Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11430


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO XLIII. NUMERO 2W.
Xm 9b avm* rinv rtiMTii. a lsuss dxde sb mo paca pObte..
j, ->-.. i5-o:n'm-t c9nfln n -*'
Per trt aezes aiildtaMs.,. .,.,...?,. ..,.,tfiii D0UUU *i t:b v i* Por se dijs idea.,, Jq i
>'or uji ana
&4a aiaer*
=tb -

.!
.1
. .1
s/dea.,, .3 .1 .; .1 .2 .. .1 .1 .; .1 : 0U M
.W.i .. ., .i .i ., *1f*r'ttv*s v u*m> ; ^
jirars .j ..j ....... M>tM \oi.t **v



1 .n rwl .
I
* '
I
.
I
I
-W ivfcl,
- tn

,*bi

jmMXA FEIRA 27 DE NOVEMBRO DE 1867.
piba osivrno e foba'da phovitvcia,
Pir Ir meies adiantados.. l
Pvtm mitB,hno.....'I. A......... ... 6l
.PirHbdiMMp. ............................... li
n. ... Aitat id>m o
PwmaMOKlMi............................. mjiam 37,
s
BIS 6.0
'
AasKasuvea m mw.&wmm r usaaaip^iaii i batoto sjwkmiwi u3 cursv iMam^c,

w"^
_>...





oii<
I
. I. ,
BBk

ENCARREGAD09 DA SUSCRIPCAO.
Paraayba, o Sr. Amonio Alexandrinu de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva ; Aracatj,
oSr. A. de Leraos Braga; Ceara, o Sr. Joaquini
os de JniTeira ; Para, os Srs. Gerardo Antoo
Alves (i Fiihes ; Amazonas, o Sr. Jeronymo da
Costa; Alagoas.o Sr. Fraunuo lavares oa Costa;
Babia, o Sr. Jos Manins Alves: Rio de Janeiro,
Sr. Jos Bfbeiro Gasparinbo. I
Serinhoni, Rio Formoso, Taraaodar, L'na, Bar-
reiros, Agua Preu e Pitaenteirw, as quintas
feiras.
PARTID* DOS S'TM'BTAS*
Olinda, Cabo, Bscada e estagoes da via frrea at
Agua Treta, todos os dias.
Iguarass e Goyanna as segandas e sextas feiras. I AUDIENCIAS DO TRIBUNAJ5S DA CAPITAL.
Santo Anto, Gravara, Beierros, Bourto, Caroar, |
Altiuho, Garanhuos, Baique, S. Beato, Bom Gon-1 Tribunal do commerclo : segundas e quintas
selho, Aguas Bellas e Tacaran!, as tercas reirs, j flelagao : tercas e sbados as 10 oras.
Pao d'Alliu, Nazaretb, Limoeiro, Orejo, Teaqueira, I Faienda : qu/ofas as 10 horas.
Jegazeira, Flores, Villa Bella, Cabru, Boa-Vis- alzo do coraraerc/o : segundas as 11 horas.
ta, Ouricury,Salgueiro e Ex, as quartaj. feiras i Dito de orphos : terca* e sextas as 10 horas.
PrUtBira vara do ciral! tercas e sextas ao meio
da.
Segunda "ara do civel : quartas e sapeados a
1 |tra da tarda.
ep1ie:;erides DO MEZ DE NOVEMBRO.
4 Quarto cresc. as 11 h. e 35 m. da m.
11 La ebuia as 10 h. e i 7 m. da t.
18 Quarto min?. as 2 h. li m. da t.
26 Loa nava as 2 b. e 19 m. da m.


OAS DA SEMANA.
2o Sgnala. S. Cathirini ?. m., S. Mercurio'm. ;
2fi Terga. S. Pedro Alejandrino b. m.
37 (Juana. S. Marganda de Saboia v., S. Acacio m
28 Quinta. S. Jaccb da Mana f. S. Sosthenes b.
29 Sexta, s. Saturnino ai, S. Iliumioata v.
30 Sabbado. S. Andr ap., S. Troyano p.
1 Doailogo. S. Nantuui pro!., S. Eloy b.

PREAMAR x>E MOil.
Prlmera as 2 hora** 51 a. da tarde.
Segunda a^ 3 horas1" 18 Bnalos da marola.
PARTIDA DS VAPORES COsTEIROS.
Para o su! at Alagoas a 14 o SO; para o nort
at a Granja a 13 e 30 de cada mes; para Fer-
nando nos dias 14 dos aiezes Janeiro, marco, mal*
julho, setembro e novembro.
ARTE OFFICIM.
COMMASDO DAS AUAS.
Quartel general do commaudo das armas de Per-
nanbueo, na cidade di Recife, 26 de novembro
de 1867.
ORDEM DO DA N. 39G.
O brigadeiro comtBaodaote das armas faz pobli-
co a' guarnido para os c nvenientes fin?, qae a
presidencia em portara de 19 do-8orrnto-resui-
veu, de cooformidade ccm o aii. 4* 2* do decreto
n. 3,579, de 3 de Janeiro de 1866, conceder tres
mezcs de licenga ctm os veccimentos marcados no
arl. 5." 1.* do cilado decreto, f os Sr<. capilao do
6." batalbao de infantana Antonio Raymundo Lins
Calda, e Io cirnrgiSo do corpo de ssiile do ejer-
cito Dr. Manoel Enedioo do Rcgo Valenga, para
tratamento de saude.
Faz igualmente publico que a mesma presidencia
commuoicou em offlcio de bootem datado, qae se-
cundo constou de aviso do ministerio da guerra de
it Jo correte, se ccncedeu por portarla daquella
data, licenrja para residir nesta provincia ao Sr.
lente reformado do ejercito Secondino Ayres:
Velloso de Mello, qae aprsentele noste quartel-1
general vindo da curte, a 23 do correte, e foi na
mesma data encarregado da escripturaejio do alis-
lamento de voloularios, recrui^s, guardas naci-
naes, substitutos e libertos para o exercito de ope-
ra^o^s.
Assignado) Joaquim Jos Gon^alves Fonles.
Conforme.Emiliano Ernesto de Mello Tambo-
rim, tente ajudante de ordens encarregado do
detalbe.
PEMWBUCO
REVISTA DIARIA
Reallsou-se bontem a reon'o da assembla
jeral dos accionistas da ssocia^So Corcmercial
Beneflcente, para a leitura do relatorio annuo e
eleijo da nova direcao.
Foram eleilosos Srs. :
Fellppe F. Needham com .'O votos.
Jos J. de Amorira 50 c
Vicente F. da Costa 48 t
Jos da Silvo Loyo 47 c
C. C. G. Aleoforado 47 t
MaBoelJosDautas 17
Euzebio R, Ribello 47 i
William Olto...... 45
A. P-Carneiro----- 45 >
No d ia 20 do corren devero reunir-se os
correctores de nossa pra$a, para procederem
eleicio da junta que tem de funcclouar no anno
vindoaro.
A professora publica de Apipucos, Selecioa
Mara de Siqneira VarejSo, cfereceu 5 por cento
de seos venclmentos, a contar do Io de dezembro
prximo, para as urgencias do estado.
No dia 3 de dezembro Cume?a o prazo de 3"
dias para o pagamento dos impostos da decima dos
predios urbanos, e de o por cento sobre os bens de
raii perlencentes a' corporales de mao raorta.
Chamamos a attencao dos leitores para o re-
latorio da Escola Norma!, apresentado [pelo seo
digno dinctor e nosso amigo, o Sr. conego Fran-
cisco Rochael Pereira Brito de Medeiros, ao coo-
cluirerase os trabalhos lectivos do correte anno.
A leja da Agoia Branca scab de receber
caixas contendo om leqoe de madreperola, nra par
de luvas de pellica, um enfeite de flores para a
cabeca e om cinto de pon'.as loogas, ludo da ultima
moda e do mais apurado aoslo, que vende por
pr^Qo ccmmod1.
urna ptima acquisi^ai oara as senhoras que
quizerem ir ao prximo baile d Club Petnmbu-
cano, e que dee ser aproveilada em cominelo,
por serem poneos.
Iloje tem logar o naae de liabililaQoes para
provimenlo da cadeira vaga de malhemainieas do
Gyriinasio provincial.
Domingo prximo pracede-se a beDQo de
qaatro sioos da nova matriz de S. Jos, seodo os
respectivos padrinbos es Exms. Srs. bario de
Guararapes, barSo de Tabaiinga, barao de Berrifl-
ca e baro de Campo alegre, convite do Exm. Sr.
vigario capitular.
O governo imperial mandn agradecer a pro-
essora publica D. Gracillana Filismioa Cabral o
seu patriotismo e interesse pela causa publica no
donativo, que fez da quantia votada para o expe-
dieute de saas aulas para auxlio das despeas da
guerra at a respectiva conclusao, e d'abi em
diante at o completo de dous anuos para o asylo
dos invlidos da patria.
Tratamos ja das madeiras eipostas no cam-
po de Marte cm sua spreciagao geral, agora va-
mos considera-las com especialidade ao commer-
cio.
Sob este aspecto dividem-se ellas em tres cate-
goras princlpaes, assim classifkadas : 1* as ma-
deiras de construcfao; 2.*, as de marcineria s
quaes devemos de ajamar ;s odorferas; 31 as de
aturarla.
Possulmos nos brasileiros numerosas e admira-
veis especies da cathegorla de madeiras de cons-
".ruccao, mas oenbuma exportamos, e consultndo-
se as estatificas adoaoeiras de Franca, de lQla-
erra e do Zoilvereio, vse que as iroportacSes de
;iadeiras de constrneco vo dlminuindo uestes
tres paizes, o que por loda a parte atlribuido
crescenle importancia que toma o emprego do fer-
ro, quer nos edificios, quer na marioha.
Demais, poderiamos competir com a Soecia, a
Noruega e a Russia, as quaes lodas as condic,des
favorecer f Nao provavel; mas ba por certo
aigomas especies brazileiras que poderiam su-teo-
iar a concurrencia cjhi as que a Europa manda
vir das indias Neerlandezas, como a famosa teca,
..ir.' oolras.
Para isto seria pois preciso toroa-las coobecidas
ua Europa, oao smeato do commercio, seno lam-
bem dos engeob^iros, e vulgansar nos paizes es-
trangeiros as ooedes positivarque ja temos a res-
peito de algumas dellas.
Todava, se por falta actual na Europa desses
esclarecimeotos, nada de positivo m pode efferecer
ao commerci i na calhegoria de madeiras de cons-
.ruegan, enmpre observar, que a este respailo os
outros paizes nao e.-to mais adiiolados que o
Brasil.
Nem as indias Orientaes, nem as Anlilhas, nem
a Australia, nem as colonias da Costa a'Africa,
nm Argel exsoseram cou-a nova, e qnaoto as
outns nagSes, o Caoad, a Russia, a Suecia e a
Noruega s trouxeram o que ja era coobecido.
No entanto o mesimo nao d-se para com as ma-
deiras de marceoerla, pois consultada a eslatistira
publicada pela adminlstracao das alfandegas fran-
cezas, v-se que o Brasil, sob a relajo da qoali-
dade, s6 conta com um concurrente serio, que
o Hait. *
EMa pequea ilha tem, por assim dizer, o mo-
nopolio do mogno, que em Fraor; e oa Ioglaterra
figura a parle as estatistlcas das alfandegas. Mas,
em compensadlo, qaatito ao qae o commercio
francez ctiama madeiras exticas oc das ilnas e
que sao empregadas pol is marcroeiro?, torneiros e
marctieteTos, o Brasil exerce um privilegio, ana-
logo ao Hait quaolo aomoflno, isto fornece mais
de 50 por cento do consamo total.
Assim, tendo sido a imporlacSo total em Franca,
no anno de 1866, de 6,968 touciadas me.tricas, o
Brasil s por si conlribuio com 3,830 toneladas de
madelra chamadas exticas ; e nesse raesmo anno
al chegaram a ser consumidas em Franga 4,084
toneladas, avalladas em 1,198,000 francos. Ora,
se a quaotidade consideravel, pequeo o valor,
porqnaolo esta ultima somma nem se quer a
sexta parle do valor total, em dinheiro, das ma-
deiras exticas importadas.
Este valor com effeito representado por urna
somma soperlor a 12,000,0(0 de francos.
Exportamos do Brasil muita madeira, mas inda-
blaveimenle nao exportamos as mais preciosas.
E grande o numero das especies que exporta-
mos I
I.-to duvldoso.
Quaes sao os nossos concurrentes ?
Que especies o commercio europeu noz compra-
ra de preferenria ?
111 problema cuja solugo nos dar' a exposicao
em seus resollados praticos.
Nos documeotos ha pouco apresentados ao
parlamento pelo governo ingle, encontramos orna
nota do Sr. MathtW a lord Itaoley em dala de 6
de abril prximo psssao, em que ha o seguinte
trecho :
t Aioda que u nome de repblica se tenna adop-
. tado no Paraguay, o governo deste bello paiz
t do mais puro despotismo sem pararello, "salvo
t as paginas de Sesmondi. O general Lopes suc-
t ceden ao pal nesle poder aibitrario, qae se ex-
lende nao s as mais pequeas cousas do com-
roerclo, senao a vida social e privada, e espera
t deixa-io por heranca a seu Ulno legitimo.
Os crimes horrendos e o sy.lema de governo de
Lope, comecam a ser conhecidos no mondo por
melos irrerusaveis. Todava o que o Sr. Mathew
disse e apresentou ao parlamento, anda multo
pouco.
A presenga do Sr. Gonld no acampamento de
Lpez e seu contracto com os inglezes qae all es-(
to detldos, bem como as informagoes que tera
lomado nos exercitos alllados. nos fazem crer que
muito breve veremos apreseotar ao parlamento
ioformages importantes sobre horrendos crimes
de Lpez, que nao sabemos, nem comprebendemos
como em sua suspeita extrema consentio que o Sr.
Gould euirasse no seu campo, e um milsgre nos
parece que o tenha deixado sabir.
E' per isto qae eremos que o cnsul de Fraoga
nao sabira' do Paraguay. Lpez nao pode consen-
tido.
O mondo va horrorisarse quando conhecer de
urna maneira authentica, os crimes de Lpez.
Se o Sr. Gonld e o consol fraocez ioformam so-
bre o que satem e deve coostar-lbes urna comiera-
nagao terrivel val cahir sobre o famoso criminoso,
que opprime o desgragado povo paraguayo.
Elles devem saber coasas horrorosas.
Nao passo om dia sem que Loper. faga morrer
bomens, mulberes ou menines fuzlados, espanca-
dos, pela fome ou por outros brulats tratamenlos.
com com taco, aioda tem defensores I
Isto inexplicavel.
Fzeram aelo na faculdade de direilo no dia
26, os Srs. seguintes:
i> anno.
Antonio Jos de Carvalbo, plenamente.
Joao de Holl inda Cunha, dem.
Clemente de Olveira Mandes, dem.
Lista dos esladantes de francez, chamados a
exame no da 23 do corrente :
Plenaraeote....... 5
Slmplesmente..... 7
na materia, sto na variedade da cor da pelle, Exigente de mais a repblica, em lodss os teni-
do sangue, das bossas craoaonas, urna afronta pos, desde agrande Grecia al a aaliga Roma,
decidida e coolamaz coBlra a Intelligencia, a ra- desde a Europa em lioi atea America, sempre a
zio, a moral, a civillsago, e mais que tndo reli- mesma ataviada de retalhos,de liberdade e es-
glo da Cruz. S os anlmaes disttaguem-se bem, jcravido a um temoo-armada de gollholina as
em ludo, pelo sangue rubro ou branco, garras ou costas, com seu conejo de algozes e prenuncios da
ps, pellames ou pellos, forga e aollidade. O hornera morte, a arrancar todas as pedras, a escalar todas
nao: s pode jalgar-se saperior oulro, pela intelli-1 as portas, a revolver tod s os elementos sociaes, a; nett jamis par un seul; il faut que celuici cher
geucia razio, moral, virtudes, saber, gloria, e justo I decepa cabegas humanas; e tudo era nome da che des eomplices. Tout ti/rannte l'appelle legwn. (LJ
reooro. O chrisllaoismo, de aceordo com a sabe- liberdade, da salvag.Vo publica, e do direlto dos Mas em pouco a repblica perecea, e a religio
dona humana, tem sempre combalido a prepoode-1 povos. tnumphou : Chalier foi convenido I Aqaelle raes
prios amigos, in'iencia que um dia podesse.,.re-
vestida de autondade impr a le, esseeu logo con-
deranado morte, e sem outro prcesso mais do que
o voto da multidao, incontinente decapitado. E f j urna das causas se nao a principal da grande
carnificina, porque o cri andava sempre aso-
ciado. Lors que le mal domine dans une socit, ce
< V, i dasta gloria sobeo comete.
> Qae a minha trra aun, e a miaba gante.
Mijuns Port.uiue?s.
rancia e ascendencia da materia sobre o espirito
humano ; preponderancia, que, alias, s pode ser
iXooolro systeraa poltico, correspondente ao se-
gando pbilosopnicoo par medianoy se oimpe-
rao nomem, quo no maior delirio poltico ebegoa a
quebrar com os ps a imagam sagrada do Senhor I
iaconselhada e admittida pela ceguelra do materia-1 rialiso absoluto, firmado oa unidade e exclusivis- Aqaelle mesrao sobre cuja cabega, ja arre^endida,
lismo dissimulado. | mo du sos personalidade, leudo em si somma de pooco depois de lamanlio sacrilegio, fr desear-:
Por mais rigoroso qae tenha sido, desde Hypo- poder dentro e fra da le; dividindo, subdividin-. regada seis vezes, pnmeiro que a decepasse, aquel-
crate e-Galeno at boje, o esludo do crneo, da'doedesirbulodo o mesmo poder por urna esco- la msma guilbotini, que elle bavia mandado vir.
pelle, e do sangue humano, com o tlm de se encon- i Ibida multiplicidade de seres privilegiados, repre-. de_Pars para decepar quiuhentas cabegas por suas
trar dlfferenca as ragas, que possa ferir a unida-i sentantes secundarios oa arbitraria o quasi eterna raaos arroladas !... E a rellgio triumphou na-
de da especiaimpossivel : o sangue sempre o : magesude, que esmasa implacavelmente os povos | ra regeoerar a poltica da Franga, e qaig' do mun-
raesmo em todas as ragas, sem a mraima diEfaren-1 desfallecidos -, sem que com tudo (cousa extraordi- do ; salvar a grande nagao, epois de ter sido lar-
IVl'.lIA
---. MM
Molestia Ulcerosa
ca em seus principios constitulntes, e em sua
desde o Malaio al o Cancasiano.
E quanto a cor da pelle, diz o celebre Flourens:
c a cor da pelle nao depende de alterago era sua
organisagao ; e nada mais do que um simples
pigmento ou materia colorante, o que da pelle
das ragas humanas a diversidade da cor que se no-
ta ; sendo certo que mesmo no hornera, no verda
cor aria I) haja o menor enfraqoeciraento da parte do gamente destruida pela anarchia e irrellgiao da
poder primario, apezar da dioisibilidade !
Olhe se pela historia atravez os povos, e se devi-
sara' a vtrdade ; olhe-se atravez os res e ver-se-
na a realidad?.
Mas, a grande diBkuldade da sciencia de reger
es povos nao depende da boa ou m vontade, se-
gundse pode enferir do principio de Lamnnais
Curada.
deiramente branco, se o pigmento nao se esieode Gouverner, c'est toloir : nf m d > mtlhor em-
Total 12
Lisia dos estudacles de geomeiria chamado;
a exame no da 23 do corrente :
Plenamente...... 4
Simplesmente.... 4
Reprovados...... 4
Total 12
O Novo Banco de Pernambuco ora em liqui-
dagao, convida aos possuidores de soas notas a
irem troca-las, no proprlo estahelecimenlo.
Lotera.A qae se acha venda
a 4G.a, a beneficio das familias dos volunta-
rios da patria, que corre depois de ama-
nba.
da parte
RKPAnngo da polica.Extraio
do dia 26 de novembro de 1867.
Foram recolbides a' casa de detengao no dia 25
do cor ente:
A* ordem do lllm. Sr. Dr. chefe de polica, Fran-
celino Doria de Lima e Jas Francisco das Cbagas,
viedos do termo de Pao do Albo, como recrutas.
A' ordem do subdelegado de Saoto Antooio, Igna-
cio, escravo de Antonio do Couto Vieira, por em-
briaguez. A ordem do de S. Jos, Malhile Lulza
de Albayde Moora, para correego.
O chefe da 2* secgao
/. G. de Mesguila.
Casa de detenc;ao: Movimento do dia 25 do
corrente :
Exstiam presos 281, eotraram 4, sahiram 6,
exis em 279: a saber, Dacionaes 193, mulberes 3,
estrangelros 35, mulber 1, escravos 44, escrava
1. total 2C9.
Alimentados a custa dos cofres pblicos 210.
Movimento da enfermarla do da 26 do correnle
mez :
Te ve alta :
Vicente da Costa Soares.
Passageiros do hale brasilelrq Rio Grande,
viudos do Rio Grande do Norle :Dr. Horacio
Cosa Vidal e Manoel Joaquim Arroda.
Cbmiterio publico.Obituario do dia 26 de
de novembro de 1867 :
Frei Jos de Santa Leocadia, Peroambaco, 60 an-
nos, Samo Antonio ; anazarca.
Manuel Jos Rodrigues Alves, Pernambnco, 20
anuos, solteiro, Recife ; hydroperlcardia.
Antonio Jos Freir de Andrade, Portugal, 17 an-
uos, s ilteiro, Baa-Vista ; pneumona.
Manoel Fernandos, Pernambuco, 52 anno;, solteiro,
Boa-Vista ; hepalile ebronica.
Feliciana Mara da Conceigo, Pernambuco, 26
annos, solteira, Boa-Vista estopor.
Maria, Pernambuco, 3 annos, S. Jos ; convalses.
Mara, Pernambuco, 4 meze?, Recife ; syphilides.
Maria, Pernambuco, 11 das, Santo Antonio ; pbty-
sica.
Manoel, Pernambuco, 4 ancos, S. Jos ; desynterla.
Marianna, frica, 50 annos, escrava, Bja-Vista ;
gastrite.
Ignaeia, Pernambuco, 20 annos, escrava, Boa-Vis-
ta; alienacio mental.
Mana das Neves, Pernambuco, 120 annos, solteira,
Pogo ; velhlce.
geralmente, existe com tudo em varias partes co
mosejamas aureolas dos seios, nos orghos se-
xaaes, e oa face posterior da iris e processo* cilia-
res (nos olhos) >.
De maneira qae a differenga material de ho-
mem a hornero, debaixo do ponto de vista da cor,
depende absolutamente da quantidide ie pigmento,
naturalmente commura a todas as ragas ; e tacto
que das influencias climatricas, as diversas re-
gies do globo, provm tambem essencialmenle a
differenga na cor das ragas bumanas. Pelo menos
Buffon desta opinio; e assegura, quande elle
traa de firmaa a unidade da especie pelas leis ln-
variaveis da propagagao, que a differenga na cor
esl dependente dos climas. Des que, diz Bu/fon,
l'homme commence ehanger de Ciel, et qu'il
est rpindu de climats, sa nature a sub des alte-
rations.
Esla proposlco, estando de harmona, com a
creago do homem, segundo a verdade das Sagra-
das Escriptnras, a mais robusta prova contra os
caprichos do materialismo e do erro.
Oagamos agora a Blumenbacb, quanto a configu-
ragao do crneo e ngulo (acial, constiluindo funda-
mento, ao parecer de muitos, contra a unidade da
especie humana. Assim se exprima o profundo na-
turalista em sua obra IntituladaDecades coilectio-
nis suoi craniorum : tO oval do crneo, o frontal e
o nariz mais ou menos saliente, e a face pequea,
na raga caucasiana; falla de oval, o maxilar su-
perior saliente, a fronte para traz, o nariz achatado,
no Etiopia; a face larga, o nariz chalo, os olhos mais
oa meaos obligaos, a maxila inferior mais saliente,
no mongolo; nada disto fere a unidade da essecie hu-
mana. Ao qae acrescenta Flourens: Nao nem
o volame da massa cerebral, nem a forma do cr-
neo, nem o ngulo facial, nem a cor da pelle, qae
podem estabeleeer preeminencia de raga a raga de
homem a homem. O que faz nossa essencii, o que
nos somos, nossa alma ; esta alma a mesma em
iodos os bomens. O (undo das nosias ideas e mes-
mo de nossos senlimeolos, e essa identidade de
seminamos e de ideas, esses como que ceiros de
peosamentos, servidos pelo feliz dom da palavra,
o que conslitue a igualdade moral entre todas as
ragas humanas. Aiiciine n'tst fondee s'attribuer
une supremalie sur les autres.
Indubitavrl, pois,como o que dea dito, em que
se podera fundar a primazia dd uns hom ,-ns sobre
os ouiros, pela coosauguiuidade ? Quera nao v
que, a dominar a bronca primazia da materia, em
um povo comporto de individuos de cores e ragas
diversas, este povo conservar sempre ero si o ger-
men de seu atrazo, e de sua decadencia moral ?
E que epilbeto merecer o governo que em vez
de empenbar-se em espancar a primazia do sangue,
entre um povo ebrislao, e catbolico, ao contrario,
acercndose dia a dia, e de raais a mais, de urna
boste de mameluco?, qoal amigo baxa do ligypt),
procura ostensivamente Urmar-se nella, para mais
forga ter a de que elle se ufana ? O de indigno de
sua patria I Veaeno de spides lera sempre debai-
xo de seos labios para malar os inimigos de saa
primazia I.... E fallacia incessante ser a arma
poderosissima, com que, no meio da igoorancia ge-
ral, que uao cessara de entreler, firmar a paz de
que tanto carecer mais para si do que para o bem
publico.
Entao nao ha escolba entre o rgimen monarehi-
co e o regimenrepubcano,seume ouiro aviitamo
povo, cojosdestinos presiden, conservando, entre o
elemento servil, a aristocracia discriciooaria. Que
dio I Mais delesiavel aioda o rgimen, que sob
as roupagens da igualdade o da fraternidade, que
sao as da repblica, firma na primazia da pelle
humana a superioridade moral, na ordem social.
Em um tal rgimen olo ha certamente patriotis-
mo, porque nao ha unidade de seoiimeatos: nao ha
liberdade porque ella se seiva na escravido, e a
liberdade social nac pode estar onde impera prima-
zia de sangue ; s poder haver forga, egosmo-,
resistencia de mais as mullides contra mullides,
forgas matsriaes cootra torgas raaleriaes; em afron-
ta muius vozes ao esirangeiro ou pela usarpago
cooverlida em direilo, ou pela viogaoga com o no-
me de fustiga, cu pela tyraooia simulada em li-
berdade e patriotismo.
Em todo caso o germen da destruir.> moral de
loJcs est em si mesmo e em cada um ; este ger-
men o raocor das ragas entre si, e o peior de lo-
dos, por que occnlto, implacavel e insidioso.
Erofiro, dos paizes, em cujo estandarte nacional,
logo abaixo do emblemarepblica, liberdade e
fraternidadebem as claras se divisa um ponto
negro que exprime estas duas palavrasescravido
primazia de sangue; um tal estandarte mais
urna affroota Deas, a raza j e moral, do que
um symbolo serio, digao de respeito e veneraglo ;
afronta que, p r mais que se tente encobrir com
as lentejoolas da Indostria, e as fganlas de urna
civillsago mtramente mercante, sobresane, aos
olhos do pensador e do moralista, como ama gran
de nuvem negra aos do vigoroso nauta, ameagado-
ra, ao nascenie, de grande tormenta. Esta nuvem
a desgraga sempre temida, sempre esmagadora :
ou a expiragao da maioria de um povo presies a
cooqustar os dlreltos do homem ; ou o fumo da
agona de nm oa mullos milhoes de seres esgana-
dos pela dextra fatal do despotismo edacado e el-
vilisado.
repblica.
Sim : naqnella epocha fatal, a razio humana
desvairada tentn malar o Verbo Divino, e foi
guilbotioada. Ao lempo que a prostituta, as lamas
de Pari3, facciosa e cheia de si, debatia-se para
vencer a Croz, e-ta em si mesma, em sna fulgu-
rante humildade, gioriticava-se 1
E' e melhor poltica aquella qae, senao apartando da
sao razo, segu coiJadosameBteos principios inal-
teraveh da religiao.
Entretanto, a Providencia tem seas instrumen-
to visiveis e iavisiveis, de qae to sabiamente dis-
i.03 em saas acgas. A Franga, depois de ba-
nbada em sangue de sea- lilbos qaendos, tlnia ne-
cesridade de um homem que flrraasse a' Cruz no
mesmo lugar d'onde a repblica em delirio a ha-
via arrancado ; e de mais outro que a esse divino
symbolo perfuraassa de aromas e o apresentasse ao
povo todo cheio de respeito e voneragSo. Este foi
prego da razio geral,segundo uns primitivamen-
te, razio divinaunnifestada pelo lestemunbo ;
ella esta' toda no principio de execugao de boas
lels, que slo aquellas qoe se barmonisam com a
naiureza dos povos, sua religiao, e maior ou me.
or grao de civilisago.
A vontade sendo absoluta, da' em resultado a
torga, a servido, as reiteradas rearges inslincli-
vas, ja natoraes e ja calculadas. Ptier sous la forc,
c'est l'esclavagt; obcir des lois c'est la soctel.
(Diz L.) Esta verdade vem em apoio a necessidaJe
dodesenvolvimento da razo geral caltivada, e da
f para i'as institaic's para o fim de se harmonl- Chateaubriand, aquelleNapoleao ; este o grande
sar o imperio da li que, repito, nao pode ser a poltico, com a pon* de sea gladio, a reconstruir a ,
vontade de algaem, cora liberdade e ordens. A grande nagSo; aquelle o celebre escriptor, a bar- i
vontade absoluta s compativel com o Ser; rnonisar a sociedada pelo chrisllanlsmo. Eaobrai
Supremo]ue Eterno e invariavelcom o bo-' prosseguia, quaodo a Providencia dlsseNao mais 11
nit-mnlo. A venale humana, contiog*me, por I Mas, a historia sempre insuficiente paraos]
Isso mesmo que humaoa, nimiamente fallivel, e-! republicanos: pouco. aproveltam-lhe os exemplos
geuera em tyrannia, se choga a ser representante1 por mais qae abandem. Como Judeos. anda que
do poder absoluto ; e necessariamente anarchia lenham a vista os arcos trinmphaes de Tito e Vas-
se elle parte das muliidoes. pasiana, monumentos de sua ruina, aina que con-
Qual pois, o systema de governo mais corapa- vencidos da Impossibtlidade de sna le,nao se con-
tivel eexequivel 7 vertem ; e Dermanecem em snas crengas como os
Como quer que seja, o que ceno qae para Turcos, os Taaros eos Herticos em sua re.i-
Communicados
Da orgem primilira do reijimen dos poros e dos
Cirilos perniciosos do poder, quaodo elle ran-
dado puramente na rato geral das mullides.
O orgulho selvagem e dominador
procura elevar se cima de tudo.
A modestia, contente dt si mesma
nao procura r.em escravos nem sub-
ditos. Ella ama a paz e a offerece
a todos os amores proprios : a ci-
visacHo da sociedade.
(LAMENNAIS).
VII
A de;igaaldade social entra os heneas, firmada
De todos os syslemas polticos o mais anmalo e
infundado sem que davida baja, o chamado
republicano; por que nao o resultado da razo
praica, da eiperiencia, e de seria meditadlo. A ra-
zo susceptivel, como cada urna das (acuidades
bumanas, de exciameolos perniciosos de desvos,
e mesmn do verdadeiras aberrares : anda bem
qae os elimos do desvario, do erro ou das pai-
xSes, n.o oVsconceitaam de modo algara aos da
recta razio, que nada tem com a desordena, e auir-
cbla.
O pelor que os demagogos republicaoos sao
semire po<" domis inconssqaen'es, quando exi-
gem dislates pela liberdade, lamo qaanio pela
igualdadp; sendo porm real que aquellos que mais
clamara pMa liberdade tornamse della os mais
acrrimos inimigos, concentrando em si lodo o po-
der discriclonario, s? chegam a conseguir am dia
derribar o ransmi p^der. Ut imperium evertan!,
libertatem preferini \ H perverttrint, Uterlatem
ips amaggieiieatur.
haver ordem social, progresso e estabilidad?, o go- glo.
verno no pode deixar de ser o personagem da le.i,
o principio de sua argao e execego, a suprema
aotondade, que translorma cada lrttra da lei em
um vigilante soldado, guarda da vida, da honra,
da propriedade, dos direitos de cidadar, e da or-
dem social.
Sem governo nao pode baver autoridada ; sem
aoiorldade nlo pode haver Bem governo nem or-
dem, uem liberdade de qualqner oatureza que seja.
E a liberdade permlsso de fallar, de escrever, de
obrar : o movimento physlco e raelbodieo, a di-
recgo moral em lodos os sentidos; a cojo desem-
penho torna-se indpensavel a harmona, que a
ordem bem estabelecida, llrm*dana lei, que exe-
culada pela mesma auloridade.
Porlanto, desde que se cogite era obter das im-
palses naturaes o Inslinctlvas das magas, de um
milbo decab'gas hamanas, cada qual com sua
idea, cum sea ideal, com seo< principios, cm suas
paixis, cara seus m^ios e fias ; nao um ou outro
pheuoraeoo umversalmente proficuo e com que
providencial, m-is um governo estavel, a ordam
lix, a aotordade legitima, a liberdade regrada, o
progresso exoquivel; ou antes, desdo que si pense
em faier seguir carreira enormissima uo, mesmo
atravez fortes vendavaes de que aproove os ele-
mentos cerca-la, c:>mo os homeos a natureza de
qnanta paixo existe ; em deixar a merc de ama
mullidlo de mos, a am lempo a manobrar, sea
grosso leme, em vez de ser est < objecto nico dos
cuidados da mais robusto quanto gil e experi-
mentado marinbeiro.eomo o mando della a mais de
um lulelligeute piloto cm pouco desordem di-
rectora succedera' o sossobro e o cataclysma.
f Comme la pluparl des citoyens, que ont assez de
suffisanee pour lire, n'en ont pas asses pour lre
tus ; de meme le peuple, que t assez de capacite
pour se faire rendre compte de ta gestin dez au-
tres, n'est pas propre a gtrer parlu meme. Diz
Montesquieu. >
De faito, a soberana do povo convartida direc-
tamente em rgimen, isto sem harmona com
outro poder, aioda que delegaco dalla, absoluta,
reduzida a vontade, urna se feroi; a anarchia
decidida, pelo scepticisrao : urna especie de ser,
qae depois de recusar toda crenga ao teslemunbo
da ra7o e da )ustiga, como Parmende nefata ao
lestemunbo dos sentidos, contesta a lantidade da
Cruz ; emfira o improviso das mullides em as-
somos de patriotismo, que multas vezes slo impui
sos de vivas paixss ; sao as metamorphoses infi-
nitas de um povo inieiroo ideal fra do bello, e
do til, a autoridade tnonstro de urna inflnidade de
cabegas e ignal quantidadede linguas e bragos. a
sentenciar e a decepar a am tempo legies de ho-
meus. _
Dantoo, Marat, Robespierre, Roland, La-Fayatte,
Brissot, S. Just, Pauis, Varenoes, Collot de Herbis,
etc. Cada ama desias cabegas elevadas, multiplica-
da e convenida em urna ruoltido, a govemar, a
decretare a executar em um dia.....e a cahir
urna aps oolras. no dia seguate, em holocausto
anarchia.... derara ao mundo o raais assomhro-
so espectculotypo de orna repblica1792 1....
U scepticlsmo poltico, e a irrtligilo, no pensar
de J. Gaume (he esla a pura verdade) pondo os
pos a frenle de urna revologao provavelmeme ne
cessaria, e que poderia ser esplandecente em vez
de medonha!; qne naturalmente surgindo dos acn-
tecimentcs nao careca raais d> qae, de am sopro
providencial, prodnziram pela desenvoltura e pre-
cipitacao das paisoasum cataclysma de sangue.
A fuga de um re, qae nao devena indignamf n-
te expiar pelas culpas de seus predecessores, sua
prislo.sua volta Paris, depois de ter fogido, sua
qaeda do thronoa pbysica, porque a moral ja es-
lava dada com a fagaseas Incrlves martyrios,
e afloal saa decapitagio, foi lodo obra da razo ha-
mana desvairada contra a f e a religiao.
D onet nao foi, pois, o homem providencia, foi
o genio do mal : sem elle a cabera de Laz XVI
nao teria rolado do cadafalso ; e muit) sangue te-
na sido ponpado Franga. O perdi ao re leri
salvado a-repblica, e por algara lempo mais.
O certo que a bandeira republicana foi logo
arvoradaem Paris; mas entre algazarras proprias
de Mouros ao travar M peleja, de qoe entre ap-
plausos que raraclrisam um povo civllisado. A
ssa repblica, cuja prmeira victoria consisti era
dilacerar ou estrangolar um re, que nao era por
certo o tyranao da Ethiopia, aeompanhoa o fileno
aoaiqailameato da ordem, do principio da autorida
de dos direilos do cidadSo e da propria libertarte,
que foi substituida pela llcenga mais desenfreada.
Eatlo a demago,ia farajando saogue, depois de ler
assassinado o nipois semore assassraato sr
rancar-se a vida aquem nao fez crirnee a q an-
tes foi apanbando n* rile do exterminio, co oo o
Bino de Urano, comegu a devorar seus protirijs
lho, um a am, ^r.tre os appiausosda repuftiical
Nesses das fa(ao3 nrasrus-ra quera obedecer,
mas tv' -u-nser nbdecilos; e o terror que
nsplrav o Imperio da lei peb ooder da antorida
de, deulug^ra quJ os partidos, mal rcoanh'
ciam era algum, ain3a qa losse do solo dos pro-
(Continuar se ha.)
Publicacoes a pedido
Twlns aquelle8 que so acli^o aotOfl 8of-
frer molestias serofnlosas, ulcerosas, ovi syphi-
liticag, anda mesmo as reputadas du peior
naturzk, aponns necestito ilo l-r o' sogunte
caso maravilhoso, para que se sintHo inteira-
men-tn coivoncidoe que a sua propria cura,
nao s meramente poseivel mas sim absolu-
tamente certa.
J->ao Jos FEnnF.rua Babpoz,, res;dent
na L'ldade de Maranho, tinlm todo o sen
norpo coberto do cliagas u'cerosas, e durante
algunos annos se acliava debaixo do tratamento
de mdicos os mais afamados, tendo usado
durante todo este tempo quasi toda a especie
de medecinas que em taes casoe empregadm
pela faculdade medica, pore'm debalde sem
obter o menor beneficio ou alivio: acliando-se
pois cm taes apuros elle finalmente resolven-
te, depois de repetidos e baldados esforgoa &
fazer uso da)
Acabamos de ler no jornal Correio da Europa
de 23 da cutubro prximo fiado, urna carta dirigi-
da desta para a ci dade de Lisboa ao lim. Sr. Alba-
noGm'.iaho, oa qual sea autor, exaltando os ser-
vio s prestados por algnos Portogaez^s aqui resi-
dentes, censura o respectivo governo pelo indiffe-
renlisrao com qne lera rpeebido e deizado sem ga
lardo to importantes servlgos concloindo por
pedir a maior poblcldade para a sua caria e para
os Domes dos seis Portugueses qua elle julgi mais
dignos de ser galardoados.
Mas quaes sao esses to precootsadrs servigos ?
E' o que cuidadosamente devena indagar o lllm.
Sr. Albano Coulinho, antes de fazer publicar a car-
ta a que nos referimos ; antas da dirigir censuras
ao sovein) porlogez, que se s merece mais pe-
la facilidade com quo tem concedido distincgoes
hoooriSicas a algoo* Purtuguezes de Peroambuco
sem Malo algum de b?ntmerencia.
Algumas subscripges pira acudir as vitimas
da fome e da peste no nio e as ilhas? Mas is-
to nao mais do que o romprimento da duplo de-
ver que nos impa a lai do Gtr Mo e o amor da pa-
tria, e este duplo dever sendo como innato no
eoracio de todos os Portugnezes, prodoz os seus
salntares efftos, sera qae seja necessarios o in-
centivo de vaidosas recomp-insas.
Afuolagao esnslenlagao dos doasestabeleciraen-
tos portuguezes, gabinete e hospital T Mas isto
arada o fruto da caridade christla e do verdadeiro
amor da patria ; tolos os que coocorrem para a
suslentaga destes estabelecimentos bem como a-
quelles qua os administrara, do-se por muito bam
pagos com os bens que dos mismos resallam :
instrogao e re:reio para us, abrigo, coasolago e
disvello de traiamento para outros enfermos pobres
e desvalidos.
Eis aqu os asslgnalados servigos, pelos quaes. no
pensar do missivista e no do lllm. Sr. Albano Cou-
linho, deve o governo portaguez fazer chover ttu-
los e condecorages sobre a colonia portogoeza de
Pdrnamboco I \0h tmpora oh mores I N'oatras
eras sahia da Lisboa para a ludia um governador
levando tres habitas de Cbristo para retribuir a
aqaelles que mais ss destingaissem d'euire os mal-
los Portuguezes que era trras longinqoas cora ini-
raitavel valor derramavamsea saague pelas glorias
da patria.
Seis sao os oomas qae o missivista menciona e
o lllm. Sr Albano Coulinho publica e era abono da
verdade devemos dizer, qna alzans delles perlen-
cera a cidados portuguezes ainda raais respeitaveis
por suas virtudes eivicas do qae por suas elevadas
posigoas commerciaes; elles esto sempre promp-
tos a desembolsar e a promover sabscnpgoas por
eotre os seus coocilados a bem das cousas da pa-
tria ; mas por coohecarmos o nobre caractar des-
tas cavalneiros nao duvidamos afflrmar qua o fa-
zem com o maior desmteressc.
No entretanto olvidam-se os Bornes de outros de
igual mrito e Incluem-se os de algaem qua nada
tam faito, e nem capacidade pira alguma cousa fa-
zer de utl!.
Naste numaro entra provavelmeme o nome do
missiv^ta, que a so obra dos outros quer ver se
pegara as bixas. K sempre assim, os que pouco oa
nada fazem, sao os quo alardeara servigos, e se
julgacn com direlto s recompensas.
Proceda o lllm. Sr. Albano Coolinho a orna mi
nociosa indagago e coubacer que dizemos a ver-
Procure o governo portagoez Informarse por
seus agentes, antes de qoalquer procedimenlo a
respeito destes negocios, aura de que nao venha
por ahi ama nova edigo de commeoiaderes, taes
como, Regs de Sonza, por ter fundado em Per-
nambuco um hospital para Portugveies pobres.
Saio tambera o illustri-simo seonor Aloano
Goutinho que suas pobiicagdes era tal sentido,
produzera o effeito contrario do qoe S. S. dase-
ja, se qae deseja a concurrencia pecuniaria dos
Portogueies aqn residenta a bem das eousas da
patria ; e a razo qua ramios dos nossos compa-
triotas, ittribainio essa fome de recompensas aos
ajreo'esdas sutecripga?, escusam-se a ubscrever,
porque, con quanto Ihes sobre patriotismo, repug-
na Ibes o soi vir de instrumento para a realisa-
cao de pr< t-ag5?9 vaidosas.
Cooclumdo, peumos ao Ilira. Sr. Albano Coui-
oho mais circumspeec" nestes negocios e ao go-
verno portuguez, quo nao atienda aos escripias de
dous ou iras tolos pretenciosos, qae alardeanlo ser-
vigos qao nunca presnram, querera fortton ln-
v-lvar teas nomes, que nada sigalUcaa, com os
mm^s de pissoas respeitaveis.
Ceriificamos-lUes, qua maioria dos Portngao^
zes em Poruambino se alguma c rasa fazeai a bem
Ja pan a, ssmpre com o maior desialeressr, no
voce, ellos dizem. com o seu poeta
!<
DE BRISTOL.
No todo elle upenat cliegou a tomar Cine
larruiks de Salsaparrha quatro fra-cos daa
Pilulit Vegetad Ass'tearada, e o r.*ultado
foi elle obor una completa e perfeifa cura.
Os Sefirs. Fkiii'.eika 5: Ca., Droguistas de
Maranbio, foro quem supprirao 09 medies
mentos, e acho-ee perfeitamente ao faca
d'este caso, e o# meamos Senliores, nao s se
aco promptoa confirmar o mesmo, como
tainbem em fornecer o actual adresso do Ser.
B.m:i;oza, toda e qualqner pessa quo por
ventura se desr-j informar da verdade.
R"commarticularmente aoa
Dot-ntes que tenlio o maior cuidado na escolh
deste exeellente remedio, nao usar.dT outro i
nao ser a Genuina Salsapanilha do BristoT,
a nual i esclusivamente pre]>arada poi
LANMAN&KEMP,
De NOTA YORK,
todas as mais sao inefieazee e de nea
prntimo
Faltara ao mais sagrado dever, a gralidao, se
por veotara hoje qae me acho restabeleeido da en-
farmidade, que atacaado-me a uretra me prostrou
na cama, nao viesse pela imprensa manifes.ar ao
lllustre e digno mesire. da sciencia o Sr. Dr. Jlo
Raymundo Pereira da Silva o zlo, desvello e de-
dicaglo sem limitas com que me aeompanhoa du-
rante o curso da ralnha enfermidade.
Homens como o Sr. Dr Joao Raymoodo, gi-
nham as bengijas da humanidad.! pelo acert das
curas e pelo evaogeiico do trato ; para elles sao
poucos os encomios, e sempre maito o reconhe-
cimanlo, que de ordinario flea sampre no corago
porqae ao menos eo, nlo tenho nem tere nnnea
expressas com que possa agradecer os beneficios
que me dispensen o Sr. B-r. Jlo Raymundo.
Certo de qa<", tratamentos como os qoe recebi
do digno doctor nao podem ser pagos, peco ao
meo dedicado assistaote que descnlpe o pouco qae
Ihe pade dar, e qua accredite no recoobeelmento
cora que estare sempre possuido pelo procedi-
menlo delicado e generoso cora qae aecudia aos
raaos reclamos, estendendo anda sua mo bemla-
zeja e scientifica para ama oatra pessoa do minha
casa a quem S. S. tambem traloo.
Agradego do intimo da minha alma, e com toda
a effuso do sentiraen'o ao Ilustre dout< r o alivio
qua me dea nos dias em qae a molestia mais se
agravoa, e pego a Deas qae contine a encher
com a sclaacia divina a otelligencia | to ilus-
trada do Sr. Dr. Joao Ravmuodo, a quem devo a
minha sade ; e aconselbo qaem quer qae se
veja as circunstancias en? que en rae vi que re-
corra ao mesmo Sr. Dr. certo de qae elle Ihes
proporcionar promptos, os recorsos da sciencia.
Recife, 25 de novembro de !867.
Luis Moreira da Silva.
IIM I
Agua de lio ida de Hurray e La li-
man.
Que os poetas embora fallera dos ares
odorferos da balsmica-Arabia, porcia
apesar de tudo pode-se muo bem por em
duvida, se jtnais algum desses florcscentes
bosqoes de CanneUeiras ou Laraojaes pro-
duziro ou derramarSo incens c perfume
mais refrigerante e deleittvel, do que aquel-
le delicioso e delicado aroma que exjala e
dimana desta admiravel Essencia, colhida
Jos campos virginaes de Ftora. A atttos-
phera, a qual rouba edWeste a fragancia a*
quasi todas as mais aguas cheirosas, parece
produzir bem pouco effeito sobre a exquisi-
ta raridade deste aroma, a qual pertence
por excellencia esta pneparaco sublime e
refrifteranid. Ella encerra em si, por assim
dizer,ocondensado respiro e vida das flores
as mais exquesitas e odorferas ata reino

I UGKL


-*. toara letra t de \o\c rubro de 1667.

a_
vegetale sua fragancia parece inexhaurivel,
inesgotavel,. mesmo depois de ter sido ex-
posta nma prolongada evarjoracSo ou dif-
fuso. Neste respeito ella se assemelha
original Agua da Collonia de Faria, e
preferida por toda america do sal e as
Antilhas, n3o obstante o valor e custo do-
brado daquelle outro perfume.
( Reparai bem que os nomes de tMor-
ray e Lanman, se achem inscriptos sob ca-
da envoltorio, letreiro e at mesmos embu-
tidos no proprio vidro da garrafa e na falta
dos mesmos toda amis falsa).
Acba-se venda as pharmacias de A.
Caors, J. da Conceic3o Bravo 4 C, e P.
Maurer A G.
A publica.
C)08Undo rae que Ilegal e arbilrariameat* en-
donara, llludindo a boa f do Sr. Dr. chele de po-
lica, prenderem-me e maodarem-me forjadamente
par -ton desta eidade, venlre pelo presente de-
clarar, que protestare! enrgicamente contra qual-
quer arbitrariedad ou violencia que venba a sor
(rer, visto ser maicr de 24 annos de idade. e no
(oso de meas direitos civi, como manda o deereio
de 31 de uolubro de 1831.
H ten presente para que, dando conbectoento
do facto s autoridades da capital, ella nio possaro
para o fntnro allegar ignorancia.
Recife, *6 de novembro de 1867.
D. Imiz de Souza ia Stlvetra,
Bstodante do S' aono.
PR0TECT0R4
DAS


c
um
arroba
O abaixo asslgnado, agente da PROTECTORA DAS FAMILIAS aMoeacio de b^Mm
sobre vid, autorizada por decreto de 13 de juuho de 1864 e gerlda pelo banco Rural e Hypolhecano
da corte, wm a honra de chamar a alteocae de V S. para o regolamento, inserido neste Diario de 5
e 26 do correte coja leitura e estado orientara* a V. S. sobre as vaotageos qoe tal instituido ogre-
ce as dnas grandes operares que ella lera por flm a creacao de capitaes e & creacao de renaas
(Arl_ 2* do regolaroenlo),- as quaes poltra ser etleciuadas separada ou simultaneamen e.
A creacao de capital o lea-se pelo augmento wogressivo do juro que elle P0^*""^'*,
mente capitalisado, e pela addicao das quotas da heraoca correspondente aos capliaes dos contratos, cu
ios segurados falleeerem antes do sen prazo. <
As contri buicBes destinadas a formacao de capital ou a de renda, podem ser feitas por nma
vez (nicas), ou por prestacSes annuaes iguaes (aenuidades). Art. 4. < aniMlt annnje
A seguinte tabella ra islra os resultado? provave.s que se conseguem fazendo entradas annuaes
l0Sodo_esses clculos aquelles resultados augmenta de 20a por -,., quando a entrada, em {^ J^'"^ g
de angue em toros
dem fina.........
Caf bom........ *
dem escclba ou restolho ,.
dem torrado.......libra
Caibros.........um
Cal .......... arroba
dem branca......>
Carne secca (xarqoe) ...
Carueiros........um
Carvao vegetal.....arroba
Cavernas de sicupira orna
Cera amarella......arroba
dem de carnauba em broto libra
llera dem em elas.....
Cevados (porco)......nm
Cb..........libra
Chirotes........cento
Cocos seceos.......
Colla......... libra
Cooros de bol, salgados ... <
dem seceos espichados ...
dem verdes.......
dem de cabra cortidos um
dem de ooea......
Doces seceos.......libra
dem em gela oo massa.
dem em calda......
Eoxams ,.....nm
KspaDadores grandes.....
dem pequeos......
Esteiras para forro de estivas
de navio........cento
Iden de carnauba.....urna
Estopa nacional.....arroba
Farinha de mandioca. .
dem do araruta ....
Feijao de qualquer qnalidade .
Frechaes .......
Fumo em lolha, bom. .
dem ordinario ou restolho.
dem em rolo bom..... >
dem ordinario ou restolho i
Gallinhas........tuna
Gomma.........arroba
Ipecacuaaha (raz).
7*000 do convocada para o da 14 do corrate, mu, como Santa Casa como senhor do dominio directo de dl-
71000 i ante (Ora eonvoeada para o da Ia de outobro pro- tos terrenos.
6*500 timo pateado, qoe tambera foi dissolvida por se Ra da Roda.
440; verificar de aatbas as ve es a bypothese du art 8* Casa terrea n. 11.Antonio Ferreira Braga.
360 do decreto n. 693 de 31 de agosto de 1880, forana Idea dem n. 15.Jos Leopoldo da Silva.
4001 promptos e assduos em comparecer aos trabamos Sobrado n. 17.-D. Emilia Carolina Madelra Fer-
580 preparatorios da mesma sessio os jurados se-
3*800 guiles : ......
" Capillo de mar e guerra Hermenegildo Antonio
Barbosa de Almeida.
4*000
1*6001
3*500'
6*100
320
vez de annual, feia de orna vez.
Idade.
Por obeca de 1 ciianca de 1 dia a 1 anuo
> de 1 de 1 a 2 anno?
> de 1 ? de 2 a 3
i de 1 > de 3 a 4 >
> de 1 de 4 a 15 >
de urna pessoa de 15 a 20 >
> de > > de 20 a 30
> de > > de 30 a 10 >
de de 40 a 50
Einii anuos,tm 1U aunes
l:t0*.0on
90O,'.O00
80i *000
860*000
860*000
860fiOi 0
860,50iiO
8605000
9005000
I
4:000fiO<0
3:000*0ii0
2:9O0*0O>
2:8iHI*00
2:700*('00
2:700*00'!
2:70t'*')00
: 700*000
3:000*000
EnilSan
9:0110*
7:30)*
7:100*
7: tOO*
7:0004
7.000*
7:100*
7:i00*
7:500*
.i 20an Em 2an
20:000*
17:000*
I6:0oG*
15:600*
15:500*
t5:40f*
15:600*
i 6:000*
18:000*
47:000*
;<7:0005
35:000*
34:0004
33:300*
33:300*
34.(00*
37:0005
50:000*
um
e.nada
Urna contribuido nica do 2.500*000 por qualquer numero de quinquionios cuata 2:628*'OO
a s ter :
Contribuida. ......... 2:500*000
C.mmls?o de.5 por *|. sobre 2:500*000 125*000 (art. 62)
Apolice........... I#000
Sello a fazenda nacional...... 255(0
R..... 2:6285500
E mais 1 por (. sobre 2:500*000 por cada mez decorrido desde o ae julho de 1865, na for-
ma do art. 13 do regulameoto.
A mesnoa cotribuicao de 2:500*000, seado paga em prestadas anuales casta os mesmos
2:625*.i00, s-ndo pagas no acto da 1" prestacao a-; d-spezas do gesta*, e nos anaos seguintes a anoui
dade simplesmeote. ,___.
E neste caso a multa de 1 i. ao nuz couta-se somente sobre a 1" anouidade, devendo as se-
guintes realisar se em dezembro dos annos consecutivo1!.
A creacao de reodas opera-se depositando na .issociaco pir orna s vt, ou tarabem .por ant
dades, quantias qua accumoladas produzam, de ce/to lempo era diaote, e depois annualrr.ente,
renda.
E esta operaco vem em auxilio tarab-ra d. f >rraacj de capitaes, acerca da qual muitos con-
tribuimos se pre ccupaio, temenJo o< poder coutiauar por um largo prazc o paga Tiento de annuida-
des precisas para que o> >eus beneficiados venha'o .'. a'cangar um bom capital.
Mas tal preocupacao, ou diffleuldade, de.-ap;iarece desde que o Conlriboiote puder assegorar,
sem ct-pendeocia da sua vi-fa, o pagamento das 5 primoiras annnidades, e Qter laaibem um con ira lo
derenia, quede-de a liquidaca> do Io qaiuquuuio pnver, por demais, ao pagamento das asnulda-
des a que ett obrigado o cono -to d-i capital. C.m effeiio, figrese, por exemolo, um contrato de
2:50''* para creacao de capital por meio de prestacSis annuaes de 100*.
Para salisfazer as primeira< 5 aunuidad^ laucara' o contribuate mo de um meio qae nao ta-
lhe, aiu la p r sua morte, que jos! mente quaudo o sea b-neflciado mais precisa de recursos
E para egurar no fuiuro as 20 seguintes annnidades institaira um outro contrata de i: .0.5000
pagavi-l em 5 aonuidades de 3(0*, iue, permanecendo con-t.ntpm-ote aa Assoeiacao, produzira. des-
de a 1* liquldaeio, qae ha de ler lugar no correr do 6o aono, e onforme os clculos do Banco l'nia ,
e o pro-pecto da Companhia Tutelar, urna rendi annual dt 400*. eiuivale-oto ao cuadruplo do valor
da aii jidade que se lom u para base do coutrato de creago de capital.
<.' dcsembjlso a cffectuar sera, pul, o seguinte :
Para o contrato de capiial de 2:5005000
!!.' aonuidade..........10! 5000
Commissao da 5 por sobre 2:503*000 1255000
Apoliee............ 13000
Sello a fazenda nacional....... 2*5U0
Linhas e esteios
Mel ou melaco
Milho......... arroba
Os-os ,.....
Palha de carnauba..... moldo
Papagaios....... um
Pao Brasil........ quintal
dem de jangada...... um
fvcbury........ arroba
Pedras de amolar ..... urna
dem de filtrar...... t
Mem de rebolo......
Penas de ema...... libra
Piassava ........ molho
Pontas, ou chifres de vaccas ou
novilhos....... cento
Pranchoes de amarello de dous
costados........ um
dem de louro......
Rap......... libra
Sabo......... i
Sal.......... alqueire
Salsa parrilha...... arroba
Sapatos de couro tranco. p^r
Sebo em rama...... arroba
dem em velas.......
Sola em vaqueta..... urna
la boas de amarello .... duzia
diversas .......
urna ] Tapiocas ....... arroba
Tatajuba ...... quintal
Travs......... urna
Unhas de boi...... cento
Vassouras de piassava.
Dius de timb......
Ditas de carnauba..... >
Vinagre.........caada
Miguel Panto de Soma Raogel.
Clandiuo Benlcio Hachado.
Manoel Joaqoim Ferreira Esteves.
500 Dr. Joaquina Ferreira Chaves.
20*000 Francisco Antonio Pontnal.
8*000 >'>r. Joao Jos Pinto Jnior.
3*000 Hrculano Doarte de Miranda Henrlqoes.
4*0O9 Dr. Antonio Joaqoim de Moraes e Silva.
660 Henrique de Miranda Henrlqaes.
195 Francisco da Silva Miranda.
360' Manoel Francise de Carvalbo Paes de Andrade.
110! Jos'Antonio de Bnto Bastos.
380 Dr. Joaqoim Correa de Aranjo.
105000 Migael Germano dos Sanios Pereira Bastos.
1*000 Kelippe Beoieio Cavalcanti de Albaquerque.
360 Jos de Vasconcellos.
520 Domiogos dos Pasaos Miranda.
14500' Dr. Cieero Odn Peregrino da Silva.
4*000 Domingos Alves Matheus.
2*00i' Joaqaim Jos Silveira.
i Joio Pinto de Lemos Jnior.
16*000 Dr. Aprigio Jostiniaoo da Silva GaimarSes.
160! Dr. Lnii de Albuquerque Martins Peretra.
2*000 Dr. Manoel de Figoetra Paria,
alqneire 2*500 Bernardlno de Miranda Albuquerque.
arroba 10*000 Jesotoo Ferreira da Silva.
4*000 Dr. Sabino Olegario Ludgero Pinho.
5*000 Dr. Joaqaim Francisco de Miranda.
15*000 Ptrooino tos Santos Vleira.
8*000 i Manoel Pires Ferreira.
10*000' Antonio Machado Pereira Vianna.
8*000 Jos Cesarlo de Mello.
Uutrosim, foram multados as quantias abaixo
mencionadas, em rato de nao tercm eomparecido
n > respectivo tribunal, nem tambera terem manda-
dado em tempo escasa legilims, os jurados se-
guales :
Joo Tiborcio da Silva Guimaraes. 360*003
Francisco Antonio Ponioal Jnior.
Joaqaim Pires Cameiro Monteiro.
reir.
Casa terrea o. 19.Caplio Martins (morador em
Beberibe)
dem dem n. 21.Joaquina Pacheco da Silva.
dem dem n. 23.Antonio dos Santos Veira.
dem idem n. .-Ignacio de Sa' Lopes Feroao-
des.
dem idem n. 27.Fex Antonio Alves Mascare-
nhas. i
dem idem n. 31.Miguel Joaqaim da Costa.
dem idem n. 33 Bernardo Alves Piobeiro.
dem idem n. 35.Maria Francisca da Conceico
e Silva. ^
Sobrado o. 39.Herdelros de D. Joaquina Maria
Pereira Viaona.
Casa terrea o. 41.Paulo Marques e Antonio Fran-
cisco Macota.
dem idem o. 43.Filhos de Jos Rodrigues dos
Passos.
dem idem o. 45.Manoel Joaqaim Baplist.
Sobrado n. 47. Dr. Bernardo Pereira do Carmo
Jnior.
dem dem o. 4.Mosteiro de S. Beato.
dem idem o. 6.dem dem.
dem dem o. 8.Irmandade do Sanlissims Sacra-
mento de Santo Antonio.
dem dem n. 10 -dem idem.
12. dem idem.
18.Bernardo Alves Pinheiro e ou-
cento
1*000
4*000
25*060
95*000
3*000
125000
6*000
200
1*600
240
15000
55000
65000
5*000
12*000
Francisco de Paola Pires.....360*000
Antonio Jos Rodrigues de Sonta. 360*000
Franciseo de Oliveira Mello e Silva 340*000
Antonio Mana de Miranda Seve 340*000
Jos Gomes Villar.......3MSSS
Adriano Aogo'to de Almeida Jord5o 340*000
Baro do Livramento.........340*000
dem idem n.
dem dem n.
tros.
dem idem n.
dem idem n.
dem dem o.
idem idem n.
Antonio.
dem idem n.
raes.
dem idem n. 32.-Dr. Antonio Joaqaim de Mo-
raes e Silva.
dem idem n. 34.Manoel Jos do Amaral.
dem idem o. 38.Tutor de Francisco Goncalves
da Rocha.
360* 00 Casa terrea n. 50__Os mesmos.
360*100;dem idem n. 52.Dr. Joao Capislrano Bandeira
20.Anua Therea do Sacramento.
24Sabino da Cunba Fragoso
2J.Aotooio Ferreira Braga.
28.Irmandade das almas de Sanio
30. Joanoa Maria dos Santos Mo
-'eoitellameoto e planta, desecho linear e de aqoa-
lella.
Para pratieaotes.
Liogaa nacional e francez, arWmetiea, geome-
tra, as dnas e tres dimeosoef, algebra at equa-
c5es do 1' grao, deseobo linear e de aquarelia.
Secretaria das obras publicas 7 de outobro de
1867.
O secretarlo
Feliclan" RodrlgoesdaSva.
Santa Casa de Misericordia
do Recife.
A Illma. jnnta administrativa da Santa Casa da,
Misericordia do Recife. na sala de soas sess5es-
pelas 4 horas da tarde do dia 28 do correte, re-
cebe propostas para o foruecimento de po e bola-
chas que honverem de eoosumir no mez de dezem-
bro prximo futuro, os estabelecimeotos pos a sea
cargo, existentes nesta cldade e na de Olioda.
Secretaria da santa casa de misericordia do Re-
cife 22 de novembro de 1867.
O eserivao,
______________Pedro Rodrigues de Sonza.
CORREN) GERAL
Pela administracio do crrelo desta cidade se
faz publico qoem inieressar possa qoe nao se
demorando os vapores da companhia Men-ageira
Imperial nesle porto em seo regresso do Rio de
Janeiro, o tempo preciso para se fazer a expedcao
das malas coro dtrecrao a Europa, dando asslm
logar a que deixasse de ser devidamente proces-
| sadas, tem resolvido que d'ora em diante as natas
i se fecbem as 6 horas da tarde do dia anterior ao
I da ebegada dos mesmos vapores.
Admioistracao do eorreio de Pernambueo 18 de
novembro de 1867.
O adnrinistrador,
Domiogrs dos Pasros Miranda
>-ss
BB8
900! Jos Francisco de Barros Lima
340*000
800
1*000
25000
160
3*800
20*000
10*000
1*000
160
400
30*000
800:
5*000
75000
2*000
1405000
875000
35000
25OOO
6500
380
105000
8*000
6*400
800
Antonio Goncalves dos Santo?..... 340*000
Francisco Augusto de Araujo..... 340*000
Jjs Caetano Cavalcanti........ 3*0*000
Manoel Mart:nlano Leite...... 320*000
Francisco Antonio Pereira di Silva 320*000
Dr. Miguel Felippe de Souza Leo. 320*000
Jos Mendes de Carvalho..... 320*000
Antonio de Sa e Albuquerque. .32**000
Francisco de Paula do Reg Barros .
Manoel Cavalcanti de Albuquerque Lins
Jos Antonio de Oliveira e Silva .
Dr. Carlos Justioiano Rodrigus.. .
Jos Ignacio de Lira.......
Manoel Romo Correa de Araujo. .
1." Anoo.<
2.", 3.' 4." e 5.a axnaidades.
Para o contrato de venda de 1:500*000
ba a despender :
l." anouidade.........
Commissao de 5 por |. sobre 1:500*000
Apolice.....t.....
Sello a fazenda nacional......
e nos 4 seguales a 300*000.
228*500
400*UU0
3 )0*000
755000
1*1100
15500
377*500
i: 200*000
6285500
rxlhos esteiras; a Joo Ferreira dos Sanios
3005000
300*0 i0
300*000
300*000
300*000
3005000
300*000
300*000
300*000
300*000
300*000
30O5OOO
1:577*800
2.2050)0
Total despendido.
No co.'rer do 6* anno, e d'eoto em d ante annualmeote, recebe-se 4005 de r*oda, do contrato de
1:500*. da qoal e applicara' 1005 para a annuidadj do contrato de eapitai, fleaodo, portanlo, liquida
a quaniia de 300* al que aquel n contrato se rinde.
E findo que stja, ao cabo dos 25 annos, rec be-se por elle 47:000*100, fidade de i da a l an-
nqj e tem se recebido do contrato de renda a quantia d 6:0005 liquido- da aunuidade de 1005 a que
a sujriiou durante 20 ancos o contrato de capital, c ae, livr* deste onus, passa a renda a ser de
400*, e vitalicia, se se conservar sempreo capital de 1:500* na Associacao.
Taes sao au cr nsiderac5e.- deduccSe que resoltara do esludo que tenho feito sobre a materia,
e que me parecen dever levar ao conbecimento de V. S. ov qaem
Son aliento criado
Belmar.
No escrlptorio do Sr. Jo-iquim Jos Gon^lves Beltrao
ra do Trapiche n, 17.
EM LIQUID&C&O
nwm
InstruccSo publica primaria. Novo banco de Pernambuco
Regiment interno para as escolas publicas! Os Srs. accionistas podem receber o 3 o
de instrueco primaria deta provincia,, dividendo (em moeda correte) de 10 o/o do
Alfaadega de Pernambuco, 23 de novembro de
i 1867
Assigsado. O 1. cecfercnie, Francico de
. Paula Gwalvts da Silva.
O 2 c ufere&ie, Jcoqvm necio de arvalh
MendonQa.
Appruvo Alfandega 23 de novembro de l?67
Ar.lomo Eulalio.
Cuolonue. O 3.escripturario, Eutyclio Mon
dim restaa.
Iiuporta^So.
Bri;ue hamburguez Augusto, viudo do Rio
de Janeiro, manifestou o seguinte :
1000 saceos fariuba de Higo ; a Pereira Carnei-
ro & C.
Hi.4-> brasileiro Sania Rita, vindo do Araca-
ly, mLifi-tou o seguinte
21
Jnior.
27 saccas algodo ; a Engenio Goncalves V-
leme.
42 ditas dito ; a L. A. Siqueira.
24 ditas dito ; a Jrs de S Leite Jnior.
130 ditas dito ; a Gomes de Mallos & lrmos.
32 alqueires sal; a Trajano Aninnes de Moura.
30 caixas velas de carnauba ; a Antonio A. de
Suu/.a Aguiar.
29 saceos carnauba ; a J. C. dos Sanios Filbo.
Barca porlugueza Maria, vinda do Rio de Ja-
neiro, manifestoo o seguinte :
1 caixo charutos, 160 barriqainhas vasias; i
l. M. Palmeira.
3 ditos louca e vidros; a Thotnaz T. Bastos.
200 barriquinbas vazias; a Luiz Jo; da Silva
Guimaraes.
12 lateas de peroba ; a Francisco Ferreira
Borges.
1 cusa piano ; a Joao Pereira Rabello Braga.
24 Mitotea lijlos de ladrilho, 130 meias barr
cas e 199 barrlquinhas vazias, 30 rolos fumo ; a
Marques Barros & C.
100 laias caf moido, 10 barricas dito em caro-
?o, 40 caixas cognac, 100O saceos coriulho, 300
ditos farello; a Pereira Carnelro & C.
100 ditus caf; a Jus Marcelino da Rosa t Fi
Ihos.
150 ditos dilo ; a Francisco Jos da Costa
Araojo
68 ditos dito ; a Caroplanc & Cordeiro.
Joao do Prado da Cmara Santiago.
Dr. Joao Augusto de Soaza L-ao
Dr. Manoel Francisco Teixeira. .
Praaclsco Xavier Carnein Lins
Amonio Jos Duarie.....
Jo- Duarle de Alboqueraae Maranho
Augusto de S* e Alboquerque.....300*000
Maocel Joaqoim Mauricio Wauderley. 40*000
Everisto Mendes da Cunha Azevedo J-
nior...........20*000
Joanulm Ribeiro de Aguiar Monlarroyos. 20*000
E para que chegne a noticia a todos os interessa-
dos mandei passar, na conf irmidade do art 286 do
cdigo do processo criminal o presente edal, que
seri publicado pela imprensa.
Dado e passado nesta cldade do Recife aos 20 de
novembro de 1867.
Eu Joaqaim Francisco de Paula Esteves Cle-
mente, escrivo o sub-crevi.
Joo Antonia de Araujo Freitas Henriques.
til-!_____**
.DECLAB10OBS.
.Companhia do Beberibe
A directora desta companhia faz sciente
aos senhores accionistas, que o caixa desta
companhia commeudador Thomaz de Aqoi-
no i onceca, esi autorisado a pagar o 39
dividendo de suas accoes na proporrao de
3$O00 cada urna, no seo. ecriptorio da ra
doVigario n. 19, das 10 horas da manh5
3 da larde.
Escriptorio da companhia, 18 de novem-
Dro de 1867.
O secretario
Dr. Prxedes Gomes de Souza Pitange,
de Mello.
dem idem n. 54.-Luiz Jos da Costa Amorim.
dem idem n. 56.Jos do Reg Pacheco.
Idem idem n. 58. Bartholomeu Francisco
Souza.
dem idem n. 600 roesmo.
dem idem n. 62.Mn>el Gome* Viegas.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do Re-
cife, 9 de novembro de 1867.
O escrivSo,
Pedr Rodngues de Souza.
Santa Casa da Misericordc
do Recife,
Alllma.junta administrativa da Santa Casa u-
Misericordia do Recife manda fazer publico qui
aa sala de suas sessoes.no. dia 28 do correte pe-
las 1 boras da tarde lem de ser arrematada! a
^nem mais vantagens offerecer pelo lempo de um
a tres annos as rendas dos predios em seguida
declarados:
Estabelecimeutos 4e caridade.
Ra do Padre Floriano.
Casa terrea n. 17.......186*000
Casa terrea n. 45.......182*500
Ra larga do Rosario.
Terceiro andar do sobrado n. 24 301*000
Ra da Gloria.
Casa terrea n. 25........ 19**000
PatriniAnio de orphos.
Ra do Vigario.
Primeiro andar do sobrado n. 27 181*000
Ra do Pilar.
asa terrea n. 99.......256*000
(dem n. 94.........201*000
dem n. 108......... 201*000
itio n. 5 no Forno da Cal. 15*O0t
As arrematacoes serio feitas pelo tempo de um
a ires anuos, deveodo os licitantes vireni acom-
pasados de seus fiadores ou munidos de cartas
destes.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Recite 21 de novembro de 1867.
O escrivo,
Pedro Roorisrues de Sonza.
THEATKO
DE
EMPttEZ ACOIMBRA
BENEFICIO DO PONTO
Jos Bernardiao C. do Barros.
Quinta feira 28 de novembro.
Representarse-ba o multo applaudido drama
sacro em 4 actos
GBRIl
E LUSBEL
cu
Os milages de S. Antonio.
Dar' fim ao espectculo a eogracada comedia
em 1 acto
Mor rer para ter di-
nheiro,
Cotnrcar as 8 heras.
0: t,anisado em virlude do 7 do art. af
da lei n. 369 de 14 de maio de 1855, e
approvado pela pte$idencia da piovincia.
em 23 de agosto de 1859.
ART. 24.
as escolas publicas sero feriados, alem dos
domingos e das santos de guarda, os de feslivida
de nacional designad s por le, os de lato publico
declarados pelo governo, os de carnaval desde se-
gunda al quarta-feira de unza, os que decorrem
de domingo de Ramos a dominso de Pascboa, o dia
2 de novembro, E OS QUE VAO DE 8 DE BE-
EMBRO A 6 DE JANEIRO.
COMMEBCIO.
PRACA DO RECIFE i6 DR NOVEMBHO
DE 1867.
As 3 % boras da tarde.
IHontem)
Algodo da Parabyba sorte 9*00", 8*900 e
8*700 p-,r arroba posto a bordo.
Cambio sobre Londres 90 d/7 21 d. por 1*000.
(Hoje)
Algodao 1- sorte da Parahyna 8*700 por arroba
posto a bordo.
dem 2* sorte7*700 por arroba postea bordo.
Cambio 1* e 21 d. por 1*000
Cambio sobre Pars8 d| 460 rs. por fr.
dem idemavista 462 rs. por tr.
SHvelra,
Presidente.
Maeeiio,
Secretario.
Engli h Bank
OF
Rio de Janeiro, Limited
DESCONTA letras da prafa de prao eor-
to a 8|, e de prazo maior a taxa a conveo-
cionar.
RECEBE dwheiro em conta correte e
prazo Oxo.
SACA vista ou i prazo sobre as cidades
principis de Europa tem agencias Da Babia,
Buenos-Ayres. Montevideo Newyork, Ne-
va-Orleans e emite cortas de crdito para os
mesmos lugares.
7 L-irgo do Pelourioho 7.
capital, assim como o i. de 30 o/o, e o 2."
de 46 o/o, j annunciados.
Novo banco de Peraambuco
em liquidado
Os possuidores de notas da emisso do
banco queiram qaanto antes apresental-as
ao troco.
ALFANDEGA.
Rendimento do iia. 1 a 25........ 361:1375-090
Idemdodii26.............. 29:998*450
391:136504'i
JLvimento da alfaadega.
Volme* intrads com fazendas...
i t gneros....
Vola mes
i
sahidos com fazendas.
c c gneros....
67
67
229
532
- 761
Descarregam boje 27 de novembro
Barca ingiera -Wayfttrerfarinha de trigo e mais
gneros.
Patacho hamburgnezMaru fannba de trigo.
Galera inglezaHermione carvjo.
Barca iogleza Reyal Brideidara.
Brigue nglezPura idem.
PAOTA DOS PBRgOS DOS GE3BR06 8CJB1T0S A DIRKITO
DB BXPORTAGAO. SEMANA DE 23, A 30 DO MEZ DE
OUTUBRO OB 1867.
Mercadorias. Unidades. Valores.
de
aguaar-

....
Abanos.
Aleool ou espirito
dente.....
dem caxaca .
Agurdente de cana ....
Idem genebra .
dem restilada ou do reino .
Alfiodo era caroco .
dem em rama ou em laa .
Angicos (tro-J.......
Arroz com casca.....
(dem descascado ou pilado .
dem branco.......
Assucar mascavado .
dem refinado......
Azeite de amenrjoim ou mendo-
bim...... .
dem de coco ...
dem de mamona
Batatas alimenticias >
B.iunilha........
Bolacha ordinaria, propria para
embarque......
eento
2*500
caada 900
* 450
i 900
t 880
> 800
arroba 2*400
i 8*000
duzia 60*000
arroba 1*500
i 2*600
4*000
> 2*375
6*60C
casada 2*500
i 1*800
i 14400
arroba 1*500
libra 2*500
3*000
00 ditos lito ; a Ferreira & C.
60 ditos dito ; a J. F. da Silva Novaes.
149 diws dito ; a D mingos Alves Malbeos.
144 dito< dilo a Vicente F. da Costa & Fho.
330 ditos dito ; a Abreu & Veras.
30 ditos dito ; a Magaihes & Curval.
8 ditos dito ; a Beroardmo Jos de Araojo.
50 ditos dito, 7 cita? rap; a J. J. Lima Bal-
rio.
30 latas fumo ; a J. J; Goncalves Bellrao.
8 rolos dito ; a Tasso Irmos.
1 caix um biombo ; a L. A. Siqueira.
1 dita v-indiino ; a Adriano Castro & C.
50 saceos farello ; ao barao do Livramento.
100 ditos dito ; a S. T. Bastos & lrmo.
RECBBEDORiA DE RENDAS MEIVNA-
GERAES.
Rendimento So dia 1 a 25........ 30:341*012
dem do dia 26................. 2:004*593
32:345*605
CONSULADO PROVINCIAL
Ucdimento do dia 1 a 25.
dem do (i. 26'..............
39:495*390
3:310*319

i
62:805*639
*SSt?B
MDYIMBKTO DO FBT
Nattos entrados no dia 26.
A-su-5 das, biale brasileiro yova Esperanza,
de 76 toneladas, capilo Manoel Fernandes Sa-
les, eqopagem carga algodo e oatros gne-
ros ; a Bmboiomen L. urenco.
Macei3 das, barca iogleza Pretton, de 347 to-
neladas, capilo Miller, eqopagem 10, em las-
tro ; a' ordem.
Naviot saludos no memo isa
HavreBarca froctza Vertdtana, eaplto I. Cha-
las ; carga aigodo e couros,
Rio Grande.do NorteHiale brasileiro Flor do Rio
Gran't, capilo Antonio da Costa Pereira, em
lastro.
Rio roriDo.'ioVapor brasileiro Mamanguape, com-
maodai.te Lo la.
EDITAES.
O Dr. Joc Atvtr.oio de Araojo Preilas Henriques,
juir. de direito da Ia vara criminal e presidente
do tribunal do jury desta comarca do Recife
por Soa Magestade o Imperador, a qaem Dos
guarde ele.
Pac i saber acs que o presente edital virem, qoe
tendo dissolvido boje a quinta sesso ordinaria do
jury desia capital, que pela segunda vez bavia si-
A cao-ara municipal d^sta cidade, t-ndo de
contratar o aloguel de cadeiras para os proeessos
d" qualifie.acao e el-ir5?s, em quaoto durar a ad-
mioislraro aetual, convida pelo prsenle aos que
tal coot ato qnizerem fazer, apresentarem suas
propo>tns era cartas fechadas no da 27 do corren-
te, as 12 horas da manha, indicando nella so me-
or prego.
Paco da cmara municipal do Recife, 20 ae no-
vsmbro de 1867.
Luiz Jos Pereira Simoes,
Pr-presidente.
Francisco Canuto da Boa-viagem,
Secretario.
Pela recebedona de renda* internos gerae
i se faz publico que ea marcado o pr.zo de 30 das'
""r-Ac-l Tdp pnmnrag do ar- contados da publicacio deste, aos deved.res de di-
COUACiao ae compras ao ar ^ ch seal ae guerra. |Crel0 2:(q de 2-> de outubro dt- 1842, aBui de vir>-m
O constlh: de compras do arsenal de guerra paga.|a ; ando o referido prazo scro remettdas
precisa comprar para firnecer ao presidio de Fer-alQesaariira da fazenda as relaco;s de lodos os
GRANDE BAILE PARTI-
CULAR
NOS
Sa'.es NO
Domingo l' de dezcinnro do corrente anno.
AnniVir^ano da mem^ravel restauracao da in-
dependeLcia portupueza o pr prietario dos ditos
sloes fara' lodos es esfjrco para festejar este dia
como tem feito nos mais annos, aihando-se os sa-
15-s ricamente alomados os quaes esiaro a ei-
posi^o das 3 horas em diaotd ao domiogo.
AYISOS MABITIMQS
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR
, E' operado dos partos do norte
k-^jv at o dia 28 de novembro o vapor
^\ Guar, commandante o primeiro
mm
cando de Noronha os arligos seguiotes
1,000 pregos cabraes.
1,000 ditos caixaes.
4 anobas de dMos fracezes de urna e meia e
duas pollegadai.
i|2 arroba de gomma lacea.
2 limas de ofleuder.
1 tarracna de espingrdeiro.
1 lencol de coiire era chapa fina para cobrir os
rodetes das casas de farinha.
Ii2 arroba de barbante.
48 garrafas de lila roxa.
10 duzias de can'tas de pao.
Folhas de Flandrea, 2 caixas, sendo 1 dobrada.
120 dibradicas de cruz.
20 Mxadurasde broca.
30 ditas ioglezas.
6 duzias de lapis de cores.
6 dita de pennas lapis.
20,000 pregos ripaes.
2 diamantes para criar vidro.
As pessois qae qnizerem veoder os arligos ci-
ma declaradas, apreseDlera suas propostas em car-
Us fechadas no da 30 do corrente ro9z ao meio
dia, aa sala do referido conselbo.
Sala do conselbo de compras do arsenal de guer-
ra de Pernambuco, 25 de novembro de 1867.
J. M. I. J. da V. Pessea e Mello.
Coronel-presidente.
Francisco de Paula G. da Silva,
Secretario^____________
Pela subdelegada da f egoezia de S. Jos do
Recife foram pprebendidos como furtados, e se
achara depositados dous cavados, um mellado e ou
tro castanho : qcem se julgar com direilo aos mes-
rfog, mediante a competen e prova, lhe serao en
treges.
Jnnta de corro!ores
De conformidade com o art. do regiment
interno, sao convidados rs senhores corretores a
se reonirem no da 30 do corrente, as 2 horas da
tarde, no lugar do costnme, para a elelcao da nova
joota que tem de funccionar no anno de 1868.
Sala das sessSes da judia dos corretores 26 de
novembro de 1867.
J. da Cruz Maeedo
Secretario.
'devedjres qae leen sidoremettidas pelo- difereo-
tes escrlves, relativas a causas j decidida?, para
| se preceder cobranza executiva.
Recebedoria de Pernambuco, 22 da nov-mbro
de 1867.
Manoel Carneiroe de Sonza Lacerda.
Por esta subdelegada do 1 distrlcto da fre
goeria dos Afogados se faz publico que foram ar
preheodidos e reeoloidos a deposito tres cavallos
sendo dous de cores caslaohos e oairo alaso :
qaem se julgar eom direito aos mesmos compre-
la, que provando o seu dominio Ihes sero entre-
gues.
Subdelegada da freguezia dos Af gados 25 de
novembro de 1867.
Paulino Rodrigues de Oliveira
Subdelegado.
inspector da thesjuraria
faz publica, a circu-
do correal?, abaixo

De ordem do III m. Sr.
de fazeida de Peruambuco ss
lar do thesoaro a. 60 de i i
transcripta.
Sicretaria da th"Soararla de fazenda de Pernam-
baco, em 23 de aovembro de 1867.
Servindi de inicial-maior.
Manoel Jos Pioto.
Circular d. 60.Ia secfo.Mioisierio dos neg
cios da ia:enda.Rio de Janeiro em 14 de novem-
bro de 1867.
Zicanos de Ges e Vasconcellos, presidente do
iribonal do Ihesouro nacional, no intuito de obviar
duvidas que se possam suscitar na operaco da
veoda das apolices as provincias, recomraenda
aos Srs. inspectores das thesourarias de fazeoia
qoe rmettam sempre ao thesouro, era a mxima
brevldade possivel, a comraoaeaco de qae iraia
o art. 3" dos iirsiracgSes de 22 de oatabro do anno
passado; fleaodo na intelllgeocla de que os joros
das apolices eootam-se desde o pnmeiro dia do se-
mestre em que sao veodidas, e devem ser salufet
tos a' vista das proprlas cautelas que servem de
litlos provisorios al a reniessa das mesraas apo-
lices, coro prefereoeia a ontra qualquer despeta,
como se tratica no ihesouro, e lodepecdsote de
ordem especiar para semelhante paeamento.
Zacaras de Ges e Vasconcetlos.
tem-ute Pedro nyppolito Duarle,
o qual depois da demora do cos-
tume seguir' para os porlos do sul.
Recebem-se desde ja passageiros e engaja se a
car^a que o vapor pj ser embarcada ao dia de suachegada, encommeo-
das e dinheIro a frete al o dia da sahlda as 2
horas. Prevrae-se aos Srs. passagoiros qae suas
passageos s se recebara nesta agencia ra da
Cruz n. 57.
Conijianliia iQeiicaaa e brasileira de
paquetes a vapor.
Al o dia I de d^zembro esperado dos porlos
do sol o vapor americano North America, o qual
'.depois da demora 6) costnme seguir' para New-
' York, lecaodo oo Para' e S. Thomai para fretes e
passajfeos trata se com os ageoles Ht-ory Fotser
C, ra do Trapiche o. 8.
COMPANHIA
BRASILEIRA
DI
Paquete a vapor
Des portos do sul esperado
al o da 7 de dezembro o vapor
Cruzeuo do Sul, comroaedaote
Aloi'orado, > qaal depois da de-
mora do eotlame seguir' para
OS POrlOS 00 Uvi le.
Desde ja se recebem passageiros e engaja-se &
carga que o vapor poder conduzir a qaal dever
ser embarcada u-. da da sua ebegada, eueommen-
das e dinb-iru a frele al ao 4ia da sua sabida as
2 boras. Previne-se a>-s Srs. passageiros.que suas
pa-sagens s se recebem nesta agencia roa da
Crur. o. 57, primeiro andar, escriptorio de Anto-
nio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
-------
(Mpw'Ia mmun
Consulado provincial
Pela mesa do coosulado provincial se faz publi-
co qae no dia 3 de dezembro vindoaro se prior.;-
piam a costar os 30 das uteis marcados para a
cobranza bocea do cofre dos jmpostos da decima
do* predios urbanos das fregaezias desta cidad,
dos Afogados al Gqoi, e do Po a poftacS0 dos Aplpueos, e de 8 0/> sobre os beos
de rah; perteneentes a* eorpavac8s de roso mor
re tia ao i* semestre do anno inancelro de 1867
a 1868, fl ando sojeitos a molla de 6 0/0 os coo-
trirraiotes qne pagarem depois de Andar os dito
30 das.
Mesa do consulado provincial de Pernambuco 26
de novembro de 1867.
Francisco Aaynthas de Carvalho Mirara.
Santa Casa do Reeife.
Pela secretaria da Santa Ca.-a da Misericordia
do Recife sao convdalos os senhores proprletarios
dos predios abano declarados, cajos terrenos per
tenceram ootr'ora ao Sr. Francise i Lias Paes Bar-
reto e sua ruulh-r e por elles dcad3s a Sanii Casa,
para que omparegam a esta secreiaria, aOm de! analiiyca e descriptiva, d'asircnomia, d'arcbitecio-
pagaremos foros que se acbam a dever, e assigna-'ra e de resistencia de materlaes, conhecimento
reta a respectivo termo, reeondeceodo a raesma perfe^ js Jostromentos grapbicoi e dos Irabalhos
Repartl^o das obra pdicas
De ordem do Sr. eogenhelro, chefe interino da
repartido das obras publicas se faz publico qne,
nao tendo concurrido oppositor algara aos lagares
vagos de conductor desta reparticao, e tendo sido
julgadn inhabilitados os que coocorreram aus la-
gares de pratieaotes, oo da 9 de dezembro prxi-
mo vindouru tera' logar novo concurso para pre-
nnchimento das referidas vagas de conductores e
praticanles.
Os c ocurrentes serao argidos as materias de
que tratara os | 1 e 2* do art. 10 do regolamento
ae 31 de jalho de 1866, e que vo abaixo decla-
radas.
Os requeriioeotos para Bceripcao dos candidatos
devero ser apreaeotados at o da 7 de dezembro,
e podero ser insiratdos com qoaesqaer doenmeo-
tos ou titulas scientilli'os qae abonera a eapaotdade
dos etsmoe candidatos.
Secretaria d-.s obras publicas 7 de oatabro de
1867.
O secretario
Feliciano Rodrigues da Silva.
Mataras do concurso para conductores e prali-
eanies da reparucao das obras pnblieas.
Pra conductores.
Mathematicjs elementares, algebra aiequacSes
do 2* erio, thigooometria, elementos de geom^irla
DB
Paquetes a vapor
Dos portos do norle espera-
do al o da 10 de dezembro o
vapor Paran, rommandanle
e capillo de fragata Sania
Barbara, o qual depois da-de
mora do costnme seguir' pora
otipertcs do sul.
Recebem-se desde j passageiros e engaja-se
carga qae o vapor p;der condnzir a qaal Jevera'
ser embarcada no dia de sua chegada, eocomraeo-
das e diobeiro a frete at o dia da sabida as 2 ho-
ras. Previne-se aos Srs. passageiros qne soas
passagens s se recebem nesta agencia ra da
Cruz n. 57, 1* andar, escriptorio de Antonio Lnit
de Oliveira Azvedo & C.______________
GOMPANHIA PERNAMBeCAM
DB
Navegago costeira por vapor,
Macei e escalas, Peoedo e Aracaj.
Segu no da 30 do* correte u
5 horas da tarde o vapor Poh^i,
commaodante Pereira. Recebe
carga at o dia 29 as 2 boras,
eneommendas, dinhelro a frete e
pasIageiros~*l as i horas do dia d*> sataida : es-
enptorio no Forte do Malos n I._____________
Para Lisboa.
Val' sabir com brevldade a barca porlngueza
Gratidao por ter parte da sua carga proropta ; pa-
ra o restante e passageiros traa se com Oliveira
Fibos & C, largo do Corpo Sacio n. 19 ou eom o
c."picc3 pr;ca.


-' .
^
Marte e r
r- QuarU feira 4r IKireabr* 4c 1867.
Para
Segu eom brevidade o patacho nacional Velan-
U, por ter grande parle da carga engajada, para
a que aioda pode adraittlr trata se coa o respec-
tivo co asignatario Antonio de Aloaelda Gomes, a'
roa da Uro: n. 23, andar.
Wt\.!ll\ PEnUlllMl
BE
Jlaveg cao csieir per vapor.
Parahiba, Nalal, Macao, M'wsor, Araeaty,
Ceara' e Acarac*.
Segu no dia 30 do
correte as 5 doras da
Urde o tapor Pirapama,
eeomandante Torres. Re-
cebe carga at o da 19
as 1 brax; ncommeo-
das, diobelro a freie 0
passagetros aie as 2 oras do di- da sabida : es-
criplorio no Pone do Malo* n. i.
Para o Aracaty segae com muita brevidade o
biate Sbrateme: para carga e passageiros trata-
se com Jos S Leitao Jnior, ra da Madre de
Dos.
HOSPITAL
Marta, (ote!!!
Boriegulos ingleses para bomem a 5.
Ditos francotes dem a 5*V
Boriegoins para senbora, enfriados, a 4J.
Ditos para menina, idem a 3 J.
Porluguez de Bcbi ficeocia em Per
ambucr
Do ordem do II. m. Sr. provedor, o em eonpri
meato do que determina o art. 18 dos estatutos que
regem esta assoclaeo, convido todos os ncssos so-
cios para se roonirem domingo 1* de deumbro.
prximo fainro, as 9 horas da manbfia, na easa das 1 sPtoes ingleses para harneen a i*
respectivas sesses, no sitio deste hospital, aflm do, J?',os americanos a 3#50O.
constituida a asamblea geral, proceder-se a elei- Chinelas do Porto a 1J600.
cao da Junta administrativa para o foturo auno da Saptos-iranca para senbora al#280.
g68, Ditos avelodados, dem, a (280.
Secretaria do Hospital Portugus de Benefleeu-' AProiem emquaato lem".
ca em Pernambaco 26 de novembro de 1867.
A. A. dos .Santos Porto
i* secretarla
Atten$o
COMPRIMA
DAS
Messagees Imperiales
No dia 29 do correte aei espera-se dos portos
do solo vapor fraocez Guienne, coa mandante Ao-
bry da la No, o goal depuis da demora do ros-
turna seguir' para Burdeos tocando em S. Vicen-
te a Lisboa.
Para concedes freies e passageos trata-se na
agencia roa do Trapicha n V.______________
-Ila de S Miguel.
Para o porto cima segae o patacho portugus
tJorgeose J primara marcha, par < carga e pas-
sageiros trala-se com o consignatario Juo do Me-
go Lima, arna do A ."lio n. 4.
Para a Baha
Hiate Dous Irmos: a tratar com Tasso Irmao,
ou Sr. QoBt%l no trapiche do algoflao._________
'Rio Grande do Sal
Segu com moita brevidade a barca nacional
Tliereza I, para o sobredilo porto, por ter parte do
>!! carregamenlo promplo ; trata-se com Bailar &
Oiiveira, ra do Vigarlo n 10.______________
Para o Cear
O palbabote Garibaldi: a tratar com Tasso Ir-
mao.
LISBOA
Achaodo-se com a roaior parte de seu carrega-
meolo prompto o hiate portoguez Pensamento. se-
guir' em p3uco8 das para c Marido porto:
qoem pretender embarcar o redo dirjase a ra
do Vigario o. 10, a Biltar & Oliveira.________
M0
11E JT AilEl 110
Pretende seguir com malta brevidade a barra
Despique II, lera dous tercos de sea carrega-
menlo a bordo para o resto que Ihe falta trata-se
com os seus consignatarios Antonio Luiz de Oli-
ve ira Az vedo & C. ra da roz 0. 37.
LELOES.
Alaga-se o sitio dos quatro USis na ra de Joao
Fernandas Vielra, com excedente easa de vivenda,
e outros eommodos : a tratar na toja n. 18 ja ra
do Queimado.___________________________
CONHEKH.
Comparta de segaras maritimes nti-
liriade publica
A direcelo de cooformidade com os estatutos
arts. 41 e 42, convida aos senbores accionistas pa-
ra se reuoirem em assembla geral po dia 30 do
corronte ao mel dia, em seo esenptorio na ra
da Cadea n. 42.
Recife de novembro de 1867.
Os directores
Feliciano Jos Gomas.
Tboroat Fernandes da Cunba.
Ama.
Precisa se de nma ama que saiba eozinnar a en
goramar para easa de ponca familia : na rna da
Cruz n. 8, l8 andar. _________________
Naridade
Alaga-se orna casa com quintal murado a plan
ado, oa ra do Jasmlm da B>a-visti : a tratar na
roa da I npera'r.z n. 56, luja da arara.
rma
Precisa-sa alogar orna ama forra ou escrava pa
ra coziohar para casa de pouca familia : a tratar
na ra do Raogel n. 10, 2 andar.
Gratifica-se bem
a qoem capturar o mualo escrav. de aome Na-
poleo, com os signaos seguiotes : idade 25 anuos,
cabellos earaplnbos, estalara regular, peuc bar-
ba, denles perleilos a alvos, falla grofsa, levoo
bastante roupa a 6 bem eooheclde nesta capital
onde trabaihon mullo lempo com Barrocas, des-
confla-se que el>e segu para o serian em compv
ubia de um negro da Costa : a pessoa que o cap-
turar oo de I le dar noticia a rna da Cadera do Re
cite n. 30, que sera'bem graliflcado.
AKft

Trecisa se alagar orna ama forra oo escrava,
preferinda se esta ultima, para o servico de una
casa de ponca familia, pagase bem : na ra No-
va n. 11.
Antonio Jote Goncal ves de Anvedo, Carlota Joa-
quina de Azevedo Costa, Francisco Moreira da
Costa, muitoagradtcem ata seos amigos o < b.-e
qnlo qne Iba flzeram acompaobar a ^ua maito
presada esposa, mi esogra ao c.emiterio publico
e de novo Ibes rogam o obsequio de assistir a mis-
sa do stimo dia qae t- ra' logar na igri-ja do Es
pirito Santo exta feira 29 do correte mez as 7
horas da manba.
COLLEG.O DE S. JOaQUM
Acha-se aberta a matricula pan o cur-
so preparatorio, durante as ferias. Os
Srs. estodanies qae qoizerem freqoen-
la-lo devero vir io.-ere ver-so at o tim
do crrente mez
AGU A BR4NC4
Por conhecer a influencia que costama baver
em lodos os aonrs, por esse lempo, o p qnanio se desenvolve e appura-se o bom gosio em
Pernambaco, ella ue lem sempre em vistas agra-
dar, e sinceramente bem servir a sna boa fregue-
sa, antecipon-se em mandar buscar os differentes
objoetos de gosto e (amasia, que agora mesmo aca-
ban do shegar.
Que a igja d'Agula Branca, com especialidad,
onde prlmeiramenle *e enc ses objectos de novidi.de e moda, Isso esta' geral-
mente recoohecido; mas anda assim a Aguta to-
ma como por devor seientiflear ao bello sexo, em
particular, o ao rospeiiavel publico em geral, sem-
pre que como agora, recebe os importantes objee-
tos que abaixo meoelona, e por mais ossa vez ella
toma a llberdado de pedir a atie^io das Ezm
apreciadoras do bom, para osnovose bellos orna-
tos que formam umiiod) e rico toillet'
Nao eertameute eom urna mal aparada peona
o Agu, que bem so f de descrever o bom gosto o
aesempenho de Ues obras, sim, a propria iniel-
igencia d'nma exceltviitisslma, qae bem podora'
apreelar o alio grao desses pcrfeitos objectos, tal
vez os prime!ros que nesse genero tennanv >lndo
ao nosso Peroambueo.
. A Aguia Branca, fara' apenas conhecer os ob-
jectos de qae se compSam esses novos e bellos or-
natos. Ero nm bello cartio-rem hbilmente ama-
jado, um moderno cinto de Ota de setim tn acba
maloiado da Urgura de 7 a 8 pollegadas. om bel-
lo leque de madreperola, om par de luvas de pe-
lica, ramos de finas flores para o ceqop, ptilo, |
guarnlco para as lavas, etc., ele, e nalmeute
urna almofadinba de setim eom aromticas pasti-
Ibas em p.
Aluga-se
O tereeiro andar do sobrado da roa do Amarina,
n. 37, com grande sotao a eommodos para familia :
a tratar no armaaem do mesmo.
D. Senhorioha Germana do Espito-Santo, ten
do abarlo no seo sitio do ArraiaJ roa para rea
ibar a vootade dos
Para f asear a festa
Aloga-ao urna casi em Apipncas, eom bastante*
eommodo para grande familia : a tratar a' roa da
Praia n. 53, e.-labelocimento.
Aloga s- a mais amiga padaria d s Alogados
n. 66, e a casa da ra do Quuho : a tratar na ra
compradores, fas ver a lodos das Calcadas ir. 49, jamo a' lortaloza das Cinco-
que as ras tem sessenu palmos como marca a Ponas.
cmara o qoe lem de fondos 310 palmos eom ----------\, .-n-----:-------. ^ .--------r*
diversos arvoredos de fruclo, boa ierra e a 11806 Z "T' JS CfrB,,rJ S**+***S 5
o palmo. Assimcomo tem lambom bons terS ^'"Je c|Ma no largado Terco faz idete ao
do mesmo Arr.m!. a l|OCO o palmo com diWMS S.^L^e^.r SSM?"JTi rKSMfc
arvores de frocto e lodas carregadas, e com 600
palmos pooco menos de fondo, s nlo fleara' pro-
prietario qnem nao qu'zer.


ARMAZEM

DO

mmu
Alem disso
O Dr. Joaqoim Jos de Campos da Costa de
Med;iros e Albaqoerque mudoa o seo escripiorio
de advocacia da casa o. 22 para a casa eoatigua
o. 24 da ra do Imperador, defronto da re aco,
jury e sala das audiencias. __________
Fundi$o da Aurora em San-
to Amaro.
Completo sortimeato de taixas de f rro
coado, molde raso, altimameote aprovadas
para o fabrico do assucar.
Pracisa-se de urna ama para cosinhar : na
ra do Apollo armazem n. 14.
Precisa-se de um hornera para se oceupar do
servil-o da arborisacao da cidade : na ra da Im
peratriz o. 39, 3* andar.
De 50 mfios ban-is com maoleiga ao-
va fraiicea e 1461) esteiras de car-
nauba
JE
O agente Pestaa vendara' impreterivelmente
para liquidar as gneros a.-ima mencionados ao
cor er do marello : qoarta feira 27 do corrate
jirbs 11 horas da manlia no armazem do Ano -
de-fronte da alfindega.____________________
Ce nma escrava criaula de \7 anoos
de idaie. a qaal cese, cesinha e en-
go-iima.
Sexta-feira 29 de novembro as 11 boras
em ponto.
Por iotervencio do asele Pinto, em seu escrip-
tori i re:-, da Cruz n. 38.
DE
Urna casa terrea a ra de Santa Rita Velha n
9, era chaos proprios, rende S0.
Urna dita meiaagoaem chaos proprios de por-
ta a jan 'ila, sala, qoarte, cisiona e soto, na tra-
w-.-a i! i Corpo Santo oulr'ora Senzala ou becco
da L .!. : o. 10, rende 10.
Crdeir Simaes
eom-i.-Untemente autorlsado fara' leilo das casas
terreas cima desc iptas podendo desde ja serem
examinadas por quem pretender, cujo leilo lera'
lugar DO dia
Sexla-feira 29 do corrente
as 11 horas oo largo do Corpo Santo porta que
foi da Assoelacao Commerc i!.
AO CORRER DO MARTELLO.
O agent Pontual fara' leilo por conta de quem
pertncer do seguinle : dozias de couros de be-
ierro, pellica e marroquim, relogios de algibeira,
{otos i lotto, chapeos de sol de panno cora for-
ro. e.- ariiloos, casaveques de fuslo branco, fi-
Telas para ,-into, caixas de sola para chapeos, me-
sas para meio da sala, cadeiras, marqoeides, ca-
ma?, sadoira pregoigosa, consolos, commoda e
muitos outros objeclos.
S^xta-feira 29 do corrente
No seu armazem a* roa da Croz n. 62, 1* an-
dar, as II turas.
Um moco habilitado para ser ajodante de
om guarda livros de urna casa commerciat, teodo
muito boa letra e escrevendo com orlhographia e
sendo perito em coutabilidade deseja empregar se
em om escrlptorlo, se offarece qoalqoer garanta
sobre saa conduca: quem precisar podo se diri-
gir a ra estrena do Rosario n. 10, das 10 horas
da manhaa as 3 da tarde, 1* anlar.
Pos Terinifugos para lumbrlga*.
Preparara o a mais segura para a expulso com
pleta das Umbrigas e ootros vermes, sem acarre-
tar os inconvenientes que se tem dado eom outras
prcparaQdes. Sao de grande aecc vermiciva,
agradavdis ao paladar e compativeis com lod.-.s as
idades e compleiedes, variando smente na qoan-
tidade._____________________________________
Hospital l'orYigiiez de lcaeQ
eeucia.
Com permisso da pruvedoria do hospital porto-
guez de beoeficencia, Dr. Prxedes Pilaoga, d
consullas gratis todos os dias das 7 i|2 as 9 ho-f
ras da manhaa, nos sa'.Ses do mesmo hospital, no
sitio do Cajaeiro.
-'rmanaamwm-y iiiiiiw3-"-"
Gratido.
Flix Ribero de Carvalho, sua malher, sens 0-
Ihos e genro convidam a todas as pessoas que se
diguarara assistir aos ullirr.-S suflragios de sua fi-
Iha D. Hemeleria Amelia Rib-iro i: Carvalho a
amparecerem no dia 30 do orreote as 8 horas
Da igreja matriz da villa do Cib), oodo ter lugar
a missa do stimo da e cordialmente agradecem
a todas as pessoas que com tanta amabilidade, ze-
lo e robustas provas de amisade se prestaro a
este paridos) dever.
Sitio
Precisa-s para nma peqoena familia estrangei
ra alugar um .sitio perto da cidade. que tenha
bons arvoredos e que a casa esteja era bom esta-
do : a tratar no largo de palacio d. 5.
Sr. Joo Francisc* Vascoj elss.
A fanilia de Ramilo, de Bneno^-Avre?, deseja
ler noticias de>te senhor: podera diriglr-.se a ra
dn Trapiche n. fi.
(ietigra.'hia.
Jtaqoim Pires Machado Porlella tem
ab-rto na casa da .ua residencia, das 10
as i i horas da manba, nm curso de
g^ographia para os estudantes qne qnlze-
rem se preparar para os oamos de
marco.


Aluga- e
Atteuclo.
Aluga-se om sitio na povoacao da V;-rzea,
raargem do rio, propno para passar a festa :
quem pretender, dirija-se a' mesma povoacao : a
tratar com o Sr. Jos Antonio de Brito Bastos.
Esta' ugido desde o da 10 de novembro o es-
cravo crioulo, de nome Jos Dionfzlo, idade 24 an-
oos mais ou menos, alto, se co, espadalo, bem
prelo, ponca barba, falla d -scang ida ; o qual disse
poneos diis antes da fuga, que la offerecer-se ao
giv.ruo para a goerra : porlanlo roga-se s auto-
ridades policiaes e capitaes de campo a capturado
referido escrao, qne sendo entregue no engenho
Caluanda, freguezia da Luz, ao seu senhor abaixo
assignado, ou no Recife a Jos Eduardo de Souza
Laudim, na ra da Gloria n. 18, se recompensar
gauchamente.
Juo Correa de A. e Vasconcellos.
Feitor.
Precisa-sa dd un feitor qae seja entendido e de
boa conducta, para cuidar de um pequeo sitio
perto da cidade: a tratar na ra larga do Rosan
?. 34, botica.
Perdeu-se urna lettra da quanlia de 100, a
vencer a 22 de fevereiro, aceita pelo abaixo asig-
nado : pede-se a' pessoa que a a:nou o obsequio
de entrega la a' roa da Imperatriz n. 53, loja de
roarcineln, qne sera' gratificado. O abaixo assig
nado previne que nenbum valor tera' a dita letra,
pas s a pagara' ao saccador com quem |f se en-
lendeu.
__________Antonio Ignacio Cardoso.
Aluga-se a casa terrea sita a' roa do Gas-
metro, confronte ao porto lateral da fabrica ; tem
eommodos para pequea familia, e de prego de
142 por mez : a tratar oo mesmo lugar.
O abaixo assignado venden livre e desem
baracada de qoalquer onus, ua taberna o. 23 da
roa larga do Rosario, ao Sr. Joaqolm Paes Pereira
da Silva.
______Ignacio de S Lopes Fernandes.
Preclsa-se de om rapaz pequeo chegado de
novo ou com algurna prattea, dando fiador a' sua
conduela; no pateo da Ribeira, taberna n. 21.
Precisa-se de orna ama para o servico interno
de orna casa de tres pessoasna roa do Hospicio
o. 88._____________________
Precisa-se de um caixeiro de 14 a 15 annos
de idade, que d nanga a' sua conducta; a' tratar
no pateo da Santa Cruz n. 6.
SOS DIVERSOS.
Cu-imn-se a retalhar o sitio da estrada de
Joao de Barros, esiiofau An boceo do Esptnbeiro,
flean 11 Cora loas roas de nasceme a puouto a..,,
de sul a u.rte, formando quadros conforme as
postoras wooicipaes. Os terrenos ficam com 160
a 180 ..i""- de fondo, e muito proprios para
morad.', visto a salubfidade do lugar, a onde Im-
preterkraiineotii deve *er nma das estacfos da es
trada da farro de Ounda, qne segundo o contrato
deve dentro de 10 mozos estar en Ollnda e Bebe-
ribe.
Qoerendo-se malor commodidide pode-se flear
com t'rreno de roa roa, forrando assim um
fondo de 860 palmos, ana d pan bollos jardios e
algamas arvores fructferas.
Para facillidade de pessoas occjpadas, todos os
domingos das 6 as 10 boras da nunbaa estar all
a plasta par* oaem qoixer escaher a localidade e
o nooiero de nal moa. _---__-_
"Sitio para alug-if
Alunare por preco ^OJOmodo no sitio em.Bem-
flea oa mai* estrada coniituzo as di Sr. Chrisiiani : a tratar
oa roa da Cadela Io_R_fe o. 4.
coaflLelr--------------
4.
Urna casa terrea a' roa de Horlas n. 7o, e a leja
do sobrado a' ra do Caleireiro o. II : quem as
pretender pode dirigir-se a' ra do Imperador,
esenptorio o. 7o, ou a' mesma ra, sobrado n. 38,
segundo andar.
Est em ordem do dia as oovas e bellas trancas de
flua palba de Italia, e oolros differentes enfeites da
mesma quadade e proprios para vestidos de lias,
chapeas de senboras e meninas, resta somenle qae
os pielendeotes comparegam na loja d'Aguia Bran-
ca na rna do Qoeimano n. 8.
Diversos objectos
de go para a Aguia Branca ra
d Qnelinado n. 8-
Eufeites de flores, obras de muito gosto, a ultima
moda, proprios para bailes, casamemos e pas-
seios, ele, ele.
Meias chapelinas de diversos moldes, e mui
bem .-nfiadas, cora veos e sem elles.
Ricas capellas cem veos e sem elles para nai-
vas.
Ooiras brancas e c5r de rosa para meninas.
Cintos com flvelia e tita branca para noivas.
Ootros de pootas e sem ellas, pretos e de cores.
Outros mui rico- e de variados moldes e gostos
e de diversas cores, com grades de vidrilhos e pin-
gentes.
Para enfeitar vestidos e basquines.
BjuHos bicos de blonde, com vidrilhos e sem
elle?.
Bonitas rendas de dito, tambera com vidrilhos e
sem elles.
Trongas pretas de vidrilhos, com variedle de
larguras t >}< moldes os mais uovos e bonitos.
Outras decores tambera com vidrilhos e confor-
me as ptetas.
Outras de seda Cora v'drilhos e sem elle-', e da
diversos desechos, crese larguras.
Corddes prel.s e de cores, grossos e fios, com
vidrilhos e sera elles.
As oovissimas e bonitas trancas de lina palba le
Italia.
Ramos, Iseos, cordoes e ootros diversos enfe -
les tambera de palba e proprios para vestidos, cha-
peos, etc., etc.
Botoes pretos e de outras muilas ore?, com
oing^nles e sera elles.
Outrs de palha lambem com piogentes e sem
eli.s e todos, nfeilados com vidrilhos.
Outro. de lusto, brancos e amarellos, e al
mesmo marcas de madeira ovaes para cobrir-se da I
c\- que se quizer.
AlUga co u 'Jo .oda. a .^fai.du u. o .. rAU
da Imperatriz : a tratar c-'Qi J. I. de M. Reg, ra
do Trapiche o. 34.
Ua-- e viole mil res meosaes pelo aloKuel de
urna pn-ta que cozinhe e en-abo> cora ierfeiQao
para tres pessoas : na roa do Raogel n. 9.
Precisa-sa de i:000 a premio de 1 I.- por
cento, cura segoran;a era ama parte de nm mp; -
nho perto desta cidade : qu-^m qoizer fattr lal ne-
gocio, deixe caria na ra das Cruzes o. 13, coin as
iniciaes I. F. C
Criada,
Precisa-sede nraa criada livre para engommar
e servir u;na senhora : na ra da C.dela u. 57.
Flore
Ama
Precisa-se de urna ama que saiba comprar e co-
sinhar para casa de hooaam soltero : a tralar ua
praca da Independencia ns. 4 e 6.
Club Peruambuciiiio.
O baile do aaoiversario de nstallagao ter
lagar no dia 1 de dezembro prximo fu-
turo.
Racife 20 de novembro de 4867.
P, J. Layne.
Emprezario.
S.
Um helio e compiti sonimenlo de ramos e de
flores linas, rosas camelias Alexanlrias, etc e
era todas es>as flores se ola o apralo cesto ft
t"-n..>-.....i.|b,. ja -----4-j-: uv> ro nada mais ha a d.;?t jar.
Boae&is.
Um novo o bello .ortimento de elegantes bone-
cas de j de pedra mu bem vestidas, e excel-
entes para presentes.
Outras cora rosto de cera e igualmente bonitas
mas nao vestidas.
Filas lavradas e lisas, lendo oeslas, de menor
largura at a de quasi nm palmo, e propria para
cintos.
Outras de iJa de cores para debruar-se ves-
tido.
Ouims t porcelsaa e p6 de podra.
Bonitos jarros, e boqueis feitos de p de pedra,
obras de muito bom goso para sallas, e santua-
rio?.
Cooxas de p de pedra com figuras denlro,
obras mui b nilas e de gosto.
Entre osas ubra?, lera algnns jarres com pe
quenos defeitos, por isso venJem-so baratamente.
Esseneia de rosa, outras concentradas, finos ex-
tracto?, e pormda?, etc., <-tc.
Eraquanto a' perfumara todos sabem que a
Auia Br.>nca lera a primasia, adquerida cora o
vender cun.-lantement> fios extractos e do agra-
daveis ch.-iros, pomadas de finas qualidades e e?-
coibidos odores, agua de Colon'a, sempre da me-
Ibor, e ssinj tudo o mais, jue enumerar se torna-
ra eofadooho.
Cumpra pois, que, quem quizer ser bem servi-
do, sa dirija a' loja d Aguia Branca a' ruado
Qoelroad.n. 8, qo* alem do grande sortimento do
bom, achara' iorallivdlmeute o qoe se torna sem-
pre precisoagrado e sineeridade.
B o-
riM'-i.< de ara bomitinheifo
loja da roa ioCreip ^^_,ina^:
a tratar na
precisa-se
o Qaetmado u
Ama d^ite
4eumaaoaltT. ^
tralar na ra
Leeiooa-se a solfejo e a tocar varios
ooirnfnK'tos daDdo se as IIcSbs particu-
lares em suas proprias casas, das 6 ho-
H ras da urde ate as 9 horas da noite : a
B tratar na ra Augusta o. 30 ou nesta ly
posrapbia.
mmmmwmmmmwmmmm
O Dr. J, Baptista Casanova
pode ser procurado a qualqoer hora em seo con-
sultorio bomeopathaeo, largo da matriz de Santo
Antonio o. 2.
No mesmo consultlo lem sempre granda sor
tmento de medicamentos de nomeopatbia de We-
bere Cat-.ilan, Unto em glbulos como em tintura,
assim como lem um onimento de ferro de cl-
rorgia om earteiras e avoJsoa do afamado Cbar-
rier de Paris.
Irmandade de H at.x Ceeilia do
conTente do Carmo.
De ordera da mesa regedora sao convidados to-
dos os n ibsos irmos a comparecerem no dia 27
pelas 7 horas da manhaa para encorporades a;
sistirem a missa de rquiem que a mesma manda
celebrar por alma de seos Irmos fallecidos.
O secretarlo;
Joo Mauoel Fe reir._____
1T rJESTCAO.
Informam-nos qoe o engenho Tres Bracos da Es-
cada esta ebeio de piquetes pelas estradas e carai
nbos, para prevenir alli as diligencias da jostica, e
qae oio sejam recrotados uns poneos de peraltas
e vadlos. Atienda o Sr. delegado do termo para
aquella localidade.
Anda dase algum dinbeiro a juro sobre hy
potheca : a tratar oa roa do Padre Floriaoo o. 71-
iiiiiii mmmmm
O Ur. Guilherme INaegell, medico, da
consultas todos os dias das 8 boras as 10
da manba e das 3 as 5 da tarde na sua
resideocia rna 5ova n. 15, especialidade
molestia? dos olhos.
Quem
******** ***
O Dr. A. Duarte, medico, modou-se jjK
m para a rua.do Seve, oade contlDua no z
B exercicio de sua profisso.
A instruocao publica
NO BRASIL
Pela caaselaeira
Dr. Joa Liberato Barroso.
Acaba de ehegar esta obra e vende se na livra-
ra econmica defronte do arco de Santo Antonio.
Maihias Ferreini, sobdito portngnez, retira te
para a Europa.
Precisa so de om feitor de borla e jar dia ;
ioforavM na roa enrolla do Rotarlo n. 28.
. precisar
De um rapaz pan tratar ios Borricos internos
de algoma casa de negocio, como sejam obran-
gas, tanto oa praca, como fra dtlla, e despachos,
como tambem para Teodor assucar, o qoaf di mu.
to boa Sariga de sua conduela, deile carta fechada
nesta typographia com as iniciaos R. S. A.
Precisa-se de ama cosinbeira livre oo escar
va : na roa do Apollo n. 90, armazem.
SHHMMMpnML
O Dr. A.S, Pereira do Carmo (memeo,
est morando no sobrado o. 12 da ra da
W Imperatriz.
asa Mi etamttmmmmim mgmm
Para seu interesseL
Muito se precisa fallar eom o padre portoguez
Jos BrnjrdlBo di Paira qoe suppoe-ss morar
em Marcago, e oom o Sr. Jos Lourenco ift Me
deiros Mnniz que mata aos arrabaMes do Santo
Aotao : na praga do Corpo Santo o. 17, prtmeiro
andar._________________ ,
Guilherme da Costa nlira-se para a
com sua familia. \
RA NOVA N, 7.
Acaba de coegar de Paru a este estabelecimen-
lo um grande e escolhi i; so tmenlo de eal;ado
dos melhores fabricantes daquella grande praca,
assim como grande variedad.- de qaiaquflhirla e
de novos biinq edos para cria-gas, cajos artigos
se acbam expostos a escolha e vootade dos com-
pradores, c.-mo sejam alguos que p.issam.s a
mencionar.
Ultima moda
Ricos chapeosinhos de gosto para senioras fei-
tos ao capricho de ama gr?ode modista de Pars.
Botinas para senhora
de setim branco, doraque dito, pretas a da outras
difiranles cores eofeiLdas a rigorosa moda.
Botinas p ra mcaluas
de maitas qoalidades bem sortldas.
Brinco de o uro
de lei a ultima moda dos Campos Elizios e boule-
vards de Paris, para seoboras e meoioas.
Lavas de pe I lea
do verdadeiro fabricante Jouvin, brancas, pretas e
de outras differeoies cores.
Leqnes
om escolbido soriimeato de loques de diversos
goslos e qoalidades.
Perfumarla
fios extractos, baohas, ole *, pos de arroz, agua
de cologoe, agua II -ida e >abonetes.
JEspeluos
de differentes lmannos e goslos para salas, gabi-
netes e pequeos toucadores.
Cal&litha de costura
de novos modelos ricamente goaroecidas e com
lidas pecas de msica.
Delit-aJo preseate
bolcinhas e cesiinbas de seda e de velludo muito
importantes para brago de meninas passeio.
Chapos de sol de seda
de cores e muiio Mllos pira senhoras e meninas.
Bonqnels d exposleSo
delicadcs booquets de (lores de porcelana con lin-
dos jarros para mesas de salas e aiu-.rio;.
Lunetas
de ago, tartaruga e bfalo.
Oculos
de ago, bfalo de pr.ua djurada.
Ricas bengalas
de caDoa verdadeira cora casiao primorosamenie
trabalhados era marflm, cunpradas na exposigo.
Botinas para hoincm
grande sortiu ento bem escolhido em Paris.
Botinas para uieu' o
de muitos modebs bem solidos.
Sapatos de tapate
de charlcte, de tpele avi-lludado^ e d iraoga de
Lisboa para h)mn-, senhoras e raeniaos.
Botas musan.-.s
Mamas de feltro bonitos pairoes.
Cbicols fortes compridus.
Luvas de fio da Escos:a.
Carlelrinhas para dlnheiro.
Saceos de tapete para viagem.
Malas e bi-lgas sortldas.
Ponleirs para charutos e cigarros.
Coaruteirase cigarreras de palha.
Caximbis da bonitos modelos.
Grvalas pretas e da cores.
Gordas para violao.
Bengalas para bomens e meninos.
Meias de fio da Escossia para homem.
Venezianas transparentes para janellas.
Quadros pequen js par retratos.
Objectos de pbaulasia para toilet.
Abridores de ovas.
Tesourinhas delicadas para costura.
Caivetes finos com tesourinha.
Fieos pentes de marlim para tirar caspas.
Paies de lindas figuras peqoenas de porcelana.
Jarros mui pequeos de p: rellana.
Obj.-cics de porcelana para botar banha.
Taiheres Snos para meninos.
Objeclos d.) mgica para divertir familias.
I'b.tigrapbias mgicas.
Globos de papel para iluminara) no campo.
Gaiolas de rame paru passariniio.
Castinhas de vlmes para n.eniuas de escola.
Ceixinhas de raut-lca e re-:jeijos para meninos.
Velas a gaz para caadielros e caodelabros.
Carrinbos de quatro rodas para coDduzir criaoga
Bunecas de masss, de cera e da porcelana.
Bergos e camas c< m coitioados para bonecas.
Cabriolis e cavallinhus de madeira com machi
nismo para meninos de 3 a 8 anuos montarem
Ricos albuns
de velludo e de marroquim para retratos.
Esterescopos
com lindas photographias transparentes.
Estampas
de figurs, paisagens, cidades e de santos.
Molduras douradas
de diversas larguras para quadros.
Abat-jour
para candielros e lanternas de piano.
Cu smora mas
grandes e pequeos com 50 ou mais vistas esco-
ibidas a' vontade, muito'pillorescas.
Chicotes para pa>seio
moito finos de balea e cabo de maifim.
Realljos
pequeos, de quatro e seis p.gas de msica.
Aecordi.'iis
o concertinas, o qoe ba de melbor nesle genero.
Para prese, pes
figuras para ornar presepes, casiqbas, animaes,
pastores, a outros muilos objectos proprios.
Attenco.
Nao sendo possivel mencionar e aqni (odas as
qoalidades de calgado, nom todos os artigos de
qotoquilharias, e mu lo menos da grande vari- Dsfluxos, Totses,
dado de novos brioquedos : pede-se ao publico nm
passeio a este esiabelecimento, certo de que en-
cooiraro bastante paciencia para bem eseoltwfem
o e,ue desejarem comprar, e prego* baratissrmcs
em virtude de baver em iidos es es artigo graude
quanUdade, e terem sM compraduS masmo na
Europa pelo dooo do ailo-esiabelecimeot, arma-
7. m do vipor, ra Nova n. 7.
na-e desta data em dlante Manoel d'Almoida Car-
nal ro.
Paraqeojuiz dedireitoda
comarca de Mamauguape
vejaepovidencie.
Tendo sido processado o bacharel Jos Joaqoim
: de Si e Benevides, peraote o maito digno joiz de
. direito da comarca de Marmogoape, pelos crimes
' pr. vistos dos art* 139 | l; v 6, a 142 e 145
do cdigo criminal, e per lerem sido esses crimes
' comrnellldns coro as circomslaocias aggravantes
do art. 16 J 4a, 6* e 10 do mesmo cdigo, ccnsia-
' nos qoo eswe processu fra rem-ilido para o'bacha-
rel Benevides responder aos Importantes pontos de
; aecusacao no prato de quinte dias, no entreunto,
que ha mullo mai r prazo decorrido e sem respon-
der I......
Espero que o moito digno jo'z de dimto nao
I consentir' por mai lempo svmelhante abuso, e
, que .-.riiv? o processo embira ex offleio como ,
j para que a lei, que fui calcada a ps pela bacharel
I Beu.-vi i.-is. seja desaggravada sabiamente por S. S.
O Ur. Beorvides esta tranquillo porque coota com
a proiecgao uo Enn. Sr. Ur. Pelisardo, conhado do
juiz de direito, porm pede Mear certo o Dr. Bene-
vides qoe ro darei publicidade a qualqaer oaza
tendete o referido processo para o publico e o
mundo nletro, ficarem seienle da jostiga oo injus-
fca que se flier, (hei de tocar o clarim) e a sua
iofluencta nao sera li urandn que ebeguo ao
O ICSPXUO TRIBUNAL DX RF.LAgO.
Recife, 23 de novembro de 1867.
Jos Gimes Villar.
Precisa-se de urna ama para o servico de
urna casa de ponca familia, prefere se escrava e
payase bera : no caes do Ramos, armazem n. 10.
Urna ennora professora publica da lasirue"
gao primarla, por motivos de molestia desoja p-r"
mular sua cadeira por oulra nesta cidade d Re-
cife, at a dislaocia da ama legua, a offerece 4>er
corapensago urna vantajosa .Hera : quem sifiro-
poser a far r este negocio, dirija se ao caes dio Ra-
mos, armazem o. 10, ou aonuncie para ser pro-
curado.
iamnel Power Johoslon &iiompaaliii
Ra da Seuzala Nova o. 42.
AGENCIA DA
Fundcode Low 3oor.
Michiuas a vapor de 4 e t> cavallos.
M'iendas e meias moendas para engeaai.
Tdixas de ferro coado e batido para eage-
nho,
Arreios d carro para aa e loas cavall.s.
leiogios de onro patente iagiez.
irados americanos.
Mi-'hiaaspara descarocar aigodo.
Mbtorespsra ditos.
Michirus .le costura.
HISTORIA UE <\ LOS
Attenco. ******* I
R. 5 Raa a Li\rae3lo-R.'
Deposito da Umancos o, calgado nacional da fa-
brica da ra do Jartrrm'n. 19, de Jos1 Vicenta 6o-
dinho, tanto no deposito ora na fabrica saanromp-
tam todas as porgos de calgado o mais barato
possivel, esu fabrica tara (idas as machinas pro
prias para os calgados ja bem acreditados pelo
graode* numero de ff&goes que daqul se for-
necera. -
- O Sr. Justino da Silva Cardoso qneira
i vir nesta typographia i: aegocio urgente.
- na praca da Independencia n. 33, loja de
ourives, compra-se coro, prata e pedras preciosas,
e tambem se faz qoalquer obra encommeoda e
todo e qnalqner concert.________i
Kei da Sueeia
POR A'OLTAlftE.
Vende-so esla excellenie obra por
brochara, na llvraria Econmica ra
n. 2.
Na mesma llvraria tomam-se assigoaturas para
avida de Horacio Xelsouo celebre almirante
anglez a 15 cada exemplar.
100 em
do Crespo
no PfiiTi
Av.0 importa Se.
Os unios verdadoiros xaropes de hyp'rabospbl-
los de soda, de cal o de ferro do Dr. Criurchill ira-
zem a Qrma .]U3iro vezes repetida dt-ste sabio me-
dico sobre o subscripto a marca de fabrica da
pharmacia Swann, 1, ra Ca-iiglione, Paris.
Acha-se a venda em frascos quadrados -cora o ai
rae do Dr. Cburchill no vidro. Prego i fraucos -i%
Paris : Com instrueco
O Peitoral de Cereja,
DO )R. AYER,
TAHA A CURA BADICAI. E CES-
TA do torfu-s a^ TMok'Htiii do pcito
du garganta, tOWCS, CODfltlpAfO&s,
Ilrouiiti-, a?rcn, di-Huxns, ro-iul-
do, Co<]adoehe,8ii^D0,DlpUirria.
Este xnropo pt.-itor::l o rebul-
tado de longos minos de cstudo
por um dos prmeiros midicos da
America do Norte, e de experi-
enci.is minuciosas nos principacs
hotpltip do mirado; recetado pelos medice* mais dlsllnctos
derte seculo na sua clnica particular, portnnto digno da toda
confianza, V,por ser eficaz, ulcaocaado com uuia cerlcza infal-
Ivel o assento da molestia e arrancando Ihe as rnizes, assim
d&odo aos orgios aneciados una aeco natural e s: 2", por
ter innocente e rppliearal n qualover pesta de qualquer Uladt
ou sexo, ao homem robu-to ou crianca da mais tenra idade,
ctda frasco sendo accompanhado de dlrrcc;cs minuciosas :
3", e ultimo, por nio ser um remedio secrclo, pois qualquer med-
ica ou pharmaecutioo pode obter a formula da sua compo-dcao,
dirigindo-sc pesoalmcnte ou por carta ao agente geral, H. M.
L\sk, a ru Dircita No. 15. Kio de Janeiro.
Muitos casos que tinho zombado do todos os reciir-o:
da scicncia tena sido curados radicalmente com o uso do
Peitoral de Cereja.
l jessoas atacadas de tosse, deflu-xos, Dr da gatyanla,
B-onciiite, asma, etc., c outros symptomas da tutea prima-
ria geralmente fazcm jarico caso do seu padcciincnto at
qtic seja tarde para cura-lo. Nao descuidis d' urna tosse
porque agora parece de >onca rmportanci* ; urna to.--.--i'
descuidada cliega a ser chronica c induz a formacao de
Tubrculos nos pulmoes. ^^^
Nenlmma casa de familia deve estar sem um frasco
diste xarope mo ; pois nos ataques repentinos de
Anfina, de Croup, c nos paroxismos do Coqueluche; ou
osse compriia a que cste- stijeitas as crianfas, nao ha
tempo de duunai um medieo, nom do fazer remedios, e
este xarope aliria inmediatamente c pe o filho qerido
gao c salvo, tora de perigo.
As molestias quo esto ao*'Aanee da) virtudes curativas
do PJBITOBJLJO DE C'BJtiVJ^l sao
Asma, Esquinencia, Bronohits,
Coqueluche, Tosse ferina ou convulsivo.
Eoquio, Todas as molestias do peito
e garganta. Consumpco dos Ful-
moes ou Tsica pulmonar.
Acha-** todas as Boticas e Drogaras lio Imperio.
Trocam se
Comidas para fra
Na roa estrella do Rosario n. 27, segundo an-
dar, aproropta-se comida TDandando-se levar ou
pata qoem a quizer maudar buscar jyor seu por-
tador, por prego mais bailado que em qualquer
oulra parte, e ao go-to da,enco.amendia qner ua-
cional qoer estraCireiro; tamliem se faz doces de
todas as qoalidades e aprompum-se uandeijas de
bciinhos para cb, bailes, casameulos ele. Na
mesma casa precisa se alugar urna au doas es-
cravas que emenda de lodo servico de- casa, com
erar e tambem veoder oa roa.
'----------------------------;----------------------. A
Aluga-se
O primeiro andar do sobrado n.
Imperial: a raur no segondo.
Feitor.
as notan do banco do Brasil das calas filiaes-
dom descont multo rasoatal, a prac* da lde,
oeodenda n. M.
Aluga-se a casa dos lefos : ua rToosTra-
tertt a. 36.
Precisa-se do um lA)fcdBlJ
irabaibador para nu
Dase rasa propria e boa para
milia,WnUo do sitio ; para ira
i* andar.
Daseja so fallar com o &r. AoaclejDiiosI M los: na rna do Li Tramen 3.
PiMas Oatharticas do 1>. Ayer
CUBAO
Primo de rentre, Indigettmo, Cmttip*oio, Rhtu-
Mlimo, nemmorrhoida, I>r *> becm, A Xecral-
gia, mal do estomago, Enxaq*etm/*lal do Fiando,
ffattrte, Fobro gatro-hepatiem, ZomMga: Eryslp-
ella, BifdropHa, Incremento do omejo.
Todas as moles'Jas que proTm do~so excessifo do
Qujjiino.
- -^-irrlrroT-porgtnte atf *je cowhecida, -
vegitaes.
UssMyflcV i *o Imperio.
Baa SiMtt*:o. 13.
Blo de Janeiro.
DepositogtWdl wa-tjoViguio n. 9 -
escrip'.ui iu de Theo: ulit.




?W4fc^ VHi*Mft HnttHWttiM fnJmmH*tik+lMfom._
eiaalad moi
_
-ifllO'-'b Mol*!'' '* &*l

o-i
iat'
a
ob.V ESPECIAL HOMEOHtHlC*
al ocii. bisl-
os MPh- >)
:*'b h*
-iteoik) '*
aar^sftB

de c*
19J tmi -
BO IDl b oitl > 'P i
IWA V. i.
'-01
I B"
11 ..-;
tiltil Db iip"! i'i f rv'n>*h!
i Al. .*_"
JTICO!!
SlidflSfl
ITB
..<( feLit. v: ioq ,u
a::i Jurme*
lA "]_! 1 .- >.u^ +. Ajmmm rfg- **> cidade dcsejando facilit^gra^onH.o uso do gi J. FERER1RA VlLLELA **L<
1.a
11-
i?u, .. ----- .
riaes pr< ciws para a installacao deta luz.
wot tontrt ^ahptacimente fe kcha Posto aae, na segunda edicao do The- *_; 0 gaz foroecidoJje de extrema pureza e nao offendeia
M!5_^
HomeofKitkia.
Medicamentos m glbulos e em unturas
preparados cora a mais escrupulosa exacti-
&o por raeio de machinas especies. guns ewla^Smd^?em.se 20
riCarteirasportote^tUendoo.pmcipaes J^^^fZ^^ tercos $;$%^^&^c^
4. As pessoas que quizerem cullocar o gaz em suas casas podem dingir-se em-
o bronze
lufas, quadros.
tempo to sau-
tambem a obs-
medicamentos era glbulos a 0, 205,
305,403, 30,5 e 60& conforme a quanti-
dade de tnbos. t
Caixas de medicamentos em lbulos e
em tinturas e 80*. I00MJW *o0
rs., segundo o numero dos vidros-e de tu-
bos.
3. ~U* apparelhos existentes, como lastres, arandelas, bracos de vidro, de bron-
alo~ ze, etc., etc., s3o proprios para o? senbores que preferem luxo e elegancia, como para

Da casa Imperial do Brasil
lina do Cabng, 18, entrada prlojpateo da matrl
Retratos por todos os syslemas p'aotograpbicos. 2 9
Retratos em \idro.
Retratos em naoel.
i '! I

Retratos em pajel.
Retratos em porcelana.
Retratos em talco.



i
(Pagua mira, asaeja-sc.bem, e da
cada pesiofe una Aerada pela nianha, ou-
tra ao meio tlia -e outra a noite, durante
tres ou cinco das tonsecutivos. peixam-se
passar outros .tantos dias sem nada tomar
findos os quaes, repete-se o i
Fstas cMxas sao mui uteis aos mdicos, mesma' maneii'a; e assim *e continuara
senhores de engenhos, chefes de grandes
familias, capit3es de navios, e em geral a
todos qoe se quizerem dedicar pratica da
homeopata.)
Cada tubo avulso custa.......i&uvv
Cada vidro de meia onca de tintura. 2 Vendem-se glbulos inertes, tubos vasios,
cidros para a preparacao das dses, etc. etc.
Escovas elctricas para tratamento das
molestias nervosas, principalmente para as
dores de cabe?a. *
Appareltios de lavar os olhos no trata-
mento d3S opbtalmias.
Apparelhos de injeceo para o tratamen-
to de certas molestias das mullieres.
Cha preto e verde de excellsnte qcali-
ade para uso dos enfermos.
Vende-se igualmente o Thesonro ao-
meopathiee ou Vade-mecaui do
hoiuoui aha (obra incontestavelmente
indispensavel todas as familias, pela clare-
za, com que ensina a empregar a nova me-
dicina), prego 20J.
(Em porces do SO esemplares faz se o
abate de 15 por cento.)
Esles retratos sao especiaes para se cgllocarem em alfinetes de peito, cassoletas
preza, a qual se encawg^ dacollocac5o de todos os apparellms, canos, ete.. amando toda botoes e ane.s.
a responsabilidade pelo perfeilo umpriraento do masmo, on por outaa, podem empregar Re ratos era cartoe. a* Mata,
qualquer maquinista reconhecido pela empreza, sendo o mesm^ maquilla responsa^el
pelo seu trabalho. .________'_'.,._.,. a, ^n~
era qnanto durar a epidemia.
(\s creancas ate a idade de 3 annos to-
marSo o remedio as colherinas).
Si a epidemia estiver muito forte, ou, si
na casa houverem bexiguentos, deve o reme-
dio ser tomado todos os das sem mlerrup-j
So, at que a cousa melbore; depo.s do
que volte-se a usa-lo do modo ensiuado.
A garrafa deve ser nova emuito bera lava-
da, primeiro com agua quente e depois com
agua fria. (No caso de nao baver garrafa ou
vidro novo, poder servir urna garrafa de vi-
oho ou de agurdente, cora tanto que seja
muito bem lavada cein aguas quentes
"parauma so pessoa basta dissolver 6^
bulos de vaccina em 2 eneas d'agiia, c aiii
tomar as colberadas como ] ficam indi-
Nao pre:isa qrandt dieta. Abstenbam-se
do cha e do caf fortes, do abuso das bebi-
das espirituosas, das comidas gordurosas
exige.
pelo seu iraDaiuo. ,
5.1 A empreza obriga-se ainda a reparar gratuitamente qualquer falta de loz,
obstrueco de canos, etc./devendo o consumidor pagar-sement as pecas novas qne torera
precisas para o mesmo concert ; qualquer reclamaco qoe possa haver, sera dingia ao
escriotorio da empreza ra do Imperador n. 31., am de ser logo provideuciaJa.




NiSl -Ra do cafoagft-
Ago^tinlio Jos dos Santos Sr (J
CONSULTORIO HOMEOPATIIICO.
O Dr. Sabino 0. L. Pinho d consultas
todos os das uteis desdo 11 horas da ma-
ullan at s 2 da tarde.
As visitas aos enfermos sao fetas das 2
horas em diante ; mas em csso de necessi-
dade ss visitas podero ser fetas a qual-
quer hora.
Tara que as visitas rossam ser regulares
compra que os d entes ou os seus enfer-
maros nvaudem dar parte do seu estado,
todos os dias at o meio dia as molestias
agudas; e de 5 em o dias as molestias
chronicas.
As consultasesdriptassSo respondidas mais
ou menos promptamoote, segundo as
necesidades da molestia e a distancia cm
que se a-lia o doente, pois que neste caso
faz-se preciso indicar de urna so vez ludo
o qne convier ao restabeleeimeato dasade.
As retruicSesserSo pagas na mesma coc-
fornii
O Dr.v: ''i'1'" roga a todas as pessoas, que
costu nsnlla-lq p^;r escrpta, que or:
;.u, airores a pnmipia tilin-
ga de suas cartas, visto que, entregando-as
como ( luraam, na accasiSo de se retirarem
do R-. .-, impos-ivel responde-lus satisfac-
t iriamente.
MEI / CAMENTOS PRESERVATIVOS.
Em qu^squer epidemias o Dr. Sabino
faz distribuir gratis s pessoas pobre?, no
sen estabc'ecimento. os preservativos neces-
sarios, : ndo-lhes as competentes insiruc-
&** -41
Presi' lamente reina a epidemia de bexi-
gas; ramios j se tem aproveitado com fe-
lfees resultados do seu ollerecimento, feite
no Diario ie Pernambuco; mas necessa-
rio que todos experimenten! esse meio tao
fcil e tao commodo de se prefervarem o s
suas familias d'essa lerrivel molestia.
O preservativo empregado a vaccina
elevada 3* dynamisacSo. As pessoas, que
fazem uso d'cla, ou nao sao accomraeidasde
bexigas, ou, si o s5o, raramente as tcm de
m q didade.
Acaba de chegar a este estabelecimento um esplendido sortimento de tf^
ioias do ultimo gosto, perfeilo artstica e modellos enteirameote novos; como <|F
segnem : aderegos com rubim, esmeraldas e perolas finas, pulceiras, broches
para retrato, anneis, botoes de punho, brincos e casso.elas com letras, etc.
etc., etc. Salvas de prata do Porto, faqneiros, paliteiros, all oe mesa t -L..
t't) fructeiras, cujos precos s5o incompetiveis, pois que os prop^n0s desacasa, g|
m recebendo seus artigo, directamente da Europa, podem servir vantajo menla ,
X aos seus fi eguezes. Compram-se brilhantes, podras finas, ouro e prata, pago
wh ee bem, tarobem se incumbem de fazer concertos.
Retratos timbres-poste.
Retratos comee .
Existe sempre ura vanadissimo sortimento de caixinhas, passe-par-touts,_qaa-
dros pretos, molduras douradas, alflnites e cassoletas de ouro flno para a collocacao do
retratos^ Vendem-se tambem albuns, stereoscopos, vistas para os mesmos, vistas de di-
versos edificios e pontos desta cidade, apparelhos para photographia, echimicas para a
mesma arte.
Fafaica de desfilacho e bonificado
DE
MARQUES & FERREIRA
RUI BO A19IOR1H--FORTE DO HATOS
PERNAMBUCO.
Esta fabrica acbaodo-se montada com toebs os necesarios pertences a ama destiladlo e cot&
as primas, que eniram na coofeccio de lod s os seas productos de superior qaalldade : promp-
a rec.i-Ler torta e qualquer encooamenda o a vender os sus producto? por precos nlrrii,rr"in">
s os quaes cbtiveram premios as expo5o:s dePi'rnamuco, Rio de Janeiro e Paris e
materia .
tificA-se a
reuiido
promp-
miamente
ra 1867.
PLUMERA CEL1N0S.
(C0NTI1A A M0HDEDUB.A DE COBRAS)
Este medicamento go;a de muito bons
crditos contra o veneno das cobras e de ou-
tros animaos venenosos.
O Dr. Sabino nao tm anda observado
pessoal do fado algum que o autorise a
affirmar sna efcacia; raa.s sabeodo que no
Rio de Janeiro e em S. Paulo elle tido co-
mo muito poderoso, mandou-o vir para ex-
perimentar.
Ahumas pessoas do centro d'esta provin-
cia e\la daParabyba um escripto ao Dr.
Sabino, dizendo ser inconle da plumera no tratamento das mordeduras
das cobras.
Emprega-se a plumera cel.ms interna e
exteruamente, da maneira s gointe:
Uso interno Nos casos menos graves
dissolve-se urna ou dua^ g'a's de tintura
em duas eneas d'agua, e d-se ao mordido
urna colberada de hora em hora.
Nos casos mais graves dissovem-se seis
gottas em quatro eneas d'agua paralara
autos0(swonrio aforca do veneno mocolado
ou intensid; d3dossymptomasmanifesladt.s.)
Logo qu ver melhora, se espassavao
itiite os inlorv;dl"s de nma dsea
outra.
Uso externo.Ao mesmo tempo que se
d a beber o medicamento, applicam-se ex-
#
03MSm Allty.
melancia e muitos outros genero?, os quaes sa vendem a voataae do comprador, em barris, cana-
da^ em garrafas com vistosas tarjas. Promptificase a condicionar e enviar qaalqoer remessa qac
no?'sej* pedida par? toda e qual-jaer parte, dVendo ser os pedidos acompanhados de ordem sobro
i tora;! ______________
Joapim Jos Gonc-alves
BelMo
HD4R0TlPSCHE N. 17 Io AuDAE)
Sacca por todos os paquetes
Jo 'inho em Braga, a sobro os
em Portugal.
GB TIFIASE
sobre o Bancr
se
4^i
N. 2 largo da'matriz de Santo Antonio n.2.
RETRATOS A OLEO o 11K ,
Temos a honra de parteciparao respeitavel publico a voltaido Sr. Alberto^Hens-
diel ime [. i Europa cora o duplo fim de se por ao correte dos ma s recento* P o
g?2L5 a.. "^SKi!-pKu- oouquerir para o nosso estabelecimento mais uiasr-
lista de i lento. ... .
O fr. Alberto foi summamente feliz e conseguio engajar um destnelo pintor de
retratos, p
SUS. C^AMiCS ERSESTO PAPF
isembro honorario da academia real de pintura da cidade de Dresda, e do qual a reputa-
cTio bem fundada nos autorisa a erperar producoes notaveis no seu genero do trabalho.
Um progresa immenso ltimamente eiceulado na photjgiaplna, um dos mais
DSdnTsWdeTinho' aportantes coniste n'arte de obter retratos em tamaoho natural, usando direclamen
aber:
Lisboa.
Pcrto.
Valecija_.
Gui maraes.
(Vimhra.
Chave?.
\ seo,
Villa do Conde.
Arcos d3 Val de V:.
Viancf do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova Jo Facwllcc.
Lamego.
Lagos.
Govllli .
falpi
'lia.
Beja.
Barcellos.
bem a quem cipiurar on der noticia m ma ti
Trapiche o. 18 Io andar, da mulata escrava Vi-
cenca, mnito conhecida na Capunga e Olinda,
cjm os signaes segalntes : idade 28 annos, esta-
gatuws inga- j tu|.a rt.gU|3rj bastante cheia do corp?, cara lar?a,
cab-llts averroelhados, olhos pardo?, dectes per-
' ffitos o aivos: fogio ni da 20 do crreme, levan-
'; do docs vestidos, um d iliita riscadinho verde, e
'outro de rasa branca com phl? rncarnaJas.
do pintor, o retrato photographado, por meio
trume ;to especial cbamado : cmara solar de augmentacao.
P, r esta trm o talento e o saber de um artista habii e maravillosamente se-
cundado peia prccis5o absoluta e infallivel dos contornos e das sombras que Ihe poe a
photographia sobre a tela, e ludo se reno assim para se alcaucar o maior grao possivel
de semelhanca incoidestavel, ao que d ainda maior realce o tello artstico, que imprime
a; retrato um I ello colorido. .
Pelo mesmo processo nos podemos reprodnzir e pintar a oleo, urna vez qne se
nos d urna photographia, seja de que lamanho ur qualquer retrato de pessoa morta ou
au ente e no tamanho que se desejar.
As pessoas que quizerem julgar por si mesmas deste novo genero de tra. a no,
, do D? Sabino aeba-se in- sao convidadas a nos fazer a honra de visitar a nossa galera, aor.de estau urostosoma
cupido de resedver qoaesquer negocios serle destes retratos como "^jj^QrjTypOg
Retratos cm caixinhas
Para atisfayer a numerosos pedidos de muitos dos nossos freguezes, estamos pre-
parados para fazer retratos neste genero, para os quaes tambera temos agora um grande
ve ariado numero de ricas e bonitas caixinhas. _^____________
.. de algo-Iao embeb..
canda tue>ma tintura constante de 10 gottas| e
de tintura em 20 colheres grandes d'agua.
Esse Sos se conservaro sempre molhados
sobe o logar da mordedura.
O Dr. Sabino receber com reconl.ecmen-
to as commordeacoes que se dinnarem de fa-
zer-lhe as pessoas que experimentaren! o
empreo da plumera celinos.
Nota.
relativos ao eslabe'ecimento o respetivo g
rente.
Jos Aires Tenorto,
Professor em homeofjathia

o
g-
5
o
6S
c
Z 3
o
ew
o'
Di
o
!'
O
9
5
a
/.
i=


a
t
3
eo
c
o
a
.

ce
"EL
j
o
c
&
9

O
f
5"
9
3
-
c
o
C
c
o
o.
B
&9
s
a

O.

s
.
c
c
'j.
r:
u
s
o
ce
c
I
O
E
o
o
5
"H.
a b





%
B
8
S
o.
8"
o
m m^w^
Alm do grande sortimento das melhores machinas, americanas para descarrocae
algodSo, de 10, 12,14,16, 18,20, 22, 23, 30, 3o, 40 e 50, neste estabelecimento sr
encentra mais o seguinle:
INJECTION BRO
Vende-ia pa Botict Fnoce roa Nova o. Vi.
Azeite de espermacete propria para machi-
nas de todas as qoalidades.
Vapores de forca de 3 a 4 cavallos.
Serras avulsas para machinas.
Mancaos e todos os mais pertences para as
mesmas.
Carros de mSo para aterro.
Cylindro para padarias.
tf
Debha'dores para mimo.
Arados menearas.
Escadas de madeiras americanas.
(^rrinhos propries para armazen.
Moinhos para refinacoes.
dem para m Machinas para cortar capim.
Bombas para regar jardins.
Vaquetas para cobertas de carros,
Camas de ferro sortidas.
Bombas de Japy.
dem americanas.
Ferros a vapor para engomoar.
Vassouras americanas.
Baldes americanos para compras
Tinas de madeira.
Ballaios e cestas de verguinbas.
Coarda comidas.

..t nu f
IHlA -
S Mlit
Peneiras d'aramepara padarias e refinao5es.
Correntes para almanjarras.
Machados e facoes americanos.
Caixas com vidros de todos os tamanhos.
Cannos de chumbo de todas as grossnras.
Folha de cobre idem idem.
dem de lati idem idem.
Folha de Flandres.
Ferro de todas,as qnalidades,
Arcos de ferro.
Latas com gaz.
Trens de porcelana para cosinha.
dem estanhados para dita.
Bandeijas finas.
Balancas americanas.
dem rovervaes.
Taixas de cobre.
Estanto em verguinhas.
Folbas de ferro de todas as grossuras.
Correntos, de ferro sortidas.
Espingardas de todas as qualidades.|
Revolvis de todos os modellos.
Ferramenta para oorives.
dem para tanoeiros.
dem para ferreiros.
."'liOfct tun I
Franca Brasil.
Largo do arpo Santo u. 27-
Mr. Joao'Mcrcler, alfaito fraocez, tendo i b
da Paris la grande exposis^o universal de 1837,
faz sci.-nte ao respeilavcl pobiieo p aos seas nnne-
rosos fregaezes, qne tem uro giaude sori'mento de
faz^nlas unas, assim cumo crie de calcas e cele
t.-s de casiojiras e costumes ioterissos, a ci rtes Se
colles Ce seda fin3, de cures e d la, nm grande
forlimento d>' brlns brancoe decr -. issli i cono
faze^das projnas para mentaria de fenbor, e
ptimo sargellm franre?.; assim como veette nm-
bom faieudas a' vontada do fregu:, por prejos
commodo?.
Precisa-se de uina ar.a para lavar e engomoiar
alguna roupa : a tratar na ra da Cadeia do Re-
cite v. 34, 21 andar.
O abaiso assicnado comproa ao ar4 Ignacio
d^ S Lopes Foroandes a sua taberna da ra larga
do Rosarlo n. 2:J, livre e desembarazada.
Joaquioi Pae. Pcreira da S Iva.
offfrecfl-o ama malher traeca, de (ora da
proeincia, para toma- conti de nma casa fle pa
qoeoa familia, ou ra^smo para eocarregar-si^ do
tratndolo o"p rreoioo=, por tT pratica, preferindo
casa estrangeira : quem precisar annuncie por
este Diario. _______________________
laga so a rasa da ra Augusta n 90, com
comm&djS para urna faml i., t'ande : qaem a pre-
lendcr dirjase a' ra do Vilano o. 12. ^^
Prn-i.-a se
va
ua na ria I
uh. urna cusiob' ir;
iriz n. 63.
livre ou esen-

Precisa-se de urna ama para casa de pouca fami-
lia para co2innar e ensaboar : a tratar na praea dj
CorpoSant o. 17. terceiro andar.
fi Pp n
Aos 5,00(3,1
BILHE7.ES GARANTIDOS.
A' ia do Crespo n. 23 e casas do costme.
O abaixo ssignado vendeo nos seus muit) t.--
zes biletes garantidos da lotera qoe se acabou de
extrabir a beneficio das familias dos voluntarios
da patria os seguintes premios :
N. 1207 ora meii com a sorte de 5:0C0.
N. 1235 um meio com a sorte de 90C.
N. 1653 um meio com a sorle de 405.
E ootras rauitas sortes de 1005, 405 e 205.
Os possuidores podem vir receber seus respecti-
vos premios sem os descontos das leis na casa da
Fortun rna do Crespo n. 23-
Acnam-se a venda os da Si' parte da lotera a
tavor das familias dos voluotarios da patria ((46*)
que se estrabira' .s-.'Xta-feira 29 do correte,
treco.
Bilbete.....65000
Meio......35000
Quinto. 15200
Em porco de 1000 para cima.
Bliaete.....5*300
Meio......25750
Quinto.....5100
Por Maooel Martins Fioza.
G-Hiil H. Rodrigues de Sema.
Aivxr
I -. se de urna ama pa-a poaea familia : na
roa ... .ru,rt". lnrg.
Precisa se de urna ama par ng \r: na ru3
do Trapiche n. 36, s gui 11 i Qdar.
Ama.
Precie a-se de ": a ama para s-. rvi.;o de duas pes-
ia : na ra das Aguas-Verdts n. 8, pr.meiro
andar.
Ata 1c leile.
Precisa-se de orna ama de Ijile ; na ra do Ca-
nega o. li, primeiro andar.________________
A flora Pemamucaiia
Esta obra qoe fol publicada pelo seu autor o Dr.
Arruda tem desapparecido qnasi absolutamente e
I- r Isso na botica da na larga do Risario n. 10
junto ao quartel oe polica, compra-^-, alaga so
en mesmo se recebe tijrempresiim) mediante to-
da a saguranca da dita obra.
Precisa-se de ama ama para tod > o servico de
ama casa de pequea familia e principalmente pa-
ra cosinhare engommr, preferindo-se prela es-
crava : a tratar em Fura em Portas roa do Pilai
n. 143, 2 andar. _______________
Alagase o sitio da 8ra. viava Carvalbo em
S. Jos do Miognmbo com orna excellente casa de
sobrado : a tratar com R. Lasserre na roa Impe-
rial n. 1, 1* andar oa na roa do Traon* +>
2* andar.
Cartas
Na companbia pernambocana ba cartas para os
gnintes sensores:
segu-.
Dr. Antonio Vieira Caldas.
l>r. Raymando Braulio Pires Lima.
Carolino de Lima Santos.
Dr. Emest) de C. Pires Lima.
Lizardo Bernardido da Rocha.


Sitit) para aiugar-se
Aluga-se nm sitio nos suburbios desta cidade e
bastante prximo a me>ma, com boa easa de mora-
dia e lianbeiro anio a mesma e diversos arvoredos
com fruto, nrlusive c.">quelros : a tratar na ra do
Qaeimadj n. 7. qoe se informar.____________
Precisa se de nma ama para o servico inter-
no de casa de duas pessoas : a tratar na roa de
S. Grmalo n. 25.
Atten$Lo.
Na rna do Livramento, loja do Zuavo Brasileiro
n. 33, tt-m para vender um completo sortimento de
candieiros a gaz_rocdernos._________________
~ PrecTs'a'alngar'uma" preta para vender na
roa : na travessa de S. Io_.13.___________
NcTbecco Largo n. 1, primeiro andar, preci-
sa-se de orna ama. _________________
^TAJga'-se a sala do segundo andar do sobra-
do da ra do imperador n. 75; a' tratar no mesmo
segundo on terceiro.
O abati assigoado tem para arrendar ou
tender o engenbo Vertente, sito na fregoeiia de
Grvala da comarca do Bonito, moente e correte
d'agua e com sement bastante para a futura sa-
fra, qoe se ha de Qndar em malo de 1868 ; e bem
assim tambem arrenda oa vende o eogenbo deno-
miaado Pao-ferro, sito nos sobarblos da cidade da
Victoria, moente e correte, de animaes, com sa-
fra para a coibeiU de 1868, e se engloba, no caso
de venda, algnns escravos a saber, oito para cada
engenbo: qaem pretender dirija-se ao engento
Po-ferro, residencia do annunclante.
Aleandre Beterra de Albaqoerqae Barros
Ama
Precisa-se alogirnma escrava para "hter *
engommar : o ?ua Oe.S. fraoelsco o. 51, Pra
pequea amiha. te: o <<-*a>rlii, 1
CONTRA FOGOl
A compaihia Indemnisadora, estabeleci-
la nesta praca, toma seguros martimos so-
bre navios 8 seu carregamentos, e contra
logo em edificios, mercadorias e mobilias:
oa roa do \igario n. 4, pavimento terreo
Comparaba fidelidade de seguros
martimos e terrestres
establecida v> Rio de Janeiro
AGENTES WfttoNAUBaO
Adtowe Lnii de 0Tei" ITe C.
competentemene antorisados pela
directora da />mpanhia de seenrot
Fidelidad*. j^-JSf8 na-
>.

r
i
llEGiVEl L



r*|flio^ii!i^i,,3fcMW*i wim*aafc>T*!i&.
a
ftbjttfl
nmVIMIiv wuc
hoqffii
&-__*m\I.i
i
BE OlfttO. ^
I
,2S
-fl
KIXCI Xfe fi
A ESMERALDA
5 Rua
m_ c --niiil
_
3S16 W. asAPfejaD. ? D infftelafla Coracio fltrOoro b roa do Rabuf, *ch_|&JJVran ton* F
Jo &o rospcitavel poblicocottt especialidad* as pessoas qne honrtim a nvrfa's objectos do ultim gos
ti-feCaril) par roanos 20 por unw do e ero ootra qoalqser-pane,safantt-do se a qaaida4e e a se
O respeitvel publico avliando o des'ejo qoe dev* t"ro r-ro^ri. tarn da oro novo r>stabal3ei'Ti_-
tCTine cjuer propres^o em s?u negocio deve enejar froroedlataHiene ao ciracSo 'de ooro a comprar
aneis com perfeitos brilbaoten, esmeraldas, rubios e perola ; verdadeiras em agarras, modernas pel
diminuto preco de 10#, briueos moderos de ouro coral para memua pelo preso de maracas ds
prata cota cabos de marfira 8 raadrperol obra de moderno gosty ouro) voltas de ourocom a competente crusinba ricamente enfeitada pelo pequeo pre$o de 12& bnn<
cosdenm trabalho perfeltopor nra'modicc pre?o,cas?oetis,traneallns, pnlneiras alfinetes para re
tratos e outros trodelos todo de alto foslo, aaeis propries para batir catwllo e firma, dito para cas;
ment, bo artieo roseta leo o Coracao de Duro uro completo a bem variado sortimento de diverso!
gostos, butes para punbos qooa diamante, rubios e esmeralda?, obra esta importante ] pelo sea va
lor ja' por gosto ds desenho, brincos a forma da delicada noslnha de moca com pimreBte contando os
meralda.-, rnbins, brhantes, perolas, o fcosto inhume, alflnt*9 -para ravsta no mesmo gosto, re
ros para senhora cravados de podras preciosas, ditos para hornera, diversas obras de bridantes a
noito gosto-, crusiobas de robras, esmeraldas, perolas e brilhaote, aneis eoni letras, roletas >
erystal eouro descoberta para retrato (a iogleza) brincos de franja, ditos a mperatrixe toda e qual-
quer joia, para secoliocar retratos e obras de cabello, e ootros muios objectos qne os pretendemos en-
contraro no Corarlo de Ouro que" se conserva com toda a amabilidade aos eonoorrentes dallndo-
se de eqnl mencionar preeos de certos objectos porqoe (deseulpeui a maneira de fallar) dlrendo-se
prego talvex alguero faca mi joiio da obra, por ser to dtmloota qnaotia a vista do sen valor.
Ka mesma toja compra-se, troca-se ouro, prata e podras preciosas, a lambern recebe-so coneer-
tos, por menos do que em outra qualquer parte, e dao-se obras a amostra com penhor, consarvando-s*
Corado de Ouro aberto at as 8 horas da noile.
Qoal da Imperatriz 5
A" irodi! moda 1 qo- tempe, '
Da fcsla o genio dos diz :
Me ver cousas mui bellas
N roa da Imperatriz. il0*i,

I
IJe, e ao rjssardes as port'.s
Ao numera cante w__lfri ;
E' lti que asa^o g'cOJf,
E' alli que o posto lei.
Tem lovas le varias cores,
U i aflamad-., Jjuvicn ;
To.ti ricos cintos a flores,
Fitas llndis a etim :
Enf^it- ? do vatios gosto?.
Coapeltoaf e toncado?,
Tem veudos mono simples. *
M Isnibew os tem otd**es '
LVO^C* O* H<
i-, linas, Wicus, franjas,
, lqn s e corcoe?,
aze de seUa, boro crep,
Blonds ricos a baldes ;
M t |l W

nota se"ii> sba frente nm coracao pndurado pintado de amarello, tila de ontro qne se nota a
rotulo (isto se adverte ero conseqoeucia de terem ja' algomas pessois engaado com oulrt casa

N. 64
MU
-Ra da Imperatriz-----N. 64.




Kova loja de ibl-lezas e aitigos de modas

DF.


SILVA & NEVES.



SSp

Os proprietarios deste novo estabelerimer.to ofieveceai ao respeitavel
publico desta bella cidade, c do interior um liudj e escolbido sortiacnto de
miudezas e artigos de modas, concorrendo para isto o lerem na Enrona, pes-
soas habilitadas a executarem sitas encommendas no qne houver de mais no-
viJadc e gosto, e garanten) vender pelos preeos mais rasoaveis do que era
H|& oulra qualqner parte apar de maneiras delicadas e sinceras.
Acabam de receber pelo vapor ftcncez Gueme, os segaiotes be-I'es
artigos de moda e fantasa.
Luvas de Jouvin para senhoras e bomens, de todas as cores.
Livros para missa com capas de madreperla etc.
Indispensaveis e boleas de to 'as as qualidades.
Coques os mais modernos.
Espart-ilhos collares, c cintos de seda e vidrilho.
l\eadas de Guiyure, de seda, (blonds) e de algodo, de todas as
qualidades.
Completo Sfirlimento de Irancts, fitas, botoes e guarnigoes de seda
com vidrilho e sera elle, gravalinhas de seda, e rnaugnos de lastro bordados
tudo do ultime gosl > de Pars.
Lequcs do sndalo aberto do mais apurado trabalho
Agua Florida c lomeo oriental 'le Laman & Kemps.
Ricos eDfeites e guarmges fie llores para vestido e cabega.
Calcado para senbors e meninas.
Perfumarlas as melhores e ms esColhiJas de Lubm.. Piver, e Oea-
di em ricos e elegantes vasos de porcellam, crjstal e prata iogleza.
Meias de algodTo, as mais Boas e melhores que teera at boje viado
ao mercado, para senbi ras a bomeus.
Chapeos palha da Italia, e a imiafao para meniaas.
E um sem numera de artigo, de gosla e laatazia que s a wta
tem ser apreciado.


m
-

-
-l ,
-


-
*<
* .
%
,..- ~<




;
-..-
IE
w
&
DE
TODAS AS QUALIDADES
SSft

DE

X. *&.
Manoel Moreira deSouz-?,
:. 4S. == RttJA XOVA ==
Neste novo estabeciment, tem um completo sortimento de
;T cbapos para horneas, senhoras e meninos, venle-se por preces
rzoaveis.

.-,'.,
r.'4
Tero ader* otraoieios e bbados.
Pelerinas umaniulos, abqu
Lostumes pVa baptisados.
,,.......
All, nada falta a moda,
T miodazas eocerra;
Ds Pris ao centro de,
Fregares da miohatrra.
Ida ver consas mui bellas,
Da festa o geoio nos diz;
Ao numero cinco atlsndei,
Na ra da Imperatriz.
Esmeralda,
Attcneo
Vendom-se pacas -de alpodozinho raoito largo
superior qoalidadatcm um peqaem toqne de ava-
ria peto barata prec) de 44, cbits larpas de co-
res 250 rs. o covaiio, brim pardo Dra,to boin a
G00 rs. a vara ; oa loja de Antonio as dos Res
& d, a ra do Fasseio Publico n. 6, por baixe do
sobrado novo.
Ao respeila"el peblic* ca geral.
O njvo proprietari" da ipadari de Ponte de
tMioa, offeret'.e a todos em peral tanto do logar
c uno no Recite, Cas* Forte, Reberihe e Rosarinho
p3o fabricado em su* padaria e para mais asseio
e nao haver escrupulj de novo fez deporto d'agua,
do Prata, .umo consta a seos fregueses par-a maior'
-aceio da fabrica de -pSo, bolachas e mo quanlo
?e procure em partcrta.
Aogados
Venaste a ciSi terrea n. 94 iij l^rge da P.z
nos Afujados : a tataroa ra do Quemado n. IH.
0* de liriso
Veoda-se oleo de ricino em latas te 30 libras :
na ra a Cadeia-vtiha r. 1. eo t e "2' andares.
V'-i'ii'io-se orna rruola .) i8 atines com ha-
bilidadas soBtiicn, viuda ha -anco de malo, cuma
uegriaha de 2 i i auats sao loteirameate
I. r-. : ni ra dFogo u.-9.
Atti
v'efKtj.'ri-fe doos !;ilh,-ires
o. a.
toja do gallo vigi-
lante RA DO CRIS
PO N. 7.

/Vo
armuzt
1
em Ai jjtMt
Coema, hit
nado n 19.
Bom c hAKZto
Lansinbis Poil de Cbre a ,$ o c,->va .f)Lni4Ma]apolo eufeslao a 8 av^..^,
G-ibraia de cores matizadas Cuiss'.^

.s i
iOO a vara.
Lbegaft
r com^AgAii,
do moitflffioaij
elo baHno pm
muito prximos
DP. SEDA.
na loja do Pavo.
mol corles de seda de
dfcenhos otaros e escaros, leo-
p -i uta vestido e vendrm-se
i cf8 58^000 res, por estarmos
da fest?, isto na loja do Pavr,
roa da Imperaiz d. CO, de Gama & Silva.
Bertaaha de liuho
-Ji floro 30 jardas a 12^000 res.
S o Pdvao.
l/XH'taj'--'' lfcC^ <1 superior bertauba de bobo
ruro, tenvf.i :)) ]>rdas ru 2o vra'a cad,pessa pelo
baratisstm'. preco de ljjOOfr res, sendo esta fa-
aanda propra paalencoes, camisa-, tolis, etc.
de
ldo:a brancas transparentes p.35 de i, i..w Bl-toj, (ly f ru -, impe^^ D. 60i
J, 6,?, 7^, 85 e 9ooo a p ;ga com iC Gama ^ Suva. .
ard^.
dem branca tapada de 84 e 0|- a per^
o* 12 jarDas.
IlL'inbrancafranceza muilo larga a 9? a
'eca com 8 varas.
ifolOes de 35 e 40 arcos nesgados para
senhnras, a 4i00.
dem de ruursulina nesgados a 55.
jao.
a' ra dft Os proprietarios deste muito bem c mbe-
ao conhecimento do respeitavel publico que. ^ais bordadas
a '-abana dareceber pelo ultim) vapor da Ea-
roiaum-.gcande e variado sortimento de ob-
jectos de inteira novi1ade, dos qaaes se H-
miiam a n^epcmar apenas um pequeo nu-
mero Ccando o respe.tvel publico na serte-
za de que neste estabelecimnto sempre en-
contrarlo um c >mpleto sortimento de arti-
gos de gosto e inteira novidades como seja.
Cintos
Os muitos desejados cintos com pontas,
bordados a vedrilho, fazenda de muito gosto
e completa novidade, resp'eito a estes cintos
nao fazem observa^es e >im deixamos a
apreciacods esclarecidas freguezas isio s
no Gallo Vigilante oa ra do Crespo n. 7.
lieqnes
Muito lindos leques d'osso, madeira, sn-
dalos, e madreperola ; pretos, brancas e de
cores, e muito se tornam recommendavel
pelas bonitas paisagens.
Flores
O melhor qne se pode desejar neste artU
go as quaes parecem naturaes assim como,
tambera recebemos urna pequea porco to-
das pretas e so vendem na loja do Gallo
Vigilante ra do Crespo n. 7.
Capcllas
Mui lindas grinaldas brancas e de cores
aquellas para noivas. e estas para bailes, ca-
samentos e baptisados.
Luvas
Luvas de todas as qualidades para se-
nliora, homem, mennas, sendo de algodo,
Qo da escocia, seda e pelica muito fresca o
do fabricante Jouvin, parece-nos que nao ba-
vera quera ignore que por todos os vapores
da Europa o Gallo Vigilante, recebe grande
quantidade deste artigo e por isso sempre
tem sortimento n vontade Jo comprador, e
tambera nao se valle da falta o seu prego j
sempre o mesmo.
Petates
Muito bonitos pentes de tartaruga para
coque e alizar os cabellos, assim como para
arregacw os mesraos e muilas outras quali-
dades.
Escovas
Grande sortimento de escovas, para ronpa,
cabellos, cbapos, dentes e unuas, sendo de
Mena de crochet a 50.
Id^m de marsnlina para meninas a3^ e
a W.
Cliogou uuul
para.oota rpida < b implis dos cal! doro6.
:;;:.: S3 HA
Bftit e fregarla
Di!
Harlfc*!? C.
: larga do lUs;
la gaicwpeuo!
...k(t,:t .
'i'-- 'ma na ("n,-,. .
Carmen, l? paiba : Ihada-da roeMer .^...
.-"i' c ': f ';. : r ':'. i ; i ,..
(t > <|ii* rn urtru j)i<*ir,iifT Rorie.
osso, bufido, baleia, marfira e madreperola.
Siava has
Si!:i;:riores na/albas pequeas para kr-
ba stado cabo de martlm, tartaruga e ou-
tras quididades, as quaes o fabricante ga-
rante a boa qualidade.
AlewaiUnraa
Chegar^m as r ui lidas '::
botoes-psra colle'es fazen:a de gosto, assim
como grande sortimento de b loes pan. pa-
chos.
Cambraias admascadas para cortinado j
fte a peca com 2o varas.
dem para forro a 3J a peca com 10 jar-
das.
Cambraia de linho muito fina de 6 vara.
Madapoloes finos de U, 70, 85, H, 106..
li e !2# a peca.
I'l.itilha de algod5o superior fazenda para
saia< a 3^200 a pega com lo varas.
' Cobertas de chitas de ramagem a 26oo.
Lences de hambnrgo fino a 20400.
dem de bramante muito fino a 35200.
Pannos adamascados para cobrir mesa a
4-S500.
Guardanapos de linho adamascados a 45
a duzia.
Alualhado adamascado com 7 1/2 palmoi
ie largara a 2-> a vara.
Mem adamascado de linho com 7 i/2 pal-
mos de largura a 30 a vara.
Algodo entestado com a mesma largura
a 41oo a vara.
dem trancado de algodSo a i 300 a vara.
Toalhas alooehoadas de linho lisas a 110
a duzia.
dem de algodo felpudas a 130 e 14
a duzia.
Colchas de fusto a 60.
Lencos de cambraia brancos finos a 10800,
20 e 205oo a duzia.
Lencos de cassa fimssimos a 30200 e
3060o a duzia.
Fil de linho liso a 8oo a vara.
Mem com salpicos a l#ooo a var
Grosdenaples preto bom a 108oo, 2
2--Soo o covado.
Horantiqwe preto superior a20toooct-
vado.
, lella de todas as cores a 800 rs. o >
vado.
Tai latana de todas as cores a 8oo rs, ;
Bramante de linho com 10 palmos de lar-
gura a 205oo a vara.
dem de linho com 5 palmos a I02oo ;
;--;...
dem de linbo com 3 1/2 palmos a 8oo i
vara.
Riquissimos basquins a 25^000.
Q como outras muitas fazendas que
se vende por monos que em ou!.ra qualqner
parte, e d-se amostras de tudo,
ItelOes de 2o, 23, 3o, 35, 4o c So arcos
para senhera a 20,203oo, 30, 30oo 4J e
000.
Ditos de 23e3o arcos com mollas a 5
e O/).
Ditos de murculina estreitos a 6.
Es^aitilhos finos a Gf.
Pe calias finissimas a oo reis o covado.
Bfm-.uf c libh.
ttfO Com 20 jardas a 8.(J0 re.-.
Vendo se tuptrlores pojas da bramante de lir.j
roprio para lecr,--, timihas, carnizas elo. temo
SO jardas cada. pr;sa c\o barato pre; de" 80(H'
re;1, na loja e armafro do Pavio, roa'da Impera-
triz o. O, de G>ma & Silva.
SAlAs ECONMICAS.
a 2,100 res.
Vende-'se nma grande porgo do sals de cor
com b-nias barras pelo baratsimo preco de
i'io'00 res, oa loja e arro&zem do Pavo ; ra da
Imperauit o. 60, de Gama & Silva.
P-\HO. COM GOLINHAS.
a 1.3000 reis.
Vciide-so urna grande porcao de punbes com
gollohas de esgulao an linho, com os uiais liados
berdad-js pelo barato preco de ffiOOO o temo, di-
tos bordados de cr a 6iO re:-, sendo graude pe-
chincha pelo preco, na roa da Imperatriz a. GO do
Gama & Silva.
POIL DE CHEVRE.
a 360 e 80o reis.
Vendem se as mais bonitas laosianas com Ii-tas
de sea, intitoladas poil de chvre pelo baralissi-
mo preco de 360 reis o eovado, ditas cim as li-
pas aathisadas a 800 res, assim como um grao-
de sorlimenio das mais bonitas e modernas lansi-
I nbas que se vendem pelos preeos de 280, 400,
300 e 360 reis, bonitas alpacas do seda ri; urna
.- cor a 640 e 800 res isio na !oa do Pavc,
ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Balees esgoios.
a 2Sc0.
Cbegaram os mais moderos baldes esguios sen-
do verdadeiraaieaie americanos e V6nero-se pelo
barato preco de 2S500, na lija do Pavo ra da*
Imperatris o. 60, de Gama & Silva.
armazeag do T.:so
ttenco
'. eade-se t^ja dfl fon;teiio da ru.Direlti r.. 68.
com tjd s os periea''i a e algumas obras feitas-i a'
tratar -i ros da Lsnet-i u II. 2o andar.
Lwxjs de direit
..a
Veiiien m imporiantes Iwros de diretlo, e pra-
fies to prnecast, em bom estado, e por cominos*o
preco, na enca-leroacao acadmica, a' rea dolot-
pera^r a. 71
VeoTe-se nma fliata e om pequeo" nTet'ro'-
d i para s mesma, tudo e.n bom oslado, e por cora-
modissimo preco; tratar na ra das Gruzes
n. 39.
AGUA FLORIDA
'
Gess;*
para e'tuflee d. casas : nos
itaios, c;- do Apolla.
enQ
Na ra c:n grande e variadJ.sortHUaota t esleirs ebe-
gftdasdo Araety, por prer;o razbSvel : qa m pre-
tteder dirijan e a icesma.
J c&egdn
Cmenio roroaoo : no armazera de Tasso Irmos
no caes de Apetlo.
Verfe-se a casa ierres n. d Mta na roa Ve-
Iha, e ooi 'pnqnrtno siiio cero casa de viveoda no \ mi los ce m Modos bordadas, grvalas de seda pre
lugar ria Capuoga defronte do sitio do Sr. Paulo ta e de eores para homem o senhoras ; as verda-
Jos.Comes: a tfar /a ra da Tnncciras no- feiras luvas. de Jouvin brancas e de cores muito
mero 6. I benita, carteiras de diversos litios e lamanhos,
mu mi mtm
ua du laclsuado a. 4, Soja u-
mSadezas
DE
Jos Bigodinno
Varas de bab..do bordado do Porto a .
Carreteis de reiroz preto com duas oitavas
Parriteis retecz de todas as cores a .
Frascos d'agua de Colonia mnilo superior a
Frascos de o eo muilo flno a......
Duzia de tosouras pfquenas a.....
Frascos d'apna para limpar donies a .
Redes pretiis isas para segurar cabello a
Dazia.s de penna? de ago muito finas a .
Caixas de lintn do gaz de 30 ccvollo- :; .
dem da palitos de se:uranea a .
Garrafas go agua Florida verdadelra .
Syllabarlos eoro estampas p.-ira meninos ".
Memento da roupa de lavar a.....
Oozias de meias Bna; par.i seoborsi
AguIhJs frucezas a baifio (pfel)a. .
Pegas de fitas de !aa de todas as i
Grozai d botoes de porcelana |
Clns cor Tffneltes Irancezes a .
Caixas da i00 envelopes muilo hns a .
Resma o papel de peso braneo liso <-. .
!''rasrc com superior tinta a.....
Pares de botoes de purho n>uitO bonitos
Linhas ero cartiu de20 jardas a .
Caixa de superior liaba uo vo com 80
oov.i los .............
ralberes para mininos a.......
Ma?sc ero su| cniores graropos a .
Buuet par roeniuos a........
Pentet cora costa do cital a......
tealei'js p;ir.. menino- a.......
V<-:
K
.l-.L
. ".
'/..
Si
a
::
t>..
:c>i
I
ts
:/-
n
N
t^< r* (a c i .
3

a
8! "O
* A
3.m
' c'>
^o
?23
.S.
IX" e-labe!ecimenlo a roa da troperatnz n. 70,
recebe de sua conta por todos os paquetes franes-
zes diversos objectos da ultima moda du Pariz,
seja booims coques lisos e enfeitados, flias
de s?r)a, dttas de seda lisas m borladas de todas
as largaras e de superior qualidade, liados sapa-
ios de mrito, do easemira e lia, toncas ds la,
oyjito l>.-ditos chipellioho?, babadialios e entre-
b:
"IR :!r
. ;
\>3i

sm^=
Keds de ouro
Baciooal e estraogeiro, acsio como libras sterli-
cas : compram-s oa roa do Crespo n. 16, primei-
ro anar.___________________________
Moeas de ouro.
Naeionaes e estraogeirae assim coroo libra?
esterlicar: campram-se na ra do Crespo a. 16,
primeiro andar.______________________________
Compram-se
cota premie moedas de ouro e de pratafnacleoaes
e estraogeiras : na ra da Cadeia do Recife o. 16
areuzem de Adriano. Csstro C.
Prata
Compr-se nacional on estraogeira coro maior
premio de que eos oulra qoiiquer parte : na pra-
ca da Independencia o. 22.
Maior vantagem
O cor45o de onro ra do Cabugi n. 2 D, offere-
ce-se em compra das moedas de onro e prata.
(tompam-sc escravos
Silvino Guilberme de Carros, compra, vende e
joca effectivimente escravos de ambos os sexos
-de todas as Idades : a' rna do Imperador n. 79,
reeiro aodar._______________________
__Compra-se moeda de ooro e prata
por mais qne em qaalqow outra parte ; 4
rua do Crespo n. tt, loja-_______________
Negro para sitio.
Compra-__.,mn negro soo, sem vicio?, e bom
trabalbador para arvieo de sitio; na rua Nora n.
19,1 andar.____________________________
'Cbnpram t librts esicrliuas : a' rua da
Cruz o. 18, arraaze da Jos Jjaqoim Lima Bal-
o.____________ .
A IC par emmt:
Compra-se prti _a praga z lodepeode cia
n. tL
MOEDAS
de ouro e pr ta
Compram-se moedas de ooro nacionaes e estran-
gelras, bem como patacoes dos diversos cunbos:
em casa de Adamson, Howie C, rna do Trapi-
che _9 Moedas de prata

nacienae*. assim como pataedes portuguezes e
hespanues, ~ompram-se com premio : na ruado
Crespo n. 16, prime andar.
Compia-e'ooro e praia em obras velhas :
na nraca da Independencia 22.
Ouro e prata
Moedas de ooro o prata naeionae?, estrangeiras
de todos os valorea, se comprara na leja de ouii-
ves {noto ao arco do f. S. da Concei^ o, roa da
Cadeia do Recife, assim como ooro praia em
obras velbas, brillantes e diamantes, e s paga
bem.
--------
__
Moedas de ouro 6 prata.
Comprase sempre por mafs do qne em i otra
qoalquer parte todas as qoalidades de moedas de
onro e praia, nacional e estrangeira, e tambero se
trocara sednlas dos bancos do Brasil e calas ti-
liaes de ootras provincias; oa roa da Cadeia do
Kecife o. Sg loja de azulejo.
------ ,_____.
Compra se atoa prela que eozobe e engom-
me com perfeico : na roa do Rangel o. 9.
VERDiT
Veode-se orna armacao propria pora qoal-
?oer negocio, a dinheiro oa a praso; uas Cinco
Blas a. 68 : ten rommodos para familia.
Veode-se urna Urcaca de lo caixas : a ira-
I lar na prana do Corpo Santo o. 17.
~ Vende se um carro de 4 rodas muito bom
[ psr_ carrejar asucir por ser gran Je e chapeado
ce ferro t a tratar (II ra do Viga.ri'* r>, 33, ta-
berna.
I>__
MUBHAY & LANMAN
A agua florida de Murray canmanc
olhada como um artigo de perfume, _<
tem podido ser igualada pelas preparacei
as mais custosas: conserva seu aroma, co-
mo se formasse parte da prenda a que ells
se applica.
Sua eflicacia Uto delicada, como legan
tes sao seus multiplicados usos, qur sej;
empregada como artigo de toucador, qu!
no uso do banfao, oa como suavisador di
pelle, depois que se tenba feito a barba
para limpar as gengivas ou aromatisar (
balito.
D soavidade, brilho e elasticidade ai
compleic5es, depois dse haver lavado; al-
livia a irritacSo d erupces ordinarias; fas
desapparecer o desagradavel aspecto doi
pannos, das sardas, do rosto, rugas e toda >
casta de ebulicoes, e d vigor e frescura
parte onde quer que se applique. Sua effi-
ciencia e eleganeia sao igualmente infall
veis nos casos em que seja preciso applica-
la como estimulante e antisptico, nos con-
cursos e assemblas numerosas, as loca-
lidades infeccionadas, na alcova de um en-
fermo, assim como um antidoto excellen-
te para os desmaios causados por cansar/
ou stiffocaco. Preparada nicamente por
Lanman 4 Kemp- Nova York, e venda po'
Caors Barbosa.
Jo5o da C. Bravo & C.
V venda as drogaras de A. Caors, Br>
vo 4 C. e P. Maurer & C, e em todos o
esUbelecimentospbarmaceuticoi do imperit
Cli*ciatc h-spanhol i
Vade-se a 800 rs. a Jibra. m
Na rna Nova n. 11 e 51
g| Rua do Caboga numero I A. jff
Pechiocia
Vendem-se pequeos albuns de algibeira, 1
para retratos eu miniatura, para 6 e 3ii re-'
tratos, pelo dimiauto preco de i&ioc ris,
cada um: na rua do Crespo n. 4, fabrica
de chapeos de sol.
E' muito barato
a 50d rs a vara oa 300 rs o covado.
Um lindo sortlmi oto de eambraias franceas de
eores qtweostavaiD 800 rs, vendem Gregorio P.
do Amaral & C, por aqnelles preeos : oa sua loja
da roa do Crespo o. S Tambem neste estabeleci-
mnto se vendem cbita de bonitos desenbos e co-
res fixas a 26*0, 580, 300 e 320 o covado, bem co-
mo esperara recSber pelo vapor faef devp chejar a
S9 deste mez ricos cortes de seda da mais apura-
do gosto, poil de cbevre liso e outro smuitos arti-
gos de novidade.
A 11800.
Vendem-se, na fabrica da rua do Crespo
n. 4, maito bons chapeos de sol de panni-
niio, com armacSo de ac, pelo diminuto
preco de mil e oitocentos ris, por se ter
grande quantidade. A' elles, antes que se
acabem I -_.
pelas de muilo boa qualidade, para hornero, se-
nhoras a meninos, era liodo soriim. i.t i de bicos,
espartilh'ip, loncadores ds jacarando' de diverso?
tanianbos, titas de velado, trancas pretas e ds co-
res, lindos enfeites para vestidos, cinos de diver-
sas qushdades muito bonitus, albuns, abotoaduras
para co'letes, la pf.ra bordar de superior quali-
dade, urna inBnidade de bonitos brinquedos para
enancas, as melhores perfomarlas de Lubiro, Plver
e C.unrai sociedade Hygenica, immencidade de
objectos que deixo de mencionar para nao se tor-
pt rubanle, todo por preeos mnito couimodos.
5*ara casas particulares
Na mvessa da Madre de De s n. 18, armazem
do J Vicente de Lim, vendem-se massas bran-
cas do Lisboa, fazenda multo Ana, e propria para
casas [articulares, a 4_ cada caixa de uiF.a arro-
ba, coiil'udo macarrao, talharim e aletria, e a 2
cada caixioba de mea arroba, comeado Igualmen-
te nusibas sortidas. A ellas, antes que se aca-
bem ; o preco convida.
Vapores.
Vende-seem casa de Saonders Brothers i C.
o largo do Corpo Santo b. II, vapores patente.*
oui todos os pertences proprios para fazer movw
es oa quatro machinas para descarocar algodc
BOTAS
?-3 3
_ B g
0 "_ ^ c* _r t-
v' Cfl" a _,--!5 =
gri-|B_M-l
_ *rf $ = 2. i Cl "l
-_.|b I g-Jg I
P^|K_S_f|?
1 *-35E ^i^pr
"-SSbS-S.*-0!
5 O 5 3. O 52
^_*3*^
*i_ir-__j:
c=
<>z>~m!&
_.'
_

-i
_

--!
Pt
l-D
01
* _
a g-2 _
_.
_-
>
_
E3
-.8 5
r* ~ o
n o o-y _-"_
S n
5 _._ B. a
-,0 9
__ ffg.S
s o sr 3 o
S P 5 B
, _. _
__
-W_-S
P
B 2_
_ as o
g_.J
a o;
^5____'
a>
o.
o
73

_-
O _B
_
P3
o
B5
en
~l
CD
g
_
ffifl
Q. T O
o M 3 cr
"_s^s
Jr _r o
-- es t-
.S_a*>i
_j
_
Vende-se fiado e a volitado
do comprador.
O estabeleeimeoto da rna Nova n. 6o, onde exis-
te om bilbar moderno e se fabrica e vtndi' -orve-
te, assim como todos os movis, loecas e utencl-
lios exist otes de oro inventario : tratase no lar-
go do Paraizo n. 24.
Novameote ebegadas botas rossianas e pernei-
ras da melhor qoalidade que temos viste : na loja
do vapor roa nova d. 7.
Vende-l leltias superior e lijlos de todas as
qualidade?, fabricado com barro d'agua doce por
menos ero mbelro do qoe em oolra qoalqner
parte : na iaria de Jos Carneiro da Cunba roa
dos Prazeres o. 38. -,
loadccoraces
A bem conbecida loja de jotas da Mortira _
Doarte, a' rua do Cabog o. 7, acaba de rember
porcao de babitos e oSelalatos da ordero da Rosa,
e habites da de Cbristo d<> differeotes tamaohos
qoe veode por preco mni razoaveis alero disse
continua a ler como sempre om completo sorli-
meolo de joias dos gostos mais modernos para as
quaes coota com o ejocarso de seos kens fre-
goerts.
Vendem se doas escravas cosioheiras, I roo-
leque pe;a idade 18 annos, doas liodas molatiobas
para todo o servico idade 15 a 1G annos, tres es-
cravas para todo o servico ; na travessa de Carmo
1.JL_______________________________ _
Veode-se a taberna n. 1 i defroste da e.-u-
Rap Viajad e Paulo Cordeiro
A loja do cordeiro providente a' roa lo Qoeiroa-
do n. 8, receben nova remessa dessas qoalidades
de rap.____________
Liquidando de calgados.
Ku do Imperador n. 2,
Bortegains de beierro para homem.
Ditos de lustro para homem.
Ditos de cordavo.
Ditis pa senhora enfeitados.
Ditos par meninas.
Sapat5ts do bexerros. >
Botloas brancas para senbora. 64000
Botas peqoeo para montara. 18*000
Ditas randes para rooftarla. *WW
cid das Cinco Ponas, oa da-se sociedade a' pssoa
habilitada, entrando cora os fundos que poder, pols Al-fOdO Bk __Dlft
esti em moito boa postcao de faxer negocio; o '
alogael da casa barato e lera commodos para fa-! rabriC P_r*_0.
milis, e o motivo de se vender po dar sociedade Veode-se na roa da Cadeia do Recife o. SO, por
por o dono ter outra. orcnpacSe. i prejj cocuode.
Francisco Jos Germann
|RA NOVA N. 21,
acaba de receber um lindo e m&guifico to:
timento ele oculos, lunetos, binculos, do c
timo e mais apurado gosto da Europa a oc-
ios de alcance para observares e,par> e-
maritimos.
EKA DE CARNAUBA
Rua da Madre deDeus n. 5.
Vende-se cera de carnauba mais barato do qoe
em oolra qoalgaer parte, de boa qoalidade.
Vinho verde
Acaba de rhegar nova remes'a do ji eonhecido
vinho verde eogarraf ido de superior qoalidade, o
qoal se torna recommendavel por ser poro e por
ser engarrafado a capricho para evitar o alterar-se
chamamos a attenejo dos amadores: onlco depo-
sito a rna da Cruxo. 63, armazem de Me L, Lo-
bo C.
Vende-se
Pazeodo-se todo o negocio com a taberna do pa-
teo da Peoiia n. 8, a praxo ou a dinheiro, com aba-
timentj vattijoso na armario e gneros existentes:
trata-se no mesmo armaie*-.
-i-


1
Piarle 4c Pernamlme Cuarta felra 114c X*YeS>r de 1867.
OMORODEVENZA
DO
Oii. SEV1AL.
Para o tralameoto e cora rpida e completa das molestia syphiliticas, eris-9-
as, rtwumatismo, bobas, gota, debilidade do estomago, infiammacoes chronicas do ligado (
t baco, dores sciaticas, cepbalalgias, nevralgias, ulceras chronicas, hydropesias, pleun-
as, gonorrheas chronicas e em ge al todas as molestias em qoe se tenha em vista a pu-
ificacao do systema sanguneo.
Conslderaees geraes
A sande um bem inapreciavel, cuja importancia e valor s est reservado ao ens
Ra da lmperatrig.n. 15.

Vndese manteiga ioglezaflor a 8o e l'ooo.
Sal refinado em pscote do 3 libras a i rs.
P de tijollo pera limpar facas a 12o rs.
Latas cora plo-de-! a l55oe.
Azeitonas de Elvas em latas a 8oo rs.
Alpista e painco a 16* rs.
Fruas ero caldas seoras a 5os rs. a lata.
Farello de Lisboa marca M. a 4060o e 5ooo.
Caizinbas com massas para sopa a 25coo.
Vende-se urna armacSo de louro envidracada propia para qualquer negocio em
armo o avalia-lo. urna principal ra: atratar na ra da Imperatriz n. 15, com Miguel Goales de Souza
incontestavel que o homem neste mundo constantemente, e por todos os laaor tflm p0(jeres epeciaes.
Uacado por urna infinidade de agentes morbiGcos que todos tendero, dadas certas eaeier-
ainadas cirenmstancias, a alterar o regular exercicio das funecoes orgnicas, resuitanoo
?esse desequilibrio o que se chamamolestia.
A molestia nao mais de que a desvirtuado das forcas vitaes, occasionaaa,- a,
jando as investigaces e experiencias dos mais abalisado mestres da sciencia, pela depm-
-aco dos humores geraes, consequencia da aegao maligna desses mesmos agentes mora e
icos introduzdos no organismo pelo acto da respiraco, pela, via digestiva, pelo contacto
mmediato etc. etc. etc. .
A syptiilis infelizmente tem sido a partilha da humanidade, e como e fra de quti-
Ja que esse terrivel Proteo da medierna urna molestia hereditaria, ella tem sido obser-
vada em todas as idades, e debaixo de todas as suas formas tao variadas, enfraquecendo
:onstituices robustas, produzindo mutilacBes, e cortando ainda em flor da idade vidas
preciosas.
Eliminar da economa esses principios deleterios. e purificar a massa geral dos
lomores tem sido desde tempo immemorial o fim constante da medicina, e os prgate-
'os flguram em primeiro lugar para preencher esse desiteratum ou fim.
O Elixir depurativo do Dr. Sevial parece merecer a preferencia sobre todos: os
inmensos successos obtidos pelo uso deste salutar agenie tanto na Allemanha, como em
rranca e Italia, o tornam c companheiro inseparavel de quasi todos os doentes.
Sendo as melestias, como cima dissemos, devidas s alteraces dos humores, o
Tlixir depurativo do Dr. Sevial pode ser empregado vantajosamente na syDhilis, erisi-
pelas, rheumatismos, bobas, gota, debilidade do estomago, inflammages chronicas do
igado e bago, dores sciaticas, cephalalgias, nevralgias, ulceras chronicas, hydropesias,
pleunsias, gonorrheas chronicas etc. e em geral em todas as molestias em que se tenha
:m vista a purificaco do systema sanguneo; pois que urna pratica constante tem feito
*er que elle indispensavel nos casos gravissimos para minorar os soffrimentos, pre-
parar o doente para medicacSes superiores ; e as menos graves a cura a" conse-
cuencia do seu uso, convenientemente repetido.
As substancias que entram na composico do Elixir depurativo do Dr. Sevia
jrtencem tolas exclusivamente ao reino vegetal, e grande cathegoria das substan-
cias depurativas e antisyphiliticas; assim, ao passo que este remedio depura o orga-
ismo, eliraioando os principios nocivos saude, pelo mecanismo natural das eyau-
;c5es alvinas, neutral Isa ao mesmo tempo o virus syphilitico quando este virjem.
em feito erupcao ao exterior debaixo de suas multiplicadas formas ; e previne taui
lem os estragos dessa terrivel molestia, quando por ventura se ache ella, ainda no
sstado de encubaba, isto sem se ter manifestado sob formas externas; beneficio
:.meuso, tanto mais quanto neste estado os individuos ignoran completamente se es-
o contaminados por este terrivel inimigo.
O sabor agradavel d'este Elixir convem a todos os estmagos, a soa accao so-
>,-e o tubo intestinal suave e benigna, e de nenhuma forma produz molertias medi-
camentosas, como acontece ao purgante dito Le Roy, que na sua qualidade de dras-
ico forte irrita a mucosa intestinal, e consecutivamente a seroza, resultando deste es
ado, muitas vezes, hydropesias, que quasi sempre terminam pela morte !o doente.
Assim pois esperamos que o uso deste remedio justifique cabalmente as nos-
as assevorages, porque sendo um medicamento to simples na sua composigo. a
;ratica tem coafirmado sua utilidade.
nico deposito em Per nambira
Na botica e drogara
DE
Barthotomeo Companhia.
34RA DO ROSARIO LARGA34
SOVO DEPOSITO

?iia DESCAROCAR ALGODO
MflTioel ftento de Oliveira. Braga.
53Rna Dlrelta n.53
Neste estabelecimento se encontrado a
verdadeiras machinas americanas chegadas ultima-
mente, as quaes sao feitas pelo mais afamado fa-
bricante da America, por isso avisa a todas as pes-
soas que precisarem comprar, de se dirigir a este
estabelecimento que compraro das mais perfeitas
neste genero, assim como mais barato do que em
outra qualquer parte, por isso que se recebe por
conta propria, bem como eannosde chumbo e moi-
nhos para moer milho, e grande sortimento de fer-
ragens e miudezas em grosso e a retalho.
Facas de cabo oranco de meio balingo a '.$
'_' a duzia. limas finas de todos os tamanhos proprias
de trabalhn de escultura.
NTo m e grande deposito de superior carvao de Cardiff na
Babia.
Antonio Gome dos Santos & C, ra Santa Barbara n. i, esto habilitados a sopprir de
irvio i ni condicSes mais favor*veis que em ouft j qualquer deposito, a todo# os navios a vapor qu
cerrera naoueiJe porto. A contratar nesta com Domingos Aires Matheus.,

FA6RIC4 IIE CHPEOS HE SOL
DE
JMADA114 FilXglTB.
Este estabelecimento acaba de receber de Pars urna rica colleccao de chapeos
lj udi, de alpaca e de algoiie, com armagoes de balea, de ferro e de junco dos
nj'hjrjs gostos e fabricantes, que rende mais barato do que outro qualquer estabelcoi
aj-jot"), por serena fazendas vinias directamente.
Igualmente tem fazendas de seda, de alpaca, de algodEo e de linho para cobrir
:ip >i d sol, tudo de boa qualidade e por prego commodo.
Eacarrega-se de qualquer concert, com presteza, segaranca e garanta.

'Va i ITT.
ni
i M-ofoouip 'eftaodiip
m aimummiiif *Qd ti u b rauaad 'ieiiiidsjd nu p io\tk op wtsn
;;;** wiHW ? Dt -topttlWM wjomam w fp o3wtdjd trap n} jmmfi
?Z%ZHZ | ojibSwi owjvj oiiuoqow 9p niny j
SiSSTSKB I wim 9|WJ9J p &f\ jp gjm!
'- |S0[U3JqB) IMM
- ato nptmttp na 'ntenijojots 'ttontqdraXi niissiom na usuLninsnJtd
sspcjipui oaiusSuBU! oii ap ojsanpw p couiu3iia3 osara naa pt opasjaoo
sj9AViv\[\ mm 9p 9 mi] 9p oidjnpoi 9p 9uOjq 9 SSIDJI 0i
nsouiSnjJOj NUHM ssnS n tioMaOM
aisStiatA moo opo4M 'tpusprat 4J tian aioauRitipsaiuii oputp WJJUMUIUI Ut>JJdj W 0|
sBinSai tQiBjtdajd n tjqot
ov-sdoj'.! sm K-janqoo 'tooipa^ ,,,5 so o5uJ3i ojnptpraA mnas-Jtitsjd 'o* ,3
, -ojjoj o uios opian aiuaucuiiini jjduias 'sojuad 11ra to toaiuiiqa so
pwailL'ODtJ 'uai o orneo 'an Jubs ou wjsb as anb 'ntuvButnu op 's-sqsutdajd snsa.a
'ioi-jsuv ^ oiixa o tui osss (uanqijijt soisuiisip sitm sop sooipm solan 'aaSan op
oiujui jjjqoduia o tsnta jod uiaai aob s'.m{sd;ouj n runo tnd noojaa; nzaA
siiiiiu' Ofs sa)diut sosou:3njj3j so anb asaquosaj 'wipaw vutjvp t ittjiad
-vjry rp ej>V)V as ap ojipa ui;;|n so 'QYassnoai JOssajid aiajuima o
Utj w taij| 3 tmi>!>n|. ipt* itJDt| fojjnaitujitjj
Nossina na Ninna aa
s?DIIfSMTI-STaHH3J SaOfHTaHJ
llHIKIlllil
Mptiaraiacla especial horneo
pathlca do Dr. sabia* O
L. Pluh.
Cha de 1* sorte para oso da
pessoas que se traUm homeopaihi-
camente.
Vende-se em pacotes de libra a
30200 rs.
Ra Nova o. 43.
mmmmmmmmmmmm
O cordeiro providente
Na anliga luja de miudezas a ra do Qnei-
mado n. 16.
Tendo sempre em vista nao roobar o tempo os
seas fregueze*, com extenaos aoonocios ; mas
tamben] oo quereodo que os mesmos frageles
Ignorem o qoe de doto lem elle recebido, por isso
resumidamente o dir': ebegaado assim ao co-
nhecimeDto de todos qne a dita loja do Cerdeiro
Previdente, roa do Qaeimado n. 16, reeebea o se-
guate :
nanitas e daradoras ligas de pellica para meias,
tanto para senboras como para me ornas.
Leqaes de diversos e moderaos gostos.
Peales com enfeites doarados e nao douradoe,
para meninas.
Coques simples e enfeitados, moldes Inleiramen-
te novo*.
Bom papel em caixinbas liso, pautado doura-
do e timbrado, e outros rooitos objectos, qoe roen-
',ciona-lo seria bastante enfadonbo, e qoe se ven-
de em dita loja de miudezas do Cordeiro Provi-
dente, roa do Qaeimado o. 16.
Nao faltan llores,
O Cordeiro Prevideote a roa do Qoeimado n. 16
tem constantemente um lindo sortimento de fi-
nas e bonitas flores, por isso quando alguma ha.
bilidosa joven quizer preparar qualquer eoteite de
Fabrica t fundi^o de bronz
0 outros metaes, caldeireiro,
latoeiro, e funileiro, situada
na Soledade, ra do Prin-
cipe n 3, c com deposito na
, ra Nova n 38, da cidade
do Recife
DE
BRAGA & SAMPIO
Fabricam-se neste importante estabeleci-
mento todas as obras concernentes as artes
respectivas como sejam:
Alambiques de todos os tamanhos. em
feitios, os mui acreditados aparelhos de
Derosne com as dimences delicadas dos
fabricados em Franca.
Fabricam-se avulsas quaesquer pecas des-
apareaos, como sejam o dilatador, ratifica-
dor e condensador, ou esquenta garapas,
resfriador, serpentinas interiores.
Fabricam-se bombas de todas as dimen-
ces e qualidades, pelo systema francez on
americano, simples, de press3o, repuxo, e
com especiaiidade a estanca rios 1 assim -ap
nominadas pelo enorme volurae de agua
que absorvem calculada em 100 pipas por
hora, e das quaes algumas esto Tomptas a
serem experimentadas.
Existem bombas por este systema, me-
nores, para regar sitios, garantindo-se nao
s sua duragao como a grande quantidade
de agua que fornecem pelo que s2o cons de-
belio gosto deve logo lembrar se qae ba dita loja radas hoje as primeiras bombas conhecidas.
I do Cordeiro Providente, a roa do Qaeimado n. 16,
nao faltam flores.
Para a I vejar os denes.
O cordeiro providente a rna do Qaeimado n. 16
receben do bem coobecido fabricante Jonb Gos-
nell & C. urna ptima qualidade de pos para den-
tes aromatisados com canfora qae realmente tem
""
Vende-se na pharmacia de P. Maurer drC, ra Nova.
Todas as mais obras se fabricam volita-
rte dos freguezes e a seu capricho.
Existem sempre p rom ptos no deposito in-
dicado na ra Nova n. 38, um completo sor-
timento de obras solidas, bem construidas e
a pregos rasoaveis, como sao alambiques.
merecido todo concelto porque nao s alveja per-, -._._. ., ^.^ naaripira, rpnarlidpi-
fetamente os dentes como tambera conserva-os ser 'Dlinas xoa, passaaeiras, repartiaei
sempre no melbur estado de perfelcao, assim pois
qaeiram vir comprar ditos pos na mesma loja
do Cordeiro Prevideme, rna do Qoeimado n. 16
Enfeites com ponas.
U Cordeiro Prevideote receben um lindo sorti-
mento d3 enfeites com pontas para vestidos, tanto
de seda como de Ia que combinan) periitamen
te com os cintos modernos do mesmo formato, por
isso para poder enfeitar-se com gosto qualquer
vestido iodispensavel comprar-se ditos enfeites
na mesma loja do Cordeiro Prevideote, a ra do
Queimadc n. 16.
Chapellnas de seda
Modernas e bonitas cbapalinas de seda para se-
nhora receben o Cordeiro Prevideote ra do Quei
ras, escumadeiras, cocos, caodeias, e muitos
outros oteacuios preprios para engenhos,
como sejam mancaos de bronze, parafuzos
para rodas de agua e outres.
Cavilbas, machos para lemes, pregos de
todos os tamanhos e para o forro de cobre
de navios.
Aprompta-se tudo quanto diz respeito as
obras de lato torneadas e polidas com toda
a perleigao.
Vlvulas para tanques de baoho, torneiras
de todos os tamanhos e qualidades, assim
como todos os ornamentos para militares,
mado n. 16 e por ser pequea a quantidade re- .- ,, ,narPihn nara harrAtina
cebida, quera pretender urna moderna e bonita DOloes para laraa, apareiDOS para Darretina,
chapelina dee aprecar-se em mandar compra-la nmeros, espheras, espadas, cornetas, alam-
FAZENDAS DAS LOJAS EARMZEM DA
Tendo o proprietario destes dousestabe- Alpacas de lista a i5oo rs o cavado,
lecimentos resolvido liquidar grande parle Vende-se alpacas de listas e de flores
de suas fazendas por isso resolveu por em li- proprias para vestidos de senboras a 5oo,
quidago para vender mais barato do que 6oo e 56o rs. o covado: ra da Imperatriz
em outra parle. tojas da Arara ns. 56 e 72.
Chitas 160 o covado. Casemira com peqneno toque de mofo a i&
Vendo-se ditas em retalhos a 160 rs. o- Vende-se casemira pra caigas e p lilot
covado, ditas em pega a 200 rs. o covado : cora pequeo tnqiie de mofo a 10 o covado:
cassa franceza a 24o, 28o rs. o covado : ra ra da Imperatriz lojas da Arara ns. 56 e 72.
da Imperatriz lojas da Arara ns. 56 e. 72.,
Laazinhas da Arara 24o o covado. PAiimi fAfft nflrimvi]
Vende-se laasinhas para vestidos 24o, aOUpa Itlta nClOmil.
28o, 32o, o covado : ra da ImporatrU lojas Venae-se palitets de panno a 50, 60,
da Arara ns 56 e 72. 80 e 100 ; palitots de casimira de cores a
Hadapi/io a 40 a pega. 6$, 80, e lo0, palitots de meiacasimira a
Vende-se pegas de maJapolao a 40,50.diio 305oo e 0, caigas de casimira a 50, 60 e
muito fino 6?, 70, 80, 90, lo0: ra da Im- 70, ditas pretas 50, 60, 70 e <^0, ditas de
peratriz lojas earniaera da Arara ns.56e 72. meia casimira a 205oo 30 e 305oo coletes
Cortes do cambraias de barras a 20 de casemira a 30, 305oo seroulas a 10,
Vende-se cortes de cambraias de bonitas 106oo, 20 e 205oo: ra da Imperatriz lojas
barras a 20, 205oo e 30ooo da Arara ns. 56 e. 72. |
Ditos de cimbraia bordadas brancos e de Algodo enfesladc a 10 a vara.
em dita loja do Cordeiro Prevideote a ra do
Queimado n .16.
CAlXINHAS ENFE1TADAS.
Estas muito desejadas caixinbas vacias e enfei-
tadas com gosto, que tanta extraccaa tem tido e
que realmente servem para diversos flus, existem
na loja do Cordeiro Previdente a ra do Qaeimado
o. 16 um completo sortimento de ditas caixinhas e
padas turbulos, caldeirinhas, navetas, almo-
farizes, perfumadores.
Obras de folhas de flandres de todas as
qualidades, bahs, bacias, bules e outros
utencilios domsticos.
Lampies para gaz para engenhos, folha
sao vendidas per pregos to j d.e flaDkdres4 em calas, folhas de cobre e la-
riente freguez nao objectara' em compra-las em tao, tubos de chumbo para encanamentos de
dita leja de miudezas do Cordeiro Providente a ra todas as dimenres, folhas de zinco, estanho
do Queimado n 16 rHlRrTns em barras e verguinha, langes e barras de
O Cordel Previ^Vrw Psra "pelhos, de c-
lera um bom sortimento de Anas ponteiras para (res, bordaoos, e opacos, e OUtros para v>
charutos, sendo lisas e com figuras em alto rel-) dragas, diamantes para corlar vidros, cadi-
vo ; e para que os seus freguezes nao se locorn- naos or,jjaros e ,Je patente, rea para mol-
modem em comprar charutos em algumas das lo-1 fprrpirn lavatorio m ha
jas de cnaruieiros, recet-u lambsm um bom sort- aar> I0.lles l'ara ferreiro, lavatorios com Da-
mento de finos charutos do afamado fabricante cas e jarros, trra podre e outros inumeros
Furtado de Simas; assim, pois, encontraro os oiijectOS proprio de taes estabelecimenlOS.
apreciadores um bom sortimento na dita loja do; gendo todas as obras inspeccionadas e
Crdeiro Prev.deute, ra de Qoeimado n. 16. ^ feitas S(jb g direcc3o do socio aFdministrador)
Jos Baptista Braga o qual se acha de novo
de' especialmente incumbido da gerencia de t5o
j importante estabelecimente, isso urna ga-
ranta pela sua longa pratica, que tem os se-
nhores freguezes de que serio servid s a
i contento, com promptid5oe prego commo-
do, pelo que os proprietarios Ihe seroagra-
cres a 40, 405oo e 50: ra da Imperatriz
lojas da Arara, ns. 56 e 72.
Arara vende algodo a pega 30.
Vende-se pega de algodo a 30, 40, 50,
60, 70, 80; ra da Imperatriz ns. 56 e 72.
Biscado fruncezde listas a 36o rs. o covado.
Algodo enfestado para leogoes e toalhas
a 10 dito transado 1028o avara: ruada
Imperatriz lojas e armazem da Arara ns. 56
e 72.
Cortes de la de 14 covados
Vende-se cortes de la de 14 covados a
Vende-se riscado francez de listas para 3.5,40 e50: ra da Imperatriz lojas da Ara-
vestidos a 3Go e 4oo rs : ra da Imperatriz ra os 56 e 72.
Ricas saias borda las a 30"oo.
Vende-se ricas saias bordadas para senho-
ra a 305oo, 50, 60 e 70, bales de arcos a
20.205oo, 30 e 305oo: ra da Imperatriz
lojas da Arara, ns. 56 72.
.

lojas da Arara, ns. 56 e 72.
Ditas franceza a 24o rs. o covado.
Vende-se chitas fraucezas finas a 24o, 28o,
32o e 4"oo rs. o covado : raa da Imperatriz
lojas e armazem da Arara ns, 56 e 72.
ARROZ D CASCA
Vende-se em saceos grandes a 4500 : no tra
piche do Conba. ^^^^^
Vinbo suponer em caixas de urna duzn e
tem para vender Antonio Luiz de Oliveira Aaeve-
do & C, no sen eseriptorio ra da Cruz n. 37.
Fundujao (f Aurora em
Santo Amaro
Completo soriimetc de taixas batidas e fund
das, alambiques de todos os tamanhos e fundos d<
ditos, rooenriis de todos es tamanhos de sapenor
qualidade, crivos e boceas da fornalba, o que tu
se vende por commodo prego.
Liadas muito linda la a 600 ris o
covade
Vende se na loja do Alvaro a' roa do Crespo o.
SOB.
Vende-te saceos com fejio mulatinbo o qnal
cosinha muito fcil e boa qualidade a 65 o saceo:
na roa Novde Santa Rila n. 13.
Rival sem segundo.
Ra do Qucluanou. 19.
i aei* acabar com as fazendas abaix*
mencionadas.
Quciram vir ver o que bom e barassimo,
ioalbas de labynntho com bino, faien
Para >f.;s*ia ao hospital por
Inguez.
Bonitas cestiolias com fructas de cera, obra
muila pereicao e bom gosto.
Para cortar moldes e en brulhar fazendas.
Vndese papel fardo folha grande.
Para lustrar calcados.
Veude-se superior graxa econmica.
Vende-se papel para matar morcas.
\ loja do cordeiro previdente
Ra do Queimado n. 16.
iNella acbaro os prelendentes um grande e va-
riado sortimento de perfumarlas unas, tanto ingle-
sas como francezas, seBdo :
Finos extractos para lencos.
Baubas e pomadas para cabellos.
Oleo philocome e baboza para dito.
Pos hygienicos para dentes.
Ditos carephoradospara ditos.
Opiata ingieta e frauceza para ditos.
Pacotes com pos de arroz.
Vasos de porcelana para ditos.
Sihonetes para mao e barba.
E muitos ootros objectos que sero presentes
ao comprador que se dirigir a ra do (uelmado
i n. 16, loja do cordeiro previdente.
Bamleijas pequeas.
Vendem-se na rua|do2Queimado n. 16. lojajdo
cordeiroprevidenle.
Charutos
da acreditada fabrica de Jos Furtado de
Simas.
Vendem-sejna loja,dojeordeiro previdente a ra
do QueimadoBn. 16
GRANDE BAZAR
RA .NOVA N. -O E 22
decdos.
Faris, 36, Raa Vivenn, D>
OECINSPCJI

pial ''ii mercurio';
tfgelFi* 51A1SO* > c-yp


a'

Chitas francezas largas de cores escaras e claras e de superiores qualidades a 28 rs. o covado.
Cassas" francezas de ores a 30o r?.o colado*
Ditas francezas de cores de soperior qualadeccrta^raade variedade de padres a 4oo rs. o covado.
Gaz de seda de cores linda fazenda para vestido a 32o rs. o covado.
Lindas I3as de cores para vestido, padroes n.odernos, a 5oe rs. o covado.
Superiores alpacas usas e de flores para vestido a 1(5 e 64 rs. ao covado.
Midapoles de soflriveis qualidades a 3^, 4*5, H e 6(J a peca.
Algodaeziobo brinco de superior qualidade a 4$ .i peca.
J
i
( SUll
da bos a .............
Cjrreteis de llnba com !0 jardas a .
bravatas pretas e de cores muito rima a
Caixas de obreias de massa muito novas a
cofiadores para espartilbo de uurdo e
fita a............. .
- rieteisde linba Alexandrt' com iOO jar-
das a ...............
sabonetas multo finos a 60, 160, tOO e
Ditos de bolla racito finos & 340 a .
diadas de liaba- froxa para bordar a
Varas de cordo para espartilbo a .
ntes volteados para regacar cabello de
1 meninas a............
?rascog da Macaca'oleo auitd flio, a .
Abotoadoras muito finas para colletes a .
Jartoas de linba branca e do cores a .
'-ora de ara prela superior a.....
Estovas par (ato, fazenda boa, a .
Varas de franja branea de linho para
: loalha a..............
Caixas de palito baiao a........
Calas de palitos de segnranga sem en-
chaira i.............
SoboBates de familia a OO, 160 e. .
Cartilha de doutrina cbr!.--taa a .
Quadernos de papel .pequeo superior a .
Duzia de baralbos francezes superior -
Groza de phosphoros muito superiores
Caixas a retalho do. mesmos ....
Caixas de phospboros de valuaba contendo
500vaJiinbas muito superiores a .
Resmas de papel almaco muito superior
^OiH
M
DtK
4i
t(
OC
32(
32('
2(
20
320
1
50*
2t
lOt
50(
IOO
w
AS KNFEUH1UA0AS UES SEXCAES, AS AFFtC-
Jl rTANEAS, g A VnPUCOEg DO SANGUI.
vpj'l ^^^?H'??,1 50.000 curas dMim/'iiijn,
';!':.fv53l i"''", keiyei. lar*,
;. Htxr.t,, acrimonia, tal-
< iwq 'er(oei,viciMaido*anyu9\
itriM, s iteriicoes do san*
[)or".;_
toaao-M lev
po? semana, seguindu o lra.~iameuio De; U/'Olivo .
er r^cailu na^ mesmas molestias.
fSSi^q Este XaropCtr*c^.:
il it CABI.E. cura i^_^
lamente'lualqusrjiirafifi;,
elaxacan, c debiiiJade, i
ijualmente o fluxos e /!or
^rant ns das mulheres. Fs'.a injeccao benigna
|ioga-se com B Xaropo de Citraclo de Ferru.
EZuBurrsIdaai. Pomada que as cura em ir** ditt
POMADA A\TIHRPETICA
CoDtra i bis ngeccoei cvtaneat i comixott.
PILULAS VEGETAES DEPURATIVAS
v Ch*M, cada frasca vai acccmak&4t it
AVISO AOS SRS. MDICOS.
C\)ri catarrhoi ,
" i:e>X'04ui sai
i; i n 1 **'
unta colhr rffhffea di
Dr. cihb.( coi Parla, nu vli
(O'.
ilureV)
bro,
>'* t loJai j-i --jrnf.-j
to ,'io; ha-Li .'.-.i^nU
vavfm !!' K
A venda na pharmacia de P. Maurer ?
e C, em Pernamboco.
TSD1DEIR0

DorUur-Mf

Machinas para descarocar algodo. do mt
lhor autor que tem apparecido na Americ7
E' tal a execucSo do machinismo, que o al-
godo sane quasi to perfeito como o de bo-
landeira. Recommenda-se a attencao doi
Srs. agricurtores, estas machinas.
60
32(
%
20Ot
"?
i
160
ti
Assim cr mo ootras muitas fazendas de 15 e de phiotasta a precos baratos para acabar.
a sj.)
: $$*
Na !eja das columna da roa do .Crespo q. 43, de Antonio Correa de Vasconcellos & C

"B fc'I O
.tt'i'l-' liftl/t
.
%H
XKKK
Resmas de papel pautado superior quali-
*de............:.. 36 Duzias de meias para hornera.....28(K'
Dazias de meias croas muito superiores 4J0u(
-----------------_-----------------------,-------
Lanos
No armazem do pateo do Torco o. 12 vendem-se
canos de todas as iargnras, vidrados e por vidrar,
por prego razoavel, o melhor nesie genero.
Machinas de costura
No escriptorio de Tbej. Ju>t, ra do Virarlo n.
9, veDdem-fe excellenles machinas de costura, l-
timamente chegadas dos Estados-Unidos, por pre-
I eos muito commedo*.
Jornaes para 1868
\a llvrarla Franseza assignam-se
todos os jornaes da Europa ; 08 Srs. assig-
naDtes encootrarSo amostras dos peridicos,
e catlogos dos mesmos.
RA DO CRESPO N. 9.

(\Z GAZ GAZ
Gbegou ao aotigo deposito de Henry Forster A
1, ra do Imperador, um carregamento de gaz d<
jnmeira qnalidade,o qual se vende em partidas
r.Malho por mao'is preop do que en outr* qual
raer parte.
LWAS NOVAS
A Aguia Branca a ra do Qoeimado n.
8 receben d'aquellas bonitas luvas de pelli-
ca enfeitadas, e j bem conhecidas por latas
a duqueza.
Vend.-se saceos com farioba de mandioca
de SJ800 a 54, assim como saceos com fejio, por
baratlssirao preco, no trapiche Bario do Livraann-
to noF^rte do Mallos o. 13.
L\

vo'uM.
y
la rds>rraU,- ni. n*n rolht e 9 pjf*1 fw'
ijue Ir o mrn-Ttfrtf, UTotii!(rTm:)rM,>-ii Jisa-
r*<0Bi sau :ijuu M a7^^Kpiis> .
.V B. <&<*
* "'' ircM'-Kr
2'/y?xfc^~j *' *:'A ...../Ur kr>:r. a 60 ..
4* atotii. :
Deposito na pharmacia de P. Miara
C. em Pernamboco.

~~CSTROllSilS'
G-rammatica nacional.
JSext erfleio
Lirrtiria fraBcwa,
Mi
r b


ILEGIVEl


tarto de fcruMlirie* Qur letra de XoTenbro ie 1867.
: ;-
-/

>
?
'
Collares Royer
0a Hodii98 elctricas agutGM
Deposito acreditado
!r)ja da aguia branca roa do Qaeimado n. 8
Apregoar aioda os prodigiosos effeitos dos
Collares Royer ja nao easinar ob querer
Mtrednzir novidades, porque a fama de soa
elflcacia tem-se tanto estendido, e os seos
felizes resaltados a tal altura elevado, que
boje rara a pessoa que por experiencia
propria, ou por intermedio de seos amigos
e'parentes, ignore oo desconhe^ as virtu-
des desses sempre apreciaveis collares
Royer.
A aguia branca porm sa gloria de concor-
rer para om Ufo justo 8m, se nao por ou-
ro modo ao menos por ter sempre, e cons-
antemente um completo sortimento desses
collares magnticos, que bem se podem cha-
marsalva vidas das criancas.
Resta ainda que os seobores pais de fa-
milia se facam convencer {de que convem
nao esperar que as criancas sejam atacadas
ra do Crespo n. 9 A, esquina da ra do Imperador
Acaba de chegar pelo va>or Guienne, oro variadissimo sortimento de fazeodas que dizam es
nossos correspondentes qoe foram as melbores, as de mais gostos e novidades qoe eneontraram em
Pariz, e por isso moito recommeodamos a apreciado do respeltavel publico, os seguales artigos que
g eocontrar na loja do Passo.
MUITAS FIIBIDIS

HA
LOJA E ARMAZEM
DO
Pl9
Roa da Inseratriz n. 60
Roa da Iii peratri/,
BE
Riqnissimos corles de seda de cores, eom lindos
matizes completamente novidade.
do mal, e por isso necessario OU COnve- Llndi-simos vestidos de eambrai branca bordados
niente que com antecedencia se deite na, com !"
crianza um desses collares para asslm estar!ncos casquines,Lprimorosamente bordados, e oiu
ella preservada das convaleces e se contar
livre dos rigores da dentico.
A aguia branca ra do Queimado n. 8
contina a receber por todos os vapores
mi moda em Parir.
Riqoissimasehapelioas de seda, palha a imitagao
e entenadas com moito gosto.
Coques para senhoras, sendo estes de ultima moda
ero Paria.
francezes a quantidade que ha contratado e Lmdissimas gravatinhas para senhoras.
por isso acha-se ella sempre provida dos ver
dadeiros colhres Rjyer eletricos magn-
ticos.
A Aguia Branca a rna do Quei-
mado n. 8.
Incentestavelroente Da loja da Aguia Branca
onde os apreciadores do bom podem melbormeote
prover-se daquelles objecios de gosto. Essa verda-
de ja por tantos e (antas veres reconbeclda ainda
agora se faz confirmar com a nota dos preciosos
objeelos de gosto e valor qoe a agoia tem a satis-
fago de patentear e por a disposigao de qoem os
desej3 e possa comprar. Ella principiar pelas ri-
cas caixas com msica e sem ella, para costura.
Essas calas por sua perfelgSes, gostos e rlque-
las, se toroam recommendaveis para algom im-
portante presente, oa mesmo para quera tenba gos-
to de possuir orna bella obra, porque de certo sao
ellas as de maicr valor qoe se enecntram em Per-
nambaco, ten lo ama que subresabe a todas as ou-
tras. Alera destas ha outras de presos menores, as-
sim como tambera ha b nitas caixinhas vazias de
madeira, enveroisadas e raarebetadas, com fecha-
dura e chave, para costara.
Em leques o que se pode encontrar de oiclhor,
seadu:
Todo do madreperola, bordados, ;obra de gosto e
valor.
Outros de madreperola a seda, bonitos desenbos.
Outros de madreperola com b>rdados coloridos,
obras de muito gosto, e geralraenlo apreciadas.
Outros todos de sndalo.
Outros de sndalo e eda com bellos deseahos.
Outros todos pretos para luto.
Outros preos cora desenhos rosos, proprios pa-
ra seoboras viuvas.
Outros de sndalo e faia, formando qualro vistas.
Outros de sndalo e sndalo e seda, para me-
ninas.
Outros de raadelra e papel, obra barata.
Guarnieres de litis, ditas de bonitas e modernas
tr.uic i.s para vestidos
A Aguia Branca receben novamenla Ui bello
sortimento daquellas apreciadas guarnigoes de fi-
tas ; assim como cairas de lindas e modernas tran-
cas. Os apreciadores do boro eomparegam oa loja
da Aguia Branca a ra do Queimado o. 8.
Fiissim smeias de fio de Cscessia para criancas.
Veodeu- Branca n. 8, onde tambera ha outras rauitas de al-'
godo para criancas do 3 a 12 raezes.
Hu lira s lavas de de Escossia c seda, para lio-
m use senhoras.
A Agaia Branca a ra dn Queimado n. 8, rece-
ben ora bom scrtimnto de finas luvas de fio de Es-
cossia e seda, brancas e de cores, bordadas e lisas,
tanto para b..mms como para senhoras; qoem as
prt-t oler dirijir-se a dita I ja da Aguia Brauca,
conheceri qoe era tai genero no se encentra me
loor, e talve; nam mesmo igual em alguma ouira
parte.
heqiufes braucos oa trancinhas papa-fina.
A Aguia Branca acaba de receber um novo e
bello sortiraeato dessas to procoradas trancinhas
papa-fina, com diversos e agradavels moldes, e co-
mo sempre a Aguia Branca a ra do Queimado n.
8 continua a vender barato.
Golliaias e punhss, manguitos e golnbas, obras
modernas e de gosto.
A Agota Branca acha-se recientemente provida
de bonitas gollmhas e punfios bordados, manguitos
e golliohas tambera bordad ., e todo do melhor
gosto e oltiroa moda, lendo as gollinhas e ponhos
arillo?, a enfeitad'S com fitas eufiadas, e algumas
pequen.s [.ara meninas. Os presos apezar de com-
modjs variam com ns differentes^rjualidad os das
obras. Os pretendeotes comparecam na loja da
Aguia Braoea a ra do Queimado a. 8 que serao
servidos a contento.
ntremelos bordados em pecas grandes.
A Aguia Branca a roa doQoeimado n. 8 est
veodendo bonitos ntremelos bordados em pegas
grande de 12 tiras e pelo baratisslmo prego de
-'j'') cada peca. A grande extraegao qoe elles
tom ndo couflrmam os diversos flos para que ser-
ven), a* Im pols convm que a boa fregnezia da
Aguia Branca apreveite essa boa e barata fazeDda.
Vende-se om bom piano de mesa de Jaca-
randa em perfeitu estado : na roa da Gamboa do
Careno o. 20.
Liados colares e voltas de vi Irilbo e seda, ultima
moda e inteira nevidade.
Collarlobo, ponhos e g'avatiubas de Chuny, com-
pleta novidade.
Riquissimos leques de marfira todos abertos e de
ultimo gosto em Pars ; assim como de sndalo
madreperola.
Riquissimos vestimentas de eambraias primorosa-
mente bordados, com todos os pertences para
creangas se baptlsar.
Ricos vestuario de cores, todos completos para
meninos de 2 a 4 snnos.
Manas de blonde para ooivas.
Moiriantique, grosdeaaple e sedas preta, branca
e de cores.
Riqoissfmos cintos, oltima mola.
Ricos enfeites para senhoras e meninas.
Liodissimas cbapelioas de seda e de palba para
meninas.
Riqnissimos cortes de fantasa para vestidos de se-
nhora.
Lindos cortes de lia para vestido, novidade.
Chapeos de castor a canotier, ultima moda para a
rapasiada era Pariz.
Grande deposito de lavas de J.uvin recbese por
todos os vapores grande sortimento.
Casemiras, eambraias, las, mosselinas, precalia?, chitas e ama Inflnidacle de objecios qoe
deixamos de mencionar por se tornar magante.
Isto so na loja do Passo ra do Crespo n. 7 esquina da do Imperador.
AUGUSTO PORTO i C.
11Ra do Queimado11
SAMA SILVA.
Tendo os donos de. te grande estabelecimento resolvido ifquidar a maior parte das
soas fazendas resolveram vender com grandes abatimentos em precos, assim como teem
recebido ltimamente urna grande porcSfl de fazendas novas tanto inglezas como francezas,
alemas e suissas, teem destinado venderem-nas mais barato que em outra qualquer parte
afim de apurarem dinheiro, dando de todas ellas, amostras deixando flear pi-nhor, oo
mandam-nas levar em casa das excellentissimas familias pelos sus caixeiros; assim como
as pessoas que negociam em pequea escalla, neste estabelecimento comprarao pelos mes
oos precos que compravam as casas inglezas ; ganbando-se apenas o descont.
Ultima moda
Belloscbapeosinbos de apurado gosto para se-
nkoras feltos ao capricho de orna das primeiras
modistas de Parts e ebegados ao armaiem do va-
por roa Nova n. 7,
F baratissimo a 500riso
covado.
Superiorp lias para vestidos rom exeellentes
padrees a 500 ris o covado, aproveilem antes qoe
se acaben) ; na roa do Qaeimado 0. 46, loja de
Goimaraes & Bastos.
scravos fgidos
Cortinados para camas e Ja ael-
las a 100, 160, 200 e250
Vendem-se um grande sortimento dos
melbores cortinados bordados qoe tem viu-
do proprios para camas ejanellas, pelos ba-
ratos precos de io0, 160, 2o0 e 250 cada
par sendo neste genero o melhor que tem
vindo ao mercado: assim como pecas de
Baldes a 20, 30ooo e 30
'Vendem-se nm grande sortimento de cri-
nolinas ou baloes de reos para senhora pelos
baratos presos de 20, 205oo e 30 por ha ver
grande porc3o, na loja e armazem do Pa-
v5o, ra da Imperatriz n. 6o, de Gama &
Cassas a 4o r?. s o pavo.
Vendem-se bonitas cassas inglezas de c-
cambraia adamascada proprias para o mesmo res flxas pelo barato preco de 240 rs, o co-
fim, na loja do Pavo, ra da Imperatriz vado, ditas francezas fazenda muito fina com
n. 6o, de Gama Sil va padroes listrados e de flores, assim como com
Cortes granadinos para vestidos palminas miadas proprias para meninos a
Cbearam o mais bonitos cortes de or- 3oo rs. o covado ou a 5oo rs. vara: pe-
gandy Granadinos tendo lo varas cada c rte,' chincha na leja e armazem do Pavo ra da
sendo 7 v, ras listradas para a saia e 3 varas, Imperatriz n. 6o de Gama & Silva.
lisa para o corpo, tendo as mesmas 3 varas
enfeites correspondente saia para enfeitar
o corpo e mangas tendo entre elles muitas
ALPACAS DE COES K 500 RS. O COVADO.
Vendem-se as mais bonitas alpacas de cores
enfestadas c m bonitos desenhos miodinhos
nicamente na loja do "avo, roa da Impe-
ratriz n. 6o, de Gama & Silva.
Tiras bordadas e Babadlnhos
I Qaem quizer fazer boa compra de tiras
Este estabelecimento acaba de receber e vende por commodoapreco as seguintes) bordadas on babadinhos, achara um grande
trancas com listas pretas como actualmente tend0 entolles de todas as cores pelo barato
se usa e vende-se pelo barato preco de 60, PrPC0 de ^ rs- covado, ditas lisas escu-
fazeudas finas
Vestidos de b ond para noiva com manta e capella.
Ricos vestidos de cambraia branca bordadas i qne ha de melhor.
Cortinados bordados e admascados para camas de 2o0 a 8o0.
DitOi bordados e admascades para janellas de 90 a 2o0.
Colxas de seda e la e seda para cama de noivas.
Basquinas modernas de muito gosto de 2o0 a 5o0.
Toalhinhas de croch para cadeiras e sofs, e colxas de croch para camas.
Chapelinas de crpe branco, e chapeos de palha da Italia para senhora.
Moir branco e preto, grosdenaple preto e de todas as cores para vestidos.
Camisas para homem francezas e inglezas de linho, e de algodo.
Goardapisa de crinofine para fazer mais elegantes os v stidos de la e de seda
a 32o rs. a vara.
Superiores salas bordadas de linho, camisas e camisinhas bordadas ejenclde
cambraia bardada para senhoras, ricas tochas bordadas com muto gosto, e lindos ves-
tuarios para baptisados com o respectivo euxoval.
Las con listra de seda de varias cores s que ha de melhor.
Chapeos brancos de castor, e ricos chapeos de sol toglezus para homem.
Malas de diversos tamauhos para via^ens."
Panos finos e cases iras pretas e decores e outras muitas fazeadas que se ver*
dem baratissimo.
Este estabelecimento contia a receber as melbores.
Esteiras e alcatifas para salas.
ll---S5.ua do 4|uei:uadi11
DE
PREPAMDAFRI


GRANDE.BAZAR
ra Nova n. 20 e 22
Machinas pa a costura do autor Wheeie-
A Wilson, chegadas ltimamente da Ame'
rica; oas quaes pode cozer-se coaa dooi
pespontos, toda e qualquer fazenda, ernta
iiihar, frangir, bordar e marcar roupa; tudt
eom perfeico. Sao to simples, que com-
prebende-se fcilmente a maneira do trab-
lho e a pessoa toado pratica de coser em m>-
rhinas, pode fazer por da o servico que i>
ciam 30 costureiras.
Chama-se este estabelecimento a attei
C'o do publico, visto que elle se acha com
pletamente sortdo de objectos de goste,
como bem leques de madreperola e de sai
dalo, fivelas, fitas para cinto, cokes perft-
mar e etc,
Na ra nova n. 20 e 22. Carneiro Viai-
na &C.
Veodrt- por ateqa ommodo orna oaebna
D0T4 a vapor, porttil, de forca de seis cavalloi e
de perfeita coostruc^o eom toda ferragem precisa
para mover van i marhio de algodo oaootro
qo-l^i-r mtfter, ebem assim orna ereo^a ameri-
cana 4 enfardar aHrodao, de ayatema moderno, e
de muita for(a e agun tooeig proprios pra depo-
ettof. A er e tr^iar oa fabrica da Jravea do Ca-
rieea n.^8, eaeg do-Watnos.
3*800
Vende-se /arinha de mandioca pelo barato* preco
i aaouncl-.d:: roa da Madre de Deas o. 5.
POR
AUGlIalTC CAORS
Phainiacdutic pela escola de Pars e successor nesta cidaiie
DE
Aristide Saisset e J. Soum
22.-----Rna da Crz-----22.
Tratamento puramente vegetal sera mercurio, iodo, ouro, nena outre. qaa'que
aineral.
Verdadciro purificador do sangue sem azougue.
Especial para a cura de toda?, as molestias que tem sua origein na imparea de
saogue, como sejam as molestias boubaticas, sypbiliticas, escropiulosas, darthrosas, quer
venham ellas por hereditarieditde, quer sejam adqueridas pelo contacto com pessoas in-
feccionadas dos diversos virus que contaminad o sangue e os humores.
A caroca um remedio prod*so, jasado desde remotas eras pelos inioi
do Brasil, e passaedo seu uso de gerafo em geraco, hoje um dos remedios mais co-
aleddoscomo proprio para combaler as molestias mais hediondas, entrando ae-se nume>
ro a monpna ou elephaatiases, p;:ra cujo curativo os nossos sertauejos consideram a
:aroba como remedio especifico.
A muito ttmpo entrou a earoha nos formlanos como preparaco magistral
sob a rma de eleicuiario, anda hoje lembrado as pharmacopas eom o nome-de seu
celebre autor Joo Atves Carneiro : nao ella portanto remedio novo nem desconhecido.
O ungento de caroba da mesma sorie preconisado desde tempes immemo-
riaes como o mais apropriado para o curativo das boubas e ulceras syphiticaS sordidas:
e ertpregfdo eom proveito depois de improcua applicaco de muitos outros agentes
therapeutiais enrgicos e de uso. quottdiauo.
Muitos dos nossos medico? de cunsideraco e entre elles o mui o distincto praticc
e observador o Sr. Dr. Pedro d'Athayde Lobo Moscoso, tem confirmad3.por meiu de ex-
periencias repetidas, o que diz a fama das benficas propriedades da caroba no trata
ment das boubas, das diversas formas sob que a syphilis se apresenta e muito especial-
mente as que teem saa sede na pelle, e poderiamos relatar alguns easos de data muito
moderna observados pelo mosmo Sr. Dr. Moscozo em que a caroba produzio admiraveis
efieitos, depois de iouteis prolongadas applieaces de salsaparriha, uecurio, iodo, ou-
ro e seos preparados, etc., etc.
Nao era possivel que urna planta to notavel por suas inappredayeis virtudes es-
capasse a perspicacia e investigaces dos mais abalisados praticos europeos, que se ap-
pbeam com especialidade ao estudo e tratamento das molestias syphil.ticas e herpejicas
e para prova ahi esto os Srs. Drs. Casenave, Schurfer, Ricord e outros dando as mai?
lisongeira* ioformacoes sobre as propriedades curativas da caroba e proconisando-i com'
remedio poderossimo para o traUuoeuto darthros de todas a qualidade, ecemas, ulceras de diverras naturezas, tumores, osseos
a outras muitas molestias de natureza syphitica eu boubatica.
Por ter-se generalisado muito o uso da essencla da caroba que eu pre-
paro e pelas instancias de varios mdicos que desejam continuar em suas observares,
deliberei-me a ter prompta urna quantidade da mesma essencia, obtida sem a aeco do
igo, para nao prejudicar as propriedades medicamentosas; e d'ora em diante encon-
trar-se-ba na minba pharmacia sempre e em porgo sufficiente para todos os pedidos a
tSSENClA CONCENTRADA De CAROBA, e o ungento da mesma pleata para que nun
faHem aos Srs. mdicos que ^uizerem esperiaaentar to precioso agente medicinal.
Recie de Pjrnambqco, 17 de outubro de 1866.
AGOSTE CA0R5.
--------1------
Erva mate.
Na praea do Corpo Santo o. 17, l" andar, ha pa
ra vender erva mate muito nova. Cal de Lisboa
oltimamente llegada, ,ior prego cemmodo.
Cabriolet
de 4 rodas e L avallo mutij soperior, vende-se
para tratar na roa di Crespo n. 16, 1* andar, pa-
ra ver se oa ccebeira do Paolmo ra d^ S. Amaro.
Na prenca d'lg 'II\ roa d> Apo'l)
yenrja ge capis de saceos I aleuda \
0. 25
sortimento para escolher e por oreco muito
mais barato do que em outra qualquer parte,
na loja e armazem do Pavo, ra da Impe-
ratriz n 6o, de Gama d Silva.
Fazeadas para lato na loja do
PavSo
Vende-se setim da China com 6 palmos de
largura proprio para vestidos a 20 o covado,
lazinhas.pretas lisas, alpacas com listra bran-
ca a IjJ o covado, cassas brancas com listras
pretas a 5oo rs. a vara, ditas pretas lisas e
com s-ilptcos vara a 5Ro rs. ditas francezas
com listras e ramagens vara a 8uo rs., me-
rino preto, alpacas e princezas, mais barato
do queem uutra qualquer parte, na kja do
Pavo, ra da Imperatriz n. 6o, de Gma A
Silva.
PALITO'S DE PANNO A 6&
Vendem-se palitos de panno preto saceos
a 6(9, ditos sobrecasacos a lo5, calcas de ca-
semira preta a 6# e 15, d ta muito floas a
90 e 10(5, fioissimos sobrecasacos de panno a
2oi5 e 255, calcas de casimira de cor a 7(5 e
80, om grande sortimento de col tes de toda
a qualida e c outras mui as qusldades de
roupas qu se vendem mais barato do que
em outra qualquer parte, na loja e armazem
do Pavo, i ua da Imperatriz n. 6o, de Ga-
ma & Silva.
CUALES A BENOITON A 50 E 6,3
Veodem-se s mais modernos chales a
Benoiton pelo barato preco de 50 e 60, di-
tos de merino liso a 355oo, ditos de crpon
a 70 e 80, ditos de merino com barra a 20
e 205 io, na loja e armazem do Pavo, ra
da Imperatriz n. 6o, de Gama & Silva.
P&raliw a igOtiO *280 e t$500
Cbegou para a loja do Pavio tima grande
porcao de nev i fazenda branca especialmen-
te para saias, tendo a largura a altura suffi-
ciente de urna saia com um bonito bordado
de um lado ou urna bonita ordem de pregas
de forma que com 3 1|2 varas se faz urna
saia de um s panno, e vende-se pelo barato
preco de 10, 1028c o 105oo rs. a vara; na
loja e armazem do Pavo ra da Imperatriz
n. 6o de Gama & Silva.
As safas do ParSo a 3$SOO.
Vender urna grande porcao das mais bonitas
saias brancas com rindas barras bardadas de co-
rtrsi teodo 4 panoos cada orna, en'lo fazenda in-
teirament8 moderna, pelo barato pn-oo de 350>
cada urna sendo faiend.n-que sempre se vendeu
por muito mais dinheiro ; oa loja e armazem do
Pavo, na ra da Imperatriz o. 60, de Gama &
Silva.
CASAQINHOS DO PAVO A 180, 2o0
250 E -3o0
Chegaram o mais modernos casaquinhos
ou jaquetas de grs preto, ricamente enfei-
t^das sendo -uus com cintura e outros sollos
conforme se usa ltimamente e vendem-se
pelosbaratos precos d: 1S-S, 2n0,250 e 3o0,
na loja e armazem do Pavo, roa da Impe-
ratriz n. 6o, de Gama & Silva.
Hoi'e-anfiqne.
Vender soprfrior moire-aniiqoe de cor, com
alpora toque de mofo, por preco moito barato, para
aabar: na lija oa Pavo, ra da Imperatriz n. 68,
de Gima & Suva.
Cani'sl-ihas a 3#.
Vtcdem-se as mais modernas camisinhas ctrm
maoguit's tanto bordados como de pregoinhag om
elesaotes pnnhns e bonitas abut aduras pelo bara-
to preco de 3^00 ; oa loja e armaiem ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
p chi-.iCha ciu casuiraH a IGO si u
l'avao.
\vnie--e moa. grade.poro de casimiras supe-
riores enfestadas, seodo escaras e alegres proprias
para ca'jas, poletots, colete^ e roopas para meni-
nos pelo baratissimo prego d 1^800 o covado ba
a 2^800 o corte u cale, grabde pecbincha na
loja e armaiem do Pavau i ra da Imperatriz o. O,
da Gama & Silva.
corplahos.
Vende-se os mais modernos corpinbos de eam-
braias braoea transparente sendo ricamente borda
do* e ebfeitados por barato preqo ; na loja e arma-
zem do Pavo, roa da Imperatriz o. 60, de Gama &
Silva.
ilpaca monstre cm 5 palmos a 280-
S o Pavo.
Vender alpacas> de qnadros sendo padrOes es-
coros proprbs para vestido tendo 5 palmes de
largura qoe facilita fater-ee um vestid) al com
B covados pelo barato preco do 80 ra. o'coado,
garantindo se qoe fazenda qoe va] moito
diobelr", poruoto pechincba : n loja e
zem do PavSo roa d Ihiperatrir O 60, de
& Silva.
poupeDas para a festa a 320 rs. o covado.
Veode-se orna grinde psrgo das mais bonitas
poopelinzs transparentes pom palminbas bordadas
a l oo qaadnnbos a mimo de Oo de seda, pro-
prias para vestidos pelo baratsimo preco de orna
I pataca o covado, grande pechincba : na loja e
! armazem do Pavo roa da Imprratriz n. 60, de
Sido" cada "vapor trabalbar at com liO arras, I ageo'iIVapai.a m&o na loja do
tambera servera para enfardar aigodao, ou para -CHV"* I*"
ras e claras sendo todas de cores modernas
b 64o rs. o covado, ditas lavradas, as melho-
res e mais modernas oue teem vindo ao mer-
cado : sendo havana, lyrio, verde, azul e
outra cores, que imilem a seda, pelo barato
prego de 8oo rs. o covado, pechincba: na
loja e armazem do Pavo ra da Imperatriz
n. 6o de Cama 4 Silva.
VESTIDOS DE FArTTAZIA A 80000 E
Io0ooo RS.
Chegaram os mais boniles cortes de ves- \ oa roa Nova n. 49, qoe serio gratificada,
tidos de fantazia muit
4tfenco.
6
Pogio no dia 10 do correte, do englobo Gra
val, da freguizia de Agua Preta, o esrravo enco-
lo por nome Jos, com os slgoaes seguittes : cor
bastante fula acabralhado, cabellos carapinbado.
com 30 ancos -e idade pooco mais ou meos, al-
tora regular, ebeio do corpo, com diverf-s pitias
pretas pelo rosto, poaca oo nenboma barba, boa
iigora, levoo calca e camisa de lgida > a>ol e
mais ootra muda tamben) de algodo dn lisia e
urna camisa de algodo meselado, chapeo de bae-
la pardo, levando cobertor de bata "-raroado,
cujo escravo fui do Sr. Dr. Antonio H utiqre de
Almeida, cujoe.cravo natural da provinrla da
Parabiba, para onde seguio visto as inf rmaces
ja obtidas : por Isso roga-se as aotoridides poll-
ciaes e capities de campo a captora do cito escra-
vo aonde o encontrar e leva-lo ao dlt: rgtnboa
seu senhor lanoel de Barros Franco e Mello oo
uestacidade a Manoel Antonio Santiago Lfssa ra
do Apollo n. 2P, que ser genero=am(rt receta-
p*-n?ad3, en mesmo qoem delle der ntticii exacta.
Nos primeires das do mez de t-otobro des.16
ano fogio do eogenbo Bomflm, prepr edad- do
Sr. Silvano Aotcnio Gaiio, oa fregu/ia d" Bom
Ja'dim, o escravo Damasiu, preto, ile id; .- e 26
a 30 anoos, allora regolar, chelo do eorpo, p;nca
haiba, rosto om pooco carnudo, olhi-s a be toados,
ps malfeilos, aodar baDZ'iro, moler j e de falla
moderada : este escravo f<> pooco! das
^oies da fnga ao Si. Joo Barbera do Bego e Silva,
da mesma freguezia du B m Jardn) Recia-, e qne
elle se aprsente como vuloolario d^ paina, .eio
qne se previne as respectivas aot iridadi S : -quera
'pegar leve-o a seo seobor, no referido r-i ten'r.j,
iiue sera' recompensado. Recife, 13 e i: iVcmbn
de 1867.
Ecravos fogido
Fugio no dia 14 do corrente a escrava Maria.
prtta, crloula, da meia idade, baixa e <'heia d
ci rpo, e tem duas costuras na* faces, lev.u vestide
saia de g>cga aznl e chale amarello ; ests esrrava
forcimirada em It-ilo na eadeia dc-nd<- >^tv. ha
muitos annos : roga-se, porianto, as u) ridades
peliciaes e capites de campo a apprehenso da
dita escrava e levaia na roa des QoMb-ig o. 6, oo
proprios para passeio
e soires, por terem lindas barras de seda
e vendem-se pelo barato prego de 8$ e loo"
cada um na lija do Pa\o ra da Imperatriz
n, 6o de Gama 4 Silva.
PANNOS PAPA CADEIRAS
Veniem-se um grande sortimeoto de
pannos de ero h proprios para cadeiras,
sof?, cadeiras de balancos, para alrnofadas
e para cobrir presentes, e vendem-se por
jiecos muito barato?, na lo a do Pavo, ra
da I perattiz n 6o, de Gama A Silva.
Ves*Idos branco' a 9&$co.
Chegaram os mais lindos cortes de cam-
braia branca transparente ricamente borda-
dos que se vendem pelo baratissimo prego
de 24#ooo rs. na loja e armazem do PavSo
n. 6o de Gama & Silva.
Cassas de ama s cor
a 240 rs. o covado.
Vendem-se superiores cassas d orna so cor,
tendo asul, lyrio, cor de rosa, roir.o, etc., e' ven-
dem-se pelo baratissimo prec,o de 2iO rs. u co-
vado para acabar : na kja e armazem do Pawio,
ra da Imperatriz, n. 60, de Gsts & Silva.
PECHINCHA
Cal de Lisboa -m larris a 3$, assim como urna
porfo a granel a 140J o alqueire : a tratar oa
roa da Cadeia n. 2, 1 andar.
Cortes de alpaca a sete patacas.
Ve-odern so cortea de alpaca escora par; vesti-
dos pelo baratissimo prefo de ftiO <> corte,
granSe pechincba na loja e armazem do Pavo roa
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva. f
Presos vantajosos
bis miudezas do grande estabeleci-
mento Rna Nova n. 28.
Veodeo em grosso e a retalho.
Lii.has novel!.s, muitu superiores, libias surtidas pbi titular a captura de dito escrav,,
a UiOO e 2,5500.
Dita em nvelos, mais inferior a 1>5'00 e 15800
Atteucfti)
Fogio hdnlem de noile (II bera~
meia noli-) a escrava molata de ti
Is.bel, d.i idad^ 30 annos pocco mais
oo menos, estatura baixa, cabelle anoel-
Ibdo, teta peqosna, nariz afilado, denla-
'lura perfeita e denles pequeos, n oil >
ldina, rapaz de illudir a boa f o" *
vja.s gue liij a C' nhecerem para n^t-n
lie-las de gue f..rra. Esta i ser:-
ful dmpraila em maio do eorrenii
ao p'irtuuez Jo.- Pedro morador b-
nao do H -i ii.il. e que fugto de casa
s u actual seobor, o proprtetio ,ou
g'nhj P-nedo em S. Ljurenr;o .la M
apitio Francisco Joaqoiro da li
l'alcao, ba indicios de qoe seguio
Recie, porgue foi vista as 4 boras 'I
Bhaa o hoje o* Passagem da M- i,1..
portanto pn.vavel que e-teja e-la n.->ia
cidade. Pede-se aos Srs. cap
i ampo, as aut'ridades policiaes a qual
quer pessun que aprehender dita escrava,
manda leva-la a sen senhor no n f ndo
eogeiiho ou a ra do Vigario o. 24, -
rnptorio, cojo portador sera' bem gr.tt-
fic.-do Recife 16 de n verobro d^ 1867.
pa-
O
lia,
ba
ra 'i

Aos agricultores
Sannders Brathers & C. aeaDarr. da receber
de Liverpool vapores de for?a de 3 a 4 cavallos
cem todos os pertences, e mui proprios para faze-
zem mover machinas de descarocar algsd?, po
a dita.
Dita branca em caixas de 50 nvelos a 640 ris
Dita para marcar, caixas de 16 ditos a 240 rs.
Dita branca em ditas de 10 ditos grandes a 560.
Dita era carros de 100 jardas a 360 r. a doria-
Dita em carros de 200 jardis a liOO a duna.
D:ta tme.artS"-, branca e preta, a 160 t<. dita.
Rozetas de cores em caisa de duzia, a 1500 a
dita.
Grampas com cabera d ndro a 160 rs. a dita.
Agnlheiros piolados a 2)0 rs. a duzia.
B> tdes de raoedinba* curadas e prateadas, para
puncos, a 1900 a duzia de pares.
Ditos de madreperola, para eamisa, a 500 rs. a
groza.
Ditos de osso, para caiga, a 240 rs. a dita.
foixinhas com soldados de cnombo a 120 rs.
Rspelbos de muldora dourada a IJiOO a duzia.
Pentes de lago donrado, para coco, a t> rs. a
duxia.
Ditos do la';r>s lisos, para coco, a 5500 a doria.
Dilos dorados, t< m flores, 2400a dozia.
Dii* de bofalo, moito boos para alisar, a 2J300
e 2400 a (lila.
Dedaes amareios e prateadof, finos, a 240 rs. a
dita.
Colcbetes em caixinhas a 640 rs. a dita.
Ditos em cartoes a 600, e 900 rs. a dita.
Pegas de lila para coz, larga, com 10 varas,
500 rs. a pega.
Fitas de seda o. 1'/. pegas com 8 varas, a 260
rs. a dita.
Cadajo branca para cerculas a 563 rs a dotia
de pegas.
Las de todas as cores, para bordar, a 6500 a
libra.
Pfcospboros de tra, em calimbas, a 360 rs. a.
daa.
J)itos de pu eocerado, sem ebeiro, a 360 rs. a
dozra de calimbas.
Hitos de cera, em caitas grandes de folha, B
1*400 a duzia.
Cartilbas da Doutrina Gbrisia a 320 rs.
Obreas de colla, em cainnha% a 320 a 500 rs.
Sabonetes finos a 800 e 13 a aazia.
Pacas e garpnos cabo de osso, fazenda boa, a
2*500 a duzia.
Abotaaduras floas para coleles, ciotos com five-
las de crystal, e mulUs outras qoalldades, potcei
ras de coalas, pentes oom pedias para coques, en-
feites para esbega, um completo sortimento de per-
fomarias de todas as qua'.iiad-s. colarinbos, can-
deeiros a gaz, f rrag^n- de todas as qaalidades etc.
etc.; a ra Nova n. 28.
de gratificago
a quem capturar o preto a Costa de ncn.e Jacit
lho, idade 38 annos, estatura pouc mefUuS de r
gul^r, tem falta de denle-, bem cemo talbos nt
rosto bem salientes, as peroa finas-, etc.. fugio eo
;29 de setombro proxieqo passado, IcVoco ve;tidt
caiga e camisa brtinca, chapeo de cipa baixa e d<
:aha-: pequeas. A primeira vez qne se evadi In
titulava !-e como forro de nagao, e empregava-9<
| eni servente de pedreiro e em culros idtuticos :
roga-se, pois, as autoridades policiaes e qualque;
. a -or entre-
gue a seo seohor Joo da Silva Lette, na ra da
Cadeia do Recife n. 10, qoe sera' paga a gratifica-
gao cima.
mais
arma-
Gama
outro qoalqoer servico em qoe osam de trabaihar
com animaes. Os memos lambern lm a' venda
machinas americanas dj 35 a 40 serris.
O- pr-,u;ndpt?S dirijam-se
3f>nto p. II.
VENDE-SE
Motores americanos para doos cavallos.
Dito dito para qoatro cavaltes.
Machinas para desearogar algodo de 14, 16
18, 20 30, 35 Prengas para enfardar algodSo fazendo os sar
eos com 6 palmos de comprmeme com o peso de
150 e 200 libras, indas Diurnamente da Amerin
no armazem de Henry Forster & C., no ca Pe
dro II n. 2 jonto ao Gabinete Portuguez.
Rap Principe Alberto.
Chegoa este rap e vQode se em botes de
qu rta, na lija da,ra do Crespa n. 5 de
Pav"aoa640, i e 10600.
Vendem-so bonitos lencos de cassa bordados a, p -
proprios para roo pelos baratissimos prego de ^re8or|0 raCi ao Amarat ** i .
an laRO 3o Cerro- '640, if e !J60'i, Uto na loja do Pa'o ra da Vendem-se vaccas de Ihi- com crias : a t;a
! Imperlrii P. PO, de G^tra & Silva. lar com Pinbeiro, na ra dos Pescadores o. o.
100,5(000
Fugio no dia 25 dj eorrente mez de outubro, do
engi-nho Limoeiro fregoexia da Escada, o escrave
com os jegoinles sigoaes : eabra fosco, alto con
bom coTpo e boniu figura, cara bexigosa, barba
i a. a serrada, costoma rapar o b'gode e a peiri
cabellos um tanto crapinhados, poueo cambeta
' t.m is dedos grandes dos ps mais compridos:
um pouco gago, Ctm Igumas cicatriz-1- velbas d
, chicote as cosas em orna pa' e em nm braee
, vtstindo camisa de a g.-do da mata on algodoxi-
nbo, c Iga e paletot ao bnm pardo, chapeo de rae-
ta preto, e lava vara de carreiro que e supp5e-s
ter ido asseotar prsga como voluntario : recom
meflda se as pessoas encarregadas do recrutamen-
lo e as ouuridades oollciaes com especialidade as
d i Rio Fbrmoso, Una, Agua Preta, S. Bento e Por-
to-Ca vo e a ootra qoalquer pessoa aapp>ehensc
do dito escravo. e entrega-lo no dito engenbo, que
rececera' a graiificago cima. O escravo chama
se Francisco._____________ ____________
Pga-se bem.
Fuglo em das do bdps prximo pasado do poder
de Aj-snrih' Jos de Ollvelra, em Caroaro', o sen
escravo Rufino, mulato claro, idade 36 annos, secco
do coipf, pe oa- bas, olhos nm tanto amorticidos,
oariz afiladt>, ponca barba, multo corte/ e bem fal-
lante, mettlrtu a vafele, gosia de aeuardeote e le-
vtiq japona preta ; 1-t encontrado no da 3 do cor-
rente ao logar Bataleirij em direcgo a estrada de
(erro t siispriu-.-e qua tenba ido offerecer-se como
vofuniano para a goerra : nga-se priantoas auto-
ridades poluyaes e capites dd campo a aprehenso
do dito escravo, qoe ser4 entregoe a seo seobor oa
a -S' verino Alves da silva, em_Trombeta.__
505000 de "gatificaco.
Na noile de 20 do cor; .-ule mez, algn.a pes-
soas mal intencionadts, premeditadamente destroi-
raro cinc lanpeoes na ra da Palma e ires na ra
daPraia do Caldereiro, propriedade d emprrza de
lllucomago a gas desla cidade. A gNlificaglo
a ima sera' dada a qoalquer pessoa que d infor-
mago, que possa descubrir e punir os autores de
Ues abusos, a-sim como para o futuro gralificar-
se-ha a lodo agoelle qoe der parte de semelbantes
latos.
Escriplorio da empreza, roa do Imperador o. 31.
Fogio a If de n ivembro correte, do erge
nh.i Te.xi-ir, uui mulatiabp de cor alaraojada, al-
to e sfeco, fanega P'qaeoa, rosto e. anirido, Ip
urna balha branca no ro>ro proveniente de urna
empingem qrwsolfreo, oarn arrebiUdo e afilado,
tem ama cicatrii O'oan talbo cima de um olbo,
cambeta de termas que os joelbos raiam uro no
ouuo quando anda, peroas finas, p* limpo*, idade
16 aooos: qoem o appreheoder e trooxer oo ea-
uenbo cima mencionado, sera* bem Indemnisado
peto pioprietar do mesmo engeobo, poisaeste
perlence o d,ilu mul-tinbo.__________________
-_rFo7iodo~aenbo Cedro, do Cabo, oo dia 18
do corrente mez, a errava Francisca, crinla, alta,
ni i rno'H preta. idade de 23 a 24 anoos, com doos
(ente tirados na frente do queiiu superior, foi
viste no entrar dos Alegados, e nao "se an a di-
recgo qoe tomou ; descbofiase qne vissse para o
Recife, onde f< comprada ha qualro mezes pooco
mais : da se 5?J>000 a quem a pegar e entregar no
mesmo engenhu, o oa ra de Horlas n. 114.
1 meiwEi l
al


m
8
DiaO HfMMbtoF WVtittolW *'MW9>*Jii~
n
=ummm
TSotfza~Magalhaes, qae foi simplesraente up
prva o, e obteve lituV^de ^capacidad
------------ No dia 4 de novembro [rndtoiaraJ| os,
Relatorio da escola NohtfAt, do Anno exames ordinarios da S'-co'a. d j$. laaes r<
Gonsituindo com tres annos o curso oor- as .carias d*e e
spltaram: r^ Io annajT sei.
oa, descitosimp/imft',
J.13
S approv:ii,oes po.'
e ijual' r/.. roo*e-
to,ayate
el a maneje
1.' ann
a:LeiSra
nflfoes ensene
deemnenho; desde qu o menor apenas o~ porteiro o ajda espontneamente anafe morai <]* nacJf, lOB'ojfemfaer per-
lumbre deTlppncia lizer vascular a quau^o pode^j^ ^^ ;dTos para est7Ph5vB.'iarqotfsiempre
)resa justica que deve presidir aosjulga.-, *\a pr
a sua.ra- feito m
v
jrovw
ensa
Paulo
m o auttfi
I
; mntos, a Esrola Normal peder a
z3 de ser. i* com toda a razo a 'censura as sagototes ^K?S do in^3tor geral da; ^ ^j,. a,mqi,31lt0 ^mtihoramentos ma-
aver-se p3r tij^re $amraiiar> airete da cirilisago
a pen.S:r nacional. |,j|l>*i!>* iHii
ma- que faz o digno dir, tur la nslrucgao po- insinopoblica de^sa provinciaem seurer; t(Tae8 ^am i"coa)\&04i vitelidade so-
i.kctivu corrente. sultaram : n
Hita. r.Era cumprimerib) do que me as
incumbe o art. 7\| (K foitegulaiteato da vaces; levantar*ara-se do exame i, nao se' tica "nacional, doutririfchnsta e leara dos bica da "5" Taulo, "em seu"relatorio ue laloro de \m .erderd
Escola Normal, tenho a bour.a, dj apresen-, aposentaran onze, <> perJeranw ar.no quin- evangelios. 1864/rrodulgencta com |e se fdzem osi t A Le prdricial n. 34 de 1840 fundouv r uljlioa e prio- i palmeuteai nst roceo urima-
tar a tonideracao deV. S. o 1 cir ze : no auno, urna -apprcvacao plena,1 2* codeira:Arilhmelica, geometra pa- exames para o professor to : O noraeado, verdade, e existe em funecoes nesta cida-
cumstanciado do movimenlo econmico c onze simpliciter.c, onze reprovaces; o5#o e gys tema mtrico.
litterario la ECola, durante o porrete auno. lS3 'apreseut ram a exime 2, e levantaram-se 2.* anno.
na.
o que s se
cora a urmaeo
ESTADO E MOVTMENTO DA ESCOLA.
Dir xluria.
Tendo eu pnr causa (leeufermidade alean-
gado da asserablca legislativa provincial um
anno de licenca, entrei 110 goso dla no dia
Io dedezerabro do anno yassado, e, .renun-
ciando ao restante do lempo que faliava, re-
assumi o eiercicio da directora no dia 3 de
outubro prximo Qnoo,
Durante o meu impedimento foi a direc-
tora oceupada pelos hachareis Maximiano
Lopes Machado e Jorge Dornellas Ribeiro
Pessoa.
O Dr. Machado exerceu este cargo primei-
ramente at o dia 15 de abril do correte
anno, em que o passou ao Dr. Dornellas, por
tomar assento na avembla provincial, reas-
sumiudo-o no dia 8dejulbi> ; e segunda vez
o passou ao mesmo Dr. Dorne las no dia 3
de agosto, em consequencia de suspendo por
pronuncia em crime commun, interinidade
que durou at o referido 3 de outubro era
que reassumi o respectivo exercicio.
Nao posso por tanto ter conhecimento
pessoal de quaesquer occarrencias que, du-
rante o goso de minha liceuca, se tenham
dado ca Escola, e reQro-me aos dados offi-
ciaes que constara da escnptoraco do esta-
belecimento.
Secretaria.
A secretaria foi dirigida peloi hachareis
Maximiano Lopes Machado e Jorge Dornellas
P.ibeiro Pessoa, os quaes accumularara o res-
pectivo exercicio com o de director interino,
nos termos do art. 3o Io do regiment
interno de 12 de novembro de 1861.
Durante o anno espedio a directora 35
officios presidencia da provincia, 24 di-
rectora geral da instruccao publica, 34
thesouraria provincial, lo informacoes, 49
certidoes, 11 termos de exame, 14 ttulos de
capacidade, 97 termos de matriculas e 180
guias ; ao todu 459 expedicoes.
Professores.
A Ia cadeira do Io anno foi regida duran-
te todo o anno pelo re>pect >o professor
Miguel Archanjo Mindello.
A Ia cadeira rio 2o anno foi regida pelo
respectivo professor o Dr. Maximiano Lopes
Machado desde a abertura at o dia 15 de
abril, de 8 dejulho at 2 de agosto, e de 21
de outubro atoflm do anno. De 16 de
abril a 7 dejulho e de 3 de agosto a 20 de
outubro foi substituido o Dr. Machado pelo
acadmico do s anno da Faculdade de Di-
reito llera el io de Araojo Villar, sob proposta
do director da ostrueco publica e por no-
me.tcio lo Eso. presidente da provincia.
A 2a cadeira do 2o anno foi regida, du-
rante todo o ar.no, pelo respectivo professor,
o Dr. Jorge Dornellas Ribeiro Pessoa.
A escola pratica foi regida, durante tod>
o anno, pelo respectivo professor, Vicente
de Moraes Mello.
Porteiro e sei vente.
O logar de porteiro foi cecupado pelo
respectivo entregado Antonio do Reg Pa-
checo.
Os Iraballios de servente foram feitos por
Cosme Damiao Pereira.
Matricula s e eorantes.
atricularam-se no Io anno 68 alumnos e
no 2 27. Ni escola pratica matricula-
ram-se 89.
Em virtude da lei provincial n. 754 Gze-
rara exame das materias do Io anno, em 19
da julho, Deoclcciano Ftrreira dos Santos e
Cbrystovo Gomes Porto, os quaes foram ap-
provados plenamente, e malricularam-se no
2o armo.
No dia 17 de Janeiro, por despacho do di-
rector interino, foram admittidos a exame ex-
traordinaria das materias do Io anno Anacle-
to Publio de Moraes Carvalho, Florianno Net-
to de Azeredo Goulinho, que foram simples-
te approvados, e mais quatro que foram re-
provados ; e das do 2o anno Francisco de
depois de erra.cada a prova. Na escola -i1 cadeira :-No$5es geraes deeloqu^n-
pat ica foram examinados 4, que furainap- eia, anal/se' dosclassicos portuguezes e bra
provados. sileiro?, e ledacfSe.
CBSERYAgoES ESPECIAE3 A ESCOLA.
No meu relatorio do anno passado fiz al-
gunas consideracoes acerca da necessidade
urgente de recolarisar melhor o estudo das
materias que devem constituir o curso nor-
nal, eccessario dar ao professorato o carac-
2a cadeira:Agrimensura, desenlio linear
e principios geraes de agricultura.
3. anno. *
1* cadeira:Elementos de philosophia,
methodos conhecidos de eosino, habilitando
o alumno a compara-los philosophicameDte
ter scieniifico e pratico que o deve destn- e justificar o mysto qud o admittido para
t
MHETIM
S AHOKES DE POETA
D. N4R14
POR
AMALIA VAZ
Vil
DE CAH.VALHO.
guir, elevando-se a tres annos que devem
constituir dito curso, e repartindo-se por
ellas as materias e as cadeiras de um modo
mais methodico e mais conducente ao fim,
que se almeja conseguir.
Insisto com mais vigor nesla reforma,
que as condices o professorato reclamara
instantemente.
O Sr. Conselbeiro Dr. Thomaz Gomes dos
Santos, director da inslroccjo publica na pro-
vincia do Rio de Janeiro, e cuja corapetei.cia
em taes materias nao pode ser posta em du-
vda, em seu relatorio de 19 de agosto deste
anno, oceupando-se da Escola Normal daquel-
la provincia, reclama como urna necessidade
demonstrada, que se estenda a tres acnos o
curso da Escola.
A creare de orna cadeira que tenha por
objecto ensinar nocoes de lgica, de psycho-
logia o de moral, a meus olhos coudicSo
essencal para o professorato. Nao posso
mesmo comprehender como um pro'essor
possa Lera desempenhar as suas funeces
pedaggicas, sem ter conhecimento algum das
faculdades (Taima, e sem conhecer a nature-
za intima dojuizc, da qual a oraco nao
outra cousa mais do que a form exterior.
Parece me impossivel saber-se um pouco a
fundo a grammatica nacional, sem previo co-
nhecimento da forma ibterna do peosamento
que apalavra tem por fim manifestar.
O Sr. Mater, em sua excellente obra
O Professor Primario, diz com muita justeza
que o curso da pedagoga abraca e-tas tres
cousas: estudo das faculdades physicas do
hornera e principios de educaco pbysica ;
estudo das faculdades moraes e principios
de educa;o moral; estudo das "faculdades
intellectuaes e principios de educaco intel-
ectual.
D^h deduz-elle a necessidade das noces
da p>ychologia, que fornecam ao mestre um
conhecimento mais ou menos exacto da alma
e de suas faculdades.
E' lempo, diz e le, de volver as nossas:
vistas pira o interior, para a parte invisivel
do hornera, a alma. E' ella que mais vos
uteressa ; a ella que nos referimos, quan-
do dizemos eu ou nos ; ella que mais vos
importa formar e educar. Ella de origera
superior ao corpo, vem de Deus. Quando
o corpo morre e torna trra d'onde li-
rado, ella volta Deus, que a fez sua ima-
gem, afim de associa-la felicidade para
que a creara. Em urna palavra, o corpo
nao seno o instrumento da alma, elle lhe
dado para concorrer educaco, que ella
deve receber neste mundo, para serv-la nos
trabalhos que ella deve emprehender, as
virtudes que ella deve praticar, e as pri-
vancas pelas quaos deve ella passar,
E, quanto aDalyse lgica, que mais
til do que a analyse grammatkal, diz anda
o mesmo escrptor:
4 O que a analyse lgica offerece de mais
instructivo, nao sao neta os termos da arte,
oem as formas da phrase, o exame do pro-
prio pensamento. Ora a analyse do pensa-
mento a analyse da propria causa expres-
sada pela phrase, e nao ha ninguem que nao
veja que o estudc do propri pensamento
mais imponante do que a decomposielo de
sua forma lgica.
Teoho como cousa demonstrada, quo o
professor que ignorar os elementos de pby-
losophia, nunca poder comprehender per-
feitamenie o mecbanismo da analyse lgica.
as escolas da provincia.
2a cadeira: -Noches geraes de geographia
e historia universal, geographia e' historia
do Rrasil e especialmente da provincia de
Pernambuco.
Prevalecendo a actual destribnico em
dous annos, parece-me evidente a curleza
desse espaco de tempo para qce sejam
perfeilamente estudadas e desenvolvidas as
numerosas materias que ahi se ensiuam,
mrmenle sendo explicadas apenas por tres
professores.
A experiencia tem mostrado qnc impe
riosamente necessario on dimiuuir as mate-
rias do ensino, ou crear-se mais cadeiras e
estabelecer-se um curso de tres anuos.
A primeira hypothese inadraissi' si, vis-
to que todas as materias que actualmente se
ensinam sao indispensaveis e sna utiidade
to intuitiva, que dellasno possivel pres-
cindir-se. Alm disso, occorre aind, qae
destnbuidas como se acham, offerecem gran-
des embaracos e difficnldades para os estu^
dantes. E', portanto, de mister urna refor-
ma, que tenha como principal resultado dar
mais desenvolvimento ao ensino e raelbor
destribuico s materias.
Parece-me que elassifleadas, augmentadas
e destribuidas as materias no curso de tres
annos, como fiea indicado, attende-se ao
bem do estabelecimento e ao melhorameato
da iostruceSo publica.
Devo aiuda solficilar a creacSo da bib is>-
theca, e a acqoisico de instrumentos de agri-
mensura, de desenbo linear e agricultura,
cuja necessidade reconhecida pelo artigo
16 do regulamento de 12 de novembro de
1864.
Tenho como de primeira necessidade, que
se obtenha do propristario da casa onde
ofcia a Escola a preparaco do dous saloes
terreos onde possa trabalhar a escola, prati-
ca. N3o s acanbada a sala onde actual-
mente funeciona essa escola, em vista do
graod8 numero de rameos que a frequen-
lam, seno como sao erabaracadas as aulas
dojeorso norma!, vistas as poucas propor-
Ccs do andar oceupado eom a esco'rt.
Insisto no augmento do ordenado do por-
teiro, cujs ordenados e- TencimeDlos devem
ser igualados aos das denais repartteoes da
mesma cathegeria.
Ev altamente reclamada pelo dMenvolvi-
mentO' da Escola, que s* lhe de mais um
servente, assira como qae os serventes te-
nbam diaria integral, viste) que nos domin-
gos e mais dias dm que a Sscoia n5e trabalha,
que elles t'rc- principakaente o eoeargo do
aceio' da casa.
O dia do posto e eDcerrameno des tra-
ballw>s do anne lectivo, for solemaisao com
a presenta de diversas pessoas gradas, que
se mostraram satisfeitas doadiantaraento dos
alumnos e boa ordem do estabeteeitoento, o
que nesse mesmo dia a a noite foi visitado
por grande ceranrrerjeja ds hsmens e so-
Dhoas,
Como V. S. testeoanhou, os exames fo-
ram. feitos cem a severidade precisa aos co-
ditos do estabelecHneoto. mal entendido
systema do patronato, que ere ludo se intro-
mette com om forBaento da degeneraco,
nao deve estender oe seus pessimos effeitos
at o recinto da Esola Normal, cojo im
preparar professores capaies de derramar a
Boa instruccao. D^sde, pois, que se afrouxar
a disciplina nos exames, e-forero, attendidas
V
marcada. Nei primeias letres sobre- tantas rmperfeices, uiie a vicia:n, seu pres- 0 sex0 femenino, conseguir'Ie^a^poT'certo
tudo a pedagoga methodica nao timo millo, um s ficto diz tudo : o pro- consolidar essa cadeia civitisadora, que des-
- fe sor nunca teve de interromper o ensino ; ti[)gUe pernambuco desde as pocas era
pois bem, aps mais de -.7 annos de existen- q je lhe foi permittdo lancar de seus hora,
ca, est anda por apparecer um alumno com bros & vesles ja escravido, to antipathica
o curso completo. a seus sentimentos de grandeza e liberdade-
Em vista de um estado tal de consas, Eis o que se me offerece a diner, em cum-
aquelles inspector reclamara reformas, que priraemo d0 que me ordena a lei, soilieitan-
devem ter sido mais oa menos attendidas. 0 odulgencia para a imperfeico de to -
Em Minas Geraes, ja em 1864 o respectivo|ineompltt(J liaDa|ho.
presiente, expondo em seu relatorio o esta-1 Dbos G;ar(je a V. S. felizmente.Diree-
do de anarchia em que se achava a instruc- loria da Esco[a Normal, 25 de novembro de
Cao publica,lembrava a creaco de urna Es- 18(57.
cola Normal, necessidade qua anda rae nao j Iilm> Sr_ Dr Mo Franklim da Silveira Ta-
coosta baja sido attendida. E' para lamentar v0r3j oirector da instruccao pubiiea de Per-
qu urna provincia to importante, rica e po- nambuco,
pulosa, como a de Minas, esteja to aira | q reclor a Escola,
sada no que respeita esse ramo da adroi- Conego p,ancisco RthaelP. B.eMeteros.
nistraco publica.
frivolidade a desdenhar. Sem rgimen
adequado e mestres traquejados, nao ha
escolas llorescentes, on antes se pode
dizer que nao ha escolas.
Parece-me finalmente muito necessario
que se trate de fornececer a Escola Normal
dos compendios precisos.
OBSERVAnES GERAES.
O ministro do imperio, no relatorio apre-
sentado este anno ao corpo legislativo, as-
sim se exprime:
A creaco de estahelecimentos pedag-
gicos para completa bablitaco dos candida-
tos ao magisterio, certamente a mais im-
portante dessas necessidades. Sem estudos
especiaos e praticos, a qne sao destinados
taes estahelecimentos, nao se pode esperar
que formem-se verdadeiros professores. Eo-
lendo, portanto, que muito convm tratar-se
de realisar a ideia, aprtsentada pelo meu il-
lustre antecessor no seu ultimo relatorio,
da fundaco no municipio da corte de um
estabelecimento proprio para preencher
esse fim.
No meu reitforio anterior j me rsferi ao
pensamento doaaiecessordeS.Exc.que assim
exprim:ndo-se traduz urna irjperiosa neces-
sidade publica, qne boje considerada eomo
a primeira condico e sencial da civilisago
moderna, consistente'em combater o ma! pe-
la illustracSo e educaco moral dos indi'.'i-
duos, que constituem: as massas.
Tambem as diversas provincias- do BrasH-,
coraprehendendo que da boa educaco da
suas-populacoes que dependem a 3ua grann
deza e o seu futuro, o que sem escolas nor-
maes nao possivel dar ao proiessorato-
aquelte carcter de importancia, que exige o
desempenho de-to grave sacerdocio, tem
porfa procurado eoriquc^er-se com tees es-
tahelecimentos.
Em 1864 dzia o conselheiro oo Crya-
piniaoo Soares, ao entregar a administraco
ao 4o vice-presidente da provincia r
Nao por certo lisongeiro o estado da
instruccao publisa nesta provincia, quer se
lattenda legislarlo que a regula, qaer ao
programraa de estados e ao pessoal do en-
sino, principalmente do primario,
E que arada nao cessou ess3 estado, cer-
lifiea-o o relatorio deste anno, formuido
peloex-prestdente deesa provincia, o Exm,
Sr. conselheiro Joaquian Saldanne Marinfco.
Na provincia do Paran o respsetivo presi-
deote, em seu relatorio apresentado este an-
no assembla provincial, liga o futuro da
A provincia de-Rio de Ja.ieiro louva>se de
possuir ama Escel Nbrmal, que no dicurso
de cinco 3nnos tem dado promptos trinta e
res alumnos mestres, trezc do sexo raaseo-
Imo e vnie do feraenino, sendo que elles
aeham-se dez emprsgados no magisterio pu-
blico, um ne logar de amanuense da irec-
toria de ftzenda, l3ga? que conquistoa em
publico coaeorso; orneo exeroerao magiste-
rio particular e os mais esperara a idad re-
gulamentar. O respectivo director da ins-
truc? publica, ora seu relatorio de i>'de
agosto afiircaa que no eorrente aDno se babi-
litario provavelmeoe oito, quatro de ?ad3
sexo; sendoque dejonho de 1866 a jraho
de 1867 foi a escola Requemada por sesseata
e oiis> alumnee, trio.a e sete do sexo maseo-
ioo e trinta eum do-sexo femenino, de sujo
umero trir.ta e nove matriedades e vale e
uove ouvintos.
Comparando a freq,encia a Escola Nor-
mal d 1 R o de Jaoein; enm a dasta, v-.s;> que
a.dePernarabuco. se avamajou debaixodes-
le pentode viola sobre a do Rio de Janeiro.
Noto que o direcU>r da Ecola Normal do
Rio de Janeiro, alera de reclamar o feroeci-
mento dos iivros precjsos paro o bom anda-
meato da Eseola, esige um empregaJo que
se ncarregae da escripturscaoda Escola A
este respeito o conselheiro director dainstru-
Co publica, esposando a ideia do director
da Escola assim se exprima-::
Com muita jiestica, a raeu ver, repre^j
senta o director sobre a nacessidada de ura
empregado, que se encarregue d 1 escriptor
cacao da Escola, escriptur^co essa longa e
muito d9talhada,na qual como ell3 o diz, Ga-
,da alumno historiado: todo este trabalbo,
que oa verdade nao pode cab r ao director
deumtal estabelecimeato, pesa sobre olle;

Kevlsta fieientlea.
E'assrm queas vbracoes se c'assificas
em tres grandes grupos.
As primeiras, menos refrangiveis, sao ob-
scuras-, e raanifestam-se pelos phenomenos
calorficos.
As segundas sao as radfcees luminosas,
que vo desdeovermelho at ao violceo.
As ultimas sao moito numerosas e invisivei?*
e revelam-se por decomposreaes e combina-
cofs c&imicas.
Um mesmo ra-io pode possuir as tres pro-
piedades, e ser calorifico, lommoso e acti-
instruego poNfea creado de cma Escola nometrieo ao mesmo tempo. Os raios sao
Normalrmas nao suppc a provincia arada e natureza idntica; mas posstiem refran-
era estado de ter 3emelhante estabel2Cimento.
Em Santa Catbarina o presidente em seu
ultimo relatorio, lamenta que a ezigaidade
financeira da provincia, nao permita-que se
faca algura ensaio proveitoso.
Na provincia doCear fe^se algoiaa cou-
sa creando-se urna escola-modelo, arespei-
loda qual assim se exprima o director da
instruccao pnblca era 1865 r
Es-a escola, que est longe de ser nor-
mal segunda o systema destasvpode coesi-
derar-se urna escota-modeto- ou de sppli-
cac), onde vo fazer tirocinio os pretenden-
tes ao professorato, aproveitando em tocio o
caso nos seismezes mafsdo qo& um, como
se pratica actualmente.
-Nao se? certanteote um viveiro de pro-
fessores, como se da ras Eseelae Norro3es,
onile, alm da pratica- pedaggica sao obri-
gabs a aprender todas as materias compre-
hendidas no prograran do ensino primario,
mne j urr grande passo para- & progresso
e sielhoramento.
Na provincia doPial)y,o desejode rae'ho-
rar a ostruceao publica chegeu a manifes-
tarle pela oodacct. de urna Escola Normal,
coa se v &> relatorio do respectivo presi-
dente da provincia, apresentado a assembla
provincial a anno passado:
QoantO'Escoa Normal.-zopresdeate,
ellapromette virjgar, embora.lDte comal-
garaas difficoldades alias cemrouns a qual
quer institeico oascente e sebre tudo a ana
instituico como esta, ainds- ma'i aclimatada
no paiz.
Por ora* coeao se sabe, a-Escola Normal
aao passade orna tentativa, destinada a favo-
recer o desenvolviraento do ensino eleraen-
lar. N5raz2opara descrer das estan-
cas de que ella penhor, tenbo fe ao con-
(Continoaco do n 270.)
As primeiras cartas de Jayme eram a
traduccao eloquente de um amor lev.ido
sua expresso suprema ; amor violento, irri-
tado, sem dique.
Ha creaturas, nao sei se frageis se enr-
gicas, que acolbem todas as sensagoes com
urna especie de intensidade dolorosa, e cujo
padecer tanto mais intenso quanto menos
duradouro.
sentir muito e sentir tudo, eis a terrivel
fatalidade que | esa sobre ellas !' Jayme per-
tencia a estes entes excepcionaes. Eaa tudo
arrebatado, o pengoso exgesso do sea amor
dava a saudade que o consumia proporebes
infernaes.
Mara devia padecer muito, mas de outra
maneira.
Ao dizer ao homem que amava o ultimo
adeus, houve dentro della como o estalar f-
nebre de intima fibra.
Devia a sua dr ser callada, profunda sem-
pre igual.
Desde aquella hora a natureza com os
seus esplendores cobrio-se-lhe aos olhos de
um veo nebuloso, perdea o sol o calor vivi-
ficante, a aragem a tepida amenidade.
Nao podia haver alli era alternativas nem
tumultuosos desesperos, era um desgosto por
assim dizer soctgado, um len o e progressi-
vo murchar de todas as flores do coraco !
Em Jayme era a dr um mar tempestuoso.
ora erapraaodo-se em temorosos vagalhoes,
as naturezas que teem o orgulho do soffri-
mento, e que aclara em subvertor-se nos
abysmos infinitos da tristeza urna acre e
tentadora voluptuosidad)
Um raez depois da partida, j o moco
poeta sentir aquecer a sua alma de artista
ao ardente calor do sol de Italia.
As cartas, ao principio amantes exclusiva-
mente, comecavam a vir-lbo entremeiadas
de deliciosas descripcSes-
O mancebo falla va da patria immortal de
todas as artes e de todas as poesas, corno
quem a v atravz do phantastico prisma de
um grande amor l
Ao p delle, e prestando um raio da sua
luz clara e fagueira trra dos prodigios e
das gracas, bavia urna figura encantadora,
com quem Jayme reparta esses milhjs de
mundos que a imaginaco dos poetas cria e
derruba a cada instante.
Sob a cupola sublime de S. Pedro nessa
igreja de gigantes, onde a mo formidavel
de Miguel Angelo gravou em estrophes de
fogo o immenso poema do christianismo, e
grande como o archanjo da trombea, ful-
minou de reprovacao immortal os iniquos
poderosos do seu tempo ; Das titnicas mi-
nas da Roma antiga, aonde o silencio da
desolaco tem ainda um nao sei que da gran-
diosidade dessa era extracta, a que ellas so
breviveram ; ao melodioso murmurio das
^rateadas cscalas de Tibur, entre a fra-
francia dos seus myrtos e larangeiras; nos
I maravilhosos museus do Vaticano e sobre as
tepidas ondas das lagunas venezianas ; pelas
formosas campias de aples, e diante dos
be>los horrores do Vezuvio, em toda a parte
a via o poeta, siolemne ou voluptuosa, aman-
te ou aastera, mas sempre bella como um
devnelo de Raphael, ou como urna dessas
serenas noutes italianas impregnadas de
poesia e lnguidas como um beijo de amor!
Era a viagera de Jaime mais de poeta e
de artista que de pensador: largava sempre
fibilidades e velocidades crescentes, e po-
cem transformar-se mutuamente, como se
prova pelas phenoraenos da pbosphorescen-
cia e fluorescencia.
As diversas substancias teem a proprieda-
de de escoiher e absorver certss- radiaces
simples do preferencia a outras, entrando
logo em vibreeo e restitoindo pela' radiacSo
a brea vi\*a absorvida, sendo qce- om raio
simples se transformoa em outras radiaces.
meaos refraagiveis.
Ne se segu porm, qoe o meh baja de
restituir sempre a forca. viva absorvida; an-
tes pode guardo-la e prodlizir com ella ura
trabalbo chimieo equivalente.
Estes sao ca maravilirosos resutados da
experiencia deScheele, que considorada era
si poaca ou nenbuma insportancia' poderia
ter primeira vista.
Sebele empregou o prisma de Newton,
e foi buscar quaes os raio simples, qne po-
diam causar o phenomeno de Lrstfio do
chlorareto de prata.
Coabeceu que esses eram os raios viola.
ceos, os quaes- denomioasa raios chimicos-
WoJlaston repeli a experiencia, e vio que
para alm das radiagos nltra-viobceas bavia
outraa-mais refrangiveis completamente in-
visive+s, que eram capazes de ac".or 3obre
o cblororeto de prata.
Este descobrimento mdamen'.al de pho-
tochiuaica nao teve, por muito tempoy expli-
cacao plausiva
Os-Srs. Girard e Danaone viren ^u e ov
chlorureto era- parcialmente decowposto,
que se evolvia acido hypoarotico, fkaodo li-
vre urna parle do chloro e da prata.
AJuz reduz qoasi todos os- chlorucetos-
bromuretos e ioduretos de bases poueos oxy-
daveis. e bem assim om grande nouero de>
trario, de que a experiencia ba de saaceio- compostos metlicos exygenados. coauoacon-
nar essas espeluncas. jtece no acido azotico- e acido ebromico.
Nada posso dizer respailo da Sscoia | a. luz porm nao 3 apenas um agente re--
Normal da Babia, porque nao pude ter pre- ductor, porque, n'outrascircHmstancias, pro-
seo! o relatorio do director da nstjucco l duzoxyJaooes variadsimas e favorece emge~-
poblica daquella provincia.
Estes fados, que attestara a aspiraso ge-
ral do Brasil para o-desenvolvimento intel-
ral as c
?.
aridez escalvada a inextinguivel fertilidad do
coraco ?f.^
Mara segu em espirito ao seu Jayme
nesse fugitivo borboletoar por sobre as pro-
digiosas flores, que a arte e a Batureaa jan- liante nao s, da Italia, seno de todos vta-
tamente Gzeram desabrochar no solo italiano, jantes iliastres que por aqu passam!
t Aqui, viverlimila-sea sentir! niaguem
negoceia, Dinguem iabuta, ninguem. rabus-
ca espigas de ceara alheia t..
i O conde recebe a sociedade mais br-
1 Vejo-la daqui escrevia-ihe ella, sigo-te
com a imagioaco, meu poeta adorado, e
essa Ilusas, que tan viva se apossa de mina
amenisa-me a saudade e fortalece-me pata
as lulas do futuro I..................
( Como eu amo as suas cartas I... que
fogo t que esplendor de- qae luxoosas ga-
las o teu espirito se adorna para mim
Sim meu Jayme, deix-me sempre ser
a branca estatua do tau altar, e das flores
que apanbares reserva a grinalda melhor
para me coroares cora ella.
< Nao sei porque segredo as almas que
amam se duplicam f... Em quanto eu l
te acompanbo e te sorr, era quanto ao luar
junto s ruinas do Colyseo, nos fallamos bai-
xioho com receio de acordarmos os martyres
que passaram cora os seclos, mas que de-
vem noota vir-me ditar no lugar que para
efles servio de Pantheon e de Calvario; em
quanto unidos e identificados, os nossos es-
piritos se enebnam de gloria e d11 poesia,
tu, meu Jayme querido, s aqui o compa-
nbeiro constante da miaba solido I
Lembras-te do nosso jardim? dos nossos
pombinhos ? das estrellas que nos contava-
mos noute ? Lembras-te do nosso ca-
prichoso scismar, um ao p do oulro, ao
mesmo tempo c; liados e eloqoentes, melan-
clicos e felizes ?
Nao te esquecas da nossa vida de enle-
vos nao me troques pela gloria !
Oiha que eu hei de amir-te muito! mais
do que ella; era capaz de t'o jurar......
As mulheres sao todas enlhusiastas pe
las artes; tivesam, nao sei corno nena por
quem,, informacoes miabas, que eu nao me-
reco e o resultado ser eu acolhido de um
modo.... Em Om, sao coisas que nao sabe a
gente dizer de si, mas quo tu, ajudada pe-
lo inleresse que dedicas ao teu Jayme, has
de saber entender perfeilamente.
Um dia, trez ou quatro mezes depois da
separaco, Jayme escreveu a Mara, anana-
ciando-lhe a sua apresentacao emeasa denm
on nixan lo ouvir a soturna soDda do seu urna idea para correr ambicioso atraz de urna idalgo portuguez, que eoto se achava em
iutar subterrneo sempre feroz e sempre; sensaco 1 E fazia bem I A razo mente ;Roraae que lhefizeraomaishsongeiio ac-
desordenado 1 mutas vzps, em quanto o rastrado e sem
Em Maria, lago superficie placido e se-' pre infallivel! Depois de longo e agro labu*
reno, mas profundo, insondavel, mysterioso, lar para achar um veio de ooro nesta ira
nao deixaodO presentir pelo mais leve indi- mensa mina do saber humano, percebe o
ci as cooTol&es terriveis que l dentro o'mioeiro que 7io por um trillio errado, e
estremeciaoi 1.............. tem de telr ceder para tomar outra vez a
Q ial padeca mais ? Eu por mim creio \ eng-ra:r-se anda, at que a morte o sorpre*
que era ella. heodmo'seu lidar subterrneo ; como hei
As grandes dores sao mudas! A expan-; de eu pois acreditar as vozes fallazs do
o nao s as allivia ; gasta as. Eleitas sao' raciocinio ? como hei de eu preferir a sua
lhimento.
Tu nao imaginas o que a vida italiana,
minba pobre Mara 1
c E' um paraso onde se ama, onde se
canta, onde se tragam a largos sorvos lo las
as delicias sensuaes que a trra pode conterl
a E' a divinisaco da mais aprazivel das
indolenciasd'acfuelle doce far nienie, que
s elles sabem apreciar e por em pratica ar-
listicamcDte.
E na seguinte caria ainda :
t Esia vida de agitaco a que me obrigam,
nao s me canea, seno que me rouba um
tempo, que bem aproveitado daria para
muito.
Fui quasi forcado, por urna d'estas
conspirages elegantes, rauih lisongeiras,
mas que no fim de coritas iocommotam, a
mostrar o meu ntelier a um bando de en-
tendedores de ambos os sexos.
Tu sabes como eu sou doido pela pin-
tura ; pois bem, querida, n'esta trra, apesar
da sua visivel decadencia artstica, n5o ha
muiher que nao tenha inda ruis do que eu
o louco amor da arte.
c A poesia e a pintura, essas duas irms
descidas do Olympo, teem aqui om culto
apaixonado. As mulheres comtudo nao par-
tilham dos trabalhos d>>s bomens, nem com
elles c impetem na conquista dos loiros; a
sua misso outra ; entrestecem-lhes asco-
ras da gloria com os myrtos do amor !
t Nao te fallei ainda d'uraa formosa in-
gleza aquem fui apresentado; urna cra-
tura loura e difana, d'uraa acentricidade
qual s conseguem atingir as filhas d'AI-
bion.
t Dizem que requissima, viaja com
urna lia, que segundo me parece nao des-
perdiga excessivos escrpulos as suas fune-
ces de duea; e recebida na melhor
roda.
O seu ar desdenhoso e fri nao excep-
ta ninguem ; o alcanpar-ihe um sorriso tem
sido obyecto de consideraveis apostas, at
hoje per iidas todas.
E' um hbil calculo para roalcar encan-
tos que o'outro modo seriara vulgares.
Da gostn vl-a atravessar as salas agitando
que lhe servera de muldara dourada ao ros-
to de leite.
t Parece urna apparico como, as que se
desenham vagamente no lundo dee baladas
alemas.
O conde de... apresenton-ae excn-
trica miss, qu aio do seu empaveaamento britnico, me
dirigiu nao sei qoe phrase em mu italiano;
eu responi-lbe eu inglez; sentei-me ao p
d*ella e faitei-lhe de Byron.
Os inglezes queimarara o sublime pre-
ceito as aras da moral publica; mas de-
pois d'elle morto deram-se ao luxe de la-
mentaren piedosamente ? miss Emma des-
franziu os labios desdenbosos, e aurnuirou
em voz arrasiada e dolonte, urna tirada, on-
de se combioavam em doses egoaes o splem
e o sceptismo I
Quando me levantei do p d'ella, fui
cumprimentado peto meu lriupho. Santo
Deus 1 que miseria fez-me rir a humilhacao
dos meus amigos I
Tu, alma sem modelo na trra, has de
comprebender ainda melbor do que eu;
mesquinheza d'uraa sociedade que s come-
Ca a respeitar as faculdades intellectuaes
d'um homem, depois d'uma d'estas acanha
das victorias, nos acanhados torneios do
amor proprio
t Humilharam-me os applausos que rece-
bi; Emma, se os ouvsse, havia de lisonge-
ar-se com elles. Na roda que se appellida
elegante, e lavra com pretences a iner arel,
os supremos decretos do gosto, passaria,
nao raro, desesapercebido o artista, o poe-
ta, o pensador, se urna d'essas mulheres,
fugazes meteoros da moda, o nao envolvesse
e allumiasse ura instante com um dos seus
fugitivos reflexos
E' realmente para desconsolar I Mas se
o mundo est organisado assim, que reme-
dio se nao deixarmos philosopbias, e sugei-
tar-nos s suas leis, embora stulta?
* Depois da conversa no baile soube que
a ingleza comecou a aprender portuguez
para ler os meus versos! E decerto arate
com os seus corlezos.
Mas reparo agora que tal o meu em-
penho em nao furtar-ie nenhum dos episo-
dios da minha vida, que me vou tornando
prolixo. Perdo, filha, tu bem sabes que no
mundo ou no deserto, com ocu ou com a
trra, ha na minha alma um desejo que s a
preenche; poder armar longe dos bomens
n'aiguma thebaida de flore?, um ninho em
(Continuarsf-ha.)
dia e nole os melodiosos eanticos da poesia l
Quando Maria acabos, de ler a carta de
que tirei este fragmento*, caiu-lhe no seio a
pobre cabeca dolorida e raurmuroti baixi-
nbo:
Em que elle se secupa f-----de qua
elle se lisongeia .. Depois deealou a
chorar.
A resposta da moca castell foi grave e
triste como a voz da consciencia.
Jayme, dizia-ihe ella, Deus. sbe se ba
um pensamento egoista ou psssoal no que
vou dizer-te; e comtudo nao rae soffre o ani-
mo callar me.
A misso do poeta na berra nao essa,
que to erradamente escolies-te; pelos fri-
volos applausos das salas,, trocaste as accla-
maces da posteridade; pelos triumphosdo
amor proprio, as nobres conquistas......
E' rebaixar a santa dignidade da poesia,
apagares para sempre a lucida aureola
que te envolve!
O poeta nao deslumhra, allumia; nao
diverte, ensina 1 O poeta o propbeta do fu-
turo I o Moyss das novas legislaeoes I Na
hora em que tudo luta as escaras, tem elle
oa mo o gladio flamejante, que mostra s
geraces a luminosa esphera da verdade !,...
O mondo est fri e tenebroso como na bera
em que um lamento formidavel annunciava
at aos confins da trra que era morto o
Martyr do Golgotha; mais ainda, que entao
fleav aos povos a dontrina immensa que
os devia redimir, o credo augusto que os le-
vantava e engrandeca t
t Entibioo-sea f no nidade ; o sangue de Christo quo purpurea-
ra dezoito seclos, estancou-o a mo do a-
vido do scepticismo ; porque nao ho de o
poetas recender o fecho sublime, derreter
o seo calor salutar os glos d'uma errada
philosophia?



M
8^
I
te
com uri 0;to melanclico oslnos arjneis, que nos abriguemos, eonde nos e nballem
.................................
'terrivel para o homem a crise em que
amante se torna concelheira ; Maria, na
sua completa inexperiencia da vida, nao sa-
bia ainda que seos poetas teem as1 vezes da
muiher a inexcedivel grandeza de certos
momeatos, teem d'ella sempre as pequera-
nas vaidades que precisara acaricia-las.....
(Continuar-se-ha).
-T{?, DO DIAIUO-UUA DAS CRZE5 N. U


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EPU8JA13W_NZ8Q30 INGEST_TIME 2013-09-05T02:53:08Z PACKAGE AA00011611_11430
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES