Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11376


This item is only available as the following downloads:


Full Text
MMPMBaMV.
"^

^-
ANNOXLIH. NUMERO 219.


P *H V A CAPITAL B LVfilUI OXE WAO PAUA F**TaV
Jar fres BezasaliMUdei.,............... W000
. I2*000.
fn seis ditas Htm.. .i ,t j .-]
Per ia uii Mea.. ,
CaJa aaaero falsa .3
.1

.1 171 -.
1 .1
>i
.] .1 :} X rn w -.i .
v
24^000
320
TERCA FEIRA 24 DE SETEMBRO DE 1867.
PiA DEXTBO E FOBA DA PBOVIXCIA.
Por tres mezes adiantados.. rv tr. IV c ,. i. r. t. :.
r^r seis di tes idea. i.
Prtete ditos idea...
Per Jiat idea., csi

t <

W75*
180500
20*250
270000
&8Bii(&i!jV'8i am paaAmiBiBi) asaiaaiPDM idi nmm>3!& tootmiim ids iAiau & iM&a, sus ip^d^sii^So
pNCARREGADOS DA SBSCRIPgAO.
Parahy ba, o Sr. Antonio Aleandrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva ; Aracaty,
b Sr. A. de Lomos Braga; Cear, o Sr. Joaqaim
os de lliveira ; Para, os Srs. Gerardo Antonio
Alyes & Filhes ; Amazonas, o Sr. Jeronymo da
Costa; Alagoas, o Sr. Francino lavares da Costa;
Bahia, o Sr. Jos Martins Alves: Rio de Janeiro,
o Sr. Jos Ribeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS 8STACETAS.
Olinda, Cabo, Escala e estacos da va frrea at
Agua Preta, todos os dias.
Igoarass e Goyaooa as segundas e sextas reiras.
Sanio Anio, Grvala, Bezerros, Bonito, Caraard,
Aitinho, Garaohuas, Baque, S. Bento, Bom Con-
seibo, Aguas Bellas e Tacarat, aas tercas-feiras.
Pao d'Albo, Nazarelb, Limoeiro, Breio, Pesqoeira,
ingazeira, Plores, Villa Bella, Cabrob, Boa-Vis-
ta, Ouricury, Salgoeiro e Ex, as guaras fejras
\ SerluhSem, Rio Pormoso, Tamandar, Una, Bar-I Prime
reros, Agua Preta e Pimeoteiras, as quintas| dia
feras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do eommercio : segundas e quintas
Relacio : tercas e sbados s 10 horas.
Fazenda: quintas s f0horas.
Julzo do commercfo ; segundas as 11 horas.
Dito de orphos : tercas e settas s 10 horas.
vara do civol: tercas e sextas ao meio
Tara do civel : qnanas e sabbadea
da Urde.
MERIDES DO MEZ DE SETEMBRO
creso, as 8 h. e 39 m. da t.
13 Lna ebeia as 9 h. e 41 m. da t.
21 Quarto ming. aos 17 ra. da ro.
27 La aova as 8 b. e 50 m. da t. '
DAS DA SEMANA.
M
23 Segunda. S. Lino p. ni.. S. Teda v. m.
24 Trea. S. Tvrso ro., S. Geraldo b. id.
2o Quarta. S. Justina v. m., S. Senador m.
2b Quinta. S. Cenlas, S. Kirmino b.
27 Sexta. S^. Cosme e Damiio irs. mm.
28 Sabbado. S. Wenceslao duque monge.
29 Domingo. S. Miguel Arcnanjo, S. Plcito.
i PREAMAR DE HOJE.
jPrmeira as 10 boras e 6 m. da maobia.
{Segunda as fO boras a 30 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COsTEIROS.
Para o su! at Alagoas a 14 30; Rara o nort*
at a Granja a 15 e 30 de cada mez; para Fer-
nando nos dias 14 dos meses Janeiro, marco, main
faino, setembro e novembro.
PARTE OFFICIAL
COMANDO DAS ARIAS.
jairtel general do commande das armas de Per-
nambuco, na cidade da Recfe, 23 de setem-
bre de 1867.
ORDEM DO DIA N. 380.
O brlgadeiro comroandanle das armas faz saber
a goaroico para os flns convenientes :
M Que a presidencia resolveu por portara de
21 do correte, exonerar a sen pedido o Sr. capitao
do eorpo de polica tanoel Joaquim de Castro Ma-
deira, da eommisso de qoe o eocarregara de or-
gaoisar e commandar na qualldade de maj ir, urna
secco de batalbo de voluntarios da patria desti-
nada ao servico da guerra.
2.a Qoe no dia i* deste mez (oi dispensado do
servico do corpo d. 21 de voluntarios da patria a
que partencia o Sr. lenle honorario do exercilo
Beojamim Beltro de Aleocar, qoe bavendo con-
cluido a 18 de agosto ultimo, a licenca que se
achava esta provincia para tratamento de soa
sale, Qcou comprehendido as disposices do avl
so circular do ministerio da guerra de 47 do mes-
tno mez.
3. Que a 20 do crreme seguirn) para a corle
aflm de se reunirem aos seos respectivos corpos,
os Srs. capito do batatbo n. 6 de lofaotaria An-
tonio Raymundo Lins Caldas e tenente do 9* da
mesma arma Secondino Ayres Vellozo de Mello,
qoe se acbavam cora Ucela para tratamento de
saa sade.
AssigoadoJoaquina Jos Goocalves Fontes.
E>ta' conforme. Emiliano Ernesto de Mello
Tamborim, tenente-ajudante de otdens eocarrega-
do detalbe.
INTERIOR
Rio de Janeiro.
9 de oulubro.
Ao Sr. presidente do eonselbo f jram dirigidas
as seguimos cartas :
t Palacio Isabel, 7 de setembro de 1867.Illm.
o Exm. Sr presidente do eonselbo de ministres e
ministro da (aienda.Desejando a princeza impe-
rial e eu acompanhar os sacrificios qoe as acluaes
-circumstincias da oagao iropoe a todos os Brasile-
ros, cedemos, a favor da; urgencias do thesooro,
a quinta parte de nossa doiagio, qoe rogo a V.
-Etc. baja de mandar descornar do 1 de Janeiro
prximo futuro em dtante.Gastn d'Orleans. >
c Palacio Leopoldina, 7 de setembro de 1867.
Illm. e Exm. Sr. presidente do cooselho de minis-
tros e ministro da fazenda.Desejando a princesa
D. Leopoldina e en acompanbar os sacrificios qoe
as acluaes circumstancias da nacao Irope a todos
o Brasileiros, cedemos a favor das urgencias do
besouro a quinta parte de nossa dotaeo, qoe ro-
go a V. Etc. haja de mandar descontar do 1.* de
Janeiro protimo futuro em dianteDuque de
Saa*.
10-
A cmara do; deputados approvoa bontem os
segolntes projeeto?, em di.cussio o qnatro
oriraeiros e em 2.* os ltimos.
1.* Melhorando a aposentadora de Caetano Pin-
to de Veras, exporieiro da alfandega de Pernam
buco.
2.a Coneedendo ao Dr. Lniz Antonio rhrbo;a de
Almeida om aono de licenca cora todos os seus
venclmentos.
3.* Declarando qoe os Untes das faculdades do
imperio, que oourem mais de trints annos do
servio, serio Jubilados, quando requeiram, com
todos os seos vencimentos.
4. Mandando resttdlr pela repartido compe-
tente a Liberato Lopes e Silva a qnantia de......
4:928224, importancia de joros que pagou como
ador de Leir Lopes Castello Branco e Silva.
5.* Sobre o complemento da construecao da 3.'
seccao da estrada de ferro de D. Pedro II.
6.a Declarando qoe devem ser entendidas sem
prejoizo do direito ao meio sold ou monie-pio as
-pensoes concedidis as familias dos offlciaes do
xercito e armada fallecidos na actual guerra con-
tra o Paraguay.
7. Fazendo a dispoMgo do art. 1.* do decreto
o. 23 de 30 de agosto de 1834 exteoslva ao bacna-
re formado na facoldade de direito de Pars,
Francisco Gomes da Silva.
8.* Permilliotio 4 irmandada do Santissimo Sa-
cramento da capital da provincia da Parabyba do
Norte possuir at 10:0003000 em beos de raz.
9. Creando nm coliegio eleitoral no Brejo-
Crande, provincia da Babia. ^
Occupou se depots com a 1." disenssao do pro-
jeeto mandando pagar a Jeronymo Jos Tavares a
guarna de 3:6705000 a que foi eondemoada a fa-
zenda publica por seotenca do poder judicial. De-
pon de algumas observac5es dos Srs. Correa das
Neves, J. Madurelra e Baplista Pereira, foi off*re-
eido por este senhor um requenmento de adlimen-
o, que foi approvado.
Tratou em oltimo logar da 3.a discosso do pro-
jeeto autorlsando o governo a contratar o melbo-
ramento do pono de Pernasibno. Depois de al-
gumas observaedes dos Srs. ministro da agricultu-
ra, Gavio Peixoto, Pedro Leitao, C Otloni, Viria-
to de Medeiros, Gama Abren, Souza Carvalbo e
ilacedo, fieou a dlscusso encenada.
Foram offereeidas as seguales emendas :
< Ait. 1. Pica o goverao antorisado a contratar
o melboramento do porto de Pernambucu, bem
como o estabetecimento de docas para carga e des-
carga dos navios na cidade do Recfe, conforme as
plantas que forem approvadas pelo mesmo gover-
ao, o qaal podera conceder ao respectivo empre
aario ou companba o recebimenlo de taxas no va-
lor qoe f&r razoavel pela entrada dos navios no
porto, bem como pelo trabalho de carga e descar-
ga as docas e pela armazenasem das mercado-
ras nos edificios das mencionadas docas.
S !* As referidas taaas serlo regaladas de
nodo qne, a vista da qnamidade de navios e mer-
caduras nao exceptuadas de paga-las, qne costa-
naco entrar no porto de Pernambuco e tiverem de
servirle das docas, prodmam provavelmeote m
lucro liquido de 8 V. ao aono do capital conven-
clonado para a execagao das obras, acqaisi;io de
apparelhos, barcas, etc.
2." O capital qoe se eoaveocloaar para as
obras do porto e das docas nao exceder em oe-
nhum caso da 13,332:000*000, e o goverao podera
reduzi-Io, conirataDdo smeote as "Obras qoe jal-
gar necessarias.
< 3.* Desde qne o loero liquido exceder de 8
% ao aono do capital convenciooado o excesso di-
vidir se-ba em duas parles iguae?, das qoaes nma
resgate das obras, nj caso qoe jolgae convenlento
effectaa-lo, podendo empregar a este fim o rendi-
mento de que trata a Diurna parte do J 3." com os
juros que prodozlr.
6.' Alm das vantagens qoe fican mencio-
nadas e do privilegio, na> podera o governo con-
ceder ao emprezario ou eompanhia snbvencao, ga-
ranta de juros, emprestlmo en ontro qualquer fa-
vor pecuniario.
t Art. 2 O governo poderi, se jolgar necessa-
rio ou preferivel, effeetnar as ditas obras do me-
lboramento do porto e das docas por administra-
cao e costa do estado, mediante nm cmpreslimo
que nao exceda qoanlia mareada no 2.* do ar-
tigo antecedente, com bypotbeea de toda oo de
parte da reoda proveniente das taxas sobre os na-
vios e os serviros das docas, cojo recebimenlo
cima aokirisado.
t Art. 3. O goveroo flea cutroslm aotorisado a
effeetnar o melboramento do porto de Santos e n
estabsle^imento das respectivas docas, segundo as
bases declaradas nos aitigos antecedentes, na par-
le qne Ibe tr appllcavel.
c Art. 4.* Ficam revogadas as dispusieres em
contrario.Vinato de Medeiros.Sonta Carvalbo.
Gavio Peixoto. .
f Desde qoe a reoda liquida exceder a 8 /= ao
aono sobre o capital fixado, o excessi dividir-se-
ha em dnas partes, urna que ser addlcionada i
verba liquida, e ontra qoe formara' om fundo de
amortizar) ao dito capital.Virato de Medeiros.
Amortizado o Capital todas as obras perten-
cenies a' eompanhia passaro a) dominio oaciooal.
Virialo de Medeiros. d
S. M o Imperador, aeompanhado dos seos sema-
narios, visitn bontem o asylo de invlidos na Iba
do Bom-Jesos.
Par cartas imperiaes de 6 do crreme mez de
setembro foram nalurallsados cidadaos brasilei-
ros :
Dontor em medicina Monlgoioerey Wltbers Bo-
ga, ciaadao dos Estados Unidos; Francisco Antonio
de Menezes, subdito portognez,e Lulzda Silva Bap
lista, dem.
Foi promovido a official da ordem da Rosa o ca-
valleiro da mesma ordem J. H. Morn, snbdito bol-
landezi pelos servicos.que tem prestado como con-
sol do Brasil em S. Toomaz.
Por decreto da mesma data foram concedidas
as segrales condecorares, em attengao aos rele-
vantes servicos qoe na provincia do Maranbo
prestaram a bem da integridide do imperio e hon-
ra nacional ai pessoas abaixo designadas :
Ordem da Ro?a.
Dignatario : Izidoro Jaosen Pereira.
Commendador : Antn.o Marcellioo Nones Gon-
ealves.
Offlciaes : lenles coronis Maooel Jansen Tel-
les da Silva Lobo, Carlos Jansea Pereira, Antonio
Jos de Carvalbo Pires Lima, Silvioo Pereira da
Silva Coqoeiro e Sebaslio Jos Pereira de Castro
Sobrinho, teneote-coronel Luiz Pereira do Lago,
Manoel Googalves Ferreira Nio e Joo Pedro Ri-
bi re.
Cavalleiros: major Joo Marcellioo da Sflveir,
tenentes coronis Jos Antonio Fernandes, Antonio
Franco de S Ribeiro e Clementino Jos Ribeiro,
c ronel Amaro Baptista Bandeira, capilo Antonio
Jos Villanova, Joo Vieira Chaves, Dr. Francisco
Gomes ie Soura, Carlos de Brito Bayma, teneote-
coronel Henrlqne Pereira Coqoeiro, Jos Candido
Nones Belfort, Fernando Lniz Ribeiro, Joaqoim
Daniel Gomes de Castro, Dr. Tolentmo Augusto
Machado e capito Jos Caetano de Souza No-
gueira.
Ordem de Chrislo.
Commendadores: Antonio Bardino Ferreira Coe-
Iho e Dr. Manoel Jan Cavalleiros: coronel Amonio da Canha Sanches
e bacharel Fredenco Jos Correa.
Foi nomeado ca valleiro da ordem de Cbrbt) o i"
tenente da armada Alfonso Henriqnes da Fonseca,
por se verificar qne ja' tinha a condecorado de
cavalleiro da da Rosa, a qoal Ihe foi concedida por
decreto de 21 de agoslo ultimo.
Foram concedidas as seguiotes pensSes por ser-
vicos prestados na guerra contra o Paraguay :
De 815000 mensaes a D. Anna Mara V>z Ma-
druga, viuv do major da gnarda naeional Israel
Pereira Madrnga, fallecido em conseqaencia de
molestia adquirida em servico de campanha.
Ue 60*060 mensaes a D Mara Anglica de Je-
sos Cunta, vluva do capitao do 44. corpo de vo-
luntarios da patria Amonio Jos da Gooba, falle
cido de molestia adquirida em campanha.
De 219000 mensaes, sem prejmzo do meio sol-
do qoe Ibe competir, a D. Marianna Eolalia Lobo
de Alboquerqoe, viuva do tenente do 6.* balalbao
de iof ntaria Aureliano Pires de Albuquerque, fal-
lecido em cooseqoeocia de molestia adquiridas em
campanha.
' De" 365000 meosaes a D. Mara Francisca das
Chagas Mooteiro de Mello, viova do alteres e o
eommisso do 12.* corpo de voluntarios da pa-
tria Saotloo Mooteiro de Mello, morto em com-
bate.
De 18*000 mensaes, sem prejoizo do meio so'do
qne Ihe competir, a D. Maria finio Pereira da Sil-
va, vinva do alteres do 14.* balalbao de infamarla
Francisco Antoaio Leito da S Iva, fallecido no hos-
pital ambulante de Itapir.
De 12*000 measaes a D. Adelaide Emilia de Al-
bergara Ferreira, vinva do 2. cadete do 4. corpo
de voluntarios da patria Joaqaim Antonio Ferreira,
fallecido em censequencla de (erimentos recebidos
em combate.
De 42*000 meosaes ao tenenle h inorarlo do
exereito Joaqoim Silvio Ribeiro, ferido em com-
bate.
De ROO rs. diarios ao auspecsa do 16." batalbo
de infamara Cassiano Jos dos Santos,
De 400 rs. diarios ao soldado do 7.* orpo de vo
lomarlos da patria Joaqulm Anselmo Caetano.
De 144*000 annoaes ao imperial mariobelro de
!. classe Jesnino Francisco Vieira.
Todas estas pensoes dependern da approvaeo
da assembla geral. j
Foram apreseotados:
O padre Antonio Piolo do Abreo oa igceja paro-
cbial de Santo Aoto da cidade da Victoria, provin-
cia de Peroambuco.
O padre Tito de Barros Correa na igreja paro-
chial de Sanio Amaro de Taquarltioga, da mesma
provincia. i ,_, ,
O padre Joo Jos de Aranlo, la Igreja paroebial
de Sama Maria do Rio de S. Francisco da Boa-Vis-
ta, da mesma provincia.
O padre Manoel Jos de Olivelra Reg, na Igreja
parochial da S. Loreneo de Tijadopapo, da mesma
provloeia. ...-."
O padre Candido Jos Alves da Silva,, oa igreja
paroebial de Nossa Seohora da Porifleaco e S.
Gonzalo de Una, da mesma provloeia.
No transporte Anno embarcaran) bontem com
ser para o emprezario oa eompanhia e ontra flea- destino ao nosso exercit) em operare 304 praca?.
M. o Imperador, aeompanhado dos oa soj.
oaros a do Sr. ministro da guerra, assistio ao ei
barqus.
II
Montera nio boue sesso da cmara dos depatl
dos por falta de numero iegi.
r a disposico do governo, qoe Ihe dar a appli
cacao que julgar conveniente.
J 4.' O material, machinas, carvso e utensi-
lios necessarios execogao das obras, Unto do
porto como das docas, sero iseolos de direitos da
importacao emqoaoto o governo nao der por con-
cluidas as dilas obras; e Dio serio empregadas I
uos servigos de que traa esta le se ni) pessoas I Commelteuse na madrugada de bontem um bal-
livres, as qoaes fosarlo dos favores concedidos baro e mysterloso assassioato.
por le aos trabajadores das estradas de ferro. Ermelloda Rosa de Jess, nma dessas lafehzes
J 8. O goverao estipular condicoes nao s proscriptas da socledade, moradora roa do Hos-
relativas. aos navios como sobre todo o servico das picio n. 223, casa terrea, eslava a' janella ante-
docas, e para assegnrar a hcalisaco e arrecada- boolem a noite, qaando om individuo descoabecl-
$3o dos impostos do estado; a Igualmente sobre a' do dirigio-se a ella; a depois da algama convjrsa,
eoncordoo em voitar entre meta noite e orna hora,
dizeodo qoe trazla comstgo om menino de 12 13
annos de idade, qne dormirla oa sala.
A' hora aprazada apparecen de tacto o homem
eem o menino ; accommodado este no sof' da sa-
la, retiraram-se todos para seos aposentos, Picando
fechadas as portas qoe commoolcam a sala e a al-
cova em que flearam Ermellnda e o companbeiro,
com o resto da casi onde dormlam a mil e nm tt-
Ibo de Ermelmda, e nma*parda escrava.
A's duas boras da madrugada, a mal e o Albo de
Ermelinda onvlrsm om gemido ne quarto desta :
levantndose aquella foi bater a' porta da ralba,
pergnotando se eslava ineommodada depois de pe*
quena demora responden o homem que nenbuma
novidade.bavia, e qoe a filha dormia, com o qne
retiroo se a velba, ficando todava mono desasose-
gada.
Pooco tempo depois passaodo o urbano rondaote
do districlo, vio a janella da casa iberia. Estra-
nhando o facto, olhou para dentro e vio urna ma-
iner deitada na cama da alcova com nma perna
entendida para tora ; bateo na porta da casa e in-
formen a rnai de Ermelinda do qoe vi*, ao que
estiva responden narrando o qoe sabia da estada
alli do homem, acereseeoiaodo qoe nio poda en
trar na alcova por estarem as portas fechadas por
dentro.
Em conseqnencla desta narracio entrn o ur-
bano na casa pela janella, abri a porta da sala e
dirigio-se com as mais pessoas da casa a' alcova,
onde encontraran) Ermelinda na cama banhada em
sangu e ja sem vida, tendo saecumbido sot> seis
grandes golpes de machadioha no pescoco e orna
poohalada oo lado. O assassioo, que se evadi
pela janella, levando o menino, deixou sobre o le-
lo a maibadinba.
Das declararles feitas perante a aotoridade pela
mi e pela escrava da assassioada, parece que o
criminoso homem de estafara regalar e magro,
tendo cabellos pretos e enrtos, e qoe Ibe oaviram
dizer qoe era filno de Pernambuco. O menino
qoe o acampaobuQ tem nma be.ide n'am olbo
Declaron mais a escrava que bavia ponderado a
Ermellnda que era inconveniente consentir que
pernottasse em soa casa om desconbecido, masque
a fallecida responder qne elle era lo delicado,
tao bem fallante, que pareca ser pessoa serla.
Todo Indoz a orer na premeditado desle assas-
sinato. O menino qoe Qcou na sala deltou se vestido
no sota'. Nao faltando na casa o valor de um real
claro qne o fim nao foi o roubo.
A assassioada era filba de S. Goncalo de Nithe-
rohy, soltera e tioha de 30 a 32 annos de idade.
O Sr. 2." delegado de polica, qoe leve noticia do
faci ? 2 X boras da madrugada, mandou proce-
der ao corpo de delicio.
Post scrtptum.Communicam-nos da Delicia qoe
o aotor de lio negro crime toi preso s 7 boras da
noite.
12
A cmara dos depotados adoptou honten, com
as emendas, o projeeto que aotorlsa o governo a
contrastar o melboramento do porto de Paraam.-
buco .-% **r'
OeaaaM-se depois com a 2a disenssio do prefec-
to sobre o complemento da 3* seceo da estrada de
ferro de D. Pedro IL Orarara os Srs. ministro da
agricnitura e C. Oltoni, ficando a discossfto adiada
pela hora.
O Sr. Baptista Pereira fundaraent u o segrate
projeeto:
A assembla geral resolve :
t Artigo orneo. Us crimes por abaso de liberda-
de de impren-a, cujo mximo da pena coober na
aleada das antoridades polciaes, continnaric a ser
proeessados e jalgados pelas mesmas autoridades;
ficando revogadas as dlsposicSes em contrario.
c Pac) da camaia, 11 de setembro de 1867. >
O Sr. Siiveira de Sooza tambem fandamentoa a
seguate indicaco:
c Indico qoe ao 3 oa no lagar proprio das
ultimas emendas do reg nento se accresceote o
segointe :
Na i* e 2a discossSes de qualqner projeeto
nao sero admittidos reqaeriroentos da adiamanto,
quando nao baja numero para vota-los. Na ultima
discosso, porem, e sem prejoizo da eootiouaco
desta, s tera' lugar o encerramento depois de
discutido e rejeitado o adiamento. A esta rejei;o
segoir-se-ha o encerramento, sempre qoe para
aquella discosso nao baja oradores Inscriptos na
sessao em que o adiamento foi proposto.
t Paco da cmara, 11 de setembro de 1867. >
O Sr. Aiboquerqae Mello fuDdamentoa igualmen-
te o segrate projeeto :
c A assembla geral resolve :
Artigo nico. A lioha divisoria entre as pro-
vincias do Ceara' e do Ro-Grade do Norte, que ac-
tualmente corre pelo orno da serra do Apody, at
onde esta termina, proseguir' al o morro do Tni-
bao, oo oceaoe, ficaodo para o Rio Graode do Nor-
te oterreoo coaprehendido eotie a nova linda e
o rio Mossor.
t Paro da cmara, 11 de setetnbro.ee 1867.
Foi a' imprimir a segointe redaccao.
t A assembla geral resolve :
i Art. 1* Fica e goveroo autorisado a contratar
o melboramento do porto de Pernambuco, bem co
mo o estabeleelmento de docas para carga e des-
carga dos navios na cidade do Recite, conforme
as planta qoe forem approvadas pelo mesmo
goveroo, o qaal podera' conceder ao respectivo em-
prezario, oo compaobia. o recebi melo de laxas oo
valor qoe fdr rasoavel pela entrada dos navios no
porto, bem como pelo trabalho de carga e descar-
na as docas, e pela armazenageowlas raercado-
rias nos edificios das mencionadas tocas.
1* As referidas taxas serio reguladas de
modo que, a' vista da quaoidade da navios e mer
cadorias, oo exceptuados de paga-las, qoe costo-
mam entrar no porto de Pernambuco e tiverem de
servirse das docas, produzam provavelmeote um
lucro de 8 por centono aono do capital eonvencio-
nado para a execoco das obras, acqulsifao de
barcas e qoaesquer apparelhos de excavaco do
porto e do servido das focas.
t I 2* O capital qoe se convencionar para as
obras do porto e das docas nao exceder' em ne-
nbum caso de 13,332:000*000; e o governo podera
reduii-lo, contratando smeote as obras que jolgar
necessarus.
i g 3* Desde que o luc-o liqnido exceder de 8
por cento ao anual do capital convenciooado, o
excesso dividlr-se-ha em dnas partes igoaes, urna
das quaes sera' addlccionada ao lacro liqoido do
empresario oa compaobia, e ontra formara* um
fundo de amortlzaco do dito capital. Amortizado
o capital, todas >s obras contratadas pelo empre-
zario oa compaobia ficario perteooaodo ao Es-
tado.
4* O material, machinas, carvao a utensi-
lios necesssarios a' execncio das obras, taoto do
porto cono das docas, serio iseolos da direitos da
importacao, emquaolo o goverao nao dar por con-
cluidas as ditas obras; e oo sero empregadas
nos servicos de qoe trata esta lei seaao pessoas II-
vres, as qoaes gotario dos favores concedidos par
lei aos trabalbadres das estradas de ferro.
o* O governo estipulara' condigSes nao s a
respailo dos cavos, como sobre todo o servico re-
lativo is docas, a para assegnrar a flscalisa;io e
arrecadaco dos mpostos do Estado; igualmente
sobre o resgate das aras, no caso qoe juigue con-
veniente effectna-lo.
S 6* Alera das vanlagens que ficam mencio-
nadas e do previlegio, nio podera' o governo con-
ceder ao empresario ou eompanhia sabvenQio, ga-
ranta de joros, empreslimo, oa oatro qualqner
favor pecuniario.
Art. i* O governo poderi, te jolgar neeessa-
rio ou preferivel, effeetuar as ditas obras do
"M
Ihoramento do porto e das docas por administ.rac.io
e a' costa doE lado, mediante um empreslimo,
qoe nao exceda a' quaotia marcada do % 2 do art.
1*, com hypoibeca de toda ou de pane da renda
proveniente das taxas sobre os navios e os servi-
cos das docas, cojo recebimenlo cima aotorisa-
do.
Art. 3* O governo fica ootrosim aotorisado a
effectoar o melboramento do porto de Santos e o
estalfelecimento das respeclivas docas, segando as
bases declaradas nos artigos antecedentes, na par-
te que Ibe fdr applcavel.
< Art. 4* Ficam revogadas as disposices e m
contrario.
< Sala das commisses, 11 de setembro de
1867.L. de Albnbuerqae.C. Pinto de Figaeire-
do. i
Escreve-nos am nosso assignante da cidade de
Lorena, em 4 do crreme :
< Appareceram nesia cidade notas falsas de 20*
do banco do Brasil e 10* do ihesouro,.aquellas da
2' estampa e esta da 3' (brancas), trazidas de
Mambocaba por tropeiros que alli vio vender
caf.
< Ji teem sido depositadas algumas, e a autori-
dade trata de averiguar a verdadeira procedencia
deltas.
< Urnas e ontras sao mais cartas e algam taoto
mais largas e rauto Imperfeitas em tudo o que diz
respeilo a' eslampa, cuja tiota de nm preto roivo
e de to m qaalidade que em algumas j est
muito apagada.
c As de 20* sao todas da 3* serie e as de 10*
da i*; sao perfeitamente novas, parecen lo qne co-
me^arn a entrar na circulaco.
< Aquellas teem o papel mais escuro qoe o das
verdadeiros que perfeilamente claro; falla Ihes,
por serem mais corlas, o 1 B, das palavrasbanco
do Brasilqne tem em leilraa d'agaa, qoe sio
tambem na falsa mais visiveis por* ser o papel
mais lino e mais liso.
i As asignaturas dos directores do banco. A de
Aranaaa, Haddock Lobo, J. A. Barbosa Jnior, P.
de A. Macnado, Dias de Citrvalho e /. Pinheiro sao
perfeitameole imitadas; a oltima, porem, tem a
segunda perna com que termina o J quasi dlreita,
pareceodo acaobadameate laocada, quando na
legitima esta segunda perna acompaoba mu bem
a volta corva da pnmelra.
c O papel das de 10* tambem ordinario mas
mais claro ; a eslampa toda visivelmeole Imper-
feita, tanto que na cercadora em vez do xadrezi-
nho qoe tem a legtima, ha apeoas am sombreado
escoro; nao teta o copo da espada que a figura do
emblema lem na mo ; a palavra serie oo tem o
pingTj sobre oI, e nio s o S como asmis
letras sao mais finas, o mal tenas; finalmente a
palavraU zem letras de cor no centro da nota
e de nm encarnado tocado a rog, e nio roxa, co-
bo as ontra?, e de to ma' ilota qoe sombr i as
outfas palavrasNo thesooro nacional se paga-
ra' etc.sobre qoe sio impressas.
'/TMoaro TBaodoro Rodrigues, de idade malcr
Oe 60 annos, morador oa ra da Saude n, 210,
tentn suicidarse aote-homem, disparando om
Uro de pistola sobre a rrglio spheooide parietal-
A bala deslroio todo o olbo direito, e, teodo aira
vessafto o grande obllqao e a correspondente por-
fi da palpebra, sabio sendo depois encontrada
na extremiiade da sala opposla aquella em que
se acbava o suiei 'a.
A polica procedeo a corpo de delicio nos feri-
semos que faram reputados graves.
Rodrigues declaron que amigos desgostis, de
vidos i iodifferenca com que era por iodos tratado,
levaram-o a comuietter aquello crime.
Por decreto da 4 do correte mez foi elevada a
cathegoria de batalbo a compaobia avulsa da
guarda nacional do servico da reserva, organsada
no monicipio de Igoarass, da provincia de Per-
nambuco.
Por decreto da mesma data toi alterado o 2 uni-
forme do 4 batalbo de infamara da guarda na-
cional da dita provincia, o qual cooslara de sobre-
casaca de paooo verde, bODs a Cavagnac com ga-
lo de panno verde, pala de cooro preto e virola
de metal amarello.
- 13-
Homem nao boove sesso na cmara dos depu-
tados por falla de numero legal.
Saa Magestade o Imperador, aeompanhado dos
seus semanarios, vlsiloo boolem as offkinas de
machinas do arsenal de marinha, o monitor Rio-
Grande do 8*1, e os eocooracados em coostroeco
na liba das Cobras.
Por decretos de 11 de setembro do correte :
Foi promovido a commendador da ordem da Ro-
sa, o offlcial da mesma ordem Maooel Ferreira
Pinto, em atteoco aos relevantes servicos por
elle prestados em rela;o a guerra com o Para-
Foram concedidas as seguiotes pemo*s:
De 4&&000 meosaes, sem prejoizo do meio sold
qoe Ihe competir, a D. Marta da Gloria Cabral de
Menezes, viova do tenenie-coronel do engenheiros
Joveoeio Maooel Cibral de Menezes, fallecido em
consequencia de molestias adquiridas em campa-
oh.
De 60*000 mensaes, a D. Leopoldina de Pao la
Pina Mello, viova do capilo do 32a corpo de vo-
luntarios da pafia Justino Pereira de Mello, falle-
cido em i in nejnnnrli de molestia adquirida em
campanha. "^^1
ue 30*000 mensaes, sem prejoizo do meio sold
qoe Ibe competir, a t. Josepbioa Leopoldina Go-
ales Eihor, viuva do capito do 3a balalbao de in-
famara H'orique Fredenco Beojamio Etbar, fal-
lecido na enfermara de Itapir
De 42*000 mensaes, a D. Juanna Eafrozina Al-
ves Bustamante, mil do lenle do 29 corpo vo-
luntarios da patria Joio Manoel C. de Bostamaote,
fallecido no hospital da saogoe do 2a corpo de ex-
ereito.
De 42*000 mensaes, a D Josefina Augusta de
Oliveira Palestino, viova do leante do 17a corpo
de voluntarios da patria Joaqaim Mathias da As-
cencio Palestino, morto em combate na provincia
de Matto Grosso.
De 30*000 mensaes, a D. Maria Francisca de
Azevedo Fernandes, viuva do tenente do 23a corpo
de voluntarios da patria Francisco Jaciuiho Fer
nandes Jnior, fallecido em cooseqoeocia de mo-
lestia adquirida em campanha; e de 12* meosaes,
ao menor Francisco, filno do mesmo tenente e ha-
vido do sen Ia matrimonio.
De 36*000 meosaes, a D. Rila Anglica de Bri-
to Alambert, mi do alteres f judante do corpo
municipal permanente di S. Paelo, Maximiaoo
Jos de Brito Alambert, fallecido em cooseqoeocia
da molestia adquirida em campanha.
De 500 rs. diarlos ao cabo do 24a corpo de vo-
luntarios da patria Joaqoim Jos da Triodade.
Di 400 rs. diarios ao soldado de volautarios da
patria Olympo Alves de Frelas.
E foram elevadas a 600 rs. diarlos a pansa) de
400 rs. concedida por decreto de 16 de feverelro
ultimo, a Maooel Amonio Monlelro, como soldado
do 12a balalbao de Intantafia, visto ter-se verifica-
do posteriormente qus era segoodo sargento ; e a
500 rs, diarios a de 400 rs. concedida, por decreto
de 14 de margo ultimo, a Antonio Luiz Chnepes,
como soldado do 14a eorpo de eavallaria da guar-
da nacional, visto ter-se verificado poileriormente
qoe era fardel.
Por decreto da mesm dala foi declarado qoe
compete ao cbo de esqoadra do corpo policial da
proviocia de S, Pedro, Joio Alves de Lima, a pea-
sao de 500 rs. diarios, coocedida por decreto de l0 em dicosso, adiado por pedir a palavra o Sr
23 de fevereiro ultimo, e approvada pelo decreto ministro da fazeoda, o seguate reqaerimenlo :
legislativo n. 1405 de 10 de agost), oo obstaote I Reqoeiro que se peca ao goveroo pelo rniols-
haver-se eseripio no dito decreto de 23 de feve- terio da fazenda as segointes informacSes :
reiro, por ioexactidio proveniente das iuf.irmacoes I < |. a quaoto mootam as quaolias de mais de
qoe Ibe serviram de base, como oliimameole se 200:000*000 depositadas no thesooro a Jaro de 6
verlficou, em vez do primeiro nome Joioo de por cento.
io\- 2.* A qoaoto moolam as quaolias depositadas
Todos estes decretos relativos a peosSes ficam i a prazo de 2 mezes.
dependentes de apprcva$ao da assembla geral. 3. Se os bilhetes do besouro correspondentes
Foi nomeado o Dr- Paulo Joaqoim Bernardes da
Malta para o lagar de inspector da saude do porto
da provincia da Bahia.
Por decreto de II do crreme foi nomeado o
veador Jos Carlos Mariok para o cargo de direc-
tor da associacao dos invlidos da patria.
Por decreto de 4 do correte foi passado a ag-
gregado a arma a qoe perteoce o capillo do Ia ba-
aos depsitos de quaolias excedeotes de 200:000*
sSo nominativos, oa ao portador.
4.a A quaoto moolam as qnanti.u depositadas
por ordem, ou por coota, ou em nome dos bancos
e de que bancos.
t 5.a Sa essas tranacc5as dos bancos com o tbe-
souro tem sido feitas por intermedios de corre-
to res.
< 6.a Qual a corretagem ou eommisso que S8
tem pago no ibesonro aos qoe oelle deposltam quan-
talbo de ofaotaria Frederico Ces*r Borlamaque, tas de roai de '200:000*000.
na contormidade das disposiede? do art. 2a I
motivo Ia, n. 2 do decreto n. 260 do Ia de dezem-
bro de 1841.
Teve bontem lugar no respectivo sallo, como
baviamos aononciado, a reuoio dos ass:goaotes
da praca, afirn de discutir os artigos do projeeto
de estatutos da ass9ciac.no commerclal do Rio de
Janeiro, e as emendas votadas
denle.
A meia hora depois do mel da o Sr. presiden-
le Jos Joaqoim de Lima e Silva Sobrinho, abre a
sesso.
Lida e approvada a acta da anterior, declaron
o Sr. presidente que eotrava em discosso o ar-1
ligo 10 do projeeto de estatutos e a respectiva.
emenda.
O Sr. Dr. Tbomaz Alves disse qoe Ihe pareca
que om dos artigos do projeeto de estatutos e;tava j
em coolradicQo com o nosso cdigo commercial.
Paco da cmara do senado, 14 de setembro de
1867.S. R.Silveira da Molla.
No dia 7 do correte, os oradores das com-
misss senado e da cmara dos deputados, pronun-
ciaran) os seguiotes discursos.
i Senhor.-O Brasil celebra boje o 5.a aniver-
sario do d a em que nm principe Ilustre, guiado
pela mo da Providencia, soltou oos campos do
na reonio prece- Ypiranga as palavras soleroues-Iadependeucia ou
moite.
porque classifica como oegoclaote os capitalistas; e o Brasil oceupon. com
Ia, qoe se vote em glo
i Esse brado patritico, voando cqui rapidez
elctrica, resooo em todos os coraces brasileiros
de urna a outra exlremidade desta vasta regiao, e
achou aellas acolbimeoto, por.qoe exprima orna
Decessidade indeclioavel da poca, e ja' ninguem
descoDhecia que a parte mais importante da amiga
monarebia, orna vez nivellada categora de reino,
nao tornara a descer a' condico de colonia.
t Sim, senhor, nesse dia memoravel roraperain-
se os lagos, qoe nos prendiam a' aotiga melropole;
que nao o sao; o propoe
bo todas as emendas approvadas; 2a, qua se des
taque do projeeto de estatutos o regolameato das
pensoes.
Sendo po3tas a votos foram approvajas as emen-
dos aos arts. 10, 12, 17, 18, 22, 25 e 28, e o art.
30, cabindo a emenda a este artigo, passaodo tam-
bera os arts. 32, 37, 47, 53 e 4a deste.
Foi regeilado o art. 38, substitutivo ao qne foi
eliminado na reonio anterior.
Seguio-se orna pequea queslo de ordem, em
qoe lomara parte o Sr. presideola e alguos mem-
bros da assembla.
Sogeitaodo se a volaco a 2a parte da proposta
do Sr. Tbomaz Alves, foi regeitada.
O Sr. presidente pedio a assembla geral autori-
saco para a eommisso aceitar oa regeitar as
emendas exigidas pelo goverao quando o projeeto
Iha fos&e apreseotado.
Esta antorisaeso passou por nnanimidade de vo-
tos, levantando-se a sessao as 3 e um quarto boras
da urde.
Navios entrados no dia 23.
Ro de Janeiro e portas intermedios -6 das, vapor
nacional Tocantins, de 750 toneladas, comman-
dante o capito tenente Jos Rayraoodo de Fa-
ria, equipagera 53, carga di Arenles gneros; a
Amonio L. de O. Azevedo & C.
Rio de Janeiro26 dias, sumac. bespaohola Nue-
va Carlota, de 120 looeladas, capitao Gabriel
Pages y Aislo*, equipagam ii, carga lastro; a
Caroeiro Pereira.
Aurklaod oa Nova Hollaoda; -73 das, galera o-
gleza Warwick, de 1005 looeladas, capitao Da-
niel Smith, eqolpagem 33 carga algodo e ou-
tros gneros; a ordem. Veio refrescar.
Obsemacao.
Nao hoaveram sabidas.
Fundeou no lamaro um briue hespanhol, mas
nao teve commuoicaco com a ierra.
- 14-
H intem nao houve sessao na cmara dos depu-
tacos por falla de atunero le;al.
n ------
SS. AA. a Sra. prioceza imperial e o Sr. conde
d'Eu visaram hootem na praQa do eommercio a
exposfo de azaleas da India e outras p'aoias alli
apresentadas pelo Sr. Biool.
S. A. o Sr. oode d'Ea dirigi ao Sr. Bioot di-
versas pergantas sobre o coltivo daquelia3 fiores.
Em 13 do crrante foram expedidas as seguales
ord-ns : #
Dispensando d servijo doexrrciln, oc caso de
aioda nao ter segaido a reunir se ao corpo a qoe
perteoce, o teneole do 38a corpo de voluntarlos
Franci-co Xavier de Oliveira Cmara, visio ter
sido Juigado probopto na inspecca) de sanie a que
foi submellido oa provincia de Santa Calharna.
Di-pensando Igualmente do servido do exercilo,
a" vista do termo de IospecQo a que foi submel
tldo na dita provinci, o alteres do 37a corpo d
voluntarios J icintbo Feliciano da Cooceico.
Coneedendo tres mezes de liceaga com sollo e
etapa, para tratar de saa saude na provincia de
Pernambuco, ao tenente de eommisso ajodaote
do 7a balalho de infamara Javioo Deocleeiano de
Soaza Bruno.
Approvando as segnintes licencas :
De um mez com sold e eiapa, concedida pelo
presidente da Babia ao alteres do Ia ret nenio de
eavallaria ligelra, Boaveniara Guilhermlno de Car-
qaeira e Silva, para tratar de saa saude.
De tres mezes com sold e etapa, coocellda pela
presidencia de Goyaz em 23 de jalbo fiodo, para
tratar de mi saude, ao voluntario da patria Ma-
noel Antonio da Fooceea; e de dons mezes, em
data de 22 do dito mez, para o mesmo fim, ao
cabo de esqoadra voluntario da patria Cypriano
Marqqes de Arruda.
De trinia dias com sold e etapa, coocedida pela
presidencia de Peroambuco, para tratamento de
soa saode, em data de 10 de joobo prximo pas
sado, ao eapitio do IIa corpo de voluntarlos, Jos
Rodrigues de Oliveira Lima.
Approvando a exoneraco dada pela presidencia
do Ceara', em 16 de julbo oltimo, da eommisso
de alteres do 26a corpo de voluntaria da patria,
a Jos Martmiano Peixoto de Aleocar, qae se acha
n'aquella provincia, visto ter este declarado estar
impossibilitado de voitar para o tbeairo da guerra.
Concedeodo licenca para residirem : na capital
da provincia do Rio-Grande do Sol, ao cabo de es-
quiar* Joo Alaes Lima ; na villa de S Leopoldo
da dita provincia, aos soldados Joio Goilhefme
Matzembicher a Jacob Maoser : e oa da Bibw, ao
soldado Corbiotano Baptista de Sonta, ambos re
formados.
\S -
Hootem nio hoove sesso na cmara dos depu-
tados por falta de numero legal.
DIABIO BE PERNAMBUCO
Temos a' vista jornaes do sol do imperio, qae al-
cancam do Rio de Janeiro a 16, da Bahia a* 20 e
de Alagoas a'22 do correle. A'at do qae damos
sob a rubrica Interior, apenas encontramos aa qae
seguem.
BIO DA PBATA.
Neonum vapor Uofta chegado dessa procede.
a' cono, aps o dia 8 do correte, em qae daoi
sabio o vapor ingles ultimo.
. ro de jamibo. ...!
-- O senado approvata em tereeira 'saao,
para ser dirigido V saoceo Imperta opro](c fi-
xando as torcas de mar para _..
Na sessao de 14 foi lido e apoiado, e, sendo ao'
geral applauso, o sea la-
gar eotre as naco1 independentes do globo I O
principe aogasto qae a poltica bavi delsado en-
tre nos para ser o elo que prendesse a cada do
reino uoido, foi o predestnalo para acclamar a
sna independencia e com ella a liberdade garanti-
da pela monarebia representativa.
t Apezardo longo espago qoe medeia entre o 7
de setembro de 1822 e o de 1867 ; apezar de haver
qoasi desapparecido a geraco que foi testemuoba
coeva desse graode feto, aioda Dio arrefeceu o eo-
lbusiasmo}dos brasileiros ao verem raiar o dia, que
to gratas record ico js desperla e que oceupa o pri-
meiro lugar nos fastos do imperio.
c Desde as mais populosas cidades at as meno-
res aldeas elevam-se acedes de gracas ao Todo Po
deroso, e resoam os caticos feMivaes, commemo-
rando odia que nos deu patria e liberdade ; e que
sera' de ora em dtaote a signalado lambem pelo
grande acto de poltica brasiwlra, que franqoeoa a
todas as nacoes as aguas do maior rio do mundo.
t Por lo aujto motivo o senado, assoctaodo-se.
a seas coocidadios, nos enva perante o tbrono,
para em sea ooma, nos congratolarmos com vossa
magf slade imperial pela renovacao do grande da
do Brasil, e para apresentarmos ao mesmo tempo
os protestos de soa lealdade e dedlcacio a' vossa
magestade imperial, que, bardando doaogusto fun-
dador da monarebia os direito ao throno, e ao ti-
tulo de defensor perpetuo do Brasil, ha de maoter,
sem qoebra, o legado precioso confiado a' saa guar-
da de vellar pela independencia e integridade do
imperio, e pela manulenco de suas iosliluicdes li-
vres ; e aioda Das mais doras provas, que acriso-
lara as grandes almas, dando sempre admiraveis
exemplos de extrema liberdade, ha de salva-lo dos
embales da procella, como a que destechen sobre
dos oestes lempos calamitosos, para loroa-lo, alm
de graode pela oatureza, respeltavel pela eoragem.
e pela constancia de seas filhos as mais diQkeis
cojecturas.
c Digne se vossa magestade imperial de aceitar
os votii do seoado, a quem temos a hoora de re-
preseoiar peranle o throoo de vossa magestada im-
perial.
t Sua magestade dlgooo-se respooder :
t Associo-me com o maior jubilo s coogrataU-
c5s que rae dirige o seoado pelo aooiversario da
inlepeodeocia de nossa patria.
t Senhor.A cmara dos deputados, interpre-
tando os sentimeotos da oaco, eovia-nos pe ante
o throoo para coogralular-se com Vossa Magestade
Imperial, pelo faostoso aooiversario da iodepeo-
dencia do imperio.
t Seohor I E' sempre com verdadeiro jubilo que
o paiz aada o dia de sua emaocipayio poltica.
* Se para muitos povos esse da apeoas a au-
rora de ama vida de esperaoijas, qne larde oa
Duoca se realizara, para dos o da 7 de setembro
de 1822, f j o preouocio de urna era de liberdade;
progresso e ordem, coj )S fructos saboreamos em
cada anna qae decorre.
< Regido pela mais sabia das cartas coastilacio-
oaes, o Brasil maotem ralactas-as suasiostitoiges,
e ba sabido cousquistar, do periodo de quareota e
cioco aooos, um lugar digoo de seus albos o do
sea rei.
i AcompaohaDdo o impulso qae a actividade
bumaoa imprime a's lodustrias e a's arles, temos
plaotado, a par da iotruc$ao, os germeos do pro-
gresso material.
t Respeltando os direitos de todos, e aeolbendo
eom favor os qoe nos procurara, attrahimos ao solo
brasileiro'o braco livre e laborioso, que -tantos e
tao benficos effeitos ba de produzlr no futuro do
P*"'Senbor I Aquelles que nos observara admi-
rara a nniio do povo brasileiro, e a sabedona de
seu governo. ,
t S dessa uniio, que teve por sello o grito de-
lodepeodeocia oa morte, pode o paiz esperar a
saa torca, o sea priacipal elemeoto de vida : ;o
desse goveroo livre, moaarchico, represeolalivo, e
Ilustrado pelos actos e sobidas virtades de Vossa
Magestade Imperial, pode vira felicidadeda-oacao.
Seobor I Daplameole gralo ao coracao de V.
Magetade Imperial, como fllho e como cidadao, o
da 7 de setembro de 1867 reeordao felto magoa-
oimo de um pnocipe abeosoado, e mais um lo
da cadeia que nos prende a Vossa Magestade Im-
PeI'Senhor I A cmara dos deputados arplaade
oo dia de boje os actos de civismo e aboegagao
eom que Vossa Magestade Imperial, na quadra de
provacas por que nassa o paiz, se ba maniido n
altura do primeiro dos brasileiros.
A cmara dos deputados, depde junto ao toro-
ooo seo acatamento e respeilo pela pessoa de v.
Magt'siade Imperial. ,,,.
,ri-O cambio sobre Londres regalava 21 l/i d.
S. Paclo.
_ Pelo directorio do Greaiio Conservador oi
nnhlicada oma circular, declaraodo abster sa o
parido de iDtervir na eleicio da deputados provin-
CaM" MINAS GIRIS.
Acbavam-se na capital os Dr. Raymundo
Portado de Albuquerque C>valcaote a Jc3o Baptis-
ta Furtadb de Mendooca, aquella eflefe de polica
e este promotor publico do Ouro Preto.
Baha.
O tribunal di relaco pronuciou o Dr. Fran-
cisco Justmiaoo Cesar Jacobina, juii municipal da
Santo Amaro, em recarso do jaito de direito da
comarca
S
"
MUTILADO
?


......"! I II M
i
2
e cenhom mineral cremes qae
Pete Or.-chTe de poKeft farsa pronoamdos elassiflcad
s Srs. tenente-eoronel Castro R^tnllo, omm'mda- .leja,
dor Sampaio Yiauna, Ca-iro Gcioiaies e Coelho,, Por esta occasio compre-nos, qoe instante-
como cursos no art. t05 do eedlgo criminal,pela j-mente reommendemos ab goverae toda a alinelo
teotatita de assassinato. dCSr. loio Soares, nio e cuidado para tal estabelecimento, que prometi
seode pronunciado o Sr. Antonio Rosendo, que vir .a serna do* mais ioUreseante da pr-rlea,
tem da ser solt i>asjado ovrasa. Amauba publ- aflm de qae se d impulso i' saa'eooirnr(ao
caremos a -sentenca.
A esserobia provtaeiai
comecra auocelo-
ar, em sessoes preparatorias extraordinarias. \.
O cambio regola-va : sobre Londres i l 1/1 o\
sobre- Pars 440 rete, sobre Hamburgo 810 [t\*'t
sobre Portugal 90/0. ^
RBOIFK. ^^
O resaltado da leicjrir'protincial, coobeclds
at a ultima e>la, f q segulnte:
! distrie.Colleglos da capilal, Laraogelras,
Difiua-Pasara, Sanio-Amaro, Jararatuba, e Villa
Nova :
Padre Manoel Joaqnimda Silva eOlivelra.
Dr. JosFiel de Je.'us Lsite......
Agrippioo Guilberroe da Silva Martins. .
Ad ionio Ai ves de Gouveia Lima.
Jos Corre i Dantas Serra......
Arnobio Afrio de Alcntara......
Sebastiio Ga*par o'Almeida Boto. .
Jos Rodrigues Crlbo e Mello.....
Dr. Francisco da Silva Freir.....
Jos de Barros Accioli de Meuezes. .
Dr. Firmiao Rodrigues Vieira.....
Dr. Jos da Hotta Mues.......
Ramiro Goncalves Valenca......
Dr. Joao Paolo Vieira da Silva.....
Elulario Prudencio da Lapa Pinto. .
Francisco Pedro Luduce.......
Jos de Faro Rollemberg.......
Dr. Gonealo de Agmar Bdto de Meuezes. .
Antonio Jos da f.unba.......
Jos Matosas da Graca L-iie. ....
Manoel R-llainberg Accioli de Madureira.
! datrieto Cullegios de S. Chrislovao, ltapo-
raoga, Itabaminha a Estancia :
Antonio Das Cclho e Mello.....
Maooel Gaspar de Mello Menetes. .
Dr. Tito Livie Vieira Dorias......
Vigario Antonio di Costa Andrade. .
Dr. C- orado Alvaro do Cordova Lima. .
Dr. Joao Candido da Silva......
Domingos Das Jnior.......
Antonio Manoel da Fraga......
Jos de Calbaos Barbosa da Franca. .
Dr Jos Joaquim Ribfiiro de Campo*. .
Vigari Domingues de Mello Reseude. .
Vigario Jo; Goocalves Birroso. .
Dr. Jjs Joao dAracjj Lima.. .
Dr. Jos Ignacio Gimes Ferreira Menezes.
Jos de Faro Rollemberg.......
Joao Manoel de Soma Pinto......
atiabas.
O Exm. presdame la provincia, depois de
assiJ.Dir as redes da administracgo, visitava as
repaiiie5s publicas.
Fjllc'ra. no dia 17, e Sr. Antonio da Silva
Lisboa, coin 70 ancos.
154
143
142
U7
119
116
US
107
108
103
103
102
lOi
101
98
96
96
95
91
9
85
134
133
respectiva decoraco.
n, EstMos-Uni^ js: S. ffjnmai e Ceara'
*' jomingo o vapor americano City of Prov
atnet, d* 787 toneladas, qo te destina eompa-
nhia de navegado entre o Rio de Janeiro e San-
tos, proprietina do Regulator, qae nao ha malte
estove entre ns. Velo receber carvie.
Segando cartas da certa foram nomeados por
decretos de 14 do corrente :
Com mandante do presidio da Fernando de No-
ronha, o Sr. coronel Francisco Joaquim Pe reir
Lobo;
Director da colonia militar de Pimentelras, o
Sr. major Sebastiio Antonio do Reg Barros ;
Commandante da companbla de operarios do ar-
senal de guerra, o Sr. major Trajino Alipio de
Carvalbo Meodonca.
Por osla occasio nao podemos delxar de felici-
tar ao nosso comprovinciano o 8r. coronel Lobo,
pela prova de apreco e conflanca que merecen do
j governo imperial, na remunerarlo dos aervicos
qae tem prestado ao pan.
Hoje cometa o receblmeoto da ptnsio de ou-
tabro a dezerabro, dos alumnos internos, mefo
pensionistas e externos do Gymnasio Provincial.
O vapor Tocmtins mure j nova; notas do
governo, no valor de 500:0W de (azeoda desta provincia, 100:000$ para a do
o Para, 80:000,1 para a do Rio-Grande do Norte e
30:0001 para a da Parabyba.
Alera dess&s qaanas, iroaxe mais o Tocan-
tins 14:4104 oara particulares as provincias do
norte*, e 1:3304 para a nossa.
Estavam carga no Rio de Janeiro, para o
nos-o porto os navios: Bom Jess, Laia l e Relim-
pao; e para o do Maranbao a galera portngaea
131 Nova Anuzade.
130
130
130
I Tere* Wn I t Setembro de 1867.
128
128
ir
123
91
87
58
57
31
12
PESilfllWBUCO
REVISTA DIARIA
Tenlo os vapores fraocezes da compaobi des
Messagenes Imperiales o mo csstume de pedirem
as malas para a Europa oas eras depois de ba-
vtrem tnirfgue as que trazjm do sul, cm stlep
derem a que oa aami'u^traQio do eurreio sn nao
pode fazer o piocesso de dismbuico e entrega
d'oma, e separacao e fechamenlo d'oulra, sobre-
lado a da Europa que dtmaada oiui:o cuidado e
minuciosidade, em vista das diversas dispo^des
po-la^s, resol vea o Sr. administrador do crreio
fecbar aa malas para a Europa na vespera da che-
gada daouelles vaporea, na forma preseripta pelas
eonveoi."es, encerrando em um sacco, para ser pro-
cessada a bordo pelo agente dos correns fran eies,
toda a correspondencia cbegada pj repartirn, sto no espaco dticorrido entre a
hora em que tediar se a mala e a que fr marcada
pelo vapor.
Somos os primeiros a recoohecer o trastorno
qae deve cau-ar ao conmrcio semelhaule dehbe-
ragao do correio, porque ella trar' atropelli>, alm
de graves prejuio^. acompaoKados ja' de demora,
ja' de precipitado a'gum vez-js as iransaeges;
mas recotieceraos taubem que o paqiieuo pessoal
do correio nio pode dar cabal satisfacio e com-
pleto cnmpnmento a todas as disposiodes poslaes,
no poueo tempo marcado pelos vapares para a^en-
irega das malas. N- otanto acbamos que nao
conveniente a entrega promiscua das cartas e j >r-
naes, dirigidos aos ditleri nies pontos da Europa
ao agente do crrelo (raocez, anda mesmo qae
a bordo proceda-se a' competente separagao ; e as-
slm entendemos, urna ve que esse agente, nao
sendo responsavel pelo extravio d'algama parte da
correspondencia, Acarara' a administrago do cr-
relo por isto sempre responsavel.
Informamnos ter a Associsjo C-ommerciil B->
nenVeote reclamado contra essa dellber.i;4o do Sr'
administrador; mas visto que este mesmo nada
pd: (azer no sentido de remediar a s^tuacao, cojo
termo s cbe oa depende por ora dos Sr.-. ageo-
tes da respectiva compaunii, e posteriormente do
governo geral, a quem seui duvida deve dingr-se
a Associaco aesde ja, solicitando as precisas pro-
videncias.
A este corpo nao incumbe reclaiiar remedio
aos males que por ventura sobrevenbam ao com-
mercio, do qual represeolante, empregando psra
isso todos os melos justos e bon^stos ? Sem dui la
algnma Ibe corre este dever, e assirn tem procedido
a associaco do Maranbao, e d'outras provincias
[em conjDcluras semeihanles e anlogas, sendo
qnasi sempre attendidas.
Foram nomeados para i; 5* e 6* splenles
do juizo muoielpal de S.ol> Anlo os Srs. Joao
Cavalcante d'Aibuquerque Wanderley, Geraldo de
Barros Correa e Joaquim Jus Alves.
Nao ba auitos das qae tratamos.de falta
de cartas da correspondencia da Europa para esta
provincia, de qae [Ora portador o ultimo *apor
da'alli procedente ; e a cansa, que enld asigna-
mos a isto, acaba de veriticar-se, sendo da Babia
devolvida a mila respectiva.
Qaantos translornos nao soffreria com islo o
}mmercio I
O Hospital Portaguez de Beneficencia testejoa
domingo 22 do correte, o duodcimo anniversano
da sua iustallacao, consistindo n'uma missa canta-
da e sermo, pregado pelo excelieote orador fre
Espirito Santo, visiu as enfermaras por lodos os
cavalheiros, qaer socios qaer convidados, e finali-
saado o jaular aos doenles, servido pelos memores
da adminisiraijao do mesmo bospilaL
Desde as tO boras da maobaa at as 10 da noi-
te, esteve tranqueado a conccrrencia publica,
aquella eslabeleci o aceto e bom arranjo de toda a casa em geral.
Tres bandas de mnslca, aili se fheram cavir do-
rante lodo da, a noite iiluminou-se todo o edil-"
eio interno e externamente, cansando nm effeilo
moito agradavel.
A eoncorreneia de povo fot numerosa, appare-
cendo alii muitas familias qae se demoraran) at
Urde.
As 5 horas da Urde deu-se principio ao leilo
de prendas, e ouerlados em beneficia do mesmo
hospital, por moius almas piedosas, distinguindo-
se algumas obras delicadas e mimosas, fetas por
. alguroas nossas caritativas comproviocianas.
Nio podemos avadar quanto reodera' o produc-
to daqnella arremaia^io, em cansequeocla de Oca-
rem para nova arremalaco lalvez dous tercos do-
objeetos exposios.
Alm das prendas mu tas pessoas banveram que
oncorreram com qoantltativos valiosos. A salva
a entrada do hospital renden 30&JOOO, cojas es
molas foram agenciadas tor dous benemritos so-
cios qae sempre prestam os seas relevantes ser
vicos.
Reinon sempn aila ordem, qaer de dia qner
de noite, pareceodo qae lodos se davam as mos
aquella confralernJada ebrista.
E* ama das nossas fesus de arraial, mais eon-
trrida e aninwd, e anda all stno den o menor
distwblo. o qae para Jonvar, e um indicio den
generlos senlimenut de nossa popolacio em
geral.
Aflte-hontem os alomos do gymoasio foste-
iaram coa solemoidade a padroeira aagoelle esta-
oslecimeoto publico de instrucclo. Pela manwa
oi cantada nma mlssa solemne, a' qual asslstlram
grande numero de convidados e lodos os alumnos.
Aps a missa foi servido a's pessoai presentes
m succnlento e delicado almoco.
O estabeiecmanio esleve aborto lodo o da, a a'
oite fol immensa a concurrencia a vMia-lo.
'Dma mnsica toeava n'um do3 corredore do an-
dar superior do ediflejn, intermediando"com pe-
nseos tocados pelas seoburas presentes ao piano
O alomaos canlaram noite o hyrano da ios-
lllacao do e8tabelectaiento.
Nolmos que bavia JBqea^lnz as dtve'ias sa-
las, especialmente cas em qae se acha estabeie-
ido o roosd-, qne, se ja dito de passagem, nao po-
de oBerecer base sufflcieote para' o estado das
itlCBfttf palpraes, visto como faro o aoimal
Cnegaram ao Rio da Janeiro, procedentes de
Parnambuco, a 14, o brigue bremense Ajns, e o
patacho Guilhermina.
Respostas as perguntas qae b:ntem aqai fi-
zamos :
O pronome titular o Tu-fcario.
O adverbio de lempo qae serve de alimento
o Ja-pio.
A nota de msica qaa serve deaitivo M ca-
lor o Re-baaho.
A bebida aromtica que abreviatura de
tbeairo o Cba-po.
A foute da lut qae serva para jigar e o sol-
dado,
A nota da marica qae cauta de madrugada
o re-gal!o.
O pello do animal que anla as estradas o
La m-peao.
A provincia do Brasil em que as velbas pre-
param Dos o Par-faso.
O animal bactrlceo ampbibio qne derivado
de pronome pessoal o Sapo-ti.
O no da Italia qae babitaate da Franca o
P-breto.
O adverbio de lugar qne o vento levanta no
vero o Ca-poeira.
A fruta do Brasil qae provincia de Portu-
gal a Minga-Baira.
A loira do alfabeto qus nao anla o Apa-
rado.
A sccu'ada que nio 6 direlta a" Re-torla.
A lelra do alphabeio que se acba sobre a
epiderma o K-aetto (Capeile).
A Qota da mosiea que berva de qae se faz
cb no Brasil o Re-mate.
A catbedral que' iiha de nosses pas a
S-mana.
A habitacao onde se corta madeira a Casa-
maiia.
Outras perguntas.
Qual o pronome que serve para esgoto T
Qual o adverbio de lugar qae nao famas?
- Qual a parta da vestimenta que naeleo
de populacho ?
(Jaai a laura doalphabeto qae se forma na
qaadrilna ?
Qoal o instramento de pea em qae se
prepara a firinha da trigo ?
QJil a parte do corpo qae estaeo da
vil frrea ?
Qual o tempero que fortaleza do Recife T
Qual o crustceo de que as enancas tiram
sons soorando ?
Qual das vogaes a qae nio Q Jal lo quadramauo qae adverbio da
tempo ?
Qual a laura o o alpHabeto qae existe no
bonet T
Qual a inflorescencia em qae te deita paes
seccar ?
Pedem nos a egainte pnblieacao:
a Hjotem trigessimo da do pasamento do fina-
do cap:lao Jos Migalh"S da Silva P rio, eelebrou
o Rvru. professor da villa do Brejo da Madre de
Deus, na igreja do Esplrito-Sioto, urna missa pelo
repooso eteroo do sea presado amigo, a'sistirtlo a
esse sacrificio inernento o tenenta Antonio Maga-
Ibes da Silva Pono, filbo do finado e um tea
georo.
Nao obstante ser portngner de nacSo, o capi -
to Magalhes.todavia s respirava em sen cora-
co aceas de nm brasileiro disiincto. E' asslm
qae, reiirando-se do Recife por motivos de moles-
U>, ha vinte e lautos auno, ettabelecea se no
Brejo; mas logo e.-po-ou-sa com D. Thereza Ca-
valcanii. de quem leve 12 fllhos, e com qum vi
vea na mais parfeita harmona. Era alli capilao
da guarJa nacional, camarista, Sempra eleltor da
parocba, exercendo por maitaioveies as fuocgdes
de promotor publico, e gozando de muita conside-
racao na comarca.
Para fallar de seu coracio liberal seria pre-
ciso muilo dizor : quem, pois, aportando no Brajo
e dirigiudo se ao eapuo Magalbes, nao recebara
as antbeuticas mamfa>tagdes de nm prestimoso
cavalh-iroTM Se assirn nao, qae nos contrare os
Hisbellos, os Qulnlinos, os iNeivas, os Laceas, etc.
ele.
Afioal, para mostrar os sentlmentos elevados
do finado, basta dizer qae, enfermando sua molber
e, (depois de esgolados todos recursos), soccam-
bindo no da S do passado' o marido extremoso 17
das depois foi-se uor a ella no Empyrio !.-. tumo
dat qujd non habet.
< Receba, pols, sua excellentlssima familia os
nossos pezames.
Tira a mala boje s 3 horas da tarde, para
os portos do norte do imperio, o vapor Tocanint.
Lemos no Diario Oficial da corte :
Por aviso de 12 do corrente remetleu-se ao
ministro residente do Brasil em Roma, para o* Aos
convenientes, a carta de a presentado do padre
Francisco Cardoso Ayras na diocese de Pernata-
baco. Oblldos a bulla da coDflrmaco e mais des-
pachos necessarios.devem ser enviados i secreta-
ria de estado dos negocios do imperio para que,
depois de concedido o Imperial beneplcito, te-
nbam a devida exeoocio. -Offleioo-ze ao ministe-
rio da fazeoda para maodar por em Londres
dispos cao do mloistro em Roma a qo?nlia precisa
para as despezas com as expedtcao daqnella tulla.
laolerl. A que se acha i venda
a 39* a beoeido da igreja de Nossa Se-
nhora do Monte da Olinda, que corre seguo-
di-feira'i^) do correte.
Refartico da fou'a : Extracto das par-
col 1* I fc S | Masculino. Z\ SI i
1 1 21 a s Feminino. ir
>* 1 f 1 M : *!s Masculino. i "
#- A * l Fcminino. [ o \ M
Ot ?* | Masculino. t H
M - * 1 Feminino. ' s
w * * * Masculino. ( ll
o m A m CO Feminino.
i- s m j Masculino. ll
a OJ . I Feminino. 1p
8
TOTAL.
I
I
I
3
Mofcwo da Vaig Pessoa;
Cooceicii Chaves Pessoa.
to Sr. deserabargador Dominga! da Silva ao
tr.fMBmbargador cbfta Cavalcante.-.AppellagSes
'tmii: ippellanle, Joo Martin Vieira'; apoellado,
bacharel Manoel Henriqne Cirdhn. Appellante,
Joaquim Jos de Oliveira Apolino: appellado, Ga
brtel da Co?u Monliro.
- Do Sr. desembargado* Saaza Lelo no Sr. desem-
fador SauliagoAppellaQiocivel: a*pellante, Braz
Ferrairo Pmheiro ; appellado, Ignacio Caetano Ro-
dcv\ibo.
Baeerroa-M a sessio t ama hars e meia da
Urde.
Communicados
i
s
ADVERTENCIA.
Na totalidade dos doentes exislem 220, sendo 124.
homens e 96 mnlberes.
Foram visitadas as enfermaras estes das : *
As 7, 7, 6 1|2,6 1|2, 7, 6 1|2, 6 1|2, pelo Dr. Ra-1 sobre os,nome
mos.
A's 10 1|2, 10, 10 1|2, 10, 10, 10 1|2, pelo Dr.
Sarment.
Falleceram :
Faostino da Barros FalcSo, tubrculos pulmonares.
Cosmo Antonio Furiado, eongasto cerebral.
Antonia Maria da Conceicio, tubrculos pulmD-
nires.
Laiza Ladovica de Franc, bepatite.
Siuijo, tubrculos pnlmooarcs.
Fel i < Mara da Concelcao, tnbercnlno pulmonares.
Jos Tr'oraaz, hypertrophia do cora^o.
_ Pasjagtiros do vapor Tocnnfins, vlodo dos
porlos do sol :
Antonio de Miura Rjlim e sai- familia, e ama
escrava, Joo Antonio Ja '.uuha Ferralr, Cailber-
me Nougell, mpiOO Aot >nio Granciu-l, o Goimo
Lobo, coronel Francisco Joaquim Pereira Lobo,
capilo Zeferino Rodolpho Borha, lente Clemente
Francelino Tavares, padre Bento Parelra do Reg,
Vicencio Circilho, Francisco Carctlho, Lorentino
Francisco, Jos H-nnqne Triodade, Joaqaim Jos
de Carvalho Varejao e saa familia, Jos Segundi-
no -le Gomensoro, Flix Baovinlo d O'iveira, Joa-
quim Jos Rodrigues Martin*. Miguel Gome Ma-
chado, Joao Napomaceno, Antonio Fernandas Lei-
te, Aolonio da Silva Heg >, Aatonio Feroandes da
Silva, Manoel Joaquim i 27 pravas iavalidas.
S*.-gatm para o norie:
E*m. ?r. diptalo Dr. Loiz Aolonio Vieira SK-
va, desembargador Basilio G. Torrea >, Ur. Fran-
klim de Alencar de Lima, capitio Lniz da Guerra
Maceado, Dr. Euclldes de Alencar Araripe, D. Ma-
ra de Alencar Araripe, D. Anna da Aienear Ara-
ripe, D. Malhildeda Alencar Araripe, D. Jilia de
Alencar Araripe, Manoel Antonio Ferreira Lima e
sua familia, -Joaqaim Ramos Villar e saa familia,
capito Melchia las Lopes Maciei a sua familia, ea-
oilo Loiz Vieira Ferreira e saa familia lente
Francisco de Paula Cavalcante d'Albaqaerque e 30
pracas invalidas.
tes dos das 22 23 de seterabro da 1867.
21
Foram reoolnidos a casa de detencao no dia
do correte :
A' ordem do subdelegado do Recife, Joaquim,
escrava de Josepha Campos Lima, a requermento
d esta; e Jos Ignacio Verjanoio da Silva, por In-
sultos. A' ordem do de Santo Antonio Dmii e
Constancio, este eseravo de Benjamlm da Cunba
Ferrlo aquella eseravo de Manoel Antonio Goo-
calves, por fgidos.
22
A' ordem do subdelegado do Recife, Ignacio de
Jeso L yola e J'-' Noguelra, para correccao ;
James Moiker e Jmn Smllh, por brlga. A' ordam
do de Santo Antonio, Benedicto, eseravo de Joa-
quim Estanislao, por fogldo.
O chele da 2' seccio,
J. G. de Mssquiti.
;4
Casa m DETEngio. Movlmeoto do dia 22
de setembro.
Existiam presos 298, entmram 8, sabirara 1.
exislem 301, a saber : naeiooaes 203, mnlberes 6,
CH-!;03iIC.\ JUDiGHRU.
TRIBUNAL lA BKL ICIO
SESSAO DE 21 DE SETSMBW DE 1867.
? RESIDENCIA DO EXM. SH. CONaELHBlRO SOUZA.
As 40 horas da manha, presentes oa Srs. desea-
eargaderes Santiago, Guirana, Guerrh procurador
da corda, Loureuco Santiago, Moita, ssis, Domin-
gaos da Silva, Ucba Cavalcante e SdTrz* Leo.
fallando o Sr. acsempargador Almeida AlbuquSr-
que, ario-se a sesso.
Passados os feilos deram-se os seguales julga-
meatos:
Aouiuvos de piingl >Aggra vanie, Aatonio Pedro
de Mello; aggravaao.o juuo.-Relator oSr.dasem-
bargador Molla, sor nados es Srs. desembargadores
Uchoa Cavalcante e Soma Leo. Negaram provi-
meuio. Aggravanies, Sa Gomas & C ; aggravado,
o juzo.Relator o Sr. desembargador Assis, s. rua-
dos os Srs. deembargadures Domiogues da Silva e
Liurenuo Santiago. Nagarara provimento. Ag-
gravaute, Mana Gutuer; aggravado, o juizo.Re-
lator o Sr. desembargador Domingoas da Silva, sor-
liados os Srs. desembargadores Giilrana e Guer-
ra. Negaram provimenio. Aggravante, o cnsul
portuguez; appallado, o juizo.Relator o Sr. des-
embargador U.'ioa Cavalcaot^, sortiados os Srs.
desembargadores Guerra e Santiago.Nao tomaram
cotiaeimenio.
APPBLLAgES civsis. -Appellante?, Silva A Perei-,
ra; appeliada, a fazenda. Reformada asenten-
ca. Appellante, o baro d<> Livramem.i; appeilada,
a fasenda.espresados os embargos. Appellante,
Fr.-.ncisco Jos Leite; appelladat Juo Bsptista Go-
mes Pena. Confirmada aseolanga. Appellante,
D. Umbelina da Araojo Guerra; appellado, Beoto
Jos das Neves. -Coormada a seotanca.* Appel-
lante, Joo da Costa e Silva; appellado, JooPe-
Tra Lesa.Confirmada a seotenc. Appellante,
Flavio Ferreira Catao; appellado, Jos da Costa
Brando Cordeiro.Reformada a sentenca.
Dia de apparecer.Appellante, Antonio Dias
Martius ; appellada, Luiu Moreira de Sooza.De-
serla a appellacao.
appbllacobs crimbs.Appellante, Joao Vctor
Conla Sicupira; appellado, Jos Hay mu nio Cor-
lez.Aullo oproeesso. Appellaule, o jnizo; appel-
lado, Sabino Hallarlo,A' novo jury.
Joaquim J-is dos
Alves Vascoocellos
Aulo de Parias
Tavares de Brillo.Improcedente, Appellaule,
Ignacio Francisco Carreo; appellada, a jusilea.A
novo jury. Appellante, ojuiao; appellado, Tai-
moteo Francisco de Ulivera. A' novo jary. Ap-
pellante, o eseravo Joaquim; appellado, Marcos
Francisco de Jess.Confirmada a sentenca, com
declaracao.
Assiguou-se da para julgamento dos seguinias
feilos :
APPXLLAgo caiMs.A(tllanle, Antonio Mar-
ques de Araujo Cavalcante, appellado, Manoel de
Araujo Cavalcante.
appbllaqobs civbk.Appellante, D. Mara C.
Frireaeatorae8; appellaio, Joaquim Pereira as-
tos. Appeiiaota, Henriqaas Kransse; appellada,
Mane Foi Mein Lsrai.
bugbkcia CKiaiB.Ao Sr. desambargador pro-
motor da jusiiSa.Appellanie, FrancBOo Calo de
Araujo; appellada, a justlea.
,. PASSAGENS
Do Sr. desembargador
Um velho servidor de estado, pal de familia nu-
merosa e bom cidado, sentio-se em estado de acu-
dirse 4 generosidade de algans caracteres de es-
col ha para occorrer necessldades acenmuladas
qne o tempo nao poda seoo aggravar. Era o re-
: medio extremo de nma sitaacao desesperada ; o
, peso dos anuos e o aconte das enfermidades nao
'permittlam ao nosso desfavorecido concldadlo li-
bertarse pelo trabaiho do jago das privacSes.
Nesta exlremidade bitea porta de indiff ren-
les, qae o receberam uos como se recebe 4 quem
pede e oulros nao o receberam. O mrito da ao
$iio eslava em qae nao soobesse a mo esquerda
do qua ia na mo dlreita. O fado explica-se. A
ebilaotropla nao aearklaC*;-*ejaella soberana,
esta fraternal; aquella procura a regalamenta-
iio das. formas, os meios apparatosaraente notorios,
em qnaoto a caridade eccalta se as dobras do
manto do infortunio. Rateo dos Indifferentes.
Entretanto, eucootrou o nosso Infortunado com-
provinciano nma -alma generosa que lomou para il
a soa-desesperanca,e concorrendo elle propriocom
nma boa parle da somma reclamada val concer-
tando entre amigos o acsbamenio desta boa
atcao.
Nos sentimos qne se nos leona Imposto silancio
Ocultaramos o oome de qoem
pede para dizer s o nomo- dasse exoeltenle cida-
do qoe, per si e por seos amigos, esta' acabando
nm bullo acto de dadicagao pelo infortunio.
Com quania raxao eserevea Chateaubriand qu
a caridade. um poco de abondancia nos descrlos
da vida I Qae distaaeia qae val desta aegao to
ampies lao de rasgos ruidosos da phliantropia I
A sociadade lera muitos pnilantropos ; livesse
antes espirito* carid-isos. A caridade a virgm
modesta, de-vestidos br neos, candida e tmida ; a
philantro:)ia o opoieato qae passa a' despejar
aro para ai turbas qae se acoluvulaoj aos estri-
bes de sea carro. A caridad leva s babiacdes
igawada* utn oboie*eood>do; a phliantropia sobe
as longas encadaras' de mar more dos Insiilatos de
misericordia, a val iaserever-se bemfeitora da hu-
maaidade.
appellada, D. Mara da meira qualiilade, devendo en(ender-se qoe
aquellos ufo especificados no contracto, sub-
entendea-se como taes.
5k A edificar o P\to palo plano apresen-
tado, e no-lagar dtterminado pela cmara,
sob inspecc3o do engenheiro cordeador. .
6a Exigir qoe a companhia do gaz faca o
encanameoto para o edificio, da maneira a
se prestar as illuminacdes publica e" inte-
riores, fleando a cargo da cmara os appa-
relhos que devem para isso servir.
7a A prestar flanea idnea corresponden-
te a um terco da obra e mais multa, e
qual d3o ser desembarazada seoao depois
da entrega do edificio.
8* A pagar a mulla de dez contos de
res no caso de nao cumprimento do con-
tracto.
O orcamento acha-se patente na secreta-
ria da mesma cmara onde qaalqaer hora
do expediente pode ser consultado por quem
se quizer propor a arrematado. .
Pago da cmara municipal do Recife em
sessaodeU de setembro de 1867. Loiz
Jos Pereira Simoes pro-presidenteFran-
cisco Canuto da Boavigem, secretario.
O Dr. Tristo de Alencar Araripe, o Ski al da
imperial ordem da Rosa, e iuiz especial
do commercio nesta cidade do Recife de
Pernambuco e sen termo por S. M. Im-
perial e Constitucional o Sr. D. Pedro
II, a quem Deus Guarde, etc., etc.
Fago saber pelo presente, qne no da 16 do mes
de setembro do correte anuo, se na de arrematar
por venda a qnem mais dr, em praca publica
deste jnlzo depois da audiencia respectiva, o esera-
vo pardo de nome Marcelino, de 35 aonos, avahado
por 7OJ0O0, o qual val a praca por exeeocao da
D. Anna Josefa Pereira dos Santos, eooira D. Ma-
ria Magdalena de Almeida Catanho, e na (alta de
laceador qne cnbra o preco d avaiiaco, ser a
arrematacar. falta pelo preoo da adjodieacio com o
batimento da le.
E para qae chegae ao conheeimento de todos
mandai faz6r e presente dilal qae ser sfflxado
nos lagares do costume, e publicado pela im-
pren.
Dado e passa do nesta cidade do Recife de Per-
oambuco, aos 17 de setembro da 18G7.
Eu Manoel de Car-a to Paes de Andrade, escri-
ao o subscrovl.
, Trlslio de Alencar Araripe.
Publicares a pedido
0 jiix
miicipal de Jlazaretli ao po-
ta ico.
Declaro que nao sei responder ao lllnstrado Sr.
Dr. Harmes Plalo de B miaa df-,-> roe 1111.71-0Jar a leltara da aecuxa-
ca Ti* me tu m.'S.jio s-nhor doutor no Diarto
it Pernambuco de i7 do corrente, e qae nao per-
mute aeco, porque recebo a ex ce pea o, qae me of-
ferece.
Nazarctb, 20 de setembro de 1807.
Joao Baptula do Amoral $ Mello.
DGUUj!6lS.
COMMERCIO.
PRAfA BO'RECIFE 23 DE SETEMBRO
DE 1867.
As 3 X horas da tarde.
rSabbado SI do corrate)
Algodlo da Parahyba sorte14#l)00 por arro.
ba posto a berdo.
(Hoja)
Algodo da Parahyba 1* sorte125000 por arro-
ba posto a bordo. -
Frete de algodo para Liverpool7(16 e 5 00 por
' libra.
..stojV .m Silvalra.
Prsident.
Maoedo,
Socretario-,
-
Novo Banco de Pernambuco
En liqn'daeo.
O novo banco paga o 19 dividendo de
55000 por aeco, nos dias otis, das 10 bo-
ras ao meio dia.
Calza filial do banco do Brasil
em Pernambuco, aos 26 de jn-
Ibo de 1869.
Du ordem da directora se taz selente aos Srs.
accionistas, qae o tbesoareiro esta' aotorisado -
pagar o 27* dividendo das acedas do banco do Bra
sil, inscriptas n'esta caixa, a' razio de 12.J0O0
ciO gaarda-livros
^Igoao Nunes Correa,
Novo banco de Pernambuco
Para conhecimeoto dos interessados a di-
reccSo do novo banco dec'ara que a partir
do l. de setembro do correte anno, oban-
co entrar em liquidado.
Recife 28 de agosto de 1867.
EM LIQmaQftO
Novo banco de Pernambuco
S5o convidados os Srs. accionistas a re-
teberem o primoiro (videado (em moeda
Appellante, | correte) de triota por cento do capital, tra-
sendo annulla-
horas ao meio
dia.'
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS
GERAES.
Rendimento do dia 1 a 21........ KM16U
(dea do dia 13.................. 2:7SO#373
no.a aovo jury. Appeiiaue, corrente) de triota por cento
Saoiosiuoior; appellado Jos fafaHHto&M para irem
. Improcedeole. Appellaule, y. /. ... lA
Olite.ra; ^pallado, Domingos j das ; DOS das UteiS das 10
28:793*009
"7
EDITAES.
Perante a cmara municipal desta cidade
estar em/prac^t- no.dias 20, 23 e 23 do
correte para, ser arrematada por quem por
menos flzer a obra do Pago que a mesma
cmara pretende construir para as suas ses-
Santlago ao Sr. desem- s6es, oreada na quaotia de 126:89241886 rs.
SSS S bSSSffl? :UPPD SS TlitqW rleod.rh.f rematar essa
na Mana das ores. """." o 0bra apresentaro suas habiluac6*s pores-
Pela administracao do correio desta
cidade se faz publico a quem interessar pos-
sa, qoe nao se demorando os vapores da
companbia messagenes imperiales neste por-
to em seu regresso do Rio Je Janeiro, o tem-
po preciso para se fazer a expe lico das ma-
las com dircccSo a Europa, dando assim lu-
gar a que deem de ser devidamente pro-
cessidas, tem resolvido que d'ora em diante
as malas se fe -hern s 6 horas da tarde do
dia anterior ao da cbegada dos mesmos va-
pores.
Correie de Pernambuco 16 de setembro
de 1867.
O administrador,
________Domingos dos Passos Miranda.
Santa Casa da ifs ricordia da
Recife.
A film* jonta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Recife, na sala de soas sessoes,
pelas 4 horas da tarde do da 2S do torrente, re-
cebe propostas para o feraeeimento de carnes ver-
des qne bonverem de consumir os diversos esta
belecimentos pos a' sea cargo ao trimestre de
oatabro a dezembro deste anno.
Secretarla da Sania Casa de Misericordia do Re
cite 21 de setembro de 1867.
O escrivio
Pedro Rodrigues de Sooza.
UonsulaoTde Portugal
Palo presente sao chamados os Srs, ere-
dores do ausente snbdito portoguez JoSo ^i-
nheiro da Rocha, que leve estab-lecimento
de gneros de estiva, ra da Penba n. 33,
para dentro do prazo de 8 dias apresenta-
rem suas cuntas no consulado de Portugal
aflm de serem conferidas.
Consulado de Portugal em Pernambuco
aos 19 de setembro de 1867.
O cbanceller,
_____________Aniones GuimarSes.
Consulado proviuclul
O chele da Ia seccao servindo de administrador
do coosnlado provincial, (az publico para que ebe
gne ao conheeimento de todos os llovedores de iid-
postos do anno flnancero (I.1J0 do 1866 a 1867,
que no dia 28 de setembro vindooro Snda-se
prazo mareado para o recebimento de sens dbitos
Ocando sojeitos os que nao pagarem al aqueiie
dia a multa de 9 ",, esereuo executados.
Masado consulado provincial 30 de agosto de
1867.
A. W. Pinto Saadeira e A. de Vasconeellos
O eooselbo de compras do arsenal de guerra
precisa comprar osegointe :
200 caibros, i arrobas -le cera em velas de meia
libra, 4 libras de gmms arbica, 8 libras de gom
ma laca, 6 duzias de lapis finos, 10,000 pregos cai-
braes, 10,000 dito* ripares, 4 libras de pregos
franceses de urna pollegada, 4 libras de ditos de
orna e meia pollegada.
As pessoas qoe quizerem vender ditos artigos
apresentem suas propostas na sala do conselho, as
11 horas do di 24 do corrente.
Conselho de compras do arsenal de ge erra 18 de
setembro de 1867.-Jos Mafia Ildefonso Jacome
da Veiga Pessoa de Mello director. Francisco
de Paula G^ncalves da Suva secretario._______
Santa Oasa da Misericorda
do Recife,
Alllma.junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Recife manda fazer publico qa
na sala de anas sessoes, no. dia 26 do correle pe-
las 4 boras da tarde tem de ser arrematada! a
qnem mais vantageas oSerecer as rendas dos pre
dios em seguida declarados :
Estabelecimentos de caridade.
Roa do Azeite de Peixe.
Sobrado de 2 andares n. 1. 'lOOO/O1
Rrja de Matbias Ferreira (Olinda)
....... IJ5.JOW
cripta algans dias antes, para poderem con-
correr a arrematado, sendo obrigado o ar-
rematante a especialisar a fianc i na forma
ida lei.
As coudic5es s3o as seguintes :
0 arrematante ser obrigado a dar
i
Do Sr. desembarga ior GiUrana ao Sr. desembar-
gador GaerraAppellacao civel: appellaule, D.
Clara Tneodora da Fonseca; appellado, Manoel
Jos dot Santos. ^^
Do Sr. desembargador Guerra ao Sr. desembar-1
gador Lourengo Saotiago Appellacdeacivels: ap-
pellaule, Miguel Ferreua Braga; appellado, Frang
F^,r'''l,t,nJ.uatoq iASpaUn,e'B e8W*,,lcomecoa otora dentro de tres mezes, ea
lao, Antonio de Siqueira Cavaicanic anuos, contar do asseatameato da peora
Do Sr. desembargador Loureo^o Saoiiago ao Sr. fundamental,
desembargador Almeida Albuqaerqne.-Appella-1 a a. participar O dia em que deva ter lu-
SffSf SSn VS$' *** do asseotamento daMpedr.
Piolo Pereira; appellado. Francisco Pinto Perei- Pa que a cmara presida a esse acto, 6
ra. Apabilante, Bento Vieira. Pinto; appellado, possa fazer concorrer as autoridades da pro-
Ciaudio Caiombi o Azevedo. Awellaote, Jos Tho- viheia ^r ~
Rr.I.*RnnGab.,l,,,a11i PPel'd0- Ariiooio Jos de I 3. A receber 0 .,5,10, do seu contrasto em
^ZtTjJSfSi^^ F^'seis prWt^s regulares, de maneirqne_,
da Pola. *
182*100
168000
216*000
' ultima seia recebida trinta dias depois da casa o. 99.
Sobrado n ........
Roa do Padre Flortano.
Casa terrea n. 49......
Casa terrea n. 47. '.
Roa dos Pescadores.
Casa tarrea a. H .. .;
Roa das Cajeadas.
dem dem n. 38.. 153*000
Ra larga do Rosarlo.
Terceiro andar do sobrado n. 24 301*000
- Rda da Roda,
dem dem, a. 7....... 96*000
Pitriffleaie de erpjjes.
Roa de Pires.
Casa terrea n. 39....... 1X1*00
Ba da Cacimba.
dem n. 67.........4*000
tua doRangel
Casa terrea n. 56.......301*000
Roa de S. Gonealo.
Casa terrean.84.......194*000
Roa do Vigario.
Prireiro andar do sobrado o. 27 181*000
Ra do Pilar.
dem u. 98..........201*000
dem o. IOS.......... 144*000
dem n. 108...........201*000
Kepartirjaoda obras publicas
De ordem doSr. engenheiro, chefe inte-
rino da repartico das obras publicas, se faz
publico que o concurso parapreenchimento
^agas de C0DdQCtr teri fogar D0 d
lo de setembro prximo vindooro, no pa-
lacio da presidencia, e o de praticantcs e
escreventes no dia 27 do mesmo mez.
Os concurroates serSo argidos as mate-
rias de que traiam os J l., 2." e 3.e do
art. 10"do regulamento de 31 de julho de
1866, e que vSo abaixo declaradas.
Os re^uerimeotos para inscripco dos can-
didatos deverSo ser apresentadosat o dia23,
e poderao ser instruidos com quaesquer do-
cumentos ou ttulos scienticos, qoe abonen*
a capacidade dos mesmos candidatos.
Secretaria das obras publicas 22 de agosto
de 1867.
O secretario,
.Feliciano Rodrigues da Silva.
Materias do concurso para con tactores,
praticante e escrerentes da repartido das
obraa publicas.
Para conductor
Maibematicas elementares ;
Algebra at equac5es do 2.* grao ;
Trigonometra ;
Elementoe de geometria analtica e des-
criptivel; de astronoma -, de arebetectura e
de resistencia de materiaes.
Conbecimento perfeito dos instrumentos
grapbicos e dos trabalbos de nirellamento
e plantas;
Desenn linear e da agnaretla.
Para praticantes
Liogna nacional e franceza ;
Arithmetica, e geometria a duas e tres
dimensoes;
Algebra at eqnscoes do 1 grao:
Destnho linear e de aquarella.
Para escrevenies.
Lingua nacional, callgrapbia e arithme-
tica.
Secretaria das obras publicas 22 de agos-
to de 1867.
O secretario
Felciciano Rodrigues da Silva.
No dia 26 do corrale tom oe sr Mposto a
arremat^Jo pelo J'iizo do comuierdo, o escrao
Marcelino, penhorado por eiecoco de D. Anna
Josepha Pereira des Sant >s, na hypothpse de ser
eseravo da ezecutada D. Mara Magdalena de Ai-
meida Caianho, entretanto" previne. qoe Francisco Thoraaz de Barre* Campeilo sensor,,
possoidor e prajodieado desse mesmo eseravo, ba
protestado perante o mesmo juno, de Ihe ser resu-
mido o seu eseravo Mareolim por quea> arrema-
ta lo se eomo deve esperar, id: Nformada a r .--
peltavel sentenca pelo merelissimo trlhunal do
comirercio, aonde pende ella por appeliaco ialer-
poste.
Pela adninislrscao do correio desta cidade
se faz publico qae boje as 2 horas da tarde fe-
cbar-se-ha as malas que o vapor americano City
of Provtdence, tem de condnzlr p?ra o Rio de Ja-
neiro. Correio de Pernambuco 24 de setembro de
1867.
O administrador,
_______________Domingos P. Miranda.
Santa casa da misericordia
do Recife
Pela secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Becife se faz publico a quem toloressar que o me-
dico do hospital dos Lasaros, hospicio de aliga-
dos e collegio das orphas, Dr. Iga-eio Firmo
Xavier, em virtude do sea contrato filo com a
mesma Sania Casa, d -couIus gratis aos po-
bres, sendo no hospital dos Lazaros em Santo
Amaro as 9 horas da manha, no cnlleglo das or-
phss em Oi-nda as 10 boras e uo hospicio as 11
boras de todas as tercas e sextas-feiras.
Secretaria da Santa Ca cire,2) de setembro de 1867.
O escri vo,
Pedro Rodrl?aes de Souza.
iCOttRElO m\i
Relaco das cartas registradas vindas do sol pelo
vapor tTocantrasi para os sennores abaito de-
clarados :
Dr. Alrino Baptlta Monieiro, Adellno da Silv
PbIo, Antonio Jos Ciorado, Candido Alberto 8o-
dr da Motta, padre Pe'ix Birrelo de Vasconcello?,.
Francisco DelOoo da S Iva, Dr. Filipp* Monna
Callado da Fonsec?, Jaciatho Febr jni-i Esoieraldo
(2), JoSo Gilseoo de Me-qaita, Joanna Floriod de
C. Vital de Ol Loiz Riheiro du Farla
(21, Dr. Jof Bento da Cunh Figuelrr-do Juoior^
Dr. Jos Thsodore de Sa Villas-Boa^-, D. Maria
Guilhermina das Mnrrs Pe-tans, Manoel Doarlo
Vinha (2), Mantel Joaqolm da Silva Guerra, Kufl-
no da Costa Pinto, He taca i do Correio d > Recite.
Relajo das cartas registradas existeutes na
admioistraco d> correio desta cidade-
para os senhores abaixo declarados :
Joaquim Be.oardo de Mondonga, Dr. Joaqnim
Jos de Campos.Joo Aoloaio de Almeida. Dr. Loiz
Emigdio Rodrigues Vianna, D. M^ria da Annun-
ciacao, D. Mana B-nKli.ua Pereira, Manoel Lniz
Gjncalves, Rabillo & Braac.0, capito Senpbim.
Crrelo geral
Pela admlnlstracan do c ,rreii desta cidade se
fax publico que bej* (24) as 3 horas na tarde, fe-
cbar-se-bio as malas qoe o vapor cTocantins tea>
de condnzir para os portos do norte. Os jornae
serio receidos at o meio dia, e as cartas a regis-
trar at as 2 horas.
tmmmmammmmmm**f*T**'r*1**^Bl**BPB
THETR
DE
.-TX

^ i
\ I
fl
\
EMFEZACOIMfiSA
BR--a*tCI0 DO ACTOH
Quarta feira 25 Rep^entar-se-ba o sempre applaodido myste-
rlo em 4 actos e 7 qoadros
GABRIEL ELI
OD OS
MLAGRES DE S. ANTONIO
Segae-se pelo Sr. Jordaoi a prim^ora i ep -esen-
lacao da scena cmica do actor Cortea Vasqoes
0 SR. JA(UI SACBBbUO
ASSISTINDO
Aos milagres de S. Antonio
Dar' flm ao espectculo ama das melbvres co-
medias do repertorio.
Comecara' as 8 boras.
256JOU0
201O00J
Appallaote, 'Amaro tf.ngalves dos San-. Ullirua seja
. tsJ fpenuio, lote Barbosa Santiago. entrega diflnitiva, sendo que nenbuma ser dem n. 94.- ,
estraofeiros 37, malher 1, escravos 81, escraTas3, Do Sr. desembargador Motu aoSr. desembarga- rCahAa nm nno pstftia feita a Darte do Ira- 8i0 ^ a no Focno d* ^'^ 8"*^
Caropelo Rio Grande,; Appellado, o joixo. Appel Dalno correspoidente, soD iniormacao 00 As arremaUcSes sero feitas pelo tempo de om
lacio oUei: appellante, o consol po.lagaet ap- engenheiro da cmara. anno, doveodo .os licitantes virem acompaebados
peiladoTAntoniu Alves de Miranda Golmaraes. 4* A eocarregar-se da factura 6 decora- de sens dadores* on munidos de cartas destes.
Do- Sr. desembargador Assls ao Sr. desembarga-' r3n Aa prA _nfl rnntracur nenrln nhrio-adn Secretarla da Santa Casa da Misericordia do
dor Domingoes da Silva.-Apnellacdes Lea: p- ??mrl SJlJf?iSf n21v.A Bcife 19 de selembro de 1867.
Kllaoie, Manoel Piolo de Acato Puno: appeliados, a empregar nelle tijollos preparados com o tacrivao,
riells & Branco, appellante, -Dr. Jos Hara agua doce, madeiras e mais obyectos de pri- Pedro Rodrgaos de Sobu.
Alimeataos a cnsta dos cofres pblicos 204.
Morimento da Dfermaria do da 23 do correte:
Trveram balxa :
Jos Aolonio dos Santos.
Jos Mamas dos Anjos.
Tuve alia :
Manoel Marlioo dos Santos.
1 VISOS. MAUTIMOS
COMPANHIA PERNAWBUCANA
DI
Nayegaf^o coseira por vapor.
VlAGENS REGULARES A, Ro PohHOSO.
A oompaoniaPeroaflibncaoade
oavegacie costelra por vapor,
expedir' regularmente e aesde
ja, para o Rio Formos.. al o la-
gar denominado Pedr, nm de
seas vapor s as das i, 6. lf, 16, 21 e z6, regres-
sando nos das 3, 8, 13,18,23 e iW. RBCebe quai-
qaer carga, eocomuieodas, nassagairos e dinbeiro
a frete. Precc daa passageo* em comedorias
Ar. 840(10
A proa. 3*000
Eocontrarao comedorias a bordb ,por preco ra-
xoaval, es pusageiros qae aaai o d'eseiarem es-
criptorlo 00 Forte de Matos n. 1.
i*"


I .'_* t- ;,;(t.ii--t- I I


flft
l*v
Diario da Fetajtarnaaeo Terca fcfra ** fe ftcteufcfcrv de fS57
COWANHIA PERNAMBUCANA
Savegaca ewtcir* pr Taaor.
Macei e escalas e Penedo.
O vpor Patengt, eommaudao-
te Perelra, tetas para os portas
sciraa no dii 31) do crrenle pe-
las 5 horas da tarde- Reeebe car-
Ka at o da .28 ; passageiros, en-
commenas e dioaeiro a (ret al as 3 horas da
tardo do diada sabida : escrlptorlo no Porta do
SOMPTNHUPERNAMBUCANA
DI
Navegaco costeira por vapor.
Parahyba, Natal, Maco, Aracaty, Ceara' e
Acarara'.
O vapor Ptrapama, eommao
danle Torref, sahira' para os por-
tes cima do dia 30 do correte
uelas 5 horas a urde, eceba
rarpt al o dia 18; passjgelros.
eftcumueniise dinneiro a frete al as 3 horas
4a larde do dia da atada : esenptoiw no Forte
4o Hatos o. i.________________.
CeUPASBU BMSILE1RA
DI
paquetes a vapor
Dos partos do sal espera-
do at o dia 8 de outobro o
vapor Paran, commaodant
'o capillo da fragata Santa
.Barbara, o qual depois da de-
"inyra do costme seguir' para
os prto do norte.
Recebem-sedesde ja passageiros engaja se a
carga qae o vapor poder condazir a qaal devera'
ser embarcada no dia de sna chegada, eMommeo-
dts e dinhelr a frete at o di da sabida as 1
horas. Previne-se aos Srs. pas?ageiros qae saas
passagens s se recebara nesta agencia roa da
Crin n. 57, osciiptort de Antonio Lalt de Olivel-
ca Azevedo & C.
COMPAUHIA BRASILEIRA
DE
PAQEES A VAPOR
Dos portes do oorte esperado
at o da d setembro o vapor
Cruzeiro do Su/, commandaote
Aii'uforado, o qaal depois da de-
mora do cosame seguir' para
os porios do sol.
Rcrtbea:-se desde, ja passageiros e engaja-sa a
carga qae o vapor poder conduiir a qual devera'
S8r.crnbar<*ada no dia de sna chegada, encummen-
das ilinneiro- a frete at o dia da saaida as 2 ho-
ras. Previne, se aos Srs. passageiros que as
pa;-agens so se rcebem nesta agencia ra da
Crtr n. 57, escripi >rio de Aounlo Luiz de Oiivei-
ra Azevedo & C ____________^______
Cer.
O palbabote Garibalii sagae em
a tratar cora o Sr. Quintal oa eom
m-#&
poneos das :
Tasso Irmjs
"Para o tio de Janeiro.
Para o Rio de Janeiro deve seguir o mais
breve possiv<>.l o patacho aciooal Valente.
que lem maior parte da sna carga prompta,
Psra a qae anda lhe falta e e?cravos a frete
trata-se com o respectivo capillo, oa com
os consignatarios Marques Barros & C, na
Prar,a do Corpo Santo n. 6 2 andar.
Para a Baha.
Pretende seguir com malta brevidade o veleiro
e bem cocheado palbabote Doi^Amijos, tem par-
te do sea cirregamento prompto, para o relo
qie Iha falla trat se c-jm os seas consignatarios
Antonia l/iii de Oliveira Azevedo & C, uo sea es-
criptoric roa da Craz n. 57. _______^^^___
<-ara O Porto.
Pretenda segoir com mola brevidade o veleirr
palhabote portuiiasz ora Sirte, tem parte de seo
-cairegameoto engajado, para o resto que lhe falta
trata se com os seos consignatarios Antonio Lmz
de Oliveira Atevedo & C, dj sea escrlptorio ra
da Crew n. 57. _____
Rio de Janeiro
Pretende sabir com rauita brevidade para o In-
dicado pnno o veleiro patacho tGloria, por ler a
mai-ir parle do sea carregamenio tratado e para o
restj ana lhe falla e escravos afrte trata re com
o cdr}!nstario J.iaqnim Jos Gcncalves Beltro'
ra do Trapiche n. 17.
PAR.4 O 4I4C4TY
Segu oestes dias d palhabote Emilia, para tar-
ca e p&ssatjelree trata-?e com Jos S Leilo J-
nior a ra da Madre de Djos armazem Janto a
groja.
i
LEILOSS.
Os pretendentes qoelram oamfnar eom ante-
cedencia para naqaelle da a' porta da antiga As-
socracao Commercial no largo de Corpo Santo so
effaclaar.
AVISOS DIVERSOS.
Instituto Archeolagico e Geographico
Peroambucaot
Haver sesso ordinaria qainla-feira, 26
do corrente seterubro, pelas 11 horas da
man ha a.
ORDEM DO BU
Relatnos, pareceres e mais trabamos de
eommiss5es \
Leiuira de urna Memoria sobre a authen-
licidade do lugar chamado Boqueiro, pelo
Sr. padre mestre Liao do Monte Carmell
Luna, socio effeciivo do Instituto.
Recife, 23 de setembro de 1867.
Jos Soares de Azevedo,
____________Secretario perpetuo.
Pede-se
a pessoa a qne a pertencer 31 feixes do canos de
ferro e 1 barrica com ferragens eom a marea L n.
60i, chagado de Liverpool pelo brigoe ioglez
Wllswater a ordem, qaelra se dirigir a casa de
tena consignatarios Paten Nash & C, raa do Tra-
piche novo n. 10.
Compauhia fidelidade de seguros
martimos e terrestres
estabelecida do Rio de Janeiro
AGENTO EM PER.NAMBCO
Antonio Laii de Oliveira Azevedo k C.
competentemente antorisados pela
directora da compauhia de segaros
Fidelidade, tomam seguros de na-
vios, mercaduras e predios no sea
escnptnrio ra da Cruz n. i.
Preci-a se de nm criado e ura porteiro
eollegio do Bom Conseibo : na rna da Aurora aa-
roero 80.
Nao se tendo aiuJa feilo inventario dos bens
do casal de Izidorio da Ponseca, casado qae foi
com O. Francisca Sabina de Araujo, nao pede ser
vendido bem aleam deste casal, e por iso previ-
ne-se para qae niognem compre o moleqae Igna-
cio qae est em pode do corretor Almetda.
Urna pessoa habilitada com inals de 14-aagos
de enslno poblioo de laiisldade, seprof5aa lecclo-
uar esta ma'.-.-ria a' rna dos Manyrios o. 4, pri-
meiro andar.
Maooel Bentude Oliveira Braga, .tendo de se-
guir para o Rio Grande do Sal, e pela pressa de
saa viagem neo podendo se despedir de todos os
seus amigo?, faz pelo presente pedindo-llies desca-
pa, e cfTereceodo sea preslimo em qaalqaer parle
qo se ache.
Recife, 20 de setembro de 1867.
Por procurarlo de Hanoel BeBto de Oliveira
Braga.Lionlda T lo Loa rer o.
Na raa da Peona n. 5, cosioaa-se para fo: a
com perfeico por preco razorol.
Precisa se de am bom cozinbeJro para casa
de familia, qae seja forro ou captivo ; a tratar na
ra do Amorim n. 33, 1 aodar.
Precisa-se alugar ama boa escrava, oa raa
da Conceleo n. 12, na Boa vista : quera ttver po-
de dirfgir-.-o a dita casa._________^_____
Jo.- Hennque da Siiva precisa de am cria-
do : a procarar oa raa estrella do Rosarlo n. 2,
das 9 Doras do da em diaole.
i ____ i .^ y.
Precisa-se de am criado boleeiro : no sitio
da Passugem antes da ponte grande n. 2fe.
Aluga-se am< casa com proporces para mo-
rada e usiabelecimeolo de serrara, precisando o
mesmo predio de aigaos concert;, cuja obra sera'
levada em ccota dos alngueis conforme se conven-
cionar ; a pessoa qne se propozer fazer ste neg
o dirija-se ao trapiche Ramos, armazem o. 10.
Asta de leite
Precisase de urna ama que lenha bom e bstan-
le leite : na roa de Santa Rita o. 8.
4e -_.M__. empresto m
4eP.rU.
ELIXIR DO DB THERMES
Ptei
_e MCHllelu,
-fB t 4e hrla.
0cup* pr-~i lugar entre as preparaces ferragiogas as mais assimilayeis. O Elixi do THBBMSS empregado diariamente nos hoopiUs do Par e principalmoato o
Hetel-Dieu (orrlco da Faculdade de Medicino de Pons). Administra se com o maior xito as iocneu de eenaampfte resultenlos da exhasMrtsteM d sMUgoc, "T
-----------*- '--wnoias do Isbres perniciosas, aatToesieoii* e psalpttaeo> dos mui-
trabalhos ntelloctufles, abasos de todo o fBfos, ole
sis ou Ares ptfliflM, tkuarc* branca, anemia depois das hemorrhagiaa, ou durante as convalescenciaa
heres peladas Nao menos efficaz costra o pachlUama c obra poderosamente para os homens cujas forcas estamesgotadas
To-si sr casas a -ala de saaaa catherlnhi depola de cada rcfdcAa.
Ite sjcral na pharmacia, ra Reaumur 43 o em casa de E. GALLOIS, pharmaceutico do S. 11. Imperador, place Vendme, 2,
na Fm-AHBrCO, P. MA.UBBR rO.iin todu u Pharm*d*s ao Brt-B. ______
Parla.
J

11R DI
DO
BU. SBVIAL.
Precisa se de
Qaeimado o. 49.
Ama
ama ama de leite
na raa do
Hoie 24 de setembro.
A. C. de Abreu csalinara' o sea leilo de fa-
sendas inslzas e francezas, por iotervenqT do
agt-nt P-;,iaia, ho]e 2i da setembro, as 11 horas
da maubia era ponto em sen armizera raa da
Cadeis. ______
Be movis e
vinho
A SABER:
Ura piano forte, 1 machina de costara, 1 mobilia
compusta da ara *of, 1 mesa oval e 2 consolos
cora p-ira, 2 eadelras de braco, 2 de balanco e
ti da /a^rnigao, 1 mobilia de amarello, 1 Qtei-
ro, 2 e-carradeira, t candieiro a gaz, 1 reiogie
amerinno, 3 eastic.aes e mangas, 1 escnvanl
nha, 1 cuna de ferro, 1 marqaezao, 2 marque-
lis, 2 lavatorio*, 1 mesa de jntar, l ladeiras,
I cabidf, l commoda de Jacaranda, i toilete
com padra marmore e espelho, copos, clices e
mais ac!*sorios de c;sa de familia, 6^ garra-
fas 4 garrafSes com vinho de caj.
QuiHia-feira 26 de setembro.
No primeiro andar do sobrado da roa No-
va n. 52.
Goodrich & Hragb teodo de retirar-se desta
provincia farao leiiao por intervecco do agcDte
Pioio, dosin jveis e mais objectos cima descriptos
exi-teates era casa de saa resideocia raa Nova n.
SI, l"an1ar.
P.iacipiara' as 10 horas.
I
De 93 pi:m cem vinho, 5 meias ditas e 35 qaartos
- ora dito*, 78 calas com cooservas, 84 ba'rris
cora saroiabas em salmoara,B34 ditos eom ditas
Impren-ilas, ama laocba, diversas baoleiras,
loaa, eradlas e tambjretes.
D. Modesto de.la Parte tara' leilo por autorisa-
$ao do S'. vice consal de Hespaaba por coota e
risco de q'iera partencer em presenca do mesmo
Sr. vice co.isal e de nm empregado da alfaodega
para este Ora o orneado, dos o ojelos cima parte
dos salvad :s da barca bespanhola tlsabali enea
ihada na lina de Fernando de Noronha.
Qalota-feira 25 do correte
as 11 horas do da no trapiche alfandegado deso-
s da Conba. __________'
LEILO
Quh,t;i-feira 26 as 1 i horas.
Pelo agente Euzebio.
Do sobrado n. 7 raa 'do Padre Floriaoo, chao
proprio, r*>nde 72#.
l-im n. 47 ra da Roda, proprio, rende ennoal-
mente 8705, e nos (nados tem r.ama pequea casa
de n. 12 com trente para a roa dos Patos.
m sobrado de n. M na raa do Arag3o ronde
por anno 720$.
Urna casa terrea de n. 68 de esqoloa, tem ot<
ao para a rna da Gloria, rende 300J.
Casa para passar a fe^ta,
Moga se nma casa com boos eommodos no Po-
co da Panella, raa da Manguelra, Junto ao coronel
Lobo : qoem pretender dirija-se a' raa da tmpera-
iriz n. 50.________________ _____________
lAROPE FERRUGINOSO
D o C&SCAS DE LARANJAS E GASSIA AMARGA
Com iodureto de ferro ioalteravel
e I. P. Laroze. pbarinaceatlco
eit Parla
E sob a forma liquida que mais fcilmente
se asseraelfia o ferro, e isto, sem produzir
perturbacao algnma; o'esta forma, tambem,
preferivel s pilulas epastilhasem todos
os casos eaqie s3oprescriptosos ferragis
nosos. E o melhor auxiliar do oleo de 6-
gado debabalbo, porque contem o xarope
de cascas de laranjas amargas, t5o gera'-
mente appreciado, para a cura das dores de
estomago, digesttes difficeis, inappeteneia,
etc.
Deposito em todas ss pharmacias e casas
de drogaras no Brasil.
Expedices, em casa de J. P. Laroze, ru
des Lions-St-Paul. 2, Pars.
Deposito em Pernambuco, -pharmacia de
P. Maurer < C. ra jjova n. _9.
O oleo de flgado de ba:alho desinfectado
deChevrier, conserva as qualidades e.pro-
prit-dades reconhecidas ao oleo de figado de
bacalhao ordinario; o seu cheiro gosto
s3o muito agradaveis, e a digest5o faz-se f-
cilmente.
Deposito em Pernambuco, casa de P. Man-
rer A C. rna Nova n. 18.______ _
Alcatifo do ga.
Os flns a qae pode ser applicado, sao aioda pon-
co conbecidos oo Brasil : na Europa, porm, at
vantagens do alcairo do gaz sao bem patentes e
presenciadas. Alli, empregado come agente pre-
servativo de madeiras, ferro, etc., qaando expostas
a accao atmospherlca, oa da ajtaa doce oa salga-
da. E' asado, anda Como preservativo da aegio
deslraetiva do cupim e oatros Insectos, e evita que
a bamidade penetre em qnalqeer compartimento.
Serve, aflnal, nao so eomo veroiz para ancoras de
navios, correles, alvarengas e bareacas, madeiras
de constroeco, mas anda como poderoso e ex-
callente desinfectante.
A* venda por atacado, do escriptorio da empreza
do gaz o. 31, roa do Imperador, a retalbo somanta
no armazem da Bolla-amarella, do Sr. Jeronymo
Gomes da Fonseca.
AIST0RI4 DE148L0S
XII
Rei da Suecia
Para o tratamento e cura rpida e completa das molestias syphiliticas, eris-e-A*
las, rheumatismo, bobas, gota, debtfidade do estomago, infiammac5es ebronicas do figado
e baco, dores sciaticas, cepbalilgias, nevralgias, ulceras ebronicas, hydropesias, pleuri-
ias, gonorrheas ebronicas e em ge al todas as molestias em que se teuba em vista a pu
rificacaodo systema sanguneo.
Conalderaes geraes
A sande um bem napreciavei, cuja importancia e valor s est reservado ao ens
fermo o avalia-lo.
incontestavel que o homem oeste mundo constantemente, e por todos os lador
atacado porumainfinidade de agentes morbficos que todos tendero, dadas certas e deter-
minadas circumslancias, a alterar o regalar exereicio_las funches orgnicas, resultanbo
pesse desequilibrio o que "se"cnanwTnofcC^ "~~*
A molestia n2o mais de que a desvirtuarlo das forc. vtaes, occasonada,~ d,
gundo as investgacOes e experiencias,dos mais abelisado mestres da.sjfvyA._gela depm-
vacS dos bumores geraes, consequencia da accSo maligna desses mesmos agentbiwra e
fieos introduztdo8 no organismo pelo acto da respirado, pela via digestiva, pelo contactryr-^-_
immediato etc. etc. etc.
A sypbilis infelizmente tem sido a partilba da humanidade, e como fra de duvi-.
da que esse terrivel Proteo da medierna urna molestia hereditaria, ella tem sido obser-
vada em todas as idades, e debaixo de todas as suas formas to variadas, enrraquecendo
consttuicSes robustas; produzindo mutilacoes, e cortando ainda em flor da idade vidas
preciosas..
Eliminar da economa esses principios deieterios. e purificar a massa geral dos
humores tem sido desde tempo immemorial o flm constante da medicina, e os purgati-
vos flguram em primeiro lugar para preencher esse desiteratum ou /m.
O Elixir depurativo do Dr. Sevial parece merecer a preferencia sobre todos: os
immensos successos obtidos pelo uso deste salutar agen'e tanto na Allemanha, como em
Franca e Italia, o tornam c companheiro useparavel de quasi todos os doentes.
Sendo as melestias, como cima dissemos, devidas s alterac/Jes dos humores, o
Elixir depurativo do Dr. Sevial pode ser empregado vantajosamente na syohilis, erisy-
pelas, rbeumatismos, bobas, gota, debilidade do estomago, nflammagoes ebronicas do
flgado e baco, dores sciaticas, cepbalalgias, nevralgias. ulceras ebronicas, hydropesias,
pleurisias, gonorrheas ebronicas etc. e em geral em todas as molestias em que se tenha
em vista a purificscSo do systema sanguneo; pois que orna pratica constante tem feilo
ver que elle indispensavel nos casos gravissimos para minorar os soffrimentos, e pre-
parar o doente para medicaedes superiores; e as menos graves a cura a conse-
quencia do sen uso, convenientemente repetido.
As substancias que entrara na composico_do7E/r depurativo do Dr. Sevia
pertencem todas exclusivamente ao reino vegetal, e gran le cathe^bria das substan-
cias depurativas e antisypbiliticas; assim, ao passa-que este remedio depura o orgar
nismo, eliminando os principios nocivos saudCpelo mecanismo nataral das eyau-
ac5es alvinas, neutralisa ao mesmo tempo o virus syphilitico quando este virjem.
tem feito erupcao no exterior debaixo de suas multiplicadas formas; e previne taoi
bem os estragos dessa terrivel molestia.-^quando por ventura se ache ella ainda no
estado de encubando, isto sem se ter manifestado sob formas externas: beneficio
mmenso, tanto mais quanto neste estado os individuos ignorara completamente se es-
So contaminados por este terrivel inimigo.
O sabor agradavel d'este Elixir convem todos os estmagos, a sua acc5o so-
bre o tubo intestinal suave e benigna, e de nenhuma forma produz molestias medi-
camentosas, como acontece ao purgante dito Le Roy, que na sua qualidade de drs-
tico forte irrita a mucosa intestinal, e consecut'vamete a seroza, resultando deste es
lado, muitas vezes, bydropesias, que quasi sempre terminam pela morte !o doente.
Assim pois esperamos que o uso deste remedio justifique cabalmente as nos-
sas asseveraces, porque sendo um medicamento to simples na sua composico, a
pratica tem confirmado sua ulilidade.
' Satisfeito o invencivel Vendo Braaco, com as maneiras attenciosas com que
foi acolbido pelo respeitavel publico desta br tosa provincia, a ponto de que muitos a por-
fa desputaram a satisfago de serera os prime iros a compraren) em seu importante arma-
zem, se desvanece em declarar com toda a lealdade de que capaz, que est cada voz
mais animado, nao s pelo benigno acolbimenlo que tem recebido, como pelas forcas de
quedispoe porque at hoje nao careceu anda dos preparados de jurubeba, nem do
xarope alcoolico de veame.
O Veado Braaco, declara a quem aioda o nao conhece qne nao am
desses bicharocos intrataveis que por abi vivem com figura hu nana ; domesticado no
ameno paiz onde a amavel Aguia Branca vio a luz do astro bemfeitor, elle partidario
dsse invejavel agrado e sincerdade que com tanta gravidade se desprende, do seo
bico encantador.
O Veado Braaco, como todo o homem civilsado, ama a sociedade dos
bons, gofta do centro do mundo elegante, usa do tnico de Jayme. para previoir que lhe
ponham a calva ao sol, vai a companhia des Booffes Parisiens e no meio do partido de
madame Adelle, elle tambem atira-lhe. o seu lindo bouquei.
Digne-se o benigno leitor de jurar as palavras sinceras do sincero Veado
Branca, e venha prover a sna dispensa do que melhor se pode encontrar n'am estte--
cimento de mnfhados.
A modicidade dos precos, comparados com a boa qualidade dos gneros e o
bom modo com que se recebe ossenberes compradores, deve certamente convidaras
pessoas que ainda n5o vicram nossa casa a fazo1* parte dos amigos e freguezes .do flssp
BELLISSIMO ARMAZEM
DB
O-L H A
CONHECBO PELO y ME
a
Un ice deposito em PernaoabFCC
Na botica e drogara
DE

Barhotomeo Companhia.
3%-RUA DO ROSARIO LARGA3*

tiw
Estabelecido ra Direita n. 16.
Esquina da travesea de S. Pedro.




N. 2 D ^ N. 2 D.
a
A loja n. 5 D intitulada Corceo de Ouro na rna do Cabug. acha-se d'ors em diante oTerecen
do ao respeitavel publico com especialidade as pessoas que honrom a moda os objectos do ultimo goe
lo (a Pars) per meaos 20 por cen'o do qae em outra qualquer parte, garantindo-e a qualidade e a so
idez da obras.
O respeitavel publico avaliaodo o dssejo qae dove ter o proprietario de um novo estabelecimen-
to que qaer progresso em sea negocio deve chegar irorcediatamente ao coracao de oaro a comprar
aneis com perfeitos brilhante^, esmeraldas, rubias e perola ; verdaJeiras em agarras, modernas pelt
diminuto preco de 10$, brincos modernos de oaro e coral para meuina pelo preco de 3$, maracas de
prata com cabos de marSm e roadroperola obra de moderno gosto (o qae o encontrarlo no coracao da
ouro) voltas de ouro com a competente cru.-miia ricamente enfeitada pelo pequeo preco de I i i, brin-
cos de am trabalho per feito por uro mdico preco, cassoleas.tranealkis, pulceira-, alnetes para re-
tratos e outros nodelos tudo de alto gosto, aneis proprics para botar cabello o firma, dito para casa-
mento no rtico roseta tem o Coragao de Ouro um completo e bem variado sormenlo de diversos
gostos' butSes para punbos com diamante, rubins e esmeraldas*obra esta importante ja' pelo sea va-
lor ja''por gosto ds de*eoho, brincos a forma da delicada maosiotoa de moga com piogente contendo es-
meraldas rubins, hrilhautes, perolas, o gesto sublime, alflnete para gravata no mesmo gosto, relo-
gios para senbora cravados de podras preciosas, ditos para homem, diversas obras de brilhantes de
auito gosto, crusinhas do rubins, esmeraldas, perolas e brilhantes, aneis cora letras, cacoletas de
trystal o ouro descoberta para retraio (a iaglea) brincos de franja, ditos a imperatrize toda e qaal-
quer joia para secoliocar retratos e obras de cabello, e outros muiio^ objectos que es preteodentes en-
r.ontrarao no Confio de Ouro qae se conserva com toda a amabilidade aos coucorrentes deixando-
se de aqu mencionar precos de certos objectos porque (desculpem a maneira de fallar) dizendo-se e
preco talvez algoem faca mao juizo da obra, por ser to diminuta quantia a vista do sea valor.
Na mesma loja corapra-se, troca-se oaro, prata e podras preciosas, e tambem recebe-se concer-
tos, por menos do qno em outra jualqaer parte, e dio-s9 obras a amostra com penbor, consorvando-se
e Coracao de Ouro aberto at a 8 horas da noile.
Qualquer pessoa que se dirigir ao Coracao de Oaro nao se podara engaar com a casa, pois
: nota se ua sua frente um coracao oendnrado pntalo de amarello, alem de outro qae se nota em
*?gfe rotulo (isto se averte om coaseqaeacia do terem ja" algumas pessoas engaado cora outra casa.
um
-
raEi
N0SS4 SENH0.4 D4 ^CI1\0
Para edueacSo do sexo, mascnllao
Director Manoel Alves Vianna
O eollegio da Conceic3o, mudado ltimamente para o bairro de Santo An-
tonio, ra de S. Francisco, casa n. 72, contigua estacao central dos tnlhos
urbanos dos Apipucos, contina a fnnecionar regularmente, recebendo alum-
nos externos e internos, tanto para as aulas primarias, como para todos os
preparatorios necessarios matricula de qualquer faculdade, sendo os seus
respectivos professores pessoas moralisadas e de um concito magistral j
bem firmado nesta cidade.
O director deste novo eollegio contiuuando a empregar toda a solcitude no
desempenho de seo mandato, espera fazer-se mais digno da confianca com
que o v5o honrando os senhores pas de familia, conflando-lhe bondosamente
os seus Glhos.
Os estatutos do eollegio, assim como o franca iagresso em todas as snas -^
dependencias, esto sempre a disposiejo de quem possa interessar.
PILDLAS de BLARCARD
ja* mddmto h raao naiTUAvn,
ApproTadas pela Acadam de Madecina de Pana
..jwtda soa BosriTA** na raancA, da blgica, da ibiahda, da tbbowia, eren
MmfU kimrmu nm BxpmifoitVnirfui* de Stw-York, 185, i* P*n, at*.
BMM PBnli eevolvMu 'a eaaadt rerieo-buliamlca de ma tennHade acerata, Um
avantateo de aerm taarteraveh, un tabor, de um peeneno velume, e de nao etnure w
ornw dijeattvo. Goiando da* proprledide do Iobo e do ta*o, eUu eoeve prtocl-
ptlmente as iffeccoe CUorttita, Btcrofuhutt, tuttrmi, Caartit, M mmMrrmt,
mmenorrkta, moni*, etc.; enOm, ella oBereeen ae prtlko una ettcafaoaai BM BOM
gic paca modificar u consatcoes IjmpAaiiwu, /mm M dtbiHtadai.
M.M. O tadareto ie ferro taparo a altando u aaaaiea-
meata inf el, irriunte. Como prora da pureza a de aulbancidade dai
veraadclra Plala* dr Blancar*, deva -aa eligir aoato aCtW
prau reactiva o nossa arma, aqu reprodnrida,qas* **
inferior da uaa rotlo verdlc. Dera -aa daaeonlar da* talaJleaeaU
Arh.aa-Mrnitoda.aaPaaraaaela.. Flrmu**, fM BonafTU, W.
Yende-se na BoticaJFranceza rna Nova E. 25.
POR VOLTAIRE.
Veode-se su exeellente obra por 1*209 em
brochara, na llvraria Econmica rna do Crespo
D. 2.
Na mesma livraria tomara-se asslgnataras para
avida de Horada Nelsoao celebre almirante
aoglez a i i cada eiemptor._________
Gil Braz de Santiihana
Este inimitavel romance de Lesage, trada-
zido por Bocage, vende-w por" ?# em bro
xura, e 54 encadernado: na livraria Econo-
miea, rna do Crespo o. 2 defronte do arco
de Santo Antonio.
M: S -Raa do Cakof-M. S A
Agostnho Jos dos Santos C
Acaba de chegar a este estabelecimento am esplendido sortimento de
joias do ultimo gosto, perfeico artstica e modellos entecamente novos; como
seguem: aderecos com rubim, esmeraldas e perolas finas, pulceiras, broenes
para retrato, aoneis, botoe de punho, brincos e casso'.eus com letras, etc..
etc., etc. Salvas de prata do Porto, faqneiros, paliteiros, calix de mesa c
frncteiras, cojos prefjos eflo ineorapetiveis, poia que o propriPtanos deat casa,
recebendo seos artigos directamente da Europa, podem servir vantajosamen
aos seos fregoezea. Compram-se brilhantes, pedras finas, oofo e prata, page
se bem, tamben se incumben! de fazer concerto*.
DE
|DE
J. VIGNES.
N. 55. RIJA DO IMPERADOR N. 55.
O pianos desta antiga fabrica s3o hoje asss" conhoeldos para que seja neiessario lasstir sobra
raa snperioridade, vanmgens e garantas qne offereeem aos compradores, qualidades estas incontesta
res que elles tem definitivamente conquistado sobre todos os qne tem apparecido nesta pwca; pos
Quindo nm teclado e macinismo que obedecem todas as vootades e caprichos das pianistas, sen
nnea falhar, por serem fabricados de proposito, e ter-se feito nlmamente melhoramantos lmportaa-
mimos para o clima deste pair ; quanto s voxes, sio melodiosas e flautadas, e por laso muito afrada-
teis tes onvidos dos apreciadores. .','' .i lm
Faiem-se eonfome as encommendas, tanto nesu fabrica como na do Sr. Blondel, de Parla, socio
wrrespondentede J. Vignes, em cuja capital foram No mesmo esUbelocimento se adiara sempre nm wprffdiw araado sortimento de msicas don
aaBwres autores da Karopa, aaaim con tamaoleo*
precos cemmodore raioarels.
K'""w'r -J- HiuniHi o uuiaiuH
e pisaos aajoonieos, sondo todo vend* por
ILEGIVEL
MUTLADQ


s-**^
i
\
Marte te Per albuco Terca letra 14 U Setembro 4867.
J^SP4
PARA UZO INTERNO
PREPARADOS SIMPLES,
Xarope de jurubeba garrafa......... Iflooo
Vinhode l6oo
Pillas de > vidro......... 10600
Tintara de 64o
Extracto hydralcoolico de jorobeba 12$5oo
PREPARADOS COMPOSTOS.
Vinbo de jurubeba ferruginoso garrafa. 25ooo
Xarope > l6oo
Pilulas vidro..; 2/fooo
Oleo de jorobeba vidros___ 64o
Pomada de pote...... 6io
Emplastro libra..... 205oo
PARA UZO EXTERNO
A JlTRllBEBA.
Esta planla' boje reconhecida como o roais poderoso tnico, como um exce)
lente desobstrnente, e como tal applicada nos engorgitamentos do ligado e baco, na-
hepatites propriamente ditas, ou ainda complicadas com anazarchas, as inflammacoes
fuhsequentes as febres intermitentes ou durezas, nos abcessos internos, nos tumores es-
pecialmente do otero e abdomen, nos tumores glandulosos, na anazarcba, nts hydrope-
zias, erysipellas; e associada as preparares ferruginosas, ainda de grande vantagem
as anemias, cbloroses, faltas de menstruac5o, lencorrtieias, desarranjos atnicos do esto-
mago, debilidade orgnicas; e pobreza de sangue, etc.
O que dizemos affirmam os mais distinctos mdicos desta cidade, entre os qoaes
podem os citar os lllms. Srs, Drs. Silva Ramos, Aquino Fonseca, Sarment^ SewrPfi-
reira do Carmo, Firmo Xavier, Silva etc. Todos elles reconhicem a excelleocia d'este po-
deroso medicamento sobre os demais at non ronhecidospara todos'os casos citados,
tanto qoe todos os dias fazem d'elle applicacav. ,--''
Apresentando aos medir' s e ao publico em geral&versos preparados da joro-
beba, tivemns por fim genera/ mais o oso d'eslg"vegetal, fazendo desapparecer a
repugnancia qoe at boje seo! >s doentes de-asr dos preparados empricos d'elle, o
mais das vezes repugnantes a \ 'em-se/ que tinbam ainda a desvantagem de nao
ser calculada a dose convenientV pficar-se, o qoe torna moitas vezes improficoo om
medicamento, que poderia prodJLzir ptimos resultados.
- 0DOSSOS.Br^Paos]80 foram apresentados depois de baverraos convenientemente
estudado~a jurubeba, fazendo as experiencias precisas para bem conbecer as propriedades
medicamentosas d'esta planta em suas raizes, folbas froctas oo bagas, e a dose convenien-
ea app icacSn, tendoalm d'isto procurado levar os nossos preparados ao maior grao de
tperfeicSo possivel, para o que n5o poupamos esforcos, n3o nos importando o pouco la-
cro qoe possames tirar
Por tanto os que se dignarem recorrer aos nossos preparados podem ter a certeza
de qoe elles offerecem a garanta, de qoe se pode encontrar a prompta e infallivel cora
de qoalqoe dos soffrimentos, qoe deixamos innomerados, se forero em tempo applicados
tendo alm d'isso, medico ou doente a vantagem de escolner as nossas variadas prepa-
rarles, aquella que melhor ibe pode convir, j pela fcil applicacSo, e ja pela complica?.ao
das molestias, id de, sexo, ou ainda natureza de cada individuo.
As nossas preparaces ferruginosas sao feitas de forma que se tornam completa-
mente soluveis nos suecos gstricos, porque procuramos os composto de ferro que como
taes esto hoje reconbecidos.
Para aquellas que mais minuciosamente queiram conbecer as propriedades da
jorobeba, e saberem a applicacao de nossos preparados, destribuimos gratuitamente
ea nosse deposito um folbeto, onde tratamos mais extensamente d'esta planta e dos -v
mos preparados.
3"
f
a
S
o
en
a
so
a
o
o*
o.
a
vt
O.
.
1
SE.
o
<9.
o
3
f
.
o
ca
9
Si
o
e>
B
S
s
o.
o
s

2
PHOTOGRAPHIfl
YILfiliLA
ROA DO CARUGA N. 18,
ODr. A. S, Pereira do Carina (medico)
esi morando no sobrado n. 12 da roa da
laperatrts.
.0 Sr. Jo.- Marques da Costa Soares, |
que mora na ra do Vigario, queira vir
esta typograpbia, a negocio que nao ig-
nora.
CLUIUHHlrtFE
A partida do correte mez, ter lagar na
BOrte-re 21.
O secretario,
Joaqoim Leocadio Viegas.
Trocarn se
as notas do banco do Brasil e das cairas filiaes-
om descont mnito rasoavel, na praca da lnde,
oendencia n. 22.
DE
CAROSA
PREPAMDAA FRI
POR
ACCiCSTE CAORS
Pbarmaceotico pela escola de Paris e successor nesta cidade
M
Aristide Saisset e J. Soum
-Hna da Cruz
22.
-22.
Tratamento paramente vegetal sem mercurio, iodo, oaro, nem oatro qualqae
nioeral.
Verdadeiro porificador do sangoe sem azougoe.
Especial para a cora de todas as molestias que tem soa origen) na impureza do
sangoe, como sejam as molestias boubaticas, sypbiliticas, escrophulosas, dartbrosas, qaer
veobam ellas por bereditariedade, quer sejam adqoeridas pelo contacto com pessoas in-
feccionadas do^ diversos viros qoe contaminara o sangoe e os bomores.
A caroba om remedio prodigioso, irisado desde remotas eras pelos indio*
do Brasil, e passando seo oso de geraco em geracjfo, boje om dos remedios mais co-
nbecidoscomo proprio para combater as molestias mais hedioudas, entrando nesse nomo
ro a morpba ou elepbaotiases, para cojo curativo os nossos sertanejos consideram a
caroba como remedio especifico.
A moito ttmpo entroa a caroba nos formularios como preparado magistral
sob a forma de eleictoario, ainda hoje lembrado as pharmacopas com o nomo de seo
celebre autor Joao A;ves Carueiro: nao ella portanto remedio novo nem desconbecido.
O ungento de caroba da mesma sorte preconisado desde tempos immemo-
riaes como o mais apropriado para o curativo das boobas e oleeras sypbiliticas srdidas,
e expregado com proveito depois de improficua applicacao de muitos outros agentes
therapeoticos enrgicos e de aso quotidiano.
Moitos dos nossos mdicos de coosideraco e entre elles o muito distincte pratico
e observador o Sr. I>r. Pedro d'Alhayde Lobo Moscoso, tem confirmado por nteio de ex-
periencias repetidas, o qoe diz a fama das benficas propriedades da caroba no trata
ment das boobas. das diversas formas sob que a syphilis se apresenta e maito especial-
mete as qoe teem soa sede na pelle, e poderiamos relatar algans casos de data muito
moderna observados pelo mesmo Sr. Dr. Moscozo em que a caroba prodozio admiraveis
efieitos, depois de motis e prolongadas applicacoes de salsaparrilha, mecurio, iodo, oa-
ro % seos preparados, etc., etc.
Nao ra possivel que orna planta ta notavel por soas inappreciaveis virtades es-
capare a perspicacia einvestigacoes dosTnais abalisados praiicos eoropos, qoe se ap-
pucam com especialldade ao estado e tratamento das molestias syphiliticas e herpeiicas
e para prova ata siao os Srs. Drs. Casenave, Scborfer, Ricord e outros dando as mal'
Usongeiras nformaces sobre as propriedades curativas da caroba e preconisando-a com'
remedio poderosissimo para o tratamento das eropcoes cutneas, seccas ou suppnrativas
oartbros de todas a qoalidade, ec.emas, nlcerag de diverras Batorezas, tomores, osseos
e ootras muitas molestias de natureza syphiiitica oa boobatica.
Por ter-se geoeralisado moito o aso da ensnela da careba qoe ea pre-
paro e pelas instancias da farios mdicos qoe desejam cootinoar em soas observacoes,
aeuoerei-me a ter prompta ama qoantidade da mesma essencia, obtida sem a accSo do
ogo para nlo prejudicar as propriedades medicamentosas; e d'ora em diante encon-
FSTO??.I ntS^ C?,CE,ADA De C1B0BA, e o ooguento da mesma pirata para ta wiwm aos Srs. mdicos qoe qoizerem esperimentar o precioso agente medicinal.
Recite de Parnambuco, 17 de ootobro de 1866.
AoatrsTE Caoi.
ww&iu geni fe tele* nM w apeag
Botlfea e rogarla
3*~Raa larga do Rozario34
Da-se a premio de nm e meio por cento com
bypolbeca em bens de raz, a qoanlia de 1:000i,
pago o premio como se conveccin >r: a quem con-
vier deixe cana fecbada nesta typogrrpbla com as
iniciaos L. M. R. V.
Hospital Porlognez de beneficencia em
P- v Bambuco.
A jaala administrativa, em observancia do dis-
posto no ari. 102 dos estatuios, commrmora no
domingo 22 do correnle, o 12* anniversano da
instaiiagao deste po estabelecimenio cem a pompa
compativel com as suas torcas, pela maneira se-
gointe :
As 11 horas do dia celebrar-se-ba em sea oro-
torio mlssa selemne. acompanbda de msica vocal
e instrumental derigida pelo digno professor Colas,
sendo orador ao Evangelbo o insigne pregador da
capella imperial frei Joaqaim do Espirito Santo.
Urna bora depois de terminada a feslividade re-
ligiosa, ter lugar em mesa c enfermos nao impossibi itadjs, e condnzido ao
leltos daqoelles que o estiverem, sendo servidos
pelos Srs. provedor e mordomos, com assistencia
Rvm. Sr.-regente e do Sr. Dr. medico do hospital.
Asi laboras da tarde d*r-se ba principio ao
leilo do basar de prendas a favor deste benfico
estabelecimento ichando-se convenientemenu dis-
postas as prendas a vista dos expectadores.
Durante este arto, e de quando era vei, se faro
ouvlr alteradamente escoltiidas pegas de msica,
devidas a habliidade e obsequiosa eiponuneidade
dos lllms. Srs. socios das ptiilarmnnicas particu-
lares, Uniao Gommercial e Bella Uniao.
As 7 e 1|2 horas da noute eantar-se-ba no oro-
torio a ladaioba ero honra e louvor do nosso pa-
trooo S. Joao de Deas.
O ho-pital estar* aberto desde as 9 Jiorrs da
manha ate as 9 da noute, para ser visitado por
todas as pessoas que quizerem.
De da e at o encerraroento do estabelecimento
se conservara' na sua entrada a banda de msica
d) baialbo de infamara da guarda nacional
desta cfdade, para locar a intervallos bellas pro-
doces a gosto do seu bem coohecido mestre.
Ho-pital Portogoei de beneficencia, 16 de se
tembro de 1867.
A. A. dos Santos Porto,
Secretarlo.
Urna pessoa habilitada dispondo de algumas
horas, propSe-se a lazer algnma pequea escripia-
racao mercantil, dao-se es precisas mformaedes na
toja de louca n. 26, sjta a'r3alarga do Rosario.
Saque?.
6e
nao do Reg Lima, sacca sobre Lisboa e
S. Miguel: a rna do Apollo n. 4.
Una
Ama de Irlte.
Na roa da Croa do Reclfe 45, 2* andar,
sase de ama ama de leite.
preei-
MIM11A
Lecionase a solfejo e a tocar varios
instrumentos dando se as liroes pardea-
lares em suas proprias casas, das 5 ho-
ras da tarde al as 9 hor;.s da noite : a
tratar na roa Augusta d. 30 ou nesta ly
poersphia.
Precisa se de urna ama que saiba engommar
e coser; para casa de ponca familia; a tratar na
roa do Amonm n. 33, 1 andar.
Attentflo.
Jo3o Godofredo, cabelleireiro, tem o prater de
participar ao respeitavel pnblico, 303 amigos e nu-
merosos fregnezes, que passou o sea estabeleci-
mento da rna larca ao Rosario n. 21 para a casa
o. 14 da rna do Crespj, a qoal acba-se decente-
mente preparada e com ora grande e variado sor-
lmenlo de cabellos para bem satlsfazer
trahalbo tendente a soa arte ; espera, pois, a pro-
teecao do respeitavel publico, de sens amigos e
fregnezes na coDiinuago de soa concurrencia, en-
contrando de soa parte agrado, sioceridade e pres-
teza.
O abaixo assignado, aotorisalo pela Si* D.
Anna liana Muniz, vende a boiica da roa do Im-
perador n. 38, para pagamento de arralo falto em
objectos da mesma, por execuco qoe movia a
Sra. D. Hara Rita daiCrnz Neves contra o Dr.
Joo Pedro Maduro da Ponseca ; assim comu para
pagamento dos mais credores da referida botica,
o que se faz poblico para quem se jnlgar prejndl-
cado com a referraa venda, fazer toa reclaroaco
no praso de olio dias, aflm de evitar duvidas sobre
este negocio. Recife 19 de setembro de 1867.
Antonio de Sooza e Silva.
Residencia e consultorio jg
Medico cirurgico
DO
Dr. Antonio uarte
m a praca da.Roa-Vista n. 21 onde m
ndeser procurado a qualquer hora. S
m Especial Idade g
Doencas do peito, e de meninos. 88
Na praga da Independencia n. 33, loja de
ourives, compra-se oaro, prata e pedras preciosas,
e tambem se faz qaalquer obra de encommenda e
todo e qaalquer concert.______________________
A secretara da polica precisa comprar
as collecces de leis do imperio e decisoes
do governo relativas aos annos de 1839,
1850,1851 e1852.
A pessoa que as tiver e qoizer vendej
compareca na referida secretaria s boras
do seu expediente, oa entenda-se com o res-
pectivo secretario, roa da Saudade n. 15.
O official-maior da Ia secgo
___ Jos Xavier Faustioo Ramos.
O Dr. J. Aolo de Se nain uduo a soa resi-
dencia para a ruado Hospicio esquina da iravessa
do Camarao, pode ser procurado para os mysteres
de sna prosso de medico._____________'_______
Ama.
Precisa se alagar ama ama, para comprar, cos-
nbar e engommar : na roa de S. Francisco n. o4.
O Sr. Eugenio machinista faz saber ao
publico qoe sa encarrega de qaalquer obra de en-
canamentos, como coll,car gaz e concertar tam-
bem bombas para collocar e concertar de lodos os
systemas, como telbados de cbapa de ferro, zinco
e chombo : a residencia do machinista a' rna
(Bellaji. 13 oa na roa do Rangel n. 17._________
ATrEWCAO.
Apromptam-se comidas para lora aos senbores
esiodaotes e calieiros, com todo o aceio e promp-
tidao, dando-se louca floa, e se mandando levar
as casas que qnizerem comida muito iimpa e bem
feua; na roa estrella do Rosario n. 19, 1 andar,
por cima da loja de funileiro._____________________
Joaquim Jos Gon^alves
Beltrao
RA DO TRAPICHE W. 17 Io ANDAR)
Sacca por todos os paquetes sobre o Banco
lo Minho em Braga, e sobre os gaintei laga-
v em Portugal,
aber:
Lisboa.
Porto.
Valeoca.
Gui maraes.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Co^e.
Arcos de Val de Vez.
Vianna do CasteUo.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famellcio.
Lamego.
Lagos.
Covilbaa.
Vassal (Valpassos.)
Mirandella.
Beja.
Barcellos.
Ama.
Quem precisar de ama criada portugaeza para
todo o ser vico interno de orna casa, a excepeo de
cozinha, viuda Diurnamente do Porto, annoncie
para ser procurado.
ENTRADA PELO
' PATEO DA MATRIZ.
O nosso estabelecimento photographico
est sempre em dia com todos os meibora-
mentos e progressos qoe. na America du
Norte, oo na Europa se cosegoe na arte
pnolographica, e para alcancarmos tal fim
Doea poupamos despezas nem sacrificios,
de sorte qoe os nossos numerosos fregnezes'j rente.
podem ter a certeza de qoe sempre encon-
trado em nosso estabelecimento todo qoan-
to a arte e a moda offerecer de bom, no
novo e velho mondo aos amaDtes da pbo-
tographia.
N0V1DADE PH0T0GRAPH1CA.
Acabamos de receber todo o necessario
para fazer retratos chamados carte-album.
Este genero de retratos ltimamente in-
ventado na America do Norte, rpidamente
se propagoo oa Inglaterra e Franca aonde
goza actualmente de lodo o favor da moda.
A carie-a-lum se faz por dozias como os
amigos andes de mita.
Na logia trra trocaram o nome de carte-
album pelo de retrato-galeria e os ingleses
osam encixilbar estes retratos em qoadros
especiaos para com elles formar galeras,
com qne ornam seos gabinetes. Recebe-
mqgrna certa quantidade de taes quadros,
os qosfes cederemos por barato preco aos
nossos freguezes.
As peisoas que quizerem ver specimens
dos retratos chamados cartealbum, j fei-
tos em nossa ofJGcina sao convidados a visi-
tar o nosso estabelecimento.
CARTOES DE VISITA A 9)5000 A DZIA.
Em consequencia do novo genero de re-
tratos chamados carte-album, diminuimos
o preco dos anligos carines de i istia, os
quaes de hoje em diante ficam reduzidos
ao preco de
0OOO
pela primeira duzia, sem que por causa
desta diminoico de preco, ueisemos de es-
merar-nos no nosso trabalho, como sempre
oi nosso costme. Alm disto, continoa
mos a dar os cartdes de visita em cartes
de loxo.Bristol,oo porcelana,dourados ou
lithographados para o que temos urna varie-
dade de 12 modelos, a escolha de quem se
retratar.
Xy VA GOMO PBEVENCO.
Apezar do nosso trabalho ser muito co-
ohecido nesta cidade, aonde trabalhamos a
2 annos, com tudo julgamos de nosso de-
ver dizer hoje o seguinte:
Nos retratos fetos em nosso estabeleci-
mento emprega-se toda a cautela para of-
ferecer-se a par da belleza do trabalho, as
melhores condicoes de duracao. Doora-
mos e Gxamos os nossos retratos sem olhar-
mos a economas, e oltimamente para Ibes
pdennos dar orna lavagem mais ampia
e segora, contratamos com a companbia de
Bebiribe orna peona d'agoa. Os nossos
cartes de de visita sao verdadeiras photo-
graphias, que nao preciso de retoques do
pintor para. lhH desfarcarem os defeitos, e
convidamos a quem quizer a passar sobre
elles urna esponja mol hada em agua, oo
deixa-los mergulhados por espaco de horas
em agoa, ou em espirito de vinho : se apre-
sentarem alterado sero recebidos por nos
e pagos pelo doplo do que tiverem ais-
lado.
Continuamos a fazer retratos por todos os
systemas pbotograpbicos at hoje conheci-
dos em pbotograpbia. O nosso sortimeoto
de caixinhas, quadros, passe-par-tauts, e
jeias de ouro para a collocacao de retratos
o mais completo, variado e abundante qoe
existe nesta cidade.
npi jHwnpni
.No armazem de tintas roa do Impera-
dor n. 22, vende se :
Salitre refinado arroba 6500
Enxofre arroba 2*800
CASA DA FORTUNA
Aos 6,000$
BILHB1E8 GARANTIDOS.
A roa do Crespo n. 23 e casas do costme.
O abaixo ?ssignado veodeu nos seus moito fel-
zes bilhetes garantidos da lotera que se acaboo de
eitrabir a beneficio das familias dos voluntarios-
da patria, os segointes premios :
N. 2760 dous quartos com a sorte de 1:2005.
JN. 2703 doas qaartos com a sorte de 500s
E outras muitas serles de 1005, 405 e 205.
O possuidores podem vir receber teus respecta
vos premios sem os desceios oas ieis na ca=a da
Fortont rna do Crespo n. 23..
Acham-se a venda os da Ia parta da 1* lotera
da igreja de Nossa Senhora do Huote de Olinda
(39*) que se eztrabira' segunda-eira 30 do cor-
Freco.
Bilbete.....t>500d
Meio......35003
Qoarlo. .... 15500
Em porco de 100,5 para cima.
Bonete.....55500
Meio......25730 .
Qoarto.....15375
Maooel Uartins Fiura.
. A viuva de Francisco Marques Lamos Ri-
beiro avisa aos credores' do sea casal qoe- esta
psocedeodo a inventario dos poneos bens delle pe-
lo jnizo municipal d* primeira vara e cartono do-
esetivo Santos, aOm de qoe tratera de verificar
os seas crditos per ante o mesmo juizo.
Qaem precisTF tomar lelte de burra pode
dirigirse a travessa do Campo Grande sitio dr>
frade.
AJuga-se
A luga a doas sitios com boas casas para fami-
lia e mnito fresco na Torre : a tratar na nadara
do mesmo logar.__________-
Aluga-se
A padaria da Torre com todos seas atencilios
aj tem doas (orno* por barato p: eco : a tratar na
mesma.
Armazem ou loja
Tra-passa-se um bem armazem proprio mesmo
para luja de fazendas e com commodo at para
familia econmica, na ra da Praia : trata-se na
ra da Madre de Dos o. 16, loja.
-- Quem desejar arrendar urna boa baix de
capim pode dlrigir-se ao largo do Peloorinno nu-
mero 7.
A abaixo assgoada pede encarecidamente
aos lllms Srs. inspector oo thesoureiro da ibesou-
raria geral desta provincia Ibe respondam por
este Diario se sabero, oa do noticia do sea filho,
alteres Jos Francisco Ribeiro, que foi d'aqoi no-
meado, em jaoeiro de 1857, alferes-ajudante do
corpo de goarnico para a provincia do Amazonas,
o qoal, desde qae foi para dita provincia, delxou
ordem para dar de sen sold 205000 mensaes, co-
mo ha de constar dos seus recibos n'essa repauic&o
para a abaixo assigoada ; agora accresce qne a
mesma, desde uoveinbro de ltC3, ultima carta
que possae, nao tem tido mais noticia, nem mais
carta delle, pois al esta data elle mandon-lbe sua,
mesad, uns tres mezes pelo seguro do corre
desla cidade, e ba quasl qnatro anno, qne se lm
passado, nenbuma noticia tem tido delle ; dese-
java a mesma, que Ss. Ss. Ibe resppndam mesmo-
por esta folba se acaso vivo, esta' ou nao no
mesmo Amazonas; se, depois desia data, conli-
uou a mandar mesadas, on nao ; e se f jram pa-
gas por essa tbesouraria, e at quando ; ou se te-
ria mudanca para ontra provincia : pelo que Ibes-
fleara' muito agradecida quem com verdadeira e
sincera estima se assigna de Ss. Ss. muito
rente e respeitadora
Loira Marta do Rosario.
Recife, 23 de siembro de 1867.
rev-
Alnga-se 6 andar terreo do
do Hospicio esqoioa da travessa
iralar no mesmo sobrado.
sobrado da roa
do Camarao : a
Attenco
A. Blocb, subdito francez, declara especialmente
ao corpo do commerclo, qae visto haver oatro in
dividao com o nome igual ao seo, de boje em
dianie se chamara' A. Blak, islo sem prejaizo da
correspondencia qae possa ter de Franca, antes
de ser naquelld paz conbecida esta sua nova re-
solucao, o que protesta fazer na primeira occasio.
Recife 20 de setembro de 1867.____________
Precisase de ama ama qne cozinbe e engom-
qaalquer oie a tratar na ra do Quelmado n. 12, primeiro
andar
Attengao.
\. 25 Roa do Livrameoto \. 25
Deposita de taroancos e cateado nacional da fa
brlca da roa do Jardim n. 19, de Jo? Vicente Go-
dinJio, tanto no deposito como na fabrica seaprcmp
tam todas as porrees de calcado o mais barato
possivel, esta fabrica tem todas as machinas pro
prias para os calcados ja bem acreditados 'pelo
grnale numero de fregueies qne daqui se for
neefm.
Chocolate vermicida
DE
Antonio Nones de Castro.
Desde 1837 que sao as tabellas vermicidas ap
plicadas em Portugal, como o remedio prompto e
efficaz para a expolsio das lombrigas, qoe lo gra
ves padec mentos caosam e qae quasl sempre nao
se soppoe ellas a origem.
Este vermfugo preretivel a qoalqaer oatro
pelo sen sgradavel paladar e fcil pplicacio as
criancas qae mais geralmenie sao atacadas de se-
melbante mal.
Deposito especial
34Rna larga do Rosario34
Botica de Barlbolomeo & G.
lub Pernambucano
A partida do mez de ootobro ter logar
na noite do dia 4.
GAZEOL
Ama de leite.
Qaem precisar de ama ama de lelte, dirija-se a
ra do Brum n. 66, armazem, que achara' com
quem tratar_____________________^^^^^^^
Sabonetes de alcatro
O uso destes sabonetes tem apresentado os mais
beneicos effeitos contra as impingeos, sarnas, tl-
nba, caspa, comlcboes e todas as demais molestias
de pelle
VENDE-SK NA
B tica e drogara
Bartholomeu & Coapaabla.
34Kna larga do RosarieM
E^cnptaraca commercial
Urna pessoa com a praiiea de mais de 20 annos-
prop5e-se a escripturar livros por qualquer syste-
ma. Organisa-os, adiante os atrasados, procede a
baiancos e fecba os livros por precos convencio-
nados : qaem precisar deixe caria .'echada nesta
lypograp,hia com as iniciaes D D ou na Iravessa d
ra do Vigario n. i.
iNa roa da Cadea do Recife, laja n. 7, pre-
cisa-sede urna mulher para ama de servlco inter-
no de casa de pouca familia para engommar e tra-
tar da meninos, pagaba bem.
Precisase de ura caneiro iiua d conneci-
mento de sua conducta para tomar coala da urna
taberna por baianc >, em Apipucos : a tratar no
mesmu lugar cora Machado.
Vende-se carvo d ferreiro : na roa-dr>
Brura n. 61.___________________________________
Veode-se
Vende s nma taberna na Torre com pouco fun-
do e bem afreguezido : a tratar oa padaria do-
mesrao lugar.
Boa pinga do Douro>
Cbegaram barris de quinto cora poro vinbo do
Douro garanlindo se qne nao lera confeicao algn-
ma a excei$ao de nm bocadinho de agurdente
que Ibe bouram para poder resistir a viagem,
neste genero o meihor que tem vindo a este-
mercado, e mnito proprio para nsar n s boras de
comida e vndese por preco em conta na loja e
armazem do Pavo ra da Imperatriz n. 60, de-
Gama & Silva._____________________
~ Vende-se ama cadeira de braco ainda nova :
quem pretender lirj-se ao paleo d> Orino es-
qoioa da roa de H mas n. 2, taberna dj mesmo-
sobrado.
AMA
DE
Na rna da Aurora casa de o. 70, 2* andar, pre-
cisa se de nm eserava qna coslobe bem, engom
om e.en>ab|: qaem Uver e qau*r alegar dlri-
ja-se a referida casa. _____________________
Offerece-s* para nasa de ponca familia oo
bornea soiuirMma ama partagoeu : qaem pre-
cisar dirjase i roa o Amor! o- ti, legando
. dar.
Burrin du Buisson
Liquida valatil preparada por Smllase, repro-
duzindo cblmicamente os vapores qoe se soltam
em volta do aparelbo panucado do gaz carbnico,
empragada com o mais segnro successo conirr
a coqueloebe, a phtisica e todas a molestias ebro-
nicas dos pulmoes
VINM'SB NA
Botica e rigaria
DI
Bartholonea k C.
U*%* torn to BesarleU
Ama secca.
Preeisa-se de ama mnlber de bons costomes
para andar eon nm menino, prefere-ae escrava
nao aewtoejtfi a amo: a traur no segando an-
dar o sobrado i rw 0 QQflW*9 *f
SEGUROS
MARTIMOS
CONTRA F0G6.
A companbia Indemnisadora, estabeleci-
la nesta praca, toma segaros martimos so-
ore navios e seos carregamentos, e contra
fogo em edificios, mercadorias e mobilias:
u roa do Vigario n. 4, pavimento terreo
Casa em Ulilla
Aluga-sa ama boa casa na eidade de Olinda, no
odio da igreja de S. Pedro, prxima a casa do Sr.
comroendador Joao Pinto de Lentos, excedente pe-
ra os banbos salgado* ; a tratar na roa do Crespo
o. 17, loja. '
Aluga-se orna eserav perfaila eosinheira :
nem pretender dinja-s a roa do PHar p. 8o, 1*
o#ar.
Preeisa-se do ama ama qne eogomme e lave,
para urna casa de poaca familia : a tratar na pra-
c* do Corpo Santo o. 17, 3" andar.______
Lavase roup< qnr de bom m qur de se-
nhora : em S. J.-s, ra do Alecrirn n. 35-
No coliegio da Conceig prensa se de um
homem idoso e sem familia para porteiro.
XAROPE
DE CASCAS DE LARANJAS AMARGAS
*ae i. P. Laroze, pbarmaceatico
em Pars
35 annos de soccessos atie.-tam a sua efficacia,
como:
tnico excitante, para ajodar as ftwc-
ces do estomago, assim como dos intesti-
nos, e corar as doencas nervosas, agudas os
chrooicas.
tnico ANTi-NERVoso, para corar os incom-
modos percusores de doeocas assim evita-
das, e para facilitar a digesto.
ANTi-PERioDico, contra os calafrios, calo-
res, com oo sem intermittencas, e que teem
por especficos as substancias amargas; tam-
bem efficaz contra asgastrites e as gas-
tralgias.
tnico reparador, para eombater a ex-
haustaco do sangue, dispepsia, anemia, es-
gotamento, inappetencia, langor etc.
Deposito em todas as pharmacias e casas
de drogaras no Brasil.
Expedicoes. em casa de J. P. Lazore. roe
des Lions-St-Paal, 2, Paris.
Deposito em Pernamboco, pharmacia do
n. Maorer & G. roa Nova n. 25.
Sanael Power Joanstoi lomiauhia
RuadaSenzala Nova n, 42.
AGINCIA DA
Paadleio de IiOW Hoor.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos.
Miendas e meias moendas para engeob.
Taixas de ferro coade e batido para enge-
nho,
Arreios de carro para om e doas cavall- s.
^elogios de ouro patente ingles.
irados americanos.
Muhinaspara desea roca r algodo.
Motores para ditos.
Macbinas de costara.
Atamnhia.
i
'
,
\

N. '
r. I
E
.>

Y
iMTILADQ
x
-



7
)
i.
i
P
l
mi
Diarlo de pernnaioae Terea felra 14 4c etcuibre de 13t>7.
5
V -ACHISAS
PARA
IUZA SO ARES & IRIYlAO
propriet irtos dd' grande e nouo esa6eJecimeno de miudezas,
ferrag&ns, quinquilharias e can RUI MOTA 2T. 99
!im frente a botica do Dr. Sabino
Receb^eram directamente de New-York um sortimento de machinas para descarogar
algodlo, se/do de 12, 14,10, 18 e 20 serras, que pela sua qualidade e perfeigo, tornam-
se recomn&odaveis.
0/S proprietarios garantem por ara anno a construcgao das raesraa?, e o bom re-
saltad^ ctn descarocamenlo de algodo. Sendo estas de ara modelo tal, que alm de se-
ren d* pooco volume sao muito facis para o trabalno, ficando o algodo o mais perfeito
p0?iTel. Afflancaodo-se os precos serem mais razoaveis que em outra"qualquer parte.
te!
Os pretendentes podem dirigir-se ao referido -estabelecimento, que alm de aeba-
um bom sortimento de objectos de que teodeate, encontrarlo sioceridade e bara-
nos presos. .
Ama
i Gabinete Poituguez.
Pedimos nova drecictia, a pnblicacao do rela-
torio da soa antecessora, od aquello pelo qual to-
mn conta da administracao.
sa-se de ama ama para casa de pouca Os assocudospretendem saber o estado em que
i roa da Croz n. 8, 1* andar.___________ acbam as nnartc as do esiabelecimento, e a actual
nonio G3ncilves Moreira retiran para **?!JK22 pefldo- *" <*^,w*0, tomoa
_, Y ^ cont ae sua administraban, jamis o deve occol-
PoWWi^----- ----_--------------------- tar, a menos que nao tenha.ero vtslas obscorecer
~_ Jl Dias Brandao. abano assignado, faz ver j o toruno da sua antecessora 1
eopubafj despedio da casa do Sr. Joaquina j Desojamos onvir os novos flnanceiros, certos co-
FrancisdV* *** Jnior, no dia 21 do correnta. | no slateos do mmto que elles devem faier, em
Recife a\
le sembr de 1857.
Jos Das Braado.
OOerd
taberna e prfr
gadas o. 1
c-se um caixeire cora teda pr.tca de
'Njjalanco : a tratar na ra das Cil-
Pargnosa se ao
gou an sea ex-cai
se drs:c!pa em diier
pagoa.
Um prejadi
pro da sociedade I
Permita Dos porm. que o doente que Infeliz-
mente *iem supportadoo peso de tantos mates, nao
tensa desta vea amoirer da cora!...
___________________Alguns socio?.
uta innnr#ai> No domingo 25 de correte mez, desappare-
u i ~u-----' \ C8n de ana dos cuartos da casa de teiros B4 lar^e
wp J1-?9, aiaaa* P~ doCarmo, a reloglo da ooro patenta teclea de
M. V. F. visto que ete >, n, 23219 : portanto Toga -se a qem o tiver acna-
a. >. anda nao ibe o de o restituir a sea dono na roa do Racimada
toja de tusadas n. 20, que sera'ralineatio.
Precisa se de urna ama p
a tratar na rna da Concoria
D. 11.__________________________
A criada pertagoeza vinda ba
to que se offercce no Diario para e se'
temo de una can menos a cosinba dirija
do Amnrim a -33, 1* andar.___________
Precisa se de oui criado para o botel
Monteiro : a tratar na rea do Crespo n. B, toja.
~f*~a
para
BfiS
COMPRAS
Ceropra-se moedas de ouro de 0*, 16*, 10*
e 9J roa tte Cruz n. 8.
Precisa-se de do os peqaenos de idade
Ib annos, secdo um para uero* e cu tro
entregar pae-na roa : a tratar na roa do Crespo
foja n. 8. ^^^^^ ________
II J8ttfcl da rdem tereeira de S,
FraB cisco.
No dia 6e festa do77. S. padre S. Franctsce tro-
caran] e qcarto da si ssa iroa D. Ignez,
capa de habito de 3* marcada por trai da g'Oia cora
as letras R.fl. deixaodo Ocaruma ontra ca^e no-
va : o rrnMO que < engao fez pude o Ir ttesfa-
zer com o aosso irmso s^rhrito.
4e rata
nacwoaes, ssim eooro pataedes porlugacses e
aaBes,-compram-se com praoio : na ra do
p*lfc|*. 16, pnmeire andar.
Srhrino-Sni
rooa fcoiva'
e todas as i
e-rceiro andar.
Compras
urna ira ualqoer p
(paatt3e6
prtugoeea
ob ostra
sedula* c.i
tcasjprowin,
Si,l,.;a
Dfag-sc ^scraves
rme e:Siri,ia
seravos a ambos -os sexos
es: a' ra 4 Imperador n. 79,
ATTENJAO
No armazem de fazendas de
SantusCoelhotrua d Quei
madon 19.
Boa e barato
Cambraia de cores matisadas finissimas a
800 a vara.
dem brancas transparentes finas de k&,
SOOO, W, 75, 8( e 9(oea a peca com 10
jardas.
dem branca tapada de 80 e 90 a peca
com 12 jardas.
dem branca franceza muilo larga a 90 a
peca com 8 varas.
Baloes d 35 e 40 arcos nesgados par
senhoras, a 40500.
dem de 35 e 40 arcos com ferrugem a
20500.
dem de mursulina nesgados a 50.
dem de crochet a 50.
dem de mursulina para meninas a 30 e
30500.
Saias bordadas a 50.
Cambraias admascadas para cortinado a
120 a peca com 20 varas.
dem para forro a 30 a peca com 10 jar-
das.
Cambraia de linho muito fina de 60 e 90 a
vara.
Madapol5es finos de 60, 70, 80, 90,100,
110 e 120 a peca>
Platiha de algodo superior fazenda par
saias a 30200 a peca com 10 varas.
Cobertas de cuitas de ramagem a 20600.
Leocoes de faambargo fino a 20400.
dem de bramante muito fioo a 30200.
Pannos damascados para cobrir mesa a
40500.
Guardara pos de linho adamascados a...
305OOaduzia.
Atualdado adamascado com 7 1/2 palmos
de largura a 20 a vara.
dem adamascado de linho com 7 1/2 pal-
mos de largura 20 vara.
Algodo entestado com a mesma largara
a 14100 a vara.
dem trancado de Igodao a 10600a vara.
Toalhas alcocbaadas de linho lisas a 110
a duzia.
dem de algodo felpadas a 130 e 140
a duzia.
Colchas de Ristao a 60000.
Retundes de l preto a (50.
Chales de fil a 50.
^C^^e-GaflibwLa brancos fiaos a 10800,
0500 a duzia.
Lencos de cassa -feHsamos a 30200 e
306Ou a duzia.
Fil de lrnho liso 800 a vera.
dem eom salpicos a 10000 a vara.
Grosdeeaples prete bom a 10800 e 20
Igaic>nento 4e Loyola Fdbo,-^0*"1* 0 '*ens
pareles e amigo* >ara. comp/c,,reln na *KreJ*
do Carc dnsta cMarte, no bjras^ia-aanhaa, ;flm de-*ir,!ia aigoaas -mis-
sas qt Einla reear por atma-de seu seopre
lembraoflai, e -dyA* ja agradece *j inliaw (Tai-
ma asedas as>*sbas que itte flierem esse cari-
dOSO oBsi^tT.
^Ba2sBHaMiaMOBB^B^HB^2SSiaHMas^B&^'
l'ra .; .-j i do tallecido teaeote de milicias ci Beeto de Loyota, manda rezar sor su alma
duas iitiseas, aigreja dos religiosos Carmelitas, ao
di- 26 d-> corrate as 6 i|2 oras da manta, o'
para ae oavir sao convidados a lsm.' familia, pa-:
fni'-s afP'ffno iin m-'-mo finido.
ipre por mais do qce em ou-
prata brieileira e estrangeira
sterlins, avoedas de'-S e'16
10 e 205 brasileras, ougas
qualidade de ooro, e se trocara .O COvado.
4o Brasil careas flliaes de ou- i Moraoque pretesuperior a 20800co-
ca ra da -JJadeia 4v ttecife o.. vado.
Flanelltde todas s cores 800 ts. -e co-
Compram -se \ vado.
-fa premio meeias de onre e de prattwcleoam i TarIaUM de -todas as COMS a 800 ts, 8
e *str-Egeiras: oa rna da Ccdeia do Bacife n. H, vara.
, ansaieei de A4riio, Castro-dc C. j Bramante de linho com 10 palmos de lar-
Pataoes Idemdeinho com 5 palmos a 10200 a
Corapram-se patacSes bespanhes, portuguezes i
brasileWos de caobo anttgo,em casa de Alamson,
Hewy A C, ra Ce Trapiche^ovo n. AO. ________
Cempra-seonro e praia em obras velbas.:
na craca da IadD*o(?e"c:a 22.
-Cemprase-uaia casa leirea boa e uva, mo-
dera, m boa rea : qoem tiver para vt-noer di-
rija-fea botica-Barraca da Bea-vlsta o. 'i tu au-
na acie.
Librad esterlinas.
Com^raoi'se coa -bom premie
depeniascta.n. 22.
na pra- da la
Moecas de oara.
NactocMs e estraugetras aseim como libras
esterlinas: campram-se na roa do Crespo c. 16,
pnmeiro andar.
vara.
dem de linho com 3 1/2 palmos a 000 a
vara.
Riquissif&os basquins a 250000.
Assim como outras muitas fazendas -que
se vende por menos que em ootra qualqaer
parte, e d-se amostras de udo,
Fuudico da A urora
Tai xas de ferr cuado, bom sortimeoto a qasli-
dade superior.
Fanclsce-ia Cunna Macnado Pedroa manda j
boje dizer as 7 boras da maobaa na igreja matriz
de Santo Aut-julo, missas pela alma de sua fluada
lia D. Joaqutaa Mara fereira Van na, roga pois a ,
seus pareles e amigos o obsequio de asslstirem a j
esso meloso arto.
Compran na loja de jiias dj cora^ao de ooro
K. 2 D, roa o Cabaga, moedas nacioaaes de 2
Ouro e pi ata
Miadas de ouro e prata oaciooaes, esirangeiras,
de todos os valores, se compram a Joja de oun-
ves junto ao arco de Nussa Sjohora da Cjaceico,
ra da Cadeiado fiecife, assim como ouro e prata
em otras velbas, bribanles, diac-anles e te paga
bem.
oaprase
ntna negra on negro que saiba cozinhar, paga-se
bem : na ra do Imperador n. 21.
<>ujpra-se um seiim usado
o. 56, laja._________
na ra Nova
Ageaia4e passa re e portai-ia*
Claudico do Se/o Lima despachante pela repar-
t?ao da polica da paerte e portara, lira-os
para dentro e ora do imperio, por cjinmodo pro-
co e presteza: na ra da Praia 1* andar n. -l.
Traspas-a-sea chave do sitio com casa asso-!
nho Novo lado diruii defro&te da estaco ios tri-
ib js : a tratar ao mesmo sitio.___________________ I
Fogio no dia 5 do corrate o mnlatinhoioo, |
de.idade (2 aaoos, poaco mais ou menos, de casa Comprare orna secretaria, estando
do-fir. Dr. Anoes( rna do Imperador, levoo vestido; estado, e orna salva de prata para 4 ou 3
camisa de chita, calca 4e algodo s.zul, cbapo de; no raes dn Bastos o. 10.
ellrc.preto, copa baixa, redondo, aadava vendendo
smas.'.oucasem um fl^ndezinbo qoadrado, que tu-
do Jeroa. ebeio do eorpo, bonita figura, bem fal-
iaate, ar alegre, olhos grandes e preto?, denles bo-
nitos, coaumado ir todos os dias a Capnnga e a
Passagem a mandado da familia do Sr. br. Aones,
aonde estaTe alugado, juiga-se andar pela Boa-vista
Z?ffJ^'b0S desu1cidada : roa-se M aQl0-! Compra-se lalrm, caariateira, canana, espa'
rosamente graiflcado?, on que derem notieias
chocolate de O calarle re
purgativo de magoeaia.
B* o chocolate de desbriere o meoor purgaste
at agara coobeeida e de grande ar.eitaco em Pa-
I ris, osde lera sido unito appiicado no hospital
Hotel ieu pelos professores Troasseaa a Pidoni
com o -iieihur lesoltado.
Por ua aeco lazante purga sem fa'.igar o esto-
mago e us ioleslinos, e aprsenla ptimos resulta-
dos como dorivatlvo, abrovente, anstiverooso, re-
frescaste depurativo.
Deposito especial
34Rna larga do Rasarlo31
Botica de Barthotomeu C._______
Vinho fiuo do Porto en-
garrafado.
Veade-se de mui eicellente qualidade por m-
dico preco em calzas de 12 garrafas : no arma
mez de David_Ferrelra|Ballar, roa do Brum n. 66
Ijiquim de Soma Silva Canhasaea sabr o
Porto : na ra da Cruz n. 18..
Fabrica e [undico de bronze
e outrot mttaest caldeireiro,
laioeiro, e funileiro, situada
na Soledade, iua do Frin-
cipt n. 3, e com deposito na
ra Nova n 38 da- cidade
do Recife
DE
BRAGA SAMPAIO '
rabricam-se oeste imprtame esiabeleci-
mento todas as obras concernentes as artes
respectivas coreo sejam:
Alambiques de todos os tamanbos em
temos, os mui acreditados apareios de
Derosne com as dimence3 delicadas dos
fabricados em Franca.
Fabricam-se avulsas quaesquer pecas des-
apareaos, como sejam o dilatador, ratifica-
dor e condensador, ou esquenta garapas,
resfrjador, serpentinas interiores.
Faljricam-se bombas de todas as dimen-
ces e qoalidades, pelo systema francez ou
americano, simples, de piessao, repuxo, e
com especiaiidado a estanca ros assim de-
nominadas pelo enorme volume de agua
que absorvem calculada em. 100 pipas por
hora, e das quaes algumas estSo promptas a
serem experimentadas.
Rxistem bombas por este systema, me-
nores, para regar sitios, garantindo-se nao
s sua durado como a grande quantidade
de agua que foraecem pelo que s3o cons de-
radas boje as primeiras bombas conhecidas.
Todas as mais obras se fabricam vonta-
de dos freguezes e a seu capricho.
ExUtem sempre promptos no deposito in-
dicado na ra Nova n. 38, um completo sor-
timento de obras solidas, bem construidas e
a preces rasoaveis, como sao alambiques,
serpentinas, taxo3, passadeiras, repartidei-
ras, escumadeiras, cocos, candeias, e muitos
outros uteucios preprios para engenhos,
como sejam mancaes de bronze, parafuzos
para rodas de agua e'outrcs.
Cavilhas, machos para lemes, pregos de
todos os tamanhos e para o forro de cobre
de navios.
Aprompta-se tuo quanto diz respeito as
obras de lalao torneadas e polidas com toda
a perfeicao.
Vlvulas para tanques de banho, torneiras
de todo?-os tamanhos e quadades, assim
conio te ornamentos para militares,
boles p *a, aparelhos para barretina,
nmeros. .s, espadas, cornetas, alam-
padas tur' caldeirinhas, Bavtas, almo-
i'arizes, penuvadores.
Obras de folbas de lanres de todas as
qualklades, bahs, bacas, bules e trutios
utencilios domsticos.
Lampioes para gaz para engenhos, fulha
de andres emcaixas, folhas de cobre e la-
to, lubos de'chumbo para encanamentos de
todas as dimencoes, folhas de zinco, estanho
em barras e verguinha, lancees e barras de
chumbo, vidros finos pira espelhos, de co-
res, bordados, e opacos, e outros para vi-
dracas, diamantes para corlar vidros, cadi-
nbos ordinarios e de patente, rea para mol-
dar, folies para ferreiro lavatorios com ba-
cas e jarros, trra podre e outros nmeros
oljectos proprio de taes eslabelecimentos.
Sendo todas as obras inspeccionadas e
feitas sob a d Jos Bapiisia Braga o qual se aclta de novo
espaciaImente incumbido da gerencia de HJo
imponaiite estabelecimente, isso urna ga-
ranta pela sua longa pralica, que tem os se-
nhoies fregueses de que serao servidos a
cunteoto, com promptioSo e preco |commo-
do, pelo que os proprietarios Ihe serao agra-
decidos.
Loja do Gallo Vigilante
D
Goimares& Freilas
RA DO CRESPO N. 7.
Os proprietarios desie bem conhecido 5J
tabelecimento tendo em vistas a boa voolde
com que tnda generosa popu'acao desta bol-
le cidade concorre com a sua coadjovaead
para o basar de prendas que costumam es-
tabelecer no dia da commemoracSo do anni-
RIVAL SEM SEGUNDO
Roa do Quelmado o 40, loja de
mlndezas
DB .
Jos Bigodinno
Varas de babado bordado do Porto 2C0
Carreteis de retroz preto eom doas oilavas
proptit s para macblius a 500
Pregas francezes de todcs os tamanbos a 240
Orozas (e boides de osso para calca a 200
Kspelhos donradbs mnilo Anos a lC0t'
baizas com linha superior para marrara 240
uarriteis de reteoz de todas as cores a O
Fraseos d agua de Colonia multo superior a COO
r rseos de o eo muito Bno a...... 508
Duzia de tesonras pequeas a 48(
Frascos d'agua para liropar denles a '. '. 5Cii
Bedes pretas lisas para segurar cabello a 30
Duzjs de pennasdeacomnito floa* a Cb
Caixas de linba do gaz de 30 neveros a 600
dem de palitos de segnranra a .' m
Garrafas de agua Florida verdadeira .. ijl -Co
Silabarlos com esumpas para meninos a 320
Memento da roopa d,e lavar a..... ICO
Dnzias de meias finas para seoboraa SO00
Agulbas rancezas a balao (papel) a 60
Pecas de fitas de la de todas as cores a OO
Grozas de botoes de porcelana prateados a i 60
Caixas eom alfineites Iranceres a 80
Caixas de 100 envelopes multo Qnos a 6u\>
Resma de papel de pese branco lioo a 2G0D
Frasco com superior tinta ......
(
Pares de botSes de pnnho multo boaitos
versario do Hospital Portuguez de Benefi- Ltnias em eartao de 200 jardas a
Attengo.
Vende-se na ra das Cinco Ponas n. 82, latas
com 4 libras de doce de goiaba, fioo, melhcr que
pode haver neste genero ; e lambem aluga-se urna
e^rava.
GRANDE
Ven e se o esiabelecimento da casa n. 28 da
- | rna do Trapiche. Ao comprador se dir o motivo
1 porque se vende.
copos
Cjmpra-se urna osa terrea em guaiquer dos
bairros da capital; a tratar na rna do Pilar n. d.
\egro de neta Idade.
Comprase seod^ da praca on seos arredores e
portanto conhecido seo vi -ios e proprio para ser-
vico de sitio : na ra Nova n. 19, K andar.
deile.
balterno, todos estes or>j lar na ra do Qieimado o. 33 A, loja da
ranea.
a ira-
Espe-
VENDAS
InstrueeSo elementar para
meninas.
Ra da Ca lea do Recife a. 52, 30 andar.
.Jezowa Maria Pires de Carvalho, devidamenle
habilitada pela direcioria geral da instrurco po-
jlicaecem etentemente autonsada pelo Exm. Sr. | ias nr inrioin M^ni>7P {& faumm/J L
- ,oa;2^topi2^Tiu
I me, 1560U; Joo Diabo, romance por
Paulo Feval, 4 volumes encadejnados, 5:
na ra do Crespo n. 4 fabrica de chapeos
de sol.
Vndese cma machina de Cuser e em bom
estado, propria para casa de familia porque cose
toda eqoalquer codura Moa oa grossa : a tratar
na ra do Imperador n. 16.
Vende ne urna das mais antigs e eonecidas
tabernas defronte da estacao das Cinco Pomas n.
144 ; est bem afregoezada lamo para o mato co
mo para a trra, e o motivo da venda por ter o
seu dono ontra ocenpago e nao poder fazer assls-
tencia na dita casa ; barato o alngnei, e tem
commodos para familia, fazendo-se este negocio a
dinheiro e a praso, conforme as coodices do pro
tendente.-
Tendo de se liquidar a loja de calcados da rna
do imperador n. 32 :
Borzegurs de Melll...... 115000
Dit'.s de Suzer....... 8*000
Dks de diversos fabricantes. 840XM
Sapat3es de bezerro Suzer..... 34 00
Borzeguiospara meninos e meninas. 355Ui
Ditos ditos ditos....... 2000
Birzegums de lustre para bomens
' (Suer)......... 7JO60
Sapaldes Melli....... 75000
Borzeguins cordavij...... 8000
Perfumarlas do fabricante Lubia e
Piver pDr menos prego qae em on-
tra qoarquer parle.
Botas para moolaria.
Perneiras e goarda lama.
Sapatos de tranca para meninos. 15000
Sapatos de coaro de lustre com salto
para senbora....... 25000
Vende-se
as seguintes obras: Nemas matutinas, di-
que ten aberro em a casa de sua*residencia
aula, cujo programan o ssgainte :
Leitura.
Caligrapbia,
Arythmetiea theorioa e praticaraenie.
Douirioa Christis,
Grammatioa ci tonal.
Costura. -
Lbyrinth3.
Marca.
Bordado de (odas as qoalidades.
Trabalbos de la.
Hosica.
Fraocex.
Aeba-se aberto do 1' de cutubro em diinte, e re
eebetn.se iotTnas e externas
Attenco.
Deseneaiuinnaram-se doas letras sacadas por'
Jos Pereira Santos, e aceita*, orna da quaotia de
9535. oor Francelino Alfrodizio da Silva Tavre, I
em 1S le marco de 1867, a vencer-se a 12 meies, i
ontra por Dimioeos Carlos deSabola da qaantia
de 4685, em 26 de marco do mesmo anno, a
cer-se no mesmo praso; as qoaes letras, tendo
sido remedidas no mez de maio do correte an-
no pelo corrtio do Sobral, nSo ebegaram ao seo
destino, p-io qaa fai.ge 0 presente annuncio arim
de que nmnuem faga negocio com ella, urna vez
qae tendo sido aceitas oitra?, sao de oeobaa fl-
gor aquellas de qae se trata.
Alagas* pm sitio eomclleites coamo-
dos para craoo> familia, eom coxeira e perlo dp
ozono t ni Monteiro. becco do Qaiabo : a tratar
SM'J*' f ^ ";i,S "* *' 9 O05
e da ires d f*re em diaoie.
Vende-se o engenho S. Bartbolomeu, moente
e correte, sito na fregnezia de Moribeca, a tres
legoas desta cidade e a orna da estaco dos l'ra
. zeres, me com o rio Jaboato, tem immensas e
ptimas varzeas de massap e de.pas, a mullos
partidos para abrir ; a maior parte dos partidos
sao a' margem do rio, e por elle pode ser trans-
portada toda a napa; aiem disso tem todas as van-
lagen> de urna boa proprledade.
Tambera se vende com o en-genbo co separada-
mente alguns esers vos.
Sobre as condigdes de prego e de pagamento se
ebegara' a accordo razoavel, ama vez que se dse-
ja realisar a venda : a tratar nesta cidade com
seo proprielario na ra de S. Goncalo n. 39.
Vende-se mel
MEL
araadoApolloJn. 4.
u
ven- Farinha de mandioca supe-
eado ^^
or.
A tratar com Tasso lrmo oa n trapiche bario
do Livramento, forte do Manos.
Vende-se um escraro pega, de idade 2a an-
nos : do largo do Cara D. I. _______________
No armazem do caes da alfindega a. 5 ha para
vender superior cal nova, marea TM, ebegada ba
dias na baria portogueza tratido, a preco de
105 barril.________________________________
Escravo
Vende-se ora azcelleote escravo copeiro, cozi-
ana, e muito geitoso para tido o servigo de ama
Venda se urna mulata, a qo;l enftom&i, cose, i casa : qoem o pretender podera' dirigir-se aloja
eoztana a lava cum perfeigo : a 'r;ar na ma da Ido Passo, roa do Crespo a, 7, esquina da do Ira-
i Croz i. I), botica fBcci. I piridor, qae s dir* o motivo por qae vendido.
A ttenco.
ME4S m LIMO
do Porto
Vendem-se meias de linho prximamente ehe-
gadas do Porto : na loja de ferragens da ro da
Cadeia n. 44._______________________________,~
Escravat
Vende-se nma escrava de 24 annos, de.boa con-
ducta, sadia e bonita figura, a qual engomma, coe,
cozinba e lava com perfeigae : a tratar na raa do
Brum n. 48, f andar, das 7 as 9 horas da ma-
nha e das 4 as 6 da tarde._________________
Vende-se nm preto possaote e mogo : na ra
rna do BangeJ n. 9, oa Iroca-se por nm qae seja
cozinbeiro.
Atenco.
oj
Venham ver
Vende-se na loja de marcinena na Camboa do
Carme o. 12, palba apparelhada da melbor serte
para ter.er cadbiras e sof?, por prego mais com-
modo do que em oatra qaalqner parte.
Vinbo snperier em caixas de nma dnzia e
lem para vender Antonio Luiz de Oliveira Azeve-
do Si C, oo sea escritorio raa da Cruz n. 57.
Grande hiniazem de tin-
-Gal
em do c
de Li boa
tas medicamentos etc.
Rna do Imperador d. 22.
Productos chimicos e pharma-
ceuticos os mais empregados em
medicina.
Tintas para todo o genero de pin-
1 tara e para tinturara.
Productos industriaos e tintas
para flores,- como botoes de flores
e modelos em gesso para imitar
fructas e passaros com o compe-
tente desenho.
Productos chimicos e industriaes
para photograpbia, tinluraria, pin-
tura, pyrotecnia etc.
Montado em grande escala e sup-
pride directamente de Paris, Lon-
dres, Hamburgo, Anvers e Lisboa
pode offerecer productos de plena
confianca e satisfazjr qualquer en-
commenda a grosso trato e a reta-
lho e por prego commodo.
i
s
cenca, cojo producto applicado a bem
daquelles que baldos de recursos, e no leito
da dor ali procuram melhorar seus soffri-
mentos e aproximando-se o dia dessa grao-
diosa festa por isso apressam-se em avisar
ao respeilavel publico do que ha de mais
moderno em seu estabelecimento, alm dos
quaes tem variedade de outros, que a serem
para um fim t5o justo os venderam por pre-
ces mui rasoaveis.
Riquissimas caixas com msica contendo
o necessario para costura, proprias para um
delicado presente.
Riquissimos livrinbos com capas de tar-
taruga para missa;
Riquissimo lbum com capa de tartaruga.
Porta joias, dedaes e relogios e neste gos-
to urna infinidade de objectos.
Vasos, calungas e palliteiros de porcelana.
Bcnecas que cbamam papai e mami.
Finissimos lencos de cambraias de linho
meo disticos.
Gaixinbas com perfumaras.
Bengalas de canna com lindos castoes de
marfim.
Riquissimos en fe i t s com coques e sem
elle inteiramente nnvidade e ultima moda.
Lindissimos cintos para senhoras.
Fivellas lindas de moito gosto.
Lindos port-bouquet com cabo de madre-
perola proprios para casamentos e bailes.
Riquissimos leques de madreperola.
Lindos leques de sndalos para senbora.
Ditos de sndalos para meninas.
Ditos de sdaio-teodp no centro um qua-
dro de seda, ultima mo~3aT"
Leques de faias muito lindos.
Ditos de ossos.
. Lindos pentes de tartaruga, massa e outras
muitas quididades.
Luvas dejoovin. inteiramente novas, bran-
cas, pretas e de cores.
Ditas de seda.
Meias de seda e algod5o.
Lindas trancas pretas e de cores cim ve-
dilrho e sem elle,'assim como lindissimas
guamigoes para enfeilar basquines e botoes
para os mesmos.
Lindos indispensaveis para meninas das
escolas.
Bengallinhas para meninos.
Suspensorios para meninos.
Lindas touquinhas e sapatinhos ricamen-
te enteitados proprios para baptisados.
Meias de seda para o mesmo fim.
Muito boas escovas para deotes, chapos-
roupa, cabellos, unhas e para limpar pentes.
Superior liabas para crochet.
Agulhas para o mesmo fim.
Lindos agulheiros e dedaes de madrepe-
rola e marfim, assim como de metal.
Lindas guarnigoes de botoes, tespara oale,
ponhos e colerinhos.
Ricas capellas para noivas.
Meias de seda para senhoras.
Superiores thesouras para unbas, costura
e cortar cabello, etc., etc.
Suspensorios de seda para bomem.
Ditos de algodo para homem e meninos.
Finos aderegos pretos para luto.
Grande sortimento ae finas perfumaras
dos n elhores fabricantes at hoje conhe-
cidos.
Grande sortimento de fitas de todas as
qoalidades.
E muitos outros objectos que impossivel
seria menciona-los e que se encontrarlo na
loja do Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Rival sem segundo.
Raa do Quelinano n. 4.
uer acabar com as fazendas abaiio
mencionadas.
Queiram vir ver o qae bom e baralissimo.
labynntho com bico, faien
80
100
Cana de superior iinba do gaz com 60
novel los ............. 700
Talheres para meninos a....... 240
Hasso com superiores grampos a 30
Bonets para meninos a........15O00
Pentes com costa de metal a...... 400
Realejos para meninos a....... 100
^ndTbaTr-
RA NOVA N. -0 E 22
Machinas para descarogar algodad, dome
Ihor autor que tem apparecido na America*
E' tal a execugao do macbinisme, que o al-
godo sahe quasi lo perfeito como o de bu-
landeira. Recommenda-se a attengo dos
Srs. agricultores, estas machinas.
GRAHDE BAZAR
ra Nova n. 20 e 22
Machinas pa a costura do autor Wheeler
& Wilson, chegadas ltimamente da Ame-
rica; as qoaes pode cozer-se com dous
pespontos, toda e qualquer fazenda, emba-
inhar, frangir, bordar e marcar roupa; tuda
com perfeigo. Sao tao simples, queco,
prehende-se fcilmente a maneira do traba-
Iho e a pessoa tendo pratica de coser em ma-
rhinas. pode fazer por da o torneo que fa-
ciam 3o costureiras. H
Chama-se este esiabelecimento a atten-
go do publico, visto que elle se acha com-
pletamente sonido de objectos de costo
como bem leques de madreperola e de sn-
dalo, fivelas, fitas para cinto, cokes perfu-
mara e etc, p
Na ra novan. 20 e 22. Carneiro Vian-
na o G.
PaSTILHaS
VERMFUGAS
Carrefameoio de turras,
Esto a' venda na raa da Concordia, no terreno
defronte do aotigo armaten do s >l. os malores e
melbores borros qae tem viado a Pernambuco, os
quaes se venden barato : e pede se a's pessoas
que ja'compraram que maodem retirar os seas
at ao dia 17, do contrario pagarao $00 rs. diarios
pelo sostente _____________^________
Vende-se
um bom escravo e ptimo trabalhador de ser vico
decampo ; a tratar oa roa Imperial o. 106.
foalbas de
da boa a ."............ 3*000
Carreteis de linha com 100 jardas a 30
Sravatas pretas e de cores muito finas a 500
C?ixas de obreias de massa moito novas a 40
eafladures para esparlilho de cordio e
Ata a............... (0
Carreteis de linba Alexaodre com 400 jar-
das ............... 200
abneles muito finos a 60, 160, 200 e 320
Ditos de-tolla muito fios a 440 e 320
fiadas de linha froxa para bordar a 20
Varas de cordo para esparlilho a 20
entes volteados para regacar cabello de
meninas a............ 320
frascos de macaca' oleo muito fino, a 120
Abotoadaras muito finas para colimes a 500
Caribes de linha branca e de cores a 20
Libra de ara preta superior a..... 100
gscovas para tato, fazenda boa, a 500
Varas de franja branca de linbo para
toalbaa.............. 100
Pecas de bico estrello com 20 varas maito
bonito a.............. 1*000
Varas de papafina de differenles larga-
ras a 120,160 e.......... 200
Caixas de palito balao a>........ 40
Caixas de palitos de segaranea sem en-
chaire a............. 60
S.bonetes de familia a 100,160 e ... 240
Grosas de botoes de madreperola para
camisa a............. 500
Cartilba de dontrioa ebristia a 320
Latas com superior banba a...... 200
Quadernos de papel pequeo superior a 20
Duiia de baralbos francezes superior 2*000
Groza de pnospboros muito superiores l*uO0
G-iixis a retalbo do mesmos..... 10
Caixas de pnospboros de velliaba contendo
LOO vellinhas moito superiores a 160
Re-roas de papel almaco mnilo superior 2*500
Resmas de papel paulado superior quah-
dad............... 3*600
Duzias de meias para bomem..... 2*800
Dozlas de meias croas malte superiores 4*OuO
CASTRO NUNES
Gtrammatica nacional.
Sexu edicio
1 i 0(10
Livraria fraicea.
JOVA YORK.
DE COR CHEIRO E SABOR AGRADAVErS
Infinitamente mais efficazes do que todos
os mais remedios perigosos enauseabundoa
que existem para a expulsao daslombrigas.
iN'aocausam dores e produzem seu offeito
sem precisar logo depois de 'purgante ne-
nhum e toincitaotes em apparencia e dei--
ciosa em gosto, que ascriangas estio
promptas a tomar mais do que marca a
ceita.
teis como nm excellente meio de fazer
remover as obstrucgfjes. do ventre, mesmo
oo caso de nlo existirem verme algum, as
PASTU.HASVEMUFGAS DE KEMPS Sao promp-
tas einfallivesnasuaoperagSo e por todos
os respeitos dignas deconfianca e approva-
g5o de todos os paes de familias. Prepa-
radas nicamente por Lanman & d,
Nova York.
A' venda Das drogaras de A. Caors, Bra-
vo 4 C. e P. Maurer & l\, e em todos o
istabelecimentospuarmaceutiws do imperio
.VENDE-SE _
Motores americanos para dons cavalwf.
Dito dilo para qaatro cavailos.
Machinas para descarocar algodo de 14, 15,
18,20 30, 35 e 40 serras.
Prencas para enlardar algodo faiendo os san-
cos eom 6 palmos de comprimento com 0 peso de
150 e 200 libras, iodas nltimamente da America
no armazem de Heory Porster A C, no cae Pe-
dro II n^2jonteaoGabineiePortag^ez.__________
- Vende se um molatiobo de idade de 12 m-
os, linda Agora, bom copeiro, babitoato ao service
de cata, sem vicios e bem educado : roa de Hos-
picio defronte da casa em que Coi o gyroaaslo aa
peonlllma casa ionio ao canal; os' pretendentes
podem ir vello das seis as aove oras da manhaa.
'u das tres as seis da urde.

aw


,.. .-..
"V
tW
Diario t periuuabae* rerca leira M de eiembre de 867.

RA DAS CINCO PON AS N. 86
AO GRANDE ARMAZEM
DAS
MERIC
Sempre barato
Maaielga 9
Ingleza flor a 10, a libra e a 5oo rs. sofirivel e propria para tempero as"
dem franceza a 56 rs. a libra.
cha
0M00R0 D
De primeira qaadade a 2i$8oo e proprio para negocio l(56oo a libra.
Bfscottos
fcgleies pearl, nic-nac, oval, cracnel, e oatros superiores a i 0100 a lata.
Figos
A 24o reis a libra.
Gomaias
De milbo branco a 4oo reis a libra, de aramia verdadeira propria para alimen-
tar cianeas a 5oo reis a libra ecaxinnas com i libras por meos, gomma do MaranhSo
a 4**ts. &tapioca sag a 24o a libra.
Chocolate
Superior a 10, a libra.
Doees
De goaba em latas a l#5oo em caixa de 4 libras, muito Gao a t58eo, em caixes
4eS fibras a 5oo e 32o.
Pelxe
E.ii latas a 15ooo reis a libra, sortido em qaalidades. .
Ostras
America a 800 rs. a lata.
Baldes e vassouras
Americanas a 800 reis cada peca.
Touclaho
De Lisboa a 320 reis a libra.
Tomates
Em latas a 6m rs.
Sal
Refinado em lindos postes por 5oo rs.
Rlrshs de Wasser
A 2#**o a garata.
Termonth e Abssotho
A I05o a farrafa.
, Bltter
A I #000 agarrafa.
De bordeaux snperior, Saint Estephe, Saint Julien, Saint Emie a 7|$ooo a duzia
ttlsri. a garrafa.
Tlnho
Do Porto fino a 14Jooo a duzia e 105oo a garrafa e magnifico tambem a em bar-
di *?ae agarrafa.
Dnqne do Porto
Adamado e outras marcas a 00 rs.a garrafa e I0.5 a duzia.
viuho da Fignelra
O que ba de melbor aW.a caada de Lisboa a 3$ e i5 a garrafa.
Ti oagre
De Lisboa a 2oo e 28o rs. a garrafa.
FareHo de Lisboa
Saceos com 9o libras a 4>.*oo
Cerveja
Francez? em gigos de urna dnzia a 6(5. *,
Ingleza
Jacirakv-r" -, ; T. e Victoria e Alssop a 5oo reisa garrafa
Ao respeitavel publico pernambncano pede-se
A ttengo
Haotelga ingleza
320, 500, 800 e M s no armazem se acha vista.
Manteiga franceza
em liDras 560 e 640, em barris se far differenca.
Banha de poroo
em libras 320 e 380, em porcSo se far differenca.
Fructas
en calda Pera, Pecego, Rainha Claudia," Alperxe e outras muitas 500 e 640 a lata
Ervllhas
Portugaezas 640, francezas 900.
Fumo
em latas do Para e de albaneque, lata Ije 15200.
Gomma de milho
em pacotes, dita da trra !00 e 200 a libra.
Viuho
de Bordeaos em caixa a duzia 5(5, garrafa 500, dito de 85 a duzia, 800 a garrafa, dito aJ
14)5 a duzia, 1/1200-a garrafa, dito do Porto a 85,125, *85, 245, caixas de dazia assim
como figoeira caada 35500 e 45, puro J A A Lisboa 25800, 35 e 35500. a qoalidade
convida.
ai
em lata de 5 gal5es e mais pepenas a vontade do comprador, em garrafa.
Alpiste
140 e te 0 a libra, pataco a 100 a libra:
Azelte
em garrafas a 800 e 15.
CHARUTOS
em caixa de 50 por f5, ditos Delicias, Trovadores e Parisienses em caixas de 100, ditos
da Exposico caixa 55, ditos de Regala cairas com 100 a 25500 e outras muitas marcas
que s na presentados compradores.
PREZTJNTOS
de lamego em barril, ditos de fiambre o melbor que ba no mercado por prego que faz
admirar 1
DOCE DE GOIABA
caixBes de 560 fino, 'ditos de 15500 que parece marmellada, dito em latas muito fina
qoalidade a 15200. v
BOCETAS
com doce secco a 15 e 25.
QUEIJOS
do Alentejoem latas chegadopelo vapor Oneida, ditosFlamengosePratos dos mais novos
que ba no mercado.
AZEITONAS ...
de elvas como no mercado nao temos a 1 a lata, em barris do Porto a 15 como nSo ba
ethor.
n\m CU

*>d3 Vti !... '
D~-
BROU
^JjV-ntr inlaltltat rreMrvaMva, boUi
w i-inruM boticas ooV (Bxlflr m
4 aiu *, btriml SifMi, Mi.
uilM ue 1
VI
anua idiUia. VcDde-H
*.... ..........
PREPARARES FRREAS -IAKARIGiS
APPROVADaS PBU ACADEMIA BB HBDICIIU
DE BURIN DV BUISSON
huuuikt, \ivuit ftli Academia de ts&iaa de Para
O eminente profetsor Trousebad, na ultima edicio de sen Tratada dt Thtra-
peutta e Materia medica, reconhece que os ferruginosos simples sSo militas
vetes inefficazes para curar as molestias qne teem por causa o empobrec ment
do sangue. Muitos mdicos dos mais distinctos atlribuem esse m o xito a ausencia,
n'essa* preparacoe-s, do manaanese, que se acha no sanrue, como o tem recanlccido
es chimicos os mais peritos, sempre intimamente unido com o ferro. '
E' pois, prestar-seum verdadeiro servco aos S" Mdicos, o coamar-se saa attencSo
sobre as preparaedes seguintes.
ferreos manameos
dando immediatamente urna agua, acidulada,
gazoia, agradavel, substumdo com vantagem
economa as aguas minerae* ferruginosas. .
2 Plalas e Xarope de iodareto k ferro e de manganese y temis
eontendo cada urna cinco centigramos de iodareto de ferro mangar.ko indicads-,
parenlarmpate as moleeu lymphaticas, escrofulosas, as chamadas 2-
rota* e tuberculosas. <&
3 Braees de lclate de ferro e de maaganese ""
4o Plalas de carbonato frreo nangamco
alternar anas duas preparaeoee di os melnores renltados.
O V orn da Bateara desbando obtar adherfo ooapteu do publico bms* a
crea do valor de saas preparac&es, previoe qie elk a> pao gratuiuisente a iua
disposicaa, dirigendo-M;
Wa Ptrnmmbuce, a seu agiote geral, Hitrer O, pharaacaatco, ra Nava.
Em liquidac&o.

0 proprietario destesdoasestabelecimen-! T?Anna fa'i-a tiipai'II
tos tendo moita fazenda em ser e desejando vliVU*Jl lttld P^7,, *
liquidar para vender mais barato que pos-! a Vende-se calcas de casimira a 50 65 e
sivel na ra da Imoeratriz lojas eTarmazens'.83' Fgm ditas de meta casimira a 15600
ra Arara ns fif ft 72. ie 3^' dltas de britn ,ario a fWOO, 25400
da Arara ns. 56 e 72. l dUg brans da Iinho
Alpacas admascadas para vestidos de senho-: y e 5j. pa|ilots de casim;ra preta e de ^
ras 500 e 710 rs. |res a 5.5> u 85 e m. palitls de me,a
Vende-se alpacas de assento branco com casimira a 3& 33300 e 4: i-alitots de ai-
listas e Odres lisa e admascadas proprias \ paca de cores e branca a 30500 e 43: palitots
para vestidos de senhoras a 500, 720 e 800, oebrina decores a 235Q0, H e 2/S: serou-
rs. o covado ra da Iaiperatriz lojas da Ara- ^ de lgodosinho de Iinho a 1560O, 25,___
ra, ns. 56 e 72. \ 2(?5'-0: ra da Imperatriz lojas da Arara
Ditos 160 o covado. ^fjis. 56 e 72.
Vende-se ditos em retalhos a 160 rs. o' Organdis de cores a 640 rs. a vara,
covado, ditos em peca a 200 rs. o covado: Vende-se cassa organdis de cores a 640
retalhos de caca preta a 120 o covado: re- e 720a vara: talatana de cores a 800 rs. a
tainos de caca decores a 200, 240, rs o co- v*ra: ra da Imperatriz lojas da Arara ns.
vado: retalhos de laasinhas a 160, 200 240 56 e 72.
para a cblorosis, a ane-
mia, a leucorrbea, a ame-
norrhea. A iodicacio de
!**
a ai *
Veo Je-se ua pbarmacia de P. Maarer & C, ra Nova.
rs. o co\ado: ra da Imperatriz lojas da
Arara ns. 56 e 72.
Brim pardo transado a 500 rs. a vara.
Madapolo a 40000 a peca.
Vendc-se pecas de madapolao c ,0120 va-
ras a U, 50, 60, 70, 80 e 100: ra da
Vende-se brim pardo com peqneno toque Imperatriz luja da Arara ns. 56 e 72
de mofo a 56o, 640 rs. o covado: ra ca
Imperatriz lojas ns. 56 e 72.
Laazinhas a 200 o covado.
Vende-se laasinhas para vestidos de se-
nbora a 200, 240, 280, 320, 340 e 400 rs.
Casimira emfestada a 10 o covado.
Vende-se casimira enfestada de duas lar-
guras a 10, 1 no preto a 10600, 20, 20500, 30 e 40 : ra
da Imperatriz lojas daArara ns. 56 e 72.
lgodosinho a 30 e 40a peca
DE
Joaquim de Almeida tinto
Ajurubeba contra o ingorgi
tamento do fijado e do bago.
Em extracto alcoollco, emplas-
tro, oleo, tintura, pllulaa,
xarope e tIoIio
A jnrubeba orna das substancias medi-
camentosas que perteocem ao reino vege-
tal, e pertence a classe dos tnicos e desobs-
truentes, sendo empregada com vantagem
contra as febres intermitentes acompaohadas
de engo gitanismo de figado e de baco. Ella
tem sido apphcada com incontestavel pro-
veito contra a anemia ou chlorose, e hydro-
phesia, catbarro da bexiga, e mesmo para
combater a- menstruago difcil, resultante
da mesma anemia ou chlorose.
Deposites geraes
Em Pernambuco, ra larga do Rosario
n. 10, Rio de Janeiro, pharmacia do Sr.
Dfcurado, Rio Grande- do Sul, em casa dos
Srs, Casco & C, Macei, pbarmacia do Sr.
Claudino, do Havre, pharmacia de Mr. Ma-
rica!, em Lisboa, na pharmacia do Sf. Feij.
raacisco Josfc Genaam
rRUA NOVA N. 21v,*i
acaba de reeeber um lineo e magnifico sor
timento de oculos, lunetas, binculos, do n1-
timo e mais apurado gasto da Europa e occ
loa de alcance para observares e, para
maritimos.__________-
Fundiqao dAurora em,
Santo Amaro \
Completo sorthneotc de taixas batida* e fantt-
das, alambiques de lodos as lamaobos e fondos dPv
ditos, moeodis de todos-os Umcubos de fupenor\
qoalidade, rivos e boceas de trnalo, o rae lodo \
se veade por com modo prego._________________
Vapores. .'
Vende-so em easa de Saaoders Brothers A C,
o largo do Corpo Santo a. 11, vapores patente
om todos os pertences proprios para fazer movef
es oa qoatro machinas para desearocw algodl
W3*Giarraaela e*peclal horneo
m pathlca j Dr. labloo 0.'
L. PlBb >.
Cha de 1' sorte para uso das
pessoas que se tratam homeopathi-
camente.
Vende-se em pacotes de libra a
30200 rs.
Roa Nova n. 43.
.*****---
TERDADEIR91J ROY
a* icfiaiftT, Dwur-tiUffta
Ru de Saine, 6i. A PAT118.

i
Cn>
o covado: na ra da Imperatria lojas da Ara- Vende-se lgodosinho a pecas de 30, 40,
Vi'iilJsortlOHnto da moleroos chapeos e chipelioas de seda, de Ql e de palha de Italia,
ri "o>r* e meoioa.
Saptriares tiras, borda jiahos e entre malos birdados em cambraia tapada e transparent.
Ka leja das columnas a roa do Crespo n. 13
E
Antonio Oorreia de Vasconcellos & Companhia.
KOYO DEPOSITO
ra n 56 e 72.
Chitas francezas largas a 240 rs. o covado.
Vende-se chitas francezas largas a 240,
280, 320 e 400 rs. o covado: ra da Im-
peratriz lojas da Arara n. 56 e 72.
Mosambique a 400 rs. o covado.
Vende-se mosambique com palmas de se-
das para vestidos de senhoras, a 400 rs. o
covado: e vareja de listas para vestidos de
senhoras, a 280,30 rs. o covalo.
Sedas escosseza com quadros para vestidos
de senhoras! a 280 320 rs. o covado: roa
da Imperatriz lojas da Arara ns. 56 e 72.
Arara vende as saias 30500.
Vende-esaias bordadas para senhora a
305UO, 40, 60 e70, saia balao on crinolinas
de arcos a 20, 20500 30 e 30500: ra da
Imperatriz lojas da Arara ns. 56 e 72.
As sedas da Arara 10.
Vende-se sedas de qoadrinhos e com lis-
tas a 10, 10200, 10600, 10800 e 20, o co-
vado : pupclinas de seda com palmas saltos
para senhora a 106-0 e 10800, grosdenaples
de cores a 10800 e 20, dito preto 106 10,
10800 e 20: ra da Imperatriz lojas da Ara-
ra os. 56 e 72.
50, 60 e 70 a peca ra da Imperatriz lojas
da Arara os 56 e 72.
Bramante a 20400 a vara.
Vende-se bramante de 10 palmos de lar-
gura a 20400 e 20500 a vara: ra da Im-
peratriz lojas da Arara ns. 56 e 72.
Algodao enfestado a 10 a vara.
Vende-se algodao enfestado de duas lar-
guras a 10 a vara dito transado 10-280 a va-
ra : ra da Imperatriz lojas da Arara ns. 56
e 72.
Cassa franceza a 240 rs. o covado.
Vende-se cassas de cores para vestidos a
240, 280 e 320 o covado, vendes-se cortes
de cambraia de cores e com barras a 20500,
30 e 30500: s as lojas da Arara, ra da
Imperatriz ns. 56 e 72.
Cortes de -laa de 14 covados a 30.
Vende-se cortes de laa para vestidos de
senhora com 14 covados o 30, 30500, 40,
40500 e 50, vende'se cortes de calcas para
homem a 800, 10, 1500 e 10600. colari-
nhos de Iinho para homem 400 e 5C0, dilos
de pape! a 500 rs. a duzia, golinhas para
senhora a 200 e 320 rs. por estes precos as
lojas e armazens da Arara, ra da Impera-
triz ns. 56 e 72.
AriA i)ESCAROCAR ALGODiO
Manoel Beato de Oliveira Braga.
53-Rua Dlreltan.53
Neste estabelecimento se encontrarlo a
verdadeiras machinas americanas chegadas ltima-
mente, as quaes sao feitas pelo mais afamado fa-
bricante da America, por isso avisa a todas as pes-
soas que precisarem comprar, de se dirigir a este
estabelecimento que comprarao das mais perfeitas
neste genero, assim como mais barato do que em
_ outra qualquer parte, por ssq que se recebe por
conta propria, bem como caonos de chombo e moi-
nhos para moef milhp, e grande sqrtimento de-fer-
ragens e miudezas em grosao- 9 a retalno.
Facas de cabo, branco de meio balanco a '>&
a duzia. limas finas de todos os tamanhos proprias
do trabalho de escoltara.
TUATAMENTO mir CIIABLE, K PARS
Medico e|><'clal, cooRUltacoui, 36, ra V'lvlwnne f
AVISO AOS DOOn^LEf GAS"" "*" w ^1QB,W0 de
Nao estos tu-
rado, tomei Cn-
broa, Copallibj
ob todM as
formas em opia-
to, eapaolaa,
eonfeitos, teabo
o estomago per-
diilu t uio osiou carado? L'sei e abusei de um ifraode Quinero c iiUKCfAOas, ^u* pntMaeis
curar em i dial, e eatou anda mais doentes.
Di MAIS 20 AVVOS
}ue euro r-aiicahnente sem retahida, Corrtmentot, fleaxaedo do canal, Catarrho i* btziga,
iriai lemiitaes, curando primeira a causa Tirillenta i/iflammatoria d'ewai doeaca* sea'1*.
com algums fidros do meu DKrcnATivo w) salgue, para parar uas afaeCjMa, aecear ><
ranal e lie torear a dar su regidez don para acabar meu eacelleate xahopb ao citmato de
rvane et miuha injeccao. A cura radical, as aENHoau para os luxoa braacsa, seauco.
o bn*dw traUBMato. {Vam-u a noticia txpltcatwn.)
40.000 DOENTES CURADOS
Verdadaro traUmeata depnratiod MD(ae. At kiyet unuu mvMmrnimt, $rr*ptei.
pruridoi, *&ui, ckngat afftcfom vtnertn, baawrea, e todas aadaeocu akerio a aarea
do sancM ale curadas ea aoaco tenp* P*r mea aABors rcKATivo ao A.tara mus
BAIVBO MIMBBAKa BllBBaS HUCLATS DBrDBATITAS BBfea flBWItS Sini-*4BTlMl.
- Vtja-M a Buneva da tratar-ae. A noticia que se da aratla ne deposito de mus w
BMatoe. Eaae eiceBente tratajaent aae eonteai ercartir; asa superioridad* a Um
ftaoheista HtuiiM eeeaa eeaw ea. aareaeak taataa atteatacAes n caaea.
Btatt, muutiTemur ChSk f m*tm*mm*.
Vonde-se na roa Nova n. 25, pbarmacia franceza de
p, MAURER & Ca
ts^h
0 cordeiro prevideite
Na antiga loja de miodezas a ra-de Ouei-
mado n. 1. N
Ocordeiro providente se ufioa de ter\o sen ip-
pareeimeot) no s"tr)ire memoravel dia W da se-
tembro. Elle curoprimenta ao respeitavelk pnblico
em |0Nl e a cada un cidado em particular. O
cordeiri) prevideote nao se intromettera' emestra-
nhos e alheios negocios, restringindo-se apeNs ao
que diz respeito a miodezas em cuja amiga loja a.
16 a ra do Queimado permanecer' esperando
de todos saas valiosas proleccoes observando elle
alm de sna costumada mansido, condescenden-
cia e agrado. Na loja,do cordeiro previdente en-
coclraro os pretf.ndentes sempre e constante-
mente completo ortiiBt'oto de miodezas, fioas per-
lamarias, luvas de pellica, cbjeclos de moda e
phatitisia e entras muiMs qoe enumralos se-tor-
nara enfadonbo, nola-odo-se entra elies os qne
abaixo vo mencionados, sendo por todos recouhe-
eUa a commodidade dos precos :
Athuns de diversos tamanhos e qaalidades para
retratos.
Cbaposiabos esapa!inh>s para baptisado?.
Coques simples e enfeltados.
Lpqoes de saodalo e outras qualidades.
Voltas de retroz com cassoletas obra moderna.
Golliohas e panbos para senboras.
un--) de lioho a imitaco de do palz.
Carteiras com ftass agnlbas.
Hoiernas cbipenas e enfeites para senhoras.
Liabas [>->ra crochet.
Laa para bordar.
Fiaos espartilbos para senboras.
L-i : ; de diversos gostos a 13-
O cordeiro previdente.
A roa do Queimado n. 16.
Vens os segoiotes oojectos constantes do varia-
do sortim^nto abaiao declarado :
Collares eletricos magoetUos contra as conval-
56 3S. r
Bonitas abotoadoras para collef.s.
Coiarinhos moderos.
Finas uavalbas cabo da marra.
Eseovas maebeoladas e oalras qaalidades para
roupa, chapeo e cabello.
Itooitas caixas para rap
Tinta azul e preta para e-cripta.
Dita preta para marcar roapa.
Finos caivetes para aparar peonas.
Lapis com canela de ossa
Dilos de cores para desenos.
Bonitos tjoteiros de longa e vidro.
Fixas para solo e vcltarete.
Borrachas para atar papis o segurar panbos.
Dita para brinqaedo de erianeas.
Bolas de borracha.
Lindos marscaes.
Pava ollera a hospital por-
tngu z.
Bonitas cestinbas c jui Iructas de cera, obra de
muita perfeicao e bom gosto.
Para cortar moldes e eo brulhar fazendas
Vende-se papel pardo folba grande.
Para lastrar calgados.
Vende-se snperior graxa econmica.
Vende-se papel para matar moscas.
A. toja do cordeSro previdente
Ra do Queimado n. (6.
flella acharo os pretendentes um grande e va-
riado sortimento de perfamarias Anas, tanto ingle-
zas como francezas, sendo :
Finos extractos para lencos.
Baohas e pomadas para cabellos.
Oio pbilocome e baboza para dito.
P5 hygiemros para dentes.
Uit.'S campborados para ditos.
Opiata ingleza e fraoceza para ditos.
Pacotes com pos de arroz.
vasos de porcrlcua para ditos.
Sabonetes para mo e barba.
E m'nitos ontros objectos que sero presentes
ao comprador qae se dirigir a roa do Queimado
n. 16, loja do cordeLo previdente.
lu e jas pequens.
Vendem-se na roa do Queimado o. 16. loja do
cordeiro previdente.
Charnlos
da acreditada fabrica de Jos Fartado de
Simas.
Vendem-se na loja do cordeiro previdente a ra
do Queimado n. 16
Farinha superior
Tem para vender Antonio Luiz de Oliveira Au
vedo & C, no sen escriptorio, roa da Cruz n. 87.
Cimeato
Vende-se cimento Por ti and : no armazem de
Vicente F^rreira da Costa & Filho, ra da Madre
de Deo3. 3,
:il ,*4.i rfi: ro; v*. atrt r., .f- ,....
tur inidiiM eartr. m* :,;... .; ,t ,. lr. 4_
Bf lio !.-.: j-.i .1 u<1 Hry\ ,., 0 .
fjt.-;.-c-
,-v* -;-i'd --. !.":-:-
1 pharmas;e: J
Deposito na pharmacia de P. Ma?er
C.. em Pernaabnco.
~XAR>PE DSPBATVO
DE CASCA DE LABANJAS AMARGAS
COM IODRETO DE POTASSIO
DE
I.P. Larozc.
pharmaceutlco em Paris
OioduretodepGtassio nm verdadeiro al-
terante, um depurador de ineontestavel efi-
cacia; combinado com o xarope de casca de
iaranjas largas, aturado sem pertuhacSo
alguma pelts temperamentos os mais fracos,
sem alterar as Tuncces do estomago. As do-
se* matbematicas tpie elle contem permitiere
aos mdicos de recetal-o parn todas as c< m-
pleices, as affeccesescnTulosas, tubercu-
losas, cancerosas e nos accidentes intermit-
ientes e terceiros; alm d'isso, o ageute o
mais poderoso contraas doen?as rbenmaticas.
Deposito em todas as pharmacias e casas de
drogaras no Brasil.
Expedices, em casa de J. P. Laroze, ru
des Lions-St-Panl, 2, Paris.
A' venda na pharmacia de P. Maurer d.
C., rea Nova n. 25.___________
Pars, 36, Ra Viviano*, O

Das enpkrmidadas dks skxc'aks. as affxc-
tots cutnea**. f. a .tkragoesuo sa.-.'guk.
xo.000 curas da* imuingem,
puttula hrrpn iarna,
cnrnixo':s, acrimonia, t ai-
'" f'icii,iutou doxanqur,
tna, alteracri* do ar-
'"i nerenriat. B(i>uriitn<.,.
ege( BSMifu. >i.>iii tomsi-se dos
por sp.ci-jr.a. scgu.-nco o u-artaaianto Depurativo '
riiiri-(::icli> oa^ oifiSmas muln^tias.
F3 "c, Xa|'oi^t'itractodefrPv
d rilABt.K. cura imniedi.
bil <*!"xcao, e debiliaade,
rr:-n igila :Uicta os /bucos t floru
brancat das BmHinrw. Esia injeccao henigna em-
^rt;a-se om o Xrofr Citmcto de Ferro.
C.eauarrnitlM. Pociads ]na as cara ta tres dita.
POWAOA ANTIHERPETICA
Contra: as affcccot cutnea* t conuxoei.
PILULAS VEGETAE5 DEPURATIVAS
o B' Chfele, csa frasco ai accoianabias 4, ta>
MhBt

ARROZ M CASCA
Vende-se em saceos grandes a 4/500 : no tra-
piebe do Canoa.
.Venase nm lindo bote (fondo de nraTo),
com 4 remos, leme e vela, reparado e pintado de
novo, por preco comando : para ver tratar em
Santo Amaro, fundicao.

& ru W'iw.TfoAB*A*aMiir \i ,(0 pc'to; basta BU 'im-oU
.lira coliit M'hi!r;i destr \.ih|)r O' 'URij-.t.
Dr. CHiBLI eui Pan:, ran ItIci.up. BU.
A venda na pharmacia de P. Maurer p
e C, em Pernambuco.
m m gaz ~
Ghegon ao antigo deposito do Henry Forster 4
C, ra do Imperador, am carregamento de gaz d
primeira qaalidade,o qaal se vende em partidas
t retalho por menos preco do qne em ontr* qna I
ger parte._____________
Sedas a 320 rs. o covado
Vende-se om bonito sortimento de sedas de listas
qne sempre se venderam per muito mais dinheiro
e liqnidam-se Dlo baratsimo preco de 320 rs. o
covado, s para acabar : na loja e armazem do Pa-
veo, rna da Imperatrizn. 60, de Gama & Silva.
Retalhos
Vende se ama porco de retalbos de chitas e ca-
cas pretas, por preeo barato, na loja e armazem do
Pavao, roa da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Loja
DAS
Vende-se
ama parte de trras so engento Bomflm, doas le-
goas distante dt villa da Escads ; qoem iier
appareca na roa da Roda n. Qne aeoara com
quera tratar.
Bastos
Vaquetas de lastre proprias psra cobertas dt
carros, moito novu e da molhor qoalidade pos-
slvel : vendem-se por preeos raxoaveu na rna
Cadeia r. 86 A.______________'
Attencao.
Vende-se nata mobilia de Jacaranda' a Lois XV
e inotaroeote nma de smarello no mesmo gosto,.
sendo estas obras multo solidas e segaras, e por
preco razoavel : na acreditada casa de marcloei-
ria na rna da Cambo do Garmo n. 11_________
fTSSfDA RISSIA
A 200 rs. a libra,
de atrito sapeiior qoalidade : vende-se ao escrip
torio de Oliveira, Filho* G., largo do Corpo Sa*
ton-l.
*>'
':
c
y
t.
x

I -;
s
MOTILAD
;
ILEGIVELi


Pff
miarle de Pernas1co Ten* jferr* 14 4c ef cabro ale l**7.
h
I


1
* ~.

11
i .
*
s


\}

Collares Royer
0a Aiadias elctricas magaeticas
Deposita acreditad*
ja 4a aguia bracea roa do Queimado n. 8
Apregoar ainda os prodigiosos effcitos dos
Collares Royer ja nao ens'mar on querer
intrsduzir navidades, porque a (amadesua
eficacia tem-se tanto estendido, os seos
feltzes resoltados a tal altara elevado, que
boje rara a pessea que por experiencia
propria, ou por intermedio de seus amigos
e parentes, ignore ou desconhe;a as virtu-
des desses seinpre apreciaveis collares
Royer.
A agaia branca porm se gloria de concor-
rer para um to justo flm, se nao por ou-
Iro modo ao meos por ter sempre, e cons-
tantemente ara completo sortimente desses
colUres magnticos, que bem se podem cha*
marsalva vidas das criancas.
Resta anda que os senhores pas de fa-
milia se facam convencer {de que con ve m
nao esperar que as crianzas sejam atacadas
do mal, e por isso necessario ou conve-
niente qne com antecedencia se deite na
criang.j um desses collares para asslm estar
ella preservada das convnlces e se contar
Hvre dos rigores di dentico.
A aguia branca a ra do Queimado n. 8
continua a receber por todos os vapores
francezes a qoantidade' que ha contratado e
por isso acha-se ella sempre provida dos ver
\*m w mwm$
ara

0 .5 1
H rS*
0
4
a s si
I
so
GRANDE SORTIMENTO
BR
FAZEWDAJS BiRITIS
LOJA E ARMAZEM
DO
\
Rua da kaeratrU
GAMA Alm do grande sortimento das melhores machinas, americanas para descarrocar
algodo. de 10, 12,14,16, 18, 20, 22,23, 30, 36, 40 e 60, neste estabelecimento se
encontra mais o segninte:
Azeite de espermacete propria para machi-
nas.
Vapores de torca de 3 a 4 cavallos.
Serras avulsas para machinas.
MancSese todos os mais pertences para as
mesmas.
Carros de mao para aterro.
moi ncorp.iiu e toda de seda, com lia o agrada
rasoavel.
Cylindro para padarias.
dadeiros colhres Royer eltrico magne-! Debulhadores para milho.
ticos. [ Arados anericanas.
Chapelioas modernas, Carriohos proprios para armazens
enfeites de flores, capellas finas paranoivas, Moinhos para refir7aca*o.
ditas brancas e cor de rosa para meninas, dem para milho.
eaixos e ramos de flores finas e botoes de.Escadas de madeira americanas,
rosa de diversos tamanhos: na Aguia Bran-
cada rua i)o Queimado n. 8.
.- -"" Meias finas para meninos.
f A Aguia Branca rua do Queimado n. 8,
recebeu meias mui finas para meninos, e
esta vendeado as de cores a 5/OOO dozia,
brancas a 55500 e cruas a 65000.
Trangas de vidrilhos, brancas e pretas, lar-
gas e estreitas.
A Agnia Branca a rua do Qoehnado n. 8,
receben novo sortimento das trancas cima
ditas, e como sempre vende-as por precos
commodos.
Fitas novas
para cartas de bichareis e a inuadado do
Bom Conselho..
A Agula-Braue?, a ra doQueimad* d.8, receben
novas titas achamalotadas para ambos os lados,
Caixas com vidro sonidos,
de todas as qualidades.
Bombas de japyz.
dem americanas.
Ferros para engnmmar a vapor.
Vassouras americanas.
Baldes americanos para compras.
Tinas de madeira.
Ballaios e cestas de verguinha.
Guarda comidas.
Peneiras d'arame para padarias e refinac5es*
Correles para ajmanjarra.
Machados e faces americanbs.^T"
Barricas com milho branco americano.
Ca3
r^*
Fedegoso de Pernamlyoeo
A planta, coohecida entre nos aob a 4a-
nomioacao de fidegote, e do Rio de Jiirire
.f pro ocias do sul deste iruperio pela da
crista de gallo, o tiaridium nlilisnm
ou tiaridium elongatum de Sci.ua, eei
liotropium cargisadium de Mari,
familia das boragineas.
O fedegoso considera do, ta
ca pernambocana, como urna das pas
mais recommendaveis por snas virtedef en'
rativas, e applicado interna e extf rtwaaeo-
te, como calmante do systema nenwso. m
paralysia, asinina, tosse convulsa m ficta-'
loche, tosses recente? amigas, suff^n.
catarrbos pulmonares, etc., e em u
Os proprieunos deste grande estabelecimento acabam de receber da Europa um j tra lodos M S0Qrjmenl0S das vias e65,irato.
grande, sortimento das melhores azendaa de 19a, hnbo, algodSo e seda, as quaes vendem i rjag sendo m excei:eDte r,^ p^,
por precos baratsimos aim deapurarem dioheiro, dando de todas ellas amostras, i aqUe'jjes qUe padecem de pttwic putor^ar
deixando ficar um peuhor ou.maodam-nas levar em casa das Exmas. familias pelos seusj Soa ^^^ C0Dtra o teano ou est
apenas o descont.
As
caixeiros, assim como as pessoas qoe negociam em peqaena escala, nete estabelecimen- ncontestavel e aingoem ha que a desa-
lo comprario pelos mesmos precos qoe se compran as casas inglezas, ganhando-se' DLeta#
. Nao igoorando nos o que acalamos de da-
Vestidos oe* tantazia a U e 8&. > e esforcandornop p<.r ser ntil faiwuife-
Vendem-se bonites cortes de vestidos de de soffredora, preparamos o que auno mda-
fantazia com lindas barras e enfehes de seda canos, pondo a disposic5o dos distii ctus
,rlrVoamai*o!A.'B)^^ da-&zeii4as fifls paiu^^aies toiletts e uso
Bonitas nonecas
coro MBtt do cera, olbus Oos e raovedicos,
A agola brauca aroa>do (joairaado a. 8, rece-
bea am doto Foriiaieoto de bellas bonecas com
rosto i cera, olhos Otos e movodigos 6 como
sempre vende -a por procos commodos, regalando
estes em relacio aus r.iff r^Qtes tamanbos de que
se coa-t'8? o suriimfoto.
Bliir de.atifrica e odoatalgict.
A agaia branca a raa do Queimado o. S, rece-
ben de nev esse apreclavel elixir cajo aso ne-
cessario para e^aservacae das genglvas e acabar
O mo balito proveniente de dentes armiados,
cada frasco casia 25-
ordinario para todas as ciassefe
rua de Cropo a, 7 A. esquina da do -Imperador
DE
10 mil varas de cambraias
Covado 00 rs. vara 50# rs.
S o pavSo
Vendem-se finissim cambraias france-
sas com listra miuda_ e graodas e com
lindos deseohs de flo es e palmas, sendo
todas com as cores mais modernas e mais
lindas que tem vindo ao mercado, pelo ba-
rato preco de 300 rs. o covado ou a 500 a
vara, grande pechiucha attendendo a
grande por$3o que tem, sen3o seria para
mui lo mais dioheiro : isto na loja e armazem
do Pa5o, rna da imneratriz n. 60 de Gama
Silva.
Chales beatos
2^. 3450" < 7^000.
Vendem-se cb _.n estampados
a %$, ditos liso a i)ibO, ditos estampados
finos a 50500, 65, 6500, ditos crepon
com listras de seda a 7^500 e 8000,
pechincha : na loja e armazem do Pavo
ruu da Imperatriz n. 60.de Gama e Silva.
: Para cana de.Botvas.
Vende o Pav3o.
Ricos cortinadas bordados a 8*000,10$, 165,
;203 *' -i>t o par -, atslm tsV0 os mesrooft tanibeu<
i servcin para jaoeiias; ditos aiaojasfadoa a 103 e
* 12 ; bonitas pe^as de cassas adamascadas para o
. mesoco effeito; bonitos damascos de la de orna
e daa largaras, proprios para colchas, assim co-
mo bonitas colchas de croch : tu|u isto se vende
mais barato do qoe en antra qualaoer parte, na
loja do Pavo, roa da Imperatriz n. 60,- de Gama
t Silva.
Organy a l^OOO.
Vendem-se bonitos cortes de organdy
sendo com listras tortas ton reas mi coro lis-
tras de cores tendo -oito varas cada cortea
pQo tzntJ pfefo d loja e armazem do Pavo rua da Imperatriz
n. GO de Guma e Silva.
Atoalhados para meza a 2,5000, 25O0 e
30090.
Vende-se superior atoalhado de linlio
Custodio Jos Alves Guimarles.
O proprietario deste importante estabelecimento avisa ao respeitavel publico
e aos seas amigos e fregaezes que acaba de receber pelo vapor francez Gnienne, dt-
versos artigos de moda, es quaes sao de completa novidade para osle mercado, e apro-
Est ludo remediada em quanlo a 1- ximando-se odia da commemoraclo do aaniversrio Uo Hospital Portogaez, por isso
vas d-e pellica. J apressa-se em v- avisa-es do que ha de mais moderno em 'seu estabelecimento, como
Porque a agaia branca por iotermedio de am sejam:
aegftciante de a>iMa praca mandn contratar ara bom e acreditado fabricante de ditas, para i
esie loe faii-r remessas directamente por todos os
pelo baratissimo preco de 64 e 80 na loja
e armazem do PavSo rua da Imperatriz n.
60. De Gama & Silva.
Pannos de linho. '
Vende-se superior panno de lioho puro
para lenfes e ceroulas a 640, 750 e 800
reis, a vara na loja e armazem do Pavao rua
da Imperatriz o. 60. He Gama & Silva.
Bramante de linho a U 2(5400, 2*800 reis
a vara.
Vende-se soperior bramante de linho
com 40 palmos de largura proprios para
lences, pelo barato preco de 2(5, 2(5400 e
2#8JO reis a vara, na loja e armazem do
pav5o rua da Imperatriz n. 60. De Gama
4 Silva.
Algodosinho enfeslado a lo 1j5290 reis a
vara.
Ven4em-se superior algodcsinho ameri-
cano enfestado qoe a largora delle di a lar-
gura do lencol, sendo liso a vara a i(5 e ten-
do trancado a I #280 na loja e armazem do
Pavso rua da Imperatriz n. 60. De Gama &
Silva.
Punhos e golinhas a 1(5000 o par,
s o PdVo.
Vende-se om grande sorlimento dos mais
bonitos e modernos punbos com golinhas,
sendo de esguiao de linho bordados a ifilOOO-
o par, ricos manguitos com gollinbas de
cambraia topada e transparente a 2(5000 o
par, E' pechincha; na loja e armazem do
Pav5o rua da Imperatriz n 60 de Gama 4
STlvr. v
iCaleftfeas pera meninas a 640 e
^-SGGris.
Vende-se calcinhas bordadas para meninas
que andam ra escola pelos baratos precos
de 640 e 80O rs., mangoik s para as mes-
mas evNLlTsenhoras pelos mesmos precos,
lf?5S5 SSlSSirXm oa l0Ja doPavo m da Imperatriz n. 60,
9 a vara ; dito adamascado pardo a 2(55001 p'. c;lva
Baldea ''e canda,
Vendem-se as mais raDeroas crinolinas on ba-
loe- proprios para vestidos de cauda, sendo os
melhores e mais modernos qne tem vindo ao mer-
vapores, seodo a -pnmeira a qae agora acaba de i
ehegar. OfihrieaatepromeKd manda-las sempre commenda-se ffluito estas chapeliaas por se-
da melbor pellica e aa verdade as qae jrieram | ren| inteiramente novidade).
dessa ei cuoraim o sea dier, e pelos ameren-1 ni__s..:____:___ ._ ',
Ditas sem elle. Lindos cortes de 18a com barra.
Lindas chapelinas de palha da Italia. (Re-I Riquissimas cortes de transparent de se-
da para vestido de seahorastambera novi-
dade.
tes enfeites qne rtls trazem da' elle mais a conbe-1 Wquissimos cintos de seda, com matames
eer o aparado gosto e perfora* de sna obra. Res- a crrtneza, nllGia moda.
ta pois qae os boas e constantes Iregaezes conti- Lindas saias de 15 COM bordados, proprias
noem a favorecer a agaia braaca em joairto ella | para as excellent-ssimas senhoras frazerea
IBi se iivraodo dos maos qae com seus fiados a,*\ .m ._ ... *" .
iam depenando. Por cuna do bal3o u*ma moda m Pars.
Camisinhas bardadas para baptisados! Ljodos cortes de seda para vestidos-.
A aguia bresca a rua do Queimado n. 8,
recebeu novo sortimento de camisinhas bor-
dadas, sapalinhos de setim tambem borda-
dos, meias de seda e chapeosinhos de selim
enfeit dos, ludo para bapt'sados.
B.i!iu-iiili8s caberas de cosas
A agnia branca ra do Queimado n. 8.
recebeu bonitos UaUusiuhos oberlos decon-iffla m0(ja>
Moireantique branco, azul e peoto, fazen-
da inteiramente nova.
Grosd^napoles de todas as cores-
Ditos pretos.
Leqoes de roadreperola.
Ditos todos de sndalos.
Ditos de sndalo tendo no centro om qua-
dro de seo>, inteiramente novidade e ulti-
xas, e cestiuhas bordadas a Croco, objectos
esses de novidade e gosto, Te propric* para
offertas no leilo que ter lugar ao hospital
portuguez.
Acabam-se amas < chegam oatras, cor-
reales de borraba
A aguia branca que nao se descuida de sua
boa fregnezia, tem constantemente mandado
buscar essas bonitas e raoderoas correles
de borracha, que servem nSo s para voltas,
como mesm-i para outros di eferentes enfeites
Ci-mpacec/im pois os prelendentes qae
achar5o bom sortimento de ditas correntes
na loja da aguia branca rua do Queimado n. 8.
Ciatos de marraqtiin cera fivellas de
ac pan meninas
Vendem-fe'a roa do Queimado, loja da
aguia branca a. 8.
Flores brancas
Como sabido, a agaia branca esta' constante,
mente a receber fl res Qnas, porm agora receben
nra tambem bello sortimento de dltae, qoe per suas
singaiaridades se faz distinguir das oatras, Isso
porque alem das botMias rosas camelias, alexan-
drias e oatras, vieram algnmas rosas e ramos
brancos com as folbag tambem bracas, o qae Ibes
da' mai(a gr;a e as torna de mnito gosto, para
enfeites de vestidos de noms, coqoe, te., etc.
assim tambem ontros ramos com bem combinadas
flores brancas cor de rosa, e faldas brancas, o
qoe igualmente Ibes da' graga e perfeicio. Em
qasnto, porm, a agola braaca, na rna do Quei-
mado n. 8, vende sempre e-sas flores finase outros
obyectos de o.*>, os seos praeos coottoaam a ser
odeos e razoaveis.
Este estabelecimento acaba de receber lindas
ehapeHuas para senbori, ricas caliiohas para cos-
turas, ditas para joias, pestes doorados para coco,
flvelas moito ricas, assiqi como cintas e imlseiras
da Diurna moda de Pars, ealremeios.ebabadiobos,
bonitos toueadores doarados adejaearaoda, eipe-
iboa e-cossezes de diversos lmannos e ricos caoi-
tetes para seobora, voltas para pescojo, gravati-
noas, bico de seda, dito de algodo, labf cintbo, e
hjus dulros objectoa de aparado gosto, que se
torna enfadonb mencionar, tuoo por prnijos mui-
to commodos: a* roa da Imperalrit. o,,70, u loja
da LeaMade.
... -----. r" ,acocas todo bom e barato.
Ao& agricultores.
Saanders Bratber* & C aean de receber
de Liverpool vapores de forca de. 3 a, 4 ca.vallos,
com todos os pertences, a mpi proprios para fate-
sem muver macbioas de desearoear algdao, po-
dendb cada vapor Uabalaar at com. HO serras,
Umbeo servem para eDfardar algodo, oa para
ootro noM^aar wrvio m.^jae usam de trabalbar
com aoiooaes. O- mesmos tambem tm a' veo Ja
joacbioas americanas de 35 a 40 serras.
O* pretndeme dirijam-se ao largo do Coreo-
Santo d. il.
LUV4S
Novo sortimento de lavas de pellica (Jonvin),
begadas no ultimo vapor fraocer, ao armasen d"
?por o roa Nova o. 7.
Chapos de sol para senbora.
Ligas de seda p raeeohora.
Ditas para meninas.
Espartilhos para senbora.
Riqusimos enfeites para senhorae, intei-
rameute novidade.
aloes para senhoras e meninas.
Touqainbas ricamente enfeitadas1.
Coeiros bordados.
Toalhas de labyrintho muito ricas.
Rii*-as fronhas de labyrinto.
Riquissimos lencos de dito.
Rendas, ticos da ierra e grades para lencos.
Um rico lencol de labyrintoe.
Riquissimas basqoines de seda preta, bor-
dadas com gosto.
Lindos cortes de li com listas de seda.
Riquissimas vellas para ciatos.
Fil de seda e de Imito.
Riquissimas camisinhas para senhora.
Riquissimas saias bordadas.
Punhos e gollinhas para seobora.
Ricjaissim-s manteletes de cores, inteira-
mente novidade.
Peitos de lisho bordados com gssto pro-
prios para camisas de coivos.
Collarinhos de linho Ksos e bordados para
hornada.
Lindas veos e manas de blondfe.
Riquissimas vestimentas para baptisados
contendo chapeosinho, sapatinbo, meiasinha
e camisinha com lindos bordados.
Riquissimos chales de touquim.
Grvalas de seda branca para norva.
Ditas de cambr ia de linho com bordados
as pontas, novidade.
Chapeos de sol de seda com caslSo de
marfim.
Ditos de nutras qualidades.
Chales de seda.
Ditos de cachemira.
Chapeos de seda preta para homem.
Ditos de pfaantasia para homem.
Casemira prea muito fina.
Ditas de cores inteiramente novidades.
Cambraias, 15as, chitas, madapoloes e ou-
rs.; dito alvo de algodo a 200O rs.; dito
trancado alvo, sem ser adamascado a i600;
guardaoapos econmicos pardos a 3| a du-
zia; ditos alvos a 3^500 e 4^000: isto na
loja e armazem do avo rua da Imperatriz
n. 60 de Gama & Silva.
Casaqoinhos de fil.
Vende-se os mais modernos casaqoinhos
on basquinas de fiipreo. pelo barato pre-
co-de t(!$, chalesereunidas de renda preta
J-oa loja armazem do Pavo rua da Impe-
ratriz n. 60. De Gama & Silva.
Cambraias largas com 8 Palmos de largura a
14 e 1280.
Vende-se cambraias largas da Escocia ten-
do 8 palmos de largura que falicita fazer-se
am vestido apenas com 4 varas, pelo bara-
te preco de l| e 4280 reis a vara pechin-
cha oa loja e armazem do PavSo rua da Im-
peran/, n. 60. De G ma & SHva.
Cambraias esco .-.ezas tapadas e transparentes.
Vende-se um magnifico sortimento de ti-
nisimas cambraias brancas para vestidos
fado e por precos mnito razoaveis : na loja e ar-
mazem do Pavo rolda linperatriz o. 60, db Ga-
ma & Silva.
LSas transparentes.
Chegaram as mais modernas bare]es oo lasi-
Dfaas 'transparentes com bonitas listas de seda,
vendem-se na lija e armazem do Pavo rua da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Casaqufahos para senhora
Cbegaraui os mai> moderos casaqaiobos oa ja-
qaetas preas ricamente enfeitadas sendo com cin-
tura e sem ella, pelos precos mais mdicas que em
outra qualquer parte : te vendem na loja e arma
zem do Pavo roa da Imperatriz u. 0, de Goma
& Silva.
I!; IGo* a 9$t *85eo e 3.
Vende-se om graude sortimenio de criuolioas.
oo baldes de arcos para senhora pelos barato*
precos de 2J, 2*300 e 3* por ha ver graode por-
V : na >oja e armazem do Pavo roa da Impera-
triz a. 60, de Gama & Silva.
Madapttlo e algodo
Veadem-se superiores pecas de madapolo ten-
^domabdevaradelarg^
de 10, 421, 13,51, assim como um grande ^' ^ t'a *'u reU,b0f ikoo mM en.
sortimento de ditas mais abai) de $, 5#, corpado pecas com M jardas a 5*300, 6* e O0,
6jj, 7)5 e 8(5, garantindo-se aot comprado-, dito muito floo que serve al para camisas a 8*
res qae neste genero nao poderlo comprar
melhor em outra qualqaer parte e s oa lo-
ja du PavSo rua di imperatriz a. 60. De
G ma & Silva.
Damascos para colchas aS, 25500 o 800 rs.
na loja e armatern du Pavo rua da roperatrii n.
60, de Gama & Silva.
Novidade do PavSo.
Alpacas, a 1280
Chegaram as mais brilhantes alpacas de
tros muitos objectos.
O dono deste importantissimo estabelecimento eontinoa nolouvavel proposito de
querer vender muito e ganbar pouco, snjeitando-se a tirar em soa9 mercadorias um lucro
rasoavel, para assim poder menor agr lar aos seas numerosos fregaezes.
Af LOJA DE FAZENOAS DE AUGUSTO PORTO i C.
11Rua do Queimado11
Angosto Porto C. acabam de receber da Europa superiores cortes de seda de cores para
bailea.exasaaeDtos.
Ricos cortes de blond esm manta e eapea para noivas.
CortinadM borda*os ors cemss de notva* e janellas.de 7d] a 80#" cada om.
Gblxas de seda e ootraa'de la e seda o qae ha de melhor para eamas de noivas.
Toalbiohas de croch pira cadeiras e sofas, espartilhos a saltana para senhoras, camisinhas
com mango'tos "bordados e lindos encbovaes para baptizados, e baloes de mosselina e de arcos para
senhoras e meninas.
Lavas de pellica para homem e senhoras e superiores chap* de sol de todas as qualidades.
Loa para vestidos baraussima bonitos padrdes o covado a 280.
Tapetes grande* para sof, ditos para piano, ditos para cama e pequeos para portas e janeflas.
Moir branco e preto superior para vestidos de liados desanos, grosdeBaple de todas as cores
seda de qaadrinbo; cambraias brancas de moitas qualidades, ditas de cores e liadas percates.
Basqotoas de seda preta altlma moda, chuls o rotondas de utpore, vende-ae barato. ,
Camisas par horneas fraocezas e inglezas de llano e de algodo finas e seroulas de llobo sn- _Y*n.de'h,f,^0,,1!.^.ef i" "^,.^"flnns
periores.
Capas de borrecba, sobretudoe e peroelras as melhores e mais elegantes.
Malas grandes para viagen>-, ditas pequeas e saceos de tapete e couro.
Bramante branco de 4 larguras a 2(W a vara, paouos pretos e zoes, casemiras pretas e da
Vende-se o mais superior damasco com (seda para vestido, sendo neste genero o mais
8 palmos de largura proprio pan colchas' bonito que tem vindo ao mercado t:cto em
com os desenbos mais bmHos que tem vio- \ nbvidads de dezenbos como em flores.' pois
do ao mercado com urna ai cor e de duas urna nova fazenda que si confunde perfei-
cres pelo barato prego de 5$ o covado. di- tameote com seda tendo entre ellas algamas
to com 6 palmos de largura a 2f$500, ditos
de omaso la-gura a 800 reis, oa loja do Pa-
vo rua da Imperatriz n. 60. De Gama &
Silva.
Gassas de urna s cor a 300 rs.
o covado.
Vende-se bonitas eassas de urna cor s.
tendo cor de rosa e asul, cor de lyrio, roxa,
verde e cor de canna, pelo barato -preco de
gOO rs. o covado: na loja earmazem do
Pav5o rua da Imperatriz n. 60 de Gama cV
Silva.
OscasaquiRliiis da pava
a 180, 200, 250 e 300.
Chegaram os mais modernos casaquinhos
ou jaquetas de grs preto. ricamente eofei-
tadas, sendo uns com cintura e.oulros sol-
tos con orme se usa ul ti mmente e vendem-se
pelos baratos precos de 180, 200, 250 e
300, na loja e armazem do Pavao, rua da
Imperatriz a. 60.. Do Gama & Silva.
Sedas langas
A 94 acosado
S oa leja d 1 pava.
Vendem se modernsimas seda cjm largura
da chita francea, sendo com -padroe moderaos,
tendo eolre ellas cores proprlas para quem est de
loto : vende-se pelo barato preco de 2 o covado :
grande pechincha : na toja e armazem do Pavo,
roa da Imperatrii n. 60, de Gama & Silva.
Corles braceos
AOOrs.
Neste eslabeleeimento ba sempre om completo sortimento de boas far.endas tanto para a praca
como para o centro da provincia e superieres objectos proprios para casamento eomo sejam capellas,
mantas, vestidos de blonde e de moir branco, cortinados, colchas, veoendo-se todo mais barato a
tanbem a melhores
Esteiras e alcatifas para forrar salas.
11 Rua do QnelmadoII
Noto e grande deposito de superior carv&o de*Cardiff na
Babia.
Antonio Gomas dos Santos & C., roa Santa Barbara o. i, esto babiliUdos a aopprir de
oarvio ero coodicoes mats favor*veis qoe em onh j qualqner deposito, a todos es nsviP i vapor qui
eertem nasuelia porto- A POBlrtar oesta com Domisgoj Alves Matbea.,|
boniUs barras bordadas e tend tambem aigoos
com bonius *arras de cores ; vende-se oelo bara-
to pre$o de 5*. na loja e arma do Pavao, roa
da lmperairn n. 60, de Gima & &ilva.
Alpaca de^corea
A00rs.
Cbegaram mais bonius alpacas de cores para
vestidas- cosa deseo1* miados e grandos, lando
largara de chita francea, e veode^a palo barato
nfecodaSOars. cada aovado.; agrande pechio
cha na toja a armaiem do Pavo, roa da Impe-
ratfia.60,d6GaoiaSila.
Bramstte 28.
Vende-se soperior bramante de Htrtio alvo com
10 palmos de largara, pele barato preso de **
vara : na loja e armaiem do Pavao, raa da Impe-
ratriz n. 60, de Gima & Silva.
Algolo avar
Vende-se pecas de algodo largo muito aocoraa-
do, pele fcewta preco de 5500 a peea : aa loja.e
armazem do P*o ro d Impertrix n. 60, deGa-
mt di Silva.
todas brancas com os mais liados lavrado>
e vendem-se a 1280 reis, o covado, na loja
e armazem do Pavao, rua da Imperatriz n.
60. De Gama 4 Silva.
As alpacas do Pavo
para vestidos a 10.
Chegou um grande sortimento das mais
bonitas alpacas iavradas, de cores que se
vendem a 10 o covado, ditas a 800 reis,
ditas lizas de todas as cores a 640 reis, que
se vendem na loja e armazem do Pavlo, rua
da Imperatriz n. tO. De Gama & Silva.
Vestidos brancas
a 40, s o Pavao.
Vendem-se bonitos corles de vestidos de
cambraia branca com bonitas barras tendo
entre elles tambem com barra de cor e ven-
dem-se pelo barato preco de 40 cada um,
oaloja e armazem do Pavo. rua da Impe-
ratriz n. 60. De Gama Silva.
Ciraode novidade
Vestidos a 60
si na lejj do Pavia.
Se vendem os mais ricos cortes de organ-
dy braceo com elegantes listas largas, pre
tas tendo 10 varas cada corte com os com-
petentes enfeitos para o corpo sendo neste
genero o que tem viudo de mais novo ao
mercado, -pelo barato preco de 60, s na
loja e armazem-do PavSo, rua da Imperatriz
n. 60. De Gaa A Silva.
Chales a Benoiton a 50000 E 60000
na loja do Pavo-
Cbegaram os mais modernos chales Be-
noitoo, sendo, .de urna s cor com bonitas
franjas de peluda, e tendo eolre elles as
cores mais modernas qae teem viudo a este
mercado e vendem-se peh barato preco de
50 e 60060, ditos a Isabella que supprem
muio bem os casins e vendem-se pelo
baato preco de 70OO rs. garantindo-se
qoe n'este genero o que ha de mais novo-
no mercado e muito decentes par qualquer
senhora uzar: vendem-se n luja e armazem
do Pavo, rua dalmperatran. 60, de Gama
& Silva.
CARNAUBA.
Vende-se cora de carnauba em saccas,
sendo de superior qoalidade na loja do Pa-
vSo, rua da Imperatriz o. 60 de Gama &
Silva.
dieos, e dos doenles desta e das i utras pro-
vincias deste imperio nossas preparajss,
que sao: .
PILULAS, TINCTURA, XABOPE E Y>NK>
DE FEDEGOSO
L'oico depasilo
Pharmacia de J. A. Pinto, rua larga da
Rosario n 10.
iltenc
i'i
A novidade.
Jaqnelinbts pretas, casaquinba de grc^eaa-
ples para senhoras viadas pelo nllim-j vap*r ala
Europa a 50 e 23 cada oro : a loja da rata 4*
Crespo n. 17, a ella a?t Peja* e aigodwcom peqti'no to a 4 e 4J5iiO a pega com JO jarda.-.
aa
t
mata
Loja do Passo
Roa do fr sp-i n. 7 X esquina
Imperador
Acaba de receer um completo t.
de la Indiana de lindos padres, cortes de
la com listras de sella, multo ricos proprms
para bailes e visitas,. basquinas e casaqoi-
nhos para senhora, lindas tochas de tswt-
braia de linho ricamente bordadas proprias
para baptissdos e para toall ete estas merca-
duras veodem-se por .precos mui r?,<. vs,
s.na loja do Passo rua do Cris, o n 7 A.
Levare jodvds
Ha constantemete luvas de pelin hraaeaj
preta e de corf. assim como de t>^aa ... fia
da Escossia sendo estas dos melhores faffrt-
ca: tes, s na', loja do Passo rua do Crespa
O. LA esquina da do Imperador.
H'BgABg
Eseravos fgidos
AdbubcIo.
CcntiDa fgido desde o da 2 de abril o oraMa
Joao, de idade de 40 annos, ponro mais o aw-
nos, coro os sigoaes segnintes : t r alaraojajl*.
cabellos carapinbos, esuiura regular, leforcadtfae
corpo, pernas gros.-a-, irabalba de o. sve de as-
car, mestre de pedreiro, sapateiro, roolto fo
tamie de cachimbo, sabio com ov.-'.uo a Ssrt-
nbem. O ^baixo asignado roga a's autoridades
policiaes e calilles de campo que maodem preav
der dito mulato e leva lo a seu senbor.no engenta
Japaratoba, que sera' bem recompensado e por-
tador.
Japaraluba, 28 de jomo de 1867.
_________________Joo Jote Buarqae.____
Escravo fgido
No da 3 do crreme fogio da casa de sea so-
nhor o preto crioolo cenme Iridro, com idaaeda
28 annos, com os signaes segnintes : es (atora re-
gular, chelo do corpo, cor fula, falta oe dtr.te%
quando anda faz uro pequeo geito em um des pa
para dentro, ebastaote potroso, Gibo du logar da
l'aoanelras, da Parabyba, levou catm-a brasfa,
caiga de casemira parda, orna blusa de aigod
a?ol, do feitio de farda de voluntario, teode sda
vis-tu pela Soledade,jonto com um eivoiunurk aja*
veio do sol, fiho de Pedr. s de logo, de.sp-
por que para la livtsse seguido : porianro rogare
a tud; i as autoridades policiaes, caples decaaa-
po, ou qu.JquiT p< ?'ja que o possa t;ucuotrara
prendam e"o mandem a seo senbor, oa padaria da
praca da Santa Croz n. 6, que ser3j Leui recaaa-
neasidos.
de gratifkaqo
Fogio d] engenbo Rait, da fregaezia da E-cada
o escrave de nome B. rnardo, alto, m; f-c, dw
ponco bnco, bem feito de corpo, benita fi^nra, da
idde 2o annos, contorna asar ronpa de algeda*
atol listrado e chap? de feltro oo de couro; queai
o apprebeoder leve-o ao engenbo acwa ou a a
das Crozes n. il, que recebera' a g.aiiBcacJo -
ma. Presnme-se qne anda por esta cidade.
Fugio
oo dia 1S de setembro o escravo Izidoro, enaote,
da? Alagoa.*, Idade 20 annos, levoo ronpa pre,
de estafara regalar e um ponco fula -. qoe* *
approhendcr sera' gratificado por Joo Fraaeiaa
da Silva Ncvaes: oa travessa da Madre de Mas
numero 5.
Atten$o
Fugio no dia 3 do correte do eogenho Raja
fregaezia da Gscada,- o escravo Bernardo, idade M
aoaos, crioolo, com os sigoaes egnintes : alta,
seco, cabellos carapinbos, rosto redondo, te\&*
^regulares, pouca barba, cor preta, tem urna cie>
iriz em om dos calcanaare> qae se tnroa visita
prenme-se estar ero Bengalas fregaezia de a*
ni jfiru oa oesta praca : quem o apprehender
der leva lo a roa das Cruz s n. 11 oo oo eoge
cima iodicado que sera' generosamente recoa
pensado.
Fugio no dia 16 dneorrente om escravo* paV
dp de aoroe Jos, barbado, representa ur 23 afa-
nos da idade, altura regular, trabalha de carpa-
teiro e eartpioa, levoo om machado e algoma r *
Da do uto, consta qae f.ii preso em dire.:gaa a Paa
d'AUto : rogase as iutoridadrs qoe remettam pa-
ra esta pra^a a entregar ao abano asslgnado a
roa da Cadela Velhs n. t, qoe ser pago tedo a
irabalbo.
'_______r> 'JodoaoalvaR Torres.
AVISO
IGOiOOO de gratificado.
Contina a estar fgido o et
5 cravo Simi.
Roga-se a todas as aotoridades e caples da
campo, taate desta provincia como da das Alagaae
a apprebeosao do dito escravo, qae fugio de casa
de seo senbor uo da, Ji de julbo do correte anoa,
rom os signaes seguioies; de nagao Mocambiqoe,
idde de 40 auno, ponco mais oo menos, aflb
semblante carregado, cora (alta de denles na rreW
te. cor (ola, con talos em circulo redondo aa pt
das orcinas, seta barba, levoo vestido caica de ca-
semira de cor em bom estado, camisa de algodks
braoeo, chapeo de meia maca novo ; este es*-
eravo fot comprada ao Sr. Jos Vicente Liada-
so, Tnoradur na provincia das Aagoas, por saa
procurador o Sr. Joaquim Cavalcanti de a.lba>
qnerque Melto, morador no termo de Barrairas-
Goasta nos qae este ercravo j fni viste aa Sa#>
ohiem, aonde elle iniretm relatos de oaaaV
manto. GratiQca-se com a quanua cima a fadl
quer oessoa qae o entregar no Reetfe, roa Diraats
numero W.
LEGIVEL

-x.


un m r
mmmmu
UltfflMIII

a
i
I
*+
I

de PeraaMbae* n Terca telra 14 de etembro de 1867.
;

mmk\m\\>
CAM4RA DOS SEMORES DEPI1TiliOS-
SE5SAO EM JO -DE AGOSTO DE 1857
PRBSIDBtCCIA DO SR- HtVEIRA LOBO.
(Couiiauacao.)
Foroccimento de carvo em Montevideo.
A este respeito eu disse que tendo o no-
bre niioistio expedido ordem para sa aui-
SeotimentOS ardenles, deSTanece-se com O no sabe o qo9-di, e ila qos nao sabe o aae ea
tempo, e os longos annos que i temos occu- u WD i com tB''}0' So b. Prque inter-
nado em debellar esta guJrraeram mais do TSr vK oTeu dissesse-nesu
que SUiUCientes para arrefecer completamea- diseassio-, quando evidente qae essas do pa-
te esse enthusiasmo. *- I lvra* sigoiflcavam na discusso do Ia artigo desle
PnvAn enyoiveu succeden um esmirecimento qae legonoa aisco^ de om projecto com referencia
noje ninguem desconhece. S. Exc. mesmo a Udosos arligos? OM qu> grande crimequeeu
n5o ora isto, S. Exc. bem sabe que boje corometii t
ums bouiem n3o vai voluntariamente ao' ? Sb- p"18,"n" :-a "n8"8m do regiment
i bem conDecida da camars.
Paraguay, elle bem sabe qaaes sao as per-, 0 Sa. c 0ttoni (coin paosa e com forca). _Nes.
ment em relaco s sessSes desta cmara,
com as emendas apoiadas.
Vem a mesa, lida, apoiada, e entra coa-
junctamente em discusso, a seguinte
emenda :
< Substitua-se o primeiro membro do
art. 53 pelo seguale: c As sess5es princi-
piarlo s dez boras da manha, durara)
quatro boras reguladas pelo relogio do sa-
llo, sendo prorogadas por mais urna bora
independeote de requermento, sempre que
mentar o supprnento da esquidra, pareca
lgico que se exigisse raducgo no prego, ^eguicoes, as violencias," as tropelas, as^discar8ao."Wr7duVrrn"a"dcusIo"dJ f"u- se tratar da remos;a falla do tbrono, das
. t,xc uisse que nao tmba leito reduccao, barbaridades, que se tem pralicado para re- tigo deste projecio, dina ea: todos os oradores fo- leis aanuas ou prpostas do poder executivo
William F. Jones para empregarem a ma-
deira do fabrico do papel, e a Jos Botetbo
de Araojo Ctrvalbo para usar do kaollin e
outras argas no da tonca, e approvado
para passar 2* discusso.
Entra em 3* discusso, e approvada sem
debate para subir a sane?o, o seguinte pro-
jecto do senado:
c
Chegando 4 pcovinca o Sr. Alencastre,
seguio fielmente o pensamento do governo;
fot escrupuloso executor da poltica domi-
nante, e a este respeito nenhnma reclama-
0o, nenhum clamor da parte do grande par-
tido que na proviocia oceupava as posicSes
officiaes. Nenhuma reclamac5o se aprsen-
lo senauo. tou acerca da marena da administraco
Artigo nico. A penso de 400 rs. d.a- avia um assorni)lo QUe dev^X;
nos concedida por decreto de 28 de junho
de 1865 ao soldado i
que conservara o mesmo prec >. Eu ja mos-
trei que o prego nao o mesmo, que essa
clausula illusor a
feito a raza de 25530O"n3 nossa moeda, e
boje na razio de libras esterlinase as libras
pelo cambio actual do um augmento de
5,500 em tonelada.
Sr. presidente, a perorado do nobre mi-
nistro sobretudo jastificou plenamente o juizo
que cu liaba annnnc id i a seu respeito. Eu
inslei com S. Etc. para que dechrasse em
noas do governo, quaes os recursos, as
operaces de crdito a qua pretenda recor-
rer para encontrar fundos, as sommas vola-
das nos ltimos crditos, e emfim a esse
respeito algumas considerares.
Disse que me pareca que os capitaes dis-
poniveis- qua exisliam no paiz esiavam ex-
haustos, que a emissao de apolicas pouco
poderia d3i*. e basta ponderar b que S. Exc.
a Sr. presidente do conseibo ainda a das
conessou no senado, declarando que a reso-
luto de mandar emittir apolicesde 2005
as provincias n3o tinha produzido grande
resultado
Os deposito para o tbsouro muito tm
escasseado, sao h >je insignilican'es, e o go-
erno j reconbeceu a nece;sidade de ele-
var o juro desses depsitos, alm disso o
nobn ministro da fazeada julgou dever dar
mais Ijl 0|0 de commissSo aquellos que de-
positassem quantia inferior a 200:OUO5, e
ludo com muito peqaeno resultado.
Que es capitas disponiveis devem estar
exhaustos um fado obvio e intuitivo ; o
Brasil nao tem grandes riquezas accuraula-
das; alguos poucos capitalistas que existem
silo na corte Je as principaes cidades,
esses j oferecetapi tudo qaanto possuam.
Os proprietarios nuraes, os fazendeiros neos,
nao s n3 tm grandes sommas accumula-
das porque seus capitaes estao empregados
na lavoura, conjo urna grande parte esto
operados de enormes dividas pela quaes pa-
gara 12 e 13 OjO.
Um eraprestira.o eslrangeiro I O governo
tem declarado por varias vezes que cousa
que elle nao pe asa realisar, e hoje seria
impossivel ainda quando o quizesse, se bem
que os mrcalos da Europa estejam ahun-
dantemente prvidos de numerario. Qual
t recurso que resta ? O papel-mosda.
Eu^rjjwquei OjgbverjQOpara que decla-
se se pretula pedir autorisaejio para
nova emissSo. Coaaquanto j se tenha apre-
seatado urna proposla para 5O,tO0:0O<'i$,
essasomma nao bast, visto como os crdi-
tos orcam por 112,000:0005. Perguntei ao
nobre ministro se era este o recurso de que
pretenda servir-se, e Ihe pedi que nlo con-
tiouasse a abusar desta medida destruidora.
S. Exc. respondendo-me esqoeieu-se de
que sua misso boje nao fzer bonitos dis-
cursos que raelhor assentam em um decla-
mador ou em um tribuno que falla s mas-
sas. S. Exc. fallou-nos muito no patriotis-
mo, fez urna longa tirada sobre esse thema
ja muito explorado.
Nao assim cerlamente que o governo
cuida dos grandes interesses que lhe eslo
confiados, nao assim que elle preenebe
como deve a sua misso...
Eu procurei cumprir o meu dever, acau-
felando os interesses do paiz, pedindo ao
governo que" nSo continuasse a recorrer a
oslas medidas desastrosas; o nobre ministro,
porm, nao salisfez o seu, porque nao disse
o que o governo pretende fazer; mostrou
que nao tem opiniSo assentada a respeito
disto, mostrou por consequencia que nlo es-
to ia estas altas queslojs, as quesies vitaes
da actualidade.
Em resposta ao que ea disse quanto dif-
Sculdade que o governo eslava encontrando
para levantaras forjas de que necessitava,
afim de terminar a guerra do Paraguay, S.
Exc. disse que nao ; que o governo nao en-
contrava tropecos, que poderia levantar ain-
da com summa facilidade 50,000 boiaens,
se tanto fosse necessario.
Eu perguntarej entilo a V. Exc : por que
n3o o fez ? porqae n3o levanlou esses 50,000
bomens que iriam decidir em um momento
da sor le daquella guerra? Por que a tanto
custo, a troco de tantas persegul;oes e vio-
lencias, tem apenas podido mandar 15 ou
16,000 bomens, os quaes ''pela maior parte
t nao tem chegado, porque, sommados ao
3o corpo de exercito, qae consta de 6 ou
. 7,000 bomens, perfazem 23 ou 24,000 bo-
mens, qne o accrescmo que devia ter re-
ceido o exercito, entretanto sabido, nos
dizem as correspondencias, que o exercito
brasileiro n5o excede de 34 ou 35,000 bo-
mens. '
Um Sr. Deputado: Nos nlo vamos
para I.
O Sr. Candido Torres Filho:'sto qae
era verdadeiro patriotismo.
Mas, Sr. presidente, a proposito de pa-
triotismo o Dobre ministro assentou de ata-
viar o seu discurso com bellas, sonoras ere-
tmbautes palavras, palavras ocas de sentido,
sem responder s tnterpellaces qae eu lbe
dirigi, como se o patriotismo consistisse nes-
sa profuso de palavras ocas, como se o
patriotismo de um ministro olio devesse se
medir pela seriedade con que elle cura dos
interesses pblicos, pelas medidas efficazes
que adopta afim de levar ao cabo e empreza
e:n que estamos empenhados.
O Sr. Aristides Lobo ;Quaes sao ellas?
V. Exc. nao apresentou nenhuma.
O Sr Candido Torres Filho : N5o se
trata disto; o que digo que o patriotismo
Dio consiste em declamado.
0 Sr. Aristdjes Lobo:Consiste em apre-
fenlaras medidas; V. Exc. nao apresentou
nenhuma.
O Sr. Candido Torres Filho :Bem; ago-
ra trato do qae deve ser o patriotismo de
um ministro que deve tratar de conseguir
todos estes meios sem opprimir o povo com
exagerados encargos, alliviando pelo con-
trario o mais que. fr possivel os sacrific os
que exigem as despezas de ama guerra.
E' fra de davida, Sr. presidente, que o
povo brasileiro tem mnito patriotismo, nin-
metter esses poneos que I chegam.
Mas a respeito de patriotismo, sea tbe-
porque o contracto eralma predilecto, S. Exc. nao se contenon em
azer por essa forma praga do seu, elle quiz
atirar-me o labo de anti-patriota. por que
eu tinha dito a verdade ao paiz com todf a
franqueza, tinha declarado quillo que to-
dos sabem, que ninguem ignora e que S.
Exc. s procura dissimolar.
Nos vos da sua inspirado, arrebatada
pelo f go da sua eloquencia, S. Exc fallan-
do do combate de Riachuelo, disse que nos
tinhamos destruido a esquadra paraguaya :
em aparte eu lbe disse que nunca me cons-
tou que o Paraguay tivesse ama esquadra
que'realmente merecesse esle nome. S. Exc.
respon eu-me enlSo em tota arrogante, com
estranho desabrimento, que eu quera de-
primir a gloria do nosso triumpbo.
E-i repillo, Sr. presidente, d5o s esse
tom desabrido com que o nobre ministro
proounciou estas palavras,como a apostrophe
e offeusa que nella est comida.
Eu n3o precisava provar, Sr. presidente,
que nao pretendo oscurecer as nossas glo-
rias mas desde quando disser que nos de-
vemos ser muito superiores ao Paraguay em
elementos militares, que devemos ter um
exerc to assim como urna esquadra muito
supernr sua, desfigurar os feitos glorio-
so desta campanha, escurecer o renome,
o brilho das nossas armas ?
Todos os dias se diz'ah, Sr. presidente^
que o inimigo est exhausto, que elle nao
tem mais de 15 mil homens mal armados,
mal vestidos, e peior alimentados; entre-
tanto ninguem ainda disse que isto um tra-
ma para deprimir a victoria que por ventu-
ra alcancarmos.
A medid da superioridade dos comba-
lentes na) est s na forga numrica dos
seus exercitos, das suas esquadras, est
tambem na pesielo, nos pontos estratgicos
que oceupam.
Em relaco situado topographica os Pa-
reguayos estavam muito melbor, muito su-
periores a nos no combate do Riachuelo,
porque, se bem que possuisses apenas
muito poucos navios, fracos e mal armados,
qua neto ao menos tJBttam as proporces de
vasos d> guerra, eram navios mercantes,
entre os quaes figuravam o Mrquez de
Olinda e General Artigas, que tinbaui sid>
roubados ao Brasil e ConderagSo Argenti-
na ; elles oceupavam urna boa posicao em
trra, as bateras que tinham assestadas as
barrancas nos faziara grande damno e era-
mes obrigados a sustentar um duplo fogo.
Para provar que nunca pretend marear o brilho
desie feto glorioso, leret cmara algumas pa'a-
vras que duse do primeiro-discurso qut Uve a bon
ra de proferir nesta casa : oLonge de mim, Sr. pre
sideutp, querer marear o brlluo das nos$as arma;,
long-s de mim querer obscurecer o renome, o valor
dos nossos joveos officiaes de marinba. Se hanmi
causa ao contrario de qae nos devemos justamenM
ensoberbecer, do procedimento qae ti?.n tido es-
ses jovens lUciaes. (Apolados.) O seu deoodo e
pericia tem sidoluexcedlvei?, e oestt parte nio te-
mos que invejar i nagdes mais civlllsadas, ellas
mesmo ts assigoalado os prodigios praticados
pela nossa joven oQkialidada de manaba.
A|ui es' o protesto mais enrgico, a repulsa
completi desasa in)oria que me pretenden lan^r
o nobre ministro da nnrmba.
Como qu ,t que seja, Sr. presidente, ea nao me
arrepeodo de ter dito a verdade com toda a tran-
quen, de ter apreciado a Miuacao actual tal como
ella Cortamente ella nao pnspera, o governo
mesmo o tem reconbecido muitas vezes pelo orgo
do Sr presidente do conselho.
Eu eotendo o patriotismo deste modo. Sr. presi-
dente, e continnare a usar delle : continuare! a
fallar com esta mesma franqueza, porque entendo
que este patriotismo muito mais precioso, mui-
to mais efOcaz, e o guardo como de muito melhor
quilate do que aquella de que tanto blaonou hon-
tem o nobre ministro da marinba.
Tenno concluido. (Muito bem.)
O Sr. Buarqub reqner o encerramento da dis-
cusso.
u Sr. C Ottoni : -Apolado; devem delxar-nw
debaixo do baoalha'o do elemento servil.
Consultada a cmara, approva o encerramento.
O Sr. C. Ottoni :Hequelro a venfleaso.
O Sr. Horta de Araujj (para o Sr. Ouonij: J
v que passou.
O Sr. C. Ottoni :Eu o sabia ; pedi a veriflea-
cdo, porque era men direito, e para om flm de qae
nao don satisfa^des.
O Sr. Bittbncodrt Sampaio (pela ordem): Sr.
presidente.tendo apresentado ao projecto de crditos
da marinba nma emenda relativa a melboramen-
tos das barras da provincia de Sergipe, e conside-
rando agora que nao e-ta a occasio mais oppor-
luna para tratar de semelbante materia, pego a V.
Exc. que consulte a casa se eonsente que eu a re-
tire, fleando salvo o meo direito de apresenta-la
de novo na 3* discusso do orcameoto da marinba.
Sendo a cmara consaltada, eonsente na retirada
da emenda.
Procodeo-se votacio do art. 1* da proposta,
approvado.
Eaira em dlscussio o art. 2*.
O Sr. Presidente (depois de longa pausa):Se
nio ba quem pega a palavra, voa encerrar a dis-
cusso.
O Se. C Ottoni : Peco a palavra.
O Sr. Pre-idente : Tem a palavra.
O Sr. C. Ottoni levanta-se.)
> Sa. Presidente : -Permita o nobre deputado
ama observado.
Olbando agora para o reiogio da casa, vejo qae
est terminada a bora da primeira parte da ordem
do da ; e assim nao posso mais conceder-lne a
palavra.
Pica, porlaot >, eUa discnssao adiada pela hora, e
passamos segunda parle da ordem do da. (Apoia-
dos.)
Ujia Voz :Ainda fallara olio minutos para ama
bora.
O Sr.Presidkntb:-A'sessao abrio-se bojeal-
gans minutos- antes do meio-dia, e faltara apenas
ijuatro a cinco mioitos.
O Sr. C. Ottoni.:A regra tem sido comegar a
segnnda parle da ordem do dia orna bora da
tarde. Sempre foi este o esiylo da can; ainda
bontem, fallando cinco minles e pretendendo se
passar a segunda parle, reclamoa o Sr. ministro
da jusiiga, a dlscasso coDlinaou, efallaram ainda
tres deputados.
O Sr. Presidente : -Ea nao Uve a tun a de
presidir bontem aos trabalbos da cmara; mar, se
flrmoa esle precedente de se dar a palavra faltan-
do apenas cinco minutos para dar a bora, prece-
dente qae alias nao me parsce ratoavei, tem a pa-
lavra o nobre deputado.
O Sr. C. Ottoni :Peco mesa o favor de man-
darme o projecto em discusso. (O orador sa-
tisfeilOf)
Nesta discusso, e desde o primeiro orador qae
nella tjmou parte, S. Ese- o Sr. presidente....
OSr.'Prisidbntb : PerdSi-me V. Exc.; a dis-
cusao de qae se trata eomeca agora, 6 a do art.
5* i nella ainda nenbam orador tomou parle.
O Sb. C Otdni :V. Exc. nao sabe o qae ea
ia diter.
O Sr. Pusidente : -V. Exc. principiou diieodo:
e serao successivas em todos os dias que
n3o forem domingos, dias santos ou de fes-
ta nacional. O mais como no artigo.
< No art. 57 sejam as palavras at ao
meio dia substituidas pelas at s onze
meas discursos proferidos em diver- horas. A. F. Piuheiro.
Depois de pequeo debate entre os Srs.
Jos Bonifacio, Macedo, Olegario, Horta de
Araujo, Pinheiro, Barros Pimentel, Tavares
Bastos, Arago Mello, C Oitoni e Pe rei-
r da Silva, approvado. todo o parecer
regetadas as emendas dos Srs. Jos Boai-
facia e Pinheiro.
Vem mesa as seguintes declaraces de
voto:
t Declaramos que volamos contra a par-
te que diz estando em termosdo artigo
da reforma do regiment Belfort Duarl
0. II. de Aqaino e Castro J. M. de Mace-
doC.B. Ottoni Tavares BastosDias
da Cruz J. A. ChavesJ. J. Fernandos da
CunbaA. F. Pinheiro A. CastroFeli-
ciodos Santos.
e Declaro que votei contra tolas as re-
formas do regiment hoje adoptadas, pela
cmaraEpaminondas.
t Declaro que votei contra a reforma do
regimentRatisbona.
Declaro que votei contra os artigos
adoptados na sesso de hoje, que limitam o
tempo para o oso da palavra Correa de
Brito.
Declaramos que' votamos contra a emen-
da 5a que limitoa o tempo dentro do qual
deve o orador asar da palavra O. H. de
Aquino e CastroBelfort Duarte Dias da
CruzJ. J. Fernandos da Cauha J. A.
Chaves.
Entra em Ia discuss5o o projecto que ap-
prova os decretos coocedendo privilegios a
Chirles Pradez e Willian F. Jones para em-
pregarem a madeira no fabrico do papel, c
a Jos Botelho de Araujo Carvalho para usar
do kaolim e outras argilas no da lou^a.
Ninguem pedindo a palavra, e indo pro-
ceder-se votacSo, reoonhcce-Se nSo haver
numero legal pelo que o Sr. presidente
declara a discusso encerrada.
Dada a ordem do dia, levanta-se a ses-
so s tres horas e um quarto da tarde".
guem o contesta e todos o tem revelado nes- e NesU l8Cagjao, e desd o p'r.meiro orador que
ia guerra ja 15o procrastinada ; mas O patrio- nella tomn parte. Ora, nesta discos sao, que a
smo, o nobre enlbusiasmo com que foi re
cebida aqui a noticia da affronta qae recebe-
mos do Paraguay, nopodia durar por mui-
to tempo: o enthusiasmo, como todos os
do art. V, ainda niogaem falln. (Apoiados.) Como
, pols, qae o nobre deputado, onvida aquella sua
proposito, pode dixer ao presidente da cmara
que nao sabe o qae est dixendo ?
0 Sr, C. Ottoni :Ea nio disse qae V. Exc.
ram advertidos de qae nai era permitiido debate
ampio de poltica.
Ap-zar, porn, desia advertencia, todos os ora-
dores qae tdm dos, sem except lar o nobre ministro da marinba,
bem qae fosse escasso nesta parle, todos se oceu-
peram de materias polticas ; lodos sem ex?epc,i
se refariram a
sos debates. A'goem diriglo-me offensas pessoaes,
sem a minima observa;*) da mesa, oltocando-me
na imperiosa oecessldade de prol&tir e defender-
me. Reprsduziram-se proposicSes....
O Sr Presidente : Permita V. Exc. observar-
le quenij ple fazer o histrico de ama discos-
sao que j i terminou para se oceapar de responder
ao que se disse.
A' excepgo dos artigos primeiros das proposlas,
todos os mais se discaiem restrictamente, tendo por
base a materia de cada am delles. (Apoiados.)
O Sr. C. Ottoni :Segunda ves se eagana V.
Exc, nio fiz tu blstorico. Nao citei ainda ama
( das proposito >s avanzadas no debate do i* ar-
tigo, eso a urna tal citaco se poder a cbamar o
histrico do debate. V. Exc. ainda nao sabe o que
voa dizer, ama observado pela ordem o que
pretendo offerecer consideraco da cmara; te-
nha V. Exc. am poaco de calma...
O Sr. Presidente :Teobo bastante.
O Sr. C. Ottoni :... apexar de ser a mim qae
se dirige
O Sr. Presidente : A cmara v se a tenho ou
nao. (Apoiados.)
O Sr. C. Ottoni :Para este debate, come;) pe-
la terceira ve/ foi trnido lado o qae ea disse em
outros, respe "\ accasaram-me, e algoem co-
brio-me de4 'es iosalto?, sem soffrer a
mnima advertencia. eram se tambem allusdes
a alguem ausente, por qciem deVo responder, mas
nao se qaer que o faga.
O que, pois, preten lo pedir cmara que em
atteoo s circunstancias especiaos que apootei,
me conceda algnma lioerdade para rosponder ao
qae se disse na discusso do art 1.'
E' esta a, micha qnesto de ordem ; se tanto cas
le a expd-la, devo-o ao Sr. presidente, qae a cada
passo me interrompe, e qae se mostra por demais
iojosto e prevenido contra mim. (Nao apoia I js.)
Sem esta cautela ea nlo encelara a dlscasso
alheia a materia propria do artigo.
Conbecendo asprevenc5*s do Sr. presidente, se-
ria maita Ineptido de mloba parte expdr-me a dar
razo a S. Exc. contra mim.
Pego a cmara que considere que o debate do i*
artigo oceupoa-se qaasi exclusivamente commigo,
qae o proprio Sr. ministro da marinba me deiicjo
boa parte de seu discurso, e parece ter muilo em-
peoho de que eu nao lhe responda: a segunda
vez qne assim procede. Atienda a cmara qie o
eocerramentd ele ha poaco prejadicoa prlaclpal-
mente a mim, c:tn grande satisfazlo do Sr. minis-
tro da marinba. %^_____
E accreoceotando a .lado isto qae se fati de
defesa pessoal, de que sou privado pelas tcticas
do nobre ministro da marinba, reqaeiro a permis-
so de responder aos discursos proferidos na dis-
cusso di> art. I.*
O Sr. Presidente : A cmara sabe, dos esty-
los permutir se, quando se trata do art. 1 de pro-
poslas sementantes, discusso sobre poltica, porm
que tenia relaco com a proposta. (Apoiados.) S>
bre este ponto eu lis observado s para que o pri-
meiro orador que eocet>u esle debate nao se alar-
gare em p iltiea.
O nobre deputado que tem a palavra e ootros
reclamaram contra essas miobas observaedes; en-
tend enio que alguma cousa devia permiliir oeste
sentido; e pouco depois live de relirar-me da casa
sendo suDslituido nesta cadeira pelo Sr. vice-presi-
dente.
Assim, sobre poltica, podia-se fallar restricU-
menle na discus.-o do art. 1* (Apoiados)
Quanto, porm, discusso do art. 2-. devo dizer
qae, se dependesse da vootade e arbitrio do presi-
dente da casa, o nobre deputado lena a faculdade
de discutir polilica. (Muitibem.)
Mas, se eu son aqu o orgo passivo do regimen-
t interno da cmara, e se este regiment determi-
na que as discustdss dos artigos segundos de
quaesjuer propostas do governo nao se ple tra-
tar de ootros assumplos qae Ibes nao digam res-
peito, nao tenbo o direito de dar a palavra ao no-
bre deputado nem a ninguSm para se ocenpar de
quesides polticas ou de outras esl aibas a' mate-
ria sujetla. (Apoiados de lodos os lados da casa.)
PoiUoio, nao posw deuar de indeferir ao nobre
deputado. (Muito bem.)
O Sr. C. Ottoni : -Ue.m; mas, como V. Exc
bouve por bem declarar que se seguisse suas ins-
piracdijs deixava-me liberdade de discusso...
O Sr Presidente :E a qualquer membro da
opposico.
O Sn. C. Ottoni : -... tolere V. Exc, esqae:eodo
por um m memo, se possivel, quem que esi
na tribuna, tolere V. Exc. que eu faga urna pergno-
la : ser-me-ha licit) pedir o vil'di camira para
a permisso qae solicito? A psito em qae me
collocam de lo revoitinte iniqalctade qae a mao-
na nao ba de recasar oavir-me.
O Sr. Pereira de Brito :A cmara nao ple
dispensar ne renimento.
OSr. C Ottoni :A minha pergaota dirigida
a S. Exc. o Sr. presdeme da cmara.
O Sr. Presidente":0 regimenta nao oparmitte.
0 Sr. C. Ottoni :Risigno-me por falta de re>
curso. Uas formulare! outra qaesto mais restric-
ta : tenbo necessidade de pagar minhas dividas
aos personagens alto collocados qae directa ou
indirectimente me provocaram, am dos quaes o
nobre ministro.
Ora, a'gans de meas aponianentis se referem
a's bellezas administrativas qae S. Exc. con bontem Privaodo-me de toda a iscasso polilica,
preseindinio de qualquer resposta a provocages
pessoaes, Ceejo saiente analysar a gestao do no-
bre minislio da marinha, tratar dos servicos para
os quaes se peJe esle crelito. Vlogaro em tudo e
Pqt tudo as tcticas doSr. ministro da marinba, de
modo que sera"impossiv I discaiir os seus actos?
Pergonto, pois, tesiringindo-me acuelles pontos
da adminisira^o da marinba que foram trazidos
para o debate, poderei discutir com alguma liher-
dade ; se a nao na nos debates, melbor trancar a
tribuna. Tolera me esta aiscosso o moderno libe-
ralismo ?
O S. Horta de Abaojo :O regiment e que
a nao tolera.
O Sr. C. Ottoni : -V. Excnio o presidente da
cmara.
O Ss. Horta. de ArauJo :Mis sai o.qae diz o
regiment.
O Sr. C, OrTom :Has en tambem sel que te-
nbo o diie t) oe nao su)eiiar-me i sui deciso.
O Sr. Prxsidbntb : -V. Exc. conhece psrfeita-
le o regimeaio; o regirnut d5> admitie a discus-
so, e o ntbre deputado sabe qae a verdadelra li-
berante aqae la qae s modela pela lei. (Mudos
apoiados.)
O Sa. C Ottoni :-Oh I tenh) hoje ama resig-
nacao de que ea mesmo nio me cria canal i Ain-
da terceira petico muto bunilde. Foi sempre
cosiume, para os requcrimeniosdossabbados.quer
mesmo nos silba tus aot;s da bora, quer nos das
antecedentes, ne.n os deoalados mesa pe lir pre-
fereacia na ioscnp;ao. E como ea nio posso ter
a honra de Ir pdir em particular taes favores,
prevaleco me do fstylo, com a diflerenca de re-
querer da inbuua : peco prefe enca para motivar
um requ -rimenio na sesso de sallado seguale ;
e qaaoio ao art. t para qne disculi-lo.Exm. Sr.
minrstro da marinba, pa-a que di:Cuti-lo se oara
os pontos principaes prevalece a laclica de V. Exc.
qae t^me a loa da discusso 1 Excelientissimo, eu
tere! occaslio de pagar micha divida a V. Etc.
Reqaeiro prefereacia para no sabbado mouvar
ara reqaerimentj._______
O Sr. PRnsiDB.tTi:V. Exc ha de mandar por
escripto o seu requenmento.
O Sr. C Ottoni :V. Exc supp5e qoe eu ped
votacao da cmara, nio senbor ; ped a preferencia
qae V. Etc. pode dar-me na inscripcao.
O Sr. Presidente :-Bem ; tomare em consi-
deraco o pedido do nobre depuialo.
Ninguem mais pedindo a palavra, e pondo-se a
votos o artigo 1; approvado.
A proposla pma a' 3* discusso.
SESSO EM ti DE AGOSTO.
PRESIDENCIA DO SR FAMA. (VICEPRESIDENTE.
A's 11 3/i, teita a chamada, veridca-se
haver numero suflicieute, abre-se a sesso,
sendo lida e approvada a acia da anterior.
O Sr. 2o secretario, servindo de Io, d
corita do seguinte
EXPEDIENTE
Tres bOjcios -do secretario do senado,
transmittindo, por nao ter o mesmo senado
podido dar o seu consentimento, as seguin-
tes proposicoas autorisando o governo : Io,
a transferir para um dos corpos pertenceo-
tes as armas scienti&cas o capito de chal-
lara ligira Diogo Alves Ferraz ; 2o, a fazer
as operacoes de crdito necessarias, dentro
ou fora do Imperio, aQm de obter a quaolia
indispensavel para a constrocc3o da 2* sec-
co da estrada de ferro do Porto das Cai-
xas a Gantagallo ; 3, a auxiliar desde j
com a quantia de 50:00i) por urna s vez
a quem se obrigar a laorjar no rio das Ve
Ihas ou no de S. Francisco um vapor da
forga mnima de vinte cava)los. Inteirada.
Um requermento de Jo5o Jos Luiz Vian-
na, pe Junio ser matriculado na aula de
anatoma, nio podendo fazer acto sem mos-
trar estar approvado em todos os prepara-
torios e as materias de que se cotnpe o
Io anno medico.A' commissSo de instruc-
cio publica.
Outro deJoo Paulo Ferreira Dias Jnior,
pedindo sa matricular no Io anno medico
da escola desta corte, e bem assim mairicu-
lar-se em marco de 186S na aula de anato-
ma do Io anno, nao podendo fazer acto do
Io anno sem mostrar estar approvado em
todos os preparatorios e as materias de que
se compoe o mesmo anno.A' mesma com-
misso.
Outro de Cesaro Pereira Machado, pe-
dindo seguir o curso medico da faculdade
de medicina da corte, fazendo o exame de
anatoma depois dos de preparatorios.A'
mesma commissSo.
Outro do alferes Joaquim Antonio Pi-
nheiro Ferreira, pedindo a revogagio do
art. 6o da lei n. 1,141 de 11 de setembro
de 1841, que determina que os officiaes
transferidos de urna para outra arma sejam
considerados os mais modernos da classe a
que pertencemA' commissio de marinha
e guerra.
L-se, julga-se objecto de deliberaco, e
vai a imprimir para entrar na ordem dos
trabalhos, o seguinte projecto :
t A assembla geral resolve :
t Art. Io Fica creado um -collegio le-
toral no Brejo Grande, provincia da Baha
em o qual votaro os eleilores das fregue-
zias de Nossa Scnhora do Allivio do Brejo
Grande e S. Sebastio do Siocor.
t Art. 2o Revogam-se as disposiejes em
contrario.
Sua das sessSes, 21 de agosto de 1867
Fredenco de AlmeidaSpiuolaSouto.>
L-se, apoia-se e approva-se sem debate,
o seguinte reqaerimento :
Reqaeiro qae pelo ministerio da justiga
se peca ao governo as seguintes informa-
coes :
Dasde que tempo acha-se preso na ci-
dade de Niinerohy o cidadio Eduardo Jenal
e os motivos que determinaran a sua pri-
s5o.
t Sala das sesses, 21 de agosto de 1867.
Lima Duarte.
L-se e vai a imprimir para entrar na or-
dem dos trabalhos as redaccoes ds emen-
das sobre o requenmento, e sobre pensoes
e matrcula de estudantes.
O Sr. Ministro da JusrieA declara quies
as noticias viudas do theairo da guerra.
O Sr. Tavares Bastos reclama sobre a
publicacao dos trabalhos.
PRIME1RA PARTE DA ORDEM DO DIA.
Entra em discusso, e approvado sem
debate, *Pedacgo que foi a imprimir oa ul-
tima sssao sobre a matricula de estudaotes.
Procede-se votaclo do projecto coja I*
discusso flcou encerrada na ultima sesso,
batalho de infama-
ra do exercito Maximiao Rodrigues Nery,
e approvada pela resolaco n. 1,372 de 2<1
d setembro de 18(18, ser paga desde a da-
ti do mesmo decreto.
Eotra em discusso o reqaerimento do
Sr. Loarenco de Albnqudrque, pedindo in-
formales ao governo sobre o numero de
volumtarios e recrulas que viero da provin-
cia das Alagoas durante a administrado do
Sr. Jos Martins Pereira Alencasire, quantos
seguiro para o theatro da guerra, e quantos
foram dispensados do servico, e por que
motivo; a copia das iospecc5es de saude
a que foram snbmeitidas as pracas do ultimo
contingente, viadas da referida provincia,
bem como a copia da correspondencia do
mesmo Sr. Alencastre como governo geral,
relativamente ao cbamamento ao servico da
guarda nacional da Anadia e dos Indios das
diversas aldeas da referida provincia.
O Sr. Espebidio (pela ordem):V. Exc,
sabe, Sr. oresideuie que o nobre depntado
pelo 2. districto das Alagos apresentou o
requermento, ora submettido discusso,
em dia tal que o regiment lbe nao permittia
sostenta-lo nem me dava lugar a impug-
nado.
Nao tendo eu sciencia dos fundamentos
com que o nobre deputado se propoe a mo-
tivar o seu requermento, vejo-me seminen
t embaracado para poder combate-lo. Por
esta razo cedo da palavra, pedindo a V.
Exc. que me inscreva logo depois de nobre
deputado. Assim se observar a ordem natu-
ral do debate: ao libello seguir-se-ha a con
ira: iedade.
O Sr. Louuenco de Albuquerque (pela
ordem):Quando apresentei, Sr. presiden-
te, este requermento, meu fim foi pedir
informages ao governo. Nao pretenda dis-
cutido, nem juigava necessario justiflca-lo.
O que havia eu de dizer ? Pois quem pede
informaces precisa de justificar seu pe-
dido ?
Pensei que o nobre deputado, pedindo a
palavra, tinba em vista adiar meu requen-
mento, de modo que nao fosse votado im-
.m.d.atamente^comaea-ecBtava. visto_que_ ^maiGjW^^^
pareca me nao haver duvida sobre a oppor
tunidade das informages que pedi.
Portanto, se o nobre deputado espera con-
testar as razoas quetenho de proluzir em
sustentaco do meu requermento, descance
S. Exc, porque nao pretendo discutir. A
cmara far o que entender.
O Sr. EsperioiAo :Sr. presidente, eu
nao juigava que o nobre deputado, autor do
requermento em discusso, -se pudesse dis-
pensar de produzr as razoes que teve para
apresenta-lo apreciaco da casa, vista
dos precedentes havidos em relaco aos ne-
gocios das Alagoas, e de proposito que mos-
tra o nobre doputado de provocar a cada mo-
mento e por qualquer motivo um debate so-
bre o estado da mesma provincia. Persua-
dia-me, pelo contrario, que com a apre en-
taco do seu requerimtntoo nobre deputa-
do apenas procurava occasio para articular
fados e deduzir consideraces que servis-
sem para fundamentar as aecusaces j ini-
ciadas as diversas vezes em que tem toma-
do a palavra.
Os pontos de que trata o requermento pa-
recem simples; mas attendendo-se ao que
j se tem dado e ao animo manifestado pelo
nobr.e deputado de manler se na uuidade e
e isolamento que para si creoa, no que res-
peita provincia que representamos, era de
esperar que aproveitasse a opportunidade
que lhe offereci, para desenvolver tode o
seu pensamenio, tan .o mais quanto se quei-
xra por se lhe nao proporcionar occasio
propria para isso. Assim, porm, nao suc-
cedeu.
Sou, portanto, obrigado a oceupar-me
com as resumidas allegaioes fcitas pelo no-
bre deputado quando suslentou as suas in-
terpeltacoes, alim de lhe dar urna resposta
menos incompleta. Demais, me parece que
ha estreita relaco entre o que ento profe-
r o o nobre deputado e a materia do seu re-
qaerimento.
Comiudo real o meu embarace O no-
bro deputado expz to perfuoctoriameole
os factos em que baseou as saas sorpren
denles aecusaces, que vejo-me constituido
na necessidade de nao cingir-me aos pontos
especiaes j enunciados, mas a encetar dis-
cusso ooais ampia do que desejava, na qua
nao pretendo guardar reservas acerca dos
negocios pblicos da minha provincia.
A cmara, reconhecendo o meu embanco,
relevar as lacunas que' infallivelmente en-
contrar as observaces que voa sabmetter
sua considerago.
Sr. presidente, a intenco do nobre dopa-
do est bem patente : S. Exc. trata de ac-
ensar a administraco do ex-presidente das
Alagoas, delegado que foi do governo que
eu e elle sustentamos. E-ta administraco,
que provoca tardamente as iras do nobre
deputado, mereceu a minha approvaco no
complexo dos seas actos e no peusam nto
que a dirigi.
Julgo. pois, cumprir am dever de lealdade
correado em su i defesa; como homem po-
litice nao me dado ficar i npassivel em
presenca de urna aggresso que, revestin-
do-se de carcter pessoal, ataca. ao mesmo
tempo a um agente da autoridade superior,
ao quil prestei no exercicio do seu elevado
cargo o meu apoio e adheso.
O Sa. C. Ottoni :O requermento nada
tem de pessoal.
O Sr. Esperidio :Comoj declarei, nao
me limitarei materia do requermento:
oceupar-me bei tambem do que se tem dito
relativamente s Alagoas.
O Sr. Alencastre foi nomeado pelo minis-
terio de 12 de maio, a quem prestei decidi-
do e franco apoio. Essa nomeago teve a
acquiescencia e approvaco da maioria da
deputaco das Alagoas, com excepeo de um
s deputado, que estiva em opposico ao
gabinete. Dahi eomeca, pois, orna especie
de solidarle Jade entre esta deputaco, de
que ea fazia parte, e a admmistraco do Sr.
Alerxastre.
O presidente nomeado parti para seu
assumpio que devia preoecupar,
como preoecupou a attenclo do novo presi-
dente e dos seus collegas das outras provin-
cias nessa poca ; era o esforco, o empenho
que o governo imperial recommendava aos
seus delegados, afim de reunirecn numero-
sos contingentes que fossem engrossar as fi-
leiras do exercito em operacoes contra o Pa-
raguay, como se tornava necessario, mxime
depois do desastre de Curupaity.
O Sr. Alencastre com afinco procurou
|*eumprir as ordens e decrelos do governo e
fe-lo de modo que em seus adJs se nao po- I
ileo descobrir os menores laivos de espirito
poltico.
O Sr. Ambrosio Machado :Apoiado.
O Sr. Esperidio :Foi feliz no empre-
go de seus esforcos, coroa los de brilbante
resultado ; cooseguio msrao que oa pro-
vincia revivesse o entbusiasmo popular, de-
parando-se entre os guardas nacionaes e
recrulas qoe reaetteu para a corte um gran-
de numero de voluntarios da patria.
Ora, senbores, reconhecendo todo o paiz
a necessidade de habilitar o nosso exercito a
proseguir com efficacia e gloria no.desem-
penbo de sua misso, inconcebivcl que o
procedimento do ex-presidente das Alagoas
provocasse a animadverso de que o nobre
deputado mostra-se hoje possuido. E' na-
tural que eu, filho da provincia das Alagoas,
aparentado com grande parle da sua ppala-
Cao, relacionado com quasi toda ella, vendo
os sacrificios que fazia a bem da causa na-
cional, me condoesse de seus soffrimentos
inevitaveis ; mas nunca oppuz obstculo ao
governo, pelo contrario, dizia a meus amigos
que convinna apoiar a administraco, ao-'. as-
so que manifestava em minhas relaces i "
os Srs. ministros o meu ardente desejo de
que considerassem a provincia como tendo
cumprido seu dever, sem nunca censurar,
nem em tempo algum censurarei os esfor-
Cos que o ex-presidente em execuco das or-
dens do go*erno geral empregou para obter
e enviar avoltados contingentes para o exer-
cito em campanha. E qual foi o apoio com
que o ex-presidente contou neste empenho,
neste trabalbo ? Justamente o dos homens
do meu punido, que seguindo o exemplo
i-'.



rao poderosamente as vistas e a^ cao, da acf
ministraco e do governo geral, porque era-
mos os primeiros a reconbecer a necessi-
dade absoluta, dolorosa mesmo,. que havia
de remeiter novos reforcos em sustentaco
da guerra. Quanto parte puramente ad-
ministrativa, o Sr. Alencastre foi um presi-
dente que correspondeu perfeilamente es-
pectativa que a'sua nomeaco tinha creado,
zelando osdinheiros pblicos, promovendo
us melboramentos materiaes, j coniinuando"
os que estavam iniciados, j iniciando ou-
tros, e por este lado nao ha tambem motivo
algum de censura.
Quando poltica, o Sr. Alencastre foi fiel
interpreto do pensamento do gabinete de
quem foi delegado ; cultivou na provincia o
espirito poltico, mas nao partidario, com
appiauso geral do partido da situco, e to-
lerancia e at benevolencia do partido con-
servador, nico em opposico actualidade,
que all merece a qialificaco de partido po-
liti.o, eaquanto este nao vio dissipadas as
suas esperanzas eleitoraes, que nenhum apoio
tinbam na provincia.
A "poltica da administraco foi larga e es-
coimada de exageracoes e exclusivismo em
todo o processo eleitoral, e tanto que em
muitas parochias tveram os conservadores
grande numero de eleilores, correado a elei-
Co livre. pacifica- e regularmente, quanto
possivel as acluaes circumstancias polticas
do paiz, sem qoe se dessem essas lutas de
despeito pessoal, que graves perigos acar-
retam vida dos partidos, nem protestos at-
tendiveis da parte dos amigos ntimos do no-
bre deputado, que agora se mostra to hos-
til ao Sr. Alencastre.
E para completar essa demonstraco bas-
ta assignalar -o fado de apresentarem-se
candidatos do partido conservador, que nao
tinham disputado as eleiedes primarias, jul-
gando que os elementos que provieram da
tolerancia dos seus adversarios e da absten-
gao do governo no pleito eleitoral Ibes per-
mittiam pretender e esperar diplomas de
deputado por ambos os districlos da pro-
vincia ; foram, porm, mal succedidos, per-1
que incontestavelmeote o partido progres-
sista est em grande maioria. na provincia,
incorrendo mais estas candidaturas impro-
visadas e imprevistas no desagrado dos con-
servadores moderados, que nessa occasio
dram um bello exemplo de lealdade polti-
ca, cojos motivos, alias honroso, sena inop-
portuno mencionar.
A eleico correu de modo lisongeiro para
a civilisaco da provincia, proporcionando
um brilbante triumpho poltica dominante.
O presidente foi nesse caso mero especta-
dor da populandade do partido. As candi-
daturas eram conbecidas e aceitas, e a elei-
co secundaria nao fez mais do que confir-
mar a opioiao geralmente recebida ou ma-
nifestada no seio do partido. Sob este ponto
de vista o pensamento da administraco do
Sr. Alencastre nao pode deixar de merecer
a nossa approvaco, e ea pela minna parte
francamente lh'a dei, applaudindo o resol-
tado da eleico.
Sr. presidente, porque acerca de om ou
outro acto divergimos da opinio do gover-
no, a quem prestamos o nosso apoio, segu-
se logo que devemos fazer cri guerra a
esse governo ?
Greio que nao.
Na intimidade manifeslei ao Sr. Alencas-
tre a minha divergencia do seu modo de
pensar sobre alguns pontos nao essenciaesj,
da administraco ; as nem por isso romp;
em hostilidade contra o delegado do govema'
que apoia va, e julgo que nao possivel es-".
tarmos sempre de inteira eonformidade coat
todas as opinies de outro homem, a quein
nos achamos ligados por am pensamento'
cemmum; do contrario seria irrealisavel a'
idea de partido.
O nobre deputado declarou qae o Sr.
Alencastre tinba perdido a confianca de todos
os homens honestos da provincia....
O Sr. LouRaNco de Albdqderqe :De

V
'.
>-.
.I p.
SEGUNDA PARTE DA ORDEM DO DIA.
misso d? pohciTsobre awS? do reg-' conTe"deQdoTpr?iTegios a Cnares~Pradez 'ria dos seas representantes.
destino depois de ter sabido ao poder o mi- quasi todos os homens de bem; para que
nisterio de 3 de agosto, ao qual tambem a | vem V. Exc. constituir-se orgo de urna
maioria da deputaco das Alagoas conttnuoa falsidade ?
do mesmo modo a apoiar. Foi mais nm laco
entre a administraco da provincia e a* maio-
(Continuar-se-ha.)
TYP. DO DIARIO-RU DAS CRZES N. 44..,
i
L
MUTILADO


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EZ51T79NP_GN8YHK INGEST_TIME 2013-09-04T21:17:43Z PACKAGE AA00011611_11376
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES