Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11401


This item is only available as the following downloads:


Full Text
um
/
ANNO XLUI. NUMERO 244.

Ptai a cirirtii a%vha*k vxue me na* riA potb,
Por tres atetes atontidos.,. ............ W
Por Mii tos Mea.. .1 1 .] .1 .1 .i .... n .1 .1 .1 .1 .. ? JfS
Par u mi Mea.. .1 .] .1 .1 .1 .j j| 1 .* ?i a V "*?
Cada iiaen afauo .| ...... j.......,] S 32
QUARTA FEIRA 23 DE OTUPRO DE 1867.
*A.A DEMTBO B FOBA DA IPBOVINCIA.
fr tre iibum.. t. i.. t. ,., -....... .. .,
Pir srii iw i....... .. .. .. ,. ,, .. ,, .. .. .. ,<
Por bt ditos dMI........... .. ,. .. ., ,, .. .. .. %, ,,
Por ia aun idea.. ..
i% i, ..
.. .. .. .. .. .<
PERNAMBUCO.
M7M -
11*800
2*3*280
274000 /'y
-> **
?"-
- '



-


A8M8 Bill IPIlDAmiVKD D IBQiaiIlPVD&IKD DI SIA\DD1Ia MOTIBIMA 0)1 913 <4 93211)8 8313 P1D!PMIVMII lENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO.
Parahyba, o Sr. Antonio Alexaodnno de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva ;Aracaty,
eSr. A. de Leraos Braga; Cear, o Sr. Joaquim
os de Jliveira ; Para, os Srs. Gerardo Antonio
Alves & Filhes ; Amazonas, o Sr. Jeronymo da
Costa; Alaroas.o Sr. Francino lavares da Costa;
Babia, o Sr. Jos Martina Alves; Rio de Janeiro,)
Sr. Jos Ribeiro Gasparinho. I
PARTIDA DOS 84TAP8TA3.
Olinda, Cabo, Escada e estacos da via frrea at
Agna Preta, todos os dias.
Igoarass e Goyanna as segundas e sextas felras.
Santo Anto, Gravan, Bezerros, Bonito, Carnar,
Altiaho, Garanbnns, Bufque, S. Bento, Boro Con-
seibo, Aguas Bellas e Tacarat, aas tercas-feiras.
Pao d'Albo, Nazarelh, Limoeiro, Brejo, Pesqaeira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa-Vis- ]
ta, Ouricury, Saigueiro e Ex, as qaartas feras I
SerfoMem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Bar
reros, Agua Preta e Pimenteiras, as quintas
feras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribanal do commereio: segundas e quimas
Relaco : tarcas e sbados as 10 toras.
Fazenda : quintas as 10 boras.
Jnlzo do commereio ; segundas ; s 11 horas.
Dito de orpnos: tercas e sextas i8 10 boras.
Pri>eira rara do eivel: tercas e sextas ao meio
dia.
Segunda rara do elvol : qoartaa e abbadoi
I acra da tarde.
EPHEMERIDES DO MEZ DE OTUBRO.
5 Quarto cresc. as 3 h. e 25 m. da t.
13 Loa ebeia as 10 h. e 32 m. da m.
SI Quarto mng. aos 17 ra. da m.
27 Laa nova as 10 b. e 11 m. da m.
DAS DA SEMANA.
21 Segunda. S. Dacio m., S. Ciliola.
22 Turca. S. Ladislao f., S. Cordola v. ra.
23 Quarta. S. Joo Capisirano'., S. Servando m.
24 Quinta. Ss. Fortunato e Evaristo mra.
2o sexta. Ss. Chrlspim e Cbrlspioiano Irs. mm.
26 Sabbado. S. Rogaciano m., S. Rustico b.
27 Domingo. S. Elesbo, S. Capitulina m.
PREAMAR DE HOJE.
I Primeira as 10 boras e 6 m. da manhaa.
(Segunda as 10 horas o 30 minutos da tard*.
PARTIDA DOS VAPORES COsTEIROS.
Para o sal at Alagoas a 14 30; para o nort*
at a Granja a 15 e 30 de cada mes; para Fer-
nando nos dias 14 dos meses Janeiro, marco, mata
juibo, selembro e novembro.
PARTE OFFIClaL
gama : Roma perteoce a oac5o, que pode e
i deve viver, a esses homens, digo eu, deve-
nios nos Aspramonte, e o eslranho espec-
laculo de urna cmara, que reside em Fio-
(.0INUNDO DAS ARAS. renca, depois de haver declarado .Roma ca-
para crahecimeoto jdos insteressados se faz pa-' piul da Italia ; o espectculo de um governo
blico o offleio em seguida transcripto queao raesmo qae diz : O poder tmpora1 e uma usur-
commando foi iodircado pelo Exm. Sr. cooseihei- paC50j e qUe acampa os seus soldados na
ro tente-general ajudaote geoer! do exercito frQtera j-, meSma soberana, que acaba de
"hUuM ? na secretarla mi-' negar ; o espectculo de um povo, que affir-
litar se acna o titulo de reforma do soldado do
batalbo de engenbeiros Pedro Victoriaao de Sou-
za afim de Iba ser iolrague.
Reparticao do aiudante-general.N. i3,2oJ.ni-
nistano Jos negocios da guerra.Rio de Jiueiro,
10 de outubro da 1867.Ilim. e Exno. Sr.-Com-
amoico a V. Exc. para os dos convenientes, que imperial sobre a cabera,
as cartas de pendes concedidas aos soldados Joa- ...... nrnorias forras
,.uim Jjs de saot'Auna, Benedicto Alves dos San- as ProP" *tas.
Jos Joaquim de Sani'Aona, Manoei Bezerra i Nao : em face de todas 6Sl
raa a cada bora o sen direito sobre Roma,
e que todava espera com uma pacencia
servil,que Roma iraca e dbil, que conser-
va a Qr dos seus Albos as prisoes e no
exilio, e a espada de Damocles da Franca
se emancipe com
10?,
lices, nl5o
de'Sina, Miooi Manrinio de Souza e ausyecada' diret, pelo prazer de cbamar a maioria em
Praociaoo Lopes de Lima, que seguirara para essa lor0 (je UIa bandeira inoffensiva : Apaz
prov.ncia foram enviadas da secretaria do impe- Q ffleu fim f A maioria> vacilante, t-
mida,- e de ordinarioestranba ao entbusas-
que devia reunir todos os filos de Deus sob
a mesma bandeira : a do melhoramento
cominum ; desenvolveu as almas o egosmo
que diz : Cada um por si, todos para si.
Proiongou a duracSo da oceupaco aus-
traca, que s a guerra pode destruir ; da-
raco da usurpaco mahometana, na Euro-
pa, que Dio ser ver. :ida senc pela insur-
loso drama a Ramha Santa Isabel, cujas bellezas
lera sido tao justamente apreciadas pelo nosso pu-
blico.
Deixoa hootam a chefatnra de polica desta
provincia o Sr. Dr. Pelinto Hioriqae de Almeida,
ootregaodo-a ao sen snecessor o Sr. Dr. Pedro
Franeelino Goimares, de qnem esperamos uma
gesto mostrada e providente, de que dea-nos co-
pia o seu antecessor.
Em verdade, o Sr. Dr Felinto bem se houve em
reic5o e pela gueara ; foi uma das causas da | saa alministra^ao policial; e esta considerada era
guerra da Crimea, persuadindo a Russia de seus actos friameote, sem preven?o de qnalquer
l ordem, ha de ser merecedora de apreco da pro-
vincia.
Comecoa booiem a ter execucio entre nos a
le doorcaraento geral n. 1,507, na parle que ~
nao
ro pira esta repartico e por ella remettidas a
secretaria central era 8 do correnta para solici-
tarse da thejourana a abertura dos respectivos I nao e ao sacrificio, ha de abster-se de Con-
asssnumeaios e ordem a tbesoararu dessa pro- j serVar-se sob essa bandeira, lembrando-vos
as obrigaces asseguradas, quando para
vinca para por ella se fazerem o respeclivos paga-
mentos. .
Daos guarde a V. ExcIllm. e Exm. Sr. bnga-
deiro Joaquim Jo- Gongalves Fonl^s commaodan-
ta das armas da provincia de Peruambuco.Jo3o
Frederico Caldweil, teoente-general.
Secreuria do commaodo das armas da Parnam-
buco, 22 de ootnbro de 1867.
Francisco Camello Pessoa de Ltcertla,
Teoenle-coronel secretario.
EXTERIOR.
Carta de J. Hazzial ao Coogres-
so da caz. em Cienebra.
alcanzar urna decisiva victoria, julgais op-
purtuno correr e marchar ao combate.
Ora, como sabis, esse momento chegar
inevavelaeute.
A paz nao pode, acreditai, tornar-se a le
da sociedade humana sen5o atravessando a
lula que deve estabelecer a vida e a asso-
ciaco as bases da justicae da liberdode, e
sobre as ruinas de todo o poder fundado,
d5o nos principios, mas nos interesses dy-
nasticos.
Luta necessaria ; guerra sant como a paz
por isso que della deve sabir o triumpho
que a Inglaterra se conservara serapre na-
tiva, e que a Franca, solada, recelara diaa-
le da luta.
E quando a guerra rebentou, essa escola,' depende de repularaeato e relere-se as alfandegas;
restringindoa zona de Gonstaotinopola e| pJ^JSdS S3VJSfiSS
precipitando o lim, impedio o bem que del- de 88 ^ cenl0 no corre^le sameslre.
la poda resultara eonncipaco da Polonia No3 escrevem as s3gQinl9S unhas de Cor-
o enfnquecimento duradouro da Russia, o reDte.s:
t A ]anta de sade militar brasileira em Cor-
rientes me iaspecclonou ante hootem pela mauba
movimento dos povos europeus sujeitos a
Turquae deixou intactas e pendentes to-
.^- a .r,;ii e resol vea que eu continuaste em tratamento, e
das as questoes que poderiam ser denoiti- n-0 desgoMBl ae me lerem feit0 ir s p pe|a exten.
va mo lie reguladas. sa planicie do Saladeiro A cidade, porque a manba
N i ter 0 vosso apostolado resultados. eslava clara e bnlhinte, e a athmospbera branda
semelhantes? Tenho receio disso^;rr-^^artlKr!i5..r ^
ceio que, impotente para impedir a guerra Aales alga(nas quadra3 de chegar aciai(a
circolar, de maneira que separel a cabeca do i oespachos.
tronco. Reqnerimento de Jos Marques dos Stntos
< S tlnba que occnltar o mea crima. Eater-' Agaiar, membro da extiosta firma deJos Mar-
rei a cabera a ama peqaena distancia, e fiz rolar que* dos Santos Agaiar & C, pedindo rehabillta-
o corpo na direceo de nm fosso qae estava proxl- ?o commerclal.Autuado pelo ofBclal Regj Raa-
mo. Tendo as mos baobadas de sangae, era me gal. d-se vista ao S^. desembargador fiscal,
necessario lava-las, e para esse Ara dingi-me a Dito da Deloucbe & Saupique', pedindo o regis-
nm regato. Calca depois as lavas qae me encon- tro de seu contrato social.Vista ao Sr. desembar-
traram as mos, e tirando da algibeira um livro
comecei a ler, eoeaminbando-me tranquilamente
para a povoaco de Peinlo.
O re-1) ja sabido.
gador fiscal.-
Dito de Manoei Mala da Silva, pedindo eertldo
do tbeor da petico em que elle e Jos Do mingues
Pereira, pediara qua nao fosse registrado o seu
t O saogoe fri e o ejoismo com qae Jos Mar- i cootrato social qae para esse fim baviam-o apre-
linalli dea todos estes borriveis pormenores, fa- sentado. -Volte a petico depois de sellada, uma
z-ra duvidar que elle estaja no pleno aso das saas
(acuidades mentaes- Confessoo tambem as suas
incestuosas relaedes com sua irma Manelta; mas
esta colima a negar.
No seculo passado, dii a Epoqite, admirava-
se multo em Versainas um relagio construido em
1706 por Antonio Morand, de Poat de Vaux em
Bresse, e cuja descripQo nos foi dada por Monta
co. Quando dava boras eantava ara gallo, e de-
pois vase apparecer Luii XIV a cavallo, e uma
victoria Tada vinha coroa-lo.
vez que o sapplicanle nao se limita a requerer
ama cerlido.
Dito do corretor George Palcbetl, apresentando,
para ser registrado, o conbecimenlo com que mos-
tra haver pago o imposto de dito ofOcio do exerci-
cio de 1867 a 1868 Registre se.
Dito de Fraaclso Baovindo de Vasconcellos,
natural do Ceara, domiciliado na cidade da Forta-
leza capital da mesma provincia, e commerciaote
de fazendas grosso e i retalho, pedindo matrica-
la, offerecendo em sefi abono nm attestado firma-
dos res, desmembre e desorganise smente
as forgas destinadas guerra dos povos.
Falta actualmente o ervo da alma, a
energa dis conviecas, o accordo entre o
do mal-
est a Chacarita de Avaloshospital outr'ora
desse norae, e ao lado da qaal tica ara raatadouro
publico ; e eseolhi de proposito ir por abl para ver
um estabelecimeato desta ordem em Corrientes,
que me consta ser o modelo do sy-lema adoptado
oa Repblica Argentina, e poder ter ao mesrao
densamento e aeco, o santo odio
Falta a crenca de que vida um sacrificio temponra novo assumpl para enchfr as paginas
eum combate; de que todos nos somos, !* ""i" "as. a occasio nao poda serme-
.. ., ..,. .......laja lhor, eram horas da matanca.
povos e individuos, solidarios as grandes e t Qi maUdOQr03 pQ0|,cv0S para o abastecimeoto
nobre< Causas: que este laco COmmum se A carQe apresentam urna sceua animadora e sin-
deve fortalecer por meio de actos; que os guiar: um vasto campo aberto com Metra de
actos devem ser proporcionados aos obsta- Z^S^oX^^t^fSi
culos moraes devem ser combatidos pelas lDem os anla)aes que quereai ao currai. xd0s
forcas moraes ; mas que OS obstculos ma- montam cavallos bem adestrados, e para lirarera
Cidad5os. Torna-se-me impossivel, por
diversas causas, assislir pessoal nenie ao
vosso congresso em Geneora ; mas digo,
com sentiraento sincero, que a denomina-
cloque haveis escolhido e o fim que elle
indica, me impedira de conjorrer all,
quanlo mesmo essas causas nao esistissem.
As vossas iotenQoes sao santas, no duvi-
do ; queris o que eu quero : liberdade
para todos, fraternidade e associaces de
todas as p trias. Mas chamaes-v >s Con-
grego de paz O'-a, a paz nao pode exis-
tir senao como consecuencia da liberdade
e da justiga. Porque nao haveis darlo ao
vosso congresso o baptismo desses nomes
igualmente sagrados ? Para que haveis
substituido a cnsequencia ao fim ?
Pouco importa, diris vos; exista entre
essas cou-as um laco iodissolavel, e ludo o
mundo o ba de coinprenender. Nao par-
tilbo da vossa esperanza. Nao ; nem todos
vos comiirehendero. E entre os que
allirmam ser dos no-sos. encontrareis, n3o
diremos quintos, aos quaes essa denomina-
.o vaga lia de servir de pretexto para no
comprehenderem o pensamento. Pela in-
telligencia do li.n, assim como pela escolha
dos meios, vos collocareis, adoptando aquel-
la denominag5o, n'ura equivoco, a cujas
consequencias vos ser dillicil escapar
Aborrego o equivoco. Consiste nes:e
equivoco, ha inais de um quarto de seculo.
a origem dos nossos erros e da nossa im-
potencia.
Vi em Franga, em 1830, um partido in-
teiro que quera a repblica, ou faita de
outra cousa, a queda de todos os Bourb.--ns.
Mas esse parado deixou-se persuadir que,
nos Bourbons, que tintas vezos tinhim sido
violadores da carta, eslava urna hbil tctica
de oppor, nocaraiahoda revolugo, o grito
de viva a caria 1
A revolugo teve lugar, mis o povo lintaa
tomado a serio o grito (irogramma, que nao
era mais do-que um artificio ; e da revo-
lugo s sahio a substituidlo de um Bour-
bon, e orna carta corrigida.
Eml848, no-se depositava na Itilia f
alguma na monarchia e no papado ; a nossa
tra Jigo histrica era republicana, e uma
numerosa fileira de mariyres nos mostrava
o Qjq q^e, ao raesmo terapo abragava a re-
puolica e a unio.
Mas entre nos tambera algns chefes jul-
garam praticar um grande acto, dividindo o
orogramma para diminuir as difkuldades;
pretenderam em priraeiro lugar, utilisar as
forgas da monarchia e o antigo prestigio do
papado, para conquistar a unidade, e fizer
depois sabir da unidade a roina dous ele-
mentos velhos. gitaram as multides em
nomedePiolX; insinaram-lhes a forma :
Italia uma, sob a dynastia de Saboya.
Este insesto monstruoso engeudrou a der
rota, a desgraga e a vergonha, por espago
de dez longos aonos; por isso que a uni-
dade material, sera a unidade moral, um
corpo seo alma, a mocidade assemelhan lo-
se decrepitude ; e a necessidade de uma
segunda reoltigo, que ha de um dia des-
truir as cadeas em que actualmente nos
adiamos, ligados as aspirages do despotis-
mo estraogeiro, que suspenderam a nossa
cruzada.
E boje mesmo, emquanto escrevo, se
aggrava o equivoco debaixo de uma formu-
la espiritual e temporal na questo romana,
coja solu;3o impede.
A Italia tem homens sem alma e sem
rencas, que se lisoogeiam de poder arran-
car ao pontfice a sua cora, prostrando-se
todava por algum terapo dianie da thra ;
de conquistar Roma coa uma bandeira em
que selS : c A religo catbolica e apost-
lica dominante na Italia ; e de levar alli
uma monarchia, cujo poder deriva da au-
toridade rai, e que tem perfeita conscen-
cia da aorte que o espera, uma vez que se
alcance o fino.
A esses homens que dizem ; o papado j
Noeram santas as batalhas, que teriaes se nSo podem destruir seno por
Podemos admirar estes dias um relogio m^cha- do por J. L. Vasconcellos & C, Meur P. L. Kalk-
nico muito mais perfelto, moilo mais complicado, mann e Joaqulm da Cunha Freir & Irmo.Vis-
e cojas rodas Igarativas deixara muito longe de ta ao Sr. desembarga dor flarl.
si a obra prima de Antonto Morand. Dito de Antonio Feliciano de Vasconcellos, na-
Ura movel da brome de quatro ps de altara, toral e estabelecido oa mesma provincia sob a fir-
mal ricamente ornado de flguriohas de brome e ma de Vasconcellos & trmao, tambem pealad
idu iui o nimal escomido, um lanzador entra, arroja o la-
para Dem. >ao erara iduwbdaudwiwa.il das forras matPriaA* nnfl fixiste nao co e sae do curral meio arrastrado, e meio perse-
na alguns seculos. salvaram o nosso dogma meio das torgas matenaes, que existe, nao *UIQ0 pt)|0 anima, qae 8aa bwTiUo, entretanto
da liberdade, da irrupgao do fanatismo ma-japaz, mas uma guerra longa e latente, por que outros reteem o resudo gado; e seguem o
hometano 9 Nao foi santa a guerra heroica toda a parte onde reina a tyrannia, a ojus- masmo processa com os mais que vo escotheodo,
p nnnnhr niifi fez dpsaooarecer do solo dos tiga e o arbitrio ; que c-'da ann que decorre sendo de ordioario um da cada vez. O animal sae
panbola ? Nao palpitam lodos os nossos a currupgao dos povos qae a ella estro re- gjneles a Mt brida ,l qae lne aram 0 segando
coraco-s com a recordago dos seis annos I duzidos; que, por esta razo, precioso o j^co que o calocara as aspas, e ambos, tomando
de guerra pela independencia hellenica, que lempo, instante o dever; ea guerra, a na asrea<>s_5oaftr*ria9. >oj ^Sr^'ia-nia^iS
rr ... n- mainp mrio H m inQu.tauol o e^opadi poolo detarminido, ou o tazem rodelar. boiao ura
resutuiram urna segunda vida a Grecia, e raaior parte das vezes, mevitave esagraua. Jos ginetes desmota-se. o aullo, que conoeca
cuja epopea e>pe a o seu ultimo canto ? Entre aqueiles, muito numerosos anda, SQi nri!aco, conserva' o lago estirado, emquant)
Nao saudamos nos com um grito de en- que estao indicisos, a vossa palavra de paz 0 bornea se aproxima do animal, e, segundo sua
thusiasmo.as batamas, quema attestaram ser certameote ouvida e acolhida Esta poaioMao^^' S^VSuSSti^-
peridicamente a vida iraraorta! da Polonia ? palavra nao exige grandes sacrificos; mas ?l'ffiZ?%l
Tendes entre vos alguns dos nossos com- bao de volta-la contra o vosso secreto desig-,, ', D9p^, pnocipiafn a escorcba-io, tendo o cui-
palriotas italianos; mas nQ ba um s de.nio. Em vosso nome, e sombra da han- dalo dwxar flear o corpo sobre o couro para
entre elles, que nao esleja prompto a reco- i deira que haveis arvorado, pregaro a pa.; mein^'^r** ""-,,,,, da lre3 00 qat,r0
megar a Iota- contra a Austria, se a Austria' cenca, a resigna,;*, e a c manga niobni'Jff^ ao
tornar a invad r as nossas trras lombardas lenta e imperceptivel do terapo ; quatiflea- mem7iempo om sessenia ou oiteota ammaes a
e venezianas. Disseram-me que Ganbaldi rao de imprudencia toda a sub'evago po- operaco de escorcha-ios e de esquarieja-io?.
pular contra o reinado do mal ; ensinaroi Os esfoiadores sao homens da aspecto semi-
a rtHsr-finhHPPr a virlndn p n noder d'essa 'selvagem, vestidos, ou melhor digo, maio vestidos,
a aesconnecer a virtuue, e o poaer uessa decdfei viva8f eQtre a3 quae3 preiomina o v^r-
niCiatlVd audiciosa; SUbSlltUtrao a toda a me,ho: 0 osulendiduiex dos cavallos dos carni-
vos dava o seu assentimento. Perguntai-lbe
se neste mesmo instante, elle nao sonba na
guerra contra as bordes pipalioas ? Sau-
dareis com longas demonsirages de admi-
goes,
rago a presenga entre vos de um hornera,
de cuja amizade me honro; do chefe do
abolicionismo americano, de Guilherme
Lloyd Garrison ; mas nao vos lembrais que
o termo do seu apostolado e immensa con-
quista da liberdade para os nosso irmos
negros foi devido a quatro aonos de gigan-
tescas batalaas ?
Repito que nao desconbego as vossas in-
tengoes. As batalhas q ie r^pellis nao sao
as d* que eu fa-lo : sao as que, dadas p2las
castas e pelos reis, calcam aos ps a liber-
dade en're os povos, ou a justga e o amor
as r-ilages internacionaes. Mas que meios
adaptareis para as impedir ? A
dos meios suprema, e a esta questo
intimamente iigada, no es rito popular, a raniadas nagoes livres, iguaes
meibo; o esplendido jiei
iniciativa o culto de uma opimo publica, ceiros, em muitjsdos quaes relozam 03 adoris
iaiS do OUeo ele-'de prau ; carros ordioarios dascobertos, conduc-
qua nao em substancia mais do que
aantP nrpmra.tar ra arcn instihVacO DOr tres d0 ID41S ordinario aspecto e cavallos de di
gante preparador aa acoo, justitioagao poi tl0cUscdres.0 u,1(lodos c*rros, maio cneu *
uma doutrina santa emsi, mas anda pre- gad0) ludd agrapado, contriboe era sea colorido ou
matura e importuna, toda a hesitago dicta- ; arte, a faier seno ama agradavel, pittoresca e ale-
da pe o receio, tadas as vergonhosas deser-; gre paisagem, ao menos ura panorama
todas as coucessoes servlS daquelles **& uiumioado por obi.quos
lucido e
raus do sol da
novo para n3 e os Eu-
.-m maooa, e iniairain.'ota
que, no meio da tempestado, procurara a ropeus
tranquilidade e a sua sal ^ago pessoal. os dependentes dos salchicheiro3, os caes e
N5 ), nao esse 0 vosso tm. porcos servem de ribeiriohos, ajudados por nuvans
O ara que nos mostra o dever, n'ura paiz f '8 e corvos;. >" ttCoM*
. ^. ___*, ; de mil aves de rapiua, habitantes dos pampas, ao
eatregue a oppresso, anarchia moral, re,oir dos rai0S o sol aUf,raeoUm nao pouo a
corrupgo do privilegio, e ao capricho indi- \aaiaei e siogularidade do colorido.
viduai, a forga bruta que O Sustenta, essej Teve hootem lugar a congre^acSo dos Ient93
fim O triumpbO alcaogado pela le moral, a da Facnldade da Uireito, na qual foram aomaados
ueT.olsup.ressOdetudo quanto se op,>a Sua ^Vt^^VsTooeira Filho, Jos Rano e
to < st! exaltagao, a organisagao da Eurooa. a sobe-! F,KQ,redo;
e associadas
importancia da vossa tarefa.
Torna se-vos, primeiro que tudo, neces-
sario obter o desarmamento geral, e depon
o apoio de tod >s em tu lo para a emancipa-
gao daquelles que esto opprimidos, para o
melhoramento da sorte dos que soffrem para
substituir o exercito permanente pelo p jvo a educago de todos, iodependencia de todos,
armado ; a Suissa olereca-vos o exemplo! e armamento geral.
desta organisago militar. E pensareis vos
em conseui-lo sera a rev.dugo ? Osexer-
citos permmentes sao boje a nica salva-
guarda dos governos existentes; jolgareis
O lim, o restabelecmeato da Polonia, a
conciuso da unidade alema, da unidade ita-
1 ana, da unidade hellenia, a conlederago
danubiana substituida ao imDerio auatriaco,
vos decidir os governos ao suicidio ? Ejunia Suissa oriental, em lugar do imperio na
quando tiverdes, n'aluns estados onde a Europa, a unio escandinava, a unio ioeri-
opinio liberalmeote manifestada prevalece'ca, a loerdade para a Franca e, em uma
ao poder, conseguido pacificamente este pdavra imperio turco es Estados-Unidos re-
grande fim, deixareis esses estados a merc publcanos da Europa, um congresso mter-
dos grandes estados despticos que se con-
servaren armados, e nos quaes a le do si-
lencio vos tire todo o meio de acgo ?
Tendes necessidade do um desarmamento
geral simultaneo. Esta obra nao se pode
realisar s-no por meio de um congresso
das nages, a que concorram delegados, h-
vre e lealmente eleitos, cujas decisoes se-
jara ratificadas pelos seus eleitores. Pode-
reis vos alcingar este resultado sem revo-
lugo, sem a guerra ?
Tenho estudado a acgo do partido da
paz. exercendo-se n'uma esphera fora
poder, era
nacional por momento, superior a todos os
poderes".
Porque se oceulta este fim t
E' uma ultima, rande, e santa cruzada,
uma baialba de M iraihon em proveito da
Europa, para o triumpbo do principio do
progresso sobre o principio da inercia.
Eis aqui o fim; nao o oceulteis, nao o
mascareis; tendo a coragem da vossa f: ins-
pirara essa coragera e essa fe, aos povos
adormecidos.
Quando, no curae do edificio, tiverdes
substituido a fustiga ao arbitrio, a verdade
Inglaterra.
A escola pacifica de; mentira, o dever aos interesses egostas, a
M7nchester."a0escoia de Cobden e de Bright repblica monarchia, eolio lereis a paz,
ternera Inglaterra uma influencia predo-l mas antes, nao.
miaante, em consequencia dos importantes
servigos que teem prestado ao paiz na ques-
to econmica. Quaes teem sido os resul-
tados ? A Inglaterra tinha nm programma
rauitas vezes trado, verdade, mas que to-
dava dava uma aoimago eum apoio moral
aos povos ; a formula desse programma era:
liberdade religiosa, civil e econmica para
toda a populago do paiz. >
E esse programma substituto a escola pa-
cifica uma poltica de nO intervengo que
nao sendo adoptada pelos governos desp-
ticos, perdeu lodo o carcter de principio
para se tornar nicamente a expresso de
um fado, de uma abdicago local, oaonun-
ciando a intengo de nao intervir para re-
sultar o bom, animou os despotas a nter-
vi em para produzir o mal. Esta escola
enervou, abastardou o sentido moral, o sen-
Transformo o vosso congresso; que se
torne o congreso dos bomens do dever, da
liberdade, e da associago; que se deseo-
volva a toda a Europa a allianya republicana
universal.
O pouco terapo qae me resta a viver ser
consagrado aodesenvolvimeotoda vossa obra.
Hojo, deixas-nn na incertezi, e prezo-vos
bastante para deixar de v-lo dizer franca-
mente.
6 desetembrode 1867.
Jos Mazztni.
"ti) 2Dr*. Drummond, Tarquinio e Vilella -,
No 3-Drs. Aguiar. Lrareiro e Pinto Jaolor;
No iDr*. Brai, Manoei Portella e Apnglo ;
No 3"-rs. Pereira do Reg, Paula Baptista e
Autrau.
Foi tran-ferido para araanhaa o leo da
chocolate anouociado pelo agante Martina.
Amanba, pelas 7 horas do lia, celebrara
monsenhor Pinto da Campos, na matrii da Boa
Vista, uma missa pela alma do finado tenente-co-
ronel Francisco de Alboqaerqoe Maranbao Uval-
caoti.
Lotera. A que se acha venda
a 42.*, a beneficio do patrimonio dos or-
phos, que corre amacba.
Um correspondante de Floreuca da noticia
de um enme perpetrado as portas da cidade em
ama rapariga, cujo cadver, sem cabaca, foi en-
contrado no campo, onde, algumas horas antes,
tinha andado a passeiar Com seu amante, chama-
do Jos Martioalli. Eis aqoi os pormenores que a
este respelf, publica a llalia :
t No sabbado tarde, disse o preso, tlve eu
cora Adelaide nma grande desntelligencla, em
consequencia das mluhas relacoes com minbx ir-
ma Marietta. Esta desiotelligencia proloogouse
al alm da meia aoile. ABnal, para da mioha
parte por termo contenda, prometti-lbe de a le-
var no da segulnte, a nm almego no campo.
i Adelaide acceilou satisfeita. No domingo, pe-
la manhia, flel 4 mlnba proraessa. sahi cora ella,
e dirigimo-nos para o lado de Calcine. Depois de
havermos feito um longo passelo, atravesamos o
Mugaooe, que estaa nessa occasio secco, e acba-
mo nos em pleno campo. .
c Pelas onze boras da manhaa, tenio n3 am-
bos fome, entramos na povoaco de patrilo, e fl-
lemo-nos servir de uma pequea refeicao em casa
de Oitovio Bail. Conservamo-nos alli at ao meio
dia, pouco mais ou mnos, e sabmdo depois da
pov'oacao, tomos passeiar para o lado de Gioinen-
lajo O sol e-tava abrasador. Achavamos nos
caneado, e avistando nma arvore no molo de um
campo, dirigimo nos para alli, e asseutamo-nos a
ssmbra da ramagam. __
f Por lotalicldade, a conversa recahiu sobre a
comeada da vespera a noite ; as nossas palavras,
de amigaveis qua ttaham sido al entao coraega-
ram a excitarse, e deitando-me possuir da chole-
ra laocel mao de ama Taca que traiia sempre co-
migo, e lancei-a ao pescogo de Adelaide.
Avista do jorro de sangue qne sahia do ten-
ment profundo sustou-me, e cabindo de joelhos
jauto da pobre rapariga exclamei; < Adalaiae,
perdoa-me
cobre ao gosto da renaissance aprsenla as suas
tres frentes tres mostradores. O do meio ura re-
logio de preciso, marcando ao mesrao terapo as
horas, os minutos os segundos, os dias, os mezes
e os annos. A esquarda e dlreita um barmetro
e um therm>metro. Quando est para dar horas,
moVe-se o raecbanismo, e o mais cutioso espect-
culo se aprsenla a nossos olhos.
E' a creaco do mando. A taboa superior do
movel anima-se de repente, e comecam a sabir va-
pores : Jehovah appareca e manda. A um seu ace-
no disslpam-se as nuveos, forma se o firmamento,
o mar rola suas aguas, at-rra sane do cabos car-
regada de arvores cobertas de fractos, e fontes de
repuebo. Todos o* aoimaes do Gnesis vem desfi-
lar a nossos olhos, e passeam pelas roas do Para-
so terrestre. Volteara aves: a cotovia assobia a sua
cango matinal, o gallo solta o seu grito de guerra,
o pavo passoia fazendo roda.
Jebovah qaer acabar a sua obra, crea o homam
e a mulber, e comega o drama da tenlago. Todas
essas flguriohas sao no'avelmente ageis e elegan-
tes. Mltiplas articolaco-s Ihe permitiera tomar to-
das as posiqSs, fazer todos os gestos, que mani-
festara o pensamento quando falta a palavra. A
serpente vem representar o seu papal, anda de ras-
tos, sobe em spiral era roda da arvore da sciencia,
e desempenba cora muita eloquancia a scena da se-
du<*co.
Finalmente, depois. de commetlido o peccado e
profenda a senlenga por Deas, vem o archanjo
com a espada fulgurante expulsar do paraso nos-
sos pnmeiros pas.
A scena esta acabada : a cotovia cauta outra
vez, a trra desapparece, o firmameoto esvai se, a
ultima nuvem toma ao nada, as portas do movel
abrem-se por si raesmas, e deixam ver o interior
do mecanismo. E*sas rodas maravillosas, que cos-
taran 17 aanos de trabalho, nao exigiram menos
de 25,000 pecas'da ac para satisfazer as mlti-
plas combiuaeoes do inventor.
A representago desle drama bblico dura 20
minutos.
Succadau ha pouco na Italia um caso, que
nao deixa da ter sioguUridade.
Um mancebo dos seus viole e seis aonos teve
razoes para daseoaflar de qua sua mulher faltava
a BJelidade jurada. Pesquisou, e insisti as pes-
quizas, at que emfim ple saber quem era o seu
rival.
Pretextou o desejo de ir alguns dias passar a um
lugar prximo da cidade, em compaohia da mu-
lher ; mas vigiou a tao de perto, que toroou impos-
siol qmlquer particlpacao que ella quizesse azer
ao seu complica. A esta e*creveu eatao simult-
neamente o mando da infiel, avisaodo o de qua
iam para o campo, ma> que ella continuara a cor-
responderse com elle, mandando pdr as cartas, de
uoitrt, n'ura local soliurio, que Ihe indicava, e que
d'ahi a tres das all encontrarla uma caria sua, as
lantas horas em ponto. Ao mesmo lampo foi quei-
xir-se a polica de ter recebido uma caria com
amaaca de mora, se nao depositaste no tal local
uma grande somma de dioheiro.
O amaote, tomando a carta, qae recebera, por
verdadeira, foi na nou.e aprazada ao sitio odicado, I
ni intuito da haver a mssiva da saa apaixonada ;
mas quando eslava maneado a mao no buraco do
muro, para Mirar a carta, foi sbitamente agar
rado pelos gaodarmas que estavam emboscudos, e
coodozdo pnso.
E como o preso insstissa em nao dadarar nam
justificar a verdadeira causa que alli o levara, foi
processado e sentenciado a alguns raezes de prlso.
REPARTigXo da polica. Extracto da parte do
da 22 de outubro de 1867.
Foram recomidos a' casa de detengo no dia 21
do correte:
A' ordem do Dr. delegado desta capital, Tboma-
zia, escrava de Francisca d* tal, a requenmento
desta; a ordem do sublelegtdo de Saoto Antonio,
Cuarles Pucett, por embriaguez, Luiz e Paulo,
escravo3, esle do padre Luis d'Araujo Barbosa, a
requarimeoto do mesmo. e aquelle de Jos Feli-
ciano de Mello, por fgido; a ordem do do Pogo,
Luza Francisca dos Aojos, pira correegao.
O che e da 2* ecgao
/. G. de Mesquita.
Casa de DETE.xgAO.Movimento da casa de
detengo do dia 21 da outubro de 1867 :
Existiam presos 295, eotraram o, sahiram 10,
exis.em 290: a saber, naciooaes 201, mulberes 6,
estrangeiros 33, mulber 1, escravos 45, escrava
2, total 29U.
Alimentados a cuna dos cofres pblicos 210.
Movimento da enfermarla do da 22 do correte
mez :
Tlve baixa :
Laurrado Jos Joaquim.
live alia :
Maqpei Antonio de Gonvea.
Passageiros do vapor brasileiro Cruzeiro
Sul. taido para o Para' :
.. :-- A. OOmm ana canhnri a 1
mal icnla, e juntando outro igual attestadomuta
tu mutandis Vista ao Sr. desembargador Bsotl.
Dito de Aotooio Luiz de Oveira Azvedo di C,
CDnsigoatarios do biatePidadapresentando
para ser archivada a carta de egistro de dito hla-
te, pela raso de ter sido vendido ao governo im-
perial. Visia ao Sr. desembargador fiscal.
Dito de Joaquim de S >u/.a Silva Cunba e Alfre-
do Cardoso Pereira, mostrando com a addiccio
feita ao seu contrato social cojo registro pedem,
baverem saiisfelto a exigencia do parecer fiscal
proferido sobre elle. Reglstre-se.
Dito de Jos dos Santos Oliveira e Manoei Ja-
nuano de Arroda, pediado o registro do sea dis-
trato de sociedade.Vista ao Sr. desembargador
fiscal.
Dita da compaohia de seguros Nortbern Assa-
rance & C. (adiado da sesso prxima passada),
para registrar-se os estatutos respectivos.A sup-
plicante aprsente procuracao posterior data do
decreto junto, e que concede poderes de accordo
com a conceso do mesmo decreto.
Summarlo ex-offlcio contra George Palcheit, no
qoal o Sr. Dr. nfflcial-maior propSe a duvida se
deve faze-lo cora vi-;a ao desembargador fiscal,
uma vez que o saromariado apreseotou eooneei-
memo de haver pago o imposto annno da seu cili-
cio.Avista do que informa o Dr. oficial maicr, o
tribuoal resolve qae nao eonlinne o proeesso visto
ter o sommariado pago o Imposto, e outro sim
resolve qae iquo sem efietto a sospenso do mes-
mo summariado : o qae a este sera communicado
e bem assim a junta.Pague o summariado as
costas.
dem contra Joao Pereira RaBfello BragaAdia-
do para a 1.a sesso. o jalgamento, convidando-se
ao Sr. desembargador fiscal
dem coatra Francisco Ferreira Borges.Prove
o summariado que os gneros constantes dos do-
cumentos de fl-. 18 e 19 pagaran* os competentes
direitos.
Nada mais houve alm da dislribuicao dos livros
copiador e diarlo da casa commercial de Delauche
& Sanpiquel. Dada a bora (11 e 1/2) o Exm. Sr.
presdeme encerrou a sesso.
lo
Dr. Aotooio Pereira d Silva, sua seuhora e
escrava, Joaquim Luiz Goocalves Penna, 4 tripu-
lantes do hiate Protector, Dr. Ayres de Alboquer-
que Gama, sua sonhora e 2 criadas e 3 criados,
F. S. de A. Jorge, Autonio Francisco do Reg Bar-
ros Joio Jos Pacheco de Arago e 1 meoioo de 8
auos, Manoil Jos Domiogues Codecera, bacharei
Manoei Rolim Alencar e 1 escravo, Daniel de Ati-
plo da Canha Martins, Antonio Moreira de Rarros,
Acoto Raffaele, Amonio Jos Duarte Coimbra.
3ESSAO JUDICf ARIA EM 21 DE OUM3RO DE
1867.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESEMBARGADOR
A. F. PERKTTI.
Secretario, Julio Gmmaraes.
A's onze boras. e meia da manhaa declarou-se
aberta a sesso esiando reunidos os Srs. desem-
bargadores Silva Guimaraes Res e Silva e Ac-
cin, os Srs. depuiados Rosa, Basto e Miranda
Leal, e o Sr. suppiente Sa Laito.
Lida, foi approvada a acta da precedente sesso.
O escrlvo Alboquerque registrou o ultimo pro-
testo da letra a 15 do correte sob o n. 1491 e o
escrivo Alves de Brilo a 19 do mesmo mez ssb o
o. 1455.
ACORDAOS ASSIGNADOS,
Appellante Tbomaz DWrta de Aquino, appella-
dcs M ntairo, Filbo i C.Appellante Manoei An-
tonio dos Santos, apellado J.s de Villa Flor
Appellante Jos Antonio de Aranjo Jnior, appel-
lado Jovino de Cerqoeira Moura Castro. Apel-
lantes a viava e herdeiros de Jos Baptista da Fon-
seca Jnior, appellado Jos Duarte das Neves.
JULGAMENTOS.
Joizo especial d commereio.Appellante amor
Franc seo Jos Germano, appellado reo Joan Jos
Pereira.Janes os Srs. Guimtraes. Accin, Ba-lo
e Rosa. Foi reformada a senienca appellada, pa-
ra ser coademnado o roo em todo o podido.
Appeliaotes a viava e herdeiros de Jos Higioo
de Miranda, appellado Joo Ba sesso de 26 do mez ^assado.Nao foi proposto
por nao estar prsenle o Sr. desembargador re-
visor.
Appellanle o viseonda da Suassuna, apoellados
os administradores da massa fallida de Jjaquim
Jos Silvelra.Erabargaote Jos da Rochi Para-
nhos, embargados H-rariqa-ta Simoes da S Iva
e outro.Appellante Aaguto Cilho Lene, appel-
lado Beojamim Tuck-ns.Appellanle Joo Gui-
Iberme B;zerra Guimaraes, appellado Joaquim
Buarque de Sampayo.Adiados a pedido dos S s.
depuiados.
PASSAGENS.
Do Sr. desembargador Silva Gdimaraes ao br.
desembargador Reis e Silva : appellante Francisco
Tnoiaz de Barros Caropello, appellada D. Aooa
Josepha Pereira dos Saotcs.
Do Sr. desembargador Reis e Silva ao sr. de-
sembargador Accin : appellaute Salvador de Si-
qualra Oavalcante, appellados Sebastio de Carva-
ito da Cunba Albuquerque e ouiro.Appellante
Francisco Xivier de Oliveira, appellados os admi-
nistradores da massa fallida de Seve Filhos & C.
Do Sr. desembrgador Accioli ao Sr. desembar-
gador Silra Guimarles : appellantes os caradores
fiscaes da massa fallida de Pedro da Silva Reg,
appellada D. Manaooa, viava Zanotll.
DISTRIBUIQAO.
Ao Sr. desembargador Accioli: appellanle Ao
tonio Jos Alvares, appellado Aatoolo Pereira da
Silva.
aggravq de instrumento.Juizo mumoipal e
commercial de Serinhem.Aggravaota Gabriel
Antonio de Castro Quintaes, aggravado Jos An-
tonio da Rocha.
O Exm. Sr. presidente negoa provimento.
Nada mais boave e eacerroa-se a sesso a
ama bora da tarde.
SHRdMiA JUDICURU.
TBIBCWAIi a!> COflWKftCIO
ACTA DA SESSO ADMINISTRATIVA DE 21 DE
OUTUBRODE 1867.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESEMBARGADOR
ANSELMO FRANCISCO PERETTI.
As dez horas da maahaa esiaodo reuoidos os
Miraoda Leal
REVISTA DIARIA
Renue-se araaoba o Instilan Archeo'dglco e,
Geographico Peroambucapo era saaso ordinaria,
no ten vid nara si, nen nara cisa al- Udo hunaaoo, o s^niinaento da soMrie | tr^ da o sam aba a repeiico qg mages
SS. deputados Rosa, Basto. Miranda Leal e sup-
1 penle Sa Leilo, o Exm. Sr. presidente declaren
aberta a sesso. '
Llda, foi approvala a acta da sesso de i/.
nm \ EXPEDIENTE......,.:_,. dos
Offlcio do P'W^esW"SK
aorretores, datado do H ^. Ao^rcSv?
. ojercial \\ semau prox.rp Qa,-A0 rclfO.


i
TlilBBSAL IIV RBL.lCi
SESSO DO 19 DE OUTUBRO DE 1867
PRESIDENCIA DO EXM. SU. C0NSELHE1R0 SOUZA.
As 10 boras da maoba, presentes os Srs. desea)
bargadores Santiago, Gilirana, Guerra procurar1
da corda, Lourenco Santiago, Almeida AJbuqr
qae, Molla, Domngues da Silva e Souza
fallando os Srs. desembugadores A&sis
Oavalcante, abrio-se a sesso.
Passados os feitos deram-se os se.gr
mento3:
appellaqao ciVEL^-Appellanf
xeira Meddes; appellado, J
EspinlQ-Saato.-UaformatJa.
I MIMADO |
,--------.-----.------- aiu
rtfc-


**

larlo e Peras iOtfmco Quarta fclra 13 de Outubro de 1867.
A petigao do cammendador lo- Pires Ferreira, olo se Ihe fatendo ontra com ilusas dimen- 2:Poo5ooo, que oJb recebeu.Maadoa se. Descorregan) hoje 53 de nombro
oi indeOrida. -,,4, i1 do outro lado. Concedeu-se.. !Hrear citadas apolices. JfnaM%,lEr'?,st "-mercidoria*.
aaSKKSStlSl S & *y- i 0utro d. *"o. informando sobre o qae De^chara-n-se as peticoes Je Anto^|l^^f!K.-|S!r.-3.,o k.rM
da: a?peiua, aJaieoia. App alante, o curador ino requerimento que dqvolve, pede Filicia- H-anques Rodrigues, Athalyba Cezar do p0iea hespaoboiaSorpreza-aversoi gneros.
no Marques Vinna, arrematante do atterro Espirito Santo, BarSo do Lirament*v bacba-' Brigae oKtoml-u/mrfa-charque.
g ralj *p;)ef|adJ8, Joa juina dV Costa Ribeiro
oouu. ,.-,__,- a- s-.-inta-1 da roa que vai ter Cabanga, declara qtie re Furgencio Infante de Albuqnerque Mello J m IP
mE??"*1' ^^*,ol,ime0tedM/8,1,nta-twrda(teoqe-o peticionad ae appbxacb ovos.-Appellante,- Me por seu tar a obra do di lo aterro ass^s abantada a tiaga, Bfanciseo de Pinbo Borgos Heoriqna
Udo G >ncalvw Pereira da Cuaba.
appklla?ocrime -Appellante,* juizo; appeilado
Amonio de Souza Nanos.
VAuMaiMa
Do Sr. desembargador Santiago ao Sr. desem-
bargador 6itlratt.Appellagoes civeis: appellao
iMpotaeSo.
paouoia Sorpreza, viada- de Barce-
lona e Malaga, maolfestoa o seguinte :
3li pipas JOiw dita?, 220 barra d5, 220,
ditos de dcimo de vinho braoco e tinto, 8 snrries
albos; a Rabe Sehmmetan & G.
RECEBBDORIA DE RENDAS INTERNAS
da Silva Gusmao Maooel de Barros Barreto, Rttldinient0 j^dia ?! l.'8/...... 41:787*818
Oiyrapia Maa de SoiuaSurges; appellada, D. Ma-
ra da Conce Do Sr. desembargador Gilirana ao Sr. desembar-
gador Lo&rengo Santiago.Appellsgo cinae: ap-
pellante, o julio; appeliados, Maooel Luciano a
Silva eootro. ...
Do Sr. desembargador Looreugo Santiago ao Sr.
desembargador Almeida Albaqaerqae.-Appella-
aj58s crimes: appellante, o jaizo; apoellado, Jos
Flix de Azevedo. Appellanle, o jan*; appeilado,
Jos de Aievedo Das. Appellante, Joao dos Santos
Cruz Oli*f*4 appeUado, Maaoel Vicente Ferre-
ra. Ajpellaco civel: appellante, Sebastiio Xa-
vier Correa-; appellada Anna Antonia de lesos.
Do Sr. desembargada Almeida Albuqaerque
ao Sr. desesbargador Motta.AppellacSes civeis:
appellante, Antonio Joiquun da It -.na; appeilado,
Izidoro dos Santos Lima. Appellaotes, os herdei-
ros de Claadiano J taquira Bezerra Cavalcaote; ap-
pell i J Plenpes Clementtno Augusto -Rosas.
Do Sr. desembargador Mona ao Sr. desembarga-
dor Assls. Appellagoes erimes: appellanle, o
Jaiio; appeilado, Marcelino Francisco Baoaoei-
ra. Appellanle, o promotor; appeHado, Esraelino
escravo. Appellagoes civeis: appellante, o vise n-
de de Soa-suoa; apellado Alvaro Augusto d Al-
meida. Apoellaote, Maooel Antonio dos Santos
Fontes ; appeilado, Joaquim Ferreira da Costa.
Do Sr. desembargador Soaza Leo ao Sr. desem
bargador Santiago.-Appellaciocivel: appeilantes
Claudio Dubeaui e ootr; apoellado, Joaquim Jos
de Mrranda.
A meia Dora da Urde encerroo-se a sessao
vel das soleiras da casa da esquina, onde
est urna botica. Goncedeu-eje de conforoai-
dade com a informarlo.
O Sr. Dr. Villas-Boas pede licenca e reti-
ra-se.
Outro do mesmo, informando sobre o que
no reqaerimento janto pede Jos Pedro Gayo j
de Miranda, diz que segando a planta ul-
timameute approvada para regalar as edifi-
capes no bairro de Santo Antonio, nada tra
randa.
Correspondencias
CMARAmHllilPL 00 RECIPE.
SESSAO EXTRAORDINARIA AOSUDE AGOSTO
DE 1867.
PRESIDENCIA DD SB. PEREIBA 8IMBS.
Prese tes os Srs. Aquino Foaceca, Gus-
tavo do Bego, Barros Reg, Santos, Di. Pi-
langa, Dr. Villas Boas, abrio-s>e a s&s-
so, e foi lida e approvada a acta da ante-
cedente.
Lo-se o seguiote exaediente :
Una officio do Exm. presidente da pro-
Tincia de 12 do corrente declarando aca-
mara, em resposta ao sea officio de 7 do
me-irao, s;b b. 46, que approva a arrema-
to da bra do muro do cemiterio, que vai
ser coustrnido na freguezia da Varzea.aqual
foi arrematida por Manoel Anselino Correa
de Figueredo, com o abatimento de doze
portento no preco por qui foi a praca.
Inteirada, e que se lavre o termo de contrac-
to e se f ;im as aecessarias communicacoes
Out rando a cmara para seu coihecimeoto que,
tendo concedido a permissa qu pedio o
gerenta da comjanbia de triinos urbanos em
officio de 10 do correot, nao s para que
dit s triluos cli'gnn ao lugar de Apipucos,
visto achar-te cooclaida a estra la al aquel-
la lugar, e estar priftpta antes de giio-dia
a e>ug3o, para ser arteria toda a linh*. mas
tambam para collocar um desvio em frente
da eta?5o para o lado do theatro, as dire-
c5es dos trilbos, que tem de seguir pela ra
do Imperador.Iuteirada e que se olficie ao
fiscaL
Outro do msmo, dizendo qae tendo anui-
do ao que solicitou o Sr. Ormin Importe,
cnsul da Franca, em officio de 10 do cor-
rente, convida a cmara para assislir, na
igreja do Paraizo, o Te-Dettm. que o mes-
mo consol tem de mandar celebrar ali 15
deste mez. ao meio daInteirada.
Outro do director e secretario do gabine-
te pnnngez de leitura, convidando a cma-
ra para a>sistir a solemuisacio do 16 ani-
versario de sua installacao, que ter lugar no
dia l'i du crreme, as 11 boras da manba.
Inteirada.
Cutro do inspector da saude pablica, Dr.
Ignacio Firmo Xavier, respondendo ao da
cmara, tem a dizer o segumte: que sendo
o dzo das oebid >s, anda mesmo levemente
fermentadas, prejudicial a saude de aquelies,
que astomam.inteudendoque ouzoda bebi-
da garapSo, tmala sempre por pessoas ig-
norantes, ecom abuzo, como fazem os es-
cr0vus, resultan lo disso muitas vezes a em-
briaguez, dir [luis que afermentacSo leva-
da a seu maior grao, deve ain la mais influir
na economa uessas pe-soas mxime qaaado
se diz que alguns garapon^iros que, para
obter a rpida fermeniacjSo, empregams bs-
tancias nocivas.a saude ; alo poder dizer
quaes os ingredientes com qae labricam o
.gara.'3o, por que ua occasio nao se fezne-
Dbum exame chimico; porm prescindindu
disso. juigaudo a bebida nova e excesMva-
meme formuntada, emende que a bebida
assmi preparada, era nociva, e ne-te sentido
ofibciava a me-ma cmara, alim de n3o con-
tinuar a ser iludida, concedendo licenca na
boa f para limonada, bebida innocente, p ;r
orna beoida capaz de damnificar a saude.
Posto em iscuss3o, o Sr. Dr. Pitauga, pede
a palavra, e sen o-ih concedida, mo-tra que
a bebida, limonada fermentada, lena sim-
pli-mente de mel e aaa, n3o prejudica a
Senhores redactores. I.^Bdo o sen conceitaado
Diario de 21 do corrale, depare c.jm orna corres
poodeocla, gib o predominioQuitte, em re-
ferencia a miaa pessoa.
Apresso me em pedir ao sea verdadelro autor,
Que oppor a preteoCS) do peticionario de'qu', se presa os senlimentos de digoiddee honra,
rendificar a ra reeaintar a casa ae sua propneaaad. w cUi sob sua as#1-RlliQri pois que desejo arrasta-lo
QO patej do rarauo n. 14, na conrormiaa-(ao triDUQal competente, para abi provar em como
de das portaras em vigor, sendo necessario t falsa a minba declarado qae se acha em juizo,
porm que ambos os oites da casa sejam ob peaa de passar por um vil e miseravel caiam-
dobrados para ter lugar a construyo da so |'^ o de Smho
tea que elle pretende fazer.Concedeu se
de conformidad^ com a informacao.
Outro do administrador do Matadouro,
que, aquelle que asslm me qoaliQca, seja o burro
em que eu ande montado.
Ao concluir dire, que, em virtude dos preceltos
communicando que a bomba daqu lie esta- fe,ni"1hm\6d"Ica5n0' "VJ'f mais ,a tmWm!>
, .-_ ^ .. u.ik. ^- e a ultima vez, pan responder as insiauacoes de
belecimeoto ha muito que n5o t. abalba por q iera de emt)0S ter sido mal colocada, e que tendo chama-
do um mestre bombeiro para aconcertar, es-
te respondera-lne que a concertara, mas que
esse con;erto n3o durara, por ter sido a
mesma bomba pregada em um pedaco de
taboi, que fora interrada aa areira, onde se
nao tem consistencia para suportar o mo-
vimento, todava mand 'U concerta-la, e este
concert s durou quatro das, em vista do
qge e conveniente ser a dita bomba col loca-
da na parede do estabelecimento, que tem
toda a resistencia.
Posto em discuss3o, deliberou-se encarre-
gar a commissao das obras do matadouro,
que mandasse fazer o necessario concert.
O Sr. Dr. Pitanga pede a palavra, e faz
os d ais seguintes requermentos, que sen-
do postos em discoss3o, foram approvados.
ragem
deiiar cabir a vlseira, jrocura marear a mlnba
repntacao : nao estou aecstumado a berter-me com
aoonymos on atcarados.
Queiram, senbores redactores, dar publicidad^
a estas liabas as columnas do seu Diario, pelo
o seu constante leitor.
Candido Valeriano da Silva Freir.
Fublicacoes a pedido
Nao ppgam as bichas.
OjHstueiro do Jornal do Recife a. 243, por mais
que se enfarmbe, qual outro gito da fbula, nao
[j i esconder a longa cauda, deizando ver que o
eu ser o de propria encommenda ; no que j
elle muito u-eiro e viselro. Outro caminho; a
desmoralisago da justicero nao pode sanarse por
elogios de bocea propria: o aeio de evitar os abu
sos que imagina outro. Sera meibor que neo
O alumno da Escela Normal.
COMME&CIO.
d.
.coaiioue elle a Invar a Immoralidade ao seio da
e manjou-se fazer o expediente a respeito. \Propna mstrucfao, pela qui se finge tao ieioo.
< Requeiro que se pe$a por intermedio Ba.-ta por ora. Nao venna buscar la, que sai
da presidencia, qae a compauhia dos tr Ibos tosquiado
urbanos mande fazer pas-agera de nivel
em todas as estradas em que passam os tri-
lbos urbanos, de conformidade com o seu
contrato, devendo ser de pedra, e nao de
madeira, como em algans lugares. Paco
da cmara municipal 14 de agosto de 1867.
Dr. Pitanga.
< Aequeiro que se mande anaunciar a
factura do pace municipal, declarando-se
que'se acha exposto na mesma cmara o
piano, por espago de 15 das, finios os
quaes ir em arremitagio sob a base de
160:0 OjJOJO, offerecida pelo Dr. Antonio
Vicente do Nascimehto Fedosa Filbo : os
concurrentes dtivem ap* eseniar suas propos-
tas. Paco da cmara municipal 14 de agos-i
to de 18*7 Dr,'Pitanga.
O Sr. Barros Reg faz a seguinte propos-
ta: Pioponho a demisso do en^enbeiro
desta cmara, o Dr. Felippe NeryG iliaco, o
qual pelas suas muitas oceupaedes particula-
res, nSo pole bem preencher os deveres de
engenheiro.~0 vereador Barros Reao.
Posta em discusso, o Sr. Dr. Pitanga pe-
de a palavra e &endo-lhe concedida, falla
tongamente contra a proposta, e mostra que
o eugenheiro coi deador bom empreado
que sabe cumprir bem os seus deveres,
alea de reunir as qualidades de um carc-
ter severo e integro.
O Sr. Barros Reg, pede tambem a pa-
lavra. e sustentando a sua proposta, diz que
o _
fRAgA DO RECIFE 22 DE OUTUBRO
DE 1867.
As 3 -i nuras da tarde,
f Horneo.)
Algodo Ia serte870o por arroba.
Algode da Parabyba Ia surte9^000 por arroba
posto a bordo.
i Hoje)
Cambio sobre Londres 90 d/v 21 o 21 1/8
por 1*000.
Descoalo de letras7 0/0 ao anno.
Silvelra,
Presidente.
Macedor,
SeMWario.
....
Novo banco de Pernambuco
EM LIQUID&CKO
Os Srs. accionistas do novfffian0 podem
receber o 2 dividendo de 4|B por cento'do
capital em apolices da divida publica, que
tem de ser averbadas na thesonraria de
f izenda desta provincia, em tempo de se-
rem admiilidas. na foiha dos juros do cr-
reme semestre.
As accoes de banco devem ser entregues
para se inutilisarem.
licenga asseguraodo que para a referida fer
me ua ,o, basta smeute qae a vazilua onde
feta a limonada, J tenha servida; o por
tanto de parecer que a cmara continu,
nestas circum-taneias, a conceder as licengas
que Ibes forem pedidas.Os Srs. Gustavo
4o Reg, Dr. Villas-Boas e Barres Reg, s3o
da mesma op.niSo.
Os Srs. presi lente, Santos, e Aquino Fon-
cec-j, penco defereuti.oeate do que aquel-
los.Desctida a materia, resolveo-se con-
ceder as icencas que f)s>em pedidas para a
venda de limonada, composta tao somente
de mel e agua, e que oeste sentido se offi-
ciasse ao inspector da saude.
Outro do solicitador, ^presentando a con-
tadas dispe'.as judiciaes desde ll de junho
at 13 do correte, da qual consta qae- des-
penden a qaantiade 90i40, e que ticaem
seu poder de 9^860, tendo pois diversas
conlas a pagar, unto de juizo. como de par-
tes vencedoras, pede qae se Ihe mande dar
luaata de 20*'Que se desse ordem
saude, sendo que por isso fqi concedida a de outubro em dia te. Paco da cmara mu-
EM UQiJIDAQAO
pruneiro a reconhecer o bello caarcter e! NOVO banCO de PemambUCO
bons sentimentos do Dr Coiaco, mas que S0 convi(la(lo3 os Srs> accioDStas a re-
tttt^SSS^^ff^^^T cetwemo primetro dividendo (em moed-
e sabido, dar cumprimento aos afazeres da CorreQte) de trioU do u, tra.
tmara postos a seu cargo 2eQ,Jo a/ac0eg a jp seodo' anDulla.
^ Z T ?'iem ,na,s/allassf' e es,an- das ; nos dias uteis das 10 horas ao meio
do encerrada a discusso, foi posta a votos | da
a proposta e approvada, votando c >ntra os
Srs. Gustavo do Haga e Dr. Pitanga, que
motivou o seu voto declarando: voto contra
a dimiss2o do Dr. Goliaco, porque entendo
que n3o ha raz3o para que fosse ella etlec-
iua-ia, visto que o engenheiro fo-nece ma-
teria de mais para todas a* sess5es, alen
de nao haver co-.tra elle ac;os^Q3l) alguma,
reunindo elle ao bom desejo carcter servi-
dor e integro.
Em seguida o mesmo Sr. Barros Reg faz
a seguinte proposta :Proponho para en-
genheiro desta ranura o engenheiro Joo
Luiz Vctor Lieutbier.Barros Reg.
Posta em discusso, e depois a votos
approvada, votando contra o Sr. Dr. Pi-
tanga.
O Sr. Or. Pitanga fez a seguinte proposta
que sendo posta em discussj, e por fim a
votos foi aprovada, mandando-se fazer as
necessarias communicacoes:
tProponbo para administrador do cemi-
terio da freguezia de Jaboat3o a Maooel Ma-
laquias cra AKipaM*} dagoso,de 1^67 Dr Pitauga.
A commissao de polica apreseutnu uoa
parecer, qoe foi approvado, dtndo por con-
fciridas as coritas da receita e despeza mu-
nicipal, tomadas ao procurador, e relativas
ao mez de junho alnu.Que se fizesse as ^e'onistas, que o tbesomero esu' antorisado
0 Uudon Bazilao Bank Limited
Descoma letra- da praca por tres mezes a 9 *|.
e de prazo maior a 10 *[.
O London & Brazllian Bank Limited saca sobre
os seguimos :
Em .oadres Srs. Glyn Mills Carrie & C. e Lon-
don 4 Br-zinan Biok Limited.
Liverpool Bank of Liverpool.
Par is Srs. BNubolf-helos, Goldschmidl & C.
Hauburg) S>-s. i. H. SctroJer & C.
> Li-boa London & Brazllian Bank Limited.
> Porto dem.
> Rio de Jaoeiro dem.
> Babia dem.
> Rio Grande do Sal ideni.
> Mrantio Srs. Guost m E !p l C.
Para' Srs. Singlehnrsl Bro' kleborsi & C
15 Largo do Gorpo Santo, Reeife.
. 1 de oatubro de 1867.
W. I. HayoesUanager.
J. Simn -Accountant
Novo Banco de Pernambuco
Em Iiju,tacan.
O novo banco paga o 19. dividendo de
55000 por accSo, nos dias otis, das 10 bo-
ras ao meio dia.
CaJaa filial do bauco do Brall
em PernanihHo. aos 26 d* ju-
Iho de I96f.
De ordem da directora se taz seleote aos Srs.
45:78015*0
Outro do mesmo, informando sobre o que Thom Pereira de Azevedo: e levantoa-se a' [ pede Jos Alves Lima, tem a dizer que na- sessao.
da ha que oppor a preteicSo do peticiona-1 Ea Francisco Canuto da Boa-vagem se-
rio de substitair por outras as s ileiras es- cretario a subscrevi.Pereira Simoes pro-
ie,"Jos Rodrigues P*es e sda maiber; appeiada, \ tragadas do sea sobrado sito a pra?a da Boa- presidente, Santos, Dr. Tarquinw Villas-
D. Helena Mara do G*rmo. Appeiiaata, io ysla n. 8, ama vez que as coiloqua ao ni- Boas, Fonceca, Reg, Dr. Pitanga, Dr. Mi-
GONSLADO PROVINCIAL
ReEdimento do dia 1 a 21....... 24:3354780
dom do dia ti............... 1:0494782
25:4054562
MOVIMENTO DO POETO
Navios entrados no dia 22.
Babia6 das, hla braiUlro Dous Irmaos, de 54
toneladas, eapiao Vicente Perreira da Gesta,
eqaipagem 6, carga 1,800 alquelres de farinba
de mandioca; a Tasso Ir mi.
Rio Gr niif, do Sal18 das, lugar Inglez Alartn,
de 117 toneladas, rapitio I. W. II'D'y, eiaipa-
gem 8, carra 10,500 arrobas de carne secca ; a
Anlomo Loiz de Azevedo & C
Terra Nova30 dias, barca iogleza Constante, de
248 toneladas, eapito Glass, eqnipagem 13, car-
ga 3,560 barrica cora bacalbo ; a J Insten.
Baha36 boras, vapor inglez La Plata, de 934 to-
tonelada?, capitao Hterby, eqaipagem 42, carga
diffdrentes gneros ; a Phipps Brothers & G.
Vacio sahdo no mesmo da.
Para' e portes intermedios -vaoor brasileiro Cru-
zeiro do Sul, C' mm--nlano Alcoforado.
ObservacSo.
Fuodeou no lamarao urna barca Iogleza, mas nao
teve commonicaco com a trra.
EDITIS.
communicacoes.
A' requerimento do Sr. Gustavo do Reg,
mandou-se pedir autbnnsa^ao presidencia
pira dspender al o fim do exercicio cor-
rente a quantia de l:ooo5ooo com o paga-
mento de cistas, visio que achando-se a
verba esgotada, existem alguns mandados
que anda nao foram satisfeitos
Tendo o bar) do Livramento, fiador de <
Francisco Pinho Borges, arre-uattan-e da
obra do moro de encost da estrada do Ma-1
tadooro pubico, lado do.nasceute, requer-'
do para pagar a multa de oo?ooe, imposta
ao seu affiancado o ser-lhe resceudido o coa-:
trido,, e entrrgue ao p-tieionario as apolices
- e depositou para garanta da flanea.Fui
"carador aara entregar a quantia pedi- definda sua petic5o.
arebvasse a cunta, visto qae n5o ha Tendo tambem o Dr. Manoel de Barros
pagar o 27* dividendo das acedes do banco do Bra
sil, inscriptas n'esta caix, i' razio de 124000
ciC fnarda-livros
Ignao unes Correa,
Engli^h liank
OF
Rlr de laneiro, Limited
DESCONTA letras da praca de prao cor-
to a 8|, e de prazo maior a tata a cunten-
cionar.
BEGEB diuheiro em coma correte e
prdzofix*.
S.VG \ visti ou pra/.o sobre as cidades
principis oe Ean-pa tem agencias na Babia.
Buenos-A yi es. Montevideo Newyork, Ne-
va-Or iean s eemille car tai de crdito [.ara os
mesmos mirares.
7 L rgo do Pelourinbo 7.
ALPANDclUA.
Reodimenio do du 1 a 21........ 470:0004706
29:6704311
^conferir. Brrelo, arrematante da obra do calcameoto i Meo do dia, ................'
mgeobeire cordeador, nfor- da entrada do 'uesmo mata toar> requer lo I
que pede no requerimento para que Ihe fissem entregues as apolices1
comraissio encarregada da que ha va depositado para garanta da flanea,' Voluraes aturados com lanadas...
,r)ella da Estancia, diz qoeiallegando poaco tempo faltar para o veaei-', t t geaeroa..*.'.'
'tanos mrece ser de- ment do prajjo em q>je deve s*r definitivt-1
dita capel la amasa- mente acceita a mesma obra, que se acha'vo,omes 8and 1crr-ta^a&5 .gsrntida com a altrmatirstajUn de. ;i "
499:670*916
"l-
472
-----8,14
125
ii8 m
O capitao Maooel Aotonio Ribeiro. primero jolz de
paz da fregu -zia de S. Jos do Recife, em vir
tnde da lei etc.
Paco saber aos eleitores desta regoezia abano
declarados, qae tendo me a cmara mnnicipal des-
ta cidade ofllciado na data de 21 de agosto do cor-
rete anno, qae o Exm. Sr. presidente desta pro-
vincia h i va de-ignado o da 15 de nove moro pr-
ximo futuro, para a reumo do colegio eleiloral,
aQm de proceder-se a eleigo dos membros da no
va assembla legislativa proviacial, que ha de fuoc
cionar nos annos de 68 a 69, e por Isso convoco
aos ditos eleitores aflm de comparecerem no referido
da 15 de novembro as 9 hons do dia na matriz da
freguezia de Santo Antonio pura o mencionado Ora.
Eleltorea os Srg. : Jos Frannisco de Souza Lima,
Aprygio Jos da Silva, Joo Pacheco Alvo--, Dr. Ma-
limiano Lopes Macbado, Augusto Coelbo Leu-,
Amaro J4s dos Prazere--, Fraaci-co Antonio das
Cbagas, Jos Francisco de Henezes Ara ruu, Hep
menegildo Coe'ho da Silva Joaquim Coelbo da Cos-
ta. Maooel I-moro de Olivelra Lobo, Aotonio Jovi-
oo de Torres Baodeira, Jos Pranciseo Brando,
Antonio H-nriqoe da Cunta, Manoel do Carmo Rl
beiro, Joaquim de Medeiros Rapozo, Paulino Anto-
nio Ramos, Marcollno Ferreira da Luz, J s X -vi r
Fausiino K^mos, Antonio Gon^alves Pereira Lima,
Jo de Mello Trlndide, Pergentino de Miranda Pt-
meniel, Valdivioo Ribeiro da Silva, L-npnldioo Per-
reira da Silva, Jos Beroardo de Carvalho, Juvi-
niano Jos de Albuqoerqoe, Joao Francisco da S.l-
va Braga. Luiz Gonzaga de Meuezes Tranqoilina
Agnello Pessoa Dotra, Manoel Ferreira dos Santos,
Alexandrino Tnomaz de Aquino Coelbo, Custodio
Manoel Theodoro.
G para qae cbrgae a noticia a todos mandei pas-
sar o prosete que sera' a'fflxad oo lugar ao,cos-
tme e publicado pela Imprensa.
Freguezia de 8. Jos do Recite 15 de oulubro de
1867.
Ea Jos Goocalves de S, escrivao do juizo de
pax 0 escrevi.
Manoel Antonio Ribeiro.______
De orden do Iilra. Sr. inspector da aINndega
se faz publico que no da 24 do correte, depois
do meio dia serao levados a basta publica, livre de
lireitos, os segrales objectos :
Mercadorias comprebeodidas oas disposi{5os do
cap. 6 tu. 3 do regulameoto de 19 de setembro de
1860.
Armazem o. 4.
1 embrnlbo marca Tb >maz E. Adeforib, 1 livro
impresso com caos de couro, pesando 2 libras, va-
lor da libra 14500.
Armazem o. 5.
1 embralbo n. 905, tetreiro Manoel dos Sanios
Co*ta Jaoior, cootendo objeeios de massa, valor
54000.
1 caixa o. 502. letroiro Almeida & C, contendo
urna garrafa cai robs aniiciiuico, pesando ooze
libras, valor da libra 14333.
4 vidros e ra xarope modicioal, pesando 3 libras
valor da libra 833 rs.
16 caixinbas de papeiio com injeccao de qual-
quer outra qualidade, valor de ama 14-
-5 libras de pastilhas mediclnaes. valor da libra
1400a.
1 caixa n. 264, marca D. Blandy, contendo 4
libras de papel de p*so ho, valor da libra 300 rs.
4 libra envlope., valor 800 rs.
3 calas n. 45, marca R C, 34. marca M P 3214
marca C A B, o .rat-rad < 37 praios de louca de p
de peora n. 1, pesando 30 libras, valor 24.
1 embrolira, mirra I R *, contendo pregos de
ferro para erraiuras, pesando 20 libras, valor da
libra 133 rs.
1 erabrulho o. 127, lelreiro Maaoel F. Ferreira,
contendo llvros impressos brochados, pesando 4
libras, valor da libra 14.
1 caixa n, 162, marca H S & C, contendo 121
libras de bolees de seda, valor da libra 24666.
40 libras de botdes de linbo, valor da libra
14333.
1 embrulbo, letrelro S A de Azevedo, contendo
4 libras 'e guaran', valor 44-
1 caixa, lelreiro F. A. Carvalho, contendo en-
comm-ndas, valor 104-
1 caixa o. 528, marca C A, cootendo 2 libras de
ciearros de palha, valor da libra 14666.
71 libras de fumo picado para calimbo, valor da
libra i y.
1 embrolbo o 503, marca Mecblembeng & C,
contendo um livro cjod capa de papelo forado
de c ore, pesando 2 libras, valor da libra 14500.
1 caixa d. 1, marca H mntendo agua mine-
ral, pesando 144 libra, valor 244-
1 embrnlho o. 269, lelreiro J. A. da Silva M.,
contendo amostras s m val r.
1 embralbo n. 1,346, marca J. E. Dias, conten
dd aa paluoi 104\
1 embralfio, lelreiro Manuel Pereira ida. Silvav
contnd uvro impressos brocltados, pesando 4
libras, valor da libra 19
8 vulumes com amostras sem valor.
16 con-s de eoMes de velbntioa de seda e al-
goao, parle da caixa n. 203, marca A L, recoci-
da ao armazem 11 a 104.
1 caixa com 235 libras de sal refinado, valor da
libra 200 rs.
M-Tradorias abandonadas pelos dimios.
1 caixa, marea L H F o. 601, contendo 27 do-
zias de frascos com avoa de cbeiru, peso bruto 448
libras, valor da libra 14333.
26 raiza- com fugo da ('.nina em bom estado com
286 libras, valor da libra 750 rs.
22 ditas a variada, com 218 libras, va'or da li-
bra 375 rs.
1 dita n. 42, marca II I, contendo 70 duzias de
frascos com agoa de colonia, pesando 369 libras,
valor da libra 14333.
1 caixa n. 43, da mesma marca, cootendo 240;
garrafa com agaa de colonia, pesando 234 libras,,
valor da libra 14333.
Aifandega de Peroambaco, 21 de ootnbro de
1867.
O esrriptursrio
Eutychto Mondim Pestaa.
Tribunal do commercio.
por venda a quem maisder^m praca publica
deste.jaizo a. parte do engeotio a'agua de-
nominado Dous Irmaos, sito Da freguezia do J* ""eurla do tribunal do tommercio fleam
PocodaPaoeUacomcasaiievivennda, san-, B0'dLVacio d.sociedad*e IrMH Coelbo da
zalla, casa .de purgar, e mais ulencilios per-, 5-uvajo- Es de Mou, nseiveodo a flrma
tencentes ao fabrico do mesmo engenbo, ava de Moma a c. cuja liquidacio flea a cargo do ex-
liado dita parte por fcttltf.tt, aqual foi-,l0 "Jj^ ___
penhoradaPpor ecucao de Jos R-drode b^Z* WbA.SSdon^
Alcntara Contra Joaquitn JOS de Abreue H praga eom-negoclo de generes de-esiiva ero gres-
VkSPlSP* QB Brb08a & C. o o apital de....
40:00(4000 para o qoal entra o socio Manoel Al-
ves com 24:rX'040O0 em commandita.
O dislracio da socledade de Luiz da Silva Fer-
reira e Joaquim Jos da Silva, dissolvendo a firma
de Luiz da Silva Ferreira 4 C. cuja llqaidaco flea
a cargo do ex socio Ferreira da Silva.
O coolrato de sociedade de Jos Joaquim da Cos-
a Mala e Antonio da Costa Olivelra Maia estable-
cidos oesta cidade com fabrica d- chapeos sob a
flrma de Jos Joaquim da Ccsu Maia & C. com o
capital de 28:317*840, para o qual entra o socio
Cosa Mala com 25:0004.
O dist-alo da socledade de Manoel Francisco
Marques, Joo Francisco Marques e Jos Lopes de
OUveira, que girou isob a firma de Marque?, Ir-
maos & C. cuja llqoidaco Oca a cargo de Manuel F.
Marques.
O dislrato da sociedade de Antonio Fernandes de
Azevedo e Antonio Ferreira Alves, que girou sob a
firma de Azevedo & Alves, coja liquldacio fica a
cargo de Autonio Ferreira Alves.
Secretaria do tribunal do commercio, 21 de ou-
lubro de 1867.
O official-raaior,
Julio Guiraaraes.
De ordem do lllra. Sr. inspector da thesonraria,
de fazenda desta provincia se faz publico, qneach-
se a venda na mesma thesooraria a 74600 ris,
Cada exemplar, a eolleco das leis e decidas de
1866.
As pessoas a qoem coovier deverSo dirigirse a'
referida thes >orrla.
Secretaria dathesoararia de fazenda de Pernam-
buco, em 21 de outubro de 1867.
Servlndo de offlcial maior.
Manoel Jos Pinto.
sua mulber.
E nao havendo lancador que cabra o pre-
co da avaliacao a arrematado ser feta pelo
preco da adjudicado na forma da lei.
E para qae chegue ao conbecimeoto de
todos mandei passar to presente que ser
publicado pela imprensa e affixado no lugar
do costme.
Becife ii de outubro de 1867.Eu Se-
candino Elioduro da Canha escrevente jora-
mentado o escrivi.
Ea Manoel Mari odrigues do Nascimen-
to, escrivao, o subcrevi.
Tristao de Alencar Arrape.
.DEGLAEiCSiS.
O conseibo de compras do arsenal de guerra
oo leudo podido ulumar as compras dos objeeios
aonuociados, contina amanhaa as compras dos
ditos objeeios.
Sala do coosalbo de compras do arsenal de gner-
r 22 de outubro de 18b7. Jos Mana Iidefaosj
Jacome da Veiga Pessoa de Mellocoronel, presi-
denfe.
De ordem do Etm. Sr. director fago publ co
qae a congregago em sessao de boje dellberou
que os actos comeiem oo da 25 do correBle, sen-
do os pontos dados oo dia 24, e quaolo a distribu-
gao do servigo ficoo assim regulado :
1* annoDrs. Jas Bento, Figuelredo e Bandeira
Fiiho, a seis estudantes, as 10 boras, oa segunda
sala.
2* annoDrs. Viiella, Drummond e Tarqninio,
a quatroesludaotes, as8 borai, na primeara sala.
3* sonDrs. Loareiro, Agu ir e Pinto Jnior,
a cinco estndantes, as 8 horas, na terceira sala.
4" annoDrs. Braz, Porielia e Aprigio, a cinco
estudantes, as 9 hors, na sala da eongregago.
5* auno--Drs. Autran, Baptista e Reg, a dons
esludaotes, as 8 horas, oa quarta cala,
Foram pr -lerido- por terem mais de seto faltas
nao lostificadas : no 2* anno Bazilio Meades da
Rocha e Francisco Primeiro de Araojo Cit ; do 3*
aooo Aotunio Francisco Leal, Joaqaim Gongalves
Aleixo, Manoel Joaquim Cavalcanti de Albuqucr-
que, Aoaclelo J j- dos Saotos e Vicenta T.ivare
Rodrigues Lima ; oo 5* anuo Benedicto Raymuodo
da Suva, Getu lo Morelra Castro Lima, Flonaoo
Jis de Miranda Demetrio Jos Teixeira, Aotonio
Ferraz da Molla Pedreira, Jos Cardoso da Cuaba,
Lioo Cassiaoo de Lima, Sezostris Silvio de Moraes
Sarmeoto, J laqaim R igerio de Oliveira, Franci-co
JisdeSiuza, Ernesto de Paiva Lene, Candido
Pinto LobSo, Lniz Francisco Maciel Pinbeiroe Ray
maodo Gurgel do Ara .ral.
Secretaria da faculdade de direito do Recife 22
de oatubro de 1867.O secretarlo,
Jjs Hjuorio Bzerra de Menezes.
Santa Casa da Misericorda
do Recife,
Al lima, junta administrativa da Santa Casa ds
Misericordia do Recife manda fazer publico qui
oa sala de suas sessoes,oo. dia 14 do correte pe-
las 4 horas da tarde tem de ser arrematada? a
quem mais vaotageas offereeer pelo tempo de um
a tres annos as rendas dos predios em seguida
declarados:
Estabelecimentds de caridade.
Roa do Padre Floriano.
Casa terrea o. 17.......1864000
Casa terrea o. 45.......18*4500
dem n. 47..........1564000
Roa das Calcadas.
dem idem o. 38........1584000
Roa larga do Rosarlo.
Terceiro andar do sobrado o. 24 3014000
Ra da Gloria.
Casa terrea n. 25........ 19:4000
dem o. 87. ... o.....1444O0O
Roa da matriz da Boa Vista.
Casa terrea n. 56......1444000
PatrimAoie de orpbios:
dua do Raogel
Casa terrea n. 56.......3014000
Roa do Vigario.
Primeiro andar do sobrado o. 27 1814000
Roa do Pilar.
Casa terrea o. 99.......2564^0
dem o. 94.........2014000
dem a. 98...... 20I4I>00
dem o. 108......... 2014000
Sitio o. 5 oo Foroo da Cal. loOglOO
As arrematagdesj serao feitas pelo tempo deum
a ires annos, deveodo os licitantes virara acom-
paahados de seos fiadores oo muDidos de cartas
destes.
Secretaria da Saota Gasa da Misericordia do
Recife 19 de outubro de 1867.
O escrivao,
______ Pedro Rodrigues de Sooza.
mmms) mu-
Pela aomioiiiaco do correlj desta cidade se
laz publico a quem ioieressar possa, qae nao se
demorando os vapores da companhia Mes^ageries
Imperiales neste porto em sen regresso do Rio de
Janeiro o tempo preciso para se fazer a expedicio
das malas com direcgu a Europa, dando assim In-
gara que deixem desr devi'anente processada,
tem resolvido que d'ora em diaate as malas se (e-
chem as 6 horas da tarde do da anterior ao d:
chegada d< s mesmos vapores.
AomiDistraeao do correio de Pernambuco 21 de
oataoro de 1867.
O admioislrador,
____Domingos tos Passos Miranda.____
Rc|>:ir!v'5o da* obra* pdicas.
De ordem do Sr. engenheiro, r-hefe interino da
repartigo das obras publicas se faz publico qne,
oo tendo concurrido oppositor altura aos logares
vagos de conductor desla repartigo, e tendo sido
juigado inhabilitados os que conc.rreram aos lu
gares de praiicntes, no da 9 de dezembro proxi
m i vindonro tera' logar novo concurso para pre-
enchimento das referidas vagas de conductores e
praiicantes.
O- concurrentes erao argidos oas materias de
que tratara o- 1* e 2* do ari. 10 do regnUoiento
e 31 de juibo de 18,6, e que vo abaixo decla-
radas.
Os requer lentos para in-cripcao dos candidatos
devero ser apresenlados al o da > de dezembro.
e podero ser instruidos com quaesquer documen-
tos oo ttulos scieotificos qne abonen a capacidade
dos mismos candidatos.
Secretaria d>s obras publicas 7 de outubro de-
1867.
O secretario
Feliciano Rodrigues da Silva.
Materias do concurso para conductores e prati-
canies da repartigo das obras publicas.
Para conductores.
Mahematicis elememares, algebra alequagoes
do i* i:ro, ibigonometna. elementos de georoatrla
analityca e descriptiva, d'astrrraomia, d'archltecto-
ra e de resistencia de materiaes, conbecimento
perfeito dos Instrumentos grapbicose dos trabamos
denitellameuto e planta, desenbo lineare de aqoa-
rella.
Para praticante?.
LiDgua nacional e fraocez, arilhmetica, geome-
tra, as duas e tres dimeo^-es, algebra al equa-
goes do 1 grao, desenbo linear e de aquarelia.
Secretaria das obras poblicas 7 de ootnbro de
1867.
O secretario
Feliciao" Rudrigues da Silva.
Santa casa da misericordia
do Recife
Pela secretaria da Sania Casa d > Misenoordia
do Recife, se faz scieote a quem interessar que o
lllra. Sr. tbesoureiro commeodador Jos Pires
Ferreira, no salo da casa dos expo-tos, pelas K
boras da maobia do da 28 do correte, fara' pa-
gamento das mensalidades vencida- de jo Iho a se-
tembro lindo, as amas que all se apresen'arem
coodozodo as changas qae Ihes foram confiadas.
Secretaria da Sania Casa de Misericordia do Re-
cife, 11 de ootnbro de 1867.
O escriv3o,
Pedro Rodrigues de Sooza.
AVISOS MA&ITIMOS
O administrador da receOedoria de rindas
interuas geraea, em comprimento a circular o 36
do ministerio da fazenda de 30 de setembro ulti-
mo, declara qae fl -a marcado o prazo de 60 das,
cootados da pobileagio deste, para a cobranca da
laxa dos eseravos no correte exercicio, indepen-
der da multa de 6 por cento do art. 30 da le
o. 1507 de 26 do referido mez, a qual laxa foi ele
vada a 84 pelo art. 18 da citada le. O- colletados
que ja pagaram o impo-to deste exercicio devero
:aiisfazr tambera livre da molla no mencionado
prazo a dlffereoga entre a nova laxa de *4 Pr
escravo e a que se acbava estabeieclda (4400 )
I Fiodo o praao sera' cobrado o imposto com a indi-
cada molla.
Reeebedoria de Pernambuco lo de oatubro de
1868.: .
Mafloei Croelro de Seuza Lacerda.
CnfflPAKHIA BRASILEIRA
DE
PAOOEKS A VAPOR
Dos po' los do norte espera-
do at o da 31 de outubro o
vapor Piiraid, commaodante
o capitao de fragata Santa
Barbara, o qual d*poi- da de-
mora do cosiume seguir' para
os purtos do sol.
Recebem-se desde ja passaseiros e engaja se a
carga qoe o vapor DOder condozr a qaal devera'
ser embarcada no dia de soacbegada, encommen-
df.s e dinhelro a frete at o dia da "sabida as 2
horas. Nao se recebem encommeodas se nao ob
jectos de peqaeoo valor e qae nio excedam de
duas rr lias dd peso ou 8 palmos cbicos de me-
digno, todo o qae passar destes limites dever ser
embarcada com carga- Previne-so aos Srs. pas-
sageiro que suas .>assagens se se recebem oesta-
agencia ra da Crnz n. 57.
COtfPANHIA PERNAMBUCANA"
DE
Na ves? cao cosleira por vapor.
Parabyba, Natal, Macao, Aracity, Cear e
Acarac.
O vapor Pirapama, com man
danle Torres, segu para os por-
tos cima no da 30 do cerrante
pelas 5 horas da tarde. Recebe
c-rga at o da 29; passagelros,
eocemraendas e dinbeiro a freie at as 2 horas da
tarde do da da sabida: escnplorio ao Forte de-
Matos n. 1.___________ _________________
PARA,
Para o indicado porto pretende sabir com rouita
prstea o patacho Paraense, por ter mais de dons
largos de sea carregara-nto : para o pooeo qoe Ihe
falla trata se com o consignatario Joaquim Jos.
Gongalves Beltrlo, roadb Traptche n. 17.
TRO

DE
0 Dr. Tristao de Alencar Araripe, official da
imperial ordem da Ros, e juiz especial
do commercio Desta cidade do Recife de
. Pernambuco e seo termo por S. M. Im-
perial e Constitucional o Sr. D. Pedro
II, a quem Deus iuarde, etc, etc.
Faco saber aos que o preseote edital virera
e delle noticia tiverem que ao dia 14 de no-
vembro d corrate anno se h o* srr'".'^
SANTA ISABEL
EMPREZA-COIMBRA.
Em conseqoencia de ler qne reparar algumas pegas do marbioismo, o especlacoln lera lagar-
QUARTAFEIRA 23 OE OUTUBRO DE 1867
A quarta represent-igs do drama Sacro de grande -^spectaiolo em 5 actos e 8 quadros, orna-
da de masic, transformabas, vialidades, fogos ete.", etc., intitulado
'6lUA^.filirAW@@L
Original do Bvm. Dr. Soares Franco, eonego prebendado e capitular da S da cidade da Gna-o
da em Portugal
TTULOS DOS QUADROS.
Qoadro !.O pacto com o diabo.
Quadro 2.R ..sas FLoaa*.
Quadro 3.*A mcnoiga da shra.
Quadr i 4.* -O juraiiknt> o co.
Quadro 5- A iosti.a divina.
Qnadro 6.A voz matrmNAL.
Quadro 7.*O diadema da'6lo




<
'6L0BIA.

I WIILAW \
"^^mmmwi


fcrift te reaajaco QuarU felra 13 di Outubr*
Para
pretende setnir uestes oft'i dias com a carga que
uvero palhanote Joven Arlhur, tem parte de seu
carregamenta a bordo, e para o resto que Ibe falta
trata-se com os seas consignatarios Antonio Luiz
de Oiveir Azevedo & C, no sea escriptons ra
.da Crm n. 67.
I'ar.
Da parj
&J.e
seguir com a possivel presteza para o indica
do porta o veleiro e bem conbecido brigne esen-1
na nacional Graciosa, caito e pratico Jos JTa- ig i horas em ponto no mesmo
ria Ferreira : para alguma carga que Ibe falla
traa se com o consignatario Antonio de Almelda
Gomes, a rna da Cruz n. 23, andar.
ana a roa da Sebo n 21.
Cordeiro SlmSea
a reqnerimeoto do carador fiscal e depositario da
massa fallida de Silva & Oliveira e por mandado
do IHm. Sr. Ur.joii da direito especial do com-
merelo, fara' lelio dos gneros, armaco e mais
pertences da padaria cima, isto
Sexta-reir 25
estabeleeimento.
Far
AVISOS DIVERSOS.
Vai em direilora o biale nacional Lmio Paquete, ISttlltO ArCil60l0gC0 6 GeO"
.*..*.* m. ,.. m*. graphico Peraambucano
-da carga ; para o qae Ibe hita trata-se com o res-
pectivo consignatario Antonio de Almeida G-mes
aa rna da Cruz n 23, 1* indar.
A LEGITIMA
uiurimai
0
A LEOITIMA
DO SAM UE*
i Esta excellente e admiravel medicina preparada de urna maneira amis scien-
tinca por cbimicos e droguistas muilo doutos e de orna instruyo profunda, tendo tido
muitos annos de experiencia.

A SALSA PARIilLII. DE BltlSTOL

COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
flavegaco cus.eir por vapor.
Maci e escalas e Penedo.
O vapor Poteng, commandante
Pereira, segu para os pon js ci-
ma no da 30 do correte pelas 5
boras da
al o dia
commeodas e dinheiro a frete at a* 2 horas da
tarde do dia da .-adida ; escriptorio no Porte do
Matos n. i.
Para
O palhabole Npvaes segu com brevida- !
de, tem dous lerdos de arga engajada, para
o resto, trata-se com o consignatario Jo5o
Francisco da Silva Novaes, Travessa da Ma-
dre Deuos n. 5._______________
Para'
Segu em direitura ao indicado porto o patacbo
nacional Volante, tendo grande parte da carga ja
engaj ida, para o resto-irata-se com o seu consigna-
tario Antonio de Almeida Gomes, a ra da Cruz
a. 23 prlmelro andar.
Haver sess53 ordinaria quarta-feiri. 24
do corrente outuoro, pelas i i horas da ma-
nhaa.
ORDEM DO DIA
Relatnos, pareceres e mais trabalbos de
commissoes;
Leitura de urna Memoria histrica e cri-
tica sobre a undacao do recolhimeito da Glo-
tarde, .-leceb" carga ria, na qual se mostrar que o deao Araujo
: passageiros, en- Gondinu o5o fra o seu verdadeir) fundador,
pelo Sr. Dr. F. M Raposo de Almeida, so-
cio effectivo do Instituto.
Recife, 21 de outubro de 1867.
J. Soares de Azevedo.
Secretario perpetuo.

DE JANEIRO
' i atach j Lealdade proteaite sabir para o Rio
de Janeiro com aqoella brevidade que Ibe for pos-
si vei, segundo a eoncnrre.ela da carga que bou
ve : qaem nelle quite.- ca regar, pode dirigir-se
aos consignatarios Marques, Barros 4 C, no largt
do Corpo Santo n 6, ou ao respectivo capitao An-
tonio Joaqnim Pinza.
PORTO.
Pretende sabir para o Porto, cora a maior bre-
vidade possivel a barca, porlugueza Humildades,
te J met- de no qoasf dous tercos do seo car-
regamrento engajado. Para a carga q ie Ibe falta e
passageiros qoe g izara m all de eicellentes com-
modos, tra'.a-se com os consignatarios Marques,
Barros 4 C, no largo do Corpo Santo o. 5 ou com
c capitao Carlos Ferreira Soares.
lina de S- Miguel.
Para o porto cima segu o patacbo portuguez
Jjrgense de primeira marcha, para carga e pas-
sageiros trata-se com o consignatario Joao do Re-
g Lima, rua do Apollo n. 4.
LEUDES.
Trasferencia de leiio
O leiiao da palaria, rtfioacao e ewfeitarla das
ras da Concordia n. 9 e da Palma o. 10 a que
si refere os annuoci^s do* das 14 a t7 de grande
! 15o, no Jornal do Recife ns. 237 a 2i0 Qr-a irn*
fiTido paraquiMafelra 14 do corrente, podendo
s seuarar talo o qae pertence a confeiiaria, se
assim c.oavier -os compradores. Ete eslabeltci-
m nt i limase recommeodavel p-la sua maguitu
o r pode ser i-xarninado em todos os dias e a
qi>-i!i|u-r h;ra. O lena aera' procedido pelo agen-
te Palana, uo in^ic do da quinla-Mra24 do cor-
reata as 11 horas da manba no mesmo edabele-
Pl neoto.
kLLILAO
DF.
i
mm
A SABER
Roberto, crioulo, 28 anuos de idade.
Domingos, Angola, 30 aonos de idade.
L'ii/, Angola, 3o aurjis de idade.
; milla, mulata, 8 asnos de idade..
U na escrava de JO a 22 aonos que eozinha e en-
gomma perfellimpnie bem e cose igualmente.
Urna escrava que corintia, lava e eogimma.
A armacSo, balco, bezsrro, cordavo, couro de
catira, sola, 8o, borzegu-ns, sapatos mais cbjec-
t is i^rtenc'ntes a loja de sapattiro a' ra da Cruz
n. 31.
Qointa-feira 24 de outubro as 10 horas
em ponto.
O jente Pinto fara' leiio procedida a compe-
ci.l ii! -i i~.ic.-ao, nao s J armaro e mais ob-
lelos da I ja da ra da Cruz n. 31, como tam-
il m dos eseravis acim;; urjuclados, isto as 10
boras do dia cima indicado na referida loja.
a.
C oni iliaco.
Esta sociedade manda ao da 25 do presente
mez, as 8 boras da manba na igreja da Coocei
cao dos Militares dizer ama missa por alma de
sea fallecido consocio Praaeisco Martins dos Au-
jos Paula, e convida para este acto religioso a to-
dos os socios da mesma sociedade, prenles e ami-
gos do fallecido que por sua boodade qoizerem dar
mais esta prova de lembranca as qoalidades de
qoe era ornado aonellw Buadj
Prectsa-se deama ama para coslnbar e com'
prar na roa : a tratar no pateo do Terco n. b3>
padaria.
CLUB DO RECIFE
A partida do corrente mez, ter lugar na
noite de 26 e previne-se aos senhores so-
cios, que se acham atracados no pagamento
de suas mensalidades, que na"o podem tomar
parte nos diverlimentos da casa sem que se
mostrem quites com a sociedade, visto assim
o haver resolvido a directo em virtude do
disposto no artigo 6o dos respectivos esta-
tutos.
O secretario,
Joaquim Leocadio Viegas.
Attengdo.
O abaixo assigoado declara qoe tem loja de pin-
tor e donrador de imagem na ra da lmperatriz
n. 82, e previne o respeitavel poblico qae es donos
das imagens, que tem em sua loja, bajam de vir
receber, pols ja eslo promptas desde o mez de Ja-
neiro at outubro do correte aono, e pprevioem
com data deste anni em diante, enm o przo al 8
dias nesta praca, e fra sera' al 15 dias, se nao
procuraren] soas imagen-, serio vendidas para pa-
gar o importe da encarnaco, e perdero todo o
direltc- a ella?, e com ena advertencia o abaixo
assipnato nao Oca responsabilizado por reflexao
alguma.
Recife 21 de ontnbro de 1867.
^^^ Manoel Ignacio de Oliveira Marllns.
Festa em Iguarass.
Tendo de festejar-se no dia 27 do correte os
Santos Coso-i e Damiao no dilo lugar, acha se
primpto o vapor C.maraQ be para largar no mes-
mo da a's 5 horas da manna, cnndunndo passa-
geiros mediarte a quantia Ce 5$000 p volta : as pessoas que quizerem Cumprar pas-
sagem dirijam-se ao escriptorio da Coropanhia Vi-
gilante de Reboque, uo largo d Companhia, sen-
do das 9 horas 8a manhaa a's 4 da tarde._____
Advoccia.
Olavo Crespo, advogado provisionado pelo supe-
rior tribunal da relaco/m lera o seu escriptorio
villa no Baique defta provincia ; e encarroga-;e
de qualjuer accao crime, clvel, commercial e ec
clesiastlca, nao someute nrs teimos desta, como
em tsdas as comarcas das provincias d'Alagas|
Parahyba, Rio Grande do Norte e Ceara'.
Recife, 28_de_ootubra_de^l867!_____________
Um rooeo chegad" de fora habilitado enfer-
meirn, sangrador e dentista e o mais qae perlence
a fui arle deseja se empregar em a'gum encrcnbo
ou em-alt>um hospital ou para administrar alguma
fazenda : qaem pree.;ar dirija s? n rna das Cru-
zes n. 36, loja.
Prerisa-se de urna ama para casinhar e la-
var : na ra do Sebo n. 29.
DE BRISTOL
PREPARADA WCAMEHTE POR
LANIAN & KEIP,
NOVil YEK.

urna medicina segura e digna de toda a confianca, conbecida e receitada pelos mdicos
os mais sabios e entendidos neste imperio, durante o espaco de Ires anuos, e nonca falta
em produzir o desejado effeito.
AlIi81PARBIf:IMOE BRISTOL
Entre as numerosas provas do prande merecimento da legitima preDarad Dor
woman e Kemp, de Nova York, nSo a mais fraca o fado que tem produzido tantas
imitacSes e falsificacSes fraudulentas. 4 Fruuuzao tamas






CONTINUAMENTE
ap parec:
HOYOS
TESTEMCNHOS
EM FAVOR
da legitima
SAIS! PABR1LHA
| r
hes-
m^A m M^
'Je i82caixs com chocoSate
panhol.
t). Mde->to de la Part caplto da barca hospa-
nhila ti abel encaibali n* Una d' Femando fa-
ra leiio por conta a risc: e quem perieucer e
p .r intTvencSo do agente Martins, c>m autbonsa-
ca. do Sr. vicecnsul de Hespaoba em sua pre-
senea d um empregali da alfandega para este
T nmbalo,docbocjhte aciai parte do carre-
gi neutj de dta barca.
.Qainta-feira 21 do corrente.
N j armazem n. 8 da alfandega, as 11 boras
da.
do
' um piano de armario, 1 mobilia de Jacaranda,
2 jarros, 2 figuras, (1 cama franceza de jaca-
randa, 1 comanda, 1 toucador, 1 mobilia de
amarello, 1 lavatorio, 1 mesa para jantar, 1
aparelho de loaga para jantar, 1 dito para almo-
c i, 2 fracteiras e 2 garrafas de crystal, 1 guarda
louca, 1 aparador e ooiros objectos de casa de
familia.
Sexta-feira 25 de oatubro
No principie da ra do Pilar sobrado nu-
mero 85.
O agente Pinto fara' leiio por conta de ama f-
mula que mudou de residencia, dos objectos ci-
ma mencionados e existentes no sobrado da roa
do P.iar n.85, acode se efTectnara' o leiio as 10
horas do dia cima.
Dj taberna a roa de Sebo n. 2t.
Cordeiro Simes
a r q lerimento do curador fiscal depositario da
ma-s i fallida de Silva & Oliveira, e por maooado
do lllm. Sr. Dr. jaiz de direito especial do com-
merc >, fara' lellao dos gneros, armacio e mais
ntencili's da taberna cima dita em nm ou mais
lotes a vontade dos licitantes, l-to
Sexta feira 25
as 10 horas em ponto tro mesmo estabeleeimento
De urm mala de vl *gem com ronpa e
otros hjectos.
Sexta-feira 25 de outubro a 4 hora da tarde.
O geuie Pinto levara' a leiio pw ordem do
lllm. Sr. cnsul de Franca, ama ms com roapa
osa la a mal objectos perleacefltes ao espolio do
finado Julio livter VeUy, a 1 hora da tarde do
dia cima dito no sobrado da roa do Pilar n. 85,
onde ha vera' leiio de movis.
Morada barata.
Alaga-fe a frente de um primeiro andar de um
obrado em boa ra, com 1 sala, 1 gabinete e 2
qoarto?, com agua e gaz ua escada : dirija-se a
ra estreita do Rosario n. 11.
"CSOft FORTUNA
Aos 6,000$
BILHE1ES GARANTIDOS.
A' ra do Crespo n. 23 e casas do costme.
O abaixo assignado venden nos seus muito feli-
zes bilhetes garantidos da loteria que se acabou de
extrabir a beneficio das familias dos voluntarios
da patria os *i guintes premios:
N. 37*7 doas quintos com a sorte de 6:0005.
N. 3985 dous quintx com a sorte d- 1:2(H'.
N. 3il8 um m'io com a sorte de 509,5.
E ouiras muitas sones de 1003, 40 e 20i.
Os possaidores podem vir receber seas respecti-
vos premios ^em os descootos iias leis na casa da
Fovian rna do Crespo n. 23..
Acnam-se a venda os da 2" parte da lotera a
beneficio do patrimonio dos crpbos (42*) que se
extrabira' qaarta-feird 23 do correte.
Preco.
Biibete.....6,8000
Meio......35000
Quinto.....15200
Em porcao de 100)5 para cima.
Biibete.....55500
Meio......25750
Quinto.....15100
________^ Manoel Martins Fiaza.
Precisa-se de ama malborparaTservico in-
terno de ama casa de familia : a tratar na roa da
Cadeia do Recife o. 24, 3 andar.^__________
Escrava eslnhclra
Precisa-se de orna preta coslnbeira para casa de
famia : na roa dos Pires sobrado n. 35.
A publico.
Previne-se qfue ninguem compre a casa n. 8 do
pateo da Penba, porque ja se acha tratada e paga
por papel particular com promessa de ser passa
da a respectiva escrlptura, quem qaizer verificar
a vt-rdade de que se exprje dirija-se a roa da Praia
n.24
Aluga-se
O 3a andar a roa da Cadeia do Recife n, 27, com
commodos para f; milla, concertado e pintado a
P uco tempo : a tratar no 2* andar das 9 oras da
rriPhaa as 3 t|2 horas da tarde.
r. Guilherme Nagell, me
consultas todos"os dias das 8 bon-s as 10
da manha e das 3 as 5 da tarde na sua
residencia roa Nova n. 15, especialidada
molestias dos orno.
A direccao-do Club do Recife tem resolvido
qae a partida do corrente mez tenha logar na noi-
te de 26.
O secretarlo
Joaquim Leocadio Viegas.
DE
A SAIS.I PARRfaLHA DE BRISTOIj.
E' muito natural que aquellos que se acham oceupados em preparar e vender as
i soas misturas em garrafas pequeas murmurem e gritem contra os frascos grandes, os
quaes contm em i tres vezes mais do extracto puro do qoe qaalquer urna dessa outras
preparaces oeste mercado.
A $%L$AP*KRIIiIfA llEBRI^TOli
foi estabelecida no armo de 1832.
No anoo de 1848 o proprielario adoptou, com grande sacrificio seu,garrafas raaic-
res,senio agora de quanilbo, offerecendo deste modo aos consumidores urna nnbr por-
Co de -extracto purissimo, como nunca fot offerecido.
A NICA LEOITIMA
SALSA PARRILHA DE BRISTOL
!'.' PREPARADA POR
DE BRISTOL
PREPARADA NICiMEUTE POR
LAMAN k MEMP,
HOVA YORK.

BRISTOL.
Os doentes deyerSo ter bem o cuidado
de obterem genuina e nica legitima
salsa parrilha de Bristol, a qual preparada
por
LANMAN E KEMP
DE HOVA YORK.
\\
.
DE
lEW-YORK
.Cautela eoatra as novas salsas parrilhas de Bistol que
sao perniciosas.
ESCRFULAS
CHAGAS AMTICA
Ulceras
Ftidas ulcerosas
Tumores
Herpes
Erupces
Lepra
Debilidad* ffat
Rheumatismo
Salsugem
Febres malignas e beliosas
hmpigens
Febres intermitentes
Nervosidades
A SHSi PARRILHA IH BTOt
De Lanman e Kemp
m new-york:
E' A HELHOR
A MAI8F0RTE
E A MAIS BARATA
-------- II !

Em frascos grandes,
^nn?Ib^m0 ?* ,0gi- parf USt',ficar ,u?a ,,alreaili0' .ne^sari,) que, o mesmo. mediante umi experieocia de tantos annos e o testemunho dos sceotifleos tenha
adqu rldo urna ext,naa e incontesUvel popular.dade A sata pirnlua de Bris^i de Lanman e Kemp tem provado a sua efficacia pelo curso de 34 annos e dSe o fes5S-
de 24 annos tem sido rece.tada pelos pnmeiros oieJicos ni imperio d > Brasil. Polen outras preparaces in pirar a mesma confianca P^
Vende-se em Pernambuco em casa de A. Gaor, J. da C. Bravo e P. Marer 4C.
Apr.rovnilo pela facnldade
IHedletna. cinpresndo nos
bospilaea de Parla.
Appravatlo pela facnldade
de aaedlcina, empreg.-xlo noa
haaptlaea de Parla.
Occupa o prim;:iro lugar entre as preparaces ferruginosas as mais assimilaveis. O Elixir do IV THEHlMfCS empregado diariamente nos hospitas de Pars principalmente no
Htcl-Dieu (servico da Faouldade de Medicina de Pars). Administra se com o maior < xito as doenfas de eonmimptAo resultantes da exliana(ac&o do aangae, chlo-
roNiv ou crc paltidas, flaore* branca*, anemia depois das hemorrhagias, ou durante as convalecencias de febres perniciosas, nflTocacocs.e |ia!p!ieoa das mul-
heies pejsdas. N.o menos eflicaz contra o rarhltisino o obra poderosamente para os homens cujas forcasestam esgotadaspelos trabalhosintellectuAes, abusos de todosos gneros, etc.
Tonaa-se com m dosis de ama celbcrlnha dcpols de cada rcfclcae.
Deposito gcral na pharmacia, ra Reaumur 43 e em casa de E. GALLOIS, pharmaceutico do S. M. Imperador, place Vendme, 2, em Paris.
________________Deposito tu PEniYAWBrco, P. IIAURER arr O, era tedai u Pharmadaa no Bradt ____________
LINDO PUESENTE
PARA
Mai, esposa e noiva.
Pelo paqwete ioglez chegado a 26 do pr-
ximo passado mez, rebebernos nova remessa
de bem feitos e delicados alfinetes de ouro
de lei com penlas, esmeraldas e rubios
verddeiros, para cc'locarem-se retratos.
Ainda temos alfinete: simples de ouro de
lei para gravata e pan peito.
Os precos sao mu i razoaveis. Na P^oto-
grophiaVt\\e\a roa >lo Cabug n. 18, en-
trada pelo paleo da matriz.
Criada
Na roa de S. Francisco n. 72, precisa-se de orna
criada portugoeza oa escava, paga-te bem agra-
dando. ^________ _______ .
Preci;a-.-e de urna ama para o tervico int^r-
ao de urna casa de pooca familia : na ra do H js
picb n. 58.
N praca da Independencia n. 33, loja de ou
rives, se dra' qoem precisa de orna ama para co-
tinbar e engommar.
Trocan se
as notas do banco do Bn.sil e das caixas Oliaes-
dom descont muito rasoavel, na praca da Inde,
pendencia n. ti. _____^^_
Agencia de pasiaportes e por-
tarllas.
Claudino do Reg L'ioa despachante pela repar-
tigao da polica tira passaportes para dentro e fora
do imperio por coromc-do prego e prestea : na ra
da Praia 1* andar n. 47.
Na ra das Agoas verdes n. 46, precisa-se
de nma ama de leile qoe nao teoba flleo e ontra
para cosinbar e engomma .
Joao da Caoba Soares Golmaraes convida aos
seos aroigcs e prenles para assistirem ama mis-
sa e memento qne pela alma de sua presada eu-
nbada Adeiaide Carolina G aspar, fallecida na pro-
vincia c a Babia manda celebrar as 7 boras do dia
26 do crrente na matriz .le Santo Antonio.
'nMBBMBsMssjMBVa^BBBHHBBVBJjBVRHBP
Pedido
0 ceg Joaquim de Soma Oliveira pede por ca-
ndado a todas as pes>oss e especialmente aos Srs.
inspectures de qorreirSo los snborblos desta ci-
dade o favor de prenderen e levaren a tni da
Uoiao l. 42, o sea filbo Aalonio Furtado Ferreira
conbecido por Antonlcc, m nio de 12 aonos. tran-
co, magro, cabellos louros rosto nm ponco ossa-
do, esse sen guia fugio t'.jando a semrttte ron:
pa : camisa branca, calca ;>reu, paletot de car es
cara e bem comprido, booet ata!, (;se menino
costoma qntsdo foge a diier qae erpbio e qae
nao tem qaem o trate.
Attenc&o.
\. 25 Ra do Loramente N, 21
Deposito de (amneos e calcado nacional da fa-
hrici da na do Jardfra n. 19, de Jote Vicente6o-
dinh >, tanio no deposito como na fabrica se aprc mp-
lam todas as porcoVs de calgado o mais barato
possivel, esta fabrica tem todas as machinas pro
prias para os calcados ja bem acreditados pelo
grande numero de freguezes qoe daqui se for-
necina. __________________
Furtaram no dia 19 do crrenle, oa ei larie
da Bahia, duas notas do ibesouro do valor de
5005000 cada orna da i* serie 4' estampa, ns
1713 e 1714, assignadas por Jos Procrpir. Pereira
Porte. Roga-se a qua'qoer pessoa a qnim forera
dadas empaearaento, ou para trocar n^ssa provin-
cia as pprehen'laai o dem dhto cenheeimento
ao lllm. Sr. ccmmendador Joo Baptista de Castro
Silva. ________________________
Na travessa da ra do Ouro, n. 5-2 la-
do direito, offerece-se urna ama para cozi-
nba.
m Advogacia jp
'SS, O ha-harc-l Jo- Roberto da Cnnha Sa- f{
RJj les, do volta de sua estadi na comarca d^ n
H Garanhuns, tem aberto por ora o seu es- jS
3! criptorio de advo:acla a' ra Direita n. JS
a 88, primriroandar,aonde pede ser pro- ES
s curado para os misteres da sua pruQ-sao &
3 das 9 horas da manhaa em d ante.
nm m asa
^YiAPHIA
Jos Joaquim de Freitas Pereira, re-
lira-se para o Rio de Janeio.

jfkWB>Ms
Alnga-se orna ama para o servido de casa de
urna s pessoa : na ra do Torres n. 14, 2 andar.
ou
Na ra do Crespo n. 5, precisa se alugar
comprar nm escravo de boa conducta.
Precisa se de ama ama que saiba cosinbar
para casa de rapaz solteiro ; na roa da Cadeia
a.59.
CaBVftLJe MAfi?i
Joao u.'iic.i de Ciivaibo, participa ao respaila-
vel publico desta cldade, assim como aos seos nu-
merosos freguezes e amigos, qae mudou a sua re-
sidencia e oficina da ra da Cadeia n. 38,1 an-
dar, para a ra Nova n. 26 loja, onde o encontra-
r* sempre prompto a saiisfazer qualqaer mister
de sua arte. O mesmo artista espera que o res
peltavel poblico e seos freguezes continnem a dis-
pensar-lbe a mesma coitSanca e proteccao como
at hoje. No mesmo estabeleeimento da roa Nova
n. 26, se eoeontra um bonito e bom sortimeoto de
casemiras de todas as qoalidades, assim como pan-
nos, brlns, e oatras latenas proprias paia todo o
genero de ronpa de bomem, cujas encommendas
sero execaiadas com a maior perfeigSo possivel e
aquella qoe p'or'easb nao sabir a gosiw do freguez
fleara' na easa e'nAtid'arSe'-a-fazer entra, junian-
do-se a e>tas vantagens, a de se vender ludo pelos
mais limitados precos e bem assim um bonito sor-
tmenlo de (aleadas Boas proprias para senhora.
Preeiea-ss de nota ama de leite : no primei-
ro andar do sobrado n. 40, da ra larga do R
atrio.
N. 2 largo da matriz de Santo Antonio n. 2.
RETRATOS A OLEO
Temos a honra de parlecipar ao respeitavel publico desta cidade a volta do Sr.
Alberto Ffenscbel de sua viagem Europa, viagera esta que o mesmo fez no duplo flm
bear a par dos mais recentes progresa da arte photographica e de adquerir mais al-
gum artista de talento para o seu estabeleeimento.
0 Sr. Alberto tevea felicidade de poder eogajarum nintor destinctao
Sr. Carleo Ernesto Papf,
raembro honorario da Academia Real de pintura de Dresde, cuja reputacao bem funda-
da nos permitte asseverar reproducoes magnificas no genero retratos.
Um melhoramenlo essencial na arte de'obter retratos em tamanbo natural acaba
de ser executado ltimamente, e .consiste em fisar directamente no tamanbo que se qur,
sobre a tela do pintor, o retrato pbotographado por meio do instrumento especial, cha-
mado cmara solar de acgmento. Desta forma, o talento e a habilfdade do artista,
achando-se secundados admiravelmeote pela precisSo absoluta e nfallivel dos contornos e
sombras, qoe Ihe d a photographia sobre panno, tudo se combina para se chegar ao mais
aperfeicoado grao de semelbanca, reutiido ao verdadeiro iypo artstico que se observa
n'uma bella pintura.
O mesmo processo nos permitte reproduzir e pintar oleo qualquer photographia
de pessoas presentes, ausentes ou defuntas, at tamanbo natural.
Todas as pessoas que desejarem conhecer e avahar por si mesmas as vantagens
deste novo genero de trabalbo, sfo convidadas a visitar nossa galera, onde se acba ex-
posta orna collecclo desses retratos como specimens.

AMBROTYPOS
Retratos em caixinhas
Para strsfazer aos hirmeros pedidos de no'ssos fre^oees, faremos. de agora em
diante tambem retrstos nesse gnero, assegurando ao publico que temos, ricas e elegan-
tes caixiobs. r t 8 u
Aluga-se
Urna casa oa roa das Calcadas o. 4fe : a tratar
oo corredor do Blspo defronte da de es. 12 e 14.
#*8B 199 Sil
FWRIC4 DE CHPEOS DE SOL
DE
MADAMA FAIQITB.
Este estabeleeimento acaba de receber de Paris nma rica collecc?
de sol de seda, de alpaca e de argodio, com armacSes de balea, de ferro
melhores gostos e fabricantes, que vende mais barato do que outro au-
mento, por serem fazendas vindas directamente.
Igualmente tem fazendas de seda, de alpaca, de algd'o <
chapaos de sol, todo de boa qualidade e .por preco commodo.
Eucarrega-se de qualquer concert, com presteza, se
I MUTILADO


larl e W*
-*- Qaart* telM ISic Outubro de 1867.
DE
OAROBA
PREPaMDAa FRI
POR
AUGUSTE CAORS
Pbarmaceatico pela escola de Pars e saccessor nesu cidade
DK
Aristide Saisset e J. Soum
22.------Rna da Cruz------22.
Trattmento puramente vegetal sem mercurio, iodo, ouro, nem ootro qualque
Dineral.
Verdadeiro purificador do sangne sem azougue. .
Especial para a cora de todas as molestias que tem sna oncena na impureza uo
sancue, como sejam as molestias boubaticas, syphiliticas, escropbulosas, darthrosas, quer
Tenham ellas por hereditariedade, quer sejam adqueridas pelo contacto com pessoas in-
feccionadas dos diversos viras que contamioam o sangue e os humores.
A caroba um remedio prodiioso, usado desde *^^J^S?!
do Brasil, e passando sea uso de geracao em geracao,. hoje m/ Sd'e8sgmaD'BI^
nhwidoscomo propno para combater as molest.as mais ^^^^^.S^^
ro a morpha ou elephantiases, para cojo curativo os nossos sertanejos considerara a
"* TlTSpo8Sou'a ear.b. nos formularios como preparado ^agistral
aob a forma SeSario, ainda hoje lembrado as pharmacopas com o nome de seu
SSbre autor3*A ves Carueiro: nio ella porUnto remedio novo nem desconhec.do.
O Miento de caroba da mesma sorte preconisado desde tempos immemo-
Hms como o mais apropriado para o curativo das boubas e ulceras syphiliticas srdidas,
empYegado com proveito depols de improficua applicacao de muitos outros agentes
teraputicos enrgicos e de uso quotidiano. '
Muitos dos nossos mdicos de considerarlo e entre elles o muito distincto pratico
observador o Sr. Dr. Pedro d'Athayde Lobo Moscoso, tem confirmado por meio de ex-
periencias repetidas, o que diz a fama das benficas propriedades da caroba no trata
ment das boubas, das diversas formas sob que a syphilis se apresenta e moito especial-
mente as que teem sna sede na pelle, e poderiamos relatar alguns casos de data miM
moderna obsarvados pelo mesmo Sr. Dr. Moscozo em que a caroba produzio admiraveis
efleitos, depois de inuteis e prolongadas applicac5es de salsaparrilha, mecurio, iodo, ou-
po e seos preparados, etc., etc.
Nao era possivel que urna planta to notavel por suas inappreciaveis virtHdes es-
eapasse a perspicacia e investigacoes dos mais abalisados praticos europeos, que se ap-
plicam com especialldade ao estudo e tratamento das molestias syphiliticas e herpejicas
e para prova ahi esio os Srs. Drs. Casenave, Schurfer, Ricord e outros dando as maif
hsongeiras informaces sobre as propriedades curativas da caroba e pieconisando-a com'
remedio poderosissimo para o tratamento das erupc5es cutneas, seccas ou suppurativas
darthros de todas a quaiidade, ec emas, ulceras de diverras naturezas, tumores, osseos
e outras muitas molestias de natureza sypbitlca ou boubatica.
Por ter-se generalisado muilo o uso da essencla da caroba que en pre-
paro e pelas instancias de varios mdicos que desejam continuar em suas observares,
deliberei-me a ter prompia urna quantidade da mesma essencia, obtida sem a acc5o do
ogo, para nao prejudicar as propriedades medicamentosas; e d'ora em diante encon-
trar-se-ha na minha pharmacia sempre e em porclo suficiente para todos os pedidos a
tSSENClA CONCENTRADA De CAROBA, e o ungento da mesma plenta para que nun-
fallem aos Srs. mdicos que quizerem esperimentar tao precioso agente medicinal.
Reci'fe de Parnambuco, 17 de outubro de 1866.
AGSTE CAORS.

GRANDE
*
AO JATME CABELLEIREIRO
^ br+-rUa do Queimado primeiro andarN. 6,
TO Iff AI CABELLOS BBARCOS.
Tintura instantnea para enegrecer os cabellos em um minuto sem offender a pelle!
Gabinete reservado e desente para tingr cabellos
com perfecto, presteza e mdico preeo.

?M@ I

nico preservativo de caspas e calvice.
PREMIADO PELAS EXPOSICOES DE PERNAMBUCO E RIO DE JANEIRO.
Sali para cortar e frlzar cabellos, e fazer barbas.
BE HUMADA 0FcaBECABEI.LEIHIRO



onde com esmero e gosto se manufacturan), quer para a provincia, quer para fra della, todas as qualidades de posiicos ||
modernos e de apurado gosto, accrescendo a grande differeoca de ser 10 0[0 mais barato que em outra qualqaer parte.
Esplendido sor ti ment de candios, em cores e em eomprlmento,
W.6. BA DO QIJEI9IADO V O.
114000
84000
84000
34*0
34800
24000
74000
74000
84000
14000

PARA ZO INTERNO
PREPARADOS SIMPLES,
Xarope de jurubeba garrafa......... I1J000
Vinhode l6oo
Pilulas de vidro......... 106oo
Tintura de > 64o
Extracto hydralcoolico de jurubeba 12#5oo
PREPARADOS COMPOST0S.
Vinbo de jurubeba ferruginoso garrafa. 2dooo
Xarope l56oo
Pilulas ^ vidro... 2jk)oo
Oleo de jurubeba vidros.... 64o
Pomada de pote...... 61o
Emplastro > libra..... 205oo
PARA UZO EXTERNO
A JllUBEBi.
Esta planta' hoje reconhecida como o mais poderoso tnico, como um exces
lente desobstruente, e como tal applicada nos engo-R lamentos do figado e baco, na
hepatites propriamente ditas, ou ainda complicadas com almarchas, as inflammacSe*
subsequentes as febres intermitentes ou durezas, dos abeessos internos, nos tumores es
pecialmente do tero e abdomen, dos tumores glandulosos, na aoazareba, as bydrope-
zias, erysipeilas; e associada as preparares ferruginosas, ainda de grande vantagea
as anemias, chloroses, faltas de menstruacao, leucorrneias, desarranjos atnicos do esto
mago, debilidade orgnicas, e pobreza de sangue, etc.
O que dizemos affirmam os mais ditinctos mdicos desta cidade, entre os quae*
podem os citar os lllms. Srs, Drs. Silva Ramos, Aquino Fonseca, Sarment, Seve, Pe-
reir doCarmo, Firmo Xavier, Silva etc. Todos elles reconh cem aexcellencia d'este po-
deroso medicamento sobre os demais at hoM "onhecidos para todos os casos citados,
tanto que todos os dias fazem d'elle applicacSr.
Apresentando aos mdicos e ao publico em geral diversos preparados da juru-
beba, tivenv s por fim generalisar mais o uso d'este vegetal, fazendo desapparecer
repugnancia que at hoje sentiam os doentes de usar dos preparados empricos d'elle, o
mais das vezes repugnantes a tragarem-se, e que tinham ainda a desva tagem de nt
ser calculada a dose conveniente a applicar-se, o que torna muitas vezes improficuo um
medicamento, que poderia produzr ptimos resultados.
Os nossos prepados so foram apresentados depois de haverraos convenientemente
estudado a jurubeba, fazendo as experiencias precisas para bern conbecer as propriedades
medicamentosas d'esta planta em suas raizes, folhas fructas ou bagas, e a dose convenien-
ea app icaco, tendoalm d'isto procurado levar os nossos preparados ao maior grao de
tperfeiclo possivel, p^ra o que nao poopamos esforcos, n3o nos importando o pouco lu-
cro que possames tirar.
Por tanto os que se dignarem recorrer aos nossos preparados podem ter a certeza
de que elles offerecem a garanta, de que se pode encontrar a prompta e infalhvel cura
de qualque dos kiffnmentos, que deixamos innumerados, se forem em tempo applicados
tendo alm d'isso, medico ou doente a vanUgem de escolher as nossas variadas prepa-
races, aquella que melhor Ihe pode convir, j pela fcil applicac3o, e ja pela complicac/ao
das molestias, id de, sexo, ou ainda natureza de cada individuo.
As nossas preparacSes ferruginosas sao feis de forma que se tornam completa-
nte soluveis nos suecos gstricos, porque procuramos os composto* de ferro que como
esto hoje reconbecidos. .:*. j -
Para aquellas que mais minuciosamente queiram conbecer as propriedades da
e saberem a applicaca'o de nossos preparados, destribuimos gratuitamente
aposito um folbeto, onde tratamos mais extensamente d'etta planta e dos ov
tos.
Deposita geral de todos es preparados
BoJJdea e rogarla
^>4_-Jraa larga do Rozario34
Tendo de se liquidar a loja de calcados da roa
do imperador o. 32
Borremos de Melll......
Ditos de Soier......-,
Ditos de diversos fabricantes. .
SapatSes de beterro Sater.....
Borzegoins para meninos e memias.
Ditos ditos ditos.......
Borzegoins de lastre para hoouos
(Soier).........
SapatSes Melli.......
Bo zegoins cordavio. .....
Botas para montarla.
Perneiras e goarda lama.
Sapatos de tranca para meninos. .
Sapa tos de couro de lustre com salto
para senhora ...... 84000
Saauel Power Johnston &. Lompaahia
Ra da Senzala Nova n, 41.
aeiNcu da
FundleaodeLow Hoor.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos.
Moendas e meias moendas para engenho.
Tuxas de ferro coado e batido para enge-
nho,
Arreios de carro para um e dous cavallos.
Relogios de ooro patente inglez.
Arados americanos.
Machinas para d escarolar algodio.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
Aluga-se
A casa da roa das Aguas-verdes n. 25 : a ira'.ar
na roa Bella n. 45._______________________
Precisa se de urna ama para casa de peque-
na familia preferindo-se escrava : na ra do Cres-
po n. 7.
O Dr. A. S, Pereira do Carmo (medico)
est morando no sobrado n. II da roa da
Iropiralrlz.
Na secretaria da Santa Casa d- Misericordia
do Recife precisarse fallar a S." Leandra Carnei-
kpvph
Fedegoso de Pemambuco
A planta, conhecida entre tos sob a de-
nominado de ftdegogo, e no Rio de Janeiro
o pro incias do sal deste imperio pela de
crista de gallo, o tiaridmm utilissimutn
ou tiartdium elonoatum de Schum, e o he-
lio tropium curoisadium de Mart., pertence
familia das boragioeas.
O fedegoso considerado, na therapeuti- rje Oiiveira.
ca pernambucana, como urna das plantas
mais recommendaveis por suas virtudes cu-
rativas, e applicado interna e externamen-
te, como calmante do systema nervoso, na
paralysia, asthma, tosse convulsa ou caque-
luche, tosses recente? e antigs, suffocar,6es,
catarrbos pulmonares, etc., e em geral con-
tra todos os soffrimentos das vias respirato-
rias ; sendo um exceliente Unitivo para
aquel es que padecem de pbtisica pulmonar.
Sua efilcacia contra o ttano ou espasmo
incontestavel, e nioguem ha que a deseo-
aliega. ,
NSO ignorando nS O que acabamos de di- Afaga-se para passar a fesu nma csa em
zer, eesforcand-nos por ser til bumaDda- Oloda com muitos bous comraodns para familia :
de soffredora, preparamos o queabaixo indi- 5Pn ,i,u e moito fresca: a traur na roa da
I : i t- !
JkSJXt__
Companbia fidelidade de seguros
martimos e terrestres
estabelecida no Rio de Janeiro
AGENTES EM PERNAMBUCO
Antonio Luii de Olivdra Aietedo k C.
competentemente autonsados pela
directora da compaohia de seguros
Fidelidade, tomam seguros de na-
vios, uiercadorias e predios no seu
esenptorio roa da Cruz n. i
wm
\m> Wi imm%
e
i

a
s

ec
te
MI

camos, pondo a disposiclo dos distinctos me
dicos, e dos doentes desta e das outras pro-
vincias deste imperio nossas preparares,
que s3o:
A JURJBEBI
em extracto alcoollco, emplas-
tro, oleo, tlotnra, pillas, xa-
rope e violto.
A JUHUBEBA uma das substancias me-
dicamentosas que perlencem ao reino vegetal
e emram na classe dos tnicos e desobstru-
entes, sendo empreada com vantauem coo-
tra as febres iolermiienies aoimpanbadas de
eDgorgitamcnlo de fjgadn e daro.
Ella tem sido aplicada cm incontestavel
proveito contra a anemia ou chlnrose, hy-
' drope.-ia catarrho da bexiga, e mesmo para
excitar a menstruac5o dificil, resultante da
mesma anemia ou cblose.
Concordia junto ao Sr. solicitador Abren.
Joaquim Jos Goncalves-
BeltrSo
RA DO TRAPICHE N. 17 Io ANDAR)
Alm do grande sortimento das melhores machinas, americanas para descarrocae
algodSo, de 10, 1 i, U, 46, 18,20, 22, 25, 30,35, 40 e 50, neste estabelecimento sr
encontra mais o seguinte:

Azeite de espermacete propria para machi-
nas de todas as qualidades.
Vapores de forca de 3 a 4 cavallos.
Serras avulsas para machinas.
Mandes e todos os mais pertences para as
mesmas.
Carros de mo para aterro.
Cylindro para padarias.
Debulhadores para milho.
Arados americanas.
Escadas de madeiras americanas.
(arrnhos proprios para armazens.
Moinhos para renacoes.
dem para m;lho.
Machinas para certar capim.
Bombas para rejjar jardins.
Vaquetas psra cobertas de carros,
Camas de ferro iortidas.
Bombas de Japy.
dem americana::.
Ferros a vapor para engommar.
Vassouras americanas.
Baldes american para compras.
Tinas de madeirn.
Ballaios e cestas de verguinhas.
Guarda comidas.
Peneiras d'arame para padarias e renaces.
Correntes para almanjarras.
Machados e faces americanos.
Caixas com vidros de todos os tamanbos.
Cannos de chumbo de todas as grossnras.
Folba de cobre idem dem.
dem-de latao idem idem.
Folna de Flandres.
Ferro de todas as qualidades,
Arers de ferro.
Latas com gaz.
Trens de porcelana para cosinha.
dem estannados para dita.
Bandeijas finas.
:; BalaDcas americanas,
dem rovervaes.
Taixas de cobre.
Estanho em verguinhas.
Folhas de ferro de todas as grossuras.
Correntes de ferro sortidas.
Espingardas de todas as qualidades.
Rewolveis de iodos os modellos.
Ferramenta para oorives.
I'iem i ara tanoeiros.
dem para ferreiros.
O ARBOBE VEGETAL
Es muito superior aos xaropes de CUISI-
NIER, e de LARROY. De fac'u digestao, a-
(.radavel ao paladar e ao olphali>, elle cura
radicalmente, s-m mercurio, todas as affec-
coes da pelle, impigens, alporcas tumores,
ulceras, sarnas degenerabas, escrfulas, es- J
corbuto. E' sobre tudo poderoso as moles-,
ti-s rebeldes ao mercurio e ao iodurto de
potassio.
XAROPE DE SALSA I'ARRILHA DO PARA'
ou
DEPURATIVO DO SAXGUE
USADOS N'.S MOLESTIAS DE PELLE, IMPIGENS,
DORES RHEU.MATICAS EULCERAS VENREAS
PILULAS A*TI PEBIODICAS
Cunir* as febres inirrmuenie, oo andes
O MULUNtU' tem aefao directa sobre os
centros nerv -sus, e por isto faz dormir sem
determinar affluencia de sangue no cerebro
como o opio e substancias simples que delle
se extrahem, pelo que o somno tranquillo
e reparador,
e modera os accessos de astbma e de tosse
convulsa.
Sacca por todos os paquetes
lo Minbo em Braga, a sobre os
<' em Portugal.
aber:
Lisboa.
Porto.
Valenca.
Gaimares.
Coimbra.
Coates.
Viseo.
Villa do Con Arcos da Val de Vt.
Vianna do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famelicao.
Lamego.
Lagos.
Covilhaa.
Vassal (Valpassos.)
Mirandella.
Beja.
Barcollo*.
sobre o Banco
gointes luga-
IHlhlCA
Leciooa-se a solfrjo e a tocar varios
instrumentos dando se as llcdes parlico-
lares em suas propria* casas, das 5 ho-
ras da tarde al as 9 horas da noite : a
tratar na rna Augusta n. 30 ou nesta ly
pocraphia.
Fogo do r
Recebem se encommendas de fogo do ar para
dentro e fora da provincia : no armazem da bola
amarella no oito da secretarla da polica.
AttCllL'O
O arrematante das lojas deferragens di fallecido
S-basu:iu Jus da Silva vpm offerecer ao respeia-
(alma a tosse as bronchites, I vel publico om completo sortimento de ferrageos e
1 miudezas por melade de seo valor, grande sorti-
M.' S A -R do Cabag-X. 8 A
Agostinho Jos dos Santos C
Acaba de ebegar a este estabelecimento um esplendido sortimento de
joias do ultimo gosto, perfeicSo artstica e modellos eoteiramente novos; como
segoem: aderecos com rubina, esmeraldas e perolas finas, pulceiras, broches
para retrato, anneis, botoes de punho, brincos e cassoleas com letras, etc..
etc., etc. Salvas de prata do Porto, faqueiros, paliteiros, calix de mesa t
fructeiras, cujos precos s3o incompetiveis, pois que os propietarios desta casa,
recebendo eus artigo directamente da Europa, podem servir vantajosamenta
aos seus froguezes. Compram-se brilhantes, pedras finas, ouro e prata, page
se bem, tanbem se incombem de fazer concertos.
TODOS ESTES MEDICAMENTOS SAO PREPARADOS
POR
Joaquim d'Almeida Pmlo.
PHAR&UCEUTI O EM PERVAMOeii.J
Roa 1-rga do Rosario N. louo
Ju te ao qnartelde p' liU ________
l'ri-cisa-se aiujr urna escrava oa roa da
Cooceicao o. i?, na Boa-vista, qaem tiver pode di-
rlgir-se a referida casa.
Precisase alogar ama escrava ou criada pa-
ra o servico de cosinbar e lavar : oa roa Formosa
n. 15,1* andar.
Preria-se alugar um sitio na ex-
'ei'cio da lio ha frrea a Apipucos :
meni tiver algom dirija se ao escrip-
torio o. 4, a ra do Crespo.
jflQl
Ama de lete.
Predsa-se de oro ama de lene
Corpo Santo d. 17. 3* andar._____
na pra;a do
~H~Pa se 1:0004000 a premio de om e meio
por cenio, dando-se penbor de ooro oo prata ;
qo^ra pretemler dirila-se ao paleo do Carmo ao
Sr. Jos Jjaquim da Silva Guimares que elle dlra'
qoem tem o dinbeiro para o contrato. _^_____
Precisa-se de urna criada para casa de pon-
ca familia : a tratar na roa do Impivador n. 32,
|QJ- _____________________________________'
Precisa se de 3 0004000 a 2:5004 a premio,
com hyp"thera ero cosa terrea edificada a moder-
na, na fregaeiia da Boa-vista : dirijam-se os pre-
teDdfDtns a travp*sa do Oovjjor. raoa do c rripiro.
Ama
Paga-se bem a ama ama
oa roa da Roda o. 38.
de Itile
que leoba bom leite
Eu^eutio
Arrenda-se oa vende-se multo barato os enge-
nbos S. Bnaventora, moente e correte, novo e
com moitas mata, distante meia legoa i estacan
d estrada de ferro, do Ribeirao : bem como o en
geoho -aero em Ipojoca, b>-m coxhecido por soa
bendade : of preteodeotes dirijamse a roa do Ll-
vratneDto b. 19.
ment de aiambiqoes, bombas de japy e aspirantes
para os senhores de engennps se proverem de taes
artigos cora pouco diobeiro, sinos de diversos ta-
maohos, fer^o em barra, em arcos e folba, fugdes
de ferro e urna iniloidade de objeclos, que ;e torna
enfadonho enumerar.
u Dr Joo Bautista Casao-va
pode ser procurado a qualquer bora em sea con-
sultorio bomnopaihico, largo da matni de Sanio
Antonio o. i.
o mesmo consultlo tem sempre grande sor
timeoto de medicamentos de bomeopatbia de We-
bere Catellan, lano em globolos como em tlotnra
assim como t^m ora sortimento de ferros de cl-
rorgia em cartelias e avalsos do afamado Cbar-
rier de Pars.
Antonio AoioDes da Silva, morador na villa
de Pao-d'Alho, scieoiifica ao publico que com>jr>n>
ao Sr. lote Francisco Piohoiro Ramos, a parte da
casa qoe o mesmo Sr. Ramos possala na ras da
Gloria desta cidade n. 114 por escriplura publica
passada na villa de Pao d'Albo, tabellio Rangel.
O abaizo a do primeiro casal, v-nd.i oo Diario de 21 om ao-
nuncio em qoe se pdera em leilao a refloagio s pa-
dara da roa da C ncordia o. 9 a Palma o. 10,
declara qoe nioguem pode fater negocio algom
com dita padana sem se eoleoder com o abulto-
assigoado, porque nio sasuMocaco d) estabe-
eimeoto oao ple ser feita sem sea consentimeato,
como as obras do mesmo esio sujeitas ao paga-
mento dos alogoeis do predio devidos desda o !
de j.opirn do correte aooo.
Recife 8 de ontobro de 1867.
Dr Pedro de Aitahyde Lobo Mhcqso.
No dia JO do correte, fogiram do eogeoho
Para' fregoeila de Ipojuca, os escravos Loix, cabra,
alio, ebeio do corpo. de Idade de 30 aooos, pouco
mais oo menos raaces do rosto alta, pooca bar-
ba e costoma rapa-la ; e Delfloo, mulato arja, pes-
mco eorogado e piolado, pos bastante crlvados de
marcas de bixos, pie ler 10 aooos pouco mais oa
m^os de idade : qoem os pfgar podera" leva los
em tlito engeobo, oo oesta praca de Recife na roa
da Croa o. 30, so Sr. Aoiooio Cllmaco Morelra Tem-
poral, qae sera' recompensado.
Procopla Rosa de
ral ao Rio de Jaorlro.
Jesos, subdita portugoeza
Precisa se de om caiieiro de 12 a 16 anoos
para taberoa, daolo flador a sua coodacia : a tra-
tar no piteo do Torgo d. VS, cas de barbeiro.
MBIHDO 1
t
V,



Burlo Je retiumbmeo Qnarfa '* S de O ti labro de 1867.



N,2D ^ N. 2 Di
< OIMf AO E URO. ^jfcJS
A loian. 2 D intitulada Coracio de Onro na roa do Caboga, acha-se d'orsi em diante offerecen
Jo ao rVpeittve publico com especlalldade >s pescas que honran, a moda os objectosdo olt.mo gos
* 'a Parte) per meos 20 por cenio do que emootra qualqoer parte, garantrodo-se a qoalidade ea so
* OnnSttTel publico avallando o desejo 40* deve ter o proprieUrio 4o om novo estabelecimen-
io aUs M?wKlbaole8,emeralda rubina e perola ; verdadeiras em agarras modernas pe.
dtaiBKwd^O#, brincos modernos de ouro e coral para menina pelo preco de Z*. maracas de
SrTa com cabos de marBm e madreperola obra de moderno gosio (o qae o encontrarao no coracio dt
TORardVouro com a competente crestona ricamente eofeliada pelo pequeo preco de 12*, brin-
cade om trabalbo perfeito por um mdico preco, cassoletas, tranealkis pnlceira*, aloetes para re-
tos eoatros modelosudo de alto gosto, aneis proprios para botar cabello e firma, dito para[ casa-
men^ no artifo rosea temo Coraco de Ouro um completo e bem variado sortiraento de diversos
?S bultos para pnnbos com diamante, rublos e esmeraldas, obra esta importante )a pelo sea va-
jV^dot gosto ds deseono, brincos a forma da delicada mosloha de moca com piogeote cooteodo es-
meraldas rubros, brllbantes, perolas, o gwto sublime, alnete para grvala 00 mesmo gosto, relo-
tios para senhora cravados de pedras preciosas, ditos para homem, diversas obras de brilhaotes de
oito gosto, erosionas de rubios, esmeraldas, perolas e brllbantes, aneis com letras, escoletas de
erystal e ouro descoberta para retrato (a ingiera) briocos de franja, ditos a imperatnxe toda e qoal-
quer joia, para secolocar retratos e obras de cabello, e ootros milito* objectos que os preteodeotes en-
contrarao no Coracio de Ouro que se conserva com toda a amabilidade aos coocorreotes deixanao-
se de aqu meoelooar precos de certos objectos porque (desculpem a roaneira de fallar) dtsendo-se
proco lalvex alguem faca mao joiio da obra, por ser tao dimioou qoanUa a vista do seu valor.
Na mesma loia compra-se, troca-se ouro, prata e pedras preciosas,e tambem recbese concer-
t*, por meos do que em outra qualquer parto, o do-se obras a amostra com peohor, conservando-s
Coraco de Onro aberto at as 8 horas da noile. .,__ an_ ,, _.,,
Qualquer pessoa qoe se dirigir ao Coracio de Ouro nio se podera eoganar com a casa, poli
BOU se na sua frente um coracio pendurado pintado de araarello, alem de outro que se nota em um
rotlo (Isto se adverte em conseqoencia de terem ja' algumas pessoas engaado com outra casa.
il HA m US BARATO
Que um" elegante estojo para viagem
CONTENDO:
l20 cadernos de papel branco, pautado, boira dourada, marcado com as ioiciaes do com-
prador.
9*<00 eovelopes braoeos.
3a100 penas de ac (m rea lacea).
4 I caixa obreias de gomma.
5*I tloteiro de vidro com lampa de metal.
6*1 arieiro dem dem.
7*1 pao de lacre.
8*-i cao!vete de doas folbas.
!>2 lapis.
10*2 cacetas.
Todos estes objectos reunidos, dentro de ama booiU caixa, feia para este .flm, costam apenas
RS. 60000
iuuu mmm.

OTYIftJttla.
Kua lar#a do Rosario n. 37
Coot'mua-se a alagar-se espacosas salas e qoartos mobiliados, recebem-se pencioois-
tas para servirem-se comedorias com asseio, e leva-se tambem ao domicilio.
Ha para vender conse.ativameote de noite, excellente e variado sorvete, e a toda
hora verdaeiro e fino chocolate espanbol.
Naroa Nova o. 46 desfijase fallar ao Sr.
Amanlo, estudante do quarto aooo._______
lose Vital de Negreiros, com kja e
offiema de ourives a ra do Imperador a.
30, previne ao respeitavel publico que se
acba cora grande sortimento de joias novas,'
de variados gostos, o que est vndenlo por
todo o preco que o* freguezes queiram, as-
sim como concerta toda e qualquer obra por
mais QKliliadas que estejam, cujos precos
convidara, garantindo-se a presteza e segu-
ranea do trabalbo:
Coocertos em trancelins e cordes
co n cor........I #000
Dito em pulseira, alfiuetes e rosetas
ficando obra nona.....#ooo
Dito em aunis," dedaes, lequesde ma-
dreperla ou sndalo .... l<5ooo
Cravar bruhantes ou diamantes. jjooo
ma pedra qualquer.. .' 633o
Limoa se fcaixe!lds completas por iiooo
Pecas avukas, 12 colberes para cha ou
opa por......,. -v'ion
Urna salva para um copo. 632o
Urna dita para dous dito. ti o
Diia para tres ditos. 16000
Anael em ponteira de espumma. 23<>0O
Alaga-se para passamenlo de fesla,
ama casa no lugar da Capunga, acabada de
novo, com frente guarnecida de azulejo,
com portao de ierro ao lado, cacimba, tan-
que, algrete e um pequ-no sitio murado,
a qual offerece commodos suficientes para
ama familia: a tratar com Paulo Jus Go-
mes, ra nova de Santa Hita n. 13.
Perante o senbor juiz de paz do 1"
districto da freguezia da Boa-Vista, devera
ser arrematadas nu dia 23 do crrente, 12
odeiras de mouoo, duas ditas de bracos, 1
sopb, 2 contlos e 1 meza redonda -com
lampo de pedras; penboradas a Olympio
Ferrcra da Silva; ultima paga, por eiecu-
,cSo de Marques, Gomes jt C.___________
Na praca da ludeptind^ncia n. 33, loja de
oarives, compra-se ouro, prata e pedras preciosas,
e tambem se faz qualquer obra de encommenda e
iodo o qualquer concert.
"~ Fogiram do engenho S. Beot, sito na fre-
gosla da Loz, no da 12 do eorreote, dons escra-
Tof, sendo om de boa altura, seco do corpo e do
rosto, barbado e ja' pintando, teodo falla de den-
tes, muiio ladino e curtes, e outro tambem creou-
o, aliara e corpo regular, rosto um poneo largo,
pouco Uarbao, porem de barbas braocas e falla
de deoteg, a barba piolando, folla branda o riso-
nb >, teodo os t>s mudos felos e os dedos polle-
gar ou grandes torios para deotro, sendo, o pri-
sneiro de oome Marcos e meKtre de assucrr, e o
aegoado de oome Antonio e carreiro ; qoem os
aprehender leve-os n reffArido eBg--nho ou a rna
doCalderelro, ao Sr. Francisco Qoinlino Rodri-
gue. Eleves, que sera* generosamente recompon
sado.
Saq\
jues .
Joaqoim Jjs Goocalves Beltrio saca
boa e Porto : a' roa do Trapiche o. 17.
D.-se O' 00 mcusaes pelo .servico de orna
eserava que eotinne e en'saboe : oa roa do Ran-
gel o. 9.
COMPRAS"
Frata
Compra-se nacional oo estrangeira com maior
premio de que em ooira qu Iqoer parte : na pra-
ca da Iodependnncia n. 22.
Ouro e prata,
Moedas de ouro e prata antrangeiras e oacionaes
de lodos os valores ; comnram-se na loja de ouri-
ves ao Arco de Noasa Seohnra da ConceifSo da
ponte do Recife, assim fioroo ouro o praia em obras
velba, bn hantes dlam^otee, pagando melbor do
que em outra qualquer parte.
Compram-se
com premio maedas de ouro e de prala'nacienaes
e esiraogeiras: na roa da Cadeia do Recife o. 16
armaiem de Adriaoo, Castro de C
Cjnpra-se por mais do qne em outra qual
quer parte, prata brasileira e estraogdra, Obra
esterlinas, moedas de 9A e ICft porioguezas, d
St, 105 e 205 braslleiras ^e >e trocam sedla
das canas tiliaes do Rasco do Brasil : oa ra da
Cadeia dofiecife n. 88, uvi de atole)).
Corovra-se urna eserava ssdia qae cozmbe e
engoman : n i roa da Puna n. 23, i* andar.
Moedas de ouro.
Nacionaes e estrangeiras assim como libras
esterlinas : ampram-se oa roa do Crespo o. 16,
primeiro andar.
Compra-se ouro e praia em obras veibas :
na nraca da IndeDen',"':c:a 22.
MOEDAS
de ouro e pmta
Compram-se moeJas de ouro nacionaes e eslran-
geiras, bem como patacoes dos diversos conbos :
em casa de Adamson, Howie & C, ra do Trapi-
cfce-oovo o. 4h________________________________
Moedas de prata
oaeieoae3, assim como paiacdes portugoezes e
hespanbes, compram-se com premio : oa ra do
Crespo n. 16, primeiro andar. _________________
Com malta vaaf agem.
Compra-se por mais premio que em qualquer
outra parte moedas de prata e ouro; a ra do
Crespo n. 19, loja.
Comprase
Cobre, lalio e ebumbo : no armazem da bola
amarella no oito da secretaria da policia.________
Maior vantagem
O corat-So de ouro roa do Cabug n. 2 D, offere-
ce-se em compra das moedas de ouro e prata.__
Bomba
Na ra da Imperatriz ioia o. 28, comnra-se orna
bomba de cacimba, qne esteja em bom estado.
Compram-sc escravos
Silvino Gnilberme de Barros, compra, vende e
joca effeetivamente escravos de ambos os sexos
de todas ai idades: a' roa do Imperador n. 79,
ereeiro andar.
^VENDUS
Pichincha era casimiras a 1,s800 so o
Pjivo.
Vende-se urna gradde porcio de casimiras supe-
riores enfesiadas, sendo escoras e alegres proprias
pita calcas, polelots, coleles e roopas para meni-
nos pelo baralisaimo preco de 1800 o covado on
a 3200 o corte de calca, grande pecbmcha na
loja e armaiem do Pavo : ruada Imperatriz n. 60,
de Gama & Silva. ____ "
Potassa da Rossia
E' a qoe se vende por preco o mais barato por-
que a mais nova qoe esiste oo mercado clrcoms-
taocia essencial que este artigo demanda para pro-
duzT o tflViio desejado, A vista qoe aprsenla a
barrica qoe a conlm cooorma o ter ebegado ao
mercado mais recentemenle possivel : no arma-
zem de assocar de Jo- da -Uva Loyo Filbo & C.
Vende-s om piano.im bou estado e nma
macbina de costara multo forte; na roa oo Impe-
rador n. CO, 1 andar.___________
, Borros
Veodem-se tres burros mnito boos ; para ver
oos Remedus, sillo do Tenorio ; para tratar na
ra do Crespo n. 16. !. andar
Veode-'e um terreno em Cacbanga' com
frente para a estrada qae segne para a Varzea (co-
nbecida por estrada d agua frrea) cujo terreno
tem 90 palmos de frente e 250 de fondo : a tratar
na roa do Amorim n. 37, armazem. _________
No armaiem n. 16 da roa do Imperador
compra-se moris usados e novos.
Compra-se umbalcaode ama ral lo quj sea
grande e leoba volta: oo largo do Paraizo n. 36.
4TTENC0
No armazem de fazendas dt
Sant<>s oelho, ra do Quei
mado n 19.
Bom e barato
Lansinhas Poil do Chvre a W o covado.
MadapoUo enfestido a8ja peca.
Gambraia de coros matisadas nnissimas a
800 a vara.
dem brancas transparentes fioas do W,
5,5000,60,70, 80 e 90ooo a peca com iG
jardas.
dem branca tapada de 80 e 90 a peca
com 12 jardas.
dem branca franceza mu lo larga a 90 a
peca com 8 varas.
Baldes de 35 e 40 arcos nesgados para
senhoras, a 40500.
dem de mursulina nesgados a 50.
dem de crochet a 50.
dem de mursulina para meninas a 30 e
305oo.
Saias bordadas a 50.
Cambraias admascadas para cortinado a
120 a peca com 2o varas.
dem para forro a 30 a poca com 10 jar-
das.
Gambraia de linbo mnito Gna de 60 e 90
vara.
Madapoibes finos de 60, 70, 80, 90,100,
110 e 120 a peca.
Platilba de algodio superior fazenda para
saias a 30200 a peca' com lo varas.
Cuberas de chitas de ramagem a 206*o.
Lences de bamburgo fino a 20400.
dem de bramante muito fino a 30200.
Pannos adamascados para cobrir mesa a
05OO.
Gnardanapos de linbo adamascados a 40
a duzia.
Atualbado adamascado com 7 1/2 palmos
de largara a 20 a vara.
dem adamascado de linbo com 7 1/2 pal-
mos de largura a 30 i vara.
Algodao entestado com a mesma largara
a 10lta vara.
dem trancado de algodao a 10600 a vara.
Toalhas aicocboadas de n" o lisas a 110
a duzia.
dem de algodao felpudas a 130 e 140
a duzia.
Colchas de fustao a 60.
Lencos de cambraia brancos finos a 10800,
20~e 206oo a dazia-
Lencos de cassa fimssimos a 30200 e
3060. a duzia.
Fil de linho liso a 8oo a vara.
dem com salpicos a 10ooo a var
Grnsdenapies preto bom a L08oo, 20 e
208oo o covado.
Morantiqoe preto superior a 208oo o co-
vado.
Flanella de todas as cores a 800 rs. o co-
vado.
Tarlatana de todas as cores a 8oo rs, a
vara.
Bramante de linbo com 10 palmos de lar-
gura a 205oo a vara.
dem de linho com 5 palmos a 102oo a
vara.
dem de linho com 31/2 palmos a 8oo a
vara.
Riquissimos basquina a 250000.
Assim como outras muitas fazendas qne
ge vende por menos que em outra qualquer
parte, e d-se amostras de tudo,
tmenlo
Vende-se cimento Portland no armazem e
Vicente F*rre(ra da Costa Si Filbo, ra da Madre
de Dea* o. 22,
ARROZ M CASCA
Vende-se em saceos grandes a 40500 : no tra-
piche do Cunna.___________________________________
4 ttencom
Vende se urna mulata, a qu-l engomma, cose,
coetaba e lava com perfeicao : a tratar oa roa da
Cruz n. 22, botica franceza._______________________
Vende-se um caroeiro graode e muito gordo
proprio para enancas mootarem por ser multo
iii-itis-j : qaem pretender dinja-se ao largo da ma-
triz da Escada, a fallar com o saebristo.
Carnauba
Vende-se cera de carnauba em saceos, sendo de
superior qualidade : oa lo} dn Pavo roa da Im-
peratriz o. 60, de Gama & Silva._________
Attenc&o
Cali e Lisboa aova, a ultima ebegada.
Men irlo.
Loona da Rnssia.
Cabos de linbo.
Liohas.
Viobo do porto em barris de 10* e em garrafas
Pospboros de seguraoca.
Na ra do Vigario n. 19, primeiro andar.
Directorio parochlal~
ou
Novissimo manual dos parochos
obra utilissima aos paroebus, seus coadju'.ores e
a es sacerdotes em eral.
Um volme preco 65.
Veode-se na iivraria Econmica ao p do arco
de Santo Antonio._________________________________
loja de joias a rna do Caboga n. 2 deno-
minada Coraco de Oun. acaba de receber da Eu-
ropa, um grande surnni-nt > de joias de apurada
gosto e vende por preco rasoavel.
Vende se urna cama de ferro, de casado, bas-
taote larga : na roa Nova n. 85, loja de trastes.
Vndese um seiin i ingiez com seos perten-
ces : na ra estrella do Rosario n. 16.
Pechkcha
Vendase a armaco ? ou com os poocos gne-
ros qoe lem ; as Cinco Pomas n. 68, a praso on
a dlnbeiro ; pecbiocba:_________________________
Ao grande bazar
Nova e til iavenc; o para as casas de
familias*
Machinas econmicas de fater massa para pao,
blscontos, paste s, bolachiobas etc.
Participamos au resucitavel publico que acaba-
mos de receber pelo uln no paquete americano es-
tas importantes macbina: muito proprias para ca
sas de familia. A graode aceitaco qae estas ma-
chinas tem udo ero toda a Europa o nos Estados-
Uoidos se loroam recomiaendaveis.
gfjSo de muita oiiiidade pela facilldade do seu
trabalho e limpeza com qoe fefto ; qualquer pes-
soa p-ide apropiar em 10 miouto* qointe a viole
libras de massa sem se fitigar, e muito mais bem
preparada do qoe pelo li b;ID braca!, sao tam-
bem recomineodaveis aos Srs. fazendetros aonle
nio ha recursos de obier-sa pi fresco iodos os
das.
O agente destas importantes machinas para todo
o Imperio do Brasil o Sr. A. A. Generoso "Es-
IMJa.
Convidamos as pessoai que quizerem etamioar
o trabalbo desta* machn'Urigirem-se ao
CJraude bazar
Ra N .va n._22!_________
Liquidado de roupas fetas
Pnc-s hiratisims
A RA NOWA. X. 26.
Neste estabelecMnenu s eocootra urna graode
qoaotidade de rooo*s fe las de todas as qualidade..,
que se veodero p >r barjij^joios precos para liqui-
dar a roa Nova o. 26.
Fabrica e fundigo de bronzc&
t outros metaes, caldeireiro,
laioeiro, e funileiro, situada
na Soledadef ra do Prin-
cipe n 3, e com deposito na
ra Nova n 38, da cidade
do Recife
DE
BRAGA &SAMPAIO
Fabricam-se neste importante estabeleci-
meoto todas as obras concernentts as artes
respectivas como sejam:
Alambiques de todos os lmannos em
feitios, os mui acreditados aparelbos de
Derosne com as diraencoes delicadas dos
fabricados em Franca.
Fabricam-se avulsas quaesquer pecas des-
apareaos, como sejam o dilatador, ratiflca-
dor e condensador, oo esqnenta girapas,
res fr i ador, serpentinas interiores.
Fabricam-se bombas de todas as dimen-
cOes e qoalidades, pelo systema francez oo
americano, simples, de pressao, repnxo, e
com speciaiidade a estanca rios assim -9p
nominadas pelo enorme volume de agua
qne absorvem calculada em 100 pipas por
hora, e das quas algumas estao promptas a
serem experimentadas.
Existeta bombas por este systema, me-
nores, para regar sitios, garantindo-se nao
s sua duragao como a grande quantidade
de agua que fornecem pelo que s3o cous de-
radas boje as primeiras bombas conbecidas.
Todas as mais obras se fabricana vonta-
de dos freguezes e a sen capricho.
Exibtem sempre promplos no deposito in-
dicado na ra Nova n. 38, um completo sor-
timento de obras solidas, bem construidas e
a precos rasoaveis, como sao alambiques,
serpentinas, taxos, passadeiras, reparlidei-
ras, escumadeiras, cocos, caodeias, e muitos
outros ulenc'lios proprios para engeobos,
como sejam mancaos de bronze, parafuzos
para rodas de agua e outroe.
Cavilhas, machos para lemes, pregos de
todos os tamanbos e para o forro de cobre
de navios.
Aprompta-se tudo quanto diz respeito as
obras de latao torneadas e polidas com toda
a perleicao.
Vlvulas para tanques de banbo, torneiras
de todos os tamanbos e qual idades, assim
iomn iodos os ornamentos para militares,
botoes para farda, aparelbos para barretina,
nmeros, espheras, espadas, cornetas, alam-
padas turbulos, caldeirinbas, navetas, almo-
farizes, perfumadores.
Obras de folbas de (landres de todas as
qnalidades, babs, bacas, bules e outros
ntencilios domsticos.
Lampies para gaz para engenbos, folha
de flandres em caixas, folbas de cobre e la-
ti, tubos de chumbo para eocanamentos de
todas as dimences, folbas de zinco, estanto
em barras e verguinba, lancees e barras de
chumbo, vidros finos para espelhos, de co-
res, bordados, e opacos, e outros para vi-
dracas, diamantes para corlar vidros, cadi-
nbos ordinarios e de patente, rea para mol-
dar, folie para ferreiro. lavatorios com ba-
cas e jarros, trra podre e outros inumeros
objectos proprio de taes eslabeiecimeotos.
Sendo todas as obras inspeccionadas e
follas sob a direccao do socio administrador,
Jos Baplista Braga o qual se ada de novo
especialmente incumbido da gerencia de tao
importante estabelecimente, isso urna ga-
ranta pela sua longa pratica, que tem os se-
nhores freguezes de que se.ro servid is a
contento, com promptiaaoe preco commo-
do, pelo que os proprieiarios Ihe sero agra-
decidos.
Miudezas baratas,
LOJA DE SOUZA SOARES 4 IRMO
Kua \ova n. 8.
Rosetas de cures, em eaixinhas de urna duzia
a 11503.
Brincos a balao de coresduzia a I JOCO.
Grampas com cabeca de vidroduzia a 160 rs.
Aelheiros de metal, sonidos-duzia 4)0 rs.
U'los de madeira, piotid sduzia 240 rs.
B< zia de pares IJ900.
Ditos de maoreneroia para camisa(rosa 500 rs.
Ditos Libras de lioha, primeira qualidade em novel-
Ios, sertido, a 23500.
Libras de dita, segunda qualidade, em novellos
sortidos a iJ e l500.
Canas de dita com 50 novellos a 640 rs.
Ditas de dita do gas cum 40 novellos a 800 rs.
Ditas de dita de marcar a 240 rs.
Ditas de dita branca com 10 novellos grandes
aSOOrs.
Duzias de carros de lioba de 100 jardas a
360 rs.
Dotias de ditos de llnba de 200 jardas a i200.
Duzias de carioes de dita prela e branca a
160 rs.
Miadas de lioba de rom a 150 rs.
Caixiohas com soldados de chombo a 120 rs.
E-pelnos com moldura dourada a 120 rs.
Penies de lago dourado para coco a 500 rs.
Ditos de laco liso para'dito a 440 rs.
Ditos donrados com floresduzia a 25400 rs.
Ditos de bfalos muito bons para alisardnzia
2400.
Ditos de cbifre, fateoda boaduzia i JIOO.
Dedaes amarellos e prateadosdutia 240 rs.
Alflneles em cartas de 14 pentes a 120 rs.
Duzias de calimbas de clcheles a 640 rs.
oxias de candes de dilus a 600 e 900 rs.
Espoletas verdadeiras B. B.cana a 100 rs.
Pecas de Ou para coz, larga com 10 varas a
500 rs.
Ditas de Ota de seda o. X com 8 varas a 260 rs.
Cadaco branco para seroulaspeca 50 rs.
La de todas as cores para bordarlibra 6J500.
Pecas com 10 varas de labyriolo Gno, sorti-
mento estreno a 14500.
Pbosphoros de cera em eaixinhasduzia 360 rs.
Ditos de pi encerado sem cbelro-dnzla de ca-
lionas 360 rs.
Cartllbas da doutrioa cbrlsta a 320 rs.
Ubreias de colla em eaixinhasduzia 320 e
500 rs.
Sabooetes finos para mosduzia 800 e 1 000.
Pacas e garlos, cabo de ossoduzia 2&500.
Fivellas para cintos, polseiras, perfumaras de
todas as qualidade, trancas, meias, etc., etc., *
lodo o mais qoe seja tendente ao sortimento de
miudezas, ferrageos, quinqntlharias e candieiros a
gas.
Garante-se sincerldade e barateza oos precos.
ALMANACH
DE
LK.JHB RANDAS
LUS0-BUNIUIK4
Para 1868.
POR QAST1LH0.
Veode-se oa livraria Econmica defroote do arco
de Sanio Antonio.
Farinha de mandioca
igual da Muribeca, lem para vender no
seo escriptorio Joaquim Jos Goncalvas Bel-
tr5o : ra do Traphice n. 17.
A #1)110
Cal de Lisboa
LOJA DO GALLO VIGI-
LANTE RA DO CRES-
PO N. 7.
Os proprietarios deste mnito bem conhe-
do estabelecimento lem a satisfaco de levar
ao conheciment do respeitavel publico que
acabamde.receber pelo ultimo vapor da Eu-
ropa um grande e variado sortimento de ob-
jectos de inteira novidade, dos qoaes se lt-
mitam a mencionar apenas um peque o nu-
mero ficando o respe tavel publico na serte-
za de que neste estabelecimeuto sempre en-
contraran um c tupelo sortimento de arti-
gos de gosto e inteira novidades como sejam.
Ciatos
Os muitos desojados cintos com pontas,
bordados a vedrilho, fazenda de muito gosto
e completa novidade, respeito a estes cintos
nao fazem observarles c sim deiamos a
apreciarn d s esclarecidas freguezas isto s
no Gallo Vigilante na ra do Crespo n. 7.
Leqnes
Muito lindos leques d'osso, madeira, sn-
dalos, e madreperola ; pretos, brancos e de
cores, e muito se toroam recommendavel
pelas bonitas paisagens.
Flres
O melbor que se pode desejar neste arti-
go as quaes parecera natnraes assim como,
tambem recebemos orna pequea porco to-
das pretas e se vendem na loja do Gallo
Vigilante ra do Crespo o. 7.
Capellas
Mui (indas gnnaldas brancas e de cores
aquellas para noivas, e estas para bailes, ca-
samemos e baptisados.
Lavas
Luvas de todas as qualidades para se-
nhora, homem, men as, sendo de algodio,
o da escocia, seda e pelica muito fresca e
do fabricante Juuvio, paree -nos que nao ha-
vera quem ignore que por todo os vapores
da Europa o Gallo Violante, recebe grande
quantidade desie artigo e por isso sempre
tem sortimento a. voutade do comprador, e
tambem nao se valle da falta o seu preco
sempre o mesmo.
Pentes
Muito bonitos pentes de tartaruga para
coque e alizar os cabellos, assim como para
arregacar os mesmos e muitas outras quali-
dades.
i:stOV38
Grande sortimento de escovas, para roupa,
cabellos, chapeos, dentes e uobas, sendo de
osso, bnfalo, baleia, marlim e madreperola.
Mavaibas
Superiores na/alhas pequeas para bar-
ba sendo cabo de marbm, tartaruga e ou-
tras qualidades, as quaes o fabricante ga-
rante a boa qualidade.
Abotaaduras
Chegarara as nui liodas guarnieres de
botes para colle es fa/.en ia de gosto, assim
como grande sortimento de bjtes para pu-
nhos.
Cegou afinal
A pomada galopean
para cora rpida e completa dus callos duros.
VENDE-SB NA
Botica e drogara
M
Bartholomeo C.
34Roa larga do Rosario34
Terrenos
Antonio Botelbo Pinto de Mesqulta contina a
vender terrenos no seo sitio do fuodo, antes dt
chegar em Beberibe, abrindo urna estrada oo mes-
mo sitio, que a (ravessa o rio de Beberibe, segne a
do encanameBto das agoas que vo foroeeer eo
Olinda; no mesmo-sitio achara' com qoem tratar,
nos domiogos e das uteis, ou no Recife, roa ds
Cadeia, loja de fazeodas n. 54 A.
Vende-se por preco commodo nm escravo de
40 annos, boa figura, robusto, e proprio para
qualquer servico : a tratar na travessa do Carioca
o. i, caes do Ramos.
Vende-se por preco commodo por carecer de
alguos reparos o cotr nacional Erna, que se
acha ancorado defroote do Caes do llamo-: a tra-
tar oa roa da Concordia, casa nova defroote do
sobrado n. 15, ou na Praca de Pedro II, livraria
da Infancia.
Veode-se urna mulata que cozioba, lava e
engomma, e faz todo o >errico de casa, mnito fiel ;
a pesso que qolzer, procure nesta lypographla,
qoe se dir' qoem vende.
Calcado barato
Borzegnlns de pellica para bomem a 7.
Dito de bezerro para dito a 6.
Dito de seobora a 41.
Dito de menina a 24.
Na prsc* da Independencia n. 37 e 39.
"VENDE-SE
ama barcaca nova, construida o aono passado,car-
rega 36 caixas, e cha-se fundiada oa escadinba :
quem a pretender dirija-se a roa do Crespo o. 11,
qoe achara' com quem tratar.
Carro novo
Veode-se um-carro de 4 rodas sem ser piolado
e forrado : para ver e tratar na roa do Jasmim
n. n,____________________________
Vende-se urna taberna das melbores de S.
Jis oa roa do N<>gueira o. 49, propria para pro-
gresso e commodos para graode familia,
Vende-se nina armado de taberna por pro-
co barato para qualaoer principiante : a tratar
na ra Imperial n. 177, taberna. '
Itval sem segundo.
Rna do Que I mano n. 4.
Quer acabar com as fazeodas abxiit
mencionadas.
Qneiram vir ver qne bam o baralissime.
roaihas de labynnlho com bico, fazeo-
da boa a............. 3*000
Car retis de llnba com 100 jardas a 30
Grvalas pretas e de edres mnito finas a 500
Caixas de obreias de massa muito novas a 40
cofiadores para spartilno de cordio %
fita a : 7......... f 0
Carretelsde llnba Alexandre com 400 jar-
das a ... ........... XJO
Sabooetes moito fiaos a 60, 160, 200 e .320
Ditos de bolla mnito finos a 240 e 320
Viadas de lioha froxa para bordar a *0
Varas de cordo para espartilho a 20
entes volteados para regacar cabello do
menicas a............ 320
"rseos de macaca' oleo muite fiao, a fS>
Abotoadoras moito finas para colletes a OOD
Candes de boba branca e do cores a jfl)
Libra de ara prett superior a..... ifv
scovas para fato, fazenda boa, a 50o
Varas de fraoja branca de linbo para
toalbaa.............. *
Pecas de bico estrello com 20 varas muito
bonito a.............. i#O00
Varas de papafioa de dlffeientes largo-
ras a 120,160 e........... 200
Caixas de palito balio a........ 40
Canas de palitos de secoranca sem en-
chjfre a.............. .50
S.bonetes de familia a 100,160 e ... 240
Grosas de botoes de madreperola para
camisa a............. 500
Cartilba de dootrioa ebristia '..".. 330
Latas com superior banha a......
Quadernos de papel pequeo superior a
Duzia de baralbos francezes superior 2i
Croza de pnospboros moito superiores lj
Coxis a retalbo do mesmos..... 10
Caixas de pbospboros de velliBba contendo
500 velliohas mallo superiores ISO
Re-roas de papel almaco muito superior 2*500
Resmas de papel pautado superior quali-
dade............... 3*680
ozias de meias para horaem..... 2**.i0
Duzias de meias ernas mnito soperiores 4*0Xw
"" GRiNDt BAZAR
RA NOVA N. 10 E 22
Bren
Cal de Lisboa t m a 45 o barril
Apolle p, k
a 2* a arroba e em barrica por moilo menos : no
armaiem da bola amarella no oilio da secretaria
da polica._________________________________
2;000
Veode-se breo a 2* a arroba o em barrica por
muito menos: oo armasen) da bola amarella oo
oitao da secretaria a pllela.
Na saltana Oa Ba-ViMa logr oeoaminado
P mte velba, vende-so-taboado de amarello e looro
por baraiisslmo prej", tanto m porciJes como
a reulbo, o anrarello lem de comprimeoto mais de
30 palmos.____________^________
"^"Veode-se om eahnolel d 4 rodas e om cs-
a' roa do j vallo superior; a tratar o rna do Crespo o. 16
' 1* andar.
Machinas para descarocar algodSo. dome
Ihor autor que tem apparecido oa America'
E' tal a execucao do m ichnisme, que o al-
godao sahe quasi t5o perfeito como o de bu-
landeira. Recommenda-se a attengao dos
Srs. agricultores, estas machinas.
Vende-se na loja u praca da
ladependenela n 39.
Capellas mortoarlas para serem collocada? em
tumbas, catacumbas e sepulturas no cemiterk) pu-
blico para o dia 2 de novembro (finados) das es-
critcSes seguintes:
M>-n pai.
Miaba mili.
Meu esposo.
Mmha esposa.
Meu trlho.
Mmha Olba.
Saudades.
Urna lagrima.
Amizade.
Meu amigo.
Meu Irmn.
Mmha irmaa.
Na mesma loja lambem tem capellas de pera
marmore obra prima.
Veflde-se on aloga-se um grande sitio no
alto da lodeira do Barro, fregtezia dos A logados,
o qoal im doas moradas de casas e multas fri*-
teiras, come sejam jaqueiras, mangneiras, coqcei-
ros, cajueiros e outras, e muila trra para planta-
Cao : a itaiar na roa da Senzala velba n 8i.
Vende se urna machina a vapor de Ibrea d*
seis cavallos, de perfelta eonstrnecan, com toda f-
ferragem precisa para mover vanas machinas de
descansar algodao ou outro qualquer mister, teo-
do a propriedade de ser fcilmente conduzda por
estar montada sobre rodas. Vende se igualmente
por preco moito barato para liquidar um motor
americano para dons cavados com todos os perten-
res para o mesmo fim, nma prensa de enfardar
aljrodo de systema moderno, e de muita forca e
alguns tonels do 5 e 6 pipas de capacidade, pro-
prios para destilarlo de engenho ou depsitos de
mel : a ver e tratar na fabrica da travessa do Ca-
rioca o. 2, caes do Ramos. -
_PASTILHAS
VERMFUGAS
DE KEMP,
VOTA YORK.
DE COR CHEIRO E SABOR AGRADAVEIS
Infinitamente mais efficazes do qoe todo
os mais remediosperigosos enauseabundos
que existem para a expulsao daslombrigas.
N3e causan dores e produzem seu effeito
sem precisar logo depois de purgante ne-
nbum e taoincitaotes em apparencia e deli-
ciosas em gosto, que as chancas estao
promptas a lomar mais do que marca a re
ceita.
Uteis como um excellente meio de fazer
remover as obstruccoes do ventre, mesmo
oo caso de n3o esistirem verme alguta, as
PASTILHA8VWMIFOAS DE KEMPS SSO promp
tas einfalliveisnasuaoperaco e por todo?
os respeitos dignas deconfianca e appro*
ci de todos os paes de familias. Pr
radas nicamente por Lanman &
Nova York.
A' venda as drogaras de A. '
vo dV C. e F. Maurer & C, e
eslabeleci mentospharmace n''
Fundico dv
Talxas de ferro coado, '
dade superior
^"Vinho 8operJ||^a7T
tem para vendeadintonio '
do & C, oo sejfescripto'

1






Ur!c de Peraai*bB ... Quaria letra 13 de Qumbro de 4867.
-- ... *- J
VfiNHZA
DO
DR. feEVIAL.
Para o tratamento e cura rpida e completa das molestias syphilicas, eris-a-
lt& rhemnatismo, bobas, gota, debiidade do estomago, infinimacoes cbrooicas do ligado
ajiaco, dores sciaticas, cephalalgias, nevralgias, ulceras chronicas, hydropesias, pleun-
sias, gonorrheas chronicas e em ge al todas as molestias em que setena em vista a pu-
rmcacao do systema sanguneo.
Considera toes geraes
. A saude um bem inapreciavel, cuja importancia e valor s est reservado ao ens
fermoo avalia-lo.
incontestavel que o hornera nesle mundo constantemente, por todo os lador
atacado por urna infinidade de agentes morbficos que todos tendero, dadas certas e deter-
minadas circumstancias, a alterar o regular exercicio das funcc5es orgnicas, resultanbo
pesse desequilibrio o que se chamamolestia.
A molestia nao mais do que a desvirtuado das torcas vitaos, occasionada,- d,
.jando as investigaces e experiencias dos mais abalisado mestres da sciencia, pela depra-
vo dos humores geraes, consecuencia da accSo maligna desses mesmos agentes mora e
Seos introduzdos no organismo pelo acto da respiracSo, pela via digestiva, pelo contacto
inmediato etc. etc. etc.
A syphilis infelizmente tem sido a partilha da humanidade, e como lora de duvi-
da que esse terrivel Proteo da medicina urna molestia hereditaria, ella tem sido obser-
vada em todas as idades, e debaixo de todas as suas formas tao variadas, enfraquecendo
-onstituices robustas, produzmdo mutilacoes, e cortando anda em flor da idade vidas
preciosas.
Eliminar da economa esses principios deleterios. e purificar a massa geral dos
aumores tem sido desde tempo immemorial o fim constante da medicina, e os purgati-
vos figuram em primeiro lugar para preencher esse iesiteratum ou fim.
O Elixir depurativo do Dr. Sevial parece merecer a preferencia sobre todos: o
immensos successos obtidos pelo uso deste salutar agenie tanto na Allemanha, como em
franca e Italia, o tornam o companheiro inseparavel dequasi todos os doentes.
Sendo as molestias, como cima dissemos, devidas as alteracSes dos humores, o
Elixir depurativo do Dr. Sevial pode ser empregado vantajosamente na syphilis, erlsy-
palas, rbeumatismos, bobas, gftta, debiidade do estomago, iaflammagoes chronicas do
flgado e baco, dores sciaticas, cephalalgias, nevnalgias, ulceras chronicas, hydropesias,
plearisias, gonorrheas chronicas etc. e em geral em todas as molestias em que se tenha
m vista apurificaclo do systema sanguneo; pois que umapratica constante tem feito
ver que elle indispensavel nos casos gravissimos para minorar os soffrimentos, e pre-
parar o doente para medicaces superiores; e as menos graves a cura a conse-
quencia do seu uso, convenientemente repetido.
As substancias que entram na composico do Elixir depurativo do Dr. Sevia
pertencem todas exclusivamente ao reino vegetal, e grande calhegoria das substan-
ias depurativas e antisyphiticas; assim, ao passo que este remedio depura o orga-
nismo, eliminando os principios-nocivos saude, pelo mecanismo natural das evau-
aces alvinas, neutralisa ao mesmo tempo o virus syphilitioo quando este virjem.
tem feito erupco no exterior debaixo de suas multiplicadas formas; e previne taui
bem os estragos dessa terrivel molestia, quando por ventura se aub ella*anda no
:^ado de encubago, isto sem se ter manifestado sob formas externas,;, beneficio
nfipso, tauto mais quanto oeste estado os individuos igncram completamente, se esl-
o Contaminados por este terrivel inimigo.
O sabor agradavel d'este Elixir convem a todos os estmagos, a sua ,acc3o so-
bre o tubo intestinal suave e benigna, e de nenhuma forma produz mole jUas medi-
camentosas, como acontece ao purgante dito Le Roy, que na sua qualidade de drs-
tico forte irrita a mucosa intestinal, e consecutivamente a seroza, resultando deste es
lado, muitas vezes, hydropesias, que quasi sempre terminam pela morte do doente.
Assim pois esperamos que o uso deste remedio justifique cabalmente as nos-
sas asseveragoes, porque sendo um medicamento tao simples na sua composigao, a
pratica tem confirmado sua ulilidade.
nico deposito em Pcrnambc
Na botica e drogara

DE
Barthotomeo Companhia.
34-RUA DO ROSARIO LARGA34
Ao respejtavel publico pemambncano pede-se
A tten$o
Hacteiga iogleza
320, 500, 800 e i s no ar ai i se acha vista.
Manteiga franceza
em horas 560 e 640, ira barris se far differenca.
Banha de porco
em libras 320 e 380, em porfiSo se far differenca.
Fructas
em calda Pera, Pecego, Rainha Claudia, Alperxe e outras multas 500 e 640 a lata.
Ervllhas
Portuguezas 640, frar cezas 900.
Famo
em latas do Para e de sJbaneque, lata l e i 200.
ttoMna de nallho
em pacotes, dita da trra 100 e 200 a libra.
Vluho
de Bordeaux em caixs a dnzia 50, garrafa 500, dito de 80 a duzia, 800 a garraft, dito a
144 a duzia, 10200 a garrafa, dito do Porto a 80,120, 48S, 24, caixas de dnzia, assim
como figueira caada 30500 e 40, puro J A A Lisboa 20800, 30 e 30500 a qualidade
convida.
1HEL
Vende-se mal i tai do Apollo o. 4.
ai

em lata de 5 galSes e mais pequeas a vontade do comprador, em garrafa.
Alpiste
140 e KOa libra, patnco a 100 a libra.
A i. el te
em garrafas a 800 e 10.
CHARUTOS
em calxa de 50 por U, ditos Delicias, Trovadores e Parisienses em caixas de 100, ditos
da Exposico caixa 50, ditos de Regala caixas com 100 a 20500 e outras muitas marcas
que s na presenca da compradores.
PRESUNTOS
de lamego em barril, utos de fiambre o melhor que ha no mercado por prego que faz
admirar! f
DOCE DE GOIABA
caixes de 560 fino, ditos de 10500 que parece marmellada, dito em latas muitoflna
qualidade 10200.
BOCETAS
com doce se eco a 10 o 20.
QEIJOS
do Alentejoem latas chegadopelo vapor Oneida, ditosFlamengosePratosdosmaisnovos
que ha no mercado.
AZEITONAS ___
de elvas como no mercado nao temos a 10 a lata, em barris do Porto a 10 como n3o ha
melhor.

* mi mmm
PREPARARES FERREAS-HAHGAHCAS
APPROVADiS PILA ACADBMU BB MEP1CI5A
DE BURIN DU BUISSON
Pkarnio6f0, Inrui* pa Icadeih de icej V Ptrii
O eminente professor Troossbao, na ni tima ediclo de sen Tratado de Tktra-
peuttea i Materia medica, reconhece que os ferruginosos simples sSo muitas
vezes ineffieazes para carar as molestias jue teem por causa o empobrec ment
do sangue. Muitos mdicos dos mais distinctos attribuem esse m o xito A aiwwe.
n essas preparacOM, do manganete, que se acha no sangue, como o tem recoascitJ
M chimices os mais peritos, sempre intimamente unido com o ferro. '
B so, prestar-seum verdadeiro servipo aos Sr" Mdicos, o chamar-se sua attencSo
sobre as preparacSes seguintes.
,0 FS fftfrtS Iliailll'nil'ftS dand0 ^mediatamente ama agua, acidulada,
IW iciicud lUailgautS |aZ0Mi gradavel, substituindo com Tantagem
e eeonemu as aguas mineraes ferruginosas.
Pihlas c Xaropc de ienreto de ferro e de manganese inalteraveis
eontendo cada uma cinco centigramos de idoreto de ferro manganico indicadas
parHealarmente as molestias Tympbaticas, escrofulosas, e as chamadas car
crosaa e tuberculosas.
ratees de lactato de ferro e de Batnese j ^^^^

Em liquidadlo.
Roupa feita nacional.
Vende-se calcas de casimira a 50, 60 e
I
2
*
(atia, a leucorrhea, a ame-
norrhea. A indicaclo de
PDias de carbonato frreo manganeo
akeraar eaus dnu preparacoe* di os aoelhores MMltadoa.
O Inrin SSJ^J1^ZL^J"9"*^**' *"? qe elle aa pt gratuiumenle a asa
!fe Pimtmbuco, a seu agante feral, Msar.r O, pharaaceutcos, ra Nota.
M

lilil
O proprietario des.esdousestabelecimen-
tos teodo muita fazenda em ser e desojando
liquidar para vender mais barato que pos- ,
sivel na roa da fmperatriz lojas e armazens 8*j P^1,33 ^ '!e \ cas,.m'" a 'ffiS
da Arara, ns. 56 e 72. ie 35' ditas cIe l)r"n Parl a <5S00, 25i00
,, ', ... e2500; dit^s brancas de linho a 30500,
Alpacas admascadas para vestidos de senho-'i$eH: palitots de casim;ra preta e (e col
ras 5UO e 7*u rs. res a 5jJ> 6^ s& e 10j,. palilots de mea
Vende-se alpacas de assento braoco com casimira a 30, 33500 e 40: >altots de al-
listas e flores lisa c admascadas proprias' paCa de cores e branca a 30500 e 43: palitots
para vestidos de seotnras a oOO, 720 e 800 de brim decores a 25500, 33 e 2?: serou-
rs. o covado ra da Iinperatriz lojas da Ara-; ,ie algodaosinho de linho a 13600, 20,....
ra, ns. 56 e 72. 20500: ra da Imperatriz lojas da Arara
Ditos 160 o covado. V os. 56 e 72.
Vende-se ditos em retalbos a !#>. o -Organds de cores a 640 rs. a vara,
covado, ditos em pe&i a 200 rs. o covalo: Vende-se cassa organdis de cores a 640
retalbos de caca pretil a 120 o covado: re- e 720a vara: talataoa de cores a 8O rs. a
talbosde caca decn.is a 200, 240, rs. o co- vara : ra da Imperatriz lojas da Arara ns.
vado: retahos de ISasinhas a 160, 200 240 86 e 72.
rs. o covado: ra da Imperatriz lojas da ] MadapolSo a 40000 a peca.
Arara ns. 56 e. 72. Vende-se pecas de madapolSo com 20 va-
Brim pardo transado a 560 rs. a vara. ; ras a 45, 50, 60, 70, 80 e 100 : ra da
Vende-se brim pardo com peqneno toque Imperatriz luja da Arara ns. 56 e 72.
*
Veadese na pharmacia de P. Maurer 4 C, ra Nova.
Viriadosortiment de modernos chapeos e cbapellnas da seda, de fll e da palha de Italia,
ir-. j?nh>r* e meoioa.
Sapariores tiras, bjrdadinbose entre melos bardados em cambraia tapada e transparente
Na leja das columnas a na do Crespa n. 13


Antonio Correia de Vasconcellos & Companhia.
i
MOYO DEPOSITO
DE
*
.
>A%a i>ESCABOCAR ALGODAO
Beato de Oliveira Braga,
53-M|DlreItaa.-53
Neste estabelecimento se encontrarSo a
verdadeiras machinas americanas chegadas ltima-
mente, as quaes s5o feitas pelo mais afamado fa-
bricante da America,,, por isso avisa a todas as pes-
soas que precisaren comprar, de se dirigir a este
estabelecimento que comprarlo das mais perfeitas
neste genero, assim como mais barato do que em
outra qoalqner parte, por isso que se 'recebe por
conta propria, bem como canaoe de chumbo e mol-
imos para moer milho, e grande.surtimeato de fer-
ragens e miudezas em grosso e a reUlho.
Facas de cabo branco de mel bataneo a 40
a-dnzia. limas finas de todos os tamanhos;proprias
de trabalbodeeseoJtora.
de mofo a 560, 640 rs. o covado: ra da
Imperatriz lojas ns. t6 e 72.
Lazinhas a 200 o covado.
Vende-se 15asinha; para vestidos de se-
nbora a 200, 240,230, 320, 340 e 400 rs.
o covado : na ra da mperatr lojas da Ara-
ra n 56 e 72.
Cbitas francezas largas a 240 rs. o covado.
Vende-se chitas francezas largas a 240,
280, 320 e 400 rs. o covado: ra da Im-
peratriz lojas da Arara n. 56 e 72.
Mosambique a 400 rs. o covado.
Vende-se roosambi :jue eom palmas de se-
das para vestidos de senboras, a 400 rs. o
covado: e vareja de listas para vestidos de
senboras, a 280,320 rs. o covado.
Sedas escosseza com qnadros para vestidos
de senhoras, a 280 20 rs. o covado: ra
da Imperatriz lojas di Arara ns. 56 e 72.
Arara vende is saias 30500.
Vender saias bordadas para senhora a*
30500, 40, 60 e 70,; aia bailo ou crinolinas
de arcos a 20, 20500 30 e 33500: ra da
Imperatriz lojas da Arara ns. 56 e 72.
As sedas da'Arara 10.
Vende-se sedas de quadrinhos e com lis-
tas a 10, 10200, 10600,10800 e 20, o co-
vado : pupdinas de soda com palmas saltos
para senhora a 106f 0 e 10800, grosdenaples
de cores a 10800 e 20, dito preto a 10600,
10800 e 20: rqa da bnperatriz lojas da Ara-
ra ns. 56 e 72.
Casimira emfestada a 10 o covado.
Vende-se casimira eofestada de doas lar-
guras a 10, 13600 e 30 o covado panno fi-
no preto a 10600, 20, 20500, 30 e 43: ra
da Imperatriz lojas daArara ns. 56 e 72.
Algodosinho a 30 e 40 a peca.
Vende-se algod5osinho a pecas de 30, 40,
50, 60 e 70 a peca ra da Imperatriz lojas
da Arara ns 56 e 72.
Bramante a 20400 a vara.
Vende-se bramante de 10 palmos de lar-
gura" a 20400 e 20500 a vara: ra da Im-
peratriz lojas da Arara ns. 56 e 72.
AlgodSo enfestado a 10 a vara.
Vende-se algodo enfestado de dnas lar-
guras a 10 a vara dito transado 10280 a va-
ra : roa da Imperatriz lojas da Arara ns. 56
e 72.
Cassa ranceza a 240 rs. o covado.
Vende-se cassas de cores para vestidos a
240, 280 e 320 o covado, vendes-se cortes
de cambraia decores e com barras a 20500,
30 e 30500: s nasjojas da Arara, ra da
Imperatriz os. 56 e 72.
Cortes de laa de 14 covados a 30.
Veude-se cortes de 15a para vestidos de
senhora com 14 covados o 30, 30500, 40,
40500 e 50, vende> se cortes de calcas para
homem a 800, 10, 10200 e 10600, colari-
nhos de linho para homem 400 e 5P0, ditos
de papel a 500 rs. a duzia, golinhas para
senhora a 200 e 320 rs. por estes precos as
lojas e armazens da Arara, ra da Impera-
triz ns. 56 e 72,
TRATAMENTO dod- CHABLE, m PARS
Medico especial, contullacAea, n Viviana* *
AVISO W\ DOENTES. ES?
;

SH1
o que de todoa a* aatau am anude nmtro t<
me escrevem :
Nao nInu-
rado, toaMi Cu-
beta, Copahibu
lob Udti a*
formas em opia-
to, capsulas,
eenfnitw, ttnho
__ o etc4Bafo w*r-
curar em 4 das, t eatou ainda mais dneates. -~, i
DA MAIS O AVOS
ui' caro radicalmente tem recahidas, Cor rimemos, Rclaxafo do canal CatarrXo ata ImUji.
eriai lemnaet, curando primelra a causa virulenta indammatoria d'essas doeoca mates,
com algnms Tid ns, do meii dk^cratiyo do-sa^otjc, par* parar esaas afleeeoes, teecar o
caual e lbe tornar a dar saa regidrx dou para acabar neu exeelfente xaropb b cite ato de
fem et minhi injkccao. A cura e radical, as acMioaM para lazea kvaawaa, segucm
o sesmo trataaiate. (Taja-ae a noticia explicativa.)
40.000 DOENTES CURADOS
ferdadaire tritaateato depurativo do unpne di ktrft at au mtvMarnU, tmpt0"-
pmrvloi, ninu, ckagat i affecfu vaaarvM, aunaores, e tedas atdeeacM wm akefta a paren
do saogae ato lamdas eaa penco teape per meu uaora erDTivo ato SANsoa anaa
Avaioe himbiabs, ninbe* pibCLAJ ifOsuTiT* e minka Aetwda aJiTfaimA
Veja aa t Maeira de tratar-ee. A aeticia fie aa da gratas aa deposite de
toa. Eaae ex eeaU tjttaasento ato coateas mereatSd\ ua superiertdade a Hm
nio ha bsm a casa ave posea ceno aa aireittoar Unus atteaiaelea de aamv
IgJarahatoiiiliipliitoa^atoffCt^agariirriipiii!.......
Voitde-se na ra Nora o. 25, pharmacia franceza de
\ MAURER 4 C.
PH4RMCU
DE
Joaquim de Almeida tinto
Ajurubeba contra o ingovgi
lamento do figado e do bago
Em extracto aleoollco, emplas-
tro, oleo, tintura, plalas,
xarope e vluho
A jnrubeba orna das substancias medi-
camentosas que pertencem ao reino vege-
tal, e pertence a classe dos tnicos e desobs-
truentes, sendo empregada com vantagem
contra as febres intermitentes acompanhadas
de engo gitamemo de Ggado e de naco. Ella
tem sido appcada com incontestavel pro-
veito contra a anemia ou calorse, e hydro-
phesia, catharro da bexiga, e mesmo para
combater a menstruago difficil, resultante
da mesma anemia ou chlorose.
Depsitos geraes
Em Pernambueo, ra larga do Rosario
n. 10, Rio de Janeiro, pharmacia do Sr.
Dsurado, Rio Grande do Sol, em casa dos
Srs, Casco & C, Macei, pharmacia do Sr.
Glaudino, no Havre, pharmacia de Mr. Ma-
rical, em Lisboa, na pharmacia do Sr. Feij.
KPharmacla especial homco-
pathlca do Dr. Sabino O.
la. Plnho.
S Cha de 1* sorte para uso das
W pessoas que se tratan homeopathi-
j camente.
Vende-se em pacotes de libra a
m 35-200 rs.
Roa Nova n. 43.
mmmmnmmmmmm
0 cordeiro previdente
Na antiga loja de miudezas a ra do Quei-
mado n. 16.
Teodo sempre em vi-u alo roabar o tempo aos
seas fregueie*, com exteaws aaaaacios ; mas
tambem oo quereado qae os mesmos freguezes
Ignoren] o qae de novo tem elle recebido, por isso
resumidamente o otra': chegando assim ao co-
Dbeeimeoto de toda* qae a dita loja do C -,rdeiro
Prevideate, roa do Queiraado d. 16, recebea o s-
'gaiate :
Bonitas e durad aras ligas de pellica para meias,
I tanto para senooras com) para meninas.
Leqnes de diversos e moderaos gostos.
Feotes com eafeites dourados e nao dourados,
para meotnas.
i Coques simples e enfeltados, moldes InleirameQ-
,te novos.
Bum papel eco caixinbas Uso, pautado doora-
' do e timbrado, e outros mnios objectos, qae mea-
! ciona-los sena bastante enfadmho, e que se ven-
: de era dita loja de miudeas do Cordelro Previ-
deole, ra do Qiieimado o. 16.
M i Aiam rres,
O Cordeirc Previdente a roa do Qaeimado a. 16
tem coolantemente om liado sortimeato da fl
'as bonitas floras, por isso quando algura ba.
bilidosa joven quizer preparar qaalquer eofeite de
h 111 gosto deve logo lembrar se qae Da dita loja
do Cordeiro Providente, a roa do Queimado n. 16,
i nao falta m flores.
Para I vejar os dentes.
I O cordeiro previdente a roa do Queimado n. 16
receben do bem conhecido fabricante Joob Gos-
nell & C. ama ptima qualidade de pos para den-
tes aromatisados com canfora qae realmente tem
j merecido todo concedo porque nao s al veja per-
. fenamente os denles como tambem conserva-os
i sempre no melhor estado de perfeigo, assim pois
j queiram vir comprar ditos pos na Oiesma loja
'do Cordeiro Prevideote, roa do Qneimado n. i6
.Eufeites eom ponas.
U Cordeiro Previdente recebeu am lindo sortl-
mento de enfeite com ponas para vestidos, lano
de seda como de laa que combinara perMtamen-
le coro es cilos moderuos do mesmo formato, por
isso p-.ra poder enfeitar-se com gosto qualquer
ve&tido ndir-pensavel comprar-se ditos enfeites
aa mesma loja do Cordeiro Previdente, a roa do
Queimadc n. 16.
Cbapellnas de seda
Modernas e bocitas ehipelinas de seda para se-
nhora recebea oCjrdeiro Previdente raa do Quei-
Dado n. 16 e por ser pequea a quantidade re-
cebida,' quem pretender ama moderna e bonita |
cliapelina deve apregar se em mandar compra-la '
era dita laja do Cordeiro Providente a roa do \
Q elmado n .16.
CaIXINHAS ENfElTADAS.
Estas maito desejadas caixinbas vasias e enfei-
Udas com goto, que tanta extractad tem lido e ,-
que realmente servem para divers s flns, exislem.
na lija do Cordeiro Previdente a roa do Queimado
o. 16 am completo sort'menio de ditas caixiohas e
sao vendidas por pregos to rasoaveis, qoe t) expe-
rieote fregaez nao objectara' em compra-las em
dila loja de miudezas do Cordeiro Previdente a ra
do Queimado n 16.
PONTE1RAS E CHARUTOS.
.0 Cordeiro Previdente, ra do Queimado n. 16,
tem ura bom sortimento de Boas pooteiras para
charotos, sendo lisas e com figuras em alto rele-
vo ; e para .que os seas freguezes vio se lncom-
modem em comprar charotos em algomas das lo-
jas de cbaroieiros, recebeu tambem um bom sorti-
meuto de fios charutos do afamado fabriraole
Furtado de Simas ; assioi, pois, encontraro os
apreciadores um bom sortimento oa dita loja do
Cordeiro Previdenie, raa de Qneimado o. 16.
Para offertas no hospital por-
tagnez.
Bonitas cestinbas com frucias de cera, obra de
muita ptrfeico e boa gosto.
Para cortar moldes e ea bratbar fazendas
Vende-se papel pardo folba grande.
Para lastrar calcados.
Vende-se soperior graxa econmica.
Vende-se papel paja matar moseas.
A loja do cordeiro providente
Ra do Queimado n 16.
Nella acharoos pretndanles om grande e va-
riado sortlown deperfamariap finas, tanto ingle-
zas como francezas, sendo :
Finos extractos para lencos.
Banbas e pomadas para cabellos.
Oleo pbllocome e baboza para dito.
Pos bvgiemcos para dentes.
unos campborados para ditos.
Opiata ingleza e fraoceza para ditos.
Pacotes com pos de arroz.
vasos de porcelona para ditos.
Saboneies para mi e barba.
E manos outros objectos qae sero presentes
ao comprador qae se dirigir a raa do Queimado
n. 16, loja do cordeiro previdente.
Bamleijas pegelas.
Vendem-sa na raa de Queimado n. 16. loja do
cordeiro previdente.
Charutos
da acreditada fabrica de Jos Furtado de
Simas.
Vendem-se na loia|doIeordero previdente a roa
do Qneimado a-16
Francisco Jos Qermanii
IRUA NOVA N. 21,
acaba de receber nm lindo e magnifico sor
timento de oculos, lunetos, binculos, do al
timo e mais aparado gosto da Europa e ocu
los de alcance para observares e,par
mari timos.
Fundi$ao Aurora em
Santo Amaro
Completo sortlmentc de tallas batidas e fundi-
das, alambiques de iodos os tamanboa fondos da
ditos, moeodis d> todos os lmannos de nperior
qualidade, crivos e boceas do fornalha, o qae lado
se vende por commodo prego.
Vapores.
Vende-se em casa de Sannders Brothers 4 C.
o largo do Corpo Samo n. 11, vapores patentes
om todos os pertences proprios para fazer mover
es on qnatro machinas para dascaroctr ahrodo
>arisT3B. Rut ViTlenne, O"
CHABLE MDECINSPCIAL
AS ENFt&MIUAIUS DES SEXUAS, kS AFFKO
' CUTNEAS, EA '.TERACOES DO SMOUI.
" 30.000 curas uimpingtnt,
pstula, ktrpet, nina,
comtxoa, acrimonia, mh
lereoet,ncio*ai doiang\u\
virus, nlitratom do an*
f.:* :\arope vegetal sem mercurio). BeraratMcc
cee ua viioa iiMRtra tomao-ae dosr
por wmana. segninda o traciamenlo Depurativo :
mprfearto na- mermas molestias.
-Este XaropCitactodefc53
de CHABLE. cara mrnecii;-
lamente qualquerpuroncao,
rslaxacao, e debilidad,
igualmente os /lazo e /toras
trancf as ulliere*. Esta injaccao benijea ata-
tttg-sr coa o Tarop da Citracto de Ferro.
Betnorraadata. Pomada qa u cara em Uea diaa.
POfWIADA ANTIHERPETICA
Contra i as a/feceoes estaada a eomi'xoaf.
PtLULAS VECETA6S /DEPURATIVAS
t- <'bsbie. cada frasco val aecoopaBado da Ut
AVISO AOS SRS. WS1IC08.
| liur* eamrrhoi (o.i 1 roifHrltii lies irrtt-Ji .';*
narvoatfi w '''' t'rG*
cilio i Knl'n -ji .ociirci
itn palo; liS^l-, ., U-:r.t*
urna i iiiln- i-.-h.I a dwlf aaraft* l>' KoBdcr
Dr ciikili am Purii. roa m- '
A venda na pharmacia de P. Maurer t
e C, em Pemambnco.
du SANG
TERDADEIRO LE ROT
da Sldif BT, DotUur-M.d.cin
Ru do Selnaa, 81, di PA.RIS.
Km cada garrafa. Tai, entra a reina e o papel azul
que lera o meu sinete, um rotulo impresao eaa ama-
relio com a SaiM IupaiAl. >o cotilo raAifcri.
If. B. RemeU
f j* tendn-sr urna lettra
'/p^yiO^^^i de CO francos 10-
braParls;acelta a 60 dtas de vista,
aam-iilma.goza-se
do abatlmentn e do
Mis) descasto.
Deposito uoarmacia de P. Maurer i
C em PerDarohi;co.
CASTRO NUNES
Grammatica nacional.
Seita fdicao
1 ooo
________livraiia fraaceza. .
Vende se nm cavalio alaso, novo e IVrtes
proprio para carga, p^r prego comoiodo : para ver
e tratar na cocheira do Sr. Ribeiro, ra da Roda
Grande a*mazem de tin-p
tas medicamentos etc.
Rya do Imperador o. 22.
S Productos himicos e pbarma-
jgt ceuticos os mdis empregados^ em
[ medicina.
Tintas para todo o genero de pin-
mk tnra e para tinturara.
K Productos industriaos e tintas
ti para flores, como botoes de Aeres
I e modelos em gesso para imitar
[ fructas e passaros com o compe-
K tente desenbo.
Productos chimicos e industriaes
H para photograpbia, tiniuraria, pin-
tura, pyrotecnia etc.
Montado em grande escala e sup-
pride directameute de Pars, Lon-
dres, Hamburgo, Anvers e Lisboa
pode offerecer productos de plena
confianca e satisfazor qualquer en-
eommenda a grosso trato e a reta-
lho e por proco commodo.
i
VENDE-SE
Motores americanos para doas cavados.
Dito dito para qoatro cavallos.
Machinas para descarocar algodo de 14, 16.
18, SO 30, 35 e 40 serras.
Prencas para enlardar algodo faxendo os sac-
eos com 6 palmos de coraprimento com o peso de
150 e 200 libras, viudas ltimamente da America
no armaiem de Henry Forster 4 C, no cata Pe-
dro U n. S jao ao Gabinete Portogael.________
Vink* puro
Cbegaram barris de quinto com poro vinbo do
Dooro, garantiodo-se que nao tem confelcio alga-
ma a excepcao de om bocadinbo de agaardente
que lbe bataram para poder resistir a vUgem,
oeste genero e o melbor. qae tem vlndo ao mer-
cado e maito proprio para osar as horas de co-
mida e venderse por preco ea eoaU : oa loja
armaiem do Pavo roa dt imperatrlx n. 60, de
Gama & Silva,
jT
MiiTii&nn \
/


'*.
I*
/*- %m -1 ,^k. a; '* -
pp

^^
fiarle de rt raanibueo Qnaria felra ti dr Otitabro de 1867.
r*
9

Collares Royer
0a \nodiaos electrices magoeticss
Deposita acreditado
laja ar guia branca roa do Queimado O; 8
Apregoar anda os prodigiosos effeitos dos
Collares Jfoyer j-oao ensinar ou querer
iatrodar navidades, porque a fama de sua
effleacia teov-se tanto astead ido, e os seas
fetzes resaltados a tal altura elevado, que
hoje caca a pessoa que por experiencia
propria, ou oor intermedio de seus amigos
e parentes. ignore ou desconhera as virtu-
des dosses setapre apreciaveis collares
Royer.
A aguia branca porm s gloria de concor-
rer para um to justo flm, se n5o por o-
ro modo ao menos por ter sempre, e cons-
tantemente um completo sorrimento desses
collares magnticos, que bem se podem cha-
marsalva vidas das enancas.
Resta amda que os senhores pais de fa-
milia se- facam convencer {de que conven)
nao esperar que as criancas sejam atacadas
do mal, e por isso necessario ou conve-
niente que com antecedencia se deite na
crianca um desses collares para asslm estar
ella preservada das convaleces e se contar
livre dos rigores da denticao.
%
ra do Crespo n, 7 A. esquina da ra de Imperador
Como de costume vem o radaz avisar ao respeitavel publico as novidades que de
rans acaba de receber a loja do Passo pelo ultimo vapor.
Para uo-.tis
Requissimos vestidos de blond primoro-
samente bordados, contendo setin para saia,
veo, grinalda e ramo para o peito.
Moire-antique branco.
Sedas brancas lavradas.
Setim branoo rauito bom o verdadeiro ma-
caos
A aguia branca a ra do Queimado n. 8 Li.ndissimas guinaidas brancas,
contina a receber por todos os vapores Riqusimas camisas primorosamente bor-
francezes a quantidade que ha contratado e da(^a8-
por isso acha-se ella sempre provida dos ver- Meias e l'?as de seda,
dadeiros colhres Royer eletricos magne- Riqusimas mantas de blond bordadas,
tices.. Fronhas e lencos com lindissimos desenbos
Chapelioas modernas, I de abyintos.
enfeites de flores, capellas finas para noivas, Riquissimos cortinados bordados.
Para visitas e partidlas.
Riqusimos cortes de sedas de cores com
listas e lindos matiz js.
Moire-antique e grozdenaples de lindas c
res.
Riquissimos vestidos le cambraia branca
primorosamente bordados.
Corpinbos e camisiobas com manguitos ri-
camente bordad s.
Riquissimos cintos com matames bordados
a vedrilho, ultimo g(isto.
Riqnissiiiias basquinas de seda preta, de
superior qualidade e ricamente enfeitadas.
Riquissimos gallileos ou romeiros a imia-
co de urna capinba com um bico largo
em vnlta e primorosamente bordados.
MUTAS FAJEE2TDAS
NA
LOJA E ARMAZEM
DO
P
Ra da I > peralri o.
SE
GAMA SILVA.
Tendo os donos de te grande estabelecimento resolvido liquidar a maior parte das
suas fazendas resolvefam vender com grandes abatimeotos em pregos, assim como teem
recebido ltimamente urna grande porcSo de fazendas novas tanto inglezas como francezas,
alemaas e suissas, teem destinado venderera as mais barato qoe em outra qualqner parle
afim deaporarem dinheiro, dando de todas ellas, amostras deixando ficar pi nbor, oo
mandam-nas levar em casa das excellentissimas familias pelos s^ns caixeiros; assim como
as pessoas que negociara em pequea escalla,- ueste estabelecimento comprarSo pelos mes-
mos presos que compravam as casas inglezas ; ganhando-se apenas o descont.
ditas brancas e cor de rosa para meninas, Lindas colchas brancas ponto de crochet Riquissimos cortes de foular de seda com
eaixos e ramos de flores finas e boles de
rosa de diversos tamanhos : na Aguia Bran-
ca ra do Queimado n. 8.
Meias finas para meninos.
A Aguia Branca ra do Queimado n. 8,
recebeu meias mui finas para meninos, e
est vendendo as de cores a 5OuO a duzia,
brancas a 55500 e cruas a 6$000.
Trancas de vidrilhos, brancas e pretas, lar-
gas e estreitas.
A Aguia Branca a ra do Queimado n. 8,
recebeu novo sortimento das trancas cima
ditas, e como sempre vende-as por precos
commodos.
Fitas novas
para eartas de hachareis e a ir.-ua.id.de do
Bom Conselho.
A Agola-Braoc?, a roa doQaeimado n.8, receben
novas Utas aehamalotadas para ambos os lados,
mni encorpada e toda de seda, com viva o agrada-
vel cor, e cjmo sempre, veade por preco multo
rasoavet.
Bonitas nonecas
com rosto de cera, olhos fkos e movedices,
A aguia branca a roa do queimado o. 8, rece-
ben um novo sortimeoto de bellas booecas com
rosto de cera, olhos fkos e movedicos e como
sempre veode-as por pregos commodos, regulando
estes em relacao aos differentes tamanhos de qoe
se compoe o sortimento.
ltir deulifrici e doutalgico.
A aguia branca a roa do Queimado o. 8, rece-
ben de novo esse apreciavel elixir cujo nso ne-
cessario para conservado das geoglvas e acabar
o mi balito provenante de denles armiados,
cada frasco casia i.
Est todo remediado em qnanto a la-
vas d pellica.
Porqne a aguia branca por intermedio de ora
negociaote de nossa praea ojaodoa contratar com
am bom e acreditado fabricante de ditas, para
este Ibe faz-r remessas di re, tmenle por lodosos
vaporvs, sendo a primeira a qoe agora araba de
ebegar. O fabrica ate promelfa manda-las sempre
da melbor pellica e na verdade as qoe vieram
dessa vez confirman) o sea dizer, e pelos JiDVren-
les enfeites qne ell.is trazem da' elle mais a conbe-
cer o apurado go-to e perfeigo de soa obra. Res-
la pois que os boas e constantes regnezes conti-
nen) a favorecer a aguia branca em quaoto ella
vai se livrando dos mos qae com seas fiados a
iam depenaodo.
Gamisiohas bordadas para baptUados
A aguia branca a ra do Queimado o 8,
recebeu novo sortimento de camisiobas bor-
dadas, sapatinhos de setim tambera borda-
dos, meias de seda e cbapeosinhos de setim
enfeit dos, tudo para baptisados.
Bahasiuhos coser os de. comas
A agoia branca ra do Queimado n. 8,
recebeu bjoitos bahusinhos ci-herios decon-
xas, e cestinbas bordadas a froco, objectos
esses de novidade e gosto, Je proprios para
ofTertas o leilio que ter logar no hospital
portuguez.
Aciiliaiu-se u-nas 'chp.gara outras, cor-
reales de bora ha
A aguia branca que nlo se descuida de sua
boa Treguezia, tem constantemente mandado
buscar essas bonitas e modernas currantes
de borracha, que servem no s para voltas,
como mesmo para outros differentes enfeites
Comuaregam pois os preter lentes qoe
a imitagao de labyrinto. lindissimos desenhoj.
Riquissimos lequrs de madreperola e de Sedinbasde quadros e setim branco e
saodalo. ultimo gosto. lindas cores.
Isto s na loja do Passo ra do crespo n. 7 esquina da do Imperador.
de
ortinarios para cama e Jauel
la* a io#, m 200 e 250
Vendem-se um grande sortimento dos
melbores cortinados bordados que tem v in-
do proprios para camas e janellas, pelos ba-
ratos presos de lo, 160, 200 e 250 cada
par sendo neste genero o melhor que tem
iodo ao mercado: assim como pecas de
aloes a 20, 305oo e 30
Vendem-se um grande sortimento de cri-
nolinas ou bafes de arcos para senhora pelos
baratos precos de 20, 205oo e 30 por haver
gtande porcao, na loja e armazem do Pa-
v5o, ra da Imperatriz n. 6o, de Gama d
PANNOS PAPA CADEIRAS
YenJem-se um grande sortimento de
TINTAS PARA ESCUEVEI1
Deposito das fabricas de Haurin, Anioliae, llanrcr......
Garrafas inteiras 20, I05oo e 10.
jMeias garrafas e frascos menores Co, 5oo, 4oo, 32o e 16o.
Para copiar.Garrafas e frascos menores a 50, 30, 2, 105oo, 10, 64o e 5oo rs.
De cores.Carmim, izul o verde a 10 e 5oo rs.
Para marcar roupaa 10 e oo rs.
Livraria fraaceza roa do Crespo a. i9.
LE6III.1I0S CHARUTOS DE HA VANA
Na Livraria franceza constantemente se encontram as melbor marcas de charu
tos de Havana, entre outras Concha de regala a 180 Londres fino e medio regala
a 2o0Reinas nec plus ultra a 245-Regaba de Londres a 280.
Una do Crespo n O.
cambraia adamascada pruprias para o mesmo pannos de ero h proprios para cadeiras,
fina, na loja do PavSo, ra da Imperatriz sofs, cadeiras de balaneos, para almofadas
n. 6o, de Gama d: Silva e para cobrir presentes, e vendem-se por
Corles granadluos para vestidos precos muito baratos, di lo a do PavSo, ra
Cbe^aram o mais bonitos cortes de or- da 11 peratriz n. 6o, de Gama d Silva,
gandy Granadinos tendo lo varas cada ene, j Cassas a 4o r.--. so o pavSo.
sendo 7 v^ras listradas para a saia e 3 varas Vendem-se bonitas ca sas inglezas de co-
lisa para o corpo, tendo as mesmas 3 varas res lixas pelo t-arato prec^ de 240 rs, o co-
[^nfeites correspondente saia para enfeitar vade, ditas francezas fazenda muito fina com
o corpo e mangas tendo entre elles muitas padrSeslistradose de flores, assim como com
trancas com listas pretas como actualmente palminas miuoas proprias para meninos a
se usa e vende-?e pelo barato preco,de 60, 3oo rs. o covado ou a 5oo rs. vara: pe-
rival em mm
na do inclinado n. 49, loja de
miadezas
DE
Jos Bigodirtno
Varas de b'abado bordado-do Porto a .
Carreteis de retroz puto eonxfDas oifavas
Parriteis de reteoz de todas as cores a .
Frasee* d'agoa de Colonia muito sopertor
Frascos de o eo muito fino a......
Duzla de tesouus peqoeoas a.....
Frascos d'agna para liropar dentf s a .
Kedes pretas lisas para segurar cabello a
uum de pennas de aeomoito Bn< a .
Lanas de lioba do gaz de 30 novellos a .
dem de palitos de segoranca a <
Garrafas de agua Florida verdudeira .
Syllabarlos eom estampas para meninos a
Memento da roupa de lavar a.....
Dnilas de meias finas para senbora i .
Agnlbas francezas a balao (papel) a .
Pecas de fitas de la a todas as cores a
Grozas de botdes de porcelana prateados a
Caixas eom alfioeitee trncete* a .
Caixas de 100 envelopes muito finos a .
Resma de papel de pese branco liso a .
Frasco eom superior lista a .
Pares de botSes de pnnho multo bonitos
Liabas em carlao de 200 jardas a ..
Caixa de superior linba do gaz com 10
novlos .............
Talberes para meninos a.......
Masso eom superiores graropos a .
Booets para meninos a........
Petes cora costa de metal a.......
Realejos para meninos a ...... .
fot
8C
501
501
se
6f
m
6C

200^'

mmm novio.
AUGUSTO PORTO C.
IIRa do Queimado11

Este estabelecimento acaba de receber e vende por commodcjpreco as segointes
fazendas Gnas :
Vestidos de b ond para noiva com manta e capella.
Ricos vestidos de cambraia branc i bordadas i que ha de melhor.
Cortinados bordados e admascados para camas de 2U0 a 8o0.
Dito- bordados e admascados para janellas de 90 a 200.
Colxas de seda e la e seda para cama de norvas.
Basquinas modernas de muito gosto de 2o# a 5o0.
Toalhinbas Ce croch para cadeiras e. sofs, e colxas de croch para camas.
Cbapelnas de crpe branco, e chapeos de palba da Italia para senhora.
Moir branco e preto. grosdenaple preto e de todas as cores para vestidos.
Camisas para hornera fraucezas e ingle zas de linho, e de algorio.
Goardapisa de erraofine para fazer mais elegantes os v stidos de 13a e de seda
a 32o rs. a vara.
Superiores saias bordadas de linho, camisas e caroisinhas berdadas o lencl de
cambraia bordada para senhoras, ricas toalhas bordadas com muito ijosto, e lindos ves-
tuarios para baptisados com o respectivo euxoval.
L5as eomlistras de seda de varias c>es a que ha de melbor.
Chapeos brancos de castor e ricos chapeos de sol inglezes para hornera.
Malas de diversos tamanhos para via,ens. /
Panos finos e casen iras pretas e decores e ontras muitas fazendas que se ven-
den baratissimo.
Este estabelecimento contina a receber as melhores.
Esteiras e alcatifas para salas,
11 Roa do inclinado1 i
57 ra do Imperador 57
Pelo Oilnda receben
Uvas.
Fructas christalizadas.
i
Capsulas de licor, confutadas em formato de amendoas, nozes, uvas, morangos.
acharo bom sortimento de ditas correntes i Delicado preiente pela novidade, e caprichoso gosto das caixinhas.
na loja da aguia branca roa do Queimado 0.8.
Cintos de oi;HToquui) com fuellas de
ac pan meninas
Vendem-se a ra do Queimado, loja da
aflua branca n. 8.
Fe ros proprios para frisar baba din los
Vendase na ra do Queimado loja da agaia
branca n. 8.
Bou i lis e moderan* voltas pretas com
pingeHtes.
Vendem-se na ra do Queimado loja da aguia
branca o. 8.
. angay m
morado
POR CAUSA DE DOUS MOTIVOS
S A T f S F A AO IM I>ISPE\S11EL
A o respeitavel pub tico*
O Veado Branco decUra mui francamente e sem rodeio algum que tem de-
a publicado do seu terceiro annuncio por duas poderosas e importantes razos.
Ia o trabalho insano que tem tido de estodar o meio de virar o S d Fragata
Amasonas d rea do Queimado
2o. O desejo de estampar neste Diario o sea interessante retrato e offerece-lo
a todos os seus benignos fregue.es e amigos sinceros.
Sendo mpossivel ao Valo a ennsecucao do seu primeiro desejo, elle pelo pre-
sente incumbe dessa tarefa ao habel Sr. Dornellas, pintor, cirrendo. porm, por conta
dos dignos pilot- s da referida Fragata, a importancia dessa pequea despeza.
Agora quanto ao segando, saibam todos que pror.iema cuja incgnita j foi
Est eatabeiecimemo ':aba de receber lindas achada, grabas a pericia do distincto Sr. padre Azevedo. Assim pois revmente dar o
Veado muitas copan-d si.sperera os amigos.
Agora dua plvras.
Ao Ordeiro Previdente
A vos que viestes augmentar o numero dos animaes domsticos |ue negocian;
He* com rlments
Si a cousa for em progresso brevemente ser esta cidade urna petfeita arca de
No.
Anda bem que o Veado n5o est s....
AtteDcao! AttencM 'AttentfloII
As ordens do respeitavel publico se acna o amavel Veado Brinco eom o sea
importante sortimento d tudo que diz respeito a molbados.
Os precos. que por de mais sao razoaveis, devem convidar a qujm orna vez hg(>
ciar com elle a ficar satsfeitn e a voltar sempre que for neseessario.
Para as pessas qoe sao estabeiecidas rom casa de negocio fon da cidade'-o um
magnifico e escolnido sortimento proprio de fazer conta ao& meamos sjnhores.
Assim, pois. o Veado lraoco conta que cida da ser augmentad* o numero
de seus bons fregoezes, tanto do centro como da cidade.
Venham convencer-so da bondade de nossos gneros e de sua baratera quem anda
nao quiz honrar o nosso bello estabelecimento.
ehapeijoas para senhora, ricas caixinhas para eos
toras, ditas par f lias, pote's doradds pira c,
fiveias moto ricas, assim como ctntf e poueiras
da nltima moda de Pars, ntremelos e babadinbos;
bonitos toncadores donrados e de Jacaranda, espe-
laos e.-cussezes de divers >s tamanhos e ricos cani-
veies para senhora, voltas para pescojo, gratati-
nbas, bico de seda, dito de algodao, lahyrintbo, e
muito* outros objeetjf de apurado gosto, que se
torna eofadoobo mencionar, todo por precos mul-
lo eommodos: a' roa da Imperatriz n. 70, na Iota
da Lealdade.
Aos agrieultores.
Saundrs Bratbers & (1 aeabam de receber
de Liverpool vaporea de torca de 3 a 4 cavallos
eom todos os perteoces, e mot oroprios para (ate*
Sem mover macboas de descare car alg->do, p-
denlo cada vapor trabalbar at com liO serras,
lambem servem para enfardar algodao, oo para
ooiro qoalqoer servico em qoe asac de trsbalhar
eom *nimae>. Os |me>mos tambem fm a' venda
macboas americanas e 35 a 40 serra.
Os prnteodeotea dirijam-se ao largo do Gorpo-
Saoto n. II.
Cal Yirgem
Bicellente rfal irgem de Llsba em bsrris r-
qn\dos de ferro, tem para veoaer Antonio de
Alraeida Gumi a roa da Ou a. 23 primeiro 'man
barato qae em qoalqqer omra parte.
m m m
Qiegou ao amigo deposito de Henry Porster a
C. roa do imperador, nm earregamento de en t
primeira qualfdade,o qoal se vende em partidas
a reulbo^wr menos preco do qae en? outr* au1
qner parte. H
N.
A MU A -IIIREITA
16 ESQUINA QUE VOLTA PARA O PATEO DE S. PEDRO N 16.
TEM IVA PORTA A FIGURA'
DO
nicamente na luja do avao, ra da Impe
ratriz n. 6o, de Gama & Silva.
Tira bordadas e Rabadiuhoa
Quem quzer fazer boa compra de tiras
bordadas ou babadiohos, achara um grande
sortimento para escolher e por i^rego muito
mais barato do que em cjitra qualquer parte,
' na loja e armazem do Pav5o, ra da Impe-
, ratriz n 6o, de Gama & Silva.
Fazeadas para loto na loja do
Pavo
Veode-se setim da China com 6 palmos de
largura proprio para vestidos a M o covado,
lSaziohas.pretas lisas, alpacas com listra bran-
ca a 1(5 o covado, cassas brancas com listras
pretas a oo rs. a vara, ditas pretas lisas e
com si Ipicos vara a 56o rs. ditas francezae
com listras e ramagens vara a 8uo rs., me-
rino preto, alpacas e princ^zas, mais barato
do qoeem outra qualquetr parte, na loja do
Pavao, ra da Imperatriz n. 6o, de Gama de
Silva. /
CHITAS PRETAS A 2oo RS.
Vende-se chita preta ingleza com palmi-
nhas a 3 >o rs. o covado ou a peca por 74
tendo 38 covados,yditas lisas a 16o rs. o co-
vado ou a peca 60, ditas francezas de todas
as qualidades, na loja do PavSo, ra da Im-
peratriz p, 6o, de Gamadi Silva.
PALDTO'S DE PANNO A 6
Vendem-ste palitos de panno preio saceos
a 6)5, ditos'sobrecasacos a lo<5, calcas de ca-
semira preta a Os e 1$, dita rauito finas a
9 e '0$, finissimos sobrecasac< s de panno a
20(5^6' 25^, calcas re casimira de cor a 74 e
80im grande sortimento de coleto* de toda
a djnalida o e outras mui as qualidades de
roupas qu se vendem mais barato do que
era outra qualquer parle, na loja e armazem
do Pavao, i ua da Imperatriz n. 6o, de Ga-
ma & Silva.
CHALES A BENOITON A 54 E 64
Vendem-se os mais mudemos chales a
Benoiton pelo barato preco de 54 e 64. di-
tos de merino liso a 3|So, ditos de crpon
a 74 e 84, ditos de merino com barra a 24
e 245 o, na leja e armazem do Pavao, ra
da Imperatriz n. 6n, de Gama & Silva.
CASAQU1NH0S DO PAVO A 180, 2o4
254 E 3o4
Cheijarara o mais modernos casaqoinhos
ou jaquetas d* grs preto, ricamente enfei-
tadas sendo nos com cintura e outros soltos
conforme se nsa ltimamente e vendem-se
pelos baratos precos de iSi, 2o4,254 e 3o4,
na loja e armazem do Pa\5o, roa da Impe-
ratriz n. 6o, de Gama & Silva.
Roldes dec u Vendem-se as mais modernas crinolinas
ou bales proprios uara vestidos de cauda,
sendo melbores o mais moderaos que tem
vindo ao marcado, o por p ecos muito ra-
soaveis, na lo;a do Pavlo, ra da Imperatriz
n.; 6o, de Gama & Silva.
Para saias a i $000 1*280 e IsiO.
Chegou para a loja do Pavao urna grande
porc3o de nova fazenda branca especialmen-
te pata saias, leudo a largura a altura suHJ-
ciente de urna saia com um bonito bordado
de um lado ou urna bonita ordem de pregas
de forma que com 3 ir2 varas se faz urna
saia de um s panno, e vende-se pelo barato
preco de 14. 148o e 145oo rs: a vara; na
loja e armazem do Pav3o ra da Imperatriz
n. 6o de G.tma & Silva.
Vestidos trancos e de cores a l':,')' O
Vendem-se bonitos cortes de cambraia
branca com bonitas barras bordadas assim
amo com barras de cor pelo barato preco
de 4d"5oo rs. na b>ja do Pav5o rn da Impe-
ratriz n. 8o de Gama 4 Sllw.
GRANDE PEUHINCHA
Vrstldos a t090
Veode.se orna grao'de porcao ae curtes de vesti
dos de cambraia transpoareote seodo todos brancos
e c m liodas barras de rdres pelo barato preco de
24 o corte, send'i"fazeoda qoe sempre se ve id n
pur muito mais dinbelro e hquida-se pnr ete prnco
na loia e armazem do PaVo a roa da Imperatriz
u. 10 de Gam & Silva.
GKANDE tECHI\CII i
Vestidos a 24500
Veode-se nm bonito ortiro^otu de cortes de ves-
tidos de cambraia transporte com muila fantazia,
sendo brancos e de rflres com bonitas barras, pelo
barato preco de 24500, seodo faeo 1a que sempre
se veodeu por 6e 74, e iiqmdrse na loja e ar-
mazem do Pavao a roa da Imperatriz o. 60 de Gam
& "" GR4X0E PBCHIr.U4
cortos de ISa a 4^000
Vende-se urna (rrande porgo dos mais bonitos
corles de laa com lindos lavorns matlisado9, tendo
3 covados cada corte vindooada nm em seo
pape, pelo barato pr?o de 44 o corte, oa loj do
Pavao ra da Imperatriz o. 60 de G.ma di
silva.
VVAHWi H% 4 40 EM
Murculinas de ISa
Pelo ultimo vap>r cb^goo om ir,ode sortimento
l
GRANDE BAZAR
na Nova n. 20 e 22
Machinas pa a costura do autor Wheekj;
chincha, na leja e armazem do Pavlo ra da
Imperatriz n. 6o de Gama 4 Silva.
Cassas de ama 0 cor a 44o rs.
a vara.
Vend^m-se modernas cassas francezas de Wilson, chegadas ltimamente da Ame-
ama s cor sendo azul, roxo, cor delirio, r,ca; Das 9** Pode cozer-se com dom
verde, cor de ganga, cor de rosa e encarna PesP0utos> !oda qualquer faienda, emba
da sem deleito algum pelo baratissimo prego IDnar' franKir- bordar e marcar roupa; tudt
de 44o rs. a vara, por haver grande porfi: com Perfeicao- Slo to simples, que coa-
na loja e armazem do Pavao ra da Impera- Prehende-se fcilmente a maneira do traba
triz n. 6o de Ga a & Silva.
Liazlnhas matlsadas a 28o rs. o
covado.
Vendm-se bonitas aazinhas matisadas,
de cor fixa e ditas de urna cor s, tendo en-
tre ellas cores escuras e de muito bom gosto
pelo barato preco de 28o rs. assim como
bonitas bareges de 12a transparente cum dal0.' fivelas' Btas para cinto, cokes perfe
quadrinhos -pe barato preco de 32o rs. o maria e etc
covado: s na loja do Pavao ra da Impe- Na rua nova n- 20 e 22- Carneiro Viat
ratriz o 6o de Gama A Silva. na & C. _____
CHITAS A280RS. Feijo UDltOnOVO jf SOCCO
Vendem-se bonitas chitas de cores e ditas No armazem do caes 22 de xNovembro n. 26
rosas com pequeo toque de mofo qoe se msg^,
garante largar logo que se lave, sendo de
cores flxas pelo barato prego de 28u rs. o
covado paa acabar: na leja do Pav3o roa
da Imperatriz n. 6o de Gama Silva.
CHITAS DE UMA SO COR A 28o RS. O
COVADO.
Do e a pessoa tendo pratica de coser em un
rhinas, pode fazer por dia oseivico que f
ciara 3o costureiras.
Chama-se este estabelecimento a atter
c3o do publico, visto que elle se acha com
pletamente sortido de objectos de gosto
como bem leques de madreperola e de san
Escravos fgidos
NIMGUEIY! SE ENGAE COM O BALIZA
das mal lilas morcoliBas de lia, sendo de ama
e vcode se a 640 ri o cova.o na loja do Pavo a e armazem do Pavio rua|da Imperatrir o. 6o
rna da imperatriz o. 60 de Gama & Silva. 1 de Gama & Silva.
Furo no dia 2 do corrente mez o escravo de
nome Haonel Baila, crenlo, id de de 35 annns
ponco mais oo menos, alto, bem fallante, c>m fat-
, ta de nm ou doos deoles na frente, '*eco9 et*sw.
vendem-se bomtas chitas.lisas, sendo cor cMeiodo:oorpo.,oer.pren, tem siae vbto m Bar-
de ganga, cor de bavana, lirio, rosa e OUtraS Da,ntf. Torre, Afogarto e Recife : qnem o r*?ar (e-
Cores, pelo baratissimo prego de 28o rs. 0 Te' ao eeeobo Cordeiro qoe ser recompensado.
covado, ditas chinezas com as mesmas cores I A VISO
e com 'palmiobas pelo barato prego de 3oo -, n/UfAAA ,.0
rs. o covado, na loja e armazem do Pav3o lVVftVlJK) 6 gratlCacSO.
rua da Imperatriz n. 6o de Gama & Silva. Contina a estar fuaiAn c
GRANDE SORTIMENTO DE CHITAS \LOminUa a estar mido O $
A 32o e ;6o so o pavo. cravo Simio.
VenCem-se chitas-de cores fisas com de-' Fagio no dia 21 de julho do correla anoo,
senhos iteiramente novos e com os pannos m1sAdl*n?,I0ass,BMao escra! de.D?ne
mto enpadM prfos .arpiaos 'presos 'SES2S7S $S%SS
ejJJIO e <5r0 rs. 0 Covado, ditas Clara pa- alto, semblante carrejado, cum falta de denles
droes graios e miudinhos proprios para freD,e c"' to\, com talhos em circulo n-dnnd
roupas de meninas a 32o e 36o rs. Dar T das1orelnas. SPJ "arba, levon venido caici
ven ler barato : na loja e armazera do rSaBRSS S EST- S?S &
rua fla Imperatriz n. 6o de Gama Silva. prado ao Sr. Jos Vicente Undoso, murador ni
CHITAS PARA OBERTAS A 280 RS. provincia das Alagoas, por seu brorurador Jo
Vendem-se chitas largas para cobertas iim Cavaicanti de Aiboqoerque m-uo, morador
pelo barato prego de 28o rs. o covado por SSJ?2LS ?arre*fos Sem Oov",a seoto
serern padres ura tanto escuros na loja'do tZSSSS^^J^tSg
Favao rua Ua Imperatriz n. 6o de Gama 4 ta provincia como a das Alapoas a apprfbensSo
Silva. do dito escravo, entrega-lo no Bceit-, roa Direiu
LAAZINHAS A 400 E 800 RS n' 30- Vendem-se as mais bonitas aazinhas ma- onrVJuZo'&^udo >l"S d ,W*
t zadas e de listas mais modernas e mais ; Bernardlno Antonio Pereir Bastos,
bonitos desenbos pelos precos de 4oo e 5oo I
rs : na loja e arm-zem do Pavao rua da'
Imperatriz n. 6o de Gama & Silva.
ALPACAS DE COiES A 600 RS. O COVABOl
Vendem-se as mais bonitas alpacas de cores,
enfesiadas c< m botutos desenbos miudinhos
tendo entubes de todas as cores pelo barato
pr-co de 5oo rs. o covado, ditas lisas escu-
ras e claras sendo todas de cores modernas
e 64o rs. o covado, ditas lavradas, as melho-
res e mais modernas ouo teem vindo ao mer-
cado : sendo bavana, lyrio, verde, azul e
outra cores, que imitem a seda, pelo barato
prego de 800 rs. o covado, pechincha: na
loja e armazem di) Pavlo rua da imperatriz
n. 60 de Cama 4 Sdva.
POIL DE CHVRE.
Chegou neste genero a melbor que tem
vindo ao merca lo para vestidos com lindas
listras de seda ou com bonitos lavores da
'oesma que se vendem pelos baratos precos
de 8jo, loooe 1428o rs. o covado: ua loja
do Pavao rua da Imperatriz n. 6o de Gama
c Silva.
WlHlJJ I FANTAZIA A ftjooo !;<.
lojJoon-RS. *
Cbegaram os mais bonitos cortes do ves*
tidos de fantazia muito proprios para passeio
e soires, por terem liodas barras de seda
e vendem-se pelo barato prego de 86 e I o a
cada um na lija do Panto rua da Imperatriz
o, 6o de Gama Silva, i
alas a 3JOOO rS,
Vendem-se bonitas saias escuras pjoprias
para uzar em b-mpo de ver5o por cauza da
poeira e principalmente para quem for pas-
sar a festa no matto, pelo barato prego de
30ooo cada urna, ditas brancas ricamente
bordadas tendo 4 pannos cada ama petos
pregos de 50, U, e lotfooo rs.: na loja do.
Pa ao rua da Imperatrfe n.6o de Gama A
Sdva.'
Vestidos brancos a S4Jjeoo.
Chetsaram os mais lindos cortes de cam-
braia branca transparente ricamente borda-
dos que se vendem pelo baratissimo precw
de 240ono rs. na loja e armazem do Pavio
n. 6o de Gama & Sirva.
TVovas bareges de seda a deo rs.
Chefou urna grande porc9o de lindssi-
simas bireges doeda com s mais delicados
gosros sendo fazenda rauito propria para
passei )S, partidas, etc. Vendem-se pelo ba-
'i
m KAVO FGIDO
Rs. 100^000
O abaiio assignado da a gratificado de cem mil
rls a qoem apprchender o seo e>cravu de nome
Antonio, rnjos gnaes sao os segoiotes : preto, ca-
talura regular, corpo grosso, naris rbato, marcas
de bexigas pelo rosto, idade de 19 20 ai.u-.s. Eva-
dio se na madrugada de 12 do corrt-nf du encante
RibeirSo, levando diversos objectos fordos, e
eotre ootros um ea vallo al*zao pequeo, talca Ai
dos di/os pea, sellado., e eo(riado, em o q;:.I sania
mamado. Presume se com cerieta 'er-se elle drrt-
do para a cidade do Recite, oDde mono moheci-
do; e foi escravo da Exma. Sra. D. Aona Mar*
obo. Reeommenda-se a tudas as autj ua-es po-
liciaes e capi-s de campo a appreh-osao do refe-
rido escravo, qne dever ser entregue ao abaix
assignado oa estadio de Ribeirao, oo na cidade, aa
Sr. J.Ss Antonio Soares de Aievedo na roa DiretU
o- 14- Eogenbo Hibeiro, 13 oa uuiubro de
1867. .
Coriolano Velloso da Stheira.
de (jratifiGago-
a qoem capturar o preto da Costa de aome Jaei
ih >, Idade 38 annos, estatura pouc meos da re
trotar, tem (alta de aeoie-, bem como tainos do
rosto bem saliente?, as peroas Unas, etc., togo em
29 da setembro protimr passado, levando ve'-tido
raiga e camisa branca, cbapo de copar taixa e
iha> pequea?. A primeira vet qoe fe evadi la-
uiulava-se como forro de nagao, e en pregava-se
em serveete de pedrelro o em outros Id mieos :
roea-se, pois, as autoridades pohetme a quai'jar
pait.rular CHpiar* de dito escravo, a ser e(re-
gu a seo seobor Joao daSilv Uiw, aa ros da
Cadela do Recife n. 10, qoe sera' paga a graiiflea-
c^o cima.
Escravo fgido
Contina estar fogido desde o da 20 de jolto
do correte anuo a scravo Vicente, por alconba
Caogalba, idade 40 aooos, pooco mais oa meno,
llura regular, secco do corpo, pernas^ fio e ar-
queadas, seodo orna mais do qae outra, r< sti MS-
pnd i, pooca barba, bastante ladino, e fniuoia-ie
de forre, ota camisola de atiEodaoMoh) por eii
das Micas; chapeo de feliro pardo, guarna :
ft ja velbo : reconimeuda se as anlurldade
Meias a captara de.dito escravo, graiifleai
roavenieatefflente oa roa da CaJeia do tobtit* a
117,' 2* Midar,
s.
Pugio no da l do correte a r-JU erwa
du nome Maria, coonecida por Ben .a, idade I
aooos, mais oa menos, aliara re^' -.magra, l-
voo vestido de cbita escora ecbf eornado, ciar
toma traxer orna correotczinn* de ferV em aa
dos poobos : portanto pede-M a qoem aappreae-
der leve-a a praca da pr?a da Boa-vista n. 17,
qoe sera' gratificado. \
MUTILADO
<




iMJ*
*+
T-.r-'--

^^tam
lHarl* Je Per aa* buco naria felra ta de Ontelero de 187.
-
'"r*~
.
AOTBLA GEIUL
CASABA DOS SRS. DENTADOS.
SE-SAO DE 9 DE SETEMBRO.
PRIMDINCU DO SB. PABIA (VICB PBES1MNTI )
(Coatioa(io.)
Razes que por obvias oo apreseDto, e
adminis-
Aquellas tontea competentes fni en boa- inctlculateh as vantagmi que aaferirto
car as informacSes que acabo de transmit- esses sertSes de S. Paulo, Minas e Mato-
tir cmara, servindo-me de suas proprias Grosso. (Apoiado,)
palavras. Tenho esses documentos como! (Ha un aparto.)
de inteira f. (Apoiados.) O Sr. Pkoro LeitAo : IVana oa S. Paolo.
Aproveitemos, senhores, o ensejo. I Se fallo D o goveroo por pedidos e-ses 600:0004 porque pode-se dizer cod laida.
e pare-se obra para pouparmos o mais. | Das 27 leguas entre Aranhandaya e Ita-
0 | 3. pira o qal son remanido, diz qoe exea* uno esta' concebido pode ser aceito, pode tam-1 euldades mais oossaa biver cara a adooclo di
deodo os lacros lquidosa 8 /* melada do exeas- bera ier malherido, e isso Qca ao criterio dos ,mendj.
e team de rotar sobre a ma-
fai algomas observa
seperieneera' ao govem que aq ai se achara
Sr. Viriato db Mplroos: Que poda faier leriav
dabl um fuodo de rewsio. i o Sr. Soma Crvalho
O Sr. C. Ottjni : Isto divlsio de lacroi, cde.
nao toado de amortizaco Parecendo me esseo-1 O Sr.-Dantas (mioistro da agricullura): Sr.
cial Arar o prato, o toado de amortizaco dere presdanle, nem nada com as eiplicauoas do no-
tambera ser determinado, o que, dado o pnzo e a bre depatado pela provincia de Peroambuco ea
laxa de joros, simples questin de aruhmeiici, Julgo respondidas as objergijes moito jodiciosas
\
empieza ou companhia ; mas aioda no ulti-
mo caso, e se o paiz Qzer sacrificios, estes I
In sero productivos. (Apoia'los.) Em
torio caso convem habilitar o governo paral
aproveiiar qualquer opportunidade, e palos
meiosautorisalns realisar aquelles melho-
rameolos que sao urgentes. (Apoiados.)
O Sr. Dantas (ministro da agricultura):
Pedi a palavra para urna explicado,
apenas para dizer ao uobre deputado que
S. Exc. pareceu nao ter entendido bem a
opinio que ernitti.
Considero de igual importancia as doas
partes da emenda, nao so a que se refere
30 porto de Peroambuco, como a quecom-
prehende o porto de Sanios.
Cu o disse claramente.
Dei mais algumas informaces casa so-
bre o porto de Peroambuco, porque urna
circumstancia que mencionei fez-me conhe-
cer estudos e pareceres de engenheiros en-
carregados de examinar aquello porto ; so-
bre o de Santos esta circumstancia n3o se
deu.
Apenasquiz manifestar casa que alguma
cousa tinba ebegado ao meu conhecimento
sobre o porto de Peroambuco.
Reputo, pois, igualmente importantes os
raeltiorainentos pedidos quer para o porto
de Pernaoobuco, quer para o de Santos
O Sr Pidro Leito : Sr. presi lente,
son daquelies que entendem qoe as obras
de utiiMadde publica devem ser construidas
e custeadas por companhias. V, por tan-
to, a cmara que nao s approvo o projec-
to ero dbcuss >o sobre o melboramento do
porto de Peroambuco, como lamento que
i.ao tivessemos at boje adoptado o syste-
ma ie qoe all se trata ; porque, senhores,
com isso baveria o Estado economisado as
grandes sommas despendidas com obras
impossiveis, feitas sem arte e sem metbodo.
(Apoiados.)
Teriamos economisados, sim, o dinheiro
gasto quasi intilmente, mesmo no porto de
l'ernambuco, no de S. Pedro do Sul, no
Cear, no Rio de Janeiro etc.
E sobre tudo, senhores, nao viria agora
a ponto a recordarlo da triste historia das
obras que correm conta do governo no
fyrto no Miranhao l
Tocarei de leve neste assumpto.
Priocipiarei pelo dique projectado em
i 85:] e de que a cmara tem noticia. Pois
bem, seoh ire-, esta obra, qu ha consumi-
do mais de 600:<>005(, nao est concluida
nem se quer o movimento de trras: apenas
exi>tem os caes para o revestimento dos ta-
ludes do terreno I
Contra a coostrueco-do dique do Mar-
alo, no local em que se acha, oppuzera a
Revista Martima, jornal escripto por urna
das inte ligencias mais robustas da uossa ar-
mada, afumas co.isi'leraces importantes,
lasaadas era pareceres de ,rofessiooacs; in-
vocou mesmo a opimo do baro de Rous
sin para indicar o Itaqui de preferencia ao
lugar das Mercas, nao s porque dara en-
la a navios de maior calado, como porque
era mais favoravel a sua orientaejio em re-
acao aos ventos reinantes.
' E c vo. em que iiavia opinies pro e contra,
embrava por fim a Revista Uartttma, para
obra de tanta relevancia, o porto do Para,
on le a existencia de um arsenal pareca re-
clama-la.
Se esta opinio, sennores, tivesse preva-
lecido, isto se fra o dique em questo
onstruide no Para, e o arsenal daqueila pro-
vincia clavado ao grao de melnoramento a
nue leca inconteslavel direito. comprahen-
der-se-hia fcilmente a sua utili lade, e a
razan de tanto dispendio.
fila um aparte.)
O Sn. Pedr > Leit.Io : Nao discorro
deste modo, senhores, porque tr;ito da mi
Dha p ovincia natal; nao. A camera sabe
que para certas inslituiees ou estahereci-
me.ntos os ttulos que possue o Para sobre-
levam os que possam ter as demais pro-
vincias. .
Nem sinto felizmente este espirito de pro-
vincialismo em grao to elevado que me
faga desconhecer a juslica que porventura
sssista a esta ou aquella localidad-i na ac-
qaisicSo deste ou daquelle melhoramento.
Quando propugno pelos interesses do Para
convencido de que o faco embenecio do
Imperio. (Apoiados.) Sobretudo sou Rra-
iieiro.
E' certo que se existissem bons estabele-
cimeutns de marinha no Para fcil sena re-
solver hoje a importantissima questao rela-
tiva a polica da navegacao e de seguranca
do rio Amazonas, ha pouco aberto ao com-
merci. do mundo. N5o discutire agora a
conveniencia ae baver ou nao all fortifica-
eoes permanentes.
Mas de passagem direi cmara que nao
sou desses theoricos e idelogos que acre-
ditara que aquello espaco sem limites cor-
lado de rios possa ser policiado com os
elctricos. ,
O Sn. Presidente : V. Exc. nao pode
discutir agora negocios de Amazonas.
O Sr. Peo?o Leito : Bem. Voltan-
do s obras publicas do MaranhSo Sr. pre-
sidente, direi qoe lamento ainda ver consig-
nada, no exercicio de 866 a 1867, a quan-
tia de 80:0005 para a construego do dique
daquella provincia.
bia voz: Nunca parala foramesses
contos de ris.
O Sa. Presidente : Permita o nobre
deputado lembrar-lne que nao est em dis-
cossao a obra do dique do Maranh5o.
O Sr. Pedro LeitAo : Crelo que e
mat-irta que tem alguma relagao com o pro-
iacto que se discutr. -
OSr. Bjefort Duarte : Esta pres-
tando um servico provincia do Maraabao..
(Apoiados.) ,. .
O Sr. Pedro Lettao : En pedira bo
ho-rado ministro da marinha, e fico certo
que S. Exc. se d.gaar oovir-me, que fizesse
cessar.pelo menos, a coosigoacao annoal
de 8:000)3 ou 10:0000 para pagamento de
soldadas a\vigas e guardas do dique em
qoesio, e Rara os eternos concertos da
ensecadeira.
Guardas e \
apenas existe ? a
Lea V. Exc. .>r.
dos distinctos eogenh
Rebotigas, e coistar-lhe
OSr. VlEIOA Da Silva : CreiO que isto pura faltam apenas U,e essas mesmo creio i Q fia O melbor. que Ja em v'a ^e progre0. Pra ">ortiia?o sera' urna simples porieotagem referlo-e ao modo como devia provideoclar-se g0 Decessaria. E- to smeote Isto qoe j
Para que venba
tristes exemplos com obras por =.....-. serja
tracao em nosso paiz, fazem-me preferir a j 0 s pDn0 j^
umaoutra companbia, ou a mesmalassocia- Vanno de referir indudiiaveirreote oconstitue b-
Code Pernambuco, tirar o porto uo Mar- oemerito a'pairia de muius hooras e distioccSes.
Se oairos servlcos nao Dastassem para recom-
meodar o Sr. Saraiva a' ralidio nacional, o qoe
nbSo, digno de mellior sorte, do estado
de ruina e abandono em que se acna.
(Apoiados.) Essa companbia tomar a si o
cuidado de melhorar as condicoes natoraes
do porto de modo que, quando meos, Ine
traga o movimento commercial de ou-
tr'ora.
Uma Voz : Dos das felizes do Mara-
nhao.
O Sr. Presiden te : Perdoe-me V.
Exc. est tratando de materias qu nao se
acbo em discusso,
O Sr. Pedro Leito : Estou demons-
trando a utilidade do systema de que trata
o projecto.
Procuro fazer ver, Sr. presidente, que,
se j houvessemos instituido no pazo sys-
tema de associaces para levar a effeito lau-
tos melborameiitos materiaes de que care-
cemos, c rtamente muito dinheiro teria eco-
nomisado o tbesouro puolico, dinheiro que
hoja nos falla. (Apoiados)
O Sr. Presidente : Deve oc upar-se
s daquillo que eaU em discussao.
O Sr. Pidro Leito : Sim, senhor;
mas, j que tognei oo Maranho, Sr. pre-
sidente, tenba a RPMade d-3 consentir que
diga duas palavras mais"std)re os trabalhos
daquelle porto. >eri breve.
Ao diqu seoheres, segue-se o caes da
Sagraco, obra que est em andamento ha
24 annns I
E sab a cmara o que existe, no valor
de mais de 200:0000000 ?
Apenas uma muralha e uma rampa, fea-
didas em graade numero de pontos e quasi
desmoronadas.
E er V. Exc. que se estivera isto ao cui-
dado de uma companbia tal fosseo resultado?
Infelizmente anda vejo no orcameoto tam-
bera do exercicio de l86 a 1817 a consig-
nado de 8:0000 nu 10:0000 para repara-
coes desse caes.,
Houve ainda no MaranbSo cousa nao me-
nos notavel no genero de que trato, e que
absonra para mais de 5O:OO0. Retir-
me desobstruccao do canal chamado do
Arapapahy.
_ Emfim, para concluir, direi que depois de
lao avultada despeza nao passa por aquelle
canal a mais ligeira embarcago, nem mesmo
uma montara, que, como V. Exc. sabe, s5o
pequeas canoas sem quilba, usadas nos rios
do Para e do Marauho.
O Sr. Vieira da Silva :Esta despeza
foi provincial.
OSr. Pedro Leito:Sim, senhor. Mas
em todo o caso diuheiro que o paiz des-
pendeu sem utilidade publica.
Sr. presidente, applau lo tanto o systema
do projecto em discussao que desojara le-
va-lo consirucco das oossas estrada.
E ento a provincia de Smta Clbarina,
da quai V. Exc. um dos dignos represen-
tantes, provincia de tanta importancia poli-
tica, sahiria tambem desse estado decadente
a quo a tem levado principalmente a falta de
vias de cuoimunicaclo.
Ha all, como V. Exc. sabe, pouco mais
ou menos 10,000 Allemes.em cinco colo-
nias, sem comniunicaclo regular com as ci-
dades e povoaces.
Uma dellas, a de Itajaliy, vive separada do
resto da provincia pelos matos mais impe-
netraveis que eu j vi. E, como ti ve occa-
sio dizer em documento ofl;ial, a lamenta-
vel siluagJo dessa colonia explicava o facto
de haver o governo imperial dado 3:'i0t)
pelo transporta dos priraeiros colonos da
villa do mesmo uorne, oito legua-i distante,
e ainda porque em 18U3 pagou 170000 por
cada um.
Desejando visitar a colonia de que trato,
tive de ver-me em serios embaracos. Mais
de uma vez os meus guias, praticos do logar,
confandiram a torturosa picida que loma-
mos, cheia de c-ldeires e latnacaes, com ca-
minos de arrastar ma<;eira !
Voltei pela va fluvial, o rio Itajahy-Mirim.
Este verdadeiro Meandro em miniatura pz
anida em mais severa prova a mmha pacien-
cia a resignaco pela luta a que levoume,
..ra contra a sua impetuosa correte, ora im-
pellido por ella sobre tecidos de raizes e
troncos de arvores de todas as dimensoes
e borrivelmente combinados.
E, se isto se deu, Sr. presidente, com a
primeira autoridde da provincia, calculo
V. Exc. o que nao tero solfrido esses po-
bres colonos, que, em ultima analyse, nio
tem cowmunicaco alguma com a capital e
nao sabem como dispr de suas abundantes
colheitas.
Assim, permitta-me repetir mais uma vez, |
Sr. presidente, se tivessemos adoptado o
principio estabelecido no projecta em ques-
tao, estas e outras calamidades se teriam
evitado.
Nao veramos, por exemplo, paralysada
a grande obra de abertura de um camiubo
estratgico que da provincia de S. Paulo fosse
frontaira do Paraguay.
E>te plano, Sr. presidente, suggendo pela
mais sabia e providente deliberado, fra
mandado executar por seu autor em 1837.
Quatro anuos depois, quando os trabalhos
se acuavam em pleno andamento e a obra
quasi concluida, vimos; como dgo, com
grande espanto e pasmo, que se mandara
sobrestar na execugo delles.
O Sr. GaviAo Peixoto:E exacto.
O Sr. Pedro LeitAo : Fra demittido o
digno offi ial posto a testa da obra.
O Sr. Gaviao Peixoto :Apoiado, um
offici.il distincto.
O Sr. Pedro Leito: SopiUu-se tudo
emlim, e o paiz ainda hoje nao sabe porque I
O Sr. Gavio Peixoto : E' exacto ;
era uma obra de grande utilidade-
O Sr. Ministro da Agricultura:infor-
mo ao nobre orador que maodei contiouar
esses trabalhos.
O Sr. Pedro Leito : Sim, senhor: sei
En r unto, seohoras, tem se dito oesta casa e
fra delta que o procedimeolo poltico de to coas
picao cidado fra ama das causas determioaotes
do estado fflicto em que se aeba o Imperio.
SioOores, taobamos preseatos estas memoraveis
palavras da um escrlptor dlMiaclo : t Se sem a to-
i-rancia a vida social om estado de guerra, ella
tem a justica om estado impossivel.
Eotrarel, agora, Sr. presidente, mais propria-
mete oa materia em qoesta).
Pedira a attengo de S. Exc. o honrado miois-
tro da agricultura.
S. Exc. diz em om (opico do seo relatorlo o se-
guate :
f Quaoto & conslroeco da iloca, nio teria dovl-
da eu entrar em ajaste (refeie se a certa propos-
u dos Srs. Moroays) sa as ecodiedes fossem ra-
loaveis, e se os propooeotes so obrigassem a cods-
trairo proloogameoto daestiada de conformida-
de com os plaoos dos Srs. >"e; le e Lana. >
Em vi-ti disto, peguntarla a 9. Exc: Appro-
vado o prujecto em di-cusso, serio os trabalbos
do malborameoto de P-roamboeo faltos precisa-
mete, seguodo os plaos de .SVate e Lae ?
O Sa. Ministro da Agricultura:Se passar o
pr O Sn. Pedro Leito:Bem, oo iuststlrei. Desejo
apeoas que o mea peosameoto, embor oso seja o
de pessoa competente, que copsigaad. E' o s-
guiot): se tivesse de resolver este oegoeio, pro-
poria ama ligeira modifleaco no plano do eoge-
ntieiro Mate.
(Ha am aparte.)
S. Exc. o honrado ministro da agricultura diz
qoe UawksaK um emiaeote eogeo&eiro. iin-
guem o oega ; mesmo ama ootabilldade oa sua
urotis-o. Mas oote S. Ele. qoe oulra a especte-
luaoe de HaWksaw.
Esie eogeoneirj uceupa ae mais de estradas de
ferro, eocaaameoio d'agua, etc.
Se o honrado mioistro tratando de obras bydrao-
licas oo fallasse de Judo Reono, do capito Har-
risoo, Readel e oatros, teriamos com effeito oovl-
o a ultima palavra oa queslo sojeita. A modiQ-
cae-o a que me. retiro versa sobre o local em que
se ueve abrir o novo saogradouro para ai agaas
dos nos.
Declaro fraccameote a S. Exc. qoe aceitara
com 8egoraoca a iodicafo do eog^nheiro J-aw
quando prefere o aterro dos Afogados ao istomo de
Oilndai
(Ha uru aparte.)
V. Exo. sabe, Sr. presidente, qoe z deiobstruc
ihj do aocoradoro do por!o de P< roambueo as
sLMnpto importadle. O propno eageubeiro Ifiw-
Osa-w o uiz o su parecer, no segoiaies termos :
< A remoe-'; /los pareis entre o- arseaal de mari-
nha e o ptiaror e^pooto esseociahssiroo, porqasmto
sem se providenciar acerca da seguranca e lacih-
dade da entrada e sabida dos navios, e do augmen-
to da profuudidade da? aguas d) porto, sera' com-
paralivamenta motil' cuidar de outros melboi-
ueotos. >
Portaste, Sr. presidente, todo o bosso empeobo
deve consistir om indagar qual o meio mais eG1
caz de ccoseguir-se aquelle desidertum; remoca
dos parce e baixio do canal oo Recita.
Por bem severa esponeneia eaoemus quo imi-
tis sao as barcas de excava$a oos nossos porios.
Em Pernameoco s as grandes eacbeotes dos
rios coosegoeo), como se ten obaervudo, profao.
dar o canal, K por es indieaQao\ toda-praviden-
cial, que eu preitodo deinuostrar, voato quo per-
lunctoriaiBeiuc, a coavsniencia de atnr-se o s gradouro a> qoesio no-aterrado abuso da ponte
Oo Cabanga.
Sr. presiente, sabe-so que o Qaxo das mares
inferior ea velocidad ao refnxo ecusa de uma
mila; ou or oulra, a mar do vasante corre com
mais veloodade que a de enebente -, eonsecfoente-
meole, quasto maior fdr o volme da agua de va-
sanle, tant mjs laorAel sera o efJesto qu temos
em vista, ::o porto de V j.-cuiabuco.
Toda a dtacaidade, pois, parece estar na acqai-
sno da mawr rea possivet para deposito das
aguas do jr ;u dasmareor.
Ura, olocooaa qae leona visitado Pornaabuco,
Sr. nresideela, deixara' Ce reeenhecer que.feito o
corte para o aesaguamont dos nos- ao aterrado
a arc-a ou cepo^ito a que me redro sopa' esmsioe,
ravelm-mte maior que a qqe possa prcporioaar a
ab'Ttura a > Istbmo de 9lada.
E', pois, otie o pjnco s-ibn que esejaria onvir
a opinio espscuimont dos prolesswnae* da casa.
Mas o beurado minwro da agricultura nao af-
Arma que a-pl*no de ^Bate e Laao- 6*siua qual-
quer alterago, nao prcsegairei.
(Ha um ajMiTe.)
Quauu aus ouiros ponto* do prejcta sao accw
Jes os dieersos eogen&eiras que foram cuvtdos.
A baca abaixu da paate do Real fe de graa-
de utilidad*. E to oamlnata a oseillaqo da
aguas ea Peroambaoo que quasi torna-se desaa-
cesSdria a comporta delineada no plno.
Hodero servir sea inconvenioaie-o* appare.bos
hydraulisos cominciaente emuwgados nessas do-
nas para earregar e descarregar oavws.
Porque fallei, Sr. presidente,, oa necessidad oe
maior'e*pac.> para as aguas do jogo das mares, de-
vo aioCa mencionar que nao fra providencia de
Dom conselho a eoostrucejio do'caes na peala do
M. da ilha do Noiuewa, sendo.qoe melhor ira aa
extremidade opposia da. mesma itba, porque alem
de ludo leria trazido economa aos cofras pblicos.
Julg", Sr. presidente, oav*r dito quanto bastava
para jusjidcar o m<-u ful om tavor do pro)ect) de
m-lhjra.neoti> do pono oe Peraimboc...
Tive de, coao. comrBomcasBla se tlii> raettr a
cao em saara.alheia; poilaato, s grande indfll
gencia da parle de V. Bl.. e a camari podara re-
velar es m';us erros. Sai qae a occaslo nao era a
mais propna para discorrer do modo por qus-o
z.
Mas a nm deputado novo tudo perdoavel.
O Su. Minktho ba AGRICULTU3A:- Muito bem.
Asseguro a V. Exo. que adoptaremos o plano que
mus vanl'gaos oH reca.
O Sh. C. OttomuNao venboppi*>r-ma ao pro-
jecto: recoooeco a utilidade e a nacessidode das
oirs proj-dadas para raelboiamanto do porta de
Pernambuco e creio que o maio adoptado c o me-
ihor, seuo o nico adoptasal (apoiadus). isto e, a
constrocc,o das obras por empreza, provavelmen-
te com capitaes estraogeiros, e a resuuoeracao del-
les derivada da propria aecessldad publica qoe as
obras sao desloadas a satisfazer, Isto provindn
a renda da empreza do imposto laucado sobre os
navios que se alillsarn das obras.
Mas 01 principios substanciaes, parece-me, qu9
nunca devem ser preteridos nestas concess3es, e
de que o corpo legislativo nao deve prescindir
quanco as aulori-a e IheS defloe as bases. Djus
de-t?s principios creio que eslo preteridos no pro-
jecto. Um delles 6 o te upo do privilegio; outro
principio doamoriizacao e reverso ao Estado.
delle. do projecto para a am rtizago do capital era
E psta contribuidlo oa anouidade eom jaros pregado, e prazo do privilegio concedido a compa-
composios accumolados aa duracao do privilegio, nbia.
recompde o capital, e permute a reverso ao esta-1 O oobre depatado pela provincia de Peroarabu-
do sem novos ooos. co dase que eocootrava embaraco em definir de
Ora, estes (ios oo podem ser proenchidos pela aotemao o prazo do privilegio, porque esta questao
repartico da lacros excdeme.-, a 8 /.. escesso! preodia-se essencialmeote a do cuobecimento do
qae pode oo dar-se, porque depende do deseovol- i capital qae se empregaria na consirucco destas
vimento da empreza. B mesmo pelo modo como I obras, coobecimeoto qoe exactamente oo podara'
se aotorisa o contrato oo parece que deva dar-se ser adquirido seoo depois qae o goveroo, ptios
tal excesso, porque manda-se calcular as laxas de meios e.-tabelecidos oo projecto e emendas, boover
modo qoe garanta um lucro de 8 / o que parece
ter em vista onerar o commerelo de Peroambaco
somante quanto preciso para qae o lucro da com-
panbia nao exeeda de 8 "/
Assim este loero iro iceitidn as governo nao pode
servir para o lando de imonizacio : 1.*, porque
renda lacerta e que pode oo dar-se; -, porque
assim nao tica marcado o prazo, o qae essen-
eiai.
O oofro paragrapbo estabelece o direito de rs-
tate. Em todas as obras esia natoreza se deve
reservar o direite de rogate qae nada tem com a
amortizaco e reverso. Se oo de*eovolvimento
da empreza coovler ao estado dissolver a compa-
nbia e fazer sua a propriedade das obras, deve ter
o direito de resgale medanle ioderdoisacjio. A
amortizarlo o reverso oada lera eom isto; no
m do prazo o capital estara' araortizado e as
obras bao de ser devolvidas ao estado sem dis-
pendio. Assim em vez de se flxar uroai taxa de
15 oo 10 sh., esiabeieca-se mais um sb., oa mar
oa menos ( nao Qz o calclo ) por tonelada, com
o Om de formar-se o fondo de amortizar.>.
O principio da amortizis e reverso foi pre-
terido oa coocesso dos nossos ea rombos de ferro,
e a perpetoldade dessas coocestoes te concerre
para dar valor i aeces de laes- empreza2, coa-
corre tambem para crear muHos embaracos ?o
governo.
O Sk. Viiiiato oe Mbdeiros : Apoiado.
O Sb. G. Ottuni : Fot um erro crassissimo,
qoe boje recooOecido, e em qae, pois, oo deve
mos reiDciadir. Compre, pois, insertado no con-
rrato para o porto de Peroambaco, a dcreta^o de
um fundo de amortizaco, para que, do prazo d >
privilegio, so d a reverso das obra ao estado
sem lodemoisaco.
tftvera' danr em diante uma foote de rsada pu-
blica, a taxa modifleada para mais ou p3ra me-
uos compensara' os aossos vindoaros de urna'parte
dos oaoi que laucamos sobre elles com erapresO
mos que levantamos.
Portaat) dou motta importancia a essis dras
clausulas, qoe alias depender urna da ootra. Jul-
go que o projecto oSo-deve sahir O corpo legisla*
livosem qae se flxe o prazo mximo do privilegio,
'e fondo de amonizacoe reverso ao estado no am
do prazo.
Foi smere para esta observaese qae me le-
vante!.
( Sb. Viriato de Medbiros : Sr. presidente,
concordo compli-tamente com o mbre deputado
peto 3. districto de Minas- Garaes em qoe uma das
ocesaidades mais orgeutes, uo s em relago a
este pro)ecto. como a todos os outros qae auiori-
seni o-dispendio de dlobeiros da uacan aplicados
a coBruec5es, que se estlpole uma certa quan-
ta para fondo de amortizaco;
Caa> effeito, oa emenda qoe en tinba es mente
mandar a este projecto, e de facto por mira redi-
cida, eslava bem clara a creacao de om fuudo de
amortizado ; mas depois consideraQoes forara-me
apreseatadas que indozram me a mudar am poo-
co a redaeejjo, e dar ao goveroo os poderes aeees-
sarios para usar da. metade do excesso e 8 */o
como meltror Ihe coomesse.
ItO oso qurr dizer qoe se o governo jorga-con-
notante formar uro fondo de amortizaco com
esse excesso, nao o Srroe. Mas coacordo com o
sobre depatado em que-seria roeiRor marcar-logo
esse fundo;.pois soo propenso a cr^r que os aoi-
sos goveraes, quaesqcer quo sejaro, nao deMNOMa
>ppiica?ao, se positivamente nao for determinada.
iuim, preflro que, era vez de dar' a' raaia*'
i renda sopencr a ?/ o oso qae rnalhor ooa-
visrdiga seservir' a metade para fundo de
amortizaco, mediante o qoal todaa-as obras da em-
peza passaro para o governo.
Foi esto o-mea pensameoto, e para prova teqMO
i\eo ierei o qoe linba oscripto (t):
o art. 1j* :
i l. As laxas de que resa este artigo wro
egoiaoas de molo tal, qoe prodcsa-ia uma r.+nda
liquida de a por ceoto ao aoao sobre o capital que
se despeader na execegao das obras, seguue- os
pjaoos approvados pelo goveroo.
t 2. O capital de qae s trata onoca exoede-
ra' de I3,33:000, oa.* 1,500,000 ao camtia.de
17 peoces por t^OOO;
t 3.c Desde que a rende liquida excodsr a 8
por canto ao aooo, o excesso diviiir-se-ha era duas
partes iguass, uma s*ra' artdicionada a r^nda li-
quida, e oul'a que formara' um 7t;oo dk aatvKn-
SAC.VO AO WTO CAPITA*
j 4." AMORTIZADO 0 CAPITAL, TODAS AS OBBAS
PERTHIlCENTEs CjHPAIHIlA P.\SSAR\0 AO Dj.UINIO
NACIOHAL.
V se, pois, que acreago deam fundo de- amor-
tizaco, e depois de amortizado o capital reverta
rem para o estado as obras da companh-a, eram
para miro daas condicoes essenciaes.
Di*e S. Exc. que para essa fondo de amortia-
go era oecessano designarse lempo; mas. not
a casa-que com anteceden -.ia nao podemos dizer
qual sera' a renda alm de 8 por ceuto. Sendo
isto evidente nao podamos determinar o lem-
po. Este depeedera' do augmento que dava tra-
zer ao port) de Peroambuco o melboramento prc-
jeotado.
A rt-nda dete ento peder' ser muito maior ao
que preseotemeote, e se oxceder de oiio por ceu
lo essa quanua sera' divida em daas parle-, uma
das quaes formara' fundo de amortizaco, 8 a
oulra se applicara' ao augmento da renda, di em-
preza. x
Goacordo, pois, era qae ha nacessidado urgen-
te dessa declararlo a vez de sa Oeixar o arbi-
trio.
tazando esta observaco tenho noicameate o de-
sejo do acertar, e de bora grado aceitarei qualquer
meio que se me iodique como mais proprie para
cooseguir esse lira.
(Ha um aparte)
ta mais vantagem na maneira pela qual deter-
mino a amorttzago sem 8xar terapo, porque se em
um aano fr da ora pop ceoio o excesso da renda
subre oito por cento destinando-se metade para
fundo da amortizaco no aono segrate esse^.esces-
so pode ser de dous ou tres, e ooao cabera* maior
qaola ao fuodo de amortizaco. Esse augmento
au s provavei certo.
Nao posso coraprebeoder que ura porlo como o
de Peroambuco, que oas circurastancias actuaes
aprsenla um accrescimo de renda admiravel, de-
pois de mslnorado, quando oHerecer todas as faci-
lidades aos navios qae all queiram entrar, nao
produza muito maior augmento de renda, llave-
ra' duvida a esie respeito 7 Pode ser, porque ha
Cumore reconhscer que a oecassvdade da eoo- pessoas em quem predornioa um sceptictsmo sem
gregar capitaes provavelmeote (.sirangeiros para a igual; mas eu tenho fe no progressivo desenvolv-
obra que o ihesooro Do pode construir directa-1 ment a qae me redro.
de qae, senhores ? se
imulacro de um diqoe !
prsente, os relatorios
Drs. Gabaglia e
desla verdade.
meote,'que esta oecessidade deiiara' o commercio
do porto de Peroambuco verdaderamente enfeu-
dado a' compaahia, e este estado de coosas nenbam
paiz o deve aduiiltir lademdaaieote.
Se ladispaosavel estabeleca-lo para o Ora de
oblar a obra, igualmoola indis.iensaval olhar para
o futuro; limitar o lempo em que tal estado de
coasas deve existir. Para isto sao precisas as duas
medidas de que falle!: 1., marc?r o prazo do pri-
vilegio, parece-me indispensaval; ., regular a
amortizagao.
O Sr Viriato de Medeiros : Mis nao se mar
ca o buido de amortizaco ?
O Sr. C. Ottoni : V. Exc, Sr. presdeme,
faz o favor de maodar-me o projecto 1 (ET satts-
feto e ti. J Nao vejo no projecto fundo de amor-
tizarlo.
N O Sr. Souza Crvalho : E" o resgale.
o que .eta.lii.eDt. se faz e do mt se qu., ao,^i^ti^,Si
sao no Ora do privilegio.
O Sr. Souza Crvalho : Mas de qaanto pare-
ce a V. Exc. que deve ser o prazo?
O Sr. O. Ottoni : Nao sei, nao me animo a
propor, nao cuooe$o Unto a natoreza das obras,
qae po sa julgar cora segaraoca ; nao qnero mes-
rao dizer coas*, oem praticar acto que possa pare-
cer guerra ao projecto.
Sr. Meirade Vasconcellos : Todos n* es-
tamos convencidos de que nao quer.
O Sr. C. Ottoni: nao la aqu fondo de
amortizasj nao na clausula MMiva a reversjo,
Quando aprosentei a emenda a este projecto, fui
levado do desojo de dar ao goveroo os meios para
fazer um grande beneficio a Peroambaco, e llvrar-
nos o mais depressa possivel das demasiadas exi-
gencias das companhias.
O Sn. Souza Crvalho :Acto as vezes maio-
res as do governo.
0 Sr. Viriato de Mbdeiros : E' melbor nao
entraos nesla indagaco, se o Ozermos o nobre
deputado ha de vir a aecordo commigo.
Nao vajo, Sr. presidente, raiao para opposico
ao projecto como se acba concebido, a excepjjo
dessa pequea modanga e se acaso S. Exc. a apre-
seniar, eu, pela mioba parte, aceito-a.
Argumento com franqueza e boa vonlade de
acertar. Eu entendo que o governo tem o direito
no contrato que fiter de flxar o fundo de amortiza-
gao ; o governo ple dizer parte com qae con-
tratar : tal somma para fondo de amortiza-.'
V. Exc. tem peloassampto em questao ; mas
fallo do que se deveria ter feiio Porque
certo, senhores, que se houvessemos rea-
lizado o grande pensamento do Sr. conselliei-
ro Jos Antonio Saraiva, j n5o digo qua
Lpez recuasse de seus tenebrosos inienios,
mas os effeitos da guerra nSo teriam sido lo
desastrosos para o nosso paiz.
0 Sr. Gaviao Peixoto:Apoiado.
0 Sr Pedro Leita9 obtido os esclarecimentos, ornamentos e dados ia
dispensareis.
Mas, Sr. presidente, a isto respondeu em aparte
o oobre depotado por Mioas, que oem sempre para
marcar-se o prazo da am privilegio iodispeasavel
o coobeclmeoio previo do capital qae se vai empre-
gar o'oma obra dada.
Realmente assim, e nos Ja' temos na legisla-
gao do pa z ejemplos distes com as estradas de
ferro e com outras bras publicas de moila im-
portancia.
Todava, a prevalecer, contra a opinio do oobre
deputado por Mioas, > principio do Boore deputa-
do por Peroambuco, anda creio necessarro tor-
ear mais claro.
Pelo paragrapbo quiofo sa emenda ol7orecda ao
projecto, e pelas palavras eom qae as emendas se
acbam redigilas, me parece que no futuro bavera'
davida.
A emenda trata principalmente dos meios do
resgale ; a cmara sabe^ perfeitamente que ama
eousa rescate, oulra am irtizaco, o finalmente
oulra o prazo de om privilegio concedido. A c-
mara atienda a esta qnesto qae grave, e se na
for resolvida, me parece qua na contiOQago da
discosso ella ha de reviver e embaraar a passa-
gem do projecto.
Quodo se trata- de conferir am privilegio a uma
compaahia, todo o mando quer saber o prazo desse
privilegio; e se o corpo legislativo entende que nao
deve dar, nao pode marcar esse p-azo, diga franca-
mete o governo marrara' o prazo...
Sr. Souza CarvaSho1 d nm aparte.
'SR: MtHSTRO DA AflaiCULTttVA ".LogO 3-ob
jaego sabsi-ie anda com as respectas dadas pek
ooore depundo por Peroambaco.
Ku acbo necesario qoe a cmara oo flxe o peazo
dentro do qual ha de expirar o privfregio concedido
a esta companbia, que tem em vista grandes lucros,
como mesmo os oobres depaUdos o afBrroaro e
creio at certo ponto, on seosnobres depotados nao
puderem Uxar esse prazo, qu* autorlsera o governo
a faz lo.
Uma Vo:Apresente-se ama emenda oesse
senildq,
OSr. ibikistro da Agricultura :Agora, a
arooriizaco e ootra queslo. O nobre depoiado
pela provincia de Minas disse o bem. Erebora la-
do oos prometa lacr s suoeriores a 8 /. nmgnem
pfjdp, seno por coojectoras, Afirmar slejouo;
mas dada a lypolhese de que isto nao se raalise 7
Nao de summa conveniencia pravinir esiaypo-
tbese 7
Ero nenbora caso isto prejudica ; e portaa.o es-
ta parle eniands qae procede a observago do no-
are deputado.
Con estas das declara coes parece-me fa o
prejicto fieara' iseato dessas daktos que, assim
cimo em mea espirito, em oatros- podem pesar
moito.
Na eroeoda nao ha praao definido ; dz o noore
depatado :o goveroo fteaaolorisado para mrca-
lo ; observo qoe islo nao esta' bera determioai, e
enio itom que soilecrar.
O' fodo de amortizaco dependa do excelso de
8 % na reada ; e se este excesso ai existir T E
con ventale previair isto.
O goverao entende qoe til trate? dele ob;eo
to : seote que os capHaes de estado oo o habilitoai
tal vez a faer por s^ a^smoesta obra 4 til a coo-
fnne,a que o governo tero nos lucros que ella pro
melle Se pudesseraos adiantar urna- semroa eoffl.
aquella ee qae se avalia a obra, o estado devia .a-
? lo, porqae havla de ser perfeitamsate compen-
sado por uma renda que reputada lofallivel.
Mas o e3Udo nem s nao pode dispao>ar capujes
para ebras semelbaotes, oa coojuoctwa^m qoe se
acha, soma conveniente que em raalerla dest
ordem a eroigracSo deeapMaes seja por n promo-
vida era tama escala, quaawa emigi-a^ao de br?sos
utels e- laboriosos.
O estado, era regra, aa sa deve constituir era-
prezario de obras. A poiitica segaM sob a ia-
flaeocia-deste principio sao prova bem. O corpo
leRislatvo, com as cautelas que o soo criterio ex-
periencia aoouseiftain, determina bases, proaette
garaBUas e autora- o governo a coatratar. Ssie
aceoa aos capitaas com as vantageas, e os c^piues,
qua sao sarppre mano atilados, e persplcazes desde
quo aceitam as garanta, compareoem e a obra se
faz.
So em oolros palf s. issim aconlece, qoaoto wi
era paia novo cerno o aosso, qoe ainda nao disffie
de ir.auo- capilaes 7
4o sus as itas qoe o projeela me sugiere.
OSa,. Gana, de Abbeu :Sr. presidente^ nao
protaiio fazer om decurso ; Dora a hora, adianta
da corooe>ia, nem &eansaeoeraque a casa sa deve
iv. r > permitiera.
E* somante para poder respc-aer a ara receio
qoe foi manJltstada pelo nobra deputado por Mina
qoaodo expoz as saas idas,. alias muilo cabiveis,
sobre a amortitaso do capiUl, duracao do que
chaiaon privilegio e sobre o rsgate, qoe loraei !
palavra.
Ambas as ideas do nobre depatado sao realmen-
te aceitaveis.;. mas ea creio que esto incluidas ni,
emenda ero que se designa Indirectamente o moda
de amoriizaco, de modo que o ocore depuiado
pela provincia do Ceara' me previnio a respeilo do
que eu pretenda dizer sobre este assumpto.
Qnaalo ao rec.eio qae foi maoifeslado de qae a.o
possa a venda exceder- de 8 %. 6-que me paece
iolelramaale destituido de fuadamenlo.
Blxaminaodo-se aeslatisiica da exportag'ac e ira-
portacio da provnola de Pernambuco, acba-se que
o termo inAd'o dos dez ultimas anuos foi da......
13,94.1 :G0i>ii0 para a primeira e 18,990.000$ *0
para a segunda, dando om total de 32,931:0005.
Agora comparando este termo medio do decenio
at 65 om m alores de 2S,984:OOO*00A e.......
24,083:11004011. a que a exportaco e importaco
cnegaram era.66, vemos que se anba elevado o giro
commercial de Pernambuco a 51,007:000$, quasi o
dubro.
Logo, se se observa esta augmento to extraordi-
nario, esta progresso lao notavel a s valores de
mercadorlas entradas e sahidas na provincia, evi-
dente qae o receio qoe se manifestao, de que a
renda nao exced a 8 */o iuteiraraeute infundado.
Mas anda nao para aqui. Fazendo-sa um estudo
aoaiytico oeste assumpto v-se na tonelagem, qoe
a lase lomada para a renda, o segrale augmen-
to gradual na exportarlo, por esta maneira : t A
exportago, que era 1865 a 1866 fot de 199.688 em
navios de longo curso e 74,710 por cabotagero,
comparada com a dos anuos antecedentes, apresen-
la ura aogmeoto de cerca de 8,000 toneladas por
anno, e mesrao mais, e na importaco, que em
1866 foi de 260.318 looeladas em oavios de loogo
curso e de 78,378 em oavius de cabotagem, Uoal-
raente ba om augmento de 1,000 looeladas por
aooo, apreseotando ambas am total superior a J,uuu
toneladas de augmento gradaal e aonue.
S esle augmento dve dar toda a
que havera* ama reada superior aos 8 /. que sao
garantidos pela emenda qoe se apresenlou bajeada
em clenlos que nao devem flnar- ri,ni._
Ouvi tambem qae o oobre ministro de agnculta-
ra liaba esse receio para a amortizaco, creio que
corajjleiarueate ofuodado semeibaole receio.
O Sr Correa das Nbves :-Nao acho que seja
multo infundado, pord/oe aiodustria pode diminuir
na produc.Qo.
O Sr. Gama ABRKu:-Verdadeiramenie nos nao
temos industria oa accepcao genulna do termo.
O Sr. Correa das Nevbs :Pois nao temos, por
exercplo, a inda-tna agrcola 7
O Sr. Gama abbeu :E ainda sendo assim, qua
motivo ha -ara que se possa receiar ama diminu-
o-; flodo 0-qVaraompa-ab-ia.argara' todas as" ^g^MS'^ilmrtro
desta
obras.
(Ha mudos apartes.)
Eu arearaeoto com o qae deva ser, sou
opraiSo, mas como uo soo en o anico qae tera a
julgar destas cous&s, a cmara faca o que entender
raais conveniente. Se a cmara julgar que deve
logo flxar o fuodo de amortuacq, eu coucordare
com Isto de tanto raelbor vontade quanto vere as-
sim execuladas as miohas Idas em toda a saa pie-
oiiade. .
?arece-me qae estas explIcaQiJes serao bastan-
te? para convencer a cmara de qoe o projecto
motivo
esU' oa dio uiuicao do preco do algodo.
0 Sb. Gama Abrbi :Esta diraiooico dos
oltimos lempos, s alTacta aos tres olmos annos,
poaco p le Influir, pois qae o calculo que apre-
sentei remonta a mullos anuos, a todo o ultimo de-
ceonio.
De-apparecendo, como me parece qae deve ter
desapparecido, o argumeoto qoe apresenlou unto
por parte do nobre depotado por Mioas como por
parte do nobre ministro da agricultura, de nao ha-
ver excesso de 8 0,0 na renda, nao *ei ioe dllfl"
Accresce qae no contrato podem e devrm ser
consignadas todas ai elaasulas precisas, e o gover-
no as consigaara'. Sa ea livesse a detcoofianct
de que o goveroo no contrato n. tena em viita
tudo quanto a Interesso pablico, admiUirn orna
emeida nesse sentido ; mas pensando de difiran-
te modo, pois que o resgale e duracao do favor
conseguido sempre costamam fazer parle desies
nao a ju-
juigoei de-
ver dizer. Termino aqal.
O Sr.. C. Ottoni:Quem me faz vollar a* tribu-
na o oobre ministro da agricultura, porque fez-
me a honra de jalgar alteodlveig as miabas ob-
servay-'s, e recomraendar a materia que as coa-
temple 00 projecU, recommendaco alias qae nao
parece aceita.
Direi, pois, por mira e pelo ministerio, com
quera acaso me acba de aecordo, qae as observa-
ges que ofJereci a eoDSIderacao da cmara oo
podem ser coalestadas, e nem o foram eom vaa-
tagem.
E' manifesiamente convanieaie limitar o lempo'
em qaa nma companbia ba de por em cooiriboi-
Qo lodo o eommercto de Pernambuco.
E' iBdi.-peosavel tambem, parece me, abaodonar
o sistema que segaimos oos camlohos de ferro,
de fazer coocesso^s perpetuas, nao cjneedendo as
geranoss por vir compeosa$o algama dos onas
qae ihes lancamos. (Apoiajo?.) Nao ba foglr des-
ta oecessidade.
Dizem-me, porem. >A metade do excesso da ren-
da sobre 8 v e qoe pelo g 3 pertence ao Iover-
00, pode constiloir o fundo de amoriisaco.r E, ob-
jectaodo-se que .;uma reodaiocerla, subre a qoal,
porianto, nao se pode basear clcalo algara, e nw-
oos om contrato do governo, respondeadb se : ao-
incerta, mais qna provavei; tenho mais da
qae f, disse um nobre depaiado, e mais do qaa
f, certeza. Mais anda aceitando a questao oesta
terreno, o que Oca cene a existeocia do recur-
so, nao o sea quantum : o producto oece<.-a-
nameote lacerto, o qoe nao permitte flxar o
praao.
Or3 laxar o coraraerco maritimo com 8$ avfff'
por tonelada, e nao- dizer Iba por quauu s aooos
dorara' este ooos, eousa qoe me parece na.*-
aissivel.
Sustento, pois, a neeessidad3 de om fundo de
amoriisaco melbor de&nido a eonieelaco qoe
soffri suggere-me 001ra Mea : o que me dizem da
progresso asesodeoie dos lucros demonstra a oe-
cessidade de ootra medida, isto lira laco des-
ses lucros, para poder alliviar as tasas em favor
do commercio.
Diz o oobre deputado pelo Para', que ba all
constantemente aa aogmeoto de lonsUyera de
3,000 a 3,5U0. Ora como as laxas sao marcadas
por ama vez sobre a-base da toeelagem astuat...
O Sr S-juza Crvalho:Nao se segu ; podem
ser marcadas at graauaimeote,
O Sr. C. 9ttni ( ao Sr. presidente): i V,
Exc. favor do piojecto oovameole ?' (E' satisfeilo.)
O que estou venuo que aquelles qae c assig-
oararo nao se entendem uns com 09 outros.
O Sr. SouzA'Carvalho:Assim b de acontecer
em tdas as assembias legislativas sobre porme-
nores.
O Sr. C. Ottjsi : Pormeaores 7 l Limillaeao
de lucros, reduego de lasas, fuodo de amortisa-
(o,.praso do privilegio, reverso ao Estado, sao
porcreoores I 7 ?iao conneco nenbooa clausula
raaw substancial Oo que estas, tudo qoe ba de
capital, de essencial oesta roaieria.
A emenda diz (:*), e estas palavras ciararaeote
mostrara qoe se tratara de laxas mareadas por
ama ves no contrato, e pois, boseaodo-se na tone-
lagem prsenle.
O Sin- Souza Castalho O 5 1 diz: t Sero
regaladas de modo.....
O S. O. Ottoni:Diz o % l-(t).
Parece referir se a um termo medio dado pelo
movimeuto actual do commercio marilien; oo
se refera era oada aos aogmeous fulares. < Os
navios e awrcadorias que costuavam entrar sao
palavras-que manifcstamente se teferem ao termo
ui-lio do commercio marilirao aeioal em Pernam-
buco.
Estas laxas, pois, aove ra ser marcadas de modo
que com a tonelagem actual produzara 8 0|D: e o
qua presappoa a argamentaeo do nobre depulado
pelo Para'.
O Sru Viriato de aEDEmos:E ea tambem ca-
lendo -S-IUJ.
O Sr. GvOttom:Ja* v o nobre depatado por
Pernambuco qu* se a sua loieacjio era a de laxas
dimiourado em favor do commercio, em proporgo
que o inoBimeolo crescer, essa iolencao nao esl
oa emenda.
O qce abi vejo b a taxa marcada por uma vez
sobro a base actul, nao recebeodo allivio- algura,
quaodo a tonelagem crescer ; assim o euteqdem
comm.vo os nubres depuiailo pelo Cear e pelo
Para, Mgaatarios io projecto.
Ora como sa diz que infilbvel o argumento de
3,000 a 3,500 toneladas por anno, segue-se qae
os lucros iro sembr em augmento : sero 8, 9,
12, 20 0*0 ; mais aato ladlspeosavel oulra ad-
dicjo ao projecto ; Iimitlar os lucros, alera dos
quaes so far reiaccao d laxas era favor do com-
mercio.
E:endarao na*. Ou a* laxas se r?ga)am gra-
dualiente sebeado a tuoslagero, e eo:o o* lucros
auoca excede a 8 it, Scaudo prejudicada a_
amonisago, oa sao caireladas por aaa vez, e ea-
lo seu producto augmenta iodioidaraenie, o qoe
oo adrairave). E nc- segundo caso o ouani-jm
secJo incerto ao xa o praso da amonisago, o
qud essenciil.
Compre atada notar, que nao sa pode regalar
orna araorlisafao s-m xa de iuros, outra tacana
da emenda ; fii-meato e-s>-ncial do calculo.
O Sr. Viiiuto de Kudeiros da ora aparte.
O Sn. C. ttTuN:Aqu uo ha,dinheiro ajaros;
trata-s^e nraa coini.Muh O Sr. V:wato de Medeiros.: Mas marca-se
8 OiO.^
O Sr. C. Ottoni:-Ah I bem ; como se garanta
o lucro da 8 "i,, nao desarrasoad que esta taxa
seja adaptada pira, o calculo do fuodo da amorii-
saco : aceito a base. Mas, como a quaotia io-
ceita, oomo acabo de mostrar, iocerta fi^ a amor-
iisaco, e nao fieara deteimioado o praso da con-.
Cessao ; oo compreheodo isto.
O modo que julgo regular para fundar a amor-
tisaco romear por marcar o prazo, por exeni-.
pl>, cincoenta aonos.
Determinado este prazo e a laxa do jaro, calca-
la se qoal a coolrlbuico semestral, re',r'J8DU-
da por orna roreeniagera do capital0,1,0, 0 1 */
00 o que Mr, qua derivada da reada bruia, e de-
positada cada semestre a juros compostos u> prato
dos clncoenta anuos, reproduz o capital da com-.
panhia. .
E a' disposicao. d'ella deve flear este fuodo da
amoriisaco ; se o distribuir aos seus accionlas,
flearao elles sabendo que as suas aecoes, no am
de cincoenia aonos perder o valor. Se qaar a
compauhia crear um fundo da amoriisaco, ge 1-I0
a costea-lo, tera' no fira do prazo com que rsgate
as acedes. -..
Qua o ascolha ella ; mas o prazo deve ser Ota-
do, e a reverso caso previsto e facto uy"ve':
Compre ootar que destas obras das docas, aos
armizeos, do porlo artificial, fl-.a depeadeole todo
o commercio de Peroambuco a do interior de va-
rias provioclas, que tera por emporio commercial
a praca do Recife ; creisco de uma taxa pesada e irredutive, e a sox
jeico perpetua dei-se commercio a' compaobia daa
docas. O meio de o evitar a amoriisaco.
li' principio de boa adminislracao, principio
sabido, qoe era geral estas obras pobncas. qoe
exercem to graade afluencia sobre a sociedade
se sao eotregaas a' iadustria privada para o flm de
coogregar capitae?, devem sempre s-lo oom a coa-
dico expressa de reverterem ao dominio publico
00 lira de certo prazo previamente dettatdo. Ha
ecooomislas que roosideram os caminbos de ferro
como um recurso para no fim do prazo da con-
cesso solverem a divida publica de cada pair.
O miolsterio de 1855 havia seottdo esia verdade
quaodo adjudicoa a estrada e ferro de D. Pedro
II, pois tinba estipulado a clausula de atnortuacao
e reversa, idea qoe infelizmente encontrn resis-
tencias, e resistencias i qae o.ministerio infeliz-
mente reden. PosXpos, tercosapante*.
o Sr. cocselheiro Pedreira e o fallecido aaique
de Paran sendo altas certo que 1tiesurcaso a evi-
dencia inferior a quaesquer autoridades.
Observ ndo pofs, que ^eM hde 'onS p,0-
tos que me parecem substaoc.aes, ba divergencias
entre os proprios que sosteotam o projecto ; ob-
servando que o nobre ministro da agricatura jal-
ga necessano que sejam Hendidas i d abas pon.
cas observacoes, me parece que se ha aIgom caso
em que nm'ad.araeoto seja ja-t.cado este.
OSr Souza Crvalho :Nao hadavtda...
O Sr" O Ottoni : creio, porem, a vista da ma
vontade com que sao aoolhidas mlobas observaQ5es,
que oo deva propu-la.
(Continuarse ha.) __^
TYpTdO DIARtO-RUA DAS CRTJZES N. 4i
> -


T


- I

l!

f
'x4
MUTILADO


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E3364J9OG_QDOGD7 INGEST_TIME 2013-09-05T01:40:39Z PACKAGE AA00011611_11401
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES