Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11427


This item is only available as the following downloads:


Full Text

/
ANNO XLIII. NUMERO 270.
PlHV A CkPITAIi B liUUtK 0*E SUS NAO P1A PaCE,
Por tros aiejes idiintidi>s.,. ......,..... WOQO
Par seis Jilos itm.. .1 .1 ] 1 .) .i .., .i. .i ,i .1 1 .) 12*000
Por un auaii idem.. .1 .J .1 .J ,j ,| .J j : j rfl M 24*000
aia uaaof.^tabo ,J ...... .;.......a..... -j 320
swlmEHisl t
.SABBADO 2;i DE NOVEMBRO DE 1867.
PASA ISXIKO E t'OllA DA PBOl IXC1A,
Pr tre MMiadiantadM.. ,. i. ,. ,. ...... ..
pM-MbitesMeH. ...............................
Pr mw tos dem.................................
Por bb amo idea......................,...........
i >
W75t
18-J300
20025O
27000
A88Wft3ll 0111 IPIiaiiVHBTtBD
i
i

:
EN'CARREGADOS Da SUBSCRIPCAO.
Parahyba, o Sr. Antouio Alexandnno de Lima;
Vital,o Sr. Antonio Marquesda Silva ;Aracaty,
ir. A. de Leraos Braga; Cear, o Sr. Joaquino
os de jliveira ; Para, os Srs. Gerardo Antonio
'ves ,\ Flhos; Amazonas, o Sr. Jerouyojo da
it:.; Alagoas.o Sr. Franrino lavares da Costa;
aiia, o Sr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro,
r. Jos .libefro Gasparinbo.
PABJI UOS -TAFSTS.
Olinda, Cabo, Escada e estagoes da va frrea al
Agua Preta, todos os das.
Igaarass e Goyauna as segundas e sextas feiras.
Santo Anto, Gravar., Bozerros, Boaito, Caruard,
Altinbo, Garaahuas, Buique, S. Beato, Bora Con-
seiho, Aguas Bellas e Tacaran!, as iercas-toiras.
Pao d'Alho, iXazaratb, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Isgazeira, Flores, Villa Bella, Cabroo, Boa-Vis-
ta, Onrieury,Saltfiie.ro e Ex, as guara feiras
I Serioaern, Rio Foroioso, Tamaodar, Una, Bar-
reros, Agua Preta a Pliaentelras, as quintas
feiras. _
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio : segundas e quintas
Rela<;ao turcas e sbados as 11 oras.
Fazenda : qu/otas as f O horas.
Julzo do comraere/o ; segundas as 11 horas.
Dito de orpbos : tercas e sextas a 10 horas.
Primeira vara do oivoi:
da.
Segunda vara do civel
1 ncra da tarde.
largas e sextas ao nieiu
: quartaa e labbadaa
EPHEMERIDE3 DO MEZ DE .NOVEMBRO.
4 Quartocresc. as i i h. e 33 m. da m.
II La cbeia as 10 h. e 17 m. da t.
18 Quarto miog. as 2 h. 11 m. da t.
26 La nova as > h. e 10 m. da m.
DAS DA SEMANA.
18 Segunda. S. Obdon ab, S. Barcella m.
i!) Ture, s. Abdias prot, S. Birlaam ra.
20 (Juana. S. Octavio m, S. Theope m.
21 Qoint. S Celso m., S. Heliodoro m.
it sexta. S Cecilia v. ro., S. Filemon m.
13 Sabbado. S. Comete p. m., S. Lucrecia v.
24 Domingo. Ss. Firmino e Flora v. mm.
rn.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as IU boras e 54 ra. da manhSi.
Segunda as II boras e 18 miamos da tarda.
PARTIDA DOS VAPORES COsTEIROS.
Para o sol at AJagoas a 14 30; para o non,
at a Granja a lo o 30 da cada mes; para Fer-
nando nos dias 14 dos metes Janeiro, margo, nai?
jiho, setembro e novembro.
1867.-Ordem do da n. 140.S. Exc o Sr. mar
qui-z, marechal e commandante > ui chefe, leudo
mitivus de sospeitar que o inimigo prjjctava al-
Prevenimos aos nossos assif-nantcs de que Pum Rn|i'e de mo sbre .DOfso flanco direito. re-
r:^ materias comidas no Mipplemento, que
Commando em chele de todas as fc.rcas brasilei-; mos, flgurando entra elles cinco otlciae?, nm dos
ras em operaces cootra o governo do Paraguay., quaes commaodava o 15 carpo, flecado ao mesmo
Quartel general em Tuy-Cu, 16 de oulubro de lempo era Ojs-o poder oito estndar.es.
Lootem distribuimos, achamse tambem co-
udas, em lugar competente, no presente
r.umero.
EXTERIOR.
Tujulv, 22 de ontubro de 1S67.
Escrevo-lhe ultima hora, por isso que est a
'echarse a mala que o Galgo deve conduzir.
Eotretanto, apnveitando o poucotempo que nos
-ti, vou transmitlir-lbe algomas noticias deste
ucampamealo.
O otado sanitario das nossas forcas nentumai
alterado tem sofirido. Contado o nnmerodosl
nenies no hospital central excede de 900, reg-'
'ndo baixarera diariamente dc-s corpos O a 0|
si :dados ; e das enfermarlas terem alta de 30 a 40.1
Alera das febres paludosas e ootras moleMia|
i iiund;.s deste malfadadosolo, tem a ns.a sida*
Jetea sido acc< mmeit'ds da diarrba, que rooiUs
vl/s su transforma em a cholera-morbos, mas
vrlaoto-se esta sna intenso ja pela sahida de Hu-
malta', nos a!llmos dias, de maior forca de caval-
lana, de que era He costn e, ja pelos movimeotos
e evoloc5es simuladas, que fazia, procurando ap-
pn-ximar-se de posos pustos avarcades para o la-
do de S. Solano, havla dadosoas ordeos, e expedi-
do as con venientes insirorcSes, e por ellas se acha-
vam po.-sas forjas de sotreaviso e vigilantes.
Com tffeito, nn dia 3 do correte o Sr. coronel
Antonio Fernandes Lima, commandante da 0' divi-
sao de cavailaria, neniando fa^er as descoberlas
do costurae ao amaohecer, rectnheceu que o mi-
migo ha va occopado cm um de seus piqu-tes a
pcsi(o quem do baobado, que servia de linha di-
visoria entre as snas e as nossas avaocadas.
A' vista disto ordenen o mesmo Sr. coronel ao
Segundo a parte dada pele Sr. eorooel Sanies
Cori', eocontroa elle do lado opposto a' ponte do
Arroio-Fuodo duas partidas immiga, que furam
immediaisraente por elle balibas, lomando Ihes ora
prlsioneiro, oove vaccas, doos hois mansos e dous
cavallos ensilhados, que flearam em sen poder.
Ti vemos fra de combate 22 borneas morios, in-
clusive 4 fflciaes; 42 feridos gravemente, iuclu-
sive 10 ditos ; 52 feridos levemente, inclusive 18
dito* e 15 contusos, incusive 5 dites.
Nosso triumpho foi grandemeote abrilbaotado
por um Tacto extraordioarlo, que S. Exc. o Sr.
marquez marechal e coramandanie em ebefe apre-
ciou com o malor eoihuslasmn, e ordena que delle
se faca especial e honrosa menco. Pelo mac es-
tado da cavaihada do 18 corpo provisorio, parten-
cente a' 7* brigada da 6" diviso, muno poucas
eram as praras di-poaiveis para entrar era com-
bate. Alguns le seus ofllciaes, porra cojos co-
racoes patriticos ardiara no louvavel desejo de to-
Sr. catiio Agosimho Perrira Leiao, do 20 corpo! mar parle na lula que se la iravar, colligarara-se
provisorio, que marcha.-se para aqoelle pinto com formando um meio esqoadro, f^zendo tambem
20 piacas, e obrigasse o referido piquete a repas- dille parte 3 sargentos e 1 ctbo de e^quadn. E-te
ar o banhado ; o que foi pr?tlcado, trocando-se; punhado de bravos armados de langas, como se
apenas entre as duas forcas alguns Uros. Tossem todos simples soldados, por tres vezas
A 2a divitao de cavallaria, sob o commaodo do j carregou sobre o inimigo, derrinando em torno
Exm. Sr. bngadeiro Jo- Joaquim de AodradeNe- de si innmeras victimas, e levando o terror a's
ve.1, que, segunde as oidens aoierli rmeDie recebi-1 lili.1 i ras mimlgas. Por tal falto sao dignos dos
das, se achava tr rapta para qoalquer emergen- maiores el gios esses offliaes e pracas, e ora
cia, oovindo esse llroteio segoio immedialamente grande stisfaco que S Exc. o Sr. mxrquez, ma-
em sua direceo c rr> pooco mals de 9(>0 bomeos, | rechai e commandante em chufe, ordena que seus
mpre esta enermidadf\H2*\' "Plo e ^ Kfim a 6 f. escederia poUCO mals i oomKS se d,c,IDem coaiprometrendo-se a
os doentes qut .uc d(? 4(() pra?aS) 8g(redindo aquea 0 Qia,lg,
terrador, e bem poneos sao
comben) do mal.
O servfco das enfermarlas fetocom grande re-
olaridade e asselo, devido isio nao s aos erforcos
do major Drummend, director do hospital; seoao
i mheni, aos coidadados do Sr. general visconde
de Porto Alegre, qne as visita qoasi todos os dias,
i rocurando investigar tudo, para que os otates
nao sejaro victimas de algnma privsc-io.
Qualqner que seja a hierarchia do enfermo o no-
i re general dirige-se ao leito de r'r. indaga os
iis piducimenio?, anima-o a encarar os decretos
i i Providencia com resignado, e ao mesmo lempo
interrega-o sobre o Iratamento recebido, e se t^m
',utna roosa a redamar para ser atteodido.
Sirve de det-gado do cirurgio mor neste corpo
le exercito o Dr. Correa, que desempenlia as luoc-
- inherentes ao seo cargo com muita soliciiue
i /.'.'lo pelo servido publico.
A maior parle dos feridos do combate de 24 do
.. a apenas ua enfermara de cirurgia os doentes
I fermentos mais grves, os quaes esli pode-se
dizer, livres de todo perigo.
O nebre rrarquez de Caxias no intuito de dar
m ivimento s n-i-sas forjas tem feito o qne hu-
.. inaiuote possivel, ja ordenando reconnecimen-
tus em as posigoes iolm'gis, ja mandando desalo-
,i los quaodo o pooto oceupado tfferece meios de
ser conquistado sem grande detrimento da nossa
ote, e ja finalmente, planeando e execuiaado
: urorezas, cujos resultados bio registradi em a
nossa historia paginas de verdadelros triumphos.
Smente cavallaria riograndense, lendo a sus
frente o sen bravo e destemido choto, o brigadeiro
1 Joaquim de Andrade Neves, tem cabido taes
rus ; confirmando as.-im a grande cootianga
que inspira ao paiz e o subido ccnceito que della
f jrroa o mundo ioieiro.
O comboi de boje treuxe-nos a feliz noticia, de
que mais um trilhante feto de armas havia sido
< iiiqu siado por essa pha'ange de bravos em as
mmedi,coes do acampamento de S. Solano, as II
u irea horas d-j da de hontera.
S.-guodo iaforma^das que nos foram ministradas
consta que, sendo o mi migo acosturaado a pastar
as ?uas cavalhidas all, loi sorprendido e cercado
i r urna forca ccicposta das l*, 2* e divi:5es de
cavallaria, que os levou s portas das foriiflcaco<-s
isero de mortos e prisionti;o:.
Sobre tal assumplo transcrevo :baixo asearlas
rocebidas boje nesse acampamento dobiigadeiro
\odrade Neves, que anda esta vez foi o hroe da
e-ta ; por quanto demorndose as 1* e 6" divides
:n acommelter o Inimigo, elle tomn a delibera-
jo de carregar contra aquelle frente da 2* divi-
'i; que commandava.
Copia. Exm. Sr. vlsecnde. Felicito a V.
Exc. por mais um dia de gloria. A's II 1/2 horas
Ua manhaa de bootem estavamos prompios para
atacar a cavallaria ioimiga sobre o centro de Hu-
maila quando nessa occasiao, levando a effeito o
ooso proposito, ti vemos um combat que durou
mals de urna bor. A minba diviso empenbon-se
ua lula, contando 1,007 pravas. As duas divisoes
da direita, demorando-se em temar parta na aeco.
en frente da roinha gente e o Astrogildo com
doos corpo?, sendo um tambem da roinha diviso,
. arregmos e os levamos s portas de Humaita',
at onde morrea gente inimiga, embora estive;sem
aei borlados pelas metralbas, Lombas e balas. as
;;rias di Humaita' mandei cortar o telegrapho e
:rooxe doos grandes rolos de lio elctrico, ficando
qo campo 1,000 mor s,200 pnsionelros e mais fe
ridos; Morreram muitos ofllciaes e outros foram
pres >s.
i Logo serei mais extenso Andrade Nev?.
Copia.Sobnnbo e amigo, 22 de ontubro de
' ".Mais nm dia de gloria leve a seguoda di-
v-o e o nosso exercilo. Hoolem, a's 11 1/2 da
maoba eslavamos promptos e carregamos sobre
i nas as cavallarlas inimigas e as derrotamos p.om-
.m-nte. Perderam elles talvez para mais de
tas de Humaila' com a mioha cavallaria, e at all
;e matoa gente ; depois do que solTremos um fogo
'reraeodo das trinebeiras laimigas de melralh3,
dorabas e balas, deixaodo-os eocostados ao Ha
luaiU' eo campo coberio de morios. Tive alguns
morios; o tsente Porto lanceado no peno, e quasi
|ae sou victima de nm laEcaco. Tea irmo traba-
iou raoito a's minbas ordens e teus primos. Foi
randa oc mbate. Saudades a todos, pois oo posso
i'screver agora.Andrade Neves.
Tambem hontem as forcas argentinas deram co-
pia de si. Tiveram nm encontr urna partida para-
tfuaya, e depois de nm pequeo combate consegu-
.ni repellir o inimigo, deixando este quasi 80
mortos no campo. O prejulzo do nosso alliado foi
pequeo.
Junto ama ordem do dia da esquadra e outra do
JTCItO.
Commando em chafe da forca naval do Brasil
,m operaces contra o governo do Paraguay, bor
do do vapor Brasil em frente ao Humaita, 15 de
ontubro de 1867.
Por decreto de 27 de setembro prximo passado
louve Sua Magestade o Imperador por bem confe-
rir mi o til. lo de bario de Iobauma, em remune-
ra cao de servicos feitos nesta campanba, que em
sna sabedena jnlgon o mesmo augusto senbor im-
portantes, e raoito principalmente pelo da passa-
gera de Cnropaity.
C mmunicando esta noticia a' esquadra que te-
nho a honra de commandar, aproveilo a occasiao
pira deelarar-lhe solemnemente e com toda a leal-
dade de qne son ca par, qoe reputo a recompensa
com que fnl distinguido mals devida aos brilbantes
sforcos qne lodos os meas digaos e honrados ea-
maradas teem empregado em servir ao paiz com
o mais acrisolado xelo, dedlcaco e patrietismo, do
jue aos meas poncados oerecimento?. A dislioc-
i;o, portaoto apezar de qae s a mira provelta,
reflecte sobre aquelles sera cojos esforcos ea nao
tena a gloria de recel-ta.-Biriio de Iohiuma.
cjmoaaadanle em chefe.
em orna frte columna se mostroa a' sua frente, e
sobre a esquerda dest, que. por seu turo", atacou
urna cuira columna inuuiga forte de 1,000 nomens.
que mendalcs fervosamente ao apreciamento do go-
verno e a' alta raunifleencia do imperador.
M*j ir Autonio Candido de Menezes e S'lva ; ca-
pitie*, Manoel dos Res Kanes, Jjo Manoel C-t-
Travadas as respeciivas guernlbas vio-se que o| ;i Vasque*, Manoel do Amaral e Silva e Jo- Ri-
inimigo se reiirava lentamente, mas sustentando! bas ie Oliveira ; tenantes, Amonio JodeBirba,
seropre o fogo, e respondendo com energa aos Clemente Jos de Moura, Alfr-ao Salles da Mello,
oossos tiros. I Marciaoo Jos Carneiro da Footonra s Pr. copio
S. Exc. o Sr. marque marechal e coramaodaote i Gomes le Morae; alf-re<, Joo Adalberto de Oli-
era ebefe comparecen immediaUraeote no lugar | veira, Vicente \tvier Cardoso, Z-ferino Antonio
Ja accao, e ordenoa que a brigada de infantaria,! de Olivem, Vidal G)m"S de Campos, Antonio Ma-
commandada pelo Sr. tenente-c. ronel Joo do Re- noel dos Santos, Aateoio de Oliveira Fonceca, Vas-
go Barros Falcan, reforjad* com duas pecas de co Rodrigues Regmaldo e Elise lo Alvaro Xavier ;
caoipaoha, iranspondo o banhado, que a separava sargentos, Francisco Jos Pareira Coimbra, Grego
da posico oceoiada pela 2.* diviso ; se (as-e pos- "
lar na retaguarda desta, determinando o mesmo
Exm. Sr. que alguns (iros de grnala se fizessem
sobre o grosso de cavallaria ioimiga, qae comec.ou
erla: a retirarse mais proounciadameule, pare-
cendo buscar o abrigo das matas prxima, e o de
soas trinebeiras e ne estar di.-posto a aceitar
combate.
Nesta persuasao deterraioou S Etc. que se re-
lirassem tambera nossas forcas, mandaodo, porm,
rio Manoel Dubal, Francisco Pires de Oliveira,
e o cabo de esquadra Fidelis Jos Fagundes.
Oatrosim manda o mesmo Exm. Sr. elogiar a
todos os Srs. B:iaes e praca, cujos noraes sao
mencionados as parles de seus respectivos che-
fes, por se terem distraguidj no combate, e fazer
espacial ro>Bco nos segnintps : Exras. Srs. briga-
deiros Jos Luiz Meona Brrelo, pelas acertadas
providencias que toraoa desde qae < hegou ao lu-
gar do combata ; Jos Joaquim da Andrade He-
ao mesmo lempo, que a i." diviso de cavallaria,, ves, pela actividada com quo acodio com as forcas
commandada pelo Exm. Sr. bngadeiro Jos Luizjsob seu commando as occasles precisas, e bem
Menna Brrelo, que, segondo as ordens anterio- assira pelo costumido deaodo e bravura com que
res, deveria ja all achar-se, forcasse sua marcha | aluda se honvo neste corabsta ; os coronis Carlos
o viosse oceupar conveniente posto aflm de Qcar Betbbez de Oliveira Nery, pelas promptas e eoer-
de observaco ao inimigo, podendo-se retirar as gicas providencias que torr.oo; Antonio Feroaodes
2.' e 6.' divi>5es. En":ciivameota ebegou a I." di- i Lima, Tnstu de Araujo Nobrega, Joo Nlederaner
visSo, e poston-se sobre o flin:o direitoda 0." dan-1 Sohnnho, Caelano ooijalves da Silva, Manoel de
do pasto sua cavalbada. I Oliveira Bueno e Camino Mercio Pereira, pela bra-
Com=Qou a 2 a retirar se, e bem assim a 6 ; vura e arrojo com que se bouveram mais esta vez.
mas como tivesse esta ultima anda urna guerriltu > Pede a justica qae com elogio se mencione o no-
eslendida sobre o mea flaaco direito, fez o Sr. co- me do coronel argentino Santos Cor por pra-
rooel Fernaodes retirar smente parle da forca de encher saii-factoriameute a raisso da que fra
seu commando, e postarse a pouca disiaocia dan-
do pa-t) aos cavallos, al que se ihe reuoisse a
outra, que susteotava anda a citada guarnlha ;
ordenoa ao 50. corpo de voluntarios de mfantaiia,
commandado pelo Sr. teoente-coronel Joaquim Ca-
valcanii de Aibuquerque Mell", e que leeebra
ord.m de marchar para proteger a sua diviso,
que se retirasse para o seu acampamento em S.
Solano.
O inimigo, reenhecendo pouca forca era sna
frent, e vendo desguarnecido o flanco direito,
acommclleo por esse lado com ama columna mul-
lo superior em numero. O Sr. cironel Feruandes
Lima, acudindo proraftaraente con o re-to de sua
diviso, recebeu o choqoe d'aquella columna, tra-
vando e susleotindo com ella, e contra ella, o
mais reunido e desigual combate.
A 2.* diviso, que ja ia em retirada, con ramar-
chou a galopp, ameacando o flanco direito do ini-
migo, e para obstar' algum ataque pela e-trada
que liga Humaita a S. Solano, ordanou o Exm. Sr.
brigadeiro Andrade Neves, qae nella se posttsse o
10." corpo provisorio, commandado pelo Sr. teen-
te-coronel Ilippolyto Antonio Ribeiro, e ao mesmo
lempo que o Sr. teneoia-corooei Manoel Rodrigues
de Oliveira, com o II." corpo da seu commando, o
precedesse e carregasse o inimigo sobre o flanco
direito ; ordens estas que foram execuladas com
felicidade, e das quaes resaltoa cessarem as car-
gas por parte do inimigo, fleando completamente
derrotadas as torcas desie que leodiam para S. So-
lano.
Eotao avaocou a 1." diviso em auxilio da 6.', e
o Exm. Sr. brigadeiro Jo^e Luiz Menna Barrlo,
mandando reforcar a direita desta com a 2.* briga-
da sob o commando interino do Sr. tente coro-
nel Joo Francisco Jardim, ordenoa sirau tanea-
mente qoe o Sr. coronel Manoel da Oliveira Bueno
tfsta da i.* brigada ao sea nuado procurarse
flaoqaear a esqaerda do iaimigo; e para que nao
nos pudesse esla atacar pela retaguarda, iraospou-
do o arroio Fundo, maodou mais o mesmo Sr. bri-
gadeiro Menoa Birreto, qua o Sr. coronel Saot03
Correa com a f np argentina sob sao commando
se fosse postar na ponte deste arroio, e d'ahi Iba
observasse os movimenlos.
O Sr. coronel Carlos Betbbez de Oliveira Nery,
commandante das nossas f-reas de infantaria
acampadas em S. Solano, tendo tido aviso da situa-
cao em que se acbavam as forjas do Sr. coronel
Fernandos Lima, mandn regressar immediaia
mente em sea auvlio o ;.0 corpo de voluntarios
de infantaria, qae vinba anda em marcha, fatendo
seguir logo aps e tambem para o mesmo flm o 8*
batalbo da mesma arma, commandado pe Sr.
lente coronel Hermas Ernesto da Fonceca.
O inimigo, seotiodo-se acostado pelos (hocos,
tratou de reforcar o sea centro, e postou-se era
posico forte, tendo um profundo banhado na sna
frente, e nos flancos espessos bosques, onde se
apoiava. Saa forca constava de cinco reglmealos.
fortes de 500 bomens cada um, e era composta de
cavallaria e infantaria montada.
Nesta occasiao, em qoe elle, com ara fogo vivs-
simo e pertinaz de fusilarla, pn carava repell-
nos, chegou o 5* corpo de voluntarios, e deseovol-
veu em linbi na retaguarda dos nossos sqaadrSes
que combatiam, os quaes, abrindo do centro para
os flancos, deram lagar a qae o Intrpido Sr. te-
oente-coronel Joaquim Cavaleante de Alboqaer-
qne Bello roandasse fizer descarga cerrada sobre
a cavallaria ioimiga, e investlsse em seguida para
ella. Com a segnnda descarga qne este corpo den
na mesma formatnra, principiaran a vacilar as
forcas Ioimiga?.
0 Sr. coronel Fernandas aproveitando este en-
sejo favoravel, ordenoa qae a saa diise carre-
gasse com impeto, eoadjavada efifleazmeote pela%
forcas da l* e 2* com seas dgaos chefes a' frente.
Terrivel (oi o choque entre as nossas e as cavalla-
rlas do inimigo ; seguiodo-se a mals completa der-
rota destas, e eomprovando mais ama vez as nos-
sas gloriosamente sea denodo e arrojo irresistivel.
Sobre o campo, em qoe se dea o combate, e que
abraogeo cerca de meia legua de ex ten sao, deixoa
o inimigo mals de 500 cadveres, alm de grande
numero de cavados ensilnados e da rouito arma-
mento entra davinas, tancas, carabina?, espadas e
pistola?. Daieotos forara os pnsion.lros que fl:e
encarregado. *
Tenenies-coroneis, Joaquim Cavalcanti de Alba-
querque Mello, Hippolyto Antonio Ribeiro e Manoel
Rodrigues de Oliveira, pela actividad, pericia e
gaihardia com que se honveram, cumprodo as or-
dens recebdas h pela bravara com que sa pcrla-
ram mais esta vez.
E bem assim aos Srs. tenantes coronis Joao
Francisco Jardim, Sezefredo Coelho Alves de Mes-
quita, coinmandaote da 7' brigala da cavallaria,
Jos Cardoso da Scuza Doc, Beoto. Martins de Me-
nezes, Belisar o Fernandas Lima, Manoel Cyprian
de Miraes, Jis do Amaral Ferrador, Joo Fagun-
des da Silva Tavares.
M-jores, Isidoro Fernandas de Oliveira, Jos
Loureoco Vieira Souto, Manoel Jaciotho Osorio,
Manoel Amaro Barbosa, Codido Xavier Rosado,
Do'irte Corroa da Mello, Joo de Birros Leite e Joa-
quim Antonio Da?, por haverem camprlio merito-
riamente seus devares, sustentando a boa repata;o
que ji| lem conquistado.
Relamo dos Srs. flkiaese pragas, mirto*, feridos
e contusos ncsle combate.
Ia diviso de cavallaria.
I* brigada.! corpo provisorio.Feridos leve-
mentes, cabo Augusto Candido e soldado Jos Ri-
cardo dos Santos.
Feridos gravemente: soldado Amaro Ferreira e
clarlm Malaquias Diogo dos Santos.
Contusos: Io sargento Boavantura Vicente Ma-
chado, forriel Lucidlo Ignacio d<* Avilla, cabo Aa-
touio Monteiro de Soaza, soldado Jos da Rocha e
clarim Marcos Baptlsta da Rosa.
Morios: tente Candido Coelho Leal e Io sar-
gento Francisco da Rocha dioeiro.
19* coipo dito.Feridos levemente : soldados
M..rcoliuo Cypriann, Manoel Pires, Falicio Uias e
Francisco Peres.
Feridos gravemente: forriel Quintino Lemos
Quintana e cabo Joo Gonlart.
Mortos: Ia sargento Joaquim Deolindo Vieira e
soldado Baldoino Rodrigues do Nascimento.
2' brigada.-3 regiment. Morto : anspecada
Candido da Silva.
Feridos gravemente : alfares Luiz Lopes da Rosa
cabos Hippolyto da Cruz Costa e Domingos Gerva-
sio da Silva; soldado J iaquim In locando de Almel-
da e clarim Evaristo Cyrioo Machado.
Feridos J*vementa : sargeoto Florencio Perei-
ra Garca ; 2 dito Jos Leite Rlbe?ro, cabo Ado
Copes Vieira ; saldados Jos Geraldo Telxelra, Joo
Anlooio da Silva, Jos Bueno Galvo e clarim Joo
Rodrigues dos Sint?.
15 corpo provisorio.Mortos: alfares Joaquim
Jos Telxeira e soldado Joo Antonio Martins.
Feridos gravemente : capilo Eoas Jos Flores;
2 sargento Manoel Moreira da Footonra Fillio;
cabos Jos Martins de Sa', Fraaosco da Silva Da-
ira; soldados Antonio Francisco Branco, Jos Can-
dido da Silva, Severlno Muohoz Camargo, Fraocis-
co de Paula Castro e Sergio Jos Alves.
Feridos levemente : 1* sargento Cypriano Rodri-
gues da Silva ; cabo Matheus Autooio da Figaeira;
soldados Jerooymo Emilio dos Sanios, Banto Carino
de Llma.Anastacio da Rosa e Jos Antonio de Al-
meida.
3* diviso de cavallaria.
3' brigada.6* corpo provisorio.Morto : solda-
do Manoel Ignacio.
Paridos gravemente : caplto Candido Fartado
Faofa, alferes Lacas Jos de Araujo, soldados Se-
raphim Jos drs Santos, Belmiro Custodio Alves e
Jos Florencio de Lima.
Feridos levemente : anspecada Virgilio Jos de
Macedo, soldados Felippe Santiago e Manoel Anto-
nio da Silva.
Gonlaso: cabo Mgael Pedroso de Oliveira.
7 dito.Mortos: cabo Marcelino Antonio Rami-
res e soldado Joo Antelo de Toledo
Feridos gravemente: mijor Doarte Correa de
Mello, a fares Leoncio Francisco Goocalves; 'or-
nis Amaro Paulo de Sooza Filbo e Laarindo An-
tonio >evero; cabj Jos Astiganaya; soldados
Aprisido de Araojo "a', Anlooio Das da Cooceico
e Antonio Lanriano da Silva.
Fendos levemente : 2* sargento ?olycarpo Anto-
nio Mirtins; cbi Joo Pe 1ro; sollados Manoel
Antonio de Brum, Manoel Siqooira Chaves e Fide-
lis da Silva Medairo!.
4" brigada.9'corpo provisorio.Morto : clarim
Agosllobo Joaquim Paz.
Feridos gravemente 2 sargento Vicente Ribeiro ,
Lemos e soldado Marciano Alves dos Res.
Contuso : alferes Francisco Dioiz L'aldeira.
10 corpo dito.Ferldo gravemente : tenenta Is-
mael da Silva Brando.
Feride levemente: tenenta Eduardo Alves da'
Footoura Riqoinbo.
Cootosos : soldados Antonio Fari*s e Vctor Jos
R.beiro.
II corpo dito.Mortos : clarim Joao Antonio de
Oliveira e soldado Jos Mara de Oliveira.
Feridos graveroent : 2 sargento Joo Cardoso
de Osorio, cabo Juo Lipes de Azeve.do, soldados
Joo M iriins, Renovaio Sonto a Manoel Fidencio.
Feridos levemente : lente Mao'el Rodrigues de
Macedo. I sargento Francisco Jos Beroardes e .
soldado Saturno Acosta.
Contusos: alferes Antonio Ro Irigues da Fonseca ]
Araojo, Sezefredo Pe eir da A?amboj. Graciaao
Amaro da Silveira e soldado Antonio Taixeira de
Mello.
6' diviso de cavallaria.
7 brigada.17* rorpo provisorio.Mortos : 1
smenlo Generoso Lopes da Almeida; cabos Ira-
neo Rodrigues Machado. Feliclo da Conceigo, Jos
Mana, Manoel Izidro e Antonio Rodrigues.
Feridos gravemente: lorrlel Clarindo Antonio
Alves; cabo Jos Antonio Cildeira.
Fendos levemente : major SebastiSo Jos do Ccu-
to; alferes Americo Ferreira da Silva ; l" Sargento
Vctor Estevao oares; 2 dito Victoriao Robira de
Medelros; cabs Z-ferio Estevo, Juslioiano Pe-
reira de Bittencourt e Manoel da Almeida Santos
Velho.
18 corpo dito.-Morto : capito Felisberto Ma-
chado do Amarante.
Ferido gravemente : major Antonio Candido da
Menezaa e Silva.
Ferido levemente: soldados Cyfriaoo Jos Ber-
nardes e Manoel Antonio dos Santos.
b* brigada.20 corpo provisorio.Mortos : l
sargento Fidelis Santiago Machado; dito Jos dos I
Saot s Fibo, e soldado Firmuoo Fuueirado.
Fendos gravemente : caplto Agoslioho Pereira
Laito e soldados Manoel Achaote e Ildefonso Tho- |
maz de Visdo.
Fendos levemente : tenentes Joo de Freitas Pi-
meutel e Pedro Antonio de Mirauda ; alferes Ma-
noel do Nascimento Vargas; 2' sargento Joo Bap-
tistaNunes; forriel Celso Jos da Silva; cabos
Florencio J s Bragaoca e Paulo Manoel da Cosa;
soldado Estevo da Silva.
Contato: eneoteSebastiSo Ferreira Prestes.
25 corpo dito.Morios: 1 sargento Joo da Sil-
va Ligo, soldados Loureoco Fernaudes e Lauriano
Vargas.
Fendos gravemente: alfares Pedro Jo: Lopes;
sida Jos Vieira, Gregorio Antonio da Silva, Pedro Pau-
lo Garca de Camargo, Aoastacio Rabello dos
Santos.
Feridos levemente : t sargento Rayraondo Fran-
cisco Ayres; cabo Jaciotho Jos Piolo ; soldados Ti-
muUMu'Lm, Maooel'toelhode Souza. Manoel Jos
de Sella, Jco Rodrigues do Nascimento, Maxlmia-
no Sani'Anna, Joo Ritto Lope?, Joao Francisco de
Oliveira, Beroardino Jos Barbosa e Candido Jos
de Sooza.
S* diviso de infantaria. G' brigada.
50 corpo da voluntarlos.Ptrido gravemente :
anspecada Manoel Francisco do Nascimento.
Ferido levemente: tenente Clodoveu Epaminon-
das Po'tella Ferreira.
i; mu., s: i sargento Manoel J^s dos Santos,
forriel Romualdo Jos da Castro, ao-pecadas Fran-
cisco Cassiano Bispo e Jos Praaeisco de Aranjo,
soldados Jos Flix da Silva, Viceole Jorge Alve-
de Almeida e Simo Pereira da Silva.O coronel
Joo de Soaza da FoBseca Cosa, chafa do estado-
maior.
cavallaria argentina, indo na vanguarda o regi-
ment S. Marlioho, prot-gido pelo regimetta n. 3
de linha, e ficando de observago o regiment La-
valle. O corab3te foi brilbaate e feliz, seado o
ioimigo levado de roldo at cerca da tiro de ma
tralba das linhas paraguayas qae romperam o sea
fogo de artilbaria, e deixando no campo uns 70
cadavere?, entre os qaaes os de 5 ofBciaes com os
respectivos cavallos sellados.
t Entretanto tioha-se destacado de madrugada
pela retaguarda do inimigo urna partida composta
de 50 nomens de cavallaria oriental e alguns prali-
Deus guarda a' V. ExcMrquez de Caxias.
lilm. e Exm. Sr. bngadeiro general D. Bartnolo-
cneu Mitra, presidente da Repoblici Argentina a
ittneral em chele do> exerc tos alijados.
O pr;sidenla da Repblica Argentina, general
erachefe dos exerclto* a|iiado.
t Quarlel-geoeral, Tuyu-Cu, l de outubro da
1867.
Ao Ulna, e Exm. Sr. marquez de Caxia=, com-
mandante em chafa de todas as forcas brasilelras
em onara-Ses contra o govarno do Paraguay.
Tive a saiisaco da recebar o offlcio de V.
eos do exercito antemino, que conseguio penetrar Exc. datado da boj-', em que se serve commuaicar-
me o resultado do Cjrabata travado h30t-;m com o
inimigo.
t O completo triumpho que importa este comba-
te, e as vaotagens oblidas por ella do urna gloria
mals as armas alliadas em geral a a' cavallarU
brasileira em particular, e honrara os ebefe?, e-Al-
omas 15 leguas-pelo interior do pal, sorprender
as povoaedes de Goajucaa e Tacuaras, apnsu nao-
do o comtmndante railiiar eo juiz de pa*, com as
respectivas guarnicoes, ini-rceptar varios correios
e lomar anda 30 prisioneiros, 103 animaos cavat-
lares e 50 vecuns.
t Por consegoiote perdeu o inimigo neste Jia iaese soldado7qa7oco'os"eguir'am7
07D mortos e 208 prisioneiros, total 778, sem cea- j Devoivo a' V. Exc. a felic.t^o qoe ma diriga
lar rs feridos. por este raolivo, felicitando alm disto mui espe-
n esta o duodcimo trinmpho parcial que cialmaote a v. Exc. pelo acert com qua toraou as
aicancamos depois qua nos movemos de Tuyoiy, e snas medidas para o melhor xito da emprea
as peroas sonridas pelo inimigo oestes recontros Bartholumcu Mitre
lob-m j a mais de 2.500 horaens s entre morios 0 combate da esqaerda pela cavallaria argentina.
e prisioneiros, nao contados es trnsfuga--, resulta- j 0 ebefe da diviso da cavallaria.
do que equivale a urna grande batalla, sem que | ', Acamoaraento no Passo de Cano-, 21 de ou-
pela nossa parte tenhamoslidoperdas notaveis.seodo iabro de i807.-a S. Exc. o Sr. mini-tro da guerra
antes para admirar o pouco sangue qoa nos custa e mannha chefe do estado-maior geteral do txer-
isto, o qua se explica por terem sido combates de c.i0 argentino.
cavallaria em que sarapra levamos muita v na- j H,j8 ao meio dia puz-me era marcha s.breas
gem, gracasem parte a superiondada de oossos guardas hiraieas. para hVs cbaraar a attenca"), se
INTERIOR
RIO DE JAXKiaiO
9 de novembro de 1867.
Entrn hontora do Rio da Prata e portos do sol
do imperio o vapor Gerente.
De Bueoos Ayres e Montevideo apenas tivemos
f ilnas de 30 e 31 do passado. um dia alm das ao-
terions, mas foi qoanto basta para trazer-oos bri-
lhanta conflrmago do triampno a que se refenam
os oltim telegrammas.
O mez de outnbro foi oefasto para Lpez, e o dia
21 deve-o elle ter marcado com mals de urna cruz
preta no seu caleudario.
Em tres pontos foi elle atacado nesse dia e em
todos batido com maior oa menor ferda para
elle. Sobre o arrolo Hondo a sua cavallaria, qua
todos os dias sabia a deixar pastar os seus caval-
los, foi ataeada pela nossa, segaiodose ao ataque
to derressa a derrota qae fot tudo urna e a mes-
ma cousa.
Tambem linbam sido tomadas as disposic5es.
qoe o inimigo flcou titleralmente esmagado d bai-
xo das nossas phalaoges que muto superiores em
armas, cavallos o numero, seriara ans 4,000 ho-
raens, o cercarara por todos os lados, nao o deixan-
do resfoiagar por um momento. Eram 1,200 os
Paraguayos, e delles^caram morios aos 500, pri-
sioneiros 178, alm de estandarte?, carretas, bois e
cavallos perdidos. Os tristes restos anda puderam
acolher-se as muralhasde Hnmayt, enjag bateras
de trra troaram enio pela primeira vez em de-
feza dos fugitivos contra as nossas hostes vence-
doras.
Dos soccessos do da foi este o mais impor-
tante.
Ao mesmo lempo mas por outro lado, sobre o
passo Canda, doa?regimentos argentinos de caval-
laria accoramelteram as guaras paraguayas da
mesma arma, matando-Ins 70 bomens e perse-
gaiodo-as at ao alcance do tiro de metralba das
fortilicacoBS inimigas.
Na madrugada do mesmo dia urna partida de 50
cavalleiros orlentaes as ordens do major Coronado
abalando do seo acampamento sobre o arrio Hon-
do, internava-se pelo paiz urnas 15 leguas, e che-
gando al as povoaces de Guijucua e Tacuaras,
recolbia-se a 23 com 30 prisioneiros, 100 cavallos
e 70 e tantrs rezas.
Sobre estes diversos feitos t9mos as seguintes
partes ofllciaes argentinas, faltando anda as bra-
sileras que teriam sido para nos miis impor-
tantes :
t Quartel-general, 21 de outubro de 1867.
Exm. Sr. tice-presidente da repblica Dr. D.
Mareos Par. ....
c O dia 21 do correte foi to brilbante como o
de 3. O inimigo foi atacado por tres partes slmul
taoeamente a em todas scffreu perdas mals oo
menos conslderaveis.
< As 11 boras da manhaa rol ataeada a sua di-
reita coberla por mal de 1,200 bomens de cavalla-
ria que elle liaba reorgamsado depois da ultima
derrota.
A cavallaria brasileira e dous esquadoes ar-
gentinos atacaran por aquelle lado, matando ao
Inimigo 500 horneo, lomando 138 prisioneiros
saos e 90 feridos, entre elles 7 ofllciaes, e anda 2
estandartes, 6 carretas com bois e os cavallos sella-
do, levando a persegaicio at as muralhas da
fortaleza de Hamayt qae pela primeira vez se vio
obngada a faxer fogo das soas bateras de ierra
para proteger os altimos dispersados.
t Ao aeio dia Inieoa o ataijae p-,-ii eqaerda a
cavallos. ; gUQj0 y, Exc. me havia ordenado, e isto deu lugar
Remetto ionios os documentos ofllciaes ralati- ;anm combate queV. Exc. lle apreciar, a emqe
" c ra que alaqnei
com que sa con-
cora tanta ul nj ctmp0 je honra.
t Apezar do nao ter sido possivel contar todos
os cadveres inimigo?, rosso assegurar que nao
desceu de 70, contando-so entra elles 7 lli;ia-.s e
sargentos, com 20 cava lio arreiaJos.
O ioimigo foi carregado a vencido em doas oc-
casioes, sendo perseguido al as immediscoes
das suas fortiflcac5s, de onde a sua artilba-
ria grossa comecou a lazer fogo sobre a no?-
sa infantaria iriumpbante, sabiodo> infantaria
das trlncheiras em proteceo a d'elle ; em-
prebendemos a nossa retirada quasi a tiro da
meiralba las linbas paraguayas, sera termos hnsti-
lisados, nao se alrevendo o Inimigo a repassar o
osteiro protegido p8lo seu rogo de artilharia. Pela
nossa parle cabiram. curapnndo o seu dever, 3
ofBciaes mortos e 13 ire feridos e contusos, coja
lista nominal ajonlo.
t Resti-rae s felicitar a' V. Exc. pela bravura
da tropa que combalea, asslgoalando-se o eompor-
tamenlo do majir Martnez (commandante uterino
d carpo), capito Morales e alteres Dus qua levou
o estandarte ao meio da peleja, e que me permiiti
recommendar eiyressamenle.
< Dens guarde a' V. Exc.tsmdio Vital.
O presidene da Repblica Argentina, genert
em ebefe dos exercitos aiiado-.
Quartel general, Tuyu-Cn, 22 de ontubro
de 1867.
Ao Exm. Sr. ministro da guerra, ebefe do es-
tado maior do exercito, geooral D. Juan A. Gelly
y Obes.
< Racebi o ofliclo de V. Exc. com data de ho;e,
a qoe junlou a parte que Ihe dirigi o chefe da di-
viso de cavallaria argentina, sobrb o feto de ar-
mas de hontem, em execugao do oicvimento da di-
verso que fra ordenado.
A consequencia deste triumpho, apezar do li-
mitado espado de que se poda dispor para as ma-
nobras, e esse me.-mo obstruido por obstculos ni-
lones e artiflciaes que diflJcultsra um combate,
o torna aioda mals glorioso e honra em alto grao
as for(as qceo alcao{aram.
c Port.oto, sirva-se V Exc. fecilar os ehtfas-
oflluiaes e tropa que tomaram parte nesle comba-
te, a mu paiticularraeute o major Martines, capi-
lo Morales e porta estandarte Daz.
Deus guarda a' V. ExcBarlholi meu Mitre.
Expedtcao no interior pela cavallaria oriental.
< O general em ebete da diviso oriental em
operacoas.
< Acampamento em Tuy Cu, outubro 2 de
1867.
AS. Exc. o presidente da Repblica Argen-
tina, general em chefe dos exercitos alliados, bri-
gadeiro general D. B.rihoiomeu Mitre.
t Tenho a honra de remelttr a V. Exc. juntas
por copia a parte do sargento mor D. Hippolito Co-
ronado sobre a excurso executada por elle oes
das 21 e 22 do correte, remetiendo ao mesmo
lempo a V. Exc. os prisioneiros a qua se refere.
Felicitando a V. Exc. pelo pequeo triumpho
obiido pelas armas alliadas, aproveito a oppoHtuoi-
dade para reiterar a V. Exc. os senlimeotos da
minba mais alta ccosideraco e eslima.
Dos guarde a V. Eic. muilos anno;. Herni-
] que Castro
Acampamento no Arroyo Houd >, 23 de outu-
bro de 1867.
Ao Sr. general D. Henrique Castro, comman-
dante em ebefe da diviso oriental em operaedes.
Teoho a honra de ccmmnnicar a V. Exc. qne
depois de ter recebido os cavallos qoe V. Exc. me
maodou e as ordens para seguir o movimeoto com-
b.nado, tomei o capito Silva e o lente Sabaos
como pra neos, e doi ordens para que lado estivesse
prompto para marchar na noite de 20 para 21 do
corrate.
< A' meia noite sabi de S. Solno e cheguei ao
romper do dia ao .passo Espinosa, onde encontre
quatro individuos da partida do official Lara, em
cujo encalco fui, lomaodo-lhes os cavallos. Irarae-
dlatamente atravessei o pago Amarello, lomando os
cavallos de dous soldados que eocontrei do outro
lado, e Iratei de ganbar terreno toreando a miuha
marcha.
c Depois de ter passado o esteiro Poy, acampa
por espigo de urna hora, e em seguida marchei
em directo a' villa de S Juan, lomei os postilhdes
de urna partida destacada de urna forca do
poireiro Ovelba, ao commando do capito An-
tonio Gomales, e mandei perseguir a partida
logrando apanba la. Sonbe depois que ia em
commisso buscar cavallos, segu para adame,
e eoconlrei oulros correios qae iarn dar parle da
minba entrada, e acampei a' distancia de tres le-
guas da capaila de Gu--sucua, onde pe'naneci at
as 8 horas da noite ; marchei depois na jjrerc.Ao
indicada tomando no camiobo doas o; reos o
chefe Masoaro, que era quem recebia as remessas
de (azenda para remell-las a ilacnui, e tendo
sabido qoe ebegava urna remessa de potros e ai-
camas vaccas villa de Guasucua, cootramarchd
sobre elle e acampei a meia legua do povoado. Ao
clarear do da 22 cerquei a povoaco tomei os
dous chafes e toda a sua guaroico, e tendo sabido
positivamente qoe as familias do coronel Alsfna e
commandante Sosa ja' raviam sido removidas
para Capuc, suspend a miaba marcha sobre S.
Juan.
< Regressei toreando minbas marebas perse-
gu ndo urna forca do tenente Baado e no camlubo
encontr! o feroz Lara com a saa partida, qae fa-
fia cobardemente. Sabeodo pelos prisioneiros que
vo3 aos tres feilos de armas da que tallo, aflm da ] 0 regimecto-genral San-Martn
que osmanle publcar para honra dos chefes, 'mostron urna vez mals a bizarra
offlriaes e soldados qua os praticaram
bizarra como iotelligencia.
a Felicitando o por estes novos triamphos, sou,
etc.Uartbolomea Mitre.
Neta grande batalha da vida, toroa-se-me
grato outro trjumpho maior a mais consolador: a
cnoera morbosdesappareceucompletamente. IIra-
tera as completou um mez depois da sua appanco
no exercilo argentino, e honlem s houve um bito
dos primeiros casos e 4 casos novos sjra gravida-
de. A honra desta victoria cabe em primeiro lugar
a Deas, e depois ao oosso benemrito corpo medi-
co, que irabalhou com a maior abnegago, ao que
deve rccresco&tar-se n cuidado verdadeiramente
paternal dos chafes e ofllciaes da corpos, que visi-
tavara os doentes a todo o momenjo, velando pala
bygiene do exercito, e confortando sempre os saos
e
Commando em chefe de todas as forcas bra-
sileiras em op&racoes contra o governo do Para-
guay.
Ilira. e Exm. Sr. Sahindo todos os das e inimi-
go pelo nosso flanco direito a dar pasto a sna ca-
vaihada, parece-me multo possivel surprend-lo
por esta occasiao, fazendo accomraeti-io pela
nossa cavallaria que se ada daquelle lado e que
atacara ao mesmo lempo por tres partes.
t No caso de estar V. Exc. conforme com isto,
rogo Iba se sirva mandar me dzer para precisar o
da e a bora em qua se possa fazer este movimeoto
com mais probabilidade de bora exilo e previno a
V. Exc. que posso emprebend lo com 5,U0J bo-
mens bem montados, sem incluir os piquetes do
costume, em qaalquer dia da semana prxima.
Deus guarde a V. ExcMarquez de Ca-
xias.Iilm. e Exm. Sr. bngadeiro general D.
Bariholomeu Mitre, presidente da Repblica Ar-
gentina e geoeral em chefe dos exercitos aina-
dos.Est conforma.Carlos Carranza.
t O presidente da Repblica Argeniini, general
em chefe dos exercitos alliados.Quartel-general
em Tuyu-Cu, 10 da outubro de 1867Ao lilm.
e lisni. Sr. marquez de C xias, couimoradanle em
chefe de todas as I re.- brasileiras em operagoas
cooira o governo do Paraguay.
Recebi o offlcio de V. Exc. com data d8 boje,
em qoe me pondera a pos-ibilidade que ollerece o
inimigo para ser atacado cora xito, p t occasiao de
sahir a dar pasto a sua cavaihada, pedindo-me que
declare se estou de accordo com isso, aflm de ex-
pedir as ordens convenientes.
Conformme mallo com a idea que me mani-
feslou.
Tioha observado j que ba tres dias a caval-
laria Ioimiga da direita toraa a avangar suas posi-
coe?, (tlereceodo-oos occasiao de dar Ihes novo
scarmenio.especialmente hontemquese f accionou
em tres divhOes e em pessima dispostgo para ella
-e fosse atacada. Dispunha-me a faz-io sciente
disto mesmo, quando recebi o offlcio a qoe respon-
do. Por c n-o ueacu poda V. Exc. expedir suas
ordens no sentido qne me indica, dando aos chefes
que team de exacutar a Impreza as instruegoas
que julgue convenientes para o melhor xito
della.
c Quanto ao dia e hora, V. Exc. determinar o
qoe loe parecer mais conveniente, servindo-se avi-
sarme opportamenie, sendo opinio mmha que,
quanto mais breve melhor, e qoe nao deve passar
de amanha oa depois se fr possivel, pois estas
importunidades nao se devem deixar perder quan-
do contamos com to superiores meios da aegao
em cavallaria.
c Deas guarde a V. ExcB. Mitre.
f Commando em ebefe de todas as torgas brasi-
leras em operagdes contra o governo do Para-
auax.Qoartel general, Tuya Cae, 20 de outubro
de 1867.Illm. e Exm. Sr.-Tendo-se dignado V.
Exc. approvar o movimeoto qae Ihes Indiquei
hontem como possivel contra as torgas de cavalla-
ria ioimiga qae sabem todos os dias pelo nosso
Qaoco direito a dar pasto a sua cavalbada, exped
is ordeos e del as insirucgdes precisas aos chefes
das quatro divisoas de cavallaria que destino para
o ataque, marcando Ihes as posigdes qne devem
tomar oo caso do iDimigo vir oceupar amanba o
lugar em que tem estado nesles ltimos dias.
< Eslabelecendo-se os ocasos signaes que devem
fazer-se do mangrulbo a' direita da povoago de
Tuyu-Cu, desigoel o dia de amanba, depois das
dez, para dar principio ao movimeoto.
i Esto tomadas todas as precaugoes para o caso
do combale timarse geral; e todo o exercito do
meu commando se aeba prevenido, contando com
qoe V. Exc. se sirva approvar tambem esta me-
dida. ,
c Deas gaarde a' V. ExcMrquez d Caxias.
Illm. e Exm. Sr. brigadeiro general D. Bartnolo
roen Mitre, presidente da Repblica Argeotioa e
gene-at em ebefe dos exercitos alliados.
Commando em chefe de todas as torgas brasi-
leras em operagdes cootra o governo do Paraguay.
Qoartel general, Tuyu-Cu, 22 de outubro de
1867.Illm. e Exm. Sr.Em contormidade do qne
havia previamente communlcado a' V. Exc, flz
mover boje a 11 meaos um quarto da manhaa
quatro divisoes de cavallaria do exercito do mea
commando, em dlrecgo ao nosso II neo direito,
com o Qm de envolver a cavallaria inimlga que se
acni> va postada daquelle lado, e tendo conseguido
o meu flm, nio obstante os obstculos qut d.fflcul-
lavara este movimanto, como banhados, bosque,
etc, foi ella batida completamente, escapando ape-
nas algons corpos que poderam chegar em desor-
dena s snas trinebeiras. Deixaram no c .rapo da H
batalha uns 500 cadveres e 138 prisioneiros, en- me esperavam de emboscada no passo *m"eiio,
tre elles sete ofllciaes e muilos fondos, dos quaes no arroio Nembuc, mandei o P'0"- eroa:
ja' emen fallecern!. Pela nossa parle tivemos um alo Gahiano com dez bomens e otidadao U-J*
eapitao morto e SO fendos, eotre estes qoatro offl- !?ellx Zivala com ordem de no caso iiti eneontira-
ciaes levemente. Toraaram-se cinco cairelas com rem forras ni migas faxerem desoccopar o passo a
bois, mnito armamento, cavzllos arrelados e alguns iilro, m>s fu
estaodaitis.
Finito a V. Exc. por este bom trhampno al-
cogido pelas almas alliadas.
Tomei ao inimigo 30 prisioneiros, cerra da
100 cvalas e setenta e tantas rezes, e a baodeira
da pov.agao de Giiasu.

f
r


^-"
*i
lirio de Pernanbaco Sabbado ** de Vivenibro de 1867.
Nlo me demore! mais porque, send* mal pe- lh*ndo as familias qoando passarmos, e ficanlo as bem cum trabaihos em que foram iguahiwwieeon-

JOena a minha farca, 54 brneos, apenas ehegava
p*ra guardar os prisioneros e animaes, eooarre-
gando de cuidar destei ao alfares D. Pedro Alvares
e dos prisiooelros ao alteres D. Remigio del Valle,
retireime at a'villa de Omba, one aeampei, e
hoje < 8 horas da manba cbegarei ao mea acam-
pamento no arrolo Hondo.
t Desle lado de Guasuct encootrei alumas fa
milias paragoayas qne qaizeram acompanbar roe,
Utas nu jalicut-i eoaveniente traze-las
Dos guarJe a V. Exc. Hippolyto Coronad>
i Sr. presidenta da Repnblica Argentina e gen-
ral ero ch-fe dos exercitos alliados.Q wtel-ge
neral em ToyuCo, 21 de oatubro de 1X67. > .
t Ao Sr. general :t Heorique Castro, comroao-1
danta em che fe da diviso oriental.
Tive a salisfacio de receber e oficio de V.
Etc. datado de boje, ao qaal servio se jomar a
parte do resu lado da excnrso aflectuada nos das
21 e 22 do correte pelo sargento-mr D. Hippu-
lyto Coronado, remettendo-me tambera os prisio-
neros t;mados pelo dito cbefe, os quaes igualmen-
te recebl.
c Os vaotajosos resoltados dessa expedigao a
tornara snmmamenle importante e honra para as
torcas que a realisaram, attendendo ao seu redu-
zido numero; e ao devolver a V. Exc. a felicita-
Ci que me dirige pelo feliz xito de-la emtreza,
espero f-iicite V. Kx. igualmente ao major Coronado
e aos offlciaes e tropa que a levaram a effeit).
Drvolvo a V. Exc. os prlsionelros qoe aje en-
vin, puraque Ihes d o conveniente destino.
c Deo guarde a V. Exc. mullos annos.Bar-
thoiOTea Mitre.
A segointe correspondencia, qae transcrevpmos
das folhas do Rio da Prau, refere aiuda algaos
pormenores interessanles.
Acampamento de Toyu-Cu. 24 de outubro de
1867.Esta semana tem sido to fecunda como es-
tril f 'i a pascada.
Oexercito alliado foi feliz na direita, na es-
qnerd'i e no interior do paiz.
< Na dreita tima formidavel colamna de caval-
laria, 4,000 humens, montada em eavollos_ de pri-
nieira orden), atacou o luiraigo na roanha dj da
21 e o derroton complet- mente.
t Os Brasileiros moveram-se em 4 coloranas de
l,0OJ ttomeui mais ou menos cada urna deilis, e
atacando Impetuosamente as guardas e piquetes
avaogados do ioimigo cahiram sobra saas reser-
vas, aeutllaodo as era todas as direcgSes.
c Os Paraguayos seriara 1,200.
c A superiondade do nomero das eavalgaduras
e das armas (ha regimeoios bsasileiros armados de
carabinas de sete tiros que se carregam pela cula
tra, systema Speoser), permilte acreditar sera
difBculJa le >jue desti vez, como da anterior, a
mortandad* fa*se espantosa, lauto mais que orno
sempre o< Paraguayos pelejaram com esse valor
fanaticu de qaa s ba cxemplo as guerras da re
Itgio.
Tres episodios daro a medida da tempera da
qaelles pohrts Par.igu < Perseguido um regiment seu at a' borda de
nma lagi por lo-gas superiores, vio que ouira ca
lorona ine sabia pela frente, rodeando tambera a
laga; f torcas que o perseguan); a ootra metade voll a'
esq'uerda e tirase a' laga no intuito de sahir pe-
la retagmrda da columna que os atacava pela
frente, e trava se ara combate, encarnigado. Ses-
senia Paraguayos que ficaram dentro da laga, que
era pequea, exhortados a render-se, rtcusarara
faze-'o e succumbirara todos.
Dm Paraguayo, cercado por 20 hrasileirc?, pe-
lejou em retirada a p quadra e roeia, approxi-
mando seda um 1 g >, urna v<-/, p-rto delle, dei-
tou-se agua como um peu;-; IA necessano ma-
talo, porque se nao escapava.
t Um capitio'b afloro que interceda a favor
de um gvopo de fendos qne refusilara render-se
oi morto pelos mesmos que quera salvar.
t As columnas brasiietras avaogiram at tiro de
fez fogo om precipilago,
as um numero determinado de moradores. d*mnadoi os soldados do 5* baialbo de> Infamara
c lia eolre estes prisioneros alguns de candara Raymuoo Francisco tos Anjos e do 7* di dita ar
primitiva. mi Manuel Dotra dos Santos.
Vi boje um delles, ao e'ocoolrar-se com sea .
padrioho, oarar a- certa distancia delrt, nnir Prr decretos de 6 do correte :
rofnj em attitade religiosa e nao Ibe dar os bons Foi relormado no mesmo posto o lente coro
das seoa depols de rezar em voz alta o coram nel commaodante do batalbio de infamara n. 37
populo, o bemdito. O padrinho, qae era ora velbo da guarda nacional da provincia de Pernambaco,
de 80 annos, A ton o com a frieza caracterstica do Jonqnim de Almeida Catanbo.
Paraguayo e den Ihe a benco. Forana removidos :
c Cantaram-me qae, tendo nutro Paraguayo dito O cbefe de polica da provincia do Espirito-San-
loe Lpez Ibes bavia feito ama proclamacan, di- to, Carlos de Siquelra Pinto, para ignal cargo na
codo-Ibes que logo qae montas-e o sea cantillo de Serglpe.
brano nao baveria naco na trra qae o vencesse, O cbefe de polica di provincia de Serglpe, An-
pergunton-lbe alguem se esse cavallo tmba aigaraa tero Ccera de Assis, para igual cargo na do Espi-
vlrtude, ao qae encolhend i os hombros responden o rito Santo.
pobre diaboquem tibe I O cbefe de polica d.i provincia de S. Pedro do
Nestequem subepronunciado mais com ar Rio -Graude. do Sul, Gi rvasio Caapelio Pires Fer-
de conviccao do qae de duvlda, esta' dagaerreoly- reir, para (goal cargo na de Santa-Catharina.
butanos da patria Saturnino de Araujo Reg, e
aos sospecadas do 4* batalbo de mf.rilarla Joa
qai^ Pelo Ferrelra da Costa, e do 12 Firmiao
Ji' dos Saotos e do 31* corpo de vulanlarios da
patria Qoirino Pereira de Carvalho.
De ttJO rs. diarios :
Ao 2* cadete do 24" corpo de voluntarios da pa-
tria Firoino Jos Cnslodio de Oliveira.
Aos soldados:
Do 6* baulbo de infamara, Joo Sabino do
Nascirnento.
Do 10* dito, Augusto de A quino Brando.
Do dito dito, Francisco Pereira da Silva.
Do 13* dito, Joo Antonio dos Santos.
Do 25* corpj de voluntarios da patria, Gregorio
J.aquim da Silva.
Do 27* dito, Antonio Jos da Cunha.
Do 3o* dito, Joo Venancio Mana.
Do 38* dito, Jos Clemente de Moura.
pado o governo de Lpez no Paraguay.
Dizem estes passados que no Pilar ha 700 in-
fantes, dos quaes urna pequea parte esta' em ierra
e o resto a bordo de dous vapores, qae conlinuam
a Inlrodutir gado em Humalt, ealgans asseguram
qoe o passo ao Tuyi esta' cccupado.
t Temes prisionero o Albo do famoso alfares
Boaio, e o nao menos celebre alferes Vera escapoa
a uuhas de bom cavallo ao major Coronado.
< Tivemos ba dias um parlamentario coaduz'ndo
despachos para o agente francez no Prata.
t Dlzern os qae fallaran) com elle que na soa co-
mitiva vinba um tenente de 14 annos, qne por sea
porte, sea trajo e pelas altences que Ihe prodigali-
savam devia ser o filbo de Lpez e de madama
Lynch. O rapaz disse muita fanfarronada a que
oingaem respondeu. Insisti sobretudo na bravura
dos Paraguayos. Se os filhos se parecero com o-
paig, nao ba duvida qae o tal lenenlezito deve s.-r
Qlho de Lpez,pois parecese tanto com seu pai,
no que diz respelto a' fanfarronice, com urna gota
d'agna se asseraelba a ontra.
t Reina mais animago uo exercit >, tendo des
apparecido o cholera, pols sao contados os casos
que aoparecem. >
Urna correspondencia para a Nacin Argentina,
re at ind i mui succintameote o ataque da cavallaria
rio-grandense, accrescenla :
< As [i'.rJas dos Brasileiros nao as couli-go
exactamente ; mis, seguodo me disse o coronel Pa
ranhos, sao multo insignificantes.
i Dn-roe este mesmo coronel que boje (22) ou
amanha* deve o marquez de Caitas marchar em
pes.-oa p?ra oceupar Tayi e o arroio Hiado, o com
isto Beara' Lpez imeiramente cercado e perdido.
Todas as correspondencias ?o concordes ea que
o chilera morbus desapparecra do acampamento
dos alliados. Relativamente a' esquadra, apenas
se refere que cootlnuava a burabardear activamen-
te as fcrtiacagSes paraguayas sobre o no.
As datas do Interior sao : P.irio Alegr 31 do
passado, Ru-Graude 3 e Santa Catoarlna o do cor-
rente.
a provincia de S. Pedro do Sol connuava re-
gularmente os saus trabaihos a respectiva assem-
nia legislativa.
Na sesso de 28 do passadi approvou aquella
eorporacao um requeriraeolo dacom.r.iss) de in-
dastrlt, i- lindo que se reenvo a' pr-sidencia da
provincia o omrato do eaes do Ru-Graude, cora a
nova proposta do Sr. Daro, lira de ser tomada em
considerado, visto a assemDli nao ser competente
para aceitar modificado -.
A' m.'sma assembla foi presente um parecer da
coramisso de comraerrio e industria NObre a de--
obstrueco da barra da S. Gongalo, antonsando se
o pre-i lente da prO'ioslaa conceder a' c.oinpanhia
que se orgaoisar, pira realisar a desob-lrucgao da
barra do rio S. Goncalo, 8 / sobre um capital qae
nao devera' exceler de 500:i'00')j0, cobrndose,
|(ara pagamento dos juros, imposios sabr o valor
dos productos proviiciaes, que transitam pelo ca-
nal da citada barra, por arroba de loiacio das em
harcacojs de cob-rta da oavegajo interna, que
direito d.; Itceoca
aonual, e t.imbem dos navios de barra fra.
Pjr actos da presidencia de 2 i) passado foram
dispensados dos ccrarnaados: do corpo provisurij
di guarda uacional da cidade de Ba, O tenante
c>rone| Jo- Facundo da Silva Tavares, e da ecco
de batalhno da mesna cidade,o major Joo Antonio
Cirne; sendo norneados para substitu los, ao pri-
meiro o major Barcellos, Qscal o mesmo carpo,
e an egundo o capitio Firmlno Xavier de Mello.
Tioham sido as.'assinados no Jagaaro um tra-
balhadur de charqueada e um desertar do exer-
Cllo.
Nvia encontramos d-1 ialerossa na folhas de
Santa Cutharma.
per^a de R.jmait, que ..
protgelo a retirada dos poneos dispersos que a traosiiam pelo mesmo rio, coma
p e a c vallo buscavam salvajo p asylo dentro
das trincheras, ebegando algumas forjas a' per-
to do pa>so Tayi; e para que n > fique, duvid > de
que o valor por eicellencia de Lopea o de fazer
matar os secs soldados, ainda qiiando se retira
vam vencedores js Brasileiros, sahiram 300 tu-
rnos da irincheirae .'ormaram em liaba de aura-
dores.
c Chefes argeutinos autori-ados, qne pe corre-
ram O campo da batalha, as^egl]ram que o Inimi-
go deix-u estendidos mais da '00 morios. Os pn
stonelros rao 140, cutre elles 8J feridos. II i tam-
ben, alguns offlciaes prisiooeiros, alguus saos c ou-
tros fendos.
c T inaram-se alguns estandarte?.
A- ptrdas brasilelras sao insiguiflcantes.
Q lasi ao mesmo lempo que se diva oslo com-
bate ptla dirciia os reg'mentjs argentinos S. Mar.
tiobo e 3 de cavallaria sUCiVam as gualdas para-
guayas CUt'!3ndo-as ale as suas reerv,is. O roen
batalho eslava de avaujada e pude ver elaramen
te o qaa se passava.
t E-taopaacao combinou->e de modo que ro-
deando orna nula, o S. Martlnbo pela direiia e o 3
pela e.-querda, podesse o ultimo flanquear o mi-
migo emquanto u pnraciro atacava pela frenie.
t Desgrafadamente o major Martiner, que com-
mandav.i o s- Mariinho, por achar-.-e o cjmman-
dante A'varez em C rrienies convalescendo de
uas feriuas, levado p::!o ardor do seu ten,' r -
ment, acteeipoo-se ao moviraento do3ecompru-
melleu a operarn, lutando com f r?as superiores
e dando ires cargas, as quats foi vtncedo: e ven-
cido ao m-s;no lempo.
c Na primeira e ,-egunda houve ennovelamento.
Na lerceira, vendo o ioimigo o 3o corpo de, reser-
va, cedeu-nos o terreno al chegar a Uro de me-
Iralha de suas inocbeiras, e nao so moven ? ^bre
S. Martinho se nu quando e^tesereliroj, recolhen-
do seus morios e fendos debaixo da protac^o dos
seus auraJores.
f A nossa retirada fff'Ctuoo-fe a trote, apear
dos f-gos da b.ilena angular do inimigo, que deu
treze lirus multo mal dirigidos; quatro Qzeram ex
plOso ua bocea da pega, dous proje^tis cahirara a
retaguarda da sua pn pria cavallaria e dos restan-
tes s urna bamba fez exploso entre os nossos,
em sequer abalar-nos.
t Eta uterina- foi dirigida pelo coronel Vidal
em pesssa, leudo por ajudaute de ordens o nujor
Hillao.
f O es;undr5es deoperaco que commandava o
major Maiticez eram dous, e o coronel Vidal
ia a' freuta ae outro que ameacava o Hinco o ini-
migo.
Nossas perdas sao seosivels.
Ne-tu combte, em que oBki'-es de crdito
calculara as perda> do inimigo em sete offlciaes
sessenta pracaa mortas, hoavo dous episodios que
merecem mem3o.
c O capiio Morale, homem de mais de 50 an-
nos, e um roldado paraguayo, lutaram braco a
i.raco como dous hroes da antlgaidade, suecura-
i indo o Paraguayo depois de ter estado Lngo tem-
:,o abragado com o seu adversario, que por um
raro acaso sabio illeso. _____
t O perla bandeira Marlinez, rodeado noeono-
itlameota por dez inimigos, salvou gloriosamente
no'so e-tnodarte, devendo a vida a terem-se os
i'iraguayos empennado menos em ferir ou mata-lo
i que iiu apoderar se da insignia confiada a' sua
i ravofa.
O regiment S. Martinho, desta vez, como das
iras, dea probas de multa disciplina e grande
; r. Nos que o vimos carregar tres vezes a bri-
. -ola, eiraovelar-se e retirarse passe a passo,
primos o dever de saudar uelle o nome que
ii a gloriosa memoria de nossos antepassa-
03.
Todas estas pensoas dependem da approvaQao da
O ihVfe'de polieind~provlDcia de SanU-Catha- j assembla gerai.
ria, Belarmlno Peregrino da Gama Millo, para -
Igual cargo na de S. Pedro do Rio Grande do Sal. NomeacOJS.-Tendo sido concedida na forma da
Foram nomead s : Id Por decreto da 18 de selembro do crreme
O juiz de direito Guilberme Cordeiro Coelho anno a aposentadoria ao escrlvao da 2* elasse do
Cintra, cbefe de polica da provincia de Malto- almoxanfado do arsenal de guerra da corte Fortu-
i;r ,. .' nato Jos de Almeida Tinoco, foi nomeado por de-
0 tenente-coronel Jos Vicente de Medeiros, co- creto de 9 do crreme para esse lugar o amanaen-
ronel commandanto superior da guarda nacional se do escrivo das offleinas do mesmo arsenal Ig-
dos municipios de Penedo e Traip, da provincia naci Mara Rangel.
':
O sabr amento que levon o inimigo Dor este
fui tao serio qoe nao se aireveu no dia segua
i ocruoar suas poslc,5as abandonadas, levautan-
de novo o seu prlmeiro maogrulho de observa
, que tioha sido d rrubado.
. Era quanto a nossa dtreita e a nosa esqu rda
i ih;iairo do< succ^ssns qoe acabo de re rir,
nria pequea partid:, 60 homens argenlino> e
i nlaea, ao mando do major Coronado, penetra-
. a no interior cheganlo at Guasuc, a 10 le
is d'aqni, tomando 30 prlsiooeiro, entre elles o
le paz daquella villa, a quera sorprenden cora
romandante militar de Tacuaras, que alli se
,va a servido, tomaodo 100 cabecas de gado
v cura, 30 eavallos e ama quaotidade de papis
curiosos. Hi entre estes vanas ordens em refe
r> ucia ao abandono do palz qae decrelou Lpez e
..a revelara a grande escassez e miseria que alu
r id.
i E'n nmt das referidas ordens, regalando o
m i de ditnbuir'racoe.- as familias que emigrara,
:.i la qu cora gado de propnedade particular, re-
leoda se qae se nao desperdice era o sangue
,i re-s qn se carnearen), rereeltend) o eouro e
. para H imaiH.
c Tmto em Gnasaca comoemTacuaras nao ha
lacio femiuii, toda esta' reconcentrada sobre
i onda existera varias familias argenno s
; ia foram arrebatadas de Corrientes; lado es-
t,' -crio, e as orden" sao que se a ancarmos so-
bre Catpotf, siga a em>grag3ai; o interior, rees-
.No da t do correte, as 7 horas da larde, S M.
o Imperador recebeu era audiencia pat'cular ao
;Sr. Eduardo Thorntoa, qae entregon ao mesmo au-
gusto senhor a carti que pjz termo a' sua misso
de enviado extraordinario e miatslro plenipotencia
no da S. M. a raiaha di Graa-BreUnria, nesta
(-te.
Fica iulerina-ncnte exerceolo as tuac;oes de-n-
carregado de negocios o Sr. Francia JihuP-ke-
nharo,secretario da legaQo briuuuioa, cm qianio
nao cnega o successor do Sr. Thorutoa.
10 -
Por cartas impemos de 9 da noverabro do cor-
rente foram nomeados :
Os subditos fraoeezes Auliben Maire, cavallelro
da nrdera da Cbristo ; RaluarJ, chefe da eslagj,
e Gustan Duelos, sub-iospaclores de alfandega ca
vaeiros da ordern da Rosa.
Per decretos da me-ma data:
Fez-se mrc do titulo de baro de Aracagi ao
Dr. Francisca de Caldas L'ns.
Foram noraeados em atteoQao ao denodo e bra-
vura de quj deram provas no combate d i Alegre,
pel-jado a 11 de jalbo ultimo no rio S. Loureoco :
Comraeoda lor da ordem di Rosa, o capito le-
neot-' Bal iuioo Jos Ferreira lo Aguiar.
Offlcial da mesma urdem, u cipito da cjmmis-
sio oo Io corpo da guarda nacional Feliciano Ga
linpe Me: T; da Mello.
Cavalhiros da mesraa urdem, o? alfares de com-
missio do mesmo corpo J uqniro Ferrelra da Cu
nha Barbosa, Joo Luiz Pereira e Manoel G >mes
de Menezes, alfares do o batalho de artilhana a
o Rodolpbo Scheneider, e cirurgio de oommisso
Daraio Jo- Soares.
Cav.iileiro da ordara imperial da Cruzeiro, o Bel
e 2* r,|as^e do corpo de fazenda, pertencenle a
fl tu na da Mallo Grosso, Jos Antooio Vieira da
Araujo.
avalleiros daoidnm da Rcsa: o furriel do cor
po de imperlaes marinheiros Antonio da Souza
Beoevides, cabo do roesrao corjo Antonio Antunes
Maciel, guardio Manoel da Jesas, Imperiaes ma-
rinheiros de. I" elasse Lilislao Alves Ja Cunha e
Gregorio Dias, 2o machinlsta Antonio Heanque
de Araujo Maia, e o Cirpioteiro H^rcilano Jj-
de Oliveira, todos perteucentes a fLtilha da Matto
flroeso.
Em ait-ngo aos servigos prestados no combate
de 2 de niaio do anno passado foram nomeados
os alferes Aotralo Augusto da Frota Menezes e Ro-
gelio Maihias do Espirito Sanio, cavalleiros da or-
dern da Rosa.
Foram concedidas as seguinles pen--5->s
A Harta Manoela do Pinfio, residente ca Capital
da Mait-i Grosso, e me do imperial marinbein Ri- chufe.
cardo J .- Rodrigues, morto no combate do Aie
gre 1803 annuaes.
A Aon Peixcto, residente na Birra do Arica-
marim, da mesraa provincia, e me do ex-impe-
rial raaritihro Diogo de Almeida, morto em con-
sequenm da ferimentos recebidos no dito comba-
te, i.SOJ annuaes.
Ao i* sargento do 1* uorpu de cacadores a ca-
vallo, Joaquim Jos da Rosa, 600 res diarios; aos
soldados oo 2* batalho de iofaotaria, Manoel dos
Aojos de Soma; do 10" dito, Joo Sab'no dos
Santos; do 15* dito, Benedicto Uarcelliuj e Luiz
das Alagoas.
O capitn Antonio Rodrigues de FreUas Junlcr,
tenenle-cerooel commaudante do batalho n. 37 da
guarda naeional da prcvincla de pernambaco.
Antonio Gomes Coutlabo, coronel commaodante
superior da guarda nscional dos municipios do
Principe Impenal e anoexo*, da provincia do
Piauliy.
Ignacio de Souza Lima, tenente coronel chefe
do e-t -1 -maior do mesmo commando snperior.
O tenent'-coronal aggregado Gabriel de Araujo
Costa, tenenle-coronel commaodante do corpo de
cavallaria n. 4 da guarda nacional da provincia do
Piauhy.
Jos^ Gomes Couliuho de Macedo, tenante-coro-
nel c immandante do batalho de infamara n. 32
da guarda nacional da dita provincia.
Foram trausferidos para o commando superior
da guarda nacional do municipio de Marvo da
mesma provincia :
O coronel commandanto superior da guarda
nocional dos municipios do Principe Imperial e
mais annuos Antonio Fernandes de Vasconcellos.
O teoenie coronel chefe do estado-malor do dito
commandosuperior Miguel Jos Cardoso.
Os majares ajudantes d'ordens do referido cora
mando superior Clemente Gomes Pereira e Ms-
ooel Isidoro Vieira.
O capito secretario gerai do dito enromando
superior Antonio Cesar de Almeida.
O capito quartil-raejtre do referido comman-
danto superior Lulgero Alves Lima.
O capito cirurgi3o-nr do mesmo commando
superior Flix Antonio de Horaes Vasconcellos.
Foi declarado sera tffeito o decreto de 16 de
agosto ultimo, na parte em que noraeon o major
Bento da Cisla Villar, para sjudanta de ordens do
commando snperior da guarda nacional do munici-
pio de Alhandra, da provincia da Parahyba.
Por devotos de 26 de outubro ultimo :
Foi marcado o 2 uniforme para o batalho de
iufaniaria da guarda nacional da provincia de Per
nambuco, o qoal osara' de fardetas de panno azol
avivadas da branco, com roelas gollas e carceas
de panno amarello e bonet Cavaigoac, com frisos
branoos e gaio da panno amarell'.'.
Foi c-levado a oilo o numero de companhias do
batalho de iufaniaria n. 8 do servio activo da
guard nacional da provincia de Pernambaco.
Commando em chefe da forca naval do Brasil
em operac/fes contra o governo do Paraguay, bor-
d i do vapor Brasil, era frente ao po lo Eliziaro,
24 de outubro de I87.
[lira, e Exm. Sr.Era lempo comrauniquei a V.
Esc. qae o fogo da esquidra de encouragados ba
va d -truiao as chalas Subre as quaes passavara as
amarrs que atravessam o nal do Humana, B-
caiido em nosso poder duas dessas erabarcagoes,
que empregaraos, depois de devidamente repa-
radas, como deposito de muuigo--s no porto Eli
zlarlo.
Cora granda trabalho paderam es Paraguayos
collocar no rao-mo lugar outra chata, que do nos-
so ancoradouro conbecumo> estar preparada coro
mais algara esmero, e ser destinada para machi-
nas mfermes, talvez ou outro Um devastador.
A poslco em que era este trabalho preparado
nao permittla que Iha bsfssemos completamente.
Comiudo, ao que nos pareceu, nao foi elle wrmiua-
do sera que cu tasse algumas vidas aos qiie o exe-
eatavam.
Dci urdem para que os bombardeadore.s tiras-
sera urna ou outra v z sobre essa chala, j eolio-
da mais ao nosso alcance.
Anto hontem, pelAs 11 horas da maohao pouco
n ais ou tn-uos, urna bomba, dirigida de bordo do
SilvaJo, pelo 1* lente Custodio Jos de Mello,
airuhcoiou sobre ella, arromhou-a e meileu-a n
fundo, o b.-m assira a outia embarcagj uienor que
eslava a ella atracada.
Vio se que do sea bojo sabia urna grande boia
aeompanbada de pequ-nas coiras, que a crreme
trazia j rio abaixo. U cbefe Alvim tinha toroadu
as convenieptes medidas para mandar apprehen
dtr estas curioses objectos, quando a revessa da
ogaa os ensacou da encontr as barrancis das for-
l cages.
A importancia que o inimigo llgava i estes ob-
jectos ruvelou se logo, porque correndo atropella
damente por sooro as ranralhas, Bzeram fogo de
bala rasa, metrallia e fuzilaria, at que a fo tuna
Ihes d.'parcu a revessa de agua, vioda taot) a pro-
posito, que Ihes trouxe as mos e.-sjs objectos, sera
os quaea Acaraos ignorando mais nlgama nova dif
hudade creada a passagem de Htiraaita.
As copias que V. Exc. encentrara' juntas, ira-
la i! mais dealbadmeme desle acontecimento, era
consequenciado qual maudei. romo foi propj-to
pelo ch-fa Alvim, ebgiar e.u ordem do oia o 1* te-
nente Custodio Jos de Mello, ufflcial estudio o,
que ja' live aiais occasio de elogiar quando c,m-
mandou interinamente o Barroso.
Apr.iVeitarii tambera e-ta occasio para partici-
par a V. Exc. que o ch-fa Elisiarlo me da' noiicia
de haver, no da 21 urna bomba nossa de 10 polle
gadas arrebeolido sebre o paraprilo de Curupauy,
pruduziudo la- forte delonaco que fez astremecer
os navios surtas era Curuz, seguindo-se-lhe espes-
sa uraaga, precedida por graude cbammj, o que
denota ler voado algum dos parares subterrneos
em que cosiuma o ioimigo guardar soa plvora
junio as baleras.
Nada raiis tem occorrldo digno de roenglo du-
raote '-tes ltimos das.
Nossas commuuicacoes pelo Chaco tornam-seca
da da mais facis; esquadra de Cuiuz ja' re-
c.rahece os sigoaes que desta ponto Ihe fago, osen-
couragados acham-se cora rtad me-.'o- al o fin da
ooverabro, eeom as precisas munigfies navaes ude
guerra.
O estado sanitario muito regular.
D.-us guarda a V. Exc.Iilm. e Exm. Sr. conse
Por portarla de 11 do correle roandoo-se Acar
sera effeito a nomeigo de Jo Joaquim do C ato,
para o lagar de amanuense das offleinas do arsecal
de guerra ta corte, por nao se haver aprensentado
para tomar p isse do referido lugar.
Por portarla da mesma daa foram nomeados
amanueuses do escrivo das offleinas do mesmo
arsenal Francisco Martim Chaves e Fortunato Jos
Francisca Lopes Jnior.
-13-
Por aviso de 31 do passado foi nomeado para
commandar o monitor Alagoas, ltimamente langa-
do ao mar, o 1* laaente Joaquim Antonio Corduvil
Maurity.
Fallecen ante-bontem em conseqaercia de mo-
lestia adquirida em ca.mpaoba, o Sr. conselbeiro
brigadeiro Dr. Maooel Feliciano Pereira de Car-
valho.
O illuslre finado era cbefe do corpo de sale do
exercito, membro titular da secgao cirurhica da
academia imperial de medicina e condecorado coro
a grande dignitaria da ordem da Rosa, o dlk.u aio
da imperial ordem do Cruzeiro, o habito da de S.
Beolo de Aviz e com u da de Cbristo.
- 14 -
Hornera de manha um lelegrarama da estagu
lelegrapftica de S. Sebaslio, aonunciando ter pas-
sado vista, viododo sul, um vapor ecobandeira
do, poz toda a cidade em alegre alvoroto. Com ef-
feit.', as 10 horas e meia da noiie tundeava no nos-
so porto o transporte Galgo, portador de to b ias
novas, que delxara entrever prximo o termo da
looga campanha do Paraguay.
Varios > importantes triumphos al aogaram as
armas adiadas nos dias decorridos depois das ulil-
do nos para esse fim da snperioridade da nossa ca-
vallaria, j fazendh Ineursffts freqodnte*; ja esta-
balaceado ama torca perra*neme de aigaraa im-
portancia .as. entradas precisas, qae tem pelo
passo Tayi ou pelo potreiro Ovelba ; sendo esta
operago tinto mais' importadle, quanto ocamlnhi
j por si sammamente difflcll, e s pode servir
ao ioimigo, em qoanto o Paraguay esta' baixc,
pois. crescendo ete rio, esse terreno deve man-
dar-se e toroar-se ioteiramente iolransitavel.
Parece rae, portanto, qne o qoe convem di-
rigir ao potreiro Ovelba orna expedlgo de caval-
laria, acompanhada de algoma infamarla e dnas
pegas de artilbaria ligeira, para fazer fogo de bala
e metralha por entre os bosques, e descobrlr assro
o terreno cora menos perigo e mais efflcacia, afa-
gentaado ao mesmo lempo os inimigos qae pode
rem emboscar-se n'elles.
< O objecto immediato desta expedigo sera' re
conhecer novamente o potreiro Ovelba com mais
cuidado do qae da primeira vez; ver se cora effeito
o inimigo abri por ah omcaiuioho; no caso de
ser i-to cerlo, ioolillsar os pontos qne se encon-
traren e situar a forga convenientemente, perma-
necendo alguns das no ponto qne escclher, adra
de interceptar completamente cororoonicago.
Naturalmente um dos seas objectos sera' tambem
sorprender, bater ou aprisionar as forgas qae
goardarem aquella posigo, tomando para esse Qm
as medidas convenientes, sendo ama dellas esten-
der as saas avangadas al perto do Pilar, para
prevenir toda a commooicagao oo aviso, depois de
cortar o Ao do lelegrapbo, o que pode dar lugar a
que se tome alguma tropa de gado.
t Se V. Exc. concordar com t sta Idea, espero
apparecer diariamente fra de saas trinebeiras
sobre o flanco esquerdo de Humaii, avanzando
para as nossas posigSe-, ao passo qae ia pngressi-
vamenle augmentando em nemero, projectou S.
Exc. di-lot om golpe decisivo, qoe titese por Ara,
corundo Ihe a retaguarda para o recinto daquella
praga, causar-lhe o maior damoo potsivel.
Depois de ter tomado as oecessanas providen-
cias para o boro xito desta empreza, no dia 20.do
correte, reurad i-se neste qoartel-general os Eiras.
Srs. eomraandantes da Ia, 2*, 5* a 6* divitoes de
cavallaria, ordenoa-lbes S. Ex. qae no dia seguale
eslivessem com as mesraas divisoes .formadas em
di (Tere oles potus, de modo que a ora signal con-
vencionado fosss a forga inmiga atacada simult-
neamente de frente peta e 6* divisoes, e de
flanco pela 2* e 5*, compeliado tambem a esta cor-
lar a retrala, avangando para tal Am do ponto
em que o nosso acampamento se approx raa mais
da referida praga, tendo por vanguarda nma bri-
gada, commandada pelo Sr. coronel Aslrogildo
Pereira da Cos.a, provisoriamente organisada com
os corpos II, 19 o 24, comroaBdados pelos Srs. le-
n*ntes-coroneis Rodrigues de Oliveira, Silva Tava-
res e Souza Trindade, e da qoal fazia tambera par-
te o piquete escolta de S. Exc, commaodado pelo
capito Joaquim Panialeo Telles de Queiroz. Ao
Exm. Sr. brigadeiro Victorino Caroeiro Monleiro,
commandante desta dvisao, competa tarob m
comroandar todas as nossas forgas de cavallaria
em acgo, logo que' ellas eff'ctuassem a soa june-
gao. Para este Am determinoa S. Exc as posi-
goes que devia oceupar cada urna das referidas
divisSas, de modo a nao serem descobenas pelo
inimigo e poder tirar dellas a mxima vanlagem
que se sirva avisarme e dictar de;de logo as saas napreciso e rapidez dos movimeotos. ama
das
nhadodia2l, achando-se era coosequencia
ordens recebidas, a i*, a 6" divisSes pos'ada?
as immcdiagoes de S. Solano, a 5", oceulta nos
laraojies doste acampamento, tendo :ua vanguar-
da ccbeita pelo parapeito da fortiAcagao que de-
feode o extenso banhado da extrema direita do
ardeos e in*trucg5es em consequencia, sendo mi
nha opiniao qoe qnanto antes melhor, pois re-luzi- I
do o inimigo a' impotencia na arma de cavallaria
depois das soas ultimas derruas, nao tero boje ele-
memos para difflcultar estaoperago ; e se tratasse
de levar infamara, levando nos pela nossa parte
infantaria e artilbaria, como fica indicado, pola meimo acampamento, dingio-se S. Exc. para esta
soffrer urna derrota seria, que d em em re>ulladu p0sigo, centro de nossas bobas de postos avanga-
o dominio absoluto desse camioho pelas nossas ,j0S) e 0anj observuu o movlmenlo do inimigo,
forgas. agoardaodo a occasio para dar-lhe o golpe,
t Dos guarde V. Exc Bnrtholomeu Mitre.* s Qomo d9 cusame, sanio do recinto da Hu-
t Tuyu-cu, oniubro 29 de 1867.lilro. e Exm. min-y f,,rga de cavallaria inlmiga, proximamen-
Sr. presidente e neneral em chefe.Coostando-rae (e ie 2,000 humen*-, e depois de ter avangado e
que pelo lado de Pedro Gonzales exista urna par- tua)ad0'as devidas prec-ugoes, conservouse era
tida Inimiga, commandada prr um tenente chaina-
du Salinas, e lendo-me dito V. Exc. em sua ultima
carta que se eu quizesse fazer a sortida que havia
indicado, nao obstante haver pailido cm direcgo a
Si; Joan urna I -rea argentina, poda faze-lo, raaa-
dei ante-hontem o coronel Mercio cora o corp) de
seu commando fazer urna explorago por aquelles
lados, e hootem commuo ecu-me de Pedro Gon'.a-
les qua tavia encontrado oo lugar denominado
Uan, urna [anida paraguaya de 30 h' meos, pouco
mais ou meno-, commandada p?lo referido tenente
Salinas, a qual fiz bater Iramelialamenle. matando
columna com o fhn< o esquerdo apoiado na mata
prximo e a frente para S. Solano, e comegou a
dar pasto a suacavalhada.
A's 10 horas e 20 minutos, jolgando S. Exc
oppnriuno o momelo, roaodou ordem a i', 2* e t*
divisoes quetratassem de atlrahir aaitengo do ini-
migo para as po>igoes eai que se acbava, cotce-
gando o combate cjm seus piquetes avanganos,
aAra de dar lugar a que podesse a 5* tiviso des-
eiupennar o que Ihe fra confiado. Ordenou ao
Exm Sr. marerhal de. campo Argollo, comroaodsn-
ls do 1 corpo do exercito, que segulsse para P.
mas noticias. A tod s sobrepuja pelo numero das
tropas empenhadas no combale, o que oo da 3 do
correte ganharara os nossos bravos as trinebei-
ras de Tuyuty. A esta respeito apenas temos, po-
rra, a* seguinl'S communicagoes telegrapbicas de
Dueos Ayres para Montevideo ultima hora :
t No da 3 de novembro di-u se nma batalha em
Tuyuty.
Os Paraguayo5, em numero de 8,000, vieram
atacar o nosso acampamento, sorprendendo a van-
guarda, forgando a primeira liaba e tomando-nos
algumas trincheiras.
liavuii-.-e enio um combate mortfero para
os Paraguayos.
f O vi.conde de Porto Alegre mandou sahir f
ra das lriucheiras carregando vigorosamente o mi-
raigo, que se retirou derrotado, deixando
morios.
c Os Paraguayos conseguirn) incendiar o com
mercio e os depsitos dos firnacedjies argentinos,
mas os que para isto se desviaran-', nao podendo
reencorporar-sa na sua reinada, foram todos mor-
ios.
O inimigo levoa duas pegas de campanha.
e Os alliados perderaro700 homens, mas as trin-
cheiras, vallas, ras ficaratn atulhadas de cadave
res.
t Menna Brrelo foi ferido oo rosto. O visconde
da Porlo-Alegre ficou contuso, matando cora a soa
propria maoo coronel paraguayo que commandiva
o itaque, ii o lal Castilla.
Outros tolegrammas do 80 morios e 150 pri-
siuneiros paraguayos; cj ntando-se entre os primel-
ros muitos chafes e offlciaes.
Oulro triu'Dpho, nao menos importante pelo re-
sultado, foi o qua alcangou a guarnigo que trona-
mos er. Ty', pomo uitnr.-mela oceupado pelo:
alliados. O respectivo tilegrarama diz a^.-ira :
No da 2 deseuib acarara no passo daT^yi 80'.
Paraguay is, protegidos por tres vapores.
i No raa-ra i dia foram atacados palos alliados,
que raatararo todos os Paraguayos, meit-cdo a pi-
que os ires vapores.
Entra os fcilos de armas dos dias anteriores so
bresabem a oceupago do Tayi, a que nos referi-
mos, a da villa do Pilar, e ura brilhaule combale
uo potreiro O'alha. A e.sta respeito o melhor que
podemos fajar truscrover a3 seguinles pegas uf-
Aciaes :
t Quait-d-oeoeral era Tuyu-Cu, 31 de outubro
da 1867.Exra. Sr. vice-presidcnta da repblica
Dr. D. Marcos P. z.No dia 29 do corrento s^llreu
u ioiraigo novas pardas e derruas.
Urna forga brasileira, que sabio em persegu
gao de urna partida de Paraguayos, que aodava
por Pea o Grazalas conseguio baia completa-
mente, mataudo-lne alguns homens e tomando 16
prisiooe.ros.
c Nj mesmo da move.u-se urna forga das tres
armas sobre o potreiro O'eiha, que atacando a far-
ga paraguaya cntriocheira la alli, apodarou-se do
posigo oaiouet i, donando o iuiraigo no campa
110 monos, 48 prislooelros e graude quautidade
de cabegas de gado.
t Como a posicj d s Paraguayas era forte e ti-
nham elles ama trplice liana d^ irincheiras, este
Iriurapho naJ delxoa da costar bastante, pois a
nossa perd monta a 140 ou 130 horneas, entre os
quaes 30 morios, e devemos felicitarnos por nio
ler sido maior, pois a posigo tomada era forte n
bem enlrincbeirala. A iufaniaria brasileira portn-
sa com muita bizarra oeste ataque.
A columna exped-clooiria permanece ath)
je senhora do earaoo, lalerceptando a estrada de
communicago do inimigo.
No dia segainta, isu a 30, Uraaram-se ao
inimigo 100 oavallos, fazendosa-lhes tras prisiu-
netros.
Nasles dias tivemos cinco passados du iuiraigo,
ura dos quaes, qae servio sete anuos em uraailJ,
da' noticias bem Interessanles.
c Espero a U-'o o momento a parte da urna for-
ga de cavallaiia argentina, qua internou-se cerca
de 23 a 30 leguas pelo interior do paiz, e da qual
espero muito bous resultados.
< Ajumo os documentos offlciaes, cartas e tele-
grammas relativos aos successo* da que Ibe f .11 o,
ura hornera e aprisionando 16, ficando alm disto Solano, afira de tomar all as providencias que fos'
em nosso poder 30 cavados eosilhadus. Salinas Q\sea precisas, no caso de emtnharse urna aegao
os restantes langaram se nos bosques que Acavam- mas pera
Iha mais prximos, alim du escaparen) a persegui
Rodrigues de Oliveira ; do 15" culpo de volunta-
rios da patria, Jos Leonel de Souza do 20* -iit ,
J)- Be nardoo de Soaza, ; do 27^ dito, Antonio
Ribeiro la Cuoba; do 31 dito, Antonio Narciso ;
do 39* d lo, Luiz Carvalho da Cunha ; do 53* dito,
J s Francisco da Silva; do 10* Corno de cavalla
c Fiz seguir para esse mesmo lagar dous bata-
Ihoes de iofaotaria, commandades pelo Sr. coronel
Pinheiro Guiroares, refoigados por d>us canboes,
perienceritts a' 3* diviso, e eslava collocada no
acaropament) centra1, mandando sahir da vanguar-
da urna ouira diviso da mesraa arma, para neste
acampamento oceupar o logar daquella. Nestas
disposigoes, achando-se us Exms. Sr.-. tenante ge-
neral barao do Herva, no flanco esquerdo, mare-
chal de campo Argollo, oo flanco direito, e S. Exc.
o Sr. general em chefe no centro de nossa buha,
mandn o mesmo Exm. Sr. general em chefe exe-
cutar o signal ccuvencionado para o ataque si-
Tmlianeo, e flz avaocar a a* diviso, commandada
palo Ext. sr. brigadeiro Victorino Carneiro Mon-
leiro, a qual transpdz a galope o banhado que ihe
ficava era frente, e seguio cora a referida brigada
em sua vanguarda, levando esla como cabega de
columna o piquete de S. Exc. Esta forga foi a pri-
meira que chocou-se com o ioimigo, por ter-se
adiaotado na marcha, o snstentou con; esle um re-
ohido comba''', no qual aioda mais ama vez so-
hresahiram o denolo e bravura daquelles Srs.
eomraandantes, ptrfeitamente secundados por seus
briosos subordinados. &. 2* diviso, commandada
ielo Exra.Sr. brigad-iro Jos Joaquim de Audrada
N ves, chegoa a t^mp^ da prc teg3r aquella, sus-
lent.ir rom arrojo a lula e derrotar completamente
0 inimigo, coadjavaiia por parte da 1* diviso,
comraaedada pelo brigadeiro Jo_o Man el Mena
Barreto, cnegando tambera a t*, comraand-ila pelo
Sr. coronel Antonio Feruaodes Lima, em lempo
de prestar importantes srveos na persegeico dos
derrotados e captura de? pn.-ioneiros.
Pela primeira vez Qzeram as baleras do flan-
co direiu de Humana tiros de canho sobre nos-
sas cava Unas, que no arder da peleja se appro-
xiraaram muito desta praga, afim de evitar que o
mi'ilgo perseguido e derrotado se refugusseem
seu recinto.
t O combate, que daroo urna hora mais ou me-
i nos, foi de funestas cooseqaencias para a forga
ilnimiga, rjue, derrot da completamente, tiveram
1 os qoe a compooham de pagar cora a vida a te-
naz reslsten-ia qua oppuzeram, a render-se prisio-
nelros.
t Mai poneos destes lograram escapar, favore-
cidos pelos accidentes do terien.i e pela prat-ego
daquella arlilh.na. O campo da aegio Acou co-
bario dos cidiveres da cerca de 600 homens, fl-
cindo em r.-s-o poder 150 prision^iros, olio dos
quaes offlciaes; grande quantidade de armamento,
cavalks e niun'g5es, 2 esl odartes e o carretas das
qua-- tus t>r.<-n depois inuti i-rdas. Ti vemos f
ra de combata 8 pragas e 2 fflciaes mortos, e 8o
fendos, sendo 32 d"-ios levemente.
No numero los primeiros cntam se 9, e no dos
segundos 6 ffleiaes. Irave tambera 30 contusos,
como cun.-t* na rela{9>as juntas. O Sr. roarecba
de campo Arg lio, a vista das instrucgfies que re-
cebeu, leno it' marchar de S. Solano e apar-
tar-su no carriobo qoe liga este ponto a Hunaiti',
urna forga rommandada pelo Sr. coronel Carlos
fjetbz: o'OlivtT' N' ry, composta de 4 batatbOes
do ii f i irla e I raal O' ;tira da proteger a nos-
sa cavallaria, ivangou para o campo de Cimbate,
acorapao'iado do sen estado maior e dos Srs Oli-
veira l!;'l; e major Gustavo Galvo, deputadus-
aquelle d; ija I nie e este do quartel-mestre gene-
ra!, jimio a o 1 corpo do exercito, os quaes rura-
prirara os dc-veres inherentes aos seus cargos.
Anda desta vez, S. Exc. o Sr. roarqnez, marechal
e coraniindanta era Chefe, se congratula com as
forgas d.- ,--u commando pelo esplendido trinropho
alcngado pea nossa arrojada cavallarii, e manda
louvir a lodos os Srs. comroand ntes de brigadas,
estados ojalores oestas e das divisfies, comman-
dante; de corno; c deraais senhores offlciaes e pra-
gas que ti.nar.ira parte activa neste combate, e
com especialidade os segointes: Exms. Srs. bri-
gideiros Victorino Jos Carneiro Monleiro, Joo
aooel Menna Birrelo, Jos Joaquim de Audrade
N ives e coronel Antonio Fernandos Lima, pela
pericia ora que se por tarara e pelo cabal desem-
prohi das ord-ras que rtceberam, tend tido o prl-
meiro e o teresiro occasio de mais orna vez pa-
leniearetn a sua ja' experimenlada bravura e in-
trepide?.
t O Srs. coronel Astro'ildo Pereira da Costa,
teneutes coronis Hppoiyto Antonio Ribeiro, Ma-
noel Rodrigues ae Olivera, Maaol Cyphaoo de
Moraes e Joo Nun- da Silva Tavares; raajofes
de coramisso I-idro Fernandos de Oliveira. Jos
Lourengo Vieira Sonto o Mmoel laeintho Osorra,
capitio Jjiquira Pantaleio Telles de Qieiroz, alfe-
res Ignacu de O!iv, ira Bueno, por haver, igual-
mente cumprido com distinego sens deveres, pa-
tenteando aiuda urna vez sua bravura e recoube-
cido arrojo. Pelos aclis de bravura prstiesdos
por varias pragas de diffarentes corpo?, determina
S. Exc. que sejam as mesmas pragas elogiadas
lemseu nome pelos respectivos coraraandaotas, pro-
movidos os soldados a cabos e estes a segundos
sargdnlos. Miada tambern o mesmo Exm. Sr. pro-
mover aos pistos auaixo declarados aos segnlotes
senhore< ufflciaes que emraram neste combate e
no da 3 do crreme :
t A oroneis por actos de bravura em lodos os
comales era que sa te.em achado.os teneota-s-coro-
neis MjgoIR idriguesdaOliveira e Manoel Cypnaoo
de Moraes. No mesmo posto por actos de bravura
no combate do da 3 do correte o tenante coronel
Sezefredo Joelbo Alves de Mesquita. A m.jures,
por aclis da bravura, os majores de comtmsso
Isidro Fernandas da Oliveira, oo combale do da
3, Jos Lourengo Vi a ira Sooto, da **.ano9,t|j^
oecuiu a s suas o >-.111.10 s. iua au>aauaa no uo....... c, ,.,,. v u,. v. uau Cl01110 UsriO O aP -Pani mfll A leOeOlu
tarminagio declaFada._E n 2 do corrate. J Por essa decUrago tomamos conhecmento Bergiere, um dos intendentes daquelle forneai- de QnfMJ.00 '''?M'sdo 1* corpo Ignacio
- 12 e um dado imporiaote que necesitamos possa.r, melo. por actos de bravura.o a brea Qo, i_ curpo ,gua w
S. M. o imperador, aempanhadodes seos sema e qoe era de grande util.dade s.b-r, qual era o, No mea regresso de Tayi poderel dizer algu- da O.ivejra Boeno. Aainre j >
naros, vi81t>.a huntem as offleinas da machinas do ponto de ioler^cgao desse caromho e por onde po- ma rou^ sobre o qne por all se passa boje. dod corjo amurega.^" u ^ Tflerer.endo-
arsenal de raarioha, o d.qoe imperial, as serraras da ser iotarcept d.. Segundo ella, a entrada das, Ao que parece, Tuyu-Cu tem do perder lodi [redo M."di j16^ Lsa J s4l>e a, irS9DS
a vapor e os encourag,dos em cooslrucgo na liba tropas pelo passo Tayi, e o cam.obo podo ser a sua iraportaocla. Pela roioba parle assegun que se para.ir a esta c.imwi-, ^
das Cobra-, o navio e'cola, o monitor AUgm, e o corlado, entrando oo potre.ro Ovelba pelo esUbele- etou dosejaodo ver chegar o dia de o de.xar por do sr.?*0dd^
edAco do muo nacional cimento do mesmo nome, que se aeha a* entrada urna ve divisa_, e se porwu w
______ do potreiro. Oidm dodia n 144.Commando em chafadas
Por decretos de 9 do eorrente mez de novem- Achando-se o potreiro Ovelba a' curta distan- forgas braMlciras, Tuy Cu, 25 de outubro da
bro foram concedidas as segrales peBsdes por ser-.cia (lo passo do poente, e estando guardada, I8f7.
V50S pre.-tados na' guerra contra o Paragaay : aquella posigo por simple pqu tos, fcil lutar- Tendo a cavallaria luimiga, depols da derrota
Da 500 rs. diarios aa farnel dt 39* corpo de vo- ceptar, oo|pe) menos dlfUcaltr ou va, valen- qae soffreu no da 3 do corrate, contiaaado a
ibeiro Dr. Aff no Celso de A-sis Figuelredo, m- pelos quaes vera tambera que tornamos a oceupar
ni-iro e secretario de estado dos negocios da mari-
uba. Curo e Inhauma, commandante em
- 11 -
Da ordem do dia n. 395, expedida pelaj'eparli-
go d.i ajadantegensral em 8 do correDle/extrala-
uios o segrale :
Em 31 de outubro prximo fiado foi declarado
l que o secretario do commando gerai de ar 11 b na
I deve ser considerado membro adjunto da corarais-
.-j da raelboramentos do material do exerciio, aflm
de servir tambem de secretario da mesma commis-
s3o.
NomeagSas.Do Sr. Domingos Jo- Pereira das
Naves para o lugar de almoxanfa da fabrica de
ferro de S. Jou de Ipaneraa.Portarla de 3 do
correte.
Esooeragoas.Dos Srs. corocel do oorpo de en-
genheiro- couselbeiro Jos Joaquim Rodrigues Lo-
pes, a sea pedid), em dala de II de Setembro ul-
timo, da commisso de discriminar as ierras da
a villa do Pilar, sem dar um uro.
t E>la carta ba-taule agradavel pela uolicia
qae Ibe duu ; para compltala posso aooucciar-
lh- qu o cholera desappareceu totalmente de to-
dos os acampamentos do exercito alliado, desde lia-
pn at o Arroyo IIj 1 lo.
1 Sem mais por agora, repito-me, como sempre,
aVciu;.-:-simo amm".Bartholumeu Mitre.*
Urna columna de 0,'JJ b^meus da infamarla
marebou segunda-fira para Tayi para proteger a
batera que se eslabeleceu oaquelle ponto.
Assim pois, deolro de mu pou os dias come-
gara' a operar sobre os vapores paraguayos que
trazara comestiveis para L ipez, s por trra impe-
dir' qua se Ihe introduza gado.
Este ura dos pon s mais importantes que
oceupado, como esta boja, completa da cerlo modo
o cerco do ex-rcito paraguayo.
f O presidenta da Repblica Argentina, general
em chefe dos exercitos alliados.
Quifi-1 gaueral em Tuy Cu, 23 do outubro
ria da guarda nacional do Rio-Grande da Sol, Jos colonia de S. Leopoldo, na provincia de S. Pedro do de 1867.Ao lllm. e Exra. sr. marquez de Caxia,
Caodido da Rocha ; do 2* regiment de cavalla- Rio Grande do Sul, conforme partclpoa o miis- eommaadanle em cbeTe de todas as forgas brasilol-
1 la hgeira, Pedro Aolooio de Oliveira ; e aovo- teo da agricultura ; sendo determoado em dala ras em operagSes contra o governo do Paraguay,
looiano da patria adido ao asylo de invalidas da de 2 do co renta, qua o mesmo Sr. cooseleiro re-1 PeU declarago que ter.ho a satisrago de juntar
corte Joao Gongalves dos Samo?, todos invalidados as*umisse o exercicio do logar de secreUrlo de (a esu noia, Acara' V. Exc. sabaodo do caroiubo
guerra.
, abarto pelo ioimigo pala costa do rio, desde a to
ero campanha, 400 res diarios a cada om.
Pur decreto de 22 de outubro foram approvadcs T-ueute-ooronel do mesmo corpo Antoolo Pnti mada do Pilar, e do qual se serve actualmente
os estatuto da sociedade de Benevolencia Brilan- de Figueiredo Meodes Aolas, doexenicio interino para introdu ir era Humana as suas tropas de ga
oca, eunc.9den1o-se a mesma autonsaco para da secretario de guerra, em consequencia da de- do vaceum e as suas avalbad-
eaercer saas foncgSes.
Na conformidade de iraraedlata e imperial reso-
locflo de 6 do correte, tora da sobra coosnlta da
-ecg.lo de guerra e marraba do coaselho de esta
do, honvo por bem S. M. o imperador, por d er-
lo de 9 tambara do correte, commoiar era 10 an-
nos de pnslo cora trabaihos a peoa de morie -m
qae foram pondero nados o particolar do 10* bata-
lho de infamara Etelviuo Antonio Fernandes e
os soldados do 4 de artllharia a p Francisco An-
tonio das Cbagas, e do 38' crpo de volaolanos da
patria Lalz Francisca Da--; e em 20 anus tam-
co dos nossos. Diz o mesmo coronel Mercio que |
llana dista desle acampam-nto 14 leguas.
t O general Meuna Barreto ocenpa a posigo em |
que estavam os Paraguayos ; fez guarnecer todas
as picadas e mandou urna brigada de cavallaria
at a' villa do Pilar, onde oo enconlrou a menor
resistencia, P"r ter so emboscado em urna chalana,;
e ido coliocar-se no meio do no a pequea guarn-1
gao que para all mandou Lpez.
L' go qua receba parta mais circumslanciada
por eserlpto, communicarei a V. Ezc.
t Sju cara o maior aprego, etc. Marqnaz de
Caxias.
t Fiz marchar de S. Solano, as 3 horas da ma-
drugada de boje, urna columna da 4,300 boaeos,
sendo 2,000 de C3vall*ria e .SOO da iufaniaria e
2,000 artilhana, levando qoalri p*gas raiadas de campa-
nha ; e ao commaudante della, u brigadeiro J '5o
Manuel Menna Bar reto, dei as instrucges que a jun-
to por copia, as quaes julgo estar o da accordu
com as ideas de V. Exc, eraillidas em sua ultima
nata.
c Neste momento recebo a noticia de que de S.
Solano j se ouvia forte liroteio coraaqueila forga,
que parece ir avangando na direcgo que Ibe fui
urdeoada, indicando cjue o inimigo se retirava di-
rglndO'Se para Humana. Todava ficavara guar-
dand 1 aquella p !Uto ires t.alalhSes com doas pegas
de aitilnaria, alera da 1,50b hutuens de cavaliana
que esto as immediagoes.
Contino a ser com a maior coosideraco de
V. Etc. amigo e camarada.Mrquez de Caxias.
1 Tuya Cu, 30 de onlnbro de 1867.-Era res-
pista a' carta qua nesta iostanta recebo, e que V.
Etc.. me fez o favor de diiigir com dala de honteiri,
devo dizer em primeira lugar que darei ordens a'
columna expedicionaria, co sentido que V. Exo-
rne indica. Quanto ao recontro havido entre essas
largas e o inimigo, devo declarar que un ajudaute
de ordens di general Menna Brrelo saube liontero
a' noite, ijue havendo se foruOcado o ioimigo con-
sideravelraente cora tres ordens da trinebeiras no
potrero Ovelba, i'flVereo urna resistencia tena.',
iravando com a nossa cavallaria e iufanlarii un
cmbala que durt-u tres horas, sendu aflnal toma-
das as tiiocheiras a' bay-racia, o o ioimigo comple-
tamente derrotado, deixaodo no campo lio roortus
o 53 pnsiuneiros, fugmd os outros ero debanladi
pelos bi-quas e aullados em direcgo a Hu-
mana. .
A seguala correspondencia dirigida a Naeiou'i
Argentina, contera interessanles parlicalaridades : j
Tuy Cu, 31 de outubro, as 10 horas da uoit'.
ramos h ja noticias de mulla importancia,*^
apresso-me a coramunica-las.
Operagoas de guerra.O marquez de Caxias
(tm desenvolvido nos ultimes dias'u aa actividade
admiravel. No da 21 acutiloo, como sabemos, os
Paragoajos ; a 27 fez sabir o 1* de cavallaria, que
lomera aos Paraguayos 16 prisioneiros, railand..
Ibes 50 nomins; a 23 fez sahir a 1* e 2 div.-ojs
de cavallaria as urden* do brlgadeiros Aodrad^
N-ves h Joo Maooel Mena Brrelo, e os batalhSis
8g. 9, i", 7o, 3!*, 2" a 1 da infamara, caminan-
dados' p-io coronel Sarostiauo, e toda a forca por
M.-nna Bjrreto.com quatro pegis.para temara po-
sigo fariiAeada do Potrero Ovelba, qua effctiva-
ment" foi lomada depois da porfiada luta, era qu
os Brasileiros tiveram fra de combate mais do 400
horneas, e o inimigo 140 prisioneiros. Este Com-
bate merece urna mengao especial, e loga roe uc-
cupare.i delle.
a Na da 31 o ra-i.quezera pe*aa fii ao purera
Ovelba, roaodou atacar aguarda da Tayi, fater
foga sobra os vapares paraguayos e us afugeotou.
Nao parece seno que o marquez da Caxias livesse
recuperado a lougaoia da sua javenlude, tal a ac
uva vida que leva.
c Fallamos 3gota do combate do potrero Ovelh.i.
A posicu deste potrero, centro roovergeote do.
caraiohos da Interior para Homail, formldavol,
ja' pela natureza, ja' multa mais arada palas forli
Ocagoes queL>pez all Uva*toa. O nico cammhi
para eoirar en urna apri_.fuodagoartiUcial ae me-
os de iras varas de largo, corlada pnmeiro por
um profundo (osso, depois por un bauhado, e era
seguida por duas trincheiras que domiuam o decli-
vio mui rpida do caminho.
Para alli penetrar fai preciso carregar a bayo-
neta, e isso, aprzr do esforga empregado, levoa
multo tempo, pois os Paraguayos, em numero do
250 houieus fiados na pusigau, a defeoderam cora
a maior tenacidade, do que resuilaram as nume-
rosas baixas qua soffrerara os Brasileiros. S o
batalho n 33 leve nove offlciaes fra da combata.
Nesta acgo m >rreu tambera o valeote coronel Ma-
noel Rodrigues de Oliveira, conhacido por Manda
ca Rodrigues, coaimaodanie de ara dos batalbes
da brigada ligeira. Na vespe.ra tiuha elle sida ele-
vado ao posto de coronel, ctmo consta da ordem
do di, e hoje j repousa entre os morios. .
f O que raais para seotir-sa que nao fui
morto era combate Cora o iuimigo, mas, seguodo :e
diz, em resultado de urna discusso cam o capiiaa
Athayde, que o ferio cam ama bala. O marquez
urdeuou que- fosse enterrado com toda pompa, e
hontm deu-se a sepultura, sendo o prestito acora-
pandado pelo mesmo general e tolas as notabilida-
des d 1 exercito. O cailo em que foi depositado
o corpo era todo ornado de galSes de ouru flao da
largura de 1 I|2 polegada.
c llojc as quatro regressou o ronquez da po-
trero 1 ivrlha, e aroanba se occapara' militarmen-
te Tayi, estando ja', coma Gca dito, o potrero
Ovelha.
< Hoje seguio para este ultimo ponto o priraeir,
comboy da carretas dos fornecedoies Lau- & Lu-
zica ; aroaaha ira' a installar se alli o Sr. D. Juan















nada.-i-CoVoael Jaira de Suuza da Fonceca Costa,
chefa do estado maior.
Era uutra correspondencia dizem anda :
< o cajitio Conrado, qua o bere da jorcada
de Sao Juan e pontos adjaceotes, receben ordem
1 ILEGiVEL [
IDATA INCORRETA


tari* ie PonuMlMe* abbado de \oveinbre <- 1867.



pira sabir de novo aflm de eatraohar-se at 30 le-
guas pefci inferior do Paraguay.
Veremos como elle se sane desta seganda ex-
C0K0.
Esquadra brasUeira.
i A anuncia a-nos do exercito qae a esquadra
brasHeira effectuara* brevemente am"serio ataqoe
contra as foriifleagoes de Humaita'.
Pajeros votos pela reallsajio deste feiln e por
qae os bravos marinheiros do imperio teunao oes-
te ataque o raais feliz boro xito.
Tado annancia o flm prximo da guerra.
O bombardamelo das fortlfleagSe* naragiayasi
pela nossa esqaadra cantinuava a ser efficaz,- cau-
sando graves damnos ao inimigo. Todos os dias
troava o canhio, e maltas ezes se toroavam ?isi-
veis os estragos causados pelas oossas bombas. O-
trnsfugas eram conformes era coofessar o mal que
o dosso fogo faiia as torgas de Lpez.
Assim todo leva a erar qae a guerra eondozld
agora com vigor e energa, brevemente acab ra'
com o ominoso poder de Lopet, ja' redoli i aos
altimos apuros. A oecnpaco de Tayi pe'i- torcas
alliadas corU-lhe as ultimas commanle gdes por
agua, e mal podendo ja' lntrodozir-se por trra ai-
gama eou.-a fortivameote em Huimata', nao tarta-
rio os restos das hostes ioimigas, diariamente di-
timadas pelos combates, a ter de .render-se a' dis-
erlcao.
Possa raiar protapl) o dia em que os dossos
bravos, desaffrootados os bros da patria, veonam
repensar das fa igas da guerra sobre os seus bem
conquistados loaros.
As ultimas folhas do Rio da Prata, das qaaes ex-
trabimo* o qoe fica cima, sao de Boenos-Ayres 7
e Montevideo 8 do eorrente.
Das provincias du Cuyo apenas se refere como
mais importante a derrota e aprisionameoto de
Vrela.
Esta ultima parte, porm, fol depois desmentida,
dixendo-se que aquella guerrilheiro pereorna a
Rioja em todos os midos.
As noticias do Pacifico fallara de ama revolncao
do Per, que o presidente do Prado la marchar a
suffocar em pessoa, teirla' f-ito cahir contra ella
3,000 soldados as ordens do general Benavente.
Na eonf jrTiii1 ii da imperial resilago de 8 do
crrante, i ira sJa sobre consulta do consolba mili-
tar e .ia- disposic-les doaj 3* do art. t* da lei n.
260 do de dezemhr-j de 1841, ful refirmado por
decreto da 13 do crreme o alfares do 6* batalhao
de infamara Tn irjaaz Jos Labre.
Por decretos d- 6 do eorrente :
Fol creado no municipio da In i ip n I n i su-
bordinado ao corara;.!) superior de Principe Im-
perial e annaxo, da provincia do 1'i.iuhy. um bata-
lhao de iofaotaria com quatro compaohiasea des-
igmcao de 32* do servio j activo.
Foi desligada do commaodo superior da Prlocl
pe Imperial e aooex;S da provincia da Piauhy, a
guarda nacional pafteaceota ao municipio de Mar-
vo da mesma provincia, e com ella creado um
outro corara, ndo superior, formado do corpa de
cavallaria n. 4, e do batalbo de infamara u. l
dj servico activo.
Fui elevaJj a cathegoria do carpo com qnatro
companbias, e a destgoaco de quarto, o equa-
drSo da cavallaria de guaris oacionaes, organi
sado ni municipio di Mirvo, da provincia do
Piauhy.
Ordeoou-se que o esquadra i da cavallaria o. i
da guarda nacional daproviodi de Pernambuco,
lera' por district i as freguez'as d i Recife, Sacio
Amonio, S. Jis, Bia-Visti e Pojo da Panelia ; o
di u. 2,a> fregue'ias de Santa Amaro de J ib).to
e Huribaca ; e o d: o. 9. as d is Afogados, Varzea
a S. Lourengo J i iluta
- lo
Pir decreta de 11 da correte, honve por bem S
M. o Impe'ador coad-corar com o habita di impe-
rial ordem do Cruzeiro os ofTlciass e pravas de
pret segalate?, qua lio briltum-. parte totnarara
na fello de armas da 3 de outubro :
Maj>r Antanio Gandido da K-nezes e Silva.
Capillas : Maoiel das Reis Nanas, Jos i Mmoel
Correia 7aaqo.es, Mu)i di A naral e Siiva a Josa
Ribas de Ohvelra.
Tenentea: Aotaola Jas de B>rha, Clementino
Ji.- 'le M>ura, trelo Salle; da Mello, Marciano
J n Garueiro da Fautaura a Pracopio (ames de
M >ras.
r Alteres : J.io .Vhlberto de Oiiveira, Vicente
Xavier Carioso. Zaerloo Amonio de Ouveira, Vi-
dal Gomas de Campo', Ant)nlo Manoal dos Santos,
Antonio deOliveira Fanceni, Va-co Rodrigoes Ita-
glnaldo e Enserio Alvaro Xavier.
Sargentos : Fraucijca Jos Perelra Colmb'a,
Gregorio Maooel Dabal o FraBClSCO Pires da O i-
veira.
Cabo da esquadra Fi^cs Jo- Facunda?.
Igualmente por decreto da hantem fu nomeadi
caTalleiro d i mesma ordem o maj r da corr.mi--a i
Vasco Antonio da Fanloura Cbanaaeco pela vali-r
rom que se portou na ataque de 6 de sutambro,
sustaotaodo pa-igi da honra qoa Ihe fui infla-
da e resistilo com >J pravas a carga Jo Inimigo
ce numero da 00. v
certeiros na direCCio de PasSO Pac, Onde d Greeooek oara :>iova Zalaodia, alli arribara
12" 1 a*' J~: VK' I""- Sise SenvolvH., a varila bordo da
s5o contestes em afirmar osottians passa- corveta americana Paunee.
(OS 08 grandes estragos prodoZ'dOS no re-| O cambio regoliva: sobre Lanlres 20 3/*d..
Cinto da famosa fortaleza pelas bombas de ?bre Pars 450 rs, sobra Himburgo 835., sobre service acba-se era dia ni thesoaro, havendo-se
nossns AnnnnrandfliL Portugal 150 ?,. 'reaattio a's thesc
E', portaoto, fra de dovlda, nSo qas os ja-
,ros caottei-.*fl desde e primairo dia do semaslre
em qae se effaciaa a ven ti, mas tambera que o go-
bern tara em Trata abreviar o raais qua era poi-
si val o proeesaoi > da otfarajio; e eom ITaiio este
dossos eocouracados.
Irritados os paraguayos por ter si Jo met- A Mrairi miJOteST* capital proepdeo a'
tida a piqae a terceira chata qoe sustentava apuragai da eleicao apra depatados provinciaas,
a correte, por um magnifico tiro do en-' wio i districto, axpedio diploma ao* Sr^. prs.
eooracado Silmdo, dirigiram para este na-, l1'?*'1* de "Bd. 2l?0BDOPGLl%. iB"
i-., ii darle? Lanavarro. Migue Fe icio. Fe ippe de Mel-
o ama peca de cal.bfe 4, e com ella con- l0> Ltl Meoetw Baf0.rdo da Meodooca, Bego,
seguiram matar ama praca de sua guarnido Maiio.Feitoza. e Livmo Vieira, padres J. de Men-1
sourarias de fazeada as apoiieas
por ella at agora reclamadas.
Pode serqoa algaraa rta demorado o pagamento dos juros; sso porra ser
devido a cansas accidentes que o thesoaro had ?
remaver, loga que chegaem ao sea coohecimento
Fazem afama boje na asela pratica, aaaexa
a escola normal, os alomos seguintes:
Antonio Vlctoriaoo da Silva Lopes. Pedro* Celes-
pox ser ao o autor, segando oaeo duer. Pega- le noticia tlverem que no dia 19 de deiemh .tn
Ihe pois,Sri Radactares,qaeiram dar .ns.rco a correte anno se ha de aV^aatar r ida
r^,.h!!b"K6-fa^r'n,e obs^Q!,de 1''er,eaipnC.pab"adIm nito, m
examtaar o aathographo do annaocio em q>tao casa Urrea defrcni da igrea da San a The
a declarar ao p desta se effsctt va mente au sou com o nnoaero 2i? comba fora.qafnu! mu,
JHH^fruaegg

e ferir OUlra. 1 doea, DelOrlo, Getoio e Jo'd Gomes de Lima, t tino de Mallo Lios, Odilon^aalbo da Silva e Manoel
O almirante bario de Inbama mandou \ }. FerD"nes Co,,es. Pedro hidra Lacio Boa- Loowoco Jos da Croz.
queimar a mata da-ponte de Curuz e Cu
I ras.
rupaiy por urna forrea do batalhao naval, e
assim qae esta principiou arder, o ini-
migo fez tres tiros de artilharia que nenbum
mal causara.
A canboneira Maracan, qoe est na
bocea da laga Pire*, apanhoa urna garrafa
com um pequeo papel em qae se lia o so-
guinte lelreiro em bespaobol : Lpez se
emborrachan hoje por urna mala noticia
que vino d'Assumpcion.
No dia 31 de outubro atiraram os pa-
raguayos sobre a cbau Cuevas, que madou
de posicio para o3o ser attingtda. Sus-
penden immediatameme o Ypiranga e su-
bi para fazer-llies fogo em resposia ;
mas elles continuaram, escolcendo tambero
para alvo a Parnahyba.
A' bordo daquella canboneira bouve nessa
occasiao um smistro. produzido pela explo-
s3o de urna peca de 68, da quat resultou a
morte de um hornera, e o ferimento de
outro.
Quasi toda a divisao de navios de madeira
tomou ento parte no bombardeamento so-
PERNAMBUCO

REVISTA DIARIA
Hornera vestio esta cidade as galas de ama ver-
da leu a fe cia dos brilhantes feltos d'irma do oosso exeretto
na campaoha do Paragoay, comm-morando assim
a batalba de 3 do correte em Tnyuy, o combate
de 2 em Tary, a o feito de 29 do pas-ado no Prole
ro Ovelh-!, preoanelos iofalnvels da queda prxima
do poder que lyrannlsa ?qnella trra faoatisada e
iocoDscii-ma de sua dlgnidade nacional.
Como ja esto seleotes o nossos leilores, obtive-
mos em todas essas gloriosas jornadas vaotagen*
reaes ; e por isso a oossa populago nao podia ser
D<)ifT Titii' deixando de dar copia de si pm raa-
nife>taeS*s de regoij i, como enVeiivameote hon-
tem o fea n-.-sas expansdes patriticas deque todos
fomos lesionauabas.
as repartieses publicas eoctr.'aram os seas ira-
b-lnn-; para logo urna msica marcial, formada
era frente da alfandega, e seguida de empregados
desta e d'oatras repartigoes, bem como de grande,
nnmero de outras pessoas, sabio em' iliff-rentes
direcgdes da eidade em ama passeaia patritica,
eachendo os ares de voes de orna alegra mmen
Versara' o exame sobre leitara de prova ver
fo, analyse lgica a graramatical pnr escrita e oral,
anihinetica, dootrina christa, systema mtrico de-
cinai, noedas de gemttria, de geographia a bis-:
Sao examinadores deus alumnos mestres ja' ha-
bilitados pela asela narro*!.
Hojs effeetaa o agente Pinto, a's 10 horas, o
leilo da vinte oito a mala durias de cbales de'
mussolina laa.em continua',- i fffeelaara' o de seis
candes eomprexuotos raatexe>, todo de conforml-'
dada com osannuaeios lueeiidca no lugar cempe
lente de.-te Diario.
Cewterio publico.Obituario do dia 21 de
novembro da 1867. i
Marta Horteosi, Par-, 31 anuos, Santo Antonio ;
tubrculos mollares.
Alio da Silva, frica, 60aono., solteiro,Boa-Vista;
appoplixia fulminante.
Mara, Pe.oambuco, 3 anno?, S de Olinda; con-
vatflMi
Prvulo, encontrado morto, Santo Antonio; ao
nascar.
jnizo, nma
erexa
__irado,
4\7tiLXZ\?tiXn declaramos que ^JS^S^^* ^ m<*
nio fot o Sr. Ribe'ro Portador do artigo a qoe se E nao bavendo lancador que cobra o proco da
refere; era sua a latir, de, or g.n,. ?alUc0 t %f fi
. judicavo na forma da lei.
E para que chegae ao conhecimeno de
todos maodei passar o presente qoe ser pu-
blicado pela imprensa, e affixado nos luga-
res do costume.
I Dado e paseado nesta cidade do Recife
de Pernambuco, 22 de novembre de 1867.
Eu, Secundino Eliodoro da Cuoha, esore-
venie juramentado o escrevi.
Eu Manoel Maria Rodrigues do Nasci-
mento, escriTSo o sobscrevi.
Tristaode Alencar Araripe.es-
loriNi
Que das boas poesas,
Do bdm menino regte
Perdera o consoante,
Ou to : ariara-lbe omote ?

; sa por entre vivas significativos do interesse pelos
bre Curupaity, e este foyo contmaou no da tnumphos obtidos por nossas armas.
i" do eorrente, dando OS Paraguayos 52 t- Nessa percorrer pela cidade, paroa em freofe do
ros, que foram respondidos por 200. A Par- P*'eio da presidencia, e ah essas ovagSes tiverana
nahuhi teve um hnnilal rnrtailn nm lnrr/i RMn"19 elas,erio. correspondendo a ellas o Exm.
nanyoa, me um Dranual COrtaO, um turco Sr presidrnle por mel de differentes vivas.
quebrado e O Conductor. | Os tamplos rpicaram, a fogaetes estalavam em
Correu o boato de que o inimigo preten- diffreutes pontos,
da atacar com 2.0jO borneas a forca do Alra di510' a b^deira nacional tremalou na?
Chaco, que mantera as cornmunicates com &S&tt&SXS^JSS
a esquadra, e logo foram tomadas as prov- (seuj pavilno^s c im graciosa benevolencia.
dencias bordo dos navios para repellirem: |i0je termina o pro marcado para habilita-
este ataque, quer de dia, quer de noite, cao dos coacorreotes ao provimento da cadeira va-
desembarcando para isto gente que servir R*de matbem.nicas do Gymnasio Provincial.
de leorco. Foi mandado abonar ao porteiro do consola-
Ets as noticias dadas pelos jornaes da dl <> Sr- Praociseo Antonio da Silva
CHM.MCA .l )ii;UiilV.
'ri&lAu^.lL 1MI COHlEBCaO
ACTA DA SESSAO ADMINISTRATIVA DE 21 DE
.VOVUMBHO DE 1867.
PRESIDENCIA DO EX11. S1. DESBUDAROADOB
ANSELMO FRANCISCO PBRBTTI.
As Je/, horas da manna, estando presentes os
Srs. de.puta los Rosa, Basto, Miranda Leal e sup-
plente S Leiio, foi por S. Exc. o Sr. presidente
abert a sessao.
Lida, foi approvada a acta da ses*3o antec-
deme, com a segolota declaraco :que o reque-
rimjoto de Andrade A; Itrgn p-dindo o registro
do control) da firiL Kran iscj Cc ha da Koosec,
Piiho i- C, conforme dinunciou o Sr. Dr. ufflcial
maior.
EXPEDIENTE.
Qoatro mil reis, com retrat, .
PagameDto adianado!
Qoem cahto na ratoeira,
Quem pagou -ficou mnmado!
Ah I poeta das arabias!
Carcter negro e corrupto.
Que /illu quatro mil reis,
Como quem filia um charuto!
Um logrado.
COMMEBCIO.
Engli h Baok
OF
Rio de Janeiro. LlmUed
DESCONTA letras da praca de prao cur-
to a 8|0e de prazo maior a laxa a enven-
cionar.
RECEBE dioheiro cm conta correte e ;i
prazo fixo.
SACA visti ou prazo sobre as cidades
prificipaes de Eon-pa tero agencias na Bahia,
corte:
PlO DE JaNEIO.
Helo ministerio da fateola fol expedido o se-
gainte vio em 13 do correte :
t Zicbarias de Ges e Vascoocello, presidente
do tribunal do tnesonro nacional em soluco ao
que represen!ia a alfand-ga do Marannao era ot-
Hcio< ns. 161 e 205 de 22 de jnlho e 18 de setena-
bro do eorrente nnn, declara ao Sr. inspector da
tbesooraria da mesma provine a, aflm de que o fa-
ga constar ao inspector interino daqu-lla repart-
gi, qoe Qcam aporovatas as medidas que se to
raaram para o desete memo das fraudes comraet-
tidas em diff-r^ntes despacho^ pelo negocame Ma
n it-l da Silva Ma Jnior, e bem assim o teto qua
prohibiolh- a ntrala na a!f md-ga; de-venda-se
renaetler quanto antes lojaiXO as pecas compraba-
Cavalcanti, a ?rati8cago consignada na segunda
parte do >'l. o da lei o. 683, vislo ter o mesmo
provadj servir ha ni-is de 40 auno-. .
E-ta' designado o da 3 de dezembro prxi-
mo para reuoiSo da quinta sassio jadiciaria do
jury de>U capital, ja por daas vezes inolilisada
por falta di coraparecimento dos jalees 'o fado
S. Exc. Rvraa. o Sr. D. Antonio de Macedo
Costa, di leeseoo d > Para, veio de passigem a bnr-
da flo Paran ; e hornera seguio no mesmo vapor
a s-'U destino.
O-'sejamos a S. Etc. prospr-ra viagem, > que na
Ilustrada regencia do seu bispalo continu a dar
copia do ten racoobeeido zela e tioo, para brilbo
do episcopado brasileiro, de que S. Exc. orna das
glorias.
I rias das sobreailas fraudes, para que sejarn im- j H'i13 t'-'m lugar as vesperas solemoes da fes-
postas a esse negociante as penas da lei. e cobra' j Htj,i,,le do Santa Cecilia, da igreja do Livramelo,
execnlivamenta a importancia das direitos ain- ,:uJ' fauividale celebrada aroaoba com loda
da na iademnisada, se ello n.io satisflter de ootro pompa costunai.a em tal solemnidade.
modo. Ora ao Evanj-lho o Rvro. vlgarlo de Agufe-
t Approvando outrosim o procedimento do dito Bnas, e oa Te Deum o paire raestre Esi-ves
Por decretas 1- li lacirreota foi. deariltido,
; r assim o baver pedido, lo carga de Ibes inrei-
r.a da tbrsouraria te fazenJa da provincia -las A|a
l'is \Ian-l CUuJrao Arruelas Jayme, o noraea-
do para o mesmo carga Francisco das Caagas Mu-
DZ.
Por decreto da raasma data foi aposentado no lo-
sar de offlta|-maior da s^cr^taria -la Iba-ouraru
i'.e tueo ia A' proviacia i Maf.o-Grosso, Ja- Pe-
re,a RiboiO.
Por caria iraori-.! de 13 di carrete f> oaln-
lo, em oirtude de intorisaco legislativa, o
p'rtuguez Joaqun ,'.. Si Perelra, resi-
dente em lubapian, pr-av ocla i!. Rio do Jan.'iro.
Pir decret) da mesma dait:
i-'oi n .o-ala ofO,:ui da ordem da R a Friocis-
co J Barbosa Velho, pelos servidos aue prestou
i-m r-laro a guerra con o Paraguay.
Foram coocedidas as segoiotes pj:is5es cara de
; -; 1 -1 -. i a da aporova^ i) da ass loibla g''ra!:
A Fraoeisca Mara da CooceigSa, viava da alie-
res !- zaavos da llaiii, Nm lao Tolentuio Alberto
Pilaba, fallecido em consequHocia de. molestia ad-
quirida em camp;aia, a du 3li'J00 mensaes, igual
a i lo daquella pat-rate.
A Anaa Joaquina de Fria, viuva do soldada do
13 batalhao de infao'ana Si I verlo de Faria, morto
e.m combate ; a de I2fi000 ra-nsaes.
Foi apresenida o padre Luz da Costa ip
lisia na igreja p>.rocbial de Possa Seohora dos
Prazares, da iiceblspado provioeia da Baha.
P>r decretos de 9 Jo corrate :
.' na n oomeados,:
O b Jjui >r, juiz municipil e^daorphos dotirma da
Cacapava, da proviucia ae S. Pedro do R-o Gran-
de do Sol.
O hachara! Mame! do Nasciraonta Teixeira, juit
mooicipal o de orpbos da termo da Victoria, na
provincia da Babia.
O cipiiio Antonio Vieira da Cunha. tente-
coroT-i coiumaadante do batailu > de infamara
q. W ia guarda nacional da provincia de Ver-
oamOd' i.
O t nente-eorooel J)- de Araujo Cost?, coronel
"nm in-lante superior da guarda oaeioual da ca-
p:tii da provioeia do Piaa^y.
O taiente-corooel FirmiujAvas das Santos, che-
fe 4. estado maior da masraa guarda nacional.
O na ijar designado do batalbo de infaotaria n.
7 da .yarla nacional da provincia de Piauhy,
Ji- J lajuim Avelina, teaeme-corooel comman-
danii da mesmo batillo
inspector Interino, relativamente a suspenso por
15 dias do pnmeiro conferent Amonio Jiaqnim
Ramos Villar e stereomatra Joo Vctor Vieira da
Silva Cojiit-iro, pi-la negligencia com que se boa-
veiarn na eonfereoeU iia sabida contra a expr<->sa
diposl{8aalo art. 595 da regulamento das alfau-
degas; curapre de aovo os suspenda, para se-
rem respinsabihsalo;, e fica uromover-lhes im
inediaiamente o processo de respoosabidade na
foro coranetenie.
t E porqoe as avriguagoes que se flzeram em
Moseqaeocla desta facto, oatorlam asoooosl^ao
deeiiStireoj abusos inveieralos na alfanlega 'de
i|U se trata, r- -olveu ogovHrno, de aceordo cora a
iodicacao d respectivo inspector iofnoo, nome^r
orna cooiiBissa que examine diversos pontos da
servico ; H pm lempo opponao i serla expedidas as
cornmuoicacoes do oslylj. Zloaras de Ges a
Vascoocel|j.
Palo ministerio -1o imperio remettea-se as
> ccSes dos negocios do imperio o da justica a es-
traogeiro, para loterp-arem sen parecer, o offlcio
da presidente da provincia do Maranbo de 24 do
mz Boda, dando onhecimento de urna represen-
tarlo do corpo Consular da mesaia provincia sobre
a dsposfeio do art 42 da lei do nrcamento, que
!mn,,|,i,f.rr^na!.f'Ja"',,eDl0,-ds 10 p?r C?t0 S Cruar, penencen-e ao 4- dM^to ee*mL~'bb-
impostos prov.acia.-s ,,ue se tive^in da cobrar das I ,lwi|U '^ ,|t,)S 0, s,g .
Vianna
A' larde d'amanha ha coocjrto vo:a! a in.-tro-
nieita!.
De Alagoas consta o seguiote resultado da
eleico prr,*iueial no Io distrieto, nao sendo cuuhe-
cid o do 2% cuj aparado gerai aiola n-io consta-
va t 20 io correle.
Flonaoo J. rtp Miranda.. 43!>
Dr. OiympiuE. A.Galvio. 4 i!
Dr. Ja.. F. Coaves..... 392
Vigarto J.cmtbo C. de M. 387
Dr. Miguel F. B. da Silva. 384
Padr- D-lfino J. O. Clark. 383
Dr. Lourenco A. W. C. 37(5
Dr. Felippe da Mello e V. 373
Paire Giuo V. A. da C. 3<8
Dr. Lu* U..de Menezes. 3S5
Aavrgado LucioS. o*A. E. 364
Adv-gado Pedro I. F. S.. 363
Dr. B. A. de Mendouca... 341
P-dr.- J -, G. de Luua.. 336
Cundo C. de A. Mein.. 33o
Dr. J ;io da S. R.e Mello. 330
Dr. M>gal A. P-iioiA... 327
Dr. L-vinoV.de M. Lima. 322
Recebemos honteo o resultado do collegiode
SK-3CSK
DIABIO BE PEEN4MBUG0
Dos portos do sul do imperio chegou
honteiu o vapor bra>ileiro Paran, trazeudo
jornaes do Rio de Janeiro al 15, da Bahia
at 18 e de Alagis al 21 A' m das noticias que vo por extenso
publicadas sob as rubricas Exterior e Inte-
rior, encontramos mais as seguintes nos
jornaes:
RIO DA PRATA.
A's noticias que vo em oulro lugar temos
a acciesceniar as seguintes:
O vapor Paran, ebegado hontme trou-
io-nos importan les noticias do tbeatro da
guerra, qoe damos em seguida.
Os triumpbos d-s armas adiadas succe-
lem-so uos aos outros, e presagiam que
breve aente veremos coreados oossos es-
fnreos, cora o anniqatlamento do tyraono
Lipez.
A esquadra hoslilisava com muito vigor
as fortificac5es de Humait. As bombar-
detris j baviam dirigido alguos tiros mais
negociantes qoe provarem que tal js os seus ca
xeros sao brasileros,
A eaixa de seccorroa de D. Pairo V ez ce-
lebrar, no da II, na igreja .la S. Francisca de
Paula urna mlssa sol mn* era eommemoragao
do passameoto ds sr. Pedro V, rei d9 Portu-
gal.
Foi una fe-ta pomposa e brilhante. Numeroso
coocnrso de pessoas achia o vasto templa, e ontre
ellas alguraas das priocipaes autoridades naci-
na s e estraneiras.
A parte vocal e instrumental fez honra ao sea
director o Sr. Raphael Cielbo Machad', e o padre
m<.-tra fre Actinio da Coraco do Mara e Alrnei-
da recitoo urna elcquente oragao faaebre que com-
riioveu o auditorio.
O vapor Picaril anda nao tinha voltado de
Montevideo.
Fu.ava a' carga para Pernambuco, o bngue
portuguez Boa F.
P ra Pernambuco shio no dia 10, o brigae
hamburgus Augusl.
COTAZ.
No da 18 de setemhr dirigiram-fo ao pala
ci episcopal os cinco mmbros que componham a
depuuco da as-embla provincial, encarreg ida d^
conc^raiular-se com o Sr. hispo diocesano, por mo-
tivo da sua prospera viaeem pelo Tacanlins o Ara
guaya, e fliz chagada qn-lla capital.
s. PAULO.
Alcaogam a 12 do correte as noticias, ulti-
mas.
L-si no Ypiranga :
Fui pre o e recuibido a' cada da villa de A-
raraqaara Joai Hippolylo Ferreira, reo de tres ou
qnatro mories na provincia de Mioas, o qual se
achava bomisiado oa villa do Jaboticabal.
< E-ia importante prisa i foi feta pelo subdele-
gado de polica Maooel Martins Fonlas, que de
moosirou diligencia e io. >
L-se oo Guaratinguetaense :
Suimdua-9 am Aias, disparanlo a' bocea
um tiro de pdola, o abastado fazendeiro daijaelle
municipio Fortunato Reboocas da Palma Lelte.
O fallecido, maior da 50 aunas a hornera de
fortuna, gorava de elevad con-uderacao oaqoella
cidade, onde era ao presente vereador da cmara
municipal, eleitor e raembro distiocto do partido
liberal.
Iguora-se camplotamtnte as cansas mnraes
que o levaram a to borrivel acto de desaspero >
baha.
Segoiram para o Rio da Prata, com escala
pelo Rio de Janeiro, a fragata americana Guerri
re a vaoor Wasp.
Fica va no porto o vapor loglez Onyx, acerca
do qual diz o Jornaf:
(J vapur 0/iij, ora tundeado em nosso porto,
destinado, bem como dous pequeas vapores de
ierro, qoe coodoz a' san bordo, para a oavegaco
do Uruguay, sendo os dous pegenos para os por-
tos da Urogunyaoa, S. Borj a llaqai; o proprieta-
rio laoto do nix i\ma dos dous peqoeoos parca-,
quecondox, oSr. Henry A. H*r0y, negociante
estab-lecido oa cidade do Salto, ba amitos .naos.
O co-nmiircio tem tomado ui locramania oas re-
pblicas Oriental a Argentina, que anima esta e
outras igoass especulagcs, qoe ennqaacem i seas
autores, eoriqaeoaoojo tambem ao paii pelo grao-
de deseovolvlmeoto, qua do ao commerclo e
industria. Dr. Gitiranna ........... 40
Dr. Candido Maruos...... 4(1
Dr. Machado............. 40
Di. Amo-im.............. 40
Dr. Jiuseo.............. 40
Dr. Epamiu.-udss........ 37
Damos am seguida o pr gramma da (esta na-
val para a eatr-gi do e-iandarie de Nossa Senhora
do Bira Saccessa dos Navegantes a' nova jui?a :
t Am nba, lera' lugar, pelas 3 horas da tarde,
a cooduco da bandeira da angosta padroeira dos
martimos, aGra da .-er erapussada a Bxota. jaita
ele-ia para i fr.su do auna da 1868; sahlodo da
capella d: Nossa Senhora do Pilar a menci-anada
h barcar se uo caes de desembarque do arsenal de
marinha ao som da msica dos menores do mesmo
arsenal, -o taoda-se nessa ocessiao grand- numero
de gyraouolas de fogaetes at"th.gar a Olinda pelo
rio Beberibo (aonde se acha presemementa a
Exma. Jaita), para o que convida-so a todos os se-
Dbores devotos, commaDdantes dos navios de guer-
ra e mercaotes c snas respectivas uffl:ialidades *'
comparecercmem seus esesleres, a 'robandelra
rem suas embarcacS-s, para maior brilbantismo
dessa festividad", devena acharera se as horas
cima em freute ao caes de desembarque do mes-
mo arsenal, para forraar-se o cortejo naval da ma-
neira seguinie :
c A' frente spguira' a galeota qu-j cooduz a
bandeira da Augusta Senbira ; depois os escaleres
das autoridades que se acharen presantes; aps
estes, os e-caleres da msica e dr votos em orna ou
mais ii.'is, confirme a hrgura do rio,
c Chegaod -se a Olinda, desembarcar todo esse
brilbaote sequilo, qua. ser anuunciado por gyran-
dolas de fogaetes, e seguir' para a residencia da
julza na ra de S. Beoto.
Fizeram aelos na faculdade de direilo no dia
22, os Srs. seguintes:
5 anno.
Damiogos da Costa Ramos, plenamente.
Elysio da cunha Moraes Pinbeiro, dem.
Jos Elysio de C rv.. iho Coalo, dem.
Lista dos estudantes de francez, chamados a
exame no da 19 do eorrente :
PI-- na meo te....... 7
Simplesmente..... 4
Reprovado9...... 1
Total 12
Lista dos estndantes de geometra chamados
a exame no da 19 do crrante :
Plenamente...... 8
Si mpies mente.... 2
Reprovado....... 2
Tola! 12
O vapor Parata troaxe do sol do imperio
para a oossa praca 9:97f570 res, a para as do
norte do imoerio 169:4774000. Aieai dessa som-
ma trouxe mais elle 1,040:0002000 rdis am notas
do tbasouro para as tbesourarias de lateada da
Bahia, Macei, Pernambuco, Maranhao a Para'.
De Pernambuco para o norte levou alie :......
10:400} para o Para', 10.7004 para o Ciara'.....
43:8824810 para o Naiai e 5:0004800-1 ara a Para-
byba.
Da Diario do Rio ie laneiro traoicrevemos :
> Declaragao official.As lustruccStis de 22 de
Foram distiiboi ios os seaoiutes livros:Diario Buenos-Ayres, .Moulevideo Newyork, Ne-
i* n.r.ria M^rJf"? .d"' B!rbxnsr\ (l-Um dtf va-Orleans e emitte cartas de crdito para os
II. O.'tili.dem de Antonio Jos Duarte. moemno in,
DESPACHOS.
Requ-riraento de Souza, Andrade C. decla-
rando haverem salisfeilo a n-iva exigencia fiscal,
pelo que pediara o reg-tro de seu contrato de su-
ciedad* comiiirrcial.Registre se com a proen-
raco
D.'.o da Aniceto Pereira da Casta Qu:iror, pe-
diodo certidaa di ser ou nao matriculado o con-
merciame Amonio Albarto de Soma Agolar. Co-
mo requer.
Dito de l'iut) 4 C s'.i apresentaodo para sar re
Bislrada a caita imperial que coucedeu-lhrs o al-
fandegamento do irmazem n. 4 sito na ra da ma-
dre de Deus, e declarando que desde o I. do cor-'
rootc comecara-i es movuneuioj do dito araiazem.,
Como reqnerein.
Dito de Jos Laii de Sotnr, ctlaJ.io brasileiro.
naturaidaeid.de da Fortaleza capital d, C^ara, \T/lVfi h'ttlf/i TiA PaiTi-iniTinO
onde 6 estabelecilo com armazem de fazeodas e i-^'JVU UdUtAJ UO I I JJ/lIllUllL
mesmos logares.
7 L-rgo do Pelourinho 7.
Caixa Filial do Bnco do Brasil em Pernam-
buco, aos 11 de noverubrode 1867.
Deordsm da directora se faz publico -ioellas
pessoas que tem depsitos em c.-ueo nesta caixa,
que nao sendo ateo dia 20 do crreme pagas as le-
tra- qoe se acbam vencidas, sero vendidos era
basta publica os penhores constantes desses de-
psitos.
O guarda livros,
Ignacio Nuues Correa.
m uqupchO.
o
Os Srs. accionistas podero nceier o 3
otros artigas a grosso o a rdalr.o, sob a firma da
!,fr?l^u!S" ,h',npaalQ apresentaodo, em abono de seo crdito in tiviiu--. -. ___ n i n<\ n
um attestado firmad, por Pon cea Irmug, Joa- capital, assim Como o 1. de 3 o o, e 0 2.
quim da Canil i Freir InoSo e Maooel .N'uues de 40 o/o, j annunciados.
de Mello.Vista ao Sr. desembargador fi-cal.!
Tribunal etc. Em tempo :A vista sera dada de-'
pola aueem sua-petigo tiver o -upplicaote deca-:
rado a sua iiade, urna voz que nao no atlestado '
que ella deve ser mencionada.
Dito de Joaquira da Rochi Moreira Junir, tara- '
b.-ra cidadn brasileiro, natural da sobredita eida-l
de, sacio da firma ci.'minercialSalgado, Souza
C, f molhante ao da Jas Luiz de Saaza Vista ao Sr.
desembargador Osea!, di-pn que em sua pelieoj
ner o sopplicanie declarada a sua Idade, artigo |
3.' do cdigo comraerciai, urna v..-z que nao uo,
atleslalo que ella deve ser mencionada.
Bit-i (Je Francisco Luiz Salgado, I'ortaijuez, so-:
c!o d> si-breJita firma, pe dindo tambara ma-i
ncola lodividaal, apoian-lo sua preteaico em|
goal itlostado, mutatu mulaiviis Vista ao desembarga i,r Qacal depois que em sua petico
litar o supplicaote decralo a saa idade, artigo|
o." do cdigo e>inmercia, un vt-z qoe na. u
alleslado qoi ella dte ser m n-ionala.
D.t> da i^ompanaia Paruambucaua apresetti 11
u d numentos exigidos pelo eodgo commerual,
alim de ser expelida a compleme caria de regis-
tro do vapor de spa propriedada, denominado
Giqui, maodad) ultima-n-nie coustruir em Har-
ihiepoul Seja iradaStdo pira u odi raa nacin I o
reconbecimeoto do vica cau-ul brasileiro.
Coa inforrnafao do Sr. de*mcargador fiscal.
IV; lnih ilameu Fraai-ca la >uz. e SIvi a
J i^c Pedro d-; Siuza e Silva,registro das silera-
(oes que .'.-.-raiii uisau contrato social.Regla-
ir a,
Nada mais ha ven lo a tr..tar-s>, o Exm. Sr.
presidenteeucjrrou a sessao s 11 boras e meia
do dia.
ALFANDEGA.
Itendimecto do da 1 a 21........
dem do dia 22...............
4:8:0934309
3:^364183
481:3314697
i ,vmect i da alfandega.
Voiumes sabidos com fazandas...
i t gneros....
49
215
------264
Pescarrosam hoje 23 Jo novembro
Brigue loglez- Filacar vio.
Brlgiie loglezPara -idem.
Lugar loglezCifr/ ofAznphemercaduras.
Ituport^o.
Vap ir brasi eiro Paran, vindo
jaortos do sul, manifestou o seguiote:
dos
C0HMA!\D0 SL'HEKIOR.
Quartel do comisando soptrior inlerioe da (juarda
nacional do ra niripie do ftfeife, 16 de novem-
bro de 1S67.
Rodoltho J.aa Barata de Almeida, commendador
da ordem da Rusa e eavaileiro da de Consto,
teoente-coronel e comroandaole do 2. batalhao
e commandante supirlor interino da guarda na-
cional deste rooniclpio pnr S. M. o iapen.dor a
quem Deas guarde etc. ele.
Paco saber que is Sr?. i. lente do !. bata-
lhao de artilharia da guara nacional Manuel Ben-
ti da Silva Magalbes e alferes Antonio Caroeiro
Rodrigues Camp^lh*, do 8. batalbo da guarda
nacional deste moniripin, e a todos acuelles qae
poderem e qoirerera fa/er ehegar ao seu amneci-
ment que pelo prefente edilal sao chamados a
comparecer, no quartel da residencia do commao-
do superior, dentro'do prao de 80 dias, a contar
deste edital e oa o fazendr-, dorante esse tempo,
ser nomeado o eooselbo de iuvesiigi(,ao para ve-
rificar a ausencia, nos lemos do 8 t' do decreto
o. 3,335, de 25 oe novembro de 8Co, per se te-
rem au>entao do baialho sem licenca coOHi me
commuoiearam os resreetfvc commandantes.
Rodo/pito lodo Barata de Atmedu.
O tenenle coronel Manoel Camello Passoa, juiz de
paz do 3'anno em exercicu da Iregui-zia do
Saolissimo Sacramento do bairro de Santo Anto-
oio da cidade do K-acife provincia de l'ernaaba-
co, em virmde da le, ate.
Faco saber aos que a presente arta de edrtos vi-
ren] que por paite de J iu Carneiro Mathao R'O?
me fui rnriert-'cada a petico que se yegua :
Mm. Sr. jmz de paz ta fref un'a de Santo An-
tonio.Diz Jjo Caneiro Machado Rios, morador
na provincia do Rio-Graode do virte, que leodo
fallecido Luiz deFianr-a deOivrira Lima, n rador
qoe foi nota cidade, firaodu-lha > deter a ell sap-
piteante a quantia d- 3:-MS4, pr. tot-c"e imenlar a
romraelecte aeco contra a v uv.i e heid-iros do
mesmo fallecido, para haver delles aqiePa i.uaolia
coro o premio.
E parque D. Candida Amelia de Oliv-nra L'raa,
viuva do n.esmo tinado, seja moradora ne-ta (re-
guezia, e uui dos herdeiros Joaquioi Valeriano de
Oiiveira Lima se acha ausente em logar mcirto e
nao sabido, retraer o supptlcante V. S. qu- dig-
De-te de m indar citar a referida U. Candida Ame-
lia de Oliv-ira Lima para oa pnrneira audiencia
deste juiz i se conciliar sob o naitameoto da sobre-
dua ;oa.; ,i e premio, pena de revelia, e admiltt
Ostiticar a ausencia e incerte?a do lugar un que
se .chi o berdeiro Joaquim Vaienaoo de O iveira
Lina, e qoe provado i|uao(o baste se pa-se cartas
de edito- cam o pro de trala das, para ser cita-
do para lodo cont- lo nesta.
NeUes termos : Pede a V. S. dtfenmeot. E.
R. M.Souza Res.
Na qual peiicao del o despacho que se segu :
Como n quer. Fregoezia de Saoto Auluuio, 8 de
no,,eiijbro' de 1867. l'essoa.
Em vii lude do qu^l despacho se procedeu a a-
qor.cito de teslemanbas qoe depozeram sob o ju-
ramelo dos Santos Evaogelhos a respeito da aa-
srona e locerteza Jo lugar da residencia de Joa-
quim Valeriano de Oiiveira Luna ; e seo io ludo
aok-ado e preparado me var^n os autos c-.nclasos
e por mina lidos oellea proferi a sem<-o(a do tneor
segulnte :
JulgiijustiGcada a ausencia de Joaquina Valeria-
no du Oiiveira Lim4, em visia dos depoimentos das
lesteniunba; de folhas e folhas. O i^crivo pussa
eJitO com o prazo iHa le na lrma reiaer'da, pa-
gue o jo-tifieante as cu-tas.
Fre!!) i i (i Santo Amonio, 19 d novunabro de
1867.Manoel Camello Pessoa.
Nada mais se contioba tin ditaseoteDCa dala 00S
i_ canudos queijos ; J. J. Goncalves aolo8, por bea se passou ao]>tiflcaDt
Beltrao. ijjo Carneiro Hachado Ros o presente edil o, com
2 caixas rap : J. J. Lima Bairo. | Pra*o de trala da--, pelo qual se.chanaa e cita o
Encomtneildas. referilo Joaquim Val runo de Oiiveira L n -, para
,. 'que dentro de trinta das compareQi por si ,u por
Olio a seu ba^tante procurador para -e proceder ao ler-
1 dito oos de c. nci,ii;a oa fnna da pelioou, e a qual-
he faca sab-r desta
1 volume Prxedes Gosmio, 1
J. L. G. G';nfalve> Fcrr ira & C.,
ao Dr. Julio Guirnaraes, 1 iliio ao Dr. Pau- luerootra pessa para que
lino Chaves, 4 dilos J. M.ria Palmeira, "^ lu^o. aa do qoe ell* Dio toa em ^
,.-,.,- i o ,-> j 'ezo. O p itelro dest" mizo publicara t,-t-nos lu-
1 dito a Luiz de M Gomes berreira, 1 dito gare; mais pblicos dsta fregotua e o aQixara,
a .Marcelino Dornellas Cmara, 1 dito Luiz passando certido em trma.
Jos de Sou/.a, 3 ditos Lailhacar & C, 1 Dado e passa-Jo nesta rregoeata do Santsimo
dito Antonio Joaquim Panasco, 1 dito ^cramento do bairro de Santo Antonio da cidade
,, n ,. n ii- do Rsi-ife provincia de i'ernaabuco, aos l'J das do
'.ttnha & C, i dito ao Barao do Ltvrawen- mi:l il nCvembro d 1867.
rubiicOes a pedido
Manoel Camello Pessoa.
Valtta sem sello ex causa.
Am Urs. e'ella.-cs So disfruto
e!ejtr; A manilastacj qu.' acaba de ter dos di.-unctos
caracteres io t' disineta de Pernambuco, especial-
mente de Goyauna e Naxareih, sobrernaueira ,-e-
ahorou me, deteruiiuado-me escrever essas bre-
ve- linbas.
Conceba e admiti como priuciylo poltico a
unidade de vistas o aeco-js era ludo quanta lenJe
aobriihantismo e importancia de qu--lquer gremio
poltico ; mas, na i signifleaudo o priacipio unidade : dem do
pohlica, a ab--'.oata, seoSa br;6,;acaj abs-alota da
libar Jad-, e da lodos as lacos do saogue, da ^ffecio;
e amisade ; ainia iniis-auaiian os sentimeiiog
de esfma, constderacao e gratidao, que voto e da- jj^nr.n,,
dico aos eleitores da 2 dialrict) pala Ihungaira e '
espont'm'a maoTastaco qis acatam de dar-rae.
O subido eonftalii qoa I ormaa Jas carota-
,-es do 2" distrieto, aioda mais se augmeata por ver
quo souberara adiar as conveniencias polticas
c-.'in o eoso intimo, e os rugas ena<;breoidos de es-
tma e tticto pela miaba peaoa.
Acc-item, p'is, os digoos ele tares do 2o distric- |
lo eleilaral de P-raimbaia essas bravos liabas co- i
mo expressa intima, protaala a sincera de qaanto
Ibes sou grato.
Recife, 21 de novembro de-1857.
Bal bino de Moraes Pinbeiro.
to. 1 diio i Antonio Luiz de oiiveira Aze- E eu Jo.quim da Silva a*, escrlvlo que o flz
ved i i C I dito Carlos Augusto Rtbeiro, e "crlvl-
2 ditos Paulj Pereira Mnuleiro, 1 dito' ao sello 300 rs
ao conselheiro Antonio Ignacio de Azevedo, Pessoa.
i dilo ao Dr. Melchiadus da Silva Pinto, 1 E nada mais so esotinba em dito original a que
dito do doutor Cuele de polica, 2 ditos ao m? reporto e dou le. Recife, 19 da novembro de
Baro da Soledade, 1 dito Ordem.
KEClibEUUKlA Uri HSiNAS .'Nir IU GERA8S.
.ten-.'.imerito o dia 1 a 21........ 26:C05903
dem dodii................. 1:1890U
7:79i591i
CONSULADO PROVINCIAL
Recdimeuto do dia 1 a 21.......
di 22...............
46:36J572
9
1857. Subscrevo e a^sigoo era f de veraaJe.O
escrivao Joaquim da Silva Reg.
(DECLBi06S.
MOVIMENTO UO POETO
Nivws entrados ao da 22.
Rio de Janeiro a Rabia6 diai, vapr brasileiro
Paran, de 830 laneladis, commandante o cap-
to de fragata iania Barbara, eqoippgem 10,
carga diferentes geoeros; a Aotouio L. de 0
Ainvudo & C
Cardiffil das, barca ingleza Royal Brede, de
39 toneladas, capuo Muir, equipagem J3, carga
carvo ; a Wilsan 4 Heit.
gas subvaoefies para conseguir a navegagaode nos- 'outaoro do aaou passado, qoe regoimn a opera
sos ros, rnoeoio nos mais importantes: oo Rio da ci da veada das apolie-s aa* provincia, determi
Praia anavegaco toda por espoculago. como es-
ta I O espirito de associago e de empreza 6 a ala-
vanea poderosa de todos estes grandes melbora-
jenta. .
Tambera Qcava no porto o peqaano vapor in-
fiel Pareja, qae, depois do 378 das de viagem
oaram qae as tb suurarlas de fajeada, apenas re-
cebessem o prefo estipolado, dessea um litlo
provisorio aos compradores e commMleaseea ao
thesoaro o> nontes deates para ae roiielterem as
apolices, sendo pagos os joros a cooiaMo 1 de jo-
Ibo do mesmo aaao.
aWdRflai M
Liverpool3l) dias, galera ingle?a Hermione, de
* 3>0 toneladas, capuo John Gregory. equipagem
Afff'td OlTlftntO ,6' Carg* carva5 a D. C. A C. C. Simpson
Venho Ja alw da impreosa declarar a miaba j Rio da Janeiro 14 dias, brigua ingles Uarv-
gratido ao 'lira. Sr. Dr. Rutiua Augusta de Al-. Lueen, de 375 toneladas, capitao P. Robim, equi-
meida, muito digoa ajmiaistrador da casa de dt-' pagena 8, em lastro ; a' ordem.
teos-ao, p:lo fanlo qua passo a expori Estando o,-New Ya; k40 das, barca ingle ia Wayfarer, de
meu escravu Manoel, a lavar uoi cavallo, pelas 8 215 tooeladas, capitao Blachf-ard, eqofp gem 13,
horas da manba do dia 16 do crrante, fu fatal-
mente lancado n'agua pelo impulso do animal,
que t-Tia cartameate oareeido.seao fosse a feuz
cbagada do mesmo Km. Sr. Dr. qae, passando
pela rampa prxima do edificio, que sabiamente
administra, quiz Ungirse o'agoa para o salvar.
Tal exempto de candada e amor do prximo, a
par d'ara bea firmad >, dea lagar a que um pre-
to caooearo, merguiband i Urasse o padKeote. De-
carga 2,370 barricas com farloha de trigo e ou-
tras geoero; a Pbipps Brothers & C
Aracaiy16 dias, hiale brasileiro Mana Amelia,
da 53 toaeiadas, capitao F. Toomaz de Assis,
eqaipagem 5, carga algodo e outros geoeros ;
a Prenla Van ni ^ C.
Navios saludos no mamo dia.
Portos do noria-Vapor brasileiro Paran, com-
mandante o capuo de fragata Sama Barbara.
Oompaniia do Beberibe
A directora lesta companliii faz scienle
309^290 aos senhores accionistas, que o caisa desla
-----------Icompanbia commendador Thoraa/. de Aqii-
47:0155862 no Oceca.esi aulorisado a pajar o :19o
dividendo de suas accoes na propiargo de
35"O cala una, no tea estripturio da ra
do Vigario n. l, das 10 horas da maulla
3 da tarde.
Escriptorio da companhia, .8 de novem-
Dro de 1867.
O secretario" (
. Dr. Prxedes Gomes de Souzi Pitange,
A cmara municipal desla cidaae, t-n-io de
contratar o alnguel de cadetras para os processos
de qualifjraco e el-lc5es, eiu quaolo durara ad-
mlmstraco actual, convida peto prsenle aos que
tal cont' ata quizaren] fjzer, apresenrareui suas
propo-tas em canas fechadas no da 27 do corren-
te, as 12 horas da manba, Indicando nella so me-
nor prego.
Pago da cmara municipal do Recife, 20 de no-
vembro de 18C7.
Luiz Jos Pereira Simoes,
Pr-ptesideote.
Francisco Canuto da Bo^-viagem,
Secretario.
pois anda o mesnao Mu. Sr. Dr., manda prestar- Barcelona-Barca bespaoboU Guayaquil, capitao
Iba todos os soccorros. Actos desles p5em cima Domiogos J. Rosell, carga algodao.
da quaiquer elogio quem us pratica, a ao digno
cavalleiro a quem ma reQro, paco liceoca para as-
sigoar como saa agradando eternamenie.
Manoel Jas Victoriano de Barba.
Sr. Redactores. Em seu numero dasle raez,
sabio um aoouneto sob a asslgnatura alguns
prejwlicados, Do qual se pedia as pessoas ea-
carregadas de tal e tal (esta ama cont de receita
e despexa. Ora, como o'aqulls das sa havia fes-
tejado de N. S. do Prontespicio do Rosario.eotendeu
a illustre commissio enearregada que dito anona-
do Ibes dlzia respeito, e para logo prost m cootas,
vencando-se qoe a mesma commissao entrou
com a qaaoua do do tea tos opODees mil res, ex-
cetto ipertor a receita. Acboado a illustre e
eiforcada cammisiio qoe tal exigencia era awaz,
mmatora e qoe amelgara modo offeadia o sea me-
liDdro, fot seo Jaleos, eis qo injnstameme sup-1
Observagdes.
Su peranga o brigue iogiex Marti Sttvens, capuo
Stevt'us, cora a mesma carga qae trouxe de
Swaosea.
Foudiou oo lamaro ama barca portagoeza, mas
na leve commonicagao com a ierra.
EOITAES.
0 Dr. TrisUo de Alencar Araripe, official da
imperial Ordem da Roza, e juta de direi-
to especial do eoouaereio desta cidade do
_ Recife de Pernanbaeo, por" S. M. Impe-
rial, etc.
Pago alera s qoe o prsete edKal virem e det-
Pea recenedoru de rendas iaiernos geraes
se fax publico que tica marcado o prazi da 30 i as
noutaJus di. pubticago de-te, aos davodores de di-
urna de chancellara, averbada em virtpda do de-
creto 230 de 22 da outabro d< l*4t, atinde viren)
oaga-la ; Budo o referido prazo sero Temeiiidas
a tbesoararia d fazeada as roiac da lodos os
levadores qoe leen sido remanidas pelo; diffareo-
fet escrivas, relativ is causas ja decididas, para
se proceder rolranja etecuriv.
Rec-bedorla de Pernambuco, 21 da novembro
de 1867.
Maooel Carneiroe de Soma Lacerda.
CORRER) GERfVL
Pela admioistrago do corrvlo desta cidade se
taz publico a qoem toteressar po-sa qoe nao se
demorando os vapores da compaonia afeo ageira
Imperial oeste porto em seu regresso du Rio de
Jaueiro, o lempo precie para m laxar a expedicao
Jas malas coa direceo a Europa, dando assim
logar a qae deixasse de ser vidamente proces-
-adas, tem resollido que d'ora em atante as malas
-e fejbem i-6 horas da urde do dia anterior ao
da cbagada dos mesmos vapores.
Admioistrat-an dn correio de" Pernamboco 18 de
novembro de 1867.
0 adsm>tradof,
S 9 sr.irg- % do* Pasos Mirada
tDATA INCORRETA


.ra
tarto e pernambuco sabbado II de Xovembro tic i837.



Santa Casa da Misericordia
do Recifa
Pela secretarla da Santa Casa da Misericordia
do Reeife sao convidados os seohores proprielarios
dos predios abano declarados, cujos terrenos per
tenceram oatr'ora ao Sr. Francisco Liu* Paes Bar-
reto e sua raolher e por elles doados a Sania Casa,
para que rompare^ara a esta secretaria, ali-n de
pigarem os foros que se acham a dever, e assigua-
rem o respectivo termo, reconhecendo .a mesma
Santa Casa como seubor do dominio directo de di-
tos terreos.
Ra da Roda.
Casa terrea n. 11 Antonio Ferreira Braga.
dem i lem n. 15 Jjs Leopoldo da Silva.
Sjbrado n. 17.D. Emilia Carolina Madera Fer-
reira.
Casa l.rrea n. 19.-Capllao Martins (morador em
Beberlbe)
dem dem n. 21.Joaquim Pacheco da Silva.
dem idem n. 23.-Aotonio dos Santos Vieira.
dem idem d. 23.-lgocio de Sa' Lopes 1-ernan-
des
dem Idem n. 27.Felir Antonio Alves Mascare-
Idem idem n. 31.Miguel J laqoim da Costa.
dem idem n. 33 Bernardo Alves Pinheiro.
Idem dem n. 33.-Mria Francisca da dnceicao
e Silva.
Sobrado n. 39.H-rdeiros de D. Joaquina Mana
Pereira Vianna.
Casa terrea n. 41.Paulo Marques e Antonio Fran-
cisco Macota,
dem idem o. 43.Filhos de Jos Rodrigues dos
Pasaos.
Idem idem D. 4o.Manoel Joaquim Baptisti.
Sobrado n. 47. Dr. Bernardo Pereira do Carmo
Jnior.
Mem idem n. 4.Mosteiro de S. Bento.
Iiem idem n. 6.dem idem.
dem idem n. 8.Irmandade doSanlssime Sacra-
mento de Santo Antonio,
dem idem o. 10 -Iiem dem.
dem idem d. 12.-dem idem.
dem idem n. 18.Bernardo Alves Pinbeiro e ou-
iros.
dem dem n. 2U-Anna Thereza do Sacramento,
dem idem n. 2iSabino da Cunha Fragoso
Iiem dem n. 26.Aotonio Ferreira Braga,
idem idem n. 28.Irmandade das almas de Sinto
Antonio,
dem idem n. 30. Jianna Maria dos Santos Mo
raes. M
dem idem n. 3.-Dr. Antonio Joaquim de Mo
raes e Silva.
dem idem n. 34.Manoel Jos do Amaral.
dem iiem n. 38.Tutor de Francisco Goncalves
da Rocba.
Casa terrea n. 500 mesroos.
IJem idem n. 52.Dr. Joao Cpistrano Bandeira
de Mello.
IJem idem n. ?4.-Lniz Jj?6 da Costa Amonm.
dem iJem n. 56.Jos do Reg Pacheco,
dem idem n. 58. Bariholomeu Francisco de
Soma.
IJem idem n. 60 O raesrao.
Iiem idem n. 62.Mmel Gomes Viegas.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do Re-
eife, 9 de novembro de 1867.
O escrivo,
Pedr) Rodugues de Souza.
Santa Casa da Misericorda
do Recite,
AilIrGa.iunta administrativa da Santa Casa di
Misericordia do Reeife manda fazer publico que
na sala de suassessoes,no_dia 28 do crreme pe-
las 4 horas da tarde tem de ser arrematadas a
quera rxuis vantagens offerecer pelo tempo de um
a tres annos as readas dos predios em seguida
declarados:
Eslauelecimentos de caridad?..
Roa do Padre Floriano.
Casa ierre' o. 17......
Casa terrea n. 45......
Ra larga do Rosario.
Terceiro andar do sobrado n. 24 .
Ra da Gloria.
Casa terrea n. 25.......
PatrimAniG de orplios.
Ra do Vigario.
Primeiro andar do sobrado n. 27 181000
Ra do Pilar.
Casa terrea n. SP.......25C5000
dem n. 94.........201 100
dem u. 108......... 201*000
Sitio u. 5 uj Forno da Cal. 15<)5 As arrematagoe serio feilas \e\o lempo deum
a tr;s annos, deveado os licitantes vireni acum-
paHad-js de seus dadores ou munidos de cirta.-
desies.
Secretaria da Saata Casa da Misericordia de
Recit 21 de oovemhro de 1857.
O escrivo,
Pedro Rodrigues de Souza.
WE JiEIRO
O patacho Lealiade protende sabir para o Rio
de Janeiro cora aquella brevidade que Ihe for pos-
sivel, segundo a concurrencia da carga que bou
ve- : quem nelle quitar ea regar, pode dirigir-se
aos consignatarios Marques, Barros <_ C, no Urge
do Corpo Santo n 6, ou ao respectivo capilo An-
tonio Joaqnim Fiuza. ___
mmm munwm.
DE
fave^co cosleira por vapor.
Parahiba, Natal. Maco, Mossor, Aracaty,
Ceara' e Acarac.
Segu no dia 30 do
correle as 5 oras da
tarde o vapor Pirapama,
coromandante Torres. Re-
cebe carga at o dia 29
as 2 horas; encoramen-
das, diolieiro a freie e
passageiros ai as 2 oras do di da sabida : es-
cripiorio no Forledo Malos n. I.
&0MPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navegando costea por vapor.
Macei e escalas, Penedo e Aracaj.
Segu no da 30 do correte as
'f_*L_i^\ 5 horas da tarde o vapor Potengt,
7lP*/Ix^. comroandantH Perora. Recebe
'*fiPwfc carga ate o dia 29 as 2 horas,
^rIK EP encommendis, dinbeiro a frete e
passageiros al as 2 horas do da da sabida
cripiorio no Forte do Matos n 1._______
Ulub Pernambueano.
O baile do aniversario de inslallacjSo ter5
lugar do dia i de dezembro prximo fu-
turo.
Racife 20 d novembro de 1867.
P, J. Layne.
Eipprczario.-
Aluga-se
Urna casa terrea a' roa de Hor las n. 73, e a loja
do sobrado a' ra d> Calieireiro o. 11: quem as
pretender pode dirigirse a' rua do Imperador,
escriptorio n. 75, ou a' mesma rua, sobrado d. 38,
segundo andar.
1863000
182#50t
301|000
19=5000
CORRE!!) GU. \L
P.dajao das cartas registradas vlndas d) so! pelo
vapor Paran t das existentes na administraco
iIj crrelo desta cidade para os seuhores abaixo
; declarados:
Dr. Aleof irado & lrmao, Dr. Demetrio J.s Tei-
lelra, Dr. Fippo M.-nna Callado da Funseca.Fran
ciseo Antonio de Albuqurrque M*llo, Dr. Francis-
co Jielniho te Sampaio, Dr. Francisco Jos Mon-
telro, Francisco Mimede de Almeida, teneote Jus-
tino Jos de Souza Campos, padre J o Cyrlllo de
Lima, lente Joao Ribeiro Pess--a de Lacerda, J >
s Djminjoes dos Santos, Jos Djmingu>>s do Car
mo e Silva, capitSD Jjs Jjaqaim Pereira de O i
veira, Dr. Jj- Ricardo Gomes de Carvalho (Santo
AnlSo), Luz Caelauo Pereira Guimaraes Junlur,
D. Harfanna Ribeiro da Lapa, Dr. Nabor C-rneiro
B. Cmlcanti, Placido de Pioho Pessoa, Sevenno
Ribeiro Cirneiro Monteiro.
i__u __ jmMM9>-x^tMM!iNtDQi TMynfirrm'naiiy.*
RE=3
THEATRO
EMP JiEZ _~COIMBRA
Sabbado 23 de novembro.
BENEFICIO DO ACTOR
TKlVEIM.
Em eonsequencia da fausta noticia hootem rece-
tida di guerra do Paraguay, a orchesta execotara'
o hymno nacional.
Re/esentrse-ha pea primeira vez o magnifico
drama em 3 actos
0 FOGO DO CEO
Coja aecao passada nos Estados Unidos.
Seguir-seba a linda comedia em 1 acto
Morrer para terdi-
nheiro.
Terminara' o espectculo rom a ultima repre-
sentado do muito aplaudido entre-acto
Os dous internos.
Come;ara' as 8 1)2 horas.
AVISOS M1RITIM0S
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A YAPOR
E' e-perado dos portos do norte
at o dia 28 denovembroo vapor
Guar, command.iDle o primeiro
lente Pedro Hyppollto Doarle,
o qnal depuis da demora do ros-
loT seguir' para os portos do sol.
Recebem-se desde ja passaeeiros e engaja se a
carga que o vapor ooder condazir a qnal devera
ser embarcada do dia de soa chegada, eocorameo-
dcs e diohelro a (rete al o dia da sabida ai 2
lloras. Previne-se aos Srs. passageirqs que suas
p>sageos s se recebera nesu agencia roa da
Croz d. 87.
.-------------.___^
tara
Sejtue cora brevldade o patacho nacional VolH-
U, p ir ter graoie parte da carga engajada, para
a que anda pode admittir traase com o respec-
tive eoasignatario Antonio de Alaelda Gomes, a*
roa da Cra: o. 23, I* andar.
es-
Para Lisboa.
Val sabir com brevidade a barca portugneza
Uratido por ter parte da soa carga promptt; pa
ra o restante e passageiros traase com Olivelra
Filbos & C, largo do Corpo Santo n. 19 ou com o
capiiona praca._____________________
lllia de s. Miguel.
Para o porto cima segne o patacho portugoez
iJorgense de primeira marcha, para carga e pas
sageiros trata-se com o consignatario Joao do Re-
g Lima, rua do Apollo n. .__________________
PORTO.
Pretende sabir para o Porto, com a mior bre-
vidade possivel a barca poriugneza Homildade,
leudo ja met de ou quasl dous terco* do seo car-
regamento engajado. Para a carga que Ihe falta e
passageiros que gozaram all de excellentes cora-
modos, traase com os consignatarios Marques,
Barros & C, no largo do Corno Santo o. o ou com
c callao Carlos Ferreira Soares._______________
Para o Aracaty segn com milita brevidade o
hiale Sobraltnse ; para carga e passageirrs traa-
se com Jos S Leitio Jnior, rua da Madre de
Dos.
S0C1ET GENRALE
DE
Transporta maritimes a vapeur
PAQUEDOTS FRANCAIS
Al o dia 2i do corrente, esperase dos porto*
do sul o vapor Irancez Ptcar&e, commaodante
Razoulo, o qnal depois da demora do costume se-
guir para G-nova por S. Vicente, Saola Cruz de
Tenerife, Gibraltar e Mar>ellia.
Para condicS-'s, fretes e passagens trata-se na
agencia rua da Cruz o. 55. _________
Para a lahia
Hiate Doh Irmaot: a tratar com T-sso lrmao,
ou Sr. Quintil uo traplrbe do algodao. _____
Eio Grande do Sul
Sepu^ enm mu la brevid-.de a barca nacional
Tkaeza I, para o sobredito porte, por ter parle do
sen oarregametili prompio ; trata-sj com Bailar 4
Olivelra, rua do Visarlo n. 10.
Para o Cear
O paihabnte Gartbaldi: a tratar com Tasso lr-
mao.
Convida-se aos prenles e amigos ero geral do
fallecido lente Braz Machado Pimentel para as-
slstirem, no dia 23 do correte, 30 do eo
passamento, Da igreja de S. S-ba.-tiao da cidade
de Olioda, pelas 10 horas di manha em ponto,
ao funeral que se Ibe manda fazer pelo repouso
eterno de soa alma.

ESrRADA DE FERRO
DO
Reeife ao Sao Francisco,
AVISO .
T.-ndo algumas pes.ias o cosime de tlrarem
amostras de assncar das remessas, na estaco de
Ciueo Pontas, de um raod > prejudicial aos remet-
ientes desse genero, resolven a administraco que
cada seuhor de engenno eu remetiente de assucar.
posaa mandar gratis e em separado nma pequea
amo-ira nao excedendo o peso de 50) grammas
(cerca de noca libra) a qo. I ser> entregue em dita
estaco ao seu correspondente, logo que for exi-
gida.
Escriptorio da superintendencia villa do Cabo,
18 de novembro de 1867.
G. O. Mann,
_____________SuoTJDtcndebte
Offjrece-se nina seonora para ama de leia :
no pateo de S. Pedro n. 20. _____________
Gratifica-se bein
a quem capturar o mualo escravo de noroe Na-
poleao, com os signaes seguales : idade 25 anuos,
cabellos carapinhos, estatura regular, ponca bar-
ba, denles perfellos e alvos, Ml.i grossa, levou
bastante roupa e Iiem contiendo nest-i capital
onde irabalhou moli lempo com carrosa, des-
cenflase que ele segu para o serto em compa-
uhia de um negro da Cjsta : pessoa que o cap-
turar ou dtlleder noticia a rua da Cadeia do Re-
eife n. 30, qne sera' bem gratincado.
Festa de S< Gonzalo
Hoja pelas & horas da tarde sera' baplisado um
sino ollrecido ao glerioso S. Goncalo, erecto na
igreja do Pilar em Fora de Portas, pelo ihesoureiro
da fasta oSr. Jos Dnivo dos Passos Bastos, sendo
paranynpbo os Inms. Srs. Joaquim Francisco do
Espirito Santo e Auiouio F. Capral.
Em seguida sera'nstea la a bandeira do mes-
mo santo, oso tendo logar boulem em onsequen-
cia dos festejos pipulares, percorrendo diversis
roas e sendo dita bandeira carrejada por grande
numero de meoioas iraj indo de branco.
A fest devs esiar brilianle porque os seus en-
carregados a nada se lem poupado para Uso, pre-
gando na fesia o Rvmd. Antonio Manoel 'a--
sumpQo e no Te-Deum o Rvm. Antonio de Albu-
querque Mello, seodo a msica marcial a do 9*
de cacadore da gurJa nacional.
A' urde do da d festa (domiogoj haver dansa
de corda e monos ouiros Mguedos agradaveis su-
blndo ao ar bures de diversos tamaitos e cores.
Atten^ao.
No dia 19 de novembro correte desappareceu
Desta prca do R-jcife o menino de nome Jos, par-
do, de cabellos carapinh ie sollos, de idade de 10
a lz annos, levando vestido camisa de chita usa-
da, calca de algodao -azul e chapeo de palba de
carnauba e ia montado em um cavallo rosso, con-
duzindo lamb :m dous pares de saceos vazios com
a marcaSantos Mandesdito menino Albo de
Reinaldo Jos* da Hora, morador no eogenho San
los Meodes fieguezia de Tracuabaem e era a pri-
meira vez que vlotu ao Reeife : pede se a quem
o encontrar que por caridade o conduza ao refe-
rido eogeoho Sanios Mandes or uesti pra/i ao
escripterio de Oliveira, Filbos & C, largo do Cor-
po S nto n. 19. _
Aluga se urna casa terrea as CiDco-Pontas>
defrooU da e.-iicao n. lio, com bastantes com-
modos, quintal, cacimba e poni para o bco : a
tratar na rua do Quejando n. 69.
. = D m ugs Carpinteiro, subdito hespaohol, vai
a' Europa.
Rogase a quem liver acbado nm requeri-
ment despachado pelo Iiim. Sr. Dr. joiz de or-
pbaos cooteodo dentro do mesrno orna letra ma-
nuscripla da quantia de i>v> rs. querenlo resti-
tui-la qoeira ter a bondade leva lo a rua Direita n.
10 a Bernardino Jos da Costa Va ni-.
Trocam se
as nota* do banco do Brasil e das eaixas filiaes-
dom descont muito rasoavel, na praca da lnde,
oendencia n. 22. ,
LISBOA
Achand. -se cora a maior parlo de seu carrega-
meLl promi t o hiale portoguez Pensameulo. se-
guir'em piucos das para c r. -rido pollo:
qaem protender embarcar o resto dirjase a roa
do Vigario p. 10, a Pillar & Olueira.
|{i) Grande do Sul
Sgue pm poueos das a barca nacli nal There-
zd /. por ier a maior parli de seu carregami;oto
prompto, para o resto trata-se com Baitir & O.i-
veira roa do Vigario n. 10.
Trecisa-'e alogar orna ama larra ou escrava,
preferlndo se esta nltma, para o servico de nma
casa de piuca familia, pagase bem : na rna No-
va n. 11.______________________________________
Precisa se ue um eiior de borla e jardn) '
informa-se na rua estrella do Rosario d. 28.
i COLLECi )E S. JllAQtlI I
^ Acba-se aberta a matricula para o cur- *
^1- so preparalone, duraule as ferias. Os BS
^ Srs. estudaotes que quirerem frequen- ^
ta-lo deveao vir intcrevei-se at o fim 5||
do corrente mez i2[j
LEILOES.
De 28 1|2 du/ias de chales de mus-
seliiia de la avarial- s.
O agenle Piolo fara' leilo por aotorisao do
Meo. Sr. cnsul de Franya, em presenQa de om
seu delegado e por con:a e risco de quem perteo-
cer de urna caixa marca M&C n. .1868, conteni
28 1|2 duzas de chiles de mus^elina de la varia-
da a boroo do oavii fraocez TALMA, vinio do
Havre, sabbado as 10 h?ras em ponto do scrip-
lorio do referido agenle roa da Cruzn. 38.
Oe caitas com presuntos iolezespa
rs fiambre.
1IOJC
as 11 horas no armazem do Sr. Annes em
frente a alfandega.
O agente Pinto fara' I ilo por canta e ri-co de
quem pertencer de 6 eaixas com presuntos ingle-
zes para fiambre, no da e hora cima menciona-
do do referido lu??r.
LEL40
Terca-fcira 26 as 11 horas.
!\a roa das Crozes n. 6,
Pelo agente Eozebio.
Da casa terrea o. 32 travessa dos Quarteis.
Da casa larrea n. 6 sita a rua das Cruzes, rende
por anno 180.
Di sobrado o. 16 oa rua do Vigario, de 2 an-
dares e soto.
Do sobrado o. 47 rua da Roda.
Da casa terrea d. 12 roa dos Patos.
Dita de o. 13 na rua dos Patos-
De 8 casas terreas na roa de S. J Ao em direc
cao ao gazometro e mais 9 dos fundos desti em
segnlraento ao poni do gazoroetro e sao meias
agnas renden cada urna 10.
AVISOS DIVERSOS.
Coiiooa-se a retalbar o sitio da estrada de
J io de Barros, esquina do lie -e.o do Espiobeiro,
Meando coro doas roas de nascente a poenie e duas
de sol a m re, formando qnadros conforme as
posturas monicipaes. Os terrenos ficam com 160
a 180 palmos de fondo, e moilo proprios para
moradla, visto a salobridade do lugar, e onde im-
prelerlvelmenle deve ser orna da> esacoes da es
trada da ferro de Olioda, qoe segundo o contrato
deve deotro de 10 mezes esUr em Ollnda e Bebe-
ribe.
QaereOdo-te malor eommolldade pdese flear
com terrean de roa i ma, formando assio nm
fondo de 360 palmos, que di para bellos jardios e
algomas arvores froeturras.
Para facillidade de pessoas occpadas, todos os
domingos das 6 as 10 floras da manha estar ali
a planta pira auem qaicer escolber a localidade e
A'ufca-se ama ama para e servieo inleruo e
<-asJ- do.pessoas : kttMt fla roa de S. G-
$!? a Jo.
Fogij no da 17 do correte do eoger>ho Re-
frigero fregoezia da Escada, o escravo crioolo de
m me Sebastio, com os signaes segnints : preto
bastnie, altura regular, rosto coroprido e magro,
bonita figura, sem barba com nlguus cabellos so-
m'Dt; noqueixo, beigis gressos, ps regulares,
cami.-a e soronla de algodao, jaqneta preta, chapeo
de palha on de eouro, cabellos carapinhado?, cora
algunia marca de reino as costas, soppoesi que
velo assentar praca de volnotano : roga-se portan
lo as pessoas encarregadas do rccruiamento e as
autoridades policiaes e apprhenco do dito escra
vo e levan invessa di Qncimadj em casa do
Sr. Antonio Ptrfira da Cunha Bastos ou no dito
engenho ao seu seo'ior Melquades Pulpinlo Freir
de CarvalhJ, que sera' geoerosamente recempeo-
sajo.______________________
O Dr. JiaquiO' Jos de Campos da Costa de
Mediros e Alhuquerque mudou o seu escriptorio
de advocada da casa n. 22 para a casa contigua
n. 21 da roa do Imperador, defronte da re aco,
jury e sala das aod encas. ^_____
Fundido da Aurora em San-
to Amaro.
Co i-pelo sortimento de taixas de f rro
coado, molde raso, ltimamente aprovadas
psra o fabrico do assucar.________
Precisase de um raptt para calxeiro de ta
borna : Da rua Imperial n. 23"._____
Contraria de S. Benedicto
O abaiio assignado presidente 'da coofraria de
S. Benedicto do capitulo da igreja convento de
Santo Aotonio desta cidade do Recite provincia de
Pernamluo, convida pelo presente a todjS os ca-
rissimo* irmos que julgarem sn coro direito a
votar e ser volado a runirem se em oosso cap
lulo no da domingo 2i do correle pelas II h-.ras
da manha afi mesa qu lem de goveroar a mesma confiara do
aDno de 1868.
Cipitulo 21 de novembro de 1867.
__________________________Luir Braga. _____
Aluga-se o 3" andar do sobrado n. 8 ru;.
da Imperatriz: a tratar com J. I. de M. Reg, rua
do Trapiche n. 34.
0 Dr. A. S, Pereira do Carmo
1BSB!
(medico)
m
esi moraodo no sobrado n. 12 da rua da C'
Len Cromba-
para S. Thomaz.
subdito francez, retirase
Precisa-se de m cobrador de divida : oa
rua dos Percadores o. II, se dir' quem precisa.
Precisa-se de nm caixeiro de 12 a 14 anons
de idade : a tratar no pateo do Terco n. 15, red
oaco. ___________^_^_
Precisa-fe de urna ama para
rua do Apollo armazem n, 14.
cosinhar : na
Precisa se da quantia de l:000f a juros :
qnem tiver annnnce para ser procurado e conven-
ciooar se o negncio. ___________
Preci>a-se de om horotm para se eccupar do
servico da arborisacio da cidade : oa roa da Im
peratr z n. 39, 3" andar. -____________
Carro e bol.
Na C'punga, rua da Amisad-, segunda casa do
porio de ferro, vndese por commodo precn om
boro carro e bj prompto a trabalhar, quem pre-
IlI'.t comprar na mesma casa achara' coro quera
talar.
Alugaso. na eslayo de Gamell-m, um*
padarla recenteraenta montada, cora fumo novo'
ptima casa de morada, outra para negocio ; co
chclra, e proporeoes para outros estJbeleciraan-
tos: a Ir.itar ua rua Nova n. 46.________________
Para seu interesse
Muito se precisa fallar com o padre portoguez
J is Bemardino de Paiva que supi5o-S3 morar
em Marcacao, e com o Sr. Jos Loureoco de Me
deiros Mnniz que mora nos arrabaldis de Sanie
Auio : na prac.a do Corpo Sanio n. 17, primeiro
andar.
AT rfijTC'
Informam-nns que o engenho Tres Bracos da Es-
cada est ebeio de piquetes pelas eslradas e cara!
nhos, para prevenir alli as diligencias da justic:, e
que nao sejam recrulados uns poueos de peraltas
e vadlos. Atienda o Sr. delegado do termo par:
aquella localidade.
Anda dase algo ra dioheiro a juro sobre hy
potheca : a traiar na rna do Padre Floriaoo o. 71-
MB O Dr. GjiIIii-iiub Naegell, meOico, na igS
[^ consollas todos os dias das 8 hors as 10 J5J
Q{ da manha e das 3 asii da la> de na sua 10
jp,. residencia rua Nova n. lo, especialidada ~*.
{; mu|psia dos o'hos. }g[J
Quem precisar
De um rapaz para tratar dos servicos externos
de alguma casa de negocie, como sejam cobrau-
cas, tamo na praQ.i, como fra de Ha, e despachos,
como tambero para vender as'ocar, o qoaf da mu.
to boa Ranea de sua conduela, deize carta fechada
nesta lypographia com as iniciaes R. S. A.
Precisa-se comprar um jogo de pedras de
marfira para gamo : na rua do Imperador n. 4o,
terceiro andar, ou annoncte._________
Preeisi-se de nma cosinheira livre ou esca r
va : na rua d i Apollo d. 20, armazem.__________
Aluga-se
O terceiro andar do sobrado da rua do Amirirp,
d. 37, com grande solio e commodos para familia :
a traiar do armazem do mesmo.
Sitio
Precisas0 para uma pequea familia estrangei
ra alugar um Isitio perto da cidade. que tenba
bons arvoredos e qoe a casa esteja em bom esta-
do : a traiar no lamo de palacio o. 5.
Fogio de casa de soa seobora o preto Loiz,
crionlo, baixo, corpo mel grosso, nariz chato, fal-
to de deoles oa frente, com marcas de bexigas no
rosto, pooca barba, tem o andar4 miado, porm
muito ligeiro : qaeo o pegar leve-o a estrada dos
Afflictos, em casa d. viuva Quintella ou oa praca
da lcdependencia n. 2, que sera' recompensado.
AMA
Praeisi-se de nm i ama para casa de pouca fa-
milia para o servir. > de casa : a tratar na rna es
treta do Rosario u 25, loja defonilelro.
Sr. J io Francisc* Vas ;U' ellas.
A fanilia de Ranllo, de Boeoos-Avres, desoja
ter concias desle stnbor: polera dirigir-se a roa
do Trapiche n. 6.
(iengra hia,
Joqoim Pires Machado Porlella lem
aberto na casa ds >oa residencia, das 10
as II boras di manha, om curso de
geographia para os esludantes qoe quire-
rem se prepa-r para os sismos de
mareo.
Aluga-se
om sobrado em Oltnda na roa de S. Bento n. 40,
com. commodos para grande familia o muito pro-
prio para os tiaobos sa'gado; e tamben urna ca-
sa terrea junio ao mesmo sobrado com commodos
para nma familia : r tratar com Aoteuio Ramos,
emOiioda.____________________ i
Hodrigo Pinto Morera fu scieote ao pobiieo
e ao corpo oommereial desta praca que Aaitriqn-
liaac Cirneire btia deixo-j de ser seo calleiro
desde o dia to de iiabro proxlme passado, Ocas-
e sobstrtnido par Joa^oira Caeleoo. do Soaza
C ootseiro ksaSsir.
MARTIMOS
CONTRA FOGO.
A compauhia Indemnisadora, estabeleci-
da nesta praga, toma segaros martimos so-
bre navios e seas carregamentos, e contra
togo em edificios, mercadorias e mobilias:
aa rna do Vigario n. 4, pavimento terreo
Manuel Power Jotiuston &(iompanhii
Rua da Senzala Nova n. 42.
AGENCIA DA
Fuadl^&odelaO' Moer.
Mchinas a vapor de 4 e 6 cavaos,
Moendas e meias moendas para engenho.
Tanas de ferro coado e batido para enge-
nho,
Arreios de carro para nm e doas aavallos.
telogios de onro patente inglez.
irados americanos.
Machinas para descansar algodao.
Motores para ditos.
Machinas de costara.
Compauhia fidelidade de seguros
martimos e terrestres
establecida no Rio de Janeiro
AGENTES EM PERNAMBUCO
Autopie Lah de Oliveira itevedo fc G.
competentemente autorisados pela
directora da companhia de segaros
Fidelidade, tomara seguros di na-
vios, mercadorias e predios no sea
escriptorio rua da Cruz n. f.
mmmmmmr
ob
o AM
O- B
tt w D
-. to
a8
.'* B
cu
B ?*"
B _, g i
o. ?/ c a. "
n c "> 5 asi
B __" I
if $*
B i' 6
ODr. A. Duarle,
para a rua do Seve,
As Pilulas Catharticas
DE AYER.

f'
medico, mudon-se
oade continua no
Attenco.
X. 2 i Rna do Livramerito R. 25
Deposito de lamancos e calcado nacional da fa-
brica da roa do Jardlro o. 19, de Ju> Vicente Gj-
dinbo, tanto no deposito como na fabrica seapremp-
tam todas as porgues de calendo o mais tralo
possivel, esta fabrica lem todas as machinas pro
prias para os calcados ja b*m acrediados pelo
grande numero de (reguezes qne daqui se for-
neeem.____________________________________
Precisa-se de uma ama que costohe e en-
gorome bem para casa de hornera solleiro : a tra-
tar detraz da matriz de Santo Antonio n. 18, e se
f ,r portugneza melhor.________________________
Chocolate vermicida
DE
Aotonio Venes de Castro,
Desde 1857 qoe sao as tabellas vomicidas
applicadas em Portugal, como o remedio
prompto e eflicaz para a expulso das lom-
b: igas, que lio graves padeciraeotos cansam,
e que quasi lempre se suppe ellas a ori-
gem.
Este virmifugo preferivel a qualquer
outro pelo seu agradavel paladar e fcil ap-
plicacao s enancas, as quaes geralmente
s5o mais atacadas de semelhante mal.
Deposito especial
34.Rua laga do Rosarnio31.
Botica de Bartholomen A C.
Precisa-se de uma escrava para o s rvico de
uma caa de familia : oa rua Imperial sobrado d.
I, paga se t0 mepsaes.________________________
- O Sr. Justino da Silva Cardoso queira
vir nesta lypographia negocio urgente.
O pUrganle mais efeca* ai hqjl eoi'Iieeldo.
Estas pilubr sao piivamrnlc rr/j-
iluti, luio nudo na aun compo-
6i;o ik m ihj-i'ciwIo ncm oulro
lugrcdionte inincr.il; s.1o luno-
ecutts p:ra Af crianzas e pessoa-*
mais dotlcuilai, ao nwamo lempo
qw**, fom>opta3 como ao de vcgl-
la^i mili fortrf, sao boatuutc ncli-
vns e clieazcii para as peasoas mata
roamtiU.
Eatas pilulas catliartlca purga c purldco todo ajrstema
humano sem mercurio.
Kan se lem poupado tiaballio ncm dcupcsa para ovar ertM
pilulai a um grao de iierreccao tul, que nada diixa a desejar;
fio o resullado de uuuoa de eaUuloa labiio-.o.. e COHatAUtC?.
l'ara i lomear todas as vantag^'us que reautUs de uso de catliar-
tlcoa, tem-se couibiuado ajiaciito as rlr/m/e* atrattctis da*
plantas que sao eiuprcgadas na ewaCeccio da-s pilulas. Sua
coinpc-i';o tal qOe us enrerinldades que eato oo ulcouce
de su- nC^o, raras vezes pedem resist las on evad lus.
Suu i nroprc Ud 'S penetrante! expljro peni Iro, purifico e
dao vigor fi todas .i>j partes de organismo buMano; pola coi rlg.*m
a roa accio viciada c faz recuperar a ua vi.illdude. l.'iua .la
con-etpicnrias distas propred:des que duenlc, abalido i-..
dr e drbllidade pliysleu, ailmlra-se de eiu-ontrar, lio deprca
ua aaude e energa recuperadas por meio d' un rc-.nedio lio
aiiupl e agradavel.
As mol..;i.is que eatio ao seo alcance sao.
J'ii-.iu L,. wjHecat J'idiyut&o e nial to estomago, H.inurrhvido*,
PADECIMENTOS DO FIOADO,
Ftln gattro-liepallca, OaitrUe, nffeerfia JlUio-ias Lombrlgal,
Ergtipda, Hgdreptia, surdi-., ceguira imreiul, e Paral/lia,
No aliiiaual. e Manual d^ Saade do Dr. Ayer, que *e publica
todos oa aune* pora distribuidlo gratuita, enconira-se umtia-
tado sobre as diversa* doeucas que estao ao ak me: de
HEMEDI03 PHQANTES.
Acl-a se tiu tJAis as Boteos c Drogaras do Imperio,
O Peitoral de Cereja
DE AYER,
l'XUA A PROXPTA CCBA DA
Ajigina, de ConstipacOes, Tosses, Bouquido Infiu-
ensa. Bronehite, Tsica primaria, Tubrculos
pulmonares, o todas as molestias do
Feito, assim como para aliviar
os ethicos declarados.
As prcparaeSes do DR. Ayee sao vendidas as principies
droy.irlas c boticas do Imperio.
' Deposito geralrua do Vigario n*. 9
escriptorio de Theo: st.uJ
MOLESTIAS 1)0 PEIO
Avo Impor.ante.
Os aicos verdadelros xaropes de hypophospbl-
los de soda, de cal e de ferro do Dr. Chorrhilt tra-
ten) a firma qnatrovezes repetida desie sabio me-
dico sobre o subscripto e a marca de fabrica da
pharmacia Swann, 12, rua Castigliooe, Pars.
Acha-se a venda em frascos quadrados com o ri-
me do Dr Cburchill do vidro. Prero 4 francos eOi
Pars : Com instruccao___________________
Chegou afinal
A pomada galopean
para cura lapida e complea dos callos duros.
vende se na
Bitica e drogara
DI
rtartholomen A C.
3 iKiia larga do Rosario34
mu
B| Leciona-se a solfejo e a'tocar vanos te
S nstrnmeutos dando se as liro?s partico- ^
P| lares em suas proprias casas, das a ho- Ji#
a ras da tarde at as 9 horss da noite : a JB
S traiar na rua Augusta o. 30 ou Desta ly- ?;
mmmmmBmmmmmmm^
Na prar^a da Independencia n. 33, loja de
surives, compra-se ouro, tirata e pedras preciosas,
e tarubem se faz qaalqner obra da encommenda e
iodo e qualquer concert.
Assncitc3 eommerc.nl beoeficente de
Pernain lineo
A direccSo da assoeiacio eommerclal benefi-en-
te, de conf .rraidade CjID odisposlo no art. dos
estatutos, convida pela segunda vez aos senhores
associados a sj reunirem em assembli geral no
di 26 do current" ao meio dia, no salao d-.' cliticl
da mesma associagSo, jflm de precederse a leito
ra do relalorlo annin, e eleicao do onva direceo.
Precisa-se alugar uma preta boa quita&deira
na rua das Cinco Puntas n. 116.
Ama.
Precisa =e de un a ama para enjoramar e lavar
algoroa roupa : trata-se a rua. Ja Cadeia sobrado
o. 31.
Joaquim Jos Qonoalves
Beltro
RUA DO T11P1CE S. 17 4 iKaUR)
Sacca por todos os paquetes soLre o Baocr
lo Jdinho em Braga, sobre os guintes lugs-
se em Portagal.
ber:
Lisboa.
Porto.
Valenca.
Guimares.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Con-'e.
Arcos de Vai de Vi.
Vianoa do Cstello.
Poote do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famelcao,
Lamego.
Lagos.
Covilbaa.
Vassal (Valpassos.)
Mirandella.
Beja.
Barcellos.
Carlos Ploym e Paolo Chauvio, maquinistas
eslabelecidos na roa da Imperatriz ti. 17, deelaram
ao respeilavel publice, que modaram-se para a
praca da Bda-VisU d. ii esqulDa da rua do lam-
ba, onde os encontrarlo promptos para lodos os
servicos de toa proOsso.
Os mesmos previnem s pessoas que liverem
concertos na ditt cata de os mandarem buscar no
prazo de om mez, do contrario serio vendidos con-
forme a lei maoda.
Escrava.
Na roa Velba o. 15 precisa se de orna criada
livre oo escrava para lodo o servico de casa de
pi oca familia, nao se olnaodo preco.
Aluga-se
A casa da roa das Aguas-verdes n. 25 : a tra'ar
na roa Bella o. 45.
Franca a Brasil,
Largo da Corpo Santo n. 27-
Mr. Joao Mercler, alfaite francez, tendo chegado
de Pars da grande expsito universal de 1867,
fax scieote ao respeilavel publico e aos seos nume-
rosos fregoezee, qoe tem om grande sortimento de
fazeodas floas, assim como corte de calcas e col
tes de casimiras e coslomes ioterissos, e cortes de
coleles de seda fina, de edres e de lia, om grande
sortimtolo de bros braoeo e de cores, assim como
fazeodas proprias para moBtarla de seobora, e
ptimo sargelim francez; assim como vende tam-
ben) fazeodas a' voatade do fregu?, por precos
commodos.
%>m
Precisarse de orna ama para casa de pouca fami-
lia para cozlnbar e ensaboar: a tratar oa praca do
Corpo Santo o. 17. terceiro andar. _
Atof a se o f e o 3* andar da casa o. 3r>, roa
da Mare de Deas
t- -! Miar.
tratar na ro do Livranieiiat)
Comidas pira fra
Na rua estrella do Rosbrio o. 27, segundo an-
dar, apromptase camida mandando-so levar cu
para quem a quizer mandar bu-car por seu por-
tador, por prejo mais baixo du que em qualquer
outra parle, eao go*to da eocommenda quer ua-
conal qoer esiraogeiro; tamhem se faz o es de
todas as qualidad-'s e aprumpUm se bandeijas i
b li'ilus para ca, bailes, casamt-ntas etc. Ni
mesma iM-a precisase alugar uma ou duis e>-
cravas que entnda de toda servico de casa, com-
prar e tainbim vender na rua.
USA OA FQRTUIW"'
Aos 5,000^
B1LIIE1ES GARANTIDOS.
A' rua do Crespo n. -3 e casas do costme.
O abaixo sssignado veodeo nns seus mui!^ feli-
z"s bilheles garantidos da lotera que se acabuu de
xtrabir a beoetico das familias dos voluntarios
da cairia os >eguintes premios :
N. 1207 uro ma com a sarte de R:000f.
N. 1233 om meio cera a sorte di> 9 :(<.
N. IOj um"meio com a sorte de d0'ij.
E outras muilis sones de 1005, 43 e 2(5.
Os possoi lores podem vir receher seus respecti-
vos premio- .-'em os de Fortun. rua do Crespo o. 23..
Aetiam-so a venda os da 52' parte da lotera a
favor das familias dos voluntario* da patria (('ib';
que se tstrahira,' S'Xta-feira 29 dj correle.
reco.
Bilhete.....6500)
Meio......3501)0
Quloio.....152110
E_ por(3o de lOOfJ para cima.
Rmete.....55300
Meio......25750
Quinio.....15100
Por Manoel Martins Finia.
Gentii II. Rodrigues de Scota.
Aluga-se
o primeiro andar do sobrado -da;roi Direita n. 82
oovamente calado, pintado e frralo dj papel : a
tratar na padarla da v'.va"Machado & Filtu.
Aluga-se
O primeiro andar do sobrado n. 193 da rua
Imperial : a tratar no segundo.
0 Dr. J. Baptist Ca^anova
pode ser procurado a qualquer hora em sen con-
sultorio hoai-opathico, largo da matriz de Sanie
Antonio n. 2.
iNo mesmo consultorio tem sempre grande sor
tmenlo de medicamentos de bomeopatbia de We-
bere Cataln, tanto em glbulos como em tintura,
sssim como lem om sortimento de ferros de ci-
rurgia em cartelras e avulsos do afamado Cliar-
rier de Pars.
Aloga-se o sitio da Sra. viuva Carvalho ero
S. J >v: do Maoguiabo com ama excellente casa de
sobrado : a tratar com R. Lssserre Da rna Impe-
riil n. I, Ia andar oo oa roa do Trapiche d. 14,
2* andar.__________________^______________
Alu^a-se
O primeiro e segoodo andar do sobrado da roa
Velha o. 20, atratar no Corredor do Rispo defroole
das ns. 12 e li.
Precisa-sa de om preto para faxer o servico
interno e externo de orna casa e paga-se bem : na
rua da Florentina o. 14, prefere-se escravo.
Precisa-so de um menino de 12 a li annos
para caixeiro da taberna: a traiar na rua Impe-
rial n. 255.
Feitor.
Precisa-se de om feitor qoe seja capaz e bom
trabajador para am sitio pequeo perto da praci.
Da-se casa propria e boa para morar com soa fa-
milia, dentro do sitio; para tratar, rua Nova a. 19,
! andar. ____________
Aluga-se
orna casa na cidade de Ounda, para passar a festa;
a' tratar no P*sseio_PabMco n. 11
~ D. SecborVnba Germana do Espito-Santo, ten-
do aberto no seo sitio do Arraial roas para reta-
lbar a vootade dos compradores, (ai ver a lodos
qoe as roas tem ses.-enu palmos como atarea a
cmara e qoe tem de fondos 310 palmos, e coro
diversos arvoredos de fructo, boa trra e a 15500
o palmo. Assim como tem tambera boas terrenos
no mesmo Arraial, a IfOOO o palma, coa diversas
arvores de frocio e todas carrejadas, e com 600
palmos pooco meos de fuodo, so nao Acara' p-
pri*lario qnem car, qczer.______________
ua-se 6005000 a premio, coa earamia; a
ui C =::_ 3:, ^ 1 lar.
DATA INCORRETA


marte *e )4ruiNM a
*c .\ovcmbro de 1867.

;
I


/
=L_1_Z
N.2D
PF* CORACAO BE OURO.
A lojan. i D intitulada Coragio de Onro Da rua do Cabaga, acha-se d'ora em diante oflerocen
Jo ao respeitavel publico com especlaildade as pessoas que honrara a moda os objectos do' ull'mo gos
td ( Pars) per menos 20 por cento do qoe em outra qurJqner parte, garantindose a qualidade e a ao
O respeitavel publico avallando o desejo qne deve ter o propriutario de um novo estabeleelmen-
to que qoer progresso em sen negocio deve onegar immediatameute ao coragao de ouro a comprar
aneis com petfeitos brilhautes, esmeraldas, rnbins e peroia ; verdadeiras en agarras modernas pele
diminuto prego de 10*. brincos modernos de (raro e coral para menina pelo prego de d#, maracas at
prata com cabos de marflm e madre peroia obra de moderno gosto (o que o encontrara no corilsao a<
ouro) voltas de ouro com a competente crnsinfia ricamente enfeitada pelo pequeo preco de 12*, brin-
cos do um trabalho perfeito por um mdico preco, cassoletas, tranealins, pulceiras aloetes para re
tratos e oulros modelos ludo de alto gosto, aneis proprios para butar cabello e firma, dito para casa-
mento, no artigo roseta tem o Coragao de Ouro nm completo e bem variado sormento de diversos
costos, butfies para pnnbos com diamante, rnbins e esmeraldas, obra esta importante ja pelo sen va-
lor ja' por gosto ds desenbo, brincos a forma da delicada moslnha de moca com piogente contendo es-
meraldas, rnbins, brilbantes, peroia?, o gosto sublime, alfinete para gravata no mesoio gosto, relo-
gios para senbora cravados de pedras preciosas, ditos para hornea, diversas obras de brillantes de
onito gosto, crusinnas de rubras, esmeraldas, perolas e brilhantes, aneis cora letras, carletas de
erystal e ouro descoberta para retrato (a ingleza) brincos de franja, ditos a imperatrize toda e qual-
quer jola, para secolocar retratos e obras de cabello, e ontros muitos objectos qne os pretendentes en-
contrarao no Coragio de Ouro que se conserva com toda a araabilidade aos concorrentes deixano-
se de aqnl mencionar precos de certos objectos porque (desculpem a maneira de (aliar) dizendo-se
prego talver alguem faca mao juno da obra, por ser to diminuta qnaolia a vista do seu valor.
Na mesma toja corapra-se, troca-se ouro, prata e pedras preciosas, e tambera recebe-se concer-
tos, por menos do qne em ontra qualquer parte, e dio-so obras a amostra com penhor, conservando-s*
Coragao de Onro aberto at as 8 noras da noile.
Qaalqner pessoa qne se dirigir ao dragan de Ouro nao se podera engaar com 3 casa, pois
Bota se na sna frente ura coracio pendurado pintado de araarello, alera de out.o que se nota em ura
rotulo (isto se adverte em consequencia de terem ja' algumas pessoas engaado com ontra casa.

m
mmii
l
H
M N. 64-----Rua da Imperatriz-----N. 64.

Rova loja de miudezas e artigos de modas

DE
SILVA & NEVES.

??"(?
Os proprietarios deste novo estabelecimento oflerecem ao respeitavel
publico desta bella cidade, e do interior um linio e escolhido soriimento de
miudezas e artigos de modas, concorrendo para itto o terem na Europa, pes- Jg^
soas habilitadas a executarem suas encommendas no que houver de mais no- >;
vidade e gosto, e garao'cera vender pelos precos mais rasoaveis do que em ;fi,sp
II
m
SmES
ffljjg
M
m
S&S outra qnaqoer parte apar de maneiras delicadas
SS Acanam de receher pelo \apor fiancez G
e sinceras. y*t
uienne, os seguintes bel'os gv '

B
1


\.& art'gos de moda e fantasa.
Luvas de Jouvin pira .cenhoras e bomens, de todas as cores
Livros para missa com capas demadreperola etc.
Iodispensaveis e boleas de to'as as qualidades.
Coques os mais modernos.
Espartilhos collares, e cintos de seda e vidrilho.
Rendas de Guipuia, de seda, (blonds) e de algodao, de todas as
qualidades.
Completo sortimento de trancas, fitas, botes e guarnieres de seda .
ij: com vidrilho e sem elle, gravalinhas de seda, e manguitos de lustro bordados ^
vjPf\ tulo do ultimo gosto de-Paris.
Leques de sndalo aberto do mats apurado trahalho arli'.istico.
Agua Florida e tnico oriental de Laman & Kemps.
Ricos enfeites e guarnieres de flores p?ra vestido e cabeea.
i'.--- y Calcado para senhoras e men as.
^S Perfumaras as meiores e mais escolhi Jas de Luhem, Prez, c Cou-
SpS drin, em ricos e elegantes vasos de porcellans, erystal e prata ingleza.
Meias de algodao, as mais finas e melbores que teem at lioje vinJo
ao mercado, para senhoras e hornees.
Chapos de paltu da Italia, e a imitacao para meninas.
E um sem Durnero de ai ligo, de gosto e fantazia que s a vista
podem ser apreciado.

PS
1 -,
:^)
<-:-

. :

":
' ->'v fvv j 3 -. i ; .. -...; C S '- ".' *! :s > C *' 3 y S t '-- fiv i. 3 s>^*
NOVA F4B8ICA
-
V -

IE

m
DE
TODAS AS QUALIDADES
DE
Manocl Moreira de Souz.
K- 4S. -== RUA SIOVA -== X. 4.
Nestc novo estabecimento, tem um competo sortimento de
chapeos para horneas, seahoras e meninos, venle-se por presos
razoaveis.
-:
" -.-
m
$k
1

llocds de ouro
nacional e e'lrangeiro, assim como libras sterli-
nas : compram-se na rua do Crespo n. 10, prinjei-
ro andar. ____________________
Moedas de ouro.
Naciooaes e >traogeiras assim c rao libras
esterlinas : campram-se na rua do Crespo n. 16,
priraelro andar.
Compram-se
com premio moedas de ouro e de prata'naclenaes
e eslraogeiras : na roa da Cadma do Recife n. 16
armazem de Adriano. Ctstro & C._____________
Prata
Compra-se nacional ou estrungeira com maior
premio de que em omra qnMquer parte : na pra-
c da Independencia n. n.___________________
Maior vantageni
O corafio de onro roa do Cabng n. 2 ft, off-re-
ce-se em compra das moedas de ouro e prata.
Compram-se escravos
Silvino Gullberme de Barros, compra, vende e
joca etfectivamnte escravos de ambos os geios
-de todas ai idades : a' roa do Imperador n. 79,
erceiro andar.
Coropra-se moeJa de ouro e prata
por mais que em qualjuer outra paita ; *
rua do Crespo d. i9Joja.______________
Negro para sitio.
Coropra-se nm negro sizodo. sem vicios, e tora
tribalnador para ervico de litio; na rna Nava o.
9, l aidar.
MOEDAS
de ouro e pr ta
Ompram-se rooerfas de ouro nacionaes e estran-
gelras, bem como paiacoes do diversos cunti :
em casa de Adamson, Howie & C, rua do Trapi-
che-novo n. 40.
Moedas de prata
oacienaes, assim como pataches portuguezes e
tiespanbes, compram-se com premio : na rua do
Crespo n. 16, prime andar.
Compram-se
vidros vasios de agoa de Colonia, e boioes vaslos
de lala : na rua do Rosario n. 22, loja de calcado
junto a de fuoilelro.
Compra-se onro e praia em obras veltias :
na pr ac da Indepenriiscia i. 21_____________
A 1C por cento.
Comprase a prata na pra;a da ladepend
D. 8?.
e cia
VENDAS
VeooVse orna arma^So propria pora qoal-
qaer negocio, a dtnheiro oo a praso; oat Once
Pontai n. o? : ten? comaodos para familia.
Compra se nma casa terrea qoe sej era boa
rna, com bom quintal a cadmio, e p-opru para
familia : ni rna da Crur n. 38, 1 andar.
Ouro e prata
Moedas de onro e prata naciooaes, eslraogeiras
de tedos os valores, se compram na loja de oori-
ves junio ao arco de N. S. da Conceigo, roa da
Cadeia do Recife, assim como ouro e prata f ni
obras velbas, brilbantes e diamantes, e se paga
bem._____________
Moedas de aro e urna.
Compra se sempre por mais do qoe em mira
qoalqoer parte todas as qoalidades de moedas de
ouro e prala, nacional e estringeira, e tambem se
Iram sedulas dos bancos do Brasil e caixas
Kaes de ontra prntinc as; na rna da Cadeia do
Kecife o. 58 loja de azulejo. ___________
Compram se libras sierlioas : a' roa da
Cruz o. 18, armazeo de Jos Joaqaim Lima Bat-
jSo^________________
COMPRARE
urna casa terrea pequea na fregoezia da Boa-
vista : a tratar nesta lypograpbia
A ESMERALDA,,.
liua ila Imperatriz 5
A' nodi! a mod> I qn- 6 leojpo,
Ui ffsta o etnio OvS diz :
He 'er cousas mui bats
Na roa la Imperat'ix.
Ide, e ao passardes tortas
Ao numero cinco alte i4ei;
E' all quj assisie o g aio,
E' all qne o gosto le).
Tem lnva de varias cr^,
Do aflmalo Jonvim;
Tem ricos cintos e flore-,
Fitas liad; s e setim ;
Enfeites de varios gos! n,
Chapelioa i e toucados,
Tem vesu los moHo simjle?,
E tambera os tem borda! 'S;
Tranca, ligas, bicos, frinji',
Pente, leques e cordojC,
Gize de seda, boro cr^e,
Blonds ricos e baloes ;
Tem aderecos de fbres,
Eotremeios e babados,
Pelerinas e manguitos,
Costumes p'ra baptizados.
All, nada '.illa (coda,
T miudezas encerra;
De Paris ao centro ide,
Freguezes da minha trra.
le ver cousa* mui bella?,
Da feta o genio nos diz;
Ao numero ciuco altendei,
Na rua da Imperatriz.
'

EiMKr.ALDA.
Che^aram
As sabo -osas lingtilca.
Da llha de S. Miguel era latas de 7 e 7 1,2 li-
bras cada urna : iem para vender na roa do Viga-
rio n. 14.
Vnde je um iioniti uoi feita ao sarvig com
um carro de i rodas e 2 de suhsellente : qoem
pretend r dirija-se a rna da Praia n. 33, armazem
carne sem.
encao
Vtndem-se pegas de algodozinho muilo largo
superior qualiade com um pHq>u-n i luqae de ave-
ria pelo barato precJ de 4$, clnus largas de co-
res a 240 rs. o cova-lf, brim pardo mu tj bom a
600 rs. a vara : na loja de Antonio Jos dos Reis
& C, a rua do Passeio Publico n. t, por baixo do
sobrado novo.
tteneo
Sobastiao Slirqops do Nacimento panicpa ao
respeitavel publico que tem miniado o seu grande
armazem de I Ufa da ca-a n. 2 da iu-> dj'fnpe
rairii para a da h. C d.i mesma rui, na qual se
acba uui grande soriiraeoio de looga fina e ordi-
naria, porcelanas, vi ros, cryslaes, objectos para
tuilet, ligaras d>- porcelana para cima de mesas
de sala e muilo OUtros (bjectos qn saris enfado-
nho mencionar, o qoa ludo vender' p-,r preces
tiaratos que convira' a todos comprarem dilis od-
iecto--, qon cora a vista ss coavncerao qua tuo
tari vendido pjr menos do que era ou'.ra qa.l.juer
parle.
Ao i-cspcit-^el publico em geral.
Onivo proprielario da padara de Pout-i de
Ui'hoa, offere.'e a tidos em geral tanto do* logar
ciiryn n Recite, Casi Forte, BrbTibe e Rosario!) i
pSo faliriL-ado em sua paiiana e i.aia mais asseio
e nao haver escrupulj de novo (-, deposito d'agua
lo Piala, como coo.-ta a seus freguezes para maior
aceio da fabrica de pao, bolachas e tolo q'janto
se procura era paddria.
E' minio barato
a 500 rs a vara 011 300 rs o coYado.
U' lindo sortiin ut) de camb'aias francezas de
cores qne ci-tivain 800 rs, vendem Gregorio P.
do Amaral ft C pjr aiju'-lles prec^ : oa .-ua loj
da na ,11 'Ire-jn u. ."> Tamhe-n nesie estabeleci-
ment sp ve.ndera chii*< de bonitos dc-seuhose co-
res fixai a tiO, ISO, 300 e 320 o cevado, bem co-
speram rperber pelo vapor qne deve cliegar a
10 dp.-te mez reos cortes do gc-to, poil decbevre li-o e outro smoitos arti-
gos de oovidade.
V ode.m-se seis vaccas rrenhes, =ao do pasto
j esperlmenladas, assim como carroles e garro-
us, por pregos commortos : tratar na taberna e
liadsna da Ponte de Uehoa.
0 barateiro vai fallar.
Cliitas largas claras e escuras de lindos deze-
nhos a 2t',0 rs. o covado, madapoli.o lino a pega
por f.':U0, dito especial superfino lazeniJa inlura-
iBente neva no mercado pplo pre?o de 85010 a
ptea com 24 jardas; o barateiro j vndeu do
roe-m.o a 125000, cintas de coberiasa 240 rs., cor-
tes de lia com 15 covados por 3g-iC0, lencos de se-
da a IoH), ditas de caca bordados a 200 r.%
riscado ranret muilo bonito a 2i0 rs. o covado,
baeta azul a 40J rs. a vara, algodao a pega -or
J5000 : na loja do barateiro na rua da Madre de
Deus n. 16 defronte da guarda da alfandega.
Vende-se nma escra-a crloula de 16 annos
de. Idade, eugomma a cosinba : ara ver no caes
j Ranos n. SI,2 andar.
Chocolate bespanhol
VcQde-se a 800 rs. a libra.
Na ruaNuva n. 11 e5l
Roa do Cabog numero 1 A.
J chelea
Cemento romano : no armazem de Tasso lrmof
no caes de Apollo.
Canos
No armazem do pateo do Terco D. 12 vender se
canos de todas as iargora?, vidrados e por vidrar,
por preco razoavel, o melhor ne'te genero.
Vinho verde
Acaba de chegar nova reraes-a to ja conhecido
vinho verde engarraf ,do de superi r qualidade, o
qual se turna rucommendavel por ser or e por
ser engarrafado a capriebo para evitar o alterar-se
chamamos a altencJio dos amadores: nico depo-
sito a rua da Cruz ti. CJ, armazem de He, Lo-
bo & C.
LOJA DO GALLO VIGI-
LANTE RUA 00 CRES-
PO N. 7.
Os proprietarios destemoito bem cinhe-
ao comVcimento do respeitavel publico qne
a abam de receber pelo ultim > vapor da Eu-
ropa um grande e variado soriimento de ob-
jectos de inteira noviiiade, dos quaes se li-
mitan) a mencionar apenas um pequeo nu-
mero fleando o respe tavel publico na serte-
za de que neste estabelecimento sempre en-
contrarao um c impleto sortimento de arti-
gos de gosto e inteira novidadescomosejam.
Cintos
Os muitos desejados cintos com ponas,
bordados a vedrilho, fazenda de moito gosto
e comf leta novidade, respeito a estes cintos
nao fazem observaQ5es e sim deixamos a
apreciacod s esclarecidas freguezas isio s
no Gallo Vigilante, na rua do Crespo n. 7.
Leqnes
Muilo lindos leques d'osso, madeira, sn-
dalos, e madreperola ; pretos, brancos e de
cores, e muilo se tornan recommendavel
pelas bonitas paisagens.
Flores
O melhor que se pode desejar nesie arti-
go as quaes parecem naturaes assim como,
tambem recebemo- urna pequea porclo to-
das pretas e so vendem na loja do Gallo
Vigilante rua do Crespo n. 7.
Cap el I as
Mui (indas grinaldas brancas e de cores
aquellas para noivas, e estas para bailes, ca-
samentas e baptisados.
Lufas
Luvas de todas as qualidades para se-
nbora, hornera, men as, sendo de algodao,
fio da escocia, seda e pelica muilo fresca e
do fabricante Jouvin, paree -nos que n3o ha-
ver quem ignore que por todos os vapores
da Europa o Gallo Vigilante, recebe grande
quantidade deste artigo e por isso sempre
tem sortimento a vontade do comprador, e
tambem n5o se valle da falta o seu preco
sempre o mesmo.
Petates
Muito bonitos penies de tartaruga para
coque e alizar os cabellos, assim como para
arregagar os memos e muias outras quali-
dades.
Escovas
Grande soriimento de escovas, para roupa,
cabellos, chapeos, dentes e unhas, seudo de
oss\ bfalo, baleia, marQm e madreperola.
Nava has
Superiores na/alnas pequeas para bar-
ba sendo cabo de marim, tartaruga e ou-
tras qualidades, as quaes o fabricante ga-
rante a boa quabdade.
Abotuadtirss
Chegaram as mui lindas guamigues de
botes para colla es faen 'a de gosto, assim
cmo grande sortimento de botoes para pu-
Qhos.
A tteneo
>
Na rua do Calmg n. 3, terceiro andar- vende-*e
urna eser&va parda com ponca idsde, muit i sa i ,
bonita U^ura e cmn hbilidale : ao comprador se
oir o motivo porque ?e vende. '
Vindese sarcos com fejo rtulatititio o qua!
coinha muilo fcil e boa otulidade a 6J o .-acco :
na ru:i Nova de Santa Hita n. 13.
Vende-se a especial banba de nascer rabel'
los e lirar caspa, muilo conheci la pela esperiencia
que j.i'della tem feit e os bi-ns resoltados que
dell.i l rn tirado as pesfoas que a tem experimen-
tado ; assim cerno continua se a receber do sertao
um iusipoe remedio cayeiro para mole>tia do pello,
escarres de sangue, bronquites; no Corredor do
Bi.-po n. IB. Nessa mesma casa engnnima ^o re li-
pa de hornera e senhora, frirs-se muito brm vesti-
dos a franeeza por pn<;o muito ent eonla.
Lindas nsito lindas la a 500 ris o
covado
Vende se na loja do Alvaro a' rua do Crespo n.
20 B.
Vende-se a obra0 Ajino Cnristao
em 18 volumes, a obra mais oecessaria aos
sacerdotes, e que na; ha em parle algmna :
rua do Rosario n. 22, luja junto a de fu-
nileiro.
Sai do \ssn'
A bordo da escuna Georgiana : a tratar com
Tasso Irmos.
Gesso
para estuques de casas : nos armazens de Tasso
Irmaos, caes da Apollo.____________
Kap,
Ja chegon o moito desejado rap Paulo Cordel-
rocommora e viajado, o qual se vende na praga
da Iodependencia u. o loja das vioia>; assim como
continuamente se vende na mesma loj4 as seguin-
tes qualidades dos mni arredilados raps pnneeza
de Lisboa, rolo fraacez, rolao Meuune fino, gas-
se grosso e fino.
Vende-se
Urna escrava com idade de 23 a 24 annos
peritima eosinbeira, lava e eogomma, a tra-
tar a rua do Vigario n. 1 i.
Vende-so viographias de alguns poetas, e ou-
lros bomens illu-tre> da provioria de Pernambuco,
pelo commendador A. J. de Mello: 3 tomos, 9000.
Na loja de livros do Sr. Monteiro: oa raa do Im-
perador, oa raa Aujosta n. 92.
Na roa do Jasroim~7l2 vende-se um eirre
novj sem vidrassa. _
l*echincha
Vendem-se pequeos aliaras de algibeira,
para retratos em miniatura, para G e 30 re-
tratos, pelo diminuto preco de liSao ris
cada um: na rua do Crespo n. 4, fabrica
de chapeos de sol.
Rap Principe Alberto.
Chegou este rap e veude se coa botes de
qnTla, na loja da rua do Crespo n. 5 de
Gregorio Paes to Amaral 4 C.
Algodao da Bahia
Fabrica do Pedrozo.
Vende-se ra rua da Cadeia do Recife n. 20, por
prego commodo.
A tteneo.
Na rua da Semala Nova n. 2, se acha a venda
um grande e variado sortimento de esleirs che-
gadas do Aracaty, por preco razoavel : quem pre-
tender dirija-se a mesma.
Arroa
de casca a 3$500 o sacro
Venle se no trapicho do Cuoba e na raa ic
Crespo D. JO B.
FVRh'I
a 3^800
ATTEi\(liO
/Vo armazem de fazendas dt
Santos otlho,ru mado n "19.
Bom e barato
Lansinhis Porl de Chvre a U o covado.
Madapolo eQfestado a 8 a peca.
Cambraia de cores matisadas finissimas ?
*00 a vara.
dem brancas transparentes GDas de 4^
)(5000, 60, 7, 85 e y^ooo a peca com i(-
ardas.
dem branca tapada de 85 e 90 a pee;
:om 12 jardas.
dem branca francea muilo larga a 90 j
peca com 8 varas.
Bale* de 35 e 40 arcos nesgados par*
cenhoras, a 40500.
Mein de mursulina nesgados a 50.
dem de crochet a 50.
dem de mursalina para meninas a 301
305oo.
Saias bordadas a 50.
Cambraias admascadas pira cortinado i
120 a peca com 2o varas.
dem para forro a 30 a pe?a com 10 jal-
das.
Cambraia de linho muito Gna de 60 e 90 >
vara.
Madapoles finos de 60, 70, 80, 90,100
110 e 120 a peca.
Platilha de algodao superior fazeuda par
saias a 30200 a peca com lo varas.
Cobertas de chitas de ramagem 26oc
Lences de hamburgo fino a 20400.
dem de bramante muito fino a 30200.
Panoos adamascados para cubrir mesa >
40500.
Guardanapos de linho adamascados a 40
a duzia.
Atualhado adamascado com 7 1/2 palmoi
de largura a 20 a vara.
dem adamascado de linho com 7 1/2 pal-
mos de largura a 30 a vara.
Algodao enfestado com a mesma largura
a 10loo a vara.
dem trancado dealgodSo a 10600 a vara.
Toalhas alcochoadas de linho lisas all
a duzia.
dem de algodao felpudas a 130 e I4
a duzia.
Colchas de fusto a 60.
Lencos de cambraia braneos finos a 10800,
20 e 20ooo a duzia.
Lencos de cassa finissimos a 30200 t
3060o a duzia.
Fil de linho liso a 8oo a vara.
dem com salpicos a 10ooo a var
Grosdenaples preto bom a 108oo, 20
208oo o covado.
Worantique preto superior a 208oo o c
vado.
Flanella de todas as cores a 800 rs. o ci
vado.
Tarlatana de todas as cores a 8oo rs, j
vara.
Bramante de linho com 10 palmus de lar-
gura a 20ooo a vara.
dem de linho com 5 palmos a 102oo j
ara.
dem de linho com 3 1/2 palmos a 8oo i
ara.
Riquissimos basquins a 250000.
Assim como outras muitas fazendas qot
se vende por menos que em outra qualquer
izarte, e d-se amostras de tudo,
Baloes de 2o, 25, 3o, 35, 4o e o'o arcos
para senhora a 2-S, 2^5oo, 30, 30ooo 40 e
.000.
Ditos de 2o e 3o arcos com mollas a 5
e60.
Ditos de murculina estreitos a 60.
Espartilhos finos a 60.
Percalias finissimas a 4oo reis o covado.
ea idade
Este eMabelecimen! j a rna da Imperatriz n. 70,
r cebe do sua eonla por Udos os paquetes [rane-
les diversos olj-ctos da ultima moda de Pariz,
i" mo seja bonitos coque* lisos e enfeilado?, fitas
de sr-rja, ditas de seda li=a> e b riadas d<> todas
as larguras e de superior qualidade, lindos sna-
los de merino, da cajpmira e laa, toucas e la,
auito bonitos ehssellinbos, babadiohos e ntre-
melos com lindos bordados, pravatas de seda pre-
la e de cores para hnropm e senhoras ; as verda-
deiras luvas de Jjvin brancas e de cores mullo
unitas, carteiras de diversos eiiios e lmannos,
metas de muito boa qualidade, para borncra, se-
nhoras e meninos, nm lindo sortiment) de bicos,
esyarlilbus, toocadore* d3 Jacaranda' de diversos
lamanhos, titas de veludo, trancas pretas e de co-
res, lindos enfeites para vestidos, cintos de diver-
sas qualidades muilo bjnt.s, albuns, abotoaduras
para colleles, laa pira bordar de superior quali-
daoe, urna infioidade de bonitos brinqaedos para
crlancas, as melbores perfumarlas de Lubim, Piver
e Coodral ^oeiedade Hygenica, imroe"cidade de
objectos que deixo de mencionar para nao se tor-
il r massante, ludo por presos mnito commodos.
Para casas particulares
CORTES DE SED.A.
a 84000 res na loja do Pava'o.
tnegaram os mais modernos cortes de seda de
cor com elegantes desenhos claros e esjuros, tep-
do rauita fazenda para nm vestido e vendem-se
peto barato pre{o de S890 reis, por esiarmos
malta prximos da esia, isto na loja do Pava'
rna da lioperatriz n. 0, de Gama 4 Silva.
Bertaulia de linho
Com 30 jardas a 12*000 reis.
S O Pavao.
Vendem-je pegas de superior bertanba de llnbo
puro, lendo 30 jardas tu 25 varas cada pessa pelo
baratissimo prego de 12*000 rer, sendo esta fa-
zenda propria para lences, camisas, toalhas. etc.
rim!'\ i?, Pavao'ru* dl Iroferatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Bramante de Ii'bIio.
Com 20 jardas a 8,5 10 res.
Vende se superiores pecas de bramante de liabo
proprio para lences, toalbas, comizas, ele. rende
20 jardas raria pessa pelo tralo preco de 8C0
reis, na loja e armazem do Pavao, rua da luipera-
l;iz u. 60, de Gama & Silva.
SAlAs ECONMICAS.
a 5,500 reis.
Vende-se nma grande porcao de saias de cor
com b Ditas barras pelo baralissimo prego de
JiBOO res, na loja e armazem do Pavao ; rua da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
PNH05 COM GOLINHAS.
a 14000 reis.
Vendes- urna grande porcao de pochos cem
golinhas dr esgulo de llnbo, com os m3is liados
bord tos bardados ce eflr a 640 reic, sendo grande pe-
chincha pelo prego, na rua da Iujperair.z o. 60 a
Gama & Silva.
Esgoio de algodao.
a 6000 reis.
\cndc-se pegas de fioissimos esguiues de algo-
dao lendo 12 jardas pelo barato prego de 0*000 a
pega, na leja do Pavao, roa da Imperatriz n. 60 de
Gama & Silva.
POIL DE CHEVHE.
a S60 o 800 reis.
Vendem se as mais bonitas lanslnhas com listas
de seca, intitoladas poil da cbvre pelo baralissi-
mo prego de 560 reis o covado, ditas cora as lis-
tas maihisadas a 800 reis, assim como um gran-
de sortimento das mais bonitas e modernas lansi-
nbaj que se vendem pelos preg.13 de 280, 400,
500 e 560 reis, bonitas alpacas de seda de orna
s cor a 640 e 800 reis, isto na lo;a do Pavc.
rua da Ioiperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Baldes esguios.
a 2*00.
Lfiegarara es mais modernos balos esguios ssd-
do vtrdadeiratneote americanos e vendem-se pelo
barato prego de 2J500, na leja do Pavao rua das
Imperatriz n. 6), de Gama & Silva.____________
RIVAL SEM SEGUNDO
11:1 do Quclmado u. 48, loja i
miudezas
DE
Jos Bigodtnno
Varas de babado bordado do Porto a .
Carreteisde retroz preto com duasoila\as
Parriteis co reteoz de todas as cores a .
Frascos d'agua de Colonia mnito superior a
Frascos de o eo muilo fino a......
Duzia de tesonras p'-qnenas a.....
Frasco? d'agua para iirnpar dentos a .
Reos pretas lisas para segurar cabillo a
Duzias de pennas de ago muito finas a .
Caixas de linha do gaz do 30 novtllos a .
dem de palitos de segnranga a .
Garrafas de agua Florida verdo", ira .
Sylubanos com estampas para meninos a
Memento da roupa de lavar a.....
uzlas de meias tinas para senhoras .
Agulhas francezas a balao (papel) a .
Pegas de fitas de loa do lodss a= cores a
G rozas de botes de porcelana prateado a
Caixas com alfineiles trancezes a .
Caix;:s de IO(T"cnvelopes muito cls 5 .
Resma do papel do peso tranco lisn .
Krasco cora superior liBta a.....
Pares de botes de puuho mnito bonitos
Unbas em carlo de 200 jardas a .
Caixa de superior linha do gaz c r> B
n --ios .............
Ta Hieres para meninos a.......
Masso com superiores gramf-os a .
Bonets para meninos a........
Pentes rom costa de metal a......
Realejos para meninos a.......
SOt

-j(K
48
(50:
.
6.
BOJ
2
UOC!
S51
101
4f)0t
6(
HK
G^
8:
11
f
!0i
3

" S s
p fc o"
X" M T' ^
^Ci?
>
-, OS. i
u>. < 2. w 2 M 3
SfeSoffa.f
t-" ~Z B S ""
5> =- ~ ? b c = xi a
ct
?=3 2.
15
5' 2'?c -~
2. 1 "8
O B a' a1
^ fia
o /> a
= B = 5"
'< c
B
8T
I S T
&3-S4
1.3
co 3 ara"
i
Na travessa da Madre de Daos n. 18, armazem
de Jos Vicente de Lima, vendem-se massas bran-
cas de Lbboa, fazenda moito fina, e prcpna para
.asas particulares, a 4* cada caixa de uisa arro-
ba, contendo macarro, tslharim e aletria, e a 2*
cada camntia de meia arroba, contendo igualraen
te massinhas sorlidas. A ellas, antes que se ac
h-m ; o prego convida.
Vapores.
Vende-se era casa de Sannders Brothers & C.
o largo do Corpo Santo n. II, vapores patente
om todos os perteoces proprios para fazer mover
es on qnatro machinas para descarocar algoda
BOTAS"
Novameoie chegadas botas rossiaoas e pernei-
ras da melhor qualidade que temos visto : na loja
do vapor rua Aova n. 7._____________________
Vende-se
Na rna da Cadeia, bairro do rtecife n. 53, primeiro
andar, orna pardinba de boa figura e s4e, com
12 annos de idade e combons principios de os-
lara.
_ Vende se telbas sapernr e tiiolos de todas as
qualidades, fabricado com barro d'agua doce por
menos 4* em milhelro do que em onlra qaalqner
parte : na alaria de Jos Carneiro da Cuuba roa
ds Prazeres o. 38.
Vende-se farioba de mandioca pelo barato prtec
enunciado : i rua da Madre de Dens n. o.
Vende-se a casa terrea n. 61 sita na rua Ve-
loa, e nm pequeo sitio com casa de vivenda no
lugar da Capunga defroote do sitio do Sr. Paule
Jos Gomes: a tratar na roa das TTinceiras nu-
men 6.
16 >p V.J ni j e Paulo Cordelro
A loja do cordelro providente a' roa do Qaeima-
d 1 n. 8, receben nova remessa dessas qualidades
de rap.
mk DE C4RN41IA
Rua d Madre de Deus n. 5.
Vende-se cera de carnauba mal* barato do qae
era ontra qaalqner parle, de boa qutlMade.
Esorava
No armazem da raa do Codorniz n. !, vende-
ama molatioba recolbida de Mad* de 18 tonos,
e-sichae t?o> pritelplo* ae corvando.
c
~.
a
-i
n
a
7.
o
IC
a
aBB'?S.0;

r5o
^Sa
O 2 a a> (t P ^
B
lu_
E^
33 a. J o
* ce
DS
CB "O ">
B Ja
_ as o
J
w ? "2
a.
o
|f
i
O P
S. 03
O C/3 CD
s? ce o
Pa
CB O

C
Ji
5
>
-
p
o
a.
c
V.
3
3* 5
. sr"
OH B cr
K g ^ CD
3 S I -rr
o a ui k.
v sr a iS,
ON
Vende-se fiado e a vontade
do comprador.
O estabelecimento da rna Nova n. 65, onde txi-
te om bilbar moderno e se fabrica e vende serv-
le, assim como todos os movis, 1 ingas e utem-
lios existentes de um inventario : traase no lar-
go do Paraizo n. 24.
Francisco Jos Gennann
{RUA NOVA N. ,
acaba de receber om lind ma-gnifiw t
timento de oculos, lnnetos, binculos, do r>
timo e mais aparado gosto da Enropa e occ
los de alcance para observacoes e,par*
maritime*.__________________________
Vende-se tinta fina para escrever, e
quinta mais aotiga a escripia mais preta :a
corre bem na penca, t^anda que esta seja
de ago uo as estrada e*to cria mofo ; na
botica na rua Direita n. 88, e nesla tvp
grapbia i oo rs. a garrafinba.
E' baratssimo a 500 ris o
covado.
Soperiorea lias'para vestidos coa eicelieole<
pardes a 600 ris o covado, aproveilem antes qo
se aearero ; oa roa do Qaelmado D. i6,1-j] ds
Gaimare? & Baios.


DATA INCORRETAi


liarlo
ii
ftabbao tt 4e X#veibro de 1867.

DO
im. S12VIAL.
Para o tratamento e cara rpida e completa das molestia syphiliticas, ris-9-
as, rheumatismo, bobas, gota, debilidade do estomago, inflammacSes clnicas do ligado
i baco, dores sciatcas, cephalalgias, nevralgias, ulceras chronicas, hydropesias, pleuri-
aas, gonorrheas chronicas e em ge al todas as molestias em que seteanaem vista a pu-
rificado do systema sanguneo.
Considerare geraes
A saude um bem inapreciavel, cuja importancia e valor s est reservado ao eui
'ermo o avalia-lo.
incontestavel que o homem ueste mundo constantemente, e por todos os lador
uacado por urna infinidade de agentes morbficos que todos tenden, dadas certas e deter-
minadas circuinstancias, a alterar o regular exercicio das funcces orgnicas, resultanbo
pesse desequilibrio o que se chamamolestia.
A molestia nSo mais do que a desvirtuadlo das torcas vitaos, occasionada,- d,
jundo as investigacoes e experiencias dos mais abalisado mestres da sciencia, pela depm-
ac3o dos humores geraes, consequencia da accSo maligna desses mesmos agentes mora e
icos introduzdos no organismo pelo acto da respirado, pela via digestir, pelo contacto
inmediato etc. etc. etc.
A sypuilis infelizmente tem sido a partilha da humaoidade, e como fra de duvi-
la que esse terrivel Proteo da medicina urna molestia hereditaria, ella tem sido obser-
vada em todas as idades, e debaixo de todas as suas formas tao variadas, enfraquecendo
;onstituic5es robustas, produzindo mutilacoes, e cortando ainda em fldr da idade vidas
preciosas.
Eliminar da economa esses principios deleterios. e purificar a massa geral dos
omores tem sido desde tempo immemorial o fim constante da medicina, e os purgati-
vos figuram em primeiro lugar para preencher esse desiteratum ou fim.
O Elixir depurativo do Dr. Sevial parece merecer a preferencia sobre todos: os
inmensos successos obtidos pelo uso destesalutar agen'e tauto na Allemanha, como em
?ranca e Italia, o tornara o companheiro inseparavel de quasi todos os doentes.
Sendo as molestias, como cima dissemos, devidas s alteraces dos humores, o
SUxir depurativo do Dr. Sevial pode ser empregado vantajosamente na syphilis, erlsy-
pelas, rheumatismos, bobas, gota, debilidade do estomago, iaflammaces chronicas do
Igado e baco, dores sciatcas, cephalalgias, nevralgias, ulceras chronicas, hydropesias,
pleur isias, gonorrheas chronicas etc. e em geral em todas as molestias em que se tenha
m vista a puriflcaco do systema sanguneo; pois que urna pratica constante, tem feito
'er que elle iniispensavel nos casos gravissimos para minorar os soffrimentos, pre-
parar o doente para medicaces superiores; e as menos graves a cura a conse-
cuencia do seu uso, convenientemente repetido.
As substancias que entram na composic:) do Elixir depurativo do Dr. Sevia
perteucem todas exclusivamente ao reino vegetal, e grande calhegoria das substan-
cias depurativas e ansyphiliticas; assim, ao "passo que este remedio depura o orga-
lismo, eliminando os principios nocivos saude, pelo mecanismo natural das evau-
j$3S alvinas, neutralisa ao mesuio tempo o viras sypbilitico quando este virjem.
em feito erupclo ao exterior dabais de suas multiplicadas formas; e previne ta
sem os estragos dessa terrivel molestia, quando por ventura se aebe'ella -ainda no
estado de encubado, isto sem se ter manifestado sob formas externas: beneficio
nmenso, taato mais quanto neste estado os individuos igncram completnente se es-
lo contaminados por este terrivel inimigo.
O sabor agradavel d'este Elixir convem a todos os estragos, a sua aeclo so-
)re o tubo intestinal suave e benigna, e de nenhuma forma produz mole ritas'.midt-
amcntosas, como acontece ao purgante dito Le Roy, que na sua qualidade de dras-
co forte irrita a mucosa intestinal, e consecutivamente a seroza, resultando d-ste es
ado, muitas vezes, hydropesias, que quasi sempre terminam pela morte lo doente.
Assim pois esperamos que o uso deste remedia justifique cabalmente as nos-
tas asseveracoes, porque sendo um medicamento to simples na sua composiclo, a
ptica tem confirmado sua utilidade.
nico deposito em PeraambiEi.^
Na botica e drogara
DE
Bartliotomeo. Commnhia.
34 RA DO ROSARIO LARA34
aovo DEPOSITO


_
Paia i)ESCAROCAR ALGODAO
Manoel Bento de Oliveira Braga,
53Roa Dirca a.53
Nostc estabtlecimento se encontraro a
verdaderas machinas americanas cbegadas ltima-
mente, ps quaas sao fritas pelo mais afamado fa-
bricante da \merica, por isso avisa a todas as pes-
soas que precisarem comprar, de se dirigir a este
estahelecimento que como'ar3o das mais perfeitas
neste genero, assim como mais barato do que ero
outra quatqner parte, por isso que se recebe por
conta propia, bem como cannos de chumbo e mni-
nhos para moer milho, e grande surt meato defei-
ragens e mrudezas em grosso e a retalho.
Facas de cabo Dranco de raeio balanco a '
a duzia. urnas finas de todos os tamanhos proprias
de trabalho de escultura.
i;ll:


Novo e grande deposito de superior carv^o de Carditfna
Babia.
Antonio Gomes dos Santos & C, roa Santa Barbara n. 1, estao habilitados a snpprir de
uvao o m condic5es mais favoraveis qae em oat\o qaalqaer deposito, a todos os navic.5 a vapor que
cerrera naoaeiie porto. A eoutratar nesta C3in Domingos Alvas Matheus.,
-3IBA: mmi
FABKICi IX CIUF1S DE SOL
=4.
DE
MIDAMl FALQUE.
Este estabelecimento acaba de receber de Paris urna rica colleccao de chapos
ie s.'! ie seda, de alpaca e de algodao, com armares de balea, de ferro c de jonco dos
w'liores gostos e fabricantes, que vende mais barato do que ootro qualquer estabeleci
nenio, por seren faznda> violas directamente.
Igualmente tem izoudas de seda, de alpaca, de algodao e de linho para cobrir
;'p)S de sol, tudo de boa qualidade e por preco commiio.
Encarrega-se de qualquer concert, com presteza, segaranca e garanta.
mm
Ao respeitavel publico pernainbueauo pede-se




Attenqao
Manteiga ingleza
320, 800, 800 e lj> no armazem se acba vista.
Manteiga franceza
em l'tDras 560 e 640, em barris se far differenca.
Banha de porco
em libras 320 e 380, em porcc se far differenca.
Fructas
em calda Pera, Pecgo, Rainha Qaudia, Alperxe e oatras muitas 500 e 610 a lata.
Errilba
Portuguezas 640, francezas 900.
Pomo
em latas do Para e de albaneque, lata 1(9 e 15200.
Oomma de milho
em pacotes, dita da trra 100 e 200 a libra.
Vlaho
de Bordeaux em caixaa duzia 5(, garrafa 500, dito de 85 a duzia, 800 a garrafa, dito a
nimiiiiiH
ifPharmacia especial homeo-(|
pathSca do Dr. Mablao O.
L. Plaho.
Cha de 1* sor te para uso das
Wk pessoas que te tratam homeopathi-
camente.
|fi Vende-se em pacotes de libra a
m iOO rs. '
Ra Nova n. 43.
mmwmmmmmwmmM
0 ordeiro providente
Na antiga loja de miudezas a ra do Quei-
mado n. 16.
Tanda sempre em vnta oo roabar o tempo aos
sea [regoete?, com exteo^os aoaoacios ; mas
tambem oo qaereodo qae os mesmos tregeles
Igoorem o qae de aovo tem elle recebldo, por isso
resumidamente o dir': ebegaodo assim ao co-
nheeimento de todos qae a dita loja do Cerdelro
Providente, ra do Queiaudo a. 16, recebea o se-
guate :
Bonitas e doradoras ligas de pellica para nielas,
tanto para senboras como para meninas.
Leques de diversos, e modernos gostos.
Peoies com eofites donrados e nao donrados,
para meninas.

Fabrica e fundiedo de bronz
e outros mttacs, caldeirciro,
laioeiro, e funileiro, situada
na Sotedae, ra do Prin-
cipe n 3, c com deposito na
ra Nova n 38, da cidade
do Recife
de
BRAGA &SAMPAI0
Fabricam-se neste-importante estabeleci-
mento todas as obras concernentes as artes
respectivas como sejam:
A ambiques de todos os tamanhos em
feitios, os mui acreditados aparelhos de
Derosne com as dimences delicadas dos
fabricados em Franca.
Fabricam-se avulsas quaesquer pecas des-
apareaos, como sejam o dilataJor, ratifica-
dor e condensador, ou esquenta garapas,
resfriador, serpentinas interiores.
Fabricam-se bombas de todas as dimen-
Ces e qoalidades, pelo systema francez ou
Coques simples centellados, moldes Inteiramen-! americano, simples, de pressao, repuso, e
te novos. com especiaiidade o estanca rio 1 assim -p
Bom papel em ca ibas liso, pantado oot* < nominadas peio enorme volume de agua
ue Horueaux em caiid a auza oa, garrata ouu, ano ue a uuza, suu a garraia, ano a do e ,imbr,ao, e outros maitos bb ectos qae mea-1 """"T"""' v* u'" wiuuw uc dKu 14i5 a duzia, 1,5(200 a garrafa, dito do Porto a 85,120,180, 240, caixas de dnzia, assim [clnalos sena bastante enfadonho, e que e ven-1 Que serven calculada em 100 pipas por
como figoeira caada 30500. e 40, puro J A A Lisboa 20800, 30 e 30500 a qualidade
convida.
Clac
em lata- de 5 gales e mais pequeas a vontade do comprador, em garrafa.
Alpiste
140 e I i 0 a libra, painco a 100 a libra.
Axele
em garrafas a 800 e 10.
CHARUTOS
em caixa de 50 por 10, ditos Delicias, Trovadores e Parisienses em caixas de 100, ditos
da ExposicSo caixa 50, ditos de Regala caixas com 100 a 20300 e outras muitas marcas
que s na presenca dos compradores.
PREZUNTOS
de lamego em barril, ditos de fiambre o melhor que ha no mercado por prego que faz
admirar !
DOCE DE G01ABA
caixes de 560 fino, ditos de 10500 qae parece marmellada, dito em latas muito fina
qualidade a 10200.
BOCETAS
com doce secco a 10 e 20.
QUE1JOS
do Alentejo em latas chegado pelo vapor Oneida, ditos Flamengos e Pratos dos mais novos
que ha no mercado.
AZEITONAS
de elvas como no mercado nao temos a 10 a lata, em barris do Porto a 10 como n5o ha
melhor.
FAZENDAS DAS LOJAS E ARMAZEM DA
Tendo o proprietario destes dous estabe-
lecimentos resolvido liquidar grande parle
Alpacas de lista a Soo rs o covado.
Vende-se alpacas de listas e de flores
de suas fazenda* por isso resol veo por em li- proprias para vestirlos de senboras a5oo,
quidacao para vender mais barato do que 6oe e 56o rs. o covado: ra da Iinperatriz
em outra parte. | lojas da Arara ns. 56 e 72.
ahitas 160 o covado. Casemira com pequeo toque do mofo a i&
Vende-se ditas em retalhos a ICO rs. o Vende-se casemira para calcas e p lilot
covado, ditas em peca a 200 rs. o covado : com pequeo tnqie de mofo a 10 o covado:
cassa franceza a 'io, 28o rs. o covado : ra ra da Imperatriz lojas da Arara us. 56 e 72.
Ja Imperatriz lojas da Arara ns. 56 e 72.
Lazmtias ia Arara 24o o covado.
Vende-se lasinhas para vestidos 2io,
28o, 32o, o covado : ra da Imperatriz lojas
da Arara os 56 e 72.
ftadapylo a 40 a pega.
Vende-sc pegas demadapolao a 45.53.diio
Roupa feita nacional.
Venae-so palitots de panno a 5, 60,
85 e 100; palitots de casimira de cores a
60, 80, e lo3, i-alitots de meacasimira a
305oo e i0, caigas de casimira a 50, 60 c
de em dita loja de miadetas do Corielro Previ- bora, e das quaes algumas estao {romptas a
dente, ra do Queimaoo n. 16. serem experimentadas.
Wio faltaai flores, Esistem bombas por este systema, me-
O Cordeiro Prevideote a roa do Qaeimado n. 16 nores para ,.egar sitios garantindo-se n3o
tem constsnteiDente nm lindo sortimento do fl-1 '*, j ._?- B ...
as e bonitas llores, por Isso quando algum ba., a 8ua duraglo como a grande quantidade
bilidosa joven quier preparar qualquer eneite de de agua que forne^em pelo que sao COUS de-
bello gosto deve logo lembrar se que ba dita loja radas hoje as primeiras bombas conhecidas.
do Cordeiro Providente, a roa do Queimado n. 16,
nao falnai flores.
Para alvejar es denles.
O cordeiro prevideote a roa do Queimado n. 16
recebeu do bem coabecido fabricante Junb Gos-
i II C uma ptima qualidade de pos para den-
tes aromatisados com canfora qae realmente tem
merecido todo concelto porque nao s alveja per-
feitamente os denles como tambem conserva-os
sempre no melbur estado de perfeicao, assim pois
queiram vir comprar ditos pos oa mesma loja
do Cordeiro Previdente, ra do Queimado n. 16
Eafelles com poatas.
U Cordeiro Pfevidente reobeu nm lindo sorli-
mento J> oufeites com pontas para vestidos, tanto
de seda como de la que combinam perrilaraeu
Todas as m.ds obras se fabricam vonta-
de dos freguezes e a seu capricho.
ExUtem sempre promplos no deposito in-
dicado na ra Nova n. 38, um completo sor-
tmenlo de obras solidas, bem construidas e
a precos r^soaveis, como sao alambiques,
serpentinas, taxos, passadeiras, repartidei-
ras, escumadeiras, cocos, caodeias, e muilos
outros uteticilios preprios para engenhos,
como sejam mancaes de bronze, parafuzos
para rodas de agua e outres.
Cavilhas, machos para lemes, pregos de
todos os tamanhos e para o forro de cobre
te com os eiotos moderaos do mesmo formato, por' de Davios.
isso para poder enfeitar-se com goio qualquer! Aprompta-se tUdO quanto diz respeito as
vestido e mdipensavel comprar-se ditos enfeite? *, ,'-, ,,_..A -, *00Fc,"'fa
na mesma loja do Cordeiro Prevideale, a ra do Obras de lalao torneddas e polidas com toda
Queimado n. 16. ,-a perfeigo.
Chapellnasde seda Vlvulas para tanques de banho, torneiras
Modernas e bocius ch^peiinas de seda para s?- detodos OS tauanhos e quadades, assim
^t?^Tz^r^^-\?Tlodos ?8rimen8 para Kmiliiares'
cebida, quem pretender uma moderna e bonita Doloes para larda, aparelhos para barretina,
cliapeliaa deve aprecar se em uaodar compra-la nmeros, espheras, espadas, cornetas, alam-
em dita loja do Cordeiro Prevideate-a ra do '
Queimado n .16.
CAlXINHAS ENFEITADAS.
Estas muito desejadss caixinhas va-is e enfei-
uJas com (.'>! '> qoe tama eiiracca tem tido e
que realmenie servem para diversos Hd?, eiisttm
na loja do Cordeiro Previdente a ra do Quemado !
n. 16 um completo *on>mento de ditas caixinhas e
pailas turibulas, caldeirinhas, havlas, almo-
farizes, perfumadores.
Obras de folbas de flandres de todas as
qoalidades, bahs, bacas, bules e outros
utencilios domsticos.
Lampies p:;ra gaz para eogenLo?, folha
sao vendidas per pregos to rasoaveis, que o expe- e "anures em caixas, romas de cobre e la-
riente fregoei nao objectara' em compra-bs em to, tubos de chumbo para encanamentos de
dita loja de miudeaa doCordoiro Previdente a ra todas as dimeogas, folbas de zinco, estanho
do Qae.mado^TEl6^3 ^ CHaRT0S em barras e verRuir.ha, langes e barras de
O CordeiroPrevideote, ruado Queimado o. 16, chumbo, vidros finos pira espelhos, de c6-
tein um bom sortimento de Boas ponteiras para res, bordados, e Opacos, e outros para vi-
charuto?, sendo lisas e com figuras em alto rel- dragas, diamantes para corlar vidros, cadi-
vo ; e para que os saus fregu-zos rao *e Incorri- nnos .r(i a,... j ....|pn.^ arpa n?r mnI
modem em comprar cralos em algumas das lo- oraianos e at Prenle, rea p^ra moi-
jas de charnieiros, recebeu tambem um bom soili- ".ar> ,u.lles Para terreiro lavatorios com ha-
rnelo de Boos charutos do afamado fabrioaate cias e jarros, trra podre e outros ii-umeros
Fuado de Simas; assim, pois encontraro os'o! jectos aroprio Ce laes eslabelecimentos.
bom sortimento na dita loja do: SeQdo todag ag obn nspecconada8 e
feitas sob a direegao do socio adminisl'ador,
, Jos Baptista Braga o qual se acha de novo
de' especialmente incumbido da gerencia de tSo
imponante estabeleci mente, isso uma ga-
. rantia pe'a sua longa pratica, quu tem os se*
! nhores freguezes de que serlo servid is a
(contento, com promptdSoe prego cemmo-
I do, pelo que os propietarios lhe sero agra-
decidos.
muito finoOS, 75, 85, 95, lo5 : ra da Ira- 75, ditas pretas 55, 65. 7-j e *5, ditas de
peratriz lojas earma'.em da Arara ris.5fie 72. meia casimira a 253oo 35 e 355oo coletes
Cortes de cambraias de barras a 25 de casemira a 35, 33oo seroulas a 15,'
Vende-se cortes de cambraias de bonitas 156oo, 25 e 25ooo: ra da Imperatriz lojas
barras a 25, ^Boo e 35ooo da Arara ns. 56 e 72.
Ditos de drqbraia bordadas brancos e de AlsodJo enfestado a 15 a vara
cores a W, 455oo e 55: ra da Imperatriz Algodao enfestado para leocoes e toalbas'
a todito transado 1^28o avara: ruada
lojas da Arara, ns. 56 e 72.
Arara vende algodao a pega 35-
Vendo-so pega de algodao a 3;>,- 45, '5,
65, 7d. 5; ra >a Imperatriz ns. 56 e 72.
Riscado francez de listas a 35o rs. o covado.
Ven le-se riscado francez de listas para
vestidos a 3Go e loo rs: ra da Imperatriz
ojas da Arara, ns. 6 e 72.
Ditas franceza a 24o rs. o covado.
Vende-se chitas francezas 0nHa24o, 28o,
Imperatriz lojas e armazem da Arara ns. 56
e72.
Corles do la de I 'i covados
Vende-se cortes de laa de 1 i covados a,
35, 45 e 55: ra da Imperatriz lojas da Ara-
ra os 56 e 72.
um bom
Cordeiro Previdente, ra de Queimado n. 16.
Paru *ffertas u& bosplial por
tllfillCZ.
Bonitas cestinbas com iructas de cera, obra
milita perfeico e bom gosto.
Para corlarmoldex e en brulhar fazendas
Vende-se papel ;ar-lo folba grande.
Para lustrar calcados.
Wnde-se superior grasa econmica.
Vende-se papel para matar moscas.
A oja do oordclro previdensc
Ra do Queimado n. 16.
Mella acharao os prctendentes um grande e va-
riado sortimento de perfumaras tinas, tanto ingle-
zas como raocexas, sendo :
Finos extractos para lengos.
Iiaohas e pomadas para cabellos.
Oleo philocome e baboza para dilo.
Pos hygieoicos para denles.
Ditos camptiorados para ditos.
Opiata ingleza o frauc-;a para ditos.
Picotes com pos de arroz.
Vasos de porcelooa para ditos.
Sboneies para mSo o barba.
K mijitos outros objeclos que sero presentes
ao eomprador qae se dirigir a ra do (juslmado
n. 16,loja do cordeiro previdente.
BtH'eijas peqaeoas.
Vendem-se ua ruajdojUu.:imado u. 16. jloja do
cordeirolprevidente.
Pars, 3S, Ra Vivienne, l>
DtS SKXI.'AES, AS A FIO
_J ,TKB*(;OES DO SANGUZ.
JO.000 curasdu i-r.,\vgewt
pia'Ua*, herpes, tana,
comixoes, acrimonia, e aU
'. ,: ti,vieiosn$d(.aangutf
vina, e alterafot* do ;,;
. mercurio). Bopurat*^r
vece(a<-B iiaaiuih mikiiai toaio-se dov'
i lasna. fegui;:i!o o trciaunulo Depurativo .- *
railu ns m n oolesciM.
Charoles
32o e 4oo rs. o covado : ra da Imperatriz 25.255oo, 35 e 355
Ricas saias horda las a 35 :oo.
Vende-se ricas saias bordadas para senho- da acreditada fabrica de Jos
a a 355oo. 55, 35 e 75, bales de arcos a! Simas.
Furtado de
ooo: ra
lojas e armazem da Arara ns. 56 e 72. i0jas (ja Arara, ns."56 72.
da Imperatriz Vende^i-sejna loja'.docordeiro previdente
do Queimadu^n. 16
a roa
1RS0Z m GA^GA
\endu-se em saceos grandes a 4J50 : no tra-
piche do Cuoba.
Vmho sopener em caixas de uma duzia e
tem para vender Antonio Luii de Oliveira Ate ve-
do & C, no seo escriplorio roa da Crm o. 57.
Fundado WAurora em
Santo Amaro
Completo sortlmentc de taizas batidas e rotun-
das, alambiques de todos os tamanhos e fundos di
ditos, moendis de todos os tamaobos de superior
qualidade, crlvos e boceas de tomaina, o que lodr
se vende por commodo prego.
Veada de terrenos..
Na traressa rja rna Angosta oa roa de S. Joo,
freguena de S. Jo?, vende-se nm terreno com 180
palmos de /rente e 130 de fondo ; bem como ou-
tro de 200 palmos de frente e 90 de fondo, j
com prioripi de edifleaco, todo por preco com-
modo : a tratar oa mesma ra com Cyrlaco Jos
Coelbo, penltima casa em dlrecco ao Gizome-
tro, lado do sol.
Rival
sem segundo.
Ra do QueiuBDO a. 49.
$oer acabar com as fazeudas abake
meaciouadas.
Queiram vir ver o quu bom e taradsimo.
Toalbas de labynntho com bico, fazen-
da boa i.............3OOt
Cirreteis de liaba com CD jardas a. 3<
Gravatas pretas e de cOres muito Anas a 5(K
Calsas de obrejas de massa moito novas a ii
enrladores para espartilbo de cordo e
fita a............ fc(
Carreteis de llnba Aleandre com iOO jar-
das a ............... SOI
Jabonetes muito finos a 60, 160, 200 e 't
Ditos de bolla moito Bnos a 2*0 e 3SN
Kiadas de lioba froxa para bordar a 21
Varas de cordo para espartilho a Jl>
entes volteados para regacar cabello de
meninas a............ 320
frascos de macaga' oleo muit3 fino, a 12fj
ibotoaduras muito dais para colletes a 5Qt
^artSes de linha branca e de cores a 20
Ubra de ara preta superior a..... 10X
WOE BAZAR
RA NOVA N. -O E 22
gnataeatt os flnxos e flom
^ancat das unllicres. Esu injecsao beLigss (>
y.cga-tocon o Xaroufi da Cilraclo de Ferru.
SSemarroldo*. Pomada que ai cara ai tres dil>
POMADA ANTIHERPETICA
Contra i oas atfeccoet cutneas i cornixoti.
PIL.ULAS VEGETAES DEPURATIVAS
o U1 Vlutbie. cada Unto vai iccojjptko u
*tt0.
AVISO AOS SBS. MEDIOS.
Ilnr raiart hu osle
* c'i>%e.!uc!i*i imiut^tt
nervotai tal ttox hron-
i^Mi) sit ? fe "'' e ""t"' loentm
lft<'"^1 **"** ^o ;ei/v, bsALa au .> -!a
Ua:a coln: n't'.-u dKslr xarop-- i' KltriGET
Dr. illLiiL Pana, ru:-j ili>n:-. 8.
A venda na pharmacia de P. Maurer f
e G., em Pernambnco.



DE

.
FAZENDAS BA
Chitas francezas largas de cores escuras e claras e de superiores qualidades a 28 rs. o covado
Cassas francezas de cores a 30 rs. o cotado.

. i -.-
Ditas fraucezas de eres de superior qualidade com grande variedade de padroes a ico rs. o covado
Gaze de seda de cores linda fazenda para vestido a 32o rs. o covado.
Lindas I3as de cores para vestido), pajies modernos, a (jo rs. o covado.
Superiores alpacas lisas e de flore para testWo a l e fo rs. ao covado.
IfcdapbRes de soffriveis qoalidades a Z3, W. $4 e 6<5 a pec^. .,
Algodlzinbo braice de superior quadade a 4$ a peca,
Assim como otrtras maas fazendas de Ja e de pbaolaia a precos baratos para acabar.
Na loja das eotaed-re do Crespo p. 13, de Antonio Correia de Vasooocellos 4 C.
scovas par (ato, facenda boa, a fO('
Varas de franja braoc de linho para
toalba a.............. 10(
Caixas de palito bailo a........ U-
Caixas de palitos de segaranca sem en-
chofre ............. 60
S.bonetes de familia a 100, 160 e ... 2iO
Cartilha de doatrina consta a ~n
Qaadernos de papel pequeo superior a 20
Duzia de baralbos francezes superior 200X
Grora de ptiop&oros muito superiores If Of
C-ixas a retalbo do mesmos..... i<
Caixas de phospboros de valuaba centendo
500 veilinbas moito superiores a 160
Resmas de papel almaco muito superior 2>0(
Resmas de papel pautado soperlor qaali-
_ " Duzas de oeias para homem..... 28O0
Dozlas de melas croae moito superiores O*
Machinas para descarocar algodao, do mt
Ihor autor que tem apparecido na Americ
E' tai a execucao do macbinisme, que o ai-
god5o sane quasi t5o perfeito como o de bo-
landeira. Recommenda-se a attencao doi
Srs. agricultores, estas machinas.
RDAOE^n i
hit \
de IG^ l'i, f>..
Ru do Scino, 81,
A :-v
timo de (jaranrjuns
Cbegoa o especial raa do Queimado loja de M.
R. de Carvalho, n. 18.
Rival sem segundo.
Raa do Queimado n. 49.
E-u' veodpndo orna pecbinchi.
Covadj de chita franceza larga mallo bonitos
desenhos a 840.
Muas %
Eiperan-se eam destes nimaes, moito soperio-
res.vlndos, do Rio da Prata : qnem pretender conr-
prar lrija-ee a' praoa do comroercio, antiga raa
doTrapleBe n. 6, para tratar.
Joruaes para 1868
Ma llvrarla Wram*eu*jtssignam-se
todos os jomaos da Europa ; os Srs. assiff-
nantes encontraro amostras dos perioJicos,
e catlogos dos mesmos.
_______RA DO CRESPO N. 9.
m gaz m
Chegoa ao aolifo deposito de Henry Forster
u, roa do Imperador, um carregamento de gaz dt
arimeira gualidade.o qual se vende em partidas
i retalho oor menos preco do qae em oatr* au*i
laer parte._______
W1V4S N0V4S
A Agaia Branca a ra do Queimado n.
8 recebeu d'aguellas bonitas luvas de pelli-
ca eDfeiladas, e j bem ionhectdas por luvas
a duqteza*.
tm ejdi (irrata, cal. nrtti t :h. c (><' >/ii
que leca o Bt-j iinrtc, um ruliil uprnca bp aa-
riUocoa mllo Ui-saiat me acx.*o ra*ei :.
1. 9. riiif!-
tMn>a i'itra
ir A.'J f-XHfO. s.
trti'ani.KrlUnil
t feo 4ii ir la,
0 nilTIMn .enza m
rfO bAtrr :,t,i f 4%
alar r.--i-
Deposito na pnarmacia de P. Maurer I
C. em Pernambnco.
CASTRO NUNES
Grammatica nadouaL
Sexta edicio
lifTtrii Trancen.

- + 1jr

l DATA INCORRETA



/
larlo de Feraambne* Sabbado tt de \ovembro de 1867.
Collares Royer
Oa Anodiios elcctrico magnticos
Deposita acreditado
toja da guia branca roa do Queimado n 8
Apre^oar ainda os prodigiosos effeitos dos
Collares Royer j d5o ensillar oo querer
kitroduzir novidades, porque a fama de sua'
efflcacia tam-se lano esteadido, e os seas
felizes resallados a tal altara elevado, qne
hoje rara pessoa qoe por experiencia
propria, ou por intermedio de seus amigos
e parentes, ignore ou desconhe ;a as virtu-
des desses 8empre apreciaveis collares
Royer.
A aguia branca porm se gloria de concor-
rer para um tao justo fitn, se n3o por ou-
ro modo ao menos por ter sempre, e eons-
anternenta um completo sortimento desses
collares magnticos, que bem se podem cha-
marsalva vidas das criancas.
Resta ainda que os senhores pais de fa-
MUITJlS F1IEID1S
KA
LOJA E ARMAZEM
DO c)
milia se facam convencer jde que conven' RqisslfD0S corIes de 8ed, de cores, cora irados
nao esperar que as enancas sejam atacadas ; matizes completamente novidade.
do mal, e por isso necessario ou conve- Lindsimos vestidos de cambraia branca bordados
niente que cora antecedencia se deite na com gosto.
crianga um desses collares para^assim estar Ricos basquines, primorosamente bordados, e olti-
ella preservada das convnlces e se contar' m* taoii em Par"-
livre dos rigores da denticao. i R'qoissimas obapelinas de seda, palba a imilacao
A aguia branca ra do Queimado n. 8' e enfelladas com m" **>
contina a receber por todos os vapores TpJE1 seDDOras.sendo ^ ultima moda
m _*ji i CID railZ.
francezes a quantidade que ha contratado e Lindsimas gravatiohas para senboras.
por isso acba-se ella sempre provida dos ver- Lindos colares e voitas de vi iriibo e seda, oitima
dadeiros colhres Royer eleiricos magne- moda e i0,eira novidade.
ra do Crespo n. 9 A, esquina da roa do Imperador
Acaba de ebegar pelo vapor Gutenne, um variadsimo sortimento de fazendas que dizam os
nossos correspondentes qne foram as raelbores, as de ruis goslos e novidades que encontraran) em
Parir, e por isso muito recommendamos a apreclaco do respeitavel publico, os seguales artices que
go eneontrarao na loja do Pas.-u.
ticos.
Al Agnla Branea a raa do Quei-
mado n. 8.
Incontf Mavelmenle na lo/a da Aguia Branca
onde os apreciadores do oom podem melborroente
prover-se daquelles objectos da gosto. E-sa verda-
de ja por tantos e tantas vezes recubecida ainda
agora se fa confirmar com a nota dos preciosos
objectos de gosto e valor qne a aguia tero a satis-!
facao de patentear e por a disposigo de qoem os'
deseje e possa comprar. Ella principiara pelas rt-
cas caixas com mosica e sera ella, para costura.
Essas caixas por soa perfeigdes, goslos e rique-
zas, se tornara reeommeodavels para algora im-
portante presente, ou mesmo para quero lenha gos-!
lo de po-suir orna bel a obra, porque de certa -ao
ellas as de maior valor que se enc.ntram ero Per- i
sarebuco, ten !o urna qu-^ srbresahe a todas as ou-:
iras. Alera dostas ha uutr-.s de pregos menores, as-
sim como tambera ba b >nilas caixiDhas vazias de
madeira, envernisadas c marebetadas, com fecha-
dura e chave, para costura. I
Em loques o qne se pode encontrar Je melhor,
sendo:
Todo de madreperola, bo'dados, obra de gosto e .
valor.
Outros de madreperola e seda, Loaito; desenhos.
Oatros de madreperola cora b rdadus col ridos,!
obras de muito gosto, e geralineute apreciadas.
Oatros lodos de sndalo.
Outros de sndalo o seda com bellos desanos.
Ouiros todos preto* para luto.
Outros prelos c >m desenos roso, proprios pa-
ra senhoras vio vas.
Outros do sndalo e faia, formando qaatro vistas.
Outros do sndalo e sanlalo e seda, para me-
ninas.
Oatros dt- madeira e papel, obra barata.
Guarnieses de fitas, Jilas de bonitas e modernas
trancas para vestidos
A Aguia Granea recebeo unamente um bello
sartim-Dto laqaellas aprc iadas guarnicoes de fi-
las; 3-sim romo outras de lindas e modernas tran-
cas. Os apreciadores do bom coraparecam na loja
da Aguia Branca a ra d.> Qoi-imado n. 8.
Collarinbos, ponbos e gravalinbas de Cbuny, c.m-
pleta novidade.
Rlqnissimos que- de marfiro todos bertcs e de
ulumo gosto em Pariz; assim como de sndalo
madreperola.
Riqusimos vestimentas de cambraias priraorosa-
meote bordados, com lodos os pertences para
creangas se baptlsar.
Ricos vestuarios* de cores, todos completos para
meninos de 2 4 annos.
Mantas de bloodepara noivas.
Hoirianliqne, grosdenaple e sedas preta, branca
e de cores.
Riqoisslmes cintos, nltlma-moda.
Ricos enfeites para senboras e meninas.
Lindissimas chapellnas de seda e de palba para
meninas.
Riquissimos cortes de fantasa para vestidos de se-
nbora.
Lindos corles de la para vestido, novidade.
Chapeos de castor a canotier, ultima moda para a
rapasiada em Pariz.
Grande deposito de luvas de Joavin recbese por
todos os vapores grande sortimento.
P
Raa da I peratriz n.
BE
%]?!% SILVA,
Tendo os donos dele grande estabelecimento resolvido liquidar a maior parte das
suas fazendas resolveram vender com grandes abatimentos em precos, assim como teem
recebido ltimamente urna grande porfo de fazendas novas tanto ioglezas como francezas,
alemaas e suissas, teem destinado venderemnas mais barato que em outra qualquer parte
aflm de apurarem dinheiro, dando de todas ellas, amostras deixando ficar p nhor, ou
mandara-nas levsr em casa das ex<:ellentissmas familias pelos sos caixeiros ; assim como
as pessoas que negociara em pequea escalla, neste estabelecimento comprarao pelos mes-
mos precos que compravam as casas ioglezas ; ganbando-se apenas o descont.
Cortinados para camas e Janel-I BalSes a 23, 335oo e 3,5
las a 100, 160, 200 e 250 Vendem-se um grande sortimento de cri-
Vendem-se um grande sortimento dos nolinas oubaloes de arcos para senhora pelos
Kap Pallo Cord'iro,
A' loja d Aurora m rna larga rin Rosario n. 38
pertencenie a Maooel Jos Lopes & Ir man, recebea
o bom rap Paolo Cordelro e Gase fino, assim
como tedas as mais qoalmades.
Liquida$au de culpados.
Eu do Imperador n. 32,
B irzeguins de bezerro para bomem. 7(J00
Ditos de lustro para bomem. t juOO
Dilos de cordavio. &S0O*
Ditos para senbora enfeitados. i'5''0O
Ditos para meninas. 3Up
SspatSts de bezerros. 3JB00
Bolinas brancas pata senbora. 5J00
BuUs peqneng para montara. I8C0
Ditas grandes pata momaria. 25JC0O
Ultima moda
Bell,- s cbapeosinhes de apurado gosto para se-
oh >ras fetos ao capricho de urna das pnmeiras
modistas oe Parla e ebegados ao armazem do va-
por rna Nova d. 7,
melhores cortinados bordados que tem viu-
do proprios para camas e janellas, pelos ba-
ratos precos de lo0,160, 2o0 e250 cada
par sendo neste genero o melhor que tem
vindo ao mercado: assim como pecas de
baratos precos de 20, 205oo e 30 por baver
grande porcSo, na loja e armazem do Pa-
vio, ra da Imperatru n. 6o, de Gama d
Cassas a Z <> r*. s o iavo.
Vendem-se bonitas cansas inglezas de c-
Escravos regidos
tleucao

Casemira?, cambraias, I.ias, mnsselinas, pretalias, chitas e ama InDoidide de objecios que
deixamos de mencionar por se tornar magante.
Isto s na loja do Passo ra do Crespo n. 7 esquina da do Imperador.
AUGUSTO PORTO 4 C.
IIRa do Queimado11
Este estabelecimento acaba de receber e vende por commodojpreco as seguintes
fazendas finas:
Vestidos de b ond para noiva com manta e capella.
Ricos vestidos de cambraia branca bordadas < que ha de melhor.
Cortinados bordados e admascados para camas de 2o0 a 8o0.
Ditos bordados e admascados para janellas de 90 a 2o0.
Colxas de seda e la e seda para cama de noivas.
Basquinas modernas de muito gosto de 2o0 a 5o0.
Toalliinhas de croch para cadeiras e sofs, e colxas de croch para camas.
Ghapelinas de crpe branco, e chapeos de palha da Italia para senhora.
Moir branco e preto, groslena^le preto e de todas as cores para vestidos.
Camisas para homem francezas e inglezas de linho, e de algodo.
Guardapisa de crine One para fazer mais eiegautes os v- stidos de 15a e de seda
a 32o rs. a vara.
Superiores saias bordadas de linho, camisas e camisinhas bordadas e lencl de
cambraia bardada para senhoras, ricas toalhas bordadas com muito gosto, e lindos ves-
tuarios para bsptisados com o respectivo enxoval.
Las con listras de seda de varias c es a que ha de melhor.
Chapeo; brancos de castor e ricos chapeos de sol inglezes para homem.
Malas de diversos tamanbos para via^ens.
Panos finos e casen iras pretas e decores e outras muitas fazendas que se ven-
FinissiiiHs niiss de lio de Escossia para erbncas. ^eni baratissimo.
Vendem-se na ra do Queimado I ja da Aguia
Branca n. 8, onde tambero ha outras umitas de al-
godo para crianc*s de '! a 12 mezes.
Hu Blas lavas de fi de Escossia e seda, para ho-
meHs e .srubaras.
A Ajuia Rr^nca a ra do Queimado n. 8, rece-
beu um b >ra sortimento d- finas luvas de o de Es-
gosma e ? !a, Draocase de cores, borladas e lisa,
tanto para li im-ns como para senboras; quem as
pretHoier e difij.r-Sfl a dita I ja da Aguia Branca,
eoohecera que era tal genero nao .-e encentra me
lbor, e talve: uen mesmo igual em alguma outra
parte.
Requifes brancos on Inincinlias |i:pa-fiaa.
A Aguia Brauc acaba de rereber uro nov e
bello sor ti roe 11 dr^sss lio procoradas trancinhas
papa-fina, rom liversos e a grada veis mildes, e co-
mo sempre a Aguii Branca a ra do Queimado n.
8 continua a vender barato
6ollinbas e puuhos, mangiiilos e qoi:iuli3j, obras
maderaas e de goslo.
A Acaia Branca actii-sa recentemenle provi.a
de bonius g illiobas e pannos oordados, maugntos
e gollinhas timhem bordad s, e todo do inelbor
gost. e ultima moda, teodo as goiiiuhas e puniros
mallos, ja enfeitados com fitas euihius, e Igumas
pequems par* meniais. Os pregos apeiar de i.cm-
molos vanam com as dillirentes qualidad is das
obras. Os pretendentes comparecam na loja da
Aguia Branea a ra do Queimado n. 8 que sera
servid.is a contento.
Eatreaicioi bordados era pecas graudes.
A Aguia Branca a ra do Queimado n. 8 esi
vendendo bonitos entreroeios bordados em pegas
grandes de 12 nra, e pelo baralisairoo prego de
24300 cada pega. A raode eziracgo que elles
taro tido confirmam os diversos flus pira que ser-
vem, as im pols convero que a boa fregoezia da
Aguia Branca aprovelie essa bi a e barata fazeoda.
cambraia adamascada proprias para o mesmo res txas pelo barato preco de 240 rs, o co-
fim. na loja do Pav5o, ra da Imperatriz vado, ditas francezas fazenda muito fina com
n. 6o, de Gama & Silva. padrSes listrados e de flores, assim como com
Cortes granaduos para vestidos; palminas miudas proprias para meninos a
Cbegaram o mais bonitos cortes de or- 3oo rs. o covado ou a 5oo rs. a vara: pe-
gandy Graoadinos tendo lo varas cada c rte, chincha na loja e armazem do Pavo roa da
sendo 7 v^ras stradas para a saia e 3 varas, Imperatriz n. 6o de Gama 4 Silva,
lisa para o corpo, tendo as mesmas 3 varas j alpacas de CORES a 300 RS. o covado.
enfeites correspondente saia para enfeitar | Vendem-se as mais bonitas alpacas de cores
o corpo e mangas tendo entre elles muitas enf9siadas c> m bonitos desenhos miudinhos
trancas com listas pretas como actualmente;tendo entulles de todas as cores pelo barato
se usa e vende-se pelo barato preco de 60,'Pr,'co de 5o rs- covado, ditas lisas escu-
Este estabelecimento contina a receber as melhores.
Esteiras e alcatifas para salas,
11Ra do Qaeloiado11
DE
3 :
1
aDUFKIO
POR
Vende-se um boro piano de mesa de jaca-
randa ero perfeito estado : na roa da Camboa do
Carrao n. O.
""ff^l
f.Jv
Pharmaceutico pela escola de Pars e successor nesta cidade
DE
Aristide Saisset e J. Soum
22.-----Eaa da Ca-az-----22.
'=i->^<
GRANDE BAZAR
ra Nova n. 20 e 22
Machinas, pa a costura do autor Wlieeie
& Wilson, chegadas ltimamente da Ame-
rica; oas qoaes pode cozer-se com dout
pespontos, toda e qualquer fazenda, emb*
iBliar, frangir, bordar e marcar roupa; tud<
com perfeico. S5o to simples, que con>
Erehende-sa fcilmente a maueira do trab'
10 e a pessoa tendo pratica de coser em m-
rbioas. pude fazer por da o servico que f>
ciam 3o costu reiras.
Charaa-se este estabelecimento a attet-
c3o do publico, visto que elle se acha com
pletamenie surtido de objectos de gosk
como bem leques de madreperola e de sai
dalo, flvelas, 6tas para cinto, cokes perfo
Tralamenlo puramente vestal sem mercurio, iodo, ouro, nem ontro qutlqne
aineral.
Verdadeiro porificador do sangne sem azougue.
Especial para a cera de todas as molestias qne tem sua ori?em na impureza de
jangne, como sejam as molestias boubalicas, syphiliticas, escrophulosas, darthrosas, quar
veuhara ellas por bereditariedade, qner sejam adqueridas pelo contacto com pessoas in-
feccionadas dos diversos virus que ontaminam o sangue e os bumon s.
A caroha um remedio prodigioso, usado desde remotas eras pelos indio
do Brasil, e pass3ndo seu uso do geracao em geraco, hojo utn dos remedios mais co-
nhecidoscomo proprio para combater as molestias mais hediondas, entrando nesse nume>
ro a mor.pna ou elephantiases, para cujo curativo os nosso? sertanejos considerara a
caroba como remedio especifico.
A muito ttmpo entrou a caroba nos formularios como preparacSo magistral
sob a forma de eleictuario, aiuda hoje leoibrado as pharmacopas'com o nome-de sen
celebre autor Jo5o Ai ves Carueiro : nao ella portanto remedio novo nem desconhecido.
O ungento de caroba da rnesraa sorte preconisado desde tempos immerar-
riaes como o mais apropriado para o curativo das boubas e ulceras sypbiliticas srdidas,
e erupregado com proveito depois de improQcua applcacao de muitos outros agentes
therapeuticos enrgicos e de oso quotidiano.
Muitos dos nossos mdicos de consideraco e entre elles o muito distincto praticc
e observador o SK" Dr. Pedro d'Athayde Lobo Moscoso, tem confirmado por meio de ex-
periencias repetidas, o que diz a fama das benficas propriedades da caroba no trata
ment das boobas, das diversas formas sob qoe a syphilis se apresenta e muito especial-
mente as que teem sua sede na pelle, e podriamos relatar alguns casos de data muito
moderna obsarvados pelo mesmo Sr. Dr. Moscozo em que a caroba produzio admiraveis
effeitos, depois de inuteis e prolongadas applicaces de salsaparrilha, mecurio, iodo, ou-
ro e sens preparados, etc., etc.
N3o era possivel que uma planta tao notavel por snas inappreciaveis virtudes es-
capasse a perspicacia e investigacoes dos mais abalisados praticos europeos, que se ap-
pheam com especiaHdade ao estudo e tratamento das molestias sypbiliticas e herpejicas
e para prova abi esi3o os Srs. Drs. Casenave, Schurfer, Ricord e outros dando as maif
lisongeiras informacoes sobre as propriedades curativas da caroba e preconisando-a conr
remedio poderosissimo para o tratamento das erupges cutneas, seccas ou suppurativas
darthros de todas a qualidade, ec emas, ulceras de diverras naturezas, tumores, osseos
e outras muitas molestias de natureza sypbiitica m boubat'ica.
Por ter-se generalisado muito o uso da essencla da caroba qae en pre-
paro e pelas instancias de varios mdicos que desejam continuar em suas observares, ]
deliberei-me a ter prompia uma quanlidade da mesma essencia, obtida sem a acc3o do
ogo, para n5o prejudicar as propriedades medicamentosas; e d'ora em diante encon-
trar-se-ha na minba pnarmacia sempre e em porcSio sufficiente para todos os pedidos a
mana e ele,
Na ra nova o. 20 e 22. Carueiro Viaii- SSENCIA CONCENTRADA De CAROBA, e o ungento da mesma plenta para que nuD
na S C. fallem aos Srs. mdicos que quizerem esperiraentar 13o precioso agente medicinal.
Recife de Parnambaco, 17 de oatabro de 1868.
Atostb Caom.

Veadese uma mulatiohi de 11 a 12 annos
de idade sem habilidades, urna roobilia de jaca-
randa' asada, linfa e aro guarda-louga ; raa da
Imperatriz a 7ft, lo)a.________________________
\Vnd--se por pre(o commodo nma macbma
nova a vapor, porttil, oe fwca de seis cavallo- e
de oerf-it ron.-i.ucc i curo toda ferragem precisa
para mover varia- maenmas de aigj io ou oal'o
qo I iu-r mister, e bem assim uma prensa ameri-
caoa d enfardar aluod, de systema moderno, e
de muna fir^a e aguos tooii proprios para depo-
sito-. A r e tratar oa fabrica da Iravessa do Ca-
roa n. 2, rae toH,roo-.
Vende se tres pretas
ba'-ilidadtft e oma brota por ter vindo do nato,
bem como mai< o a mutatinha de 10 aasos, na
roa do Fogo n. 9.

Erva mate.
Na praca do, Corpo Santo n. 17, 1 andar, ha pa
ra vender erva mate muito nova. Cal de Lisboa
ntitnamente cliegad, por preeo commodo.
Sannders Brathers & C. aeaeam de receber
de Liverpool vanores de forca de 3 a 4 cavallos-
com todos os pertences, e mof proprios para faze-
zem nover machinas <1e descarocaf aljredio, pu-
dendo cada vapor trabalhar ate com 140 sorras,
tambero sarvera para1 enfardar algodio, oo para
,-1 ootro iinalijaer servico ata qne nssm de tratalbar
ffsjas, sendo dnas com ra ver se na cocbelra do Paulino ra de S. Amaro, coro animaos. Os memos tambera trx> a* venda
Cabriolet
de4roda.el cavallo multa soperloi*, vend^-se
| para tratar na ra d Crespo o. 16, I* andar, pa
Aos agricultores
nicamente na loja do av3o, ra da Impe-
ratriz n. 6o, de Gama & Silva.
Tiras bordadas e Babadioho
Quem quizer fazer boa compra de tiras
bordadas ou babadinhos, achara um grande
sortimento para escolher e por preco muito
mais barato do que em outra qualquer parle,
na loja e armazem do Pav3o, ra da Impe-
ratriz n 6o, de Gama & Silva.
Fazeodas para Eato na loja do
Pavo
Vende-se setim da China com 6 palmos de
largura proprio para vestidos a 25 o covado,
lazinbas pretas lisas, alpacas com listra bran-
ca a l 5 o covado, cassas brancas com listras
pretas a 5oo rs. a vara, ditas pretas lisas e
comsdpicos vara a 36o rs. ditas francezas
com listras e ramaens vara a 8oo rs., me-
rino preto, alpacas e priucezas, miis batato
do queem outra qualquer parle, na leja do
PavSo, ra da Imperatriz n. 6o, de G^ma A-
Silva.
PALITO'S E PANNO A 65
Vendem-se palitos de panno preto saceos
a 65, ditos sobrecasacos a lo5, calcas de ch-
semira preta a 65 e 75, d ta muito Qoas a
95 e lo5, finissimos sobrecasaa s de panno a
2o5 e 235, calcas de casemira de cor a 75 e
85. um grande sortimento de coletos de toda
a qualida e e outras mui as quididades de
roupas qu' se vendera mais barato do que
em outra qualquer parte, na loja e armazem
lo PavSo, i ua da Imperatriz n. 6o, de Ga-
ma & Silva.
CHALES A BENOITON A 55 E 65
Vendem-se os mais modernos chales a
Benoiton pelo barato preco de 55 e 65, di-
tos de merino liso a 355no, ditos de crpon
a 75 e 85, ditos de merino com barra a 25
e 255 o, na loja e armazem do Pavo, ra
da Imperatriz n. 6o, de Gama & Silva.
Para -aias a i $000 280 e 1$500
Chegou para a loja do PavSo urna grande
porco de nov,i fazenda branca especialmen-
te para saias, tendo a largura a altura suffi-
ciente de uma saia com um bonito bordado
de um lado ou uma bouila ordem de pregas
de forma que com 3 1|2 varas se faz uma
saia de um s panno, e vende-se pelo barato
preco de 15. i528o e 155oo rs. a vara; na
Joja e armazem do PavSo ra da Imperatriz
n. 6o de Gama & Silva.
As salas do z'ava a SgSOO.
Vender urna grande porejio d>s mais buuitas
saias brancas oro Iludas barras bordadas de co-
re?, tendo 4rpannos cada uma, sendo fazi-nda in
teiramente moderna, pelo burato pngo de 3^50
cada uma sendo fazenda que sempre so veodeu
por muito mais dinheiro ; na loja e armazem du
Pvao, na ra da Imperatriz u. 60, do Gama &
CaSAQUINHOS DO PAVO A 185, 2o5
255 E 3o5
Chegaram o mais modertios casaqoinhos
oa jaquetas d* grs preto, ricamente enfei-
Udas sendo uos com cintura e outros soltos
conforme se osa ltimamente e vendem-se
pelosbaratos precos de 18-j, 2o5,255 e 3o5,
na loja e armazem do PavSo, ra da Impe-
ratriz n. 6o, de Gama & Silva.
Moli-e-antique.
Vende-se superior moire-anilqua de cor, coro
algara loque de mofo, p..r prego muito barato, para
acabar: na loja oo Pavao, ra da Imperatriz o. 69,
de Gima & Silva.
Camelabas a 3$.
Vendera S as mais modernas camisinhas com
mangoitns tanto bordados como de presninha com
elegantes ponhos e bonitas abot aduras peln bara
lo prego de 3fi 00 ; na loja e armazem do Pavo,
ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
P chincha era ca>imiras a 1$C00 su o
Pavo.
Vende-se uma gradde porco de casimiras sope
rlores entestadas, sendo escuras e alegres proprias
para caiga, polelots, colotes e rnnpas para mes
nos pelo baraiis-imn prego de IJ800 o covado oa
a 8S800 o corlo de caiga, grande pecbmcha na
luja e armazem do Pavao : ra da Imperatriz n. 60,
de Gama & Silva.
Corplahos.
Vende-se os mais modernos corpinhos de cam-
braias branca transparente sendo ricamente borda
dos e enfeitados pur barato prego; na loja e arma
zem do Pavo, ra da Imperatriz u. 60, o Gama
Silva.
Alpaca monstro cura 5 palmos a 280.
S o Pa^So.
Vende-se alpacas de quadros sendo padrSes es-
euros proprios para vestidos tendo 5 palmos de
largura que facilita fater-se nm vestid) at cora
8 cavados pelo barato prego de 380 rs. o covado,
garaolindo se qne fneo la qoe val muito mais
uinheir", portanto e pecniocha : o< loja e arma-
ren) do Pavo roa da Imperatriz n 60, de Gama
& S iva.
Poopelioas para a festa 30 rs. o covado.
Veode-se oma grande prgao da- rmis bonitas
poupeliuas iran-parootes coi palmiDhas bordadas
ras e claras sendo todas de cores modernas
e 64o rs. o covado, ditas lavradas, as melho-
res e mais modernas oue teem vindo ao mer-
cado : sendo havana, lyrio, verde, azul e
outra cores, que imitem a seda, pelo barato
preco de 8oo rs. o covado, enchincha : na
loja e armazem do PavSo ra da Imperatriz
n. 6o de Cama 4 Silva.
VESTIDOS DE FANTAZIA A 85ooo E
Io5ooo RS.
Cbegaram os mais bonilos cortes de ves-
tidos de fantazia muito proprios para passeio
e soires, por terem Midas barras de seda
e vendem-se pelo barato preco de 85 e lo5
cada um na l.ja do P^vSo ra da Imperatriz'
n, 6o de Gama 4 Silva.
PANNOS PAPA CADEIRAS
J^T'fA i?" graQde Srtmen,t0.deiM"c.aes ecapisesdecampoa appreh,
annos de ero he proprios para cadeiras, dita e sofs, cadeiras de balancos, para almofadas, na ra Nova i>. 49, (joe sern rana. a> -.
e para cobrir presentes, e vendern-se por
presos muilo baratos, na lo a do Pavo, ra
da 11 peratriz n 6o, de Gama & Silva.
Foglo no da 10 do corrente, do ecgenbo Gra
va', da freguezia de Anua Preta, o escravo enco-
lo por tiome Jos, cora os signaes seguintes cor
baaame fula acabralhado, cabellos carapmbados,
com 30 annos :e idade pouco mais ou menos, al-
tura r. guiar, cheio do corpo, com diversas pintas
nr.ias ielo rosto, poui-a ou nenboma forba, boa
H'of>, levon caiga e camisa de algodao a?ul e
mais outra muda tambem de algodo de lisia e
una cair.isa de algodo mesclado, chapeo de bse-
la pardo, levando ctbe.lor de b?eta tno^rnado,
cujo f seravo fui do Sr. Dr. Antonio lli trique de
Almtida, cojo e>cravo natural da provincia da
Po(ahiba, para onde seguio vto as inf rmagoes
jc Midas : por isso roga-se as aotoridades poli-
cial is e capules de campo a captura do aun e^ert-
vo aindeoencooirar e leva-lo ao dito tf-geobja
seu seiihor ilanoel de Barros FraDCj e Mello co
oesta cidade a Manoel Antonio Santiago Lss ra
dt' Ap-jo o. 28, que str genero>am>nio recom-
pensado, eo mesmo quem delle der noticia ni ta.
Nos primeires dias do mez de i otabrn deste
anno fueio do engenho BoroQrn, prrpnedail ao
Sr. Silvano AoP nio Gaiao, na fregu/ja do B>m
Ja'diro, o escravo Damasio, preto, de idade e 6
a 30 annos, altura regular, chelo do corp ptuca
barba, rosto um pooco carnudo, olbos ab< toados,
pes roalfi-itos, andar banznro, molero t tic falla
moderada : este escravo foi comprado pooco.- dias
antes da topa ao Sr. Joo Barbo?ado R-j e Si va,
da mesma freguezia do Bjoj Jardim Recetare que
elle se aprsente como voluntario d.^ patria, pelo
que se previne as respectivas auturidadis : quem
:pegar leve-o a seo sentior. no referido engf nho,
qoe sera'recompensado. Ricife, lodenovembro
de 18b7.
Escra^os fogfdos
Fogo no did (4 do corrente a escrava Maria,
prtta, crlcula, da mpia idade, baila e cheia do
corpo, e tero di:as costuras as faces, levon venido
saia d" ganga azul c cbale amarelln ; isla escrava
foi ci-roprada em leilao oa cadela d moilos aunos : roga-se, portanto, a< inloridadet
piliciaes e capites de campo a

Vestidos branco* a 34$ Chegaram os mais lindos corles de cam-
braia branca transparente ricamente borda-
dos que se vendem pelo baratissimo preco
de _45ooo rs. na loja e armazem do Pavo
o. 6o de Gama & Silva.
Cassas de ama s cor
a 240 rs. o covado.
Vendem-se superiores cassas de uma s fr,' iig a P'Muguez Jo.- Pedro morador n>
leudo asul, lyrio, eflr de rosa, roizo, etc., e ven- ~g, ten do Hispita!, e que fugio d-; rasa
dem-se pelo baralis-^iroo prego de 240 rs. o co-
vado para acabar : na loja e armazem do Pavo,
roa da Imperalnz, o. GO, de Gama & Silva.
feijift nflito novo a S o s*eo
No armazem df caes 22 de Novembro n. 28
machinas americanas do 35 a 40 ierras.
Os pr-tendentes dirijam-s so largo do Corpo-
Santo o. 11.
Pregos vatajosos
nss mudez:s du grande establec-
ment de Snz Soares A Ji rao.
Rna Nova a. .8.
Vcndeai em grosso e a realh.
Linhdsnovelks, mullo superiores, libras surtidas
a 25200 e 2"00.
Dita em nvelos, mais inferior a 1500 e 1^800
a dita.
Dita branca em caixas de SO nvelos a 640 ris
Dita para marcar, caixas de 16 ditos a 240 rs.
Dita branca era ditas de 10 ditos grandes a 560.
Dita ero carros d" 100 arcas a 360 rs. a du;v
Dita ero carros de 200 jardas a I-00 a dnzia.
Da ra carteas, branca e preta, a 160 rs. a dita.
Rozetas de edres era caixa; de duzia, a lo00 a
dita.
Grampas com eabeea de vidro a ICO rs. a dita.
Agolheiros pintados a 240 rs. a dozia.
li i5es de mn. dinhas dooradas e pratcadas, para
ponhns, a l9O0 a du'.ia de pares.
Ditos de malreperola, para camis?, a 505 rs. a
grfra.
Ditos da osso, para cslca, a 240 rs. a dita.
(', ixinbas coro .soldados de eburoho a 120 rs.
R-pi-lhos de mulura dourada a 13400 a duzia.
Pentes de ligo dourado, para coco, a C rs. a
duzia.
Ditos de lacos lisos, para coco, a 35300 a duzia.
Ditos d Mirados, com flores, 24UQ a duzia.
Dit s de bfalo, multo bous para alisar, a 2300
B 2400 a dita.
Dedaes amtelos e prateadof, fino?, a 240 rs. a
dita.
Clcheles em caixinhas a 640 rs. a lita.
Ditos em carloes a 000, e 900 rs^a dita.
I'.'yas de Ota para coz, larga, com 10 varas, a
00 rs. a pega.
Pitas de tela o. 11!2, pefas com 8 varas, a 260
rs. a dita.
Cadaeo branco para ceroolas a 563 rs. a dozia
de pegas.
Laas de todas as edres, para bordar, a 6Jj00 a
libra.
Pho*phoros de cera, em caixinhas, a 360 rs. a
doria.
Ditos de pau encerado, sem ebeiro, a 360 rs. a
dozia de caixrobas.
Ditos de cera, em caixas grandes de folh?, a
15400 a dozia.
Cartilbas da Doutnna.Christa a 320 rs.
brelas de colla, em caixrahas, a 320 e 300 rs.
Sabooetes finos a 800 eija duzia.
Facas e garphos cabo e osso, fazenda boa, a
2o00 a du'ia.
Ab' tOadoras finas para coletes, cintos com Uve-
las de crystal, e muitas outras qualnlades, puicei
ras de ooota% penles coro pedras para coqoes, en
feiles para cabega, um completo sorliinentodefer
fumarias de todas as qualilades, colarlnhos, cao-
deeiros a gai, ferragens de todas as qoalidades etc.
etc.; a roa Nuva 0^28. .. t......
"4^500"
Veode se saceos c^m fejSo rajado, na roa do
Codorniz n. 12 A.
VENDE-SE
Motores americanos para dous cavallcf.
Dito- dito para quatro cavallos.
Machinas para descarucar a'goo de 14, 16
18,20 30, 33 e *0 serras.
Prengas para enfardar algWiSo fazeodo os sac
eos com 6 palmos de comprimento com o peso dt
130 e 200 libras. Indas ltimamente da Ameno
oo armazem de Henry Forster & C, no caes Pe-
dro II d. 2 jonto ao Gabinete Portognez._______
CondecoraoSes
A bem coohecida lija de roas de Morelra &
Du re, a* roa do Cah g n. 7, acaba de receber
a ^"|03driobos a iroitHai de Bo de sed, pro] porgfto de hbitos e-ffldialalos da ordem da Rosa,
prias para vestidos pelo oarat's pauca o coadu, grande pechiocba : oa lija e qu veode por preces oiui razoaveis, alm disso
armazem do Pavo ra da Imperatriz o. 60, de continua a ter como sempre um completo sort
Gama & Silva. ment de iotas dos pistos mais moderos para a-
, aul>-aiag d- .i i i )Ico quaes coota com o doocarso de seas ons fre-
Vendetn se > verdadeira- camhrai.s francezas, euatt8,_______________________________
brancas, coro lpicos, tendo 8 1/2 varas cada pe-' Pnllofnh^Q
na, pelo baratissimo prep' de 8*300 a peca : a OUllOJ luvo
lula rtoPav, roa da Imperatru n 60, do Gama Vendera se, na ra dn Queimado o. 25, colli
A silva. unos de papel, forrados de pannr, moito era eonta.
Atteu^lo
Fu.'So hrntem de ooite (II horas para
meia noltt-J a escrav mulata de Dome i
Isabel, da idadi 30 anuos potco mala :
ou meos, estaiora baixa, cabello ah 11
lado, te^ta pequea, cariz aQ ad>; di
dura perfeita e dentes pequeuos, moil
ladioa/eapsi de iliudir a boa ( ds p--
soa> que nio a c<;nhtcerein para ronve
celas de que forra. Esta escrava que
ful comprada em maio do correle ann
pa-
ne
si u actual seLbor, o propnel.rio do d
g'oho Penedo em S. Lourengo da Malta,
capitao Francisco Jop.qoim da Ror-ha
Falcio, ha inoicios de que segoio para o
Ri -', por-jiic foi vista a:. 4 hura da ras
nf^aa oe hojo oa Passagem da Mcgdalen?, j
i-ortaoto pri'vavei que esteja t. ta nesi i
cidade. Pede-se aus Srs. capitSs de i
campo, as ant"rldades policiaes o a quai- ;
quer pessoa qoe aprehender dita escrava,
mandar leva-la a seu tenhor no referido
ei-g^nho oo a ra do Vigaiio n. 34, '-,-
Tiptorio, cojo portadi.r sera' bi-m grati-9
fic.d.) Recite 16 de mvembro de 1867.
6
#T>
V.', L-i i
~Y"
de (jratificaQo
a quem capturar o preto da Costa do nona J'.c^
tbo, ida lo 38 atino-, estatura pouc. meooa de it
guiar, tem falta de d.-ole>, bem Curco I,;.'ios n
| rosto bem salientes, as pernas Anas, ele, fogio on
! 29 de ietombro proximt pausado, levsudo ve^tid
. caiga e rao isa braoca, chapeo de copa baixa e di
i abas pequeas. A primeira vez que se t vadio ic
tiiulavi >a como forro de nagao, e etrprtgiva-s<
em servente de pedrHro e em cutres Ideutlcos .
I roga-.-e, puss, as aotondade--. policiaes e a qua! joei
I particular a captur.. de dito escravo, a ser eutr&
t gue a seo senbr Joao da Silva Leite, ua rna di
Cadeio do Recite o. 10, que sera' paga a g alica-
gao cima.
Esta' fgido desde o dia 24 do mez passade
o escravo Ignacio, cora es signaes segrate; idade
de 16 ancos, de sangue, ,, perna direita cambaia, mas to poo-
co que s rom attengo se distingue, estalara me-
dianna e talhe esbelto e delicado. Pretume-se qoe
ette moleque oceulta-se nesta rulad" e sens subur-
bios ; quem o appreheuder leve o a roa do Livra-
mento n. 6, que sera' graliBcado.
lOOjJOOO
Fugio no dia 25 do correte mez de ootobro, dt
engenho Limoeiro fregoezia da Escada, o escravr
com os seguintes signaes : cabra fusco, alto com
bom corpo e boniu figura, cara bexig..sa, barb;
pooco serrada, costoma rapar o bg>de e a peirs
cabellos dm tanto carapinbados, puueo cambeta
tem os dedos grandes dos ps mais coropridos,
ora pouco gago, cem ; Igumas cicalrizes velhas t
chicote uas cosas em uma pa' e em uro braoc
vestiodo camisa de algodo da m-ta oa algodozi
nbo, clga e paletot de briro pardo, chapeo de i ac-
ta preto, e leva vara de carreiro que e soppde-s
ter rdo assentar praga como voluntario : re com
meuda se as pessoas encarregadas do rt-crotameo-
lo e as autoridades policiaes com especialidade a;
d) Rio Forrtoso, Una, Agoa Preta, S. Beato e Pol-
io1 Calvo e a ooira qualquer pessoa a apprebensac
do dito escravo, e eoirega-lo bo dito engeeho, qot
recebera' a graficago cima. O escravo chama-
se Francisco.
-
Riga-se bem.
Foglo em dias do mes prximo pajk-ado de poder
de Agostinho Jos de Oliveira, em Caroaro', o ser
escravo Rnno, ronlato claro, idade 30 annos, seceo
d eorpr, pernas Boas, olhos um Unto amortecidos,
oarlz afilado, poica barba, moito eorlez e bem fal-
lante, mettido a vleme, gesta de agurdente e le-
vou japona preta ; foi encontrado nn da 3 dn cor-
rente no logar Batateira, em dirfreSo a estrada de
ferro e enspeitt-se qoe tenba ido < mr>cer-se romo
volurflario para a guerra : roga-se piianloas auto-
ridades policiaes e capites di campo a aprehens3q
do dito escravo, qoe ser entregue a seo senhor oa
a Severieo Alves da Silva, em Troroheta-__
'~ Foglo iodo a' amostra, ero companhia de
correar Maoel Tboz, k preta Tfiereza que ao-
oava vendando fazendas pela roa enm os e-guio
tesslgoaes: altera .egolir, idade 23 an, le-
vou vestido de chita branca coro fiares enchina-
das, panno da costa com lisiras enramada,
fl 'comprada por intermedio do corr.ctor Al-
roelda, com proooragii de Lnii Alvrs Muiel, mo-
rador oa vilia do Brejo ao Sr. Silvmo Gu Iherae
e Barros; roga-se as aotoridades policiaes, capi-
tes d* campe qoe a pegareis, levaren oa a' .-raa
seoh.'a, moradora na Camtia -4a Carmo o. 17,
qoe serg-i geoerttatnente recompensados.








m
DATA INCORRETA


Diarlo tfe Pernambuco Sabbado i t de Xovembro de 1867.
ti*
LITTERiTORA.
Instituto Archologfcoe5cogra-
t laico Peraambwcano.
DI.vCRSO .IDO EM SESAO DO DA 16 DE AGOS-
TO PELO SR. COMMENIUD JR ANTONIO JOAQl'IM
DE MEI.I.O.
(Conclusa/))
tapo era era que nem liberdade reli-
giosa, uem poltica, era de impreDsa, era
llenamente de industria, e ensm, S8 nos
permittia. Quo ferrtn es, e absurdos os
cod'gos criminaes ; abstruSQ, e la yrinihi o
o civil 1 -Morra morte i.atural cruelmente,
morra morte Datar.il de fogo, seja qoeimado,
e fui to por figo era [:, ser-lhe-bo deca-
padas, s mos; legislado penal, que se
tolere no seculo actual? Os car.eres, e mas-
marras inmundas quo medonhoa, e peati-
aciaesl Enormes crrenles, e grilhes
'.ent^vam o preso na sepultura de vi-
vos chmala segrodo, ainda que o pres ,
iepoisdeoser.se comportasse humilde, e
ente, porque este traiaraenio era ura
>s irio da captura era cortos criroes gra-
. sem merino ainda haver pronunc a, a
::o do juiz, bem como sobre a maior
ou menor intensidad do padecimento, e
duracol E a jurisprudencia incrivel da
prova 1 Dado este engrimanso, e eolg-
ntra o acensado, o arbitrio do juiz im-
i i-lhe pena chamada extra >rdin:iira, is O
1) cxpressaem lei para osupposio de-
, mas a que parecia-lbe melhor convir;
lo nao haver prova plena. Os delictos, oc-
ultos, e de prova diicil. podiam-se provar
. daas testemunhas singulares, e deeituo-
- ; e nos crimes de lesa mageslaie.anda s
: simples cogitaco, e'conversa, admiltiim-
se testemonbas s ngulares, defeituosas, e so-
cas do crime.
Neste momio crirne de lesa magestade
a pena entendia-se aos filhos, com a D.rbara
isccjto dos bens, que esbuihava os in-
enies, e destrua urna familia inteira,
odo nao se tratava mais que de punir um
iiuso; e inutilisava com a infamia os
s neios para os erapregos pblicos.
Quinto tmiores, c mais graves erara os
o Lines, mais se dimirmiam 'S garantas, e fa-
. ares defesa; para taes crimes nao havia
11 delicio, ou do domicilio ; a casa da
plic cao, na corte, os julgava, fossem el-
s commettidos cm aualquer outra provn-
. por mais remota q ra fosse, urna vez,
o governo comrnettessc o julgamenlo a
illa casa, ou tribunal; e ainda depois da
i !o,>en leocia o raesmo tribuna! enforcou n >
j Je Jmeiro a tres saulosos patriotas, por
, posto* crimes coraottetiidos em Pernim
.M. Neslcs mesmos crimes p-irmttia-se
as a defesa irrisoria de dizer em cinco
lias de ficto, e de direito, c de embargos
ntenca a present dos em 2 i horas, sem
se assignasse, em uoa.e ouirocaso, dda-
i'j a'garaa pira prova. Achar criminosos,
31 innocentes, era em geral o afn dos
i ;zes. E tambera a legislaco aatorisayj os
p:i.;s g-meraes a crearera coraraisses mi-
ii ir ' lii is paisanos, como praticou o conde
los Arcos na Babia, em 1817, con ra reos
s haviara delinquido em Pernambucv
re oulros manos casos, o dostiros em D.
ms I8 (pieso di/.era era desafronta da uon-
ra maculada) e os tremendos sapplicios, que
se !nes segairam : os snpplicios do padre
Md-igrida, de Joao Baptista Peli, e do teaen-
[ icral Gomes Freir, c dos seos doze
jmpanbeiros de forca, era nossos das, e
; '.aritos outros infelizes, elfeitos dse sys-
i penal, e de prucesso detestandos, fa-
auda boje estremecer de horror, e indg-
: "o os coraces tumanos.
A prohibiejio da enliada, e circulado dos
'.':.ros nao vo-l.spossoexagerar demais; bas'a
?mbrar, que o Ilyssope, ooeraa do desera-
argador Antonio Dioiz di Cruz e Silva, e a
uco das fbulas de Laontaine pelo pa-
dre Francisco Manoel do Nascimento (Ftlinto
, lio) foram prohibidas, com grandes pe-
as.
Em urna intimidada mediocridad?, em ura
triste IU:C0 e fusco intellectual, e social, ape-
;s era permiltido que jazesse o Brasd. Te-
i-se ao genio ; o genio abortava ; seoo,
pavam-no; samia-se. Mas o genio
riccido pe'.o vivido sol dos trpicos, a es-
enejo do espirito, a forra da imagioa';o,
: fjculdade natural de crear, a masculinida-
la humana era surama poderiim jazer eter-
asinente apathicos nesto estado de acintosa
j ;!!a decompressao, e mesqainbez estacio-
'.;ia ?
9
FOLHETIM
l\S A10BBS DE POETA
D. .MVliii
POR
AUMIA VI!
V
DE CARVALBO.
Eramos servos, escravos di FA Rei Sosso
Senhor; asim era prescripto, escripto, fal-
lado, e doutriaado pelas lei*, pelas aolori-'
dades, pelos mestres, por sabios, e ignoran-
tes, por historiadores. El-Rei Nmo Stnhor'
tiolia o direito d> julgar, e conderanar sem
a solemnidade das provas, e contra as pro-
vas; a lei era a sua von ade, e nenhuma lei I
o obrigava, salvo se alguma vez se lhe an-
lojasse.
O thesouro publico, receptculo do can-,
(jado su-jr do povo, o a gasto, esbajado, e!
apropriado peU so uscrecionarii v. ntade dq(
minarcha. Pernambuco fxinaniJo, e quasi.
anuiquilaJo par urna guerra estraga lora de'
2i annos, de que se lirou custa de enor-J
mes sacricios ; era ainda posto contribu-
gao para a guerra em que a Hespanha con-
linuava a Portijgal, para a paz de Hollanda,|
para o dote da ruiolu de Inglaterra, e at
para ura cass em .Vianna; apesar de que
sobre este a cmara municipal da capital re-
presentass-j a pobreza, e miseria da trra, e
pedissea isencSo; no que nao foi aitendida.
Era 1703, reiuando D. Joo V a frota do
Brasil, que ap.irlou em Lisboa, compunha-
se de mais de cera navios, e a carga em ou-
ro, diamantes, assacares, e ontr-s gneros
preciosos, foi avahada em cincoeulae quatro
milhojs de cruiados. Computoa-se tam-
be ii era cento e oitenia rai'hes de cruza-
dos as soramas levadas ;i Roma em dmneiro
no rcesmo reinado. Em *0 de marco de
IS09 a nao conde D. Henrique l-vou de Per-
nambuco para o Sr. D. Joao VI, no Rio de
Janeiro, 1 OrOOOjl, era dinheiro, proveuiente
das decimas dos pre 1 os urbanos, do dom
gratuito de 40:0003, pelo pdre Joaq im
Marjues de Araujo, era remunerarlo do que
teve o titulo de cjnseltieiro, cohabito de
Cbristo; dos dinheiros dos ausentes, de va-
rios quartes adiantados de contratos de ren-
das, e dealguDsbilhet.es da alfandega lambem
adiantados: furam mais doze arrobas de prata
e seto libras de ouro pertencentes igreja
dos Jezuitas. O Senhor D. Joao VIo, cuja
beranca por sua morte se te n escripto ser
de cincuenta niilhes de cruzados em dinhei-
ro, de quatro mi'hes de ouro en barra, e
era p, e um c ifre de ricos brilbaote*, dava
urna pensao a Luiz XVIII, e a outros fran-
cezes no exilio. S a sua ucbaria custava
peito de seis milhoes de cruzados, qu^ erara
puntualmente pagos; e os empregados p-
blicos da corte atmadus mezes em seus or-
denados. Mas Pernambuco nao traba urna
estrada Era sumraa o systema do governo
sob que jaziaraos era este: O \1 ooarcha,
senhor natural, e absoluto das pessoas, e
beos dos seus vassaios.
Seria para urna condic-o to abjecta, e
raiseravel, que Deus creou o homem, e que
o homem se submetieu, e deve subraeHer-
se a ce 1er parte da su i berJad uatural, e
supportar os odus da sociedade civil? Ge-
r.ilraeute as pessoas, que na i erara das infl-
las do povo, sobre cuja classe infelizmente
parece q-ie o imperio da ignorancia tera fuu-
dameotos eternos, geraiam, sobre urna lal
decadencia humana, cooferiam, C"gitavara. e
susp'mvatn sihir de ura tal ^ardi iro social,
nao s go hico, e despresivel, mas atrosnun-
te corapressor, para urna consiniccjio, que se
conformasse e proporcionasse as bellas nor-
mas da< novas luzes, e s nece.-silades. e q-
teresses sociaes do se ralo, j tJo multiplica-
dos, e diversos.
Era porm evidente, que esta regenera-
cao s podia partir de um atrevido, e arris-
cadsimo impulso dos cidadios, e nao por
raovimento espontaoeo da corle, ou do Senhor
D. J.iao VI, que alias se offerecera por ve-
zes lespanna para ajuda-la a restabelecer
no seu dominio as repubhcas, que anterior-
mente faziam parte da grande moaarcuia
Hespanbola.
Allega secomo um grande beneficio a aber-
tura dos portos do Brasil a todas as naees.
Nao ha duvida que o foi, e immen-o; mas
esta medida foi a conseqnencia fonjada, e
inevitavel da transferencia da sede da mo-
narchia para o Brasil Teria que ver o mo-
narcha domiciliado no Brasd, e permanecer
este em todas as coodi'.oas de colonia; ex-
portando s para Portugal assaas prodoces,
e deste havenio, era segunda mi, as pro-
ducSes das outras naces; Portugal, que j
nao era a naetropole da monarchia, cora os
seus portos abertos a todas as nacoes, e o
Brasil, metropole da monarchia, conservn-
doos feuados a todas ; menos decoro, e
vanlagens aonde reside o Monarcha, e mais
considcracao, e importancia a Portugal aoo-
de o monareba, e a corte j nao existan!.
Nao era possivel.
(Continnaco do n. 268.)
O que elle sentio nao tenlarei eu tradu-
ti-I >. Ha neste rouodo vagas sens 'cues, que
seria intil exprimir ; s as entende quera
as experimentou I
Sao momentos em que o cu e a trra se
:cnfundeni n'um corago, em que a vida nos
ou se torna mais intensa, em que tudo
inexplicavel e myster oso dentro em nos!
Tudo quanto pode cantar-se finito.
Grande, delicioso na vida humaoa, s o
ue nao acha palavras em qae possa expao-
dir-se
O' homem, dar-se-ha caso qae estejas
modado era esiatna, e que tenhamos de re-
sosctiar Ovidio para celebrar mais essa me-
lara. rphose, exclamoo perto de Jayme ama
Vt-z, que elle conbeceo logo pela de Ernesto;
ta meia hora qae te cbarao, com grave risco
de desmoronar os puimoes, e nem pala-
bra 1.... Vejo-te pasmado, com os olhos
muito arregalados, affagando ou para melhor
dizer affugentando alguma viso, que a phan-
tasia hoave por bem idar-te I Co* os demo-
nios l Acordas oo voa-me embora!
Adeus, mea charo, disse Jayme, er-
^uendo para Ernesto um olbar distrahido.
:!a um scalo qae te nao vejo !
E' verdade, ha tres das... ora espe-
ra. aposto que eslavas a oavir minha
irma!
Sim. ii5o quer dizer passa-
va e parei admirado do talento artstico de
tua irmSa. E' ama menina maito prendada
e muito galante.
O qae me parece qae tu ests peo-
nando tanto no qne dizes como ea no Grao-
Mogol. Queres tu ama coisa ? vamos ter
cora Mara que est s, e que tocar para
ti alguma cousa, se gostas de msica.
- N?.o, n3o, esclamou Jayme com viva-
cdade, e depois ficou como duvidoso om
instante, e tornou a dizer; tenho medo de
ser importuno e...
E. o que? ests boje exquisito...
anda d'ahi. ^
Jayme nao tinha procurado ver a doncel-
la ; o destino que tinba toda a culpa se
elle a va outra vez.
Os doiis mogos subiram a escada, e entra-
ran) juntos no gabinete da gentil cas'.elha.
Ao ranger da porta, Mara, que se aproxi-
mara da janella, voltou-se rpidamente e
acolheu com um sorriso os dous visitantes.
Estava ella toda vestida de branco, e urna
rosa de mosgo eotre-aberta, prendia-se ar-
tsticamente n'um dos rolos assetinados dos
seus cabellos.
N5o era assim bonita, s era formosa.
A' Jayme, que tanto a tinha admirado
as outras vezes, nao pode deixar de con-
vir comsigo mesmo, que a sua adoravel visura
se tomara n'uma realidade mais adoravel
ainda.
De feilo, Maria estava n'esse instante inne-
favel, mas rpido, em que o botao desabro-
xa em rosa, em que na virgem nos en'eitica
a mulher. O anjo dos castos amores pass-
ra perto d'ella, rocando-lhe pela fronte palu-
da as suas azas de ouro.
Maria nao era j a descuidos,! creanca de
riso ingenuo e vago o'.har, nao era ainda
a amante ferida pelo delicioso pungir de
urna primeira paxo; era um nao sei que
de mais indefinido e mais bello qae isso
Havia n'ella como um pdico estremecimen-
to, como nm enleio indistincto quea devinha,
que aspira, mas qae nao sent ainda.
Era o potico sonbo de Goethe I a Marga-
rida antes de fascinada t a mais suave encar-
nado de um paro amor !
llavera na trra mais ideal encantamento
qae a virgem n'esse periodo sagrado da sua
florescencia ?
Era sabida apenas das mos de Dos, en-
volvida no sea divino pudor como n'uma
tnica, sentindo acordar-lhe a alma qae om-
nipotente spro acaboa de lhe formar l
dentro e nella a vogaiem um delicioso en-
sarne de sonhos cor de rosa, ignorante e
curiosa, innocente e abrazada, perdida em
Tambem ineuleam a elevado do Brasil
cathegoria de reino. Mas o monarcha se
estabelecera r.o Brasil, e para mais prender
esta parte da monarchia, parte a mais pre*
ciosa s outras de Portugal, e Algarves se ex-
pe lio esse decreto. O decoro, e o interes-
se do monarcha aconselhavar isso.
J os povos contrminos ao sal, e poente
do Brasil haviam proclamado sua indepen-
dencia, e com as armas era puoho em rei-
terados combates derramavam seu robusto
singue para'coisplidarem sua livre naciona-
lidade: por onde a retarda ment desta ou-
tra parte da America 'do sol, o Brasil, em
acomphha-los em to justa, e sublime era-
preza, seria a prova k.declinavel de seu atra-
zamento intelectual, e moral, de seu conten-
tamento, ou frieza vil b<'S ferros do vergo-
nh 'so absolutismo. Mas nao foi assim ; a
historia nolem para Pernambuco um serae-
lhante estigma.
Os bons coracoes, bem como as almas ar-
dentes, e fortes raramente calculara, e se
ac.ratellara. As aspirares de independencia
chegaram ao conhecimento da autoridade,
que tornou providencias; comcmdo pelas
p i/oes de al^uns offloiaes militares, e pai-
zanos; maso affoito Pernambuco nao soubc
recuar, e contradizer-se : no dia 6 de marco
de t8l7 bradou, sem rebucos : Liberdade I
Independencia!
F-scravos honlom, sao Romanos hoje.
Foi u.n choque elctrico, que prostou a
todos, geralraente. O cabido, sede vacanti,
rautos cerigos seculares, muitos regulares,
muitos propietarios, e agricultores opulen-
tos, magistradjs, sabios, e litteratos, nego-
ciantes, officiaes da milicia, a tropa di i*li-
aba, artistas, o povo. com efusos da maior
alegra, e espontaneidade coiupartiram o rao-
vunento; serviramos mais comproraettedo-
res cargos, c por elle sacrificaram-se.
Tiveraos liberdade, A independencia, im-
prens livre, governo popular, e gratuito, e
pela primeira vez uroclaraou se solemnemen-
te no Brasil os imprescriptiveis, e inolena-
ves direitos do homem, e do cidado.
Mis esta lisongeira regeneracao, este vfta
impetuoso pira a felicidade social, durou s-
menle at o da 20 de maio do mesmo an-
no, que o temor tera mus imperio sobre o
homem que a esperance. A ignorancia e os
hbitos de abjecta, e dogmtica ^assalagem
comecara u a conjecturar, e temer a vinganca
terrvel do monarcha ; foram-sesgueirando,
cont'arevolucionaram no cen ro da provin-
cia, receberam o auxilio militar da Bahia,
e a corte bioqueoa-nos por mar: luctou-.e,
perderam-se muitas vidas em combales, e a
repblica desappareceu. Os constantes io-
dependentes (erara tolavia tudo quanto
humanamente Ibes foi possivel, emto curto
espaco de lempo, e rom^iraento nao ainda
prelixo, para que a sin obra vingasse, e pre-
valecesso.
Sepultados mis, e acorvados mezes por
enormes grilhoes, e correles as trevas dos
segredos, nos acoates era puolico muitos
mais i\ mil, as euxo^ias pir quatro an-
nos, as eii;igrae"ies, e desterros farainlos, e
penuriusos, nos paiibulos, com a perda dos
bens, e desgraca das esposas, e lbos, sup-
plicios que -uportarara cora heroica resig-
nar;! >, e grandeza d'alraa, pagaram aquelles
honrados patriotas o med rano crime de que-
rerora ser ver ladeirameate horaens, e ci la-
daos. A razo universal porm nao tar.lou
muilo em reconnecer. que este espantoso
rasgo poltico de Pernambuco era 1817 foi
o priraeiro generoso arranco da naco por-
tugueza para sabir do carunchoso systema
de governo, que a degradava.e carcumia ; e
esse mesmo movimento, senhores, influio
as meditai;5es, e clculos dos estadista?,
orno prova do bera adiantado, e inextmgui-
vel espirito de independencia, e liberdade no
Brasil, para, menos de sesannis dopois
ser a independa do imperio proclamada,
breve reconhecida.
Escritores ha, que tem desconhecido o
patriotismo estrenuo, e singular dessa revo-
lucode 1817, que nao se limitou asm
pies desejos, e cogitaces scelas, qae se
aventassem, c nao tivessem effeito, masque
foi um fado de perfeita execuc5o, nunca vis-
to no Brasil, nem era nenauraa outra parte
de toda a extensa manarchia portuguesa; e
esses escriptores parciaes e injustos, s cora
enormes calumnias, e vilipendios pagara o
admirando esforfo, e primazia daquelles
honrados patriotas. Mas taes escriptores ou
procedera superficiaes, e sera critica, ou
preocupados de influencias, e respeitos, que
sao repedidos pela verdade e valor histrico
Agora revoluco de 182i.
Com a Independa, e firmeza da constitui-
c2o, nova ordena de cousas nasceu no Bra-
sil; novos cstumes. novos usos. Os eos-'
turnes, e usos precedentes reputos antigos,
te sobre antigos, interessante o sea conheci-
mento, por mais de um principio Saber,
pois os costumes, e usos amigos dos povos,
pertence tambem arcbiologia.
Alguos nao tem visto nos dous campioesj
Manoel de Garvalho Paes de Andrade, e(
Francisco l'nes Barreto, seno ojogo das
ambices pesso.es para governarem. Eu'
nao digo isso.
Dissolvf 'a a assemblea corstitunte com;
ultrages, e insigues calumnias, e olerecido
um projecto de constituco pelo imperador,
que em breve mandou jorar por constitu-
cao do Brasil; da parto deCirvalho no a
adoptaram, por nao partir ella da assemblea
geral, e pela sua importancia intrnseca,
que nao satisfazia, espectaiiva publica ; e
da pane de Paes Barreto, que o imperador
haia nomeado presidente da provincia, .-ub-
missos vont'.de do imperador ioexperiente,
e mal aconsclliado, a julgaram receptivel,
por convir por varias razoes que o Brasil
se constituisse quanto antes, fosse por esta,
ou aquella forma. Tinha Paes Brarre'o,
verdade, que esperar as gracas do impera-
dor,' a quera servia, e que com ello foi lar-
; go. e copioso; mas Garvalho desaliava as
suas iras, em tanto que preceda leal ao in-
tuito de resistencia, que ocollocava na presi-
dencia da provincia, cujsbios defenda,
defenda os principios populares, e pugnava
pela independencia completa, absoluta Irm-
! rosa, e segura, que se va ameacada pelas
disposices do projecto, que se mandava ju-
rar por constituico difinitiva do Brasil.
Foi dogma poltico pregado, escripto, en-
sinado por todos, e por todos os modos e
at jurado solemnemente no Brasil, e tam-
bera pelo imperador, que saN?cocura-
' ptente, por rxeio de seus representantes.
(reunidos era assemblea geral, para estatuir
lo seu pacto fundamental. Esta era a so-
I berana vontade, o voto unnime, e as e>
: perancas do Braeil. O imperador o reco-
nhecea, alem de outros act s, na proclama-
Cao aos Portuguezes de 21 de outubro de
1822, dizendo: O grande, e generoso po-
vo brazileiro passou pelas alternativas de
nimia ;;redulidade, de juta desconafinca, e
de entranhavel odio : ento elle foi unni-
me na firme resoluro de possuir urna as-
semtda legislativa sua propri i, de cuja sa-
bedora, e prudencia resuhasse o novo pelo
social, que dev'a regcl-o. Po le haver nada
mais positivo ? Porm depois com todo o ge-
nero de coaccijes nos obrigaram a ter, e
jurar corao coostituico poltica do Bra-il
um projecto, que nao tinha sido propasto,
discutido, e approvado pela sabedoria, e
prudencia da assemblea geral. Todava es-
sa constituico, tendo sido pela cmara dos
deputades constiiuinte reformada, ensan-
cbando-lhe, por meio do ac o addkional, n
eleiuento federal indispeosavel s provin-
cias, rege hoje legitima, e feliz nente, e de
ve reger par annos incalculaveis os desti-
nos lo grande Brasil.
Tambera os procuradores de provincias no
discurso que dirigiram ao imperador, qura-
do reunidos a primeira vez em sua presen-
ta, lhe hafiam feito esta declaracSo: O
systema Europio nao pode, pela eterna
razo das cansas, ser o njstema America-
no: e ttmpre qne o tentaran ser m es-
tado de coaeco, e violencia, qiu necessa-
riamente produzi' urna reaccao Urrioel:
E os ministros, e secretarios de estado
subscreverara a esta representadlo deste
modo : conformamo-nos. Jos Bonifacio de
Andrade e Silva. Jaetano Pinto de Miran-
da Monte-negro Joaquina de Oliveira Al-
vares.Manoel Antonio Farinba Mas foi
de conformidade com o systema Europeo,
que se nos impoz a constituico nao feila
pelos mandatarios do povo ;'pois que a santa
allianca nao reconhecia, ou nao reconhece,
constituicoes confeccionadas pelos coramis-
sionados do povo, que os reis se subraet-
lara, e s sim as que estes Ibes quizrcm a-
mesquinhar. E o primeiro triuinpho desta
p litica europea na America veriflcoa se no
Brasil!
E para que se nao tenba por mera supers-
lCo de formulas (por que ba gente que di-
zem isto) o ser a constituidlo do Brasil fei-
ta pelos seus deputados para isto eleitos, e
reunidos era assembli geral, direi: a inde-
pendencia do Brasil devia ser completa e se-
gura para serapre, sem equvocos, e abenas
que ento, ou no futuro, a podessera tornar
illusoria, ou ainda agoreatar. De conformi-
anedos que i.o entende, toda enfeitada com
as lembrancas do co, e murta a sea pezar
de invenciveis cobicas da trra!
Meio anjo, meio mulher, deslumbrada
com os esplendores que ddxa, mas ambi-
ciosa da escurido que vai buscar .
Fe'iz do que logra colher este fructo ce-
leste em todo o seo primor immaculado 1
Maldito, vezes mil maldito, o que o deixa
cahir na sua lama, e lhe embacia a pureza
crystalina com o seu balito envenenado !
Nao ha para elle meio termo possivel; to-
car-lhe polni-lo! a primeira mancha 6 po-
dridlo sem remedio I......... .......
VI
A vida humana triste 1... Quem nao
tem feito e-ta desanimadora reflexo, re-
cordando o passado ou contemplando o pre-
sente I
Pois se na trra ha tantos espinhos por
algumas flores 15o longas saudades por
algumas rpidas alegras !
Helis I naltre poor vivre eo desirant U mort,
Graodir eo rcgrcltaat i'cuUno- ou le ner dort,
Vieillir eo se greliaat la jeunesse ravie,
Mourir eo regreitaot la vieillesse et la vie I
Eis o destino de lodos nos 1 A huma-
rada 1e, e a gangrena que lhe vai lentamen-
te roendo as intimas fibras, resumem-se
neste grito sublime do grande poeta !
E com tudo, se alguma cousa ha que
derram luz torrentes as sombras deste
abysmo que se cbama coraco, se a existen-
c a tem um momento de ventura inneffavel,
com quanto rpida, dolcissima, embora fu-
gitiva ; se Deus nos manda trra o ante-
' gosto, oa talvez a vaga reminiscencia do
paraso n'uma destas horas qae releaibram
toda a vida, flores que, apezar de marchas,
ainda resceodem, essa luz, essa mel. dia,
esse perfume encerram-se de cedo no pri-
meiro amor que nos desabrocha dentro da
alma I
Mais tarde ha comparaces qne entriste-
cen!, ha lerabrangas que entreluzera no
passado, e que a saudade revive e adorna
de mgicos enfeites; o raciocinio suppre a
dade cora esta soberana vontade do Brasil,
com sua impreterivel seguranza e honra, a
commisso da assemblea constituinte havia
apreseniado um projecto de consumidlo, que
j tinha entrado em discusso, e approva-
dos alguos artigos. Neste prrjecto era pro-
hibida a accumulac3ode dnas corras, a bra-
silera, e qualquer eslrangeira, pelo impera-
dor do Brasil O artigo 147 dizia: Se o
herdeiro do imperio succeder em corea es-
trangeircr, ou o herdeiro de ccroa eslrangei-
ra succed'rno imperio do Brasil, nao pde-
la accumttlar ambas as coroas, mas lera
opcao, e optando a eslrangeira, se entende-
r que renuncia a do imperio. Artigo 148.
O m sino se entnde com o imperalor que
succeder em coroa eslrangeira. E n5o era
de esperar, se nao qne estes aitigos fos-em
approvados. Vede agora a nica disposi-
Co sobre este ponto no projecto do Sr. D.
Pedro : Artigo -i 19. Nenlium eslrangeiro
poner succeder na coroa do imperio do
Brasil. Ficou porlanto livra ao imperador
succeder na c roa de Portugal, como veio
a succeder. E eis por que se nao quz que a
assemblea constituinte zesse a constituico;
queria-se urna preparaco para a reunio das
dous coroas, c isto o que ella nao consea-
tiiia. Eis aqu lambem verifica lo, que o
ser a constituico confeccionada pela assem-
blea g'ral onstituime nao era urna formula
dispensavel. mas ura modo impreterivel,
urna necessidade, alma em sumraa da pro-
clamada independencia. E que accidente era
mais cap-iz de excitar a indignarlo dos Bra-
sdeiros, na ardente febre da independencia e
liberdade, do que esta reunio prfida de co-
roas, depois do allici.dor e cnthusiastico pre-
go : Qe Portugal nula, nada, nao que-
remos nal i? u'.ras coincidencias cencor-
riara para corroborar as desconfianes, e des-
pertar o ?elo, e vigilancia dos Brasileiros,
das quaes fra longa, e malcabida aqu a
narracao, que nao deixarei de apontar era
outra occasio e lugar.
A suceesso na coroa de Portugal pelo Sr.
D. Pedro I do Brasil podia trazer-nos mui-
tos males, complicando o Brasil nos enredos,
e arabidJas da cavilosa poli ica da Europa,
ofensa America, por diversas razoes, como
conhecido. D. Miguel, ie polesse, e qui-
zesse, po loria adoptir como meio de defeza,
e para firmar-se no thron> portuguez, o vir
euerrear a seu irmo no Brasil. Desolada
Boma por Annibal, deffendeu-sc por ultimo
indo fazer a guerra na Airica, o que obrigou
Carthago a chamar Annibal da tala.
Briosos os Pernambucanos oppoentes, nf-
fendidos eui seus direitos os mais sagrados,
em sua honra, pois que es suppuohara inca-
pazes de perceber a artimanha da a'Cumula-
Co dasduas coroas, ou d; urna servilidade
tal, que degenerados se curvariam a tu lo ; a
resstencia, que apre>entaram, toi, ou nao
u.n rasgo patnoti o de grande t-xemplo ? Os
povos no tem-se erguer de todos os revezes
(disse Napoleo) menos do de consentirem
no seu opprobrio.
Ddpois de alguns combates ao sul e nor-
te, e no centro da provincia, em que correu
muito sangue brasileiro; com bloqueios mari
tunos, cora bombardeamentos brutaes desde
a meii noite t s 3 horas da madrugada
s >bre a cidade do Rei-ife, com a forae, com
expedices militares vindas da corte, s da vi-
sinha provincia das Alagoas, e mais que tu-
do com a inconstancia dos habitantes menos
cultos do centro e a frieza de alguns, po-to
que tantos outros se expozeram, e sacrifica-
rara, venceram os imperialistas. E ento
que barbaridades! Com msicas, e cantos
enforcaram e espingardearam perdiosos nos
patbulos, sem nenhum direito, sera nen-
huma necessidade, a irra'S, que Ibes nao
ceJiara em pureza de iniencoes e patriotis-
mo, em assumpto era que nao tinha lug^r
a coaeco, e s a livre vontade podia col-
ligar f...
Ah por que jurastes a integridade do im-
perio, e a vossa Confedratelo do Eqwulor
a infringa. Has que d'ahi ? Tamnem ju-
ramos e comnosco u imperador, a integrida-
de da monarchia porlugueza ; ra-s nao n s
agradando a sua constituico e governo, nos
separamos. Foi urna imprudencia ( dirn )
ura erro s conveniencias de paz, e engran-
de i ment do Brasil, a vossa Confetlerar.no
ao Equaior. Isso agora outra cousa; mas
imprudeucias e erros, por mais absurdos
que sejam, sobre a forma de governo era um
povo que trata de constituir-se, nao sao cri-
mes : nesse assumpto e conjunctura, vistas
differentes, e opinias oppostas divid-m os
cidados; muitos sao iocertos do que mais
justo, muitos do que mais seguro, e mui-
espontaneida le do affecto, o coraco procu-
ra com avidez a felicidade para si ; j nao
se entreg, insciente do proprio valor, com
essa expaosao inteira e completa que cons-
titue o seu encanto supremo O amor
deixa de ser ura culto, para se tornar quasi
urna especularlo !
Mas ai I o vago e divino aspirar da co-
raco que despena aurora purpureada de
vaporoso brilno, sonbo feiticeiro e revela-
dor! ignorancia, que ancea por eoibecer !
mixto de melancola femenina e de alegra
infantil, todo esse mundo de sentimentos
novos e virginaes, quem o lera entrevisto
sem chorar do saudade ao recorda-Io, quem
o conhecer que n) aspire a perder-se.
ebria de ventura em meio de seus capri-
chosos, luxuriantes e perfumados cami-
nbos?
Maria chegra ao limiar do formoso tem-
plo, espreitra-lhe o recinto entre receiosa
e contente, vira-lhe as pompas, embriagra-
se com o penetrante perfume do thuribulo,
que dentro a attrabia, e conservava-se immo-
vel ao p do seu fronto, interrogando com
sopplicante olhar o anjo que o guardaba
cioso'e avarento.
l'rimeiro tinham-na prendido os seus
remorsos de noiva, depois a pdica hesi-
taco da virgindade!
A palavra nonca traduzio plenamente um
sentimento grande ; ba silencios qae o tem
conseguido f>zer ; o silencio que durante
nm mez existi entre Maria e Jayme, era
destes que talm e d'zem o que a lingua
humana nao sabe dizer!
se eu soubesse, bavia de contar a vida
que elles tiveram ; seria como um relanco
do luxaoso panorama da mocidade, urna
nota das suas variadissimas harmonas; mas
a palavra para isso to limitada 1 e de-
ntis, a lyra interior que todos nos guar-
damos no coraco tem urna s corda para
as alegras, era quanto mais de mil vibrara
ao toque da tristeza 1
Os felzes nao teem historia, porque a
felicidade urna rara excepeo !...
Jayme via todos os das a Maria ; estabe-
leceu-se por tanto entre elles a fcil fami-
aridad campestre que devia aproximar
inevtavelmente aquellas duas creaturas fei-
tas para se entenderem.
Os dous mocos passeavam, tocavame
liam juntos.
A's vezes Maria assentava-se no jardim, e
o moco poeta, deiado aos ps d'ella ao
sol, era um leilo de relva, lia-lhe com a sua
voz insinuante e poderosa algum livro de
sentimento, que a fazia chorar de commoco
feliz.
Era a Graziella, aquello perfuma dissimo
edyllio do Tbeocrto Christo, o Jocelyo,
poema de lagrimas a rescender de cada es-
trophe melancola; eram s vezes as gi-
gantescas concepcOes de Viclor Hugo, onde
o sublime e o tocante sejuntam e comple-
lam com to rara felicidade, ou os gritos
de selvagem desespero que Byron arrojou
ao mondo ao prostar-se, leo ferido mas
rugidor, sob as picadas de milhoes de ver-
mes!
Outras vezes quando o co estava bem
azul, e es passarinbos andavam a cbilrear
lodos contentes era roda dos dous felizes
namorades, Jayme procurava um poeta que
lhe ioterpretasse com idyllica suavidade o
mixto de melancola e de paxo, que l por
dentro o punga e afagava, e depara a-se-
lbe logo um grande genio e um meigo co-
raco, que elles ambos amavam porque Ibes
pareca mais seo, porque s pompas idaes
dos outros poetas reuna a carinhosa har-
mona da lingua em qae elles se fallavam e
tinham balbuciado as primeiras syllabas nos
bracos de suas mais. Era o nosso Homero!
onosso Milln esse feliz desditoso a quem
Deus negou a luz da trra para lli'a trans-
figurar era celestes esplendores! e que em
compensadlo da natureza, que nunca vio,
tem o Edn qae a opulenta imaginaclo lbe
idealisoo Era Gaslilho.
Quaodo Maria fechava os oavidos s ten-
tadoras fallas do coradlo, iniciava-a a voz
de Jayme na grande religiSo do amor, tra-
duzindo para ella os cantos dos seas mxi-
mos sacerdotes 1
Que mulber resiste a taes enlevos ? Quem
nao gostaria de embriagar-se com este nctar
dos de uses ?
Fallavam tanto da sm infancia Jaym*
, tos do que a honra exige ante a posteridade:
,nada essencial, tudo convencional. De-
veis curvar-Tos maoiia (insistiro ainda)
que se arcommodava com o projecto per
constituico do Brasil. Mas aonde eslava,
e qoem vio essa naaioria ? Que a maioria
forcea acquietcencia a minoridade, nem
sempre verdade (disse Antonio Carlas as
cortes extrarrdinaras e amtitnirtes de P< r-
togalj Nao se \:de dizer tal ama, quen-
do as divenas parles de una tedio et ao
como -indepen lentes, e tratam de (ornar o
pacto social, que as ura com conhtei n irdo de
causa. iXcsle caso igual o direoda ci-
ra, e o da menoridade ; s a conviccao as
pode r solver, e a superioridade de urna
outra nao aulorisa a uiolencia. Mas o Tr-
taro contratava om o seu principe a obriga-
Co de ir aonde lhe mandava, de malar a
qualquer que lhe fosse indicado, ede consi-
derar para o futuro a voz do principe como
urna espada devastadora ; nem por desgraca
da humanidade, E' esta a vez primeira,
que verdadeiros Culpados figurera ovantes de
innocentes, e que. innoc-ntes sejam immo a-
dos pelos culpados. Na biographa do se-
nador Manoel de Carvalho Paes de Andrade,
trabalho que tenho entre mos, tratarei com-
pletamente deste conflicto patritico, que i
aqui toco muito era resumo.
llavera quem censure o estar ea a irritar
estas chacas tao doridas, e asquerosas, de
que fra salutar desviar as vistas, e o con-
tacto Mas refiietam, que a forca Je cen-
surar os abusos, que se poler conseguir,
^ue males tocrneis se nao rep.lam, e de-
lurpein a humanidade. De mas, os man-
dantes e mandatarios de tantos assassinos
jurdicos nada soffreram corporal, ou pes-
,soalmeute, por elles; vibrara e morreram
uta doce paz saboreando os fructos, as \an-
tagens e premios de sua infame servilidade
I vangloriosa ; e se at de urna estril c n-ura
' devera ser isentos, subverte-se a sociedade
as suas bases ; u pela regra dequem cala
, consenteo ileucra importa complicidade.
Nao, senhores ; uni-vos a mira : execraco
continua, maldie.3o eterna aos assassinisju-
rdicos, por opui'es polticas I Maldigo a
tudo quanto olfende, e envilece a humanida-
de Esta serte de bom< ns nao sao nasci-
dos n^m para glora do principe, nem para
vantagens da sociedade ; elles nao tera virtu-
des, nem grandaza u'aima: o temor, e o in-
teresse sao os movis de sua conducta ; e
parece jue a natureza os produz s para ser-
virem de lustre aos horaens virtuosas.
E' bem opoortuna aqu; a rec rdaejo da
resposta que den a Garlos IX o vise nde de
Orthcs, goveroad'ir de Bayor.a, quando da
parte ilaquelle monarcha lhe foi ordenado a
matanza dos Huginole?. Senhor (respon-
deu o honrado subdito) cu nao tenho ocha-
do entre os habtenles, e os militares, se
nao bous cidadts, e bravos soldados, e nen-
lium tiljoz : assiin elles, e eu pedimos a vos-
sa magedade, que empicgiie nossos bracos
e nossas vidjs em comas possiveis. Eis o
que honra e gloria, escomo tos confun-
de, e arrebata a virtu le, soorelevada a quan-
to ha de grande, e de formoso na trra !
Gertamente, senhares, tolo o ouro do mun-
do nao vah a vida de um humera ; e a pie-
dade o mus bello, o mais digno pre ede
que a natureza fes aos mortaes.
O Sr. D. Pedro I foi infeliz com seus mi-
nistros e conelher( s ; tiles, raormente p3ra
Pernambuco e Cear. o armaram, ou deixa-
ram que se armasse de um sceptro de ferro;
e um sceptro de ferro frgil: elle o ex,e-
rimf-ntou.
Senhores, eu devo acabar ; e acabarei cla-
mando : justica e piedade, Posteros ventu-
rosos, para tantos patriotas extremos, porm
vencidos !
Na ampnlheta da vida pouco resti a es-
coar da poeira dos meus dias. No refugio
pacifico desta academia, sombra magestosa
das le*, respeitado pela benevolencia, a pri-
meira das qudidades sociaes, agradavel e
proprio ;ne ser entreter na vossa conver-
saco amena e erudita, os fugitivos dias.
ERRATA.
No discurso do Sr. commendadur Antonio
Joaquim de Mello hontem publicado, deu-
se um engao, que ratificamos hoje.
No ultimo periodo, segunda linha onde
dizNao transcrevam fixar diga-se Nao
trascuram fixar etc.
fazia mil perguntas, a que a forraosa menina
nspondia com jubilo infantil ou coma doce
melancola das recordares !
Era muito para ver o vivo colorido que
ella dava s lembrancas do seu passado, e
como sabia revestir de potico prestigio os
vultos que a imaginadlo beresuscitava. Foi
assim que Jayme conheceu aquelle bom
Fre Jos, de quem fallava ainda Maria com
saudade intensa.
Leoibra-se moito da sua mi? pergunta-
va ella as vezes ao seu poeta! Ai que
torrentes de poesa e nao raro de lagrimas
barbotavam flux do peito do mancebo, ao
responder a esta ei punta.
Urna mi a sublime religio das gran-
des almas 1 mesmo quando j tem perdido
todas !
Um da, Maria perguntou corando a Jay-
me, se elle j linha amado ; o moco olbon
para ella sem responder, e nenhura debes
se apercebea desta falta Tambem o olhar
era to longo, to longo e to profundo I
Que duas creancas !
Quando sahiam era alegra completa ; se-
guiam com os olhos as navens do co, apa-
nhavam as borboletas e os botSes de ouro
que entreluziam oa relva, fallavam a todos
os passageiros do camrabo, e apostavam a
correr como dous loucos felizes 1 A's vezes
havia ama ocurrencia extraordinaria no
passeio; eram o apparecimento de urna ara-
nha oa de algum biebinho negro que assus-
tava Maria, fazendo-a soltar altos gritos e
fagir toda off jgante, e cujo resultado era
sempre orna douda expanso de ioterrrina-
veis risos!
Tem isto de admiravel o amor, quando
sentido I respira-se nelle Do sei qae mys-
terioso aroma infantil, que lembra a primi-
tiva innocencia do Edn!
Quanto mais vasto, profondo e forte
um coraco de homem, mais nelle flore-
jam, a par dos grandes arrojos da paixo,
estas fraquezas ioneflaveis, qae o tornam
sublime!
(Continuar-se-ha.)
_____ ,
' TYP. DO DIARIO-RA DAS CUUZE. 44
-J
:




a
\|

ILEGlVEl I
Mr
LDATA ICORRETA
I


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EBP2Y3POT_BL7QO8 INGEST_TIME 2013-09-05T03:09:03Z PACKAGE AA00011611_11427
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES