da forga expedicciooarla, composu dos batalbes mnq ^._, ...-. \ k.i.^.,
muitos Paraguayos que escapando com vida do
combate se arrojaram das barrancas:
Nossa ariilharia de calibre 4 den tiros tao cer-
leirns contra tres vapores qne estavam em (rente
de Tayi, qoe sem duvida bavlam servido para con-
duzir as forgas, que nm delles (oi a pique, outro
Incendiado, e o terceiro flcou com ama das rodas
1, 2, 7,8 e 9 de infamara de linba, 23 e 24 de vo
luntanos da patria, 4 pegas de artillarla. 50 sapa
dores e a 1' e 2' diviso de ea vallarla, ebegando
ao ponto do arroio Fundo, onde deixou os carpos
da uitixa das referidas divisdes da cavallaria, para
guardar aquella posigo, e por conseqoencla a re-
taguarda da forga expedicionaria.
< Que continuando soa marcha ao approximar-
se do potrero Ovelba receben parte da vaogaarda
de que avistava nma linba de atiradores, parecen-
do ser tambem vanguarda do forga superior, or-
denando enta que seos atiradores avangassem
protegidos pelos 1* e 3* reglnentos de cavallaria,
seguindo-os com o grosso da columna.
< Havia marchado meia legua poaco mais on
menos quando o coronel Manoel d? Olivera Bae
no, encarregado de observar os movimentos do
Inimigo, mandn participar acbar-se em poslgo
no bosqoete de nma picada, reconbeeendo depois
da aegao que alli havia nm desflladeiro com 70
palmos de largura, nm fosso antl-fusso cora 15
palmos de largo e 9 de profuodidade, estando um
flanco apoiado pelo monte da esqnerda, por banha-
dos cobertos de abatizes, a' direita, bavendo na
frente urna estreita e profunda lagda.
Ento ordenon o referido brigadeiro que a van
mos, tanto mais quanto me assegura o brigadeiro
Menna Barrlo que a nossa perda nao excedeu a
30 bomens (ora de combate.
Deas gaarde a V. Exc.-Mrquez de Caxias.
Ao lllm. e Exm. Sr. general D. Bartbolomeu
Mitre. .
O general Mitre, em urna carta particular ao vi-
ce presidente da repblica observa que o empenbo
com que os Paraguayos procuraran) obstar a oc-
cnpacao deste ponto pelas forgas adiadas prova a
sua importancia, pelo que ser sustentado perma-
nentemente.
Sobre o ataque do nosso acampamento de Tuy
ty pelos Paraguayos temos as segotntes parles of-
flciaes :
i Carla da general em ebefe sobre o triumpho em
Toyuty.
I i Quartel-general Tuy Cu, 4 de novembro do
1867.
I Exra. sr. vice-presldente da repblica Dr. D.
Marcos Par.
Temos noticia que amanha sabir talvez o
Uruguay de Corrientes, e escrevo-lhe esta para
commnniear-lbe os ltimos e importantes sucees-
i ses que tem tido logar posteriormente mlnba ul-
I tima carta.
Depois do desastre da Tayi, Lpez quit sem
er-fir. rraSSfcc aiRM^.-.
empreza que Ihe (echa as suas communlcagoes
Urna carta do Sr.
Alegre, escripia ao
data de 5 do corren!
guinte:
Nota dos offlciaes e pragas ds 2
mortos e (eridos no dia 3
1867.
Morios.
Offlciaes sepultados 8
Pragas idem...... 205
13
Feriaos.
Offlciaes......... 54
Pragas........... 233
587
Diogo Alves Ferraz, secretario militar do 2* cor-
po do exer.-ito.
Segundo a mesma cana, esta foi a parda que ti-
vemos no ataque do dia 3 de novembro alm de
256 extraviados.
O inimigo atacando as trincbAiras de Tuyuty,
procuran, como seu ponto objectva, o grande po-
lygooo que oceupa o centro do campo emrinchei-
rado, onde, alm do qnartel general do commando
superior do 2 corpo do exercito, existem o hospi-
tal denominadoCentrale um deposito de artigos
bellicos e guarnecida de 7 canboes La Hitte de
12, 6 do mesmo systema de 4 e 1 canbo obuz de
4 >, pol legadas.
Abi se concentrou o general visconde de Porto
Alegre com toda a forga que se pdJe reunir em
numero de cerca de 2,000 bomens pouco mais ou
meaos, porque, dos 16 batalh5es que tinba o 2
corpo do exercito, tres guarneciam a extrema es-
qnerda da linba avangada, dous o centro da mesma
iioha, tres e tres corpos de cavallaria tinham sabi-
do, na forma do costme, a proteger o comboy, a
urna legua para a direita di acampamento, e dous
haviam ido na vespera do ataque por ordem de ge-
neral marquez de Caiias para Tuyu-Cn. Apenas
restavam seis batalhdes, com os quaes se conseguio
nao s repellir o ataque que fizeram aquella posi-
go central, onde alguns paraguayos conseguiram
entrar, pagando com as vidas o seu arrojo, como
lvalos de vencida at p-los fra do entrincheira-
meolo avangado, isto s 9 boras da manha, quan-
do ebegavam as forgas que viobam viBdo de Tuyu-
Cu, Brasileirns e Argentinos incorporando se na
mesma occasio a forgs que havia destacado para
salvar o comboy que pouco prejuizo soffreu, nao
s pela preseuga dest forga, como pela approxi-
raago da que vloba de Tuyu-Cu que nao Ibe den
tempo para delle se apoderaren).
Para complemento destas noticias publicamos
tambem os seguintes documentos :
Nota dos Paraguayos mortos e prisioneiros no com-
bate do da 3 de novembro de 1867.
JMorfos.
Offlciaes sepultados 78
Pragas dem...... 1441
1519
Faltando ainda sepultar mais de 80J eorpos exis-
tentes no Palmar, margeos do Estero e Toyuty.
Prionros.
Saos, qae esto na guarda do exercito 13
Faridos, no hospital............... 142
155
Diogo Alvez Perra;, secretario militar do 2* cor-
po do exercito.
Relago dos corpos paraguayes que atacaram o
acampamento de Tuyuty na madrugada de 3 de
novembro de 1867.
Batalbes de iofantaria 14 : ns. 1 (vindo de Hu-
mada'), 3, 6 (tndo de Humada'), 8, 9, 11, 13, 18,
19, 20, 27, :ii, 38, 40 ( batalho de Lpez, 900
pragas.)
Carpos de cavallaria 5 : ns. 2, 8, 9, 10, e 20.
Dl.-'go Alves Ferraz, secretario militar do 2* corpo
do exercito.
lo-'s, sendo a mais reforgada por nm batalho de
iofantaria, tendo coberta a fronte por linhas de ati-
radores que sustentavam o tiroteio com o inimigo,
mandando tgoalmente dous bat Iboes tomar a di-
reita, outro pela esqnerda daquelle desQiadeiro,
mandando mais doos em direcgo do bosqoete,
deixando o resto da ariilharia o a cavallaria a' re
aguarda-
Depois desta ordem de marcha, que se pode
dizer em ordem concava, mandn o brlgadeiro to-
car avangar, travando-se dabl a poaco ara perti-
naz e sangrente combate, sendo levado o Inimigo
vencido, nao s at a' primeira linba de fortiflea-
g5es que flea ja' descripta, mas anda as outras
tres iguaes acuella, protegidas por extensos e fun-
das banbados que foram tomados a' baionela, ba-
tendo-se muitas vezes nossos soldados corpo a cor-
po com o inimigo, o que deu lugar interessantes
episodios t feitos dVrmas singulares.
c Declara o brigadeiro Joo Manoel Menna Br-
relo, e tenbo grande satlstago em repet lo a V.
Esc, que lauto os offlciaes, commandantes de bri-
gadas, de baialho.-s e regiment-, como todas as
pragas das tres armas, que nesse dia combateram,
portaram-se com maior intrepidez, denodo e ga-
Ibardia.
O inimigo, multo dizimado, tratao de fugir pa-
ra dentro das f mifieaco -s de Humada, sendo en-
to perseguid) e completamente destrocado pela
forga de cavallaria ; sem fallar dos nossos mortos
nesta occasio, foram enterrados at agora eiteota
cadveres paraguayos, tomando-se 56 prisioneiros,
mandaudo se qaeimar seis carretas e urna carre-
tilla, e destruir o entrincbeiramento e abatizes en
contrados. Tomaram se alera disto cerca de 200
armas, mooigoes de guerra, 1,200 rezas e 50 ca-
vados.
Por nossa parte tivemos 370 borneas fra de
combate, entre offlciaes e trapas.
< Seguoda as miabas in-trucr"ns o brigadeiro
Menna Barreto a' (reala d'oraa farga composta da
primeira diviso de cavallaria, qoalro batalbes
de iofaotarii e duas pragas de ariilharia, qae s 5
1/2 da manha de hootem mareboa para reconhe-
cer a barranca de Tayi, fez alvo s 7 1/2, mandan-
do um piquete de cavallarla explora la.
< Ento as duas pegas nossas flzeram fogo con
tra um vapor que cora as caldeiras queDlas eslava
as aguas do rio Paraguay, raspondandu este com
duas tiro- apenas, que nem alcangaram a barran-
ca, virando de bofda e retiranda-se para o lado de
Humada.
i Tomaram-se all doos prisloneiros, sendo om
delles sargento, qua faziam parte da guarda de
Tayi que fugindo do.xoa em nosso poder oito es-
pingarda', quairo langas e algama ferramsota
propria para trabalbos de fortiUcago.
t A's 11 1/2 o brigadeiro Manoa Barreto re-
gressou ao potrero Uvelba, teada deixada para
guardar a posiga do Tayi e observar o iaimigo
um regjmeotj de cavallaria.
< Tive depois noticia de qae o vapor qae antes
mencionci vinha acompannado de outro, e toman-
do posigo conveniente, comegaram amboc a
bombardear Tayi, al fazerera voar urnas carretas
que havia deixada alli simulando ariilharia, me-
tralhando depois os matages da barranca, por
suppr naturalmente que tivessemos forga de io-
fantaria emboscada nelles. Um terceiro vapjr mais
foi visto, o qual passou segurado rio cima; leud-
se conservado, durante o dia de bontem, na pono
de Tayi, um outro e ama cbata, bombardeando,
aQm de na) permittir forga algama neste lugar,
em cojas immediagd3s existem somonte alguns
piquetes nossos.
c Segundo o que se ha colindo al esta dala, es-
ta' averiguado qoe exista cora effeilo nm camlnbj
pela costa do rio Paraguay qae val al Humana;
qae o protero Ovelba abraoge orna araa de terre-
no de tres leguas pouco mais ou menos de exten-
sa], compostas de matos, legas e esteiros e can-
naviaes qua nio tem sido completamente explora-
dos ; e que existe ainda esparramada nma consi-
deravel porgao de rezes que opportuutmente se-
rao tomadas.
A villa do Pilar foi visitada e corrida, e nao
as suas
com o Interior do paix.
c Honiem, s 3 boras da madrugada, atacou
j com mais de 8,000 horoens a direita de campo en
i trincbelrado do Tuyuty, qae era menos forte, con-
' sepuindo apoderar se de tres reductos exteriores, e
por nma quasi sorpreza de doos reductos sobre a
linba que crozavam fogos coro aquellts, penetran-
do toda nma colnmna pela extrema direita do
campo.
t Pardd* assim a primeira linha reconcntren-
se a defeza xas reductos interiores, sustentada pela
cidadella qae domina lodo o campo, emquaoto toda
a esqoerda e o centro da primeira liona e suas pa-
ralelas se roanlinbam nos seus postos cooperando
para o mesmo lira e (azendo (renta ao inimigo por
aquella parte.
< A luta travou se eoearnigada e sanguinolenta
quasi no centro do campo onde ea liaba mea
qaartel general, conseguindo (calmete o visconde
de Porto Alegre cora as soas forgas recbassar o re
peotmo ataque do inimigo, perseguindo-o at dei-
ta-lo (ora da primeira lioha no momento em que
chegava aos reductos exteriores oceupados pelo
inimigo, o general Horuos com a cavallaria argen-
tina, a' qual se Incorporou o general Victorino com
nma diviso de cavallaria brasileira, forga que sa-
nio deste campo em protecgo de Tuyuty, sendo se-
guido por outra diviso desta arma qoe chegeu
depois,
c Perseguidos coro tenacidade os Paraguayos
pelas forgas do visconde de Porto-Alegre, ao mes-
roo tempo qua o general H irnos com a cavallaria
carregava com impeto a sua infautana e ariilharia,
ebegaoda al a aecornmell las com carga de lan
ceiros, os inimigas s pendrara na retirada, e a
effectuarara activamente bostilsados por entra os
esteiros, s.tirenlo nesti occasio novas e conslde-
raveis perdas, e escapando Ilesa pouco mais da
metade da forga assaltaote.
t O trajelo do inimigo flcou mareado com mon
lo^s de cadveres, sendo espantosa a mortandade
5; que saffreu, tendo levado aioda maior qaantidade
d-- (eridos, e, segundo alguns rae informara, podem
estimarse os Paraguayos mostos ora perla de 2,000,
porm o qua posso assegorar-lhe que at hojo ao
mel da lioham-se enterrado 1,140 cadveres, e
cottinuavam-se a enterrar.
c Damais, Acarara em nosso poder para cima de
120 prisioneiros entro saos e eridos, e est se re-
colh ndo grande quantidade de armamento. Tam-
bem se tomaram mais de 200 cavados arreados.
< A perda da nossa parle ser pouco mais ou
menos de 400 horoens entre mortos e feridos, ten-
do-se perdido 4 pegas de ariilharia ligeira qae es
lavam nos reductos, algumas das quaes apparece-
ram nos esteiros onde o inimigo teva de abando-
na-las, coma succadeu com 3 que ditavam e que
se encontrarais.
c Todos se porlaram modo bem e ?inda que
com algumas sombras tivemos novo dia de gloria
para as armas da allianca, que accelerara' a termi-
nago da guerra.
< Ocomportamenlo da cavallaria argentina diri-
gida pelo general Hornos, e oque aos primeiros
tiros sabio a galope em occorro de Tuyuty, foi
brilhante. Em honra della nomeel o general Hor-
nos brigadeiro general no campo da batalba.
< O passo Tayi ja esta' enlrmchalrado e a bate-
ra do rio artilhada cara pegas raiada? de maior
calibre qoe arrojam as balas a cinco mil metros, e
deitaro a pique toda a embarcago qoe tentar pas-
sar por all.
f Inclusa vai a copia da parle do general Hor-
nos, qne acabo de receber.
c Sem mais por agora, son como sempre, Intimo
amigo.Bartholomeu Mure.
Parte do brigadeiro U irnos :
c Acampamento em Tuyu-Cu, 5 de novembro
de 1867.O general abaixo assigoado ao E*ra. Sr.
presidenta da repblica, general em chefa do exer-
cito adiado, brigadeiro D. Bartholomeu Mitre.
( Tendo recebldo ordens de V. Exc. de pr-me
a' frente das forgas argentinas de cavallaria e con-
correr com ellas para a defaia da Tuyuty, que ti
- nha sido atacado pelo exercito paraguaya, puz me
se enconlrou nella fortlfleago alguma nem guar-em marcha com as referidas fergas compostas d
nigo consideravel, embarcando se a pooca gente regimentos 3 de linba e San Martins, as ordens
que se acbava em chatas, e procurando abrigarse do comraaodaote D. Donato Alvares, e da reg-
no centro do rio desde qae avtstou a nossa forga.1 gento Lavalle a's ordens do coronel D. Mariano
Felicitando-me com V. Exc. por mais esta Orzaba!.
trlumpbo alcaogado sobre o inimigo pelas armas
adiadas, Urminarei communlcando a V. Exc. qoe
ja foram expedidas s ordens necessarias ao com-
mandante geral da forga expedicin.ria para que
com ella se eonserve as posiges em que se acba,
at que receba ulteriores ordens.
t Deus guarde a V. ExcMrquez de Caxias.
lllm. e Exra. Sr. general D. Bartholomeu Mitre.
A seguinte parte offlclal, qne tambem s tivemos
em Hi-spauhol, refere o combale de Tayi.
i Commando em ched ce todas as forgas brasl-
leiras em operages contra o governo do Paragaay, .
Qnartel gonsral eaTujoy Cu, 2 de novmbroi v* na (rente, e sem embargo de vereca rechagados
de 1867. iiornei a org.oM los e Kwn^l'l 1lW* wr8as
. Ao chegar a Tuyuty achol que os inimigos ti-
nbam tomado tres reductos. A furga qne all havia
calcalei a : a cavallaria era numero de 600 bomens,
e a iofantaria de 430 a 500, nao podendo ver bam
o resto por acbar-se dentro dos reductos, tende-se
augmentada esta forga com a qoe se retirava do
Estero-B.'llaco at onde haviam ebegado.
< Nesta sltuago emprebendi o ataque por guer-
rilba*, recoocentrandas estas, formei em linha os
regimeutas 3 de liaba o Sao Martin, ao mando do
commanianta D. Donato Alvares, mandando car-
regar cavallarla e infamara inimig que se acha
Vo juntas as partes etalba las dirigidas pelos
respectivos chefes, pelos quaes Acara" V. Exc. in-
teirado das perdas que leve a nossa bizarra forga
de cavallaria. e qae consiste na soa totalidade em
70 bomens fra de combate, entre mortos e fe-
ridos.
Recommendo a' considerago de V. Exc. o
comportamento heroico dos chefes, offlciaes e tro-
pa, qae nesta jornada de honra para as armas da
repblica combateram as minbas ordens, e mu
particularmente ae capito D. Saturnino Uodava-
nenn ; que com terceiro esquadro do regiment 3
de linba ebegon at a borda dos (ossos do redacto;
aos commandantes D. Donato Alvarez e D. Aveli-
no 'Viogees; ao coronel D. Francisco Elias, que nao
obstante desempernar (uneges de ajudania era nm
momonto dado poz-se a' frente de um esquadro e
dau ao inimigo cargas decididas; aos meus ajudan-
tes, comraaadante D. Baldomero Laigones, capito
D. Jos Mana Alibeiston, D. Albaoe Pinbeiro e D.
Baldomero Dias ( a este ultimo roataram o cavado
a* (renta das trinebeiras) e ao lenle D. Antoni-
no Noriega, qa fot ferido ao mea lado, todos os
quaes cumpriram dignamente o seu dever.
Deus guaraa a V. ExcManoel Hornos.
Parle do coronel Orzabal:
Acampamento em Tuy Cu, 3 de novembro
de 1867.
c O ebefa da vanguarda do exercito argentino.
Ao Sr. commandante em chefa das torgas de caval-
laria argentina general D. Manoel Hornos.
< Cumprindo as ordens qua V. S. se servio dar-
me ao incorporar roe boje em Tuyuty as forgas de
cavallaria que alli estavam as ordens de V- S.,
com as do meu commando regiment Lavada e es-
quadro Gulas, i di-persar em parte os rgimen-
Ios de atiradores, conservando em reserva o resto.
< Estabelecida nesta ordem a peleja, recebi or-
dem de V. S. para reconcentrar as guarrilbas e
carregar a iofantaria inimlga que se acbava peno
nos nossos reductos oceupados por ella, e parte lo-
ra, ordem que foi cumprida, repetida e recumpri-
da at que o inmino se poz em retirada, acossan
do-o por ora flaneo al onde jolguei prudente.
< A perda por parle da forga do neo commando
fai: morto o tenenta D. Emilio Rosas, e feridos
gravemente o alfares D. Ciclio Snchez e pragas.
Cabe-roe agora recommendar a V. S. o tenes
le-coronel D. Cruz Cnele, major D. Ramn Ac-
sla, e o: senbores offlciaes e tropa, pois lodos cum-
priram minbas ordens sem trepidar um momento.
Daos guarde a V. S.Mariano Orzabal.
Parte do commandante Alvarez, ebefe interino
da diviso de cavallaria argentina :
Tuyu-Cu, 3 de novembro de 1867.
Ao Sr. commandante em ebefe da todas as ca-
vadarias argentinas.
< Cara grande prazer leoho a honra de dar par-
te a V. S. do gorioso feitu de armas qua teve logar
nesta data nos campos de Tuyuty, no qual lomou
parte a diviso da mea enramando interino ; logo
qne recebi ordem de V. S. para aproximar-me
com a diviso do ponto onde eslava o iaimigo, que
era o reducto onhecido pelo 9.* de linba, como
igualmente outro construido pelas torgas corren
iloas, mandei estender o esquadro de carablneiros
S. Marimoo, ao mando do capito D. Fabio Cabr
ra, cuja gnerMha foi collocar distancia de 150
varas da infamarla inimiga, que montava a 500 ou
600 infantes, soffrendo fogo da mosquelaria sem
retirar-se por espago de nm quarto de hora; mas
notando que os Paraguayos que se haviam inter-
nado no acampamento da nossos adiados se retira
vam era desordena, pela perseguigo que Ibes fazia
a cavallarla, brasileira. e com intengo de tirar um
resultado da repulsa que havia soffridoo inimigo,
propuz a V. S. dar com a diviso urna carga s for-
gas de cavallaria e iofantaria que tinbamos vista
e sendo a proposta aceita por V. S. deu-se a carga
com toda a diviso at es reduetos que elles li-
nbara oceupado, porm desgragadamente nao deu
ella o resultado que so esperava, pois, com quanto
os nossos soldados carregaram com impctuosldade,
foram repelli ios, por que dous mil e tantos infan-
tes qua esperavam o nosso ataque estavam de p^s-
se das sangas e dos reductos cima mencionados ;
vi-me, por tanto, forgado a retirar roe duas qua-
dras do lugar onde haviam soffrido os nossos sol-
dados a repulsa, organisar a diviso e dar-lhes no-
va carga, cora resoltado bhlbanle, ebegaodo at
os fossos do reduelo 9 de linba, o 2 e 3' esqua-
drSes do 3' de linha protegidos pelo 2* do S. Mar-
tinbo, cujos tres esqaadres se misturaran com os
infantes paraguayos, deixaodo-lhes na campo ama
lofluidade de cadveres ; mas, nao podeodo sus-
teotar-me nes-aparagem ero ousequeneia da posi-
go vantajosa que oceupava o nimlgo, vi me no
caso de retirarme para urna distancia regular, com
o flm de levar-Ibes terceiro ataque ; assim flz mas
nossos soldados, apezar da bravura cora que alaea-
rrra os inimigos, foi imposslvel penetrar em soa
duba em razo de terem estes augmentado suas
forgas de infaotaria : volv a retirar me, mandando
(azer alto a diviso na distancia de 200 varas ;
Disto recebi ordem de V. S. que tocasse retaguar-
di das Inimigos por que estes sa affastavam dos re-
doctos pelo ataque que Ibes traziaro os indot;s
brasileiros, ordem que foi executada sem perda de ;
lempo, ordeoaado para isto ao major graduado D.
Estanislao Haredia que miclasse a carga com o es-
qoadrio de seu commando, e, em protecgo deste
o terceiro de San Martim, s ordens do sargento-
major D. Trlfon Crdenas, segaindo este movimen-
to o resto da diviso ; porm os inimigos, que es-
tana* recebendu repetidas cargas de nossa divisao, |
a qoal cau-^va-lhes maiores damnos, prepararam
urna forte linha de Infaotaria para receber c quar-
lo ataquo que Ibes levei e que os poz em retirada .
geral. A' vista disto, ordenca-me V. S. qae pas-
sassa o estero Rojas e levasse-lbes a carga pelo
flaneo, ordem a qoe foi impossivol dar execugo,'
oo s por que as cavallarias iaimigas se retira-1
vam protegidas pelas infamaras, mas tambem por
que o terreno ao o permitlia, vendo-me obrigado
a suspender a minba marcha a ama curta distan-
cia da linha do forllflcago dos Paraguayos pela im-
possibilidade de poder obrar stbre elles.
t O regiment 3' a o San Martin flzeram crer
nesta jorna'a qae sao dignos da ter o nome argen-
tino, cravando suas langas nos pedos dos audazes
Paraguayos, apezar da triplicada forga que apre-
senlarara e das vanlajosas posiges que occopa-
vam. Tivemos neste desesperada combale 18 sol-
dados mortos, 50 feridos e 2 offlciaes, dos quaes 15
gravemente; 17 cavados moras e 2! feridos.
Nao lermioarai esta sem recommendar a V.
S. o bom comportamento de lodos os chefes, du-
daos e soldados que compem esta divlsa.
i Dos guarde a V. S.Dnalo Alvares. \
Raprodoziraos anda para com.Pte ticias a seguinte corresponjoficia em qua se *n-
cerram estes miraos successos, obSirtpnJo porm
que a morte. do coramaniant; paraguayo pela mo
do visconde de Porto Alegre foi contestad!, e o
tacto de nao se mencionar Isla na nossi carta da
Corrientes nem as parles offlciaes supra, induz a
crer que se nao deu o caso.
Toyuty, 4 de novembro de 1867.
i c Montera depois da parada do cosime, come-
Qiva a clarear o dia, sentimos um fogo de mosque-
I laria direita da linba oceupada pela divisa cor-
irenlina e a batera do commandante Johnson, cir-
carosiaocia qoe me revellou qae o inimigo bavia
| alacado esses pontos.
< Ouviram-se em seguida alguns tiros de ca-
nbo, e o silencio snbsequenle (ez me crer que ha-
viam cahido em poder do inimigo, o qae oo era
para esiranhar, pois nao havia (urgas de iofantaria
que proiegessem esses reductos.
a Os primeiros tiros que se ouviram dos redac-
tas foi o primeira signal da alarma para o exerci-
to brasileiro qoa oceupa a esquerda desta linha.
Eolo o visconde de Parlo-Alegre, com ser-
nidada e actividade,recorrea a linba e dispez n'um
instante a soa defaza. A columna inimiga compa-
nba-se de 8,000 bomens, na sua maior parte do
infamara, a jolgar pela extenso da linba que oc-
eupava, cercando nossa primeira linba de forti-
fleago.
< A columna dividio-ie em duas, atacando a di-
reita e logo a esqnerda da linha brasileira, sendo
esla repetida desde o principio.
i Tro;'a fuit 1 11
< O combate tornau-se geral em nossa lioha ; a
lata foi horrivel no empeobo de apoderarem-se das
nossas fortifleagoes, o que conseguiram com gran-
des perdas, coocantraodo-se as forgas brasileiras
no lugar que oceupa o quartel-general do viscon-
de de Porto Alegre.
< Nesta posigo vari ou o aspecto do combate,
pois sendo mais reduzda a nossa lioha, foi a defe-
za mais vigorosa ; assim que os batalbes para-
guayos qoe em columnas marcbavam para o ata-
que, foram recebidos com immensos tiros de me-
tralba, qne abiiram grandes claros em soas fllei-
ras. Aqui o esforgo do iBimiga fai intil pois por
qualquer ponto qae traiavara de fargar a lioha
eram rechazados sem qae nossas forgas soffres-
sem grandes prejaizos pela defeza das trlncheiras
e porque o iaimigo nao tinba trazldo ariilharia.
< As pegas de qae se haviam apassado ao ocen-
par a 1* linha eram completamente inutes, por-
que se acbavam no centro dos beligerantes trava-
dos em nma Iota quasi pessoal, motivo porgue nao
poderam utilisar-se deltas.
< Neatas circunstancias vio se labaredas e fumo
que se levaotavam do commercio argentino e bra-
sileiro, pois as forgas paraguayas que atacaram as
trincheiras comegaram a desmoralisar se atlrahl-
das pelo roubo e o saque das casas de negocio,
ateaodo-lhes o fogo e devastando as completa-
mente.
c O visconde de Porto-Alegre, com aquella se-
renidade que o saracterisa, comprebendeu qua era
um momento opporlaoo para anear se com novo
arroja sobre o inimigo, e ordenon qoe sabissem
os bataiboes fra das trinebeiras levando ao inimi-
go um ataque a que estes nao poderam resistir,
lendo que ceder ao impeta das armas e do valor
brasileiro.
a Desde esse momelo comegoa a retirada dos
Paraguayos em deso dera crescenle, qoe pouco a
pouco se auementou at o ponto de ser eflectuada
em peloloes.
< Neste momento apparecen urna protecgo de
Tuyu-Cu composta dos regimentos 3* de duba e
San Martin, ao mando do general Hornos, a qual
se incorporou a diviso correntina do coronel
Ocampos que permaneca durante o ataque sem
desmoralisago, e boslilisaram o inimigo quanto o
permittia o numero de forgas de que se corapunba
0 que contribu) para que a perseguigo fosse
mais activa, obrigando o inimigo a largar as pre-
sas e tolas as carretas que levava.
< Cocotudo, levaram duas pegas volantes de pe-
queo calibre.
i As perdas do inimigo foram espantosas, pois
calculara se neste momento, nao se leudo ainda
podido recolher todos os cadveres, em mais de
2,000 bomens.
c As trinebeiras, sangas e principalmente as
ras do commercio argentioo e brasileiro e mes-
mo as barracas e ranchos que ficaram em p, es-
to cheias de cadveres paraguayos, a ponto de
se nao poder passar a cavado com faellidade.
Os Paraguayos qae se entregaran: ai roubo
do commercio nao poderam incorporarse s
columnas paraguayas que se retiravro, circums-
tanca que contrlboio em graode parta para a im-
roensa mortandade que soffreram, cao escapando
uro s.
( Nossas pordas calculam-se era 700 ou 800 bai-
xas, bavendo a lamentar entre estas alguns che-
les e offlciaes tinto brasileiros como argentinos,
entre elles o coronel Menaa Barreto ferido no ros-
to, o coronel Freitas (rida, o commandante John-
son ferido no brago e alguns offlciaes da cavalla-
ria correntina.
Tambem temos qoe lastimar algon; prisionei-
ros, ent-e os quaes est' o majar Araada, da arii-
lharia argentina.
O visconde de Porlo-Alegre perdeu dous ca-
vados, e receben ama coniuso na brago es-
qoerdo.
t O ebefe paraguayo da columna que atacoa
pela direita foi o major Castillo, que foi morto pelo
mesmo visconde de Pona Alegre em frente a sua
tenda, quando aquella, sobindo sobre a tnncheira,
ia arvorar a bandeira paraguaya.
t O commercio argentina foi incendiada com-
pletamente e parte do brasileiro.
c As provedorias e hospilaes foram tambem en-
tregues as cbammas.
f Extranhara' V como as forgas inimigas vie-
ra m fazer fogo sobre nossjs proprias balarlas, sem
qne as avangadas dssem o menor Indicio do mo-
vimento inimigo.
c E' om mysterio qne alguns explicara deste
modo :
f Estando de avangada a legio paraguaya no
centro de nossa linha, regressou rJe-se dizer
guiando o inimigo, sem qne aquella dsse nm s
tiro conlra elle, para dar alarma ao exercito.
t Todava oo quero entrar por agora na nar*
rago dos pormenores e diversas versos que cor-
ren sobre este ponto, esperando que ura conseibo
de guerra aos chefes desta forga venba esclarecer
lodo.
O resollado deste combate, qoe dao desde
4 horas da manha al quasi meio dia, foi funesto
para o lyranno Lpez, que em um acto de despei-
lo e tratando de conservar o espirito de seu exer-
cito, abatido por quairo feitos gloriosos para nos
na mez passado, e ltimamente no occorrido em
1 Tayi, deu ama esfrega principalmente ao commer-
cio. pois pelo que diz respeito ao exercito adiado
pouco soflren comparativamente ao numero consi-
deravel das balxas que L-pez teve e que nao po-
i 8 Das provincias argentinas do interior nao ha
Doticia de importancia. Ogoerriheiro Vrela con-
tinnava as soas correras assoladoras, e receta-
va-se novas nvasOes do lado do Chile.
Embarcaran) Uontem para o vapor JajMCuru',
com destino as nossas forgas em operages contra
: o governo do Paraguay, 711 pragas, sendo 41 do
i evFeito e 290 da armada.
Asslstiram ao embarque S. M. o Imperador
aeompaobado das seus semanarios e dos Srs. mi-
nislras da gu ;

n


*"R'
Marte *fr*mht*
----------------------------------_ .
- 17 -
Por decreto de 16 du correle :
Fex-ae aere o furo de fldalgo eavalneiro da
ctsa Imperial ao ma|or Antonio Mnelo Ribeiro.
Por carta imperial da mensa data foi nomeado o
bacharel Candi Jo Eaixgoio .Pereira Loba pata o
cargo de secretarlo do governo da provincia do
Piaohy.
Por decrete de Igual data torara condecorados:
O paJre Francisco Pedro da Cunba, da provincia
de Santa Caibarlna, eom o habito da ordem de
Cbristo, por servidos prestados ero relacao a' fuer
ra anual.
O rapito do corpo de esttdo-Oaior de 1* classe
Joo Manuel da Cuoha, com o habito da ordem de
S. Bruto de Aviz.
O t nenie corone I Jos Roy Dias do Fonseca, com
o i Diralalo da ordem da Rosa, Qcaodo sero eff ito
o decreto de S de outobro ultimo que o nomeou | pelo futilamento,
cavalbeiro da ordem de Cbrislo, por ja' terelle esta
condecoradlo.
O Dr. Rufino Augoslo de Alroeida, commendador
da ordem da Rosa, ficando sem tffeito o decreto de
19 de outobro olliroo, qoe o nomeou cavalbeiro da-
qoella ordem, por ja' ter elle o ifflcialato.
O Dr. Amonio de Lacerda, cavalhtiro da ordem
de Cbrislo, ficando sem tffeito o decreto daquella
ultima dala qoe o nomeon eavalheiro da da Rosa,
por ja' ter elle esta coBdecoragao.
pe concedida a exonerado qoe fedio, Jiaquim
Mara Serra Sobrinho, do cargo de secretario do
goveroo da provincia da Parabyba.
Foram concedidas as seguiotes pens5es, por ser-
ticos presiados na guerra, e por decretes tambem
de 16 do correte
A D. Mana Magdalena Basse, viuva do forrlel do
4* corpo de voluntarios da patria Joao Geraldo
Basse, fallecido no hospital do Sallo, 15$ roensaes.
A D. Emilia Ctnstanga de Brlto Varella, mi do
que as taterias inimigas eslo preparadas agora
para facer fcgo aos navios qae des-gam, como es-
tayaro. antes de 15 de agosto eonUa oe-qan su-
blam ; e que foi augmentado o numero de torpe-
dos nos caoaes de urna e caira margen, o qo*
me nao causa grandes cuidados : pnnuiro, por-
que nao mioba leneao descer, senlo depois d
htqtierle poni eotts#fv, e de ama torga de tropa manarlo*, flsltou hontem o a'yto de loviHdo, na < to qoe, a laes boatos, tomando O goveruO Pufro contiOgaules "S. Bxc. o Sr. presidente da
superior a mil pracas que guanee* o porta Eli- "
siario T O que sei, e o que nao dosso obstar, e
Cobras. &-u,cTUBJ l"Ve UB. CBaer aDie que-necessldade para brete e honrosa conclusao
Saa Magestide embarcou ao-arsenal de guerra inullliaae aellas, demonstrada pelos pro- do pleito, que sustentamos,
as to horas da man ha e desenoaDsftSj e*e4ia>-^pr6a que Se diziam ameacoV, 80 pass A cmara municipal, pois,-fiel interprete dos
de 1 bora da tarde. que eram e s5o, em meio da populac3o indi- seD,inenos patriticos de seas municipes, alquem
o .---------- <"> nm nrr>iAin i Ha Jiri.iJLu.- Benhum P Por decreto de 23 de outobro foi autorisad* >
rioha a uro quarto ante;
DIARIO DE PERNAMBUCO
c. mpaobia de navegago S. Pedro para (ooccdaI"
terminada a guerra ; segando, porqoe os torpedos | e aprovados com ajoiificagdes os respectivos
eollooados ha dous e mais metes coraeam a girar I esiatutoi-
rio abaii", e em pueo lempo lerao dtsapparecd".
A attitode qoe oestes ltimos tempes assumio
nosso mustre general em chafe braslleiro ; o des-
animo que observo da parte do inimigo, desanimo
que revelado pela flleira de suas operagB? e
pela erescente crueldad* cjm qoe vai dizimandc,
seus mkoraudos seides, induz
me tudo a erer que se approxima a pstsos largos
o momento de decidir se esta campanil com boo-
ra e gloria para o nosso paiz.
Que o Deas dos exerclics brevemente nos traga
esse momento, e que a esquadra do meu comman
gT,,.nfrOPr,leSt0.iTT0deC0rdal rema entre esta e enes. netrados de vosso deveres e direitos como cida
E linda, u'aquella occasiSo, havia a notar daos de um pait eminentemente livre e coustitu-
os ajontamentos populares, promovidos em
interese de partido de nossa poltica inter-
na ; alas boje, na calma em que estamos,
guando todos nos volamos a desaffrontar a
dignidade nacional; o qua ba que justificar
l- ^.llnL^nLlt/'tT ^"''r'V o^eque,aiod,quaadooSSedesfav0ravela
pn_- que alinde a illustrada red .ccSo do Correto toarte nossas forcas, nao deviamos um moa
conal, viris ao reclamo da M'ria, provando au es-
irangeiro no campo da peleja a oasadia de sea
commettimenio.
< Eia, pois, concidadaos, o querer poder, a
honra nacional pende do desenlace da qaesio, a
caosa usa e nobre, nao a coafondaraos com o
mesquinho inieresse dos partidos, e coovengaroos-
atti-
momento
RECIFK, 28 DE NOVEMBRO DE 1867.
O Correio dos Dous Mundos, cojo
meiro numero veto lome em Lisboa, a 7 genio a sua facilidade em deixar-se illaquear repidarVmlev'arIo"cabTnossa"mi7sa"o7drpaTar
do corrente mez, miciou a sua tarefa noticia- em sua boa fe, prestande-se assim onocen- no Paraeuy a civiiisaco, depois de haver obdo
dora da situacSo dos subditos portugoezes temente a Bus que alguem nutre e vai nro- do se" eovernoas satisfaces, a que temos direito.
. '. "' P,( Acamara julga, portanto, dever mandar po-
do concorra, como deve e deseja, para esse promp-1 nesse imperio, oceupando-se desta provincia curando conseguir por taes meios ? blicar, abaixo dest
to desfecbo, sao os meas amito ardentes e repeii- ^no artigo, que aqu consignamos: Esperamos que a illustrada redacto do reis Qoo vaniagena offerece de novo o governo im
dos votos. O governo portuguez deve ter recebido Correio. melhor informada far instica ao perial aos cidados, que quierem marchar como
Deas guarde a V. Exc.-Iilm. e Exro. Sr. con peios aitm0s paquetes do Brasil, noticias DOsso carcter bem une os nbemn at **%Mm PreDll das de >n",ralam 5 de"
selheiro Dr. Affonso Celso de Assis F*i eiredo, ^_, fi lastirr.nsn o cnsiartnr S nlL qoe nos nao poss? at- cretos ns. 3371, de 7 de Janeiro e 308, de 30 de
ministro e secretario de esudo dos negocios da omciaes ^ estaoo lastimoso e assustador ungir a coDdemoacao implcita em suas pa- agosto de 1865.
marinha.Batao de Iohatima, commandante em mesmo da provincia de Pernambuco, em lavras, perante a nossa consciencia de ho- Alm disto, reconhecendo que se podem dar
chefe. : relaco colonia portogeza que all reside. meDS, em face dos estrangeiros que com- casos' em aue precisis de mais aiguos esclarec-
------^ ^ Pela nossa parte migamos de nosso de- nOSCO conviven, e mais ni turto antA na Ta}os sobre objec,' resolveu noniear para esle
hontem, eoforcando-se com um1 VAp Aiw n,stPVar Lt vi^nc I ,1a ZEJFEZStLLr"!^ 2122 ?! ?: tres commisses, distribuidos pelo* respectivos
Suicidon-se
barago, o subdito he
balleiro ; o seu cadver
da casa a praia doSacco do Alferes
dormia s.
.m (m,^tl mra nm> rciduossd ^no juigamusue nosso ue- nosco convivem, e BMM que
SanbouS aVia Rajo Ca- ver dizer nlste logar que vimos cartas de proprios Portuguezes, cujos i
laver foi encontrado no sotan? t pessoas respeitaveis d aquellas paragens, insina em imminente perigo.
jacco do Alferes n. 77, onde em que se piniam de '.ecrissimas cores
interesses se
77, onde em que se piniam de '.egrissimas cores
a posiQo dos portuguezes e o receio em
2 cifurgio de commissio Uiysses da Silva Bastos gade de polica, reconheceu se que o
%t3g^aXoXTJ&! Ve se acbam dever a cada momento amea
Varella, fallecido de molestia adquirida em campa-
nha, te> mensaes.
Ao carpinteiro Eustaquio Manoel Jos Porlo, re-
sidente na provincia da Baha, o qoal invaliden se
de alienacao mental.
Cadas as suas vidas e propriidades por
causa das tendencias cada,vez mais impo-
districtos, e compostas dos eguintes Srs.; para o
1*, Antonio Nogoeira de Souza, commendador Ke-
llppe Joaquim Gjmes de Macedo, e capitao Antonio
Joaquim Moseoso Salgado ; para o 2, Dr. Antonio
Henrique Leal, Manoel Gongalves Ferreira Nioa, e
n.___, j, Raymundo Jos Pereira de Castro, e para o 3", ma-
Dos porlos do-norte do imperio chtgou bootem o jor Joio Joaqom Maclel Araoha. capitao Francisco
vapor Guara, (rateado joroaef,. do Para' at 19, Raymondo Quadros e Lolt da Rocha Santos.
d0jnenies e atterradorasda pvoacSo'pernam- feiSn^*ib^kK^ntG"D"
Casiello qae arha -e arribado em Cabo Fri o va-
i 1866 o arsenal de marinba da corte qaando! por inglet Betoley, viodo de Liverpool com detli
trabalhava na ccnt'occo do enconratado Taan no a Buenos Ayres.
dar, 400^ annoaes.
Ao soldado do 14 batalbao de iofaotaria Fran-
cisco Felippe de Freilas, Invalidado em combate,
400 ris diarios.
Declarou-se qae a peosao concedida por decreto
de 27 de malo ultimo ao cabo de esquadra Martioho
Pinto Peixcto, pertence ao cabo de esquadra Marti-
nbo Pirts Peixolo.
F. i oatoralisado o subdito pcrlnguei Joaquim
Pinto Dias de Souza.
Por aviso de 9 do corrente decidio-se que os pro-
trotores poblicos devem intervir como orgfios da
justica publica, quando ordenados pelas presiden-
cia*, nos procetsos instaurados contra individes
qoe tirarem oa auxiliaren) a lirada de algom guar-
da designado para o servio de guerra do poder da
escolta.
Por decreto de 13 do corrente :
Foi reoiovido, a sen pedido o juiz municipal e
de orphaos Camlllo Maria de Bruo, do lermo de
Santa Loria para o de Pont-" Nova, ambos na pro-
vincia de Minas-Geraes.
Foi reconduiido o bacharel Alcibudes Dracon
de Alttuqoerque Lima, no lugar de julz municipal
e de crphos dos termes reunidos de Mossor,
Campo Grande e Apody, na provincia do Rio-Gran-
de do Norte.
Foram nomeados:
Simplicio Carneiro de Oliveira, tencnle coronel
commaodante do batalho de iofantari? o. 28 da
guarda nacional da provincia do Ceara".
O major Ignacio Anuroio Meodes, coronel com-
mandanle superior da guarda nacional do munici-
pio de Alcntara, da piovuu.-ia do Maranhao.
O capitio ANaro Doarte Godinho, major ajudan-
te de ordem do commando superior a guarda na-
cional da capital da provincia do Maranbo.
Franci.-co Angosto Pereira de Mallos, capitao
secretario geral do mesmo commaodo superior.
Fi reformado Severo Antouio de Araojo Cer-,
reir Filbo, coronel commandaot? superior da
goarda nacional do municipio de Alc,-,ntira, da
provincia do Maranhao, do mesmo posto.
Perrr. itio-se que permutem entre si os respecti
vos ifllcio Loiz Francisco Barreto de Almeida e
Jos l clycarpo de Freilas, serventuarics vitalicios,
aquelle Oo cfflcio de oscrivo de orphaos, ausentes,
capellas e residuos do termo do Limoeiro, e este
do dos f-itos da fazeeda nacional, ambos na pro-
vincia de Pernambuco.
Na ccDformidade d?s immediatas e imperiaes
rosoluc5es de 13 do corrente, temadas obre con-
sultas da seccao de guerra e marlnha do ccnselho
de estado, h uve por bem S. M. o Iaperadnr, por
decreto de 16 tambem do correte, commutar em
20 annos de prisao com trabalbos a pena de morle
a que foram condeoinados os soldados do 2a ba4a-
lao de infamara Domingos Gomes da Resurni-
go, e doft' dilo Felicio Tavares de Mello ; e em 10
annos tambem de prisao com trabalbos a em que
foram iguaimento condemnados es soldados do 9*
batalho de infamara Antonio des Santos Primei-
ro, do 13* batalho dito Jo; Mana Maciel, e do 16*
dito AntiDi Alvvs Moreno.
Por decretos de 25 de outobro fi extiocta a ca
pitaoia do porlo da provincia de MaltoGrosso.
P.T aviso de 25 e 26 do mesmo met f^i su-pensa
a execucao do regalamtnio da pralicagem as bar-
ras das proviucias da Parabyba e Par; na', ficando
portai.to, livre o exercicio de pratlcagem as bar-
ras e csstas, permiitido a iodos qoanos se mitra-
ren! b; bilitados Das materias, mediante exame pe
ranle orna commisso. O laga'meDt; pelo servijo
da praiicagtm sera' feo por aquellas embarcacoes
que de.le se utilisarem, segundo o precio on taxas
que se conveonooar, sendo que as fuucces que
eslavara a cargo dos praiicos-mres passaro ser
exereidas pelos patroes-mre?, qoe as accumula-
ro a's oos seus emprego*.
18 -
Foi ncmeada urna commissso comprsta dos Sr?.
baro do B m-Retiro, presidente, Bento Jos Ribei-
ro Sobragy, Ago?tiabo Vctor de Borja Castro e
Sebastiao Ferreira Scares para verificar com toda
exactido possive oo s < nomero de fabricas e
officroas exi.-ieotes na capital do imperio, e dos
operarios oellas empregados, com a especiflea^o
de soa naiuralUa-ie, c^ndio, sexo, idade e estado
civil, mas tambem naturtta da3 manufaciuras,
sua importancia, o grao de perfeicao que nao ad
quirido e lodas as ciicum-lancias pelas quaes se
pode f-zer idea do adiantamenlo da industria ma-
nufacturera.
Commando em chele da forca nav 1 do Brasil
em eperacoes cootra o governo do Paraguay. Bor-
do do vapor Brasil, em frente a H.maii' 11 de
outobro de 1867.
lllm. e Etm. Sr.Hontem ao anoitf cer foi vista
pelos navios da vanguarda, tm Curuz, urna ca-
noa que descia perto das barrancas de Cnrupaiiy,
e fazendb se soore ella alguns tiro- encubno-se
por detrat da pona. fLja. a 1 bora e 15 minu-
tos da madrugada, foram apanbados pelo escaler
da rcr.'V. da 2* grande divisao doos to-pedos de
ferro, de fornia cyiindnca, forrados de tinco, com
dous pisi^s cada um, qae vinham aguas abaixo
sasteniados por boias oe barr.-.
E' para su.'Lr queac.naa que me refiro
fotse coaduciura desses torpedos, e que, deseando
como viuba, tioba por fim larga-Ios pela ui dos
navios, o que nao conseguio por ter sido acossada
jeto f.-go qu^ ibj flzeram.
Qoaoto acabu de referir, dando conheeimento a
V. Exc, me fui commanicado pelo ebefe ue divi-
do cootmandante da 2' grande diviso desta es-
quadra.
Deus guarde a V. Etc.Illm. e Exui. Sr. con-
selber r. ajT.dso Celso de AMl Figueiredo,
ministro e secretaria de estado dos negocios da
marioha. JoaqQm Jos Ignacio, commandante
em chefe. '
Commando em chefe da forga haval do Brasil
) operares contra o governo do Paraguay.-
frente a Haroaita, 16
bucana, querendn proclamar urna repblica,
e a par d'essa medida exercer sobre os
portuguezes ali residentes toda a sorte
violencias e vexames.
Lemos no Paiz de 21
< Escrevem-nos da Miritba,
ranhao, 5 de novembro de 1867. Antonio Noguel-
w r. i-. PEA' ra de Sooza P. Dr. Antonio Henriques Leal, Ray-
..,- .d'* 13 d0 afrente leve lugar a assem- mondo Jos Pereira de Castro, Ahito Telles de
-19- I portuguezes ali residentes toda a SOrte de .,*6e". accl0Dlsla^; da'Coopaobla fluvial do Moraes Reg Jnior, Francisco RaymuodoQaadro-,
Por deere:to de 14 do corrente foi reformado o' violencias e nram i 'L 4mazouas' Para a > da ?esa provisoria, ADtOD,o Joaquim Moseoso Salgado.
capilo de mar e guerra Guilherme Carlos Lasan- nJL !,.. i f u,^iSSm cmposla,:- ,0,. ,oaqoim,Sarai,,a
ce Conba no posto e com o sold de chefe de divi-' "'zem as cartas que vimos que OS col- de Miranda presidente. Joao Augusto Corroa e
sao, na conformldsde do alvar de 16 de detembro nos portuguezes desejam por SS0 retirar- lillas se unes da Silva secretarios,
de i790,visio contar mais de 35 annos de servico e' se todos para a me patria, vedendo as J~,,\au*y?.e!?tem. c,rcQ!at5e DoUs fal_
acbar-se impossibililado de nelle continuar. I nronripriades mi ali tem mx* ao npm Vfi' \a l -,. e,stamPa:
Por outro decreto da mesmo data foi levantada PP",e?l1 que nem De 21 de julbo a 31 de outobro ultimo, man-
ao 2 teoeote Jos Maooel Fontes a clausula com ,ISS0 podem j faier, porque no estado d ex- dou a provincia para o .thealro da guerra, 179
que foi promovido aquelle posto, visto ter satisfeito citaco que ali ha a sua propriedade o prajas.
as disposicSes do art. 140 do reguiamento que! tem valor algum, niguem offerece nada
por ella, e tem por tanto dolorosa necessi-
baixou com o decreto n. 2,163 do 1' de maio de
1858.
20 -
Entrou ante-hrntem a noute do Rio da Prata o
transporte Presidente, com folhas at 14 do cor-
rele.
Havia chegado a Bucnos-Ayres nm vapor de
Corrientes com dala de 8, que, sem referir noves
feitos de armas, trouxe mais algn- detalbes,
de de ali se conservaren).
N'estas circumstancias, pois, dever
nosso, e de to 'a a imprensa portugueza cha-
mar a seria atlecco do governo sobre a
triste posicao da colonia portugueza em
Pernambuco, para que opportua e efflcai-
no mez de oulubro ultimo,
emquanto que a do mesmo
foi de 307:97877t>,
mez de 1865 e 1866,
1 a 16 do corrente
graromas sobre os combates dos dias anteriores e lem :us lKjSpensavel, livraudo-a de quaes-
sens resultados, que anda foram maiorv-s do que .J ^ F -'. H _
ao principio se jolgou, sendo o mais importante l^er conflicto.", ou violencias a qce a excep-
delles acharemse as torcas de Lpez corop.ela cional attitudfi d'aquella provincia a tenha
mente cercadas e privadis de toda a communica- d'expor.
.eT,,S^l.oi0|ardo0Crhac0o.d0 ^ *" E "0SS0 <*^T ^T^ **'
Dizem assim os telegraromas: P0li0S esles receos, e quando reclamamos
t o consol oriental a s. Exc. o Sr. govemador a attenc3o do governo para elles, dizer
provisorio.-Buenos-Ayres, novtmbro 13, as 9 he- tambem que nao podemos acreditar, em
"I dCb,mgou,8oa-vapor Espigador vindo de Corrien-' erm0S ***>}"<*> ? ^ O POVO Pemam-
tes. Traz noticias do theatro da guerra. buetno tenlia.tal odio aos portuguezes seus
Transcrevo alguns periodos de urna carta irriiSos, que n'um momento de revluclo
do Sr. general Mure, sobre as perdas do ini- estes possam temer violencias e vexames
Tt hoo.em foram sepaltados 2.040 Para- ?f ?s oLnguem a sahir d'aquelle paiz--
gaayos. tal odio sena inexplieavel, essa ngratidao
t Cortinuavam a recolherse cadaverts pelo para cornos porluyuezes irmSos seria uma
fsteiros, especialmente no P.treiro Pires, onde o
inmigo foi batido em assaltos consecutixes, dei-
xando no campo graude quantidades ce mort >s.
Ja se reco'heram 1,650 ispiogardas para-
guayas pelas forjas brasileiras e 200 pelas ar-
gentinas.
t Conforme disse ames, meUde ou mais da
columna paragnaya que atacoa Tuyoty succumbio:c
na empreza, calculndose que livessc-m menos
Ros.
B
6
>

nodoa iriapagavel para aquelle peno,mas
possive, e nos o acreditamos, que baja
entre esse povo meia duzia d'invejosos e in-
triganes que queiram a.roveilar o estado
anormal da provincia para excitar o povo
feridos que mort03.
Reconbeceram se entre os moitos do inimigo
72 qoe eram commandart-'s e cfflciaeg.
As forcs brasileras que guaruiciam Tuyuty
tiveram mais de fiOO homens fora de combate, e
destes mais de 20 morios.
A torcas argemlnas que alli se encontrarauj
tiveram 22 morios, 93 feridos e 40 dispersos.
estado revolucionario, o povo mesmo o mais
cobre e generoso deixa illudir-se, recebe as
imprestes mesmoo as mais contrarias aos
seus interesses, e depois de pralicado o
mal, desgracados d'aqelles que Ihe soffre-
ram as consequencias!
E' por isso que dever de governo ao-
Bordo du vrtpur Brasil, em
de oolubro ue 1867.
Illm, e Exm. Sr.Estou de posae do avisj de
V. Exc. (latadu de 28 de setembro prximo pas-
sado, e em resposta a elle confirmo todo qaoto
lenbo dito relativamente a conservaco da escua-
dra de tncuuracados aeiraa de Cufupiy. iMossos
meios de > maiuuicacao com Carur melnoram
de dia a da, gracas ao zelo e diligencia que ueste
servico eojpregau) o ebeto de div^ao Eliziari An-
tonio dos Sautos e ofiBciaes subalternos que o
coadjuvam, e considero-me lio segaro oeste la-
gar, como se e.-nvera tm Carazd.
Sao mteiramenie falsos os boatos qae em Bue
A cavaliaha argeo.inarirfTeT'auxilio!tes acauL llar do que depois remediar ; an-
daquella posicao, teve 70 homens fra de combate,
entre morios e feri os.
Total 827, dos quaes uma quart parte morios
e grande parte feridos levemente.
As nossas pecas perdidas sao seis.
c A nossa posicao tm Tayi fortificase cada da
mais, e com os elementos que j possue pode re-
pt-l'ir por si so um serio ataque.
Podemos em duas horas marchar em seu
autillo com orna columua de 8 a 10,000 homens 1
das tres armas. 'ev
As batr-rias ecllocadTs sobre o rio j irtercep-
laram anavegico do Par-iguay, e a esquadra
paraguaya, que o dominava, esi cortada, existindo
dous oo tres vapores ero Him 11 e dous em freu-
i" a villa do Pilar, sero se alreverem a tentar a
passigem.
Por trra nada entra para o exercito para-
guayo, e o bloqueio fluvial e lerrestre com
pleto.
Os vapores paraguayos que ha poneos dias
foram a pique sao, o no-so Vinte e Cinco de Sta o QUhd'i e UGoa chala coro uma peca de calibre
68
O Pirabeb escapou eom uma roda em pedacos
e cotras-avarias.
Temos ero Tayi uma flotilha de botes e candas
levadas em carretas, e coa uma chata da passa-; g(1j tgrrnos
gero que tambero I-vamos; trabalha-se para salvar' |oan(.a
tes providenciar a tempo do que, ter depois
de lamentar os infortunios c a dtsgraca dos
nossos irruaos.
Nao devemos lembrar-nos d'elks s
dos nossns momentos d'apuro, recorrendo a
elles esua bolsa quando o precisamos;
de juslica que Ibes enviemos a proteceo
e que Ihe demos a seguraoca a que nao
e nunca faltar um governo vigilante e
justo para com os seus sub Utos, mesmo os
residentes em mais remutas paragens.
Vejamos n'esta perte o que .?stao fazea-
do outras nacoes em relaco aos seus na-
luraes residentes as suas colonias ou em
patees estraDhos, e aprendamos com ellas
a olharserapre pelo bem estar e seguranza
de todos os nossos irmos.
as palavras que ahi ficam ao aprejo pu-
blico, nao sabemos o que admirar mais, se a
malevolencia do pensamento reservado que
os f irmulou, st a imprudencia de aceita-las
sem criterio e apropria-la pola publicaco
apenas foi de 17o:4404o8.
A a'fandega reudeu de
140:2911310.
Seguir, no dia 17, para Manaos, o Exm.
presdeme da provincia di Amazonas, ltimamen-
te nomeado, Dr. Gima Abreu.
Lemos no Diario do Gram Para :
G vapor Ibtcuhy, da a rmada brasileira, acaba
de ter baixa e vae ser alienada.
< Segando aos informa pessoa < ompetenie, da
carreira que teve a parte mais curiosa a qae se-
gu.
t Armn em Greenhith 1838. maio 8.
t Desarmou-se em Belm 5857, novembro lo.
Servio pois 9 anoos e meio.
< Duraole este lempo lodo, teve sete comman
danle, e gaslou em concertos cerca de >0:100J>.
Navrgou 28,891 milbas em 222 dias; distri-
buidos do modo seguate :
Europa a Peruambuco....... 3,825 em 27 dias.
Na costa do paiz............ 8,600 em 72 >
'Amatonas............ 16,000 era 10
Japuri...'........... 600 em
Rio Negro........... 400 em
Tocantins............ 60 em
I?.................. 80 em
(Jtitros diversos....... 46 em
Regnloa a marcha media por bora 5 nulhas :
por da de Inglaterra a' Lisboa 170 : de Lisboa a
S. Vicente 150, de S. Vicente a Pernambuco 140.
O depreciamento anoual do casco foi de cerca
de 20:000*000!....
< Nao ha naco que poss i manter uma esqua-
dra se os navios forera lao cusmsos como este nos
foi.
< Nao Soffreu um nico temporal. >
MARANHAO.
Cjoiegara aeleicao de deputados provinciae?.
NtS collegios da capital, Rosario, Alcntara, Gui-
mares, Curupur, S Vicente Ferrer e S. liento,
pertencecies ao 1" districto, eram mais volados
os Srs.:
.Dr. Auloaio Cusar do Berredo.
Jos C. Martins.
Tbemistocles da Silva M. Aranha.
Antonio Te lis de Berredo.
Padre Joo Valeriano. C. Maciel.
Dr. Jj da Silva Maa.
Padre JuioE. de Carvalho.
Antonio A. C. Guimares.
Dr. Heracllto Graca.
Jos Ribeiro da Cunta.
Antonio da C Araojo.
Dr. Manoel Jos Feroaudes da Silva
M. A. R. Oiiveira.
Joo da Malla de Moraes Reg.
F. M. A. Cerveira.
A presidencia da provincia envidava lodos
os ebtorcos para a acquisicao de voluntarios; sen-
do secuodado nesse ompeub por quasi ludas as
autoridades, e grande numero de particulares.
No da 1 de dezembro prxima deve ter lu-
gar a inauguracj do hospital portuguez, perleu
cente a sociedade humanitaria Primeiro di De-
zembro.
A nova directora dessa socledade compOo-ss
dos Srs. : Jiaqulm Coelho Fragoso presidente,
Antonio J. de Azevedo e Antonio Bento da Silva
secretarios.
no dia 19 do cor-
rete.
t Neste momento aeaba de ebegar aqu! a noti-
cia de e'tar eocalbado Das praias do Mairy um na-
vio estraegeiro.
i Dizem qae anda nao quebrou se, e a tripola-
cao o est guardando.
t O carregaroento maito importante e es pira-
tas sao muitos. >
PIAUHT.
Escrevem-nos da capital, em 9 do corrente ;
Apezar de saberse que o Etm. Sr. Dr. Luna
Freir espera va mu brevemente a exoneraco que
sslicitra de presidente desta |irovincla, tanto que
demorn a partida do vapor Paranagu para de-
pois da chegada do correio de Cotias, nao podemos
furtar nos ao desgesto que nos causu a retirada de
S. Exc, qae fez ao Piaohy em 13 mezes de admi-
nisiracao, beneficios reats que jaraa's serlo es-
quecidos.
t Para a gnerra concorrea S. Exc. com um con-
tingente numeroso, quando a provincia ja eslava es-
gotada ; nao se descuidou dos melboramentos ma
teriaes e moraes, que promoveu em alta escala, nao
obstante a siluacio anmala, qoe airavessamos, e
fez sea nome respeitado por ambos os partidos. E'
certo que nao procuruu dedica^oes casta de ser-
vicos polticos, pois que nunca se entrtgou nos
bracos do partido, mas sustente a com lealdade a
situacao, e aos contrarios amenisou a posicao de
vencidos. Nossas palavras seriam frias e descora-
das, se as quizessemos comparar com as expres-
s5s, que Ihe dedicoo a Imprenta, orgao do parti-
do dominante, que transcreveremos :
Por jornaes qoe tivemos do Maranhao a 28 do
met passadt, soubemos que obtivera a sua demis-
so de presidente desta proviucia o Exro. Sr. Dr.
Adelino Antonio de Luua Freir, e que em seu lu
(ar havia sido nomeado o nosso disuado amigo u
Exm. Sr. Dr. Polyloro Ces.ir Borlamaque.
i Dppois de mais de auno de adramistrafo. o
Exm. Sr. Dr. Luna Freir tero do deixar esta pro-
vincia, aooda prestou relevaoles servaos, taulo a
ella romo ao paiz.
Duraule o lempo qu'1 aqni servio, com verdi-
deira dedicagSo ao servico publico, S. Exc. promo-
veu vanos melhorameotis moraes e mmeriaes,
como bem a reforma, muito acarlada, do estabeie-
cimento de educandos arlilces, qur coro relaco
ao edificio propiamente dito,mandando augmeo
talo considera velmente, de modo que se pJ- di-
zer que e fdndaco sua ; qur coro relaco di-
receo do estabeleclraeuto, nomen!o uma coro-
missao iatelligent3 e zelosi, tn arregada de exa-
minar escrupulosamente o seu regulameuto inter-
no, aflu de propor as medidas necyssanas para a
sua completa regenerado.
t Ainda a' S. Exc e deve a iniciativa do le-
vamamento dt carta (hirigraphica da provincia ;
a consirucc/io da casa da passagem, no porto desta
cidade ; o cometo da rampa de deseuibarque,o
assaio do tbeatro de Sania Thereza etc.
t Em r-lac3o a' guerra eom o Paraguay, a uto
fez S. Exc. tratando de enviar para os campos de
batalha o maior numero po^ivel de .oI lados; era-
1 pregando para |so lodo* os melos justos, a seu al-
1 canee para que o Piaohy nao delxasse de c nt-
nnar em seus generosos sacrificios < ra prl da hon-
ra nacional : se mais nao fez S. Exc. ero relaco
a e?.-e objeclo i'nportantissimj, lurjue as torgas
da provincia sa aobara de alguma sorte e^t-;uuadas
com essa lula porfiala que, mao urado os desejoa
d-'S b.ros servidores do estado, anda cootini iu-
felizmente, a espera de seu termo glorioso, que
! mais cedo ou mais larde havemos de conseguir.
t Que o Er.m. Sr. Dr Luna Freir fez uma es-
tra feliz no Piaohy, basia ler-se o seu luminoso
.relalorlo aptesentaao a" assembla legislativa pro-
i viacial em 9 de setpmbro deste anno : leiam es-a
l importante pe^a ufflciai, notavel pela liDguagem
soldado de policia Alexandre Ferreira de Monra
toriodo-o sofcre o pello dlreito, e uma outra no pai-
sano JosPedro, qae foi a mostrar a easa do mesmo
Individu.
< O estado do soldado grave, jalga-se no
: escapar. O delnqueme foi preso.
No quarteiro Jatob do Riacbo, districto da
l Juba u, boove no dia 19 a* conflicto entre ama
I escolta da guarda nacional de Pacatuba, que ail>
I fora capturar designados,' e om grupo de quatro
i pessoas que accommetteramo mesma escolta para
tomar de sea poder o designado Goocalo Fran-
cisco.
Os aggressores foramAngelo Bispo, Jos
Francisco, Maooel Miguel e Francisco do Reg,
todos armados de facas e cceles e dous com espin-
gardas, de qae flzeram asa
t Em resultado coasegairam tomar o preso,
ficando o cabo da escolla, de nome Venancio com
um feriraento na cabega.
c Depois da desorden) a tscolta foi seguida pelo
inspector de qaarteiro Francisco Roberto, qae de
ordem do subdelegado prendeo os guardas da es-
colta os quaes acbam-:e recolhidos a cadeia, fazen-
do-lfaes guarda, por escarneo, aquelles designado?
qae elles procura va m capturar.
Na Jubaia, termo ue Maraoguape, bouve um
grande disturbio entre uma escolta que de Maran-
guape alli fra capturar designados < um grupo de
homens armados de espiogardas, cceles e facas.
< lluv- um tntelo entre elles, de que resulta-
ram tonmentcs, sahiodo o cabo da escolta. Venan-
cio de tal, curo um lalbo na cabega. Os aggresso-
res que eram quairo, conseguiram tomar o desig-
nado Goocalo Fraucisco.
As pragas que torraavam a escolta, verara
presas para Maraoguape, de ordem do subdelegado
do disinctu da Jabaia.
Chamamos a aiienco do governo para esses
factos, qae por toda parte e vao r-prodoziodo e
que necessariamente che^aro a um termo total,
se em tempo nao se providenciar. >
RIO GRANDE
Aioda nao tiLha fuoccionado a assemblea
provincial.
Foi designado o dia 24 do corrente p, ra a
eleico de deputados provinclaes, para c bienno
de 188-1869.
Lemos no Correio Nalalense :
CootUndo a S. Exc. o Sr. presidente da pro-
vincia, que eslava eucalbado um vapor americano
uos baixos da barra dcsla capital, officiou imme-
diaiamente a capitana do porlo, recommendan-
do loe que, alm das providencias qu j devia ter
dado para deseocaibar o mesmo vapor, propozeste
a presidencia tudo quanto enlendesse necassario
para iio, a Uro. de ser poslo a salvo o carreta-
mento.
Depois disto, acompaohado do secretario da
pnnincia e d< commandame do destacamento de
Kuaruicao, dirigi se a Ribeira para aelhor ioior-
mar-se da mencu nada occurrHQcia, e ala souLe de
capitao do porto que neahum perigo corra o
navio.
TARAHVbA
Nada occorreu i|ino de meegao.
at fallos daoriiuaria verosimi-
a artilbana do Vinie e Cinco de Mato, que nao esta
completronme a pique.
O Ofirula e a chata inimiga eslo debaixo
d'agaa. >
Ha manifestamente. engao no nome do vapor
que se denomina aqu Olinda. pois que o navio .
que assim se cbamava fui a pique, no combate do torisar
Riacho!o. Come se v do telegraroma seguiat-, re/o para COatestar-lhe mdSUlo a viso de
era o'Taquary. certas pessoas respeitaveis destas paragens,
Bueuo-Ayres, 13 de novembro, as 8 boras e___ r z ... f ,
e 30 rniootos da maoha.-A correspondencia zendo a descnpcao, que a illustre redac-
conduzda pelo vapor Espigador ebegoa as 2 d* Cao reproduzio.
maohi, pois o capitao ro.:u-a entrega la a noute
por ter de car em observacao sanitaria.
. As noticias de Corrientes alcangam at 8.
c Os vapores que foram a pique no combat-
de Tayi sao : Taqitary, Ptrabebt e Vinle e -inco
de Mato.
Os Brasileiros aproveitaram delles nona ca-
nhin, mclu-ive um de calibre 68.
Esiabeleceu-se oalra batera em Tayi com 12
pegas raudas.
t Este p nto rica goarnecido cora 7,000 ho
meo-.
< Recolberam-se ero Tuyaty 2,000 espingar
das paraguayas, dos morios no dia 3.
Esta averiguado que a legio paraguaya
atraigoju osalliados, passando uus e fjgindo ou-
tros, inclusive o eommiadantee ofciaes.
Depois do dia 3 nao se deu successo algom
imprtame, i
E.-ta, pois, agoisaate o nefasto poder de L>-
pez. Aperlado agora por todos os lados, elle ba d-
A 'Ifandega rendeu de 1 a 31 de outubro
'-^FaKa overeador da cmara municipal 'SaS,?!^ ^ sci.roca adrainisira-
j, ,,:, n,iL,.c..n.i..\i.,.c : uva e sobre tuJo precioso pelos decumeutos esta-
da capital, Domingo, Googalves Nica Coco l|S[ em >b^_, Voo-hao que elle foi
sao, composta dos Srs. : seoador Joao Pedro JasH ,nh(,Uni ,hp ., h,,.,,.,,,,^ '.
e pedimos venia redaeco do Cor-*., Manoel Jos Feraudes jlaaiva,. Angosto B31ASSS V$iS2,US^q u%
(fique olvidado.
< De todo coragSo,
Nio bouve, nem ba pessoas respeitaveis
d'aqui, que tal tenham escripto para alli; e,
se o bouve, esse noticiad' r nao passa de um
deses respeitaveis em miserias, que pro-
cura entreter animosidades mesquinlias, ba
muito expungidas pelo allrilo da civilisaco
do uosso povo, em cujo animo nao predo-
mnam as paixcjes ruins, que Ihe sao em-
prestadas.
A nossa denegacio ao que esereveu o Cor-
reio, comprovamo-la pelo testemunbo dos
proprios subditos portuguezes residentes
tiesta provincia : prova maior de toda ex-
cepcao.
Elles que nos contestem, asseverando
que as suas vidas e propriedades esto sob
aameaga al figurada pela imprudencia da
procurar e.mo a fera acu.da romper por algom proclamaco dessa repblica phantasiada, de
pono, e o sea desespero procurar sem davida .qoq*,,,. .K *"*,..,*
nos-Ayres Oteram circolar, e nsssa rrle repercu- ses rapneftos.
restoiegar com sorlidas temerarias como ja foi a
de Tuyuty.
Apercebidos, porm, coooo esto os nossos ge-
nerae.*, por onde quer qae tente passar, nao
encontrar senio a raiua e o desbarato para as
tristes bwsles qae de continuo maada a ma-
langa.
N> Rio da Prata era geral a conviego de qae
foi t traico da Irg o paragaaya qa com algamas
tropas correntiaas lata as avaogaias, que abri
ao iuimigo o camiuho al ao ceu.ro do nosso
acampamento Toyuyi Nao fcil conjeclorar
que gaiardo aquelles Paraguayos, pela maior
parle exilados ou proscriptos, agnardavam de L-
pez, eaj qu9 ao odiara ver seoo o lyranno qne
os perseguir. Un o fado deu-se, e pode servir
taivet de raaalda do fanatismo paraguayo. Infeli.
povo que serve assim de muraina ao homem qae
sem d nem consciencia os esmaga e immola aos
que deve resultar toda a sorte de violencias
e vexames ana mesmos Portuguezes!
Se nao fosse para revoltar esse acervo de
calumnias dignidade dos btntimentos e
instinctos pernambucanos ; se em tal occa-
luam, ae bavtreai 0 Paraguayos roettido a pi
que no canal de Curopaiiy navios carregados de
pedra, construido estacadas e atravessado eorren-
tes. Por onde passariam esses navio?, agora qne
inierceple a comuiuQicaco pelo io entra Curu-
paiiy parte suprior do Paragoav ? Como se
fariam estes trabalbos de estacadas" e atrevessa-
ment de correnu,, debaixo das vistas e alcance l _.~^
aa animar da div:so de (qmo pivios qae! S. M. o Imperador, acompanludo dos sen? se-
Segundo as noticias do interior da repblica
argeuiio-, troba Varella tornado a fngir para a
Bolivu depois de haver pesto o saque a pn vinca
de Jujuy. Ada Rioja era preza das grri-
mas.
N>> Estado Oriental estava marcada para as
eleic8a8 o nltimo domingo de novembro.
Olympio Gomes te Cistro e Antonio Jansen de'
Matt s Pereira, baro de Anatajuba, desembarga-
dores Manoel Cerqueira Pinto e Antonio Joaquim
de Mello, Jos Biptista da Silva, Francisco Jos
Gomes Pereira, Maooel Amonio dos Santo-, Manol
GoBgalves Ferreira Jffna, Jjaquim Mana Serra
>obnubo, Antonio Nogueira de Soma, Jos Candi-
do Nuoes Beif.ii, Jos Moreira da Silva e Henri-
que de Briio Guhon.
Essa corom^o procedeu, no dia 9, a elel-
go de uma directora, qoe flcou assim orgaotsada:
Senador Aotonlo Marcelino Ncioes Goocalves,
presidente.
Dr. Jos da Silva Maia, vice-presidenle.
Tbemistocles da Silva Maciel Araoha, Ia secreta-
rio.
Dr. Antonio Jansen de Mattos Pereira, 2* secre-
tario.
Commendador Felippe Joaquim Gomes de Mace-
do, ibesourelro.
Foram nomeados pelo Sr. presidente as segua-
les comroissSes:
Para redigir os estatutosDr. Antonio Marques
Rodrigues, Joaquim Serra e Tbemistocles da Silva
Maciel Aranha.
Para enten'er-se com as directoras das socie-
dades de soccorros aos militares com o Qm de ac-
cordarem em ama fuso: Dr. Augusto O Gomes
de Castro, coronel Isidoro Jansen Pereira e Henri-
que de Brito Guhon.
Para adquirir o maior numero de socios, quairo
commissots de dous mewbros cada uma : Dr. Go
mes de Castro e coronel Isidoro ; Dr. Jansen Mal-
tos e tehente-coronel Jos Baptista da Silva; Dr.
Francisco da Serra Carneiro e inspector da toe-
si5o o resentimento pela injuria nao sobre- i
nnia^f a nmlnner nntrn imnnU.. rt'alma senraria Francisco Gomes Pereira; Joaquim Serra
pujasse a quaiquer outro mpuis-. a alma,. B Ur Manoe( hi pernanaes Sllva.
por certo tena i os um sorriso para tudo
isto, que mais (ao mereca como farca, que
, nao obstante ser uma farca de rno gosto.
A dignidade de om povo irm3o nao de-
ve ser offedida t5o puerilmente; ba res-
peitos iue Ihe slo devidos; e nao essa
restriceo posthuma a injuria, em guisa de
excepejo, que pode justificar ou mesmo co-
honestar a imprudencia d' aceitar-se acen-
sares desta ordem, sem fundacnento plausi-
vel, nem razio de ser, com independencia
de averiguacoes a espeito de sua materia.
E a illustrada redaccSo do Correio por
isto taDto mais censuravel, qoanto j tinha a
licijSo da experiencia para dingir-se na de-
vida apreciac3o de um objeclo ponderoso,
que se dava sua noticia; pois nio ba mui-
Para tratar de um espectculo, que deve ser da-
do notbetro deS. Luiz em beneficio da sociedad?,
dna3 commissdes :
Commendador Felippe Joaquim Gomes de Mace-
do, Jos Moreira da Silva e Jos Candido Nones
Beifon.
BarSo de Anajuoba, Dr. Maooel Jos Fernandes
Silva e Dr. SebastiSo Jos da Silva Braga.
A cmara municipal da capital publicoo a se
guite proclamagao :
Concidadaos.Obtacalos natnraes e o appare-
cimenio docholera-morbu-, no acampamento das! Floriam de Querdt Coutiobo, Tertaiaoo Jo dos
fugas alliadas em operagOes contra o presidente do, Santos Patury, Joaqmra Alves Machido, Jote J Paraguay, a mor parle dos quaes quaodc ia ter lu- quira de Fraoga, Saturniuo de Jess Bezerra, Jis
gar o ataque as 'orliflcacdes do inimigo, abriram Alves da Costa Gadelha, Maibias Ayres Delgado,
claros no nosso exerciio livre, hoja, felzmente,' tddos da diocese de Pernambncp, e Constanlino
deses embaragos, e vido de maiores glorias, qae, G.mes de Mauos, deste Bispado.
sem davida, conquistara' pelo mais eompleto e as-1 Lemos nft Cearense :
signando triampbo. < Hontem (12) no Out'tro dos Educando?, lodo
Mas, para que este se consiga J proajpfo ama escolta prender para recruta a um todiWduo,
forcoso habilitar o nosso exercitg com remesa de este vendo-se desesperado, correa aun facuda co
fazemos votos para que o
Exm. Sr. Dr. Luua Freir receba do g vero j im-
perial o gaiardo a que tem diretlo por seu lucon-
lestavtl mrito e servjgos reaes
No dia 3 foi-ihe ofkrecido um pomposo baile
concurrido telas priroeiras pessoas de ambs os
credos, e boje lera' lugar o embarque de S. Exc.
no Paranagu, que pela compaohia foi poslo a sua
dlsposiga.
t Fazamos votos para qae um exceiltate carc-
ter, como o Dr- Luua Freir, nao seja esquecido,
pois que o paiz precisa de bomeus, como S. Exc,
a quera desejamos uma carreira prospera como
merece.
CEAR.
O Exm. presidente da provincia fez um eieor
sao ao Baturil, aflm de examlu r as obras da es-
trala. Desse logar foi S. Exc. a' M rugaape e a
Jobaia.
Acbaia-se no porto earrogaoilo o vapor Auaus-
ttne, da lio lia de Liverpool.
No du 23 do corrente teve lugar a abertura
extraordinaria da assemblea provincial, para ap-
provar as leis annuas. *
Para Liverpool seguir, no dia 21, o vp, r
inglez Jerune, coro 4021 saccas de afgodo, 841
couros e 22 fardos com borracha.
Durante o mez da ootabro vieram ai n erca-
do da capilar 7,458 saccas de algodo, e de Janeiro
a outubro 28,043 saccas.
Havia completa taita de moeda de cobre, na
capital, eom o que muito scffria a pobreza. O des-
cont jl era de o*/,
A provincia tem dado 1,609 pragas da guar
da nacional, para o exercito, p r conta dos diver-
sos coniiBgemes qoe loe foram Oestriboidos.
Naufragara, na pona do Mamripe, a barca-
ga Laurentina, perteocen'e a praga do Aracaiy,
morrendo om dos tripolaates, e perdendo se total-
mete a carita e a barcaca.
Falleceo, em Lavras, o Sr. Jos Joaquim da
Silva Brasil, abastado agricultor desse muni-
cipio.
O Exm. diocesano confeno ordens de sobia-
cono e dicono aos seminaristas de Pernarabuc,
M.inoel Joao Gonoes, Cbnstovio do Reg Barros.
Procedente de Mrotevido, pelo Ro de Janeiro
e Baha, ehegou tambem honi-m a larla o vap ir
1 francei Picardie, da liuha de Mar-elha. Por elle
1 recebemos jornaes do Rio al 20 e da Babia at 24
! do corrente.
Sob as rubricas Parte Oficial e Interior damos
por extenso as notic as mais Importmies; alera
das quaes apenas encontramos mais as que se-
gera.
Rio da Puata.
Compleiaodo as noticias do theatro da guerra,
! damos em seguida a cana do general Mitre, mos-
trando as posIcSes vantajosas que ocupa o excr-
lo alllado:
Quariel general, 7 de novembro de 1867.
Etm. Sr. vicepresidente da repblica Dr, D.
Marcos Paz.
Meu estimado amigo.D-pois da minha ulti-
ma parlicipaado-lhe a esfrega do Tuyuty, nada
tem bavido de importante.
A perda do inimigo nessa occ?siao foi maio:
do que a que Ihe comrnuniquei.
c At boniim enterramis "J.040 homens do iui-
raigo, e con'.icuava-se a apanhar O' cadveres pe-
l< s Esteros, p.rncipalmente do lado Potreiro Ti-
res, de onde foram rep|tidos doa a-saltos con-
secntivos, ficando no campo grande quantdade de
morios.
Ja' foram recolbidas 1,630 espingardas para-
guay is pelas torgas brasileiras e 260 pelas argn
linas. E'.nfl.'D, confirmo o qne ante: disse que a
metade, ou roai- da metade da columna paraguaya
que atacoa a Tuyoty sucumbi na empreza e cal-
culo qae houveram n.enos feridos qoe morios. Dos
morios do inimigo f jram reconhecidos 72 uefes e
officiaes.
t Depois de 24 de maic, em que o in'migo teve
5,000 morto?, nao houve mais espantosa mortanda-
de nesta guerra.
t As nossas perdas foram tambem maiores do
que as que mencionei e todava nao sao conside-
raveis, As torgas brasileiras que uaroeciara
Tuyuty perderaro ao todo'600 homens, dos quaes
200 morios. As torgas arg-ntloas qoe all se
achavara perderam 2 morios, 96 feridos e 40 ex-
traviados.
t A cavallana argentina que toi em auxilio d>
quella posigo, te, camo Ihe dhse ja* 70 ho-
mens entre moitos e feridos, ao todo 827, dos
quaes uma quarta parte mort is, e grande parte de
(erid s.
t Perdemos seis ppgas.
L"go que se apaohera os dados ex?ctos, re-
mefrei as partes cfflciaes.
A firga paraguay que atacou compunhs-e
d-a 15 batalfcis, tres regiraentos de cavailarla
'nontado" e dous a p e um esquadrao e artilha-
ria. Mais ou menos 8,000 homen-, sem contar a
torga qae atacoa pelo Potrero Pires, avangaudo
desde as linhss de sua direita debaixo dos fogos
della.
Nos.-a posigo em Tayi se fortifica cada dia
mais.
t Com os elementos que possne, pJe repellir
por si s a nm sori-o ataque.
t Poaemos em duas horas marchar em seu au-
xilio com orna cojomoa de 8 a 10.000 homens das
tres armas.
As bateras collocadas sobre o rio ja' intercep-
taran) a navgagso do Paraguay, e a esquadra pa-
raguaya, qoe o domraava, esta' cortada, existindo
doos ou tres vapores em Haraaita' e dous em fren-
te a villa do Pilar, sem que se atrevam a empre-
hend>-r a passagem.
t Por ierra nada entra para o exercito para-
guay i, e o bloqueio fluvial e terrestre com-
plel i.
c Em tal sitoagSo estamos igualmente preveni-
dos coatra qaalqoer tentativa desesperada de L-
pez.
t Os vapores paraguayos que ba poneos dias
foram a pique, sSo, o noS'o Vtnte e Cinco de Maio ^
e O/inda e orna chata com uma pega de cali-'
bre 68.
i u Pirabeb escapou com uma roda em peda-
gos e outras avarias.
t Temos em Tayi uma flotilha de btese canoas
levadas em carretas, e com uma chata de passa-
gem qne tambem levamos; trabalha-se para sal-
var a artilharia do Vtnte Cinco de Maio que nao
esta' completamente a pique.
i Incluso remeti alguns papis qoe se encon-
traran! a bordo do Vinle Cinco de Maio, cajo eom-
mandante morrea no combate. Neste navio eneon-
traram se 50 eadav*res, por ter om bomba nossa
fmto explosao ao cahir a bordo-. Vosso como sem-
pre aftoctuoso amigo.Bariholomeu Mitre.
Aluda do Diario do Rio iranscrevemos o se-
grate :
Ultima hora.-'-Recebemos carta* em que se nos
diz qn- Lpez fat novas propostas de pat aosal-
liattdt.
No dia 9 do correte passaram-se para a es-
quadra doos alferes paragoayos. Aprovltarao-se
da chava da noile para este Qm, e ebaraaram da
barranca para a canhonheira Ignalmy, qae os
mandn buscar em um escaler.
Receia-se om prximo ataqoe. Os aHiadosem
todas as suas posigSes, e.-peram com seguraoga
inimigo.
Um nosso correspondente, pessfta respeilavei,
nos diz o segoiate :
t Agora mais do qne nanea, preciso que o go-
verno mande reforgos. e serla um felpe enrgico
enviar 8 ou 10 bata bdes da guarda nacional orga-
otsada.
Estou certo qae com este arrojo, a guerra,
qoe esta' a flnalisar, se terminara mais depresta.
E' preciso torga de voniade e muito valor para dar
esle golpe decisivo.
Bio de Janeiro.
O cambio regolava : sobre Londres 20 3/8 20
7/8 d., sobre Pars 460 a 464 rs., e sobre Hambur
go 860 rs.
Os soberanos (libras sterlinas) vendlam-so
H700.
Sabiratn para Pernambuc? a 19, polacas
uespanbolas Viagero e india, em lastro.




-

r^I

M


hurlo
tetra de \uenbr* 1867.
Ficararo a' carga para Pernaroboco: galera pbia do gymnasio, o Sr. f- Jos Suriano do Son-
iYopa Fama i/, barca Pereira Borges, brifae Boa
/', portoguries; barca Social, brasileira.
Paran.
Assomio a admnlstraco da provincia, nn dia
23 do passado, o Eira. Dr. Jos Feliciano Horta
de Artejo.
S. PAULO.
-r O presidente da provincia devia partir no
di 18 do correte, para examinar era Santos as
cbras publica*.
Laidos uo Stndaiuonhangabens :
< Era ura dos balrros do municipio da Tanbal
tem snas preprledades minas Hariqoe Alves
13, qoe fra a' coneoMo da mesma.
Forana lomeados pela presiden ia :
Vicente Ferrer de Sonta Brbos, alfares cirnr-
gao da seccao de reserva o. 2 do Pao d'Aiho.
Francisco Jos de Moara alferes porta bandeira,
Antonio Los de Sonta alteres da 9' ompaahia, e
Manoel de HMIieda Cavaleante capitio da 4* do
batalbo n. 17 de Pao d'Albo.
Por se nao lorem apnsentado fardados, no
praso da lei, foram privados dos pistos o alteres
porta-bandelra Jos Leopoldo dos Santas Lias e u
alferea-d* companhia Manoel Jos de Amor i m,
Borges e JaV Gimes d raup Mareondes. Co- |do bi'alho "d9 p 'A-
nhados e compadres, eatretioham estes don* vl.i- Foi transferido para a reserva o capita i Ale-
nbos ama tal amitade que pareca ser intima de xandre Correa de Amorim, do batalbo n. 17 de
parle a parte. Os tactos mostraran o contrario. ,P3j a AlD0. Pr 'r ceg.
< Henriqne tem ama (liba, qae, a ama beilaxa, Durante o impedimento do tabelliso publico
provocadora, reane o verdor dos quinte anuos. Es- desta comarca Joao Baptisla de Sa', servir' o car-
tes encantos despertaran) a voluploosidade do go o Sr. Jos' Cirio* de Sa'.
compadre e amigo Joao Gasa*, a laes; arles fez Qoe, Para proaiotor de c,brooo. r remofido 0
a menina reodeo-se a discripeao e **"?"' Dr. Francisco Domingos Ribeiro Vianna, que ser-
d* sensaaiidade as ptalas da sua.wrfla de y rgera. ,u jgnal c, ^ S8Q(Jo Manio'n egl9
Mas larde appareceu o frorto deste amor crimino- logar 0 Dr. Jos Tbeodoro Gomes.
so, qae entretanto a Infeliz menina pode occaltar
as vistas de seu pai, que em extremo a adorava ;
mas o demo, qoe soda sempre meltido nestes dra-
mas, fez bater a' tarumella un amigo de Henri-
qne, qne pelo miudo Ibe narrou o que entre Go-
mes e sna Alba bavia. Pobre, pai I Desesperado
com oqne soobe, jurn vjogar-se, como o fana
qoalqoer ootro que nao tivesse jungue efe barata.
Simulou orna viagero, e na noite do da da partida
volton a' ca-a, e entrando pelo quintal sorprendea
os dous amantes, que (orara separados pelos uro
jectis .1e_uma espingarda disparada por Henrique
sobre Joao Gomes. Feito islo, Henrique veio a'
casa de ootro vitloho, e contando, pedio-lbe que
fosse ver se Gomes tinba morrido. Gomes nao mor-
rea, e dabi fol condolido para sua casa, vindo no
segainte da paraa cidade, suppoudo os mdicos
qoe elle esleja em perigo de vida, ou qae pelo
menos lbe seja necessaria a aroputoco do braco
direlto.
A aatoridade prosegue no processo, mas tao
ccuvlcto esta' Joao Gomes do pncedirneoto repro-
vado qne teve que pensou poder dbpeusar o cor-
po de delirio, e coa/eso que se er elle o maior
criminoso, e que muito b>-m fez o seu compadre
dando-lbe semelbante castigo.
< Qae sirva isto eeaemplo para que a paz das
familias nao seja tao vrrgoohosameole pertur-
bada.
Para mais aggra/ar a posicoo da pobre me
rolua, o asaassino do sua bonra casado 1 >
OCorrao Paufufano de lo do correte publi-
ca a segainte carta e.-criptade Cuy aba em 20 de
lembra ultimo :
Sob proposta do Dr. chefe de pilicia foram
nomeados: subdelegado da Gloria do Goita', Pas-
cboal Soares de Figueiredo; o 3% 4 e sapplen-
tes do subdelegado da Luz, Manoel Marcos de Ai-
buqaerque Mello, Jos Francisco da Costa Figuei-
' roa e Cinrado Ferreira Costa.
Inscreveram-se nesta cidade, at hontem, na
Aisociacrto Protectora das Familias os Srs.:
Baro de Villa Bella com... 6:000,5
Barao do Livrameolo....... 7:5004
Jos Joao de Amorim....... 7:500
Adriano A. d'Almeida....... 6:000,5
Jo.- Henrique Trindade..... 6:000u
Dr. Ignacio J. de S. Leao.... 3:0JO*
J.F. do Espirito Santo....... 2 000*
Antonio L. de o. Atevedo... 2:00 *
Dr. Bernardo G. A Icoforado.. 1:000J
Luii Aman 1 Doprat....... 3:000*
ido beanco moito
perajriz fot. qoem
te genero
apWciu redondo,
O Tolla de velludo
< Este chapeo era- de wn
bonito, feito de no de prata.
primean apaereceiMom nm
na sua viagui a Otborne. O
am poaco levantado a fren t,
prata mallo branco, ornad* em
pense, e ao lado ama pequona pluma. A briiet
qae crnzavam sem dar U50, eram brancas orlada
de vellodo pense.
Os paletots desle invern difieren, dos ante-
riores, por serem mais compridos. Fawnn-se de
vedado ou panno. Para os gnarneeer seraje pas-
Mmanana, o setim e a marta.
c A retonde ou camalba toma o sen dominio este
invern. E para qoem a sabe asar, com certa dis
l.occo, nao dalia de ser elegante, e ao mesmo tem- ZffXJffSSSSSSTSSSS^ *"
nnA^mm^, am.ik. *m rln^., mm< J? rn*l0f publetdade para a sna caria e para
os nomej dos sls Portuguezes qae elle julga mais
Bravo do arelo I I..........
Bravisimo, Sr. coroapoicanU! I......
venh a ptng n> etfkza, e vira a Sra; Mara.
Descaa^mniu ainig, que nftprimeira fornada,
vcesa atwrc*pega,v-bao das Batatac.
Um portuguez sem nspiraces.
Acabamos de ler no jornal Correio da Europa
ae 15 de oulnbru prximo (lodo, uma carta dlrigi-
oa o9ta para a cidade de Lisboa ao Ilm. Sr. Alba-
no Louimbo, aa qaal sea aotor, exaltando os ser-
vicos prestadas por alguns Poriogaezes aqu resi-
aentes, censnra o respectivo governo pelo lodiffe-
reoiismo eora que tem rerebido e eixado sem ga
lardao tao m portantes
qalm d Almeida Pinto, 1 i lo.s A. Moreira Diati,
1 a Tasso IrmJos, 1 a Joaqnlm Farreara Ramos, t
Lhailbacar & L., I a J. V. G. de Sonza Galoso, 3
commoda a Riedel.
RECEBEDOB1A DE RENDAS INTERNA^
GERABS.
Rendimento io dia i a 27........ 33:98i*9l0
dem do da 28................. 1:035J729


35:018*63
dignos de ser galardoados.
Mas quae.H sao es.es tao preeooiados servieos T
B. o qne coi Vadosamente devana indagar o III m.
Sr. Albano Coutinho, antas de fatar pobliear a car-
que nos referimos ; antes de dirigir censuras
i s
qu tenn concedida dlsoccSes
alguns Portuguezes de Pernambuco
sem titulo algara d benemerencia.
tria.
CONSULADO PROVINCIAL
Recdiaeato do dia i a 27....... 62:805*639
dem dodU28.............. 3:121*019
69:211*419
po commoda. Aeamalha em renda prera, sera
asada em grande toilette. O costume* tm pan-
nr, e em velludo serao mnito asados este in-
vern.
c 0 cinto sem da vida uma das partes impor-
tantes da toilette. Sem o cinto nao sa e*tt' comple-
tamente vestido. Ha nos cilos nma varitdade im- a
mensa. >a se o cinto pepino-, as charpas, as lar- fSa^ZX ^i?JSSE? i S J?8"
gas Utas bordadas e o cinto redondo em onro, ou- Z a concadlda dismeeit..
tros todos bordados lambeta redondos. Finalmente
cada nm pode usar o que mais lbe eonvm, por-
que ba neste genero alguns depreco elevadisslmo*. AIKumas suDecnpcees para acudirs vitimas
f Vamos agora descripcao deagnmas toi- "f'^"1 la peste no reino e as ilbas? Mas is-
leUes : lu Dao e mal5 d'' lie o comprimeoto de duplo de- .
ver qne nos Imp5i a lei de Christo e o amor da pa i nlO-tormoso5 horas, vapor brasileiro .Va-
este aopio dever sendo cerno innato on! manguape, de 233 toneladas, comman-
M0YIM2NT0 ])D POBTO
iVacioi entrados r.o dia 28.
Para e portos intermedios-9 das, vapor
brasileiro Guar, de 999 tonelladas, com-
mandante o Io tenente Pedro H. Duarfe.
equipagem 56, carga differentes gneros;
Antonio Loz de Oliveira Azevedo & C.
DrMaviaaTaV in aetM.
!.Onro e amor.
.Obra do diabo.
I*-Luz no abysmo.
4.* Descraija abenpoada.
PERSONAGENS.
Bario de Plores. .
Jorge de Agniar. .
Julio de Oliveira. .
Mauricio de Souza.
Ignacio. .
D. Mara. .
D. Olimpia. .
Magdalena. .
1* convidado. .
2* dito.. .
3* dito. .

Commaolanle da forca. .
Mi criado. ...... s.nta Rosa
O Sr. Thomaz.
> Maeedo.
Peregrino.
Lisboa.
> Teixeira.
A Se D. Antonia.
> > Julia.
> Jesoina.
O Sr. Emiliano.
> Brrelo.
> > Guimaraes
>

Siqaelra.
dante CosU. equipagem 20, em lastro;
Companhia Pernambucana.
------------------- ^- ^au>Sy -U^/Wl IIOII"
cez Picardie, de 8*3 toneladas, comman-
dante Razouls, equipagem 80, carga dif-
ferentes gneros; Keller & C.
44.000*
Ten lo vindo pelo vapor ingle Seine noticias
de que os e-lados pontificios se acham rateramen-
te livres do movimeoto insurrecional promovido
por Garibaldi, oo intuito de perturbar a paz da
ignja e a soberana independencia de S. Saotidade;
o nosso amigo o Sr. Antonio Luiz de Oliveira Aze-
vedo, vicecnsul d is estados poatifleios, em rego-
cijo por to fausta aoticia, teve bontem, dorante o
da icado na casa do consulado o respectivo pavi-
Iho. v
< Luame s a.jui com uma medonha epidemia de
bexigas. Oo da 14 de agesto a 17 deste perde-
mos mais de 1,500 p's-oas so nesta capital.
< A descoberta de Jeoner, a vaccina, nunca
visitn estes sertSes, e Dos castiga hoja a impro-
videncia de nossos pas, que nos nao acautelaran)
contra to terrivel mal.
O goveruo, assim como algaos cidadan^, tem
feito o que possivel faxer-se para minorar os
. i OYimenios da poplacao, e temos na capital
Teve logar, no trigsimo dia do sea falleci-
mento, a missa fanebre em suffragio da alma do
Sr. Braz Machado Pinenlel, segnindo-se-lhe nm
memento solemne.
O aclo foi celebrado na reja de S. Sebastiao em
Olioda, nelle offlciando o Rvd. conego vigario de
S. Pedro Marlyr.
A igreja qoe astava completamente ebeia pelo
grande concurso de pessoas preseotes aquellos of-
lelos de pielosa recordagao, achava-se decorada
i com propriedade, e em meio elevava-sea eca mor-
; tuaria.
t 1. Toilette de oatte.Vestido de gate de seda
branca. A sala de canda e tem em baixo nm fo- corceo de todos os Portngaezes, prodot os seus
Ibo posto em largas pregas, tendo na borda am salutares effeitos, sem que seja necessarios o in-
rolo de tafel cor rosa. Ao pregar dofolbo tem tres eentivo de vaidosas recompensas.
i rolos de lafeta' rosa { no intervallodos rolos leva A fundaco esustentac) dos dous estabeleciraen R' de Janeiro e Babia8 dias, vapor fran-
| nm entreraem de renda. Corpo muito degotado tos portuguezes, gabinete e hospital 7 Mas islo
j guarnecido no degole por dous rolos de tafeta'. anda o froto da candade christa e do verdadeiro
. Mangas cortas em tufo, tendo em baixo nm rolo amor da patria ; toJos-os que concorrera para a
de tafeta*. Camisinha de talle branco, tambara de- sasteoia$o desies estabelecimeotos bem como a-
I gotada, tendo no degote passada uma tioba da la- qaelles que os admioistrm, do-se por muito bem Montevideo28 dias, polaca hespanhola Dos
fel'. Cinto de fita da mesma cor de rosa, com .pagos com os bens uae dos mesmos resultara : Magdalenas, de 234 toneladas caDitSo
grandes ponas atraz. No perneado ama guirlanda Instrneao e recrelo para uns, abrigo, consolado e pierio Roie mSmn^So*KS
de rosas, cora folhagem ligetra. disvello de tratamento para oulros enfermos pobres ,- k eq"'Pa8era ". carga o.SOO
Toilette de passeio. -Saia de lafela' brun, e desvalidos. quintaos hespanboes de carne; TaSSSO
Vestido curto de papeline brue, levantado aos la- Eis aqui es assigoalados servico?, pelos quaes no IrmSO. Seguio para Havana.
dos por urna tranga feta de selira pretn, acabando pensar do missivista e no do [Ilm. Sr. Albano Con- liba da Assencion-7 dias, patacho nclez
a meio da sata com uma rozeta de setlm. Palelot trabo, deve 0 governo porloguez fazer chover tile- Un*,;hni a ica i -.-
de panno bru. tendo urna tranga de setlm preto los e condecoras soK"a colonia JorinSetadn fanntbal *40 toneladas, Cvpitao
em volla do pescoco. fechando adiaote com uma, P.-roambuco I .Oh temporm oh mores I N'oulras eorge A. aemthlll, equipgem 8, em
roseta de setim d'oode pai tem duas trancas, iqne eras sania de Lisboa para a ludia um governador lastro ; ordem.
do voln a" frente do casaco, e vo atar atraz, de- levando tres hbitos de Christo para retribuir a Navios saludos no momo da
baixo do casaco, apanbando o dos lados, Beando aquelles que roaissedestingaissem d'entre os rani PortOS do SulVanor in"lez Seine com-
duas trancas pendentes alraz com um peqeno la- tos fortuguezes que era trras longinquas com ini-' mandante Wnnlr-nit
go em cada ponta. Chapeo de crep brauco, guar- mitavel valor derramavamseu saogue pelas glorias '. UJd""d,llc "Jicoii
ne-ido com nm largo velludo escuro e folhagem de a dpatria. Marseilie e portos intermediosVapor fran-
ouro- ,., _, i Seis sao os nomes que o missivista menciona e i cez Picardie, commamndante Razouls.
3. Toilette.-Vestidoi de taya gris, sata redon- o Illm. Sr Albaoo Couttnho publica e em^bono da Rio de JaneiroBarca inelesa Waufartr
d; ornada de liras de lafeta", simulando, recortes vetdade devemos dizer, qae alons delles parten-! caD-tao Blarhfnrd Tarta dV.
na saia e subindo pelos lados alea' cinluna. A saia cem a cidados oorluauezes anda mais res-ne itaveU! "P'lao "'a.cn,?.rfl ca[8a 1 arte da que
Antonio, criado. .
Soldados de polica.
poca actnalidade.
A empreza tendo de fazer repr-senlar para
maior olemnidde* dasse dia, am drama novo,
original braileiro, preferio entre oulros de que
disponaa, o <)raa do distineto Iliterato o Sr.
Victoriano Palhares, nao s pelo merecimenlo do
drama era si mesmo como tarabem polas qualida-
des do autor, e por ser elle (libo d-sia provincia,
que sempre vida de aorpeur mereelmeoto real
de seus Oihos prestar-ihe ha por eerto o aeolbi-
mento de qoe elle credor.
Os bilhetes acara se desde ja' a'venia no es*
criptorio do tbeatro.
GRANDE BAILE PARTI-
CULAR
NO'
Sales do caes do Remas

NO
egnintesbo^iues-bospitalrainiar^ dito de ^X^^mS^^tdlSZ
d- s W,"' C0,^,,, M'?,lhie* tm m- d, focada da tradigao para perpetua-la pela publica-
ttSA^S&ES 12OSla Lr T ?a, "^"B Oiu?o em que sao preconlsados os
n m? fP *L'f d*q?' eI'Slm h,,,e8 o* philantropcos do finado Braz ; os quaes sao
S.oto Antonio. Melgago, Lassange e P.-eon- assira extendidos ao conheciraento de lodos.
Uma guarda do batalno da guarda nacional da-
i-f* V*_*w U'. III i-'-l|'l'..U I
' nenie a populagao da capital
te. Nao esta' em rainhas mos,
No dia 25 do mez passado morreram aqui na
capital 150 pessuas a mortalidad'; conservou-se
de 100 pessoas por alguns dias; agora i decres-
ceo, mas aioda a.-sira regula de 30 a 50 morios
por da, segundo me informara.
" No dia 17 do corrente, s o horas da maohaa
.-hegru o Sr. Coutode Magalhes com a fausta no-
ticia de estar salvo e j recolbido ao M-Igsgi o
I Jauru', que sossobrara no combate do Ale-
gre, e bem assiai de que as forgas do Baixo Para-
fj'.y, j livres das bexiga?, deviara entrar nesta
cap 1*1 no dia segainte.
To agradavais noticias nao podiam vir mais
opportuoameote e era sorprender mai= agrada-
abatila pela pes-
meu amigo, des-
crever-lhe os quadros tocantes que se-deraoo cora
a entrada dos prisioneiros de Corumb.
Aqui, era ura pai que abracava seu.' filbos ;
all, um irmao quo va irmasque ha muito lempo
jl^ava murtas. Conhecidos, prenles, amigo.-,
qne, se por um lado erara sorprendidos com a
preseuga de pessoas com cujas existencia* ja' nSo
lavara, por outro lado adquiriam a certeza da
ru.rte de outros que jnlgavam vivos. Sao scenas
.-'nao descrevera a por isso passo adianto.
Com a chegada das forgas as cousas tomarara
cuiro aspecto. O Sr. Couto de Magalbses desti
i u as ao exclusivo servigodos bexigosos, da lim-
, 'a da cidade, da couduugao de agua, ruin e
ti iadas para abastec nenio da populagao, queja'
e-Uva araeagada da forae.
O- djstlnctos offlciaes desses corpos ja' inet-
I ram mos a' obra com dedicagio, para a qual
:.i i ha palavras de elogio que sejam exageradas.
Os prisineiros p-.ragayis sob a direcgo de
t roprios sargento* e oQlciaes fazem o servigo
fia conlucgo de cadveres e enlerramento dos
rhis medanle uma boa gratiQcigo, Gcando
til ; osado desle servigo o o* de arlilharia, que
ID' liu'-m vai ser reorganisado.
U i provisorio e o t de guardas nacionaes
ti -.ico s que sao es quo representarais o- prin
ci I papel na campanha do Palxo Paraguay, ja'
i beodo novos coutirisente-, e dizem-me
que serio reorganisados cada om com 80'J ho-
mens.
Sra principios do mez passado seguiram das
letras do Pequery para o Araguay 2-o carros
111 nm vapor destinado quelle rio. Sera' cu-
rio-,) qu ura navio sabido das aguas do Rio da
Prata va' fnncclonar as do Amaionas.
E en ereto que agora essa questo, que o nos-
so presidente agita ba cinco aouos, tera' solugo
louvavel. OxaU' ama prorapta terramago da guer-
ra lbe dfolga para por-so a' testa desse negocio,
como m dizem que pretende.
Cheg'iu do Para'por via do Araguaya o capi-
pit) Benedicto Franca, que partir em commissao
para aqoel-a provincia. Veio cora tres reetes de
vlagem, traten lo um carregamento de 1,000 arro
b:s de carga, composta de cbjectos para maricha
a manifO's de guerra. Gasloa m^nos tempo de
ida e vinda do que gasta uma tropa carregada para
vir do Rj de Janeiro ; o frete de 7JO0O Dor ar
rbi.quaodo pelo Rio da Janeiro de 25*1000;
ainda >e Jira' que a va do Araguya utopia ?
t Vot vi.i da Bolivia sabemos aqui no da 2 de
jalnu ii.uV' um grande ataque entre as nossas for
;as e a-i piraguayas; que Curupaity cahio era nos-
o poder, que Lpez fugio pira Humaita'. Carece
do co;.rmigao.
l)emae que o correio postal foi extiucto ;
n de guerra e peste, mais esta. E'o caso de
di:.r -e : aira de qoeda, couce.
BAHA.
H iavr i m grandes regcsljos pelas ultimas no-
ticias do tbeatro da guerra.
Dj arsenal de marlnba foram despedidos 170
operarios.
Acbava se no porto, vindo de GUscow pala
Madeira e S. Vicente, o vapor inglez Anna Ltffey,
qae s- destina a Buenos-Ayres.
Tendo - ria provincial era dficit de cerca de 200:000,5000,
am p nsquracia dadirutnoigo das renda?, o pre-
siden'.; daprovincia resolveo fazer ura ampresli-
cxn des i quantia, e para esse Ora ja'tinbam sido
publicados annancios pedlndo propostas.
Falleceu o major Erico Jorge Franco.
No da i sustentaran] tbses perante a fa-
culdad.' de medicina, para obterem o grao de dou-
tor, os Srs. Antonio Pacifico Parelra, Jayme Pom-
to Bricio e Antonio Celestino Sanapayo, qne foram
approvados plenamente.
O cambio regulava : sobre Londres 20 1|2 a
20 3|4 d., sobre Pars MO rs., obre Haraburgo
855 rs. tf sobre Portngat H5 *|w
Finava a' carga para Pernambuco o patacho
prussiano Ce/Aar>4a.
PERNAMBUCO
quella cidade fez as honras militares, devidas ao
sea posto naquelle mesmo batalno.
Dos portos do norte do ira pari trooxe o va-
por Guar : para oos,a praga 4:5205000; e para
as do sul do imperio 79.35606 res.
~ Cora de.-tioo ao exercito vieram nesse vapor
238 prags para o exer ito entre guardas nacionaes,
recrutas e volnntarios, e 109 libertos sendo : 33 !
do Para', 35 do Maranho,37 do Ceara' e 3 da Pa-'
rahyba.
Para os portos do sol do imperio lira a
h je, a's 3 horas da tarde, o vapor Guar.
na frente com boldes de tafeta*. Casaco peplun,
leodo a frente curta e o lado detrat firmando t-
nica preodendo aos lados por botoes. Mangas es-
trenas enfeiladas c a tiras de tafeta'. em cima e
em baixo, formando recortes. Chapeo Metteruich
ornado com uma guirlanda de flores, e ara grande
v) da gazj.
4.* Toilette.Vestido de tafeta' verdecla-o : saia i
cera a cldados portuguezes aioda oais respeitavels
por seas virtudes cvicas do que por suas elevadas
posigoes commercraes; Has esio serapre prcmp-(
tos a desembolsar e a promover subscripgo^s por:
entre os seus conc iadSos a bem das cousas da pa-
tria ; mas por conh cermos o nobra caracler des-
tes cavalheiros uao duvidamos afflrmar que o fa-
zem cora o maior desioteresse.
No entreunto olvidam se os eomes de outros de
trouxe de NewYork e lastro.
Ilha de FernandoHiate brasileiro Sergi-
pano, capitao Henriijue Jo.- Vieira da
Silva, carga difTerentes gneros.
T-ili,J-lJ!_L- '" .,......................iL-
de cauda, lando em baixo um folhiafco estreito, e igoal mrito e incluem-se os de alguem que uada
ao pregar do folho um rolo de setm verde, um tem feito, A era capacidade pra alloma cousa fa-
pouco mais escaro ; este rolo seguido de mais zer de til.
cinco rolos pregados era distancias iguaes. Tnica; Neste numero entra provavelmenle o nomo do
justa de forma princeza, feita de tafeta' igual a' missiV.-ti, une a so nbra io outros quer v,r se
saia de baixo, guarnecida coradJXna franja da cor j pegara as bixas. E' .-ernpre ssim, os que peuco ou
do setim, e cima da franja um rolo de selira. Man- nada fazem, sao os que alirdeara servigo.', e su
gas largas guarnecidas como a tuuica e mangas'jolgam com direito s recompensas.
estreitas tarabem cora a mesma guarnigao. Chapeo Proceda o Illm. Sr. Albano Coutinho a urna mi-
de setim brano bordado de perolas brancas e uraa-oociosa indagacio e conhecer que ditemos a ver
corda de marabouts. dade.
Hoja faz leilo o agente Siraoes, de dons pre-1 Procure o goveruo portugaez informar se por
dios, rujo leilao sera' effectuado a parte que foi a j seus agentes, aotes de qnalqu-r procedimento a
associagao commereial, no largo do Corpu Sioto, respeito desles negocios, aflra de que nao venha
^S.
tfl
Domingo Io de dezembro do corrente anno.
Anniversano da memoravel reslaoragio da in-
dependencia portogueta o proprietario dos ditos
salOes fara' todos os esforgos para festejar este dia
como tem feito nos mais annos, achando-se os sa
15-s ricamente adornados os qoaas estaro a ex-
posigo das 3 boras era dlaote bo domingo.
AVISOS MARTIMOS
11 horas.
REPABTtrjXo da policaKttrato da parte
do da 28 de nuvembro de 1867.
Foram reculhid do corrente :
A'ordem do sobedelegado doR-cife, Francisco
mala Jo- de Mello, para correego. A ordem do de Sao
| to Antonio, Maria Joaquina da Conceigho, para cor
Companhia do Beberibe
A directora desta companhia faz sciente
aos senbores accionistas, que o caixa desta
companbia commendador Ttiomaz de Aq-ii-
no '"oiiceca, esi autorisado a pagar o 39
dividendo de suas acces na propongo de
3#U00 cada uma, no seu escriptofio da ra
do Vigario n. 19, das 10 horas da manha
3 da tarde.
Escriplorio da companhia, -i8 de novem-
Dro de 1867.
O secretario
Dr. Prxedes Gomes de Souza Pitange,
reegas ;e Paulo, escravo de Jos Antonio da Fon
seca e Silva, a requerimento de;ta.
O chefe da 2' secgao
J. G. de Mesauita.
Casa de detk.nqao:M ivioienlo do dia 27 de
corrente :
Existan presos 281, entraran) 4, sahiram 5,
exisern 280: a saber, nacionaes 193, ranlberes 5,
estraogeiros 36, mulher 1, escravos 44, escrava
1, total 280.
Alimentados a casta dos cofres pblicos 21o.
Movimento da enferraaria do da 28 do correte
mez :
Tiveram baixa :
Ignac o escravo de F. Alves Monteiro J., Bene-
dicto, escrtvo de J. R. de Lima.
Passageiros do vapor nacional Guar, vindo
dos portos do norte :
Francisco Jos da Silva, Antonio Jo.- Liureiro,
Carlos Henrique Berlina, Huet George Augusto,
Jos Corre i Sampaio, Roben H. Halle, Prederico
A. Reg, Thoraaz W. Guston, Exra. Sr. Dr. Adeli-
no A. de Luna Freir, sua familia, tres escravos
e ama criada, John Bloot, Angelo Nardi, Joo
Evang'-lisla da Silva, J-jaquim Rufino Laoter, A!,
fredo Weber, Lourengo Antonio de Azevedo, r.
Joaquim Francisco de Alraeida, Honorato Caelauo
de Abreu, ura preso e doas pragas escoltando.
Seguem para o sol :
Jj- Lopes Pereira de Carvalho, Dr. FraDklio A.
de Menezes Doria, D. Maria L irrito Vianna, Anna
Maria, roacbinista da armada Geirga CuDiy.10 re-
erotas, 3J libertos a 1 escravo, Joao Jo.- Ferreira,
1 surdo mudo, Juaquim, Luiz Ferreira da Silva J-
nior a 1 Blho menor, Dr. Joo Biptbtade Carva-
lho, 15 escravos a entregar, 37 reerulA, 82 desig-
nados, 37 libertos a 10 voluntarios, Dr. Sebastiao
Rodrigues Barcenos e sua familia, Francisco Pe
reir de Souza, 46 guardas nacionaes drsignado-s
21 recrutas, 3o.llberlos,2 voluntarios, 4 escravos a
entregar, 12 recrutas de mannha, 1 escravo a en-
tregar, Ruflro Tavares de Almeia, sua familia, 2
escravos e 2 escravas, 103 recrutas e libertos.
Fublicacoes a pedido
REVISTA DIARIA
Veio a bird) do Seine e hontem seglo paraa
(labia, o nosso collega do Jornal da Baha, o mos-
trado Sr. Dr. Francisco Jos da Rocha, qae regres-
al de sua viagera a' Europa.
O nosso collega e sua Exraa. faooilia desembar-
co^ tomaado o hotel de Franga, dorante a estada
do vapor oeste porto.
Daraute o impedimento do respectivo serve*-
tuario, foi designado para servir interinamente o
offlcio de tabelliio e escrlvo do civel e crime do
termo de Serinhem, o Sr. A tilio Tolentino de Fl-
guelred') Lima.
Fallecen ltimamente em Pars, segundo car-
las particulare-, o Sr. Add, gerenta e redactor do
Jornal do Commercio da rrte, o qual anda nao ha
seis roezes passou por aqui de viagero. para a Eu-
ropa.
De algum tompo para ca' tein-se desenvolvi-
do ura go-to to pronunciado pelos dobre.- funreos
iiue raro o da, que nao sejam os habitan.es do
Reclfe attordoados pelo montono badalar dos sinos.
Que se d.bre a' finados por occailao das orag5es
fnebres de corpo presente, cinco minutos antes e
cinco depois do comego e do um das ceremonias
muito adniissivel; porm qoe se quebr a cabega
de raais de cam mil viventes par causa de um que
passoo desta para melbor morada, eis o qoe acha
raos tanto mais cruel quanto, a's vezes, prolongam-
se os dobres por mais de ura dia com intervallos
insignineantes e durantes quartos e meias horas.
Chamando a attengito dos fiscaes, a quem com-
pete a execucao das posturas mjoicipaes, lercbra-
mus-lhes qoe h< uma postara que prohibe, qae o
dobre dure mais de ciuco minutos; e, a quem com
pet:r, poiimos, a' bem do publico do Recife, que se
m-i-iifiqae aquella disposigao municipal, de modo a'
tornar o menos repelido que fr possivd, aquellas
cinco mtnutis de martellaco.
ILoteria.A que se acha venda
a 46.a, a beneficio das familias dos volnnta-
rios da patria, que corre boje.
A expcaco dos logoryphns, hontem publi-
cados em oossa oitava pagina, : Mandioca, Jabo-
neaba e Macaco.
Cummunicam-nos o seguinte : ,
O domingo 21 do correte foi ura dia festivo
em Santo Amaro de Jaboato. Teve abl lugar nes-
se dia a bangao e entrega da bandeira do batalho
de guarda nacional da freguezia, que o 8', sob o
C'imrnando do Sr. tenante-coronel Antonio Paes de
Mello Brrelo.
t Aomirou ver o estado em que em tao pooco
lempo coll.jcou o Sr. tenente-coonel Mello Barreto,
o batalbo sob seu enramando. A presenten boa
msica, e duzentas pragas regularmente dlsposias,
armadas e luzidamente fardadas. O fardamento
dos mu;icos e dos cornetas semelbante aos mais
bonitos dos batalboes desta capital.
t O batalbo, com o seu commandanle a' frente
a a respectiva ofDcialidale, marchou emboa ordem
al a matriz da freguezia, ouviou a missa couven-
toal.e depois disto teve lugar a bengo da bandei-
ra, pelo R'd. vigario, sendo testerauoha do aclo,
on como se costuma a' dizer, padrinhos, c major
Ant nio Pereira da Cmara Lima e o capitao Ma-
u -I de Souz Le3o.
Ao entregar a bndeira ao batalho. proferioo
seu digno comraandaote nraa enthusiastica allocu-
gi>, que fladou entre calorosos vivas ao.somdo
hyunj nacional a ao estrepido dos foguetes.
A bandeira um bello trabalho, que nos in-
formaro ter sido executada na casa dos expostos.
t Se todos os commandaotes de corpos da guar-
da nacional, toraassem pelos seus respectivos bata-
IbSes o mleresse que toma o Sr. teoeote-coronel
Mello Barreto, esta instituigao nao estaria como se
acba, deixando de corresponder ao fim para qne c < -
foi creada. ... ,
Muito se deseja saber e pergunta se a esse es
uaraos em seguida a descnpgao das ultimas crupuloso Sr., que parece ter proenragao geral
modas de Parts, feita por ama senhora Parisiense tomaodo a si direitos qae lbe nao competen) e as-
para nm lornal de Lisboa: signndose -Alguns Portuguexes,-o seguinte :
t a e,taaa da corle era Biarntz, onde appare- Primeiro, quaes foram os porloguezes qae assig
cem as primeiras toilettes d i estago Invernosa, naram a sobscrlpgao para a compra de urna casa
mosiroo-003 o quanto as toilettes deste aooo sio qne se tioha de ufferecer a nao sei qoem, e se em
variadas, e at ioteiramente oppostts amas s oa- algara desses qoe a asslgoaram nao andara o es-
,ras- Pinto de vaidade, pela promessa qae te loe fez da
t Nao se devem, pois, admirar as nossas ama- publicacao de seusnomes; assim como, se alguns
veis leitoras sa depois de Ihes ter apresentado ama dos que promalterara assignar nao poteram por
toilette muito da moda Ihes apreseotar ontra abso- condiego, o obter se-ib.es nma bixa para afardta T
lulamente differente, dlzendo qne tanto domina Segundo, quem o correspondente ne^ta provin-
nraa como outra, aconieeendo como no reino de cia, do tal jornalCorreio da Europal /
sio, onde ha doas res. Terceiro, qaem foi o maganSo que recomuunieu
Apparecem mottos costumes feitos com estofo para a redaego oa proprietario Jaquelle jornal
de duas cores. Para estes costumes o preto tornon- as descomposlaras qae nelle sahiram contra os fl-
se a edr dominante, porque vai bem com todas as Ibos do paiz, por cansa de ama pnbHeagao feita no
ootras cores. Maranbo T
Uma grande parte das damas elegantes prefe- Se se dlgnar responder-nos dr-lhe-bemos em
rem os costumes t;dos de ama cor, oqne acbo seguida alguns eonselbos, qne mnito lbe serviro
roano mais bonito e distlncto. Muitos destes coi- para a futura collecio qae oataralroeot* ha de es-
fumes sao guaruecldos om franja de seda ou de lar colligiodo desses nones respetoavets, qne por
conl^s- suas virtudes e aforttori foram involvidos com o
t ocontrase am grande e variado sor t monto desse algaem, a qaem nio conbecemos e que tanta
de franjas e galSes mais da moda na Vtlledi Lyon, I gana merecen do estimavel collega.
Olhe, meo charo, vaidades, todos ten e a provio-
Instruccfio publica primaria.
Regiment interno para as escolas puhlicas
de insirucgo primaria desta provincia,
organisado em viriude do 7o do art. 3o
da lei o. 369 de 14 de mato de 1855, e
approvado pela presidencia da provincia.
em 23 de agosto de 1859.
ART. 24.
Mas escolas publicas serio feriados, alera dos
domingos e das santos de guarda, os de festivida-
de nacional designad.s por lei, os de luto publico
declarados pelo governo, os de carnaval desde se-
gn la al quarta feira de cinza, os que decorrem
de domingo de Ramos a domingo de Paschoa, o da
2 de novembro, E OS QUE VAO DE 8 DE DE-
ZEMBllO A 6 DE JANEIRO.
por ahi nraa nova edigao de corameodadr res, taes
como, Regs de Souza, po- r fundado em Per-
nambuco um hospital para Portuguezes pobres.
Saina tarabem o illusiri-siruo senlior Abano
Cootiuao que snas pub icagoes em tal sentido,
produzera o tlleito contririo do que S. S. dse- I
ja, so qce deseja a concurrencia pecuniaria dos; ,
Poitogoenes aqni re-identes a bera das censas da! Itnd0 de serem arrematados os concertos ne-
patria ; e a razo que muitos dos nossos compa-1 eessari.os no quartel de Santo Amaro, destinado a
trilas, -sttribnindo essa f orne de recompensas aos i rIec,'Pa0 Jos immigrantes, convidase aos prrlen
duntes a oo dia 26 de d-zembru prximo pelas II
Santo Amaio.
agentes.das subscripgSe, escusam-se a -ubtrover,
porque, cora (oanto mes sobre patriotismo, repug-
na-lnes o servir de instrameuto para a realisa-
gao de pret'ueS's vaidosas.
Concinrado, pedimos ao lllra. Sr. Albano Conti-
nho mais circum.-pecga uestes negocios e ao go-
verno portuguez, uue nao atienda aos escriptos de
dous ou tros tolos pretenciosos, qae alaideando ser-
vicos que nunca prestararo, querern foitiori lo-
volfer seus n mies, que nada signicara, com os
noraes da pessoas respeitaveis.
Certiicamos-lhea, que raaioria dos Purtugue-
zes em Peroainbuso se algoma c da patria, serapre com o maior desinteresse; una
voce, ellas dizera com o seo poeta
Ea desta gloria s fleo contente.
Que a minba larra amei, a a mioha gente.
Alguns Portuguezes.
horas da manha, apresentarera ua the-ouraria de
fazpnda suas popo las era carta faenada. O orga-
meoto da quanlia de l:oiO000 acha se ua ra dos
Pires n. 41, casa de residencia do abaixo.
Recife 23 de novembro do 1S67.-0 eogenbeiro,
Chryssoliio Ferreira de Castro Chaves.
N'o dia 29 do corrente, d'-pois da audiencia
do joiio municipal da pnmeira vara, serao vendi-
dos ein praga publica o.- segoiotes objetos : urna
arraago para taberna too punto pequeo, contando
dous paos para caoteiros de botar pipas, nm caixo
para guardar farinha e uma balanga com dru< pe-
sn=. nm de416e outro de 8 libra-, avadados em
, SDJOO, por execugo de Pe^'ro de Araujo Beltrao
'contra Manoel Lopes de Oliveira.
Companhia aaieiicnia e brasileira de
paineles a v-por.
Al o dia i de dezembro e esperado dos portos
do sol o vapor americano Norik America, o qual
depois da demora do costume seguir' para New-
York, tobando no l'ar' e S. Thoraaz para frates e
passagens trata se cora os agentes Henry Pulsar
& C, ra do Trapiche n. 8.
~co\jpaniii.\~br1"s1leira~
0E
Paquetes a vapor
Dos portos do sul esperado
al o da 7 de dezerabro o vapor
Cruzeiro do Sul, commandante
Alcoforado, o qual depois da de-
mora do costume seguir' para
os portos do norte.
Desde ja se recebara passageiros e engaja-se a
carga que o vipor poder conduzir a qaal dever
ser embarcada na da da sua chegada, eoeommen-
das e diob-iro a (rete at ao dia da sua sahida as
2 horas. Previnese aos Srs. passageiros qntsuas
pa>sagens s se recebem nesla ag-racia roa da
Croz n. o7, urimeiro andar, escriptorlo de Anto-
nio Loiz de Oliveira Azevedo & C.
*- tiauaavMVM
"*
e&fca^
SGMMEBCIO.
Foi nomeado professor di cadeira de pbllosj | Itero o. 1.
ra de Chause a"Anlm.
Os chapeos, come ja diese na revista anterior.
soffreram ama pequea alieragao. Teem a forma
redonda, e a frente levantada a manaira de diade-
ma, tioand i assim maito melbor ao parecer, do
qao os oairos chapeos usados oo fiado verso. Para
Sisseio, chap* de velludo preto oo malva, com
oree e folhajrem de-vellmto e botdes de onro.
As fl res de velludo com folbagem bronzeada
e as perolas com peqoeoos tractos de oaro, o
qoe ba de mais novidade para os chapeos. Vi tara
bem nm chapeo multo lindo e de grande novldade,
I da casa de madama Brangre, rtra Grange Bate-
cia era qne estamos nio to grande qne se nao
saiba, o qne nella se passa, e qo9 nos nao conhe-
eamos uns aos outros.
Grandes todos desejam ser. e lgrrs om nwnds
tolisse do qae o amavel-HedlIfa, qae muir pelo
cavaeo que da', estar despertad per nao ter side
naturalmente, cooieiuplado mais lempa com al-
goma badithoca, das multas qae os govefaos pre-
sente lera derramado por esto mando, sem esns
vlageas de longo carso em qae os" MBMe#NM-
dos, cobertos de armadoras, blaa tm ierras Un-
fiquas com intmitavel valor o mai r deunleresst
' derramar sen sangut pelas glorias da patria.
i'RACA DO RECIFE 28 DE NOVEMBRO
DE 1867.
As3> boras da tarde.
(Hontem)
Algod) da Par hyba i" surte 8S7J9 por arroba
pjsio a burdo.
> (iloje)
Cambio sobre Londres 90 d/v 21 e 20 7i8 d.
por I 000.
Apolices. da divida publica88 por ce oto ,
SUvelra,
Presidente.
Maeedo,
Secretario.
Eaglili Bauk
OF
Ro de Janeiro, Limited
DESCONTA letras da praga de prazo cur-
to a 8"|0 e de prazo maior a taxa a conven-
cionar:
RECEBE dtoheiro em corita correte e
prazo fixi'.
SAC\ vi-t ou prazo sobre as cidades
principis de Earepa tem agencias na Bahia,
Buenos-Ayres, Montevideo Newyork, Ne-
va-Orleans e emitte cartas de crdito para os
mesmos lugares.
7 L Tgo do Pelourinho 7.
EM LIQlDtC&O
Novobauco de remamftuco
Os Srs. accionistas podem receber o 3.
dividendo (em moeda corrente) de 10 o/o do
capital, assim como o i. de 30 o/o, e o 2.
de 46 o/o, j annunciados.
Novo banco de Pernambuco
em liquidaco.
Os possuidores de notas da emisso do
banco queiram quanto antes apresental-as
ao troco.
ALFANDEGA.
Rendimento do lia 1 a J7........ 606:9f9878
dem do dU 28................ 9:920#0i7
016:889*903
Movimenl da alfandega.
Volantes entrados con rateadas...
t c gneros...
Voluniv:s sabidos com far.endas...
t t t gneros....
113
14
------327
44
331
Deicrregam boje 39 de novembro
Gatera inglezi-Henawiie carvo.
Barca ingleaRoyal Brideidom.
Brigue lugle Para -iit
375
** Vapor brasileiro Guar, indo do Para e por-
tos intermedios, manifestoo :
20 rolos salsa; ao Dr. Prxedes G. de Se ota
PIWBga.
10 barricas tapioca; a Joao P. da Silva Mo-
nee.
50 saceos farinha ; a Joaquina Vieira da Bar-
ros.
-44 caixas ignora-te; a Jos Lopes Davin.
Encoosmewlas.
1 volme a J. P. da Suva v,,Tie, 1 a Ferreira
4 Jlaheos, 1 a Joio Ba,tisu F-rreira, a J^a-
Arrematcao
Sabbado 30 do con ente.
Depois do audiencia do Llm. Sr. D.-. juiz muni-
cipal da sgunda vsra, vai a* praca de venda por
execucao do baro de Bumlica contra Angelo Ro-
rreiro Pinheiro, i buhares de uiogco avahados por
'ti 0, com todos os seus pertences, 1 >ecr-.'taria em
bora estado por 2o, 1 mesa ori)|! ja (ara jantar
por 20, i ardas-loor;,! pegenos sen Jo 2 de ja
caranda e 2 pintados de ptell)s P'1' 605, 13 cadei-
ras da pahinha em m.io e.-tad-, pr ^0, 1 sof de
araarello usado p^r 105, 1 dito peijueno com o en-
cost quebrado p.r 3, l consol do araarello com
lampo de pedra e com um grande espelho usado
por 305, 1 mesa grande de araarello em bom es-
lado por 40, 1 cabide de andarello para chap)
por 8, i relogio de cima de mesa por lo, 19
quadros por 38.
A arrematado sera' feita no primelro andar do
sobrado n. 44 da ra larga do Rosarlo, hotel Tro-
va doi-jdepoisdareferid a audiencia do di 30.
GOMlfi) IM-"
Rolaco das carias registradas existentes na adrr.i-
nistrago do correio desta cidade para os Srs.
abalxo deciaradcs:
Dr. Antonio Ramiro da Silva, Benedicto Jos
dos Santos, Candido Jos Coelho de Mendonca,
Francisco Antonio de Albuqa-rque Mello, Jo.-
Domiogues dos Santos, Mariano Rlbeiro Lapa, Pla-
cido Pinho Pessoa e Severino Ribeiro Carneiro
Monteiro.
Correio fiera 1
Relagao das cartas registradas vindas do norte
pelo vapor Guar, para os senhores abaixo decla-
rados :
Dr. Alvaro Caminha Tavares da Silva, Antonio
de Almeida Garca, Antonio Jos da Cunba Gui-
raares, Amonio Pereira de Miranda, Boaveolura
Jos de Cistro, Carlos Emilio Ai drade Peixoto, 2,
Francisco Joae Serra Cardoso, Franklim Jote An
drade Hoggi, Henrique Ernesio Mariios, Joo Bap
lista Fernande?, Dr. Joo Joh Ferreira de Agniar,
Dr Jos Bcnto da Cunha Figueiredo Jnior, Lin-
doro Angosto Moreira Reg, Mauricio Fraocfcco
Ferreira da Silva, commeodador Maooel Alves
Guerra, Dr. Severino Ribeiro Carneiro Monteiro,
Dr. Sezostrio Silvio Moraes Sarment, 3, S. T.i
Bastos A Irma, Tasso Irmos, Thom Lopes de
Senna, Vianna & Gulmare--, padre Vicente Fer-
reira de Siqueira Varejo, 2, Jo- BhdIo da Caoba
Figueiredo.
Sexta-feira 29 do correle, depois de Anda a
audiencia do Dr. jniz de orphos tem de ser arre-
matada de venda as duas partes da casa da ra 1 a
perial n. 29, no valor de 666666.
COJIPAUHIA
DAS
Messageries Imperiales
No dia 29 do correal'1 nei esperase ios portos
do sul o vapor francez Guienne, corxmandante An-
bry de la No, o qual depois da demora do cos-
tume seguir' para Brdeos tocando em S. Vten-
te e Lisboa.
Para conli,oes fretes e passagens trala-se na
agencia ra do Trapiche n. 9.
TOMP v^SlLl" PER viMBlCST
DE
A'avei cao costeiri por vapor.
Parahiba, Natal, Maco, Mossor, Aracaty,
Ceara' e Acarac.
Segu no dia 30 do
corrente as 3 horas da
larde o vapor Pirapama,
cororr.andant Torres. Re-
cebe cajiga at o dia 29
as 2 boras; eneommen-
das, diobeiro a freie e
passageiros at as 2 Doras do di- da sabida : es-
criplorio Du Forte do Matos n. 1.
OTAMIIV BRASILEIRA
DB
Paquetes a vapor
w
THEATRO
DE
EMPEZA-COIMBRA
Segunda-feAra 2 de dftembro.
ESPKCTAIDLO KM GRANDE GALA PAftA
SOLEMNISAR 0 FELIZ NATALICIO DE S. M. O
Imperador o Sr. D. Pedro I!.
Logo que o Exm. Sr. barSo de Villa Bella moito
digno presidente da provia:ia se dignar appare
er na tribnna, a orebestra tocara' nm peqoeno
entre acto, flodo o qual a Sr.* D. Carolina Falco
cantar! secundada pelos artistas dramticos
^ 0 HTMIHl NACIONAL u
Era segaiaa represniar-se-Da pela prlmera
vei o drama em 4 actos, original brasileiro, com-
poslcao do Illm. Sr. VicUjrteiio .Famtres
(i DR.VH \ do mm
Dos portos do norte espera-
do at o dia 10 de deiembro o
vapor Paran, commandante
o capitao de fragata Santa
Barbara, o qual d- poi.- da de
mora do costme seguir' para
o.-p- rt.'.s do sol.
Recebem-se desde j passageiros e engaja-se a
carga qne o vapor poder coodoiir a qoal devera"
ser embarcada ou dia de sua chegada, encommen-
das e dinbelro a frete at o da da satiida as 2 bo-
ras. Previne-se aos Srs. passageiros qoe saas
pa-sageDS s se recebem oesia .-.genela roa da
Crut n. 57, 1* andar, escriplorio de Antonio Luil
de Oliveira Amedo A C_________________
"SOMPANHIA pernambucana'
DR
Mavegagdo costeira por vapor.
Macei e escalas e Penedo.
Segu do da 3l) do correte as
o horas da tarde o vapor Poteugt,
commandante Pereira. Recebe
carga at o da 29 as 9 boras,
encoromendas, dinbelro a frete e
passageiros at as 2 boras do da da sahdi: es-
critorio no Forte do Matos n l.

vai salur com brevldade a barca poraagsexa
Gratidao por ter parte da sna carga prompt; pa-
ra o restante e passageiros lr|a-se com Oliveira
Filbos & C, largo do Corpo Sabio a. 19 on cuco o
capillo aa praca. ___________-

Para Lisboa.
.
Achando-se cora a maior parte d sra earreca-
meoto prdmpto o Dista pirtagOM Penstmenta s*-
l Jiuira'eo pencos das para o rUrto porto:
quem pretender enmarcar re do Vigario o. 10, a Billar & Oli'eh'a.
m
IIEJAIVEIRO
Pretende egtiir com multa brevldade a tari
Despique II, tem doas terebs fe s^ carr-t
melo a bordo para o reslo .jiia Irm faiu ini.
doto ps seus consignatarios Actotio Lu-z da Oli-
vnrj Ai vedo A C roa *Wm t.-ST.______
Piara o >#?
O p;ihbote Garibahh : a ratar am Taj-.' |f-
mio.
\*i

ILEGVH I



Diarfo O
-
fe
re de 4867.
Rio-Graude do 8ul.
Patacho brasileiro Cardio, capilao Manoel
Francisco Fernandez, sgoe coco brevidade per
ter parta da orga contratada. Para a que lbe
falla tratase cora Miguel Jos Alves n. 19, roa da
Crnz.
liba de S. Miguel.
Para o porto cima segu o patacho portugoer
tJorgeose de primeira marcha, para carga e pas-
sageiros tratase cora o consignatario Joao do Re-
g Lima, roa do Abollo n. 4.
Precisa-se de draa ama qne saiba cotinbar e en-
gommar para casa de ponca familia : na roa da
Cruz d. 8,1* andar.
Para a
Hiate Dous Irmaos: a tratar cora Tasso Irnio,
ou Sr. Quintal no trapiche do algodao. ____
Rio Grande do Sul
Segu coro maita brevidade a barca nacional
Thereza /, para o sobredilo porto, por ter parte do
sen carregamento prowpto ; trita-se eom Baltar &
Oliveira, ra do Vigarlo n. 10.______________
CUMPaMIIA PfcRNAMSUCANA
ra
costeira por vapor.
Goianna.
Jo dia 31 do correte se-
gu para o porto cima o va
.por Parakyba, commsndante
Mello. Recebe carga, encom-
menda e diobeiro a frete:
escriptono uo Forte do Ma-
fla\egaeo
Para que o juiz de direito .da
comarca de Mamangoape
veja e providencie.
Teodo sido procesado o bacharel Jos Joaquim
de Si Benevides, perante o moito digno juit de
direito 4a comarca de Maroanguape, pelos crimes
previstos nos arts. 1.9 I, 2'e 6, e 142 e 145
do cogo crmiinal, e por lerem sido esses crimes
comtnettidos com as circumstancias ggrivantes
to o. 1.
Fara Lisboa
tai sahir com rouita presteza a bem conheclda
bnca Afana : para c*rga tratase com os consig-
natarios Carvalho & Nogueira, roa de Apollo nu-
mero 20.___________
a/-\ Av r~"\
if-i /i 1 7/
tfc/i\ //
l5J(lr\l(__ Q
A empreza do gaz desta cidade desejando facilitar geralmente o uso do gaz
as casas e estabelecimeatos particulares, offerece desde j as seguiDtes vantagens:
i. Urna redoccSo con6ideravel nos precos dos canos, apparelbos e todos os mate-
naes prcios para a iostaHaoSo desta luz.
n n.i* .^z do are 6 4% 6 e io do mesmo cdigo, consta- ou oulro -etal ditterente, assim como nenhum damno poder causar as pinturas, quadros.
nos que esse processo Ora remettido para o baeha- ornamentos, papel de forro mais delicado que seja, tornando-se ao mesmo tempo i5o sau-
rei Beoevides responder aos importantes Dontos de davel e mais econmico outra qualquer luz, i conhecida, aOnal, evitar tambem a obs-
accusK^o no praro de qulnze das no entretanto, trnC?3o dos canos e tubos dos apparelbos
noe ha moito mat r praro decorrido e sem respon-, ^^ 01 n ._____., fi'iciuV_. ... .
der 11____ J. Os apparelbos existentes, como lustres, arandelas, bracos de vidro, de bron-
Espero que o muita digno juz de dirnto nao ze, etc., etc., sao proprios para os senbores que preferem luxo e elegancia, como para
consentir' por mais teiupo semeibaote abuso, e os que necessilam simplicidade e economa
que ictive o processo embira exotUoio eom o i a jt ,l0[tn,|. __,_&_<_-, n ,
para qoe a lei, qne fui calca Ja a Ps peto bacbarei I pes8oas qoe f]zerm alocar o gaz em seas casas podem dingir-se em-
Benevides, seja desgravada sabiamente por s. S. Preza. a l^ai se encarrega oacollocacjo de todos os apparelhos, canos, etc., tomando toda
a responsabilidade pelo perfeilo cumprimento do masmo, ou por outaa, podem empregar
qaalquer maquinista reconbecido pela empreza, sendo o mesmo maquinista responsavel
pelo seu trabalho.
5.a A empreza obriga-se anda a reparar gratuitamente qaalquer falta de luz,
obstrucc5o de canos, etc., devendo o consumidor pagar somente as pecas novas qne forem
precisas para o mesmo concert; qualquer redamacao que possa baver, ser dirigida ao
-escriptorio da empreza rna do Imperador n. 31, alim de ser logo providenciada.
Para.
Segne com brevidade o patacho nacional Volan-
ti per ler grande parte da carga engajada ; para
a qoe ainda pede admitr trata se com o respecti-
vo consignatario Aotunlo de Almeida Gomes, [a
rna da Cruz n. 23, f andar.
LEILOES.
De urna eserava motila de 17 trinos
de idade. a qual cese, cosioha e eii-
gomma.
iiojb:
Sexta-feira _9 de novernbro as 11 horas
em ponto.
Por interveoco do asete Pinto, em seu escrip-
lorio rna da Gru o. 38.
DE
lima casa terrea a rna de Santa Rita Velha o
9, em chais proprios, rende 20.
Urna dita meia agua em cblos proprhs de por-
ta 0 janella, sala,quart, cosinba e soto, na tra-
Tes-a do Corpo Saou omr'ora Seuzala ou bteco
da L .;i n. 10, rende t(V5.
C< rdvir. Sittes
eompetenteniente autor^ado fara' leo dds casas
terreas cima desc iptas podendo desde ja seren
examinadas por quem pretender, cujo leilo lera'
logar no dia
IIOJE
as II horas no largo do C)rpo Santo porta qoe
foi da A&MCtecSo Cmmercia'
LEU
AO CORRER DO MARTFLLO.
O aj',te Pontnal fara' leilao pjr ojota de quem
perteuc-r do srgomte : dozias de conro3 de be-
aerr", iirllica e marroquim, relogios de algibeira,
jagos le i: i, chapeos dd sul de panno com f.r-
ro, espamlnos, casaveques de fusio branco,
telas par siota,calas c.e. sola para chasis, me-
sas para mtij re sala, cadeiras, marqoe>o.;s, es-
_a?, caJeira preguicosa, censlos, commoda e
tallos otaros objecios.
^-_r_E.
No seu armazem a' ra da Croz n. 62, 1* an
dar, as 11 huras.
De urna eserava de nao, de idade 28 an-
uos, a qual cosinha e engomma perfeita-
metite, sem vicios e actiaques e com urna
cria de uo aono.
MOJE
Por inrervencao do arente Pinto, as 11 bcras,
em seu escriptono roa da Cruz o. 38.
i7eil%ii
Salbado 30 do corren te.
O agenta restaa fara' leilao de orna eserava
pard vmdado serto do Ico s;bendo coser bem e
com perfeicio, cosinba e eugomma pooco vendi-
da p.r preci.^, o leilo Stra' feito na ca-a qoe
foi da Associago Commercial oo largo do Corpo
horas da raanha do dia cima.
r-
0 Dr. Beoevides esta tranquillo pVqoe cootit com
a protecfo do Exm. Sr. Dr. Felisardo, cuohado do
juiz de direito, porm pude licar certo o Dr. Btoe-
vides qoe en darel pu Miada de a qualqoer onza
tendente ao referido processo para o [ uiillco e o
mundo inteiro, Scarem sciente da jostica ou injus-
t e i qne se fizer, (bei de tocar o clarlm) e a sua
infloencia nao ser tan grande que ebegoe ao
C HSPICCO 'fRIBNAL DA RBLAQAO.
Recife, 25 de novernbro de 1867.
______________Jos Gomes Villar.
Frecisa-se de orna ama para o servico de
orna casa de ponca familia, prefera se eserava e
pagase bem : .no caes do Ramos, armazem n. 1Q.
_ Urna senhora professora publica de instroc"
cao primarla, por motivos de molestia deseja per-
motar soa cadeira por ootra nesta cidade do Re-
cife, at a distancia de orna legoa, e (fferece por
cornpeosaco orna vautajo.'auflerta : qnem se pro-
pozer a fazer este egocio, dirija se ao caes do Ra-
mos, armazem n. 10, ou annuocie para ser pro-
corado.
O Dr. Joaqun) Jos de Campes da-Costada
Med jiros e Alduquerque mudou o seu escriptorio
de advucacia da casan. 22 para a casa contigua
o. 24 da ra do Imperador, defronte da re aco,
jury e sala ds audiencias.
Sr. jon Franeisc* Vascoaelfi.
A fa Lilia de Ramiln, de Bnenos-Ayres, deseja
ter noticias deite senbor: podem diriglr-se a ra
do Trapiche n. 6.
'_T~J w" ___i _r_ti C_B9 _"' B__*t t__l' 1 "__ t i (^ n
etigra.'hia,
g Joaqoim Pires Machado Portella tem
g aberto na casa di .-ua residencia, das 10
horas da manbaa, om curso de
as 11
geographia para os estudantes que quize-
rero se preparar psra os "Sxamcs de
margo.
Si
NI S a -Ra do CabagM. S A
Agostiuho Jos dos Santos # C
Acaba de chegar a este estabelecimento um esplendido sortimento de
joias do ultimo gosto, perfeicSo artstica e modellos enteiramente novos; como
segnem: aderecos com rubim, esmeraldas e perolas finas, pulceiras, broches
para retrato, anneis, botoes de punho, brincos e cassolelas com letras, etc..
etc., etc. Salvas de prata do Porto, faqneiros, paliteiros, calix de mesa c
fructeins, cujos precos s5o incompetiveis, pois que os propriotarios desta casa,
recebendo seus artigos directamente da Europa, podem servir vantajosamenta
aos seus freguezes. Compram-se brilbantes, pedras finas, ouro e prata, page
se bem, tambem se incumbem de fazer concertos.
Comidas pana fra
Na roa estreita do Rosirio n. 27, segando an-
dar, aprompta-se comida mandando-sa levar ou
para quem a quizar mandar bascar por seu por-
tador, por prego mais baizo du que em qualquer
outra parte, eao gosto da encommenda quer ua-
conal quer estraogeiro; tambem se faz do:es de
todas as qualidades e aproa)pttm-se bandeijas de
b.iihj para cha, bailes, casamentos etc. Na
mesma casa precisa se alagar urna ou du'is es-
cravas que emenda de todo servigo de casa, com
prar e tambem vender na rna.
Feitor.
Precisa-se de um feitor qae seja capaz e bom
trabalbador para mu sitio pequeo peno da praga.
Da-se casa propria e boa para morar com sua ra-
milla, dentro do sitio; para tratar, ra Nova n. 19,
1* andar.
Precisa-se de urna ama para lavar e engommar
alguma roupa : a tratar na ra da adeia do Re-
clfe n. 34, 2* andar.______________
O abaixo assigoado compren ao sr. Ignacio
de S Lopes Fernandes a sua oberoa da roa larga
do Rosarlo o. 23, livre e desembaregada.
________Joaqoim Paes Pereira da Si Iva.
Offerece se urna maiher branca, de (ra~da
procincia, para tomar coota de urna casa de pe-
quea familia, ou mesmo para encarregar-se do
tratameoto de meninos, por ter pratica, prelerindu
casa eslraogeira : quem precisar anouncie por
este Diarlo.
Alaga se a casa da ra Augusta n. 90, com
commod js para urna i'.mi ia grande : qaem a pre-
tender dirjase a' ra do Vinario o. 12.
Pr-cisa se de ama cusinh-ira, livre ou escr;
va : na ra da Imperalriz n. 63. _________
Precisa se de orna ama pera engommar
do Trapiche n. 36, segund andar.
na ra

tu
^Bun AUfa
Aluara-^e
o andar do sobrado d. 8 ra
: a tratar c;m J. I. de M. Reg, ra
Santo as 11
De 120 saceos com farioha de man-
dioca
Terca-feira 3 de dezembro.
O >gente Pestaa fara" lellSo por cunta de quem
perteocer de cerca de 120 saceos com farlnha de
mandioca em uru oa mais lotes : no da 3 de de-
zembro as II horas na porta do Annes.
Urna casa terrea a' ra de Hortas n. 7o, e a i do sobrado a' ra dj Cal eirelro n. II : quem as
pretender prte^ dirigir-se a' ra do Imperador,
escriptorio n. 75, ou a' cuesma ma, subiado n. 38,
s-gundo andar.
Aluga-se
da Imperalriz
do Trapiche n. 3i.
D-=e vinte mil reis mensies pelo alugoel de.
urna preta que cozlohe e en^atd com rerfei^ao f
para iresjiessoas : na rna do Rangel o. 9.
Precisa-sede 1:0005 a premio de 1 1|2 por
cento, cora segurauga em urna parte de um enga-
nho perto desu cidade : quem quizer tattr tal ne-
gocio, deixe carta na ra das Cruzes n. 13, com as
iniciaes I. F. C.
Criada,
Precisa sede orar, criada livre para engommar
e servir ama senhora : na ra da C,*.dela n. 57.
Club Ferni mbucano.
O bai.'e do aonivt rsnrio de JnstallafSo ter
lugar no dia 1 ue dezembro prximo fu-1
turo.
Racife 20 de novernbro de 1867.
P, J. Layne.
_________________Eniprczario. ",,r
AT rJBIfCAO.
Informam-nus que o engeobo Tres Dragos da Es-
cada est cheio de piqoetes pelas estradas e rami
nhos, para prevenir aili as diligencias oa justig, e i
que nao sejam recrutados uus' piucos de peraltas
e vadlos. Atienda o Sr. delegado du tfrmo para
aqoela Incalidade.
Anda fl se
potheca : a tratar
-Jr\*
sigum dmheiro a juro s^bre hy
na roa do Padre Floriano n. 71-
Muito
Para seu interesse
aJBIBTT G_'03tl_EU6.
N. 2 largo da matriz de Santo Antonio n. 2.
RETRATOS A OLEO
Temos a honra de partecipar ao respeitavel publico a volta do Sr. Alberto Hens-
chel que foi Eurepa com o duplo fim de se por ao correte dos mais recentes pro-
gressos da arte photographica e adquerir para o nosso estabelecimento mais um ar-
tista de talento.
O Sr. Alberto foi summamente feliz e conseguio engajsr um destincto pintor de
retratos, p
SR. CARLOS ERNESTO PAPE
cembro honorario da academia real de pintura da cidade de Dresda, e do qual a reputa-
do bem fundada nos autorisa a erperar produces ootaveis no seu genero de trabalbo.
Um progresso immenso ltimamente execuiado na pootographia, om dos mais
importantes consiste u'arte de obter retratos em tamaoho natural, fixando directamen
te na grandeza que se desaja, sobre a tela do pintor, o retrato pbotographado, por meio
de um instrumento especial chamado : cmara solar de acgmentacao.
P< r esta forma o talento e o saber de um artista habii rbaravilhosamente se-
cundado pela precisao absoluta e infallivel dos contornos e das sombras que lbe poe a
photographia sobre a tela, e tudo se rene assim para se alcangar o maior grao possivel
de semelbanca incontestavel, ao que d ainda maior realce o sello artstico, que imprime
ao retrato um lello colorido.
Pelo mesmo processo nos podemos reproduzir e pintar oleo, urna vez que se
nos d urna photographia, seja de que tamanho for qualquer retrato de pessoa morta ou
los BernlK^rne0 C'e-sTS ,aUeDt\e ^DaSbO que AK
em Marcagao, e com o Sr. Jos Luurengo de Me- A8 Pessoas ^ae qmzerem julgar por si mesmas deste novo genero de traba ho,
deiros Muo.z que mora nos ambaides de Santo so convidadas a nos fazer a honra de visitar a nossa galera, aonde estu expostosuma
Antao : na praga do Corpo Santo n. 17, pnmeiro serie destes retratos como amostras.
a n d j r.
Precisase de um rapaz pequeo chegado de
ujvo un com alguma pralica, dando fiador a' sua i
conducta ; no pateo da Bibeira, taberna u. 21.
Precisa-se de urna ama para o servigo interno'
de orna rasa de tres pessoas-na roa do Hospicio
o. 58.
AVISOS DIVERSOS.
PEDIDO
Tendo de celebrar-se a benc5o de quatro
sinos da igreja matriz de S. Jos do Recife,
domingo Io de dezembro s 4 horas da tar-
de, convida-se a todas as corporaces reli-
giosas desta cidade para se dignarem orde-
nar que, n'essa occasiSo (que ser annon-
ctada por gyrandolas de fogo do ar), repi-
qoem os sinos de suas igrejas, para maior
brilhantismo de semelhante acto,
A igreja matriz de S. Jote retribuir com
igual favor, todas as vezes qoe se fizer mis-
ter.
.i"'1" Urluu Koongoes Alves ;>iraueee Cur-
dialraenu as pessoas qae Bzeram a honra de
aeompaohar ao c-miterio publico os restos mor-
taes de sen presado filbo Manoel Jos Rodrigoes
Alves e de novo convidaos mesmos e mais pa-
rantes do doado para asmtirem a missa do seti-
me dia, que pela alma do mesmo manda rezar na
matriz do Corpo Santo as 6 horas da manbia do
ala 30.
O abaixo assignado, eorador Oseal das massas
fallidas de Silva & Ollveira e Joaquim Lois Ribei
ro da Silva, conilaado-lne qoe algnem anda rece-
cerdo dividas de ditas massas, protesta proceder
com todo o rigor da le eonlra qaem tiv.-r abosa-
do da boa f dos devedoret as ditas masas ; e a
estes avisa par qoe nao pagaera debito aleuru
son pena da o fazerem ootn vez.
Recife 27 de novernbro de 18(7.
- Prawlsco (jgede> de Arn|,i.
m.7r\T*'S6 de awi ama n* de S1"* Toe-
re o. 16, para comprar e cosinnar para
Ama.
JhPtoisa-aa de ama araa pira roftiokap; na
C0IHEBCI.
Companhia de segaros marilimes utt-
lidade publiea
A direegao de cooforojidade com os estatutos
arts. 11 e 41, convida aos senbores accionistas pa-
ra se reuLirtra em asseoibla geral no dia 30 do
corrate ao meio dia, cm sta escnptrrio na roa
da Cadea n. 12.
Recife 2o" de novernbro de 1867.
us dir-ctores
Ftliciano Jos Gomes.
Thrmat Fernandesda Cunha.
Rividade.
Aloga-se urna casa com quintal murado e plan-
ado, na ra do Jasmim da Boa-vlsti : a tratar na
rna da Irpperaimp. 56, h ja da arara.
Sitio para alugar"
Aloga-se por prego commodo um sitio em Bem-
flea na margem do Capibaribe, e portao para a
estrada contiguo ao do Sr. Christiani : a tratar
na roa da Cadeia do Recife n. 4.
Club do Recife,
A partida do mez de Dezembro prximo
vindouro teta lugar na noite do dia 7 do
mesmo mez.
O Secretario
_______ Joaquim Leocadio Viegas.
Precisa-se alocar orna ama "que
counbar a sirva para ir >s compras :
Imperalrii d. 34, andar.
AMBROTYPOS
Retratos em caixinhas
Para salisfazer a numerosos pedidos de muitos dosnossos freguezes, estamos pre-
parados para fazer retratos neste genero, para osquaes tambem temos agora um grande
ve ariado numero de ricas e bonitas caixiohas.
Aluga-se
O terceiro andar do sobrado da ra do Amaritp,
n. 37, com grande soto e eommodos para familia :
a tratar no armaiem do mesmo.
D. SenhoriDba Germana do Espito-Ssnlo, ten
do aberto no sea sitio do Arraial ras para reta
Ihar a vontade dos compradores, faz ver a todos
que as roas tem sesseuu palmos como marca a
canura a qne tem de fuodos 310 palmos, e rom
diversos arvoredos de frueto, boa Ierra e a 1550-1
o palmo. Assim como tem tambem bons terrenos
ro mesmo Arraial, a 140(0 o palmo, com diversas
arvores de ructo e todas carregadas, e com 600
palmos pnneo menos de fundo, so nao fieara' pro-
pietario i|Oem nao quizer.
lo grande panorama na ma d" Impe-
ralriz o. 86
Antonio Lzaro, ebegado a pooco nesta cidade, e
tendo colocado na ra da Imperalriz n. 86 um
elegante panorama com mnitas e ricas vistas de
lodos os paizes da Europa e America, representan-
do ao natural peritamente.
Nao se tendo o mesmo seohor poopado a des-
peras e trabalho para esta obra, aOm de ficar com
aceio e digno de merecer a attengao deste mostra-
do publico peroambocano.
Abertura boje as 6 horas da ta de, entrada por
cada pessoa i.00 rs., sendo estes applicados a urna
sorte de bilhete que Ihes pode sabir algum objecto
que tem o me>mo estabelecimento.
GRlTlFICA-SB
a quem capturar e conduzir a' f--.brlea de snbo no
Afogado, ou a' ra do Amonto n. 41, no Recife, o
escravo Luir, pardo, idade 35 anuos, o qnal Ja' em
principio de.-te aono foi preso por fgido, e de
novo e?adio-se da mesma fabrica, ondo trabalha-
va, na madrugada de domingo ultimo, 24 de no
uerobro ; cujo escravo fugio veslindo a roupa do
uso, de aigodo de listras, csstoraa embreaKar-se,
negar o proprio nome, e bem como o do senborj e
traria por castigo urna corrente fechada na cintura
e no torooiello, do que devera' conservar ao me-
nos as manchas.
~ a ra do Padre Floriano n. 34 prtcisa-so
de urna ama para servir a duas pessoas.
O abaixo assignado, r.a protesto ao anouo-
ci que a santa casa da misericordia de.-ta cidade
fez inserir dos Diarios ns. 2t7 a 273 de 20 e 27
do corrente, declara que nada deve a mesma Sao
ta rasa, visto c; mo o ti-rreco qoe deita a frente
para a ra da Roda o quintal da casa n. 10 na
ra dos Palos, enj) dominio directo c-improu a
Antonio Mara Ramos e sua muiher berdeiros do
finado Exm, marqnez do ReciO.
Recife 28 de novernbro de 1867.
M-iD el Joaquim Bapti.sta.
Fngio no dia 6 do correte mez o escravo
Vicente, natural de f ianc, de mais de 40 annos,
alto, magro, cosiuma andar com a caiga regagada
at os joelnu% e de aplcalas ; portanio rogase as
autoridades policiaes e capites de campos que >
aprehenda e leve a sua senhora na ra do Moa-
dego a. 61, que sera' generosamente recompen-
sado. _________________
Preciase de ama ama, ni ra Nova do San-
ta Rila n. 43.
Attenco.
Na ra do Livramento, luja do Zuavo Brasileiro
n. 33, tem para vender um comp'eto sortimeoto de
caudlpiro3_a gaz moderos. ___________
Pregramma da festa de~Tossa Senhora
da Cooccicao da ar do Recife.
No dia 9 do corrente pelas 6 horas da tarde, di-
versas girndolas de fogo do ar anoaoelarao po-
pulagao desta cidade, que ser basteado o estan-
darte da excelsa Senhora, depois de percorrer em
procissao solemne, sablndo da casa da joiza a Exma.
Sra. D. Joanna Maria SimSes Barbosa, as roas da
Cadea, Cruz, largo eroa da Associago Commercial,
Corpo Santo, Vlgario e travessa e Cadeia acom-
paohada da banda marcial do 1.* batalhao de in-
famara, regida pelo su roae^ro que tocar as me-
Ihores pegas de seu repertorio ; qae para isso a
commisso encarregada da festa convida a todos os
devotos qae qalzerem boarar em acompaohar este
brilhaote seqaito, qae findo dar-se-ha comego as
novenas, sendo anouoriado pela asceosao de um
balo, e nos das das mesmas novenas, a mesma
banda marcial tocar as pegas qae para isso tem
escolbido.
Ao meio dia de 7 de dezembro prximo futoro,
grande numero de girndolas de fogo do ar annun-
ciara as vesperas do grande dia, qne pelas 6 horas
da tarde terao comego tocando as daas bandas mar-
ciaes, do 1. de artilharlve l.*de infmtara as me-
Ihores pegas de sea repertorio, eoncloindo com a.
ascensSo de dous magnficos bal5>s.
A madrogada do dia 8, urna salva real far lera-
brar o annlversario do grande| da do dogma da
imraaculada Conceigao, tocando antes e depois da
celebrago da missa resada as daas bandas mar-
ciaes e outras de sociedades particulares que para
isso obsequiosamente se prestara.
Ent-ando as U boras a festa a graode orchestra
regida pelo maestro o Rvm. padre Primo, orando
no Evangelho o Rvm. vigario desta freguezia,
bem conherido pera saa eloquencia sagrada, ter-
minando a festa com ama salva real e ascenso de
um bello balo.
As 4 horas da tarde comegaraa as mesmas ban-
das marclaes a executarem as oovas pegas que
para isso tera destinado sablndo nessa occasio
diversos baldes.
As 6 horas, outra salva real aononciar a en-
trada da ladainha terminando com a entrega da
lianteira da mesma excelsa Senhora, a Exma.jaiza
futura, queiroandose depois o exeellente fogo de
artificio que para isso se tem preparado.
A eommlssao eacarngada da fesia desde j agra-
dece a tod.'s os devotos, e pede aos moradores da
rna da Cadea para lllnminarem as frentes de suas
casas, para abrilhantarem a solemoidade do acto
desde o dia das novenas a concluso da festa.
Recife 7 de noven bro Je 1867.
.M-noel da Cunba Res.
Francis-o Antonio M. Dorio.
Thomaz F. da Cunba Jnior.
Tendo fallecido o socio Domingos Duarte de
Moura, a directiria do Mote Po Portuyuez era
eonf rmidade com o art. 60 dos estatoios mande,
rezar ama missa nelo eterno rep juso d.tqaelle fi-
nado sexta fera 29 do correnta as 7 horas da ma-
obaa na igreja de S. Ped-o, e para esse acto re-
ligioso coovida a familia, prenles e amigos di
fallecido e os socios do Monte Po que poderem
eomnareear.
Precisa-se de um rapaz pira caiteifo, prefe-
re-se portogn^z no paleo do Tergo n. 141.
HOSPITAL
Porlugucz de Bent ucencia cm Per-
nambnco'
De ordem do'Im. Sr. provedor, e em campri-
raento do que determina o art. 18 dos estatutos que
regem esta associago, couvido lodosos nossos so-
cios para se reonirem domingo Io da dezembro
prximo futuro, as 9 horas da mnnhaa, na casa das
respectivas ses-5es, no sitio desie hospital, afim de
constituida a 3ssembla geral, proceder-se a elei-
co da junta fvdministraliva para o (uturo anno de
1868.
Secretaria do Hospital Portuguez de Beneficen-
cia em Pernambuco 26 de novernbro de I87.
A. A. dos Santos Porto
______1* secretario.______
Prtcisa-e de urna ama para comprar na roa
e cnsinhar ; a tratar no beeco do Marisco o. 7, lc
andar.
Precisa-se da ires trabajadores de pada-
ria p'ra o Rio Grande do norte e rata-se na roa
larga do Rosario n. i padaris. _________
saiba bem
Alm do grande sortimento das melhores machinas, americanas para descarrocae
algodao, de 10, 12, i4, i6,18, 20, 22, 23, 30, 35, 40 e 50, neste estabelecimento sr
encentra mais o seguinte:
Azeite de espermacete propxia para machi- Peneiras d'arame para padarias e refinaoSes.
daas
roa
Um mogo habilitado para ser ajodaote de
nm guarda livros de urna casa commercial, lendo
muito boa letra e escrevndo cora orthographia e
sendo perito em coniabilidade deseja eropregar-se
em um escrlptorlo, se illereee qualquer garanta
sobre saa conducta : quem precisar pode se diri-
gir araa eslreita do Rosirio o. 10, das 10 boras
da manbaa as 3 da tarde, andar.
Attengao.
& 2 gaa do Livramento N, 25
Deposito de tamanco. e ealcado nacional da la-
Mea da roa do JardJm n. 19, de Jos Vicente Go-
dinbo, tanto no deposito eomo na fanrica seapromo
tam lodas as porgdes de calcado o mais barato
possivel, esta fabrica tem todas as machinas pro
prias para os calgados ja bem acreditados pelo
graode numero ,de fregutzes qoe daqui se for-
nceo. ________________
Precisa-se de ana ama : o
zo 8. 30.
Alaga-se
O primeiro andar do sobrado o. 193 roa Ballaios e cestas
'PerW : a (,ar ,9 se|oado. iCrda comida*.
as de todas as qualidades.
Vapores de torca de 3 a 4 cavados,
na^roaTsi Serras avulsaspara machinas.
Mancaos e todos os mais pertences para as
mesmas.
Carros de mao para aterro.
Cylindro para padarias.
Debuihadores para milho.
Arados americanas.
Escadas de madeiras americanas,
(larriohos proprios para armazem.
Moinhos para refnagoes.
dem para m;lho. '
Machinas para cortar capiro.
Bombas para regar jardios.
Vaquetas para cobertas de carro.
Camas de ferro sortidas.
Bombas de Japy.
dem americanas.
Ferros a vapor para esgominar.
Vassouras americanas.
Baldes americanos para corxpras.
Tinas de madeka. __,
Correntes para almanjarras.
Machados e facoes americanos.
Caixas com vidros de todos os tamanbos.
Cannos de chumbo de todas as grossuras.
Folba de cobre dem idem.
dem de lati idem idem.
Foloa de Flandres.
Ferro de todas as qualidades. ,
Arcos de ferro.
Latas com gaz.
Trena de porcelana para cosinba.
dem estanhados para dita.
Bandeijas finas.
COSIMEIRO
Ollerere-se am ptimo cosinheiro, escravo ainda
mego na rna do Trapicho n. 46.
rmaedade de Santa cicilia do conven-
to do Garm.
Sao convidados por ordem da mesa regedora a
todos os Irmaos para comparecerem a mesa geral
no dia 8 pelas i2 bcras, para encorporados ele-
gerem a nova mesa qae tem de foaccionar no an-
no de 1868.
O secretario
Jlo Manoel Ferrefra.______
portoguea, com sua
Geomeiia
O padre Franeiso Joao de Azevedo, antorisado
pela directora da instruegao publica, propoe-.se
leccionar pelas ferias em sua casa no caes do Ra-
mos n. 4, a comegar de dezembro, arilhinetica, al-
gebra e geometra tanto a-j- que se preparam para
exam^s da far.uiiade orno aos qa- se dedicara a
outros rtisteres.
Aluga-se a casa terrea sita a' ra do Gazo-
metro, confrente ao purto lateral da (bru-a ; tem
ci>mmcdos para pequea familia, e de prego de
li# por mez : a tratar no mssmo lugar.
- O Sr. Justioo da Silva Cardoso queira
vir nesta typogrjphia negocio urgente.
.Na praga da Independouna o. o3, loja de
ourives, compra-se ouro, prata e pedras preciosas,
e tambem se l todo e qaalquer concert.
Trocati se
Luiza Caadida Soares,
fllba menor vai a Europa.
Precisa-se alog r om preto e ama preta es-
cravos para entregar pao oa ra e todo mais ser-
vigo da casa paga-se bem : a tratar na padarla
de Si nlo Amaro atraz da fundigo._________^
Qaem quizer alugar o sobrado o. 42, a'
roa da Aurora, dirija se ao escrlptorio n.
4, a' roa do Crespo, que achara' com qaem
tratar.
Collegio da Ooceico.
BSt Corso de ferias.
B Acba-se a berta a matricula das aulas ^
I preparatorias para os exames de margo fl|
_B vi ti di uro. __
a? notis do banco do Brasil e das cairas flliaes-
dom descont multo rasoavel, na praga da lude,
oendencia n. 22.
AMA
Trecisase alogar orna ama torra oa eserava,
preferfado se esta ultima, para o servigo de ama
casa de pooca familia, pagase bem : na rna No-
va o. 11.
Ama de leite,
Preeisa-se de.oma araa de l-iie
boga n. 11, primeiro andar.
na raa do Ca-
paros do Parai-
deTergniDOM.

Balaricas americanas.
dem rovervaes.
Taixas de cobre.
Estanho em vergoinhas.
Fnihas de ferro da todas as grossuras.
Oirrerjtes de farro sortidas.
Espingardas de todas as qualidades.|
Rewol veis do todos os modellos.
Ferramenta panoorifet.
I-iem para tanoeiros.
dem para ferreiros.
Precisa se de ama ama para o servigo inter-
no de casa de duas pessoas : a tratar na roa de
S. Goncalo n. 2S.________________________
Aluga-se om sitio na povoagao da Vmea,
margem do rio, proprio para passar a festa :
qaem pretender, dirija-se a' mesma povoagao : a
tratar eom o Sr. Jos Antonio de Brito Bastos.
Feitor.
Precisa-se de nm feitor qne seja entendido e de
boa coudueta, para cuidar de um pequeo sitio
perio da cidade : a tratar na roa larga do Rosam
n134Lbetlca.
Perdeu-se orna lettra da quantia de 1005, a
vencer a 32 de levereiro, aceita pelo abaixo asig-
nado : pede-se a' pessoa qoe a aenon o obsequio
de entrega la a* rna da Imperalriz n. 83, loja de
roarciielre, qoe sera' gratificado. O abado assig-
nado previne qae neohom valor lera* a dita letra,
pois s a pagara' ao saccador com qaem ja' se en-
a ,w Antonio Ignacio Cardoso.
Ama
Precisase alogar urna eserava para cozinhar e
engommar : na roa de S. Francisco d. 54, para
pequeoa familia.
Fundido da Aurora em San-
to Amaro.
Completo sortimento de taixas de f rro
coado, molde raso, ltimamente aprovadas
para o fabrico do assucar.
Hospital Por cenca.
Por aatorisscio da provedoria do hospital porta-
gnei de beneacencia, Dr. Prxedes Pitanga, di
consaltas gratis iodos os das das 7 1,2 as 9 ho-
ras da manha, nos saldes do mesmo hospital, no
sitio do Cajueiri.


at
Attencfto
i V A
ec
Ido
A instruegao publica
NO BRASIL
pelo conselheiro
klr. los Liberato Barroso.
Acaba de chegar esta obra e veode se na livra-
rla econmica defronte do arco de Sanie Antonio.
Precisase de nm feitor de nortt e iardlm ;
Informa-se oa roa ettreita do Rosario n. 28.
Precisa-se de am caixeiro de 14 a 15 anuos
de idade, qoe d flanea a' soa conducta ; a' tratar
no pateo da Santa Crux n. 6.___________
lnga-se o sitio da Sra. flava Car?albo em
S. Jos do -inguinbo com orna exeellente casa de
sobrado : a tratar cm R. Lasserr* na roa Im pe-
rd n. 1,1* andar oa na roa do Trapiche n. 14,
i* andar.

Cartas
Xa companhia pernambacana ba carias para oa
seguales senbores:
Dr. AotMi Vwira Caldas.
Dr. Riymoodo Braulio Pires Lima.
Carolina da Um Santos.
Alnga-se o sitio dos qoatro leSes na rna de J lio
Fernandas Vi eir, eom exeellente casa de vi venda, _,,.-...- -.---------------
e outros commodos ; a tratar na laja n. 18 aa roa Dr. Emest > de C. Pires Lima.
' Qoelmado. JlmkIo Beraarlido daBoctoa.




tari. m.bo S.U. .elra *. .,,!' de ,6,.

o
N. 2 D4


__ N. 2 D
;PF* CORACAO D OUltO. ^tS
A loja n.!D Intitulada Corado de Oaro na roa do Cabuga, acha-se d'ora em diante offerecen
o ao respeitavel publico com especialidade as pessoas que booram a moda os objectos do ultimo gos
ti da obras.
O respeitavel publico avahando o desejo qne deve ter o propietario de um novo eslabeleclraen-
lo qne qner progresso em sou negocio deve chegar Immediatamote ao coracae de ouro a comprar
aneis com perfeitos brilhaotes, esmeraldas, rubios e perola; verdadeiras em agarras, modernas pel
diminuto preco de 104, brincos modernos de ouro e coral para menina pelo preco de 34, maracas de
prata com cabos de marflm e madreperola obra de moderno gosto (o que o encontrarlo no corado de
curo) voltas de ouro com a competente erosiona ricamente enfeitada pelo pequeo prejo de 124, brin-
cos oto om trabalbo perfeito por um mdico preco, cassoletas, traneallns, polceiras alneles para re
tratos e outros modelos tudo de alto gosto, aneis proprios para buttr cabello e Arma, dito para casa-
mento, no artio roseta tetn o Coraco de Ouro um completo 6 bem variado sortimento de diversos
f ostos, butoes para punhos com diamante, rqblns e esmeraldas, obra esta Importante ja' pelo sen va-
lor ja' por gosto ds desecho, brincos a forma da delicada mosinha de moc^i com piugente contendo es
meraldas. robics, brBbaotes, perolas, o gosto sublime, alflnete para gravata no mesmo (tost, reo-
slos para seabora cravados de pedras preciosas, ditos para hornero, diversas obras de brithantes de
moflo gosto, craslnhas de rnbins, esmeraldas, perolas e brllbantes, aneis com letras, cacoletas de
rrvstal e ouro descoberta para retrato (a iugleza) brincos de franja, ditos a imperatrize toda e qual-
quer joia, para seeolocar retratos e obras de cabello, e ontros muitos objectos que os pretendemos en
contraro no Coraco de Ouro que se conserva com toda a araabilidade aos concurrentes deixando-
se de aqnl mencionar precos de certos objectos porque (desculpem a maneira de fallar) diiendo-se
preco talvw algnem faca mo juno da obra, por ser tio diminuta quantia a vista do sen valor.
Na mesma loja compra-se, troca-se ouro, prata e pedras preciosas,e tambem recbese coneer
tos, por menos do qne em outra qoalquer parte, e do-se obras a amostra com peobor, conservando-s
t Coraco de Onro aberto at as 8 oras da noile.
Qualquer pessoa que se dirigir o Coraco de Ouro nao se podera' engaar com a casa, pois
nota se na sua frente um coraco pendurado piulado de aroarello, alem de antro que se nota em uoj
rolle (isto se adverte em consequencia de terem ja' algumas pessoas engaado com outra casa.
Joala Je cndores
Da conformniade cum o ait- 2* do regiment lo-
convidados o s;nhores corretres a se
reuMrem no di 30 do corrite, as 2 horas da tar-
de, no logar do postor, para a eleifSo da nova
Bota, que lis de [aoecionr no aneo de 1868.
Sala das ses-o novembro de 1807.
O secretario
J. da Crux Macedo .
i
\MA
Precisa se de uaia ama para ser vico de ca3a de
pequen familia : na ra das Cruies n. 41 A, por-
ta larga.

COMPRAS
ifoedas de ouro
nacional e estraogeiro, assim como libras sttrli-
oas : compram-se na ra do Crespo o. 16, primei-
ro andar.
Moedas de ouro.
Xaeionaes e estrangeiras assim como libras
esterlinas : campram-se oa roa do Crespo n. 16.
primeiro andar.
Compram-se
com premio moedas de ouro e de prata'naclenaes
e estrangeiras: na ra da Cadeia do Recite n. 16
armazem de Adriano. Castro 4 C.
rata
-Ba da Imperatriz-----N. 64.
Kova loja de miodezas e arligos de modas
rE

SILVA & NEVES.
&&
1
T
Os propietarios deste novo cstaberecimento oflereoem ao respeitavel g&
poblico desta bella cidade, e do interior om lindo e escothido sortimento de J^
tmudezas e arligos de modas, concorrendo para isto o terem na Eurooa, pes- |^|gp
seas habilitadas a execotarem suas encommendas no qne houver de raais no- *':"
-.--- >
4
3K *"W* e gosto, e garanera vender pelos precos mais rasoaveis do que em
g|| outra qualquer parte apar de maneiras delicadas e sinceras.
Acabam de receber pelo vapor francez Guienne, os seguintes'bti'os
-art'gos de moda e fantasa.
Luvas de Jouvin para senboras e homens, de todas as cores.
Livros para missa com capas de madreperola >etc.
IodispeDsaveis e boleas de tolas as qualidades.
Coques os mais modernos.
Espartilbos collares, e cintos 4e seda e vidrilho.
Rendas de Guipure, de seda, (blonds) e de algodao, de odas as
qualidades.
Completo sortimeoto de trancas, fitas, boes e guamiles de seda
com vidrilho e sem elle, gravatinhas de seda, e maRguiios de lustro bordados
tudo do ultimo gesto de Pars.
Leques de sndalo aberto do mais apurado trabalho
Agua Florida e tnico oriental de Laman & Kemps.
Ricos eufeites e guarnigoes de flores para vestido e cabeca.
Calcado para senhoras e meninas.
Perfumaras as melhores e mais escoltadas de Lubm, Piver, e Cou-
dray, -ai ricos e elegantes vasos de porcellana, crystil e praia ingleza.
Meias de algodao, as mais fines e melhores que teem ate boje vindo
ao mercado, para senhoras e homens.
Chapeos de palha da Italia, e a imitacSo para meninas.
E um sem numere de artigo, de gosto e fantazia qne s a vista
podem ser apreuiado.
m
.V--- ;
SI
i
l
m
Compra-se nacional ou estrangeira com maior
premio de que em ouira qoqoer parte : na pra-
Qa da Independencia n. 22.
Maior vantagem
O coraco de euro roa do Cabuga n.t F>, offere-
cese em compra das moedas de ouro e prata.
Negro para sitio.
Compra se um npgro siiodo, sem vicios, e bom
irabalbador para servico de sitio: na roa Nova o.
19, 1 andar._____________________________
A IC por cento.
Compra-se a praia na praca da Independe cia
n. 2?.
MOEDAS
de ouro e pr ta
Compram-se moedas de ouro nacionaes e estran-
geiras, bem como patarSes dos diversos cunbos :
em casa de Adamson, Howie 4 C, ra do Trapi-
ebe-novo n. 40.
Compra se nsia mobilia de mogno oo jaca-
ranfla, moderna era bom estado : a ra do Livra-
mento n. 33, loja do Zuavo.
Moedas de prata
oacienaes, assim como pataeres portugueies e
ttespanbes, compram-se com premio : oa ra do
Crespo n. 16, prime ?ndar.
Compra-se ouro e praia em
ua Draca da Indepeod?r:c:a 22.
obras vclbas

m\k F4BHIC4
HE
CHAPEO
DE
TODiS A QUALIDADE.
DE
Manoel Moreira deSouz.
K- -** == MA \OVl
Neste novo estabecimeoto, lem um completo sortimento de
chapeos para hoaiens, senbofas e meninos, veade-se por precos
razoaves-
= 91. 4&.
^/f*;|5'.?;;Vi|
MB&C&,
m
&u
I
tm
1
2Q

m
i
Ouro e prata
Moedac de ouro e prata nar ionaes,-estrangeiras
de indos os valore?, se cowpraiD na taja de ouri-
ves junto ao arco de N. S. la Concei?So, ra da
Cadeia do Recife, assim como oaro praia tai
obras -velba?, brifbantes e diamantes, e se paga
bem.
Compram-se escravos
Sirrino Guilherme de arros, compra, vende e
joca effectivameote eecravos de ambos os sexos
de tedas as idades : a' ra do Itaperador n. 79,
erco.ro andar.
Imfostie onro e praia.
Compra se empre por raars do que eo fBtra
qualquer parte todas as qualidades de moedas de
euro e prata, nacional e estrangeira, e tembem kp
trream sedlas tos bancas do Brasil e calas H-
Hfee^ de outrs proviocas; oa ra da Cadeia do
f.ecife n. '8 loja Se azulejo.
Compra se ama preta que Cziohe e eogom-
6 com pefeicao : na ra do Rangel t. 9.
VENOfiS
encao
LOJA DO GALLO VIGI-
LANTE RA DO CRES-
PO N. 7.
atten$o i(]
No armazem- de fazendas dt
SantusCoelho,rua do Quei
mado n 19.
Bom e barato
Lansiohas Poil de Clivre a aiJ o covado.
Madapolo enfestado a H.) a peca.
Cambraia de cores matisadas fnissimas a
SOO a vara.
dem brancas transparentes Snas de i6,
15000, 6($, 7l, 85 e 8ooo a pefa com tC
jardas.
dem branca tapada de 85 95 a pect
com 12 jardas.
dem branca franceza muito larga a 95 a
pega com 8 varas.
Bales de 35 e 40 arcos nesgados pari
senhoras, a 45500.
Mem de mursulina nesgados a 55.
dem de crochet a 55.
mH2S ? ,deS,e SJ SiC tDhe" ,den^e mursulina para meninas a 35
do estabeleci ment tem a satisfac5o de levar %$$0Qt
ao conhecimento do respeitavel publico que j gaia's bordadas a 55
acabam de receber pelo ultimo vapor da En-; cambraias admascadas para cortinado >
ropa nm grande e variado sortimento de ob- iq/ a neca com 2o varas.
AtteneSa
Dase 1:0005 a premio, a ratao de 1 1/2por
cento sobre hypolbeca em predio : qoem precisar
aanoDcie.
Aenco
s
Hoje, pelas 7 horas da tarde, contlooara' em
mesa geral a segunda e ultima dlscossao do novo
compromisso da coafraria do SeoUor tjua Jdsos da
Va-Sacra da Sana Crm.
Preelsa-ta de ama ama de idade para cozi-
,jha em casa de pouea familia : na ra do Padre
ploriaoo n. 71, segundo andar. _________
Francisco Gil d Soaza" Teixeira e Aotoolo
Perelra de Sampaio, fazem sciente ao respeitavel
publico, e com esoecialidade ao corpo do eoromer-
ci qoe an da iS de outubro prximo pasaado, dis-
solveram amigavelmeain a sociedade qoe tinbam
na cocheira da roa das Flores n. 35, qoe gyrava
gob a firma eocial de Teneira & Sampaio, por te-
rem vendido dito eatabeleclmeoto ao Sr. Francisco
Torres da Costa, reUrando cada um dos socios
pago e satisfelto dos seos fundo?, depois de have-
rem pago todo o passivo de dita sociedade, sendo
qoe por isso nada deven nesta nraca e nem fra
delta, compettodo a eobranga das dividas activas
exclusivamente ao socio Sampaio, como ooico com-
petente para tal flo or assim terem ambos con-
endonado.
n\m & BR4ZIL
Lar^o 4o Corpo Santo n. 27
Mr. JjSo Merde tundo chegado de garls da
grande exposieao universal de 186", taz sciente
ao respeitavel publico e aos seus numerosos fro-
guezes que tetn cm gr^ode sortimento fle farendas
unas, assim como cortes de caigas e cotletes de
Cosemira e rostunws nt-irieot e ricos cortes de
colletes de seda pf ews e de rres e de la ; assim
come fazendas proprlas para contarla de seobora
Oatre sim, faz vestuarios pira montarlas e recebe \
figorinos todos os o>-zes para bombos, seoooras e
menina ; assim cerno tem sargelio francez que
veode m peca e a retaloo por prego razoavel, e
brias hraocos e de r.ore< variadas.
Aluga-se
para passar a festt oo por om ann, orna casa em
Olinda, com excellente vista e moito fresca, eom
tres salas e cinco ooartos, eoxioba (ora e bom
quintal, com terracosadiaole e atraz com acentos
de pedf a e eal : a tratar na praga de Pedro II, 11-
vraria da Infancia n. 6.
Alfliuel
Alagase a caf commercial om aseravo oo
torro para todo o servico : a tratar no aesmo ca-
Wino largo do fof po-8nto d. 9. ______
Dinheiro t premio
Da-se a p ralo t^eo* oo 1:O00# eom garanta
e oaro oo bnlhantes, oo hypothe-a em ana casa:
aaaa) arasUar dtiija-M a loja da Telojoeiro dfru-
to do Limo i: Ruarlo, qis ini 7?a u\

-

AlgUBS amigos do fluado Manoel Jos Rodi igoes
Alves convidare aos amigos e mais pareles do.
fallecido para asistir amiisa que se tem de ce-
lebrar no da 30 do correte na capella do cern-
tsrio publico por occasiao da visitado da cova, no
selimo diad" *ea faileeirr.eato.__________________
A. A V. PIMENEL I
Com loja de reloj neiro na roa ti re la
numero 139.
Bocece toda qualldade de relogios e eaixas de
moslca para concertar, se)a qoal for seo estado,
doura qualquer obra, garante a sna boa execoci),
como prova eom seos numerosos fregoetes e af
fianza ser por menos 10 a 40 por cento 6o que
em ooira parte ; pede as pessoas qoe tem cuocer-
los ja' a' lempo a booo'ade de ir basca-Ios pois do
contraria marcara da e a?ara' do direlto que a
lei Ibe concede.
no
Precisa-M de cm amasador
nin; M.rwiot ?m o- il
par& me-tre mas-
A
Vendem-ee pe^as de alk'odozinho moito largo
Sftperfor ijoaifilfiH eom uw peqoeu> toqoe de aTra-
rk pelo baratoprf.fj de -431, cbius largas de co-
res a 240 rs. o covadn, brim pardo ao-to 'bom a
60C rs. avara : oa loja di- Antonio Jos dos Keis
4C, a roa d-j Passeio Pirblico o. 6, por baixo do
sobrado novo.
Grande uovidnde para &
fe^a
\a oja do pavo roa da taperatou n.
60, de Gaiua & Silva.
Modernas poupelioas com palmiobas
bordadas e quadros, covado a. ;00
Modernissimas laazinbas com pal-
mas, salpicos, quadros, listas, etc.
ele, covado, a 00, 600 e........ ^eo
Lindas lias c>m listas de seda, co-
vado, a 5GO p.................... -soo
Verdadeiro poil de Cht-vrerom listas
modernas, covado, a 800, i e.... IJriXO
Fioissimas mus.-eliuas de cores, es-
vado, a......................... fito
iloniias sedas "de cores com i palmos
de largura, covado, a............. '080
Crosdeoaple azoL roxo, Ijriio, clnza,
etc. etc., covado, a............. !#80C
Modernas eassas com listus largas,
vara, a 640,720,800 e.. ........ 1JO0G
Modernissimos organdys de cor, vara, 1#000
Orgaody largo, com lista e quadros,
vara,........................ I#000
Cirtes de organdy com lisias bran-
cas e de cores, teBdo 8 veras cada
corte a......................... i$080
Lazinhss de urna s cor matbisadas
covado a....................... 280
Corles de cambraia branca bordada,
sendo oeste geoero ornis rico que
tem vio Jo ao mercado.......... i*0
Bonitos cortes de sedas cores claras a iSOltO
8 nilos cortee de phaola-.ia a....... IO03
Cortes de organdys lisiados com 10
vara, a....................... 5000
Fil braoco bordaao, seodo de meia
largura, vara, a.................. 640
Bonita fazenda branca p:ra salas,
teodo pregas de um lado e tara-
bea bordada, vara a 1, i-280 e
Ricas saias bardadas a tQOO, 8J, e
Cassas de ama s cor de flores, cova-
do a...........................
Ditas (ramizas mullo Boas, sendo de
listas e II s, vara a 500 rs. e co-
vado a^am.....................
Modernos punhos eom goliobas, sen-
do de esgolo de ilubo, bordadas,
brancas e de cores a.............
Moderos manguitos com goilinbas a
Reos coroiobos de cambraia multo
bem eufe.tados e bordados a 8f a iOJWGQ
Saias econcmicas e escoras, para
quem fr passar a fasta f ira a.... 24500
jectos de inteira novidade, dos quaes se li-
miiam a mencionar apenas um pequeo nu-
mero Qcando o respe tavel publico na serte-
za de que neste estabelecimento sempre en-
conlrarJo um c ^mpleto sortimento de arti-
gos de gosto e inteira novidades como sejam.
Ciatos
Os muitos desejades cintos com pontas,
bordados a vedrilho, fazenda de muito gosto
e completa novidade, respeito a estes cintos
nSo fazem observacoes e sim deixamos a
apreciarlo d s esclarecidas freguezas isio s
no Gallo Vigilante na ra do Crespo n. 7.
Leques
Muito lindos leques d'osso, madeira, sn-
dalos, e madreperola ; pretos, brancos e de
cores, e muito se tornam recommendavel
pelas bonitas paisagens.
Flores
0 melhor que se pode desejar neste arti-
go as quaes parecem naturaes assim como,
tambem recebemos urna pequea porcao to-
das pretas e se vendem na loja do Gallo
Vigilante ra do Crespo o. 7.
Capella
Mu lindas grinaldas brancas e de cores
aquellas para noivas. e estas para bailes, ca-
samentes e baptisados.
Lavas
Luvas de todas as qualidades para se-
nbora, homtm. men as, sendo de algodao,
fio da escocia, seda e pelica muito fresca e
do fabricante Jouvin, paree -nos que nao ba-
ver quem ignore que por todos os vapores
da Europa o Gallo Vigilante, recebe grande
quantidade deste artigo e por sso sempre
tem sortimento a vontade do comprador, e
tambem n3o se valle da falta o seu prego
sempre o mesmo.
Pentes
Muite bonitos penies de tartaruga para
coque e alizar os cabellos, assim como para
arregacar os raesmos e rauias outras quali-
dades.
Escovns
Grande sortimento de escovas, para roupa,
cabellos, chapeos, dentes e uobas, sendo de
osso, bfalo, baleia, mai fin e madreperola.
Nava has
Superiores na/alhas pequeas para bar-
ba sendo cabo de marm, tartaruga e ou
iras qualidedes, as quaes o fabricante ga-
rante a boa qualidade.
Abotuadaras
Cbegaram as nui lindas guarnices de
botoes par-a colle es fazen ia de gosto, assim
como grande sortimento de botos para pu-
Qbos.
A tten$o.
Na rs da Seotta Nova n. 2, se acba a veoda
om graade e varwrio sortimento de esteiras che-
leadas O Arscaiy, por pre^o razoavel : ijuem pre-
tender ina-se a mesma.
mmM mmm wm-mm
$3$ Chocolate hespanho! ^
Vende-se a 800 rs. a libra, m
Na ruiNVa n. 11 eSl
1 Ra de Cabugfc numero I A. j^
Pechiocha
Vecdem-se pequetsos albuns de algibeira,
para retratos em mioiatura, pam 6 e 36 re-
tratos, pele diminuto preco de l&ioo ris
cada um: na ra do Crespo r. 4, fabrica
de ciapos K muito barato"
a **v^ rs a vara *a 300 is o malo.
.Um lindo sormi oto de cambraias fraocezas de
cores <-ue cosiavam 808 rs veodem -Gregorie P
do Amaral & C, por aqaelles precos : oa soa loja
da roa 4o Crepo n. 5 Tauib-m neMe eslabtleci-
mento e vfn4em chitas de bonitos desenhos e co-
res Ocas a 260, 280, 309 320 o covado, bem eo-
mo esperam recebar pelo vapor qoe deve chegar a
29 deste aiez ricos cortes de seda da mais apura-
do gostq, poil de cbevre liso e outro smuitos rti-
cos de traidade.
dem para forro a 33 a peca com 10 jar-
das.
Cambraia de linbo muito fina de 6(5 e 9)5 a
vara.
Madapoles finos de 60, 70, 80, 90,100,
110 e 120 a peca.
Platilba de algodao superior fazenda par
saias a 30200 a pega com lo va/as.
Cobertas de chitas de ramagem 20Coo
Lences de bamburgo fino a 20400.
dem de bramante muito fino a 30200.
Pannos adamascados para cobrir mesa
10500.
Guardanapos de linbo adamascados a 40
a duzia.
Atualhado adamascado com 7 1/2 palmo
de largura a 20 a vara.
dem adamascado de linho com 7 1/2 pal-
mos de largura a 30 a vara.
Algodao enfestado com a mesma largura
a 10ioo a vara.
dem trancado de algodao a 10600 a vara.
Toalhas alcochoadas de linho lisas a 11
a duzia.
dem de algodlo felpudas a 130 e I4
a duzia.
Colchas de fustao a 60.
Lencos de cambraia brancos finos a 10800
20 e 20OO a duzia.
Lencos de cassa fimssimos a 30200 t
306Ou a duzia.
Fil de linho liso a 8oo a vara.
dem com salpicos a 10ooo a var
Grosdenaples preto bom a I0oo, 20
20^00 o covado.
Morantiqoe preto superior a 208oo o co-
vado.
Flanella de todas as cores a 800 rs. o co-
vado.
Tarlatana de todas as cores a 8oo rs, ;
vara.
Bramante de linho com 10 palmos de lar-
gura a 205oo a vara.
dem de linbo com 5 palmos a 102oo ;
rara.
dem de linho com 3 1/2 palmos a Soo;
vara.
Riquissimos basqnins a 250000.
Assim como outras muilas fazendas qnt
se vende por menos que em ouira qualquei
parte, e d-se amostras de tudo,
Baloes de 2o, 25, 3o, 35, 4o e ."o arcos
para senhera a 20,205oo, 30, 305oo 40 e
;J;5ooo.
Ditos de 25 e 3o arcos com mollas a 50
e60.
Ditos de murculina estreitos a 60.
Espartilbos finos a 60.
Percalias fnissimas a 4oo reis o covado.
iVAL SEM EtMLKDu
a do aaludezas
DE
Jos Bigodtnno
Varas de babado bordado do Porto a SOI
Carreteis de retroi preto com doas oitavas
ParriUis de retect de todas as cores a 8b
Frascos d'agoa de Colonia muilo superior a SOO
Frascos de o eo moito nuo a...... 500
Duzia de tesouras peqoenas a..... 48*
Frascos d'agua para liropar deotes a 50t
ees pretas lisas para segurar cabello i 32t
Uuzus de peonas do aro multo fina? a 08
Calas de linba do gaz'de 30 noveos a 60C
dem de palitos de seguranza a 20
Garrafas de igoa Florida verdadeira l^OCC
Syllabarlos com estampas para meninos a 320
Memento da roupa de lavar a..... loe
Duzias demeia= linas para seuboraa joor
Aoulbas fraocezas a balao (p?pel) a 6(
Pecas de Otas de la de todas as cores 60C
Grozas de boioes de porcelana [.-rateados a 1SC
Caixas com alQoeites trancezes a 81
Caixas de 100 envelope.s muito anos a 60C
Resma do papel de peso branco liso a *OOf
Frasco com soperior tinta a..... l'
Pares de bot5es de ponbo moito bonitos 80
Lichas em carto de 200 jardas a 100
Caixa de superior linba do caz com 50
nove, los ............. 70
Talberes para meninos a....... 24?
Masso com superiores grampos a 3
Bonets para meninos a........ t00
Pentes rom cesta de metal a.....
Realejos para meninos a......
40C
lOt
n
-5
a
N
n



2 5 a
5
8..
*
o
dade
5 S.- s-2
o 5 o m a 3
"B,,8 avWF-slP'
<3> 3 *'
3* 33 = O-
* o i a? 2
o. ) *5 B
Q.O

tt>
3?"
M
g
S5"
o.a-2.
50
o a
8 S
r> i 5 1
tro S S S B S.3
3 9 2. cr JT E*^ S
BQ.OC '"gis.
hS So og g-:
egar
so
s
a
-!
n
' A>
o y
Yende-se fiado e aconta de
do comprador.
O estabelecimento d roa Nova n. 65, ene exis-
te um bilbar m(.'dt-rn e se faorica e vend-i berve-
te, assim como t(.dj5 es movis, linfas o uteccl-
llos exi.-teijt!s de um inveniario : tratase no lar-
go do Paraizo n. 24.
Este estabelecimento a rna da Imperatrz n. 70,
recebe de sua ennta por todos os paquetes Iraoce-
tes diversos objectos da ultima moda de Parir,' martimos.
como -ja oaolioB coques lisos e eofeitados, flus
de Srja, ditas de teda lisas h borladas de todas
as largaras e de soperior qualidade, lindos sapa
tos df merio, de casemira e laa, toucas de laa,
muii: booltos cbapellioho?, babadiobos e ntre-
melos >:om lindos bordados, gravatas de seda pre
ta e deiras. luvas de Juovio brancas e de cores mu:to
bonicas, cartelras de diversos fetios e tamanhos,
melas de muito boa qualidade, para homem, se-
oooras e meninos, um lindo sortimento de bicos,
esuartilhos, toncadores da Jacaranda' de diversos
tamanhos, fitas le veludo, trangas pretas e de co-
res, lindos enfeites para vestidos cintos de diver-
sas qualidades moito bonitos, albuos, abotoadura*
para coiletes, laa pra bordar de superior quali-
dade, orna iofiaidade de benitos brioqoedos pan
crisnejas, as melhores perfumarlas de Lubim, Plver
e Cooarai sociedade Hygenica, immencidade de
Objectos qoe deixo de mencionar para oo se tor-
nar ma-saote, todo por precos muito coiiimodos.
Francisco Jos Gtormass'
{RA NQVA N. 2-i,
asaba de receber nm lindo e magnifico
timento de oculos, lnnetos, binculo*,
timo e mais apurado gosto da Europa r*
los de alcance para r>bser?acoss e p^r?
\ 18800.
Vendem se, na abrica da ra do Crespo
n. 4, muito bous chapeos de sol de paoni-
nuo, com armado de ac, pelo diminuto
preco de mil e oitocentos ruis, por se ter
grande quantidade. A' elles, antes que se
acabem 1
Vapores.
Vende-se em casa de Saonders Brothers 4 C.
o largo do Corpo Santo n. 11, vaporas patete:
om iodos os pertences proprios para fazer move
es oo quatro reachioas para descaropar alg;oda(
BOTAS
X-ivameote chegadas bolas rossianas e pernei-
ras da melhor qualidade que temos visto : na loja
do vapor roa nova o. 7.____________
Vende se telhas superior e lijlos de todas as
qualidades, fabricado com barro d'agoa doce por
meos i$ em milhelro do qoe em outra qoalquer
parle : oa alaria de Jos Caroelro da Cuoha roa
i>s Prazeres d. 38.
m\ m amuttk
Ra da Madre de Deas n- 5.
Vende-se rira de carnauba mais barato do qua
eui cutra qual juer pirte, de boa qualidade.
Vinho verde
Acaba de chegar nova remes-a do j coohpcid,"
vinho verde engarr;if ido de,superi r qoalidade, p
qoal se torna recommendavel por ser pnr.i e per
ser engarrafado a capricho para evitar o alterarse
chamamos a attenejo dos amadores: ubico depo-
sito a ra da Cruzo. 63, armazem de Me b, [n
bo&a
Vende-se
Fazendo-se lodo o negocio cem a taberna dj pa-
teo da Peoba n. 6, a praxo oa a dinheiro, com sba-
limento vaotajoso oa armafo e gneros existentes:
(rata-se no mesmo armazem.
Vende so om bom escravo rara ti oa e paia
todo servico : ca roa do Imperador b. 80.
avsoo
240
300
6000
2,1300
Para o baile do Club,
Chegaram pelo vapor de 29 deste me/, ri-
quissimas saiii-las de baile, como se asam na
Europa, todos estufadas de seda etc. Vieran
s seis, por isso rec^mmendamos s excel-
lentissimas senhoras para se proverem de
um onjecto d esmerado gasto e qoe ju'ga-
mos nunca ter vindo ao nossn marcado.
No referido vapor tnmbfm- vieraa mu
hndos eofeitas proprios para o mesmo baile,
assim como lavas de i avio, brancas e de
cores: a ra do Crespo n, 5, loja de Gre-
gorio Paes do Anuralf C.
Vende-se a obra o Auno clirislao em 18
totumes, a obra mais nescessaria aos sacer-
dotes e que nao ha em parte alguma, a ra
do Hozarlo a. 22 loja junto a de funileiro.
Vende-?* a especial banba de oascer cabe1-
los e tirar caspas, moito coobeeid pela oxoerleo-
cia qoe j* della tem feito e os bons resoltados qoe
delta lem tirado as pessoas que a tem experimen-
tado, assloa orno contooa-se a receber do sertao
om ioie vameaio caseiro para molestia do pel-
lo, carros de sangoe, bronqoites : oo Corredor
do Bispo o 15. Na atesma casa eaitomma-se rou-
pa de hornera e seabora, e triza se mullo bem ves-
lldns a fraprpxa por nrwco mullo pm timxt.
_ Veode-se urna flauta e om peqoeou m.tno
da para a mesma, todo em boa astado, e par com
modisslmo preco; tratar ca rna das Crozes
n.3>.
Veaaaaa arcos em firinha d mandioca
de 2*800 a 5J. a baralissuoo preco, oo trapiche Barao do Ltvramen-
10 aFjrtedo Mattos o. 13._________
Oleo de ricino
Vende-se oleo de rlcloo em latas de 30 libras
oa rea da Cadela-veih* n. I, no i e V andares.
Afugndos
Rap Viajad o e Paulo cordelro
A loja do cordelro prevjdeote a' ra do Qoelma-
do o. 8, receben nova remessa dessas qualidades
de rapi. ____________
Liquidacao de calcados.
Ru do Imperador n. 32,
Borzegoins de bezerro para homem.
Ditos de lustro para homem.
Ditos de cordavo.
Ditos para seobora eofeitados.
Ditos para meninas.
Sapatts d bezerros.
Botinas brancas para seobora.
Botas pequeas para montara.
Ditas grandes para montarla.

7*000
1)4000
80O0
o* 34000
m*
iJOOJ
184000
254000
A tenco
Vendem se por pt-51 comrondi ciceo casas ter-
reas aa roa de S. Muuel n> 24, V, 4S, 47 e 82,
quatro ditas aa roa deirat da Paz os. ti, 2t. 28 e
30: a iraur oa roa do Queircad j 0.18.
Aende-se a loja de funileiro da roa DireiU o. 68,
com todos os pertences e algumas obras faltas; a'
tratar oa roa da Lingoeta a 14.2 andar._______
0 barateirovai fallar ao
publico,
Cbitas largas, cores escoras claras de liodos
desechos e cores flxas a 260 rs. o aovado, riscadl-
nhos franceses a 240 rs. o cavado, madapolao Sao
coai 24 jardas a pessa por 54500, dte muilo fino
lepbante por 74 a pessa de 24 jardas largo, al-
(zodsosiniio a pessa por 44, dam s amostras com
penbor; n* lojt do baratofro a' roa da Madre de
Dan v. 19 00 29, defronie da guarda da a'faa-
i|f.
iGraadehimazem de tin-1
tas medicamentos etc.
9 Roa do Imperador b, 22.
Productos chimicos e pbarma-
5 ceticos os mais empregados em
5 medicina.
Tintas para todo o genero de pin-
m tura e para tinturara.
jg Produces industriaes e tintas
gjg para flores, como botoes de Aeres
gg e modelos em ge sso para imitar
[ fructas e passaros com o compe-
; tente desenho.
Productos chimicos e industriaes
para photograpbia, tinturara, pin-
tura, pyrotecnia etc.
Montado em grande escala e snp-
pride directamente de Pars, Lon-
dres, Hamburgo, Anvers e Lisboa
pode offerecer productos de plena
conflanca e satisfazar qualquer en-
eommenda a grosso trato e a reta-
lho e por preco commodo.
Lingu'cas e Urresmos.
Chegadas attimamtntn das Ubis aa barca Pa
rary, a viador na roa da Lingueta o. I, em lalv
d: s seguiotes qualidades cada urna, como sejam -
Chooricas,
7 i Linolaif Boas.
aTorselfas de sangoe.
TorrafiBos.
Cnt>ilrt Ao Tiphi> d'alhos.
Vende se urna caooa que cairega wes mil
ti oos de alveoarlas grossas ; a raiar oa rea a
Gloria numero M.

i
i
.i.


Blarlo de PernamtB sexta telra de ^Teubro de 1867.
Ail

DO

DR. SEVIAL.


Para o tratamento e cara rpida e completa das molestias syphiticas, eris-e-
as, rheumatismo, bobas, gota, dehilidade do estomago, infiammacSes ebronicas do ligado
i baco, dores sciaticas, cepbalalgias, nevralgias, ulceras ebronicas, hydropesias, pleuri-
ua, gonorrheas chronicas e em ge al todas as molestias em qne se teaha em vista a pa-
rificado do systema sanguneo.
0M0IIR0D
Kua da lmperatriz n. 15.

Vende se maotei a ia/jleza Qor a 800 e Igooo.
Sal refinado em pcele, de 3 libras a 2oo rs.
P de tijollo para.ln^ar-facas a I2o rs.
Latas com plorde-ld.i lf$uoo.
Azeitonas de Elvas em latas a 800 rs.
Alpista epainco ai,6o.rs.
Frutas em caldas sonoras a 5oo rs. a lata.
Farello de Lisboa marca M. a 4 Caixinhas com missas para sopa a 25*uo.
Vende-se nma armacSo de lonro envidracada propia para qualqaer negocio em
" Gomes de Souza,
Considera ees geraes
A saude um bem inapreciavel, caja importancia e valor s est reservado ao em
'enD incon^stavel que o bomem neste mundo constantemente, e por todos os lador' SSXSSJXiOB P f" > IIm,8ralrz D' '"' C
acado por urna infinidade de agentes morbficos qne todos tendero, dadas certas e deter-.H F *^
aunadas circumstancias, a alterar o regular exercicio das fnccBes orgnicas, resultanbo
?esse desequilibrio o que se chamamolestia.
A molestia nao mais de que a desvirtuado das forcas vitaes, occasionada,- d,
fundo as investigares e experiencias dos mais abalisado mestres da sciencia, pela depra-
ac3o dos humores geraes, consequencia da aeco maligna desses mesmos agentes mora e
5cos introduzdos no organismo pelo acto da respirado, pela via digestiva, pelo contacto
inmediato etc. etc. etc.
A syphilis infelizmente tem sido a partilha da humanidad.}, e como fra de duvi-
ia que esse terrivel Proteo da medicina urna molestia hereditaria, ella tem sido obser-
*ada em todas as idades, e debaixo de todas as suas formas to variadas, enfraquecendo
onstituicoes robustas, produzindo mutilacSes, e cortando ainda em 6r da idade vidas
preciosas.
Eliminar da economa esses principios deleterios, e purificar amassa geral dos
rumores tem sido desde tempo immemorial o fim constante da medicina, e os purgati-
vos flguram em primeiro lugar para preencher esse desiteratum ou fim.
O Elixir depurativo do Dr. Sevial parece merecer a preferencia sobre todos: os
inmensos successos obtidos pelo uso deste salutar agen:e lauto na Allemanha. como em
?ranca e Italia, o tornam o companheiro inseparavel dequasi todos os doentes.
Sendo as melestias, como cima dissemos, devidas s alterares dos humores, o
lixir depurativo do Dr. Sevial pode ser empregado ventajosamente na syohilis, erisy-
pelas, rbeumatismos, bobas, gota, dehilidade do estomago, inflammaces chronicas do
ligado e baco, dores sciaticas, cepbalalgias, nevralgias, ulceras chronicas, hydropesias,
pleurisias, gonorrheas chronicas etc. e em geral em todas as molestias em que se tenha
m vista a purificado do systema sanguneo; pois que urna pratica constante tem feito
'er que elle indispensavel nos casos gravissimos para minorar os soffrimentos, pre-
parar o doente para medicacoes superiores; e as menos graves a cura a conse-
cuencia do seu uso, convenientemente repetido.
As substancias que entram na composiclo do Elixir depurattvo do Dr. Sevia
.tertencem todas exclusivamente ao reino vegetal, e grande cathegoria das substan-
.jas depurativas e antisypbiliticas; assim, ao passo que este remedio depura o orga-
iismo, eliminando os principios nocivos saude, pelo mecanismo natural das evau-
ces alvinas, neutral ;sa ao mesmo tempo o virus syphilitico quando este virjem.
em feito erupcSo no.exterior debaixo de suas multiplicadas formas; e previne tapi
oem os estragos dessa terrivel molestia, quando por ventura se ache ella airida no
-siado de encubando, isto sem se ter manifestado sob formas externas: beneficio
nmenso, tanto mais quanto neste estado os individuos gnerara completamente se es-
io contaminados por este terrivel inimigo.
O sabor agradavel d'esle Elixir convem a todos os estmagos, a sua accSq so-
>re o tubo intestinal suave e benigna, e de nenhuma forma prodaz molestias medi-
camentosas, como acontece ao purgante dito Le Roy, que na sua qualidade de drs-
tico forte irrita a mucosa intestina!, e consecutivamente a seroza, resultando d^ste es
ado, muitas vezes, hydropesias, que qoasi sempre terminam pela morte do doente.
Assimpois esperamos que o uso deste remedio justifique cabalmente as nos-
as asseveracoes, porque sendo um medicamento to simples na sua composico, a
ntica tem confirmado sua ulilidade.
nico deposito em Per namb; ..
Miguel
Na botica e drogara
DE
Barthotomeo Companhia.
34-RUA DO ROSARIO LAUA-
-3*
rrrrmrm 1 1 1 1 m
TUOg MU tOajtatOMWMfd km *IHR *!> tJOBft B0t >90%qmtU#4 t] ^
m t iTOuinmiuI td n tn nb nuMi 'wftAutdwd tnt p jopn oa w
t t;sw oan,qud op ffittdw oatsqpt i jttqo pttesp aenmg a uuat f O
-wpaiiMN oqjom 10 ip o3tJtdjd tnp tt|t man*
^%lx t mmm 9f 9 ojjaj 9p vm\ ? saa)?ig 0j
-a nptinBtp na luojujojot 'nsmqdmi im9iom tira aiadautnnivnil
.-sirtoipni ojiubSusui wjaj ap ownpoi p toiuwlijuao oonp non p opuajaoo
Si9AW3|IW| gSSFDCl 9p 9 0JJ3J 9p 0J3JnpOI 3p W\ 9 SjQ{j %
nsoainxwi MUNM nnlt n timn'
m-.!wK aioa cpoiBiniqM'(uipuS. tzozi on^inBSnsni CfJai CA I
sprisppi 'tn3t tarn juiuitjtifiaumi opusp oVvIBiDUftil sVaUvl WA 01
ssiainlas sDgisjedDjd tt jjqot
ofJnoj tnt 9!-JiiaBt{0 o 'tooipaaj to o5*J8t ojisptpjo* mass-JsisMd 'siod j
ojjaj o uioo opiun 3ia9uitaiijm ajdia 'soiuad rnxu to tooiiiqo so
cpuoqaoaoj aiai <> 01UO3 'snSuts ou pqjt ss nb 'muvSumu op 'woJwidajd wtsa.a
'ptotnt ? 0\\X3 o jui ast msnquiit sojanusip titin sop soaipaia tojmoj -soSait op
ojaaia pajqo3oia o tsnto jod uiaaj nb q[o'ui ti nra utd t'az)njaui sszsa
siunu oj t3diu toouinj; so aab aoaqoooJ 'mipm vuwx r nimi
-vum tp 9pv)v.ti na ap o|J[p tuijra tu 4Qvas8no*l jostajid ajuauma o
iutj 9 tst>ipg aj mnpny it>i jpnji 'pBjrajty
N.osina na Niuaa aa
VMioiaan aa viheuvo tj svatAoaadf
S31I?9IfI-STaHH3J S30YH?J3HJ
hJ&t&aL
.
itmvm mm r
0 cordeiro previdente
Na antiga loja de miodezas a ra do Quei-
mado n. 16.
Tendo sempre sm vista Dio nubar a tempo aos
seas (regaeies, coa exteasos aoouacios ; mas
tambem Bao quereoda qoe o* mesmo fregoexes
Igoorem o que de novo tem elle recebldo, por Oso
resomidameole o dir' : chegaodo nssim ao co-
nbeeimeoio de todo qae a dita loja do Cordeiro
Presidente, ra do Qoeimado n. 16, recebeu o se-
gointe :
Bonitas e doradoras ligas de pellica para meias,
tanto para senburas como para meninas.
Leques de diversos e modernos gostos.
Peotes com enteites dourados e nao dourados,
para meninas.
Coques simples e enCeltados, moldes Inteiramen-
te novos.
ora papel em calxinhas liso, pautado doora
do e timbrado, eootros muitcs objeclos, qaemen-
clooa-los seria bastante eoladonbo, e qae se ven-
de em dita loja de miudetas do Cordeiro Previ-
dente, roa do Queimado n. 16.
Xo faltaiu flores,
O Cordeiro Previdente a roa do Qoeimado n. 16
tem constantemente um lindo sortimento de fi-
nas e bonitas flores, por isso qnaodo algom* ba.
bilidosa joven quizer preparar qualqaer eotelte de
bello gosto deve logo lembrar se qae ba dita loja
do Cordeiro Previdente, a ra do Queimado n. 16,
nao faltam flores.
Para alvejar os denles.
O cordeiro previdente a roa do Qoeimado n. 16
receben do bem conbecido fabricante Jooh Gos-
Inell & C. ama ptima qualidade de pos para den-
tes aromatisados com canfora qae realmente tem
merecido todo conceito porque nao s alveja per-
feitamente os denles como tambem conserva-os
sempre no melbor estado de perfeicao, assim pois
queiram vir comprar ditos pos na mesma loja
do Cordeiro Previdente, ra do Qoeimado n. 16
Enfeites com ponas.
O Cordeiro Previdente receben um lido sorti-
mento de enfeites com ponas para vestidos, tanto
de seda como de la qae combinara perleramen-
te com os cintos modernos do mesmo formato, por
isso para poder enfeitar-se com gosto qoalqoer
vestido indispensavel comprar-se ditos enfeites
na mesma loja k Cordeiro Previdente, a roa do
Qoeimado n. 16.
Chapellnas de seda
Modernas e bocitas chapalioas de seda para se-
nhora recebeu o Cordeiro Previdente ma do Qoei-
mado n. 16 e por ser pequea a quantidade re-
cebda, quem pretender urna moderna e bonita
chapelioa deve apresar se em mandar compra-la
em dita loja do Cordeiro Previdente a ra do
Qoeimado n .16.
CaIXUVHAS ENFEITADAS.
Vende-se na pharmacia de P. Maarer &_C, ra Nova.
DE
FAZENDAS DAS LOJAS EARMAZEM DA
SOY DEPOSITO
-
Tendo o proprietario destes donsestabe- Alpacas de lista a ooo rs. ocovado.
jlecimentos resolvido liquidar grande parte Vende-se alpacas de listas e de flores
de suas fazeedasporsso resolveu por em li-' proprias para vestidos de seuhoras a ooo,
quidacao para vender mais barato do que 6oo e 56o rs. o covado: ra da lmperatriz
em outra parte. I tojas da Arara ns. 56 e 7.
Chitas 160 o covado. Casemira com peqneno toque de mofo a 15
Vende-se ditas em retalbos a 160 rs. o| Vende-se casemira para calcas e p lilot.
covado, ditas em peca a 00 rs. o covado : com pequeo toq-ie de mofo a 1.-3 o covado:
cassa franceza a 4o, 28o rs. o covado: ra ra da lmperatriz lojas da Arara os. 56 c 71
da lmperatriz lojas da Arara ns. 56 e 72.
Lazinhas Ja Arara 2io o covado.
?ita JESCAROCAR ALGODlO
Manoel Bento de Oliveira Braga.
S3Ra Dlrelta a.53
Neste estabelecimento se encontrarlo a
verdadeiras machinas americanas chegadas ultima-
mente, as quaes sao feitas pelo mais afamado fa-
bricante da America, por isso avisa a todas as pes-
soas que precisnrem comprar, de se dirigir a este
estabelecimento que comprarlo das mais perfeitas
neste genero, assirn como mais barato do que em
outra qualquer parte, por isso qae se recebe por
J, ,
Roupu feita nacional.
Fabrica e fundico de bronz
e.Qttros mttaes, caldeireiro,
laloeiro, efunileirQ, situada
na Sof dade, i ua a Prin-
cipe n. 3, e com deposito na
ruasflova n 38, da cidade
do Recife
DE
BRAGA & SAMPAtO
Fabncam^e neste importante esubeleci-
mento todas as obras concernentts as artes
respectivas como sejam :
Alambiques de todos os taannos em
feitios, os mui acreditados apareloos de
Derosne com as dimences delicadas dos
fabricados em Franca.
Fabricam-se avulsas quaesquer pecas des-
apareces, como sejam o dilatador, ratifica-
do!' e condensador, ou esquenta garapas,
resfriador, serpentinas interiores.
Fabricam-se bombas de todas as dimen-
ces e quali Jades, pelo systema fiancez ou
americano, simples, de pressSo, repuxo, e
com especiaiidade a estanca rio! assim -ap
nominadas pelo enorme volume de agua
que absorvem calculada em 100 pipas por
hora, e das quaes algumas esto [tromptas a
serem experimentadas.
Existem bombas por este systema, me-
nores, para regar sitios, garantindo-se nao
s sua duraco como a grande quantidade
de agua que fornecem pelo que sao cous de-
radas hoje Ss primeiras bombas coebecidas.
Todas as mais obras se fabricam vonta-
de dos freguezes e a seu capricho.
Existem sempre promptos no deposito in-
dicado na ra Nova n. 38, um completo sor-
timento de obras solidas, bem construidas e
a presos rsoaveis, como s5o alambiques,
serpentinas, taxos, passadeiras, repartidei-
ras, escumadeiras, cocos, candeias, e muitos
outros utencilios preprios para engenhos,
como sejam mancaes de bronze, parafuzos
para rodas de agna e outres.
Cavilhas, machos para Iemes., pregos de
Estas muito desejadss caixinbas vasias e enfei- tds os tamanhos e para 0 forro de cobre
de navios.
Aprompta-se ludo quanto diz respeito as
obras de latao torneadas e polidas com toda
a perfeicao.
Vlvulas para tanques de banho, torneiras
de todos os tamanhos e qualidades, assim
e charutos Icomo t0(^os os orDaQieDtos para militares,
tadas com g>to, que tanta extrac^aa tem tido o
que realmente servem para diversos flns, existem
na loja do Cordeirj Previdente a ra do Queimado
n. 16 nm completo sortimento de ditas caixiobas e
s3o vendidas per precos to rasoaveis, que o expe-
dente freguez nao objectara' em compra-las em
dita loja de miudezaa do Cordeiro Previdente a ra '
do Queimado o. 16.
P0NTEIRA5
O Cordeiro Previdente, ra do Queimado n. 16,1 botoes para farda, aparelhos para barretina,
tem um bom sortimento de Qoas ponteiras para nmeros, espheras, espadas, cornetas, alam-
charatos, sendo lisas e com figuras em alto rel- padas turbulos, Caldeirnbas, navetas, almo-
e para que os seus freguezes nao se lacom- farjzes> perfumadores.
couta propria, bem como cannos de chumbo e moi-
nhos para moer milho, e grande sortimento defei-
ragens e miudezas em grosso e a retalho.
Jgi; Facas de cabo oranco de meio baljnco a '4
0 a duzia, limas finas de todos os tamanhos proprias
de trabalho de escultura.
Vende-se laasinhas para vestidos 21o,
28o, 32o, o covado: ra da lmperatriz lojas; Venae-se palitets de panno a-i M
da Arara ns 56 e 72. 8^ e 104 ; palitots de casimira de cores
MadapiMco a 5^ a peca. 6?, 8$, e lo5, palitots de meiacasmira a
Vende-se pegas demadapolo a 45,55,diio 33"ooe3, caigas de casimira a 5$ 65 e
muito fino6;?, 7&, 8, && to^ : ra da Im-, H, ditas pretas 53, 65, 7$ e h-5, ditas de
peratrizlojaoearma/.em da Arara ns.56e 72. meia casimira a 2;?"oo 33 e 3ooo coletes
Cortes d'cambraias de barras a 23 de casemira a 33, 335oo seroolas a 15
Vende-se cortes de cambraias de bonitas 13Coo, 23 e 235oo: ra da Imnoratr" loias a a-, i .v^"*rJ1M'? n a a
barras a 23, 235oo e 3ooo da Arara ns. 56 e 72 imPe,air"10jas da acreditada fabrica de Jos Furtado de
Ditos de embraia bordadas brancos e de Algodao enfestado a 13 a vara. Vendem-sejna mJS%*o previdente a roa
Algodao enfestado para leDfoes e loalhas do QueimadoSn. ie ^^___
vo ; e para que os seas Iregaezes nao se
modere em comprar charutos em algumas das lo-
jas de eharuleiros, recebeu tambera um bom sorti-
mento de finos charutos do afamado fabricante
Furtado de Sitas; assim, pois, encontrarn os
apreciadores um bom sortimento na dita loja do
Cordeiro Previdenie, ra de Queimado n. 16.
Para offerta ao hospital por-
tugiiez.
Bonitas cestinbas com (rucias de cera, obra de
muita perfeicao e bom gosto.
Para corlar moldes e eobrulhar fazendas.
VeoJe-se papel pardo folba grande.
Para lustrar calcados.
Vende-se superior graxa econmica.
Vende-se papel para matar moscas.
A loja do cordeiro previdente
Ra do Queimado n. 16.
ella acharo ns pretendeutes nm grande e va-
riado sortiraento de perfumarlas fins, tanto ingle-
zas como franceza?, sendo :
Finos extractos para lencos.
Banhas e pxnadas para cabellos.
Oleo pbilocome e baboza para dito.
Pos hygienicos para dentes.
Ditos csmphoradospara ditos.
Opiata ingleza e frauceza para ditos.
Pacotes com pos de arroz.
Vasos de porcelona para ditos.
Sabonetes para m3o e barba.
E muitos outros objectos qae serio
ao comprador qae se dirigir a roa do Queimado
o. 16, loja do cordeiro previdente.
Banieijas pequeas.
Vendem-se na ruajdo]Queimado n. 16. jlojajdo
cordeirojprevidente.
Obras de folhas de flandres de todas as
qualidades, bahs, bacas, bules e outros
utencilios domsticos.
Lampioes para gaz para engenhos, folha
de flandres em caixas, folhas de cobre e la-
tao, tubos de chumbo para encanamentos de
todas as dimengoes, folhas de zinco, estanho
em barias e verguinha, lancees e barrasde
chumbo, vidros finos para espelhos, de co-
res, bordados, e opacos, e outros para vi-
dra?as, diamantes para corlar vidros, cadi-
nhos ordinarios e de patente, rea para mol-
, dar, folies para ferreiro, lavatorios com ba-
j cas e jarros, trrra podr e outros nmeros
o! jectos proprio de taes estabelecimentos.
j Sendo todas as obras inspeccionadas e
t feitas sob a direccao do socio administ.ador,
j Jos Baptista Braga o qual se acha de novo
I especialmente incumbido da gerencia te t5o
importante estabelecimente, isso urna ga-
f rantia pela sua onga pratica, que tem os se-
nhores freguezes de qne sero servidos a
contento, com promptidoe prego comino-
presentes do' Pel 1ue S proprietarios lhe sero agra-
decidos.
Chat utos
a 13 dito transado 1328o avara: ruada,
lmperatriz lojas e armazern da Arara ns. 50
e 7.
Cortes de I3a de 14 covados
Vende-se cortes de 13a de 14 covados a
M.
FABRICA DE CMOS W SOL
DE
Este estabelecimento acaba de receber de Pars urna rica colleccao de chapos
id sol de seda, de alpaca e de algodao, com armages de balea, de ferro e de junco dos
meihores gostos e fabricantes que vende mais barato do que outro qualquer estabeleci
asento, por serem fazendasvntes directamente. uoi<^i
Igualmente tem fazendas de seda, de alpaca, de algodao e de linho para cobrir
:oapeos de sol, tudo de boa qualidade e por prego commodo.
______Encarrega-se de qualquer concert, com presteza, seguranca e garantia.
GRANDE
O'IIDA'CM DE FAZENDAS
Por han.tos precos.
cores a 43, 435oo e 53: ra da lmperatriz;
lojas da Arara, ns. 56 e 72.
Arara vende algodao a peca 33-
Vende-se peca de algodao a 33. 43, 53,
63, 73, 83; ra da lmperatriz ns. 56 e li..
Biscado francezd. listas a 36o rs. o covado.
Vende-se riscado francez de listas para 33, 43 e 53: ruada lmperatriz lojas da Ara-
vesltdos a 30o e oo rs: ra da lmperatriz ra os 56 e 72
lojas da Arara, ns. 56 e 72. Ricas s;Jas bnr(]aJas a u^
Ditas franceza a 24o rs o covado. Vende-se ricas saias bordadas para senho-
Vende-se chitas francezas Boas a 24o, 28o, ra a 335oo. 53,63 e 73, baldes de arcos a
32o e4oo rs.o covado: roa da lmperatriz 23.235oo, 33 e335oo: ra da lmperatriz
lojas e armazern da Arara ns. 56 e 72. lojas da Arara, ns. 56 72.
RUNDE BAZAR
RA NOVA N. -0 E 22
'
Fundico ctAurora em
Santo Amaro
Completo sortimentt. de taixas batidas e fuud
das, alambiques de lodos os tamanhos e fundos dt
ditos, moendis de iodos os tamanbos de superior
qualidade, crlvos e boceas d,t foroalha. o que tud
se vende por commodo prego.
Lindas muito lindas aa a 60O ris j
covado
20VeQdc Sl! ca loja do Alvaro a' roa do Crespo n.
Carreteis de linha Alesaadro com iOO jar-
'
Cassas francezas, de cores* a 240 rs. ocovado.
Ditas -francezas, superior qualidade, grande variedadefde padr5es, fazenda de
rs. a vara, a 320 rs. ocovado.
Ditas ditas muito finas a 400 rs. o covado.
Superiores chitas francezas largas de cores flxas a 260 rs. o covado.
Lindas las de cores com salpicos e com flores a 320 rs. o covado'
Ditas com palmas de seda a 320 rs. o covado.
Ditas com listas imitando poil de Chvre a 400 rs. o covado.
Superiores alpacas de cores de duas larguras com listas e com flores, jrrande va-
;ce de padrees e gostos mteiramente lindos ffazenda de 13 o covado) a 500 rs
Sedas de cores de quadrinbos e de listas a 800 rs. o covado.

ned
Ricos romeos ou capas de merm, bordadas e enfeitadas com renda nreta o trae
h?. dejn-'H moderno para hombro de senhora a 83, i03 e 123 cada um.
Ckegou afinal
A pomada galopean
para cura rpida e completa dos callos duros.
VNDESE NA
Botica e drogara
DE
BarihoIomKn A c.
&iRa larga do Rosario34
- Vende-se urna barcada "de 15 caiaas : a Ira-
ar na prafia do Corpo Santo o. 17.
CondecoracSes
A bem conbecida loja de jolas de Morelra &
Duarte a rna do Cabog n. 7, acaba de receber
porgao de hbitos e offlcialatos da ordem da Rosa
e babilos da de Cbrislo de differentes tamanhos
que vende por pregos mui razoaveis, alm bm
continua a ter como sempre nm completo sorti-
mento de jolas dos gostos mais moderos pan as
quaes conta com o concorso de seos bons fre-
guezes.
Eival sem segundo.
Ra do Uueimano a. 40.
iuer acabar com as fazendas abaii
meacionadas.
Quviram vir ver o que boa e buralissimo.
I'oilbas de labyrintbo com bico, fazeu-
da boa a.............300l
Carreteis de linha com 100 jardas a 3i
Grvalas pretas e de coros muito uas a SOt-
Caixas de obreias de massa muito nuvas a 4X
enfiadores para espartilho de cordSo o
Ola *.............. k
100
32C
3
2(i
20
320
120
506

Vende-se om carro de 4 rodas moito bom
para carregar assncar por ser grande e chapeado
pe ferro: a tratar na rna do Vigario n. 33. ta-
berna. '
das a
saboDOtes muito finos a 60, tiO, 200 e
Dito de bolla muito finos a "2i o .
Viadas de linba froxa para bordar a .
Varas de cordao para espartilho a .
entes volteados para ragacar cabello de
meninas a............
frascos de macaca' oleo muit8 flao, a .
Abotoaduras muito Onas para co.'lates a .
Gandes de linha branca e de cores a .
Ubra de ara preia superior a i iOT
Sseovas par fato, fazenda boa, a {00
Varas de franja branca de linbo para
toalba a..............
Caixas de palito balo a ...... '.
Caixas de palitos de seguranca sem en"
chorre a..........
S.bonetes de familia a 100, 160 '. '. '. '.
Cartilha de doutrina chnsia a .
Huadernos de papel pequeo superior a .
nta de baralbos francezas superior .
Groza de phosphoros mu lo superiores .
Caixas a realbo do mesmos.....
Caixas de phosphoros de vellinba contendo
Parte. 36, Raa Vivienne. O"
CHASlt MtPECJK
IIUADAS DES SEXUS, AS AfFKO
*T?jf?3 30'0''0 curas das ivipingen
-, Sn
g i: [Xzroft vestal em mercurio), nepurain
TKele UAMIVH vl\jmi s tooiao-se dol
por semana, segnimlo o tractament Depurativo
tmni-enadu na mesma molestia.
K^^T, 3 liste XaropCitrw:
-,4 if C1IAHLE. cur i^_S)
Machinas para descarocar algod5o, do mt
Ihor autor que tem apparecido na Americ?
E' tal a execu?ao do macbinisme, que o a)
god3o sahe quasi to perfeito como o de bn
landeira. Recommenda-se a attenc^o doi
Srs. agricpltores. es'as machinas.________
Jornaes para 1868
Xa llorarla Fraaseza assignam-se
todos os jornaes da Europa ; os Srs. assig-
nantes cncontrarao amostras dos peridicos,
e catlogos dos mesmos.
RA DO CRESPO N. 9.
<: uente i|Mlqior};urucae,
".ao, t debiUdadt, i
igualmente r, /liixoseflom
fanca$ das uiulhere. Es injeccao benim t
yrca-se com o Xarope de C.itraclo de Fctru.
Uemcri'oldaK, Tomada que as cura em Irsi itiaa>
POMADA ArCTIHERPETICA
Contra: as 0/fCfoea cutneas e comixoi:
PILULAS VEGETAES DEPURATIVAS
s is' Chbio, cada frtMo val euiapakado Aa'aa
""aviso aos srs. iedicos.
lun caiarrhot, ic$$m
fO^uclucAes :rrtl n i)u
ner9ota tai tioi t'oo-
-:hii>\ e antas ai 'locr^a*
lio /'tilo; t.-a-'i Ji/i -nu f
urna ralbn i. hili-a Jeme Ufupa Ir toacr
Dr. CUiuu oi Prit. ru VtMaw. <
A venda na pharmacia de P. Maurer *
e C, em Pernambuco.

I89D80 h m\
dt lts.vnsT, Dertenr stswmi
Ru cJo Sslno, 01, i ?A1M3.
^.f**afim*zB*.m >,
9
100
Bom ma^poloes a 9, 9$ e 7 a po?a.
unos rf>.i
hupenor algodaosinho branco com 20 jardas a 45 a peca.
A sim como optras muitas fazendas por menos do 3eu valor para, liquidar.
LOJA DAS COLUMNAS
di a wiii
Autonio Oorreia de ^aeoooeljoe Lc
Ra do Crespo p. li,
r
60
240
3*0
20
2*000
1* IU
H
Livros de direto.
500 vellinhas moito superiores a .
Resmas de papel a I maco muito superior .
Resmas de papel pautado superior quali-
dade...............
Duzlas de meias para bomem ....."
Duzias de meias croas mulle superiores .
Vendem-se importantes livros de direo, e pra-
tica do processo, em bom estado, e por commodo
prego, na eneaderoacao acadmica, a" ra do Im-
perador n. 71.
W1VAS N0V4S
A Agnia Branca a ra do Queimado n.
160
2X50C
3*600
2*800
*OuO
Canos
No armazern do paleo do Terco n. 12 vudera-se
canos de todas as iarguras, vidrados e por vidrar,
por preco moavel, o melhr neste genero.
. Machinas de costura
8 recebeu d'aquellas bonitas lavas de^Deri- No ^crPoo de Tb->. Jn>t, ra do Vivirlo n.
<* Ar\f<\i*A^A : b____- T^i 9. Venden).Sn AVr.Allanla* m*hlnfta fia pr\cln.q ni ,
V*
.
ca enfeitadas, e j bem conbecidas por luvas
a dnqaeza.
C NI teui
SSaCfj tt .'* Jkl *t Mi-h tul w i
:jati> JM 4 .;i ,( un, i
9, vendem-sa escelleoies machinas de costura, ul-
tiraafcante ete^iiai dosrEsUdoS'Unidoi, por pre-
sos moito comandos.
GAZ GAZ GAZ
Ghegou ao antigo deposito de Henry Forster &
u, ra do Imperador, nm carregamento de gaz d<
primeira qualidade,o qoal se vende em partidas
i retalbo por menos proco do que em outr qua
jner parte.
Fazendas baratas
17 rna do Qoeimado = 17
Loja do Carlos.
Cambraias brancas Anas eom um peqoeoo soio
de mofo a 5J a pessa.
Linzlnbas mescladas, padrdes novos e cbiqaos
a 300 res covado.
Cambraias de cores, padrSes miodinbos e ga-
lantes a SOOreis a vara^'mBtmw
Brins Qooi de linbo, cores mui boas, por serem
esenras a 1* a vara.
Cintos de seda e setim, bordados caprichosa-
mente a vdrilho a 5*.
Ditos para 2*500 e i*.
Cole-as brancas alcochoadas, (atenda inleira-
mente moderna a nossos olhos a 8*.
Ball5es de arcos para senhora e meninas a 2*.
Dllo de raossulina cota 3 arcos a 4*S00
o.Sba3|5eCsi*!ra,Par* *'** Bsad" ^ cima
Lencos de cambraia de linho acabadas com per
e igao para mo de senhora a 2*500 I I
If B. rtlkt^.
lti\A i.'.a ti ".ra
V 830 /-,tino# io-
MlKlMi,;:>'>-w
t skaliBi-i,.i e f
H :
%' ''
j
til-'
'%*

i
i
"t
Deposito aa pharmacia de P. Maurer
C em Pernambuco.
ntt
Gess
para estoques de casas : nos armazen* de Tasst
Irmaos, caes do Apello.
* P
CASI
Grammatica naciouaL
W-MMrfA
| Qfli

Si 4 li'
. t!. r.
^Spronredoia
Livrtrtt frtMMwBi m^qiM-ao
:tn >on .V4 Ba
*l | *."ife n.!?' i?v mi tjj t8J(,riainataam mm


lario de Peraambae* Sexta leira
19 de Xovembro le 1867.


h


Collares Boyer
Ou Anodinas elctricos magnticos
Deposito acreditado
Loja da aguia branca raa do Queimado n. 8
Aprejoar ainda os prodigiosos efleitos dos
Collares Royer j nao ennar- oa qaerer
ietrodazir navidades, porque a (ana de sua
efflcacia tem-se tanto estendido, e os seos
felizes resaltados a tal altura elevado, qiie
boje rara a pessoa qae por experiencia
propria, ou por intermedio de seus amigos
e puentes, ignore oa desconbe;a as virtu-
des desses sempre apreciaveis collares
Royer.
A aguia branca porem se gloria de concor-
rer para um Ufo justo flm, se nSo por ou-
ro modo ao menos por ter sempre, e cons-
ante-mente um completo sortimento desses
collares magnticos, que bem se podem cha-
marsalva vidas das criancas.
Resta anda qae es senhores pas de fa-
milia se ifacam convencer |de qae -conven Riqoss,mo8 eorles de sedi dec0res,eom
nao esperar que as crianfas sejam atacadas matizes completamente novidade.
do ma!, e por isso necessario ou conve- Lindissimos venidos de cambraia branca bordados
niente que com antecedencia se deite na; com K8K>-
crianea um desses collares para asslm estar!Ricos basqones, primorosamente bordados, e oiti-
ell preservada das convaleces e se contar m* moda ea p*rl-
livre dos rigores da denticSo. i Ri1,S5ia)as> cb.ipiioas de seda, paiba a imitaQao
A aguia branca ma do Queimado n. 8'rle T n",il !st-
contina a receber por todos os vapores' el {5? seBboras'seoio eAes de ltim moda
francezes a quaodade que ha contratado e Lindissimas gravatmhas para senboras.
por isso acha-se ella sempre provida dos ver- Lindos colares e voltas de vi irilho e seda, ultima
dadeiros colhres Royer eletricos magn-
ticos.
A Agnia Branca a raa do Que!-
MTITAS FA/EXU1

Ni
I
LOJA E ARMAZEM
lado n. 8.
Incontestavelmeote na loja da Aguia Branca
onde os apreciadores do Dom podem melbormente
provtr-.-e daquelles objecus de gosto. Essa verda-
deja por pantos e tantas vetes reconbecida ainda
agora se faz confirmar com a nota dos preciosos
objectos de gesto e valor que a aguia tem a satis-
fap.io de patentear e por a disposi^So de quem os
deseje e possa comprar. Ella principiara pelas ri-
cas canas com mosica e sem ella, para costura.
Essas caisas por sua pereipoes, gostos e rique-
zas, se troam recommeodaveis para ajgum im-
podante presante, ou mesmo para quem tenha gos-
to de po*suir orna bella obra, porqne de certo sao
ellis as &> maicr valor que se "enccnlram em Per-
nambnen, te>la ama que *obresahe a todas as oo-
tras. Alm destas ba ouiras de precos menores, as-
sim como tambera ha b mitas caixinhas tallas de :
madeira, envernisadas e raarchetadas, com fecha-
dor e chave, para costura. i
Em leques o que se pole encontrir de melbor,
sendo :
Todo de madreperola, bordados, obra de gosto e
valor.
Outros de madreperola e seda, bonitos desenhos.'
Outros de roadrepe-ola cora brdados coloridos,
obras de muito gosto, e g^ralraent,' apreciadas.
Oatrns tolo? d sndalo.
Ouiros de sndalo e seda cora bellos desenhos.
Outros lodos preto? para luto.
Ooirus prciis com desenbos roxos, proprios pa-
ra senhoias viuvas.
Oatros de sndalo e faia, forman-Jo qoitro vistas.
Outros de sndalo e sndalo e seda, para nie-
nin-f.
Outros de raadelra e papel, obra barata.
Guami{"& de filas, ditas de bonitas e modernas
trancas para vestidos ,
A Aguia Branca recebeu novament? uj bello ;
sortimecto daquellas npre iadas guarnipoes de fi-'
tas; assim como outras de lindas e moier uas tran-'
cas. Os apreciadores do bora coroparecam na loja'
da Aguia Branca a.roa do Queimado n. 8. I
Fiuissiitus meias de fio de Eseossia para crineras.
Vendert-se na ra do Queimado loja da Aguia j
Branca n. 8, oode tambera ba entras muitas de al-
gid.io para cranos de 3 a 12 raezes.
Hui Gnus loras de ib de Eseossia e seda, para ho-
rneas e seiiuoras.
A Aguia Branca a raa do Queimado n. 8, rece- ,
beu ooi bom sorlimento de Ocas luvas do Oo de Es-1
eossia e seda, brancas a de cores, bor Jadas e lisas,
tamo para horaeos como para senhorar ; quem as
prct: ner e dirijT-se a illta loja da Aguia Brauca,
conheccr? que era tal genero nao se enconira mo
Ibor, e talwez nem mesrao igual em alg'ima oulra
parte.
Ilequifrs lira ico- on Irauc'rohas papa-fina.
A Aguia Branc acaba de receber utn novo e
bello sorllroeoto deasas to proeoradas trauciuha<
papa-Moa, com di ver-os e agradav i> moldas, e co-
mo sempre a Agnia Branca a ra do Queimado n.
8 eontinoa a ven1>T barato.
Gulliobas e punhos, mangiitos e gnlnlias, obras [
modernas e de gosto.
A Aguia Branca aca-se recentemeote provida
de bonitas golliohas e punhos bordados, manguitos
e golliohas tambera bordad s, e ludo do melbor
gost: e ultima moda, tendn as golnbas e punhos
muir-', ja enfeltados com fitas enriadas, e algumas
pequeas para meo ms. Os presos apear de cem-
modos variam com as dillarentes qualiiad ,s das
obras. Os pretendente? coraparegam na leja a
Agoia Branca a ra do Queimado n. 8 que serSo
servidos a conteni.
ntremelos bordados em pecas grandes.
A A-ni, rauca a roa do Queimado n. 8 est
vendeodo bonitos ntremelos bordados em pecas
granas ile l tiras, 'e pelo baratlssiiuo prego de
5$300 cada pega. A craode extracto qus elles
tem tido confirmara, os diversos fios pora que sar-
vem, as im pols convm que a boa fr-guezia da
Aguia Branca aproveltoessa Loa e bara'.a fazeoda.
rus do Crespo n. A, esquina da ra do Imperador
Acaba de chegar pelo va^or Guttnne, ara variadissimo sortimento de fazendas que direm es
nossos correspondentes qae oram as melbores, as de mais gostos e novidade* que encontraran] em
Pariz, e por is.o mnito recommendamos a apreciacao do respeitavel publico, os segointes artig-s que
8o encontraro na loja do Passo.
Riqnisslmos vestimentas de cambraras primorosa-
mente bordados, com todos os pertences para
rreancas se baptisar.
Ricos vestuarios de cores, todos completos para
meninos de a i -unos.
Mantas de bloodepara noivas.
Moirianiique, grosdenaple e sedas preta, branca
e de cares.
Riqoisslmos cintos, ultima moda.
Ricos enfeites para senboras e Deninas.
Lindissimas chapetona de seda e de palha para
meninas.
Rlquissimos cortes de fantasa para vestidos de se-
nhora.
Lindos cortes de laa para vestido, novidade.
Cbapeos de castor a canotier, ultima moda para a
rapasada era Pariz.
Grande deposito de luvas de Jouvio recebes por
todos os vapores grande sortimento.
moda e inteira novidade.
Collarinbos, poohos e gravatinbas de Chuny, c m-
pleta d ividade.
Blquissimos leqaes do marflm todos abertos e de
oltimn gostj em Pariz; assim como de sndalo
madreperola.
Casemiras, cambraias, las, mnsselinas, precalias, chilas e urna infloidade de objectos qne
deixamos de mencionar por se tornar macante.
Isto s na loja do Pa6so ra do Crespo n. 7 esquina da do Imperador.
y
AUGUSTO PORTO & Z.
11Ra do Queimado11


.
"
1


DO c


Ra da In peratriz n.
M
GAMA Tendo os donos de^te grande estabelecimento resolvido liquidar a maior parte das
su's fazendas resolveram vender com grandes abatimentos em precos, assim como teem
recebido ltimamente urna grande porco de fazendas novas tanto inglezas como francezas,
alemSas e suissas, teem destinado venderem-nas mais barato que em oulra qualquer parte
afim de apnrarem diobeiro, dando de todas ellas, amostras deixando ficar p nbor, ou
mandam-nas levsr em casa das excellentUsimas familias pelos s?us caixeiros; assim como
as pessoas que negociam em pequea escalla, neste estabelecimeoto comprarlo pelos mes-
mos precos que coapravam as casas inglezas; ganbandu-se apenas o descont.
Tiras bordadas e Babadinhos
Quem quizer fazer boa compra de tiras
bordadas ou babadinbos, achara um grande
sortimento para escolber e por reg muito
mais barato do que em oulra qualquer parte,
na loja e armazem do Pavao, ra da Impe-
ratriz n Oo, de Gama A Silva.
Fazendas para lulo ui I o Ja do
Pavo
Baldes a 2#, 303oo e U
Vendem-se um grande sortimento de cri-
nolinas ou baloes de arcos para senhora pelos
baratos precos de 3#, 2,>ooo e 36 por haver
grands porco, na loja e armazem do Pa-
vo, ra da Imperatriz n. 6o, de Gama A
Cassas a So rs. so o pavo.
Vendem-se bonitas cansas inglezas de co-
res flxas pelo barato preco de 2i rs, o co-
Vende-se setim da Cbioa com 6 palmos de v'ado, ditas francezas fazenda muito na com
largura proprio para vestidos a 20 o cavado,, padrQes listrados e de flores, assim como com
lazinhas,pretas lisas, alpacas com listra bran- palminas miu ca a 4|J o covado, cassas brancas com listras 3oo rs. o covado ou a 3oo rs. vara : pe-
pretas a 5oo rs. avara, ditas pretas Usas e chincha na leja e armazem do Pavo ra da
com silpicos vara a 56o rs. ditas francezas Imperatriz n. 6o de Gama & Silva,
com listras e ramagens vara a 8uo rs., me-! P P f HIN P H i*
ri preto, alpacas e princezas, rmais barato! .., tT lunH
Pavao, ra da Imperatriz n. 6o> de Gama 4 ra da Cadeia n 2 i andar
Silva.
Ultima moda
Bellcsebipeosrohos de aparado gasto para se-
nhoras feitos ao capricho de orna Jas primeiras
modistas oe Parts e ebegados ao armazem do va-
por ra Nova p. \
' baratissimo a 500ris*o
covado. <>!
Saperiorea las para vestidos rom escelientes
padroes a 600 ris o covado, aproveitenr. antes qae
se acabem : na raa do Queimado o. 46, loja de
buimaries & Bastos.
rritacao dospulmoer. angi-
as, tosse, escarros de
sangue, crupo ou garro-
tilho, catarro, rouquidao
e todas as. innumeravei molestias que afee-
to aos orgos da respiracSo
DESAPPARECEn
odiante a aeco da balsmica e irrev
ANACAHUITA
fazendas Gnas
Vestidos de b ond para noiva com manta e capella.
Ricos vestidos de cambraia branca bordadas t que ha de melbor.
Cortinados bordados e admascados para camas de 2o& a 800.
Dito:- bordados e admascados para janellas de 90 a 2o#.
Colxas de seda e la e seda para cama de noivas.
Basquinas modernas de muito gosto de 2o$ a 5o#.
Toalhinhas de croch para cadeiras e sofs, e colxas di croch para camas.
Gbapelinas de crpe branco, e chapeos de palha da Italia para senhora.
Moir branco e preto, grosdenaple preto e de todas as cores para vestidos.
Camisas para homem fraucezas e inglezas de linho, e de algodo.
Gcardapisa de crinone para fazer mais elegantes os v. stidos de la e de seda
a 32o rs. a vara.
Superiores saias bordadas de linho, camisas e camisinhas bordadas e lengl de
cambraia bordada para senhoras, ricas toalhas borda las com muito gosto, e lindos ves-
tuarios para baptisados com o respectivo enxoval.
Las coa listras de seda de varias cves a que ha de melbor.
Chapees brancos de castor, e ricos chapeos de sol ioglezes para homem.
Malas de diversos tamanhos para via^ens.
Panos fiucs e caseiiiras pretas e decores e outras mnilas fazendas que se vn-
dela baratissimo.
Este estabelecimento conaa a receber as melbores.
Esteiras e alcaticis para salas.
11Raa d (fueiaiadoi i
DE
-!'.
PREP
.A
R4D4 FRI
POR

VeBde-se um bora piano de ioea de jaca-
randa em perfeitj estado : na raa da Camboa do
Carmo o. 20.




AUOCS'STE CAOR^



Aristide Saisset e J. Soum

GRANDE BAZAR
ra Nova n. 20 e 22
Machinas pa a costura do autor Wheell'
6c Wilson, chegadas ltimamente da Ame
rica; as qoaes pode cozer-se com dooi
pespontos, toda e qualquer fazenda, embt-
iahar, frangir, bordar e marcar roupa; tudt
com perfeiejo. Sao to simples, que com-
irebende-se fcilmente a maneira do trab>
ho e a pessoa tendo pratica de coser em mi-
rtinas, pode fazer por dia o servido que %
ciam 3 Cbama-se este estabelecimento a attet'
j;5o do publico, yisto que elle se acha com
ptetamenfe sortido de objectos de gostt,,
como bem leques de madreperola e de sat
dalo, vefas, fitas para cinto, cokes perft
maria e etc,
Na roa nova n. 20 e 22. Carneiro Viai-
na & C._____________________________
Veod-ta por prej cjmrodi", uma c^achitia
nora a vapor, porttil, a? forca de seis cavallo* e
de p*rfwt een*ir_cif&3 ata to* ferrasrem precisa
pata mever varws marbinas de algalio ou 001 o
qaal<]a<>r mister, e bem asaini i:ma prensa ameri-
cana de enfardar algodo, d* systema moderno e
*e mmta forja e a'goas lonels prprfos-para dedo-
sitas-.-A-ver -e-Usiar na-fabrlea-d travessa do Ca-
rioca o. 2, eaea fo Ramos.
F\KI\Ht
a 3^800
Vndese farioba de majadioca pelo barato prejo
i annonciado: a raa da JHdre de Deas u. 0.
PALITO'S DE PANNO A 60
Vendem-se palitos de panno preto saceos
a 6sjt, ditos sobrecasacos a Io5, calcas de ca-
semira preta a % e 7, d ta muito Anas a
Este estabelecimento acaba de receber e vende por commodojpreco as seguiotes 90 e loj, finissimos sobrecasacos de panno a
; 2o .80, um grande sortimento decoletes de toda
a qualiJa e e outras muas qualidades de
roupas qu se vendem mais barato do que
em outra qualquer parte, na loj e armazem
do Pavo, i ua da Imperatriz b. 6o, de Ga-
ma & Silva.
As salas do Pavo a atgaOO.
Vende-se urna gran1>' p.>r(o das mais l> nitas
salas brancas com lindas barras bordadas de ta-
res, tendo 4 pannos cada uma, sendo fazenda in-
teiramente moderna, pelo barato preco de 3530 i
cada uma sendj faztnda que sempre se veudea
por mako mais dinbeiro ; na loja e armazem do
Pavo, na ra da Imperatriz d. 60, de Gama _
Silva.
CaSAQUINHOS DO PAVO A 180, 2o0
250 E 3o0
Chegaram o mais modernos casaquinhos
ou jaquetas de grs preto, ricamente enfei-
tadas seudo uos com cintura e outros sollos
conforme se usa ltimamente e vendem-se
pelos baratos precos de 180, 2o0,230 e 3o0,
na loja e armazem do Pavo, ra da Impe-
ratriz n. 6o, de Gama & Silva.
Holi*t;-aotique.
Vende-te superior moiro-anilqoe de cor. rom
algum tuque de mofo, por preco mu no barato, para
acabar: na loja Oo Pavao, ra da Imperatriz n. 60,
de Gma & Silva.
Cam-slehas a 3g.
Vendern si as mais moiernas caroisiobas com
manguitos tanto bordados como de pregaiohas em
elefantes pachos e bonila.s abut aJuras pelo bara-
to preju de '.\& 00 ; na loja e armazem do Pavo,
ra 1 Imoerairiz n. 60, ri Gama & Silva.
p. chincha era casimiras a 1#60G feo o
Pavo.
Vende-se uma grande porc&o de casimiras supe-
riores eofesta'la-:, sendi e.-curas e alegres proprias
para caigas, fioleots, coletes o roopas para meni-
nos pelo baratis-imo preco de I8U0 o covado oa
a 28O0 o corte, de calca, grande pechincha na
loja e armazem do Pavo : ra da ImpVstriz n. 60,
de Gama & Silva.
Upaca raonstro coi :> palmos a 28o
S o Pa\o.
Vendee alpsca? de qoadius sendo padrdes es-
coro' proprios para vestidos tendo 5 palmos de
largora que facilita fazer-se um vestid} ale < i;i
8 c-.vados pe > baiato preco de 280 rs. o covado,
garandada s>e qae fazenda que val muito mai>
iiinieiri, porlaDto pachiocba : o; loja e arma
rem do Pavo ra da Imperatriz n 60, de Gama
& S'lva.
Poupelioas para a festa a 320 rs.. o covado.
Vende-se nraa grande p-rgao das mais bunitas
poni'elin;i;- tr.-'n-pareles com palminbas bordada^
a la oa quadrinhos a imitac) de fio de seda, pro
prias para vestidos pelo tiarat'sslmo preco de orna
sangue, como sejam as molestias Loubalicas, .ypbiliticas, escropUlosas, darthrosas, quer j^^T&Vru"?. *?*& n! o*de
venbam ellas por hereditariedade, quer sojam adqueridas pelo contacto com pessoas in- Gama & Silva.
feccionadas dos diversos virus que coniaminam o sangue e os humores. Lencos para mao aa loja do
A caroba um remedio/prodigioso, 'usado desde remotas eras palos ndio Pavo a 640, i& c 06OO.
Vendem-se bouitos lencos de cassa bordados
pelos baratissimos precog de
a loja do Pavo ra da
Imperatriz a. 60, de Gama & Silva.
CORTES DE SEDA,
a 28000 res na i ja do Pavo.
Chegaram os mais m idernos cortes de seda dt
cor cora elegantes des-nh >s claros e escaros, ten-
do maita faienda paia um. vestido e vendem-se
pelo barato prego de 28'j res, por estaroo
muito prximos da tmu, isto oa loja do'.pava .
rna da Imperatriz n. (O, do Gama & Silva.
Hertanha de liulio
Com 30 jardas a 125000 res.
S'O Pavao.
Vendem-se pecas de superior bertanba da linbo
puro, tendo 33 jardas cu 25 varas cada pessa pele
baratissimo preco de I2.J0O0 r-.-is, sendo esta fa-
zenda propria para lences, camisas, toalhas. etc.
isto na loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, d
Gama. & Silva.
Braotaule 4e liuho.
Com 20 jardas a 8VjOO res.
Vende se soperioies pegas de bramante de fibe
proprio para leuces, toalhas, carnizas, etc. tende
10 jardas cada pessa pelo barato preco de 8JMX)
reis, oa loja e armaiem do Pavo, ra da impera-
triz a. 60, de Gama de Silva.
SA1A* ECONMICA8.
a 2,500 res.
Vende-se nma grande porco de salas de cor
com bonitas barras pelo baratissimo preco de
2300 res, na l-.ja e armazem do Pava} ; roa da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
PUNHOi :0M GOLINHAS.
a ijOOO rets.
Vende-se ama grane porcio de pnnbcs com
gotiobas de esgolo *e linho, 'com o mais lindo.-
bordados pelo barate preco de 1,50.o o leroo, di-
tos bordados da cor a 610 it-i., M-udo grande pe
chincha pelo prego, na roa da Imperatriz; n. 60 de
Gama & Silva.
POIL DE CHKVRE.
. a 360 e 800 reie.
Vendem se as mais bonitas laosiana com listas
d*?ei a, inituiadas puil da cbvre pelo baratissi
mo prego de 360 reis o covado, ditas cora as lis-
tas mailiisadasa 800 res, assim como om gran
de sorliaento das mais bonitas e modernas laosi
nhas que se vendem pejos preg s de 280, 4O0,t!
&XW e 360 'reis, bonitas alpacas de se.ia de orna ;
sd cor a 640 e 800 res, isio na loja do Pavao,
raa da Imperatriz o. 60, de Gama & Silva.
Balees esguios.
PEITORAL de KE
a ianacahuita mexicana queda o norne es-
pecial este incomparavel remedio, urna
arvore, cuja madeira por muito tempo se
ha asado no Tampico para a cura das n-
fermidades cima mencionadas. Foi taro
bem ensaiada e approvada pela academia
Pharmaceatico pela escola de Pars c successor nesta cidade
i da Cruz------22.

aineral.
Tratamento puramente vegetal sem mercurio, iodo, curo, nem outro quaiqce
Verdadeiro pnrificador do sangue sem azougue.
Especial para a cura de todas as molestias que tem sua origem. na impureza do

do Brasil, e passando seu uso de gerago em geraco, hoje um dos remedios mais co-
nhecidoscomo proprio para combater as molestias mais herJion las, entrando nesse norae* ffnDr.'s vVla^ pB0S
ro a monpha ou olephantiases, p*ra cujo curativo os nossos sertaoejos consideram a
caroba como remedio espeeico.
A muito tempo entrou a.caroba nos formularios como preparaco magistral
sob a forma de eleictuario, ainda hoje lembrado oas pharmacopcas com o nome de sea
celebre autor Joo Aives Carueiro : nao ella portanto remedio novo nem desconhecido.
O ungento de caroba da mesma sorte preconisado desde tempos. immemo-
riaes como o mais apropriado para o curativo das boubas^e ulceras syphiliticas srdidas,
e espregado cora proveto depfiis de improcua applicaco de muitos outros agentes
therapeuticos enrgicos e de uso quotrdiano.
Muitos dos nossos mdicos de considerado e entre elles o muito distincto praticc
e (observador o Sr. Dr. Pedro d'Altiayde Lobo Moscoso, tem confirmado por meio de ex-
periencias repetidas, o que diz a fama das benficas propriedades da caroba no trata
ment das boubas, das diversas formas sob que a syphilis se apresenta e muito especial-
mente as que teem sua sede na pelle, e poderiamos relatar alguns casos de data muito
moderna obssrvados peto mesmo Sr, Dr. Moscozo em que a caroba produzio admiraveis
eSetos, depcis de inuteis e prolongadas applicages de salsaparrilha, mecuro, iodo, ou-
ro e seus preparados, etc., etc.
N5o era possivel que uma planta to notavel por suas inappreciaveis virtudes es-
capasse a perspicacia e inve?tigao5es dos mais abalisados praticos europeos, que se ap-
plicamcom espeoiaHdade ao estudo etratamento das molestias syphilitica's -e herpeVicas
e para pre lisongeiras ieformaces sobre as propriedades curativas da caroba e preconisando-i com'
remedio poderossimo para o tratamento das erupefies ctitawas, seecas ou suppurativas
darthros de todas a. qoalidade, ec emas, nlceras de diverras'naturezas, tumores osseof
e outras muitas molestias d nalureza syphitica eu boobatica.
Por ter-se generalisado mnito o uso da es>seaci.-i da caroba que en pre-
paro e pelas instancias de varios mdicos que desejam continuar em suas observaces,
ieliberei-me a'ter pnimpa uma quantidade da mesma essencia, obtida sem a aeco do
ogo, para nao prejudicar a propriedades raedicamoDiosas; i d'ora em diante encon-
trar-se-he na minha pharmacia sempre e em porco sufficienti) para todos os pedidos a
tSSEN''.IA OtXs'CKNTRADA De CAROBA, e o ungento da mesma penla para que nun
fallem aos Srs. mdicos quequizerem esperiaientar to precioso agente medicinal.
Recfe de Paruambuco, 17 de outubro de 1866.
Auguste Gaors. ,



___
Erva mate.
Jio i i "
Na praca Jo Corpo Santo n. 17, andar, ha pa
ra vender erv. mate muito nova. Cal ntidamente ebegeda, por preco ommodj.
Cabiiolet
de i rodas e I cavalla muilo soper or, vende-se
para tratar oa ra do Graspo o. 16, i* andar, pi-
ra verse na eccheira do Paulino roa de S. Amaro.
Na prenca d'algodj, roa d ? Apollo o. 26
1 vende se capa- de saceos de algodao.

Avs ayricultores
Sannders Bratnrs & C. aeanam de receber
de Liverpool vapores de forja de 3 a 4 eatallos'
com todos os pertenc ;s, e mol proprios para (aze-1
tem mover machinas de descarecar algodo, po-
Jeoo cada, vapor trabalhar at coto ilftserras,
tambero servera p;ra enfardar algo 12o, oaparal
ouiro qualquer servico em qo nsam de trabalhar
" veoda
om xarope delicioso inteiramente livre d?
opio, acido hydrocyanico e outros ingre-
dientes nocivos.
A' venda as drogaras de A. C.aors, Br>
vo C. e P. Maurer & C, e em todos w
estabeleeimentospharmaceuticos do imperii
Rap Principf Albe-to.
Chegou este rap e vende-se em botes de
qirrta, na loja da ra do Crespo n. o de
Gregorio Paes do Amaral C.
Escravob fgido?
tf
< eucSo

Corte de alpaca a sete patacas
Vendem se corles de alpaca escora pan vesli
dos pelo baratissimo preco de 2*io o corte, medica de Berlim peilorl de Kemp
grande pecbmcha na loja earmaiem do Pavo ra
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Presos vantajosos
os miudezas do urande estabeleci-
mento de Soaza Soares k Irmo.
Rna \ Vcndearj em gresso e a retalho.
Linhas novellos, muito superiores, libras sertidas
a 2*200 e 2J00.
Dita em nvelos, mats inferior a 15500 e 1*800
a dita.
Dita branca em caixas di. 50 nvelos a 040 ris
Dita para marcar, caitas d 16 dit s a 210 \~.
Dita branca em ditas de 10 dito araude* a S60.
Dita ero carros de 100 ardas a .00 rs. a duia-
Dita em carros de 200 jardas a 1*200 a dozia.
Dita emeartoc, branca e preta, a 160 rs. a lita.
Rorelas de cores era caixa de duih, a 1*500 a
dita.
Grampas com eabeca de vidrc a 160 rs. a dita.
Agulheiros pinta'ius a 210 rs. a duzkt.
BoiSes de raoedinhas deuradas e pra'eadas, para
ponhos, a 1*900 a daiia de pares.
Ditos de madreperola, para camisa, a 500 rs. a
groza.
Ditos de osso, para cal$a, a 240 rs. a dita.
Caixinbas com soldados de cnuinbo a 120 rs.
Rspelbos de moldura dourad;t .3 15100 a duzia.
Pentes de laco dourado, para coco, a 6* rs. a
dotia.
Ditos de lapos lisos, para coco, a S2800 a dozia.
Ditos d .lirados, com llores, 2loO a >uzia.
Ditos do bfala mullo bons para alisar, a 2*300
e 2*400 a dita.
Dsdaes amarelos e prateades, flc> a 210 rs. a
dita.
Clcheles ero caixinhas a 640 rs. a dita.
Ditos em cartdes a 600, e 900 rs. a dita.
Pepas de lila para coz, larga, ejm 10 varas, a
500 rs. a pepa.
Pilas de Ja n. 1 '/' pepas com 8 varas, a 260
rs. a dita.
Cadapo branco para ceroolas a 663 rs. a duzia
de pegas.
Las de todas as cores, para bordir, a 6*500 a
libra.
Phosphoros de cera, em caixinhas, a 360 rs. a
duzia.
Ditos de pau encralo, sem ebeiro, a 360 rs. a
duzia do caix ubas.
Ditos de cera, em caixas grande; de folha, a
1*400 a dazia.
Cartilbas da U utrina Cbn-taa a 320 rs.
brelas de colla, em capuanas, a o0 .: iJOO rs.
Sabom-les Bous a 800 e i* a duzia.
Facas e garpnos ctbo de osso, fazend boa, a
2*500 duila.
Aboloadoras finas para Culeles, cintos com Uve-
las de cryttai, multas ontras qualidades, pulcii-
ras de costas, peut- s com pedia* para coques, en-
feites para cabepa, um completo sortimento de per-
Fumarias de todas as qualiladcs, cobriohos, cn-
deteos a gaz, fr rragens de todas as qualidades etc.
etc.; a roa N. va n. 28.
VENDE-SE
Moloresaniericanos para dou-. cavaiios.
Dito dito para quatro cavallos.
Machina:- para rfescaropar algodo de ti. 16.
18,20 30, 33 e 40 serras.
Prenpas para enfardar aigodo (aunde os sac-
eos com 6 palmos de comprimeoto com o puso de
150 e 200 libras, viudas ltimamente da Americi
no armazem de Henry Porster A C, nc eae^ Pe
dro II o. 2 junto ao Gabinete PonugueT.
Fugio dj Ja 10 do correte, do eug- 11L0 Gr
vsia, da frtgcezia de Agua Prtla, o escravo crioa-
lo por nom" Jos, coro os tigoaes seguiiile- c
bailante fula arabralhado, cabellos csrirjnbadas.
com 30 annos e iiade pouco mais ou inenos, a'-
tura regular, cheio do corpo, com diversas pintas
l ritas pelo rosto, penca ou nenbuma b;.ii>a, bas
figura, levon calpa e camisa de algod-j azul e
mais oulra moda tambero de algodao de lista t
uma camisa de algodo raesclado, chape- iv I p
ta pardo, levando cobeitor de baeta eocarnaao,
cujo escravo fui do Sr. Dr. Antonio Uenriqae de
Almeida, cojo e.cravo nataral da provtntta da
Parahilia, para onde seguro visto as mf rmapSe-
ja ohtidas : por i.iso roga-se as aoloridades poli
ciaes e capilaes de campo a captura do dito ecra
vo annde o encontrar e leva-lo ao dito cpgenho a
seo senhor snoel de Barros Franco e Mello on
ntslacidade a Manuel Antonio Saoli. a ; l.--s> roa
do Apollo o. 28, que ser generosamente recom-
peoiado, ca mesmo quem delle drr noticia exacta
Nos primeirc- dias do mez de outubro deste
anno fugio do engenho Bomflm, proprledad de
Sr. Silvano Aotnio Gaiao, na fregoe>ia d< Bom
Ja^diro, o escravo Damasio, preto, de idade e 2<
30 annos, altura regular, cheio do curp-, p< uca
barba, rosto om pouco carnudo, olhos ab.toados,
p~ malfeitos, andar banzeirc, molerlo e de falla
' moderada : este escravo foi comprado poocoi dias
{ antes da faga ao Sr. Joo Barbota a j Reg > e Si va,
da mesma freguezia do B m Jardim. Receib- e qae
elle se aprsente coroo volontariu da p..;ria, peto
que >e previne as respectivas aortoridades : qupm
pegar leve-o a seo senhor. no referido ergeBho,
que s-ra' recompensado. Recile, 15 de ntvembro
da 1807.___________________________________
100^000
Fugio no dia 25 do correte mez do oatibro, d(
e'Dgenho Lfmoeiro fregoetia da Escada, o escravr
com os seguintes sigoaes : cabra fosco, alto coa
l-ora corpo e boniu figura, cara bexigosa, barb
I pouco serrada, costoma rapar o bigode ea peiri
csbeJIos nm tanto carapinbados, poceo cambis
Itera os dedos grsndes dos ps mais eompridos.
um pouco gago, com -Igomas cicatrizas velbas 04
chicle uas costas ero ama pa' e em um braec
' vestindo camisa de a'godao da m,ua ou ;.lgodoz
nho, cipa e psletot de brim pardo, chapeo de '. ae
: la preto, e I^ti vara de carreiroque e suppoe-s
' ter ido assentar prapa como voluntario : recom
menda se as pessoas encarregadas do recrutameo-
to e 5s sutoridad'-s pollciaes com especialidade a?
d) Itio Formes'.', Una, Agua Preta, S. Benlo e Por
lo Calvo e a outra qualquer pessoa a apprehensSc
du dito escravo, e entrega-lo 00 dito engenbo, qtw
recebera' a gratiflespo cima. O escravo chama-
se Francisco.
A ESMERALDA
5 Ra da Imperatriz
A' moda I moda 1 qae lempo
Da festa o genio nrs diz :
Ide ver coosas mui bellas
Na ra da koperatrit.

Ide, e ao passarcies as porta-
Ao numero cinco atiende!;
E' aili qae assisie. a geuio,
E' alii que o gosto 6 le.
Tem luvas de varias cores,
Do adamado Joavlm ;
Tem ricos cintos e flores,
Vitas lindas e setim ;
Eneits de vanos gostos,
Cbapelnas e toncado,
Tem esujos muiio simples,
E tr-mDera os tem bordados ;

Paga-so bem.
Fugio em dias do mes prximo pas-ado do poder
e Ag' stinho Jos de Oliveira, em Cmaro', o seo
escravo RdUoo, mulato claro, idade 30 anoos. secee
do corpo. percas fioas, olhos om Unto amortecidos,
.pariz afilado, peuca barba, mullo eortez e bem fal-
' Jante, mtttido a valenle, gosia de agurdenle e le
vou japona preta ; foi encontrado do dia 3 do cor-
rele no logar Batateira, em direccaoa estrada 1
iferro e sospeit se que tenha ido cfferccr-e come
voluntario para a guerra : nga-.-e portanloas auto-
ridades policiaes e capilaes da campo a aprehendo
do do escravo, qn ser entrego* a sen senbor ot
a S^verino Alves da Silva, em Trombtia,
1 5^0rW"de~^tific^or
Na noite de 20 du correte mez, algumas pes-
soas mnl intencionadas, premeditadamente destrai-
ram cinco laopees na ra da Palma o tres na roa
da Pea do CaldereirO, pr- priedade da en prez i de
illuminapo a gaz desia cidade. A gr.lificace
cima sera' duda a qualquer pessoa que d iufor-
mapo, que possa descobnr a po.nir o- autores de
Ues abusos, assim como para o futuro gratificar-
se-ha a todo aqaelle qae der parle de semelbantes
actos.
Escriplorio da empreza, roa, do Imperador n. 31.





Tranpas, ligas, bicis, franja:,
Ppnte, leqoes e cordoes,
6axe de seda, boro crpe,
Blonda ricos e baldes;
Tem adereces de flores.
ntremelos e babados,
Pelerins e mangnos,
Uoslumts p'ra baptisados.

I
i.

a 2* 00.
oom aoimaes. Os masmos Urobem tm a' venda i tbegaram es mais moderaos balSas esgoios sen-
machinas americants de 35 a 40 serras. do verdadeiramente amencaaos e venJemse pele
Os prtendeD?*1 t'irijam-se ao larco do Corpo-, barato prepo de 2*500, na I J* do Pavo raa das
* -i tO n II Imnaralfi n II a Rjllll
Imperatriz a. 60, de Gama & Silva,
All, nada falta aoda,
T romdetas encerr;
De Pars ao eentro ide,
Freg, tes da minha terr*,
Ide ver con*** mu bellas,
Da fel o genio ms dit ;
A j numera croco allende;,
Na roa da imperatriz.
EHMAi*..
J p-hejioa
Cemento romaso : do armazem de Tasso IrMiOf
no caes de Apollo.
Fugio do engenbo Cedro, do Cabo, 1,0. da 18
do correple mez, a M-rava Francisca, critula, alia,
na i muito preta, idade de 22 a 24 anoos, rom doas
denles tirados na frerile do qoeixo soperior, foi
vista no entrar dos Alegados, e nao se -aoe a di
reopo que tamou ; dese*Bfia-e qae fiesse para o
Recfe, oode f"i comprada.ba qoairo mezes poace
mais : da se 50*000 a quem a pegar e entregar no
mesmo engenho, oq na roa de Hortts p. 114.
Attacao.
Bsta'logidi desde ada MMe Bovrcbro oes-
crava crioulo, de nome Jos, pwnixlo, idade 24 aa-
nrs mais ou menos, alto, seico, espaflalo, bem
preto, pooca barba, falla d^scan^ad* ; o quai dista
procos dts aol'S da fuga, que la utT:reot>r-s* ao
g, v rao para a guerra : portanto |iga se s auto-
ridades poliriaes e cap i lies decampo a capturada
referido escravu, que sndo entregue oo tngcnho
Calu..nda, fregoezia da Lnz, ao seu svnhi-r abatxo
assiitnado, oa no Renfe a Jos Eduardo de Sooza
Landiin, na roa da Gloria n. 18, se tecoropensira
geo-r smente.
Juo Correa de A. e ?asconcelloa.


" -'

.rlo de PcrnambHco
^w icira de rtoTembr de 1867.
-------------------------------------------------1__________________________:______
LUTERiioai.
I iu romance fatimo
(FRAGMENT. 8)
0 passado sempre um sonho! s vezes
meigo e risonho como o nascer do so!, qnasi
sempre pesadelo horriul que nos esmaga
as horas de felicidade. Qumdo ao Alafa
la que parece boiar n'esse ocano infinito e.
asul do co, a nossa alma engo'phada era presumpco
verdadeiro caito. Era Carlos da Silva ura om dia neponde mais resistir, e dirigia-se
bello mancebo de fronte alta e penetrante, sin casa.
um poeta'sonhaior como Byron, que procn- Imprudente! Almejava o impossivel, ia
rava om ideal as phantasia's de sna imagi- alimentar esse desejo; quando' a queda
nago exaltada. maior e a decepcao mais amarga.
Possuia em grande copia esse cabedai, que O commendador G amarles havia chegado
s a morte pode destroir: a intelligencia, da corte e o dia da partida era prximo,
alliada a urna modestia e bondade admira-; Carlos fez-se annuncia.r no salo.
veis. Caso raro nesta sociedade, em que in- Olivia tocava e sua afta bordava jonto a
felizmente, quasi sempre a ignorancia e a ama janella; o moco dirigu-se ao piano
imediocridade esto unidos insolencia e 1 qaando os ltimos sons da msica se fa-
ziam ouvir.Os seos olh res cruzaram-se
profunda mediaco se enleva n'uia doce E'a um carcter nobre o d'elle, sacrificar-, e despedirn cbammas ardentes.
xtasi-, os quadro* que se succedem na ma- se-hia por um amigo, ou para satisfacer o Depois de um cumprimento banal disse
gaago, sSj senpro as visos do passado. mnimo desejo da mulher que amasse. ella com admira ve I candura:
Ora essas recordaces sao graciosas suaves Carlos da Silva foi tambera reumlo de, Sr Cirios, um pedido simples para o
como o correr de lmpido ribeiro sobre um D. Magdalena e seu olhar a principio vago e senhor e bem valioso para mim... que
estadal florido; ora tristes e fnebres como incerto, flxava-se no semblante de Olivia; e \ escreva urna pagina no mea lbum, Ser
o rainalhar das selvas ero noute tempestuosa, senta indisivel emogo quando encontrava urna lembranga omarecordago da amisade
E* urna historia do passado a qne vou os olhos d'ella fix os dos seus. que nos dedicoo.
contar: o romance de dous ora,des, que Para que dizer mais? Amaram-se esses | D. Olivia as paginas de um lbum sao
sonbaram-se e amaramse sem se Iembrar coracSes, ignorando qne esse amor castoe'
que oeste mundo de contrastes os risos an- puro havia de ser saoclificado pelo soflri-
dam muitoperto das lagrimas, a felicidade ment,
daddr. ,
V i N uma das mais bellas tardes da primave-
Conheci urna menina de dezoto annos, ra Olivia e sua mli estavam no seu jardim.
formosa e candida como urna creago de O sol bateado de soslaio dourava com sua
poeta, onocente e pura cjmo o aojo que a luz frouxa e tibia os cumes das colinas,
velava s noutes. PTessi idade em que pa- Ouvia com os olhos filos n'aqnelle co to-
roce que a alma nao deve aioda ter estreme- do azul, pareca deleitar-se com o descante
cdo ao contacto do infortunio, em que a vi- dos passaros, e o montono murmurar da
da dee passar-se alegre entre as flores e as fonle.
illuses, eu a via quasi sempre triste como As auras suavissimas da tarde vinham
sej divisasse no infinito a estrella fatdica brincar com os anneisde seos formosos ca-
de sua desgraca. Quando divagara no seu bellos...
jardim, era sempre s, colhenJo flores dis-
tradamente.
Quando quera embalar o corago nos ac-
Tens saudade de teu pa, Olivia ?
Sim, mnha mai.
De boje a um mez partiremos de S.
cordos divinos da msica, procarava sem- j Paulo, ento espero ver-te alegre e feliz, de-
pre as mais ternas, que estavam mais de baixo de um co Europeo... mas que tens?
barmunia com o estado de sua alma.
Olivia, qae tens? vejo-te sempre a
sc:smar... Porque escolbes as msicas mais
tristes e melancholics? Porque constante-
mente esse sorriso amargo em teus labios ?
E' sua mai D. Magdalena Guimares, quedi-
rige-se sua filha. E' urna mulher que mos-
tra na doce expresso do semblante que j
foi bella; urna boa e carinhosa mi.
Nada tenho, minha mi, dice ella com
os olhos humidecido'. presinto que a fatali-
dade hade perseguir-me a existencia. Mi-
nha alma dominada de um sentimento que
o mundo nao comprehende; tenho o pre-
sagio de que breve deixarei os lagos que me
prendem a este mundo, procurando um oa-
tro cheiod; luz e de harmona...
Gala-te, filha I nosso futuro pertence
Deas.
N3o profere mais essas palavras, nao vs
que despedagas-me a alma ?
Perdi, miaba mi, diza ella abra-
Can lo-a e procurando em vao alegrar-se.
Prometa nunca mais affligi-la cora_a minha
tristeza.
Bem, minha filha, abandona essa idea,
le libra-te que tens urna mi, que te ama
coma... ama verdadeira mi I
Passou-se depois disto um mez. No dia
om que Olivia fez annos, sua mi reuni
noute algumas familias para festejar o seu
anniversario.
No grande tbeatro do mundo, ha urna sce-
na fecunda em peripecias, e cheia de peque-
nos incidentes; a que se passa n'um baile.
M.iito se tem d pbodos mais ou menos interessantes que
n'eile se passam tem sido desvendados.
E' elle o sonho da donzelia que antev
mais urna occisio de mostrar os seus encan-
tos, e do joven elegante e espirituoso que
tem em mira mais urna conquista.
As aventuras de um baile sao ephemeras,
mas muitas vezes deixam bem profundas im-
pressoes no corago; urna flor murcha, um
lago de lita, esses pequeos nadas vem dis-
pertar hem doces recordaces I
Vamos guiar pois o leitor, nao um bai-
lo em todo o seu explendor, porm urna
reunio mais familiar em que os affectos sao
mais verdadeiros, em que nao ha tanta by-
pocrsia e banalidade.
D. Magdalena, com verdadeiro affago e
amisade recebia os convidados. Todos p\-
reciam satisfeitos eprocuravam divertirse.
Olivia estava realmente bella essa noute 1
Seas olhos scintlavam com um fulgor ex-
traaho, sus ebaneos cabellos emolduravam
aquella fronte sublime, onde se desenhavam
todos os sentimentos de seu corago virgem.
A sua figura diaphana e vaporosa nao pa-
reca deste mundo, aa v-la dirieis que era
urna fiego, urna idealidade suspensa por um
mysteno divino sobre este chaos de paiies
quando esperava ver-te sorrr com esta no-
ticia, te entristeces cada vez mais....
Foi aqui que en nasc, foi claridade
deste sol que principiei amar a... meus
pas; bem sabe que deve impressionarvos
a idea de abandonar o paiz em que nascemos
e em que...
Passastes os primeiros das da infan-
cia, nao verdade?
N'este interim, annunciaram a visita de
Carlos da Silva. Foram recebe-lo, ama afec-
tuosa e amavel, outra com o coraco angus-
tiado e afflicto.
Caitos cumprimentou-as affavelmente.
Ha muito tempo que nao o vemos,
Sr. Carlos, dice D. Magdalena; deve-nos
proporcionar mais vezes o prazer de sua
companhia, principalmente porque temos em
breve de separarmo-oos.
Ah!
Nao sabia ? partiremos em breve para
a Europa.
Estimo que...
A dor pungente que soffria nao o deixou
concluir a phrase; urna lagrima ana u via va-
Ibes os olhos.
Foi repentina essa resolugo, minha
seohora Devem haver motivos bem impe-
riosos para deixar assira o lagar do nasci-
mento, onde se passaram os sempre saudo-
sos tempos da mocidade ?
Mea marido sempre doenle aqui, e
osjmedicos aconselbaram a mndanca de clima.
E' louvavel entilo o seu proceder. E
V. Exc. D. Olivia, dexa S. Paulo, sem urna
lagrima, sem urna saudade?
Deas quero, sabe, murmurou ella
sospirando, deixo aqui amigas verdadeiras, e
affectos que so com a vida podem ser arran-
cados do coraco. Mas a Providencia nos
impelle de nma para outra regio, como o
sopro da brisa arrasta a ptala da flor I
Alguns momentos anda se passaram em
intima conversaco.
Tendo chegado a noute e instancias de
Carlos da Silva, Olivia foi ao piano e descor-
reu os labios n'um canto suavissimo e tris-
te. Era antes um suspiro da alma do que
om camtico dos labios!
Era o cysne potico e romntico, gorge-
ando as notas da agona, rasgando os ares
em seu derrcdero vo!
Carlos jonto d'ella admiravaa, ou antes
adorara a com urna das raysticas visees que
esvoacavam najsua ment de poeta com as
azas multi-cores.
folhas de om perfume mysterioso, que eu
nao devo profanar; para que abscurecel-as
cora meu nome que o tempo fcilmente es-
quec?r ?
A moca com um olbar triste, porm se-
vero, disse-lhe, lo baixo que s elle ouvio:
O Senbor bem cruel, cast'ga-me sem
o merecer; quem lbe disse que nao hei sof-
frido, que o esquecerei ?
Ah l perdoe-nae...
Olivia levantou-se e trouxe o lbum que
acbava-se sobre ama mesa.
Carlos dirigiu-se D. Magdalena e pedio
lcenca para escrever.
c Nunca sentiste urna esperanca mor i b u' -
da debater-se em vossa alma ?
< Alguma vez acalentaste no peito urna
illoso como a flor qoe abre ao roco da ma-
nh e que descora ao arden te sol do esto?
Foi assim o amor do poeta. Amou .e
muito 1mas esse amor nao encontrn seiva
no torro em que cabiu, reduziu-se a p e
nenbom frocto deu.
t Desditoso poeta I Soffreu mais que Tan-
talo, gemeu mais que Tasso, sonbou mais
que Dante I Foi infeliz na soa peregriaago
pelo mondo.. .sempre a adversidade a en-
venenar-ine a existencia.
< Virgem, que fosse o mgico condo de
sua lyra, o fanal sempre brilhante que
guiou-o ao seu destino f Quando tiverdes
saudades de um tempo que vou feliz, fitae
nos cos a estrella de vossa existencia ;
ella vos segredar os sonhos do poeta, que
s por momentos poude repousar a fronte
scismadora n vosso eolio de alabastro. >
Foram estas as palavras que o infeliz gra-
vou n'aqaelle livro com a mo tremola e o
desespero n'alma.
E' horrvel a luta entre a paixa e o de-
ver, entre um futuro que se antev em so-
nhos e a realidade fra que nos aprsenla o
mundo. Carlos procurava esqnecer essa mo-
ga ; esse anjo que aclarou-lhe o abysmo da
existencia, e era do seu dever esqaece-la, de-
via anniquilar um amor que o mondo dizia
insensato ; nao quera sujeitar-se a um de-
molas, aquechamam o mundo. Traba at- sengano decisivo e que mata ; soffria para
trabido a admirago de todos, mas entre lo-
dos havia alguem que senta por ella ma-
do que admirago, que consagrava-lbe um
FOLHETIH
USS AMOKES DE POETt
POR
0. MARA AMALIA VAZ DE CARVALHO.
Vi II
(Continuago do n. 272.)
i Jayme, isto que vou escrever-te o
mau testamento ; boje, de mim para ti s
elle se tornara acceitavel.
c Daqui a quinze dias caso-me com Gus-
tavo ; d'aqui a um mez, se tanto, casare
com os vermes do sepulchro... Bem vs...
nS. pode haver mais completa separaglo.
H'ie, porm, que anda me perte.-.go,
quiaindisiu t, deixa-ae fallar assim,
quero rteixar-teo meu adeus... derradeira
emanago de ura amor que j do co !
< Po'iho de parte o orgitho que em vida
rae alimentou ; tiro a mascara de mulher
rjffeodida, que na solemnidade deste mo-
meuto me n5o fica bem ; er que nao is-
to garridice de namorada, mas sim a ultima
falla de urna moribunda, que te abengoa i
c Acabo de saber o tea casamento !...
rara ti... e para ella... ped nesta hora
mesmo ao Senhor a felicidade .. Compre
bendes agora como eo te amava ?... ?
a Perdoa-me a extenslo desta carta; o
mea ultimo egosmo... Houve um tempo
em que tu amavas a minha tyrannia; lem-
bras-te me pude esquecer delle e essa lembranga
ju me assassina I...
Se ao menos eu levasse para o co a
certeza da tua felicidade 1... Ma$ nao le-
vo. .. ni... Que querestu ?. isto nao
j eg:suio... muito peior... pre-
sumpgao I...
Ainei-te muilo para que possas achar
ebrias duraveis n'um oatro amor da trra !
nao soffrer anda mais I...
Muitos dias se passaram sem que soubesse
noticias de Olivia e de sua familia; mas
Completavamo-nos um pelo oulro... Deus
tinha formado as nossas duas almas do mes-
mo divino raio da sua loz... Um dia...
talvez bem cedo, lo has de sentir a minha
falta... e has de chorar a perda deste meu
corago gemeo do teuI...
Meu Jayme... eu morro com o defeito
com que nasci... Sinto.-.seja egosmo
embora... que as miabas crazas bao de es-
tremecer de alegra, quando tarde as la-
grimas do meu poeta cahirem... urna a
urna... sobre a trra que as cobrir...
aquella trra fra e negra do nosso cemiterlo
de madre silva e roseiraes /...
Como ha de estar fri... l... na se-
pultara sem aquello doce calor dos teus
olhos, sem os divinos afagos da tua voz !..
Meu Deus, como eu te amei i
Perco-me na loucura desta dvagago,
nao chego nunca a dizer-te o que pensava
ao comegar!...
a Quando te vi pela primeira vez, lem-
bras-te ? na casa daquella velbinha que eu
ia consolar, comprehendi instantneamente
que havia om lado na vida todo alegras.'..
iodo xtasis e arrebatamentoi, qoe tinbam
fui ta Jo aos meus olhos cariosos e vidos I
A loa vista... o tea olbar to meigo e ao
mesmo tempo to poderoso... foram o su-
blime fiat lux da minha pobre alma de mu-
lher 1
Adevinhei nesse instante as festasda
natureza, os esplendores da creago... e
lembrou-me o olhar triste e compadecido
com que o meu velhinhoFrei Jos costuma-
va seguir-me s vezes !...
c Elle tinha urna alma que Ihe ensinava
o que eu perda !
c Jayme, ca morro por tua caua ; mas
foi por tua causa qu eu viv!
< Resurai agora n'um momento om seculo
de meditago... sioto que le devo muito...
Se nao fosses tu, que triste vegetar houvera
sido o meu!
t Dste-me um anno de vida impetuosa...
Cbegou o dia da partida.
Era urna manh neblinosa. No bairro da
Luz, junto Estago estavam postados car-
ros e delligencias; no gradil junto ao pa-
vilblo debaixo daquellas poticas e frondosas
arvores estavam sentadas innmeras fa-
milias-
Annunciou-se a sabida do trem de passa-
geiros. O sybllo da locomiliva deu signal
que o trem ia partir. Tiveram ento logar
as despedidas, abragos e bejos de amisade.
Muita lagrima serena deslisou-se por more-
nos e paludos rostos ; a commogo, o cho-
que e a dor foram intensas /
Diversas pessoas,da estago acenaram
com os lengos, demonstravam assim o peiar
de nma sentida separago.
Carlos acorapanhou a familia do commen-
dader at Santos.
Em breve tempo, a cidade, as torres e as
casas desapareceram, e succederam-se o
prados e as colimas.
Reinou por minutos eloquenle silencio no
wagn ; que o corago nesses instantes
procorava consolar-se com a resigoago.
^Sente saudades de S. Paulo, minha se-
nhora? disse Carlos da Silva.
Pelo amor de Deus, nao me falle n'esse
logar...e abaixou os olhos a pobre moga
para esconder nma lagrima que eahia-lhe
dos olhos, feliz anda porque poda enerar e
a lagrima um lenitivo, balsamo consolador
que santifica o soffrer.
O acceoto e a inflecgO' de sua ve* fot tr-
mulo e triste. Eu parto, dizia ella murtas
vezes, mandos infinitos apresentam-se-me
aos olbas, meu corpo hade percorrer todo
esse e.'pago, porm minb'alma, mea pensa-
mento, meo corago, em im ludo que preso>
nesta vida aqu fica i >
< O mundo muitas vezes, itlude-se t oc-
cultamos o soffrer na gaze transparente do
sorrr commam, mostramo-noe alegres
quando sentidas dores ralam-nos o corago.*
t Seja feliz, mea amigo. Eu voltarei....
espero que o espago e o tempo n2o olridem
a minha memoria. >
louca... porm sublime... Dste-ae o
praz res ir. itantes... as phreaeticas volup-
tuosidades de amor que eu sonhei sempre..
dominador e suave agitado e vasto...
ardente e carinboso... Foi um poema divi-
no I. Obrigada..., meu Jayme idola-
trado t... Quera poder dizer-te isto mes-
mo ajoefnada a teus ps, com a voz qoe sae
de dentro do peito I...
Que mez I... que mez aquelle da nos-
sa idyllica solido...
Jayme... estou louca... Vejo-te
aqui... ao p de mim... ambos sentados
sob a copa da nossa larangeira de jardim...
Est urna tarde toda ella perfumes... toda
ella reflexos brandos.. e fugitivas harmo-
nas... e tu enlretens-te atecer-me ama
gnoalda branca... deliciosa... e dizes-me
com a voz de ontro lempo : Filha, esta
cora a do teu noivado I Nao ests con-
tente ? Vamos ser pira sempre um do
oulro... cntico entre os mais puros cnti-
cos, meloda nos mais afinados concertos,
eis a vida que vai ser nossa, es a existencia
que eu escolhi para te offerecer !...
Meu Deus, que viso celeste I
Jayme... fuste mo I foste brbaro I
Para que me havia; tu de revelar o enygma
da vida bumana, se queras depois abando-
nar-me assim? Oh se nao fosses tu, terii
eo vivido ignorante e descuidosa, sem sus-
peitar jamis as del i -i as deste meo inferno...
E tenho agora de morrer... de morrer por
qoe tu me assassioas-te I... >
Todo isto o mogo lembrava-se ao accele-
rado caminbar do wagn.
Chegaram a Santos, era meio-dia e tres
quartos da tarde. O vapor Pattlista sania
no dia segrate para a corte. A convite do
coramendador Gu i maraes foram todos ao
potico e pitoresco pitseio da Parra.
Gomo alegra-seoespiito ao ver o infinito
no immenso ocano?
Quem nao sente-se inspirado e poeta ao
ouvir o murmurio das vagas, o bater das
encapelladas ondas e outras vezes o sereno
e mango das prateadas aguas do mar?
Que de sonhos, recordag58 e phantasias
disperta-nos a iraaginago diante d'esa bel-
leza, e encanto da natureza ?
Faga idea o leitor quantos pensamentos
tristes incommodariara n'essa eccasio esses
dois jovens coragOes.
No dia segrate, as 4 horas da tarde lar-
gou a birra de Santos o vaper Paulista.
Cinco dias depois fui casa de Carlos da
Silva; encontreo-o junto sua mesa de es-
tudo com o lenpo nos olhos.
Choro, me disse elle, oeste lengo anda
hmido de suas lagrimas.
Dei o braco ao mea amigo, e sahimos a
passeio, elle acceodeu um charuto, e contou-
me nao nma historia de amores, porm um
idyllio, um poema de lagrimas.
Carlos, esse poeta de scismar ardente,
que traduzio n'um canto sublime o devanear
de sua imagnago, acreditava anda no fu-
turo.
A felicidade pareca sorrr lhe de longe,
elle esperava porque tinha crengas; divinisa-
va a mulher porque ella era o amor; idola-
trava a sua imagem porque era o sonho e
devaneio do seu corago
(Archivo Iliterario).
DI POICO DE TUDO.
Esta produego do Sr. Francisco Pinto
Bandeira e Accioli de Vasconcellos, inspi-
rada pelas faustosas noticias, de que foi por-
tador o Paran, do theatro da guerra.
Porque este completo pasmo,
Este espontaneo fervor,
Este mutuo enthusiasmo.
Que nos possue ? Este ardor ?
Vencemos I repete um grito,
Forte, presago, infinito.
Quefaustode longe vem.
Vencemos! o echo responde,
O echo qae nao se esconde,
Reboando aqui alm t
Erguei-vos, povo de fortes.
Oh filbos da Santa Cruz i
Entre as vencidas cohortes,
Erguei-vos, alerta, sus!
Inda urna vez triumpbamos,
Di-lo este, que ora provamos.
Alvoroco varonil.
Eia, pr-is I eia, cantemos,
Pressnrosos entoemos
Trimphaes cantos mil.
E' certo. No marcio jogo.
Os brasilicos hroes
Ante o ferro e ante o fugo
Nao desmentem seus a vos.
Ante a furia do inimigo.
Como dos cos um castigo,
Como um castigo de Dos,
Parecem, slo mais que humanos,
Sao robustos Centimanos,
Sao invictos Bryaros!
Quando om povo se erguetodo
A sua patria vingar,
Rebenta-se-lhe um denodo,
Intenso, inundo, sem par 1
Debalde forjam-se tramas,
Debalde crepitam charamas,
E horrores surgemde p 1
Pela propra integridade,
Ei-lo I em toda a magestade,
. Mostrando ao mundo quera
Disto sois vos alto exemplo,
Vos, cojo heroico valor
J da memoria no templo
Fulgura em todo o esplendor.
Salve, prole de Marte,
Neste ensejo, em toda a parte,
Mil vezes salve, por fim,
Todos vos que sois alerta,
Apenas a caixa esperta,
Apenas tra o clarim I
II
Trava-se horrendo o conflicto...
O here l surge o here,
Cojo nome sempre invicto,
O tempo nunca destre .
Ei-lo o eximio veterano.
O soldado sobre humano,
Irresisttvel, l vem 1
Casias, ligo Caxias,
Que o vigor dos primos dias
Parece dobrado tem f
Honra, oh sim 1 honra e gloria
Do exercilo. ao Nstor,
Que mais urna outra victoria
Conquista, cheio de ardor!
Honra a ello que com excesso,
Em prol d patrio i-rogresso,
Assoberba horrores mil,
E diz, com marcio arremsso :
Sacrificios nao conheco
Em defendendo o Brasil!
E como da anliga Roma
Um valente, um luctador,
Assim Porto-Alegre assoma
D'eotre os mais, ameacador!
Ei-lo! Peito a peito combate
Rufa o tambor a rebate ..
Mais e mais se activa a aeco 1
Aos golpes, por fim, Castilla
L fraqueja, l vacilla
Do novo AKides, ento !
Qual da noite assoma o dia,
Triumpbante e vencedor
D'eotre o fumo da porfa
Surge o pendi bicolor .. ,
Tu que o povo eternizas.
Tu que a bonra symbolisas
E a grandeza da nago.
Salve oh tu, palladio augusto,
Barreira, pavez robusto
Contra os golpes da traigo I
Cessa o combate ... A' porfa
Jocundo sa o clarim.
Honra ao hroe desse dia,
Porto-Alegre, a elle, sim!
Que triumpbos imponentes!
Honra da patria aos valentes
Nos plainos de Tuyuty 1
Honra aos bravos do famoso
Potrero-Ovelha alteroso I
Honra aos bravos de Tay!
III
Conhece, prova, tyranno,
Brasilica intrepidez!
Quem rio do batavo ufano
Tremera de Lpez ? .
Nao! Quem lo alto subi,
Jamis to baixo cabio.
Jamis to baixo deseen.
Eia, repblica insana,
Eia, pois, te desengaa ...
Conhece, emfim, o erro teu !
Como cahiram por trra
Os muros de Jerich,
Has de assim em dora guerra
Em breve tombar no p !
Mo grado a nociva treta,
Em nossa heroica trombela
Resoandotriompbal,
Esse moderno colosso,
Essa Humayt em destroc
Ha de cabir afinal!
I.ogogrlph.
Primeira e segunda,serve
De descango das fadigas;
A segunda repetida,
De donzelia jamis digas.
Primeira e terceira,mostra
Objecto de importancia ;
Quarta e segunda,faz que
O escolar tenba ancia.
Segunda e primeira,leva
Muita cousa de viagera ;
Prima e quarta repetida,
No Rio lugar de aragem.
Segunda, terceira e prima,
Appellido de mulher;
Terceira e prima, foi d'ella
Partilba, por ser revel..
Terceira e segunda,
Um lugar de santidade ;
Segunda e prima dobrada,
Symbolo da feialdjde.
O meu todo pe luenino,
Tendo j tanto rendido ;
No corpo de um tbeatro.
Preparado, bem luzido.
Primeira e quarta, na mo
Certamente m'o acharis ;
Segunda, terceira e quarta,
No testamento veris.
Segunda e quarta,contente,
De sua vida salisfeito;
Terceira e segunda,triste,
A urna vil sorte sujeiio

Gbegada a este ponto da carta, levantou-se
Maria, de chfre, e foi cabir de joelhos dian-
te de um Crocifixo pregado na parede do
quarto. Desde que a desgraga a fulminara,
quizera ella ter sempre dianlo dos olhos a
croz do Redemptor ; tambem a pobre tinha
o seu calvario econsolava-a o inneffavel sor-
riso de perdo... nica vinganga qoe o
martyr legara aos seus algozes!
Meo Deus como eu o amava f bradava
ella em voz dilacerante, apegando se croz
do Salvador I E as lagrimas bnrbotavam em
jorros a alliviar-lbe o peito suffocado !
Se resoo nao sei; mais bella orago que
esse prauto e esse grito angustioso nio su-
bi nanea da trra aos ps de Cbristo !
E Elle, o qne ergueu transfigurada pelas
lagrimas a peceadora dos terrestres amores.
Elle, o pa das misericordias infinitas, fez
descer um rao de graga sobre a fronte da
infeliz I
Ai / Elle perdooa acs que amaram mui-
to, porque sabia que o amor tambem urna
relgio !..........
Maria levaotou-se reconfortada, e conli-
nuou a carta assim :
< Perda, meu amigo, este ultimo lutar
da vida com a morte Foi pedir a Deas a
forga de morrer sem rebollar me.
Bem feitas as contas, que vale esta vida?
Talvez seja melhor assim, meu Jayme ; tudo
qoe Dos determina tem om fim, que os de-
bis olhos da humaaidade nao descortinara ;
tanto mais impenetravel, quanto mais bello I
Eu creio qae anda n'isto a mo de Deas I
Jayme, perda a minha morte ; tu foste
o instrumento de ama vonlade superior I...
Se eu podesse contar-te a lucidez com qae
acabe i de avahar todo isto all... de joelhos,
aos ps do Crucificado ?
t Foi Elle que me inspiroa... estou cer-
tsima I......
c Olha, depois que perd a esperanga, te-
nho sempre tido a Cruz perto dos meus
oltns se nao fosse ella, talvez eu morresse
blasphema ec mdemoada.......
< Deus castiga os que ama! Qae venta-
1 ra, meo Jayme! talvez eu seja amada do
Senhor I
Nao te disse anda ? Obrigam-me a
.casar com Gustavo ; j agora, que me im-
porta a mim com isso Ced ao desespero
: de meu veloo pa; porque tenho de morrer,
e nao quero levar para a tamba comigo, por
nica re:ordago, um remorso*
De-me tanto o peito E* urna dr
que roe... que roe sem cangar Banca.
Goapa esposa escomern para o meo pobre
primo 1
t Meo Deus, e sempre o passado E" pois
certo que ha lagos, que so- a morte desata !
Lembro-me tanto de tudo que passou e que
nao deve mais voltar Risos, conversagoes,
duvidas, alegras, toda essa vida de dous
entes, completamente identificados, entre os
quaes o eu se aniquilara i.........
c Como tu eras bello, meu Jayme que
inspirago a tua, melodioso poeta da mnha
alma !
c Se ludo isto fosse castigo I... seno
fim de contas foi crime, o nao resignar-me
callada, o querer provar o nctar enebriante
que esses teus olhos me vertiam Se a toa
infidelidade nao foi mais a pena de taliao ap-
pricada pela justiga immutavel dos cos!
Quem sabe ? Tambem en fui criminosa!
tambem. Jayme! talvez a minha justificago
nao passe de um sopnisma, como a tua o
de certo I...
c Ai como eo te amei t como eu te
amei I... Nao poda nm tal amor ser cri-
me I Quero esquecer-me e nao posso !
De um lado ha flores, ha sol, ha cham-
mas que purpurejam e riem, ha felicidade e
vida, do outro gello... morte,.. escuri-
do... no meio est um abysmo... e eu
pobre alma errante aqui perdida, eu que
nao posso retroceder para o Edn dos in-
neffaveis amores, nao sei despregar os olhos
do lugar onde fui ditosa e estremecida 1 ..
t E' forcoso deixar-te... Jayme... Adeus.*
Adeus... para sempre I..". S te pego
urna cousa... bem poaco... pois nao
verdade ?... ella nao poder renusar-m'a I
Ella?... nao tu... estou to desvarada !
Jayme, se volares a Portugal... ao
nosso paz das larangeiras e das rosas..
Terceira e quarta no campo
Fcilmente se ver ;
Primeira e segunda,mostra
Que a outro per lencera.
SeganJa e prima,vos manda
O vosso aestre na escola ;
A terceira repetida,
Mulher de pouca parola.
1
Triste daquelle, que
Prelengo com laltem ;renho
Vai mil, se d'elle precisa,
Ab nao lhe pega favor.
E' emprego bem penoso,
Porm de muito desejado;
Para nao le-lo quuera
Antes um brago quebrado.

E provincia do Rrasil. 1* e 2*
Urna mulber presumida, 1*, 3* e 4*
N'um bonete ve-la-beis, Ia e 4a
Passa alegre a sna vida. 3a e 3.a
N> tacho, se ha quitute, 2a e i*
A crianga d'ella gosta, Ia e Ia
Se o mundo representa, 3a e 4a
Da montanha na encosla. 4a e 1.a
Qualdade inherente
A um liquido qualquer; 2a e 4a
Nao o v em muita gente
S mesmo quem nao o quer. 2a e 3.a
Reuni todas as partes,
E' mystico o seu sentido;
Tambem em certa scienca
O seu todo est contdo.
Se da mulher membro sou, ia e Ia
Eda mesma posso ser; Ia e Ia
Um animal engragado
De certo tereis de ver- Ia 3a e 3.*
Se na vagem precisa, Ia e 3a
S as pedras machareis; 2a e 3a
Mas mesmo na vossa casa
Procurando, me veris.3a el.*
Sendo bom, assim o ; 3a e 2a
Um lugar muito afamado.
Se acaso inverteis,
Traz o mundo subjugado.2a e 1.a
Apellido de molber
O meu todo quer dizer.
Que neutros variar pode,
Vindo sempre o mesmo a s' r.
ERGUNTAS ENIGMTICAS.
Qual o adverbio de lugar em que nao
me posso soster ?
Qual a nota de msica, que se acba n'um
rosto varonil ?
Qual o arbusto deorigem mythologica?
Qual a cidade, qne existe nos ares?
V
Qual a matrona respeitavel, qae se acha
no fundo do mar ?

Qual a pedra que nao tem juho ?

Qual a mulher que se escreve n'um papel
designando diversos objectos ?

Qual a cousa, que nao boa, que boa
nao vem a ser?
Qual a paite da cabega que peccado
mortal ?
Qual a pedra, qoe roe ?

Qual a preposigo que, sendo relativo la-
tino, vem a ser infinito de verbo?
Sinagogas de judes portiguezes.O
baro de Montefior que sanio ba tempo de
Inglaterra para a Roumana, com o intuito
de proteger os judeus, seus correligionarios,
encontrn all urna synagoga que leva cem
mil pessoas, pertencente aos judeus portu-
guezes. Os adornos e mais preparos, de
prata, ouro e pedradas, foram avallados
pelos inglezes qae am em companhia de
Mootelior, na quantia de vinte milhes de
libras esterlinas!
as duas synagogas establecidas en Lis-
boa, o Rabno e mais Hebreus aqui residen-
tes, celebraram no dia 20, ultimo das suas
festas penitenciarias, urna solemnidade es-
pecial acompanbada de cnticos, afim de pe-
direm a Deus pela vida e saude de suas
magestades e altezas, pela prosperidade da
nago portogueza e pela conservaco dos
dias do baro de Montefior, dedicado pro-
tector da familia israelita.
lembra-te do sepulchro de quem te amou
tanto es vida !
c Vai deixar urna flor sobre a minha se-
pultura.. urna daquellas florinhas azues
que tu colhesie comigo do primeiro dia em
que me fallaste do teu amor 1
Nao te esqnecas desta ultima prece*
meu filbo, nao te esquecas, qae nao lbe
roubas nada a... ella... nesta devota ofU
fereoda a nm cadver j fro I...
a Que distancia vai de orna hora to som-
bra, para as horas que eo tinha devaneiado
no futuro!
< Ser tua meu Jayme t possuir a tua lar-
ga fronte pensativa I E os teus olhos qoe
eram a minha loz E o tea sorriso qae
era a minha ventura I Ser a confidente da
tua grande alma I... vi ver longe... muito
longe dos homens naquella casinba que tu
pintas-te para mim... toda vestida de hera
e madresilva... encoberta as sombras
perfumadas do pomar !. -.
c O co bavla de invejar-me esta felicida-
de... embora eu tivesse de morrer consu-
mida, queimada nos incendios do teu amor!
< Oh quem me desmoronou os neos
palacios de perola e saphyra ? Quem apa-
gn os xtasis das minhas noutes de estrel-
las II...
< Jayme, meu anjo, neste momen'o sioto
que odeio essa mulher. Com tanto ouro
roubar a felicidade a quem nao tinha mais
nada I Fulminar o corago qoe s viva
em t I...
c Oh !... maldita I... Mas... nao...
d orna lagrima a minha sepultura... e...
ama-me depois muito, que tambem eu...
a abengoarei do co!...................
(CoPtinuar-se-ka.)
TYP. DO DIARIO-RUA DA3 CRUZES N. .44
II-


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ED6A6YI8M_923V9Z INGEST_TIME 2013-09-05T01:23:22Z PACKAGE AA00011611_11432
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES