Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11389


This item is only available as the following downloads:


Full Text
J


.



t>
ANNO XLIII. NUMERO 232.
PiB i A. CAlH 1L. B (,UU lUt* U.YUE NAO FAA POMH.
p9P,lrseiMi(fiiam.,. ...... ."....... 60000
Por seis diles Mea.. .: .1 .] .1 .. .1 ...].- ,i ,. 120000
Por m-iw 4m.. .i .] .- .i ., j ,j #J #1 ,, ,5 ,, .. 24^000
Cala ujaars.aruls .,j ......... # j 320
m*m>m QUARTA FEIRA 9 DE OUTUBRO DE 1867.
si
PABA DBNXBO E FUB1 Ul PROVINCIA.
Pr tres en idiaitato.. ... .-. ,. .
Por Mis din* dem. t...........................
Por nove ditos idem.....
Por anao idea.. S! ..


"
6750
11*500
26*250
27*000


A8aa^K"2a um ipmhaiibkbi b29 ass pa?s2affM!H)3
,E\GARREGADOS DA SUBSCHIPQAO.
Parabyba, o Sr. Antonio Alaxandrnu de Lima;
Natal, o.Sr. Antonio Marques da Silva ;Aracaty ,
oSr. A.de Lemos Braga; Cear, o Sr. Joaquim
os de lliveira ; Para, os Srs. Gerardo Antonio
Alves & FUhes ; Amazonas, o Sr. Jeronyrao da
Costa; Alagoas.o Sr. Franrino lavares da Costa;
abia, o Sr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro,
o Sr. Jos ibeiro Gasparinbo.
partida dos sstapktas.
Olinda, Cabo, Escada e estarces da va frrea at
Agna Preta, todos os das.
Igoarassti e Goyaooa as segundas e sextas fefras.
Santo Anto, Gravar.'., Bezerros, Bonito, Caruar,
Altiaho, Garanhuns, Buique, S. Bento, Bom Con-
seibo, Aguas Bellas e Tacaran!, as tercas-feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Liraoeiro, Breio, Pesqoeira,
lagazeira, Plores, Villa Bella, Cabrob, Boa-Vis-
ta, Ouricary.Salgoeiro e Ex, as quartas /eiras
iSeriobaem, Rio Pormoso, Tanandar, Una, Bar-J Primeira vara do civel: tercas e sextas ao meio
reros, Agua PreU e Pimeateiras, as quintas I dia.
feiras. I Secunda vara do clvel : qaartas e sabbadej
f i ocra da tarde.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNALES DA CAPITAL-
Tribonal do commereto : seguidas e quintas
Relago : tercas e sbados as 10 horas.
Fazenda : qa/otas s 10 boras.
Jalzo do coajajere/o ; segandas as 11 horas.
Dito de orohos : tercis e sextas s 10 horas.
EPHEMERIDES DO MEZ DE OUTUBRO.
5 Quarto cresc. as 3 h. e 23 m. da t.
13 Loa cbeia as 10 h. e 32 m. da m.
21 Quarto ming. aos 17 m. da m.
27 La nova as 10 b. e 11 m. da m.
DAS DA SEMANA.
7 Segunda. S. Marcos p., S. Angosto presb.
8 Terca. Ss. Demetrio e Nstor mm.
9 Quarta. S. lnonysio b. m., S. Luu Beltrao.
10 Quinta. Ss. Eulampio e Eulampia irs. mra.
11 Sexta. S. Nicacio b. m., S Samatra.
12 Sabbado. S. frisclllano eDomnioa mm,
13 Domingo. S. Hugolioo m., S. Samuel.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 10 boras e 4-m. da manha.
/Segunda as H boras e 19 mnalos da tardo.
PARTIDA DOS VAPORES COsTEIROS.
Para o sul at Alagoas a 14 o 30; para o nori
at a Granja a 15 e 30 de cada mei; para Fer-
nando nos das 14 dos mezes Janeiro, margo, mar
julbo, setembro e novembro.
PARTE OFFIGIAL
numero de barricas. (Nao conveniente
encber logo as pipas de concreto ainda quen-
! te, porque o centro da massa estriara nesse
O Dr. Joaquim Francisco de Farla, comraendador caso de vagar estragando-se-lbe a cor 6 a
da ordem de Christo, con^go honorario da im-jqualidade )
penal capeiu, lente jubilado de tbeoiugt, deo a. cor do que acabamos de receber opti-
da sania igr.-ja Catbedral de Olinda, deputado a nhcervari ra tahull sejninte
assemhla geral legislativa do imperio e vlgario a como se ODServara da taDeiia segulDie .
capitular da diocese de Pernambuco, sede va- Comparacao da materia colorante na solu-
esnte.
A tolos os Rvms. conegos e sachles deste
iisoado, s te e paz em o senhor.
Di C'uf"r.Tiidade com o alvar*' das ultimas fa-
culdads de 14 de ab ti de 1781 concedido relati-
vamente ao< concursos e tnpostas dosbneficios
vagos, confi-mado pela imperial resoluco dg 4 de
julho de 1820, cora o decreto de 19 defrUfcnl de!
1842, e mals ordeos imperiaes, abro co xnn pelo j
p.resente edital para a cadeira de prebenda intuir
da Cathedrai de Olinda qut se actaACtoalmente
vaga pelo fallecimenlo do respectivo prtrprietario, e
bem a.-im a resolta da meia prjoeoojfaem vir;a-
i do decrMo de 20 de setembro de reik.
TodvS o "Rvm<. cooeg'is e sacer lotes qinqai-
zereoa coucorrer, apr>entem-se dentro de triota
tlas, contadas da fuaco do prejente edital cora os' raesma ocoasio,
seus regurmenlos instruidos das babilitagS^s exi- .. conrrp,n o,.; ,artp(5 rip n a,era
gidas pe,o relrr.do alvara' e mais documentos que s
cao de concreto, e amostras de outros as
sucares vendidos ltimamente ; sendo
igual a densidode das solucfes: n. { de
Bengala, vendido cm Londres a 28[U por
qmtitt'il direitos pagos 45 parles de mate-
ria colorante.
2.Natal, vendido em Londres a 27|0
por quinto direitos pagos 4o partes de ma-
teria colorante.
3.Pemambuo, vendido em Londres
a i8|9 por quinto sujeito a direitos 36 par-
tes de materia colorante.
4.Mei de Belvedere, Antigua, feito na
e com igual caldo com que
1 "iJ-%speclivo
de outobro de
peiO
i Be* flierem a bem; procedendo tambem as a-
onas iuforraacoM particulares de vita et moribus
e f^ito o concurso propjroi a Sui Magesiade o Im-
perador, tres dos mais benemritos e dignos, con-
formo os sagrados cao mes e concillo tridenllno.
Dado oesta cidade do Recife sob o meu slgnal.
. sello capKolar e regisirado no livx.
da "li incellana egclejastiea2.'.a
867. -/^
E uj-fliire Jjaquim da AssampQao, escrivo
"a ^rasra ecclesiastlca o subscrevi.
'"^ Deao Dr. Joaquim Francisco de Faria,
vig.rio capitular.
Logar do sello.Assuuip$ao.
- E mal pelo qual manda S. Exc. Kvma. por a con-
curso as epeiras vagas da Catbedral de Olinda. ,
Para V. Exc Rvma. assignar.
EXTERIOR.
FABRICO DO ASSUGAR CONCRETO.
(Conliouagao)
EM 27 DE AGOSTO DE 186*5 0 Stt. BCRN3 DIZ O
SEG01NTK
(Registro Semanal da Antigua)
t Oiiservamos que, embora os pedacos
de concreto feito com caldo inferior endure-
cessemeesfriass9m.com rapidez, todavii,
depois Je estar exposto ao ar por um ou dous
dias, es^ecialmeote se o tempo eslava hmi-
do tornavam-se molhad-is na superQcie, e
gradualmente iam amullecendo e esfriando
<;ti sbu IoJl, ma8-66Q derreter, nem d^itar
de si cotisa alguma que parecerse mol. O
concreto em quantidade nao parece soffrer
essa mulan;a, a excepto da superficie ex-
posta ,ao ar. e ainda que isso acontefa, a
humid'ade nao Eiostra penetrar mus de meia
pollegada. Creio comtudo, que o melhor
acoudicionamenb o dos cascos de madeira.
Temos alguns tarros redondos de madeira
como peneiras de tres pullegadas de fundo
c pouco m ores em diaoietro que a cabera
de urna pipa. O concreto, que vara elles
corre endurece promptameute, e qiando se
retuove para as barricas urna especie de
crosta que oceupa todas as bordas e deste
modo ludo cjuverte-se em solida massa Por
usar de tarros circulares empregamos menor
colorante.
5.Havana, vendido em Londres a
23[0 sujeito a direitos 25 partes de materia
colorante.
.r-ft.-'Bbm da Antigua, vendido em Li-
verpool 31|0 direitos pagos 2o partes de ma-
teria colorante.
7.Concreto.............. lo partes de
materia colorante.
A soluco do concreto assemelbava-se a
sueco de limo maduro, a do assucar de
Bengala agurdente escura.
O concretor em Antigua, anda que mon-
tado de pouco tempo, e nicamente com um
trabalbo de seis horas e meia em cada ex-
periencia produzio concruto na razo de cer-
ca de 7oo libras por hora quando o caldo ti-
nba a densidade de lo." B.
Quando o apparelbo se conserva firme em
servico seu effeito maior. Os concrelores
que agora se esto lazendo, ainda que execta-
meote idnticos em principio, sao um pouco
differentes no fetio dos que trabalham em
Antigua, de muito maior forca; tamoem ha
mais facilid -de para arma-Ios. Est perfei-
tamente entendido que os que se fizerem
por encommenda sero do novo modelo.
do vacuo para completar o processo. O con- Para o de grandes proporcoes, 7i ps de
centrador perfeitamenle idoptado para a comprimento e 22 de laruwra.
concentracSo do sueco da beterraba. Os Para o de tamaaho medio, 56 ps de
tarros sem os esquentadores e o cylindro cumprimenio e 19 de largura.
Para o de pequeas dim;ns5es 37 ps de
" de largur*.
s levatu marcas para se
e. As plantas de assen-
s pelos constructores.
bal ha melhor esse machi-
cumprimento e
Todas as par
armarem facilm
lamento sero
as Aot-luas
pouco servem, visto cymo todo o damno
feito no caldo, pelo velho sys'ema tinba lu-
gar qaasi no fim do processo quando eslava
mais denso que ao deixar os mesm s tarros.
E' por completar a evapjrcgo em baixa
temperatura, sem a complicaco e a difficnl-
dade da operacfo do vacuo ijue invento de nismo, collocada fornallta com a bocea para
que tanto temos tratado do um valor espe- a parte do ento. O caldo deve ser supprido
cial: como a ultima parte dt concentrado de urna cysterna ura a qual corre dos clari-
effectua-se perfeitamenle pelo calor super- ficadores, onde tem sido aquecido sem cal,
abundante da forndha c consideravel a eco-' e a escuma tem sido tirada,
nomia do combustivel. Nao pode ser pro- A parte funda da cysteroa deve estar col-
pellido seno por seu propno machinismo. locada seis ps cima da casinha do con-
O calor da for.ialha de todo absorvido, de cretor.
Deve-se usar cjmo combustivel de bagaco; 89o a?.
sorte que nenhum sobra iLesmo para urna
ca deira ou crivo E' melhor que cada um
tenha a sua cbamio.
O concretor pode tambem servir para dar
ponto de cosimento do asscar at prova
ciara, segundo o systema commum. Os cys-
taes n'esse caso extrabem-se do xarope ex-
purgado em formas, ou pela machina cen-
trifuga.
O concessionario do previlegio nao per-
ceber por contagem aidicional ai cusi do
appirelho.
Emquaato acerca do xito da invenco
nao se desvaneceu toda a duvida, houve
combinagao para declinarem a execugo de
qualquer encommenda, mas agora ebegada
a opportunidada em que os Srs. Manlove,
Alliot & C, de Nottingham, aicos fabri-
cantes, teem permisso para acceita-las. As
ordens, comtudo, podem sor dadas por in-
termedio de outros quaesquer fabricantes
de mac linas adaptadas ao fabrico de as-
sucar.
Todas as pegas do citado apparelho sero
feitas por partes afim de que qualquer con-
cert seja praticavel com seguranza e pres-
teza.
Os precos dos concretares, postos na
agencia da companhia da entrada de ferro
de Nottingham serao os seg jiote:
De grandes proporcoes, para-tazer looo
libras de concreto por hora de caldo lo'B
secco.
Um tubo de polegada da proprta ealdei-
i a que forriece o vapor para a moenda dar
tambem vapor sufllciente ao machinismo
d'um concentrador de gandes proporcoes.
Um tubo de trez quartos de pollegada
bastante para as machinas dos melios e pe-
queos. O concretor, differente dos appa-^
reinos de vacuo, esl completo sem gran-
des caldeiras a vapor, ou machina com for-
ga de produziro vacuo, e bombas d'agua.
Desta forma em seu custo primitivo um
dos apparelhos mais baratos para a concen-
trago do caldo da canna sem perda algunna,
assim como o mais simplificado, e econmi-
co e efficaz em servido.
Ver-se-na que de grande valor abando-
nar o velho metnodo da Jamaica onde se usa
p
I
EETIM
D. BRINCA DE IANZA
REGOil)A(;.0S DA CORTE DE FELIPPE II
ftoiuaace histrico original
Por E. Fejo de Mendoza.
dem tamanlio medio para fazer 5oo libras
de-concreto pw hora de callo W Wo s.
dem pequeas dimen6d.i, para fazer 2oo
libras de concreto por hora de caldo de 1
B 36o s.
Cada um ser completo ; nicamente pre-
cisar dos ali erees commuos de alvenaria,
e de lijlo prova. do fogo, para guarnecer
a f /rnalha e boeiro. Inclu os tarros, cy-
lindro, fornalba de ferro fundido, barras
pira o fogo, esquentadores. chamihi, ma-
china a vapor, bombas para o liquido, tan-
que, thermometres e saccarometros, tubos e
torneiros; e da sobresalenie um tarro, bar-
ras, alguns tubos tsquentadores, tbermome-
tros e sacaromr.tros.
Para sua colloeago e arranjos, requer-se
o espado seguiute:
(Contihuar-se-ha.)
PERNAMBUCO
REVISTA DIARIA
Amaoha reune-se o Instituto Archeoloitlco e
Geographico Peroambucano em sessao ordinaria.
No da 20 do correte festejase, na matrii
desta freijuena de Santo Antonio, o archanjo S.
Miguel com todo o lotiraeoto proprio do culto.
Foram Doeados o Sr. Joo de Albuquerque
Barros GuimarSes capito e o.Sr. Jos Gomes de
Freitas lente da seceso de reserva n. 2 de Pai
d'Albo.
O Sr. Dr. Francisco Jaeintho deSaropaio, pro-
fessor de latim do Gymoasio, otJereceu 5 por cento
de seus veocimentos para occorrer as despezas da
guerra.
E' urna prova de patriotismo, digua de todo o
elogio, a qual por unto aqu consignamos com sa-
lisfico.
Foi designada a 3* domioga deste correte
mei para a renpi) do conselno de revista do mu-
nicipio de SeridDem.
No mez prximo flodo, vericouse eilslirem
os segnintes saldos na thesooraria provine al, as
dilTereotes cama-, que formam o movimeoto das
respectivas receitas e desoezas :
Receilageral de 1866-67. 17:130*079
Recolta geral de 1867-68. 6V.409*304
Depsitos ................ B8:8iO7h9
Calcamento 'd* 1866-67... 5:608*662
Calcameoto de 1867-68... 992*170
Emissao de ttulos da divida
provincial.............. 38:000*000
FarJmenlo de polica..... 3:624*220

659:0tio*X0i
Des.i importancia existe em :
Dfnheiro................... 170:338*191
Letras..................... 270:324*013
Accoes...:................. 180:143*000
Ttulos................... 38;0O0*O0J
659:005*204
i
Pois bem, Roque, sero
consequencias te has de rir pela sua graca.
Conhece-lo ?
O Sr. duque nao me fornecea pormeno-
res, nem eu lh'os pedi, como podes sup-
pur.
E' claro,
tuas as cartas.
O escudeiro esfregou as mos cheio de
alegra.
J somos felizes, exclamou enchendo
para a joven um copo de vinho. J pde-
la Al 11 I mos chamar-nos marido e molher, e... Oh !
Rcdemp^o pnrjamor quanios invejosos vamos ter.
LIVRO III Deus o queira, Roque, exclamou Ma-
tiaaicvo ria exDaian(1 om suspiro, porque apezar de
-ditit n 'iv ludo n3 se aebava lraQqailla-
L.AfiiuL.v i*. pois D-l0 0 na e querer ? exclamou
A hospedara O Cuerno de Oro. 0 escudeiro levanlando-se. Dos quer tudo
(Continuaco do n. 231.) o que bom e nao creio que Ihe tenhamos
Porioverosimeisque estas ultimas pala- fallado em alguma co^sa grave. Mas me-
vras devessem parecer Maria, certo que nina, vamo-nos. J deram Ave-Manas, e
acabaram de a convencer, porque deoots de acompaolur-te-hei at perto de tua casa para
urna certa resistencia, venceram a hua vai- que me entregues sso.
dade, e o seu amor os seus deveres, e disse ~"^a?
a Roque sorrindo-se : ^^ mais ced m as,, deres. mais
Teoho a cabeca transtornada com o cedo voliam ao teu poder. Alem de que,
om me tens dito, mas vejamos se te posso nao me disseste que tua senhora est alguma
entender. cousadoente?
Falla Mtria ~~ '-''sse.
Se e' te dou as cartas do cofrezi- Pois que melbor occasio que esta ?
uQ Maria convenceu-se com esta reuexo,
's cartas e tudo o que tenha dentro, levantou-se, deitou o manto sobre a cabeca,
Bem, seja assim. Ss te dou esta nou- e sem^dizer nem urna palavra, pois que
te amanha pela noute devolver-me-bas emoco que senta era mudo viva, sahio com
tudo sem faltar nada ? Roque da hospedara.
Sem duvida. Maese Peumo tirOu o seu histrico bar-
__E se faco isto casars comigo 1 rete quando passaram por diante delle, e
Antes dequinze dias, Maria. Pois inclinou-se gravem ote como poderia faze-lo
nao o ostoudesejando Unto como tu ? em presenca dos personagen3 mais Ilustres.
Bem bem, Roque ; sei que me que- Roque e Maria continuaram atravessaudo
res raa> d'exa-me proseguir as minhas algumas ras, sempre silenciosos, at que
per'guntas. Em premio da mjnba condes- chegaram a urna roa em cojo extremo se
cendencia'o Sr. duqoe pagar as iespezas achava situado o palacio, em que habitavam
do nosso casamento? os dous nobres aragonezes.
__ Todas. Ento Mana parou.
E dar-nos-ha alguns maraveds de Espera-rae aqui, disse a Roqae com
our0 ? voz convulsa de emocao, nao quero que
-Jm'osoerecea. ..- Denhaal Pa8em nea escudeiro veja que
Enomear-te-ha administrador de qual- me acompanhas
quer das suas proprieddes ? as vais buscar o cofrezmho ?
Com certeza ~~ cofre Por1ae e de PraU
E terecos criados ? gaer0 dizer' ae coalm-
Nnuralmente. Mas onde vais ter com Sim, ja.
tanta pergunta i Pois espero.
Necessito animar-me e recordar lado E Roque se separou de Mana, pnnc.p.an-
isto pa-a me resolver a engaar minha ama. do a passeiar com os modos mm distrahidos
Nao sejas tonta, Maria ; om engao e indillerentes deste raaoao. .
nno^onta n, -mn^ conheceres is suas) Decorreu um quarto de hora, meta hora,
Nao dirs que fil-
minha. Eu t'o
A despeza no meaio mez foi de 268:421*^82,
lendo sido de 271:647*596 a receita, sem conside-
rar os aldos anteriores do 655:778*887.
Tend o Sr. Dr. Ancrico Nelto de MendooQ
chamado a' responsabilidade os editores deste Om-
rio allm de apresenlarem em juizo devidameotp
legalisados ir8 arligos nelle publicados e asMgna-
dos pelo Sr. Alejandre da Costa Silveira, tizeraos
sentir este senhor a necessidade de assignar
ai|ulla responsabilidad em dous dt-sse^ arligos, e,
teodo recebido em regosta a denegigo desta, re-
listramos aqui est^ fado sem ommeotario?, dei-
e Maria sem voltar. O escudeiro comecava
a impacientar-se e a sua satisfagan a desap-
parecer, receiando que a aya tivesse desisti-
do no raometo supremo.
O seu temor, no entanto, nao durou mui-
lo tempo. Em breve divisou urna rauler
que se Ihe aproximava precipita lamente, e
logo reconhecen Mara.
Toma, Ihe disse esta eotregando-lhe
um pequeo embrulno, aqai est tudo o
que encerrava a caixa.
tei minha palavra.
Nem lu que falto
prometi... t'o juro...
Ah I se me engaas, replicou a joven
com lagrimas nos olhos, maldito sejas e
maldito seja teu amo.
Amen, accrescentou Roque, qne nao
era muito crdulo em questOes de maldi-
0es e de anathemas.
Ento, e como amostra do seu ardente
amor, ia para beijar a mo de Mtria, como
faziam os cavalheiros s dimas ; mas a jo-
ven, quasi solucando, aflastra-se j delle,
dirigindo-se rpidamente para o palacio dos
seus ^enhores.
Roque comecou a rir.
Pobre rapariga raurmurou, nao me-
rece certamente ser engaada ; mas na) nas-
ci para casar, e o senhor duque nao quer
casados ao seu servico: Pa ciencia e alegr-
mosnos com a recompensa offerecida, por
que anal
O ouro diuheiro
E a mulher nao o .
E lomando a dar outra gargalhada, des-
appareceu por urna das prximas ras.
CAPITULO V.
Pruneiras nuoens.
Decorrera um mez depois dos ltimos
acontecimentos.
Branca de Laquza passon qaasi todo este
tempo no leito da dr, e quando principia-
va aconvalescer, recebeu a mui triste no-
ticia de que seu paise aciava gravemente
enfermo.
da
xando a' apreciaco do publico o procedlmento do
Sr. Sllveira.
Os dons primeiros arligos do Sr. Silveira, bem
qoe estejdin escriptos em leltra que nao desse
seobar, esto todava por elle assignados como ser-
nos-ba fcil provar fazendo recoobecer a Arma ;
quinto ao lerceiro tomos mais avisados exigiodo
antes da sua publicarlo a necessaria respon>ablli-
dade, que servirqos-ba pa~a provar em julio a
procedencia dos dous primeiros, que tem as datas
de 27 e 28 de setembro prximo passado.
Procedim?oto como o do Sr. Silveira faz?m por
s sos a apologa de quem as pratica.
Cbegoo bontem, em viagem para o Rio de
Janeiro, o vapor francez Vilte de Buenos-Agres, de
322 toneladas, pertencente a' nova companhia de
vapores de Mars-lba. Uestina-se s viagens entre
o Rio de Janeiro e Montevideo.
Nao foi portador de jornaes.
Foi hontem o dia mareado para a recwpco
das propostas para a conferco da e-tatistica da
provincia, sobre as bases ltimamente publicadas.
Apenas houveram duas propostas dos Srs. Drs. An-
tonio de Yasconcellos Menezes de Drummoud e
Jos Joaquim T*vares Relfort.
O prazo marcado pela presidencia da provin-
cia, para demarcacao das trras sujetas a legiti-
mario e revalidar-ai, no municipio do Bonito, fu
prorogado por mais quatro mezes.
Para conclosao ds respectivas obras, ol
concedida proroeaQ.io de 8 mezes ao arrematante
do t" lango da estrada de Goyanna, Lniz Francisco
de Paula cavalcanti de Albuquerqne Lacerda.
Os Srs. M libias Ferreira do Mello e Galdino
Alves Barbosa foram oomeados 2' e 3 suppletes
do delegado do termo do Bonito.
As noticias, de qoe foi portador o vapor Po
tengi, da Companhia Pernambucana, alciocam de
Snrgipe a 29 do passado e de Alagoas a 4 do cor-
rente.
Falleeeu em Sergipe o gerente da Companhia
Sergipense, alteres reformado Jos Pereira Gul-
mares.
Foram presos na Capella Francisco Jos Guedes
e sua mal, como pronunciados em offensas physi-
cas, praticadas ba mullos annos.
A alfaodega rendeu de 1 a 27 do passado.....
5:677*156 ris.
Em Alagoas acbava-se fuoccionando, em sessdes
preparatorias, a assembla provincial.
Faz-se mlster qoe ractiflquemos a noticia qoe
hontem aqu demos sobre o Concretor. A fuodicao
Bowmao, a' ra do Brum, ^nao tem o apparelno ; ,QVeSMda^eMs""iMTreHi."
Em 19 de agosto, entre as oito noze horas
noite, consuiorrou se, na costa ol a i|r. de
Creta, um excei ente feito d'armas martimo de qoe
os joroaes Irao>ees il-ram apenas o resUado fi-
naleocalnou e loi neeoiiadoo A'cadwn. Um
acaso feliz, ou aules urna benevolencia particular,
nos permute commuuicar aos no-sos I -u .res as
iaformacoes exaiiis, qoe nos foram ir^osnutidas
por urna testomunba ocular do acoulccimesto.
_ i Como >. b.d i, o Arcaiion era um rSMt na-
vios proprios para forjar os Dloqoeios, que se co-
mecaram a u.-ar por occasio da ultima gaerra da
America, e cuja constrcelo se dedica a preparar-
Ibes om andamento eicessiv. mente rpido. O Ar-
cadwn lloha sido construido em Inglaterra ; o sea
casco era de feno ; a machina, de um poder coa-
sideravel, punba em movimeoto rodas de um gran-
de desenvolvimento. Eslava armado com qnatro
pegas raladas. A sua misso toisistla em levar
vveres e mooic5:t.s aos insurge, t crelens-s, e ti-
oba at ento conseguido engaar a vigiunoa, ou
distanciar a curnda dos cruzadores ture s. Mas
eslava escripto no livro do destino, qne elle havia
de encomiar um da com quem se enteole-se.
Havia algum tempo que tioha eoeg ido n,y-le-
riosame.e a' co-las da Creta um yjchi 'la recreio
perteDcente ao ftlho mais velho do saHae; rhamiva-
se IzzeJin. (.om as suas formas elegantes, o Hit
din uissimulava hbilmente urna graoJe I :n ;
alm disso era tripulado por urna equipag^m esco-
Ibida. O Izzedm como o Arcadion, de coos'.roe-
go iegleza : o seu casco de ferro, e a sna ma-
china de rodas.
O Izzedin eslava armado provisoriamente coro
duas pecas de pequeo calibre sobre o castello de
prO.i, e de quatro pecas mediocres de biteria de
cada um dos lados. Quanto a reltcidade, os dous
campedss batiam-se, por isso que ambo tioham
atravessado em duas boras urna distan la de 30 a
36 milbas, o que demonstra urna velocidade de 15
a 17 nos, durante aquella orrtda notavei.
Aoies de dar notieia desta corrida, qoe faz a
maior honra ao vencedor e ao vencido, d-vemos
mo-trar que ella se realisou a' vista da fragata
frmceza La Rinomme, espectadora desioieressada
do combale, e de duas fragatas turca, orna eoura-
ada, com o paviino do capitao-pacha', e uotra de
madeira e hlice.
a La Renomwe estm. a 19, a's oito hora3 da
tarde, fundeada piuximo da enseada de Koomelia,
na costa sul da ilba de Creta; no me.-mo ancora-
douro achava se o izzedin, que esperava a cnegada
do Arcadim- As duas fragatas turcas eatavam
tundeadas a urna dnzia de ambas mais ao oeste,
foinece apenas as informajoes de que possara ne-
cessitar aquellos qne desejarem possuir to til
innovayo.
Para satisfazer o Sr. Jos Antonio Ribeiro,
que bentem nos escreveu i edinao que declarasse-
mes ser ou nao S. S. o autor de um annuncio pu-
blicado neste Diario sob a asslgnaturaUm phile-
sopbo, declaramos que nao S. S. o autor.
Remettem-nos o seguinle :
Exista em om sobrado da rna das Urnzes, ama
menina de 12 a 13 annos de idade, qoe vai tendo
enmportamento deshonesto, e consta ser essa rae-
nioa da casa dos expostos ; convm, pnrtanto, qoe
os Srs. mordemos da Santa Casa tomem conheci
aento disso, e fagam recolher essa menina ao col-
legio, no caso de perteucer ella ao estabelecimeoto,
vi.-to que a d-na da casa parece nao procurar dar
educayo modesta tal meuioa, haveodo alm de
ludona mesma casa urna escrava, que, seDdo o
cumUiO da devassidj Do poupa o uso de palavras
as mais obceoas e injuriosas nao s na ra, onde
uo resuelta a nioguem, como inesmo na propria
casa de sua seuhora, o que deve coucorrer para a
perdigan dessa menina.
Numeragao do* bilbets da lotera 41*. olf-tre-
cidos pelo thesooreiro das loteras tiara auxilio das
despezas da guerra :
Bilnetes ns- 3267 a 3276.
N'oma correspondencia encontramos os se-
uintes pormenores do ctmbiie que houve entre o
Arcadion c o vapor turco Izzedin :
Tudo pareca revoltar-so contra os dous
irmps.
Joo de Lanuza correu a) lado de seu pai,
e pJe ter a consolado do o ver latar com
a morte at vencer. En ,3o, e como Bran
ca Qcra em Madrid quasi s, pois que ni-
camente Ihe fazia compant'ia durante alguns
momentos a irma de Antonio Prez, resol-
verse a voltar corle, m;is seu pai obstou-
lbe a isto.
NSo, meu filbo, Ihe iisse, niio tornes a
Madrid. Teiho sabido da corte cousas de-
masiadamente infames, para que consinta que
all permanecas, e h je mesmo avisa tua
irmSa para que se acn aqui com os seus
criados antes de quinze dias. Nao quero
estar por mais tempo separado de vos, por
isso que em cousa alguma se vos torna ne-
cesario hombrear com a orgulhosa nobreza
de Cistella. Alm disso eu sou muito ve-
lho e necessito que me ajudes. E's meu
herdeiro e preciso que vas aprendenlo a
conhecer a dignidade que todo o reino de
Arago confiou nossa familia, dignida-ie
em que has de succeier-me, e necessario
que saibas exerce-la.
Em pres-nca desta resoluco, Joo cim-
municou a Branca a vontade de seu pai, e
allucinado pelo ceg amor que dedicava a
Constanga, aconselhou que procurasse per-
suadir a joven pata que a acompanhasse na
viagem, ainda que seu irmo se oppozesse,
pois que urna vez em Arago nao se atre-
vera a reclama-la e teria que consentir em
que fosse sua esposa.
A ric# herdeira recebeu esta carta com
alegra. A sua permanencia na corte era ji
um continuo perigo para sua tranquillidade,
e sem a companhia de seu irmo nao poda
continuara viver all.
Nao Ihe parecendo de todo imprudente a
idea de Joo com respeito a Gonstanca, acon-
selhou joven que a devia segair se queria
chegar a ser esposa do seu prometiido, e a
pobre menina, que respeitava Branca como
se fra sua mi, acceden a tudo, dispondo-
se para aquella viagem, que tinba para ella
todas as apparencias de urna fuga.
A viagem, no entanto, nao pode veriQcar-
gB com a brevidade desejada, porque a en-
lermidade de Branca se aggravou com a no-
ticia da de seu pai, e a sua nova convales-
cenca era muito lenta e dolorosa.
A resoluto que lomara nao era em ver-
dade muito prudente, massim" precisa. Ha
occasies em que a prudencia ple ser um
mal, ou pelo menos intil, e urna destas
occasies era aquella em que se viam Bran-
ca e Gonstanca.
Electivamente, parte as consequencias
qoe poda, trazer-lbe o roobo da correspon-
dencia do Corsario e da carta de Antonio
Prez a D. Anha de Manioza, roobo que
Branca ainda nao conheca, acbavam-ie a
sos e rodeadas de immigos. O nico apoio
que podiam ter era o do secretario de esta-
do, e este, enlouquecendo pela princeza
entregra-se completamente tontade da
sua amanta e do duque de Alba.
A m disso, por muito falta de esperanza
t Pelas oito horas e meia, foi o Arca lien avista-
do pelo Izzedin atravez do libte de G >t/..>-Poolo.
Logo que o Izzedin .-aio ao seu enconiro pelas nove
horas e um quarto da ooite ouvio-se em trra a
fuzlaria e p uco dpois um tiro de peca. Os dons
campe<5es aoroximavam-se, e peuco oepuis, gra-
bas a excelltnteclarldade do luar, vio s? diMiucia-
raeDie, a pouca distancia urna da ootra as dua-
futuaradas. Os Uros de artiioeria suceediam-se;
ja' nao bavia duvida, o torco dava caga ao grego.
O Arcadion poz-se caca a oeste, uu o.ai mais
exactido ao nordeste, e o Izzedm caa vez se
aproximava mais; mas pelas oove huras e tres
quartos as fragatas turcas apparelharam para ir
cortar a passagem ao grego, que cinlinuava a ssr
perseguido pelo Izzedin.
Em quani) Uo soccedi, tinba La Renoinmee
levantado o ferro para ir assitir a licia; mas
para marcar bem a .-u manobra, e nao servir de
engao aos combtanles, levautou dous fares de
posiQo, e meileu a capa de les-nordese, de ma-
neira que deixru passar o cacad r e o cagado;
em seguida proseguio na sua de, rola para oe=te.
Pelas dez horas, as fragatas turcas tsiavam
em marcha. O Arcadion, leDdo p=rcebido aqueiles
dous lovos adversarios, iocIiqju a sua marcha
para o sudoeste mas pouco depois voltou rpida-
mente para o norte; manaba, mais que corajosa,
temeraria, por isso que oo s o co.locou entre
d.us fogos, a d" Izzedin e o das duas fragatas
turcas, urna dasquaesera couracada, mu tambem
que tivesse estado a prinieza de Eboli de
conseguir o amor de Joo de Lanuza, a via-
gem deste Saragopa, e as noticias que ad-
quirir de que elle j nao pensava em voltar
corte, acabaran de enlouquecer e aug-
mentaram em mais a sua colera, colera que
tioha que rebentar sobre Constanza Bran-
ca, que naquelles dias nao linham nem um
protector nem um amigo.
Ah I a mulher va e sooerba que s por
capricho ama um homem, em sendo des-
presada por elle, ternvel no seu aborrec*
ment pois qne qual sangrenta panthera
quizera devorar todos os seus ioiraigos. Por
isso molestiva contiouimente oastanct,
impediodo-a de ver e consolar Branca, e
para conseguir isto retinha-a a seu lado
com os mais frivolos pretextos, regostndo-
se no martyrioque proporcionava oven.
Antonio, novamente sob a graca d quella
digna corteza, era o seu servo mais hu-
milde, o seu mais submisso escravo. Ena-
morado delle com um pbrenesi que chegava
ao delirio, esquecera-se de todos os seus
despresos e os dous irmos tiuham nelle
um dos seos mais implacaveis inimigos.
. Pedro Fajardo, o nobre e digno mar-
quez de Velez, cooperava para todos estes
indignos tramas sem o saber, e s desejaya
ser o esposo da Jinda irma do secretario.
E' verdade que alguma cousa suspeitava do
amor de Constanza por Joo deLaouza, mas
nunca julgou que fosse urna paixo to ar-
dente a da joven, e muito menos em Jo^o,
o que pareca ser-lhe confirmado pela reti-
rada deste para Saragoca e pela sua decislo
de nao voltar a Madrid.
O marquez de Velez igaorava os oceultos
projectos do seu rival para se casar com
Constanza, e offuscado pelo seu amor, tinba
esse rico thesouro da esperanca que sempre
acompanha as gran ls paixes, e que se nao
perde se nao depois de muito tempo e de
multiplicados desengaos.
Firme nesta idea e obrigaio a permanecer
a maior parle do tempo em Portugal onde
ochamavam os seos deveres, aproveitava
todas as suas vindis a Madrid para pedir ao
re queresolvesse a questo do seu casa-
mento com Constanc* ; e Felippe II a quem
principiava*a aborrecer este objecto e que
linha oulras cousas muito mais graves em
que pensar, contentava-se em ouvir o ena-
morado cavalheiro, em Ihe fazer boas pro-
messas e em deixar corre; os das sobre os
dias.
Como os, nossos leitores podem conhecer
por esta ligeira arraco, a sitaicSo do no
sos personagens quasi que nao variara na
apparencia.se bem que no fundo daquellas
intrigas se ia condensando alguma cousa
que devia estalar com um terrivel impeto.
Passado algum tempo. Branca pode levan-
tar-se do leito, e es-reveu a seos pas e
irmo, manifestando-lhes que d'alli a muilo
poucos dias se poria a caminho, pois se es-
tava (reparando para a viagem, e ao mes-
mo lempo aconselhou Coastanga a que pro-
curasse occulUr aos seus immigos os seas
projectos, e at que os engaoasse se fosse
possivel c im urna fingida acquiescencia aos
seus planos e desejos.
Gonstanca era incapaz de ungir, mas
compreheodeu todo o valor daqueile conse-
lno, e violentando-se sorrio ao marquez da
Velez, a seu irmo e a D. Anna de Men-
doza.
Nenbum destes tres personagens suspei-
tou a mais pequea cousa, e. Pedro Fa-
jardo, louco de alegra porque jolgava ter
conseguido o apreco de GooUanca, tornoa-
se o porta-voz da sua belleza e das suas
virtudes, e abragava cordealmeDte o duqne
de Alba com o qual nao o ligavam as man
verdadeiras sympatbias.
D. Pedro Alvares de Toledo presanciava
com impassibilidade todas as piases por que
ia passaodo aquelle negocio, e nao tornou a
visitar B.aoca, nem mesrao teve a delicade-
sa de ihe enviar durante a sna doenga um
pagem que se inteirasse da sua saud \
Veio um dia em que o drama que se ia
pieparaado em silencio, ou como porea-
tras vezes temos dito, a tempestada que se
estava formaaJo, cbegoo a estlar com toda
a sua terrivel forca, porque para a goma
cousa se tinbam subtrahido Branca as car-
tas do seu amante e para alguma cousa se
subo mar a a sua aya infiel e va.
No dia a que nos referimos Mana sanio
de casa para all nao tornar, assostando
Branca, que bem longe de compreheoder a
verdade, receiava Ihe tivesse succedido al-
guma desgraca. _
Perto da nonte, e quando Braaca e toos-
tancaesiavam pondo em ordem um peque--
no cofre, no qual tiobam collocado as anas
joias.airma de Lanuza nao podeodo per-
manecer tranquilla com a ausencia da. sua
ava foi ao seu gabinete para conhecer se
follara; mas quando aM enlrava dea um
agudo grito, porque vio na soa (rente um
homem que seadiantot ate ella cwno se fufa
una v"is5q phantastica,
{Continuarseka,)
( MimiADO 1



liarla de Pernimbaoo Quai la telra de Ontabro de 1867.
1 ...-
"s oTrroduStt>t* nenbnm. **! Ano. V.ctorinadi Sooza? ,ppe,Udo
de qae pedia dfs|*r, teria dentro em Ppoeo_de se
5 appe liado,. Suppoe o Juntas, qjeeunecessilava mu- Dao proas leo en/jrroe a le, depois do q
AppelUnWi i- j iom_ j-, ^l..^ (^ trra* nnhlira oo,*oaacklQ e Ion f.ra' a devida justlca,
, o prior do P[ Q.!^ __., rTlSSr"^ vafea ?_____.._ tnrtn AfffB^AKjS!S^%V7Di pensa' Mm os P1"'03 do governo
Obkide I87 D* ningaem pede era nea* ierra. coaaOMar po-
passuwfciA ao ux. sb. dbsbhbabqaoob f*1?*0 polific \ labora -en a vesscja con-
ansblm francisco pbbbtti. | seguido murto antes ie- ser delegado das
horas da manhaa estando reunidos os
As dez
Srs. depotados Rosa, Basco, Miranda Leal faliand i
que es-
ftcan-
"i patala ana nao Uve a menor parle na denuncia
para imtentar a minha postcao poltica na. jg^toaxlstenie, e a provincia. Nao me abasto com tal Vupp"r> ] perante os tribuaaes e os magistrados qne triaos-
sicoi acbo-a mesmo Datural para.oiera-fil^ABMte\e &e descobrem as intrigas que uq
' poocas veies procurara escarecer o brilbo deslum-
brante da verdad
Jama negara* existir em meo poder a-apm-r-a
de lo cont* da ris pooco mais, como dii o 8r.
major, mas asseguto que nanea me fflra ella pedi
da, e s depois que se dora o julgameoto de nter-
durcao pelo joizo de orphaos qae recebi intima
cao judicial, para conciliar-me o entrega-I : por
tanto menos exacto allegar meo caohado, qae
oor essa Intimacao qne ful levado a promover a
soa intrrdicco.
Juign ter respondido a todas as partes da citada
correspondencia, nao com acrimonia e injuria com
(|oe (o tratado, mas com a conveniencia devida ao
publico, qae no- jalga, e a pisico qae oscapo, e
espero conservar, nao obstante a oaneira grossei-
r por qae fui tratado.
Recite, 8 de ootabro de 1867.
Joaqaim Mauricio Goncalves Rosas.
MOVIMESTO DO PORTO
de balatooresat cieatrizes.
. E' necessario recoobecer qae o
ha a bordo bons piloto?, por Isso que foi encalbar
na co>ta ero um ponto qoe tioba quasi a sna lar-1
canse qae dava apenas o sea cumpriroento; isto .
os elevados roetaedos, o occoltavam lio bero, qae
trras.
JNft.*T^^ Mas qoe pediste e sobredito lugar ao
ton era preferlvel encalhar, mesmo debaixo ao tdo ap,|eQle ^ j^,^ 0 El|D Sr. presQ8Dle dt. Sr. Mrquez de Olld, e O que contesto e
logo dos tres navios inimigos, do que correr par, cluaa 1DerU t8Mg5o contesto redondamente. O lugar (U-me o
T'voSndo P.r. o norte, o Arcaron passava ao \ ^ toi "* ~* **> ",ece- fenecido espontneamente pelo Sr. marquez,
alcance da artilberia da fragata cooracada t; rea, kxpboikntb. e eu re8e'tei i posto que, ao depCis de
comanndada pelo capitao-pachi, qne ibe dea ama 0fflc0 tQ Etm S(. pr9sl(leate da pro,OC|a d6 haver lido o reguamenlo da> trras, Ihe de-
tanda ; mas o grego nem por laso deuoo 'pro- ) do corrwj,9> commuoicaado para os tos conv. clarasse, que O acediana: e O titulo me
corar a trra, lenpre seguido Pe'iica*a^,.l"r5? | oleles liaver por portarla d'aqaella data declara- veio estando eu i em I'ern mbaco A ver-
ft costa. Eram ooxe horas e om tJWfto. Olafi da g.k Bsok of R|Q de Jaoelro como se ^ dade ebta. _
artilberia contiouoo aloda. masaBoai wssoo. qoe Jnla,a._0 ltitllia*i maodoa publicar para1 Felizmente O Sr. marquez deOhndaest
romper do da ^PMJJ"?,?!!; coobecimento do commercio conforme o dlsposto, vivo e s5o : e desejo qua vi?a muitos aooos
puia,. e-do oo costado grande numero de rottx JWjgi PM. do art. 1S do decreto n. 5gU que conheca bem o seus novos amigos.
Arc^ ti-1 SBTSSB TISUN/SZ* Fw^*a s- H-acred,taDd0 em correlores, datado de hoja enviando o boletim com- n5 Ser capaz de affi' mar O CODtrano, ape-
mercial da semana prxima floda.Ao archivo. zar da divergencia poltica, em que ora nJS
Aos Srs. deputado* foram destriboidos os se- adiamos.
IrVimpossivel de da, mesmo com a caria oa mo, K^S& ^^Z^tt^Yera^l^m^ l I N5 acredite pois 0 Jmiut nassa pessoa
pdelo encontrar. | Silva & C, dem Jo.-- mesmo. da int'.mdade do tinado consdheiro Manoel
A arnrberla da fragata couracada torca con-, despacho
triboio cerumente para a destruicao do tmAim; Requerimento de Aulonio Lila Pinto, Portoguez,
mas a honra do xito alcaocado peitence prlocl- ,de 28 d d estabelecido com arma/.ra
aalmente ao valente pequeo aviso turco, que sus- de faieBdas gr4;aareuibo na cajtll da Pa Ida mui cl,ara' a,e nao 80sl0U' (imo eu lhe
tentn a caja com om valor incrive, nao detxao- rahyba, pedindo ser rnat- culado. untando em seo disse, que havia recusac o O lugar de delega-
do respirar o seo ****** .Jf'^S'Sl-?' fbooo om attestado Armado por biliar & hvelra, do das trras publicas. Se elle fra vivo,
a'estiiuposicMmqoeenealhoo. Jt^MttOa- Ln|f Kloaio SeqQeira ptrreira & Mitheus.- de certn n3n seria o e i testfimonho sarri-
te f.z 'gu^lniente boora ao Arouim,quesaccum- V)sla ao Sr> d8S3bargad Q ** Cer. sei ? iesiemuw'y sacn_
bio depois de urna resistencia heroica, e ao Izze-, Dlto de Antoni0 Ml|?tlQS de Car"va|h0 Azevlo e' 'gamente invocado, l'ara que perturbar a
im.qoe narsoo om feto d'armas, que fti a maior A8toa0 prreira Alvos, para ser registrado o dis-1 paz dos tmulos.....I ?
trato social da firmaAievJo & Aives.Vista ao' Achei graca na intriga dos Srs. Caval
^ ^Te^e^S Alves da Silv,, agente J "..... ^onde da Boa-VisU....... A
Navios entrados no da 8.
Penedo e portos Intermedios 3 das, vapor nacio-
nal Polengi. de 312 toneladas, eemmaadante lo-
s Joaquina Perelra, eqaipsgem 30; a agencia
pernambucana.
Marseillo, Gibraltar e S. Vieentt ti dis d I
porto e 9 d* 2*, vapor Iraoaot Villa a> Buenos-
Ayrts, de 32i tooelades, cammaodaote Girard,
eqaipagem 30, em lastro ; a Joo Keller & C
Navios vahdos no nesmo dio.
Terra-Nova-Barca logleu Oltnda, capillo Prive;
em lasiro.
Santa
Publicares a pedido
Felizardo, que lbe contou caraminholas
esse digno estadista, cu.a memoria me ain-
H!
EDITAES.
Diio de lo> Domingo s Pereira e Manoel Maia
da Silva, pediodo o registro do seu contrato o-
cial.Visu ao Sr. deserobargador fiscal.
Dito de Jos Domiogues Pereira para ser trans-
ferido a firma de Pereira & Maia, o livro diario
honra ao pailho torco.
Boje fax leilo o agente SlmSes da meiaca)
de uro sobrado, e leva larobem as dnas lo]as de
ferrag-ns a ra Nova, pela segunda vez, perten-
cente a' roassa de Sebasliao Jos da Silva, as 11
horas.
Lotera. A que se acha venda
a 41 .* a beoeflcio das familias dos volun-
tarios da patria, que corre terca {eir 15
do correle.
RepartiqXo da polica : Extracto das par-
tes dos mas 8 de oolubro de 1867.
Foram recolhidos a' casa de deteojao no dia 7
do COT i tltr :
A* urden do Dr. Jaii especial do commercio, F-
lix Fn.-iei, France?. por se aehar comprebendido
na hypoihese do art. 34 g 1* do reglamento com-
merciai n. 737. A' oroem do subdelegado do Re-
cite, J porto. A' ordem do de Santo Antn Joaqun)
Antonio do faraixc, por embriagnt-; Fancilia,
escrava de Lnu Augusto Mavi?nier, por fgida. A'
ordem do da Boa vista, InnoceDCio Jos Francisco,
a requi.icao oe capito do poito. A' ordem do da
Caponga, Manoel Brat Fumo, para correccio.
O chefe da 2" seceso,
J. G. de Mesquna.
Passageircs do vapor />o/e5,eotradj do Pe-
nedo e portos intermedios :
Dr. Joo Alvare- Pires e I criado, Clemente Joa-
qoira de Oiiveira, Ciaudino Franci>co Dia, Vieen-
te Bezerra Montenegro, Manoel Gomes de Almeida
Leile, Antonio J,s da Silva Braga, Antonio Alva-
res da Fon>eca Barros, J .aquim Teix--ira P^ixoto
Filbo, Mara Urobelma de U iveira, Alderaldo L.
Pimenia, Miguel Antonio G. dos Santos e i sol-
dado.
Casa de detkncao. Movimento do dia 7
de ouiobro.
Exi-tum presos 30, entr.-raxn 6, sabiram 7,
exisiera 301, a saber : nacionales JlO, molheres 6, otiga carta nao ler estraDgeir^s 34, roulber 1, esr.ravos 48, escrava 2 '/' a5 annniac5-s de que traa o artigo 464 !o co
Dito uo v^o u-jbcuiu Aivtis ua om suih u;
leies, para se mandar registrar o conhecimento l8to Da0 respondo, por digmdade mmba e
do imposto que pagou pelo exercicio de dit) offl- delles. Direi abenas que se fosse inlmiijo
cio.-Registre-se. I desses cavalheiros, felfa, hamuito, teceita-
Dilo de Francisco Antonio Pontaal Juoior, apre-j/. ramn intrns a cnrimissJn mnmbl p
sentando para servir de preposto de seu offlcio do "0 como uoiros. a COmmiSSao especial ae
agente de lelloes dorante o sea encommodo de uerrncal-OS.
sale aJosMirques do- Santos Agaiar.Vista ] Sobre o Segundo ponto au 0 Sr. Ju-
ao_Sr. desemhargador fiscal. _. | nius n en s inexacto : Dem a sua dialctica
Srs. Redactores.VI hoj* publicada no Joma
do Rea fe urna seoteoca do jilz de orpbos desta ci-
dade, por mel da qoal me jolga meotecapto e D-
mela para mea curador a meo cuabado Joaqulm
Mauricio Giocalves da Rosa.
Ha facios tio estuaendos, qoe parece incrivel se
deem oo uieio de ama cidade tao populosa como
esta, e em vista do iripuoaes e juizes superio-
res I 1
Soffri ba tres aooos de urna p; raly-ia parcial do
lado esqoerdo, sem qae at o presente bonvesse
s iffndo a menor lesio no oso de miubas (acuida-
des mentaes. Havia porem de fallecer acora meo
pai Joo dos Santos Nunes Lima, deixaodo nma
fortuna de mais ce cem cootos de ris, para ser
destnbuida por mim o um ouir> irm3> qae se ach
na cidade de Porto-AJegre e por mlnha irm Pau-
lina, que casada com dito J*aquim Mauricio Gon-
calves da Rosa.
Esta beraoca, e o tacto de nao querer dit
meo ruinado Joaqaim Mauricio pgar-me a iuau
tia le perlo de dez contos de ris, que me tomou
emprestado, e por coja causa o m-ndei chamar a
conciliaco, deu logar a que fosse en jolgado meo-
lecapt) e privado da administrado de minha pes-
soa e bens I E o que mais admiravel, Srs. Re-
fui onvido em coasa alguma.
Ilativo e ojuizo de orpbos que
me joigou roenlecapto, comparecern) em mioba
casa para me examioarem!!! Tudo foi feilo clan-
destioamente, illaqaeando se a boa f do respeita-
vel jatto de orotios.
Pois bem, este trama tenebroso, este posto de
desmesurada cobica do dito meo c jntaado, nao sor-
do conhecimento de haver papo o imposto aonuo me ; Dem quem se anim^sea Contestar-me ; lira'oeffeitoque elle deseja.
porque o caso era fresco, e estava na cons- sou bem coobecido, pessoas respeitaveis e fa-
ciencia publica....... Haviam testamu bisjcoluuro denou me teem visto e comigoteem
^ v conversado, reconbecendo que ras acho oo uso per-
de vista. I gat0 de miohas (acuidades mentaes. Voa embar-
Passados quatro ancos e que O Jumus el uma tal stntenc,a qn me jlgoa mentecapto,
vei i reqoentar 0 Caldo que estava fri, s entao mostrare! peraate os tnoooaes, qoem
qu^renio vingar o Sr. Da- quez de Olin a, omen eoradur nnrp^ado e de quaoto capaz a soa
le de ouru lili
Uecife 7 de outubro de 1867.
O Dr. Tristao de Aleocar Araripe, offlciai da impe- .
rial ordem da Rosa, e jalz de direito especial do
commercio desta cidade do Recite de Pernam-
boco, por Sua Mage-tidu Imperial o Coostitacio-,
nal o Sr. D. Pedro II, a quem Deas guarde, etc.,
Fago saber aos que o presente edital virem e
delle noticia tlverem, qoe por parte de Caoba ir-1
maos 4 C. me foi dirigida a pelicao do lhe r se-
guint-' :-Illra. Sr. Dr. joh de direito do commer-
cio.Duem Conha Irmaos & C, que rcenlo An-,
gasto Ferreira e Jos Joaqaim da Costa Maciel
sao ibes devederes das letras constantes da relagao
|oota, e porque estejam as mesroas letras a aproxi-
mar -se ao lempo da preseripeo e uoeiram os .- up
pilcantes protestar para inierrupco da referida,
prescripcao, vem os sapplcaotes protestar para a
ioterrup5*) da mesma, e reqaerem a V. S. dgne-
se de maodar. tomar por termo o sen protesto,
aflai de ser intimado aos supplicados; porm
acontece que o devedor Arcenio esta' presente-
mente em lugar iocerto e oo sabido, vem junta
casa da misericordia
do Recfe
Pela secretaria da Santa Casa de Misericordia da
Recite se faz poblico a quem inlereasar qne o me-
dico do hospital dos Lararos, bospieio de aliena-
dos e col I egi o das orpbias, Dr. Ignacio Firmo
Xavier, em virtnde do sea contrato feto coa a
mesma Santa Casa, dar cmtalus gratis aes po-
bres, ende no hospital dos Lazaros em Santo
Amaro as 9 horas da manhaa, no colleglo das or-
phaas em O oda as 10 horas e io boapicio as II
horas de todas as tercas e sextas-fe ras.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cite, 23 de setembro de 1867.
O escrivao,
Pedro Rodrigue; de Sonta.
Escriptorio provisorio, 7 largo do Pelonriobo,
Peroamboco 2 de oaiubro de 1867.
F. B. Bloxbam, Vanager
Josepb S. Lambley, AecoontanL
THEATRO
S. IS4BEL.
EMPEZA -COIMBRA
Tendo-se annuorado para esta semana a prl-
meira represe it^ca i do drama-sacro de graade
espectacalo SANTA ISaBSL, emprezario parti-
cipa ao respeitavel publico qoe, embora estejam
concluidos os accessorlos, seeoario e gnarda roa-
pa, jolgoa dever e-p^.car as represen ages do dito
drama, porque tendo ebegado a esta cidade o Sr.
AVISOS MARTIMOS
pode convencer a quem tiver dous dedos de dactores, qae nao
T _______ u e nem ues facultat
Benao coremum.
Na corte onde publiqoei logo os fados
que pr c> deram a minlia exoneracao da presi
^^^S^r*0 Par m| WS de Minas, prote>U..do nao te-la pedi-
iio de J.s Uidoro Mantos, pedindo o registro, do. nao huuve quem deixasse Ce acreditT
de seo ofBcio de agente de teiloe-. Registre-se.
Dito de Jos de Aqaino Foaseca, para o mesmo
flm quaoto ao coohecimfnto do imposto de stu of-
flcio de corretor g-ral.Registre se.
Dito de Joo do Prado Marlins Riheiro,halxa
no registro da bypothei a da casa n. 14 da ra do
Livramento.C >ioo requer.
Dito de Salvador Das Moreira e Jos Antones
GuimarSes, apresentando o distrato social exigido ] que presumo nao Ine lena pedido tai lavor,
em despacho de 30 de setembro ultimo. Voltem e nem lhe acceitai a especie de reprimen-.
os supplicantes depois de paga a differeoga do (, uue |Qe passou 0 an,igo or nao ^er-me,
$\TZ^Tmmiam "aquella poca, resp^U tioj
Dito de Jos Aives da Silva Guimaraes, pedindo prompta, como prompta foi a contestacao da
para que se admita a registro a escriptora de demisso a pedido.
No corcmunicado alludido affirmei o que
Jos dos Santos .Ymum Lima.
COMMERCIO.
total 301
AIih eutados a cn'ta dos cofres pblicos 210
Movimeuto da enfermarla do dia 6 de onlubro
leve ain :
Jos Luix Ferreira.
Cbmitkhio publicoObituario do dia 4 de ou-
tubro.
CfiiiOMCA JUDiCURU.
TUMI! \ VI. \ llCLlti
SESSAO DO Dt OTCBUO DE 1867
PHESIDEKCIA DO KX.M. SR. CU.NSELIIKIRO S0UZA.
As 10 horas da maoha, presentes os Srs. desem-
fcargadures Santiago. Gitirana, Guerra procurador
da cora, Loureu^o Santiago, Almeida Aitiuquer-
que, Mona, Aesis, Dumingucs da Silva, Ucna Ca-
valcante e Souza Leao. abno-se a sesso.
Pas?ados os fetos deram-se os seguintes julga-
ment s:
aggravo ob pbtico.Aggravanle, Matbias de
Azeteoo VlllaroCo; aggravado, o juiro.Relator
o Sr. desembarpador Sanuagc, sornados os Srs.
deseoitirKadores Gfir.ua e Alaeida Albuquer-
qoe. Na i i inar.im conbeeimento.
APPELLAgKs civKis.-Appeliante, o consol por-
logur; apptilado, Autonio Alves de Miraada Goi-
xnares.Receberam os emba'gos. Appellantes,
bachartl Galdmo Ferreira Gimes eootros; appel-
lado, Amonio Goocalves da Silva.Confirmada
sen tenca
lad
compra da loja n. 26 da ra Nova, feu a Salva-
dor Oias Moreira A CRegislre-se.
Replica de Antonio Luiz de Oliveira Azevlo,
dizendo que nao pedir em seu requerimento o
registro do hiate Dous Amigos,e s sim que
i seu regutie por outro vUtoa n3o vollaria para mlws, set.5o qoando elle
"'jtinln em sua mai) o decreto de minha
digo commerciai.CoiW reiiuer. log que o sap evinerac^o. Foi esta a circumstancia que
havia affiruiado j em minha anterior expo-
sico ; isto : que o Sr. marquez de 01 inda j
nunca me deu se quer a entender que eu
. requer, logo que o sap
pilcante se mo-tre devidameute babilltado.
Suramario contra Francisco Ferreira Borges
O summariado que nao satisfez c despacho ante-
rior, prove u,U) os gneros a que se refere nem
mesmo pagam direitos de exporta?io
Nada mais bavendo a despacho, e dada a hora
(11 e l/2)o Exm. Sr. presidente encerrou a
sesso.
SESSAO JUDICJARlA EM 7 DE OLTflRO DE
1867.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESBUBARGADOR
A. F. PERETTI.
Secretario, Julio Gumares.
justamentemeindignou,n5oobstantes Exc.
accrescentar logo que se ia tratar do meu
novo destino; tem que ie hum destino lhe
houvesse eu solicitado. x
A preside .cia de Sana Calharina.....
oh I a presidencia de Santa Catbarina......
urna historia do Tranclo ; em que somente
acreltiar quem me nao conhecer, deperto :
por tao pouco nem eu briftaiia com o Sr.
ma.quez de Olinda, oenellecomigo. V
PRACA DO REC1FE 8 DE OUTUBRO
DE 1867.
As 3 j* horas da tarde.
(Hontem.)
Cambio sobre Londres 90 d|v 21 e 21
e avista 20 3|4 d. por IAOO0.
Silvelra.
Presidente.
Macedo,
Secretario..
1|4 d.
Novo banco de Pernambiico
EM LIQUID gao
ment* requerer a V. S. para que digoe-se eonce- Macedo e sua seohara distioctis artistas dramati-
der a justiflea^io, am de qoe, provada a ausencia eos, o emprezario eniendeu i-oroo dever de Na
do soppllcado, teja citado por carta de edito de camaradagem e ho.-pualidade facilitar o debute
triol) dias. I destes artistas, qae lera' lugar o > saobado 12 do
Nestes termis pede a V. S.Ulna. Sr. Dr. juiz correte, con o drama A condena de SennrCny e
de direito do commercio assim lbe defira.Espera. a alu cometaQ B}o de Fitas; pe$as esUs de
receber merc. Joo Caetaao d'Abreu, proco- graode.imyortancia artstica e cuios eosaios nao
rad ir. | podem ser ioterroiopidos com espectculos doran
E sendo em dlla pelico, dei o despacho do theor te a semana.
seeuinte : Sim, justificando a ausencia, ama- j W bilbetesidesde ja esli a venda,
nha a's 11 horas do da. Recite, 4 de outubro,
de 1867.Alencar Araripe. | ____i i i .ijj ____^Mwi--i^r
En virtude do qoal fKa a mesma petigao distri-,
buida ao escrivao deste meu juizo Manoel Mana
Rodrigues do Nascimento, qoe em curaprimento,
do mesmo despa ho la^rou o termo de protesto, do |
theor aegointe Terao de protesto : A is 4 de
outubro de 1867 a'esta cidade do Recite de Per- (
nambneo, em meu cartorio appareceram os suppli >
cantes por seu bstame procurador Joao Caeano
O'Abren, e disseraoi perante mlm e as teslemu-
nhas inlra assignada*, que reduztam a protesto o
contedo de sna pefcao retro; e de como assim o |
disseram e proteslaram lavre este termo, oo qual
depois de lido. se firojarim com as ditas testema-
nhas : eu Secundino Btiotoro da Conha, escre-;
vete jura mentado, o escrevi. Ea Mmoel Maria
Rodrigues do Nascimento, escrivao, o subscrevi. ('
Joao Caetaao o'Abreu. Mioerviuo Jefferson Oli
veira Francelioo Olympio Pereira
E tendo os supplicaotes produtido sna teste-
muohas, sellados e preparados os autos, soblram a'
minha concluso, e n'elles del e proferi a senten- ras- Prv.Ue.>e aoa Srs. i
COMPAKtrrfft BRASILEIRA
E .
PAOIETSS A VAPOR
sol.
E '.- -oer.i i > dos pon >s Co norte
at o dia II do correte o vapor
Tocnntins, comroandaote Paria,
o iiual depo da demora do ces-
me seguir' para os p rtos do
Recefeca-s0 desde j passageiros e eogaja-se a
d'Oi'iveira.' carK* 1Qe vaP:"' ?"'-?r Cl>ni,0lir a 1aii <*"''
ser embarcada no dia de sua C!;??1!!; ericomoien-
das e dinheiro a frete at o da da saluda :* 2 no-
ai
da
theor seoQinte i passagens s se r. c .em neta agencia roa
Hei por proada a "aasencia, e mando qae o sap- MJj ^Pljrio de Anton, Lo" de 0,Tei-
plicado ausente s"ja citad' por editos de trila
dias, na forma pedida, pagas as cusas ex-caasa.
Retife, 5 de outubro de 1867.-Tnsto de Alea-
car Araripe.
Por torca da qoal o mencionado escrivao Ma-
noel Maria Rodrigues do Nascimento fez passar o
presente, pelo qual chamo, dio e hei por intimado
o dito supplicado Arceoio Augusto Ferreira, para
que comprela n'este juiz > dentro do Indicado
prazo, arlm de allegar o qoe fr de jasuca.
E para qae chegu ao oonhecimeot de todos,
mandil passar o preseute que s-sra' publicado pela
impreosa e affixado nos logares do costuoie.
Recite, 7 de outubro de 1867.
cu Manoel Mana Rodrigues do Nascimento,
escrivao, o sobscrevi.
Tristao de Aleocar Araripe.
Nao verdade ter-m. o cobre marquez
A's onze horas e'meia da manhaa declarou se j redargido, que a deniiss3o me nao trazia ItDtfl semestre,
abena a sesso estaod.i reunidos os Srs. desem-, jesar- p r ter sido dada a pedido. Quanv> As accOes de banco de vem ser entregues
^!,lS^Ti&t^^!;d0 s-Esc- "'^""isrTa nolkia tt i ^ra se iaalillsarem-
Leal, faitaodo com pameipag o Sr. suppieote creto, esquHceu-se Sa Leito.
Lida, fot approvada a acta da sesso antece-
dente.
O escrivao Alves de Brito registren o olmo
protesto de letra a 3 do correte sub o n. 1448 e o do-lhe eu a graca que me acaba va (le tazer,
foi que soube que a dvmissSo unba s-do a, pg?r q 27# dT.dendo ^ ^ ^ ^^ ^
ail tncApintio n'acl. qiw^ -i' **.. An taffrvAA
De ordem do IHm. Sr. in-p-.-t ir da alfaode."
Os Srs accionista do novo Wo podem &"J plnb',Ctf- ?- ,D0 *[' i0K'lo,0r.elf!e d,T
. n n j- j .i m a j pois do meio da, sera levada a basta publica. Ii-
receber o 2 dividendo de 46 pir cent do( vre de dire,iu^ B caxa coutendo 70 ubras de
Capital em apolices da divida publica, que cigarros, no valor d- 1165200, a qua foi appre-
tem de ser averbidas na toesouraria de hendida peto guarda B-ouco Ramos Cabrai no ac
fjzeoda desta provin-ia, em tempo de Se-',0 de dtfS
em admittid^s Da fodii dos jaros do cor
ia Azevedo 4 C.
(lavrado a pedido : elle sabia que tal pedido
I nao tinha batido. No Pac- imperial, por
' occasio de beijar a mo de S M agradecen
proiocolo do escrivao Albuqoerque conserva a
mesma numeraco e data indicadas na acia da
sesso de 30 do mpz 8d<>.
ACORDA S A SAHNA Dos
Embargante Autoaio Dommgues Pinto, embar-
5inSnKi^M^!tadS2^L gado Antonio L^ite de MagainesBa-tos. ainda com.go, entao .Jerlarare o resio
TSStBStSS^^ troAprea;ad SE&t SrSrSLT"*1 e ma& *P* toe acom.e de mconvemente
n <.r<.r.-i i.,. ani. u.oho.i- af.n-iiat-.iu .lrt Ppeiiaoo rnume opes ae sena.
JULGAlRNTOS.
Juizo mnnicipal e do cummeicio de Porto Calvo.
ue de Sa ru-
io Claudi-
co di Silva Lima.-Execatada D. Mana Ciaudina
Calxa Ollal do banco do Brasil
em Peraambuco, aos 26 de ju-
Iho de 18(59.
De ordem da directora se taz selente aos Srs.
accionistas, que o tbesoureiro esta' autorisado
Alfandega de Pernambnco, 8 -le outubro de 1867
O esenpturano,
Eulichlo Uoodim Pestaa.
DECLARA50IS.
mea pedido. H^uve grf.nde surpreza quan ; ^V&^^^T^tofitfw
do declarei, que a nSo havia pedido, ae o
Junius quizer, de frontil descoberta, teimar
' i > Hamo n I Juizo roooicipal e do commeicio de Pon
ima" u.aZ u tu*' -'Appeilaute exequente Joa.iuim Boarque
,; appeilado, Manoel; psyo, ,PDellado embargaote 3. Theotonic
Poupe o Jumus ccmprooietter o i
venerando do Sr marqoez de Olinda
Pergunte-lbe camarari;meDte, se quando
ciO guarda-livrus
Ignao Nones Correa,
EM LIQ IDACO
Novo banco de Pe Bambuco
Sao convidados os Srs. accionistas a re-
{a. O coronel Jos Antonio Macbadc, appellante
appellada, a n nacale de Nos>a -enhora das Do-
res. MiDdaram Lagar a distma.
EDait^^ BlssffSEB^ com S- Elc" P- u le, Mana Francia dos Santos Lima; appellado, Me.r.-Joixes os SrsV GnimiraesT Rei ei Silva,',ne a cat eca pelo modo que figura o Jumus Correte) de trifjta por CentO do capital, tra-
' Leal e Bast. .Foi refor.nada a senteuca appellada! I O Jumus t promettt rectificar o sen fal | zendo as acedes para irem sendo annulla-
Appeiiante reo Thomaz Duarte de Aqumo, ay- so juizo sob a condic) de ser a minha das; nos dias uteis das 10 horas ao meio
pelladts autores *
o empreiteno de irlIbosUibaos.Retomada a
senteoci!. Appeiunte, Francisco F. Gongalves; ap-
pelladi, Alberto B. tSnoiU.Reformada a senten-
ca Aipeilante, Antonio Joaquina Goncalves; ap-
pellada, D. Francisca das Cnagas Baudeira de
Mello. De>i.resad"8 os embargos.
aitellacoe- CRiMs.Appellante, Hilario Cam
pelo Rugianoe; appellada, a jostiga Rtformaram
a pena par o mnimo. Appeltante, Cosme de Uli-
veira Rocha ; appellada, a justlca.Reformaram a
pena para o grao mnimo.
habeas Corpus.Concederm soltura a Antonio
Pirmino Pertira da Cunha e outros; e negaran)
ordem a Juo Ozono de Castro Maciel Mouleiro.
Assigoou se da para jolgamento dos segunies
feitos :
appkllacSes avEis -Appellante, Sesisnando Ser-
lo di s SaLt..s; appellado, Vicente Ferreira P.
alombi. Appellante, D. Ciara Theodora da Fon-
seca ; appellado, Mauoel Ju*4 dos Santos. Appel-
lante, Ignacio J ao da Silva; appellado, Antonio
Pereira Lobo de Brillo. Appellante, Jo.- Toomaz
da Silva Cabrinha; appellado, Antonio Jos de
Brilto Rosado. Apllame, Beroaido Pinto Perei-
ra; appeliado, Francisco Piolo Pereira. Arppeltan-
te, Jos de Bai ns Pimenlel; appellada, Francisca
Eugenia de Mello.
PASSAGENS
. Do Sr. detembargadur Santiago ao Sr. desem-
kargador Guirana.Appellaco eivel: appellaste,
o svndico de S. Francisco; appellado, Dr. Antonio
de Vsconcellos Menezes de Drommond.
roSSrMdme,rtdFllb0&C'"Ad'aa0a|0^rmfl',l,a 0Dtrada Pei0 Sr- marquez de, dia.
Manoel Antonio' dos Sanios, sppelia- '"'da : c. nd.gl sem duvida impos&ivel;
pedido de ootro
Appellante
do Jos de Villa Fidr.
Emba gante Tkomaz Dnarte de Aquioo, embar-
i gados Mouteiro, Furto & C__Nao foram propostos
por nao estar presente o Sr. Sa Leltao.
A ppellanies a viuva e berdeiros de Jo.- Higino
de Miranda, appellada Joo Bussoo, como admi-
nistrador de sua tnulher.Nao foi proposto por
nao estar presente o Sr. desembargador Ucba Ca-
valcante.
Joizo especial do commercio.Appellante r D.
Ther-sa de Jess Colbo de Souza L-o, appellado
autor o Dr. Aogelo Henriques da Silva, eessioua-
rio do Dr. Antonio Borges Leal.Juizes os Srs.
Gmmaraes, Res e Silvi, Leal e Basto.Foi jolga-
da a desistencia por acordo.
Appeilaote G.-bnei Antonio, appellados os admi-
nistradores da massa fallida de Siqneira & P' rei-
rAdiado a pedido de am dos Srs. depotados.
Appellaotes a viava e berdeiros de Jos Baptis-
da Fonseca Jnior, aupellado Jos Duarle das
Neves.Sorteados os Srs. Basto, Leal e Rosa, Ju-
raran) suspeico os dous ltimos e sendo Impe-
dido o Sr. Sa Leilo, pelo facto de ser juiz o Sr.
Basto, prdenoo o Exm. Sr. presidente que se Con-
vidarse, o Sr. 2. suppleoto Leal Res.
passagkm..
Do Sr. desembargador fteis e Silva ao Sr. de
porque s o Junius lbe podar pedir esse JfoVO BaUCO de PemambllCO
presadissimo favor. A mim nicamente,
cabe, nesto caso, appellar para o mea carac |
ter e para a probidade de S. Exc.; ficaodo
Do Sr. detembargador Guerra ao Sr. desemtoar- 8ent,ar8a'dor Accioli
Sfun.10"2S nSanU.a8 iWBg "&*.' APPeUnte Jos Antonio de Araojo'J nior, >p
pellant.s. Antonio Jos.qu.rn "da Rocha e oolros; \9^ JuV00 de q^-^^ Mo(1M cJ48iro.
DISTH1BU1CA0.
Ao Sr. desembargador Silv* Guimares.
Appellanle Francisco Tnoma; de Barros Cam-
pellc, appellada D. Aooa Josepba Pereira dos
sotos.
AGGRAVO.
Joizo especial do cointne.-eio.Aggravante a la-
teada nacional, aggravados os administradores da
massa fallida de Rostron Roocker & C.
O Exm. Sr. presidente negou provimento.
Nada mais boave e encerroa-se a sesso
ama hora da larde.
ao Junius a liberdade da acreditar ern quem
quizer.
Correspondencias
fito liqu-daco
O novo banco pagao Io dividendo des".
50000 por accao, nos dias atis, das 10 o-
ras ao meio dia.
Attenc&o.
appeii-ido Ind ro dos Saut. 6 Lima. Appellante,
Ssbastiio Xavier Correa; appellada, Anna Aotonia
de Jesns.
Do Sr. desembargador Lonreaco Santiago ao Sr.
desembargador Almeida Albuqaerque.Appella-
co civel: appellanle, Sebasliio Xavier Correa;
appellada, Anna Antonia de Jesns.
l)o Sr. desembargador Almeida Afeuqoerqne
ao Sr. desembargador Molla.Appelliicdes elveis :
appellanle, 'Edvirgee por sea curador; appellado.,
Jos de Mallos RaogeJ. Appellante, Manoel Fer-
reira Braga; appellado, Francisco de Salles Tha-
deo. Appellante, Joo Soa res da Fuat-eca Velloso;
nppelladc, o pairo. Appellante, Jo*e Antonio da
Costa e Sa; appellada, D. Ruta de (ssia Vieira
Ca valcante.
Do Sr. desembargador Malta ao Sr. desembarga-
dor Assis. Appellaco civel: appellante, Bento
Vieira Piolo; appellado, Ciaudio C e A:ie ved-. Ap-
pellagSes crlmas; appellante, Francisco Canuto de
Araojo; appellada, josUca. Appellanle, Ansel-
to Ramos tfe O iveira; appellado, o juno. Appel-
lante, Jos Antonio Anselmo Moreira; appellado, e
joito.
Do Sr. desembargador Assis ao Sr. desembarga-
dor Domingues da Suva.AppellacSeii veis: ap-'j6 demarco do corrate anno.
u8.n?f M00*1 d." Neves' PPe,la(|a. Belarmlna genl oerer eDrar em DOlemka com al- '*' coroo ^ pode verificar e*m os mesm aotos, I
,.I. V.\ APpelhme.-DomlngoiiTavares da rn-tiear PsraisampnlP n nno Aa no'1e8 eucont-aai a iorUria, nomeago de
J^o: appellado, Aoiio de Partas Oh reir. 8Dem rCttflcawi escaSsamenie o que de peritos, eximes re.ios, andicia do Dr. curador g-
P0_?r-_es*.'?t!?r,,0_f Ucba Cavaltante aa Sr. inexacto diz o Jumus <,erca dos dous pon-'ral, jaigameoto ete.
Uonmiunicados
Deparei no Diario de bop com urna correspon-
dencia assigoada por mea CDOhado o Sr. major Jo-
s dos 'antos Nunes Lima, que enteadeu conve-
niente a seos interesses, ou antes aos de ceno- In-
dividuos que o cercam, Isucu contra mim injurias
e tactos desairosos e sp'oprios de cairos me
nao eo. Pretende qoe fni ;u, qoem promovea*
deu unen u sen mo estado de sade perante o jui-
zo de orpbos de.-ta capital, em consequencia do
que fot elle jul^arto esassi ado, e qoe asMoi pro-
ced lavado pela gasa de [car con sua fortuna,
parte da qoal diz existir em mea poder.
Se nao fosse o estado em qne se acba meu cu-
nt ado, de certo que oo tena assigoado urna tal
correspondencia, porqoanto se elle tem cooviccao
de seas actos, se ha de lemrrar que ba tres annos
que recebi a quantia de 8 000$, e por manos
pedidos seos, e de solicitares de mea finado so-
gro, cuja samma fora retirada do Novo Banco, que
nao quena continuar, a t-la dande joros.
Tambem se ba de record ir qoe os jaros dsssa
qoantia elle os receben com eoota dos recibos e
i oni:i corn ote existentes ene mea poder, por lano
veja o publico quem i qoe i Ilude a boa ( a pro-
cura apprt'priar-se da f. rtam do Sr. mejor- Sa nao
lbe falla a memoria de ve estir lembrado que mni-
tu antes de lomar coma desee diobeiro, nunca del-
xei de lhe prestar servlccs e sommas qne ento
me peiira. Nunca procure! i ludir a boa f de pes-
soa aluma e muito menus |oderia fazer ao illas-
Eaglish Bauk
O Englisb Bank of Rio de Jaoeiro limited
lendo estabelecldo em conformidade oom o decre-
to o, 3796 de 9 de feveniro deste anno orna calxa
filial nesla cidade pelo presente se faz publico
que esta se acba habilitada de boje em diante a
foncciooar com lodos e quaesquer n.'gocios ban
canos, a saber
AdrainistracSo do correio desta cidade
precisa de sete hom^-ns para o seryieo de
caminheirosj sendo um para as viaens dia-
rias a Cidade de O iuda; quem estiver nes-
ta condic5es e quizer se encajar dirija-se a
mesma com atestado de sua conducta.
Repartlcao da obra* paellcas.
De ordem do Sr. eogenbeiro, chefe interino da
reparticao das obrts publicas se faz poblico qoe,
nao leudo concurrido oppositor algum aos logares
vagos de conductor desta repartido, e tendo sido
julgado inhabilitados os ooe concorreram aos lo
gares de praticaotes, no da 9 de dezembro proxi
m > vindonro lera' logar novo concurso para pre-
enchimento das referidas vagas de conductores e
praticaotes.
Os concurrentes ero argidos as materias de
que tratara os Ia e 2* do art. 10 do regolameoto
e 31 de jolbo de 18 i'j, e que vio abaixo decla-
radas.
Os reqnerimeatos para io-crinc i> dos candidatos
devero ser apreaentados at o da 7 de dezembro.
e podero ser iostruidos com qoaesqner documen-
tos oa ttulos scientiflcos que abonem a eapaeldade
dos mismos candidatos.
Secretaria dis obras publicas 7 de outubre de
1867.
O secretario
Feliciano Rodrigues da Silva.
Materias do concurso para conductores e prali
carnes da repartidlo das obras publicas.
Para conductores.
M t'ienaticas elementares, algebra ateqaa(5^s
do 2* rao, tbigonometria, elementos de geomatrfa j
analityca e descript va, d'asir- nornia, d'arcbilectu-
CO'1P illll 1
DAS
Messageries Imperiales
At o dia l i do correte mez espera-se da Eu-
ropa o vapor francez Nacarre, o qu deoois da
demira loco-lini' seguir' para Bthla e Bio de
Janeiro.
Para frea*, eoaiic5<3s e passageos trata-se na
agencia roa do Trapiche n. 9.
COMPANHIAPEHNAMBUCANA
DE
Nayegaeao coste ira f or ?apr.
Maceio e escalas Penedo e Aracaju'.
O .mi*)! Pul nji, co iii:)udan-
te Pereira, ?-gu pira os portos
cima no dia 15 do crrente as 5
.horas da Urde. Recebe carga at
dia 14 ; passageiros, eneommen-
das e dinheiro a frete at as 2 hora* da larde do
da da sabida : escriptorio oo Forte do Malos nu-
mero I.
CO tfPANHlA PERNAMBUCANA
DE
\avcg--ci) costeir* por va oor.
Parabyba, Natal, Macio, Aracaty, Ceara' e
Acarac.
O vapor Jpnjnca, comroandan-
te \I i'tio-, segu para os portos
acimi no da 15 do crreme pelas
5 horas da tarde. Recebe carga
'smente al o da 14; passageiros,
encouiuieu jas e dinh -ir> a frete al as i horas da
larde do da da sabida ; escriptorio no Porte do
Malos o. 1-
Socit genrale
DE
Transporta martimos vapeur
Paquebots fraileis.
At o dia 10 do correte, espera-se de
Genova pelos portos de sua escala o vapor
fraocez Picardie, commandante Razouls, o
qual depois da demora do costuoie, seguir
para Buenos-Ayres, pela Babia, Rio de Ja-
i neiro, Santos e Montevideo.
Para condicoes, fretes e passageos, tra-
ra e de resistencia de matenaes, conhecimento ta-S na agencia, ra da Cruz 0. 55.
A receber dinheiro em coota correte sobre perfeitodos Instrumentos graphicosedos trabalbos
aviso e em deposito a prazo Qxo com juro, confor-
me as condijees a tratar.
A descontar ltalos commerciaes approvados.
A i omprar e vender letras de cambio sobre Eu-
ropa ou qualqoer ootra parte.
A emittir cartas de crdito para viajar oa a ne-
gocio.
O Banco tambem se eocarrega mediante a com-
petente coaunissao da compra e venda de apoli
ees da divida publica, accSes de compan&iss ao
Brasil on em outra parle e da cobranza te nmessa
de dividendos, letras oa oatros qaaesquer ttulos.
Expediente do banco ds dez horas al as qua-
tro.
ALFANDEGA.
Keodimento do Jta 1 a 7 ........ I3i:760J932
dem do dia 8................. 27:438*269
162: 9*191
Volasie8 entrados com fazendas...
c gneros....
Votases sabidos com fazendas...
* gneros....
0 conse'heiro J. Beato, e o Ja tas do
jornal 4o Kecife
Depois de bons seis mezes On mais, lem-'residoos, nstranno e albeioaos lacios para reqoe
br' U-S6 O Sr. Junius vir ajusfar contas CO-'rer exme <*e aaaldade qoe se effeclBon dias de
migo, tomando as dores pela finada situ- [$l%t*$* <* ,BM"li05io Pro,tr,do ^
fo, qoe prooocou O mea COmmunicado de Nao denuncie! nem promori o processo no joo
de o phns, qae proeeden ex r>fflcio e aa forma da
Deicarregam boje 9 de outubro
Eseana iogteza Camlfori -mercadorias.
Bngae portagaet-Coiufaafe l -dem.
56
241
------J97
1*1
24
-. 370
Irado juiz de orphaos desta capital que sabe per-
fetalente cnmprir suai obngaedes naosedeixa
lavar nem illodir por qaalqcer pessoa. por isso Barca portuguesaHumUti'te id^m.
qne tal vez o meo cunbado, looge de peranle elle Bngae bremenseArnoli -f inoha de trigo.
defender sen dlrelto procuro i o jano de capailas e Brrgne noruejiuenseCupella dem.
Pola a bespanhola Anna Chrtina vinbos.
Bngae nacional Uhndacba/qne.
REGBBfiDRlA OE RENDAS INTERNAS
GERAES.
Rendmenlndo dia 1 a 7.......... 8:648*643
(dem do dia 8.................. 948j492
9:597*135
de oivellameato e planta, deseoho linear e de aqaa
relia.
Para praticanles.
Lingaa nacional e fraocez, arithmetica, geome-
tra, as duas e iras dimensdei, algebra at eqaa-
q5ss do 1 grao, desenbo linear e de aqoarelia.
Secretaria das obras publicas 7 de ootabro de
1867.
O secretarlo
Feliciana Rodrigaes da Silva.
Tribunal do Coame ci.
Nesta secretaria foram registrados :
O contrato da sociedad* de Jo -> Vieira de Mello
e -ilva e Antonio Domingos Pinto, nstabelicldos
nesta cidade, sob a firma de Vieira, & C, com co
cheira de carros de alaguel, e o capital de .
14:254*000 eo diobeiro foroecido por arabos em
parles ignaes.
E o nisirato da -sociedade de Mauoel Joaquim
Das e Luiz Jos Goocalves da Cj-ta, que girou
nesta cidade sob a rma de Maaoel Joaquim Das
& C, cu|o activo e passivo flea a cargo do ex-so-
mj_J4-
m *$
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DB
>;vegaco costeira pe* vapor.
Fernando.
No dia 10 do crreme ao meio
dia expedir' esta eompauhia ana
don seos vapores para o porto
aeima Recebe, carta al o da 9,
eocomroendas, passageiroe e di-
obeiro a freie al as 10 boras da mauoaa do dia
da sabida : escriptorio no Forte do Matos n. 1.
Veode-se o patacho nacional Vuimao, forra-
do de cobre, e do lote de cerca de 15,000 arrcba,
com todo o seo apparelho e prompto a navegar :
quem a pretender dirija-se a Bailar & Oliveira,
na do Vigario n. 10.
rara.
seguir' c m a pos&ivel presteza para o indica-
do porto o vi-leim e bem coobecido bngae escu-
na nacional Graciosa, capillo e pratico iosd Ma-
ra Ferreira : para alguma carga qoe lbe falla
de Almeida
trata-se com o oonsJgnalario Antonio
co Diaa. qae exoneran o seu socio Costa, estando Gomes, a roa da i'.ruz n. 23, f andar.
este pago da parle dos lacros, que lbe coabe como
socio Je industria. .
Secretaria do tribunal do commercio de Per-
nambuco, 5 de ootubro de 4867.
O offl'ial-malor.
Jallo UuiUMfaes.
desembargador Soasa Leo. Appellaco civel:
appellante Dr. Josa Mana Moscoso dn Veiga Pes-
..ia; appellada, D. Mara da Concei;ao Chaves
rVssaa,
toa, qae elle se propoz a disentir nao sei' Asslai, pois, a censara Irrogada ao digno juiz de' Recdfmento do dia l a 7
com eme vistas. 0 meu nico proposito orPMo,> nem e le,e P*e tocar, mas erendo na ^fdea do dia 8
n3,i rtflixar ane a mentira nassp Dor ver-'pron,,,8sa 4ae /'. estimarel que oen enaoado pro-
nao fleixar qae a mentira passe por ver. fe enB j0II0> M0 s/ bea #gu,, pereUo de SUJ< (..
ao sr. otsembargador SanUago.-Appellacoes' dade. lenidades meoiaes, como qoe oojulxo de orpnlos
CONSOLADO PROVINCIAL
4:913*068
772*287
5:1185*355
Ilha de S. Miguel.
Para o porto cima sepae o patacho portognez
Jorgense de primeira marcha, para carga a pas-
sageiros trata-se com o consignatario Joao do Re*
gD Lima, a ra do Ai^llo n.,4.._______________
ara o Po Pretende seguir com muita bjrevtdaae o veleiro
- pjlftabote portuguez Nwa Sirte, le u parte da sea
Pela administraco do correio desta cidade sa cirregamento engijadopara e resto que lbe falla
faz pobli:o que em virtud1 da cmivenQio postal au se com os seus ;eonsigaattnos Antonio Luiz
celebrada pelos governo bre*ileiro e fraaoet se de Oliveira Atevedo & C, no seu escriptorio roa
rio espedid s malas para Europa no da 15 do, da Cruz n. 57.___________________________
eorrenle pelo vapor inglez tOneida. | #,*.
As cartas serio receidas at 2 boras aojes da fin *rvjnrij
qae for marcada para a sabida do vapor, os Jor- pretende seenir nestes olto das com a
<;ORREIO GEKAJL
naes at 3 boras antes.
carga ana
' tiver o palbanote Joven Arthur, uvn parta de sea
Adminrttraoiado correio de Peroamboco 8 de carregamenio a bordo,.e para o resto qoe Iba falta
outubro de 1857. i trata-se com os saos consignatarios Antonio Luis
O administrador, de Oilveira Azevedo & C, no sen escriptone ra
DomjngM d?; Pars? Mtnli. di Crnt n. S7..
mmumr i
----------.. i ii i *m i

'



JUurlo ie ?erjUBfciseo guara felra O de Out'ubro de 1867.
Socit genrale de transporta maritimes h vapeur
LINHA DO MEDITERRNEO,
Brasil e l{io da Pata.

prador.
Que nm-.legante estojo para viagem
CONTENDO:
i*20 caderno; de papel branco, paulado, beira dourada, marcado eom as iniciaos do com


SERVigo REGULAR A GRANDE PRESTEZA
DE MARjELHA MONTEVIDEO E BUENOS-AYRES
Tocando em
. Gilbratar, Santa Cruz de Tenerife, S. Vicente, Pernambuco, Babia, Rio de Ja-
neiro e Santos.
PARTIDA A 15 DK CADA MEZ, A DaTAK DE 15 DE SETEMBRO DE 1867.
Effeeluadas pelos seguate* paquetes francezes de prl-
melra classe:
Bowgogne, 2ooo tonls., forca 3oo cavallos. I Poitou, 3ooo toneladas, torca ,35a cavallos.
Picardie, ooo 3oo t I Sawie, 3ooo t 35
O vapor Picardie partir para as destinarles cima a 19 de setembro.
0 Poilou partir a 15 deoutubro.
O Savote a 45 de novembro.
-0 Bourgogne a 15 de dezembro.
PRSCO DAS PASsAGENS.

2*100 eavelopu brancos.
3*100 penas ce ac (m rea Udc).
i*1 eaixa ibr las de gotnma.
5I iioteiro di vidro cum tamo* de metal.
6*1 arielro Id{ m dem.
7*I pao de la ir.
8 -1 pao vete de daas folbas.
9'-2 lapis.
10*-2 caottas.
Todos estes obj dos reunidos, dentro de ama bonita caixa. feita para este fim, castam apenas
m^u. P.*?fcmLnb00"ie d PO*r do abaixo'amif-
ESLi. n, t**?'"0 passad0 Dela Aworiaf io
Protectora ao voluntarlo da patria Joaqaim Cor a
Llma.teodo 18 mezes a reeeb r, e como tal def-
menlo a oiogoflo possa aproveitar, viiio como so
oabaixoasslgnadooaoico eompetentemenie ha-
bilitado para rewber a Importancia dos meie?
vencidos : rog-se a qaem o tiver achado qoeira
entrega lo em carta fechada na b)iica frane.za da
ra Nova ao Sr. Joo Ignacio Ribeiro Roma.
________Maooel dos Santos Lima.'
Preclsa-se de om foroeiro de pnmeira~clas-
se para padaria : na ra do Caiug n. 14.
Albino B. [lista da Recba, rtlo"
joeiro e dourador, prac.a da Inde-
pendencia n. 12, fai qualquer con
certo f ertencente a - prefos tois baratos do que em ou-
tra qualqoer parta e re.-jion-ab li-
!sa se pelo sen trabalho, assim eomo
rende reiogiosbons e baratos e compra obras de
oaro e prata em segunda mSo.
NIMCA
m
RS. 60000
nnmm nm
A.
LINDO PRESENTE
PARA
r
Leciona-ae a solfcjo e a tocar varios
iastrumemos dando se as licd>s pa'tira-
lares em suas propria casas, das. 5 to-
| ras da tarde at as 9 horas da ooite : a
S tratar ca ra Augusta n. 30 va cesta ly
M P'-sraphia.
mmmmwmmmmwmmi
Ama de Jeite.
Precisa-se de ama ama de leite, na roa estrella,
dui Rosario o. 41, f andar. Assegara-se excel-
ente tratamento e paga corre, pondente ao traba-
iPc^como se convencionar.
Alnga-se ama boa casa na eidade-de Olinda
para se passar a fab, eoc commodos para gran-
de ramilla no priociplo da ra d Amparo : a tra-
tar nu fundo de S Pedro ra de Agou-verdes na-
mero 5.___________________
Sismnel Power JohnstoiTTtmpaiTa
Rna da Senzala Nora a. 42.
ASBNC1A DA
Fnndleio de Low r.
M chinas a vapor de 4 e 6 cavallos.
M>endase meias moendas paraengenho.
Taixas de (arto coado e batido para enge-
nho.
<
a
91
I1
-3
classe.
<
PERNAM-
BUCO.
Francos
750
- 525
300
BAHA.
Francos
800
525
300
RIO DE JA-
NEIRO
Fra oco
900
560
300
SANTOS.
Francos
1:000
600
320
MONTEVI-
DEO.
Francos
1:050
650
320
BENOS-
AVRES.
Francos
1:050
650
320
g*rv'i
Para condc5es,,fretes e jrassagens, trata-se na agencia, rna da Crnz n. 55.
LEILQES.
Da nielara de sobrad e soto n. 44
as SStCa Poatas, em chaos pro
prios, iciileiiiti t.do p edoo60#.
Gordeiro Simes
competentemente aulorisado ara' leilao da meia-
gio do predio cima, sito as Cinco Ponas o. 4a,
tendo todo predio bacantes commodos, quintil e
cacimba, polenio ser eximioado por quem pre-
tender, cujo lello te*V lugar
iHO<*E
as 11 horas,na ra Nova, loja de f-mp-n- n. 33.
Ujs lojas de fen geos a ra \"ova 11
33 e 35, pertenente a massa
fallida de S basta Jos da Silva.
Cordelro Simes
a' requerimeoto do admaisirador dj referida mas-
sa e por despacho do Iilm. Sr. Dr. jaiz de direito
especial do commerciu, levara' novame^te a leilo
as frraseos, aUmniju-s. sinos, ferro era barras e
muitos oatros obj^ctus Blislsntes na- menciona-
das lojas, -rvn: > d basa a offerta obtiJa no lei-
lo passado, isto
HOdlB
es 11 horas em pjr.tj ios mesmo est-ibelecimen-
tos.
Precisa-se de urna ama para casa $&
| de familia de duas pes>oas, assim tm
S como de urna menina de nove dez !
| annos. para criada: na ra do Im- J
i perador n. 35, segundo andar es-1
8% querda. B8.
m*Mwm wm nuil
Gabinete f ortuguez de
Leitura
Cooselho deliberativo
De ordem do Illm. Sr presidente, convocado
o mesmo conseibo para sesso extraornaria no da
quinta feira 10 do correle, as 6 horas d tarde.
Sala das s -o -s do cooselho delibarativo do
Gabinete Portugaez de Leitura aos 7 de outubro de
18 Firmioo Antonio Sonto Maior Raposo
_________________Secretario-_____
O abaixo asignado declara ao respeitavel publi-
co e especialmente au corpo do commerclo, que
tendo justo e contratado a taberna perlencente ao
Sr. Jos Leo de Mello, na ra Imperial n. 178 :
aquello que se Jolgar credor da casa, apresente-se
no praso de Ires dias, seno Acara' sem effeito ne-
uhum qaalqaer obstculo que se aprsente.
Recife 8 de outubro de 1867.
Joao Francisco de Almelda.
A direceo do Club do Recife tem resolvido
que a partida docorrenle mez tenha lugar na noi-
!\0SSA SENU04 DA C0\CI10
Para edaeaeSo do sexo maseallno
Director Manoel Alves Yianna
O collegio da Concec3o, mudado ltimamente para o bairro de Santo Aa-
j^' ionio, ra de 5.. Francisco, casa n. 72, contigua esUc3o central dos trilhos
urbams dos Apipncos, contina a funecionar regularmente, recebendo alum-
nos externos e internos, tanto para as aulas primarias, como para todos os
,, preparatorios necessarios matricula de qualquer faculdade, sendo osseus r,
ll respectivos pmfessores pessoas moralisadas e de um concito magistral j 'v*j
s bem firmado n.ista eidade.
O director diste aovo collegio contiuuando a empregar toda a solicitude no
desempenho de seu mandato, espera fazer-se mais digno da confianca com
^^ que o vio bonrindo os senbores pais de familia, confiando-lhe bondosamente
3g os seus filhos.
^g Os estatutos doc/illegio, assiii como o franco ingresso em todas as suas
HH dependencias, estao sempre a disposic3o de quem possa interessar.
Motores para ditos.
Machinas de costura.

s-
Ksa
> *A^
n
>

8
-i
a>
G fl | C._
c < co. e 2 O 51 S* 3
j>oo fT 5 w
!=:I
c? -a n. ai s*3 fli sr a
m
Feitor.
Precisa-se de um feitor quo salba tratar de jar-
' dlmj) horta: tratare na ra da Cruz n. 48.
Precisa-se de urna ana de leite : na ra es-
treita do Rosario o. 43. 2* andar.
a' ra das Laran-
ai
o. p
2 &
a
* -i-e 2 D c. & "'B
fSstff.gS&flM
S-.g.g|?J gr =
o. B ti
14.
id de 26.
O secretario
Joaquim Leocadio Viegas.
A::a deleite
Preri>a-se de urna ama de leite : na roa da
Pote Velba, casa defronte da senaria.
Precisa-se de um caixeiro
ra da Santa Rita n. 3.
na taberna da
0 i arnuco, gneros, bataneas, gaze
mais peiteuces da taberna da roa
Imperial n 24o.
O agente Marlins (ara' ieilao a reqaerimento de
D. Luiza Eugenia d'Assurapgo Ribeiro, viuva de
Francisco Marque Lsmos Ribeiro e por despacho
do Illm. Sr. Dr. juiz muaicipal da primeira vara,
da taberna sita na ra Imperial o 245, perlencen-
te ao espolio de seu floado marido Lemos Rioeiro.
Qioia-fira 10 o correle.
As 10 horas do da na me-ma taberna a ra Im-
perial n. 25o,o balancj existe em raao do mesuio
agente para ser exaaiiuado pelos pretendentes.
(Hado
Precisase de um criado, preerindose escravo
na roa das Larangeiras n. 14, hotel Juventade.
lenca o.
c
-1
-1
fin
n
i
D
O. -i
h 2 b a : -n
9
M 09
=rs 1*2 S-
J
O
-.
S
Precisa-se de nm bom offlcial de pedreiro e cal-
ceieiro para servico constante : a pessoa qne es-
tiver nestas circunstancias dirjase ao escriptoric
da e-rpreza d) paz, ra dj Imperador n. 3i, das
9 h ras da maoba as 4 da tarde.
-
B 2.Q.
_ as o
S o
tu p-g
a. 5
o
9
o
>
SB
C
>
a
-i

I
ft>
o
o '
v a>
i a
8 >
s*
?
S'\
<* i
a |
o
~
"-
aj
O*
S.cd
; E. 2.
SE
o-1
o :
O'
a> t
B S
r a
1 T O
o.*
sr
O Dr. A. S, Pereira do Carmo (medico)
est morando no sobrado n. 12 da roa da
Iraperatriz.
S \U fft'ra
PELO AGENTE EUZEEIO.
Do sobradan. 7 ra do Padre Flonano rende.
540*000.
Dit) n. 47 ra da Rola rende por aono 810$.
Do sitio no Parnameirlm.
Por autorisa;ao do I n. S'. Dr. juiz especial do h ;. Orgauisa-os, adianle os atrasados,
Alugi<-se por anno uu testa urna casa terrea
na no Pi>{0 da Panella prxima a igreja, que foi
do fallecido Dr. Gomes, com grande quintal mo-
rado e commodos para familia : a tratar com Leal
& Irmo, roa da Cadeia lo Recifa n. 56.______
^ma.
Precisa-se de urna iina que cozinhe o engorame:
a tratar na ra do Qaeimado o. 12, Io andar.
EcriptBracao commercial
Uoia pessoa rom a pralica de mais de 20 annos
prop3e-se a escripturar livros por qualqoer sysle-
procede a
balncos e fecha os livros por precos convenci-
nados : quem precisar deixe carta fechada nesta
typograpbia com as iniciaes D D oa na travesa da
ra do Vigario n. 1.
Na secretaria da Santa Casa & Misericordia
do Recife precisa-se fallar a Sr.' Leandra Carnei-
ro de Oiiveira.
Offerece-se nma ama para CuZinhar e lavar
para casa de ponca familia : a tratar, na ra da
Gloria, becco do fundo n. 3.
Agradec ment,
A viova de Francisco Augusto de Ollvelra, em
seu nome e de seus Albos, agradece moi profun-
damente o beneficio qoe pelo Sr. Antonio Jos
Duarte Coimbra Ihefra concedido no theatro de
' Santa Isabel em 3 do correte mez, aasim como
se confessa penhorada a todos os senbores que
aceitara o bilbetes e principalmente aquellos que,
! nao podendo assistir ao espectculo, contribuiram
(ie lona, 4 tOS COm pecas de linllO! com o importe de saas respectivas entrad; s. O
npnnrin nava t iii>Aos 9 pavae n' os remunerara' devldamente, entretanto qoe
prapno para i ncoes e i caixas a beneflcUlU e seus flltt05 mul[0 'car0 deve2d0
COm COBertOI'eS* a sua generosa pfotecgSo.
commerclo, a reiu-run^nt i ,j almim-trador aa
massa fallida de Ama-o J ncalve< dos Santos, se
vender' em leilo ni porta da a'itiga casa da As-
sociagao Commercia1, o sitio do Parnamelrim com
i palmos de frente, grando exungo de fundo,
divide de um lio com < do Sr. Dr. Laal, e do
ontro cora o da Santa lasa d. Misericirdia, a
que foreiro o referido sitio, cujos papis de es-
ripiara e oatros doca:nenios se achara em poder
do respectivo administrador da massa o Sr. Ma-
noel Joaquira Bapiista, que presura' os esciareui-
meotos precisos : e aproveit^ndo a bora e dia sub-
meti a novo leilo os sobra lo< c .rao aciraa indi-
cados, podendo surera examinados pelos prelen-
dentes previamente.
Precisa-se de urna ama
gelras n. 12, o andar. _____
Rento Jos Doaingnes, deixou de ser em-
pregado da padaria do Sr. Joo Antonio Carpintei-
ro da Silva, desde o da 4 do correte. Recife 8
d" outubro de 1- 67.
Aloga se umi casa oa ra do Aljcbe pro-
pri qult tal cercado, casa grande, numero 10 : quem
pretender dirjase a mesma.
Precisa se d-f urna ama para casa de peque-
a familia preferiiido-se escrava : na ra do Cres-
po n. 7._____________________________
Emilia Bez rra Pires Ferreira faz Miente ao
re>pp!avel publico que compreu ao Sr. Autjnio
Victarioo da Rocha a c i*a e negocio da villa da
. Escada, ra do Commercio._______________
Um moco seonVrece p^r caixeiro de escrip-
jtorajao: quera precisar aouuocie pelo mesmo
i Diario para ser procurado.
mmjmm mm msmmm
Compauhia fiddiJade de seguros *
%m& martimos e terrestres S
estabelecida no Rhj de Janeiro
AGENTES EM PERNAMBUCO
,'ji, Antonio Lniz de Oiiveira Azevedo & C.
competentemente autorisados pela
directora da cotapaohia de seguros i
Fidelidade tomam seguros de na- ffl
trios, uercadorias e predios no seu f
escriptorio ra da Cruz n. 1. ^
mmmmmmmmmm
Perdeuse no dia 20 do corrente um
anelo de ouro de feitio inglez com sinete
roga-se a quem o a'har (ou achou) no caso
de querer entregar ao seo proorio dono de-
rijir-se ao pateo do Corpo-Santo n. 11, que
generosamente ser recompensado.
Mai. esposa e noiva.
Pelo paquete inglez chegado a 26 do pr-
ximo passado mez, recebemos nova remessa ,
de bem feitos e delicados alfinetes de ouro i61-1, carro Para nmedons cavallrs.
de lei com perolas, esmeraldas e rubios' j!10/108 de ?ro Patente inlez-
verdadeiros, para co'locarem-se retratos. *ra^?s amer'canos.
Ainda temos alfinetes simples de ouro dO!5!^fiPiraJ:lescarCar algodo.
lei para grvala e para peito.
Os precos s5o jdu razoaveis. Na Pholo-
grophiaViWela raa do Cabug n. 18, eo-
trada pelo pateo da matriz. ______
Joaquim Jos Gkmgalves
Beltrao
RAO0TR4PICHE N. 47 4 ANDAR)
Saeea por todos os paquetes sobre o Ranee
lo Minho em Braga, sobre os gaintes laga-
' em Portugal.
aber:
Lisboa.
Porto.
Valen?a.
Guimaraes.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Con-ie.
Arcos de Val de Vez.
Vianna do Castelio.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famellcio.
Lamego.
Lagos.
Covilha.
Vassal (Valpassos.)
Mirandella.
Beja.
Barcellos.
O Sr. Feln Feislel, negociante an balante,
nao podera' retirar-se desla praea sem pagar sna
letra vencida e protestada p r nao paga, vi-io ter
completamente fallado ao enmprimento de su
promessa, e haver dlliceoclas contra elle requeri-
das ao juizo compeler te.
Precisase alugar tres eeravos para srrvea
de. otaria, paga-se bem : oa rna da Imperatriz nt-
mero 63._____________
Perdeo-se no domingo 51 do mez passade,
na esta^o doi trilhos do porto do capia-, nm ma-
raea' de praia : qaem o achou e quizer restituir
a sen dono, drija-se a rna do respo a. 13.
Na raa Formosa n. 15 preclsa-se de nm m*-
nino para criado : naua do Aiuorim n. 54.
Convidam-se novamente os eredores qoe
aioda nao rcberam o primeiro di*id^ndo 4a
massa fallida do padre Jos Amonio dos Saolea
Lessa a virem recetia-lo no escrlptorio dr Kller at
C, ra da Cruz n. 56, at o Bm do corrente mee,
e desja dala em diaote, no-deposito pablieo.
Kn tbaixo assigoado, tendo josto e coolra-
tado com o S-. Lino Antonio de Saraiva > eotopn
de sua taberna alta na rna do Socego n. 56, livra
edesembarazada : se alguem se jugar com direi-
to a mesma, dirija se a mesma taberna, o prata
de tres dias, a contar desta data. Recife 7 de ou-
tubro de l67.
________ Manoel Rabello de Almeida.
Ausentou-se no dia 3 do c ras da tarde, do armazem de mi 'hados Liga,A,
rna Nova, onde se achava de caixeiro, o menor
Manoel Joaquim Primognito, poMegnex; e coaw
O nso destes sabonetas tem apresentado os mais jdelle nao teoha o abaixoassignado. pal do dita om-
bt-u 6.-os effeitos contra as impingens, sarnas, ti- or, noticia algorna, pede a quem d'ellt- < nba, caspa, comlcboes c todas as demais molestias, sirva avisar no mesmo armazem on no e-rriptono
de Leal & Irmo. a ra da Cadeia, qoe aullo grata
Sabonetes de a lea trdo
de pelle
VENDE SE NA
B tica e drogara
DR
Bai-tholemca i Cauparcfala.
34Rna larga do Rosario34
Casa
Alujase a casa n. 6 da ra do Principe na fre-
guesa da Boa vista com 2 salas, 3 quartos, cozi-
nha e quintal : a tratar oa raa Nova n. 3.
'.!**
MARTIMOS
CONTRA FOGO.
A companhia Indeanisadora, estabeleci-
la nesta praca, toma segnros martimos so-
Ore navios e seus carregamentos, e contra
logo em edificios, mercaduras e mobilias:
Da ra do Vigario n. 4, pavimento terreo
Aluga-se
A casa da raa das Aguas-verdes n. 25 : a tra ar
na ra Bella n. 45.
Offerece-se orna criada para servir ero casa
de familia : na rna do Imperador n. 50, 3 andar.
se Ihe confessar.
Manoel Joaqnim.
MOLESTIAS DO PEITO
Aviso Importaste.
Os aicos verdadeiros xaropes de bvpophospbt-
tos de soda, de cal e de trro do r. Charcbill tra-
zera a firma quairo vezes repetida deste sabio me-
dico sobre o subscripto e a marca de fabrica da
pharmacia Swann, 12, ra Casilghone, Pars.
Acba-se a venda em frascos qnadrados com o no-
me do Dr. Chorchill no vidro. Preco 4 francos tOi
Pars : Com insirncgo__________________
Na ra das Cinco Poutas o. 77, na para a
gar urna escrava propria para servico de casa e
rna : qaem pretender dirijase a mesma casa.
Saques
Joaquim Jos Goaealfes B-lirao saca sobre Lis-
boa e Porto : a' roa do Trapiche n. 17.
aLM&NACH
DE
LUSO BRA ILtIRA
Para 4868.
POR CASTILHO.
Vende-se na livraria EconGmica defronle do arca
de Santo Antonio.
A LEGITIMA
SALSAPAHRILEd
reHO'axas de chocolate. 6 fardos
D. Molosto de la Porte fara' lailo com autori-
saco do Sr.vicecnsul de Hespanha, por inter-
veofao do agente Martias, e em presenca do mes-
mo Sr. vice-con-ul e de om emp.egado da alfaa-
dega para este flm nomeado, dos objectos cima
part do carregameBto salvado da barca bespanbo
la Isabel.i
Sexta-fjira II do corrente
as 11 horas do dia no deposito da alfandega.
0 GM1IP^
Raymunda Francisca Victoriana de Oiiveira \
AVISOS DIVERSOS.
DStitato Archeolngico e Geographico
Peraambacano
Haver sessao ordinaria quinta-fera, iO
do corrente outubro, pelas 11 horas da
manha.
OIIDEM DO DIA
Relalorios, pareceres e mais trabalbos de
commissSes :
Leitura addiada de urna Memoria hist-
rica, sobre o Ingar chamado Boqueir5o, nos
mootes Guararapes, pelo Sr. padre mestre
Lino do Monte Carmell Lana, socio effec-
tivo do Instituto.
Recife, 7 de outubro de 1867.
Jos Soares de Azevedo,
. Secretar io perpetuo.
Joo
na
- O Loodoa Brazilian Biok Limited descon-
ta letrai da praga por tres mezes a 9 (, e de prazo
maior a 10 v
0 Loodon & Brazilian Bank Limited saca sobre
os seguintes :
Em Loadres Srs. Glyn Mills Carrie & C e Lon-
don[ Brszilian Bank. Limited.
Liverpool Baok of Liverpool.
> Paris Srs. Bischoff-helm, Goldscbmldt & C.
Hamburg) Srs. J. H. Schroier Si C.
i Lisbo* London & Brazilian Rank Limited.
> Pono dem.
> Rio de Janeiro dem.
> Babia dem.
Rio Grande do Sal dem.
Mtranbo Srs. Gaaston Ele & C.
Para' Srs. Singleburst Bro klcbdrst & C
15 Largo do Corpo Santo, Recife.
1 de outuhro de 1867.
W. L Haynes-Maoager.
J. Stmoo-Accoanlant.
Precisa se fallar aos Srs. Jos Saporlti,
Ferreira Baptista, Amerieo Ferreira da Silva
ioja do rna do Crespo numero 17.__________

IS*i
Precisa se de ama ama para nasa de pouca fa-
milia, servio ponen, prefere-se estraogeira : na
rna da Crnz n. 18, 1* andar._______________
Precisa-se de ama ama escrava para o ser.
vle interno e externo de ama casa de ponca fa-
milia : na raa de S Francisco o. 50.
No dia 5 do correte ausentou-se da casa de
Autonio Bernardo Vaz de Carvalho, a' roa da Ao-
rora n 40, o seo escravo Goucalo, mulato acabo-
ciado, deidade di 16 noospooeo mais oa meaos,
cabellos ondeados, tem bastaotes cravos na testa e
pelo rosto, e falta de algons denles superiores na
frente, levou caigas de algodozioho aznl com lis-
tras brancas, aqueta de panno preto ja' as-.'da e
camisa de algodozioho. Este mulato velo do So-
bral ba ponco tsmpo, atad* esta' maito acachado,
pelo qqe presnme se andar mesmo dentro da ei-
dade : quera o pegar leve-o a referida casa cima
en no Recife a rna da Cadeia n. 19, armazem, qoe
sera' gratificado.
Preclsa-se de orna mnlner de bons costantes
para lomar conta de ama.menina e faxer o serviet
da casa de nm homem vinvo, menos cosinbar : a
tratar a' raa da jloria o. 52.___________
Alagara-1 e daas escravas para o servigo de
casa de ponca familia, sendo que ama coslnba a
engomma, e ontra compra e cosinba : qnem pre-
cisar dirijaseem Santo Amaro ao sobrado jauto
do eemlerio.
DE BFIISTOL.
PREPARADA IMCAMENTE POR
LANMA^ k KEIP,
NOVi YOEK.
DO SAJNSUB.
Esta excellente e adrcravel medicina preparada de urna maneira a mais scien-
; tfica por clumicose droguistas muto dootos e de urna instrueco profunda, tendo tido
muitos annos de experiencia.
A SALSA PACUILH-t DE BttlSTOL
urna medicina segura e digna de toda a confianca, conhecida e receitada pelos mdicos
os mais sabios e entendidos neste imperio, dorante o espaco de tres anuos, e nunca falta
em produzir o desejado effeito.
1 A SALSA PARRILHA DE BRISTOjL
i Entre as numerosas provas do prande merecimento da legitima, preparada por
'' Laoman e Kemp, de Nova York, n5o a mais fraca o fado que tem produzido tantas
iinitacoes e falsificacoes fraudulentas.
A LEGITIMA
uuffinau

COni>t.\)jE.\TE
APPARECEM
V(VOS-
TESTEIMURHOS
EM FAVOR

da legitima
SALSA PABB1LHA
0E
A SAIiS.% PARRIIaHA DE BRISTOIt.
E' muito natural que aquellos que se acham oceupados em preparar e vender as
suas misturas em garrafas pequeas murmurem e gwtem contra os frascos grandes, os
quaes contm em i tres vezes mais do extracto paro do qoe qualquer urna dessas ontras
preparares neste mercado.
A SALSAPiKRIIiHA E BRITOL
foi estabelecida no anno de 1832.
No anno de 1848 o proprietario adoptou, com grande sacrificio seu,garrafas maio-
res, sen lo agora de quartilho, offerecendo deste modo aosconsumidores urna maior per-
cho de extracto porissimo, como nunca foi offerecido.
-
A NICA LEGITIMA
SALSA PARRILHA DE BRISTOL
B' PREPARADA POR
bbistol:

Cautela coatra
WEW-YORK.
Os doentes dever io ter bem o cuidado
de obterem genuina e nica legitima
salsa parrilha de Bristol, a qual preparada
por
LANMAN E KEMP
di: MOTA YORK.
Nao bastam os elogios para justificar o uso de um remedio, necesario que, o mesmo, mediante umi ex
adquirido urna extensa e incontestavel pbpularidade. A, salsa parrilha de Bristol de Linman e Kemp lehr proaoo
de 24 annos tem sirio receitada pelos primeiros mdicos ua imperio d > Brar.il. PJem ontras preparace3 insptfar a
Vende-se em Fernambuco em casa de A. Caors, J. da C. Bravo e P. Maurer & C.

salsas parrilhas de Bistol que
sao perniciosas.
DE BRISTOL
PREPARADA IICAMEITE POR
LA.MAA k KEMP,
NOVA YORK.
ESCRFULAS
CHAO AS AMTIGAS
Ulceras
Feridas ulcerosas
Tumores
Herpes
Erupces
Lepra
Debtdatfe geral
Rheumatismo
Salsugem^
Febret malignas e htdotas
hmpigensX
Fe^fs intermitente*
Nervosidades
/
PARRILHA DR IRISTM.
DeLanman e Kemp
NEW YORK.
E' A UELHOR
A MAIS PORTE
E A MAIS BARATA
Em frascos grandes,
fencia de tantos annos o tettemunho doe se entnteos,
a sua eficacia pelo curso de 34- amos, e drale o
mesma confianca.
mihum I


MQMB
m^[
^HHiHi^H
^^^M
HHHH^HVI
.,w.

lar! ie Fet-nambnco Uarla fetira 0 de Ounbro de 1867.
DI) B0WH4N
0 prcprietario dslaTasa, agente dos fabricantes do Concretor Freyer e&\& prorop-
lo a foruecer o dito appirelho, em tamanhos convenientes para os engenhos desta pro-
vinciaver a descripc3o nos Diarios de 7 ees do crreme mez.
re-
CASA DA FORTUNA
Aos 6,000,?
BILHE1ES GARANTIDOS.
A'roa do Crespo n. 23 e casas do costme.
O abaiio asignado veodeu nos seos muito feli-
aroSn laxant nnrsa em frisar o este- es bilbetesgaraotldos da lotera qoe se acaboo de
ZitoS f .5?^uiu^s resal. ex.rahir a beoedcio da Saaia Casa da M'serlcor-
da os-> surales premios :
If. 139i doos quartos com a sirte de 1:2005.
E outras mailas sortes de 100,5, 404 e 2uV
Os possoidores podm vir receber seas respecti-
vos premios sem os descernios "as leis na casa da
Furtun. ra do Crespo n. 23..
Acnam-se a venda os da 49* parte da lotera a
beondeio das familias dos voluntarios da patria
(41a) que se extrabira' t> re i-feiru 15 do correte.
Preco. .
Bilhete. .... 5000
Meio......35000
Qaarto.....14500
Em porgo de 100t para cima.
Biilirte.....0*500
Meio......24750
Qaarto.....14375
Maaoel Manas Fiuza.
Chocolate de Desbrlere
purgativo de magnesia.
E' o chocolate de desbriere o meibor prgame
at agora conhecido e de grande aceilagao em Pa
ris, onde tem sido moito applicado oo bospita<
Hotel Diea pelos professores Trcusseau e Pidoai
com o meihor resaltado.
Por sua
mago e os
dos como dorivatlvo, abrovente, anstivernoso,
frescante e depurativo.
Deposito especial
34 Roa larga do Rosarlo34
Botica de Barjbolomeu C
perfeita
Ataga-se daas exolleoles escravas
em saas obniacto-' no Corredor do Bispo deroote
da casa o.
136.
Jos Rodrigues Feroaodes, subdito hespa-
nhol, ntira-se para Montevideo. _
Alaga se para passar a fusta ama casa em
Olioda rom multes boos commodos para familia :
bonita vi>ta e muito fresca : a tratar Da roa da
Cooeordia jooto ao Sr. solicitador Abrea._______
GRANDE BAZAR
RA NOVA N. -0 E 22
Machinas para desearogar algod2o. dome
lhor autor que tem apparecido na America
E' tal a execucJSo do machinismo, que o al-
godao sahe quasi tao perfeitocomo o de bu-
landeira. Recommenda-se a attengo dos
Srs. agricultores, estas machinas.
gGrande a. mazem de tin-S
3 tas medicamentos etc.
Roa do Imperador o. 22.
Productos chimicos e pharma- fe|
ceuticos os mais empregados em !
medicina.
Tintas para todo o genero de pin- I
tura e para tinturara.
Productos industriaes e tintas $j
para flores, como botoes de flores 2
e modelos em" gesso para imitar V1
fructas e passuros com o compe- &
tente desenho.
Pro'lnctos chimicos e industriaos f$
para pbotograpbia, tinluraria, pin- $|<
tura, pyrotecnia ele.
.Montado em gran.lo escala e sup- f
pride directamente de Paris, Loo-
dres, Hamburgo, Anvers e Lisboa
pode ot'erecer productos do plena
coufianca e satisfaz.;r qualquer en-
commenda a grosso trato e a reta-
mo e por prego coramodo.
TVPOGlAPHIA MERCANTIL
DE
Carlos 32i?81:5:-d< Hiihlert & C.
N lU-Kaa tT*rrM-l. 10
?ob este tituio ttnvs u!t;rnimeDte esubelecldo
urna lyp igraphia que mandamos vir de New Yoik
e f qnal reunimos a que ]a tinhamo.
Montado assira o nosso estahelecimeolo em um
poeto vantajoso, porque :po;-soimos ludo o que
de meihor gosto e mais moderno, achamo-nos ha-
bullados de emprebendfr qualquer obra qae se
nos queira confiar, com a maior nitidez, visto os
nossos quarenta aooos de arte e experiencia.
Somos bastante Gonhecido* e por Isso nutrimos
tija a conviccao de que a generosdsde do pu-
blico edos nossos amigos hao de correr em nosso
auxilio para proteger ora velho artista one.ado de
grabde famlia para o qae de ante-mo nos con-
f usamos sumioamente agradeckos.
:

ttRDADEIRO LE RO!
4c il.1(aKT
Ru de Sere>.
i Doe;vr-M"lttln
i a PAJU -.
i ... :..Thiw^,un .. -'
M
a
i

a


':
n
:-
A-
K
\

f.m rail i rsi r J i ji -1
iu l-*a wi'-n 'i-tF, yiM
fCllu (*>:.. O .lilii l I. I.
>hj
*L
KrU
OOCitW-aEOtcift^--
v
DepobJto
C. em P*
PHARMACIt!
V >\
t.-ill .. i -i i ll.i !
*. I."........
br^Pkrtt. -rr.. j- *
<, I. ... s
O' i'l'i.l .,...:,.
4v H .l'it I I.
na pharmacia de P. Maurer i
ambuco.
HISMfi DE CARLOS
Rei da Sueeia
,rto irnr Ti bp >

FOR voltarb.
Vende-se esta excedente obra por-44200 fem
brochara, na llvraria Ecooocoica roa do\Crespo
n. 1
Na mesma livraria tomam-i;e assgnaturas
avida de Horacio Nelsouo celebre almiran
angle a 14 cada exemplar.
V>;?2L
iran*;
^go
Precisa-se de ama ama que saiba csinbar e
mmar e para todo servico de casa ; na ra
PILULAS, TINCTURA, XAROPE E VINHO D,w"a D "
JAYME CABELLEIREIRO
N. 6,raa do Quemado primeiro andar'N. 6,
Precisa-so de ama ama para lodo servico t>
j urna casa de pequeoa familia (meaos sa^iir a roa)
e que seja perfeita cosiobslri; na pr*?i da Boa-
vista n. 7, segando andar.
COMPRAS
\O 1IAIH i AlliAAAS BRJLMCO.
Tintura instantnea para enegrecer os cabellos em um minuto sem offenJer a pelle t
r
i. Mi

Gabinete reservado e desente para tingr cabellos
com pei'fei(So, presteza e mdico preco.

II

W*l (!)


i
nico preservativo de caspas e calvice.
PREMIADO PELAS EXPOSigES DE PERNAMBUCO E RIO DE JANEIRO.

.
Salao para cortar e frAzar cabellos, c fazer barbas.

Moedas de prata
nacienaes, assim como patacoes portognea
hespanhes, compram-se eom premio : na raa do
Crespo n. 16, primeiro andar.
Compram-sc escravos
Sil vino Guilherme de Barros, compra, vende
roca effectivamente escravos de ambos os sesos
de todas as idades : a' roa do Imperador n. 79,
rceiro andar.
Compram-se
com premio meedas de oaro e de prata'Daeleaaes
e estraogeiras : na roa 4a Cadeia do Reeife n. 16
armatem de Adriano, C'stro & C
Libras esterlinas.
Compram-se com bom premio
dependencia n. 13.
na ora-a da lo
BE H0M\l>\ OFFItIVV DE CABELLEIREIRO
onde com esmero e gosto se maaufacturam, quer para a provincia, qner para fra della, todas as qualidades de postigos Os abaixo asignados scientiQcam ao publico,
e com especiaiidade ao corpo de commercio, que ^^ modernos e de apurado gosto, accrescendo a grande differeoca de ser 10 0(0 mais barato que em outra qualquer parte,
jnlgam nada dever a' pessoa alguma'desta praga, i-'*
e nem fra della ; porm, se algaem se jaigar seas
credures, apresentem saas coous e ttulos, que,
sendo estes legaes, sarao promptameote pagos na
roa do'Livrameoto o. 39, no prazo de olio das da
dau do presente annnncio.
Reeife, 8 de oumbro de 1867.
J j Manoel I' reir de Mendnaba.
Joo Hachado Evangelista.
________Custodio J is de Oliveira._________
O abaixo asignado, propriftario do sitio do
Monteiro, qae foi de saa Gada raai, vem declarar
qae pessoa aiguma su acba autonsada a alugar di-
to sitio, pelo qae as pesseas que o quizerem alagar
se devem dlnglr ao mesmo abaixo assigoado, ou
an Sr. Nieolao Machado Freir na povoajo do
M nteiro.
Reeife, 8 de setembro de 1867.
Zeflrino Fernandos da Silva Manta.
.
Esplendido sorlmento de caoellos, em cores e em eomprlmento,
3T.6. RA 1IO QlEII?I%BO VO.
Offerece-se urna excellente armagao de ama-
relh euvidragjda para qualquer estabelecimento.
Se se fl ra DireiU n. 16.
Uiseiro e viseiro.
R ga-se ao Paraguayo da loja da ra do Livra-
mento, qao va[ deixir de ser numero par, qae se
deixe de continuar a insultar e espancar aos seas
vbinh.is, sob pena (leste Sr. FVrrabras encontrar
aigoni novo l\ Idao que he ponha as co-tas n'ura
pi-ixe e o nariz em fr Esle rustico, stgonda nos Informam, fla-se moi-
to era seu ira o Savel, que srrota 120 eontos de
ris em queslo-s mal euteodidas e notas sera ser
do thesouro, nem do banco do Brasil, nm mes-
mo era onro e prata, porque agora sao metaes
muito rarrs.
Fol alnrta fiado Don taes 120 ( vejam os leltores
que nao sao annos, sao Cuoios de ris) que o Pa-
raguayo vermeiho deiiou pela porta fra a um so-
cio de seu irmo a poder de improperus, e com
urna garrafa em punho nmeagando quebrar Ibe a
cabera ; o que oSo conseguio era vfriude da pru-
denria do dno socio.
Saf<, qae na raa do Livramenti tem hav do esle
anou tuusis de licar a gtute biquiahertaI
_______________O C. de Pato.
Aluga-se, em Cachanga', o sillo do fallecido
Jos Roirinues Ferreira, com coromodjs para fa-
milia; jarrtim, cacin>ba. e cocheira : a tratar na
ra do Qneimado n. 14.
PHOTOGRAPHIA
VIUBLLA
RA DO CABUGA N. 18, ENTRADA PELO j
PATEO DA MATRIZ.
0 nosso estabelecimento photogr?pico
est sempre em dia com todos os meibora-,
mentos e progressos que na America do
; Norte, ou na Europa se consegue na arte
Moedas de oaro.
Naciooaes e estraogeiras assim como libras
esterlloas: campram-se na roa do Crespo i. 14,
primeiro andar.
Compra-se ooro e praia em obras veloas :
na praca da Independencia o. tL
. M08DAS
de o uro e prata
Compram-se moedas da oaro oaeionae* eeslran-
geiras, bem como pataeoes dos diversos eonbos
em casa de Adamson, Howie & C, roa do Trapi-
che-novo n. 40.
Na roa de Abollo, armazem n. 12, compran
se dous escravos prelos.
C>mpra.sa por mais do qoe em outra qnal
quer pane, pra.U brasileira e estraogeira, iibrj
i-sterhnas, moedas de 94 ( 164 porcgurza*. d
54, 104 e 204 brasllelras e se trocam ;<> das eaixas liiiaes do Baoro do Brasil : oa roa da
Cadeia do Reeife o. 58, irja de azul<-J->.
Comprase na loja de joias do coracio de ooro
a. 2 D, raa do Cabaga, moedas naci"Dvs de 2l>4
photographica, e para alcaogarmos tal An Comf)Ti~aai escrava sadia qo
nunca poupamos despezas nem sacnbcios, eogumme: oaroada Pmha n.23, i* a
VENDAS
Satis'eito o invencive Veado Branco, com as maneiras attenciosas com que j a0 prego de
O
o:
Joao PauloMont-iru u Auinde, Janasri.i Cons-
laocln Monteiro de Andrade, Miguel Arrhaojo
Moiin-iro de Andrade Juni'T, ars^nte, Constanga
J.riiv-n i de Anilradn Basto*, Herra ila Lidia de
Andrade Costa Reis, Jolia Amalia Monteiro de An-
drade e Helio, Duming s das Nevos Teixeira Bas-
tas, Jis Cario.-Manso da Cota ReiS, eH^onque
S raiva de. Araujo e M-*llo,agradeeera muito cor-
dialmente a lodosos qoe loma am prte oa pro-
!KuqUpSrt r TTimi**. I Rl Vm pel re^peitavel publico desta brl0sa provincia, a ponto de que muitos a pbr-
cna j i Hooteiro ae Acdrade e se oign-ram aeom- aa uesputaram a satisfaco deserem os prime iros a comprarem em seu importante arma-i
parhar o seu cadver ao cemiierio. o Ihes pedem zem, sedesvau3Ge em declarar cm toda a lealdade deque capaz, que est cida vez pela primeira duzia, sem
que i; nnpare^am no 7o ia qoe li do
na n.ainz da Boa-v -ta pelas 7 huras d<
alim de assistlrem as mis-as que pela alma do .
H.P-0.0 nnai,. mami->n.-,.i-trar. __________i xapope alcoolico de veame.
mmmmusBBEsaeK&&3^S73^sss9 O t'ead Braaeo, declara a quem ainda o nao conbece que nao um
- un-rec-ii.-.e oo s saonoras ama t-ara s^r desses bchameos intrataveis que por ahi vivera com figura hu nana; domesticado no
S7^!^VX^ffJP.SSL ~Paizonceaamaveli^aBTCa vio a luz do astro bemfeitor elle partidario
qmzer dirjase a ra d-j Senhor Bom Jess (as.aesse invejavel 3graao e sincendade que com tanta gravidade se desprende do seu
Criouias d. 20. bico encantador.
O Vpado Branco, como todo o homem civilisado, ama a sociedade dos
bons, gosta do centro do mundo elegante, usa do tnico de Jayme, para previuir que Ibe
roz'ohe t
. ao-lar.
de soite que os nossos numerosos freguezes Ga0)pram.se Dia-jo$: M ro Direita nomV
pudem tnr a certeza de que sempre encon- ro 61.
traro em nosst estabelecimento tudo quan-
lu a arle e a moda otferecer de bom, no.
novo e velho mundo aos amantes da pbo-
tographia.
NOVIDADE PHOTOGRAPHICA. Vende se na roa das Cinco Pona? o. 81, i
Acabamos de receber todo o necessario tas cora 4 libras de doc<- flao o meihor qne oo:
para fazer retratos Chamados carte-album. haver oeste geoero. Tambem aloga se ama e?-
Este genero de retratos ltimamente in- crav''_________________. _____
ventado na America do Note, rpidamente G0TUIII& de IlinudiOCil
; se propagou na Inglaterra e Franca aonde XeBf.,e mnil0 nbn traIir !ar.
| goza actualmente do lodo o favor da moda. ga do Rosario o. 24, toja.
A carte-a-lnm se faz por duzias como os
antigos artrs de visita.
Na Inglaterra troearam o nome de carte-
album pe'o de retrato-galera e os ingleses
nsam enea silbar estes retratos em qoadros
especiaos para com elles formar galeras,
com que ornara seus gdbiuetes. Recebe-
mos urna certa quantidaue de ues quadros,
os quaes cederemos por barato preco aos
nossos freguezes.
As pessoas que quizerem ver specimens
dos retratos chamados curte lbum, j fei-1
tos em nossa nllicina sao convidados a visi-
tar o nosso estabelecimento.
CARTES DE VISITA A 95000 A DZIA.
Em consequencia do novo yenero de re-
tratos chamados carte-album, diminuimos
o preco dos antigos candes de visita, os
quaes de hoje em diante ficam reduzidos
Fundicdo da Aurora
Taixas d^ ferro coado, bom sorumeto e oa -
dade superior
"Cabrlole ~
Vndese por mo ico preco om cabriolrt d^ ^a.i-
tro rodas com 4 asjmos : para ver e tratar i
ra do Hospicio n. II.
GRAKDE
LIQUIMCAO
o coireote, mais animado, ao s pelo benigno acolhimento que tem recebido, como pelas forcas de! desta dimiouico de preco, di
laaTa d 10e dispoe porque at boje nao careceu ainda dos preparados de jurubeba, nem do. merar-nos no nosso tnbalho.
Caixeiro
Precisa se de am menino porteguez de (0 a 14
anuos do idade para caixeiro em ara eopenho per-
ti desta cidade : na ra Nova o. 56, loja.
Escravo fagido
No da 2 de culubro fugio o escravo Valent m,
representa 40 aones, rheio do corpo, tem no peilo
fot nosso cu.-lume Alm disto, continua
mos a dar os curtdes de visita em catines
de luxo, Bristol, ou porcelana, dourados ou
lithographatlos para o que temos urna vari- i
dade de 12 modelos, a escolha de quem se.
retratar.
13" VA GOJIO PRETENglO.
Apezar do nesso trabalho ser mu;lo co-|
ponbam a calva ao sol, vai a companhia des Booffes"Parisierjs''e normei do partido de nhecido nesia cidade, aonde trabalbamos a
Tendo de se liquidar a loja de calcaJos da nu
do 'mperador o. .'J2 :
Borzeeuns de Melli...... IIJWM
Ditos de Bator...... Hi>*k-
Dina de diversos fabricantes. IM
, SapatSes de bezerro Sazer..... .14 0>
riirzeguins pira mtniQos e mem-a-. "j;
Ditos dn s ditos....... iiOC'.
Borz>'goir;s de lastre para T-omer.;
eKxemos de es- slMS^Meib.' '. '. *. '. '. '. -Jtv
como sempre Bo-zrgoios cordata)...... &}M>
Bolas para miniara.
Perneiras e guarda l-.-ma.
Sapas de trauma para raeniais. 14000
Sapalos dn eouro e lastra com salto
para senhora....... ffs i
que por causa;
madame Adelle, elle tambem alira-lhe o seu lindo bouquel.
Digne-se o benigno leitor de jurar as palavras sinceras do sincero Veado
Branco, e vonha prover a sua dispensa do que meihor se pode encontrar n'um estabe-
cimento de mol hados.
A modicidade dos precos, ermparados com a boa qualidade dos gneros e o
uma cicatriz grande que diz ter sido de uma chi- bom modo com que se recebe os senbores compradores, deve certamente
pessoas que anda nao vteram a nossa casa a fa'.e- parte dos amigos e freguezes
BELLISSIMO ARMAZEM
H annos, com tudo jalgamos de nosso de-
ver dizer hoje o seguinte :
Nos retratos fe mento emprega-se toda a cautela para of-
ferecer-se a par da belleza do tnibalho, as
VENDE-SE
Motores aiwrtfi para doos ca
Dito dito para quatro cavalh .
Machina* para d^scaDcar aig-odao dd I, lii
18, SO 30, 3o e 40 sorras.
Prendas para tufardar al^odo fazeido
co con 6 palmos de comprimen!" euro *<
l-'iO e aOO libras, viudas oinmaroeoie da Aowrtu
no armazem de Henry Forster C, oo eat P
dro 11 o. 2 junto ao Gabinete Ponoupz.
Vende se
frada de boi, levou vf stido camisa de algodo de
lisia e ca'e.a de algodo azul, chai j de cenro ou
painj, em uma Irouxa, jaqueta de panno preto
o m gola de velludo, orna ca'?a de brim branco
orna camisa fiua sem rolarinh i, um len^ol de al-
godo cim a marca L. A P. V. : quem o peg?r
pode lewa-lo .m dar n itieia no pateo do C^rmo d.
26, que sera' recompensado.
Antonio de Almpifaiii.mes saca sobre Lisboa:
a rna da Cruz n. 23, | aU'lar
PreiMsa-se alugxr um preto pra todo o ser-
vico : na botica do pateo do Carmo.
Alnga-se nm sitio para se pausar a festa no
Caldeireln junto ao sillo do IUm. Sr. Dr. Alcofo-
rado cr.m casas, estribara, cocheira, cacimba,
mnitas fructeiras de (odas as qualidades, baia de
cap'm para ostentar com franqueza 4 cavallos,
leudnos fondes do sitio o no Capibaribe para se
tomar banho a qualquer hora (o dia : qnem o pre-
tender dirija se ao escriptorio do Illm. Sr. Dr. Al-
colorado ou no Chora menino defronte do barao
di Campo Verde.
Preaisa-se ae cosiureiras a ra do Crespo ".
4,fabrica de chapees de soL ___________
1
Precisa-se de orna ama para o servico de uma
casa de uma pessxa na raa do Torres o. li, se-
gundo andar. _____________
Oosinhiro
Preci na ra da Madre Deas n. 16 lo|a.
Cozialic ira.
Precisa-se de orna ama boa cosinheira : a tra-
tar na rna Nova o. 28.______
Precisase de doos homens portoguezes que
d conheciroeoto de sua conduela, e qoe enteodam
do tratameoto de capim e carreja, quem estiver
nestas circumstancias apparega na ra estrella do
B< sa' io das 9 as 3 boras da tarde, qoe achara'
com quem tratar.
Thoraas D. Sbelly val para a Europa no va-
inglez loeida.
DE FEDEGOSO
Uiie deposito
Pbarmacia de J. A. Pinto, roa larga io
Rosario n. 1.
Precisa-se de um eitor ^ue enianda de Jar-
dim ehorta, e qoe tetina boa conducta: oa ra das
Cruzos o. J6,--P andar.___________
Na roa ireila do Rosarlo a. 3! 2* andar,
ha oa mrj|at>nbo para se alagar.
0E
MOL HA u>
CONHECIDO PELO NOME
DK

DO BRANCO
Estabeleciuo ra Direita n. 16.
Inquina da travesa de S. Pedro.
convidar as i melbores condigoes de duragao. Donra-
do.nosso mos e fixamos os. nossos retratos sem olbar- J^S^:.^'?.'^. SL7 21
mos a economas, e ltimamente para Ibes relio, esia tamttmseaioita : oa roa Aaea-ta o
pdennos dar uma lavagem mais ampia 47 se dir'.
e segara, contratamos com a companhia de veode-se por PreC, SSSS um escravo d
Bebiribe nma penna d agua. Os nossos 40 annos, ba, Agora, robosto, e pr .prio para
cartoes de de visita sao verdadeiras photO- qualquer servico : a tratar oa traressa do Carioca
graphias, que nao preciso de retoques do,D- *caes do ^a"'oj.__________________
pintor para Ib" desfargarem os defeitos, e' Yei>le-se
convidamos a quem quizer a passar sobre na roa de Apollo o. 8 cal de Lisboa a 3ftoo -.
elles uma esponja molhada em agua, ou a.&ar/!*L_
deixa-l em agua, ou em espirito de vinho : se apre-
seniarem alteraco sero recebidos por nsi Aotonio Boieiho Pinto de M-sqoiu nwir.aa a
1 veoder terrenos no sen sitio do fonda % ots >
chegar un B-beribe, arrindo orna estrada no ses-
mo sitio, que a travessa o ro de Berjenb. enax a
do eocaoameBto das aguas qae vio fornecrr ea.
Olinda ; no mesmo sitio achara' rom qo>ra tratar.
nos domingos e dias otis, en oo Reeife, rna d-i
Cadeia, loja de lateadas o. 54 A.
Terrenos
e pagos pelo duplo do que tiverem cus-
tado.-
Continuamos a fazer retratos por todos os
systemas pbotngrapbicos at hoje conheci-
dos em pbotograpbia. O nosso sortimento
de caixinhas, quadros, passe-par-tauts, e
; joias de ouro para a collocagao de retratos
o mais completo, variado e abundante que
existe nesta cidade.
ai: S A -Ra do Cabtigi-N. 3 A
Agostinlio Jos dos Santos % G
Aciba de chegar a este estabelecimento um esplendido sortimento de
joias do ulllmo gosto, perfeiclo artstica e modellos enteiramente novos; como
seguem: aderecos com rubim, esmeraldas e perolas finas, pulceiras, broches
para retrato, anneis,. botoes de punho, brincos e cassoletas com letras, etc..
etc., etc. Salvas de prata do Porto, faqneiros, paliteiros, cliz de mesa c
fructeiras, cojos precos s5o incompetiveis, pois que os propri"tarios desta casa,
recebendo seos artigo* directamente da Europa, poden servir vantajosamenta
aos ''seos freguezes. Compram-se brilhantes, pedras finas, ouro e prata, page
se bem, tambem se incumbem do fazer concertos.
Trocam se
as notas do banco do Brasil e das caixas Bliaes-
dom descont mullo rasoavel, na praca da lnde,
oendeccia n. 22.
Q
Precisa sa de
aeimao o. 59.
Ama
ana ama de leile
oa raa i<
Casa em Olinda
Aloga-se ama caa em Olinda, localldade excel-
lente para banbos salgados ; no oito de S. Pe-
dro Novo, prxima a', casa do commeodador Joao
Pinto de Lomos : o tratar oa roa do Crespo, loja
o. 17.
AttenQo.
X. 2> Roa do Livramcnio y, 25
Deposito de tamaocos e calcado oaciooal da fa-
brica da rna do Jardlm n. 19, de Joso Vicente Go-
dioho, taotooo deposito como na fabrica seapromp
tam todas as porgoes de calgado o mais barato
possivel, esta fabrica tem todas as machinas pro
prias para os calcados ja bem acreditados pelo
grande numero de freguezes qoe daqoi se for-
necem.
Ama.
Precisase alogar orna ama, para comprar, cos-
nbar e engommar : na ra de S. Francisco n. 54.
- Na praga da Independencia n. 33, loja de
ounves, compra-se ouro, prata e pedras preciosas,
e tambem se faz qualquer obra de eBCommenda e
todo e qualquer concert.
Boa pDa do Douro,
Chegaram barris de quinto coa poro rnbo do
Douro garaoiiodo ae qoe nao tem confeigao alja-
ma 'xcepgo de nm bocadinbo de agoardenn
que Ihe bolaram para poder reslsur a viag-m.
oeste genero o meibor qoe leas vmdo a mt
mercado, e muito proprio para osar n-s hora-- V
comida e veode se por prego em conia na loja
armazem do Pavao roa da Iopsralrh n. 60, e
Gama i\ Silva.
Na roa da Aurora o. 82, segundo andar,
arecisa-se de orna malber forra oa escrava para
dndar com ama changa de lenra idade.
Precisa-se de um homem qoe seja bom for-
neiro : na padaria da ra das Cruzes a. 32.
Atlcneo
Conlinua-se a foroecer almogo e jamar por pre-
go commodo, em uma casa particular: oa raa es-
talla do Rosarlo sobrado o. 35.
Mulato raiddo
Aoseolou-se o mulato Umbelioo, eom os stfSMs
spguiotes : idade 18 annos, sem barba, eanriks
pretos e corridos, tem falta de om dente oa frene.
sobre as costellas tem om sigoal preto. lm nasa
cicatriz na test, offlcial de sapaleiro, aeda clcalo
e levoo paletot preto, calca bracea, chapeo taixo
de raassa : qoem o pegar lave-o a rna do Rosari
n. 22, que sera" graUOcado.____________-
Saques
Joaqolm de Sooza Silva Caoba, aeea sobro
Porto : aa roa da Croi n. 18.______ ______
Veode-se por preco commodo or carecer do
alguos reparos o caler nacional Erna, que
acba ancorado defroote do Caes do Ramo- : a tra-
tar na roa da Oncordia, casa nova defronte d
sobrado n. 1S, oa na Praca de Pedro I, livrarw
da (ofaocia.
Carnauba
Vende-1 e cera de carnaoba esa
I superior qualidade : na loja do Pavao
I peralrtz o. 60, de Gama & Silva-.
roa da
i Mflmjum i
-


IMn_n__MI_M_
n^M

Biarto e l'crnamlmeo Xuarta felra D de Ontubre de 1867.


.

/
Collares Eoyer
Oii Anodinos elctricos magnticos
Deposita acreditado
i$a d3 a^uia, branca roa do Queimado n. a
Apresar anda os prodigiosos effeitos dos
Collares Hoyer ja n5o ensinar ou querer
iBtroduzir novidades, porque a fama de sua
efilcacia tem-se tanto estendido, e os seus
fenzes resultados a tal altura elevado, qoe
boje rara a pessoa que por experiencia
propria, ou oor intermedio de seus amigos
e parentes, ignore ou desconhe :a as virtu-
des desaes sempre apreciaveis collares
Royer.
A aguia branca porm sa gloria de concor-
rer para ara t5o justo fim, se n5o por ou-
ro modo ao menos por ter sempre, e cons-
tantemente um completo sortimento desses
colhres magnticos, que bem se podem cha-
marsalva vidas das crianzas.
Resta a>nda que os senhores pais de fa-
milia se facam convencer Jde- que conven)
nao esperar que as crianzas sejam atacadas
do mal, e por isso necessario ou conve-
niente que com antecedencia se deite na
criaufa um desses collares para assim estar
ella preservada das convnlgoes e se contar
livre dos rigores da denticSo.
A aguia branca ra do Qneimado n. 8
Armazem de fazendas finas para grandes toiletts e uso


ordinario para todas as classes.
jm m mm


roa do Crepo n, 9 A. esquina da do Imperador

DE
Custodio Jos Alves Guimaiaes.
O propietario deste importante estabelecimento avisa ao respeitayel puBlico
e aos sens amigos e freguezes que acaba de receber pelo vapor francez Guienne, di-
; versos artigos de moda, os quaes sao de completa novidade para este mercado, e apro-
continua a receber por tod. os vapores ximaQdo.se 0 dia da commemoraco do aniversario do Hospital Portuguez, por isso
fran ezes a qnantidade que ha contratado e
por isso acha-se ella sempre provida dos ver-
dadeiros collires Royer eletricos magn-
ticos.
Cbapelinas modernas,
enfeites de flores, capellas finas para noiva's,
ditas brancas e cor de rosa para meninas,
calxos e ramos de flores finas e botes de
Tosa de diversos tamanbos: na* Aguia Bran-
ca ra do Queimado n. 8.
Meias finas para meninos.
apressa-se em vir avisa-los do que ha de raais moderno em seu estabelecimento, como
sejam:
Riquissimas chapelinas ccm coque. Luvas de Jonrin {reta, branca e de cores.
Dias sern elle. Lindos cortes de 15a com barra.
Lindas chapelinas de palha da Italia. (Re- \ Riquissimos cortes de transparent dese-
commeoda se muitoesias chapelinas por se- da para vestido de senhorastambem novt-

t
rom inteii ament novidade).
Riquissimos cintos de seda, com matamos
chiueza, ultima moda.
Lindas saias de 13 com bordados, propria-
para as excellent ssimas senhoras trazerem
A Aguia Branca ra do Queimado o. 8, m do bal5 mm m0(Ja em paris
recebeu meias mu finas para meninos, e *
est vendeodo as de cfes a .e50uO duzia,
brancas a 55500 e cru's" a fyjOuO.
Trancas de vidrilhos, brancas e pretas, lar-
gas e estreitas.
A Aguia Branca a ra do Queimado n. 8,
recebeu novo sortimento das trancas cima
ditas, e como sempre vende-as por precos
commodos.
Fitas novas
para cartas de hachareis e a irmacdade do
Bom CospIIiu.
A Agoia-Branc.', a roa doQueimadn n.8, recebeu
novas titas achamalotadas para ambos os lado?,
mil f-ncnrpada e toda de seda, cora viva o agrada-
vel cftp, e croo sempre, veade por prego maito
rasoavel.
Bonitas bonicas
com rosto de cera, olhos fixos e movedizos,
A aguia branca a ra do yuuimado o. 8, rece-
ben Din niivo sortimento de bellas booecas com
rosto de rra, olhos fios e movedizo* e como
sempre vnde-as por pr-gis commnrios reg-uhodD
estes em relaco aos differentes tamanacs de que
se couipo* o sortimento.
bliir dentfrico e otlontalgico.
A agoia branca a ra do Qaelmado n. 8, rece-
ben d<- novo esse apreciavel elixir cujo oso ne
casuario para onservaco
0 ii.aj balito proveniente
cadx frasco cusa 15.
Est tuda remediado po (|i ni) a lu-
yas de pellica.
Porque a apuia braoca per intermedio de ora
negociante de missa praca mandn eootraur com
ambiTi e acreditado fabricante de dnas, para
c?te ih'i fu'-r remesas directamente por ludes os
vapores, sendo a priraeira a que agora araba de
<'. ar. o f^bricaute prometlrt nioda-las sempra
da meihor pellica e oa verdade as que vieran)
dess< vti c nirmaa) o seo dizer, e pe09 Jilrren-
tes enfeiks que e)l-.s trazm da' elt.? mais a conhe-
cer o apocado go.-lo a pereieSo de sua ob'8. Res-!
ta pois que os b ins e constantes Ir^gn^zes
nuem a favorecer a aguia branca em quaoto ella
vai >e livraodo d'>s mos qoe com seas Dados a
iara dept-naodo.
(amisi has bordadas para baptizados
Lindos cortes de seda para vestidos.
Moireantique branco, azul e preto, fazen-
da inteiramente nova.
Grosd*-aples de todas as cores.
Ditos pretos.
Leques de roadreperola.
Ditos todos de sndalos.
Ditos de sndalo tendo no centro um qua-
dro de seda, inteiramente novidade e ulti-
ma moda.
Chapos de sol para senhora.
Litas de seda p*ra senhora.
Ditas para meninas.
Espartilhos para senhora.
Riquissimos enfeites para senhoras, intei-
ramente novidade.
Bales pra senhoras e meninas.
Touquinhas ricamente enfeitadas.
Coeiros bordados.
Toalhas de labyrintho milito ricas.
Ricas fronhas de labyrinto.
Riquissimos lengosne dito.
Rendas, ticos da ierra e grades para lencos.
Um rico lengol de labyrintos.
da de.
Lindos cortes de 5 com listas de seda.
Riquissimas ivell, s para cintos.
Fil de seda e de linho.
Riquissimas camisinhas para senhora.
Riquissimas saias bordadas.
Punhos e gollinhas para senhora.
Riquispim..s manteletes de cores, inteira-
mente novidade.
Peitos de linho bordados com gosto pro-
prios para camisas lo noivos.
Cnllarinhos de linho lisos e bordados para
homens.
Lindos veos e mantas de blonds.
MOTAS FAMEffBAS
NA
LOJA E ARMAZEM
no ,
.
-

m
m
000
m
m


E


Roa da In-peratrie
DE
GAMA s ILVAo
Tendo os donos de te grande estabelecimento resolvido liquidar a maior parte das
suas fazendas resolveram vender com grandes abatiraentos em precos, assim como teem
recebido ltimamente urna grande porejo de fazendas novas tanto inglezas como francezas,
alemSas e suiss^s, teem destinado venderemnas mais barato que em outra'qualquer parte
afim de apurarem dinneiro, dando de todas ellas, amostras deixando ficar pt-ohor, ou
mandam-nas levar em casa das excellentissimas familias pelos s-us caixeiros; assim como
as pessoas que negociara em w jiena escalla, oeste estabelecimento comprarlo pelos mes-
mos pregos que compravam Tk casas inglezas ; ganhando-se apenas o descont.
Cortinados para camas e Janel-1 Baldes a 2, 3#5oo e H
las a 10& 16l -20$ e 25|5 Vendem-se um grande sortimento de cri-
Vendem-se um grande sortimento dos nolinas ou baloes de arcos para senhora pelos
melhores cortinados bordados que tem vin-
do proprios papa camas e janellas, pelos ba-
ratos pregos de io5, 16/5, 2cf5 e23 cada
par sendo neste genero o meihor que tem
vindo ao mercado: assim como pegas Ce
cambraia adamascada proprias para o mesmo
fim. na toja do Pavo, ra da
n. 6o, de G^macc silo.
CASEMIRAJ A H O COVADO
Vende-st casemiras escuras enfestadas
proprias para caigas-, paliis e coleles assim
como para roupas de meninos a 25 cada
covado, ditas clares fazenda muito fina co-
vado a 2Moo ou corte id, ditas muito rae-
baratos pregos de *&, 2#3oo e 3$ por haver
grande porgo, na loja e armazem do Pa-
v5o, ra da Imperatriz n. 6o, de Gama A
PANNOS PAPA CADEIRAS
Veniem-se um grande sortimento de
pannos de ero he proprios paia cadeiras.
RIVAL SEI SEGIMia
r na doQnelmadon 4, loja de
mSudczas
DE -
Jos Bigodinno
Varas de babado bordado do Porto a .
Carreteis de retrox preto com dnas oitavas
pn.pri' s para machinas a .
regos fraoretes de todos os tamaohos a
rotas de botes de oso para caiga a .
spelbos doorados omito finos a .
aixascom linda sopenorpara marcara .
Parriteis de reteo de todas as cures a .
Frascos d'agna de Colcniamuito .-nr/rrior a
r rseos de o eo n.oito Dnba......
Dnita de tesouras pequeas ......
Frascos d'agna para liropar dables a *. SW
Redes pretas lisas para s^urar eabeo a
DOtul de pennas de agomuito finas a Caixas de lioba do gaz de 30 noveilos a '. tt*
dem de palitos de seguranza a a
Garrafas de agna Florida verdc>tra l^OIS
Svllabarlos rom estampas para menino.- a 7*n
Memento da roopa e lavara..... no
Dazias de meias Ooas para enhi. Agolhas francezas a balo (paiel; a "fc. r-.-
Pegas de Dtas de lia dn todas a> core' a^ 'O*
Grozas de botSes de porcelana prateado; t.., I flt
Caixas com a I fine i les franeexes a .
Caixas de 400 envelopes mono daos a 6C'.-
Resma de papel de peso branco lisr. a *&?!<
Frasco ccm iiipenor tinta a..... I '
Pares de botSes de ponto mono bonitos
Liohas em carto de 200 jardas a id"
Caixa de superior linba do gaz cea
Uuve, los..............
Talleres para meninos a '.......
Masso com superiores grampes a .
Booets para meninos a........ ijOO*
Feotes ccm costa de metal a......* W'
Realejos para meninos a....... iCC
Imperatriz sofs, cadeiras de balangos, para almofadas
e para codrir presentes, e vendem-se por
pregos muito baratos, na lo a do Pavo, ra
da [.i peratiiz n 6o, de Gama A Silva.
Cassas alio r*. 0 o pavo.
Vendem-se bonitas cansas inglezas de co-
res rixas pelo Larato prego de 240 rs, o co-
vado, ditas francezas fazenda muito fina com
loor fazenda covado a 3$, slo na loja e ar- padres listrados e de flores, assim como com
raazem do Pavo, ra da Imperatriz o. 60, palminas miMU proprias para meninos a
de Gama & Silva.
Corles granadinos para vestidos
Chearam o mais bonitos cortes de or-
gandy Granadinos tendo Jo varas cada c re,
sendo 7 v ras listradas para a sa>a e 3 varas
lis i para o corpo, tendo as mesmas 3 vatas
R.qn.ssimas vestunentas para ba adn ^ J, mu|tas
coDteudo ct.apeos.nho, sapat.nho, me.as.nha V 8Clualmente
e camisinha com lindos bordados.
Riquis&imos chale!', de touquim.
Grvalas de seda oranca para noiva.
Ditas de cambr ia de linho com bordados
as pontas, novidade.
Chapos de sol ce seda com casto de
marfim.
Ditos de oulras qualidades.
Chales de sena.
Ditos de cachemir i.
Cha|ios de seda [ reta para homem.
Ditos de phan'asia para homem.
Casemira preta muito fina.
Ditas de cores inteiramente novidades.
Cambraias, lias, cintas, madapoles e ou-
tros muitos onjectos.
Riquissimas basquinesde seda preta, bor-
das englvas e acabar dadas COm gOStO.
de dentes arruinados,] O dono deste iraportantissimo estabelecimento contina nolouvavel proposito de
qoerer vender muito e aunar pouco, sujeitando-se a tirar em sna mercadonas um lucro
rasoavel, para assim poder meihor agradar aos seus numerosos f-eguezes.
A ag-iia branca a ra do Queima lo n 8
receben novo sortimento de camisinhas bor-
dadas, sapalinlios Je setim tambem borda-
dos meia> de seda e chapeosmlioi de selim
enfeitidos, ludo para baptizados.
Baha^iolios cber s di* comas
A agia braoca ma do Queimado n. 8, j
recebeu b mitos bahusinhos cobertos de con-!
xas, e cestinhas bordadas a froco, objectos
esses de novidade e gosto, ^e proprios para
offertas no leilao*que ter lugar no hospital
portugoes.
Acabam-sRornaspchftgara airas, cr-
rentes t!e bo>ra ha
A aguia branca que nao se descuida de sua (
boa freguezia, tem constantemente mandado dem liaratissimo.
AUGUSTO PORTO C.
11Ra do Queimido11 ,
Este estabelecimento acaba de receber e vende por commodojprego as segrales
contt- fazendas finas:
Vestidos de bond para noiva com manta e capella.
Ricos vestidos de cambraia branc bordadas que ha de meihor.
Cortinados bordadas e admascadus para camas de 2" a 8o.3.
Dito- bordados e admasrados p^ra janellas (Ih 95 a 2otf.
Colxas de seda e laa e seda para cama de ni'ivas
Basquinas mo lernas de muito gosto de 2q0 a Stijl.
Toaih'mhas ie croch para cadeiras e sofs, e colxas de croch para camas.
Chapelinas de crep branco, c chapeo* de patba da Italia para senhora.
Moir branco e preto, jrrosdenaple preto e de todas as coros para vestidos.
Camisas para homem francezas e inglezas de linho, e de algod.o.
Guardapisa de crinoGoe para fazer mais elegantes os v stidos oe la e de seda
a 32o rs. a vara.
Superiores saias bordadas de Hubo, camisas e camisinhas bordadas e lengl de
cambraia bardada para senhoras, ricas toalbas borda las com mu to gosto, e lindos ves-
tuarios para baptisados com o respectivo euxoval.
Las con listras de seda de vanas c es a que ba de meihor.
Chapeos brancos de castor, e ricos chape rs deso inglezes para homem.
Malas de diversos umauhos para via.ens.
Pao.* finos e casen iras pretas e decores e outras muitas fazendas que se ven-
buscar essas bonitas e modernas correntes
de borracha, que servem n3o sx para voUas,
como mesrao para outros differentes enfeites
Comriaregam pois os pretenlentes que
acharlo bom sortimento de ditas correntes
na loja da aguia branca ra do Queimado n. 8.
Cintos de marroquin com fivetlas de
acu pan meninas
Vendem-se a ra do Queimado, loja da
aguia branca n. 8.
Fe rs proprios para frisar babadinhos
V '.ii -n -e o ra d<> Queimado loja da aguia
branra n. 8.
Bonitas e modernas voltas pretas com
uingeutes.
Vendem-se na ra do Qaeimado luja da aguia
branca n. 8.
SMi
Este estabelecimento cootii.ua a receber as meihores.
Esteiras e alcatias para salas.
41 Rna do Qatelnaadoti
y
...... -- -- -;'* ) V.
y &&
M
i '
Este estabelecimento acaba de recetoer lindas
eBapellnas para senbora, ricas calimbas para cos-
taras, ditas para j as, peores dourados para coco,
fiveus muito ricas, assim como cintos e pulseiras
da ultima moda de Pars, ntremelos e babadinhos.
bonitos toucadores doorados e de Jacaranda, espe-
Ibut escossezes de diversos tamaohos e ricos cai-
vetes para seobora, voltas eara pescogo, gravati-
nbas, bico de seda, dito de alodo, lanyriBthO, e
TnTStZXJnVl^^^ AzeUede espermacete propria para machi-
as de todas as qualidades.
'"*
torna eolalonbo
to commodos: a'
da L-'aldade.
mencinnar, taoo por precos mu
ra da Imperatriz o. 70, na toja
Aos agricultores.
Saunders Bratbers Si C. acanarn de receber
de Liverpool vaoores de torga de 3 a 4 cavaiios Carros de m5o para aterro.
com todos os pertences, e roui proprios para faie
xem mover machinas de descarriar algd5n, po- nphnlhatnrpa nara m.lhn
endo cada vapor trabalbar at com 0 serras, ^eDuinaaores para mimo.
tambem servero para enfardar algodao, on para Arados americanas.
outru qnalqoer servlgo em que usam de trabalbar Escadas de madeiras americanas.
eom aniraaes. Os |mejmos tambera tena a' venda Carriobos proprios para armazens.
machioas americanas de 33 a 40 sorras. Moinhfrt nara rpAnarp*
gO^Meodentes d.^am-se ao largo do Corpo-11J ^^f^
', Machinas para cortar capim.
Bombas para regar jardins.
Alera do grande sortimento das melbores achinas, aaierianas para doscarrocae
algodao. de 10, l, 14, 16, 18, 20, 22, 25, 30, 35, 40 e 30, neste estabelecimento sr
encostra mais o segrate:
Peneirasd'arame panpadsrias e refinaces.
Correntes para almanjarras.
Machados e faces americanos.
Caixas coc vidros de todos os tamaabos.
Camos de chumbo de todas as grossuras.
Folha de cobre idem dem.
Iderade lato idem idem. .
Folba de Flandres.
Ferro de todas as qfl tbdades.
Arcos de ferro.
Latas com gaz.
Trens de porcelana (.ara cosinba.
dem estancados para dita.
Bandeijas'finas.
Vapores de forca de 3 a 4 cavallos.
Serras avnlsas para machinas.
Mancles e todos os mais pertnces para as
mesmas.
Cylindro para padarias.
1^ prega meo to de barros
EstSo a' venda na roa da Concordia, no terreno
detronte do aotigo armazem do sol, os maiores e
melbores borros qoe tem vindo a Pernambnco, os
quaes se veodem barato._______________
Balarcas americanas,
dem rovervaes.
E. R. Rabellp saca por todos os vapores
sobre.
Lisboa.
Porto,
frigueira.
Braga ontras cidades e villas de Porta-
gll inclusive as ilbas da Madeira, Acores, etc. Guarda comidas.
Vaquetas para cobertas de carros,
Camas de ferro sortidas.
Bombas de Japy.
dem americanas.
Ferros a vapor para engommar.
Vassouras americanas.
Baldes americanos para compras.
Tinas de madeira.
Ballaios e cestas de vergninhas.

Taixas de cobre.
Estando em verguinlias.
Foihas de ferro de todas as grossuras.
Correntes de ferro sorlidss.
Espingardas de todas as qualidades. .
Rewoheis de iodos o.; modello*.
Ferramenti para ourives. *_
Mem rara tanoeiros.
dem para ferreiros.
se usa e vende-.-e pelo barato preco de 65,
nicamente na loja do aviio, ra da Impe-
ratriz n. fio, de Gama & Silva.
PARA CAMAS DE NOIVAS
Alm de um grande sortimento de corti-
nados, encontra-se urna grande porco de
ricas colxas de croch que se vendem a 8,
lo# e 12>, ditas de fu.-tao brancas e de co-
res a 7)5 e lo<$, na loja e armazem do Pa-
vo, ra da Imperatriz n. 6o, de Gama A
Silva.
DAMASCOS DE LAA
Vende-se um bonito sortimento do meihor
damasco de laa imt*Qa"o e- seda, tendo 8
palmos de largura que se vende pelo barato
preco de 4d?>oo o covado, ditos com 6 pal-
mos a 'i#5oo, di ios de urna so largura a 8oo
e 1$ cada covado, na loja e armazem do Pa-
va ), ra da Imperatriz n. fio, de Gama &
Silva.
Tiras bordadas* e ah illa los
Quun quizer fazer boa compra de tiras
h Nadas ou babadinhos, achara um grande
sortimento para ecolher e por reg muito
mais barato do que em outra qualquer parte,
na loja e armazem do Pavo, ra da Impe-
ratriz n fio, de Gama & Silva.
F_zcada para tuto na loja do
Pavo
Vende-se sntim da China com 6 palmos de
largura proprio para vestidos a 2-3 o covado,
13aziuhaspretas lisas alpacas cora lislra bran-
ca a 13 o covado, cassas brancas com listras
pretas a 5oo rs. a vara, ditas pretas lisas e
cora salpicos vara a ofio rs. ditas francezas
com listras e ramagens vara a 8^0 rs., me-
rino preto, alpacas e princezas, mais barato
do qoe em outra qualquer parle, na lija du
Pavo, ra da Imperatriz n. Go, de Gma -
Silva.
CHITAS PRETAS A 2oo RS.
Vende-se chita preta ingleza cora palmi-
nhas a 3 >o rs. o covado ou a pefa por 7
tendo 38 covados, ditas lisas a 10o rs. o co-
vado ou a peca (#, dilas francezas de todas
as qualidades, na loja do Pavo, ra da Im-
peratriz n. 6o, de Gama & Silva.
PALITO'S DE PANNO A 63
Vendem-se paliis de panno preto saceos
a 65, ditos sobrecasacos a lo3, calcas de ca-
semira prea a 63 e 73, dita muito fluasa
03 e "103, finissimos sobrecasao s o'e panno a
2o3 e 253. caigas de casimira de cor a 73 e
83, um rande sortimento de coleles de toda
a qoaliiia c e outras mui as qualidades de
roupas qu se vendem mais barato do que
em outra qualquer parle, na loja e arraaera
do Pav5o, ra da imperatriz n. 6o, de Ga-
ma & Silva.
CHALES A BENOITQN. A U E 63
Vendem-se os mais modernos chales a
Benoiton pelo barato pr*-co de 53 e 63. di-
tos de merino liso a 35oo, dilos de cnpon
a 73 e 83, ditos de merino com barra a 23
6 235 o, na lija e armazem do Pavo, ra
da Imperatriz. n. 6o, de Gama & Silva.
CA-SAQUINH03 DO PAVO A 183, 2o3
253 E 3n
hegaram o mais modernos casaquinhos
ou jaquetas da grs preto, henente enfei-
tadas sendo uos com cintura e euiros sollos
conforme se osa ltimamente e vendena-se
pelosbaratos pregos de 183,2o3,2$3 e 3o3,
na loja e armazem do Pavo, ra da Impe-
ratriz n. 6o, de Gama & Silva.
ESPXBTILHO
VeDdem-se magniticos espartilbos france-
ses -e inglezes, na loja e armazem do PavSo,
roa da Imperatriz n. 6o, de Gama & Silva.
Bales de ennla
Vendem-se as mais modernas crinolina
ou bales propries para vestidos de cauda,
sendo melbores e mais modernos qoe tea
vindo ao atareado, e por pregos muito ra-
soavets, na luja do Pavo, ra da Imperatriz
o. 6o, de Gama & Silva.
Para saias IftUU l.s-280 e 1*500.
Chegou para a loja do Pavio nma grande
porc3o de oora fazenda branca especialmen-
te para saias, tendo a largura a altura sufi-
ciente de urna s.iia com um bonito bordado
de um lado ou urna bonita ordem de pregas
de forma que com 3 ij2^saras se faz urna
sata de um s pau* prego de 13# *ite8o e 135oo rs. a van; na
loja e arartzem do Pavao ra da Imperatriz
n. tJ de Gama Silva.
Vestidos brancos e de cores a 4$5l 0.
Vendem-se bonitos cortes de cambraia
branca com bonitas barras bordadas assim
como com barras de cor pelo barato preco
de 445oo rs na loja do PavSo rna da Impe-
ratriz n. 6o de Gama & Silva.
TOMO
3oo rs. o covauo ou a 5oo is. a vara : pe-
chincha na li ja e arma/.em do Pavo rna da
Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Cassas de nina so cor a 44o rs.
a Tara.
Vend m-se modmas cassas francezas de
urna i cor sendo azul, roxo, cor de lirio,
verde, cor de ganga, cor de rosa e encarna
da sera deleito aigum pelo baratsimo prego
de 44o rs. a vara, por haver grande porgan:
na loja e armazem do PavSo ra da Impera-
triz n. 60 de Ga a & Silva.
Lazlnbas matlsadas a 28o rs. o
co*ado.
Vendem-se bonitas lazinhas raatisadas,
de cor flxa e ditas de urna cor s, tendo en-
Ire ellas c< res escuras e de muito bom gosto
pelo barato prego de 28o rs. assim como
boniUs bareges de li trai spatenie com
quadrrahos pel<> barato prego "de 32o rs. o
covado : s na loja do Pavo ra da Impe-
ratriz n Go de Gama A Silva.
CHITAS A 28o RS.
Vendem-se bonitas chitas de cores e ditas
rosas com pequeo toque de mofo que se
garante.largar logo que se lave, sendo de
cores fixas pelo barato prego de 28o rs. o
covado paia acabar: na bja do Pavo ra
da Imperatriz n. 60 le Gama Silva.
CHITAS DE UMA SO COR A 28o RS. O
CVAUO.
Vcndem-se bonitas cimas lisas, sendo cor
de ganga, cor de bavana, lino, rosa e outras
Cures, pelo baratissimo prego de 28o rs. o
covado, ditas ebinezas com as mesmas cores
e com palminhas pelo barato prego de 3oo
rs. o covado, na lija e armazem do Pavo
ra da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
GRANDE SORTIMENTO DE CHITAS
A 32o E .16o S O PAVAO.
Ven iem-se chitas de cores Ihas cora de-
senhos ititeiramente novos e cora os pannos
mu to encorpados pelos baratsimos pregos
de 32o e 3fio rs. o covado, ditas claras pa-
dres gralos e miudinhos proprios para
roupas de meninas a 32o e 36o rs. para
vender barato : na loja e armazem do Pavo
ra da Imperatriz n. 60 ne Gama & Silva.
CHITAS P.-illA (OilEttTAS A 280 HS.
Vendem-se chitas largas para c< bertas
pelo ba-ato prego de 2So rs. o covado por
serem padroes um tanto escuros na loja do
Pavo ra da Imperatriz n. to de Gama -
Silva.
LAZINHAS A 100 E OO RS.
Vendem-se as mais bonitas lazinhs raa-
t z-,das e de listas mais modernas e mais
bonitos desenhos pelos precos de 4oo e 5oo
rs. : na loja e armazem do Pavo ra da
Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
ALPACAS DE CO'JES A 500 RS. O OVADO.
Vendem-se as raais bonitas alparas de cores
enfesiadas c> m bonitos desenhos miudinhos
tendo entulles de todas as cures pelo barato
pr-go de 5oo rs. o covado, ditas lisas escu-
rrs e claras sendo todas de core modernas
e 61o rs. o covado, ditas lavradas, as melho-
res e mais modernas oue teem vindo ao mer-
cado : sendo havana, lyrio, verde, azul e
outra cores, que imitem a seda, pelo barato
prego de 800 rs. o covado, pecbincha : na
loja e armazem do Pavo ra da Imperatriz
n. 60 de Cama 4 Silva.
POIL DE CHVRE.
Chegou neste genero o meihor que tem
viudo ao mercado para vestidos com lindas
listras de seda ou Com bonitos lave-res da
mesma que se vendem pelos baratos pregos
de 8no, 1,0000 e 1328o rs. o covado: na loja
do Pavo ra da Imperatriz n. 60 de Gama
A Silva.
VESTIDOS DE FANTAZIA A 83000 E
lo3ooo RS.
Chegaram os mais bonitos cortes de ves-
tidos de fantazia muito propries para passeio
e soires, por torera lindas barras de seda
e vendem-se pelo barato prego de 83 e lo3
cada um na 1. ja do PavSo ra da Imperatriz
n, 60 de Gama 4 Silva.
Malas a 80OOO rs.
Vendem-se bonitas saias escaras pjoprias
para tizar em tempo de verSo por caoza da
poeira e principalmente para quem for pas-
sar a festa no matto, pelo barato prego de
33ooo cada urna, ditas brancas ricamente
bordadas tendo 4 pannos cada orna pelos
pregos de 53, 63, e lo3ooo rs.: na loja do
Pavo ra da Imperatriz o. 60 de Gama &
Silva.
Vestidos brancos a 94#ooo.
Cheearra os mais lindos corles de cam-
braia branca transparente ricamente borda*
dos que se vendem pelo baratissimai pregql'leroas de ppel ala>co moito sopertor .
de 243oo rs. na loja e armaze^ -5o Re*JJ,*de papel p,oUdo soperio
n. fio de Gama & Silva. Dme da' f.Us pm bimm
\'ova ba reges de se .OO rs. Dazias de meias croas mol te superiores
Chgwnuma grande pon .e lindissi-
simas b rege*, de seda com caais delicados
gostos sendo ""fozenda muit propria para
pagf eios. partidas, etfcv Vlodem-se pelo ba-
ratissimo preco de 4oo f. o covado na loja
e armazem do PavSo roa da^mperatriz 0. 60
de G^ma & Silva.
GRANDE BAZAR
ra Nova n. 20 e 22
Machinas pa a costura du autor Wl
de Wilson, chegadas oftimaBcote da Ame-
rica; as quaes pode eowr-e rom do
pespontos, toda e qualquer fazenda, enba-
inbar, frangir, bordar e marrar ronr
com perfeigao. "Sao to simples, qn
prehende-se fcilmente a maneira do itS.a-
rao e a pessoa tendo i ratica ie coser
I rhinas. pode fazer por da o servicj
| ciam 3(i costnreiras.
Charaa-se este estabelecimento a
; gao do publico, visto que elle
pletamente sonido de objectos de
como bem Ic'ques de madreperola e
dalo, fivelas, fitas para cinto, ctk
maria e etc,
Na ra nova n. 20 e 22. Car
na & C.
Ah rom! iras do *-no
Chegaram as muito ricas e ranito n .iei
as romeirasde merino com diflere
res sendo eleganiemente enfeit i las
das lilas e bordadas com tidr Icos
culadas com um nc Meo de rniparc
tem palmo e m^io de largura, gamo
oesle genero nao ha nada mehVr no merca-
do e \ende-se por prego raa ave', r i
armazem do Pavao, ra da Imperatriz n
de Gama & Silva.
cilas lizas
Chegou o mais lindo sirtiioer.1
lizas com diff-rentes cores, sen 'o
rosa, azul, lyrio, harana, coz-, bur .i
branca as quaes se vendem por barali
prego, na loj do Pavjn, ra da Impe
n. 6n, de Gama & Silva.
t'ashq iinhtis oe renda n !2'<
Vende-se os muito modernos c u
pretos da, venda ou auiiure ten !o os mais
modernas que tem vindo ao mercaJ
barato prego de l#, s na lo;a do Pavio,
ra da Imperatriz n. 6 de Gama a
Oass^s fraoteas cebado a l<0 r*.
Vende-se um elefante sortimento das
mais boni as e linas casas francezas am ele-
gantes padroes em listras on /lores si
todas as cores fixas e vende-se re'o barsl
prego de 3i>o rs. o covado oo oo rs. i
na loja e armazem do P^vao, roa da Impe-
ratriz n. o, .de Gana Silva.
1 -.
,.i
Vende se uro cavalio slaso, ccv> ri
pronrio para carga, per prego comadlo : para T
e tratar na nebeira do Sr. Kibeiro, roa % '. >d
Kival sem segundo.
Rna do Quelmano n. 49.
i^oer acabar com as fazendas aba'ii-
mencionadas.
Queiram vir ver que bta e baratissimj.
labynniho com bico, fazeo-
Toaibas de
da bo a .............
Carreteis de liaba com 100 jardas a .
Grvalas pretas e de cores moto Ocas a
Ciizas de ofreias de massa mnito novas a
enadures para espartilbe de cordo e
fita a ..............
Carretels de linbi Alejandre rom 4C0 jar-
das a...............
Sabonetes multo finos a 60, 160, 200 e
Ditos de bolla muito fiaos a 340 e .
Ciadas de linba froxa para bordar a .
Taras de cordo para espartiibo a .
entes volteados para regacar cabello de
menuas a............
rseos de macaca' oleo moito fino, a .
iboloadoras mnito finas para colletes a .
.arides de lioha branca e de crer a .
ulnta de ara preta superior a.....
scovas par tato, fazenda boa, a .
Varas de franja branca de linbo para
loalha a..............
Pe^as de bico estrello com 20 varas mnito.
bonito a .
Varas de papa fina de differentes
ras a 120,460 e .
Caixas de palito balao a .
Caixas de palitos de seRnranjp
cbjfre a.....
Sobonetes de familia a Iw
Grosas de botSes de/fcadreper-ia para
camisa a
Carlilha de doutfra rhristia
Latas coro sopertor baoba .......
Quadrruos de/pape| peqnfno prior a .
DoJla de bralhos nnceaes superior .
Greta djrpnospbjros mallo superiores .
Coxs/a reulba io mesmos.....
Cai** de phcspboros de vellinba eonlendo
300 velliohas mallo superiores a
Mari
31*
i-
321
J'-f
io
50
I
""I

m
m
i'
ti
a o*
i
1W>
iXM.
O...
n CASTRO NUNES
drammatica nacional.
Sexta rdlcio
.s00
livratii fraiceit.


tarto 4c Pitrnaanhnro ... )aarta letra 1 de Ontnbro de 1867.
RA DAS CINCO PONDAS 86
AO GRANDE ARMAZEM
DAS
MBRICiS.
Sempre barato

kglezes pearl, nic-nac.


H.intelga ,
Ingleza flor a 10, a libra e a 5oo rs. solrivel e propria para tempero a so rs
dem francesa a 53o rs. a libra.
Cha
De primeira qaalidade a 2^8oo e proorio para negocio 156 a libra.
Blseottoa
oval, cracnel, e ontros superiores a 15loo a laia.
FigOS
A 24o res a libra.
Gammas
De milho branco a 4o res a libra, de aramia verdadeira propria para alimen-
tar tancas a 5oo reis a libra e cariabas com 4 libras por meos, gotma do MaranbSo
i f*Ja rs. e tapioca sag a 2io a libra.
Chocolate
Superior a 15, a libra.

Ao res>eitavel publico pernambcano pede-se
A ttencao
lanteiga ingleza
320, 500, 800 e 15 s no armazem se acha vista.
Manteiga franceza
em libras 560 e 60, em barris se far differenca.
Banha de porco
em libras 320 e 380, em porcjio se far differenca.
Eructas
em calda Pera, Pecego, Rainha Claudia, Alperxe e oatras maitas 500 e 640 a lata
ErrUJiM
Portngnezas 640, francezas 900.
Pomo
em latas do Para e de albaneque, lata 15 e 15200.
omina de milho
em pacotes, dita (a torra 100 e 200 a libra.
Vluho
; de Bordeaux em taixa a dozia 55, garrafa 500, dito de 85 a dazia, 800 a garrafa, dito a
EL
Vende-ie rnel a roa do Apollo o. 4.

FU\Rn\CU
Doces
De goiaba em latas a l55oo em caixa de 4 libras, muito fino a 158oo, em caixoes ykjfl jj^ ^2C a gnfot jj IqPotoHAU, 80, Y7 caixas de duzi, assim
te i fibra a 5oo e 32o. como figueira cnida 35500 e 45, puro J A A Lisboa 25800, 35 e 35500 a qaalidade
convida.

Pelxe
E :; latas a looo reis a libra, sortido em qaalidades.
Ostras
America a 800 rs. a lata.
Baldes e Tassouras
Americanas a 800 reis cada peca.
Touclnho
De Lisboa a 30 reis a libra.
Tomates
Em latas a 600 rs.
Sal
Refinado em lindos postes por 5oo rs.
Rirshs de Wasser
A 25000 a garafa.
Vei-mouth e Abssothe-
A< l55oo a farrafa.
Bltter
A 15ooo agarrafa.
De bordeaux superior, Saint Estephe, Saint Julien, Saint
?rs. a garrafa.
Tlnho
Do Porto fino a 145oo a duzia e 155oo a garrafa e magQifico tambem em bar-
?i a Sao a garrafa.
Baque do Porto
Adamado e outras marcas a 9oo rs. a garrafa e 15 a duzia.
Tlnho da Figueira
0 que ha de melhor a 45, a caada de Lisboa a 35 e i5 a garrafa.
Vinagre
De Lisboa a 2oo e 28o rs. a garrafa.
Farello de Lisbaa
Saceos com 9o libras a 455oo.
Cerveja
Franceza em gigos de urna duzia a 65.
Ingleza
,

Gaz
Eoiilie a 75ooo a duzia
em lata de 5 galops e maispequeas a vontade do comprador, em garrafa.
Alpiste
liO e sF 0 a libi a, pataco a 100 a libra.
Azelte
em garrafas a 800 e !5.
CHARUTOS
em caixa de 50 por 15, ditos Delicias, Trovadores e Parisienses em caixas de 100, ditos
da Expsito caixa 55, ditos de Regaba caixas com 100 a 25500 e outras umitas marcas
que s na presenca dos compradores.
PREZUNTOS
delamego embar-il, ditos de fiambre o melhor que ha no mercado por preco que faz
admirar 11
DOCE DE GOIABA
caixoes de 560 fio, ditos de 15500 que pareGe maraxeilada, dito em latas muito fina
qualidadeal5200.
BOCETAS
com doce secco a 15 e 25.
QUEIJOS
do Alentejo em latas chegado pelo vapor Oneida, ditas Flamengos e Pratos dos mais novos
que ba no mercado.
AZEITONAS
de elvas como no mercado n5o temos a 15 a lata, em barris do Porto a 15 como nao ba
melhor. 1
DE
Joaquim de Almeida tinto
Ajurubeba contra o ingorgi
tamento do fiqado e do bago
Em extracto alcoolleo, emplas-
tro, oleo, tintura, p I lulas,
xarope e ?Inho
A jorubeba ama das substancias medi-
camentosas que pertencem ao reino vege-
tal, e pertence a classe dos inicos e desobs-
truentes, sendo empregada com vantagem
contra as febres intermitentes acompanhadas
de eogo gitamenio de figado e de baco. Ella
tem sido apphcada com incontestavel pro-
veito contra a anemia ou chlorose, e hydro-
phesia, catharro da bexiga, e mesmo para
combater a mensiruaclo difficil, resollante
da mesma anemia ou chlorose.
Depsitos geraes
Em Pernambuco, ra larga do Rosario
n. 10, Rio de Janeiro, pharmacia do Sr.
D6urado, Rio Grande do Sul, em casa dos
Srs, Cascao <5 C, Macei, pharmacia de Sr.
Claudino, no Havre, pharmacia de Mr. Ma-
rical, em Lisboa, na pharmacia do Sr. Feij.
Francisco Jos Germann
:ra nova n. si,
acaba de reeeber nm lindo e maglifles
timento de oculos, lunetos, binocnlo, i
timo e mais apurado gosto da Europa e *
los de alcance para observares e para t
maritimos.
Fundado dAurora em
Santo Amaro
,
Completo sortrmente-de talxas batida?
das, alambiques de todos os tataannos t fondo* i
ditos, rooenrt .s de todos os tamacbos de superior
qaalidade, crlvos e boceas de fornalba. o qne
se vende por comsoodo preco. ________
Vapores,
Vende-se em casa de Saonders Brothers di C,
o largo do Gorpo Santo n. 11, vapores patente*
om todos os perteoces proprios para laier morar
es ou quatro machinas para escarolar algodio
GAZEOL
Bass verdadeir
T. e Victoria e Alssop a ooo reisa garrafa
INJECTION BRO
S7BtBlca Inlallttel t Preservan*, abMtuuawBV Din que tmt* sea aaauua ldiUTo. Veude-n
3M rioeipue boticas ea aiosaa. (Kiiftt kMM a Mi (0* aaSM m i
'a-faeter taa, aesaaint Ha,
Em liquidado.
_ tm na
iniiiM-Kiiri
T%
PREPARAQOES FRREAS -SANGAHICAS
APPROVADAS P8LA iCr>EMIA DE HBMCIHA
DE BURIN DU BUISSON
rtiraswoce, hartad* pila lacinia de lidkiu le Para
0 propietario Jestesdousestabeleeimen-! Rnnrv faifa nointil
tos lendo muita fazenda em ser e desejando I vTPd Ie]ia i1?010".?,1 .
liquidar para ven. er mais barato que pos-j 0 / eoae-se calcas de casimira a 5, 6$ e
sivel na ra da Imperatriz loias e armazens 8J- Pr?tas ditas de meia caMmira a 15600
da Arara ns. 56 e 72. ie *& dUas ,, \ j ,-3 a L e 25500: ditas brancas da linho a 35500,
Alpacas admascad.s para vestidos de senho- w 9 w.' pa|itats de ,asm:ra preta e Je co;
ras 500 e 720 rs. 'reg a ^ ^ 85 e 10; palitots de mea
Vende-se alpacas de assento branco cora casimira a 35, 35500 e 45: >alitots de al-
listas e flores lisa e a Imascadas proprias paCa de cores e branca a 35500 e 45: palitots
para vestidos de senhoras a 500, 720 e 800 de brim decores a 25500, 35 e 25: serou-
rs. o covado ra da Imperatriz Iojaj da Ara-1 aq algodaosinho da linbo a 1560O, 25,___
ra, ns. 56 e 72. V 25500: ra da Imperatriz tojas da Arara
Ditos 160 o covadoA ns. 56 e 72.
Vende-se ditos em retalhos a 16*1 rs. o Organdis de cores a 640 rs. a vara,
covado, ditos em ieca a 200 rs. o coyado : Vende-se cassa organdis de cores a 640
relalhos de caga preta a 120 o covadoc re- e 720 a vara: talatana de cores a 800 rs. a
talhosde caga decores a 200, 240, rs o co- vara: roa da Imperatriz lojas da Arara ns.
vado : retalhos do !5asiohas a f60, 2011.240 56 e 72.
fiPharmacia especial home
pathlca do Dr. sabino !
S L. Plnho.
Cha do 1' sorte para oso das
M pessoas que se tratam homeopathi-
H carnete.
Vende-se em pacotes de libra a
35200 rs.
Ra Nova n. 43.
DE
Burrin du Buisson
Liquida voltil preparada por Smltase, repre-
daziodo cblmicaoneote os vapores qoe se soltaa
em volta do aparelbo parificado do gM earbowM,
empregada com o mais seguro saccesso centra
a coqoelnebe, a pbtsica e todas as molestias enre-
nicas des pnlmoes
VHDI-SI RA
Bitica e drtfaru
DI
^artholoaaca t C.
*4~-Kia larga i Reaarie54
Faiis, 36, fina VIvienne, !>
CHABLE MOIClrfSPfAL
AS ENKKnMIIiAOAS OES SK.XAES, AS >KCO>
$Qr. ao.oee con4u Jmpinam
'itiltii/m 1 i l ------------S

'Muta* ,
farpfS.
$ar
O eminente professor TnooflSEAO, na nhima edicSo de sen Tratado de Thera-
petUiea $ Materia medica, recenbece qae os ferruginosos simples sio mnilas
Tetes inefficazes para curar as molestias qne teem por cansa o- empobrec ment
do sangue. Huitos mdicos dos mais distinctos attribuem essem o exilo a ausencia,
n'essas preparacoes, do mangarme, qne se acha no sangue, como o tem reconuccido
os chimicos os mais peritos, sempre intimamente unido com o ferro.
E* pon, prestar-se nm verdadeiro servico aos S" Mdicos, o ehamar-se soa attencao
sobre aa preparacCes seguintes.
PS fPFPPC ITI9TliT9Tl0nft Ait>io niraediatamente nma agua, aeidnlada,
1 T ICriCOS UiaUgaUlt gaZ0M ,gradavei, subsUtuindo com vutagem
e eceneasia as aguas mineraea ferruginosas.
2 Malas c Xarope de iednreto de ferro e de mangaese inalteraveis
oontendo cada ama cinco centigramos de iodureto de ferro manganico indicadas
partienlannea'ie as molestias Tjmphacas, eacrofuJosa, e as chamadas cas-
rosas e Uiber;alosas. ,
receltadas especialmente
para a cblorosis, a ;ae-
Bria, a leucorrhea, a ame*
norrhea. i isdicacio de
alternar estas dnas preparaeoee di oa tnelbores reenludos.
0 f Inrin do Buisson desejando obter a adaealo eoapleta do publico mtC'.ca a
cerca do valor de iu preparacoes, previne qie elie as pee gratuiUmeute a su
dispoaiole, dingendc-se;
Se Pernambuco, a sen agento geni, Maorw O, phamaceuticos, roa Nova.
1
4
Brames de lactato de ferro e de marese
Pillas de carbonato frreo Daogaueo

Veade-se na pharmjcia de
Variad) sortioanto de modernos chapeos e cbapelinas de seda, de Al e
a'ssoh >r e meaiaa.
Saperiores tiras, b3rdadinbose entre melos b)rdados em cambraia tapada e transparente.
Ka leja das colara as a roa da Crespa n. 13
1)E
rs. o covado: rut da Imperatriz lojas- da
Arara ns. 56 e 72.
Brim pardo tensado a 560 rs. a vara.
Vende-se brim pardo com pequeo toque
de mofo a 560, 640 rs. o covado: ra da
Imperatriz lojas ns. 56 e 72.
L5azintaa; a 200 o covado. .
Vende-se laashhas para vestidos de se-
nbora a 200, 240, 280, 320, 340 e 400 rs.
o covado: na ra da ImperatrU lojas da Ara-
ra n 56 e 72.
Chitas francezas largas a 240 rs. o covado.
Vende-se chitas francezas largas a 240,
280, 320 e 400 rs. o covado: ra da Im-
peratriz lojas da Arara n. 56 e 72.
Mosambiqut! a 400 rs. o covado.
Vende-se mof mbique com palmas de se-
das para vestidos de senhoras, a 400 rs. o
covado: e vareja de listas para vestidos de
senhoras, a 280,320 rs. o covado.
Sedas escossezi com quadros para vestidos
de senhoras, a 2SO 320 rs. o covado: ra
da Imperatriz lojas da Arara ns. 56 e 72.
Arara vende as saias 35500.
Vende-se saias bordadas para senhora a
3i$50,40, 6l e 70, saia balo ou crinolinas
de arcos a 20, 20500 30 e 30500: ra da
Imperatriz lojas da Arara ns. 56 e 72.
As sedas da Arara 10.
Vende-se sedas de quadrinhos e com lis-
,tas a 10, 10200, 10600, 10800 e 20, o co-
' vado: pupHins de seda com palmas saltos
de palha de Italia, .P^3 senhora a 1,!C0 e 10800, grosdenaples
de cores a 108O e 20, dito prelo a 106')0,
10800 e 20: ra da Imperatriz lojas da Ara-
ra os. 56 e 72.

Antonio Correia de Vasconcellos & Campanhia.
\


i
SOVO DEPOSITO
DE
Jn ESCAROCAR AL60DO
Manoel Bento de Oliveira Braga.


53Rna Dlrelta .53
Neste estabelecimento se encontrarlo a
verdadeiras machinas americanas chegadas ultima-
mente, as quaes sao feitas pelo mais afamado fa-
bricante da America, por isso avisa a todas as pes-
soas one precisaren) comprar, de se dirigir a este
m?u nento qne comprarlo das mais perfeitas
nes, assim orno mais barato do que em
parte, por isso que se recebe por
bem como caos de chumbo e moi-
milbo, e grande sortimento defer-
at* m -gro880 e a retalho.
o branco de meio balinco a /|0
Madapolao a 40000 a peca.
Vende-se pecas de madapolao om 20 va-
ras a 40, 50, 60, 70, 80 e 100: roa da
Imperatriz loja da Arara ns. 56 e 72.
Casimira emfestada a 10 o covado.
Vende-se casimira enfestada de duas lar-
guras a 10, 10600 e 30 o covado panno fi-
no preto a 10600, 20, 20500, 30 e 40: ra
da Imperatriz lojas daArara ns. 56 e 72.
Algodaosinho a 30 e 40 a peca.
Vende-se algodSosinho a pecas de 30, 40,
50, 60 e 70 a pega ra da Imperatriz lojas
da Arara ns 56 e 72.
Bramante a 20400 a vara.
Vende-se braminte de 10 palmos de lar-
gura a 20400 e 20500 a vara: ra da Im-
peratriz lojas da Arara ns. 56 e 72.
Algodo enfestado a 10 a vara.
Vende-se algodo enfestado de duas lar-
guras a 10 a vara dito transado 10280 a va-
ra : ra da Imperatriz lojas da Arara ns. 56
e 72.
Cassa franceza a 240 rs. o covado.
Vende-se cassas de cores p ira vestidos a
240, 280 e 320 o covado, vendes-se cortes
de cambraia decores e com trras a 20500,
30 e 30500: s as lojas da Arara, ra da
Imperatriz os 56 e 72.
Cortes de la de 14 covados a 30.
Vende-se cortes de 13a para vestidos de
senhora com 14 covados o 30, 30500, 40,
40500 e 50, vende'se corles de calcas para
homem a 800, 10, 10iOO a 1600 colari-
nhos de linho para homem 400 e 5<"0, ditos
de papel a 500 rs. a duzia, golinhas para
senhora a 200 e 320 rs. por estes precos as
lojas e armazens da Arara, ra da Impera
triz ns. 56 e 72.
0 cordeiro providente
Na antiga loja de miudezas a ra do Quei-
mado n. 16.
Tendo sempre em frita nao nabar o lampo aos
seas (regaeze?, com extea-os aaaaacios ; mas
tambem nao querendo que os mesmos fregaezes
Ignoren) o que de novo tem elle recebido, por uso
resumidamente o dir': ebegando assim ao co-
nbeeimento de todos que a dita loja do Cordeiro
Providente, raa do Queimado n. 16, receben o se-
guate :
Honitas e duradas ligas de pelica para meia?,
tanto para sent,ras comj para meninas.
Leqaes de diversos e moderaos gostos.
Peotes com eafeites doarados e nao donrados,
para meninas.
Coques simples e eneltados, moldes inleiramen-
te novos.
Bom papel en. caixiohas liso, pautado doura-
do e timbrado, e oulros muitcs objectos, que raen-
clona-los sena bastante enfadonho, e que se ven-
de em dita loja de miudezas do Cordeiro Provi-
dente, ra di) Queiroado n. 16.
Xu* faltam Aeres,
O Cordeiro Prevideote a roa do Qoeimado n. 16
tem constantemente nm lindo sortimento de ti
as e bonitas flores, por isso guando alguma ha.
! bilidosa joven quer preparar qaalqaer eofeiie de
, b lio gosto deve logo l-rabrar >e que ba dita loja
' do Cordeiro Providente; a ra do Queimado n. 16
nao faltam flores.
Para alvejar denles.
O cordeiro providente a ra do Qoeimado n. 16
recebeu do bem conhecido fabricante Jonb Gos-
nell & C. ama ptima quaiidade de pos para den-
tes aromatisados com canfora qoe realmente tem
merecido lodo concedo p^rqae nao s alveja per-
fetamente os denles como tamben conserva-os
sempre no melbor estido de perfei^Io, assim pois
qaelram vir comprar ditos objectos, pois oa mes-
ma loja do Cordeiro Previdenle, raa do Qneimado
n. 16.
Eafeites com ponas.
O Cordeiro Prevideote recebeu um lindo sorti-
mento de enfeiles com ponas para vestidos, tanto
de seda como de la que combinara perMtamen
le com os ciutos moderos do mesmo formato, por I
isso para poder enfeitar-se com gosto qualquer
vestido indispensavel comprar-se ditos enfeiles
da mesma loja do Cordeiro Providente, a ra do
Queimado n. 16.
Chape linas de seda
Modernas e bonitas cbapelinas de seda para se-
nhora receben o Cordeiro Prevideote ra do Qaei-
nado o. 16 o por ser pequea a quantidade re-
cebida, qaem pretender ama moderna e bonita
chapelioa deve apresarse em ocandar compra-la
em dita loja do Cordeiro Providente a raa do
Queimado n .16.
CaIXLNHAS ENFE1TADAS.
M
comucoei, acrimonia, am
lercoei,vie:ntns d/t/un
_l vinu, t iilleraertfj 4o
jue (Xarope vegetal --n mercurio). <-?
'etc iiimiih ftnreaANi toaao-M
por semana. M>gnmi!o o irtrlamenio Depurativo : *,
emprendo as meninas molestias.
Ese XaropeCitractodc^d
'le i:11 Altr.E. cara imm4
lmeme i lalqaarjirwrao,
rrlnmcnn, e dthiliindi,
gualmem* os /Furos r floral
'.< iiur.iif irega-se com o Xarope de Citraciu i* frrro.
IlairroUu. Pomada n.- >* cura ts tres m$
POMADA ANTIHERPETICA
Cootn: ais affeccott cutnea t comiiooa,
PILULAS VGGETAES DEPURATIVA
I* Chable -ads ruco ai TTfmtafcimT ta ta
av:: -G3 srs.
.
i fjuttil '

IIOH '. I "'i : *r
Dr. ('!!,. Ba Pars, ra >im-,
A venda na pharmacia de P. Maurer 9
C, em Purnambuco.
I.- V.
P.s.
m gaz m
Chegou ao antigo deposito de Heqrj Forster 4
C, ra do Imperador, nm carregameoio de $m <*
primeira qaaidade,o qnal se vende em partidas
i retalbo por menos proco do qoe em oor* qnal
aer parte.
Sedas a 320 rs. covade
Vende-se nm bonito sortimento de sedas de listas
qne sempre se venderam per maiio mais d>obeirt>
e llqnidam-se pelo baratsimo pre^o de .'liti rs. o
covado, s para acabar : na loja e armazem do Pa-
vo, roa da Imperatriz n. 60, de Gama A Silva.
Retal.ts
Vende-se nma porcao de retalhos de chitas e ca-
cas pretas, por preco barato, na loja e aromem do
Pavac, roa da laperatriz n. 60, de Gama A Silva.
Attencao.
Vende-se urna mobilia de Jacaranda* a Lus XV
e juntamente ama de amarello no mesm gosto,
sendo estas obras ailo solidas e segaras, e por
preco razoavel : na-acredit?.ria raa de airripei-
ria na raa da Gamboa do Carmo n. t?.
Attencao.
Venham ver
Vende-se na leja de marcioeina na Cimboa 4o
Carme n. 12,;palha apparelbada da mMhT sorto
para tecer cadeiras e so fas, por preco mais cora-
modo do que em ootra qoalqoer parte.
Veode se orna machina a vapor d* f Tea it
seis cavallos, de perfelta ronstrurqa rnm loda a
Estas muito desejadas caizinbas varias e enfei-' ferragem precisa para mover varias machinas da

ootra
eonta pu
nbspara'u
ragens emiu
Facas
duzi.
TRATAMENTO CHARLE, o PARS
Medico i-p..flnl. oons>ultacdes, 36, rur \1vlrnn* '
AVISO AOS DOENTES. 11^,^^ --
Nio estou co-
rado, tomei Cb-
oefit, Copahiba
sab teda* as
romas en opia-
to, eapsalai,
eonfeUM, termo
****"WS(?a3iBW*Bi mt*^z*c*tmaWi*mmmWmWmWSiaaW o estomago er-
1'mi i' i;i( estoa cirufoT tlsei f abuso de um grande numero de injeccaob iue prettodeiD
corar ea -i das, t estou anda mais dornt.s.
ha .ns ao anaos
.'II,' caro ridicalmente sem recahidas Corrimentot, ftelaxacdo do canal, fatarrko de teaiga
Perat toninaet, curando primeira a causa virulenta inflammatoria d'eaeas doeotas sauaes,'
com alarn.ir.s vidros do meu dkpdativo do sasoce para parar essas asTeeeoes, aeccar n
canal e Ihi tornar dar soa regidez deu para acabar meu execlfente xarop* ao c.itsuto dk
rineo el minhi injccao. A cura radical, ai hnborb* pane* luos araaeaa. setucni
o awtsiao tiatamenU. {Veja-te a,noticia explicativa.)
40.000 DOENTES CURADOS
ferdadelre tratameMe depurativo do ungae. Ai herpe a mait .....ileiredei arnsMdas
ynerdot, Merme, chaaae e affectoe* venereat, bumores, e tedas asdaencas m aKerao a pureza
e saufBe sao curadas em pone* tempe par meo xakofc pdbativo) m sakoob meus
ANaToa-*n. aslssai ribtiUAi oaroAATiVA e miaba Pommada jTi-TaoeA
Teia-M a aaeira de tratarle. A. aotteia que se, da (rali* a* deposite de meas medica-
ttoe. Bao exceilewu trsUaMata nao cootea mercuria\ su latjllllillil i la
nao ka mi te cata sTaafaaai
, tm rWs, eenemtteem i
ea apreiciitir taataa rtsatacM s
de trabalbo de oscultara.
todos os tamanhos proprias
VoQde-se oa roa Nora o. 28, pharmacia franeexa do
p,
MAURER i C,
tadas com go.-io, que tanta extraega tem tido o
que realmente servem para diversos flns, existera
na loja do Cordeiro Prevldente a ra do Qoeimado
n. 16 om completo sortimento de ditas caixiobas o
sao vendidas por precos to rasoaveis, qoe o expe-
dente tregoez nao objectara' em compra-las em
dita loja de miadeza* do Cordeiro Prevideote a roa
do Queimado n. 16.
PONTE1RAS E CHARUTOS.
O Cor;, tiro Prevideote, roa do Queimado o. 16,
lem om bom sortimento de Boas pooteiras para
cbarotos, sendo lisas e com figuras em alto rel-.
vo; e para que os seas fregoezes nao se Incom- Vende-?e oro terreno em Lacea-
modera em comprar charutos em allomas das lo-.rreD,e Para estrada qoe segne para a v^rzea (co-
descaro^ar algodo on ontro qaalqaer tnister, ten-
do a propriedade de ser fcilmente coodozi4a por
estar montada sobre rodas. Vende se ipoalmeote
por preco muito barato para liquidar on> motor
americaa para dous cavallos cem lodos os i ertei-
ces para o mesmo Om, nma prensa d enfardar
algodo de systeraa moderno, e de moita f rea
alguns tooeis do 5 e 6 pipas de capacidad--, pro-
prios para destilarlo de engenho oo deposites do
roel : a ver e traur na fabrica da trave.>sa do Ca-
rioca n. 2, ces do Ramos.
jas de charoteiros, receben tambem om bom sorti-
meoto de finos 'charutos do afamado fabrcame
Portado de Simas; assim, pois, encontrarlo os
apreciadores um bom sortimento na dita leja do
Cordeiro Previden'e, roa de Qoeimado n. 16.
Para offcras no hospital por-
tugus.
Bonitas cestinbas com fructas de cera, obra de
muita perfeicao e bom gosto.
Para corlar moldes e en bralbar hiendas.
Vende-se papel pardo folba grande.
Para lustrar calcados.
Vende-se superior graza econmica.
Vende-se papel para matar moscas.
A lojt do cordeiro prevldente
Ra do Qoeimado n. {6.
Mella acbaro os pretendentes um grande e va-
riado sortimento de perfumaras finas, tanto ingle-
za s como francezas, sendo:
Finos extractos para lencos.
Banbas a pomadas para cabellos.
Oleo pbilocome e baboza para dito.
Pos bygitnicos para dentes.
Ditos camphorados para ditos.
Opiata ingtea e franceza para ditos.
Pacotes com pos de arroz.
vasos de porcelona para ditos.
Sabonetas.para mo e barba.
E mnitos outros objectos qoe sero presentes
ao comprador qoe se dirigir a roa do Qoeimado
n. 16, loja do cordeiro prevldente.
Ban'leijas peqeenas.
Vendem se na roa do Queimado n. 16. loja do
cordeiro previdenle.
Chai otos
da acreditada fabrica de Jos Furtado de
Simas.
Vendem-se na loja do cordeiro previlente a roa
do Qaeimido n. 16
nhecida por estrada d'agoa frrea) rajo ierres
tem 90 palmos de frente e S56 de fondo a tratar
na roa do Amorim o. 37, armazem.____________
Cineot*
Vende-se cimento Portlaod no arnuzea de
Vicente F*rreira da Costa & Filbo, raa da
de Dos o. M,______________________
ARROZ DE CASCA
Vende-se em saceos grandes a 4J590 : a
piche do Cunha.________^^^^
A ttencom
Vende se ama molaia, a oa I eogooua,
coztnba e lava cum perfeicao : a tratar na m
Crnz n. ti, botica trancen,
Um moleque
Vende-se om moleqaa de bomu Otara,
para eoneiro, do qne tem praiie* b esperto e robusto : para ver tratar > r
Hospicio n. 11. ^____^^___^_
Vinho superior esa calas de osa dozia e
tem para vender Antonio Lola de Oliveira Aati
do & C, no .en escriptorto rea da Cm a. 57.
CHAPEOS
Ventiladores
Acaba de ebegar um liado e *ari*V
de chapos ingletea,
gosto : na rna da Imperatriz a. 11
TABERNA
Vende-te a taberna da raa do Padre Pl
n. 41, bastante aregoezada para a
eos fondos : a tratar na aesaaa.
^ Vende se nma boa preta .
neira e eosiobelra, roee,a e de ezc
da roa do Foto n. 9.
*

MUTILADO
BJI


tarto 4e Pgr*<>? *arta *fe#jr te <* ie 18(57.



MACHIMAS
PARA
SOUZA SOARES & IRHftO ,
propriet rio* do grande e novo estabelecimento de mudezas,
ferragensy quinquilharias e canHeiros a gaz
RIJA TV OVA &. **
Em frente a botica do Dr. Sabino
Receberam directamente de New-York um lortimento de machinas para descansar
algod3(H sendo de it, 14, IB, 18 e 20 serras, que pela sua qualidade e perfeiySo, tornam-
se recommendaveis.
Os proprietarios garantem por am anno a .construcsao das mesma?, e o bom re-
soltado em descarocamento de algodao. Sendo estas de um modelo tal, que alm de se-
rem ae poaco volume sao muito facis para o trabalao, cando o algodo o mais perfeito
possivel. Affiancaodo-se os precos seren mis razoaveis que em outra qualquer parte.
Os pretendentes podem dirigir-se ao referido estabelecimento, que alm de acba-
rem um bom sortimento de objectos de que tendente, encontrarlo sinceridade e bara-
te za nos precos.
JOIAS
N. 2 D.
IPF* CORiCAO DE OCHO.
A loja n. D intitulada Coracao d Ooro na roa do Cabug, acha-se d'ora em diante offereceo
Jo >o respeiUvel publico com especialldade as pessoas que booram a moda os objectos do ultimo gos
w Pars) por menos 20 por cenio do que em outra qualquer parle, garantindo-se a qualidade e a so
O respeitvel publico avaliando o dselo que deve ter o propietario de um novo stab.elecimea-
to aue quer progresso em seu negocie dee chegar immedlataraento ao coracao de ouro a comprar
anei com perfeitus brilbaotes, esmeraldas, rubins e perola; verdadeiraa em agarras, modernas pel<
diminuto preco de 10*, brincos modernos de ouro e coral para menina pelo prego de 34, maracas de
prata coro cabos de marSm e madreperola obra de moderno gosto. (o que o encoatrarao no coragao de
ooro) voltas de ouro com a competente.cruslntia ricamente enfeitada pelo pequeo prego de 12*, brin-
cos de um trabalho perfeito por uro mbtfrcc prego, cassoletas, tranealtas, pulceiras alfioetes para re-
tratos e outros urodelos tudo de alto gosto, aneis proprios para bntar cabello e firma, dito para casa-
mento no artio roseta tem o Corceo de Ouro um completo e bem variado sortimento de diversos
roslos' huioes para punbos com diamante, rubins e esmeraldas, obra esta importante ja' pelo seu va-
lor ia'por gosto ds desenho, brincos a forma da delicada, maoslnba de moca com pingente contendo es-
meralda, rubins, brilbantes, perolas, o gosto sublime, alfloete para grvala uo mesmo gosto, reto-
rnos para seohora cravados de pedras preciosas, ditos para hornero, diversas obras de brilbantes de
inuito gosto, crusinbas de rubios, esmeraldas, perolas e brilbantes, aneis com letras, cazoletas de
erystal e ouro descoberta para retrato (a iogleza) brincos de franja, (Utos a imperalrize toda e qual-
quer joia, para secolocsr retratos e obras de cabello, e ouiros muito- ebjecios que os pretendentes en-
contrarao no Coraco de Ouro que se conserva com toda a araabilidade aos concurrentes delxando-
se de aqu menclooar precos de cerlbs objectos porque (desculpero a maneira de fallar) diiendo-se
preco talve algoero faca mo juno da obra, por ser to diminuta quantia a vista do seu valor.
Na mesma loja compra-se, troca-se ouro, prata e pedras preciosas, e tambero recbese confer-
ios, por menos do que em outra qualquer parte, e dao-se obras a amostra com penbor, conservaado-se
c Coraos o de Ouro aberto at as 8 oras da noile.
Goalquer pessoa que se dirigir ao at'JS -e 0aro oSo V&5& KSSZt coro t casa, dois
Ka se na sua frente um coracao peudurado pintado de aroarello, ulero de ootro que se nota em um
rotulo (isto se adverte em consequencia de terem ja' algumas pessoas engaado com outra casa.
Sal Pirtico effervecente de
Samplontfh
Ja bstanleconhecido em moitos paizes de
temperatura quente anparece pela primeira
vez a venda nesta praca. E' excellente re-
medio para refres ar a massa do sangue, e
o seu uso constante mantea a side docor-
Ipo em perfeiMestado.
Cura o enjoo do mar, dores de cabeca,
diarrhea, febre amarelh, sarampo, typbo,
febres gasticas, zia, febre interna, e como
calmante das grandes sedes as febres, nao
ba igual.
A venda nicamente na ra da Impera-
triz o. 12.________________________
Arma cao
4TTENC0
/Vo armasen, de fazendas de
Sanl s i m h o, ra do Quei
mado n 19
e barato
Lanstahas Poil de Chvre a i o novado
MadapolSo enfeslado a 8 Cambraia de cores matisads finissimas a
800 a vara.
dem brancas transparentes Anas de 44,
5-5000, 6)5, 7$, 8| e 9,Jooe a peca com iC
jardas.
dem branca tapada de 85 e 95
Fabrica e fundigo de bronze
e outros metaes, coldeireiro,
laloeiro, e funileiro, situada
na So/edode, i ua do Prin-
cipe n 3, e com deposito na
ra Nova n 38. da cidae
do Recife
DE
BRAGA &SAMPAIO
Fabricam-se oeste importante estabeleci-
menio todas as obras" concernenUs as artes
I respectivas como sejam:
a pee Alambiques de todos os tamanhos em
com 12 jardas. Ifeitios, os mu acreditados aparelbos de
dem branca franceza muito larga a 95 a Derosoe com as dimencoes delicadas dos
peca com 8 varas.
Baloe> de 35 e 40 arcos rMeados para
senboras, a 45300.
dem de mursulina nesgado a 55.
dem de crochet a 55
dem de mursulina para meninas a 35 e
355oo.
Saias bordadas, a 55.
Cambraias admascadas pan cortinado a
125 a peca com 2o varas.
das.
fabricados em Franca.
Fabricam-se avulsas quaesquer pecas des*
aparelbos, como sejam o dilatador, ratifica-
dor e condensador, ou esquenta garapas,
resfriador, serpentinas interiores.
Fabricam-se bombas de todas as dimen-
c5es e qualidades, pelo systema francez on
americano, simples, de pressao, repuso, e
com ecpeciaiidade a estancarlos I assim-dp
Lindas goarnfcOes de botes, tenpan o*
ptinLos e colerinh.s.
Ricas capellas para noivas.
Meias de seda para senboras.
Superiores tbesooras para uubas, costn
e cortar cabello, etc., etc.
Suspensorios de seda para bomem.
Ditos de algodao para hotcem e meninoa
Finos aderemos pretos para loto.
Grande sortimento de finas perfumaras
dos melhores fabricantes at boje cono-
cidos.
Grande sortimento de tas de todas as
i qualidades.
, E muitos outros objectos que impu~sivel
seria menciona-los e que se encon'rarao na
loja do Vigilante, roa do Crespo n. 7.
Ra do Imperador n. 32.
B' rzeguins para bomem
Ditos ditos......
iva*
Escravos fgidos
nominadas pelo eoorme volme de agua labelecer no dia da commemoracao dn anni-
Idem para forro a 35 a peca com 10 jar- que absorvem calculada em 100 pipa* por versario do Ho9 :ital portugrJeZ de BeneO-
!;...... .. fl(r ,B i hora, e das quaes algumas esto i-romptas a ^(.5) coj0 producto applicado a bem
Cambra.a de linho moito fina de 65 e 95 a Umb experimentadas. | daquelles que baldos de recursos, e no leito
""^annwto. fin.c ^ fi* in aA qa i oA Vf xistem bombas por este systema, me- da dor aI procuri)tlj melborar seus
t Madapoloes finos de 65, 75, 85, 95,105, ndees, para regar sitios, garantmdo-se n3o
',115 e 125 a peca
Loja do Gallo Vigilante
DE
GDim;ires Freitas
RA DO CRESPO N. 7.
Os proprietarios deste bem conbecido es-
tabelecimento tendo em vistas a boa vootade Fogi" em J9 de setembro prximo rsadoo
com qoe t da generosa popu'acSo desla bel- Drel d CosU de ome Jacin!bf'. 'ui'*0e 38 0*4,
I. dd.de concorre com a sua coadjuvacio;}^^
para o basar de prendas que costumam e?- as pernas Unas, etc.. levon ve$do camisa e caisa
bracea, chai < de ropa baixa rtct, de aras
pequeas : rogase as ani< rid-.!-. prilriaes e a
noalqu-r particn'ar, a captura dn Me e-rr.ivo, es
ser entregue a stu senhor Ji>o da Si'va Lele u
ra da Cadt-ia do Rpcife d. 10.
SOiIri-1 Mgnel Pereira Pinto, e*tb7rri4o >a ra 4
mentes e aproximando-se o dia dessa grao- froz n. 13 e coro residencia em -f-u iiu do o-
sua durac5ocomo a grande quantidade diosa fegta por sso apressam-se em avisar Nvo para o Msoioisho, boje deaca
Platdba de algodao superior fazenda para, de ,|.a que forne-em pelo aue s5o consde- ao reSpeitavel publico do que ha de mais Rea-: "iig^gg
rada^ojeasprimeiras bombas conhecidas. moderno em seo estabelecimento, alm dos ?
Cobertas de cbltas de ramagem a 256" TodV as m.is obras se fabricara vonta- quae8 tem yariedade de ooirts, que a serem
de dos freguezes e a seo capricho. | para um m aa ;ust0 os venderam por pre-
| Existeui tempre promptos oo deposito in- mn; racnaveis
Pannos adamascados para cobrir mesa a dicado Da pa Nova n. 38, um completo sor- v
saias a 35200 a "peca com lo 'aras.
a 256*
Lences de hamburgo fino a 25400.
dem de bramante muito fino a 35200.
45500. j timento djfe obras solidas, bem construidas e
Guardanapos de linho adamascados a 45 a precos; r-soaveis, como s3o alambiques,
a duzia. I serpentinas, laxos, passadeira, repartidei-
Aluarhado adamascado com 7 1/2 palmos ,na% escomadeiras, cocos, candelas, e muitos
de largura a 2 a vara. j outros oteuc. dem adamascado de linho com 7 1/2 pal- como sejam mancaes de bronze, parafuzos
mos de largura a 35 a vara. para rodas de agua e outrts.
Algodo eofestado com a mesma largura; Cavilbas, machos para lemes, pregos de
a !5Im a vara. todos os Umanbos e para o forro de cobre
dem trancado de algodao a 15600 a vara, de navios.
135 e
Veadese na loja da praa da
3depesilela a 39.
Capellas m.irtoarias para serem coHocadas em
tumbas, ratarumbas e sepulturas no cemittrio pu-
blico para o dia 2 de novembro (finad s) das es-
cric5es spgointes :
Mt-o pai.
Mioha ?i n .
Meu epos".
Mmba espesa.
Meu filho.
Vioha fliha.
Saudades.
Uma lagrima.
Amizade.
Meo amigo.
Meu irmao.
Miuha irma. .
Na me?ma loja lambem lem capellas de pedra
xnarmore obra prima. __
Toalhas alcochoadas de linbo
a duzia.
dem de algodo felpudas a
a duzia,
Colchas de fusto a 65.
Lencos de cambraia brancos finos a 15800
25 e 2 ario o a duzia
Lencos de cassa fimssimos a 35
3560 a duzia.
Fil de i'u Viso a 8oo a vara.
dem com salpicas a l#ooo 3 vara.
Grosdenaples preto bom a l58oo,
25^oo o covado.
Morantiqoe preto superior a 258oo o co
vado.
Flanella de todas as cores
vado.
i 115; A/prompta-se todo qoaoto diz respeito as
ob/as de latSo torneadas e polidas com toda
aerfec5o.
Vlvulas para tanques de banho, torneiras
e todos os tamanhos e quadades, assim
como todos os ornamentos para militares,
botes para farda, aparelbos para barretina,
nmeros, espheras, espadas, cornetas, alam-
padas turbulos, caldeiriubas, navetas, almo-
farizes, perfumadores.
Obras de folbas de (landres de todas as
qualidades, bahs, bacas, bules e outros
utencilios domsticos.
Lampies para gaz para engenhos, folha
de flandres emcaixas, folhas de cobre e la-
a 800 rs. o co-, to, tubos de chumbo para encanamentos de
| todas as dimencoes, folhas de zinco, e>tanho
2,5 e
Bom
Tarlatana de todas aS cores a 8oo rs, a em barras e verguinha, lances e barras de
vara. chumbo, vidros finos pra etpelhos, de c-
Bramante.de linho com 10 palmos delu-t fes, bordados} eopacos, e outros para vi-
guia a 255oo a vara. > dragas, diamantes para corlar vidros, cadi-
Idem de linho com 5 palmos a !52o >' ohos ordinarios e de patente, rea para mol-
vara. dar, folies para ferreiro lavatorios com ba-
Idem de linho com 3 1/2 palmos a 8oo a. cas e jarros, trra podre e outros nmeros
vara. |oi jectos proprio de taes estabelecimeutos.
Riquissimos bas^uins a 255000. Sendo todas as ooras inspeccionadas e
Assim como outras moitas fazendas qoe feitas sob a direcc3o do socio administrador,
se vende por menos qoe em ootra qualquer Jos Baptista Braga o qual se acha de novo
parte, e da-se amostras de tudo,
negocio
Vender a taberna da rna do Hospicio n. 28.
*om poneos fondos e bem afreeneada, cota caj-a
ndependenie da taberna tem 3 qusrtdf, .-ala para
jantar co iuha fra, quintal murado e plantado,
cacimba eu-.: a lratr na mesma taberna.
Vende-ie uma armacao de louro nova inverni-
sada, da casa da roa das Cruies n. 37, propria
para qualquer oagncio, para tirar ou flear na rnes-
ma casa : a traiar na mesma ro n. il A. taberna, rna do Imperador.
Vende-se a quinla parle do srbrado
n. 17 da ra do Pilar : tratar na mesma
| ra n. 57.
Vende-se uma bonita armscao nova, propria
! para, qoalqoer neg ci : a tratar Ba ra da Praia
'numero 33
Riquissimas caixas com msica contendo
o necessario para costura-, proprias para um
delicado presente.
Riquissimos livrinhos com capas de tar-
taruga para missa.
Riquissimo lbum com capa de tartaruga.
Porta joias, dedaes e relogios e neste gos-
to uma infinidade de objectos.
Vasos, calungas e palliteiros de porcelana.
Bonecas que cbamam papai e mami.
Finissimos lencos de cambraias de linho
meo disticos.
Caixinhas com perfumaras.
Bengalas de canna com lindos castoes de
marfim.
Biquissimos enfeitps com coques e sem
elle inteiramente n vida le e ultima moda.
Lindissimos ciatos para senhoras.
Fivellas lindas de nr.itogosto.
Lindo port-bouqnet com cabo de madre-
perla proprios para casamentes e bailes.
Riquissimos leques de madreperola.
Lindos leques de sndalos para senhora
Ditos de sndalos para meninas.
especialmente incumbido da gerencia de to
imporiatle estabelecimente, isso uma ga-
(jrammatlCa OO aStrO SiU- raol plaoa tonga pratica, que tem os se-
T1PQ P Ti-hTiiPti*!! inhoies/reguezes de que wrao servid >s a
v ,- a ,c P i* contente, com promptidoe preco ommo- te enleitados'proprios para baptiados.
,fdo imperador i f'jfi0^" S Pr^Iie,arios lne ser3 ara" Meias de seda para o mesmo fim.
----------------p-----------------------= | decidos.__________________________| Mojto ^s esco as para dentes, chapeos-
O0UTG8 | ni j y- u. i roupa, cabellos, onhas e para limpar pentes,
Ferreira A Matheus, na rna da Cadeiado: ^"A ue *J* I Superior linhas para crochet.
Recife, vendem : couros de vitela de cavallo,; JS *rra"em c*e* d,f "I^tS- h*p"; Agulhas para o mesmo fim. '
j j j vender superior cal nova, marca TM, cheaada ha P r ,, jj. j ~-^-f.r>n
de vacca e de boi e sola envernisada pro dias na bana portugueza OraiMo,' preco de' Lindos agulheiros e dedae^ de madrepe-
prias para calsado coberta de carros, etc. 1105 barril. 'rola e marfim, assim como de metal.
do referid > siUa rv*49>.
a noli?, o e%rrav-i i>ar4
J. ao, com idade i^e 44 4*> ann"s pooeo nais ca
rreoof, com algnns cabellos brane. s na cabera
na snissa, rragro e fraco erro vicio fo fcrter
agurdente, e por iso (em r macilleeta casi
priocipie de mchacao ; reprisia, abe i crever ponco, es atora regalar, lem ero ciro 4s
am dos ps uma marca de uma aniiga rrida, Js-
v ni um balaij e uro sarco CuMendo algama roopa
differente. Rerorcmeoda se as Dl~nd?ds ftm-
ciaes. como a qualquer pessoa pnrli'oiar su
captura, sendo entregue ao icnooeanle *b ?
ohor, emqnalqneq d m lugaes aem.i, 2'aiiBe-
do-se a qnero o iraga. E-se esersvn | pr tejes
tem (ogido e coluroa aeoltar- da maianca de b rs : lamben eo-iuu a prc.arar
o logar da Iba de llamarse', > finalmenle pote
ler-se dirigido para a villa dos Ti i:r<; i-i > "e
d Rio Grande, do Norte, d'oade naioral. Pren-
oe-se que dito escravo dix que se ch.roa Joan Les-
p M.i Marques e enlitdla- Recife, 7 de catabro de 1867.
AVISO
100,5000 de r*tificacaQ.
Contina a estar fgido o es
cravo Simido.
Fagio no dia 21 de julho do correte asno, ia
rasa dj abaii-.iassignado o escravo de or-me Sl-
roio. com us -ignaes segninles : de nae-i Mncam-
hioue. id'de de 40 snnos, potro mais 00 Fr.eoes,
all', semblante rarregado, coro falla de denles u
fin le sor fui-, com talbos em circulo retonse
Ditos de sndalo teDdo no centro um qua-., m pt das oreibas, sem barba, i*vuu vestido 019a
d i-),semira de cor, camisa de aig'.-la' brane,
chapeo de meia msc novo ; e'te f.-frvo fm cub-
prado ao Sr. Jus Vicente Lindf so, m -rad r na
provincia das Alagoas, por sen pim arador **
quim Cavalcanli de ilbuqoerque II'lo, moradoc
no termo de Barre>ros. Sem dovida egoid al-
Biim daqoeilet) logare: roga-s a toda m aotofl
dudes assim romo ans rapliaes otcamitr, la alo da-
ta provincia como a das Alagoas ? p0ftfeMN
do dito escravo, enirf ga-lo no Rerlfe, ioa Duette
n. 30, qoe receberi a qnana cima, pr'testas
desde ji eom todos os rig >res das Icis do impotU
contra quem uliver acontado.
Bernardino Antonio Pereira Bastos.
tleocao.
o
Anda contina etar fogido o escrvo Mi noel,
o qual tero os signaes segoioies : cor fula, esftv
lura regular, nsto red-udo, levoa ferr do es-
coge e na perna, porm usa botar o ferro da per-
ua por dentro da caiga, e o do pecn$o enco'r*
com a camisa, foi vi>to ba umpos ero smio As-
an, para onde lem fgido mais vezs, e agora cu
tiroamente foi visto na Torre no sino de Casia
asi-, Irabalhando com o< rscravo do dono lis
mesmo sillo : ro^a-se as autoridades pulieiaes
capiaesde campo qne oapprehendam a leve *
ra estrella do Rosario n. 4, que --erao gneros
mente recompensados.
dro de seda, ultima moda.
Leques de faias muito lindos.
Ditos de ossos.
Lin .os peotes de tartaruga, massa e ontras
muitas qualidades.
Luvas dejouvin. integramente nova?, bran-
cas, pretas e de cores.
Ditas de seda.
Meias de seda e a!?r-d5o.
Lindas trancas pretas e de cores c m ve-
dilrho e sem elle, asim como lindissimas
guarnices para enfeitar basquines e botes
para os mesmos.
Lindos indispensaveis para meninas das
escolas.
Bengallinhas para meninos.
Suspensorios para meninos.
Lindas touquinhas e sapatinhos ricamen-
LISTA
m.
Vi
DOS PREMIOS DA ItL PAUTE DA LOTERA CONCEDIDA POR LE PROVINCIAL N. 745, A BENEFICIO DA SANTA CASA DA MISERICORDIA EXTRAHIDA EM 8 DE OUTBRO DE 1S37.
f
\\
1.
NS. PRKMS. 2. PMRES. NS. PREMS. NS. PREMS.'NS. PREMS.
8
10
H
15
16
19
22
23
26
58
32
34
37
45
47
48
52
54
65

I ....
3
72 -
76
77 -
7
80

20
ti
96
107
16
21
24
Si 10*
29 6*
43 -""
%0
43 -
49
5 -
54 -
t2
8
SO _
72 _
0 _
83 _
M
0

6
198
201
i
7
9
10
u
M
26
33
37
41
43
45
46
51
53
60
61
67
68
73
78
79
81
.82
85
8'.i
91
92
%
98
316
26
36
37
38
40
41
52
53
56
57
3
65
67
68
70
72
74
78
81
40*
64
38o
91
92
_ 93
400
2
4
21
13
2G
27
57.
42
43
45
48
51
54
57
58
59
60
67
69
73
77
8v
f
86
90
92
93
506
11
12
13
14
20
24
25
*>
33
3
44
45
47
49
50
52
63
64
63
204
6*
10*
6*
40*
65
205
65
10*
567
69
78
86
95
97
604
5
12
19
25
28
32
44
51
55
56
63
70
74
83..
87
88 .
90
91
98
702
3
5

12
23
r.
30
31
35
37
42
**,
48
50
58
60
62
68
69
73-
77
86
89
97
801
3
6*
203
20*
6*
80o
7
9
10
12
17
29
31
35
36
38
39
42
43
47
48
49
53
58
59
67
70
71
72
74
78
88
94
96
901
2
6
7
14
19
24
25
27
33
37
40
41
44
52
56
66
68
76
7
84
86
89
99
6*
NS. PREMS.
1003 6*
11 -
26 -
27
28
31
38
47
50
59 .
61
65
68
75
76
NS. PREMS |NS. PREMS.
105
NS. PREMS.
6*
NS. PREMS.NS. PREMS.NS. PREMS-
_ 79
82
- 85
10* 87
6* 89
94
- 97
1101
2
' 4
11
19
33 '
-_ 25
.28 .
29-
30
33
34
^ 37
__ 40
41
44
_ 45
46
54
66
69
'89
93 .
201 : 94
64 1203
4
. 7
8
9
10
NS. PREMS.|NS. PREMS.
20*
6*
11
18 10*
21 6*
26
27
39 20*
49 6*
50
55
56
59
60
64
68
69
75 -
86
87
10*
6*
1005
6*
40*
*
NS. PREMS
3793 6*
94 -
96
99
3808
13
14
15
16
23
24
25
29
35
37
36
43
50
58
63
64
68-
.70
73
82
97
3600
14
15
33
33
31
33
36
41
43
49
53
4
67
7S
74
.He,
n >
81
81.
87
90
97
4006
10*
**
'u



8

Diarlo de PernaMbneo -- Guara le Ira de (ttutubio de 1867.
h



CARA DOS SE\H0RES DEPITADOS-
SESSAO EM ?G DE AGOSTO DE 867-
PRESIDENCIA DO SR. SILVE1BAA0B0.
(CoDitnuagao.)
Porianlo.opeosamsQio qoe resolvea a mlssao
Saraivo nao f>i o de guerra a t)d'o o transa. O Sr
saraiva nao lvou iastrucgSes^iar declarar guir-
repblica Orienial; ellas o aut trisaram para
ra a
a lutimacao do ulitmatum, n)ea*o de Dio alcan-
zar pelos meios pacificas as reparag-s exigidas de ptssoas, f-rir direitos adquirido;:
r es reformas, que iotentoo', Agora a da administra-
ba, Iniciada pela eiltacgao de diversos cargis
| qae eon*iit nam proprledad-, sinecuras, etc., para
o que ful nomeada pelo parlamento urna commissao
eocarregada de inquirir sobre a somma dos* emo-
lumentos, gratiHcages, retribui^d^s recebidas por
diversos servlgos pblicos, investigar dos abusos
que se pratcavarn e propor medidas proprias a
asseporar a marcha da administraba) de ama ma-
nein. mais econmica.
Mis o que aciuteceo ? Diz um bibgrapbo do
grande estadista luglez para cbegar ao resoltado,
que se t-ve em mira, terla sido necesario mudar
as coadig5js da existencia de om graod* numero
de tod s os
garantas para o futaro lados levaotar.irase clamores, a reforma fol adiada,'
Fol o que taz por molo moito digno de nos. e nao coroecon a ser seriamente execulada seoo a
(Aroiados.) parMr de 18*0. i
O 5b. arjsiides Lobo:-Era a marcha obriga- Na Blgica, quaodo em 1848 um ministerio Jibe-
da naquelia ooOMto, ra1, lomando a directo do pan, leve tambera de'
O Sa Leai Velloso: -Apresentando o uHtmi- adoptar medidas com o flm de restabelecer as 11-
tum u que s segaio nao foi alla declarago de naneas deteriralas e supprir o dficit do orga-
guerra ; quaodo o nosso exercito roovea-se para ment, a reforma administrativa fol am dos pon-
i fronttira fui para tentar o meio das represalias, tos que oceupou a altengio publica.
.i. ver se com elle se cnegava razo o governo Mis anda nesse paiz a quesiai soscitou diftV
de Agairre. Pirtanto, como sustentar que nossa culdades origloadas dos tactos coosuramidos e di-
iterveugao oo Rio da Prata oi que provecoo a reilo- adquiridos, e foi all opinio geral, qae a
urra do Paraguay ? E'urna aoreciago poaco reforma devia coroegar pelas coasas e nio pelas
pairiilica, contra a qual protestara os factos e os p^ssoas, simplificando se antes de todo o machols-
jnslos motivos u nosso proceder para com a re- mo da admlnistrago para dar lugar a' diraiouigo
-a Oriental. (Apoiados.) de seus ageoies; por igual caminho que entre
Concluiodo este tpico, dire que, se gravis- nos se deve tnlhar : simplificar no so complicado
sima iuiustica por em dovlda a pradencia, zelo e e moroso system administrativo, e para coosegul-
Imldada com que o Sr. Saraiva desemprohou saa >> desceniral sar a acgo administrativa, deve sera
mlssio oo Rio da Piala, nio sio os mais compe- has* da reforma.
icntes para alentar as arguigs que se azem ao E, ja qae me refer a' refirma administrativa na
Sr. Saraiva aquellas que approvaram todo sea Blgica, nao sera' sem interesse recordar o qa diz
procedimeoto, lusiaram com elle para que voltas- a respelto Adnet em sai Historia do parlamento
so para o Rio da Prata, e finalmente para faz^r Selgn : Se a opinio publica, ajudad* pur cir-
paite do niini.-teno; antes sea dever de boora cum uncas excepcionaes do aperlo era qae se
Ora protestar contra injustas censaras, atiradas achava o ihesoaro, lem oblido certas redurces no
oootra o eminente citado com qaem forana sol- pessoal das repartigas, tero si4o impotente em
lirios. (Mait.is apoiado*, muito bero.) I provocar ama medida systemalica contra os abasos
O Sr. Pesidente:Poqo a V. Exc. qae ciaja- das ascriptaragoes administrativas, e contra o gran-
u mais a m aeria. de numero de empregados, que delles consequeu-
0 Sr, Leai Velloso:Voa obedecer a V. Exc. cia ioevitavel. Sob este pooto da vista a reforma
Sr. presi lente, desde que oeohun dos oradores esta" aioda por faier. Aos ministros que a empre-
ie m lomado parte neste debate ha contestado bandereo), e a Iniciativa bao pode vir seno dos mi-
:"Q:iade um "desequilibrio nos termos do nistros, sera'preciso multa perseveranga e modera-
..y-amento que disentimos, e lodos se tem mos cao ; nenbuma mudanza ple-sa operar seno com
tralo de accordo ni iodispenabilidade de ag- grandes alteogoe para com as posigoes adquiridas.
mentar os nnus que pesam sobre o pait, apuran- Lhes sera' preciso a mais rara coragem, que con-
t roaior somma de racurses pela crea^o de no-! siste em saber sacrificar o luteresse directo e o fu-
> nupusios, reviso, e elevado dos amigos, a turo do alguns ao interesse directo e sempre muilo
(!':isi,"so se redo, a considerar-se maior oo menor Ipoora sympathico do ser moral chamado es-
a necessidade de augmento de recursos, mais ou lado.
menos elevado n dtficit previsto e calculado. I Estou certo que estas consideraoes nao serao
Portaoto, dada ba de eslranhavel o o que dlsse esquecidas pelo overoo, e delle depende mais do
j nobre presidente do cooselho, la?endu-nos ver que da commissso a importante reforma da ad-
quo por agora nao se trata do dficit que as fi-! mioislraco, que.se nao imraediatamenle, mas pa-
iiancis publicas uroduziram as des.-eas exlraor-|ra o futuro, hi de concorrer para serena conside-
dinarias occasionadas pelas necessidades da guer- ravelraent- reduiidos os encargis do thesouro pu-
ra ; do que tratamos de esludar e ass-^oiar n'>s | blico, alliviado o povo dos vexames de nosso pesa-
ueios runducentes ao prfenchimenio do dficit do systema de admmistracao; nao urna reforma
revisto e calculado no ornamento que discutimos, j de produzlr logo os seus efeitos, mas estes vlro
i'oi, portanto, ainda orna vez injusto para com o como coasequencia da.simplitlcaco do machinismo
sr. presdeme do conselho o nobre depotado pelo administrativo.
districto da provlocia do Rio de Janeiro aun Depois destas consideraosis chego nossa pnn-
iuiodolhe a asseveraco de qie n*da linhimos 'eipal gu^stao : a do augmento dos recursos pelos
juo ver com o dficit, e que S. Exc. o que queriaj meios propostos no parecer da commissao, submet-
?ra o resultado d*s novas iraposic5es, nao se pre ludo nossa consideraco.
oceupando com a maior oneraco do paiz. Nioguero, Sr, presideute, contesta a dura neces-
E' uraa arguicio a que nao se prestara as pala fidade de carregar sobre as faculades coutnbui-
vras do nebre presidente do conselho, quando nos; tivas do paz, mis alguns .objeetam contra p para-
-oavida a aqulatar discreta e prudentemente os|cer dacommis^a), procurando dar maior gravi-
recursos qae se podero tirar do pau por meio de dado aos edeitos qie a adopeo delle tem de eier-
^:vas ''ooiriboicois, sera pr-juiiear as font9s de !cer sobre o desenvolvimento industrial do paiz.
produeco, pan, depols de verificado a quanto or O Brasil um dos paizes mais onerados de im-
jtco as cootribuigSes, eotrarmisno exami da poslos, dizem algoos : procorarel verificar o que
ie:peia com animo da mais severa economa, cor-. ha de verdade nesta assercao e d>s dados que en
tanda oo- qo fr posslvel, ssm prejuizo dos ser- pude examioar, t^odo em vista a popalago de di -
vicos pblicos, e dejarle procuraodo chegar ao versos paizas da Europa, assim como saas reoda,
nosso desidertum, qae i: un orgamento oormal, pudechegar ao coohecimento de que oa Aostna
m que se equilibra a rtceita cm a despeza, eD-! o imposto est na razo de 10389D pr cada habi-
trando-se em fraoco caminho do re-taheleciraento' lante, na Fran? na razao de 9^5S0, oa Ingliterra
i: s fioaoc/as publicas, cessaodo os traoslornos fi-iuarazo de I3099, em Portugal ua rar.ao de
canceiros que preocupan) o paiz. O^SSO, e oos Esiadis-L'oidos oa razo Ii3ii9 ;
O n bro Sr. presidente do conselhi dlse-nos'destes paizes o ultimo o mais onerado actualmeO-
que o dficit podera" elevar-se de 11,000:0005 a te, c.msequencia da grande guerra que sustentoo.
'.i 000.0005, s^odo, portmto, de nosso dever cal- Cimpirado o que nn Brasil paga cada habitan!-",
cuiar subi esta base na iostituicao des recursos, que 746I, com o qae pagara os piizes reeri-
: modo que estes nunca sejam inferiores a som-dos. vendea-se que nao estamos to sobrecarrega-
'.a necessaria a Cubrir-lhe aquella cifra. Anda
nenhum dos oradores combateu, por elevado, o
reculo do cojre Sr. presdeme do conselho, e as
'jLSiueraco-'s prodazidas por todos qae teto oceu-
pado a tribuna do lado da nobre oppos::;o que
j dficit se elevara' a maior cifra.
At certo pooto ccnCiTdo com os qu) peosam
assim (apoiado*), pois que d-sgracadamente a
guerra toniiai, e a conttnuaco da guerra quer
izer urna de.sp-za meosal de' 2,20'J:000L supe
r.cr a receita ordinaria do imperio.
Mesino dopuis da guerra nao cess*r** 'o20 as
desp.z .- por ella originadas; ba de nos legar con-
: deravela encargos, da que o paiz nao podera'
prescindir no intuito de assegurar initressas de
rdem mu:to elevada e provar prudent-mente so
bre o futuro. Sob ete pino de vista ouvio a ca-
mar, ua se sao de antehoutem, discorrer multo
proficiente e pitriclicaraente o nobre deputado pe-
lo municipio neutro, e portanto nada maisaccres-
CLDlarei.
O qn, p'.r conseguinte, parece ra?oavel e segu-
ro qoe o ai;:jinentj de recursos, que tratamos de
crear, sea i-aculado de modo a dar urna somma
zmoca inferior a 1G,000:OOO, cifra aceita quasi
grr^lmetiie cumo o dficit provavel, sendo de mais
a mais da nutur conveniencia cao esquecer que,
depols de c m-luida a guerra, sera' forros > entrar! popolago e a receita publica de cada ora delles,
na conso'id.-'.Q'u da divida flurtoant', recorrendo s j para d'ahi deduzr qoanto paga de cootribuigo ca
a emprestimos nos mercados estrangeiro, onde \ da individuo ; nao basta verificar em que relago
tio qo poleremos apresentar com e:;peranga de, esta o total das impo.-icods com a respectiva-popa-
elu xito, sem um or5amnto que demonstre a so-' lacao ; preciso examinar circnmstancia* raoito
dos de impostos como alguns suppoim.
E' oto estudo comparativo qu) prova em favor
das faculdades contributivas do Brasil relativa-
tneole a outros paizes; e, se entrarmos no mesmo
estudo comparativo em relaco s dividas de cada
um dos paizes cima citados, veremos que a divida
di Austria, comparada com a respectiva renda ao-
nual, est na razo de HK) para 38 ; a da Franca
oa razo de 100 para 25 ; a da loglaterra, na razo
d>- 100 para 36; ad Estados-Uaidos (anno de
180 o,) na razo de 100 para 29 ; e a nossa, oa ra-
zao oe 100 para 26,4.
Sao algarismos coavinc.Dtes de que a situago
financeira do paiz nao desesperadora, e nem es-
tamos to psrl) d) abysm) como ha muito se all
gura ; urna sttuaco erizada de grandes difflcal-
dade, sem duvida, mais que sero superadas,gra-
bas Providencia, que nu nos abandona, aos
grandes tlementos de riqueza com que nos dnra
a natureza, e ao patriotismo do povo brasileirc,
urna vez que os govemos se mostrem dispostos a
irilhar largo caminho, guiados por urna poltica
elevada e' fecunda, que tenha por seu principal al-
vo dar o maior impulso ao trabalho, libertando e
activando a iniciativa individual.
Sei bem que para comparar se as torgas contri
butivas de diversos paizes nao basta conhecer a
lidez dos no.-sos reco<"sns.
Ssndo, porm, ratovCi calcuiar sobra a necessi-
dade de recursos em somma nunca menor de
i6 00,1:0005, e por outro lado atteoder para as
considerare.-s qoe oos estao impondo a maior pru-
dencia na decr-taco do< impostos, de modo que
nao vo ellos prejudiear as toles de produegao e
perturbar otabaho em saas diversas relagSes,
tud i acoostlha ao goveroo do paiz o proposito de
diminuir as di spez^s publicas, cortando oas respec-
tivas verbas o que nao tur rigorosamente necessa-
rio, e adan lo as que puderera ser adiadas, excep-
to, em minha opinio, as que se destinaren) ao des
nvolvimento da riqueza, isto as despezas pro
ductivas.
A este respio ja por modo muito buvavel de
ciaron o Sr. presidente do conselho a disposigo em
que esta' o goveroo de aceitar todas as reducg5js
qae oo prejuoicarem a marcha regular do servigo
publico (apurados), e felizmente esta cardara tom-se
mostrado animada de espirito de economa. (Mu-
tos apoiados).
E' creoca geral que temos am funcionalismo
que excede as necessidades pabllcas, e d'ahl vem o
. .jv-.-nci..A> de que pela reduegu delle deve
oomegar a enmomia ; e teodo a commissao de qoe
fago parte i fferecido a' coosi^erago da cmara
urna emsoda autorisaodo o goveroo a reformar as
reparti(8es publicas, alterando os qaadros e veoci-
rreato> dos re>pecllvos empregados sobre as bases
de redaegao do pessoal e redurgo da despeza feta
cera as mejnjas repartigSe?, corre me o deverde
justifi-a-la, de modo a nao parecer em cootradicgao
com o que eu di se oesta casa quando fallei pela
primeira vez.
Fiz entu ver que nao era fcil a redaegao do
funccioualismo.haveodo o perigo de serem ataca-
dos direitos adquiridos dos faocefonarios existeotes
qoe sera duvida se levantariam em reaego cootra
a medida, reclamaado com razao pelo respeito e
garanta d.sdireitos que adquirirs desde qae,
fiados na estabnidade das coasas publicas dedica-
ra sua vida ao servigo do paiz, depositando todas
alvfaas esperaogas ao fataro da carreira qae abra-
garla,
ixportanics, e sobreiudo o desenvolvimento da ri-
queza de cada paiz ; mas sem dados estatisti:os pa-
ra entrar oestas inv*stigagdes...
O Sr. TaVahes Bastos :Nao s) satisfaz com
o qae Ihe deram ?
O Sr. Leao Velloso :Ningaera anda disse
que era materia de esiatistlca temos chegado a al-
cangar oprogress i necessano, para que esta scien-
cia ainda to nova, possa nos fornecer tolos os es-
clirecimeotos nece^sflrios ao estudo e solago dos
variados problemas econmicos, sociaes e politicos,
que precisam de eselarecimentos eslatistieos ; o
que alguns tem dito, e eu com'elles, que alguma
cusa temo-nos adiaotado a e.-le respelto ; e o pro-
prio nobre deputado pelas Alagoas lem dotido o
seu pait rfe trabalhos interessanl-'s ne-te ramo.
Sa oo temos dados estatistlcos com qu-' pasa-
mos verificar a extenso das faculdades contribu-
tivas do paiz, e examinar se podem ellas compoiur
com os novos ooos de que trata o projeclo em dis-
cusso 5 ama considerago nos convence de que o
paiz c-ta oo caso de compo tar os oovos encargos,
e que temas boje os mesmos impostos que ha
viole aooos passados, e no en'retaoto que ninguem
podera negar o progresso que lem feito a riqueza
nesse periodo ; d'oode se coaclue que as faculda-
des cootrlbutivas do paiz se teem augmentado, de
modo a poderem hoja ser mais fortemeeta ooera-
das sem penurbago oas leis do trabalho, cora-
taoto qoe se camiohe com Imto, prudente e direc-
tamente.
Um Sr. Deputado :E o oobre depatado sabe se
tem bavido augmento de impostos oas provincias?
O Sr. Leas Velloso : Sei qae as provincias
conservara os impostos qae foram a ellas deixados
oa partilba das reodas, sendo que do Imposto oa
exportigao que tirano a maior somma para saas
necessuades, e o crescimeoto de soas realas de-
muestra aloda o deseovolvimeoto da riqueza, o
augmento de productos exportaveis.
Ua Sr. Defutado d am aparte.
O Sr. Leao Velloso : Nao ignoro qoe con-
testado o direito das assemblas provinciaes legis-
larera sobre a exportagao, mas eotretaoto ellas
exercem esse direitc, que me parece oio lhes ser
Autditsando, portanto, ao goveroo nos termos da: cootestado, eomtaoto qae os Impostos langados na
Crmenda qte allodi,o z, devo declarar, confian-. exportagao nao prejodiqu m as imposlgdes geraes
do pleoameite oo criterio do goveroo, para qoe a do estado ; sendo, portanto, a nica limilago ao
reform-Beja m qae nao sejam sacrificados legiti-, direito de irapr concedido a's provincias o pre-
aos lateresses \ direitos dos cidados qae cons-' jaizo das imposigSes geraes do estado, e a do art.
tituem a respailara, classe dos fooccionarlos pu- i do acto addiciooal, qae tbes probibe expressa
blicos.
A qaestao da redaegodo fanccionaliitnGH'tortarj-
do a leoieuei para vlver dos ejftpregi pblicos,
nao soraenle entre nos qae.. < sil-y agitada, mas
mentetegislarefB sebre impostos de importa'go.
E a cmara sabe qoe, ge lirarem a's provincias
a f.culdade de impor sobre a exportagao, nao po-
dero ellas por forma alguma atteoder as soas ue-
I______U.J.. t, nilnn;: A 1 T IO 1 i t- Hila .ll9*a -i l.
enr todos os paizes, sempre qoutem havido occa-, cessidade?, tao-exteosas e vanadas, e que &a s a
siode eocarar-se a necessidadeXredaztr despe- gamas deviam correr por conta do ibesouro gml,
zas, oo iotaito de por ordem as floaocas publicas' por coostitairem, pela natureza dellas, servl^
ilesarraoiadas: nao pois, especial aKnosso paiz, I geral. k. *___-
como nao a tendencia para o fancc.oni.i,mo, to Sr. presidente concordo coa "fj*
justamente aucada pelo nobre deputado pro- pela provine do *^V***L**
vioeia do-R.o de Janeiro, rwefncetep o debate, 'ao-, nesta dtscossao, na necessidade ^ 8entar*e de
do por origem desaa lendtoaia, tto prejudicial uV urna <* VZSUS^JSSS
vicio da hrauca a muirofcole. feiacs, mas dotando-se as provincias e recorsos
^.nS?"!^ Pur anesso'mais'araplos, e que corres pondam ans odos com
. piir, de la se quelxa* quas todos os paizes da Eu-, qn.->arregam, pagando torga policUI, tMMmd)
ropa, nao sendo isenti nem a propria IngUterra :' prisSoV pagasdo instraego pobljca, cwcorreido
a eamara sabe muito bem o qae a respejfo escre- para o cotto poblico, etc. ; nSopc-sso, pojem,con-
ven Montalembert no seo inieressante livro O cordarcomS. Exc, em saas Ideas de, c-ntraiisa-
ttro poltico da Inglaterra. Sab > aioda que gao administrativa, e no moda por ojue conaemuou
idaodo Pitt t moa a peito o restabelt cimento das a organisago oV d"~
boingas da l> glaterra, entre tania e to importan-' cioaal. v
.

Se me fosse licito eoiraaltar-me bojeaa discus-
sao de-te pooto, procurara mostrar ao nobre de
potado que a reforma coost tuciooal, qae aiargou
as franqaezts provinciaes, t com ellas a vida po-
ltica das provincias, luoge le ler sido um mal pa-
ra o paiz, como eoteode o nobre deputad >, foi
ama feliz losplragao, qae l.iogoa o garatea da al-
tlanga d.s provincias-, a esloa coaveo ido qae. se
nao fra o acto addiciuoal, difAcilmonta se tena
tr anudo unido o imperio, formando esse grande
todo que deve ser o orgolDo dos Brasllelros do
presente, e aiudi mais no fu- aro.
O Sr Vieira da Silva d< am aparte.
O Sr Leao Vell so .Ja' disse que nao posso
eotranbar me oeste as.-umpD, alheio a' materja da
discasso : se as assembla: provinciaes se teem
algumas veies descarnado da senda de seus de-
veres, nao istb r.u.l > para qoe condemnemos a
institugio, e aqnl lembro, i cerca das assemblas
provinciaes, o qae disse Cav >ur acere das cora-
mooas: Quaodo se qu t s liberdade preciso
querer saas con-equenrias: a liberdade para a
commuoa coossiste oo direito de osar e abasar de
seos recurso*. Desafio que e me aprsente um
systema de liberdade commaoal qae previoa e evi-
te toda a despeza excessiva.
Sr. presidenta, oo preciso entrar em largas
consideraron acerca do trabilbo da commissao do
orgamento do aooo passgdo. qae a base desta
dlscusso, trabalbo qae adoptamos ; que poderia
eu dlzer, depois Jas consider icois taitas, com sua
costomada protleieoela, pelo nobre seoador presi
denle do c.nselbi em sostentago desse trabalbo,
que ella aceita com as modikag5es aconselhadas [
pelo taiopo decorrido do ano) passado para c, pe-
lo aprofuolado estudo que se tem feito do assump-
to, e pela soa- discosso f
Sr. presidente, a commissio passada, tomaodo
o difB:il e pooco sympathico eacargo de iodicar a
oecessidada de elevarem-se as imposigdes, juslifi-
cou perfeitameote sua posigo; e, encarando de
frente a difflculdade della, iropoz a elevagiio dos
impostos, mas tambero procarou desveladaaaente
oo levantar clamores ; oo esqaecendo as regras
aconselhadas em taes circumitancias, absteve-se o
mais possivel de ion.vagues, redaziodo-se quaoto
a creago de novos impustoi a propdr sonante
dous : o imposto pessoal calsulado sobre a renda,'
e o imposto sobre os vejcimtntos dos empregados
pblicos. i
Fra dahi a commissio alio tndicoa iooovago
alguma, limiloo se a propdr a reviso e alt-rago
de impostos ja creados, e qan esto nos babitos da
populago ; ao iolcioa a refirma do nosso systema
de imposigdes, e fra Insenssto propd-la quanto o
punto a que se mira augmentar recursos o mais
de prompto possivel.
Neste pensameoto a comm ssao nao poda deizr
de laogar saas vistas para o.' Impostos de consu-
mo, que sao pagos oas aifaodegas, e constitnam a
nossa mais ahondante tote de receita, e enlo,
aceitan lo a opinio geral da necessidada de refor-
mar as tarifas, consignoo no projecto a autorisa-
go ao governo para essa reforma, sob certas ba-
ses, nao amplamenle, como stippoz e nobre deputa-
do pelo municipio neutro.
Mas nao esqueceo a commissao qoe oo licito
irapr arbnrariamaote sobra objectos de coosamo,
haveodo am limite razoavel oessa imposigo do
oso dos objectos qoe se dastioam ao consumo do
povo, que por fira quem paga o imposto, com-
praodo por maior prego oa p-ivaodo se de consu
mir aquillo que o Imposto encarecer alera da cerlos
limites.
Se certo, o que por mais de ama vez se lem
dito oesta casa, que os impostos indirecKs sao os
que a populago paga com meaor repugnancia,
porque saa importancia eo'olve se no prego da
mercadiria consumida, de codo qu- toseosivel-
mente pago, acostamados, tomo estao o* consu-
m lores, as variagis dos piecos ; oo deve esta
coosideragao esteoder-se al o pont) de aotorisar
a elevago arbitraria dos iopo-tos de cjusudo,
ao sendo a uoica regra no langamento d.s impos-
IM a f cudale de sua percepgo.
Os oojertis da consumo oo podem ser laxados
por 'urina tal quesea alto prego veoha a difOcoltar
a vida da populago, obrigads a comprar por pre-
gos que prejuiqaem part da prodocgo de^ti
ni i i a capitaiisago, oa arrasiem pnvago de
objectos de rigorosa neces>idade.
Convm muito attmder para a incidencia Qoal
dos impostos, oo esqueceodo que a renda do paiz,
como enunclam os economistas ; divide-se em tres
parles : orna qne se destina ao cnecessario, outra
ao igoso e outra laccumnlago ; e o imposto
jamis deve fenr a primeira (orgo, que o naces
sario vida, sa fere a tercenactTeoda ao paiz, por
que impede a aeeumulagao dos capitaes, sendo,
portante, o que nao fere seno a segunda porga) o
imposto por excelieocla.
Nao sei, Sr. presidente, se osla esgolado o Umpo
que o regiment me permilte fallar.
O Sr Presidente :Amia nao, senhor. n
O Sr Leo Velloso :E como a cmara deve
estar aaciosa por uuvir a palavra cloquete do il-
lustre deputado por S. PjuIo. ..
Vozes : A cmara o ouve igualmente com io
teresse.
O Sr. Leao Velloso :... qae rae deve sacce
der na tribuna, procurare re: uuair-me o mais pos-
sivel.
A commissao passada ba-ia adoptado a idea,
sem duvida muito justificada por consideragoas de
grande peso, de alliviar a ta:ta dos gneros ali-
menticios e outros da coasuro) geral, e bem assim
das materias primas paia lavric, construego e
armamento de navios; mas a opinio se tem pro-
nanciado geralmente coolra a reduego as actoaes
clrcumstancias do paiz, e quando tal reduego oao
sera era provello dos consumidores, como lem de-
monstrado a experiencia.
Ginvm n?o perdar de vlsti que o trabalho da
commissao fol Iniciado ee!atc-"ado em poca di-
versa da act,ial.
O Sr. Pinto de Ficleiredo :Apoiado.
O Sr Leao Velloso :Na jualla poca os com-
prumissis rioaaceirus do paiz nao haviam chegado
ao ponto em que so acham ; e nioguem coottva
que a guarra continuasso att boje, aggravanlo de
dia a dia a sas cumpromisso. rDaquella occasxo
portaoto, podia ser act-itivel a idea de redaegao
proposta pela commissao.
A commissao, da qoal teoho a boora de fazer
parte, de occordo com o goveroe, opina pela oao
redaegao proposta no projecto em discui'o; fi-
quem como esto os direitos s obre gneros aliroeo-
ticlos e outros, mas autorise-sa a elevago das la-
xas sobra objectos de laxo ; o peosam*Dt> for-
mulado oa emenda que autor sa- a elevago at 20
por ceoto das laxas actuaes aos tecidos de leda,
porcellanas, crystaes, etc., lando em vista qoe esse
tributo recahira sobre as das,es- mais favorecidas,
que sao os consumidores des: es- artigos de lux.
O Sr Pinto oe Figueiredo :O resultado -ne-
gativo ; nada dar.
O Sr. Leao Velloso : -Nao pens cora o nobre
deputa lo, porque oo ba de ser por subirem al-
gura tauto de prego esses objectos de luxo que seu
uso ba de re'triogirs?, estando oos costumes e
babitos das cla*ses abastadas >u ricas, e sendo pa-
ra ellas a saiictago da orna oseessldade.
O Sr. Buaboub : Mas lucraro os que vend-
rem, pirque prucuraro tazedlas passar parean-
trabando. y
O Sr. Le.o Velloso : A a itorlsagao qia se vai
conceder ao goveroo para olivar aj,'axas desses
oDjectos al 30 por ceoto, seiuKada, de modo
que o prego delles nao sub tgot0 que o lucro da
veoda anime ocoatnbando pila oteresse que p)s-
sa tirar o coatrab-tadista, corahio o risco da ap-
prehenso.
A elevago das taxis sobre^mercadoriiw de luxo
recurso de que usou Pitt cjljado leve de reorga-
nisar as Hoangas de sea pait, e foi orna das me-
didas que tomou a reviso* iia respectiva tarifa*,
foraaa os objectis de laxo./ como sedas, obras de
oare, prata, etc. os mais feob recarregados.
Nos Estados-Uoldos a i^ova tarifa organisada sob
a urgencia de elevar a rboda aogmaalou em pro-
porgo muito forte todos os lr -ito.s chamados de
entrada, e particularmente )s que recahem sobre
objectos de laxo ; e '.ez-se entrar Desta cathegona
objeuos de consumlo que sao de absoluta ulilida-
ae, e al os assncyires, espe arias, e os espirito!.
Urna das ideas/formuladas em emendas, eque
mais tem sido J^ootestada, a qae aatons o go-
veroo a maodiir cobrar em moeda de ou.ro pelo va
lor legal, )A' de jinelro prximo futuro em dlao-
te, 19 por (tiento dos direitos ile Importago.
O noloi/f Sr. presideote do i ooselho ja' produzio
argujBi^oiago muito procedente em refotago das
objjecgfies levantadas coaira a idea, que um mel
pam indemnisr-se o Estado dos srejuizos qoe lhe
resiyiio da ditTerenga do cimbio em relago ao
qoe ro^Qiava, quaodo se calctram os pregos da la-
rifa.
E oio um expedieote oo1 o: oos Estados-Uoi-
dos exlgii-sg o pagamento em onro oa importan-
viseonde de Caravella-, oo regqlarbenti de l de
agosto de 1841 cosan >a a seguidle disposigo :
i Os diraitos ou as tatas da prstate tarifa nio
serio augmentado* dentro do anoo fiaaocefn, mas
o goverooypolera' mandar cobrar em monda de
ouro a nua u oa vigsima parte di* laxas que
foram m ores de 6 e menores de 50 por cont, dos
pregos d i mer adoriis, oa mesmo dimioui-las se-
ga o lo ih parecer.
Todos abem qoe o goveroo em vtrluda de coo-
tratos ci a algumas compaohias eslraogeiras esta
obngado
pagar em ouro, e com esta medida te-
SKSSO EM 27 DE AGOSTO DE 1867.
PRESIDENCIA DO SR SILVElRA L' B0
Ao mel da, f-m a i mamada, venflea-se baver
numero sofflciente, abre-se a sesso, sendo lida e
approvada a acta da anterior.
O Sa. i Secrbtario da' coota do seguinte
EXPEDIENTE
Um offlelo do mini.'teri) da jostra, eoviando o
aotograpbo da resolngo autonsaodo o goveroo a
ganisar urna laxa nao excedeote de 35 por metro
do caes, e pela desean?* das mercaduras d 40
rs pur volme at'50 klogracoroas e man 20 rs.
por dezsna deJolograramas. At agora este sirvt-
go era teitd gratuitamente, mas nio eoo*m que
continu a se-lo.
Para ser applicado i obras da alfaotfega. o Sr.
Carlos Pioto de Figueiredo propoi a prreepgao do
imposto est sendo abolido em toda
ra' am t lio de have-lo para esses pagameotas.
Podia goveroo, cerapetentemeote autorlsado,
elevaodo tarifa, fater desapparecer os effeiios da
b)ixa d< cambio, mas seria un onus que ficaria
perman te e tavariavel, ao passo que a providen-
cia preferida acompanhara' a variago do cambio,
e portan) dos pregos do mercado.
Um dos impostos oovos lembraios pela commis-
sio o pessoal, calculado segoodo a renda movel
provavei de cada individuo, revelada pelo pr-go lo-
cativo da easa qu occopa ; tem sido combatido
pela prjgressio adoptada pala commissao, e pela
fallibilidade do indico da renda.
Ja' apresentamos orna emenda que tira a pro-
gressao do imposto, reduzmdo-o a quotas propor-
cionaos,' que em materia de imposto a jo*tiga,
principia adoptado na coostituigo: quanto a' falli-
bilidadejdo indicio, nao ha onln alemdo adoptado
no projicto, salvo a declarago do contnbointe, que
nao meyp^race aceitavel enin no-, ou a investiga-
gao dol haveres dos cootnbuioles, tambera loicei-
tavl plr seu carcter inquisitorial.
A coiimissao obrigada a indicar meios de crear
lecarsol que o thesouro, nio podeado dispensar a
reoda nlovel de contribuir, lembrou o imposto de
quota parte, que pago em quasi todos os paizes,
e aiodalha pooco lempo toi adoptado nos V. i vi .>-
Unidoaf onde estiblecea-se a imposigo de 3 por
ceoio/sobre lodos os reodimeotos excedeates de
800/olars.
s quotas adoptadas sao em proporgo to u )-1i-
/s, qae o imposto nada tera' de oneroso, nao n-
udo seno sobre ama certa ab'staoga, iseoias
orno ficam as classes qae s teem o oecessaric pa-
ra a vida.
Odjeetava-se contra o imposto por comprehender
pequeas casas espalhadas pelo interior do paiz e
a commissao, attenleado a' objecgo, estabelece a
mnima laxa relativa de 605 Pi 'ora da cidade,
villas e povoac s, ficanda, portan; >, fra do al
canee do imposto os iodividoos cuj reoda indica-
da pelo valor locativo de suas moradas fr nieo'r
daqaella taxa.
JJe accordo com o governo propmos a modifica-
go do imposto sobre escravos, limitando a aos es-
eravis das cidades, villas e povoagdis, eportanl)
iseotaodo do pagamento da taxa de 25 ,JS escravos
das fizeodas ruraes, pela razo de que seria nao
s de difficil fiscalisago e piden* levantar quei-
xas a clam >ras, como porque attingiria o instru-
meuto de proluego, e nao seus lucros, sjudo an-
da pago por tolos os escravos, quer prestassem
servigos quer oo.
commissao, porem, oaobrigaga) de nao sup-
ir urna verba da raceita sem sobstitui-la por
enlendeu de substituir o imposto de 25 so-
cravos de fra das cidades, villas e puvoa-
r um augmento oo impos o de exporta-
-uiugrapuo ua reui applicar aos passapnrtes para fra do imperio a FraDga pede goe ns.o exiieguamos. p>ri*soial-
disposigo. do art. 12 da lei de 3 de dezembro de ga a,e|(,0r a eootritmigo provenieote dos servidos
1841, na quil resolugo Sua Majestade o lmpe- preslados pelas deas.
rador consente.A archivar, offlciando'se ao se- ftm re|ag^o a emenda sobre lotera?, se o ora-
nado, dor poJesse fazer o qae eoteode, coicamente aea-
Seis do secretario do senado, participando que o baa eoa tsse jf)g0 a q06 o povo mal se acosta-
inesmo senado adoolm, e vai dirigir a'saoctjao mou ; porm as circamstaoclas oo o cermitierji e
imperial, as resolugos autonsando o goveroo a assjm aceitara' a emeoda da commissao.
conceder cirt de oaturalisago da ridado brasi- bqj partB das uas do Sr. eonseihiro Pr-reira
leiro ai Portognez Feliciano Beroardioo da Silva e u& gilva foram adoptadas pela commis-io, < acei-
oor-*, e a mandar matricular oas facaldades de tag pe|0 orador, mas algumas ba inadmissiveis sor
medicioa da corte e da Babia diversoe esladanles. exemplo a qae se refere ao substitM-lecioMnto de
lolelrada. procuragoa-. Cim qtuoto bajam abo?o, todava a
Um reqoerlmento do provedor, ofBciaes e mesa- medida pr nos da irmaodade di Saotissimo Sacrameoto da jaD8iro, otT^oderia direitos de lerceiro.
matriz da Nossa Sanhera da Gloria, pedindo a coo- Na meSQ10 raso esta0 00,ra1> inlTe M qoaes
cessao da qamze loteras de 120:0005 cada urna.- S0bre.Bu6 a VKuai da estrada de ferro de Peiro
A commiNsao da azeola, II.-Quando o orader respondea ao Sr. Ratibooa
Oolro de Francisco JuUioo Figueira Jnior, pe- dea 0j mnllV0!i porqae D0 convina ser approvada
diodo ser matricula lorie, tazando- exame dos preparatorios qoe Ibe Appiail,linj, eloovaodo o zelodo Sr. Carlos Pin-
fallara antes de faier acto do pnmeiro aooo med- lode Flg(leirtjd0 em estadar as malarias qoe se
eo.-A commissao de lostrocgo publica. discoHm, declara terem silo adoptadas algoaas
Vem a mesa, lido, apoiado e approvado sem de SQas emea(Jas. 00lra, por(n d5 0 P,Herao ser,
debata, o segmuta requerimooto : | Nao coacorda com a sopprwsao d.s f f e 3
Kequeiro qua a peligao de Unas Aolooi da do lft ,. da r u relativos aosdireitus dewex-
uovo^a mamUio abilidos. Quaodo procuramos augmentara rect-
ela total dog direitos de eotn.da, e me*mo eolre reotes Srs. deputados.)
pri
ouir
bre
gdss
gao.
O Sn. Amuquerque Mello: Eoteoleu mal.
O Sr. LEA0\VELL0S):--Sr. presideute, mais um
sacrificio eiigVl) da lavo ira sob a presso finan-
ceira em que oosvachamos, e a que o) se recusa-
ra' o patno'.isno dos"agricultores.~Se~is" ctrcoTUiT-"
taocias do paiz o permitti.isem, alliviando a agri-
cultura do imposto de 25 sobre escravo, eu oo
propona a soa substituigo pelo augmento do ira
posto de exportagao, que mais um onus a' pro-
duego, porem ijia o Estado nao ple dispeosar
oas actuaes emergencias; desde, po'em, que so-
mente a escolhi me permutida, prero a eleva1
gao do imposto de exoorlago.
O Sr. albuquerqie Mello: 4'-]-.ielle pode ele-
var a iraoaitio mra.
O Sr. Leao Velloso:Onde esU' esse trabalho
livra para a grande Uvoura ?
OSr. Pinto de Figueredv. -Enlo tambera nao
vota pela tiza das matriculas '!
OSr. Leao Vell-so:Nao senhor; nao pelo
onus do imposto, mas pelas davldas a queixas que
bi de levantar oaarrecadagtto; oo voto por im-
posto nenbam sobre os escravos das faiendas ru-
raes.
A emeoda da commissao elavx a mais de 3 por
cento o imposto sobre a exportagao, roas o) insis-
te no quantum, e urna vez convencida de que me-
nor augmento sen' sufDciente parasuprfro desfal-
que resultante da soupresso dos 25 sobre cada
escravo, apreseolara' emeoda oa 3* discasso.
Realmente o que aotes de tudo preciso venfior
o-sta Jicos a i, a quanto ncesaramenle deve
subir o augmento das disp, siges, de modo a fazer
face s despezas iodispeosaveis.
O nobre depatado pelo moulcipio neutro impog-
oou a extengio do hnpost) sobra veocimmtos dos
empregados pblicos aos empregados provinciies
e muntcipaes, pela tazo da que a assembla geral
nao pode legislar sobe empregos provinciaes e
muoicipaes.
Por mais que alteolesse a' fr^umentago do co-
bra deputado, nao lhe pode achar procedencia, pois
qaa oo se trata de legislar sobre empregos pro
viociaes e mnoicipi s, mas de im ?." sobre r-ndi-
mentos aoferdos das cofres provinciaes e muni-
cipios, e que oo sao ir.vilegiidos ; sao rend-
meatos como outros quaesquer.
Pala imposigo pr.pdi-se tirar urna parle da ren-
da do cidado fuoccioaario publico, provincial oa
municipal para n, despezas do Estado, de cafbr-
midada com o artigo constitucional qua dispsi
; oinguem sera' iseoto de contribuir para as des-
pezas do Estado em proporgo de seu h ivr-r?*.
Ora, sa o renJimento qu) lem o cidadao o seo
venciraanto de empregado publico, paga pelo cofre
geral, provincial ou municipal, sobre esse venci-
mento deve recahir o imposto, sa n qne, por modo
algara, possa embaraga-lo a cir-umstaucia de ser
empregado da provincia oa do muoicipio
O Sr. Maczdo:Eu persisto no mesmo erro, e
se voltar a' discu>so, bei' de dizer alguma cousa
a respeito.
OSr. Lxao Vellos):Sr. presidente, tenho-me-
alargado mais do qae pretenda, e talvez consu-
mido intilmente o tampo. (M) apoados.)
Voo, pois, concluir antes, porem, de faza-lo, a
cmara ma permittira' que, como deputado eleito
pela provincia de Sargipe, e portaal) naturalisado
mqj'lla pcivionla pela grztido, e como tal o r i
gado a pruraovar com toda a dedicag) de que so-
capaz os ioteresses de maus committantes, acom*
paohe o ilustra depulido qoe me preceden oa-
coosiderajoas que fez chamanto a a:teoc3) do go-
verno para as necessidades fiscaes daquella proi
vincia.
Sergipo urna provincia, pequaoa, sim, qaanto
ao territorio, mas que em riqueza oo excede a
nenbuma- ootra ; e se nao avollam suas reodas
porque infelizmente ao tem vid i commcrcial
propria, posigo que ba de ces-ar quando se atteo-
der eflhazmtinte para os melborameolos de suas
barras, e outros que sao oecessarlos, para qua o
commercio directo para all se ancaminha.
Quanto aos desvos de fiscalisago na alfandega
do Aracajti, denunciadas pelo no re deputado, a
eooang que teoho na intelligmte solicitada do
cidado que actuaUneote dirige aquella repaitigiu
me assegura qu esses desvos cessaram.
Estou certo que o oobre presidente do conseibo,
que tambera tem divida da gratido a pagar a pro-
vincia qae teoho a boora de represeolar, nao a es-
quesera' ; e como do poder execativo dependa a
satisfago da necessidade de serem habilitadas as
mesas de rendas das edades de S. Chrtstovo e Es-
tancia, espero qua essa necessidade ser brevemeo-
le satisfelta.
Concluo, Sr. presideote, sao difflcels as- circums-
taocias d) paiz ; mas nao para desesperar, to ri-
co de elementos da grandeza e fataro,- e abundan-
te da selva e vigor dos paizes noven ; estou certo
qoe o Brasil eminhara' por diaote, apezar dos
contratempos de boje.
O autor da moderna historia de Julio Casar, as-
signalando as causas da elevago e, grandeza da
anliga Roma, nota qie foram quadades qae muito
distioguiram aquellegraode pavo,o amor da'pa-
tria, a fe em seus altos destinos e a covicgo de
incontestavel soperioridade, poderosos movis sem-
pre cultivados com perseveranga e pelos grandes
borpens qae dirlgiram os destinos do paiz em seos
lempos de florescimeoto.
O Brasil oio pode dovidar de seos altos desti-
nos, e na) Ibe faltaolo aquel les movis, estou cer-
to qae, estimulados e cultivados pelos govemos,
oos daro oo futuro orna ierra grande feliz como
a desojamos em oossas pat lotlcas aspiragSss.
(Acolados, malta bem, moito bem.)
(O orador felicitado e comprimeotado por dille-
de que ella ioterponba o seu parecer a respeito.
t Sala das sessoe9, 27 de agosto de 1867.C-.-
sario Alv.'m. |
OSr aITons) Celso (raioistro da justig) :Pe-
go a palavra pela ordem.
O Sr. Prrsioente :Veta a palavra.
O Sr. IIi.nistr) da Marimha :Sr. presidente,
julgo da tiieu d.-ver communicar a' cmara dos
Srs. deputados, que acaba de entrar um vapor do
Rio da Prata, trazendo-nos telegramas de Minievi
do da ultima hora.
Esses teiegramrnas annunciam qaa o) dia 15 do
correte a primeira e seguoda divisons da escua-
dra, composta da 10 eocoaragados, depols de um
renhido combate, forgaram o passo de Curupaity,
rompeudo par todos os obstculos que o ioimigo
all accumuira. (Muito bem.)
Consta mais que os Paraguayos retiravam aprea-
salameute a sua artilbaria daqaella fortaleza, e
que os nossos navios bombardeavam ja' a de Hu-
maita'.
Nao tivemo; perdas grandes, mas parec qae
temos a lamentar o grava feriroeata da ara distiac-
tooffl>lal, o capilo-teoenta Silveira da Motta.
Acredito que aioda hoje oa atnaoha recebare
mos a conlirraagjo da noticia deste brilhanta feito
d'anuas, e a muito mais importante de que am
frente d) Humaita' a esquadra braslleira realisou
as esperangas que em seu bro, valor e herosmo
depositam o goveroo e o paiz. (Manos apoiados ;
muito bem, ti u tj bem.)
O Sr. Paptista i'EReiRA (pela ordem) :Sr.
presidente, pende de parecer da noorada segunda
commissao de ioquenlo varios irabilhos sobre
eleirio 's primarias, ltimamente feitas. Ja' Uve oc-
casiao da dirigir desta iriDuoa um appello a' c-
mara, raase*le appello nao f ji altaodido. Por occa-
si.io em que se discuta oo seio da commissao as
eleigdes pri nartas do segundo dlstrlcio da minha
^roWocia, foram"algijraiJiTaTftlvjW-^>P.rt d_e es-
uiareciraaotos : parta d'ellas ja' ebegou, e aind
huj-i teoho occasl) de offeracer a' commissio no-
vos esclareclmenlos a respeito da eleigao primaria
da freguezia de Correntezas, em Capivary.
Nao sei se esto presentes alguns dos mambros
da honrada commlseao.
O Su. Sizbrakdo Mabuo : Aqui estou.
O Sr. Baptista Pereira :Feieilando-me p)r
este facto, pego ao meu hoorado collega para qoe
envide os seas esforcos e interceda com os seas
digaos companbeiros para qua essas quesles ae-
|am sol vidas.
Nao e ama reclamagai simples o qae fago : Ji
esta' convocada a nova assembla da minha pro-
vincia, dava muta breve proceder-se a' eleigao, e
seria muito injusto privar-se a maitos cidados do
direito da volar nessa eieigo.
O Sr. Sizenanoo Nabuo da' am aparte.
O Sr. Baptista Pereira :A objecgo apreseo-
tada pelo ooora deputado oo procede : estes es-
ciarrcimeatos sao relativas a' eieigo de ama das
paroemas do segundo districto, entretanto qi3 a
commissao j*' tem ha mais de doas mezes os do-
cumentos relativos a' outras eleiges que foram
adiadas.
Pego a' V. Exc, Sr. presidente, qoe haj de io
tervir para qa i estas eleigoes sejam resolvida*.
Os documentos sao remettidos a' segaoda com-
missao de pod-res. -
0I1DEM DO DI.1..
O Sr. Trixeisa Guimares (pala ordem) : -Sr.
presidente, pego a V. Exc. para dar hoje de prefe-
rencia para a discussn, ni primeira parte da or-
dem do dia, um parecer da commwsa) de Miois- e
Bosqaes, sobre a pretengao do cidado Joo Jos*
Fauudes de Rezenda e Silva, qne peda um privi-
legio para minorar os nos Cayip e Maranno, na
provincia de GiyiZ r e que tenha o parecer uraa
- discussao, oa forma dos estylos da cisa Peoso
que este meu pedido de molo algutn pola prejudi-
ear as outras materias impartiles que preadem a
atteogao desta augusta cmara, e que se acham na
urdera do dia.
E*pero qua V. Exc. attenler a meu- podido.
Consultada a cmara, approva tanto a prefarea-
cia pedida, como que o projecio lenha orna s dis-
cussio, oa qual eotraodo, approvado sem debate
e remeuid) a' commissao de redaegao.
Costiui a seguoda discusso da proposta do
goveroo ni parte relativa a recua geral do impe-
rio p emendas apoiadas.
Veem a mesa, sao lidos, apoiados, e eotram coo
junciana ma em discasso os ad lili vos que se
acnana publicados. J
U S Presidente do Conselho, depois da emit-
lir u seu juizo a respeito das emeudas offerecidis
ao orgameoto.responleua lodosos oradores reatan-
do assim o lio da seudiacurso proferido na vespera.
S. Exc. julga aceip-vel a autorisago outorgada
ao governo para fazer as operagSes de crdito ne-
cessano para a exacugo do contrato do empresli-
mo externo de 1839.
Acba muito razoavel qne a taxa das matriculas
oas faculdades de medicina seja igual a das facul-
Jales de de direiio ;, nao ba razo para a dispa-
ndada estabelecida pela legislago em vigor.
Tambera mono razoavel a emeoda uropondo
qoe a presente lei reja no exercicio de 188186H
exceptuada a disposigo relativa verbaejerci-
cios todoscuja consign.go devera' contiuuar a
ser de 200:005. Por circumstaocias extraordina-
ria* e sabidas e-ta verba oo exercicio aoterlor se
t ana elevado ao dobro oa aioda mate,, porm boje
sofflclonle a reduego a somma radicada na
emenda da co umieso.
Para evitar as cootestacSes qae se leem levaata-j
do, e as coufusoes j experimentadas no modo de
fazer os transpurtes de verbas, parece boa a emen-
da liando o sentido da lei o. 1,177 de 9 de sotem-
bro de 18B2.
Daqoi em diaate ficara' entendido que a facul-
dade concedida ao governo pelo o art. 13 dessa lei
para o transporte da sobras das rubricas da lei do
orgamento, oo podera' ser asada id que toca a
verbas intactas, nema respeito daquellas cojos sar-
vigas oo eslejam lindos.
Julga coaveoieote que a amarzeoagemda aguar-
dente da produege nacional seja cobxada como
prop) a commissao, oa ra.ao de 5 por cento dos
respectivos direitos, por mez de demora a cooUr
da data da entrada para o deposito.
O goveroo aceita autorisago para alterar os
| lo e 16 art 2 da lei de 11 de agosto de 1860 qoao-
lo ao Umita das sommas que se podem depositar,
o-juro e poca de que elle se deve cootar, pidendo
admitiir o deposito as loesoararias de tazeoda. S.
Exc. apressa-se em declarar qoe a autorisago oo
compreheodea alterago do juro ;oisso o gover-
oo nao tocara'.
Muito necessaria a disposigo consagrada o'os-
tra emeoda re-ervaodo para a servido publica
oas margeos dos ros oavegavels, e de que se fa-
zera os oavegavels, fra do alcance das mares (sal-
vas as eoocassdes legitimas feitas al i lata da pu-
blioago da presente le) a zona de seta bragas con-
tadas dopootp mlio das eocbeotes ordinarias pa-
ra v interior.'e o goveroo autirisado para oonce-
de-las em lotes razoaveis oa torna das disposigoes
sobre os terrenos de mariobas.
Esta medida atiende as conveniencias dos laga-
res bannados pelos ros, e principalmente pelo
Amazonas.
la oo colemos dispeo*ar esses direit *, por m-
nimos que sejam.
Nem timbera se conforma com a soppresso do
12 do mesmo artigo relativo ao pao brasil, qoe
davena pagar direitos como qualquer outra ma-
daira. Pola o pao brasil oo lem g a a 11, i a 1 espe-
ciaos ? Qpal joar outra madeira e=u' em idnticas
circumstancias ?
Acha qae nao se pode obrigar aos cfDciaes do
eiercito a concorrer con um da de sold como os
da marioha para as urgencias do e-tado. Alea
de que e-ti medida nao tem logar, aqu rel-va no-
tar, que semelhaote exigencia feila em rceasio de
guerra e quaodo tantos sacrificios ?a > impostes a
essa classe, oo sena razoavel. Nao sobrecarregoe-
se o orgamento com emendas que aifficulieo a
passageui delle aqui e no senado.
O orauor da as razes petas qoaes oo se podem
aforar as torras publicas. A lei faculta a v-nda
dessas ierra*, mas oo o aforament propn*(o.
Nao ba oecessiJade de traostoroar o sjsiema esta-
belecido n'uma lei ordinaria que lem anda a sna
razo de ser.
Agradecendo o voto prometlido ao governo pelo
Sr. Barres Pimental, afiaogalhe qoe Serg're nio
esta' abandunado rumo S. Exc. disse -, para pr- vr
esta assergo basta considerar qoe psese na rte
ura mcaosavel propugnador de s?os iBti-re*Sf na
pessa d> oobre deputado; e qae a testa da ad-
minisirago fiscal all se acha o roolt boneMo e
iotelligenie Dr. Oiiveirz. Para se ajuizar da apa-
cidade deste funeciooario basta lr a soa opmiao
a respeito dos impostos. Passaodo a re-pocer ao
Sr. conselbeiro Jos Bonifacio, nota S. Etc. fot con-
versar com os morios; eitoa Rossi para mostrar a
iocooslitucionalidada qae se esta commeiteod) na
discusso do presente prsjecto.
Cita diversos orecedeni. e 'dnr rnii-ni,">
'P*-?* aGrir qua se esta' c'umprindo um dispo-
sigo regimental e segnindo o espirito de no*so
system parlamentar. O orador record qni a
lai das larras, a o coligo do commercio, s foram
votados em legislaturas diffirentas d'aq .-Mas am
qae se laiciou a discussio.
A>severou o nobre depatado paulista que nun-
ca vio taas aut.risags juntas ; mas por
nao se lemorar que ea.ra as escollas eureiia-, a
qae lado outorga ao govero?, e a qoe ttvl) lhe oe-
ga, ha um rano termo, urna 3* asela qae a
seguoda eotie nos.
No cooselho de Estado pleno oao se fez essa
objecgo, e uo cooseibo de Estado leem asseoto os
merabros proaminentes de lodos os part i -.
A tarifa dis aifaodegas nao pode ser obra uai
carnate do goverio. O orador aeh qa- oio ,
trabalb) para a cmara, pois que depende de
muila miouciosidade praiica ; que entreia(.t> os
deputados, depois ue organisada a tarifi ou mes-
mo'aotes disso, pod"m utlerecer emenda qu* se-
ro aeceitas seod) razoavois, como costomam ser
as do Sr. Jos Bonifacio.
Couclue puis que a autorisaca) para a reviso
da tirifa a'estyio e conveniente.
Firmado na opioio do Sr. Thiers o orador com-
bate o Imoosto progressivo por tender muito para
o socialismo.
A obra deste distinelo escriplor revela mailo
bom ssoso,e merece a rais seria e msider.. ;o.
O orador d-moostra a vaitig-m do imoost pre-
dial que recabe sobre as casas, cajo- aUuin-O ex-
cede de 1:2005. e raferiudo-se a urna am- oda da
commiss), declara qoe ella salva a objec-;s
feitas ao mesmo imposto.
Depois de vanadas cousideragoes sobra esta ma-
teria e da discutir se a eamara tem o d-reit) de
iinp r algama outra cuntribuigo que aio seja
por meio da repartigo, defeoda urna ern n 11 da
commissao que trata dos perddes que 3a encelen
ao pagamento de impo-Ls so^ire preJios quaodo
alies se locendiam.
Nio hi muUvo. para qua o nobre deputalj e
til ji cum esse poder otrgalo ao goveroo; est
elle da posee hi muito tampo desse poder por
equidade que davu aos conlrlbuintes qoe prevam
torga maiur.
Neste caso a palavra incendio exersplric. tiva;
nos esos semelhaites a disposigo dava ser appli-
eada.
Ja pas lei do paiz.
Sobe a tribuna o iliusire Sr. Jos Bonifacio.
S. Exc. eomeg agradecendo ao Sr. pr-silente
do conselho por attnbolr Iba immsn-o amor pelos
mortis, e, em vez de enfadar se, lameota qoe o
horror de S- Exc. ao fosse al o fim tto s<-u dis-
curso. Peki contrario a voz do mioisir > incum-
bi se de responder ao proprlo ministro, e a tnes-
ma proposla Lzaro que se levanta du tmulo.
A quasto coostilaciooai esta' jolgada. Eis os
factos, diz o orador: o governo discuta a p'opos-
ta de 1866.a 1868, oo auuo passado tioba sa ape-
nas tratado da despeza relativa a eoe exercicio,
nesla auuo comegava a. discusso da receita desse
exercicio dado.
Era um absurdo se-ra exemplo. Entre oniras
raides o orador procura assigualar as que-oBere-
ce do seguate modo:
1.* O ex-rcicio eslava terminado, e orgir etn
taes condigoes orgir cootra aqaillo masan qae
ja se conbece. E' substituir a probabtudade ao
facto.
2.* Se bavia urna resolago, mandando vigorar
orgameatos aotenores, como qaerer, teodo i Mo-
cado a resolugo (medida excepclooal e subsiit
tivo d > mesmo orgamento) dar vida ao que ji nio
pode viver T
3*- Nioguem pode legislar para o passado. Dar-
se-ha porvenlura que se preteolia mandar robrar
os oovos irapostis rectroacvameote ? Nao ata
possivel. Qual era portanto o ell.r.o da extraor-
dinaria pretengao 1
i" rlecetia e despeza sao termos correlatos: nao
se po la gastar mais do qae se date ; oo se deve
gastar mais do qae se pode. A discusso presea-
te eucerra um novo absurdo.
E assim acooleceo. A em-oda, transformando
o orgamentj de 1866 a 1867 em orgamento i
1867 a 1863, veio dar gaabo de caus a opposi-
gao sem cumiado salvar o goveroo da mi peal
giio, em que se tioba collocado.
K' preci-o recordar qoe se disrnte a receita da
1866 a 1867, receita que se preteode traosformar
da ooute para o dja em receita de 1S67 a 1868.
Urna pergoota s- bastara* para confundir a don-
trioa dos susleotadsres da emeoda.
A V. Exc. diz o orador"; dmgiodo-sa ao pre-
sdeote da cmara, ae goveroo, a qoalquar dos
m&mbros da maioria, ioterrogo : em que dn, *m
que hora, em que sesso disculia-se a despeza de.
1867 a 1868 ? __^
Teoau lelto orna pansa, e como Wwm ,"
respondo, aceita o sileocio como eonaaao. ^en
effaito discutir despeza antes obra orifinai.
Que meio novo este empregado para ter or-
gameotoT Besolugo-oo ; discosso do orja-
meoto de 1867 a 1868- lambem oio e. A tersan
nos tem precedente oos anotes aaoceiros; elle
foi adoptado c,m tsi'i por ua, estadista, cuja peri-
cia oestas materias nunca fol ooniesiada, e cuja
memoria liga-so a oolaveis melhoramentosem nos-
so rgimen flseaj. q senador Alvej Brans*, depols
O Sr. Josk Bonifacio faz algumas considerares.
A discussio Oca adiada pela hora
Dada a ordem do >Jia. Ievanta-s; a sesso as seis,
e qj?ia da tarde.
raeoto de 1867
especialissima.
or-
sar
'uma prorogacao san geuris. Nio bavia
gamento para prorofwr; prorogon-se por
"lono qae disse esU' de p, e nul a*onel
aodoa o cb.fo do gabinete, comparando o
Raferiodo-sa a emenda aae autoris. a raorgani ^g fj^^^^mm**
rasrepa:inas,S.Exc. diz que urna-provi- (TmCos ^01^, e o ptotTr dte sar e (ol a
cmara.
(&>*!*-* )
"tYP. DO DIARIOBD DASCRUZ1S N. >
deocia do futuro, e qoe o goveroo ba de toma-la
com toda a caotslla salvando osjdireitos adqueridos.
Razoavel tambem cobrarse pela estada das
embarcagSas nacionaes oa estrangeiras oa doca da
lfiodega da cOrte e cooforme a tabella que sa or-
| MUTILADO 1
-
'

_L


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EGYR75GV1_785DI6 INGEST_TIME 2013-09-05T03:24:01Z PACKAGE AA00011611_11389
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES