Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11369


This item is only available as the following downloads:


Full Text
HHBHMMI
MMBMi

'"*<
^

ANNO XUII. NUMERO 212, m********* 3
PAHA A CAPITAL BllIWBES OXDE SE MAO PAA POSTE.
^r.trwBexMfinUoi.,. ?.... y. fiOrtrt *
US Sita" 1 -i '" -1 -; -;'-; : "*
;
.

SEGUNDA FURA 16 DE SETEMBRO DE 1867.
PABA WWO B VOBA DA PBOvi^CIA.
K Sd^T:: ? m s '' is -i ? $ y*
Por nove ditos ideo......... '* '........V '! "
Por na annt idfw. ..... .............. ,.
nrniwiMi..ia...... ...... .... .. ##.............

IENCARREGADOS DA SBSCRIPQAO.
farahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva ; Aracaty,
o Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. Joaqaim
os de Jliveira; Para, os Srs. Gerardo Antonio
Akes & Pilhes; Amazonas, o Sr. Jerouymo da
Costa; Alagoas.o Sr. Franeino Tavares da Costa;
Babia, o Sr. Jos Martins Ai ves; Rio de Janeiro,
o Sr. Jos Ribeiro Gasparinbo.
^-^--^ ^^^ ^^^ ^^^ *^i*a" .. *^B & I Ul JMw Un \W^^ ^
mwm.mi mu muran i* ittiiwmro n>i auam mimaipA w gamita a m^ M13 tnft&ni^UM
64750
1W500
200250
276000
*
PARTIDA DOS ESTAPETAS.
Oiinda, Cabo, Escada e estacos da via frrea at
Agua Preta, todos os das.
Igoarass e Goyanna as segundas e sextas felras.
Santo Anto, Gravat, Bezerros, Bonito, Garuara"
Altinbo, Garanbuns, Buique, S. Bento, Bom Con
seibo, Aguas Bellas e Tacaratd,.aastergas-elras.
Pao d'Albo, Nazaretb, Limoeiro, Breio, Pesqueira
Iigazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa-Vis-
ta, Ourienry.Salgneiro e Ex, as guanas feiras
Seriohem, Rio Pormoso, Tamaudar, Una, Bar PrimerJl vara do civel: tercas e sextas ao meol
reros, Agua Preta e Pimeoteiras, as quintas! dia.
feiras.
AUDIENCIAS DOS
TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio : segundas e quintas.
Relacao : tercas e sbados is 10 horas.
Pazenda : quintas as f 0 horas.
Juizo do coramercio : segundas as 11 horas.
Dito de orphos : tereaa a senas a Mi horas.
Segunda vara do cijol : quartas e aabbadea
1 hora da tarde.
EPHEMERIDES DO MEZ DE SETEMBRO
5 Quarto cresc. as 8 h. e 39 m. da t.
13 La cbeia as 9 h. e 41 m. da t.
21 Quarto ming. aos 17 m. da m.
27 La nova as 8 b. e 50 m. da t.
DAS DA SEMANA.
EXTERIOR.
Bli:\OS-lVRESi.
28 de agesto de 1867.
Talvez nao se tenba felto reparo em ama cir-
cumstancia, que, a torga de repetir-se, pode julgar-
se caracterstica da presente guerra; a de nao
baver cootiouidade de snccessos. Todos os feltos
della, todos os seas Incidentes mais notaveis teem
viudo como por sorpreza, ao passo que bem raras
vezes aquillo qae se annunciava como iufallivle e
oosequente com o que se bavia praticado, vinba
depois realisar se.
O que fqi a mesma orgem da guerra seno urna
sorpreza? E o Riachuelo, a rendicoda Uruguya-
na, a passagem do Paran, o 2 e 24 de maio, o 16
de juina, emfim, o desastre de Curapaity, nao che-
.garam todos inesperados, e at pela forma qae me-
nos poda suppor-se ?
Atsim cont eu que um dia, em qae nao se conta
com isso, terei eu de annanciar o m da guerra, e
aunuucia-lo por maneira que oinguem ter pre-
visto.
Tendo esta convlego nao me aftligem, oa admi-
rara as transicgoes que o correr da guerra apr-
senla.
Qaem nao sopporia, por exemplo, que depois de
ama marcha tio desassombrada do exercito at o
centro do quadri latero inimigo nao feriamos prorap-
to om grande saccesso de armas I Pois bem,
sao passados 20 das, e nada apparece menos pro-
vavel do qae isso.
Ha oilo das apenas que a esquadra forjando so-
brancera a ternvel posigao de Caanpafty la langar
suas bombas contra Hamaiti, a seis ou oilo qoa-
dras de distancia, de modo que em duas horas po-
derla forjar essa segunda e mais tremenda barrei-
ra, se lal era sea plano, e nao parece que outro
fosse razoavel.
Entretanto oito dias depois a esquadra nao tioba
mais avancado urna braca; e dest'arte a dupla
ameaga, terrestre e fluvial, que impenda sobre o
^Iqaebrado poder de Lpez Qcoa paralysada, como
o aceoo mais ou menos expressivo qne da a urna
estatua I
Concordando que isto um mal os qae como eu
teoham observado que os successos desta guerra
nao tem, seguado ja disse cootioaldade, ho de
aebar que o qae acontece era de esperar; e cerlos
de qae repentinamente algum grande aconteelmeu-
to nos vira lomar de improviso, observaro com
toda calma a nibllidade das noticias que leva o pa-
quete.
Succedendo tambera que ha poneos dias (pelo
Leopoldina) antecipe eu grande parte a miaba ta-
refa quindezinal, o qae agora me resta pobre e
desbolado. Terei mesmo que repetir alguma coasa
do queja disse naqoella correspondencia, e desen-
volver algamas noticias qae dei para nao flear sem
materia.
Ha coasas qae por serem repetidas nao peccam.
Estou tentado a declarar o general Mitrecora
todo o sea tai-oto, sua dedlcago e patriotismo
geltalore (1) da guerra do Paraguay !
Ainda S. Exc. nao tevea foriunade presidir, oa
sequer destacar a sua individualidade era um sac-
cesso brilbante, pelo contrario sua presenca tem
-para o exercito a ioflaencla da estatua do commen-
dador nos convidados de D. Joio Teoorico, tramo-
bilisa-os.
E' com verdadeiro desgosto que avanco proposi-
^des desta ordem, porque eu ja alguma vez dis-e
que tenho pelo talentoso general argentino todas as
sympalbias qae inspira urna bella intelligeneia
reunida a um nobre carcter; porm, nao son eu
quera fallo, sao os fados. Vejamos os mais recentes.
Marchando o ezercito de Tuyuty, maitos sappa-
nham qae (be serla impossivel avancar, alm de
-ama carta distancia, sam encontrar foriissima re-
sistencia do inimigo ; m >s, se tal nao sueca lia, oa
se, acbada essa resistencia, fosse ella vencida, o
exercito, levando de flanco e inesperadamente om
ataque as lindas paraguayas, coaseguiria romp-
as,loterpondo se logo enire Hamait e.Tuyuty,
quer dizer quebrando ao meio a linba de deleza do
Lpez.
Creio poder essegurar que essa risonba espe-
ranza dominava no exercito, sem excepto de um
s bomem.
Todos os que nesses dias tiveram occasio de ap-
preximar-se ao marquez de Caxias perceberam-lbe
certa alegra e urna especie de calor em suas reso-
'Incoes, como d serapre um pensaraento grande
alma que o nutre.
Quaoto aos soldados, seu eatbusiasmo ia alora
de toda medida ; acreditavam, nao s no combate,
nao s na victoria, mas no fira da guerra, como
cousa a realisarse em ama oa duas |semanas.
At o dia 30 de julbo assim fot, e Isto explica co
rao 9a vanceram to fcilmente os embarazos do
caraioho, que se acreditavam iosaperaveis. A mar-
cha por areaes e esteiros era um passeio, ao me-
cos era um caraioho breve e Ibano, para o que ha
-dous annos se agaardava.
No dia 30 de juina era o commando em chefe
dos exercltos adiados reassumtdo pelo general Mi-
tre : no dia 31 ebegava elle ao camp do exercito
era operaces.
Elle o disse, em caria de 1 de agosto, ao vice-
presidente :
Hontem tarde ebeguei a este campo (Tuyu-
Ca) era momentos que o nosso exercito o occapa-
va avanzando, e derrotando ama torga inimiga,
Estamos nos ltimos dias de agosto, e ainda o
exercito se acba no mesmo ponto de Tuyu-Cu em Das reduiir a i
Por ora s avango, e de alguma forma garanto
esta proposigao : a tda de se nao levar o ataque
as liobas iaimigas foi do general Mitre, e, entrando
com elle no exercito deoperagjs, obstoa a qae
avangasse ara passo mais.
Qual seja o novo plano adoptado o qae anda
nao esta' no dominio pobtico.
Consta por diversos conductos que se pretende,
encerrando completamente o exercito inimigo em
suas poslgoes, obrlga-lo ou a urna tentativa contra
qaalauer dos doas carpos de ejercito, em qae elle
serla esmagado, oa a render-se por falta de re-
cursos.
Este plano assenta, porem, em urna bypothese
que rae parece aventuradad da esquadra poder
forgar a passagem de Humilla.
Se tal succedesse evidente que Lpez, Bao
tendo le esta* averiguado que nao tem), depsitos
de vi/eres, e outros recursos para sustentar ara
sitio, seria obrigaio a capitular.Mas, se a esqua-
dra nao realisar aqaelU passagem, por desistir
d ella avista de obstculos insuperaveis, oa por ser
repeliida, que acontecer ?
Mal pode admiitr-se que um plano de operagSes
se estribe n'uma circunstancia de iraprovavel oa
difflcillma reallsago; e poi; ha de baver alguma
cousa combinada para o cas) de que a esquadra
nao transpenba Humaila'.
Muitos julgam percebe lo nos preparativos de
defeza que se fazem no Tuyu-Cu ; eis como.
Trabalbam-se alli algamas fortiflcagSes e levam-
se pegas Je maior calibre ao mesmo lempo ex-
ploram-se os terrenos na dlrecgio da margen es-
querda do Paraguay passaodo por 8. Solaoo.
O Ora que se lera em vista parece que delxar
ama parte do nosso exercito bem fortificado em
Taya-Ca, e avangar o resto de molo a approxi-
mar-se daquelle rio, levando at sua margem ama
batera que, domluaodo-o, viria bloquear HumaiiS
rio cima.
Resultara ento urna llnha, como quera dissesse
de corpos de exercito de Toyuty al o rio Para-
guay, cada um defendido com numerosa anilharia,
e bem ligados todos entre si por certos trabalhos e
urna eommunicagao rpida.
Este plano, que seria de resultados iofalllveis se
dlspozessem os adiados de mais 12 ou 15,000
borneas, soffre grandes objeeges com a forga
actual, mas na verdade nao parece que envolva
porteo.
E necessario partir de nm ponto essencial. Le-
pez s por desesperago de causa atacara* qual-
quer posgo nossa mediamente defendida com
obras de arte e grossa artilbaria. A ligio de 24 de
maio castoa-lhe muito caro para que nao a tenba
serapre em mente.
Por emquanto o qae se faz mesmo s no sentido
que venho de indicar ponco, por isso qae se es-
pera a ultima palavr da esquadra a respeiio de
Humait ; e esta desde o dia 16, em que a dei lar-
gando bombas contra aquella fortaleza, nada tem
adlantado, tornando-se sea fogo de dia em dia rae-
nos activo.
A razo disto parece que se trabalba para es-
labelecer pela via de Chaco a eommunicagao fcil
com os vasas qae Acarara abaixo de Caropaity.
Como 800 bomeos das goaroigdes dos navios,
apoiados pelo bata bao de voluntarios da patria,
que appellidam Ganbaldinos, trabalham na abertu-
ra desse camlnbo e na constro/jgo dos pratelboes
que elle reqaer.
Eis ah a aelnalidade da guerra nos actuaes mo-
melos ; depois de um doplo arrancoo da mar-
cha do exercito e o da passagem de Carupaityde
que parela deuzlr-se ara golpe mortal soore o
inimigo, saspende-se a aegao offensiva para pre-
parar sub outra forma mais lenta, acaso mais de-
cisiva.
Eu devo aqu tornar saliente algo que parece
estar no espirito de toda a imprensa argentina, e
que indnziria a brasileira em erro por pouco qae
esta se guiasse por aquella na apreciago da acta-
lidade da guerra.
Foi o marquez de Caxlas quem tomou sobre si a
responsabllidade de levar o exercita aos pontos que
boje oceupa, e em qae de certo da carcter muito
mais enrgico a' guerra, e ameagou mais de peno
as posigSes Inimigas. Depois qae o general Mitre
assumio o commando era chela nada mais se (ez,
e o mel que se procura para justificar semelhania
immobilidade por em dovida a vantagem da-
quella assergo I
B um segundo Tuyuty o que tomos buscar, e
mais lonbe, mais difflcil, mais caro para os suppri-
mentos do exercito.
Tal o pensamento de varias correspondencias
de jornaes argentinos, que as respectivas redaeges
apolam ; no entanto a verdade outra.
Em Tuyuty os exercitos adiados tinham em
frente grandes fortifleages inimigas, e a nao fazer-
se o qae o marquez de Caxias fez, serla preciso
passar por cima d'-lias para a invasao adianiar
um passo.
Agora os exercitos ajilados foram collocar-se de
modo qae ameagam o centro da linba inimiga. P-
dera, iaclioaado-se a' direita, levar o ataque a Hu-
mana ; pendendo para a esquerda, lomar Toyu-
y psla religuarda. P Jera mais, com algum es-
forgo, assediar o inimigo em soas poslgoes ou com-,
binr um ataque eom a esquadra. Finalmente po-
dara avangar torgas pelo interior do paiz e at
mandar alguma columna na direegao da capital.
Podendo tudo isto ainda outra cousa Ibes possi-
vel, gragas s exploragoes do territorio, e alguns
trabalhos de vlabilidade, e voltarem em qnatro
ou seis horas ao posto de oade prrliram, pois a
distancia esta* fedozlda a 3 1|2 legua.
Delxe-se porianto as correspondencias argenti-
egonda. Ss. Coroelio e Cyprlano mm.
17 Terga. As Cbagas de S. Francisco de Assis.
is guana. S. Jos de Cupertino f., S. Sopbia.
19 Quinta. S. Januario b. ra., S. Nilo b. m.
?0 Sexta. S. Eustaquio m., S. Prisco m.
1 babbado. S. Matbens ap., S. Joas prof.
/22 Domingo. S. Mauricio m., S. Sactino b.
xando no campo um morlo, ama carreta e os bois
qoei a condoziam.
E' provavel qae saeeedendo-se factos anlogos, o
da que a columna exploradora seja commandada
por algoera mais temerario, ella vi ter a' margem
do rio Paragaay, e ento s restara' Qrmar a posse
desse trajelo.
Hoje mesmo as digressdes de nossa cavallaria
tem estorvado o fornecimebto do exercito para-
do fogo de 40 pegas de artilbaria, quasi todas de
4'0S0 calibra, e qae Ibes demoravam a tiro de
pistola, subiram o espago de urna legua por ara
canal esireito, tortuoso, e semeado de torpedos-
que por fortuna ou estavm deteriorados, ou a Pro,
videncia fez que os navios nao os tocassem.
As guarnigSes oceupavam as casamatas.e dahi
respoodiam activamente ao fogo do inimigo, dan-
do osolflciaes o exemplo de serenidade no momen-
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 4 horas e 30 m. da larda.
Segunda as 4 horas a 34 minutos da manhii.
PARTIDA DOS VAPORES COsTETROS.
Para o sal at Alagos a 14 a 30; para o non*
at a Granja a 15 e 30 de cada mez; para Fer-
nando nos dias 14 dos mezes Janeiro, margo, mato
julbo, setembro e novembro.
------------,_____________________i_______
na margem (dlreita) do rio com lo-
guayo, que coraega a soffref penuria. Um sargea- j to em que viam seus vaso3 estremecer, is coura-
lo aelte que no da 20 passou-se para nosso campo cas estalar, e as machinas ranger sob urna metra-
atirmou esse faeto, dizeodo qae as tropas para- o de balas de 68 80.
guayas trabara Meado redolidas a' maia-ragao des-1 Na frente dos encouragados ia aquella em que
ae que os ainados ebegaram a Tuy-Cu. j o vice-almirante igava galardamente seu sigeal,
ao mesmo tempo qae se explora o terreno para i como abrindo caminho, e chamando sobre is todos,
desenvolver as operagSes, o marquez de Caxias jTuror do inimigo.
procura que sea exercito esteja prvido de tudo As gaarnigoes nao lam sobre o convezcomo
ale para destacar-se, se preciso fr, de sua base de | pareceu que era o desejo dos Tourfourotia-a mor-
operages aflm de operar com m?lor deciso. No landade nao se eootou por milhares de bomeos,
da 21 bavia em Tuyu-Cu vivares para 13 dia?, apenas hoUve 33"lora de combate, mas p
continuando a se fater remessas dalles cada dous nao deixou de alcangar-se o flm desejado, mos-
dias para alimentar esse deposito. A este proposi-1 trando a esquadra imperial que capaz de tudo o
lo direi que no dia 22 ilnham ido os :fornecedore, que em marlnba possivel.
tanto do i." como do 2. coreo do exercito brasi- A prova disto acba se nos signaes de trinta e
leire ao campo de Tuya-Cu para eniender-se cora mais balas de grosso calibre, que alguns dos eo-
o marqaez, segundo consta, sobre a situago em I couragados apresentam, no grave estrago qae sof-
qae os cofca a depreciagio da moeda do imperio,, freu a machina do Tamandar, e, mais de que na-
e que nao s Ibes absorte todos os lucros, fias, d', no herosmo espartano qae raostroa o com-
ameaga arruinado; se tal sltaago se prolongar, | mandante desse navio, no momento de ser mor-
0 marquez a "este respailo, como a qualquerou-. talmente ferdo, como vou mostrar,
tro, sabara' providenciar com a energa e tino que | Nao failarei eu : o enttiusiasmo com que nao
fazem leoba
da facilidade.
A eommunicagao que agora-'se abre pelo Chaco
perraittir logo receber carne fresca e o mais do
que carecer.
Resulta de indo isto que ainda, em relago a
esquadra, na algnraa consa de indeterminado so-
Dre suas operages, mas tambera ella, como o
exercito, ameaga de peno, e no seu mesmo centro,
a resistencia inimiga.
Pode bem ser que de um momento a outro sur-
ja ama combioago dos dous poderes militares que
esmague o Inim go, como pode acontecer que se
estabelega urna aegio de effeito mais lento, para
que seja mais seguro.
oTereceu um requerimento de adiameoto por 24
doras, que foi approvado, depois de algumas obser-
vacoes dos Srs. Joe Bonifacio, Baptista Pereira,
Tavares Bastos, C. Ottoni e Macedo.
Occupou se depois com a discussao do projecto
que concede ao Dr. Antonio Pereira Pinto, autor da
Collecgao Histrica dos Tratados do Brasil, o auzi-
lio de 2:000000 por cada um dos tres volumes j
publicados, aendo-lhe de igual forma outorgada a
mesma quanlia, logo que vier luz o quarto tomo
da dita obra. Uepos dealgomas observarles dos
Srs. Olegario, Barros Pimentel, Ratisbona e Vieira
da Silva flcou a discussao encerrada.
Foram offerecidas ao projecto duas emendas con-
cedendo igual favor ao desembargadur Jos Anto-
nio de Magalbes Castro, pela coofeegao de cada
qae o general Mitre o acaou avangando. Mais di-
rei, parece determinado qae d'abi nao se mover
to cedo.
Taes sao os fados notorios, documentados, e eu
aio fago ooira cousa que iuligita-los, d tallar com a eloquencia que (iverem. >
Mas qae circunstancias produiiro essa immo-
bilidade ? Ja a refer eu na miaba carta pelo Leo-
poldina, mas devo repeli-las.
O marquez de Caxlas eslava no proposito de
accorameter as posigSes paraguayas, e pareee que
looge de raoliflca-lo, condrmou-se nelle depois qae
vericou o carcter dassas posiges; porm' o ge-
aeral Mitre aprsenlos dasde a sua ebegada um
pensamento de lodo contrario, sendo nisto acompa-
ahado por outros geoeraes, qae 'orara ouvidos em
eonselho.
O marqaez leve de deferir a opimao do general
em chefe, e nao estou tonga da admitiir que deferio
tanto em relago aatoridade do general em cha-
fa como abalado pelas objeegoes sem conta qae el-
le Iba apresentou.
Julgando os factos de longe, e nao tendo en com-
petencia militar, dird qae oo ouso declarar da
ae lado eslava a razio.
Talvez o plano do marqaez de Caxias fosse la-
conveniente, por temerario, e envolvesso as proba-
bilidades de um grande desastre para as armas ai-
liadas ; e sa assim era o general Mitre leria pres-
tado nm immenso servigo obstando a sua reallsa-
go. Mas talvez o general brasileiro nos ia dar om
britbaate e dedaitivo trfampbo contra o inimigo, e
ento o general em chela argeoitav eppondosa a
elle teria praticado ara erro de fataes resaltados.
(1) Os que tenham viajado, oa seqaer lido vla-
gens a Italia, sabem o qae o termo significa; para
es mais direi que gettatore um hornera dotado de
certa sina, a como so dissessemos, mal de olho.
E' s mais tarde qae e?Ds coasas podara verIQ-
car-se, e que aqaelle dos doas geoeraes que tiver
acertado reeolhera' a gloria qae Ihe pertence, del-
xando ao ootro o descooceito de um graviisimo
engao estratgico.
mponancia da operago que se le-
vou a effaiio, alm de que salta aos olhos, nao lar-
daro os factos a mostrar todas as vantagens qne
ella trazia em si.
A guerra esta' angada n'uma pendente que po-
da ter tortuosidades, mas qae a levar aura ter-
mo prompto. Sera' a esquadra oltrapaes'a'bdo Hu-
mana, ser o exercito cahindo orna manba sobre
o ponto qae o inimigo menas espera, e levando-o
todo de vencida, ser algara outro inesperado sac-
cesso. .. Seca o qae fr ; mas qae a guerra ca-
miaba a sea fin aingaem pode contesta lo.
Camioba em dobrado sentido, a ameaga dos ai-
liados, e o desacorogamenlo do Inimigo. Tanto
alimento eu esta conviego qae.a maior sorpreza
sera' para mira coasa inductiva do qae agora sac-
cede.
Querendo passar a' narraclo dos factos militares
que se tem dado altimamente, observo qae ellas
sao nenbuos como se cosluma dizer.
Hontem mesmo ebegoa o paquete de Corrientes,
e tivemos datas do exercito de Tuyu-Cu at o dia
22, de forma qae nao podem ser mais recentes;
eis, porm, todo o qae rferem as cartas e corres-
pondencias.
Da* parta dos alliados eslo-se preparando bale-
ras, que vo incommodar o inimigo em suas ul-
timas posiges, e logo que estlverem abl montadas
as pegas da 32, que se mandaran) levar, ama par-
te das torgas se destacara' do exercito bascando a
margem do rio Paraguay.
Nossa caminho asto avangadat algamas tor-
gas de cava lana at o ponto ehamado Pedro Goo-
galves, do qual partera as exploragoes sempre
naqaelle ramo.
Alada no dia 21 verifleoa-sa urna qne dea al-
gum resaltado. Doas corpos de cavallaria adian-
tarm-se at o mato qae circunda a fortaleza de
Homaita'.
Forgas paraguayas, compostas da cavallaria e
Infantaria, apezar de serem em numero Igual, se
nao s jportor as oo>as, fugirara dilate dess, di<
aogaem ibe contestarla com jastlga.
Assim sneceden Ja' a respeito de cavados. Pri-
vados ellas do milho, e sendo muito Inferiores os
campss paraguayes, morrlam cavados aos cantos,
ae modo que nossas bellas torgas de cavados esta-
vm ameagadas de flcarem novamente a p. Pois
bem, o marquez providencloa de
ha milbo no exercito, e bem
abundante.
Em gara! pode dizer-se qae nada falta a nosso
exercito em Toya Cae, pois at as eofermarlas
acoaram bom commodo as casas da poveago de
Tay-Cu, qae esto era melbor estado.
Consegulntemente desappareceram as apprehen-
soas de qae as forgas adiadas, privadas de cer-
los recursos, tivessem de voltar ao pooto que ti-
nham deixado. Devem os pessimlstas buscar ootro
tbema.
Onda esto boje, podem conservar-se o tempo
que quizerem,!., o exercito de Tuyuty, que com os
seus 12 a 13,000 bomens, e tormidavel defeza de
canhoes resistirla bem a todo o exercito parag'"
2.% o exerciio de Tuyu-Ca, qai com seas IJD0O
soldados (inclusive as torgas argentinas ) tria, se
o terreno o permitisse, em marcha batida al a
Assumpgio ; e 3., o mesmo exercito de vanguar-
da com seus 9,000 bomens e o bravo general Oso-
rio a* soa frente, se se destacar a maior dis-
tancia, para situar-se as proxidades do rio Pa-
raguay.
Esta simples conservagao dos diversos corpos
de exercito sobre si, a toa directamente contra o
inimigo, como prova e faeto de se redatirem
suas forgas meta rago, ainda antes de se fechar
o assedlo.
Mas a guerra nos termos a qae ha ebegado nao
mais a conservagao dos pontos occopados, o
desalojo do inimigo, oa saa rendigo, e s por-
qae isto nao Ibes parece bastante prximo que os
descontentes censurara e procurara, renevar o an-
terior desanimo.
Entre as noticias de alarma qua aqu soem appa-
recer, ba urna verdaderamente absurda ; a de
que o general Osorio tioha dirigido um oiMeio ao
marquez, dizendo-lhe que elle traba vindo para ata-
car e nao para sitiar.
O digno ba-o do Herval por demais bom
soldado e patriota para fazer urna intimacSo se-
raelhante a seu ebefe, menos a faria ao marquez,
de quem to amigo; porm no caso actual anda
accresce que a opimao della foi sempre inclinada
a vencer a Lpez, cor latid o-Ihe os recursosos, mais
do que atacaodo-o em suas posigots. Seio-o de boa
fonte.
Sobre o inimigo, direi agora qae os miseros Pa-
raguayos continan) trabalbando desesperadamen-
te para robustecerem a extensa linba da fortifica-
ges que vai de Tuyuty a Humal. Alargara os
fossos, levantara parapeitos, dispoem abalizas da
mesma forma qae era Carapaiiy, com a differeaga
que agora irata-se de ama exleoso seis ou oito
vezes maior.
Ncsso exercito deia os fazer, porque, leudo a
escolha do pomo qae loe eonvenba atacar em duas
leguas de exenso, e podendo atacar por duas ou
mais, nem em seis mezes podero os paraguayos
tornar inexpagoavel loda saa linba.
No lugar chamado Passo-Fucd, onde Lpez tem
seu qaartei general, v-se distinciamente formar-se
ama grande batera, como para apoiar nella ama
segunda linba da defeza.
Ser que elle peose j em abandonar a primeira,
ou nao cont cora grande resistencia della ?
Ha um indicio que o tem felto sappr isto, e tal-
vez alguma cousa mais: a celebre Mme. Linch
parti para a Assumpgo ( segando oformoa um i
pjderia delxar de o fazer parecera exagerado em
quem nao presenciou os factos. Vou copiar, pura e
lisamente copiar o que ura amigo, em carta in-
tima, datada da esquadra, me refere.
Como esclareclmento previo, s direi que o
eommaudante do Tamandar (capito de fragata
forma que j : Elisiario Jos Barbosa), anda muito mogo, subi a
prompto sera elle esse bonito cargo pela intrepidez qae sempre tem
comprovado, e que s na presente gujrra Ihe fez
ganhar tres postos. E' tambera nm mogo intelli-
gente, sympathico, e to querido entre seas com-
paooeiros, como considerado por seus chafas.
Eis agora como a carta se exprime :
Achava se elle em frente a urna poriiahola di-
rlgindo a oavegago do navio, qoando o Tamanda-
r receben pela proa ama descarga de toda a ba-
tera da barranca. Urna das balas, bateado aa par-
te superior daquella portiahola, fez-se era peda-
gas, que reflectiram para o interior da casamata,
um dos quaes atravessoa o tergo superior do braga
de Barbosa. Este volton-se para o offleial com-
o : ajadaota da bateria, e disse-lhe as segrales pa-
lavjas com tamo sangue fri, que o offleial nao
corapreoeaeu bem a quera ellas se referiara:
Um homem dmenos. Chamou o immidiato, eu-
tregando-iba a direfcgo do navio, mettea o braga
Em todo case o que esl para mira fra de da- .
recaar, e aotes por sua propria gravitagao e o
impulso dado hSo de levar a guerra a sea termo.
Lpez o preseate, e oesse sentido sao suas dis-
posiges, elle nao aggride mais : antes conirabe
saa defensiva, afasia objectos que Ibe sao caros, e
ao primeira descalabro serio que sefl'rerconte-se
cora istodesapparecer da scena, deixando como
Rosas, seo exercito arraojar-se como puder com o
vencedor.
Tera elle meios de evadir-se? Ha-de-os achar;
e se cedo para alilsar-se da canhooeira ingleza
SLv^JRZJS &.*&< re.clami,?3es de i ^"Wlliw\ Oiirt Brent CaMlrriota'wmM
snDditos britnicos, nio Ibe faltara' no instante Coacdman. HowaII r.aiiBr Rniit Pn.i sianoh.or
preciso urna tbandelra de misericordia.
Voa dei zar
litar que publlcou, bem como aos autores de ebras
de reconhecido mrito e utilidade geral.
Soas magestades e altezas, acompanhados de seas
semanarios, vlsitaram hontem as officinas de ma-
chinas do arsenal de marinha e a fortaleza de VII-
legaignon.
Por cartas imprtaos de 21 do mez de agosto do
crreme anno, fofmnaturalisados ci!ado3 brasi-
leiros :
Os eidadaos norteamericanos : Alexandre Tra-
Coacoman. Howell Caller Bullock, Pnil Slanghter,
Jobu Baptiste Gustavo Moossler, George Brasil Goly
aae ahran^n^ ,LP0Qt?, *.BoMei ,da. "" Charles N.edleham Rury, eos subditos" portu-
ngendo apenas oito das, e referindo ao gimes Antonio de Araujo Frailas, Antonio Martins
Sil vado, Antonio Jos Ferreira de Vasconcellos,
_ -----, T L------------' ----------- ^ w umiun UC^S*3 [/lUT'UI ia^ U trtlIUlllK
rraciaralo entre dous boioas do casaco que traja- Caceres reuna forgas para se pronunciar. Eotre
passado), levando sua familia toda, com excepgao
do filbo mais velbo, que flcou ao p de Lpez.
De resto, o grande raareebal paraguayo sabe o
que sua pessoa vale, e conseqnenie com o systema
de se nao expr s balas, systema que arada nao
desmeollo na presente guerra, talvez queira dar a
seas soldados a larefa de defenderem a primeira
linha, emquanto ao abrigo da segunda, elle pe os
ps era polvorosa.
Delxemos o infeliz exercito paraguayo morlo de
forae e trabalbando sem descanso, para considerar
um ponto que prende boje todas as attengee : fal-
lo da esquadra.-
Observare! desde ja' qae a passagem de Caru-
paity, feito heroico como o qae mais oa preseate
guerra, bem longe tem estado de merecer na im-
prensa e oa oplnio destes paizes a conslderago a
que linha direlto.
Nao chego a presumir qae lal acootega por ser
a esquadra exclusivamente brasileira, e por isso
seu feito nao perleocer directamente a' allianga.
A xazj outra. Aqu mal se apreciam em ge-
ral oa feltos da marlnba, e no de qae se trata a
noticia ebegon pelo mesmo vapor quo trouxe a
da revoloco de Crdoba, priao do ministro da
guerra, etc.
Demais, adraiitida como por aqu pareee estar
a,facilidade de passar o Humaila' Curnpaiiy
appareceu como um proiigo daqaella ebra,.e os
prlogos da ordinario smente sao lidos por seus
autores.
Eo, pois, faria reparo no pouco applaaso do que
oossa esquadra acaba de fazer, se oa Tnouna de
hontem nao apparecesse ;ob o psendonyrao de
Tourlowon, ama correspondencia do exereito ar-
gentino, cajo autor se diz ser pessoa dedleadissima
ao general Mitre, em que. se amesqainba at o
ultimo ponto a passagem de Curapaity, e sevatl-
ra ao ludibrio o bravo vlee-almirante, por nao ter
anda toreado a da Hamait, nos oito dias que leva
do tempo.
Urna correspopdencU saewHunte, escripia por
pessoa lio amiga do general Mure, e publicada no
primeira Jornal de Biwnos-Ayres, constituirla um
faci bem grave, seno soabessamos o qaa coajas
taes sigaifleam.
As conveniencias i do momelo obslo a qae
ea diga mais, porm a cada um licito faaer os
commeatarios qae o incidente auiorisa.
0 qae, sim, posso e devo contestar a pouca
importancia que pe quer dar ao felo recente da
esquadra brasileira.
A empreza pode assim exprimirse ;
Qo.iitro oa sis pequanas eacoaragados debati

va, e sem o dar a perceter a uro s marlnbeiro,
deseen para sua cmara, chamou o medico, e dis-
se Ihe: C)rie-me este braco, que impo>sivel con-
serva-lo. O medico, que era o estudanla Justinia-
no da Costa Rabello (o mesmo que faz os prlmeiros
curativos no denodado Mariz e Barros) appllcou-
Ibe os aparelbos usados em taes casos, e procurou
llludi-lo com a esperanga de qae a ainputago nao
seria necessaria. Alguns mnalos depois o encou-
ragado" Cabral, chocando se com o Tamandar,
produtio oeste um abalo to forte, que alguos raa-
nnheiros que sa achavam da praga da armas, gri-
tara mtorpedo I torpedo! a se dirigiram para as
escotilhas. Eoto o oravo Barbosa ergueu-se do
leito de dores, e foi animar a soa guarnigo, di-
zendo Ibe : t Nao ba perigo algum, nao se per-
turbera. >
Contnua a carta :
c Desde o fenmeoto at hoje anda nioguera o
vio triste ou desacorogoado, Barbosa esla" sempre
risonbo, gracejaodo cora seus camaradas, que o
nao vera visitar apezar de saber positivamente que
a raorta e-ta bem prxima dalle...
Ao 1er essa nmago to srng^la como eloquente
tem-se orgulho do oome brasileiro I
Sim, ba de ser grande urna nago, qae lem em
saa naseente esquadra bomens da tempera de
Nelsoo I
O vleme offleial s no dia 22 deve ter sida am-
putado, porque s ento perdeu-se a esperanga de
Ihe salvar o brago. Quanto a' sua vida e firmeza
de aoimo do ferido urna promessa de que ser
conservada para consolo da sua familia e gloria da
sua patria.
Como a parle offleial do vlce-almirante assaz
lacnica, e demais j deve estar no Rio de Janeiro
(levada directamente pelo Leopoldina)^ considero
ocioso r.>produzi-la neste lugar.
Agora vejamos qual a posigao da esquadra.
Desde o dia 16 alguos dos encouragados, e oa
frente o Brasil, com o vice-almiqante a seo bordo,
approxlmaram-se de Hamait a' dislaacia de 630
metro?, e dahi romperam um forte bombardeio
contra a bateria casamataaa de Londres.
Esta balara, qae como a vanguarda de Humai-
t' conta 26 pegas de grosso calibre, e enflia o ca-
nal do no por mais de urna milha. As ouiras que
logo se succedem, e que sao a la barbelte, desco-
brem-se a' medida que um navio fr subiodo, de
moraenio de combinarles estratgicas, nao podiam
ser multas.
Demais os negocios da repblica Argentina tam-
bem 003 merecem atteogo.
A revolugo da provincia de Crdoba esta
em termos de fazer fiasco. O caudilho que se sub-
levou na capital pouco ou neohum auxilio achou
nos departamentos, e como o goveroador legal
aecudio logo apoiado pelo de Sama F, e alguma
torga nacional, nao se deu tempo para os partida-
rios menos decididos comprometterem-se na revo-
lugo.
Alguos actos do seu chefe apparecem que mos-
iram arrependimento ou fraqueza: tai a liberdade
dada ao ministro da guerra e a oatras autoridades
oaclooaes qae baviam sido presas no prioeiro mo-
mento.
Geralmente se acredita qne nao tardaran) os
revolucionarios em sabir da capital, e ento s Ihes
restara fugir para o Chile on Bolivi.
Em Eotre-Rios e Corrientes a noticia da revolu-
go de Crdoba exaltoo os nimos, e che/ou a di-
zer-se que na ultima dessas provncias o caadilho
Ribeiro Vaz e o padre Jos Maria Dias
modo que chega este a ear sob o fogo simultaneo
de mais de 60 canhoes de grosso calibre.
Esla tremenda ameaga oada seria sem os obst-
culos que a navegago oppoe. A volta violenta qae
ahi faz o rio, produzmdo as aguas orna especie
de redomombo, o caoal estrello e tortuoso, as ros-
sas crranles, qne, presas a urna e outra margem
do rio, sao ao meio sustentadas por chatas, que se
presumem convertidas era oolossaes torpedos, e
emflm os embaragos que Lpez lera' langado no
mesmo canal do rio, tudo isso faz da passagem Je
Hamait' ama empreza de que talvez nao baja
exemplo para esquadra alguma. /
Dar' paitos a ella o intrpido ice almirante
brasileiro T E* o qae elle propno Aioda oo lera'
decidido. /
Por ora estuda a operago, quer em referencia
ao rio, quer sobre os estragos qu o logo da esqua
dra produz as fortitieagdes paraguayas.
O estragos sao visiveis, percebendo-se coma as
nossas bombas fazem saltar as construeces aeces-
sorlas da balera de Londres, mas nao correspon-
den) aos qae os encouragados soffreriam iodo pr-
se debaixo della. Accresce qae a respailo do rio
oo se descobre meio de romper a soa complicada
barreira sem atorados eslorgos, que dariam tempo
a que as couragas e machinas dos navios fossem
completamente estragadas.
Um dos correspondentes da Nacin Argentina,
que nao saspeito, pois esse jornal dedicadissl-
rao ao general Mitre e este general quem tam
exigido a subida da esquadra cima de Humait,
depois de ter visto por seas olbos e aescrlpto as
iosaperaveis difflculdades da empreza, exclama :
< Exigir que a esquadra forc a passagem de Hu-
maila, para s depois disso principiar o exercito a
operar, na mnha opimao um erro.
A perspectiva da operago oommettida a' esqua-
dra tal, e emqnanto se decide o que deve fazer-
se, eis o qae succede.
A esquadra dos encouragados, collocada a meia
distancia cima de Curupaliy e abaixo de H4.
man, abriga-se do fogo de ambas, ou ao mean
da ultima, em urna iiha, de oade fas contra a ba-
lera de Londres um bombardeio lento mais con-
tinuo.
Os navios de madelra e aiguns dos encouraga-
dos que flearm cera ellas fazem o mesmo sobra
Garnpaity.
Saa posigao dos encaoracados nao eommoda
entre doas grandes toniflesgoes, bastante segara,,
e poderlam conserva-la por loogo lempo.
Cada oavio tem vveres pira 6 mezes e abun-
dajgt de combasiive, leo de que. s guarnices
Rios contenta-se com armar-se para o que poder
acontecer, segundo sua imprensa declara.
Este estado de cousas as provincias litoraes e
as mais prximas ao litoral, como Crdoba, co-
iocidiodo eom a desordena que nao quer extin-
guirse em algumas mais ceotraes, produz descon-
tentamente e desconflanga, mas para considerarse
grave serta necessario que as armas adiadas sof-
Iressem desastres no Paragoay : e porque a pers-
pectiva antes de victoria definitiva para ellas,
todo o Darnlho interno da Confe4erago se acalma-
ra no dia qae Lpez, vencido, nao poder mais aee-
nar com seo apoio futuro aos partidos desordeiros
dos dous Estados do Pr- ta.
Voa agora referir om incidente de gaode asean-
da-lo que teve lugar hontem em Buenos Ayres.
A A'acion Argentina, folba mentada sob os aus-
picios do general Muir e do Dr. Ellsalde, ba 5
annos, e a quem a proiecco do goveroo oaciooal
deu forgas e importancia, publicou hontem o se-
uinte na frente dos seus arligos editoriaes, e em
graades letras pretas.
tAo poblico.
< Tendo chegado ao conhecimento da direccao
da Naeion Argentina que o Sr. vice-presidente da
repblica Dr. D: Marcos Paz tem negociado terre-
nos no Rosario por valor de 100,000 paiaces, em-
quanto fazia pasar as deliberares do congresso
sua opimao sobre a quesio da capital, tem resol-
vldo que de boje em diante deixem de enviar-se
ao governo nacional os 200 nmeros que asslgna-
va desta folha.
A direegao.
A demonstrago de retirar a entrega de folhas
pagas nao deixa de ser original, e nma folba como
a Nacin, declarando-se era opposigo ao vice-pre-
sidente, mostrava bastantemente a sua indignago
para necessltar langar mo della. Porem a que
mesquinho caractes nao tica essa demonstrago
reduzida, se fr exacto, como dizera o Nacional e
Tribuna, que na vespera o vice-presidente resol-
vera retirar as assignaluras da A'acion, e que por
esta sab-lo amicipou-se a fazer o que fez.
Quanto ao faeto principal, qne a negociago
de terrenos no Rosario, fella pelo vice presidente,
elle proprlo, em urna carta que publicou, e os jor-
naes que o defendem., limitara se a explica-la co-
mo albeia a quesio da capital.
Possulodo esses terreos ha anoos, o vice-pre-
sideol veodeu agora parte delles, como ootras
vezes tem feito, por apparecerem compradores.
Todava a Tribuna eoteode qae a primeira au-
torldade da repblica nao deve ficar sob a suspet-
la que a Nacin fez nascer, e compre Ihe justifi-
carse perante o corpo legislativo, a quera sabe
chamar o vice-presidente respoosaDilidade.
E' provavel que este incidente va perdendo da
sua importancia actual, mas tambera pode ser que
d lugar a ama nova rennncia de D. Mareos Paz,
e eisabi renovada a complicago de quera substi-
tuir o general Mittre a frente do goveroo.
Eu nao considero frapossivel que este incidente
e a sitoagao interna da paiz chamem de novo o
general Mitre capital, aflm de providenciar se-
gundo a gravidade a qae chegarem as coasas.
Nenhnma outra noticia me resta a communicar;
apenas a de qne o tempo parece nao querer des-
mentir a yelha tradigio de que Santa Rosa (30 de
agosto) nunca vem sera temporaes. Depois de
das mnito bellos, assoma om de serio carcter.
No Amo, que pardo j para Montevideo, creio
que vai de Passagem o Dr. Rezendo Moniz, recem-
chegado do exercito.
Este talentoso baiaoo, medico e poeta, divida
sea tempo entre cuidar eom desvelo nosso nossos
bravos feridos e perpetuar en sentidos versos a
gloria de oossos heroicos mortos.
Recolbe-se ao Imperio com -lieenga temporaria,
pelo sea estado de saude.
Nosso ministro em misso especial, conselbeiro
Fortunato de Brito, foi a Montevideo, por alguns
dias, a pedido, segando consta, do general Flores.
INTERIOR
m
RIO DE 4am;iiio
2 de setembro de 1867.
Na conftrmidade das disposigoes do I.8 do art.
9.* da lei n. 648 de 18 de agosto de 1832, foi refor-
mado por decreto de 31 de agosto nltime, o capito
do 8.* batalbio de infantaria Leopoldo Borges Gal-
vio Ueha, visto scffrer molestia incaravcl qne o
torna incapaz de continuar no servigo,
3
A cama'a dos deputados adoploa bontem a pro-
posta do goveroo abrindo nm crdito extraordina-
rio ao ministerio da marinha.
Iodo tratar-se da tereelra discussao da preposta
que flxa a despeza torga a receita geral do impe-
rio para o exerclgft de 1896 1867, o Sr. Damas
Joo Jos
Pereira.
Por decretos da mesma dala foram concedidas
as tiegulntes pensoes por servigos prestados na
guerra actual.
De 500 rs. diarios aos cabos de esquadra, do 40."
corpo de voluntarlos da patria, Jos da Silva San-
tos Carrilbo, do 42. corpo dito, dito, Victoriano
Olympio de Cerqneira e Manoel Bezerra de Car-
valbo.
Do 1. balalha) da guarda nacional Jacob Crete.
Aos anspegadas :
Do 6. balaiho de infantaria Silvestre Alves do
Nasciraunlo, e do 31. corpo de voluntarios da pa-
tria Hygino Clemente da Silva.
De 400 rs. diarios ;
Aos soldados :
Do 1. regiment de arlilharia a cavado Jo3o
Baptista de M cena.
Do 4. baialoo de arlilharia a p Manoel Domin-
gos Carneiro.
Do 1.a dito de mamaria Jos Antonio Cavallelro.
Do 3." dito de dito Benedicto da Silva.
Do ll.11 dito de dilo Luiz Baptiita dos Itels.
Do 12 dito de dito Francisco Ferreira dos Rei?.
Do 3.a corpo de voluntarios ii patria Maooel En-
sebio Machado.
Do 4.a dito de dito Adolpbo Sableo de Almeida.
Do 7.a dito de dito Francisco Ferreira de Araujo.
Da 24 a dito de dito Diogo Casimiro da Oliveira
e Jas Aotooio da Silva.
Do 26.a dito de dito Luiz Rodrigues de Hollaoda.
Do 31 dito de dito Francisco Alexaodnoo Ca-
neca e Maooel Jacimho Pereira da Cruz.
De 34.a dito de dito Januario Gongalves da Silva.
Da 36' dito de dito Bernardo Joaquira de Olivei-
ra, Felippe Mooteiro Balfort e Mathias Barbosa de
S Bezerra.
Do 37.a dito de dito Maooel Luiz Peixoto e Lean-
dro Sotter dos Santos.
Do 40.a dito de dito Francisco Aotcoio Rangel,
Jos Mooteiro de Lima a Crispim Jos Alves.
Do 42.a dito de dilo Aoloolo Diogo do Oliveira.
Do 47.a dito de dito Florencio Rodrigues da
Cosa.
Do 51.a dilo de'.dito Raymuodo Aquino de Souxa.
Do 11.a corpo de cavallaria da guarda^ oaciooal
do Rio Graode do Sol Narciso Jos Rodrigues
Do 1.a corpo de cagadores a cavallo de volunta-
rios da patria Jacob Calsimy.
Do voluntario da patria addido ao 2.a balaiho da
infantaria Aolooio Tavares da Silva.
Do 13.a balaiho de iofaotaria Leaodro Jos da
Medina.
Aos msicos:
Do 4.a balaiho de iofaotaria a p Braz Jos da
Fonceca.
Do 3.a dito de infantaria Tereocio Jos de Al-
meida.
Do 2." corpo de voluntarios da patria Estevo Ja-
s Ai roza.
Todas eslas peos3es dependsm da approvagao da
assembla geral.
Foram expedidas as seguifttes ordens
Era 31 de agesto liado.
Concedendo tres mezes de licer.ga sera v nci-
raentos, para tratar de sna saude fora da corte, a
Joaquim Jos de Carvalho Siqueira Varejo, profes-
sor de geometra mecnica e desenho de machinas
do arsenal de guerra da corle.
Prorogaodo por dous mezes a liceoga com que
se acha para tratar de sua saude, o capito Pedro
Luiz Manoel de Jess.
Em 2 do correle.
Concedendo liceoga para residirem :
Na provincia do Rio Grande do Sul ao capito
reformado do exercito Zefeiloo Aflonso Taborda ;
oa do Piaufey ao cabo de esquadra Jcaqom Ribei-
ro Siares e soldado Valerio Pereira de Sooza ; oa
do Uaraoho ao soldado Leocadio Aotoolo e oa da
Bahia ao solt'ado Luiz de Pranga Nonato, lodos re-
formados.
Approvaodo a liceoga de dous mezes, concedida
pela presidencia da provincia de Goyaz, para tra-
tar de saa saude na dita provincia, ao segundo ca-
dete segundo sargento do 2.a batalbo de infamara
Fraoclsco Maooel Velasco.
Mandando dar baixa do servigo por incapacidade
physica, vista dos termos de inspecgo de sauda
a que foram submettidos oa provincia da Baha, aos
soldados Marcolioo Mooteiro a Francisco Evaristo
Gomes, e ao reernta Aotooto Rodngnes Vieira.
Dispensando do servigo do exercito, por iseogao
legal, aos guardas nacionaes designados do com-
mando superior da guarda oaciooal de liberaba
Joaquim Francisco Machado e Jos Francisco de
Sooza.
Por decreto de 29 de agosto (oi nomeado o coro-
nel Francisco Antonio de. Oliveira, director geral
dos indios da provincia de S. Paulo.
Por decreto da mesma data foi nomeado o capi-
to Manoel Joaquim de Toledo, delegado da repar-
tirlo especial das trras publicas na mesma pro-
vincia.
Teve lugar bontem, como baviamos aonuociadn,
roooio dos assigoaotes da praga do commercio,
sob a presidencia do Sr. J. J. de Lima e Silva sc-
brinbo, para 'discutir o projecto de estatuaos da Aa-
sociaco Commercial do Rio de Janeiro.
Abena a sesso meia bora depois do meio ia,
foi lida e approvada a acta da sesao anterior.
O Sr. Presdeme, exooodo o flm da reunio, fez
seotir a differeoga que na entre a praga do com-
raercio de beje a a da 1834, qnaodo foram orgam-
sades os estaiotos qoe ainda hoja vigorara, e con-
cluido pansa qoe o projecto da estatutos apreseu-
tado deve ser discatldo em globo.
O Sr. J. J- dos Res, obleado a palavra, felicita
commissao dos estatutos pelo trabalho que aprsen-
la, e ao raesrao tempo jolga qoe dava declarar que.
ops tres aanos qoe servio na commbsao da praga,
iratoa-se d folorma dos estaiatos, au* que afc




i :

1
V
v




MlttttilC*-'-----------v--------^',,,fe ***'** etembr ale 1M7.
--*
fc^^UgB
.iid

eamuatas extraordinarias obstaran vrwflBrJ
dessa Ttfma.
O orador termina fendameulaodo as seguales
tmendas, assignadas tambem palo Sr.' T. Svrbaok,
qae mandoa a mesa. .
t Ao art. i?, a 3 trata-da ke^iv mJogax.de.
11 membros, diga se 1S; em lagar da 1 brasileros
3, em lugar de 1 do cada aaeloaaidade- diga-se
at 2.
t Art 18. Altrese te oonformldad* com a
emenda do art. 17.
t Art. 22. Em vez de d*ga se 8 membros pre-
sentes. ti
t Art. 15. Accrescent**e reeahindo sempre a
nomeaco ao presidenta e a de am des arbitro* em
membros brasleiros.
t Art. 28. Dgase sement o secretario subiere-
vara' as actas.
Art. 47. Accresceate-se os consoles eojos car
gos Ihes prohlblrem aer commerclantes. O* <**|*
de repartigoes pubHcas e os redactores de peridi-
cos commerciaes. ..
Arl. 49 i 1* barrar as actas das sessSes d*
assembla geral da directora a' visia.dosapon-
.amentos que Ibes ministrar o secretarlo a m-
"? Art. 53. D*8-se qae serio dous rectores de
"osr. Fernaedo Ca tico umbem pedio a -palma
pira offerecer as emendas segainles :
.Art. 10. Em lugar de-pelo menos SO socios
diga se pilo menos a decima parte d contri-
buimos, despintadas as fraegSes.
i 8 ooico. Quando por falta da nnmeTo nao po-
der deliberar a assembla geral, sera' esta de novo
convocada, conforme o estabelecido no art. 9.*
e jolgar-se-aa constituida qualquer que e|a o tea
numero.
t Art. 11 ode se 14-15 socios31ga-se 20 so-
cios, e accrescente se no Bm do artigo o seguinte :
devendo em ambos es casos preceder anouneios nos
Jornaes, declarando o flm da reoniio.
Art. 17. Supprimam-se as palmapelo rae-
nos.
t Art 32. Supprimam-se a palavra eompa-
recer. ....
. Art. 47. Tero ingresso eom permlssao da di-
reegao, no sali de leitara os secretarios e adoraos
das legaces estrangeiras aqu residentes, os om-
ciaes dos exereitos e marfnhas de gnerra estrangei-
ras, e os redactores prlncipae dos jornaes diarios.
t Regulamento art. 3.Depois de apresemados
os documentos de qae trata o art. 2.* do regina-
ment, a direccio nomeara' om de seus membros,
ou encarregara o secretario de colher as Informa-
c5es necesarias a respeito de pretendente, e em
tis do relal rio apresmtado deliberara" se sim ou
nao deve conceder a pensao pedida. >
O Sr. E'kim H ne diz que e.-tranbou que os dous
oradores que o precederam e offeroceram emendas
deixassero passar desappercebido o art. 38.
Acha que pelo simples facto de ser infeliz ero
seus negocios nao deveria um membre ser i|'UDtl"
nado de urna sociedade de que faz parte lalvez na -u
ou 30 anuos Quanti ao art. 34 pensa tambero que
pelo faci de se formar urna nova associagao nao
se deve.conOscar o dlrelto a* pensao que possa ter
adquirido am negociante que ba muitos annos e
assignaote da praga do commercio, e por tanto pro-
S5a que sej llhminado o art. 38. Nao s.e coop-
erando naqnelle momento habilitado para propor
ama emenda ao art. 34, por nao ter sufflcientemen-
te estudado a questio, pede a' commissSo de esta-
tutos que o tome em considerado.
O Sr. Fernandas Pinheiro prop5e :
c 1.* Uu voto de loavor a c. mmissao da praga.
t 2.- Que a mesa receba todas as proposias apre-
sestadas e que e-colba as qae jolgar mats adopta-
das as nossas circamstancias, fleando desde ja ap-
provado o trabalho qae a commisso realisar.
O Sr. Presidente declara que ainda que for acei-
ta a segunda parle da proposta do Sr. Pinheiro,
convocara' nova reanio para approvar o trabalho,
visto a comrulssao nao desejar cavregar com a res-
ponsabilidade.
OSr. Furqulm de Almeida diz que havendo enire
algumas emendas meramente de re lagao, outras de
pontos capilaes, esllmaria qas a assembla se p o-
nunciasse acerca destas.
O Sr. Presdeme p5e a votos o art, 17, que re-
tallado, sendo approvada a emenda do Sr. Res.
Foi approvada a emenda que supprlme o art. 38.
Approvou-se tambem unanimenle o voto de loo-
vor a' commisso da praga, agradecendo o Sr.
Presidente em nome della.
Foi ainda r-j-ilado o art. 10, e approvada a pro-
posta do Sr. Femando Castigo.
Levatrtou se a sesso as 2 1/2 horas da tarde.
Entrn esta manha do Rio da Prata o paquete
inglez Amo com folbas de Buenos-Ayres at 28 e
Montevideo 29 do passado.
As noticias do theatro da guerra sao de 22 de
agosto, e at esta data cootlnaava a esquadra en-
couragada a bombardear Humaita, cansando all
vlsiveis estragos. .
As communicagSes com a esqaadra de madeira
faziam-se penosamente pelo Chaco, mas os navios
estavara bem sonidos de todo.
Na interessante carta, que em outro lagar publi-
camos, escripia da esqodra na ultima dais, encon-
traro os leitores a narragSo de todo quaoto tem
occorrido desde o dia 15, em que os navios se mo-
veram para traospor Curupaity.
O nosso correspondente de opiniao que o rio
est de tal modo obstruido defronte de Humaila,
que forgar a pissageui acarretana grave perigu
aos nossos vasos. ,
La esla', porm, o vice-almirante, que velara
pela segnranga da esqaadra, e embora ae folbas do
Rio da Prata digam que o general Mitre ordenou
terminantemente que se forgasse o passo, os nossos
navios anda escapam felizmente aoseucommando.
O que triste ver que no exereito e armada se
val perdendo a conflanga, nao nos seos chefes na-
turaes, mas no eslrangeiro queromm'nda em che-
fe, apezar de quasi nao ter exereito proprio.
As forgas de Ierra oceupavam tambem alada as
mesmas posigocs. Nao se tendo atacado as trin-
cheras paraguayas, apezar da esqaadra ja' fosar
cbover as suas balas e bembas sobre Humaita dis-
trabindo a atteogio do inimigo, suppunba-se que
era o plano do assedio, ulves mais seguro, mas
muito mais lento, qu se tinba definitivamente
adoptado.
Para cortar a Lpez, encerrado em Hamait, as
eommonicacoes por agua com Assnapg*o, parece
ue se quera construir nma batera em Tayl, de-
onte da foz do Vermelho, abaixo da villa do Pilar
onde os nossos ja chegam.
A caria do nosso correspondente de Buenos- Ay-
res dispensa-nos de entrar em mais pormenores,
por cuja exaelido nem seqoer podertamos res-
ponder.
A revolugo em Cordovj mantinba-se no nesmo
p, e se a cooflagrago se estendesse as provincias
de Entre-Ros e Corrientes, como algumas folbas
mostravam recetar, a complicago poderia tornar-
se grave.
No Estado Oriental bavia soeego.
Na cmara dos deputados, tendo sido interpela-
do o governo pelo Sr. Barros Pimentel sobre as
noticias da gnerra trazidas pelo Amo, o Sr. minis-
tro da marinba, tomando a palavra, responden:
Sr. presidente, ebeguei a casa neste momento e
Jal informado de que om nobre deputado pela pro-
vincia de Sergipe interpellara ao governo para sa-
ber qoe noticias Uvera do ibeatro Ja guerra.
Devo declarar a' cmara que ainda nio recebe-
mos as commnnicagSes dos nossos generaes; ape-
nas as llvermos viremos trate las ao conbecimento
dos representantes da nago quaesquer qae ellas
sejam, boas ou ms.
Nem ba motivo para qae fagamos disso misterio
para oceultar as noticias desagradareis qae por-
ventara nos tenbam de vir, lora myster davidar
da virtlidade deste paiz, da qual alias tudo se deve
esperar. (Mullos apoiados.)
Entretanto, devo dizer ao nobre depotado que
particularmente consta-nos o segnmte:
At a ultima data, 22 do mez passado, a esqaa-
dra continuava r bombardear a fortaleza de Ha-
malta', causando-lbe serios estragos, principalmen-
te na batera de Londres.
Rstava perfeamente abastecida de viveras e mu-
fllgeas, dispunha de eombasUvel preciso, e tinba
suas communieagoes segaras com os navios
de madeira, qae se acham em Curapaity. Sua
yosigo, porlanlo, nao nos deve iopirar receio al-
ara, (apoiados), porque qoando nio tivesse outro
meio de communicar-eo coa os seas depsitos, nio
serian certaoente as bateras de Curupaity qae
e poderiam embargar o pasto.
Sennoret, en comprebeodo a impaciencia da c-
mara e do publico osla termlnaeao da guerra;
preciso, porm, atleoter a que a passagem de Ha-
mait' diffleilima ; nao se pode fleutuar te am
momete para ontro. A historia de nenbuma oa-
'ao martima do mondo registra em seos aanaes
empreu mais atrevida. (Mullos apoiados.)
o governo su' coaveacido de qoe ella e eflee-
-ja, nem por Sl0 teara' prejudlcado o xito da
Quai o na desta passagem ? Por em iaaedio o
ir.iaigo; se ella nio se fker. o eerco pode ter lo-,
r por ootros eio?-a colloeagio de balera!, por

exemplo, ao^awo Hondo, ruterrompsnio-se assim
do piesipQ meto.asare
o interior do sea paiz.
Essi'Daisagem apri
nago da gnerra *, mi
esse.Bci- Nio m po<_.
quanto nie for tentada, e o nosso almirante a ten-
tara', coste o qae costar.
ir. presidenta, ooeeasario que atetamos preve-
nidos contra as leticias da ultima hora que nos
tiazem certas Jornaes do Rio da Prata.
Esas noticias, tetdnate* a-prodnsir effeito na
Europa, sao nos seropre desfavoraveis, e sempre
sJo inexactas. ^ _
Teniamos pacieacla, haveoos de iriampfcar J
Inlmtgo mais tarde ou mais cedo ; a vtctwia oa ae
coroar os nossos sforcos. (Maltes apoiados.)
A cmara dos dapuUdos. approvoa hontem os
sfguiotia projscts:' ."._
1* Creando nm collegio eleitoral no Brejo Gran-
de, proviociada Babia.
t.* Declarando qae a disposigo do art 1.* do
decreto o. 23 de 30 de agosto da 1834 fiiea exten-
siva ao hachare! formado na facaldade de direito
de Pars, Francisco Gomes da Silva.
3.* Readmittindo ao qaadro do servico activo do
exereito tenenle reformado Raymundo Nonato da
Silva.
4* Mandando pagar a Manoel Jos Teixeira
Barbosa a qaantla de 130:732^450, Importancia
da sentenca que obteva contra a fazenda poblica.
5.* Declarando qaaes os limites da provincia de
Sergipe.
6.* Approvando os decretos que concedem privi-
legios Charles Pradez e Wiiliam F. Jones, para
empregarem a madeira no fabrico do papel, e a
Jos Botelbo de Araojo Carvalho, para osar do ka
olim e ootras argas no fabrico da looga.
7.a Aposentando o secretarlo da presidencia de
Matto-Grosso Joaqoim Felicissimo de Almeida Lou-
zada.
8. Concedendo ao Dr. Aotonlo Pereira Pinto,
autor da ColleegSo Histrica dos Iratados do Bra
UT
com a
ro Manoel Joaqoim Pinto Paca,J c^Jea^aW
do mesqw melgascpmnraoicaggimtela-nynm\poraria pelo processo e PX.T5m**S ^Atta* *
o inierior do sen paiz. Caira' ^^^Pj^^^SS^mS i%**Ldo dirigi o Senhor D.'Pedio II
esse.ooi Ilao m aoda retau la4mBOM*el. env ala Jos Moreira. >< <|4ifoJJte tJMOUtros, qae leu-a a cmara dos
excepgao odiosee iBcoaslitae'MoaJ
.do oa
eoitra o Dr. Felinlo.
As coaaotesoea, pos, entendea que deve yaer
garantido ao acensado e privilegio constilacl'iaal,
sendo o respectivo processo reraettldo a esta cma-
ra para de coaformidade com o art. 28 dacoasti-
taigo decidir se deve oa Dio continuar; e como
em virtude desse aesmo artigo deve ficar tambem
suspenso todo o procedimiento ulterior, at qae ba-
ja declsio sobre a coetinnagao do processo, enten-
dem iguala ente as commisiSes que, como conse-
quencia neiessaria o lgica, devem ficar suspensos
os effeitos da pronuncia, podando o acensado en
Irar no exerclcio das fuoccoes de sen cargo.
E, portanto, sao de parecer qae se adopiem as
segoinles coaclusoes :
t 1.* Qae pelos canaes competentes seja reqaisi-
tado e remetlido a esta cmara o processo de re*-
ponsabilidade instaurado pera relaglo de Pernam-
buco contra o ebefa de polica Dr. Fellnto Henri-
qae de Almeida, no estado em que ella sa acbar.
2.* Qoe, visto Ibe ser garantida o privilegie de
(oro, ficando suspenso todo procedimento ulterior
at que esta cmara resoiva sobre a cootinuago
do processo, de conformidde com o art. 28, ja ci-
tado, deve o aecusado entrar no exercicio de seu
cargo, para o que tomara' o governo as providen-
cias necessarlas. _
c Sala das conferencias, S de setembro de 1867.
Meira e Vasconcellos.Cavilo Peixotb.A. Lo-
bo.-r-Araojo Barros. *
Approvou dpois os seguintes projectos :
1.* Concedendo um aono de liceoga com todos
os vencimentos ao stereomelra da alfandega do Ma-
ranbao Joao Vtor Vielra da Silva Cqueiro.
2.* Declarando que a resoiugo da assembla
sil, o auxilio d'e 2-000^003 por cada um dos tres, provincial de Peroatobuco de 13 de margo da 1866,
volames j publicados da referida collecgo, sen- approvando o compremlsso da irmandade das Al-
do-lbe de igual forma outorgada a mesma qaantla j mas da freguezia da s. Loureugo da Malta, da
logo que vier luz o quarlo lomo da olla obra. mesma provincia, deve ser saaccionada, visto nao
\* Concedendo iseogo de direitos por 25 annos t offender disposigo alguma constitucional.
aos macuiaismos, appareibos, tubos, combustores '
e materias primas importadas' pela compaahia de
illnminagao a gaz da capital da provincia do Ma-
ranho.
Os trez primeiros foram approvado3 em 1.a dis-
cusso; os 4.% 5., 6. a 7. em 2.*, e os dous lti-
mos em 3.
Rejeltou depois o projeeto que autorisa o gover-
no a conceder loteras a sociedade musical de be-
neficencia da corta e a varios estabelecimentos
pos, irmandades e matrizes. |
Occopoa-se em ultimo logar com a 3.* dissosso,
da proposta do governo que fixa a despeza e orea {
a receita geral do imperio para o exercicio de 1806
a 1867. Oraram os -Sis. presidente do conselho,
Candido Torres Frlho, Antonio Carlos, e Vlllaboim,
ficando a dlseusso adiada pela hora.
S. M, o Imperador e SS. AA. os Srs. duque de
Saxe e conde d'Eu, acjinpanpados dos seus sema-
narios, visitaram hornera o encouragado Rio Gran-
de do Sul, oade assistiram a experiencias feilas
com a machina e a artiluaria d'aquelle navio.
5-
A cmara dos deputados. approvoa hontem em
urna s discusso, com varias ementes, o projeeto
qaa auterisa o foy rio a. mssdir admitllr i a-
tricnla en q'ialquer da< facuidades Uj medicina
do imperio o esiudanta Antonio Gjrgel Va lente.
Adopiou em seguida, depois da orarem os Srs.
Candido Torres Filbo, Felicio dos Santos e presi-
dente do conseibo, a proposta do governo que fixa
a despeza e orea a re-eita geral do imperio para o
exercicio de 1866 a 1867, com todas as emendas
das < mmis.-o-s de orgamento, sendo rejeitadas
todas as outras.
Approvou tambem sora debate, a seguinte emen-
da do senado proposta do governo pediodo anio-
risagao para realizar optrag5es de crdito oa para
emitlir papel-moeda.
No arl. 6." Era vez das palavrasnao exce-
da a importancia das dos bilbetes do thesouro que
e-tiverem em circulacao na data da presente le
dlga-senao exceda a importancia de ciacoenta
mil contos.
Occopou-S8 depois com a 2 discu.'so do pro-
jeeto declarando que o lempo da demora de que
trata o'flm do art. 3.* do decreto de 20 de dezetn-
bto de 1830 nao esla compreheodido o prazo que
o mesmo decreto, concada aos magistrados para
apreseotarera ao supremo tribunal de jusliga do-
cumentos comprobatorios dos seus exercicios e.
posses, o qual ser-lhesha contado era suas anti-
guidades, ficando assim declarado o citado decre-
to. Orou o Sr. Olegario, flcaado a discasso en-
cerrada.
Foram offerecidas pelo mesmo senhor as se
guintes emendas :
cente Ferreira Gomes fie* dispensa 'o da mora em
que iocorreu deixado de eff-ctuar em lempo a
sua matricula a apresentar ao supremo tribunal
de jusliga os documentos de sua posse e exercicio,
para o effeito de ibe ser contado lodo o lempo de
exercicio que liver, segundo os documentos que
forem produzidos no tribunal competente.
a A passar o prejecto :
Artigo onico. As reclamagoes sobre antigui
dade dos junes de direito, ainda qoando funda-
mentadas com documentos que demonslrem effec
tivo exercicio, e salvo o caso de forga maior, de-
vidameote comprovada, sero sement admttidas
quando feitas nos prases mareados no art. 4." do
decreto de 20 de dezembro de 1854. >
Foi anda offerecido pelo mesmo senhor o se-
guinte requerimento :
reqneiro qoe se ouga o goveruo pelo ministe-
rio da justiga sobre a conveniencia e necessidade
do projeeto.
6 -
A cmara dos deputados approvoa hontem, un-
nimemente, depois de orarem os Srs. Meira Vas-
concellos, Olegario e Epamlnondas, o seguinte pa-
recer :
As commssoes reunidas de justiga criminal e
poderes offerecem considsracao da cmara o se-
guinte parecer proferido sobre a represantago do
Dr. Felinlo Henrique de Almeida, chefe de polica
de Peroambaco.
f Nessa represenugao aqulla aotoridade recla-
ma contra o procedimento do tribunal da relaglo
do di?tricio, porque o havendo pronunciado no art.
157 do cdigo penal, por om facto qoe occorrera
no dia 26 de abril deste aooa, quando alte fazia
parte do carpo legislativo, como depotado da le-
gislatura passada, Ibe recusara entretanto o privi-
legio do art 47 11* da conslitoigao. Da represeo-
lagao a docomentos consta qoe o aecusado recla-
mara psrante aquello tribunal para que Ibe fosse
respeitado o privilegio constitucional, de qae gota-
va, sem qoe fosse attendido ; e bem pelo contrario
depois da pronuncia, em logar de proceder a re-
lago na forma doait 28 te constitaico, aguar-
dando, como Iha cumpria, a deciso desta cmara,
mandou-lbe intimar a pronuncia, e declaroa ibe
qoe ia responder parante os tribu ases ordinarios.
3. Approvando os decretos que concedem privi-
legio a Charles Pradez e William F. Jones para
empregarem a maneira no fabrico do papel, e a
Jos Botelbo da Araujo Carvalho para uzar de kao-
lim a outras argas no fabrico te louga.
4. Readmitado no qaadro do eereilo o t-
ente reformado Raymoado Nonato da Silva.
5.a Aposentando o secretario da presidencia de
Matto-Grosso, Joaqoim Felicissimo de Almeida Lou-
zada.
O 1, 2 e 4 foram aoprovados em 1* discossao,
e o 3* em 5* em 3.*.
Occupou-se depois com a discnsso do reqoeri-
menlo da adiamanto offerecido ao projeeto decla-
rando que o lempo da demora de que trata o flm
do art. 3 do decreto da 20 da dezembro de 1830
oio esta' comprebendido o prazo qoe o mesmo de-
creto coacede aos magistrados para apreseotarera
ao supremo tribunal de jusliga documentos com-
probatorios dos seus exercicios e posses, o qual
ser-lhesha contado em suas antiguldades, ficando
assim declarado o citado decreto. Depois de urna
questio de ordem, em que tomaram parte os Srs.
Olegario, Silveira de Soozae Horta de Araojo, fl-
cou a discusso encerrada.
- S. M. o Imperador, acoropanhado fios seos sema-
narios, visiteo boniem as offkiuas de machinas do
arsenal de marraba e asylo da iiha do Bom Jess.
Por decreto de 31 de agosto foi concedida a exo-
aeragao que pedio Alfredo Deocleciano da Silva
Tivares do cargo de secretario do governo da pro-
vincia do Paran.
A cmara dos deputados approvoa hontem, em
2* discusso, o projeeto declarando qne o tempoda
demora de que traa o Qm do arl. 3* do decreto de
20 de dezembro do 1830 nao esta' comprehendldo
o prato que o rxesmo dacrelo concede aos magis-
trados que apreseotarem ao supremo tribunal de
jusliga documentos comprobatorios dos seus exer-
cicios a posses, u qual ser-lbes-ba contado em suas
aotiguidades, ficando assim declarado o citado
artigo.
Occupoa-se depois com o projeeto do Sr. Bezerra
aulorisando o governo a emitlir bilbetes dos valo-
res da 80 e 40 rs., ou a dar curso legal aos sellos
que servem para portagem das cartas em quanto
houver escassez de cobre. Depois de algumas ob-
servagde3 do masmo senhor ficou a discusso adia-
da a requarimeulo do Sr. Baplisla Pereira.
Occupou-se tambera com a 2* discusso do pro-
jeeto vindo do senado, declarando qua as dispqsi-
gdes do art. 6" da lai da 23 de novembro de 1841,
na parte relativa ao principe imperial, sao appilca-
veis a' princeza imperial. Depois de algumas ob-
servares dos Srs. Barros Pimentel, Pereira da
Silva e Bapiista Pereira, ficou a discossao adiada
a requerimento desta senhor.
Occupou-se ainda com a 1* discusso do pro-
jacto dos Srs. C. Ottoni a ouiros, sobre o comple-
mento da construego da 3' secgao da estrada de
ferro de D. Pedro II. Oraram os Srs. Viriato de
Medeiros a C. Olloni, nio se votando por falta de
numero legal.
Em 6 de setembro corrente foram expedidas as
seguimos ordens:
Mandando dar balxa do servlgo por sengio le-
gal comprovada, ao guarda nacional designado Jos
Cesario da Fonseca.
Concedendo as seguintes licengas para trata-
meato de sade :
De dous mezes, cora sold e etape, podendo gosa-
la oa provincia da Babia, ao cirurgio contratado
Maooel Ignacio Lisboa.
De (res mezes, com sold e etape, ao 1* cirur-
gio do corpo de sade do exereito Dr. Maooel
Enediao do Jiego Valenga.
Por decretos de 28 de agosto Ando :
Foram reformados :
Aotonlo Pereira da Gra.ga, teneote-corooel eom-
mandante do 6* batalho de infamara da guarda
nacional da provincia do Ceari, no posto de co-
ronel.
Raymundo Martios dos Reis, capito quarlel-
mestre do commando superior da guarda nacional
do municipio de Jerumenba, oa provincia do Piau-
by, no pusto de major.
Foram nomeados :
O bacoarei Joao Heoriqae Mafra, jala municipal
e de orphos do termo da Serinbem, d provincia
de Pernambuco.
O bacbarel Jos Julio Rigoelra Pinto de Soaza,
julz municipal e de orphos do termo do Rio-For-
moso, da mesma provincia.
Ivo Cassaoo Pamplona, teneote-corooel com-
mandante do 6* batalho de Infamarla da guarda
nacional da provincia do Ceari.
O capito Gil da Cuaba.Lustosa, major ajudaote
te ordaos do commando superior da guarda nacio-
nal do municipio de Paraoagoa' da provincia do
' Piauhy.
Coocedeu-se passagem, como aggregado para o
i Nessa cireomsiancias, o acensado fui Torga- batalho de iofanlaria n. 23 da guarda nacional da
do a deixar o exercicio do cargo ; mas julgandorse. provincia do Maraabo, a Henrique Pereira Co-
admintSlracO da dea- ^Bgnarda; O Co/oaoo, da retaguarda desses 4;
o Liwtfl Bfrrot, do. lado da Chaco tetcdbrindo aa
bateras casimatates de Humaita; o Brasil na re-
taguarda de todos estos ; o Tamandar ak eonsa-
qeencra do fermento do sea Oobre e valenta com -
mondante, .ao lado da Uha ejne>fica cima da Rro
de Ouro; o Henal, abaixo deste rio e junto ao
ponto onde chegam os soldados navaes qoe oora-
municam pelo Chaco, Onalaente o Mari t Bar-
ros pela popa d'aquell^ .desaobrindo as bateras
de Carapaity.
< O Lmdoya, qoe passou atracada ao costado
do bombordo do Brasil, nos serve de maito aqu,
explorando o canal e communlcando a esqaadra
com o Chaco.
O almirante tinba ordenado qoe o Colomoe e
Cotral rebocassem doas chatas de morteiros, po-
rm o primelro atravessoa logo* ao sabir, e teve
de soltar a que coodozla, o assim s ebegoo a qoe
rebocava o Cabrol.
c Nisso ainda o bravo Gongalves sosteotoa a re-
potacao brilhanto qoe tem adquirido Desta campa-
nba. Castoo-lbe molto desempeobar a sua com-
misso ; foi obrigado a andar coa am blico s
para poder goveroar, mas emfim consegaio. A
chata chama se Riachuelo, e j tem atirado excel-
ientes bombas sobre Humaita. Esta ja oio est
virgem, j sa Ibe eoxergam rombos e soffreu am
incendio.
Voa referir agora om incidente que se dea ba
dias com o caplto-ieoente Res, eommandania da
oombardelra forle de Coimbra.
< Costomava este official ir cagar pombas em
Coraza,, no lugar .nada acampoo o 2.* corpo do
exercit', levando comsigo apenas 3 bomens. ,
No dia 11
factora a por entre applaoMi feraes.
Sr. ZacarasGomo auxilio ao .ana de-
sojo do reduzir a despea publica, apres-
me a deciarar-ihe qae do i.* de ureo em
diante pode o thesouro nacional descontar
ensaufente a qaarta parte de mioha dota-
Ci. Alo me foi, nem me da lo cumprir
antes esse dever, atlentaas urgencias pecu-
niarias do Estado, porque empsnbos impres-
cindiveia de mnha casa m'o tm vedado e
vedaro ala esse lampo.
D. PEDRO II.
c 3 de setembro de 1867.
A esta carta seguio-se sta outra, em qua
dominam os mesmos sentimentos de acriso-
lado amor ao paiz.
c Sr. ZacarasA imparatriz. pelas mes-
mas razoes que aconslharam o meu proce-
dimento cede da 4.* parta de sua .dolacao,
a contar d* 1/ de Janeiro da 1868.
D. PEDRO II.
t Rio 5 de setembro de 1867".
Documentos desta ordem, basta consgna-
los, pois ellas tudo exprimem.
A impfenaa registrando-os, escreve urna
pagina da bstaria contempornea, a qaal de
futuro sera' lida com ufana do paiz, qae
hoje aprecia de vid? memo lao nobre proce-
der dos augustos soberanos da trra daSanta
Craz, a aprecia-o assim quer pelo motivo
elevado que o dictou, quer peloprncipio fe-
cundante do exemplo que nelle mi.
O vapor Ingles Seint, chegado sabbado do Rio
de Janeiro e Babia, fot portador de jornaes d'alli
al 8 e d'aqoi at 12 do corrente.
Chamamos a aitengao dos leitores para as noti-
cias, qae vio sob as rubricas de Extsrior e Inte-
rior, Alm deltas, os o qoe mais colhemos.
RIO DA PRATA.
Urna carta da esqaadra, datada de 23 do
passado, diz o sagoTte:
' .Logo que chegamos ao ponto qae boje occapa-
raos milna e mela do Haraalti, comegamos a bom-
bardear essa fortaleza oa e noute.
< Nossas posigdes silo exceltentes para isso; des-
cobrimes toda a batera casamaiada e outra a bar
bella que Ihe fie* para o lado de cima e sobre ellas
atiramos as. oessas balas; ao passo qoe o ioimlgo
nao nos pode fazer o mesmo, porque suas balarlas
esio assestadas de maneira a convergir sement
os seos fogos para os navios que chegarem a certos
e determinados pontos.
All sim, creio impossivel que o melhor e o
mais bem coostraldo navio poasa resistir ao choque
de toda essa onmeros artllharla.
D'oode estamos .vemos as crranles que vao
da raargem dorio no seaiido obliqao corre?.!>, e,
por isso mais dflcil de ser rompida pelo cho.iua
de um navio, visto oio Ibe offerecer a resistencia
necessaria, obrigande-o ainda a atrave.-sar no sen-
tido da corrente a sam dovida a encalhar oa ir de
encontr aos torpedos que all nao faltaro.
< Isto quer dizer, ao menos na minba opinio,
qoe loucura tentar se forgar a passagem de Hui-
mata. Perderamos os nossos melbores vasos, sem
a menor probabilidade de xito.
Figure-se ama votla mu rpida e eslreita,
onde.o rio corre com vetrina velocidade, formando
em consecuencia das ponas, dous furiosos redo-
moiobos' qua desgovernam o navio, e junte se a
isto tudo quanto a arle tem inventada para a des-
truido, e ter-se ha apenas formado urna ligeira
idea das iosuperaveis difficuldades oaluraes e arii-
ficiaes contra que temos da lotar.
i Para mim a esqaadra fez ja todo o sacrificio
que Ihe era humanamente permiltido. Demais
fra nm sacrificio intil e estpido, a desasado
seria o chefe que contra semelbantes elementos
quizesse iutar. A manos qao nao quizesse ter a
glora da imitar a certo general, coofessaodo que
perdeo a batalba porque taes diffljuldadas eram
inven' iveis (os abaliies de Curnpaily.)
i Que se ommetta urna temeridade quando s
se arrisca a propria vida transeat; mas qoando se
responde pelas vidas de canlanares de pessoas, pela
honra e gloria da aacao, epelos valores qae repre-
sentara os nossos navios tal temeridade um
crlme.
< Nao sa pense qoe quero qoe a esquadre Oque
nativa. Nao; entendo, pelo eontrario, qoe muito
anda deve ella fazer, bombardeando e destraindo
Humaita, mais sem tentar um sacrificio certo e
intil. Se se pretende cortar as commauicages
do inimigo pelo rio, estabelececara se bateras alm
de Humana, por exemplo oo Tayo, logar estreitis-
simo, que sero sufficieuies para obstar o passo aos
debis vapores paraguayos. Se nao qaizerem esse
sitio, ento ataque se simultneamente as linhas
Inimigas, para o qae a esquadra molto ha de con-
concorrer.
Todo o mais sao pretextos para descarregar a
respoosabilidada da falta de iniciativa. Quena des-
culpar a loaegao do exercita na melhor occasio de
obrar com a tangente de qne a esquadra nao rea-
lisa am impossivel I Qae am inimigo do Brasil
queira ver os nossos encouragades inolilisados,
concebo, mais um amigo I
< E ser pouco que tem feilo a esqadra forgaado
ama batera formidavel e estar bombardeando
Humana ? Nem se pense qoe a oossa actual posi-
gao commoda. Curupaity abi est sempre nos
esperando e ameagando nossas commonica-
goes. Ellas se fazem actualmente palo Chaco por
lotermedio de eerca de 400 soldados navaes e dos
cont o viole garibaldinos qoe all leem estado
constantemente.
< Has esse servigo pesado e difflcillimo. Como
eondnzir as costas as manigOes de bocea e princi-
palmente as de goerra, qoando cada bala, por
exemplo, da maior parte dos encouraados pesa
150 libras 1
O mao, repito, -foi a paralisaoo das forgas de
trra o mtlhor occasio. Dizem que prevalecen
a opiniao do general Mitre, qae lodo continua oo
forgamento de Humaita pela esquadra e em om
sitio regular posto a essa praca.
Mas isso exactamente a queslao de por a
campanilla no pescogo do gato. Sei que o bravo
barao do Harval protesloa contra essa resoiugo,
, coja consequencia demorar a conclosao desta
! guerra, cousa que tanto desanima os nossos intre-
, pidos soldados qae s almejam medir-se com o
, lnimifo.
E' por isso que ha mui'.a gente qae er qae
Ultra quer slm vencer o Paraguay, .mas exhaurin
do tabem o Brasil, que verdadeiramente o nico
dos alliados sobro quem pesa a guerra. S elle
tem esquadr?, s elle dispoe de inlnidade de trans
prejadicado em suas prerogativas de representan- qoeire, teneate-coronel aggregado ao 1 batalho da prUS de d|oheiro e ea flm deain 9Xercito de
te da nago, pede providencias a respeito. | reserva
i Nio resta dovida que o Dr. Felinlo, a 26 de vincia.
abril, poca do erime, anda se achava no gozo e
posse do mandato popular, visto como os poderes
dos deputados da legislatura qoe val nadar so-
mente terminara depois de constituida a nova c-
mara.
t Essa a solugao qoe claramente resalta do
art. 1011 2*.e oulros da coosiitu.go ; para sap-
por o contrario, se ia necessarto admitiir o absur-
do de que durante os intervallos da ama a ootra
sesso, a de ama a ootra legislatura, extinguia-se
oo paiz o poder legislativo.
< Por outro lado tem sido constantemente reco-
nbecido por diversas decisoes da urna o ootra c-
mara qoe o podar legislativo o competente para
tomar conbecimento' dos crlmes commettidos pelos
deputados na constancia de seo mandato, mallo
embora teoba terminada a legislatura de que fazia
parteo deputado erimlaoso.
E assim deve ser;. nio serla certamente legiti-
mo, nem pode ser constitucional, que iao impr-
tame privilegie recoobeeido ano reprtseauotes da
nagio, a ao mesmo lampo a competencia e jurls-
diegao para julgar do delicio actual : floassem de-
pandeatas do lapso do lampo, circumslaneia mtei-
rameula estranha a le, fra de todo fundamento
jurdico.
i Dado o rima dorante o periodo da legislatura
o na permaneacia do mandato popolar, estao preen-
cbldas as coadigSes coostilacionaes, para qae o
privilegio do denotado seja maatido o respailada a
eompetaBcJa do trioooal qua a coistituico Ibe ga-
ranti.
c Essa doatrioa foi reeoobaf^a por esta cmara
desde 1835, per occasio do proeesso a pronuncia
de Maooel Zaferioo dos Saolos asis tarde, 1857,
Igual precedente vigorou em ambas as cmaras,
09 senado por occasio do jolgamento do brigadei-
da guarda nacional da mesma pro-
8
Hontem, dia de fasta nacional, por ser o 45* an-
iversario da independencia do Imperio, estiveram
embanderados os vasos de gnerra surtos oo porto
e as fortalezas, dando as salvas do estylo.
Houve Te-Deum oa capella Imperial, a qoe assis-
tiram SS. MM. e altezas. A 1 hora da Urde SS.
MM. II receberam no pago da cidade as pessoas
qae as foram camprlmentar por lao fausto motivo,
asslstindo a noite a ama represeotagio no theatro
Lyrico. >m
i 3
S. M. o rei dos Belgas nomeon o Sr. bario Oreln-
dl sea ministro residente oeste corte.
cerca de 0,000 bomens. seguramente concorre
elle com perto de 38,000, os Argentinos neo
aicangam a 4,000 e os Orieoiaes nem a soiscenios
bomens I
Ja por ahi se coneebe a aaomalia de eeur o
exereito alliado sob o commando de ootro general
qne nao o brasilelro, qae o qae tem verdadelros
elementos.
i E por que veio o general Mitre reassnmir o
commando qoando era o marqoez de Caitas quero
iniciara ama operago toda sua a ene ella talver,
por soa recoabeeida Inercia, nao presura adhe-
sao T
< Foi para deter o movimento, como com effeito
snecedeo, Jogo qoeichegoar
, c Toda asta campeona, desde o sen comego,
Um sido pesilmamenu dirigida, e agora o nico
passo acerUdo foi logo d^vtrtoado I Mas no mea
enteoder o vicio orgnico. Provm desse maldi-
to tratado, qne s por nos brasileiros deveria ser
estigmatisado, qoe entres oa a dlrecgio suprema
da guerra ao general Mitre, qae, sem recursos
proprios, incapaz d menor iniciativa, s vive de
pari, quando todo os brasileiroa se aana;i-lHoeoo*, de expedientes de momento, entregando
dar copia do seu patriotismo, p primeiro gS-JSSmS'm Ma do I*-
aaadSo do Brasil n5o poda deimeotir seas ma Barros am torpedo, qae foi proapUmeote
precedentes, ficando quedo em presenca das pateado. E' de ama forma nova. Figura-se nm
aecessidades Diihlif as i cy1odro de ferro sustentado abaixo da superficie
aec^oa^s puficas tres gamloes; do lado mperUr do
6. M. o Imperador ^ae, em toda as cir | ,|odro nhfl nBj nr| f6n .^^ iettmada a
cumstancias ponderosas do paiz, nao tem, prodazir o choque, qoe fmmedtaumeota provoca-
deixado de cooperar para obvia-las; S. M. o ra a exptosWda plvora comida am am grande
Imperador aua i amis daixon de concorrer i c*'**. paraasurgSaTEsSio em outras qoa- t*3'V*'0 ntn deww pMxM
dras, de preseote acaba da offerecer a 4.V A noesa formatara actnal 4 a segainu t 4
parte da SQa dotacla para occorrer as OM', encouragades fondeados em liaba de frente e na
rtecife 14 de seteaibra de 1867
Na difficil situaclo em que se acha o im-
.
eslava elle nesse divertimeoto, e,
tendo deixado oa margeno do rio om d nbefros, segaia com os ootros dous, qoando Ibe ap-
pareeem dez oo doze paraguayo, qoe estavara de
emboscada por detriz das paredes dos ranchos, a
qoe de espada era punho avangam sobre os caga4
dores. Um dos rapazas foge ; o bravo Reis porm,
conserva a presenga da espirito e faz fogo sobre o
official qaecommandava a partida, e lo- feliz que
o derrnba mono; o marinheiD qua ficara com
ella dispara tambera sua esungarda ferindo eos
iniolgos. ao passo que o Res teve a lembranga de
gritaravancem engaando os Paraguayos, que
assustam-se e fogem com o cadver de sea official.
Da bordo da Princeza maodaram logo gente tr-
ra, porm ja' nao encontraran! o inimigo, e apenas
ama grande poga de sangue no lugar em que ca-
bio o official paraguayo I Qoe Ul a escapada 1
Temos noticia de hayer ebegado a Corrientes
os novos transportes Werneck a rassimon. Cons-
ta me que sao excellentes navios. Nao seria occa-
sio de prescindir dessas. tumbas fluctaaotes cha-
madas Teixeira de Frats (-'Z-Pdropolis) Amalia
(ex-Imperador Lina e Silva ( vas, etc., que s servem para cncher as algibeiras
dos felizes dono, com prejoizo do servlgo publico
o do pobre thesouro nacional t
Parece qua de proposito foram-se buscar quan-
to navio velbo e imprestavel havia para (retar ao
nosso governo. E por qu pregos III E o qua mais
admira que ha em Montevideo um official de
marinha (promovido e condecorado I) para fisca-
lisar esse servigo, que a> entretanto nao pode ser
peior.
< Mas todo entre nos anda assim I Esse official,
descooienle por oo ter preterido aos bravos Bar-
bosa, Abreu etc., retirou-se inconvenientemente do
sen posto, e foi recompensado com urna sinecura
que Iha da' vencimentos de almirante com todas as
aommojidades da ama exeellenle cidade.
t Bom estmalo para gera aqu se acha lutano
a cada momento com a mora a com mil J.lIlcuiuV
des qae apenas se pdem conceber.
rio DE Janeir:.
No da 3 fez experiescia o monitor BM
Grande, cora assisiencia da SS. MM. e AA.
Dorante o mez passado seguiram a encorpo-
rar-se ao nosso exereito no Paraguay 1,200 pra-
gas, sendo : no da 10 pelos transportes Galgo e
Vassimon, 700 ; e no dia 22 pelo Marcilio Das e
Presidenta 500.
Monta, pois, a 10,536 bomens a forga enviada
desde Janeiro deste anuo para o theatro da goerra.
Lemos o Di-mo do Rio, ds 6 :
( Nao deve passar desapercebido um acto de
corteza praticad,o pelo parlamento brasilero, para
com o congeesso dos Estados-(Jaldos, e por este ca-
valheiramente respondido.
t Anle-honlem (4) oa cmara dos deputados (o
lida orna meoagem dirigida por Andr Jobnsoo.
em virtude de immediata recommendsgo e em
nome do coogresso, s duas cmaras legislativas
do Brasil agradecendo os psames, e as exprs
soes de sympatbia que ellas Ibe dirigram por oc
caslo do assassiaato do presidente Linela, de
graia memoria.
t Esta mensagem foi recebda pela cmara dos
Srs. deputados com maito especial agrado.
Do Jornal do Commercio iransorevemos as
segointes noticias commerciaes, em 7 do corrate:
i Cambio.Sommam os saques para o paquete
Seine.
Sobre Londres, cerca de Jf 390,030 a 21,21
i/8 e 21 1/4 d. para o papel bancario, e a 21, 21
1/8, 21 1/4, 21 3/8, 21 1/2 e 21 5/8 d. para o par-
ticular.
t Sobre Frauga, cerca de frs. 2.300J aos extre-
mos de 440 a 452 rs.
c Sobre Himburgo, cerca de 160,003 a 843 rs.
Sobro Lisboa o Porto vigoroo a tabella se-
guinte:
t 153 %a vista,
152 V.-a 30 d/v
151 /.-a 60 d/v
t 150 '/.-a 90 d/v
< Apnlices.Foram pouco (importantes as ven-
das das geraes de 6 '/. a 89 1/2 '/., e das provin-
cias a 88 /
Acges.Venderm se as do banco do Brasil
a 190, 1912 a 1922; do banco Rural a Hypothe-
cario a 1352; do banco Commercial do Rio de Ja-
neiro a 572 e 582; da eompanfala Braslleira de
Paquetes a Vapor a 1962; da compaahia de gaz
do Rio a 2542100; da dos Traosporles Martimos
a 1502 cada urna ; e da compaahia da segaros Fi-
delidade ao par. -
< Metaes.Esla mercado apresentoo anda ai-
gama aoimago na quinze.ua Onda, vendendo-se os
soberanos a 112300,112350,112450 e 112500 ca-
da om.
< Descootos.A laxa dos baocos cootiuuou a
ser 9 / Na praga as melbores lettras encontrara
dinbeiro de 8 1/2 a 10 1/2 /- >
. Fieavam a carga para Pernambuco: pataebo
Bom Jess, brigues Laia l e Relmpago.-
Chegou, procedente de PeroamDuco, com 12
das, o cter Equaior.
s. paulo. .
Promovia.se oa capiul a rgaoisagao de urna
companba para realisar o prolngamelo da va
farrea at Campias, para a qual sabscreveram :
Baro de llapetininga com 200.0002. barao de Pira-
ciba 200:0002, baro da Limaira 200:0002, com-
mendador S raza Barros 10O:ti002, e senador Quai-
roz 100.0002.
A presidencia da provincia ceotraloa cora
Joaquim iogo HarUey a navegacao entre Hirirlca
e Iguap.
60TAZ.
Foi comeado para ir servir de chefe do de-
posito dos Bahus o Sr. rbaoo M.Lopes Fogaga.teo-
do sido exooerado do mesmo cargo, por motivo de
molestias o Sr. Laiz Pedro Xavier dos Gulmares.
No dia 25 fallecer o capito Jos Rodrgaos
Jardim, chefe da seego da thesoararia geral da
proviocia.
baha.
Depois de pequea demora oo porto, seguio
para Baenw-Ayres o vapor inglez Staa, de 314 to-
neladas.
No dia 12 do correte devia seguir para ama
visita ao interior da provincia o Exm. e Rvm. me-
tropolita, ficando encarregado do expedleode do
arceblspado o Rvm, desembargador provisor eooe-
go Pedro Antodio de Campos.
A nova aporago da elelco para seoader,
dea em resaltado : conselhelro Saralva 2190 votos,
Dr. Lber o 1795 e coronel Espinla 1142.
Pelo vapor Seine foram remettidas 349 oila-
vas 83 graos de diamantes, para a Europa, n
Pcate ao peno a crvela americana de goer-
ra Paw*ee, com 177 pragas de tnpolagao e 11
pecas.
O cambio regolava : sobre Londres 21 7/6 o
ti ., sobre Pars 430 e 435 re* sobra Hambargo
SU ce. e sobre Portugal 1J8 ?/? .
hbhhpsesssssaa
PERNAMBUCO
REVISTA DIARIA.
O novo banco de Peraimboco esta' pagando o
primeiro dividendo de soa Ifqaldaclo, na razi de
30 por /. do capiul.
Hoje devo comecar -praole a tbesoorarla de
lasenda, o eoneorso para preenebimeato das vagas
de-praticantes da mesma repart gao, bem como
da alfandega a recebedoria desu cidade.
Foi dispensado do servigo no deposito de re-
" >'> ri----------------------------
emtaa, q Sr. teoeata boaorario-o axarcil*Horacio
Pires Oaivio.
. Oflr.'eapMo BotOrtfioHo exereito Fellppe
J"s daxikagao Maovva', Mv* Vpensa do ser-
"o do exerdio,por aeMitojpinno imperial.
Para a eadeira de Instrneco elementtr da
Ponteaos Careamos, vage per mor le do respectivo
professor AnioaJo Srerlano4o Hego Barros, foi
removido o Sr. Francisco de Sooza Magalhes, pro-
resaor da povoacAo de Pedra Tapad}.
kiIT E con^"eneu da deliberacao da assem-
wea geral, que dexamoe traueripu em outro la-
!2J2-por ordani d overeo imperial, assumio
S^iSf zi-^aw,ei5 d9. ^^ Plela o Sr. Dr.
Felioto Henriqaea de Almeida.
rn^rD*,.n* ert9 qo* em bme *oW Pra
o Rio da Prata ama nova misso extraordinaria,
da qaal seria ebefe o Sr. senador Siuimbii. segun-
do nos, e o Sr. Paraobos, segundo oniros.
S. S. Po IX, por am decreto de ultima daU,
antorisoa os blspos do mundo calbollco a casar de
salido e barrete roxos.
O vapor inglez Seine trooxe das pragas do snl
para a' oossa 14:0002, a par i as da Europa......
4:6832600 em ouro em p, 98:4252!>40em diio em-
barra e 38:9112200 em dito em moeda.
A' bordo desse vapor vieram 7 passageiro
para nisso porto, 37 para Lisboa e 42 para Sou-
tbamptoo.
Entre Londres e Bueoos-Ayres, com escala
pelo llio de Janeiro e Mootevideo, vai esubelecer-
se ama trnta de vapores, o primeiro dos qaaes de-
via ler partido d'alli a 24 do mea passado. O pre-
go das passagena 3t 30 para o Ro de Janeiro o
S 35 para o Rio da Prata.
Realisoo-se, na sexta-feira a nonte, como esla-
va annunclad,- oeelypse aa loa vlsival, que come-
cou as 8 e 3 quartos e conclolo-se as 11 horas. Foi
bem visivel a oinos nil>.
Namerago do3 bilbetes da lotera 38.', of-
fereeidos pelo thesourelro das loteras, para auxilio
das despezas da-guerra.
Bilbetes ns. 576 a 585.
Lotera A qoe se acha venda
a 38* a beneficio dasfamilias-os volunta-
rios da patria, que. corre saBbado 21.
FiEPARTigAO da poucia.Extracio da parte
do dia 14 de setembro.
Foram recomidos casa. de deteogo oo dia 13-
do correte.
A' ordem do subdelegado do Recite, Charles,
Americano, para correego. A' ordem do de Sao
lo.Aotouio, Aolooio da Silva Naves, para corree-
gao ; e Sevetiuo, escravo da Joaquim Pereira de
S, a cequarimeoio d'este. A' erd-ra do de S.
Jos, J^o Annes Ferreira da Assumpgo, para
coj retcao. A' ordem do do Pago, Jos Pereira
Navas, como complica em crate da tentativa de
moi la.
O .'befa da 2' soeeo,
J. G. de Mesquita.
Casa be detbncao. Movimento da casa de
detengo de da 12 de setembro :
Exisliam .{ preses J 05, eolraram 7, sabiram 9,
falleceu 1, exislem302. A saber: nacioaaes 209 :
mulberes estrangairos V, molber 1 escravos 48,
escravas 3 Total 302.
Alimeuiados a casia dos cofres provinciaes
209.
Movimento da enfarmaria da casa de detengo
do 4* 13 i* setembro.
Tivuramalla:
Jos Caorat da Suva.
Francisco Jos Luciano.
chhterio publico. Obituario do dia 12 de
correle :
Arcampla Mana Ramos e Silva, Pernambuco, 67
anaos, viuva, Boa-Vista ; cancro.
Joaquim Francisco Alera, Portugal, 76 annos, ca-
sado, Alagados ; fabra perniciosa.
Amonio Cirios de Miraoda, 22 anuos, sollairo, S.
J ; marasmo.
Francisco, frica, 70 annos, viuvo, Recite -, con-
gestAo cerebral.
Antonio Gragalves Maciel, Pernambuco, S. Jos -r
desenteria.
Mara, Pernambuco, 11 mezas, S. Jos ; interte.
Joaquim, Pernambuco, 2 mezes, Santo Antonio ;
gastro.
Philomena, Pernambuco, 3 annos, S. Jos ; be-
xigas.
Manoel, Pernambuco, 2 anaos, Boa-Vista; ana-
sarca.
Mana, Pornambuco, 60 annos, Boa-Vista, escrava.;
espasmo.
Ura alienado, Pernambuco, 20 annos, Santo Anto-
nio ; encepbalite.
Publicares a pedido
Sr. raen lio Salva Jor de Siqueira Ca-
va lean li.
Pormiita que pela imprensa Ibe dirija estas pou-
cas liabas era referencia as repetidas i (T.a-a.-, que
to acreraenid ma leem sido irrogadas por Vrac.
palo nico motivo da baver eu e meu pai promovi-
do a cobranga de ama letra, da que com dito meo
pai somos mui legtimos cessionaroi da Moreira 4
Duatle, e como Ul temos o direito de escoiha, da-
quelle qua mais bem amparado nos parecer, para
exigir pagamealo, sem que baja da parte de quem
se o exige o menor direito de recusa, sob pena de
toroar-se remisso, e menos aluda chamar de simu-
lado um acto desu ordem ; s a chicana de um
devedor remisso lera' forgas para tanto.
-Perguoto-lhe, onde esta' a simulagao do nosso
procedimento, desle qua tao infelizmente nos Qze-
mos cessonaros de dbitos seus e de ootros ?
Por ventura se ba esquecido, que fui ea e meu
pai qoe, como sempre coofessou, o tira: mos da
pessiiua situago, em qua se achava, quaodo por
Moreira & Duarte e oulros, estiveram todos os seas
escravos oo deposito geral desta cidade T
Estara' esquecido qua, me adiando distante desta
praga fai ineoramodado all noite para vir a toda
pressa, a chamado seu, remi-lo, do que s entao
denominava infeliz sitoago, isto para assignar o
termo da remogo ao deposito geral, onda se acba-
vara os seus escravos, para o seu particular, 11-
vraodo-o assim de eminente borrasca T Creio, que
nao estara' esqoecido de cousa alguma, nem lao
pouco algaem dir, qae ea com mea pai, eslava
exercendo um acto simulado, isto s Vine, o diz o
allega aveolureirameote em auto publico, por-
quanto se ibe nao falhar remioicencia estara pre-.
sent qoe o execatado, assim valido por mim e
mea pai, que usava ao mesmo tempo de urna tal-
catraa, de urna simulagao, interpoodo as suas di-
vidas reaes, dividas pnantascas, isto tai vendi-
dos por escriptura privada cora ciza paga os mes-
mos eseravos, cojo comprador oilo oo des dias de-
pois fazia paobora oelles 1 Tudo Isto se ioventoa
para obrlgar ao credor legtimo a aceitar toda e
qualquer cooveogo, sendo talvez esU ama das
causas, que obngaram aos Srs. Moreira & Duarte
aceilarem como seas ces^i mar ios a e mea pal,
cojos nomes se bem sem nodoa oo commercio,com
todo a oossa proQissao de agricultor aos isentava
de fazer-oos nelle coobecidos.
Tira Vmc argumento da tolerancia, que com
meo pai tivemos por unto tempo sem Ibe baver-
mos exigido pagamento algom ; oa verdade somos
dignos de censura por baver assim condescendido
com a ingralido personificada, qoe alm.de todo
ainda acoiraa am acto da generosa cooUmpUgao
"e simulado I
Qoando Vmc procurou merecer de mim e de
mea pal to grande obsequio, disse que liaba asig-
nado letra alguma de favor 1 Nanea o disse. Para
qae, pois, allegar semelbaote niobana, quaudo
ella pesa somante oo descrdito, de quem a tem
allegado 11 Qae dos importa, qae vmc. tivesse
fono favor ao ooiro aoelUola da letra m queso,
se qae o le, isto em nada prejudca o direito,
que com mao pai tenbo de nave-1 a de Vmc
-Bemse reooobeoe dos autos em que litigamos
qae Vmc. baldo de recursos como se acba, s da
cnioauae invectivas tem laucado mao com am de
protelar, e talvez por eUaser valido ; porque con-
fiando em nosso dlrelto nao quizamos levar o pleito,
para am terreno falso, o da simnUgio, qoe se tal
existe, somant da soa parta, como nei d<, prc var,
sea embargo d*gxand*P"ee5a.,(l'ie mcaUa tr,
por quanto laow eu, coma meu pal. coofiamos na
iotelresa dos que aos um da olgar, aoja morall-
dade esU" aelaia de todo.
Altebame-a* de eommensal da meo lio e seo
irmao Joaquim Salvador, Uzando-ma al om vil
loairamenio desle pelo, simples facto de ser boje
aeo genro e morar com elle l D'aqoi tira argu-
mento- para ebtaaar, protelar, flaalmeot para
nao pagar o qae deve ; pois bem, acola o mais
breve posaivel lera' a.resaoeu comprobatoria, Uto
, noa embargos, qoe temos a discutir.
E? sem razio, e al masmo re rllame, qne na
qoeslao verieota envolva Vmc o nome de sea ir-
mi Joaqaim Salvador, porqoanto sendo elle pela
mesma razio umbem am de meas devedores e de
meo pal, tem sido o nico qae nos tem ajadido a

'
v_
^



"'--I '.. "I1 .!) I
Mi
mitH*4mrs*a*m*w. sie*aAa telra t d fteteahro te IM7<
sahlr das diffleoldades em aoe nos temos visto cop
os Srs. Morelra & Duru, isto como elle sana-
dor das letra* da cessao, 0 womw otornados a de-
curar que *Uaa r^,/?* ^enr I **
sacrificio, am dalle. ^LTi?^ Rl de Jsnelr Babla- dlu, vapor
seado qae diso mesmo a* Vme, sem fazer oatro
GT
M01MST0 SO FORTO
-------------.------------------- 1 1 |
taot, lirado argaaeiM paia ferl-lo, sea se tem
brar de qdanto a ella deveder...
E" pois evidente qoe nao entramos ea nme con-
eeceao simolada, qoe assio o flzemos por amisade,
cheios de cunfiaoca, a na maloor. boa f para con
Vine, que to canbade de man pai; por
Uta oos achamos eompromettidos para com os se-
dentes Moreira 4 Duarte, toodotbes ja dado di-
nheiros por conta e faite veida eandiciooal de It
escravos, ea cujas Uiraa se acba Mac endoseaote
a favor daqaeiies nossos credere o proarlo see ir-
oso Joaquina Salvador, de qaem, nem ea, nem
mea pai podemos faze-lo reaponsavel doas vezas
por ama s6 divida. .
Descolpeme.'se me exced, Vmc. o culpado.
Soo com atten$ao soferiano, anteo vene-
rador
Sebastiao it Carvtlho ia Cunha 1 Albuquerqui.:
inglez Sti-
tu, de 1117 toneladas, commandante L E Jil-
' Ilcoe. equipagem lio, carga differenles gneros;
a Adamson Howiee & C-
Terra Nova30 da?, brigue ioglez James Stwert,
de 189 toneladas, capitao Me. Kenzie, equipagsm
11, carga 1330 barricas cam ba.calb.ao -, a Sann-
ders Broihers & C.
Novios sabidos no mesmo dio.
Aracaj e por tos intermediosVapor brasileiro
Poiinm, commandante Jos Joaqolm Pereira.
Ha vanaPatacho bespanbol Lauriano, capitao Eva-
risto Rosses, carga a masma que trooxe de Mon-
tevideo.
Sootbampton a portos intermediosVapor ioglez
Senu, co"1 mandante Jellicoe.
HavreBarca (raaceza Adtit, capitao Renes car-
ga algodo e outros gneros.

MISOS martimos
COMPAttHlA BRASiLEIRA
DE
PAQUETES A
Sr. Engento machiniste) faz saber ao
panuco que se eocarrega de qualquer obra de en-
anamentos, eomo collccar gaz e -concertar tam-
oem bombas para colloear e concertar de todos os
iysiemas, comotelhados.de chapa de ferro, zlneo
M*"*? eWeeila do macbinista a' roa
W3 on oa rna o Rangel o. (7.
oca
dii
Meus caros aquilinos.
Dlgaal-vas tr 9 Btnrto i fmmWA de ttde
ialbo prximo passsdo, m qqe. o Panleiro da fe-
logio analysandoos tranalbos da.asaaaibja, arovin-
ciaL diz que o negocio de Cambrotine ebegou a
eeaclair-se O" se sabe, da atitmaoV empresa a
asseio da ctdata) fSMItafo4a>t .! .aioaei*
ma, comaoigaaoida, pagfr a faaoe>vA.am-
vista 'dfsta noticia asSar, agrdate! pve, os
patoleiros socios da empre, segando se diz, eao
tenbo outro remedio secao levaetar-vos, oa ala-
guis das casas n, iO. 20, 30 40, roa d Liga,
e'ootras, quano coegar a Qecasia y nomaa^sttn-
do empregado am capital as tastanas, preciso
qoe reodam pata as daspezap d proprietario e com
economa, e alin disto pagar, as dcimas.
Mal de mullos consol de am.
Os gneros alimenticios, e asiazendas das po-
bres contiauam em altos pregos ; os impostos
proviociae lado* os anuos aqgmeatiro, e breve
teremos augmento de^ imposto- genes e emisso
de papel moeda., e todo engrande escala : orna
moeda de prata, por aais pequea qoe seja, nao
se vd nem por oealo,. a de ouro nao fallemos
Disto.
A guerra c^btiniia, o tribute de saogoe contina
em maior escala.
Recife, 11 de agosto de 1867.
nos so proprutario.
......i m p^i^
Errata.
No ape'dido hociem aqui publliad) e assig-
nado pelo Or. Joaqaim Antio de Seoaa deram-se os
seguales erros iypograpbicos, qoe convem emen-
da-tos :
Linha 13-em vez dediz limitar-seJeia-se
deve limitar-se.
Linba 6 na columna immeaiata em vez de
membroso!eia-semembranosoa em vez de
(gilatinas lalvez)-leia-se(gelatina ialvez)..
Liaba 17em vez de -vlvula. lea sevulva.
Na ultima liabaem vez de professionaes
leia-seprofissiooaes.
1------------
mss
f
EDITA ES.
I-----------1-. 1
Perante a samara municipal desta ctdade es-
tara' em praga nos dias 11,14 e 16 do crrante
para ser arrematada por croem por meaos preco
Bzer, a obra do concert de qa preeisa e muro do
ceojilerio publico da fregaeiia de & Loureaco da
Malla, oreada aa quaotia de i:iSO, aquellos qoe
pretendereis arrematar podem comparecer no paco
municipal nos das indicados, manidos de Banca
que garanta a arremalaco.
Paco da cmara municipal do Recife 4 de setea-
brode 1867.
Laix Jos Pereira Simias
Pro-presidente. -
Francisco Canato da Boaviagem
Secretario. ,
DECLR150SS.
COMUEBeO.
PRACA BO RECIFE U-DE SSTEMBRO
DE 1867.
As 3 yi boras da tarde.
Cambio sobre Londres90 d/v 11 d. por 13
Sllvelra.
Presidenta.
Macado,
Secretario-,
Novo Baiico de Peraambuco
Eiu liqnidaco.
O dovo banco paga o 19 dividendo de
96000 por aeco, nos dias nteis, das 10 ho-
ras ao meio dia.
Caixa filial do bauco do Brasil
em PerBamhaco, aos 26 de ju-
Iho de 1869.
De ordem da directora se taz selente aos Srs.
accionistas, que o tbesonreiro esta' antorisado
pagar o 17 dividendo das accSes do banco do Br
sil, inscriptas n'esta caixa, a' razao de 12&000.
ciO guarda-livros
Igoao Nones Correa,
Noto banco de Peraambuco
Para conhecimeoto dos inieressados a di-
receo do novo banco declara que a partir
do de setembro do corrente anno, oban-
es entrar em liquidaco.
Recife 28 de agosto de 1867.
EM LIQUIDACO
Novo banco de Peraambuco
Sao convidados os Srs. accionistas a re-
ceberem o primeiro dividendo (em moeda
corrente) de triota por cento 'do capital,
trazendo as accoes para irem sendo annulla-
^as ; nos dias uleis das 10 horas ao meio
dia.
REGEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS
GERAE8.
Rendimento do dia 1 a 13........ li:657-340
dem do dia 14.................. 1:548*866
lo:20G#706
CONSULADO PROVINCIAL"*
:v.:dimeoto do da 1 a 13....... 19:314*112
dem do dia 14................ 184j361
""9:498*483
O Ilim. Sr. inspecior da tbesoararia de 1*
renda desta provincia manda fazer publico que tem
marcado o da 16 de setembro prximo viodoaro
para o concurso que se-tem de abrir nesta tbesoa-
raria para preencoimeoto das vagas o pratlcantes
existentes nesta repartico, na alfandega e na re-
cebedoria: Os oxames versarlo sobre as materias
de qoe trata o 1* doart. 1* do decreto n. 3114 de
17 de junho de 1863, a saber : leltura e aaslyse-
grammatlcal e ortbograpbia, aritbmetlca e soas ap-
plIcacSes ao commercio, com especulidade i re-
daejo de moeda, pesos e medidas, calculo de
descont, jaros simples e compostos, tbeoria de
cambios e suas applicagoes. Os concorreotes de-
verao previamente apresenur seas; reqaerimentos
instruidos de documentos que provem Idade com-
pleta de 18 aooos, Iseoco de pena e colpa, e bom
comportamento, na forma do artigo 3 do decreto
o. 2549 de 14 de margo de 1860.
Secretarla da tbesooraria de fazenda de Pernam-
buco em 3 de agoslo de 1867. Servludo de offi-
clal-malor,
Manoel Jos Pinto
Maan :io
Usa de Lima
lecem a loaas as pessoas qoe se digna
Santa Crvz, commandante (si- J r ao enterro do seo presado segro e pai,
Inerme WadiDgtoo, o qnal fer I ttogam a todos aquelles deseos amigos .ai
I poa demora 00 cosloine se- o atado para assUtirem a mlssa do sellas
da na igreja do Divioo Espirito Santo ao dia 17
pe rrem9t^7 horw da roanba.
5 barato para qaem
_ Uu'ii;aives tiu>i, iji aos
r" wpamdo dos poroftdoort|B gantosNuoes Umaei>an
al o dia 1 de satee^). *Vjf(* ^'/"?7
nta Cruz commaudnle Gul- I
iro
poai
guiri para os portos do sai.
Becebem-se, desde ja passageiros a ngaja-so a
carga qna o vapor poder condazir a qual devera
ser embarcada no dia de sua chegada, eacommen-
das e dinbelro a frele ate o dia da sahida as 2 ho-
ras. Previne-se. aos Srs. paisageros qua as
pafsagens so se recebem no*la agencia rna da
Cruz n. 57, ascriptjrlo de Aulonlo Luii 4e OJivei-
ra Azevedo i C
Ri de Janeiro
6U1
Pretende sabir com muita brevidade para o In-
dicado pono o vtJeiro patacbo Gloria, por ter a
maior parle do sea carregameaio tratado e para o
resto que Ibe falla e escravos a fres trata se com
o consignatario Joaqnim Jos Gungalves Beltro,
ra do Trapiche n. 17.
Pretenda seguir eem malta brevidade o veleirc
palhaboie portagaez rVswa Sorte, tem parte de seo
carregamento engajado, para o resto qoe Ihe falta
trata se com os seos consignatarios Antonio Luiz
de Oliveira Aievedo & C, no sen escrlptorio ra
da- Cruz n. (7.____________________________
i?ti>a a^ Babia.
Pretende segair com molla brevidade o veleiro
e bem conbecdo palbabote Dot>s Amigos, tem par-
te de seu canegamento prooepto, para o resto
que Ibe (alta trau-se com os seas consignatarios
Antonio Luiz de Olivelra Azevedo A C., no seo es-
critorio roa da Cruz o. 57.
Para
Perante a cmara municipal desta cidade estarao
em praca nos dias 12,14 e 17 do corrente, para
serem arrematadas por qaem malares pregos offe-
recer, as seguales rendas: -
Talbos dos acougues pblicos das freguezias de
S. Jos e Boa-Vtsta.
Imposto de 100 rispor carga de farinba e outros
legumes, vendidos us mercados pblicos das fre-
guezias de S. Jos e Boa-Vista.
Imposto de 40 ris por pe de coqaeiro de prodc-
elo para negocio.
Todas estas vendas serio arrematadas por am
anua; os laidos de acougue irio a praca em lotes
de am a' am.
Aquelles qae pretenderem coacorrer a arrema-
laco de taes rendas, devero apresentar anterior-
mente,a ultima praga, as suas fiaagas na forma da
lei, para serem julgadas, sera o qae nao podero
licitar.
Paco da cmara municipal do Recife, 4 de setem-
bro de 1867.
Luiz Jos Pereira Simoes
Pro-presldeote.
Francisco Canuto da Boaviagem.
Secretario.
fegoe com brevidade o brigoe eseona Grado
sa., capitao e ortico Jos Mara Ferrelra, tend
|i engajada boa parle de sea carregamento ; para
o resto trata-se com o respectivo consignatario
Aolooio de Almeida Gomes, a' roa da Cruz n
13, primeiro andar.
Tara o Rio de Janeiro.
Para o ilio de Janeiro deve seguir o mais
breve posevel o patacho nacional Valene.
que tem maior parle da sua carga prorapta.
Para a qoe ainda liie falta e escravos a frete
trata-se com o respectivo capito, ou com
os cenignatarios Marques Barros & C, n
Praca do Cospp Santo n. 6 2o andar.
quizer edific
Quero quMw comprar bom tijolo d'agoa doce
de ba marca mais barato do qne em ostra qual-
quer parte mediante urna pequea condijo, pode
ter ioforaaede* na ra do Livramnto 0. 31, se-
gando andar.
^
AOlMfy
Que Mbf> ^peparar srvete ?
A casa da roa Nova >. 65 precisa de um hornera
que saiba fabricar sorvete com perfeico. faz-se
toda a vantagem a qaem qulter encarregar se des-
se neocio, dirieindose a' mesraa casa
Francisco BonaOnl subditolialiaae, retlra-
se para Europa.
. Alge-e> a #> terrea da roa do Gazomelro
confronte ao portao da,fabrica, com 1 salas, 1
gMttot, coxwba e quintal, prego de 14*: a tratar
Be mesmo logar.
I Maood.de Mello Qhumbinho,- Portuguez, vai
para o-tfl de Janeiro.
Aluga-se
ama casa com grandes commodos, para familia,
para passar a fasta, na lina do Retiro, na Passa-
gem : a tratar na rna da Seozala-nov* n. 4, red-
P*Oo- ._________________________
Deas meiiaos para a Europa
- Eotregam-se a urna familia oa peesoa conbecida
que os qneira levar a seu cnidado. para entregar
em Portugal a' sua familia, faz-se boa vantagem,
podendo dirlgir-se a' praca da Independencia n-
meros 13 e 15.
1
idOOO.'.O
I600
l 600
64o
PARA UZ0 INTERNO
PREPARADOS SIMPLES,
Xarepe de jurubeba garrafa.......
Vinho de
ilutes de vidro... ......
intura de > >
Extracto hydralcoolico de jurubeba &; i2(?5oo
PREPARADOS COMPOSTOS.
Vinho de jurubeba ferrugiaea: garrafa. %tooo
Xarope 1 l56oo,
Pulas > > vidro... 2|ooo
Oleo de jurubeba vidros.... 64o
Pomada de pote...... 64o
Emplastro libra. .... 2#5oo
PARA ZO EXTERNO
A JVKUBEB.
W4NHIA niUHGlltt
DE
Ravegaclo costeira por vapor.
Rio Formoso at o lugar denominado Pedn
Segu no da Id do corrente
as 6 boras da tarde o vapor
Mamanguape commandante
Costa, recebe carga, encom-
mendas, passsgeiros'e dinbeiro
a frete : escrlptorio Porte do
LEILOES.
LELAO
Consulado provincial
O ebefe da 1* seceso servicio de administrador
do consolado provincial, faz publico para qae che-
gne ao conbecimento de todos os devedores de im-
postos do anno floaoceiro fiado de 1866 a 1867,
qae no dia 28 de setembro viodoaro finda-se o
prazo mareado para o recebimeato de seas dbitos
Qcando sujeilos os que oo pagarem at aquella
dia a multa do 9 e serem execatados.
Mjsa do consolado provincial 30 de agosto de
1867.
A. W. Pinto Baadgira e A. de Vasconcellos.
C0KKE10 l.tltAL
Relaco das cartas registradas viadas do sal pelo
vapor ioglez cSeiae para os seabores abaixo
eclarados :
Antonio Loiz dos Santos Pinbo (Olila), Dr.
Adolpbo Lameoha Lins, Candido Alberto Sodr da
Molla, Or. Jos Jorge de Siqaeira Filho, Dr. Mar-
colino de Moara Albaquerque, D. Virgiaa Firmlna
Mariins Cifezeiro.
(DI
RelacSo das cartas registradas existentes na
administrago d> correio desta cidade
para os senhores abaixo declarados:
Cbristovo Pereira Pinto, Dr. Joaqaim Jos de
Soaza Campos, Joo Ferreira dos Santos, Jos Ma-
na Ferreira da Caoba, O. Mi ra d'Annanciac,o,
D. Maria Benedicta Pereira, Dr. Maximiano Lopes
Macbad, Sabina Maria da Silva, capitao Serapbim.
De dous escravos o da refinado da ra das Laran-
geiras n. 11, conslaodo da armacao, caodleiros
de gaz com registro, caixoes grandes e peque-
os, balancas, forualbas, Unas, calxSes para de
psitos, molobos, 16 laxos de cobre, penetrase
mais peneoces, porco de papel de embrulbos,
caf, assocar em caroco e refinado.
RUI
O agente Martins tara' leilao por antorisaco do
4 Illm. Sr. Dr. Claudino de Araujo Gulmares, con-
sol portuguez, da reinacio cima pertencente ao
espolio do finado Luiz Alves Vilella. isto as 11
boras do dia na mesma refinado. .
SSa
Da armacSo, gneros e pertences da taber-
na da ra da Penlia esquina para o largo
Teicafeira 17 do cirrente.
O agente Martios fara' ieilo a requerimeoto dos
crfdores do ausente Joo Pinheiro da Rocba e por
antorisaco do Illm. Sr. consol de Portueal, da li-
berna cima, as 11 horas douia.
PRAgADORECIFL
: 14 DE SI.TT M1UO HE I805.
A'S TRES HORAS DA TARDE.
Revista semanal.
Cambios.Sobre Londres saccoa-se de 11 a 11
1/i d. por 1#000; sobro Pars a 455 rs. por fr. e
moniaodo em 35,000 o valor dos saques efectua-
dos dorante a semana.
AlqodXo. Venden-se o de Parnambaco de
il300 a 12^000 a arroba; o de Macelo posto a
bordo a 12*600; e o da Parahyba tambera posto a
bordo a 13*000.
Agordbmte.Vendeu-se de 84*000 a 85*003
a pipa.
Coros Os seceos e salgados venderam-se a
170 rs. a libra.
Arroz.-O pilado da ludia vendeu-se a 3*100
a arroba, e o do Maraubo a 3*100.
Azeite doce.Vendeu-se o de Lisboa a 3*800
o galo.
IUcalho.Em atacado vendeu-se a 17*000 a
barrica do oovo, e a 15* do velbo; e a retalno de
16*000 a 17*000 a dita ; ficando em deposito cer-
ca de 3,800 barricas.
Batatas.Venderam-se a 1*600 a arroba,
Bdiachinhas.dem a 4*500 a brriqainba.
Caf.Vendeu-se de 5*200 a 5*StO a arroba.
Cha.dem de 1*800 a 2*i00 a libra.
Cbrveja. A dozla de garrafas vendeu-se de
4*800 a 5*500..
Louca. A inglesa ordinaria vendeu-se com
325 por centp de premio sobre a factura.
Santbiga. Vendeu-se a ingleza de 840 a 880
rs. a libra, e a franceza a 660 rs.
Massas.VeDderam-se a 7*000 a caixa.
Oleo de lwhaca.Vendeu-se a 2J500 o galo.
PASSAS.-Ide'm a 12*000 a caixa^^
PRESNTos.-yenderani:se ai6sWW.a arroba.
Qeuos.Os fiaiiiengos venderam-se a *000
cada um.
SabXo.Vendeu-se o ioglez a 145 rs. a libra, e
a 200 rs. o de Mediterrneo.
ToucixHo.-Vendeu-.se o de Lisboa a 9*200 a
arroba.
VwAfiRE.Vendea-sa o de Porlogal de 85*000 a
110*^ pina.,.
Vinhos.Oa de Lisboa vent1era"i-t a ^0* a
pipa, e es deoiitroa paiws al70*oqp a dita.
Vbls.As de compsico vendwam-se a 585
ris opacte de & ve***i* C
a tu por cento "laaan
FRBTE8.-pra Lfverpoal, l/l^por libra 5 /. n
vapor. 3. .
THEATRO
EMPEZA-COIMBRA
Quarta feira \ 8 de setembro
De ordem. da mesa regadera da contraria do Si-' hftnatitfis nrnnriai-riAntA
nbor Bom Jess da Via Sacra da Igreja da, Saou DePallles
;
.
-
Esta plantar hoje reconhecida como o mais poderoso" Tnico, como nm excoif
lente desobstrijenta, $ como tal applicada nos engo--gitamentos do figado e baco, n-
ditas, ou ainda complicadas com anazarenas, as inflammac3eg
Cruz, sao coovidados todos os irmo3 desta oufra- subsequentes as febres intermitentes ou durezas, nos abeessos internos, nos tumores 6-
ra paraassistirem as roissas qae manda celebrar a penalmente do ptero e abdomen, nos tumores glaadulosos, na anazarcha, as bydrope-
mesa regedra pelo repooso eterno do nosso irmjo zas, erysipeJJas; e associada as preparacoes ferruginosas, ainda de grande vantasem
o Exm. aspo D.mmauuei de Hederos, njiM oasanemias, chloroses, faltas de meiStruacao, leucorrdeias, desarranjosatoaics teS
do corrente, pelas 7 boras da mantiiia, 1
sario doseu.passsmeoto. O escrivo,
Luiz Jos da Silveira.
CtE DO RECIFE
ooitt de 21.
O secretario,
Joaquim Leocadio Viegas.
Trocam-se


as notas do banco do Brasil e das calas filiaes-
dom descont muito rasoavel, na praca da lude,
oendencia n. 22.
benficos effeltos conira as impingeos, samas, tl-
nba, caspa, comiebdes e todas as emais molestias
de pello
VNDESE NA
B tica e
DE
Bartholomea & Cottapanhla.
34Rna larga do Rasarlo34
De 30 decimos com vi Id do porto.
Terca-feira 17 do corrente.
O agente Pestaa far lei lio por conta e risco
de qaem pertencer de 30 decimos com vinho do
Porto em am oa mais lotes, no da cima mencio-
nado ai II horas da maoha no armazem do An-
nes defronte da alfandega.
A priraeira reprasentacao
em 3 actos, intitulado
do magoifteo drama
SIMIO 0 T4N0EIR0
original do Sr. J. Romano autor dos celebres, dra-
mas Vmte Nove, Martyres da Germanla, Miguel
o Toroeiro etc.,e qoe nesta nova eomposicao se
esmerou na exlbicao da verdadeira aristocracia da
noora e da probldade vencendo e subordinando a'
virtude a balda aristocracia dos pergamlnbos, no-
doados pelo vicio apela libertinagem.
PERSONAGENS.
Simo, o taooeiro. ...... Sr. Raymundo.
> Tbomaz.
> Peregrino.
Mrquez de Santa Comba. .
Carlos, conde dos Cadafaes.
Pedro, contramestre das taaoa-
rias......... >
Tbomaz, aprendiz. ......
Manoel Maria, agiota.....>
Vasco. \ *
Silva Leita.
Joto de Souza.
Amaral. .
Jos, criado.
) amigos do coode
Lisboa.
Teixeira.
Santa Rosa.
Emiliano,
i Guimaraes.
FroiU3.
> Jordam.
Barreto.
De 65 saceos com feijSo sortido, 77 canas-
tras com albos e pipa com vinho.
Terca feira 17.
O agente Pestana'fara' Ieilo por conta e risco
de quem pertencer dos gneros cima menciona-
dos os qaaes sero vendidos tercafeira 17 do cor-
rente para fechar sem limites, no armazem do
Aunes defronte da alfandega.
De velas, cabos, vergas, ferros, cor-
rentes, bot s e m is salvados da
barca hespanh )la Isabel.
D. Modest da la Parte, capitao da barca bespa
nhola encalbada na liba de Fernando de Noronba,
fara' Ieilo com autorisaco do Sr. viee-consul de
Hespanh >, por intervenco do ageole Martins por
i conta e risco de quem pertencer, de velas, cabos,
vergas, ferros, correntes e mais pertences salva-
dos de dita barca e em presenca do m6smo Sr.
vice-consul e de am empregado da alfandega para
este fim oomeado.
Quarta-feira 18 do correte.
No armazem do Gunha no Forte do Matto.as 11
boras do da.________
'------ *----------*
LEI AO
De ama peqaeaa. casi meia agQa.
Qaarta*feira 18 do-corrente.
O ageole Pinte fara' leilio a requerimeoto de
Jos Francisco Careeiro e por despacho do Illm.
Sr. Dr. jaiz especial do commercio, de ama peqoe-
na casa descopcertada no bqco do Dique ou tra-
vessa do Manteiro n. 8 ont'r'ora !6, pertencente a
a mam fallida de Nuao Marja de Sisa# ..podido
os pretndanles iram examina-la, o leilao sera ef
factaado as 11 horas de da cima ao escriptorio
de mesmo ageole a' roa da Croa n. 38.
Maria, neta de Simo.. Sr.* D, Falco.
Margar id a, criada de Simio. Sr.* D. Jssaina.
un tabello.......Sr. Freltas.
Operarios, aldeaos, criados 3tc.
O e 3 passam-se em Villa Nova de Gaia, e o.
2' em Lisboa.
A segunda representanao da chistosa comedia
em 1 acto, ornada da '.msica, do. repertorio do
(beatro Normal Portaigoez.
Historia-,de um vintem...
representad pelas Srast DEL Bernardina e Jalla,
os. Srs. C de Lacend e Jordaoi.
Terminara'aespeKubvporpedido designas
s dous infermos
ConMCKca'as 8 berf. ^
vino r
De p- de ferro, serrotes de diversos
tanaahtf, martnJlJrfs. fechadores e
cacareas esUahada con ps.
* Qaarta-fBlra 18 da corrente.. "
O agente Pinto fara' letlo-por conta e risco de
qaem pertencer dos objeclos ~
mago, debihdade organicas; e pobreza de sangue, etc.
O que dizemos affirmam os mais di-tinelos mdicos desta cidade, entre os quaes
podem os citar os lllms. Srs, Drs. Silva Ramos, Aquino Fonseca, Sarment. Seve, Pe-
reira do Carmo, Firmo Xavier, Silva etc. Todos elles reconh-cem a escellencia d'este po-
deroso medicamento sobre os demais at ho>i -onbecidos para todos os casos citad!,
iVPi?9i corr8at*mez' ura luar na tanto que todos os dias fazem d'elle applicag5r.
Apresentando aos mdicos e ao publico em geral diversos preparados, dadora-
beba, tiwmos por fim generalisar mais o aso d'este vegetal, fazendo desapparecer a
repugrfancia que at boje sentiam os doentes de usar dos preparados empricos d'elle, o
mais das vezes repugnantes a tragarem-se, e que tinbam ainda a desva tagem de nao
ser calculada a dose conveniente a applicar-se, o que torna muitas vezes improficuo um
medicamento, que ponera produzir ptimos resultados.
Os nossos pr^pados s foram apresenlados depois de havermos convenientemente
estudado a jurubeba, fazendo as experiencias precisas para bem conhecer aspropriedaes
0CIOOTICI6S Cl6 ttlCttTClO medicamentosas d'esta planta emsuas rizes, folnas fructas ou bagas,.,e a dose convenien*
O oso destes sabonetes tem apresentado os maisea app!icac5o, tendoalm d'isto procurado levar os nossos preparados ao maior grao de
tperfeic5o possivel, para o que n5o poupamos esTorcos, nao nos importando o pouco lar
ero qoe possames tirar.
Por tanto os que se dignarem recorrer aos nossos preparados podem ter a certeza
de que elles offerecem a garanta, de que se pode encontrar a prompta e infalitvel cura
de qualque dos soffrimentos, que deixamos inoumerados, se forem em tempo applicados
tent o alm d'isso, medico ou doente a vantagem de escjlher as nossas variadas prepa-
rac5es, aquella que melborlhe pode convir, jpela fcil applicaco, ej pela complica$o
das molestias, idide, sexo, ou ainda natureza de cada individuo.
As nossas preparacoes ferruginosas sao feitas de forma que se tornam completa-
mente soluveis nos suecos gstricos, porque procuramos os compostos de ferro que como
taes esto hoje reconbecidos.
Para aquelles que mais minuciosamente queiram conhecer as propriedades da
jurubeba, e saberem a applicacSo de nossos preparados, destribuimos gratuitamente
em nosse deposito um folheto, onde tratamos mais extensamente d'esta planta e dos a?^j -
mos preparados.
drogara
Hospital Portugnez de Be-
neficencia em Peraam-
buco.
A commissao encarregada no bairro do Recife
de agaociar donativos para o bazar, em beneQcio
desle pioestabeledmeato, o qual deve ter lugar no
dia 22 do corrente, a tarde, vem rogar encareci-
damente as pessoas a quem ella qnderecou circo-
lares, o obsequio da maodarem entregar nos luga-
res abauo indicados, aqulllo com que ?e dignarem
coocorrer para soccorro dos lofe'izes caridosamon-
te recolbidos s enfermaras do mesmo hospital.
Recife 14 de setembro da 1867.
Roa de ApolloBernardiao Gomes de Carvalbo.
Dita i a CruzAntonio Lopes Braga.
Dita dita Joaqun) Monteiro da Crnz
Dita da Cadeia Marcelino Jos Gonealves da
Focle.
Dita ia Madra de Daos Manoel Jos da Cuaba
Porto._______________________________
Precisa se de urna ama que compre e cozi-
nhe para uxa casa de pouca familia : na ra nova
de Sio|a Rita n. 31.
Qaem precisar de um escravo para criado oa
servico de campo, dirjase ao Corredor do. Bispo o.
15 ; oa mesma casa vende-se a baoba especial de
fazer oascer cabellos.
as 10 beras dd dia cima em
da Cruz o. 38.
aeima mencionados,
seu escriptorio a rus
Deseja-se fallar ao Sr. Tra]ano de Figuelredo
Lima, de S. Jos da Bizarros, e por isso pretnde-
se saber qaem seja seu correspondente ou proca-
rador, a negocio de interesse : na roa do Vlgario
n. 19,1* andar.
CASA OA FORTUMA
Aos 6,000$
BILHETES GARANTIDOS.
A'ra do Crespo n. 23 e casas docostdme.
O abaixo ssigaado venden nos saus muito feli-
zes billietes garantidos da lotera que se acabou de
extrahir a beneficio do convento do Cimodo. Re-
cife, os seguioles premios : .
N. 298 bilheta Inteiro com a sorte de 1:200$.
IS. 3184 meio bilbele com a sorte de 500$.
E outras muitas sortes de 1005, &0 e 20$.
Os possoidores podem vir receber seos respecti-
vos premios sem os descontos aas leis na casa da
Fortun< roa do Crespo^n. 23..
Acnam-se a venda os da 48* parte da lotera das
familias dos voluntarios da patria, (38a) qae se
extrahira' sabbado 21 do corrente.
Preco.
Bilheta.....6*009
Meio......35000
Qaarlo.....1*500
Em porgao de 100 para cima.
Bllhete. .... 5*500
Meio......2*750
Quarto.....1*375
'__________________Manoel Martins Fiota.
-'Alcatr&o do gaz.
Oe fina a qae pode ser applicado, se ainda pou-
co condecidos no Brasil : na Europa, porm, as
vantagens do alcatraa do gaz Slo bem patentes e
presenciadas. ,Alli, empregado como agente pre-
servativo de madelras, ferro, etc., qaando expostas
a accio atmospberlca, ou da agua doce oa salga-
da. E* usado, ainda como preservativo da aeco
destractiva do cupim e oatros insectos, e evita qae
a bomidade .naoetre em qoalqeer compartimento.
Serve, afina!, ao.s cam* verois para ancoras de
navios, cormptes, alviire*|gre bjrcacas, madeiras
de eoostruecao, mas anda como floderoso e ex-
cellente desinfectante.
A' vodaorKlacad^*o,eseriptoriedaempteza
gaza. 3L ra.do Imperador, a retalbo smeote
irmTvfl'nid- Boll^marella, do Sr. Jeronymo
da Poase
- Manoel Beato de Qiheira Braga, Portoguea,
vai a provincia do Rio Grande.do Sol.
Gofee
?seca.
tH3'"ffiaz. de Snthana.
Este inimitavel romance de Lesage, trada-
zido por Bocage, vende*:* por 4A embror
xura, e 5 eocadernado : na livrari Econ-
mica, roa do Crespo n. 2 defronte do'..arco
de Santo Antonio.
CAEOBA
PREPAiUDAA FRI
POR
AUGUSTE AOR
Pharmaceatico pela escola de Paris e successor nesta cidade
DE
Aristide Saisset e J. Soum

22.-----Rna da Crnz-
-22.
Tratameato paramente vegetal sem mercurio, iodo, oaro, nem outro qualqae
mineral.
Verdadeiro. parideador do sangue sem azougue.
Especial para a cura de todas as molestias que tem sua origem na impureza do
sangue, como sejam as molestias boubaticas, syphfliticas, escrophulosas, darthrosas, quer
venham ellas por hereditariedade, quer sejam adqueridas pelo contacto com pessoas in-
feccionadas dos diversos virus que contaminara o sangue e os humores.
A caroba um remedio prodigioso, [usado desde remotas eras pelos indio
do Brasil, e passando seu uso de geraco em geraco, hoje um dos remedios mais CO'
nbecidoseomo. proprio para combater as molestias mais hediondas, entrando nesse nume>
ro a morpha ou elephantiases, para cujo curativo os nossos sertanejos consideram a
caroba como remedio especifico.
A muito tempo entrou a caroba nos formularios como preparac5o magistral
sob a forma de eleictuario, ainda hoje lembrado as pharmacopas com o nome de sea
celebre aator Jo5o Alves Cameiro: n5o ella portante remedio novo nem desconhecido.
O ungento. de caroba da mesma sorte precontsado desde tempoa immemo-
riaes como o mais apropriado para o curativo das boubas e ulceras syphiliticas srdidas,
e empregado com proveito depois de improflcua applicacSo de muitos outros agentes
therapeuticos enrgicos e de aso quotidiano.
Muitos dos nossos mdicos de coasideracoo e entre elles o muito distincto pratico
e observador o Sr. Dr. Pedro d'Athtyde Lobo Moscoso, tem conflrmado por meio de ex-
periencias repetidas, o que diz a fama das benficas propriedades da caroba no trata-
mente, das boubas, das diversas formas sob que a syphilis se aprsenla e muito especial-
mente ag que teem sua sede na pelle, e poderiamos relatar 'alguns casos de data muito
moderna observados pelo mesmo Sr. Dr. Moscozo em que a caroba produzio admiraveis
effeitos, depois de inuteis e prolongadas applicaces de salsaparrilha, mecurte, iodo, ou-
ro e seus preparados, etc., etc.
NSo era possivel que ama plaata Ufo notavel por suas inappreciaveis virtudes es-
capasse a perspicacia^ o investigaces dos. mais abalisadps praticos europeos, qae se ap-
plicam com especialldade ao estudo etratament das molestias syphiliticas eherpeiicas
e para prova ahi esio ps Srs. Drs. Casenave, Schurfer, Ricbrd e ootros dando as maif
tsongeiras infor'maces sobre as propriedades curativas da caroba e prfiwnisaodori com'
remedio poderossimo para o tratamento das erupces cutneas seccas ou suppurativas
dart^ros de todas a qualidade, eczemas, nlceras dediverras aature7as, tumores, aiseos
e-outras muitas, uiol^sas de natqreza syphi'.itica ou boubatica.
Por ter-se generalisado milo o uso da essenela d carb* paro e pelas instancias de varios mdicos que dsejam continuar em suas observacoes,
deliberei-me a ter prompta ama quantidade da mesma essencia, obtida sem a accio do
ogo, para oSo prejudicar as propriedades medicamentosas; e d'ora em diante encon-
trar-se-ha na minha pharmaeja sempre e em porcSo suficiente para todos os pedidos a
ESSENCIA CONCENTRADA De CAROBA, e oangaanto da me&pu plmti para que nal.
ca faem aos Srs. medicas qoequizerem esperimentar t?o precioso.ageatomedicinal.
Recife le Pornarabaeo, 17 de outebfa de 1866.
' Deposite geral ie 4* W so titos
\jTmi Badui* f rogarla
34Roa larga do Rozarto3*



braco refiada felra 1 c Siembro e 1867.
PHOTOGRAPHIA
TIIiEftiliA
BOA DO CABUGA N. 18, ENTRADA PELO
PATEO DA MATRB.
0 nosso estabelecimento photographico
est serapre em dia com todos os melhora-
mentos e progressos qoe na America do
Norte, ou na Europa se consegoe na arte
photographica, e para alcanzamos tal fim
nanea poapamos despezas nem sacrificios,
de sorte qoe os nossos namerosos freguezes
podem ter a certeza de qoe sempre encon-
traro em nosso estabelecimento indo quau-
to a arte e a moda oSerecer de bom, no
novo e velho mando aos amantes da pho-
tographia.
NOVIDADE PHOTOGRAPHICA.
Acabamos de receber todo o necessario
para fazer retratos chamados carte-album.
Este genero de retratos ltimamente in-
ventado na America do Norte, rpidamente
se propagou na Inglaterra e Franca aonde
goza actualmente de todo o favor da moda.
A carte-a-lum se faz por duzias como os
actigos artifes de visita.
Na Inglaterra trocaran o nome de carte-
lbum pelo de retrato-galera e os ingleses
nsam encaixilbar estes retratos em qoadros
especiaos para com elles formar galeras,
com qoe ornam seus gabinetes. Recebe-
mos ama certa quantidade de taes quadros,
os qaaes cederemos por barato preco aos
nossos freguezes.
As pessoas que qaizerem ver specimens
dos retratos chamados carte-album, j jei-
tos em nossa oficina s3o convidados a visi-
tar o nosso estabelecimento.
CARTES DE VISITA A 9fiOQO A DZIA.
Em consequencia do novo genero de re-
tratos chamados carte-album, diminuimos
o preco dos antigos cartes de visita, os
qnaes de boje em diante fcam reduzidos
ao preco de
0*OOO
pela primeira dozia, sem que por causa
desta diminuico de preco, (laxemos de es-
merar-nos no nosso trabalho, como sempre
foi nosso costume. Alm disto, continua
mos a dar os caribes de visita em cartes
de luxo, Bristol, ou porcelana, dourados ou
litbograpbados para o que temos urna varie-
dade de 12 modelos, a escolba de quera se
retratar.
XST VA GOMO PREVENCAO.
Apezar do nosso trabalho ser muito co-
nbecido nesta cidade, aonde trabalhamos a
2 annos, com ludo jalgamos de nosso de-
ver dizerhoje o'seguinte:
Nos retratos fetos em nosso estabeleci-
mento emprega-se toda a cautela para of-
ferecer-se a par da belleza do trabalho, as
melhores cpndicoes de duracao. Doura-
mos e ixaraos os nossos retratos sem olhar-
mos a economas, e nltimamente para Ibes
podermos dar urna lavagem mais ampia
e segura, contratamos com a companhia de
Bebiribe ama peona d'agua. Os nossos
cartes d de visita sSo verdadeiras photo-
grapbias, que nao preciso de retoques do
pintor para Ihe desfarcarem os defeitos, e
convidamos a qnem quizer a passar sobre
elles urna esponja molbada em agua, ou a
deixa-los mergnlbados por espaco de horas
em agua, ou em espirito de vinho: se apre-
sentarem alteraco sero recebidos por nos
e pagos pelo duplo do que tiverem cus-
tado.
Continuamos a fazer retratos por todos os
svstemas photograpbicos at boje conheci-
dos em photographia. O nosso sortimeoto
de caixinhas, quadros, passe-par-tauts, e
joias de ouro para a collocacao de retratos
o mais completo, variado e abundante que
existe nesta cidade.
jB9 Preciase de urna ama ama para dar
* leite a urna enanca de poneos -das de
iigt nascida e incumbtr-se de soa completa
amameotaeo : na raa das Cruzes n. 9,
sopando andar,
Ama
Precisarse alogar orna ama para comprar, cos
char e engommar : na ra de S. Francisco n. 54.
Engomma-ie com mnita perfeico e por pre-
go muito commodo : na roa da Palma n. 17.
Na roa da Aurora casa da n. 70, 2 andar, pre-
cisare de ama eserava qoe cosiobe bem, engom
me e ensabe : qnem tiver e qaizer alagar diri
ja-se a referida casa.
Precisa-sede orna ama para engommar
das Cruzes n. 21, 1 andar. _____
Offerece-se orna senbora portagoeza para
ama, qoe sabe bem eoznhar : a tratar na roa do
Senbor Bom Jess das Crioulas n. 23.
Ama.
Precisa-se de ama ama para cotinbar em casa
de bomem solteiro, qoe tem pouca familia ; na
roa do Crespo, casa o. 12.
Armazem.
Preeisa-se alagar am armazem para recolber
fazendas: na praca do Corpo Santo n. 13.
Aluga-se nm sitio na Caponga Velba : quem
pretender dirija-se a roa da Cadeia do Recite loja
a. 35, qoe se dir' qnem tero par alagar.
Satisfeito o invencive Veado Braneo, com as maneiras attenciosas com que
'o acolbido pelo respeitavel pjub|ico desta briosa provincia, a ponto de qoe moitos a por-
fa desputaram a satisfacSo de terem os prime iros a compraren em sea importante arma-
lem, se desvanece em declarar com toda a lealdade de que capaz, qoe est cada vez
mais animado, n5o spelo benigno acolbimento qoe tem recebido, como pelas forcas de
qoedispoe porque ate hoje-nao carecen ainda dos preparados de iurubeba, nem do
xarope alcoolico de veame.
P Veado Braveo, declara a qnem ainda o nao conhece qae nao am
desses bicbarocos intrataveis que por ahi vivem com figura hu-nana ; domesticado no
ameno paz onde a amavel Aguia Branca vio a laz do astro bemfeitor, elle partidario
desse invejavel agrado e sioceridade que com Unta gravidade se desprende do seu
bico encantador.
O Veado Braneo, como todo o bomem civilisado, ama a sociedade dos
bons, gosta do centro do mundo elegante, usa do tnico de Jayme, para previnh- qne Ihe
ponham a calva ao sol, vai a companhia des Booffes Parisiens e no meio do partido de
madame Afolle, elle tambem atira-lhe o seu lindo bouquet.
Dgne-se o benigno leitor de jurar as palavras sinceras do sincero Veado
Braneo, e venha prover a sua dispensa do que melhor se pode encontrar n'um estabe-
cimento de molhados.
A modcidade dos precos, comparados com a boa qualidade dos gneros e o
bom modo com que se recebe os senbores compradores, deve certamente convidar as
pessoas que ainda nao vieram nossa casa a fazer parte dos amigos e freguezes |do nosso
BELUSSIMO ARMAZEM
MOLHAD
CONHECIDO PELO NOME
s
Pataces

Compratn.se pataces bespanbes, portoenezes e
"tv & a, roa do Trapiche-novo n. 40.
Ouro e prata em moeda
parte na roa Non n. 31, loja de ferragens.
ouro e prata
_S2 t 2 e prau **, estrangeiras
de todos os valores se comprara na loja de oori-
roa da Cadeia do Recite, assim como onro e prata
bm b"",s""es' ** eaa paga
Compra-se onro e praia em obras velbas:
na praca da Independencia c. 22.
VENDAS
DE
VEADO BRANCO
Estabelecitlo ra Direita n. 16.
Esquina da travegga de s. Pedro.
O Dr. A. S, Perelra do Carmo (medico)
est morando no sobrado n. 12 da roa da
Imperatriz.
GAZEOL
DE -
Burrin du Buisson*
Liqnida voltil p-eparada por Smllase, repro-
dazindo cblmieamente os vapores qne se soltam
em volta do aparelbo parificado do gaz carbnico,
empregada com o mais seguro soccesso contrr
a coqoelocbe, a pblisica e todas as molestias chro-
nicas dos pulmoes
VENDE-SE NA
Botica e drogara
llartholonaen dk C.
34Roa larga da Rosario34
NEL
Vende-se mel: tratar a toa do Apollo n. 4.
Precisa-se de om caixelro de 14 a 16 aonos
de idade : a tratar na raa das Cinco Pontas n. 18
refloaco____________
Precisa-se de ama ama para casa de pouca
familia, qae seja boa cozinbeira: a tratar na roa das
Trincheiras n. 40, qna paga-se bem.
O Sr, Joo Fernandes Vieira
professor em Garonboos, deseja-lbe fallar na raa
das Flores n. 21 a negocio de sea interesse.
^m
_<* -
Precisa-se de ama ama para lavar e engommar;
na roa do Trapiche n. 36, 2*andar.
Os collegas do finado acadmico Joaqoim Ferraz
Daitro mandara celebrar na* matriz da Boa-Vista
segonda-feira 16 do correte, as 9 horas, nm offl-
eio solemne pelo descanco de soa alma a por isso
convidam a seos amigos e prenles afim de assls-
lirem este acto de candade e religiao.
O 8 offerece um de botas
A qoem Ihe descebrira iocognlta-para <
senca levantando-se cornija, abrIndo-se
portas com 10 palmos de altara, janelia* de.4 pal
nos em qoadro, lato em ama freote de casa ler-
ajKrgTdo'cer01 de",",'s,,oa attalo.
MOFIN/l
Para o Exm. Sr. ministro da jostica
yr, admirar e providenciar.
i Hoje a cobica asseotoo-se
oo logar da eqaidade : o joiz
vende a eonscieocla. no mercado
dos poderosos, como as mulhe-
res da Babylonla vendiam a pu-
dicicia, as pravas publicas, aos
qae passavam diante da laz do
dia. (A. Hkrcolano.)
No Despertador, folba da provincia da Para-
hyba, o baebarel Jos Joaqaim de Sa' Benevides
apparecea qaerendo provar o horroroso procedi-
mento qoe teve para comigo na qualidade de juiz.
Sao tantas as mentiras desse calumniador, qoe
cada vez se eQvolve mais de lama. Mendaz in
uno, mendax in mnibus.. Peraote o moito hon-
rado joiz de direito da comarca, o Dr. Victorino
do Reg Toscano de Brito, prove a legalidade da
transado qae fiz rom o mea devedor Antonio
Hercolaoo d'Almeida; tanto assim qoe o mesmo
joiz derrittou o monstro filbo do despeito, da pro-
tec;ao e do patronato.
Prove exuberantemente, e tenho conscieocia
de qoe o joiz de direito Toscano de Drilo nao me
fez favor e sim inteira jostica ; e se Beoevides for-
jon o monstro processo, ( elle forjon). segando
voz geral, foi por dever a Barboza, tio do mea de-
vedor, a qoaotia de 1:600009, e nao podendo pa-
gar-lhe, prestoa-se a essa vingan^a miseravel, cao-
sando-me graves prejaizos saperlores a 20:0003,
como Ihe poderei provar; sendo coa o processo
de estellionato algons i:OOOJ ; estando onze dias
na casa de deteoco para ser remetlido para a Pa-
rabyba. O Dr. Beneyides cobrio-se de Lama, e,
como nao pode provar o sea acto, apparece peld
ornal menlindo descaradamente, e pegande-se e-
teias de aranbas.
Miseravel joiz: vem pelos jornaes de Pernam-
buco provar o qae dissestes n'aqaella correspon-
dencia pelo modo seguate :
1.' Qaaes os commerciantes qoe tiveram nego-
cios comigo, e qoe conlam factos de pouca sioceri-
dade.
2.* Se tea stmilis cum similtbus, collega Joo
Fernandes Lima, juiz municipal de Bananeiras,
me qoiz prender, e por qoe motivo.
3.* Qaaes as lettras de boas firmas qae vendi
pela melado de sea valor.
Vem tambem provar por qae te recusaste a des-
pachar favoravelmente duas petiedes minbas,quan-
do eram para provar mloba ionocencia ; e assim
commetteste de tres cousasurna ou ignorancia
on peita ou v,- nal idade.
Vem provar o contrario do qne dlsse o Volun-
tario da Patria > no Diario de 28 de jaoho do cor-
rente, qaanto a's seguales pbrases, qae muito
folgarei, mea charo baebarel, de te ver escoimado
a das faltas de qoe te aceusam : Miseravel,
Negro, Prevaricador, Ignorante, Corrapto, Mal-
vado,' Indigno joiz cuja vara sao pode ser mais
respeitada por estar coberta de lima >.
Se nao vieres pelos jornaes de Pernambuco pro-
var o qae cima peco, direi ser exacto todo qoao-
to se tem dito pelos jornaes contra o baebarel Be-
oevides ; e nio retirare! esta Mofina at qoe
Sua Magostado o Sr. D. Pedro II e o Exm. Sr. mi-
nistro da jostica vejara, e providencien) de ma-
neira a ficar minba humilde pessoa desaggravada
das offansas e dos abasos de aatorldade, praticados
pelo juiz municipal da villa da Independencia na
provincia da Parabyba, o baebarel
JOS' JOIQUIM DE SA BEXEVIDES:
A priso a' noile e tumultuariamente arrastado ?
O monstro processo de estellionato derribado
pelo joiz de direito?
Os onze dias de prisao, e os prejaizos calculados
em mais de 20:000*000 T
Os do* despachos indeferldos, negando os meios
de defesa do reo e protegendo a nm falsario.
Recife, 23 de agosto de 1867.
Jos Gomes Vlar.
Companhia Adeudado de seguros
* martimos e terrestres
estabelecida no Rio de Janeiro
AGENTES EM PERNAMBUCO
Anteii Luiz de Oliveira Aievefe & C.
competentemente antorisados pela
directora da companhia de seguros
Fidelidade, tomam segoros *de na-
vios, mercadorias e predios no sen
escriptorio roa da Cruz n. i.
O Sr. Jote Marques da Costa Soares,
qne mora na roa do Vjgario, queira vir
esta typographia, a negocio que nao ig-
nora^________
A familia qae fornecia commedorias para
lora, na roa ertreiu do Rosario n. 21, aeba-se mo-
rando na roesma.roa sobrado o. 35, onde contina
a fornecer al mojo e jaotar com asseio a a preco
commodo.
Fogo do ar
No armazem da bola amarella no oito da se*
cretaria da polica receben;-se encommeodas de
fogo do ar para dentro e fora da provincia-
Precisa-se de oficial
barbeiro em casa de Gustavo
do Recife n. 31.
Eesidencia e consultorio
Medico cirurgico
no
Br. Antonio Dearte
a praca da Boa-Vista n. 21 onde
pode ser procurado a qualquer hora.
Especial Idade
Do en c^as do peito, e de meoinos.

Vende-se
as seguintes obras: Poema da Mocidade,
poesas por Pinheiro Cbagas, i volme.
15300; Nevoas matutinas, ditas por Apri-
gioMenezes, 1(5; O dever, romaoce, 1 vo-
lme, 640 rs.; Os trabajadores do mar,
romance por Vctor Hugo, 3 volumes por
4(5; Caucrot Sociaes, drama por D. Mara
Ribeiro. i volme, 1<5G00 ; Joo Diabo,
romance por Paulo Feval, 4 volomes enca-
dernados, 5)5: na ra do Crespo n. 4 fabri-
ca de chapeos de sol.
Ass
i


Gabinete medico cirurgico
. DO
Dr. Ignacio Alcibiades Vellozo
Pode ser procurado a qualquer bora do dia on
da ooite prestando-se aos chamados fora da cida-
de, com toda a promplidao. Pratica qualquer ope-
rago. Da' consultas das 6 as 9 horas da manba :
raa da Imperatriz o. 86.
Joaquim Jos Gon^alves
Beltrfc)
RA DO TRAPICHE N. 17 Io ANDAR)
Sacca por tCdos os paquetes sobre o Banco
io Minho em Braga, sobre os guiotes luga-
<; em Portugal.
aber:
Lisboa.
Porto.
Vaieoca.
Gui maraes.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Coo Arcos de Val de Vez.
Viaooa do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famellcao.
Lamego.
Lagos.
Covilbaa.
Vassal (Valpassos.)
Hirandella.
Beja.
Barcellos.______________________________
Na praca da Independencia n. 33, loja de
ourives, cempra-se ouro, prata e pedras preciosas,
e tambem se faz qualquer obra de enconomenda e
todo e qoalqoer concert.
A secretaria da polica precisa comprar
as collecces de leis do imperio e decisoes
do governo relativas aos annos de 1839,
1850,1851 e1852.
A pessoa que as tiver e quizer vende.i
comparece na referida secretaria s boras
do seu expediente, ou entenda-se com o res-
pectivo secretario, ra da Saudade n. 15.
O oQcial-maior da Ia scelo
_______Jos Xavier Faustino Ramos^
Aluga-se nma canoa, on vende-se, qae carre-
ga 800 lijlos e propria para carregar capim :
qnem a pretender dirija-se a raa das Cinco Pontas
n. 82.________________________________
Precisa-se de doos trabalbadores de refloa-
co de assucar : no pateo do Paraizo o. 2.
Precisase de ama ama para casa de poaca
familia, s para o ser vico interno : na ra Direita
loja n. 47.
_____ N.2D ^ N. 2 D4
^_^" CORAClO DE OURO. ^^!
A loja o. 2 D intitulada Coraco de Ouro na ma do Cabngi, acba-se d'ora em diante offerecen
do ao respeitavel publico com especialldade as pessoas qne bonram a moda os objectos do ultimo gos
lo (a Parte) per meos JO por ceoto do qae em oatra qaalqaer pane, garaotiodo-se a qualidade e a so
idez da obras.
O respeitavel publico avallando o desejo qae deve ter o proprietario de um novo estabelecimen-
to que quer progresso em seo negocio deve chegar immediatamente ao coracio de ouro a comprar
aoeis com perfeitos brabantes, esmeraldas, rabias e perola ; verdadeiras em agarras, modernas pek
diminuto preco de 10, brincos moderos de ouro e coral para menina pelo preco de _3, maracas de
prata com cabos de marflm e madreperola obra de moderno gosto (o qne o encontrarlo no man de
onro) voltas de ouro com a competente erosiona ricamente enfeitada pelo pequeo prego de 12, brin-
cos de um trabalho perfeito por um mdico preco, cassolelas, traoealws, polceiras, alneles para re-
tratos e ontros modelos todo de alto gosto, aneis proprios para butar cabello e Arma, dito para casa-
mento, no artito roseta tem o Coracio de Ouro nm completo e bem variado sortimeoto de diversos
gostos, butdes para ponbos com diamante, rubios e esmeraldas, obra esta Importante ja pelo sea va-
lor ja' por gosto ds desenho, brincos a forma da delicada moslnba de moca com piogente contendo es-
meraldas, rubns, brilbantes, perolas, o gesto sublime, alflnete para grvate oo mesmo gosto, relo-
gos para seobora cravados de pedras preciosas, ditos para hornera, diversas obras de brilhaotes de
moito gosto, crosiohas de rubins, esmeraldas, perolas e brilbantes, aneis com letras, cacoletas ae
trystal e onro descoberta para retrato (a ingleza) briocos de franja, ditos a imperatrize toda e qual-
quer joia, para secoliocar retratos e obras de cabello, e outros muitos objectos que os pretendemos en-
contrario no Cora$o de Ouro que se conserva com toda a amabilidade aos concorrentes delxando-
se de aqnl mencionar precos de certos objectos porque (desculpem a maoelra de fallar) dizeodo-se o
preco talvez algoem faca mo juizo da obra, por ser tao diminuta quantia a vista do seu valor.
Na mesma loja compra-se, troca-se ouro, prata e pedras preciosas, e tambera recebe se coneer-
tos, por menos do qne em outra qualquer parte, e dao-se obras a amostra com penhor, conservando-se
e Coraco de Ouro aberto at as 8 horas da noile. ...
Qualquer pessoa que se dirigir ao Coraco de Ouro nao se podera engaar com a casa, pois
nota se na sna frente um coraco pendurado pintado de amarello, alem de oatro qae se nota em om
rotulo (isto se adverte em consequencia de terem ja' algumas pessoas engaado com outra casa.
Sal do
Vande-sa a bordo do palbabote Emilia : a
tratar com Jos de Si LeitaoJuoior a roa da Madre
de Dos armazem jnnto a igreja.
Vinho fino do Porto en-
garrafado.
Vende-se de mu excellente qualidade por m-
dico preco em calzas de 12 garrafas : ao arma-
zem de David Ferrelra Bailar, roa do Brom o. 66.
Breu
Vende-se breo em barril e a retalbo, moito
rato : oo armazem da bola amarella no oilo
secretaria da poiicia.
ba-
da
Cal nova de Lisboa
Vendem-se barns com superior cal nova de Lis-
boa (a desembarcar hoje) : na ra estreita do Ro-
sario, esquina para o paleo do Carmo u. 47, e no
arroaim na roa do Apollo n. 30._______________
Vende-se
am moleqae de idade de 17 aooos, bem preto e
muito sadio ; excellente peca : a tratar a' rua-
do Codorniz n. 2. _________
Atfeneo.
Venham
6
ver
O melber cognac, como raras ve.es vem ao mer-
cado : vende-se na roa do Trapiche n. 14, Io an-
dar. Urna caixa (contendo 12 garrafas) por zO,
e de 5 para cima a 18J, dinheiro a vista.
Vende-se a casa n, 234 da
tratar na ma da Praia n. 29 A.
Vende-se na loja de marcineina na Gamboa do
Carme n. 12, palba apparelbada da melbor sorte
para tecer cadeiras e sofs, por preco mais com-
modo do que em outra qualqoer parte.
#*
i_
ra Imperial; a
Vendem-se vaccas paridas e sem serem pa-
ridas, um cavado e um novilho ; no sillo dos ar-
cos jauto a igreja do Remedio.
Vendem-se
pedras de amolar a bordo da barcaca Fior do Por-
to : a tratar a bordo, no caes do Ramos, e na rna
da Cadeia velba n. I.
m 8 ARa do CabalgaH. 3 A
Agostinho Jos dos Santos G
Acaba de chegar a este estabelecimento um esplendido sortimento de
jolas do ultimo gosto, perfeico artstica e modellos entecamente novos; como
seguem: aderecos com rubim, esmeraldas e perolas finas, pulceiras, broches
para retrato, anneis, botes de punho, brincos e cassolelas com letras, etc..
etc., etc. Salvas de prata do Porto, faqueiros, paliteiros, calix de mesa c
fructeras, cujos precos s5o incompetiveis, pois que os proprietarios desta casa,
recebendo seus artigos directamente da Europa, podem servir vantajosamenta
aos seus freguezes. Compram-se brilhantes, pedras finas, ouro e prata, page
se bem, tambem se incumbem de fazer concertos.
SEGURO
Vende-se um moleqae de 14 a 16 annos, bo-
nita figura, proprio para engenho: na ra Direita
n. 106.__ _______________________________
=Vende-se urna malatinba de idade 17 a 18-
annos, bonita figura, qae por malta preciso qae
sua senbora se disfaz do mesmo ; qnem pretander
dirija-se a ra de Hortas n. 54._________________
Vende-se urna eserava de 20 annos de idade,.
boa conducta, eneommadeira e cozinheira : na rna
Nova n. 46, 2 andar.
Seveda.
No armazem de tintas ra
dor o. 22, vende-se :
Salitre refinado arroba 6 J300
Enxefre arroba 2800
Impera-
Aluga-se
Um sobrado com grande quintal na rna
do rio do Poco da Panella, aprazvel lugar
para se passar a festa : a tratar com J. J.
Tasso.
Um sitio com boa casa de vtvenda, coebeira,
estribarla, binbeiro. 2 cacimbas, etc., oa Croz de
Almas, encrnzilbada de Beberibe : a tratar com
J. J. Tasso.________________
Atten$to,
Fortaram oa madrugada do dia 5 do corrate
do sitio onde mora o capitao Miguel de Almeida
Pernambuco em Ponte de Ucboa, doos cavallos
mellados de sigoaes preto, ferrados de novo :
sendo ara delles lacea e esqoipador e o outro om
pouco barregudo e andador baixo, pede-se a quem
s vir os apprehendam e levem ao referido sitio,
ou na coebeira do Sr. Baptista na roa do Impera-
dor graticaudo se generosamente a qajffi os en-
tregar._______________________ ._______
Aluga-se
Velba.
Attengao.
X. 25 Rna do Livramenlo R. 25
Deposito de tama neos e calcado nacional da fa-
brica da roa do Jardlm o. 19, de Jos Vicente Go-
dinbo, tanto oo deposito eomo oa fabrica seapromp-
tam todas as porefas de calcado o mais barato
possivel, esta fabrica tem todas as machinas pro
priaspara os calcados ja bem acreditados pelo
grande numero de freguezes qoe daqui se for
neeem.
MARTIMOS
om grande armazem na ponte
| Aloga ae ama eserava qae cozinha, lava e
i engjmma a tratar na roa do Hospicio o, 24.
Furto.
No dia 9 do correte fortaram do primelro an-
dar do sobrado o. 35 da roa da imperatriz om
castteal de prata de lei.slozelado, com om palmo
de altara, pesando 106 oitavas: quem o achar
pode restitni-lo a casa cima qoe se gratificar
Aenco
Apparecen no Mondego, roa doCotovello
n. 16, um carneiro, qnem fr o seo* dono
dando os signaos certos entregar-se-ha ; pa-
gando porm a importancia deste annnncio.
O Dr. J. Aoto de Sea* modoo a
deocia para a roa do Hespido esquina
do Carnario, pode ser procurado para
de sua prossao de medico.
Chocolate vermicida
M
Antonio Nunes de Castro.
Desde 1867 qae sio as tabellas vermicidas ap-
plicadas em Portugal, como remedio prompto e
efflcaz para a expnlsio das lombrigas, qne tao gra
ves padecimentos causam e que qaasi sempre nao
se soppSe ellas a origem.
Este vermfugo preferivel a qaalqaer outre
pelo sea agradavel paladar e fcil apphcagao as
enancas qne mais geralmeate sao atacadas de se-
melbante mal.
Deposito especial
34Raja larga do Rosario34
Bolica de Bartholomeu & C.
Na roa da UniSo o. 40, precisa-se de om
bem criado e de orna cosinbelra oa coslobeiro pa-
ra o servico de orna pequea familia.
toa resi-
da travessa
os mystere
Aluga-se o andar terreo do
do Hospicio esquina da travessa
tratar oo mesmo sobrado.
sobrado da roa
do Carnario: a
Jos Antonio feruanoes Kradique e Juanoa
Izldia da Costa Fradique, sommamente penhora-
dos a'qnallas pessoas qoe se dignaram asslstir ao
enterro e acorapaohar os restos moriaes de sen
preado flrao no oemiterio publico, vera.por este
meio testeraunbarem sna gratidlo e reconneci-
mento, qee serSo sempre Indeteveis
CONTRA FOGO.
A companhia Indemnisadora, estabeleci
da nesta praca, toma seguros martimos so-
bre navios e seus carregamentos, e contra
fogo em edificios, mercadorias e mobilias:
na rna do Yigario n. 4, pavimento terreo
COMPRAS
Moedas depuro.
Nacionaes e estrangeiras assim como libras
esterlinas: campram-se na raa do Crespo n. 46,
primelro andar.
Compra-se moedas de ouro de 20$, 16$, 10$
e 9$ a rna da Cruz o. 3.
Moedas de prata
oaeienaes, assim como patacSes portuguezes e
bespanbes, compram-se com premio : na roa do
Crespo n. 16, prlmeiro aodar. ^^^^^^^
Vende-se sevada muito nova a 3$200 a arroba :
na ra Direita n. 30.__________________
Carregamcnlo de burros.
Estao a' venda na roa da Concordia, no terreno-
defronte do antigo armazem do sol, os maiores e
melbores burros que tem viudo a Pernambuco, vis
qaaes se vendem barato : e pede-se as pessoas qae
ja compraran), que mandem retirar os seus at ao
dia 17, do contrario pagarse 500 rs.' diarlos pelo
sustento.
i ^ ,.- -i -1
Este luda remediado em qnanto a la-
vas de pellica.
Porque a aguia branca por intermedio de nn>
negociante de nossa praca mandn contratar com
um bom e acreditado fabricante de ditas, para
este Ihe fazer remessas directamente por todos os
vapores, sendo a primeira a qae agora acaba de
chegar. O fabricante prometi manda-las sempre
da melbor pellica e na verdade as qae vieram
dessa vez confrmam o seu dizer, e pelos difieren-
tes enfeites que elks irazem da' elle mais a conbe-
cer o apurado gosto e perfeico de soa obra. Res-
ta pois que os bons e constantes freguezes conti-
nen) a favorecer a agola branca em qaanto ella
vai se livrando dos mos qae .com seus fiados a
lam depenando._______________________
Compendio Doloroso
Continua a vender-se este precioso livrinno:
na rna do Imperador n 15.____________________.
Feij&o para animaes
Vende-se na roa da Madre de Dos n. 18^_____
Vende-se nm cavallo mellado raposo, novo e
grande, sem deleito e nem achaque, andador de-
todo : a tratar oa roa do Aragao, casa o. 7, das
6 da manba as 9, e das 2 da urde as 6.
IVAS
Novo sortimento de lnvas de pellica (Jouvin),
ebegadas no ultimo vapor francez, ao armazem do
vapor na ra Nova o. 7.
libras esterlinas.
Compram-se com bom premio
dependencia o. SI .
oa pra-a da In
Ama
Oflerece-se ama ana para casa de bomem
teiro*: a tratar na roa das Trincheiras n. 14.
sol-
r- Precisa-se de om menino para caixeiro de
taberna ; a tratar oa roa do Mondego n. 32, ta-
berna.___________:
Ama de leite.
Qnem precisar de om* ama de leite, dirija-se-a
roa do-Brom a. 66,. armazem, qoe achara' com
qoem tratar.
Qcem annunciou vender ama taberna sorti-
da e am bom lagar, dirija-se a raa do Fogo o. 20,
taberna.
Compram-sc escravos
Silvino Gnilberme de Barros, compra, vende e
roca efectivamente escravos de ambos os sexo*
de todas as idades: a' roa do Imperador n. 79,
e-rceiro andar._______________..--______.
Compra-se sempre por mais do qae em oa-
tra qaalqaer parle, prata braslleira e estraogelra
(pataedes) libras esterlinas, moedas de 9$ e 16$
portagaezas, de 5$, 10$ e 20$ brasileiras, ongas
co ontra qnalquer qualidade de ouro, e se trocam
Sedlas do banco do Brasil e caixas Qliaes de oo-
tras provincias: oa roa da Cadeia do Recife o.
58, loja de azulejo._______.
Attencao
Vende-se ora realejo de
as Cinco Ponas n. 102.
catangas aDjutados :
Vinho saperier em caixas de ama duzia ;
tem para vender Antonio Luiz de Oliveira Azore-
do & C, oo seo escriptorio rpa da Croz n. 57.
Aos reverendos vi-
garios,
Vendem-se duas estolas ricas, as melbores qae
podem haver neste genero, sendo ama branca e
oatra preta, por mdico preco : qaea pretender
pode dirigir-ie a rna das Cruzas, sobrado de ora
andar n. 16, a tratar cora Antonio Alves da Fon-
seca. _____________________
de molhados
Compram-se
cora premio moedas de ooro e d prata'oaeienaes
e estrangeiras : oa roa da Cadeia do-Recife o. 16
armazem de Adriano, Castro & c.
24#000
Compra-e na loja de jolas do racio de ouro
n. 2 D, roa do Cabuga, moedas nacionaes de 20$
Vendo-se ara esutwlecimento
di freeaezla de Santo Antooio, em muito boa loca-
lidadeTe moito afregaezado para a trra e mato ;
o motivo da venda porqoe o dono ae qaer reti-
rtr ; qoem pretender annnncie por esta folba.
* Vende-se a armacao da casa da roa das
Cruzes n. 37, propria para qaalqaer negocio pois
t casa offerece boos cora modos: a tratar oa mesma.
A. Herculano
Erarle*O Moage de Cister
2 vol. 8 ntida impresslo de Leipsiq.
Rs. 44O00
Ll-rarla fra*ceza.
/*

O
^S>-



MI" -If

Miarlo 4c pernaubueo Aeguuda leira Itt de Meteuibre de 1867.
=
r
^
k
ls
o
x
> p
i 7
_ '*

Cintos pretos
e de liras cares, com franjas t vi
drilbM trancas e retas.
Ajenia branca, na roa o Qnelmado o. 8, rece-
ben d eses modernos cintos de ponas, con frac-
jas de. vidrilbos brancos e pretos ; compareeam.
pois, os pretendentes,
contento.
qne acbarao sorlimento i
Collares Royer
|o Anodiaes elctricas magnticos
. Deposita acreditado
Loja di aguia branca roa do Qaeimado n. 8
Apregoar anda os prodigiosos effeitos dos
Collares Royer j nao ensinar oo querer
introduzir novidades, porque a fama de sua
efcacia tem-se tanto estenclido, e os seus
felizes resultados a tal altura elevado, que
boje rara a pessoa que por experiencia
propria, ou por intermedio de seus amigos
e parentes, ignore ou desconfe ra as virtu-
des desses sempre apreciaveis collares
Royer.
A aguia branca porm s gloria de concor-
rer para um tao justo fim, se nao por ou-
tro modo ao menos por ter sempre, e cons-
tantemente um completo sortimento desses
collares magnticos, que bem se podem cha-
marsalva vidas das enancas.
Resta ainda que os senbores pais de fa-
milia se facam convencer jde que convem
nao esperar que as crianzas sejam atacadas
do mal, e por isso necessario ou conve-
niente que com antecedencia se deite na
crianca um desses collares para assim estar
ella preservada das convalces e se contar
livre dos rigores da dencSo.
A aguia branca ra do Queimado n. 8
contina a receber por todos os vapores
francezes a quaotidade que na contratado e
por isso acba-se ella sempre provida dos ver-
daderos collires Royer ele trieos magn-
ticos.
Bolas de borracha para bro-
quedos.
Vendem-se na rna do Queimado loja da aguia
branca n. 8.
Carretela de retroz para ma-
chinas.
Vendem-se na rna do Queimado loja da aguia
branca n. 8.
Papel paquete.
Vende se na rna do Queimado loja da aguia
ranea n. 8.
A Aguja Branca ra do Queimado n. 8,
recebeu de novo os seguintes objectos e
est vendendo-as por precos rasoaveis.
Modernas fivellas.
Modernas Ovellas de madreperola, lavra-
das e lisas, guarnecidas com en fe i tes de
prata dourada, vendem-se na loja d'Aguia
Branca ra do Queimado n. 8.
Leques
todos de sndalo, ootros todos de sndalo
com bonitos desenbos que representam qua-
tro vjsta, outros de sndalo e seda, outros
de faia tambem com desenhos que formam
quatro vistas; vendem-se na loja d'Aguia
Branca, ra do Queimado n. 8.
Linas finas
de camursa, brancas e amarellas: vendem-
se na loja da Aguia Branca a ra do Quei-
mado n. 8.
Latas com banha fina
vendem-se na loja da Aguia Branca, ra
do Qaeimado n 8.
Chapelinas modernas,
enfeites de flores, capellas finas para noivas,
ditas brancas e cor de rosa para meninas,
caixos e ramos de flores finas e botoes de
rosa de diversos lmannos: na Aguia Bran-
ca ra do Qaeimado n. 8.
Meias finas para meninos.
A Aguia Branca ra do Queimado n. 8,
-"'"recebeu meias.mui finas para meninos, e
est vendendo as de cores a 5,0000 duzia,
brancas a 5/5500 e cruas a 6|>000.
Trancas de vidrilbos, brancas e pretas, lar-
gas e estreitas.
A Aguia Branca a ra do Queimado n. 8,
recebeu novo sorlimento das trancas cima
ditas, e como sempre vende-as por precos
commodos.
Fitas novas
para cartas de hachareis e a irmaadade do
Bom Conselbo.
A Agoia-Branc?, a ra doQjeimade 0.8, receben
novas Otas achamalotadas para ambos os lados,
mal encorpada e toda de seda, com viva o agrada-
ve! edr, e camo sempre, vende por preco mnlto
rasoavel.
Collares Royer magnticos
Jledalhas e pulseiras magnticas.
A Aguia Branca receben nova remessa dos pro-
vellosos collares Boyer magnticos, ja saturnamen-
te conbecldos para preservar as convulsoes e faci-
litar a deutigao das criancas.
Com esses nteis collares elctricos magnticos
tambem nao peqnenas qnanlidades de medalbas
e pulseiras elctrica.' magnticas caja utilidade
tem sido aproveitada por quem soflre do nervoso
bypocondico, tremores as maos etc.
Assim como os collares Boyer esto geralmente
conbecidos e acreditados pelos efficazes effeitos e
bons resultados que tem colbido as pessoas qne
delles tem nsado ; assim tambem cbegaram a ga-
nbar tao alta reputacao essas apreciaveis medaibas
e pnlseiras magnticas, nma vez que o uso dells
for se estendendo a todos qne del las necessitem. A
Aguia Branca con'.ina a receber por todos os va-
pores francezes nma determinada qnntidade des-
ses sempre precisos e estimados collares Boyer
magnticos e por Isso Bqae na lembraaca de todos
qne os acbarao constantemente em dita loja da
Aguia Branca, rna do Qoeimado n. 8.
\,m ^ mwm%
GRANDE SORTIMENTO
DE
FAZfiWDAS BARATAS
BU
LOJA E'ARMAZEM
DO
-*
Alm do grande sortimento das melhores machinas, americanas para descarrocar
algod5o, de 10, 12,14,16,18,20, 22, 23, 30, 35, 40 e 50, neste estabelecimento se
encontra mais o seguinte:
Azeite de espermacete propria para machi-
nas.
Vapores de forca de 3 a 4 cavallos.
Serras avulsas para machinas.
Mancaos e todos os mais pertences para as
mesmas.
Carros de m3o para aterro.
Gylindro para padarias.
Debulbadores para milho.
Arados americanas.
Carrinhos proprios para armazens.
Moinbos para reflnagao.
dem para milbo.
Escadas de madeira americanas.
Caixas com vidro sortidos.
de todas as qualidades.
Bombas de japyz.
dem americanas.
Ferros para engommar a vapor.
Vassouras americanas.
Baldes americanos para compras.
Tinas de madeira.
Ballaios e cestas de verguinha.
Guarda comidas.
Peneiras d'arame para padarias e rfinacSes-
CorreDtes para almaDjarra.
Machados e facoes americanos.^
Barricas com milho branco americano.
PAYAO
Roa da Iaperatrli 6b
BE
CAMA Je SILVA.
Os proprietarios deste grande estabelecimento acabam de receber da Europa um
grande sortimento das melhores fazendas de 15a, linho, algodo e seda, as quaes vendem
por precos baratsimos, afim de apurarem dinheiro, dando de todas ellas amostras,
aovando ficar um penhor ou mandam-nas levar em casa das Exmas. familias pelos seus
>tm como as pessoas que negociam em pequea escala, ne*te estabelecimen-
mesmos precos que se compram as casas inglezas, ganhando-se
to comprarao pelos
apenas o descont.
'adas
a3
Armazem de fazendas finas para grandes toilette e nso
ordinario para todas as classes.
rna do Crespo n, 9 A. esquina da do Imperador
DE
Custodio Jos Alves Guimaraes.
O proprietario deste importante estabelecimento avisa ao respeitavel publico
e aos seus amigos e freguezes que acaba de receber pelo vapor francez Guienne, di-
versos artigos de moda, os quaes sao de completa novidade papa este mercado, e apro-
ximndole o dia da commemoragao do anniversario do Hospital Portuguez, por isso
apressa-se em vir avisa-los do que ba de mais moderno em seu estabelecimento, como
sejam:
Riquissimas chapelinas com coque. Lavas de Joovin preta, branca e de cores.
Ditas sem elle. Lindos cortes de 15a com barra.
Lindas chapelinas de palha da Italia. (Re-
commenda-se muito estas chapelinas por se-
rem inteiramente novidade).
Riquissimos ciatos de seda, com matamos
cbineza, ultima moda.
Lindas saias de 15 com bordados, proprias
para as excellentissimas senhoras trazerem
por cima do balao, ultima moda em Paris.
Lindos cortes de seda para vestidos.
Moireantique branco, azul e preto, fazen-
da inteiramente nova.
Grosdenapoles de todas as cores.
Ditos pretos.
Leques de madreperola.
Ditos todos de sndalos.
Ditos de sndalo tendo no centro um qua-
dro de seda, inteiramente novidade e ulti-
ma moda.
Chapeos de sol para senhora.
Ligas de seda para senhora.
Ditas para meninas.
Espartilhos para senhora.
Riquissimos enfeites para senhoras, intei-
ramente novidade.
BalSes para senhoras e meninas.
Touquinhas ricamente enfeitadas.
Coeiros bordados.
Toalhas de labyrintho muito ricas.
Rjcas fronhas de labyrinto.
Riquissimos lencos de dito.
Rendas.feicos da trra e grades para* lencos.
Um rico lencol de labyrintos.
Riquissimas basquines de seda preta, bor-
dadas com gosto.
Riquissimos cortes de transparent de se-
da para vestido de senhorastambem novi-
dade.
Lindos cortes de 15 com listas de seda.
Riquissimas fivellas para cintos.
Fil de seda e de linho.
Riquissimas camisinhas para senhora.
Riquissimas saias bordadas.
Punbos e gollinbas para senhora.
RiquissimGS manteletes de cores, inteira-
mente novidade.
Peitos de linho bordados com gosto pro-
prios para camisas de noivos.
Collarinhos de linho lisos e bordados para
homens.
Lindos veos e mantas de blonds.
Riquissimas vestimentas para baptisados
contendo chapeosinho, sapatinbo, meiasinba
e camisinha com lindos bordados.
Riquissimos chales de touquim.
Gravatas de seda branca para noiva.
Ditas de cambraia de linho com bordados
as pontas, novidade.
Chapeos de sol de seda com castao de
marfim.
Ditos de outras qualidades.
Chales de seda.
Ditos de cachemira.
Chapeos de seda preta para homem, -
Ditos de pbantasia para homem.
Casemira preta muito fina.
Ditas de cores inteiramente novidades.
Cambraias, laas, chitas, madapoloes e ou-
tros muitos objectos.
P0TASS4 D4 RUSSIA
A 200 rs. a libra,
de mnito soperior qnalidade : vende-se no escrip-
torio de Oliveira, Filbos 4 C, largo do Corpo San
to n. 19.
ARROZ DE CASCA
Vende-se em saceos grandes a 4J500 : no tra-
piche dojlonba.
Vendem-se asparles dos engenbos Amparo e
Mocoto na fregoezia de Santo Anto, sendo a parte
deste de 2:800$ e a daqnelle de 6:000000 : a
pessoa qne pretender dirija-se a rna da Madre de
Dos n. 14, on no caes do Ramos n. 14.
Farinha superior-
Tem para vender Antonio Lula de Ollveira Ai
vedo dt C., no sed dscrlplorio, rna da Croi n. 57.
Piano,
Vende-se nm bom plano forte de tres cordas: a
lrtar na rna da Imperatriz n. 60, loia.
Cimento
Vende-se cimento Portland : no armazem de
Vicente Fweira da Costa & Filbo, rna da Madre
de Dos n. 25,
Vende-se
No trapiche Bario do Livramento, no Porte do Ma-
tos n. 15, eontlnot-se a vender saccas com {arlaba
de mandioca aos precoi de 3*500 a 59600, sendo
a deste ultimo preco arlnba moli "especial, a ella
antes qne ae acabe. _______
Gomma de mandioca
Desembarcou hontem gomma de superior
qualidade, j da safra nova per preco com-
modo: i mi da Vigario n. 14, escriptorio
1.a andar, nico possuidor deste artigo.
O dono deste importantissimo estabelecimento contina nolouvavel proposito de
querer vender mnito e ganhar pouco, sujeitando-se a tirar em suas mercadorias um lucro
rasoavel, para assim poder melhor agradar aos seus numerosos freguezes.
ATTENCAO
A' LOJA DE FAZENDAS DE AUGUSTO PORTO i L.
11Ra do Queimado11
Angnsto Porto C. acabam de receber da Enropa superiores curtes de seda de cores para
bailes e casamentes.
Ricos cortes de blond con manta e capella para noivas.
Cortinados bordados para camas de noivas e janellas de 7J a 80 eada nm.
Colzas de seda e ontras de la e seda o qne ba de mflthor para eamas de noivas.
Toalbinbas de croch para cadeiras e sofs, espartilhos a sultana para senhoras, camisinhas
com manguitos bordados e lindos enehovaes para baptisados, e baloes de mnsselina e de arcos para
senhoras e meninas.
Lnvas de pellica para homem e senhoras e superiores chapeos de sol de todas as qualidades.
Lia para vestidos baratisslma bonitos padroes o covado a 280.
Tapetes grandes para sof, ditos para piano, ditos para tma e pequeos para poetas e janellas.
Moir branco e preto superior para vestidos de lindos desenbos, grosdenaple de todas as cores
seda de qnadrlnbos. cambraias brancas de mnitas qualidades, ditas de cores e lindas percales.
Basqmnes de seda preta ultima moda, chales e retondei de enipure, vende-se barato.
Camisas para homens francetas e inglezas de linho e de algodo Anas e sroulas de linbo su-
periores.
Capas de borracha, sobretudos e perneiras as melhores e mais elegantes.
Malas grandes para viagens, ditas peqnenas e saceos de tapete e couro.
Bramante branco de 4 larguras^ 2^500 a vara, pannos pretos e ames, casemiras pretas e de
cores tndo bom e barato.
Neste estabelecimento ha sempre nm completo, sortimento de boas fazendas tanto para a praca
como para o centro da provincia e superiores objectos proprios para casamento? como sejam capellas,
manas, vestidos de blondt e de moh branco, cortinados, colchas, vendendo-se tndo- mais barato e
tambem as melhores .
Esteiras e alcatifas para forrar salas. .
IIRui doQneimado-ii
Casemiras pretas eBfestadas a | 6eo.
Na loja do Pavio vende-se superior casemira
enresiada preta para calcas e paletos pelo barato
prego de 1*600 o -covado ou a 2J800 cada c rte
de calca, dita mnito mais fina, covado a 2*200
on o corte a 3*500, ditas mnito finas sem serem
enfestadas a 1*800, 2*000 e 2*500 eada covado :
na loja e armazem do Pavio na ra da Imperatriz
n. 60 de Gama & Silva.
Espartilhos.
Vendem-se magnficos espartilhos francezes e
inglezes na loja e armazem do Pavo, fia rna da
Imperatriz n. 60. de Gama & Silva.
PANNOS DE CHROCHE'.
Vende-se um grande sortimento dos mais boni-
tos pannos de ebrochs proprios para cadeiras, so-
phs, cadeiras de bataneo, para almofadas e para
cobrlr presentes, e vndem-se por precos baratos
na loja e armazem do PavSo, rna da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
FAZENDAS PARA LUTO.
Loja (lo paYo.
Vende-se setim da China preto sendo nma fa-
zenda mnito leve e sem lustro com 6 palmos de
largura proprio para vesUdos e ronpas para ho-
mem pelo barato preco de 2*000 o eovado meri-
no preto entestado muito bom a 1*600, superiores
bombazinas pretas a 1*600, 1*800 e 2*000 rs. o
covado, superior canlo a 1*200, lanzinba preta
lisa a 400 e 500 rs. o covado, nm grande sorti-
mento de alpacas e princezas pretas qne se ven-
dem mais barato qne em ootra qualqner parte, na
loja e armazem do Pavo, ra da Imperatrfa, n
60,e d Gama & Silva. m
As 10 mil varas de cambraias
Covado 300 rs. vara 500 rs.
S6 O PATO
Vendem-se finissim cambraias france-
zas com listras miuda e graudas e com
lindos desechos de fkTes e palmas, sendo
todas com as cores mais modernas e mais
lindas que tem vindo ao mercado, pelo ba-
rato preco de 300 re. o covado ou a 500 a
vara, grande pechincha attendendo a
grande porc3o que tem, sen3o seria para
muito mais dinheiro : isto na loja e armazem
do PavSo, roa da imperatriz n. 60 de Gama
Silva.
Chales baratos
U, 30500, 60 e 70000.
Vendem-se chales de merino estampados
a 20, ditos lisos a 30500, ditos estampados
finos a 50500, 60, 60500, ditos crepon
com listras de seda a 70500 e 80000,
pechincha : na loja e armazem do Pavao
ruu'da Imperatriz n. 60 de Gama e Silva.
Para camas de noivas.
Vende o Pavao.
Ricos cortinados bordados a 8*000,10*, 16*,
20* e 2o* o par ; assim como os mesmos tambem
servem para jaoelias; ditos adamascados a 10* e
12*; bonitas pegas de cassas adamascadas para o
mesmo effeito; bonitos damascos de la de urna
e doas larguras, proprios para colchas, assim co-
rno bonitas colchas de croch : tugu isto se vende
mais barato do qne em autra qualqner parte, na
loja do Pavo, roa da Imperatriz n. 60, de Gama
dt Silva.
Orgaady a 4#ooo.
Vendem-se bonitos cortes de organdy
sendo com listras todas brancas ou com lis-
tras de cores tendo oito varas cada corte,
pelo barato preco de 40, pechincha: na
loja e armazem do Pav5o ra da Imperatriz
n. 60 de Gama e Silva.
Atoalhados para meza a 20000, 20500 e
3'0OOO.
Vende-se superior atoalhado de liho
adamascado alvo com 8 palmos de largura a
30 a vara ; dito adamascado pardo a 20500
rs.; dito alvo de algodo a 20000 rs.; dito
traocado alvo, sem ser adamascado a 10600;
guardanapos econmicos pardos' a 30 a du-
zia ; ditos alvos a 30500 e 40000: isto na
loja, e armazem do Pavao ra da Imperatriz
n. 60 de Gama & Silva.
Fedegoso de Pernaubuco
A planta coobeeda entre nos sob a denomiiu-
?lo de fedegoso, e no Rio de Janeiro e provincias
do sul dtsie imperio pela de crfo de gallo o
liandium uUlisstmum on Uaridium elongalum de
Schum, e o kelulroptum carauadtum de Mart
perteoee familia das boragineas.
O fedegoso considerado, na Iherapenllca per-
nambncaoa, como nma das plantas mais recom-
mondaveis por suas virlndes curativas, e appli-
cado interna e externamente, como calmante do
..I nervoso> D uralysia, astbma, tosso eou-
contra todos os soffrimentos das vas respira-
orias ; sendo um eicelleme Unitivo para aonel-
les qne padecera de phtisica poWr Sua effl-
cac,a contra ttano en espamo meotesS
ncrando nos o qne acabamos de dizer e ai
forcando nos por ser til i homanidade soffre-
dora, preparamos o qne abano indicamos pon-
do a disposlcao dos distinctos mdicos e dos
doentes desta e das ontras provincias deste impe-
rio nossas preparaedes, que sao :
P1LULAS, TIATUBA, XAROPE E V1NHO
DE FEDEGOSO.
Ualeo
deposito
Pharmacia de J. A. Pinto, ra larga do
Rosario n. 10
Vestidos ae tantazia a 60 e 80.
Vendem-se bonites cortes de vestidos de
fantazia com lindas barras e enfeites de seda
pelo baratissimo preco de 60 e 80 na loja
e armazem do Pavio ra da Imperatriz n.
60. De Gama & Silva.
Pannos de linho.
Vende-se superior panno de linho puro
para lences eceroulas a 640, 700 e800
reis, a vara na loja e armazem do Pavio ra
da Imperatriz n. 60. De Gama & Silva.
Bramante de linho a 20 20400, 20800 reis' 5 acaba de ,nsla,lar Pa commodi-
a vara. e ,nteresse ds mesmos.
Vende-se soperior bramante
Fabrica
CERVEJA kflONAL
De Henriqne Leiden
O proprietario deste estabelecimento n5o
poupando esforces nem dinheiro para agra-
dar ao respeitavel publico e seus numerosos
Novo e grande deposito de superior carvo de Cardiffna
Bftftia.
Antonio Gomes dos Santos 4 CL, rna Santa Barbara n. 1, esto habilitados a snpprr le
owvio em condicSes mais favoraveis qne em outto qualqner deposito, a todoa os navios a vapor qne
cmea naonelle porto. A contratar nesU com Domingos Alvts MatheuM
Gasaquinhos de fil.
Vende-se os mais modernos casaqoinbos
ou basquinas de fil preto. pelo barato pre-
co de 160, chales e retondas de renda preta
na loja e armazem do Pavao ra da Impe-
ratriz n. 60. De Gama & Silva.
Cambraias largas com 8 Palmos de largura a
10 e 12S0.
Vende-se cambraias largas da Escocia ten-
do 8 palmos de largura que falicita fazer-se
um vestido apenas com 4 varas, pelo bara-
to preco de 10 e 1280 reis a vara pechin-
cha na loja e armazem do Pavio ra da Im-
peratiz n. 60. De G roa & Silva.
Cambraias escocezas tapadas e transparentes.
Vende-se um magnifico sorlimento de fi-
nissimas cambraias brancas para vestidos
tendo mais de vara de largura pelos precos
de 100,120, 130, assim como um grande
sortimento de ditas mais abaixo de 40, 50,
60, 70 e 80, garantindo-se aos comprado-
res que neste genero nao poderlo comprar
melhor em outra qualquer parte e so na lo-
ja do Pavo ra da Imperatriz n. 60. De
G Damascos para colchas a 50, 20500 e 800 rs.
Vende-se o mais superior damasco com
8 palmos de largura proprio para colchas
com os desenhos mais buoitos que tem vin-
do ao mercado com urna s cor e de duas
cores pelo barato preco de 50 o covado, di-
to com 6 palmos de largura a 20500, ditos
de urna s largura a* 800 reis, na loja do Pa-
vlff ra da Imperatriz n. 60. De Gama d
Silva.
Cassas de urna s cor a 300 rs.
o covado.
Vende-se- bonitas cassas de urna cor s.
tendo cY de rosa e asol; cor delyrio, roa,
verde e cor de canha, pelo barato prefo de
gOO rs. o covado: na loja e ara
Pavio ra da Imperatrin' o.
Silva.
60
do
de Gama &
Oseasaqaiahts de pavit
vv /a 180,20*, 250 e 300.
Cbegaram qs mais modernos casaqoinbos
ou jaquelas de grs preto, ricamente enfei-
tadaj sendo uns com cintura \ outros sol-
'orme se usa ltimamente e vendem-se
baratos precos de 180, 200,250 e
.na loja e armazem do Pavio, roa da
Imperatriz n. 60. De Gama & Silva.
de linbo
com 10 palmos de largura proprios para
lences, pelo barato preco de 20, 20400 e
208OO reis a vara, na loja e armazem do
Pavio ra da Imperatriz n. 6Q. De Gama
di Silva.
Algodlosinho enfestado a 10 10290 reis a
vara.
Vendem-se superior algodlosinho ameri-
cano enfestado que a largura delle d a lar-
gura do lencol, sendo liso a vara a 10 e sea-
do trancado a 10280 na loja e armazem do
Pavio ra da Imperatriz n. 60. De Gama &
Silva.
Punhos e golinhas a 10000 o par,
s o Pavio.
Vende-se um grande sortimento dos mais
bonitos e modernos punhos com golinhas,
sendo de esgoilo de linbo bordados a 10000
o par, ricos manguitos com gollinbas de
cambraia tapada e transparente a 20000 o
par, E' pechincha ; na loja e armazem do
Pavio ra da Imperatriz n 60 de Gama &
Silva.
Calcinhas pera meninas a 640 e
800 ris.
Vende-se calcinhas bordadas para meninas
que andam na escola pelos baratos precos
de 640 e 800 rs., manguitos para as mes-
mas e para senhoras pelos mesmos precos,
na loja do Pavio ra da Imperatriz n. 60,
de Gama & Silva.
Baldes de cauda.
Vendem-se as mais modernas crinolinas on ba-
ldes proprios para vestidos de canda, sendo os
melhores e mais modernos qne tem vindo ao mer-
cado e por presos mnito razoavels : na loja e ar-
mazem do Pavao ra da Imperatriz n. 60, de Ga-
rra & Silva.
LSas transparentes.
Chegaram as mais modernas barejes ou lasi-
nbas -transparentes com bonitas listas de seda,
vendem-se na loja e armazem do Pavo ra da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
casaquluhos para senhora
Chegaram os mais modernos casaquinbos on ja-
quetas pretas ricamente enfeitadas sendo com cin-
tura e sem ella, pelos precos mais mdicos que em
outra qualquer parte : se vendem na loja e arma
zem do Pavo rna da Imperatriz n. 60, de Gama
& Silva.
Baldes a 4 &oo e 3.
Veode-se nm grande sortimento de crinolinas
ou balSes de arcos para senhora pelos baratos
precos de 2*, 2*500 e 3* por ha ver grande por-
cao : na loja e armazem do Pavo rna da Impera-
triz n. 60, de Gama & Silva.
Hadapelo e algodo
Vendem-se superiores pegas de madapolo ten-
do 24 jardas cada nma pelos baratos precos de
6*, 6*500, 7* e 8*. dites francezes fazenda mnito
superior em pegas ou a retalbo, algodo muito en-
corpadb pecas com 20 jardas a 5*500, 6* e 6*i00,
dito mnito floo qoe serve al para camisas a 8* :
na loja e armazem do Pavo ra da mperatris n.
60, de Gama & Silva.
Novidade do Pavita.
Alpacas, a 1280
Chegaram as mais brilbantes alpacas de
seda para vestido, sendo neste genero o mais
bonito que tem vindo ao mercado tanto em
novidade de dezenhos como em flores, pois
urna nova fazenda que se confunde perfei-
tamente com seda tendo entre ellas algomas
todas brancas com os mais lindos lavrados
e vendem-se a 1280 reis, o covado, na loja
e armatem do Pavio, rea da Imperatriz n.
60. De Gama & Silva.
As alpacas do Pavo
para vestidos a 10.
Chegou um grande sortimento das mais
bonitas alpacas lavradas, de cores que se
vendem a 10 o covado, ditas a 800 reis,
ditas lizas de todas as cores a 640 reis, que
se vendem na loja e armazem do Pavio, rna
da Imperatriz n. 60. De Gama & Silva.
vestidos brancos
a 40, s o Pavio.
Vendem-se bonitos corles de vestidos de
cambraia branca com bonitas barras tendo
entre elles tambem com barra de c-r e ven-
dem-se pelo barato preco de 4# eada um,
na loja e armazem do Pavio. jfaa da Impe-
ratriz n. 60. De Gama & Silva.
Grande novidade
Vestidos a^0
si na loja do Patio.
Se vendem os,jxiats r icos cortes de organ-
dy branco cem elegantes listas largas, pre
las lenda-40 varas cada corte com os com-
petenurs nfeitos para o corpo sendo neste
gene/o o que tem vindo de mais-novo ao
mercado, pelo barato preco de 60, s na
loja e armazem do Pavio, ra da Imperatriz
a. 60. De Gama A Silva.
Chales a Benoiton a 50000 E 60000
na loja do Pavo-
Cbegaram os mais modernos chales Be-
noiton, sendo de urna s cor com bonitas
franjas de pelucia, e tendo entre elles as
cores mais modernas que teem vindo a este
mercado e vendem-se pelo barato preco de
50 e 60060, ditos a Isabel la que supprem
mui lo bem os caxins e vendem-se pelo
barato preco de 70000 rs. garantindo-se
que n'este genero o que ba de mais novo
no mercado e mnito decentes para qualquer
senhora uzar: vendem-se na loja e armazem
do Pavio, roa da Imperatriz n. 60, de Gama
6 Silva.
CARNAUBA.
Vende-se* cera de carrAba em saccas,
sendo de superior qualidade na loja do Pa-
vio, ra da Imperatriz n. 60 de Gama &
Silva.
Um deposito cen na roa da Impera-
triz n. 32
Aonde encontrarlo sempre nm variado
sortimento quer em grosso quer em retalbo
dos gneros seguintes :
Cerveja nacional branca e preta.
Vinhos finos e outros de Franca e Alle-
manha.
Absyntho Suisso.
Kerschenwasser.
Cognac.
Vinagre branco e tinto de superior qua-
lidade, tambem tem deposito de agea e li-
monada gazoza da fabrica do.Sr. Jules Gros-
jean.
E tudo sem differenca no preco que se
fechou na fabric
Qoalquer ncommenda que fr enviada
ao deposio ser inmediatamente apromD-
tada remettidaaodo eiciliodo comprador.
0 cordeiro providente
Na antiga loja de miudezas a ra de Quei-
mado n. 16.
O cordeiro previdente se nfana de ter o seu ap-
parecimento no sempre memoravel dia 7 de se-
tembro. Elle cumprimeota ao respeitavel pnblieo
em eral e a cada um cidado em particular. O
cordeiro previdente nao se inlromettera' em estra-
nbos e albeos negocios, restringindo-se apenas ao
que diz respeito a miudezas em cuja antiga loja n.
16 a ra do Queimado permanecer' esperando
de todos suas valiosas protecedes observando elle
alm de sua costomada mansidao, condescenden-
cia e agrado. Na loja do cordeiro previdente en-
contrado os pretendentes sempre e constante-
mente completo sortimento de miudezas, finas per-
lumarias, luvas de pellica, objectos de moda e
pbantasia e outros moitos qne enumralos se tor-
nara enfadonho, notando-se entre elles os que
abano vo mencionados, sendo por todos reconbe-
cido a commodidade dos pregos:
Albuns de diversos tamanhes e qualidades para
retratos.
Cbaposinbos e sapalinbos para baptisados.
Coques simples e enfeltados.
Leques de sndalo e ontras qualidades.
Voltas de relroz com cassoletas obra moderna
Gollinbas e punbos para senhoras.
Bico de linbo a imitaco de do palz.
Carlelras com finas agnlbas.
Modernas chapelinas e enfeites pm senhoras.
Lionas para crochet.
La para bordar.
Finos espartilhos para senboras.
Leques de diversos gostos a l.
O cordeiro previdente.
A roa do Queimado n. 16.
Vende os seguintes oojectos constantes do varia-
do sortimento abaixo declarado :
Collares eletricos magnticos contra as convul-
c5es.
Bonitas abotoaduras para cohetes.
Coiarinbos modernos.
Finas navalbas cabo de marfim.
Escovas macbeotadas e ontras qualidades para
roupa, chapeo e cabello.
Bonitas caixas para rap.
Tinta aznl e preta para escripia.
Dita preta para marcar roupa.
Finos caivetes para aparar pennas.
Lapis com canela de osso 1
Ditos de cores para desenbos.
Bonitos iioieiros de longa e vidro.
Fixas para solo e volUrete.
Borrachas para atar papis e segurar punhos. "
Dita para brinqaedo de enancas.
Bolas de borracha.
Lindos maracaes.
Para offerla no hospital por
tngnez.
Bonitas cestinbas com frnctas de cera, obra de
maita pereico e bom gosto.
Para cortar moldes e embrulhar fazendas
Vende-se papel pardo folna grande.
Para lastrar calcados.
Vende-se superior graxa econmica.
Vende-se papel para matar moscas.
A loja do cordeiro previdente
- Ra do Queimado n. 16.
Nella acbarao os pretendentes um grande e va-
riado sortimento de perfumaras finas, tanto ingle-
zas como francezas, sendo:
Finos extractos para lencos.
Banhas e pomadas para cabellos.
Oleo pbllocome e baboza para dito.
Pos bygiemcos para dentes.
Ditos campborados para ditos.
Opiata ingleza e fraocea para ditos.
Pacotes com pos de arroz.
Vasos de porcelona para ditos.
Sabonetes para mi e barba.
E moitos ootros objectos qne serao presentes
ao comprador qoe se dirigir a roa do Quelmadc
n. 16, loja do cordeiro providente.
fjan'eijas pequeas.
Vendem-se na rna do Queimado n. 16. loja do
cordeiro previdente.
Charutos
da acreditada fabrica de Jos Furtado de
Simas.
Vendem-se na loja do cordeiro previdente a rna
do Queimado n. 16
Este estabelecimento acaba de receber lindas
chapelinas para senhora, ricas calxinbas para eos-
toras, ditas para joias, peales donrados para coco,
fiveas muito ricas, assim como cintos e pnlseiras
da ultima moda de Pars, entre-neios e babadfnbos.
bonitos toueadores donrado? e da Jacaranda, espe-
Ibos escossezes de diversos tamanbos e ricos cai-
vetes para senhora, volias para pescoco, gravan-
nbas: bico de seda, dito de algodio, labynntno, e
moitos ontros objectof de apurado gosto, que se
torna enfadonho mencionar, tnoo por precos mni-
to commodos: a' roa da Imperatm n. 70, na loja
da Lealdade._____________________
~Vende se nm mnlatnno de idade de 12 an-
nos-liuda figura, bom copeiro, habituado ao servicc
de casa, sem vicios e bem educado :* rna do Hos-
picio defronte da casa em que foi o gymnasle na
pennlUma casa junto ao canal; os pretendentes
podem ir vello das seis as nove horas da maosa,
*o das tres as seis da tarde.______.__________
~Cal de Lisboa nova.
Vende-se a roa do Apollo a. V
1


lario e mmamhMf Segunda leira l de Setembro de 1867.
....._________~ -!..- I ------------------------------. II -------------------------------
RUADAS CINCO PONAS N.86
AO GRANDE ARMAZEM
DAS
u
MERICiS.
re barato
Nanteiga
Ingleza flor a 10, a libra e a 5oo rs. soffrivel e propria para tempero a w> re
dem fraoceza a 56o rs. a libra.
Cha .
De primeira qnalidade a 2i$8co e proprio para negocio i#6oo a libra.
Bisco i tos
Inglezes pearl, nic-nac oval, cracoel, e outros superior** a l#.lo a i*-
FigOS
A24oreia.aUbra.
Gomoaas
De milbo branco a 4o> reis a libra, de araruta verdadeira propria para alimen-
tar enancas a 5oo reis a libra o caxinhas com 4 libras por menos, gomma do Maraoso
a 16o rs. e tapioca sag a 24o a libra.
Chocolate
Superior rl#, a libra.
Doces
De goiaba em latas a liJSoo em caixa de 4 libras, maito fino a 106oo, "era oaixoes
de 2 libras a 5oo t32t.v
Pelxe
Em latas a Ijjooo reis a libra, sortido em qaadades.
Ostras -
Amejca.aie|oio,rs. a UU.
Baldes e Vassouras
Americanas, a 8oo reis cada peca.
Touclnho
De Lisboa a 320 reis a libra.
Toma tes
Em latas a6oo-rs.'
' Sa!
Refinado em lindos postes por 5oo rs.
Rirshs de Wasser
A 2)Jooo a garata.
Vermoath e Abssatho
A1,-5oo a farrafa.
Bittcr
A l)?oooagarrafa.
De bordeaos superior, Saint Estephe, Saint Julien, Saint Emiti a 7Jooo a dona
e64ors. a garrafa.
TInho
Do Porto fino a 14#ooo a duzia e 105oo a garrafa e magnifico tarabea a em bar-
ril a 8oo a garrafa.
Duque do l'orto
Adamado e ootras marcas a 9oors.a garrafa e lo| a duzia.
TInho da Flguelra
O que ba de melhor a 40; a caada'de Lisboa a H e 4J a fMrew*i
Vinagre
De Lisboa a 2oo e 28o rs. a garrafa.
Farello de Lisboa
Saceos com 9o libras a i->5oo..
Cerveja
Franceza em gigos de ama duzia a 6$.
Ingiera
Bass verdadeira a......T. e Victoria e Alssop a 5oo reisa garrafa
OMOURODEVE
Ao respeitavel publico tei?fialflHW^wbrse
f. AtlenyQ
Hauteiga iigleza
320, 500, 800 e 10 s no armazem se acha avista.
Manteiga franceza
em linras 560 e 640, em barris se far differenea.
Banhadcporco
em libras 320 e 380, em porcio se far differenea.
Fructas
em calda Pera1, Pecego, Rainha Chradr, Alperxe e outrae^Hiitas 500 e 640 a lata.
Ervllhas
Portugueza8 640, francezas 900.
Fumo
em latas do Para e de albaneque, lata 10 e 10200.
Gomma de inllho
em pacotes, dita da trra 100 e 200 a libra.
TInho ... ,
de Bordeara em caixa a duzia 50, garrafa 500, ditoe 80 a duzia, 800 a garrafa, aito a
140 a duzia, 10200 a garrafa, dito do Porto a 80,120,180, 240,cakas de duzia, a&
como flgueira caada 30500 e 40, paro J
convida.
PH4BH\I4
DE

\

Joaquim de Almeida tinto
jurubeba contra o ingorgi
tamento do figado e do ba/o
Em extracto alcoolleo, emplas-
tro, oleo, tintura, pilulas,
xarope e vlnho
A jurubeba ama das substancias medi-
\k'\u9Jnn Wiu7u5QQ~aaoaUdade'camentosas" qoe pertencem ao reino vege-\
A A Lisboa )0, 30 o ^ e pertence a classe dos loniow deobs. ,
truentes, sendo empregada com vantagem
contra as febres intermitentes aoompaahada
de eDgogitamento de figado e de bao. Ella
tem sido applicada cora incootestavel pro-
veito contra a anemia oa chlorose, e hydro-
phesia, catharro da bexiga, e mesmo para
combater a menstruaco difficil, resoltante
dajnesma "anemia ou chlorose*
Depsitos geraes
Em PerMsflbuco, ra larga do Rosario
do Sr.
acisco Jos Qenaann
RA NOVA N. 21 i
acaba de receber um lindo e magnifico Mf
timento de oculos, lunetos, binculos, do al* '
I timo e mais apurado gosto da Europa e ocn
los de alcance para observares e;para
martimos; i
Fundira a Aurora em,
Sania Amaro
Cempleto torlIioMto ie taixas batidas fojM. '
das, alambiques d todos os lmannos a fondo**
ditos, uioendis de todos os Wmsobos do sopertor
qaalidade, crivos e boceas de foroalha. o que lodo
se veBfle por commodo prey. |
Vapores.
Vende-se ara eaaa de Sawders Brothers & C.,
o largo do Gorpo Satto 11, vapores patentes
om todos os perteoces proprios para fuer, mover
es oa ajutro machinas para desearogar algodio
.y c,


'

em lata de 5 gaKJs e maispequenas a,voatade do comprador,.em gVE*t>
Alpiste
140 i 0 a libra, painco a 100 a libra.
Azelte
em garrafas a 800 e 10.
CHARUTOS -
em caixa de 50 por 14, ditos Delicias, Trovadores o Parisiense m-caixa de 1W, ditos
da ExposicSo caixa 50, ditos de RegaDa caixas com 100 a 20500 e outras omitas marcas
que s na presenca dos compradores. _.
PREZUntOS a- 10 nWe* Janeiro, pharmacia
de lamegoem barril, ditos de fiambre o melhor que hanomerM,kW^^q"*ft*^
DOCE DE GOIABA-*- Claudia no Havre, pbarmacia de Mr. Ma-
caixoes de 560 fino, ditos de 10500 que parece marmellada, dit<*em latas muito fina rical, em Lisboa, oa pbarmacia do Sr. Fej.
qualidade a 10200. MCEOS Sedas largas
com doce secco a 10 e 20.
QUEIJOS
do Alentejo em latas chegado pelo vapor Oneida, ditos Flamengos e Pratos dos mais novos
que ba no mercado.
AZEITONAS ___ ^
de elvas como no mercado n30 temos a
melhor.






J Un? mi
fm h M*
f\ i m Wk
4. m m. .^ .am
INJECTION BROU
" UTCtralca lulaUtrel c PreMf-vaMVB, ifcMliiliiwi uto* mm oaM tak ataum kdiT*. Veod
tu prindH boUe* bdmU. (Eiifdr a ImUh>i 4 Mil. (M om i i
u *mm aao, >i*m Mhmh. w
f.O
f
n
TT
i
xmz

T ..'
PREPARACES FERREAS-MARGABICA
n
iPPROVXDAS MU ACADEMIA BB MBDICINi
DE BURIN DU BISSON
PkraauM, ktrnit pela IcaJenia de ledkiu le Para


i
0 eminente professor Trousseau, na ultima edicSo de sen Tratada d$ Thero-
peutiea e Materia medica, reeenhece e^ie os ferniginosos simples sSo mmlas
vezes inefficazes para curar as molestias que trem por causa o empobrec memo
do sangue. Muitos mdicos dps mais dislinclos attribuem esse m o xito a ausencia,
n'essas Dreparacoes, o manganese, que se acha no sangne, como o tem reconbecido
es chimicos os mais peritos, sempre ltimamente unido com o ferro.
B' pois, prestar-seum verdadeiro servico aos S,u Mdicos, o chamar-se sua tltencSo
sobre m preparaces seguintes.
gn
BOCETAS kii0 covado
Sd na leja d^pav.
Veodem-e modernisslmas sedas com largura
de chita franceza, sendo com padr5es modernos,
tendo entre ellas cores proprias para qaem est de
lato : vndese pelo barato pre^o da 2 o covado :
grande pechincba : na loja e armazem do Pavao,
10 a lata, em barris do Porto a 10 como nao ha rua da imperatr n. 60, de Gama & silva.

Em liquidadlo.

Roupa feita nacional.
Vende-se, calcas de casimira a 50, 60 e
0 proprietario destes dons estabelecimen- I
tos toado muita fazenda em ser e desejando I
liquidar para vender mais barato que pos-1 venae-s calcas de casimira
sivel oa roa da Imperatrizlojas Trameosi% Prfs ^{de m" ^SSi ffi
da Arara, ns. 56 e 72. ie Jfe d'ta* f b.r,m ParJ a,? g> Q24nn
. ... ,e 20500; ditas brancas de lmho a 3^500,
Alpacas admascadas para vestidos de senho.'- u. naIitnts rtfi ,asim ra nrP.ta e d ao-
ras 500 e 720 rs.
140 e 50: palitots de casinrra preta e de co-
res a 50, 60, 80 e 100; palitots de meia
Vende-se alpacas de assento braoco.com'casimira a 30, 30500 e 40: palitots de al-
listas e flores lisa e admascadas proprias paca de cores e branca a 30500 e 40: palitots
para vestidos de senhoras a 500, 720 e 800 (de brim de cores a 2#50Q, 30 e 20: serou-
rs. o covado rua da Imperatriz lojas da Ara-: de algod5osinho de lioho a 10600, 20,___
ra, ns. 56 e 72. 20500: rua da Imperatriz lojas da Arara
Ditos 160 o covado. (ns. .56 e 72.
Vende-se ditos em retalhos a 160 rs. o Organdis de cores a 640 rs. a vara,
covado, ditos em peca a 200 rs. o covado: Vende-se cassa organdis de cores a 640
retalhos de caca preta a 120 o covado: re- e 720a vara: talataoa de cores a 800 rs. a
talhos de caca de cores a 200, 240, rs. o co- vara: rua da Imperatriz lojas da Arara ns.
vado : retalhos de lasiohas a 160, 200 240 56 e 72.
1
mngameos
dando immediatamente ama agua, acidulada,
gazoza, agradavel, subsUlumdo com vantagem
eetnomia as aguas mineraes ferruginosas.
Fillas e larope de iodureto de ferro e de manganese inalteraveis
eontendo eada ama cinco centigramos de iedureto de ferro manganiep indicadas
particularmente as molestias Tymph&ticas, escrofiriosas, e as chsmidH esa-
croMs e kskercalosM.
receitadas especialmente
para a chlorosis, a ane-
mia, a leucorrbea, a ame-
norrhea. A inaicacio de
alterna* estas duas preparaeoes d os memores resaltados.
0 f iorin da Bnisstn desajando obter adhesfo completa do pubtieo medico a
crea do valor de saas preparaces, previne qne elio as pOe gratuiUmente a su
dispoticlo, dirigendo-ae; ______- -
!te Ptnumbuce, a sen geme geral, Mawnr G, pharmaoeatieos, ni* Novn.
MBM ........ ...........-... i M
swaw wwiijiiiKMii
Draies de lclalo de ferro e de manganese
Pilulas de carbonato frreo manganico
Vende-se na pharmacia de P. Maarer & C, rua Nova.
'-
rs. o covado: rua da Imperatriz lojas da
Arara ns. 56 e 72.
Brim pardo transado a 560 rs. a vara.
Vende-se brim pardo com peqneno toque
de mofo a 560, 640 rs. o covado: rua da
Imperatriz lojas ns. 56 e 72.
Lazinhas a 200 o covado.
Vende-se lasinhas para vestidos de se-
nhora a 200, 240, 280; 320, 340 e 400 rs.
o covado : na rua da Imperatriz lojas da Ara-
ra n. 56 e 72.
Chitas francezas
MadapolSo a 40000 a pega.
Vende-se pegas de madapolao com 20 va-
ras a 40, 50, 60, 70, 80 e 100: rua da
Imperatriz loja da Arara ns. 56 e 72.
Casimira emfestada a 10 o covado.
Vende-se casimira enfestada de duas lar-
guras a 10, 10600 e 30 o covado panno fi-
no preto a 10600, 20, 20500, 30 e 40 : rua
da Imperatriz lojas daArara ns. 56 e 72.
AlgodSosinho a 30 e 40 a peca.
Vende-se algodSosinho a pegas de 30, 40,
50, 60 e 70
Corles braucos
ASOOrs.
Vende-3e bonitos cortes de cambraia branca com
bonitas barras bordadas e tendo tarobem algons
com bonitas barras de cores ; vende se Dlo bara-
to preco de 55, na loja e armaiem do Pavo, roa
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Alpacas de cores
A500rs.
Chegaram as mais boniias alpacas de cores para
vestidos com desenhos miados e graudos, tendo
largara de cblta franceza, e vende-se pelo barato
prego de 503 rs. cada covado s grande pechin-
cba : na toja e armazem do Pavo, rua da Iajpe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
Bramante a 2$.
Vende-se superior bramante de liobo alo com
18 palmos de largura, pelo barato prego de 2 a
vara : na loja e armazem do Pavo, rua da Impe-
ratriz n. 60, de Gima & Silva.
Algoio avadado
Vende se pegas de algodo largo muito encorpa-
do, pele barato prego de 5500 a pega : na loja e
armazem do Pavo, rua da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
Retalhos
Vende-se urna porcao de retalhos de chitas e ca-
gas pretas, por prego barato, na loja a armazem do
Pavo, roa da Imperatriz.n. 60, de Gama & Silva.
Sedas a 320 rs. o covado
Vndese um bonito sortlraento de sedas de lisias
que sempre se venderara par maito mais dioheiro
e liqnidam-se pelo baratissimo prego de 3J0 rs. o
covado, s para acabar : oa loja e armazem do Pa-
vo, rua da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
TERD19120,t W$
: IISIIIIKT, oAeUt-Vd.rl .'..-
JUu m St>ato; St/:*; PCMa I
. ... ..

rwiinn-i,vt-fTr-..-mcnac:jcur.ii t KT?r
Km <-aeiStr que U-ia iutu .utte, uui, ,l;. ,:,u,;r..- ^*iv
relio com o.Sl'd lai-t;.if_ do en.. .-, tr^z;;z.
Q. K,~ r rtr
'/CdSty^*''*") d- l ''1 Uto
j(,_ u",JTrr^ urtV.r:,^.,..,'*!,
DOCTEU-M"c^^-^ Jjf ; ";.'; ''1:
PHAfi.IAGlEK/ *>*>'"*
JiT

'"tPiaraiuc!:i especial horneo-)}
pathlca do Dr. Sabino O.zt
S L,. I Main 9
Cha de Ia sorte para oso das *
pessoas que se tratam homeopathi-
jH camente.
gi Vende-se em pacotes de libra a
y 30200 rs.
Rua Nova n. 43.
Deposito na pharmacia deP.Maurerj
C. em Pernambnco. .__________
XAROPEDSPUKATIVO
DE CASCA DE LAItANJAS AMARGAS
COM IODRETO DE POTASSIO
DE ]
J.P. Laroze.
pharmacentlcoem Pars
O ioduretodepotassio um verdadeiro al-
terante, um deparador de incontestavel effl-
cacia; combinado com o xarope de cssoa de
laranjas amargas, aturado sem pertubaco
alguma pelos temperamentos os mais fracoi,
sem alterar as funccSes do estomago. As do-
se- maibemalicas que eUeiContem permittem
aos mdicos de receital-o-para todas as com-
pleicoes, as affecces escrofulosas, tubercu-
losas, cancerosas e nos accidentes intermit-
ientes e terceiros; alm d'isso, o agente o
mais poderoso contra as doencas rneumticas.
Deposito em todas as pharmacias e casas de
drogaras no Brasil.
Expedicoes, em casa de J. P. Laroze, rae
des Lions-St-Paul, 2, Pars.
A' venda na pharmacia de P. Maurer &.
C.*, rua Nova n 25. _______________
P^s^SSTRa Viyienne, D
AS ENKI-HMIDAHAS DES SEXUAES, AS AFFSO
COKS CHTArw.A- K A VTERAgOES DO SANGU.
3Kp^83|3SJJ 30.000 curasduimyingeni,
ir-?(>lAi'}.~ ;S mstulas, heqics. tarna^
* r.Miixocs. acrimonia, tutm
ws^v,* \4k' ? cifjct.viciosasdosangu*!
i'tnu, t alterafoei do ianm
a peca rua da Imperatriz lojas
largas a 240 rs. o covado.! da rara os 56 e 72.
Vende-se chitas francezas largas a 240,
280, 320 e 400 rjs. o covado: rua da Im-
peratriz lojas da Arara n. 56 e 72.
Mosambiquo a 400 rs. o covado.
Vende-se mosambique com palmas de se-
das para vestidos de senhoras, a 400 rs. o
covado: e vareja de listas para vestidos de
senhoras, a 280,320 rs. o covado.
Sedas escosseza com quadros para vestidos
de senhoras, a 280 320 rs. o covado: rua
da Imperatriz lojas da Arara ns. 56 e 72.
Arara vende as saias 30500.
Bramante a 2$ 100 a vara.
Vende-se bramante de 10 palmos de lar-
gura a 20400 e 20500 a vara: rua da Im-
peratriz lojas da Arara ns. 56 e 72.
AlgodSo enfestado a 10 a vara.
Vende-se algod5o enfestado de duas lar-
guras a 10 a vara dito transado 10280 a va-
ra : rua da Imperatriz lojas da Arara ns. 56
e72.
Cassa franceza a 240 rs. o covado.
Vende-se cassas de cores para vestidos a
210, 280 e 320 o covado, veodes-se cortes
Vende-se saias bordadas para senhora a I ^ cambraia de crese com barras a 20500,
30500, 40, 60 e70,saia balo ou crinolinas!?* e 3^.00: s Das'Jas da Arara' rua da
de arcos a 20, 20500 30 e 30500 : rua da nperatm ns. 56 e 72.
Cortes de 15a de 14 covados a 30.
Vende-se corles de 13a para vestidos de
senhora com 14 covados o 30, 30500,
Imperatriz tojas da Arara ns. 56 e 72.
As sedas da Arara 10.
Variado sortimento de moderaos chapeos ccbapelina: de seda, de fil e de palha de Italia,
para senbora e menina.
Superiores tiras, bordadinbose entre melos birdados im cambraia tapada e transparente.
\a leja das columnas & roa o Crespo n. 13
E
/
A
^*
Oorreia de Vasconcllos & Companhia.
NOVO DEPOSITO
r~
%E
-:l

Vende-se sedas de quadrinhos e com lis-
tas a 10, 10200, 10600. 10800 e 20, o co-
vado : punelioas de seda com palmas saltos
para senbora a 106CO e 10800/grosdenaples
decores a 10800 e 24, dito prelo a 10600,
10800 e 20: rua da Imperatriz lojas da Ara-
ra ns. 56 e 72.
40500 e 50, vndese cortes de calcas para
homem a 800, 10,10OO e I 600, colari-
nhos de linho para homem 400 e 5(0, ditos
de papel a 500 rs. a duzia, goliohas para
senhora a 200 e 320 rs. por estes precos as
lojas e armazens da Arara, rua da Impera-
triz ns. 56 e 22.
------------------1
Hsjpp

TMTAMENTO ECHADLE, u PARS
, Medico* euoclla ~
vLSO A0S00ENTES.
Jiah.
Pui DESCAROCAR ALGODO
Manoel Bento d Oliveira Bragas
53Raa Dlrclta n^^53
i -
Neste -estabeleciraento se encontraro a
verdadeira* machinas americanas chegadas ltima-
mente, osquaes sao feitas pelo mais afamado fa-
bricante da America, por isso avisa a todas as pes-
soas que pcecisaremoeaprar de se dirigir'a este
e6tabelecinaemo i qne comprar5o da' mais perfeitas
ste genero, assim como 'mais barato do que em
outra qualquer parte, por issa que se reeebe por
conta propria, bem como canoid*<;humbe eanoi-
nhos para moer abo, $rwfomxtuau>to ragens e miudezas* em grosso e a retamo, js i
Facas de cabo Orajiet/ demeio balanco a '<#
*t&uia, liatwfina dentlos os 1amibos-proprias
do tratlho'tesjttistara.
Medico, c|)t^Il, coiiHulla^Aet, Ste, rua V'lvlen
Eis aqui que de todo o* paizes un crande Homero ae
ewreTem:
>' Nao toa ca-
rado, tomei Cn-
beba, Copaaibi
sob todas as
formas em opia-
to, capsula*,
eonfeltot, trabo
a estomago per-
diilO nao estou cnradoY (Vi e abusei d|um,grandc nuiucro de wacfAO, que pretendis
curar em adas, t sttu simia bms ^oentes. ,.S)i
UA I1A1S|0 tvvos
que auto Mdicabaeitc: sem recabidas, Cor rmenlos, Relaxacdo do canal, Ctmrrho 4 aacifa,
Perdat teminaes, curando primeira a causa virulenta inOammatoria d'esi
com algums vidros do meu dkpcrativo do saagle par
canal a lhctornar a dar soaira|ieVs'ax>u para acabar meuexcel
femi* et miuka inj
o DMasN tnUnento
essas doenca saxaaes,
parar ssas afeaeaa, taccar o
lente xabopb ao citkato nr
uECf ao. A cura t radical, as ulnuohis para os Huios sraacos, tegucm
. [Vja-te noticia expHcatiu*.)
40.000 DOENTES CURADOS
Ve# pnrtM, aan*, ckuomt t a^acpoai aturaos, hnmofes, e todas udaeocas aae alterlo a parea
do samrae seo curadas esa paueo tmpo par mea xamopb aarcatTivo ao uasdi sw
ianboi Mitflsiu, mita HUBLti depcatitas t ninha Pommada AHTi-ATmoa*.
essoa. Essa eicaUanU tnUsMato ada cootts^aarcah^ os suaeriondada a kasi oaaaatU ti
PmPmrit.ttntuU**n4 Matar Chak tpor,
iwtu
Vuid^ftw^oatota .SW* fharmaeia franceM.de
MJttWERlC.
Ps"'
Cal de Lsoa
Vene-se no armazem de David Ferreira Bal-
tar ruado Bram n. 66._________________________
Hadclra de sicuplra.
Vendem-se 155 paos de slcnpira, qae se acbam
depositados do estaleiro do Sr. Joaquim Antonio
Rodrigues, na rua do Brum, onde podem ser exa-
minados pelos pretendemos; a tratar na iravessa
da Madre de Dos n. 11.
__Vej3de-se um prelo possante e mo^o : na rna
rua do Rangel n. 9, ou troca-se por om que seja
cozinneiro. _______^_______
GRANDE .
5
Tendo de se liquidar a loja de calgados da rua
do Imperador n. 32 :
Borzeguhs de Melli...... llVSS
Ditos de Suzer....... 8*000
Ditos de diversos fabricantes. owuu
Sapat5es de bezerro Suzer..... **2Sn
Borzeguins para meninos e meninas. ^*?2S
Ditos ditos ditos....... 25O0O
Borzeguins de lastre par nontens
(Suzer)......... 700O
SapalSes Melli....... 7*000
Borzeguins cordvo...... 8*000
Perfumarlas do fabricante Lubin e
Piver por menos prero que em ou-
tra quarquer parle.
Botas para montara.
Perneiras e gaarda lama.
Sapatos de tranca para meninos. 1*000
Sapatos de conro de lastre com salto
para senhora.......
Defronte do palacio episcopal, casa a. 15, se
vende om remedio especial para molestia de pal-
mes, sangue pela boca, losse aguda, brooebites, e
outras molestias qae atscam o paito; tem este re-
medio feito eoras milagrosas; assim como banba
especial para criar cabellos e segurar a%raizes,
conservando a cabega sempre fresca e sem caspas.
Atten Vende-se nma mobilia de Jacaranda' a Luz XV
e juniamente' urna de amarello no mesmo gosto,
sendo estas obras maito solidas e segaras, e por
preco rasoavel : na acreditafla casa de marcioei-
ria 1. roa da Gamboa do Carrm n. 12.
". '. 1.1 "
Vendem-se as casas terreas ns. 7 e 9 da rna de
Moloeolomb, tendo cada urna 2 salas, 3 quartes,
cozinba fra, cacimba e um pequeo quintal mo-
rado, em chaos propHos ; a tratar com o agente
Martin oa roa do imperador n. 16.
Para padaria
Vende-se orna masseira em bom esiado ; na rna
da Semla-ve!ha n. 84.
g.-e (Xarope vo^clal hi mercurio). Depurativa*
"sus BrsfJu .ii.\::rii:n tomao-se doas
por semana, segoindo o iractameuio Depurativo.- 4
empragiuie nas mesmas molestias.
igualmente os Puxose por
Manca as luullv.'.res.F.sta njeccao benigna ea
pregi-se com o Xarope de (Utracto de Ft-rro.
KemsrraidjM. fumada qua a cura em ires das.
POMADA ANTIHEnPETICA
Contra 1 as affeccott cutnea* s comixott.
PILULAS VEGETAES DEPURATIVAS
de D' Cboble, cada ra-.co val accompabade ds tal
stealo.
;;CS
S8S, MDICOS.

(iura catarrhot, tesu
coQoctaches irritafOM
nervosas sas dos bron~
- Vd'i Mise toda, as dtncat
-: HAk.iJ.i1 ,1o peito; basta ao doenta
. .: nih.txi iIctw xaiope D' Forcet.
-na \i-.r.i. c.u l'ii'ii. rma Vlvleoae, OOK
A venda na pharmacia de P. Maarer 9
e C, em Pernambaco.
GAZ GAZ GAZ

Cbegoa ao antigo deposito de Henry Forster 4
C., roa do Imperador, um carregamento de gaz da
primeira qaalidade,o qaal se vende em partidas
'. retalho por menos pre;o do qae em oatr* qaal
juer parta. ____________^___
1
<*
DAS
a
Bastos
Vaquetas de lastre proprias pira cobertas da
carros, maito novas e da melhor qaalidade pos
sivel : vendem-se por presos razoaveis na rna da
Cadeia t. 56 A.
*v
Bonitas bonecas
com ros.to de cera, olbos xos e moved i eos,
A agaia branca a roa do uncinado n. 8, rece-
ben om novo sortimento de bellas bonecas com
rosto de cera, olhos fixos e movedicos e: como
sempre vende-as por pregos eommodos, regalando
estes em relagao aos diferentes tsmanbos de que
se compoe o soriimento.
Elixir deatifriet e doutalgice.
* agaia branca a ra do Qqeimado n. 8 reca-
ben de novo esse precUvelellilr cojo uso ene-
cessario para cooservacao das Bglvas 1 Nabar
o mo balito provenleote de. denles arrainsdos,
cada frasco cusa 2*-
Esto promptos a 30#
Os paletots de panno forrados da seda a conlea-
to do respeltavel publico
Pelo2.6 Gasto r
Kaa Neva
26
>

,


J
%
. 0}
I

llLEGVEL


^
L2*J* iiia
w
I l
i
I
\
\\
X
I*
ir*m
""i....... iiiilitiii......in in iniilnii ti|
X
3P

^^"ttj^T^JJ* '*
SUMES A IRMAO
prvptiet ttisti&fraiw w>&TaZeSn de rtiiudzs,
ferrgfns, quinquilharias ecari'tieiro*a gaz
^ RA N0TAN. t ,
Ein freate a botica do Dr. Sabino
Receberam directamente de New-York um sortimeoto de machinas para descarocar
algodSo, sendo de 1%, 4, m, 18 e 20 sorras, que pela sua fualidade e perfec5o, lornam-
se recommendaveis.
Os proprietarios garantem por um anno a constraccSo das mesmas, e o bom re-
soltado em descarocamento de algodo. Sendo estas de um modelo tal, que aJm de se-
rem de pouco volme sao muito facis para o trabalbo, fkaodo o algodo o mais perfeito
pOssttel. Affiancaado-se osprecos serem mais razoaveis que em outra qmlquer parte.
Os pretendentes podem dirigir -se ao referido estabeiecimento, que alm deacba-
rem um bom sortimento.de objectos de que tendente, eacoorarao sioceridade e bara-
teza nos precos.
1 mu 1.....i >' ftirift. >i Vi "iin um I'*
> MonuitffOfr pao aaqwrtor W o *v
ftawtit ota todu as coro a *OOra. o ao-
vado,
Tarlatana datada* as ton* a 00 re,*
vara.
Bramante Mtelii*i-leun'10 -'palmos' de I .r-
gora #lto< a vara.
dem detinbo -com 6 palmas--a I3&O0
vara.
dem de linho com 3 1/2 palmos a 800 a
vara.
Riqoissimos basqaios a 25*000.
Assim como uutras umitas telendas que
se vende por meuos que em ontra qoalqner
*" '-- irfi-rrr........ ''"' 11 Mi .rhfi'n
parte, e d-se musirs a UkIo,
200
600
240
200
1*000
RIVAL SEN SEGUNDO
RnadoQneimadon 49, lo ja de
mlndezas
DE
Jos Bigodtnno
Yaras de babado bordado do Porto a .
Carretels de retrox preto com doas citaras
proptics par macbioas a .
Pregos rauceies de ttdcs os timadlos a
Groias de botSes de osso para caiga a .
Espelbos dourados muito Idos a .
Cairas com bnba superior para mareara .
Carriteis de reteoz de lodas as cores a .
Frascos d'agaade Colonia mutosuperior a
Frascos-de o eo muito floo a......
Darla de lesonras pequeas a.....
Frascos d'agnu para (impar dentes a .
Sedes prelas lisas para segurar cabello a
atiis de^eunas de ac muito finas a .
Caixas de liaba do gaz de 30 novelios a .
dem de palitos de seguranza a .
Garrafas de agua Florida verdadeira .
Sy Habar ios eom estampas para meninos a
Memento da ronpa de lavar a.....
Dazias de meias tinas para seoboraa ,
Agalbas fraucezas a balao (papel) a .
Pegas de Btas de la de todas as cores a
Grozas de botoes ae porcelana prateados a
Calzas oom aifineHee trancezes a .
Caixas de 100 envelopes muito fines a .
Resma de papel de pese braoco liso a'
Frasco com superior tinta a.....
Pares de botos de pondo multo bonitos
Liabas em cario de 200 jardas a .
Caira de superior linba do gaz com 50
noveiios .............
Talberes para meninos a .......
Masso com superiores grampos a .
Grosas de peonas de ac muito finas a .
Bonets para meninos-a........1*000
Pestes com costa de metal a...... 400
Realejos para meninos a....... 103
GRANDE BAZAR
RA NOVA N. 20 E 22
ATTENCiO
/Vo armazem de fazendas de
SantosCoelhotrua do Quei-
madon 19.
Bom e barato
Gambrara de cores matisadas finissimas a
800 a vara.
dem brancas transparentes finas de 4&
240 M000, 60," 70, 80 e 90000 a peca com 10
o, jardas.
dem branca tapada de 80 e 90 a peca
com 12 jardas,
dem branca franceza muito larga a 90 a
aH peca com 8 varas.
60
600
SO
14IO0O
320
100
44000
60
'00
160
80
600
24OOO
110
80
100
700
240
30
320

drilho e sem elle, assim como lindissimas
guarnieses para eufeiUrbaiqu.iD.es e botos
pw* oainmnnofi.
Liados 'indispeosavek para meninas das
escolia.
Beogalliihas par* meninos.
> Soapessorios-para meninos.
1 Liadt,teQqQinbas e sapatinhos ricamen-
te Bteilado .proprio* pata bapttaados.
1 Meias de seda para o mesmo fim.
Muito boas escovas para dentes, chapos-
roupa, cabellos, uabas e para limpar pentes,
Superior linhas para crochet.
Agulbas para o mesmo fim.
Lindos agulheiros e dedaes de madrepe-
rola- e marfim, assim como de metal.
Lindas goarnic5es de botoes, para coletos,
punhos e colerinhos.
Ritas apellas para coi vas.
Meias de seda para senhoras.
Superiores thesouras- para unhas, costora
e cortar cabello, etc., etc.
Suspensorios de seda para homem.
Ditos/de algodo para bomem e meninos.
Finos adereco* pretos para loto.
Grande sortimeoto oe finas perfumaras
dos melbores fabricantes at hoje conbe-
cidos.
Grande sor ti ment de fitas de todas as
qualidades. |
E mnitos-outros onjectos qoe impossivel(
seria mencionados e que se encontrado na _'
Loja do Gallo Vigilante
DE
Gnimaraesk Freitas
RA DO CRESPO N. 7.
Os proprietarios deste bem conhecido es-
tabeiecimento- tendo em vistas a boa vootade
com qoe t- da generosa populago desta bel-
cidade ciicorro enm a sua Jcoadjuvaco
Balsea de 35 e 40 arcos nesgados pira I p3fa "M"r 0ti l>(f4iM qu costumam es-
senhoras, a 40500.
dem de 35 e 40 arcos com ferrugeru a
20500.
dem de mursolina nesgados a 50.
dem de crochet a 50.
dem de mursnlina para meninas a 30 e
Machinas para dse aromar algodo. do me
Ihor autor qoe tem apparecido na America-
F tal a execucao do machinisme, qoe o al-
godo sahe quasi 13o perfeito como o de bu-
landei-ra. Recommeoda-se a attencao dos
Srs. agricultores, estas machinas.
30500.
Saias bordadas a 50.
Cambraias admascadas para cortinado s
120 a peca com 20 varas.
dem para forro a 30 a peca com 10 jar-
das.
Gambraia de linbo muito fina de 60 e 90 a
vara.
Madapoloes finos de 60, 70, 80, 90,100,
110 e 120 a peca.
Platilha de a1god3o superior fazenda para
saias a 30200 a peca com 10 varas.
Cebertas de chitas de ramagem- a 20600.
Lences de bamborgo fino a 20400.
dem de bramante muito fino a 30200.
Pannos adamascados para cobrir mesa a
40500.
Gnardanapos de linho adamascados a.-..
30500 dozia.
Atoalhado adamascado com 7 1/2 palmos
de largara a 20 a vara.
dem adamascado de linbo com 7 1/2 pal-
mos de largura a 20 a vara.
Algodo entestado com a mesaa largara
a 10100 a vara.
dem trancado de algodo a 10600 a vara.
Toalhas alcochoadas de linho lisas a 410
a duzia.
dem de algodo felpudas a 430 e 140
a duzia.
Colchas de fustao a 60000.
Retundes de fil prele a 60.
Chales de fil a 50.
Lencos de cambraia trancos finos a 10800,
20 e 20500 a duzia.
Lencos de cassa fiutssimos a 30200
3060o a duzia.
botSes para farda aparelhos para iMrretina,
Materos, e*#*6m, padas,crns, alam-
padas turbulos, caldemahas, ntrtu, almo-
fafrze, perfumadores.
Obras de fomaa de flaadres de todas as
qualidades, bahs, bacas, boles e outros
oleucilio domsticos.
LampiSes para 4?az para angenhoB, olha
de -flandrea em oatats, folhas de obre e la-
to, tubos de chombo para encanamentos it\
todas as dimengoes, folbas de zinco, estanho';
em barras e verguinha, lances e barras de
chombo, vidros finos para espelhos, de co-
res,, bordados, e opacos, eootros para vi--
dracas, diamantes para cortar vidros, cadi-
nhos ordinarios e de patente, rea para mol-
dar, folies para ferreiro, lavatorios com ba-
cas e jarros, trra podre e outros inumeros
objectos proprio de taes estabelecimentos.
Sendo todas as obras inspeccionadas e
feitas sob a directo do socio administrador,
JosBaptista Braga o qual se acha de novo
especialmente incumbido da gerencia de to
importante estabelecimente, Jsso orna ga-
ranta pela sua longa pratica, que tem os se-1
nhores freguezes de qoe ser5o servidos a;
contento, com promptidao e preco commo-
do, pelo que os proprietarios lhe serio agra-
decidos.
chocolate de Desferlere
loja do Vigilante, roa do Crespo n. 7.
purgativo de magnesia.
E* o chocolate de desbriere e melbor porgante
at agora coobeoido e de gr.ande aeeilaco em i'a-
rls, onde l^m sido anito applicado no hospital
Hotel Dlea pelos professores Troasseaa e Pidoai
r.-.*_ e j- ti noiei uiea peos proress
r aonca e [undigao de oronzes com o meihor resaltado.
6 OUtrntmftftPt rnlrpirnirn Por 80*ac c- vu,uu5 iiiziuiz, vuwcirciru}, ago e os intestinos, e apresenta ptimos resolta
Idtoeiro, e funileiro. situada ^oscmodoi'li''0' abro,eDte> anivernoso, re-
, /i*. v/,(w. (rescanle e dennratiTO.
na Soledade, ra do Prin-
ci\>e n 3, e com deposito na
ra Nova n 38 da cidade
do Recife
DE
BRAGA &SAMPAI0
Fabricam-se neste importante estabeleci-
frescante e deporativo.
Deposite especial
34Roa larga do Rosarlo34
Botica de Bartholomen C.
tJ>elecer no da da < < i^moraco doanni-
versario do Hus,.iial i'crtuguez deBenefi-,
cenca, cojo producto applicado a bem:
daquelles que baldos de recursos, e no Jeito
da dor ali procoram melhorar seus soffri- i meoto todas as obras cncernentes as artes
meDtos e aproximando-se o da dessa gran- j respectivas como sejam:
diosa festa por isso apressam-se em avisar { Alambiques de todos os taannos em
ao respeitavel publico do que ha de mais feitios, os mu acreditados aparetbos de
moderno em seu estabeiecimento, alm dos Derosoe com as dimences delicadas dos
quaes tem variedade de outros, que a serem fabricados em Franca.
para um fim to justo os venderam por pre-
sos mu rasoaveis.
Riquissimas caixas com msica contendo
o necessario para costara, proprias para um
delicado presente.
Fabricam-se avulsas quaesquer pecas des-
aparelbcs, como sejam o dilataJor, ratifica-
dor e condensador, ou esquenta garapas,
resfriador, serpentinas, interiores.
Fabriam-se bombas de todas as dimen-
VENDE-SE
Motores americanos para doos cavallos.
Dito dito para qoatro cavados.
Machinas para descarocar algodo de 14, 16,
18, SO 30, 35 e 40 serras.
Prencas para enlardar algodo fazendo os sac-
eos com 6 palmos de comprimeato oom o* peso de
160 e 200 libras, viadas ltimamente da Amtric
no armazem de Henry Forster & C, no caes Pe
dro H o. 2 jonto ao Gabinete Portngoez.________
N roa do Raogel n. 33 Vende-se um escra-
vo de 17 annos, proprio para criada ou boleeiro
preto, de boa esta tora.
Cal de Li boa
No armazem do caes da alfandega o. S ha para
vender superior cal nova, marca TM, ebegada ha
rdunoaui-a, uomoas ae toaas as uimsu- %a bnaarrllb,,Tl, Por,8n tridSo> > Pre de
Riquissimos^lvrinhos com capas de tar-,^fll^'^.^.Pelo systema Sapees; ou vit~am Csa de-5rba^rsortida,
em bom poo.o
rada.
qaem quizer anunncie ana mo
taruga para missa. .. | americano, simples, de pressao, repuxo, e
Rtqnissime lbum com apa de tartaruga. ;Com especiaiidade a estncanos l assim de-
Porta joias, dedaes e relogios e neste gos- nominadas pelo enorme volume de agua
to urna infinidad* de objectos. que absorvem calculada em 100 pipas por
Vasos, caluDgas e palliteiros de porcelana. \ hora, e das quaes algumas estao promptas a
Bonecas qoe hamam papai e mami. serem experimentadas.
Fioissimos lencos de cambraias de linho Existem bombas por este systema, me-
com dsticos. ores, para regar sios, garantindo-se n3o cravo da ncH,e Joaquim, de idade 20 annos ponco
Caixinbas com perfumaras. js sua durado como a grande quantidade mais 00 menos, pertencente ao abaixo asignado,
Bengalas de caima oom lindos castoes de deaguaquefornecem pelo que s2o coos.de- os sigoaes segaintes: cabra, cabellos cara-
trfim. I radas hoje as primeiras bombas conhecidas. binh0!!' baiio, eorpo regalar, nariz fliadr, penas
RomSo, cabra, estafara regular, cabaca
grande, cabello carapinhe, rosto oval com
marcas de espiabas, mafSes salientes; tendo
sobre a direita orna marca de talbo. olhos
pequeos avermelbados, bocea regular, boos
dentes, principio de buco, corpo reforea-
do, maos e ps pequeos; copeiro, cosi-
nheiro, e andava no carro : qaem o appre-
hender receber a gratificacao cima, levan-
do a casa da viuva Luiz Gomes Ferreira 00
ao abaixo assignado.
Luiz de Moraes Gomes Ferreira.
11 teiico.
o
fto^ooa.
Contina andar fgido do poder do abaixo as
sfgoado, desde o dia 12 de margo do correte anuo
o seo escra vo pardo claro, de oome Cyriaco, com
os sigoaes segomtes: representa ter de idade 40
annos, rosto redondo, e um tanto envergado, olbos
empapucadose fundos, bocea granoe, belgos gros-
sos, barba fechada e roiva, ps e maos erossos
carnudos, peitos vermelhos e cabellados, cabellos
crespos e avermelbados, costuma aadar armado de
faco e ama bayoneta n'om pao, gosta de tomar
cachaca, e qoaodo flea bebado da para poeta e re-
grlsta : rog -se, porttnto, as autoridades policiaes
e capiSes de campo a apprebensao do mesmo, e
ldva-lo a sen senbor o abano assigaado, no en
genoo Pedregulho, em Naiaretb, qoe sera' recom-
pensado com a gratificaco cima.
Jos Ignacio Ferreira Torres.
Fogio no dia 3 do corrente urna prela de no-
me Isabel, naci Costa, beslgosa, costuma embrea-
gar se, mnito conbecida por alconba Timb, an-
da vndenlo iradas e bortalicas : roga-se as au-
toridades policiaes e capitaes de campo a appre-
bensam, e mandem a na da Cadeia do Recife, casa
n. 1, qoe sero pagos de todo o sen trabalbo.
Atten^
Fugio no dia 3 do corrente do eng'noo Rah
fregueua da Escada, o escra vo Bernardo, id de 28
aonos,crioolo, com os signaes seguir" : : alio,
seco, cabellos earap'nbos, rosto redos^o. elcSes
regulares, ponca barba, cor preta, tem 1 a .iia-
triz em nm dos caleaobare, qpe se torr.. visivel
presume-se estar em Bongaus fregu u de Li-
m jeiro ou nesta praca : qaem o appn ider to-
dera leva lo a roa das Crazes n. 11 ou e .ugenho
cima indicado que sera' generosamente recom-
pensado.
All
da
contina fgida desde o dia 12 de agosto do tor-
rente auno a escrava crioala de neme Florencia,
Escravos fgidos
Fugio do engeobo Santa F fregoeziad Agua
Preta no dia 25 de agosto prximo passado o -es
fBJBOi de linho liso a 800 a vara.
Na ra do padre Floriano, casa o. 67, dem com salpicos a 1*000 a vara,
se vende boas bestias para igreja, e obretas' Grosdenaples preto bom a 1^800 e ifi
para escriptorio. o covado.
marfim.
Riqoissimos eofeites com coques e sera
elle ioteirameote Duvidade e ultima moda.
Liodissimos cintus para senhoras.
Fivellas lindas de muito gosto.
Lindos port-bouquotcom cabo de madre-
perela proprios para casamentos e bailes.
Riquissimos leques de madreperola.
Lindos leques de sndalos para senhora.
Ditos de sndalos para meninas.
Ditos de sndalo tendo no centro um qua-
dro de seda, ultima moda.
Leques de faias moite lindos.
Ditos de ossos.
Lindos pentes de tartaruga, massa e oulras
muiUs qualidades.
Lu vas dejouvin. inteiramente novas, bran-
cas, pretas e de cores.
Ditas de seda.
Meias de seda e algodSo.
Todas as nuis obras se fabricam vonta-
dedos freguezes e a seu capricho.
Existem sempre promptos no deposito in-
dicado na ra Nova n. 38, um completo sor-
timeoto de obras solidas, bem construidas e
a precos rasoaveis, como sao alambiques,
serpentinas, taxos, passadeiras, repartidei-
ras, escumadeiras, cocos, candeias, e muitos
eutros utenc'hos preprios para eogenhos,
como sejam mancaes de bronze, parafuzos
para rodas de agqa e outros.
um pouco volteadas para dentro, esta' descorado,
chegoa do engeoho Pimeota freguezia de Santo
Antao no dia 2 de setembro correte, e d'abi lor-
nou a fogtr no dia 6 do mesmo, snpp3e-se qae pa
ra o Recife onde elle tem mli, talvez com o fim de
asseotar praca como ferro : por isso pede se as an-
tboridades policiaes ou capitaes de campo qoe o
preodam e levem ao seobor no eogeobo cima di-
to ou nesta prac,a a roa da Praia n. 5o, qae sera'
gratificado.___ ____ _____________
AOBDBClO.
Contina (agido desde o da 2 de abril o mulato
Joao, de idade de 40 annos,, pouco mais ou me-
aos, com os sigoaes tegnintes : edr alaraojada,
Lvilhas, machos para lemes, pregOS de cabellos carapiobos, estatura regalar, reforcado flo
todos os tamaafaos e para O forro de cobre corpo, pernas grossas, trabalba de mestre de assu-
de navo car> niestre de pedreiro, sapateiro, multo fo-
Aprompta-se tudo quanto diz respeito as -.%'S^m^ISSSSlSt
obras de latao torneadas e polidas com toda policiaes e capitaes de campo que maodem preo-
a perfeifao. der dito molato e lvalo a sea seohor do engenbo
Vlvulas para tanques de banho, torneiras ^aparataba, que sera' bem recompensado e por-
detodos os tamanhos e qualidades, assim u Japaralota, 28 de juibo de 1867.
Lindas trancas pretas e de cures cxn ve- como todos os ornamentos para militares,
Joo Jos Bu arque.
causa de am paoaricio, falla multo e iotituia-se de
forra ;_tem sido vista pelas Immediacrs da ribei-
ra de s. Jos ; julga se estar Mugada em alguma
casa com timo de forra.: quem a pegar leve ao
abaixo assignado, em seu sitio na Torre, qae sera'
gratificado.
Joaqaim Francisco Franco.
AVISO
100,51000 de gratificado.
Contina a estar fgido o es
cravo Simio.
Roga-se a todas as autoridades e capitaes de
campo, tanto desta provincia como da das Alagoas
a apprebeoso do dito escravo, qoe fugio de casa
de sea seobor uo da 21 de jalbo do correte anno,
com os signaes seguintes : de nacao Mocambiqne,
id-ide de 40 anuos, pocco mais oa menos, alto,
semblante carregado, com falta de denles na fren-
te, cor fola, com tainos em circulo redondo ao p
das orelbas, sem barba, levoo vestido caiga de ca-
semlra de cor em bom estado, camisa de algodo
braoco, chapeo de meia maca novo ; este es-
cravo foi comprado ao Sr. Jos Vicente Lindo-
so, morador oa provincia das Alagoas, por sea
procarador o Sr. Joaqaim Cvales mi de &lba-
qnerque Melto, morador no termo de Barreaos.
Consta nos que este ercravo j foi visto em Seri-
nhaem, aonde elle iolretm relacoes de euohecl-
mento. Gratificase com a qaantia, cima a qual
quer oessoa qae o eoiregar no Recife, roa Direita
namero 30.


DOS PREMIOS DA M. PARTE DA LOTERA CONCEDIDA POR LE PROVINCIAL N. 402, A BENEFICIO DO CONVENTO DO CARMO DO RECIFE, EXTRAHIDA EM 14 DE SETEMBRO DE 1867.
NS. PRifiMS.NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. S. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS- NS. PREMS. NS.-PBEMS. NS. PREMS; NS. PRBMS.lNS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS.
I t*

65
100*
s
3
8
10
11
12
13
14
20
24
25
29
30
33
35
36
37
40
45
53
54
57
59
61
2
63
60
75
78
81
82
85
97 i -

101 .
2
3 '
5
8
12
15
16
24
27
32
35
i 3
40
43
44
50
51
6
10
6i
152
53
57
59
62
66
70
71
75
77
7
81
98
200
5
6
a
a
12
15
16
ia
29
34
35
39
48
49
50
51
59
~ 61
69
75 40#
U
40*
9
77
78
80
82
.,85

95
98 l:JpO#
99
303
8
11
12
13
14
18
22
23
S'S. PREMS. 1
326 65
28
36
39
40
42 _
43
46
47
51
53
57
58
63
65 c_
67
- 68 -
71
73 _
75 ,mm
80
87 10*
88 w
89
91 fc-
94 ^*
98
402
3
23
25 _
26
34 .-.
39 ._
41, 1Q#
44 6*
45
46 _
53 ~m
57 mmm
58 O.
59 *-
68
70
80
89 __
91 -
93
94 40*
96 6*
H
8
9
NS. PR1 ma. HA F1U
511 6* 706
17 13
20 - 16
21 18
23 19
24 20
25 22
31 23
32 31
33 33
37 38
40 . 44
48. 48
49 56
52 r- 61
59 68
61 t_ 76
62 10* 77
63 6* 80
64 .. 83
66 i 89
71 M 93
72 ?. 94
76. ^ 95
77 20* 10
79 6* U;
87 T- 21
.89 23
91 t
96 26
.99 ( rr 80 i
ioavi 10* '36
10 ' 6* 41
15 -44
19 45
.11 .., i J6-.f'
24 t .57
36 39 u. l 64....'
41 i w 66
'53 . 74
60 : m. 77 i
-48 i | 87
69. i 01
72 10* 4
..<>;> 100* 18
78 6* .'21 r
79 a i
: 87 26
88 i.- ;
' 91 30
92 - 34
700 38
10*
*
20*
6*
940
41
68
73
80
85
86
87
91
93
96
98
1000
2
3
4
5
6
15
28
31
33
39
40
47
,49
53
56
61
62
64
71
7
74
76
80
83
20* 88-
6*


?4-
20*
*
10*
6*
l. r
89
97
99
1115
.m- n
18
20
11
26
28
29
31
33
40
41
1 1
6*
10*
6*
10*
6*
-
-



, -i i_j
1143-
55
61
72'
87
88
93
97
99
1207
12
14
15
16
19
22
24
25
28
29
32
34
.37
40
-41-..,
42
45
49
.83.
.55.
i .i
59
64
67
71. .
73
75
76
83
87
95
i7
6*
8
19
11
15
19
14
17
19
31
3?
100*
6*
uft* 1307
~
10*
*
1343
44
45
53
56
57
59
74
75 6
82
85
86
91
95
97
1400
3
4
,
7
12
24
27
.30
36
41
46
53
.59 .
60
61
63
69
70
.72
90
1504
6
7
12
. 5.
17
18
21
23
27 .
(18 i'
29
33
34
43
50
H
:000*
m
6*
10*
6*
10*
r-
-~

1556 6* 1810
66 19
68 21
71 25
72 __ 26
73 10* 39
80 6* 40
85 44
86 - 56
90 62
1605 70
7 71
13 74
17 77
40 86
41 94
45 10* 95
50 6* 98
53 1908
55 10
56 20* 11
60 6* 16
63 20
66 . -7- 24
70 30
72 rr 36
84 10* 39
85 6* 42
87 44
88 45
,95 . 48
1708 51
H -, 60
18 ,. 0 62
1 1 . .'!#- 66
,10 o 70
i 11-. 72
..-.4 .. 79
6 89
43 , 98
44 99
46 1003
53 4
55 7
oda) ..- 8
60 l 9
70 : ~ 10
77 11
80 40* 11
87 ' 6* 18
90 19
1804 10
0 r- M

6*
40*
6*
10*
-
-
2028
30
38
39
41
48
50
52
61
65
68
71
76
79
82
93
94
95
2101
2
4
7
12
19
22
24
37
38
45
49
58
62
78
84
*85
88
89
92
2209
11
13
14
21
11
32
37
39
40
41
43
46
48

6*2249
-I 82
6*
10*
6*
10*
20*
6*
56 -
59 -
61
64
.irm
T
rr
70
73
75
76
77
79
81
82
83
84
89
93
98
2300
7
13
15
16
17
19
21
.34
40
41
4?.
43
44
46
51
60
62
63.
64
| 66
I 88
90
91
93
97
1400
;.*.
13
15
10
11
ILEGJVEL
20*
6*
-
Md
10*
2428
33
36
43
45
47
48
53
55
56
87-
58
67
73
74
75
77
81
83
85
87
89
92
95
2502
5
8
11
14
27
29
30
39
45
,48-
49
54
55
72
74,
76
77
78
82
,83
00
91
96
M03
-4. :
10
11
20*
6*
10*
6*
2613
15
16
19
22
28
33
36
42
48
51
84
59
60
64
69
78
92
94
96
97


>-,fr-
,7?
10*
:6*
m
r*

6*
10*
.6*
2707
- 10
,13
14
lo
19
31
34
37
43
44
47
48
50
.54
55
i 61
-.n
73
.77
78
80
81
;.a4-T
9S
93
94
95
46
-1803
- 9


rfr.
2813
16
21
29
30
40
42
50
67
64
65
66
67
72
74
81
3
91
97
99
2916
20
26
37
38
40
46
47
54
56
67
72
76
20*
6*
10*
6*
*0*
6*
'( M
1 i
87
88
<$
94
96
3005
11*3,
17
20
14
27.
19
33 -
48-^T-
48-
50 '
51
52
- m
~~
-
:--
3061
64
70
73
78
78'
85
89
91
94
W
3114
20
11
23
24
28
37
39
47
50
57
42
71
75
82
4
86
89
95
96
3201
6
7
9
10
15
40*
6*
10*
6*
-800*
6*
10*
6*
p"
,

:S
19 ,10*
27 ^
28
29
<3*
38
Mi
44
43
46
80 -
3253
56
66
68
72
73
75
84
85'
92
95
98
99
3300
- 3
5
7
8
15
17
18
26
30
32
35
38
40
46
'51
60
69
71
73
74
79
98
96
99
3401
3
8
11

10*
6*
10*
6*

Li
.
r
i* f,
12

34
38
36
37
3443
44
50
53
56
59
64
65
.72
;74
76
78
79
80
%
88
89
m loo*
3504
14
16
17
29
31
33
37
38
40
43
44
45
48
51
54
55
72
74
79
80
81
90
91
I 93
i:
m
6*
W*
Z
6*
3613
16
18
19
21
23
32
37
46
81
85
63
64
67
72
76
77
82
84
87
91
96
370O
6*
20*
6*
20*
6*
10
12
10*
*
. *
a
9
t
15
32
33
37
40'
42
52
65
69,''
'73!'
74
78
81
.83
; !''
93 ''
96
3807
8
i- H
13
15
16
6*j 10
}
3
io*
40*
90*
a*
.to*
a*
i.
!:
u
3821
23
29
34
36
38
39
42
44 I
45.,
49
51
57
60
62
67
69
76 .
81
84
85
88
93
97
3900
10
11
14
17
ia
30-
31
37
40
44
45c i
46
49
ry
69 I
71
71
'73
10*
a*
10*
*
10*
6*
40*
6*
10*
6*
40*
a*
to*
6*
t
79
91
99 *
4000
10*
6*




ASSEBL4 GER4L
C4HRA DOS SEMORIS DIPUTADOS-
SESSO EM 15 DE AGOSTO DE 1867.
PRESIDENCIA DO 8R. ULTIMA LOBO.
(Cootinoaco.)
No regulamento das alfandegas eta' eipressi-
mente enneedida a irencio de -direitos as mercado-
as t quaesquer objeetos directamente importados
par ooota do estado, qualquer que seja o sea des-
neo.
\ mesma isenclo se acha estabeleclda, indepen-
'i^nt de especial conce?sSo, para
i O'Sr. -Magtoo : Mais ainVde ser
rainisterialUta.
O Sr, Ministro da gricltoa : 'Mas
quando assioo Dio fosse, como nao ac-
cediendo ao convite do nobre depotado vt-
nno tribuna, para, em poucas palavras sa-
nafaze-lo.
Sr. presidente, o governo, liberal como
, acredita que animado pelos meios ao seu
"alcance a incorporaco de companhias, em-
piezas e associaces que tem por fim rea-
lisar melboramentos, desempenha um dos
Diarto e Fcr-<> guada telra 14 d *eUmhro t 1867.
............ -. -----
Leo-u ap#rova-ie a aeia 4 sesteo hihi-
dente.
O Sr. Sbcrktario lea coat do segtjiote
Tres officios do secretario do senado, par-
ticipan lo que o raesrao senado adoptoa, e
vai dirigir sancho imperial, as resoluces
approvando as pensoes concedidas a D. An-
na Spinola da Cunha Tourioho e a outros.
autorisando o governo a conceder um anno
Neaaa ooe9iSe ea disse qae nejulgava
necesiarfo estes encoaracados para a guerra
do Paraguay, porque tinbamos urna esqoa-
dra demasiadamente forte para opponios
do estamos erapenbados na guerra actual e
qoaodo temos ce ca de quareota vasos oe
Paraguay, em compor as estacos navaestto
Amazonas- e do Rio-Grande do Sul, isto ,
ao nimigo que nio a tem absolutamente, e j se prepara para una guerra mesmo du-
que para as outras operaces betcas tam-
bera eram mais qae suficientes os navios
que temos no theatro da guerra.
Mas a raz5o capital em que ma fundei para
desloadas ao servico da a mhtEi* SS1Brandes Principios era ame dos quaes nas-
importadas por conta das provincias. Qaanlo aos ceu e wm OS quae3 ba de morrer. Assim,
maeriaes que tiverem de ser importados, por con- Sr. presidente, o governo declara cmara
MyiX'T^L!0**'' mas- p\ri ?rv'?0 das;que nao julga prejudicial aos interesses pu-
quaato a esses, preciso, mediante a soicitacao' I organisadas, quando estas se proponbama
oucessao especial do poder legislativo. ,fins otis, utilidade que tem motivo de
Mas a mesma razo pela qual se attende crer-se pelos contratos anteriormente cele-
9s interesses provinciaes, quando os mate-
riaes sao importados por conta da provin-
cia, existe para estabelecer-se a coocesso
brados ou pelo governo geral ou pelos go-
vernos provinciaes.
Nao me parece fondada a duvida desde
em cada caso a favor das mercadorias im- que se trata de realisar proraessas fritas por
portadas era Tirtuda de contrato, como com
pensarlo do menor onus para os cofres pro-
vinciaes as outras clausulas. (Apoiados.)
Portanto a meu ver nao procede nem a
razo deduzida do desfalque da renda pu-
blica, cera o argumento tirado do supposto
favor companhia. Se ba favor, se ha pro-
teccjo, provincia, a qual de certo nao a
desmerece pelo facto de contribuir com o
seg largo pagamento de tributos para a ren-
da geral do Imperio. (Apoiados.)
Quaoto ao requerimento, j approvado,
feito pelo meu illustre collega deputado pelo
dislricto de minha provincia, para ser
annexado ao projecto o contrato celebrado
entre a presidencia do Maranbo e a com-
panhia mencionada no mesmo projecto, per-
raitta a cmara que eu faja urna succinta;
reflexo tendente a desvanecer um falso]
supposto que, a n3o ser dissipado, expe
a ser injustamente apreciado o designio da |
junccjlo requerida.
Alguns espirites tem querido considerar
essa estipulado relativa isencSo de drei-
tos, habitual nos contratos desta natureza,
como importando um constrangimento posto
pelos presidentes de provincia ao corpo le-
gislativo para faaer a concessSo. Nao ha
tal. Fazem apenas urna promessa de soli-
citar a isenco, aguardando da sabedoria do
corpo legislativo que attenda s razes de
conveniencia publica que ha na mesma isen-
55o.
E' portanto til qae se junte o contrato
oomo documento, am de se ver que as suas
estipulacSes consultan bem os interesses da
provincia do Maranho, nao importara urna
protecgao Companhia com a qual contra-
ou o honrado membro desta casa o Sr.
Silveira de Souza, ento presidente daquella
provincia.
Limito-me a estas breves consideraces,
porque parece-rae estar no animo da c-
mara fazer a concessSo solicitada. (Apoiados)
O Sr. Sooza Carvalho faz algumas obser-
vares.
O Sr. Macedo : Sr. presidente, eu nao
estou habilitado para entrar na aprecacao
da materia de cada um dos projectos apre-
stados como emendas; sem porm deseo-
nliecer, e para isso chega o meu entendi-
mento, que tae? emendas iraporlam despe-
jas que devem ser carrejadas pelos cofres
geraes, visto que sao favores que determi-
nara diminuico de renda. (Reclamaces)
Eu anda nao es'.ou ennunciando a minha
opinio sobre o projecto nem sobre as
emendas ; o que quero dizer que tendo o
desejo ardente de ser ministerialista, estou
doudo por saber qual sobre esta materia
i opinio do ministerio. (Apartes diversos.)
Quizera que os nobres ministros disses-
oem alguma cousa sobre as qgestes que se
discutem.
O Sr, Correa das Heves : Eotendam
a opposieo ^ urnas vezes diz que a maio-
ria so faz o que o ministerio quer, outras
vezes quer ouvir sobre todos os negocios a
opioio do ministerio.
O Sr. Macedo : Perganto : o que es-
tou dizendo revela espirito eminentemente
governaraental ?...
O Sr. Correa de Brito : Time-o Daaos.
0. Sr. Macedo : Nao reconhecem em
mim os nobres ministros urna tendencia mi-
nisterial qoe devem al applaudir ? Eu
desejra que os nobres ministros revelassem
a sua opiniio sobre a materia, se nao para
a maioria ao menos para mim... Trata-se
de diminuico de rendas publicas geraes
om poca 'Je ralos circunstancias floancei-
ras, e at de augmento de tributos... o
ministerio tem obrigaco de dizer alguma
cousa... de pronunciar-se.
Fui obrigado a tomar a palavra para fazer
sta pergunta aos Srs. ministros, porque o
requerimento do Sr. deputado 2o secretario
que me pareceu requerimento justificado e
profundamente ministerial, olhei muito para
os nobres deputados que votaram pro e con-
tra elle e creio que o nobre ministro dajus-
liga votou a favor desse requerimento, que
apezar disso cahio, e cahindo eu duvidei
do mini.-terialismo do requerimento; duvi-
dei porque a maioria n3o havia concordar
em semelhante chec.
Em vista das minhas duvidas, quera que
algum dos nobres ministros declarasse o que
lhe parecem as medidas que a sua maioria
quer fazer passar. Antes de ouvir a opinio
do ministerio, antes d* ser esclarecido por
S3. Excs. eu hesito em resolver se votarei
pro ou contra. Porlaoto peco a algum dos
nobres ministros que diga alguma cousa so-
bre a materia. O nobre ministro da agri-
cultura, que fez estudos to vastos, estudos
to profundos sobre as nossas questes fi-
naoceiras, antes mesmo de ser ministro, po-
da dizer alguma cousa; compre que se
saiba qual a opiniio do governo sobre este
ponto.
NSo que o governo deva impor-nos a
sua opiniio ; mas tem obrigaco de es lare-
cer-nos, e mesmo indispeosavel que elle
sq faca ouvir era tal assumpto, principal-
sent quando sao to graves as circunstan-
cias flo-r nceiras do Estado. Foi sempre cos-
tme ouvir-se o.governo em taes assumptos,
a o seu silencio boje me admira : nao vejo
qualquerdestes governos nos contratos ce-
lebrados com as companhias. De certo,
Sr. presidente, que o receio manifestado pelo
nobre deputado pelo municipio neutro at
certo ponto poderia fazer hesitar os espi-
ritos tmidos. A renda publica apparente-
mente pode soffrer urna diminuico com a
isenco de direitos, deixaodo os cofres de
perceber essa importancia; mas quem
aprofundar um pouco mais a vista sobre a
questo ba de ver que do progresso, do
augmento e desenvolvimento de emprezas
uteis nasce a riqueza do paiz e o augmento
das rendas publicas ; se por um lado ha
essa diminuido apparente, por outra parte
ba larga compensago.
O Sr. Ministro da Jstica : E esse
pensamento tem base na legislaco fiscal
[actualmente.
O Sr. Ministro da Agricultura : Nes-
tas circumstancias eu enteodo que em ge-
ral cumpre animar o espirito de empreza e
de associacoes, isentando do pagamento de
direitos aquellas que se organisarem para
fins uteis...
(Ha algdns apartes.)
Fazendo applicaco da these hypotbese
eu creio que as companhias sao todas uteis
e merecem o favor qoe se cootm as
emendas em discusso. (Apoiados.)
Mas os nobres deputados objectam: e
aquellas que anda nao eslo incorporadas
ou nao se iucorporarem, para que eonceder-
se-Ihes esse favor ? Digo eu. se alguma
existe nao incorporada, n3o goz>r do favor,
mas o facto da iocorporago j urna re-
commenda;o, j demonstra que ellas tem
razo de ser, e o governo, longo de crear-
lhes embarazos, deseja que prosperen).
Ninguem mais pedindo a palavra, epon-
do-se a votos o projecto, approvado com
todas as emendas, e passa a 3a discusso.
O Sr. Souza Andrade requere a cmara
consente na dispensa de intersticio para que
o projecto seja dado para a ordem do dia-
da sessao seguinte.
SEGUNDA PARTE DA ORDE DO DA.
Crdito supplcmentar ao ministerio da
marinha.
Entra em 21 dis;usso o art. 4o da pro-
posta do governo abrindo ara crdito ex-
traordinario ao ministerio da inarinba..
Vera mesa, lida, apoiada, e entra coa-
junctamente era discusso, a seguinte-
emenda:
Fica o governo aulonsado a gastar era
melboramentos com as barras da provincia
de Sergipe at a quantia de 6:000$.F. L-
Bittencourt Sampaio. Leo Velloso.Das
Mello.
O Sr. Dr. Bezerra de Menezes, preyate-
cendo-se dos estylos da casa, aproveita a
occasi3o para defeoder-se de aecusages for-
muladas contra elle pelo Sr. presidente do
conselbo.
O orador, pois, sendo a segunda vea que
falla, discorre longamente sobre poltica e
sobre a3 opinibes do governo, e promette
nio voltar mais a esse terreno.
Em relago materia sujeita discusso
declara que nao tendo a mesa e a cmara
dado terapo para estudo, visto que ante-
hootem foi lida e hontem comecou o debate
sobre a mesraa proposta, o orador d o seu
voto a favor, porque confia na honeslidade
do Sr. ministro da marinha.
O Sr. Verissimo de Matlos responde ao
orador precedente.
Comega applaudindo o seu procedimento
nao negando ao ministerio os meios de que
oecessita para governar ; folga por ver que
.o espirito de opposigo systematica nao ce-
gou o Sr. Dr. Bezerra.
O orador entra no campo da poltica e
nelle se demora tocando em todas as ques-
tes j nesse terreno formuladas por diver-
sos membros do parlamento. Falla na
guerra, as eleiges, na mobilisaco da
guarda nacional, Da liga, no progresso, na
perseguigo poltica que soffren o cidadSo
Jo5o Pedro de Almeida. de Angra dos Res,
no recratamento e na emancipago dos es-
cravos.
Tratando deste ultimo ponto deejava
ver adoptados meios vantajosos de substi-
tuir o elemento servil no trabalbo da la-
de licenga com todos os vene montos ao des- mostrar que o nobre ministro tioha deibe-
embargador da relago da Baha Antonio raJo a coDstrocgo desses encouragados com
Ladislao de Figueiredo Rocha, e ao pjii de menos reflexo, que ainda quando fossem
direito da comarca da Freir de Sant'Anna. necessarios para a guerra do Paraguay nao
na provincia da Bahia, Dr. Luiz Antonio Pe- chegariam a terapo de coadjuvar o exercilo
reir Franco, e aotorisando ainda ao gover- e de sendrem para 0 gm a qUe s Exc# os
no para mandar matricnlar e admittir a exa- destinava.
me as faculdades de direito e de medicina! D0Dre D?inslro- no 8ei discurso proferi-
do imperio aos estudantes Jos Clemente da d0 a ^* de jn'ho, respondeodo a asta minha
Silveira, Jos Das da Cruz Lima Jnnior, censura, deu a defioico do que entenda
Silvio Pellico Pereira Tavares, Manoel Bar- Por esbanjamento; eu aceito perfeitaraente
bosa Alvares Ferreira, Evaristo Goncalves a definigo de S. Exc, agradeco-lhe'a mes-
Marinho, Prudencio Augusto Suzano Bran- rao Por ter-me poupado esse trabalbo, e
do, Antonio Manoel da Costa Guimarae*, Iessa deniOcio qoe tomo como base pana fa-
Henrique de Serpa Pinto, JoSo Heorique da zer appcago a muitos actos da sua admi-
Silva Coutinbo, Jos Celestino de Oliveira nistrago.
Sores, Francisco Caetano dos Santos, Joo I ^ou. tomar a defioico do nobre ministro
Pedro de Almeida Lima, Julio Cesar Correa e applica-la a diversos actos seus para tirar
de Moraes Fernandes e Carlos Maximiano de ieties as consequeocias lgicas e dizer como
Azevedo e Silva- Ioteirada. jse podem qualiflear esses actos.
Um requerimento de Virgilio Horaeio del nobre ministro disse que esbaojar nao
Oliveira, estudante do cor o de pbarmaci, I asta'" muil0' assim gastar mal e a esmo;
pedindo para ser transferido para o l9 anno ora' de*de queprovar qoe esses encouraga-
medico, ftcando obrigado a nofazer exame dos n0 Podem 9erTr Para guerra do Pa-
de anatoma sem primeiro apresentar o altes! raguay.ique nada podem fazer ali, fica hur-
tado de sua approvago em latim.A'com- 'ada a medida de S. Exc. ,ea despeza se
missao de instruego publica. torna intil, foi, portanto, mal gasto esse
dkfesa de. thems. dinheiro. (Apoiados.)
L-se e julga-se obj cto de deiiberago, e Quando eu disse que me paree qoe os
vai a imprimir para entrar na ordem dos encouragados eram destinados a servir na
trabalhos, o projecto seguinte: guerra do Paraguay, referia me ao relatorio
Art. 1. A disposigSo do artigo 1* do
decreio n. 23 de 30 de agosto de 4834 fica
extensiva ao bacharel formado na facoldade
de direito de Pariz, Francisco Gomes da
Silva.
Art. 2. Revogo-se as disposigo em
contrario.
Sala das commissSes 12 de agosto de
1867.Barbosa/. M. de Macedo.
OSr. Tavares Bastos requer que seja
dado para a ordem do dia um projecto seu,
sobre casamento civil.
PRIMEIRA PARTE DA ORDEST DO DIA.
Entra em discusso e approrada sem
debate o redaeco das emendas ferias pro^-
posta do governo, abrindo um crdito ex-
traordinario ao- ministerio da guerra.
Entra em discusso e -tarabem- approva-
da sem debate a- redaeco do projecto que-
autorfss o governo para Baeihorar sraposen-
tadori concedida ao feorrferente da alfan-
dega da corte Joo Nascenes Pinto.
Entra em discusso e igualmente- ap-
do nobre ministro, que positivamente diz
que elies tinbam esse destino; S. Exc, po-
rm, no sea discurso de ai de julbo, sor-
prendeu-me completamente ; mostrou-se ho-
mem de recursos, que sabe eacootrar diver-
sas explicagoes para os mesmos actos, se-
gundo melbor Ibeconvem.
OSr. KftNiSTRO Marinha :Nao apoiado.
O St. Candido Torees Fimo:No seo re-
latorio, S. Exc. dtese que esses monitores
erara destinados a reforgar a nossa esquarda
as aguas do Paraguay; no seu disrarso *de
31 de julbo d outra explieaeo para esse seu
acto-,
O Sn. Minstro da Marinha :E do mais
oufr?.
O Sr. CXndibo Toriws Filbo-:Soiaaes
que nao podem conciliar-se.
S. Exc. disse-nos aqu que mandn son-
trui los porque espalbou-se o boato de que
a provincia' do Amazonas- ia ser invadida1 e
que por outro lado livera conuaunicago de
que a provincia do Rio-Grande doSul e>Ua
provada sem debate a redaeco do projecto Trnuito ameagada em saas frooteiras se nao
que autor isa o governo para mandar matri
cuiar no 1* anno do curso medico a Ji>ao de
Miranda da Silva Reis e Manoel de Gtiveira-com referencia a outras constrocQes.
da Srlva.
CoDiinia a 2* discusso do-art. Io da pro-
posta do governo abrindo om cred'rto ex-
traordinario ao ministerio da marinha^ com
a emenda- apoiada^
O Sr, Candido- Torres Fim ^atteBCoJ :
tivesse ali urna esquadrha no Uroguay.
O Se. MiNibTR da Mainha:Disse isso
O'Sr. Gandido Torres-Filho :Est aqut
no discurso de V. Exc.
Nao posso, porm, ler todo o discurso de
S: Exc.;. mas, era-outra parte, diese o nobre
rante aquella em que nos achamos envolvi-
dos.
O Sr. Pedro Leita :E'uma previdencia
de bom conselbo.
' OSr. Candido Torres Filho :Pois com
quareota vasos de guerra porventura nao
podemos guarnecer, essas duas estacoes na-
vaes, que agora necessitam de maior reforgo?
O r. Bittncourt Sampaio :Isso prova
de mais.
O Se. Candido Torres Filho :Nio pro-
va de mais, visto como se depois de con-
cluida a guerra temos nos vasos que esto
no Paraguay navios sofficientcs para compr
as nossas estagoes navaes, nao era mister
mandar construir novos moaitores.
O Sr. Pedro Leito :Toda a parcimo-
nia na guerra um assassinato, diz o illustre
marechal de Belle-Isle; entretanto a oppo-
sigo est constantemente aecusando o go-
verno por falta de providencias I (Apoiados.;
O Sr. Candido Torres Filho :Nunca ac-
cusei o governo por isso ; mas sustento que
a esquadra que temos mais que suflicente,
attenta a nossa posigo geograpOica, e alten-
tas as eventualidades da aggresso que pos-
samo receoer de qualquer ioimigo que sur-
ja, porque nao podemos esperar urna guerra
de Estados muilo fortes, visto nSo existirem
na America do Sul; para os que esistem sao
sufBcientes as forgas que temos. (Apoia-
dos ; nao apoiados; contestaeoes.)
, Pens tambera que as nossas circunstan-
cias fina nceiras nao comportan esse aug-
mento de material da armada, porque Bao
devemos s levar em conta o eapital em-
pregado as construegoes, tambem a des-
peza permanente que esses navios exigir
eom a tripolago e o seu eusteio.
No meu precedente diseurso, Sr. presi-
dente, alludo a outros fados.
Vou refepir alguoe desses fectos.
Sr. presidente, ea citei a eompra do va-
por Piroja, e disse que este vapor nao se
aceommodav aos fins que qoeria alcancar,
o nobre ministro ; pois no estado em que
se acbava nao- poda satisfazer os desejos de
S. Exc.
Para refutar a minha censura, e nobre mi-
nistro trouxe aqu um auto [de exame feito
na Babia por peritos a bordo desee navio, e
mais um officie-do presidente daquella pro
vinciav de que o nobre ministro entender
dever colligir qae a conapra se no^realisr*
ali, por nao ter o presidente os filados ne-
cessarios, e nao- porque suppuzesse a con>
pra onerosa aos cofres pblicos. Eu nao
collijo isso.
O Sr; MinistoO'Da Marinha :Deixaram
de publicar umsegundo officio do presidente,
em que-vem a declarago, qual aBodl. Se
o qqizer ver, eu ih' mostrarei.
O Sr^ Candida Torres- Eu.ho-V. Exc.
ba de permiltir que eu opponha ao exame
dos peritos, que nos trouxe, urna ofHnio in-
suspeitai o jnizode um delegado dogoverno,
Comegarei, Sr. presidente,, por assigoalai Hecimeotos extraordinaiios; e S Bxc. apres-
*oura,
O orador nao tem confianga na emigra-
go americana, e a razo porque os Esta-
dos-Unidos possuem terrenos de sobejo, e
alm disso recebem colonos.
Demais o Mxico provavelmente ir em
breve augmentar o territorio da Unio e
difficil explicar a vinda dos habitantes da-
qaelles EsUdos para o Brasil.
S. Exc. quer que se torne expontanea a
emigrago e diz que esse resultado s se
poder conseguir vantajosamente procuran-
do-so, i horneas da mesma lingua que a
nossa; 2o da mesma religio ; 3o da mes-
ma'raca.
Nao julga que seja necessario augmentar
rio.e o esquecimento do costme antigo
Algum dos nobres ministros deve fallar.
Creio qoe acabo de prestar um bom servigo
ao ministerio, fazendo este pedido : algum
dos nobres ministros vai sem duvida fallar,
o ensinar-me a votar...
Pego que o ministerio se pronuncie com
franqueza...
O Sr. Dantas (ministro da agricultura) :
Sr. presidente eu acredito sinceramente
que o nobre deputado na pergunta que fez Mdi e achlB(k) se pre.
e movido pelo desejo de ser agradavel ao sente nomero legal dos Sr. deputados, o Sr. pre-
mmistero.
nistro da marinha.
A proposta contera os meios de continuar
a guerra de honra em qoe estamos empe-
nbados. Esta materia nao se discote, ap-
prova-se.
Fica a discusso adiada pela hora e levan-
ta-ce a sesso.
SESSAO EM 16 DE AGOSTO.
' PRKSIDKNCIA DO SR. FARtt (VICK PRESIDENTE.)
ministro que a encommeada dos encouragados to vico-presidente da provincia de Sergipa
foi em parte determinad*pelapressode-acon- no relatorio coa. que abri a sesso da ae-
sembla provincial do aaao passado. Disse
Sr. X. F. Rasaos nessa- oceasio:
O mo estado do vapor PirajA, que- a
oada momento reclama ooncertos,. sem que
apesar disso satisfaga, de todo s necesida-
des do servigo, porque-, demandando 7 a>8
palmos, de agua, tica quasi sempre a grandes
distancias das eidades de Larangeiras e Ma-
ro im, o. maior embarago que encostra a
empreza,. etc.. A m escolha^ desse vapor
para a navegacao de que se trata, e os gran-
des lucros que aufece a empieza so da sub-
vengo que lhe d; a. provincia, foi perfeita-
mente demonstrado no. recinto dessa assem-
bia.na sesso passada por um deseos mem-
bros, habilitado oa materia., da maneira se-
guinte :
c Qua alm do grande calamento do va-
por, que-o torna improprio para a navega--
godosrios, cua profuDdidade nao excede^
de seis palmos, o seu machioismo de alta
presso, o que pode occasionar, j por qual-
quer accidente na caldeira,jj um desenvol-
vimento rpido de vapor, urna exploso, sem-
pre de tristes consequencias, etc.
V, pois, V. Exc. que este vapor absolu-
tamente nao presta para a navegago uvial:
quem o diz urna pessoa insuspeita, que
observou o estado desse vapor, e os servigos
negativos que elle prestava companhia de
navegago Sereipense. E' improprio para
essa navegago, nao s por seu excessivo
calado, como por seu machioismo de alta
presso, cujo systema se acha geralmente
condemoado.
- Entretanto, o nobre ministro foi to mal
inspirado, to mal informado por seu collega
o noDre ministro de estrangeiros, que sup-
pz ser es3e vapor o mais proprio para a na-
vegago fluvial. Desde que es?e vapor tem
um calado de 7 a 8 palmos nao pode ser-
vir para a navegago dos pequeos ros e
lagoas a que o destina o nobre ministro.
Anda quando, Sr. presidente, a despeza
cora este vapor nao fosse excessiva, a esse
contracto nao tivesse sido oneroso aos cofres
pblicos, bouve esbanjamento, visto como a
quanlia que se despendeu com o vapor de
que fallo nao dos aproveita,
Alm destes fados, Sr. presidente, a que
j me refer no meu primeiro discorso, e
que acabo de desenvolver melbor, eu apon-
tarei outros que tambem sao notorios.
Fallarei em primeiro lugar na compra dos
dous transportes ltimamente chegados da
Europa, o \Yernek e o Vassimon. Nao des-
conheco a necessidade destes novos trans-
portes ; louvo al a idea que motivou a de-
iiberago do nobre ministro. Sem duvida
eram muito onerosos aos cofres pblicos os
fretamentos que o governo via-se obrigado
a fazer todos os das, somonte com vantagem
das companhias, que abusa vara das urgen-
cias do governo. Mas nao s merece cen-
sura o acto do governo, pelo qual foi tarda
a sua deiiberago, como porque suas inten-
ces nao se realisaram na compra desses
navios.
NSo digo que seja excessivo o seu custo,
urna vez que, segundo informou o nobre mi-
nistro, custaram 60,000 libras, cerca de
700:000$ em nossa moeda actual. Nao
1 de Mias-Geraes tambem referi outros fac-' gresso, e o* mandando construi-los en- seria excessivo este prego se fossem bons
tos, firmado em documentos qne o nobre couragados, depois que tivessemos soffridos esses transportes ; mas notorio que a sua
ministro fez-nos a honra |de confiar, pelos todas as consequencias do ataque. i construego multo Iraca. Sao de ago, as-
um phenomeno singular que se deu no dia
da apresentago desta proposta-: un facto
novo, facto virgem- nos annaes parlamenta-
res, o por isso mesmo digno de ser regis-
trado- era letras d ooro, como unt modelo.
um modelo de legislaco a vapor!
A proposta qua se discute, Sr. presidente
foi ftqui lida na sesso de terceira-feira ; o
nobre ministro chegoo depois de meio-dia;
a proposta foi lida, foi remetida, como man-
da o regimsnto. commissao respectiva; a
comraisso exarainou-a, dsu sobro eHa o seu
parecer, apresentou o parecer, foi lido, pe-
db-se dispensa de impwsso, e foi dada a
proposta para a ordem do dia, tudo- isso em
um quarlo de bora I
O Sr Fonseca Viasna :E tudo isso est
previsto no regiment. (Apoiados.)
O Sr. Candido TrbS. Fu. ; Eu nao
sei se est previsto ou nao, sei que um
facto virgem, e portanto nao posso deixa-to.
passar sem reparo : nao arei mais com-
mentarios.
Sr. presidente, corri presssuroso a tomar
parte neste debate, porque n5o podia deixar
de responder ao appello que me dirigi o
nobre ministro da marinha em urna das ses-
soes passadas, nao podia eximir-rae ao de-
ver de vir provar urna proposigo que enun-
cie'! no primeiro discorso que Uve a honra
de proferir perante esta cmara, proposigo
que S, Exc. desejou que eu fundamentasse
melhor com fados, que eu devia aqui arti-
cular.
Nesse discurso por mira proferido eu dis-
se que a administrago do nobre ministro da
marinha tinha sido em muitas occasioes fatal
aos cofres pblicos, que elle tinta sido es-
banjador. O nobre ministro protestou con-
tra esta qualificago, disse que eu nao seria
capaz de prova-la com fados, que eu nao
tinha apresentado fados que o demonstras-
sem, e desaQou-me a que viesse faz-lo em
oceasio opportuna. Acho que a oceasio
opportuna esta, e por isso nao poJia per-
d-la.
O nobre ministro desafiou me para que
viesse fundamentar essa qualificago de que
me servi com re'ago saa administrago,
diss que eu nao tinha articulado fados e
que emquanto nao o fizesse deveria ser laxa-
do de leviano, ou de menos reflectido; na
minha maneira de encarar os negocios p-
blicos, nao quero mesmo referir as o airas
expressoes porque nao tm agora cabimento,
visto como eram em resposta a algumas ou-
tras minhas que S. Exc julgou injuriosas ao
seu carcter.
sou-se em louvaresse ado de grande pre-
videncia antes que oulsos o-fizessem. censu-
rando ao mesoao tempo a improvidencia que
houvew-at- aoperiodo-anterior agesta guer-
ra, era que eslavamos sempre desarmados e
desprovenidos para qualquer eventualidad!).
Mas qual seria essa providencia se real-
mente suas funestas apprebensoes se rea'i-
zassem, se se realizasse o boato da invaso.
da provincia do Amaaona -, podiam os es-
coaragados que S. Exc. mandou construir
aproveitar para repellir aquella aggresso?
E'fora de duvida, que nao....
O Su. Ministrada Marbhh-a :Sao mo-
dos de entender.
O Sa. Candido Torres Fuho :.... por-
que cortamente j ha muito tempo essa in-
vaso se teria tornado um facto consumma-
do, e o> sabemos que os monitores ainda
esto nos estateiros; certamente os Perua-
nos nao Qcariam espera que o nobre mi-
nisiro acabasse os seos navios para anviarera
a sua expedtico.
OSr. Pero Leita :Ssrvio para de-
pois.
O Sr. Candido Torres Filho :Nao ser-
viam mais, sen3o depois que elles vessem
conseguido seus fins, porque provavel que
n3o tentassem manter-se na provincia por
muitos annos. (Apoiados.) Em todo caso,
quando os repelissemos depois de muito
tempo, como aconteceu agora em Mato-Gros-
so, nao se poder ia chamara isso providen-
cia.
Mas felizmente essa noticia era destituida
de fundamento, e eu entendo que nos tinba-
mos meios de sobra para repellir ainda aquel-
la aggresso.
O Sr. Ministroda Marinha:Noapoiado.
O Sr. Candido Torres Filho :Nao cen-
suro o acto do governo que enviou urna es-
quadrilba ao Amazonas, a to que foi dida-
tado por muito serias conveniencias polti-
cas, mas essa esquadrilha era mais que su-
ficiente para oppr-se a qualquer aggresso
daquelle lado.
O Sr. Aristides Lobo :Nao apoiado; o
nobre deputado nao sabe que elles possuem
bons encouragados?
O Sr: Candido Torres Filho:Como o
Morona e Pastazza, que encalharam na em-
bocadura do Amazonas f
(Ha outros apartes.)
Tambem a previs do nobre ministro se
teria inutilisado e nada S. Exc. teria conse-
guido com os novos encouragadosse tivesse
sido bem succedida a revolugo de Mondoza;
se Os insurgentes da Repblica Argentina
tivessem triumphado e se sofiressemos om
ataque contra a nossa provincia de S. Pedro
tlmafei ser melbor esclarecido, anda que me
'e% Iffawcoes de pessoa muito com-
pewrfle. os papis qae o nobre ministro
teve a bODdade de mosirar nao entro em
pormenores a rwpeito da construego des-
se navios; aai assegura-se geralmente que
slo muito fragefe e de pooca deracio/-
Agora me referirei a algnns contractos
que constara dos papis que o nobre o mi-
nistrodepositou sobre a mesa da cmara.
Entre elles ha o qde diz respeito ao forneci-
meu*.o de madeiras, a que j alludi em pre-
cedente discurso.
Nao quero, Sr. presidente, repetir orna
proposigo que o nobre ministro julgou offen-
siva do sen carcter; mas- nao posso deixar
de estranbar que o nobre ministro, depois
das construegoes que tem ordenado, qoe
sem duvida sao muito superiores s nossas
necessidades e recursos financeiros, anda
precise de madeira para 10 ou !2 navios,
como se collige dos contractos por S. Exc.
celebrados. S. Exc. contradon o forneci-
meDto de mais de 10,000 paos com d.versos"
protegidos.
O Sr. Ministro da Marinha :Realizei
economas de mais de 7:0005.
O Sr. Candido Torres Filho :Se o pre-
go nao foi excessivo, bouve esbanjamento,
porque S. Exc. contradou aquillo de que
nao tinha necessidade ; ao menos eu deseo-
nhego essa necessidade.
Sr. Ministro da Marinha :Mas eu Do
a desconhego.
O Sr. Candido Toree Filho :E' ver-
dade qu o nobre ministro falla, em sua
proposta, de novas consirucges...
O Sr. Mimistro da Marinha :Eu espero
obter de V. Exc. os fundo necessarios para
um grande navio.
O Sr. Candido Torres Fito:Eu os
darei, ^porque vou votar pea proposta tte
V. Exc.
Alm deste fado, citarei outro, que ten
intima ligago cora este, e que j foi mencio-
nado pelo nobre deputado pelo distrido
de Minas: foi a compra de 170 vergonteas
depinbo, contra a opinio de todos os i ro-
fessionaes da repartigo do nobre ministro,
qne se dirige s pelo seu pensameDto.
O Sr. Ministro da Maihwha : Se o no-
bre deputado- lsse o papis, acbaria a ex-
plicacau desse acto.
O Sh. Candibo. Torres Pilho: Para qae fia
ha va o nobre ministro de gastar dtaheiro sem ar-
gente tecessidade ? Temo-to em tanta abundancia
qae possamos fazer compras- de objeetos que ac-
ta I mente nu sao preciso?
O nobre ministro nrastroo-se fiel ao seasystema;
nao qos attender ao parecer dos professionaes-
de saa repartigo,. dos borneas pratieos e encane-
cidos n servigo, e {resolre pela so onlca aspl-
ragio. Gomproa sem necessidade essas vergooteas
de pior.e. qae fcilmente obteria nos Kstados-lni-
dos, como bem o poaderoa o-sobre deputado pelo
3 dislricto de Micas, se algas dia preeisasse del-
tas.
Para awstrar qpinto o oore ministro >e raos-
iroa sempre Qel a esse systemav eo citarei de pas-
3agem o facto deque Ja'falloa o nobre desatada
por Minas. O sobre BHnistro {Qlgoa-se habilitado
para ntaadar centraoar madeiras na 3abia com
am iodtvMoo designado, por om preo estipa
lado.
Porm o nobre ministro disse qoe eu nao
apresentei naquella oceasio fados; S. Exc.
se settvesse dado ao trabalbo de prestar mais do Sul; porque nos sabemos que a revolu-
attenco ac meu disenr o, teria encontrado gao j rebentou ha muito lempo, j foi suffo-
a tolerancia religiosa porque essa temos nos | nelle nao s alguns fados como a razo por: cada e extiocta, e os encouragados ainda es-
era larga escala. Emende que s tendo em' que censorei esses seus actos. to nos esta'eiros.
vista aquellos 3 requisitos poderemos ter Eatretanto, nao seu os apresentei na tr- O Sr. Pedro LeitAo: Quaes eramos
bons colonos;do contrario s importare- buna, como essesmesmos fados foram aqui meios de que o nobre deputado quera se
mos dominadores. reproduzidos de urna maneira mais eloquen-' langasse mo para repellir essa aggresso ?
Passando ao objecto da proposta, declara te e notavelmente pelo nobre deputado pela | OSr. Candido Toares Filho :Aquelles
que vota por ella, nao s porque nao foi provincia de Alagas, que qualificou como que fossem proficuos com a compra imme-
motivoque explique o silencio do ministe- impugnada, como porque confia na intel-'devia taes actos do nobre ministro da ma-diata de vapores, por queso assim poderia
1 ligencia, no zello e integridade doSr. mi- rintia; o nobre deputado pelo 3o dislricto mos ter forca prompta para repellir a ag-
sidenta abri a sesso.
quaes patenteju bem o desaso do ministro
bisonho com que S. Exc. se tem havido em
muitos negocios da sua repartigo.
(Trocam-se varios apartes.)
0 nobre ministro acbou ainda urna tercei-
' ra explicago para a eneommenda desses
0 primeiro facto a que me refer, e qne seus monitores; foi a abertura do Amazo-
falla mais alto do que lodos os outros, fot a as e por consegrante a necessidade de me-
encommenda dos sete encouragados, sobre- lhor policiar aquellas aguas, e por outro la-
tudo atientas as circumstancias em que se do o desguarnecimento da nossa fronteira
mandou consiroi-los, quando se suppunha do Rio-Grande do Su',
que o lermo da gnerra estara prximo. | De modo que S. Exc. pensa j boje, quan-
seguram-me que os cascos linham sido Coi-
tos para outros vapores, estavam inutilisa-
dos quando 03 comprou o encarregado do
nobre ministro, para servirem ao transporte
de nossas tropas para o Paraguay. Accres-
centa-se que nao podero durar mais de 3
a 4 annos.
A' vista disto fra de duvida que foi
excessivo o prego. Se estou enjanado, es-
Um Sa. Deputad :Ja" respeadea a wse.
O Sr. Cakdido Torre* Filho rAinda i vi res-
posia algjima, a nao ser qae era-ama aotonsago,
portan'.} facultativa, coaao se (osee nec-ssno auto-
risai.Mo-do ministro pan qae o presidenta eoatra-
tasse as. madeiras de aua preoisa no arsenal' da
Babia. B* am aorollao das doatrinas descentra-
lisadoras da escola, literal a qoe S.Kic. liou-se.
Vou tratar agora, Sr. presidente, de ou'ro facto
qae eoesta atada.dos papis qoe oos foram offere-
cidos pelonobca ministro da martoha; faltado coa-
trato de forneatmentoe.de carvo ea Montevideo.
O foraecimento de carvo no Rio de Janeiro feito
na razio de %i4500 por tonelada.
Aii ao priccipio da. adminstraco do sobre mi-
nistro os fornecedores-em Mootevido erem obri
gadosasapprir a marinba naaional con 3,000 to-
neladas de carvo meosalmeale, mas lego deooia
qaa S. Exc. assuioio a adnuisiragao. mandou-ss
elevar esse fornecimento a 4^100 toneladas. Ora,
com este augmento do sopprteaenlo devie exigir-sa
dos fornecedores am abatiaoeato no preeo porqae
-regra regal qaaalo mais se veo.de menos se deve
exigir no. prego.
- Mas s'jccedeQaiaclamecte o contrario, porqaan-
to, se bm qae o. governo mantivesso o prego por
qae antes eslava contratado, esse precofoi redando,
a libras esterlinas, de maneira que os fornecedores
illudi;am o nobre ministro, conseguindo, em ve:
de faaerem o brnecimento por 23S0O, por qoe era.
feito anteriormente, 25,mais do qae aqu, fate-lo
ao cambio de aoje na raiao de 293000.
tato pares anda aM prvida pouca reflexo
com qae o sobre ministro faz eases contratos. Nao
son exagerado, 29i equivale a Si scbilings, pois o
nobre mioistro deve ver as cotagoes, que ltima-
mente se tem vendido soberanos a ujiOU.
Nio quero aloogar-me mais oesla malaria, coa-
tento me com apostar os tactos, e espero mais am-
pia informaedes do nobre ministro, entretanto satis-
i o compromisso qae costrabi quando disse qaa
nao tioba dito sem faodamento qoe alguns factos
da saa adminstraco ma aatorisavam. a clarifca-
la, como classili.juei de esbaojadora.
Nao disse, como o nobr ministro repeli, qae
elle tinha sido prodigo, esbaojador para imitar o
Sr. Saraiva; disse simplesmenie ( o nobre minis-
tro com preseadea-me mal) qaa-se o Sr. Saraiva.
tinha sido laxado de esbaniador por ter mandado
construir dei canboneiras, essa accusaijao cabla
mais ao nobre ministro porqae tinba feito a encara-
m^Dda em maito maior eseala, comproa em poacos
mezes de saa administrago 27 navios.
Sr. presidente, agora passo a dizer alguma cousa
em relago a' proposta que se discate.
Nao pretendo impugnar o crdito, nio o acbo
exagerado, por qae as qoaolias pedidas para cada
ama das verbas nao attingem a' mediadas despe-
zas extraordinarias nos tres ltimos exeretcio-.
Mas o crdito da marinha, bem como o da guerra,
partem da sopposlco de qae as despezas da guer-
ra dararo at desembro.
Seobores, preciso dizer ao paiz a verdade sem
reboco, e a verdade qae eos nio temos recursos
para continuar esta guerra taial por mais 4 oo 6
mezes-----( Nao apoiados ).
Im Sn. Depltadj :Nao apoiado; o paiz ha de
acba-los.
O Sr. Candido Torrbs Fu-ho:Ea voa provar a
minha proposico. Nos nio temos recursos para
sustentar por mais tempo esta guerra; nao sem
pavor que a naco v todos os das os ministros
apresentarem se armados de propostas pedindo au-
torisacao para despender dezeaas de milbares da
cootos sem qae nos digam quaes sao essas footes
to abundantes, qnal essa ilba de Moote-Cbristo a
onde o governo pensa encontrar diubeiro para lio
avallada despeza; seria necessario qae a Provi-
dencia tivesse concedido ao go*erno o dom mira-
caloso attribaidoa Moyss pelo qual tazia jorrar da
pedra agua crystalina ao contacto da saa varinha
e do cu cahia sobre sea novo ehava de delicioso
mana'; seria necessario ose o governo tivesse om
poder sobrenatural para encontrar o dinbeiro que
temos votadoe continuamos a votar am de fazer
tace a's despezas sempre crescenles desta guerra
iaterminavel.
Nestes poneos dias o paiz tem visto as enormes
reqolsicoes qae nos tem sid > fettas por pane do
governo. O nobre ministro da fazeoda apresentou
urna proposta pedindo approvaco para crditos
extraordinarios e sopplementares na impsrtancia
de 31,000:0004 e aioda mais pedia os meios neces-
sarios para pagar am divida Hacinante represen-
tada por bilhetes do tbesouroqne orea em mais da
o,00.0O0IUU0.
Poneos dias depois o sobre ministro da guerra
pedio-nose obleve um crdito extraordinario de
22 500COO, e boje o nobre ministro da marinha
nee-oos am crdito da mesma natareza, e para o
mesmo flm.de 7,808:000*; todos estes pedidos pre-
faiem a somma de 112,000:000*.
E' assombroso o compoto de sacrificios qoe nos
tem exigido esta guerra; excede mesmo todo qaaa-
lo se calculara oos circuios menos bem informados.
(Continua^ te-ha.)
:*
.-
/
TYP. DO DIARIOtt DA UtCZBS W.
\X
L
(


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EH3ZQMZUC_2DISAJ INGEST_TIME 2013-09-05T00:41:18Z PACKAGE AA00011611_11369
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES