Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11399


This item is only available as the following downloads:


Full Text
->
ANNO XLIU. NiMERO 242.
^^ iiii ,,....... |M
Ptttl A ClPIfAU S litUUK o\un HE NAO PA4JA poste.
?or tras vetes adiaojados.,. .............. 6(5000
*r seis ditos idem.. .1 .1 .) .< >! .1 .. .1 .1 .1 .1 .1 V ISiJOOO
Por oa aau idea.. .; .] .1 .j .! .j ,j .3 ,j #l ,{ .i ,: 240000
CaJ ajuaro fuis .j ...... .,......., .a 320'

SEGUNDA FURA 21 DE OUTBRO DE 1867.

PABA l>E,\TBO E l'OBA DA PROVINCIA,
Par tres mexes adiantados.. ..'..,.....,. .-.".,
Per seis ditos iden. > ., .. ,, ,, .. .. .. .. ,. ,. ,,
Por nove ditos dem.........., ,,....................'
Por am asno idem........, .. .. ,,..................
7W
48,5500
200250
.0000
AaSiiQaMrtUl Bill $SI&BJaW9 tENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO.
Paran yba, o Sr. Antonio Alexandn no de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva ;Aracaty ,
cSr. A. de Leraos Braga; Cear, o Sr. Joatjuim
os de )liveira ; Para, os Srs. Gerardo Antonio
Alves & Pubes; Amazonas, o Sr. Jeronymo da
Costa; Alagoas,o Sr. Fran<-ino lavares da Costa;
Sania, o Sr. Jos* Martin* Alves: Rio de Janeiro,
o Sr. J05 Ribeiro Gasparinbo.
"vRTii"ia'unS <*FAFETAS.
Olinda, Cabo, Escala e estagoes da va frrea at
Agua Preta, todos os das.
lgaarassii e Goyaoaa as segundas e sextas fefras.
Santo Aotao, Grvala, ezerros, Bonito, Caraar,
Altmho, Garanhuns, Baiqae, S. Bento, Bgm Cna-
selho, Aguas Bellas e Tacarat, oas terfas-feir.'s.
Pao d'Altro, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pe-qaeira,
tiigaieira, Flores, Villa Bella, C'abrobo, Boa-Vis-
ta, Oririnry.Salgueiro e Ex, as guara* fe/ras
Seriohaem, Rio Pormoso, Tamandar, Una, Bar-
reros, Agua Preta e Piaieoteiris, as quintas
eiras. '
AUDIENCIAS DOS TRIBUIAES DA CAPITAL.
Tribunal do commereio : secundas e quintas
Hola -So : tercas e sanados a; 10 horas.
Fazoada : quinfas s 10noria. '
Jalzo do commereio : segan Jas as 11 horas.
Dito de orpbos : tercas e sextas 3 10 boras.
Primoira.faiwdo civel: tercas e sextas ao Beio
da.
Segundaba do eivel : qnartas e sachados a
1 acra alarde.
EFHEJERDES DO MEZ DE OTUBRO.
( aaSh. e.23 m. da 1.
*< -. -j|pta a 10 h. p 3! m. da m.
21 Quarto miug. aos 17 m. da m.
27 La nova as 10 b. e 11 m. da m.

DAS DA SEMANA.
21 Segunda. S. Dacio m., S. Cilloia.
z2 Terca. S. Ladislao f., S. Gordula v. m.
23 Ojiarla. S. Joo Caplstrano f., S. Servando m.
4 Q lila. Ss. Fortunato e Evaristo meo.
26' hesita Ss. Chrispitn e CbnsiiioiaDo irs. mm.
t Sabbado. S. Rogacisno m., S. Rustico b.
27 Domingo. S. Elesbo, S. Capituliua m.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 7 boras e 42 m. da manha.
Segunda as 8 horas C minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COsTEIROS.
Para o sal at Aiagoas a 14 e 30; para a nortr
al a Granja a 15 e 30 de cada mes; para Fer-
nando nos das 14 dos metes Janeiro, marco, mtie
Julho, setemhro e novembro.
DIABIO DE PERIJIMBCO
De Liverpool e Lisboa chegou sabbado
o vapor Olinda, aliantando noticias suien-
ie de Lisboa, d'onrle sabio a.3 do corrente.
Aps a prisSo deGariballi, em Asina-
iunga, honveram aigumas desordens em
Floreaba, Miln, Sieane, Veron-i, Pistoia e
aples, que sereoaram apenas apparcceu
a forga publica.
Asinalaega, onde se realisou a priso,
urna aldeola da provincia da Arezzn, 17
'vilometros noroeste cto monte Pulciano, e
;i oeste do lago Trasimeno, com 3,500 ha-
bi [antes.
Secundo se dizia, o governo italiano est
'disposto a conceder a liberdade Garibaldi,
mediante as condicoes d'elle desistir dos
seus planos respeito de Roma, e de re-
gressar Gaprera.
Em Turim foram imponentes os aelos de
commemoraco fnebre dus acontec mentos
de 21 e 22 do passado. Quando regressa-
ram do cemiterio, as sociedades operaras
e o povo, em numero de 4,000 pissoas,
Qieram um meeting, no qual, depois de al-
gnos discursos, o presidente propoz as-
sitnbla as seguintes resnlucoes:
t Ia A assemba declara qc.e sao traido-
res patria todos os italianos que directa
ou indirectamente contestaren) aos romanos
a reivindiengao da sua lioerdade, e o direito
de se fundirem no seio da grande familia
italiana ;
2* Invoc o desprezo da nacjo contra
todo o estrangeiro, que violando o actual
direito politico da Europa, pretender envol-
verle nos negocios do povo italiano ;
3a Declara terera bem merecido da pa-
tria todos aquelles que ti ver ti concorndo
para a prompta lioerdade de Roma ;
4a Nomeou-se urna commissao encarre-
gada de obter recursos ;
5a A assembla enviou saudagoes ao
general Garibaldi.
Depois de votada esta proposta, o presi-
dente agradecen ao povo haver concorrido
aqu-dle acto, em to grande numen. A
reunio dissolveu-se no meo de gritos de
Viva Garibaldi! Viva Roma, capital cU
Italia f
Nosso correspondente de Lisboa nos
cscreve o seguinte, em 3 do corrente.
t Aproveto a sahida do Olinda para re-
rnetter este pequeo alcance.
Acabaram por este anno as manobras de
Teos. As tropas tem regressado nestes
dous ltimos dias. O Sr. Iafaote D. Au-
gusto voltoa cora o seu regiment que o
de laoceiros n. 2 de que fra tambem com-
man iante o fallecido irmo de S. A. o Sr.
infante D. Joo.
Dos festejos que houve no acampamento
nos dias 26 e 27, quando el-rei e a Sra. U.
Mana Pia all foram, uns acharara bons, e
muitos murmuraram. O certo que a com-
paohia dos caminhos de ferro iucrou, pois
foi numeroso o concurso de espectadores de
Lisboa e de todas as povoagiJes marginaes
das linbas de norle e leste.
Falleceu no Porto o baro deGriman-
cellos, governador do castedo da Foz, e an-
tigo comraandante do heroico batalhao de
voluntarios da Rainha, durante o raemora-
vel cerco d^quella cidade, quando alli se
pleiteava entre os horrores da guerra civil
a causa da liberdade.
* Ainda ha poucos mezes, por occasio
de se inaugurar n? Praga de D. Pedro, no
Porto, aquella mjsma Praga que com o
titulo de Nova foitheatro de tantos dramas
patibulares, a estatua equestre do primeiro
imperador do Brasil, o venerando veterano,
tora urna de;iutago dos seus amigos volun-
tarios e j to provectos como elle, assistia
aqaelle tributo de recontedla homenagem
30 vulto do magnnimo principe, que dando
a liberdade a dous povos, espontneamente
se despojava de duas coras para tomar
frente de seus companbeiros de armas o lu-
gar de simples soldado e de cidado.
< Estas respeitaveis reliquias daquella
aliada nacional vo desapparecendo successi-
vamente.
E' grato recordar-Ihes as facaahas, a
destnteressada abnegago, a lealdade e o
patriotismo, qne o encerramento de ama
nhecer iamais A rainha, era aquillo tudo ; negociares, para sustentar a independencia 1 do qoe pertencj a ootra pessn mais sita. <
perigos e aventuras que seus leaes cam- < ducado de Badn.
pedes, nao pela conquista de um sceptro,! Londres I. Os consolidados
mas pela remndicagao dos foros e frauquias ram-se a 94 /*.
real isa-
de uia paiz de honradas tradiges no passa-
do, de aspiragoes generosas no futuro 1
Os voluotarios da rainha, os laoceiros
da rainha erara denominages com que se
galardoavara raartyrios colleclivos e outra
ordem de recompensas nao poderia sol-
ver.
A concepgno desses ttulos bono ificos
na actualidade nao passa de um entreteni-
mento pueril, sera grande signiticago, e
nada mais.
Nao tenho vista esse discurso cice-
Madrid 1.Os consclidados a 32, e os
.diferidos 30|9).
KHMBUCO
REVISTA DIARIA
Ateas duas huras da tare e do da 13 do cr-
reme nao bavia cbgado Fernaolo de Noronha o
hiaie Sertjipmo, que do nosso porto havia sahid"
cum desuujaquelle presidio, aa maoDaj dodia 7,
condnundo farinha do governD.
roneano a que rae reQro, mas recommendo- Refere, porm, o corrniniiaotHdo vapor Para-
O a
lis
ri
do bom lifn.
< u tyurdo cosame de se trazer os vestidos
levantado^ coa, cordo absolotsrpnte di moda, bem como t andar com
fi aldiqueifos as carruauens.
E*neja-se este anao ver nos bailes das-Tulhe-
ri.is aigutias senboras da mais alta elegancia, com
vestidos ils fil branco, cnrti.-s, sobre saixs de se-
tim branca, enfunados com lantt'joulas e barras de
flores de ^lado encarmdo, entremiadas cora fo-
Ibas de oero ou de prata ; cintura curta, corpo
rauto deeitido guunecido com flores ignaes aos
da barra.tnas em ponto mais pequeo.
f Dizen-ni's em particular que orna alta persa-
nagem, qi i o protmypo da elegancia parisiense,
Ufo, porque ha muito tempo que na im-
prensa dortogueza se n) v, em to breves
periodos um artigo que mais impresso te-
nha feito. "
c O baro da Gonceigo com sua esposa,
chegou a Lisboa e parle para 'ranga.
Procedem as pesquisas das autorida-
des para descoorirem os ma vados que as-
sassinaram o barj de Porto de Moz.
Os jornaes quasi todos insistem na cir-
cimstancia de que tendo sido ha poucos an-
nos assaltado aquello capitalista por outros
assassinos que attentavara contra a sua vida.
Hiera logo testamento.
Agora, aberto elle, v-se que legara
os seus grossos cabedaes a pessoas com quem
n tinha parentesco algum !
Esta circumstancia deve dar lugar a
revelages curiosas, naturalmente quando os
tnbunaes, senhores doli tenebrosod'aquel-
le attentado, poderem discriminar as causas
do crirae.
O rendoso lugar qae o baro de Porto
de Moz deisou vago no tribunal de contas,
declama hontem um decreto que nao seria
hyba, que o encontrara no da 12 Ida para alli.
Tem boje lugar o concorso para provimeoto
da cadelra vaga de philosophi i, do Gymnaslo Pro-
vincial.
Si i examinadores os Srs. Drs. Antonio Vicente
do Namsimento Penosa e Antonio Herenlaoo de
Souza Bandeira.
O Sr. Dr. chefe de polica acaba de recom-
rnendar as autoridades policlaes desta cidade a in-
teira execucau da postora municipal, qne prohibe
aos escravos tranitarem pelas ra?, depois do to-
que das nove boras da noite, sera licenca por es-
criplo doj respectivos senhore.';.
Na quinla-feira prxima (24 do corrente) de-
ve proceder se, peraote a dlrsctona geral da ins-
truego publica, ao con<*orsj asegunda cadeira de
maiheraaticds do Gyranasio Provincial.
Examinara nesse acto os Srs Drs. Augusto Cr-
neiro Mootelro da Silva Santos e Barnardo Perelra
do Carmo.
Cbegoa sabbado dos porios do norte de sua
escala, o vapor Pirapama, da companbia Pernam-
bncana. sen lo po'tador de jornaes do Ceara at
12, do Rio-Grande at 15 e da Parabyba at 18 do
corrente.
Nos cofres da thesouraria aroviuclal do Cear,
lieou Je-a: lo, no lim do mez le setembro,.......
32:7345569.
Paneueu em 3 do passado, oo Aracaiy, o nego-
ciante Jiajuim Antunes de 0! vira.
Na serra de S. Domingos um escravo de Jos de
prvido emquauto se nao refo,-massem devi-1 A;reQ Reverdosi K^ 0)ffl am tJro de
'lamenteas r.partigoes dependentesdaqaelle gard,f a Antonio Ferreira Bautista, logrando eva
dir-se.
Na villa do Principe, do Rio-Grande do Norte,
raen-
ministrto.
At a opoosigo applaudio esta econo
mia. Muitoscuidavam que iguaes raeditas Ugf^Ug+^fi^
so se toraanam em relagao as vacaturas de jo.
lugares insignificantes. A opinio publica sabbado fumetonou o conseibo director da
foi mais poderosa que os empenhos que fer- instroccao publica, com asistencia dos Srs. con-
vilhavam.assediaodo aquella pingue pwben-j!f**.^fj*^J*i"* f Hffff> R?'.9""
da, em perspectiva.
Todos louvavam por isto o Sr. Fontes.
Foi posto hontem em liberdade D. Ro-
que Bircia, aqaelle subdito hespanhol que
esteve detido na corveta Estephania e de que
tanto fallou a imprensa. A opinio publica
se deve tambem este desenlace. Bem fez o
governo.
Falleceu um dos Qlhos do visconde da
Vargem da Ordem, o Sr. Francisco Augusto
Pessa de Amorim.
Ante-hontera s 9 horas e 55 minutos
da manh sentio-se em Lisboa nm violento
abalo de trra. A oscillago, (3 segundos)
foi na direcgo leste-oeste. Fz alguns es-
tragos. N'uraa enfermara do hospital de S.
Jos, desabou parle do tecto. Muitas pare
des em varios pontos da cidade, ficaram
pendidas.
Diz-se que j est preso um hornera
suspeito da morte do baro do Porte de
Moz. Os outros (eram t) ainda nao appa-
receram.
Em Sardoal, houve um incendio que
devorou em poucas horas mais de meio ki-
lmetro de pinhal. Fica perto de branles.
Tem sido muito encarecida e louvada,
a abnegago com qae S. M. o imperador do
Brasil, e sua augusta esposa, cederam de
urna parte de sua dotago pira as urgencias
do Estado.
Sabio hoje de maoha cedo para o Rio
de Janeiro o vapor (de Liverpool) Tycho
Brah, que veio aqu tomar carga e passa-
geiros.
c Est dormitivamente combinado com o
ministro do reino, o Sr. Martins Ferro, qne
a inaugurago do monumento a Camoes se
effectue na quarta feira 9 do corrente s
4 1/2 da tarde.
Vai boje ao Pago da Ajuda urna deputa-
go apreseatar-se ao Sr. D. Luiz 1 para com-
prir a formalidade da cortezia que devida
a sua magestade.
D'alli se dirigiram Cintra a participar
oa Sr. D. Fernando o dia da inaogurago e
prolongada paz nao dolugara imitar-se nos- dirigir-lhe convite para honrar aquelle acto
.empos d'agora I
E' assim que, comquanto enrgicoe
talvez mesmo transcendiendo as raias das
conveniencias palacianas, um artigo que sa-
bio no Jornal do Commereio de 2J do pas-
sado, e que se atiribue vigorosa penna do
nosso primeiro estyttista, Latino Coelho,
produzio notavel sensagao. Discute-se alli
a galantera oficial do titulo, agora confe-
rido ao batalhao de cagadores n. 2, o qual
com a sua presenga.
- As demoras e addamentos, sao devi-
dos a nao estarem ainda promptas as meda-
llas commemorat vas.
< O [Trogram da festa deve sabir na folha
ofQcial amanba. Muitas litliographias que
representis n monumento se tem vendido.
Varias poesas e trabolhos biographicos se
esto publicando. O caminho de ferro deve
trazer ondas de gente das provincias. O lo-
estatuas de raadeira de santos catholicos, que co-
roavarn ha du-entos annos o frontispicio da igri-ja
dos carmelitas, foram precipitadas de urna altara
de amitos sagetres (cada sagetre tem 2 metros) e
quebraran se. As e.-tatuas da Santa .V.rgera, de
Santa Maria Magdalena e de S. Joao ficaram me-
nos Oamnillcada-, mas as outras ficaram todas com
as caoegas c membros em becados. Feito isso, a
polica raandou transportar as estarnas quebradas
para um deposito dd lenba para queimar. Cum-
pre acrescentar que a autoridade coofiou toda esa
larefa a ju-leus e talvez nao seja Intil dizer qne o
da cidade de Grodno nm tar-
se fierra chamando da rainha. No artigo cal muito circumscripto para o tamanho
compara-se o qae symbolisavam taes deno-
minages qaando a rainha era a esperanga
de todo um reino, a liberdade suspirada por
tantos corag&es oppressos pela tyrannia de
aj ornamento.
< Esperam-se em Lisboa os senhores
Meckenzie, Laireg, Wariog, e oatros capi-
talistas ioglezes, estreilamente ligados em-
urna recrdescete reaego*. o de*sapparei- preza das oossas nhas de sueste. Como no
aento dos fiagicios, das execugoes, ps dia 6 do corrente expira o praio do con-
masmorras e do exilio para am grande no- corso qfle se abri sobro* estas linbas, de-
mero de portogaezes, cajo crime consista ver que esta visita daqnella potencias mone-
no sea acrisolado amor pelas conquistas de tarias tenha directa relago com este ne
ma era ooVa que sorgio radiante para a' gocio
Franca, para a Blgica, para grande parte Um despacho telegraphico de 30 do pas-
da Europa emfim, e para as trras de San- sado, diz qae depois da priso de Garibaldi
ta Cruz, para essas plagas hespitaleiras da o governo italiano mandn novas tropas para
America do Sul, ondi o rgimen constita- a fronteira pontificia: os Romanos temem
cional fazia de cada vassallo um subdito, de urna invaso das tropos italianas,
cada subdito nm cidado com prerogativas e, Ets os ltimos telegrammas aqm rece-
bidos:
neiro Monteiro e Aureliano.de.Carvaiho, sob a pre
siavncia do Sr. director geral.
Foram ai provados os pootjs apresentados pelo
Sr. Dr. Carneiro Monteiro, que devem servir para
o concurso da cadeira de philosophia do gymnasio,
que tem lugar hoje, na directora garal da iosiruc-
gao publica.
Os. professores de insiruccao publica de
Goyanaa, Manoel Rodrigues Machado Lima, Joao
Jos Barroso da Silva Juvenis, Manoel Carlos Vic-
tal e D. Eoedina Floresta Cordeire, iiffereceram o
primeiro vinlo por eento do 1 de Janeiro vindoo-
ro, e os outros 3 por cento do Io do correte, sobre
seus ven Minelos, para as urgencias do estado.
Era virtode da lei provincial n. 778 de 11 de
julho ultimo, por poriaria de 17 do corrente, foram
nomeados membros do cooselbo artstico provin-
cial os Srs. Drs. Candido Mar ins de Almelda e Ci-
cero Odn Peregrino da Silva, e o Sr. Manoel de
Cirvslho Paesde Andrade.
Palo governo de S. M. ?. foi nemeado com-
mendador da ordem de Chrlsio o Sr. Joo do Reg
Lima, em atlengo aos servlcos prestados a seas
compatriotas nesta provincia.
Recommendamos ao publico a Importante fa-
brica de chapeos de sol de madama Falque, roa do
C'espo n. 4, onde ha sempre ama grande varieda-
de de chapeos de sol de seda, algodo e alpaca,
bem como pecas desses tecidos para o concert dos
mesmos, por menor prego de qae em oatra parte,
por virem directamente de Pars.
Por ter sido sabbado o da do padroelro do
imperio, S. Pedro d'Alcantari, estiveram embao-
deirados os navios de guerra e estac5es publicas;
salvando a fortaleza do Bram a urna hora da
tarde.
H)je eflectaa o agente Simoes o leilSo de es-
cravos, meveis, joias de ouro e prata, e am orna-
mente completo para missa, pertencentes a massa
fallida de Sebastia Jos da Silva, as 11 horas, a
ra Nova n. 33 2* andar, entrada pela roa das Fio
res u. 14.
Amanilla (22) effectua o agente Pinto o lei-
lSo de movis, looe i, crysiae; e prata conforme se
acba annunclado, no 2* and ir do ssbrado da ra
estreita do Rosario n. 41.
O escrivo Jos Mariano esta' de semana : a
raa de Santo Amaro n 20.
Lotera. A que se acha venda
a IV, a beneficio do patrimonio dos or-
phos que corre depois d'amaoha.
A loja do pago, a' raa do Crespo d. 7 A, aca-
ba de receber am rico sortimento de lateadas de
todas as qualldades, proprias para a festa.
Do Jornal do Commemo de Lisboa, de 2 do
corrate, transcrevemos a seguinte dascnpgo das
ultimas modas de Pars :
t Continua a de< reseeaci t no volume dos toi-
lettes, bem como aos inmensos chtgnons oa malas
de cabello, que appareeiam no bosqaq de Bolooba
e no Campo de Marte.
c Em Pars os eafeites capilares tendera a sa-
bir. Ja se tem visto aigura.s lebas com o alado
do cabello quasi no alto, da cabeca. Parece-nos
qae quem j gar a la haUhe, far bom negocio.
c No tempo de Carlos VI e Luu XI em Franca
poca em qae vivea Oiivier de la Marche, qae nos
deisou am monumento carioso de luteratara do
XV secuto, sobre os adoros das senhora*, os pea-
ledos eram riqaissimos e e cessiramete estrava-
gantes e exagerados. Foi principiando no primei-
ro grao de ele?agio, como Os qua hoje se vio adop-
tando, que alies chegaram a formarle eolossaes.
Os denorr loados kemrins, liitrodatiaos pela samp
taosa Isabel de Baviera, os idtos toocados de todas
as conflguracSes, e as caratncas de bsnanelras, as-
sim chamadas por causa dai graodes folhas qae II-
abam, chelas da palhetas di prata e de oaro, suc-
cederam aos beques, latharaares oo rostros, com
qae as sen eras ador na va o a fronte ; mas lio
tardn muito que nie servisam de texto a repro-
va cao e as Iras dos pregado re3.
c Lembram03 estes preerdentes s nossas leito-
ras, recommendaodo-lbes o commedimento no sys-
tema capilar.
t Continua o fato corto a ser adoptado para
passeio e para soiriis seo etiqasta ; mu asa se
geralmente com saias qae tenham comprimnto
igual ao do vestido, oo am poaeo mais cartas, o
qne o typo da ultima moda. O vestido nao deve
nunca chegar an ehio, por jae tocando no solo nao
a eocom lendou alguns vestidos nesle genero a
sua modls i. A e-ia nquisslmo e vaporoso toilette
competen apatos de setira branco. com entrada
baixa e cr a salto alto ; e as meias obra prima
ne.-ie gent o sao de lucido aberto de seda e prata,
formando lio; deseohos. Alta oovidale que aln
da nao est esposta a venda.
c 7o a tareceodo nos passefos e nos boulevnrds
muios ves dos de setira preto com os metlicos de
que j Qze ios a descripcao. O feit.o e os enfeites
nao offerefcm novidado algoma.
f As perolas linas esio muiio em moda. Pare-
ce que nos futuro bailes de iuverno vao ser o or-
namento dos penieados.
O gowrno Inglez, segondo a proroessa que
linba feito ta ultima ses-ao do parlamento, acaba
de publicaras ultimas olas diplomticas relativas
a' qoesto do corsario confederado /l'a6i?i.
A publirjcao d'estes ocumentos diplomalcos
nos prova Hoje que nunca nos engaamos na apre-
ciagao que .Jaziamos, a' medida que os fados se
produiiam.
Uiziamos'entio qoes fatava smente de ama
questo de mdemnisacao ; mas qoe eniravam em
jogo graves quesioe3 de poltica internacional. Dis
emosque o*E-tados-Uoidos se preoceupavam mais
com os acios de iogereocia praucados pela Iugla-
lerra, aos negocios di America, dorante a guerra
civil do sale do norte, do qao eom a qaanliaa pa-
gar pelos pptjuizos cansados pelo corsarios confe-
derados.
E' isto precisamente que poe em relevo os docu-
mentos diplomticos qae o mioisterio inglez acaba
de fazer publicar. A Inglaterra mostra se disposta
a aceitar o trbiiramenlo, pelo que diz respeito a'
quant.a que tera' de pagar aos E-tados Unidos por
haver delxaio sabir dos seus portos os corsarios do
sal ; porm nao qor submelter ao m^srao arbitra-
mento a qoesto de saber se a Gr-Bretaoha violou
as leis ioternaelobaes concedendo ao-sal os dlreitos
de potencia Deliberante. Ora, Isto justamente qm
pede o miotstro americano S?wrd. Sustenta elle
qoe, em questS.'s a'esta ordem, a Ioalaterra de-
ve dar coma da sua conducta a um tribunal de ar-
bitros.
Lord Stanley recusa-se a pratlear nm acto que,
no sen bumilhader
Ja' antes d'erletlord Russell se bavia recusado a
isso. Aioda mais, nem mesmo quizera submeiter
ao arbitramento a questo subsidiaria dos prejuitos
a pagar, e no momento em que o ministerio torg
chegou ao poder, estavam rotas todas as negocia-
g5es relativas a'qoe to do Alabama entre a Ingla-
terra e os Estados-Unidos.
Estas negocico;s f. ram reatadas por lord Stan-
ley, o qaal se mos'roo animado de am espirito
mais conciliador. Lord Stanlty nem se qor discate
o algarismo de 8:lo conics de ris, pedido por
Seward a tilulo de dmeos t perdas. Aceita de
amemo a deciso dos arbitros a este respeito. Mas,
diz elle, o acto pelo qual a Gr-Bretaoba reconhe-
ceu aj sal os direitos de beliigerante um acto que
nao hei de consentir que se discuta ; n'este caso a
Gr-Bretaoha aceita to smente os dictames da
sua coosciencia. De resto, n) llnba o proprlo go-
verno de Washiogton reconhecido ao sul a qu dade de belligerante ? Acaso nao declaroa o blo-
queio das costas do sul f Ora, a Inglaterra devia
ou reconbecer, tambem ella, o sol como belligerao-
te, e admitlir a legalldade de bloqueio, o que ella
fez; ou eolo, dvia exigir que os Estados-Uoidos
deizassem aos negociamos inglezes pleaa liberdade
para negociaren) com os portos confederados.
Seja como fjr, accrescenla lord Stanley, a Ingla-
terra fez todo o que pdSe para obstar a' partida
dos corsarios confederados, dos quass s ua con-
segoio partir, armado em guerra, dos seus portos
martimos. Seward allega qae a Gra Bretanha nao
desenvolvea tanta energa c -mo os E*iados-Unidos
a proposito dos feoianos. Por-p, os feoiaoos obra-
vam abertamente ; apezar dlsso o Cala' foi in-
vadido e a Irlanda innundada de Insurgentes via-
dos da America.
Os ageotes confederados, pelo contrario, obravam
cautelosamente e com o maiar segredo. Seward pe-
de que sejam, em tal caso, modificadas as leis in-
ternas, para que os ageotes do governo poss mais facifments descobrir as conspiracfies trama-
das contra os outros estados. E' este am pedido
que lord Stanley repelle com energia, por ser hu-
milhador para e decoro britannico.
Ja' nao se trata pois de sobmetter a questo do
Alabama a dehberacao de am tribunal de arbitros.
Esta qaesta ha de flear peodente ainda por largo
tempo, como am faeno de discordia sempre prestes
a accender-se entre a Inglaterra e os Estados-Uoi-
dos.
Mr. Cerrotti, ministro de Italia aos Estados-
Uoidos, apresenloa ltimamente as suas credeociaes
ao presidente d'aqoella repblica.
Eis-aqoi as palavras proferidas n'essa occaslao,
por Johnsoo :
Seobor ministro.
Sinceramente vos digo qne aqu seris to bem
acolhido como o foi o Sr. Bsriiaattl, vosso prede-
cessor.
Augurar vos-hei, pois, na vossa mlsso, nm sac-
cesso igual a>que obteve, a contento de ambos os
paizes, oSr. Bertlnatti.
cura agilar-lhi aff-ictos da alma, de que sao iodig-
nos, tornando de lancando-a al molas vezes, as mximas torta-
ras A' desventurada, que to tristemente acabos os
seus da*, bem pode applicar se o proloquio que
dis :Amor, amor, principio mo e ftm peior.
O homem qae, esqaecendo-se dos seas deveros
para com .a sociedad*, occasionou tamanho mal,
oo digno de indulgencia, nem os crois reraor-
sos, que cootiouamente o devem assallar, su-citam
eompaixao.
Seguado dadis eslati-lico?, considerados ver-'chefe de polica
dadeirose exactos, t-ra raorrido n^s mluas da Gra- laro.
Breanha, nos altimosdeztsei* annos, viote e cinco : a escola prophetica de Inglaterra, de qae
mil pessoa?, entre homeos, mulhers e creancas. E chefe visivel odoutur Cumming, annuncia o flm do
noiess que a sel*ocia nunca lera descansado de mundo para o corrente anno. Ap-sar do pooco
cogitir em tnelhorar os systemas de exulorasao, e que falta para este acabar, a escola persista oa
que os prec otos Impostos aos exploradores, pelo prophecia, e, o que mais, anonncia o programan
governo inglez, sio escr ipulosamcnte observados, do espectculo, qae o segainte :
oa por voatade ou pelo receio dos tribanaes, que Em primeiro logar o sol, a laa e as estrellas,
costamam ser rigorosos contra os emprezarlos, neg-u-aos-bo a sos luz; depois de pausar Oftr"
1 quando alguraa cata'rophe saccede, e se pfova osondaveis trevas, para dar terapo bamanidaae
que foi por negligencia em tomar a temoo as pre- de se arrepeoter, um terrivel cataclisma acabar
canses recommendadas reos inspectores. | eom o nosso plmeta, e campos, bosqaes, cidades,
Antes da gaerra civil dos Estados-Uoidos, o raar o trra formaro am tpastcl, era qae des3p-
termo medio da importacao total do algodo em parece.ro homeos e censas.
raraa em Ioglaterra era de 1,129 milhoes de libras,' Os discpulos desta escola afflrmam qae todos os
por anno (de 183G a 1860). I acontecimenios foram progoosticados p?los prophe-
Desta quantidado de materia prima, a grande na-; 1*8. Abr o Apocallpse, dizem, o tremor de trra
Sao empregava na-suas fbricas 958 milbes de foi a revolusao fraoceza; o eclipse do sol a morte
libras e exportava 171 milhes.
Era 1863 Imuortou 978 milhoas, mis s Goa ou
teceu 673 milhoes.
Em 1866 a imparlaso sabio a 1,250 milhoes de
libras, das quaes as fabricas inglezas s emprega-
ram 889 milhoes.
V-se por conseruote qne debaixo do ponto de
vista do irabalho ha anda am dficit a preeocher,
e isto lo certo qua a manufacturas do Raioo-
Uoido, que era 1861 oceupavara 431,000 pessoas,
no anno seguinte s coniavam 313,000 trabajado-
res, isto UO our cento menos.
Com que materias primas se tentn preeocher o
dficit.
Com a que o seu proprio aso eslava indicando,
com o haho.
A Industria do llnho e do canhamo lave, durante
a guerra da Amrica, nm impulso extraordinario
e o eommercio das teas de lioho reassumio urna
importancia que liana perdido desde mu>to tempo.
Pode se formtr am juizo a este respeito pelos se-
guintes algarismos, ministrados pelas estatisticas
inglezas :
Era 1861 a prodnccao do linho no R-ioo-l'oido
era avahada em 431,000 qmotaes e a importaso
era 1,286,009, total 1,737,000 quioiaes.
Era 1863 a Importaso sobe a 1,867,00!) quintaes
e a produeco avahada em 1,000,000 ; total
2,f67,000 quintaes.
De mais espera se que se persevera' nos esfor-
Sos que bao sido fellos nestes ltimos annos e
que a industria do linio contara' urna era nova
a priocipiar da interrupso do commereio do al-
godo.
i Eatre as meocoes honrosa* da nova ordem de
reeoppensas da Exposiso de Pars, ba nma conce-
dld*a colonia agrcola de Vineland em N=w Jersey
nos Estados Unidos.
O exame acurado, esseocialmenle desioteressado
das colonias do Brasil, foito por urna reunio do
homeos Intelhgentes, escolhidos d'enire a flor de
todas as haces, colloca-as cima das colonias dos
Estados-Unidos.
O bem-e.'tar da populasao alli mais completo,
mais incontestavel.
Que argumento pode impressionar mais aos emi-
grantes, que nao procurara e nao podem procurar
seno os meios de chegar ao bem-estar ?
O premio aleaos-.d i pela colooia Blumenau dar
oecessarlameote um praode impulso colonisaco
das nossas provincias mend'oaaes; e foi este o im
principal a que se propoz o B asi I quaodo, com
gfBde dispeodio, mandoa os seus pVodactos ex-
posiso aoiversal.
Mule-se tambem todo o valor do grande premio
dado ao Brasil pela cuitara do algodo.
Eatre o graodVpremio e urna simples medalba
de ouro, a difl-irensa grande ; intrlnsecameote
ama vale 10,000 fraacos e a outra 10j francos.
Os grandes premios sao recompensas geraes, ex-
cepeionaes, dadas a nm pau, a urna iadustria, a
u.n iadiviluo iaduslrioso, por servidos prestados
ao commereio em geral ; e o recoabecimenlo de
am servico social.
O Brasil ajudoa o mando a sapportar a (orne do
algo lito, e o mundo commercial maaifasta-lbe a sua
gratidao.
Esta recompensa sera' notida nos annaes do
Brasil; ama das bellas pagina-; da saa historia
ecooomica e commercial.
Pela forma segaiote escrevea o arcebispo
armenio de Jerusalem ao imperador T&eodoro,
pediodo a liberdade para o coas jI Inglez e mais
pessoas qae o celebre tyraaao da Etbiopia tem ha
muito tempo em ctpliveiro. se porventara ainda
nao manduu que fossem esfolados:
c Eu, Isaiab, servo de Jess Cbristo, e, pela
gra;a de Oaus, arcebispo e patnareba de Jerusa-
lem,* guarda dos saotos logares, offereso com as
divioas heneaos e os favores da cidade santa as
miobas apostlicas saadasdts a vossa magestade
ebrsta, e soberaos da Eibiopia. Qaeira a protec-
Sao celeste 3 a sollcitude da Divina Provideocia
velar sempre pe'a pessoa da vossa magestade, da
sua augusta familia e de todo o estado goveroado
pela sua poderosa soberana.
f Conbeeemos, seobor, a alta prudencia e o r-
deme amor da instiga qua caracterisam a vossa
magestade. Aleo dlsso, tolgamos de ver oa augus-
ta pessoa de vossa magestade o verdadeiro typo da
rainha louvada na Escrlptura Sagrada e que tanto
admirava a sabedorla de Saloroo. E' com toda a
certeza o saogoe de Salomao o qae corre as veas
de vossa magestade e qae o anima de seotimentos
de eqaidade Igoaes aos dalle. Estas preciosas qua-
lidades qae adoroam augusta pessoa de vossa
luzo do
ay, -Ni
fr, P#
J''esta dadas as neoessarias instraccSes para magestade aimaram-nos. pois, a depr as nos>as
qaeixas aos ps desse tbroao sublime. Estarnas
direitos qae a funja encarnada na soberata mmm uu^,a.. .., v ,uv ,uu.rau uu ,
absoluta de nm s e no despotismo dos au- Pars 1 s 7 h. e 50 m. aa tarde. ] presenta a garboaidade da cauda, e fas eom qae
Heos nSo sabia, nao quera, nem poda reo1 A Franca, Inglaterra e Austria entaboram|ma seghora qoando anda pareca levar ata vesu-
se estipular comvosco no tratada teodsote a rega-
lar ea alargar o comoercio eatre a America e os
porios italianos do Mediterrneo.
Nao esta a occasio opporluoa para fallar das
nossas relasoes polticas.
O vosso soberano, o re galantuomo, ja' era ere-
dor de nosse respailo e amisade, qaando to se-
ment reinava nos estados da Sardeoba.
A consideracao de qae elle entao gasava n'este
pait nao tem diminuido, desde que, sustentado por
am povo regenerado, valeroso e enrgico, soube
alargar a rea das iosiitoigdes de nm governo li-
beral e respoosavel, al ao f yrol e ao Adritico.
Em qaanto a Italia cootioaar a ser regida por
taes o-tituiQoes, oo podara' deixar de ser estima-
da como am ainado moral pelo governo e pelo povo
dos Estados-Unidos.
_ Botando do Sean, encontraran] uns barqaei-
ros, nd da 13 do corrente, nm cadver de senimra,
qae recolheram no sen bote. Foi levado para a
Morgue, e abl, por alguns sigoaes a pelo vestuario,
ge soube ser o cadver de urna joven de dezoito an-
nos, de extraordinaria belleza, qae tonara a crimi-
nosa resolnoo de suicidar-s'j. A esse acto da lou-
enra (oi levada, em coase/qaeacia de amar cega-
mente am homem, que, apear de corresponder
tambem a esse amor, nao podia dar Iba a ma\* de
esposo, por ser ja' ca5o,
E' am (acto este, qem lameotavel ; mas muito da
proposito aqn\ Q relanmos, para lembrar o cui la-
do ejo ave'ra ur as donzellas, em nao prestar ai-
ti{ao a qailqaw, qae falsa e hypocritameqw pr-
X.
certos de que sero ouvidas por vossa" misericor-
diosa magestade pelo aoor de Jesas Christo, qae
nos den na sua pessoa o exemplo da beoigoidade
e de baoildade, qae nos prescrevea qne visitaste-
mos lodos aquelles que esto opprimldcs e privadus
da sua liberdade, que est cima de todos os bens
deste mundo.
< Animado de ignaes seotimentos evanglicos,
pedimos a vossa misericordioslssima magestade
qae se digne volver olhos d* bondade pira o con-
sol inglez e para os seos companbeiros, e
perdoar-lhes todas as colpas qoe possam ter eom-
mettido.
t Se as nossas suplicas, como (oigamos de crer,
foram acolbidas pela vossa clemencia, a nossa
gratidao ser infinita e todo o mnndo se regosijara
tanto como vos pela vossa indulgencia com os
infeliies. Por am acto lo pbllanlropico. vossa
magestade augmentara o numero dos qae oram pela
prosperidade do vosso imperio, como pela cooser-
vago fla preciosa vida de vossa angosta pessoa. A
pai e a grasa de Deas sejam sempre com vossa
magestade. Amen.
c Dada na nossa sde apostlica de S. James,
no 30* dia do anno do naicioanlo de Nosso Salva-
dor de 1867. ._
Urna tolba rossa publica nma carta de (rodoo
em que se 14 o segainte: *,.
i Em 29 de agosto, no meio de ama nutnon.
ooncorrencla de genle de diversas oooflsso^, e por
ordem das autoridades lcaos de Grodno, as eiaco
de Luiz XVI; a la manchada de sangue o Qm
trgico de M>ria Aoiometa, etc.
Aoto taes provas cai a penna da mo; se to
inminente est o fiai do mundo, o qae de melhor
podemos fazer preparar-nos para qne a morte
uos sorprenda descansado?.
Passageiros do vapor Pirapama, vindo do
Acarac e portos intermedios :
D. Aodrouica Torres, Jo^ da Silva Pereira, Ma-
noel Valerio de Moraes, Jos Clemeolmo do Mon-
te, saa senhora, 1 criada e 2 escravos, Francisco
da Silva Grillo e 1 criada, Jos da Caoba Figuei-
redo e 1 criado, Aotonio Leandro Bezerra, B-.mve-
nu.o da Silva Saldaoba, Pedro C. de Oliveira, Joo
Mana Telxeira, Joo Baptista da C. Pereira, Ante-
ro A. de Abreu, Joo Antonio do Coulo, Joaqoim
E. R. da Cuoha, J-ronymo Ribairo Rosado, Deo-
cleciaoo Ernesto de A. Mallo, Jos Carduzo do
Saotos, Aotouio Booevrdes Mello e 1 escrav.
colao M. Mukl, Diooizio escravo a eaJ/^S
dro Cavalcaoli de Joaqom Meodes Ribeiro, saa seatiora e 1 escravo,
D. Mina Krausa e 1 tiiha meor, Henrique Kran-
se, u. Rosa B. Gama e Mello e Jos Azevedo
Maia.
Passageiros do vapor Inglez Olinda, valo de
Liverpool por Lisboa:
Eduardo Dubeux e sea primo Candido Pareira
Mooteiro Jnior, Laiz de Paula Lopes, Alfredo Pe-
reira Barbedo, Christiane Steio&off, George Woo-
dall.
Casa de detenqao.Movimento da casa de
deleoso do dia 18 de oulubro de 1867 :
Existiam presos 287, entraram 6, sahiram 3,
exis.em 288: a saber, naeonaes 201, molieres 6,
estraogelros 33, malber 1, escravos 4i, escrava
1, total 288.
Alimentados a casta dos cofres pobcos 203.
Movimeoio da enfermarla do da 19 de outubro :
leve alta :
JoSo Americano.
Fallecen :
Francisco Barboza Camello.
Cbmitekio publico.Obturio do dia 13 da
outubro de 1867.
Nao hooveram eoterramento?.
1
Antonio de Araajo Cruz, Portugal, 30 anno?,
soltelro, Recife; myelile.
Jos da C .-ti Salgado, Porluga', 16 anuos, soltei*
ro, Bja-Visia; tobtreulos palmonares.
Mana Laiza de Freitas, Pernambuco, 67 annos,
vava.S. Jos; interite.
Jos, Pernambuco, t mezes, Boa-Vista, diarrbea.
Theodoro, Pernambuco, 1 met, Santo Antooio ,
pthysica.
Joo, Pernambuco, 4 annos, es:rao, Boa-Vista:
febre cerebral.
13 -
Anua Miria da Craceig i, Pernamboco, 37 aanos;
vjuva, Boa Vista ; varilas.
Jos Peres, Hespanha, 30 anno?, Boa-Vista;
anemia.
Francisca, Pernambuco, 6 mezes, S. Jos; be-
xigas.
Joo, Pernambaco, 5 mezes, S. Jos, convulsoes.
Joaqaim, Pernambuco, um mez, Boa-Vista: es-
pasmo.
Joaqnim, Pernambuco, 8 anuos, Boa-Vista; inte-
nte.
Alexandre, Pernambuco, 40 nnos, escravo, Boa
Vista; hydropezia.
Manoela, Pernambuco, 33 annos, escrava, Boa
Vista ; ttano.
16-
Jos da Silva Leal, Rio do Janeiro, 40 annos,
solteiro, Santo Aotonio ; interite.
Francisco Flix de Sonza, Pernambaco, 23 an-
nos, casado, Recife ; ferlmeolo.
Francisco Ignacio, Pernambaco, 60 annos, casa-
do, Boa-vista ; auante.
Cecilia da Concelcao, frica, 93 asnos, solteira,
Boa-vista; dyarrbea.
Paola, Pernambuco, 80 anuos, solteira, Boa-vis-
ta ; cmaras de sangue.
Gailbermina, Pernambuco, 7 annos, S. Jos ;
cmaras da saogoe.
- 17 -
Joaquim da Silva Lima, frica, 48 annos, casa-
do, Boa-Vista; tubrculos pulmonares.
Clementino Jos Ribeiro, Pernambuco, 44 annos,
S. Jos ; varilas.
Looreusa-Riu da Cooceiso, Pernambaco, 95
annos, Santo Antonio ; dyarrbea.
Rosa Mana da Concedo, frica, 40 annos, sol-
teira. Boa Vista ; pneumona.
Um prvulo (ignorase o nome), Santo Antonio ;
no parto.
Mara, Pernambaco, 2 mezes, escrava, Boa-Vis
ta; anasarca.
- 18-
Joo Baptista Cardoso, Pernambaco, 30 ansas,
solteiro, Boa-Vista ; tubrculos palmonares.
Jos Jaciotno Ferr Ira, Pernambaco, 31 auos,
casado, Boa-Vista ; idem.
Francisca dos Santos Borges, Pernambaco, 9&
annos, vlnva, Boa-Vista ; amolecmento cerebral.
Mana Rodrigues da Silva, Pernambuco 90 an-
nos, viava, S. Jos ; varilas.
Hermina Maria da Conceiclo, Pernamlwco, S*
annos, casada, S. Jos ; pneomoaia.
Vicencia Mara da Conceisao, Pernambuco, 4U
annos, casada, Boa-Vista ; bexigas.
Joanna Mara da Concelso, 36. anuos, easada.
Afosados ; phiysica.
Pedro, Pernambaco, 1 anno, Santo Antonio ; es-
P*Jos, Pernambaco, 10 das, Boa-Visla ; bepalite.
Maooela, Peroambuco, 7 mezes, Boa-Vista ; con-
valsos.
Joanna, Pernambaco, 4 meses, S. Jos ; inti-
me.
Angelo, PornambacQ, Q annos, & Jos; varilas.
Francisco, Pernamirjco, 8 das, escravo, Boa-
Vista i espasmo,
Helena, Petnanbaco, 6 mezes.escrava, S. Jos ;
convulsoes,
""^ r
II rfiliiri


I
ic lenukie* M*0mU (plrt
mtwk jumcutu.
OUrUMODEft87.
pmnMmcm do km. sa. dsmaroadoi
ARMUIO PKAMCMCO FtBITTI.
Aj dea tures 4a njaahaa staado reno, idos *s
deelaracio oe boreal Mfsid **t*r,ta5<2l
litro para nHo o to*m Infecto* Bao* o Rio
le IsneiTo, o o Mirlo le Joio Perrolr do Santos
iHkr.
XWDIBNTS.
Oficio de secreurto lo mnnnaldoe 4 capital do imperto 4 2 do correte, ipresen-
tando a relacio dos commeTciantes matriculados
o ei MerloT.Acensse arecepeio.
Ao Sr. epatado Miranda Leal foi destribmdo o
uno diarto-h Amonio Perreim Praca & C.
menos.
Reqoerlraeato do corretor Fraacisco ios Silvet-
T apreseatmdo para ser registrado ocouhec.
ment do imposto anouo qoe satlsfiera relativa-
meato ao eiercicio do 1867 a 1868.R'gisire-se-
UitO de Bemardino da Sitia Costa e Antonio
Ferreira Praca, pedlodo par aer admittido a fe
gistro o cooiraio de sus soeiedade sob a firma de
Antelo Ferreira Praea CVista ao Sr. de!em-
bargadi-r Bacal-
Dito de Bernardmo da Silva CosU, para ser
transferido Ormeoe -Antonia Perreira Prare 4
C,o livro copiador qoe pertenceo a de Gampoa
4 Sobrioio, e qoe lora substituido por OUtro
maior.G>mo reqner.
Dito de Manoel Joaquim Das, pedindo que se
Ibe permuta fazer a e-cripi de saa casa commer-
aial nos Itvros diario copiador que servirn i
flrma social deManoel Joaqolm Das 4 C.,
i qnal succedera a snpplicanie qoe o odicj res-
ponsavel pelo aatlvo e passlvo da ezllncta soeieda-
de.Como rrquer.
Dito de Manoel Maa da Si I va, para qoe se Iba
sobr'esWja oo registro do contrato sob a Arma de
wporeira A Mal, por Ibe nao inspirar inteira
conflaoca o socio Jas Domiogo.es Pereira.Como
reqoer.
Mappa do moTimento batido no armazem n. 4
4a ma da Madre de Deas, a contar de julho a b
de agosto ultimo, acompanhado de efflcio dirigido
ao Sr. Dr. unlcial-maior em que se diz haver sido
suspenso o alfandegamento do dito armaiem
Verificado com o anterior, estando conforme ar-
ehlve-se.
Summario contra Joao Pereira Rabel lo Braga,
administrador do trapiche alian legado Baro do
Lit amento, no Porte do Mattos n. 18.Adiado.
Com in'ormaeao do Sr. desembargad ir fiscal.
Requer ment de Jos Joaqaim da Costa Mala e
Antonio da Costa de Ollveira Malaregistro de
rontrato social.Registre-se.
Dito do Joaquim de Soaza Silva Caoba e Alfre-
do Cardoso Pereira, -dem.Sallsfacam o parecer
flscal- ,
Dito de frioo Colbo da Silva e Jo;e Ellas de
Monra,distrito social.Rcgi>tre-se.
Dito de Francisco Antonio Ponto! Jnior apre-
seotando para preposto de sea offlcio de agente de
leiloes a Jos Marques dos Santos Aguiar.Defe
rido na forma do parecer fiscal.Assignou-se ven-
cido o Sr. depniado suppleote Sa Leito.
Dito de Bernardino Alves Barbosa e Manoel Al
ves Barbosa,registro de contrato de soeiedade.
Registre-se.
Dito de Antonio Marlios de Carvalbo Azevio e
Antonio Ferreira Alves,dlstrato social da firma
Azevdo k Alves.Como reqUrem, registran-
do se igualmente a carta de ordem junta.
Dito de Antonio Mootz Macbado.-mstricula de
commercranle.Como reqoer.
Dito de Jos Lopes de Oliveira,registro do dis-
tinto social da firma Marques Irmao & CRegis-
tra-si. *
Dito d Idz da Silva Ferreira e Joaqaim Jos
da Silva,dem!Rtgtetre se.
Dito de Vicente zorra Montenegro, idem do
contrato social sob a firma de Montenegro & Viao-
na.Satisfaga o parecer fiscal.
Dito de J >.-< Domiogues Ptreir e Manoel Maia
4a Silva,dem, sob a firma de Pereira & Maia.
Nao t-m lugar avista do parecer fiscal
Dito da eompannu de seguros Northern Assu-
rence 4 C,para o registro dos estatutos soeiaes.
Adiado.
Dito de Jos Domingos Pereira e Manoel M*ia
4a Silva, p-uiudo a entrega do contrato soeial que
ele tirar* m snb a firma de Pereira & Mala, e que
bavlam submeitido a registro, visto como accorda-
ram em sua dissoluco.Como requeren.
Nada mais bavendo a despacbo, e dada a bora
(Al e i/i) o Ezm. Sr. presidente encerroa a
sessao.
bargtnte 3.* D. Mafia Batalla Caveleente Wander-
l*. tgfravado Moquele Anidlo Garca, execu
Udo. Pedro Cbrisoiogo Canteante wandar ley.
O Erm. Sr. presidente den provlmeoto.
Jolw especial do eommercio.Aagravatrtoo ta-
tor dos orpnlos Albos do fa lido Sebastiio Jote 4a
Silva; aggravado o administrador da mass fallida
do, toaran.
' ar. fciaibirgider Iva Gahaaar* a
mtfT Uavt o eoeernuMi
aa hora e mefa da Urde.
rm
Correspondeneias
melh or Ihe comenhi. que nao tribat seus
pas i pagar coi* t bem caro um eosiao alt-
Dhavado, tosco ilepois do qual contiMam *
ficar na ignorancia, dSo pone vezes, da-
d i retro da contribuico pecuniaria
AattatnoMo Ion
EM LIQUIDAC&O
Vapor, nacional Piraftma, .viudo da Granja
Novo banco de Pemambuco 6 -"- mKlM\stSm Mt0,me:
o convidados os Srs. accionistas a re-
3?JS?.T Io!Ja,S!!f-?CT,,*",,'te-b",n o Primeiro 'lividoado (em moeda
correlo) de trtnta por cont do capital, tra-
readaaoanea para ir* aaooo
dos; mo .lia* trteia das tt horao
da.
4rlWf.
LffMttSro.
ECXJIWt
A correspondencia do Sr. Candido Valeriano da
Silva Freir, publicada em 10 4o correata nio ma-
ree* attencid nem resposta.
S. S. nio foi adrede casa do Sr. H. Gadanll
pare servir de testemuuba da declaracio, que por
meos insidiosos foi eitorqulda ao venerando Sr.
Antenio Joaquim de Faria. NSo foi poi< fetfmHNaa
drede Foi actor principal da farca. E' coneluso
do que disse.
Ja Unjamos oavido dizer, qae nao bavla D. Qu-
sote sem sea Sancho Panca.
O fado de naver o Sr. Antonio Joaquim de Fa-
ria proposto acolo contra L Paecb, basta para de-
monstrar, quem ba mystificado a verdade ainda em
/tuzo e tob (signatura.
Quem assim procede que epteto merece T Cor-
tamente o de iracundo e maledleo, que a outros at-
tribae.
O qne depoe falsamente em juito nio pode
deixar 4a ser um calumniador, nio se Ihe poden-
do perdoar o abaso da amiaade, qoe incaica para
devassar o lar domestico, qoe o acolbe sem re-
Oexao.
Para Panga o sea
- Quixote.
CASO H01IVE
D'l'MA
Molestia Ulcerosa
Curada.
68 saeeas algodao *, a Jato Baptisu Pereira.
4M ditas dito; a Jeronymo R. R.
48 (Nas dito ; a aVmvooato Saldan.
JlMstoa te ; -O aaaann arreara, da Sttna
Fublicacoes a pedido
AeoBdidatiradoSr.Dr Pedro de 4raa-
jo Beltio-
TaWez seja bem desnecessario occaparmo-aos
da candidatura do Sr. Dr. Beltrio por este circulo, e
mallo principalmente invocarmos o bro do colla
gio de Santo Antao, porque sao tantos os requisl
tos qae oraam a soa pessoa, tanta os bens qae de-
ve resultar de sua eleicao para depntado provin-
cial, qne jalgamos com nossas palavras nio iofun-
dir melnor convicio e desejo no aaimo dos Srs.
leitores.
E' am mo^o qae se apresenta na arena poltica,
dispoado de lateltigeacia, fortuna e ptimos dse-
jos de ser mil a este pequeo torrao da provincia
qae o vio nascer.
Um verdadeiro interesse de nosta parte pela sita
candidatura, seria tolher a disposicio qne nut e
lodo o collegio.
Sanemos qne a sombra da oppojao nio pode-
mos proteger a causa de ologoem, mas confesar-
mos o interesse real que neeessarlameate deve
proceder de soa representacio no parlamento pro-
vincia', nio indnz a crer qne protojemos a sua
cansa, e com isso bavermos rorametnao um crlme.
Se bem soober-se avahar os servidos prestados
pelo novel lidador na eleico de 3 de fevereiro, nio
extiara' um s eleitor de autiar-lhe a causa, pres-
lando-lhes am voto. O da aproxima-se e do col-
legio esperamos muito.
Um Victonense.
SESSAO JUDICIARIA EM 17 DE OUTUBRO DE
1867.
PBESIDKNCU DO EXM. SR. DESKMBABGADOB
&. F. l'ERETTI.
Secretario, Julio Guimaraet.
A's oaze aoras e meia da manba declarou-se
aberta a sessao estando reunidos os Srs. desem-
thargadores Silva Guimare-, Reis e Silva e Ac
cioii, os Srs. depntados Rosa, Basto e
Lea), e os Sr-. sopplentes Sa Leitio e Leal Reis.
Lida, fui approvada a aeta da preeeaente sessio
com a sealte d-elaragao : o felo entre parles,
appeliant>-s a viuva e berdeiros de Jo- Higmo de
Miranda, appeilado Joio Bosson, adiado na sessao
de 26 du mu pasi-ad, nao foi prop6slo por nao
se acbarein presentes os Srs. desembargadores
Accloli e UchOa Cavalcante ; e nao nicamente
por nio ler comparecido este Sr. desembaritador
como se disse na acta da indicada setso.
ACORDAOS ASS1GNAD0S.
Proferido na srsso de 10 4a corrente.Appel-
lanle D. niel Joaqaim da Silva Jorge, appeilado
Joo Ptreira Cabello Branco.
Proferido na oitiaa sessao.Appellante Gabriel
Antonio, arponados os administradores da massa
fallida Se Sn,ueira & Pereira.
llTJLGAKBNTOS.
Juo monicipai e du commerclo do Ico.Ap-
K'liante t > Tbumaz Duarte de Aqnmo, appelladce
cnteiru, Filtio & C.Jni7.es os Srs. Silva Gaima-
raes, Accioi, Rusa e Leal__Foi annollado o pro-
eesso por Un* de conellfa;ae com o vuto du Exm.
Sr. presidente, sendo votos vencidos os Srs. Gui-
aaraes e Lti.
Juizo niunicipal e do commercio da Fortaleza.
Appellante aotur Manoel ooli nio dos Santos, ap
pella lo reo Jos de Villa Fidr Juizes os Srs.
Res e -uva, Accloli, Leal e Sa LeitoFoi con-
firmada a si nietga appellada.
Jaizo municipal e do commercio de S. Miguel.
Appel ante aotur Jos Antonio Je Aojo J mor,
appeilado to Juvino de Cerqntura Muara Castro.
Jaitas os Srs. Accioli, Rns e Silva, Basto e
Leal.Foi nf .rmada a seotenca appellada.
Julzo especial do commerclo.AppeUantes exe-
cotados a viuva e berdeiros de Jos Bapusta da
Fonseca Jnior, appeilado exequente J'- Duarte
das Nees.Juires os Srs. Aceoli, Gnimarles,
Basto e L-ai Reis. Despres-aram-se os embargos
de nuilidae do julgado, e cooflrmaram a seoten-
ca appeilaua na parte em qne jaigoa nao provadas
os embargue ^ur rxcesso de execucao.
Appellante o visconde de Suassao*. appellados
os administradores da masss fallida de Joaquim
JosSilveiraAdiado a pedido de um dos Sr.8.
depotadus.
Appellaotes a vio va e berdeiros de Jos Higino
de Miranda, appeilado Joj Bosson.Um foi pro-
pesto por nu estar presente o 6T. desembarga dar
Ucnoa Cavalcante.
PASSAGIXS.
Do Sr. desembargador Silva Gaimares ao Sr.
desembargador Reis e Silva : appellante Augusto
Colbo Lene, appeilado Benjamim Tuikos.
. Do Sr. deeat>argador Silva Golmarias ao Sr.
desembargador Acctuli: appellante Fraacisco Jos
Germano, appetia-io Joici Jun Pereira.
O Sr. oesvoibargadcr Res e Silva }0'0B snspei-
cao e passoo ao Sr. desembargador accoJi : ao-
seilaote Rufino Ferreira da Silva, appeilado Jus
Rodrigues Pneira.Appellante o vigario Amonio
Thomaz Teixeira falvio, appeilado Antonio de
Casro Laraagetra.
Do Sr. desembargador Reis e Silva ao Sr. de
sambargador Aceoli: appellante Carlos Joi As-
tley di C, appellados os administradores da massa
fallid* do Amorlm, Frapos., Sanios k C.
DISTKIBUigSgS.
O Eim. Sr. presidente destribnio ao Sr. desem-
bargador Suva Gu i maraes o felo entre partes :
apellante ILnoel Tnomai de Alboqoerqoe Mar-
bao, appiiado o Dr. Stmpbronio Cesar Continuo.
Ao Sr. desembargador Accieli : appellante Ju>
Rodrigoea do Senna *aotos, appellados B'ork &
rmaos.
V Sr# ^"""bargsdor Silva Colmarles destri-
arto ao Sr. desembargador Reis o Silva o felo om
io : embargante o padre Antonio Jos Piulo,
"o o bario do Jarju.
AGORAVOS.
O monopolio no entino
IV
As vantagens da instracco de um povo
s3o tito incontestave-s, quanto o sao as do
verdadeiro melboramento e profresso de um
paiz.
C quando este se v a bracos com males
qoe de presente e de futuro Ibe representam
umquadro assustador, urge indubit belmen-
te envidar tudo a bem da iostrnecio puolica,
do Melbnr^meoio e aperfeicoamento do clatv
ses, destinadas s letras, as qaaes iremos
tirar para os altos empregos do Estado, para
os aperfeicoamentos maienaes do paiz, para
o clero e para muitos ramos, individuos,
alo apenas galvanisaiios por um po.rgaminbo,
mais convenientemente instruidos e profi-
cientes as materias.
Nao mediocre atlentado conferir-fe
nm titulo de habilitares em qualquer ramo
da publica in-truuclo a quem verdadeiramto-
le o dismerece pela inopia de seas c mbeci-
mentos.
Se as boas opinies dobram de mrito por
contemporneas, inda a bem pnaco no par-
Miranda lameQt brasileiro se dice com era! applau-
so que seria di^oo um programma poltico
que se concebesse nestas doas grandes ideias
instrucfSo publica e estradas.
Se, pois, a rintr ucean publica tem sido e
ba-de ser sempre considerada a luz que a
todos nos guie nos differentes ramos de co-
nbecimentus, se nos devemos empenhar com
o mximo exforco por desenvolve-la e aper-
feicoa-la, al mesmo para que se nao inu-
tilisem os germens de sna propagado qoe
com t5o avultados sacriflcios j temos con>
Todeo qmelles qne se achio sajitoa i eof-
frer moleatlaa acrifulosaa, nkeroeao, ou erpU-
Utiesa, anda mesmo aa reputadas de peior
imturera, apenas necessitio de ler o eegmmto
easo maraThoso para rae ee sinti inkira-
mente convencida qae a ana propria cura,
nao e meramette pooalvel maa atm aVoolo-
turneot e certa.
Joao Josts Feuieika Bakiioz, reMtente
na Cidade de MarauhSo, tlnha todo a aea
corpo coberto de chagap ulcerosa*, e durante
algunos annoa ae a mava deba i x o do t ra taen to
de mdicos oa nada afamados, tendo asado
durante toda este einix> qaasi toda, a especie
de medecinaa qne <)m taea casos empwgada
pela faculdadu medica, porem debalde sem
obter o menor beneficio ou alivio: achaodo-ae
pois em taes aparca elle finalmente reedven-
e, depoia de repetidos e Baldados eaforces i
fazer uso da
Salsaparrilha
DE BRISTOL.
No todo elle apena* cliegou a tomar OiTiet
Garrafas de SaUapvrrilha n qiuitro frascos daa
Pilulas Vegetae Atsucaradat, e o resultada
foi elle obter una completa e perfeita cura.
Os SeArs. Febreiha & Ca., Droguistas de
Maranliao, forSo quem suppririlo os medica
mentos, e acbSo-so perfeitamente ao facto
d'este caso, e oa meemos Senboree, nao so se
acbao proraptoe xmfirmar o mesmo, como
tambem em fornecer o actual adresso do Ser.
Bareoza, toda e qualquer pessa que por
ventura se desej informar da verdad.
Rccommenda-se nui particularmente aos
Doentes que tenbSo > maior cuidado na escolia
deste excellente remedio, nao nsaudo ontro
nao ser a Oenuina lalsaparrilha de Bristol,
a qual exclusivamente preparada por
LANfflAlS&KEMP,
De NOVA YORK, t
' todas as maa s3o ineflcaxes e de ea
poaattaao
Novo Banco de Pernambuoo
Km liqnidac.
O novo banco paga o 19." dividendo de
5)S000 por acc3o, nos dias atis, das 10 ho-
ras av> meio dia.
Calxa filial do banco do Brasil
em Pe rnanabnco, aos 26 de Jn-
Mro de 1869.
De ordem da directora se taz selente aos Srs.
accionistas, que a thesooreiro esta' antorisado -
pagar o !" dividendo das aci;5es do banco do Bra
sil, inscriptas, n'esta eaia, a' razio de 12*000
ciO gnarda-livros
tgnao Nunes Correa,
0 Eo|lish Bank of Rie de J leiro,
-4wiited.
Oesconta letras da praca do prazo curto a 8 |. e
de prazo maior a taza a' eonvencionar.
pa arabem saca sobre as seguiotes praeas a vista,
oo a prazo :
Londres sobre o Leadon Joiut Stock Bask
e cana matriz.
Pars sobre Pon Id & G.
Hambn go sobre J^bn Bereoberg Gossler & C.
Antuerpia sobre Nottebohn Bros.
Genova sobre L, Vust.
Madrid sobre Bayo Mora k C
Porto*'. ) 80bre baoeo 0 Por,0*1*
Babia sobro C Vanaban a C
Rio de Janeiro soore o Eoglisb Bank ot Rio de Ja
neiro Limited.
Montevideo.. .)>obreo London &River Pate Daok
Buenos-Ayres.) Limited.
Bscriplorio n. 7 largo do Pelourinho.
ALPANUEGA.
Rendimonto do lia i a 18........ 416:0841239
dem dodia 19................ 17:873*676
Voloraes entrados com fazendas...
a t gneros...
Tolamos sabidos com fazendaa...
s c t gneros....
433:657*911
H7
4S5
------601
151
114
------176
Illm. Sr. J aqutm de Almeida Pinto,
Tenbo a satisfagan de communicar-lhe qne,
gracas ao> seas medicamentos de jurubeba,
vejo boje a tumba escrava completamente
re-tabelecida da enfermidade, pela qual es-
lava sendo ba cinco anuos martyrisada.
Nao se vio talvez : t o presente quem le-
nba stiffrido de friallade (anemia) mais re-
belde a toda a sortc de remedios do qne
aquella pela qual fe i a dita minba escrava
acomn eluda.
Basta di/er-lhe que nao me resta va mais
esperanca de ve-la n slabelecida. Pois bem :
na occaziaoem que he escrevo vejo-a per-
feitamente curada, gracas, repito, saa pro-
digiosa jurubeba.
Avista disto, aval e-se q' al ser o mea
reconbeciment > para com V. S. e se tenbo
assignar-me. Engenho
oo nao raz3o para
seguido crear, como tolerar-se 'inda boje que I Bom-Socesso, 10 de outubro de 1867.--De
com banaes evasivas se pretenda Iludir a be- V. S. veneradora, c-iada e obrigadissima.
nefica lei que desmudou o monopolio do en-
smo dos preparatorios impondo rigorosas
penas nos professores do> collegios das ar-
tes, cu cursos de preparatoios, que traficas-
*em com acatbegoria de examinadores para
grangearem grande nmeros de alamnos en-
sinando at em collegios particulares e pon-
do ass'm em almoeda as approva^es dos
estatutos ? I
Nao por certo de t5o reqoena monta,
como se pretender, o objecto do que nos
oceupamos; sobram considerages pelas quaes
tem pugnado aqoelles que nao rebaiaam o
santuario de seas deveres ao nivel do ganbo
material de alguns individuos inemoantes:
aquelles que tem verdaderamente compre-
hendido ai que ponto o m mopulio no en-
siuo poda .-er prejudciale perigoso.
Em abono do que levamos dito citaremos
ainda a luminosa e magistral cpiniSo e tes-
umunho du om dos no.sos destinctos lentvs
da taculdadd de direito, o qual em saa me-
moria h101163 aeademica assim se exprime.
e Sendo prohibido pelo art 86 dos estatu-
tos das faculdades de direito qne os profts-
sores do collegii das artes l cciontm parti,
cutaf mente as ma ertas do art. 53. isto
todas as ensinadas no mesmo collegio, cons
ta que, alguns ensmam em colleg tus parti-
culares..... Os inconvenientes que resultam
desse ensino particular san tao obriesque
nao ha myster seiem aqui enumerados e
desenvolvidos. A razo e consciencta de ca-
da um de nos saitem vmprehende-loa t
aprecia-tos e '& doloroso que guando os
pas de familias tetm um estabelecimenlo
gratuito, on'le podein instruir seta fUhos, j
se vejo forrados up* A PAGAR E PAGAR i
GARO!,^*! essa **atrucco em colleoios
particulares, j^ SE QCEREM CONAR NO
FIM DO ANNitCOM O BOM XITO DE
SES EXFORiJOS EFAIGAS..MI.......&
E" com effeito doloroso qoe tendo sido
trazido ao conbecimento das autoridades o
monopolio d ensino pur am proprio lente,
e em ama memoria acadmica que abi coi -
re appensa ao relato; io do ministerio dos
'-egocio8 do imperio, i-inda buje, com ver-
gonba o digamos, se veja a esperanzosa mo
cida do ciptiveiro de nm monopolio pelo qu pena de ser reprqmdatSo se Ibe faculta
Florinda Vicenci* de Saut'Anna.
ai*a*M oa
ELEICO
dasjuizas, escrivas, motdomas e procura-
dores, que teem de festejar a mai de
Deus do Rosario, erecta na igr ja da Santa
Cruz da freguezia da Boa-Vista, no auno
de 1868.
Julia per eleico
A Es ma. Sra. D. Esmenia de Muura Rotim.
Juna por devuQao
A Ezma. Sra. D. Hara Bernardina Moateiro.
luiza erpetna
A Esnia. Sra. D. Candida Baj ti.-ta Maia.
E-criva ur fleiga
A Erna. Sra. O. Praoclse R < Vieira Lavra.
E>crlvas pir devo(ao.
A Ezmas. Sra--. :
D. Prncica Pbila4elpba da Costa.
D. Amia Simj'lioia Gougaires de Oliveira.
D. Alexan'irioa do Aupara Cc-ta.
D. Hermenegilda de Parias Toiseira.
Murdimas.
As Enn s. Sras. :
D Mariaooa Silvana Pena,
D. Laorlnda Martaos Ros.
0. Mana du Carato.
D. Anna de S L-uao.
D. ErmeJmda Mana de Aiaojo Costa.
O. Mana G> mmiana da Hta Guimare?.
D Mananna dn Panas B.tilb.
D. I-abe| de Ferias Gnlnaiaes.
D. Mana Rosa Monteiro M na.
D. Joanoa Callado de Aginar.
O Josepba de Pana Rapi.sc. .
D. Clara de Mirania Castre.
Procuradores.
Os Illm*. Srs.:
Praocisco Delpnlno de Sania Aani.
J Francisco de Santa Anna.
Enrarrrgada na devocio
D. Mana Joaquina Ribeiro.
Fr-gue'.tj da Bof-ViiU, 13 de onlobro de 1867
GUMME1LC10.
Novo banco de Pemamoaco
EM LIQUIDCiO
Os Srs accionisw do novor&DCO podem DUasaa timb
receber o2 dividendo de 46 prcento d y. i.lmno Hr Ai%t\,A*l r>i commerclo.Aggravante em-l procorar 6s preceptores que Ihe apraz, que
capital em apolices da divida publica, qoe
tem de ser avebadas na tbesonrana de
f zena desta provincia, em t>mpo de se-
rena admutiiKS na fo.ba d< 8 juros do cr-
reme seme.itre. U
Descarreram boje l de ootobro
Brijrne francez- Taimamercadorias.
Brigne franceeSioeriadem.
Briciue inglez A. L. Palmer farinha de trigo
e (taz.
Escuna prossUna-Ernest Augustmercadorias.
Vapor ingletO/mdadem.
Hlate americano Tiltmercadorias.
Brigue nacional-uisna"*charque.
PAITA 00S FBBCJOS DOS GNEROS SDJIIT0S A DIBEITOS
DE EXPORTAC,AO. SEMANA Da 21 A 26 DO MIZ DE
OUTUBRO DE 1867.
Mercadorias. Unidades. Valores.
Abanos......... eento 25O0
Aleool on espirito de aguaar-
dente....., eanada
dem r-axaca........
Agurdente de cana ....
dem geaebra
dem restilada oa do reino
Algrodao era caroco _. arroba
dem em rama on em la
Angiims (toro-)....... dozia
Arroz com casca..... arroba
dem descascado oa pilado *
dem branco....... *
Assucar mascavado .... a
dem refinado...... >
Azeite de amendoim ou mendo-
bim......... caada
dem de coco.......
dem de mamona .... *
Batatas alimenticias .... arroba
B.umiha........ libra
Bolacha ei diara, propria para
embarque....... *
dem 8aa........' *
Caf bom........ *
ldm escolha oa restolho
dem torrado....... libra
Caibros......... nm
Cal .......... arroba
dem branca...... *
Carne secca (xarqae) ...
Carneiros........ um
Carvao vegetal..... arroba
Cavernas de sicapira urna
Cera aroareila...... arroba
I tem de carnauba em bruto libra
dem idem em velas ... *
Cevados (porcos)..... am
Cha.......... libra
Charutos....... eento
Cocos (seceos)...... cento
Colla........ libra
Coaros de boi, salgados >
dem idem seceos espichados
Idem idem verdes..... *
Idem idem cabra cortados um.
dem idem de onca ....
Doces seceos...... libra
dem em gela oo massa *
Idem em calda...... >
EnrhamHs........um
Espanadores grandes ... a
Idem pequeos...... >
Esleirs para forro de estivas
de navio........ eento
dem de rarnabi.....
Estopa nacional.....
Farinha de mandioca. .
Idem de araruta ....
Feijao da qualquer qualidade .
Frechaes ...... *
Fumo em mina, bom. .
dem ordinario oo restolho. .
dem em rolo bom.....
dem ordinario oa restolho .
Gallinhas........
Gomma......... arroba
Ipecacuanha (raiz). .
Jacaranda (cos-oeira). .
Lenha em achas. .
de n anguH em loros
Linhas e estelos....
Mel ou melaco ....
Milho.......
Os-os .......
Pama de carnauba. .
Papagaios.....
Pao Brasil......
dem de jangada. .
Prcbuiy ....
Pedras de amolar..... ama
dem de filtrar...... *
dem de rebolo......
Pena* di ema...... libra
Piassava........ molho
Pontas, oa chifres de vaccas on
ouviihos....... cento
PranchSes de amarello de dons .
costados, ....... um
Idem de louro...... *
Rap......... libra
Sanio.........
Sal.......... alqueire
Salsaparrilha...... arrooa
Sapatos de cooro tranco. p r
Sebo em rama...... arroba
dem em velas...... >
Sola em vaqueta..... urna
Ta boas de amarello .... dozia
diversas .......
Tapiocas ....... arroba
Taiajuba ...... quintal
Travo......... orna
nbas de boi...... canto
Vassouras de piassava.
a
Ditas de carnauba.....
caada
900
700
900
880
800
2J&00
000
60*000
1*500
2*600
4*000
2*350
6*600
2*500
1*800
1*400
1*500
2*500
3*000
7*000
7*000
6*500
440
360
400
580
3*800
4*000
1*600
3*500
(5*100
320
500
20*000
2*000
3*000
4*000
660
180
260
ItO
380
10*000
360
520
1*500
4*000
2*000
16*000
orna 16>
arroba 2*000
alqueire 3*000
arroba 10*000
a
um
arroba
i
i
a.
urna
Tlala Soe Molina.
dito t a Jos Aatoaoo de Aftatraofue,
MO geritaons t a Praoolseo Goafalvea Solas.
350 pecas de corda ; Ferreira Pinto & C
1 eavaUo ; a Beloiro Baptlsu de Soaza.
2 volamos carne, t dito eonrlnbos; a Joio Ma-
ra do Soaza,
DeAracaly.
124 saeeas algodao ; a Jos de Si Leito J-
nior.
161 ditas dito ; a Parate Vianaa & C
19 dita* dito ; a Jos Lopes Davim.
DoCeara.
16 volamos barricas vasias ; a ordom.
1 dito ignorase ; a Joio da Silva Aatnnes.
Do Acarac. 'flM
1,442 meios de sola ; a Jos do S Loitio Ja-
alar.
00 ditos e 2 saeeas de algodao ; a Joo Basson.
35 ditos ; o Joaquim Lnit Vieira.
80 raoluos coorinbos, 10 saeeas algodao ; a los
Clomootlno da Mello.
1 saeeas algodio ; a Loiz Gooealvet da Silva
k c.
16 ditas dito ; a Luiz Antonio de Slaueira.
Do Natal.
4 ditas dito ; a Bailar & Oliveira.
80 ditas dito; a Souza Aodrade & C.
81 ditas dito ; a Jos da Silva Liyo k C
2 caixotos chapeos ; a Jos Alves da Cruz.
Da Parabvba.
I cilios e t aspadas ao ommando das ar-
mas.
PRAQA DO RECIF&
It DEOCTCBROBE1WJ.
A'S TRES HORAS DA TARDE.
Revista semanal.
CambiosSacccu-se sobre Londres de 2t % a 2IV,
d. por 1*000 esobre Pars a 460 rs. por fr.; sendo
o valor dos saques efieetuados dorante a semana
50,000.
Algodao-Venden se o dePernambaco de 8*800
a 99OOO a arroba; o do Macei posto a bordo a
9*000 a ultima venda e o da Parabyba tambem
posto a bordo a 8*800.
Assucar. Vndense o mascavado broto de
2*350 a 2*360 a arroba.
Agurdente.Vendeu-se a 85*000 a pipa.
Couros.Os seceos o salgados venderam-se de
170 a 180 rs. a libra.
Arroz.O pilado da India vendeu-se a 3*000
a arroba, e o do MaraLbo taoibem a 3*.
Azeite dock.Vendeu-se o de Lisboa a 3*700
o galio.
Bakiia de porcoVenden se a americanl de 450
a 470 rs. a libra.
Bacalho.Em atacado venden-se a 15*000 a
barrica, e a retal no de 14*000 a 149500 ; ficaodo
em deposito 3,000 barricas.
Batatas.Venderam-se a 28100 o gigo.
Bolachinhas.dem a 5*000 a barriqoinha.
CAr.Vendeu-se de 5*000 a 6*000 a arroba.
Cha.dem de 1*800 a 2*400 a libra.
Cebvbia. A dozia de garrafas veaden-se de
4*800 a 5*200.
Fabinha de mandioca. Vendeu-se a 4*000 a
sacca.
Louca.Aingleza ordinaria vendea-so com 330
por cento de premio sobre a faetora.
Manteiga. Vendeu-se a ingleza de 800 a 850 rs.
a libra e a franceza de 680 a 700 rs.
Massas. Venderam-se de 6*500 a 7*000 a
eaixa.
OtEO de unhaca.Vendea-se a 2*500 o galio.
Passas. -dem a 8*000 a ca xa.
Presuntos.Venderam-se a 16*000 a arroba.
Qoeiios.Os flaraengos venderam-se de 23200
cada am.
Sarao.Veadea-se o inglez de 140 a 200 rs. a
libra
Toctnho. Vendeu-se o de Lisboa a 9*000 a
arroba.
Vinagre.Vendeu-se o de Portugal de 90*000 a
110* a pipa.
Vamos. -Os de Lisboa venderam-se de 190* a
200* a pipa e os de ontros paizes a 170*.
Velas.As de composicio venderam-se de 580
a 590 ris o pacote de 6 velas.
Descosto. O rebate de letras regulou de 9
a lo por cento ao anno.
Fretbs.Para o caoal inlez 37/6 5'/. pelo
assucar; para Liverpool 3/4 por libra 5"/. pelo
a'godio em vapor; .'-i per libra 5*/> em aavio de
vela.
za, 3 banqninau, i eadoira do pi, 1 par do laa-
ternas de vidro, l caalolro o gi, 1 ospotfeo pe-
queo de parede, 1 copo de vidro, 1 Jarra de bar-
ro, cojos movis vio a praca por execoeao costra
Francisco Lmz Beltrio, escrivio Sa'.
Repartle* da obra paaellea*.
Da ardasa do. Sr. engenaeiro, chele murtaa da
reDarttafe. das oavat pubUaao ae
t
dozia
cento
>
nm
e nada
arroba

molbo
om
quintal
nm
arroba
4*000
5*000
15*000
85000
10*000
840-
1*i00
6*000
25*0110
96*000
3*500
125000
6*000
200
2*000
240
1*000
MOVIMENTO DO POETO
s
Navios entradei no dia 18.
Aearar e porios intet medios 9 das, vapor na-
ciional Pirapama de 312 toneladas, commandan-
le A. G Torres, equipagem 34, carga algodao e
ontros gneros; a agencia pernambocaoa.
Liverpool por Lisboa 22 das do orimain norto
16 do segando, vapor inglez 01 inda de 511 to-
neladas, cooimandaote Leorge Lng, equipagem
24, carga differeoles gneros; a Tbomai JBeries
& C.
Rio a Janeiro 14 dias, brigne portugus elam
pago, de 235 toneladas, capillo JoSo EpiphanlD
da ilveira, equloagem 12, carga ojff e outros
gneros; a Tiviroaz de Aquino Fooseca & C.
Bahia 3 dias, canb iolra franceza J'Entrecas-
teaux, coromandaote Mallet.
Navio sahtdo no mesmo da.
Barcelona sumaca bespnhola Nueva Carlota,
eapttao J. f. Aiein; carga algodao.
-19-
Ri > de Janeiro 10 dias, patacho brasileiro Bom
Jess, de 170 toneladas espita 1 Joio G-mcalves
Res, eqnipagem 10, carga can* e outros gene-
ros a Ba thnlomen L turf neo.
Mirto entrado no da 20.
Rio de JaneiroII das, brigne poriogoM Lata l,
de 276 toneladas, eapttao Antonio Francisco
Vieira, eqoipagem 13, carga differentes gneros;
a E. R. Rabello.
Observando.
Nio bouve sabidas.
EDITAES.
0 Dr. Tristao de Alencar Araripe, nfficial da
imperial ordem da Rosa, e joiz especial
do commercio oesta cidade do Recite de
Pemambuco eseo termo por S. M. Im-
perial e Ciinstitocional o Sr. D. Pedro
11, a quem Deus Guarde, etc ets.
Fay* safter aae qoe o presente edilal vir^m
5*060 e delle Doti.ra iivfcaae00 da Mde tm-
vBbro d correte aouoje ba de arrematar
julgado iahabiHu^oa os one eoworreram aos lu-
gana da pratleaota, m da 9 de deiembro proal
; ms viodouro tera' logar aovo concurso para pre-
eochimento das referidas vagas do eondoetores a
pratteaates.
Os eoaeorrontM torio argaiios as materias i
qne tratam os || 1* e 2* do art. 10 do regulan-' uto
ae 31 de jalbo de 1866, o qae vio abuzo decla-
radas.
Os requer mentos para inscrlpeao dos candidatos
deverao sor apresentados at o dia 7 de detetabro.
e podero ser instruidos eom qoaesquer documen-
tos 00 ltalos seienlideos qoe abonera a capacidad*
dos mt sujos candidatos.
Secretaria das obras publicas 7 de ootobro de
1867.
O secretario
Feliciano Rodrigues da Suva.
Materias do concurso para eondoetores o prati-
cantes da reparticio das obras publicas.
Para conductores.
Matnematicas elemeoiares, algebra at eqoacoes
do 2* rio, tbigonometna, olemenios o geometra
analityea e deseript va, d'astrtnomia, d'arctiltecu-
ra a de resistencia de materiaos, coobeetoento
perfeito dos Instrumentos grapbiee* o dos trabamos
de ntvellamento e planta, deseobo linear e de aqua-
relia.
Para pralleantes.
Lingua nacional o francez, aritbmetiea, geome-
tra, as doas e tres dimensdos, algebra at afta
cSes do 1* ario, deseobo Rooar o do aaoarelia.
Secretaria das obras poblieaa 7 de ootobro do
1867.
O soaretarto
_____________Pelieian" Radrigoes da Silva.
Por esta subdelegada so fu publico qoe so
acba recomido a' easa do deieoci1, por andarlo-
pido om cnoulo qoe representa ler 18 a 20 sanos
de Idade, o qnal diz chamar se Chnspim o ser os-
era vo de Luiz Barbalbo, senbor do engenbo Sib'r
da Serra : quera for sea dono eoapareea, qne
provsndo o seo dominio rae sera' entregue.
Sabdeleiaeia do districto do Poros, 16 do ooto-
bro de 1867.
O subdelegado,
Jos Mara d'Albnqnerqoe Lima.
Santa Casa da Misericorda
do Recife,
A lilma. junta administrativa da Santa Casa do
Misericordia do Recife manda fazer publico qae
na sala de saas sess6es,nowdia 24 do corrale pe-
las 4 horas da tarde tem de ser arrematada* a
quem mais vantagens offereeer pelo lempo do om
a tres annos as reodas dos predios em segoida
declarados:
EsUbeieeimeiUd 4e earidade.
' Roa do Padre Ploriano.
Casa terrea n. 17.......186*00C
Casa terrea o. 45......182*500
dem n. 47.........156*00"}
Rna das Calcadas.
dem idem n. 38........158*000
Rna larga do Rosario.
Terceiro andar do sobrado n. 24 301*000
Roa da Gloria.
Casa terrea n. 25........ lK*O0O
dem n. 57. ... o.....1*4*000
Ra da matriz da Boa Vista.
Casa terrea n. 56......144*000
Palriconio de robiot.
dna do Rangel
Casa terrea n. 56.......3M*rX0
Rna do Vipario.
Primeiro andar do sobrado o. 27 191*000
Rna do Pilar.
Casa terrea n. 99.......256*000
dem n. 94.........101*000
dem n. 98........201*000
Idem n. 108.........2Ot*O0t
Sitio n. 5 no Forno da Cal. 15w**uO0
As arrematacoes serio feitas pelo tempe deom
a 1 res annos, devendo os licitantes vtrem acote-
paBhados de seos fiadores oa mooidos de cartas
destes.
Secretaria da Sauta Casa da Misericordia :
Recife 19 de ontnbro de 1867.
O escrivio,
________________Pedro Rodrigues da Scoza.
Santa casa da misericordia
do Recife
Pela secretaria da Santa Casa de Miserioordia
do Recife, se faz sciente a quera inieressar qoe c
Illm. Sr. tbesooreiro eommeodador J>s Pire?
Ferreira, no sali da easa dos expetos, peta 10
horas da manbia do da 28 do correte, ra* pa-
gamento das mensalidades vencida de julbo a aa-
tembro Ando, as amas que all se apresestarem
condutinrto as eriangas qne Ibes foram confiadas.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife, 11 de outobro de 1867.
O escrivio,
Pedro Rodrloes de So oa.
Segunda felfa 21 do correule roei, val o i-r
lao na ra^a d ra de H trias n. 22, o espolie da
toada Jiseuha Sabioa do Carmo.______________
De orde tj do lili. Sr. in>pector da alhedega
se faz publico, qoe achando-se as mereadorto eo-
tidas nos voluntes abano mrnciooados ao easo d*
serem arrematadas para consumo, nos t- rm< a do
cap. 6* ti:. 3 do regolamento de 1 de s<-t"mbro d-j
1860, os seos a >nos ou <-ooslgnatarios deverao de?-
pacBa-las no prazo de 30 lias, sob pena de Bnd
elle, serem veodidas por sua coala, sem qoe Ibes
Qque competiodo allegar contra os eff-.nos desta
venda.
Aroiazem n. 5.
1 Embrolbo sem oomero marea J. O. C Uoyle
viudo do sol no vapor nacional Paran entrado em
8 de fevereiro de 1S67. Ignora o o cooleodo.
1 caita com tecido de lia n. 52. marea FSC,
vindo de Burlenos no vapor francez Gt>nt*f,*ttra-
do em 12 de fuverelro de 1867, a' P. uavase.
1 caita com tecldo de linno n 567. marra M.& l.
viuda de Liverpool 00 vapor ingle CkrunUU, ra>
trado em 15 de fevereuo de 18*7, a Mooieiro &
Iranio.
1 caita com papel n. 543, marca P. do J. do Re-
cife, enfado em 28 de fevereiro do 1867, a P. i.
do Rer.ile.
1 /taita n. 511, marca TV, entrada em i do nar-
co de 1867, viuda de T. Xi'-ngen no vapor francez
Guienne. Ignora-so o entiendo.
1 caiza o. 38, marca M A O, viada de Livor-
pool 00 vapor inclez Ckrtnlite, entrado em 18 da
fevereiro de 1867. a Manuel Inno.
I s Arm.-izero n. 10
1 volme eom -.tf rea, letr#>ifo. eatrsao am
13 de mareo o> 1867, viada do Xw Jorob na bar-
ca iogleza Corlla, a J. Pater C*.
2 f-rrtos rom fazsntas n. 8959, 8980, marra F.
A. R & C vio ios du Havre na barra frnez*.
6*000
1 vw!ri P01" venia a quem mais der em praca publica
900 deatO juizo a parle do eogenoo d'agua de-' granee, entrada em l de aoril de 1867, a E. A.
800 nominado Doos lrmaos, sito na freguezia do ifosi & C.
1*000 PoCoda Panella com casado vivada, ^^^^^S^^w^:S
'#000 za|la> casa ^ purgar. e mais otenotlios per- -^em |3 ,,,, Ibn, 61M7< % ju(m^ irmiM.
teoceoiesaofabrico do mesmo enaenho, ava Keaiaa eom rotulo n. \W, marea diamaot- C.
tifln liada dita Darte por 3:03)U, aqual toi vinda^do Lndres na eseos banoveriana Arckt,
*' .tonfc ?* ?ecD?o 1^P^r,d.|y^;^^';^^-J-
JOjooo Alcntara contra Joaquim Jos de Abreu e -c_f fInrti drt fffmnurfo oa oacaoa tiiaM**/y-
1*000,
160
soa muiher.
B nio bavendo lancador qoe cobra o pre-
1 mam Ha*p. enirada etn 25 de malo de 1057, a eVa*
! .^cbawllao.
400 co da avaliacao a arremutcSo ser Wtopoto"^ ikeM
30*000 proco da adjudicac3o Da forma da lei.
^.^ E para-qao ehegae ao conbeetmeoto de
^Oqq todos maodei pausar o presente que ser
2*000 paoticatk pela impreosa o affixado no lugar
140*000 do cosime.
WfOOO Recre t* ite (ratafcro de 4867.Eo Se>
J doHdtno Bfiedoro da Caoba esereveote jura-
6^00 mentado o wcrivi.
380 Eo Manoel taana nodrigues do Nascimen-
!a*n!5l *, escmSH o sobcrevi.
6*400,
800
TritSo de Alencar Arraipe.
V.
A f >udega de Pemambuco, 19 do ootobro de
18H7-
Asslgnado. O I. conferenie, Jos Reiro Gui-
maraes.
O i.eioforeale, Joj Jos lenriquet-
Approvo Aifaodega 19 de outooro de leW.
As accoes de banco de *em ser entrego^ aioiwo EuiaUo.
para 36 nulUTsafm. *""* I Omt-jm^r-BKifotiapltsa^irtadc-..
WUMWS.
5ezoada-fera91 o correte, peraato o Jirtt
de paz da freguua a 8. Jos, depois da aodlem-ia
sa arremstsra o'caaelras da amarel-, I marque-
no bH^tre nctnhal fifia Heemlorf, -turada
em 3 de jolito de 1867, a M J. rt. o Sirva Se Otaro.
Na sal da a be rt ora.
0 frecideiras, 1 eseumadelra o am coco da Urar
caldo.
1 barriea eom trem do eosinba (bif-tgea).
Aifandega de Peroambaco, 16 de oitoaft de
1867.
Oeserltoario
Butyckto Montm Pestaa.
Reparlteafe da -pollda
Por esu reparucao so fas publico par aaaaVci-
raento de quem interessar possa, qna o lia. Sr.
Dr. chefe de polica tem nesta dau reeommandada
aa aut-rid^dns poheiaes einteito rnmpmaeaaa da
postora muoieioai, ane proMne aos oterave iran-
sitarem oas rnasaasia eidade depoia doioojne da
nove horas da nolie, sem licenca aos respectivos
sensores por esenpto.
Secretarla da polica da Pomambaco t? de oa
labro de 1867.
O secretario
E-J Jrd-, 3a Ba>fo-
V


.Ira l e utuhf (867
THEATRO
DE
SANTA ISABEL
EMPREZA-COIMBRA.
TERW-FEIRft 22 DE OUTUBRO DE 1861
A quarta 7eres*oucis do dfaaa-saero de grande espectacnlo em 5 actos e 8 qoadros, oroa-
mu
qoarta
do de msica, transformares visualidades, fogos etc., etc.
intalado
ABni3IDT...
Original do Rvm. Dr. Soares Franco, eonego prebendado e capitular da S da cidade da 6
da em Portugal TTULOS DOS QUADROS.
i
Quadre i.*O pacto com o diaio.
8oadro *.Rosas i flors.
oadro tA mendwa da Serra.
Qaadro 4.O iubamsnto do co.
Qudro 6>A iustica divina.
Qudro 6.*A voz maternal.
Quadre 7.'O-duden a da gloria.
Qaadro 8.*Apothbose da santa.
JHHSOS DWHBOS.
CLUB DO RECIPE
A partida do corrmte mez, ter lugar nt
noite de 20 e previ le-se aos senhores so-
cios, que se acham trazados no pagamento
de suas mensalidades, que nSo podern tomar
parte nos diverlimen os da casa seto que se
mostrem quites com a sociedad*, fisto asim
o haver resolvido a Jirecc5o em Talude do
disposto qo artigo 6 dos respectivos esta-
tutos.
O secretario,
Joaqo m Leocadio Viegaex?
Precisa-se de ;OU0, premios por 4
mezes, dando-se em hypotheca 16* parte
do sobrado n. 17 da ra do Pilar; a tratar
ua mesma ra o. 57. ______
^ftAPHIAii^.
En^entio
Arreod-se oa vender mullo barato os enge-
nbos S. Bearentorai mole e corrente, novo e
com moitu Bata*, dista ite mala lego di eslaoio
da estrada de ferro, do Bltteiro : bem como o en
senbo Sacco em Ipojoca, bem cooheeldo per so*
bondade : os pretenden* dirijan ea ra do Ll
vrameuto n. 19.
OFFICM PH0T06IJffi1IC4
DE
JT. 2 largo da matriz de Santo Antonio- n, 2.
^HfflrVa honra de oartecDar ao resDeitavel publico desta cidade a volta
AGUA FLORIDA
MURRAY & LANMAN
O conselbo de compras do arsenal de guerra
precisa comprar o seguate :
30 arrobas de plvora ffoa e 100 varas de brlm
pardo.
As Dessoas que quiterem vender ditos artigos,
apresentem suas propostas na sala do eonselho, as
11 boras do da 22 do corrente.
Cooselbe de compras do arsenal de guerra yl
de ontubro de 1867.Jos Mara Ildefonso Jacome
da Veiga Pessoa de Meilocoronel, presidente.
O ccnselbo~~de compras do arsenal de guerra
de guerra precisa comprar o seguate:
Plvora fina para cartaxaaae de infantaria, 30
arrobas.
Oleo de iinbaca, nm barril.
Bnaa pardo, 100 varas.
As pessoas que qoiierem vender ditos objectos,
apresentem suas proposlas na sala do conselbo, as
11 boras da maoba do dia 22 do cerrente mez.
Sonselno de compras do arsenal de guerra 18
de outobro de 1867.Jos alaria Ildefonso Jacome
da Veiga Pessoa de Molicoronel, presidente.__
O administrador da recebedoria de rendas
internas geraes, em camerimento a circular n. 36
do ministerio da faienda de 39 de setembro ulti-
mo, declara que flca marcado o praio de 60 das,
contados da pubcaco deste, para a cobraoca da
taxa dos escravos no corrente exercicio, Indepen-
deos da multa de 6 por cento do art. 30 da le
n. 1507 de 26 do referido raer, a qual taxa foi ele
vada a 8* pelo art. 18. da citada lei. Os collelados
que j* pagaram o imposta deste exercicio deverao
satisfaier tambern livre da multa no mencionado
prazo a dlfferenc> entre a nova laxa de W por
eseravo e a qne se achava estabelecida (4*00 >)
Piulo o praso sera' cobrado o imposto com a indi-
cada mola.
Recebedoria de Pernambuco lo de ontubro de
18o8.
Manoei Carneiro de Si-uia Lacerda.
CO MPAtIHI A BRASILEIR A
PAQDufES A VAPOR
Dos portos do norte espera'
do at o dia 31 de ontubro o
vapor Paran, commandaote
o capitio de fragata Santa
Barbara, o qual depois da de-
mora do costme seguir' para
os portos do snl.
Recebem-se desde ja passageiros e eogaja se a
carga que o vapor poder condmir a qual devera
ser embarcada no dia de sua cbegada, encommen-
das e dinhelro a frete at dia da sabida as 2
horas. Nao se recebem encomraendas se nao ob
iectos de peqaeno valor e que nao excedam de
duas arabas de peso ou 8 palmos cbicos de me-
dicao, todo o que passar destes limites devera ser
embarcada coma carga. Prevme-se aos Srs. pas-
sageiros que suas passageos s se recebem nesta
agencia ra da Cruz n. 87.
Ubi de S- Miguel.
Para o porto cima segu o patacho portuguez
tJorgense de primelra marcha, para earga e pas-
sageiros trata-se com o consignatario Joao do Re-
g Lima, i ra do Apollo n. 4.
TeiSJs a honra de partecipar ao respeitavei publico deste cidade a votta do Sr.
Henscb de sui viagem Europa viagem esta que o mesmo fez no duplo flm de
ficar a par dos mais recentes progressos da arte photographica e de adqoerir mais al-
hofatq gam artista de talento para o sen esubelecimento. B _.
JHOraiM arata* 0 Sr A|Dert0 teve a felicidade de poder dogajar um pintor destincto o Sr. Carlos
Aloga-se a frente de ta primeiro anaai-de nm Ernesl0 Papf n,enibr0 honorario da Academia Real de pintura de Dresde, cuja reputa-
SSSi? ^a^i^su B%di :*S!?f ;' eso tMm fundada nos permitie asseverar reproduces magnificas no genero retratos
S rali doKrlo b. ll. ________ \ Um melboraraento essencial na arte de obter retratos em tamaoho natural acaba
^Predsa-se denma ama para engommar, eo- de ser executado ltimamente, e consiste em fixar directamente no tamanho que se qur,
sinbar e comprar : na na de S. Bom Jess das ODre a teta do piator, o retrato photograpbado por meio do nslrumeato especial, cna-
Chonias n. 4i.,______ ._ I nado CMARA solab de augmento. Desta forma, o talento e a habilidade do artista,
Qoem precisar de urna pessoa para caixeiro; achaodo-se secundados admiravelmeote pela precis5o absoluta e infallivel dos contornos e
de escriptaracao annoneie ou deixe carta nesta gomDr|8> q0e ,he d a photographia sobre panno, tudo se combina para se chegar ao mais
aperfeLjoado grao de semelnanca, reunido ao verdadeiro typo artstico que se observa
n'uma bella pintura.
0 mesmo processo nos permilte reproduzir e pintar oleo qualquer pbotograpnia
de pessoas presentes, ausentes ou defuntas, at tamanbo natural.
'"Todas as pessoas que desejarem conhecer e avaliar por si mesmas as vantagens
deste novo genero de trabalbo, s3o convidadas a visitar nossa galera, onde se acha ex-
posta orna collecco desses retratos como specimens.
AMBROTYPOS
Retratos em caionhas
Para satisfazer aos innmeros pedidos de nossos fregoezes, Jaremos de agora em
diante tambem retratos nesse genero, assegurando ao publico qne temos ricas e elegan-
tes caixiohas.
tvoograohia com as iniclues A. B. C._________
_ Precisa-se de orna i.ma de leite : no primei-
ro andar do sobrado n. 4) site na ra Urna do
Ro ario. _____._______
LEILOES.
mrm u i <
4
AVISOS MARTIMOS
Paga-se bem a urna ama
na rna da Roda n. 38.
Ama de leite
que tenba bom leite
COMPANHIaPERNIIMBIJCANa
DE
Nuegaco costeira por vaper.
Rio Formoso.
O vapor Parahiba, com-
mandaote Mello, segu pa-
ra o porto cima no dia
21 do corrente pelas o bo
'ras da manbaa. Recebe
gcarga, encommendas e dt-
w .heiro a frete at o dia 20
as 1 Boras da tarta e passageiros at o da da sabi-
da : esenptorio no Forte do Matos n. i.______
"para o Aracaty
pretende seenir uestes oito das com a carga que
tiver o p&lhanote Joven Arthur, tem parte de seu
carregamento a bordo, e para o resto que Ibe falta
traia-se com os seus con?ignatarios Antonio Luiz
de Oiveira Azevedo & C, uo seu escriptone ra
da Oaz p. 57:____________________^_^
" Para.
Segaira' com a possivel presteza para o indica-
do poru o veleiro e bem conhecido brigue eseu-
na nac mal Graciosa, capillo e pratico Jos
ra Ferreira-: para alguoaa carga que
trau sa com o consignatario Antonio
Gom.;s,a ra da Cruz n. 2i, 1 andar.
Ihe falta
de Almelda
Para
Vai em direitura o biate nacional Lindo Paquete,
capitio Francisco Ribeiro Barros, tendo ja. parte
da c rga ; para o que lbe falla trata-se corneo rts-
penti'M consignatario Aotonio de Almeida
na r ja da Cruz n 23, 1- sudar. ____
De escraros, trastes, obras de oaro e
prata perteocente a massa fallida
de Sebastio Jos da Silva.
COMO SEJA :
1 eseravo de nome Jacintho, crioulo, idd 3
annos. '
1 dito de nome Pedro, nagao, idade 50 annos.
1 escrava de nome Maris, crioula, idade Ib
anuos. .
1 dita de nome Militaoa, crioula.
1 dita de nome Leandra, crioula, idade 40
anuos.
Um piano de Jacaranda, 1 dito de mesa, 1 san-
tuario de Jacaranda com 7 imagens competente-
mente paramentadas, 1 dito de dito obra do Porto
e novo, 1 guarda roupa de amarello, 1 lavatorio
com pedra, 2 consolos de Jacaranda1 com pe.dra, 4
ditos de moRBO, 6 marquezas de amarello, 21 ca-
deiras de dito, 2 cadeiras de balanco de dito, 1
toucador com mesa, 1 mesa para jamar, 3 cadei-
ras privadas, 1 cabido, 1 quartinheira, 4 moxos, 1
carteira, 1 relifgio de parede,3 pares de laniernas,
4jarro?, 4 figuras, 1 candelabro, 1 mesa de piobo,
1 armario de dito, 3 redomas etc., 1 relogie de
ouro, 1 par de bjioes, 1 anel de brilbaote, 1 ade-
reco de camapheo, 1 dito de coral, 3 pares de ro-
setas, 1 alflnete para retratos, 1 salva de prata, 24
coleros para sopa e cha de dito, 1 paliteiro de dito,
1 colher de tirar sepa de dito.
Cordeiro lines
a requerimento do administrador de dita massa e
mandado do Illm. Sr. Dr. juiz de direito especial
do commercio.tara' leilao dos escravos, trastes,
obras de ouro e prata cima descriptos e perteo-
centes a referida massa, isto
HOJE
as 11 horas na roa Nova n. 33, 2 andar, coja en
tdraa pela ra das Flores.
LEIL%0
DE
Fogodoar
Recebem se enconmer das de fogo do ar para
dentro e fora da provincia : no armazem da bola
amarella no oito da societaria da polica.
Precisa-se de urna mulherpara o servhjo In-
terno de urna casa de familia : a tratar na ra da
Cadeia do Reclfe p. 24, 3' andar. ___________
Saques
Joaquim Jos Gonclves Bellro saca sobre Lis-
boa^ePortoja^ruadoJ^rapjcijj^^^
Escrava coslntaclra
Precisa-se de urna prea coslnbeira para casa de i
familia : na rna dos Pires sobrado n. 35. I sn
Em regosta ao ai nuncio do Sr. Custodio ^
Jos deOliveira publieaco bontem nesta faina, o |f
abalxo assignado obrigudo a declarar que e falso, ^
porquantoo debito do Sr. lusiodlo foi contrahido
a moito tempo, e qoando Ihe llrei a coota dzia
que nao poda pagar de una s vez, e sini em par-
celias, tanto quo endo a conta de 26#7l0, receb
primeira ve 5#, segunda 2*. por conseguinte res-
ta-me 19*710, mas esta diminuta quantia, como
diz o Sr. Custodio, nunca me pncurou para a pa-
gar, se nao fosse o abaixo assignado ver nesta fo-
iba o mesmo annunclando que nada devia, por iss
apreseniei-ae para recet er o que me deia, mas o
Sr. Custodio responde-mu que s no Qcn do corren-
te mez poda paga' a dita conta de li*710, mas se
o abaixo assignado qulzei receser logo s se fosse
com abatimento de 7$, pira ficar em 12*710, i o-
mo diz o seaauuoncio, pjls este facto foi presen-
ciado por varias pessoas, por quanto deixarel res-
ponder a qualquer annuncio que publicar o sr.
Custodio, que em juizo competente provare o que
a'leRO. ," ., ..
Luiz l^errelra de Airadla.
' A* 'wmC-Am
Precisa-se de um ciiado para casa de ponca
familia, p-efere-se escravj : na ra da Im tratriz
n. 3, loja._______________
A agua florida de Murray
albada como um artigo de perftme, naV
tem podido ser igualada pelas preparieSe*
as mais costosa: conserva seu aroma, co-
mo se formasse parte da prenda a que db
se applica.
Sua efficacra tao delicada, como elepi-
tes sle sens multiplicados osos, qur se
empregada como artigo de toucador, qo?
qo oso do btob, ou cono suavisador 4
peDe, depois que se tenba frito a barba,
] para-limpar as gengfvas ou aromatisar t
balito.
D saavidade, brilho e etasticidade aa
compleifocs, depois de se barer larado; al-
livia a irritaao de eropces ordwarias; fas
desappareeer o desagradavel aspecto dos
pannos, da sardas, do rosto, rufas e toda s
casta de ebufiedes, e dfr vigor o frescura
parte onde qoer que se applique. Saa ciencia e elegancia sao igualmente mfatu-
ris nos casos em que seja preciso apptka-
la como estimulante e antisptico, oes con-
cursos e assembtas numerosas, as loca-
lidades infeccionadas, na alcova de um en-
fermo, assim como nm antidoto exceBeo-
te para os desmaios causados por cansact:
ou suffocago. Preparada nicamente por
Lanman & Kemp, Nova York, e a venda per
Gaors & Barbosa.
Jo2o da C. Bravo & C.
A' venda as drogaras de A. Caors, Bra-
vo 4 C. e P. Maurer & C, o em ledos o
estabelecimentospharmaceuticos do asporit'
-^Na rna estreita do Rosario sobrado n. 35
primeiro andar, apriiioptam-se bandeij de arma
Q5es cora bolos finos de varias qnalldades par*
casamentos e bailes, e de pastis de nata, bole*
ioRlezes.po-de I6,pudinenfriu4oscom eapellas de
alfioin e boquets proprios para prsenles. Pax se
booquets de flores de papel, de cera e de panno,
de cravos, rosas e dbalias, saudade e de qualqofr
flor que os dones qoelram, de cravos naturas
para casamenlos com lago de fita bordada a oor>
; ou lentij ilas e seda, sendo a encoromenda feita tres
I das ames. Cose se vestidos para noivas bem ar-
raigados fetos pelos figorlnos, e fai-se tambem
capellas de flores de laracj para noivas, anda
capellas para meninas, todas as qualidades de
flores para enfeites de chapeos e toncas, flore par
enfeites de santos, palmas, capellas, arco de bofc
., de trigo dourados. festS^s para igreja, para qnal-
irban js dos Api pucos, contina a funecionar regularmente, recebendo alum- rs| quer encommeuda de fra sempre tea*J_m-
iTJ^ZLrok tanto para as aulas>j*tf~ &* tttirMfft?-W
preparatorios necessarios a matricula de qualquer raculdade, sendo os seus S^IJ e com multa presteza de modo aiio
respectivos professores pessoas moralisadas edeum conceito magistral ja ^ daver taita aigum,
bem firmado nesta cidade. SM
0 director deste aovo collegio continuando a empregar toda a solicitarle no ^|
desempenho de seu mandato, espera fazer-se mais digno da confianca cotn -g
o vo honrando os senhores pais de familia, confiando-lhe bondosamente
NOSSA SENBOA DA C0NCI(
Para eduea^o da sexo masculino
Director Manoel Alves Vianna
0 collegio da CooceicSo, mudado ltimamente para o bairro de Santo Aa-
tonio, ra de S. Francisco, casa n. 72, contigua .etftejfe central dostrhos ^
que
os seus fhos.
Os estatutos do collegio, assim como o franco ingresso
dependencias, eslo sempre a disposic3o de quem possa interessar.
M
em todas as suas
(M
Gomes
Precisa-se de urna criada para casa de pon-
ca familia : a tratar na ra do Impe ador n. 32,
loja._____________________
' Precisa-se de 2.000JOOO a 25300 a premio,
com hypotheca em casa terrea edificada a moder-
na, na freguezia da Boa-"ista : dirljam se os pre-
tendentes travessa_do_Oavidor, casa de corrieiro-
DJTsiTlOJr 00'mensaes pelo servico de urna
escrava que coriobe e ensaboa : na ra
gel n. 9;___________
4
do Ran-

Para

FABRICA DE ClhPDS DE SOL
miMM DPKTO
Aviso Importaste.
Os nicos verdadfiiros xaropes de bypoplwepbt-
tos de soda, de cal e de Ierro do Dr. Chorean! tra-
zein a firma quatro vezes repetida deste saWo me-
dico sobre o sobscript i e a marea da fabrica da
pharmacia Swann, 12, ra Ca Acha-se a venda em francos quadrados com o no-
me do Dr. Churchill no vidro. Preco i francos eOi
Paris : Com istruc^ao
DE
Secrue em direitura ao indicado porto o pataclw
nao'iial Volante, tendo grand3 parle da carga ja'
engrifa ; pjra o resto trat? se com o seu consig-
natario Antonio de Almeida Gimes, na ra da Cruz
n. 23,1Q and:r.
Para
0 palba^ole Novaes segu com brevida-
de, tem dous tercos de carga engajada, para
o resto, trata-se com o consignatario Jo5o
Francisco da Silva Novaes, Travessa da Ma-
dre Deuos n. 5.
PARA,
Para o indicado porto pretende sahir eom muita
pre toza o patach) Paraense, por ter mais de dous
terc/. de sea carregamento : para o pooco que Ihe
falu trata-se com o consignatario Joaquim Jos
Gotic.lves Beltrao, rna do Trapiche
**
Para'
Sugue ero direitura ao indicado porto o patacho
nacinna! Volante, tendo grande parte da carga ja
eng j ia, para o resto trata-se com o seu consigua-
tari') Antonio de Almeida Gomes, a ra da Cruz
n. 23 primeiro andar.
OB JANEIRO,
O patacho Lealdade protende sahir para o Rio
de Jio-iro com aquella brevidade que Ihe for pos-
sivel, segando a concurreicia da carga, que bou
ver : quem nelle quizer ca regar, pode dirlsir-se
aos consignatarios Marques, Barros 4 C, notargo
do Ciroo Santn 6, ou ao respectivo capit^An-
tonio Joaquim Pinza.
ll
Boje 21 de outobro.
Augusto C. de Abren fara' leilo por interven-
cao do agente Pestaa, de um bom sortimento de
azendas ioglezas e fraocezas : hoje 21 as 10 ho-
ras da manhaa em en armazem ra da Cadeia.
Grande leudo
De movis, lene?, trystaes e
A *ABER:
(Jm piano forte (de um dos melbores fabrican-
fes), 1 cadeira de piano, urna mobilia de Jacaran-
da' eom 1 tofa', 2 consolos e 1 mesa redonda com
tampo de pedra, 2 cadeiras de braco, 2 de ba-
laceo e 12 de guarnido, jarros para flores, qoa-
dros cora gravuras, 1 mappa geograpnico das pro-
vincias do Brasil, ciudieiros a gaz, tapetes, escar-
radeiras, 1 mesa para escriptorio, 1 dita com es-
tante, 1 tollet de Jacaranda' com pedra e espelbo,
1 cama fraoceza, 1 berco, 1 guarda-vestido,
marquezao, 2 espelhos dourados, 1 lavatorio, 1 re-
Ioko de parede, 1 mesa elstica cero. 2 taboas, 1
aparador, 1 guarda louca, 2 mesas de canto, 12
cadeiras e l sof* de sala de jantar, 2 apparelbos
oe louQa para cha", 1 dito para jamar
Eseravo fgido
Contina estar fgido iesde o da 20 de jolho
do corrente anuo o escrafo Vicente, por alcurnia
Cangalha, idade 40 annos, pouco mais ou menos,
altura regular, secco do :orpo, peinas fioas e ar-
queadas, sendo urna mais do que outra, rostj com-
prido, ponca barba, bast inte ladino, e intitn.a-se
de forro, uza camisola d9 algodoziaho por cima
das talcas, chapeo de feltro pardo, guardasol de
seda ja velho : recommenda-se as autoridades po
liciaes a captura de dito eseravo, gratlBcando se
convenientemente na ra da Cadeia do Recite n.
27, 2 andar.
HIIDAMi FAXOS.
Este estabelecimeoto acaba de receber de Paris urna rica colleccao de chapeos
de sol de seda, de alpaca e de algodo, com armagoes de balea, de ferro e de juncoido
melhorestgStos e fabricantes, que vende mais barato do que outro qualquer estabeleci-
meoto, por serem fazendas vindas directamente. x *-n a a r,nhn nara -nhrir
Igualmente tem fazendas de seda, de alpaca, de algodio e de lmho para cobrir
chjpos de sol, tudo de boa qualidade e por .preco commodo.
Encarrega-se de qualquer concert, com presteza, seguraba e garanta.
Aluga-se
O 3* andar a ra da Cadeia do Reelfa n. 27, eom
commodos para f;milia, concertado e piolado a
pouco tempo : a tratar no 2. andar da* 9 horas da
rornbaa as 3 !|2 "oras da tarde.
eneao

L
\
ras, garrafas, copos, calixes de cryslal, garfos, fa-
cas e colheres, 1 quartinheira, trem de cosinba e
mais objectos pertencentes a casa de familia.
Um faqueiro de prata do Porto com garfos, fa-
cas e colheres em orna calxa.
Urna urna de eiectro-plate, urna mobilia de faia
e urna machina de costura.
Terca-eira 22 de alebr.
No segund andar do soDrado da roa estrei-
ta do Rosario n. 41.
O Dr. Jacintho Pereira do Reg, tendo de reti-
rarse desta provincia, fara' leilo por iotervencao
do agente Pinto, dos movis e mais objectos cima
mencionados, existentes em casa de sua residen-
cia roa estrella do Rosario n. 41, onde se efectua-
ra' o leilo as 10 horas do da cima dito.
eicao.
o
Pergunta-se ao Sr. flical de Santo Antonia se
ihe tem sido indiflerente ou se j pode fazer Pouco
caso das reclamares qu<) pelo Diario se Ihe tem
pedido providencias sobro o esgoto do cano (for$a
do) do Collegio, que ten conservado a porta da
estacao dos triltns urbanos, eom nm grande lama-
cal, se Ihe da atgum lu-ro, recorremos a qoem
ompete para que o publico fique livre desse fla-
gello do aceio da cidade, que tanto reoommenda a
celebridade publica. _______
i "" Fugio no da 12 do corrente a preta crioula
campotei-|de nome Maria, conhecid por Benedicta, idade 40
fMP.4U Du\SlLEIiU
T
DB
Paquetes a vapor
Dos portos do snl esperado
at o da 22 do correte o vapor
ftWfc
190
De 8 fardos com 87 pecas de lona e
caixas com cdocolate.
D. Modesto de la Part eapitao da barca hespa;
nbols Isabel enea) bada na liba de Fernando, tara
Cn*znre io Sul, commandaote iei|ao por conta e risco de qoem pertencer e por
Alcoforado, o qual depois da de- iojrveoc&o do agente Martins, eom authorisagao
mora do costme seguir' para Sr. viceconsBl deHespanha era fB^presenQa^e
os portos do norte.
Recebem-se desde j passageiros e engaja-sj
carga qne o vapor poder condozir jr*!**^^Bovera
ser embarrada no dia de sna cbegajfa, encommen-
das e dinheiro a Ir* at o dia dajnahida as 2 ho-
ras. N;b se recebe orno encofnmendas se nao
objeets de pequeo valor nio excedendo a dnas
arrobas de peso ou a 8 palmos cbicos de medicao
iodo o qae.passar destes limites devora' ser em-
barcado como carga. Previne-se aos Srs. passa-
g eifos que suas passagens s se recebem nesta
agencia roa da Cruz B. 57.
"" "-""'"POBTO.
Pretende sahir par o Porto, com -a maloi bre-
vidade pos,ive acarea ponogae Homildade,
tendo ja metsde oo goast dous tercos do seo car-
regameoto engajado. Para adarga que Ibe falta a
DMSteirosqMffraBaa axeHeatM eom-
aodos tra'a se com 08 consignatarios liarqoes,
Barros 4 C, n> largo do Coroo Santo n. i oa o
e etfi Sjl* Prr6ira Soares.
rfde nm empregado da alfandega para este flm no
meado das fazendas cima parte do carregamento
de dita barca.
Terga-feira 22 do corrente.
No armazem n. 8 da alfandega, as 11 boras do
da.
Trasfereneia de leilo
O lei lo da padarla, refloaeSo e confeitaria das
mas da Concordia n. 9 e da Palma n. 10 a que
se refere os anonnciog dos das 14 a 17 de grande
leilo, no Jornal do Rectfe ns. J37 UO flea trans-
ferido para quinu-feira 24 do corrente, podendo
se separar todo o que prteme a conleiiaria, se
assim convier aos compradores. Esta -estabeleei-
mento torna-se recommendavel peta sua magnitu
de e pode ser examinado em todos os das a
qualquer hora. O Istia sera* procedido pelo agen-
te Pestaa, no indicado dia qointa-feira 14 do cor-
rate as 11 noris da maaha ao mesa* tabel*
cimento.
anos, mais ou'menos, altura regular, magra, le-
vou vestido de chita escora e chale encarnado, eos-
turna trazer urna correntezinha de ferro em um
dos punbos : portanto pde-se a quem a apprehen-
der leve-a a praga da praga da Boa-vista o. 17,
qne sera' gratificado.
CASA DA FORTUNA
Aos (,0 BILHE1ES iJARANTIDOS.
A' roa no Crespo n. 3 e casas do costme.
O abaixo assignado ve ideo nos sens muito fell-
xes bilhetesgarantidos di loteria que se acabou de
extrabir a beneficio das familias dos voluntarios
da patria os segointes premios :
N. 37i7 dous quintos rom a sorte de 6:000.
N. 3985 dous quintos com a sorte de litOf.
N. 3418 nm meio com a sorte de 500J. -
E outras maitas sortes de 1004, 404 e Kf.
Os possuidores podem vir receber seus respecti-
vos premios sem os descontos das leis na casa da
Foriou roa do Crespo n. 23~
Acnam-se a venda os beneficio do patrimonio dos crpbSos (42') qne se
extrahira' quarta-feira Si3 do corrente.
Preco.
Bilhete.....6*006
Meio. ..... 3*000
Quinto.....1*W0
Em porc3o de 1000 para cima.
Bilhete.....5*500
Meio......2*750
Quinto. .... 1*100
Manoel Martina Fiuza.
O arrematante das lojas de ferragens d) fallecido
SdbastiSo Jo da Silva v,'m offerecer ao respeita-
vel publico um completo sortimento de ferragens e ]
miudezas por metade de seu valor, grande sorti-
mento da alambiques, bombas de japy e aspirantes
para os senhores de engeohos se proverem de taes
artigos cora pouso dinbeiro, sinos de diversos ta-
mautios, ferro em barra, em arcos e folha, fogdes
de ferio e orna Inllnidade de objectos, que se torna
enfadonbo enumerar.
Attengo.
I. 2 > Roa do livpameiito R. 25
Denosit j de tamancos e calcado nacional da fa-
brica da ra do Jardim n. 19, de Jos Vicente Go-
dioho tanto no deposito como na fabrica seapromp-
tam todas as porjes de calgado o mais barato
poivel, esta faorica tem todas as machinas pro-
prias para os calcados ja bem acreditados pelo
grande numero de freguezes qne daqui se for-
ncea). __^________________
Criada
Na ra de S. Francisco n. 72, precisa-se d urna
criada portugueza qu escrava, paga-se bem agra-
dando. ________"______________
PrecUa-se de urna ama para o servio nter
no de uroa casa de pouca familia : na ra do nos
| picio n. 58.
O Di.hare nol de sa e Souia, aU-
vogado, reside em Pedras de F.go, onde
tem seu escriptorio e pode ser procurado
para os mysteres de sua profisso, en-
crrega se de qualqner cobranza ou cau-
sa judicial tambem as cidades de Goian-
n e Pilar.
O Peitoral de Cereja,
DO OS. AYEBV
fdfgmoitm toda
Ni praca da ludepecdeucia n. 33, loja de ou
rives, se d ra' quem precisa de urna ama para co-
zinbar e engommar.
Trocam se
immmmmm m
Ur. Guilherme Naegell, medico, aa
consultas todos os dias das 8 boras as 10
da manbaa e das 3 as 5 da tarde ua soa
residencia rna Nova n. 18, especialidade
molestias dos oihos.
as notas do banco do Brasil e das caixas filiaes-
dom descont muito rasoavel, ua praca da lude,
pendencia n. 22.
Aloga-se a metade de casa para pouca fa-
milia na roa das Crnzes n. 23.
0 Dr .!ooBautista Casaa va
pode ser procurado a qualqoer hora em sen con-
sultorio bomeopathico, largo da matriz de Sant
Antonio n. 2.
o mesmo consultorio tem sempre grande sor
timento de medicamentos de nomeopathia de We-
bere Catellan, tanto em glbulos como em tiolnra,
assim como tem um sortimento de ferros de ci-
rurgia em cartelras e avolsos do afamado Char-
ner de Paris. _
Agencia de pasoaportes e par-
tartas.
Claudiao do Reg Lima despachante pela repar-.
ti$o da polica tira pasaportes para dentro e fora
do imperio por commodo preco e presteza : na roa
da Prala 1* andar a. 47._________________
O Sr- Eogeaio
macbinista, fu saber ao publico, que se encarre-
ga de qualquer obra de encanamentos, como col'o-
ear gax e concertar, tambem bombas para colloear
e concertar, de todos os systemas, como telhados
de chapa de ferro, nuco e chumbo : a residencia
do machinista na roa Bella u. 13. _____
A direccao do Club do Recife tem resolvido
que a partida do corrente mez teoba logar na noi-
te de 26. _, ,
O secretario
Joaquim Leocadio Viegas.
Na praca da Independencia n. 33, loja de
ourives, compra-se ouro, prata e pedras preciosas,
tambem se fat qualquer obra de encommenda e
todo e qoalqner concert. ______^_____
LINDO PRESENTE
PARA
M&i, esposa e noiva.
Pelo paqoete inglez chegado a 26 do pro-
1 simo passado mez, recebemos nova remessa
de bem feitos e delicados alneles de ouro
de lei com perolas, esmeraldas e rubins
verdadeiros, para collocarem-se retratos.
Anda temos alfinetes simples de ouro de
lei para gravata e para peito.
Os precos sao mui razoaveis. Na PAoto-
grophia Vllela rna do Cabug n. 18, en-
trada pelo pateo da matriz.
PARA A CCA MDICAI.
TA de todas as raote-t *> frita
e da garganta, toaaes.eoaBaaasi,
Bronchltp, asma, dalaaoa, ro^pi
dio, Coqnehiclig, iragtM,B>atttrta-
F.f te xarope peitoral i
tado de longos
por um dos priaaeiroa i
America do Norte, -
encina minuciosas nos
taospltaesdo mundo; recritadopelos medites anis**_
dcsU sceulo nn sna clnica particular, portanto i
confianca, 1-, por ser eticas, alcaocaudo eom u
tvel o assento da molestia e arrancando Ihe i
dando nos oreios aflccUdos urna aceio natural e si:9, i
ter innocente t apflicaml a qualquer pett* de *"''_'
ou ro, ao homcm robusto on crtanea da u
cada fraseo sendo aecompnnliado de dlrreesoes i
3, e ultimo, por nSo ter um remallo tecreto, pots c
ico on pharmaceutico pode obter a formula da soa <
dlrigindo-sc pessoalmente on por carta ao afate eral, sa. .
Labe, a ra DIreita No. 15, Kio de Janefr.
Mitos casos que tinho zombado de Sudo aa *>
da scicncia tem sido curados radicalmente com o o Jo
Peitoral de Cdsrcjam.
As pessoas aUcadas de tosse, deflaxaa, Dtr sis
BroneliiU, asma, etc., c ontros i^uptunM <
ra geralmente fczcm po"c0 cafC ^___* _.
qne seja tarde para cnra-lo. Nio desemstas T i
perqne agora parece de ponen imp
descuidada ebega a ser chronic e
Tubrculos nos pnbncs.
Nenhuma casa de familia dere esta
deste xarope it mo; pois no *U~ ***>* *
Atuiiaa, de Orotip, e os paroxismo s Oanilii Ir;
loase comprida a qne csto sujeitas as uiea,
tempo de chamar nm medico, em de tarer .Ljn*g
este xarope alivia immediatamente e poe o flBfco qmtrid*
sao e salvo, f&ra de perigo.
As molestias qne estao ao alcaaee i
do PEITOBAX. DE CJEmTEJA sao
Destazo*. Toeeee, Asma, "Bmiutrntrnitm,
Coqueluche, Tosse fsrin ou
Boquidao, Todas ss aaoliaHai
s |ii|iiH Ooneumpeo al
mese oa Tlaioe.
Acha-se asa todaa M Botleas e Di talla s
Pilulas Catliarticas o Dr. Ajer
cbIo
Ao piklic*.
Previne-se qne niagonm eempre a oasa a. 8 do
pateo da Penbi, porque j se aeba tratada paga
por papel particular eosi promessa de ser pasta-
da a respectiva escriptu a, quera qalxer verificar
a wdade da que se exivW dtrijt-se a roa da Prata
Philotimia
Sabbado 19 lo correte, as 7 horas da tarde, a-
vera' sessao extraordinaria, para-a qnal slo con-
vidados todos os associados.
O secretario
8evertao Uarte.
Alaga-^e '
0 tereelro andar do sobrado da rttt de Aguas ver-
des a. 68, muito fresco e bulantes commodos :
qoem pretender dirijan ao segando andar da ro
dos Martjrtos n. 4.
Na ra estreita do Rosario n. ti, precisa-se
de ua caixeiro cem pratlea de molbados, _
Na roa das Aguas verdes n. 46, precisa-se
de ama ama de leite qne nio tenba Albo e outra
para eostnaar e engommar.
Viad 04 vemtre
mmM-mt., n*mmutrrktid-t, J>4V sto
0im, mml este m mgo, E-M*
B*MriU, lal gssr-Js-.
sita, Hvrv** Z~>rm*> --
Tesas at bmsMbUs se snvea* e
hm,
O m*or purgaMe at hofa
a, paula* tmemht ase
pdmo e r-artelo
esa Vo*s as BoMesa *
Precisase de urna ama para casa de urna s
pessoa : na roa da Urux n. 8, t* andar.
at. at. ijurjj, sos
Deposito geral roa do T*far
i escriptorio de "*
***"
^


Dlarh de pe nambac*
^OUJ Mfy
N. 6,rua do Queimado primeiro andarN. 6,
SlO 3IHS CABELLOS BRANCOS.
Tintura instantnea para enegrecer os cabellos em um minuto sem offender a pelle!
Gabinete reservado e desente para tingr cabellos
com perfeifSo, presteza e mdico preco.
TPDHDI
^\ caspas e calvice.
Tendade se liquidar a loja da aterios daraa
do*mperador n. 3
Bontui>g de Melll...... IIOOO
| Ditug de Sozer....... 8J000
Dios de'diversos fabricantes. MOM>
Sapatoes de beierro Saier..... 34 Borteguios para menteos e memtu. 3JI00
Ditos ditos ditos. ..... MOCO
Borteguins de lostre pira hoens
(Soier)......... imA
Sapaldes Melli....... 71HC0
Bo zeguns cordavio. 81000
Bolas para montara.
Perneiras e guarda tema.
Sapalos de tranca para meninos. .
Snalos de coaro de lastre con salta
para seohnra ......

PARA UZO INTERNO
PREPARADOS SIMPLES,
Xarope de jurubeba garrafa......... liJoqo
Vinhode lrJOo
Pilulas de vidro......... i6oo
Tintura de 64o
Extracto hydralcoolico de jurubeba I2#5oo
PREPARADOS C0MP0ST0S.
Vinbo de jurubeba ferruginoso garrafa. 2#ooo
Xarope l56oo
Pilulas vidro... 20ooo
Oleo de jurubeba vidros.... 64o
Pomada de pote...... filo
Emplastro libra..... 2#5oo
PARA UZO EXTERNO
A JURUBEBA.
Esta planla' boje reconbecida como o mais poderoso tnico, como um exces
4ente desobstruente, ecomo tal applicada nos engo'gitamentos do figado e naco, na-
bepatites propriamente ditas, ou anda complicadas com anazarchas, as inflammacoes
subsequeotes as febres intermitentes ou durezas, dos abeessos internos, nos tumores es-
pecialmente do tero e abdomen, nos tumores glandulosos, na anazareba, as bydrope-
as, erysipellas; e associada as preparares ferruginosas, ainda de grande vantagem
as anemias, cbloroses, faltas de menstruac5o, leucorroeias, desarranjos atnicos do esto-
mago, debilidade orgnicas; e pobreza de sangue, etc.
O que dizemos affirmam os mais distinctos mdicos desta cidade, entre os quaes
podem os citar os lllms. Srs, Drs. Silva Ramos, Aquino Fonseca, Sarment, Seve, Pe-
reir do Carmo, Firmo Xavier, Silva etc. Todos elles reconb cem a excellencia d'este po-
deroso medicamento sobre os demais at ho: tanto que todos os dias fazem d'elle applicac'.
Apresentando aos mdicos e ao publico em geral diversos preparados da juru-
beba, tivemos por fim eneralisar mais o uso d'este vegetal, fazendo desapparecer a
repugnancia que at boje seniiam os doentes de usar dos preparados nnpiricos d'elle, o
mais das vezes repugnantes a tragarem-se, e que tinbain ainda a desva4agem den5o
ser calculada a dose conveniente a applicar-se, o que torna muitas vezes improficuo um
medicamento, quepodenaproduzir ptimos resultados.
s nossos preados s forara apresemadus depois de haverraos convenientemente
estudado a jurubeba, fazendo as experiencias precisas para bem conbcer as propriedades
medicamentosas d'esta planta em suas raizes, folhas fruclas ou bagas, e a dose convenien
ea app.icario, tendoalm d'isto procurado levar os nossos preparados ao maior grao de
tperfeicao possivel, para o que nao poupamos esforcos, oSo nos importando o pouco lu-
cro que possames tirar
Por tanto os que se dignarem recorrer aos nossos preparados podem ter a certeza
de que elles offerecem a garanta, de que se pode encontrar a prompta e infalhvel cura
de qualque dos soffnmentos, que deixamos innumerados, se forem em tempo applicados
tedo alm d'isso, medico ou doente a vantagem de escolher as nossas variadas prepa-
races, aquella que melhor Ihe pode convir, j pela fcil applicacao, e j pela complicacc
das molestias^ idide, sexo, ou ainda natureza de cada individuo.
As nossas preparaces ferruginosas sao feitas de forma que se tornam completa-
mente soluveis nos suecos gstricos, porque procuramos Os compostos de ferro que como
taes est3o boje reconbecidos.
Para aquelles que mais minuciosamente queiram conbcer as- propriedades da
jurubeba, e saberem a applicago de nossos preparados, destribuimos gratuitamente
em nosse deposito um folueto, onde tratamos mais extensamente d'esta planta e dosov
mos preparados.
Deposita geral de iodo* os preparados
Eiotidca e rogarla
34Ra larga do Rozario34
nico pi"*", ^ "caspa* e calvice.
PREMIADO' PELAS EXPOSigOES DE PERNAMBUCO E RIO DE JANEIRO.
Salo para cortar e trizar cabellos, e fazer barbas.
H Bfil MONTADA OFfTcYUE i:\IIELLEIIlEIRO
j|& onde com esmero e gosto se maoufacturam, quer para a provincia, qoer para fra della, todas as qualidades de postigos
* modernos e de apurado gosto, accrescendo a grande differenca de ser 10 0|0 mais barato que em outra qualquer parte.
Esplendido sortlmento de candios, em cores e em eomprimento,
WV6. RA 1IO QUEOIADO H.6.
Fedegoso de Pernambuco
A planta, conhecida entre nos spb a de-
nominagJo de fidegosa, e no Ro de Janeiro
< pro incias do sul deste imperio pela de
crista de gallo, o tiaridtum ulilissimum
ou liandium elonoalum de Sclium, e o he-
Itotropium curaisadium de Mart., pertence
familia das boragioeas.
O fedegoso considerado, na tberapeuti-
ca pernimbucana, como urna das plantas
mais recommendaveis por suas virtudes cu-
rativas, e applicado interoa e exteraamen-1
te, como calmante do systema nervoso, na!
paralysia, asihma, tosse convulsa ou coque-'
luebe, tossos recente? e amigas, suffocaces,'
catarrbos pulmonares, etc., e em geral con-
tra todos os suffrimentos das vas respirato-1
rias; sendo um excellente unitivo para
aquel es que padecem de pbtisica pulmonar.
Sua -fficacia contra o ttano ou e.^pasmo
inconteslavel, e nioguem ba que a desco-
obeca.
1*000
Samuel Power JshustoB lvapaihia
Ra da Senzala Nora n. 41.
AG1NC1A DA
Faadleio de Lov Boor.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos.
Moendas e meias moendas para engento.
Tanas de ferro coado e batido para eugt-
nbo,
Arreios do carro para um edoui cavallcs.
Relogios de ouro patente ingle*.
Arados americanos.
Machinas para descarocar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
Aluga-se
A casa da roa das Aguas-verdes i. 25 a tra a -
na roa Bella d. 45.
~ p'fcls* V de orna ama para easa epeqoe
na ramilla preferiodo-se eserava ; na roa do Grea-
po o. 7.
SHHBMffH
M O r. A. S. PermraTo cTrZcT
g esl ajorando noaobradoo. 13 da roa da
Imptrairu.
Na secreurla da SaoU Casa d Mierie..rdia
doHenfe prerisa-se fallar a S.'Leagdra Carnei-
ro de Ouveira.
Compaubia fideliiade de seguros
martimos e terrestres
estabelecida no Rio de Janeiro
AGENTES EM PERNAMBUCO
Aulimiu Luit de Oii Ctmpetentemente antonsadrs pela
directora da companbia de seguros
Fidelidade, tomara segorfs de na-
vios, ii ercadorias e predios no
escnpti-rio ra da Cruz d i
fana
jas;
Aluga i< para pa.sar
\l^l% 1% m^^M%^
DE
CARO
PREPAR4B4A
POR
AUGUSTE ilOR
Pharmacentico pela escola de Pars e successor nesta cidade
DE
Aristide Saisset e J. Soum
22.------Ra da Crnz------22.
Tratamento puramente vegatal sem mercurio, iodo, ouro, nemoutro qualque
mineral. *
Verdadeiro porificador. do sangue sem azougue.
Especial para a cura de todas as molestias que tem sua oriaem na impureza do
sangue, como sejam as molestias boubalicas, syphiMicas, escropbulosas; darthross, qner
venham ellas por hereditariedade, quer sejam adqueridas pelo contacto com pessoas in-
feccionadas dos diversos virus que contaminara o sangue e os humores.
A earoba um remedio prodigioso, usado desde remotas eras pelos idioi
do Brasil, e passando seu uso degeraejo em eraco, boje um dos remedios maisco-
nhecidoscnmo propno para rombater as molestias mais hediondas, entrando nesse nome
ro a morpha ou elepbantiases, para cujo curativo os nossos sertanejos consideram a
earoba como remedio especifico.
A muitotempo entrou a earoba nos formularios como preparado magistral
sob a forma de eleictuario, anda boje lembrado as pharmacopas com o nome de seo
celebre autor JoSo Aives Carueiro : nao ella portanto remedio novo nem desconhecido.
O ungento de earoba da mesma sorte preconisado desde tempos inmemo-
naes como o mais apropriado para o curativo das boubas e ulceras syphiliticas srdidas
61 empregado com proveito depois de improficua appiicacSo de muitos outros agentes
therapeuticos enrgicos e de uso quotidiano.
Muitos dos nossos mdicos de consideracao e eDtre elles o muito distincto pratico
e observador o Sr. Dr. Pedro d'Albayde Lobo Moscoso, tem confirmado por meio de ex-
periencias repetidas, o que diz a fama das benficas propriedades da earoba no trata
ment das b.mbas. das diversas formas sob que a sypbilis se aprsenla e muito especial-
mente as que teem sua .sede na pelle, e poderiamos relatar alguns casos de data muito
moderna obstados pelo mesmo Sr. Dr. Moscozo em que a earoba produzio admiraveis
Beitos, depois de inuteis e prolongadas applicacSes de salsaparrilha; mecurio, iodo, on-'
x ro e seus preparados, etc., etc.
N3o era possivel que urna planta la notavel por suas inappreciaveis virtudes es-
capasse a perspicacia emvestigacoes dos mais abalisados praticos europeos, qne se ap-
pheam com especialldade ao estudo e tratameoto das molestias syphiliticas e herpejicas
e para prova abi esiao os Srs. Drs. Casenave, Schurfer, Ricord .e outros dando as maif
hsongeiras mformacBes sobre as propriedades curativas da earoba e pieeonisando-a com?
remedio poderosissimo para o tratamento das erupcoes cutneas, seccas oo suppuratrvas
dartbros de todas a qualidade, ecemas, ulceras de diverras naturezas, tumores, osseos
e ontras nmitas molestias de natureza sypbi itica ou boobatica.
Por ter-se generalisado muito o uso da essencia da earoba qae ea pre-
paro e pelas instancias de varios mdicos que desejam continuar em suas observaces,
deliberei-me a ter prompia una quantidade da mesma essencia, obtida sem a aec5o do'
ogo, para n5o prejudicar as propriedades medicamentosas; e d'ora em dianta encon-
r^ol'5?.11! inDa Pbarraacia sempre e em porcao sufficiente para todos os pedidos a
SSENCIA CONCENTRADA De CAROBA, e o ungento da mesma pierna para qne non-
lauem aos Srs. mdicos que qnizerem esperinentar tao precioso agente medicinal.
"^ Recife de Partjambnco, T de ootubro de J 866.
Atouste Caors.

SO
ss
.5
*S
-es
08
US
ff
ce
0
es
SO
Nao ignorando nos o que acabamos de di-! 1UKaf0 tmm ,a>s
zer, e esforcand-nos por ser til bumanda- Olioda com miMlos boa* commod.is para faa.l -
de soffrdora, preparamos o queabaixo indi- p00ta vil3 e rauit' freCa : a traur na roa Aa
camos, pondo a disposicao dos distinctos me- DCor
dicos, e dos doentes desta e das (utras pro-'
vincias deste imperio nossas preparaces,,
que sao:
n
es
.i** ALm.?rand/ s.ortimen^Ldas melhores machinas, americanas para descarrocae
algodSo. de 10, 12,14, 16, 18, 20, 22, 23, 30, 35, 40 e 50, ueste estabelecimento sr
A JURUBEBA
em Cxtraeto alcooilco, emplas-
tro, ole, tintura, pilulas, xa-
r pe e vtuho.
A JURUBEBA urna das substancias me-
dicam* ntosas que pertencem ao reino vegetal
e emram na ciasse dos tnicos e desobstru-
entrts, sendo empreada com vantauem con-
tra as febres intermitentes acnmpanbadas de
engnrgitamento de tigadi e baco.
Ella tem sido aplicada ci m incontestatel
proveito contra a anemia ou colorse, liy-
dropesia catarrho da bexiga, e mesmo para
excitar a menstruaca.i difilcil, resultante da
mesma anemia ou cblo.-c.
O ARROBE YE.ETAL
E' niuito snperior aos xaropes de CUIS-
NIER, e deLARRoY. De faciidigestSo, a-
tradavel ao palaoar e ao olplial, elle cura
radicalmente, s-m mwcurio, lodjs as affec-
coes da pelle, impigens, alpo^cas tomores,
I ulceras, sarnas degeneradas, escrfulas, es-
corbuto. E'-sobre tudo poderoso as mole?-
n'.s rebeldes ao mercurio e ao iodureto de
po:a-si.
XAROPE DE SALSA l'ARRILHA DO PARA'
00
DEPURATIVO DO SALGUE
USADOS N.-.S MOLESTIAS DE PELLE. IMPIGENS,
D011ES niIEUMATICAS EULCEBAS VENEBEAS
PILI LAS A.\TI PEKIOIHCAS
Cunir. aslires iiitrrnuieate, oa neioes
d
O
o

JSa
-11
s..
T3 3.
og.
o:.
*r^ ^ ^- ^.
u 9

o
o _
_ ce as =_,
|jri- til**
aa
a.
o
2
*i.s
cd ce 3
j T5 5 I o
9S. 2 3 a 2
3 O
ro n
zz
'
fS' ft 2. fB
ft.
^ >.
&a 53
3
.
(f
-i
~.
Ba
a;
o
i
Ba
ir.

r-S
i
i.
3
o.
encoDtra mais o segrale :
Azeite de espermacete propria para machi-1 Peneiras d'arame para padarias e refinaces.
as do todas as qualiJades. Crrenles para almaniairas.
Vapores de forca de 3 i 4 cavallos. Machados e faces americanos,
berras avulsas para machinas.
os mais pertences para as
Mancaos e todos
mesmas.
Carros de m5o para aterro.
Cylindro para padarias.
Debulhadores para milh).
Arados americanas.
Escadis de madeiras americanas.
Carrinhos propnos para armazens.
Moinhos para refinacOes.
dem para r'lho.
Macbin s para cortar capim.
Bombas para regar jardins.
Vaquetas para cobertas da carros,
Camas de ferro sortidas.
Bombas de Japy.
dem americanas.
Ferros a vapor para engommar.
Vassouras americanas.
Baldes americanos para compras.
Traas de madeira.
Ballaios e cestas de verge inhas.
Guarda comidas.
Caixas com vidros de todos os tamanhos.
Cannos de chumbo de todas as grossnras.
Follia de cobre idem idem.
dem de laiao idem idem.
Folna de Flndres.
Ferro de todas as qualidades*
Arcos de ferro.
Latas com gaz.
Trens de porcelana para cosinia.
dem estancados para dita.
Bandeijas Gnas.
; Balancas americanas,
dem rovervaes.
Taixas de cobre:
Estanho em vergainhas.
Folhas de ferro de todas as grossuras. .
Correntes de ferro sortidas.
Espingardas de todas as qualidades.
Rewolveis de iodos os modellos.
Ferramenta para ourives.
dem para tanoeiros.
dem para ferreiros.
3a3>a loa ffimirao
O MULUNOU' tem accao directa sobre os
ceiros nerv isns, e por isto faz dormir sem'
determinar afiluenria de sangue no cerebro i
como o opio e substancias simples qne delle
se extrhem. pelo que o somno tranquillo
le reparador, alma a tose as bronchiles,
! e modera os accessos de asthma e de tosse
' convulsa.
TODOS ESTES MEDICAMENTOS SAO PREPAuADS
pon
Jcaguim d'Almeida Ptnto.
PHARMUCEUTI O EM PERNAMBUCO,
Rua larga do Rosario N. I Ocia.'
________Jiulo jo tinarlel de p li
I
W. II A -Rua lo CabagN. S A
Agostinho Jos dos Santos 8? G
Acaba de che jar a este estabelecimento om esplendido sortimento de
joias do ultimo gosto perfeicSo artstica e modellos enteiramente novos; como
seguem : adereces com rubim, esmeraldas e perolas finas, pulceiras, broches
para retrato, annes, botdes de punho, brincos e cassoetas com letras, etc..
etc., etc. Salvas de pratado Porto, faqueiros, paliteiros, cabx de mesa i
fructeiras, cojos precis sao incompetiveis, pois que os propri-tarios desta casa,
recebendo seos artigo directamente da Eqropa, podem servir vantajosamenta
aos seus freguezes. Compram-se brilbantes, pedras finas, onro e prata, page
se hem, tambem se ii combem de fazer coacertos.
m<%m
Precisa sh alunar uuia e.-crava pa rua da
LOQCeigao u. i?, oa Boa-visia, quem Uver peda di-
riglr-se a referida casa.
Aloga-se ama casa eora 4 salas e cosinha
lora por detraz da refluacao do Muoleiro : a tra-
i lar do caes ti d XnveHiDro d. 26, e mais 4 qaa
Qcam na treme da reflaaejio. '
Ctixeiro
Offerece-se para ctixeiro um mojo que tan'pra-
lica de oecucio de moldados e d sobre *a con-
ducta (bdor : qunn de seos serbos pr/-.isar oo-
di- diri(ir..fl a rua larga dn n.isar>o. o. A bnt,c>>
Prrci*a-M> e uiuaaiiia que coujjlL e ((isl-
nbe para urna casa de pouca familia : n\ rua N'o-
va de Sania Riu ps. 33 ou 4 i.
Preclsa-se alujar orna escraa ou criaba pa-
ra o servia de coslnbar e lavar: oa rua Formosa
o. 15, 1' andar.
Preci 'engo da linba frrea Apipocos :
mem tiver algom dirija se ao scri'p-
lorio d. 4, a rua do Crespo.
Joaquim Jos toncalves
Beltio
RA DO TS4PICHB 17 i ARi>AB
Sacca per iodos os paqottei tobN o Bateo
loaiinho em Bra^a, sotrs os gaintes iuk.-
em Portugal,
aber:
Lisboa.
Porto.
Valenga.
Guimarss.
ii rubra.
iaves.
seo.
illa do Con Jorcos de Val de Vfc
Vianna do Castello.
Podip doXima.
Villa Real. .
Villa-Nova de Famellcec.
Laraego.
Lagos.
Covtilba.
Vassal (Valpassos.)
Mirandella.
Baja.
Barcellos.
a oa
Precisa-se de orna ama que rliba lavar e ec-
gommar: oa roa Nova_n. 38, 3o ar dar.
Ama de le;te?~
Preclsa-se de ama ama de lene : na praea do
Corpo Sanio n. 17, 3* andar.
SEGUROS
MARTIMOS
CONTRA FOGO.
A companhia Indemnisadora, estableci-
da nOTta praca, toma segoros martimos o-
bre navios e seus carregamentos, e contra
logo em edificios, mercaduras emobilias:
na na do Vigario n. 4, pavimento terreo
MlhlCA
Leeiona-se a sifi-jo e a'tocar varios
m> instromemos dando se as licoes particu-
lares em suas proprias casa?,.das S bo-
| ras da tarde al as 9 borss d ooiie : J
S tratar na rua AuguiU t. 30 oo nesta ty |
I
O abaix a>si; iblieu que i'tk. L-
melo i banio Pre- da 30 de s-
tembro fui exonerado do lugar qoe oecopava de
Da se t:000#000 a premio de um e
por cento, dsodo-se penhor de onro oo prata
quem pretender dirija-se ao pateo do Carm acaixeirodesua casa cqrar,
Sr. Jos Joaqifli da Silva Guimares que elle dlra' Recite, 16 de ooio!
qaem tem o tfiobeiro r


Miarlo de'rcrBlo Segnnda lelra i Outabro de 1867.
% 2 Dr
|PP* COKtCAO BE OUIIO. **jfc|
A loian 2 D intitulada Corado de Ooro na roa do Cabcrg, acha-se d'ora em diftt'pereceo
' o M.l pobllco avallando o desojo qae deve ter o ^f^ttTTolT^toT^
prata com cabos Qe niarfi
ouro) voltas de ouro com

m doo tnybo perbilo por ^';j^Z",il;r"'btiiio e firma, dito para casa-
tratos e outros modelos todo.de *'" ^S^^S^Sffi'; iJS,' wi"do sortimento de diversos
ment, o armo roseta, tem o *"" J0^,;Te meraldas, obra esta importante a' pelo sea va-
pstos ^^^^m^^^^^ maos|ha de mocacom piogeme contendo es-
lor a'por posto dsdes^BDho, brincos a rormaaa uc megmo rdo>
Bienldt. rahins, brilbantes, parolas, o gesto sa>aXmem diversas 0Dras je brilbantes de
gios para senhora cravados de pedras precio as, d tes par horneen, diversa s oom
Uto rosto, crusinhas de ^y JtoafCSii de SS S iSeSri lole qoal--
erystal e oaro descoberta para retrato (a IB/Ie"'?"n"*,r'",':,* ohiectos aue os pretendentes en
quer iota, para secolacar retratos e obras de cabello, e outrf "" "'I63 ^Lortnm delxando-
!KM>*S5> ATo -ari t ctj fazendds dt
'ShnhsCvdho,rua do Quei
madon 19.
bobi e b trato
Lansiohas Poil de Cbvre a l# ocovado.
Madapolao enfeudo a 8# a peta. .
Cambraia de cores matisadas Lioissimas .
800 a vara.
dem brancas transparentes 8na de 4,
55000, 6J, 75, 80 e 9oM.a peca com tG
jardas.
dem branca tapada le 85 e 95 a peca
com 12 jardas.
dem branca franceza muilo larga a 95 a
peca com 8 varas.
Bales de 35 e 40 arcos nesgados para
senhoras, a 45500.
dem de mursulina Dosgados a 55.
dem de crochet a 5$:
dem de mursulina pura meninas a 35 e
355eo.
Saias bordadas a 55.
Cambraias admascada i para cortinado a
25 a peca com 2o varis.
dem para forro a 35 a peca com 10 jar-
das.
Cambraia de linho milito fina de 65"e 95 a
vara.
Madapoles finos de (0, 75, 85, 95,* 05,
115 e 125 a peca.
Fabrica e [undigft de bn.
e outros metaest ealdeireiro,
la\qeiro, e funileiro, silua>1a
asoledade, ttt do Prin-
cipe n 3, c com deposito na |
ra Nova n 38, da cidade
do Recife
DE
BRAGA &SAMPAIO,
Fabncam-se neste importante estabeleci-
metrto todas as obras concernent:s as artes
respectivas como sejam:
Alambiques de todos os' lmannos em j
feitios, os mui acreditados aparelbos de
Derosne com as dimencoes delicadas dos
fabricados em Franca. ,
Fabricam-se avulsas quaesqi&r pecas des-
apareaos, como sejam o di'.atad'or, ratiGca-
dor "e condensador, ou esquenta garapas,
resfriador, serpentinas interiores.
"V&crcam.-Ke bombas de todas as dimen-
goes e qoalidades, pelo systema francez ou
americano, simples, de presso, repuso, e
com especiaiidade a estncanos! assim-ap
nominadas pelo enorme volume de agua
aue absorvem calculada em 100 pinas por
bora, e das quaes algumas esto pomptas a ~<*r apenas um, peque c.na-
prPm nprinvanfariL. mer0 ficaQd0 reSPe taVel Publ,C0 M Serte'
LOJA 00 GALLO VIGI-
LANTE RA DO CRES-
PO N. 1.
Os propietarios desle'muito bem conhe-
do estabelecimento tem a satisfago de levar
ao conhecimvmto do respeitavel publico que
acabam de receber pelo ultimo vapor da u
ropa um grande e variado sortimento de ob-
jectos de inteira noviciado, dos quaes se li-
seri'm experimentadas.
Rxtstem bombas por este systema, me-
nores, para regar sitios, garantindo-se nao
s sua duracao como a' grandequantidade
Platilha de algodSo superior fazenda para d agua que fornecem pelo aue s3o cous de-
Que um elegante estojo para viagem
tOXTIv^OO:
l-20 cadernos de papel branco, pautado, beira donrada, marcado com as iniclaes do com-
prador.
jo_joo envelopes brancos.
3_100 peoas de ac (m*rca langa).
4'1 caixa ebreias de goroma.
8I tinteiro de vidro com tampa de metal.
6 1 arieiro idem idem.
7 I pao de lacre.
8-1 catrivete de dnas folbas.. j
9-2 lapis.
'SdiSSs'objecios reunidos, dentro de amtente cato, fette para ests ;fim, cc<;am apens
RS.
Kua lar^a do Rosario n.
Continua-se a alugar-se espacosas salas e quartes mobiliados, rerct>ero-se pencioms-
taspara servirem-se comedorias com asseio, e leva-se tambem ao do
Ha para vender consecutivamente de noile
hora verdaeiro e fino chocolate espaobol.
sxcellente e variado sorvete, e a toda
Na ra do Apollo n. 2o, armazem de
assucar, precisare de urna cosinbeira livre
ouescrava.______' ______
N* ra do C:Uuga, li.ja n. 3, pra-isa-se da
ama pe>soa qae enteoda bem di janlra e te hor-
ta. e que aleo difto lenha bea conduca : quem
esiiver oesus condicaes, dirija-se a' mesma loja.
em Pcruml>aco *. kaeeia o Reeife d. 58, u ji de axiitejo.
Compram-se
cBi pernio miedas de ocro e de pratarnaoienaes
elrangeiras : na raa arniaera de A^rlapn, C>s:fo & C.
Giipra-se por mais do que tru oulra qnal
qeer parte, pra brasilera e estrf.nppira, libra
p-i-f-hoas, moedas de 95 e l p.-.r(ugH?zas, d
Uocam iedula
ua ra da
De ordem da directora, para cooncrimefits dos
S. socios e de cooforruidade com o qua delerm- j Compra-w uona Da o-art. 63 dos estatuios, se at publico que as ;Dgomir.e : Broa da Pcobej. 21. 1_
fl! ijue cozohe u
sessss nniiaanas quinti-Biras as 6 Ignoras 'ta larde.
Secretaria d* dioetona 17 deoatubro.do .07.
,. Perratfa Chaves Juoior
! facreurio.
-jEa abarse assiitoada dcuiaro p:ibticopar:i qf. larrtia o de-rtte efTaito, qae pessoa
algnma ro p-rfera' er m Utar c ra mea ma-
rido o Sr. J .- Gomes de goma, metre pedrelro,
Drg.ieu) sli.r : u;oaa;-a terrea aOnns, : segun-
da estr*4a q ie findar-c-H oa ueira do rio, c on-
tra u ) Caaip( -vrde.-r*!a do Ci-o, sem o mea con-
seatimeate ou as*Uo*lu_a do mea Dooho, .icaodo
desde ja tollos os oegoelos sev tffelto, e c; [orero em o mek tioseotimento eimo cima de
cls o, de veodi, renda, kj-pofieea ou doaQao.
Hara Paes liamos Cnaves.
" 2\a rua Nova o. 46 d-seja i hilar ao Sr.
AniiD'1 i.esiudante <)o qaarto aano.____________
iloedasde ouro.
Nacionaes e estranf-'tras assim corac libras
eeterlinas: caajpram-se oa raa do Crespo n. 16,
pnmelro andar. _______ '
obras veas
__ CiintiDuam IdgiddS os rai-m e-cravas seguio-
tes : J m ios, criouli, altrj e seeeo; Pedro, lea'
4" annos de dade, fgido o 1851 ; Toemotlieo,
Afrieano, esmiura regular, caeio do eorpo, f%%
Tepri-seola (0 aaoos de ida .Amarj, Africano, alto, feo, representa 60 annos
e ida Je, fucilo em Oas oe selemnro de 1866 -.
(praa iodos escravos do engenho denominado
d'Agua, no Xaileeido Heanqoe Poppe Giro da
villa d Iguaoraaed boje |ieritni-*n!u ao -Sr. Dr.
Fraaelscj Joo Carn-ira da Confia : q-yem os
preed^r pdera' Jeva-los ao meu siuo na estrada
do AffaiaH que sera' recompensado.
__Compram-se Diarios para erabrclho, pagm-se
beta : na roa Novs, o- 5.________________________
CiTpr-8e
jBoedis Je prata : na roa Nova u. 31. lo|a.
I* rata
Compra-s nacional oa estrangeira com maioV
premio da que em mura qu>lquer parte : na pra-
5a da Independencia o. 22. 1
Ouro e prata,
Compra-Fe uuro e praia
as uraf.a da Irideoen'1""":". ...
m
.: 11' -
saias a 3i$200 a pe?a com i varas
Cobertas de chitas dt ramagem 2i86oo,
Lences de bamburgd fino a 5400.
dem de bramante muito fino a 3#0.
Pannos adamascados para cobrir wsaa
45500.
Guarda apos de linho adamascados a 45
a duzia.
Atualhado adamascado com 7 1/2 palmos
de largura a 2# a vara.
dem adamascado de linho com 71/2 pal-
mos de largura a 35 a vara.
Agodao eofestado ama mesma largura
a I lee a vara.
dem trancado de'algddSo a 15600 a vara.
Toaibas alcochoadas a duzia.
dem de algodao felpudas a 135 145
a duna.
Colchas de fust5o a 65.
Lencos de cambraia brancos finos a 15800,
5e 855 a duzra
Lencos de cassa fintssimos a 35200 t
2m> a duzia.
Fil da linho liso a o a vara.
dem com lpicos a 15oo a var
Grosdeoapies preto lom a 158oe, 25 e
25-00 o covado.
Miirantiqoe prete superior a 25c?c& o co-
vado.
Flanella d? todas s cores a 800 rs. o co-
vado.
Tarlatana de todas ;.s cores a 8oe rs, a
vara.
Bramante de linho ctm 10 palmos de lar-
gura a 2#tioo a vara.
^ dem de lmin com 5 palmos a 452oo
vara.
dem de linho com M/2 palmas a 8oo
vara.
RiqurKimos basquins a 255000.
Assitn tiomo oatras muitas fazoados qtx
60 vende por menos que em outra qualqutf.
parte, e d-se amiistras de, todo,_________
VENUfr*fi
Moteras ameriCMos liara dous c*tcI!o.
Dit du-j para quatro caralloe.
Uaelwne* liara dn^earogir algodao d3 14, lt.
18, Prengat-^ara etfardar a;go eos com 6 palmos de com riatenin com o peso d>-
loO e 200 horas, viadas uuiawmente d.v Americ
no armawa d." HenRj' Foister & (>., no cae Pe
oro II o. i k-nii ao (labmi'ie Pcringuet
dOS f!',HlHS
Vendem-se qoatro aerobiia de limage >de ferro
featldo : n<- ra do fruz t. 61.
de owo o
i

Compram-se mfiias da ou^o nacionaes eeftran-
giras, bem coci patacSes dos di?r?os cnv
11. casa de Adamson, Hosrie C, ra. dj ':
vo n. 40^_____________________________
"Meadas de prau
nacieoaes, assim como paiacoes portgueiec e
oboes, compram-se con premio : ua ra do
Iro andar.
yENDAS
Palba dft Oarit'flpy
Na ra .da Praia n. 35, estabelei-ioienlo de Cas-
teilo Branco & Moreira, vende se pelo mais eoin-
modo prego ualha do Ourcoiy. (aieodo grande
differenca a quem compfar porco. _________
Queijos de prato
de exceenie qu^lilade, coegacs pelo uitirno
vapor : vende-se barato, na raa da Cidea do Re-
cife o. 60.
Vendem-se follias de ferro para lelhi-
dos, por metade de seu valor, por terem
um toque de avaria : na ra do Apollo n.
2c.___________________________
Veodeui'Se eaibros multo baratos : no becc<-
das B*rreiras n. 9. ______
Vende-se um shIIioi ingle com seas perten
tes : na ra estreia do Rosario n. C.
Vende sa orna cama de f>rro, de cacado, has-
tatrte larga : na roa Nova o. 85, loja de trastes.
Pechincha
Mondas fle ooro e prata estrangeira* e nacionae:
de iodos os valores ; compram-se oa loja de oori-
ves ao Arco de Nosa Seohora da Omceigo da
ponib do Renfe, asslm cerno ooro e prata om oljras
ibas bnlhaotM e dlantantes, pagaodo melhor do
qne em unir qnalpper iia'te.
Comp'ani-se ii) a g!> da .caixa filia'
Da ra do Trapiche Novo n. 26 em casa de
Manoel Duarte Rodrigues._____________
Cao multa vanfageui.
Compra-s por mais premio qae em qualqoer
omra parte moedas de prata e ouro; a ra do
Crespo n. 19, loja.
Comprase
Cobre, lalao e chumbo : no aromem da bola
amarell no oitao da secretaria da polica.
"Maior vantHKem
O coracio de ooro ra do Cabog n.t D, offere-
cese em compra das moedas de ouro e prata.
RontKi
f- Na. roa da Imperainz ion n. 28, camnra-se ama
bomba de aeiraba, qae n\e\\ ero bom estado.
Compi'am-sc eseravos
Sil vino Gnilhefme de Barro?, compra, vende e
joca effectivaraedfe eseravos de ambos os sexos
-de todas se idade .'.a* ro? da Imperador n. "9,
rftflirn andar.
Vende-se a arroaco fou com os poneos gene-
s* ros que tem ; as Cinco Pomas n. 68, a praso ou
a diobeiro ; per.hiucna. r
ViM)de-s um piano "m bou estado e orna
machina de costura multo forte ; na ra no Impe-
rador n. 50, i andar._____________________
\ Horros
Vendem-se qnairo burros multo bons; para ver
nos Remedies, sitio do Toorio; para tratar na
ra do Crespo n. 16. taberna._________________
radas luje as primeiras bombos conhecidas.
Tod,as as m^i obras se fabricam vonta-
de dos freguezes e a seu capricho.
ExUtetu sempre promptos no deposito in-
dicado na ra Nova n. 38, um eompKjeo sor-
limenlo de obras solidas, bem consu-idase
a precos rasoaveis, como sao alaabiques,
serpentinas, taxos, passadeiras, repariideN
ras, escumadeiras, cocos, caodejs, e muites
outros uteuedios proprios para engenhos,
como sejam maacaes do bre/nze, parafuzos
para rodas de agua e outres.
Cavilhas, machos para lemes, pregos de
todos os tamanbos e para o forro de cobre
de navios.
Aprompta-se ludo quaal diz respeito as
obras de lalo torneadas e polidas com toda
perfeicio.
Vlvulas para tanques de banho, torneiras
de todos os tamanbos e qaalidades, assim
(orno todos os ornamentos para militares,
botoes para farda, aparelhos para barretina,
nmeros, espheras, espadas, cornetas, alam-
padas turbulos, caWeirinhas, havtas, alme-
farizes, perfumadores.
Obras de folhas de flandres de todas as
qaalidades, babs, bacas, bules e outros
utencilios domsticos.
Lampies para gaz para engenhos, folba
de flanres em-caixas, folhas de cobre e la-
ti, tubos de chumbo para encanamentos de
todas as ditnengts, folhas de zinco, e>tonho
em barras e verguiuha, lances e barras de
chumbo, vidrosfinos psra espelhos, deco-
res, bordados, e opacos, e outros para vi-
dra?as, diamantes para cortar vidros, cadi-
nhos ordinarios e de patente, rea para mol-
dar, folies para ferreiro. lavatorios com ba-
cas e jarros, trra podre e outros nmeros
oi>jec Sendo todas as obras inspeccionadas e
feitas sob a direecSo do socio administrador,
I Jos Baplista Braga o qual se acha de novo
! especialmente incumbido da erencia de t5u
imribriaHte estabelecimenlt, isso urna ga-
ranta pela soa loega pratica, que tem os se
nhores f.'-egue/.es de que Mf3o servidos a
contento, com promplioaoc preco commo-
do, pelo que os proprietarios lhe seror.^ra-
decidos.
Mludezas barata*,
LOJA DE SOUZA SOARES & IRMAO
Una Nova b. 8.
Rospia.s is cores, em
za de que neste estabelecimento sempre en-
conirarSo um c impleto sortimento de arti-
gosdegostoe inteira novidades como sejam.
Cintos
Os muitos desejados cintos com pontas,
bordados a vedrilho, fazenda de muilo gosto
e completa novidaije, respeito a estes cintos
nSo fazem observares e sim dexamos a
apreciacods esclarecidas freguezas isto s
no Gallo Vigilante na ra do Crespo n. 7.
Lrqnes
Muito lindos laques d'osso, madeira, sn-
dalos, e madreperola ; pretos, brancos e de
cores, e muito se toroam recommendavel
pelas bonitas paisa(ens.
Fldres
O tnelhor qae se pode desejar neste arti-
go as quaes parecem naturaes assim como,
tambem recebemo; urna pequea porcao to-
das pretas e se vendem m loja do Gallo
Vigilante ra do Crespo n. 7.
Capellas
Mui lindas gnnaldas brancas e de cores
aquellas para noivas. e estas para bailes, ca-
samentos e baptisados.
Havas
Luvas de todas as qualidades para se-
nhora, homem, men ms, sendo de atgodo,
fio da escocia, seda e pelica muito fresca e
do fabricante Jouvin, paree -nos que nao ha-
ver quem ignore que pur todos os vapores
da Europa o Gallo Vigilante, recebe grande
quantidade deste arliuo e por isso sempre
tem sortimento a vontade do comprador, e
tambem nao se valle da falla o seu prego
sempre o mesmo
rentes
K'al soffl segundo.
Roa do Quelmano u 41'
Qucr ticabar ci as fazend&s i~
mcBeieoads.
QueirEB vir ver e qne bem e bfrassimo
Voalhas de labynntho com bico, aeli-
da boa a .............
Carrftis de liaba com 100 jardas a .
Gnva'ts pretas e de cores muito Anas a
aixas de o'ireias de massa muito novas a
enfiadores para espartilho da cordo a
fita *...........;(A*'"
Carrete* de IlDha Alexandre com 400 Jar-
Sabonetes muilo finos a 60, 160, 200 e
Ditos de bolla molto finos a >40 e
Viadas de nha roxa para bordar a
Varas de cordao para espartilho a .
entes volteados para regaear cabello de
roeniras a......-......
frascos, de macaca' oleo, moite fiBo, a .
ibotoaduras mallo Unas para colltes & .
Uart5es de linba branca e de cores a .
t,tt*a de rea prete snperiot a..... Jw
scovs par tato, Tareoda boa, a
Varas de franja branca de linho para
toalba a........
Pejas de bico estrello com SO varas moito
himno a..........* "
Varas de papafina de diffeientes larga-
ras a 1-20,160 e..........
G-oxas de palito balo a........
Canas de palitos de seRuranca sem en-
c lufre a.............
S.bonetes de familia a 100,160 e ...
Grosaa de boies de madreperola para
camisa a.............
Camina de doutrina cbrtstaa a
Latas com superior banha a......
Quaderuos de papel pequeo superior a .
Doa de baralbos francezes superior .
Groia de pnospooros mnito soperlores .
C-iXts a retalbo do> mesmos .....
Caixas de phospboros de velliBba contendo
500 vellintias mnito soperlores .
He-roas de papel almaco moito superior .
Resmas de papel paolado superior qnali-
dade.....
t#wo
30
500
iO
.. co
jet)
. ?20
50
2
3i0
120
iOb
100
l^COO
200
40
60
240
800
320
200
20
2f00
V 00
10
160
3A63
Donas de roelas par borneen ..... 'W*
Duzas de meias croas molto superiores 40ua
Collares Koyer
Electre-Sigufticos
Contra as convulsoes e para facilitar a den-
tig5o das criancas.
As mals
Quantas criancas nlo vemos cada da su-
cumbir as dores da primeira dentifo l
quantas anciar e quantos tormentos para as
tristes mais que se vem arrebatar depois de
tantos cuidados, e de taas vigas, o ob-
jecto querido de sua ternura; quantas vezes
n3o tem ellas sentido a ineficacia dos reme-
dios empregados, cojo duro contacto iirita
as gengivas, e cuja acgo nulla faz a dests-
peraca > das mis. Segundo sropinto de al-
guns mdicos os Collares Rnyer eiectio-mag-
netico* offerecem o meio maissimpWse se-
guro de inspedir as copvuises, e lacilitar a
dent gao, immensa vantagem sobre todos os
meios empregados at boje.
0 Vivanlo reconhecendo estas verdades,
e desejando ser til as m5is afflitas mandn
vir por todo* os vapores da Europa, um sor-
e os rec-be
Vinh'i pin o
Cbejrar-jm.barrh de qaioio co^b puro vinho do
Booro, earaotiado-sequeiio tem coofeie/u alsu-
ii:a a estKfcao ae am bjradinho de agaardf-ote
(]ne Hie (.uiarara para peder resistir a veem,
oeste e^n.-ro e o nielhor i ae tem vindo ao mer-
e n.uito proprlo para osar as horas d ci-
miJ. n ve^de-sii iinr prego em 'cunta : na loja e
r. .if.j do Pavo ra da loaperatriz D. 60, de
t;.,n. = A- Sil--.
tiiveniit
Vsde-se cimento Porlland : no armazem de
Vicente Frreira da Cosa & Fiio, roa da Madre
da De; n. 22.
I?
ITeoaese era saceos graides a 4oU0 : uo ra-
pktf do Ccna!__________ .
caixinhas de urna (uzia
x \&m.
fflrincus a balo de coresduna a 13610.
Grampas com catieca Agulbeiroe di metal, sonidosdatla 4i0 rs.
tutos de inadeir, pinta:! ^duzia 240 rs.
>BiUj's do Hfle'lmha doarados para panliodu-
z< de pares S800.
Ditos da maoreparola para camisarosa SC0r.
Ditos
,<> pata calca a (rosa 241) rs.
ARROZ DK CACGA
A t ten cao m
Vente se urna mulata, i qu-l
coztuha > lava cum perfeieio : a
Groz n. 2, botica franee..____
engomla, cose,
tratar na ra da
. Vmho superior em i aias de urna duzia e
tem para v*nder Anwnio Loiz deOliveira Azeve-
do & C. no seo escriiiturlo ra da Cruz n. S7.
m Veoda-se om cariwlr) grande e muilo gordo
projirlo para crian?as mnntarem por ut multo
manso ; qo^m pretender .irija-se ao largo da ma-
triz da Escada, a fallar coc o sachri8tio._
Vende se por prego commndo um eseravo de
40 annos, boa flgura, mbusto, e proprlo para
qolijuer servio : a tratar na travessa do Carioca
u. i, caes do Ramos.
Br
a :! a arroba e em barrica por muilo menos : no
armazem da bola amarella no o til > Ja secretaria
da polica.
2;000
tjende-se brea a U a arroba e em barrica per
minio menos: do armones da bola amarella no
oito da secretaru P UiMSa t tossi.i
E' a que se vende por prece o mais barato por-
que a mais nova que exista no mercado clrcoms-
[ancla esseocial que este artigo demanda para pro-
duzr o efelto desojado, A vibta qne apreseota a
barrica que aontro conrma o ter thegado ao
mercado mais recentemente posMvel : no arma-
iem da Msocar de las ds silva Loyo Fllbo & C
Carmuid
Vende-=e cera de carnanha em saceos, sendo de
superior qualMade : ua Inh dn Pavo ra da Im-
peratriz n. 60, de Garoa_& S^lva.
Fundico da A urora
Taixas de frro cuado, lom sortimeoto e qaali-
dade supfrior_____________.^^^^____
Vende-se
saceos conr farinha d mandioca, pelo baratisslmo
oreq de 3*200, assim cu o outras de weltiur qaa-
lidade, que visU dj pre^a os pretendentes nao
deixaro de comprar ; no ?orte do Maltos, trapi-
che Bario do Livramento i. 15.
Atter.cfto
Calv e Lisboa nu\a, a ultima chegada.
Meri. irlo.
Lunna da Russia.
Cabo< de llnbo.
Liobas. mniiih
Viono do porto em Larri i de 10" e am garrafas
Pusphoro* de seguranca,
Na roa do Vigano o. 19, prlmeiro sedar.
Directorio parochlal
01!
Notissimo manuiil dos parochos
obra unlissima aos paroch j?, seos coadju.ores e
aes sacerdotes em ceral.
Um volme prujo 6.
Vndese na uvraria Bconoaiica.ao p do arco
de Santo Aoionn.
Vende-se urna casa cora 2 qnartos, 2 saiss,
cozinha, qumlal o cacimb, f-ila de nevo .' a tra
lar oa roa do Padre Flor ano o. 71.
Libra de linha. primeira qaalidade em novel-
Ios", surikJo, a -2JW0.
Libras de diu, seguaia sortido a o l^sOO.
Cmas do ana cora 50 noveilos a 6i0 rs.
Duas de 4ita do gaz Cum 40 ovellos a feOO rs.
Daas de dita de marcar a 246 rs.
Ditas de dita branca com 18 noveilos grandes
a iiiO rs.
Duzas de carros de linba d 100 jardas a
360 rs.
Duzias de ditos de linha de 200 jardas a 15*00.
Duzas de candes do dita prela e branca a
If rs.
Meadas de linha de roriz a 150 rs.
Ciixinha.s coro soldados de cbnmbo a 150 rs.
E-ipeinus com moldura dourada a 120 rs.
' Penws de laco dourado para coco a 600 rs.
Ditos de laco liso para dito a 4411 rs.
Ditos aburados jcooj flurc-sduzia a 25400 rs.
Ditos de bfalos muito bons para alisarduzia
25W0.
Ditos de cbifre, fazenda boaduzia 15100.
Dedaes amarellos e piafadosamia -40 rs.
Alunles ero cartas Duzas de caixmtias de clcheles a 640 rs.
Duzas de cartoes da ditos a 600 e 900 rs.
Espoleus verdadeiras B. B.caixa a 100 rs.
Pecas de uta para coz, larga com 10 varas a
50 r?.
Ditas de Ola de 6eda d. > com 8 varas a 260 rs.
Cadaco branco para seroulaspaca a rs;
La de lodas as ores para bordarlibra 65">00.
Pegas com 10 varaa de labyriuto fino, sorti-
ajenio e>treito a 15500.
Phisphoros de ctra em eaixinhasduzia 360 rs.
Ditos de pi encerado sem caelro- duzia de ca-
> inhas 360 rs. .
Caminas da doutrina cbrWaa a 320 rs.
Uoreias de eolia em eaixinhasduzia 320 e
300 rs.
Saoonetes unos para mosdotia 800 e 15000.
Facas e garfos, cabo Je osso duzia 5500.
Fivellas para cinto.*, pnlseiras, perfumaras de
todas as quandadis, trancas, meias, etc., etc.,
todo o mais que seja tendnte ao sortimento Je
miodezas fenagens, qoinquilhanas e candieiros a
gaz.
Garante-se sincerldade e barateza nos precos.
ALMANACH
DE
LS0-BR4MLHBA
Para 1868.
POR GAST1LH0.
Vende-se na livraria Econmica defronte do arco
de Sanio Antonio. ^^^^^^^^^^^^^^^^
Fariiiha de mandioca
i?ual a da Wnriheca, tem para vender no
seu escriptorio Jnaquim Jos Goncalvos Bel-
tr3o : roa do Trapnice n. il.
GfUNDc BbZAR
RA NOVA N. 20 E 23
^^C MI RTAOS TE
M
Machinas para descarogar algod2o. dome
Ihor autor que tem apparecido oa Amere'
E' tal a execucSo do machio,smo. que o al-
godao sahu quasl lo perfeiio como o de'U-
laodeira. Ilecomuionda-se a atteugao to
Srs. agricultores, esias machinas.
Vende-se
Claco casas de taipa em chao proprlo, a 930 pal-
mo* de tfrra a retalho ou p >f inteiro, na estrada
de ferro Auduc : a tratar oa preaw u"l *
companbia Peroambacana. '
liuient') de ditos Collares Koyer.
end-reiiura, por isso garante aos comprulp-
res a sua veracidade s na loja d>) Galio \i-
Moito bon,tos penies de tartatuga para ,a[it(J rua rto Cre.po 0 7
coque e atizaros cabellos, assim como para
arregacar os mesmos e muitas outras quali-
dades.
Escovas
Grande sortimento de escovas, para roupa,
cabellos, chapeos, dentes e unhas, sendo de
osso, bfalo, baleia, marlim e madreperola.
Nava has
Superiores ni/alnas pequen is para bar-
ba sendo cabo de marbm, tartaruga e ou-
tras qualidades, as quaes o fabricante ga-
rante a boa quabdade.
Abotu&mrHO
Chegaram as o ui lindas guarnices de
bolees para colle es fa/.en la de gosto, assim
como grande sortimenio de botoes para pa-
nnos.
llefas
Variado sortimento de meias de seda,
fiosda escocia e algodao, sen lo para seoho-
ra, bomem, c menina, assim como de luvas
para os livds. sacerdotes.
agallas
Fiuas bengallas cuid cnsioes mar6m,
ossos, rasdeira e baleia, etc., ele. asim como
para meninos.
Toiiq lobas
TouquiuLasricaaieiile enfeitadas para bap-
tisado, ditas de ponto de crochet proprias
para recemnascido as quaes se toroam re
commeuddveis.
Bixtocnios
Superiores binculos de ruarlm, chagrem
a outras qualidades, tendo todos .elles bons
vidros.
Fitas
Grande e variado sortimento de utas la-
vradas, lisas e achamlotadas, larga e es-
ireita, tudo a vontade do preiendente.
litaos e llnelas
Superiores bicos e reodas de seda, verda-
dero linbo e algodo, brancos e pretos.
Trancas
Muito lindas tracas dexres e pretas com
vidrilbos e sem elles para enfeites de ves-
tidos e basquinas.
pcrfnuiarlas
Grande e vanadissimo sortimento de finas
perfumaras dos melhores fabricantes atb
o presenta conhecidos.
C'roa-* e Tercos
Lindas croas e tercos de couquinbos en-
grazados com flo de prata e cruzinhas do
mesmo metal, e san mu delicadas.
Livrlaas
Lindos livrinUos com capa de tartaruga
para missa. contendo finissimas estampas,
muito proprio para as Exms.a senhoras, isto
so na loja do Gallo Vigilante roa do Crespo
n. 7.
Vinho de pura uva sem
composicao
Chegaram algons birris deste delicioso vinho e
vende se nicamente oa fu da Cadsia do Recife,
armazem de Ferrmra dr Maibeo, e na rua do Amo-
nto n. 50, armazem de Joaquim Francisco da Silva
Juniur. _______________, _______
Atten^ao
Vende-se a taberna da rua Direita d. 127, pro-
pria para qaalqer principite por ter poucos
fundos, por o dono querer retirar-se para fora :
trata se na mesma.
A 4#!>00
Cal de Lisboa
Cal de Lisboa nova a 4 o barril: a' raa do
Apollo n. 4. ____________ _
Ctietfou afinal
A pomada galopean
para cor rpida e compi-ta dos callos duros.
VBKDE-SK .NA
Btiea drogara
DI
Bartbolomeu 4Y C.
34Kua larga do Reatrle34
v-nie-se om carro de alfandega. novj
ru do Brum 0. 61. *
L<
Ventle-se na loja 11 praca
ladependenela n 39.
Capellas morluarias para serem coliocaas em
tumbas, calarnmbas e sepulturas ao cemitt-tio pu-
blico uara o da 2 de novembro (Qnadjs) das es
crii-Q'.s seguintes :
M.-ti pai.
Mmha na1.
Meu esposo.
Mmha esposa.
Meu filho.
Mmha Qiha.
Saudades.
Urna lagrima.
Amizade.
Meu amigo.
Meu Irmu.
Mmha irmaa.
Na mesma loja lambem tem capellas de" pedr
marmore obra prime.
Vende-se on aluga-se um gr?nde sitio xo
alto da ladeira do Barro, fregoezia dos Amgados,
o qual tem dua^ muradas do casas e mullas fiu^-
leiras, Comu -ejam jaqueiras, roaogueiras, coqui-
ros, cajueiros e entras, e muita trra para plants-
Cao : a tra'' Veo-le e om leneno ero Ca hanga' eom
frente para4 estrada qoe segne para a Vanea (ci-
nheoda por estrada d'agoa frrea) cojo Ir" i
tem 90 palmos Ae frente e 256 de fondo a tratar
na rua dn Amonm n. 37, armarem.
Vndese orna machina a vapor de forca de
seis cava I los, de perfelta coosiru-'Cao, rrn< 1
ferragem precisa para mover varias mach-oas d
descarogar a'eodao ou oolro qoalqner misler, ten-
do a propriedade de ser faciln>eoie cooriun-fa pi r
estar tnoulad sobre rodas. Vende se ignaimenl
por preco muito barato para liquidar om nota]
amerlcaoo para dous cavados c rr. iodos os pe
ees para o mesmo Qm, orna prensa de retardar
algodo de systema moderno, e de muita Lrcs'B
alguns toneis do 5 e 6 pipas de capacidad?,
prios para destilacao de engenbo cu deposita* de
mel : a ver e tratar na fabrica da traversa C
rioca n. 2, caes do Ramos.
Vende-se por preco commodo pnr carecer i-
algnns reparos o caler, nacional Erna, qie s
acha ancorado defronte do Caes do Ramo--: a tra-
tar na roa da Concordia, casa nova defroi>te C1
sobrado n. lo, ou na Praca de Pedro I', linaria
da In'ancia. J_________________
Veode-se vma taberna bem afrejiueaiia para
o malo, riefroote ,da estacan das C nre-P.mus d.
144. O aloguel da casa barato e tem c^mn
para familia : qoem pretender pode dirrgrr se >
mesma, que achara' o dono para fater aegoc
dinneiroou a prazo.
Vemle-se urna mulata qoe eotinha, lava e
engomma, e fas todo o servico da casa, nmlo fiel;
9 pessoa qno qalier, procure ne^t lypogrs.
qoe se dir' qoem vende._____________________
Calcado barata
Rorzegnios de pellica para 'borneen a 7.
Dito de bezerro pra dito a 6.
ito de senhora a 44. ^^^^
Dito d menina a 21. ^^^
Napraj da Iodepenloncia r
\


mr
M^BB^HHI
-. ft< fu*:*. Mn ftl alo faiatoo 4c 4M7.
1]
00
DR. S1EVIAL.
Para o traa monto e cura rpida e completa das molestia* syphiliticas, eris-9-
las, rheumatismo, bobas, gota, debilidade do estomago, iafiammacOes chrooicas do figado
e baco, dores sciaticas, cephahilgias, aevralgias, ulceras cbrenicas, hydropesias, pleuri-
Las, gonorrheas chronicas e em ge al todas as molestias em qne setenta m vista apa-
iificacio do systema sanguneo.
Considera oes geraes
A saude um bem iaapreciavel, coja importancia e valor s est reservado ao eos
formo o avaiia-lo.
incontestavel que o hornera neste mundo constantemente, e por todos os lador
atacado por ama infinidade de agentes morbficos que todos tendem, dadas certas deter-
minadas circumstancias, a alterar o regular exercicio das funccoes orgnicas, resultanbo
peto desequilibrio o que se chamamolestia.
A molestia nao mais de que a desvirtuaco das torgas vitaes, occasionada,- d,
goado as investigaces e experiencias dos mais ahalisado mestres da ciencia, pela depra-
vad dos humores geraes, consequencia da accao maligna desses mesmos agentes mora e
fieos rtroduzdos no organismo pelo acto da respiracao, pela via digestiva, pelo contacto
immediato etc. etc. etc.
A. syphilis infelizmente tem sido a partilha da humanidade, e como fra de duvi-
da que esse terrivel Prote* da medicina ama molestia hereditaria, ella tem sido obser-
vada em todas as idades, e debaixo de todas as suas formas tao variadas, enfraquecendo
eqntiluices robustas, produzindo mutilacoes, e cortando anda em flor da idade vidas
preciosas.
Eliminar da economa esses principios deleterios. e purificar a massa geral dos
humores tem sido desde tempo immemorial o fim constante da medicina, e os purgati-
vos figuram em primeiro lugar para preencher esse iesiteratum ou fim.
O Elixir depurativo do Dr. Sevial parece merecer a preferencia sobre todos: os
inmensos successos obtidos pelo aso deste salutar agenie tanto na Allemauha. como em
Franca e Italia, o tornam o companheiro inseparavel dequasi todos os daentes.
Sendo as molestias, como cima oissemos, devidas as alteraces dos humores, o
Elixir depurativo do Dr. Sevial pode ser empregado vantajosamente na syphilis, erisy-
pelas, reumatismos, bobas, gota, debilidade do estomago, iaflammacoes chronicas do
figado e baco, dores sciaticas, cephalalgias, nevralgias, ulceras enronicas, hydropesias,
pleiinsas, gonorrheas chronicas etc. e em geral em todas as molestias em que se tenha
em vista a purificacao do systema sanguneo; pois que orna pratica constante tem feito
ver que elle indispensavel dos casos gravissimos para minorar os soffrimentos, o pre-
parar o doente para meccacoes superiores; e as menos graves a cura a eonse-
quencia do seu oso, convenientemente repetido.
As substancias que entram na composico do Elixir depurativo do Dr. Sevia
pertencem todas exclusivamente ao reino vegetal, e grande cathegoria das substan-
cias depurativas e antisyphiliticas; assim, ao passo que este remedio depara o orga-
nismo, eliminando os principios nocivos saude, pelo mecanismo natural das evau-
acss alvinas, neutralsa ao mesmo tempo o viras syphilitico qaando este virjem.
tem feito erupcSo ao exterior debaixo de suas multiplicadas formas; e previne taui
bera os estragos dessa terrivel molestia, quando por ventara se acbe ella anda no
estado de encubaco, isto sem se ter manifestado sob formas externas: beneficio
mmenso, tanto mais quanto neste estado os individuos ignoram completamente,, se es-
So contaminados por este terrivel raimigo.
O sabor agradavel d'este Elixir convem a toctos os estomagos.ia sua accSoso-
bre o tubo intestinal suave e benigna, e de nenhuma forma produz molestias medi-
camentosas, como acontece ao purgante dito Le Roy, que na sua qualidade de drs-
tico forte irrita a mucosa intestinal, e consecutivamente a seroza, resaltando deste es
lado, omitas vezes, hydropesias, que qoasi sempre terminam pela morte do doente.
Assim pois esperamos que o uso deste remedio justifique cabalmente as nos-
sas asseveraces, porque sendo um medicamento to simples na sua composicSo, a
pratica tem confirmado sua ulilidade.
Unleo deposito em Pernambu^
OMOURO DE VfiNBZA
Ao rapeitave publico pernambnoano pede-se
AUengo
Uaateiga ingleza
320, 600, 800 e I t s no armazem se acha vista.
Manteca franceza"
em liDras 560 e 6^,0, em barris se far differenca.
Banha de porco
em libras 320 e 380, em porcao se (ara differenca.
Fructas
em calda Pera, Ptsego, Rainha Ganda, Alperxe e ootras muitas 500 e 640 a lata.
Errllhas
Portugaezas 640, francezas 900.
Wmmo
em latas do Para e de albanefojtfatr Ve 1 (5200.
orna de ilbo
em pacotes, dita c a trra 100 200 a libra.
VlBho
de Bordeaux em caixa a dnzia H, garrafa 500, dito de 80 a duzia, 800 a garrafa, dito a
W a duzia, i 20) a garrafa, dito do Porto a U, 125, 185, 24, caixas de dnzia, assim
como figoeira canuda 30500 e 4>, paro J A A Lisboa 20800, 35 e 30500 a qualidade
convida.
fias
em lata de 5 galops e mais pequeas a vontade do comprador, em garrafa.
Alpiste
MEL
Veot *se mal l roa o Apollo o. 4.

140 e I e 0 a libra, painco a 100 a libra.
Azelte
em garrafas a 800 e 10. *i
CHARUTOS
em caixa de 50 por 10, ditos Delicias, Trovadores e Parisienses em caixas de 100, ditos
da Exposicao caixa 50, ditos de Regala caixas com 100 a 20500 e outras muitas marcas
que s na prsenos dos compradores.
PREZNTOS
de lamego em barril, ditos de fiambre o melhor que ha no mercado por prego qne faz
\ admirar i-!
DOCE DE GOIABA
caixes de> 560 fio o, ditos de 10500 que parece mar mellada, dito em latas muito fina
qualidade i 10200.
BOCETAS
com doce secco a :10 e 20.
QUEIJOS
do Alentejo em lats chegado pelo-vapor Oneida, ditosFlamengos e Pratos dos mais novos
que ha no mercado.
AZEITONAS _^
de elvas como no mercado nao temos a 10 a lata, em barris do Porto a 10 como nao ha
melhor.
Na botica e drogara
DE
Barthotomeo Companhia,
34RA DO ROSARIO LARGA34
; FREPARAQOES FERREaS-MiHGAHICS

amovADis rau academia be medicina
DE BURIN DU BUISSON
rkrauttilieo, ,'nrudi pa Academia O eminente professor TaorasBA, ni nttima edicto de sen Tratado it Thera-
ftu. m at$ria me"":o conhece que os ferruginosos simples so muitas
ve*es nefficazes para corar as molestias qne teem por causa o empobrec memo
ao sengue. Muitos mdicos dos mais dislinctos attribuem esse m o xito k aoseneia,
n essas preparacOes, do manganese, qne se acha no sangue, como o tem reconhecido
m ctwnicoi os mais peritos, sempre intimamente unido com o ferro. '
K pois, prestar-seum verdadeiro servijo aos S Bedicos, o ebamar-se sua atteacSo
sowe as preparacCes seguintes.
1 PS ferreS IDAIlF''irlflil dand0 '"'aniente nma agna, acidulada,
w m UldUgdDItUS azoxti tgra(lave]t Mbtttuindo eom wntagem
awntaia u aguas mmeraes ferruginosas.
2 Malas c Xaropc de iedarelo k ferro e de manganese inalteravtis
contendo cada nma cinco centigramos de iodureto de ferro manganico indicads.?
pareilarmente as molestiu ljmphaticas, escrofulosas, e as chaaadas cti-
tosw t tnberculosas. 1
1 rafees de liedlo de ferro e de manganese) ZffSSgtSl
Io Pailas de carbonato frreo manganeo j S&ESffZ
tkernaf estas duas pr.partcSes di os melhores rmltados.
Or da Buisso desejando obttr a adheao oanpleto io publico meike a
^JJ^^J^JJ^PWP?*. previa qml eu* m pi cratniumente i su
^f'rnmhu*ti%MtStn\tt^Mmarw*0^,jiiumuMmtnkKn.
Em liquidacao.
O proprietario destesdonsestabelecimen-'
tos lendo muita fas en-la em ser e desejando
Roupa feita nacional.
Vende-se calcas de casimira a 50, 60 e
casimira a 10600
e 30, ditas de brim pardo a 10600, 25400
e 25500; ditas brancas de linho a 30500,
40 e 50: palitots de casimira preta e de co-
res a 50, 60, 80 e 100; palitots de mea
Vende-se alpacas de assento branco com casimira a 30, 35500 e 40: palitots de al-
j e flores i e admascadas proprias paCa de cores e branca a 30500 e 40: palitots
liquidar para vendsr mais barato qne pos-'
sivel na ra da Imperatriz lojas e armazens! *' P
da Arara, ns. 56 e 72.
Alpacas admascada:; para vestidos de senio-
ras 500 e 720 rs.
PH4RMU
DE
Joaquim de Almeida tinto
jurubeba contra o ingorgi
lamento do figado e do bago
Em extracto alcoollco, emplas-
tro, oleo, tintara, plalas,
xarope e vlntao
A jnrubeba orna das substancias medi-
camentosas qne pertencem ao reino vege-
tal, e pertence a classe dos tnicos e desobs-
trueotes, sendo empregada com vantagem
contra as febres intermitentes acompanhadas
de eDgo gitamento de figado e de baco. Ella
tem sido apphcada com incontestavel pro-
veito contra a anemia oh chlorose, e hydro-
phesia, catbarro da bexiga, e mesmo para
combater a menstruagao difficil, resoltante
da mesma anemia ou chlorose.
Deposilos geraes
Em Pernamboco, ra larga do Rosario
o. 10, Rio de Janeiro, pharmacia do Sr.
Dwirado, Rio Grande do Sol, em casa dos
Srs, Casdo & C, Macei, pharmacia do Sr.
Clandino, no Havre, pharmacia de Mr. Ma-
rical, em Lisboa, na pharmacia do Sr. Feij.
^l'harmacia especial home
m pathlca do Dr. Sabino O
L. Pinho.
Cha de 1* sor te para oso das
sR pessoas qne se tratan) homeopathi-
M camente.
Vende-se em pacotes de libra a
30200 rs.
Roa Nova n. 43.
0 cordeiro providente
Na antiga loja de miodezas a ra do Quei-
mado n. 16.
Teodo sempre em vista nao nabar o tempo aos
seas fregaetes, com extensos aanancios ; mas
tambem nao qaerendo qae os mesmos freguezes
Igoorem o qae de novo tdm elle recebid, por isso
resumidamente o dir': ebegando assim ao co-
nbeeimento de todos qae a dita loja do Cjrdeiro
Previdente, roa do Queimadj n. 16, receben o se-
guate :
Bonitas e duradoras ligas de pellica para meias,
tanto para senboras com j para meninas.
Leques de diversos e modernos gostos.
Peoteg com eafeites d jurados e nao donrados,
para meninas.
Coques simples e entenados, moldes Inteiramen-
te novos.
Bom papel ea caiiiubas liso, pautado doara-
do timbrado, e ootros muitos objectos, qge men
para vestidos de senhoras a 500, 720 e 800 de brim decores a 25590, 30 e 20: serou-' cona",os ser,a bast"'6 enfadonbo, e qae se ven-
rs. o covado ra da Imperatriz lojas da Ara-! de algodaosinho de tiobo a" 10600, U.....
ra, ns. 56eJ2. 20500: ra da Imperatriz lojas da Arara
Ditos 160 o covado. > ns. 56 e 72.
Vende-se ditos em retalhos a'ieo rs. o Organdis de cores a 640 rs. a vara,
covado, ditos em peca a 200 rs. o covado : Vende-se cassa organdis de cores a 640
retamos de caca preta a 120 o covado: re- e 70a vara: talataoa de cores a 800 rs. a i
tainos de caga decores a 200, 240, rs. o co- vara: roa da Imperatriz lojas da Arara ns. do Cordeiro Previdente, a roa do Queimado n. 16,
vado: retalhos de 5asiohas a 160, 200 240 36 e 72.
de em dita loja de miudezas do Cordeiro Previ-
dente, roa do Queimado n. 16.
-W) faltana flores,
O Cordeiro Previdente a roa do Qaeimado n. 16
tem constantemente am lindo sorlimento de fi-
nas e bonitas flores, por isso quando alguma ha.
'; bilidosa joven qaizer preparar qnalqaer enteite de
rs. a Dp||0 g0t;t0 deVd logo lembrar se qae ha dita loja
Vende-se na pharmacia de P. Manrer & C, roa Nova.
I0DE MUITO 60STO
Vanadj sortioaato defmodernos chapos echapellnas de seda, de Al e de palha de Italia,
tara-i >nQira e menina. '
Saperires tiras, bjrdadinbos e entre nulos bardados em cambraia tapada e transparente.
Na leja das columnas a roa do Crespo n. 13
UE
Antonio Correia de Vasconcellos & Companhia.
aovo DEPOSITO
DE
MACHINAS
PWA i)ESCAROCAR ALGODAO
Manoel Bento de Oliveira Braga.
83Roa Din-la .53
rs. o covado: ra da Imperatriz lojas da
Arara ns. 56 e 72..
Brim pardo transado a 569 rs. a vara.
Vende-se brim pardo com peqneno toque
de mofo a 560, 640 rs. o covado: ra da
Imperatriz lojas os.. 56 e 72.
L5azinhas a 200 o covado.
Vede-se lasinhas para vestidos de se-
nhora a 200, 240, 280, 320, 340 e 400 rs.
o covado: na ra da Imperatriz lojas da Ara-
ra n 56 e 72.
Chitas francezas largas a 240 rs. o covado.
Vende-se chitas francezas largas a 240,
280, 320 e400rs.o covado: ra da Im-
peratriz lojas da Arara n. 56 e 72.
Mosambique i 400 rs. o covado.
Vende-se mosambique com palmas de se-
das para vestidos d 3 senhoras, a 400 rs. o
covado: e vareja de listas para vestidos de
senboras, a 280,320 rs. o covado.
Sedas escosseza com qnadros para vestidos
de senhoras, a 280 320 rs. o covado: ra
da Imperatriz lojas da Arara ns. 56 e 72.
Arara vende as saias 30500.
Vende-se saias bordadas para senhora a
30500, 40, 60 e 70, saia balo ou crinolinas
de arcos a 20, 205 30 30 e 30500: ra da
Imperatriz lojas da Arara ns. 56 e 72.
As sedas da Arara 10.
Vende-se sedas de quadrinhos e com lis-
tas a 10, 10200, 1600,10800 e 20, o co-
vado : pupiJinas de seda com palmas saltos
para senhora a 106( 0 e 10800, grosdenaples
de cores a 10800 e 20, dito prelo a 10600,
10800 e 20; roa da Imperatriz lojas da Ara-
ra ns. 56 e 72.
Madapol5o a 40000 a peca.
Vende-se pegas de madapolo com 20 va-
nao faltam flores.
Para alvejar os dentes.
O cordeiro previdente a ra do Qaeimado n. 16
i recebeu do bem conhecido fabricante Jonb Gos-
**' *>0 0 i>> 80 e I i da nt|| & c. ama ptima qualidade de pos para den-
Imperatriz loja da Arara ns. 56 e 72.
Casimira emfestada a 10 o covado.
Vende-se casimira enfestada de duas lar-
tes aromatisados com canfora qne realmente tem
merecido todo conceito purqne nao s alveja per-
feitamente os denles como tambem conserva-us
Francisco Jos Germana
(RA NOVA N. 21,
acaba de receber am lindo e magnifico oor
timento de oculos, lonetos, binculos, 4o al
timo e mais apurado gosto da Europa oca
los de alcance para observares e par
martimos.
Fundiqao dAurora em
Santo Amaro
Completo torilmente de Ulxis batidas fundi-
das, alambiques de todos os tamanbo* e fondo* d
ditos, moendis de todos os tannos de lapeum
qnalidade, erlvos boceas de fornalba. o qoa
se vende por com modo prego.
Vapoi
res.
Vende-se em casa d Sannders Brothers A C
o largo do Corpo Santo n. II, vaporas patentes
om todos os pertences proprios para faier mover
es on qnatro macbinaa para descarocar algodio
Parts, 36, Una YMeime. i.
CHABUmoecinspciai
BAS ENFKRMIUADAS DES SEXUAES, AS *FFK>
COKS CUTNEAS, E A '^TEKACOES DO SANGUZ.
SO.0O8 curas das imfngtni,
puttulas, kerpei. larnm,
comixoei, acrimonia, *-
lertoes,tcto$as doianpm
ninu, t literato* do um-
fue (Xarope ve^clxl -m mercurio). StfaraCna-
regeMe* BUHO MINIIIAES) to*0-M iav
por seman. epjinrio o IraclameaU Ittpuraiivo : '
em|iremdo as mesmas molestias.
Ee XarepsCitractodc'^:
de CHABLK. cara inmed;--
lameate quElqierpuraacaa,
relaxatao, e debilidad!, a
if ualnenla 01 flitxos f.Orm
branca das mulbera. Esta iojwcaobaaigaaasv
rvga-se co 0 Xarepe de CitraUO de Ferro.
rraldata. Pomada qae a* cara ta tras diaa.
POMADA ANTIHERPET1CA
Contra: ua afftccoe cutnea* e comcoe*.
PILULAS VEGETAES DEPURATIVAS
e B' Caavbto, cada fra=co val acccmpaaSo a *a|
baaatav
AVISO AC3 SRS. MEtUGOS.
("tira eatarr/uu, lOSttt
r.otj'tetnr: r* -rri \6si
nervosas tas 4os bron-
chios t sodas ai docncat
do peitO; btvta ar Jocntat
urna eolhe rclul^a dcstt- xarope 1)' Fkget.
Dr- CUABLR em Parix, rum Vlvicaioie, -
A venda na pharmacia de P. Manrer y
e G., em Pernarabuco.
DJRUBAJIF
.hi.SAlVG
CPHU
, o h sempre no melbor estido de perfeico, assim pois
iJrJ 3i50^0V?d0PanD0fi-.qutiram vir comprar ditos pos na mesma loja
nopreto a 1^600, U, Um, 35 e i: ra
da Imperatriz lojas daArara ds. 56 e 72.
Algodaosinho a 3^ e 4,9a peca.
Vende-se algodaosinho a pecas de 3$, 4$,
5#, 60 e 7J a peca ra da Imperatriz lojas
da Arara ns 56 e 72.
Bramante a 20400 a vara.
Vende-se bramante de 10 palmos de lar-
gura a 20400 e 20500 a vara: ra da Im-
peratriz lojas da Arara ns. 56 e 72.
Algodo enfestado a 10 a vara.
Vende-se algodo enfestado de duas lar-
guras a 10 a vara dito transado 10280 a va-
ra : ra da Imperatriz lojas da Arara ns. 56
e72.
Cassa franceza a 240 rs. o covado.
Vende-se cassas de cores para vestidos a
240, 280 e 320 o covado, vendes-se cortes
de cambraia decores e com barras a 20500,
30 e 30500: s as lojas da Arara, ra da
Imperatriz ns. 56 e 72.
Cortes de la de 14 covados a 30.
Vende-se cortes de la para vestidos de
senhora com 44 covados o 30, 30500, 40,
40500 e 50, vende-se cortes de calcas para
homem a 800, 10, 10200 e 10600, colari-
nhos de linho para bomem 400 e 5C0, ditos
de papel a 500 rs. a duzia, golinhas para
senhora a 200 e 320 rs. por estes precos as
lojas e armazens da Arara, ra da Impera-
triz ns. 56 e 72,
do Cordeiro Previdente, roa do Qaeimado n. 16
Enfeices com ponas.
O Cordeiro Previdente receben um lindo sorti-
mento de enfeites com pontas para vestidos, tanto
de seda como de la que combinm perf-ilamen-
te com os cintos moderiros do mesmo formato, por
isso para poder enteitar-se com gosto qnalqaer
vestido indispensavel comprar-se ditos enfeites
na mesma loja do Cordeiro Previdente, a ra do
Queimado n. 16.
Ch'apelinas de seda
Modernas e bonitas cbapelinas de seda para se-
nhora receben o Cordeiro Previdente ra do Qaei-
mado n. 16 e por ser pequea a quantidade re-
ceblda, quem pretender urna moderna e bonita
chapelina deve aprecar se em mandar compra-la
em dita loja do Cordeiro Rrevidente a roa do
Queimado n .16.
CAIXINHAS ENFE1TADAS.
VERDADEIRO LE ROY
de SlCHVa-BET, DwUur-MMtdn
Ru de Selne, SI, A PARS.
Em cada garrafa, tm, entre a rolha a papel azul
que teta o meu ainete, um rotulo impresao em me-
rello com Sillo laraiAL ao cote-,no ramera.
if. B. remtt-
4 teodr.-uumalittra
de 100 fraorot -.-.-
are Parla, aceiUiel
a 60 diai de r'a,
ao miT!rao,go--;-ie
do ikatimrnto e da
awiar dttcoBls
../

Deposito na pnarmacia
C. em Pernambnco.
deP. Mauu
Estas muin desejadss caixinbas vasias
ESPARTILHO
Vendem-se magnficos espartilfios france-
zes e inglezes, na loja e armazem do PavSo,
ra da Imperatriz n. 6o, de Gama & Silva.
As romeras do Dave
Chegaram as muio ricas e mnito moder-
nas rom. iras de merino com differentes co-
res sendo elegantemente enfeitadas com lin-
das Otase bordadas com vidrilhos. sendo cir-
culadas com um ric-i bico de gnipure que
tem palmo e meio de largura, garante qne
oeste genero nao ha nada melhor no merca-
I do e vende-se por pre?o rasoavel, na loja e
e enfei- armazem do Pavao, ra da Imperatriz n. 6o,
Neste estabelecimento se encontrado a
verdadeiras machinas americanas chegadas ultima-
mente, a qnaes sao feitas pelo mais afamado fa-
bricante da America, por isso avisa a todas as pes-
soas qne precisarem comprar, de ae dirigir a este
estabelecimento qne comprarlo das mais perfeitas
neste genero, assim cerno mais barato do qne em
ontra qnalqner parte, por isso qne se recebe por
conta propria, bem como cannos de chumbo e moi-
nhos para moer milho, e grande sortimento defer-
ragens e mindezas em grosso e a retalho.
Facas de cabo branco de meio baianco a 40
a dnzia, limas finas de todos os tamanhos]proprias
d trablbo de escultura.
TRATAMENTO dod- CHABLE, m PARS
Medico especial, codidItaicoea, 3, rtia Vlvlenne t
AVISO AC'S DOENTES. 2^SSy""9mu m ~*
de
escrevem :
Mo eataa ca-
rado, tonel Cn
aeba, Copaaiba
sab tacas ai
formuem opia-
to, eaatalas,
ceneitaa, taako
dd e nao estnu corado? UsI e aousei de un graude numero de rtJKCCAOaV, toa imaaaie
eam asa 4 diai, a estoa diada mais daeatea. v w
HA MAIS O ANUOS
que caro r-adfe: Iments tero recahidas, Corrimentoi, Relaxacdo do caaat, Calmrho i* Imtia,
PermiMmtHtei, corando primara a causa virulenta inflamniatorla i'eaaat doeocaa sazaaes,
com alfunik vt Iros da meu dkpcbativo do sangos, para parar casas afecejoaa, aaeear o
canal e lbe tonar a dar saa retidei dou para acabar men exeelfente xaropb ao citiato d
ferro et aun is irjbocao. A cura radical, as sen hora* san aa luxua anaco, taciea
o bmsibo tratas oto. (Veja-u a noticia eupHeetva.) -' -" ;
40.000 DOENTES CURADOS
prmrttoi, tinu, ckaaai a avTeopoai veneren, baawrea, a todas aa dMocas ama akerts a Tama
do saacM ato caradas esa aoeaa toaapa par asea xaropb bepciati se aanaos atas
Mkm2?HsamH!.11*!" ""*** *fVWJL-m* a suato Hmmiia AJriMMaatmeaA.
-JTaJa^a asaseira da tratar-aa. A satltia tae sa da irattt na atoaaNa da
BMStoa. Basa aaaansato tralasnaas ato aostosa BWaria\ asa saserleraes a toas
atl*^ MaaJB* M* *> sareaeatar taataa atteatactos da caras.
*jmtwH,m*mk*tme> 4omr CtoaW ey miimuiiliu
Voade-se na roa Nova n. 25, pharmaciafraiteeza de
tartas com gosto, qne tanta extracte tem tido e
qae realmente servem para diversos flns, existem
na loja do Cordeiro Previdente a rna do Qaeimado
d. 16 am completo sortimento de ditas caixinnas e
sao vendidas por pregos to rasoaveis, qae o expe-
rienle tregaez nao objeelara' em compra-las em
dila loja de miodezaa do Cordeiro Previdente a roa
do Queimado n. 16.
PONTE1RAS E CHARUTOS.
O Cordeiro Previdente, ra do Queimado n. 1C,
tem um bom sortimento de Boas ponteiras para
charutos, sendo lisas e com figuras em alto rele-
vo ; e para que os seas fregaezes nao se Incom-
modem em comprar charutos em algamas das lo-
jas de cnaruteiros, recebeu tambem um bom sorti-
mento de finos charutos do afamado'fabricante
Purtado de Simas; assim, pois, eneontraro os
apreciadores um bom sortimento na dita loja do
Cordeiro Previdne, roa de Queimado n. 16.
MJUIRERM2C.
Para ffertaa no hospital por-
ta gn o x.
Bonitas cestinbas com frnctas de cera, obra de
muita perfeico e bom gosto.
Para cortar moldes e en,brulbar fazendas
Veude-se papel pardo folha grande.
Para lastrar calcados. I
Vende-se superior graxa econmica.''
Vende-se papel para matar moscas. \
A loja do cordeiro previdente
Ra do Queimado n. 16.
Mella acharao os pretendentes nni grande va-
riado sortimento de porfomarias finas, tanlo ingle-
sas como fraDcezas, sendo:
Finos extractos para lencos.
Banhas e pomadas para cabellos.
Oleo philocome e baboza para dito.
Pos hygienicos para denles.
unos campborados para ditos.
Opiata ingiera e francesa para ditos.
Pacotes com pos de arroz.
vasos de porcelooa para ditos.
Sabonetes para mi e barba.
E muitos ootros objectos qne sero presentes
ao comprador que se dirigir a roa do Queimado
n. 16, loja do cordeiro providente.
Bandeijas peqaeeas.
Vendem-se na rna do Qaeimado n. 16. toja do
cordeiro-previdente.
Charetos
da acreditada fabrica de Jos Faltado de
Simas.
Vendem-se na loiajdo cordeiro previdente a roa
do Qaeimado n. 16
de Gama & Silva.
Sedas lizas
Cbegou o mais liodo sortimento de sedas
lizas com dfferentes cores, sendo cor de
rosa, aznl, lyrio, lia rana, cinta, bu ni na e
branca as qnaes se vendem por baralissimo
preco. na loja do Pavao, ra da Imperatriz
n. 6o, de Gama & Silva.
Gasaqinhos de renda a 12S
Vende-se os muito modernos casaqoinhos
pretos de venda ou cuipure sendo es mais
modernos que tem vindo ao mercado pelo
barato preco de 12$, s na loja doPavo,
roa da Imperatriz n. 6o, de Gama Silva.
Cassas francezas covado a 300 rs.
Vende-se um elegante sortimento das
mais bonias e finas casas francezas com ele-
gantes padroes em listras ou flores sendo
todas as cores fixas e vende-se pelo barato
preco de 3oo rs. o covado oa : oo rs. a vara,
na loja e armazem do Pavao, rna da Impe-
ratriz n. to, de Gana & Silva.
Loja das seis "portas em fren-
te do Livramento.
Vende se para acabar chitas la, escoras e cla-
ras, pelo diminuto preco da 280 rs. o covado, pe-
cas de bretanha de rolo a 2*400, madapoln. Ono
com 20 varas a a? a 6f, finlsstmo bramante de li-
nho largo a 2*900 a vara, organdys de listas e flo-
res coloridas a 300 rs. o covado, naos lencos bran-
oos proprios para algibeira a 200 rs. e dnzia a it,
gangas francezas proprias para ronpas de menino
e paletots e calcas de bomem a 360 re. o covado,
organdys brancos de listas e qnadros a I* a ara.
cambratas brancas transparentes leudo 9 viras
com S palmos de largara a 5*500, tarlalaaas da
todas as cores a 800 rs. a vara, e do-se amostras
com penbor.
CASTRO MUESi
Grammatica nacional.
Sexta dicao
11000
Livraria fraicew.

I
*2
Veodeae cavallo alaain mo e Corta
preorio para carga, por preco eomasedo: para ver
e tratar oa eocheira do Sr. Riaetra, coa da aVeda
y
^
t


'
Collares Royer
9a iaodiies elctrica aujiietiee
BmmHi aere4t-lo
laja t aguia branca roa do Queimado a. 8
Aprgoar alada os prodigiosos effeitos dos
Coliam Royer i nio vuimm ~
iatrattr uuaipiaiai. j>aw|ii^. lalnfri \m n *r '-"
felaes resaltados a tal altara elevado, qoe
hoja rara a peasoa que por experiencia
propria, ou por intermedia de seus amigos
8 aareates, ignore ou desconhe;a as virtu-
des desses sempre apreciareis collares
Royer.
A guia branca porm sa gloriado coacor
rer> para um to fasto Ara, se nao por ou-
ro modo ao menos por ter sempre, e cons-
tantemente um completo sor ti ment desses
coll.res magnticos, que bem se podemcha-
marsalva vidas das enancas.
Resta amda qoe os senhores pas de fa-
milia s facam convencer {de que convem
naa esperar que as crianzas sejam atacadas
do mal, e por isso necessario ou conve-
niente que com antecedencia se deite na
criaoca um desses collares para asslm estar
ella preservada das conv;lces e se contar
nvre des rigores da dentic3o.
V agoia branca a rua do Queimado n. 8
contina a receber por todos os vapores
Armazem de fazeadas finas para grandes toiletts e uso
ordinario para todas as classes.
hm Crespa n, 9 A. esquina da do Impera
Custodio Jos Alves Guimaraes.
O proprietario deste importante estabelecimento avisa ao respeitavel publico
e aos seos amigos e fregueses que acaba de receber pelo vapor francs Guienne, di-
versos artigos de moda, os quaes sao de completa novidade para este .mercado, e apro-
ximndole o da da commemoracao do anoiversario do Hospital Poilugoez, pOr isso
fraoeezes a quaotidade que ha contratado e apressa.se em Vir avisa-los do que ba de mals moderno em seu estabalecimento, como
.r isso acha-se ella sempre prvida des ver- ggjam:
dadairos collires Royer eletricos magne- Riquissimasebapermas com coque. I Lavas de Jouvin preta, branca e de cores.
Ditas sem elle. Lindos cortes de 12a com barra.
Lindas chapelinas de palba da Italia. (Re- J Riqoissimos cortes de transparent de se-
commenda-se muito estas chapelinas por se- da para vestido de senhorastambem novi-
Ghapelioas modernas,
enfeites de flores, capellas finas para noivas,
ditas brancas e cor de rosa para meninas,. rem intei,amente novidade).
ealxos e ramos de flores finas e botSes de l RjquisSjmos cinl08 de seda com matames
rosa de diversos lmannos: na Aguia Bran- c\1\w^i Q|lima moda<
ea.- roa do Queimado n. 8. Linaas ^,3 ^ l5 com bordados, proprias
Meias finas para meninos. para as excellentissimas senboras trazerem
A Aguia Branca rua do Queimado n. 8, cma do bal2o> uUima moda fim Pars
recebeu meias mu finas para meoraos, e Lndos (mtM de seda Testjdos.
est vendendo as de cores a 5OG duzia,
brancas a 55500 e cruas a 6(9000.
Trancas de vidrilhos, brancas e pretas, lar-
gas e estreitas.
A Aguia Branca a rua do Queimado n. 8,
recebeu novo sortimento das trancas cima
ditas, e como sempre vende-as por precos
commodos.
Fitas novas
para cartas de hachareis e a irraandade do
Bom Comal ho.
A Agota-Branct, a roa doQaeiroado n.8, receben
ovas fitas achamalotadas para ambos os lados,
mut encorpada e toda de seda, com iva o agrada-
vel c>, e carao sempre, vende por prego multo
raseavel.
Bonitas boarcas
com rosto de cera, olbos fixos e movedices,
A afnia branca a roa do tjueiraado n. 8, rece-
ben om novo sortimento de bellas booecas com
roto de cera, olbos fixos e movedicos e como
sempre vende-as por precos commodo*, reamando
estes em relaco aos dihVrentes tamanbos de qne
se compoe o sortimento.
fcl iir dentfrica e odootalgico.
A aguia branca a rna do Queimado n. 8, rece-
beu de novo esse apreciavel elixir cujo nso ne-
cessario para emservace das gengl vas e acabar
o mao balito proveniente de denles arruinados,
cada frasco costa 25.
Moireaotique branco, azul e preto, fazen-
da inteiramente nova.
Grosdenapoles de todas as cores.
Ditos pretos.
Leques de madreperola.
Ditos todos de sndalos.
Ditos de sndalo tendo no centro um qua-
dro de seda, inteiramente novidade e ulti-
ma moda.
Chapeos de sol para senhora.
Le as de seda para senhora.
Ditas para meninas.
Espartilhos para senhora.
Riquissimos enfeites para senhoras, intei-
ramente novidade.
Ba oes para seoboras e meninas.
Touqoinbas ricamente enfeitadas.
Coeiros bordados.
Toalbas de labyriotho muito ricas.
Ricas fronhas de labyrinto.
Riquissimos lencos de dito.
Rendas, bicos da trra e grades para lencos.
Um rico lencol de labyrintos.
dade.
Lindos cortes de 12 com listas de seda.
Riquissimas vellas para cintos.
Fil de seda e de linho.
Riquissimas camisinhas para senhora.
Riquissimas saias bordadas.
Punbos e gollinbas para senhora.
Riquissim s manteletes de cores, inteira-
mente novidade.
DE
MUITAS VAZEXDJkB
m
LOJA E ARMAZEM
DO
pi-vla
Roa da Ivperatriz a. 60
BE
a* SILVA.
Tendo os donos de te grande estabelecimento resolvido liquidar a maior parte das
suas fazendas resolveram vender com grandes abatimentos em precos, assim como teem
recebido ltimamente urna graoda porcSo de fazendas novas tanto inglezas como francezas,
alemaas e suissas. teem destinado venderem-nas mais barato que em ootra qualquer parte
afim de apurarem dinbeiro, dando de todas ellas, amostras deixando ficar p^nhor, oo
Imandam-nas levar em casa das excellentissimas familias pelos s-us caiieiros; assim como
asp?" awjHenegociara em pequea escalla, neste estabelecimento comprarlo pelos mes-
mos prafos que compravam as casas inglezas; ganhando-se apenas o descont.
< ortiaarioa paca camas e Jaael-1 BalSes a U, 35oo e 3
laa a 100, 160. 200 e 25* Vendem-se um grande sortimento de cri-
Vendem-se um grande sortimento dos nolinas ou baloes de arcos para senhora pelos
melhores cortinados bordados qoe tem v in-
do preprios para camas e janellas, pelos ba-
ratos precos de loaY 160, 2o0 e 25d cada
par sendo neste genero o melhor que tem
vindo ao mercado: assim como pegas de
baratos precos de t, 25oo e U por ha ver
giande porcSo, na oja e armazem do Pa-
vo, rua da Imperatriz n. 60, de Gama 4
PANNOS PAPA CADEIRAS
Yeniem-se um grande sortimento de
niVAL SEM SECUTO*
na do tuelnaadb a. a, laja de
aaladezaa
DE
Jos Bigodtnno
Tara de babada bordado da Porto a .
Carrete de reirox arelo con o*s oitavas
Parritai daaaaadaaap tfant .
FratcarStfiri di Fttmk aatferiof a
Frasees de o eo mallo Ido a......
Dna de teeooras pequeas a.....
Frasco d'agua para liropar denles a .
Rede pretas lisas para segurar cabello a
Dniias de pennas de ac multo finas a .
Calas de linba do gaz de 30 novellos a .
dem de palitos de segnranca .
Garrafas de agna Florida verdadeira .
Silabarlos com estampas para meninos a
Memento da ronpa de lavar a.....
Dniias de meias finas para seoboraa .
Agnlbas francezas a balao (papel) a .
Pecas de fitas de lia de todas as cores a
Grozas de botdes de porcelana prateades a
Caizas com alBneites trnceles a .
Caixas de 100 envelopes multo Unos a .
Resma de papel de peso branco liso a
Frasco com superior tinta a.....
Pares de botSes de pnnbo multo bonitos
Linbas em earto de 300 jardas a .
Caria de superior linba do gai com 50
novlos .............
Talberes para meninos a.......
Masso com superiores grampos a .
Bonets para meninos a........
Feotes com costa de metal a......
Realejos para meninos a .......
toe
a
m
500
480
seo
o
600
'4
100
4J0OC
Peitos de linho bordado.} com gosto pro- ratrz n# 6o de Gama & Siiva.
prios para camisas de noivos. 'vira bordadas e BabadlahoB
Collarinhos de linho Usos e bordados para Qaem quzer faMr boa ^njpra de tiras
homens. 'bordadas ou babadinhos, achara um graode
Lindos veos e mantas d* blonds. I sortimeDto para escolher e por reco muito
Riquissimas vestiments para baptisados mais barat0 do e em outra qua|quer parte,
contendo chapeosinho, sapatmho, metasinha Qa ,0:a e armaiem do PavJo, rua da Impe-
cambraia adamascada proprias para o mesmo pannos de ero h proprios para cadeiras,
fim, na loja do PavSo, rua da Imperatriz sefs, cadeiras de balancos, para alpofadas
n. 6o, de Gama & Silva. e Para cobrir presentes, e vendem-se por
CorleasraaadlBOS para vestidos precos muito baratos, na loa do Pav3o, rua
Cbegarara o mais bonitos cortes de or- (da I rperatiiz n. 6o, de Gama & Silva,
gandy Granadinos tendo lo varas cada corte, | Cassaa a 9 4a r*. so o pavo.
sendo 7 lisa para o corpo, tendo as mesmas 3 vaias res txas pelo barato preco de 240 rs, o co-
enfeites correspondente a saia para eneitar vado, ditas francezas fazenda maito fina com
o corpo e mangas tendo entre elles mu tas padrCes listrados e de flores, assim como com
trancas com listas pretas como actualmente palminas miuas proprias para meninos a
se usa e vende-se pelo barato preco de 60, 3oo rs. o covado ou a 5oo rs. a vara : pe-
UDicamente na loja do avio, rua da Impe- chincha na leja e armazem do Pav5o rua da
Imperatriz n. 6o de Gama & Silva.
Cassas de nuia sO cor a 44o rs.
e camisinha com lindos bordados.
Riquissimos chales de toaquim.
Gr avalas de seda branca para noiva.
Ditas de cambr ia de linbo com bordados
as puntas, novidade.
Chapeos de sol de seda com castao de
marm.
Ditos de outras qualidades.
Chales de seda.
Ditos de cachemira.
Chapeos de seda preta para homem.
Ditos de phantasia para homem.
Casemira preta muito fin.i.
Ditas de cores inteiramente novidades.
Cambraias, 15as, chitas, ioadapoloes e ou-
tros muitos objectos.
160
80
00
3*000
10
fiO
100
1C&
GRANHE NOV
Riquissimas basqumes de seda preta, bor-
dadas com gosto.
dono deste importantissimo estabelecimento contina nolouvavel proposito de
querer vender muito e ganhar pouco, sujeitando-se a tirar em suas merendonas um lucro
Est tudo remediado em quinta a la- rasoavel, para assim poder melbor agradar aos seus numerososfreguezss.
Tas de pellica.
Porque a aguia branca por intermedio de nm
negociante de njssa praca mandn contratar com
am-bom e acreditado fabricante de ditas, para
este ibe fair remessas directamente por todes os
vapores, sendo a priraeira a que agora acaba de
che^ar. O fabricante promette manda-las sempre
da melhor pellica e na verdade as qae vieram
dessa vez confirmara o seu dizer, e pelos aifferen-
tes enfeites que ellas trazem da' elle mais a conbe-
cero aporado goto e perfeicao de soa ob'a. Res-
ta pois qae os bons e constantes freguezes conti-
nen! a favorecer a aguia branca em qnanto ella
vai se livrando dos mos qoe com seus fiados a
iam depenando-
fjamisi"has bordadas para baptisados
A aguia branca a rua do Queimado n 8,
reCebeu novo sortimento de camisinhas bor-
dadas, sapatinhos de setim tambem borda-
dos, meias de seda e cbapeosinhos de setim
enfeit dos, tudo para bapt'sados.
Bihusinlios eobenos de comas
A auia branca rua do Queimado n. 8,
recebeu bonitos bahusinhos cobertos de con-
xas, e cestinhas bordadas a froco, objectos
esses de novidade e gosto, (e proprios para
Hartas no leilo que ter lugar no hospital
portuguez.
Acaham-se nmas''chpgam outras, cer-
rentes de bora ha
A aguia branca que nu se descuida de sua
boa freguezia, tem constintrnente mandado
buscar essas bonitas e modernas correntes
de- borracha, que servem n5o s para voltas,
como mesmo para outros differentes enfeites
Comiarecam pois os pretendentes que
acharao bom sortimento de ditas correntes
na loja da aguia branca roa do Queimado n. 8.
Cintos de marroqaim com fivcllas de
ac par-; meninas
Vendem-se "a rua do Queimado, loja da
aguia branca n. 8.
Pe r.s proprios para frisar babadinhos
V-ud-m-se na rua do Queimalo loja da agma
branca o. 8.
Benitas e modernas vollas pretas com
pingeutes.
Vendem-se na rua do Queimado loja da agoia
branca n. 8. ,
AUGUSTO PORTO i C.
IIRua do Queimado11
Este estabelecimento acaba de receber e vende por commodojpreco as seguintes
fazendas finas:
Vestidos de b ond para noiva com manta e capella.
Ricos vestidos de cambraia branc > bordadas que ha de melho \
Cortinados bordados e admascados para camas de 2<># a 8o.
Dito.- bordados e admascades para janellas de 90 a 2o0.
Colxas de seda e laa e seda para cama de noivas.
Rasquias modernas de muito gosto de 2o0 a So$.
Toalhinhas de croch para cadeiras e sofs, e colxas de croch para camas.
Chapelinas de crpe branco. e chapeos de palha da Italia para senhora.
Moir branco e preto, grosdenaple preto e de todas as cores pan vestidos.
Camisas para homem francezas e inglezas de linbo, e de algodo.
Goardapisa de crino fine para azer mais elegantes os v stidos e la e de seda
a 32o rs. a vara.
Superiores saias bordadas de linho; camisas e camisinhas bordadas e lencol de
cambraia bardada para senhoras, ricas toalhas bordadas com muito gosto, e lindos ves-
tuarios para baptisados com o respectivo euxoval.
L5as com listras de seda de varias cd'-es a que ha de melbor.
Chapeos brancos de castor e ricos chapeos di sol ioglezes para hDmem.
Malas de diversos tamanbos para viarens.
Panos finos e casen iras pretas e decores e outras muitas fazendas que se ven-
der baratissimo.
Este estabelecimento contina a receber as melhores.
Esteiras e alcatifas para salas.
11 Rna do Queimado11
Sllaltai
Este esubelecimeoto acaba de receber linda
cnopeltoas para seabora, ricas caiiinhas para cos-
turas, ditas para joiaa, pente doorados para cur,
ftve;s mao ricas, assim como cintos e pnlseiras
da ultima moda de Parts, ntremelos e babadinhos,
bonitos t'lucidores donrados e de Jacaranda, espe-
Ibus escossezes de diversos tamanbos e ricos caoi-
VftU>8 para senhora, voltas para pescoen, grava ti
Dbas, bicu de seda, dito de algodo, laDynntbo, e
mmtos '.otros objectos de aparado gosto, que se
loro* eoladooho mencionar, toa por precos moi-
lo commodos: a' rua da Imperatriz n. 70, na loja
da Leatdade.
Aos agricultores,
Saundnrs Bratbers & C. aeabam de receber
de Liverpool vaporee de forca de 3 a 4 c a val los
eom todos os pertences, e moi proprios para faze-
leo movr machinas de descarocar algndio, po-
dendo cada vapor trabalbar at com liO ierras,
tambem servem para enfardar algodo, ou para
nutro qnalquer servico em qne nsam de trabalbar
eern animaes. f> imesmos tambem tm a' venda
machinas americanas de 35 a 40 serras. .
O* pr fteodentes dirijam-se ao largo do Corpo-
Saoto n. il.
POR CAOSA DE DOUS MOTIVOS
A o respeitavel pub tico.
O Veado Branco declara mui francamente e sem rodeio algum que tem de-
morado a publicacio do seu terceiro anouncio por duas poderosas e iaiportantes razoes.
1* o trabalho insano que tem tido de estudar o meio de virar o S da Fragata
Amasonas da rua du Queimadu
2o. O desejo de estampar neste Diario o seu interessante retrato e ofirece-lo
a todos os seus benignos fregnees e amigos sinceros.
Sendo impossivel ao Valo a consecucSo do seu primeiro desejo, elle pelo pre-
sente incumbe dessa tarefa ao hahel Sr. Dornellas, pintor, correndo, prm, por conta
dos dignos pilota s da referida Fragata, a importancia dessa pequea despeza.
Agora quanto ao seguudo, saibam lodos que problema cujn incgnita j foi
achada, gracasa pericia do distiucto Sr. padre Azevedo. Assim pois brevemente dar o
Veado muitas copias de si esperem os amigos.
Agora duas palavras.
Ao Cordeiro Providente
A vos qne vicstes augmentar o numero dos animaes domsticos que negociara ;
Mes eomf>rlDients
S a cousa for em progresso brevemente ser esta cidade urna perfeita arca de
Anda bem que o Veado nio est s....
/ Atten$U)I Atten$io! AttenQioI!
As ordens do respeitavel publico se acba o amavel Veado Branco com o seo
importante sortimento de tudo que diz respeito a molbados.
Os precos. que por de mais sao razoaveis. devem convidar a quera urna vez nego-
ciar com elle a ficar satisfeito e a voltar sempre que for nascessario.
Para as pessas qne sao eslabelecidas com casa de negocio fora da cidade b om
magnifico e escoluido sortimento proprio de fazer conta aos mesmos senhores.
-' Assim, pois, o Vead Uranee conta que cada dia ser, augmentada o numero
de seus bons freguezes, tanto do centro como da cidade.
Venbam convencer-se da bondade de nossos gneros ede sua ba ateza qnemainda
n5o qoiz honrar o nosso bello estabelecimento.
Cal vir^eni
Bteeilente cal vlrgem da Lisb em barris ar-
qr*d d ferro, tem \mit ventwr Antelo de
Aheid*6oia*i araa da Crut n. -11 primeiro 4ma
barato qe em ejaalqaer outra parte. _____
m gaz r.4Z
Chegn ao amigo deposito de Henry Porster
C roa do Imperador, nm earregamento de gaz d*
prtnreira qaatrdade\o qual se vende em partidas
a retamo por meooipreco do qae em outr* qa
pie' parte. ^
A RIA IIREITJL
16 ESQUINA QUE VOLTA PARA O PATEO DE S. PEDIA N 16.
TEM NA POBT.% A PIICITRA;
VEADO BRANCO
NIMGUEM SE ENGAE COM O BiLIZA
ratriz n 6o, de Gama & Silva.
Fazendas para luto na loja do
Pavo
' Vende-se setim da China com 6 palmos de
largura proprio para vestidos a 2d o covado,
15azinbas,pretas lisas, alpacas cnmlistra bran-
ca a 13 o pretas a 5oo rs. a vara, ditas pretas lisas e
com s.ilpicos vara a 56o rs. ditas francezas
com listras e ramagens vara a 8uo rs., me-
rino preto, alpacas e princezas, mais barato
do queem outra qnalquer parte, na leja do
PavSu, rua da Imperatriz n. 6o, de G^ma A
Silva.
CHITAS PRETAS A 2oo RS.
Vende-se chita preta ingleza com palmi-
nhas a 3 io rs. 6 covado ou a peca por 70
tendo 38 covados, ditas lisas a 16o rs. o co-
vado ou a pe^a 6$, ditas francezas de todas
as qualidades, na loja do Pavao, rua da Im-
peratriz n. 6o, de Gama & Silva.
PALITOS DE PANNO A U
Vendem-se palit de panno preto saceos
a r>i$, ditos sobrecasacos a loa, calcas de ca-
semira preta a 6/1 e 16, dita muito Anas a
95 e 'A>, finissimos sobrecasao s de panno a
2od e 250, calcas de casemira de cor a 7d e
8, um rande sortimento de col tes de toda
a qnalida e e outras mui as qualidades de
roupas qu' se venciera mais barato do que
em ootra qualquer parte, na loja e armazem
do Pav3o, loada Imperatriz a. 6o, de Ga-
ma & Silva.
CHALES A BENOITON A 50 E 60
Vendem-se os mais modernos chales a
Benoiton pelo barato preco de 50 e 60, di-
tos de merino liso a 305ne, ditos de crpon
a 70 e 80, ditos de merino com barra a 20
e 205 o, na loja e armazem do Pavo, rua
da InJpera'riz n. 6o, de Gama & Silva.
CASAgUlNHOS DO PAVO A 180, 2o0
250 E 3o0
Chesaram o mais modernos casaquinhos
ou jaquetas d grs preto, ricamente enfei
Itadas sendo nos cem cintura e outros soltos
.conforme se usa ltimamente e vendem-se
pelos baratos precos de 183,2o0,250 e 3o0,
na loja e armazem do Pav5o, rua da Impe-
ratriz n. 6o, de Gama & Silva.
IB'lde dec 'it Vendem-se as mais modernas crioolinas
ou bales proprios uara vestidos de cauda,
sendo melhores e mais modernos que tem
vindo ao marcado, e por p'eco.s muito ra-
soaveis, na lo;a do Pavao, rua da Imperatriz
o.!. 6o, de Gama & Silva.
Pura saias a 1$00 i $280 e 1*500.
Cbegou para a loja do Pavo nma grande
por$o de oeva fazenda branca especialmen-
te para saias, teudo a largura a altura suifi-
ciente de urna saia com um bonito bordado
de um lado ou urna bonita ordem de pregas
de forma que cora 3 1|2 varas se faz urna
saia de um s panno, e vende-se pelo barato
preco de 10. 10~8o e 105oo rs. a vara; na
loja e armazem do Pavao rua da Imperatriz
n. 6o de Gama Silva.
Vestidos brancos e de cores a 4 o! O
Vendem-se bonitos cortes de cambraia
branca com bonitas barras bordadas assim
cumo com barras de cor pelo barato preco
de 405oo rs. na loja do Pav3o rna da Impe-
ratriz n. 6o de Gama & Suva.
GRANDE PE HINCHA
V: stidos a SJIOSO
Vende se amigrande porcio "e coitos d* vesti-
dos de cambraia transpoarente sendo todos braooos
e c m Moda- barras de cores pelo barato prego de
2 o rorle, send-> fuenda qne sempre so veideg
por rnoito mais dmhelro liquidase por este preco
na loia e armairo do Pavao a roa da Imperatriz
n. Q de Gara & S c. Vestidas a 205
Vende-se nm b oito ortimento de corte de ves-
tidos de cambraia transporte com muua fantam,
seedo braocos e d- rfires com bonitas barra", p-lo
barato prego de 2W00, sendo fateorta qoe sempre
se vendeo por 60 e 74, e ilqd'da-se na loia o ar-
maiem do Pavao a raa da Imperatrii n. 60 de Gama
& silva.
R4N0E PECHIVi 114
cortea de 15* a 4f OO
Vende-se orna grande porcio dos mais boniloa
cortos de laa coro liados lavores matlisado*, tendu
i.i covado cada corte vlodo cada ora em seu
papfl, peto barto preeo de 44 a crie, oa loja do
Pifio a raa da larperatm o. 60 de G.ma a
PE Mucnt 4 O RBIs
Murculmas de 13a
Pelo nltimo vapor cb> roo om grande sortimento
das mi 'mas morcuiioas de la, sendo de ama
s cor, porm com as lindas cores atol, magenta,
bonina, roto et,, tendo largara de chita franeeta
e vende se a 640 ris o cova >o na l> i% do Pavo a
raa da Imperatru v, 60 de Gama & Silva.
GRAWDE BAZAR
rua Nova n. 20 e 22
Machinas pa a costura do autor Wbtele
Vendrm-se modernas cassas francezas de > Wi,S0D' ch,eflg.adas, ultimameote da Ame-
ama s cor sendo azul, roxo, cor de lirio, i nca>" D,as W Pode cozer-e com don
verde, cor de ganga, cor de rosa e eocarna Pespontos, toda e qualquer fazenda, emb
da sem deleito algum pe., baratissimo preco mhar *_* "H". marcaf *** >todl
de A4o rs. a vara, por haver grande porcSo: i com Perfe.cao. S5o tao simples, que cora-
na loja e armazem do Pavo roa da Impera- Prehende-se fcilmente a maneira do traba-
triz n. 6o de Gai a & Silva. i,ho e a Pes?oa.lendo Pl de m ero m
lazinhas matiaadas a 28o ra. o
covado. i
Vendem-se bonitas 13azinbas matisadas,
de cor xa e ditas de urna cor s, tendo en-
tre ellas cores escuras e de muito bom gosto
pelo barato prego de 28o rs. assim como
bonitas bareges de 13a transparente com
quadrinbos pelo barato preco de 32o rs. o ma"a e etc'
rbinas, pode fazer por dia o servico que f*
ciam 30 costureiras.
Chama-se este estabelecimento a attea-
c5o do publico, visto que elle se acba com-
pletamente sortido de objectos de gosto,
como bem leques de madreperola e de sao-
dalo, fivelas, fitas para cinto, cokes perfo-
covado : s na loja do Pavo rua da Impe-
ratriz n 6o de Gama A Silva.
CHITAS A 28o RS.
Vendem-se bonitas chitas de cores e ditas
roxas com pequeo toque de mofo qae se
garante largar logo que se lave, sendo de
cores fixas pelo barato preco de 28u rs. o
covado pa a icabar: na luja do Pavo rua
da Imperatriz n. 6o de Gama < Silva.
CHITAS DE MA SO COR A 28o RS. O
COVADO.
Vendem-se bonitas chitas lisas, sendo cor
de ganga, cor de bavana, lirio, rosa e outras :
cores, pelo baratissimo preco de 28o rs. o
covado, ditas chioezas com as mesmas cores j
e com palminbas pelo barato preco de 3oo :
rs. o covado, na loja e armazem do Pav3o
rua da Imperatriz n. 6o de Gama & Silva.
GRANDE SORTIMENTO DE CHITAS
A 32o E ;l6o SO O PAVO.
Vendem-se chitas de cores fixas com de-
senhos inteiramente novos e com os pannos
mu to eocorpados pelos baratissimos presos
de 32o e 36o rs. o covado, ditas claras pa-
dres grados e miudinhos proprios para
roupas de meninas a 32o e 36o rs. para
ven ler barato: na loja e armazem do Pavo
rua da Imperatriz n. 6o de Gama & Silva.
CHITAS PARA OBERTAS A 28 RS.
Vendem-se chitas largas para cobertas
pelo barato preco de 28o rs. o covado por
serem padres um tanto escuros na loja do
Pavo rua da Imperatriz n. 6o de Gama &
Silva.
LAZI.NHAS A 400 E 600 RS.
Vendem-se as mais bonitas lazinhas ma-
t zadas e de Lsus mais modernas e mais
bonitos desenbos pelos precos de 4oo e 5oo
rs : na loja e armazem do PavSo rua da
Imperatriz n. 6o de Gama & Silva.
ALPACAS DK COtES A 500 RS. O COVADO.
Na rua
na &C.
nova n. 20 e 22. Carneiro Vian-
Terrenos
Antonio Botelbo Pinto de Mesqoila contina a
vender terrenos no seo sitio do fondeo, ante*da
ebegar em Beberibe, abrindo orna estrada no mes
mo sitio, qoe a travessa o rio de Beberibe, srgae a
do encanamento das aguas qoe vio foroeeer eo
Olinda; no mesmo sitio achara' com nu-m tratar,
nos domingos e das otis, oa no Recife, roa da
Cadea loja de taiendas n. 54 A.
Feijo mnitn novo a 5# o saeta
No armazem do caes 22 de Novembro o. 2f:
TENDESE
urna barcaca nova, construida o auno pas-ado,c#-
rega 36 caitas, e acba-se fandiada na eseadiaba ~
qnem a pretender dirija-se a rna do Crespo n. 11,
qoe achara' com qoem tratar. _^_______
Algodo.
Vende-se superior algodo da Mata, proprio [?ra
ronpa de escravos: na roa do Vigario n. 26.
Escravos fgidos
Pogio no dia 2 do correte mez o escravo St
nome Hanoel Baila, crnalo, id-de de 35 a- n- s
pooco mais oo menos, alto, bem fallante, c rn ri-
ta de om oa doas deotea oa frente, beic^s grr **,
cheio do corpo, cor prela\ tem sido visto no Bar-
balbo. Torre, Afogado e Recife ; qoem o pecar le-
ve-o ao engenho Cordeiro qoe ser recompensado.
AVISO
1000000 de gratificado.
Contina a estar fgido o es
cravo Simio.
Pogio do dia 21 de julho do correte anno,
casa do abano assignado o escravo de nome
| mio. com os signaes seguintes : de na(i<> Mocam
Vendem-se as mais bonitas alpacas de cores biqae, idade de 40 annus, pooco mais o menos
enfesiadas c< m bonitos desenbos miudinhos
tendo entulles de todas as cores pulo barato
pr co de 5oo rs. o covado, ditas lisas escu-
ras e claras sendo todas de cores modernas
e 64o rs. o covado, ditas lavradas, as melho-
res e mais modernas oue teem vindo ao mer-
cado : sendo bavaua, lyrio, verde, azul e
outra cores, que imitem a seda, pelo barato
prego de 8oo rs. o covado, pechincba: na
loja e armazem do Pavao rua da Imperatriz
n. 6o de Cama a Silva.
POIL DE CHVRE.
Cbegou neste genero o melhor que tem
vindo ao mercado para vestidos com lindas
listras de sed-i oa com bonitos lavores da
mesma que se vendem pelos baratos precos
de 8.jo, lfSooo e 1528o rs. o covado: na toja
do Pavo rua da Imperatriz a. 6o de Gama
de Silva. .
VESTIDOS DE FANTAZIA A 8#ooo E
ioijtooo RS.
Chegaram os mais botillos cortes de ves-
tidos de fantazia muito proprios para passeio
e soires, por terem lindas barras de seda
e vendemfSe pelo barato preco de 80 e 1 od
cada um na |. ja do Pavo rua da Imperatriz
n, 6o de Gama A Silva.
fialaa a S0OOO rs.
Vendem-se bonitas saias escoras p.ioprias
para uzar em Umpo de ver3o por cauza da
poeira e principalmente para quem for p?s-
sar a festa no imito, Dlo barato preco de
35ooo cada urna, ditas brancas ricamente
bordadas tendo 4 pannos cada orna pelos
presos de H, 65, e loooo rs.: na loja do
Pa-o rua da Imperatriz o. 6o de Gama 4
Sita.
Vestidos branco a 14*Jooo.
Cheearam os mata lindos cortes de cam-
braia branca transparente ricamente borda-
dos que se vendem pele baratissimo preco
de .4 n. 6o de Gama & Silva.
TWova bareges de acaH *** r*.
Chegeu orna grande porcSo de lindissi-
simas bareges de seda com o* mais delicados
gngtos 6enrte fazenda muito propria. pata
passehs, partidas, etc. Veodem-se pelona-
ratissimo prup de 4oo rs. o covado na loja
e armazem do PavSo roaJda|Imperatriz n. Co
de Gama ^ ^llva.,
alio, semblante carregado, com falta de denles
frente, cor fola, cum talbos em circulo redonda
ao p< das orelbas, sem barba, levoo vestido calca
de casemira de cor, camisa de algoda* branco,
chapeo de meia maga novo ; este escravo fui roto-
prado ao Sr. Jos Vicente Lindoso, morad< r m
provincia das Alagoas, per ten procurador Jo*
qoim Cavalcaoti de Alboqoerqoe M-ito, morador
no termo de Barreaos. Sem dovida segoio al-
Kum daqueiles lugares : roga-se a todas as aatrt
dades assim como aos capltes ocampo, tasto des-
ta provincia como a das Alagoas a apprehecsja
do dito escravo, eotrega-lo ao fiecife, roa Direita
n. 30, qoe recebera a qaaotia arima, protesta sa
desde ja eom todos os rigores das lea do imperio
contra qoem o tiver acontado.
Bernardmo Antonio Pereira Bastos.
ESI JAVO FGIDO
R?. 100,5000
Q abaixo assignado da a gratiScaeao de cem mi
ris a qoem appreheader o sea escravo de non
Antonio, cajos stgnaes So os seeaiotes : prem, ea>
latera rgofar, corpo grosso, narii chato, aaarcaa
de bezlgas pelo costo, idade de 19 a 20 senos. Ei a-
dio se oa madrugada de 12 do correof do eocual
Ribeirio, levando diversos objertos foitidna, a
entre outros um cavallo alzio peqoeO'', calfadS
dos dons ps, sellado e enfreado, em o q i-l *hB)
muotado. Presme se com certeza ter-se elle dirt-
do para a cidade do Recife, onde muito eoaheeV
do; e foi escravo da Exma. 8/a. D. Anua Mr>
nhao. Reeommenda-se a todas as auto u ai>aa po-
ncia.es e capies de campo a appreh- nsao du r-fe-
rtde escravo, qae devera ser entregoe ao absii
assignado na eslac&o de Ribeirio, oo na cidade, '
Sr. Jos Antonio Soares de Azevedo oa roa Dtre
n. 14. Eogeobo Ribelro, 13 de ootubro
1867.
Coriolnno Velloso da Silcttr*.
50$
de gratificando
aun capiorar o preto da Costa de BoawJafa-
iho idade 38 apnos, estatura penco meaos de r-
toiVr, tem faiu de dente, bem como latiw n>
rosto bem saliente/, as pernas fina*, te. fogm era
29 de setombro proiim passado, levando w-^Hda
talca e camisa branca, chapeo de copa baria- e *8
aba* pequeas. A primelra wi qne se evadn ti.
titnlava-se como forro de naco, a rpr.a^a
em servente.de pedreiro e em ootrns idruiimis ~.
roga-se, pois,as autoridades policiaese a qoa'iaog
particular a captgra de dito escravo, a ser ratro-
goea sen senbor Joan daSHva Lette, aa ni* <*~
Cadela do Recife n. 10, que sera' paga a f
ci acia. Wr^
w^-


8
Diario de i'eriiaBai.Hco eeuuda felra ti de {tatabro de 1867.

CA IBA DOS SRS. DEPUTiUOS.
SESSAO EM 3 OEEMBRO.
PRESIDENCIA DO SR. SILVB1R* LOBO.
(ConllDQ3{P.)
: outras religues demasiad a toisrancia e loolescea-
O^rMDd^om'prwer-qieo'nobre ministro de*f"c' P" co(n "imiaosos da grandes crlmes.
agricultura aceita o pr>ecio, a que me par;cea l ,.h, ;'. .. .,.-,_. ,,.., ..
ter didd signa! etpresso do sen a5senl. giumameo prucessados e dvidaraente pronan
le. e afloal
e urgaocU par* *
cessarlamente rigoroso para com esse magistrado :. negocios mais importantes traiidos ao conbeci-
e sendo assira nao censuro o rigor, pjrra lastimo rdeoto da cmara, orejndica a ragalarldada dos
que em omras occasides lenba havido nesta e em Ossoa trabalhcs.
O Sa. Presidente : V. Exe. Dio pode alludir
por esta maneira a' oobraco da cmara ; ella
ao procada precipita lmeme. (Apoiados.)
Ste. fas s.goal alBrmaUvo) vou mndalo a mesa; i IZ, Jre"dM e w,a
e visto .,ua% m Uer.a tai simples reqoeiro dis\| gft g*^ ". r"cuS da
i da impreco, e argucia para eo/rar u or- fe,* J a1 !?
(l-:ii tos trabildos, se (or julga.de objeclo de Jeli-
beracio.
O Sr. presidente p5e a-votos, e a cmara appro-
va a urgencia, yemprr-juizo da ordem do da, pedi-
d i pelo Sr. llezarra para apresautar ama inJicago
sibia o tro,"(iem cobre.
U Sn. CoumsiA lk Bbito raqoer tambera urjien-
r)a pira ciscunr sfi fiyo mesmo o parecer das com-
en isses de jusilla crimin; l e polares sobre a re-
preseotaco do bacharel Felinlo ll-nriqm da Al-
aelda, cefe de polica de Pernmbuco, ha pouco
lido e adiado por ter pedido a palavra o Sr. Meira
VaMoneellos.
Consonada a cmara, apprcva a urgeoela.
Entra, portante, era discusso o referido pare-
cer.
Sn. Meira Vaconcbllos (attengao): Sr.
prssideot?, a desagradavel noticia a respeito da
oroauncia proferida palo tribnnal da relago de
Pernambuco contra o Dr. Frliuto ifuriqua de Al-
meida, ebefe de polica daqaella praviocia, foi cer-
I '.mote urna sorpresa para mim que conhego este
magistrado, e reconhego, como todos que o conhe-
. m, asna intelligeocia (apoiadosj, a su probl-
dajfe, a sai boneslidade a toda a prova. (Numero
sos apolados.)
teas, iaobores, nao foi somente ana sorpreza pa-
ra mim a noticia dessa pronuncia, loi mais alga-
rea consa; eo iquei serio e sinceramente encoin-
modado, nao tanto pelos sentimentos da amisade e
da ratido, porque mollas vezes ess-s sentiraentos
p esoaea devem ser esquecidos e posposios a con-
:; ,'t rajos publicas e de interesse social, mas prin-
cipalmente porque conhego o magistrado a quera
rae retiro esei perfeitamente, e o declaro com toda
a franqueza, sem receio de ser contestado que esse
magistrado faz honra a magistratura brasileira.
(Maitus apolados.)
En, poii-, fallara ao camprimento de um dever
r.agrado, como representante nac3o, se por ventura
nao me apressasse em erguer miona fraca voz pa-
ra fazer pequeas e ligeiras coBsideraioes em de-
feza, nao so dos direltos, com) das prerogativas e
imuiunidades que esse magistrado gozava na ecca-
.iSo em que succedea o fado, pelo qual foi pro-
unciado.
O fVcto leve lugar no dia 26 de abril daste auno;
testa poca arada nao eslava terminada a legislatu-
ra uassada, porqua ainda nao estiva constituida a
'ova cmara, e por consequencia o Dr. Felinto,
que penencia a legislatura passada, gozava do pri-
vilegio que Ine concede o art. 47 i" da constitu
Qto, porque linha e tem o seu tribunal espeeial pa-
ra o jalgar, e portanto proferida a pronuncia deve-
ra ser compnda a disposigo do art. 28 da consti-
luicio, aun de qne esta cmara pudesse decidir se
devia ou nao cootinuar.
Sr. presdeme, ainda cootinuarei mais era algu-
q>m dbsef vajoas a respailo do carcter de?se ma-
gistrado.
A impresso desagradavel qae me caasou a no-
licia de sua pronuncia, nao pode deixar de ser ac-
ihida por todos que coabecem o Or. Pibnlo (mu-
tos apolados), s deixara' de ser por aquellas que
uo o conhecerem one.>tiverem dominados de odio
o de ma vonlade. (Manos apoiados.)
cendo a judicatura na provincia da Parabyba por
largos auoos.quer comojuiz muaicipal, qaer como
juiz de direiio.. ..
O Sr. Dardos Pime.ntel :E* tambam em Ser-
gipe, onde ponou-sedigoamenie. (MuitO bem )
O Sn. Meira Va cci.nceli.os : -... e tambera era
Sergipe, na comarca de Propria', como declara o
digao r^reseounte daquella provincia ; quem co-
mo ea o v eiercer, repito, a magistratura na ^ua
provincia oatal onde tem prenlas, onda tem cor-
religionarios e amigos polticos, onde tem tambera
adversarios e InimigoSj onde sempre teve interes-
ss elelioraes e polticos raai importantes;,e, nao
obsiaote sempre collocado na altara que a le lem
assignalado a lodo o bom magistrado, distribuludo
jasttea mparcialmeole, sem se deixar levar pelo
reuiimenlo de sanxne, on pelas cegas impressoas
da poltica, ou por outro qualquer inieresse menos
laiiimo, sendo que multas vezes at desagradava
aos amigos e correligionarios, porqua nao os poda,
u>;m devia satisfacer em todas as soas exigencias
(auoudo3 da deputagao da Parahyba); nao pode
(aiiar de incommodar-se, quando sabe qae_ esse
ra igistrado dislincto vive hoje sob a pressao da
um* oronancia, sob a pressao de am crime I
Vozes :Felizmente o crime imaginario, boi
escoguado somenle para lia- polticos.
O Sr. Mura Vascoscellos : Se, pois, senso-
res, em sua ierra natal, no centro dessas relagoes,
o Dr. Filinto assim proceda, como que na pro-
vincia de Pernambuco, oo alto e.evado cargo de
chefe de polica, que elle aceitn e nao soiicilou,
onde elle se devra esforcar cada vez mais para
conservar intaela a sua bonra e dignidaae de jniz
e magistrado; como que naqoelia provincia onde
nao tem pareles e amigos lo ntimos, oude nao
tem inieresses elelioraes, onde ja' bavia terminado
a poca tffervescenle da eleicio, como repito,
nessa condicoes, o magistrado de urna vida tio
pura praiicana um crime que viesse manchar a
ana toga, que sempre Irajoo orgulhoso de que era
della diguo? (Apoiados) Tbesouro sagrado, qne
sempre zelou com pureza ? (Apoiados.)
Entretanto, senhores, nao desejo, do posso, nem
(levo, como comprebende a cmara, ergaer, por
ora, ceasura algoma contra o tribunal que pronun-
ciou o Dr. Filinto, nem para isto estou actualmen-
te habilitado ; por ora qnero ser prudente, respai-
lo as convic?(5es deseas jalzes; estou, porm des-
de ja'habilitado para garantir, que se nao bouve
inju'iic, houve rigor contra esse magistrado.
O Sr. J. o Leite : Hoava mais que rigor,
bouve iejQstiga.
O Sr. Meira Vasconcellos -.Esta rigor mani-
festa-se pelos documeni03 que inslrnem a repre-
senuco qne rol dirigida a commisso de podaras
ejustiga criminal, de que fago parte.
facto pelo qual foi pronunciado o Dr. Filmto
apenas urna interpretago de lei, e urna interpre-
tadlo de lei sobre um dos pontos de mais diincil
appiicacao de nossas disposioes penaes sobre o
flagrante delicio.
Sb a cmara das ocenrrencias qne tiveram lu-
gar no Recife. .
Varios Srs. Depotados :Sabemos. Sabrnos-
os orieros de Pernambncs eslavam penalizados
por *se ter extiogaido a sedigao do Pao a'Albo.
(Mnitos apoiados)
O Sr. Meira de Vasconcellos :... no da 2b
de abril, das quaes resuliaram ferimentos leves T
Em sua repanigo o Dr. Filinto na qualidade de
ebefe de polica proceda a indagac5es a respailo,
quando Ibe exigida a prisio em flagrante do Br.
Maximiano Lopes Machado, deputado provincial e
empregado publico. Desejoso de camprir a lei, res-
penando o dlrelto de defeza, elle procede as ave-
riguai;5as que a mesraa le recomraenda.
CooclQ'das essas averigoar,3es, e preenebidas as
i rmalidades legaes, reconbecea qae nae havla fla-
grante delicio, e portanio, como Ibe compria, nao
effectuou a prisio. Isso bastn para que se prati-
cassem imprudencias e excessos dignos de cen-
sara. (Sa nerosos apoiados.)
U flagrante delicio ama questao importante,
passado o momelo do crime, sem qne o delin-
qneute seja immedlataoienle perseguido pelo cla-
mor publico, ou mesmo interrompido este, cessa o
flagrante, e a prisio nao pode mais ter Ingar
O crime impoiado ao acensado, caja pnsao se
reclamava, era apenas am erimento lev, pelo
qual poda prestar flanea e defeBder-se solt ;
i'.-cresce qae o indiciado era nm cdado de_ posi-
gio, represeottnte da provincia, e portauto nao na-
va receio de qae proearasse na fuga nm mel de
soblrabir-se a saoccio penal. (Apoiados.)
E a lei neste caso, como sabe a cmara, reeom-
* raenda toda raodaraso e prudencia da parte da au-
toridade qae tem de decreur a prlso ; em caso
de dovida antes recasa-la ; com a recusa nem a
defeza soflre violencia, nem a justica publica Bca
nreiodlcada, e justamente assim sneceden na by-
poihese de que me oceupo, porqnanto o Dr. Macha-
do nao sabio do Recife, contra elie tem corrido o
processo respectivo, sem qae para isso fosse neces-
aria nma prisio ttlvex Menta. ....
Portanto, detemos crer gne o Dr. ebefe de pon-
da procedendo por essa forma, proceden com a
prudencia qae sempre o caracterisa em Udos o
sem actos; procedea com o eriterio de jan inte-
gro e imparclal, qne qaer encalar a lei e nao lo-
Iher os direilos do cdado. (Numerosos apoiados.)
. Seria posslvel, senhores, qae o Dr. Pelinto errasao,
todos nos erramos, porem nao admiti qae preva-
rlciase.
*-s3 Boireunlo nio esloa, na aasencia dos autos, ha-
bilitado para emittir jolzo seguro sobre qaestao de
Ti grande delicio, abiteobo-me por ora da apro-
mereclmenlo da pronuncia ; em todo caso,
edito qae o tribunal da relacao foi no-
dehteraedes; scu 'o :i;imero a dar exemplo de
inbmissao a's preacr >ro*s da V. Etc.; nao quer
afflaocavtl, requerarem habtas corpus com feliz ra
sollado, sendo relaxados d*s primes em qae sj
achavam legitmaraenle reclusos, sem que seu
processo,* teohara mais andamento, nem elfos sejara
deviddiDonte juigados II
Tanho visto tambera cooceder-se soltara por
kaoens corpus a reos processados ifeondomnadas
em uluma lustancia, tendj a sunieng condemoa-
loria transitado, dep >is de esgotado.- iodos os re-
cursos legaes ; e por essa forma aquellos a quera
restava apenas o ultimo e naico recursi de graca
ou perdi para o podar moderador Acara absolv-
aos em urna ora instancia por ama ordem de ha
beas-corpus lll
Nao foi carlamen(e,para es-e casos qae a lei
Iostiluio a salutar disposigo deViabens corpus para
proteger a liberdada do cldadao contra a priso
njegal: lllagal nao pode ser a prisio decretada em
viitude de pronuncia em crime inafflancavef ou
para cumpriiuciito di senten;a.
Nao de.o nem occasio opportuna para discu-
tir es-as que.-loes ; apeoas aproeito a oceasiao
para citar cases fados e sobre elles cnamar a at
tencao do governo e da cmara em tndo isto en
xergo urna verdadera periurbaijao |udiclana as
concassdas da seraeloanies habeas corpus, pertur
bacSo que pode ser de funestos effeitos.
Um juiz da direili interino, que naofOr formado,
pode boje, illudido ou para proteger, soltar quan-
103 cnmiuosos quizer.
O Sr. Correa oas Nev ; Nio precisa que o
juiz leigo f.iga, bastara as relagSes.
O Sr Meira de Vasconcellos : Desejava qae
o governo prestasse sua atiendo a semelbante es
lado da cou-as, a...
O sr. Abuquerque Mbllo da' um aparte.
O Sr. Meira Vasconcellos :... eu respondo
ao aparte" do raeu nobre amigo : o governo pode
cora emprego da meios legtimos e regulares pro-
videnciar como liscalisador da fiel execacSo das
leis e puniQo dos crimas, sam que offeoda a Inde-
pendencia do poder judiciario, e esgotados estes
meiis ple e deve promover perante o poder legis-
lativo medidas que tragam am paradero a este
estado anmalo ua oossa legislacao penal, e faca
uniformizar as derisSes evitando escndalos e abu-
sos na concossao da habeas-corpus. (Apoiados )
Ea, pols, seotiores, nao po^so deixar de notar
que para outros tenha havido taola tolerancia e
condescendencia...
O Sr Correa das Neves e cutros : Escnda-
lo e prevaricado.
O Sr. Meira Vasc a-cellos :... e para o Dr.
Felinto tamo rigor, unta taita de equidade.
O Sr. Joao Leitb e outros senhores :Tanta
perse^Uijao.
O Sr. Meira Vasconcsllos :Tambem tenho
visto reos cuniessos, que em pleno da arromba-
ram cadas, e d'ellns tiraram presos e criminosos,
depois de regular e juntamente condemnados me-
diante pr.vas robustas (apoiados, recorrer ao tri-
bunal superior e oblar absolvi$ao I E pouco depois
o propro juiz que os condemnara victima de ri
girosa e loiqua seotenca...
Algns Srs. Deputados :Sentenga manifesta-
mente injusta, com <>flm de perseguir.
O Sr. Meira asconcellos : ... proferida pelo
tribunal que o absolver I
Eu desejava mais coherencia e igaaldade nessas
decisoes.
Entrando, Sr. presidente, na materia do parecer
fare bravas considerares.
O Dr. Felinto, pronunciado pela relacao do dis-
tricto, reclaraoa perante esse tribunal a favor do
privilegio que Iba era garantido pela constituicao
para que o processo fosse submettido ao conheci-
menlo da cmara dos depotados, a8m de se com-
prir o preceilo do arl. 28 da mesma euustitoiclo.
A relacao, porm, sem competencia aiguma desco-
nhecau-ina o privilegio.
Uma Voz :O que singular que nem ao me-
nos se dignou fundamentar os seus acordaos, que
erara esperados, e por Isso nao sorprenderam se-
nao aos homens de boa f. (Apoiados.)
O Sr. Meira Vasconcellos : Realmente o ac-
cordo que tenho por copia nao se batea em razao
algoma.
Nao pule deixar de admirar a maaeira como a
relacao deoegou quelle magistrado o privilegio
de que gosava, e a respeilo de qual nao linha ella
competencia aiguma. (Apoiados.) Nao pude deixar
de admirar, nao s porque, como disse, faltava a
esse tribunal competencia para decidir e-sa ques-
tao (apoiados), como porque nio rasp -uou as di-
versas decisSas desta e da outra cmara. fApota-
dos.)
Vlzks :E' bom lembrar que nesse da organi-
sou-se no Recifa o Gremio Conservador...
O Sb. Meira Vasconcellos :Em 183i era de-
potado o uaoo Mauoal Zefdrino dos Santos, qne
foi pronunciado pelo supremo tribunal de jnsliga ;
o seu processo foi remettido a esla cmara em
1835, qoando ja' nao era mais deputado-
Mas, cerno o facto se dora durante o periodo da
legislatura a que elle partencia, a cmara respei-
tou-lhe o privilegio, e tomou conhecimento de seu
processo. Mais tarde, em 1857, doos precedentes
tiveram logar : am nesta cmara, e onlro no se-
nado; nesta cmara a respeito do processo Ins-
taurado ao Dr. Raymundo Ferreira de Araojo Li-
ma ; no senado a respailo do processo em que era
reo o bngadeiro M. J. Pinto Pacca. Na presente
sessao temos anda um precedente bem recente a
respeito do Dr. Antonio Jos Moreira (Anotado-),
cojo processo vein a esla cmara quando elle ja'
nao era mais deputado ; e, nao obstante, respai-
lando os precedentes anteriores, a cmara reco-
nhecealhe o privilegio, e na forma do arl. 28 da
constitaifao, decidlo que sea processo aio devia
continuar.
A' vista destes precedente?, admira que a rela-
cao negasse um privilegio reconhecido pelas daas
cmaras, pelo governo e at por diversas (riba
oaes, oppondo-se a esses precedentes e ao preceilo
contiloclonal.
(Ha diversos apartes.)
As commiss5es, pols, entendem que devesefa-
zer valer o privilegio de qae gosa o Dr. Felinto,
qae sabjeitou se aos effaitos da pronuncia, nao ob-
stante estar convencido de qae gosava deste privi-
legio tio violentamente negado, e assim den elle
uma eloqneme prova de que sabe respailar a lei e
portar-se com prudencia, modaracio, circamspec-
c,io e gravidade (Mullo bem; mano bem )
(Cootmnam os apartes.)
Um Sr. Deputado -.Proceden multo bem. Ten-
do consciencia de seus direitos, devia dar aos seus
apaixonado juizes ama ligio de eircomspeccao.
(Mullos apoiados.)
O Sr- Meira Vasconcellos : Reconbecido e
garantido o privilegio, leudo de ser remettido a
esta cmara o respectivo processo, ficando suspen-
so todo proeedimento ulterior por parte do jniz
processaote, de conformidade com o art. 28 da
consiiloicio, devem ipso jacto flear suspensos es
effaitos oa pronuncia, devendo, portanto, o pronun-
ciado entrar no exercicio de sen cargo, do qual
somente devera' Bear suspenso, se a joizo desta
cmara o processo continnar, e a pronancia fr
su>teoiada pelo tribunal competente.
Nao com effeito regnlar qae, reconbecido e
garaatido o privilegio do % 1* art. 47 da constilni-
co, a pronuncia do tribunal da relacao produza
seas effaitos, inclusive a saspenso do exerciclo
das fuocgdes do juiz pronunciado ; neste caso o
tribnnal qne processa e pronancia nao tem compe-
tencia legal par* o feilo, nem jorisdiccao sobre o
acensado, sna missao apenas de juiz preparador,
e portanto a procnoca por elle proferida nao pode
nem deve prodazir os efleilos ordinarios e jurdi-
cos. (Apotaaos.)
A prenuncia nesle caso nao pode reger-se pelos
principios ordinarios do direlto criminal, a ella
nao tem rigorosa applicaco as disposicdes da ie-
glslacio* penal ; embora proferida pela relacio nio
pode prodnzlr Immedlatamente seas efleilos le-
gaes.
As commisfcSes, pols, sao de parecer que o pro-
cesso soja remettido a essa cmara no estado em
qae se acbar, continuando, entretanto, o Dr. Fe-
linto no exerciclo de sea cargo.
O parecer ainda nio fot impugnado, e a manifes
Deste modo se vera a evitar o Inconveniente que
necessarumenta resoltara' da slronllaneidade de
poderes conferidos pelo corpo eleiioral a doos gru-
pos de deputad s diversos,ja como taes reconbe-
cidos om duas legislaturas distinetas, oa de pre-
viamente coulderar-se valido o que mais tarde
ILu Voz : O urbre deputado qo*>se raos- pode ser julgado nollo e da neobura vigor,
ira precipitado na ce jsora. O qae cero qne o privilegio oa prerogativa
O Sn. Olegario: Entretanto o facto existe..... que a constiiulcio-confere a depoiado nao pode
O Sn. Prssidente : Perde-me V. Exc.; nao Mr alm do termo da deputago ; b art. 27 ex-
pode proseguir nesse terreno i presso, e a razo da le fcilmente se conhece,
O Sn. Olegario ... : = E' demasiado.o rigor 'qoando se medita na necessidado de garantir se
de coe usa a presidencia nesta occasio ; pode nao s as opimdes como as pessoas e at os actos
V. Ezc ordenar o qie entender, pois que a mim dos representantes da oagao.
n3) resta ouiri reeur: o senio sujeitar-me a's snas O eximio publicista, o Sr. vlsconda de s. Vicen-
re-ponsbilidade ommetiidos pelos jolzes de di-
railo.
Um Sr. DKPurioo :Nao compelenta tratan-
do-se de ura deputado.
O Sr Ol gario :Estamos concordes; mas nio
se d por provado o que resla provar, Isto a qna-
Iidade de deputado, de que se diz revestido o ma-
gistrado. A relacao, no pleno exerciclo d; soa jo-
risdiccao e convicta de que nenhura privilegio
iseotava o iodiciado da obrigacio de resp nder no
juizo criminal- pelo faci p< r qae era iccusado,
decretou raa pronuncia que traz corad eiTeito ne-
cesario a saspenso da cargo ;. pretende agora a
eoramissio qne se avoqne o processo ao estado em
>iue estiver.eaborapor talm idoseperturba aordem
que Talle sobre o mo
Culada a discusso d:
d'ffkil, nao fallare!.
O Sn PHEsmsEiE : E' o regiment quem nao
quer que se falla sobr > esse ponto.
O Sr Oleoabio : Nenhuraa considercao de
coovemeocii publica 36 la auiorisar o acodamenio
com que se quer diset (ir um parecer que euv. Iva
quesi5es graves de dirjiu cooslilucional e de pro-
cesso crimioal.
le, commenlando este artigo da coostitoicao, diz judciaria que* se tem de guardar no-ju gam-nto,
que aprerogativa do deputado comega desde que e, mais, quellque de nenbuat effeito a sospensao
o mesperado por que foi en- elle eletto h oo se prolonga se nao pelo lempo
una materia importante e em que perdura o'seu carcter, pois que a coosti-
lulgo clara quapdo usa destes termosdurante
sua deputccSo.
Un, pergunto cu," era o Dr. Filinto, a 26 de abril
do corrente rnnn, ainda representante do 1* dislrlc-
to da Parabyba, quaado se aebavam ja' Conferidos
novos poderes palo corpo eletloral ao depntado que
o subsiituio nesta casa? Achando-se a esse lem-
po ja' approvada a ultima eleleo a que se proce-
Vozes : iNo ctieslSo nova ; mni sabida, deu na provincia podia ser elle repuiado corao re-
0 Sr. Olegarij : O parecer que se discute presentante do districio, bavendo onlro igualmente
relativo a' pronuncia decretada pela relacao da recooheeido como tal, e demais munido de poderes
provincia de Parnambtco conira o cj)efe.a> ""'iciacoDferdos era poena mais receotu? Nao, por
da mesma provincia, Dr. Filinto iarirYftj* ... Al-[ceno; a doatidade neste ca^o inapossive; ou o
roeida ; foi lido hoja na mesa pelo digno -i" sfcre-i Dr. Filinto era o legitimo deputado, e eotao nada
taro, cuja voz nem sempre ouvida djstiocta- valia nenhuma signfleagio tlnba o acto importan-
mela, o'antre o snssiirro cora qne de ordinario te da ultima eluco pelo qual se roanifestou em
comecara as ses.-oos, sem que dssemos ( da favor do outro candidato a vonlade popolar, e tara-
leiiura que acabava de ser felta, sem coabecl- bem de nentium presumo era o voto da cmara
ment algum dos fund .mentos do parecer da cora- que julgou legitima e perfeita a eleico dessa cn-
mi-sao, se resalveo q le eotrasse imraedialamunte didato ; ou era o sea successor, e oeste caso, no
em discusso. Assim, tomada de sorpreza, por
mi o digo, nopdi a cmara acbar-se prepa-
rada para rapeohar-se era om debate compilado.
0 Sr. Presidente : Foi a cmara qaera se
jalgoii preparad*, appruvaodo a urgencia.
0 Sr. Olegario : iraiando se de orna materia
grave, como e-ta, 93na, sem duvida, mais seguro
e prudente dar-se :eu po a' cmara para lomar
cotmecimento do pare:er, sendo elle impresso e
distribuido, para ser rnenle discutido depois de
maduro exame e reflaiio ; a urgencia votada oo
permita estudo; nao ha lempo nem para seren
coosnltados os docurnt nlos em que parece ter sido
fundado o parecer. E itretaote crea que mesmo
pelo regiment, sendo os pareceres longos e sobre
materia de grande imi urtancta, e haveodo qaera
sobre elles peca a pala rra," corao aqu se dea, po-
dem, a pedido de algum deputado e sem depen-
dencia de discusso, sel' impressos e depois dados
para ordem do da ; era tudo quanto ea desejava
que se Bzesse no prseme caso, embora coraeijasje
a discusso com intervino ajenas de nm dia oa
doas.
Note V. Exc. que nio pretendo contrariar os
principios fuodamentats do parecer, e menos as
rada dedireiio adduzdas jielo raeu honrado col-
lega, relator da comm ssio.
Uma Voz :Portanto aceita o parecer.
0 Sr. Olegario : Os principios exarados no
parecer sao, em feral, rardadelros preceitoa cons-
tnucionaes rapolados); aio ha, pois, corao desco-
Ohece-los on nega los.
Uma Voz :Nao bao'e, portanto, preepitacao.
podendo havsr dnns depuiados reenchendo o mes
mo lugar, segoir-se hia que o privilegio da consti
luigo linha deixado de assistlr ao ex-depatado
para proveiiar somente quelle qae o veio sudsi
luir nesta cmara.
Poderel eslar engaado; ooo a queslo de tal
ordem que possa eom seguranca ser elucidada de
momelo; outros o poderao faze-, nao eu que te-
ntio muito rcelo de aventurar um juizo denivo
sobre assumpto de tamanna importaacia. Eis por
que. bem quizara, e o repito, que ames de proferr-
mos uma deciso qualquer fossemos informados e
esclarecidos sobre todas as circunstancias que
acompanbram o faci e ti ve-sernos terapo de es-
minar a questocon o euidadb que ella raqwr
pela sua racoutestavel importancia; inils por isso
estranbar e reprovar forieroente, era que peze aos
nobres depuudos, |ua com tanto applauso w.olhera
as palavras favoraveis, a' caas-a do raeu digao col-
lega, ebefe de polica de Pernanrtaco, o modo por-
que sa deu comeco a' discusso do parecer, sem
que sa conhacesse ao menos asrazees que levaram
a relago daquella provincia a proceder pelo modo
por que se oiz ter procedido.
O Sr. Ar?a*jo Barro da' um aporte.
O Sr. Olegario : a jurisprudencia do3 aresto.iy
como V. me. uo ignora, iocerta ovara; neu
sempre podemos por ella s ajuizar da disposigo
de lei controvertida ; facllia, verdad-e, a applica-
co do direlto, esclarece o ponto dovidoso, mas
nao cria a duvida por modo definitivo o pererap-
torio.
U-Sr. Arauio Barros : Nao ma redro aos ares-
OSr. Olegario :M?s tto- esa a questo ; los; o qua digo que os accordos da relacao "ah
nao abi que existe duvida oa difflcaldade para
qualquer de nos.
A qoeslo a seguate : sero applicaveisao
caso sujeito os principio 1 da coostitui^o T A ma-
teria demanda estudo e reflexi.
Nao me acbando pretarado para Jomar parte e
uma discusso com que nSo podia contar, vejo-me
imposslbilitado de aprolaodar o exame e inv-stl-
gacao que bem quizara fazer sobre todo quanto dir
respeito ao assorapto ; isas nem me foi dado I4r o
parecer ; nao examiuei os documeotos et tive
coobeciraenlo do fact lelo-qae diss-eo nobre de-
putado que aeaba de fa lar ; val, pois, correndo a
discusso de afogadiloo, e nao sera' por certo este
o raeio de melhor resoharmos a qaestao ; forca
ci mtudo aceitar os faclis como elles sao.
Os arts. 27 e 28 da coastituiQao oo deixam du-
vida alguma cerca das prerogativas de'que goza o
representante da naci dorante o teovpo de exer-
cicio do mandato; nenbum senador o* depotado
durante a sua deputacii.pde ser preso por auto
ridade aigom, salvo per ordem de sua respectiva
cmara; no caso de pronuncia, suspenso todo e
ulterior proeedimento. ileveojuiz dar conta a c-
mara respectivas para jae-esta decida se o pro-
cesso deve cooiiouar e 1 membro ser 00, Dio sus-
penso do exer-cicio de s jas tuecos?. TAI o di
reito ; vejamos agora o faci, como o espoz.o hoa-
rado relator da comroissao. i
Por crime de respoas ibilidade foi aquello ma-
gistrado pronunciado pe a relacao de B'-rnambnco
como incurso no arl. t' do cdigo criminal ; e.te
artigo trata do abandoac anda que temoorario do
exercit 10 do emprego... .
OSr. Meira Vascckcillos-:Foi eqovoeo ;
o art. 15-1 ,
OSr. Olegario :-F.otio ja vejo qpe e outra
cousa ; o parecer cUa o art. 157 ; sendo o art. 154,
o crime deixar de-ce mprir oa fazer camprir
qualquer le ou regalamenlo. Nada lemes que ver
cora o merecimentc>.da entenca : jas ou injusta,
bem on mal fundada, so se procura saber neste
omento se o indiciado, que na legislatura Paja-
da dignamenta representaba nesta caara o 1o dls-
iricto da Parabyba, gozava ao- tempo do processo
co privilegio concedido ;>elo aru 4? 1* da coas-
lituigao.
O fado sobre que asseota o processo consta aa-
ver tldo lugar a 26 de abril do corrente anno ; sao
se sabe qae facto esse ; o parecer nio no-lo ex-
plica bem, e nda nest. parte a pressa com que
se vai tratando do n9go:io nao permute averigua-
Qoes mais minuciosas.
Coosia, entretaoto, (ae a relagao, coovencida
de qae nessa data ja na am sido recoBhecidos os
poderes dos novos Opoiados do 1" disiricto da Pa-
rabyba, eotendeu uo fer mais applicavel ao che-
le de polica o privilegio constitucional. Hole-sa
qae a qoeslo do privil< gio w em tempo aventada
pelo loteressado j o tribonal tomn della conheci-
mento, segundo ooosia do mesmo parecer, e aao
reconhaoeu a prerogalh a reclamada* psla razo
Iludida ou oatra quakjoer que nao chegoo ao nos-
so coohecimeDlo ; continua neste ponto a mesma
falla da esclarecimentos; o magistrado ter ao prin-
cipio se negado, segoodo aqai oavi a aceitar a lo-
limasio da sentenca,mai certo qoe submetteodo-
se i deciso do tribunal superior, se deu por sus
pens e passon a jurlsdiccao a qoem toi designado
para snbstlloi-lo.
Surge agora a qnestfo : foi regular o proeedi-
mento da relacio, ou a ates, acbava-se o juiz res-
ponsabilisado no gozo posse do maodato popular
quando pratloou o facti porque oi acensado T Pa-
ra a commisso nao ha duvida qae slm, eotendea-
do qae os poderes dos deputados da legislatura que
vai Andar somente terninam depois de constituida
nova cmara ; eu, pom, nio considero a qoes-
lo de fcil solucao, e nao doa per inoeoeassoo
principio em que se Arma toda a argumentado do
nobre deputado que ae precedeu ao debate. Dabi
a necessidado doestodc e exame, pelo qual em va
reciamei.
O050 diier qno ai t< mpo em qae teve lagar o
faci inculpado baviam sido ja approvadas as no-
vas eleicss da provin da da Parahyba ; conviria
verlflcar esse ponto, parque em mlnha_ opinlao
del le Ulvez dependa a solapae da qaestao ; todo
esl na intelligencia qceseder palavralegisla-
turade qae usa a coi slilnico.
E' sabido qae cada legislatura dura qua tro an-
nos ; mas nao esl do nesmo modo decidido qoan-
do cerneja e Anda semiihante passo. Se a legisla-
tura deve contar da iostallacio da prlmeira legis-
lativa, regola a data de 3 de maio, on aquella em
que flectivamente tevi> lagar a abertura do par-
lamento ; neste caso o oramento, o exerciclo das
funecoes de depntado 00 qae serve parad*ermi-
nar i, poca em qae c imeca a vigorar o privile-
gio ; ootros, porm, en.endem qne s termo da le-
gislatura se conta da eleicio dos deputados ; neste
sentido, desde o instante em qae sio conferidos
novos poderes aos re >resentantes .fleam virtual-
mente cassados os qae baviam sido concedidos acs
deputados da legislatura anterior.
Sem pretender desenvolver cada ama destas
importantsimas tbese de direito constiiucional, e
conhecendo qaao gravng objeccSes se poden: levan-
tar contra qualqaer de las, lembrirei apenas qne,
tacio a sea favor tio pronunciada, qae jolgo-me enre_0ie.x,^mos1aa^l|9il,iP'nl^K.!^*0'il'
dispensado de condonar a sustntalo acredito
sincerameote qae sera' approvado em todas as soas
conclusSes. Tenho concluido. ( Apolados ; mallo
bem; multo bem.)
O Sr. Corra das Nves : Felicito o pelo sea
disearso, potra fea jas a nm processo.
Vozes. : E' multo para recelar; examine se o
proeedimento de algons desembargados da rela-
cio de Peroambaco nesses ltimos annos, e ver-
se-ba quanto ple all o sentimento partidario.
(Apoiados.)
O 9a. Olbgario :Sr. presidente, a preelpiucio
com qa se val ir'laudo uliimamenie, alada dos
da am meio de solver 1 duvldo, de harmona com
a letra e espirito da ilisposicio constitucional;
datar a legislatura nao da eleico que a constitue,
e qne pode ser vicios; e iosaaaveimeata aulla, o
que mais tarde pd 1 ser verificado, nio da aber-
tura da sessao oa do j trmenlo, porque pode ser
este molto posterior ae oeil, ou nio serem ainda
reconbeeidos os poden s de todos os epatados ao
estao.
lmSr. Deputado1:O Sr. Uoreira gozcu-de-pri-
vilegio de de....nado at a abertura da asserabla
geral, esta anno.
O Sr. Olegario : -Uavo acreditar que a relacao
de feroamouuo, iribooal illustrado e circunspec-
to, coobeuedor do direlto e superior a's mesqurabas
intrigas de partido, nao seria inducido a commeuer
erros por pmxo ou espirito partidario; a sua au-
gusta misso applicar a lei, em toda a sua pureza
e iotegndade.
Um Sr Dsputado :Se isso prowsse, tambem
pro-ana que ella merravei.
O Sn. Oiboadi : Nao sei porqoe, sem prova
immediata e convincente, se ha de per em duvida
a moralidade daquella tribunal, insinuando se a
odiosa locrepacio da baver obrado por inieresses
polticos, e oo por conveniencias da jusuca. Por
qae razo acertaremos nos e lera' errado a rela-
cao na apreciacao e Juigamento de urna questo de
direlto ?
Om Sr. Deputado :Ora 1 Porque ella inpo-
ceavel.
9-Sr. Olbario :Trata-se de um crime de res-
poasabilidaae, u um.'uctosujeito a'exclusiva cora-
peieocia do tribunal judiciario; este segurameiue
o tera' examinado e coofrootado cora-a disposifo
da le, para poder fazer justa appiicaoo do direito
a' especie qpe se Ibe aprsenla. Mas b Indiciado
gota de urna isence legal,.tera nm privilegio ga-
rantido pela cousiiiuico, bem de ver que seria
elle respeiudo quando era termos; essaclrcum-
laacia nopassou desaperceoida per&ole o tribunal,
loi exposta e discutida; rejeiada a allegago de
inoompeancia, proseguio alausa ao juizo cnnai-
aal, porque de conformidaie cora a lei, s se ier 1a
de suspender o ulterior proeedimento e aguardar
.a deciso da cmara, se subsisiisse o privilegio in-
vocado, mas nao reconbecido pelo tribunal a que
se acbava affeeto o coobecimento do processo.
Suppoodo que nouvesse erro, abuso me-mo, da
parte de juiz, eumpna laaear mao dos recursos
que a le oflarese para desaggravo do direito, an-
tes do que coofundir )urisdicgdes e provocar con-
flicto;--, sempre fataes ao principio da auionuade.
A samara emende rpio o juii responsabilisado
goza anda dos privilegios de deputado', a retacan
peosa do modo diverso; esta' no seu diraito; se
errou ou abusn proeure-se oa lei o meio de traz-
la ao camprimento do seu dever ; oo poder Ir-
respoasave); mas emquauto nao tur convencida do
erro, tem a seu favor, tanta peesumpeo de acert,
qoanta a qua assiste a' cmara as doliberaces
que loma. O poder judiciario independenia ; o
poder legislativo tambera o ; ambos sio delega-
res da.naci; gy.ram em rbitas dwersas ; am.
uo tem superioridade sobre o uutr'_.;. a divisan, e
harmona qne eolre ambos existe, coostilue exic-
tamefiie o principio conservador dos.direitos dos
cidadaos, na. pbrase da constitui(o -v assim como o
legislador fuucciona livre de qualqoar interveago
dos outros poderes polticos do oslado, da ousma
forma o poder judiciario applica a le aos casos e
coaflicios de ioieressa particular, sob. sua iomedia-
la responsabilidade.
Um Sr. DEeujADo:De luje em dianteoao ba
mais do qaa um poder ; o da relagao, qae pode,
quando quicer, processar a qualquer deputado.
. O Sr. Olesario :A rela;4u nao p60e querer se
nao o que lor conforme a le, que ine curapre guar-
dar e execuiar; se o processado fdr com effeiio
deputado. nao sera' sujeito a' sua jorisdiccao ; mas
se nao demonstrar-so essa qualidade, embora a
tenha invocado, slo-ba certameute- por virtude da
mesma lei. Procara modelar a minba arguraaata-
gao pelos principios do direlto; aos nobres depota-
dos da n aiorla, qae com taalo fervor e eolbikias-
mo defendem a causa do seu ex-eollega.de dopoia-
gao, incumbe combate la e refala-la. Os nobres
depniados entendem qae a relacao errou, qae foi
tou ao sea dever e ooroa caprichosamente, estao
no sea direlto; ea tambem estou no meu acredi-
tando, at que seja convencido do contrario, que
proceden o tribnnal regularmente.
Uma Voz : Eolio vote contra o parecer.
O Sr. Olegario :No intento de votar segaro
em materia que lunbo por complicada e importan-
te, pedirla a V. Exc Sr. presidente, se me fosse
dado, qae frsse adiada a discasso ainda qne por
curto prazo, al termos tempo de percorrer ao me-
nos os papis e documentos qae serviro de base
ao parecer. A disposigo constitucional conhe-
cida; e nio ha precisio de esluda-la agora; mas a
applicaco dessa disposlcio a' especie que irax
embaracos para quem desoja conhecer melbor a
materia obre que lem de emittir am vol coa-
scieneieso.
Conclue a commisso, oa as commissdes qne la-
vraram o parecer, propoodo as segralas conclu-
$5es :
. 1 Qae seja reqoisilado e remettido a esta
cmara o processo de responsabilidade, no estado
em que se acbar.
t 2a Qae isto Ibe ser garantido o privilegio de
foro, usando suspenso todo o proeedimento ulterior
al que esta cmara resolva sobre a conliouacio
do processo, entre o acensado no exercicio do seu
cargo, para o que lomar o governo as providen-
cias necessanas. >
Ainda neste ponto dlvirjo do parecer, e tenho por
errnea a doatrioa que nelle se contera.
Um Sr. Deputado :E' coosequencla necessarla
da iilegalidade do aclo.
O Sa. Olegario :E por qoem foi pronunciada
a iilegaldade desse acto? Botre a cmara e a re-
lacao quem decidlo a questo T
Uma vox :Ajcamara quem val decidir
decretada, vollahdo o juiz ao exerciclo das suas
fuoccas. Neo pode a cmara ordenar era uma
nem enira ; nao est isso em suas altribuicdes cla-
ramente da le.
(Ha diversos apartes.)
Em materia de junsaiccio nao se admitte am-
plagao ; s se pode fazer tquillo que por le ex-
pressamente perraitudo; aio confiero artigo de lei
que aolorise a cmara a avocar processos penden-
tes no foro criminal, transtornando a ordem jud-
ciaria esiabelecida para o juigamento dos respec-
tivos processos.
0 que a coosiitulclo diz que o juiz do proces-
so dar conta respectiva cmara ; demais, mes
mo nesse caso, nao se remetle o processo qae per-
teoce ao jcizo, que la flea a espera da deciso da
cmara ; esta decidi tomada depois de exarai
nadou assampto especialraeoleemsaaface pohiiea
por que a cmara nao procede corao poder judi-
ciario.
Nestes termos, como e para qae requlsitar a re-
messa do processo original ?
Uma simples commanicago, expendo o facto o
suas circumsiancia?, o traslado mesmo do proces-
so, seria lado quanlo se poderia exigir, ainda quan-
do fosse reconbecido o privilegio que realmente
nao existe, porque caducou com a venfleaco de
poderes dos novos representantes da Paranyh3.
Ninguem mais amigo de sua classe, do que ea
da magistiatura a qne perineo ; as-ora padesse
rodea-la oe piesugio, de vantagms, de garantas;
assim livesse raaios de assegurar a sua indepen-
deoea'e roamovioilidada, e prver sobre o seo fu-
turo, at boje lo precario ; seriara ento attedi-
das lio palpitantes necessidadas ; ninguem aris
do que u lamento o abandono cora qua tratada
essa nobre classe, destinada a preeoctaer to dilS-
ceis e elevadas fuoccas na sieiedade, por quelle*
mesraos que deviam ser os prlmeiros em protege
la e considera-la ; nao se crsia, pois, que exprl-
miodo-rae dos termos era qae o tit, soa, mfeoso
causa do magistrado de qua so trata ; Do ; quero
qoo se zele, que se faja effaetiva a regala db ma-
gistrado, se lem em seu favor ama isencao ;: mas
quero tambera que se respelte a le, que sejara ob-
servados os seos preciios e guardadas as soas for-
mulas.
Nao duvido q:-i baja moilo boa? razSos para
susteotar-se o privilegio do juiz repousabilisado ;
mas, oo taudo sido ellas apresentarlas ao oosso
conbecimento ; nefando se a relagio s conhecer a
iseogo, e oo podendo assinr proceder seno por
motivos jurdicos e muio procedentes, quero ce-
nhecer esses motivos-, estudar a qu-stov resolver
fobre o modo de remediar o erro oa aboso, se de-
salo bouve;.ludo isso porm, ba de ser Jeito nos
termos legaes, e os propostos oo- me pare-era bem
cabidos.
O nobre deputado relator da eomraissio. t.-i o
primeiro a declarar que tambem nao esl miaira-
do de ludo qaaato houvo; como en, descoobece
lalves as mais importantes circarastancias cae se
ligara ao facto ;. como, pois, exigir qae se iottr-
rompa a marcha regalar e ordinaria da jusiica pa-
ra se remetter, t esialo ?m qua essiver, o proces-
so que pode ter sido instaurado mono regular e
competentemente ? Se ha algoma cousa a faier,
nao de certo o que soo a' inspiragio do momea-
(o e no fervor do mais vivo entbusiasmo vai sendo
aqu -por dos deliberado.
Ao ver a aoimaeao o inteiesse, o eolhusiasrao,
repito, cora que os mambros da commisso e os
nobres depuudos qne me lalerrorapea, acorapa*
nbara a discusso, receio imito de qse a nobre
eoramissio nao coasultasse bem a questo, previ-
nida, como se raostra, contra a relago, que sup-
pos inspirada de mas paixoso e a favor do magis
irado, que considera victima de uma perseguigo.
E' generosa a louvavel a intoogao da commisso,
pode, porm, nao ser a mais acertada debberago
que lembrou, e que hoje curapre examiaar cara
muita reSixaoe madoreza.
(Ha raailos apartee.)
Bu nao posso atiribuir aos dignos epatados
sent meles que ne sejam raoito nobres, muito
elevados ; porqnanto nao quero para os ootros lei-
diversa daquella qne pego para mim ; e assim co-
mo nao dou a ninguem o direito de descoafiar da
pureza das minhastatengies e daverdadee convic-
gdes cora que fallo, do mesmo modo oo posso por
ura s momento acreditar que os nobresdepoiados
procedas) de onlro modo.
Nao ba, pois, en: .mihas palavras ama iasinuacao
pouco eooveoienle aos aohre- deputados v.o qae ha
a maoifeslago do desejo do pugnar pelo direito,
pela causa da jostiea e da razio ; posso estar era-
erro, mas a cmara lem de pronunciar-so e resol-
ver o que fr caelber,
Voliando s coocluses do.parecer, irei amda-
que nao comprehendo como possa a cmara, antes-
de tomar conhecimento do- negocio e devsdameuie
examnalo nos termos da constiluico,. ordenor
que, pelos meios cora peten '.-, volte o magistrado
ao exercicio das suas fansgoes.
A suspensao decretada contra o indiciado nm
acto necessatio, resultante da proooocia que se
acba em p, que nao fci reformada, nem podia
s-lo, que est prodnzindo todos os seus effetios
por virtude da lei; acamara s pote raaadar
qae o deputado seja oa nao suspenso do exercicio
de suas fuQcgoes, qaaedo, examinada a qoeslo.
tem de resolver, oa forma do art 28 da coeeiilul-
gao, se o processo deve ou oo continuar.
Nao o caso qae aqai se di : all o deputado
nao se aatia suspaoso -,. aguarda se a deliberagao
da cmara que i qoem determiaa a eileetividade
da suspeasio; aqu a suspensao j, existe, porque,
considerado o faci sob o rgimen da legislago
commom, nada so lem a coramunicar nem a es-
perar da cmara dos deputados.
Supponba-se qpe a relago lenba errado, Qca
prejuigada a qooslo, porqoe foi desdo ja resolv
do aquillo quas poderia ser ordenad depois de
examinado o caso, segundo a letra da coostiiuigo;
dea na Parabyba ; fcilmente se poderla varifiear
esta poni, vollaado o parecer a' commiio de
coD'lituigo e poderes, eu qaalquer oatra qae pa-
recese mais propria.
O Sr. Boarqu:/a' foi ouvid.
O Sr. Olegario:Has nao sobre o objeelo da
duvida ; sobre a questo de direito coo-titncional
a que me retiro. Se for preciso eu dinglrei a
masa nm requerimenlo escripto ne-se sentido.
O Sr. Buarqe: Note V. Exc. qne as curomis-
ses de inquerno forana nomeadas a 23 de abril ;
o parecer sobre a Parablba foi apreseotado a 17 e
approvado 5 das depois; portanto nao podlam os
depurados daquella provincia ler os seus poderes
reconhecidos naqaelia data.
OSr. Corra das Neves:E qae tivessem. A
legislatura comega a 3 de Maio. (Apoiados e difle-
rentes apartas.)
O sr. leg\rio: E' justamente o qua se con-
testa. A legislatura o lempo que decorre enlre a
nomeaco e a disperso da assembla; re quando se aonsidera feia a nomeagio : tota a
eieigo ou cora o recoobeelmeoto da validada del-
la ; uma qaestao prejudicial da qual depende a
soluego da principal.
O ni bre Reputado por Pernambuco diz qos a
26 de abril nao e-lava ainda approvada a eleiga
da Parahyba ; corao emendo que da venfleago
dos podares se comega a contar a legislatura, para
o eflelio das prerogativas concedidas pala ctn-tl-
tuigo, estara' para mira resolvida a que.-ui-i des-
de qua se c.-nrira o se demonstre a exaeudo das
datas.
O Sr. Buarqub:Ainda qoando proeedesie a ar-
garaenlage de V. Eic, fleava demonstrado que s
26 de abr.i nao po juro, acbar-sereconhecidjs os
depuiados da Parabyba.
"H. Olegario:-r-E* questo de facto que pdi
ser facilmeoie decidida. Digoe-se V. Exc, Sr.
presidente, de mandar verlflcar o que ha a res-
peito.
O Sr. Buarque: O parecer da commisso de
inquiriio foi apresentado a 27 de abril ; logo Dio
poda estar approvada a eleigio ttaqualla data.
(Apoiados e diversos aparta-.)
O Sr. Presidente:Esta' verificado que a elei-
gao do 1* disirieiu da Parahyba foi com effcfto ap-
provada na sessao preparatoria de 3 da maio
paseado.
O Sr. Olegario:Doa nesta parte como resol-
vida a quesiao, para mira ; deixo por isso de en-
viar a mesa o requeriraeoto de momenu que pre-
tenda offerecer.
Coneloindo, acredito qufa a cmara reconhecera?'
que nesta, corao era todos as nutras qne-10 -s am
que me tenho envolvido, son levado somente pela
consclencia do aever e pelos mais puros senli-
mentos de instiga e de imparcialidade.
Vozes- Como todos nos.
0 Sr. ErAMiNONDAOiSr. presidente, onvi o os
curso do oobre representante pela provincia de 3.
Paulo, e deiie conclu, que por tres fon lamento:
combate a adjpgo do parecer eme foi submetiido
a delraarago da casa.
O primeiro fundamento : que da-se urna pre-
cipiagio dasc.oraraaaal, nunca vista era quenes
important-s, a respeito da maneira por que se
quer fater passar o parecer.
Segundo: qae nao ba mate o privilegio do dipu-
tado para a hypoihese do Dr. Felinto Heariqee de
Almeida.
Terceiro: qne tendo o poder judiciario no pro-
eesso de que se trata ja' decidtao a questao rela-
tiva ao referido privilegio, a ninguem mais com-
pele aprecia-lo ou resolve-lo.
Nenhura destes fuodamentcs, Sr. presdeme,
procede, neebnra deiles- tem orna razao olausivel'
que possa conquistar o voto da cmara. (Apoiados);
t> primeiro fundamento da prewpilacao, Sr. pre-
sidente, cabe am faoe as nossas disposigoes-regi-
mentaes. (Apelados).
O ragimenio aa cmara diz que qtralqner assnnrp-
to qca submettido a ama comrni sio, qoando
volla a' mea rom o respectivo parecer, enlra logo'
em diseossii, e ce nineoem pede a palavra, caso
em qnn flea adiado (alvo- nrgeneia pMtda, como
actoalniente), procedes* hgo i soa vntaeio, por
mais Importante qo seja a materia. (Apoiados).
Assim se lem feito em trias as q-std>. anda
as de m*ior transcendencia. Logo, a cpn-ura de
preclpitagao nao ipnr o menor cabiraenlo na actnal
qoests ; e longe da ser o nosso proeedimento ntO'
pretexto para se acoimar a maiorla da cmara da
pracioitada e oossnMa de eotho>iasmp, pelo con-
trario serve para provar qne esla caraira continua
a proceder sempre de conformidade com as snas
di.'Dosig"** rpfi-imeDtaos. (Apotados).
Quanto an sirnndo fnndameoto de eo o privi-
legio de denotado do Df. Pllalo Henrhjae de Al-
meida esrava extinefo na poca en qn se dea o
facto oa c- processo, direi qae o nobre depntado nao
foi precisamente claro ntseoponto.
O nohra- denotado, me parare, qae ao enunciar a
qnestao nio precisoase com effaito o orlvlleglo do
depnlado abraage tao-semeMa a poca-em qoe se
commetten o facto criminoso en se tambem vigora
na necasiao do processo qoe se faz twr es'e ffeto,
anda qne i esteja fra do periodo CADStitnrlonal.
Corao, eois, o nnbre depotado n3n nos expoz a
soa npin'So claramente era relagioets dnas
bypotheses, rnmorp-me encarar a questlo segando
a exposigio qn cnn*ta dos docomentos qoe foram-
presentes*" rommisse, o a onlniio do nebro
depntado conforme- a pode apaobar e compre-
bender.
Dea se o facto. Sr. presidente, qoando anda o
Dr. Filinto Henrijoe de Almeida era deputado.
(Apoiados) S. Exc. nao contesta isto ; mas diz no
na occasio da pronuncia da relagio ja o Sr. Dr..
Pilllo nao era depntado, e fundamentan esta sna
asserceo observando qae ja nesse tempo a eamara
dos Srs, depotados traba verificado os poderes dos
novos eleitm pela, provincia da Parahyba, e nelo
meeao districto qoe representoa s Dr. Pilrato Hen-
rlqae de Almeida.
A doatrioa da- S. Exe. nova,, nunca vista, nan-
ea aoreseotada por publicista algum. (Apoiaos).
S. Exc. faz dependente a duraaao do mandato do
depntado de orna sessao preparad ra, de ama bast
incerta e vaclenle ; da' ao depnlado da provincia
de Pernambuco o mandato estendeodo-se, por
exemplo, ateV o da 26 de abril, ao da S. Paulo al
o dia 27, ao do Minas at o dia 28, e assim a todes
os ootros, sen dia difieren*, conforme a sessio em,
que sao verificados os seas poderes.
De sorto qne, Sr. presidente, o mandato, e, pea-
K5SSSSiaS"555SE2 ff*M-sa SMSKKr!K
m nte suspender os eSeilos da pronuncia ames
de se baver lomado eonbecimento da seoienca que
O Sr. Olmario :ff lio competente para isso
illacio d;. sessao, mas jasiamente da eomo a reacau; sio corporacoes distnctas e iade-
venfleaco deases poderes, Isto do aclo da cama- pendentes; uma nao est subordinada outra; um
rpelo qual recouuecida e proclamada a regtt- ramojo poder legislativo nao pode pretender an-
landade da eleicio e 1 legitluadade do mandato. onllar a acgo do poder judiciario. A relacio o
confrt4Q ao novo, rtpi eseniante. 'wibaoal coiRpeiwle para evohecer JOS orlmes de.
a decretou. Nao do ceno aa constiunca que
se Arma a intelgencua qae vejo sustentada neste
momento.
E quaes sero as providencias de qua possa
langar mo o govarno para eumprir o parecer 7
Pois na de o poder executivo invadir a aleada do
poder judiciario para declarar aullo um sea acta,
para invalidar uma sentenga que passoa em jal-
gado ; para destruir os effaitos de orna pronuncia,
repondo o pronunciado no lugar de qae foi sus-
penso f
E ludo isto far sem que a questao preliminar
de competencia, sem qoe o Invocado privilegio le-
nbam sido reconbeeidos e iolgados, na forma das
leis em vigor T Nao o espero ; a garanta oreada
para resguardar a delegagao legislativa da sobe-
rana da nagao, a inviolabilldade instituida a bem
da Independencia legislativa contra os abosas qoe
porvenlura a araeacera nao pode autorlsar abusos
ainda maiores do que esses que a le qulz corri-
(Ha monos apartes.)
Mas vejo que perdido todo o mea esforgo, nao
devo insistir; a maioria o quer, e, as votes do
seu entbusiasmo abafam o protesto qoe eu agora
lavro contra nma medida qua. bem de frente al-
ienta a independencia do poder Judiciario.
A experiencia de lodos os das no-lo diz; im-
posslvel desviar a direcgo qne torna qualquer ne-
gocio, quando se dio as circumslancias em que
ora as acharaos; resolva, pois, a cmara como
entender. \
Usir Voz:E' a mesma qneslio do Sr. Uoreira;
nao questao de maiorla nem de minoria. (Apela-
das. .
O Sr. Olegario:0 parecer da commissio so-
bre o Sr. Moreira passoo desapercebido na cma-
ra ; nao den motivo a discusso ; nenrucaa ques-
to se agitou a sen respeito ; s se teve della co-
nhecimento pelos jornaes, no dia mmedialo ao da
sua apreseotaco e leilura, como sempre, ouvida
por pohcos ; aiem disso a questo era diversa,
nio se davam as mesaras raies qoe ora militara.
(Nao apoiados.)
O Sr. Correa das Nives: A nica dlflerenga
i e.ta; entao tratava-se de am medico, o agora
de am juiz de direito.
O Sr. Olesario:Mal orna razio para que se
pronunciassem a favor os juizes de direito. Con-
viria, no meu ver, avarignar se ao tempo em que
se dea o facto sobre que versa a pronuuoia 4" es
Uva approvada a eiejqo nltiau a que ie prcoe-
I novatreata eleitos, quer em relacao aos que findam
a sua mi=sSo poltica, nao s comega e acaba em
das differmtes, como, o que mais nntavel, par
ons lorna-sa m'S extenso era seu periodo, para
ootros menos duradouro. as fleam privilegiados
poi nm tompo malor, ontros por om ten>iw mais
cario. O a, esta serie de absurdos nao se pode ad-
mitir. (Acoladas).
O Sr. Olegario :Eo bo disse isso.
O Sa. Epaminondas :Se nao disse, ao menos
argnmentou com a mesma base qae tomnu a
relagio, a da verifleacio dos poderes dos novos
eleitos.
Sr. presidente, a immunidada on p-iviiegiado
depotado, qnanto ao lempo que dura em seu mwiro
vigor, nao assampto, que para ser bem eoupre-
hendido, neeesslte de maior ou menor agudeza
de engenbo, de ialelligeooia mais 00 odos robas-
la e esclarecida, a para ssa daterminacao aio In-
dispensavel pesqnitar e invocar os grandes
principios do direito constitucional, oa sua pbiioso-
pbia.
A daragao deste privilegio asta' expressameo
determinada na conslitnigio do Imperio, e fra a
constiiuigao nada se pode invocar para o restrin-
gir, nem ser alterado. (Apoiados). Diz o art. 17 da
constiluico : 1 Cada legislatura durara' qnalro
annos e cada sessio annoal quatro mezes Du-
raste quatro annos nio interrompidos, nao dimi-
nuidos, nao restriogides, nem ampliados, e depnta-
do lem o seu privilegio intacto, as snas mronnida-
des em pleno vigor; ninguem Ib'as pode recatar,
(Apoiados).
Qoando comegam os quatro annos 7 qoando Ba-
dana os q atro annos 7 questio nova 7 questao
qne ningtiem sabe 7 ha precipitacio em dize-lo, em
declralo7 nio esta' assentada na opiolio dopu-
blicistas 7 nao esta' na conslitnigio expressamente 7
nio a 3 de maio qae a coostituco no sea art. 18
manda qae comeo* a legislatura, e por oonseqoen-
cla nao devem Andar os qnalro annos em 3 di
maio 7 as sessoes preparatorias lio ie legisla:
verificar poderes nio legislar : a legislatura 1
meca depois da cmara coaslioida e
sessio solemne,
(CotiiMwr-ie;
TYP. DO DIARIQ-RUA D
f


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E8FMLY89Y_3HMH07 INGEST_TIME 2013-09-04T23:33:26Z PACKAGE AA00011611_11399
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES