Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11383


This item is only available as the following downloads:


Full Text
-





.


ANNO XLIIL NUMERO 226.
P.lR.l X CAPITAL E LCUiaKS OXUfi SE NAO PACA POSTR
Par rea aezft< arfbnufcs.,.
Potseis tfitM Ma.. .) ,1
Por un auiiu idea., .j
fiada amanarais .} .
"
l .1 .i .1 .] .3
.) .1
,1 i
.i .1
. .1
i

>
. .
.

QUARTA FEIRA 2 DE OUTBRO DE 1867.
PABA DEMTBO B POICA UA PHOVINCIA.
Per tm meies idiantadoi.. .
Paraeis ditos Um. i....... "
Por doto ditas idea...
Per ib uno Mea.. 7! ..
.. ..

'
A88ff(B*v8i n tautpatt* bd WQ&m*nm di DtAH(Diia mvi 82*3 ir^ww^ffftOTff
17o
IH500
2W250
S70OOO
ENCARREGADOS DA SBSCRPgAO.
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marines da Silva ;Aracaty ,
oSr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. Joaqaim
os de Miveira ; Para, os Srs. Gerardo Antonio
Alves 4 Filhas ; Amaxooas, o Sr. Jerooymo da
Costa; Alagoas,o Sr. Franrino lavares da Costa;
Baha, o Sr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro,
o Sr.Jos Ribeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS 8 Oiinda, Cabo, Escada e estajees da via frrea at
Agna Preta, todos os dias.
Igoarass e Goyanoa as segundas e sextas reirs.
Santo Aoto, Gravan, Beierros, Booito, Camar
AltiBbo, Garanbans, Ruique,.S. Beato, Bom Cnn-
selho, Aguas Bellas e Taearatd, aa* tercas-feiras
Pao d'Alho, Nazaretb, Limoeiro, Brajo, Pesqaeira
Ingareira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa-Vis'
U, Ouricury.Salgaeiro e Ex, oas quartas feiras
Serinhaem, Rio Formo o, Tamaodar, Ua, Bar-
reros, Agua Preta e Pimenteiras, as quintas
reirs.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do eommsreio: segundas e quintas
Relaco : tercas e sabadlas l\) horas.
Fazenda : quintas s 10 loras.
Juizo do coraraerc/o : se gandas as (i horas.
Dito de orphos : toras i sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas e sextas ao meio
dia.^ ..^
Segun vara doTOvel : quartas e abbades a
1 cera da tarde.

DAS DA SEMANA.
.'?EI
ERIDES BO MEZ DE OUTUBRO.;
cresc. as 3 h. e^o m. da t.
PHEM
QaaTOi..
13 La ebeia as 10 h. e 32 m. da m.
21 Qoarto ming. ans 17 m. da m.
7 La nova as 10 b. e 11 m. da m.
30 Segunda. S. Jerc-nvm card. e donior.
1 Terca. S. Remigio b., S. Verissraio.
2 Quaria. S. Lmdfgano b., S. Guarioo ro.
3 Qolnta. S. Maximino b., S. Candido m.
4 Sexta. S. Francisco de Assis fuodador.
o Sabbado. S. Flaviaoa v. m.,S. Altillano b.
b Domingo. Ss. Erolhrides e Casto mm.
I PREAMAR DE HOIE.
/ Primeira as 6 horas e (i ui. da manbia.
Segunda as 6 ."".oras e JJ niatos da tarda.
PARTIDA DOS VAPORES COsTETROS.
Para o sal at Aiagoaa a 14 e 30; para r> nena
at a Granja a 15 e 30 de cada mex; para Fr-
nando nos dias 14 dos raezes Janeiro, maree, Barn
Jalbo, setembro e dovembro.
PARTE OFFICIAL
MINISTERIO DA JIWTK'A.
Aviso.Approva a decislo sobre a iocom-
pat bilidade no exercicio das funeces de
escrivo do termo de GrUo-M agnl com as
de procurador da cmara municipal.
Rio de Janeiro, 17 de agosto de 1867.
Illm. e Exm. Sr.A' Sua Magestade o Im-
perador foi presente o. officio dessa presi-
dencia de 7 do corrente mez, submettenlo a
aprovaco do governo imperial a deciso
>lada consulta do ju'u municipal e de or-
phos do termo do Grao Mogol sobre a in-
compatibilidade no exercicio das funeces
de escrivo do termo com as de procurador
da cmara municipal. 0 mesmo augusto se-
nhor, houve por bem approvar a deciso
dessa presidencia, por isso que alera de fa-
zer o escrivo parle do juizo peraote o-qual
o procurador da cmara obrigddo a defen-
der os direitos desta (artigo 81 da le de Io
de ootubro de 1828), da accumulaco de
taes empregos resulta a impossibilidade de
ser cada um delles servido e desempenbado
satisfactoriamente.
Deus guarde a V. ExcMartina Francisco
Ribeiro de Andrada.Sr. presidente da
provincia de Minas Geraes.
i:8,nu\oo-ms amias.
'artel general do commando das armas de Per-
nambueo, na eidaie ib Recife, Io de oulubro
de 1867.
ORDEM DO DA N. 384.
O brieadeiro coraroandaote das armas faz publi-
co para qpe laoba o devido cl-lto, qae por aviso
do ministerio da guerra de 14, commonicado em
offlcio da presidencia de 30 de setembro Bndo, foi
exonerado da commis'o de major o Sr. caoito do
2' resimen'.o de cavallana ligeira Jos Joaqaim
Coelhn, qae se acba nesla provincia a desposigao
da mesma presidencia.
O mesmo brieadeiro tem a satlfaciio de trans-
crever para conhecimento da guarnicSo, o officio
<]Qe a referida presidencia loe dirigi era data de
bontem.
1* seceso.Palacio do governo de Pernambuco,
em 30 de setembro da 1867. Illoo. Exra. Sr.
Aceito o patritico offereciraeoli, que segnndo o
offl^io de V.Eic de 27 do corr-nte, sob o. 1240, fez
o alfares cummissionado teneote-ajndaote do 7 ba-
'ilrin de Infantana Jesuino Deocleciaoo de Sonza
HfU'i-', da 5' parte desea sold para as despezas da
guerra, em quaoto ella durar, licanio V. Exc. cer-
to que nesta data providencio no sentido de ser
srrecadada semolbante oif-na, da qaal vou dar
conlecimenio aa governo imperial, devendo V
Exc. louvar por parte desta presidencia ao referido
alferes por e*se arto de patriotismo.
Deas gaard a V. Exc- Rio de Villa-BslU.
Sr. general commaodanie das armas.
( Assignado) Joaquim Jos Gonclves
Fontes.
Est conforme. Emiliano Ernesto de
Mello Tamborim, tenenieajudante de ordens
encarregado do detalhe.
OV13RXO DO BlPADO.
SEDE VACANTE.
Copia de algims dos despachos dados p !) Ilvni. Sr.
eonego novernador di bbpailo no mez de se-
tembro de 1867.
Rvd. Antonio Hygino de Hoanda Cavalcanti
Chacn, vigario do Bim Jardlm, pediod) dons rae-
zes de licenca para tratar da saa sate.Cracndo
ao Rvd. sapplicanle a licenca, qai pele para tra-
tar da sua sajide, podando deixar o Rvd, coadju-
tor encarregado da regencia da saa fregoezia..
Auna Gertrades do Am.or Divioo.da freguezia de
Guarabira, teoda sido impedida de casar-seporseu
pai, sob pretexto de haver dtsigualdaJe entre ella
e o nubente, e de ser ella menor, tendo agora ob-
tldo dijuiz competente o supprimento do consen-
so paterno, pede Ihe seja concedida a necessaria
licaoga.Nao sendo a desigaaldade impedimento
cannico, e estando supprido o con6Qtimento pa-
terno pela aatoridade competente, sera que o im-
pedante aggravasse no prazo da le, Qca sem ef-
feito o impedimento opposto ao casamento da sup-
plicante com Antonio Sjares dos Santos, casamen-
to qae o Rvd. parocho de Gaarabira effaitaara',
sendo previameale apresaatado ao irnpedieote este
mea despacho.
Rvd. vigario de S. Migoel de Taipa', tendo de
dirigir ao governo imperial ara requerimento, pe-
de ibe declare ss justa a continuc da licenca
que pretende reqaerer.Sobiisiindo anda as mes-
mas caozas que deram logar a' licenca que o Rvd.
sapplicanle obleve do governo imperial, jalgo de
equldade que o mesmo sopplicaote continu ni
.gozo da referida liteoca.
Francisco Simdes da Silva Mafra, tendo corrido
o prlmelro proclama pede dispensa dos dou' l-
timos. Coneedo que se corra o segundo proclama
em um da da presente semana em qne mais con-
currencia de ii iis baja na matriz, sendo publicado
o tercetro no domlogo prximo, 15 di mesmo.
Rvd. vigario de Mamanguape, pedndo para ex-
por o Santissimo Sacramento na festa e Te Ueum
qoe pretende fazer no flm do correle mez, e jun-
tamente na procisso solemne no encerramento do
mez doloroso.Concedo qae se exponba o Santis-
simo Sacramento na f-sta e TeDeum. Pode sabir
a procissao'que mencluna, porm nao sendo acom-
panhada do Santissimo sairamento.
Emesia Mara da Concec.n, acbando-se grave-
mente enferma e em perigo de vida, como prora
com o atlestado do medico, e desejaodo tranquilisar
a saa consclencia, pede dispensa de proclamas e
de mais formalidades para se casar in articulo
mortis.Tomando Rvd. parocho de S. Jos o ju-
ramento a ambos os contrabeutes, e certificado de
qae nao existe Impedimento algam canoaico oa
civil, altendend i ao perigo qne corre a enferma e
.i informacao do Rvd. parocho, dispenso os procla-
mas das naturalidades e domicilio de ambos, e as
demais fomaJdades, e autorisoo mesmo Rvd.
parocbo de S. Jo-para proceder qaanto antes ao
casamento destas contMbentes, aos qoaas isento do
sello-nacional e da esmouVfla caixa pa por serem
tiobres.
lrmandade de Nossa Senhora do notario, pedtn
do licenca para tirar esmollas para cbTicerlo da
capellamr da saa igreja.Informe o Rvd-. pa-
rocho.
Ignacia Francisca da Concelco Patricio, pede a
verba testamentaria de sea fallecido marido e lan-
amente as certiddes de idade e de casamento da
sopplir-ante qae se acbam juntas aos autos de jas-
lIQcaco da fiiaa da mesma suppllcaute O Rvd.
escrivo da cmara entregue i parte a verba tes-
tamentaria do fallecido marido da sopplicante, a
certido de baptismo e de casamento da
admittido a justificar. Junte cerlido de nao
acbada.
O mesmo allegando qae sendo-lbe urgente obter
a sua certido de idade, e nao podeodo recorrer ao
vigario do Limoeiro das Alagdas, donde natural,
para obter a certido de nao achada, pede ser ad-
mittido a prestar a juslificaco, independeote da re-
ferida cerlido.Sendo a cerlido de nao existen-
cia dos langamantos a base esseocial das jasliflca-
coss, que tem por fim abrir no livro complanla o
assento qoe all nao existe, nao pode ter lugar o
que pede o supplicaote.
O mesmo declarando que se comprometa a
apresentar depois a certido de nao achada.Sen-
do a certido exigida a base da justitica$e, como
ja declarei no meu anterior despart), deve ser ex
Dibida em juizo aates, e nao depois de tomada a
Ju-tiuVac.o.
O mesmo, insistindo.Tenbo deferido.
Irmanlade de Nossa Seuhora do Llvramento,
pediodo nceoca para sabir a procisso como San
tissimo Sacrameuto. fule sabir, a imagem Aa
Nossa Sentiora era procisso, porm nao com o
Santissimo Sacramento.
Jjs Candido de Azevado, pede dispensa de lap-
so de lempo, e tambem lieeoca para eIT casameato em oratorio privado.Dispeoso o lapso
de tempo e podem receber-se era oratorio privado,
sem preiuizo dos direitos parochiaes.
Rvd. Juvencio Virissimj dos Aojjs, pedindo li-
cenca para parmatar a casa de seu patrlraouio.
Informe o Rvro. Dr. promotor do juizo.
O mesmo.Execute o parecer do Rvra. Dr. pro-
motor do Juizo ecclesiastico.
J... querendo intentar a ae'Qio de divorcio con-
tra seu marido, requer per nisso para justificar
sevicias peraate o Rvd. vigano da Parahyba, onde
reside a sapplicanle.Passe mandado de commis-
so para o Rvd. vigario da cidade da Parabyba to-
mar os depoiraeotos ejocernentes jastiflcagao de
sevicias, seodo o processo remettido com a inf ir-
raacao exirajudicial e circurasianciada do mesmo
Rvd. parocho, aura de ser julgado por e-te juizo.
Livindo da Costa Meares.Passe mandado de
eommissfio para o Rviu. cura da cathedral mandar
citar a impediente, que como diz o Rvra. parocho,
mora em Reberibe, aflra de, peraot o mesmo
Rvm. cura, ou peraate este juizo sustentar o impe
di ment.
O mesmo.Tendo desapparecido o impedimen-
to opposto ao casamento do suppilcame pelos mo-
tivos que declara o Rvm. cura da cathedral, pode
effectoar se livremeote este casamjao, servatos de
jure servandis, corao ja declarei aos Rds. paro-
cbos respectivos em data de 14 do correhie.
Loareoco Antonio da Silvj, viuvo, nao tendo
encontrado oasseato do bito de sua raalher Ma-
na Francisca do Nascimento, pede para justificar
seu estado da viuvo peraote o Rvd. vigario de S to Anto.Passe maadado de commisso para o
Rvd. parocho de Santo Anto timar os depoimen-
tos das testemunhas, as qu es devem ser gradas e
merecer-Ibe inteira f, dando depois o mesmo pa-
rocho a sua mformayo circamstaociada, sendo
tudo remettido por esta repartido, aflra de ser jul-
gado por este juizo.
Mirandoho dos Santos Moraes Pi heiro, apre-
sentando a certido do sacerdote que o baptisou,
pede que maude ao Rvd. vuzano de Santo Aman
de Jabualo abrir o compeeut^ lan^amento de sen
baptismo. Informe o Rvd. vigario de Santo Ama-
ro de Jaboatao, e declare que f Ihe merece a eer
tiofi i j j-t<_ l- bem assim se dea liceuga para o
Rvd. l'II;iaate admini.-lrar esse Sacraoeuto.
M... pondo impelimento a Lourenyo Januario
de Araajo, afim de nao poder casar sa ora oatras
que nao seja a liiha do supplicanle. -O RvJ. paro
cho de Iituarassu', a quera este despacho se apre-
seolado, tome nota desle impedimento, alim puder casarse Liureogo Jaoaario de Arauja com
oat'a que nao seja a lima do sopplicante.
Maanea Anglica Candida Seohonnrra de Rar-
ros, pediudo que o Rvd. vigario de S: Pedro Mar-
tyr de Olioda note a margem do lanramenu do
baptismo da sappicaote os oomes dos seas pidn-
nbos. Aprsente o livfo u'onde foi extrahido o do-
cuinento que offerece sob o. 2.
A mesma.O RvJ. arcedlago vigario dt. S. Pedro
Martyr, note margem do lanc.amento o haplismo
da sapplicanle lerem sido padnohos da mesma na
occasiao do baptisrao Antonio Francisco de Mirao-
da e sua raulher D. Manaona Dorolhea, lha do
capitao Jj- Francisco li-lm. Se a margem do Un-
Qamentj nao livar sufficiente espago pode o Ilvm.
parocho abrir novo laocamecto fazendo referencia
a elle no ora existente, que nesse caso sera' Ibu-
tilisado.
Rvd. Autonio de Mello Albuquerqae, na qaalida-
dede membro da irmaodade do apostlo S. Pedro,
vem representar contra a llegiilinidade da mesa
geral da mesma irmandade.reaaida em 23 do mez
prximo pstalo, em qae se propozeram os arti-
gas qae reformara o compromisso actual, e que
teem de ser approvados pelo poder eccbsiaslico e
civil.Nao sendo da atiribuigo do poder eede-
O paciente morrera como bom christo,
e na hora extrema mostrava-se resignado,
exhortando a seus conpanheiros a qot s)
mirassem em seu exetnplo.
Nao assisti a este nrnvel espectculo ;
m^s confesse-lhe que atada sinto as comrao- abaleado pela descrerifa, pelo
Ces porqne passei noutem ao ver casual- emquanto que esta demora
mente passar aquello lugubre cortejo.
Deus se amercie dai uelle infelaf.
E nada mais.
lado cor esti campanha e acliassemo-nos j
entabolando as negociarles da pai. Nitre
s veio mallograr nossas oparaco8S e pro-
crastinar a guorra.
E'assim qoe o espirito belicoso se vai
sci3)ticismi ;
injustificavel
compromete todos os sacrificios e eoipenhos
do governo, destruindo todos os elementos
agglomerados pelo nobre marquez de ^axias
Assim, depois de un a parada de quatorze para motulidade deste grande exercito.
mezes nos campos de Tuyuy, e de urna As boiadas e cavalhadas j acharo-se fra-
marcha de Orneo gluri isamente feita pelo cas por falta de past3gom ; mas tarde nao
Dravo marquez de Ga 4S e das victorias leremos meios de mobilidaie
te a sea incansave, enrgico e justiceiro chef*,
nao deixa o crlms folgar e se reproduir franca e
i impunemente eomo em oatras pocas.
I A proposito, lembra-se dos Fragas, de que Iha
fallel na miaha primeira carta, e qae tmham sido
pronunciados por tentativa da roorte c^ramttida
i no da 30 da maio ultimo na pessoa de Jos Luis
, da Costa Jaoior ? Pois ja' osto todos oreis
Teado o Dr chafe da polica aoticia de qae elles
se preparavam para se oreseniaram ao jary con-
vocado na capital para 26 do corrente, expedio ao
encontr do mesraos dais delineadas no da 24,
as quaes qaandi chegaram a residencia dos rjs,
Ja estes se limara embarcado era dire^ca % ca-
pital, e de faci aprnseatarara-se no da 2 ao De.
juii municipal acompanhados do >r. Bareflloa, e
forara recomidos a cadea os seguintes: Urbano
Jis
Pois bem
veoiencias de ordem
que to profundamente em comprometido
os grandes eviiaas intaiesses de quatro na-
Ces da America.
Os fados esto amac urecidos e a cons-
ciencra publica os aponti.
E' saoido por todos q e o nore marquez
sando.
QuaoJoao processo dos assassinos de Bast?, de
qua na outra Ibe fallel, nada por agora posso adi-
antar.
A sua comprovinciana Amelia Accin Pi-
nbeiro acaba de comparecer ao jury pela 4" vez e i
anda d'esta nao ficoa livre, poi-, leudo sido absol-j
vida, o promotor appeliou da senienca por ter sido
juz de ficto um mgo menor d* 21 annos, sendo
jqm esle fra acceiti corao tal nao ebuaota ter de-'
nossas ODera- < claradl' aquella circunstancia no acio de ser sor-
teado I
Urna caria, dirigida ao Jornal do Commercto
u m g<
Dravo marquez aeuacus e das victorias leremosmeiosde mobilidUe aqu por mm- ,rd. :,"un T p d" a
arrancadas ao inimigo, nos dias 31 deja- los mases oa aano, para remontar o exer- tamw^iJ^n^r^^JitffSmi
Iho e 3 do corrente, muito natural que o dito de novo. .Fraga Joaquim Antonio da suvi
paiz procure saber a riz>o porque (xer-'
cito alliado permanece at hoje as DKsmas cu
posicoes, ganhas a 3 o corrente.
0 exercito, pois, que havia, sob a sabia e I confccei a enxergir no procedimenio do ge- Hndebraodo.
previdente dire'eo di nobre marquez de era! Mitre m vonlide, pela terminacho da Bocha gii deve na segundafeira prxima ser
Gaxias, briosa e triump halmente desempe-; guerra, | St|7 K 2?.'to a.m "*
nnaao seu importante papal, parou com Osono, aqaella espada briosa, aquelle Fn amo hmtem tambara preso por orlara d'a-
issombro de lodo O ejercito. militar valente foi victima das contra ieda- qaella aatoridade o caplt.io Jos Jaclnlho Ferraira
pormaiorjs quesejam as con- des porqae o fez passar o general Mitre, p,or star indiciado na mona de um seaaggregado
internacional, emendo! Po.ydero, aquelle carcter leal, aqoelfe 2^ *X%^Z$Tt!1
que ja e tempo da impiensa revelar ao paiz general corajoso, tambem expenmentou d'essecrime, que o incancvei, inteiigente ma-
donde partem os emba -ar; is com os qaaes de>sas provan^as. O bravo marquez e>t gistrado acaba de descobrr e'se acha proees
tem seriamente lutado os nossos generaos,! pagando o seu doloroso tributo. 0 paiz
para terminacho desta desastrosa guerra, que se acaulelle, e procure remediar o mal.
O pricedimento de Mitre para com Oso-
rio antes e depois da batalha de 2i de maio
do anuo prximo passado d lugar a bem
dolorosas considerares, que aotenho-rae de
faze-las, porque o paiz j deve ter conheci-
mento de tudo.
de Gaxias, com asibeioria e pratica dos A^ora, que recome;amos
negocios da guerra, conseguio reirganisar ces com ardor, Mitre apresenta-se, e con-
vantajosamente o nosso exercito, dizimado traria-nos de novo. daqui boje publicada, transmutnos mais urna
cosideravelmenle pela epedtmia, e enfra- Quesigq'J.;a uro tal procedimento per inste nova. Na Tranqueira de i.oreto uraa pai-
i da paraguaya creio que de cavallarla, protegida ,
! par quatro boceas de fogo, assaitara diversas ca- ;
, sas de brasileiro?, saqueara, assissinara e iocen-
.diando aQaal as msraas casas e lavando prisio-
neras mulleres e ermneas; alera d'lsso hiviam
| tomado algumas carretas que com foraiciraaoto
marchava para o 3o corpo de eiercllo.
O commandanie da dvi-o, qui guarnec a froo- .
teiri, logo qua teva a noticia, mandara era persa-'
guico desse3 vndalos, mas p,ireceme qu3 sem
resultado.
Sobre a nossa linha divisoria com o Estrelta '
O.ieolal,em freute nossa villa de S:ni' Anna do
Livramento se eita' creando u'aquella E>lado uraa
povoaco com o noma de Rivera.
E' mais um l.-o de discordia e dasirdera, roais
ama funte de innamaros ancomraedos para os nos-
sos patricios moradoras d'aqualla villa e frioteira i
Acha se entre nos, recein chigado da rain-|
tevido, o di-lincto prestidigitador Hermano, des |
psio seu iosig-
pela nobre generosidade dispensada
| ni Paraguay com os nos-os soldados, como ja de- ;
ve saber.
. Acompanhi o sua esposa, que segundo diiera,
uraa eximia cantora.
Nio rae lerabra rniis ciusa a!arai digna de |
narrar-Ihe, por isso vou terminar esta mas-adi,
participaodo-lha quo a uos*a assembla n-^ra se-
quir coraecou an 'a "suas sessoes preparatorias,
por falta de numero I
Deus queira iue desta vai tacara algara coma i
das tantas qua hi a fazer...
Dovido.
Qne me diz da acluilidade pililica da Ripu-
blioa Argentina ?
Vera' que o Urasl anda vai tar obra all depois
da guerra cora o Paraguay...
Prasa ao too qua o rae oo engae e adeus.
qnecido, num-jricamente fallando, as bata- parte de unTgeneral amigo e alliado ?l
Ihas e combates que hav amos anteriormen- j Nao quero aquilatado : deixo ao governo,
te tido com as torgas in:migas. s cmaras, e nagi o direito de o quali-
0 governo, com a solicitude e patriotis-; flear, co no melhor entenderem.
moque tanto o tem distinguido, por m3io
de levantamento de voluntarios, de desigm-
ce's de guardas naciocaes para o servido
de campauha. e do recrutament i, comple-
tou as tHiras de nosso-nxercito. Ao mar-
quez couba a gloria def(zer instruir e is-
ciplinar essas forgas.
Rreparado o exe cito para novas e gran-
des emprezas, elleconceteu o plano de ama
manobra de flanco, e a lealisoa illudindoas
vistas do inimigo com t;.l prespicacia que
as timou a retaguarda d) ponto emque nos
esperava com sua artdh; ria, montada em
frente dos p.issos que tinhamis de trans-
por, havendo prgviameatf os obstruido com
estrepes, galbos de arvores c abatizes.
Este acommet imeoto, :oroado do melhor
resultado para as nossas irmas/ e a derrota
comp eia do inioiigo nos dous recontros de
31 de julbo e 3 de agisto, firmaram no
exerciio a convicio de ^ue nossas opera-
do mesmo resultado.
O marque/, de Gaxias, de.;ejoso de satis-
fazer o desidertum da naejo,
apenas a abertura de tima estrada, que
pondo o exercito em conmunicaejo coma
nossa base de operaces, offerecesse-nos
Eu fallo como brasiloiro,
paiz.
amigo do meu
INTERIOR
corrj2st>o:vdk:\cia >* DIA-
mo mn PR^Aiinii:.
PorfaAlegre, 6 de setembro de 1867.
j a at que afloal desohriu-se o xaropa do bis-
qp, ti est, rhegnn hootem s 7 horas da noute a
mala da corte I O a dacldidameot nao lia naja, ,a ve, daf)lmi!mo recJinmendado,
como lulo, o man historia e... viva a Cumpa-;M ulliQ(0% |a b
una Brasileira de Paquetes a Vapir I
l?im effato, meu am'go, nesti nossa pobre Bra-
sil ludo grande, talo e-tapenda at... tocar a
meta do rilenlo ou do escndalo I lira toda a par-
ta do mando civilisado ora dos rara is de servido
publico mais cudala, mus llscilisidi e por i-si
raais regalar, o das communiciroe?. esppciai-
'iienta o das correios internos palo mu-ti que elle
affaeta ao ioteresss publico e ao pirticular de a-
d cidado; aqu peJo contrario um dos mais
desprezados com especialzale relativamente a es-
ta infeliz provincia, qae era tuda caipora : qaan-
to aos correios da iaterior, aolamus ordiairia-
juiz de capellas, que a aatoridade competente
para tomar conhecimento da materia do presente
reauerimento.
Rvd. provedor da irmaodade do Apostlo S. Pe-
do desta cidade, pedindo que approve oa pane
espiritual os artigos que reformam o compromis-
so da referida irmaodade.Tendo-me sido apre-
seutado um protesto contra a legilimidada da ren-
nio da mesa, em que foram discalidos e appro-
vados os presentes artigo;, e havendo eu decidido
que se recurresse ao juiz de capellas, qae a au-
toridade competente para conbecer da legitimida-
de ou illegitimidade das renmOes das mesas da
irmandades, aguardo a decisai daquelle juizo para
poder deferir ao Rvm. suplicante.
Tpedindo qae nao conslnla no casamento
de Christovo, Qlho legitimo de Tbemoteo Fran-
cisco Correa, aa freguezia dosAfogados, com qual-
quer outra qae nao seja a filha do mesmo T...
Os livds. parochos a quem este reqaeriraeoto fr
apreseatado tomem nota do iradedlmeaio opposto
ao mencionado Chrhlovo, afim de que nao case
com outra que nao seja a Bina do sopplicaote.
(Conttnuar-seha.)
EXTERIOR.
Ignacio.
siasllco eoohecer da legiiimidade das reuruoes das almirante Joaquim Jos
UmabombaVdeira, colUada na volta do
rio; em lugir correspond mi esta form -
i mente mais era da cora as utidas dn China que
aguardava Com as dos novjs da campanha Pelo qae dz res-
pe ti comraaoicagiais telegraphicas, a causa
mais divertida, que sa oola dar, a no-si llnha te-
legraphlca cora Santa Catharlm, faz rir as psdras 1
Um da nao traballia o tl graplio por estar ec.<-;
segura garanta para condueco de nossos: tkarraio pelas homidades pfoprias da estano; ou-
materiaes de guerra e de b03a. | to da porque um raio quebr ou-lha ara braco ;;
Com a actividade e fon;a do vontile aue ora poriae am honrada bol, ramlnaodo soaher-
vinha entregue a va), melaachoco scismar, tan-
to n9lle se rocou qua deslocoa Ihe uraa perna, ora !
parque a endiento de ura baohado subm-rgio o |
Bo, que oo eslava preparado para o baoho, ora por
que a vazante no mar des nibrio o tlo.que eslava des- j
preveni lo de guarda sol, emdra por mil diversas '
eisoalidades que l idos os das se esto dando. To-
das os lelegrapbos sero to suscepliveis ox to
infelize; coma o no Qaaa'.o s comranaicicoes por raar, o que se
e-t vendo, oo ha a menor regularidad, o rae-;
oor zalu Dessa sarvico ; a tl Companhia Brasile-
ra de Paquetes a Vapor soberana, manda o va-
por que quer e quando Ihe parece, e ninguedi Iha
vii a mo, e, como se isso nao bastaste, l appi-
rece am presidente de provincia qu emende qua
poda interceptar a marcha da ura paquete correio
e emprega-lo era outro mistar, como agora acaba
o cracterisa em tres dias realisou-se esta
importante obra.
Estas difliculdade stavam removidas.
A esquadra emprebenlendo sua dilDcil
subida no dia do do corrate, executou-a de
um modo digno e glorio; o para opavilbo
nacional.
A bandeira brsileira iremula orgulhosa
defronte de Humiit, grai as ao nosso digno
Tuyu-Gu, 25 de agosto de 1867."
A esquadra conserva se na posicao de qae
j Ihe fallei. Urna bombardeira nossa col-
locada volta do rio, b mbardeia diaria-
mente o llumait. Esta fortaleza responde
com algus tiros.
O exercito permanece as mesma s posi-
ces.
O nobre marquez de Caxias mandou fa-
zer am reconbecimeoto no Chaco; nada
ainda sabido a respeilo.
Embarca hoje doente com destino ao.
Imperio o prtmeiro cirurgio do exercito
Dr. Pedro Ribeiro de Araojo, oppositcr da
facqldade de medicina da Baha.
Fra hontem execotado por sentenja do
da 5a
- mesma' e! conselho sapremo militar o soldado
'To^LrdeAimeida Fragozo. nao tendo 'companhiadq. 10 batalhlo de iofanlaria Joo
eBJontrado a cerlido de seo bpUnj->, pede ser J s da Gunba.
davel fortaleza, a bombaideia diariamente.
O general Mitre chegia a Tuyu-Gu no
dia 31 do passado, e desde ento o exer-
cito alliado nao adiantra um passo no ca-
minho de suas operaces."
O nobre marquez de Caxias, tendo sua
vontade subordinada lo general Mitre,
que, em virtude do trat;.do da trplice al-
lianca, commanda em el efe os exercitos,
nada pode emprebender nem execatar, ao
passo que o marquez de Caxtas, homem de
acejo, v-se contrariado )or forc/i do refe-
rido tratado ; o general ifilre, ama vezes
irresoluto,nutras em completa inacejo, dei-
xa qae o tempb estrago i todos os sacrifi-
cios nacioDaes, e que uti inimigo astuto,s
sagaz e activo, como Lpez, ganbe em
preparos de entrincheir; meatos na razio
do tempo que elle despeflifa por incuria
propria.
Nao recuso ao general Mitre os ttulos de
hbil poltico c consumado estadista, o que
Ihe n3o concedo pelo qce tenho visto e
observado, que seja um general do vistas
largas, de olho perspicaz, talhado para di-
recto de ama guerra coms esta. Onde
esto esses grandes planos de ataque, onde
esses actos de bravura que o tenbam dis-
tinguido ?
Ninguem sabe, nem ap inta um s. Flo-
res, este sim, adquiri or nome glorioso, e
o prestigio qae gozava conseguio-o por
meiodefeitosde heroisma.
Carcter leal e sincero, o bravo general
Flores deixou seu nome (iravado em todos
oscoracoes brasileiros, (ue lamentam ter
perdido com sua retirada ma espada va
lente e urna cabeca pensai ora, e segura nos
negocios da guerra.
Se a-posicao que no ejercito alliado oc-
cupa o general Mitre occimasse o bravo ge-
neral Fores, tal vez que. tivessemos comple-
REVISTA DIARIA
Teve lugar, como annanciamos, a abertura olllciai
do servlgo d* empreza dos.tnlliQs urbanos desta ci-
dade ao povoado dos Aplpucos, o que se reali-rau oa
manha de nontem, partindo da esta(o do largo do I
Capim, oa freguezia de Santo Aoioaio, um u era,
lelas 11 horas da maolia, necupado pelas priraei-
ras autoridades da provincia, alguraas sennoras e >
inultos cavalheiros dlstioclos por suas virtudes e i
posicSes.
O trajedo de ora extremo a oatro da linha reali-'
soa-se dentro de 20 minutos, com-grande satina- i
cao, de todos os convdalo?, qae tiveram mais uraa
occasio para apreciar o importante raelh >ramemo
obtido pela populago desta capital e de seus arre-
baldes.
De volta parou o trem oa estago central e d'ali
de aeonticer cara o'p'esideote de Santa Cathanna se^uiram os eonvdados casa d campo do Sr. Dr.
e o Gerente, qne trouxe a mala at o Rio Grande, Jos RarnardoGalv^o Alcoforado, onde foram todos '
d'on le a conduzio para aqui o Proleccao. t'ara
qua nao pise q e ogerisa raioha com os cor-
reios, lela o que a respailo diz ura des joroaes da
trra :
t Gerente Este paquete aadoa correado aven-
taras por Santa Camarina.
i Troaxe do Rio para Ilajahy 20 colonos, mas
tendo ebegado barra nao poda entrar e velo com
elles para o Desterro.
t Ahi chegado o presidente qaiz que o navio os
conduzsse para o sea destino e at qua o presi-
dente e agent da compaohia concordassem, gas-
taran) dous dias em correspondencia 1 Afloal l
fui o vapor levar os colonos a sahio para aqui no
dia primeiro I
Corao vai isto nesta puz I Al onde chega a
zombaria com os valiosos interesses do publico I
< Proleccao.O mo lempa obrigou este vapor
a fondear cinco vetes na laga.
i Qaaodo pretender' a compaohia substituir
este vapor por um oulro que esteja nis condiedes
exigidas T
o sea 4gn comimodaote por muito que faja
como realmente fu ni pode dir ao navio as qua-
lilads qae lew.
Nao haverw no paiz algn poder qae seja su-
perior aos escndalos da corapanhia Braslleira de
Paquetes ? *
Temivel tera sido esle auno o invern, qae
ha bem tampu nao settostra, como agora to ri-
goroso. Malo e junho foram feriis em fros e o
mu passado o o correte em copiossimas e con
tinaas ebuvas; tamos tldo endiente em toda a
provincia, nao ha rto olWrolo que-nio tenha sa
nido do leito; as ilhas fronielras pelo norte desta
capital esto lnnaodadas, oenhuma vid po/em
tem sido sacrificada : alada por esta oceasiao se
tara mostrada o zelo e actividade do actual pre-
sidente, qua alli tem mandado' vapores com soc-
corros aos moradoras e or lera para condazir para
aqui aquellas qe o queiram.
Entre todas as molestias proprias da estacan,
as qae mais daraao tem cansado e esto causando
sai as anginas e ora especlalidade a escarlatina.
__Alguns fados criminosos se tem dado lti-
mamente o proviacia, mas como nao sejara de
otisequiados pela Exma. familia do mesmo senhor,
qua se esmerou em tornar agradaveis aos seus
convidados a demora ali havida.
Depois de alguns momentos p ssados em con-
versai;o amistosa, dirigiram-se os convidados a
sala, onde os esperava urna extensa me^a sobre a
qual decansavam vasos replecios de (lores odori-
ras, fructos proprios do terapo, doces e manjares I
esqaisltos, sem fallar nos-vinbos de todas as qaali-
dades a escolha dos presente-.
Duraute a deleitosa convivencia de tantas e to
distmetas pessoas fizeram se algaos brindes, tendo
levantado o primeiro, o Sr. Dr. Jos Bernardo Gal- j
vo Alcoforado, qae o derticoa aos seus amigos, |
caja posl$o offlcial os tem habilitado a auxiliarem
. a empreza dos trilhos urbaous e ooraaadameote
i designou ao Eua. Sr. baro de Villa-Baila, ao Sr.
Dr. Felinto Hanriqae de Almeida e Dr. Lulz d'AI-
buqae Marlins Pereira.
O Sr. Jos de Vasconcellos levanlou um brinde
ao Sr. Francisco Ferreira Borges, gerente da com-
panbia Parnambucana de vapores costeiros, pelos
sens servicos ao engrandeclmeoto desta provincia
e pel estado prospero era que se acha a mesma
corapanhia.
Outros b indes foram anda levantados, seodo
todos correspondidos de am modo todo digno aos
distinctos cavaleiros qae tornaran! parte na Testa.
Conbe ao Sr. Dr. ALoforado levantar um briode
a S. M. o Imperador, o qual foi applaudido com
eDthosiasmo.
E' grato de ver-se qae qaaodo ha reooio da
brasileiros, seja sempre lembrado o nome do impe-
rador o Sr. D. Pedro II e qae a essa lembranca se
succedam manifestares de respeito e veneraco
qae todos os brasileiros trioutao ao sea nclito mo-
nareba.
Ao terminar esta ligeira noticia danma festa to
agradavel, seja-n-is permiitidi dirigir ura voto de
raconheclmento, par parte do publico peta acquisi-
co le am melhorameato lio imprtante, devido
aos iocaasaveis esforgos dos Srs. bara do Livra-
mento, Dr. J. & Galvo Alcoforado e Aotonlo Luit
dos Santos,
S. Exo. o Sr. bario da Vltla-Bella levantoa um
brinde aos distioctoi cavalheiros qoe haviara
O Exra. e Rvm. Sr. deo Joaqnim Francisca
de Faria assaraio hooiem o exercicio do goveraoo da
bispado.
Igualmente as^uraio hontem o etereSeiO' ti
engenheiro fiscal da entrada de ferro o Sr. Dr. Ma-
nuel fluarque da Macedo.
Hoje deve conclair se o exame de habilitago
' para o concurso as cadelras vagas do srao> leraioi-
no, qae coraecoa a ter lagar no da 30 do prxima
pas-vio, oa directora da instractai pabiiea.
Corapareceram as segaiotes b^biliandas: D.
Amelia Pereira da Cosa, >. Amelia de M--!! Pires
Galvo, D. Alexaodaioa Miraes Re*, D. Rt.iI
Joaquina de Medeiros Souza e D. 1 Jalma Escola; ti-
ca Guadas Alcoforado.
Tem dado provas escripias sobre as sfgoiolcs
materia*: graramatica nacional, ariihmlica, Me-
tnodo de etisino, historia sagrada e doatnna
ebristia.
Hoje devem completar as provas escripias coa o
syst^ma mtrico e ter lagar o exame ra.
Forara examinadoras os lentes da E-c-Va Mar-
mal professor Mindelb e acadmico Araojo Villar.
Cora os 6 recebidos ne*te porto, eondazio para
a Europa o Exlrcmadure 6 passaseiro*.
Entre estes la o coronal do exercito oriental D.
Amonio Silzone, que ajadante de ordosdo ge-
neral Floras.
Amaoha, parante a junta da fazenda provin-
cial arreraau se a obra dooivelameoto eealcamet-
to da estrada do Caxanga.
O orufessor publico Francisco Han .-l ft*zer-
ra de Va>concelir;s e as professoras D. S^no-noh-i
Mara de Olivera Mello e D. Leonor Carolina di
Vasconcellos B rgs Lal, offerecerkm 5 /. d-
seus vencimenra-ntos, pira occorreras despezas da
guerra.
E' am acto que se recommenda ao pobleo elogio
por si mesmo.
Numeracio dos bilhetis da iuteria i0\ ffire-
cidos pelo thesuoreiro das loteras para auxilio in
despezas da guerra :
Bilheus os. 263 a272'
Os runeles leera produzido 3:72rOO.
Sobre a coltura do algodo, lemos oseguinle
no Pindamonhangabense, de S. Paulo :
i Com prazar noticiamos qae oeste municipio
est dado o primeiro passo para aquella imporianu-
lavoura.
t Diversos fazendeires nossos conterrneos, ji
metteram mos a obra; e se bem qoe alguns del-
le- desanimassera na tentativa que flieram, ootro<
exist'no, comtudo, qua, talvui por mais coo-tancia,
camiohara sob ptimos auspicios e cora as mais li-
sooRi-iras esperanzas de reso ta-lo.
t Entre e>ts ltimos contam-se os Srs. Gr^orio
Ji- da Oliveira Costa & Filbo, qne acabara de fa-
zer a sua primeira remessa. e que, palo xito que
tiveram oa coihaiU, prour>ameDte de experiencia,
estn dando malar desenvulvimento as suas planla-
coes. *
t Informara-nos diversas pessoas qae te^m visi-
tado o e*la5rIeriraenlo agrie Ii des Sr*. Costa A
Kilho, ach irem-se alli ja montados todos os isacb-
nismos proprios para o preparo do algodo, sendo
I,uvav i o enpenhodos mesraos seahores em fazer
sobresahir o sen genero do mercado da cflne, j
pela sua qualidade prima, ja' pelo bem msntouiaao,
e ja, finalment-*, pela p-rf-lcao d > enf.irlamjnto.
i Nao da pequ-na im^Kirtaacia a noticia qae
damos, porque as cons-'qaeo'ias benfica qae da-
quelle rama de traoalho podem aoferir os seus ini-
ciadores tratre c-, vem a refWtir mailo sobre u
municipio.
Cora o que levamos dito nao pregamos o aban-
dono do caf, que tem sido e ainda o msso ponto
de ap.-ii, nao, e nem essa cultura incompati7el
com a do algodo, que pela delicadeza e facili iale
de trato, offerece lampo para todo.
Cra*erve o municipio aquella, e d tlo locre-
meti possivel a esta, que mais vera aberu* as
suas fontS de riquezas.
t Com mais vagar direHiO! algumi causa sobre
esle assumptj.
Respostas as perguntas enygmaleas da h:n-
tera :
O indicativo que varia;ao da prononre pes-
soal Es le.
A ave de Pernambaco qae rio da mesma
provincia Ur-b,
A pana da cabsja humana que batata
Cara-Cara.
A n >ta de msica mais cruel Sol-ferino.
A vogal em que se dorme E-leito.
A Itttra do alfabeto qoe nos salva o K f
(Caf).
A nota de mos'ca mais vagarosa R leoto.
O tempero que se sustenta nos campos Sil-
gado.
A preposicio que se execata oa dansa C.m-
passo.
A bebida aromtica que sobra nome de ho-
ra -ra Cb-mariz.
O adverbio de lugar qae se serve ao jaotar
Ca-lombo.
O sobre-nome de homem que substancia
aeriforme S-gaz.
Lotera. A que se acha venda
a 40.a, a benecio da Santa Casa de Mise-
ricordia, que corre terc>feira 8.
miior importaocla, delxo de reltalas, alara de | Usado tr.ihoramento ta importante e terraina fa
qau i. iividade da polici, davida pala maior par- teoio votos pala prosperidad.*, da eroprea.
H i 5 VI 1 V \\ H I I Z 1 P! 1 I! i > (O ce -> o
: ii I 2 LJ i 8
1 \ Masculino. a
si - alsfai C1 1 1 a. m
i i a
SI -1 - L ec 1 Feminino. > QB o s
i i M *
ti. JJJsi3,asctt,i,,<>- a. s
1 lll
# 1 I I Feminino. 1 1 o- 1 a N =.
lili 1 Masculino. .1-1-1 0.1 1 1 1-CJ
^: h " m
i; i i 1 Feminino. g
* co Masculino. s-m -i 5 e
o A I A 1 1 Feminino. ,n 1 -
I 1 1 ^ | Mascvhno. i * c
8 -15 51 _________ i g

i Feminino. Si
' | ,N 1 o> i
1 1 tM TOTAL.
i* 5 f 1 si s O
ADVERTENCIA.
Na toulidade dos doentes existem 216, stmio 122
aomens e 9V mnlheres.
Foram visitadas as enfermaras estes dia* :
. As 6 1|1,7 |*i 7 < M*i 7. 7f 7 Pelo Dr,TUa



i
^kL
i .*
. .'
mm
\ mm



Mario de Pt:rnanbRco Qnarta letra t de Outaoro de 1867.



).
A's 10,10,10, II. 10 lil, 10 !*, pelo Dr. tor-
mento.
Fatlprenm :
Inltio K-ly, brooehites eapillir.
babel Mina a Coueeigao, myclite.
_ HEPAM.50 da polica : -Extracto m par-
te do dia.l0 Foram recolh.dos a casa de deteogao no da 30
'VortKSelW* e S"t Atolo. Her;
demanos, allemo, e Angosto Aires, por briga. A
ordem do da Boa-vista, Francisco de Soma Ferraz,
por desordem. __,.
' O cuete da 1 seceso,
J. G. de Mosquita.
Possageiros do vapor nacional Pirapama, sa-
bidos para es per los do norte
nal jaita improcedenteMMMrio, mas conflem-! quem desapropriar o terreno, que a vw pu- PorUnio, nao admittimos o novo modo de; tralamenfo, no Ara dos quaes usara* do xa- J{0yQ fogueo de PernambllCO
i
na os referidos sutnmariados as castas a que de-
rara lagar com o engao em qae recoohecem ter
cihido.
dem de Reg & Irmao__Avista da defesa pro
daslda pelos surnmariados, o tribaaal julga im
procedente o suramario, mas coolemha os refer
dos samoiariados as costas a qae deram lugar
com o engao em qoe reconbecem ter cabido.
Aotos de rebabilitaco de Pedro Ortli Camargo.
Vistos stns aat s etc.Atteadeodo qae o im-
petrante tendo fallido sob a firma social de Caraar-
go & Silva, e 8oa casa aveodo sido liquidada por
administradores qae depois da liquidaco presta-
ran! coala-, tendo ostas sido approvadas em ren-
niio dos redores; os quaes deram a indicada fir-
ma Dleoa e geral qnttacao oos termos dos arlig >s
870 do cdigo commerclal, 69 do d-screto n: 1! 97,
Mica presenta'como preforivefao largo da' fcrysma, para o que sagrad): e por amorjrope devlame o to'.;?^"?]^ ;/[f"
Princezas para a collocaeJo de seu pago, regiio e i nossa moratidade, nao con-
qua abandonem a triste escoma que flzerati I sentimos que o Rvd. coadjuctor avance a
tasar a nossa capella provisoria de .otaria e
da pequen pra;a da ra da Concordia.
Ainda eslo a tem;>o de recuar. e o ne-
gocio o exige.
Se o nosso pedido, Andado, como as
mais justas intengoes, n5o f6r attendido, elle
servir de um protesto publico contra urna
m dslioeracSo da cmara.
A.
--- m *j i Domingos Antonio de S, Amaro B. A. Maranbao e t. do decret0 B- mg de jg ae arjril de 18.W, o
e nma fiba, lelio Cesar Paes Barren, sai seohora lrit)aQa| concede ao impetrante a rehabilitarn re-
e ama triada, H. 1. Kniger, Gaitoerme da Costa e ^^-(-j e fl -a|ga apt0 para continuar a cooxner-
sna soohora, Antonio Ferreira Rocha, Joo Cordj>i- curj Cessando desta arte a prohibido do 8 k-* do
to, Nar< so Antonio Vieira da Caoba, I aqniro Go
artigo 2 do cdigo commercial Passe-se caria de
mes da Silva, Francisco Jos Comes, Manoel Sa- rehabilitaco do mesmo impetranti e pagae as
tnrnino dos Sanios Neves, Wi'lenaldo S. Paii- cosas.
Iba, Joaquim Ignacio Pereira Jnior, Mniel Mar- jja(ja majs Daven(i0 a despacho, e dada a hora
ques Gamacbo, Julio da Cesta e Silva Ladgero (U e ,^. 0 Exm Sf presente encerron a
Braulio Garca, Francisco Joo Silva Rales, Kirm- sess,0.
no Candido Pigoeiredo, sna irma, tres sobriohes e -----
doos escravos. Joaqoim Goilherme de Soata Gal- SEssAO JUDIUARIA EM 30 DE SETEMBRO DE
das, Antonio Rodrigues de Alenla Braga, J. Gar- 1867>
los, Thomu Carlos Baptisia, Jos Raymuodo Car-1 mbsidencia do bxm. sb. desembakoadc*
vaino, Hory Berlh e um *fllbo, Antonio Almeida A p PEETTI.
Goncalves, D. M^ria da Soledade, sua irmaa e tres Secretario, ivMo Gmmaraes.
esciavos, commendador Francisco Alvas de Soaia ; A-s onie noras e mea da maafia dedaroase
Carvalno e om criado, Antonio Sabino .Costa, .; abtrt a sessio estando reaaidos os Sra. desem-
Maria rause e 2 lllbas, J. ral e sua seohora, bwgadores Silva Gaimaraes, Res e Silva e Ac-
Wehee e om criado, padre Felit H. do Reg'1, Jo- Ci0|,, os Srs. depotados Rosa, Basto e Miranda
venci C. Magaihae* Barbosa, Joo Francisco Aran-
tes e Joo Correa Marques.
CiiOMCA 4UD!CIUI\.
TlSietWllj Il BELAClO
SESSAO DE 28 DE SETEMBRO DE l>-67.
PBESIDB.VCU DO BXM. SR. C0NS8t.llEIR0 S00IA.
As 10 horas ia manhia, presentes os Srs. desem-
bargadores Santiago, Gitiraoa, L^ureogo Santiago,
Almeida Albuqaerque, Mola, Assls, Dominaos da
Silva e Sooza Leao. faltando os Srs. desembarga-
dores Guerra procurada da cora o Ucbda Caval-
cante, abrio-se a sesso.
Passados os feilos deram-^e os sejuintes Jalga-
memos:
APPKLLAgoEs erras.-Appellamv, Manoel Poto
de Araujj filho; appcllados, Porlella & Bran-
ca De^presara os embargos. Appellanle, O. Ma-
ra Cisueiro Freir de Moraes; appellado, Joiqui-n
Pereira Bisios.-Rei'eberam era parle os embar-
iro. Appellaole, a faaenda; appellado, Agostinho
Edoardo Pidh.tecebidss os embar)f.
APPEU.AQAO CRHIE-Appellante, Aut-Jio Marques
Araojo Cavaicaote; appellado, Manuel d'Araujo^^^ '"
Cavalcaole.-No se tomou couhe.:im-nto da appel- A'" |'ame Kt
Assignou-se da para jalgamento dos segainles
feitos : -i*
appellaqobs civEB Appellante, Francisco Jos
de CamptS Pampioua; appellada, H'ar.queU Elisa
Bank*. Appilaotes, bacbarel 'jaloioo Ferreira da
Silva e outros; appnllido, Antonio Googalves da
Silva. Appellante, Claudio Dubeux; appellada, a
fazenda.
appellaqao CRiME.Appellante Cosme d'Oliveira
Roca ; appellasa, a juslica.
PASSAGENS
Do Sr. desembarga jur Guirana ao Sr. desembar-
gador Guerra. Ap|jellai;oe> civeis: appellante,
Antonio Jj> daOlueira Castro; app liada,a liber-
ta Joaona. Appellante, Jo.-4 Jaciliio Pavao ; ap-
pelladi', o curador geral. Apellante, Manoel Jos
dos Saoto; appellada, D. Clara Tlieodora da Fon-
seca. Appellatite. D. Manauna daConcigao Perei-
ra; appellada, a viuva de Jos Lui de Franga.
Do Sr. desembargador Lourengo Santiago ao Sr
desembargador Almeida Alouqu-rque.Appella-
gpes citis : appellante, Antonio Carlos Penetra de
Burgos; appellado Antonio da Siqueira Cavaican-
te. Apoellaue, Joo Siar.es da Foaseca Velloso ;
appellado, juizo. Appeliaot, J.io L"pe5 d'Almei-
da; app liado, Manoel M.rtios de Carvalbo.
Do Sr. desembargador Almeida Aibuquenine
ao Sr. desembargador Motta.AppellagOes clveis :
appellante, Jos de Barros Pimeotel; appellada, D.
Francis.-a Eugenia de Mello. Appellant", Bernar-
do Pereira Pinto; appellado, Francisco Pereira
Pinto. Appellante, Jo> Tnoaiai da Silva C Dba; appellado, Amonio Jos de B-uto Rosado. Ap-
pellant-, Bento Vieira' Pinto; appellado Claudio
Calomb e Azevedu. AppellagSes crimes: appel
lante, Jo? Antonio Anselmo Moreira ; appellado, a
jusliga. Appellante, Aoselmo Rosendo de Olivei
ra; appelbdo, a juslica.
Do Sr. desembargador Molta ao Sr. desembarga-
dor Assls.-Appellag6-s el veis: appellantes, os her-
deiros do bruadeiro Druromoud; appellados, os
berdeiros de Joo H-onque da S'.lva. App-llaote,
Heleodoro Acacio R^nici; appellado, Jos F man-
des da Cruz. AppellaniP, D. M*rla Anna Caval-
canie Albutjaerque; appellado, Jos Francisco Ac-
cloli Lins. App-ilaote, Antonio Francisco Ana-la-
cio; appellado, Caodido Affioso Moreira.
Do Sr. desembargador Asms ao Sr. desembargv
dor Domingues da Silva.Appellagoes crimen:
pellante, o Julio; apellado, Dirneville d'Oiv
Mello. AppellaO'e, H-lario Campello Rio Gi
de; appellada, a justica.
Do Sr. rieNfrabargad'T Doralngaes da Silva ao
Sr. desembargador LVha Cavalcanle.Appellag5e-
crimes: appeilaote, babel Mara da Conceifo;
appellada, a jusliga. Aopellaute, o jnizo; sppella-
do, Joaijuim Ferreira dos Sanios. Appellago ci-
el: appellante, J,> Alves Barbosa; appellada,
Engracia do Amparo Sauta Rosa.
Eacerrou-se a sesso a ama horas e meia da
Urde.
I 'II Hl l I II i l
TRIBUS AL DO COJSff ERCIO
ACTA DA SESSAO ADMINISTRATIVA DE 30 Db
SETEMBRO DE 1867.
PRESIDENCIA DO EXM. SR DESEMnARGADOB
ANSELMO FRANCISCO PERETTI.
As dez horas da manna - ap-
veira
Rio Grao-
Leal e o Sr. sapplente S Leto.
Lida, foi approvada a acta da sessio antece-
dente.
Foi lldo o calcio de 11 do correte do Eim. sr.
coaselheiro presdeme do tribunal do commercio
da crie communicando haver remeltido a este
tribunal o falto entre partes.
Recorrentes os administradores da massa fallida
de Amorim. Fragoso, Santos & C, recorrido Fran-
cisco Jos Lene.
Foi presente orna represenlago da secretaria
deste tr banal, na qaal se pondera qoe o escrivo
do juno municipal de Sjroliem, J So Aff-mso
Regaeira, indevldameote remettera a meiraa se-
cretaria os autos entre parles; Jiaqnim Lniz Vi-
raes e D. Praocisca de Salles Candida da Rocha ;
e o Exro. Sr. pre-identa ordenou a remessa de di-
tos aotos ao julzo especial do commercio.
O escrivo Aibuquerque registrou o ultimo pro-
testo de letra a 28 do corrale sob o n. 1487 e o es-
crivo Alves de Brilo a 24 do mesmo mez sob o
o. 1433.
ACORDAOS ASSIGNADOS.
Embargante Jos Antonio jloreira Das, embar-
admimsiradores da massa fallida de
so, Sintos & C.
Tnodoro Christiaosen, apeellados
Patn Nash & C.
JULGAMESTOS.
Juizo municipal e do commercio da cidade da
! Fo lleza.Embargante reo appellado Joo Svo
i nano de Souza, embargado autor appellante Anto-
nio Paes da Cuuha Mamede. -Juwes os Srs. Gui-
marps, Accioli, Bisto e Rosa.Dospres-ram 8'
os embargos.
Julzo especial do commercioEmbargante ap-
pellante Augusto Frederio di Oliveira, embarga-
dos aupellados os administradores da massa fallida
Ai J >aquim Francisco de Mello Santos.Juites o*
Srs. Ruis e "iiva, Accioli, Basto e Rosa.Despre-
saram s.< os embargos.
Jui?o especial do commercio.Embargantes sp-
Dellantes Moreira & Duarte, embargado appellado
P.4ulo J is Gomes.Juizes os Srs.
R-is e Suva, Leal e S Leito.D^spresaram-se
os embargos.
Juizo especial do commercio. -Embargantes o
administradores da massa fallid de Amorim,
Frago-o, Santos A C, embargado o Dr. Joo Bap-
tiza C^sanova__Juizes os Srs. Giim-:r-is, Res e
Silva, R)-a e Basto.Des pregaran-se os embar-
cos, sendo vol vencido o Sr. R-i~ e ^va.
O Sr. Leal nao apreseotou os seguimos feitos
adiad js a seu pedido na precdeme. s^ssao.
Appellaotes Simplicio Fortunato Ferreira e ou-
(ro, appellado Thora Lopes de Sena.
Appellante Manoel Antonio do- Santos, appella
1o Jos de Villa Fior.
Adiararn-se a pedido dos Srs. deputados os fei.
tos inra inscriptos.
Embargante Trnmaz Duarte de Aqaino, embar-
gados M nteire, Filho & C.
Appellante o mesmo Thomaz Duarte de Aquioo,
appellados os mesmos Momeiro, Filho C.
Embargante Antonio D>mingues P.nio, embar-
gado Antonio Leiio de M jiIim .- Bi-tis.
Apuellante Joaquim Buarque de Sarapayo, ap
pallado Theotonio Ciaudiuo J S'lva Lima.
Por nao estar preseute o Sr. desembargador
Ucbda Cavalcante biu foi proposto o feito adiado
na sesso passada, entre parles
A ipellanie a viuva e herdeiros de Jo; Hygioo
de Miraoda, appellalo Juo Bussoo, como admi
nisirador de sua mulhir.
DISTRIBUtgAO.
Appellantes Carlos Jos A^tiey & C, anpellados
os adraiQsiradores da raassi fallida de Amorim,
Fragoso, Santos & CO Sr. desembarca i jr Gui-
maraes jurou impedimento, e foi distribuido ao
Sr. aesembargador Reis e Silva.
AGURAVOS.
n> juizo especial do commsrcio. -Agjravanles
Carvalho & Rodrigues por sea procuiador nesta
cidale, agitravados os curadores Bscaes da rais^a
allnia de Somal Mallors C.
Aygravanies o presidenta e directores da Ca*a
Filial do Buco do Brasil nesla cidade, agrava-
dos Aol'Dio de Souza e S'lva Auna Mari Muoiz.
O Exra. Sr. presidente ni-gou provimento.
iada mais bouve o encerrou-se a sesso a
urna hora e meta da laide.
(RECORDAglIS HISTRICAS)
(Com lusa)
Sptimo concillo ecumBoicn, segando de Nlcea.
(An. 787).
Pela morle de constar lino Coprooymo e de seo
fllho LeSo, o sapremo poder passoa a's mos de
Ireoe, como regeote ni miooridade de sea 81 ho
Constantino. Eato a i( rejy|fccia, desde ha mui
to, pela irapiedade do31 oodUlstas, comedn a res
pirar ; applicando se es;a prlncaia, multo mame
da doutrioa caihollca, a curar os males, que o go-
verno dos ltimos impeadores tioha cansado. Por
consellio de Tarasio, pa riarcha de Conlfanilnopla,
escrev^u ao papa Adriano pedindo-ha a convoca-
gao de um concillo gera ;' cujo propositoaendoap-
provado pelo papa, de' pachn e-te dous legados
para presidirem em seu nome. Consiaotm^pla fui
a cidade prrmeira escolhida para Ingar do ajao-
ramento; mas como os Ioouoiastas, cuj) numero
era nesta mallo coosideravel, comegassem a tu
mnltuar, foi o concilio transfer lo para Nicea, ja'
famosa pelo pnmeiro ei ameolco, que all se liona
celebrado.
Ajuutarara se os bispos das differentes provin-
cias do imperio em num wo 377 : vleram dous com
raissarios por parte do mperador para maoter a
boa ordem, o* quaes de xararo os bispos em toda
a sua liberdade. Coost m de oito sessds-. Na pri-
rgeira fui lida a carta d< papa, na qul elle alte-ta-
va a tradigo da igreja s. bre o culto das sagradas
iraageos, e-plicava dtstecullo: foi igualmente
lida a Coflsso de f de tres patnarchas do orien-
te, que nao p deram vii ao coucllto, por estarem
debaiio da dominago dos Mahometanos; e sua
djutrina achou-se perfaiumeoie conforme a' do
papa.
Depois disto proilusiram se os testemunhos da
e-criptura, e dos anns< s padres* A objegde' dos
Icoooclasta forara reful das, a heresia confundida
e ohrigada a acalar-se e os padros Analmente,
tend declarado, que rn^biam com acatamemo os
concilios precedentes, pronunciaran) seu juito nos
segrales turmos: '
t Decidimos, que as raagens sero expostas nao
snmente as igrejas, n> s va-o< sagrados, nos orna
meatos, oas paredes, m is timbem as casas e nos
caminhos: porque, quinto mais o bomem v a
laos Consto, .Nosso ienhor, e a soa Saoinsiioa
Mi, e os Apostlos e aos outros santos em suas
imagens tanto s sent levado a pensar nos origi-
nas n a hnralos. A eslas imagens deve dar se
saudagflo e reverencia, mas nao o culto de latra,
s devido a nobreza divina. Outro sim sero ve-
nralas com Incens e luies, como praticamos com
a cruz <> out'as cousas sgralas, porque a honra
da imagem encamioha se ao objecto, qoe ella re-
presenta. Tal a douliina dos padres e da igrej
calhiliea.D
Depois fulmioou-se aoathema contra os Icono
clastas.
E-te decreto foi assigoado pelos legados e p :>r
todos os bispos. Daqui {a-sarara os padres a Coos-
taoiinopla, oode nveram a oitava sesso, na pre-
senga do imperador e ds sua mal, que ass'goaram
iuimres, I dedoigao do coocilb por eotre as accIamagSes
''d-" todos os assistent-ss. A^slln foi extiocta por
emo esia hresi> saniiioaria, que os unimos re-
formadores, seguludo a- pisadas Uestes amigos fa-
nticos, reuovaraai no eculo decimv sexto com os
me-mos i-xce-sos de I npieJade, de tyraoia e de
furor (38).
titribaria; nunca.
Srs. Redactores, o nosso desejo de prn-
sente nao accasarmos a pessna aiguma ;
someotes a gradecermos a S. Eic. Rvma. a
just'ca que lhe merecea a nossa pclicSo,
cajo conteudo dos referimos; sendo qaec
o acto de S. Exc. Rvma. estabeleceu urna
nova era para este soberno povoado.
Assiau, rogarr os abaixo assigna.dos sedig-
nem Vmcs. darem a necessaria publicidade
estas poucas linhas, em sea conceitaado
Diario, pelo que se confessar3o gempre gra-
tos os de Vmcs.- Recife 23 de setetubro de
i8t$7. Manoel Jos Martins Coelho, Hygino
Firmo das Cbagas, Ignacio Ferreira Lima Ba-
raci, Antonio Joaquim do Nascimento, tri-
neo Januario de Oliveira, Manoel Figaeiredo
da Cuaba, Luiz Jos Rodrigues de Sonza,
Para conbecimeoto dos interewados a di-
que a partir
de setembro do correte anno, oban-
de conservar o ^J^^^ZT co entrar em liquidacio.
guir ornando urna ou duaspilulas purga Recfe ^ hi v
Uvas do menjo veame.
i rio, tendo todo t> cuidado de se aba-
de soar com
de conservar o ventre cowente, que conse-
farTtOm de soar convenientemente, alm JJ^? do novo banco dec'ira
RECSBEDORIA DE RENDAS
GERAfcS.
Rendimeato 4o din 1...........,
67.
INTERINAS
7691714
CONSULADO PROVINCIAL
iRecdimenio do da i...........
T dos qunntos suecumbem desta molestia
se diz falleceu de erysipella recolhida;
ao contrario, algons expositores presumem
ser o desenvolvimento da puirefaccao no
sangue, tanto que o logar inflammado que,
entSo a sua cor era encarnada, se troca
em lvida ou negra e termina em gangrena, j.^,...^ j__T ..
e por essa razio que conveniente o xa- Reidimeilo da mesa do confiado I
rope alcohlico de veame "na infuso de YDCial, m todo 0 net de se tmi
flor de sabugo, para se conseguir resolver de 1867.
a inflammado, ou pelo menos terminar pela oireitos de 90 reis do assucar ex-
supporac5o, impedindo assim a gmgrena.' portado........,........
Os effeilos do xarope alcohlico de vela-; len d* 20 rea por caada de
932X890
r%-
Pedro Duarte Rodrigues Franca, Joaquim impedir a putrefaccao as molestias.
Ribeiro da Cuoba. Antonio Jos da Silva
Marques, Joao Curysustomo de Gusmo,
Joaquim Augusto Xavier da Maia, Antonio
F. de MagalhUes Bastos, F. M. Falcao da
Silva, Francisco Jos Vi anna Jnior.
me a aplicado na flor de sabuco ao doente,' uffgfomji caada *
n5o so e de vanlagem por sua qualidade| cool.........................
diafore'ica, como pela ansi-septica para dem de 7 0|0 sobre o mei........
dem de 8 00 sobre eooros......
dem de o 0,0 sobre o algodao....
dem de 5 0|0 sobre os mais geie-
ros..........................
Aidicioaal de 3 00 dos gneros
cima.........................
Imposto da decima urbana.....,
dem de i 0-0 sobre leilo........
dem de 201 reis por venda de es-
cravos......................
dem de 20 0|0 de novos e velos
direitos......................
dem de l* Qhre carros.......
dem de 20 0,0 d'aguard'-nie.
3:3181579
7091110
Na erysipella nao deve o enfermo nos
primeiros tres dias usar de comidas e bebi-
d.s que possam esquentar e ioflammar o
sangue.
A comida durante esse tempo deve ser
do reino vegetal, como sag, farinha do Ma-
ranhSo, po torrado, bolacha, etc.
Ainda nao vi expositor de medicina que
aconelhasse que nos primeiros tres dias de
acomaieltimentos do mal, n5o se usasse de
Ao publico.
O abixo assigoado. ex-socio gerente da socie-
dade comm>-rckl, que gyrava sob a firma de M ques Irmo* 4 esubeoclda no aromem alian-
degado silo no Porte do M*llos, largo da Assemba
n. 4, respondo ao annuocio do Diario de Pernam-
buco de llgunda f--ira 20 do mez prximo passido,
inserido pelos Srs. Manoel Francisco Marques e
Jfu Francisco Marques, dizendo que ra,.u;em o
(irme proposito que tomou de separar-se da sccie-
dade e cessar as respectivas transacgdes, e que
por consrguinle e-nava na obrigago de faier cons-
tar isso ao tribunal jo commercio e a's e&tagdes
que ioteadem com as iranaai,5ds que' tiaha a e*t
nurti firma as.-ira procedendo, na qualidade de
socio gerente, nico habilitado pelo cootrocto so-
cial -ara dirigir as operag5'-8 da sociedade.
EiDMirlude desse contracto, (ora dj qual o abai-
xo assiguado nao recooirece obrigago, tacna-1 fflpe falsificado, que lem 'iado resultado ao
mente permiu.do a qualquer to**->**''Jdescrdito de minha pieparacSo, Cejo CO-
sociedade, sendo que, se o mismo contracto mar- "
ca a duragio de seis annos para a sue existencia,
isso nao ob;la a qoe, se quaiquer dos socios lenb
motivos, como leve o abaixo assigoado, para dis
s Iver a sociedade, lolavu fique adnelo e obri-
gado a sacrificar seus interesses a' unlo coramer-
cial com aquelles que foram os primeiros a infrin-
gir as condigdes do eootrclo, e a proceder de mo-
do que o prejoi7.u seria cerlo.
A--sim, pois, o ab.iso assigoado previne ao pu-
blico, que a sociedade esta* dissolvida de facto;
que elle, na qualidade de gerente de que se de-
mlttio, era o ualeo que poda traosigir e gyar
com a firma; e que os Srs. Marques oo podem
coutrnuar a gerir os negocios que a ella perlen-
ciara, seco que fagam um njvo contradi_entre si,
medicamentos; oqueelles reoellemso os dem do *0|0 sobre esuoeieei
unguenus, unturas que obstruem mais e
repeliera do que promovem a ev cuaco da
parte; oquecohvm trazer o lugar ataca-
do e tem -.gasalhado para a transpirado e
defender do ar.
0 verdadeiro xarope de veame vende se
na botica da ra Direitan. 88, de Jos da
Rocha Paranhos.
Teoho recebido cartas de argumas pessoas
de outras' provincias que me communicam
ter desta cidade sido remettido o meu xa-
e que por laoto na'la vale a sua declaragao ; laoto
mais quaoto o abaixo assigoado Ihes fei constar
qae sania da sociedade por motivos que elles oIj
igooram, porque Ibes deram causa, offereoeudo-
Ihes varias propo-ias, e se recusaram sempre a
aceita-las.
Finalmente, quanlo a's perdas pelas quaes di-
xem que protestara, o abano assigoado declar-
que em juiro competente, quando quierem, esta'
prompto para justificar a su. delibergo.
J s Lopes de Oliveira.
ij
>. , Publicares a pedido
Srs. deputados Rosa, Basto. Miranda Leal e sup
pente Sa Leilao, o Exm. Sr. presidente declarou
aberta a sesseo.
Lida, foi approvada a acta da sesso antec-
deme.
EXPEDENTE.
Offlcio do Inspector Ja allundega desta cidade
datado de 27 di expirante, trazando ao conheci-
meoto do tribunal haver cessado o alfandeeamen-
to do armazem n. 4 silo ao Largo da Assembla
em ra*o de ter sido dissolvida a firmaMarque?
Irmos & C.
OlRci do presidente e secretario da junta do<
corretores, datado de boje, tubriodo o boletim
coramercial da semana aliimameme fiada.Ao ar-
chivo.
Aos Srs. deputados foram distribuidos para se-
ren rubiicadQs os seguales llvros:Diario e co-
piador de Mi rnarul Wetiler.-Idem, dem de An-
tonio Ped 0 de Mello & C.
DESPACHO.
Requer ment de Toeodoro Christianseo, para
averbar-se no respectivo registro que Joao Difliin-
gos da Cuaba Lages, Domingos Joaquim Seve e
Manoel Joaquim Seve Jnior, eixiram de ser
sens caixeiros.Como reqoer.
Dito ue Beroanliuo Alves Barbosa e Manoel Al-
ves Barbosa,registro de seu contrato social.
Vista ao Sr. desembargador fiscal.
Dito de Manoel Alves Guerra, salisfazendo as
exigencias do parecer fiscal s >bre a rehabilitago
400 impetra do tribunal.Junte-se aos anlos.de
rehabilitago do supplicaote os quaes se faro com
vista ao Sr. desembargador fiscal.
Dito de Manoel Francisco Marques, pedindo cer-
lidio de se acnar ou nao rcguirado o distrato so-
cial da firma Marques Irma s & CComo r-qoe.r.
Bito de Mi>; Duai te Rodrigues, depositario
l massa fallida de Soutlull Mellors & C, reda-
mando da deliberago do tribunal qoe raarcou
eio por cento aos depositarlos as somraas que
se bnuverem depositado.Vista ao Sr. desembar-
gador fiscal.
Abaixo assigoados em que Jos Antonio Guima-
raes e Salvador D as Mor .'ira declarara ter dissol-
vido a ciedade qae untura na loja de fazeodas
B. 26 da ra Nova.Juntm o distrato de socie-
dade.
Com fato-macao do Sr. desembargador fl=eal.
Requeriiijento do corretor Aoiuoio Botelho Pinto
de Hesquita Jnior em qoe aderece novo preposto
para seu offlcio.-Como requer com a condigo di
que o seu preposto nio pode cootioaar a ser eai-
leiro e menos gerente da empresa de llamlaga)
egat.
Dito de Manoel J >aqoim Dias e Luir, Jos Gon-
calve da CoU,reiltro de seu distrato social.
Registre se.
Sommano eontra Francisco Ferreira Borges.
Prove o sumraanado que o gneros de qae trata-
se em nenbam cato pagam direitos.
dem contra Jos da Silva Loyo & CAvista
da deesa prodasid pelos summariados, o tribu*
nhecimento se tem verificado deoois dos ef-
feitos que taes remedios apresentava ; as-
sim, pois, tnnho a declarar ao publico que
no leireiro que vai pregado na garra'a do
xarope, setnpre fui assigoado por meu pu-
no.", e daqoi em diante, alm desta assig-
natiira o larei tamt em no papel que cobre
a garrafa. R<>g> ao-mesmo publico que
quando forem assim engallados, tomem tes-
teinuolm, me remettam os rtulos falsific-
os e me participem para fazer effectivo o
artigo 167 do cotigocriminal do Brasil.
Jos da Rocha Paranhos.
mentos.
:dem de 10 0*0 sobre sello de be-
rangas e lej*ado>..............
ren de 233 por esrrivo exportado
dem de SO % de diversos esUbele-
cimentos......................
dem de 8 0)0 sobre escripl^rios..
dem de 5 por escravo gaohador.
dem de emolumentos de polica..
dem sobre ronpa felta n*> esiran-
geiro........................
I lem de 2094 por caixeiro Joa-
ibeiro.......................
dem de 5 0|0 sobre os premios das
loteras.....................
dem de tOUJi ^or e jrrector com-
mercial........................
dem de 30 por bilhar..........
dem de i'.xjfi por companblas ano-
nymas........................
dem de 12 0,0 sobre estabeleci-
menlns.......................
dem de l por toneladas de alva-
rengas........................-
Addicional de 3 0,0...............
dem de 10$ por bote.............
Mullas...........................
RestiluigSes e reposig5;s.........
0 bacbarel Americ-i Netto de flen
doea
O abaixo assigoado declara ao publico que deixa .
de eotreter por este Diario d'siusso com o advo- \ productos bem fanncadOS,
gado Amertco Helio de Menionca.
Perante os tnounaes d i pan intenl"0 contra o
que o mesmo recebeu para tratar da aegao criml
Communicados
Ao saber que a cmara municipal do Re-
cife est preste a fechar o conir..cto para a
consti ucc5o de sea paco, nao podemos dei-
xir de dirigir-lhe om pedido, que deve ser
Hendido, porque sendo urna corporaejo
compo-t't em qu si sua totalidade de per-
nambucanos, ella deve pateotear por seus
actoa o amor que tem a esta trra tSo rica
das bellezas com que a dotou a natureza, e
j to defeituosa pelas obras da arte, quj em
vez de concorrerem para a tornar cada vez
mais seductora tem servido apenas de des-
truir-lhe os encantos.
O paco da cmara municipal deve ser um
edificio magest so, e por seu maior realce
muito deve concorrer o lugar em que deve
ser collocado.
nal que move. a JuJIu- Farem'euiberg.
Tambem vou intentar a moto respectiva contra
o referido bacbarel Amenco Sello ds tend-mqa
para haver perdas e damaos, que me cansn coro
o langameoto que sofln da acg.io, que mov a Ju-
lius Pursieraoerg, langameniiqu* s s- pie at-
iribuir ao sdvogado Amenco Netto de Mendonc*,
porque, apezar de ter eu aolieitador coost:tildo, e
ua sala das audiencias me fez della sahir a' pro
cura de testemunhas, a cojo tangamente, secundo
a oplnio de muit< s jurisronsoll >< desie foro, po-
da o meu advugado cora exit) se oppor, visto ter
Hilo na procuragoo plenos e illimitad.'s poderes,
tanto mais qaanlo cout a o impedido nao corre
lempo.
Mas o que fez o Idvoftdo Amerko t Lirailou-se
a reiuerer que os autos f.is.sem ao comador para
p.iiiiti-los, diz- aio qoe intentarla nova queixa.
Ma< sera' ella admissivel) Nao, segundo muitos
jurisconsultos deste foro, aos quaes daria o advo-
gado Amrica urna hgo, se ap-eseitasse a lei em
qoe se estriba
Ao publico protesto trazer ao seu cnnheciDento
o resoiialo qur de urna, qur de onira qne to.
O abano as^lgoado, que nao se arha collocado
na posigo e altura do advogado Amenco, tero
tambem tima repuiag*, que prezt taui > ou mais
do que e advogado Amerko a sua, e um futuro em
que lem os olbos dios t e por isso tara' bem sa
nenies as oceurrencias que se im dado.
Recife, l" de tuiubro de 1867.
Alixandre da Coslm Stkeira.
Povoado dos Montes.
fustiga recoahecid-t.
Senhores Redacto ~es. Ao ilustrado e
mimo d-gno Sr. guvurnador do hispad) des-
ta diocese, veem os lianitrntes dste pnvoado
agradecer a justica que S Exc. a-ahade
praticar: e, assirn possmdos da maioTma-
tisfiQ', em verem mais firmado o diroito
que annos nos eram negados pelo R
vigario Fausto Fre e de Carvalho e
coadjutor; assim, pnis, nao podemos deixar
de, nesta o'casio, (irigir-rho-: a S. Exc. nm
vuto de cunsciencia, e ao espirito Ilustrado
que bem sabe garantir e restituir aos seus
gove'rnad)s, o direit), que, pelos seus dele-
gados, Ihes eram negados.
Ao Esm. e Rvm. Sr. governador deve
hoje, o eresoldo nutaero de habitantes deste
povoado o grandios) uonie de, povo chris-
to ; a S. Ex:., pois, nos habitmtes deste
povoado, devenios a existencia de um sacer-
dote para, no desenuenho desu%Juisso de
uiinisiro do altar sagrado, nos auxiliar nos
sufirioienios ultimo; da eiistencia.
Ao pronunciarmes esie nosso eterno reco-
nhecimento, sobe do ponto a noisa gradSo,
desde que, os nossos eoffrimentos aatam de
looga era. dosJeqie, pelos Rvd. vigario e
seo coaljuctor nos eran mercadejados os
offi.-ios divinos : desde que, urna licencade
baptisado, celebrad! na mesma freguezia e
em capella filial, nos custava quatro m ris,
e se nos fazia favor: desde que, a confiss5o
nos era velada, poique os Rvds. vigario ejfermidade, tem
coaljuctor i este gr- nde mister se nao pres- de veame.
taran : desde que, ;o desvalido se negava a Urna escrava da m3i dn Sr. Francisco Fir-
cariiade que por Jtsus-Chnsto tao recom-; mino Mooteiro, pes>oa bem co becida nesti
mondada : desde que, urna encommendacSo cidade, achando-se de cama, e com asper-
t-se aa Kefurne HcHcale
A maior preecupaco do medico consiste
em saber se as suas recetas s5o prepara-
das com bons productos, pois que, quando
a receita preparada com productos inferio-
res, o que acontece n3o raras vezes, os effei-
tos que querem alcancar os medicns, mal-
logram, ou pelo menos, o medicamento nao
exerce a plenitude de sua aego.
Para evitar este grave inconveniente, os
phnruiaceuiicos devem tratar de empregar
e ento nao po-
demos fazer me'hor, sena o assinar ihes
os productos da casa Lamoureux Geodrot
95-100
10331
2:53t;ii8
ti:3*3i)o
i:585i
476901
33:W'.'4>
1*70257
1I80000
1:2174947
1:1.16*000
4:O7a0*W
597570O
4:460*76.1
150JO0
13.759*129
:; ni 42o0
1V)0 w
6O0O
[74-fM I
8803'-00
200'kjO
4300000
900,5 k O
23000)0
I-.2OO0OO
480000
904-mi
J0*)"0
l:7OQ0fH
liU^o
Reis.... '.l:C36;4G7
Mesado consulado provincial,30de setembro da
1807.
O 2* escri piorano,
UiJSSM Cocbles Cavaieaoie de Mell .
aOYIMEIiTD 110 PGRTO
Eryspeila-
O medicamento que com mais influencia
e energa tem combatido essa terrivel en-
sido o xarope alcohlico
Nao somente, a incontestavel supenon-
dade dis productos desta casa foi recono-
cida por todos, mas ainda a modicidade
dos Seus precos os recommenda aos Srs.
pharmaceutic s e droguistas
A casa Lamoureux e Gendrol conseguio
evitar a contrafaegao, inventando urna cap-
sula que nao se pode imiltar, e cuja ex-'CO-
ga i m ;iio difficil, por exigir um material q pjr> Trisiao
mui complicado e custoso.
Isto mais tima prova da sollicitude dos
senhores Lamourenn e Geodrat para os in-
teretses e seguranca dos Srs. pharmaceuti-
cos e droguistas que, sem duvida, sendo de-
sejosos de empregarem bons productos, nao
deixaro de dirigir-se a esta casa.
Navios s Indos no da 30.
Rio Grande do SalPaUetW braileiro Rrlampaj",
capuo M-noei los Machids Pilho, car;a iL
S'ivn entrado no da 1.
Trieste65 das, briK'ie lub-ke.'se kubeck, de lr8
toneladas, capu. H G. IX ScUenermauo, eui
pagem 9, carga 1986 "barricas com fannba de
irigo ; a Henry Forster & C
Navios saludos no mesmo da.
Liverpool pea P*ranya ngue ing'et S'ma
Jane, capiiao Nicbolas Perrnerd, em Ustro.
LiverpoolBrigoe iugle Ullsuarl, ea^Uao B. HeW-
ton, carga aigodo.
Observarao.
Fuodiou no lanario um p tacho iogler, rsas
ao levo communicago com a ierra.
EOITAES.
Laman mu e Ge idroo
fabricantes de productos ctr^micos, forneceilores da
casa do iap<-rado: e dos hospitars de Pars.
Ti idos os productos sahiud-i de.-la casa s5j
da piimeira qualidade e fechados por urna
capsuU inimitavel o que os pe em salvo da
conlrafaccao.
nos custava 7n(j I
Quanlo nos sorpreende vermos o Rvd.
coadj ictor officiar a S. Exc. dexlarando que
a nossa capella prcisoria se acha em mo
eslado .E' de mas!
Saio i o mundo imeiro o seguidle :
Que, a nossa ca ella provisoria, quando
apenas se achava C( berta com telhas. e com
pequeuas e cu tas paredes na capella-rar,
foi nesta occa i5o t|ae o Rvd. coadjuctor de
hoje, cele^iro a sua orjmeira missa ; sendo
O luga', preferido pela cmara n5o pode que, anteseranoswcapello o Rvd. vigario.
o qual percebia meisalmenie a quanlia de
cincoenta mil ris. Euto nesla poca n5o
estava em mD estado a nossa capella ? I
Nesta poca deixa va a nossa capella de ser
olaria ? I
~ Nesta poca a mi sma capella deixava de
ser es-iribiria, con o ltimamente disse o
Rvd. coadjuctor, eti pre^enca de testemu-
Dhas ?!
E' muita offensa 1 _4
Saiba, S. Exc. o ir. governador, qu hoje
que a nossa capella provisoria se acha de-
rente ; isto devido somente esfercos nos-
sos ; e depois que jqui chegoo o prestimoso
padre Vicente Mui i Ferrer de Albuqur-
que, o qual a coi he nosso se dignou ser
fazer-se oceupar todo o terreno, que flea1 nosso capello, e :omo nosso captllSo nos
confronte ao palacio do goveroocom os edi-1 tem auiiliado no enuenho demelhorarmos
Bcios, que devem servir de paco da Assem-'o eslado em que alBkiiaose achava 9 nossa
bla e paa as repartieses provinciaes ; e n5o' capnlla proyis >ra; e, n3o recelamos que
seria conveniente, que ella tambem concor-'S. Exc. Rvma. se dirija este p .voado, a
resse para o emoelesamento desta prara. [verificar o que deiresenle affirmamos; por
Em obras de alta importancia n3o se deve'que-se assim succelesse, sena testemuoha
ter em vista someote a queslSo de ecoDomia,' ocular S. Exc. Rvna. do quanto temos af-
couas ha que merecem tanta ou mais alteo-'firmado ; e mais, le urna miseria, que o
cJo. por tanto n5o sacrifique a cmara a'.pessimo estado em que se acna a igrejima-
belteza da sau paco a ec-momia da verba, triz desta infeliz Ireguezta, alias digna de
que tbf necessaria para a dsapropriacSo do |melho- sorte, na mal nao fallam os Rvds.
terreno no largo das Princezas. vigario e coadjuci>r ; que comparan*) S. cha do xarope alcohlico de veame dis- zenj0 as acco-s ,
A' vista destasligeiras considerac5es, pe-:Exc. a nossa cpela provisoria com aquella,solvido em nma chicara de mfasSo de flor das; nos dias otis das
mos aos IUms. membros da cmara mu-'matriz, o resultado sem davida, seria w/ar. de sabuguetro queote, adocando-a com mais a.
por man-^ira alguma ser aceite, sem excitar
justos clamores por paite de toda a popaia-
C/io desta cidade.
Deixar o largo das princezas para esco*
Iher a nesga irregular de terreno que tica
entre a ponie da Roa-Vista e a ra da Con-
cordia despresar urna localidade, qae apre-
senta todas as condjcSes exigiveis, por urna
qne nada tem que' agrade.
Alm das superondade, que em tudo se
nota no largo das Princezas, deve merecer
da cmara municipal atiendo a poder ella
coacorrer com o seu pago i>ara o aformosea-
mento da nica praca regular, que temos
nesta cidade.
Sabe a cmara qae ha o peasamento de
cidos yuros para rea-
ctivos.
cidos pyrogallicos c
tamlicos.
A troponia, codeina,
digitaiina e lodos
os alcalmos vege-
taes.
Bromurelos e odure-
tos.
Sulfate de quinina pu-
ro, valerianato e to-
dos os saes de qui-
nina.
Psimpalpaveis.etc...
Galornel puro, e lodos
os saes de mercurio.
Chlorureto de ferro
(puro) neutro.
Carbonatos, solfatos e
todos os saes de
ferro.
Acetato, bydrochlo-
rato.
Sulfato e todos os saes
de morphina.
Ferro reduzido pelo
hydrogeneo.
Essenoias puras.
Extractos glycernia-
nas bastante inchadas, e cheia d tum res,
tomando o xarope de veame, acha-se hoje
boa, prestando servicos.'
A manado Sr. Jos Francisco Pinto, mo-
rador na ra Direita n. 51, tendo si 'o ac-
commeliida do mesmo mal, acha-se tambem
boa.
A Sra. D. Senhornba Umbela dos San-
tos, moradora na ra das Calcadas n. 38.
achando-se a'acadi de erysipella as cxas,
com quatro tumores bastante volumosos, no
estado indolente, que a privava de pr-se
de p ha mito tempo, com o uso do xaro-j
pe alcohlico devlame e pilulas purgativas
ao mpsmo, acha-se restatelecida, e no uso
dos medicamentosos tumores*terminaram
pela suppuracSo.
A Sra. D. Rita, moradora na ra de San-
ta Ritd o. 13, primeiro andir, so'frendo do
mesmd m ha muitos annos, pois que a
erysipella atacava amiudadamente, depois
que tem tomada esse remedio nunca mais
lhe dea.
Outros moilos fados desta ordem delxo
de mencionar aqai para D.3o'me tornar pro-
lixo e enfadonho.
Sendo a erysipella ama molestia que sem
davida e effeito de materia grada no'cor-
po como expSem aUnns escrintores de me-
pdicina, e em consequenCia da f bre anga-
da na pelle, onde produz inflammacJb, e
que militas pessoas, por n3o se terem con-
veninientemente tntado, suecumbem cura o
pernicioso uso de que, nos tres dias ri3o
devem usar de remedio algum, o que faz-
se eutender o mal por nao se ter a princi-
pio combatido; por isso, pois, convenien-
te qne, logo que a'guem se sentir atacado
de tal mal, deve provocar a tran*-pirac5o ceberem o primeiro ilividendo (em moeda
tomando ao principio urna colherinha de[c,irrente) de trinta por cento do capital, tra-
para irem sendo annulla-
10 horas ao meio
Fabrica em Paris ra de Paradis (au mas
rais), deposiio no Rio de Janeiro, E. Cheve-
ot, raa do Ctrmo.
PRACA DO'RECIFE DE OUIUBRO
DE 1667. *
As 3 H hnra$ da Urde.
Algodo 4' sorte101500 por arroba.
Descont de letras8 0/0 ao anno.
.Silvelra.
Presidente.
Macelo,
Secretario.,
Novo Banco de Pernambuco
Em liqnidaco.
O novo banco paga ) Io liviijab dd
55000 por acc5o, nos das atis, das i ho-
ras .ao meio dia.
talx j filial do banco do Brasil
em Peraambaco, aos 26 de ju-
Ibo de ISu9.
De ordem da directora se taz selente aos Srs.
accionistas, que o thesooreiro esta' autorisado
pagar o 27* dividendo das accSes do banco do Bra
gil, ioscriptas n'esta caix, a' razo de I2*000
cO goarda-livrog
Igoao Nones Correa,
-EM LIQIDACAO
Novo banco de Pernambuco
Sao convidados os Srs. accionistas a re-
nicipal qoe madem de resoloco, e qoe bos- o feitico sobre o fei iceiro.'
assucar, continuando- nos tres drs ne?se
de Aleucar Araripe. oflicial
da imperial Ordem da Rosa, j iz d.*> di-
reito especial do c mmercio desta cilade
do Recife de Pernambuco e seo terna* por
Sua Magestade Imp rial e constitucional
o Sr. D. Pedro II quem Deus Guarde,
etc.
Fa;o saber pelo presente, que no dia 3 de
oulubro do orreute anno, se ha de arre-
matar por venia a quem mais der em pra-
ga publica, depois da audiencia respectiva,
o escravo pardo de nome Marcolino de -i")
anno*;, avahado por 7nii000, o qual va-a
praga por execuco de D. Anna Jozeptn Pe-
reira de Aluieida Catanho, essa falta de lan^d jr
que cubra o prego da avali-go, era ar-
remigo feita pelo prego daajjulicago cyia
o abatiinento da lei.
E para thegue ao conhecimento de todos
man-lei fazer o prsenle edital, que sera af-
fixado nos lugares do coslume e publicadas
pela imprensa.
Dado e passado nesta cidade do Recife de
Pernambuco, aos 27 de seiembr de 28(>7.
Eu, Manuel de Carvaio Paes de Andrade
escrivo o subscrevi.
Trilito de Alencar Araripe.
O Dr. Tristo de Alinear Araripe, offi-.ial da
imperial Ordem da Rosa, e juiz especial
do commercio nesla cidade do Recife de
Pernambuco e seu termo por Sua Mages-
tade Imperial e Constitucional o Sr. D.
Pedro II. a que Deus Guarde, etc.
Fago saber aos que o presente edital r-
rem e delle noticia liverem que por parte
de Mills Latlaui & C.a me fui dirigida a pe-
tigao do iheor seguinie:
Ulan. Sr. Dr. juiz do commercio, Mil's
Lattam & C.\ que obtendo se tenca por
este juizo escrivSo Manoel Marta, contra
viuva e herdeiros de Jot- II gino de Miranda,
fizera intimar mesma senienga aos op-
plicadi'S que foram obrigados ao pagamento
que se acha contado faltando todava inti-
mar-se dia senteuca as duas co-res D. J"-
zephina Beuvinda da Cuuha Sonto Maior, e
D.Umbeliaa Serapbina de Miranda, qae se
arham auzentei em lugar iocerto e nao sa-
bido : querem para isso os suplicantes f 1-
ze-los intimar a sobredita seotetiga por cita-
g3o edital afim de que possa seguir a exe-
cug5o ficando logo citadas as upplica*las
para todos os termos da execuco arrem.v
tago at real embolso dos supplicaotes&jm
a pena de revelia assim requerem i V. S.
se digmiadmiitir a jusiiflcago dos supli-
cantes para o m requerido designando da
e horaparaserem ioquirilasastestemun'-i,
e julgada pfr s ntenga se passe caru edit I
como praso da lei findo o qual se passa o
mandado de penhora, pede V. S. denri-
mento e recemer merc. O procoiador,
Rodolpho Jlo de Almeida. Na qual dei
despacho segointe Justifique a ausencia
no dia 21 do correte mez as II horas da
manhia.
Recife. 19 de setenga de W67Alencar
Araripe.
'E tendo os supplicantes prodazido soas
letemunhas sellados e preparadas o; aotos
-^h
MUTILADO


Harto e r snankae* Quara felra S de Ouubro de 186?.
1



subirn a minba concluslo eneH;s dei a precisa de sete homens para o servido de
sentenca do iheor seituinte: warainheirosl sendo um para as viagens dia-
Jalgo provala a auzeocia; e mando,que rias a Ciiadede O inda; qoem estiver Des-
as suplicadas auzentes sajara citadas por' ta condifes e quizer se encajar dfrija-se a
editos de 30 lias oa forma requerida a fo- mesma com attestado de sua conducta.
Ibas 35, pagas as c istas ex-cauza.
Recife, 25 de setembro de 1867.Tris-
to de Menear Araripe.
Por forca da qual o escrivSo fez passar o
presente ejital pelo qual chamo cito e hei
por intimadas as ditas suplicadas para que
comparecam neste juizo dentro do praso de
30 das afim de allegarem o que fr de jus-
tica.
E para que cliegue ao conhecimento de
todos mandei passar o presente que ser
publicado pela imprensa e afiliado no lugar
do costume.
Recife, 28 de setembro de 1867.Eo
Secun Jim.-, Eliodoro da Cunba, escreveote
juramentado o escrevi.
Eu Manoel Mara Rodrigues do Nascimen-
to, escrivSo o subscrevi.
Tristb de Alencar Araripe.
O Dr. Trlsto de Alencar Araripe, iffleial da impe-
rial ordeni da Rosa, juit de direito especial do
comraerci i de.-ti cidade do Becife de Pernambu
co e seo termo por sua magestade Imperial e
constitucional o Sr. D. Pedro II, a quena Deas
gaarde etc.
Fago sabar pelo presente que pe-ante este julio
cartorio do escr vo que este sabscrevea curre
orna execago de seatenca entre partes como exe-
quiales Keller & G. e Kiodeai Wudman & C. e
como executados a viuva e herdeiros de Jos lly
(loo de Miranda, e prosegaindo a execuco m
seas termos proceden-se a penhora nao s em bens
como era dlnheiro pertencente aos execntados pelo
que em audiencia publica no toro me (ora fe no o
requer ment do tbeor segointe :
As 26 dias da setembro de 1857, nesta cfdade
do Recif--, em audiencia publiea do Dr. Ja z de di-
reito especial do commercio Tristio de Alencar
Araripe, pelo solicitador Flix Fraocisco de Sonta
111 tlhaes, procurador dos exejueotes fora aceu-
sadas as segaiotes penhoras feita em bens d s sxe-
catados, bem eomo a que fora eita em dinhelro na
qtnotia de 9:800*000, sendo 5:0000O0 em dinhei-
ro j embargado em poder de Fernando Gomes da
Sil va, e 4:800000 em poder do mesmo Femando,
com o prazo de um anno; cuja qaantia pert-n
cente a um dos herdeiros executados Aogu-;o Hy-
gino Miranda, requerendo que nao s fleassera
assigoados os seis dias a penhora como os des dias
dos credores lacertos, para cujo Qns se Ibe des*e
os editaes do estylo. u que ouvido pelo julz assim
o drf-rj', precedido o prego do estylo.
Exmhi o presente do protocolo das audiencia* e
junto o mandado o termos de penhora, precatona e
ama procaracao.
Eu Antonio Alves da Fonceca Jnior, eserevente
jararueotado o escrevi.
Eu aooel de Car val h; Paes do Andrale, escri-
vii o subscrevi.
En cumprimento a dito mu deferimentoo res-
peetlv,) escrivlo fez pass.r o presente edita! com o
pr uo de dez dias, pelo qual o seatheor chamo, cit-i
e hei p r calos a toaos os credores Incertos dos
ditos ''iecatados para que dentro do efendo prazo
Cjmparecam por si ou por seus procaradores ante
este joi/.o allegando e pro .and- o que for a bem de
seu direito e justlga, sob pena de proceder a sua
revelia.
E [i^ra que chegue ao conhecimento de todos
mandei fazer c presente edital qae sera atusado
do- lujaros do costume e publicados pala impreasa.
Dalo e passado n'esta cidade do Redife de Per-
Bambuco aos 27 da setembro de 1867.
En Manoel de Cimillo Paes de Aodrade, escri-
vlo o subscrevi.
Tristo de Alencar Araripe.
O Dr. Tnstao de Alencar Araripe, ufflcial da impe-
rial ordem da Rosa e juiz de direito especial do
c muerdo desia cidade do Recite de Pernara-
buco por S. M. Imperial e cou-tnocional o Sr.
(i Pedro II, a quem Ueus guarde, etc.
F.fo siber aos que o presente edilal virera e
delle, noticia ttverem que no dia 24 de outubro do
crreme anno se ba de arrematar por venda a
fjn~ :i mais der em praga publica deste juizo o se-
guinte :
U ii sll'o denominado Zirahy, cito na estrada de
Bsl-,n, breiro, ora um telheiro, leudo : dous
quanos e alicerca para casa, contera alguns
arv '--.dos de frudas, peo.u'n* malta, divide p
trente cora a estrada de Belem, pelo nascente co
i lis
i
o si.io dos herdeiroi de Paulino da Silva Miodeflo,
pelo porate com o sitio dos herdeiros de Matybel
Antomn Garneiro de Oliveira, e pelo tundo copo
sito dos mesmos herdeiros de Man el Antonio t;r-
neiro de Oliveira e com o --lio Zuaiby de bai,xo,
avallado por 2:0005000 rs.; o qu.-.l fra penhora-
do i ir execujo de Antonio Marlins Carvalho de
Azivedo como teslamentriro de Tneotonio da Ol.
vrii,, "feves contra Demetrio de Azevedo Amo-
rim.
E nao havendo lancadix que cubra o prego da
a.-iiacSo a arrematado sera feita pelo prego da
adjue .ci, na forma da le.
E para que chegue ao conhecimento de todos
bund' i passar o presente qoe ser publicado pela
Imnr-n-a n afflxado nos lugares do costume.
Recife 27 de setembro de 1867.
En Manoel Mara Rodrigues do Nascimento, es-
crivlo o subscrevi.
Tristo de Alencar Araripe.
0 Dr. Tristio de Alencar Araripe, oficial da
imperial Ordem da Roza, e juiz de direi-
to especial do commercio desla ciiade do
Recife de Pernanbuco, por S. M. Impe-
rial, etc.
Faco saber aos que o presente edital vi-
reai e delle noticia tiverem que no dia 24 de
outuu o do corrente anno se ba de arrema-
tar p ir f itwla a quem raaisder em pra?a pu-
blica deste juizo um sitio denominado Zumbi
sitoaa estrada de Belem, foreirocom umte-
lbcro ten lo dous qartos e alicoree para
casa, com alguns arvoredos de fructo peque-
a mata, devide pela 'reate com a estrada
de B-ilem, pelo norte com o sitio dos herdei-
ros de Paulino da Silva Mindello, pelo pon-
{te co q o filio dos herdeiros de Manoel An-
f ionio Carneiro, e pelo fundo cora o sitio dos
iherdiiros do mesmo Vlindello e como sitio
IZU'-ribi de baixo, avahado por 2,ooo3ooo.
/ Um sitio no mesmo lugar denomioado
^Zum^i de baixo na estrada de Belem devide
lela frente com o sitio Zumbi de cima, e
S-.om o sitio dos herdeiros Manoel Caroeiro
e O iveira, pelo lado do nascente com o
smo sitio Zumbi, pelo norte com o sitio
herdeiros de Manoel Pinto., e pelo fundo
coriV o pantano de Olinda avaliado por....
a.ooWooo.
A?teci parte de dous sitios na carreira
dos M^zombos na estrada de Belem, devide
pela fiante com o sito dos herdeiros de Ma-
noel Anitonio Carneiro de Oliveira, e pelo
nascen e>com o sitio dos herdeiros de Ma-
noel Carla jiro e com o sitio Z'umbi de baixo,
e pelo p inte com o sitio que foi do Dr.
Nabor, e pelo fondo com -o pantano de Olin-
da, avalladas ditas tercas partes por 4oo9oo.
Osquaes|foram penhorados por execuco de
D.Mjrianja Gomes do Rozario Torres contra
Demetrio de Azeredo Amorim.
E nao.-' ha vendo lancador que cubra o pre-
cd da a*aiiac3b a arrematacSo ser feita pelo
preco da aa^icacSo na frma ^a 'e'
E para qae ctwgae a-j conhecimento de
todos raaodei passar o presente que ser pu-
blicad! pela imprensa, e affixado no luga-
re do cosiume.
Recife, 27 de setembro de I867.r-Eu,
SecundioO Eliodoro da Cunba, eserevente
juramentado o escrevi.
Eu, Manoel M ira Rodrigues do Nastimeu-
to escrivlo subscrevi.
Tristio de Alencar Araripe.
Arsenal de guerra.
Nao tendo comparecido petsoa alguma para ar-
rematar o ferro velho qoe existe no arsenal de
guerra d sta provincia, segundo o annancio felto
ao Diario de Pernambuco, de ordem do lila). Sr.
coronel direcier se convida de aovo a quem coovier
arrematar tal artigo a comparecer no porlio do
raes no arsenal pelas 11 horas da manhia do da 5
do correute.
Arseoal de guerra de Pernambueo, di outu-
bro de 1867.
O escnptufsrio
_______Joi<_Alfredo de Ctr'valbo.
Tribunal do commercioT
Nesta secretaria fleam registrados os contratos
de sociedade .
De Aotonio Francisco Martas de Miranda e Joo
da Molla Boielho, establecidos nesta cidade com
e-taleiro e armazem de -errara de madeiras, sob
a firma de Aolooio Francisco de Minios Miranda
<5 C, e o capital de 5:000*000 fornecidos pelo so-
cio Miraoda.
De Aotonio Pedro de Mello e Antonio la Silva
Campos, estabelecidos n*sia cidade com negocio dt
geoeos de estiva, sob a firma de Vnioaio Pedro de
Mello AC.,eo capital de8:00JJiOO!) fornecido pelo
socio Mello.
Secretaria do tribanil do eoiinMNM de Per-
nambuco 28 de setembro de 1867.
O offlcjal-maiof
_________ Julio Guimares.
TribuQal do commereio.
Havendo a junta dos correctores reclamado con-
tra o fado de exitirem nesta praga pessoas qae
exereem aitriboig5es proprias do otOcio de correc-
tor, contra o qu*i dispoe o artigo 24 do decreto n.
806 de 26 de julho de 1831, del.boroa este tribu-
nal om sesso de 26 do correte, que se publicas;*
por tres dias os nomes dos correctores para sciencia
dos commerciantes e se zesse sentir a esles qoe
sao nuil s todas as traasacgdes feitas por essas pes-
s>as, as quaes iacorrem as penas impostas no re-
ferido artigo 2i.
Aotonio Botelho Pinto de Mesqulta Janior, por sen
preposfo Henrique Alfredo Toser.
Beraardino de Vascoocellos.
Francisco Mamada de Almeida.
Fraocisco de Miranda Leal Seve.
Franclco Jo Siheira.
George Patch-tt.
Googalo Jos Affooso.
Henrique Guilber Stepple.
John Gatis, por seu preposto Pedro Jos Pinto.
Joo da Cruz Macedo.
Jos de Aquino F nceca.
Luiz Amavel Dubourcq Jnior.
Secretaria do tribanal do commercio de Per-
nambaco, 30 de setembro de 1867.
O secretario
Jos Marcelino da Rosa.
(lonselh i de compras ames
O oosrdbo promove no da 5 de ontubro omxi-
mo viadouro a vista de proposus reeebida al as
ti horas da manhia, e sob as condignas do estylo,
a ce mpra dos seguales objectos do material da ar-
mada : 800 agulhas de lona e brim, 6 amorotes
para bateles, 4,000 cravos de pipa sonidos, 60
pecas de linha de barca fina, 10 duz as de lapis.
I0*du:las de lengos de seda preu, 6 duzias de li-
mas cbalas de 6 a 12 pollegadas, ti duiias de limas
triangulares de 6 a 12 pollegadas, 6 dozias de li-
mas meia-cana de 6 a 12 pollegadas, 200 ps de
maogueira de sola cravada, plvora marca torre,
2 pegas de tapete, 20 duzias de taboas de amarel
lo para forro, 12 duzias de laboas.de pao carga
para assoalh>, e 200 vidros de vilraga de 23 3|4
pullegadas de comprimeato e 16 {1 de largo.
Sala das sessoes do conselho de compras navaes
30 le etembro de 1867.
O secretarlo,
Alexandre Rodrigues dos Adjos*
da Fooseca, D.
Marta Francis
Dr. Trullo de AleOflar
Aralpe.
THJTRO
S
f
'0!?Id, roa a c,de,a D- i?. onde 'e B-etni' o
|ei'ao a 10 horas do da cima dito. ^^^^
Transferencia.
O leilSo aononciado p3ra 30 de setembro, da. ta
oern* cita na ra imperial o. 248, fleoo transfer
do para quarta-feira 2 de outobro as 9 horas da
manbaa,
AO
ar e sol-*,
EMPHEZ4-COIMBRA
Quinta-feira 3 de ouiubro
Beneficio da riiVJ e fllhos do flaado
FRANSCO AUGUSTO DE OLIVEIRA.
A represeatagio do ex silente drama do Sr. J.
Romano, em 3 actos, ini talado
mu Qtmutm
Entra toda aeompanhia dramtica.
Terminara' com a cal* osa cumedia em 1 acto,
ornad, de mnsica e repr sentad j >elo Sr: C. de
Laeerda e D. Falco.
No ha fan:0-sem*bgo,
N. B. O emprezario prumptificando o sea tbea-
tro e os seas arti-naspara esto beaelicio, sopplna
ao illastrado publico qae se digne coadiava-lo ao
erapenho de provar a sulislsteucia viuva e Albos
d'aqaelle honrado negoci inte e tio dlstincto cav>-
Ihelro, concorrendoa esle espectculo de verda-
deira carldade.
De am sobrado de u.n
edificado de n.vo
ra Ve | ha i. 62 (m Boa -villa) rea-
de 750^.
Cordeiro Sluioes
vender* em j'eilo o predio anima menctoudo,
leodd o 1 and^r 2 salas, 4 guari* grandes e tar-
rago, cufiaba fora, quintil e cacimba, e a sota 3
salas, 4 qnirtoa etc. Os pretndeme poderlo
exaroloai o refefido praJo, cujo leilo lera' lugar
no da
Sexta-felra 4 de outubro a 11 horas
"joplo a porta do predio que foi a A;socl$3o
Comaercial, largo do Corfo Santo.
DO
Para o tratamento e cura rpida e completa das molestiaa svDhilitcas
e a moderaa, I ash'reirt8mo'.bbas' P j6bil,dade *. ^8! XS^chrSSdo
ens a-
ligado
AVISOS IflAfiiTlMS
Santa Casa da lisericorda
/- o
Recife,
fiOMPAMHA BRASILEIRA
DI
Paquetes, a vapor
Do: portos do sol espera-
do ate o dia 8 de ootobro o
vapoi ParatiJ, coramaodanle
o ca>it3o de fragata Santa
Barb; ra, o qual depois da de-
mora do cosiume seguir' para
os portos do norte.
Recebem-se desde ja passageiros e engaja se a
carga que o vapor soder < oodazir a qual devera'
ser embarcada no dia de sua ebegada, eneommeo-
ds e dinhelro a frete at o dia da sabida ai 2
horas. Previoe-se aos Sr*. passageiros qae saas
oassageos s se receben) nesta agencia rna da
Cruz n. 57, escriptorio dt Antonio Lntz de Olivel-
ra Azevedo i C.
COMPANIA PERNAMBCANA
Di
3avegaco coaleira per vapor
Fern; ndo.
S'o dia 10 do corrente ao meio
dia expe dc-s seo vapores para o porto
cima tfecebe carga al o dia 9,
eocommi odas, passageiros e dl-
nheiro a frete al as 10 horas da mauhaa do dia
da sabida : esenptorio no Forte do Matos o. 1.
Bottonvry Bond
Das fojas de ferrageus a raa
Nova a. 33 e 35 perteuceates a
mmnn fallidia de Sebastio lo-
s da Silva.
Cordeiro Simes
a requerimeoto do administrador da mas de Sebastio Jos da Silva e por mandado do lllm.
sr. Dr. juiz de direito especial do commercio, fara'
l'.ilao das ferrageos existentes oas referidas tojas,
bem como alambiques de diversos timanhos, si-
nes, ferro em barra e muitas onlras ferragns de
lei que se torna enfadonho mencionar. E' esta
urna boa occasio para os Srs. ferrageiros e Srs.
de eogenhos proverem se de muitas mercadonas
que de presente ha falta no mercado. O balanco
acba-se em poder do dito agente a exaoae Je
qnem pretender, cujo leilo tera' lugar no dia
Sabbado o do corrente
as 11 horas nos mesmos estabelecimentos.
e Daco, dores sciaticas. cephalalgias, nevralgias, ulcera chronicas, inri-
ws, gonorrbeas chronicas e em ge al todas as molestias em qae setenta em vista a du-
nfleafao do systema saoguineo.
aotos
BL
AVISOS DIVERSOS.
AMA
i AI lima, junta administrativa da Santa Casa da
.Misericordia do Recite manda fazer publico qu
na sala de suas sessdes, no dia 3 do viadouro pe-
llas 4 horas da larde tem de ser arrematadas a
quem ruis vantagens offereeer pelo lempo de od
a tres anoos as rendas dos predios em seguida
declarados :
Estabelecimeatos de caridade.
Ra do Azeite de Peixe.
Sobrado de 2 aBdares n. 1. !.20OO3O
Raa do Nogoeira.
Casa terrea n. 17........ 241,5000
Ra do Padre Floriano.
Gasa terrea n. 49.......182*500
Ci- Sc.rco n. V7......1684000
dein n. 67...... ... 9ioi>o
Ra dos Pescadores.
Gasaterreaa.il.......216J0C0
Ra das Calcadas.
dem idem n. 38........1585000
dem n. 36 ........ 176*000
Ra larga do Rosario.
Terceiro andar do sobrado n. 24 3015000
Ra da Roda
dem idem u. 7....... 965000
Patrimonio de orphos.
Ra do Pires.
Casa terrea n. 39....... 1215000
dua do Raogel
Casa terrea n. 36.......3015000
Raa do Vigario.
Primeiro andar do sobrado n. 27 181*000
Ra do Pilar.
dem a. 98.........2015000
Idem n. 105..........1445000
dem n. 108...........2015000
Gasa n. 99.........2565000
dem o. 94.........2015000
Sitio n. 5 no Forno da Cal. 1505000
dem. n. 105......" 1445000
as arrematacoes sero feitas pelo tempe de mu
anno, devendo os licitantes virem acompaBbados
de seus fiadores ou manidos de cartas destes.
Secretaria da Santa Gasa da Misericordia do
lecife 26 de setembro d 1867.
O escrivo,
Pedro Rodrieues de Soma.
Wiilm. Roberts, master (f the brilish brig i Ana
(entered tbis port for repairs on ber veyage from
Dieppe lo Cerro Azul in P<-ru) requires, on the se-
cariecty of tbe ship aad carge, about rs. 4:0005
lo pay the balaaue of accauats oecessarely tacar-
red bere and to enable hioi to conteoue bis above-
named voyage evlthoal fu tber delay.
Sealed teoders lo be cepusited at the Britisb
CousuUie, addressea i thi master and to be ope-
ned in the presooce of H, B. M. Cnsul at 1 P. M.
on Wednesday next, 2 oci. 1867. Recife 30 de
setembro de 1867.
Williain Roberts.
Balseo inirlt o
William Roberts, capit do bngue inglez Anoa
iUWBWB aesteporto na sua viagem de l)ippe
Cerro AiuTa7Prty^recTlTta^aT-^te6*-ffi4Cii-
mo sobre o casco e carga do navio a
4:0005, pooco mais ou menos, pira o rugamonto
do saldo das despezas Incnrridas, de forma que
pos-a proseguir a sua sjbre dita viagem, sem
mais demora.
Recebem se propostas en car a fechada no con-
sulado britnico, al qua-ta-Ieira 2 de outubro,
eoode, a i hora da tarde, teio abertas oa presen-
ta do coosul de S. M. Bilaoica.
Recife 30 de setembro de 1867.
William Roberts.
Santa casa da misericordia
do Recife
Pela secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife se fax publico a qoem inleressar qae o me-
dico do hospital dos Lazaros, hospicio de aliena-
dos e collegio das orpbas, Dr. Ignacio Firmo
Xavier, em virtnde do sea contrato f-ito com a
mesma Santa Casa, d consultas gratis aes po-
bres, sendo no hospital dos Laxaros em santo
Amaro as 9 horas da mantisa, no collegio das or-
phas em Oi-nda as 10 horas e no hospicio as 11
boras de todas as tercas e sextas-feiras.
Secretaria da Santa Cata de Misericordia do Re-
cife, 23 de setembro de 1867.
O escrivlo,
Pedro Rodrigues de Soaxa.
Peraote a cmara municipal desta cidade
continuara anda em praca nos dias 27 e 30 do
corrente, e 2 de outubro fataro, com as coadlcdes
mencionadas no edital, ja' publicado, de 11 do cor-
rente, para ser arrematada por qoem por meaos
fizer, a obra do paco qae a mesma cmara preten-
de fazer, visto nao ter sido realisada nesta data a
arrematado come estava annunciada, por falta de
concurrentes.
Paro da cmara raunhinal do Recife em sessio
de 25 de setembro de 1867 Laiz Jos Pereira Si-
mo is pro-presidenle,Francisco Canato da Boa-
viagemsecretario.
krrematagdo
dr ana machina de descaracar algodo
Br,00o0
As 4 horas da tarde do dia qatala-feira 3 de ou-
tubro, depois da audiencia do Sr. juiz de pat da
fregaezia de S. Jos, Tai em praga para ser arre-
matada ama machina de descarogar algodo, ava-
llada em 50*, por execagio de Albino de Amorim
fe C &ntra Mtnoel Siavfrgs da Silva.
fOHKE:iOGt;K4L
Relaclodas cartas registradas viadas do sul pelo
vapor fraocez i Ext remad ore para os senhores
abaixo declarados :
Dr. Benjamn Perrelra Baodeira (2), Dr. Deo-
eleclano Rocha Vaana, Flix Jos da Serra (2),
' Francisco daPaala Araojo e Almeida, Joaqulm
AlfoinistracSa do correio desta Cidade Pedro Barreta de Mello Reg, Dr. Jos Bernardo
DECL1RAS02S.
Ilha de S Migae.
Para o porto cima segu o patacho portue"e,!
tJorgeose de primeira mi"''"' ""*a^ pas-
-"'"eiros irai*- -,>> uasignatario Joao do Re-
g Lima, roa do Abollo n. 4. _____
fSfll4 .flitAkflNfiM.
di:
Navegico cosleira por* vapor.
Mossor com es< alas por Natal.
No di; 8 de outubro ao meio
dia, exiedira' esta companbia
om dos: eus vapores para os por-
tos acim;. Recebe carga somenlt
at o da 7 ; encommendas, pas-
sageiros e dinheiro a frete'at as 10 horas da ma-
nna d) da da sahida : oscriptono no Forte do
Matos n. 1.
Precisa-se de orna ama para lavar e engom-
mar : aa ra do Trapiche n. 36, 2* andar.
Precisase de um feitor pra om pequeo si-
tio perto da praga, e om criado forro oa captivo
para tratar de loas cavallos : a tratar no caes de
de Apollo n. 55.
Americo Nettj de Mendonca, advogado,
morador rna do LivrameDto rogado a che
gar ra do Trapiche n i 4, 3a andar.
Joao Pereira dos Santos, coraiuercian-
te e morador nesta cidade, faz sciente ao
publico em geral e ao corpo do commercio
era particular, quedo Io de outrbro em di-
ati.e se assignar par Joo Pereira dos San-
ios Farfa.
Francisco Jos da Silva deca a ao pu-
blico que de boje em diante assignar-se-ha
Francis'o Henrique Marques da Silva.
Recife, 3o de setembro de 1867.
Aluga-se
o sobradinho e lejas n. 11 na travessa do Carioca
no caes do Ramos : a fallar enm Guilherrae Sette,
roa da Imporatm n. 45, andar.
Ama de leite
Precisa-se de urna ama de leite forra e sera fi
quantla debito tratar na ra do Crespo n. 2, luja de livros
defrSStfi d arcd de Sam Amonio.
f
Ama
Precisase de urna ama p;>ra casa de pouca fa-
milia : a ra da Cniz n. 8.. 1* andar.
Jos Das Brando, abaixo assigoado. faz ver
ao publico que se despidi da cata do Sr. Joaquim
Francisco da Silva Jnior, no dia 21 do corrente.
Recife 2 de setembro do 1857.
Jos Das BrandSo.
Urna casa de pouca familia precisa de urn
criad" forro on captivo, quo sama eozuhar, aflao
cando b>a conducta, paga-se-lh? bem : a tratar na
ra do Quemado, loja n. 1.
Cozlnhelracn eozinheiro
Precisa se de urna eozioheira ou cozoheiro : na
ra d Cruz, armazem o. 54.
OfT"ece se urna ama para casa de pouca fa-
milia ou de Homero s-lt-lro : a tratar na ra do
Senhor Bom Jess das Crioolas n. 23.
Seguir' cim a pessivel presteza para o indica-
do porto o veleiro e hem conhecido brigne escu-1
na nacional Graciosa, ca| ito e pralico Jos Ma-
ra Perreira : para algn la carga qne Ibe falta
traia-se com o consignatario Antonio de Almeida
Gomes, a ra da Grnz n. !3, l* aadar.
~Para a Bah i a.
Pretende segoir com m illa brevidade o veleiro
e bem conhecido palbabot i Dous Amigos, tem par-
te de sea carregamento prompto, para o resto
que Ibe falta trau-se com os seos consignatarios
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C., ao sea es-
criptorio raa di Cruz n. 17.
*a
Pretende seguir cora a uita brevidade o veleirc
palhabote ponuguez Nova Sorle, ter, parte de seo
carregamento engajado, para o resto qne Ihe falta
trata se cem os sens com ignatarios Antonio Laiz
de Oliveira Azevedo & C., no sea escriptorio ra
da Cruz n. 57.
Kio de Janeiro
Pretende sahir com mmta brevidade para o in-
dicado porto o veleiro* pancho Gloria, por ter a
maior parte do sea carref menlo tratado e para o
resto que lhe falta e escn.vos a frite trata se com
o consignatario Joaquim Jos Goncalves Beltro'
raa do Trapiche b. 17.
PARA 0 ARAGATY
Segu oestes dias o pal lab ote Emilia, para car-
ga e passageiros trata-se com Jos Si Leito J-
nior a roa da Madre
greja.
de Dos armazem junto a
LE I LES.

Grande leilo
De vinhos hespanhoes.
O agente Pestaa fara' leilio por coma e risco
de qoem pertencer e pan fechar contas de per-
cao de pipas com vanos le diflereotes mareas, ao
armazem de Barboza defnate do Corpo Sanio, ho-
ja 1 do correte as 11 horas da manbaa.
&Q(JES
Joaquim Jos 6oo(>|.oS Beltrao saca sobre Lis-
boa e Porto.
______Ra do Trapiche rr j 7
O abaixo assignado declara ao poblico qoe
tendo fornecido urna procuragao bastante ao Sr.
Fraoaisco Perreira ViJom, nesta dala retira todos
os poderes que ti o ti i cooferido ao mesmo senhor
como sea procurador para poder receber do the-
souro o seu sold.
Recife 28 de setembro de 1867.
Caooto Candido Ramos.
Ana de leite
Prerisa-se de urna ama que teuba bom e bastan-
te leite, paga se bem : na ra de Santa Rita n. 8.
Parahiba 30 de setembro de 1867
HOTEL DA BARRA
Neste estbeiecimento montado com todo aceio
eesmero, enc.ntrarao tolos os Srs. passageiros
dos vapores qua tocarem no porto, os comraodos
precisos a se refazerem das fadigas da viagem,
sendo que o proprietario osmera-se em bem servir
seas hospedes por todos os raeios a sea alcance,
offerecendo igualmente excellentes commodidades
as pessoas qoe oelle qalzerem residir temporaria-
mente e por pregos assas raspareis.*______
Urna escrava
Paga-se 23 meosalmente e com toda a pontna-
lldade pelo alngael de ama escrava qae s; iba bem
cosinbar e engommar, e fazer o mais servico ni-
camente de ama seobora estraogelra : trata-se a
ra da Seozata Velba o. 12, primeiro aadar.
Alagase urna casa muito fre.-ca com com-
modos para grande familia : aa Capanga raa das
Grioolas n. 3.
Calxeiro
Precisa se de om menino de 12 a 16 anoos pira
caiaeiro de nma oja no mato preferlndo-se portn-
guez dos ltimos ebegados : qoem pretender diri-
ja -se a raa do Qaeimado a. 39 oa aa mesma roa
B.18 A.
- a rna dj Raogel n. 26, d-se alinoc,o, jan-
tsr e ceia, roupa lavada o ongommada e cama por
600 por mex pagan'd*se 15 das adiantados.
Precisarse de nm mogo de 14 a 16 annos do
idade oa nm hornera de 30 a 49 annos, qae saina
ler: oa rna da-Ooboordia o. 38.
Oflorece-se ama pessoa para coser em casa
Considerafi|pfl geraes
A saude um bem ioapreciavel, cuja importancia e valor s est reservado
fermo o avalia-lo.
E incontestavel que o homem neste mundo constantemente, e por todos os lador
atacado por urna infinidade de agentes morbficos que todos tendn), dadas certas e deter-
minadas circumstancias, a alterar o regular exercicio das funcfoes orgnicas, resultaobo
pesse desequilibrio o_ que se chamamolestia
A molestia n5o mais da que a desvirtuado das forjas vitaes, occasionada,- d,
gando as tnvestigac5es e experiencias dos mais abalisado mestres da aciencia, pela depm-
yacao aos Humores geraes, consequencia da acgSo maligna desses mesmos agentes ora e
neos introduztdos no organismo pelo acto da respiraclo, pela via digestiva, peto contacto
immedtato etc. etc. etc. ,
A sypbilis inelizmente tem sido a partilha da hamanidade, e como fora de duvi-
da qne esse ternvel Proteo da medicina urna molestia hereditaria, ella tem sido obser-
vada em todas as idades, e debaixo de todas as suas turmas t5o variadas, enfrarmeceodo
constituioes robustas, produzindo mutilacoes, e cortando anda em flor da idade vidas
preciosas.
Eliminar da economa esses principios deleterios, e purificar a massa geral dos
bumores lem sido desde lempo immemorial o fim constante da medicina, e os jwrgati-
vos flguram em primeiro lugar para preencher esse desiteratvm ou fim.
O Elixir depurativo do Dr. Sevial parece merecer a preferencia sobre todos: os
immensos succeseos obtidos pelo uso deste salutar agen:e tanto na AHemanha, come-asa
Franca e Italia, o tornam o companbeiro ioseparavel dequasi todos os doentes.
Sendo as metestias, como cima dissemos, devidas s alteracSes dos homores, o
Elixir depurativo do Dr. Sevial pode ser etnpregado vantajosamente na sypbilis, erisi-
pelas, rheumatismos, bobas, gota, debilidade do estomago, inflammar,5es chronicas da
flgado e baco, dores sciaticas, cephalalgias, nevralgias, ulceras ebronicas, hyorepefisa,
pleurisias, gonorrheas chronicas etc. e era geral em todas as molestias em que e leona
em vista a purificado do systema sanguneo; pois que urna pratica constante tem feito
ver que elle ndispensavel nos caaos gravssimos para minorar os soffrimentos, e pre-
parar o doente para medicacoes superiores; e as meaos graves a cura a conse-
quencia do seu uso, convenientemente repetido.
As substancias que entram na composc2o o,Elixir depurativo do Dr. Seria
pertencem todas exclusivameate ao reino vegetal, e a grande cathej-oria das sobstan-
cias depurativas e antisyphiliticas; assim, ao passo que este remedio depura o orga-
oismo, eliminando os principios nocivos saude, pelo mecanismo nataral das evaot-
acoes alvinas, neotralisa ao mesmo tempo o virus syphilitico quando este virjem.
tem feto erupc3o bo exterior debaixe de suas mulplicadas formas; e previne tam
bem os estragos dessa terrivel molestia, quando por ventura se acbe ella anda na
estado de encubapo, isto sem se ter manifestado sob formas exlernas: benefcio
mmenso, tanto mais quanto neste estado os individuos ignorara completamente se es-
So contaminados por este terrivel inimigo.
O sabor agradave d'este Elixir convem a todos os estmagos, a sua acele sa-
br o-tubo intestinal suave e benigna, e de nenhuma forma prodaz molestias medi-
camentosas, como acontece ao purgante dito Le Roy, que na sua qnalidade de drs-
tico forte irrita a mocosa intestinal, e consecutivamente a seroza, resultando dstees
lado, muitas vezes, hydropesias, que qoasi sempre terminam pela morte Assim pois esperamos que o uso deste remedio justifique cabalmente as nos-
sas asseverac5es, porque sendo um medicamento tao simples na sua composico. a
pratica tem confirmado sua ulilidade.
nico deposito en Pernambpto
Na botica e drogara
DE
Barthotomeo Companhia.
34RA DO ROSARIO LARGA3*
Aluga-se
o primeiro andar da casa na ra da Aurora, balr
ro da Boa-Vista, moito aceiado, c com bastantes | Aluga-se ama moiher para ser ama para si-
eim-.modos : a entenderse com Manoel Luix Vi- nha e compra : a tratar na raa do iJalabjuea Ta-
raes.
A
tu
ir
a-se
o primeiro andar do sobrado n. 69 da raa do Pa>
dre Floriano : a tratar na prar;a da Iodepeodoncia
n. 3!.
No dia 13 do correte tem de ser eiposto a
arrematarlo pelo jolzo do commercio, o escravo
Marmolina, penhorado por execocao de D. Anna
Josepha Pereira dos Saotos, na bypothese de ser
escravo da execotada D. Mara Magdalena de Al-
meida Catanho, entretanto previne-se ao publico
qoe Fraocisco Tbomaz de Barros Campello, senhor
possaidor e prejodicado desse mesuio escravo, ba
protestado peraote o masraa juizo, de Ibe ser res-
tituido o seu e-cravo MarcoTloo por qnem arrema-
ta-Io *e como deve esperar, for reformada a res
peitavel sentenca pelo meretisslmo tribunal do
commercio, aonde pende ella por apellajo in-
jerposta.
Casa
Ala a-se a casa n. 6 da ra do Principe na. fre-
gueila da Boa vista com 2 salas, 3 qnartos, cozi-
nba e quintal : a tratar na ra Nova a. 3.
Na praga da Independencia n. 33, loja de
ourives, comprare ouro, prata e pedras preciosas,
e tambem se faz qualquer obra de eacommenda e
lodo e qual que r coaecrto.
Da-se a premio de ara e meio por cento com
hypotbeca em bens de raz, a qaantia de 1:0005,
pago o premio como se convencin r : a qoem con-
vier delxe carta fechada nesta typogrrphia com as
iniciaos L. M. R. V.
Manoel Francisco Marques e Joao Fran-
cisco Marq.es, socios, sob a firma de Mar-
ques Irmo & C, lazem publico qne a refe-
rida sociedade nao se acha dissolvida como fal-
samente :nnunciou o Sr. Jos. Lopes de Oliveira ;
visto como at boje nao se fez distracto algum del-
ta, dndose apenas o faci de se haver formalmen-
te e por escripto despedido o dito 8r. Oliveira, com
recusa da c ntinuagao de sens serviros aos quaes
obrigado pelo contrato social, aa qu:-lidade de
socio de iodustria: assim pois, continuando como
de direito contina a sociedade em suas fOBccSes
commerciaes no armazem alfaadegado sito no Por-
te do mattos, largo da Asserabla o. 4, nenhuma.
alteracao se da' ao contracto social estabelecido
por espace de seis annos a deeorrer, qaanto aos
socios annanclantes, e sim somente o direito qne
cabe a estes de responsabilisarem o socio despedido
pelas obrigacSes cootrabidas e perdas havldas at
o momento da sua despedida, como' preceitaa o ar-
tigo 339 do cdigo commercial, alm da criminan
dade em qae o mesmo acorren,por haver iiludido
as repartirles flseaes e o meritissimo tribunal do
commercio, com damno cansado aos aonauciantes
e aos ioteresses da sociedade.
Ilecife, 38 de setembro de 1867.
.W :noel Francisco Marques.
Joo Fraocisco Marques.
PEOGRAMlA
DA
Festa de Nassa Senhora da R sirio,
padroei-a da eskca da parta das
caudas de Oliado. '
Sabbado, t o do corrente, ao meio da, diver-
sas gyraodolas de rogo e a msica do 9a batalho
da guarda nacional aoonandaro, que no domin-
go, a, tera' logar a festa. A's 7 horas da noite
Iho n. a.
Alaga se urna excellenie escrava que fax lo-
do servico de orna casa inlerno e externo : ao
corredor do Bispo defronte d.i c.-.*a d. 12.
A digna emprna dos trdhos
urbanos.
Associsrao-nos aos diversos pedidos feito* a e-la
empreza e rogamo-la qae d raai-* nma parila da
Recie as ai|Z"da ooite e de Aplyacos as 9 l\t
horas. O primeiro trem sera' coaveniente pare
os c ubs e aquellas pessoas que nao podem voltar
seoao tarde a's suas casas e o segando- servir"
a'quellas qae qaizerem dar um passeio de noits
vollando ao Recife.
Mais alRun?,
AntODio Alves, filho de Manoel Alves,
natural da freguezia de P$o de Souza, lugar
de S. Lourengo comarca ile Penafiel em Por-
tugal, embarcoo para o Brasil ante-, da (831
poucomaisou menos, deseja se saber se an-
da extte ou se j fallecido, pois consta que
em Portugal saniram an >un:ios (n3o pode-
mos precisar a epocha) chaman lo os herdei-
ros, pois que tulla fallecido no estado de
solteiro. e sem parentes conhecido aqoi, se
ainda vivo deseja-se saber aonde resile ac-
tualmente e se com effeito fallecMo, aon-
de p? ira a fortuna queconstster ileixao pois
que ba herdeiros e bem prximos que sao
seus sobrinuos ra do Apollo n. 2 2" an-
dar.______________
Irmaadade le Nussa S abara d>> Rosa-
na da Carpa Saata
Pelo presente sao convidados lodos os (roaos a
comparecer no nosso conslsftno na qnlnta-f-ira 3
de ootabre do correBte pelas 4 horas da UrAe,
am de eleger-se a nova mesa que tm de reger a
irmaadade no futuro anno de 1807 a 1858.
Consistorio da irmandade 18deseien.bro de 1867
O ecrivo,
Francisco Jos do- Pss.*s Gaimarea.
Cosinheiro
Aluga-se um preto cosinheiro
larga do Rosario o. 34, botica.
a tratar na roa
Claudio Dubeov, preeisaDdj fallar em al
goem dos berdeiros d Jos ioaqoim da Cofia,
casado qoe foi com DelSo* das Cbagas Xirt-aes,
ambos ja' fallecidos, mas ignorando a residencia
dos ditos herdeiros, p de por favor qae algara
delles se dirija ao sea escriptorio, raa do Impera-
dor n. 43, a negocio de interesse qae dix respeilo
aos mesmos s>nhores. _______________
Na ra do Livramenlo a. 4 precisase a
nma ama para o servico interno e externo de casa
de pequea familia.
Precisa se de orna ama para comprar e co-
xinhar para duas pessoas ; a tratar oa raa da Pe-
nha a. 19, andar______________
Aloga se orna jovero escrava parda para tra-
tar de ama od mais criancas, prelerlodo servir
em familia estrangeira : dirija se a raa do Cresa*
o. 4, loja.______________________________
08erece-.se om caixtiro coa) toda a pratica
de taberna e por bataneo : a tratar aa roa as
Calcadas o. 2.
------------------------ teada.ao som da mtsma masica. __1_!1__ aliaste mmmmtM
- Precisase de urna ama para casa de posea As 11 horas do dia 6 entrara, a festa occa- j \jRmmM
^ est morando no sobrado n. 12 da raa da
imperitrir
Da armaeao, fateodas, niudezas, serveja, sardi-
nhas, charutos, pregos e encbadas, bens perten-
centes a massa fallida le Azevedo & Flores, e
existeotes na laja da r la da Cadela n. 47.
Quara fe ra 1 de outubro.
O agente Piolo levara' a leilio a requerimeoto
dos caradores fiscaes da nassa fallida de Azevedo
de Flores e por mandado do lllm. Sr. Dr. jaiz es-
pecial do commereio, os objectos cima mencio-
nados perteaceoles a diw massa existentes aa
com qoem tratar.
, a resta ocen
familia : na raa do Bartholomen o. SI.________pando a tribuna evanglica o distincto e eloquente I
----------------Cogais el r iorador' RTdi P,<,re Aatoulo de Mello e Albuqaer-'
Offerece-se um eos Blro enjo di garante de ^tanle bavera' daoca de corda, e soblre ao
para ar diversos baldes de osto ao som d mesma mo-
__ sica.
A' Urde do dia 7 hivera" fandango, para o eae
soa arte e con lucia tanto para deotro como
fora desta cidade : na roa das Croles n. 41.
Olerece se ama ama de boa condacta qae
sabe cosinhar para casa de homem solteiro : no, ai-d' tem acopado,
boceo do Padre o. 14.
Aluga-se urna casa para passar o verso, per-
to do baobo Capibaribe, coa commodos necessa-
ros para qoajqaer familia,: a tratar na rna Direi-
la n. 53.
Casa
Alnga-se o 2* andar da casa na roa do Sol n
33, multo Irasco, com nm grande solio e coc
mallos commodos para familia : a tratar os ros
Nova a. M.
E. R. Rabello saca por todos os vapores
sobre.
Lisboa.
Porto,
frigueira.
Braga e ontrascidades e "Has de Porta-
gal inclusive as ilh is da Madetra, Acores, etc
ff
MUTILADO
---------is.


DE
CARO
PREPAMDA FRI
POR
AUQUSTE CAORS
Pharmaceatico pela escola de Pars e successor nesta cidade
AO JAYME CAB
DB

Soum
Aristide Saisset e J.
22.-----Ra da Cruz-----22.
'

IV 6,ra do Quemado primeiro andarN. 6,
MO MA\H CABELLOS BRAMOS.
Tin ,ura instantnea para enegrecer os cabellos era um minuto sem offender a pelle I

com perfeifo, p esteza
II
Gabinete reservado e desente para tingr cabellos
e mdico preco.




Tratamento puramente vegetal sem mercurio, iodo, (raro, nem outra qualque
mineral.
Verdadeiro purilieador do sangae sem azougue.
Especial para a cura de todas as molestias que tem sua origen na impureza do i|^g)
saneue, como sejam as molestias boubaticas, syphiliticas, escrophulosas, darthrosas, quer |p|
venham ellas por hereditariedade, quer sejam adqueridas pelo contacto com pessoas n-1 p)
fecciODadas dos diversos virus que contaminara- o sangue e os humor-s. I ||)
6 um remedio prodigioso, usado desde remotas eras pelos indio
?M)

Un co preservativo de caspas e calvice.
PREMIADO PELAS EXP05IQES DE PERNAMBUCO E RIO DE JANEIRO.

Salo para cortar e frlzar cabellos, e fazer barbas.
BEH MONTADA OFFittVV DE CVBELLEIRE1R0*
do Brasil, e passando seu uso de gerago em grago, boje um dos remedios mais co- \]j$& onde com esmero e gosto se maaufacturam, quer para a provincia, quer para fra della, todas as qualidades de postigos '? i------------------ .?,. mAiooii modernos e de apurado gosto, accrescendo a grande differenca de ser 10 0i0 mais barato que em outra qualquer parte. '^j|
Esplendido oralmente de caoellos, em edres e em eomprimento,
nhecidoscomo proprio para combater as molestias mais hediondas, entrando nesse numo
ro a morpha ou elepbatiases, para cujo curativo os nossos sertanejos consideram a
caroba como remedio especifico. .
A moito ttmpo entrou a caroba nos formularios como preparado magistral -,^
sob a forma de eleictuario, ainda hoje lerobrado oas pharmacopas com o nome de seu
celebre autor Jo5o Aives Carueiro : nao ella portanto remedio novo nem desconhecido.
O ungento de caroba da mesma sorte preconisado desde tempos immemo-
riaes como o mais apropriado para o curativo das boubas e ulceras syphiliticas srdidas,
e empregado com proveito depois de improficua applicag.ao de muitos outros agentes
therapeuticos enrgicos e de uso quolidiano.
Muitos dos nossos mdicos de consideraclo e entre elles o muito distincto pratico
e observador o Sr. Dr. Pedro d'Atbayde Lobo Moscoso, tem confirmada por meio de ex-
periencias repetidas, o que diz a fama das benficas propriedades da caroba no trata
ment das boubas. das diversas formas sob que a syphilis se apresenta e moito especial-
mente as que teem sua sede na pelle, e poderiamos relatar alguns casos de data muito
moderna observados pelo mesmo Sr. Dr. Moscozo em que a caroba produzio admiraveis
effeitos, depois de inuteis e protongadas applicacoes de salsaparrilha, mecurio, iodo, ou-
ro e seus preparados, etc., etc.
Nao era possive que urna planta le notavel por suas inappreciaveis virtudes es-
capasse a perspicacia e nvestigacoes dos mais abaleados praiicos europeos, que se ap-
plicam com especialldade ao estudo e tratamento 'das molestias syphiliticas e berpeiicas
e para prova abi esio os Srs. Drs. Casenave, Schurfer, Ricord e outros dando as maif
songeiras informacoes sobre as propriedades curativas da caroba e pieconisando-a com'
remedio poderossimo para o tratamento das erupcoes cutneas, seccas ou suppurativas
dartbros de todas a qualidade, ec emas, ulceras de diverras naturezas, tumores, osseoi
e outras muitas molestias de oatureza syphiiitica ou boubatica.
Por ter-se general isado mu lo o uso da CNsencla da caroba que en pre-
paro e pelas instancias de varios mdicos que desejam continuar em suas observacoes,
deliberei-me a ter prumpia urna quantidade da mesma essencia, obtida sem a acco do
ogo, para nao prejudicar as propriedades medicamentosas; e d'ora em diante encon-
trar-se-ba na minba pharmacia sempre e em porcSo suficiente para todos os pedidos a
ESSENCIA CONCENTRADA De CAROBA, e o ungento da mesma plenta para que nun
ca fallera, aos Srs. mdicos que quizerem esperLnentar tao precioso agente medicinal.
Recfe de ParuamDuco, 17 de outubro de 1866.
A'WSTE Caors.
Deposito geral de todos rad.nl so apeos
Botldca e rogarla
34Ra larga do Rozario34
W. 6. RA 1IO QUEOf ABO V 6.

.Olub Pernambucano
A partida do mez de outubro ter logar
na noite do dia 4.
Joaquim Jos tfoncalvs
Beltr&o
RIA DO TBPlCKE N. 17 Ia ANDAR)
Sacca por todo; os paquetes sobre o Baaeo
lo Minho em Braga, a sobre os guite loga-
' em Portugal.
aber:
Lisboa.
Porto.
Valenca..
Guimares.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde.
Arcos de Val de Vx.
Viaona do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famellcio.
Lamego.
Lagos. ;
Covilba.
Vassal (Valpassos.)
Hiraodella.
Beja.
Barcellos. ^^______
O Sr. Eugenio machinista faz saber ao
publico que se euearrega de qualquer obra de ao-
canament >s, como coll-jcar gas e coocertar tam-
bem bombas para colioear e concertar de todos os
systemas, como telharis de chapa de ferro, Unco
e chumbo : a residencia do maehmMa a' ra
Bella n. 13 ou na ra do Rangel o. 17.__________
Aluga-se urna escrava qoe coznna e engom
ma : na ra das Grate n. 44.

IIMCA
m

i
oo
600
6oo
640
PARA UZO INTERNO
PREPARADOS SIMPLES,
Xarope de jurubeba garrafa........
Vinho de
Pilulas de vidro........,
Tintura de
Extracto hydralcoolico de jurubeba |f 12#5oo
PREPARADOS COMPOSTSs
Vinho de jurubeba ferruginoso garrafa. 2#ooo
Xarope li56oo
Ptalas vidro... 2#ooo
Oleo de jurubeba vidros.... 64o
Pomada de pote...... 64o
Emplastro libra..... 2#5oo
PARA UZO EXTERNO
A JCUlIBRB*
Esta plantar hoje reconhecida como o mais poderoso tnico, como um excesi
lente desobstruente, e como tal applicada nos engo-gitaatentos dogado e baco, na-
faepatites propriamente ditas, ou anda complicadas com anazarchas, as inflammacoes
subsecuentes as febres intermitentes ou durezas, nos abcessos internos, nos tumores es*
pecialmente do tero e-abdomen, nos tumores glanduiosos, na a nazarena, as hydrope-
zias, erysipellas; e associada as preparaces ferruginosas, ainda de grande vantagem
as anemias, chloroses, faltas de men.-truaeao, leucorrneiasy desarranjos atnicos do esto-
mag >, debilidade orgnicas, e pobreza de sangue, etc.
O que dizemos affirmam os mais dMinctos mdicos desta cidade, entre os quae*
podem os citar os lllms. Srs, Drs. Silva Ramos, Aquino Fonseca, Sarment. Seve, Pe-
reira doCarmo, Firmo Xavier, Silva etc. Todos elles reconh cem a excellencia d'este po-
deroso medicamento sobre os demais at ho'? ^onbecidos para todos os casos citados,
tanto que todos os das fazem d'elle applicacr.
Apresentando aos mdicos e ao publico em geral diversos preparados da juru-
beba, ttvemos por flm generalisar mais o uso d'este vegetal, fazendo desapparecer a
repugnancia que at hoje sentiam os doentes de usar dos preparados empricos d'elle, o
mais das vezes repugnantes a tragarem-se, e que tinbam ainda a desvantagem de nao
ser calculada a dose conveniente a applicar-se, o que torna muitas vezes improficuo um
medicamento, que podena produzir ptimos resultados.
Os nossos prepados so foram apresentados depois de havermos convenientemente
estudado a jurubeba, fazendo as experiencias precisas para bem conbecer as propriedades
medicamentosas d'esta planta em suas raizes, folhas fructas ou bagas, e a dose convenien-
a app;icacio, tendoalem d'isto procurado levar os nossos preparados ao maior grao de
tperfeico possive, para o que nao poupamos esforcos, nao nos importando o pouco lu-
cro que possames tirar
Por tanto os que se dignarem recorrer aos nossos preparados podem ter a certeza
de que elles offerecem a garanta, de que se pode encontrar a prompta e infalhvel cura
de qualque dos soffrimentos, que deixamos innumerados, se forem em tempo applicados
tendo alm d'isso, medico ou doente a vantagem de escolher as nossas variadas prepa-
races, aquella que melbor Ibe pode convir, j pela fcil applicaco, e ja pela complicacc
das molestias, id -de, sexo, ou ainda natureza de cada individuo.
As nossas preparaces ferruginosas sao feitas de forma que se tornam completa-
mente soluveis nos suecos gstricos, porque procuramos os eompostos de ferro que como
taes estao hoje reconbeeidos.
Para aquelles que mais minuciosamente queiram coobecer as propriedades da
jurubeba, e saberem a appiicaco de nossos preparados, destribuimos gratuitamente
em nosse deposito um folbeto, otule tratamos mais extensamente d'esta planta e dos t-
mos preparados.
a
B
3'
8
o
3
o_
5"
-5
O
c
u

en
-a
a
o
cu
a
n.

s.
o
en
H
o
c
o
J
o
en
O
era
o
en
i
O
B
M
a
^-
M
Q.
O
en

S
1
as
a
Si
-!
i
Ci-
CJ
i
I
O,
i
Q.
d>
13
B>
-I
a
O.
a
c~
co
B
ta-
co
o
a
o.
co
co
i I
cj* O.
09 CD

0>
o
ta-
co
a
-i
a
^*
B9
Pl
O
a
t
B
O
CD
Q<
co
O.
co
o
i
o
CT>
3
o
B
o
B
Q.
CD
50
o
es
>
w
H
tS
-s
fe w
o -<
O P -i
P 0 s
CT5
ff^
^ O
o v> e.
O

0 as Cb i

-
o IX
09 -1
P. P p
1 p*
=7*
.o Cft
s. -t
o c*
P s
-* s
P p
p. hQ
Cb K
c*
PHOTOGRAPHIA
VIl,Kliii%
RA DO CABUGA N. 18, ENTRADA PELO
PATEO DA MATRIZ.
O nosso estabelecimento photogrsphico
: est sempre em dia com todos os melboia-
mentos e progressos que na America du
Norte, ou" na Europa se consegue na arte
photographica, e para alcangarmos tal im
nunca poupamos despezas nem sacrificios,
Lecionase a solfejo e a tocar varios
insirooiecios daolo se as licas particu-
lares em suas propnas casa?, das 5 ho-
ras da larde al as 9 horas da ooite : a
tratar na ra Augusta o. 30 ou nesta ty
; pneraphia.
Negocio me vantagem <
Precisa-se comprar i:000j> de molbados, inclui-
do nesta guarna |00> de taienda. pelo praso de
qnairo mrzes, daodo-se por seguran; melado de
um sino em duplo desta qoanlia : qoem qolxer
fazer este negorio dirija-se a esta typograpbia eoo
as ioiclaes A B D.
jTei Power Joltnston ftGMfSE
RnadaSenzala Nova n. 4S.
AUKNC1A DA
Fuadicode Lov floer.
M ichinas a vapor de 4 e 6 cavailos.
de sorte que os uossos numerosos fregBezes Moendas e meias moendas para engenho.
podem ter a certeza de que sempre encon- t Satisfeito o nvencive veado lirauco. comasmaneiras'StteTJctosas cea-qrte w>"greco de
foi acolhido pelo respfitavel publico desta briosa provincia, a ponto de que muitos a por- j
fia desputaram a satislac5o de serem os prime iros a compraren! em seu importante arma-1
zem, se desvanece em declarar com toda a lealdade de que capaz, que est cada vez
mais animado, nao s pelo benigno acolbimento que tem recebido, como pelas forcas de
quedispoe porque al hoje n3o careceu ainda dos preparados de jurubeba, nem do
xarope alcoolico de veame.
O Veado Draaeo, declara a quem ainda o nao conhece que nao um
desses bicharocos intiataveis que por ahi vivem com figura bu-nana; domesticado no
ameno paiz onde a amavel Aguia Branca vio a luz do astro berafeilor, elle partidario
desse invejavel agrado e sinceridade que com tanta gravidade se desprende do seu
bico encantador.
O Veado Branco, como todo o bomem civilisado, ama a sociedade dos j
bons, gosta do centro do mundo elegante, usa do tnico de Jayme, para previnir qoe Ibe |
poDUam a calva aoso vai a companbia des Bouffes Parisiens e no meio do partido de
trarao em nossn estabelecimento tudo qaan-
to a arte e a moda ollerecer de bom, no
novo e velbo mundo aos amantes da pbo-
tograpbia.
NOVIDADE PHOTOGRAPHICA.
Acabamos de receber todo o necessario
para fazer retratos chamados carte-album.
Este genero de retratos ltimamente in-
ventado na America do Norte, rpidamente
se piopagou na Inglaterra e Franca aonde
goza actualmente de todo o favor da moda.
A carte-a-lum se faz por duzias como os
antigos artes de visita.
Na Inglaterra trocaram o nome de carte-
album pelo de retrato-galeria e os ingleses
usam encaixilhar e&tes retratos em quadros
especiaes para com altes fovtaar galeras,
com que ornam seus gabiuetes. Recebe-
mos urna certa quantidade de taes quadros,
os quaes cederemos por barato preco aos
nossos freguezes.
As pessoas que quizerem ver specimens
dos retratos chamados carte-album, j fei-
tos em nossa officina sao convidados a visi-
tar o nosso estabelecimento.
CARTOES DE VISITA A 9J000 A Dl'ZIA.
Em consequencia do novo genero de re-
tratos chamados carte-album, diminuimos
o preco dos antigos candes de visita, os
quaes de hoje em diante ficam reduzidos
90OOO
pela primeira duzia, sem que por causa
desta diminuicao de preco, deixemos de es-
merar-nos no nosso trtbalho, como sempre
loi nosso costurne Alm disto, continua-
mos a dar os carlees de visita em carines
de luxo, Bristol, <>u porcelana, dourados ou
litbograpbados para o que temos urna varie-
dade de i modelos, a escolba de quem se
retratar.
tlg- VA GOMO PREVENCAO.
Apezar do nosso tr-balho ser muito co-
nbecido nesta cidade, aonde trabalhamos a
nho,
Arreios de carro para um e dous cavallc>.
Relogios de onro patente inglez.
\rados americanos.
Mchinas para descarocar algodo.
Mjtorespara ditos.
Machinas de costura.
AMA
Precisa-se de urna ama que engomme e lave,
para urna casa de poica familia : a tratar na pra-
5 doCorpo Santo n. 17, 3* andar.
Perdeuse no dia 2U do correte udi
anelo de ouro de feilio inglez com sinele
roga-se a quem o acbar(ou acbou) no caso
de querer r.ntregar a>) seo proprio dono de-
rijir-se ao pateo do Corpo-Santo n. II, que
generosamente ser recompensado.
Precisa-se de urna ama de leite : no l* an-
dar do sobrado n. 40 SU" na roa larga do B-arlo.
Duiuiugos Ji,> a Cusa Amonio, lemlo or-
gt>ocia d seguir par Europa pelo tE*tr malu-
re, d-j luis, como d-via, despedir-se (!- nos
aoi'gos, o qoe faz pelo meio do presente, i ffere-
ct-ndo seus strvicos em qualquer lugar aonde se
acliar.
Precisase de um menino de I i a 16 anoo?,
prpfere-se riesies ullimcs chegados : na roa do
Raugcl o. 73.
E>cripturaco commereial
Urna prssoa com a prttica de mais de 20 anne;
prc|ide-se a escripiurar hvros pur qualquer >>>l-
ma. OrKaoisa-js, adianto os Uruaat, procede a
batneos e ecba os livros por prej >s eunvencio-
oads : queco precisar deise earta fecbad nesta
lypoti'aiihia com as iniciaes D l) ou na travessa da
ra do Vigario n. I.
Precisase comprar urna hoa escrava de me.
dade : a tratar na ra da Cvieia do Reeife n. 8
madame Adelle, elle tambem atira-lhe o seu lindo bouquel.
Digne-se o Denigno leitor de jurar as palavras sinceras do sincero
liranco. e venba pi-over a sua dispensa do que melbor se pode encontrar n'um estabe-
cimenlo de molbados.
A modicidaie dos precos, comparados com a boa qualidade dos generse o
bom modo com que s3recebe osseuheres compradores, deve cortamente convidaras
pessoas que ainda nao vieram nossa casa a fazer parte dos amigos e freguezes do .nosso
BELLISSIMO 1RMAZEM
MOLHADOS
CONHECIDO PELO NOME
VEADO BRANCO
Esfcabeleciuo ra Direita n. 16.
Esquina da travesa de S. Pedro.
Acaba
V3l -Ra do CabugX. 8 A .
iLgostinho Jos dos Santos # & ^
do chegar aste estabelecimento um esplendido sortimento de
joias do ultimo osto, perfeiclo artstica e modellos enteirameote novos; como
segoem: aderemos com rubim, esmeraldas e perolas finas, pulceiras, broches
para retrato, ai neis, botes de puoho, brincos e cassoletas com letras, etc..
etc., etc. Sal v s deprata do Porto, faqueiros, paliteiros, calix de mesa c
fructeiras, cujos precos 3S0 incompeti^eis, pois que os propri'tarios desta casa,
recebendo seus artigo* directamente da Europa, podem servir vantajosamenta
aos seus fregu; e. Compram-se brilhantes, pedras finas, ouro e prata, page
se bem, tambes se incumbem de fazer concertos.
P2 annos, com tudo jalgamos de nosso de-
Veado ver ^'zer D0ie seguinte:
Nos retratos fe;tos em -nosso estabeleci-
mento emprega-se toda a cautela para of-
ferecer-se a par da belleza do trabalbo, as
melhores condices de duraco. Doura-
mos e fixamos os nossos retratos sem olbar-
nios a economas, e ltimamente para Ibes
pdennos dar urna lavagem mais ampia
e segura, contratamos com a companbia de
Rebiribe urna penna d'agua. Os nossos
cartes de de visita sao verdadeiras pboto-
graphias, que nao preciso de retoques do
pintor para Ibr desfar.arem os defeitos, e
convidamos a quem quizer a passar sobre
elles urna esponja molbada em.agua, ou a
deixa-los mergolbados por espaco de horas
em agua, ou em espirito de vinho : se apre-
sentarem alteraco sero recebidos por nos
e pagos pelo duplo do que tiverem Gus-
tado.
Continuamos a fazer retratos por todos os
systemas pbotographicos at boje conbeci-
dos em pbotograpbia. O nosso sortimento
de caixinbas, quadros, passe-par-tauts, e
joias de ouro para a eollocaeao de retratos
o mais completo, variado e abundante que
existe nesta cidade.
Attengo.
X. 25 Roa do Livi-ameolo N, 25
Deposito de tamancos e calcado nacional da fa-
brica da ra do Jardlm n. 19, de Jos Vicente Go-
dinho, tanto no deposito como na fabrica seapromp-
tam todas as porroes de calcado o mais barato
possive, esta fabriea tem todas as machinas pro
prias para os calcados ja bem acreditados pelo
grande numero de freguezes qoe daqai se for-
neeem.
bacaicl judu Pranr.iM'iiTeiXelt* leu
o su escnpiorio deadvugaria no 1* andar
do sobiado da roa do Queimado o. I i, e
ahi poder a' ser procurado para o tent-
elo de ,-ua proR-sao das 9 huras da .ma
nhaa as :l da tarde.
Aluga-se um siu.i com excelleote- cuu>mc-
dos para urande familia, e coebeira, peno do b:-
nbo, no Mouieiro, becco do Qoiabo : a tratar i s
ra do Pilar n. 113 at as 9 bom da manhaa, e
das ir< da tarde em dianle.
Alnca-se orna e sera-a perfia coxinbeira
quAm pretender dirija-so a itu do P.iar o.85, :e
goodo andar.

Hara da Lux Lene da Cunta penetraba do mai;;
doloroso senlimenio pelo p-ssamenio do sen mar _.
do Jos Joaqnlm da Conha i'.wmaraes fallecido en
Portogal em 30 de agosto prximo lindo, eoavi< jg
aos pareles e amigos do fallecido para as-isiir a
mis.sa de Rquiem qoe se ha de resar na Igreja ,j0
Divino Espirito sanio no da 3 as 6 horas da ma-
ntisa._________________________________
' \t^mHmmmmmmn^^
Precisase de orna ama para casa d' P^qoe.
na familia preferindo-se escrava: na roa ?,Q Cres-
po n. 7.
Na secretarla da Saola Casa l
do Recite precisare fallar a Sr.* Leaud
ro de Oiiveira.
m
Trocara se
as nou's do banco do Br isil e das eaias filiaos-
dom descont multo ras javel, na praca da lnde,
oeodencia o. 2!.
Caixeiro
Precisase de
Queiraads a 49.
Aiia
ama ai. de leite
na roa 4
Precisase de um menino de 12 a 14
que de eouhecimeolo do sua conducta
Direita n. 43, leja.
annos, e
na roa
Na roa da Udea do Reetfe, laja n. 7, pre-
cisa-se de urna muiber para ama de survlco inter-
no de casa de pouea familia para engoinnar e tra-
tar de meninos, pagare bem.
Sabonetes de alcalro
- O uso destes sabonetes tem apresentado os mais
ben-fleos effeitos conira as impingeos, sarnas, tl-
oba, caspa, comlcbdes e todas as demais molestias
de pelle
VENDE-SE S\
Botica e
DK
llartholemea d (ompaabia.
34Roa larga do Rasarle34
Armazem oo lja
Traspassa se um bom armszem proprio mesmo
Siara loja de faxeodas e com commodos at para
amllia econmica, na ma da Prala : trata se na
roa da Madre de Dos o. 16, loja. __________
Preclsa-sa de orna cozinheira livre oa escra-
va : Da roa de Apollo, arroazem o. 20.
CASA DA FORTU!
Aos 6,0000 r
BILHE1ES GARANTIDOS. '.
A' ra no Crespo n. 23 e casas do uostme.
O abaizo assignado veodeu nos sms mUjio li-
tes bilbetes garantidos da lotera que Vo acaboo de
extrabir a beoecto de Nossa SrL'nra do Monte
d Olinda, os segofntes preo^B;
IN. 968 meio bilnete cj^a a sorte de 6:000.
N. 338 meio bilbe^ i;om a sorte de l:cO.
E outras muit^sortes de lOOf, 404 e 3U#.
Os possijiCores podem vir receber seos respecti-
vos otttnios sem os descontos as leis na casa da
FortuE na do Gresop o. 23..
AcnVn-se a vnda os da 14a parte da lotera da
Santa lasa da Misericordia (40') que se extrab:
ra' a 8\e oulubro vlndooro.
r*reco.
Bilhete.....6J0OO
Meio......%|000
t. 1*500
de 100,5 para cima.
.... suoo
.... 54750
.... 14378
Manoe! Minies Fioza.
4**
_________1 HUT1UH I
**-
J.
:/
I
-
{
t
l



-.<
I MHBHMBHHHHBBBMMMHIHi^HB^HI
m itfiBBrtBBBBBBBBBWB^H
l
'0flHB
Otarlo de Pe rnamibueo <|narta felra S de Ouiubro de 18t>7.
MACHIMAS
PARA
im$m ai
SOUZA SOARES i IRMftO ;
propriet irios do grande e not?o estabelecimento de miudezas,
. ferragens, quinquilharias e cantieiros'agaz
RA NOVA xV. SS
Em frente a botica do Dr. babino
fieceberam directameotede -New-York oiq sortimenlo de machinas para descansar
algodo, sendo de 1 14,10, 18 e 20 serras, qae pela sua qualidade e perfeic3o, tornam-
se recommendaveis.
Os proprietarios garantem por um anno a conslrucgao das mesmas, e o hora re-
soltado em descarocamento de algodo. Sendo esias de um modelo tal, quealm de se-
ren de pooco volume sao muilo facis para o trabalho, cando o algodo o mais perfeilo
possivel. A fianza ido-se os precos serem mais razoaveis que em ontra qualquer parte.
Os preteodentes podem dirigir-se ao referido estabelecimento, que alm de acba-
rm om bom sorlimento de objectos de que teodente, encontrarlo sinceridade e bara-
teza nos precos.
VENDAS
Acaba de coegar'esle celebre romance,
saber :
parles a
Les Drames de Par Le
Rs. 80000.
Livraria franceza.
bonita edicao com eslampas, constaudo de tres
Rsnrreetlen
Rocambole
Rg. i>o o.
del Le Dernler Mot
Rocambole
Rs. iooo.
de
N.2D ^ N.2D,
IHP** C0R&C40 BI OCHO. jfc
A loja d.D intitulada Coraco de Ouro na ra do Cabog, acba-se d'ora em diante offerecen
do ao respeiuve! publico com especialidade as pessoas qne honram a moda os objeclos do oltimo gos
td (a Paris) por menos 20 por cento do que em outra qualquer parce, garanlindo-se a qualtdade e a so
ioex da obras.
O respeitavel publico avahando o desejo que deve ter o proprietario de um novo estabelecimen-
to que qaer progresso em sea negocio deve chegar iramediattmeote ao coraclo de ooro a comprar
MIS com perfeitos brilhanteo, esmeraldas, rubinse perola; verdadeiras em agarras, modernas pele
diminoto preco de 104, brincos modernos de ouro e coral para qjenina pelo prego de 34, maracas de
praia com cabos de marfim e madreperola obra de moderno gosto (o que o encontrarlo no coradlo de
ouro) voltas de ouro com a competente crusina ricamente enfeitada pelo pequeo preco de 124, brin-
cos de um trabalho perferto por um mdico preco, cassoletas, traoealtas, pulceira*, alflnetes para re-
tratos e outros modelos todo de alto gosto, aneis proprios para butar cabello e firma, dito para casa-
mento, no rtico rose tem o Coraco de Ouro um completo e bem variado sortimenlo de diversos
gostos, buiSes parat>un*os com diamante, rubios e esmeraldas, obra esta importante ja' pelo sen va-
k)r ja' por gosto ds denoto, brincos a forma da delicada mosinna de moga com piogente contendo es-
meraldas, rubius, brilbantes, perolas, o gosto sublime, alflnete para gravata no mesmo gosto, relo-
gios para senhora txavados de pedras preciosas, ditos para hornera, diversas obras de brilhantes de
miKto gosto, crosinkas de rubios, esmeraldas, perolas e brilhantes, aneis com letras, cazoletas de
trystal e oto desooberta para retrato (a ingleza) brincos de franja, ditos a tmperatrize toda e qual-
oser jbia, para secoliocar retratos e obras de cabello, e outros muito* objectos que os preteodentes en-
contrarse no Coraco de Ouro que se conserva com toda a amabilidade aos concurrentes deixando-
se de aqoi mencionar precos de certos objectos porque (desculpem a maneira de fallar) dlzendo-se
preco talvex alguem faca mo juno da obra, por ser to diminuta quantia a vista do seo valor.
Na mesma loja compra-se, troca-se ouro, prata e pedras preciosas, e tambem recbese concer-
tos, por menos do que em outra qualquer parte, e do-se obras a amostra com penbor, conservando-s
e Coraco de Ouro aberto at as 8 horas di noile.
Qaatqaer pessoa que se dirigir ao Coraclo de Oaro nao se podera' engaar com a casa, pois
EOtt se ua sua frente um coraco pendurado pintado de amarello, alem de outro que se nota em um
rotato (iste se ad verte em conseqaencia de terera ja' algumas pessoas engaado com outra casa.
DE
DE
ATTEN(M
No armazem de fazendas de
Sants 'Joelhj,ra do Quei-
mado n 19.
Boa e barato
Lansinhas Poil de Obvre a 0 ocovado.
MadapolSo entestado a 8# a peca.
Gambraia de cores matisadas nissimas s
800 a vara.
dem, brancas tran ;prentes fina de 4A,
S0OOO, 60,70, 80 e 90ooo a peca com iC
jardas.
dem branca tapad i de 80 e 90 a peca
com 12 jardas.
dem branca frante :a muito larga a 90 a
peca com 8 varas.
BalSes de 35 e 4C arcos nesgados para
senhoras, a 40500.
dem de mursulins nesgados a 50.
dem de crochet a 50.
Idr-m de m ursulina para meninas a 30 e
305oo.
Saias bordadas a i 0.
Cambraias admasedas para cortinado a
120 a peca com 2o varas.
dem para forro a 10 a peca com 10 jar-
das.
Cambraia de linbo i Quito fina da 60 e 90 a
vara.
Madapoles finos di 60, 70, 80. 90,100,
110 e 120 a peca.
Platilha de algodo superior fazenda para
saias a 30200 a peca com lo varas.
Cobertas de chitas de ramagem a 206oo
Lences de hambu *go fino a 20400.
dem de bramante nuito fino a 30200.
Pannos adamascados para cobrir mesa a
40500.
Guardanapos de linho adamascados a 40
a duzia.
Atualhado adamase ido com 7
de largura a 20 a vara.
dem adamascado ce linho com 7 1/2 pal-
mos de largura a 30 a vara.
Algodo enfestado com a mesma largara
a 10loo a vara,
dem trancado de a godao a 10600 a vara.
Toalhas alcochoada de linho lisas a 110
a duzia.
dem de algodo e i nudas a 130 e 140
a duzia.
Colchas de fusto a 60.
Lencos de cambra brancos finos a 10800,
0 e 20Soo a duzia.
Lencos de cassa fimssimos a 30200 e
3060 a duzia.
Fil de linbo liso < 8oo a vara.
dem com salpicus a 10ooo a vara.
Gmsdenapies pretc bom a 10Soo, 20 e
208oo o covado.
Murantique preto superior a 208oo o co-
vado.
Fianella de todas a:, cores a 800 rs. o co-
vado.
Tarlatana de todas as cores a 8oo rs,
vara.
Bramante de linbo mu 10 palmos de lar-
gura a 20too a vara.
dem de linbo com 5 palmos a 102oo a
vara.
dem de linho com 3 1/2 palmos a 8o a
vara.
Riquissimos basqu os a 250000.
Assim como outra s muitas fazendas que
se vende por menos que em outra qualquer
parte, e d-se amostras de tudo,
Fabrica e fundiedo de bronze
e outros metaes, caldeireiro,
laloeiro, e f'uniUiro, situada
na Soledade, i ua do Prin-
cipe n .3, e com deposito na
ra Nova n 38 da cidade
do Recife
DE
BRAGA SAMPAIO
Fabricam-se oeste importante estabeleci-
mento todas as obras concernentes as artes
respectivas como sejem:
Alambiques de todos os tamanhos em
feitios, os mui acreditados aparelhos de
Derosne com as dimences delicadas dos
fabricados em Franca.
Fabricam-se avulsas quaesquer pecas des-
apareis, como sejam o dilatador, ratifica-
dor e condensador, ou esquenta garapas,
resfriador, serpentinas interiores.
Fabricam-se bombas de todas as dimen-
cOes e qnalidades, pelo systema francez ou
americano, simples, de pressao, repuxo, e
com especiaiidade a estanca ros assim -9p
nominadas pelo enorme volume de agua
que absorvem calculada em 1U0 pipas por
hora, e das quaes algumas esto |iromptas a
serem experimentadas.
Existem bombas por este systema, me-
nores, para regar sitios, garantindo-se nao
so sua duraco como a grande quantidade
de agua que fornecem pelo que sao cons de-
radas hoje as primeiras bombas conhecidas.
Todas as mais obras se fabricam vonta-
de dos freguezes e a seu capricho.
Exihtem sempre promptosno deposito in-
Loja do Gallo Vigilante
DE
PiQmaraes& Preitas
RA DO CRESPO N. 7.
Os proprietarios desie bem coohecido es-
tabelecimento tendo em vistas a boa vonlade
com que t da generosa populaco desta bel-
le cidade concorre com a sua coadjovaco Varas de o8PaBa de dltleientes largu
para o basar de prendas que costomam e- c J"s'de pi^baio a'. '. i '. '. \ '. \
t^belecer no da da commemoracao do anni- caixas de pantos de seenranca sem en
versario do Hospital Portuguez de Benefi- ctufre a.............
cencia, enjo producto appcado a bem S-bonetes de familia a loo, 160 e
Eival sem segundo.
Rna do Qnelmano n. 4.
Qaer acabar com as fazendas abaiio
meBcionadas.
Queiram vir ver o qne boa e barassimo.
Toalbas de labynntho com bico, raien-
da boa a .............
G.rreieis de liuha com 100 jardas a .
Grvalas pretas e de cores muito Anas a
Calas de obreias de massa muilo novas a
enfladores para espartilbo de cordo e
Uta a...............
Carretelsde linba Alexandre com 400 jar-
das a .............~
Sabonetes muito finos a*60, 160, 200 -
itos.de bolla moito Anos a 240 e
Uiadas de liuha frota para bordar a '. '.
Varas de curdo para espartilbo a .
entes volteados para regacar cabello de
meninas a............
Frascos de macaca' oleo moita fino, a .
Abotoaduras moito Unas para colletes a .
Carices de lio ha branca e de. cores a .
Libra de ara preta superior a.....
scovas para fato, farenda boa, a .
Varas de franja branca de linbo para
toalha a..............
Peras de bicc estrello com 20 varas mallo
bonito a..............
5flO
40
10
va
320
20
daquelles que baidos de recursos, e rio leiio
da dor ali procurara melborar seus spffri-
mentos e aproximando-se o dia dessa rao-
diosa fesla por isso apressam-se em avisar
ao respeitavel publico do que ha de mais
moderno em seu estabelecimento, alm dos
quaes tem variedade de outros, que a serem
para um flm to justo os venderam por pre-
Cos mui ra Riquissimas caixas com msica conlendo
diodo m ra Nova n. 38, um comp^etosor-, Q neMaro para ^^ propnas ^ um
delicado presente.
S. 55. RIJA iiO IHPS2RADOR Si. 55.
O pianos desta antiga fabrica sao hoje asss conhecidos ptra q:p. seja iwcessarfA {asistir sobn
na superioridade, vantugens e garantas que o&Vrcem aos compradores, qualidades caas incoaesu
teis qne ellestem definitivamente conquistado sobre todos os quo tem appaTecido eesia praga ; pos
oaindo um teclado e macbnismo que obedecem 4 todas as vontades e caprichos das pianistas, sea
tiunca falhar, por serem fabricados de proposito, e ter-se foito ultimrnosla meluoramentos Importan
vssimos para o clima deste paiz ; quaoto s voies, sao melodiosas eflauuoas, e por isso muito agrada
tais aas ouvidos dos apreciadores.
Faxem-se conforme as encomraendas, tanto nesta fabnca como r& fio Sr. Blonel, de Paris, socic
orrespondeBte de J. Vignes, em ceja capital feram sempre premiados em todas as eiposicoes.
No mesmo estabelecimento se achara sempre um espeudido e variado sortimeato de mosteas doa
Inores amores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmo&ieos, socio tudo vetuido per
precos commodos e razoaveis.
Annuncio
Desenc^minhou-se do poder de Antonio
da Silva Faria, urna letra de 1:36705*o com
o o. -691, sacada pelos Srs. M. i. Ramos e
Silva S Genro aos 29 de Janeiro prox>mo
passad, a 8 meces -le praso (vencivel boje)
aceita por Adolpho Eug nio Soares,
Moedas do prata
oacienaes assim como iatac5es pertugueies e
endo- fcespanbes, compram-se oom premio : na roa do
sada pelos sacadores em 41 de marco do
correte anno, quem a liver achad pode
ntregar ao sobre-lito Antonio Faria, que ja
deu as providencias am della ser pana so-
monte a -elle, que a d> scomou por tuterme-
dio de oarreior geral. ____________
Atlenco
Continoa-se a fornpcer almoca e jantar por pre-
;o commodo, em ama casa particular : na ra es-
reHa do Rosario sobrado n. 35._________________
Olinda
Crespo n. IG, primeiro andar.
Comprani-sc escravos
Silvino GtHIherme de Barros, compra, vende e
Toca effectivemente escravos de amos os sexos
de todas as idades : a' ra do Imperador n. 79,
-rceiro andar.__________________________^^
24S000
Comprase na loja de jotas do corac.ao de oro
*. i D, roa de Cabng, muedas nacionaes de-JQfl
Compram -se
icaro premio Hiedas de ocro e de praia'nacle&aes
Alaa-se o sobrado de um indar da ra de e mw^< p ra da Cadeia do flecife o. 16
S Pedro llartyr eoQ Olinda: tratar na ruaj
de imperador n l(i, 2." andar,
armazem de Adriano, Ostro & O
Comprare orna ca9a terrea tiua e
travessa .do Ouvidor.
\mMmmmmmmmmmi
Compatihia fideli Jade de seguros
martimos e terrestres
establecida no Rio de Janeiro
AGESTES EM fERNAMBUOO
AttUnio Lhsi de Oliveira Azcveo & C.
competentemente autorisados pela
direotoria da companbia de seguros
Fklelidade, tomam seguros de na-
vios, merca dorias e predios no seu
esenptorio roa da Cruz ni.
mm uuui|r'3D uuid tflaoirnua vxt V ti J\'iy fTi'3-
" lerna, em boa roa : qoem ver para vender *4-
r;*-?e a botica-na praga da Boa-vista 32 ou ac-
Miele.
Libras esterlinas.
Comprara-se coai bom premio : na pra-a da ia-
depoadoncia n. 22. _________ ____
Relias de ouro.
Naoiooaes e j* *ugeiras assim cosao libras
i esterlwas : cam^aB-se na ru< do Crespa o. 16,
i pnmetf i andar.
>-Jiapra-se onro e praia
i na Drara i IodepeutteCwi a.
em
22.
obras vdhas
t
O abano assigoado tendo tratado a- cumora
da botica na ra do Imperador n. 38 com o Sr.
AoWnio de Souza lilya, aotorisado pea Sra. 0.
Anm Mara Manir, assitkp faz publico para qne
qualqoer interessado em dita iransacgo nao alle-
gue ignorancia, e se aprsente ao praso de oito
das oa mesma botica, eolender-se tanto com o
vendedor como com o comprador, para avilar toda
a peodoncia futura a refpeito da referida compra.
Becife 27 de setembro de 1867. Firmino Anto-
aic Sooto Maior Raposo. ^___________
Lava-se e eogomma-se com perfeijo, e por
menos pn-gi qae em ontra qaalqaer parte : na roa
do Rosario4a Boa-arista n. 47.
Ama.
P/clsasealagar ama ama, para comprar, cosi-
libar engommar : na ra do S. FrOdseo n, 5i.
Preelsa-se de a.m forneire de primara da-
se para paaria: oa roa do Caing D, 14.
MECAS
de ourp e prata
Coapram-se moedas de oaro nacionaes e estraa-
geiras, bem como pataedes dos diversos ennhos :
emcasadoAdamson, Howie&C-, roa do Trapi-
ebe-nove b. 40.
Ouro e prata
Moeda da oaro e prau nacionaes, estrangelra,
de todos os valores, ? compram na loja de oori-
ves junto ao arco de Nosea Senbora da Coaceico,
roa da Cadeia do Recife, assim como onro e prata
em obras vellias, brilhantes, diareanles e fe paga
bem.__________ _________
C>rapra se por mais doqneem ontra qual-
quer parte, prata brasilera e estrangeira, libras
esterlinas, moedas de 95. 164 portoguezas, de
o*, 105 a J0 brasilelras e >e trocan sedlas
das calas fllia#s do Banco do Brasil : pa ral da
Caiia do Becife p. 58, loja d9 azulejo.
Vinho fino lo Portx) en-
garrafado.
Vende-se de mui excellente qualidade por^o
di.'o prerii s-m ralxas de 12 garrafas : no arma
mez de avid Ferreira Billar, ra do Brura d. 66.
Cal de Li boa
No armazem do caes dt alfaodega b. S ha para
vender superior cal no"a, marca TM, ebegada ba
das na baa portogteza Gralidao, a preco de
105 barril.________________________________
(vregameato de borros
Est'io a' venda oa ra da Concordia, no terreno
dyfronie do antigo armaz ;m do s >l, os maiores e
melhores burro< que tm vindo a Pernambuco, os
l-aa^s se vend-m barato.
Um moleque
Venda-se um molfe^ji de bonita finura, rreprio
para copeiro, do que tem pratica bastante, mullo
esperto o robusto : para rer e tratar na ra do
Hospicio n. li.
Cabrloiet
Vende-se por mdico pieco um cabriole! de cen-
tro rod-s com 4 a-s ritos : para ver e tratar na
roa do Hospicio n. II.
Fede^oso de Pernambuco
A planta, coobecidi entre nos sob a de-
nominacao (! ftdegosti, e no Rio de Janeiro
o provincias do su i c este imperio pela de
crista de gallo, o liaridium uUlissimim
ou Uartdium elonaalm de Schua, e o Ae-
Itotropium curaisaditm de Mart., pertence
familia das boragineas.
O fedegoso consiu erado, na tberapeuti-
ca peroambucana, cerno urna das plantas
mais recommendaveis por suas virtudes cu-
rativas, e appcado nterna e externamen-
te, como calmante do systema nervoso, na
paralysia, asibma, losee convulsa eti coque-
luche, tosses rcenle.* e antigs, suffocagdes,
catarrbos pulmonares, etc., e em geral con-
tra todos os snirimenus das vas respirato-
rias ; sendo nm ex< elteate unitivo para
aquelles que padecem de pbtiica pulmnBar.
Sua efcacia contra o ttano ou espasmo
incoatestavel, e nieguen ba que a desco-
Bbeca.
Nao ignorando ruis (< que acabamos de di-
zer, e esforcando-nop pur ser til bumanida-
de soffredom. prepranos o que abaixo indi-
camos, pondo a disposicao dosdistinetos m-
dicos, e ros doenles d* sta e das outias pro-
vincias deste imperio, nossas preparares,
^jue sao: *
ULULAS, TINCTURA, XAROPE E VINHO
DE FEDEGOSO
Inico deposito
Pbarmaoia de J. A. Pinto, roa larga do
Rosario n. 1.
Alcatrao do gas.
Os fias a qae pode ser applicado, sao anda pos-
eo condecidos no Brasil : na Europa, porm, as
vantageo* do alcatrao do gaz slo bem patentes e
presenciadas. AH>, eropiegado como agente pre-
servativo de madairas,ferio, etc., quinto ezposta
a aeco aimospberlea, oo da agoa doce oa salga-
da. E' asado, ainda com preservativo da aeco
destructiva do cnpim e outros jnsectos, e evita qae
a bomidade penetre em coalqeer compartimento.
Serve, aflnal, nao s como veroiz para ancoras de
navios, correte?, alvarenitas e barcadas, madeira;
de coostraccio, mas aia la como poderoso e ex-
cellente desinfectante.
A' venda por atacado, n i escrlptorio da emprea
do gaz n. 31, roa do Impe ador, a recibo somante
no armazem da Bp|l8-araa('e!la, do Sr. /eropyme
Gome? da Ponseoa.
timento de obras solidas, bem construidas e
a precos rosoaveis, como sao alambiques,
serpentinas, taxos, passadeiras, repartidei-
ras, escumadeiras, cocos, candeias, e muilos
outros ntenc'lins prapnos para engenlios,
1/2 palmos | como sejam mancaes de bronze, parafuzos
para roelas de agua e outres.
Cavilhas, machos para lemes, pregos de
todos os tdmanbos e para o turro de cobre
de navios.
Aprompta-se tudo quanto diz respeito as
obras de latao torneadas e polidas com toda
a perfeicSo.
Vlvulas para tanques de banbo, lorneiras
de todos os tamanhos e qualidades, assim
tomo todos os ornamentos para militares,
botoes para farda, aparelhos para barretina,
nmeros, espheras, espadas, cornetas, alam-
padas turbulos, caldeirinhas, navetas, almo-
farizes, perfumadores.
Obras de folhas de flaodres de todas as
qualidades, bahs, bacias, bules e outros
utencilios domsticos.
Lampioes para gaz para engenhos, folha
de flaudres em caixas, folbas de cobre e la-
to, tubos de chumbo para encanamentos de
todas as dimencts, folhas de zinco, estanto
em barras e verguinha, lancees e barras de
chumbo, vidros Onos psra espelhos, deco-
res, bordados, e opacos, e outros para vi-
dracas, diamantes para corlar vidros, cadi-
nhos ordioarios e de patente, rea para mol-
dar, fulles para ferreiro lavatorios com ba-
cias e jarros, trra podre e outros nmeros
objectos proprio de taes estabelecimeutos.
Sendo todas as obras inspeccionadas e
futas sob a direcejio do socio aJministiador,
JosTBaptista Braga o qual se acha de novo
especialmente incumbido da gerencia de tao
iuifioriai.ie estabelecimente, isso urna ga-
ranta pela sua tonga pratica, que tem os se-
nhotes freguezes de que sero servid >s a
contento, com prompliuoe preco ,commo-
do, pe'.uqueos propiieiarios Ibe sero agra-
decidos.
351
Boa pin#a do Douro,
Chearam barris do quinto com puro vinho do
Douro gHranlindo se que nao tem conftiQo al^u-
ma ex^epcao de um bocadinho de agurdente
que Un- boram pnra poder resistir a viagern,
neste genero o melh.ir que tem vlnde a este
mercacio, muito proprio para o^ar ms hora' de
comida u vende se por pre^o em conta na loja e
armanm do Cavo ra da Imparatriz n. 60, de
G^ma A Silva.
Kua do Imperador n. 3.
Borzeguins para bomem...... 65000
Ditos Gitos. ........ 65000
A ttencao.
Vende se na ra das Cinco Ponas n. 82, latas
com 4 libras de doce fioo o meloor que pode ln-
ver nesie genero e tambem tliiga-se urna escravn
Para saias a ij u280 e 13500
Chegou para a loja do Pavao urna grande
porco de novd fazenda branca especialmen-
te para saias, tendo a largura a altura suffi-
ciente de urna saia com um bonito bordadb
de um lado ou urna bonita ordem de pregas
de forma que cum 3 1|2 varas se faz urna
saia de um s panno, e vende-se pelo barato
preco de l&, l28o e l5ooo rs. a vara; na
loja e armazem do Pavao ra da Imperatriz
n. 6o de Gama & Silva.
Vestidos brancos e de cores a 4s5< 0
Veodem-se bonitos cortes de cambraia
branca com bonitas barras bordadas assim
Como com barras de cor pelo barato preco
de 4aoo rs. na leja do Pavo rna da Impe-
ratrie n. 6o de Gama & Siha.
Xova- I;reges de sed a -too rs.
Chegou urna grande poic3o de lindissi-
simas b reges de seda com os mais delicados
gosios sendo fazenda muito propria para
passet'is, partidas, etc. Veodem-se pelo ba-
ratissirao preco de 4oo rs. o covado na loja
e armazem do Pavao. ra da Imperatriz n. Uo
de Gama Silva._____________________
Riquissimos livrinhos com capas de tar-
taruga para missa.
Riquis>imo lbum com capa de tartaruga.
Porta jotas, dedaes e relogios e neste gos-
to urna infinidade de objectos.
Vasos, calungas e palliteiros de porcelana.
B> ecas que cbamam papai e mamai.
Finissimos lencos de cambraias de linbo
meo disticos.
Caixinhas com perfumaras.
Bengalas de canna com lindos castes de
marfim.
Riquissimos enfcites com coques e sem
elle iuteiramente n vida le e ultima moda.
Lindissimns cintas para senhoras.
Fivellas lindas de muito gosto.
Lindos port-bouquetcom cabo de madre-
perola proprios para casamentos e bailes.
Riquissimos leques de madreperola.
Lindos leques de sndalos para senhora.
Ditos de sndalos para meninas.
Ditos de sndalo tendo no centro um qua-
dro de seda, ultima moda.
Leques de f? as muito lindos.
Ditos de ossos.
Lio ios pentes de tartaruga, massa e outras
muitas qualidades. '
Luvas iieiouvin. inteiramente novas, bran-
cas, pretas e de cores.
Ditas de seda.
Meias de seda e algodo.
Lindas trancas pretas e de cores cim ve-
dilrho e sem elle, assim como lindissimas
guarnices para enfeilar basquines e botes
para os mesmos.
Lindos indispnsaveis para meninas das
escolas.
Bengallnhas para meninos.
Suspensorios para meninos.
Lindas touquinbas e sapatinbos ricamen-
te enteitados proprios para baptisados.
Meias de seda para o mesmo fim.
Muito boas escobas-para dentes, chapos-
roupa, cabellos, unlias e para limpar pentes,
Superior linbas para crochet.
Agiilhas para o mesmo fim.
Lindos agulheiros e dedaes de madrepe-
rola e marfim, assim como de metal.
Lindas guarnicoes de botes, tespara oole,
punhos e colerinhos.
Ricas capellas para noivas.
Meias de seda para senhoras.
Superiores thesouras para unbas, costura
e cortar cabell, etc., etc.
Suspensorios de serla para bomem.
Ditos de algodo para hornera e meninos.
Finos aderecos pretos para luto.
Grande sorlimento oe finas perfumaras
dos melhores fabricantes at hoje conhe-
cidos.
Grande-sorlimento de fitas de todas as
qualidades.
E muitns outros objectos que impossiyel
seria menciona-tos e que se encontrarlo na
loja do Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Grosas de botoes de madreperola para
camisa a.............
Cartilba de dontrina cbnsta a .
J,atas com superior banha a......
Quadrruos de papel pequeo superior a .
Duzia de baralbos francezes superior .
Gri'za de phosphoros moito superiores .
Oxts a retalho do mesmo*.....
Caixas de, phosphoros de velllnha ciiotendo
500 vellinhas mnito superiores a .
Reamas de papel altnaco moito superior .
Resmas de papel pautado sap-riur quali-
dade...............
Dnzias de meias para bomem.....?5*
Duzias de meias craas moito superiores
Chocolate de i*ebrlere
purgativo de magnesia.
E' o chocolate de desbriere o rne'tmr purgantt
at acora conbecida e de grandH sceiiaf&o em Pa-
rs, onde tem sido mnito apt'iicad i ou bo-pitai
Hotel Dien pelos professores Taubseau e Pidoux
com o melhur ie-o liado.
Por sua accao laxante purga -em U igar o esto-
mago e os intestinos, e aprsenla ptimo* resulte-
do> como dorivatlvo, abrovente, an.-tivernoso, re-
frescante e depnrati-.o.
UkjiosIo esppeial
34Ra larga do Rosarlo34
Botica de Bartholomeu C t
li ttmmm mmm mm*
m
Vende-se oa loja di praca da
Independencia n. 39.
Capellas mortoarias para serem enllocadas em
tnmbas, catacumbas e sepulturas no cemiterio pu-
blico para o dia 2 de Bovembro (uadas) das es-
crircoes aagoin; s:
Meo paf.
Mmba mai.
lien esposo.
Mmba esposa.
Meo Gibo.
Mmba Alba.
Saudades. H
Urna lagrima.
Amlzade.
Mea-amigo.
Mea irmo.
Mmba irma.
Na mesma loja lambem tem
marmore obra prima.
capillas de pedra
Coxelra.
Vende-se a coxeira de carros de alngnel sita a
roa das Plores o. 35, mnito bem afregoezada tan-
to na praca como para o matto, veode-se por nm
do* socios se qu rer retirar: p?ra tratar na
mesma.
Vinho superier em caixas de urna duzia e
tem ora vender Antonio Laiz de Oliveira Acve-
0o di C., 09 m espripiorio ra da Groa o. 87.
Grande hiznazem de tin-?
tas medicameDtos ete.
Roa do Imperador u, 22.
I Productos chimicos e pharma-
[ ceuticos os mais empregados em
[ medicina.
Tintas para todo o genero de pin-
I tura e para tinturara.
[ Pro'ductos industriaos e tintas
i para flores, como botoes de dures
I e modelos em gesso para imitar
5 fructas e passaros com o compe-
I tente desenho.
i Proluctos chimicos e industriaes
J para photographia, tinturara, pin-
tura, pirotecnia etc.
Montado em grande escala e sup-
prido directamente de Paris, Lon-
dres, Hamburgo, Anvers e Lisboa
pode offerecer productos de plena
confianca e satisfazor qualquer en-
commenda a grosso trato e a reta-
lho e por preco commodo.
AGUA FLORI
cismo MUES
Grammatica nacional.
Sexta edicao
1*000
Livraria fraoceza.
GRANDE
Tendo de se liquidar a loja de calcados da rna
do imperador n. 32 :
Rorzegui~>s de Melli......
Ditos de Suzer.......
Ditrs de diversos fabricantes. .
^apatfles de bezerro Suzer.....
Boizegums para meninos e meninas.
Ditos ditos ditos. .
Borzegains de lustre para bouens
(Suzer).........
SipatSes Melli. .
Bo zegnins corda va j. .'..-..
Bolas para miniara.
Perneiras e guarda lama.
Sapatos de tranca para meninos. .
Sapatos de coaro de lastre com salto
para senhora. ......
lUOOi
8*000
8400(1
34 00
34BW
24000
740C0
7JQ00
84000
iSOOO
24000
Farinha de ni? n d i oca
Vende-se travesa da Mad-e de De^s n. 14,
mazem de Candido Alberto Sodr da Motta.
ar-
Para noivas
A loja do Passo acaba de receber riquissimos
cortes de blonds para noivas conlendo cada corte
apella, setfm Icaoco para saia e om lindissimo
veo. tudo de moito gosto e da ultima moda de
Paris, estes cortes ja vero aliohavados a gosto do
molde, qae tem de servir notando somente agei-
ta-lo ao corpo da senhora que tiver de fazer ns>
delie, cuj'js sarvindo unieamenie para nm acto
to bfHbante, o proprietario deste nevo estabele-
cimento est resolvido a vende-los com nm locro
mni razoavel, isto s na loja do Paso roa do Cres-
po n. 7 A, esquina da do Imperador.______
Vende se om molatinbo de idad de 12 ao-
eos, linda figura, bom copeiro, habituado ao servico
de casa, sem vicios e bem educado : roa do Hos-
picio defronte da casa em que Coi o gymoaslo na
penltima casa junto ao eaual; o preteodentes
podem ir vello das seis as aove acras da njanoa,
' li tres as seis da urde.
MURRAY & LANMAN
A agua florida de Murray & uanmano
libada como um artigo de perfume, nao
tem podido ser igualada pelas preparacei
as mais custosas: conserva seu aroma, co-
mo se formasse parte da prenda a que ella
se applica.
Sua eficacia tao delicada, como elegan-
tes sao seus multiplicados usos, qur seja
empregada como artigo de toucador, qu:
qo uso do banho, ou como suavisador da
pelle, depois que se tenha feito a barba.
j para limpar as gengivas on aromatisar
hlito.
D suavidade, brilho e elasticidade ai
compleices, depois de se bavnr lavado; a>-
livia a irritacao de erupces ordinarias; fai-
Jesapparecer o desagrada vel aspecto do
pannos, das sardas, do rosto, rugas e toda
casta de ebulices, e d vigor e frescurr
parte onde qner que se applique. Sua em-
ciencia e elegancia sao igualmente tnfalli-
veis nos casos em que seja preciso appbea-
la como estimulante e antisptico, nos con-
cursos e assemblas numerosas, as loca-
lidades infeccionadas, na alcova de om en-
fermo, assim como um antidoto eicellen-
te para os desmaios causados por cansaee
on soffocacao. Preparada nicamente por
Lanman & Kemp, Nova York, e a venda por
Gaors & Barbosa.
Joao da C. Bravo &3G.
A' venda as drogariaa.dfl A. Caors, Br.i-
vo & C. e P. Maurer & HSm em todos os
estabelecimentospharmacentcos do imperir
Terrenos
Antonio Betelbo Pinto de Mesqolta contina a
vender terrenos no seu sitio do fando, antes d-
chegar em Bsberibe, abrindo urna estrada ao me
mo sitio, que a travesea o rio de B>-heribe, sfgners
do eooaoameeto das agnas qae vo (oriecer em
Olinda; no mesmo sitio achara' com qo>ro Iraui,
nos domingos e das nteis, oo no Recife, rna da
Cadeia, loja de fazeodasD. 34 A.
VENDE-SE
Motores americanos para dous cavarlo?
Dito dito para qaatro cavados.
0MiCbA*,o5ar*.^8Mro*r *lodl **. -
18,20 30, 3o e 40 serras.
Prencas para enfardar algodo fazendo os sar-
0" cotSA Da,n,os de comprimento com o peso dr
130 e 200 libras, viadas ltimamente da Ame
no armazem de Henry Forster & O, no cats Pe
tralii. 2 junto ao Gabinete Portoguej.
*1
------------------__
!
MUTILADO


tarto de P<.rnamHue ... tjuara felra 9 de OaUabro de 1867.
RA DAS CINCO PON "AS N. 86
AO GRANDE AEMAZEM
DAS
Sempre barato
Vende-fe mel
Ao respe itavel publico pernambncano pede-se
mantelga re
Ingleza Or a 10, a libra e a 5oo rs. soffrivel e propriapara tempero a n>
dem franceza a 56o rs. a libra.
De primeira qualidade a 208oo e proprio para negocio i(56oo a libra.
Blseottos
Ioolezes pearl, nicnac, oval, cracoel, e outros saperiores a 10loo a lata.
Figos
A 24o reis a libra.
- Cometas
De milbo branco aioarels a libra, de ararnta verdadeira propria para alimen-
tar enancas a Soo reis a libra e caxinhas com 4 libras por menos, gomma do Maraouao
a (6o rs. e tapioca sag a 24o a fibra.
Chocolate
Superior a 1& a libra. .
Doces
Atenco
laBteiga ingleza
20, 500, 8 16 no armazem se acha vista.
Mantei#a francesa!
em Horas 560 e 640, em barris se far differenca.
Banha de porco
em libras 320 e 380, em porcSo se far differenca.
Fructas
em calda Pera, Pecego, Rainha Claudia, AJpeno e ootras muitas 50fce 640 a lata.
ErrlBhas
Portuguezas 640, fra acezas 900.
Fumo
em latas do Para e de albaneqae, lata t# e 15200.
fiomaa de inllho
em pacotes, dita da trra 100 e 200 a libra.
de Bordean* em caixa a duzia 5$, garrafa 500, dito de 85 a duzia, 800 a garrafa, dito a
MEL
a ra do Ap jilo o. 4.

HURMlCU
DE
Joaquim de Almeida Unto
A jurubeba contra o ingorgi
lamento do figado e do bago
Em extracto alcoolleo, emplas-
tro, oleo, tintura, pilulas,
xarope e vluho
woces de Boraeaux em caixa a auza o, garrafa 5UU, ano ae o? auiu, owa .., -~ -. :nrnhpha m> a.,. ,nhstanrias medi-
De goiaba em latas a 105oo em caixa de 4 libras, moito fino a l3oo, em caoes 14| duzia>, 2(W a garrafa, dito do Porto a ** ^^^^^'^um^^ pertncem ao reino "ge-
is a 5oo e 32o. como flgoeira eanada 30800 e 40, puro J A A Lisboa 2,5(800, 3* e 30500 a qualidade v

de 2 libras
Pelxe
Em latas a l^ooo reis a libra, sortido em qoaidades.
Ostras
America a 8oo rs. a lata.
Baldes e Tassouras
Americanas a 8oo reis cada peca.
Tonclnho
De Lisboa a 320 reis a libra.
Tomates
Em latas a 6oo rs.
Sal
Refinado em lindos postes por 5oo rs.
Rlrshs de Wasser
A 2;5ooo a garafa.
Vermouth e Abssutho
A1 05oo a farrafa.
Bltter
A l^ooo a garrafa. .
De bordeaux superior, Saint Estepbe, Saint Jalien, Saint Emie a 70oo a duzia
64ors. a garrafa.
Vlnho
Do Porto fino a 14ooo a duzia e Itfooo a garrafa e magnifico tambera a em Dar-
ra a 8oo a garrafa.
Dnqne do Porto
Adamado e outras marcas a 9oors.a garrafa e 1$ a duzia.
vicho da Ftguelra
0 que ha de melhor a 4)J, a caada de Lisboa a 30 e 40 a garrafa.
Vinagre
De Lisboa a 2oo e 28o rs. a garrafa.
Farello de Lisboa
Saceos com 9o libras a 405oo.
Cerreja
Franceza em gigos de urna duzia a 65.
Ingleza
Bass verdadeiraa......T. ,e Victoria e Alssop a 5oo reisa garrafa
como flgoeira
convida.
Caz
em lata de 5 gales a mais pequeas a vontade do comprador, em garrafa.
Alpiste
140 e 16 (ka libra, painco a 100 alibra.
Azeltc
em garrafas a 800 e 15.
CHARUTOS
em caixa de 50 por 13, ditos Delicias, Trovadores e Parisienses em caixas de 100, ditos
da Expsito caixa B& ditos de Regala caixas com 100 a 25500 e outras muitas marcas
que sna presencado compradores.
PREZUNTOS
de lamego em barril, ditos de fiambre o melbor que ba no mercado por preco que faz
admirar 11
DOCE DE GOIABA
caixoes de 560 fino, ditos de 15500 que parece marmellada, dito em latas muito fina
qualidade a 15200.
BOCETAS
com doce secco a 15 < 25.
QUEUOS
do Alentejo em latas chegado pelo vapor Oneida, ditosFlamengos e Pratos dos mais novos
que ba no mercado.
AZEITONAS
*-*
de elvas como no mercado nao temos a 15 a lata, em barris do Porto a 45 como nao ba
melbor.
BRQU
Em liquidadlo.
:> jimic luUill H *rewN, btetutaoMM* ira que otro te* niiiim aaoiUve. Venden
* prmctpn bore* moaa*. (Bilf mi1i|H A) aa), (M M atfWiaat.) tui, em tu
fe >.*. !, ttiwH >!>. I.
0 proprietario dest ;s dous estabelecimen-1
tos tendo muita fazen( a em ser e desejando j
liquidar para vender mais barato que pos-
sivel na ra da Imperatriz lojas e armazens
da Arara, ns. 56 e 72.
Alpacas a Jmascadas para vestidos de senho-
ras 500 a 720 rs.
Roupa feita nacional.
Vende-se calcas de casimira a 55, 65 e
85, pretas ditas le meia casimira a 15600
e 35, ditas de brim parlo a 15600, 25400
e 25500; ditas brancas de linho a 35500,
tal, e pertence a classe dos tnicos e desobs-
truentes, sendo empregada com vantagem
contra as febres intermitentes acumpanbadas
de engo gitameo o de figado e de bago. Ella
tem sido applicada com incontestavel pro-
veito contra a anemia ou colorse, e hydro-
pbesia, catharro da bexiga, e mesmo para
combater a menstruac^o difficil, resultante
da mesma anemia ou cblorose.
Depnsilos genes
Em Pernambuco, ra larga do Rosario
o. 10, Rio de Janeiro, pharmacia dor.
Dfturado, Rio Grande do Sul, em casa dos
Srs, Casco & C, Macei, pharmacia do Sr.
Claudino, no Havre, pharmacia de Mr. Ma-
rical, em Lisboa, na pharmacia do Sr. Feij.
Francisco Jos Germann
RA NOVA N. 21,
acaba de reeeber um lindo e magnifico Mr*
tmento de ocalos, lunetos, binocalo, do ul-
timo e mais apurado gosto da Europa oca
los de alcance para observaoSes e,para
maritimos.
Fundico a" Aurora em
Santo Amaro
Completo portlmentc. de Ulxas batidas e tana
das, alambiques de todos os amachos e fondos As
ditos, raoeod is de lodos os tamaobos de sopenor
qaalidade, erlvos e boceas de foroilhi. o que todc
se vende por coro modo prego.
Vapores.
Vende-se em casa de Sanuders Brothers 4C,
o largo do Gorpo Santo u. II, vapores patentes
om todos os pertenees proprios para farer mover
es na qaatro macbioas para desearocar alfodio
ir
^Pharmacia especial humeo-;
jjg patblca da Dr. sabino 9.
S li. Plnho.
Cha de 1* sorte para oso das
sK pessoas que se tratam homeopathi-
camente.
M Vende-se em pacotes de libra a
B 35200 rs. .
Ra Nova n. 43.
0 ordeiro providente
Na amiga loja de miudezas a ra do Quei-
mado n. 16.
O cordeiro providente se ofaoa de ter o sea ap-
pareciminto no sempre memoravel dia 7 de se-
tembro. Elle caraprimeata ao re-peitavel publico
em geral e a cada um eidadio em particular. O
cordeiro previdente nao se mtromeitera' ero eslra-
nhos e albeios negocios, restrlogindo-se apenas ao
qae diz respeito a miudezas em cuja amiga loja o.
16 a roa do Qaeimado permaaecera' esperando
de todos saas faltosas protecg5es observando elle
alm de sua costumada mansido, condescenden-
cia e agrado. Na loja do cordeiro previdente en-
cootraro os pretendentes sempre e constante-
mente completo sonimento de miudezas, finas per
TEB9ADEIS0 1E R >Y
de flGNOBIT,
Ru d So i no,
rxc*ur-- 61. A PARS.
j
1
BS3 o o *' '"t \
1 >- Sr f
C ( fc a
o
Z. v.


ti -.
QV
.-i
V
h,.;

tm rad.i garrafa, ai, rn!r' i r.j;n o ,-*eti
que leva o meu llactr, um ri4if!t) .^ :r"V> *-
reliocum O 3ILU) I.uit oo fa.r n, ..,.r i
>' H rmri- .
,.i u ... 1 I
DQeiBMIutClN ,:^'
ET PrlARMACIES
...
c-. peni
45 e55: palitots de casim ra preta 6 de CO- fumarias, luvas de pellica, objectos de moda e
res a 55, 65, 85 e 105 ; patuts'de meia pba&usia e outros muitos que enumera los se tor-
Vende-se alpacas de assento branco com'casimira a 35, 35500 e 45: palitots de ai. n;|a nfadonbo, noundo-se> entre elle, os que
^JJ&J^+B&J&S!P? de <**branca a3550e 45: palitots|%S&S!" t0dS*""**'

I
a
PREPARARES FRREAS -IA161KICAS
APPROTAS1S PBLA ACHPB1IU DB VBDICIITA
DE BURIN DU BUISSON
fkrautntic, Inrwdt seb lcadenia de luciu s fart
0 eminente professor TaoMSBAO, na nhirna edicto de sen Tratis d$ Thtra-
peutiea Materia medica, reconhece qae os ferruginosos simples sSo muas
vete ineficazes para curar as molestias qne teem por causa o empobrec ment
do amague. Muitos mdicos dos mais dis ti netos attribuem esse m o xito k ansencis,
n'essw preparatSee, do mmganese, que se acha no sangne, como o tem reconbscido
os chimicea os mais peritos, sempre intimamente unido com o ferro. '
B' pois, prestar-se um verdadeiro servco aos S Mdicos, o chamar-se ana attencSo
sobre as preparacbes segniates.
Io PflS foPPOs mitirtoriioftc dando immediatamente urna apta, acidnlada,
T erim UiangaUllOS ?aZ0M, lgradavei, substituindo com vantagem
eeoMSfiia aa aguas nineraes ferruginosas.
2 Plalas e Xarope de iedureto e ferro e de manganese inaltemeis
eontendo cada ama cinco centigramos de iodnreto de ferro manganico indicadas
partieolarmeate as molestias Tvmpbaticas, escrofulosas, e as chamadas esa-
rosas tabercnlosu. %,
raceitadas especialmente
para a chlorosis, a tac-
na, a leucorrhea, a ame-
norrhea. A iadicacao de
alternar estas das prtparaeSes d os memores resultado*.
0 Baria da Buisson desejando obtar a adhetto oorapleu do pnbllee medica a
crea do valor de saas preparaedes, previas qae elle u pe fratuitameiMe a saa
dispouoia, dingendo-te;
!tePrisaii^, a sea agaate e^l,!Uraff^
para vestidos de senhoras a 500, 720 e 800 de brim decores a 25500, 35 e 25: serou-'
rs. o covado ra da Imperatriz lojas da Ara-' de algodosinho de linho a 15600 25,....
r2, ns. 56 e 72. 25500: ra da Imperatriz lojas da Arara
Ditos 160 o covado. ^ ns. 56 e 72.
Vende-se ditos em retalhos a 160 r's\o Organdis de cores a 640 rs. a vara.
covado, ditos em peca a 200 rs. o covado TI Vende-se cassa organdis de cores a 640
retalhos de caca preta a 120 o covado: re- v| 720a vara:, talatana de cores a 8')0 rs. a:
talaos de caca decores a 200,240, rs. o co- jara: ra da Imperatriz lojas da Arara ns. |
vado: retalhos de I5a< tahas a 160, 200 240 S e 72.

avoesi v vuvvituiujeo
Brfes de lclalo de (erro e de manganese
Pilulas de carbonato frreo manganico
^BU
M flat 'M aoa' ooaaa>; asssi ass> ^P^*^
,
Veade-se na pharmacia de P. Maarer i C, raa Nova.
jar.i
Vnidosortiaunto de modernos chapeos e chapellnas de seda, de fil e de palha de Italia,
ni ira e menina.
Suporlores tiras, bordadinbose entre melos bardados em cambraia tapada e transparente.
Ka leja das columnas a raa do Crespo n. 13
DE
Antonio Oorreia de Vasconcellos & Oompanhia.
rs. o covado: ra da Imperatriz lojas da
Arara ns. 56 e 72.
Brim pardo transado a 560 rs. a vara. .
Vende-se brim pardo com peqneno toque
de mofo a 560, 640 rs. o covado: ra da
Imperatriz lojas ns. 5i) e 72.
Lazinbas a 200 o covado.
Vende-se lasinhas para vestidos de se-
nhora a 200, 240, 280, 320, 340 e 400 rs.
o covado : na ra da Imperatriz lojas da Ara-
ra n 56 e 72.
Chitas francezas largas a 240 rs. o covado.
Vende-se chitas francezas largas a 240,
280, 320 e 400 rs. o covado: ra da Im-
peratriz lojas da Arai a n. 56 e 72.
Mosambique a 400 rs. o covado.
Vende-se mosambic ue com palmas de se-
das para vestidos de senhoras, a 400 rs. o
covado: e vareja de I stas para vestidos de
senhoras, a 280,320 rs. o covado.
Sedas escosseza coa quadrospara vestidos
de senhoras, a 280 3'.50 rs. o covado: ra
da Imperatriz lojas da Arara ns. 56 e 72.
Arara vende a > saias 35500.
Vende-;e saias bordadas para senhora a
355b0, 45, 65 e 75, s lia balo ou cri.olmas
de arcos a 25, 25500 35 e 35500: ra da
Imperatriz lojas da Arara ns. 56 e 72.
As sedas di Arara 15-
Vende-se sedas de juadrinhos e com lis-
tas a 15, 15200, 10600, 158U0 e 25, o co-
vado: papalinas de se la com palmas saltos
para senhora a 156(0( 15800, grosdenaples
de cores a 15800 e 2, dito preto a 15600,
15800 e 25: ra da In peratriz lojas da Ara-
ra ns. 56 e 72.
Madapollo a 45000 a peca.
Wende-se pecas de madapolao com 20 va-:
ras'-a 45, 55, 65, 75, 85 e 105: ra da!
Imperatriz loja da Arara ns. 56 .e 72.
Casimira emfestada a 15 o covado.
Vende-se casimira eofestada de duas lar- do sortimento abaizo declarado
guras a 15, 15600 e 35 o covado panoo Q-! Collares eletrics magnetos contra
no preto a 15600, 25, 25500, 35 e 45 : ra s r!
Albuns de diversos lmannos e qualidades para
retratos.
Chaposinbos e sapatiohns para baptisados.
Coques simples e enfeitados.
L "i i. de sndalo e outras qualidades.
Vultas de reiroz com cassoletas obra moderna
Glliobas e punhos para senboras.
Bico de linho a imitaban de do palz.
Carairas com fin is agulhas.
Modernas cbap9linas e enfeites para senhoras.
Liohas para crochet.
Laa para bordar.
Finos espariilhos para senhoras.
Leqii"S de dlvprsos goslos a li.
O cordeiro previdente.
A ra do Queiroado n. 16.
Venie os seguintes oojectos constantes do vara-
as convul-
Deposito na pharmacia de P. Maarer
C. em Pernambuco.________________
GAZEOL
DE
Burrin du Buisson
Liquida vnlaiil preparada por Smlluse, repro-
dozindo chimbamente os vapores que se soltaa
em volta do aparelho purificado do gaz carbnico,
empreada com o mais seguro soccesso contra
a coqueluche, a phtisica e todas a. molestias coro-
nices dos pulmoes
VESOE-SB NA
Botica c drogara
JBartboIomen 4c. C.
34Raa larga do Rasara34
Paris, jgjjjji, VivleneT^"
SU
DAS BNTF.KH1DADA
da Imperatriz iojas daArara ns. 56 e 72.
Algodosinho a 35 e 45 a peca
Vende-se algodosinho a pecas de 35, 45,
55,65 e 75 a peca ra da Imperatriz lojas
da Arara ns 56 e 72.
Bramante a 25400 a vara.
Vende-se brammte de 10 palmos de lar-
gura a 25400 e 25500 a vara: ra da Im-
peratriz lojas da Arara ns.- .56 e 72.
Algod5o entestado a 15 a vara.
Vende-se algodo enfestado de duas lar-
guras a 15 a vara dito transado 15280 a va-
ra : ra da Imperatriz lojas da Arara ns. 56
e 72.
Cassa franceza a 240 rs. o covado.
Vende-se cassas de cores para vestidos a
1.240, 280 e 320 o covado, vendes-se cortes
de cambraia de cores e com barras a 25500,
35 e 35500: s as lojas da Arara, ra da
Imperatriz ns. 56 e 72.
Cortes de 15a de i 4 covados a 35.
Veude-se cortes de laa para vestidos de
senhora com 14 covados o 35, 35500, 45,
45500 e 55, vende-se cortes de calcas para
hmem a 800, 15, 1500 e 15600. colari-
nhos de linho para hornera 400 e 5f 0, ditos
de papel a 500 rs. a duzia, golinhas para
senhora a 200 e 320 rs. por estes precos as
lojas e armazens da Arara, ra da Impera-
triz ns. 56 e 72.
BOYO DEPOSITO
S
r
tA i)ESCAROCAR algodo
lanoel Bento de OUveira Braga.
53Roa Dlrola .53
^INeste estabelecimento se encontrarSo a
verdadeiras* machinas americanas chegadas ltima-
mente, as quaes s3o feitas pelo mais afamado fa-
bricante da America, por isso avisa a todas as pes-
soas qae precisarem comprar, de se dirigir a este
estabelecimento qae comprarSo das mais perfeitas
neste genero, assim como mais barato do qae em
oatra qoalqaer parte, por isso que se recebe por
coota propria> bem como cannosde chambo e moi-
nhos para moer milbo, e grande sortimento defei-
ragens e miudezas em grosso e a retalho.
Facas de cabo branco de meio balanco a ',5
a duzia. limas finas de todos os lmannos proprias
de trabalbo de escultura.
mm MENT do ir CHARLE, K PARS
Mocil so AVISO AOS DOE'MTES. te:!:^" --*.

rada, toroei Cu
beba, Copahiba
sob tedas at
Simias em opia-
to, cptalas,
eonfeltot, tsnho
dnio e nao eslou prado? sei ebusui de um graude numero de iiuscfAoas, qu pre^em
curar cm 4 dia*. i eslou aiuda mais doenles
UA MAIS 20 IVVOS
ou caro rndicalm inte sem reeshidas, Corrtmentot, feiuxa(o do camal Ctlmrrko 4$ !>
Perda teminaet, curando prinnira a causa virulenta inflammatoria 'sssas doeacu texoaes!
com algunis Tidroi do leu opubativo im aficcb. para parar estas afceeoea, eccar n
canal e loe tomar a dar Soa rigidez dou para acabar meu txeellente xaboph ao citiato be
KEimo et minha njeccao A cura radical, as sbnborcs para os luios knacas. tesuem
o mesmo tratasen o. (Veja-te a noticia explicativa.) ^ ^
40.000 DOENTES CURADOS
Verdadeiro trata oeste depurativo do eangue. At kerpet at me mvetaraiat, trrwptoet,
pruriot, tina, d aaat e affecpoet oenereat, bumoret, e todaa tiitoenca atterlo pnrtaa
wadat eat poseo tempe por meu XAaorc upcrativo do sanoob hwu
do taogoe to cu
baos mimkha a, SSOaSS MbDUKS bipd*ativai e miaba Pommad akti-datoa
Vejar-te a ira as traSar-M. A aotleu sae ss da graUt M deposite de
Beato*. Este tice late trtame* ai oatem mercarte tai tuperUrtdute a saa)
"ao ba aan ss ca i > gm farts. ssmii itaessi t mtsr Caasa s nr mrrttt~\imtu.
Voad-se na raa Nova n. 25, pharmacia franceza de
p. MAURER I C,
Bonitas abotaadnras para cohetes.
Coiarinbos moderaos.
Finas navalbas cabo de raarflm.
Escuvas macbeotadas e oatras qualidades para
roapa, cbapo e cabello.
Bonitas caias para rap.
Tiota azul e preta para escripta.
Dita preta para marcar roapa.
Fios caivetes para aparar peonas.
Lapis com canela de osss
Ditos de cores para desenhos.
Booitos tioleiros de louga e vidro.
Fitas para solo e voltarete.
Borrachas para atar papis e segurar panhos.
Dila para brinquedo de criangas.
Bolas de borracha.
Lindos maracaes.
Pasa offcras a hospital por-
tagnez.
Bonilas cestihas com fructas de cera, obra de
muita perfeigao e bom gosto.
Para cortar moldes e ei bruihar fazendas
Vndese papel pardo folba grande.
Para lastrar calcados.
Vndese soperlor grata econmica.
Vende-se papel para matar moscas.
A loja do cordeiro prevlrnte
Ba do Queimado n. 1(5.
Mella acbarao os pretendeutes om grande e va
riado sortimento de perfumaras finas, tanto ingle
zas como francezas, seu'lo :
Finos ettractos para lengos.
Baohas e pomadas para cabellos.
Oleo pbllocome e baboza para dito.
Pos bygienicos para dentes.
Ditos camphorados para ditos.
Opiata ingleza e franceza para ditos.
Pacotes com pos de arroz.
Vasos de porcelona para ditos.
Sabonetes para mi e barba.
E muitos outros objectos que sero presentes
ao comprador que se dirigir a ra do Queimado
n. 16, loja do cordeiro previdente.
Baotteijas ^quenas.
Vendem-se na ra do Queimado n. 16. loja do
cordeiro previdente.
Charutos
da acreditada fabrica de Jos Fartado de
Simas.
Vendem-se na loia do cordeiroVrevidente a rna
do Qoeimadon. lo
Vendem-se
qulnbentas pedras de amolar: a tratar com Jos
Goocalves Torres : na ra da Cadeia do Recife Da-
mero 1.
Cimento
Vende-se cimento Portland: no armazem de
Vicente Ferrelra da Costa & Fllbo, raa da Madre
de Dos n. 33.
DIS SRXAEJt, AS ATTV>
* .TP.KACOES DO SANGiri.
10.IKM> enrasdu impingene,
piutulat, herpe tana,
eomixoe*, acrimonia, e ti-
trrroet.vir.intas rtotnng*utl
rime, e nltrracoe do assb
li mercurio;. BtaaxHmCMSr*
irgeiaea BA.mxim ,j>\i n\rw iomao-.se d por semana, se-i::n.l..> o traeamenio Depurativo .
empr^^sidii ms aie*map molestias.
TSTS^^^ES Kmp 1mpeCitractode..
7] le '.HABLE, cora immed:.
> (ainenlei|ualquerr,
' S L' W 3 il rlaincao, e debilidad*, *
ualmenie os fluxoi e flore
branca* M ciulheres. r^P
jreRS-e com o Xarope i^Ciliocm de Ferro.
ESemerroida,. IV.uisda que as cura en iretdiaa.
POMADA ANTIHERPETICA
Costra : oas i/Tcccnet cutnea t eomixoe*.
PILULAS VEGETAES DEPURATIVAS
<: 3' ^Usbie, cada frasee iii asscmpahads as SS
fetuo.
fttfISO fiOS :'.:i. m :
pwyEqamjsi
-^"^ 'lra CMlnrrhna bus*)
ttervotai i 'tai hmn-
chtO t Itii- i* *w.Jk\nt
/- peito, \- i-i. 'i -('-n
una irolrir fhilc4n4r Mi-Ofm W KKGrT.
i>r. CUAULfii eiu i'trz. rus vhscBur. M*
ARROZ D^ CASCA
Vende-se em saceos grandes a 4#500 : do ira-
piche do Cuaba._______
Attengao,
Vende se ama mulata, a qu 1 engomma, eese.
cottoha e lava eum perfeico a tratar na roa da
Cruz d. 31, botica franceza.
Fundicoda Aurora
Taitas de ferro caado, beta sortimento o quall
dade superior
A venda aa pbarmacia de P. Maarer 9
e C, em Pernambaco._______________
GAZ GAZ GAZ
Cbegoa ao aotigo deposito de Heorji Fcrster A
C, roa do Imperador, um carregamento de gaz as
primeira qaalidade.o qual se vende em partidas
1 retalho por meos preco do qae em oatr* qaal
n'er parte.
Seds a 320 rs. o covado
Vende-se nm bonito sortimento de sedas de listas
que sempre se vendern) P'tr n.ut > mais diobeiro
e liqnidam-se pelo baratissimo prego de 3iO rs. o
covado, s para acabar : na loja e armazem do Pa-
veo, roa da Imperatriz o. 60, de Gama A Silva.
Retallos
Vende-se urna porco de retalhes de chitas e ca-
cas pretas, por preco barato, na loja e armazem do
Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama & SUva.
Atten$o.
Vende-se urna mobilia de Jacaranda' a Lniz XI
e juntamente orna de amarello do mesmo gosto,
sendo estas obras moito solidas e segaras, a por
prego rstoavel : na acreditada casa de mareioei-
ria na roa da Camboa do Carmo n. il
Attencao.
Venham ver
Vende-se na leja de marcineina aa Carabe As
Carme o. ll'palba apparelbada da melfcor sotie
para tecer cadeiras e sotas por preco mais cosa-
modo do que em oatra qnalqoer parle.
"^Veode se ma machina a vapor de *or?a de
seis eavallos, de perfelta coasttweio, ewiab>
ferragero precisa para mover varias maenroas aa
descarocar algodolon ootro flftalqoer oisler, leo-
do a propriedade dfe jerfteilmente eoBdmMa por
estar mouda sobre rodas. Vende se igoahseMe
por preco moito barato para liquidar om motor
americano para doos eavsllos eom lodos os perlec-
ees para o mesmo fim, ama prelsa de eifctOaf
algodo de systema moderno, e de muita forea a
alguns toaels do 5 e 6 -ipa? de capacidad), pro-
prios para destllacio defeogentio 00 depsitos Ae
mel: a ver e tratar na fabrica da travesa Ao Ca-
rioca n. 2, caes do Ramos.
Vende-se
Vende-se terrenos no sitio do viveiro
os pretendentes dirijan-so ao mesmo
acbarao eom quem tratar.
ooMoa,
sitio qoe
.



MUTILADO

'"
--*.....


IM0B0AtfBHHBHBl
^^W11'1"*11
P
k

i
*>*
tt!ar!o de PtmAsM Qiiaria felra t ie utobro 4c 1867.
1
Collares Boyer
|i Anotliies electrices magnetices
Deposlt > acreditado
Loja da aguia branca ra do Queimado n 8
Apregoar ainda os prodigiosos eleitos dos
Collares Royer j nao ensinar ou querer
iQtrO'lazir novidades, porque a fama de sua
efflcacia tem-se lauto esteudido, e os seus
feizes resultados a tal altura elevado,* que
boje rara a pessoa que por experiencia
propria, ou por intermedio de seus amigos
e prenles-, ignore ou desconhe;a as virtu-
des desses sempre apreciaveis collares
Royer.
A aguia branca porm sa gloria de concor-
rer para um to justo Sin, se nao por ou-
ro modo ao menos por ter sempre, e cons-
tantemente um completo sortimeuto desses
colUres magnticos, que bem se podem cha-
marsalva vidas das crianzas.
Resta amda que os senhores pais de fa-
milia se faeara convencer |de que convem
nao esperar que as crianzas sejam atacadas
do mal, e por isso necessario ou conve-
niente que com antecedencia se deite na
criaoca um desses collares para assim estar
ella preservada das convnlcoes e se contar
livre dos rigores da denudo.
A aguia branca ra do Queimado n. 8
contina a receber por todos os vapores
francezes a quantidade que ba contratado e
por isso acha-se ella sempre provida dos ver-
daderos coll-res Ryyer eletricos magn-
ticos.
Chapelinas modernas,
enfeites de flores, capelias finas para noivas,
ditas brancas e cor de rosa para meninas,
calxos e ramos de flores finas e botes de
rosa de diversos tamanbos: na Agina Bran-
cada ra do Queimado n. 8.
Meias finas para meninos.
A Aguia Branca ra do Queimado n. 8,
recebeu meias mui finas para meninos, e
est vendendo as de cores a 50OJO duzia,
brancas a 5^500 e cruas a 630UO.
Trancas de vidrilbos, brancas e pretas, lar-
gas e estreitas.
A Agaia Branca a ra do Queimado n. 8,
recebeu novo sorlimento das traocas cima
ditas, e como sempre vende-as por precos
commodos.
Fitas novas
para carias de bacbareis e a irmaadade do
Hora CoiivlUo.
A Aguia-Branc>, a rm doQueimade n. 8, receben
novas Blas achamalotadas para ambns os lado?,
mai encorpada e toda de seda, com viva o agrada-
vel cr, e orno sempre, vende por preco muitu
rasoavel.
Bonitas bonicas
com roslode cera, olhos fixos e movedizos,
A aguia branca a rm do yueimado n. 8, rece-
beo ora novo Fortunen'-) de beas bonecas com
ruso de cera, olhos tkos e movedicos e como
sempre vende as por pr-cns commodos regatando
estes em relsgao aos diferentes tamanhos de que
se coojt'5a o fliOMBto.
fallir deatifriM c odoatalgico.
A aguia-branna a ra do Queimado o. 8, rece-
beu ti- nova esse apreciavel elixir cujo aso ne-
cessario para eraserv.ico das englvas e acabar
o man hlito proveniente de daotes arruinados,
cada (rasco cusa 2V
Est lud remediado em quato a la-
vas d pellica.
Porqoe a agaia branca por intermedio de um
negociante de n >ssa oraca mandn contratar com
um boa e acreditado fabricante de ditas, para
este Ibe fainr remessas directamente por lodos os
vapores, sendo a primeira a que agora acaba de
cbegar. O fabrcame promet-* raaoJa-las sempre
da melhor peluca e na verdade as que vieram
dessa vttz .confirmara o seu dlier, e pelos differen-
tes eueies que ellas trazara da elle raais a couhe-
cer o apurado go.-lo e perteigao de sua ob a. Res-
ta pois que os bons e constantes freguezes eonti-
nuera a favorecer a aguia branca em qaanto ella
vai se livrando dfs mos que com seus flados a
iam rtep< (amsihas bordadas para baptizados
A aguia branca a ra do Queimado n 8,
recebeu novo sorlimento de camisinhas bor-
dadas, sapalinhoi de setim taiubem borda-
dos meias de seda e chapeosinhos de selim
enfeit'dos, ludo para bapt'sados.
B ibusinhos cubcr os d<- comas
A aguia branca na do Queimado n. 8,
recebeu bonitos bahusinhos caberlos decon-
xas, e cestinbas burdadas a froco, objectos
esses de novidade e gosto, fe proprios para
offerlas no leilao que lera lugar no hospital
portuguez.
cabam-senaias-cbegaro outras, cor-
reales de bo ra ha
A aguia branca que ni.i se descuida de sua
boa freguezia, tem constmiemente mandado
buscar essas bonitas e modernas correntes
de borradla, que servem alo s para voltas,
como mesmo para outros di eferentes enfeites
Comparecen pois os preleodentes que
acbaro bom sorlimento de ditas correnles
na loja da aguia branca ra do Queimado n. 8.
Ciatos de marroqmm com fivellas de
ac par= me- ieos
Vendem-se *a ra do Queimado, loja da
aguia branca n. 8.
Flores brancas
Como sabido, a agu'a branca esta* constante-
menie a receber fl.'res Unas, porm agora reetbt-u
um tambem bello sorlimento de, ditas, que por sius
singolaridades se faz distinguir das oiuras, Isso
porque alem das bouas rosas camelia, alexao-
dras e ontras, vieram algumas mas e ramos
brancos com as folbas lambem brancas, o que Ihes
da' moila greca e as urna de muito gosto, para
enfeites de vestidos de noivas, coques etc., ate. ;
assim tambem ouiros ramos coro bem combinadas
Sores brancas e cor de rosa, e folbas brancas, o
qoe igualmente Ibps d*' graca e perfeico. Em
qaanto, porm, a aguia branca, na ra do Quei-
mado n. 8, vende sempre essas flore finase outros
objectos de gosto, os| seus precos coollnoam a ser
mdico* e razoaveis.
C
Armazem de fazendas finas para grande toilette e uso
ordinario para todas as classes.
mm m Mtssi
roa do Crespo n, 9 A. esquina da do Imperador
DE
Custodio Jos Al ves Guimares.
O propietario deste importante estabelecimento avisa ; o respeitavel publico
e aos seus amigos e freguezes que acaba de receber pelo vapor "rancez Guienne, di-
versos artigos de moda, os quaes sao de completa novidade para este mercado, e apro-
ximaodo-se o dia da commemonco do aniversario do Hospital Portuguez, por isso
apressa-se em vir avisa-los do que ha de mais moderno em seu eiitabelecimento, como
sejam:
Riquissimas chapelinas com coque. Luvas de Jonvin pre a, branca e de cores.
Ditas sem elle. Lindos corte* de la com barra.
Lindas chapelinas de palha da Italia. (Re-* Riqoissirro? cortes commeuda se muilo esias chapelinas por se- da para ves id) de senliorastambem nov-
rem intei. menle novidade).
Riquissimos cintos de seda, ^om matames
chineza, ultima moda.
Lindas saias de 15 com bordados, propria-
para as excellentssimas senlioras trazerem
ppr cima do baio, ultima moda em Paris.
Lindos cortes de seda para vestirlos.
Moireanti'jue branco, azul e prelo, fazen-
da inteiramente nova.
Grosd -.aples de todas as cores.
Ditos pretos.
Leques de roadreperola.
Ditos todos de sndalos.
Ditos de sndalo ten Jo no centro um qua-
dro de se da, inteiramente novidade e ulti-
ma moda.
Chapeos de sol para senhora.
Lias de seda para senhora.
Ditas para meninas.
Espartilhos para senhora.
Riquissimos enfeites para senhoras, intei-
ramente novidade.
Bales pira senhoras e meninas.
Touq.nnlias ricamente eufeitadas.
Coeiros bordados.
Tuaihas de labyrintho muito ricas.
Ricas fronhas ile labyrinto.
Riquissimos lencos de dito.
Rendas, (icos da trra e rades para lencos.
Um re > lencol de labyrintos.
Riquissimas basquines de seda preta, bor-
dadas com gosto.
dade.
Lindos cortes de 15 *om listas de seda.
Riquissimas fivellas >ara cintos.
Fil de seda e de lir.lio.
Riquissim-is ctmisinhas para senhora.
Riquissiuas slias bi rdadas.
Punhos e golliabas para senhora.
Riquissim s manteletes de cores, inteira-
meote novidade.
MUTAS rAEUfOAS
KA
LOJA ARMAZEM
DO
ar*
:.

Roa da l peratriz n
BE
GAMA & SILVA.
Tendo os donos de te grande estabelecimento resolvido liquidar a maior parte das
suas fazendas resolvern! vender com grandes abalimentos em precos, assim como teem
recebido ullimmenle urna grande porcSo de fazendas novas tanto inglezas como francezas,
alemSas e suissas, teem destinado venderera-nas mais barato que em outra qualquer parte
aQm de apurarem-dinheiro, dando de todas ellas, amostras deixando ficar p-nhor, ou
mandam-nas levar em casa das e.v:ellentissimas familias* pelos sjus caixeiros; assim como
as pessoas que negociara em pequea escalla, ueste estabelecimento compraro pelos mes
mos precos que compravam as casas inglezas ; ganhand .-se apenas o descont.
cortinado para camas e Jarael-1 Bales a U, 3#5oo e H
las a t(W, \H 20|J e 250 J Vendem-se um grande sortimeulo de cri-
Vendem-se um grande sortimento dos nolinasou bales de arcos para senhora pelos
Couros
Ferreira A Matheus, na roa da Cadera do
Recife, vendem : couros de vitela de earalfr*,
de vacca e de boi e sola enverntsada pro-
prias para calsado coberia de carros, etc.
No trapiche barao do Livramooio no Porte
do Mattos D. 13, veae-se saceof u fariala
mandio-.a Unioa rtalo* nu era pr|**3 m
a viau das qualidades e presos ningoem deixarr
de comprar. ___

melhores cortinados bordados que tem ".in-
do proprios para camas ejarjellas, pelos ba-
ratos precos de iod, 160, 4o# e 9H0 cada
par sendo neste genero o melhor que tem
vindo ao mercado: assim como peQas de
cambraia adamascada proprias para o mesmo
flm. na loja do PavSo, ra da Imperatriz
n. 6o, de Gama d Silva.
CASEMIUAi A20OCOVADO
Vende-st) casemiras escuras enfestadas
proprias para calcas, paliis e coleles assim
como para roupas de meninos a 20 caa
covado, ditas claras fazenda muilo fina co-
vado a 204o ou corle 40, ditas muito me-
lhor fazenda covado a 30, isto na loja e ar-
mazem do Pavao, ra d Imperatriz o. 60,
de Gama d Silva.
RUIN DE LINHO COVADO 8oo RS.
Vndese superior brimdelinbopuro fa-
zenda muito encorpada propria para palitos
Peilos de linbo horcados com goslo pro- ^ e roupas de meniO0S sendo pad prios para camisas de noivos. miudos e graudos pelos baratos precos de
Collarinhos de linho lisos e bordados para g^ rs 0 covado ou a 4(jio0 a vara> dilos
boraens. Ido differente qualidadea 106oo a vara, d-
Lindos veos e mantas de blonds. los braneos lr,n?aa08 a ajgoo, I0ooo,
Riquissimas vestimeitas para baptisados i^ e |)J8o0j na |oja do Pav30j rua da
conteudo cbapeosinho, sapatinho, meiasinha
e camisinha com lindos bordados.
Riquissimos chales te touquim.
Gravatas de seda brinca para noiva.
Ditas de cambr ia d linbo com bordados
as puntas, novidade.
Chapeos de sol de seda com castao de
marfim.
Ditos de outras qualidades.
Chales de seda.
Ditos de cachemira.
Chapeos de seda preta para hornern.
Ditos de phaotasia para homem.
Casemira prea muito fina.
Ditas de cores intein mente novidades.
Cambraias, las, chitas, madapoloes e ou-
tros mui tos objectos.
O dono deste importantissimo estabelecimento contina m louvavel proposito de
querer vender muito e .'anhar pouco, sujeitando-se a tirar em soas mercadortas um lucro
rasoavel, para assim poder meltior agradar aos seus numerosos fre.ruezes.
A' LOJA DE FAZEHOflS DE AUGUSTO PORTO C<
LlRna do Queimado11
Angosto Porto 4 C.aea'am de recebar da Europa superiores cortes Je seda de cores para
bailes e casameuiot-.
Ricos corles de blond c.rn mana e rapel'a para nnivas.
Cortinados bordados para camas de noivas e janeilas de 1$ a 80 cada nm.
Culxas de seda e miras de la e seda o 'jue ha de mulhor para camas de noivas.
Tualhiohas de croch pira cadeiras e toras, esoartilh >s a sultana par.' enboras, camisinhas
com mauga tos borlados e lindos enchovaes para baptizados, e baloes^de massMina e de arcos p3ra
senhoras e menioas.
Luvas de peluca para homem e senhoras e superiores r.nap-w de sol de todas as qaalidades.
Liia para vestidos baraiissima bonitos padroes o covado a 180.
Tapetes prande-- para sof, ditos para piano, ditos para cama e pequeo i para portas e jananas.
Moir brinco e prsto sjpenor para vestid >- de linio dasenhosj fifosd^uaple de todas as cores
seda de qoadrmhos. cambraias braaeas de muitas qaalliades, ditas de cores e lindas percales.
Basquinas de seda preta altnnn moda, chalas e ratn4et da empure, vmde-se barato.
Cambas para homeos frano m e inglezas ie lloho e de al^jdo Boas \ seroulas de linbo sn-
periores.
Capas de borricoa, sobretud s e oerneiras as melhores e mais elegante}.
Malas grandes para lagecis, dita- oe menas e saceos de tapete e enuro.
Bramante braocode i lar^tir^^ a S"00 a vars, pannos pretos e anas, casemiras pretas e de
cores lodo bom e barato.
Neste esiabi-lecimenio ha sempre um completo sortimento de boas fazerdas taoto para a pra?
como para o centro da provincia e saourtorv* ohjectos propri is para c.i*amantos como sejam saoellas,
mantas, vestidos da blonda e de m-jir branco, cortinados, colchas, vaodenrJo ie lado mais barato e
lambem as mtjbores
Esteiras e alcatifas para forrar salas,
11Roa do iiuelmado11
baratos precos de #, 80300 e 3# por haver
giande porc5o, na loja e armazem do Pa-
vo, rua da Imperatriz n. 6o, de Gama 4
PANNOS HAPA CIDEIRAS
Venlem-se um grande sortimento de
pannos de ero h proprios para cadeiras,
sofs, cadeiras de balancos, para almfad;s~
e para cobrir presentes, e vendem-se por
precos muito baratos, na lo a do Pavo, rua
da I. peratiiz n. 6o, de Gama & Silva.
i assas a 9 4o r*. s o pavo.
vendem-se benitas ca>sas inglezas de co-
res lixas pelo Uarato prefo de 240 rs, o co-
vado, ditas francezas fazenda muito fina com
padroes Ustrados e de flores, assim como com
palminas miuoas proprias para meninos a
3oo rs. o covado ou a 5oo rs. a vara : pe-
chincha na leja e arma/.em do Pavo rua da
Imperatriz n. 6o de Gama & Silva.
Cassas de uiua cor a 44o rs.
a vara.
Vend^m-se mod.rnas cascas francezas de
urna s cor sendo azul, roxo, cor de lirio,
verde, cor de ganga, cor de rosa e encarna
GUARDE BAZAR
rua Nova n. 20 e 22
Machinas pa a costura do autor Wheeta*
A Wilson, chegadas ltimamente da Am-
rica; oas quaes pode cozer-se com dow
pespontos, toda e qualquer fazenda, emba
inbar, frangir, bordar e marcar roupa; tud<>
com perfeicSo. S3o t3o simples, que coi-
prebndese fcilmente a maueira do traba
Iho e a pessoa tendo pratica de coser em ma-
rronas, pode fazer por da o se. vico que b-
ciam 3 costureiras.
Cbama-se esle estabelecimento a atten-
c5o do publico, visto que elle se acba com-
pletamente sortido de objectos de go-u.
como bem leques de madreperola e de sao
dalo, fivelas, filas para cilo, tokes perfu-
mara e etc,
Na rua nova n. 20 e 22. Caroeiro Via-
:na &C.
KIVAL SEM SEfi'SDd""""
ua do anelmado ta O, ioja de
mludezaat
DE
Jos Bigodvn.no
Varas de.babado bordado di Porto a 200
Carreteis de retroi prcto eon doas oMan
Nov.
GRANULOS ANTIMONIAES
Da Doeteur I\III^I.iUD
dicic! pan euriQ*8 dai molestit do eortfaO, da aathmi, do :ttrrho, di coqueluch,
da tsica. Me:
mi i mu, daa molettiM
GRANULOS ANTIMONIO FERREOS
Pui aneas da inania, da ehloroa, da ameDorrhsa, dat amlgiaa,
aacrafuloaaa, ate.
GRANULOS ANTIMONIO FERREOS AO BISMUTH
Para a onaaa dai moleaiiu, narvoaaa, das va dl^nativaa, &j\apatas, ale.
FaVIvC-i i Pharmacia de E. MOUSNIER, Saujon (Charf nte-Infrieure).
!'Bm Eio-de-Janeiro, FUIX FARAUT, pharmacia, 77, roa Seto Setombro,
Bm Pernambuco, P. MAURER et C, pharmaciu, rua Nota.
fBm Maceo. FALCO (MAS, pharmacia imperial.
Este esiabelecimeote acaba de receber lindas
etupelioas para senhora, ricas calimbas para cos-
turas, ditas para jotas, pentas doorados para coco,
fivpias moiln ricas, assim como cintos e pnlseiras
da ultima moda de Pars, eotremeios e babadinbos,
bonitos toneadores doorados e da Jacaranda, cape
Ibos escossezes de diversos tamanhos e ricos cai-
vetes para senhora, voltas para pescoQo, gravali
Dbas, bico de sed, dito de algodao, labyrintho, e
moitos outros objectos de apurado gosto, que se
loroa eofadoobo mencionar, tuno por prros mui-
lo cotniDodQ : a' roa da Imperatriz o. 70, na loja
da Lealdade. ________
MsOgricultores.
Saooders Bratbe>4 C. cabam.de reeeber
de Liwpool t.owTVtorC ** 3 a 4 cavallos
eom toiio* os periences, e limiroprios para fate-
em mover machinas de descartar alg- dio, po-
deodo cada vapor trabalhar at coffl^O serras,
U'nbero servem para enfardar alpodo,' otro qoalqoer servido em que osam de trabalhar
com auimaes. Os 'mesmos tambem tm a' venda
machinas americana* d-- 33 a 40 serras.
UO* prateudeotes difijam-se ao largo do Corpo-
8nto o. i i. ________ .
Farinha de mandioca supe-
rior.
A tratar com Tasso Irmo ou no trapiche barao'
00 LivratBentci, frte do Mattos.
P1LLAS de BLANGARD
,* MDinurro w mao waxtbavx
ApprOTaidaa pala Academia de Medecina dti Pai
iitNuui na* oaman antt.it m i laiawaai
mnramrfaladwo bospitis di ibamca, da bklgica, d* iblauda, da TOBfvu,re.
Ibafsdl a^iraaa mi Bxporifoi Uniwfoi, i lltw-York, M&aV PmrlM, i85.
Bataa PtlaJai envolvidas 'ama canuda redno-balMiaka de urna tenuwi ide exceulf a, tem
avaniaaem de aeran Initteraveit. taior, de um pequeo velume, e de na* eanurcni a
orraca dlcerttvoa, Goundo das propriedide do Iod e da l**mo, el u eoaveti prind-
palniente as itreccos Corofwa, Cicro/stesaa, iaarlea aumon-Ua. mntmU, etc. eDflra. ellas on*ereee ios pratko asa aaedieai 16 du auis ener
rteaa pan modlncar 11 eomiliarcoes (ympaattMS. fu oo tUUtait.
H. B. O wdureta de ferro Impuro oa ilurade om
BMaa iafW. irrtunw. Cama pro., de ureu a da iBihaariaada M
verdailelraa Plalas de Eiiucard, dre -se exigir aossaae(M>de
rata i-eacllva e oossa arma, aqu reprodustda,qnaatiabaaa parle
interior da aa retal* verde. Deta -n aasooDnat ia* Ulalnaiaiai
Achaea -ae cas ladaa as Hieaaeelai. PaariaaawaHa, n Be* aparta. .
raras.
Yende-se na Botica'Franceza roa No?a n. 25.
Novo e grande deposito de superior carvfto de Cardiffnt*
Babia.
Antonio Gomes dos Santo & C, rua Santa -Barbara n. i, estio habilitados a supprir dt
irvin em condlcSss mai* fevor*vts que em onft j qoalqoer deposito, a todut os navios a vapor qu
cerrero aaooeil oortt. A eoMnm na"ta com Domingos Alvss Ma hensj
Imperatriz a. 6o, de Gama 4 Silva.
Cortes granadiaos para vestidos
Cbe^aram o mais bonitos cortes de or-
gan'tly Granadinos tendo io varas cada c re,
sendo 7 v ras listradas para a sata e 3 varas
lisa para o corpo, tendo ms mesmas 3 vatas
enfeites corresp mdente a saia para eofeitar
o corpo e mangas tenio entre ellas muitas
trancas com listas pretas como actualmente
se u:>a e vende-.'e pelo barato prec/> de 6$,
nicamente na loja do avo, rua da Impe-
ratriz n. 6o, de Gama & Silva.
PARA. CAMAS DE NOIVAS
Alm de um gan1e sortimento de corti-
nados, encontra-se urna grande por$ao de
ricas colxas de croch que se vendem a 8#,
loe? e iti, ditas de fusto brancas e de co-
res a 73 e lo?, na loja e armazem do Pa-
vao, rua da Imperatriz n. 6o, de Gama &
Silva.
DAMASC )S DE LA
Vende-se um bonito sortimento do melhor
damasco de la imit palmos de largura que se vende pelo barato
pre^o de *|SuO o covado, ditos com 6 pal-
r&o< a i'ioo, ditos de urna s largura a 8oo
., cada covado, na loja e ariazem do Pa-
*o, rua da Imperatriz n. 6o, de Gama &
Silva.
Tiras boi-dadaa; e Babidiahos
Qaem quizer fazer boa compra de liras
bordadas uu babadinhos, achara um grande
sortimento para escolher e por reco muilo
mais barato do que em outra qualquer parle,
na loja e armazem do Pavao, rua da Impe-
ratriz n. 6o, de Gama .& Silva..
F iieada para tute na loja do
Pavo
Vende-se setim da bioa com 6 palmos de
largura proprio para vestidos a 2 o covado,
liazinhasoretas lisas, alpacas com listra bran-
ca a \$ o covado, cassas brancas com listras
pretas a 5o i rs. a vara, ditas pretas lisas e
com sdpicos vara a a^o rs. ditas francezas
com listras e ramagens vara a 8 o rs., roe-
rin preto, alpacas e pi acezas, mais barato
do queem outra qualquer parte, na lija du
Pavo, rua da Imperatriz n. 6o, de G ma'r
Silva.
CHITAS PRETAS A 2oo RS.
Vende-se chita preta ingleza eom palmi-
nhas a 3>o rs. o covado ou a peca por 76
tendo 38 covados, ditas lisas a 16o rs. o co-
vado ou a peca 63, ditas francezas de todas
as qualidades na loja do Pavo, rua da Im-
peratriz b. 6o, de Gama* Silva.
PALIT'S DE PANNO A U
Vendem-se palitos de panno preto saceos
a 60, diios sobrecasacos a loS, caigas de c-
semira preta a 60 e 70, dita muito unas a
95 e lo, flnissimos sobrecasacos de panno a
od e 2-10, caigas 80, um urande sortimento de coletes de toda
a qualida e e outras muas quididades de
roupas que se vendem mais barato do que
em outra qualquer parte, na loj e armazem
do PavSo, rua da Imperatriz a. 6o, de Ga-
ma & S'lva.
CHALES A BENOITON A 50 E 60
Vendem-se os mais mudemos chales a
Benoiton pelo barato prtcode 50 e 60. di-
tos de.merii. liso a 365oo, ditos de crpou
a 70 e 80, ditos de Jerin com barra a 20/
e 205 o, na loja e armazem do Pavo, rua
da Imperatriz n. 6o, de Gama & Silva.
CASAQUINHOS DO PAVO A W, 2o0
250 E ,300
Chegaram o mais modernos casaquinhos
ou jaquelas de grs preto, ricamente eofei-
tadas sendo uns com cintura e outros soltus
conforme se osa ltimamente e vendem-se
pelos baratos precos de 18, 200,250 e 3o0,
na loja e armazem do Pavo, rua da Impe-
ratriz n. 6o, de Gama & Silva.
ESPARTlLHO
Vendem-se magnifleos esparlilhos france-
zes e inglezet^a loja e armazem do Pav5o.
rua da Imperatriz n 6o, de Gama & Silva,
CASAQUINHOS DE FILO'
Vendem-se os raais modernos casaquinhos
ou basquinas de Al preto, pelo barato preco
de 160, chales e retondas de reoda preta, na
loja e armazem do Pavo, roa da Impera-
triz n. 6o, de Gama & Silva.
Bales de e-mia
Vendem-se as mais modernas crinolinas
ou baldes proprios para vestidos de cauda,
sendo melhores e mais moderos que tem
vindo ao marcado, e por precos muito ra
soaveis, n lo;a do Pavo, rua da Imperatriz
d. 6o, de Gama & Silva.
da sem deleito algum pelo baratissimo preco i propni s para ,i,a,hiDas ,
de 44o rs. a vara, por tiaver grande porcu: regos franeeiestia todos os umaonos a
na loja e armazem do Pavo rua da Impera-' rozas de botSea de osso para calca a .
triz n. 6o de Ga a & Silva.
sLa22nlias inailsadas a 28o rs. o
covado.
Vendem-se bou las lazinhas matisadas,
de cor usa e ditas de um< cor s, U-Ada en-
tre ellas floree escuras e de muito bom goslo
pelo barato preco de 28o rs. assim como
bouitas bareges de la transparente cum
quadnnbos pelo barato preco de 32o rs. o
covado : s na loja do Pavo rua da Impe-
ratriz n 6o de Gama .v Silva.
CHITAS A 28o RS.
Vendem-se bonitas chitas de cores e ditas
roxas com pequeoo toque de mofo que se
garante largar logo que se lave, sendo de
cores flxas pelo barato preco de 28o rs. o
covado paa aeabar: na lija do Pavo rua
spelbos donrados muilo finos a
aix as com llnba superior para marcar a .
I Parnteis de reteoz de ludas as cores a .
j Frasees d'agna de Crinla moito soperior a
Frascos de o eo mono Uno a......
Duzia de tesoaras pequeas a.....
FraM-o: d'agua para impar denles a .
Redes pretas lisas para segurar cabello a
Diuis de peonas de acomuno finus a .
Caixasdelioha do gaz de 30 novellos a .
dem de palitos de segoraoca a -
Garrafas de agua Flsrida verdideira .
avilbanos eom estampas para BeniBM
| Memento da roupa de lavar a.....
j nzlas de meias finas para seniora .
Agulbas francezas a balo (papel) a .
Pe^as de fitas de ia de todas a cures ;.
Grozas de botfies de porcelana prateados a
l Caixas com alfineltes Irancezes a .
i Caixas de 100 envelopes muito fin s a .
l'esma de papel de peso branco liso a .
| Frasco com superior tiota a.....
ruVTn'mi? S l tM O iPares de b0,6es de pDDb0 n,0,,bcnitos
CHITaS DE UMA. SO COR A 28o RS. U Lmhas em carlSo de 200 jardag .
COVADO.
Vendem-se bonitas chitas lisas, send) cor
de ganga, cor de Imana, lirio, rosa e outras
aires, pelo, baratissimo preco de 28o rs. o
covado, ditas chinezas c ni as mesmas cores
e com palminhas pelo barato prego de 3oo
rs. o covado, na l( ja e armazem do Pavo
rua da Imperatriz n. 6o de Gama & Silva.
PEKCALUS A 44o E 5oo RS.
Vendem-se linissimas percallas com pa-
droes mais novos que teem vindo ao merca-
do studo de listras e de palmas pelos baratos
precos de 44o e Soo rs. o covado : na loja
e armazem do Pavo rua da Imperatriz n.
6o de G ina & Suva.
GRANOS SORTIMENTO DE CHITAS
A 32o E )6o SO O PAVAO.
Venem-se chitas de cores flxas com de-
senhos iuteiramenie novos e com os pannos
mu lo encorpados pelos baratsimos precos
de 32o e 3o rs. o covado, ditas claras pa-
droes giiJos e miudinhos proprios para
roupas de meninas a 32o e 36o rs. para
vender barato: na loja e armazem o Pavo
rua da Imperatriz n. 6o de Gama & Silva.
CHITAS PARA i OEP.TAS A 280 RS.
Vendem-se chitas largas para cobertas
pelo barato preco de 28o rs. o covado por
serem padroes um tanto escuros na lija do
Pavo rua da Imperatriz n. 6o de Gama &
Silva.
lAazinhas A 500 E i00 RS.
Vendem-se as mais bonitas lazinhas m;-
tzadas e de 1 st- s mais modernas e mais
bonitos desenbos pelos pilcos de 4oo e 5oo
rs : na loja e armazem do Pavo rua da
Imperatriz n. 6o de Gama A Silva.
ALPACAS DE COKES A 500 RS. O C'iVABO.
Vendem-se as mais bonitas alpacas de cores
enfestadas com bonitos desenbos miudinhos
tendo entulles de todas as cores pelo barato
prrco-de 5oo rs. o covado, ditas lisas escu-
ras e claras sen lo tudas de cores modernas
c 64o rs. o covado, ditas lavra ;as, as melho-
ies e mais modernas ooe teem vindo ao mer-j
cado: sendo havana, lyrio, verde, azul e
outra cores, que imitem a seda, pelo barato
preco de 8oo rs. o covado, pechincha : na
loja e armazem do Pav3o rua da Imperatriz
n. 6o de Cama 4 Sita.
POIL DE CBVRE.
Chegou neste genero o melhor que tem
vindo ao mercado para vestidos com lindas
listras de sedr ou com bonitos lavores da
mesma que se vendem pelos baratos precos
de 8oo, 10ooo e 1028o rs. o covado: na loja
do Pavo rua da Imperatriz a. 6o de Gama
de Silva.
VESTIDOS DE FANAZIA A 80ooo E
ID0OOO RS.
Cbegaram os tuais bonilps cortes de ves-
tidos de fantazia muito proprios para passeio
e soires, por terem lindas barras de seda
e vendem-se pelo barato preco de 80 e Io0
cada um Da I ja do Pavo rua da Imperatriz
n, 6o de Gama 4 Si va.
alas a SUMO rs.
Vendem-se bonitas saias escoias pioprias
para nzar era tempo de vero por caoza da
poeira e pi ocipalmeotj para quem for pas-
sar a testa no mallo, pelo barato preco .de
30ooo cada urna, ditas b/aocas ricameots
bordadas tendo 4 pannos cada urna pelos
precos de 50, 60, e l 0oop rs.: na loja do
Pavo rua da Imperatriz 6o de Gama &
Silva.
Vestidos braaeo a 4#aoo.
Chearam os mais lindos cortes de cam-
braia branca transparente ricamente borda-
dos queee vendem pelo baraliasimo i
de 240ooo rs. na loja a armazem do Pavao
n. 6o de Gama & Silva.
50C
?*o
200
iOO
ato
80
m
m
m
m
60
c
V
!10
,;:o
ico
tjooc
60
L
:>
8T1
M
t o
80
100
70t>
jarda
Caixa de soperior liaba do gaz cum 50
nnft los .............
Talheres para meninos a.......
Masso eom superiores grampos a 3<5
Booets para meDioos a........'ow
Peotes com costa de metal a......
Realejos para meninos a....... W-
GPND'BaZR
RUA NOVA N. -O E
Machinas para descarocar algodo. do me
ihor autor que tem apparecido oa America*
E' tal a execogo do m .chinismo, que o al-
godo sahe quasi to perteilo como o de bo-
landeira. Recommenda-se a attenco dos
Srs. agricultores, estas machinas.________
Cal nova.
Vende se cal d- Li.-boa, a mais aova de merca-
do, e por menos preco do que em oatra qoalqoer
i arte : a' roa estreita do Rosario, ao vitar para o
paleo do Carmo o. 47, e oa roa do Apollo o. 30.
Escravos fgidos
Escravo fgido.
a da 3 do correte met de setembro, pelas 7
buras da oolte, fi gio de casa de seu Mtat oa rea
do Monde eo n. 3, o fsc avo Ado, de 36 annos de
Made, com os fignaes -egmotes : cor fula, bano,
de boa aoparencia. peroas om pooco arqoraelas,
ps e mos pequeoas, resto redoodo e ag-adavel,
tem orna cieairii e om aigoal preto na Bacaa d-
ri'ila do rosto prcroraodo o lado doolbo, falta-lhe
um deote ^m cima do lado e-qoerdo jnolo a pre
sa, hem fallante e osava bigode a o da da ta-
na. Este pseravo fot propnedade do Sr Dr. afa-
no.! Daolas Correr de Gees, oa villa du TVixeira,
remarca da Pantbyba, para oole posiv| qow
tenha seguido ; levou comsigo om peqoene bab
f- cooro com algoma ruop de seo oso: r ga-se,
p. rtaoio, as autoridades e capites de campe qaw
o apprrb'Ddam e le vira a mencionada casa qse
se recompensara' com geotrosldade. ^^_^^___
Fserano rutjido
Um mulato de nome Trajaoo. earaolbo, alto e
magro, cabello de caberlo, levoo veslide cal^a de
brtn pardo ecamisa de algodo : rrga-se a tndas
as autoridades policiaca o prepdao, oo a qoalqoer
pessoa qoe possa encontrar o leve a roa da Croa,
armarera o. 5i, ou na rua da Cabuga, I. ja de qa-
tro portas da agnia d'ooro^l ^aera' generofa-
meote reci moeosado. ________
Do eogeobo Colegw, do abano ***
fugio a negra MaxImUua, crinla, idade J aooos,
recado corpo, cot tola, be* "v,rI8;, **
peqoeooa e tem por cortme o por mol' ia mao
^ *?de SoouBeltriodeAraujoPereiTa.
'_ Fouio em d letembro prollmo rdoo
ortn da Gosta de oome JieieAo, idede 38 aiaue,
Kn> ". bs ". *
raltadetdeutef, esuttara pooco meooa de rewiar,
u pernea ttoas, tc levoo vestido camisa eclea
branca, chapt de f opa baixa redonda, de afeas
pequeas: rogaae as autoridades p-ilciae a
qnalqner particular a captora do dito eteravo, e a
ser eotregoe a tea seohor Joo da Si'va Le le aa
roa da Cadeia do Recite o. 10.


MUTIIADO


Diarlo de I 'ernaiubaco uara felra de Outubi-o de 1867.
m\n dos sniores demudos.
SESSAO EM 23 DE AGOSTO DE 1867
PRBStDENCIA DO Sil. HLVBIRA LOBO.
(Cnriiinuacao.)
thesonro cora que o governo lera pago o
groso da despeza, constituinio assim a ino-
portaociado dficit aquella divida (luctuante
calculada em oO.OiVtODOl a qual lotfoqoe
as circumstancias permutara dever ser
consolidada. A divida do Est?do, portanto,
vai ainda alera do 300,000:000^/
Alem disto temos o papel moeda, que
taraoem verdadeird divida do Estado; e mes-
mo sem me o nobre presidente do conse-
lho fagn uso dessa fatal emissao de papel
m eda, j existe na circulado a quantia de
H8,ooo:ooo#de papel fiduciario, deque a
maxuna parte pertence ao thesooro. A esta
divida accresce outra de varia natureza,
como depsitos de renlos no valor de 8 a
lo,ooo:ooufl, como certos depsitos do tbe-
sotiro, etc.. etc. Portadlo, teremos, legado
da nefasta situago poltica, urna divida con-
solidada de mais de3do.ooo:ooo#, o encargo
de minorar quanto fr possivel a avultadis-
sima copia de papel moeda ; tereraos neces-
sidade de miriter um exercito era p res-
peuavel, relativamente fallando (apmados);
ninguern se engae, acabado este conflicto
com o Paraguay, o Brasil nao car desem-
barazado para voltar ao remanso da paz, ser-
Ihe-ba preciso, repit, manter um exercito
em p respeiUivel.
Um Sn. Deputado :Nao ba necessidade
de nova evenluadade.
O Sr. SavAo Lobato :- Certamente, ain-
da sera nova eveuiualida le. Ser preciso
manter urna esqnadra; e cirrcg.tr com o
grvame de outras despezas permanentes,
em que entra a divida sagrada de renume-
rago aos benemritos lidadores da patria e
de auxilio s familias dos)
Portanto, senhores. sendo de..............
300,000:000,$ a divida pablic*, o respectivo
juro |e amortisacao, a que accrescem dille-
rencas de cambio, pag mentos de deposiu-s
de orphaos, eto etc. Tu lo isio irapi rtara
urna despeza annual de 2o,ooo:oo 0, so-
mente para satisfazer os encargas da divida.
Restarlo da receita ordinaria, calculada era
7o,ooo:ooo?$, 5o,oou:ooo3. Ser necessana
muita economa, muila iscalisaco, 'para
com esta quantia manten um exercito e urna
esquadra e acudir a iodos rs outros misteres
da admioistracao brasileira.
Eis alii, portanto, a importancia ordinaria
que por muito lempo ba de pesar sobre a
admuiiatraco do Brasil. Mas ainda pre-
sentemente temos a pendencia da guerra.
Ebla importa em muito, ao certo nao pode
ser calculada, e por maior que seja nao po-
llera ser negados ao governo os auxilios de
que precisar para sua satisfazlo: emquanto
bou ver guerra, nao ha que receiar adiante
de q^alquer sacrificio.
Mas, senbores. t -r o governo, afora a
contribiiigao do imposto, algum outro recur--]
so para fazer face a essas urgencias to ex-
traordinarias, que por isso mesmo nao po-
dem ser satisfeitas seno por meios extraor-
dinarios ?
Entendo que o governo o lem, e dispr
da estrada de ferro de D. Pedro II, venden-
do-a a urna companbia de capitalistas estran-
geiros que tenbam a necesaria experiencia
deste servico, e meios bastantes para apro-
veita-la com grande lucro proprio e im-
mensa vaolagem para o paiz. E assim vol-
ta-se aos termos da lei de 20 de junboque
a decretoa.
Quando foi proposta e discutida esta lei.
nem por mera bypothese se concebeu que
esta estrada de ferro fosse emprehendida e
desenvolvida cora emprego dos proprios ca
pitaes do paiz. No Brasil nao os havia e
hoje que varridos foram por esta nefasta si-
tuaco poltica, hoje que todos os capitaes se
esgotaram to ingrata como improductiva-
mente com as despezas da guerra, poder
baver meios de desenvolver, de dar as devi-
das proporcoes aquella estrada com os capi-
taes brasileiros ?
A administraco do governo sempre m
em assumptos semelbantes. Entendo que
to lacil ao governo como altamente conve
gellaopaiz, emquanto temos ainda despe- e da experiencia d > servico, para desenvol-
Bas mais extraordinaria?, emquanto durar v-la edar-ihe as rroporcOas que deveter.
esta guerra calamitosa. I Portanto, este un meib positivo e seguro
Iberia, pois, conveniente qiu lizessemos do tbesouro ter recursos que se devem sop-
fcccaiaeoto dos impostos una aistincgo: por mais que sulli: entes para cobnrosgas-
fcpostos lineados com ciracter perm- tos extraordinarios pie traza coMmuac5o da
He, e impostos extraordinarios, verda- guerra.
Hro subsidio de guerra, Nesta parte, de- Pelo que toca a elevarlo da receita de .
Senh .res, quando j por disposico de lei vemos incluir aquellos impostos que s a 59.5oo:ooo5 em quu e oreada pelo governo
vigente sao elevadissimos os direitos de i tn-.iwm necessidade nos obrgar a arrancar a 7o,ooo:ooo3 era q.te conjecturo o alcance
portago no eral, e especialmente quanto! aos'contribuate.*. assifieando-os como da despeza orJraaria aggravaday a simples
aosotiectosde lux), ba>taquese faga elTec-" contribuigo extraordinari, como subsidio revisSo da pauta ou tarifa das alfandegas, a
Uva a taxa devida com a reciificagio do pre- de guerra, damos urna como satisfaco, mais reuicago do prc coolTJcia! |.ara que muit) avulte a renda; lo q le urna pr^messa, urna formal asseve- approxiraadi ao do mercado, que aquello
quodonog.verao incumbe fazer effectiva ragao de que o sacrificio dorar soraente que deve servir de base^paraj. imposto,
essa v^rdad^ira disposicao de lei e por ella emquanto durarem as extraordinarias cir-
ter tudo quanto mcessario; para que de- cumstancias da guerra,
mais, ao passo que se manda rever as tarifas Ainda quando muito breve se ponba ler-
e nao p te ser outro o (ira seno regularizar moa guerra eseeslanqoe essa fonte de
ste ervicocom a real elevagodis direitos, despezas extraordinarias, que se calcul5o
de fado muiissimo abaixo da razo de seu mensalmente em 3 a 4.000:000$, se reco-
laiigamento, se ba de gravar com mais 2o| nbecer que a nossa despeza ordinaria, que-
eertos rticos j muito ooerados,.a contera- outr'ora regulava om pouco mais de....
plar-s-* o eu verdadeiro valor, por exemplo 50,00 rOuOfl annuaes. se elevar nesta ne-
3 seda, que a'is se despacha em pequea fasta situacao tal vez acerca de 70,000:0005.
escala (ajwiidois), cojos volumes s5o peque-1 Se presente discusso tivesse precedido
nos e s is< eptiveis de serem importad >s por como devera sor, a dos artigos de despeza,
contrabando ? jsaberiamos com certeza e nao meramente
Por tal modo, em vez de favorecer a ren-j por conjecturas o cumpu'o da daspeza urdi-
da, torna se um imposto prohibitivo, pre-' naria, que nilo pode ser era menos calculada,
indicando thesouro j pela mingua de im- Por quinto tenos urna divida fundada de
portag i, j pelo desvio ea facilidadede ser 250,000:(100)91 e urna divila fluctuante re-
imp.talo por contrabando, as circumstan-'presenta la por bilbetes do tnesouro supe-
cias notoras das costas desabrigadas do paiz. rior a 50,000:000?J: se ao governo ainda
(Apiados). i restara de fundo metailico do branco do
O quedirei agor3, Sr. Presidente, sobre Brasil de 3 a 4,000:0005, timbera in-
os 15|w que sero cobradas em ouro ? Pois,! dubitavel que nao de mais para compn-
sennos, nao foi o nobre prndente do coa- sar o excesso de 50,000:0a0 em letras do
selho que tant > estrahou que se izesse dif-
feroncu entre as diversas especies do meio
circua de? (Apoiados.)
E o the-ourop Je exigir dos conlribuintes
urna pirt d >s direitos era ouro, quando elle
payaso uente no seu papel fiduciario?(Apoia-
dos.) (Juando de ba tantos annos foi sem-
pre esta a especie da moeda emiltida pelo
tbesnuro do Brasil e mantida na circulago
sobformal promessa do mesmo ihesouro de
fazer born o valor de sua representagio se-
goodoo padro monetario lixado por lei?!
Onando por lempo indefinido continuar o
papel fiduciario do thesouro a ser moeda le-
!!3l do paiz, e o governo se prepira a fazer
della emisso em grande escala?)
O governo, obrigadospor antigo contra-
tos, co tralos fritos e servigos recebidos, ao
terapo em que corra o ouro e o p-pel-moe-
da nao es ava depreciado; e, o que mais,
obriga lo por depsitos e emprestimos de
quantag arrecadadas em especie metlica,
como tantas vezes se tem dado acerca de he-
ranga governo que hoje satisfaz exclusivamente to-
dos esses co npromissos no seu papel fi lu-
eiario, fundado de une moeda legal, repu-
tada offlci ilraeu'e com o mesmo valor do
ouro, como ha de agora impr ao contribuin-
te, j tiO'ieraJo, esta sobrecarga *do con-
triboigo, que importa da pane do fisco o
reconbecimento o mais assignalado da/raes-
raa depriCiago do papel do Estado ? (Apoia-
dos.)
Quando se toroou permanente no paiz a
especie de moeda-papel queem todos os pa-
ga tientos do thesouro imposta aos parti-
culares, quando desappareceii o ouro da cir-
culaco e tornou-se mercadera de cusi to
despruporcionada ao valor que lhe reconhe-
ceiaa lei, fixando opadra) monetario, ha
de er o mesmo governo, em coniravengao
aos propries feitos, devedor desleal, tanto
eomocreJdr tyrannico, levado por mesqui-
nho interese que sancionara a depreeiago
da propria moeda legal do thesouro, recu-
sando a 1-V parte do pagamento do in posto
que derido ao sco em papel fiduciario do
mesmo thesouro, porque vale mais cobra-la
em ouro!
O Sr. Pacuno deSoza Pagar n'uma
es.'^ciee receber em outra!
U Sr. Sayo Lobato : Senbores, para
se obter os meios necessarios de fazer face
s iminensas despezas do paiz nao 6 mister
recorrer a estas medidas, que- de per si
mesmo se condemnam, que envolvendo des-
pre/.o dos prioctpios e quebra dos deveres,
merecem sempre repn-vago, contra ellas
protesta a justiga, a fe dos contratos, e, di-
rei. a dij^nidade do governo. (Apoiados.)
O pajel moeda do thesouro, Sr. presi-
dente, divida de primor do Estado ; o cr-
dito do Estado aanga-lhe o pagamento em
ouro segundo o padrao lixado na lei espe-
cial, nao pode ser assim menosprezada,
sem que resulte a ruina do mesmo crdito
do estado e o completo depreciamento do
seu papel fiduciario. Alias a medida pro-
posta encorara difficuldade pratica insupe-
ravel quanto aos despachos de pequeo va-
lor, que avultam naalf=ndega pelo cresci-
dissimo numero;nlo possivel arrecadar-
se a designada quota em ouro em todo o
de-pacho de importancia de direitos menores
de 7u?.
Quando o governo mais do que nunca
est empenhado em sustentar o valor do
meio circulante, tendo recoohecido a Deces-
jidarta de augmentar-lhe a copia com avul-
tadissima emiss', ha de por mesquinho
intere.-se elle mesmo recusar-lhe o valor que
proclama. O que pode esperar do geral
que sacrifica ?
Se ha necessidade de muito mais aug-
mentar a renda' enlao, senbores. por outro
modo proco.re-se irapor esse sacrificio ao
povo hrasiieiro ; e ser votado, porque a
necessidade obriga, nao soffre excopgo.
Propoe-se outro imposto que recabe 30-
breos e>cravos das fazendas.
de per si bastan ,e para dotar o thesouro
com um accressimo mais do que sufficiente.'
A este respeito aii da di re i que, assim como
combato as emenda; que exageram a razo
da taxa j to alta la tarifa, anda quanto a
esses artigos consderadis de luxo, bem
como me opponho emenda que manda fa-
zer o pagamento parcial dos direitos em.ou-
ro, cora depreeiago do papel do governo,
tambera por outro lado me opponho a que !
se faga reraisso de i tip jstos as circumstan-!
cias actuaos quanto s materias primas, j
muio protegidas pela tarifa actual, e o mes-
mo quanto aos gneros de primeira necessi-
dade.
Um Sr. Deptadj: Esses nlo pagam
quasi direitos.
O Sr. Sayao LVwan :Entendo mesmo'
que urnas e outrospoderiam, emquanto du-l
rara guerra, suppoitar o aceres uno addi-
cional de 3.|", bem como os dermis artigos
que no presente etio isentos dos 5.1/ aldi-
cionaes. A remias) de impostos to tenue,
que se suppoe revertera em favor ao con-
sumidor, nao Iheaproveita, porque a expe-
riencia mostra o contrario; j se ensaioa is-
10. Em outro tempo reduzio-se a imposi-
go da carne secca e do bacilbo, e sabe-se
qual foi a consequeicia? No da soguinteao
em que se pz em execugio a reduego o
prego do mercado subi a mais loo reis, em
arroba.
Eis concorrespe ndean os traficantes des-
te genero. Senhoms, o nosso mercado tem
condiges especiaos que alias sao notorias.
Em certos genero:, nao ha concurrencia.
Quanto ao foroecimtnto de bacal ,o equasi
o mesmo quanto carne secca, negocio que
corre por poucas m; os, qualquer reduego
que se faga nos direitos nica e exclusiva-
mente em favor do importador ; o consumi-
dor aceita a leiimpesta pelo vendedor, que
estipula o prego fe gao de seus interesses.
E notavel que dadas quaesquer circuras-
tancias que tragara alta nos pregos geraes
do mercado, embora nao actuem com os de
alguraa especie este: nem por isso deixam
de encarecer, os iuteressados acompanbam
o movioienio ascendente sem ter outra ra-
zo senao a dopropno iiteresse: o grva-
me de direitos no geral da imnortagij. ain-
da que nao recaia snore os artigos de ali-
mentacw, ba de mais ou menos occasionar
a elevago dos respetivos pregos. E assim
sem vantagera para o consumidor e com
quebra da r nda ser a reraisso do tenue
imposto da tarifa quinto aos gneros con-
siderados de prhnein necessidade: eo mes-
mo quanto s materias primas. E nem eu
vejo que baja razo para isso.
Em geral a materia prima soff e urna pe-
11
L'Iltl
be
O Su. f aptista Pereira : A cmara
pede a suppresso (leste paragrapho e o, niente tirar partido dessa_ estrada no pe em
sub-titue pelo imposto de 3 0|0 sobre a ex-
poriagrio.
O Sr. Sayo Lobato : Se a commis-
so aceita esta substituigSo, claro que o
governo tambem a aceita.
Sr. presidente, esta imposigao de',3 OuD na
exportagSo. que ssenla directamente na
prdueco do paiz, e que vai mais gravar o
productor, j em circumstaocias deploraveis,.
0. mjuda, cruel, aoti econmica, condemna-
da pela sciencia e pela justiga.
Se a extrema necessidade obriga a i upo
sicoes semelbantes, seria ento conveniente
dar Ibes urna nova forma. Seria at esse o
meio adequado para se conseguir vantajoso
resudado do seu laogamento.
quena taxa, crera que de 5 |0, e as que j
tem algum preparo, um principio de mao
de obra, pagar lo I.. E urna imposigao
mdica, com que j o publico est acostu-
mado, e se fr reduzida o consumidor nao
aproveila e s perde o thesouro. Pb-''"vo,
sobre a tarifa, no p era que se a ha e
ral, o queconvm queso rectifique op1
go official em propor;3o approximadamen
ao do mercado. Quantos aos vinhos e be
biaas alcohlicas coi vm, porm, fazer, j
no que diz respeito classificago, e j na
regrado despacho, lgumas essenciaesalte-
ragoes, que muito iproveitaro elevago
da renda.
Quanto s bebidas alcohlicas ha na tarifa
orna nota, creio qu3 a 25, que diz: Os
direitos dos lquidos ilcoholicos sero coba-
dosiela foiga real do alcohol puro, reconhe-
cida pelo alcohoraelro, etc.
Esta di.-psigo na maior parla dos casos trar
consiaerVid raduecj nos dirius dos liquides al-
cohlicos que sexuado a tarifa deviam ser cubra-
dos: pur exerupio, a (enebra, taiada etn 800 rs.
a caada n.i razo de >0 por cento, mnitisslmas
vdies, segundo a fira real de aleobol pura, de-
aoonlrjda pelo alcoh;inelro, vem apagar Uxa
mullo Inftrijr; noeoiic-unu sempre vendija
op mercado pelo prego {eral, e o consumidor por
va de regra neotiuroa di-lincco (ai pelo maior ou
menor grao do alcohol [uro. Accre*ce que o prego
xado n Urda de 200 n. por garrafa representan-
do 50 por cento do valor da ganafa de geaetra
lo abano *do qae devia str, que bem se revela que
na esumacao desle valoi se leve em vista a gene-
bra de ^rao o mais iofeiior ; e no eno4tanto pela
disposiyao da citada note vem elle a ser muila* ve-
zes reduzido.
Nao vf jo a razao por que a taxa nos liquido al-
cohlicos, assim como nos mais gneros, nao seja
laucada na proporco approximada do prego do
mercado, e este lem urna geral colago indepen-
dente de exacta apreciago do grao alcohlico; e a
vtriada que, por meicr torga que encerrem de
alcohol por >, sempre sic vendidos nuiilissimo ci-
ma do prego reputado o>. tarifa.
Pelo que toca a' classiQeago dos vinhos e res-
pectiva taxa, a tarifa dis iDguj os vinhos espumo-
sos que pjgam 2#400 por medida, os vinhos doces
que pagam 700 rs., e fi lalmente contempla Indis-
tinclamenle o geral do vinhos seceos com a taxa
de 320 ri., isto 80 rs. ,ior garrafa.
Ora, notavel a desigualdade com que langa
da a coninbuigo, prior palmenta entre os vinhos
doces e o geral, sem nenhuma ditincgo dos vi-
nhos seceos: oestes e na maior escala se compre-
heudem vinhos de qualidade suptrior e grande cus-
i, como, por exemplo, o vinho do Porto, Madeira,
X^rez, ltheno, Bo.-gooha etc., etc., e nesta mesma
ciasse sflo pos'tos os mais ordinarios, e a todos ln-
di-uciUciamcnte applicada a mesma taxa de
320 rs. por medida do vlnho importado em pipa
com mais SO por cento q lando engarrafado. Qaan-
do se atiende pin a cp a de vinhos seceos lmp,or-
lados e consumidos no pm, q alio preco que cus-
tam aluda os mais crlm irlos, reconhece-se a' pri
meira vista a desigmldide e insifinificancia da
Senhores, a tristissima situagSo poltica prximo, porque esta estrada muitissimopro-
que peso sobre este paiz, e que o precipi- mette, a experiencia j mdstra o horizonte
too da altura em que ia em verdadeiro pro- vasto que o futuro lhe depara, muito de crer
gresso, para este estado de agonia em que i que nSo hesite em trazer para to vantajoso
se revolve, trouxe um accrescimo de despe-!emprego os seus capitaes.
za, que ha de gravar i>or muito tempo o \ E desta sorte o thesouro desde j achava
budijet do Brasil ; ha mister elevar a renda recursos consideraveis na somma por que
por modo permanente, para se acudir a esse vendesse a estrada, e ao mesmo tempo a pas-
accrescimo de despeza, urna das deploraveis sava a outrem habilitado e com a dopla ca-
consequencias da nefasta poltica qoe fla-' pacidade necessaria, por virtude dos capitaes
que se acba e as condiges com que pode
ser proporcionada a venda vantajosa aos ca-
pitalistas estrangeiros, principalmente ingle- J^ parece.m9 qe ailopara esla clas.
zes. Senhores, ser possivel a venaa a es- 8lfl(.aga0 assim englobada demasiada atleDgao e
Irada privilegio, por prego muito alto tal- protecgo ao commercii porluguez, o principal
vez por 4o,000:ooo, desde que fr gxrantK Importtdor no paiz de v noos seceos, do geral de
An i L. j T j~ k m o, a especie superior e preco lo.
do o mnimo de itteresse de 5 ou o [0, e, F v y
E' patente qae deve sei feiti mais discreta clas-
sicagio e proporcionada a devida taxa, qoe em
todo caso deve ser muito raals elevada, anda quan-
to aos da intima classe, ]ue nenhum, por raals ia-
ferior deixa de estar nuitissimo acirra do valor
pir qoe laxado, fspe .lalmente os mais ordina-
rios, de procedencia potugujtt, teem triplicado
valor do prego represeotido mtarlfa. Nao deseo-
nhego que ha raz5es ]ue nos recommendam a
mantenga de relagoes da'mais cordeal amizade e
franqueza commeniai un esses nossos antigos
compatricios, mas nao vai Isto ao ponto de consti-
tuir ibes um privilegio 3 sobretodo causar tama-
abo e lio grave prejuizo w thesouro.
Os viohos portugaezes assim como os de qual-
qoer ootra procedencia q k forera do mesmo cusi
Dio podem nem devera si r assim protegidos, visto
como no rmrjado sao refutados sempre com prego
alto; a c de nio, s?ndo a laxa da tarifa de 60 por
ceDto, que sejam gravadm com a devlda troporgo
ao que elfeciivameote costam ao importador e ao
consumidor.
Quanto ao imposto d< sallo, razo?velmeole se
podero fazir alteri^ojs oo stndo de avant'j'r a
reda do thesouro; de sua nainreza este imposto
um dos que mais fcilmente admitiera compatlvel
augmento sera maior veame, ou equivalente ao
que comportara ootros, especialmente o da expor-
lagao.
Qu into ao imposto pessoal, qae se dix de indus-
tria ou proS.'so, tal irapuaigo realmente oflerece
serias obj'cgdes, ja' pela difflculdade pratica d
seu iaogaraeato e cobranza, e ja' pelo odioso que
ha em taxa que enteode lao directa e irarnedita-
mate cora o iodlvidu), qoe lhe mode as propor-
gjtei pessoaes para faze-lo contribuir. Sobretudo o
que pode biver de abusos, e o que infaliivelmaole
sedar' no sentido de vexaraes e ptrsegaigSes,
sob sua admioislrago partidaria, torna e.-ta impo-
sigao anda ruis odiosa. Mas se as necessidades do
thesonrj durante a guerra obrigara-no- a langar
esla Impjogo seja ella ao menos classiQcada cuno
coQiribuigo extraordinaria e s nenie a receber-'
se durante d periodo da guerra.
E-la classlflcagio de Imposigao extraordinaria |
para eraquaoio doarir *a guerra da mais alta
conveniencia ; pego a' Ilustre commisso que lhe
d a importancia qua merece : ella leude a atte-
boar o peso dos impostor, ao passo que os justifica,
aieotaodo com fuodada esperaaga ao coninbuiote
da breve reraisso; e alias de absoluta justiga
qu i os impostos exiraordioario, que s a extrema
necessidade pode extorqulr, desapparectram cora
as circumstaocias extraordinarias que os origina-
ra ra.
Senbores, s a extrema mcessidade nos pdele-
var a arada mais sobrecarregar o coniribuinte bra-
silero nesta qoadra crilica, era que tudo se aecu-
mula para vexa-lo
O peso das contrlbiiges j demasiado no es-
tado deploravel a que se achara reduzidas todas as
classes, especialmente a da lavoori, que como In-
duitna por exoelleocia do paiz merece especial
prolecae. O agricultor brasileiro ja' piga cresci-
dis: una taxa, que absorre coosideravel parle da
sua reoia liquida. Galculai, senhores, a que se re-
duz a reala liquida de ara lavrad r da provincia
do Ri de Jioeiro qoe cultiva o caf : presente-
mente ji paga tt por cento de cooribu gao geral,
provincial e addiclooal. Agora, Ulcu'e-se, em vista
dos gastos de i rjducgj e Iradsparln, cora a mia-
gua por via deregra de cap'tal proprio, cora a al-
do juro que paga a sea credor, com Untos azares
a que esta' exposto, e que demais se v arrojado
dj vrtice de una crise prassada de plano pelo
govrrao, eslouvadamente provocada pelo governo-;
qual o pr i lucio liquido da lavoara, especialinenle
a do caf, onerada de mura especie de coutribm-
gao, e esta langada pela tno da fatalidade,o bi-
cho estragador do caf, a secca, que tantas vezes
faz desapparecer as esp'r ragas da colheita, a in-
terralueu ia que esta espacie de cultura lera de
sua oaiureza, que, se em um anno carrega, era ou-
tro anno falha ; tu lo erarla: teraa a coodigao do
ag icoltor raaito precario a limitadissimo o seu lu-
ro liqjido jt* sobremodo gravado.
E em taes circuraslaacia qua se nao hesita
em augmentar cora mais 3 por cento o imposto de
exportago f Saobores mais 3 por ceato sobre o
que ja' pa ira os productos brasileiros orna parle
muito impjrtinte da saa renda liquida, qua p.r.i
rnuitis entrara' pelo capital, visto que em varios
annos at filia absolularaenie qualquer reala ao
cultivador de caf. E log > laogar-se 3 por canio ?
Nao seria bastante 1 por ceato, se a tanto obrlgara
as urgeucias do thesooro 1
Ma-", senhores, a tanto nao chegam as iadecliaa-
vt-is aecessidades do thesouro, nao ha essa penu-
ria, o ponto qae discreta e sabiamente se saiba
usar dos recursos e meios que o thesooro do Bra-
sil anda tem.
Temos, Sr. presidente, temos esses recursos,
Basta a reviso da pauta das alfandegas e iofalll-
vel elevago da contriboigo, basta o accrescimo
do imposto do sallo-, e, se anda fosse preciso, o
imposto designado de proQsso e mdu-tna, lo b-
m nte adraissivel era ultimo extremo, e durante as
circunstancias extraordinarias da guerra.
Cora estes meios, e dispondo do recurs > coosi-
deravel que ple dar a venda da estrada de ferro
de D. Pudro II e sea privilegio, lera' por certo o
thesouro meios bastantes para acudir a todas as
despezas urgentes, e podur ser transposto este pas-
so diffl-il era que se acha o nosso paiz. E reoohe-
ga o Brasil nos seus soflmenlo?, oas attnbulages
que lhe imp) a sobrecarga de imraeosos sacrifi-
cios, reconbega de qoera lhe veio taraanbo mal ;
e admire-se o oobre presidenie do cooselho oas
suas obras, elle, entre todos, o mais respoosavel
por esta oefasla situago, a iraire-se oas desastra-
das consequeocias da sua poltica e adrainistragao.
Tenbo cooclnldo. (Muito bem.)
U Sr. Pinto de Figukiiiedo (sileaso) :Sr. pre-
sidente, a hora esta' por detnats adianiada para en-
trar em ama discusso loimporlaole como esta.
O Sn. Macbdo :V. Exc. nao votou pela refor-
ma do regiment?
O Sr Cassiano : Muito bia reforma.
O Sr. Pinto db Figrireoo :Nao obstante, nao
posso dei sar da aceitar e de agradecer o favor de
V. Exc. concedeudo rae a palavra ; nao porque te-
nh i a presump.go de poder langar o mais lnsignili-
canteraio de luz era ama discaiso, que se eu con-
sultasse s as minhas habilitages o os meus oe-
ohuosrecursos oratorlo=,deixariaqaese conservas-
te oa aitma em qae a colloearara os (Ilustrados ora
dores qae rae precederara ; mas porqua elle facili-
lame o eosejo de preeacher anda nesie lugar so-
leinue ura dos deveres qua mais acato na miaba
vida, qual o de ser.bom pagador.
Sira, Sr. presidenie, eu unua'oecjssidade de en-
trar nesta discassao, pirque devo.ao n bre presi-
denta do cooselho e mi ni-ir j da tazenda, que nos
honra cora a saa presenga, algaraas palavras a
respeito da repartigo a que pertengo. E comqoan-
to teoha ja' dado a S. Exc. algum a cousa por conta
dessa divida, quando ba das apreseolei a' caraira
um requ rmenlo referente a' questo da oraanisa-
gao das pautas seraanaPs, todava, pesar-ras-hia
muito ver eocerrar-se a sessSo desta anno sera
poder saldar toda essa mioba divida, para assim
mostrar quanto soa dcil dos dictaraes do raeu
honrado chefe, a quera respailo por muitos titules.
Antes, porm, de curaprir esse dever, Sr. presi-
dente, seja-me licito aventurar algumas rcQaxoe;,
embora com o maior acanhamento e embarago,
acerca da imporuotisslraa materia qoe ora discu-
timos. Resta-rae apenas hora e meia para fallar, e
eu vou ver se aproveilo e.-te curto espago para to-
car, anda que ligeirameote, oas dilT.-reotes qjes-
tdes de que preteodo oceapar-%e.
C)tno representan!o do povo e ao mesmo terapo
perteaceodo a' classe dos agentes do risco, creio
nao rae ser licito eximirme do dever de nao con-
servar-me silencioso oo moraeoto em que se trata
do adoptar medidas qae aGfeclam oo mais elevado
grao os interesses tanto de ora- cerno de oatro.
Procurarei, portaolo, Sr. presidente, no desem-
penho da t3o meliodrosa tarefa, haver-me cora a
iraparcialidade cora qoe rae cuaipre proceder,
daado a Deas o que de Deus e a Cesar o que
de Cesar.
Terei diante de meus oihos as palavras com que
o nobre presidente do cooselho, oo seu relatorlo,
pedio por diversas vezes medidas ao corpo legisla-
tivo, tendeles a aoxilla-lo na" elevago da receita
do estado, na drnmuigo das despezas, no restaba-
leciraeoto das Qoaogas, era summa.
Terei alada em vista as palavras muito bem ap-
licadas pela nobre commisso do orgamento
oossa actual situagSo Qnancelra, qoaodo disse, oa
magnifica exp.asicao de motivos, qae precede pro-
posta de suas eraeodas :
Nao tem deserapenhado o dever de represen-
tante da nagao aquellos que se oceupam smente
de realgar os iacooveoieoles e males prodazidos
pelas novas imposiges ; necessarlo que, alera
disso, in nquem ootros mais soases, meos preja-
diciaes a' riqueza publica, e igoalmeate producti-
vos. E, sobretodo, aecessario que, penetrados das
necessidades e urgencias publicas, dem aos seos
coostitoint-s o exemplo da resigaago e pootual'-
dade era sujeitar-se aos eocargos oovos qae pesa-
rem spbre o paiz.
xado o padr5o monetario do respectivo
pagamento, o que nao importa aggravo de
despeza, visto que tambem recebido o pre-
co om moeda da mesma especie.
O capitalista inglez, que alo acha em In-
glaterra emprego para o seu capital a mais
de 2 ou 3 "|0, e aqui tem certeza de ter o
locro elevado de 5ou 6*r0, e com a possibili-
dade de auferir muito maior lucro no futuro
' A commlssio o5o davida acolher qualquer
ide qoe na discassao apparega, preferivel a al-
gum dos arbitrios radicados. Iavoca mesmo o pa-
triotismo e as luzes de cada um dos roerabros do
corpo legislativo, para que se queirara dar ao ira-
baluo de meditar e iovestlgar essa ponderosa ma-
teria, a causa coraraum, e qoalqoer qde seja o
partido ou a opinio potinca a qie peneugam os
merabros desta cas, cada qual deve estar ha
muito coovencido da iosofficiencia da nossa recei-
ta e do progresa.) aasostador da despeza publica,
O amor da patrix, qae a todos anima, posto qae a
ootros respelios divididos, nos deve reunir peraote
esse graode flagallo publico, qoe ame.aga devorar-
nos, para sinceramente allentar oos meios de ter-
minar co attenuar os seos estragos.
E*tas palavras, Sr. presidenta, escripias oo aono
de 1843, e que to hbilmente foram aproveitadas
pela nobre commisso, sio'tao elocuentes, lo bem
cabidas, infelizmente para nos, nesta momento,
que ellas e as do nobre mioistro da fazeoda, a que
ha pooco me refer, serio o talismn de-qae me
armari para entrar nesta debate sera o escrpulo
que alus teria.de desgotar a' nobre commisso
qoando tiver de tocar ero aleaos pontos do sea pa-
recer, com os qoaes nao poderei concordar.
Sntoma profundamente compenetrado da ne-
cessidade que tinos de votar este anno mais al-
guos iraposios, iflra de acudirmos ao crdito do
imperio, e stoa'disposto a dar o mea voto a maior
parte dos indicados pea nobre commisso ; mas
por isso mesroo qoe me persuado ompreheoder
era toda a saa firga a urgencia dessas medidas,
que pgo lieenca para subraetter considerago da
cmara algamas eraeodas, coro o onlco proposito
da cbegarma mais depressa aos fins que a nobre
coroioisso tara era vista, sem todava aggravarmas
de chofre as ja to peoiveis circorastanclas de al-
gumas classes dasociedade brasileira.
Na justiflcaco era que voa entrar dessas emen-
das, sr. presidente, eu prucurarel ser o raais laco-
olco possivel, nao s para poopar a V. Exc, ao
oobre presidente do cooselho e a cmara o desgos-
to de irtivirem-me por muito lempo (ao apoiados),
mas porque nao o poderei fazer com a proQeiea-
cla e superlondade dos meas honrados collegas
que se empeoham oo debat das que-tes fioancei-
ras, apoiados nos saus talentos e nos forooidaveis
recursos da que dispdara todos aqaelles qae car-
saram as academias e vivera sobre os livros aper-
feg.iando todos-os das, a cada hora, a cada mo-
mento os seus oahecimeolos.
Nao, Sr. presidenta mal se deve esperar de mira
o qu razoavelmeote se pode exigir de ura pobre
e obscuro funccionario, que anda era idada muito
verde foi ongado a abandonar a explorago das
seleoelas para entregar se sera descaoso a> rada e
mnitas vezes raaterialissimo trabalbo das repart-
g s pabllcas, aflra de ganhar o pao quotidiano
Uma Voz :Mas rouito dignamente. (Apoiados.)
O Sn. Pinto de Figueiredo : Sr. presidente,
nSo saba V. Exc. quauo folgo ver qoe esu dis-
cusso val marchando de modo que por tira talvex
nesta qoesto ao menos, nao se veja na cmara se-
nao um partido, cujos memoras se dispotam qual
raais coocessdes faz ao overo : ainda bem. Eu
pelo meaos acho-rae quasi de oteiro acord com
os aobres depulados pela provincia do Rio de Ja-
neiro, que me precedern), as suas ideas geraes
a respeito das medidas que convm tomar; espe-
cialmente eos o nobre depoiado qoe faliou boa-
lera,alongndose nm pouco raais no qae diz res-
peito aos imposto?, e era grande parta cora o no-
bre conselheiroseu collega, que acaba de sentar-se.
Mas o nobre depnlado permittir-me-ba, que en
o nao acompaohe as censuras qae dirigi ao Sr.
presideote do cou-eln \ por dizer ba pouco qu nao
era occasloopportunade discutirraos o dficit oera
tambera de entrarmos em largas apreciagoes sobre
a despeza.
O nobre depotado, em quera estou acostumado a
ver realgar sempre o espirito de justiga, nao tam
razo ueste ponto.
As qaestSs do dficit ji forara amplameote dis-
cutidas nesta casa e no senado ; tratoase.cora o
maior desenvolvimento possivel dos meios necessa-
rios para acudir a esses dficits, e esses meios es
lo votados ; o que temos, pois, raais cora isto ?
Qaanlo a despeza, ah vem a 3' discusso abrir es-
pago para os debates qae se q'titerera travar
que nos resta, pois, seoo tratar da receita e
dos meios da toroa-ia capaz de fazer face aos oo-
vos dficits de que nos ameagam os orgaraentos do
presente e futuro exercicios, am coosaqueocla das
extraordinarias despezas da guerra ?...
Noto qu a se lem tambem exagerado, sem neces-
sidade, o mo esbdo das oossas circumstanclas -
nanceiras, pintando se o paiz comii que a borda de
ura abysrno, debateodo-se com o papel-moeda, e
ameacado de baocarota !....
Seohores, preciso haver ora -pooco mais de
parcimonia em espalhar oslas ideas aterradoras.
Se n?, os representantes da nago, forraos os
priraeiros a exagerar o mo estado das oossas O-
nangas, quera mus quarera' fiar do Brasil ? Como
nos navein >s aprtsmtar peranta os capitalistas es-
trangeiros e nacionaes, para ibes pedirraos capitaes
com que saiamos desta situago excepcioaal em
que cahiraos ?
O paiz nao est estragado oera esgotado, como
raoita gente suppe ; tem recursos enormes anda
nao explorados, e de que lo cedo nao preciara'
langar mo.
B.sta ama rpida vista de olhos para os nossos
orgaraentos, basta ver a progresso ascendente era
qua anda a renda pablica, que triplicou era viole
aonos, uo obstante as epidemias da febre amarel-
lao do cholera-mrbus, que tantos bragos Traba-
ran) as footes d pro-tucgao ; nao obstante as crisis
-comraerciaes que abalaram fortamente as fortuuas
particulares desde o aono de 18?7, a molestia do
caf, e olliraamenle a goerra qaa susteolamos ha
tres aunos. Onde se vio que outro paiz, Hitando
coro taes sacnlicios, offerecesse melhor persptcti-
va do que o nosso offerece, favorecido someote pe-
lo calor e a humidade?
O oobre denotado pela provocia do Rio de Ja-
oelro, disse tambem bontera aqu que foi do anno
de 1850 a 1851 em diante qae se priocipiou a reu-
or esses graodes saldos que se accumularam nos
cofres do thesouro era 1857. Ha nisto um pequeo
engao da parte do nobre deputado qae ine pego
licenga para rectificar.
O nobre deputado ba de recordar-se de qup,
coraquanto dal.sse affectivamente d) anno de I8i9
como disse, o estado lisoogeiro era que sa acharara
as oossas Qoangas at ao aono de 1858 a 1859, o
saldo de 11,000:0004, que se referi, foi quasi
todo do exercicio de 1856 a 1857, que apenas re-
ce|i-u do exercicio aderior pouco mais de........
1,000:0004 de saldo. E esse saldo de tl,600:000,
a imta do qual viveram os exercicics de 1857 a
1858 e 1858 a 1859, foram o resultado do restabe-
lecimento dos duus por cento addicionaes na ex-
porlago e outros irapjstos, qua o ministro da ra-
zenda pedio s cmaras no de 1856, pelo recejo
que ento lioha de ver-se a bragos com ura dficit.
E vem aqu a proposito ura reparo, Sr. presi-
dente. Parece que mesmo deslumhrados por este
accrescimo maravilboso da recelta facilitamos as
despezas por toda a parte.
Priocipiou-se por vetar-imprudentemente......
6,0Oj:0002 para colonisago, que bem mal apro-
veitados forara. Apoz isto sabveogo a eraprezas
de camiohos de ferro mal dirigidas, e outros des-
perdido* mais, da que oera gosto de fallar...
O Sr. Sayao Lobato :As eocampages, por
exemplo.
O Sn Pinto db Figueibedo :Sira seohor ; pa-
reca que nao se tema mais a volta aos raaos lem-
pos; o no emianio elles vieiam bem depressa, e
ahi esio exlgiodo das cmaras as mesmas on
maiores providencias que as tomadas em 1856, por
IS30 que hole as exigencias sao muito superiores.
Em summa, seohores, dioheiro nao deve haver
receio de que nos falle nanea, porque, como ainda
ba pouco disse, o simples cresciraento annual da
nossa receita, acompaobado da creacao de mais al-
guns Impostos anda que transitoriamente, s para
cubrir as despezas da guerra, bastar para pr-
uos a nado. O qae nos falta,'como muito bem dlzia
0 Qoado visconde de Alboquerqae, juizo, para sa-
ber aproveilar esse dmbeiro, quando elle chegae a
accomular-se de novo, como espero qae vai acon-
tecer.
usa que verdade. Os impostos bao de ser
votados, a reoda ba de crescer por si mesma ; roas
as despezas... O que far depols o goverao ? Ea
teobo a maior contlaoga no actual gabinete, estou
certo de qae elle proceder oesle ponto com todo o
criterio, porra nao sei o que vira no fataro.
E por isso, mais urna razo para lamentarme
por comegar a mlnba vida parlamentar votando pe-
lo angraeoto dos tributos, qoando o raen plano era
redoz-los, o qus poderemos fazer muito brevemen-
te, logo que eutremos em orna situago normal.
Pego, pois, a Deus que nos d sempre om gover-
no que saiba aproveitar esses impostos qae voa
votar, para nunca doer-me a coosciencia de assim
haver procedido.
Sr. presidenie, nos temos armado o governo dos
meios precisos para occorrer aos dficits calcula-
dos at 1866 e 1867; resla-oos por cooseqaeocia
1 regular a receita d'aqul por diaote para que os ba-
langos nao apresentera esse deseqailibrio de que
' estamos ameagados, e qae pode ser maior ou me
oor, conforme fr a dorago da guerra e as despe-
zas que ella aecarreta ; esta qoe a questo. Nao
precisamos, portante, nem podemos mesmo ava-
har precisamente o montante das nossas necessida-
des ; se sero de mais oo de menos mil contos.
Era qae ba detteit e precisa-se faz-lo desappa-
recer, estaraos.todos de accord) ; pois vamos tra-
tar da crear renda.
Se ella fr muito superior, nao haver goveroo
to falto de patriotismo que depois nao se lembre
de applicar as sobras ao resgate do papel-moeda, e
da nossa divida externa e interna ; qoe nao se
lembre tambera de redozir os mpostos. Estas even-
tualidades esto j prevenidas no meo projecto
de emendas, qae voa mandar mesa.
Parecen-raa tambem oovlr ao nobre deputado,
qae falloa em ultimo lagar, que o paiz ja est mui-
to sobre?arregado de impostos, qae tem ama divi-
da passiva de mais de 400,000:000,$.
Quanto primeira parte, o aue davemos confes-
sar qae estamos ainda muito atraxados ; sem es-
talisticas, sem ora ysteraa de imposigao, que faga
recahir os tribuios com a leualdale que a cousti-
tuigo do estado recommenda, como calcular se o
povo paga raaito oo pooco imposto T O qa ha
muita destgoildade ; os pabulares dos powKm,
raaito mais subrecarregados do qoe os do eaapo.
embora se esteja todo o da a clamar o contrario.
No B. asil pdese dizer afoataroent, joe coa ei-
cepgo dos Impostos indirecto?, qae disiribvra-sc
segaodo os gozos de cada am, na parla relativa ao*
Impostos directos os capitalistas, os graad** pro-
prietarios, especialmente os remes, eUo ojoasi
isentos da impostos.
Nos gran es povnados as elasses proletarias sao
as qaa mais sutTrem, porque pagam imposto de la-
do qaanto-precisara para soa subsistencia, desao-
jaodu-se de ama parle daquillo da qoa ak*o4ou-
meote oo podem prescindir para poderem viver ;
emquanto que o rico, o posoidor defraudes fia-
veres, paga tanto oo menos do qaa o proletario,
porque as mais oas vezes tem menos Sitios ra
celibalarlo, snjeilo apenas aos impostos iDdirarieo.
A renda da capitaes, o loxo, o soperfloo, a pra-
prieade territorial nao pagam impostos no Brasil;
elles assentam de preferencia sobre os gneros de
geral c -asomo oa sobre os da prodoegio arrcela,
que exige muito maiores sacrificios do qoe a pas-
toril e outras industrias favorecidas.
P"!o que loca divida passiva do estado, segao-
do um extracto qoe li ba poneos da, de um ais-
curso do Sr. Giadstoie no parlamento Ingl-x, no
qual essa estadista fez a eomparacao das dividas da
nove das principies naedes da Europa, ea posso
concluir que o Brasil das qae m^oo* de* ra, pois
que a sna divida exierna de Sf 14,417,000, on
cerca de 130.000:000$, em joaoto qoe Portugal,
que das novebagdes citadas a ra-raos sebreearre-
gada. tem orna divida de % 33,000.000.
O Sr. Savao Lobato :Hoj-i a divida fondada
25 milhes de libras stxrlioas, 330,0 0:000$, qoa
com o ttapel-mo-da e ootras dividas mais prefazem
a somma de hus 400 00 >:000#V
O Sp. Pinto de Figueibedo : A nossa divida
exteroa de ii,'ii7,ooo ; temos, verdad*, a
divida ioterna fuoaaiia do emprestimo do cofre dos
orphaos ; a dos depsitos poblicos, beos da defan-
tos e ausentes, buhet*s do th-sooro, papel tooeda
e empr^5|imo da caixa econmica, qae todns joa-
tos prefazem a somma de 417,000:000$ de qaa fal-
la o oobre depotado.
Has note o nobre depotado qae desta somma
enorme devemos dedazir : I*, os bilhetes do ib
soaro oo va or de 45,000.000$ para resfale eos
quaes o utir ministro e papel moeda ; 2*, os 10,360:000$ de emprestimo
do cofre -de orphaos ; 3*. M 7.005:000$ do de dep-
sitos pblicos; 4a, os 3:188 000$ do da baos de
defuotos e ausente-i; o, os 1,411:000$ da eaixa
ecoooraica, que oo sao dividas ex'giveis de proirp-
lo pagamento qne possam por o thesooro e em-
baragus. Por coosequeocia, dertuzilas e-ias parcai-
las, os taraos araa divida de 356,0 W:0UO$ repre-
sntala por ti'.ulos da divida externa a interna a
por papel moeda, dada mesmo a hyDrthee de qoa
o goveroo emita todos os 50,000:000$ para qaa
Coi ltimamente aatorisado, e conserve oa circula-
gao os 45,0u0:0O0$ de bilhxtes do tbesuuro.
Qjauto aos 130,000:000$ da divida exteroa, sa-
be-sa que estarao pagos d'aqai a 25 annos, ea vir-
tude das araortisagos que regularmente se fazi*m
todos os annos, e quaoto a divida interna fumada,
que, scjiuiido se v dos balangcs, importa em
106,350:000$, tambera sabido que nao orna di-
vida exigel, mas sira representida por apolice?.
que sero amortisadas qoando fr conveniente.
Rest'-oos, portanto, u papel-moeda, talvez na
somma de 110,000:0009, que na miaba opiaiioa
divida cujo resgaie mai qae nao oos pode assnstar ; porqoe, se tivermos
paz k alguns aunos de erooomia, os reearsos ja
existentes com us qaa ora vamos crear, dVo de
sobra us malos para no flm de alguas annos forta-
lecernos o nosso instrumento de circalago.
Uelxaodo de parte esta qoesto, Sr. presidente.
en passare a oceupar-me do qoe propria da nos-
sa ordena do diav que o qae mais deve isieres-
sar-nos.
Eu estimara raaito, Sr. presidente, qne eslives-
sernos to adiantados em oosso systema Sa.ncial.
qua podesseraos reduzlr os nossos iropnslos ao nK-
uor numero pos>ivel de verbas. Nos temos objec-
tos pagaodo tributos debaixo de diversas formas,
temos uutros simulianeamente sojeilos a impostos
geraes e proviociaes ; e isto moito Ineonventenle,
quer para a justiga que deve baver na deeretaeo
dos tributos, quer para sua arrecadacio.
Se tratassemos agora de ama eoasoildaco de
nossos impostes, creio qoe o* poderiamos re aos segumtes, com rpaita economa para o servico
e vantagera para, o paiz : imposto sobre movis,
imuiuv i- e semoventes, incloindo o imposto terri-
torial sobre industrial e pruussoes, sobre a renda,
tran-misso Ja propriedade, sellos e imporiacao,
dispensando-se os direitos sobra a- exporiaeo.
Como, p re/u, para Isto apenas principiamos agora
a eusaiar os priraeiros esiodos e lesutlvas, ea voa
dar a mioha Iraca op nio acerca do qoa me pare-
ce aceitave ae-u occasio.
Seja-rae licito oeste punto refder os meas enco-
mios a nm tr. iijin-i que acaba de aos ser distribui-
do, a Expsito, oo antes a Historia de cada a*
de nossus artigas de receita.
Este trabalbo (ruostraodu), qoe serve de base s
discusso-s de boje, a que n> aperfeigoamento dos nossos impostos, nao pode
passar por nos desapercebido; ea reodo os maiores
elogios aos seus autores. (Apoiados).
Entremos no f xjrae da propesta :
O I* do art I*, que ora se discute, o qaa tra-
ta dos dlreitvs da i. portago. A necessidade ia
retoma ou da reviso da uos-a tarifa, indicada ao
art. 1 das emendas dacummi*:<, esta' to rtco-
Obeclda, Sr. presidente, qoe jolgo dispeosavel ea-
irar ero loogas jnstillcagoes a e.-te respeito ; a ta-
rifa actual ja tem 7 aunos de existencia, e tanto
basta para aconselb^r essa reforma.
Concordo coro a opinio do nobre depotado pelo
Rio de Janeiro, no qae diz respf Ito ao vicio eardeal
da tarifa, que a falsidade dos valeres qoe nella
teem as merendonas tanfadas ; opiaio moito
autonsada, porque S. Exc. leve occasio de reeo-
obecer esse defeito tor soa propria experiencia,
adquirida no cargo de inspector da alfaadega, qae
lo digoamente occopoo.
O nobre deputado citoo moito a propisito diTsr-
sos exemplos da falsidade desses valores: ea cita-
re) alada raals dous oa tres ben frisaates.
A seda em tecldos, por exemplo. pag* segaado a
nossa tarifa 6$00 por libra. Uma libra i seda
em tecido, nao do mais tinoso, custa na E >ropa
pelo menos de 100 a 160 francos, oa 40$ a 60$000
da nossa moeda : a tarifa quer qoe a seda pague
30 /; pois bem : 30 /.de 40$ ou 6O$000, senara
12$ ou i8$0C0, que oqoe deveriarn s eobrar ;
mas a seda em lucido, por sopenor qoe seja, ni)
paga mais da 6$000; segoe-se qoe tal mercadoria
em vez de 30 /> como qaer a lai, s paga, joando
moiio, 10 /
(Ha om aparte).
Mas agora trata-se de provar qoe a aossa tarifa
precisa de u'geote reforma, porqoe da maneira por
que se acbam as mercadoriasao pagam os ipos-
tos qoe a lei qaer, e mana gente soppoe qoa paca*.
ba uma perfeila fdcgo a este respeito, a nossa ta-
rifa orna verdad ira flecao as suas bases. Nin-
gaera sappooha que no Brasil, coa geraloaenia se
diz, o consumidor paga 30,40 e mais por cantoi da-
quillo qae co osme, e qae alias sao a taxs ota-
das pelas nossas lels; e nra engaoo, qoa eaarta
terei sempre, porqoe delle nao pode resaltar senao
desproveito para o fisco e paca o commereo. Nao
se paga, termo medio, mais de 20 /, alada pelas
mercaduras mais finas; e por .iqoi sa calcle os
ioconvenieotes que de semelnante erro eerao.aico
devem resultar para todo e qoalqoer estado sobra
Impostos.
O noore ministro ja maodoa por orna portara
proceder a' rectiHcago dos valores oftkiaes da ta-
rifa ; como, porem, acbo qoe para isto indispen-
savel aulorisacao do poder legislativo, consiga a
idea oa emenda, qoe propoobo ao referido art i*
da proposta. Creio qoe nesta emenda atiento coa-
veoientemeiita as necessidades aciaaes, qoa eoa-
sistem : 1*, em aproximar, aao exageraado, as
mercad or i as dos valores reaes; 1, em sojeita-las
taxas proporciooaes a' elevago desses valores, para
oio cablrmos em disparate, conservando as utas
exageradas da actual tarifa, ao passo qoe elevamos
os valores offlciaes; 3*, em aeantelar para qoseoa
essa reforma baja beneficio a nio prejnixo para a
renda publica.
A emenda qae mais adiante ofcreeo tambem,
para a elevago dos direitos addicloaaes des.de ja,
afim de qae o governo teoba meios de o:eorrar aa
dficit por esse lado dos nossos r?carsos, visto qne
ama reforma regaiar da tarita trabalbo qo oio
se faz sem demora,' completa todo xo mea Beata-
ment no qae toca ao qoe pode e deve o goverao
fuer nesie ramo do servico, se qaer, como ata pa-
rece, acertar.
Mas cit'are alada oatro exemplo, na demonstra-
gao qae ba pooco fazia, e o dos esle de la,
entre os quaes esto o panno e a casimira, geaaros
estes qae sao objecto de constantes qoestoei aa al-
faadega, como o nobre depnlado sabe.
*
(Continuar-se-ha.)
TYP. DO DIARIORUDAS'CRUZES R. 44.

: i i
**"*


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EQN5S4E5Y_U6R639 INGEST_TIME 2013-09-05T00:07:59Z PACKAGE AA00011611_11383
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES