Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11367


This item is only available as the following downloads:


Full Text

MMBaMMMM
MaaMMil
MtSttWtStWStWSWttStM

-?*

ANJVO XLIU. NUMERO 210.
* ?& Ottii*t: -*
FAH.1 A ClPITlL E LU6VBE OXDE SE NA PAA FOBTE.
Par,rds trezas liiaaUdej.,. .
Por seis Jilos '
Por om auno
fiada naasn...
. v
-.. ...,!, ., .;.;;, .; .; ;, ; ; ; ; g
firV i- ' jo
-."> -1 .., .JL....... ..... M 320
V
8sini^8ii ism ipiiiBmiBin) m izmn^mm
r**wn^ ESTA FEIRA.13.DE SETEMBRO DE 1867.
-------------
*ABA DEMBO E FOBA DA PBOTKVCIA.
Por tres oxea .dianta*,.. ry; ^ j r., ,., *. f.. v. ,. m f. rV T ..
Por seis di tes dem, m ...
Par nti ditos den..: .. .. '* [\ "_ '.......'M..........
Per aa anuo idea.. ;-,
iikkda i inmuta & narcos cus ipiaipiaiii!riaaD8%
750
43,5500
250
70OOO -
i
i
IKNCARREGADOS DA SUBSCRPCAO.
Parabyba, o Sr. Antonio Alaxandrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Margues da Silva ;Aracaty,
oSr. A.de Leraos Braga; Cear, o Sr. Joaqaiai
os de Dliveira ; Para, os Srs. Gerardo Antonio
Alves & Pilhes; Amazonas, o Sr. Jeronymo da
Costa; Alagoas,o Sr. Francino lavares da Costa;
Baha, o Sr. Jos Martina Alve Rio de Janeiro
oSr.Jos Ribeiro Gasparlnbo.
PARTIDA Dc$, ESTAFETAS, i SerlobSem, Rio Porraoso, Tamandar, Una; Bar-
Olinda, Cabo, Escada estacos da via frrea,at I reros, Agua Preta e Pimenteiras, as qalntas
Agua Preta, todos os das.
Igoarass e Goyaona oasiegandas e sextas feiras.
Santa Anin Jr*trtft't Aaiap^ Dnnin f*.*...-^
Santo Antio, Grvala, Bezerros, Bonito, Garuar,
Altiabo, Garaohuns, Buique, S. Bento, Bom Coa- Tribunal do commercio: segundas e quintas
seibo, Aguas Bellas e Tacarat, as tarcas-Tetras. Relago : tercas e sbados s 10 Horas.
Pao d'Alho, Nazaretb, Limoeiro, Brejo, Pesqoeira, Fazenda : quintas s fO horas.
fagazelra, Plores, Villa Bella, Cabrob, Boa-Vis- Juizo do commercio : segundas as il horas.
ta, Ooricury.Salgueiro e Ex, as queras feiras I Dito de orphos : tarcas e sextas s 10 horas.
feiras.
AUDIENCIAS DOS
TRIBUNABS DA CAPITAL.
di;
Primeira v^u-a do cirel: tercas e sextas ao mao|
J1ia.
onda vara do el val : q naftas e sabbades
hora da tarde.
EPHEMBRIgS DO MEZ DE SETEMBRO ,
S Quarto rese.'aa 8 h. e :$9 m. da t.
13 La ebeia as 9 h. e 41 m. da i.
21 Qaarto miog. aos 17 ro. da m.
27 La nova as 8 b. e 50 m. da t.
DAS DA SEMANA.
.
~~T
irt&?%' v D W. ro- ? Grf*to
10 Ter.ga. S, Nicolao de Toleolino, S. Silvio m.
* &?' cyuPfc,e Jacin,h0 '" n.
18 Qolntas. Macrobio a>.,S. Liborio m.
i e5a^&^0|* v'8- ikrowdes m.
I* Sabbado. S. Materno b., S. Salustia v.
lo Domingo. Ss. Nicdmeds e Meletino mro.
I PREAMAR DE HOJE.
Primeira s 2 horas e 6 m. da tarde.
Segunda as 2 horas a 30]minatos
PArTrDA DOS VAPOP.ES COsTE 08.
da manca.
ara o sul at Alagoas a 14 e 30; para o norte
at a Granja 13 e 30 de cada mex; para Per*
nando nos das 14 dos metes Janeiro, margo, mato
julho, seiembro e novembro.
PARTE OFFICIAL
OVEREO DO BI9PAD0.
SEDE VACANTE.
Expediente do dia 2 de selerabro de 1867.
Officio ao Tigario de Garaabuas.-Nesta
data antoriso o Rvd. parocho de Santo An-
tonio desta cidade do Recife para por esta
vez numerar e rubricar os livros qu tera
de servir para o usodessa matriz e que V.-
ftvat. comprou e sellou sem duvida nesta
cidade.
Ftca assim respondido o sea officio de 20
do prximo passado.
Dito ao Tigario de Santo Antonio.Auto-
riso.a V. Rvma. para por esta vez numerar
a rubricar os livros que tem de servir para
os lancamentos de baptisados casamentes e
bitos da freguezia de Garanhuns, os quaes
Ihe sero apresentados pelo respectivo pa-
rocho.
Dito ao 2. capellao do presidio de Fer-
nando,Incluso remeti a dispensa solicita-
da por V. Rvma. em 16 prximo passado,
para poder proceder ao casamento de Jos
Francisco .Vavier cora Joanna Paula Mara da
Conceicao, o qual s podar ter lugar depois
da se proceder s deligencias marcadas pela
vigararia capitular ao capellao desse presidio
no 1.a de junho de 1865 para occorrer aca-
sos como o presente.
Devolvo-lbe os documentos que acompa-
nharam o seu officio a que respondo.
Dia 3
Officio ao vigario interino de Alagoa de
Baixo.Autoriso a V. Rvma. para benzer
o cemiterio que acaba de construir-se ao p
da matriz, como declara no seu officio de 3
do prximo passado a que respondo.
Julgo conveniente a .construccao da pe-
quena capella dentro do mesmo cemiterio,
e autoriso igualmente a V. Rvma. n5o s
para proceler a soa construcejo, como para
benze-la quando estivr prompta.
Dito ao vigario de Buique.Tendo de ser
comprados nesta cidade do Recite os livros
que V. Rvma. necessita para uso da sua ma-
triz, nesta_daia autoriso o Rvd. parocho de
Santo Antonio da -raesraa cidade para por
esta vez numerar e rubricar os mesraos li-
vros. -*^-
Fica assim respondido o seu officio de 14
Dito ao vigario de Santo Antonio.Au-
toriso a V. Rvma. para por esta vez nume-
rar e rubricar os livros que lem de servir
para os lanfamentos de bapcisaios casa-
rnentos da freguezia do Buique, os quaes Ihe
ser3o apresentados pelo respectivo parocho.
Dia 5
Cilicio ao Exm. aovernador do bispado do
C6ar. Censultando-me o Rvd. parochada
freguezia de Gajazeiras deste bispado sobre
oxorrencias que se tem dado com osRvds.
parochos dos Milagres, e S. Vicente Ferrer
das Lavras, freguezias pertencentes a esse
bispado do Cear, e limitrophes daquella fre-
guezia, julgo do meu dever, antes de pro-
ferir qualquer decisao, officiar a V. Eic. so-
bre os tpicos do citad) officio, que incluso
envi por copia.
E para maior clarezi na minha coisulta
seja-me permittido formular aqui tres corol-
larios deduzidos das occorrencias menciona-
das no citado officio, e,a respeito de cada um
dos quaes necessito ouvir a judiciosa opiniSo
de V. Esc.
l. Os parochianos das duas citadas fre-
guezias desse bispado achando-se ligados
em grao de parentesco com paroebianos de
fregnezias deste biipado de Pernambuco,
podero levar a effeito o seu casamento sen-
do dispensados tnicamente pelo ordinario
dessa rcese do Cear f
2. Nos casos ero que tal dispensa con-
cedida com a clausula de ser o outro conjugo
dispensado pelo sea respectivo prelado, pode
o parocho de freguezia desse bispado assistir
validamente ao casamento do seu parochia-
no. sem que se baja ob'ido a dispensa do
ordinario da outra iocese ?
3. Ser valido o casamento de F... com
A... a que ltimamente assi-tio o Rvd. viga-
rio de Lavras, Armado tnicamente no man-
dado que Ihe foi apresentado, e sem atten-
der que sosente a nubente se cima dispen-
sada, e n5o o nubente. como se v do cita-
do officio que envi por copia ?
Sao estas Exm. Sr. as duvidas suscitadas
pelas occorrencias que ulliaaoteote se tem
dado nessas freguezias limitrophes, e para
cuja soluco aguardo a resposta fundamen-
tada de V. Exc. a qnal sollicitocom a pres-
teza que a gravidade do caso exige.'
Dito ao vigario de Cajazeiras.Accuro re-
cebido no dia 2 do correte, o officio de 16
do prximo passado, em que V. Rvma. me
narra as occorrencias que se tem dado'com
casafflentos de parochianos seus comparo-
chioos de freguezias e diocese al he i a; e
como taes occorrencias afectem ao governo
do bispado do Cear, julgo do mea devee le-
va-Ios ao conhecimeoto do respectivo ordi-
nario, o que.faco em officio desta data.
Para responder a V. Rvma. aguardo ares
posta do Exm. prelado Ceareu.se, o
Fazendo porm V. Rvma. algamas con-
siderables no citado officio, e dizendo que
at agora como certo que embora um casa-
mento losse reconhecidamente nullo, n5o se
podia revalidar nemos conjugespodiam pas-
sar aootras nupcias sem que bouvessem tres
ou pelo menos duas sentencas do juizo ec-
clesiastico declaraodo-o tal, como determina
Bulla Dei misxatfone, de Benedicto XiV,
compre-me rsponder-lhe sobre este ponto.
E' verdade que. nao tendo os parochos j :-
risdieco no foro externo, n5o pudem tam-
bem julgar nullo um casamento dados taes
ou taes circumstancias, A propria autori-
dade superior nao o pode igualmente fazer
sem que precedara os turnos da le, sem
qae ha ja um processo e duas sentencas do
juiz) ecclesiastico.
Com tudo esta doutrina deve entender-se
em termos habis. Nos casos pablicos, qaaa-
do as partes querem proseguir na nullidade
para se desquitarem definitivamente, e Oca-
rera livres, ent3o devem prepor aacelo de
nuL'dade, a qaal deve passar por tjdos os
turnos; e s depois de proferias as duas
sentengas, ambas declarando nullo o matri-
monio ; que os conjuges sao considerados
livres e desembarazados para passarem a
outras nupcias. Antes destas formalidades e
sentengas nem a propria autoridade ecclesi
astica pode declarar nullo um casa nenio de
modo a desligar definitivamente os conlra-
hentes para poderem seguir outro destino.
Mas quando os contrahentes s querem re-
validar o seu casamento nullo por qualquer
causa, ento n5o necessario processo al-
gum: basta que a autoridade superior, co-
nhecendo as razes da nullidade, mande re-
validar o matrimonio. O assento do casa-
mento nullo. laocado nos livros; nao merece
a consideracSo e o pezo que V. Rvma. Ihe
d no seu refferido officio, pois esse langa-
ment fica prejudicado com o langamento
posterior, e no qual se deve mencionar a re-
validago se esta publica.
E porque se trata de revahdagSo de ma-
trimonio nullo, -direi raais que o proprio
parocho pode por si s,.eindependente de
autorizagao, revalidar um cazamento nullo
quando a demora puder resultar damno,
deven lo em taes cazos dar parte ao ordina-
rio logo depois da revalidago a que proce-
der.
Otianto quelles casos em que a nullidade
sabida nicamente por um dos conjujes, e
o parocho tem conhecimento della pela con-
fisso sacramental, V. Rvma. muito bem sa-
be que o mesmo parocho e o competente
para proceder revalidagSo do Aodo que
as circumstancias Ihe permittirem; e. a pru-
dencia-lhe dictar.
Eis a resposta que rae cabe dar s consi-
derages expedidas por V. Rvma, no citado
officio.
Dito ao vigario de Panellas.Nesta data
autorizo o Revd. parocho do Santo Antonio
desta cidade do Recife para por esta vez nu-
merar e rubricar os Uvrosqae tem de servir
para o uzo dessa matriz, e que V. Rvma.
mandou sem duvida comprar e sellar nesta
cidade.
Fica-as?im respondido o seu officio de 28
do prximo passado.
Dito ao vigano de Santo Antonio.Auto-
riso a V. Rvma. para por esta vez numerar
e rnblicar os livros que tem de servir para
os langamentos de assentos de baptisados,
casamentos e bitos da freguezia de Panellas,
os quaes Ihe serao apresentados da parte do
respectivo parocho.
9
Officio ao chantre da cathedral de Olinda.
Aproximando-se o dia 16 do corrente, em
que se deve celebrar nessa cathedral o
anniversario-de fallecimento do Esmco. Sr.
D. Manoel do Reg Medeiros, assim o com-
munico a V. S. para que se sirva de convi-
dar nlo s os Rvms. capitulares como o cle-
ro dessa cidade a lira de que no relindo dia
16 comparecer nessa cathedral para assis-
tirem ao officio e missa solemne que tem
de canlar-se pela alma do Exmco. finado.
Espero que V. S dacordocomo Revmls.
mestre esc lila da cathedral, dar as de raais
providencias necessarias para este acto f-
nebre.
Dito ao reitor do seminario episcopal de
Olinda.Tendo de celebrar-se na cathedral
dessa cidade no da 16 do correte um offi-
cio solemne e missi de rquiem pela alma do
Exmco. bispo fallecido, assim o communico
a V. S. fim de que pelas 10 horas do dia
indicado se sirva de comparecer na cathedral
com toda a commanidade dos seminaristas.
Igualmente eucarrego a V. S. de avizar
os Revds. lentes do seminario para qae as-
sistam tambem a esta solemnidade fnebre.
bastantes vietlmas da gaerra civil tem cthido de drid. Qnerernaa qae o Sr. Martens Ferro e o Sr.
ama e ootra parle. ; Casal RlblMijfcjam os ministros do rei da Portn-
fcm separado, tratare! de colligir clrcamstaneia- al, e nao os alabarderos do daqae de Valencia,
damente os pormenores qae tem tido aqui publi- Queremos qu o governo impeca todo o auxilio
C|d?de- }409 d Porta|al possara levar os emigrados io-
i KCeri qae na occasS<' de SS. MM. o rei e a sorrejo bespanbola, por cojo trinmpno taremos
rainha de Portugal salrem de Madrid, marebava votos em aonoe da civilisacao e da liberdade : mas
para oatro ponto. daqa.ella capital, ama respeitavel queremos que nao restaure os lempos em- qae a
rorca de artilhar, de morrdas aceso?, a tomar po- polica Intolerante e teros Cormalava, sub a sombria
; que muito censurados pela imprensa, nao | domlnago do intendente Manriqae, a lista dos ius-
ministerial portagaea, os ministros por nao terem
tomado a responsabllidade (alsoem hade toma-la
Dk *ys'eraa r representativo, attendendo a que o
enere do estado nao responsavel nem se discute)
daquella prnada a Madrid, sob pretexto de pagar
afamilial real portagaea aos res de Hespanba,a
visita que no passado Invern Ibes flieram em
Lisboa.
Urna folha
peitos, e povoava as prisoes com os partidarios da
revolugao.
E Manrique era, digamo-lo em honra do Fou-
ber da velba mooarchia portugaeza, muito mais
babil do que os seus soccessores em 1867, e nao
azia da polica ama irrlso e urna vergooba. Con-
tentava-se de que ella fosse apenas urna oppressao.
< O governo portugus te n o direito de intimar
desta cidade ebegou mesmo a dizer os emigrantes.bespanhes para que saiam do terri-
qneo ministro inglex em Lisboa, flzera sentir ao torio de Portugal, se nao sabe cont los sem com-
nosso governo, qaanto era inconveniente e perigosa metter esla fraqueza, qae, se na. nobre, pelo
a lomada de SS. MM. por Hespaona, e que sendo menos legal. Mas no tem o direito de metter os
desattendido, mostrara vivo desgosto. j emigrados nos pardas dos seas navios, de os del-
Todos asseveram que a retirada do re de porto-. xar 2i boras a roorrer de Tome e de sede, sem re-
gal fora appressada, em consequencia das circums- {ssciiir, para conservar as boas gracas de Narvaez,
tancias excepcionaes em qae neava aqaelle pair, e a in^aisico.oa o tribunal revolucionarlo.
em oae e a(u bora para ootr podia acbar-se eo-! O paiz deve protestar enrgicamente contra es-
volvwo, do modo qae em Madrid nao se cumprio tes eiemplos de barbria, que vam agora dobro-
o programmma completo das fastas e paradas, que! smente destoar com os costumej hospitateiros e
se tinbam disposto para obsequiar os soberanos' fldalgos deste paiz, onde a opinio acolha os que
portugueses. padecem pela liberdade, e repella com horror os
A s J da tarde partlram SS. MM. de Santo Ilde- que a oppriraem e destterram ; onde por mais que
onso; pouco depois das 6 1/i da tarde ebegaram se empenbe o governo e os seo* |ornaes, o norae de
a Madrid. Depois de descansaren: gum tempo,; Narvaez datestado, e sao honradas pela opinio
iiouve jantar de familia. Por causa das mis nott- geral as vfctimaa da sua prepotencia e os mariyres
das, s visitaram SS. MM. apressadamente alguns [ da liberdade. i
editcios, nao passaram era frente das tropas, mas Foi looga a ifiufecrlpQlo, mas por este desabafo
apenas assistiram ao desfilar, e terminada que foi' podem fazer tfWjree qflaoto o gabinete actnal se
a passagera da tropa dirigram-se logo para a es-1 tem despopulaiisado, com a intimidade e affr'ico,
tajao do Meiodla, e a's 8 l/l parti o comboio real, que nem mesav provara, comer nos limitts do
vindo com os reis de Portugal as pessoas que os bom senso, a poluip reaccionaria do ministerio e
foram esperar a' frooteira francea. camanlba bespanbola.
Rom pressa nao menor se retirou o rei da Has- O Diario popular cHofl ha dias ara faci em que
panba para Santo Ildefonso pelo caminho de ferro boje insisto, qae aotafB, a ser exacto, urna certa
doorte. friezaenire o govfffM> da GraBreanha e o ie
'utro joraalj (o Diarto Popular o> 28 do cor Portugal.
5 Pha ao P4lci0 da crystal a grande
"asa popular qae dorara ama semana, e que di
aireito aos compradores de bilbetes de adraissio,
a_prenios que representam non viagem a exposi-
vao de Paris com demora de 15 dias. entradas nos
Deatros, circos, muzens etc. etc. Os premios es-
^ Proporpo de 1 para 300 carl3e. Sao a
I0OU e tem-se vendido em Lisboa mallos mesmo
a pessoas que naj se aproveitam das festas por-
tnenses.
A emlgracio de Individuos subsidiados a Paris,
continua. Laudae* de informacoas nos esperara,
u peior costaren tao caras.
Tem estado maito concorridos os beneflcios que
oo passeio publico tem dado a cmara municipal
de Lisboa, -
iros portos estrangeiros, o p5 desceu 10 res en
d'Assoca. Era
Coatav 77 aa-
Palleceu a Sra. viscoudessa
Sra. de grande virtude e piedada.
nos de idade.
Hoje ha no campo da Santa Auna ama vis-
tosa corrida da touros psr curiosos da distiaoei-)
Os cavalleiros sao, os Srs. marquaz de Casiello Ma-
Inor, Perreira Pinto, morgado Cabral e U. Anto-
nio Pombeiro.
O marquez faz as cortazias n'um cavallo russj
oliarecido por S. M. a rainba. O bala appa/ecem
enfeitados cora requissiraas monas offarecidas, por
S. M. a rainha, coudessas O'Azambuja e de Pom-
beiro, D. Helena de Vasoacellos e Soon, D. Mi-
aro/iras* ~Pia-coio ed,a-' ms&JFSs5* *fi>
A ^ooitedemaio^Sntamento de ojeantes J VSSfSSL!^ ""*"* de ^
Cival-
o gabinete portoguez, por tal
renie), increpando
impruoeocia dlx:
E por ventura seria misterio para alguem que
estava para estalar ama revoloco em Hespaoh f
..era' 9 a, a6$l I09 B*m ,enws informacoe
oiciaes copo o governo, nem relajas de na-
nhuma especie com os revoluciooarios hespa-
nhOes, predissemes o movlraento, quando el-rei
esuva anda em Praofa. Era evidente.
Tambem sabido qae um des chefes prlnci-
paes do partido radical nespanhol, pretende acla-
mar D. Luiz I impBttdar da Iberia, e depois da
reunidos os dous pataeij peainsola. de rooba-
lodothrono e constituir Urna republlea fede-
rativa. ..
Pinalmeote, quem altenlar na coincidencia da
viagem a el-rei com o rebenur da revolia, nao
pode recusar-se a < jecto reiavo aos nossos soberanos. Tambem
ainda nao esqueceram as manifestaQSes feus a
el rei D. Luiz, da penltima m qoe (oi a Mt-
drid.t
Esta linguagem sem rodeios, presta melhores
|tal viagem se nao realisoo, e qu pooco depois re-1 proseguan com deligecia. Inaugurase no dia
cebeu era 0. la a ah esteva cinco dias. ao Loretto. E1 de bronza e de estatura collossa".
Conta aquella folha que el-rei o Sr. D. Luiz pre-
tendendo visitar a rainha Victoria na su projec-
lada viagem a Inglaterra, pretexira aquella sobe-
rana que a sua prxima partida para a Escossia a
pnvava de receber a visita do rei de Portugal. Que
So m.i3 aSS: PJ^0, e '"""0' ,llQml0>; c"?u boniem a Lisboa o canda i
reunido nari ufi 6Sta a",,ada kse t8m a,H 'leir08' ownador civil o'este distrito.
a Na Pnou.*",,"lha-,ar os ,??,os 9 cham0a0r B! "Q'sterio da marraba mandou vir de In-
w. tn noite de zo annanciira se que SS. MU.
iam all passear, o que aitrahiu maior namero de
pessoas.
Poram como Ibes disse e muito agradou geral-
raente esta condescedencia da familia real para
com a coramlsso reedillcadora do asylo dos po.
bres. A contribuido volanlaria, por fregaeilas
wolta ; o Diario offlcial lodos os dias pub ica re-1
lacoes de subscriptores. A opposleo contina a
combater a caridade offlcial.
Dizem que o goveroo acabou cora a raendiiida- I
de para .- elle ser mendigo.
Pol nomeada ama commisao para presen-
tar um plano de reforma para o exercito do esta-
do da ludia.
Esto qnasl concluidas as obras do edificio
do ministerio do reino no largo das duas Igrejas.
Era setembro veriflea se a mudanza, desude para
uso da alfandega grande de Lisboa as salas e raais
glaterra um vapor de reboques que lem merecido
a approvago dos entendidos. Pode deitar 17 a 18
milbas por bora.
O presidente do conselho da ministros o Sr-
Joaquim Antonio ds Agular vai passando meibor.
Pez 75 annos no dia 5 e foi fositii los para a sua
: quinta do Barralro, ao sul do Tejo.
O Sr. D. Jos d'Alaiciu manlfe3tou no conce-
Iho de Perreira do Zazere cinco minas n'uma rea
de sete kilmetros. A realisar-se o que se diz a
. respailo d'ellas, cara' sendo aquelle conselho um
| dos mais ricos de Portugal. A industria mineira
n estes ltimos lempos tem tomado notarM incre-
mento.
Na interessante memoria do Sr. Cabral, enge-
nheiro portoguez ha actualmente nesta paiz 203
minas concedidas ou era via de o serem, distnbai-
[ das do ra.d) seguinte :
dependencias que'ao m^uK^SmS Sn*to?B%SS!S'''' N mDaS
leste oceupava aquella secretaria de estado. Esta ] Eitromadura lf

conseibo em 1863 foi urna grande ligio.
Et quasi demolido o ediUcio em ruinas, do
3 e .cmara municipal de Lisbea. As obras
Veste faeto, a oo que ba lempos succedeu quan-
do el-rai D. Late lol Ialalerr e nao pie visi-
tar a ramba, poder-ae-hia ver urna desconsidera-
do pessoal, mas parece que sao ootros os motivos,
segundo a opinio dos jornaes portuguezes que se
oecaparam do assumpt.
Um dalles atiirma que desde que o actual minis-
terio sabio ao podar, prevaltceu em Lisboa a poli-
tica francaza, perdenJo terreno a influencia ia.le-
za. B^ta frieza de relagoes augmeotou, dizem, com
O tratado de coquaercio cora a Frauda, eai qae
05o bouve consiergSo com o governo Inglez.
Oo seja essa a causa, oo provenha de mais ion-
ge, daquella celebre circular diplomtica do Sr.
Casal Hibairo em que manifestava a urgencia de
Esta epidemia reina actualmente era grande for-
?a por toda a Italia, onde tem feto milhares de
victima.
Daus affaste de nos lio borroso lligello.
A Enegehpedioa Popular, de que director
.0 Sr. Souza relies, e qua foi approjado pelo coa-
raict L 2??MS',U.C0m?inD*aPerpee' Se,h g9ral da ini^ucQao publica para leitura as
a de que gerente o Sr. Joaquim Pedro Colla- escolla^, contina a ter rauita acce.taco. J pu-
E' collabora Ja palos' mais dls-
etras d'esta trra. Como iivro
res, no largo doConde Barao. realmente bolla. I b icou 9 folhetos.
As figuras de pedra qae devem rodear o pedestal1 tinctos horneas io
servidos de que o estylo nebaloso e affectadaraeote : tao apenado affecto'com a poltica do governo de
obscuro, que empregam quasi todos os joroaes, i Madrid, certo que estas circumsiancias, s terem
quando se trata da pessoa ioviolavel do soberano.
Se effectivameote foi imprudente e arriscada tal
viagem, diga-se a verdade sera subterfugios, "va"
loda a exactldo que se afflrma, nao sao despidas
de certa gravidade e podem ter algora alcance as
nossas relaedes internacionaes. '
a responsabllidade a quera toca, tmbora se respetw Voltando porm ao negocios de casa :diz-
tera as subtilezas conslitucionaes e se attribua, se nos circuios polticos, qoe o duque de Loul no-
como se deve attnbuir ao3 cooselbeiros di cora. meado presidente da graede commis-So extra-par-
as praxes representativas asta' o correctivo. Se lamentar qoe deve, no intervailo das eessSes da&
os ministros entendem o contrario daquillo que o cflrtes estniar as causas d^flcit, nao apoiou o rao-
sobarauo approva ou determina, resiguen) as suas do porque foi nomeada tal commisso, pois sendo
pastas sa tanto fr preciso. Estes e qna sao os
principios, raais.uma vez ierabrados pela imprensa
da opposico, a proposito destes acontectraentos.
Entretanto, como S3. MM, ehegaram sem trans-
torno algara, nem grave compromiltimento das re-
lacdss intarnaclonaes, bem foi.
O boletim offlcial continua todos os dias a dizer
que SS. MM. passara sem Dovidade,em snas impor-
tantes sandez A imprensa continua a afflrrnar,
que a ffeccao nervosi de que S. M. a rainha esta'
soffrendo das mais assostadoras.
S. M.tem saldo a passeio ; asaitfjoao cortejo qoe
a 22 teve lugar no pago, a W.aVre Deum oa s
patrlarchal, ha pouco dias a parada era Belem, e
no domingo 25 foi com el-rei e S. A. o infante I).
Augusto ao passdo publico, qua psrcorreu iodo,
sendo grande o enihusiasmo cora qae mais da oito
mil pessoas se sgropavam para ver a SS. MM. A
palidez da joven raiila notavel. Oala' que nao
seja tao-grave, como alguos jornaes tem assevera-
do, o padeciraento daquella angosta senhora.
- O secretario geral servmdo' de goveroador
civil de Lisboa, dea ordens terminantes aos admi-
nistradores dos balrros, para prenderen os emi-
grados bespanhis, e uma folha de boje aUJrmou
qua as dias 25 e 26, o governo man 'oa recolher a
bordo da fragata de guerra D. Femanio, surta no
T< ji.os emigrados bespanhes, teoeule-coronel Ter-
rones, auditor Raphael Garcas, o capillo D.Lau-
reano Caldern. O capillo D. Vicente Cabreva Ne-
varos Escandon, por se acnar doente f j para n
hospital militar da Estrella. D. Carlos Rubio, jor-
nalla, foi no dia 25 detido em Eivas.
No Jornal do Commtrcio de boje (27) o artigo
o principal), vem furioso contra quem aulonsou
quasi todos os ses membros ou pares do reino ou
depatados, e bem coobecido ja peio paiz o seu pen-
sameoto, oio tem a commisso o carcter que,.se-
gundo a prdposta do mesmo duque devia ter de
extra-parlamentar.
Como se espera va, o nobre duque regressou com
SS. MM.
Contina a affirmar-se que ainda se nao pule
realisar o emprestimo que o Sr. Casal Kibairo tinha
ido agenciar s pra'gas estraagelras, e que asta diffl-
culdade trar grandes erabaragos ao governo, an-
da mesmo para fazer face s daspezas correntes.
O Sr. Casal Ribeiro regressou tambora e ja to-
mn conta da pasta dos estraogeiros, de que inte-
rinamente hava sido encarregado o seu collega
dai obras publica?, o Sr. Aodrade Corvo.
Agora -falla-se com insistencia na entrada do
conde d'A vi la para a pasta da fazenda, ficando o
Sr. Puntes s con a pasta dos negocios da guerra,
e tanto mais parece viridico este boato, quanto ve-
mos os amigos que o Sr. Lobo d'Avila tera na im^
prensa combater ja de antemo a pessoa e ompe-
tencia daquelle esclarecido estadista. Estas rivali-
dades sobresaltadas, esle rompimento de pequen-
nas mas pronunciadas hostilidades, aquelle tiroleio
antecipado faz crer na probabilidada desta modifl-
caco.
O qae parece oao soffrer davida alguma qna o
Sr. conde d'Avila nao est disposto a vullar para a
embaixada de Madrid. A razo que se d, nao
querer o Sr. Avila perder o rndoso e importante
cargo de gjvernador do banco Hypothecario, que
nao pode ezercer estando setnjgw fora do paiz.
Coatioaam os preparan** para a simulada
marchado
. campanba de Teos. Ja para all tem ..
os tactos vergoooosos, denoociados no mesmo jor- algnns corpos, e oaaldizentes continuara a mur-
nal por Antonio Raphael Garcia, um dos referidos murar dos gastosiqjtie se fizem naquelles eniaios
emigrados. E' c caso qae, sendo coodasldo aquelle
cavatneiro para bordo da fragata D. Fernnnio, o
deuaram all Qcar 24 boras sem comida nem
cama, e se bebeu ama gota d'agoa, por qua am
offlcial do navio se pnvoa deiia para dar-lna 11
Con semejante proceder, porcierto (diz o mesmo
queixoso ), qae no valia potgar-se tanto con la su-
presin de la pena d muerte en este runo.
E' severissimo tudo quanto o citado peridico
diz aos ministros portugaazes, a proposito desta
prepotencia, e lando maior impresso produzto no
publico, qaanto certo haver eta fortaa, repetidas
vezes louvado diversas medidas do goveroo actnal,
e mostrado a soa imparclalldade e dtsprendimento
de partidos e facedes. Deixou por ventara o ca-
b^ilicosos- Podero achar nlsso rnuita gosto, nao
Ih'o contesto, mas, a termos exeri*o''permanente,
precisa qae o exercito lenha ama escola de ma-
nobras para os generaos e cJomandantes. Haveria
outras superfluidades que poetar com mais razio,
sem mesmo sahir deste capitulo, cumo por exem-
plo a de se mandarem com grossae graticacoes
para o campo de Chalos generaes valetudinarios e
provectos, que all ebegados, entraram na casa de
saude para se tratarem de seas padecimentos.
Afllrmam quasi todos os joroaes qae S. M. a
rainha 4t Portugal, pedir em Madrid o perdi de
20 revoltosas de Valencia que haviam sido con-
demnados a pena ultima por mjtivos p I i i o >. O
general Narvaez disse qae oao podia fazer seme
EXTERIOR.
-I COBRKSPOIVDBXCIA
DO D1ABIO DE PRHTlflOUCO
IMtkfiJk.
28 de agosto.
Na qae Ibes eser.ei a 20 pelo Chrysolithe aono-
va-lhes a revoloco de Haspanha, atada
,-_ ...,..,,_, _.._ a essa
qual hora mal conhecida aqal. Pcoco maU se coohece
oao podera denorir-se, ltenla a materia ?l* sea a":aoee; o seas Aos, com qaanto so-
da consulta que pela sua importancia e gra- "SSLf'1,l"ffS M Dot'c,as ver0ira9s;d mai
pitao general Narvaez, o dictador das Hespanbas, ihante pedid rainha Izabel, mas qaa poda asse-
as suS InsiruecSes, dorante a soa ultima estada gnrar rainha de Portugal que emquanto SS. MM.
neste reino, tea seos procnsules de Poriogali ; estivessem em Haspanha, a senten^a nao seria
execbtada I
R' natural qae o fosse logo depois.
(exclama a ailudida olba, no maio de sua justa In-
dignagSo ). Em que paiz estaraos eque rgimen
o oosso, sob o ministerio actual ? Que princi-
pios dominou o gjverno portagoez 1 Somos en
nagio ltvre a indepaodaote, ou somos apenas a
guirda avanzada da reaeo hespanhola ? Tamos
am ministro do reino, o temes o goveroador de
ama provincia hespanhola, recebendo ordens' Oo
ministerio de Isabel, e cumprindo-a", ou exagge-
uudo-as para is>ogearcs oppressivos dominadoras?
c O goveroo portoguez, contina, o referido jor-
nal, tem por dever Impreseriptivel manter a mais
rigorosa neutralidade em relacao aos negocios q.
teriores de Haspanha. O governb nio pode favore-
vidade demanda prompta tolucSo,
6
Officio ao vigario de Santa Luzia do norte.
Tenbo presente o seu officio de 20 do pro*
ximo passado, dedarando-me haver revali-
dado o- casamento de Jo5o Antonio do Nasci-
mento a Jozepha Mara da Conceicao, com o
quesanouV. Rvma. o mal causado pelo Revd.
parocho da freguezia de Atalaia.
to sospeltae as offlctaw, pance que se fundam no | cer sem maolfesta quebra do dlreliO das gentes,
pensamento do partido demoeratleo hespaohol, a' nabura dos babdos qae pleiteam o poder, nem pe-
cbjs freBte se collocoa o general Prim. Ora todos; de como representante do estado ter ofilcialmente
s^bem que o tromoho Se Prim sena ioeompatlvel | opinio acerca das dlssideocias polticas da H^s-
com a dyoastia bourbonia em Haspanha. Afflr-
ma-e tambem qu fJDodnell se eervla ao celebra
caudilho liberal. Alguos recontros tem havido,
mals oa menos sanguinolentos entre as guerrllhas
e as tropas do goveroo da raioha Isabel. Em al- desempeobe com digoldde
Diz se qoe a mesraa considaraco houve com os
soberanos portoguezee qnanto a d.aclarar-se todo o
territorio nespanhol era estado da sitio, e que por
sso muito mais rpida fora a sabida dos augustos
hospedes d'ae.uerle paiz.
Multas das pessoas que fizeram parte da co-
mitiva de SS. MM. portoguezas vieran doentes. A
senhora condessa de Souza Ciullnho ehegou a es-
tar era perigo de ida, nao ponda regressar com
S. M. a raiob. Pieeu emttxi?.
Abrise no dia 20 ni eidade do Porto, no
palacio de crystal a exposicSo de sericicultura. Sao
ooBvIdalivos os premios, e animadores ot^roauc-
to exposio?. E' ama industria esta, a da sed,
que progride entre nos a oluos vistos.
Urna ospecie de alpandre, junto ao palacio, br
panba. ga as roaciloas.qoe oceupanj mat pesaeoo" e?p
t Respelumos oo govert o direito de providenciar 50. iMBte delle 5erm ama vista e elegante
para que neste paiz nio conspirem os emigrados 1 barraca, d qnal se pode ver como eilaa traba
bespanhes. Quererau que o exarca, mas qaa o {m. A exposicao de sericicultura fechar se-ha
e sem eqoocsi- omni di 30 deste, mez. Os postares sao 40} e
guns, as tropas chamadas lenes, tem silo battlai:' iostaule que goveroode uma aa;io ilvro, fe ee-' ore por qarer e t&atbs; humerosprbdoc
na maior pane, oa rebelde tem-se vj^o 'j&rii.jos! ton, a zh o Marfori d Libo. alisando em tosi
a depOr aj arraas, oa a fagjr j tai tod-, po'rtj,' vexetttes o opfr*5H cofa
-
expostos. O 'inalor expositor o Dr. Jaclniho
seu coilega da J*-< Pereira Val verde, do distrleto de Bragnca.
serao postas no seu lugar immediatamente.
O Sr. Joaquim Lopes Carreir de Mello, di-
rector do collegio de Nossa Senhora" da Conceicao,
e autor de varios compendios, tenclona esta-
belecer uma sociedade anonyraa, denominada :
Companhia de l'mhos da Bairraia tendo a !
sede na Malbada. f
O capital desta sociedade ser de 500:000^000 '
dividido em aeces de 50000.
No dia 25 (domingo) verifieonse na igrej
de S. Lalx Rei de Franca a festividad^ solemne o
mesmo santo.
Celebrou missa de pontiQcal o reverendo bispo
do C-ar, um dos prelados do imperio do BrtSi!
que foi assisjlr s festas do centenario em Roma,
e que actualmente esta em I.lsbca: Fj> assistaote
ao solio o reverendo padre Var, superior d'aqael-
la casa religiosa. De tarde hove sermo.em por-
tuguez, ficando o Sacramento exposto, por e-tar
naqoelle templo o jubileo do sagrado lauspe-
renne.
El-rei D. Luiz I deixoa em Madrid sete con-
los de reis para estabelecimentos de benedeencia.
Fez-se ara achado curioso no archivo do mi-
nisterio do reino, por occasio da muanla a que
se anda procedendo. E' uma carta de mores do
celebre marquez de Pombal escripta em francez.
Est assignada Sf&asfio de Carvalho.
No hospital dos alienados de Lisboa, no edi-
ficio de Rilba-foiles, um doldo qoe tinha mana
tranquilla e babitava com outro no mesmo aposen-
to, ergueu-se de polte, tirn uma barra de ferro
do suu leito, e matou o seu compaobeiro com uma
furiosa pancada na eabeca. Anda Ibe den mais,
e quando acudiram os enfermeiro; feiu alguos
da sciencia popular, e analecto da leituras amenas
satisfaz completa e satisfatoriaraeota ao seu vana-
do programma.
* A corveta S da Bandetra ja nao vai com o
governador de Macau Uahia de Yang-Til, vi1!
n50 a verificar esle anno, mas slm era raaio ila
seguinte, a ratiflcafo do tratado cora o celeste
injperio.
Ser publicado brevemente do Sr. mrrquez
de Rexenda : M-mortns de Quelus.
O erudito marquez veador de S. M. a Irapera-
triz viuva do Brasil.
PERNAMBUCO
REVISTA DIARIA.
Foi nomeado director interino do collegio dos
orphos, o Rvd. fre Joaquim do Espirito Ssnto,
por propotta da junta administrativa da Santa C?sa
da Misericordia.
Oflareceram para as despezas da guerra : 10
/# o regedor do Gymnasio Manoel Franciico de
barros, e 3/, o professor primario do Booito
Eduardo Jos de Sant'Anna.
Celebra hoje missa o Exm. e Rvm. Sr. bispo
do Cera', na igrt-ja do Paraso, entre a's 6 e 7 ho-
ras da manha.
A veneravel ordem 3" de S. Francisco cele-
bra a sua festa no dia 17 do corrente, tendo logar
o acto i na propria igreja, cujas obras, depois de i
de trabalhn, conclniram-se gracas a arlual
annos
Decidiram cravar 03 ferros das barras para prev- admioistraco, que para isto nao omittio esforgos.
nlr algura ootro desastre ioesperado. A direcc^o | a igreja acha-se inactivamente reparada de mc-
d'aquelie estabaleciraento, tem glibo muito boos | do completo, casando-se em tudo o bom gosto cora
crditos e parece que nao leve culpa no acontec
ment por falta de prevences. O pe;soal que
se averiguoa ser muito limitado para o grande
numero de doentes qne al 11 existem.
Tornara a apparecer notas falsas do Brasil.
A' delegagio de polica do Porto foi teita denuncia
de baver em Villa N'va de Gaia algnns desses pa-
pis, e por tira veio a dar com dons Individuos,
sobre os quaes recahiara graves snspeitas de pas-
sadores : eram Antonio Mara Carvalho e Francis-
co Ribeiro, da Figueira de Castello Rodrigo. Am-
bos foram presos em Quebrantos. Residiam n'u-
ma estaliagem de Villa Nova de Gaia. Dau-se bus-
ca ao quarto que occopavam, e ahi se acharam
3:o00J000 de notas do thesouro do Brasil, de
IOJOx) cada ama. Parece que uta d'aqaelles bo-
rneas foi ba muito lempo pronunciado como moe-
deiro falso, e conseguio evadir-se. Os presos de-
clararan) que tinham lancado ao rio um mago -'a
notas do valor nominal de 4-.OO0JO0O. No da 24
Hzeram-se algamas visitas domiciliarias. Uma
dellas foi em casa de Francisco Antonio Gallo
(morador em Cima do Muaajjpor indicaco de
Carvalho e de Ribeiro. Encowaram-se 48 notas
lalsas, algumas dellas ainda por assignar, e o ta-
lo por aparar. Estavam sob o soalho do 3.* an-
dar. A taboa, aparafuzada, e sob ella ama copa.
Foi tamben apprebendido om (renlo sojo de
tinta cor de castanba, dous frascos com tinta, e
sete laminas de cobre por gravar. As notas indi-
cavara ter sido feilas ha poneos dias.
Gallo tem luja de instrumentos de marinba e
empregado no instltnto industrial do Porto. Pare-
ce que am dos que primeiro foram presos com-
padre de Gallo.
Ha dias bouve uma violaco da territorio em
Gontellinbo, no concelho de Chaves a 12 leguas
de Braga, por nos carabiaeiros bespanhes que
vinham persegoindo nos individaos, como desaf-
iados ao governo hespaohol. O regedor houve-se
cora toda a firmeza e digmdade, nao consentiodo
que sa apoderassem dos perseguidos em territorio
portagoez. O povo armoa se todo, e os bespa-
nhes deram s de Villa Diogo.
Pouco depois ap parece a atoa Jorga de cavallaria
e ootra de infamara portuguesa, e a tentativa nc
se renovou.
Parece que j se eotanotaram oegociacoas, agora
que voitou a Lisboa, o conde de Bannellos, minis-
tro de Hespanha u'estacorte, e afflrma se qne nos
ser dada inteira satisfacao por aquelle desacato.
As nomeagoes tao falladas do ministerio dos
negocios estrangeiros, ltimamente" relormado, e
qae, segundo se di, S. M o Sr. D. Poroando, da-
ran'.a s soa breve regencia nao anooio a assignar,
como todo qaanto nad'-fo.se mero expediento, vio
oa prxima qaioia-feira a assignatura real.
Esta semana tem havido pas immediacBes de
Lisboa grande numero de romarias e cyrios, em
cumprimento de antlgos vetos.
Os mais otaveis toram ds dhv Atalaya, i resta
do Senhor Jezas da Serra, eta Dm. n^ ffll,OT
matta dos condes de Pombeiro.
i Gm a entrada de ger*?
xa. Ataiaya, r ">
BJJm, na, dellelou
da %i d'ou-
elegaocia.
As portas e as tribunas foram alteradas, e na
capella mor abriram-se raais duas tribunas.
Os dous corredores ao lado do evaogelbo foram
forrados a estuque, e no superior delies fez-se um
sali, elevando-se para isto o respectivo assoalho
e as paredes exteriores; e os ootros dons corredo-
res estreitos, que Qcavara ao lado da capella n.r,
converieram se era dous arcos, que reonem mais
elegancia e maior espago.
Os dous pulpitos foram de novo fetos, e sao em
gosto e mao d'obra os primeiros existentes na pro-
vieta.
O templo acba-ss ladrilhado de lijlos em forma
de mosaico e Qgarando nm tapete, tendo viudo es-
ses lijlos de Inglaterra por eneommenda espinal
do irmo ministro; e os corredores lateraes esto
calcados de marmore.
O painel do santo padre foi feito de novo.
A pintura geral asienta no braoco, qoe tanto re-
alce da' a magestade dos templos.
Os altares, todas as tribunas, as sanefas e as gra-
des do eorpo da igreja esto pintadas da brance;
e os forros, a capella mor e os raios da eroz so-
mente, o os nnicos pontos onde ba demorado, fa-
zendo assim mais sobresahir a simplicidade elegai-
te da decorago geral.
Foram igualmente pintados e doorados de novo
todos os jarros, eastigaes e palmas; bem como te-
ra m encamadas tambem de novo todas a ina-
gens, as quaes sero bensidas solemnemente de
vesper, com bencao do S. Sacramento, qae seta'
trasladado do convento para a igreja.
Ora no evangeiho o Rvd. fre Joaquim do Espi-
rito-Santo e no Te Deum o Rvd. vigario de Villa
Bella ; e no dual da (esta destribuem-se (sraolas
aos pobres presentes.
Toca a msica marcial do 1* batalbo de infan-
taria da guarda nacional deste muoicipio, e a cr-
chestra regida peto Rvd. padre Primo.
Eis o resumo do balaoco da receita e disoc-
ia da errada de ferro So Reelfe a' S. Francisco
com as respectivas porcentagens comparatiw:
RECIIT/,
Passagelros......>......... I3:,32f??
Bagagens.................. l:W5|W0
Mercado..............,-.- *Jg'g
Armaienagem..........- *m
Animaos.................. m**w
lrveX!eS.P Telegrapho elctrico.,...-- JJqJSS
Receita nao ciassifleada......
44,1
9,00
41,6.
1,13
*,74
3,89
OjtO
0,l
0,13
Total da recelta.
29 937*043 100,00
DBSFBa.
Consemglo da linha....... 8:ie3Jii48
Fraccio.................. 9:8l7l
Trafeea de passagefros......
Dito de meroadorlas........
Reparos de carros e wagQei.
Adminlstragaq o pqtras des-
psz'as......,.,........
?:7i3|456
3:1301480
l:729#3O0
27,01
3l,:!z
8.93
10,31
{5,6a
l:499fMJ 4,91
*
.


-.
.' I 1. '
. JUiii


. __ !%
de
*xta Jelra 12 de Setembro de 1867.
Telegrapbo elctrico........
Jaros e diflefeoca de cambies
BSJOO S.07!

I
1
t
Total da despe.;.:..; i^lS!?
Despera.WI.45*/. darecetta. '' '
Etn igual mea de 1866 a proporcionalidade foi a
MB5ii.-M V. da weriU.
Aasltmoa, aoie-hoal, te speotaeolo que
leve logar no tbeatro de Santa Isabel, em twoefleio
do sympalbico e intelllgenle actor, o Sr. Toomai
Spiuca. Alera do entreacto Os dout infernos e
da comedia Por causa di ttm atganswso, ja maito
conbecidos do noeso publico, representou-se a
comedia-drama iotitu'.ada Os voluntarios So II,
eomposi^o do beneficiado.
O (estejado actor ja baria revelado seas talen-
tos em urna composicSo, que abi corre impressa ;
porem, agora, com es seas Volntanos io li. ex-
hibi am honroso altare, qoe, teeoale&tavelmeota,
contare lhe os (oros de dramaturgo.
Os nossos emboras ao Sr. Thomaz Spioca ; nm
cordial apeno de mo ao artfice intelligente, que
soabe lacear com esmero orna pedra para um
grande edificio, e qae se in< orporoa, eom disune-
{o, aos operarios que aoorejam para rcbltectar
a litleratara dramtica brasileira.
Os trenlos do actor previnlam favoravelmenie
o espirito publico em favor da eomposlcio do se
tor, e ta ocote de hontem, s espectatlva ge'Sl nao
foi illndida. A comedia-drama Os voluntarias do
11, nao ama eomposieao de longo (alego, mas
tem maito e incool?stavsl merecimeoto; nao
am jardim cheio de flore-, mas am bouquet, on-
de primara a oatoralidade, a verdade, o espirito,
o sen ti ment e o patriotismo ; nao orna peca lu-
terana, mal sem a menor duvida, ama bella e
delicada concepto dramtica.
O enredo simples porem natural e de bastan-
te tfeito; os caracteres sio bonitos e bem salleu-
tes. O actor (o tanto mais feliz, quanto conbece
perfeitaroente a scena. Divide-so a comedia-drama
do Sr. Tbomax em doas actos, e forara esenpto*
ambos para o corceo ; o primeiro, porem, cura
moveo, arrasando de lagrimase* olbos do espec-
tador, e o segando encbau o de satisfagao e d ale-
gra e, sobretudo, d'entbusiasmo, quando viura a
corda magntica do patriotismo I
ITesle ultimo ponto, principalmente, o br. 1 Do-
rnas foi de urna felicidade completa, e a nao ser
assim, a longa e extensa scena final, abundante de
narracao, como terla cansado a atteuco do es-
pectador : esse cancaco era ao escoiho, e o autor
soube evita-lo com recarso, disputaudo ua seoti-
ment qae nao cansao enlbusiasmo patritico.
O autor, embora portuguei, coasubstaociou-se
com a aossa causa, oa antes, inipiroa-se ao lr,
ob-lec-aio a svmpatbla que oataralmeuia Ibe
disperta o bater do corado da consorte e dos ti
Ibos que sao brasileiros.
O desempenho foi completo; o beoflciado e
autor, os Srs. Lisboa, Peregrioo, Ray mundo e Jor-
daoi, e a Sra. D Jesuioa trabalharam com con-
sciencia e com o cnidado que deviam emprear
a esecuco de ama composico de am collega,
no da de sua (esta artstica.
Ainda orna vex:os uossos emboras ao Sr. Tho-
maz Snioca.
Passoa hontem de leste para o sol, am va-
por que nao icoa bandeira da nago.
O Extremadure tomaodo oeste porto 7 passa.
geiros, completou o numero de 218, qae coudun.i
para o sul. para onde levou a (rete desta provincia
104:7415000, destinados 99:16l# a Babia e 5:57
ao Rio de Janeiro.
Este vapor (rancez quaodo sabia de Lisboa a 28
do passado, l chegava o Shinnon.
O Sr. baro" do Livrameoto foi condecorado
eom o habito da legio de bonra pelo imperador
dos Fraocezes, teodo-o sido tambera o Sr. Osmio
Laport, cnsul francez nesta provincia, em remu-
nerago sem duvida servicos humanitarios pres-
tados por estes seuhores.
Grande parle da correspondencia da Europa
para esta provincia deixoa de vir pelo Extrema-
dure, parecendo que houve algum trocadilho de
malas.
Como qoer que seja, grande transtoroo d ah
provm ao commercio, cujos ioteresses reclamara
todo o cuidado em tai servigo da parte dos eocar-
regados delle.
Celebra a confrana de Nossa Senbora do Li-
vrameoto amanba, com vesperas, e depois com
missa solemne e Te Deum, a (estividade anona da
sna excelsa padroeira. Para mais bnlhaotisrao e
edificago dessa solemnidade concorrer, sem du-
vida, a primeira missa do Rvd. Antonio Luiz dos
Santos Penba, sacerdote desta diocese, e oltima-
mente ordenado no bispado do Maraobo : o novu
cantante tem para seus paraoyraphos sacerdote
os Rvms. Srs. acadmico Estauslao Ferreira de
Carvalho e Maaoel Vieira da Costa e Se seculares
os Srs. dcsembaigadores Francisco Domingues da
Silva e Francisco de Assls Perelra R.cba, e nego-
ciante Manoel Joaqaim da Castro.
Ora ao Evaogelbo o Exm. raonsenbor Joaquim
Pinto de Cimpos, o no Te-eum o Rvd. Antonio de
Helio e Albuquerque.
Os Exms. Srs bispo do Cear,governador do bis-
pado, presidente e comnv convidados pela mencionada contraria para assisti-
rem essa (estividade.
Reunio-se bontem o Iostituto Archeologico e
Geographlco Peruabjbucaoo, sob a presidencia do
Exm. conselbeiro monseo or Munz Tavares e com
asistencia dos Srs. Drs. Joaqnim Portella, Raposo
de Almeida, Nascimeot Feltosa, Gasta Figueire-
do Jnior, padre Lino do Monte Carmello, major
Salvador Henriqne e o socio honorario commeuda
dor Antonio Joaqnim de Mello.
O Sr. secretario da' eitora de um officio do
Sr. secretario perpetuo, eommouicaudo que por
doente delxava de comparecer Iotelrado.
O mesmo senbor menciona as seg; iotes offertas:
Varios nmeros do Diario de Pernambuco, pelo
consocio Dr. Figaeiroa. ._
Doos nmeros do Mercantil, am da Opmiao Na-
cional, e o da Revista Mensal do Gremio icien-
tfico, pelas respectivas redacgdes.
Todas estas offertas sao recebldas com agrado e
maidam-se archivar.
Vera a mesa a seguinte proposta l
t Proponho que seja nomeada urna commissao
de cinco membros, inclusive o orador e secretario
perpetuo do Instillo, para rever os estatutos e
propor as reformas qae ulgar convenientes.
t S-la das sessSes, 15 de seiembro de 1867.
Salvador Heoriqae de Albuquerque.
Vai a imprimir.
E" lido um parecer da commissao de admissao
de socios approv;-ndo para socios honorarios oa Srs.
conselbeiro Joto Beato da Cuaba Figueiredo e co-
uego Francisco Jo Tavsres da Gama, e para cor-
respondente o Sr. Francisco Jos da Costa
Barros.
Corre o escrutinio e sSo os mesmos senbores ap-
provados.
Vera a' mesa am cfflcio do Sr. Osmtn Laport
eomiuonicando qae nao tem comparecido as ses-
gues do Instituto, por se achardoente e em seguida
agradecendo ao Sr. Dr. Aprigio Guiroares,a ira-
ducgao do sen discurso de recepgSo.Ioleirado.
O Sr. Dr. Fetosa oblendo a paiavra (az algumas
eensideracoes, as quaes. sao respondidas pelo Sr.
major Salvador Henrique, em resultado do qae o
Instituto resolve aatorisar ao tbesoareiro s pagar
a importancia do eoadro para os retratos dos socios
(andadores do Institoto.
O Sr. Dr. Raposo de Almeida obleado a paiavra
contina a leltora da sua memoria sobre o estaba
lecimento, permanencia e extinego dos Jesutas
em Pernambuco, onde alm dos (actos historeos
operados pela critica e pelo xam e conlrootago
de valiosos docomenios, abaoda o mesmo senbor
aesta segunda e terceira parta de sos memoria em
diversas consideraras pbilosophiea.
Fiada aleitora, o Sr. presidente dirige-'.be slga-
mas paiavra* de agradecimento, sendo cumpli-
mentado pelos demais socios presentes.
. O Sr. commendador Mello, obleado a paiavra (az
a leilura de om trabalbo seu com o ltalo de relie-
z5es sobre a memocia do Sr- cooego Joaqaim Cae-
* tao Ferosndis Pioheiro, denominada miz do Ri-
so e afostsfidade ; e achaodo-se a bor adan ta da
Sea adiada s M&pra......
O Sr. p.\re Lioo d.poie Carmsllo inscreve-se
para ler na sesslo seg otte ama memoria sobre a
aolbeoticidade do logar chamado Boqustro.
O 8r. Dr. Raposo de Almeida inscreve se Um-
bem pan temfo opportano ler quairo me-
rlai: ..-...
A sobre o Arrala!. fovo do Bom Jess, mau-
dado construir por Jo Feroaodes Vieira.
A l' sobre o real do Bjm Jssos ordsosdo por
Matbiu de Albuquerque.
^A 3 sobre s introducto de diversas ordens re-
ligiosas em Pernambuco, das casas qae fandsram
do sen estado *ctnsl.
A v memoria sobre ol prfgcipaes beres da lata
contra os Holiaodezs, e refatacio de ama passa-
EP P?^1* d Brasil lo Sf. Warnbafem, rs-
iva a Joio Feroaodes Vieira.
Na* bavendo mais oida a tratar, levaotasea,
sessio. j
t- I9(erto. A que se acha # venda
do fiecife, '\\Kf correr* analiSa.
Em's'etr\ild'darj>08'a\Ies6ripcSo das t
ltiinns modas de Paris:
i'Chtihariesl grande capiUl o qa s8
chama aoarcliia de trajos. A diveraidade
poder trazer grandes difScaldades aos ebro-
oistas das modal, mas, pele qne respeto
?isla, a variedade tro vestaario maito mais
agrada vel de qae a moda uniforme.
* Nos outros paiies cada pessoa traja co-
mo bem lhe parece, nSo se abastando com-
tudo de certas regras; e por isso os figuri-
dos s5o a copia do trajo de algumas pessoas
que mais se destiaguem, oa qae melbor
gusto dnotam no vestaario; por isso boje
toroa-se difficil precisar o qne se usa. A
moda apresenta grande misturada de nume-
rosos euteites e de modelos pertencentes
todas as epocas passadas.
* Actualmente a grande arte do trajar
Ignacio Francisco Carrio,
pellsots, falto; sppellsdo, JosFrineisco Mo
consiste em saber escolher d'entre esse
cabos, primeiro o qne mais convm ao em-
prego ou destino que se lhe quer dar; e
depois o que, sem inconveniente, se pode
alliar n3o s ao semblante mas idade das
pessoas.
Tudo qaanto apresentar o aspecto om
tanto theatral, como por exemplo : as man-
gas compridas e lacadas por detraz, os ves-
tidos com os pannos atados, os folhos de
renda e varias outras minuciosidades do
mesmo genero, nao pode ser adoptado de
da por pessoas qae n5o andem carro, e
que nao tenham as relacSes e os divertimen-
tos que exigem essas demootetrages de ri-
queza. As mangas chamadas idade media,
queremos dizer, as largas e compridas, que
no hombro se destacara de ouira manga
jasta, pertencem a mesma catbegoria, ten-
do a particularidade de ficar to mal s se-
nhoras baixas e gordas, como s altas e ma-
gras.
Os folhos que hoje se principiam a usar
sao dispastos, on, para melhor dizer, teetn
urna f-rma differente da dos antigos folhos,
que fieram as delicias dos nossos bons
avs. Os folhos apenas simplesnuente fran-
gidos, que as walsas e nos minuetes ligura-
vam com as caLUUras polvhadas e com
os raoiebos, reseotiam-se da simplicidade
daquelles tempos. O folho renascehoje
macbeado e encanudado; forma cachees e
redemoinhos; n'elle transluz o boiicio do
secuto XIX, e a inconstancia do fanatismo
no3u contemporneo. O foibo actual a pre-
senta-se trplice, e s vezes quintuplo. Por
ora nao invade scuiu o pauno dianteiro d<)
vestido, orlado de cada lado, desde a cintura
at aos ps, com um viez que tem dors cen-
tmetros de largura, collucado de maneira
que vagamente faz lembrar os vestidos com
aveotaes, que se usavam no secuto XVIII
Os vestidos, alm dos folhos, s5o geralmen-
te guarnecidos com tiras em viez (em nu-
mero igual ao dos folhos), que orlam a roda
inferior, ao passo que o panno dianteiro s
tem folhos sem viezts, excepto rrultirao fo-
lho, que sobrepujado por um viez. Algu-
mas vezes o panno diauteiro levantado de
cada lado por liezes, qoe lbe do a forma
de avental; vendo-se entSo a extremidade
de urna saia de differente cor, o que s deve
ter logar sob esse panno.
* As trancas de fita de -seda e de setim
ou de veludu, vieram desthronar os cordoes
de seda, de que se estava fazendo um con-
sumo extraordinario. Esta ionovaco mui-
lo mais cara, nico vierecimento qoe se lhe
encoutra. As trancas, os ga oes e os viezes
de toda a especie servem tambem para si-
mular um cossolete ou corsolet assente so-
bre o corpo do vestido, idea que nao no-
va^.porque j vimos simular da mesma ma-
oeira suspensorios, roneiras, e, recente-
mente, as aquetas Fgaro e os zuavos.
* Pelo que respeita aos enfeites simulan-
do tnicas, diremos que urna desengranada
moda, que d s senboras que os usam, um
certo ar de rainha de .theatro, ou de datm
da corte do immortil rei Caramba XXIX.
Alm de que semelhante trajo muito dilB-
ctl d usar. Qualquer senaora da alta so-
ciedade, embora a natureza lhe recuse muito
pouco maneiras distinctas, nao faz boa figu-
ra, achando-se envolvida em urna das taes
tuncas; trajo de estjlo severo que n5o con-
diz com os coatumes da sociedade moderna.
Em contraposiejo a esse ttrico vestuario,
annuncia-se um lindo tr.jo commodo para
usar em todas as idades, e que pode servir
diversos destinos: toilette econmica, rica e
elegante, e que rene todas as vantagens
posa veis !
Vestido de dentelle lama, (renda-lama)
prata ou brauca, sobre vestido de seda ou
de setim, conforme a estacao. E, segando
se quizer mais ou menos enfeites, a1apta-se-
lbe um corpo de tulle ou de renda preta,
quer seja affogdo, quer decotado. No cor-
po de tulle branca deve pr-se renda de
Iak. Estes vestidos servem para casamento;
e formam urna bonita toilette para baile, ou
jantar de ceremonia, ou soire, se forem
postos sobre outros edr de rosa, ou azues.
nKPARTigA5 oa polica. Extracto da parte
do dia 12 de setembro.
Forara recolhidos casa de detenco oo dia 11:
A' ordem do subdelegado de 9. J, Aotonio,
escravo de Lojz Jes Joaquim BolelBo, para cor-
receo.
O ebefe da 2' sec$8o,
i^ /. G. de esquita.
Casa be vt^fKQlo. Movimenio da casa de
detenco do dia lrae setembro :
Bxistlam (preses ) 303, eutraram 1, sahfo 1,
existem305. A saber: oaciooaes 2\0 : mulberes
S, estrangeiros 15, mulber I, escravos 49, es-
eravas 4. Total 305.
Alimentados a costa dos cofres provineiaes
211.
Ilovinjento da enfermarla da casa de detentad
do dia 12 de setembro.
Tiveram baixa :
' Joo Jciutho de Salles Valentim e Antonio
Fraocisco.
Teve alta :
Jos da Costs Callado. -
ATrBLUcSBs cbjmrs.Appeiiaote, oji p pe- religiosos.) Entretanto esse defteit que do Reg -Barros, que* Uto1 distinclamente se
lad, Themoteo Francisco de Otiveira. 1 Mitarjv, ,obWgar>a ra em qaestlo cahir obliqua- dtiicoa 'soceorrer apopula0o desea fre-
-^ manta sobre o porlao supracitado a das- guezia.
aafopriaai qae a cmara tara de proceder Assistiado, simplesmenti eome engenhei-
pelo terreoo precise do sitio em frente da ro da cmara, e u5o como perito em urna
dita roa do Lima, levaram a cmara a to- das festonas procedidas pelo fiscal respec-
mar a resoluc3o de alterar saaposic9o mais tivo no sobrado da Pracioha do Livrameoto
conveniente, construindo-a, onde hoje se a pertencente aos herdeiros do finado Joaquim
conteospa, contra meu nareeer. Jos de Miranda, ^direi com franqueza o que
Orgaftei cuidadosaslaate um plano eahi se du. Era advogado nesse pleito, por
oramnlo de accordo'com o perito archi- parte dos Srs. Miranlas, o iliustrado e res-
tena) Andr Wlmer para construccSo de (peitavel Dr. Trigo de Loureiro, o meu digno
am matadoaro paWko sobre arcadas alm e velbo amigo; o resultado da vestoria cor-
do eaes projectado o proximidade da for-' r mal para os ioteresses da causa da cama-
taleza das Cinco Pontas, apresentando sa- ra; era perito dos mesmos Srs. o architec-
lencia rectangular ao nascente do dito caes, to Andr Willimer, eo da cmara o fallect-
Era trabalbo serio e importante. Depois do mestre pedeiro Santa Roza, artista hbil,
detengas diseassSes quer acerca de sua e probo i toda prova. Lotava esforcadamen-
localidade, qoer sobre as conveniencias do
CBROMCi JUDiCUUl.
TRini\Al, *. RELAClO
SESSAO DE 10 Dls -.ETEMBRO DE 1867.
rRlSrDMCIA DO KXM. sa. CONSELBEIRO S0D1A.
As 10 horas da maoha, prsenles os Srs. desem-
bargadores Santiago, Gitiraoa, Guerra procurad ,r
da corda, Almeida Albuqaerqae, Motta, Assis, Do-
miagues da Silva, Ucha Cavalcante e Souza Leao.
faltando os Sr. desembargsdor Lourengo Santiago,
abrio-se a sesso.
Passados os feitos deram-se os seguintes julga-
meatos:
carta tistmunhavel. Aggravaote, Beroardlm
JosLeitaoj aggravado, o juizo.Relator a Sr.
desembargsdor Gu*rra, sortiados os Srs. desem-
bargados* Moua e Domingues da Silva. Deram
provimento.
AifSXAcds qivBis.-Appellante, o julio; appel-
lada, D. Isabel (1<* Miranda Leal Seve.Maodaram
remelier para o joizoaquo algar os embargos. Ap-
psHanle, Manoel Das da Silva Saotos; appelada,
s fazenda.Goalrda a senteoca. Appellante, Ma
oel de SootanvaSerodio; appellados,Francisco
Pereira e ojptros. -Confirmada a senteoca. Appel-
isote, Thteva Julia Bulbo; appellsd, Joaquina
Manada C*aceifiio,-Jaigraaia taam^o.
APrKLLAc3s cmni.-ApBeilaa8r e appealos
jMWiienlai Francisco Barreiros Rsagel-e Joaqaim
Coelho Cintra e outros. Appellante, Luis Poech ;
appellado, Joio Francisco Ottaro. Appellante, Luiz
Antouio da Soaza Ribeiro; appelada, a viava do
coronel Beato Jos L. Lias.
PASSAGKNS
Do Sr. desembargador Grliraos so Sr. desembar-
gador Guerrs__Appellaco civel: appellante, Jos
de Bwos Pimeotel; appeliada. Franelas* Eugenia
de Mello.
Ao Sr. desembargador Almeida Albuquer-
que.Appellaco civel: appellante, O. Marta Cis-
neiro Freir de Moraes; appellado; Joaquim Perei-
ra Bastos.
Do Sr. desembargador Almeida AlbuqueraVe
ao Sr. desembargador Motta.AppellacSesxlvss :
appellante, Maooel Pialo d'Arauo Fllbo; appella-
dos Portella & Braaco. Appellilll, Eduardo U.
Bramak; appellado, Joo Piulo Carneiro de Soaza
Bandeira. Appellante, Valentim'Jos ds Freita*;
appellado, Mauoel Antoqio Torres. Appellsnte,
Felippe Gomes da Frsla Jaaior; appellado Fran-
cisco Ferreira da Mello%
Do Sf. desembargador Molla ao Sr. desembarga-
dor Assls.Appellaco eivel: appellaate, Domin-
gos Tavares ds Brltto; appellado, Aoiio de Parlas
Oliveira.
Do Sr. desembargador Assis ao Sr. desembarga-
dor Domingues da Silva.Appellago el vel: ap-
penante, Manuel Bezerra Guerra; appelada, D.
Cosma Mina do Espirito-Santo.
Do Sr. desembargador Ucbda Cavalcante ao Sr.
desembargador Soaza Leao. Appellaedes ci-
veis: appellante, Fraocisco Flix. Gjahivs; appel-
lado, Alberto B. Gherry Appeliaote, Uaooel Jo>
dos Santos; appelada, D. Clara Tbeodora da Foose-
c*. Appellante, P-dro Marques de Aloayd* ; ap-
peliada, Deiflna Maria do Rosario. Appellaate, oj
bir.ii do Livrameoto; appelada, a fazenda. Ap-
pellaate, ojuizo; appellado, Agostiubo Eduardo
Pina. Appellaco crlme: appellante, Cosme de
Oliveira Rocba ; appelada, a jastica.
Do Sr. desembargador Soaza Leao ao Sr. desem-
gador Santiago. AppellagS civeis: appellaate,
Maaoel Goncalves Ferreira e Silva; appeilalo,
Caetaoo Pereira Gungalves da Caoba. Appellante,
Pedro por sea curador; appellado, Emilio Pereira
d'A rao jo.
Eucerroa-se a sesso a urna hora e meia da
tarde.
Correspondencias
Srs. Redactores. Tendo boje de conti-
nuar a numeradlo dos nuus trabalhos mais
importantes na qiraiade de engeoheiro
cordedor da municipalidade tiesta, capital,
solicito attenciosameote que.Yr. Ss. se dig-
nem ter a bondade de empregar maior
cuidado em publicar mais correctos os meus
artigos.
Conheco que escrev) terrivelmente diffi-
cil de se comprebender, porin cora alguma
atiendo, Vv. Ss. qoe sem demonstrar pe-
ricia e uabilidade, remover5o es^as difficul-
dades tachygrapbicas: assim o espero de
sna reconbecida benevolencia.
Ilavendo formulado a planta, plano e or-
catnemo das obras constantes do calcameiito
do pateo de SSo Pe.Iro, dito do Carmo e
ra do Cano por ordem da cmara, foi esse
trabalho approvado por essa corporaejo e
se o poz em pra$a para ser arrematado.' A
cmara mostrava empenho pela feitura e
execufo prompta desse trabalbo, especial-
mente o multo dislincto e Ilustrado Dr. Joa-
quim de Aquino Fonsec, vereador ent3o
verdadeiramente dedicado ao servico muni-
cipal. A assembla provincial bavia no or-
namento municipal destinado ota, ou verba
para suas despezas respectivas. Era pre-
tendente arrematac) o fallecido mestre
canteo Mangerico, asss conceituado na
opinio publica.
Entra em exercicio de suas funecoes a
cmara novamente eleita, cujo presidente
era o fallecido baro de Beberibe.
Havia ebegado recentemente de Paris o
finado engeoheiro Dr. Jos M..mede Alves
Ferreira. Sendo consultado respeito or-
ganisou um trabalbo differente do meu em
dous pontos capitaes, projecto de canos sub-
terrneos para esgoto das aguas pluviaes, e
ealc^mento do systema de parallepipedos
Havia adoptado os seixos da ilha de Feroans
do para o calamento, descrevendo figuras
geomtricas symetricamente lispostas, e
calculadamente combinando forma, tamanho
e cores, para firmar urna especie de ladrilbo
mosaico.
Tinoa ouvido por vezes, pessoas Ilustra-
das e competentes fallaran lisongeirameote
sobre o calcamento da ra Novo, que era
desses seixos, e se bem me record ao mes-
mo Sr. Dr. Joaqnim de Aquino Fonseca,
que entretanto incontestavelmente urna il-
tostraco medicada provincia, soube vanta-
josa e brilhantemente se aproveitar de seus
estudos feitos em Paris.
Nao ignorava a existencia do systema ul
tintamente praticado as capitaes mais im-
portantes da Europa, sendo urna das pri-
meiras Franch-Fort sobre o Meno, na Alle-
mauba ; mas enchergava serias dilficuldades
de pralica-lo em Pernambuco, e especialmen-
te em obra inteiramente parcial.
Entretanto a cmara dispendeu para mais
de 15:00fJ000 com a continuacao do cano
de al venara para esgoto. Essa despeza
motivou discencao entre algons vereadores
de entSo : estove parausada por muito tem-
po. E o finado engeoheiro Dr. Jos Mame-
de Alves Ferreira (contradicclo manifesta,
renuncia formal a'innovag$.j) calcou n3o se-
ment o pateo de Sio Pedro e o do Carmo,
porm quasi toda a cidade, de pedras horri-
velmente irregulares da Iba de Santo Alei-
xo, e at dellas fez os passeios de algumas
roas 111
Talvez tenba ainda occasiao de fazer al-
gumas reflexoes acerca da ntilidade oo
Do ntilidade, da construcc&t de cano
de alveoaria em ama cidade visivamente
baixa relativamente ao nivel das grandes
mares, t5o demasiadamente prxima dos
limites hydographicos, que a circulam, e
de mais fundada em grande parte sobre
terreno, cuja structura quasi exclusivamen-
te de alluviao.
E estrada municipal do cemiterio publico
planejada e oreada por mim, no lado occi-
qaer sobre as conveniencias
edificio teve cometo sob a presidencia mu-
nicipal do fallecido baro de Beberibe.
A mi direccao impremida a esse trabalho,
accamuiando consecuencias seriasomaiso-
bre as outras, fez com que elle fosse sobre
estado. NSo possivel mais explicado.
Antea, e depois desse acoutecimento, a
questao le ua lucalidade, preoenpou-ms se-
ria e profundamente. : Sustentei com o fal-
lecido e hbil engeoheiro Dr. Jos Mamede
Alves Ferreira ama discas&ao larga e calo-
rla, sempre por esaripto, sobre esse objec-
to, por espaco qoasi de doas annos. Fiz
estudos aturados sobre a materia, consultei
os meihores autores de construoces hydrau-
licas, enire lies o tratado sobre eenstruccSo
de pontos de Mr. Gautby, folheei o parallel)
do famoso arcbitecio Durand, la parte que
trata dessa especiaiidade, observei os mo-
delos de Melimontant, e da Uontanatu, con-
verse'! largamente com aUuns amigos enge-
nheiros, sobre tudo o habillismo sngenheiro
inglez o Sr. Iluwman, meu especial amigo, a
quem serei sempre grato pelo empenho e
delicadeza com que animava meus esforcos,
minha aspira<;3o para accertar.
Em urna dessas conversaces intimas, e
expansivas, concebemos, como que por ins-
pirado, a ideta ousada agigante ds projectar
esse edificio nos arrecifes, parte ocieatal, ou
externa. liotSo divizei iniinitas difficulda-
des, mas boje nao contemplo impossibili-
dade na soajeal sacio.
Devo posicio de opposicionista, oa an-
tagonista, desse hbil e finado engenheiro que
espontneamente acceitei, grande copia de
conhecimento, que buje possuo.
Parece-me que licito desvaeecer-me, de-
clarando qae o fallecido, e digno engenneiro
Dr. Jos Mamede Alves Ferreira com urna re-
partido de engenheiros sob seu goverao, e
direceo nao pode fcilmente supplaotar-me.
Creio que sio- vivos o inspector do arsenal
de marraba de entio o Sr. Tneodoro de Fre-
tas, o teoente-coronel de engenheiro Lopes,
e o digno e hbil storeomeira da alfanJega,
meu digno amigo M. C. Cintra, que foram
membros da commissio encarregada de de-
cidir esse pleito scientifico. E' justo con
fessar que as ohjeccoes graves, e ponderosas
desse distracto ex-ofncial da nossa marmita,
catando profundamente sobre mtu espirito,
cumo que, arrefecendo o ardor, a vivacidad*}
de mioa argumeutacio, me conslrangiam
meditar mais maduramente para poder ca-
pazmente combater seus robustos e suculen-
tos argumentos, to hbilmente apresen-
taitas.
Estava essa questo ainda por decidir-se
quando tomou posse a cmara elleita em
1853 sob a presidencia do finado Baro de
Capibaribe, o Exm. Sr. Mauoel de Souza
Te'xeira.
Foram nomeadas as commisses, na de
edicagao entrou o disttncto e iliustrado en-
genheiro Dr Francisco do Reg Barro, meu
amigo companbeiro de Liceo. S. S. appro-
vaado todos os meus trabalhos, que estavan
dependentes do parecer dessa Ilustre com-
missio, inclusive o importanto projecto de
metooramento do mercado publico de S. Jos,
procurou convencer-me qae era conveniente
terminar-se essa questao devolvea lo todos
os trabalhos, que lhe deziam respeito para a
repartido das obras publicas, a nio mter-
vindo a cmara sobre a sua construc^ao, urna
vez qoe ella nio possuia sufficlnte pessoal
tecbnico, que podesse destrani-lo com a ras-
pelo precisa, edireccao detalnada de cons-
truccjo da tanta magnitude. Acced as suas
razes, penhorando-me sobre modo a fina
delicadeza de suas attencoes prodtgalisadas
tio generosamente para comige.
A experiencia tem justificado de sobejo,
as minbas previses; esse edificio pela sua
equivoca posicjto, e pequiuaz de demisses
(n'um rectngulo da 5uu palmos de frente
obre 600 de fnndo se acham projectadas
25 accommodaces com destino diverso,) nao
corresponden a expectativa publica, satisfa-
zendo plenamente as necessidades de sna
creacao.
E-itre os numerosos trabalhos meramente
de commissao lembro-me presentemente da
parte ardua e penosa, qoe metocou na com-
missio encarregada pela caara de verifi-
car escrupulosamente e dar seu parecer, se
as tornos, e chamras das padarias existen-
tes ao centro da cidade e seos arraoaldes
libate, oh nao, as dimensei proscriptas
pelo modeh adoptado pela cmara, e se es-
tavam sita las oas coadicoes hygienicas re-
queridas pela sciencia. Tmho um attestado,
tua attenciesameute me off^recau o Ilustra-
do e digno Dr. Joio Ferreira da Silva, em
que afirma que satisfactoria e honrosamente
cumpri minha missSo, mostrando pericia,
a dedicado pelo urvico publico.
Fui eocarregado pela cmara depois da
formidavel hraandacSo da enebente dos ros
Caoibarkte e Beberibe em 23 de junbo de
4854 de percorrer todo o municipio, exa-
minando as destruices causadas, estudando
as suas causas e os meios mais naluraes de-
preveni las de algn modo. Satisfiz confor-
me me foi possivel essa alta exigencia da
cmara. Assisti, por assim dizer, i todas
asfazes dos espantosos e terriveis
memos dessa tremenda inoundagao do so-
barbo Capibaribe e aio menos importante
E tive na Capungai onde prestei
te contra a pericia do archllecto Willimer,
aoxillei-o coavenientemente. qoando se fez
necessario, resultandod'abi que elle trium-
pbasse em seu bando, affirmando que o so-
hraJo nao admittia concertos, menos que
nao importassem virlualmeote em urna ree-
dificado, e attrahindo para seu lado, o seu
collega desempatador, que pareca ostentar
posicio equivoca e vacilante.
Entretanto presava em ser amigo dedica-
do finado Bernardo Antonio de Miranda, e
.-ou affeicoado a todos os membros desta
distincta e estimavel familia. Emxergava
mesmo alguma tropellia na formula de orga-
nisar esse processo municipal, em que se
pedia a demolicio do predio, sem a sua pre-
via desapropriacio, e sempre aconselhei ao
fallecido, boarado e disliocio tenente-coronel
Mamede, membro entio da commissio de
edificado, offerecer I:00i5 em urna ac-'
commodafin amigavel, que elle tao nobre-
mente tentara praticar com o fi .ado Bernar-
do Antonio de Miranda, avaliaci) que pro-
ximadamente lhe conceda.
O engenheiro,
A. F. R. Sette.
{Continuarse ha.)
Publicatfods a pedido
Ao publico.
Cbegado a esta cidade, ba das, de volta do ter*
rao do Ass, DO Rio Graude do Norte, oud? ua fal-
ta absoluta de recursos mdicos uve de prodarar
o Sr. Dr. Joaqaim Aatio de Sena, all resideote, e
de presente tambera aesta cidade, para assistir ao
trabalbo de um parto de miaba m jIU.t, duraule o
ij jal teve de sucumbir, devido, talvez como me
persuado, seoio a impericia, ao meaos ao poaco
catdadu que lbe toi dispensado pelo mesmo asase
teate, nao obstaote as mais reiteradas observagoes
e pedidos de caraba parte e de ama assistenle, de
qaem julguei o mesmo doulor ao acceitar a opi-
aio, esprimlodo se por cartas, fra do posto a qae
sea dever o cbaraava, muito principalmente quan
do a isto ea o provociva, sera olbar a qualquer
bonorario devo para iraoqutllidade de mea espirito
e pelo que possa aproveiur a terceiros, urna vet
qud meinor ocuasio nao se ae pode proporciouar,
cbamar o mesmo senbor doulor a urna explicado
-ria sobre o sea procedimeato medico oaquelle
trabalbo.
Neste proposito poblieaado abaixo duas cartas
do mesaioSr. Dr. Aolo e ama deciarago jurada,
em juno competeote, da assisleote Aaoa Maria da
oucei^o, e agaardaodo desde ja' o que bouver
de dlter o mesmo seaDor doator, pedimos liceuga
aos entendidos para aventurronos, depois de ler
ouvido a am difracto tacultalivo, qas nao parece
raaoavel, qoe um medico qae assisle a um parto, e
e-iamiaa a parturiente, ignore se existe ou nao ou
ira creanga, lauto mais ceosaravcl quaoto de
sua obrigaQo nao deixar sea posto sem estar coa-
vicu, de que a partjrieole Wt desembarazada,
ou desembaraza-la oo case de difflsuldade.
Nao se pJe coaluodir um tumor uteriao, ou
ama melriie, como se julgou esisiir, com a exis-
teacia dd um feto, logo depois de um parto, porque
os signaos diferenciaos sao taes, que o pratico nao
os pode coofaadir.
PJe eiistir ao mesmo lempo urna melrite ou
metro perotonite com a existencia de uuia creanga,
por mim
dental da nova estrada de Oada, nm pou-
co aquem da roa do Lima, lado oriental da.
mesma estrada, carece de explicacio, cuja Beberibe.'
ausencia, ou ignorancia, pode me ter attra- j algans servicoi i seus bottntes; estivena
ttido censuras injustas. Essa roa do LimaPftsagem da Magdalena, onde cheguei a
devia descer perpendicularmente da ra da; ponte grande, atravessando a pequea intei-
Aerora at o portio do cemiterio publico, rmente submersa cam immnente perigo
[eofiaedo sua respectiva dlretriz pelas por- de rida; estive oa estrada de Joio de Bar-
tas oriental e occidental da capella desse ros, onde hoave arrombamento na altura,
edificio, porm o cemiterio nio est devida- onle se constrio ao depois urna bomba;
mente collocado, onda foi precisamente finalmente estive em diversos pontos da ea-
projectado. Nio aecuso por isso ao fallecido pital; procurar por vezes ao fallecido baro
Or. Jos Mamede Alves Ferreira, sob cuja de Capibaribe, enlie presidente da cmara,
dilecto foi ella feita, por quinto essa obra sollicitando-lbe as sois ordens e providen-
foi precitadamente encelada por ordem do das, ao meaos eia ordem testemunhar a
presidente da previ ocia, o digno e illastra- populacio que exista amara municipal; nio
do finado marques do Paran, attendeado a, eocootrei animafio. Entretanto nio Qz es- qetra Ver aesta ly's^n^
qae
eral
r em oo se desculpam a um prossioul que, pela
pralies da aonos deve coooecer que todo o traa-
melo qae oo lra exlraccao dcreaoca ia-
conveaieute, aote-racioaal e aniescieotiBtc, por
qaautj nao preciso mudo para cjabecer qu a
cau'ia occitloual do locoxmod> era a conservago
da creanga no ulero.
Isto pasto, longe da preteogo de ama ligio a
quera a>;i-iejj ttulos para di-ia, e soraeote do pro-
posito acnoa maaifeslado,' limitamo-uji as pubii-
cagdds iofra.
Hecife, 12 de setembro de 1866. i' I
Ignacio Dias de Laceria.
Illm. Sr. juu muuiuipal suppleute ova exercicic.
O bacbarel Igoacio Das de Lacerda precisa a
bem de seu dirello, que V. S. maode notificar a
assisteiite ou parteira Auua Maria da Coueeigo,
moradora nesk termo, aflm de vir em juizo faxer
debaixo de juramento as seguintes declaraces :
Ia, se foi a assisteols no pari da finada D. Gine-
bra alaria de Utlvetra Lauerda, em o da 8 de ou-
tubro de 1866, i' se a pacitule liaba ama oa daas
creangas, 3* so toronado-se o parto pengoso esa-
do cbam-dj o Or.- J jatjuim Aotao de Sena, o que
foi que o mesmo doatur dissera depois de baver
tres oa mais vezes sondado e auscultado coov*-
aieatemeote a mesma pacieote e igualmente o que
lbe observara a mencionada as.iateo.ie, a* fiual-
meate, se a segunda e ultima creauga tiaba algu-
ma coasa de deforme oa era perfeita.
Quautj a primeira respoodeu, ler sido a as-
sisteme de parto da tinada 0. Geoeora Maria de
Oliveira Lacera*, em o da 8 de ontubro de 1866;
quaoto a segunda dase, qae a finada teve duas
creaogas, seado ama do sexo masculina e ouira
do feuiiaino, e que ao langar esta morrea ama
bora depois a paciente; quaoto a terceira respoo-
deu, que se t ruando o parte perigoso (ora cbama
do o medico Dr. Joaquim Aoto d- St-oi, e qae
este depois de bavsr sondado e auscultado tres oa
quatro vezes, dissera qae a mesma pacieote tiaba
ama iofhmagao, ao que lia juramentada obser-
vara que raiamagao nao, mas sim am* creanga,
como effecuvameoie nascea; quaoto a quarla u-
ualuiento disse, que i ultima crenga, nada tinba
de deforaie, e era- perfeita apenas eslava enebada
era razio d baver morndo d niro do venire, o
que ella juramentada sappd* qae fra depois dos
soudameuios do medico, em virtud* da menciona-
da fioada lbe dizer ter sentido estremeenluras no
v*ntre depois qae dra apalpada pelo referid me
dico.
c E nada mais respondeo, oem ibe foi p*rgao
lado, d ludo para constar, auodou o juiz lavrar
este auto em que assigoou com a jaram*ntada, as
sigaaado arogo de.su por nao aOer ler nem es-
crever Heunque Vieira da Comba e as I
abas; do que ludo doa f.
Eu Flix Francisco da Silva, sscrlvio
do civel o escrevi.Silvs.
Henrique Vieira da Caoba,
t Joio Garlos W*oderley.
Muoel Lias Caldas. *
Uto. Sr. or. Ignacio Das- de Lacerda. Como
roo vi lhe fit verja', me parece qae toa senhora nao tem
am segando feto para expedir ; ou obstante pode
sacceder o contrario, conforme o qae ja' expend
tambera : em regra expedido o primeiro, sai logo
o segando feto oa qaautos baja ; porm succede
tamben qoe depois da eipulso do primeiro o ira
balito ioterrorapido por algans dias, para enlao
ser expeilido o segundo feto, e as vezas essa io-
terrapgo de metes, como de todo Isto o ioformel
ia': portaalo, se com o aso dos bsobos, em que
maito confio, Uver lagar nos segando parto, nao
cousa de admirar; pois que aperar mea digo, e
repito, pede isto ter lugar. O qae Deas permita
para bem deila e sea,
Sr. Googalo leva oa oleo para com elle man-
dar lomeatar o grande tumor, depois dos baobos;
em urna colhar grao le squece-se o dito oleo, ecem
esta porgao d-se ama foraeotagio ; eontinue com
os disteis de linbaga e s bebida do oba' de sabo-
(?) Os docoraeotos publieados aebara-se cota as
Armas reeonlweida?, e a dlsposigao de qaem os
adsjnorna eon
ama cbic-ra d'a-
,- ceifler d'anua de
ores de lanogeira: a' respailo 'd*aga inglesa
ubje/yeo qoe lap dtase, dsyeejp-dar-lhs de maoba
eella para a ooite tornar-se iacomniodada,
como tem saccedido.
Se apezar do qoe ca ditoaie melhorar o estado
dadoente, ueste ea&o pa*w a dir-lbe fomentagds
com a pomada HapalitMi;. ,0,8 0 ujnjor
tres vetes no dia, empreganea para eada vet ama
colber graude desta pomadas mas deve continuar
sempre com a agua iagleza, suspeodeodo todo mais
qae ja iratel.
Aqu fleo ao sea ssrvico, como sendo de V. S.
patricio e amigo.Dr. J. Antio de Senna.
A^, ti de ontubro de 1866.
(Esta' reconbtcido).
Ilim. Sr. Dr. Ignacio Dias de Lacerda. Ainda
massado das viagens violentas qae fiz, iodo la' e
volitado sem qoasi descaogSr, Bao poso aeeudir
agora ao apello de V. S., iodo de oovo at la' para
assistira' sua senhora, como ella exige e V.S.qaer
tambem ; mas teodo ea ja' examinada e receitado
o qoe sa pode bamaoameole fater, sal, qae rom a
miaba preseoga o seu estado, da doente, coutrnua-
ra' a' aggrsvar-se, se com o emprego dos medica-
mentos em aceo deixar de apparecer a melbura
apetecida: assim pols eropregoe V. S. as fomeo-
goes oo grande tumor com a pomada napolitana,
como disse na miaba de bontem datada, contiene
com a agua iagleza, e o aso principalmente d'agna
de Odres de laraageira, todo pela forma ja' pros-
cripta e espere.
Nada mais aere*ceoto por ser ocefoso repetir
aqolllo que ja' esta' oa eooscieacia de lodos, em-
bora possa amda sacoeder o contrario, se Deas as-
sim o permittir.
Soa, como sempre, de V. S. patricio e araig.
Dr. i. Aotao de Senna.
Ass, 12 de ou obro de 1866.
(Esu' reconbecidoj.
Sati&facaoao publico.
A caridade urna das primeiras virtudes
da creatura; para ella ser completa, pre-
ciso, ser applicada desinieressadamenle.
Assim praticam aquellos que, em seus ac-
tos humanitarios nio tem em vistas as glo-
rias e recompensas fofas d'este mundo.
Neste intuito, acceitaram os abaixo assig-
nados, a misso honrosa de nomearem com-
misses nesta cidade, para o fim louvavol de
ag*nciarem um peculio, que, vi em Lisboa
acoadjuvar a reedilicacjSo do edificio A^ylo
de Meodicidade, denominado Maria Pa.
Neste sentido, fizera n os abaii'i assignados a
escolha d'entre aquelles de seus compatrio-
tas que mais aptos e habilitados julgarm, e
quando isto assim acontece, eis que, apparece-
no Diario de Pernambuco n. 208, de 11 do
corrente, um espirito maligno e talvez pre-
tetdenta sem mttrecimentos, acob?ita-!o com
a fcil e simples assignatura Algans l'oriu-
puezes, proelamindo e ensinoando ideas
aule-chrtstias.
Pois bem ; nos. em nome," nio do alguns
portagutwes, mas sim no daquelles, que nos
hooraram eom sua conSanca e no daque'les
que, como nos pensam, protestamos contra
taes ideas e convictos do nosso peusamento,
declaramos franca e Italmenle que, na accei-
tar;io de nosso mandato, nio tiveuvis, nem
temos em vista, mais do que, satisfazer nao
$6 a confian^ em nos depositada, como tam-
bem e principalmente, concorrer directa e
indictameate para ios tio humanitarios.
Nao nos importando com recouipencas
profanas, recommendamos aquelles que, co-
mo nos pensam, subscievam aqulllo que
sen coraco Ihes dictar e suas p.isses lite
permitlire:", pois assim provaremos que
quando se trata de satisfazer preceitos e
deveres chrbtios, nao se tem em vistas se-
nio as recompensas divinas.
Recife ii de setembro-de 1867.
Manoel d* Silva Santos.
Jos da Silva Loyo.
Gaspar Antonio Vieira Guimares.
Lc-sc na Reforme Seilicale
A maior preocupago do medico consiste
em saber se as suas receitas sao prepara-
por su* ma posigao oo ventre, eu descuido do ,jas q^iq dods productos, pois que, quando
ice.nao ttona :sido eiiranida;^ estasi cousaspo- a receUa prepara(la com preductoS inferto-
preparada com prodi
res, o que acontece nao raras vezes, os eflei-
tos que querem alcancar os mdicos, mal-
logram. ou pelo meaos, o medicamento nao
exerce a plenitude de sua ac<;io.
Para evitar este grave inconveniente, os
pharmaceuiicos devem tratar de empregar
productos bam fabricados, e entio nio po-
demos fazer melhor, senao assinar ibes
os productos da casa Lamoureiix Gendrot
fabricantes de productos chyraicos em Paris.
Nio somente, a ncontestavel superiori-
dade dos rotoctos desta casa foi reconhe-
cida por todos, mas ainda a modicidade
dos seus presos os recommenda aos Srs.
pliarmaceutic a e droguistas
A casa Lamoureux e Gendrot conseguio
evitir a contraalo, inventando urna i ap-
sula que nao se pode imiltar, e cuja exi'cu-
gao muito difficil, por exigir um material
mui complicado e cusioso.
Isto mais urna prova da sollicilude dos
senhores Lamourenn e Gendrat para os n-
teresses e segura nca dos Srs. pharmaceu ti-
cos e droguistas que, sem duvida, sendo de-
sejosos de empregarem bons productos, nao
deixario de dirigir-se a esta casa.
Lameorai e de dio
fabricantes de productos cbyuieos, fbrnecedores da
casa do operador e dos hospilaes de Paris.
Todos os productos sahindo desta casa sao
da primeira qualidade e fechados por urna
capsuU iniraitavel o que os poe em salvo da
contrafaccio.
cidos puros pararea-iCalornel puro, e todos
ctivos. ossaesdemercurio.
cidos pyrogallicos e Ghlorureto de ferro
tremeos.
A troponia, codeina,
digitalina e todos
os alcalinos vege-
taes.
Bromuretos e odore-
tos.
Sulfate de quinina pu-
ro, valerianato e lo-
dos os saes de qui-
nina.
Pos impalpaveis, etc.,.
(puro) neutro.
Carbonatos, su I falos e
todos os saes de
ferro.
Acetato, bydrochlo-
rato.
Sulfato e todos os saes
de morphina.
Ferro reduzido pelo
hydrogeneo.
Essencias puras.
Exti actosglycernia-
Fabrica em Paris ra de Paradis (aa mas
rais), deposito no Rio de Janeiro, E. Chava-
os, roa do Carmo.
la remedio Teajetal aaaoai-
broao.
Afinal ebegoa-se a descobrr na esseocia
concentrada de om producto veget efficassissfmo remedio positivo, cont.a todas
aa enfermidades precursoras da phihisica.
A arvore da sade, pois que assim verda-
deiramente que se dwvia chamar, da qual
se extrae este raestimavel tbesooro, a ana-
cahuita do Mexko e o Peitoral de Kemp,
forma a preciosa composicao qae alcauc
sempre a victoria sobre as enf jmiiades
inimigas dos orgioa da respiracin Ja-
mis houve remedio algum que se fizessa
dentro em to pouco tempo tio oniversal-
miit popular. Os grato* te*taa*uh do*

i

,


'&

Jf-
ILEGIVEL
*

**mnmammmmsmsmm
r
^-. J


^^hm
mmumhmhmhHBBH

laflo He -fffffiwjhir-------*<* fclr* 13 de etembr* *> 1867-
coragSes agradecidos, qoe padecerara de I J?s Pereira Simes pro-presidenteF/an-
toss ;s, esquinencias, roaqidjo, inflamrnacSo cisco Canato da Boavigem, secretario.
do peito, bronebites, aslboa, catarraos, __________^
ocnitipces, phtbisica, etc. se recebem ca-1'
da dia aos centenares de todas as qaatro
partes do mundo.
Acha-se i venda ras ptaarmaeias da A.
Caors, J. da Conceieao Bravo 4 C, o P.
Maurer A C.
COMMEBCIO.
Nove Banco de Pernambuco
En liqoidac.
O doto banco paga b i> dividendo de
3OO por accio, oos dia uteis, 4a 14*0.
ras ao meio dia.
Calza filial do banco de Brasil
en Peraanbnca, aos 26 de ju-
lao de 1869.
De ordem da directora se tai slente aos Srs.
accionistas, que a theioureiro esta' autorisado -
pagar o 27 dividendo das aches do banco do Bra
sil, inscriptas n'esta eaia, a' raiie de 12JOO0.
eiO guarda-livres '
Igaao Nnnee Corren;
Novo banco de Pernamfeueo
Para conbecimeoto dos interessados a d-
recg3o do novo banco declara que partir
do i.* de setembro do crrante anno, otan-
do entrar em liquidaclo. '
Recife 28 de agosto de 1867.
EM LIQUIDAQAO
Novo banco de Pernambaco
Sao convidados es Sre~ aoeionistas a re-
bebern o priairo dividendo (e n moeda
orrente) de triota por cento do capital,
razendo as acgoes para irem sendo annulla-
as; nos dias triis das 10 horas ao meio
ia.
REGEBEDtWA DE RENDAS INTERNAS
GERAES.
f'nli-nanto o dia t 41........ 10:68146*8
ura Jodia 11.................. 1:035*846
DECL1H1?0S.

ii:717*33
CONSULADO PROVINCIAL
xM8fttanto do dia 1 a
Id io dia 12......
11.
15:684 J^ I
918^892
16:602J963
E3-
MOYIMSltTO 1)0 PORTO
Navio entrado no dia 12.
Hhid* Fernando4 e roeio dias, hiato hrsseiro
WvppMo, ce o4 toneladas, capitao Hrnrique
liso Vivir da Silva, aqaipanjan 6, carga salva-
di da barca hespanboi,- Isabel.
Oitervafio.
yo hoaveram nudas.
EDITAES.
Pirante a c.mara municipal desta cidade es-
tar ,' a n praca oos dias 12, 14 a 16 do correte
para ser arrematada por quem por menos prego
flzer, a obra di concert de que precisa o muro do
eamiterio publico da freuuesia de S. Liureoco da
Maula, f^ala ua quantia de 1:1505, acuelles que
preted e-n arrematar podsmcomparecer do paco
municipal oos dias Indicados, manidos de flanea
que garanta a arrematacao.
Pago da cmara mualcipal do Recife 4 de selem-
rod 1867.
Laiz Jos Pereira SimSes
Pro-presidente.
Francisco Canuto da Boaviagem
Bscreiario.
Perante a cmara municipal desta cidade es-
tarlo un hasta publica nos das 14, 21 e 28 do cor-
ren'. ra 7. para serem arrematados pelo tempo da
om anno, por quem mais offcrecer, os impostos
segrales : capitn de planta 770,5, 40 rs. gor cada
p>! 'i'iro de producn para negocio 4735,
afenco de pesos e medidas, sendo o arrematante
obrig nisacj alcuma o5'5, 500 rs. por caneca de gado
vaecom 3085, alagaeis dss casiobas da nbeira
875. 100 r?. porcabeca de gado recoihido no cor
ral 3-5, mscales e boeetelras 2853M), SJ rs. por
carga de farinba e legames 165, repesj do acoo-
gae 75'00, iOOrs. per eabeca de gado saino 65,
dito ovelbum 15301: os pretendemos podem com-
parecer nos referidos das com seas fiadores habi-
litados na forma da le.
Pago da cmara municipal de Ollnda 6 de es-
tembro e 1867.
Manoel Deonizlo Gomes do Reg
Pro-presidente.
Marcollno Das de Aranjo
Secretario.
O Moa. Sr. losvor da thesoorana de fa
tenda desta provincia manda fater publico qoe ten
marcado o da 16 de setembro prximo vindonro
para o concurso qae se tem de abrir nesta th crispara preeociiimento das vagas de praticantes
existentes nesta repartigo, na alfandega e na re-
cebeduria. Os oxames versaro sobre as materias
de que trata o do art. do decreto n. 3114de
27 de jando de 1863, a saber : leitara e analyse
grammatical e ortbograpbia, arithnetica e saas ap-
pUeatoes ao commercio, cora especialidade a re-
dncci de moeda, pesos e medidas, calclo de
descont, joros simples e compostos, tbeoria de
camMos e saaVapplleaeSes. Os concorrentes de-
verao previamente apresenUr seasi reqneriraentos
instruidos de documcotos qae provera idade com-
pleta de 18 annos, isengio de pena e colpa, e bom
eompoctameoto, na forma do artigo 3 do decreto
n. 2549 de 14 de marco de 1800.
Secretaria dt ibese-onria de fazenda de Pernam-
bnco em 3 de agosto de 1867. Servlndo de om-
clal-mator,
Manoel Jos Plato
Repartido da- obras publicas
De ordem do Sr. engenheiro, 'chale inte-
rino da repartirlo das obras publicas, se faz
publico qne o concurso para preencbimento
das vagas de conductor tera lugar no dia
26 de setembro prximo viodouro, do pa-
lacio da presidencia, e o de praticantes e
escreventes no dia 27 do mesmo mez.
Os concurrentes sero argidos as mate-
rias de qae tratara os 1.a, 2.a e 3. do
art. 10 do regola ment de 3 i de jamo de
1866, e qoe vio abaiio declaradas.
Os requerimentos para inscripto dos can-
didatos deverSo ser apresentados at o dia 23,
e podero ser instruidos com quaesquer do-
cumentos ou ttulos scientificos, que abonem
a capacidade dos mesmos candidatos.
Secretaria das obras publicas 22 de agosto
de 1867.
O secretario,
Feliciano Rodrigues da Siha.
Materias do concurso para conductores,
praticantes e escreventes da reparticJo das
obraa publicas.
Para condoctor
Mathematicas elementares;
Algebra at eqoactfes do 2.* grao ;
Trigonometra ;
Elementos de geometra analtica e des-
criptivel; de astronoma ; de archetectura e
de resistencia de materiaes.
Conbecimeoto perfeito dos instrumentos
graphicos e dos trabalhos de nivellamento
e plantas;
Desenbo linear e de aquarella.
Para praticantes
Lingua nacional e franceza ;
Ariibmetica. e geometra a duas e tres
dimenses;
Algebra at equaces do l" grao:
Desenho linear e de aquarella.
Para escreventes.
Lingua nacional, callgraphia e arilhme-
lica.
Secretaria das obras publicas 22 de agos-
to de 1867.
O secretario
Felciciano Rodrigues da Silva.
Para o Rio de Janeiro.
Para o Rio de Janeiro deve seguir o mais!
breve possivel o patacho nacional Valente.'
que tem maior parteada sua carga prompta,'
. Para-a que anda lhe- falta e escravos a frete
d % ^?_J^2PectiV0 ^P"30- ou wm'
nota can terrea sita na mesna cidade na roa da
Caoral, eom quintal al a estrada pobliaa, enJp
ao Udo da mesaa aaaa om lo par F*25,
ana eterna com Hade de 0 Irinos p-
1]
ArTematac&o
ncia do juii muoicrpal da 2* vara, tem j con,ignatarlo8 Mtr c
se arrematr om escravo enoulo de bot^ ^raca-dtHorpo Santo n. 6 2* andar
figura, que com qaanto na valiaclo nao ge
diga habilidade alguma, nom tud elle tem.
principio de officio de fanileiro, e entende }
alguma cousa de cozinba, o qual vai a praca
por execucSo de-fos Pinto MagalbSes con-
tra D, JoannaManafda Graca como testamen-
teira de sua m5i, escrivao Santos.
na
^.n^n^nW
mmmma
Pela adminhrracio ?db eorreio desta eidade se
faz pobtleo qoe-em virtade da convengo postal
celebrada pelos governos brasileiro a francez, se-
ro ei pedidas malas para Eoropa 00 dia 19 do
correte mez pelo vapor ingles. mmm
As cartas sera receidas at duas oras fies
da qoe for marcada para a sabida' do vapor; e os
jornaes al tres horas antes.
Adoioistraglo do eorreio de Pernambaco 7 de
setembro de 1887.
O adminislrteV,
Domingos dos Passos Miranda.
mi........ i "
OES.
THEATRO
DE
S, ISABEL.
EMPKEZA--COI1IBRA
Sabbao 14 de setembro
A segunda rebresentaclb do dnma em 2 actos,
do artista da coropanhia o Sr. Tbomaz Espiaca,
intitulado
OS
mmtmm m w.
Represenuda pela 8r.' D. Jesoina, eos Srs. Tbo-
maz, Rajrmondo, Peregrino, Lisboa e Jordn!.
A moito applaudida comedia-drama ornada de
lonsica.
Migel o torneiro
representada pela Sr.' D. Palee e os Srs. C. de
Laeerda a Peregrino.
Terminara' a espacia cu lo coa a primeira re-
presenragao da comedia em am acto, do reperto-
rio 46 tbeairo Normal Portugaez, intitulado
Historia"'de um vintem.
Personagens.
D. Antonio Malaqoer. Sr. Joranl.
Tnaodsro Ventura......i C. Laeerda
D. Feraanda...... U, Bernardina.
Josepbina.........D. Juba.
Comecara' as 8 oras.
LE JO
Dt em eqneaa casa (raeia agua).
nojE s
O asfente Pinto fara' felo a rqoerimento de
Jaae*raociseo Caroeir e por despacho do Illa.
Sr. Dr. juiz:especia de commercio da pequea
meia agua o. 26 sita ao bceo do Dique oo tra-
vessa do Monteiro, perteBcente a massa "fallida de
Nnoo Marn de Senas, as 11 hora do dia cima
ito no escrlptorio do referiio agente roa da
Croz o. 38.

DE FERRAGEM
Constando de
ras de ferro, serretas de diflerenles tama-
ibos, marteltos-1 cagarolas estanhadas
com ps.
HOalE
u agente Pinto fara' leiio por conta e risco de
quem pertencer de am sortlmento de ps de f jrro,
serrotes, martellos a escarolas, as W horas do dia
cima dito em sea escrlptorio ra da Crai n. 38.
.,'

I
ii-
*

ai "U
ATISOS MARTIMOS
Perante a cmara municipal desta cidade
estari em praga nos das 20, 23 e 25 do
cwreite para ser arrematada por quem por
menos fizer a obra do Pago que a mesma
cmara pretende construir para as suas ses-
ses, orgada na quantia di 126:892^886 rs.
aquelles que pretenderem arrematar essa
obra apreseniar5o suas habilitages por es-
cripta aiguns dias antes, para poderem con-
correr a arrematacao,' sendo obrigado o ar-
rematante a especialisar a Qanc. \ na forma
da le.
As condices s^o as seguntes :
Ia O arrematante ser obrigado a dar
comi'Qj a obra dentro de tres mezes, ea
entr^a-la difinitivamente no praso de dous
annns, contar do assentamento da pedra
fun iauental.
2* A participar o dia etn que deve ter lu-
gar a ceremonia do assentamento da pedra
para qne a cmara presida a esse acto, e
possa fzer concorrer as autoridades da pro-
vincia.
3* A receber o valor do seo contracto em
seis prestares regulares, de maneira que *
ultima seja recebiJa trila das depois da
entrega didnitiva, sendo que nenauoia ser
receida sem qae esteja feita a parto do tra-
balb i correspo idente, sob inoroacSo do
engenheiro da cmara.
4a A encarregar-se da factura e decora-
do do Pago qae contractar, sendo obrigado
a empregar nelle tijollos preparados com
agua doce, madeiras e mais objectos de pri-
meira qualidade, devendo entender-se que
aquelles n3o especificados no contracto, sub-
entendeu-se como taes.
5* A edificar o Paco pelo plano apresen-
lado, no lugar determinado pela cmara,
sob inspecg2o do engenbeiro eordeador.
6a Exigir qne a companhia do gaz faca o
encanamenlo para o edificio, da maneira a
se prestar as illnmioafles pnbtica e inte-
riores, ficando a cargo da cmara os appa-
refbos qae flevem para' Isso servir.
7* A prestar fianga idnea corresponden-
te a um tergo da otra e mais malta, e i
qual nao sera desembaragada snao depois
da entrega do edificio.
8* A pagar a moita dedez cont*4 de
res no caso de tSO comprimento do con-
tracto.
. O orcamenw acha-se -pagote arsoerett-
na da me sma' cmm ond> i duilqtir hort
do expe lente pode ser eooMrittdkr rwrrmem
se quizer propot arTtaat**), ''
Pco d cartftrt aoft^a^Rnt^e en
Santa Casa da iliserieorda
do Recife,
AIIIma. anta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recife manda Tazar puhhr.o qne
na sala de suas sessoes, no dia 12 do correte pe-
la>o 4 horas da tarde tem Te cor arrematarla a
quem mais vaatagens offereeer as readas dos pre-
dios em seguida declarados :
Estabelecimeatos de caridade.
Ra do Padre Floriano.
Casa terrea n. 49.......182*500
dem idem n. 17.......186*000
Roa dos Pescadores.
Casaterrean.il.......316J0C0
Ra das Calgadas.
dem idem n. 38........1585000
Ra larga do Rosario.
Segundo andar do sobrado n. 24 300JO00
Terceiro andar idem dem .... 301*000
Roa da Roda.
dem idem a. 7....... 96J0O0
Becco do Qoiabo.
Casa terrea n. 8.......1440O0
Roa das Calgadas.
Casa terrea n. 36....... 176*000
Roa do Padre Floriano.
Casa terrea n. 47.......168*000
PatmsBK de trabaos.
Ra do Sebo.
Casa terrea n. 13.......217*000
Rna do Pires.
dem n. 39.........12IJ000
Ra da Cacimba.
dem n. 67.........84*000
Roa do Pilar,
aa do Raneel
Casa terrea n. 56.......301*000
Roa de S. Gongalo. .
Casa terrean.84.......194*000
Roa do Vigario.
Primeiro andar do sobrade n. 27 181J>000
Ra do Pilar.
dem n. 98......... 20I000
dem o. 105..........144J0O0
dem n. 108...........20<*000
Casa n. 99.........256*000
idem n. 103.........200*000
dem a. 94.........201*000
Sitio n. 5 no Forno da Cal. i50*00i>
dem. n. 103...... 144*000
As arrematagdes sero fe-itas pelo tempo de om
anno, deveodo os licitantes vtrem acompaBbados
de seus fiadores oo manidos de cartas destes.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Recife 5 de setemhro de 1887.
O escrivao,
Pedro Rodrigues de Sonta.
Roa das Cinco Ponas.
Juizo de orph&os.
No dia 13 do correte depois da audiencia do
Dr. jaiz de orpnos irao novamente a praga a par-
te da casa n. 27 da ra do Sol correspondente ao
valor de 2:3043250 rs. sobre a avaHagao de 8:000*
e a parto da casa terrea n. 38 da roa Velba cor-
respondente a quantia de 479*. para seren arre-
matad :s a quem mais der para pagamenio das
credores de Jofo Pacheco de Querroga, sendo aba-
tida a qalnta parte d'aqaelles valores visto oe ter
appareeldo licitantes ia primeira praca, e nao ha-
vendo laogadores serio adjudicadas aos mosmos
credores.
Perante a cmara monfcipal dasta.cidade estarao
em praga nos dias 11,14 e 11 do correte, para
serem arrematadas por quem malores pregos offe-
reeer, as segointes rendas: ti*
Talhos dos acougues pblicos das fregnezias de
S. Jos e Boa-VlsU.
Imposto de 100 rispor carga de farinha aoutros
legumes, vendidos nos mareados pblicos das fre-
gnezias de S. Jos e Boa-Vista.
Imposto de 40 rdis por p de eoflielro de prodoe-
gao para negocie.
Todas estas vendas serio arrematadas por nm
anno; os talhos de agoogue Iro a praga am lotes
de nm a' nm.
Aquelles qoe pretenderen coneorrer a arrema-
Ugao de taes rendas, devbrao apresenur antorlor-
nente a ultima praga, as loas flaneas na forma da
le, par serem jutgadas, aaaa o qn nia poderla
llciur. ___________._
Paga da caara maiHipaoIecir, id*setem-
bro de 1867.
Lois Jos Pereira SimSes
Pro-preeidaote.
Pranctsco Csnnto da finarlagem.
Secretario.
-: I? Ha t4 dft cormme Mi petu Vrst da
nantto.enpn^pnnflea-dornlto deorMos
wrn la Otada, se ha de arrenitar por venn,
COMPANHIA BRASILEA
DET
PAQUETES A VAPOR
E' esperado dos portos do norte
at o dia 19 de setembro o vapor
Santa Cruz, commandante Gai-
Iberme Waddiogton, o qual de-
pois da demora do costume se-
guir para os portos do sal.
Recebem-se desde Ja passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder condozir a anal devera'
ser embarcada no dia de sna ebegada, encomroen-
das e dinbeiro a frete at o dia da sabida as 2 ho-
ras. Previne-se ao3 SrS. passageiros que as
passagens so se recebem nesta agencia rna da
Cru'. n. 57, escript jrlo de Antalo Loiz de Oiivei-
ra Azevedo a C____________^_
GOMPINHIAPERNAMBUCANA
Vavegago costeira por vapor.
Macei e escalas, Penedo e Aracaju'.
O vapor Potengt segu para os
portos cima oo dia 14 do car
rente pelas 5 horas da tarde. Re-
cebe carga somente at o dia 13
ao meio dia ; eoeommendas, pas-
sageiros e dinbeiro a frete at as 2 horas da tarde
do dia da sabida: escriptorlo no Forte do Matos
n. 1.
Rio de Janeiro
Pretende sahir com muita brevidade para o in-
dicado porto o veleiro patacho tGloria, por ter a
aaier parte do seo carregamento tratado e para o
reato qae rhe falta e escravos a frete trata se com
o consignatario Joaqnim los Oongalves Beltro,
ruado Trapiche n. 17.

Companhia ameri sileira de paquetes avapor
At o da 18 do correte esperado de New-
York por S. Tbomaz e Para' o vapor americano
South Ainertca, o qual depois da demora do costu-
me seguir para os portos do sol, para (retes e
passagens irata-se com os agentes Henry Forster &
C, roa do Trapiche n. 8._____________^^_
WtMllA PEIIVIHBICAYI
DI
Nave^aciio costeira fvr vapor.
Parabyba, Natal, Macao, Aracaty, Geara' e
A carac'.
O vapor Ipojuca, commandao
te Martina segu para os portos
cima no dra 14 do correte pelas
5 horas da tarde. Recebe carga
at o dia 13 ao meio dia, passa-
geirus, eocjcSaeodas e dinbeiro a (rete at as 2
horas da tarde d) dia da sabida : escrlptorio no
Forte do Matos n. 1.________________________
Para Porto.
Pretende segnir com malta brevidade o veleiro
palhabote portagaez Neva Sortt, tem parte de seo
earregameoto engajado, para o resto qne Ihe falta
trata se eem os sena rconsignatanos Antonio Loiz
de Oliveira Azevedo & C, no sea escrlptorio rna
da Croz n. 87.
Para a Babia.
Pretende seguir con malta brevidade o veleiro
e bem conbecido palhabote Dous Amigos, tem par-
te de sen earregameoto prompto, para o resto
que Ibe falta trata-se con ea seas consignatarios
Antonio Laiz deOliveira Azevedo & C, ao sea es*
eriptorio roa da Cruz n. 87.
m
BB JANBIlIfr
Sabira' com maita brevidade para o referido
porto, por ter a maior parte da carga enfilada, o
palbabte portugnex Detenovt oV Junho; pa o
reato qae Ibe rala, pode tratar-se eom o
uri David Perretra Baltar, roa do Brum a.
o con o eapttio a bordo.____________
Fari
Setse com brevidade o brigoe escuna G;
sa, capitao e pratlco Jos Maria Ferreira,
j aafaad* be* parto de ao earregameoto ;
o reato trata-se eom o respectivo oonstgntvio
Antonio de Alnetda Oones, a' roa da Crns o
23, primeiro andar.
Don Moderto da ia Parta, capita
heaaanbola Iu
vice-consal an Hes'aanb, '&nvid'iodas u
ana li varen nasa anb*raaoia aan
condoxir desto porte W'lfc Mootevido,'Vaph
saaMaran snaa propoevenrearu fechada, npvi-
P-
De cerca de 390 tinas com 6a
calho,
HOlJE
O agente Pestaa fara' leiio por conta, e risco
de qnam pertencer de cerca de 390 tinas coffl ex-
ie bacatbao marca Jeosen & C, as
PARA UZO INTERiNO
PREPARADOS SIMPLES,
Xarope de jarubeba garrafa......... looo
Vinbode a (^oo
Piluias de vidro......... l^too
Tintura de a 64o
Extracto hydraicoolico de jurabeba 12^5oo
PREPARADOS COMPOSTOS.
Viabo de jarubeba ferruginoso garrafa. 2iJooo
Xarope ^600
PoJas vidro... 2ooo
Oleo de jarubeba vidros;... 64o
Pomada de pote...... 6io
Emplastro bra..... 241500
PARA UZO EXTERNO
A JTITKI BEB4.

1


Esta plantar hoje reconhecida como o mais poderoso tnico, como om excoii
_6S( tal ann'ca/ta nnc onnn.n;t.m.lA. An fi,.-j, t^^J.
serao vendidas pelo maior precoem om "on maJs! 5S!
wtrt raexta.-e,:ra 13 oo correte as 11 horas da suDsequentes as febres intermitentes ou durezas, nos abeessos internos, dos tumore* es-
r..u# uJvy lowuncuua cuuiu u luds poueroso inico, como am OXCOfi
lente desobstruente, e como tal app'cada nos engo-gitamentos do figado e bncoa a-
mais faUtes proprh,mene. drta3'. oa anda complicadas com anaxarchas, as inflammacdei
manhia no "armazem do Srs.
da escadioba da alfandega.
Tasso Irmos largo pecialmente do otero e abdomen, nos tumores glaudulosos, na anazarcha, as hytVafjci
i j *s, erysipellas; e associada as preparages ferruginosas, ainda de grande vaatagop
as anemias, cbloroses, faltas de menstroagao, Ieacorrtieias, desarranjosatonieos.floTesto-
De urna armaeo de louro nova serr
p3raq"aalqacrB,,gocio.
NA RA DAS CBDZES N. 37.
HOalE
Sexta-feira as 11 horas em ponto.
Por intervengao do agent- Ci deiro SiraO^s.

LILAO

De dous escravos c da refioago da roa das '.aran-
geiras a. 1?, con.-iaodj da armago, candleiros
de gan-com registro, caizoes grandes e peque-
nos, nalaaga*, foroalhas, Unas, caizoes para de
psitos, molohos, 16 laxos de cobre, peoeiras e
mais pertences, porgio de papel de embrolbos,
caf, assucar em carogo e rtfloado.
Segonda-feira 16 do corrate
O agente Marlios fara' leilo por aatorisago da
Ulna. Sr. Dr. Claudino de Araoj > Gulmares, con
horas do dia na mesma reflnagSo.
%
Da armagao, gneros e pertences da taber-
na da ra (M Pnhaiqiiina narao larfo
Te ca-felra 17 do crrente.
O agente Uartins fara' leilo a requerimento dos
errdores do ausente Joao Pinheiro da Racha e por
anion.-agao do Illm. Sr. cnsul de Portugal, da ta-
berna cima, as 11 horas do dia.
mago, debilidade organice, e pobreza de sangue, etc.
O que dteemos affirmara os mais di>tinctos mdicos desta cidade, ent$e'o*.,traaos
podem os citar os lllms. Srs, Drs. Silva Ramos, Aquino Fonseca, Sarment. Sove, Pe-
reira do Carmo, Firmo Xavier, Silva etc. Todos elles reconh cem a escellencia d'nstojap-
deroso medicamento sobre os demais at ho} ^onbecidos para todos os casos cttaS,
tanto que todos os dias fazem d'elle applicagSr.
Apresentando aos mdicos e ao publico em geral diversos preparados dn jora-
beba, tivem :s por fim generalisar mais o uso d'este vegetal, fazendo desapparcor a
repugnancia que at boje sentiam os doentes de usar doi preparados empricos d'otte, o
mais das vezes repugnantes a tragarem-se, e que tinbam aioia a desva iLigem de ao
ser calculada a dose convenieate a ap>iicir-se, o que terna muitas vezes improficao-'-tMii
medicamento, que poderia produzir ptimos resultados.
Os nossos pnepados s forara apresentados depois de havermos convenientemente
estudado a jurubeba, fazendo as experiencias precisas para bem conhecer as propmados
medicamentosas d'esta planta em suas raizes, folhas.frucias ou bagas, e a dose eonveaioa*
ea app-icagSo, tendoalm d'isto ptoourado levar os nossos preparados ao maior grao de
tperfeico possivel, para o que nao poupamos osforgos, nao nos importando o pouco la-
cro que possames tirar
Por tanto os que.se dignarem recorrer aos nossos preparadas podem ter a cortee*
sui portugue.% da refinagao aoima pertsneente ao de que elles offerecem a garanta, de que se pode encontrar a prompta e infallivel cora
1 de qualque dos soffrimentos, que deixamos innumerados, se forem em tempo aplicados
teodo alm d'isso, medico ou doente a vantagem de escoiber as nossas variadas prepa-
rages, aquella que melbr Ibe pode convir, j pela fcil applcagSo, e j pela complicaoo
das molestias, idide, sexo, ou ainda natureza de cada individuo.
As nossas preparages ferruginosas sao feitas de forma que se tornam completa-
mente soluveis nos suecos gstricos, porque procuramos os compostos de ferro que como
**> caiJo tiuie recoobecidos.
Para aquelles que mais minuciosamente queiram connecer as propneuaaes aa
jurubeba, e saberem a applicago de nossos preparados, destribuimos gratuitamente
em nosse deposito um folbeto, onde tratamos mais extensamente d'esta planta e dos ort
mos preparados.
De 30 decimos om vbho do porto,
Terga-fera 17 do corrente.
O agente Pestaa far leilo por conta e risco
de quem pertencer de 30 decimos eom vinho do
Porto em um ou mais lotes, no da cima mencio-
nado as 11 horas da manha no armasen do Au-
nes de fronte da alfandega.
^KS^S*9^m
AVISOS DIVERSOS.
Os abaixo assignados convidam as pessoas
com qoem tem primeira contratado a venda de
sones de trras do sitio de sna propriedade, de-
nominado Aguafria,a que venbam completar os
seas pagamentos para legalharem o sea direito, e
faxerem o embolso das quanlias, pelas quaes con-
veocionaram comprar ditas sortes de trras, de-
pois do que realisado, passar-se ha a respectiva es-
criptura, i-lo no praso de 15 dias, contados de
boje. Recife 11 de setembro de 1H67-
Pedro de Souza Tenorio.
Maria Marcelina de Sonta Tenorio.
Precisa-se de nm menino para caiieiro de
taberna ; a tratar na roa do Moudego n. 32, ta-
berna.
Aluga-se um sitio com eocbeira e muitas
frucleiras, no Monteiro, becco do Quiabo, proprlo
para se passar a testa, equal tem excallentes cora-
modos para grande familia ,- a tratar na roa do
Pilar n. 112.
urna Uberua sorti"
% roa do Fogo o. 20'
Mnoel Lope* de Albquerqae professor pu-
blico de Pilar de Itamaraca', faz ver ao publico
que o chamado de igual nome ao sea na ra da
imperalriz n. 33, oo se omprehende com elle.
Qcem aonunciou ven
da e em bom lugar, dirija
taberna.
No dia i *o eorrente, fiada a audiencia do
{ola de [az do l.ll=iricto da fregezia da Boa-vista,
tem D serem arrematados os alaguis da casa da
travesea do Veras n. 6, avallados por 16000 men-
eaos, penhorados a viuva de Feliciano Primo de
S-'Uza.porexecugaode Francisco Pedro Advlncala.
V ultima praga.
Precisa-se de ama ama para easa da pooca
familia, aneseja bea coztnbeira: a tratar na roa das
Trinchartas n. 40, qae paga-se bem. _____
Alaga-so am sitio oa Capooga verba: qnam
pretender dirija-se a ma da Cadeia do Recife, loja
n. 35, qoe se dir' quem tem para alagar.______
6 Sr Joo Finlands Vieira
professor en Garuohaq,.deseja-lhe fallar na ra
das Florea n. 11 a oegpcio de sen interesse.
DiQheirO'a* premio,
D-se dinbeiro a premio mdico, sobre
hypotbeca de inrmoveis, em quantias supe-
riores |

DE
CAROSA
PREPARADA! FRI
POR
AUGUSTE CAORS
Pnarmaceatico pela escola de Pars e successor nesta cidade
DE

Aristide Saisset e J. Soum
22.------Rna da Cruz------22.
Tratamento paramente vegetal sem mercurio, iodo, oaro, nem ontro qaalqne
mineral.
Yerdadeiro parifcador do sangue sem azougue.
Especial para a cura de todas as molestias que tem sna origem na impureza do
sangne, como sejam as molestias boubaticas, sypbiliticas, escropbulosas, darthrosas, quer
venbam ellas por bereditariedade, quer sejam adqueridas pelo contacto com pessoas in-
feccionadas dos diversos virus que contaminara o sangue e os humores.
A earoba um remedio prodigioso, [usado desde remotas eras pelos indios
do Rrasil, e passando seu uso de geragao em geraglo, hoje um dos remedios mais co-
nbecidoscomo propno para combater as molestias mais hediondas, entrando nesse nume-
ro a morpba oa elephantiases, para cajo curativo os nossos sertanejos considerara a
earoba como remedio especifico.
A mnito tempo eotrou a earoba nos formularios como preparago magistral
sob a forma de eleictuarip, ainda hoje lembrado oas pharmacopas com o nome de seu
celebre autor Jlo Alves Carneiro: n5o ella portanto remedio novo nem desconhecido.
0 ungento, de earoba da mesma sor te precoaisado desde tempos immemo-
riaes como o mais apropriade para o curativo das boabas e ulceras sypbiliticas srdidas,
e empregado com proveito depois de improficua applicago de muitos outros agentes
therapeuticos enrgicos e de uso quottdiano.
Muitos dos nossos mdicos de considerago e entre elles o muito distincto pratico
e observador o Sr. Dr. Pedro d'Athayde Lobo Moscoso, tea confirmada por meio de ex-
periencias repetidas, o que diz a fama das benficas propriedades da earoba oo trata
ment das boobas, das diversas formas sob qoe a syphilis se apresenta e maito especial-
mente .as qoe teem toa sede na pelle, e podaramos relatar aiguns casos de data mu-itc
moderna obsarvados pelo mesmo Sr. Dr. Moscozo em qoe a earoba produzio admiraveis
efleitos, depois de matis e prolongadas aBpiifja^rjes de salsaparrilka, mecano, iodo, oo-
ro e seas preparados, etc., etc.
Nao era possivel que ama planta tae notavel por suas inapprecinveis virtodes es-
um cont de res: trata-se no car- opasse a perspiwcli e intestigagoes dos mais abalisdos pratioos europeos, fu* se ap-
torio do tabolliao Portocarreiro.
-i Manaal Santo da 01 i* el ra Braja, Portme*,
vai a provlpda o BJa Orande do Sp.
Qub Feraambucano

Doaofo 1 i da corrente, ha ver reaniSo
mul

-------
DO PEITO
AwH laaporUnte.
Os aicos verdadeiroa xaropes de bypopboapot
A cale de ierro do Dr. Churchlll tra.
qoitro vetea repetida desta sabio me-
fa o sabaerlpto e, a urea de fabrica da
ita Sisaan, roa Castjfliona, Paria.
. nvan^anfrnaens ajojArados non ono-
pwajpDr.Cnorenill notidro. Proco 4frenos en
Yanoa-M em eaaa da P. xannrar 4 C
plicam eom especialidade ao estado e tratamento das molestias sypbiliticas e herpejicas
e para prova bi esto os Srs. Drs, Casenave, Schurfer, Ricord o outros dando as mais
lisongeiras iuformagoes sobre as propriedades curativas da enroto t preconisando-a como
remedio rwderofissimo para o tratamonto das eiupvBes cutaueas, seccas-on snpparatrras,
darthros'd-tods't.qaalrdade, eceraas, ulceras de diverras Batureaas, tamores, osseos
o outns muitas motesfias de natareza syphilitica ou boubatica. c '%
Por tor-ae generalisado maito o uso da emenda da a* JV
paro e pelas instancias de Tarios mdicos qae desejam coDtioaar em anas *9*yr****
deliberei-me a ter promp orna qaantidade da mesma esseocra, obrja sem a ecno >
ogo, para nao preidicar as propriedades medicamentosas; e f^K"a;
tm-sUa na oiinha>armaci sempre e em porcao ^^^^^^.^L
ESSENaA.O)NCErmADA De CAROBA, e o cmgoeato da BM9^PMP 'u;^an'
ea fallem aos Srs. niedicos m ttem esperimantartJo p**0*5 agnjte.medidnal.
Reeife de Porxtamoacd, 4T d ootoVo- do *JJ-
Deitsitt geral U Mwraiiiwif^s
*"oa e dr**
laffido





ILEGIVEL


.M'
H
jfl
44

., V*>T
I)
Itlarlo de rwutimAuem -* exh> letra 1 -
W
PHOTOGBAPHIn
YILEXIjA
RA DO CABU6A N, 18, ENTRADA PELO
PATEO A MATRIZ.
0 nosso estabelecimento pbotographico
est sempre em dia com todos os melhora-
raentos e progressos qoe na America do
Norte, ou na Europa s oonsegoe na arto
pbotographica, e para alcaocarmos tal iim
Dunca poupamos despezas nern sacrificios,
de sorte que os nossos numerosos fregaezes
podem ter a certeza de que sempre encon-
traro em nosso estabelecimeoto ludo quan-
to a arte e a moda offerecer de bona, no
doto e velho mundo aos amantes da pbo-
tograpbia. y>
NOVIDADE PHOTOGRAPHICA.
Acabamos de receber todo o necessario
para fazer retratos chamados carte-album.
Este genero de retratos ltimamente in-
ventado na America do Norte, rpidamente
se propagou na Inglaterra e Franca aoode
goza actualmente de todo o favor da moda.
A car te-a-lum se faz por dozias como os
amigos artOes de mita.
Na Inglaterra trocaram q nome de corte'
lbum pelo de retrato-galria e os ingleses
osam encaixilbar estes retratos em qaadros
especiaos para com elles formar galeras,
com que ornam seus gabinetes. Recebe-
mos urna certa qnantidade de taes quadros,
os quaes cederemos por barato preco aos
nossos freguezes.
As pessoas que quizerem ver specimens
dos retratos chamados carte-album, j fri-
tos em nossa officina sao convidados a visi-
tar o nosso estabelecimeoto.
oart5es de visita a 9)5000 a duzia.
Em consequencia do novo genero de re-
tratos chamados carte-album, diminuimos
o preco dos antigos cartet de visita, os
quaes de boje em dunie fcam reduzidos
ao preco de
> 0OOO
pela primeira duzia, sem que por causa
desta diminuico de preco, deixemos de es-
merar-nos no nosso trabalbo, como sempre
foi nosso costme. Alm disto, continua-
mos a dar os cartdes de visita em cartes
de luto, Bristol, ou porcelana, dourados ou
litbograpbados para o que temos urna varie-
dade de 42 modelos, a escolba de qoem se
retratar.
t9" VA GOMO PREVENCO.
Apezar do nosso trabalho ser moUo co-
nbecido nesta cidade, aonde trabalhamos a
i anhos, com todo j Bigamos de nosso de-
ver dizer boje o seguinte:
Nos retratos fetos em nosso estabeleci-
menlo emprega-se toda a cautela para of-
ferecer-se a par da belleza do trabalbo, as
melhores eondices de duracjlo. Doura-
mos e fixamos os nossos retratos sem olhar-
mos 3 economas, e ltimamente para lhes
pdennos dar urna lavagem mais ampia
e segura, contratamos com a companbia de
Bebiribe orna peona d'agua. Os nossos
cartoes de de visita s5o verdadeiras photo-
grapbifg; que nao precis5o de retoques do
pintor para Iba desfargarem os defeitos, e
convidamos a qoem qoizer a passar sobre
elles urna esponja moibada em agua, ou a
deixa-los mergolbados por espaco de boras
em agua, ou em espirito de vinbo: seapre-
sp.ntarftm alterarn sern rapohiHnc nnr niVs
e pagos pelo duplo do que tiverem cos-
tado.
Continuamos a fazer retratos por todos os
systemas photographicos at boje conheci-
dos em pbotograpbia. O nosso sortimeoto
de caixinbas, quadros, passe-par-tauts, e
joias de ouro para a collocacSo de retratos
o mais completo, variado e abundante que
existe nesta cidade.
ir. A. S, Perelra do Carmo (medico)
est morando no sobrado o. i2 da roa da
Tmperatric.
GAZEOL
Precisase de urna ama ama para dti
leite a ama eriaoca de poneos odias de
nascida e iDcumblr-se de sua completa
amamentago : na ra das Cruzes o. 9,
'"qnnrtn andar.
Precisa-se de ata* ama para casa de mojo
solteiro : do pateo do Carmo o. 9.
Ama
Precisa-se alegar orna ama para comprar, cosi
phare engomroar: na roa de 8 Francisco n. 54.
Attenco
A viava do Dr. Jovenclo Arres Ribetro da Silva
faz sei6nte ao publico desta cidade e dos mais la-
gares da provincia, que o eogenbo Ponlabie, de
sna propriedade e de seos Albos orpbios, neoham
embanco tem por obrigacao de sea casal para
com a Sr Feliciana Mara Oiympia.
8e cerlo que esta senhora iraxia no foro desta
cidade ama demanda com seu marido por causa
de duas letras no valor de 15:000$, a qoal esta'
pendente anda, nao meos cerlo qoe acha-se
provado dos autos qoe taes letras sao falsas, e o
felitorico desta demanda coodemoa a pretendida
credora, que por certo nao ba de lograr o sea in-
tento : tal a cooflanca qoe os tribanaes do palz
iopffam. Assjro, pols, o annonelo da Sr1 Feli-
ciana, qoe se l cesle Diario dos das 7 e 10 do
correle, sobre este objecto nio prejadica a pro-
priedade PoDtable ; elle nao mais do qoe oro
desses recursos, qoe tem sna aotora para fazer va-
ler dtraitos se nao no qoe frtil, como nao se
ignora nesta cidade.
Ordem 3.a de 8. Francisco do
Recife
Por mandado do nosso caro iraao minis-
tro, convido a todos os domos carissimo
rmaos, a eomparefcerem em dita ordem no
da. Ift do corrente mez, pelas 4 horas da
tarde para a trasladado do Santissimo Sacra-
mento de convento, para a nossa igrej*.
bencio das imagens, e vesporas, e do dia 17
pelas 9 boras da manbaa para assistir a festa
da knpressao das Cbagas de Nosso Serfico
padre S. Francisco e a noite ao Tt-Dcum.
Besie 10 de setembro de 1867.
m k olw?Joaqaim Claudio Montekroda ,
wno r-o6c secretario.
Os Paraguayos
iO60Of degratfleaefte!
A qnem declarar os Bornes d9 nos paraguayos
adatlvos qae arrenataram a irmacao e preparos
do palaoqu* para os festejos que m pretende fa-
zMpor occasiSede noticias lisoogeiras, respeito a
nitUntwo da goerra do Poragoay.
gnarda nacional do 8. Jos.
AmaiMa
Dave amacha chegar o vapor do sal e se por
Z^SEZ?*.**'-** Seslcbeda
goerra na> temos fMteo,noMoj a armado
preparos qoe se deiaaveOT Wftfjni ffoel-
ruadas por om paraguayos da roa doffttrf
SE
Burrin du Buisson
Liquida voltil preparada por Smllose, repro-
dozindo cblmicameote os vapores qoe se soltam
em volta do aparelbo parificado do gas carbnico,
empregada com o mais segoro successo contri-
a coqoelocbe, a pbtisica e todas as molestias ebro
nicas dos palmoes
VENOE-SB NA
Botica e drogara
M
llar h o ornen & c.
34Roa larga da Rosario31
Fogo do ar
No armiem da bola amarella no oltio da se-
cretaria da polica receber?-se encommeodas de
fjgo do ar para dentro o fora da provincia
P/ecisa-se de official
barbeiro em casa de Gustavo
do Recife n 51.
cabelleireu*o e
: ra da Gadeia
ui ISi mvencvel Veado Braneo, cosasmaneiras attenciosas com que
'oiaootnido pelo respeitavel publico desta briosa provincia, a ponto de que amitos a por-
fia desputaram a satisfacSo de serem os prime iros a comprarem em sen importante arma-
zn)' se desvanece m declarar com toda a lealdade de que capaz, que est cada vez
"^af?*?*1?0 t pel beD^ao acolhimento que tem recebido, como pelas torcas de
quedispoe por^oe at boje n5o careceu anda dos preparados de jurubeba, nem do
xarope alcooheo de veame.
O Veado Braaeo, declara a qoem anda o nSo conhece qoe n3o om
desses bicharocos retratareis que por abi vivem com Agora bu uan ; domesticado no
ameno paz onde a amaveT guia Branca vio a luz do astro bemfeitor, elle partidario
desse invejayel agrado e sinceridade que com tanta gravidade se desprende do seu
bieo encantador. # ------
0 .Ve*** ** como todo o hornero civilsado, ama a sociedade dos
bons, gosta do centro do mundo elegante, usa do tnico de Jayme, para prevink quelhe
ponham a calva ao sol, vai a eompanhia des Booffes Parisiens e no meio do partido de
madame Adelle, elle tambem atira-lhe o seu lindo boaqnel.
Digne-se o benigno leitor de jurar as palavras sinceras do sincero Veado
Braneo, e venba prever a sua dispensa do que melhor se pode encontrar n'um estabe-
cimento de molbados.
A modicidade dos precos, comparados com a boaqualidade dos generse o
bom modo com que se recebe os sentares compradores, deve certamente coovidar as
pessoas que anda nao vieram nossa casa a fazer parte dos amigos e freguezes |do nosso
BELLISSIMO 1RMAZEM
M
MOLHA
CONHECIDO PELO NOME
VEADO BRANCO
Wk ITUfTIlf
eompanhia fidelidade de seguros
martimos e terrestres
estabdecida no Rio de Janeiro
AGENTES EM PERNAMBOCO
Aotoni. Lu, de Oliveira Azevedo k C.
competentemente autorisados pela
directora da eompanhia de seguros
Fidehdade. tomam segaros de na-
vios, mercaduras e predios no seu
esenptorio ra da Cruz ni.
wmmwm mm ^
O Sr. Jo Marques da Costa Soares,
que mora na. ra do Vigario, queira vir
esta typograpbia, a negocio que nao ig-
nora.
Ainda restam allomas cuilec^Ses oas bol-
crapbias de algsBs peas e ootros bomens llios-
tres da provincia de Pernamboco, pelo eommen-
dador A. J. da Mello. Tres tomos por 95. Na
roa Aogosta n. 92.
Flor dos progressos.
Este importante estabelecimento acaba de rece-
ber a afamada bolacbinba bespanhola denomi-
nada prova e ver o gosio qae acharastazan-
da ioteirumente nova oeste mercado, e o qoe ba
de mais especial ueste genero : somante se encon-
trara' no Fior dos Progressos, a' roa do Caboga'
lo
ir.


EstabeleciJo a ra Direita n. 16.
Esquina da traTeaaa de s. Pedro.
~,,---------------
:
"YT

NEL
Yende-se mel: a tratar a ioa do Apollo o. 4.
MOFINA
Para o Exm. Sr. ministro da justica
\er, admirar e providenciar.


admirar
Hoje a cobica assenloo-se
no logar da eqaldade : o joiz
vende a cooscieoeia no mercado
dos poderosos, como as molbe-
res da Babylonla vendiam a pu-
dicicia, as pracas poblicas, aos
qoe passavam diaote da luz do
dia. (A. Hercui.ano.) >
No Despertador, folba da provincia da Para-
hyba, o baebarel Jos Jjaqnim de Sa' Benevides
apparecea qoerendo provar o borroroso proced-
niento que leve para comigo na qoalidade de juiz.
Sao tantas as mentiras desse calumniador qoe
carf v*7 ca WVMvo '' wa* m
uno, mendux tn mnibus. Perante o mano boo-
rado joiz de direito da comarca, o Dr. Victorino
do Reg Toscano de Brlto, prove a legalidade da
transaea qoe flz com o meo devedor Antonio
Hercolano d'Almeida; tanto asim qoe o mesmo
joiz dcrriiiou o m<>ostro filbo do despeilo, da po-'
te cea o e do patronato.
Prove exuberantemente, e tenho consciencia
de qoe o juiz de direito Toscano de Brilo nao me
fez favor e sib inteira justica ; ese Benevides for-
jou o monstro processo, (elle forjoa). segoodo
voz ge ral, foi por de ver a Bar boza, tio do meo de-
vedor, a quant a de 1:0005000, e nao podendo pa-
gar-lne, prestoo-se a essa vioganca miseravel, cao-
sando-me graves prejaizos superiores a 20:0O0J,
como Ibe poderei p. ovar; sendo con: o processo
de estelllonato algons 4:000^ ; estando ooze dias
na casa de deteoco para ser remettido para a Pa-
rahyba. O Dr. Benevides cobrio-se de Lama, e,
como nao pode provar o sea acto, apparece peld
orna! mentindo descaradamente, e pegndose e-
teias de aranbag.
Miseravel juiz : vem pelos jornaes de Pernam-
boco provar o qoe dissestes n'aqaella correspon-
dencia pelo modo seguate :
1.* Quaes os commerciantes qoe liveram nego-
cios comigo, e qae conam fados de ponca sinceri-
dade.
t. Se leo stmilis cum smultbus, ec9ga Joo
Pernandes Lima, juiz municipal de Bsnaoeiras,
me qoiz prender, e por qoe motivo.
3.* Quaes as latirs de boas firmas qoe veodl
pela metade de seo valor.
Vem tambem provar por qoe te recusaste a des-
pachar favoravelmente doas pecoes miabas, qoan-
do ram para provar mlnha innocencia; e assim
coaaMUasie-de tres coasasama ou Ignorancia
ou peita oo v. na I i dad e.
Vem provar o contrario do qoe disse o Volun-
tario da Patria > no Diario de 28 de junho do cor-
rente, qoanto a's segotnies phra-e?, qoe moito
folgarei. mea cbaro bacharel, de te ver escoimado
das faltas de qoe te accosam : Miseravel,
Negro, Prevaricador, Ignorante, Corrupto, Mal-
vado, Indigno jnjz caja vara nao pode ser mais
respeitada per estar coberta de lima >.
Se nio vieres pelos jornaes de Pernamboco pro-
var o qae cima peco, direi ser exacto todo qoan-
to se tem dito pelos jornaes conira o baebarel Be-
nevides ; e nao retirare! esta Mofioa at que
Sna Magostado o Sr. D. Pedro II en Exm. Sr. mi-
nistro da jostica vejam, e providencien) de ma-
oetra a flear miaba humild pessoa desaggravada
das cff-nsas e dos abasos de aotoridade, pralicados
pelo joiz municipal da villa da Independencia na
provincia da Parabyba, o bacharel
JOS' JOIQUM SE SA BEVEVIDES:
A pnso a' noite e tumoliuariamaote arrastado ?
O monstro processo de esielllcnato derribado
pelo jola de direito?
Os ente dlfs de prisio, e os preiolzos calculados
en mais de J0:000000 7
Oi dous despachos iodeferidos, negand) os meios
de defesa do reo e protegendo a om falsario.
Recife, 33 de agosto de 1867.
to Gomes ViUar.
.Residencia econsultxorio
Medico cirurgico
no
--------------------
i


JOIAS
Dr. Antonio Dearte
m praca da Boa-Vista n. 21 onde
pode ser procurado a qualquer hora.
Especial ida de
Doencas do peito, e de meninos.
3mttMa-;B8IIMK
N. 2
m ^P" CORACAO e auno. ^4H

N. 2 Di
DO
Dr. Igoacio Alcibiades Vellazo
Pode ser procurado a qualquer hora do dia oo
da noite prestndose aos chamados fora da cida-
de, com toda a promptido. Pratiea qnalqner ope-
rario. Da' consultas das 6 as 9 boras da manbaa :
roa da Imperatria n. 86.
A loja n. 2 D Intitulada Coraco de Ooro na roa do Caboga, acba-se d'ora em diante offerecen
1 do ao respeitavel poblico com especialldade as pessoas qoe honram a moda os objectos do ultimo gos
< to (a Pars} per menos 20 por cento do qoe em ostra qualquer parte, garantindo-se a qualidade e a so
' idez da obras.
O respeitavel publico avallando o desejo qoe deve ter o propietario de om novo estabelecimen-
to qoe quer progresso ero sea negocie deve chegar immediatameot ao coracio d ooro a comprar
---------.m._^.,^. jnes eom perfeitos brilhantee, esmeraldas, robins e perola ; verdadeiras em agarras, moderoas pek
VJlDlIiete H16(11C0 Ciriirf?lCO' diminoto precn de 10>. brincos modernos de ouro eeoral para memnapelo preco de Z&, maracas de
prata com cabos de marflm e madreperola obra de moderno gosto (o qae o eacontrarlo no coracio de
ooro) voltas de ouro com a competente erosiona ricamente enfeitada pelo pequeo prego de 124, brin-
cos de om trabalbo per feito por om modicc prego, cassoletas, traoealns, palceiras, aliiuetes para re-
tratos e outros modelos todo de alto gosto, aneis proprios para botar cabello e firma, dito para casa-
mento, no rtico roseta tem o Coracao de Ouro om completo e bem variado sor ti ment de diversos
gostos, butdes para ponnos com diamante, roblas e esmeraldas, obra esta importante ja' pelo seo va-
lor ja' por gosio ds desenbo, brincos a forma da delicada mosloba de moca com piogeote cootendo es-
meraldas, robins, brilbantes, perolas, o gesto soblime, alfiaete para gravata no mesmo gosto, relo-
gios para senhora cravados de podras preciosas, ditos para hornero, diversas obras de brilbantes de
noito gosto, erosionas de robins, esmeraldas, perolas e brilbantes, aneis com letras, cazoletas de
trystal e ouro descoberta para retrato (a ingieza) brincos de franja, ditos a imperatrize toda e qual-
quer joia, para secol/ocar retratos e obras de cabello, e ootros muitos ebjectos qae os preteodentes en-
contraro no Coracio de (Juro qae se conserva com toda a araabilidade aos concurrentes deixando-
se de aqol mencionar precos de certos objectos porque (desculpem a maneira de fallar) dizendo-se o
preco talvet algaem faca mao JUIZ0 da 0Lra. Pr ser to diminuta qaaotia a vista do seo valor.
Na mesma loja compra-se, troca-se ouro, prata e pedras preciosas, e tambem recebe se concer-
tos, por menos do que em outra qualquer parte, e dao-se obras a amostra com peohor, cooservando-se
e Coracio de Ooro aberto at as 8 oras da noiie.
Qualquer pessoa qoe se dirieir ao Coracio de Oaro nao se podera' engaar com a casa, pois
nota se oa sua frente om corado pendarado piolado de amarello, alem do nutro ano nota em om
r'jiuio lisio se aaverte em consequencia ae lerem ja' aigomas pessoas engaado com outra casa.
Joaquim Jos Gon^alves
Beltr3o
RA DO TRAPICHE N. 17 Io ANDAR)
Sacca por todos os paquetes sobre o Banco
lo Minbo em Braga, e sobre os gniotel loga-
; em PortugaL


aber:
Lisboa.
Porto.
Gal maraes.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Con*e.
Arcos de Val de Vez.
Vianna do Castelio.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famelieio.
Lamego.
Lagos.
Covilba.
Vassal (Valpassos.)
Mirandella.
Beja.
Barcellos.



0 Dr. Joo Baptisla Casanova
poda ser procurado a qualqoer hora en
seu cnsult trio homeopaihico largo da
matriz de S. Antonio n. 2.
" No mesmo c>nsnltorio tem sempre grande sor-
tlmento de medicamentos de homeopatbia. de We-
bere Catellan, tanto em globaios como em tintura,
assim como tem om sortlmento de ferros de ci-
rurgfa em carteiras e avalsos do afamado Cbar-
rier de Paris.
A lamilla que furuecia commedorias para
fora, na raa erireita do Rosario n. 31, acba-se mo-
rando na mesma roa sobrado n. 35, onde continua
a fornecer almoco e jantar com asselo e a preco
commodo.
Aluga-se
Um sobrado com grande quintal na ra
do rio do Poco da Panel la, aprazivel lugtr
para se passar a fetla : a tratar coa f;J.
Tasfo.
Um sitio com boa casa de vtvenda, cochera,
estribarla, banbelro. 2 cacimba?, etc., na Cro de
Almas, eocroiilbada de Beberibe : a tratar em
J. J. Tasso.
Attenco
Furlaraa na madrugada do dia 5 do corrnte
do sitio oode mora o capito HTsoel de Almida
Fernambucoem Pmte de Ucbi, doas cavHos-
mellados de sigoaes preto, ferrados de nao :
sendo am delles faeca e esqaipador e o oolrcum
pouco barregudo e aodador baixo, pede-se a epem
os vir os apprehendam e levem ao referido itio,
ou na coebeira do Sr. Baptista na ra do labra-
dor gralificaudo se generosamente a qoim o en-
tregar. ___________
Oculos perdido.
Pede-se a pessoa qoe acboo om par de calos
de ooro, oo oilio do sobrado amarelij, ra de Hos-
picio, a bondade de lvalos ao primeiro anir do
mesme sobrado, qoe sera' generosamente gatifi-
cado.
Aluga-se
Velba.
am grande arm..zem na ponte
Precisa sealogar orna plelinha propripara
andar com meninos : qoem a tiver para lugar
d rija-se a ra oo Rangel n. 7, 2* andar.
frecisa-se de am caixeiro para occojar o
lugar de segando em urna padara e que tema cc-
ohccifntos desie esUbelecimeoto e tenia as
habilitado ; oecessarias para preencher o lugar
de primeiro, por qualqoer excdanle que possa
baver e qoe d fiador a sua con luct i : appareca
oa roa 1 Furto.
No dia 9 do corrente fariaram do primeiro an-
dar do sobrado o. 33 da roa da Impsratriz ore
castical de prata de lei slozelado, com um palmo
de altara, pesando 106 oilavas: qoem o acbar
pode restitai-lo a casa cima qoe se gratificara
S: 8 A Ra do C'abng!V
Agostiuho Jos dos Santos # G

8 A

Acaba de chegar a este estabelecimento um esplendido sortimento de
joias do ultimo gost->, perfeico artstica e modellos enteirament&novos; como
seguem: aderecos com rubim, esmeraldas e perolas finas, pulceiras, broches
para retrato, anneis, botes de punho, brincos e cassoletas com letras, etc..
etc., etc. Salvas de prata do Porto, faqueiros, paliteiros, cax de mesa c
fructeiras, cojos precos sao incompetveis, pois que os propri tarios desta casa,
recebendo seos artigo directamente da Europa, podem servir vantajosamenta
aos seas freguezes. Compram-se brilbantes, pedras finas, ouro e prata, page
se bem, tambem se incumbem de fazer concertos.
HISTORIA DE CARLOS
XII
Eei da Suecia
liOO em
do Crespo
POR VOLTAIRE.
Vende-se esta excedente obra por
brochura, na llvraria Econmica roa
n. 2.
Na mesma livraria tomam-se asslgoaturas para
avida de Horacio Nelsono celebre almirante
anglez a 15 cada exemplar._ _____________
Precisa se de um bom oaitiro para orna Ta-
berna para a trra e para o mato, dando Mador a
sna conducta faz-se bom ordenado : a tratar ca
raa da Cadeia n. 13, 2* aodar.
^^gN"i
Na praca da Independencia n. 33, loja da
oorives, cempra-se ooro, prata e pedras preciosas,' >
e tambem se faz qualquer obra de encommenda e.' IIm A
todo e qualquer concert.
A secretaria da polica precisa comprar
as collecc5es de leis do imperio e-decis&es
do governo relativas ios annos de 1839,
1850, 1851 e1852.
A pessoa que as tiver e quizer vendej
compareca na referida secretaria s horas
do seu expediente, ou entenda-se cem o res-
pectivo secretario, ra da Saudade n. 15.
O official-maior da Ia scelo
Jos Xavier Faustino Ramos.
No armazem de ilotas roa do impera-
dor n. 23, vende se :
Salitre refinado arroba 6o00
Enxofre arroba 2*800
IA FORTUNA
6,000$
**;
I MMk
____ 9 c fteacqa
TBIIHOS BBWOS
DO
BECIFE A APIPUC
Avieo
00 8
- Desta dala at entro aviso a partida dos trena
do Recife para Apipocos nos domingos e dias un-
tos serao regaladas da egointe forma.
MANHAA.
Do Recife a Aplbucos as 6, 7 e 8 boras, volta 7
8 born..
O SO / TARDE. .
Do Recite a Apipocos i, 4, S, 6, 7/8 e 9 eras,
volu 3, 5, 7e9 nrag.
' Omeo tlfbet n. 1084 qoe corre no dia 14
do correle mez, perteoce ao Sr. Joaquim Aires
CASA
_ A
BILHETES GARANTIDOS.
A' ra po Crespo n. 23 e casas do costme.
O a baixo assignado teodo vendido nos seos mui-
to felizes bilhetes garantidos om meio n. 849 com
a sorte de l:2t)0; om meio o. 336 com a sorte de
800}, e ootras murtas sones da lotera que se ac-
bou de exirar a beneficio das fmulas dos velan-,
tarios da patria, convida aos possoideres dos ditos
bilhetes a vtrem receber seos respectivos premios
sem os descontos das leis na caa da Fortoat
roa do Crespo;n. 23.
Acbam-sp a venda os da 3* lotera banefiojo do
convento do Carmo de Becife qoe se exiranira' a
14 do corrente.
Preco.
Blbete. .-. 6iOM
Helo......3*000
Qoirto.....1*500
Em porcSo do lOO^C para cima.
BHaete......W
eie....... 4*760
Cuarto 1*375
_____________ Manoel Minies Pieta.
Roga,-ae o Rvra. St." Thiespboro de YiWa
Angosto qae ipparee a ra do Qwiaado n.-35
loja de roa leas da Boa Faeaa qo ae iba deatja
nnirrDVgvviw w wu rwwnvwt .
~ CiSTfMI* .o Moiitel
Atten^o.
X. 26 Roa do LivramenU I\. 25
Deposite de amneos e calcado nacional da fa-
brica da raa do Jardlm n. 19, de Jos Vicente Gj-
dioho, tanto no deposito como na fabrica seapromp-
tam todas as porches de calcado o mais barato
possivel, esta fabrica tem todas as machinas pro
prias para os calcados ja bem acreditados pelo
grande numero de fregaezes qoe daqai se for-
neeem.
Chocolate vermicida
^s^htm-^ttti de
Antonio Nunes de Castro.
Desde 1857 qae sao as tabellas vermicidas ap-
plicadas em Portugal, como o remedio promolo e
efficaz para a expulsan das lombrigas. qoe laogra
ves padeclmentos causam e que quasl sempre nao
se snpp&a ellas a origem.
Este vermifogo preferivel a qoalqoer ontre
pelo seo agradavel paladar fcil appHcacSo as
esianeas qna ais aeraimonle sao. atacadas de se-
melhanto mal.: ..!.(? aiinl
D pe si to especial
34-Raa larga do Rosarlo34
Botica de Bartbolomeu & G.
Na roa da Uaio n. 49, precisa-se de om
eeaiinslra ou cesiobeiro pa-
ra o service de ama paqneaa familia.
BapTUa
MARITiMOS
CONTRA FOGO.
A eompanhia Indemoisadora, estabeleci-
da nesta praca, toma seguros martimos so-
bre navios e seus carregamentos, e contra
logo em edificios, mercadorias e mobilias:
oa roa do Vigario n. 4, pavimento terreo
Trocam-se
as notas do nanee do Brasil e das caixas iliaes-
dom descont muito rasoavel, na praca da Inde,
oeodencia n. 22. -- -'
S p
^-- i oons trabalbadores da refloa-
0 poleqoei H^peabcH oMlMlr? pateo do Paral n. 1
I
*nti-se a casa e tute na dvoaoio o HoMiro,
travessa do Qolabo, moito grande, bastailw cep-
mnrtm, mnlta h......ti, iu,, per tempe di feli K
a j1taryg,,ee^P.ralaori..lO. _______ <
- raiio no lia 3 do correo* ai pref |*-
me Isabel, nacao Costa, bflxif osa, cosloma embrea- '
V-8e, moito coDbe'clde por alcoba Tim.b, an-
JLBfleD 5?*"8 PHW c*rtlei de campo a appre-
Mwam, e mandera a roa da Cadera doHectf, casa
n. i, qoe serao pa^os dLj i trabalbo.
.^.-w w.p.w. da Rocoa, relo-
joerro doiradJer, na praca da In-
dependencia b. 12, ti* todo e qual-
quer concert perlenceate a sna
arle, assim como affiaoc o seo
trabalbo ; vende reloglos por or-
eos commodos e compra ouro e
velbas. ...
orna na' portogoeza para casa
id bomi
qoem
n.8i
J t mmm.'i et
Offerece-se
"ac familia onde bomem solteiro : na roa
adade n. 13, na Boa-vista, em frente 4 ponte
,_.erro do vapor.
jn Joe Antonio Pernandes Fradque e Joaona
ildja 4a Cosu Fradiqae, sammamente pubora-
dos a'qoallas pessoas qae se dignaran) aaslslir ao
dkAMafeAL^n^tfan^kflBda^hdp ^av MMldid Ifirlftdl del fUtn
prezado fllho oo cemlterio poblico, vem per este
meio testemonharem ana gratid&o e reeenieci-
mento, aee ser j seoare indeleveis
' 'i m i
Ana
O bacharel Ignacio Das e Lacerda
pede ser procralo para os mlsteres da
profisso de advogado a ra do Crespo .
. 7, 1* andar. gS
mmmm
Sabonetes de aLcatrao
O uso destes sabonetes leo apresentado os mais
benficos effeitos contra as impiagens, sarnas, M-
oba, cas^a, comkbfiM e.todasas demais molestias
de pelle n- t:.
----- VBKOS-SBNA
B.tica e drogara
Bartbolomeu de Copaahla.
SIRoa larga de Rasarte34
Ama.
Precisa se de oraa ama para cozinbar em casa
de bornea) aeUeiro, qae tem ponca familia ; na
ra d} Crespo, casa n. 11
Armazem.
Pracj-ase alagar om armazem para recolher
fazendas: napra;a do Corpo Sanio n. 13.
t Arnga-se om sitio nTCaponiTVelba : qoem
pretender dirija-se a roa da Cadeia do Recife loj
n. 3o, qoe se dlra' qoem tem para alagar.
Albta-ie o indar terreo do sofcradd da roa
Sebastiao Lopes Ferreira Gaimaraes deixoo de
ser caixeiro desde iO do correle do abaixo assig-
nado.
__________Antonio da Silva Pontos Guima-iies.
Precisa se de ama ama para c.isa de poaca
familia, f para o servieo ioterno : aa roa Direita
loja o. 47._______________________
Preclsa-se alagar ama preta capuva qae
saiba coziobar e engomroar, pagase bem : na roa
Nova, loja ionio a 'grej i da Concejero n. 47.
Precisa-se de urna engommadeira : na rett
do Imperador n. 73, 2* andar '
Ama de leite.
Qaem precisar de ama ama de leite, dirija-se a
roa do Brom n. 66, armazem, qae achara' com
qoem tratar.
O abaixo a.-signado comprou ao Sr. Antonio
Joaquim Goocalves Braga a sua taberna a dividas
constantes do balanco, sita na raa do Vigario n.
12 : quem tiver a fazer algorra reclamaco seja
em tres dias.
JoSo Cardoso Rabello.
rritacao dospalmoer. angi-
nas, tosse, escarros de
sange, crupo ou garro-
tilho, catarro, rouquida.o
a todas as innmeravei molestias que affec-
iao aos orgos da respifac5o
DEMPPARECEfl
ediante a aeco da balsmica e irrev
ANAGAHUITA
do Hospicio esquloa da travessa
tratar no mesmo sobrado.
do C*maro: a
Alaga se.aa escrava
: a tratar;
ne*l
qae cozinba, lava e
eng>mma : a tratar ama do Hospicio n, 24.
Preeiss deam caixeiro de lia II annos
f*"**. "*>* ^IS^^.fffF ^' ^'dd> : a tratar na roa das Cinco io,
teiro : a tratar na
s^.
PEITORL de KEMP.
aianacahuita mexicana qoe da o nome es-
pecial este incomparavel remedio, urna
arvore, cuja madera por moito tempo se
ha nsado no Tampico para a cora das en-
fermedades cima mencionadas. Foi tam-
bem ensaiada e approvada pela academia
medica de Brlim. O peitoral de Kemp
om xarope delicioso inteiramente liyre de
opio, acido hydrocyanico e outros ingre-
dientes noicivos.
A* venda as drogaras de A. Caors, Bra-
vo & C. a P. Maurer C, e em tqdp,o
eslabeleciaaaatosphajriBaceutcos do imperio
i
ILEGIVEL


K



***--
Blarlo de PWMMfcBC fceita (elr 13 d lM*? d *67S<*
JIAtillVIS
1A
SOUZft SOARES & IRM&O
yropnet trios do gtande e novo estabelecimento de miudezas,
ferragenSy quinquilharias e caneiros a gaz
KUA NOTAN. 3
Em frente a botica do Dj*. Sabino J
Receberam directamente de New-York um sortioaento de mabinas para escarocar
algodlo, senda de li, 14,10,18 e 90 sorras, que pela sua-qualidade e perfei(3o, tornam-
se recommendaveis.
Os proprietarios garantem por ura anno a constracg2o das mesmas, e o bom re-
sollado era descarocamento de algodao. Sendo estas de om modelo tal, que alera de se-
rena de poaco roame s3o muito facis para o trabalno, flcando o algodao o mais perfeito
possivel. Affiancaado-se os presos serem mais razoaveis que em ouiraqmlquer parte.
Os pretendentes podem drigir-se ao referido estabelecimer.to, que alm de acha-
rem um bom sortimento de objectos de que tendente, eaconiraro sinceridade e bara-
teza nos precos.
i

_

D-se dinbeiro
da i. 8.
a joros : o rui da Cencor-
Ponte de Ucbda at Sant'Anna precisi-se ala-
gar om sitio ; tiesta typog raphia.
ondico de ferro da raa do Brom ns.
80, 82 184
Esta (andido atada precisa de bons offlciaet
cbiiistas, tundidores e serralbeiros.
'
-
Appareceu no Mondego, r do Cotovello
. 16, om carneiro, quem lr o seu dono
ando os sigoaes certos entregar-se-ha ; pa-
gando porma importancia deste auauticio.
Precisase de ama criada cusinbeira : ni
IDa do Imperador n. 73, S* andar._________
Vinho fino do Porto en-
garrafado.
Vende-se de mu eicellente qualidade por mo
dico preco em calzas de li garrafas : no arma-
xemde David Perretra Battar, roa do Brom n. 66
Na ra do padre Floriano, casa n. 67
se vende boas hostias para reja, e obreias
para escriptorio.
Breu
Vende-se bren em barril e a retalbo, mnito ba-
rato : no armatem da bola amarella no oitio da
secretaria da poitcia.
Feij&o para animaes
Venderse na roa da Madre de Dos o. 18.
Q

Precisa- se de orna ama para lavar e eogommar ;
a roa do Trapiche n. 36, 2 aodrr.___________
Attenco.
Ltva-se e engemma-se com maita perfeir.se e
p:r precos rateavels: na ra do Sebo a. 19.
Hotel de Europa
Roga-seaSr.' D. Antonia Machado oa a iuem
'as suas veas fuer que mande retirar deste botel
soas malas satlsfazendo o que deve, por contrario visto o tempe decorrido serfij vendidas
pelas formts legaes pera o pagamento preciso.
Macoei Bento de Olivelra Braga teedo de ir
ao sal a seas negocios deia a gerencia de seus
negocios a seas catxeiros Mansel Arcbaojo da Sil-
va Antones e a Lenidas Titoioureiro, de accordo
com seos procuradores, em i" lugar os Srs. Paren-
te Vaoca & C, en 2* o^r. Joj Luir Gongalves
e em 3* o Sr. fnomaz Fernandos-da Caatia.
Amia de leite
Preotsa-se de orna ama de leite forra e sem fi-
Ibo: -a Tratar na oja de livros ao p do arco de
Santo Antonio-___________________________
Alaga-se tima escrava que sabe fazer todo
servico de urna casa : na raa da mitriz da Boa-
Visten. ll,Jo)._________________________
ODr.'J. ftntao de Sena modoa a soa resi-
dcea para a r-sa do Hespido esquina da iravessa
do Cmara;), pote ser procurado para os myiteres
de Mir. prossc de medico.
COMPRAS
Moedas de ooro.
Naciooaes -e estraogetras assitc como libres
esterlinas : caaspram-se aa raa do Crespo n. 1C,
prtooiro andar.__________________________
Compra-s moedas do ouro ds0, 16, 10
e W a roa da Cruz n. 3.
Meedas de prata
Bacieaaes, asstm como pataeoes .portuguezes c
bespanbes, cospram-se com premio : na roa de
Crespo n. 16, primeiro andar.
Libras esterlinas,.
na pra-a da lo
Conyiramse com bom.premio
epaedencia o. ti.
Comp^am^se eseravos
Silvico Gnilherme de Barros, compra, vende e
roca effeciivameaie eseravos de ambos os sexos
de todas as idades : a' roa do Imperador n. 79,
e-reeiro apdar.__________________
Pataeoes
Compraaj-se pataodes hespanhes, pertoguezei e
brasileirosde cnnbo auligo, em casa de AJarn*,
Henry k C, raa do Trapiche-novo n. 4a
Cal nova de Lisboa
Venem-se barris com superior cal nova de Lis-
boa (desembarcar boje) : na ra estrella'do Ro-
sar, esquina para o paleo do Carino a. 47, e no
araazem na roa do Apollo n. 30. _________
Fabrica

cebveja mmm
fie Heiriqae Leidei
0 propietario deste estabelecimeato n3o
poupasdo esforg.ns nem dinbeiro para agra-
dar 86 respeitavel publico e seus numerosos
fregeeses acaba de installar para commodi-
dade-e interesse dos mesmos.
Un deposita %t\\ na roa da Impera-
triz n. 32
Aon de encantraro sempre um vanado
sortimento quer em grosso quer em retalbo
dos gneros segnintes
Cerveja nacional branca e preta.
Vinhos finos e ontros de Franca e Alle-
manha.
Ab-yntho Suisso.
Kerschenwasser.
Cognac
Vinagre branco e tinto de aperior qna-
1 ida de, tambera tem deposito de agoa e li-
monada gazoza da abrica do.Sr. Jules Gros-
jean.
E todo sem differenca no prego que se
fechou na fabric
Qualquer ncommenda qae fr enviada
ao deposio ser iraraediatimeote apromo;
tada reraettidaaodo icilio do comprador.
Vende-se
um moleque de idade de 17 aoaos, em preto e
mnito sadio ; excellente peja : a tratar a* roa
do Codoffliz n. 2.
Attenco.
IIIVAL SEM SEfitJiO
Ra o Qmrlmti* o. 49, loja de
naladezas
7 db fia.
Jos Bigodtnho
Varas de babado bordado do Porto a -
Carreteisde retro: preto com dois oitavas
propiics para machinas a .
Pregos francezes de todos os tamaitos a
Crozas de boioes de osso para caiga a .
Espelbos doorados moito Soos a
Caixas com linba superior para marcara .
Carriteis de releoz de (odas as cores a
Frascos d'agoa de Colonia muito saperior a
Frascos de o eo muito floo a.....
Duzla de tesouras p-queoas a .... .
Frascos d'agua para lirapar denles a .
Bedes pretas lisas para segurar cabello a
Duziis de pennas de acomaito floas a .".
Caixas de linba do gaz de 30 novtllos a .
dem de palitos de segnranca a .
Garrafas de agua Florida verdidelra .
Syllabarlos com estampas para meninos a
Memento da roopa de lavar a.....
Dnzlas de meias finas para seohora a .
Agulhas rancezas a balao (papel) a .
Pegas de fitas de la de todas as cores a
Grozas de boioes de porcelana prateados a
Caixas com alflneites Irancezes *,*
Caixas de 100 envelopes moilo finos a
Resma de papel de peso branco liso a
Frasco com superior tinta a.....
Pares de botoes de punbo multo bonitos
Linhas era carlo de 200 jardas a .
Caixa de superior linba do gaz com 50
novallos ;...........
Talberes para meninos a.......
Hasso eom superiores grampos a .
Grosas de pennas de ago multo finas a
Bonets para meninos a........'
Peotes com costa de metal a.....
Realejos para meninos a......
200
500
240
200
15000
240
80
Son
500
480
500
32*
60
600
10
1*0(1
320
100
laooo
60
too
i 60
eoo
2,5000
.- 44
100
700
240
36
320
1JO0O
400
100

Venham
ver
Vent5-se'Ba loj de mardneina na Cambo* do
Carme n. 12, palba apparelbada da melhor sorie
psra teeer cadeiras e sof?, pur prego mais com-
nodo do que em outra qualquer parle.
000
Compra-se na loja de jotas eoragSo de ouro
c. 2 D, raa 4o Cabug, oedas nacionaes de 20*
Ouro e prata em moeda
Compra se por maior preco do que em outra
parte : na roa Nova n. 31, loja de ferragem.
uuro e prata
Moedas de ouro e prata naeionaes, estraogeiras
/te todos os valores se comprara na loja de oori-
desjunto aoarco deNossa Seniora da Conceico,
roa da Cadeia do Reeile, assim como ooro e prata
em oferas velhas, briltaaotes, diamantes e se paga
fcem._________________
Campra-se ouro e praia em obras velhas :
tu Draca da Independe::;:., o. 22.
O melhor cognac, cuiuo raras ve-es vem ao mer-
cado : vende-se nafii do Trapiche n. 14, i" an-
dar. Urna caixa (contendo 12 garrafas) por 205,
de 5 para cima a 18*, dinbeiro a_vi3ts.______
Vende-sa a casa n/234 da raa Imperial:
tra na ra
ana
V#ade-se urna ma^ei em bom estado
da Se&rala-velha n. 8i.
Compra-8e
cobre, latao e chambo : ao armazem da'boa ama-
reila no oiaoda secretaria da pollclj.
Comprase sApre por mais do qoe em ou-
tra qaalqaer parte, prata brasiMra e eslrangelra
(patacoes) libras esterlinas, mondas de 9* e 16*
ponugaezas, de 5*,10*e 20* brasileiras, ongae
mi outra qualquer q%ajidade de ooro, e se Irocam
sedlas dj baneo,do Brasil e caixas filiaes de on-
Kovinaias: ua ra da Ladeia do Reeie a
trasjHoviqM
Comt
\pram-se
com premio maedas de oaro e de ptata naclenaes
c eslraogeiras : na roa da Cadeia do Recife n. 16
armazem de Adriano, Castro & C.
wn n
VENDAS
K
"V&ntib te
" 'il rl
as a^eguinUs obras: Posma da Modad*,
poesas por Pinbsfro Glagas, 1 volume,
1*600; Nevoat matutinas, ditas por Apri-
[ioMeneres, fi; O dever, romaoce, 4-vo-
ume, 640 rs.; Os trabajadores do mar,
romanen por Vctor Hugo, 3 volumes por
4 Ribeiro, 1 vorpne, 1.IWO; Joo Diabo,
ronMic-|mr Pialo Fwl, 4 volnms nca-
aertiados, 0* : na rol do Crespo n. 4 fabri-
ca de chapeos de sol.
Vodom-se vacca paridas e sem serem pa-
cidas, um cavalio o om nevilhe ; no sitio dos ar-
oa joata a igreja do Romedio.
Attenco
\'ebdem-?e as casas larreas os. 7 e 9 da roa de
Motoeotomb, -sendo cada ama 2 salas, 3 quartss,
couoba /ora. cacimba e um pequeoo quintal mu-
rado, ra chaos proprus ; a tratar com o agente
Maras a roa da Imperador n. 16.
fejidem-se
pedras de amolar a bordo da barca? tFor do Por-
to : a iratar a bordo, no caes do Ramos, e na roa
da Cadeia vetea n. I.
Vende-se nm moleqae de 14 a 16 annoe, bo-
niUfifgQra' proprl Pra eB8enho: na r>* Wrelta
Fedegoso "de Pernambuoo
A planta coohecida eOlre nos too a denomina-
55o de fedegoso, e no Rio de Janeiro e proviocias
do sul deste imperio pela de crista de gallo, o
handium uttlsiomm ou tiaridium elongalum de
Schum, e o heliolropium carassadtum de Man.,
penen -e familia das boragioeas.
O fedegoso 6 considerado, na tberapentica per-
nambucaoa, como urna das plaas mais recom-
mendaveis por soas virtudes curativas, e appli-
cado interna e externamente, como calmante do
yitema nervoso, na paralysia, asibma, tosso con-
vulsa oo coquelucb, toases recentes e anUgas,
uflocagoes, catbarros pulmonares, ele., e em geral j
contra todos os soffrimenlos das vlae respira-
torias ; sendo om excellente unitivo para aquel-
les que padecen) de pblisica pnlmonnr. Soa efi-
cacia contra ttano en espasmo mconlesu-
vel, e nioguem fca qoe o desocnbeta. NSo ^>
noraado nos o qoe acabamos de dtter, e es-
rorcandonos por aer otil bumadade soffre-
dora^ preparamos o que ataiM indicamos, pon-'
do a dispostcao dos distincios mdicos e dos
doenies desta e das ontras provincias deste imoe-
rio nossas preparaeftes, qoe sio :
PILUL8, T1AT8A, A80PE E VINHO
DE FEDEGOSO.
Coleo deposito
Pharmacia de j. A,fimo, roa'larta do
______ Rosarw n. 10 X
Fabrica e [undico de bronzi
e outros metaes, caldeireiro,
IqXoeiro, e funileiro, situada
na Soledde, ra do Prin-
cipe n 3, e com deposito na
ra Noca n 38, da cidade
do Recife
DE
BRAGA &SAMPAI0
Fabrifam-se neste importante estabeleci-
mento todas as obras concernentes as artes
respectivas como sejam:
Alambiques de todos os tamanhos em
feitios, os mui acreditados aparelnos de
Derosne com as dimenees delicadas dos
fabricados em Franca.
Fabricam-se avulsas quaesquer pecas des-
apareaos, como sejam o ditatador, ratifica-
dor e condensador, ou esquenta garapas,
resfriador, serpentinas ioterioret.
Fabricam-se bombas de todas as dimen-
COes e qoalidades, pelo systema francez ou
americano, simples, de press3o, repuxo, e
com especiadade a estanca ros! assim de-
nominadas pelo enorme volume de agua
que absorvem calculada em 100 pipas por
hora, e das quaes algumas esto promptas a
serem experimentadas.
Existem bombas por este systema, me-
nores, para regar sitios, garantindo-se n3o
s sua duracao como a grande quantidade
de agua que fornecem pelo qne sao cons de-
radas hoje as primeiras bombas conhecidas.
Todas as mais obras se fabricam vonta-
de dos freguezes e a seu capricho.
Existem sempre promptos no deposito in-
dicado na ra Nova n. 38, um completo sor-
timento de obras solidas, bem construidas e
a presos rasoaveis, como sao alambiques,
serpentinas, taxoa, passadeiras. repartidei-
ras, escumadeiras, cocos, candias, e rouilos
outros ntencHios preprios para engenhos,
como sejam mancaes de bronze, parafuzos
para rodas de agua e ontres.
Cavilhas, machos para lemes, pregos de
todos os tamanhos e para o forro de cobre
de navios.
Aprompta-se tudo quanto diz respeito as
obras de latao torneadas e polillas com toda
a perfeie3o.
Vlvulas para tanques de banho, torneiras
de todos os tamanhos e qua'idades, "assim
como todos os ornamentos para militares,
botoes para farda, aprelhos para barretina,
nmeros, espheras, espadas, cornetas, alam-
padas turbulos, caldeirinhas, Bavtas, almo-
farizes, perfumadores.
Obras de folhas de flandxes de todas as
a qualidades, bahs, bacas, bules e outros
lencilios domsticos.
Lampies para gaz para engenhos, folha
de flandres em caixas, folhas de cobre e la-
tao, tubos de chumbo para encanamentos de
todas as dimencoes, folhas de zinco, estanho
em barras e verguinha, kfnces e barras de
chumbo, vidros 6nos para espelhos, de co-
res, bordados, e opacos, e outros para vi-
dracas, diamantes para cortar vidros, cadi-
nhos crdioarios e de patente, rea para mol-
dar, folies para ferreiro, lavatorios com ba-
cas e jarros, trra podre e outros nmeros
olijectos proprio de taes estabelecimentos.
Sendo todas as obras inspeccionadas e
feitassob a direccSo do socio administrador,
Jos Baptista Braga o qual se acha de novo
especialmente incumbido da gerencia de to
importante estabelecimente, isso urna ga-
ranta pela sua longa pratica, que tem os se-
nhores fregaezes de qne ser5o servidos a
contento, com promptiaSo e preco commo-
do, pelo que os proprietarios Ihe ser3oagra-
Amuelo
Ao armazem de fazendas de
Santos CoeJho, ra do Quei
madon 1<>..
Oo e barato
Cambraia de cores matisadas finissimas a
800 a vara.
dem brancas transpnrentes finas de 4&
5*000, m, 7*, 84 e 90000 a peca com 10
jardas.
dem branca tapada de 8)5 e 90 a peca
com-la jardas.
dem branca france/.a muito larga a 90 a
peca cqrn 8 varas.
Bal5es de 35 e 40 arcos nesgados para
senhoras, a 4500.
dem de 35 e 40 arcos com ferrogem a
20500.
dem de mursulina nesgados a 50.
dem de crochet a 50.
dem de mursulina para meninas a 30 e
Satas bordadas a 50.
Cambraias admascadas para cortinado a
120 a peca com 20 varas.
dem para forro a 30 a peca com iO jar-
das.
Cambraia de linho muito fina de 60 e 90 a
vara.
Madapoloes finos de 60, 70, 80, 90,100,
410 430 a peca.
Platilha de algod2o superior fazenda para
saias a 30200 a peca com 10 varas.
I Cobertas de chitas de ramagem a 20600.
Lenges de hamburgo fino a 20400.
dem de bramante muito fino a 30200.
Pannos adamascados para cobrir mesa a
40500.
Guardanapos de linho adamascados a...
30500 a duzia.
Atualbado adamascado com 7 1/2 palmos
de largura a 20 a vara.
dem adamascado de linbo com 7 1/2 pal-
mos de largura a 20 a vara.
Algodao enfestado con a mesma largura
a 10100 a vara.
dem trancado de algodao a 10600 a vara.
Toalhas alcocboadas de linho lisas a 110
a duzia.
dem de algodao felpudas a 130 e 140
a duzia.
Colchas de fustao a 60000.
Retundes de ril prelo a 60.
Chales de fil a 50.
Lencos de cambraia brancos finos a 10800,
20 e 20500 a duzia.
Lencos de cassa fimssimos a 30200 e
306Ou a duzia.
Fd de linho liso a 800 a vara.
dem com salpicos a 10000 a vara.
Grosdenaples preto bom a 10800 e 20
o covado.
Morantiqoe preto superior a 20800 o co-
vado.
Flanella de todas as cores a 800 rs. o co-
vado.
Tarlatana de todas as cores a 800 rs, a
vara.
Bramante de linho com 10 palmos de lar-
gura a 20500 a vara.
dem de linho com 5 palmos a 10200 a
vara.
dem de linho com 31/2 palmos a 800 a
vara.
Riquissimos basquins a 250000.
Assim como outras muitas fazendas que
se vende por menos que em outra qualquer
parte, e d-se amostras de tudo.
Rival sem segundo.
Ra do Quelmano n. 49.
Quer acabar eom as fazendas abis o
mencionadas.
Queiram vir ver qne bom e baratissim.
de labyrintho com bico, faieo-
Toalbas
da boa a ..... .
Carreteis de linba com 100 jardas a .
Sravatas pretas e de cores mnito linas a
Caixas de brelas de massa mnito novas a
enfiadores para esparlilbo de cordao e
fita a...............
Carreteis de linba Alexandre com 400 jar-
das a...............
Jabonetes moilo litios a 60, 160, 200 e
Oitos de bolla mnito finos a 240 e .
k*iadas de linha froxa para bordar a .
Varas de cordao para esparlilbo a .
entes volteados para regacar cabello de
menlras a............
Priscos da macaca" oleo moito Ano, a .
\botoadoras moito Unas para colletes a .
CartSes de Loba branca e de cores a .
Libra de ara preta superior a.....
Sscovas par tato, rateada boa, a .
Varas de franja branca de linbe para
tealbaa............. .
Pegas- de bico estrello com 20 varas muito
bonito a .-'.' ;........
Varas de npaOna de differentes tarea-
ras a 120,160 e -...' ..... 200
3000
30
500
40
(0
20
320
320
20
20
320
120
son
20
100
500
100
iooo
decidos.
HUA.
[Grande aiiiiazem de tin-S
:.-
Alt
Veode-se um realejo .
as Cinco Pontas n. 102.
O.
catangas affliotados
Gil Braz de Santiihaaa
Este inimitavel romance de Lesage, trada-
^ zido Jior Bocaffc, ead-W por 40 em bro-
t J'^-se bordo do paMftt tortita.-? a *qra, e 5*endamd*> wjmfirf^
* n m ,0dS LeitaoJMlor a roa da Madre m,ca' raa do fr^PO 2 defrootS do arco
Je Deo araiMB jooto Igreja. de SlDlO AotOWO.
tas medicameiix)s etc.
Roa do Imperador o, 22.
Productos chimicos e pharma-
I ceticos os mais empreados em
medicina.
Tinta* para todo o genero de pin-
! tora e para tiottrraria.
PrOducto indastriaes e tintas
para flores, como botoes de Aeres
a modelos em gesso para imitar
frucas e passaros om o compe-
tente desenho. g"
.; Prodocio chimicos eindustrae
paraphotographia^rmtnraria. pin-
tara, pyrotecoia etc.
Montado em grapde escala e sap-
prid* directamente de Pars, Lon-
dres, Hambargo, Anvers e Lisboa
pode offerecer prodoctos de piM
confianca e satisfazjr qnalqner en-
eommenda a grosso trato e a reta-
lbo e por preco commodo.
1
m
s
Caixas de palito balao a
Caixas de palitos de segaranea sem en
chofre a-.............
S.bonetes de familia a 100,160 ." .' *
Grosas de botoes de madreperola cara
camisa a............
Cartilba de dontrina christia a .
Latas coro soperlor banha a......
Qoadernos de papel pequeo soperlor a .
Doiia de baralbos frincexes superior .
Groxa de pbospboros maito superiores .
C Ixts a retalbo dos mesmos ....'.
Caixas de pnosphoros de velliaha contendo
600 vellinhas mnito superiores a .
Resmas de papel almaco mnito superior .
Resmas de papel pautado superior quali-
dade ...........;
Dnxias de meias para bomem '. .'
Duxlas de meias cruas multo superiores .
40
60
240
500
320
200
20
25000
1$ 00
ll
160
2*500
3*60)
2H0
4#0v0
Loja do Gallo yigilante
__
Goimares Freilas
RA DO CRESPO N. 7.
Os proprietarios deste bem conhecido es-
tabeleeimento tendo em vistas a boa vontade
com que t >da generosa popu'acSo desta bel-
le cidade concorre com a sua |coadjovaco
para o basar de prendas qoe costumam es-
tabelecer no dia da commemorac5o do anni-
versario do Hospital Portuguez de Benefi-
cencia, cojo producto applicado a bem
daquelles que baldos de recursos, e no leito
da dor ali procuram melborar seus soffri-
mentos e aproximando-se o dia dessa gran-
diosa festa por isso apressam-se em avisar
ao respeitavel publico do que ha de mais
moderno em seu estabelecimento, alm dos
quaes tem variedade de outros, que a serem
para um fim to justo os venderam por pre-
cos mui rasoaveis.
Riquissimas caixas com msica contendo
o necessario para costura, proprias para um
delicado presente.
Riquissimos livrinhos com capas de tar-
taruga para missa.
Riquissimo lbum com capa de tartaruga.
Porta joias, dedaes e relogios e neste gos-
to orna in6nidade de objectos.
Vasos, calungas e palliteiros de porcelana.
Bonecas que cbamam papai e mamai.
Finissimos lencos de cambraias d linho
com disticos.
Caixinbas com perfumaras.
'Bengalas de canna com lindos castoes de
marfm.
Riquissimos eafeites com coques e sem
elle inteiramente n vida le e ultima moda.
Lindissimos cintos para senhoras.
Fivellas lindas de muito gosto.
Lindos port-bouquet com cabo de madre-
perola proprios para casamentes e bailes.
Riquissimos leqnes de madreperola.
Lindos leques de sndalos para senhora.
Ditos de sndalos para meninas.
Ditos de sndalo tendo no centro um qua-
dro de seda, ultima moda.
Leques de faias muito lindos.
Ditos de ossos.
Linios gentes de tartaruga, massa e oulras
muitas qualidades.
Luvas dejouvin, inteiramente novas, bran-
cas, pretas e de cores.
Ditas de seda.
Meias de seda e algodao.
Lindas trancas pretas e de cores om ve-
drilbo e sem elle, assim como lindissimas
guarnig5es para enfeitar basquines e botoes
para os mesmos.
Lindos indispensaveis para meninas das
escolas.
Bengalliobas para meninos.
Suspensorios para meninos.
Lindas touquinhas e sapatinhos ricamen-
te enteitados proprios para baptisados.
Meias de seda para o mesmo fim.
Muito boas escobas para dentes,chapos-
roupa, cabellos, unhas e para limpar pentes.
Superior lmbas para crochet.
Agulhas para o mesmo flm.
Lindos agulheros e dedaes de madrepe-
rola e metm, assim como de metal.
Lindas guarnieses de botoes, para coletos,
ponhos e colerinhs.
Ricas capellas para noivas.
Meias de seda para senhoras.
Superiores thesouras para unhas, costura
e cortar cabello, etc., etc.
Suspensorios de seda para homem.
Ditos de algodao para homem e meninos.
Finos aderecos pretos para luto.
Grande sortimento ae finas perfumaras
dos melhores fabricantes at hoje conhe-
cidos.
Grande sortimento de fitas de todas as
qualidades.
E moitos outros ohjtctos que impossivel
seria menciona-los e que se encontrarSo na^
loja do Vigilante, roa do Crespo n. T.
Ocordeiro providente
Na antiga loja de miodezas a ra de Quei-
mado d. i6.
O cordelro providente se ufana de ter o sen ap-
parecimento nu sempre memoravel dia 7 de^se-
tembro. Elle cumprimenta ao re-peitavel publico
em geral e a cada um cidaiao em particular. O
cordtiro prevideole nao se lotromettera' em estra-
ohos e albeos oegoclos, islrloglndose apena* at
qne diz respeito a miodes em tuja amiga loja b.
16 a tua do Queimado permanecer' esperando
ae todos saas valiosas protecg5es observando elle
aieco de sua costumada maosido, condescenden-
^.'.f *?fad0- Na loja do cordelro prevideole en-
conirarao os pretendentes sempre e eonslante-
ownie completo goriimenio de miudeaas, fiuas per-
turnarlas, luvas de pellica, cbjectos de moda e
ebatUsia e outras mullos que enumera los se tor-
nara enfaaonbo, notaodo-se enire elles os que
abano vio mencionados, sendo por todos reconbe-
cido a commodidade dos precos:
Albuns de diversos tamanhos e qualidades Dar
retratos. v
Cnaposinhos e sapatiobos para baptisados. ?
Coques simples e enfeltades.
Leques de sndalo e outras qualidades.
Volias de relroz com cassoletas obra moderna
Gollinbas e puuuos para seaboras.
Bico de linho a Imitaco de do palz.
Carieiras eom Boas agalha.
Modernas cbapelinas e eefeites para seaboras.
Liabas para crochet.
La para bordar.
Finos espartllbos para senhoras.
Leques de diversos gostos a 1.
10 cordelro presidente.
A ra do Quemado n. 16.
Vende os seguintes oojectos constantes do varis-
do sortimento abaixo declarado :
Collares eletricos magnticos contra as convol-
tfSas.
Bonitas abotoadnras para colletes.
Coiarfnbos modernos.
Finas cavalbas cabo de marflm.
E.-cuvns macbeotadas e outras qualidades pars
roupa, chapeo e cabello.
Bonitas caixas para rap
Tinta azul e preta para escripia.
Dita preta para marcar roopa.
Finos caivetes para aparar pennas.
Lapis com canela de osso
Ditos de cores para desenbos.
Bonitos lioteiros de longa e vidro.
Fizas para solo e vollarete.
Borrachas oara atar papis e segurar punhes.
Dita para bnnquedo de erlangas.
Bolas de borracha.
Lmdos, maracaes.
Para offertas no hospital por
tllgll>'Z.
Bonitas ceslinbas com fructas de cera, obra de
moita perfeigo e bom gosto.
Para cortar moldes e embrulbar fazendas
Vende-se papel pardo folha grande.
Para lustrar calcados.
Vende-se superior graxa econmica.
Vende-se papel para matar moscas.
A loja do cordelro presidente
Ra do Queimado n. 16.
Nella achario os pretendentes nm grande e va-
riado sortimenlo de perfumaras Anas, tanto ingle
zas como francezas, sendo :
Finos extractos para lengos.
Banhas e pomadas para cabellos.
Oleo pbilocome e baboza para dito.
1V>- bygienicos para dentes.
Ditos campborados pira dffd
Opiata iBglea e fraoceza para ditos.
Pacotes com pos de arroz.
Vasos de porceooa para ditos.
Sabonetes para mo e barba.
E muitos^outros objectos que serab prsenles
ao comprador qoe se dirigir a raa do Queimado
a. 16, loja do cordelro providente.
B id'le jas pequeas.
Vendem-se na roa do Queimado n. 16. loja do
cordeiro previdente.
Chirotos
da acreditada fabrica de Jos Furtado de
Simas.
Vendem-se oa loja do cordeiro previdente a roa
do Queimado n. 16
GRANDE BAZAR
RA NOVA N. iO E 22
AlEAlLiMID
Esto atabeiecimeoio acaba de reneber lindas
cbapehpas para senbora, ricas caixinbas para cos-
taras, ditas para jutas, pentes douradoi para coco
flvelas mnito ricas, assim como cintos e pulseiras
da ultima moda deParis, entremeios ebabadinhos
bonitos toocadores dourados e de Jacaranda, espe-
lbos escossezes de diversos tamanhos e ricos cai-
vetes para senhora, vollas para pescogo, gravati
nhas, bico de seda, dito de algodao, labynntbo, e
moitos noiros objectos de apurado gosto, que se
torna eofadonbo mencionar, tuao por precos mul-
lo commodos: a' roa da Imperatrix o. 70, oa loja
da Lealdade. M
PliiUJLJt
.Yaropee viuho ferrnfflaoso de
jurabeba eom pyrophosphato
de ferro.
Chlorose, anemia, escrfulas, racbilismo, blennor-
rhagia, leueorrha. fabres inlernnientes e ame-
Dorrha (menslraajo dolorosa e Irregular^
etc., etc.
Ha muito que tlobamosem vista associar o ferro
as oossas preparagoes dejurobeba ; mas levamos
lempo a experimentar qual a preparago ferrugi-
nosa, que mais eouviria ao organismo humane,
viodo por fim a decidir dos pelo pvropbospbato
de ferro, com o qual podemos prepara r os nossos
zarope e vinbo de jurobeba ferruginosos.
Temos a observar, porm, que o uso dos medi-
camentos de jurubeba com o pvropbospbato de
ferro nunca pode occasiooar a pbtysica as pes-
soas anda as mais delicada, como moilas vezes
lem a ontecido atea pessoas robustas, que se bao
servido do mesmo medicamento preparado com
ontras substancias ferruginosas, po: isso qoe o
puospboro debalxo da forma de pyropbosphato,
um meio prophylati'.o reconbecido infalllvel con
Ira esta terrivei afleegao.
As preparares da jurubeba, a que havemos as-
sociado o pyropbosphato de ferro, sao mui pro ven-
tosas no t'atamento das molestias das senhoras,
taes como a chlorose, anemia etc.
Estas molestias maoifestam-se com os sympie-
rnas seguintes :Descormeclo geral da pelle e
das membranas mocosas, magreza, iof-nagao d :
faces e das pernas; excitagSo nervosa, bysteris
mo, melancola, Aeblltdade muscular, dores ne-
vralgicas, pulso mais frequente do qoe oo estado
de sade, calor febril, pelie secca, appalites de-
pravados, vmitos, prlsSo de ventre^ menstruagao
dolorosa. Irregular, pouco abundante, descorada,
nolla, flores brancas, ameoorrhagia e iofeeaodi-
dade,
Dste estado espantoso, alias iSo'erdioariam bu
recoobecido entre os em erescldo oomero d se
choras, desapparece s com o prudente aso das
preparagoes cima.
nico deposito destes medicamentos:
pharmacia de J. A. Ptoto, raa larga do Ro-
sario n. 10, em Pernmbuco.

=Veode-se orna Batallaba de*Hade>R7 .
anuos, bonita figura, que por molla precisio que
soa seohora se disfaz do mesmo qqero preunder
I dinja-se a roa de HorUi o. 64. r
Gal de Li boa
No armazem do caes daaUafdaga a. 6 ha para
vender superior cal aova, marca TM, cbigada ba
das na baa portogoea Gratiio. a prego de
m barril.; >( _______ | ^
Veod*i oa casa de molhados, sortidaT e
em bom poni : qam qoizer anunucie sua mo-
rada. _
Vende-se om molatiabo de idade de 12 an-
uos, linda ligara, bom copeiro, babitoao ao servico
de casa, sem vicios e bem educado : roa do Hos-
picio defroote da casa em que f, i o gynnaslo oa
peaahlaa aaa Iullii tm\ <* pftiendenles
podem ir vello das seis as nove bota da manbia,
ou das tres as seis da tord%
"Vnde-se urna bonita erioula detl9~aos,l
vlnda do malte, bonita flgpra: na raa do Fogo
Ramesaa cua ba ontros eseravos
Machinas para descarocar algodao. ^oma
Ihor autor que tem apparecido na America'
E' tal a execuc5o do macbinisme, que o al-
god5o sahe quasi t5o perfeito como o de bo*
landeira. Recommenda-se a attenco dos
Srs. agricultores estagjnacbiua.
chocolate de betbrlere
purgativo de magnesia.
E' o chocolate de desbriere o melbor pautante
at agora conhecido e de grande aeelUgao emlpV
ris, onde tem sido bmio applicado no hospital
?lenDV'el0S Pr980'98 tton-aeaa e Pnoni
com o melbor resollado.
Por sua acglo laxante purga sem fa*ar sto
mago e os intestinos, e apresento ptimos resulta
dos como dorivatho, abroveote, amuvernoso, re-
resooKe e teporativo.
Deposito especial
3* larga do Rosarlo~34
Botica de Bartholomen C.
para
Vinho superier em caixas de ama dozla :
tem para vendar Antonio Lola de Olivelra Azeve-
io & C, ao reo escripiorfo tu da Grw n. 57.
, VENDE-SE
-- Motores americanos para doa&cxrallpi.
Di dito para q-JKrdcavalros,
18,10 30,3S 40 ierras,
Prencas para enlardar algodao fatendo os sac-
fS'00^! P'too de cotoprmenxo com o peso da
ISO e Wlrbrw. vrntfts ltimamente da America
no armazem de Bnry Porster & C, no cw Pe-
dro u n. a Jante ao Gabinete PortngOaa.
Na roa do Rangel n. 33 vende-se om esera-
vo de 17 anuos, proprio para criado oa boleeiro
preto, de boa estotora.
GRANDE BAZAR
ra Hova n. 20 e 22
Machinas nx-a costara do antor Wbeeler
* wson, chegadas ujtimamente da Ame-
rica; as qoaes poda cozer-se com dons
itwS 2!; 0da e (Iaa,(lner fazenda, emba-
innar, frangir, bordar e marcar roupa; tudo
com perfeicSo. S5o to simples, que coi>
prebende-se fcilmente a maneira do traba-
lbo e a pessoa tendo pratica de coser em ma-
rbinas, pode fazer por da o servico que a-
ciam 30 costnreiras.
Cbama-se a este estabelecimento a attec-
C?o do publico, visto que elle se acha com-
pletamente sortido de objectos de gosto,
como bem leqnes de madreperola e de sn-
dalo, fivelas, flus para cinto, cokes perfu-
mara e etc, ^
Na ra aova n. 20 e S. Carneiro ViaD-
na a C.
LUVAS
Novo sortlmenti de luvas de pellica (Jouvin),
cnegaaas no ultimo vapor francs, ao armazem do
vanara* roa Nova o. 7.



f

lart ift HWIil^ *** felra 13 te eicmfar. U iw.
*-X .*.M A* j
RA DAS CINCO POMAS H. 86
AO GRANDE ABMAZEM
DAS M
Sempre barato
Maatelfa -.atar
Ingleza flor a i*, a libra* a 5 rs. sollrivel e propriapara tempero a s r
dem franceza a 59o rs. a libra.
Cha
De primeira qoalidade a 2iJ(8oo e proprio para negocio itf6oe a libra.
BlscolCos
Inglezes pearl, nicnac, oval, cracnel, e outros superiores a lflioo a lata.
FlgOS
A 24o res a libra.
G ominas
De mimo branco a 4oo res a libra, de araruta verdadeira propria otra ^^
ar enancas i 5oo reis a libra e caxiohas com 4 lbra por menos, gomma ao Marami3o
a 16o rs. tapioca sag a 24o a libra.
Chocolate
Superior a 15, a libra.
Doces
De goiabt em lata a l#5oo em caixa de 4 libras, moito fino a 18*, em eaiioes
ie i libras a 5oo e 32o.
Pelxe '
Em latas a Uooo reis a libra, sortido em qoalidades.
Ostras
America a 8oo rs. a lata.
Baldes e vassonras
Americanas a 8oo reis cada peca.
Teacloho
De Lisboa a 320 reis a libra.
Tomates
Refinado em lindos postes por 5oo rs.
RlrslU de Wasser
.A 2^000 a garata.
Vcrmonth e Ahssntho
Ao reepeitavel publico pemambiicano pede-se
m A (tenido
lantfiga iigleza
320, 500,800 e W s no armuem se acba vista.
Manteiga franceza
em IlDras 360 e 640, em barris se tora differenca.
Banha de porco
em libras 320 e 380, em porcio se far differenca.
Fructas
em calda Pera, Pecego, Rainha Claudia,, Alperxe e ontras moitas 500 e 640 a lata.
ErvIIhas
Portngoezas 640, francezas 900.
Fumo
em latas do Para e de albaneqae, lata 1 J e 1(9200. -
Gomma de mllh

nimm
DE
Germann
[RUANWAN. 21,
acaba de receber um lindo o magniico sor
timento d oculos, lanetoe, Mnocolos, do ni-
timo e mate parado gosto da Europa e oes
loi de alcance para observares e, para
I martimo'.
Fundido d Aurora em
Sanio Amaro
Completo rortlmant de Misas batidas e taaai-
das, alambiques de todos os tasoaano* e fondos dt
ditos, rooenrtis de todos os tanoeobos da snpertof
as de omalba. o qne todt
Joaqnim de Almeida tinto gftgSjgSi;
Ajurubeba contra o ingorgi
tamento do figado e do bago
Em extracto alcoolleo, emplas
tro, oleo, Untara, plalas,
xarope c vlnho





.
A 15-ioo a farrafa.
Bltter
A looo a garrafa.
De bordeanx superior, Saint Estephe, Saint Julieo, Saint fimflie Ufa* fluiia
eCor. a garrafa.
Tlnho
Do Porto fino a 149ooo a duzia e 105oo a garrafa e magnifico tambera k em bar-
ril a ?oo i garrafa.
Baque do Porto
Adamado e ontras marcas a 9oo rs. a garrafa e io5 a duzia.
vicho da Ftguelra
0 que ba de melhor 4J, a caada de Lisboa a 3J e 40 a
Vinagre
De Lisboa a 2oo e 28o rs. a garrafa.
Farelio de Lisboa
Saceos com 9o libras a 4$5oo.
Cerreja
Franceza em gigos de urna duzia a Q-3-
Inglcza
Bass verdadeira a......T. e Victoria e Alssop a 5oo reisa garrafa
f
garrafa: '
i


em pacotes, dita da trra 100 e 200 a libra.
de Bordeara em caixa a doria U. garrafa 500, dito de 8 a duzia, 800 a gama, dito a
140 a duzia, 10200 a garrafa, dito do Porto a 80,120,180, 240, caixas de dom assim A jurubeba urna das' ^*m*
como flgoeir. caada 30800 e 40, ^ro J A A Lisboa 20800, 30 e 30500 a quadade ^j; cKolTonTcos eTX
a- truentes, sendo empregada com vantagem
contra as febres intermitentes acompanhadas
de engo'gitamento de figado e de baco. Ella
tem sido apphcada com incontestatel pro-
veito contra a anemia ou chlorose, e hydro-
pbesia, catbarro da bexiga, e mesmo para
combater a meosiruacao difficil, resaltante
da mesma anemia ou chlorose.
npMtiUttrgwsji
Em Pernambuco, rna larga do Rosario
n. 10, Rio de Janeiro, pbwmacia do Sr.
Deurado, Rio Grande do Sol, em casa dos
Sre, Cselo & C, Macei, pharmacia do Sr.
Claudino, no Havre, pharmacia de Mr. Ma-
rical, em Lisboa, na pbarmacia do Sr. Feij.
Vapores.
Vende-se em easa de Sanadora Brothers A C
o largo do Corpo Santo n. It, vapores patentes
om todos os perteoces Koprtos par axer mover
es oa anatm machia** para descantear aicoiao

Caat
em lata de 5 gales e maisipequenas a wntade do comprador, em garrafa-
Alpiste
(40 e te O a libra, painco a 100 a libra.
Azelte
em garrafas a 800 e 40.
CHARUTOS _
em caixa de 50 por 10, dito Delicias, Trovadores e Parisienses em cairas de 100, ditos
da Exposicao caixa 50, ditos de Regala caixas com 100 a 20500 e outras muitas marcas
qne s na presenca dos compradores.
"PREZUNTOS
de lamego em barril, ditos de fiambre o melbor que ha no mercado por provoque faz
admirar 11
DOCE DE GOIABA
caixoes de 560 fino, ditos de 10500 qne parece marmellada, dito em latas mntto fina
qoalidade a 10200.'
BOCETAS

QUEIJOS
do Alentejoem latas chegadopelo vapor Oneida, ditosFlameogosePratos dos mais novos
que ba no mercado.
AZEITONAS ^ ^ fm
de elvas como no mercado n3o temos a 10 a lata, em barris do Porto a 10 como nlo ba
melbor.
com doce secco a 10 e 20.
INJECTION BROU
UTttcale tnunWet rreCTTHT, HtaHmw t uo>e que <
cu prMrtca kue aue*. (Kxif tWMni|ii S> m\. (HM
a laiMtM brci, u*mo* Mii wn. ta.
i nwhii taxiir. Vento m
23ZZ
JLU
un.

IBUI
PREPARARES FRREAS-MANGAH1CAS

APPROVADAS PIL* ACADEMIA DE HEDICIMA
DE BRIN D BISSON
fkraaeeafee, inrwde stb leadewa it lefiein Pars

;
-I
O emktente professor TR0D58BAO, na ultima edipSo de aea Tratad dt Tkir*-
peutita $ Materia medica, reconhece que os ferruginosos simples sSo moitas
veces iueffica-zes para corar u molestias que teem por causa o empobreeimento
do MBgne. Iluitos mdicos dos mait distinctos auribuem esse m o xito i anecci?,
n'essu preparacSes, o mtenganese, qne se ach-a no sangae, cerno o tem recouktiiiu
os chimices os mais peritos, sempre inmamente unido com o ferro.
E' pois, presur-se um verdadeiro servlco aos S Mdicos, o chamarle sia attencSa
sobre aa reparacoes segnintes.
dando unmediatamente ama agua, acidalada,
iv tntuj uaugouitva zoia, agradavel, ubstitumdo com vantagem
eeonemia as aguas mtaeraes e
2o
I
rrugiBOsas,
Pillas e larope de iedarelo de ferro e de manganese inaiteraveis
eonteade cada ama cinco centigramos de edareto de ferro manganico indicadas
partimlarmeate as molestias lymphatieas, escrofulosai, e aa coamadaa eas>
eroau e tabercolosas. ^
Bra2m de lactato de ferro e de masganese
Pihuas de carbonato frreo maoganieo
alternar estas duas preparaeoea d es soelnores reaahadoe.
0 P tarn da Baisaaa deaajaado obver a adkealo eosapleta do publico medie* i
crea do valor de as prepaeoes, previa* fia toe aa aja gratuitamente a su
disposios*, dirigeodo-se ; _-r~
(W Ptrnambuce, a sea agente gtral, Mairar s O, pbarmaeeatieoa, rea Kova.
V
4
rtceitadas especialmente
pare a chlorosis, a aac-
ia, a leneorrhea, a ame-
norrbea. A iadiccao de


Em liquidado.



Roupa feita nacional.
Vende-se caigas de casimira a 50, -S e
O proprietario destes dons estabelecimen-!
tos tendo muita fazenda em ser e desojando'
liquidar para-vender mais barato que pos-'.
sivel na roa da Imperatriz lojas e araaens* w0* Pr.as d/asKde me,a4 cas,,m'r'a ffi
da Arara, ns. 56 e 72. | 'i^8 ,m pard, *. ?00' S
,. ... !e 23W); ditas brancas de Iintao a 35500,
Alpacas admascadas^para jreshdos de senho-. 43 e u. paltots de casrara preta e dfl co.
res a 54, 60, 80 e 100; palitots de mea
ras 500 e 720 rs.
Sedas largas
A ti o covado
S na foja i* Pavas.
Veadem se modernisilmas sedas cn targnra
de cbita fraoceza, sendo com padrSas aaoderoos,
tendo enwe ellas cores nroprias para quem est de
loto : vt-nde-se pelo barato preco ds 1i o covado :
grande pechineba : na loja e armazem do Pavao,
rna da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Cortes braneos
ATOOrs.
Vende-se bonitos cortes de cambrala branca com
bonitas barras bordadas e teodo tambem algons
com bonllas barras de cores ; vende se pelo bara-
to pre^o de 5$, na loja e rmaiem do Pavo, roa
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva
Alpaeas de cores
A500rs.
Cbegarara a? mais bonitas alpacas de cores para
vestidos com deseosos miaJos e gnados, tinao
largara de chita franceza, e vende-se pelo barato
preco de S03 rs. eada eovado ; grande pichin-
cha : na toja e armazem do Pavio, rna da Impe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
Bramante a 28.
Vende-se^ superior bramante de linbo alvo com
16 palmos de largara, pelo barato prego de 1} a
vara : na loja e armazem do Pavo, roa da Impe-
ratriz n. 60, de G^ma & Suva.
Algoio avariado
Vndese pegas de algodao largo moito encorpa
do. pela barato prego de 5500 a peca : aa lop e
Vende-se alpacas de assento branco com(casimira a 30, 30500 e 40: paUtots de al-,--, ..- k-v-----------
listas e flores lisa e admascadas proprias paca de cores e branca a 305CK) e 40: palitots' ,rm"em ^ p^>rul d*lmDefami B-w*ae
ma & Silva.
Retalhos
Vende-se ama porgao de retalhos de chitas e ca-
para vestidos de senhoras a 500, 720 e 800' de brim decores a 20580, 30 e 20 f sern-
rs. o covado ra da Imperatriz lojas da Ara- de algodSosinho de linho a 10600, 20,____
ra, ns. 56 e 72. 20500: ra da Imperatriz lojas da Arara
Ditos 160 o covado. ns. 56 e 72.
Vende-se ditos em retalhos a 160 rs. o Organdis de cores a 640 rs. a vara,
covado, ditos em peca a 200 rs. o covado: Vende-se eassa organdis de cores a 640
retalhos de caga preta aliO o covado: re- e 720 a vara : talataoa de cores a 800 rs. a
talos de caca de cores a 200, 240, rs. o co- 'ara: ra da Imperatriz lojas da Arara ns.
vado: retalhos de lasinhas a 160, 200 240 56 e 72.
Veade-se na pharmacia de P. Maarer 4TC, roa Nova.
SODE MULTO GOSTO
Vinal> soriimanto de modernos cbapos e chapellas de seda, de fil e de palba de Italia,
:^ara sonora e menina.
Saperiores tires, bordadinbos e entre raelos bordado*M cambraia tapada e transparente.
Ha foja das columnas a ma do Crespa n. 13
1)E
Antonio Correia de Vasco^llos & Compannia.
rs. o covado: roa da Imperatriz lojas da
Arara ns. 56 e 72.
Brim pardo transado a 560 rs. a vara.
Vende-se brim pardo" com peqneno toque
de mofo a 560, 640 rs. o covado: ra da
Imperatriz lojas ns. 56 e 72.
LSazinhas a 200 o covado.
Vende-se Uasinhas para vestidos de se-
nhora a 200, 240,280, 320, 310 e 400 rs.
o covado: na roa da Imperatriz lojas da Ara-
ra n 56 e 72.
Chitas francezas largas a 240 rs". o covado.
Vende-se chitas francezas largas a 240,
280, 320 e 400 rs. o covado: ra da Im-
peratriz lojas da Arara n. 56 e 72.
Mosambique a 400 rs. o covado.
Vende-se mosambique com palmas de se-
das para vestidos de senhoras, a 400 rs. o
covado: e vareja de listas para vestidos de
senhoras, a 280,320 rs. o covado.
Sedas escosseza com quadros para vestidos
de senhoras, a 280 320 rs. o covado: ra
da Imperatriz lojas da Arara ns. 56 e 72.
. Arara vende as saias 30500. ,
Vende-se saias bordadas para senhora -a
30500,40, 60 e 70, saia balo on crinolinas
de arcos a 20, 20500 30 e 30500: ra da
Imperatriz lojas da Arara ns. 56 e 72.
As sedas da Arara 10.
cas pretas, por prego barato, na loja e armazem do
Pavao, rna da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Sedas a 320 rs. o eovado
Vende-se am bonito sortlmento de sedas de listas
qne sempre se vaoderam per amito mais dinheiro
e llijaldam-se pelo baratsimo prego de 310 rs o
covado, s para acabar : na loja e armazem do Pa-
vo, roa da imperatriz n. 60, de Gama k Silva.
MadapolJo a 40000 a peca.
Vende-se pecas de madapolao com 20 va-
ras a 40, 50, 60, 70, 80 e 100: rna da' 5lfiPiiarSaela especial borneo-}
nathlca do Dr. ttabiao ;
Imperatriz loja da Arara ns. 56 e 72.
Casimira emfestada a 10 o covado.
Veode-se casimira enfestada de duas lar-
guras a 10, 10600 e 30 o covado panno fi-1
no preto a 10600, 20, 20500, 30 e 40: ra'
da Imperatriz lojas daArara ns. 56 e 72.
Algod'Sinho a 30 e 40 a peca.
Vende-se algodSosinho a pecas de 30, 40,
50, 60 e 70 a peca ra da Imperatriz lojas
da Arara os 56 e 72.
Bramante a 20400 a vara.
Vende-se bramante de 10 palmos de lar-
gura a 20400 e 20500 a vara: ra da Im-
peratriz lojas da Arara s. 56 e 72.
Algodo enfestado a 10 a vara.
Vende-se algodo enfestado de doas lar-
guras a 10 a vara dito transado 10280 a va-
ra : ra da Imperatriz lojas da Arara ns. 56
e 72.
Cassa franceza a 240 rs. o covado.
Vende-se cassas de cores para vestidos a
240, 280 e 320 o covado, vendee-se cortes
de cambraia decores e com barras a 20500,
30 e 30500: s as lojas da Arara, ra da
Imperatriz ns. 56 e 72.
Cortes de 15a de 14 covados a 30.
Vende-se cortes de 15a para vestidos de
40,
pathlca
L. Plnho.
Cha de 1 sorte para nso das
pessoas qne se tratam homeopathi-
camente.
Vende-se em pacotes de libra a
30200 rs.
Ra Nova n. 43.
Cal de Lisboa '
Vene-se no armazem de David Ferreira Bal-
tar ruado Brom n. 6.
Hadclra de slcnpira.
Veodem-se 155 paos de slcnpira, que se achara
depositados no estaleiro do Sr. Joaqnim Antonio
Rodrigues, na ra do Brom, onde podem ser exa-
minados pelos pretendemos; a tratar na travessa
da Madre de Dos n. 11.________________^__
Veode-se um preto possante e mogo
roa do Rangel n. 9, on troca-se por nm
cozlnbeiro._____
: na rna
que seja
GRANDE
senhora com 14 covados o 3,0, 30500,
Vende-se sedas de qnadrinhos e com lis-' 40500 e 50, vende se cortes de caigas para
tas a 10, 10200, 10600, 10800 e 20, o co- bomem a 800,10, 10OO e 10600. colari-
vado: popelinas de seda com palmas saltos nhos de linho para hornera 400-e5C0, ditos o"pPD^s de Me,1,.....' "Jooo
parasenboraa!06COe 10800, grosdenaples de papel a 500 rs.a duzia, golinhas P" Eitcl de dvlrsos"fabricantes* .' '. 8*000
Tendo de se liquidar a loja de cagalos da rna
do imperadorn.3i:. {{m0
de cores a 10800 e 20, dito preto a 106'JO,' senhora a 200 e 320 rs. por estes precos as saputaa de bezerro Suzer..... 3* oo
NOVO DEPOSITO
Pn i)E8eAROCAR ALGODO
Manod Beato de Oliveira Braga.
r

_imm Neste estbelecimeuto se eocoBtrtrio a
verdadeiras machina* aercaoas ohsgadas ltima-
mente, as quaes s5o feitas pelo mas lanado fa-
bricante da Amrica, por iuo avisa a todas as pes-
soas qne precisarem comprar, de se dirigir a este
estabelecimento qne comprarlo das mais perfeitas
genero, assim como mais barato do qne em
ootra qualqner parte, por is*o qne se recebe por
conta propria bem como cansos do chombo o moi-
rmos para moer mimo, o grande sortiswnto de fer-
e miodezas em grosso e a relhe.
Pacas de cabo branco ds meio baiaosp a >,4
a dnzia. litoas Anas de lodos os tamanaos prsprias
do trabauo de escultora.
10800 e 20: roa da Imperatriz lojas da Ara-' lojas e armazens da Arara, ra da Impera-
ra ns. 56 e 72. jtriz ns. 56 e 72.
Eis aqai o qne de todo*
do?ntes me escrevem :
Til ATA MENT dod- CIIABLE, m PARS
Medico especial, conaraltacdea, :*, ru Vlvleon* r
AVISO AOS DOEHTES,
sMPIgel 11 j :18
M taiael tmai iwaere it
IWo etoa cu-
rado, tome Cu
beta, CopaSba
lA ttlll as
formase opia-
to, opiatas,
oafettM, tmfco
nao estou carador sele abose! de um grande onuier* de iiwcccaobs, ni
m 4 diaa, uUm aida mais doentes.
o estomago ier-
fnt*aoea
dido e
curar em
HA MAIS SO AJM1VOS
ne caro, radicalmente sen recabidas, Corrtwientos. RelaxacAo io eamt, Cafrrko i
rtriu smwmi, caado arlaseira i causa virulenta inflaaimatofU fessas doeoca* sexaies,
cea alfana vieras da ne mtvbativo do aanses, aan parar *s*a* SaiiniM.'ii*"*
eai.il Ine taraar a dar saa raf'dei dou pan aea bar meu excelent xaaor-a citbato *
raaae *t minha uubccao. A-cara nubeai, aa aaNHoaaa pan a* laxe* araacaa, t*gv*n
40000 DOENTES CURADOS
feria*** Maniato depurativa da sai** Ai harpm m mait *ia*)iral*i. avnnpft,
pntrioi, ttrm. thaoot t ofeetm aaavanaa, aannrea, taaaa asiaaocaa aa akaraVa awan
da aaapa al* canias en poaeo enp per m* u*ra aarcat-nva ac aanstn aseos
aNaiw anaiaua*, aSaaaa wmoum MaraiATiva* a ntaka fommma aim^aananA
- ?-e*n fe tratare. A aaOtia ***** .d rada *
aaaaaea. lea* extanaa** muen* al* coate-jareara* aa sapa
Vonde-se na roa Nora n. 25, pharmacia (raneen de
P. MAURER 4 C.
Borzegains para meniaos e meniaas.
Ditos ditos ditos.......
Borzegains de lastre para homens
(Sater).........
Sapaldes Melli.......
Borzegains cordavo......
Perfumarlas do fabricante Lobin e
Plver pir menos pre?o (Jtie em ott-
tra qaarqaer parte.
Botas para mootarla.
Perneiras e goarda lama.
Sapatos de tranca para meninos.
Sapatos de conro de lastra coi
par seniora.
salto
3*500
2*000
7*000
730W
a^xH)
10000
2*000
Deronte do palacio episcopal, casa n. 15, se
vende o m remedio especial para molestia de pul-
m5es saogne pela boca, tosse aguda, broncbtes, e
Mtrat mofestta* que aueam o peito; tem este re-
medio feii'o eora* milaf rosas; assim como banha
especial para enar cabello e segurar as railes,
conservando a cablea swnpre fresca e sem caspas
A 30#000
palelals mdelo fraicez
Palet toAsMet
De 6operlor panno forrados Se seda a ebltento
da pessoa qae se digoar faier a eocommenda
KO
Pelo-26--Ousto
Ra PUu
lmm 16____:
. ... u,. ,. .
Attemjo.
Vende-se no MoMlia le Jacaranda' a Lola XV
e iantameote om de aaarallo no mesmo gosto,
teodo esta oata 9otto^Mut W; preeo ratoa^l a ae^SfaiS ea* d mrchwl*
rtaDatmS fjist*>*0ans.
VERDADEIRO LE ROY
S> SIISvSalMS, taalirt SMIil*' -.
Ru devatoane)/ Sl, Im fi garran; rat, entre a rattia evo papel *?<)
-> lera siaieta, usa rotan lm;,r*!j.- n> mu-
rlio rom e bisa* laraiix aa Cotirnh rtlutie.
N.B.-' mnrt-
tmi.-hSfuitiji.t'ra
it toe francos n>-
krt Par, acflls>?l
a so \j i.- a,
ao miximo.pui-H
o abatmii-nt' < do
ir V nf'r-
Deposito na pharmacia de P. Manrer
C. em Pemambnco.
Loja
DAS
ii ii
EIMI.....I .1'I'"1" '
Bitas toiaeaa
co rosMe ens *<> ? "f?'
A *oi* braac* a m do Ussloisdo a. a Tee*>
heaomnovo ?*rtiaiento de Waa boaecas coa
So d ed". ^^'WfJiff
sempre vende as por prwo cwmootn; i^uwsw
estes em reiacioaos iBeriila -unsaaao* ae faaj
Mcoapdeo torilmente ... ,
ilixir doaUfrk e a4#itUl|iCey.
XAROPE DEPURATIVO
DE CASCA DR LAilANJAS AMARGAS
COM IODURETO DE P0TASS10
DE
ef.P. Laroze.
pbarmacentleo em Paris
O ioduretodepotassio om verdadeiro al-
terante, nm depurador de incontestavel efi-
cacia; combinado com o xarope de casca de
iaranjas margas, aturado sem pertubac5o
alguma pelos temperamentos os mais fracos,
sem alterar as funccSes do estomago. As do-
se> mathematicas que elle conten permittem
aos mdicos de receital-o para todas as e*s>
plei?5es, as affeccoes escrofulosas, tubercu-
losas, cancerosas e nos accidentes intermit-
tentes e terceiros; alm d'isso, o agente o
mais poderoso contra as doen^as rheumaticas.
Deposito em todas as pharmacias e casas de
drogaras no Brasil.
Exnedicoes, em casa de J. P. Laroze, rae
des Lions-St-Panl, 2, Paris.
A' venda na pharmacia de P. Maurer d.
Ca, roa Nova n. 25.
Paris, 36, Roa VIvIenne. l>
CHABLEmcdccinspecial
DAS FAFEBMUIAOAS DES SEXt AES. AS AKFEO
50FS >:ITAVEan, E A .TERAgOES DO SANGUE.
30.000 cursadas impingen,
niMUila*, herpes, sarna,
rnmixoes, acrimonia, e al-
'ercoes, ate osas do sangr;
rirut, e altrrajoet do san
J-f (X.irops ve-rl;.l n mercnriol. Di-puritliraf
Trcotuca iHMicn wimiui tomso-ee doas
por semzna, eguinilo o iraciameato Depurativo: i
em;'r.-Hilo na*- mesma^ molestias.
Esic XaropeCitractodeferr
ii i.ll.Mll.l-;. tura iramedia-
11' S| >rlnxnrao. t debilidaae, *
batmMJmm ulaienip os luios e floree
iira'icus las Hallieraa. Esu ;njecco benigna en
trtf-st cosa o larepe de Cilraclo de Perro.
Ueammiiil.. Pomada que i cura tres diaa.
POMADA ANTtHERPETICA
Contra: ns affecc,net cuwnwi eomixoti.
PILULAS VEGETAES DEPURATIVAS
la >> cttable. cada frasco vai tceompabada ds n
naatm
'S0 AOS SRS. MDICOS.
Cura eatarrhoi, iojmi
coqueluches irriuift*
ntrvoiai sos doi bren
I m cio* todas as doasft
lili lil Jo pato; basta ae doeoto
ii -i. n luln slratii xarupe D' FoRCET.
y.v> &SBI.B ea> Paris. raa VlTlesuse, aa.
A venda na pharmacia de P. Maurer p
e G., em Pernambuco.
i;\z m gaz
Chegon ao antigo deposito de Henry Forster A
C, ra do Imperador, nm carregamento de gaz de
primeira qaalidade,o qoal se vende em partidas
i reUlbo por menos prego do qae ea ontr* qoal
tajar parte.
Eserava.
Vndese ama escrava de 24 aanos, bonita fi
gnra, engomma, cose, costana e lava com perfei-
cio : a tratar na raa do Brom n. 48, 1* andar,
das 7 as 9 horas da manba e das 4 as 6 da tarde.
bastas
Vaqueta de lastre proprias p:ra cobertas dt
carros, mallo novas e da melbor qoalidade pos-
si re : vendem-se por precos razoveis na rna da
C*dei*g.86A.
Vende-se nm cas* terrea eem J salas, J
qoartos, eotioh* fora, enm suis na w00"-
U) que serve para despensa, st*fcvV "' "".
cacimba, em%I6WnV^ gJJ J
Santa Rita n. : avtratv wpen
deneia ns. 7 e tt.
aaaWanal
A gaia branca roa to ^maS* a, i
beo de novo esse tpreelsvet elixir cojo aso 4 ne-
cestario para conservaco das |en|tvM a aeibar
o mi hlito provnaiant* de > Mates arralo**,
cad frasco coat V-
i
ILEGIVEL
^B****
.i



MMMHNMBaBaMHaBMWMiflBBBB
MMMMM
Sexta felra 13 de Setenabro 4c 1807.
i i"'
fl *
4
e de teas tres, wfftuftfr 4 H-
Awm *wo*,o# roa 4QMOM4a. 8, rete-
ba 4'mms modernoi cintos da non tas, ec* fraa-
jua*ktana'teww (Hwan3HsKe,
pois, _s pieteodeafca, ,o# *<*9 ucuawttii
contento.
Collares Royer
? Aiodiiw elctricos Magnticas
Deposita acreditad
Loja da agota bracea roa do Queimado & 8
Apregoar arada os prodigiosos effeitos dos
Collares Royer j nao ensioar oo querer
introdnzir noviades, porque a fama de soa
eflcacia lem-se taoto estendido, e os seos
feiiies resoltados a tal altara elevado, qae
hoja rara a peswa qne por experiencia
propria, ou por intermedio de seus amigos
e pareles, ignora ou desconhe :a as virtu-
des desses sempre apreciaveis collares
Royer.
A aguia branca porm sa gloria de coacor
rer para um tio justo fim, se nao por oa-
tro modo ao meos por ter sempre, e cons-
tantemente um completo sortimento desses
coll res magnticos, que bem se podem cha-
marsalva vidas das criancas.
Resta anda que os senhores pas de fa-
milia se facam convencer jde que convern
nao esperar que as crianzas sejam atacadas
do mal, a por isso necessario ou conve-
niente qae com antecedencia -se deite na
crianca um desses ollares para assm estar J Arados tmericanas
J" \"
GRANDE SORTIMENTO
BE
wmxsam as b i r i tan
LOJA ARMAZEM
DO
Alm do grande sortimento das melhores machinas, americanas para descarrocar
algod5o, de 10, ii, 14,16, 18, 20, 22, 23, 30,33, 40 e 80, neste estabelecimento se
encostra mais o seguinte: -:*<
Azeite de espermacete propria para machi-
nas.
Vapores de forca de 3 a 4 cavallos.
Sorras avalsas para machinas.
Mancaos e todos os mais pertences para as
mesmas.
Carros de mao para aterro.
Cylindro para padarias.
Debulhadores para milho.
ella preservada das coovncoes e se contar
liyre dos rigores da denticao.
A aguia branca roa do Queimado n. 8
contina a.receber por todos os vapores
francezes a quantidade que ha contratado e
por isso acha-se ella sempre provida dos ver-
daderos collires Royer eletricos magn-
ticos.
Bolas de Borracha para brlta-
quedos.
Vendem-se di roa do Queimado loja da aguia
branca n. 8.
Car retis de retroz para ma-
chinas.
Vendem-se na ra do Queimado loja da aguia
brauca n. 8.
Papel paquete.
Vende se na roa do Queimado loja da aguia
ranea a. 8.
A Agaia Branca ra do Queimado n. 8,
recebeu de novo os seguintes objectos e
est vendendo-as por preces rasoaveisv
Modernas nvellas.
Modernas fivellas de madreperola, lavra-
das e lisas, guarnecidas com enfeites de
prata dourada, vendem-se na loja d'Aguia
Branca ra do Queimado n. 8.
Leques
todos de sndalo, outros todos de sndalo
com bonitos desenhos que representam qoa-
tro vista, outros de sndalo e seda, outros
de faia tambem com desenhos que formam
qoatro vistas; vendem-se na loja d'Aguia
Branca/ ra do Queimado n. 8.
Luvas Gnas
de*camursa, brancas e amarellas: vendem-
se na loja da Aguia Brauca ra do Quei-
mado n. 8.
Latas com banha fina
vendem-se na loja da Agaia Branca, roa
do Queimado n 8.
Chapelioas modernas,
enfeites de flores, capelias Gnas para noivas,
ditas brancas e cor de rosa para meninas,
calxos e ramos de flores fioas e botoes de
rosa de diversos lmannos: na Agola Brac-
ea ra do Queimado n. 8.
Meias Aas para meninos.
A Aguia Branca ra do Queimado n. 8,
recebeu meias mui finas para meninos, e
est vendendo as de cores a S&OuO duzia,
brancas a 5,5500 e cruas a 6OUO.
Trancas de vidrilhos, brancas e pretas, lar-
gas e estreitas.
A Agaia Branca a ra do Queimado o. 8,
recebeu novo sortimento das trancas cima
ditas, e como sempre vende-as por precos
commodes.
Fitas novas
para eartas de hachareis e a iraiasdade do.
Bom Conselho.
A Agula-Branc?, a rui doQueimade 0.8,recebeu
novas Sus acbamaloladas para ambos os lados,
moi encorpada e toda de seda, com viva o agrada-
ve 1 cr, e como sempre, vende por prego multo
rasoavel.
Collares Royer magnticos
Medalhas e palsciras magnticas.
A Aguia Branca receben nova remessa dos pro-
veltosos collares Royer magnticos, ja summameo-
te conbecldos para preservar as convulsSes e faci-
litar a dentigao das criancas.
Com esses otis collares elctricos magntico?
tambem nao pequeas quantidades de medalhas
e pulseiras elctrica? magnticas coja utilidade
tem sido aproveitada por quem si.tire do nervoso
bypocondico, tremores as maos etc.
Assim como os collares Royer esto feralmente
conbecidos e acreditados pelos efflcazes effeitos e
boos resoltados qoe tem colbido as pessoas qae
delles tem asado ; assim tambem ebegaram a ga-
nbar to alta reputacao essas apreciaveis raedaibas
e polseiras magnticas, orna vez que o uso deltas
fr se esteodendo a todos qae deltas necessltem. A
Agola Branca con'ina a receber por todos os va-
pores francezes ama determinada quantidade des-
ses sempre preciaos e estimados collares Royer
magnticos e por isso fique na lembraoca de todos
qoe os acbarao constantemente em dita loja da
Aguia Branca, ra do Qoeimado n. 8.________
P0T4SSADARUSSIA
A 200 rs. a libra,
de muito*superior qoalidide : vndese no escrip-
torio de Oltveira, Filhos 4 C, largo do Corpo San-
to n. 19.
Carriohos proprios para armazens.
Moinhos para refinacao.
dem para m'lho.
Escadas de madeira americanas.
Caixas com vidro sortidos*
de todas as qaalidades.
Bombas-de japyz.
dem americanas.
Ferros para engommar a vapor.
Vassouras americanas.
Baldes americanos para compras.
Tinas de madeira.
Ballaios e cestas de vergainha.
Guarda comidas.
Peneirasd'arame para padarias e refinacoes'
Correntes para almanjarra.
Machados e faces americanos.^
Barricas com milho branco americano.
&5
* loa da Imperatriz d. 6h
GAMA Os proprietarios deste grande^eatabelecimento acabajn de receber da Europa um
grande sortimento das melhores fazendas de ISa, linho, algodao e seda, as quaes vendem
por precos baratissjmos, afim de aporarem dinheiro, dando de todas ellas amostras,
donando ficar nm peohor ou mandam-nas levar em case das Exmas. familias pelos seas
catxeiros, assim como as pessoas qoenegociam em pequea escala, neste estabelecimen-
to comprarlo pelos mesmos precos qae se compram as casas inglezas, cntaaado-se
apenas descont.
Casemiras freas eafestadas a [ 6eo. [
Na foja do Pavao vende-se superior casemira
entestada preta para caifas e paletos pelo barato
preco de 1*600 o covado oo a 2*800 cada o rte
oe calca, dita moito mais fina, envado a 2200
oo o corte a 35O0, ditas moito finas sem serera

Armazem de fazendas finas para grandes toiletts e uso
ordinario para todas as classes.
tm m m
entenadas a 1*809, 2*000 e 2*500 cada covado :
oa loja armazem do Pava na roa da Imperalriz
o. 60 de Gama A Silva.
Espartilhos.
Vendem-se magnficos espartilbas francezes e
ingieres na loja e armazem do Pavo, na roa da
Imperalriz n. 60. de Gama A Silva.
PANNOS DE CHROCHE'.
Vende-se um grande sortimento dos mais boni-
tos pannos de ebroebs proprios para, cadefras, so-
pns, cadelras de balanco, para alroofadas e para
cobrir presentes, e vendem-se por precos baratos
Da loja e armazem do Pavo, roa da Imperalriz
o. 60, de Gama & Silva.
FAZENDAS PARA LUTO.
Loja da pavo.
Vende-se setim da China preto sendo ama fa-
ieoda moito feve e sem loslro com 6 palmos de
largara proprio para vestidos e roopas para bo-
mem peto barata prego de 3*000 o covado meri-
no preto entestado muito Inm a 1*600, superiores
bombazinas pretas a 1*600, 1*600 e 2*000 rs: o
covado, superior canto a 1*200, lanztnha preta
lisa a 400 eSOOrs. o covado, om grande soru-
ment de alpaeas e princezas pretas qoe se ven-
dem mais barato que em outra qualqner parte, sa
loja e armazem do Pavo, ra da Imperalriz. n
60,e d Gama & Silva.
As 10 mil varas de cambraias
Covado 300 rs. vara 506 rs.
t6 o PaSo
Vendem-se finissim cambraias france-
sas comlistras miuda. e graudas e com
lindos desenhos de flo es e palmas, sendo
todas com as cores mais modernas e mais
lindas qae tem vindo ao mercado, pelo ba-
rato preco de 3C0 rs. o covado ou a 500 a
vara, grande pechincba attendendo a
ra do Crespo n, 9 A. esquina da do Imperador
DB
. Custodio Jos Alves Guima aes.
O proprietario deste importante estabelecimento avisa ao respeitavel publico
e aos seas amigos e freguezes que acaba de receber pelo vapor francez Gnienne, di-
versos artigos de moda, os quaes sao de completa novidade para este mercado, e apro-
ximando-se o dia da comrosmoracSo do anoiversario to Hospital Portuguez, por isso
apressa-se em vir avisa-los do que ha de mais moderno em seu estabelecimento, como
sejam:
Riquissimas chapelinas com coque. Lavas de Jouvin preta, branca e de c&res.
Ditas sem elle. Lindos cortes de laa com barra.
Lindas chapelinas de palha da Italia. (Re-J Riquissimos cortes de transparent dese-
commenda se muito estas chapelinas por se- da para vestido de senhorastambem novi-
Vestidos ue rantazia a 6,5 e 85.
. Vendem-se bonitos cortes de vestidos de
fantazia com lindas barras e enfeites de seda
pelo baratissimo preco de 6<5 e 85 na loja
e armazem do Pavo ra da Iaperatriz a.
60. De Gama & Silva.
Pannos de linho.
,, Vende-se superior panno de linho puro
para' lences e ceroulas a 640, 7C0 e 800
res, a vara na loja e armazem do Pavo ra
da Imperatriz n. 60. 1*6 Gama & Silva.
Bramante de linho a H 2iH00, 2)5800 reis
a vara.
Vende-se superior bramante de linho
com 10 palmos de largara proprios para
Vendase a taberna a. 93 sifa na .ra das Cinao
Ponas, bttt ab-eiDtzada para o orm c para a tr-
ra, com eommodos para familia ; vende-se para
ragameato da ciedores : .tratar b mfr-Ta ra
i.71.
c?al
VfiM a roa do Apello & 4.
Escravos ugidos
Romo, cabra, estatura regular, cabeca
grande, cabello carapiobo, rosto oval com
marcas de espionas, macies salientes, tendo
sobre a direita urna marca de talho. olbos
pequeos avermelhados, bocea regular, bons
denles, principio de buco, corpo reforja-
do, mios e pos pequeos ; copeiro, cesi-
nheiro, e andava no carro : quem o appro-
bender receberi a gratidcacSo cima, levan-
do a casa da \uva Luii Gomes Ferreira oa
ao abaixo aisignado.
_________Lait de Moraes Gomes Ferreira.
Attenco.
Conttna andar fgido do poder do abaixo as
signado, desde o dia 12 de marco do correte anno
o sea escravo pardo claro, de nome Cyriaco, eo os slgnaes segointes: representa ter de idade 40
annos, rosto redondo, e om unto envergado, olbos
lences, pelo barato preco de* 2, 240 e *n>P>pu5ad0S e fundos, bocea graoae beigos gxos-
4830 reis a vara na Inia a arrrmem An sos barDa eobada e rnlTa. P*s e maos "ossos n
2<>o,u res a vara, na toja ei armazem ao carnudos, pellos vermelbts e cabenndos, cabellos
pavao ra da Imperatriz n. 60. De Gama crespos e avermelnado?, eostoma andar armado de
& Silva. ; fario e orna bayoneta n'um pi, go.-ta de tomar
Algodosinho enfestado a i 1^290 reis a cacba!ae (lnaDdo Bea bbado da para poeta e re-
v-ra .grista : rog se, portento, as autoridades policiaes
it^.j__' _. *, ,_ e capites de campa a apprebensao do mestuo, e
Vendem-se superior algod3osinbo amen- im-io a sen senhor o abaixo assignado, no en-
cano enfestado que a largora delle d a lar-'genbo Pedregulbo, em Nazaretb, qut sf.-a* recom-
gura do lencol, sendo liso a vara a 1-3 e seo- pensado com a gratiBcaeao cima.
"* I
do trancado a 1^280 na loja e armazem do
Paro ra da Imperatriz n. 60. De Gama &
Silva.
Pnnhos e golinhas a ItfOOO o par,
s o Pav3o.
Vende-se um grande sortimento dos mais
bonitos e modernos punhos com golinhas,
secdo de esgoiSo de linho bordados a 10000
o par, ricos manguitos com gollinbas de
cambraia tapada e transparente a 2,5000
par, E' pecbincha ; na loja e armazem do
Pavao ra da Imperalriz n 60 de Gama &
Silva.
Calcinhas pera meninas a 640 e
800 ris.
Vende-se calcinhas bordadas para meninas
Jos Ignacio Ferreira Torres.
Anauaeo.
Contina fgido dx&de o da 2 de abril o mulato
Joao, de idade de 40 annos,, pooco mais ou rae
nos, com os signaes segoiotes : cor alaraejada,
cabellos carapinbos, estaiora regalar, reforjado do
corpo, pernas grossas trabalba de mestre de a:so-
car, mestre de pedreiro, sapateiro. moito fu-
mante- de eachimbo, sahio com Ae^tiM F ri-
nbem. O ibalxa asignado roga a'santoi id les
policiaes e capitaes de campo qoe mandem pren-
0 der dito mulato elvalo a seo senhor oo >i ,'n bo
Japarataba, que sera' bem recomptnsado c por-
tador.
Japaratuba, 28 de julho de 1867.
Joo Ju.-e Boarqne.
grande porgo que tem, senSo sena para qw wtom na escola pelos baratos presos
muito ma.s dinheiro : isto na loja e armazem de 6i0 e 80o rs maDgQll0S para asFmes.
do Pavao, roa da imperatriz n. 60 de Gama mas e para seDhoras oelos mesmos precos,
oliva.
rem inten ament novidade).
Riquissimos cintos de seda, com matames
chineza, ultima moda.
Lindas saias de l cora bordados, proprias
para as excellent.ssimas 6enhoras trazerem
por cima do bai5o, ultima moda em Paris.
Lindos cortes de seda para vestidos.
Moireantique branco, azul e preto, fazen-
da nteiramenle nova.
Grosdenapoles de todas as cores.
Ditos pretos.
Leques de madreperola.
Ditos todos de sndalos.
Ditos de sndalo tendo no centro um qua-
dro de seda, inteiramente novidade e ulti-
ma moda.
Chapeos de sol para senhora.
Ligas de seda p *ra senhora.
Ditas para meninas.
Espartilhos para senhora.
Riquissimos enfeites para senhoras, intei-
ramente novidade.
Bal5es para senhoras e meninas.
Touquiohas ricamente enfulladas.
Coeiros bordados.
Toalhasde labyrintho maito ricas.
Ricas fronhas de labyrinto.
Riquissimos lencos de dito.
Rendas, kicos da trra e grades para lencos.
Um rico lencol de labyriotos.
Riquissimas basquines da seda preta, bor-
dadas com gosto.
dade.
Lindos cortes de 13 com listas de seda.
Riquissimas fivellas para cintos.
Fil de seda e de linho.
Riquissimas camisinbas para senhora.
Riquissimas saias bordadas.
Punhos e gollinhas para senhora.
Riquissim-s manteletes de cores, inteira-
mente novidade.
Peitos de linho bordados com gosto pro-
prios para camisas de noivos.
Collarinhos de linho lisos e bordados para
homens.
Lindos veos e mantas de blonds.
Riquissimas vestimentas para baptisados
contundo cbapeosinho, sapatinho, meiasinha
e camisinba com lindos bordados.
Riquissimos ehales de touquim.
Gravatas de seda branca para noiva.
Ditas de cambr.ia de linho com bordados
as pontas, novidade.
Chapos de sol de seda com cast5o de
marm.
Ditos de oulras qualidades.
Chales de seda.
Ditos de cachemira.
Chapos de seda preta para homem.
Ditos de pbantasia para bomem.
Casemira preta muito fina.
Ditas de cores inteiramente novidades.
Cambraias, 15as, chitas, madapoles e ou-
tros muitos objectos. "
Chafes baratos
20, 3500, 60 e 70000.
Veodem-se chales de merino estampados
a 20, ditos lisos a 3500, ditos estampados
finos a 50500, 60, 60500, ditos crepon
com listras de seda a 70500 e 80000,
pechincba : na loja e armazem do Pavao
ruu da Imperatriz n. 60 de Gama e Silva.
Para amas de noivas.
Vende o PavSo.
na loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60,
de Gama Silva.
Baldes de canda.
Vendem-se as mais modernas crinolinas on ba-
ldes proprios para vestidos de cauda, sendo os
melhores e mais modernos qne tem vindo ao mer-
cado e por precos maito raioavels : na loja e ar
mazem do Pavo ra da Iinperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
IiSas transparentes.
Cbegaram as mais modernas barejes oa liasi-
nbas 'transparentes com bonitas listas de seda,
vendem-sa na Inia e armazem do Pavo ruada
Ricos cortinados bordados a 8*000,10, 165, imperatriz n. 60, de Gama* Silva.
0 dono deste importanlissimo estabelecimento contina nolou va vel proposito de
querer vender muito e ganhar pouco, sujeitando-se a tirar em suas mercaduras um lacro
rasoavel, para assim poder melhor agradar aos seus numerosos freguezes.
ARROZ DE
Veodu-se em saceos grandes
piebe do Caoba.
GASCi
a 4)500 : no tra-
Vendem-se as partes dos engenhos Amparo e
Mocot na frfgoezla de Santo Antio, ssod > a parte
deste de 3:800* a daquelle de 6:800*000 : a
pessoa que pretender dirjale a roa da Madre da
Dos n. 14, oa no caes do Ramos n. 14.
Farinha superior
Teffl para vender Antonio Luiz de Oltveira Ah
vedo & d, no sea escriptorio, rna da Croz n. 57.
Piano.
Veade.se o bom plano forte de tres cordai: a
irtor na f na da Imperatriz n. 60, loia.
Cnenlo
Veade-se ctmeoto PorUand do armazem de
Vicente-Frreira da Costa di FHbo, ra da aladre
dDosn.j2,
VendfX&e
No trapteufl BarIr*>,'LTiTeWe!, no Porte do Ma-
los n. 15, eonaoai-se vender saccas com farinba
de mantfioe* aos ptecos de 3*900 e o000, sendo
a deste ultimo prego farinha maito especial, a ella
antes qne se acabe. ______________________
Gonrma de mandioca
Deiemhirfion hnntem gomma de superior
quahdtde, ja da safra BOfaN por preco obm-
modo: roa do Vigario d. 14, escriptorio
i./ aoaar nico pondor doste artigo. I
A'

LOJA DE FAZENDAS DE AUGUSTO PORTO & C
llRua do Queimado11
Angosto Porto A C acabara de receber da Europa superiores cortes de seda de cores para
bailes e casamentos.
Ricos cortes de blond com manta e capelfa para noivas.
Cortinados bordados para camas de noivas e janellas de 7* a 80* cada om.
Colxas de seda e ontras de la e seda o qoe ba de melbor para camas de noivas.
: ToalbiObas de croch para cadeiras e sofs, espattbos a saltana para senhoras, camisinbas
com manguitos bordados e lindos enchovaes para baptisados, e baldes de masselina e de reos para
senhoras e meninas.
Lavas de pellica para homem e senhoras e superiores chapeos de sol de todas as qaalidades.
Lia para vestidos baratfssima bonitos padrSes o covado a 280.
Tapetes.grandes para sof, ditos para plano, ditos para cama e pequeos para portas e janellas.
Moir branco e preto superior para vestidos de liados deseabos, grosdenaple de todas as cores
seda de quadrinbos, cambraias brancas de maitas qualidades, ditas de cores e lindas percales.
Basquines de seda preta ultima moda, chales e retones de guipare, vende-se barato.
Camisas para horneas francesas e iuglezas de linho e de algodao anas e seroulas de linho su-
periores.
Capas de borracha, sobretodos e perneiras as melhores e mais elegantes.
Malas grandes para viagens, ditas pequeas e saecos de tapete e couro.
Bramante branco de 4 largaras, a 2*500 a vara, paouos pretos e azues, casemiras i poetas e de
cores tndo bom e barato.
Neste estabelecimento ha sempre am completo sortimento de boas fazendas tanto para a praca
como para o* centro da prorincia e superiores objectos proprios para casamentos eomo sejam capailas,
mantas, vestidos de blonde e detnolr braco, cortinados, colchas, vendendo-se todo mais barato e
tambem as melhores
20* e 25* o.par; assim como os mesmos tambem
servem para janelias; ditos adamascados a 10* e
12*; bonitas pegas de cassas adamascadas para o
mesmo effeito; bonitos damascos de la de urna
e duas larguras, proprios para colchas, assim oo-
mo bonitas colchas de croch : lugo isto se vende
mais barato do que em aatra qaalquer parte, na
loja do Pavo, roa da imperalriz n. 60, de Gama
di Suva.
Orgaody a 4000.
Vendem-se bonitos cortes de organdy
sendo com listras todas brancas oa com lis-
tras de cores tendo oito varas cada
corte,
pelo barato preco de 4)5, pechincba: na
loja e armazem do Pavao roa da Imperatriz
n. 60 de G Atoalbados para meza a 20000, 25500
35000. | corpado pecas com 20 jardas a 5*500, 6* e 0*400.
VeDde-se Superior atoalhado de linho' 'l. muito fino que serve at para^camisas a 8* :
C asaqulufaos para senhora
Chegaram os mais moderos casaquiebos ou ja-
queUs freas ricamente enfeitadas sendo com cin-
tura e sem ella, pelos presos mais mdicos que em
ontra qualquer parte : se vendem na loja e arma
zem do Pavao ra da Imperatriz n. 60, de Gama
& Silva.
Baldes a 2gt t&oo e3|.
Vende-se um grande sortimento de crinolinas
ou baldes de arcos para senhora pelos baratos
preros de 2*, 2*500 e 3* por baver grande por-
cao : na >oja e armazem do Pavo ra da Impera-
triz o. 60, de Gama & Silva.
Hadapolo e algodao
Vendem-se superiores peras de madapolo ten-
do 24 jardas cada urna pelos baratos precos de
6*, 63500, 7* e 8*, ditos francezes fazenda muito
3 superior tm pe$as ou a retalbo, algodao moito en-
adamascado alvo com 8 palmos de largura a
35 a vara: dito adamascado pardo a 25500
rs.; dito alvo de algodao a 25000 rs.; dito
trancado alvo, sem ser adamascado a 15600;
guardanapos econmicos pardos a 35 a du-
zia ; ditos alvos a 35500 e 45000: isto na
luja e armazem do Pavao roa da Imperatriz
n. 60 de Gama & Silva.
Gasaquinbos de fil.
na loja e rma;em do Pavo ra da Imperalriz n.
60, de Gama & Silva.
Novidade do Pavao.
Alpacas, a 1280
Cbegaram as mais brilbantes alpacas de
seda para vestido, sendo neste genero o mais
bonito que tem vindo ao mercado tanto em
novidada de dezenbos como em flores, pois

ama Qova fazenda que se confunde perfei-
Esteiras e alcatifas para forrar salas.
I i-Rea d> QeelBMdo-H
Vende-se os mais modernos casaqninhos
oa basquinas de fil preto. pelo barato pre-
co de 165, chales e retondas de renda preta
na loja e armazem do Pavo ra da Impe-
ratriz n. 60. De Gama & Silva.
Cambraias largas com 8 Palmos de largura a
45 e 1280.
Vende-se cambraias largas da Escocia ten-
do 8 palmos de largura que falictta fazer-se
om vestido apenas com 4 varas, pelo bara-
to preco de M e 4280 reis a vara pechin-
cba ua loja e armazem do Pavo ra da Im-
pera ti n. 60. De G ma & Silva.
Cambraias escorzas tapadas e transparentes.
Vende-se um magnifico sortimento de fi-
nsimas cambraias brancas para vestidos
tendo mais de vara de largura pelos precos
de 405,425. 13*, assim como um grande
sortimento de ditas mais abaixo de 45, 55,
65, 70 e 85, garantindo-se aos comprado-
res que ueste genero nao podero comprar
melbor en outra qualquer parte e s oa lo-
ja do Pjrvo roa di Imperatriz n. 60, De
G ma & Silva.
Damascos para colchas a 55, 25500 e 800 rs.
Vende-se o mais superior damasco com
8 palmos, de largura proprio para colchas
com os desenhos mais bunitos que tem va-'
do ao mercado com urna s cor e de duas
corea pelo barato preco de 55 o .covado, di-
to com 6 palmos de largara a 25500, ditos
de ama s largura a 800 reis, na loja do Pa-
vao ra da Imperatriz n. 60. De Gama 6
Silva.
Cassas de ama s cor a 300 rs.
o covado.
Vende-se bonitas cassas de urna cor s.
teodo cor de rosa e asol, cor de ljrio, rosa,
verde e cor de canoa, pelo barato preco de
pOO rs. o covado: oa loja earmazem do
Pav5o ra da Imperatriz o. 60 de Gama 6
Silva.
Novo e grande deposito de superior carrito de Cardiffiia
i BftMa.
Antonio Gomes dos Santos 4 d, roa Santa Barbara n.!, estio habilitados a aapprtr de
oarvao eo condlcSes mais fawaveii qoe em ooao qualquer deposito, a todo os navios a vapor que
cemm naouelle porta A contratar aesta com pomingos Alves Matheos^J
Os casaqniihos da favt
a 485,205, 255 e 305.
Cbegaram os mais modernos casaquinhos
oa jaquetas de grs preto, ricamente enfei-
tadas, sendo una com cintura e outros sol-
tos con'orme se usa ltimamente e vendem*se
pelos baratos precos da 485, 20#, 255 e
305, na loja e armazem do PavSo, roa da
{Imperatriz o. 60. De Gama & Silva,
tamente com seda tendo entre ellas algomas
todas brancas com os mais lindos lavrado.-
e vendem-se a 4280 reis, ofiovado, na loja
e armazem do Pavao, ra da Imperatriz n.
60. De Gama & Silva.
As alpacas do Pavo
para vestidos a 45.
Chegou um grande sortimento das mais
bonitas alpacas lavradas, de cores que se
vendem a 45 o covado, ditas a 800 reis,
ditas li/as de todas as cores a 640 reis, que
se vendem na loja e armazem do Pavao, ra
da Imperalriz n. tO. De Gama & Silva.
Vestidos brancas
. a 45, s o PavSo.
Veodem-se bonitos corles de vestidos de
cambraia branca com bonitas barras tendo
entre elles tambem com barra de cor e ven-
dem-se pelo barato preco de 45. cada um,
na loja e armazem do Pav3o. roa da Impe-
ratriz n 60. De Gama A Silva.
Grande novidade
Vestidos a 65
ai aa leja de Pavla.
Se vendem os mais ricos cortes de organ-
dy branco com elegantes listas larga> pre
Has teodo 40 vara cadjucorte com os com-
petentes enfeitos para,o,parpo sendo neste
genero o que tem vindo de mais novo ao
mercado, pelo barato preco de 6*. s na
floja e armaem do Pavao, roa da Imperatriz
n. 60. De Gama Silva.
Chales a Baooiton a 55000 65000
na loja do Pavao-
Chegaram oa mais modernos chales Be-
noiton, sendo de una s cor. com bonitas
franjas de pelucia, e tendo entre elles as
cores mais modernas que teem vindo a este
mercado e vendem-se pe.) barato prec de
55 e 65060,' ditos a Isabel la que supprem
mui o bem os caxins e vendem-se pelo
barato preco, Q> 7 garaattado^se
que n'este genero oque ha de mais novo
no mercado e maito decentes pan quaiquer
sennoraazar: veodenvseualojaearmazem
do PavSo, roa da Imperatrte n- 60, de Gama
di Silva.
CARNAUBA.
Vende-se cera de carnauba em saccas,
sendo de sepew^aalidade na loja do_Pa
vSo, ra da Imperatria n. 60 de
Silva.

AVISO
100^000 de gratificado.
Contina a estar fgido o es
cravo Simio.
Roga-se a (odas as autoridades e capues de
campo, tanto desta provincia como da das Alagoas
a apprebensao do dito escravo, qoe fugio de casa
de seu senbor no da 2t de julho do correte anno,
com os signaes seguiutes : de nagao HnQambiqne,
idade de 40 annos, pooco mais on meos, alto,
semblante carregado, com falta de dentfs na fren-
te, cor fola, com talbos em circulo redondo ao p
das orelbaa, sem barba, levou vestido caiga de ca-
semira de cor em bom estado, camisa de algosao
branco, cbapo de meia maca novo ; este es-
cravo foi comprado ao Sr. Jos Vicente Lindo-
so, morador na provincia das Alagoas, por sen
procarador o Sr. Joaquim Cavalcanti de &lbu-
qnerque Mello, morador no termo de Barreros.
Consta nos qne este ercravo ja fci visto em seri
ohem, aonde elle inlretm relacoes de cnbeci-
meoto. Graiiflca-se coma qoanlia cima a qual-
quer oessoa que o entregar no Recife, ra Direita
numero 30.
No dia 5 do correte ausenloa-se o preto
Francisco, escravp.de 11 aonos, bonita figura, alto
e chelo do corpo : tem um signa! bem visivel, fi-
gurando nm meio circulo logo abaixo do olbo es-
qoerdo : levou vestido ama camisa de raadapo-
io franceza, caiga de brim pardo, chapeo de cauro
e um cobertor de lia escaro alada novo. Foi re-
mettido do logar S. Miguel, da provincia do Cea-
ra' por seu senhor Bernardioo Lopes de Amorias
ao Sr. Carneiro Vianoa, e vendido por esiAS se-
obores em 29 de agosto fiada: rogase pertanto a
todas as autoridades policiaes e eapiles de eampo
a sua apprebensao, a entregar ao mesmo Sr. Vi au-
na, qoe generosamente se gratificara.
Atten$t)
Fugio no dia 3 do correte do eng>nbo Rata
(reguezia da Escada, o escravo Bernardo, idade 28
aonos, crioalo, com os signaes segointes : alto,
seco, cabellos carapnbos, rosto redondo, feieScs
regalares, ponca barba, cor preta, tem urna cica-
tria em am dos calcaobire> qae se torca vlstvel.
presume-se estar em Bengalas fregaezia de Li-
oueirooa nesta praca : quera o apprebender po-
dera leva lo a roa das Croiet n. 11 ou no engenbo.
cima indicado que sera' generosamente .recom-
pensado^____________'
Escravo fgido
Contina estar fgido desde o dia 20 de julho
do correte anno o escravo Vicente, nacao Angola,
idade 40 anuos, pooco mais oa menos, altara re-
gular, secco do corpo, pernas arqueadas, sendo
urna mais do qoe oolra, bastante ladino, nsto com-
prdo, ponca barba, usa camisola de algodocinbo
por cima das caigas, cbapo de feltro pardo, guar-
da sol de seda ja' velno, teodo na casto ama
emenda de (landres ; suppde-ae qae este escravo
trabalba de dia em algum sitio nos arrabaldes des-
ta eldade, e qoe de notte se ocentta em alguma
easa. Protesta se, pois, contra quem ti ver acon-
tado dito escravocnja apprehenso se pede as au-
toridades policiaes, gratifica adose conveniente-
mente na roa da Cadeia do Recife o. 27, soguodo
niar.
contina fogida desde o dia 12 de agosto do car-.
rente anno a escrava crloola de nome Florencia,
de idade de 45 anuos, pooco mais oa menos, anda
irregulameote em eooseqaencia de om p aleija,
do, ten am dedo de aa das maos deteitooso por
causa de om panaricio, falla multo e intituia se de
forra; tem sido vista pelas immediagoes daribei-
ra de S. Jos; jutga-se estar logada em algema
casa com tita o de forra : quem a pegar leve ao
abaixo assignado, em sea siUo na Torre, qae sera'
gratiHcad.
Joaquim Francisco Franco.
Gama 4
Fogio do domingo o escravo llanoel, o qaal
levou ferro ne peseoco e na peroa, mas osa de
costme botar e (erro da peroa por dentro da cai-
ta para nao se ver, levou caiga e camisa de algo-
dao, sendo elle ja. acostomaao a fugir e tem sido
pegado.para oa. lados de Santo Amo, onde elle
oasceo e conbecido por llanoel Ceara. Rogase
as aatorldades policiaes e .lepufe^de cmP floe e
ciptoreoteve-o aro estrena doBoiarion. 11,
qoe sera' generosamente recoopeosado.______
-PogiodoeageoboSanuF fregoeziadeAiaa
i prximo panado o es-
^vodino^iSo^". --a.
r^!-^Wiea#as deotro/oaa." descorado,
no9dlT5 *tebro cmale, e d'ab ter-
/agir no dia 6 do mesmo, J*pp5l-se qoe pa-
late onde elle ten mil, talvex um o fim de
agaen'ur praca como forro : por isso pede-se as an-
Uorldadti policiaes oo capltaes de campo qoe o
prendm e levem ao senbor no eogenno cima di-
to oa nesia praca i roa di Prain 85, qne sera
gratificado.
ilegveD








Diario
y .yM lelra ta e Httmhf de
1867.
4SSEBL4 mu

I
mm DIS SENHORES DENTADOS.
SKSSA EM 6 DE AGOSTO DB 1867.
fiOBSIDNCIA DO S*. SlLKlRl LOBO.
(Cooiinnaclo.)
; cas antes da levaatar e a eslao, tetando inacrlp-
tocom a palavra ; jStrilenhrmeale os oradores da.
, m noria nio arredaro p d'aqul, ho de acompa-
u ; nhar o debate at o fia.
Por outro lado eos cometamos. <#}***<> Actualmente, Sr. presidente. V. Eic. sabe o qoe
larde. E tod^ia temos tanto que ft#r 1 Depois occorre ; entra om prrjeoto em discassio, mottos
do nosso periodo de (rgapis?ao social, nunca leve oradores loscrevem se as a> moeuem convm
o corpo leg.slatiTo urna tarefa mals variada e mals fa|lar seDao at ^ ^ aal pe0e ao ge0
espiobosa : ama lei de imposto, um orcamento amjg0 qae preeDCha 0 tfrpo d, sesso; e, como o
normal, as grandes reformas administrativas e po-: regiment dli que d5j (ha encerrada a discnsso
i.lieas, qae ainda esto adiada, e qne nio set se-Tr ha vendo quem leona pedido a palavra, ahi asta a
erao eternamente, em qu.'.uto durar o ministerio, demora de um dia para o outro.
ou em quamo nao raorrerem alRiros Cenadores, se- Anda ba am pequeo correctivo no regiment
gando a esperaoga aaaifestada pelo nobre presi- qae merece fazer so : Impedir qu* deile de n-
dente do conselbo.... | er cas, por fA\u ae aumero de depatados presen-
no terelro da e ao qnarto e nos segutoles por i SESSAO E7 DE AGOSTO DE 1867.
mals tres horas. pngsinimciA to so. fabia ( i.' vico-prbsi-
Ora, quando as discossoes forera Importante, i *' mite.)
guando realmente interessarem aoa partidos da ca-l Ao meloda, feiu a chamada e acnaodo-se pro-
"''.ni 5l*eiL^!^8*4aistf>tir8 P*** 80* soote>oaejero legal do Srs. diputados, o Sr. presi-
dente abrte a sessao.
Lea-se e approvoa-s a acta da sessao antece-
dente.
O Sr. i* Sbcrrtamo den eonta do segulnte
EXPEJIBNTE.
'Tres offlctps do secretario do senado, partici-
pando que o senado Adoptan e vai dirigir a' sane-
5*o imperial, a resoIo$o que autorisa o governoa
mandar fazer acto das materias do aqno da (a
Urna das medidas a lispeasaves para economa
de tempo a qae (o adoptada pelo parlamento io-
glez. A cmara dos commans compde-se de mais
de 600 memoios; era difflcil reanir numero par
hiver sesso. Estabdleceo e que, estando presen-
tes 40 membros, padessa fuaccionar aquella cma-
ra. Para igual flm encontramos urna objeceo em
nossa constituicjio, a qual no arl. J3 determina que
em nenbuma das cmaras baja sesso sem estarem
presentes roetade e mals ara.
E' ewbaraco qae nao possivel remover por nma
pedida rnulment I, excepto se distinguirlos os ira-
:aihos preparatorios dos que conslituem as delibe-
rares das cmaras; de sorte qae para aquelles
nao se exija a presenea de raaiora essencial para
esjas.
E' neste sentido que est concebida a m'raha
emenda. A isso ajuntei onlras indicarles qae tem
por rJm adantar os debates das cmaras, coja mar-
cha boje extremamente lenta.
Tendo am dficit, como o nosso aggravado pelo
crdito que ji nos apresentou o Sr. ministro da
geerra, e aquella eom qae o Sr. ministro da man-
aba ja nos est ameacaodo, casta a crer qae o go-
verno nio tenba procurado fazer votar os impostes
para poder negociar emprestimos e operaedes de
crdito. Parece qae o ministerio est duendo :
< Quera vier atraz qae se arrume I > Ser Uto
justiflcavel 7
O de.-er da opposico evitar pretextos inercia
do governo : arrasta lo as discus.-oS otis, de
qae elle se arrcete. Se o governo quizesse since-
ramete oceupar as cmaras com as medidas re
clamadas pela siloacao, liaba o meio de prorogar
as sessdas diarias, como j (acuita o regiment.
(Ap dados.)
Sr. presidente, pode parecer irona o vir am de-
butado da opposico eosinar o caminho ao governo,
a este governo sincero ; pode parecer irooia, mas
nao : i-stoo preenchendo o mea dever, propoobo
aqaillo deqaeestoa convencido. As discuss5es des-
ta casa nao podem contioaar como vio ; na maitos
meios sera coarctar a liberdade da tribuna, ba ami-
tos melos de evitarmos a prolongado Indefinida de
no-sos debates.
Ea recordare! ara exemplo ; tratando-se da dis-
rosso dos impostas no congresso dos Estados Uni-
dos, qae nma assembia moito numerosa, ondea
facundia dos oradores c tambera admiravel, (oi pre-
ciso adoptar medidas deste genero, prorogaedes
quasi diarias para conclalr os trabalbos -, nao sei
se foi nessa poca qae se determinon qae d(scarso
iam excedes.^ de raais de ama hora.
Um Sr. Dspi-taoj :V. Exc. aprsenla esta
euidnda ?
OSr. Tavar[s Bastos :Essa medida da limi-
taao dos discursos ea nao a apreseoto ; aprsenlo
-otras qae prodazem o mesmo resaltado ; mas eco-
fesso que, se alguem apresenta-la, votare por ella.
Juig.i digno de mencao esse exemplo do congresso
dos Estados-Unidos, qae soberano, qoe o raaito
mais do que o parlamento inglez. O rgimen dos
trabalbos tem aii regras qae nos nao etnbecemos.
Um Sn. Depitado :Descaosa a liogua para ira-
balhar a cabis.
O Sr. Tatarbs Bastos :L-mbrarei que multas
medldadas foram votadas ali qoasi por acclaraaco.
O que certo que a honra de um parlamento
exige que elle altete o seo trabalho e a sua seria
applicaco aos negocios pelas medidas qoe discole
e qoe adopta on rejeita. (Apoiados.)
as actaaes clrcamstaocias do Brasil esse dever
ao parlamento assnme urna gravidade enorme. Ha
urgencia na passagera ds certas lei?. Reeordarei
algamas : a reforma judiciaria, a da guarda oacio-
nl, a das municipalidades, a da admmtstragao pro-
vincial, a da lei dos impostos, o ornamento da das-
peza
O Sr. To cano M Biuto .A reforma eleitoral.
O Sn. Tav>res Bastos :Apoiado | a reforma
elel toral....
O Sr. Silteira de Souza :A Li do recruta-
mento.
Sr. Ta vares Bastos :Tem razo o nobre de-
putado por Santa Catbarina ; e eu que ma la es-
quecendo do reerntamento, da mesma maneira por
qae este ministerio liberal esqueceu-se da reforma
jodiciarla no programaba da falla do throno...
(Riso.)
Senbores, todas essas medidas capitaes bao de
flear adiadas ? Em quatra mezas, cora a nossa fal-
ta de applicaco aos negocios, com a difficuldade de
assistir at o m das sess5es, eom o habito de sa-
bir s doas horas para tomar sorvetes, nao pos-
sivel fazer-se consa algema na vida de ara minis-
terio nem alada na de dez minisierios.
Esta reforma judiciaria um exemplo eloquen-
ta; ja nao quero fallar antes do diluvio, antes de
1849 ; mas de 1863 em diante quantos accommetii-
mentos a essa batera do regresso, qaanlas tenta-
tivas baldadas I nanea possivel vencerse; e a
razo esta, nao ha tempo suficiente....
O Sr. Alicquerque Mello :A' razo oatra.
O Sr. Ta vares Uastos :E' verdade, diz bem o
nobre depotado, a razio tambera outra ; que os
governos liberallssimos como o actual esqoecem-se
no poder dos compromissos do sea partido. Se elle
tomassem a peitoo seu programma, se o sustentas
sem com firmeza e denodo, se nao nos appareees
sem com medidas emprestadas das mais exagera-
das dos sens adversarlos, como essa da mobi isaso
da gaarda nacional, certamente eonsegairlam al-
goma consa I
O Sr. Albuqgbrqub Milio :O nobre depatado
se fosse governo apresentaria ?
O Sr. Tavars Bastos: Pois nao I com toda a
certeza.
O Sr. Albuqerqob Mello : V. Exc. pro-
mette t
O Sr. Ta vares Bastos : Porque nao ? ora de-
potado da opoosicSo promette todo para qaanto fdr
do governo. (Hilarldade.)J
Sr. presidente, este discorso todo Improvisado.
O Sr. Silvsira de Souza :Nio parece.
OSr. Tava*es Bastos : So oo sao improvisa-
das as miabas emenda?. Vamos a ellas. Sio
qaatro.
Vozes :Lea, lea, queremos oavlr.
O Sb, Tavares Bastos :E:toa rauilo acanhado
para l las; despert i a cario si dade dos meas no-
bres collega?, receio nio satisfai-la. Estoq quasl
mandando-as a' mesa sem l-las, porque, por roalor
qao seja a atteoeo da casa.o Sr. primelro secre-
tario nao podera' faier-se ouvir perfellamente. (Hl-
larldade.)
O Sr. Fonsbca Vnna da'-nm aparte.
O Sr. Ta vares Bastos :Ja' nao esiou tao con-
tente ; porque o qoe ea disse nao podia ofiender
ao nobre depotado, a qnem estimo e respeito, e ella
qoiz offender-se.
A minba primeira emenda tem por flflB qae nao
fique subordinado a casos urgentes e a requer-
manto de ara depatado taaver sessdes a' tarde, alm
das qoe celebramos dematha. (La.)
En qulzera qae as sessdes fossao exclasivamen-
ta a' n jt, mas nem todos o desejao. Conservando
as sessdes da anubla, nio possivel bav-las
noite todos os das; seria multo penoso; mas nm
dia sim, ontro nio, possivel.
Nf ste sentido a primeira emenda ao projecto
da mesa ; este torna a sesso dupla, dependente
da dellberaco da cmara em casot argentes, e ea
qaero isto como medida ordinaria tres vexes por
semana.
Passemos a' seganda emenda. (L)
Vejamos qaai a disposi(o da casa, e qual o al-
cance da medida.
A di?posico vigente que, havende alguem
inscripto eom a patarra no registro da masa, ten-
do terminado as qoatro horas da sesso, se alia o
debate. D'aW rwsulta sampre ama protslacio lo-
evitavel. r,?f%li
k miaba meada fanda-se no seguate : a ca-
nsara, segando o seu regiment, parrante as pro
e as Dermilte de
tas para comegarem es trabalbos preparatorios
diarios.
A cmara abre-se aa meio dia, e, segando o regi-
ment, os tres primeiros quarlos de hora da ses-
t sioocenpados com a chamada dos depatados,
leiiura da acta, despacho do expediente, leitara de
pareceres, qaestds de orden?, reclamares....
O Sr. Soez a Carvaluo :Impertinencias.
O Sr. Ta varis Bastos:... e maltas tetes
por incidentes que nao licito prever.
Ora, estes negocios todos nao se pode dizer qae
coostitaam a sessio da raraara ; a sessio me pare-
ce que consiste esssnclalmente nos trabalhos de de-
liberajae para o txercicio de qualqner das facnlda-
des coasiiiucionaes.
O meio, pois, de coaciliar a necessidade pratlca
com o regiment o qne Indico na tereeira
emenda.
Os trabalbos do expediente nao exigen) a presen-
ta da materia dos depatados. Eraquaoto se conso-
m n'ciles mais ara quarto cu meia hora, sera' isto
bastante para evitar qae em am bello dia de pri-
mavera deixa de haver sessao.
Agora vamos ao mel i de sopprimir tambera on-
tro inconveniente da mesma natureza, isto sus-
penderse a sessio, omitas vezes no mals renhido
do debate, por falla da camero para se votar. Por
exemplo, oslamos discutilo orna matarla ; ha ama
disposicao no regiment que diz qae o depatado a
quera cabe a palavra tem o direito de requerer o
aiiameoto ; levanta-se o depulado, reqaer o adia-
meBto, nao ha numero sofflciente para votar este
requerimiento, procede-se a chamada, e levanta-se
a sesso.
Kis aqui ama idea qae aprsenlo para remediar
este mal :
Proponho que taes incidentes cao interrom-
para a dscasso das materias contempladas na
ordem do dia, e qae a voiac,o que nao verifi-
carse por fatiade numero, resrvese para o da
segolnte.i
Agora, para que a ordem do dia seja am pon-
co mals clara do que costuma ser, aprsenlo esta
emenda :
A ordem do dia dar' era resumo o assnmpto
das discus'Ses.
Sr. presideote, o nobre presidente do conselbo
qoaliflcou os discursos da opposico de excessos
de eloquencia intertropical; agora que eston no-
tando qae calii neste defeito. tomando maito tempo
casa ; ma?, como disse, fallei para apresentar
com fita?, flores e sorrisos o mea preseate de festas
ao ministerio ; estoa certo qae por isso me ser
relevado o tempo que tomei a' casa.
Concluo fazendo ara reqaenmento. Anda qae
tenba oaido a leitara das emendas, nio estara'
habilitada a cmara para votar desde logo sobre
a materia ; por isso reqaeiro qae, depois de apoia-
das as emenda?, sejam impressa?, e que a discos-
sao fique entretanto adiada. (Muito bem I moito
bem I)
Vem a mesa, sio lida?, apoiadas e entrara con-
juntamente em alscusso, as segaintes emendas :
1.a Havera' em cada semana tres sossoes a'
tarde. Estas priccipiaro "s 6 boras, e as da ma-
nha as 10.
c z.* No segundo dia das discussoes de qual-
qaer negocio, tendo expirado a hora, se anda boa-
ver preseote ainda algura depatado inscripto para
tallar, Qcara' a se: sao prorogaaa por mais urna
hora.
Do mesmo modo, no terceiro di, se nio esliver
ultimado o negocio, a sesso continuara' igualmen-
te, por mais duas, no quarlo da e no segulnte, por
mais t es. Ne.-tes casos, se a discnsso ficar en-
cerrada, s votar-se-ha no dia seguate sendo-lbes
applieavel a segunda parte do arl. 103 do regi-
ment.
3." A chamada, leitura da act, reflexSes so-
bre ella, despacho do expediente, ques Ses de or-
dem, reclamagSes relativas poblicaglo des de-
bates e trabalbos da raesma natureza, far-se-bo
qualqaer que seja o numero de depatados presen-
tes ; oas se fdr preciso votar sobre questSes oc-
currentes, agoardar-se-ha o ompareciroeoto do
numero legal, prosegnindo-se, porm, nos raesmos
trabalbos. Coocluidos estes, e s duas boras de-
pois, se nao coocorrerem mals depatados^ que
preeocham o numero, o presidente declarara' que
nao ha sesso.
4.* A discnsso das materias dadas para a or-
dam do da nio sera' laterrompida pela falta de
numero para se votar; mas, adiada a votado pa-
ra o dia sAgaiote, prosegair-se-ha na discassio da
mite-ia; e concluida esta, passar-se-ba s onlras
contempladas ua ordem do dia, qaalqoer qae seja
o numero de deputados presente?, at expirar
a bera das sessdes. Neste caso nao havera' proro-
< A ordem do da dar em resumo o objecto de
qualqoer projecto ou assumpto das discossoe?.
t Sala das sessdes, 7 de agosto de 1867.A. C.
Tavares Bastos.
Submettido votacio o requerimeoto de adia-
mento proposto pelo Sr. Tavares Bastos, appro-
vado.
Entra era primeira discassio e passa a seganda
sera debate, o projecto que autorisa o governo a
cooceder isencao dos direitos por viole e cinco
aonos dos machinismos, apparelbos, tubos, com-
oustores e materias primas importadas pela com-
panbia de lllnminacao a gaz da capital do Hara-
nbao.
Entra em primeira discusso, e passa a seganda
sera debate, o projecto, qae aotorisa o goveroo a
contratar o melhoramento do porto de Pernam-
baco.
Eotram em dscasso as segointes emendas fal-
tas e approvadas pelo senado, a' proposito desta
cmara, qoe concede s pessoas qae actualmente
sao offlciaes da a ruada, e aos offlciaes do eitinelo
corpo de artilbarla de marlcha, qae serviram du-
rante a Iota da independencia, urna diana de 1 >,
correspondente a etape concedida aos offlciaes do
exercito pelo decreto n. I,z34 de 8 de julho de
1865.
t No art. l'-Em lugar das palavraspracas dos
oivi-js de esqaadra nacional dlga-sepracas da
armada ou do exercitoe faca-se ao artigo a se-
guate add ci : Esta disposicao extensiva aos
offlciaes e pravas de pret, qae detxaram de per-
tencer ao exercito depois dos servidos cima indi-
cados, e actualmente per tencem a armada, e bem
assim aos offlciaes e pragas qae dsixaram de per-
tencer a armada, depois dos mesmos servaos e
actaalmente perteocem ao exercito.
t O art. 3 snbstilne-se pelo segainte :
t Art. 3* O beneficio da presente lei, assim co-
mo o concedido pelo decreto n. 1,254 de 8 de ju-
lho de 1865, s compete aos offlciaes e as pragas
de pret reformadas qae se ffrerm falta de meios de
subsistencia, e eontarem servidos de campanba
prestados em sustentacio da independencia do Bra-
sil exceptuados em todo caso os offlciaes reforma-
dos por irregularidade de conducta, nos termes do
art 9' 2* da le n. M8 de 18 de agosto de 1851
O Sr. Araoo e Mbllo fax conslderacos sobre
a materia.
Vem a mesa, lido, apelado e otra ea discus-
so, o segainte reqaerimento :
Requelro qae o projecto seja enviado a com-
missao de mariaba e guerra para dar sobre ella o
sen parecer, ueando entreunto adiada a discns-
so.Arago e Mello.
Ninguem pedindo a palavra, e pondo-se a votos
o reqaerimento, reconhece-se nio haver numero
legal ; pelo qae o Sr. presidente declara a discns-
so encerrada, e manda proceder a ebamada ; e
Eir alia se verifica terem se ausentado os Srs. Joio
site, bario do Crato, Piobeiro, Lasloss, Jansen
Pereira, Ambrosio Machado, Praderieo de Aimel-
da, Mello Franco, Loareoco de Alboqaerque, Laix
Felippe, Virissimo de Mallos, Moraes Costa, Jqs
Aveliao, Martim Francisco, Cesarlo Aivlm, Rabel-
ORDEM DO WA.
Proceaairse a votacio do projeeto n. 71 qoe coa-
cede um patrimonio de ierras a saajlteca impa-
rlal, e fot approvada. ^^ **\
Entrn em discusso o reqaerimento do Sr. Aa-"
sis pedlado inormaides a respeito os helos da
que deram noticias as folbas diariu aconiealMa
naaravlnciadeMalo-Grosso.
She a tribuna o illastrade autor do mesmo re-
qoerimento. .
S. Exc. declara qae promovondo esta discns-
so nio tioba outro fim mais qoe ped* ao governo
ioformaeoes sobre os acontecimenios qoe tiverara
ugar cora as orcas expedicionarias ao sul da pro
Pode, pois, tranqaillisar-se a nobre denotado
n paii. O governo. seri solicito ea todo prever
tio por ser ma eierciw comporto Ao orasi ai-
ros, mas tambera por qm so tea toroAR aalio
gao de toda alteneio pela paciencia o resigaacio
cora4ue tem resistido aos tres pebres iaimigos
peala; deserio e lome.
O governo ha do camprir o sea di c
O Sr. Dr. Silva Pereira applaude o interesse que [512 SiA^g5^ ppwm as
por aquella provlocia manifeMa o Sr. Dr. Assl?, sea lunESrES?. aJ!!?fS 1*' W T
nldonamoro legal da Sn. dentudos, abre-se a
ao sio.
Uose e appron-sa a acia da antecedente.
O So. SKcaotAktCfOo' coou 4o segolnn
doaecreiarl do senado, parlici-
i aoopton a val dirigir i sane-
peo-
voloa-
culdade do direito de S. Paulo a Joio Peroira Mon- V|ucia de Mato-Grosso, e qoe loo-e eslava de cen-
lejro Jnior; a^ue^approva as pedas concedi-
das ao so mujor HenWqne Jjs Lazarl e a ooiros
o a que autorisa a matricula do esludanle Alfredo
Carneiro Brando ao 1* anuo de curso jurdico de
S. Paalo.-lotelrada.
Dito do mesmo secretario, participando qae por
cfflclo do ministerio do imperio, coostou so senado
que Saa Magestade o Imperado cuosente na reso-
lucio da assembia geral que approva as pentSes
eoacedidas ao soldado do 1* corpo de voluntarlos
da patria Joaqoim Francisco de Paula e ouiros
Inielrada.
Dilo do mesmo secretario, transmlltindo a pro-
posito que crea os collegios eleltoraes da villa de
Propria, da provincia de Sergipe, qne determina
qaaes os eleltores qne devem com r o da cidade
de Ubataba, da provincia de S. Panto; e que trans-
iere para a villa de S. Janoarlo de Uoa, da comar-
ca da Poraba na provincia de Minas Geraes, o col-
leglo eleltoral da extincta villa do Presidio, qnal
proposico o senado nega o sea coasentimenio.
Intelrada.
Dito do ministerio da mancha, remetiendo o re-
querimeoto do escrivo de I* classe do corpo da
armada, solicitando do corpo legislativo a mered
do habito de S. Bento de Aviz.A' commisso de
conslituicao e poderes.
Julga-se objecto de deliberado e vio a' impri-
mir os s*gaiotes projectos :
c A assembia geral resolve :
< Artigo nico.Fica o govoroo aotorisado a
mandar admiitir a' matricula em qaalqoer das (a-
cuidadas da medicina do Imperio, o estadaote Joio
Porfirio de Macedo, sendo para, esse fim conside-
rados validos os exames das materias em qae fol
approvado na escola central desta corte, revogadas
as dlsposicdes em contrario.S. R.Jos Avalioo.
c A assembia geral resolve :
t Artigo nico.Flca o governo aotorlado a
mandar admiitir a' matricula em qaalqoer das fa-
culdades de* medicina do Imperio o estadanie An-
tonio Gnrgel Valente, seudo para Isso coosiderados
validos os exames de preparatorios faltos na facul-
dade de direito do Recife, revogadas as disposic,3es
era contrario.S. R.Jos Aveliao. >
f A assembia geral resolve :
t Artigo nico. -A pensio concedida a D. Rita
de Cassia Rodrigues, pelo decreto n. 116 de 3 de
junbo de 1810, pelos servicos de seu irmo o capi
lio Jeronymo Hercolano Rodrigues, sem prejui-
xo do mel sold qae Ihe compete boje era virtade
dos relevantes servicos de sea pae, o tenente gene-
ral baro de Taquary.Sala das eommis5e?,-3 de
agosto de 1867.Candido Torres Filbo.Joo Tei-
xeira.
E" dispensado da impresso. a pedido do Sr.
Moraes Cosa, o projecto n. lOi deste anuo, auto-
risando o governo a cooceder cartas de naturalisa-
530 de cidado brasileiro a Feliciano Bernardino
da Silva Br8ga e a ontros estrangelros.
Approva-se em Ia discussio o projeeto d. U7
deste anno permittindo a' irmandade do Sacra-
mento da capital da provincia da Parahyba do nor-
te, possulr at t0:0000em bens do raz.
Eotra em 3* discassio o projecto n. 70 qae con-
cede um patrimonio em trra?, a Sua Alteza Iape-
rlal a Sr.* D. Ixabel.
Depois de ligelras consideracSes dos Srs. Fellcio
dos Santos, Martim Francisco, Das Mello, Sayo
Lobato, C. Ottoni, Barros Pimental, Tavares Bastos
e Aristides Lobo, veem a' mesa as seguintes emen-
das :
Em logar das palavras4 leguas qcadrada
, digase16 leguas qaadrada*.S. R.Felicio
dos Santos E' rejeitada.
t Sejam medidas as trras da detaeo_em qaal-
qoer outra provincia se porventura nao houver
porc-ao bastante em Sergipe.S. ft.Sayo Loba-
to. E' approvada.
O Sr. Tavares Bastos manda o seguinte reqae-
rimento, que regeiudo :
Reqaeiro que o projecto va* a* coramfssao para
verificar a xisiencia em Sergipe de trras devo-
lutas sufflcieoies para o patrimonio de qae traU o
mesmo projecto, solicitando para esse fim ao go-
verno as Icformacdes necessarias: adiada entretao
lo a dscasso.A. C. Tavares Bastos.
Posto a votos o projecto, approvado com a
emeada do Sr. Sayo Lobato.
Eotr em discnsso, a qaal Bca encerrada por
nao" baver quero pega a palavra, o projecto que
concede um patrimonio em trras a' Sua Alteza a
Sr.' D. Leopoldina.
Nao haventfo numero para se votar ada se a
vougo, 3endo levantada a sesso.
......x.....
SESSO EM 8 DE AGOSTO.
PRESIDBNCIA DO SR. SILVBIRA LOBO.
Ao meio-dia, felta a chamada e achando se pre-
sente numero legal dos Srs. deputados, o Sr. pre-
sideote abri a sesso.
Lase e approvouse a acta da sesso antece-
dente.
O Sr. 1 Secrbtario dea coota do segulnte
EXPEDIENTE :
Aviso do ministerio do imperio enviando urna
represecilaso de diversos erapregados da cmara
municipal da corle, pedindo srem oontemplados
as disposicoes do decreto o. 1286 de 15 lunbo de
1866.A' commisso de penses e ordenados.
Cinco offlcios do secretario do seoado, declaran-
do qae constoa ao senado que sua mageslade o
Imperador consenta as resolucdes da cmara que
approva diversas pens5es concedidas a varias pes-
soas. Iatelrada.
Outro do mesmo secretario de;laraodo qae o se-
nado nao pode dar sea coasenilmeaio a proposito
qae autorisa o governo para mandar matricular no
4a anno da facoldade do Recite ao esludanle Luiz
Vieira de Rezeode.Inteirada.
Reqaerimento de Vicente de Paula e Silva, pe-
diodo para ser admittido a exame do 1* auno me-
dico da Babia, depois de ter feito o exame de geo-
metra que Iba falta.A* commisso Je Insirocgo
publica.
Dito de Esperdio Luciano de Jess, pedindo
ser adraittido a matricula do primelro anno da fa-
coldade de medicina da rrte, obrigando-se a
mostrar-se habilitado ero historia e geographia an-
tes do acto do referido anno.A' mesma commis-
so. .
Forara approvados varios pareceres 3a corarais
sao pedindo algumas ioformaedes ao governo acer-
ca de diversas preteoedes.
Foram a imprimir para entrar na ordem dos
trabalhos diversos projectos, e tambem o segainte
apresenudo pela tereeira commisso de orca-
mento.
c A assembia geral resolve
e aa modo vantaioso,lo, Lima e Silva, Pereira da Silva, Beitorl Dnarte,
w^^ULatmaxnMo to um depotado, ap- Paula Pe?soa, Lelo Vellozo, Ratisbooa, Lima Duar-
K^^iSSu^St^SwtmprwnlS,, te,Beoorra. Gandido Torres F.lho, Barbos de 011-
V^nSSoMmn. M na pratica Isto veira, Silva Pereira, Pinto de Figueiredo, Bezerra
nao tea prodeSdo eflito. O eansaco e as condes-, Cavalcanti, Fleury, Assls, Aivlm,
eaoaoooas i i os oradores inscripto*, qoe nao
qoerem (aliar ea hora adianUda, prevalecem para
qoasi nanea requerer se prorogaeo.
Ea pretendo resolver a difflcaldade da segointe
maneira :da* a hora, se ha oradores inscripto,
forcosamenle sor*'prorogada a sessio por aals nma
hora, no s'gaadoA 4a dlcusso por doas horas,
Araojo
e Sizeand'o Na baco.
Dada a ordem do da, levanta se a
boras e rama da tardo.
Morelra
sessao as 2
*--
suttr o governo em cojas mies nao eslava evilar
os contraierapos qae lodos nos deploramos.
Faz ao depois, em resumo o histrico da marcha
dessaYorca, qae partindo da provincia de S. Paulo
em das de abril de 1863, s ebegoa a Coxim era
ea flos de dezembrov opondo-se em marcha de
Coxm a i^dp julho de 866, enlrou era Mlraoda
a 17 de setembro desse anno.
Os sofrimentos dessa for?a, di-lo muito eloqaeo-
temente o Sr. ministro da gaerra em o sea relato-
rio, al o Coxim foram enormes; ella lutoa com
difflculdades de toda a especie: e nesse ponto du-
ra e cruel foi a provage porque passoo.
Mas ahi nio pararam os seas sourimeolos; ten-
do perdido o sea coaimaodante, o brigadeiro Gal-
vo, lendo-se visto dizlmada pelas molestias qae
a accommelleram, ella afioal parti ja' muito de
zimada para Miranda, onde nio foi tambem mui-
to bem succedida, e leve ordem de segnir para
Nioac.
Nao sabe o orador o que foi que levoa o falleci-
do corooel Camiso a abandonar o ponto de Nioac
para penetrar em paiz inimigo onde nio podia
contar com neohnns recursos; todava sacrificado
como foi o coronel-Camiso, oo justo boje qua
se Ibe (acara increpares, devendo todos nos lasti-
mar o seu fim, o sentir a morte da mals esse brava
Tomado o farte de Belia-VisU em breve se co-
nheceu que era raisier abandona-lo, mas a (alali-
dade pezou ainda sobre a nossa malfadada ex-
pedigo, pela necessidade lalvez de procurar vive-
res.
A jornada de 8 de maio gloriosa sm, mas ao
mesmo teinpo dolorosa.
"Em saa retirada a forca qae ja' sofrla os effel-
tos da (orne, leve tambem de sentir os da peste,
pelo desenvolvimento da cholera morbos.
Aperta o coragao brasileiro lr a descripgo
dos sodriraentos dos nossos sMdados, aqui sao
accomraetiidos pelos ioimigos, all falU Ibes o ali-
mento ; mais adianto a peste fulmina os nossos
soldados.
A miseria a qae a (orco (o redazida chegoo
ao ponto de abondonar-se os soldados acommetii-
dos, porque ou bem se havia de empregar a tor-
ca em cooduzlr Paraguayos.
Neste doloroso transe (oi mister abandonar os
doentes ; qual a sorte destes desgranados s Deus
o sabe boje, mas mnilo de soppor qoe os barba-
ros Paraguayos os saenficassem cora toda a cruel-
dade qae Ibes propria.
Segoodo as ultimas coramunicacoes offlciaes a
(or^a expedicionaria acba-se na margem do Aqui-
dauana, soffreodo all falla de lado, (alta de vi-
veres, (alia de roaoa, falla de medicameoto?.
O que tem o governo eito no intento de re-
mediar esta trplice (alta o qae o orador deseja
saber.
Nao descoobece qae oo obstante as boas iBten-
Cjoes do governo oo Ihe sera' muito (aeil acudir
de prompto a todos estas males,qu* sobem de pon-
to em razio das distancias.
Mas ainda por este lado deseja saber do goveroo
se nao possivel tentar a remessa de ludo isto por
um camiabo mais prorapto do qae aquella qoe
actaalmente seguido.
Tem lido qae algamas remessas teera sido
feitas pelo Rapara ; porm Ibe parece qae de-
ve ser feita ama tentativa pela provincia do
Paran', subindo o rio Tibogy, iodo ao Para-
napanema, desla ao Paoara' e depois ao Ivinher-
ma.
Alguns ensaios teera sido feitos-nenies sentido,
e a occasiio talvez opportona, pelo meaos para
se verificar se ou nao admissivel ama lealativa
oeste sentido.
fassa depois a tratar da expedieio que em das
de maio deste anno parti da cidada de Cuyaba
com destiao a Caramba teado a' soa- frente o pro-
prio presidente da provincia.
Receia mtHto qae essa expedieio tenba sido
mal saccedida, sobretodo depois qoe os Para-
guayos se desembaracaram da outra (orea expedi-
cionaria.
Nao sabe, mas deseja saber se o governo tem
feito para Cuyaba' a remessa do qae o presidente
daquella provincia pode all precisar.
E ja" que fallou nesse cidado pede a' cmara li-
cenca para incidentemente tocar em om assnmpto
que tem sido objecto de discussio nesta casa a
sua eleicao pela provincia de MaHvGrosso.
O governo e o presideote da provincia de Ma-
to-Grosso leem sido censurados pela eleico do
orador.
Tanto urna como outra censura sao maoifesla-
mente Injustas.
O governo nao poda recommendir a saa candi-
datura por essa provincia, quando por outra, pela
do Para', hoslilisava a elle e a sens amigos; quan-
do tambem era por elle bostilisado.
O presidente da provincia do Mato-Grosso qoe
aceitn este encargo em difflcillimas circumsun-
cas, que parta pira ella quando ainda eslava
soffreodo gravemente era sua sale, eraconse-
qnencia de molestias adquiridas oas margeos do
rio Tocantios, em servieo do sea paiz, enegou a
Cuyaba' no dia 2 de (evereiro deste anno, vespera
de eleigo primaria.
Esta circumstencia s de per si falla bem alto,
e manifest que o presidente nao pode ter influen-
ciado em consa alguma para a victoria de am par-
tido ou para a derroto de um oulro.
Nio duvida que a sua eleicio fosse multo agra-
davel ao Sr. Dr. Castro de Magalhies, eom quera
maulera intimas relaces da araisade, nao dnvida
mesmo que consultado este cavalbeiro a respailo da
eleico de orador, manifeslasse que era muito do
seu agrado; mas dabi a urna Intervengo a distan-
cia grande.
O que verdade qae para a saa eleicao nao
empregon-se a mioima violencia, nio se dea ama
s demisso, oio se fes ioversao alguma na pro-
vincia.
Coraquanlo a provinefa podesse ser no parlamea-
to muito mais bem representada do que o esta' sen-
do, certo que nebum candidato (oi derrotado com
a apresentaco do orador.
Se algara havia qae podesse disputar a sua
eleico esse fol afastado, e nao eotrou era com-
petencia com o orador, coja candldatara foi adop-
tada pelo chafe do partido liberal da provincia,
e por este apresentada ao corpo eleitoral da pro-
vincia.
Reconhece qae as difflceis circunstancias em
que se acha a provincia de Mato Grosso, outro re-
presentante qne nio o orador a quem failam todos
os predicados neeessarios para bem desempenhar
o mandato qae lite (o confiado, devia ter assento
no seio do parlamento, para auxiliar ao seu Ilus-
trado collega ; mas esta circomsiaocia em nada
prejudlca a legiliraidade de saa eleicao, qoe (oi urna
eleigo maito livree raaito regalar.
Vultando ao depois ao assumpto do sea reque-
rimeoto pede ao governo qoe diga ao paiz se tem
providenciado abra de acodir aos ocasos compa-
triotas (o esli acampados as margens do r.o
Aquidauana, a quem ludo falta, qae estio morrea-
do is mios do inimigo, qae sao victimas da peste
e da (orne.
Pede mais ao governo qae secunde as vistas do
presideote da provincia de M.to-Grosso, eque.-e
prepare para cuidar dessa provincia quando a
guerra chegar ao desejado termo.
O Sr. ministro da marioba acode ao appello do
nobra depulado por Mato-Grosso, qoe no desempa-
cho de seu mandato deseja ioformaeoes icerea das
providencias tomadas pelo goveroo para minorar
os males porque tem passado a (orea expediciona-
ria daquella provincia.
Declara qne a penas chegaram commonicacoes
offlciaes de todos os padecimentos da forca, parti-
rn soccorros das provincias de Goyaz, S. Paulo
e Minas com destino a' margem esqaerda do Aqui-
duana onde boje ae acha, e qae o offlcial que aca-
ba de ebegar com as commonicacoes publicadas,
lelcio para diputados" geraes na ja* encontrn parto os vveres, monices e soccor-
provincia do Rio Grande do Sol. I os quaes a esU Hora tero abastecido e salisel-
Posta a votos a urgencia pedida foi approvada, to as necessidades da expedigio.
o o mesmo senhor undamenlou um projecto E' verdade qne ella subVen moito, porm nao
marcando o eraao de doas mozes depois de dada por culpa do governo, e s pela grave falla ao
a gaerra para se proceder a eteico do Rio Graode offlcial eacarregado da defeu de JNioac, onde
do Sol n*" todo quonto ero necessario a s torcas, o
O Sr. Loureneo Cavalcantt agradecendo ao go- qoe 7 i abondonada sem motivo, podando assim
verno por ter nomoado um presidente para as Ala-, ama pairlos paraguaya liotillsar o qae eneon-
t Art. 1. E" concedido ao Dr. Antonio Pereira
Pinto aotor dos AponUtmntos para o Direilo ln-
Itrnacionai ou colleccao histrica ios tratados do
Brasil o aoxillo de dons conlos de ris por cada
na dos tres votumes ja' publicados da referida
colleccao, sendo-lhe de igual torma aotorisada a
mesma quantia logo que vier a loa o 4* tomo da
diu obra.
c Art. 2.* O governo pelo moisterio dos nego-
cios eslrangeiros (ara' effeclivo o anxilio de que
trata o artigo antecedente, desde qne a preseote
resolngio seja competeuteraente saneekraada; re-
vogadas as dtsposlc&es em contrario.
c Paco da cmara, ele. Vioira da SilvaSU
veira de Souza.Beitorl Duarie.
Os Srs. C. Ottooi e Candido Torre?, reclamara
contra apartes qne forara pohllcados no discurso
do Sr. ministro da marlnha, e o Sr. Pedro Lito
faz tambera reelamaedas contra apartes qae appa-
receram nodis'urso do Sr. C Ottooi.
O Sr. Beierra reclama terse dado para ordena
do dia a discossv da proposta do Sr. ministro da
gaerra qoaodo nio foi ainda distribuida na casa, e
aproveu a oceaslio para requerer urgencia para
presentar sea reqaerimento, afim de que se man-
gas, pede urgencia para mandar a mes> om re-
qaertaeDto, a pede que seja dado para ordem do
ata de raanhaa.
Posto i votos foi approvada a urgencia e o ped
do Wto.
troo.
A respailo da remessa de commandante diverge
do Sr. Dr. Assls :o goveroo entendeqae o bravo
major Thomaz Goncalves commanda boa aque la
forc,,
representante.
Aeompaoria-o as saas
marcha e as torturas da forca _.
Raasa-se boje o que orador previa 'ea 1865
quando censurava o destino dado aquello exer-
cito.
Caanjava eoiao as vistas do governo para a di-
recgo que tomavam as torgas :alias so dirigiam
para lagares onde os interesses estavam lodos sa-
crificados deixaodo em perigo siluaces que po-
diam ser fcilmente invadidas e oecupadas pelo
inimigo. Camlnbava-se para o sal deixaodo o nor-
te desamparado.
Sempra eutaodea que Saoi'Aooa da Parnabyba
era o lagar de observacSo para as tropas qu de-
viam proteger 8. Paulo, Minas e Mato-Grosso.
A maior parta da tropa devia seguir para I ca-
pital :afim de reoder a gaarda nacional era urna
estajo em qae campna cuidar da lavoura para
nao baver falla de vveres. Os bracos all sio quasi
todos livres.
Cbama a attencio do governo para o modo por
que se faiem as condueles de cargas.Condem-
oa os contratos celebrados por meio de aoauncos ;
olha-se para as conveniencias do fisco embora os
objeclos ouoao cheguem a sea destia", oo'che-
guem estragados.
Censura o sy-tema das flaneas qae nio sio pos-
tas em execogao, o susieota que raro o conductor
que compre o seu contrato. '
A esta respeito oo ba poupado censaras zos go-
vernos, porm sem resultado.
O orador tem apprehansoas ainda acerca da tor-
ga expedicionaria, porm nao quer anticipar jaitos.
Cora urna explicago de ordem poltica a nm dos
nobres deputados pelo Rio de Janeiro, pe termo a
seo breve discurso.
O Sr. Assis, declaranJo-se satisfeito com as ex-
plicagdes dadas por parle do governo pelo Sr. mi-
nisiro da marinba, pede consentimento para retirar
o sea requerimenlo. E'-lbe concedido.
A cmara vota era segunda discusso e sera de-
bate a proposu do Sr. ministro da guerra sobre
crditos.
Vem a areoa do debate o projecto n. 8! da 1867
equiparando os primeiros offlciaes da pagadoria da
corle aos chafes de secgio do thesouro.
Pede a palavra o Sr. Silva Pereira.
S. Exc. pondera que este projeeto encerr nm
augmento de^ despoza. Nota qae Ues empregos
sio de creaco moderna, e qae por tanto os indi-
viduos nomeados para ellas conforraaram-se coa os
veacimentos marcados ; que o augmento para cada
cada om de 700000 ; podera' essa quantia pa-
recer iasif>uiflcaote, porera qne as aclnaes cir-
cumslaocias em que brevemente se recorrer' a'
bolsa dos contribuimos e se faro grandes corles
as di-spezas publicas, nao possivel adoptar este
projecto.
Posto a votos reieitado.
Discute se por ultimo a reforma do regiment in-
terno da cmara. .
Os Srs. C Oitoni, Barros a Pimentel, Tavares
Bastos e Sil veira de Sonza mandara a mesa emen-
das, queja' publicamos.
O Sr/ministro da agricultura, em nomo do go-
verno declara que aceita qualquer reforma em or-
dem a ser completamealo aproveilado o tempo das
discussdas, afim de serem tratadas as questes de
malor ioteresse.poblico.
Esta discassio fica adiada pela hora e levauta-se
a sesso.
i a i
SESSAO EM 9 DE AGOSTO DE 1867.
PRESIDECIA DO SR. FAMA (VICEPRESIDENTE.)
Ao meio dia feita a chamada, e acbando-se rea
nido numero legal de sanbores depatado?, abre se
a sessao. )
L-se e approva-se a acta da antecedente.
O Sr. 1* Secretario d cenia do segainte
EXPEBOBNTB.
Offlcio do ministerio do imperio, remetiendo as
eopias dos decretos de 7 do crreme, pelos qaaes
sua magestade o Imperador houve por bem conce
der peuses, a D. Vcencia Gomes da Silva Tava-
res, e a ootras.A' commisso de pensdes e orde-
nados.
Dito do mesmo ministerio, declarando qae em
data de 8 do crrante, exigi cora urgencia, do pre-
sidenta da provincia da Baha a remessa das actas
das eleigdes da mesma provlocia, que aioda oo
foram approvadas, aiim de salisfazer a requisigio
desta careara.Iateirada.
Dito do secretario do seoado, comrannicando que
o senado resolveu que se deciarasse ao secretario
desta cantara, que elle lomara' opporlaoaraeole em
coasideraco a materia do offlcio que declara que
houve engaoo na proposigo enviada ao senado, es-
creveadose celia Joaqun) Cardoso de Mello Ro-
drgaos, en vex de Jeequlra Cardoso de Mello Res.
loteirada.
Reqaerirnento da Raymundo de Almeda Sara-
palo, ai/eres reformado do exercito, pediodo para
ser julgada sem effeito a reforma que Ihe tora con-
cedida.A' commisso de mariaba e guerra.
Dito de Joo da M -.ta Moraes Reg, pedindo que,
por urna resoiuc.au desta cmara, possa advogar em
qualquer parle do imperio, auditorio ou tribuna!,
como se fosse bacbarel formado em direito, babili-
laodo-o igualmente oesse carcter a exercer em
pregos pblicos.A* commisso e jostiga civik
Dito de Jos Bonifacio de Azambuja Neves, ex-
escrivo da armada, pedindo urna pensio.A com-
misso de pensd9s e ordenados.
Submette-se a votago a redaccao da emenda do
senado sob n. 12 5 de 1866, ao projecto a. 88 de
1861 sobre passapories.tt approvada.
O Sr. Belfort Diurtb manda a' mesa o seguin-
te requerimenlo :
< Informe o governo a cmara dos senbores de-
potados sobre o raovimeato insurrecioaai bavido aa
provincia do Maranho. -Belfor Duarie. >
Flca adiado por pedir a palavra o Sr. Macedo.
ORDEM DO DIA
Approva-se o parecer da segonda commisso de
podares sobre as eleigdes do Peoedo.o qaal conclue
pela approvagio da eleigo feita na matriz, presidi-
da pelo 4.* jais de par, e pela aooallago da dupl-
cala da igreja de Nossa Seobora do Crreme.
Entra em discassio o reqaerimento do Sr. Lau-
reano de Albaqaerqae apresenudo na sesso ante-
cedente.
Entrando em discassio o reqaerimento do Sr.
Lourengo de Albuqaerqae sobre os negocios das
Alagoas, toma a palavra o nobre aulor do mesmo
requerimeoto, e descreyendo o esUdo anormal da
admnistrago daquella provincia qae estove do-
rante onze das acepbala, sem presidente que a di-
rigisse, pede ao governo qae faga seguir qaanto
antes para all o presidente comeado.
Respoodendo a nm aparte do Sr. Dr. Macedo,
cojo carcter e illastragio o orador rapelta, de-
clara qoe continua a deiender o goveroo porqaaoto
oio v utllidade na mudanga do gabinete, e alada
porque enteode que este, respoosavel pela sltaagao,
deva earregar com todo o peso da ordem de cousas
qoe prosegoe. *
Continuara' pois a sustentar o gabinete em qoan-
to jnlgar qne esse o seu dever.
O Sr. ministro da justiga apressa-se em assega
rar qoe o presidente comeado seguir no proxim
paquete. Nio parti ja porque todos sabsm que
nio o pode (azor (acilmenie qnem tem de remover
ama (amilia e abandonar saa residencia.
O Sr. Loarengo de Albaqaerqae eatendendo sa-
tisfatoria esta declaragio retira o sea reqaerimento
oo que a cmara coosenle.
Vem a discassio a reforma do regiment da c-
mara.
O Sr. Dr. Tavares Bastos enva a' mesa nm subs-
titutivo de suas emendas parmonisando-as com
outras offerecidas pelos Srs. conselhelro Ottoni,
Barros Pimentel e Sllveira de Sonza.
O Sr. ministro da agricoltnra declara de novo
qne o governo deseja ver discolidas as qnestes
graves da aclualidade, e votadas as medidas neces-
sarias para aolve-las, confiando qae a cmara dos
Srs. deputados adoptara' para esse flm o melhor
expedante.
O SrJSooza Carvalho propoe, e a cmara per*
aillo que todas as emendas vio a' commisso da
mesa para refundi-las, e dar s jbre ellas O sea pa-
recer. |
Eotra em discussio o projeeto n. 132 de 1867
meihorando a aposentadora do Io, cooferente da
alfandega Joio Naseeotes Pinto.
O Sr. Lima Dnarte reqaer qae o projeeto teoba
orna s discusso.
Nio baveodo numero para so volar, o Sr. presi-
dente ada a votagio, manda (aier a chamada, e di
a ordem do dia e levanta a sessio.
StSSiO EM 10 DE AGOSTO DE 1867.
POKSIDSNCU DO SR SILVBIRA DB SOUZA (V1CE-
PRESIDBKTE)
Ao mel dia, feiu a chamada, e achando-se rea*
i,,/^' Awos, de ^lenezes, ao
consideragaes sobre alSd" do* corno rS Mir'85 en>*<>
a expedicionaria. "JJ? 7nnTO,lod'0 *' Barbo e a
,*J ,!-m tfifi.1 ?1*,? \ 91?6 .dec,*r car pertenceodo ora-
v ncia da Parabyba,
partencendo pro-
o tormo da villa d'Alhaodra,
coaprehendido tnlro as doas barras dos rios
Abiany o Goyanna, frrguszlas do- Nossa Senbora
da Penba da Taqoara, a provincia de Pernambn-
co ; o a qae autorisa o governo a mandar os-
sar carto de cidalio brasileiro, ao subdito norta-
guez Vaooel Francisco Morelra o a ontros estran-
gelros.Inteirada.
Um dito "do mesmo secretarlo, pergootando se
esta cmara concorda em rorriglr-se o engao qae
se id na proposigo de Si de julho nltimo a respai-
lo do onme de Jos Victorino do Carmo, soldado
do 13* batalbio de Infamarla, qdando do decreto
qae Ihe concede a pensio de qoe trata a dita pro-
posigo se l Jos Victoriano do Carao.Offlele-w
ao senado qae esta cmara conorda.
Reqaerimento da Irmandade da Sanlis-ima Vir-
gen) senhora Mi do Povo qae se vrera na matriz
de Jaragui sm Macelo, pedindo lieeeca para pos-
suir bens de raz.A'eomroissio de fasenda.
ORDEM DO DIA.
O Sr. Pinto de Figueireuo pedo a palavra para
apresentar um reqoerlmenlo, declarando desde ja,
qoe elle nio contera idea alguma de bosrilldade oa
censura ao governo, para qoe nio Ihe caiba a mes-
ma sorte, que a om outro qoa pretenden apresen-
lar em ama das sessdes do naez passado.
Como faoceionario publico, nio sera' nunca
quem venha a* tribuna crear embarseos ao gover-
no do sen paiz, qualquer que elle seja, liberal,
conservador ou progressista"; porque as clrenms-
tanclas actnaes s exige qne o governo respelte a
coostitulco, as lels e os direitos do povo, jjoe o
orador fol encarregado de defender, o sobretodo,
qoe trate seriamente de salvar o pas das difflcul-
dades era que se acha.
Neste terreno o governo o achara' sempre ao
sea fado, nio esperando, porm, qoe o orador o
apoie com discursos encomisticos, porque oio se
jolga cora habilidades para Unto ; mas to scen-
te lavando a3 cbagas, que correera o macbiotsmo
administrativo, para qoe os eocarregados de cra-
las Ibes appliqnem prompto remedio.
Cira este proposito aprsenla o sen reqoerlmen-
lo, qoe lera por flm promover a entrada desde ja
para os cofres pblicos de cerca de 700,000:000,
que delles se escoara annnalraente, por ama pratl-
ca abusiva Introdozida na principal repartigo fis-
cal do imperio, a aKandega da corle.
Na prfraeira parte do sen reqaerimento pede
qae se offlcie ao Sr. ministro da fazenda, para qne
faca sabir sna presenea, e decida como lor de
jostiga os papis relativos a nma qoestio, suscitada
em margo de 1866 sobre a organisaco da panta
semanal da alfandega da corte. Explica o qae
dea orlgem a esta qoestio o pede qae na aologio
delta o governo tenba em vista as informsgdesqua
acerca de assumpto tio imporunte deram os so-
pregades qae eofo organlsaram a panla.
E na segaoda parte pede, que por oeeasio de
solver-se esse negocio, o goveroo procure indagar,
se a alfandega cumpre litteralments a dlsoosigo
do art. 639 do regulameota, que estabelece as re-
gras para se tizar o prego medio dos gneros de
expoitagio -, pois qoe esta' convencido de qne da
(alta de cumprimeoto desse artigo que resulla o
prejuizo a qae ba pouco a'Iadio, eqae pesa parte
sobre o thesouro e parte sobre a provincia do Rio
de Janeir..
Pretenda ocespar-se desta qnesto qaando se
Iratasse do crcamento da fazenda, qae era oeeasio
opportaoa para Isso ; mas foi demovido do sea
proposito por ama reclamagao qae ha no Diario
do Rio de Janeiro de ante rtontem sobre o mesmo
assnmpto, e que oecessariamente deva despertar a
atteogio da represeotacio que at boje nao (ex su-
bir a' presenea do governo, para terem a deetsao
qoe ha tanto lempo se espera, os papis a qoe ba
pouco se referi.
Desejando pois auxilr o governo- na deeieo
que necessariamenie val proferir, com os esciare-
cimentos qae a pratlca Ihe tea ensio do, o orador
pedallcenga para terebrar que quanti ao meio
ortico de orgaoisar a paota, sea conflictos com
os correctores, sem vexame e perda de tempo para
os empregados que sio eocarregados desse traba-
lho, nada mais preciso do qoe faier-se camprlr
os art*. 41 6% 12, 43,43 e 46 do regulameoto de
26 de jumo de 1851, qne impozerara aos correcto-
res a obngago de publicar dla-iarrante as eoia-
gSas dos pregos de todas as mercadorias vendida?,
e a de remetler semanalmente ao secretario da
praga orna nota dessas cotages, nota que pode ser
enviada *' alfandega, s segnndas-feiras, cedo, para
a confeceo da pauta ; ou eotio que se dispense
todo Isso, e maode-se fazer os despachos de expor-
tacao pelos preeos qne conslarcm dos respectivos
contratos (eitos com os correctores, qoe as partes
serio em tal caso obrigada? i apresentar a' aKan-
dega, o que parece preferivel, porque assim nem o
comraercio oem a alfandega serio prejadicados.
Pelo qoe Uca a qaeslao da ftxaeio do prego
medio do caf qae a causa do grande prejuizo,
que os cofres geraes e provinetaes soffrem, o erro
est em ex mir-se do calculo, que se faz para se
achar esse termo medio, os cafs fios, lomaodo-se
lio soraeote as qualldades chamadasboas e ordi-
narias, cojos pregos sio os mais baixos, V) dio era
resultado ara termo mello completamente difieren-
te daqoeVIe, que lem os procos dos cafs expor-
tados.
Que em anaos anteriores, qaando no mercado
da corto abandavam os cafs mal preparados, es-
se proeedimento da alfandega, alias illegal, pode-
rla ler qualquer jastifleagao; mas qae de cortos
anuos a esta parte considera nm crime semejan-
te proeedimento, contra o qnal o orador, como ere-
pregado da alfandega e sens companheiros leem
representado por vezes.
Em apio desia oplniio mostra o orador aue, se-
gando os boletins eommerclaes, publicados pelo
/orna! do Commercio e Diprio do Rio, na presenta
semana, a mator parte do caf exportado, foi de
preges, cojo termo media de 6.2G0 e 6,300, e en-
treunto a rauta da aif .niega nio passa ba tres se-
manas de 3,625 e 5,6501
D'aqni a differenga de 600 rs. em arroba de ca-
f, qua no flm do auno prodnz um desfalque de
cerca de 400:000J para o thesouro, e de cerca da
200:000 para a provlocia do Rio de Jaoeiro.
Pensa o orador qos no momento era qae se tem
de volar nevos impostos qae se deve provar qoe
os j creados sajara melhor arrecadados ; espera
qoe o Sr. ministro da (azeoda Ibe nao lavara' a
mal o chamar a sua attengio para esta e ontras
cousas que se passam na alfandega, nao como
moita gente pensa por colpa dos empregades so-
balternos, ms das administragdes d-scoidosas,
entre as quaes priraam as interinas, qoe sao as
qae mais frlaes leem sido a' alfandega.
Conclue pediodo a S. Exc. que naja do prover
qaanto antes o logar de Inspector di alfandega,
cora ora cidado aoe reona aos eonheelmeotos e
qaalidades preciosos para bem exercer esse espi-
ohoso cargo, a de nio ser hornea poltico, nem
siembro do parlamento -, qae estoja efactivamen-
te no seo posto para evitar se qoa na cadeira de
inspector se assentem individuos qae nao esto oa
altara dessa pesigo.
(ConfmuarM Ao.)
LlfTE8AI0fi:
CM POLCO DI TUDO.
A entrada em Paris do lord maire de Lon-
dres excitou quasi Unto a curtosidade pu-
blica como a do sulto.
A aaliguidade das carraagens em que os
representantes de Londres se dirigiram da
estacSo ao hotel, a sua desosada riqueza e
sobretodo o sorprendente loxo dosarchei-
ros e lacaios, que vestiam tntges do seculo
passado, fizeram com que ama grande mui-
tidSo acudisse roa da Paz para Ter o hon-
rado lord, qua levava um enorme basti e
todas as insignias do seu elevado cargo.
i m i
O amor e o interesse s5o deus extremos
que se confndelo pelo matr monio.
Nao ba cousa ma feia aos o'.hor do se-
berbo que a miserisrdos pobres.
TYP. DO DIARC-tU DAS OH ES N. M,
?


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E4LY9BPFD_IT6H6C INGEST_TIME 2013-09-05T00:32:59Z PACKAGE AA00011611_11367
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES