Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11372


This item is only available as the following downloads:


Full Text
^BMMM
w '
-_
NMPai
***
ANNO XLUI. NUMERO 215.
_>> 4 .u j
ir
i
~s *
ABA A C-PIT.-L I.IUUK1 OXUJE SE NAO PAA l-.
Pr.h-flsaeiastiiaaU.M.,. I. ........... W000
P ai* ditas i.ea.. .1 .1 .] ,t .,..., ., vi .: 71 .. J2W00
Ti^T^ -J. ul .Sr'TO M "J kt ir, 24(0000
Pon^ui asa idea..
Cala --M>oJo .J .., ? .
# ._. > ..... 2

320
_> ftoatL
QUINTA FEIRA 19 DE SETEMBRO DE 1867.

PABA OEVTH E VOBA DA PBOVKVCIA.
Par tres _-iantadM.. P m W r.'. U7 ..., ,.: .. lV ,.- f#- m .,
Par aeadit.. idea, ir .. .<..........................
Por aoie ditos iden,.................................
Par uiaua ideai.. CT....................... ......
750
180500
241250
27*000

,





tmm^M jm vwMuwn* dd vmomm. m mmm nranna^ a>i _______ a num, tum wmmum*.
IENCARR8GAD08 DA SBSCRIPCAO.
Parahyba.o Sr. Antonio Alexandrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Margo.es da Silva ; Ararat*,
oSr. A. de Lemos Braga; Gear, o Sr. Joaqaim
os de Oiiveira j Para, os Srs. Gerardo Antonio
Alves & Pilhe*; Amazonas, o Sr. Jeronymo da
Costa: Alagoaso .cr. Fran/iqo lavares da Costa;
Dabia, o Sr. Jos Martins Alves; Rio da Janeiro,
o Sr. os Wkeiro Gasparnho.
PARTIDA DOS STAPETAS.
Olinda, Cabo, Escada e eslagoes da vis frrea at
I Agua Preta, todos os das.
Ignarass e Goyanna as segundas e sextas felras.
Santo Antao, Grvala, Beterros, Bonito, Caruar
AliiBbo, Garanhuns, Bulqne, S. Bento, Bom Con-
seibo, Aguas Bellas e Tacarat, as tercas-feiras.
Pao d'Albo, Nararetu, Limoeiro, Brejo, Pesqneira
Igaieira, Flores, Villa Bella, Cabroo, Boa-Vis'
tt, Oarlenry.Salgaeiro e Ex, as guaras eiras
1 Serinhaera, Rio Formos, Tamaodar, oa, Bar-
reiros, Agua Preu e Pimenteiras, as quintas
felras. .
AUDIENCIAS DOS TRIBUNABS DA CAPITAL.
Tribunal do cotnarercio : segundas e quintas.
Relacao : tercas e sbados s 10 horas.
Fazenda : galotas s 10 horas.
Jnlzo do commerc/o : segundas as 11 horas.
Dito de orpbos : tersa sextas a 10 boras.
I Primeira vara do cvei: tercas e sextas ao molo
dia.
Segunda vara do clval : guaras e aabbadea a
1 hora da tarde. *
EPHEMEH|dES DO MEZ DE SETEMBRO
5 Quarto rese, as 8 h. e 39 m. da t.
13 La ebeia as 9 h. e 41 m. da t.
St Qaarto mlng. aos 17 ra. da m.
27 La nova as 8 b. e 50 m. da t.
DAS DA SEMANA.
16 Segnnds. Ss. Coraello e Cyprlano mro.
17 Terca. As Chana de S. Fraocisco de Assis.
18 Quarta. S. Jos de Cnpertioo f., S. Sophia.
il 2amKs- Joario b. m., S. Nilo b. m.
0 Seita. S. Eustaquio m., S. Prisco r.
1 Sabbado. S. Matbeus ap., S. Joas prof.
21 Domingo. S. Maorieio m., S. Saotlno b.
I PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 6 horas e 34 m. da maahaa.
Segunda as 7 boras e 18 minutos di tarar.
PARTIDA DCS VAP^B^S CO5TEIRO8.
Para o sal at Alagoas a 14 e 30; para o norte
at a Granja a i o e 30 de cada mex; para Fae-
nando nos das 14 dos metes Janeiro, margo, maiii
julbo, setembro e novembro.
PARTE OFFIGIAL
OVEHKO DO RISPIDO.
SEDE VACANTE.
O Exm. e Rvm. Sr. internuncio.Apos-
tlico acaba de autorisar o R?m. Sr. conego
governador do bispado em data de 4 do cor-
rente, para dispensar os ora lores constantes
da relajo abaixo transcripta nss impedimen-
tos deafinidade licita em primeiro grao igual
da liona lateral edo secundo grao attiogente
ao primeiro de consauguipidade da linha la-
teral.
Estas peticoes poden ser procuradas na
secretaria do bispado no palacio da Sole-
dade.
LISTA DAS DESPENSAS
Carlos de Freitas Costa Jnior e Francisca
Mara das Chagas.
Jos Rodrigues do Nascimehto e Mara Go-
mes de Oiiveira.
Manoel Goncalves de Mello e Joanna Mara
da Conceico.
Antonio Honorio de Azevedo e Joanna
Baptista de Oiiveira.
IV.irtholomeu do Reg Barros e Neomisia
Alaria da Rocha.
Sebastio Jorge de Pontes e Francolna Ma-
fia da Conceico.
Antonio Vaz Santo e Francisca Maria de
Souza.
Benedicto do Reg Leite e'Getru.es Maria
da Conceico.
Manoel Francisco Bezerra e Joanna Maria
da Conceico.
Francisco Pereira de Oiiveira e Rosa Ma-
fia da Conceico.
Severiano Francisco dos Santos e Ao.a
Maria da Conceico.
Manoel Prudencio dos Santos e Maria Paula
da Conceico.
Joao Joaquim de Sant'Anna e Angelina
Maria da Paixo.
Manoel Filcio da Silva e Francisca Maria
da Conceico.
Ricardo Soares Rapozo da Cmara e Cor-
dolina Tertuliana de Oiiveira. .
Domingos Rapios da Silvaj, Aguida Fran-
cisca dos Santos.
Manoel de Moura Pianno e Alexandra Ma-
ria da Conceico.
Manoel Germano Reg e Mara Anna de S.
Pedro.
Jofquim Francisco de Siqoeira e Mara
Fregenia.
Antonio Barboza da Silva e Isabel Barboza
da Silva.
Antonio G era Ido Gorgonio e Jos Maria
da Conceigo.
Pedro Jacob do Nascmento e Maria Leo-*
ada da Conceico.
* Evaristo Antonio os Santos e Bernardina
Maria.
Salustiano Severiano Ferrar* e Joaquina
Maria da Conceico.
reir Vi ano a, sexagenaria, delxando urna impor-
tante fortuna.
Pedem-nos chamemos a attenco da polica
, parausa celebre joro da almatijarra, existente na
Passagem da Magdalena, onde se junta grande na-'
mero de moloques, que iocammodam a visinhanca.
_ Amanha as 11 horas do dia,harera' Inspec-
no de sade no largo do Livramento, secretarla
do combando das armas.
Realison-se, como annnncimos, ante-hontem
a (esta das Chagas de S.|Franclsco, na ordem lar-
I ceira dessa ijocajao, com a maior pompa e bri-
Ihaotismo possiveis, para o qne- nada poupou a
actual mesa regedera, agradando em geral as re-
formas execntadas quer na Igreja e qur as snas
: dependencias, sobretodo na iilu.minac.io a gat do
claustro e corredores.
A eoncorreacia a noile foi extraordinaria, a pon-
to de so se andar com difflcaldad-), principalmente
no hospital e na igrej velha, oode se achavam
dispostos os diversos andres da procisso de
cima.
Felicitamos por lodos esses melhoramentos, e
pelo gosto e boa ordena que reinon em toda a so
lemnidade, a' actual mesa regedora, qne digna
de encomios.
Dorante o anoo flnancefro de 18661867 fo-
rana exportadas da provincia do Para 196,254 ar-
robas e 16 libras cacao, no valor de i,418:396997
A importaco e exportago da provincia ti-
verana o seguinte movimento no exercicio de 1866
-1867.
Importaco directa. 4,613:2175693
DitaJpor eabotagera 2,483:6S3,Si64
Exp*taco directa. 6,95:7i45ol
Djta por cabatagera 285:2445160
dolado, qne se esiende entre a costa e os plaoal-
tos do interior, cobertos de nevos eternas. Tando
chegado ao Interior, parece-me que poderel'caml
ohar man fcilmente. O mea systemt 0S0 fazer
deposito nenhum no caminho qua seguir, tomar
mais pequea carga e andar o mais rpidamente
possivel.
Os primiros momentos sero gastos em dls-
poti(ois preliminares e em reconhecimentos; de-
pois parltrel por nm mex ou cinco semanas, diri-
gindo-me primeiro ao nordeste, depois ao sal, e
voltarei ao mea ponto de partida pelo Oeste. So
essa excurso nao fdr de lodo sem snecesso, em-
pregarei ontro tanto lampo em ir ao sudeste, e
voltarei a Jaeobsbava por um caminho mais ao
norte.
O resto do tempo, se o hoover, ser emprega-
do em explorar a ilha de Disco estadar os restos
fosseis que se acham em abundancia as saas vi-
sinhancas, principalmente as costas do estreito de
Waygat. Espero partir para a Inglaterra em setem-
bro, estar em mioha casa noflm de outubro, ou o
mais tardar em novembro.
1 O interior da Groenlandia completamente
Iberaponta, ja' mallo encolerlsada, para ama tabo-
lela pregada na parede.
Fibbins olba para o ar e v era cima da porta
ama laboleta com as seguintes palavras : t Aqai
cosem se jamares.
O padelro, que na vespera linha cedido a cas
aos- mtesioarios, e3inecer"a se de levar a taboleta.
' Existe em Araojuez, na Hespanha, nma se-
nbora chaceada D. Clara Ibnez, que completoa 103
annos do dia 12 do orreote. Casou em 6 de se-
tembro de 1791, teve 10 filhos, e anda tem 2 sol-
leiros, unreora 72 e o oatro com 35 annos. Tem
13 oetos, 13 bisnetos, e nio tarda qae teoha tercei-
ros netos. Conserva em pe feita integrdade as
suas faealdades intellectuae*, e ainda ha maito
poaco lempo diriga as opera^Sss de urna vasta of
ricia de carpintera, qua propriedade sua; sendo
seas Albos, netos e bisnetos todos os seas ope-
rarios.
A sua numerosa familia desde qua ella chegou
aos 100 annos, celebra-lbe o anniversario natalicio
com msica, fogos de artificio e ootras festas ana-
logas, como um acootecimento nota val; e ainda
neste anno responda a senbora ibnez com o me-
cemitbbio publico.Obimario do dial*-de !... u___j._ ,
crreme.- ; n Lopes Femandes ao procurador para man-
dar proceder a cobraoca das ditas Sancas
as quantias em que forana arbitradas.
Mar ganda de tal, Petambuco, 30 bnos; soltelra,'
Boa-Visia ; catharrbo pnlmonar.
Angosto, Pernambuao, II anuos, Boa-Vista ; .va-
rilas confluentes,
Thomaz, Pernmbdco, 1 auno. S. Jos ; bexigas.
Gabriel, Pernambaco, 14 anno?, Boa-vista, escra-
vo ; anemia.
Nicacio, frica, 33 annos, escravo, S. Jos; in-
l9te- r,
-Mo
Delphlna Maria da Conce?io, Parnambaco, 32 an-
noa, vlnva, Boa^VJsCa ; dasuteria.
Mara, Peroambued, 9 mezas, Recite: cpnvbSos.
Zeferia Simado da Oiiveira, Peroambuco, 3o an-
uos, tinvo, S. Jos; pneumona.
. Um officio do Sr. vereador Feliciano Joa-
quim dos Santo?, communicando que por
ocommodo nao podia comparecer a sesso
de boje.Ioteirada.
Outro do Dr. juiz de orpbos e auzentes
deste termo, Francisco de Carvalho Soares
Brando, communicando acbar-se no exerci-

1
..
co do mesmo cargo 4esde o dia 8 do cor-
rente Inteirada.
Outro do contador, ioformafido contra o
que expoz Marcelino Jos Lopes, em sua pe-
desconhecdo, e nunca se fez nara all nenhama or desembarazo a quem Ihe dava parabens:
.._....__.i.,. J._______-_ .T .___._____.: Cri..- r>-. .1___-.! -., II. n
PERNAMBUCO
REVISTA DIARIA.
Foi prorogade por 3 mezes o praso concedido
para a apre$entaeo de sen titnlo, ao escrivSo in-
terino do arsenal de guerra LoarencoiSones Cam-
pello.
Foi igualmente prorogado por 3 mezes o pra-
so concedido para a presentagao de sna carta, ao
juiz municipal de Oarlcary bichare! Carlos Fran-
cisco Soares de Brito.
Seguem hoje para o Rio de Janeiro, a bordo
do vapor americano Vixen, 160 passageiros a 2 tri-
luanles da barca nespanbola Isabel, que dea a'
costa na ilba da Fernando. Durante sna demora
ntre nos, portaram-se bem esses subditos bespa-
nbes.
Fallecen bontem a Sr. D. Joaquina Mara Pe-
A differenca entre a importaco e exportaco di-
rectas de 2,339:3i65S38. -' .
Ba portos estraogairos entraram no da capi-
tal 17iembarcaco8<, no anno de 18661867, com
49,964 1/2 toneladas e 2,980 tripolantes, sendo 43
barcas, 35 brigaes, 29 hiates, 26 patachos, 12 es-
cunas, 1 Ingre e 26 vapores ; dos quaes 8 brasi-
iairas, 63 inglezas, 30 americanas, 26 francezas,
23 portugaezas, 4 prussianas, 3 rassas, 3 boliande-
zas, 3 alpamarqaezas, 3 banoverianas, 2 bambar-
gazas, 2 bolsteinezas, 1 noraeguense.
Sabiram para os portos estrangeiros 176 embar
cacots com 31,509 toneladas e 3,007 tripolantes,
sendo 46 barcas, 36 brigne?, 32 hiates, 23 patachos,
11 escunas, 1 logre e 27 vapores ; dos quaes 12
brasileiras, 61 ingieras, 29 americanas, 27 pnrtu-
gnezas, 26 fraocezas, 5 hollandezas, 3 dinamarque-
xas, 3 rassas, 3 haooverianas, 2 prussianas, 2 tiols
ternezas, 2 hambarguazas e 1 noraeguense.
Na provincia do Pata existem.actualmente
97 escolas pnblicas do ensino primario, sendo 73
para meninos e 24 para meninas,, as quaes foram
freqnntadas o anno passado por 4,176 alumnos.
Alm dessas existem mais 32 particulares para
ambos os sexos, que tiveram 40! alumnos, no mes
rao tempe-"
< Aba-se dividida em 8 comarcas a provincia
do Para, 16 delegadas e 8i suijdeJegacias de po-
lica.
Ao palacio da Soobisse, em Vs, abrio-se
ama ezposico de maauserlptos amigos, qae o la-
rece octavis particlaridades. Urna dallas qae
na idade mla era mais bella a escripta manual
qne na actualidad. As cartas, leis e ordenanzas
dos scalos Xll, XIII eXlV sao to legiveis como
se estivessem em caracteres de impreoaa.
A tinta maito melhor do qaa a qae agora se
asa, e est to preta como se acbasse de empre-
gar-se.
O govarno russo acaba de conceder antorisa-
gai a um compaohia iogleza para estabelecer
atravez da Russia um lelegrapbo destinado a unir
a Gra-Breanba com as snas possesses da India.
A liaba atravessar a Prassia, passando par Te
hcr.m. As despezas do construccao calcalam-se em
2,070 contos de ris.
A seguinte carta da Wymper, sabio muito
conhecido pelas suas arriscadas ascencoes aos pi-
cos mais elevados dos Alpes, e que vai explorar o
Interior da Groenlandia e as rgi5os leste e norte
desse paiz, que so ainda desconbaeldas dos geo-
grapbos e dos naturalistas :
t Desembarcare! no peqaeno estabeleclm?nlo
dlnamarqoez de Jacobshawn (no parllelo 69*). Es-
se sitio ser o mea qaartel. Estabelecerei ahi um
deposito, e farei delta o ponto de partida de todas
as tninhas espedirles. Escolbi-o para ponto de
partida, porque ba abi, mais do que em ootra
qualqaer parte, mais facllidade de eommanicacj5es
com os outros esiabelecimentos, e tambem porque
tenho algnma razo para crer que as probabilida-
des de entrar no Interior sao maiores partindo dss-
se estabeleclmento do que de outro qualquer ponto
da visinhanca.
< Tenho teneSo de viajar com um par de caes.
Mas espero encontrar conslderaveis difflculdades
para os dirigir no paiz agreste, raonunooso e on-
FOLHETIM
D. BRANCA DE IANZA
REGORDAQ0ES DA CORTE DE FELIPPE II
Romance historie original
Por E. Fetjo de Mendoza.
PARTE I
Kcdemp^io por amor
LIVRO II
.W*w*p
-t DOOS FAVORITOS.
CAPITULO X.
Seis cartas.
(Continuaco do n. 214.)
T8HCEIR\ C\RTA.
< Noste momento recebo a rossa ultjma
caria, e oelia leio'uma e mil vezes as adver-
tencias que me fazeis e o twnor qae mos-
tris de que n5o siga' o bom caminho qae
o vosso amor me designa. Nao, nao, aojo
de bondade ; tende completa con&anca na
minha conversSo, que sincera, devida ao
carinboqae tendes sabido inspirar-me e
tsperanca de vos chamar algum dia miaba
aos ps do altar.
< Hoje conseguiste um novo triumpho,
porque n5o sabis qae de terrivel foi o com-
bate qae sustentei. Eacotai, Branca, es-
cotai. _____
Qaado en estava mais descuidado on-
trn o mea gabinete um borneo, rodeado
de cavalleiros itropt. e me disse qae era
o daqae de Alba. TS5o sei porque, o as-
pecto destu nobre desgostou-me causatjdo-
, me repugnancia. Talvez que aislo infiflH
a bornyel fama que o rodeia, mas apee
tentativa seria de ezploracao. As duas on tres fei
tas ftur dinarquezes, ha algum tempo, nao encon-
traran! nenhuma das grandes difficnldades qae
eram esperadas, visto o poaco tempo que eltes
Ibes consagraran! e os meios defeituosos (le que se
serviraiii. Odoutor Kayer, em mais,do que ama
circumstancia, foi perfeitamenle feliz,"e'p5Je por
vezes andar 33 a 40 milbas por da.
NJ&Tia portanto aenboma razio para se sup-
por qne no interior da Groenlandia se preseniem
ao viajante diflkuldades extraordinarias. Pelo con-
trario, ha boas razoes para se crer que atguma
cousa melhor do qae um vasto e horrlvel deserto
de gelo e de nev.
Nao sao s boato?, oa tradicgSas confusas con-
servadas entre os groenlandezes qae me fazera
crer qae o interior um paiz frtil em vegetaes.
Mas o que mais certeza me di de que asslm ser,
sao os ihnameraveia rebanhos de rangiters qna
veera em -certas pocas visitar as costas, e qua ,se
retiram sempre para o Interior, onde nao sao se-
guidos pelos cacadbres. Esses rebanhos sao tama-
nhos e tantos, que necessanamente catecem de re-
giSes ricas, abundantes em pastos. Nao sj pude
crer, como pensa multa gente, que o interior da
Groenlandia seja rido, incali estril em graaae
extenso.
< A invencivel repugnancia dos groenlandezes
para viajaren) sobre a nave tem sido ate hoja a
causa provavel do ponco conbecimento qna temos
do interiondo paiz. Giles cram sinceramente, se-
gundo nao sei qae tradicedes, que do outro lado'
da cordilbeira que se asteada at ao estreito.de
Davis, vive nm povo setvagem, cannibai -Tambem
imaginam qae ha la nm animal terrivel, feroz, que
elles chamaraamarok, mas que nunca nin-
guem vio. Porm a sna grande averso a viageas
sobre a nev procede mais 'dos grandes pafisros
qae nellas se correm,*e do medo dos boqaeirbes
qae a nev encobre, e nos quaes recaiam cahlr.
Osmethodisias ambulantes rogfezsiinda con-
servara a simplicidade dos amigos patrUrcbas. ,
Percorrem as aldelas sem dez ris no bolso e to> d0_dia 18 de setembro.
mam pousada em easa da qualquer 1 irrnS ero
Cbristo que os r.eceba de bracos abertos. Posto j
qaa ja' nao haja conventos onde estes irmas men-
dicantes pjsaui ser recolbidos, nunca deixam de
encontrar as casas onde se hospedara- boa ceia,
boa cama, etc.
O Rvd. Fibbins, conhecido de todos os methb-
distas. Percorre a Inglaterra mais como trinra-
phador do que como sacerdote. \
Ha doucos das -chegoa com Hre* companheiros
a Cronam, no paiz de Galles, onde um b'emfejtor
Ibes den urna casa para passarem a note.
No di saguime pela mannia cedo onve:se bater
a' porta e visinho* apoz vlsiu&os trazem gigantes-
cos pratos da viandas.
Fibbins lirnpa urna lagrima furtiva vendo os pre-
sentes qae lhes*iraz*m os boos vjsinbos. Manda
cosinhar aqaelles peliscos e senu-se a' mesa com
os seus tres compaobeiros. Os pratos eram nu-
mrosos, mas os mlsstonarios teta o apetite que da'
urna consciancia 11 rapa e o despreso dos bons ter-
renos.
A* sobremesa ouve-se nm pan I pan I na porta da
ro. e nm murmurio de muitas vozes.
O Rvd. levanta-ae da mesa um poaco entejado e
vai abrir a porta.
Boa mulher, dlz^lle a" primeira com qae da'
da cara, para qae faz tanto barulho diante da mi-
nha porta a esta hora do Aia ?
Pra que?...venbobuscar a minha carne.
Qae carne?
A mnlher olha para o Rvd. com certa descoa-
Qanca.
c O senhor quer zombar comigo? perganta a
interpeliada. Vmc. nao padeiro?
* Padeiro I
c Ento o qaa significa esta laboleta ? E a mu-
ludo isto, r'ecebi-o com estremada delica-
deza Pedio-me noticias do perverso Cor-
sario Negro, a quem linha ordem de pren-
der e levar a Madrid ; mas como o Corsario
era um cobarde (s3o as suasespressjes),,
e nao se atreva a apresentar-se na sna pre-
senta, por isso o queria sorprender.
Confesso-vos que me custon trabalho o con-
ter-me, e n5o ensinar quelle soberbo du-
que o qoe valle o Corsario N;gro : mas fe-
lizmente a vossa recordarlo salvou-tae, por
isso que n5o queria ser preso para vs. evi-
tar tal desgosto. Contive-me, pois, e dei-
Ihe urnas nolicias falsas da minha pessoa,
com o que ficou maito satisfeito. e, e ra-
tirou.
t Ficando s, recordi as fetenes daqoelle
hornera, e me inspir&ram -tim odio instinc-
liy, pm desses sentimentos que nos_ccom-
mettem quando vemos ura animal flroz que
pode causar-nos darano, e nisto nao inffaio
o vir prender-me, porque a mesma miss3o
trazia vosso irmo e jamis o odiei. O hor-
ror que o duque me iospirou um' proseo-
timent de que me ha de causar algama es-
pantosa desgraca, e por isso a miaba alma
o repelle.
Vou marchar. De Franca vos escrev-
rei. Amai-me muito, pois que bem o qe-
cessila o infelizFernando.
QARTA CARTA.
Ha oito dias qae cheguei a esta, minha
amada, sendo recebido pelo duque de Guise
com a mais bondosa indulgencia adectuo-
sa amabilidade. Mais qae um soldado ou
capit3o. Son o eu melhor amigo e hos-
pede, e elle mesmo me acompanbou a ver o
mais nolavel que em si encerra P^ris, e de-
poii de me apreseatar-- ao re'> fez ao do-
mis principes, de quem. como j sabis,
prximo prente. Ob/j Rranca adorada...
parece qu^tesde qoi$$fa em Franca me
t?o lgubremente angustiosas; a esperanca
de alcancar a minha bem amada me susten-
ta,' e me dar atento na vida nova qoe vou
emprehender. O duque me disse que n3o
podia ctiamar-me^nej p Corsario Negra
nem Femando smente, elle com beoe-
vola amizade poz na nomeaco que-por sen
intermedio me deu o rei Heorique 111 de
coronel das suasfyiardaj, Fernando de Na-1
poles, e como ta4 sou conhecido em Pars.
Gradas a Deus, que chegoei aos 105; paca-lhe
que me conceda, outro anno ou os qae forera da
soa vootade.
Gonta o Internacional que um agente de po-
lica iogleza atravessava, em um dos ltimos do-
mingos, o caminho de Hiverstock Hill, quaado vio
a pequea distancia dous homens acocoradas sobre
urna pared. O mais alto, corpmiil de sais ps de
altnra, tioba mellido a cabera em um n corredio,
e, antes que o agenta de polica livasse lempo de
dar ura grito, o outro bavia atirado abaixo o sea
cantarada.
U polica saitou ao jardim jastamenle no momen-
to em Que o homem alio caba pesadamente no
chao: o n corradlo acabava do ceder. Ple agar-
rar o mlfeitor e disse-lhe que e seguida a' estarlo
policial. Entretanto, o enforcalo levaotou-s e
cabio d&- improviso sobre o fuoceionario publico,
mimosando-o com marros. Acadiram muitas pes-
soas a com auxilio dellas poda o pocia levar os
-seus dous presos para Himpstead, onde espsram o
sea jalKmento.
Expliqne-se o ficto:
Os dous bornea*, que eram irlandezes, instigados
pele demonio do iogo, linham-so escondido atraz
de urna parede para jogarem crozes ou caobo.
Un delle, o maisbaixo, perdea primeiro o dlnbei
ro qae Ulna e depois o tacto.
. Bem I -dtaip.elle Decida o j'go qual de
nos enforcara' o outro.
O mafs alto aceltoo, a sorte mudou e o mais bal--
xo- ganbbn. Ento trepam ambos a' parede, um
para se daiur enforcar e o outro para apenar o
laco. .. :
Alguem perguotou ao ex-eoforcado:
Se ^oc tivesse ganhado qae fatia?
i-^ Ora'essa I... Enforcaa o meo camarada I
' O agente Martins faz boje -leilao de cabos,
Vellas, vergas, correales, ancoras, botes e mais
percances salvados da barca haspanbola Isabel, en-
calbada-na ilha de Fernando.
rW.VB.TigA<5 da polica. Exu-aeto da parte
Foraju re/olbidos a casa de detengio no dia 17
do correte :
A*nnlera do ttlnj. Sr. Dr. chefe da polia, Joao
SoVes da Silva e Bellarmino Jo.- Pereira dos San-
tos, vlndos do termo de Cimbres, como sentencia-
dos. A ordem do Dr. delegado da capital, Alexan-
dra la Costa Silveira.paraaveriguagOes eaterime
de roubo. A ordem do subdelegado de Samo An-
toaio, Aatonio Alves de Oiiveira, para recota; i-,
coh, escravo do Dr. Nabor Ciro uro Bezerra 6aval--
cante, a requeriraenlo do proearador deste.
O ebefe da -* seccao,
J. G. de esquila.
Hoje tera' lugar o leilao dos objectos salva-
dos da barca bespanhola Isabel, que por engao
hontem declarou o Diario ser para o da 29, quan-
do devia ser 19.
Casa db dbtrncao. Mvimeto da casa de
detenao do dia (7 do correte : : 'i ; .. .
ExistKim presos 295 ; enifaram 3 ; sahiram 3 ;
exjstem 295 ; a saber": nacionaes 205 ; mulheres
f; estrangeiros 3i ; mulher 1 ; escrvos 49 es-
cravas 3 ; -total 298.
Alimentados a cunta dos cofres pblicos 200.
J_oyImento da enfermara do dia 18.Tiveram
aTirc :
Ant nio Gomes dos Santos.
Jos Bernardo da Silva.


Lotera. A que se acba venda
a 38a a beneficio das familias d'is volunta-
rios da patria, que corre depois d'amanhaa.
Passagelro do vapor nacional Mamanguape,
vindo do Rio-'Formoso : Firmioo Gandido de Fi-
gueire-o. -
Passageiros da barca bespauhola Isabel nau-
fragada oa ilha de Fernando: 149.
sinto mais animado ; as minhas ideas nlo sao \togaoca. Ah I qualquer, que adopte sem-
pre ser como de emprestimo, pois desgra-
adamente ignoro qual e oque me pertence.
Oh pode haver nada mais triste do que
nao temme, nao saber a.quem se deveo
ser ? Branca... seom.bomem me dissesse
-au sou leu p \! servira de joeluos,
ainda que elle peftencesse classe mais
baixa da sociedade; Mas nao, n3o ; um
presep'imento me diz que vos n3o desmere-
co, que corre pelas minhas veias um'san-
a Espero cotri impaciencia as vossas car-!gue tfjo nobre como o vosso, e que talvez
algum dja tima cor 1 de conde ou duque
cioja a minha fronte."" E san.o fr assim ;
se jamis poder saber quem sao raeus pais,
a |posie5b eleva-
tas, ara adiantar mais mando Pietro v
OTyonf_para que.m*as traga.
F,azem-se aqui com actividade.osipre-
rAorBar-vos_ dilosa.
tkieas, anim.i-rae-
pagar:vos
a miaba
'dedjsa-
Joao Facundo de Atbuquerqae s. Thlago, Pernam-' ticlo ao Exm. presidente da provinia.
Sa17 *Bnw' S0,,9ir-' 8*D, AQtooio"; bery--Que seinformasse a presidencia com copias
Dr. Manoel Cassiano de Ollfei/a I^do, PrMmbu-'''*'}6 officio' e do de 6 de unQ0 -ltn0.
co,j4 anno?, soiteire, s. Jts ; apopiexia fuimt-! Outro do ngenh'eiro coEdeador, informan-
r UAiV'* 'do sobre requerimento de. Maria Joaquina
fLK m,n d Evirit0 S_Dt0* PerD?mbnc,)'33 i Vianna, diz que nada ha que oppor a pre-
annos, vmvo, Boa-Vista ; ph ysica pu monar. .,,. j.. niinnnu -_. l
Cosme Antonio Furtado, Pernarabur,., 37 annos eDCao ,da piticionana, se fizer em Sa Casa
soiteiro, Boa-Vista; congesto cerebral. ja rua de s- Francisco; os melhoramnlos de
Faustino de Barros Falco, Pernambuco, 20 annos,' que a raesma precisa, taes como collocar
soiteiro, Boa Vista; mbercuios pulmonares. caixilhos na frente, aros, e peitoril as ja-
nellas do o_o._oncedeu-se.
Mara Francisca da Goacaigao, Peroambuco, 5t
annos, solleira, Boa-Vista ; phtysica pulmonar.
Clara Maniz d Carvalho, Pernambuco, 21 annos,
casada, Boa-Vista.: tubrculos pulmonares.
Joanna Baptista da Conceico, Peruarobnco, 2_ an-
uos, solteira, Recife ; tubrculos pulmonares.
Angela, Parnambuco, 2 annos, Boa-Vista ; con-
valsSes.
Rita, Peroambuco, 12 anuos, Boa-Vista; cmaras
de saogne.
Manoel, Parnambuco, 8 mases, escravo, Boa-Vista;
coovnlsdes.
Francisca, tMfuaibuco, 40 airaos, essrava, S.
Jos ; bexigas. ",
Pedro, frica, 50 annos, escravo, Boa-Vista; ana-
zarca.
CMARA HUKIC1PAL DO KECIFE.
SESS.-yO EXTRAORDINARIA AOS 10 DE JLHO
DE 1867.
PRESIDENCIA DO SR. PEREIRA SIMOES.
Presentes os Srs. Aquino Fonceca, Gus-
tavo, do Reg, Dr. Miranda, e Dr. Pitanga,
faltando com causa o Sr. Santos, abrise a
sesso, e foi lida e approvada a acta da an-
tecedente. O Sr. Dr. Miranda pede a pa-
lavra, e sendo-lhe concedida, justifica a falta
que den deixaado de comparecer a sesso
de 3 do correte, e attendido.
Leu-se o seguinte expediente :
Um officio do Exm. presidente da pro-
vincia.de 9 do correte, em resposta ao de 3
do mesmo, que Ihe dirigi a cmara, sob
n. 37, declara que approva a deberac3o
qrre tomn a dita cmara, de arrendar
Francisco Antonio de Mello, por tres annos
e pela quantia de 4005, o espago que ainda
se acha devoluto do lado do sul da Ribeira
da fregnezia de S. Jos.Que se fizesse o
te.rmo de contracto.
Outro do juiz de paz, Io votado da fre-
guezia do Puco da Panella Aristides Duarte
Garneiro da Cuoha Gama, com despacho da
presidencia, mandando informar, em cujo
officio representa o juiz de paz que o escri-
vo daquelle juizo, Joao Nepoinuceno Ribei-
ro, proposto por um de seus aotecessores,
foi approvado e juramentado pela cmara
municipal desla cidade, em 15 de outubro
de 1856, mais nao soltctlou o respectivo ti-
tulo.
Consulta a S. Exc. se deve consentir que
contine a servir assim, ou se considerando
caduca a sua nomeaco, nos termos do aviso
n. 175 de 9 de outubro de 1854, deve pro-
por quem o substitua, de conformidade com
o disposto no artigo 19 do regulamento n.
120 de 31 de Janeiro de 1842.A commis-
sHo de polica.
Tres cartas de participado do Dr. juiz de
direito da Ia vara Joo Antonio de Araujo
Freitas Henriques, declarando, a cmara te-
rem quebrado a flanea Manoel Jos da Silva
Grillo, Jos Lopes Machado, e Ignacio de S
Fernando.
i_

mu
Rtrativos de guerra cootpa olbo"de Soli-'e^Sne coquistarei _'ip-
tno. o magnfico ^.med-Barba-Roxai o 'da? honrosa,
aspecto oexercito rrSo pode ser mais bri-.'*'-* ys, cm um nobre e digno coracSo,
lhanto. Commanda-lo-ha o da;}ue de-Quise nSo.auvidae amar com- toda a effosfo da1
eomo generatissimo e seus irinaos os du!Vqtea alm pura o homem cuja cabeca esta-
ques de Mayena e de. Lorena.irSo como g% tfposta a prerp." Oh! Como
neraes s soai ordens, bem como o cohde ^o sblifeiabDegacao ? Com
de Luxembourgo,,Castillon.eMougmorena ; ^ihteifaT qne consagrare! ego
emfim, JBranca, o mais distinCto da nobreaa ^
deFranc1. E'rj__a guerra puramente de
religio, e o suoamo ponttSce conedeu aos
officiaes ujuitas proeminencias e indulgencie
plenaria aos que morrerem. O distinatiT
'consiste em urna banda de seda rxa com
urna crnz.trtnca' bordada. Esta banfta t^ft?
ge-se ao peito, atravessando desie 9 aoJSi
bro direito cintura. ;
* Eu, gracas S bopdade do duque
Guise, commando m corpode jbvens gi
das, que todos pertencem sprimeiras
n_ilias.de Gascnoba. Nenhum delle pa.
dps vinte e cinco annos, nem tem manos._
vinte... Oh I Branca, BrarjBa,rjijrQ peio(nloHqflecido j>.ye|nq lobo.dos combates.e
vosso amor que eu morrerei 'ou,r) noflitdojie esta submisso vxisios, ps onde o re-
D. Fernando de aples rae ha de"fa'_8rrri_ais'! tendes com ambiciosa galantera. Se isto
celebre para o servico dn religio o.gaY-.j fos cefto, correra a Hespanha e o matarla,
de Corsario Negro me tornou pari^WWrbt entrejapio-me depois a Felippe U.
m
OUINU-AHTf" I! '
' i Jfc
Por algom* cousa
detes-
tava'ou o duque de-AlW^..
perverso'yelboatreve-sea,
blicanctsii'mqr,? QbJ
n;n-um.vlelo, $
qoB^esse
_'e a pa-
to.;'cabeca
jfronle es-
fei uto que alo, recebo em urna car-
3 vossa. Que se'passa ?_;' Meo Deas I
t Diz-se aqui publicamente que tendes

Ah I os meus presenlimenlos nao me
enganam nunca. Por alguma cousa repellia
o meu coraco o duque... Nscio que fui!
Porque o nao matei m Sorrento' quando
se atrveu a insultar-me ? Ao menos nao
soffreria neste momento os tormentos que
padecoFernando.
SEXTA .CARTA,
,c Anjo.-deluz I perdoai-me, porque os
zloatne enlouqueceram. Oh leslivelouco
algumashoras... Quanto soffri I
Feste momento acaba Pielro de me
entregar as vossas cartas e o fiel servo chora
de alegra ao referir-me que foi a Madrid
para vos ver, e que vos achou to amante
como sempre para com este villo que nao
duvidou oQender-vos com injustas suspeitas.
J sabis que o mea genio violento
unido s duvidas borriveis que me martyri-
savam, me" flzeram desusar... Prdoai-
me urna e mil vezes as minhas infamas pa-
lavras, e nao me castiguis com o voss si-
lencio I Lembrai-vos que quando vos co-
nbeci estava 6nbmerao.jta desesperaco da
vinganca, e que vos fosteis a minha redemp-
OSO} a minha salvadora; pelo que vos pro-
fessoommor to phjenetico, que um
culto idolatra:.sois para mim, amor, pais,
familia,' prometda esposa, e por ultimo, a
minha religio, o mea. Deus. ^Por vsvol-
tei virtude, e por vos creio na grandeza
da Providencia. '.. ui 9 n
' t Julgai, pois, qual nao sera o meu
soffrimento pensndo'qae poderteis etaganar-
rae. Por isso a flor me tez de'svairar; e nao
duvidets, nao, meo amorj que a serem cer-
tas as miabas suspeitas, me tena dado a
.morte.
! < Urna e mil vezes beijai a
enviaste, bordada pelas vossas
Oh I como poderei pagar-vi
Outro do mesmo, declarando que os re-
paros que reconheceu serem mais necessa-
rios na pontezinba do Lucca, alm dos que
foram feitos por Bento Joaquim Gomes, s
se flzeram patentes depois que dita ponte-
zinba foi dismancbada, nao ordenando logo
a collocaco delles por ver que importavam
em quantia jjcresctda, cuja despeza era mais
regular que fosse pela oamara autorizada.
Para oxecucao dos novos. reparos smeote
a execugo da linha exige que se removam
as estevas novas e velbas, mais como ellas
naoso pregadas, isto muito fcil de fa-
zer-se.Posto em discusso, e achando se
prsenle o arrematante dos primiros con-
certos, a cmara resolveu incombi-lo destes
outros, na importancia doorcamento,e tendo
o mesmo acceilado, mandn se fazer o ter-
mo de contrato.
Outro do mesmo, informando sobre o que
e-poe Joo'Ferreira Yillela, na replica que
cmara derige, diz que quando marcou as
casas da ruado Cabug ns. 8,10e 12 para
pelo nivelamento debas o peticionario regu-
lar o das soleiras que pretende collocar as
portas do oito da sua casa, que tambem
urna segunda frente, pois que deita para ou-
tra rua, foi porque o peticionario declarou-
Ibe que era sua intenso levantar mais tarde
essa parte do sen predio, ejjnto pareceu-
lbe conveniente dar logo o nivelamento que
para o fulurodeve ter, mas como o mesmo
peticionario reclama, pedindo para conser-
var o nivelamento em que eslo as soleiras,
que vo ser substituidas, nenhum inconve-
niente ha que prejudique ao puolico.Con-
cedeu-se.
Outro do mesmo, informando sobre o que
Ihe foi "Ordenado por despacho laucado no
reqoeriment') de Heurique de Oiiveira, tem
adizer que se decUrou m sua informaco
dada acerca do requerimento em queslo,
que o terreno do peticionario teado apenas
26 palmos de largura, como elle proprio con-
fessa, nlo permittia que ahi se levantasse re-
gularmente urna casa com tresporlas, foi
porque a cmara antecessora desta, querendo
evitar os abusos que se davam, determinara
que as casas que tivessem menos de 30 pal-
mos de frente,' nao se abriss_m mais de duas
portas, pois*que smente assim baveria en-
tre ellas os claros sufficientes, o que nao te-
ria lugar abrindo-se tres.Com effeilo de-
vendo ter cada porta seis palmos de vo pe-
la parte de lora tendo geralmente de sete
a oito pela parle de dentro, as tres portas
viro oceupar um espace de perto de 24
palmos; e tendo o terreno26 palmos, rica-
ram apenas dous para os claros do meio, e
/ l

vores, meu anjo I com o sangue todo das
minhas veias, e ainda seria poco, muito
pouco.
Tudo est j disposto, e o duque de
Guise disse-me que me preparasse para
marchar... Ah morro com desejosde
vos ver... Se!nao fOra por vos desobe-
decer, correra a Madrid afim de me des-
pedir de vos, porque, quem sabe quando
vos tornarei a ver 1
< Partirej para longe, muito longe, a
conquistar urna posico para vos... Oh!
quem me dera um tiirono para vos offare-
cer, minha amada I Que bem estara urna
cora de rainba sobre essa fronte majes-
tosa !
Nao sei o que digo ; mas possa eu dar-
vos um nome esclarecido pelo meu valor e
pelas minhas facanhas. O ser esposa de um
hroe deve lisongear tanto urna mulher co-
mo t se-lo de um rei.
* Ob / quanto agradecido est o meu co-
raco para com vosco, .que me "tiraste do
abysino em que me acbava prximo I S o
amor era capaz de to nobre redempeo ;
s a alma de umaialher como vos podia
interessar-me, admirar-me e logo enamorar-
me com a mais exaltada paixo, com o mais
pbPnetico delirio, com o arrebatamento
grande e immenso que sinto. O. meu cora-
co vos idolatra taDto, qne bl momentos
em que ultrapassa a soa medida: ogm-
no as emocoes que sent, -A minba alma,
comprimida pela .vinganca fot engrandecida
pelo vosso amor, e u vos bemdigo. Fe,-
nando. .
Branca eu duas ou tres vezes cada urna
defitas cartas, fl concluiodo, apoioa a-cabca
s nfios e derramon: amargas e aboodantes
lagrimas.
%



-
j -*
h
[Continuar se-ha.)
L

, - 4

mm


/ihV.iVi
nim* n< f lutr'i.:

a
n
dos cantos.Posto em dscussJo, e Miando
sobre a materia os Srs. Gustaro do Reg,
Dr. Pitanga -e Dr. Miranda, daspacbou-se a
peticu, mandaode-se dar cordiacao.ivjm-
parece o Sr. venador Pinto.
O Illnu, Sr. Pfijolo Otte Biber*.
brtf K****tklmco 1^1.44 felirax 10 de Setembro de 1867.
3^
A casa Lamoureui e Gendrot cowegaio' irawwto acc5e$para irem sendo annulla-1 aprredrem-ro prepostis na sala doeonsetno, as
meto
Iluta, e Exma, Sra. D. Ubania Emilia da
. iConceicSflAJboQBerQue ....
Outro officio do mesmo engenhire, }n,t)r-| Joiza bemfeitora
mando como'.he foi ordenado, o estado em Illma. e Exma. Sra. D. TOomSzia UmfeeB-
qoe se acham as obras mandadas faer no
Matadowo Publico.Inteirada.
Ootro do fiscal da freguena de Santo An-
tonio, iaformaodo n5o hayer enconveoiente
em conceder-se que Jeronima Mara da Con-
ceico d por meio de am cano que com-
munique ao aquedueto municipal, esgoto as
aguas pluviaes do quintal de sua casa n. 7
da ra das Flores.Concedeu-se a Hcenca.
sendo obrigada a petiiionaria a collocar urna
grade d ferro na communicacSo de um ca-
no para outro Foi approvado ura parecer
da commissSo de jjolcia, dando por confe-
ridas e oo caso de serem recebidas as con-
tas do procurador, relativas aos mez.es de
abril e maio ultimo, dando-se-lbe quitac5o.^
Tendo o Sr. presidente, representado que
a verba aluguel do paco acha-se quasi ex-
tiocta, faltando a quantia de 4005 para com-
pletar o aluguel at o fim do con ente exer-
cicio, oqual fora elevado anm cont de
reis, entrando nessa qnantia duzentos mil
reis do exrcicio (Indo, deliberou-se pedir
ao Exm. presidentejda provincia autorizado
para dispender a citada qnantia pela dita
verba.A requerimento do Sr. Gustavo do
Reg, mandn-se expedir ordem ao advoga-
do, que quando algum dos processos por
infraccao de posturas fossem jolgados ut-
ios, inteotasse logo outro.Nesta occaro o
Sr. presidente lembra que se recommende
ao mesmo advogado que resorrendo as suas
notas, relativamente as causas pelas quaes
os processos mumcipaes-so jnlgados nullos,
d disto sciencia a cmara* para que esta-
possa dirigir no mesmo sentido urna repre-
sentado ao conseibo de estado.Assim se
deliberou.
Mandou-se remetter- commisso de poli-
ca os-tres seguintes projerjtos de posturas:
4. Probbiodo a edrieicao de cortijos,
tenbam forma que tiverem, semlicenca, n5o
s as ras, pr8cas ou largos da cidade e
das povoacSes, como em terrenos particula-
res, anda que cercados ou murados.
2. Prohibindo a edicaco de casa' de
dous andares as ras que tiverem menos
de quarenta palmos de largura.
3. Probibindo ter cabras, carneiros e
outros anirnaes soltos pelas ra; e pracas.
Despacharam-se as petices de Augusto
dos Santos e Mello, hachare! Antonio de As-
sumpcao Cabral, Antonio Moreira de Men-
donca, Antonio Joaqnim Salgado, A bino Jo-
s Ferreira da Costa, Bernardo Alves Piuhei-
ro, Correa Pontoal C, Henrique de Oli-
veira, Joo Jcintho de Medeiros Resende,
Jos Leo de Mello, Jos Gon?alves da Cruz,
Joo Ferreira Villela, Jos Antonio Guima-
r5es, Jos Francisco de Menezes Amorim,
Ljjdgero Bilduino Soares de Carvalho, Mar-
tinho Jos Farias, Manoel Antooio da Silva
Rios, Mr.nr.el Jos Soares, Manoel Firmino
Ferreira, Manoel Figueir&a de Faria Filbo,
Manoel Branco, Pusco Jos de Souza Lima,
Silva & Neves ; e levantou-se a sess5o.
Eu Francisco Canuto da Boavingem secre-
tario a sobscrevi.Pereira SimSes pro-pre-
sidenie, Dr. T. Villas-Boas, Dr. Pitanga,
Reg, Fonceca, Dr. Miranda.
OlJji. Sr. Francisco Landelino.i8ilva^jiUr' Juiza.por. elejco......m- sato qoe nao se pode imittar. e m> wc*HdM.
ci muito difficil, por exigir uofittterial
moijwmplicado e cusioso. jtiffqmQ*. db rendas internas
Isto mais orna prova da sollicitude doj^ jp^mBlMtBU flu*:...... lo-ojoii
seohores Lamonreon e Geajlrat para os W- ftem dedia U.................. tS
teresaes e seguranza dos Srs. pharmaceoti-
cos e droguistas que, sem duvida, sendo de-
sejoflos de empregarembons productos, nlo
deixarSo de dirigir-se a esta casa.
na de Lima e Sa.
Juiza por devocSo
Illma. e Exma. Sra. O. Mara Landalina
drSilva Saotoi.
Illma. e Exma. Sra. D. Mara do Livra-
mento Mariano.
Illma. e Exma. Sra. D. Joaquina Amelia
Pinto da Silva.
Jaizas protectoras
Illma. e Exma. Sra. D. Joanna Fraocetna
Pinto Forlella.
Illma. e Exma. Sra. D. Mara Duarte
Pinto.
Illma. e Exma. Sra. D. Isabel Mara da
ConceicSo Vasconcelos.
Escrivaos por devocSo
Illm. Sr. major Manoel Joaquim Gon-
calves.
Illm. Sr. capito Luiz Cesario do Reg.
Illm. Sr. tenente Augusto, Oesar Pereira
de Medonca.
. Illoa. Sr. Lidio Alerano Bandeirade Mello.
Illm. Sr. alferea Antonio Jos Cordeiro
simes.
Illm. Sr. Jos Antonio Pimentel.
illm. Sr. Antonio Ignacio Barbosa.
Illm. Sr. Jos Alves da Silva Guimares.
Illm. Sr. Antonio Jos Ennes Braga.
E-criva por elei^ao
Illma. e Exma. Sr. D. Serapbina Fernao-
des da Cruz.
Escrivas por devogo.
Illma. e Exma. Sra. D. Mara da Concei-
Cao Se jueira.
Illma; e Exma. Sra. Jesuina Maria da Con-
ceicSo.
Urna, e Exma. Sra. Joaquina Emilia de
AraOjo Regal.
n:mtns
CONSULADO PROVlNOAIi
UmMrQi e Geadre
fabricantes e pronctos cb)micos, fomecedorts da
casa do aperador e dos hospitaes de Paria.
Todos os productos sahindo desta casa $3o
da primeira qualidade e fechados por urna
capsula inimtavel o que os pe em salvo da
conirafaccSo.

Fublicacoes a pedido
A' menoiia de Joaqoifli Fe, raz Daltr
(ESTUDANTE DO 2." ANNO)
mk missa do trigetsimo da de sen possa-
^ ment.)
* A vida nma agonia Algunas horas
Em qpo aos prazeres nos palpita o peito
Sao mescladas de dor,
E as vezes nos festinsem meio aos risos
Vem phantasmas negrentos e snistros
Salpicar-nos de horror.
Ha um genio malfico e implacayel,
Que nos inveja os risos expansivos
E em prantos os transmuda
E os nossoscompanheiros de esperances
Arremessa dos mares do infinito
A' praia sempre muda.
"
ConeeicSo.
Illma. e Exma. Sra. D. Angela Augusta de
Moraes.
Illma. e Exma. Sra. D. Emilia Alexan-
drioa Pinto. "* J*.-.
Mordomos
.Illm. Sr. Joao Simes Pimenta.
Illm. Sr. Ilenri juo Joo da Cunha.
Mordomas
Illma. e Exma. Sra. D. Paula Maria da
Conceico.
Illm. e Exma. Sra. D. Joaquina Carolina
de Moraes. .
Illma e Exma. Sra. D. Maria Dionzia da
Conceico.
Alexanirino Pinto Chaves,
Escrivo.
cidos yuros para rea-
ctivos.
cidos pyrogallicos c
tamlicos.
A troponia, codeina,
digitalina. e todos
a os alcalmos vege-
taes. .
Brom,uretos e odure-
tos.
Sulfate de quinina pu-
ro, valerianato e to-
dos os saes de qui-
nina.
Psimpalpaveis, etc.,.
Calornel puro, e todos
os saes de mercurio.
Chlorureto dfwerro
(puro) neutrf/
Carbonatos, so^l|ds e
todos os saes de
ferr,e.
Acetato, hydrochlo-
rato.
Sulfato e todos os saes
de morphina.
Ferro reduzido pelo
hydrogeneo.
{Essencias puras. .
Exti actosglvcernia-
Fabrica em Pars ra de Paradis (au mas
rais), deposito no Rio de Janeiro, E. Cheve-
ot, ra do Carmo.
Hospital portuguez de bene-
ficencia em Peraambuco
A junta administrativa, faz publco que as
commissoes encarregadas de agenciarem do-
nativos para o seo basar de prendas, que
tero de ser exposto benevolencia do res-
Illma. e Lxma. Sra. D. Virginia Mana da, ^eitavel publico, domingo 22 do correte,
aEarTTD&a;
DTJMA
.
Molestia Ulcerosa
,
(;i
O mogo tem no crneo ideias altas,
Cceio o peito de amorra alma de renlas,-
Sorrindo encara o ceu.
Embalo sea dormir doces chimeras
E, apenas n'alvorada, a morte pallida
O embrulha no seu veu...
Foi urna historia breve e dolorosa...
Elle risonho e placido sorria-se
E cantava ao luar,
Veiu-llie a morte traicoeira e prfida
A c'roa das desoito primaveras.
No rio desfolhar.
E nos que o vimos entre nos sorrindo-se,
Descuidado e feliz, quasi creanga,
Ventura de seos paes,
O chamamrs na angustia da saudade
E o genio dos sepolohrosimplacavel
Nos responde : jamis I...
Jamis jamis I Nossa alma se consterna
O pae soluca, a mi quasi blasphema
a dor do coracao.
Corre o pranto dos olhos dos amigos ;
Mas elle nunca mais vira risonho
Apretar-nos a mao!
A' note passa o vento e d-lhe nenias,
Cae o relento e lhe humedece a campa,
As aves dao-ihe pantos...
E elle dorme o sommo, que nao lindase,
E nos, que Ibe goardavamos coreas,
Hoje damo-lhe prantos.
Recife 16 de setembro de 1867.
Plinit de Lima.
-v

Eleifio dos devotos qie ho de festejar a Senbera
da Saode, eraeta na portara de cenveiilo de
Tula Aitonie 10 anao de 1867 a 108.
Joiz bemfeitor
O Illm. Rvm. Sr. Fre Antonio de Santa
Anglica.
Juizes por devoco
O IUir. Rvm. Sr. Frei Paulino de Nossa
Senhora da Soledade.
O illm. Rvm. Sr. Fre Nicolao do Bom
Fim.
ORltn. Rvm.Sr. Frei Antonio do Kpi-
rito Santo litara.
O Illm. Rv*. Sr. Frei Antonio 6ania
Rosa.
Jnizes protectores
O Illm. Rvm. Sr, conego Joaqaim Pinto de
Campos.
Todos aquel i.-s qng se achap euj titos sot
frer molestias scrofolosas, ulcerosas, ou sypl-
liticis, anda mesmo as reputadas de peior
natureza, apenas nec-ssitife d 1er o seguinW
raso maravilhoso, para que se sintao inteira-
mente convencidos que a sua proprla cura,
no s meramente possivel mas sim absolu-
tamente certa.
Joao Jos I'Erii'.EiKA Bakiiou, residente
aa Cidade de Maraubr.o, tinlta todo o mu
corpo coberto de chagas ulcerosas, e durante
algunos annos se acbava debaixo do tratamento
de mdicos os mais afamados, tendo usado
durante todo este tempo quasi toda, a especie
de medecuias que em taos casos- empreada
pela facu'idado medica, porem debalda sem
obter o menor beneficio ou alma? achando-se
po em tacs apuros elle finalmente resolvea-
e, depois de repetidos e baldados esforcos a
azer uso da!
Saisaparrlka
Recdiment do da la 17..,
dem do di 18......
17:186X964
1:J73|067
18:4601031
MOVUflETO DO PORTO
Nnto entrado no Ha 18.
Rlo-Formoso 7 boras vapor nacional Maman-
guape, de 337 toneladas, eommandaoie Maxi-
miao Jos da Coste, eqaipagem 20 em lastro;
a agencia pernambacana.
Aracatv 10 de Si toneladas, capitio Trajano Tbeodomiro de
.- Moara, eqaipagem 7, carga atRodo e oolroa
gneros; a Tasso & lrmao..
Nemas sakidos tw metino dia.
Rio de JaneiroYa{ioxaniericaucLFu:tfii,c?pitao
S. T. Lovls; em lastro. *
BabiaHiato iaglez Uaggi Luisa, caapitao Israel
Groway, carga parte da que troaie de New-
York.
Galoo de LimaBarca inRlea Pembrock Caitle,
capiao Priee, carga a mesma qae trono de Li-
verpol
EDITUES.


.

DE BRISTOL.
No todo elle apenas chegou a tomar Oint*
Garrafas de SaltaparriUui a quairo frascos das
Pvlat Vegetan Amicarada, e o resultado
foi elle obter una completa e perfeita cura.
Os Sefirs. Peueeua & Cia., Droguistas de
Maranhao, forao quera supprirao os medlea-
mentoe, e acbSo-as perfeitamente ao facto
d'este caso, o* meamos Seubores, n3o s te
acbao prcniij oa confirmar o mesmo, como
tambera em fornecer o actual adresso do Sor.
Bariioza, i toda e qualquer pesso* que po
ventura se desej informar da verdad.
Recorameoda-se mui particularmente aot
Doemtes que tenbio o maior euidado naescolna
deete excellente remedio, nao usando outro I
no ser a Qenuina Salsaparrilha de Brlatol,
a qual exclusivaiente preparada por
LANMAN&KEMP,
De NOVA YORK,
toda* as mais sSo inefflcaxea d asa
Dt^gmo
L-se na Rearme ledicale
A maior preocapac5o do medico consiste
em saber se as suas receitas sao prepara-
das com bons productos, pois que, qoando
" receita preparada cora productos inferio-
res, o que acontece nao raras vezes, os effei-
tos que querem alcancar os mdicos, mal-
logram. oa pelo meos, o medicamento Dio
exerce a plenitude de sua acc3o.
Para evitar este grave ioconveniente, os
pharmacu lieos devem tratar de empregar
productos bem fabricados, e entao nao po-
demos fazer melhor, senil) assioar-lhes
OS productos da casa Lamoureux Gendrot
fabricantes de productos chymicos em Pars.
q tem cujo dia commemora o 12." annivertano
da installag do hospital, compoem-se dos
seguintes seohores:
Recife ^
Bernardino Gomes de Carvalho. Ruado
Apollo.
Marcelino Jos Goncalves da Font.Ra,
da Cadeia.
Manoel Jos da Cunha Porto.Rua'da
Madre de Deus.
Joaquina Montero da Cruz.Ra da Cruz.
Antonio Lopes Braga.Ra da Cruz.
Santo Antonio
Custodio Jos Alves Guimar5es.Esquina
da ra do Crespo.
Manoel RiPeiro de Carvalho.Ra do
Queimado.
Jos Joaquim Alves.Ra Nova.
Pedro Jos da Costa Castello-Branca. -r-
Rua da Praia.
S. Jos
Joo Ferreira da Silva.Ra Direita.
Jos Jeronymo da Silva. Ra Direita.
Joaquim Aniunes da Silva.Ra Direita.
Joaquim Jus Letj.Roa das Cinco-
Pontas.
Boa-Vista
Jos Alves Lima.Pra^a da Boa-Vista.
Joo Francisco Paredes Porto.Ra da
Im"g ratriz.
Joo Pereira Moutinho.Ra da Aurora.
Flix Pereira da Silva.Ra da Impe-
ratriz.
Joaquim Ignacio Ribeiro Jnior.Praca
da Boa-Vista.
Capnnga e Passagem
Miguel Jos Barboza Guimares.
Francisco Jos da Costa Araujo.
Joaquim Ferreira dos Santos Coimbra
Guimares.
Cidade de Olioda
Angelo Baptsta do Nascimento.
Antonio Ramos.
Luiz Jos Pinto da Costa.
A junta administr?tiva, igualmente se pre-
valecftda'occasio para solicitar toda a des-
culpa daquellas pessoas que achando-se no
caso, e desojando concorrer com o seu obulo,
para alivio dos necessitados enfermos ; fos
sem casualmente omittidas na distribuico
das cartas pediodo donativos para o seu ba-
sar de prendas ; e roga-lhes que pondo de
parte esta falta involuntaria, se dignem re-
meter o que seas piedosos coraces Ihes di-
tarem a qudquer membro das referidas com-
miss5es; at sabbado 21 do correte, e no
domingo 22 a entregar no mesmo hos-
pital. *
A junta administrativa pela sua parte, e
em nome dos seus compatriotas desvalidos,
que buscara lenitivo a seus soffnmeolos, as
informaras deste pi instituto, antecipa desde
jseus a gralecimentos, a todas as pessoas
que se dignarem por qualquer maneira,
concorrer para abrilhantar o actual anniver
sario.
Hospital portuguez de beneficencia 16 de
setembro de 1867.
A. A. dos Santos Porto,
secretario.
Peraote a cmara municipal desta cidade es-
tara' em praca nos dias ti, 14 16 do corrate,
para ser arrematada por qoera por meos pre^o
zer, a obra do concert de qoe precisa o maro do
cemiterlo publico da fregaezla de S. Lonrenco da
Malta, oreada na qnantia de 1:150$ aqaelles qne
pretenderen arrematar podem comparecer no pago
municipal nos dias Indicados, manidos de fianga
que garanta a arrematado.
Pago da cmara municipal do Recife 4 de setem-
bro de 1867.
Laii Jos Pereira Steos
Pro-presidente.
Pranoisco Canuto da Boaviagem
________________Secretarlo.
Peraote a cmara municipal desta cidade
estar em praca nos das 20, 23 e 25 do
correte para ser arrematada por quem por
menos fizer a obra do.Paco qu a nesuvi
cmara pretende construir para as suas i^s-
ses, oreada na quantia de 126:8920886 rs.
aquel les que pretenderen arrematar essa
obra apresentaro suas habilitac8s por es-
cripta aigons dias antes, para poderem con-
correr a arrematarlo, sendo oVigado o ar-
rematante a especialisar a anc i na forma
da le.
As condices sao as seguintes :
1* O arrematante ser obrigado a dar
comeco a obra dentro de tres mezes, e a
entrega-la difinitivamente no praso de dous
annos, contar do assentamento da pedra
fundamental.
2* A participar o dia em que deve ter la-
gar a ceremonia do assentamento da pedr
para que a cmara presida a esse acto, e
possa fazer concorrer as autoridades da pro-
vincia.
3* A receber o valor do sea contracto em
seis prestacoes. regalares, dfe maneira que *
ultima seja receida trinta dias depois da
entrega difinitiva, sendo que nenbuma ser
recebida sem qne esteja feita a parte do tra-
balho correspondente, sob informaco do
engenbeiro da cmara.
4a A encarregar-se da factura e decora-
Jo do Pago que contractar, sendo obrigado
a empregar nelle tijollos preparados com
agua doce, madeiras e mais objectos de pri-
meira qualidade, devendo entender-se que
aquelles nao especificados no contracto, sub-
entenderse como taes.
5a A edificar o Paco pelo plano aposen-
tado, e no lugar d terminado pela cmara,
sob inspeceo do engenbeiro cordeador.
6* Exigir que a companhia do gaz faca o
encanamento para o edificio, da maneira a
se prestar as illuminaces publica e inte-
riores, ficando a cargo da cmara os appa-
reihos que devem para isso servir.
7a A prestar flanea idnea corresponden-
te a um tergo da obra e mais malta, e
qual nao ser desembarazada seno depois
da entrega do edificio.
8a A pagar a multa de dez contos de
ris no caso de nao cumprimento do con-
tracto.
O orcamento acha-se patente na secreta
ra da mesma cmara onde qaalquer hora
do expediente pode ser consultado por quem
se quizer propor a arremataco.
Paco da cmara municipal do Recife em
sesso de 11 de setembro de 1867. Luiz
Jos Pereira Simes pro-presidenteFran-
cisco Canuto da Boavigem, secretario.
11 boras do da 24 do crreme
Conselho de compras do arsenal de guerra 18 de
setembro de 1867.-Jas Maria Hdefoso Jacome
*a Vela Peesoa.de Mellodirector. S- Francisco
de Panla Gapca'ves d> Slraaecfetarlp.
t- Inspec$o de saude
Aatanbia as 11 bom do dia (20 do correte)
hwan/ inspeoeio de saode o* secretaria do com-
mando soperior, para o qne devero comparecer
os Srs. offleiaes e pracas (fardados) qoe requere-
ram e qne forana despachadas suas pelicOes.
Secretarla do commando superior 19 de setem-
bro de 1867.
O secretario,
Firmino Jos de OUveira.

Conselho de compras navaes.
O conselho promove em 21 do correte
mez, sob as condices do esiylo e vista de
propostas recebidas at as 11 horas da ma-
nba, a compra dos seguintes objectos do
material da armada, 800 agulhae de lona e
brim, 1 amarra de ferro de 10/8, 6 ancore-
tes para bateles, 50 pecas de lona da Rus-
sia, plvora mar TORRE a 2 pecas de ta-
pete.
Tambero o conselho, no referido dia e
por igual forma, contracta o* forneciment
no trimestre prximo vindouro de outabro
a dezembro dos seguintes artigos de farda-
mento :
Para aprend :es artfices:
Bonets do uniforme, bonets do servico,
blozas de brim branco, biazas de algodao
azul calcas de brim branco, calcas de algo-
dao azul, carnizas de algodosinho, coberto-
res de la, colchas de algodo, caigas de
panno azul, eolebdes de linbo cheios de pa-
llia, fardetas de panno azul, lencos de seda
preta para grvalas, spat5es feitos no paiz,
saceos de guardar roopa e traveceiros de li-
nho cheios de pal ha.
Para imperiaes marinheiros e aprendizes
ditos :
Bonets de panno azul, camisas de brim
branco, calcas de algodo azul, camisas de
algodo azul, caicas de panno azul, lencos
de seda preta, sapatoes feitos no paiz e sac-
eos de lona de marinhagtjm.
Para fuzileiros navaes:
Bonets de chapa e palla, calcas de brim
branco, calcas de algodo azul, cami-
sas de brim branco, grvalas de couro de
lastro, polainas de panno preto, sapales
feitos no paiz, e sobrecasacos de panno azul,
Sala das sesses do conselho de compras
navaes, 10 de setembro de 1867.
O secretario
Alexandre Rodrigues dos Adjos.
THEATRO
S
DE
f

aesa

COMMERCIO.
PRAf^ DOrRECIPE 18 DE SETEMBRO
DB 1867.
As 3 X boras da Urde.
Algodo 1* sorteU500 por arroba.
Acedes da cempanbia de Beberibe 60 0|0 de
premio. C804 cada no).
SilTeira. ,.
Presidente.
Mace lio.
Secretarlo., .^
Novo Banco de peraambuco
Em liqnidacao.
0 novo banco paga o 19' dividendo de
50000 por aeco, nos dias uteis, das 10 bo-
ras ao meio dia.- '
Catxa flllal i banco do Brasil
em Peraambuco, aos 26 de Ja-
lao de 1867.
De ordem da directora se tas sclente toa Srs.
accionistas, qne o tbesooreiro esta' autorisado -
pagar o 27* dividendo das acetos do banco do Bra
sil, inscriplas n'esta cana, a' razio de 12J000.
cO euarda-llvros
Ignao Nnnes Correa,
Novo banoo de Peraambuco
Para conhecimento do interessados a di-
reccSo do novo banco dec!ara que a parjJ,
do i.* de setembro do corrente asno, ont
co entrar em liquidacao. '?'**J*5
Recife 28 de agosto de 1867.
EM LIQUIDACAO
DEGLARA50IS.
. O cjD-eibo de compras do arsenal de guerra
precisa comprar o seguiste :
1820 varas de algodosinbo.
1 bandeira brasileira de Alele grande para for-
taleza.
1 dita dita de dito pequea.
as pessoas que qaixerem veader ditos artigos
apreseotem soas propostas na sala do conseibo as
11 boras di dia 21 do correte.. *
Conseibo de compras do arsenal fle_ guersa 17
de setembro de 1867.-Jos Maria Ildefoaso Jaco-
me da Velga Pessoa de Helio, eoronel presidente.
Pela administraco do co#eio desta
cidade se faz publico a quem intecessar pos-
sa, que n5o se demorando, os yapores da
companhia messageries imperiales oeste por*
to em seu regresso do Rio de Janeiro, o lem-
po preciso para se fazer'a expedido das ma-
las com direceSo a Europa, dando assim la-
gar a que deixem de ser devidamenle pro-
cesadas, tem resolvda que d'ora em diante
as malas se fe;hem as 6 boras da tarde do
dia aaterior ao da ebegada dos mesmos va-
pore.. _
Correio de Pernambaco 16 de setembro]
de 1867.
0 administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
Consulado provincial
O chefe da 1* seccao serindo de administrador
do consalado provincial, (as publico para que cha-
ge ao eoobeelroento de todos os dvedores de im-
postos do anno Oaanceiro fiado de 1866 a 1867,
qne no dia 28 de setembro viodouro fioda-se o
prazo marcado para o recebimento de' seas dbitos
ttcando sojeitos os que nao pagareo at aqaelle
da a mulla de 9 % eseram Mentados.
wLgo eonsatado provincial 30 de agosto de
A. W. Pinto Baadeira a A. de Yasconcelteg
O ooBselho de compras do arsenal de guerra
precisa comprar o segal ole
Santa Casa da Misericorda
do Recife,
A Illma. junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recife manda fazer publico qne
DA sala de saas^sessoes, nowdia 19 do corrente pe-
las & boras da fardo tem de ser arrematadas a
3nem mais vantagens oQerecer as rendas dos pre-
ios em seguida declarados :
Eslabelecimentos de caridade.
Roa do Padre-Floriano.
Casa terrea n. 49. .*.....1821500
dem idem n. 17.......18600
Ra dos Pescadores.
Casaterreaa.il.......2160C0
Ra das Calgadas.
dem idem n. 38.. *. 158O0O
Ra larga do Rosario.
Terceiro andar do sobrado n. 24 301000
Ra da Roda.
dem idem u. 7....... 96*000
Ra das Calcadas.
Casa terrea n. 36....... 176*000
Ra do Padre Floriano.
Casa terrea n. 47.......168*000
Patrimonio de erphos.
Raa do Sebo.
Casa terrea n. 13.......217*000
Ra do Pires.
dem n. 39.........121*000
Ra da Cacimba.
dem n. 67.........81*000
rfua do Rangel
Casa terrea d. 36.......301*000
Ra de & Goncalo.
Csa terrea n. 84.......194*000
Roa do Vigario.
Primelro anda do sobrado o. 27 181*000
Ra do Pilar.
dem a. 98.........201*000
dem n. 105..........144*000
dem n. 108...........201*000
Casa n. 99.........256*000
dem n. 94.........201*000
:tio n. 5 no Forno da Cal. ... 150*00d
dem. D. 105......Z 1*4*000
As arremataos serao feitas pelo tempo de um
aneo, devendo os licitantes vlrem. acompaBbados
de seas fiadores ou manidos de cartas destes.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Recite 12 de setembro de 1867.
O escrivo,
Pedro Rodrigues de Souza.
EMPKEZA--COIMMA
Sabbado 21 de setembr de 1867.
Soklr' a scena o sempre applaudido drama em
4 actos original pertaguez
PODER DO DURO.
Personageas.
Joaquim Ribeiro, carpinteiro. Tbomaz.
Joo, sea Albo. ..-. Lisboa.
Marganda, irmaa de Joo. -!>. Falco.
Mariaooa.........D. Jesuina
O conselbeiro Francisco Vieira. Teneira.
Manoel Vieira, sea pai. Ravmundo.
Sosi Vieira, sea tio.....Guimares
Mrquez do Senil......Jjrdaoi.
Julia, sna filba.......
Conselheiro Mascarenbas. .-
Baro dos Qondalaes. ....
TabeliSo Monte-verde. .
Um criado........
Dar' flm ao espectculo ama
comedias do repertorio que sera!
dia do espectculo.
Comeara' as 8 boras.
AVISOS MABITIMOS
D. Bernardina.
Saeta Rosa.
Brrelo. Vw-
Emiliano.
Siqueira.
da* mais liadas
annuaciada no
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR
E* esperado dos portos do norte
at o dia 19 de setembro o vapor
Santa Cruz, eommandante Gui-
Iberme Waddiogtoo, o qnal de-
pois da demora do costume se-
guir para os portos do sol.
Recebera-se desde j passageiros e engaja-se a
carga qne o vapor-poder condozir qua! devera*
ser embarcada no dia de sua chegada encommeo-
das e dinbeiro a frete at o dia da sabida as 2 ho-
ras. Prvine-se aos Srs. passageiros qoe as
passagens so se recebem nesta agencia raa da
Cru n. 57, escrlptjrlo de Antonio Luiz de Olivei-
ra Azevedo A C. _____
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navegacao costeira por vaper.
VlAGENS REGULARES A RlO tOllMOSO.
A compantiia Pernambacana de-
navepafo costeira por vapor,.
expedir' regularmente e aesde
j, para o Rio Formoso at p la-
gar denominado Pcdra, nm de-
seas vapor.s nidias 1, 6. II. 16, 21 e 26, regres-
sando nos das 3, 8,13,18,23 e 28. Recebe qoal-
qner carga, encommendas, passageiros e dinbeiro
a (rel. Preco das passagens sem come]orlas
A r. 8&000
A proa. 3*000
Encontrara) comedonas a bordo .por preco ra-
zoavel, es passageiaos que assim o desejarem '. es-
criptorio no Forte do. Matos n. 1._______
Para
Segu com brevidade o brigue escuna Grado
sa, capito e pratieo Jos Maria Ferreira, tendo
ja engajada boa parte do seo carregameoto ; para
o resto trata-se com o respectivo coueignatario-
Antonio de Almeida Gomes, a' ra da Cruz a
23,primeiro andar. __________
Para o Kio de Janeiro.
Para o Rio de Janeiro deve seguir o mais
breve possivel o patacho nacional Valenle.
qoe tem maior parte da sua carga prompta.
Para a que ainda lbe falta e eoravos a frete
trata-se com o respectivo capito, ou com
os consignatarios Marques Barros & C", na
Praca do Corpo Santo n. 6 2o andar.
V

lw

9
i .

COMPAA BfiASlLE22(A
DB
Paquetes a vapor
Dos portos do sol esperado
at o dia 22 do correte um do
vapores da companbia, o qual de-
pois da demora do costume se-
guir* para os portos do norte.
Recebem-se desde ji passageiros e engaja se a
carga que o vapor Doder conduzir a qual devera*^
ser embarcada no dia de sua ebegada, encommen-
das e dinbeiro a frete at o dia da sabida as 2
boras. Previne-se aos Srs. passageiros que suas
passagens s se recebsm nesta agencia ra da
Crnz n. 57, escritorio de Antonio Lnlz de Olivel-
ra Azevedo & C.
Para a Babia.
Pretende segnir com mulla brevidade o veleira
e bem conhecido palbabole Dous Amigos, tem par-
te de seu. carregamento prompio, para o resto
qge lhe falla traase com os seas consignatarios
Antonio Luiz deOliveira Azevedo & C, ao seu es-
critorio ra da Cruz o. 57.
Para o Porta.
Pretende seguir com multa brevidade o veleiro
palbabote portuguez Yuri Sorte, te.u parte de sea
carregamento engajado, para o resto que lhe falta
trata se com os seus'consignatarios Antonio Luiz
de OUveira Azevedo & C, no sea escriptorio ra
da Cruz n. 57.
200 caleros, 4 arrotos de cera em velas de meia
libra, 4 libras de gomm arbica, 8 libras de gom
ma laca. 6 dazias de lapis Anos, 10,000 pregos cal-
* Nao somonte, a incontestavel superiori- T *3~"ii
dado dos prietos desta casa foi raconhe- JNOV0 JOaCO Q PernalDllCO
cida por tooxji, mas anda a modicidade S?o convidados a Sxs. accUmisUs are-L-
dos seos presos recommenda aos Srs. ceberem o primiro dtvdeodo (en moeda bom e neia*Ueada;""""' "
pharmaceoticoi e droguistas, correte) de triota por cento do capital,! As pessoas qoe qlterem vaider ditos artigos
braes, 10,000 ditos ripares, libras de pregos'tn YaTalih'
pollefada, 4librM.de ditos dew QB ,00/'
Repartic3.o da? obras publicas
De ordem do Sr. engenbeiro, 'chefe inte-
rino da repartido da obras publicas, se faz
publico que o concurso para preenebimento
das va jas de condacfor ter logar oo dia
26 de setembro prximo vindouro, no pa-
lacio da presidencia, e o de praticanles e
escreventes. no dia 27 do mesmo mez.
Os concurrentes sero argidos as mate-
rias de que tratam os i.> 2. e 3.* do
art. lOdo regulamento de 31 dejulho de
1866, e que vo abao declaradas.
Os requermentos para inscripcao dos can-
didatos deverao ser apresen lados at o dia 23,
e podero ser instruidos com quaesquer do-
cumeotos ou ttulos scieotificos, que abonero
a capacidade dos mesmos candidatos.
Secretaria das obras publicas 22 de agosto
de .867.
0 secretario,
Feliciano Rodrigues da Silva.
Materias do concurso para conductores,
^raticantes e escreveptes da repartc5o das
obraa publicas.
Para conductor
Matfaeraaticas elementares;
Algebra at eqoac5es do'2.* grao ; .
Trigonometra ;
Elementos de geometra analtica e des-
criptivel; de astronoma ; de arete lectura e
de resistencia de materiaes.
Conhecimento perfeito dos instrumentos
graphicos e dos trobalhos de niveliamento
e plantas;
Desenho linear e de aquarella.
Para praticaotes
Lingoa nacional e fraoceza;
. Arjthmetica. e geometra a duas e tres
dimensoes;
Algebra at eqnacjes do i* grao:
Desenb.0 lioear e de aquarella.
Para escreventes.
Lingua nacional, callgraphia e arthme-
tica.
Secretara das obras, publicas 22 de agos-
Kio de Janeiro
Pretende sabir com maita brevidade para o in-
dicado porto o veleiro patacho Gloria, por ter a
maior parte do sea carregameoto tratado e para o
resto que lhe falta e escravos afrete trata se com
o cnsisnatario Joaqaim Jos Gongalves Beltro,
raa do Trapiche o. 17.
PARA 0 AK\C\TV
Segu nesles dias e palbabole Emilia, para eir-
ga e passageiros trata-se com Jos Sa Leito Ja-
uior a roa da Madre de Dos armaxem junto a
igreja.
" COPANHIA PElWAMiCANA
DE
Navegaco costeira per vapor.
Macei e escalas e Penedo.
O vapor Poteng, eommandan-
te Pereira, eegae para os portos
cima no dia 30 do corrente pe-
las 5 horas da tarde. Recebe car-
ga at o da .28 ; passageiros, en-
commendas e diobeiro a frete at as 3 boras da
tarde do dia da sabida : escriptorio no Forte do-
Matos n. 1.
GOMPANHIA PERNAMBUCANA
Di
Navegagdo costeira por vapor.
Parahyba, Natal, Maco, Aracaty, Ceara' e
Acaraco'.
O vapor Pirapama, eomman-
dante Torres, sahira' para os por-
.tos cima no dia 30 do, correte
petas 8 boras da tarde. Recebe
carga at o da 28; passageiros,
encomiiieadds e dlnbeire a frete at as 3 horas
d\< tarde do dia da sabida : eecriptofio no Fort
do Matos o. 1.
Or.
O palbabole Baratii segae em poacos dlat:
a tratar com o Sr. Quintal oa com Taio Irmaos


t
O secretario
Felciciano Rodrigoes* da Silva,
-uisras.
De velas, cabes, vergas, ferros, cor-
rentes, bot'S e mais salvados da
barco le^aaMla Isabel.
D. Modefl de la Parte, capOjio di barca hespa-
e.
.


_-


t-rt ftftto* leimttAik** h*t rt^aocaHiacla rttba-*e PW*) /4p Norooh,
fara' lailo cooi iairfsa$o 4fliSf Vatafeoosol de
lie liarnos por
> ?., caws,
:
Hespanhi, poltrfre*fax>.
eoola* rs* (MjetarW _
^ifas, farros, eoffelfte mus pirtiirtes salva -
dos de dit* barca e em presen?a do mismo Sr.
fjcecona! de oa eapregdo di'irftiWe^pan
ste 0 Bornead*. ,> '
HOeJE
No roMBm do Coha HFm tto Matto, m H
^iii^. ll,lii|.
De mjveis oovos, velhose de un. ins
tmraenUl eenpleto para msica
militar.
Peto afele Itartin a roa do Iojpettder wa-
zeaa o. 16, a* 11 horas do da
SABBADO. ...... ..




-.'f
Saftt 31 as M hiras
Pelo |agente Euzebio.
Os servicos dos escfavos" Antonio e Vicente
serio arrematados- e ora aitio no Parna-
meirim.
Por ordeno do jtpii BwMirtejd direU apa
eial do commercio a reqoertaenU do administra
dor da massa faiiloT de' Amaro GoocaUes dos
Santos se veoderi em leilo om sitio do logar-do
Parnameirlm eotre o sitio da Santa Casa e o do
Sr. Leal cociendo casa de virenda, amitos arvore
dos de frncto com grande extencJo de terreno pa
ra o fundo, tereiro a cnesma Santa Casa, sera'
efectuado a porta da ant'ga casa que fot Assocta<
o Commercial n largo do Corpo Santo.
O abaixo assiguado faz Mieate ao publico
dalmentao respeitavel corpo.do commercio ais
coaproa o stabeleeimento de taberna sito na roa
da Concordia n. 12, ao Sr. Antonio Constantino
Menleir, litro e Jesembaracado de qaalqner debi-
to ou onns e se aigoea se julgar credor podera'
apresentar soascomas no prazo de 3 das, qaase-
r satfsfeito.
Recite 18 de sotorabro de 1867. *4
Aotoaia Pedroto de Lima.
PreetM-se alagar om uta-da Poete d tOtS
atf Sant'Ajna: pasta ly aograpbia.
Tabella da companhia dos trilhs urbanos, dos dios ut
NOMES DAS ist goi. A M
etMew.......
Mi* BUJ* KUWT ,...........
i Solel .........; ;
' lUHIIOBOWrlff!........
Mancolobo
Ponte de UcMa..........
Jaqoaira..
Parnameirlm...
Saal'nn
AVISOS DIVERSOS.
Gabinete,!Portuguez de
Ltiftiira
CenseUio deliberativo
De ordem do Illra. Sr. presidente convocado o
mesmo cooselho para se reonir em sesaaa-axtraar.
diara, sezta-feira 20 do co;rente,. da tarde.
Sala das aessoes do cons3lhjt;de1barativo do
Gabinete Portugus de Leiura aos 17 de setembro
de 1867.
Firmio Antonio Sonto Hatee Raposo
____________^^ Secretarlo-.______
Precisase de un bom cozlabeiro para .casa.
de familia, que seja forro ou captivo ; a truat-na
ra do Amorlm n. 33,; 1 aadar._____________^
Precisa se de orna ama que saiba engoramar
e coser, para casa de penca familia; a tratar na
ra do Araorim o. 33, 1* andar.
Ociado
Precisa-ge de utn criado forro ou escravo para
o servico interno e externo de ama casa, que f or-
nece comedorias para fora : na ra do Torres n.
2, 1 andar._______________________________
Acba-se fgido o escravo Pedro, bastante al-
to, preto, barbado, de Hade de 30 a 35 aono-,
crioulo e muito ladino, sappoe-se andar pela Boa-
vista on A rogado : gratica-sa a quena o levar a
rna do Imperador n. 73,1* andar.
5.000000


Offerece Julias Puerstamberg de gratiflcaclo a
pc-ssoa que Ihe descobrlr o furto de setenta e oito
moedas e um qaarto de ouro brasileiro de 20$,
subtrahidas na tarde de 16 do correnta da casa de
sua residencia a ra do Trapiche n. 14. A pes-
soa que descobrlr dito furto e o qnizer declarar
podediriglr-se ao hotel do.Jaiverso, amesma roa
a entender-se com o rotbado. Alm da grarflea-
cao cima, pronietlfl-se a pessoa que descobnr o
furto o mai ab.-oluto segredo.
Fugio
no dia 15 da setembro o escravo Izidoro, crioulo,
da; Alagoavidade 20 anno. lavou roapa preta,
do estatura regular e um ponco fula : quera o
apprsbeader sera' gratificado por Joo Francisco
da Silva .Yovaes : na travessa da Madre de Dos
numero 5.____________________________
Aluga-se ama paquena casa na raa do Ga"
zsroetro, confronte ao pnrtSo da fabrica, comquin
tal e cacimba, prego de 8f por mei.
Teudosidoaaouuciado por este jornal a ven-
da da metade da um sitio na Torre, o qail perlent
cem ao casal do'tenmte-coronel Haaoel Clemente
de Alraeida Citano, o abaixo sssignado deelara
qie esta meiacaonauaclada para venderse esta'
sujeila ao estrago da grande escavacao faila pelo
casald> Qaalo Portino da Cunha Moreira Alves,
com grave rajizo do annunciante, para o que
avisa aos pretndanles aSm de nao alegarem igno-
rancia, pois a ni) coaeiliar-.se amigavelmenta e-te
prajoizp, pretendo sustentar o meu direiu percate
os tribuaaes judicario?, aondj provarei que est
casal Ja* nio tem a 'matada do sitio fallado como
aoQuudoo.
Francisco Marttns Rapo=o.
*
Na madragada do dia quarU-feira, 18 do cr-
reme, fugio de casa do Sr. Antonio Jos Vieira da
Sonza, na ra do Imperador.n. 45, ama. preta crl-
onla, natural da cidade de Sobral, de norae Anto-
nia, com 20 annos, poueo mais ou monos,; quena
a pegar pode levara referida casa, ou a roa-No-
va, taberna de Jos Ferjando Lima, cuj escrava
tsndo perteacido a' Francisco Pinto daC)stft-G-Ji-
roares, boje propriedade do inicado Lima, c
tiala, levoa vestido da raa escura 'chale eu;ar-
uado.
- v----------
O-s por alugael om mtleqae para
carregar taboleiro de tniudezas no sobrado,
o. 2 da ca do tfcatHOo.
cas.
Aloga.se por anno on (esta orna casa torrea
sita no Poco da Panella prxima a igreja, que fei
do fallecido Dr. Gomes, com granae quintal mora-
do e commodos para familia : a tratar com Leal &
fraao-rna da Cadaia do Re-clfe g. B6.
Jos Rlbeiro Bastos, rabdlto portgojBzrrat-
ra-w para fora da yotalaato.
Precias-te de orna eosinbelra para ama casa
de familia qaa d dador saa condoeta :
se acbar nestas circnmslancias dirjase a ral
ga do Rosario n. 16, que achara' com quera t
Na mesan casa aluga-se am moco para nti
pao n'nma earroca.
Alaga-so um sitio em Casanga para possar-se
a fasta, com eicellentes commodos,cercado acom
porteo de ferro, cocneira e qaarto para cr|adH>>jJ
tratar na roa do Queimado n. 14. ,
Gratis
Almanak para o anno de 1868 distribue-se na
roa larga do Rosario n. 34, botica de Bartholomeo
Precisase de nm escravo para o sarvico de
orna pessoa : a tratar na ra do Imperador a. 39,
2o andar, entrada pelo beceo do buhar dos arcos.
Altengaom
Alaga-se o sobradinbo as Cinco Pontas n, 91
sendo a toja a cocheira do mesmo as Ciaco Pos-
tas n. 102.
Na ra da Florentina n. 40, forneca-se co-
mida para qualquer caa, garntese o malor as-
seio ; a tratar na mesm.________________
Aiia le leite
Precisa-se de urna ama de leite forra sem flibo :
a tratar na laja de Hvroaiao p* da arco de 'Santo
Antonio. ____________^_____________
Aluga-s,e parta do primeiro andar de sobra
do da raa do Queimado o. 12, com proporeoas
para cartorio ou residencia de caiieiros : a tratar
no rsesrao andar.____________________________
. Urna pessoa habilitada com mais de 14 annos
de enslno publica de latinidad?, se profoe a lecclo-
nar esta materia a' ra dos Martyrios n. 4, pri-
meiro andar. _____________
O Dr. Cicero Odn Peregrino da Silva em
exrcicio do jnizado de orpbaos, despacha nos dias
atis a's 11 boras do dia, na roa das Cruzas n. 35
i* andar, e fora tiesta hora em casa de sua residen-
cia a* roa Nova n. 39 V andar.
Casa Forte
Galdareiro........
U.........
.....#.........
Aplpoeoa.
. U m # wv
.................| 7.85
L-vrat-,......r 8--
*
N MIS DAS
Apipac&.X.. ,V7....
Monierto.^......^j
Galdareiro.......*^H
Casa Forft..-j/^M
Sant'Anna.............
ParnameirUi.^.......
Jaqoelra.j*.^......
ate deUcb&a.....
Mangofco.ftv*..*;.
CamioMJWfuK ./ A
^oledade. .
ftua doiTires.........
Recita^.,....
Domingos e dias santos
A M A 1!
!,
8.20
8
8.30
8.31
8.34
8.38
8.40
8.43
H 8.46
8.48
T5| 8.0
7. 8.33
8.0? 9.0
9 ja
9.35
9.J7
9.40
9.48

UKHAA.
Do RecH De Apipucos para o Recife
6.01- 7.01
7.0| 8.01
8.0
9.0
TAIMt,
3.01
4.0
S

?S
I
aiS
8.01
9.01
9.0
V ai
-3
Atttotfto.)
Jlo Godofredo, cabelleireiro, tem o prazer de
participar ao respeitaval publico, aos amigos e nu-
merosos frpgaezes, qoe pissou o sea estabeleci-
mento da raa larca ao Rosario n. 21 para a casa
d. 14 da raa do Crespo, a qual acba-se decente-
mente preparada e com nm graode s variado sor-
limento de cabellos para bem satisfazer qualquer
trahalbo tendente a sua arte ; espera, pois, a pro-
teccao do respeiuvel publico, de seus amigos e
freguezes na contioaacao de sua eoncarrencia, en-
cootrando de soa parte agrado, sinceridade e pres-
teza.
Precisase de ama mulhar que sirva para com-
prar e cosinbar : a tratar na ra da Saudade de-
'ronte do n. 17._______ I
Goiseope Ferrari, subdito italiano, retira ee
para Europa, levando em sua companbia sua mu-
ih :r e cuchado de norae Francisco [ion. fina.
Offei
rece-se
um homem para caixelro de engenho com bastan-
ta pratica deste servico : quem pretender dirija-se
ao Campo-Verde no quadro do Valerio, que achara
cora quem tratar.____________________-
Loja do Tasso
Roa do 'r sp > n. 7 A esquina da do
Imperador
Acaba do receber um completo sortimeoto
de la Indiana de lindos padres, cortes de
la com listras de seda, muito ricos proprios
para bailes e visitas, basquinas e casaqui-
nlios para senhora, lindas toalbas de cam-
braia de linho ricamente bordadas proprias
para baptisados e p^ra toalliete estas merca-
dorias veadem-se por preces moi rasoaveis,
s na loja do Passo ra do Crespo n. 7 A.
Lavas -c jonvins
Ha conslaotemente luvas de pelica branca,
lyato pela facnldade
hoapilaes de Parla.
ELIXIR DO DB THERMES
Aparavado pela aeaddade
de aaedlelna, eaapregada ao
kaapltnea de Parla.
IJJ


i*.
Occupa 9 jarimeir lugar entro as prcparaces ferruginosas as mais assimilaveis. O Elixir do D' THERMES em pregado diariamente nos hospitaes de Pars e principalmente no
Htel-Dieu (servico da Faculdade de Medicina de Pans). Administra se com o maior xito as doenca de anapefto resultantes da nhanilarao do nanenr. chlo-
romm ou eAre pllida. loores branca, anemia depois das hemorrhagias, ou durante as convalescenoias de Tebres perniciosas, Toeacos.epatpltaeoea das muV-
heres pojadas. Nao menos efGcaz contra o i'aliitiNiiio o obra poderosamente para os homens cujas forcas estam esgotadas pelos trabalhosintellectuaes, abusos de todosos gneros, etc.
Tena-ie com m da-,1 de nm caliicrlnba depois de cada, refcle*).
Beposlto geral na pharmacia, ra Reaumur 13,, e em casa de E. GALLOIS, pharxnaceutico do S. M. Imperador, place Vendme, 2, en Paria.
^___ Deposita em PEBNAJHBCCO, P. MAURR mr O, em todas ej Pharmacia* no ftai. ______________
-
XAROPE
DE CASCAS DE LAHANJAS AMARGAS
ate 4. p. Laroze, pharmacentlco
em Pars
3' annos de snecessos attestan a sna eOleaoa,
cerne:
TONirjo exqtante, para ajudar as fuao
?oes do estormso, assim como dos intesti-
nos, e curar as doen^as nervosas, agudas ou
ebronicas.
tnico anti-nervoso, para curar os incom-
modos percursores de doencas assim evita-
das, e para facilitar a digesto.
anti-periodico, contra oscalafrios, calo-
res, com ou sem intermittencias, e que teem
por especficos as substancias amargas; tam-
bera eflicaz contra asgastrites e as gas-
tralgias.
tnico reparador,, para combater a ex-
haustag5o do sangue, dispepsia, anemia, es-
gotamtnto, inappetencia, langor etc.
Deposito em todas as pharmacias e casas
de drogaras no Brasil.
Expedicoes. em casa de J. P. Lazore. rae
des Lions-St-Paul. 2, Paris.
Deposito em Pernambuco, pbarmacia de
n. Maurer & G. ra Nova n. 25.
PiOSSA SENH04 DA WGI(!0
Para educado do sexo masculino
.',.Director) Manoel Alves Vianna
0 collegio da Gonceic5o, mudado ltimamente para o bairro de Santo An-
tonio, ra de S. Francisco, casa ji. 72, contigua ^estacSo rcqorsl dos trilhos
urbanos dos Apipucos, contina a funecionar regularmente, recebendo alum-
nos externos e internos, tanto para as aulas primarias, como para'todos os
preparatorios necessarios matricula de qualquer faculdade,- Sendo os seus
respectivos professores pessoas moralisadas e de um concito magistral ja
bem firmado nesta cidade.
O director dcste novo collegio contiuuando a erapregar toda a solicitude no
desempenho de seu mandato, espera fazer-se mais digno da confianca com
que o vo honrando qs senbores pais de familia, ponfiando-lhe bondosamente
os seus filhos.
Os estatutos do collegio, assim como o francr iagresso em ^odas .as.suas ^^^
^^ dependencias, esto sempre a disposiejo de quem possa iateressar.
[Grande aimazem de tia-
. tas medicamentos ete.
Roa do Imperador n. 22.
Productos chimicos e pharma-
mais empregados
em
i

Attehello
L^alo se no obtpario Jo da 12 o o;me de ar-
carapla Mara Ramos eSiTe, 67 anoos, vi uva, etc.,
deelara se qaa o verdadeiro nome Archangela
Mara ds Soaja Mgilni s, 47 nonos, casada.
O Sr. Dr. M-na Gallado tem urna carta
nesta typographia, ___________^^
Ama.
Qnem precisar de ama criada portognea para,
tojo o serviqo interno de urna casa, a excepcao de
' o:inha, viuda olliinamente do Porto, annancie
para ser procarado. -
Casa einOlioda
Aluga-se ama boa casa cidade de Olinda, no
oitao da igreia de S. Pedro, prxima a casa do Sr.
<-omoi8adador ioo Pinto da LemoJ, encllente pa-'
ra os biobos salgados; a Ueiar na ra do
o. 17, loja.
".'
_
9
Uaixeiro
Precisa se de am calseiro de 14 a 16 annos, e
que tenha pratlca da taberna, e d flanea1 de .sna
enlacia, sjndo intelligente pagase bem : a tratar
na ra da Coto vello n. 49. '
d 8.
Joo do Reg Urna, sacca sobre Ltsbe, e
" a rna do Apollo n. 4.
Ana i* um;
M?nl
liba
7~------

Na raa.da.Ctot An p"-'f- kK *\-\u*i\..tiiiil
ase de urna ama de leite.
- et-
Lecioaa^e A soUejo; a *ofM*.-)SW*
in.-traoiewos dando se as llcoas fartlca-
Ures em sai proprias casas.,das.5. Jio-
ras da urde At as 9 lior.s da ooi.te : a
oa roa Augusta n. 33ou nesta ly

Preclsa-se de
'--------------------------------------------___' por cento plow;
aTJ're"i,^*1wl H** noiputaaei.
Hosane.

preta e de cores, assim como de seda e fio
da "Escpss'a sendo ests dos melbores fabri-
cantes, s na loja Ido Passo ra do Crespo
n. 7. A esquina da do Imperador.______ '
Escola de meninas
Ann TrHJdora Siqos, competaotaojenle habi-
litada pela directora geral da Instrnceo publica,
e antorisaSa pato Exm. Sr. presidente da provin-
cia ao eoitqo eiaiamMr.de meninas, scienliflea ao
respeitavel publico ijae rem aberta sua aula ra
sf r pr^urada para os my*teres de soa proQssSo,
culo programma : ler, escrevsr e contar, dou-
trios cbnsta, aritbmetlca, uogo3s de grammatica
porlugue^a. msica vocal, costuras de tod j o gene-
ro, comprebendendj o labjrintbo, marca, borda-
dos, e trabalhos de ia. Espera satisfazer aos pais
de fago'lias qne Ibe conflarem soas fllas.
Precisa se alagar umi preti para: coziribar
em nrr^-c^sa^a^milta; ;m,ipa da Io^jleralrtt
-r Precisarse da urna ama qoe cozuhe e en-
g^mnje j na ra de Hortas n. 1.______,
Oaldeireiro
Joao Goocalves da Silv.i Raai avisa ao respeita-
vel publico em gerat aos senbores da eognbo,
Quesa actia cora urna fabrica de caldeireiro na
villa dtCibo, nrompto para servir qualquer se-
nbor de engenho qoe se quizar utilisar do seu di-
minuto prestimo, tanto obras novas, eotto meso
concarffi^qdo, w.ptf$g\*otamoio.___________
I'resrtftoiiftdeiS^Bei edicto.
Pelo pnasenie fas puhibo o abaixo assignado,
presidente da confrarla 4e S. Beaedieto do capttn-
lo da Igreja Qnveoto de Santo Antonio desta cida-
de *o liccire, provincia tf Pernambnco, ,dae nof
dia domingo 22 do correte,;' pelas"-S-nora$^a tar-
de1, terVlogar a benco do oto .padrtiro em a
ijreja de Santa Rita de Cassl desta Idade, e de-
pois sera' conuzida prrissrbdalmenle para aqnel-
-*l|^con^>),eferJWdtT*>o ato-
dos aqaeJtes |ros aPJe^9jolgre^(conylrel|o
grafi'asr ponco
Para o tratamento e cura rpida e completa das molestias syphiliticas, eris-o-i
las, rnetimatismo, 'bnas, gota, debilidade do 'estomago, Infiammacoes cbfonipas'do figado
e bapo, dores sciaticas, cephalalgias, nevralgws, ulceras ebronicas, b-ydropesias, pleuri-
sias, ^onorrbeas ebronicas e em ge al todas s molestias em que setenba e:m vista apv>
rificaco do systema sanguneo,
Considera^es geracs
A san de um bem inapreciavel, cuja importancia e valor s est xeservado ao ens
fermo o avklia-lo.
incoBtestavel que o homem neste mundo constantemente, e por todos os lador
atacado por urna raftnidade de agentes morbficos que todos tende;;, dadas certas e deter-
minadas circumstaticias, a alterar o regular exrcicio das funeces orgnicas, resultanbo
pesse desequilibrio que se chamamolestia.
A molestia -nao mais de que a desvirtuaco _das forcas. vitaes, occasionada,- d,
gundo as investigacoes e experiencias dos mais abalisado me'stres da scieocia, peia depra-
vado dos humores geraes, consequeneja da ic<$o maligna desses mesm.os agentes mora e
fieos introduzdos no organismo pelo.acto da.respirado, pela via digestiva, pelo contacto
immediato etc. etc. etc.
A syphis infelizmente tem-sido a partilba da bumanidade, e como fra de duvi-
da que esse errivel Profea da medierna urna molestia hereditaria, ella tem sido obser-
vada m todas aSj'id'des, edebaixo de todas as suas formas to variadas, enfraqnecendo
constitucSes robustas, proouzindo mutilagos, e cortando ai'n^a em flor, da idade vidas |
preciosas. -;-:..., _^
Eliminar da economTa esses principios deleterios, e purificar a toassa geral. dos
humores t^ sido desde tempo imniemorialoflDAi^P^31110 ^a :medictna, e pft purgatl*
vos figurara em primeiro lugar para preehcher esse desUerpium u fim.
O Elixit depurativo do Dr. Serial parece merecer, a preiereflciaspbce todos: os
immensos successj. btidos pelo uso deste salularagen'.e tanto na Ailemanha, como em
'Pfamc e Italia, o tornam o companheiro inseparavol dquasitodos os- doentesv '
Sendo as melastias, como cima dissemos, devdas s alteracoes d^os humores, o
tixir tkpuraUvo do Dr. Sevial pode ser etripTego vantajosamente naiyphilU, erisy-
telas, rheumatismos, bobas, gota, debilidade do estomago, inflammacoes ebronicas do
gado e bago, dores sciaticas, cephalalgias, nevralgias, ulceras ebronicas, hydrppesias,
peorisias,- gonorrheas. chronicas etc. e em geral em todas as molestias em que' e tenha
sm vista a purificaco do systema sanguneo; pois que urna prauca constante tem feito
ver que elle indispensavel nos casos gravissimos. pira minorar os sottrimentos, e pre-
parar o doente para medicales superiores ; e as menos graves a cura a conse-
quencia do fin^uso;^eonyfinientemente repetido.
As substancias que entrara na coo^psico EUxir, depurativo do Dr. Seri
previlegios os
da eseravIdSo,
dosMMoj
cebidAS pela Entre-Iui
ramparecereni com
'e-Ia*eir
^.recejrem com-SMis
cto, flesndo exemptos .destes,
miflsjaue se achanl aTHa a
,iara nao.menoscabar as dign
rel a 'Wrp&aco religiosa,
____________i Lulz Braga.
;-l^eeha:sd^w^dtwtt^talia TTannos,
(M-aiHnoBCba|{aos agoM'v 4*aa do Ra
mero 43,
i m.ifc.
m

Criado,
por cealo p8'(iySI4'^fl
ca em nm oa deaajHmvrn paf
< 811 .a lil ob MI o
3i:
faier esie negeae deixe carta
Craies n. 1, em is jriclaes"
eeuticos os
medicina.
Tintas para todo o genero de pin- S
tura e para tinturara. '*5
Productos industriaes e tintas i|f
para flores, como botoes de flores agt
e modelos em gesso para imitar V<
fructas e passaros com o compe- L
Aebto deseho.
Productos chimicos e industriaes $8
para phbtograpbia, tinturara, pin- 3$j
tvr'a, pyrotecnia etc.
Montado em grande escala e sup- 3|
pride directamente de Paris, Lon- ffi
"res, Hamburgo, Anvers e Lisboa 8*
pode offerecer productos de plena 2f
confianca e satisfazjr qualquer en- gg
eommenda a grosso trato a reta- m
Ihoe por preco commodo.
LESTI4S DO PEITO
AvJso Importaate.
Os nnlcos vr-rdadeiros xanipes de hypopho;: al
tos de soda, de cal e de Ierro do Dr. Cborehlll ira-
zem a ama quatro veres repstida deste sabh me-
dico sobre o subscripto e a marca de fabrica da
pharmacia Svrann, 12, roa Castiglidne, Paris.
Acha-se a venda em frascos quadrados com o no
me do Dr. Churchill no vidro. Preco 4 francos ero
Paris : Com instruc^io
Vende-se em casa de P. Manrer & C.
Alcatrao do gaje.
Os fins a qne pode ser applicado, sao ain-la poa-
co eonbecidos no Brasil : na Europa, porm, as
vantageos de alcatrao do gaz sao bem patntese
presenciadas. All, empregado como agente pre-
servativo de madelras, farro, etc., qrjjno expostas
a accao atmospberica, oa da agua doce ou salga-
da. E* asado, anda cerno preservativo da aeco
destructiva do cupim eoutros insectos, e evita qne
a humidade penetre em qoalqeer compartimento.
Serva, afinal, nao s como veraiz para ancoras de
navios, crranles, alvarengas e barcagas, madeiras
de eoostruccao, mas anda como poderoso e ex-
cellente desinfectante.
A* venda por atacado, no escriptorio da empreza
do gaz n. 31, ra do Imperador, a retalho smenta
no armazem da Bulla-amarella, do Sr. Jaronymo
Gomes da Fonseca.
O.dll
pertencem todas exclusivamente ao reino vegetal, e grande caihegoria das substan-
cias depurativas e artfisypbiliticasK assim, ao passo que este remedie; depura .o orga-
nismo, eliminando os principios oocv^ aVsaude, pelo mecaniemo natural das eau-
ae5es alvinas, nentralisa ao mesmo tmpo o virus syphiliticp quando este virjem.
tem feito erupcao bo exterior debaixe de suaa. mulplieadas formas; e previne taui
bem (estragos dessa terrivel molestia, qwnD' por ventup se aoho ^Ha a inda no
e^taijo Qj^^acSo, is\o sem se ter manifestado sob formas eternas;: hneficio
mmenso, taoio. mais qua'uto oeste estado os individuos igQo'r,ao^>nipletamentO, *
>r este terrivel. inimigo.
IjJteste Elixir convem a todos os estmagos, a sua acc5o so-
o tubo mtesniai uave e benigna, e de nenhuma forma produz molestias medir
oanmtontj 'eoms wnteoe ao purgante dito Lo Boy,, que na sua qualidade de dras-
ttcp.lbrte,rrita a mw^O^m, e consecutivamento a seroza^resMltando deste.es
AssiBifftid peanaiDqtM, o uso destp-^tf dq iqsflp# talmente, as noi-
ie sendo um medicamenio.to simpts na sua composico, a
Sua Ulildad. jiiJaem ot. i fl'>=
sas
pratica
=SSK
0r.
9
^ tai
IBOJOll
KM ir"i
a**' a'-'' "Jonuco sisq ,evi
itto mi Mm*!?
wi
Mam** OM ,9b lebil *f> o*^%VWVM v ^ sWT^
Msq.e sdojist mw .ebosij ^ :oAat%^V
h.
Cftfl
eb oii^ur-
ti%isqm ob un *a v
u eob

& Companhia.
PILLAS de BURCARD
,ao wDsrro di nano uultiiutxi,
Approvadas pela Academia de Medecina de Pariz
iC70Kiil FBLO COHMLMO BID1CL DI SA-MTIUCMO
RIMTNTADAS "OS HOSPITAES DE laaMA, OA BLGICA, DA IRLANDA, DA TIQriA, ITC.
tien;oci kenrotunai Ejrpoti(oil Vnivtrfaii de New-York, 1853, i* Parit, 1855.
Estai Ptlula eavoMdas n'uma eamadi reaino-bslsamica de orna lenuidadc excesvi, tem
ivanUgem de scrcm loalteraret], em sabor, de am pequeo volume, e de nao cantareis os
orgaos digestivo*. Gtando dai proprierlade do Iodo e do Vaaso; ellas conem princi-
paluieiiie as alfeccos Chloroticas, EscrofuUuai, lubercutosat. Cancro tas, ni tmttrrkta,
amenorrkea, anemia, etc.; enfim, ellas offeiecem aos praticos ama medicaca dai mais eoer-
||{|gicas para modi6car ai cooiUtuicoes lympktticoi, fratat ou d*Mifd*i.
If.B. O tortrelo de trro Impuro oa alterado on aeofea-
mesto infle), irritante. Como prora de pureza e de aalbenctdade dai
Terladelrai Plala* de Biaucard, deis -as exigir nono acMa a
rala, reactiva e oossa O ruta, aqu reproducida, ute lescba na parta
inrerior de nm roalo verde. Bera -se desconfiar das (abileaesea.
Aebasn -ie em toda u Pnanaaclat.
PAaraiaeifio, raa Bonaparte, M. Part.

01
ANTIMONIAES
Da Docteur PAPILL11JD
0
' pa eorteaO dai molestias do eoracao, d* istma, do catajrho, da coqueluche,

medkaeat .
da tsica, etc:
GRANULOS ANTIMONIO,FERREOS
rVasc-raff. aoi*. 4. ehlaroita, da mesorrhea, da. arraJgia, ****** ">"
escraiuiosas, etc.
GRANULOS ANTIMONIO FERREOS AO BLSMUTH
Para a araeao das moleatias, narvosaa, as tm dlgaatva^ dyp^aa, ete.
WWJkJt^hV i Pkarmacta d E. MOUSNIER, 4 Sanjon (C3iaTemto4afrioiir).
I Em IKo-d's-JaneiTO, FLIX FARAUT, phormacia, 77, raa Seta Setranbro.
i*M i Sal Peraambuco, P. MAURER et C*, pharmacia, raa Nora.
}** Maca**- ^ALCO mAS, phamaci*)ir|iperial.
"'i '-l.U.UMUJI..- -l

Yende-sena BotcalFranceza roa Now a, 28.
____


fMmm A afc-^lV *^ ^**^
VIGNES.

jir/ air asna loq '.9B}f"yi
fai;i6iiy{
!lO'SlIj
BOJ t&B
fm'eSm^SsU obro JMoi ^^m^jm^SWS' ae.
omhlDrsm ne ofredecem i. odas ^SwgW*n2WP^
.----------fv,auaflfla ornnoiito. ter-sa ie4o ulwSawacs1 nrelaorwwBOs Imporun-
"* sS^Ssi^^^-tento Best fa*rlca oA J? 5r-B,onde,, d%Paris* "*
^rMtw^^fvtvS^^am^DiM foram sempre premiados em todas as exposicSes.
Ksmoasfcil^ sortimentodemnsicas doa
malhores anSresTlaropa, ** <&>&#***&*** *onieea, sendo ludo ver^d? por
procos commodo e raj
X. 55.


tari* de rernanOmeo tinta felra 1 de cfemftr 1867.



d*

I




'-
Saiisfeito o invencive Veado Braceo, comas maneiras. attenciosas com qae
'oi acolbido pelo respeitavel publico desta briosa provincia, a ponto de qae maitos a por-
fa desputaram a satisfacao de seren os prime iros a comprare em seu importante arma-
zem, se desvanece em declarar com toda a lealdade de que capaz, qoe est cada vez
mais animado, nSo s pelo benigno acolhimento qoe tem recebido, como pelas forcas de
qedispe porqoe at boje n5o careceu ainda dos preparados de jorobeba, nem do
xarope alcoolico de veame.
O Veado Braneo, declara a quera anda o nio conhece que n3o um
desees bictaarocos intrataveis qoe por abi yivem com gapa humana; domesticado no
ameno paiz onde aamavel guia Branca vio laz do astro bernfe'rtor, elle partidario
desse invejavel agrado e siocerrdade qne com tanta gravidade se desprende do sea
bico encantador.
O Teado B raneo, como todo o homem civilisado, ama a sociedade dos
bons, gosta. do centro do mando elegante, usa do toni60 de Jayme, para previnir qoe lee
poonam a calva ao sol, vai a companhia des Bouffes Parisiens e no meio do partido de
madame Adelle, elle tambem atira-lhe o seu lindo bouquef.
Digne-se o benigno leitor. de jurar as palavraf sinceras do sincero Teado
Branco, e veoha prover a sua dispensa do quemelhpr se pode encontrar n'um estabe-
chnento de molbados.
A modicidade dos precos, comparados cora a boa qoalidade dos gneros e o
bom modo com qae se recebe os senbores compradores, deve cortamente convidar as
pessoas qae anda nao vieram nossa casa a fazer parte dos amigos e freguezes |do nosso
-


-



PARA UZO INTERNO
PREPARADOS SIMPLES,^J?
XaroDe de jarobeij; garrafa......... 10ooo
Vinhode W6otf
Pilulasa* "> vidro......... i0oo
Tintura de^'-* < 4o
Extracto hydralcooco de jurubeba$ 1205oo
PREPARADOS COMPOSTOS.
Vinbo de jurubeba ferruginoso garrafa. ?#ooo
Xarope Wo
PUulas vidro... 20000
Oleo de jorobeba vidros.... 64o
Pomada de pote\n.. 64(J
Emplastro libra. .... 20ooo
PARA UZO EXTERNO
A JURUBEKlo
Esta pUntt' boje reconhecida como o raais poderoso tnico, como um excesj
lente desobstruente, e como tal applicada nos eiygo'rgitamentos do figado e baco, na-
hepates propiamente ditas, ou ainda complicadas com anazarchas, as mflammacoes
subsequentes as febres intermitentes 0u dorias, nos abeessos internos, nos tumores es-
pecialmente do otero e abdomen, nos tumores glandulosos, na anazarcha, as bydrope-
zias, erysipellas; e associada as preparaces ferruginosas, anda de grande vantagem
as anemias, ohloroses, faltas de menstroacSo, leucorrbeias, desarranjos temeos do esto-
mago, debilidade organicas; e pobreza de sangue, etc.
O que dizemos affirmam os mais distioctos mdicos desta cidade, entre os quaes
podemos citar os Ulms. Srs, Drs. Silva Ramos, Aquino Fonseca, Sarment. Seve, Pe-
reira doCarmo, Firmo Xavier, SUva etc. Todos elles reconh cem a excellencia d'este po-
deroso medicamento sobre os demais at oh conhecidos para todos os casos citados,
tanto que todos os dias fazem d'elle applicac>.
Apresentando aos mdicos e ao publico em geral diversos preparados da juru-
beba, tivemos por fm generalisar mais o uso d'este vegetal, fazendo desapparecer a
repugnancia que at hoje sentiam os doentes de usar dos preparados empricos d elle, o
mais das vezes repugnantes a tragarem-se, e que tinham ainda a desvantagem de nao
ser calculada a dose conveniente a applicar-se, o que torna muitas vezes improficuo om
medicamento, que podena produzir ptimos resultados.
Os nossos prepados s foram aprsentelos depois de havermos convenientemente
estudado a jorubeba, fazendo as experiencias precisas para bem conhecer as propriedades
medicamentosas d'esta planta em suas raizes, folhas fructas ou bagas, e a dose convemen-
ea appcacSo, tendoalm d'isto procurado levar os nossos preparados ao maior grao de
tperfeiclo possivel, para o qae nao poupamos estorbos, nao nos importando o pouco la-
cro qae possames tirar
Por tanto os que se dignarem recorrer aos nossos preparados podem ter 3 certeza
de que elles offerecem a garanta, de que se pode encontrar a prompta e infallivel cura
de qualque dos soffnmentos, que deixamos innumerados, se forem em tempo applicados
tendoalm d'isso, medico ou doente a vantagem de escolber as nossas variadas prepa-
races, aquella que melhor Ibe pode convir, j pela fcil applicac5o, e j pela complicaco
das molestias, id ide, sexo, ou ainda natureza de cada individuo.
As nossas preparaces ferruginosas sao feitas de forma que se tornam completa-
mente soluveis nos suecos gstricos, porque procuramos os compostos de ferro que como
taes estao hoje reconbecidos.
Para aquelles que mais minuciosamente queiram conhecer as propriedades da
jurubeba, e saberem a appcacSo de nossos preparados, destribuimos gratuitamente
em nosso deposito um folbeto, onde tratamos mais extensamente d'esta planta e dos av
mos preparados.



O Dr. A. S, Pereira do Carrao (medico)
est morando no sobrado a. 12 da roa da
Imperatrlz.
GAZEOL
DE
Burrn du Buisso
Liquida voltil preparada por Smlluse, repro-
duzco chimicaojente os vapores qoe se soltam
em volta do aparelbo parificado do gas carbnico,
empregada com o mais seguro snecesso contrr
a coqueluche, a pbtisica e todas as molestias ebro- j
nicas dos pulmoes
VENDE-SE NA
Botica e
M
Bartholomen dt c.
34liua larga do Rosario34
B Companhia fide'lidade de'seguros
martimos e terrestres
estabelecida no Rio de Janeiro
AGENTES EM PERNAMBUCO
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
competentemente autorisados pela
directora da companhia de segaros
Fidelidade, tomam seguros de na-
vios, mercaduras e predios no seo
escriptorio roa da Cruz n. f.
O Sr. Jos Marques da Costa Soares,
qae mora na ra do Vigario, queira vir
esta typographia, a negocio que nSo ig-
nora.
Kesidencia e consultorio
Medico cirurgico
DO
Dr. Aatomo Duarte
na praca da Roa-Vista n. SR onde
pode ser procurado a quakjuer hora.
Especial Idade
Doencas do peito, e de meninos.
BELLISSIMO IRMAZEW
MOLHADOS
CONHECIDO PELO NOME
-
DE

VEADO BRANCO
EstabeleciJo ra Direita n. 16.
Esquina da travessa de S. Pedro.


i
JIMS

DE
CAROSA
PREPARftDAA FRI
POR
Al CUNTE CAORS
Pharmaceutico pela escola de Paris e successor nesta cidade
M
Aristide Saisset e J, Soum
22.------Ra da Cru*------22.
sobre o Banco
gaintes luga-


Tratamento puramente vegetal sem mercurio, iodo, oaro, nem outro qualque
lliilMll
Verdadeiro porifcador do sangue sem azougue.
Especial para a cura de todas as molestias qne tem sua origem na impureza do
sanRoe, como sejam as molestias boubaticas, syphiliticas, escropholosas, darthrosas, quer
venhara ellas por hereditariedade, quer sejam adqueridas pelo contacto com pessoas in-
feccionadas dos diversos viras qae contaminan) o sangue e os humores.
A earoba um remedio prodigioso, [osado desde remotas eras pelos indio
do Brasil, e passando seo uso de geraco em geraco, hoje um dos remedios mais co-
nhecidoscomo propno para combater as molestias mais hediondas, entrando nesse nomo
ro a -morpha ou elephantiases, para cojo curativo os nossos sertaoejos considerara a
earoba como remedio especifico.
A moito tempo entrou a earoba nos formularios como prepara?5o magistral
sob a forma de eleicluario, ainda hoje lembrado as pbarmacopas com o nome de seo
celebre autor Joao Alves Caroeiro: nao ella perianto remedio novo nem desconhecido.
O ungento de earoba da mesma sorte precooisado desde tempos immemo-
riaes cerno o mais apropriado para o curativo das boubas e ulceras syphiliticas srdidas,
e empregado com proveto depois de improficua applicaco de muitos oulros agentes
tberapewticos enrgicos e de oso quotidiano.
Maitos dos nossos medios de consideraclo e entre elles o muito disncto pratico
observador o Sr. Dr. Pedro d'Athayde Lobo Moscoso, tem confirmado for meio de ex-
periencias repetidas, o qoe diz a fama das benficas propriedades da earoba no trata
ment das boobas, das diversas formas sob que a syphilis se apresenta e moito especial-
mente as que teem sua sede na palle, podaramos relatar algons casos de data moito
moderna obearvados pelo mesmo Sr. Dr. Moscozo em que a earoba produo admirareis
flatos, depois de motis e proloogadas appcac5es de salsaparrilha, mecorio, iodo, oa-
ro e eos preparados, etc., etc.
Naoera possivel qoe orna planta ta* noUvel por soas ioappreciaveis virtades es-
capacee a perspicacia e iovestigacoes dos mais abalisados praticos eoropos qoe se ap-
pheam oom especialldade ao estodo e tratamento das molestias syphiliticas e herpeiicas
e para prova alo esiao os Srs. Drs. Casenave, Schorfer, Ricord e ootros daodo asmaL*
lisongeiris informac5es sobre as propriedades corativas da earoba e preconisando-a com'
remedio poderossimo para o tratamento dais erupcSes cutneas, seccas ou suppurativas
darthros de todas a qoalidade, eczemas, ulceras de diverras eaturezas, tumores, osseoa
6 ootras maitas molestias de natureza syphilitica ou boubatica.
Por ter-se generalisado moito o oso da esseacla da earoba qae ea pre-
paro e pelas instancias de varios medico* qoe desejam continuar em soas observacoes,
delibrenme a ter prompta orna quantidade da mesma essencia, obtida sem a aecao do
ogo, para nao prejodicar as propriedades medicamentosas; e d'ora em diante encon-
trar-se-ba na minha pbarmacia sempre e em porpao sofQciente para todos os pedidos a
ESSENCIA CONCENTRADA De CAROBA, e o ungento da mesma pirata para qoe nan-
ea fallera aos Srs. mdicos qoe qoizerem esperimeotar tao precioso agente medicinal.
Recife de Pernamboco, 17. de ontubro de 1866.
Auste Caors.
Beftntt gertl de Mm ni ntftm
Botldea e rogarla
34-Roa larga do Rozattb-34
Aloga-se a casa terrea da roa do Gazometro
confronte ao porto da fabrica, com 2 salas, 2
qaartos, cozieba e quintal, prego de 143 : a tratar
no mesmo logar._____________________________
CLUB DO RECIFE
A partida do corrente mez, ter lugar na
noite de 21.
O secretario,
Joaquim Leocadio Viegas.
Trocam-se
as notas do banco do Brasil c das caixas filiaes-
dom descont muito rasoavel, na praca da lnde,
oendencia n. il.
O pbarmaceutlco Jos Ellas de Moora, decla-
ra ao respeitavel poblicu e com especialldade ao
corpo do commercio qoe desde o da 13 do cr-
reme dissolven amigavelmente a soctedade que ti-
rina com o Sr. Irino Coelbo da Silva no estabele-
clmento de pbarmacia a' roa da Imperatriz n. 77,
do qoal era o annonciante gerente, ficando a car-
go do mesmo Sr. lrlnj a hqoidacae da activo e
passivo da mssma sociedade qoe gyroo sob a fir-
ma de Hoora 4 C. O annonciante agradece a to-
dos os seos collegas e amigos a conflaoca qae nel-
le depositaran) pelo qae se confessa eternamente
grato._________________________
= Desde marco do corrente anno est fogida a
escrava Jostina. cabra, e altara regalar, consta
estar em urna casa desta cidade servindo como
forra : pede-se as autoridades policiaes e aos ca-
pitaes de campo aflm de a ^egarem e leva-la a roa
do Qoeimado n. 6, qoe sero generosamente re-
compensados^______________' ._. ...__________
Da-se a premio de um e meio por cento com
hypoiheca em bens de raz, a qaatia de l:O00J,
pago o premio como se convencin r: a qoem con-
vier delxe carta fechada nesta typogrrpbia com as
imciaes L. M. R. V._________________________
llespital Portugoez de beeeficeacia em
Pernambnco.
A jonta administrativa, em observancia do dis-
posto no art. 102 dos estatuios, conmemora oo
domingo 22 do corrente, o 12* annlversano da
installagao deste po estabeleciment com a pompa
compativel com as soas forcas, pela maneira se-
gointe :
As 11 horas do dia celebrar-se-ha em seo oro-
torio mlssa solemne, acompaobada de msica vocal
e instrumental derigida.pelo digno professor Colas,
sendo orador ao Evangelbo o insigne pregador da
capella imperial fre Joaqoim do Espirito Santo.
Urna bora depos de terminada a festivldade re-
ligiosa, ter logar em mesa commom o janlar aos
enfermos nao impossibi itados, e conduzido ao*
leltos daqoelles qoe o estiverem, sendo servidos
pelos Srs. provedor e mordomos, com aseisteocia
Rvm. Sr. regente e do Sr. Dr. medico do hospital.
As 4 1(2 horas da tarde dar-se-ba principio ao
leilao do basar de prendas a favor deste benfico
eslabelecimento aehando-se convenientemento dis-
postas as prendas a vista dos expectadores.
Dorante-este acto, e de quando em vez, M faro
ouvlr alteradamente escolhidas peca* de msica,
devidas a babllidade e obsequiosa expontaneidade
dos Illms. Srs. socios das pbilarmonicas partico-
lares, Uoiio Commercial e Bella Unio.
As 7 e 1)2 horas da noute caotar-se-ba no oro-
torio a ladainha em hoora e iouvor do nosso pa-
trono S. Joo de Dos.
O hospital estara' aberto desde as 9 borrs da
manbaa ate as 9 da noute, para ser visitado por
todas as pessoas qoe qoizerem.
De dia e at e enoerramento- do eslabelecimento
se conservara' na sua entrada a banda de msica
da 1* batalbao de infamarla da guarda nacional
desta cidade, para tocar a inlervallos bellas pro-
doeoes a gosto do sen bem conbecido mestre. .
Ho'pitai Portogaez de beneficencia, iS de se-
tembro de 1867.
A. A. dos Santos Porto,
mm^^______________Secretarlo.___________
Alaga-ce orna boa casa no Poco da Panella,
tendo exeeilentes commodos para passameoto da
festa, alem da vantagem de ser prxima ao banno:
a tratar ni rna do Imperador n. 83, 1* andar.
Urna peuoa abiliuda dispondo de algunas
horas, prop5e-se a facer aigoa peinen escrfptn-
racao mercantil, dao-se as precisas lofonauces na
loja de louca o. 26, sita a* roa larga do Rosario.
Joaquim Jos Goncalves
Belto
RA DO TRAPICHE N. 17 Io ANDAR)
Sacca por todos os paquetes
lo Minho em Braga, e sobre os
c em Portugal.
aber:
Lisboa.
Porto.
Valenga.
Gnimares.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde.
Arcos de Val de Vx.
Vianna do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famellco.
Lamego.
Lagos.
Covilbla.
Vassal (Valpassos.)
Mirandella.
Beja.
Barcellos. ________
Na praca da Independencia n. 33, loja de
onrives, compra-se onro, prata e pedras preciosas,
e tambem se faz qnalqoer obra de encommenda e
todo e qnalqner concert.________
A secretaria da polica precisa comprar
as collecces de leis do imperio e decises
do governo relativas aos annos de 1839,
1850,1851 e1852.
A pessoa qoe as tiver e qoizer vendei
compareca na referida secretaria s horas
do seu expediente, ou entenda-se com o res-
pectivo secretario, roa da Saodade n. 15.
O official-maior daxl4 scelo
Jos Xavier Faustino Ramos.
OdTTj. Antao de S namoduo a soa resi-
dencia para a roa do Hespido esquina da travessa
do Camaro, pode ser procurado para os mysteres
de soa prosso de medico.______
CASA DA FORTUNA
Aos 6,000$
BILHE1ES GARANTIDOS.
A' ra do Crespo n. 23 e casas do costme.
O abaixo assignado venden nos seas moito feli-
zes bilbetes garantidos da lotera qae se acabou de
extrabir a beneficio do convento do Ctrmo do Re-
cife, os segointes premios :
N. 298 bilhete Inteiro com a sorte de 1:200.
M. 3184 meio bilbete com a sorte de 500$.
E outras-muitas sort.es de 100#, 40 e 204.
Os possuiders podem vir receber seas respecti-
vos premios sem os descontos das leis na casa da
Fortuoz rna do Crespoln. 23
Acbam-se a venda os da 48* parte da lotera das
familias dos voluntarios da patria, (38*) qae i
extrabira' sabbado 21 do corrente.
Preco.
Bilhete.....6*009
Meio......30O0
Qaarlo.....1*500
Em porco de 100)5 para cima.
Bilbete.....5W00
Meio......2*750
Quarto.....1*375
_____________________Maqoei Marlins Pinza.
O Sr. Eogenio machinista faz saber ao
publico qoe se enearrega de qnalqner obra de en-
canamentos, como collocar gas e concertar tam-
bem bombas para collocar e concertar de todos os
systemas, como telhados de cbapa de ferro, zlnco
e chombo : a residencia do machinista a' roa
Bella n. 13 oona roa do Bangel n. 17.
Precisase de urna ama de leite, forra on es -
crava ; na rna estreita do Rosario n. 43, segando
andar.
Precisa se de dous amassadores qae emen-
dara perfeilamente do servico de pi e bolacha, e
om forneiro de 1* classe; na na larga do Rosarlo
o. 16. Na mesma se occapam om ou dons canoei-
ros forros ou eseravos para trabalbar em condocao
de materiaes, dos Remedios para esta cidade.
Preciua-se de um homem qoe saiba tratar de
plantaces de tapim, preeriudo-se portogaez ; a
tratar em Sant'Aona com Joo Venancio Machado
de Paz, on oa taberna da travessa da rna Bella n.
8, com Estanislao Aogoslo Machad da Paz.
~VTBNCAO. .
Apromptam-se cernidas para fra aos senhores
estndanles e caixeiros, com todo o aceio e promp-
tido, dando-se lonc fina, e se mandando levar
as casas qne qoizerem comida moito iimpa e
feta; na roa estreita do Rosarlo n. 19, 1* ai
por cima da loja da f onileiro.
N. 2 D N. 2 D
fUF* CORACAO DE JURO. *jfcjl
A loja n. 2 D intitulada Coracio de Ouro na rna do Cabng, acha-se d'ora em diante oflereceo
do ao respeitavel publico com especlalldade as pessoas que bonram a moda os objectos do ultimo gos
lo (a Pars) per menos 20 por cento do qne em ontra qnalqoer parte, garantmdo-se a qoalidade e a so
ldez da obras. ... ,
O respeitavel publico avaliando o desejo qae deve ter o proprietario de um novo eslabelecimen-
to que qoer progresso em sen negocio deve ebegar immediatamente ao coracao de onro a comprar
aneis com pereitos brilbantes, esmeraldas, robins e perola; verdadeiras em agarras, modernas pe*
diminuto preco de 10*, brincos modernos de onro e coral para menina pelo preco de 3*, maracas d
prata com cabo de marfim e madreperola obra de moderno gosto (o que o encontrarlo no coradlo de
onro) voltas de onro com a competente crnsloba ricamente enfeitada pelo pequeo preco de 12, brin-
cos de nm trabalho perfeito por nm mdico preco, cassoletas, tranealms, palceiras, alfloetes para re-
tratos e ontros modelos todo de alto gosto, aneis proprios para botar cabello e firma, dito para casa-
mento, no artieo roseta tem o Coracao de Ouro nm completo e bem variado sortimento de diversos
gostos, butdes para pnnbos com diamante, rubins e esmeraldas, obra esta Importante ja' pelo sen va-
lor ja' por gosto ds desenbo, brincos a forma da delicada maoslnba de moca com piogente contendo es-
meraldas, rnbins, brilbantes, perolas, o gasto sublime, alflnete para gravata no mesmo gosto, reto-
gios para senhora cravados de pedras preciosas, ditos para homem, diversas obras de brilbantes de
moito gosto, crnsinbas de rnbins, esmeraldas, perolas e brilhantes, aneis com letras, cazoletas de
trystal e ouro descoberta para retrato (a ingleza) brincos de franja, ditos a imperatrize toda e qual-
qner jola, para secoliocar retratos e obras de cabello, e ontros muitos objectos que os pretendemos en-
contrarao no Coracao de Ouro que se conserva com toda a amabilidade aos concorrentes deixando-
se de aqu mencionar precos de certos objectos porque (desculpem a maneira de fallar) dizendo-se o
preco talvez alguem faga mo juizo da obra, por ser to diminuta qnantia a vista do sen valor.
Na mesma loja compra-se, troca-se onro, prata e pedras preciosas, e tambera recebe se concer-
tos, por menos do que em outra qnalqner parte, e do-se obras a amostra com penhor, conservando-so
e Coracao de Ouro aberto at as 8 horas da noile.
Qnalqner pessoa que se dirigir ao Coracao de Ouro nao se podera' engaar com a casa, pois
nota se ua sua frente um coracio pendurado pintado de amareilo, alem de ontro qae se nota em nm
rotlo (isto se adverte em conseqnencia de terem ja' algumas pessoas engaado com outra casa.
S: 3 Attua do CaftagM. 3 A
Agostinho Jos dos Santos $ G
Acaba de ebegar a este estabelecimento um esplendido sortimento de
joias do ultimo gosto, perfeigSo artstica e modellos enteiramente novos; como
seguem: aderecos com rubim, esmeraldas e perolas finas, pulceiras, broches
para retrato, anneis, bot5es de punho, brincos e cassoletas com letras, etc..
etc., etc. Salvas de prata do Porto, faqneiros, paliteiros, calix de mesa c
frocteiras, cujos precos sao incompetiveis, pois que os proprietarios desta casa,
recebendo seus artigo* directamente da Europa, podem servir vantajosamenta
aos seas freguezes. Compram-se brilbantes, pedras finas, ouro e prata, page
se bem, tambem se ncumbem de fazer concertos.
No armazem de tintas ra do
dor n. 22, vende-se :
Salitre refinado arroba 6500
Enxofre arroba 21800
Impera- C\g
Atten<#o.
N. 2$ Roa do Livramenlo \ 25
Deposito de tamancos e calcadoaBaciooal da fa-
brica da rna do Jardlm n. 19, de Jos Vicente Go-
dioho, tanto no deposito como na fabrica se a prc rap-
tara todas as porcoes de calcado o mais barato
possivel, esta fabrica tem todas as machinas pro
prias para os calcados ja bem acreditados pelo
grande numero de freguezes qne daqul se for-
neeem.
bem
andar,
%m

Precisa-se de urna ama : no caes do Apollo n.
7.preferese escrava, paracoslnhar e comprar.
1 Atoga-se
o sobrado da ladeira da Se, com bastantes commo-
dos, quintal grande, com cacimba e perto do ba-
nbo salgado; na rna do Pilar n. 118 se din' com
qnea done tratar.
Albgi-se floja n. da rna Direita, e o !
andar, irada pela ra da Penba : a tratar no
segando andar.
chocolate Termlclda
M
Antonio Nunes de Castro.
Desde 1857 qoe sao as tabellas vermicidas ap-
plicadas em Portagal, como o remedio prompto e
efflcaz para a expulsio das lombrigas, que logra
ves padecimentos causara e qne quasi sempre nao
se suppde ellas a origem.
Este vermfugo preferlvel a qnalqoer outro
pelo sen agradavel paladar e faeil applicacio as
criancas qoe mais geraimente sao atacadas de se-
me I han te mal.
Deposito especial
3 A -Rna larga do Rosarlo34
Botica de Bartbolomeu & C.
Ama de leite.
Qnem precisar de nma ama de leite, dirija-se a
rna do Brom n. 66, armazem, qae achara' com
quem tratar_____________' ____________
Sabonetes de alcatro
O oso distes sabottetes tem apresentado os mais
benficos effeitos ron ir a ar impingens, sarnas, tl-
nba, caspa, comlcboes e.todasas demais molestias
de pello
VENDE-SE NA.
Botica e drogara
ni
Bartholomen & Cosapaahla.
34Rna larga Rwarie14
Qnem precisar de nm escravo para criado ou
servico de campo, dirija-se ao Corredor do Bispo n.
15 ; na mesma casa vende-se a banba especial de
fazer nascer cabello.
Aratase o andar terreo do sobrado da rna
do Hospicio esqolna da travessa do Carnario : a
SEGUROS
MARTIMOS
CONTRA FOGO.
A companhia Indemnisadora, estabeleci-
da nesta praca, toma segaros martimos so-
bre navios e seus carregamentos, e contra
[ogo em edificios, mercadorias e mobilias:
na ra do Vigario n. 4, pavimento terreo
tratar no mesmo sobrado.
~ Ataca-a o 1* 1' andar do sobrado da roa
Nova 81, ionio a ponte 4 Boa-vista : a tratar
na loja do mesmo sonrod.
PlIXIiAS .1
Xarope e viuho ferruginoso de
jurubeba com pyrophosphato
de ferro.
Cblorose, anemia, escrfulas, rachitismo, blennor-
rbagia, leoeorrba. febres intermitentes e ame-
norrha (menstraacio dolorosa e Irregular)
etc., etc.
Ha moito qoe tinbamosem vista assoclar o ferro
ss nossas preparaces de jorobeba ; mas levamos
tempo a experimentar qoal a preparacc ferrugi-
nosa, qne mais conviria ao organismo humano,
vindo por flm a decidir nos pelo pvrophosphato
de ferro, com e qnal podemos prepara r os nossos
xarope e vinbo de jorobeba ferruginosos.
Tomos a observar, porm, qoe e uso dos medi-
camentos de jorobeba com o pvrophosphato de
ferro nanea pode occaeionar a pbtysica as pes-
soas anda as mais delicadas, como molas vezes
tem a-oniecido al a pessoas robustas, qoe se bao
servido do mesmo mdicamente preparado com
ootras substancias ferruginosas, por isso qne o
phosphoro debaixc da forma de pvrophosphato,
om meio prophj latito reconbecido iofallivel con-
tra esta terrivel affeeco.
As preparaces de jnrobeba, a qne lavemos as-
ociado o pyropbospbato de ferro, sao mni provei-
tosas no tratamento das molestias das senhoras,
taes cerno a eblorose, anemia etc.
Estas molestias manifestam-se com os syropto-
mas segointes :Descoramento geral da pelle e
das membranas mocosa, magreza, in*bacao das
faces e das pernas ; excitacio nervosa, bysterls-
mo, melancola, debilidade muscular, dores ne-
vralgleas, polso mais freqoente do qoe no estado
de sade, calor febril, pelle secca, appatites de-
ravados, vmitos, prisao de ventre, menstruacao
Dlorosa, irregular, pone ahondante, descoradat
nulla, Aeres brancas, amenorrhag'a e infecundi-
dad*.
Date estado espantoso, alias Oo erdinariaro ote
reconhecido entro nos em erascido numero d se-
nhoras, desapparece s com o prudente nso das
preparaces cima.
'



^_
-II. .11
.
* liilllll

_

.

HrN-i rrnaanbaeo 41* istia felra 19 de SeCembro de
1807^
"X
MtClllYtS
PARA
SOUZn SOARES & IRMAQ ,
proprwtirios do grande e novo estabelecimento de miudezas,
ferragens, quinquilharias ecanftieirosagaz
RVA WOVJL %'.
Em frente a botica do Dr; Bajuno
Receberam directameote de New-York em eortimeoto de machinas par* descarocar
algodSo, senda de 12, 14,10,18 e O.serras, que. pela sua guadade e.pefteico, tornam-
se recommendaveis.
Os proprieUrios garantem por ora anno a cotistraccao das Momas, e o bom re-
sallado em descarocamento de algodSo. Sendo estas de um modelo tal, que alm de se-
rena de pooco volume sao muito facis para o trabaroo, ficando o algodao o mais perfeito
possivel. Affiancaodo-se os precos serem mais razoaveis que em outra qualqqer parte. '
Os preteodentes podem dirigir-se ao referida estabelecimenlo, que alm deacha-
rem um bom sortimento de objectos de que tendente, encontrarlo sinoeridade e bara-
teza nos precos.
. _____,____
34030
30
500
40
(0

t^ f


-
PHOTOGR&PHIA
TIIEJLIA
RA DO CABUGA N. 18, ENTRADA PELO
PATIO DA MATRIZ.
.
nra-se
O nosso estabelecimenlo photographico
est sempre em da com todos os melhora-
mentos e progressos que na America do
Norte, ou na Europa se consegu na arte
pbotograpbica, e para alcaocarmos tal fim
nunca poupamos despezas nem sacrificios,
de sorte que os nossos numerosos freguezes
podem ter a certeza de que sempre encon-
traran em nosso estabelecimenlo todo quan-
to a arte e a moda offerecer de bom, no
novo e velho mundo aos amantes da pho-
tographia.
NOVIDADE PH0T0GRAPH1CA."
Acabamos de receber todo o necessari
para fazer retratos chamados carte-atbum.
Este genero de retratos ltimamente in-
ventado na America do Norte, rpidamente
se propagou na Inglaterra e Franca aonde
goza actualmente de todo o favor da moda.
A carte-a-lum se faz por duzias como os
amigos artes de visita.
Na Inglaterra trocaram o norae de carte-
orna caooa em bom estado qae carrejos de 800 a
1,000 lijlos: a tratar ni roa do Imperador ar-
matem de tonga Q.M.________________________
Oompram-sc escravos
Silvino Guilberme de Barros, compra, vende e
roca effectivamente escravos de ambos os sexos
de todas as tdades : a' roa do Imperador n. 79,
e-rceiro andar.________^_______
Comprase sempre por mais do qae em ou-
tra qualqoer parte, prata brasileira e estraogelra
(pataces) libras esterlinas, moedas de 9 e 16fi
portuguezas, de 50, 10$ e 200 brasileiras, oncas
on outra qnalqaer qaalidade de ooro, e se trocam
sedlas do banco do Brasil e caixas tiliaes de ou-
tras provincias: na rna da Cadeia do Recife n.
58, luja de azulejo._______
Compram-se
com premio moedas de ooro e de prata naclenaes
e estraogeiras : na roa da Cadela do Recife n. 16
armarem de Adriano, Castro & C.
Pataces
Compram-se pataces bespanhes, portuguezes e
brasileiros de cnnbo artigo, em casa de Alamon,
Henry & C, roa do Trapiche-novo n. 40.
uuro e prata
Moedas de ooro e prata uacionaes, estraogeiras
de todos os valores se compram na loja de curi-
ves junto ao arco de Nossa Senbora da Conceico,
lbum pelo d retrato-galera e os ingleses I IS?!* *"L\do K6 ?S31lD,. como.onro e praU
r ,. j em obras ve lias, bn bantes, diamantes e se pasa
usamencaixilhar estes retratos em qoadros bem. u. UK 0 c FaBa
especiaos para com elles formar galeras, j g Compra-se ooro e praia em obras veihas:
Rival sem segundo. **M
% AMdoQnelMnoa.40.
mcBcionadas.
Queiram vir ver o que bem e baralissime.
roalbfsf.de labywnitio com bico, falen-
da toa a :.'-..........
Carreteis de llnba com 100 jardas a .
Gravatas pretas e de cores moito Anas a
Caizas de obreias de massa muito nova a
cofiadores para espartilbo da cordao e
flu.a............v
Carreteis de liaba Alexandre com 400 jar-
das a ...........-.
Sabooetes mnito finos a 60, ICO, 290 e
Ditos de bolla moito finos a 240 e -
iadas de linha froxa para bordar a
Varas de cordao para espartilbo a .
entes volteados para regacar cabello de '
menicas a......... y
Frascos de macaca' oleo muito tino, a 120
Abotoaduras moito Anas para colleles a "00
GartSes de liaba branca e de cres a 20
Libra de ara preta sapenor a.....
Sscovas para (ato, lateada boa, a /
Varas' de franja branca de linbo para
toalba a...........*<*/
Pesas de bico estrelto com 20 varas muito
bonito a.........jf%t %
Varas de papafina de diffefeoies largu-
ras a 120,160 e..........
Caixas de palito balao a.....-or u
Caixas de palitos de segura Dea semen-
cbofre a.............
Sabooetes de familia a 100,160 e
Grasas de botoes de madreperola para
camisa a.............
Cartiiba de dontrina cbrisla a
I
1
o dtbrnzess
e outros metaes, caldeireiro,
laoeiro, e funileiro, situada
na Soledaae, ra do Prin-
cipe n 3, e com deposito na
ra Nova n 38. da cidade
do Recife
DE
, BRAGA &SAMPAI0
jo Fabricata-se neste importante eilabeleci-
' i meoto todas as obras concernentes as artes
- respectivas como sejam:
Alambiques de todos os lmannos en
filios, os mui acreditados aparelhos de
DerosBe co. as,-dietic5e3 deliedas .dos
fabricados em Franca.
Fabricam-se avulsas quaesquer pecas des-
aparebos^'Como sejam o dilatador, ratifica-
dor,e condensador, ou esquema garapas,
oo
100
liooo
200
40
60
240
800
320
Latas com superior baoha a...... 200
Qoadernos de papel pequeo superior I 20
Doiia de baralbos francotes superior 2**PJ|
Groza de pbospboros moito superiores 1"00
Coxas a retalbo do mesmos..... 1
Caixas de pbospboros de velliBba contendo
500 vellinbas mnito superiores a JpO
Resmas de papel almaco muito superior zfoOO
Resmas de papel paulado superior qoali-
dade...........; 3600
Duzias de meias para bomem ...' 2^800
Dozias de melas cruas multe soperiores 4fl0u0
-


com que ornam seus gabinetes. Recebe-
mos orna certa quantidade de taes quadros,
os quaes cederemos por barato preco aos
nossos freguezes.
As pessoas que quizerem ver specimens
dos retratos chamados carte-album, j fei-
tos em nossa ofbeina sao convidados a visi-
tar o nosso estabelecimento.
OARTOES DE VISITA A 9)50QO A DUZIA.
Em consequencia do novo genero de re-
tratos chamados carte-album, diminoimos
O preco dos anligos cartes de visita, os
quaes de boje em diante cam reduzidos
ao preco de
O^OOO
pela primeira duzia, sem que por causa
desta diminnico de preco, deixemos de es-
merar-nos no nosso trabalbo, como sempre
foi nosso costme. Alm disto, continua-
mos a dar os cartes de visita em cartes
de luxo, Bristol, on porcelana, dourados ou
lithographados para o que temos urna varie-
dade de 12 modelos, a escolba de quem se
retratar.
t*T VA GOMO PBEVENClO.
Apr zar do nosso trabalbo ser muito co-
nhecido nesta cidade, aonde trabalbamos a
#2 annos, com todo j oigamos de nosso de-
ver dizer boje o seguinte:
Nos retratos fetos em nosso estabeleci-
mento emprega-se toda a cautela para of-
ferecer-se a par da belleza do trabalho, as
melbores condices de duracSo. Doura-
mos e xamos os nossos retratos sem olhar-
mos a economas, e ltimamente para Ibes
podermos dar urna lavagem mais ampia
e segura, contratamos com a companbia de
Bebiribe nma penna d'agua. Os nossos
cartes de de visita sao verdadeiras pboto-
grapbias, que nao precislo de retoques do
pintor para Iha desfarcarem os defeitos, e
convidamos a quem quizer a passar sobre
elles urna esponja molnada em agua, ou a
deisa-los mergulhados por espaco de horas
em agua, o em espirito de vinho: se apre-
sen tarem alterac5o serlo recebidos, por nos
e pagos pelo duplo do que tiverem cas-
tado.
Continuamos a fazer retratos por todos os
systemas photograpbicos at boje conheci-
dos em pbotograpbia. O nosso sortimento
de caixinhas, quadros, passe-par-tauts, e
jeias de o uro para a col loca gao de retratos
o mais completo, variado e abundante que
existe nesta cidade.
na oraca da Independencia D. 22.
Comprase cu aloga-se orna canoa de carrei-
ra, e que oo carregue mais de S on 6 pessoa, e
qoe esteja em bom estado : quem tiver e queira
fazer este negocio,dirjase a roa larga do Rosarlo
n. 16, qoe acbra' com quem tratar.
_ Comprase umaescrava de meia idade com
algumas habilidades : na Caponga roa das Criou-
las n. 3.__________________________'
Comprase orna casa terrea boa e nova, roo-
derna, em boa ra : quem tiver para vender di-
rlja-se a botica na praQa da Boa-vista n. 32 ou an-
ouncie.
VENDAS

Vende-s&
as seguintes obras: Poema da Mocidade,
poesas por Pinheiro Cbagas, 1 volume.
10500; Nevoas matutinas, ditas por Apri-
gio Menezes, 1)5; O dever, romance, 1 vo-
lume,'640 rs.; Os trabalhadores do mar,
romance por Vctor Hugo, 3 volumes por
45; Cancros Sociaes, drama por D. Mara
Ribeiro, 1 volume, 15600 ; Joo Diabo,
romance por Paulo Feval, 4 volumes enca-
denados, 55 : na ra do Crespo n. 4 fabri-
ca de cbapos de sol.
Na roa da Aurora asa de o. 70, 2* andar, pre-
cisase de ama esenva qoe cosinbe bem, engom-
te e ensaboe : quem tiver e qoiicr alngar dlri-
ja-so a referida casa.

Precisa-se de oo ama para eogommar : na rna
das Crozes o. 21, andar___________________
Pogie do eogaoo Riacbo das
lato Lqz, Idade 17 a
Pedraa, o mo-
" annos, cor algoma coasa assa,
cabellos carapiobos e ruivos, olbjs agatad:s, den-
tes limados, estactara balxa, carpo regalar, con
sicatrites aovas de chicote, deve procurar o cami-
nbo do Reeife e daqui para Manangaapeoade tem
mi e irmiss forros : roga-se a captara do dito
escravo seado condolido ao dito engenbo ou na
ra do Imperador n. 60, onde se gratificara" bem
COMPRAS
m
Moedas de euro.
Naeioaaes e estraogeiras assim como libras
esterillas: cam#ram-se na ra do Crespo n. 16,
prmelro andar.
Compra-se moedas de ouro de 20#, 1G#, i}
e9 a roa da Craz n. 3._____________________
Moedas de prata
oaeieaaes, assim como pataefies pertogoezes e
bespanbes, eompra-ie com premio : na roa do
Crespo n. Ift, prlmeiro andar.______________
Gamisiohas bordadas para baplisados
A aguia branca a ra dfrQueimado n. 8,
recebeu novo sortimento de camisinhas bor-
dadas, sapalinbos de setim tambem borda-
dos, meias de seda e cbapeosinbos de setim
enfeitados, tudo para bapttsados.
BaoDsiDlios cobeces de cooias
A aguia branca rna do Queimado n. 8,
recebeu bonitos babusinhos cobertos de con-
xas, e cestinbas bordadas a froco, objectos
esses de novidade e gosto, [e proprios para
offertas no leilo que ter lugar no hospital
portuguez.
Acabam-se urnas echegam ootras, cor-
'reates de boira lia
A aguia branca que nao se descuida de sua
boa freguezia, tem constantemente mandado
buscar essas bonitas e modernas correotes
de borracha, que servem nao so para voltas,
como mesmo para outros differentes enfeites
Comparecam pois os preteodentes que
acbarao bom sortimento de ditas correntes
na loja da aguia branca roa do Queimado n. 8.
Ciatos de marroqu com fivellas de
ac para meninos
Vendem-se a ra do Queimado, loja da
aguia branca n. 8.
Flores brancas
Come sabido, a aguia branca esta' ooostante*
mente a receber flores finas, porm agora recebe
am tasobem bello sortimento de ditas, qoe por saas
singularidades se faz distlogar das ootras, laso
porque alem das benitas rosas camelias, alexaa-
drias e ontras, vleram algnmas rosas e ramos
brancas com as fotbas tambem brancas, e que Hses
da' moita graca e as torna o mnito ^osto, para
eafeiies de -vestidos de ooivas, coqnes, etc., etc. ;
assim tambem outros ramos com bem combinadas
flores brancas e cor de rosa, e folbas trancas, o
que igualmente Ibes da' graca e perfelco. Em
qaaoio, porm, a aguja branca, na roa do Quei-
mado o. 9, vende sempre -essas flores Oaase ootros
objectos de rosto, es seas precos conUnaam a ser
mdicos e razoaveis. _____
Veode-se oa aluga-se am sitia na Capoaga-
velba, com casa para grande familia, (ende vivei-
ro e rio para banoo, taoqoe para o mesmo, e trae-
teiras contendo froelas: qcem pretender dirija-se
ao mesmo sitio para vc, o qoal flea entre os dos
Srs. Br. Jacobina a Antonio Roberto.
Attengdo.
Vende-se tu ra das Cinco Ponus a. 82, latas
com i libras de doce de goiaba, Oao, melbor que
pode baver nesle genero ; e tambem aloga-se urna
scrava.
GRANDE BAZAR
ra Nova n. 20 e 22
Machinas paa costura do autor Wheeler
4 Wilson, chegadas ltimamente da Ame-
rica; as quaes pode cozer-se com dous
pespontos, toda e qualquer fazenda, emba-
inhar, frangir, bordar e marcar roupa; tudo
com perfeicao. Sao t3o simples, que com-
prehende-se fcilmente a maneira do traba-
lho e a pessoa tendo pratica de coser em ma-
rhinas, pode fazer por da o servico que fa-
ciam 30 costoreiras.
Cbama-se este estabelecimento a atten-
cao do poblico, visto que elle se acha com-
pletamente sortido de objectos de gosto,
como bem Ieques de madreperola e de sn-
dalo, fivelas, fitas para cinto, cokes perfu-
mara e etc,
Na ra nova n. 20 e 22. Carneiro Van-
na &G.
Aif eiico.
o
Venham ver
Vende-se na loja de marcineina na Cambo do
Carme n. 12, palba apparelbada da melbor sorte
para tecer cadeiras e sofs, por prego mais com-
modo do qoe em outra qualqoer parte.
Veodem-se vacca pandas e sem serem pa-
ridas, um cavado e um novilho ; no sitio dos ar-
cos junto a igreja do demedio.
i '!
Seveda.
Yide-se sevada mullo nova a 3J200 a arroba :
na ra Direita'n. 30.
resfriador, serpentinas intenores.
Fabrcam-se bombas -4o todas as dimen-
efies e qnalidades, pelo systema francez ou
americano, simples, de press2o, repuxo, e
com espefciaiidade a estanca ros tassim de-
nominadas pelo enorme volume de agua
que absorvem calculada em 100 pipas, por
hora, e das quaes algumas estao promptas a
serem experimentadas. "
Esistem bombas por este systema, me-
nores, para regar sitios, garantindo-se nao
so sua doracSocomo a grande quantidade
de agua que fornecem pelo qne sao cons de-
radas hoje as primeiras bombas conbecidas.
Todas as mais obras se fabricam i vonta-
de dos freguezes e a sen capricho.
Exjstem sempre promplos no deposito in-
dicado na ra Nova n. 38, um completo sor-
timento de obras solidas, bem construidas e
a precos rasoaveis, como sao alambiques,
serpentinas, taxos, passadeiras, repartidei-
ras, escoma'deiras, cocos, candeias, e muilos
outros utenc.'lios proprios para engenhos,
como sejam mancaes de bronze, parafuzos
para rodas de agua e outres.
Cavilhas, machos para lemes, pregos de
todos os tamanhos e para o forro de cobre
de navios.
Aprompta-se tudo quaolo diz respeito as
obras de lato torneadas e polidas com toda
a perfeicao.
Vlvulas para tanques de banho, torneiras
de todos os tamanhos e qualidades, assim
como todos os ornamentos para militares,
botoes para farda, aparelhos para barretina,
nmeros, espheras, espadas, cornetas, alam-
padas turbulos, caldeirinhas, navetas, almo-
farizes, perfumadores.
Obras de folbas de [landres de todas as
qualidades, bahs, bacas, bules e outros
uteecilios domsticos.
Lampioes para gaz para engenhos, folha
de flandres em caixas, folbas de cobre e la-
t5o, tubos de chumbo para encanamentos de
todas as dimences, folhas de zinco, estanho
em barras e verguinha, lancees e barras de
chumbo, vidros unos para espelbos, de co-
res, bordados, e opacos, e outros para vi-
dracas, diamantes para cortar vidros, cadi-
nhos ordinarios e de patente, rea para mol-
dar, folies para ferreiro, lavatorios com ba-,
cas e jarros, trra podre e outros nmeros
objectos proprio de taes estabelecimentos.
Sendo todas as obras inspeccionadas e
feitas sob a direcejo do socio administrador,
Jos Baptisla Braga o qual se acha de novo
especialmente incumbido da gerencia de tao
importante estabelecimente, isso urna ga-
ranta pela sua longa pratica, que tem os se-
nhores freguezes de qoe ser3o servidos a
contento, com promptid5oe preco commo-
do, pelo que os propietarios lhe serao agra-
decidos.___________ ___________
GRANDEBAZAft
RA NOVAN. .0 E 22
.
.
Compendio Doloroso
Continua a vender-se este precioso livrinho
na rna do Impera 1or n- 15.
Feijao para animaes
Vende-se na roa da Madre de Dos n. 18.
UVAS
Novo soriimento de luvas de pellica (Joavin),
ebegadas no ultimo vapor francs, ao armazem do
vapor oa ra Nova n 7.
libras esterlinas,.
Comprara se com bom premio : na pra-a da Ii
dapepasccia n. 22.
Ha roa d' Apollo, armazm n. ii, comptiba-
Cdsmprase na loja de jolas do coracio de ooro
0. i Vr roa ds Cabogi, moedas Mctonaei Se 20f
-------------VSS55-------------
orna pane de trras so engenbo BomQm, doas le-
goas distante da villa da Becada ; quem quizer
apparect na roa a Roda i. 8, qae achara' com
quem tratar.
se
am escravo de 20 aoBoa de idade, bastante sadio
ioteiiigente, proprio para todo servico : a tratar
MacilCSB.56ll,MHr-
Veude-se um preto possaute e moco : ua ru
ra do Rangel n. 9, ou troca-se por um que seta
cozinbeiro. '
A. Herculano
UaricoO Mooge de Ciser
\ vol. 8o ntida impressio de Leipsio.
Rs. 4*000
LlTrarla franceza.
Vinbo superier etn caixas de urna dmia e
tem para vender Antonio Loiz de Oliveira Azeve-
do & C, no sea escriptorlo roa da Cruz n. 57.
Vende-se niel
IHEL
arua do Apolloja. 4.
Machinas para descarocar algodo. do me
Ibor autor que tem apparecido na America'
E' tal a execucao do machinisme, que o al-
godo sahe quasi tao perfeito como o de bu-
landeira. Recommenda-se a a t ten gao dos
Srs. agricultores, estas machinas.
Na ra da Florentina n. 14, offleina do Sr.
Jos Grogeaa vende-se no carriubo americano de
quatro assentos para na e doas cavallos.
Vende-se a taberna do pateo do Terco n.
H, bem aregaetada e propria para qualqaef prio-
punto : a tratar oa mesan.
Vende-se a casa n, 2S4 da
raur na roa da Praia n. 29 A.
ra Imperial; a
Farinha 4e mandioca supe-
rior.
A tratar com Tasso Irmao oa m trapiche barao
da Livrameoto, forte do Mallos.
Vende-se *er 508*000 nasa preta, crlonla,
de meia idade, cecinba, lava e enfomma, e muito
bn qulundeira: a tratar oa roa do Broa n. 86,
iBWffjiO;_________________________
Veode-se per 900*1 orna preta boa quitandei-
ra, bonita flgura, alta, maga : na raa do Fago a.
9. Ka mesmacasa ba omras escravas para ven-
der-se.
Vende-se as sitio ia fregueiia des Afogados
pateo de Nossa Beahora da Paz n. 76, com aleaos
foros de casas proilaias, eaos proprios e diversos
arvoredos : a tratar na roa Augusta n. 36, das 9
as 9 horas da mapbaa a das 4 as 6 da tarde.____
Veadeseom terreno a roa do~ Prof resso,
oa fregaezta da Boa-vista, com 30 palmos de fren-
te e 3S0 de fondo, ezlstlodo oo dito cinco meias
afaas novas e bem consiroidas, ama boa cacimba
eom mnito boa agua, as quaes renden 381 mean
saes; a tratara roa da Matriz da Boa-vista Da-
mero 7.
" CarregMeiU ebirns
Esto a' venda oa roa da Concordia, no terreno
defronte do aotigo armazem do sol, o* alores
melbores barros qae tem viudo a Peroamboco, os
qnaes se vandem barato : e pede se a's pessoas
que ja'compraram que mandem retirar os seas
at ao da 17, do contrario pagarSo 00 xi. diarios
pelo satbjoto.
Fabrica
CERVEJ4 NACIONAL
De Henrique Leiden
O proprietario deste estabelecimento n3o
poupando esforces nem dinbeiro para agra-
dar ao respeitavel publico e seus numerosos
freguezes acaba de inslallar para commodi-
dade e interesse dos mesmos.
l'm deposito g ral oa roa da Impera-
trix a. 32
Aonde encontrarlo sempre um variado
sortimento quer em grosso quer em retalbo
dos gneros seguintes:
Gerveja nacional branca e preta.
Vfcos finos e outros de Franca e Alie-
manha.
A&yntho Suisso.
ierscbenwasser.
Oognac
Vinagre branco e tinto de superior qua-
tidade, tambem tem deposito de agoa e li-
nonada gjeoza da fabrica do.Sr. Jales Gros-
jew.
E tudo sem differeoca no preco qae se
fecbou na fabric
Qaalquer ncommenda que fr enviada
ao deposw ser immediata trente apr orno-
tada remettidaaodo eiciiio do compradot.
VENDE>S.E
Mttecog americano para do as cavallos.
Dito dita para ^aatro cavallos.
Machinas para descarocar aigo.lo do 14, 16,
18,20 30, 35 e 46 serta*.
Prencas para enfardar algodo fizendo os sac-
eos eom 6 palmos de eomprimento im 0 peso de
ISO e 100 libras, viudas Mimameo te do America
no armazem de Henry Forster & C, no ca Pe-
dro U o. 2 jooto lo Gabinete ftortaga
Loja do Gallo Vigilante..
DE
Gaimares k Freitasosi
RA DO CRESPO N. 7.
Os proprietarios deste bem conbeeido es-
tabelecimento tendo em viatos a bo vontade
com que toda generosa populaclo desta bol-
le cidade concorre com a sua fcoadjuvaco
para o basar de prendas que costumam es-
tabelecer no da da commemoraco do ani-
versario do HospiUl Portuguez de Benefi-
cencia, cojo producto applicado a bem
daquelles que baldos de recursos, e no leito
da dor ali procuram melhorar seus soffri-
meotos e aproximando-se o dia dessa gran-
diosa festa por isso apressam-se em avisar
ao respeitavel publico do que ba de mais
moderno em seu estabelecimento, alm dos
quaes tem variedade de outros, que a serem
para um fim to justo os venderam por pre-
cos mui rasoaveis.
Riquissimas caixas com msica contendo
o necessari para costura, proprias para um
delicado presente.
Riquissims livrinhos com capas de tar-
taruga para missa.
Riquissimo lbum com capa de tartaruga.
Porta joias^dedaes e relogios e neste gos-
to nma infinidade de objectos.
Vasos, calungas e palliteiros de porcelana.
Bonecas qoe cbamam papai e mamSi.
Finissimos lencos decambraias de linho
com disticos.
Caixinhas com perfumaras.
Bengalas de canna com lindos castoes de
marfim.
Riquissims enfeites com coques e sem
elle inteiramente novidade e ultima moda.
Lindissimos cintos para senhoras.
Fivellas lindas de moito gosto.
Lindos port-bouquet com cabo de madre-
perola proprios para casamentes e bailes.
Riquissims Ieques de madreperola.
Lindos Ieques de sndalos para senhora.
Ditos de sndalos para meninas.
Ditos de sndalo tendo no centro um qua-
dro de seda, ultima moda.
Leques de faias muito lindos.
Ditos de ossos.
Linios pentes de tariaruga, massa e outras
rnuitas qualidades.
Luvas dejouvin. inteiramente novas, bran-
cas, pretas e de cores.
Ditas de seda.
Meias de seda e algodo.
Lindas trancas pretas e de cores com ve-
dilrbo e sem elle, assim como lindissimas
guarnieres para enfeitar basquines e botes
para os mesmos.
Lindos indispensaveis para meninas das
escolas.
Bengallinbas para meninos.
Suspensorios para meninos.
Lindas touquinhas e sapatiDhos ricamen-
te enleitados proprios para baptisados.
Meias de seda para' o mesmo fim.
Muito boas escovas para deotes, chapeos-
roupa, cabellos, unhas e para limpar pentes.
Superior liabas para crochet.
Agulbas para o mesmo fim.
Lindos agnlheiros e dedaes de madrepe-
rola e marfim, assim como de metal.
Lindas guarnices de botes, para coletes,
punhos e colerinbos.
Ricas capellas para noivas.
Meias de seda para senhoras.
Superiores thesouras para unhas, costura
e cortar cabello, etc., etc.
Suspensorios de seda para bomem.
Ditos de algodao para homem e meninos.
Finos aderecos pretos para luto.
Grande sortimento de finas perfumarias
dos melhores fabricantes at hoje conhe-
cidos.
Grande sortimento de fitas de todas
qualidades.
E muitos outros objectos que impossivel
seria menciona-los e que se encontrado na
loja do Vigilante, roa do Crespo n. 7.
RIVAL SEI SEGUNDO
Raa do Queimado a. AO, loja de
mladezas
DE
Jos Bigodmho.
Varas de babado bordado do Porto a .
Carreteis de reros preto eom doas otlavas
proprios para machinas a .
Pregos france7.es de todos os tamanbos a
Crozas de botdes de osso para calca a .
Espelbos dourados moito finos a .
Caixas com llnba superior para marcar a .
Carriteis de rteos de todas as cores a .
Frasees d'agoa de Colonia muito superior a
Frascos de o'eo muito fino a......
Duia de tesooras pequeas a.....
Frascos d'agua para limpar dentes a .
Redes pretas lisas para segurar cabello a
Duzias de peanas de ac muito finas a .
Caizas de lioba do gaz de 30 novellos a .
dem de palitos de seguraoca a .
Garrafas de agua Florida verdadeira .
Syllabarlos eom estampas para meninos a ku
Memento da roopa de lavara..... 100
60
00
160
80
600
M009
110
2i AHENCiO
No armazem de fazendas de
SantosCoelho,rua do Quei-
mado n 1%
Bom e barato
Camftraia de cores matisadas finissmas a
800 a vara.
dem brancas transparentes finas de 40,
SfOOO, 60, U, U e 9^000 a peca com 10
jardas.
dem branca tapada de H e 90 a peca
com. 12 jardas. -
dem branca franceza muito larga a 90 a
peca com 8 varas.
Balea de 35 e 40 arcos nesgados para
senhoras, a- 40500.
dem de 35 e 40 arcos com ferrogem a
20500.
dem de mursulipa nesgados a 50.
dem de crochet a"50.
dem de mursulina para meninas a 30 e
30500.
Saias bordadas a 50.
'Cambraias admascadas para cortinado a
120 ,a peca com 20 varas.
dem para forro a 30 a peca com 40 jar-
das.
Cambraia de linho muito fina de 60 e 90 a
vara.
MadapolSes finos de 60,, 70, 80, 90,100,
110 e 120 a peca.
Platilha de algodSo superior fazenda para
saias a 30200 a peca coin 10 varas.
Cobertas de chitas de ramagem 20600.
Lences de bamburgo fino a 20400.
dem de bramante muito fino a 30200.
Pannos adamascados para cobrr mesa a
40500.
Guardanapos de linbo adamascados a...
30500 a duzia.
Atualhado adamascado com 7 1/2 palmos
de largura a 20 a vara.
dem adamascado de linho com 7 1/2 pal-
mos de largura a 20 a vara.
Algodo enfestado com a mesma largura
a 10400 a vara.
dem trancado de algodo a 10600 a vara.
Toalhas alcochoadas de linho lisas a 110
a duzia.
dem de algodao felpudas a 130 e 140
a duzia.
Colchas de fusto a 60000.
Retondes de tilo preto a 60.
Chales de fil a 50.
Lencos de cambraia brancos finos a 10800,
20 e 20500 a duzia.
Lencos de cassa finissimos a 30200 e
3060o a duzia.
Fil de linho liso a 800 a vara.
dem com salpicos a 10000 a vara.
Grosdeoaples preto bom a 10800 e 20
o covado.
Morantique preto superior a 20800 o co-
vado.
Flanella de todas as cores a 800 rs. o co-
vado.
Tarlatana de todas as cores a 800 rs, a
vara.
Bramante de linbo com 10 palmos de lar-
gura a 20500 a vara.
dem de linho com 5 palmos a 10200 a
vara.
dem de linho com 3 1/2 palmos a 800 a
vara.
Riquissims basquins a 250000.
Assim como outras muitas fazendas- qne
se vende por menos que em outra qualquer
parte, e d-se amostras de tudo,
"AGbTLORIuT
200
800
240
200
10000
240
80
600
500
480
500
320
60
600
20
10OOO
320
100
Cal de Li boa
No armazem do caes da airando*a a. 5 L' par*
vender superior eal nova, marea Tlf, chegk'da fea
dias na baria portogMia tratidao, t prec.i de
W barril..
Duzias de meias finas para senhora a
Agulhas fraoeezas a balao (papel) a .
Pecas de fitas de la de todas as cores a
Grozas de botdes de porcelana prateados a
Caixas com alflneltes trancezes a .
Caixas do 100 envelopes multo finos a .
Resma de papel de peso braneo liso a .
Frasco com sapenor tinta a ... .
Pares de botoes de panno mnito bonitos
Ltnbas em carto de 200 jardas a .
Caixa de soperior liaba do gax com 50
noveiios............. J
Taiberes para meninos a....... z*o
Masso eom snperlorea grampos a JO
Grosas de pennas de aoo multo finas a 3
Bonets para meninos a........#
Pentes com eoatrde metal a...... *}
Realejos para metUnoa a.......
Chocolate de Oeabrlere
purgativo de magnesia.
E* o chocolate de desbrlere o melbor purgante
al agora coobecldo o de graode aeeilaco em Pa-
rs, onde tem sMo moito appHeado no hospital
Hotel Dleo pelos professores Trousseao e Pidoui
com o melbor resollado.
Por sua aeeio laxante porga sem fatigar o esto-
mago e os intestinos, o aprsente ptimos resulte-
dos como dorintivo, abrovente, awHvenioso, re-
freocaute o depurativo.
DJOSi especial
3i-.Rtta larga m lto.ario-34
feotica de BarteoloBiea C.
MURRAY & LANMAN
A agua florida de Murray & Lanmand
olhada como um artigo de perfume, nao
tem podido ser igualada pelas preparacoes
as mais custosas: conserva seu aroma, co-
mo se formasse parte da prenda a que ella
se applica.
Sua eficacia to delicada, como elegan-
tes so seus multiplicados usos, qur seja
empregada como artigo detoucador, qur
no uso do banho, ou como suavisador da
pelle, depois que se tenha feito a barba;
j para limpar as gengivas ou aromatisar o
hlito.
D suavidade, brilho e elasticidade aa
compleices, depois de se haver lavado; al-
livia a irritacao de erupces ordinarias; faz
desapparecer o desagradavel aspecto dos
pannos, das sardas, do rosto, rugas e toda a
casta de ebulic5es, e d vigor e frescura
parte onde quer qae se applique. Sua efB-
ciencia e elegancia sSo igualmente infalii-
?eis nos casos em que seja preciso appca-
la como estimulante e antisptico, nos con-
cursos e assemblas numerosas, as loca-
lidades infeccionadas, na alcova de um en-
fermo, assim como ara antidoto excellen-
te para os desmaios causados por cansaoo
ou suffocaco. Preparada nicamente por
Lanman & Kemp, Nova York, e a venda pw
Caors & Barbosa.
JoSo da C. Bravo & #o
A' venda as droga/ias de A. Caors, Bra-
vo 4 C. e P. Maurer & C, e em todos os
estabelecimentospharmacenticos do imperio
Jl
Cal de. Lisboa aova.
Veade-M a roa 4o Apollo a. i.
.GRANDE
Tendo de se liquidar a leja
do Imperador o. 32
de calcados da rna
Boneguhs de MelllV..... 1120.00
Ditos de Suier....... 8*000
Ditos de diverso* fabricantes. 8*000
Sapatoes de beiorro Soxer..... 30 00
Borxegmos para meninos e menisas. 30500
Ditos ditos ditos. ...... 20OCO
Bortegams de lastre para homeus
(Soser)......... 7M0
Sapaldes Melli....... 70OCO
Borzegoins cordivo...... 80080
Perfumarlas do fabricante Labio e
ri'^ "W oao* pweo que em ou-
tra qaarquer "!?:
Botas para moauria.
Pernelras a guarda lama.
Sapatos de tranca para meninos. 10000
Sapatos de couro de- lustre com sallo
para senhora....... ****"

v.
*,


6
-----------
alarte de pernamaaea finta fcir^JtfJWtlfcr^c 4867.
RA DAS CINCO PONTAS H. 86
AO GfANDE armazem

DAS
DUAS MERICS.

Sempre barato
Ao respitvel publico pernmbncatiO pede-se
Ingleza flor al, aljbrae a 5oo ". sofilvel epropHap^ritempero a 34r
dem fraoceza a 56o rs. a libra.
Cha
D primera qaadade a 2,58oo e^-op/io para negocio i Inglezes pearl, nic-nac, oval, cracnel, e oatros superiores a 10!oo a iaU.
Figos
A 2io reis a libra.
Conma
De ntfliobranco a 4oo reis a libra, de araruta verdadeira propril Hf,alim2B"
tar enancas a 5oo reis a libra e caxinhas cona 4 fibras por menos, gonaa 4 Maranhio
a i6o rs. e tapioca sag a 24 a libra. si
Chocolate
Superior a 1?, a libra.
Doces
De goiaba em latas a I05oo em caaa4e 4 libras, muiio fino a 108o, em caixoes
de 2 libras 5oo e 32o.
Pelie
Atenqao
laoteiga ingleza
310, 500,800 e i& s no armaiem se acha vista.
Manteiga franceza

Em latas a looo reis a libra, sonido em quadades.
Ostra
America a Soors. a lata.
Baldes e Vassoura
Americanas a Soo reis cada peca.
Touclnho
De Lisboa a 320 reis a libra.
Toantes
.

Em latas a 6oo rs.

em lioras 560 e 640, em barris se far differenca.
Banha de porco
em fibras 20 o 380> emi>fi0fo s far differenca.
Fruotas
em calda Pera, Pecego, Rainha CUndia, Alperxe e oatras multas 500 e 640 a lata.
ErvIIhas
Portognezas 640, francezas 900.
em latas' db.Par e de albaneque, lata U f l"?00.
; oaiaia de aiiiaa n empacotes, dita da trra 100 e 200 a libra........
vioho

. p
nwmm
DE

Sal
Refinado em lindos postes por Soo rs.
Rlrshs de Wasser
A 2#ooo a garafa.
Vermonth e Abssnho
A !(J5oo a farrafa.
Bitter
A l#ooo agarrafa.
De bordeanx superior, Saint Estephe, Saint Julien, Saint EmUie a 7jjooo a'dozia
e 64o rs. a garrafa.
Vlntao .
Do Porto fino a !49ooo a duzia e 1jJ5oo a garrafa e magnifico tamben em bar-
ril a 8oo a garrafa.
iMi<|iie do Porto
Adamadoe ootrasmarcas a 9oors.a garrafa e ioiJ adaza* al
Vlnho da Flguelra ,.l
0 que ba de melhor a 40, a caada de Lisboa a 3.5 e 4# a garrafa.
Vlaagre
De Lisboa a 2oo e 28o rs. a garrafa.
FarcIIo de Lisboa
Saceos com 9o libras a 45oo..
Carreja
Franceza em gigos de urna duzia a 60.
Ingleza
i'




om i
Joaquim de Almeida tinte
A jurubeba contra o ingorgi
tamento do figado e do bago.
Em extracto alcoollco, emplas-
tro, oleo, tintara, plalas,
de Bordeanx em caixa a duzia 5J, garrafa 500, dito de 9& adaiia, 800 a garrafa, dito ij ;. xarope e vlaho
14,5 dzia, 1,5200 a garrafa, dito do Porto 8i5, 120, 8JL 24J, caitas de duzia, assiml A jtrrubeba urna das^oBstaaeas medi-
comq fgoeira caada 30500 e 4,5, paro J A A Lisboa 2,0800, Ztl&Q aquafidadejeamentosas que j
CDVlda* ca
emlU&'% gafe's mspequeas a vontadedo comprador, em garrafa.
,,, ... |]alpiste
140 e te 0 a tibra^patnco a 100 alibra.
* om Aztlte
em garrafas a 800 e 10.
CHARUTOS
em caixa de 50 por W. ditos Delicias, Trovadores e Parisiflases em oaixas de 100, ditos
da Exposico caixa 50, ditos d Regala caixascom 100 a 20500 e outras muitas marcas
que s na prsehea dos compradores.
PREZUNTOS------
delamego em barril, ditos de fiambre o melhor que ha no mercado por prego que faz
admirar i 1
DOCE DE GOIABA
caixoes de 560 fino, ditos de 10500 que parece marmellada, dito em latas muito fina
qualidade a 10200.
B0GETAS
com doce seccb a 0 e 20.
QUEIJOS
do Alentejom latas chgadopelo vapor Oneida, ditos Flamengos e Pratos dos maisnovos
que ha no mercado.
AZEITONAS ____b ^
de elvas eomo no mercado nao temos a 10 a lata, em barris do Porto a 10 como nSo ha
melhor.
~_________^_:_________i-.____________________l_____---, .
irmann
{MA MOYA N. 21,:
acaba de receber um lindo e magnifico sor
tomento' de ocnlos, lunetos, binoculoi, do ni
timo mais apurado gosto da Europa e oco
los de afcanesi para observac5es e,'para
arimoa. ,________________
Fundi^ao^dAwora em
Santo Amaro
Completo sortfmente 66 taixas batidas e (andi-
da*, aanklvaM de todos os tamanho e fondos d
dito, rooeadisde todos os Umanbos de superior
qualidade, erivos e boceas do fornalba. o que (ato
se Votjd por comyodo prego^
noodo
apares.
Vende-se em casa de Saanders Brotbers & C
o largo do Corpo Santo n. 11, rapores patentes
om todos os pertooces proprlos para faxer mover
es oo. qnatra machinas para desearocar algodio
(tal, e pertence a classe dos tnicos e desobs-
truentes, sendo empregada com vantagem
contra asfebres intermitentes acompanhadas
de erjgorgitamento de figado e de baco. Ella
tem sido applicada com incontestavel pro-
veito contra a anemia ou chlorose, e hydro-
phesia, catharro da bexiga, e mesmo para
combater a menslruacio diflicil, resultante
da mesma anemia ou chlorose.
Deposites geraes
Em Pernambuco, ra larga do Rosario
n. 10, Rio de Janeiro, pharmacia do Sr.
Dsurado, Rio Grande do Sal, em casa dos
Srs, Cselo & C, Macei, pharmacia do Sr.
Claudino, no Havre, pharmacia de Mr. Ma-
rical, em Lisboa, na pharmacia do Sr. Fej.

Bass verdadeira a.

"

T. e Victoria e Alssop a Soo reisa
NJECTION BROU

f Irnlc iDlalDtel c l>raer*aHia, bMtuUacato ubm 0* i
iu priscipto botleu mosd*. (Exatk k Imiinn Mi. (M OM
JblMMwa\sl.t^ww KocmbUBi
S .

I
> w. a a a a a a a a a a mm
PREPARACOES FRREAS-MAN61NICIS
- ,
*



Emliquidado.
6-fl
til aam aVaaaaY

.
-
Roupa feita nacional.
Vende-se calcas de casimira a 50, 60 e





AFPROVADAS PELA ACADEMIA ES MBDiCIIfA
DE BURIN DU BUISSON
Fharmaceaco, lavud peTa iraccii de tt&u lt Pari
3
0 eminente professor Trossbao, na ultima edicio de seu Trbtad4 de Thera-
pettta e Materia medica, reeonhece que os ferruginoso simple* sSo nwitas
vetes inefficazes para ctrrar as molestias qne teem por cansa o empobrec meato
do sangue. Muitos mdicos dos mais distinctos attribuem esse m o xito a ausencia,
n'essas preparacSes, do tnttngaripse, que se acba no sangne,como o tem recoauecJo
as ckimicos os mais peritos, sempre intimamente unido com o ferro. '
E' pois, prestar-se um verdadmro servico aos Sr" Mdicos, o chamar-se sua atteucSo
sobre ai preparares segnintes.
\ PftS fpPrP^ ITIflnfflIlipn dauo immediatamente orna agua, acidulada,
1 I WWWJ UldU|dlCU5 zoza, agradavel, substitumdo com vantagem
C ecenemia as aguas mineraes ferruginosas.
2 Pililas e Xarope-de iodurcto de ferro e de mang/incse inaleraveis
eontendo eada urna cinco centigramos de iodureto de ferro manganieo indioadu
partieularmeate as molestias Tymphaticas, escrofulosas, e as chamadas c*3-
arosaa e tuberculosas. v
receitadas especialmente
para a chlorosis, aaae-
wia, a leucorrhea, a ame-
norrfiea. ? indiccio de


mm de lactato de ferro e de masganese
Pilulas de carbonato frreo manganieo .
alternar estas doas preptracSes di os melbores reet lados.
O Bnrin du Buisson deeejaado obter a adneslo completa do publico maee a
cerca do valor de soas preparacoes, previne que elle as pe gratuitamente sua
disposicSo, dirigendo-sa; ...
fc S Perrumbuc, a sen agente geral, Maatrer O, pltarmaceaticos, ra Hov.
> > p i n m n i a a iiibii a.a d a a a ;
Madapolo a 4;>000 a peca.
Vende-se pecas de madapolo com 20 va-
ras a U, 50, 6& 70, 80 e 100: ra da
Imperatriz loja da Arara ns. 56 e 72.
Casimira emfestada a 10 o covado.
Vende-se casimira efestada de duas Iar-

Veade-se na pharmacia dePj Maarer &_C, ra NBva.
O proprietario destes dous estabelecimen-
tos tendo muita fazenda em ser e desejando
liquidar para vender mais barato que pos- ,
sivel na ra da Imperatriz lojas o armazens **F$*S clitas de meta casimira a 10600
da Arara' ns. 56 e 72. Ie W,-ditas de bnm pardo a 10600, 20400
., ,__. ... :e 20500; ditas brancas de linho a 35300,
Alpacas admascadas para vestidos de senho- 4 e u .'pa|tf)ts de casimira ta e Q [
ras 500 e 720 rs. reg u 6 80 e 100; palitots de meia
Vende-se alpacas de assento branco oom caaiaira a 30> 30500 e 40: palitots de al-
haja* e flores lisa e admascadas proprias' paca de cores e branca a 30500 e-40: palitots
para vestidos de senhoras a 500, 720 e 800 dehrim decores a 20500, 30 e 20: 'serou-
rs. o covado ra da Imperatriz lojas da Ara- de algodaosinho de linho a {600, $,....
ra, ns. 56 e 72. j 20500: ra da Imperatriz lojas da Arara
Ditos {60 o covado. ns. 56 e 72.
Vende-se ditos em retalhos a 160 rs. o' Organdis de edres a 640 rs. a vara,
covado, ditos em peca a 200 rs. o covado : Vende-se cassa organdis de cores a 640
retalhos de caca preta a 120 o covado: re- e 720a vara : talataoa de cores a 800 rs. a
talhosde caga decores a 200, 240, rs. o co- vara: ra da Imparatriz lojas da Arara ns.
vado: retalbos de ISasiohas a 160/ 200 240 56 e 72.
xs. o covado: ra da Imperatriz lojas da
Arara ns. 56 e 72. .
Rrim pardo transado a 560 rs. a vara.
Vende-se brim pardo com peqneno toque
de mofo a 560, 640 rs. o covado: ra da
Imperatriz lojas ns. 56 e 72.
Lazinhas a 200 o covado.
Vende-se 15asinhas para vestidos de se
nhora a 200, 240,280, 320, 340 e 400 rs.
o covado: na ra da Imperatria lojas da Ara-
ra n. 56 e 72.
Chitas francezas largas a 240 rs. o covado.
Vende-se chitas francezas largas a 2 40,
280, 320 e 400 rs. o covado: ra da Im-
peratriz lojas da Arara n. 56 e 72.
Mosambique a 400 rs. o covado.
Vende-se mosambique com palmas de se-
das para vestidos de senhoras, a 400 rs. o
covado: e vareja de listas para vestidos de
senhoras, a 280,320 rs. o cova !o.
Sedas escosseza com quadros para vestidos
de senhoras, a 280 320 rs. o covado: -ra
da Imperatriz lojas da Arara as. 56 e 72.
Arara vende as saias 30500.
Vende-re saias bordadas para senhora a
30500
de arcos
Imperatriz lojas da Arara ns. 56 e 72.
As sedas da Arara (0.
Vende-s. sedas de qwadrinhos e com lis-
tas a 10, 10200, 10600, 108UO e 20, o co-
, vado : pupdirias de .seda cpm palmas saltos
3Paarmacla especial horneo-^
patalea do> Dr. Sabino O.
L. Plaho.
Cha de Ia sorte para oso das
9 pessoas que se tratam horaeopatbi-
camente.
Vende-se em pacotes de libra a
30200 rs.
Ra Nova n. 43.
VERDADEIRO LE ROY
* MtmctfSEV, BMkur-^et^
Ru do Soino, 51, & PARIJ.
,1
4-
O


X
I*
&
\s

."1
^n
mmmmmmmmmm
0 cordeiro providente
Na antiga loja de miudezas a ra do Quei-
mado n. 16.
O cordeiro providente se ufana de ter o sea ap-
parecimento no sempre memoravel dia 7 de se-
tembro. Elle cuinprimenta ao respeitavel poblico
em geral e a cada um cidado em particular. O
cordeiro previdente nao se intromettera' em eslra-
ohos e albeos negocios, restrtngindo-se apenas ao
que diz respelto a miudezas em cuja antiga loja n.
16 a ra do Queimado permaaecera' esperando
de todos suas valiosas protecc^es observando elle
a'm de soa costamada m.insidao, condescenden-
cia e agrado. Na loja do cordeiro previdente en-
conlraro os pretendentes sempre e constante-
mente completo sortimento de miudezas, fiaas per-
fumarias, luvas de pellica, objectos de moda e
phaEtasla e oulros muitos que enumera los se tor-
nara enfadonho, notaudo-se entre elles os que
abaixo vo mencionados, sendo por todos reconbe-
cido a commodidade dos pregos:
Albuns de diversos tamanhGS e quadades para
retratos.
Chaposiobos-esapaliabn para baplisado?.
Coques simples e enfeltados.
Laques de Mandato e outras quadades.
Voltas de relroz com cassoletas obra moderna.
Gulimh .s e punbos para senboras.
Bico de linbp a imita;o de do palz.
Carte/ras com Qn.s agulbas.
Modernas cbapelinas e enfeites para senhoras.
Lionas para crochet.
L5:i para bordar.
Fiaos ecpartiihos para senhoras.
Leques de diverso; gostos a 15.
O cordeiro previdente.
A ra do Queimado n. 16.
Vende os seguales oojectos constantes do varia-
idSS:Son.ra ,uoavDl.
nopreto a 10600, 20,4*0500, 30 e 40:ra'an"
da Imperatriz iojas datara ns. 56 e 72.
Algodaosinho a 30 e 40 a peca.
Vende-se algodaosinho a pegas de 30, 40,
50, 60 e 70 a peca ra da Imperatriz lojas
da Arara os 56 e 72.
Bramante a 20400 a vara.
Vende-se bramante de 10 palmos de lar-
gura a 20400 o. 2f 500 a vara: ra da Im-
peratriz loja? dit Arara ns. 56 e 72.
Algodo enfestado a 10 a vara.
Vende-se algodao enfestado de duas lar-
guras a 0 a vara dito transado 10280 a va-
ra : roa da imperatriz lojas da Arara ns. 56
e 72.
Cassa franceza a 240 rs. o covado.
Vend-se, casias de.cores psra vestidos a
250, 280 e 320 o covado vendes-se cortes
decambraia decoresecombarras,!20500,
Kmr.J.i gj,r.rj, itl. rnlr' a ro!h,>
que lita > mu t rl, um rullllo !ir.;ir.-r. a -.-,.
reilorcui u .-."..-ii l.-,i'i-;ni p Chirno ri>c.t.
v a
MI j(f ^3
DOCTEUrVKOECIN
VET PHARMACiEN
tlt ***"* l> i' t$
i. R-OiMmoi ,;>- *
brf. fit m-i>i!> >\ i
O.-f l.Ui...i'. n--. I
4o *>' mm-nl< / .. ;
Deposito na pbannacia deP.Maure?
C. em Pernambuco.
XAROPE DEPURATIVO
DE CASCA DE LARANJ AS AMARGAS
COM IODURETO DE POTASS10
DE
J.P. Laroze.
pbarmaceotleo em Paris
O iodureto de potassio um verdadeiro al-
terante, um depurador de incontestavel efi-
cacia; combinado com o xarope de casca de
laranjas amargas, atorado sem pertubaco
alguma pelos temperamentos os mais fracos,
sem alterar as funecoes do estomago. As do-
ses mathematicas que elle contem permittem
aos mdicos de receital-o para todas as cc-m-
pleice8, as affecces escrofulosas, tubercu-
losas, cancerosas e nos accidentes intermit-
tentes e terceiros; alm d'isso, o agente o
maispoderoso contraas doencas rheumaticas.
Deposito em todas as pharmacias e casas de
drogaras no Brasil.
Expedicoes, em casa de J. P. Laroze, ru
des Lions-St-Paul, 2, Paris.
A' venda na pharmacia de P. Maurer 4.
C.a, ra Nova n. 25.
Paria, 3, Ra VivienneTb*
mmmtmmm
,40,,60 e70,saia balo ou crinolinas!^ e ^P? ^-j?8^88 da Arara' raa da
;osa 20,20500 30 e 30500: ra da Imperatriz ns. 56 e 72.
,*.;, mL L *,-, k* a 7* Cortes de loa de 14 co vados a 30.
!
Variado sortiaento de modernos ehapos e chapellnas de sea, de flla e de palha de llalla, para senhora a 106COe 10800, grosdenaples
sar* ieoora e mmi. de cores a 1 5800 e 20, dito preto a 10000,
10800 e 20: ra da Imperatriz lojas da Ara-
Supi'riores {r8. toordadinhos e entre melos bardados em oambraia tapada e-traaspuete. ^''^
la leja das clnmnas a na do-Qrespe b. 13
Antonio Corfeia de Vasconcellos & Compnia,

.


WV0 DEPOSITO

IB?
I"""'.....M lili
n nqos
' Ou*
^l ecdlajA
t Sil t
-StlA 8
mwt


ra ns. 56 e 72.

~
30.
Vende-se cortes, de laa para vestidos de
senhora com 14 covados p 30.305G, 40.
40500 e 50, vndese cortes de esleas para
homem a80>f 10, 10OO e 10600.. colari-
nhos de 4talro para homem 400 e 510, ditos
de pape! a 500 rs. a duzia, goliohas para
senhora a 200 e 320 r. por estes precos na9
lojas oarmazens da Arara, ra da Impera-
triz ns. 56 e 72.
-
a
. -

i 9b
ento de Oliva^./Bsagau;,;;?,
53~RaaDlrHaa.-53
-
I Al
8 ."'j ; -2070 89} l .
W-
98 dU[! ; .1 I
ft(VC9
.Vifll
Neste estabeleciment
mettteP^fpMl sW fdHrf:^lto'ais afamado fa
bricante da A*fc#ica, por m avisa a todas as pes-
aS que precisarem comprar, de se dirigir a este
estabelacimeato qne comprarjo das rn^is prtai
neaie gmoro, assim oomo mais barato do que em
outra qnalqner parte, pr isao^e w reggl^lojf'
ragens e miudezas euvgrosasi e % ittaiS
- ----------- td au
va odttf J[ .9b l3
,qA ot. -apal
\h ni X; oi

ii 'i. .ii i tem
I !
.le
1
o r (mp, K pars
Medico spui-lal, comnnfe, 30, ru VMenn r
?. flC nnCMTTC Eis aqu que de todo o* p.aizei om crande numero e
>U HUp l/UCtTlC O. doentes me escrevem :.
NlO estoo co-
rado, tomei Cn
beba, Copaaiba
sob todas ka
ftnnMtpj ooia-
ta"J
1 Use^ e b
r __eesioaiago per-
ilo e i:
curar em fdias, e estn aidmais cnios.
onl^no- di iiA.aUI1O..AWWlla\. .
[que coro rad i taime nk stm waliiuas, Corrimentos, fielaxafdo do canal, CatarrXo 4$ bneiga,
^yflS^SffS CflTftPi.Bfimelra a causa virulenta infldiwnalorit d,eoiao oeltea teiMee,
eoni mmtis vidros do meu Kepiiativo 90 Muera; .pah ata> edM iAccms, eeear o
canal e' Inef tornar a dar aaa tipia dou para acap aeiiettaJteate xaap Att citrato ok
i., 3 40.650 DOENTES CURAD '
P^aii^trtUmeBto.depiiraiiTo do mqim Ai Impu m*v m,0.r,;, rm^-,
, -~, c\sp, ^alrerv,, tfntrtas, Uaat, t uda> aidaenca. ae altero a.parea
HM *< curadaptico tempo per meo XAaora mFtjiutivq *o anaa es
'"- MUliaui, Ktaku Pitciac bpoati>a e miika fownxadm anti-*bto.
""|fai^fSa*e..J['tlei4pi m da |TU. ^mRo it awM mtk-.
uaedto tntaawnu coates amw4\ m luputonla*. vtaa noJueH a
Yuftdtvse naraa No?a n. 25v pharmaiifranceM de

11

Benitas abotaailnras para cohetes.
Co!arint!us uodernos.
Pinas navalbas cabo de marQm.
Bbcovas macbeotadas e oatras quadades para
roupa, cbapo e cabello.
Bjoilas caizas para rap.
Tinta aznfe preta para escripia.
Dila preta para marcar roupa.
Finos caivetes para aparar pennas.
Lapis con: caeta de osso
DilS da cores para desenhos.
Bonitos tfnteiros de louca e vidro.
Fizas para solo e voltarete.
Borrachas para atar papis e segurar pannos.
Dita para brinqoedo de erianjas.
Bolas de borracha,
landos maracaes.
gfeta offisrta-i no hosplal por-
tusu z.
Bonitas cesiinbas eom ructas de cera, obra de ]
muita pflrfei(;a'o e bom gosto.
Para cortar moldea e en braibar fazendas
Vendase papel 1 ardo folaa grande.
Para lustrar calgados.
Vndese superior grasa econmica.
Vendf-e papel pava matar moscas.
.* Io|". to cordeiro previdente
Roa do Qaeimado n. 16.
Nella aebaDioos pretendentes um grande e va-
riado sortimento de perfumaras oas, tanto ingle-
zas como francezas, sendo :
Finos eztractos para lencos.
Banbas e pomadS para cabellos.
Oteo pbilocome e baboza para dito.
Pos aygienicos para dente?.
Ditos camphorados para ditos.
Opiata ingleza e franceza para ditos.
Pacotes com pos de arroz.
vasos de porcelona para ditos.
Sabonetes para m3o e barba.
E muitos outros objectos que sero presentes
ao comprador qae se dirigir a ra do Qttltnadp
n. 16, loja do cordeiro presidente.
Riftileijas peqaenas.
Vendem-se na roa do Qaeimado o. 1S. loja do
eorleiro previdente.
Cnarotos
., ia afiredada Cablea de Jos Furtaio; de
Simas.
Vendem-se na loja do cordeiro pf evidente a rfta
do Oaeimado n. l ____________________
BAS E>Ji>.H.Mi;)AnAS DES SEXIIAKS, AS AFKBO
^0ES 'vT,\f!l<:F; "" 'TERAgoKs do sangue.
i 30.000 curas da impingetu,
sarna,
.cal-
ytanguti
-J.teracoe dn xnn.
g.; iXarojw v. ,..ui ..ejii murcurio). D<.>pur Te.l>a RAKIIS i5llVl:na.Kll tomao-sc dow
por emana. se.;ui.-i!o o tractaiuei.io Depurativo : t
lado0H> n.r :--js iiiDicslJa.i.
; KsieXaropeCitractodeferr
!"'.l!A!iri. enrinimedi.
*.' lamenir

on

lod iJ eb lfiO
Eaxilia superior
Tem para tender Antonio Laiz de Ollveira Aza
vedo 4 C, no sea eseriptorio, roa c a Cruz n. 57.
.! '' '". "1 SH '"*>
Lmenle
Vende-?e .-Imenlo Portland: no armazem de
Viceoie Frrira da Cost & Filbo, ra da Madre
da Dos m 12,
ARROZ DE GiSGi
eos grandes a 4|500
,;;. ?..* iaiueiUt.;tiaque;7-rvicuo,
- ,. i.r/.'cio. detriliaJe, 1
W^kmtmaJUmS smente .-'-,;. floru
branca* das wwtbhrtei Bsta injeccao benigna n>
prega-sa com o Xaropa liefiiiracto de Ferro.
Hetnorroiitas. l'oaiada'quB a cura asi tres liu.
POMADA ANTIHERPETICA
Contra i as a/fec(oei cutnea* e com-.xoee.
PILULAS VEGETAES DEPURATIVAS
4s 1' CbaUs, cada fraseo vi ccotnuaio 3 %m
aps a& HEQicos.
i ( nervosas tat des bron-
._ t cilios e todas as doenfa*
> ... ^ty^.****** 'lo pciio; baila ao doenU
.. rMtir rrii.l'a i!.-Ii va-fi|r {y FOR > ecrt 7 >,s tus PfiB, raa TlTleawe, .
A venda na pharmacia de P. Maarer 9
C, em Pernambuco.
m m gaz ~
Cbego ao antigo deposito de Henry Forster 4
C, rna do Imperador, om carregamento de paz da
primeira qnalidada,o qual se vende em partidas
1 retalbo por menos preco do qae em oatr qual
ger parte.
Sedas a 320 rs. o cavado
Vende-se nm bonito sortimento de sedas de listas
qae sempre se vendern) per amito mais dinneiro
e liqoidam-se pelo baratsimo prego de 320 rs. o
covado, s para acabar : na loja e armazem do Pa-
vo, raa da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Retalhos
Vender ama porcao'de retalhos de chitas e ca-
cas pretas, por prego barato, na loja e ar,mazem do
Pavao, roa da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Amo jL
Baslos
Vaquetas de lustre proprias para cobertas da
carros, muito novas e da aeJnor qnttdade po3-
sivel: vend.ta-sa por presos razoaveis na roa da
Cadeia t. 86 A." .
ltenlo.
Vende-se nma mobilia de Jacaranda' a Laiz XV
e lanamente orna de amarello no mesmo gosto,
sendo esta obras mnito solidas e segaras, e por
na acreditada casa de marclnei-
foi,en^i$o*lAmDaroe
U8 AolaQ. sendo a aarle
.8 AotQ, sendo a
aquelje fle fM00O0
pessoa que pretender dirija-se a rn da Ma.
eos n. 14, o* o caes do R."-1
no tra ,
-----preco racoavel
ria na rna da Camboa do Catuo n. il
73555SI
4
ijsq olt
*

.
C'bK
I para eseriptorio
0 padro.
' sasplr
se no esenp-
do Corpo San-
ffc ,n
ijati-j ob *toi so *ioi tfl 5-*iQa1tk;'
i V4 !?3aootti "filwca ty ILEGIVEL


m
.'
l.rlo de rrrnrabnco --_ Quinta fera 19 de Setembro de 18*7.

.
Collares Royer
da laodiaes. electrices aagaeiices
Deposita acreditado
*ja da aguia branca raa do Queimado o. 8
Apregoar anda os prodigiosos efleitoi dos
Collares Rcyer j nao ensinar oa querer
introduxir novidades, porque a fama de sua
eficacia tem-se tanto esleadido, e os seas
felizes, resultados a tal altara elevado, que
hoje rara a pessoa que por experiencia
propria, oa por intermedio de seos'amigos
e prenles, ignore oa descenhe as virtu-
des desses sempre apreciareis collares
Royer.
A aguia bramsLporm sa gloria de conebr-
rer para um to justo fim, se nlo por ou-
tro modo ao meaos-por ter sempre, e cons-
tantemente om completo sortimento desses
collares magnticos, que bem se podem cha-
marsalva vidas das enancas.
Resta anda que os senhores pas de fa-
milia se facam convencer (de que convem
nao esperar que as crianzas sejam atacadas
do mal, e por isso necessario oa conve-
niente que com antecedencia se deite na
enanca um-desses collares para assim estar
ella preservada das convalcoes e se contar
livre dos rigores da dentico.
A aguia branca roa do Qaeimado n. 8
contina a receber por todos os vapores
francezes a quantidade que ha contratado e
por isso acba-se ella sempre provida dos ver-
daderos collares Royer eJetricos magn-
ticos.
Ghapelinas modernas,
enfeites de Dores, capellas finas para noivas,
ditas brancas e cor de rosa para meninas,
calxos e ramos de flores finas e botoes de
rosa de diversos tamanbos : na Aguia Bran-
ca ra do Qoeimado n. 8.
Meias finas para meninos.
A Aguia Branca ra do Queimado n. 8,
recebeu meias mui Anas para merlinos, e
est vendendo as de cores a 5/1000 duzia,
brancas a 5#500 e cruas a 6#000.
Trancas de vidrilhos, brancas e pretas, lar-
gas e estreitas.
A Aguia Branca a ra do Queimado n. 8,
recebeu novo sortimento das trancas cima
ditas, e como sempre vende-as por precos
commodos.
Fitas novas
para cartas de hachareis e a irmaedade do
Boa Conselhu.
A Agula-Branc?, a roa doQaeimado n.8, receben
novas litas achamalotadas para ambos os lados,
rom encurpada e toda de seda, com viva o agrada-
vel cr, e esmo sempre, vende por prego mullo
rasoavel.
Bonitas nonecas
com rosto de cera, olhos Qxos e movedicos,
A aguia branca a raa do Uueimado n. 8, rece-
ben om novo sortimento de bellas bonecas com
rosto de cera, olbos fixos e movedicos e como
sempre vende-as por precos commodos, regalando
estes pm relacio>aos diferentes tamanbos de que
se comr-o3. o sortimento.
Elixir dentfrica e odontalgico.
A aguia branca a ra do Qaeimado n. 8, rece-
ben da novo esse apreciavel elixir cujo aso ne-
cessario para onservacao das genglvas e acabar
o mo hlito proveniente de dentes armiados,
cada frasco custa 25.
Est ludo remediado em quanto a la-
yas d pellica.
Porque a aguia branca por intermedio de um
negociante de nossa praca mandn contratar com
um bom e acreditado fabricante de ditas, para
este ihi! fanT remessasdirectamente por todos os
vapores, sendo a primeira a que agora acaba de
chegar. O fabricante promette manda-las sempre
da melhor pellica e na verdade as que vieram
dessa vez confirmam o sen dizer, e pelos difieren-1
tes enfeites que ellas trazem da' ella mais a conbe-1
cer o apurado go.-io e perfeicao de sna obra. Res-
ta pois que os bons e constantes freguezes eonti-
nnem a favorecer a aguia branca em quanto ella
vai se livraodo dos mos que com seus fiados a
iam depenaudo.
JLfAEJMG)
Este estabelecmento acaba de receber lindas
chapelinas para senbora, ricas calxinbas para eos-
turas, ditas para joias, pentes doorados para coco,
fiveas moito ricas, assim como cintos e pulseiras
da ultima muda de Paris, entremeios e babadinbos,
bonitos toucadores dourados e de Jacaranda, espe-
lbos escossezes de diversos tamanbos e ricos cai-
vetes para senhora, voltas para pesclo, gravali-
nbas, bico de seda, dito de algodo, labyrintbo, e
muitos futros uhjectos de apurado gosto, que se
torna enfadonho mencionar, todo por precos moi-
to enmmodos: a' ra da Imperatriz n. 70, na loja
da Lealdade.
^M_ ^


Alm do grande sortimento das melbores machinas, americanas para descarrocar
tlgodao, de 10,12, U, 16,18,20, 482/25, 30,35, 40 e 50, neste estabelecmento se
encontre mais o seguinte: +e3&
Aaeite de espermacete propria para maehi-
Ms.
Vapores de forca de 3 a 4 cavallos.
Sorras a vuls a s para machinas.
ManeSese todos os mais pertences para as
mesmas.
Carros de m5o para aterro.
Cylindro para padarias.
Debnlhadores para milbo.
Arados americanas.
Carrinhos proprios para arraazens.
Moinhos para refinacSo
dem para'-vfho.
Escadas de madeira americanas



Caixas com vidro sortidos.
de todas as qaalidades.
Bombas de japyz.
dem americanas.
Ferros para engommar a vapor.
Vassonras americanas.
Baldes americanos para compras.
Tinas de madeira.
Ballaios e cestas de verguinba.
Guarda comidas.
Peneiras d'arame para padarias e refinac5es
Correntes para almanjarra.
Machados e faces americanos." '
Barricas com milho branco americano.

GRANDE SORTIMENTO
FAZEUTDAJS BARATAS
KA
LOJA E ARMAZEM
O
Escravos fgidos

Ra da Imperatriz
SE
& SILVA.
Os propietarios deste grande estabelecmento acabam de receber da Enropa um
e sortimento das melhor es fazendas de 13a, hnho, algodao e seda, as quaes vendem
por precos baratsimos, afim de apurarem dinheiro, dando de todas ellas amostras,
dcixando ficar nm peohor ou maodam-nas levar em casa das Ex mas. familias pelos seos
caixeiros, assim como as pessoas qoe negociam em pequea escala, neate estabelecmen-
to comprarao pelos mesmos precos qae se compram as casas inglezas, ganhando-se
apenas o descont.

As

i
:
Armazem de fazendas finas para grandes toiletts e uso
ordinario para todas as classes.

:
mm m n
i

ra do Crespo n, 9 A, esquina da do Imperador
DE
Custodio os Alves Guimaiaes.
O proprietario deste importante estabelecmento avisa ao respeitavel publico
e aos seos amigos e freguezes que acaba de receber pelo vapor fraacez Guietme, di-
versos artigos de moda, os quaes sao de completa novidade para este mercado, e apro-
ximaudo-se o dia da commemoraco do anoiversario do Hospital. Portuguez, por isso
apressa-se em vir avisa-los do que ba de mais moderno em seu estabelecmento, orno
sejam:
Riquissimas chapelinas com coque. | Lavas de Joovin preta, branca e decores.
Ditas sem elle. I Lindos cortes de laa 'com barra.
Lindas chapelinas de palba da Italia. (Re-X Riquissimos cortes de.transparent de se-
commenda-se muitoestas chapelinas por se-da para vestido de senhorastambera oov-
10 mil Taras de cambraias
Covado 300 rs. vara SOtra.
SO o P*t5o
\ endem-se finissim cambraias france-
zas com listras miada e graudis e cem
lindos desehos de flo'es e palmas, sendo
todas com as cores mais modernas e mais
lindas que tem vindo ao mercado, pelo ba-
rato preeo de 300 rs. o covado oa a 500 a
vara, grande pechincha atteDdendo a
grande porcSo que tem, senao seria para
muito maisdinbeiro : isto na loja e armazem
do Pavao, ra da imperatriz n. 60 de Gama
Silva.
Chafes baratos
20, 3^500, 6 e 70000.
Vendem-se chales de merino estampados
a 20, ditos lisos a 30500, ditos estampados,.
finos a 50500, 60, 60500,'ditos crepoif?
com listras de seda a 70800 e 80000,
pechincha : na loja e armazem do Pavao
ruu da Imperatriz n. 60 de Gama e Silva,
Para camas denolvas.
Vende o Pav5o.
Ricos cortinados bordados a 8*000,105, 165,
20$ e ioi o par ; assim como os mesmos tarobm
servem para janelias; ditos adamascados a 10$ e
124; bonitas pecas de cassas adamascadas para o
mesmo eflelto; bonitos damascos de lia de urna
e dnas largaras, proprios para colchas, assim oo-
mo bonitas colchas de croch : tugu isto se vende
mais barato do qoe em antra qualquer parte, na
loja do Pavao, roa da Imperatriz n. 60. de Gama
Organdy a 4HOOO.
Vendem-se bonitos cortes de organdy
sendo com listrss todas brancas ou com lis-
tras de cores tendo oito varas cada
Vestidos oe rantazia a 60 e 80.
Vendem-se bonites cortes de vestidos de
fantazia com lindas barras e enfeites de seda
pelo baratissimo preco de 60 e 80 na loja
e armazem do Pavao roa da Imperatriz n.
60. De Gama & Silva.
Pannos do l'mho.
Veode-se superior panno de linho puro
para lences e cerouias a 640, 7G0 e 800
reis, a vara na loja e armazem do Pavao roa
da Imperatriz n. 60. De Gama & Silva.
Bramante de linho a 20 20400, 20800 reis,
a vara.
Vende-se soperior bramante de linho
com 10 palmos de largura proprios para
lences, pelo barato preco de 20, 20400 e (
208'JO reis a vara, na loja e armazem. do
pavlo ra da Imperatriz n. 60. De Gama
Silva.
Algodosinho enfestado a 10 10290 reis a
vara.
Vendem-se superior algodosinho ameri-
cano enfestado que a largora delle d a lar-
gura do lencol, sendo liso a vara a 10 e sea-
Pav3o ra da Imperatriz n. 60. De Gama &
Silva.
Punhos e golinhas a 10000 o par,
s o PavSo.
Vende-se om grande sortimento dos mais
bonitos e modernos punhos com golinhas,
sendo de esguiSo de linho bordados a 10000
o par, ricos maDguits com gollinbas de
cambrala tapad e transparente a 20000 o
E" pechincha ; na loja e armazem do
par,
, PavSo ra da Imperatriz n 60 de Gama 4
eorte, I Si|
pelo barata preco de 40, pechincha: na Cakinbas meDnas a 640 e
loja e armazem do Pavao ra da Imperatriz 800 ris
n. 60 de Gima e Silva.
Vende se om mnlatinbo de i'dade de 12 an-
uos, linda figars, bom copeiro, habituado ao servlco
de casa, sem vicios e bem educado : roa do Hos-
picio defroote da casa em que foi o gymnaslo na
penltima casa junto ao canal; os pretendentes
podem ir vello das :.eis as nove boras da manba,
'a das tres as seis da tarde.______^^
Attenco.
Vendem-se as casas terreas ns. 7 e 9 da roa de
Motocolamb, tendo cada urna 2 salas, 3 quartes,
coztoba ra. cacimba e om pequeo quintal mo-
rado, em cbos proprios ; a tratar com o agente
Martins na roa do Imperador n. 16.__________
Vend.-? a melada de um sitio na Torre, com
casa de vivenda a sotao, de Ujoloecal e mais bem-
feito/ias, a margetn do rio apibanoe, cora terre-
no de barro, proprio para os senhores qoe teem
olaria, cojo sitio pertencea ao tenente coronel Ma-
noel Clemente de Almeida Catanbo : quera se jal-
gar cora preferencia apresente-se em oito das, sob
peua de ser realisada a venda com qualquer : a
tratar na raa do Sebo n. 12.
ltlUS CHAPELINAS PAB4
senhora s
Sao chegadas pelo ultimo vapor es mais moder-
nas chapelinas, tanto do palha da Italia como de
seda e crep, as quaes se vendem muito barato :
na raa do Qaeimado n. 39, leja de 4 portas.
Vende se nm lindo bou (fondo de prato)
com 4 remos, leme e vela, reparado e pintado de
novo, por preco coomodo : para ver e tratar em
Santo Amaro, fundido.__________________J_
Aos reverendos vi'
garios,
Vendem-se duas estolas ricas, as melbores que
podem baver neste genero,, sendo ama braua e
ontra preta, por mdico preco : qaem pretender
poda dingir-se a ra das frutes, sobrado de om
andar n. 16, a tratar com Antonio Alves da Fon-
e. :
Tmho nao do Porto en-
garrafado.
Vende-se de mo exceilente qnalldade por mo
dleo preco em calas de 12 garrafas ; no arpa
mez de David Ferrelra Balur, roa do Brnm a466.
rem inteiramente novidade).
Riquissimos cintos de seda, com matamos
ch"meza, ultima moda.
Lindas saias de l com bordados, proprias
para as excelleuLssmas seoboras trazerem
por cima do baio, ultima moda em Paris.
Lindos cortes de seda para vestidos.
Moireantique branco, azul e preto, fazen-
da inteiramente nova.
Grosdenapoles de todas as cores.
Ditos pretos.
Leques de.madreperola.
Ditos todos de sndalos,.
Ditos de sndalo tendo no centro um qua-
dro de seda, inteiramente novidade e ulti-
ma moda.
Chapeos de sol para senhora.
Ligas de seda para senbora.
Ditas para meninas.
Espartijhos para senhora.
Riquissimos enfeites para senhoras, intei-
ramente novidade.
Bales para senhoras e meninas.
Touquinhas ricamente eufeitadas.
Coeiros bordados.
Toalbas de labyriotbo muito ricas.
Ricas fronhas de labyrinto.
Riquissimos lencos de dito.
Rendas, bicos da trra e grades para lencos.
Um rico lengol. de labyrintos.
Riquissimas basquines de seda preta, bor-
dadas com gosto.
| -
A os agricultores.
Sanodtri Brathers 4 C. eanaro de receber
de Liverpool vapores de (orea de 3 a 4 cavallos
com todos os pertences, e mo proprios para faie
rem mover machinas de descarocar algedio, po
dendo cada vapor trabalbar at com 140 serras,
tambera servan pan enlardar algodao, on para
outro qaalquer serweo- ea ye ni ie liibilhir
com aniroae?. O (wmo Umbem t a' venda
machina americanas de 35 a 40 ierra.
O* pretenderes dirijim-se ao largo 4o Corpo-
Saoton. II.
dade.
Lindos cortes de 13.com listas de seda.
Riquissimas fivellas para cintos.
Fil de seda e de linho.
Riquissimas camisinhas para senhora.
Riquissimas saias bordadas.
Punhos e gollinbas para senhora.
Riquissimis manteletes de cores, inteira-
meute novidade.
Paitos de linho bordados com gosto pro-
prios para camisas de noivos.
Colterinhos de linho lisos e bordados para
homens.
Lindos veos e mantas de bloods.
Riquissimas vestimentas para baptisados
contendo chapeosinbo, sapatioho, meiasinha
e camisinha com lindos bordados.
Riquissimos chales de tonim.
Gravatas de seda branca para noiva.
Ditas de cambr ia de linho eom bordados
as pontas, novidade.
Chapeos de sol de seda com casto de
marfm.
Ditos de outras qualidades.
Chales de seda.
Ditos de cachemira.
Chapeos de seda preta para homem.
Ditos de phaotasia para homem.
Casemira preta mnito fina.
Ditas de cores inteiramente novidades. .
Cambraias, las, chitas, madapolSes e ou-
tros muitos objectos.
Atoalbados para meza a 20000, 20500 e
30000.
Vende-se soperior atoalbado de
adamascado alvo com 8 palmos de largura a
' 30 a vara; dito adamascado pardo a 20500
rs.; dito alvo de algodSo a 20000 rs.; dito
trancado alvo, sem ser adamascado a 10600;
guardanapos econmicos pardos a 30 a du-
zia ; ditos alvos a 30500 e 40000: isto na
loja e armazem.do Pavao ra da Imperatriz
o. 60 de Gama & Silva.
Casaquiohos de fil.
Vende-se os mais modernos, casaquinhos
ou basquinas de fil preto. pelo barato pre-
go de 160, chales e retondas de renda preta
na loja e armazem do Pavao ra da Impe-
ratriz n. 60. De Gama & Silva.
Cambraias largas com 8 Palmos de largura a
10 e 1280.
Vebde-se cambraias largas da Escocia ten-
do 8 palmos de largura que falieita fazer-se
um vestido apenas com 4 varas, pelo bara-
to preco de 10 el 280 reis a vara pechin-
cha na loja e armazem do Pavao ra da Im-
peratiz n. 60. De G ma & Silva.
Cambraias escocezas tapadas e transparentes.
Vende-se um magnifico sortimento de fi-
nissimas cambraias brancas para vestidos
Vende-se calcinhas bordadas para meninas
que andam na escola pelos baratos pregos
!de 640 e 800 rs., mangoitos para as mes-
0' mas e para senhoras pelos mesmos precos,
0 dono deste importantissimo estabelecmento contina nolouvavel proposito de
querer vender muito e gaohar pouco, sujeitando-se a tirar em suas mercaderas um lacro
rasoavel, para assim poder melnor agradar aos seus numerosos freguezes.
A' LOJA DE FAZENDAS DE AUGUSTO PORTO 4 C
11Ra do Queimado11
Angosto Porto 4 C. acabam de receber da Enropa superiores cortee de seda de coree para
bailes e casamentes.
Ricos cortes de blond com manta e eapella para noivas.
Cortinados bordados para camas de noivas e janelias de 7f a 80# cada nm.
Colzas de seda e onlras de lia e seda o que ha de melhor para camas.de noivas.
Toalbinbas de croch para eadeiras e sofs, espartilbos a saltana para teohoras, camisinhas
com manguitos bordados e lindos encbovaes para baptisados, e baldes de mussellna e de arcos para
senboras e meninas. ...... ,. *
Lavas de pellica para homem e senhoras e superiores chapeos de sol de todas as qaalidades.
LSa para vestidos baratsima bonitos ntdroes o covado 280.
tapetes randes-pafa soty, ditos para piano, ditos para cima e pequeos para portas e. janelias.
Moir branco e p>*te saperier para vestidos de lindos desenhos, grosdenaple de toda as cores
seda de qoaUrlnbos. cambraias brancas de mnitas qaalidades, ditas de eores e lindas percales.
Basaames de seda preta ultima moda, ehales e rotonda de ipare, vende-se barato.
Camisas para homens Trncelas e inglews de linho e de algodao anas soroala* de lnoo
Capas de borracha, sobretodos e perneiras as melhores e mais elegantes.
Mala? grandes para viagens, ditas pequeas e saecos de tapete e couro.
Bramante branco de 4 larguras a 1*500 ', pannos pretos e ames, casemtras pretas e
cores tndo bom e barato. .':'' '.,'"''.''':
Neste esubelecimento basempre om completo sortimento de boas faienda unto lW
cobo para o centro da provincia e superiores objectos proprios para casamentes como sejam capel',
mantas, vestios de bloode e de moir branco, cortinado, .colchas, vendendo-se todo mais^ narata e
usbeca as melhores
Esteiras e alcatifas para forrar salas.
H-RM doQaelmado-il
su-
de

j-r.------



'"
Noyoegraade dflpotode superior carvo de Cardiff na
Bfcfeia. ____taJ-
Antonio Gomes dos 5antoe & C roa 8anu> Bartnr o. 1, esto haWHUdot a tspjvu'i
oarvio em con^cSeimilsfiTotavel qoa em onfto qualquer deposito, a todo, o -Mto* a vapor qw
corcem naooeJ porto. A cootraur oe wm Domingos Alves Hatheos J
na loja" do Pav5o ra da Imperatriz n. 60,
de Gama & Silva.
Baldes do canda,
Vendem-se as mais modernas crinolinas ou ba-
ldes proprios para vestidos de canda, sendo os
melbores e mais modernos qoe tem vindo ao mer-
cado e por precos mnito raioaveis: na loja e ar-
mazem do Pavao roa da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
Las transparentes.
Cbegaram as mais modernas barejes oa llasi-
nhas 'transparentes com bonitas listas de seda,
vendem-se na loja e armazem do Pavao roa da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Casaquinhos para senhora
Cbegaram os mais modernos casaquinhos on ja-
qaetas pretas ricamente enfeitadas sendo com cin-
tura e sem ella, pelos precos mais mdicos qae em
ontra qualquer parte : se vendem oa loja e arma
zem do Pavao ra da Imperatriz n. 60, de Gama
& Silva.
Bales a 9gt &oo e Sf.
Vende-se nm grande sortimenio de crinolinas
ou baldas de arcos para senhora pelos baratos
presos de 2, 2#>00 e3 por ha ver grande por-
-cao : pa teja e armazem do Pavo roa da Impera-
uiz n. 60, de Gama & Silva.
nada polio e algodSo
Vendem-se superiores pecas de madapolo ten-
de m. iU, 131, assim como um grande jyjj em p* *' a maln0i ,iROaao mnito en-
sor tmenlo de ditas mais abaixo de 4$, 5<$, corpado pecas com 30 jardas a 5300, 6 e 6*100,
60, 7|$ e 80, garantndo-se aos comprado- dito muito tino qoe serve at para camisas a 8* :
res que neste genero nao poder5o comprar JJ HuaSS ?i"* mperal^', D"
melhor e;n outra qualquer parte e s na lo- vr *jaja a- DnTrX/\
ja do Pavo roa da Imperatriz n. 60. De JNOVluaCLe UO ravaO.
G ma & Silva. Alpacas, a 4280
Damascos para colchas a 5$, 20500 e 800 rs. Chegaram as mais brilhantes alpacas de
Vende-se o mais soperior damasco com seda para vestido, sendo neste genero ornis
8 palmos de largura proprio para colchas bonito que tem vindo ao mercado tanto em
com os desenhos mais bunitos que tem vin- novidada de dezenhos como em flores, pois
do ao mercado com urna s cor e de duas urna nova fazenda que se confunde perfei-
cres pelo barato preco de 50 o covado, di- lamente eom seda tendo entre ellas algumas
todas brancas com os mais lindos lavrados
e vendem-se a 1280 reis, o covado, na loja
e armazem do Pavao, ra da Imperatriz n.
60. De Gama Silva.
A alpacas do Pavao
para vestidos a 10.
Cbegou um grande sortimento das mais
bonitas alpacas lavradas, de cores que se.
vendem a 10 o covado, ditas a 800 reis,
ditas lizas de todas as cores a 640 reis, que
se vendem na loja e armazem do PavSo, ra
da Imperatriz n. tO. De Gama & Silva,
feslides brancas
a 40, s o Pavo.
Vendem-se bonitos cortes de vestidos de
cambraia branca com bonitas barras tendo
entre elles'tambem com barra de cor even-
dem-se pelo barato prego de 40 cada um,
oa loja e armazem do Pavo. roa da Impe-
ratriz n. 60. De Gama di Silva.
Grande novidade
Vestidos a 60
so na loja do Pavo.
Se vendem os mais rios cortes de organ-
dy braDeo com elegantes listas largas* pre
tas tendo 10 varas cada corte com os com-
petentes enfeitos para o corpo sendo neste
genero o qoe tem virjdo de mais no'vo ao
mercado, pelo barato preco de 60, s na
loja e armazem do Pavao, raa da. Imperatriz
n. 60. De Gama & Silva.
Chales a Beooiton a 50000 E 60000
na loja do Pavao*
Chegaram os mais modernos chales Be-
ooiton, sendo de ama s cor com bonitas
franjas de pelada, e tendo eitreelles. as
cores mais modernas que teem vindo a este
mercado e vendem-se pela barato prego de
50 e 60060, ditos a Isabella qae supprem
mui lo bem os caxms e vendem-se pelo
barato prego de 70000 rs. garantindo-se
qoe n'este genero o que ba de mais novo
no mercado e moito decentes para qualquer
senhora nzar : vendem-se na loja e annareem
do PavSo, roa da Imperatriz n. 60, de Gama
V Silva.
CARNAUBA.
Vende-se cera de carnauba em saccas,
sendo de soperior qualidade na loja do Pa-
vSo, ra. da Imperatriz n. 60 de Gama *
Silva.
Fogiodo eegenbo Santa FeJregneziade Agua
Preta ao dia 35 de agosto proiiroo pausado o es-
craso de norae Joaqun, de liada 10 annos pouco
nuil on menos, pertencente o abaixo asignado,
eom os signaes segoinles : cabra, cabellos cara-
biabot, bttxo, eorpo regular, naris afilad*, pero
OB pouco volteadas para dentro, esta' descorado,
ertegou do engent Pimenia freguezla de Santo
Antio no dia 2 de setembro corrente, a d'abi tor-
non a fuglr no dia 6 do mesmo, sappSe-se que pa-
re o Recite onde elle tem m i, tatvez ci,m o fim de
assentar praca ceno ferro : por isso pede se as an-
thoridades policiaes on capities de campo qae o
prendare e leveo ao senbor no eogenbo cima di-
to on nesta praca a raa da Prala n. 55, qae sera'
gratificado. ____________________
ln nuncio.
Contina fgido desde o da 2 de abril o mulato
Josa, de idsde de 40 annos,, pouco mais on me-
nos, com os signaes segaintes : cor alaranjada,
cabellos earapinbos, estilara regalar, refercado do
corpo, pernas grossas, irabalha de mestre de asn-
ear, mestre de pedreJro, slpaleiro, mnito fu-
mante de cachimbo, sabio com desuno a Seri-
niiem. O abaiso assignado roga a's anloridades
policiaes e capiaes de campo qoe mandem pren-
der dito mnlato e leva lo a sea senbor no engenbo
Japaraiuba, que sera' bem recompensado e por-
tador.
Jap'aratuba, 28 de julbo de 1867.
Joao Jos Buarqae. __
Escravo fgido
No da 3 do eorrente fugio da casa de sen se-
nbor o preto crioolo de nome hidro, com idade de
28 anns, com os signaes segaintes: estatora re-
gular, chelo do eorpo, cor rola, falta de dentes,
quando anda faz om pequeo geite em om dos ps
para dentro, bastante potroso, ilbo c'u logar de
Bananeiras, da Parahyba, levou camisa branca,
caifa de casemira parda, ama blnsa de algodo
azul, do feitlo de farda de voluntario, tendo sido
visto pela Soledade,jnoto com om exvotarHarfo que
veio do sal, Albo de Pedrss de Fogo, de sop-
porque para l tlvesse seguido : portante roga se
a todis as autoridades policiaes, capitaes de cam-
po, oa qualquer pesjoa qae o possa c-ncmirar, o
prendara e o mandem a sen senbor, na padaria da
prega da Santa Cruz n. 6, qae serao beis recom-
pensados.
No dia 16 de abril do eorrente auuo iugio
nm escravo de neme Jos, preto, crloiilo, moco,
baixo, com panno pelo rosto e peiio. urna r'nrm
ten om dos joelhos, proveniente de nns c jee de
cavallo, urna uinrca de caustico sobre o libado, pa-
cha ptla perna e,;qaerda, tem as costas marcas
de chicote, toca gaita, iucolca-se de f r < ?r1o
era de outro senh.r tai orna fgida i., t. Ja
um auno, e esleve acontado no lugar Vtrteute, fre-
guezla Taqnaretinga, onde foi preso : quem o
apprebender leve-o a seo senbor, na ra larga do
Rosario o. 26, andar, que sera' generosamente
recompensado.___________________________
lOjOOO de gratifica cao.
No dia i i do correte mez da setembro volt?ndo
um carro do engenho Local com 4 boif, e na dor-
miaa em estrada nova, normebo do Sr. SebastiSe,
desapparecea am boi preto, grande e novo, com
um ferro em cima da anca,a direita e a esquerda :
quem der noticia dirija-se a roa d-> 1 'rjerad.r n.
28 qoe sera' recompensado cem o0006. ,
Atlenco
o
Fogio no dia 15 do eorrente o negro de nome
Patricio, crioulo, de 35 annos de idade, pouco mais
ou menos, de estatura baixa e franzino, mos e ps
pequeos, nao tem dentes na frente e tem barba
serrada com algons cabello bracee-, gagaeja
qnande falla, levoa vestido calca de bnm pardo,
camisa de fhnella rlscada e um bonet escuro : a
pessoa qae o apprebender e levar a travessa da
praca do cbafariz n. 11, Recife, sera' generosamen-
te recompensado.
100$

J08
to com 6 palmos de largura a .0500, ditos
de urna s largora a 800 reis, na loja do Pa-
vao ra da Imperatriz n. 60. De Gama &
Silva.
Cassas de urna s cor a 300 rs.
o covado.
Vende-se bonitas cassas de-urna cor s.
tendo cor de rosa e asul, cor de lyrio, roa,
verde e cor de canoa, pelo barato preco de
gOO rs. o covado: na loja e armazem do
PavSo ra da Imperatria n. 60 de Gama &
Silva.
Os casaquinhos de pavo
a 180,205, 230 e 300.
Chegaram es mais modernos casaquiohos
ou jaquetas de grs preto, ricamente enfet-
tadas, sendo uns com cDtura e outros sol-
tos con'orme se usa ltimamente e vedem-se
pelos baratos precos de 180, 200,250 e
300, na loja e armazem do Pavo, roa da
Imperatriz o. 60. De Gama & Silva.
Sedas largas
A 25 o covado
S oa loja do pavo.
Vendem se modernisslmas sedas cem largara
de chita franceza, sendo com padrSes modernos,
tendo entre ellas cores proprias para, quem est de
lato ; vende-se pelo barato prego de 2 o novada :.
grande peebincha : na loja o-aru)wem do Pavo,
raa da Imperatriz o 60, de Gama & Silva.
Cortes braceos
ASOOrs.
. Vende-se bonitos cortes de cambraia branca eom
bonitas barras bordadas e tendo tambera algons
com bonitas barras de cores ; vndese pelo bara-
te pre$o de 55, na loja e armazem do Pavio, rna
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Alpacas de cores w
ABOOrs.
Cbegaram as mais bonitas alpacas de cores para
vestidos con desenhos miados e grsudos, tendo
largura de chita franceza, a vende-se pelo barato
preco de 500 rs. cada, covado ; grande pechin-
cha na toja e armazem do Pavo, ra' da Impe-
ratriz nTeo, de Gama & SU*a.
Brawole a Zg.
Vende-ee soperior bramante de linho aWo com
M pemos de largara, pelo barato preco de 25 a
vara : na loja e armazem do Pavlo, ma da Impe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
Algo lio avarade '
Vende-se pecas de algodo largo mnito encorda-
do, pele barato preco de 55300 a 0eca :^ na loja e
armazem do Pv|o, roa da Imperitr n. 60, de Ga-
_lw8Ura.
de gratificando
&Foglo do engenbo Raz, da fregaezia da Encada
o escravo de nome Bernardo, alto, magro, com
pouco hoco, bem feito de corpo, bonita figura, de
idade 25 annos, eos-turna nsar roupa de algodo
aznl listrado e chapeo de feltro ou de conro ; quem
o apprebender leve-o ao eogenbo aeim ou a raa
das Crozes n. 11, qoe recebera' a gratificado ci-
ma. Presome-se qne anda por esta cldade.
Romao, cabra, estatura regular, cabeea
grande, cabello carapnho, roste oval com
marcas de espinhas, macSes salientes, tende
sobre a direita urna marca de talho. olhos
pequeos avermelbados, bocea regular, bons
dentes, principio de buco, corpo reforja-
do, mSos e ps pequeos ; copeiro, cosi-
nheiro, e andava no carro : quem o appre-
bender receber a gratificado cima, levan-
do a casa da viuva Luiz Gomes Ferreira ou
ao abaixo assignado.
Luiz de Moraes Gomes Ferreira.

<-
4mxvuv;,tvo
fco#ooo.
Conttna andar fgido do poder do abaixo as
signado, desde o dia 12 de mareo do correle anuo
o seo escravo pardo claro, de nome Cyriaco, coa
os signaes segoinles : representa ter de idade M
annos, rosto redondo, e nm Unto envergado, olbos
empapncados e fondos, bocea granoe, beicos groe-
sos, barba fechada e roiva, ps e mos erossos e
carnudos, peitos vermelhos e cabelludos, cabello?
crespos e avermelbados, costoma andar armado de
facao e ama bayoneta n'om pao, gosta de tomar
cachaca, e qnando flea bebado da para poeta e re-
grista : rog -se, portante, as autoridades policiaes
e capities de campo a appreheneio do mesmo, e
lova-lo a seu senbor o abaixo assignado, do en-
genbo Pedregalbo, em Nazaretb. qae sera' recom-
pensado eom a grstificaelo cima.
los Ignacio Ferreira Torres.
Atten^a.
Fugio no dia 3 do correle do engenbo Rafa
fregnezia da Escada, o escravo Bernardo, idade 28
aonos, crioulo, com os signaes segoinles : alte,
seco, cabellos carapmhos, roste redondo, feicoes
regalares, pouea barba, cor preta, tem urna cita-
iris em um dos calcanhires qae se torca visivel
presome-se estar em Bengalas fregaezia de Li-
ra jeiro oa nesta praca : qaem o apprebender po
der leva lo a ra das Cruzes o. 11 ou no engenho
cima indicado qae sera' generosamente recom-
pensado.





Aviso
100#000 de gratificado.
Contina a estar fgido o es-
cravo Simio.
Roga-se a todas as anloridades e capities de
campo, tute destt provincia como da das Alago
a apprebensao do dito eseravo, que fogto de casa
de sen senbor no da 21 de julbo *q iotmbum,
com os iigoaes seguintes: de nacao Mo^mbiqne,
idade 4#40 annos, ponca mal ou menos, alto,
M-Alante carr-da^com'Wm de dentes na fren-
S^Tfh?2fttSoi em circolo redondo ao p
_X sem barba, levou vestido calca de ea-
^ttw*M-'osudo,camisa de algodie
_n chano'de meia maca novo ; este es-
JA c5-do ao Sr. Jos Vicente Lindo-
a morador nanrovlDCla das Alagoas, por seu
wonrador o Sr. Joaquina Cavalcantl de albu-
anuqae Melto, morador no termo de Barreaos.
Coaita-no que este ercravo ]a foi visto em Ser)-
nbam, aonde elle intretm relac5es de conbeel-
naoto. GraUflca-se com a qaantia cima a qaal
qoer oessoa qoe o entregar no Recite, raa Direita
numero 30.


w
.-


Diarlo ^aPwfiambiic
Quinta letra IB de
------------------------------t.
cimbro de 1867.



4S$EBL\ GER4L
CAMMU D0S SE>B0RES DEP1T1D0S-
SESSO BU (6 DE AGOSTO DE 1857.
PRESIDENCIA. DO SR. HLVEIRA. LOBO.
(Coottoaacao.)
A commlszio de hienda requer qoe fe pee
ao goveroo, pelo ministerio da jui{a, Informacio
sobre o lodoso requerimeoto em qoe D. Pniladel-
phia Hooorina da Silvelra Rabetlo, viuva .do des-
embargador Bernardo Rabello da Silva Pereira;
pede pagamento da differenca do ordenado de
1:5004 aara o de 3:000/, aquella arbitrado no de-
creto de 29 de novembro de 1856, qoe apoaentou a
sea marido conjanetarnenle com o desembarga-
dor Severo Amorim do Valle, e este estabelecido
no art. 3* da lei n. 939 de 26 de setembro de 1837,
difTerenja cojo pagamento, correspondente aoes-,
paco decorrido de 21 de dezembro de 1856, da em 'contradictorio dogoveroo nao tradut perfeilamente
qoe coroecon a effeeiivldade da aposentadora, a 30 o seo modo de entender sobre o objecto da recu-
de setembro de 1887, data da publicaeio da citada maclo.
le!, pretende a sapplicante qaa se Ihe mande rea-
lisar, a exemplo do qoe ja se praticoa om o refe-
rido desembargador Amprfm do Valle, a qaem se
mandn, por aviso do sobredito ministerio de 26 de
ram a Jnrlsdiecio loea\1, tanto assim qae abrigaran
seas direitos sobre a protecio das leis do paiz, .,
onde residem, perdem pols o direflo ao prfvlle- miamos a cansar d I- E V. Bie. nao protestoo
glo.- dahi a necessidada de protestar en em neo nome
Porm se a immanidade nasce da necessidada e no de meas ooiiegas da provincia. CApoiados da
de revestirse os agentes diplomticos ae torea, depoteeajmloeira./' -
moral e prestigio, e portanto de completa iodepen- O Sn. C. Ottjai : Nao neg o sea dlre-
1 denaia do p?iz onde vivem, eolio basta restrln- lo; 6 vou protestando qaantff a neeessidade da
gir-ae a Immaoidade ao carcter poltico oa diplo- rplioe,
mtico do mininro Sr- Cbsario Alvim :Desejo a ardentemente,
O orador offarece em apoio desta opioio mnitos | por .ertfe-ere sen necessUado de trplica.
oatros argumentos e os pareceres de diversos
Disse o Mercantil qae V. Exc se havia armado I tam talvet ama amo sincera e eterna, esta- Idea de Tjm liberalismo adiantado por demais,
de a ceno BJ/rim)io. a cajos acoites nsge-lvam ellas, milicianos a am principio proscrip- [ de ao liberalismo verdaderamente tostoneo. E
to, sfenos s tortoras tolvas, da senteoca lavrada tanto assim, qoe o brilhante talento do nobre de-
advogadis da Italia, consultados sobre a questao
vrteme, a qual n5o reprodojlrems porqae
muita conhecida.
Daas reclamacas foram dirigidas ao governo
pelo Sr. conde de Fe. A' primaira o mioisteno
atienden mandando entregar a menima; a segun-
da, porm, respondeu que aos tnbuoees mpetu
decidir.
Pondera qae o procedimeoto apparentemenle
maio de'1839, pagar a mencionada dtfl'renga.
Sala das commissoe?, 16 de agosto de lt>7.--
Manoel B. Fontenelle.-L. de Albuqnerqae.-F. de
Paula Santos.
< A eommisio de fatenda reqoer qoe se peca
ao governo pelo ministerio da guerra, informarlo
sobre o reqaerimento Inclaso, em qae o traeote-
coronel reformado do exerclto Ltriz Soares Viega?,
pede ser relevado de repr a' (azenda publica a
qaanlia qae recebeu como ajada de cufio por oe-
casio de marchar era servio da provincia de S.
Panlo para a de M Uo Grosso.
i Sala das comm>s5es, 16 de agosto de 1867.
Manoel B. Fontenelle.-L. de Albnquerque.F. de
Paula Santos.
L-se, e flea adiado por pedir a palavra o Sr.
Biltencoart Sampaio, o segainte parecer :
< A commisso de fazenda re-juer qae seja ou-
vido o governo pelo ministerio da fatenda com sen
parecer, sobre o inclaso reqaerimeoto em qae o
baeharel Luiz Rodrigues Villares, como curador
<1a demente D. Joaquina Mari Pereira Viaona, pe-
de qae se mande substituir por oulras correntes
amas notas do tbesooro ja prejudlcadas, encontra-
das enlre os beos da dita demente na itnportan-
cia de 4:5 20.
t Sala das coramisses, 17 de agosto de 1867.
Manoel B. Fontenelle.L. de Albaqaerqae.F. de
Paula Santos.
L-se, julga-se objecto de deliberado, e vai a
imprimir para entrar na ordeno dos trabamos, o
projecto seguate :
c A assembla geral resolve :
c Artigo onico. Fica concedida a' irmandade da
Santissima Virgem Senhora Mi do Povo, institui-
da na matriz de sna invocaejio da povoac.o de Ja-
ragua', na provincia das Alagoas, a faenldade para
possuir beos de raiz at o valor da 30:000$ ; re-
vegadas as disposicoes em contrario.
Paco da cmara dos depatados, 17 agosto de
1367. *
O segainte reqaerimento sera' tomado na devida
consideracao :
f Requeremos que esta angosta cmara nomeie
ou aatonse o Sr. presidente a nomear nma com-
misso, oo encarregar a alguraa das existentes de
apreciar, reduzindo a projecto de iel, o resoltado
de seas esiudos, a materia constante da segunda
parte do parecer sapra.
Sala das coramisses, 17 de agosto de 1867. -
Manoel B. Fontenelle.L. de Albaqaerqae.F. de
Paula Santos. >
O Sr.Jos Bonifacio: Querendo.Sr. presidente,
apreseotar um reqaerimento pedindo varias infor-
macoes ao governo, entendo qae devia preceder
de algomas reflexoas que jalgo necesarias para
d.>r-lhe o seu verdadeiro sentido.
Nao desejo qae esse pedido seja interpretado
como meio de cpposico; entend que devia clara
i mauifestameote expor a cmara qual o meu
&m.
Com o requenmeoto que vou mandar a mesa, e
qae na fundamente, tenho por tiro exclusivo fir-
mar am principio de direito constitucional, e dar a
cmara dos Srs depatados occasiao propicia de
expressar e patentemente dar a sua opinio a res
peito de ama das mais Importantes atlriboicoes
que a constilutgao lhe conferio. Reergu-lo o meu
intuito; oobilita-la o men pensamento.
Nao tenho em vista censurar esto era aquello
governo, e sim ver se coosigo qoe firme nesta casa
a verdadeira doutrina constitucional. A cmara
nao deve, salvo hypolbese especialissima, ignorar
quaes os tratados fetos pelo governo.
Farei orna segunda declarado para tirar anda
qaalqoer escrpulo a respeito do voto qae a cma-
ra tenba de dar sobre este assumpto.
Se o governo do paiz entender qae o pedido tem
qaalqoer Inconveniencia ; se exige segredo a con-
venci; nao se podendo contestar qoe vo aellas
envoltas concesses, acerca das qoaes nSo compete
decidir como am dos ramos do poder legislativo,
icalbe o direito de fornecer essag documentos em
sesso secreta, sesso qae nao pode cansar terror
algum ao governo,porque elle tem mals do que razo
para confiar na maioria que to deeldamenlt o
apoia.
O mea reqaerimento assim concebido.
Accresceotarei a esta declaradlo ama ootra.
E' posslvel qae parte das informales nos seja
foroeclda, isto que o gabinete emenda nao aer
aecessarlo o segredo; e oeste caso lembrarel a
urgencia da apresentago; sao elementos necessa
ros para a discasso dos ornamentos, discnsso
imponantissima, .qae temdeoccopar a attenco
da cmara d'qui a poacos das.
Nada mals dlrei.
Vem a mesa, lido, ipoiado, e flea adiado por
pedir a palavra o Sr. ministro da jastiga, o segain-
te reqnerimento:
c Reqaeiro que se pegam ao governo imperial,
por intermedio do ministerio de estrangeiros, as
seguimos informacoes:
1. Copia do acecido felto entre o governo da
repblica Oriental e do Brasil, concedendo este
qaelle o subsidio de trinla mtt pesos fortes por
mez, conforme noticia o relatorio do referido minis-
terio de estrangeiros.
t 2. Copia do tratado de limites celebrado lti-
mamente enlre a Bolivia e o Brasil.
f Sala das sessoes, em 17 de agosto de 1867.J.
Bonifacio. >
PRIMERA PARTE DA ORDEM DO DA.
Entra em discusso o reqaerimento do Sr. Mo-
raes Costa, pedindo informaoas ao governo sobre
a soluco que deu a reclamaco do ministro ita-
liano relativamente a entrega de sna ulna, e em
que estado se acba esta questo.
O Sr. Moraes Costa sollicita algomas informa-
;3fs ao governo imperial, nao como opposlcionista,
mas como depatado que eoxerga na questao do
ministro italiano reclamando soa filba, alguma
confuso de principios establecidos pelo direito
das gentes.
A reclamacao do Sr. conde de Fe Osliani di la-
gar a duas opiuiSes igualmente sostentaveis, orna
das qoaes justifica completamente o procedi), nio
do governo. Vejamos os fundamento destas daas
oploiSes.
O privilegio de exterritorialidade estende-se nao
comente ao ministre, como tamoern a saa familia e
a todas as pessoas de soa comitiva. Por esta fie3o
engenhosa do direito das gentes consldera-se o di-
plomata e a sua familia como continuando a residir
t* territorio do sea soberano; e tanto assim qae
qaalifleado do logar de seo amigo domicilio: con-
segnmtamente os seas encargas de cldadio, snas
relaces de familia, continuara sob a jorisdiero de
sea anligo domicilio, e seosjdireitos e deveres como
chefe de familia cootioaam regalados pela legisla-
;o de seu*paiz.
Se os direitos e os deveres dos diplmala? como
chefe de saa familia se regolam pela legislacao de
sea paiz, mesmoqoe lies quitessem sojeilar-se a
jarisdicfiSo local nao poderiam, pois qne, os tribu-
naes do paiz onde estivessem resldindo, estavam
irapossibifitados de pronanciar-se, pols qae nao
jolgam pela legislago esirangeira. Mas se pelo
contrario padessem os ministros estrangeiros esco
Iherem os trirraoaes qoe mais lhe conviessem, e
qae portanto qje mais s amoldassem a seas inte
resses, mailo natoralmente sargirlam constantes
ellmiuacfies de direito de treeiro.
Para tornar mals claro osen pensamenie o ora-
dor aprsenla um exemplo, offerece moltos ontros
argumentos para sustentar a oplnio favoravel a
reclamacao. Mas a par desti dplnio, contina o
arador, existe ama ontra com {andamentos nao
menos solidos e sastenwda por aatorIda'e,< respei-
taveis."
O privilegio de exterritorialidade tem saa razio
de-ser na pensameuto de qae o ministro wtrangei-
ro nao tem no paiz onde reside a proteccjlo o o
apoio qoe merece.
Desapparecendo esta razie deve cessar o privile-
gio. Assim quando os diplomatas se fazem autores
poraccSes e direitos provenientes de relacgSes e
iQiereises partleaiares, demonstrando qae aceita-1 nundarlo.
Quando desappareceo pela segunda vez a meni-
na, os jornaes da corte comecaram a occapar-se do
assnmpto: soube-se eolao qae na poca do nasci-
meoto della o Sr. conde de Fe nio linda nonham
carcter diplomtico; era am simples particu-
lar: e portanto os seus primoiros direitos de pai
ficaram sojeitos as prescripgSjs de nossa legislaco,
e se por nm motivo especial elle cooseguio sabir
fra do imperio de oossas leis, nem por teso pode
modificar a essencia destes direitos e deveres, qae
hoj- sao verdadelros faci? consummados.
Sobre estaface nova da qaestao o orador abundon
em consideraedes e argomentos.
Recaa o orador que o governo nio d as expli-
cagoei pedidas, allegando qae a qaestao sobre a
qual versa a reclamado do ministro estrangeiro
eta pendente. Para dlfleredtmente pensar, nio
precisa apegar-se razio da qoe o governo qoe
nes rege o governo da pabllcldade: e qae as
conveniencias internad maes nio ebegam ao ponto
de impedir qae o mesmo governo d informacoes
a cam.ir, necessarias para poder com efflcacfa
telar e defender os ioteresses do paiz e dos cidadaos
brasileiros.
Nao ba reclamacao alguma pendente de sola-
cio. As daas feias pelo ministro italiano foram
ja sol vidas pelo governo, e portanto, rpete, esli
ao dominio dos fados consummados. Queria sa-
ber quaes as razoes qoe levaram o governo, a
alteader a primeira reclamacao, e a entregar a
segunda acs tribunaes do paiz: pois qae, condeci-
das estas razSes, e orador saber qual o procedi-
meoto qoe ha de ter o governo, se por acaso inter-
vier o governo italiano, o qoe davida.
Termina asseverando que nao opposicionis-
ta : o pensamento, pois, de S. Exc, dlscatindo o
requerimento, nio foi o da censurar o goveroo, a
quem apila por acreditar qae capaz de arcar
com as difBcaldades do prosete e de reaiisar as
aspirares da situaclo.
OSr. Martim Frakcisco (ministro do imperio :
Sr. presidente, a cmara compreheode a impor-
tancia da materia a qne se refere o reqnerimento
do nobre depatado pelo distrlcto do Rio de Ja-
neiro. Trata se de avaliar a maior oa menor lat-
lude qae tem as immaoidades dos agentes diplo-
mticos ; a quasto pois, por saa natnreza Im-
portante, liga se a ioteresses multo graves; alm
disso deve ser considerada como pendente, perqu
o governo do paix anda nio dea ama soluco defi-
nitiva a respeito della; trata de examina-la em
vista do novo facto que se dea em relaeio a' ma-
teria, nio pode, pois, prestar toformacoes a' cma-
ra nesto momento a tal respeito porque serla crear
difBcaldades de negociaras qoe existem. E' por
essa razio, seobores, porque, apzar da cooside-
raco qae merecem o oobre deputado, o5o posso
votar pelo sea reqaerimento, porqae o goveroo es-
ta' na impossibilidade de dar informacSes a tal res-
peito.
O Sn. Moris Costa faz algomas observacBes.
O Sr Martim Francisco (m nntro da jasti?a):
Eu creio que nao me fu entender pelo nobre de-
patado. O ministro Italiano ao retirar-te insisti
pugnando pelo sea direito. E' em relami a esta
asistencia qae a que>tao se loma pendente. O go
verno tem de examinar a materia para dar-lbe so-
lucio, e nestas circumslaocias o nobre depatado
comprebende bem que alada quando passasse o
sea requerimento 'o governo nio lhe poda dar as
informacoes pedidas.
A discusso Oca adiada pela hora.
SEGUNDA PARTE DA ORDEM DO DA.
Contina a 2" discusso do art. 1 da proposta do
governo, abriodo um crdito extraordinaria ao
ministerio da marinha, com a emenda apoiada.
O Sr. Ces.uuo Alvih (movimento de attencio):
Sr. presidente, dea-me V. Exc a palavra para
discutir os crditos da marinha.
Bem desajo3 tinba ea de clrcamscrever me res-
trietamento a materia em discussio, pois sei qae,
no estado critico de nossis coasas; prejadiciaes
sao todas e quai-squ-i palavras pronunciadas nes-
ta trinos, que nio signifiquen) oa am grito de
animacio ao governo para que supere as diffloul-
dades do presente, oa nma admoestacao justa
e fundada tendente a faz lo evitar desvos tor-
tuosos.
Mas nao posso e nem devo assim proceder boje.
Nao poso, porqae nennuma impugnacio s
ria appareceu -a proposia do goveroo abrindo
am crdito extraordinario ao ministerio da ma-
rinha.
O primeiro orador da opposicao qae rompea o
debate, disuado e sympatico depatado pelo muni-
cipio neutro, discuti nicamente a poltica geral;
completando por esse modo, no dzer de S. Etc., o
sea pensamento enunciado a respeito, na discasso
da resposta a falla do tbrooo. -
Nada disse sobre os crditos, declarando mes-
mo que votava pela proposta.
O Sr. Presidente : Mas perds V. Etc. que
lhe diga, que se deve restringir a materia em dis
cussd, e no caso que tenba de fallar sobre a pol-
tica geral, o faca nicamente no qae fr coacr-
venle ao ministerio da marinha.
O Sr. Crsakio Ai.vim :.Vio se assaste V. Exc.
nao remontarel ao fiat do Creador em basca da
origen do bem e do mal; nao Irel indagar se a
cansa primitiva de nossos peccados foram o fraeto
com qae, segando a lenda popular engasgou se
Ado, od;a primelra pancada fratricida a que sac-
cumnio Abel. (Riso.)
O Sb. Presidentb :Nem V. Etc. pode tratar
de poltica geratsenao tnaitu accidentalmente.
O Sr. Cesario Alviji :Mas V. Etc. dea liber-
dade aos oradores quj me precederam.
O Sr Prrsidbnte :Reclame! constantemente.
U Sr. Cesahio alvim :Ful testemanha dos es-
forcos de V. Exc. para cbama-los a materia em
discusso, mas eiles com todo geilo foram sea ca-
minbo, e V. Etc., amante como da liberdade as
discu.-soes, eoadescendea sempre.
Vou esforcar-mo por ser geltosu e aehar verda-
deira filiacao entre a malorla em discasso e as
considerar o ;s que terei de offerecer a considera-
Cao da casa. V. Exc. nao ha de flear mal commi-
go. (Riso.)
Comprebeode-se fcilmente qae tenho neceas!-
dada indeclinavel de fazer ama apreciaco 1-geira
sobre o qae nos altimos das ba dito o nobre depa-
tado pelo 3* districto de minhi provincia.
O Sr. '"-. Ottoni : Ea acho qae V. Etc.
tem todo o direito, mas fijando em vigor o prece-
dente.
0 Sr. Prksdknte :Mas V. Exc. nao se pode
ocRopar de poltica geral.
Voz es :Vamos ouvi-lo.
O Sr. Pjussidkntb :uhama lo-nel a ordem logo
qae o nobre deputaao se aparte da discusso.
O Sa. Cbsario Alvim : -E V. Exc vera' o que
nm depatado obediente ao regiment.
Mas, em lodo ocaso, tenba V. Exc. paciencia
eommlgo; sarao ligeiros laques sobre a noss apol-
tica, em resposta ao nobre depatado, a qaem me
refer.
O Sb. PRtsiDENK: Contanto que seja mallo
resumido.
O Sr. Cesario Alvim -.Sempre o tal, cario o
mea folego.
O oobre dspotado pelo tercelro districto de mi-
aba provincia fez no sea penltimo discurso o
inventario de liberalismo do ministerio oo do Sr.
presidente do conseibo, inventario qne iapressio-
oca-fue.
O Sr. C. Ottoi da nm aparte.
0 Sr. Cesario Alvih :Alm disto, no oltimo
discurso prona ociado por S. Etc., a depntac** <>!
naira que apoia o gabinete foi Hatada sem a dev-
da eonsideracio...
O Sr. C..Ott.m :Nio apolado. Ea nio falle!
nesta discusso, se me respondem, nio de permit
tir qae replique.
O Sb Cesari j Alvim : E' verdade o que digo.
O nobre deputado solicito sempre em acudir
as publicacois anonyms dos jornaes, quando es-
tas forturam por ventara sea pensamento, deixoa
no entretanto que seus pobres collegas da provin-
cia, fleassem sem am protesto seu, debaixo da
impresso dolorosa da apreciaco feila por al-
goem to Mercantil, do discurso por V. Etc. pro-
Aloty disso, Sr. presidente, compreoende V.
Exc qoe quao Jo oradora; e polticos de nome co-
nbecioo no paiz nao perdem oceasiao para dar ex-,
plicaeSas sobre a sua p isicio
repitara vate e mais vetes
devo eo, depatado dasconbecido e aovo oa vida
publica, deixar de dizer ao que vim.
Masriromejlo a V. Etc. que serei resumido,
deitaodo para oceaiio mais opportooa o qae ago-
ra me nSo sera* posslvel enunciar desta tribuna.
Nio precisa.declarar, todos sabem qae soa mi-
nlsteriaJisla; apoio o gabinete com sincera e en-
ihosiasiica dedica;io.
Se em ontras occasi5es eu nao coneebo eipectati-
vat sytapatktcts, meias palavras e mel apoio, bo-
je mais do que nunca davem as posicoes ser per-
faltamente definidas aqai. (Muil s poiados.)
Peraote o paiz eu assamo todo o peso d res-
ponsabilldade qae me possa caber.
Porqae soa ea ministerialista ? Porqae o fai do
primeiro gabiaete filho da situaco.
Este como os ootros qae o precederam, datam
da victoria das nrnas em 1833, victoria a qae le-
vantei bosanas, a qae applaadi.
Uma Voz :Mas V. Exc nao era depatado nos-
sa occasiao. *t
O sr. Cbsario"1j.vim : Nioj seubor, eslava for-
mado a menos de am sano; nesse tempo era ea
simples votaste, lando apenas ateancado as honras
de eleilorado.
Da looge mesmo bat palmas e saudei os deno-
dados campedes das ideas victoriosas.
Me era fcil, portanto, correr um veo, sobre
esse passauo desconhecldo e deixar o gabinete
actual, a qoem todos os das ameacam de queda
mortal.
Mas nao, euficaria mal com a minha con sequen-
ca, eis tudo.
Sei bem que aquelles asseotos (aponland para
os bancos da opposicio) sao actualmente mallo
commodos. (poiados e nio poiados.)
Comprobando qoe para os moQis em quem a
ambicio em certos casos ama virtude, la' o la-
gar proprlo. (poiados*.)
O Sr. Ottoni : Conforma a pressa qae teem.
O Sr. Cesario Alvim :Conforme a pressa que
teem, diz V. Exc.; esta' comigo. Nao tenho pressa,
tico por oa' mesmo. (Multo bem.)
Comprebendo, como dizia, qae o lagar de oppo-
sicioaista...
O Sr. Abelardo de Brito : bonito.
O Sr Ce-ario Alvih : mais sympalhico.
O Sr.Bblfort Dlarte :As prebendas nio es-
to la'. Para qae ba de V. Exc. ser injusto com
os seus amigos de bontem ?
O Sn. Cesario Alvim :Pode V. Etc. informar-
me qual o carregameoto de prebendas qae levou,
ao dizer os seus adeases a maioria e ao goveroo ?
(Muito'bem, maito bem.) Que prebendas tenho ea ?
O Sr. Belfort Duarte : Son incapaz de refe-
rir-me ao nobre depatado ; fallo em tbese.
OSr. Cesario Alvim :Mis essa tbesadescera
a' bypoihese ; pols eu protesto em mea nome e oo
de meus collegas da maioria.
O Sr. Belfort Ouartb :E alm disso nunca
estfve nos bancos da maioria. (Oh I ob I)
O Sr Cesario Alvim :Esteve comoosco at ser
elelio depotado.
Uma Voz : E mesmo aqui na cmara esteve
com a maioria.
O Sr. Belfort Duarte :Esta' multo engaado.
. 0 6r. Cesario Alv.m :Podamos provar isso,
mas como evito com mano cuidado as quesfaas
pessoaed, passo adianto. (poiados.)
Vozes : Contioae, continu.
O Sr. Cesario Alvim : O gabiaete actual
guarda fielmente o legado das urnas de 9 de
agosto, e pols nao vejo razio para deixar de a-
poia-lo. %"
Uma Voz :Faz muito bem, esta' em sea di-
reito.
O Sr. Lrsario Alvim : Diz o oobre depatado
que aco bem ; se ba veaeao em suss palavras, V.
Exc. ijusto. Nada mais fago do que ser cohe-
rente. .Ji
Se o actual nobre'presidenta do conselho ao vir
pela primeira vez nesta cmara, e logo depois da
victoria das urna-, foi recetxde'o sen gabinete com
applaosos estroncio os qae rebentavam de cada
canto; se la' da provincia, obscuro soldado da
idea, eu o applaudia tambem ; justo que eu nao
proceda boje de modo contrario, porqae vejo
os raios da maldigo partirem do olympo opposi-
nista.
Nao, Sr. presidente, amigo hornero, amigo boje e
amigo sempre.
Sa esses grilos de maldigo acharcn echo, eu
nao recuso por principio algum, o qae de maidtco
me possa tocar.
Vozes :Muito bem, muito bem.
O Sr. Cesario Alvim : Nao comprebendo a
opposicao que foi maioria no anno qoe assig-
nalei
O Sr. C. Ottoni :E' natural qae o nao com-
prebenda.
OSr. Cesario Alvim :Darel as razSes.
Nao me propon&j tstudar neste momento as
causas que deram em reoultado a fuso do partido
liberal com ama import.gte fraccao de membros
da parcialidade conservadora, seria perder tempo,
se ea qaizesse reprodazir o que a imprensa e a
tribuna liscutem ba qtiasi cinco anuos.
A historia esta' habilitada para registrar com
preciso todos os (actos.
Mas, Sr. presidente, para metbodisar michas
ideas e raciocinios, compre aventar uma questo.
Teve por fien essa liga un assalto indigno ao
poder ?
Nao : por honra nossa devemos cr-lo ; pela
verdade dos (actos u-nos forcoso sustentar. (Nu-
merosos poiados.)
Nio, seobores, a uoidade da vistas, a boa f de
cavalbeiros distinetos pres di raa essa aniio. (\-
poiados.) A explicacao contraria, eu o digo com
pezar, desatrava mais ao grande partido liberal a
qae tenho a honra de pertencer. Poda elle ser ac-
cusado de sofreg, quando, tomado por ambicio
demasiada, nao esperoa a sua vez e foi pedir aos
cooservadores concurso para subir.
O Sn. C. utto.iii : Nio pedio ; recebeu.
O Sr Cesario Alvim : Perdde me V. Exc, nio
estoo dizendo que padlsse ; eu trato de repaJlir
idea de am convenio indecoroso.
O partid liberal marcha va nataralmaota i
posse de am poder a qae lhe davam direito as
soas ideas ; a questio era de tempo. Os adversa-
rios qoe se ligaram comnosco nao vinbam tambem
mendigar os raios de luz de nm (uturo sol: nio ;
ellas Uobam, quando deixaram suas posicSas, to-
das as vaatagens de um poler, que por certo nio
snccambiria com tanta presteza, se por acaso nio
pardease tio poderosos elementos de forca. (Muitos
poiados.)
O que bouve, pois, de extraordinario t
No campo do interesse nao se jogoa urna earta ;
no campo da dout Ina foi felto o accordo.
Vozes : Oncamos, oocaraos, vai muito bem.
O Sr. Cesario Alvim Sim, teaba paciencia a
cmara, continu ella a presiar-me a attencio
com qoe me tem honrado, e ea espero demonstrar
a tbse.
Duas ideas' principalmente prodatiram o resulta-
do que vimos.
A responsabllidade ministerial em toda saa pie-
nitude, e o direito da revolucio contra o despotis-
mo do poder. (Numerosos poiados, maito bem.)
O Sr C. Ottoni : Engao complet).
O Sr. Cbsario Alvim :De doos principios car-
deaei, dos mais Bellos sem davida do cdigo libe-
ral, foi oriunda a liga. ,(fl
O Sr. Ottoni :E' contra os facas sabidos.
0 Sr. Cbsario Alvim : Perdde-me V. Exc ;
ea assignak) estes, V: Exc. sabera' de ontras ra-
ides, e essas devem ser cobres, porque ea nio
concebo qae se dsse a fasao sem accordo no ter-
reno dos principios. (Muito bem.)
Kstadmas a liga depois, os (actos posteriores
eleiQo aaiDonstrarain qoe foi ella coalisao de mo-
mento T Nao.
Depois da victoria para a qual trabalhimos jun-
tos, eonfuodindo na orna popular os nossos votos,
depois dassa victoria que foi brilhante em todo o
pelo paiz.
Por nm facto providencial vieran) ellos.
Represen!avam un partido derrotado, eram a
imagaxo.de um passado coodemnado, quejos vi-
nba fazer toaaarar a contingencia das corsas bu-
manas. (Multo bem, maito bem,)
Ao orgaaisar-se a mesa da cmara, o Sr. Sana-
d >r Toeophilo Otioai daciiaou de si a boora de
presidi-la, a indicoa para esse lagar o Sr. eonse-
Ibelro Zicarias.
palado pelo districto de S, Paulo daixoa-o ter-
reno em qae pisaram os oradores que o precede-
ram e foi para outro em que mostrou a magnifi-
cencia de sua indiligencia.
O Sr. L. db Albuqubrque :Ja tlnha mostrado
muias vetes, nao precisava mostrar mais.
O Sr. Cbsario Alvim :Mas a inteligencia de-
ve-se raoslrar sempre.
S. Exc pisou terreno diverso, nos disse que a
foi estadar esse discurso, procurando descobrir-lhe
defeltos.
E' o caso da solteirona qae, invelosa, excogita e
encuntra sempro no luUtte da deidade defeitos a
criticar.
Ora, nm lago de fita mal cabido ( risadas) nm
i?0!1" n,al Dredo, a eoqoe mal agallado (blla-
ridade), para dizer: < nio tio bella como se pro-
clama. *
ia w8..eoganon"M: Moabavla a dizer, nem quan-
Ae.?!' Nao era essa ama prora esplendida de que
nesta casa, embora'partido liberal progressista nao liaba por missao te para a miseria.
a mesma cousa, nio nica triampbar as nrnas T S. Exc. argumentan nest qaestao, mas, Sr.j>re
Na pessja de seo presidente indicoa a cmara sidente, ella esta' maito debatida, muue ; o gover
iso. o. ce pigou lerreno uiverso, nos aisse que > tara oratoria do ncihr nr.M H! ...
i carta de liberdade, como se propSa dar, era peior o SiTft! presidente do conselho.
Io l10^ o caw,vairo, porque era ella am p.assapor- esta'pondo eVaa'"policio q0em ,!r,
O Sr. Cesario Alvim : Vejamos agora, em
bora rpidamente, o inventare
temporaria o orgaaisador do gabinete.
s ao .nteeaeoloa tiveram saa lgica, o conse-
Ibeiro Zusaras foi o suslliato do nobre marquez
de Olinda.
O novo gabinete foi aqui apoiado, lando contra
si ama oa oatra voz dissonante.
A faceflo qae se denomina histrica, eslava ani-
da a nos os liberaos, e o gabiaete marebava des-
assombrado.
O Sr. C. Ottoni:Est em sea direito trataodo-
aos assim.
O Sr. Cesario Alvim:Nada dase de offaosivo.
Se V V. EStc trataua nos todos os das de par-
tido sem raizes oo paiz; qnaodo este acaba de
mandar cmara uma Immansa maioria (poia-
dos), nao mnito que eu me exprima pelo modo
porque o tlz.
O Sn. Ottoni:Diga mais anda.
O SR. Cesario Ai.vim:IIei de dizer o qae jal-
gar conveniente: Marchemos. Cabe o gabiaete,
nio por divergencia de Ideas entre elle e a cma-
ra, mas por uma clreumslancia de momento de
qae todos se recordara. (poiados)
Foi sea sabstilutoo gabiaete Furtado.
Nio houve oa fortnagao desse gabinete qaesio
de procedencia, dalle fizeram parte qaatro mem-
bros de origem conservadora. Nao face a historia
desse governo.
Depois de saa qnda appareceu a sclsao.
E porque ? Aps tres das de anciedade, du-
rante os quaes uma nova organisacio ministerial
pareeia imposslvel, organisacio que liaba de sabir
do seio de um partido forte, e qae por esse modo
dava sigoaes de ama decadeacia precoce, surgi
de novo o Sr. marquez de Olinda como organisa-
dor. inte ira I
Antes haviam sido convidados para o mesmo
fien os Srs. coaselheiros Saraiva, Abaet'e Na buco.
Um dalles, o segando, hoja um dos chafes do
liberalismo histrico.
Neobam pode desempeabar a tarefa ; a razao
todo o paiz sabe.
O Ilustre Sr. senador Ottoni foi comparlicipante
em todas as orgaoisacQes mallogradas, e creio qae
deveria fazer parta de quaiquer dellas.
Os factos foram por S. Exc. explicados oo se-
nado.
Sr. C. Ottoni: Nao exacto ; nem elle foi
comparlicipante, nam pula explicar tudo. A mo-
lestia da que eslava sofTreado aio iba permiltio ir
ao senado.
O Sr. Cesard Alvim:Estabelecido e provado
como me parece ter en feto qua a divergencia nio
foi em ponto algum da doutrina, vejamos sa fot
ella oo nao toda pessoal. (poiados.)
O Sr, Horta de Arau/o : Fo a candidatura i
presidencia do cooceiho.
O Sr. Ceurio Alvim : Ninguem, seobores,
nesta cmara explicou lio bam a causa dessa scl-
sio como o (ilustre deputado pe miaba provincia, quando dirigindo-se ao nobre
conselbeiro Z icarias, disse: O nobre presdante
do conseibo engaaou se quando suppot que sabio
as alturas em que se acha nos meas hombros;
nio, o qae ea Qz em algum lempo, e o qae fize-
ram maitos commigo, fot aaiarmos coajaoctamea-
te ao carro com S. Etc. suppoado que era uosso
e ao emiaoto elle oio nos pertancia.
ueduccao: a queslao era da propredade do
carro, era saber a quera elle pertencia. (poiados,
hilaridad? e apartes.)
O Sr. Uttjni: Estas insinuabas me obrigam
a perguotar ao oobre deputado se quer embarcar
no carro.
O Sr. Cesario Alvim : Eu eslou embarcado,
como V. Exc. eieve.
O Sr. l. Ottoni:Muito bem, que lhe faca bom
prove to
O Sr Cbsario Alvim: Crela-V. Etc. que nio ha
de ser porqae o carro ameace uma qu la qae hei
de pular fra delle. (Muito bem.) Roda elle pelo
mesmo camiabo, que eu tenho coragem para ar-
guentar os baiaocos e sucumbir na quJa.
O Sr. C. Ottoni:Muito bam, eus o ajuie e
a mira nao desampare.
O Sr. Cesario Alvim: A questao foi pois, de
propredade do carro; nio se disse que elle havia
tomado este ou agella desvio e deixado a estrada
real ; nio, Sr. presidenta, elle -levava o mesmo
camiabo ; mas imaginoase na estrada qae per-
tencia a uns e nao a oulros, e portanto pnlou-se
fra.
O Sn. Bezera Cavalcante : O que se queria
era a encapaco do partido.
O Sr. C. Ottni (ao orador):V. Exc deve apro-
veiar o aparte, magnifico.
O Sr. Bezbra Cavalcante:Puis nao ; est s
soas ordens. (Riso.)
O Sr Cesari > Alvim: Sr. presidente, respeito
maito os nobres caracteres qoe se achara asseota-
dos nos bancos da opposicao ; bao teoho motivos
de magoa para com SS. EExc, e bem sabe V. Ex.
alem disso, o qo&utj ditBcil arrancarem-se do
coracio os dolos que *M& mao do tempo levaa
lou ; lando pezar profado>ezar da estar separa-
do ; mas SS. EExc, quaSera plena liberdade de
explicar a sua posico, permittam tambera qae a
minha nio fique duvidost.
OSr. Presibente:Mas V. Exc deve afastar-
se o mai3 possivel de todo quanio fr poltica.
Vozes:E-t na ordem.
O Sr. C Ottoni (ao orador): V. Exc. que est
no carro me apadriobe tambem, para depois eu
podar responder, porque eslou a p.
O Sr. Aristidbs Lobo: O Sr. Bazerra foi qaem
deu o exemplo.
O Sr. C. Ottoni: Eslou s-notando, porqae
anda nao ouvi uma palavra sobre o prsenle de-
bate.
O Sr. Cesario Alvim:Mas V. Exc. si be qaa
cuitosamente se obtem nesta casa a palavra ; eo
obtive boje, deite-me aproveitar este momento.
O Sr. C. OTToiu:<-Xao contesto, eslou firmando
o preoadeote.
O Sr. Cesario Alvim:VV. EExc. levantara um
debata poltico era toda e quaiquer occasiao, dei-
xem-rae tambem o direito.
.0 Sr. C. Ottoni:Sim, senbor; fica o prece-
dente.
Um Sr. Deputado:O precedente foi aberto pelo
So. Bazerra.
O Sr. Cesario Alvim : Vamos adianto ; agora
vou contentar ao nobre deputado por Mioas-Ce-
raes.
O Sr. C. Ottoni :Nao me vai contentar ; con-
tenia-me continan lo no que eslava.
O Sb. Cbsario Alvim :iNio o contento, nao.
O Sr. Belfobt Duarte :Nos o oavimos nesse
terreno couj mnito prazer.
O Sb. Cesario Alvih : O brigada nea oulra con-
za era de esperar do oobre deputado.
Sr. presidente, consideremos os motivos de op-
posicao ao actual gabinete; entro na materia.
E' ao intervallo das sessoes-que a opposicao en-
che os seus arsenaes ; apezar de nao ter grande
supp riman lo, faz o qaei le,apresenloa-se nesta casa
as prlmeiras discusses polticas, mostrou ao go-
veroo o ponto em qaa ia atacar e porqae ia ata-
car. Mas, Sr. presidente, ama verdadeira des-
graca estarem talentos de certa ordem em posico
falsa.
O *r. C Ottoni :Consola-os o d de-V. Exc
OSr. Ce-ario alvim :Eu teoho petir e creia
V. Exc. qae sincero.
O Sr. C. Ottoni :Nio posso davidar ; Deas
lhe d sale pela compaixo que tem de mim.
O Sr.- Cesario Alvim : Amem.
Tenho pezar quando vejo am bom talento ar-
car com nma causa m : nada produz qoe sirva.
Um dos motivos de opposicao ao actual gabine-
te ji foi perfeitamente debalido nesta casa-a
quasto do elemento servil : para qae bei de reno-
va la ? Mas permlttim-me somante ama cooside-
racio.
O Sr. C Ottoni : De que elemeato servil
trata T
O Sa. Cesabio Alvim :Daquelle que havia no
no iranquillisou os espirltos, a reforma ba de ser
faita de moda que a propredade actual nao se aba-
le : o que mais quer a opposicio ?
A proposta, Sr. presideJte.do ministerio da goer- gr ^nselnXTic J^ffonEi,?
ra para a mobilisacio da guarda nacional nao ser- Juee'S^rta\ni^l,
vio de thema mutn josto a nobre opposicao para q ral> d
gabinete.
.mperio (amitos poiados), o qae vimos T
Reeoro m anda, Sr. presidente, desse facto' dominio dos conservadores e a qae mana geote sb
roaravilboso uae o nosso partido offereceo a prt- sojeKoa.
m ira legislatura de 1864. s*- c- 0lTim d* am aparte.
Composto da summidades e qoal anan'me na O Sb Cbsario Alvim :-V V. Exc qae eu nao
cmara, pareca ameaear para sempre o partido disse ama palavra qae ptfMM'J*^'**
conservador. (Maitos apaiados, mu.to bam.) guardado todas as cooveolencias da tribuna (apoia-
Lembro-me anda. NaaeUes beos (apontando; dos) : a se V. Ele tende amordacar-ma a palavra
para o lado da opposicio conservadora) sentavara-por se modo, esta engaoado. (Mono' tom.)
se os poacos adversaria nossos para os qoaes nao j DelXo, Sr. presidente, a queslao do elemento
haviam (ugido de todpa os favores populares. servil, mas fao nma ligeira observacio, que
Quando lado nest casa era fasta, quando os'essa idea poderla ser censurada eo sena mnito
novos alliaos abracaTa'rasfi cora effosao, e jura- jastameute pelos oobws con*erva4ores, porque a

guerrear o
O que o ministerio pedio loi qne se consignasse
em lei aquillo qae a necessid.de linha mostrado
qae devia existir. O ministerio a bracos- com a
guerra oio leve remedio se oao laucar mo da
guarda nacional para manda-la fra das frontal-
ras, este acto nio foi censurado por SS. Excs.;
obedecendo as praticas parlamentares, veio elle
agora pedir ao corpo legislativo qoe dsse orna
providencia para fater desapparecer o defeilo da
iel. A mobilisacio tal como O ministerio a pedio
existi sempre, a idea da sep racio das compa-
nhias era, Sr. presidente, para acabar com o ira-
balho da designacio, porqae nos vimos a oiicui-
dade com que o goveroo lutou. A lei a que me re-
Uro nao passou da Interpretativa.
O Sr. C. Ottoni :Mas sobre isto nio passou
nada; a guarda nacional a mesma.
0 Sr. Cbsario Alvim :E' a mesma ; eston fal-
lando a respeito da mobilisacao sobre que VV.
Excs. tanto (allaram, dizendo que era uma medi-
da anii-liberal.
Um Sr. Deputado : O nobre ministro ja decla-
rou que era differeote.
O Sr. Cesario Alvim :A mobilisacao existia,
era a mesma, porqae pela le todo cidadio obri
gado a prestar servias ao sea paiz. A lei da goar
da nacional estabelece as categoras dos soileiros,
dos casados sem inos, dos casados com fi>hos, dos
vuvos sem filhos e dos .viavos com filaos ; por
conseqaencia quaodo ha necessidada deslgaam-sa
os soileiros, depois os viuvos sem fiibos, e assim
por diante at ebegar a' ultima classe. O que o
ministerio pedio nao foi am arbitrio que oo exis-
tisse oa lei.
O oobre deputado pelo 3 districto da minha
provincia ceosurou o gabinete por pedir aotorisa-
go ao corpo legislativo para reformar o exercito
conforme a experiencia da guerra actual demons-
tra qua necessario < Dictadura (grita S. Exc.)
arbitrio pede para si aquillo que pretende ao cor-
po legislali'o.
Mas, Sr. presidente, S. Exc. esqueceu-ss de que
o corpo legislativo nio contm em seu seio sum-
midades militares. O ministerio pede autonsaco
para reformar; em ultima analyse, a reforma tem
de ser anbmitlida ao corpa legislativo onde, pois
o arbitrio ?
E lal era o desejo de censurar, que o nobre de-
putado cahio n'oma incoherencia, porqaanio mais
adame censara o goveroo porqae pede a' cmara
qae estude a lei do recrutameoto, materia sobre
qua elle ministerio oiferecla o parecer de una
commisso especial. Da um lado S. Exc. diz : < O
ministerio quer dictadura, porqae pede para si a
Laatorisaco de mandar reformar o exercito > ; de-
pois S. Exc. diz : O ministerio pede que a cma-
ra estada, e Dio diz o que quer !>
O Sr. C Ottoni :EO nao disse tal, dictadura
por l dajnacional.
O Sb. Cesario Alvim : -Tenho aqui os aponta-
mentos
O.Sr. C. Ottoni :Mas onde esta' a incoheren-
cia, logenuamenie confesso que nao percibo a in-
coherencia ; deleito meu.
O Sr. Cesario Alvim : Explico-a a V. Exc.
qaalqoer das materias, tanto a cooceraeole ao re-
cralamenlo, como a relativa a' reforma do exerci-
to, sao altrjbuiQdes do corpo legislativo ; o recru-
tameoto aunuuiga) especial, ao passo que na
organisaoodo exercito o ministerio pode apresen-
tar a sua reforma, e deve mesmo mandar por nma
commisso militar esludar a questo, fazer am
plaao para as nossas ducussoes, porque, como ja'
disse, a cmara oio coala em seu seio summida-
des militares.
Ora, no primeiro caso, quando era necessario
que o ministerio procedesse assim, V. Exc. o cen-
sura por pedir arbitrio; no segundo, quando era
allribuico especial da cmara, de que ella nao de-
ve damittir-se, V. Exc. diz : Porque o ministerio
nio nos trouxe alguma coasa f Bacommenda ape-
nas a cmara qne estnde ? > Ah esta', senhores,
parece que a incoherencia esta' clara.
O Sr. C. Ottoni : JEst...
O Sr. Cesario Alvim : Passemos adianto.
O ministerio Z k i ria-, Sr. presidente, disse o
nobre deputado pelo 3.* districto da minha pro
vincia, foi a causa da luta com qoe se v o
paiz a bracos no Paraguay, por qua a missio Sa-
raiva levou no bojo o grito de guerra. Mas, em
contraposicio a isto, recordemos os factos.
A cmara se ba de lembrar de que o Sr. E.
F. da Veiga, ento deputado, foi quem agitou nes-
ta casa o facbo da guerra estrangeira. Os fac-
tos trazidos por S. Exc relativos a solTnmeotos
de nossos concidadios na Banda Oriental causaram
viva impresso aqui e em tolo o imperio. (Moilos
poiados.)
O ministerio, impressioaado, apreseotoa-se a'
cmara e lhe pedio licenga para que dous de
seus mmbros fossem aquello paiz exigir o cum-
pri ment dos tratados. Nessa occasiao urna s
voz se nao ergueu para embargar o passo ao mi-
nisterio.
Mas o que ia fazer o Sr. conselheiro Saraiva ?
Ia pedir a execuco dos tratados. E qaando
todo lhe fosse negado devia o diplmala brasi-
leiro voltar ao Bio de Janeiro sera uma soluco
qaalqoer ?
E', pois, evidente qae a missio do Sr. conselhei-
ro Saraiva teve por fim alcaocarraos prompta re-
paracao, e, ao caso de recasa, levava era si neces-
sarlamante a guerra. Descobrir filiaco entre a
guerra da Banda Oriental e do Paraguay cousa
iaadmissivel.
E quando a houvesse, carrega com a responsabl-
lidade tanto a cmara dos deputados como o gover-
no. (poiados.)
Um Sr. Deputado : A cmara mais do que o
ministerio.
O Sr. Cbsario alvim : Diz muito bam o no-
bre deputado. Sejamos, portanto, jastos, nao lan-
cemos sobre o governo a responsabilidade da guer-
ra actual.
Sr. presidente, a impresso que no nobre depu-
tado palo 3.* districto de minha provincia causn a
leitara do discurso do nobre presidente do conselho
sent ea em presenja do discurso impresso do no-
bre depatado.
Coofesso, Sr. presidente, qae qaando ouvi a S.
Exc flqoel abalado; e assevero qoe se nessa oc-
casiao morresse me apresentaria histrico no cu.
(Hilaridad-.)
Uma Voz : Como histrico nao entrarla no
cu.
O Sr. Cesario Alvim : Devorel com profunda
attenco as palavras de S. Exc. nesse discurso.
Mas, se oavldo assim me impressionoo, lido produ-
zio efleito muito diverso.
Nesse discurso S. Exc. comparan o nobre pre-
sidenta do conseibo com as mulberes do grande
mundo.
Desejava lr a' cmara o trecho em que o no-
bre depatado fez essa eomparaco ; mas oao ne-
cessario; todos se recordara de qua S. Exc disse
que as mulberes do mundo tm toda a saa forca nos
saldes, reas qae fra desse campo de batalba per-
diam todo o encanto.
Nao quero offenjer o nobre deputado; S. Exc
provavelmente pelo falseamente da posico que oc-
capa, assemelha se (prevalecendo-me de equiva-
lente eomparaco) a essas solteironas idosas (hila-
ridade) qae nio podem ver sem rilarse de inveja,
o airoso do talhe, o garbo, os ademanes, a belleza
do toilette...
O Sa. C. Ottoni : Como a de V. Exc. (Hila-
ridade.)
0 Sr. Cesario Alaim : ... das mogas bonitas
qae as proeedem ( cooiina a hilaridad.) 0 Sr.
presidente do eonselbo tlnha aqai pronunciado nm
mag6stoso discurso.
A belleza e conciso da phrase, a elevaco do
pensamento, a firmeza das Ideas e a franqueza
d enanciaco, todo veto mais ama ez demons-
trar que S. Exc. ara eonsammado e perfeito.
parlamentar.
Acredito mesmo qae as palavras de tio djstncto
progugoador das Ideas Hberaes, causaram gran-
de iapressio no proprio animo do nobre de-
notado.
Mas o n)bre deputado recolhea-se i sna casa e
-
-
em partiinas, porqae nao qoeroqoinbo
O Sb. Cbsario Alvim : Um dos defeitos que
nobre aapotado encontrn no baralsmo do
t. Exc. dissa
reeorso s ar-
mas, se mostrava apio para governar, sendo, como
de facto era, a maioria da oacao. Que deleito ha
Disto ?
0 partido liberal babilitoa se com effeito,para go-
vernar depois disso e depois qoe abri os bracos
para reeeber todos os soldados da idea, que qaize-
rara marchar com elle para a conquista do verda-
deiro progresso em poltica.
O ?n. C. Ottoni d ora apirte.
O Sn. Cbsario alvim : O partido liberal ad-
quiri novas turcas depois que essa phalaoge bri-
loante de talentos vinosos e sobarbos pozeram-se
ao servio da idea qae o symbolisa. Isto, senho-
res, ama verdade iacontestavel.
Deploro e semnre deplore! que no terreno da
juslca e da lei fosse preciso o recurso as armas
para chamar o poder ao comprmanlo dos seas
deveres, ou mesmo para derribar uma iei de com-
presso. A propria revolucao franceza, que teve
um grande fim a realisar, foi acercada de calami-
dades que confrangem o coracio de qaantos a es-
tadam. No aso desse meio extremo qae coodaz
ao derramamenio do saogne da irmos preciso
baver muita cntela.
IneoDtestavelmente quaodo s revolocoes nio
preside o preciso criterio, nao s os soldados qae
a sastentio se abaiem' como tambera perde a Idea,
em cojo nome feila, muito de seu prestigio :
mesmo porqae o poder julga-se, epols de vence-
dor com bastante razio para levar a compresso
aos ltimos excessos.
A prova, Sr. presidente, nos temos na rovolta
de 1848 era Peroambuco ; iofelizes rnaflyres os
que suecumbirara acs golpes dados em nome da
lei 1
Depois dessa moluco, o partido conservador,
a pretexto de ver a hydra revolucionaria erguendo
o eolio por toda a parte, maodou para a minha
provincia os soldados da conquista para o aisalto
das urnas. CMuitos poiados.)
Venceram-nos, mas derramaran) multo sangue.
Desse anno fatal datou o desanimo as fileiras
liberaes.
Os proprlos chefes o sentiram, qaando, iocom-
odados com o gemido das victimas, deixaram
nossas montanhas, que eram fras, e, novas an-
dornbas, emigrarlo para logares onde o sol do
vt>rao Ibes aqdecesse as peonas. (Muito bem, mui-
to bem.)
Uma Voz :A que vem isso ?
O Sr. Cesario Alvim :A qoe vera isso, per-
gnata-me V. Etc. Nao se diz, nio se repete, que
preferem o partido conservador no poder quelle
qoe actualmente governa o paiz? Nao esta
boje a incomprebensivel linguagem dos hist-
ricos T
Os que assim pensam nio sabem o quanto cusa
uma eicica i sob a directo de um governo alieno
a' dictadura em lal materia.
Depois desse auno, vencido e proscripto em toda
a parte, nao desaoimou o partido liberal.
Betemperou soas creo;as no martyrio, prepa-
rou-se para lotar de novo, e hoja elle presenta o
brilhante especlacalo de ama deputacio unnime
nesta cmara. (Muito bsm).
E tudo irabaibo nosso, do partido que la Iota ; e
no entretanto querem boje jogar em ama cariada
de despeno ora servico de lanos annos I (Mnitos
poiados).
Prosigamos. Tenho pressa em apreciar o se-
gundo discorso do nobre deputado pelo 3" districto
de minha provincia, em relaeio s ultimas eleicoas
all fetas.
Disse mais S. Etc. no inventario qae o Sr. pre-
sidente do conselho bavia-nos chamado a attencio
para a talla de disciplina qoe em algum lempo pa-
receu reinar em nossas fileiras.
Por certo que o Sr. presidente do conselho falln
nesse assumpto, mas saas palavras teem cabimento
aos nobres deputados em opposicao. Ss.^Etcs. sao
a prova de que a falta de disciplina a mina dos
partidos polticos.
Quando todos querem mandar, a anarchia appa-
rece ns fileiras ; abramos os olhos, os factos sao
eloquentes. (poiados).
Vamos alm.
Examinemos ontra verba do inventario do Sr.
conselbeiro Zicarias. O nobre depotado deseonQou
do liberalismo do nobre conselbeiro Zacaras, por
hayer S Etc. lido aqui urna carta de um seu ami-
go na Europa, que emiltia jaizo sobre os ltimos
aconlecimentos polticos. O que dizia a carta ?
Dizia qae urna verdadeira revolado moral se ope-
rara uo paiz, porqae os velhos partidos haviam
desaparecido, haviam deixado de parte odios e
paixoes, e refundidos marchavam aos seus destinos.
Estrnjiou o nobre deputado a linguagem dessa
carta Tv^
Mas, senhores, passada na primelra sesso da
cmara quando se apresentou aqai o primeiro ga-
binete liberal progressista, as hosanas se levanta-
vara de todos os pontos, e a Bloquete voz do Sr.
Martiobo Campos exprima em termos claros o sea
rompimenlo com o passado. Do saas palavras de-
prebendla-fe o segainte : < ea aio quero saber do
passado, rompo os qcm, as cadeias que me uoiam a
elle, eu boje sou o que quizerem que seja, sou libe-
ral ou conservador, nao fago questo de nome ; e
o nobre depulado por S. Paulo dizia : sa me per-
gaotares d'oude vim, ea responden! vim da
victoria das ornas .
Ora, quando talentos desta ordem assim proce-
iam, nao era muito qae am aosso patricio oa Ka-
ropa se exprimisse pelo mesmo modo, Naqueila
occasiao a carta tinba razo de ser, descrevia in-
quesiionavetraente a verdade dos (actos. Beforma
do sanado, outra verba do inventario.
S. Exc. disse que o nobre presidente do conseibo
fallou em mrte de senadores como meio de refor-
mar o pessoal. Sim, senhores. eo oo sou deste
parecer, nem o nobre presidente do conselho o ;
e fallou assim por gracejo.
Mas qual o meio ordinario de chamar aquella
corporacio ao caminho devidot...
O Sr. C. Ottoni :E' com autorlsacao do presi-
dente do conselho que o nobre deputad i dn que
foi gracejo ? Se nao ea coatino a considerar
que foi sinceramente.
O Sb. Cesabio AlvIm :Ea fallo por conla pro-
pria. Mas qual o meio ordinario qae temos ?
Para torna-lo temporario nao appareceu anda op-
portanidade. Para essa reforma S. Exc. mesmo e
o nobre senador o Sr. T. OUonl, qae recommeoda-
vam que nio votassemos seno em quem se com-
promettesse a trabalbar pela reforma dessa corpo-
racio, apezar de nossa obediencia, ainda nao acha-
rara opportnnidade para disentir a Idea; e quando
ora nobre carcter, nm disilnclo Mineiro, o Sr.
Joaqun Peliclo dos Sant.-s, atlroa ao tapete da
cmara dos deputados nm projecto a respeito, eu
nao oovi a voz do nobre depulado defendendo a
causa ; o projecto, segondo creio, oera teve as hon-
ras de oceupar a attencio do parlameoto.
O Sb. a Ottoni :-E Y. Exc. admrtte a ida da
reforma *
O Sr. Cbsario Alvim :Quando V. Exc. apre-
sentar o projecto, en darei minha opiniio. (Muito
bem).
O Sr. C. Ottoni :Aprsente, qaero ser seu
soldado.
O Sn. Cbsario Alvim :Oh 1 ea soa lio peque-
o para chefe I
A proposito de fallar o Sr. presidente do conse-
lho na morte como mel de reformar o pessoal, o
nobre depntado nos disse qoe nem ao meno3 o br.
conselbeiro Zacaras ajodava a morte, pjrqae na
eseolha nilimamente lena em ama lista da'Provin-
cia do Bio de Janeiro foi contemplado o nome do
conselbeiro Pedreira.
S. Rxc vio-a com naos olbos, ao que me pa-
"no comprebendo abi o liberalismo de S. Exc.
Priewirameote a eseolha do podar moderador,
alm disso, escolhendo a cora o conselbeiro Pe-
dreira, obedecea a' voatade popular, que offereceu
o seu nome em seguodo lugar oa lista sxtupla.
O Sr. C Ottoni :Essa opraiao do minis-
terio.
'
i
'

-

fConfisHiar-se-Jia,).
TYP. DO DIAB10-RU DAS CRUZES N, U,

U


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EU0RHYNEM_UHDQQC INGEST_TIME 2013-09-05T04:06:11Z PACKAGE AA00011611_11372
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES