Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11362


This item is only available as the following downloads:


Full Text
i.a.-.-,;/.-,
,-
>
ANNO XLIH. NUMERO 205.
.tm *b i*kJ9^
,

f
plBl 1 CiriTAt K LLCIBES ONDE SE IVAO FAGA rBTR
Pir.trMmmalhiMM... *.............
Par ditos irfenj.. .1 ,1 .j .1 .
Par ana
Cal ninora
mobl
,1,
"^ "*""""" 1...... ,.......
losHe... .5 .1 .? ., .., .. ., .,_.,_.,., .
Ni.. .1 U .,- .4 fl .j ., ., -., .......
1 atabe .1 .., 2
Hi-Ui-Jib f
.3fctt-
6(1000
12.J000
sns*l Jj If*fa?
SABBADO 7 DE SETEMBRO DE. 1867.
pABA DEYIBO B VOBA DA PROVINCIA.
?ar Ir* mms MMaitata;. rr m m
Par seis 1
Por nare .
Ptr u auno idea.. 1...
ni aav n ruat.l da rJHU* I7CIA.
res Min aAnfaiH;. rrRif?,,, ,.. r. ,..-.. .. ^ --. lV
.Ted.tos.dem............ ....................
1
61750
20.9250
7J000


MwmMBk mu MBBAmiBitKD iro aaiiaaKDai i mHDa VRmiimiDA-iDi jama a muudw, ros iPiDipiaaiiMiioaa

IENCARREGADOS DA SUBSCRIPgAO.
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva ; Aracaty,
o Sr. A. de Lemos Braga; Geera, o Sr. Jdaqaim
os de Oliveira ; Para, os Srs. Gerardo Antonio
.' 1..,, f mil... AM.>nn.i* a C. In___-u. J-
PARTIDA DOS BSTAFBTAK.
Olinda, Cabo, Escada e estagoes da via frrea at
Agoa Preta, todos os das.
Igoarass e Goyanoa as segundas e sextas falras.
Santo Anlo. Gravati, Buzerros, Bonito, Garoar,
Altinho, Garaohuns, Bulqoe, S. Bento, Bom Con-
seibo, Aguas Bellas e Tacaran!, oas tergas-feiras.
Pao d'Albo, Nazaretn, Limoeiro, Breio, Pesqaeira,
lagaxeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa-Vis-
ta, uricury.Salgoeiro e Ex, as quarta* eiras I
i Serlnbem, Rio Frmoso, Tamandar, Una, Bar-
reiros, Agua Preta e Pltnenteiras, as quintas
eiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tn banal do commercio: segundas e quintas.
Relacao : tercas e sbados s 10 horas.
Fazenda : quintas s 10 horas.
Julio do commercio : segundas as f i horas.
Dito de orphos : tarcas e senas s iO horas.
(Prl da.
Segunda var* do el val : qnartas e aaobades a
i hora da urda.
EPHEMERIDES DO MEZ DE SETEMBRO E
5 Qdarto eren*, as 8 h. e 39 m. d t
13 La chei ai 9 h. e 41 m. da t.
21 Quarto minf. os 17 m. da ro.
27 Loa nova a 8 b. e 00 m. da t.

T
DAS da semana.
2 Segunda. S. Estevo rei de Hungra.
3 Terca. S. Eufemia v., S. ANstbeo b.
4 Qaarta. S. Rosa de Viterbo v. f., s. Rosala v.
5 Quinta. S. Herculaoo m., S. rceoslo n *\
6 Sexta. S. Libania v., S. Zacharias proL
7 Sabbado. S. Regina .y. m., S. Pampbilo b.
8 Domingo. A Natividad* de Mara Santissima.

PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 9 horas e 18 m. da manhia.
Segunda as 9 toras a 42 minutos da Urde.
PARTIDA DCS VAPORES COsTEIROS.
Para o sul at Alagoas a 14 a 30; para o non*
at a Granja a 15 e 30 de cada mex; para Fer-
nando npsdias 14 dos metes Janeiro, marco, maii
julbo, setembro e novembro.
iraordinaria. A nolte comegaram as illuminagois
le a's 9 e meia o baile.
Do mesmo real sitio de Santo Ildefonso, a 15 a'
meia noite escrevem a ura j >rnal desia capital :
O baile esta' brilhantissimo. A illuaJnago da
cscalaproduz saprehendente elfeito. S- MM e
1 raram as salas as 11 e 1 quarto. A raan a
Isabel e a infanta, vestiam de prelo. D. Mara Pa
de branco, assim como as ootras damas portugue-
sas. Os trages erara riqusimos. A's 11 e i/2
voltaram SS. MM. e AA. a's salas do baile. El-rei
de Hespanha dansou coa a Sra. D. Mara Pia; o
Sr. O. miz com a infanta D. Isabel, e S^A. o in-
Mdencia em portarla de 30 de agosto oltimo, re- fanteD. Augusto com a condessa de Renovostro.
solveu aut riar aos Srs. capiles docorpo provi- Tomaram pane na quadriiha regia a marqueza de
sorio de polica esia provincia, Jtfanoel Joaquim NoValickes, os Srs. Osorlo e Tovar, e o mirqaet
PARTE OFFICIAL
cohm^do das armas.
Quariel general do eommando das armas de Per-
nambueo na eidade de Recite, S de setembro
de 1867.
ORDEM DO DA N. 375.
O brigadelro commandanle das armas faz saber
a goarnicao para os fins convenientes, que a pie
30 de agosto ultimo, re-
da Castro Madeira e Hyppolitoda Silva, para agen-
ciaren] voluntarlos da patria, aQm de organisarem
urna seccao de batalbo, di qual larao parte o pri-
melro na qualidade de raaj ir commandanle e o
segundo de capillo da 1* companbia : o que tudo
coostoa de officio da mesma presidencia daqaella
data.
1 a-ignado) Joaquim Jos Goncilves Fontes.
Esta conforme___Emitiimo Ernesto de Mello
Tamborn, teneflte-e.jud.ants de ordens encarrega-
do do delalbe.
EXTERIOR.
COftRESPOXIiESCIl
DODUBIO DEPRTinBDCO
IUBOA.
1 de agosto de 1867.
Sao 10 horas da note. S. M. el-rei o Sr. D. Liiz
1 e sua augusta esposa e sua alteza o Sr. infante
D. Augusto, cbegaram a Lisboa, pelo csmlnho de
ierro, a's 9 horas e 43 minutos.
O programma offlcial publicado no Diario de 17,
nao foi cumprldo no que toca a recepflo, salvas
das fortaleza' etc", pois se contava qoe a ebegada
do sobarano fosse'hoje de tarde. 'Amanla pelas
5 da tarde, aanacfao ae gragas pelo feliz regresso
ua SS. MM. e de S. A. celebrar se ha na s patrlar-
i'ivil nm solemne Te-Deum, a que'os mesmos se-
nbores tencinnam assistir a^ompinbados da corte.
S. M. a Imperatriz do Brasil, vlova, daqueza de
Uraganga, tera* sido convidada para esta solemnida-
de religiosa, devendo o morflomo-mr fazer as dis-
posi(5as necessarias para a recepgo desta augus-
ta personagem. Com quanto o programma, segun-
do a etiqueta, mencione com a devida deferencia
nome de S. M. Imperial, o certo que S. M..da
muitos annos nao comparece em solemnidad on
acto publico algam, nem mesmo sai do sea pago
a's .huellas-Verde?, onde se concentrou multo
mais depois da prematura perda de sua fllha a ]j
ven pnnceza D. Amella.
Nodia 21 pela 1 hora da tarde, receberam S5.
MM. no pago da. Ajada, por motivo de sen feliz re-
gresso a esta capital, as felicitggois do corpo diplo-
mtico da corte, tnbuoaes, cmara municipal, au-
toridades e tois pessoas que costumam concorrer
a este acto.
Sao feriados u de grande gala o da da ebegada
de SS. MM. e os dous dias seguales.
Nos jornaes bespaabes imi-se extensos porme-
nores acerca da recepgao fuita a SS. MM. no vlsi-
nbo reino.
Por toda a partepor onde o< reas viajantes pas-
saram, alm das demonslragos olfldaes' de rego-
cijo e alta considarago, foram os augustos perso-
oagensvicioriado^ pelo povo com significativo en-
tusiasmo.
De S. Sebastio (Gttipuzua) dim que a rai-
nha D. Mana Pa, por raus do seu mo estado de
saude, recolheu s;; a una aoosento que Ihe estava
preparado, e all jantou ? com as suas damas.
Iiluminag5es, dircurtos, msicas, festins, concor-
rencia de autoridades e pessoas de distioegao, l-to
nm todos os pons do transito. Em Valladolid,
guaes demonstragSes. Em Avila, onde SS. MM.
cbegaram no da 14 a's 10 horas e 20 minutos es-
tava agare explendidamente ornada com 500 ban-
deiras das duas oaedes e grande numero de escu-
dos de armas. Defroote do sitio em que paron o
comboio real estava um pavilho de decango for-
rado de damasco azul e luxoosamente mobUad
De Santo Ildefonso, a 13 escrevem que SS. MM:
ouviram missa ni palacio e a's 4 horas eomegou a
recopgaoque foi moito enneorrida. 8. M.Na rainha
l'ia ( que parece mutto adoentada );. veevia de preto
por estar a corte-de lucio. El-rei D. Laiz eslava
le uniforme. O duqaa de Baena fez as apresenta-
tfas que oram nnmerosissimas.
t De tarde correram as fontes dos jardios. A's
5 1/2 sairam de carruagem a' Damoot a raioba
D. Maria Pa e a infama D. I-abel, lodo a' fonte dos
Vientes. Diaote da carmagem iam a p el-rei D.
Francisco e sua djrelta el re D. Luiz; atraz o
infama D. ngulo, os ministros etc. Ao lado da
carrnagera canWnbavam o duque de Baena, o mar-
quez ae Noralicbes o o marquez de S. Thlago. A
rainha Pia m&trava-se multo cansada; vesta de
preto e levav 'cado o va-dp cbapu. Conservou-
se quasi sempre reclinada no fundo da carruagem,
dando evidentes signaes de doenra e (batimento, A
infante D. Isabel tambem vesta de preto. Assim
percorrea a regU comitiva as diversas fontes, em
cada urna das quaes estava orna msica que toca-
va o hymno portagoez e ontras pegas. A's 7 ho-
ras regressaram a palacio, e a infaota D. Isabel
acompanboo a rainha at aos seus aposentos, vol-
cando'depois a p ao palacio. A alllaeocti era ex-
de Novalickes.
No dia 16 cagada em Rio Fri, e depois mano-
bras militares em Robledo. A noe concert no
pago e fogo de artificio.!
No dia 17 sairam os soberanos portoguezes de
Granja para Madrid. No domingo (18) bouve na
capital bespanhola grande parada no Prado, pas-
seos de Atocha e Faenie Castellana.
SS. MM. viram desfilar as tropas das varandas
do palAcio da Historia Natural, na ra de Alcal'.
Visitaram o museo, a uuiversidade, o palacio do
congresso e outros edificios nolaveis.
Daviam par.pr para Portugal a's 9 horas da noir.
(e, chegar a Ciudad Real a's 4 da madrugada ir
hrjj e a Badajoz a 1 hora,da tarde.
Almogaram em Badajoz e partiram para Lisboa
perto das 3 horas da tarde. -
(Jhegaram SS. MM. como disse, a esla corte as 9
horas e 43 minlos, da npite. .ps ministros porto-
guezes que partiram' hohtem para a fronteira, fo-
ram s Srs Fontes e viseontfe.^ Praia Grande.
Conseryel o itlico nos exiriaetS das folhas hes-
panliolas que mencionan o anaitmenw e ma^sande
de S. M. a rainha. A folha tfidclal portugaexa, a-
d disse anda a este rspeilo. Esfes bd&tos cir-
cularan) hoje era Lisboa com malor isrjteneik,
chegando a afflrmar-se que, o eslatia de oda da
augusta esposa de el-rei, JgBrav&o ^las ores
apprebengoes e susto que ,a reatVenferma m, de
que b seu padecimento sea de'natureza rats as-
susladora anda. E' melindroso; pois, avaogar
por simples boatos, mais alguma ousa de positivo
sobre este assumpto, em quanto nao -forera publi-
cados os boletins dos mdicos de.sua ougestade,
on desmentmdo compleumente estes recelos, o qoe
tanto fura para deejar ; on definAdo a molestia.
Veremos se amanbSa sio mais animadoras as
noticias. ,; .
Um. jonqal bespanhol escrve, o-seguinie com
rlag3o a' viagem de SS. MM. poflOgueas :
Segando parece, um dos reeditado da viagem
a Paria dos res < de Uortugai, e da sea' ministro o
Sr. Casal Ribeiro, foi o de, adherir em principio a'
convengo'monetaria celebrada pela Frang, Italia,
Blgica e Sulsffl, estabelecentio a nnidade da raoe-
da franceza naquelles paizes.
Alienando alqna em Ponugal essa transfor-
mlo lera' de ser multo, mais profunda, por isso
que o sea systema manetario diBere radicalmente
do que vigora em Franga e tnliaha, flxaram se'os
prasos para se consegoir i^ptpleta unidadeda
moada, qoe do somata-1 teofnrtaeeia para a -cosa
mercio e para as transag5es, entris povos do oc-
cidente da Europa.
Por decrete) publicado no dia 10 no Diario de
Lisboa, maudou'-ogovero proceder as eleigoessnp-
plenlaresno da 15 de setembro, nos crculos do
Peso da Regea e JliraoJella, que actualmente nao
tem representante na corte.
De poltica interior, punco se pode acrescentar
no qoe Ibes escrevf na rainha de 13 do corrate,
que foi na mala db^i^f..
b 11 r.'b
Muita gente diz que e iverdadeiro Qm da viagem
do ministro dos negocios, estrangelros Fraxiga,
fora o promover nm eraprstlmo'Valioso, mas -que
o nao podara consegrar, o que ira' oaftoear o so-
ver no em grandes apuros, Ranceiros. Esta cir-
cunstancia o a viada do duque de L lul, faz cora
que a opposigao espere que 0. ghinete se/a' retiom-
posto brevemente. Pensfflinultos, porem,'' e tal:
vez com maior fundamenta, qu aoie- de termina-
da a legislatura nao havera' alterago no.pessoal
do ministerio.
A Indillerenga poltica cada vez mais pronun-
ciada em Portagal. A abstenego partidaria
moito notavel. A c-pposigo esta' sera um orgo
nico na imprensa de Lisboa, se nao se mencionar
urna folha muito popular, mas nao exclusivamente
poltica, que se publica oa capital. No Porto que
existencia dos jornaes da opposigoe a sua ener-
ga, tem sido mais constante. Diz-se que raappa-
recera' em Lisboa, o jornal .1? Er. momias, adverso
ao ministerio, e falla-se era que o centro da oppo-
sigao f da travessa da Qoeimada), vai publicar um
grande j)roal para combater o gabinete.
Por ora, creio pouco nestas noticias.
Punco se er tambem oa uiiliJade da grande
commissao salvadora, que o goveroo uomeou ha
dias, para esludar as causas do defi-it dos orga-
menios do estado, e propdr os meios de o allenaar
ou extinguir.
Muitos dos cavalhelros nomeados para fazerem
parte dessa eommissai estao fra di paiz, e qaai
todos elles, ja' como ministros, e emflm todos como
bomens pblicos, teem tido oceasiao de mostra,
que nao estavam habilitados a resolver o gravsi-
mo e lie complexo problema qoe Ibes foi agora
commettldo. Depois, to curto o espago de lea
po de que dispoe at a abertura do parlamento,
que poqco mais podero (azer, se quizerem since
ramete Jrabalbar, do qae conslitoir-se
se em secgoes.
Parece mais aquella nomeagio um acto de defe-
rencia poltica do gabineje peta pessoa da duque
de Lole, qoe foi qaeo propoz como allldo na
cmara alta aqoelle expediente da grande commis-
sio extra-parlamentar, para estudar a qoesto res e do porto ate Lfsooa7 Bcando tudo
Unangas, diagnosticar^ a enfer- nlgo portugoeta, mas podendo os Ami
a agrupar- maz Lobo d'Avila, to competentes era assnmptos
n naneeiros.
Passemcs adame. ''
Reeete-se novanwole % boato qae tem corrido
de proposus felUs.pelo governo dos Estados-Uni-
dos ao nosso, ipbre forticago das ilhas dos Ago
com goar-
PERNAMBUCO
fcdesej
ado
midade flnanceira da nago, e propor
salvaterio.
Cortezias de estadistas, nao passa di:to, ereiam.
,a voz do povo, qoe muiliasUuas
Esta
acera.
Prosegu a subscripcao publica para a reedifi-
cado do asylo Marta Pta, devorado pelas chamas
a 19 de jaldo. E' avallada a qaantia subscripta,
mas esta" anda longo de cobrlr as despezas calcu-
ladas.
Eatretaato o pedilorio contini.-debaixo de todas
as formas possiveis e ImaginaveisT^Initos concor
materlaes de guerra qae jul-
aqul os depsitos de
garem uecessarjos.
A despeza cora a forticago seria faita pelos"
vezes I Estados-Unidos cojo goveroo. alm disso,se. obriga
! a pagar metaoe da nossa divida consolidada.
Nao tomo a responsabilidad* da noticia, nem
Ibe fago commentarios. Eatretaato aqu vai o que
sobre este assnmpto diz o correspondente do Dia
rio-Mercan\il do Porto :'
REVISTA DIARIA-
Coma aurora do dia de hoje nasceo a do 47*
ericanos ter annjpa^rlo de nossa emancipagao poltica, esse
Repete-se agora, nada sei com que funda
I facto estupendo qoe nos coorio de gloria, e fec-nos
admirar de todo o mundo, em cajo mappa nscre-
vemos nosso nome como nago independente.
Ha qoarenta e sete annos qoe o grito de Inde-
pendencia ou norte, soltado ooj campos do Ipy-
ranga, repercuti em todos os corag5es brasifeiros
desde o Prata at o Amazonas.
E ba qoarenta sele primaveras qoe incessan-
tmeme trabalhamos para elevar este gigante e
nascente imperio a altara para qoe a natureza o
ulhoo.
E boje, que em todos
iuiui.3 pusaive e iraagmaveis. ';finiios concor- m ^-f na"B.isia deareflrto romn ?,UT' *"* em loaos os Wages braslleiros o
rem por caridade ; nao poneos por Tondesceoden- S^Vti^^^S^'uX Enrona Sen! JDD" ferve 8 '"usiasmo se expanda, nao so-
ca; muitos sao tambera os que entendeo que me- usto e aMendo Sxi manM "nfi rnn,,amr" '"' 'omn ,"K-*.....
"ie\ rilrarr\ % nn cor m*i 1 ^ --_*_
diante o ea donatwo, terSo dlreito a nao ser mais
importunados pela mendicidade. O caso qne o
mealheiro val-se eochendo e o ministro do reino
persiste na bda idea de levar por diante aquello
melboramento.
Mo ha ja' mendigos em Lisboa. Esta que a
verdad. Todos que especula vara com a caridade
dos transentes, desappareceram ; os qae mendi-
gavam por necessidade foram albergados pelo go-
verno e a polica nao delxa por p em ramo ver-
de aos traficantes de lamnrias.
Contina tambem a importante polmica entre
varios jornaes que andam a dlscntir-se, o goveroo
tem direlto para aatorlsar e promover os pedilo-
nes, quaodo to prodigo em liberalidades pata
despezas de contestavel urgancia e duvidosa utili-
dade, cemo sao tantae digressoes olHciaes a expo-
sigo de Pars, tantos gastos em Teos para etc.
A controversia poco opportuna, porque pre-
textos para hostilisar a aetnal administrago (como
a ootras) nao faltara nanea, e o campo mal esco-
mido.
Af Iniciativa particular so por si, n'um paiz que
esta' habituado a esperar quasi lado 'da iniciativa
do, govarno, na o faca o miiagre, e o milagre, se-
nao esla' completo, pouco Ihe falla. Ja' se nao vd
um pobre as ras de Lisboa. Isto um (acto, a
o que succedia antes desta resolugao do ministro
do reino, era urna vergonba que no3 fazia cahr as
faces no cbo dlante dos estrangeiros.
Cfofloedlsse na miaba oltima acerca da visi-
ta de suas altezas iropenaes a Sra. D. Leopoldina
do Brasil e seu augusto esposo o doque de Saxe a
Portugal, julgo ter acrescedMdo a oltima hora, que
os principes seguflra no vapor Seine.
Sua magestade.o Sr. D. Fernando foi at ao ar-
senal da mariona acompaobar seas aagustos sobri-
nbos, que embarcaram na galeota real.
Tambem os acompaabaram ao paquete o* mi-
nistros da marinha e o das obras publicas, o ma. t
jor general da armada,.o inspector do arsenal, oa. 7,
commandantes dos bavie|t4pJt)89rra e varios offi-
ciaes da armada. j-gr/a ;;,
CasLaate concurrencia de poyo, os navios de
erxa surtos no Tei^aalvairam.', .. I
iol-deereladeqrti ater do eoriTm thet;
todos os chafes de reparllg5es. Institutos, escolas,
tribuna ss, cor pos miiares de trra e mar, etc.,
remeitssem para o ministerio da fazenda r,a.aes
dos funceiooarios do eslaep qje pretendere:!) ass.o-.
ciarse no raoBte-pio %ocul, creado porcar'ty da
lei do 1 de jolbo oRifoo. '*
A condifo fundamental terem os assoclados,
um ordenado de 300/ ananaes e d'ahi para cima.
O presidente do monte-plo offlcial, momeado por
decreto real o conselheiro Jos Silvestre de Ri
beiro, varo respeilavel por sna honradez e zlo
as cousas publicas.
menos qae repitamos que temos camlnbado a lar-
ai aos aesejos aos gos pMgog Da earrelra do progresso.
Estados-Unidos, tena reaiisado urna tra gao ao ve- v mi. ____75l.^JZV.Tmn.____..
Iho mundo, qur na oninl 1 de Naoolean I. deveri. ^l?JUlM"? &e* "contra qua,
em 50 annos se
O correspondenl
noticia com toda a n erraPi qi Bmj| mfm na vaogQarda do pro
Murraura-se muito da conoassao do privi-
legio ao Sr. Bocaza para o estagelecfmento de os-
treiras na margam esqaerda do Tejo.
O marqoez de Pombal, no ultimo quariel do se-
cuto passado, niandou azer, as praias ao sol do
Tejo, amas ostreiras, que at agora foram proprie-
dada do publico. O contracto, da qae ja Ihes dei
nolicia, concede ao Sr. Bocage a propriedade dee-
sas ostreiras e a', privilegio exclusivo de exportar
ostras pela barra di Lisboa, mediante o prego de
180 ris por cada metro cubico.'
que o qner obrigar a' abandonar Isabel, e indo
esta a' priso pedlr-lbe que foglsse, elle responde
que serla Indigno de sea amor, se praticasse
aquella covardla.
Este 3.*acto Sudase pela scena em qae o pa-
dre Jacob tenia converter Tabyra a f oatholica.
Atacados os portuguezes pelos hollaadezes, a cu-
ja testa esta' o qae persegalo Isabel no mar, sao
Datidos em lodos 01 ponto?, e esto estes prestes
a ganhar a victoria, pois que os Indios Tabayares
recusara baier-se sem seu chele ; nesta coojuc-
tura qoe Tabyra, a qoem Pedro tem quebrado os
ferros, desperla Ibes o valor, atira-se ao mel da
peleja, desbarata o fnimigo, toma Ibes a bandeira.
e vem depo-la aos ps de Albuqaerqoe, dizeodo-
lbe que assim que o Indio costnma vingar-se.
Fernando, ajadaote do general, qae amare tam-
bem a Isabel, reconbece nella sua irma por um
retrato de sna mi qae Isabel Ibe mostra ; e Albn-
qoerqae neste momento reconhace era ambos, os
ilhos qae bavia daixado em Portugal.
Albuqurque manda Tabyra depdr o tropbea aos
ps de Isab'l, cufa oef Iba concede, sab-rado qae
o padre Jacob o tem convenido ao calholieismo.
Isabel contente pelo tnumpho que aicanga o
seu amor e as armas poringaeas, loma a ban-
deira bollandeza e era nma bella poesa dirige-se
ao publico predizendo o futuro bfillunte do Impe-
rio di Santa Cruz, predig que sellada pelo
liyrauo uaeion.il, com qae fecba-se o drama.
A empreza nao se tem poopado esforgos para
levar a scena com todo o brilhaotismo esta mimo-
sa prodncgo de ama pena lo hbil e fecanda
quinto modesta, como j o temos dito.
A pintara e decoragSas sao ex:ellentes sobre-
sahindo a bellissima vista do 1 acto; e os vestna-
gresso, porque elle nao tem perdido um minuto de
vida, porque elle nao tem esperdigado urna golta
da selva com que a natnreza o ditou.
Nem se diga que perdida a qne or*.J8e consol
a nos campos do Paraguay, nSo; a guerra iraz
innmeros males, mas tambera traz seus benefi-
cios, e nao sera' dos menores poder o Brasil plan-
tar, a sombra da legitima liberdade, a arvore da
amisade entre as repblicas da America do Sal.
Sob o Impulso da amisade floresce o commercio | <> entregues a habilidade e gosto do encarrega-
eotre as nag5es,e o commercio um incentivo po-!^ do 8ard* roaP artista Raymundo, nada
I deroso para o Q^rescimeoto das artes, da industria' a tosejar.
E'xlaroqae as3nmpt)"da engordadas ostras se e ale das selencias. tta merece porlaoto do nosso publico o Sr.
Assim, pois, nao perdida a seiva que despende i u,'fflbra Que unto se esforga por agrada-lo, pro-
urna nago para a coosecogao desse nobre Um. Porcionando-lho bellos espectculos, como o qua
Termioaodo, felicuamo nos com todos os nosses ,tem ,ut!ar nJe-
patricios palas glorias e posigo que o Brasil tem | ~ A sea pedido, fei exonerado do cargo de dl-
alcangado entre as nagoes, oosigao e glorias que rector do collegio dos orphos o Rvm. Fr. Joo
grato recordar no dia de boje. : Baptista do Espirito Saoto.
Emcomraeragodesie facto memoravel formara '_ "~ Fo1 traosferldo para o servigo da reserva o
hoje em grande parada tard, no campo das Sr- caP|lao dj hatalhao n. 29 do municipio de Ga-
Pnocezas, os !, 2-e batalhde de infamara, o I "nhuns Antooio Anselmo da Cmz Villela.
de artilhana, os 1 e 2 esqnadres de cavallana da i Foi designado pela presidencia o dia 13 de
guarda nacional deste mnnicipio do Recite, haven-' oniubro vindoaro, para a installagao da junta de
do no palacio da presidencia cortejo efflgle de S.' quallDca'ge da freguezia da .Varzea, visto nao
M. o Imperador. ter-se a mesmajunta reunido em tempo cempe-
A' noite da a empreza dramtica do Santa Isabel, lente.
presta ao epigrarama n nm paiz em qae t'antis ostras
polticas e impolticas estn, agarradas aos cofres
poblicos, sob diversos pretextos. Da,mais, o nego-
cio resolvido pelo miout rio das obras publicas,
sendo da comnetencia do mim^rio di marinha.
A cnc-s-ao alo foi posta a concurso, emlim, a
consa to calva, qoe a tal historia das ostras da'
que fallar, e aqu para nos com alguma razan.
E' preciso advenir que anda em cima o Sr. Bj-
cage foi anda Pranga, a? cesta do govarno, estu-
dar paraca qne o melhr systema de engordar as
snas ostras.
Tudo.i.sic ptimo, na ccasio era que se pede
mais imposto*, ao paiz, em qua se estrale a mo
para construir um asylo da mendigos, e em que se
pede a ama jjraode c immHso e\ira-oirlmen?ar.
que ndique os meios de attenuar o de/ictl.
M'am dos priraeros das de setembro havera'
pa casa do risco de reunio dos individuos inscriptos para se cons-
tituir o momepio, elegendo-se all a mesa OeQ-
oltiva.
O governo entrara' ento com o primelro subsi-
dio anoual de 25 conios de res, que esta' autoi 1-
saJ i a gastar para essa Um.
E' ma. das boas medidas tomadas pelo narla-
mento na fecunda sessio que findoo, sobre propos-
ta do governo.
Contina o arrolamento para a polica civil
de. Lisboa e Porto. Parece qne se tem eneontraio
difflcoldades em obter pessoal assaz numeroso e
qUe d as desejivels garantas.
Vejo agora n'am jornal de provincia que em
22 de margo de 1841, lora nomeado tambem urna
grande commissao para reformar todos os set vigos
pblicos.
Era composta esla jama salvadora do? s'bho-
res: dnqae de Palmella, presidente; Agosiinho
Albano da Silvelra Pinto, Antonio Jo.- d'Avila, ba-
rio de Chiacelleiros, Bernardo Antonio Z Florido Rodrigo Perelra Ferraz, Joaquim IMippe
de Souza, Joaquim Jos Palio, JjS Joaquim Go-
mes de Lastro, Jos Antonio Maria de S. Atevedo,
Jos da Silva Cirvalhoj Maaoel Gongalves Ferrei-
ra, Manuel de Portugal e Castro, e visconde de
Porto Covo da Bandeira.
Acrescenta o jornal d'onde colho a noticia qae
a referida commissao deseobnra que o nosso ttefie.it
vem do tempo da revolucao franceza, caoctuindo
por escrever resmas de papal, e nao lando lido o
gosto de ver p6r em pratlca as reformas que pro-
poz.
Estranha o jornal qae ficassem agora no esque-
cimento O nomos conJe d'Avila e Joaquim Tho-
A historia ifat ostras, como se conta, anda
mais escaod*ioa%. Em meiado de janho, appare-
eu em Lisboa o representante d'uma corapanhia
franceza, Mr. Conaau, pediodo o privilegio da ex-
portago das oslras pelo porto de L'sboa, e cooce-
dendo o oovernotfima carreira de oavegago a
vapor fntra LisboaJl Bord aux, ofTarecepdo, alm
Un transporia -$m malas do crrelo, a somma de
dous frairros por cada metro cubico de oslras ex-
portadas, tendo a compaohia o exclusivo da expor-
tarn. Isto rejBitoase, respondeadn-se aos prop-
nenles que sobre a expi-r.ago degeoeros bliraen-l
linios oo so condoliam privilegios. D'ahi a mez
e meio concede se ao Sr. Bocage per um franco, e
sera concess&jjs afumas para o esiado, o qoe se
negou redondamente aos oulros proponenles.
iz-se agora qoo o Sr. B.icage vai suWccar o
contracto *' companhia, que pr.iruetro qulztra o
monopolio I I ......
Descotorio agora a empreza do^pilaeio de
crystal o meio de fazer com que alguus individuos
vo visitar a exposigo de Pars. vwaado no cami-
oho de fraf sem carroageos de l* classa, laudo
por la' hospedara, ibeatros, etc., indo a Si. Diaiz,
a Versailles e Si. Cioud, e voltando com as mesrais-
simas commodl :ades, tendo tido um. interprete e
cicerone a's suas ordens por quinzo das, tudo por
de'z lostoas.
O pebr qoe esta fortona que mudo raals do
que ura vdo por ora real, s Chegara' para seis.
A idea nao ma.'. Todos os qoe lomaren) um
biihete ( por dez tosidas ) tra direito a divertir-se
urna semana a lio no palacio de cyr3tal : um dia
coucerto, n'ouUa buffjs madrileos, asora fugo
de vistas, amanhH illuminago e msica, ele.
Sao sete dias de raga bofe, tudo p .r dez lo.-toas.
Aproveilem-se ou nao da folia qua se ihes pro-
mette, cada possuidor do bllhata pela ao sorteio
ser contemplado como um dos seis premios gran-
des, que c o milagroso carian ssamo, de nova es-
pecie, e abrir' a porla de todas as maravilhas
de Paris. Sa algam dos seis contemplados-pela
s'orle nao qulzer ir a Pars, recebe violo libras es-
terlinas. Se foss%.a tfaris, receberia aqai viole e
U* as ootras aaa^Be esla' calculada a despeza do
dlverMmento.i' E' db tentar, e po. isso nao duido
qhe a empreza consiga vender os tres rail raibi-tes
qoe precisa passar para fazer esles prodigios todos.
Ja' se trabaiha activamente era Lisboa para
as eleiges municipaes.
L.
P. S 20 de agosto. Hdnlem a' nole corra
que linba recentada urna revolta em Madrid.
Nao teuho mais posivas noticias sobre o acon-
tecimento. Se anda bouver tempo, dirbl o que
sonber.
Este drama lem a sua acgofta* lempos qolo-
niaes, e precisamente em znelp, dessa quadra
heroica para a historia pernimbacana, na qual
potingaeze e indgenas s'nslenuracp'essa lata agi-
gante, em qne a bravura s'nppria o noeSefe'ides
bros dos naclonacs vancer*m aina o BOderldos
inva)res bauvo. fF,- ,,. ,1( '
Duraa ba ufano aquella gaer'ra slOgufnoeflt
F0L1TIM
D. BRANCA DE LANUZA
REGORBAQ0ES D CORTE DE FELIPPE II
Romance histrico original
Por E. Fejo de Mendoza,
PARTE 1
RcrtempcSo por amor
LIVRO II
OS DOUS FAVORITOS.
CAPITULO IV.
Um golpe terrietl,
(Contiaaacao do n. 204.)
guardou silencio, esperando,
pobre menina Gzesse
assombro, pel
AHMOa
v
D..Aona
sem duvida, qoe a K
alguma demonsteaelo de
menos ; mas ConsUDca permanecea immo
vel, sileaoiosa e como abstrada.
Que rae respondis ? Ihe disse por
fim a princesa ? m
Que isso nlo pode ser, enhora, ex-
clamou por fim a desgranada joven. Nao
pode ser, porqoe meu irmSo sabe qoe son
a promettida de JoSe de Lanir.
E' verdade, ccrescenton com ds-
dem Antonio Prez ; mas isso sao compro-
missos de cranlas, aos quaes a mulaer nao
deve attender de modo algam.
Que dizes ?
Si'm, Constanza. Qaando empenhaste
a tua palavra a Joo, eras urna cranla e
nao sabias o que fazias. O casamento que
S. M. o rei se digna propr-te por nossa
mediacSo, to brilbante como tunem
anda em sonhospodas esperar.
Mas se eu nao sou ambiciosa I repli-
co u Constanca com accento de amarga ad-
vertencia ; contento-me com muito pouco.
e, cr-me, basta minba fecidade Joo
de Lanoza e o seu castalio de Ambeler.
A princeza sol toa ama escarnecedora gar-
galada.
Vossa irma urna menina louca,
que nlo sabe o que Iba coavm, disse ao
secretario. O sea J0S0 e Ambeler! Vamos,
minha Alba, quej-eis porveutura fazer do
matrimonio um Jdylli? Nesse castalio,
vosso esposo colhor-vos-hia fles, e tos
Ihe cantarieis romanzas com a vossa linda
voz.., Que bello t... Ah t sois urna inno-
cente, minba filha.
Talvez tenhais razo," senhora, res-
ponden Constanca, ferifta no'mais profaado
da sua alma pelo tom sarcastico da prraceza,
tal vez tenhais razo ; mas isso consiste em
que vos eeu vemos o matrimonio dediffe-
reote maneira. Desde o dia em qoe me
case, quero vrver dedicada exclasvirnente
a meu esposo : e como nao me hao de im-
portar em cousa alguma os fallares menti-
dos do mundo, hei de ser feliz com muito
pouca cousa.
D. Anua empalideceu de cholera. Era j
a segunda vez que aquella ingenua menina
Ihe deiUva directamente em rosto as suas
faltas; e nao se atrevendo a fallar para nao
dizer alguma inconveniencia, guardou si-
lencio.
Prez adevinhou o que soffria a sua ami-
ga, e j desgostosQ pelas replicas de sua
irma, Ihe dissfe bruscamente.
CoB8tauc*(- Bao creio qae teabas vin-
do discutir aqu a tua maneira mais on me-
nos exacta de julgar o matrimonio ; nao creio
to po ac que tenbas a pretendo de consi-
derar as las opinioes mais rectas e mais
prndentes que as da senhora princeza e as
mQha;- _
Mas, mea irmao...
Nao creio, em fim, que teahas a illu-
spde esperar que bastem as tuas razq.es'
para nos convencer, guando n5o( j nossa
vonlade que te manda, mas sim a doje,
como j te foi ditVv Por tanto, nao se
trata aqui do que possas querer, mas sim do
que te convm. d qne preciso exectar.
O marqoez de Yelez quer-te paxa esposa,
e preciso', indispansavel que aceites a
sua mo. ', h 1 '
Conrea empalideceu e comecon a es-
morecer. SBMpn
especialmente ejcripio para ser representado neste dades territorlaes.tlverem de proceder em casas de
)ssencialment8.bra*lleiro. subditos tfe-spa'n>cronaJIdae.
Era so)mnisac3o-tfo'dia de hoje a spcledade
Ph'harmnica da Capunoa tem brlo Sajao da-
'respecilvas sessoes visita dos seos convidado.; ,
aos quaes obsequiar durante o dia e varias horas
da noite conj entrelenimentos prprios da natrera
da mesma sbciedade. '
Amarha festeja a irmndade acadmica a
sfiraps: rssr r a^SiriwiSf^ifi
dira de Portugal ; eoestq ponto que cornaca a ^ Joa^'m ^ Espirilo-Santo e ao Te Deum o
acejio pela represeotagj dgAovo agglomerado na
praia paloltanie de jubilo pela appartao-d- dous
navios em um dos quaes trmula a bandeira por-
lugueza, fazendo assim crer que o sem duvida
03 deiejadoi reforgos que ebegara ; bem depreca,
porra, o praier converte-se em tristea ao reco-
rxiecer no sgmndo navio o iclralgo qo- se prbpara
a dar combate, certo da victoria, attenta a sua su-
neriondade sobre o ootro.
Trava-se esie com effeit) no mar, o navio portu-
gus vencido : uraa mulher que nclle vicha,
procura calvar se agarrada a' ama taboa. E' gran-
de a ancodade dos especiado!es desta scena hor-
nvel, anciedade queredobraao ver o bollan le qae
vem sobre as ondas e uoia-apresiona-U.
Emquaoto procurara umi barca para Ir em soc-
corro da infeliz, Tasyra, ebefe da (riba Tab despe as armas, atira-se ao mar e couseguindo ar-
rebatar a presa ao hollandez, 'feriJn por urna fleta
disparada por Arary.traz para a trra a moga des-
maiada era seins bragos robasto?, no meio dos ap-
plausos da muitidao. Nisto fecba-se o primelro
acto.
. Albuqurque, general das forgas, tendo conce-
b jo por Isabel (a moga salva pelo indio) um amor
rdeme, conserva-a presa em sna casa sob a guar-
da de Pedro, escravo de conQanga, nobre e gene-
rusj corayo, a' quera Isabel confia a sua his-
toria.
Filha de um liialgo expalriado, perder ella a
m.ii que oo padra resistir a separago do espo-
so ; tendo ricado orpha e sera arrimo, porquanio
o ir.'io que ihii restara tora mandado para o ezer-
cito da ludia, vmia para o Brasil era corapanlna
di: ura prente que morrea naquelle combale.
1-afe-l repellibjo o amor de Albuqurque, con-
tes^HR que ama a Tabyra, e por esle uorres-
poudida; e Aibaqnerqoe irritado, esqoeeendo os
servigos prestados por Tabyra e seas companhei-
ros, manda-o encarcerar, terminando com este lan-
ce o 5. acto.
Pedro a qaem Tabyra urna vez salvara a vida
offerece-le a liberdade qne este recusa com al-
tivez de sua raga.
O indio despreza as araeagas de Alboqorque
Rvm. Antonio de Mello e Albuqurque.
A orchostra, sob a direcgo do distindo raestre
j Antonio Francisco das Cbagas, extcuiara' a gran-
de inissa do maestro Crate ; sendo 0$ >\o> can-
ladoa pelos Srs. professores : Sabino Romano de
Luna Freir e Benjamn Marliniauo !o? Aojos
duelo Laudnmus te, padre Joo de Araujo Domine
Deus, Tobas de Sania R/isa itarcellos Qui cedes, e
Manuel Menelio Pinto Quoniam.
A (eta comegara' as 11 buras da manba.
Lotera. A que se actia venda
! a 37a a beneficio do convento do Carmo
ido Recife, que corre.abbado 14
Numenyo dos bilhetes das luit-nas 37* ! recidos pulo ibesourein das loteras para auxilio
: das despezas da guerra :
Bilheies ns.3043 a 3031.
Inscreveram-se bontem na subscripcao para
o emprestimo nacional, as sev-ointes pessoas
Transporte do dia 6..
Melquades M. dos sanios Lima
Jco Manoel Miguis..............
Joo Baplista de Castro e Silva.....
Joao Baptista de Castro e S Iva Filbo.
1:4105010
404000
651)00
iOiOOl
lOlOOO
Meo Dos disse a seu irm3o. To
n5o podes fallar deveras... Sabes qnanto
amo Joo de Lanuza e...
O leu casamento com Lintiza im-
possivel.... fica-o sabendo d'uma vez para
sempre.... Ignoras, acaso, que meu Inimi-
go bem como sua irmaa ?'
1 Ob mas meu Deus 1 Antonio, nlo co-
nheees qae esse casamento a minha sen-
tenca de morte?
Logo te tranquilisars. Ninguem mor-
rlftamnf. 'u ,8a
re de amor.
me
a ser perjurio com
-T56
Joao.
Nao ba tal perjurio ; os juramentos
n3o obrigam qfrmdo nao-ba liberdae para
os.cumprrt -tr'i^Mt) '9c
' E' certo, ccrescenton a princeza.
Deixai esse tmor ^religioso, se em algama
consa pode affectar a vossa rewlucJo, por
qoe j sabis que vosso irmo estudoa theo-
logia. ,. .
Mas, senhora, exclamoo ConstauQa, cho-
rando por fim carnoso frt urna Magdalena,
s eu nao'no o marqnez deVelez, nem
ainda, sequer, o conlieco !...
Creancwes, re)licou Prez. Que tem
que o nao conhecas ? Demasiadamente o
conbecers depois. Alm de qoe eo j te
disse, e repito-o pela oltima vez, o re as
sim o determiuMii e ^KCtSo qu Ihe bbe-
degas. .a
'.
i
1:416*000 .
Se chegar hoje o vapor Cruzeiro do Sul, dos
portos do suido imperio, destribuiremos amaohau
o nosso numero da segunda Mra.
Pelo delegado do Rio Forraoso foi commnnl-
cado ter sido encontrado, era trras do engenho
Mascatinho, o cadavsr'. de um preto ja em pnire-
faccao, reconbecendo os peritos ter sido a morte
prodnzida por estrangulado.
Rbpartiqa5 da polica. Extracto da parte
do dia 6 de setembro. .. .
Foram recolbidos casa de deteugo 00 dia 5
do crreme :
A* ordem do subdelegado de S. Jos, Joao Amo-
nio da Fonseca, para correceo, e Esperanga, es-
crava de Franefsco Cavalcanti de Albuqaerqoe, a
requerimento deste.
J. G. de Mesquita,
t^mmm^mm ebefe da 2* secgao.
A pobre menina exhalou um suspiro af-
fogado. *
Antonio proseguio, fri e impassivel:
~ S5o inuteis esses lamentos, Constan-
ca... Resigna-te e prepara-te para receber
por esposo D. Pedro Fajardo, dentro de
tres dias.
Constanca levaotou-se e lancou um grito.
No meio do sea abatimento lembrra^se de
commnnicar a Jo5o e a Branca os apertos
em que se via, pois qae ama geira espe-
ranca Ihe fazia admittir a idea de qae estas
duas pessoas achariam nm meio para a sal-
varem, apezr do sea captiveiro, e esta es-
perance era impossivel se o casameoto se
verificasse to prximamente.
Dentro de tres dias l objectou ater-
rada a sea irmo.
Sim.
Ohl por favor... pela nossa pobre
mi qae nos v daeo... eo te sopplico,
Antonio, que nSo sejas to cruel 1... Con-
cade-me um praso mais largo.,, j set.que
oo posso resistir... mas dentro de tres das,
sem conhecer D. Pedro Fajardo... unvmez
de espera, e juro.obedecer-te sem proferir
urna queixa; eo l'o juro.
Pobre menioa 1 Naqnolles momenlos a
espera que pedia talvea fosse a sua;salvaco.
0 secretario permaneeeu impassivel; mas
aprina fosse porque Ihe inspirasse coto-
piixo a dor da joven, ou porque segura
do seu irinraobo, julgava que coma alsmna
poderia perder dentro daquelle praso, ie-
vantoo-se, tomou a mo da joven, e Ihe disse
affectuosameote:
Miaba ulna, vosso irmo s exige di-
vos o sacrificio de vos casardes com o mar-
quez de Velez, porque urna ordem de S.
M, mas oo tem-inconveniente em vos cou-
ceder e ise praso de trinta dias que Ibe peds
para conbecerdes vosso futuro esposo ; nao
verdade, Prez, que o concedis ?
Sa tambem vos m'o peds, coocedo-o.
Pois bem, sereoai-vos, minba filoa...
Dentro de nm mez cumprireis a vossa pala-
vra.
Ob sim, sim, ex&lamou a joven,
que naquelle momento julgava ter-se sal-
vado ; dentro de um mez srei a esposa do
marqoez de Velez.
Depois destas palavras cabio desfallecida
sobre o sof, e Antonio a acompaobou a casa
despedindo-se da princeza al aquella tarde,
e pediudo-lhe qne avisasse D. Pedro Fa-
jardo acerca da resoluco da sna promei--
lida.
Julgamo-nos dispensados de dizar que foi
dous ou Jres dias depois desta scenaque
Constanca- enviou a Joo de Lanuza e a sua
madrinh a o irta em qne Ibes dizia que iam
casfciLjque, como sabemos, foi a origem ^
liberrSw dos dous irmSos.
(Continuar-se-lii.)


iVvVi"
, .
Sil

08/
de


Casa, de etensa*.Movimeate da catt
i etenco 4o da o de setembro i _.
Extotiam /aresos) Wt,airaaai 17,saalraia ',
existe *W. A sabor: adoptes 209 : numeres
, eetraageiros 33, malheres 1 escravos 47, es-
eravas 3 Toial 299. __.
Alimentados a cos* dos cofres proYlBCUes
2j0. ..
Moviomto da enfermara 4a casa de detengo
do da 6 de setembro. v
Teve baixa :
Lon Adiodo Jambo.
Teve alta:
Tbeodoro Jos da Silva,
cemiterio publico Obituario 4e dia 3 de
setembro :
Francisco Jos de Sant'Anaa, Pernambaco, 25
annos, casado, 8. Jos ; ferironlo no pelto.
Aniooia Francisca das Chagas, Pernambueo, 20
aunos, solteira. Recite ; varilas.
Um bomem preto,esmagado pelos trilhos urbanos,
Sanio Amonio.
Joo, Pernambueo, 3 meses, Santo Antonio ; lo-
mor.
Firmino, frica, 40 annos, osera va, Boa vista ;
ttano.
Um parvole, encontrado na porta da matriz de
Santo Antonio ; convulc5es.
Jos Rodrigues Perreira, Portugal, 51 annos, ca-
sado, Santo Antonio ; apoplexia cerebral.
Affoose, Pernamboeo, 2 annos, Boa-vista; desin-
terla. %
Francisca, Peruambuco, 2 meies, S. Jos, .gas-
trite aguda.
Jos, Pernambaco, 24 horas, escravo, Santo An-
tonio ; etano.
Igoacia, frica, 60 annos, escrava. Boa-vista ;
bepatite.
Francisco, frica, 65 annos, escravo, Santo Ao-
unio; anemia.
Jos Francisco Carneiro, Pernambaco, 57 annos,
casado, Boa-vista ; apoplexia fulminante.
Joo Ribeiro da Silva, Portugal, 30 aaoos, soltei-
ro, Recife; tubrculo? polmonares.
Jos Bezerra,' Peraambuco, 35 annos, soUeir'o,
Boa-vista ; tubrculos polmonares.
Tertuliana Carolina do Amarante, Pernambaco,
19 annos, solteira, S. Jos; tetaoo.
Rosa Vianna, frica, 80 annos, solteira, Boa-vis-
ta ; maligna.
Manoel, Pernambaco,' 4 mezes, Recife ; es-
pasmo.
m belga encontrado morto na ra do Cabuga,
Sanio Antonio ; anemia.
CHilOMCA JUD1GURU.
TRIBUS.!L DO IMMHEROIO
ACTA DA SESSAO ADMLN1STRATIVA DE 5 DE
SETEMBRO DE 1867.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESEMBARGADOR
ANStilO FRANCISCO PERETTI.
As dez horas da manhaa estando reunidos os
Srs. deputados Rosa, Basto, Miranda Leal e sup-
pleote S Leito, S. Exc. o Sr. presidenle declarou
aberta a sessao.
Lida, foi approvada a acta da sessao antece-
dente.
registrado as cordUtfec ripias nos ver- de uaifortuidade e metuuta stabeleci m^
sos dos requeriraeaios bo tivra pmpriMaeo- ^per-iodos as cordeaces T"
te organtsado para esse 8m, das quaes igual- daspeticej; no primeir*
ente extracta copias para entregar aos
respectivos fiscaes, cono de le.
At rei copias de todas as plantas da c- .
dade por ordena pressa da cmara por qoe devia guardar a parte superior das
daas ves, urna fara fornece-las ae digno
inspector do arseail de aarinba de entio o
Sr. Theodoro deFreitas. e outra para re-
metier ao meo honrado amigo e mestre o
fallecido Antonio Egydio da Silva, eoto en- posturas
yHM^f e fteteambra e 1867.
4ltE t'l'mV, iil'W -
com
preciso o alinhamento, rapaftando-oje a
{tonto feos e invariaveis; no-* pide pre-
crevia a linba de nivel, horisontabilidade.
so-
teiras, cordSo, referiedo-me igualmente a
pantos aras eondiooes acia ditas; e no ter*
cairo e olUmo se observara restrictamenta
os preceitos architeotoricos indicados pelas
Hsa mu de Sebastiao Jos da Silva, na penol-
, *do se diz-jolgador BaiU-diga-te
Basta.
5^000 por acc3o, nos dias otis, das 10 bo-
caso mira
D'IMIA
carregado das medicos dos-terreaos da
marioha.
Tendo observado qoeS parte do sol do
bairro de Santo Antonio nao eslava comple-
ta, e que a do ba*frro#da Bffa-Vlsta resenta-
se igualmente dos mesan defeitos as di-
recces de tres dos quatro pontos cardeaes,
someote pela parte do norte poder-se-hia
considerar acabada, pondere! attenciosmen-
Ce a cmara a necessidade de se somar esses
inconvenientes e obtive ordem para faze-lo.
A planta do Atierro de Afogados e seu bem
combinado projecto de alinhamentos novos
foi competentemente approvado: o traba-
lbo mais extenso, mais regalar, que possue
a municipalidade. F at>tentaiiaSoredade,
comprehendendo o permetro, cujas termi-
nacoes formara as ras da Trempe, Monde-
go, estrada do Manguinho, dita de Jo3o Fer-
nandes Vieira erfna da Soledade, projectan-
do quatro ruasjnp sentido longitudinal e 2
no transversal, e logo depois tive a sjtsfa-
co de as tracar no terreno de accordo cora
o fallecido capititalista e proprietarlo Hercu-
lano Alves da ; ilva e o finado francez Ga-
daut.
Levantei a planta do povoado da Capuoga
que foi approvada, aperfeicoando os alinha-
mentos das ras j abortas e edificadas sob
impulso enrgico do fallecido Gadaut: esse
trabalhoconsistindo quasi exclusivamente por
esse emprehendedor francez, que alias no
melhoramento dos trabalhos feitos arbitraria-
mente era assaz intell gente e bem inte o ci na-
do, n5o pode se ostentar completo e perfeita-
meote acabado; com tudo melhorou seosi-
velarnte a perturbac3o, o cahos, que ah
reinava nos alinhamentos.
Fiz a planta do sitio dos herdeiros do fi-
nado senador Manoel de Carvalho Paes de
Andrade ao norte do Corredor do Bispo,
chamado Campo Verde, comprehendendo
duas ras do sul ao norte e outras daas do
leste ao oeste, tracadas de conibinaclo com
6 sr. ur. offlciaE|Xmak.fTco'mmunicoa achar-se o hbil e digno stereometra da alfandega o
recolbida ao cofre da secretaria a multa Imposta a meu honrado e respeitavel amigo 0 Sr. Ma-
jse Velloso Soares & Filbo Da importancia de
loOJOOQ que foram carregados ao offleial thesOo-
reiro, no respectivo livro de receita.Inteirado.
Aos Srs. depnlados foram distribuidos os se-
fnintes livros:Diario e copiador de Antonio Go-
mes da Silva, dem, dem de Ferre'ra, Pinto &
C, entradas e sabidas do armazem alfandegado de
Jos Loiz Gaaiaco.
^Transferiu-se a Jos Maria Palmeira, o liro
diario que pertenceu a firma de Palmeira & Bel
tro* <*
Francisco Perreira Borges, gerente da Lompa-
nbia Pernambacana, prestou juramento e asslgnou
o respectivo termo de respoosabihdade para a x-
pedicao da carta de registro do vapor Pottngt pro-
priedade da sonredita eompanbia.
DESPACHOS.
Reqaerimento de Jos Gomes Vilar e (Antonio
Vatentim da SilvaBarroca, pedindo o-relsiro de
sea contrato sociaLVista ao S. desmbargador
fiscaI- ,-- t.
Dito de MiBoel Jos dos Santos, pedlndo ser
prvido no lagar vago de Interprete do commer-
cio.Vista ao Sr. desembargador fiscal.
Ditb de Tbeodoro Simn, subdito prassiano, pe-
dindo ser prvido em dita vaga. -dem.
Dilo de Antonio Carlos Ferreira da Silva, pe
dindo tambera o provimen'o em dito,logar.Mem.
Dito de Jos Mara Palmeira, para.se Ihe fater
traspasso do livro diario que pertenceu firma de
Palmeira 4 Beltro quem saccedera elle suppli-
cante, visto achar-se dito livro em braoeo.Como
reqaer.
Nada mais bavendo a despacho, e dada a hora
(11 e 1/2) o Exm. Sr. presidente encerroa a
sessao.
SESSAO JUDtCIARlA EM 5 DE SETEMBRO DE
1867.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESEMBARGADOR
A. F. PERKTTI.
Secretario, Juno Guwtaroe.
A's onze horas e meia da manba estando reu-
nidos 03 Sr. desembargador Silva Guimaraes e
deputados Rota, Miranda Leal e Basto e o Sr. snp
pente S Lea, faltando com participarlo os Srs.
desembargadores Res e Silva e Accioii, o Exm.
Sr. presidente declarou aberta a sessao.
Lida, foi approvada a acta da sessao antece-
dente.
Acordaos assicnados.
Appellaate exeqaente Francisco Vaz Pereira,
appellado executado Eneas de Medeiros Couto
Lias.
Appellante reo Jos da Rocha Paranbes, appella-
do* autores D. Heoriqueta Sirnoes da Silva e ou-
tro.
Embargantes os caradores fiscaes da massa fal-
lida de Pedro da Silva Reg, embargados Manoel
Joaqaim Raans e Silva & Genros.
Nao estando presente o Sr. desembargador Ac-
cioii nao pode por isso ser proposlo o feito adiado
as sessSes de 19 do mez passado e S do corrate,
entre partes.
Appellante autor Joo de Siqneira Ferro, ap-
pellado reo Jos Antonio de Alueida Guimaraes.
O Sr. Si Leito presentoa o feito adiado a sea
pedido na sessao passada, entre partea.
Appellantes Albino da Silva Leal e outro, appel-
lado Pedro Simio da Silva Braga, nao foi pro-
posto por nao estar presente o Sr. desembargador
Res e Silva.
Contina em poder do Sr. Miranda Leal o feito
entre partes.
Embargante Joaqaim Fernandos 4a Rosa, em-
bargado Franeisco Torres da Costa.
Nada mais hoave e encerron-se a sessao ao
meio dia.
noel Coelho Cintra encarregado especialmen-
te dessa misso polo Mostrado'Dr. Lniz de
Carvalho Paes de Andrade. Esse trabalho
foi approvado e posto que pequeo bem
concebido e regular, e quasi que tom servido
de determinar as combinaces mais prove -
tosas de alinhamento nos seus projecios fei-
tos em suas adjacencias.
Fiz as plantas das estradas de S. Jos do
Manguinho, Ponte de Ucha, Afliictos, San-
t'Anna, Casa Forte, Poco (quasi toda a fre-
goezia), Monteiro e povoado de Apipucos,
sendo todas approvada^ competentemente.
O Sr, Bernardino Pacheco dos Santos,
nao pode vender soa taberna, sem que se
nao entenda com Manoel Joaquim Ribeiro,
na ra do Queimado n. 51.
Por occasiSo do empedramento, sysiema
Mac-Adam; da estrada da Ponte de Ucha,
p ajudante engenneiro Adolpho Herbest en-
carregado. de sua direcco propoz, sem du-
vida, modificado ao presidente da provincia,
que era eniao o muito illnstrado e djno
conselheiro Dr. Jos Bento da Cuaba Fi-
gueiredo, as quaes foram approvadas,. Jte-
presentei coaveoientemente a cmara aterca
disto, dizendo quejjSo enchergava utilidade
publica recooliecida as modifcaces feitas:
no sentido de melhorar o alinhamento, eram
tolera veis, econseguintemente podiam ser
acceitas; mas quando a reducco da lar-
gura da estrada a 50 palmos, entenda que
a cmara devia fazer opposico seria, por
ser contra as posturas. Creio que a cma-
ra fez alguma cousa neste sentido.
Levantei a planta da freguezia dos Aflo-
jados, comprehendendo qnasi todos os li-
mites terrestes e nydrographicos, isto ,
abrangendo at as ilhas espartas entre o
Affogado cootineotal, Passagem da Magda-
lena, Coelho e aterro dos Affogados.
Esse trabalbo, ijae havia sido approvado
pela cmara, se dizia haver desapparecido
na reparticao das obras publicas, me obn-
Noto coa satisfago qne tudo isto anda
hoje invariavelmente observado.
A disposico do art. 2.' do titulo 7. das
posturas bem terminante. Ninguem pode
edificar, reedificar, ou demolir obra de pe-
pedra e cal, de taipa a madeira, que nao seja
conforme a planta, postaras e tabella em
vigor.
A latitnde dessa disposico das leis mu-
nicipaes altamente reclamada pela utilida-
de publica. O atiesta entre muitas outras
infracges frisantes o esquecrmento do im-
portante edificio do fallecido Pope GirSo,
hoje de om digno amigo major Marcelino
Jos Lopes, na ra do Mondego, 5 ou 6 pal-
mos recoados do moro eatao eirstente o
dispensoa de cordeacSo, segundo tenho oo-
vido dizer. O desenvolvimento preciso dessa
disposico s por si seria .capaz de consti-
tuir grossas paginas de um regulamento.
Essa nao minha misso... Noto entretanto
aconselhei consta ate mente a pratica de in-
terior dos sitios o edificador requerer sim-
plesmente a licenca a ctmara, sendo comtu-
do pfeviameute ouvido o engenneiro para
declarar se a const/ucco proyectada impli-
ca va ou nao com .os novos alinhamentos, e
projectos approvados de arruamento novos.
Eotendi e continuo a entender que a li-
cenca para se edificar deve prescrever-se
dentro de certo espaco, e por essa razo
exiga que o propietario, o mostr, caja edi-
ficado bouvesse sido parausada por mais de
um anno soa interrupcao renovasse a licen-
ca da amara, sendo'ella simp!esment me
apresentada para declarar se poda, ou nao
continuar, sem implicacao, alientas as fre-
cuentes modificacois que imprudentemente
se do na planta da cidade. Lembro-me
agora que fiz essa exigencia, ao babilissimo
mestre pedreiro o fa lucido Santa Rosa para
poder continuar a edificaco dos predios da
ra do Hospicio pertencente ao honrado e
distiocto vereador, o digno e respeitavel
commen dador Tbomaz de A quino Fonseca,
que haviam sida cordeados pelo meu ante-
cessor e engenheiro Scharambach, e se acha-
vam conformes a planta do lugar, mas para-
usada por mais de anno.
Organisei. diversos projectos de obras,
formolando seas respectivos remenlos
(nunca resumido a ponto de se dizer tanto
para materiaes e tanto para mao de obra.)
Descipulo da escola do sr. eogenheiro Wau-
thier, lendo as lices. dos melbores autores
engenheiros de poetes e,calcadas, econs-
truccoes civis sei perfeitameote apreciar a
importancia dos elementos diversos, que
constituem a perfeico desse Servico, entre
muitos lembro agora de algans que acompa-
nharam oceurrencias notaveis.
O engenheiro,
. E. R. Sette.
(Continuarse ha.)
Molestia Ulcerosa
Curada.
Publicares a pedido
Senbores Redactores.Proseguiodo na
descripeo dos servicos prestados cmara
municipal desta capital principiada a publi-
car-se no seo acreditado Otario de Ptrnam-
buco n. 202, declaro agora que bavendo
recebido, lego depois de legalmente consti-
tuido sea engenheiro cordeador, as plantas
qoe constituem os bairros de Ssoto Antonio,
Recife e Boa-Vista, coosideravelaieote dete-
rioradas, solicitei cuidadosamente eamara
ordem para tratar dos meios de soa melhor
conservacao: isto fiarra-las, debruando-as,
o qae defacto mandei executar, depois da
aotorisado. E tanto soHicitei tagar apropria-
do para as ter, abrigadas dos ataques de
destraifSo rapiV, e da facidade com qoe
podiam ser extraviadas, que obtive nm ar-
mario especialmente destinado para esse ef-
feito construido pelo distiocto artista o Sr.
Pinto com oficina na roa Nova.
Reqoeri e obtive om repartimento conve-
nientemente preparado para n'elle fanecionar
a reparticSo a mea cargo.
Sendo apenas convidado a comparecer
nos dias designados para as sessoes da
cmara, estabeleci com firman o estro,
o costume de fanecionar diariamente na
casa da cmara por espaco de tres horas
ao menos, ocenpando ahi ora em ttr es-
boco de planta, em eoja loca!MaWtinna
occasiJo de dar cordeacao, ora tratando
com as partes sobre os dias e horas, em
qoe as podia satisfazer com promptidao, ora
trabalhoso, que havendo sido igualmente
submettido a approvago do Exm. presi-
dente da provincia de ento, ievou desca-
minho, de sorte que depois de algumas di-
ligencias sendo encontrado o primeiro foi
approvado: nao me reccorda agora quem era
eatao o presidente da provincia. Sent so-
bre modo desgosto por esse motivo, por
quanto o segundo servico attestava altamente
meu zelo pelo servico publico.
Encontrei na cmara praticas e estylos
consernentes a minha reparticao, de que fui
o reformador. Era pratica : os particulares,
quando pretendiam edificar, diversifican lo
dos preceitos symetricosde archilecturas es-
tabelecidas pelas postaras em vigor, apre-
sentarem riscos, planos, as vezes toscamente
esbozados at era meia folha de papel al-
maco, sem pitope, e a cmara approvava,
rubricando todos osvereadores presentes.
Nesse gosto tenho algumas em meo poder,
sendo urna do fallecido Yisconde de Loare.
Fiz por vezes sentir a cmara os abusos de-
plorareis que essa pratica autorisava.
Tendo o centro directorio da campanbia
do fornecimento de carne verde, faria. Mes-
quita e Dutra contratado com a cmara o
concert, oo reedificarlo de doos qoarteirao
do mercado de S. Jos, sob a direceo do
architecto Andr Welher, que offereceu pla-
no e orcamento a approvaco da cmara,
aconteceu que essa reedificaco attrahio cen-
suras a cmara para ausencia de raaior ele-
vacao.
O finado senador Manoel Caetano Carneiro
Monteiro, cidado prestimoso, vareador hon-
rado e intelligente se animea verbalmente
fazer-me increpaco por esse deeito. Res-
pond eoergicamante, e aproveitando o en-
sejo. dtsse-lhe. Eis os inconveoiantes 4a
approvaeSo das plantas sem qoe previamente
o eogenheiro tinha emittido sea parecer;
entretanto empenbei minha carta inteligen-
cia em dessipar seus delicados escropolos
para este respaito, diseodo qoe o edificio
por sua natureza tenha tna architadora es-
pecial e diversa dos predios particulares.
Ficou entio estabelecldo que planta, risco,
plato alguna serian approrados ten qae o
eegeobeiro previamente as Terificasse, de-
clarando no alio das mesmas se estavam on
nao conformes; ficaodo copia archivada.
Ob?ervei as cordeaces por escripto falta
Massa fallida d*i Se)astiao
Jos da Suva.
O Sr. Antonio Valentim da Sjlva Barroca em seo
commonicado publicado neste 09"io, terca feira.3
do corrente, attribae ao Sr. F. J. de Magalhaes
Bisto, pai da viava do supramencfoaado fallido, o
baver de accordo com o carador fiscal da massa
redutido os crditos dos antigos credores da mes
ma, de modo a apresentar-se someote como debito
da massa trinta e cinco contos de ris, qnando ba
credores por tituios na importancia de cento e
cincuenta contos.
Na qualidade de caradores fiscaes na fallencia
de qae se trata, nao podemos deixar de repelllr a
insiuaacao qne se contm as palawas do Sr. Bar-
roca, e qae reputamos offensiva de nosso carc-
ter. No exercicio das fgnccc5s de caradores fis-
caes procedemos de nossa propria inspiraco, e nao
de combioaco ou sob as inspirares de quem quer
qae seja; reccorrendo ao auxilio do nesso adroga-
do no que pertencia ao direito.
Os credores amigos, isto aqoelles qae baviam
feito concordata com o finado Sebattio por occa-
sio de soa pnmeira fallencia foram, verdade,
por nos contemplados na relacao qae organisamos
apenas pelo saldo qae Ibes era devido em virtude
da concordata; e nao foram s os qne o Sr. Barroca
menciona, mas todos quantos se acbavam as mes-
mas circunstancias. Nem de outra forma poda-
mos proceder, pols nao podamos nem deviamos
face dos livros do
Todos aqaelle* qne se acttlo sujitoa ao-
frer molestias scrofulosae, ulcerosas, on syphl-
liticas, inda mesmo as reputadas de peior
natureu, apena meceasitio de ler o segtdnts
taso mararillioso, para que se sinti inteira-
mento conveocUos qae a soa propria cura,
nao s meramente posarrel mas slm absolo-
ttmmt* Mrta.
Joo JoBfe FeuRKnu JWuou, resdent*
na Cidade de MaranliSo, tipia todo o aea
corpo ceberto de chagas ulo-rvaas, e duranU
algunos annos se achava dbaixo do t ratamento
de mdicos os mais afamado, tendo usado
durante todo este tempo quasi toda a especia
de medicinas que em taes casos empreada
pela facnldade medica, porm debalde sem
obter o menor beneficio ou alivio: achando-se
pols em taes apuros elle finalmente resolveu-
e, depois de repetidos baldados aforse i
faaer uso da'
as ao meio dia.
RECEBEDORIA
E RENDAS INTERNAS
GRAES.
Rendimento io dia I a S ......'.." *4:88J036
Idemdod6 .................. 775*717
I
5-.640763
Rendiment do dia
dem do dia 6 ...
COWULADO PROVlNaAb
laS
Poram tambem inscriptos no mesmo livro o
vapr Polmti e a fttera Aracaiy, aqoelie de S81
toneladas e esta de 811, proprfedde da Goropa-
nbia Pernambucana de navegagin costeira-
Secretaria, 6 de setembro de 1867.
O cfflcialmaior
Jnlio Gniaaries.
*ZJ'NoJdi^*4oco,r^n*Po^s de Anda a ao-
tomtii do Sr. Dr. |aU de ik do 2* diatricio da
__ no Corredor do
7:07J|W5,^s seguintM objeetos
7:931*580
MOVIMiUTO DO PORTO
Nano saludo no dia S.
Liverpoolvapor ingles Amaton, capito
carga algodao e ontroa gneros.
OiurvacSo.
lio boove entrada.
Ellis,
EDITAES.


Salsaparrilha
DE BRISTOL.
No todo elle apena* chegou a tomar Oine*
Garrafas de Salsaparrittia a quatro frascos das
Pla* Vegetan Azucaradas, e o resultad
foi elle obter una completa e perfeita cura.
Os Sers. FeiuiBirx & Ca., Droguistas do
Varanhao, forito quem SupprlrSo os medica-
mentos, a acbao-se perfeitamente ao tacto
d'este caso, e os meemos Senbores, nao e se
achao promptos i. confirmar o mesmo, como
tambem em fornecer o actual adresso do Ser.
Bahboia, 'toda, e qualquer pesaos, que po
ventura se desej informar da verdad.
Becommenda-se mui particularmente aos
Doentes qne tenliio o maior cuidado na escollit
dea te excellente remedio, nao usando outro
nao ser a Oenuina- Salsaparrilha de Bristol,
a qual i-rclusivamente preparada poi
L ANM AN & KEMP;
De NOY A YORK.
todas as mais sao inefficazea e de nea
pr-smo
---------- .siuiLJ- m .- i i
.g_?loraD8ar is P^morosanneote^^8^ a^sea8J'essu l^^esu,^ editados
rnenle pelo salde da concordata. Se tendo Sea-
do esta prejudicada, boje esses credores s teem
direito a serera pagos desse saldo ou do restante
de seas ereditos em relaeio a saa totalidade pri-
mittiva, questo qae nao nos caba nem era
opportano suscitar.
A -verificacao de crditos por occasio da nomea-
deve saber, nao tem por m geno habilitar os
credores qne comparecer a votaran e erera vota-
do : isto mesmo fez ver o Sr. Dr. jala do commer-
cb) por occasio da prime ira reunlo em que o Sr.
Barroca foi nomeado administrador e com esta
aiplicacao nda pelo Sr. Dr. juix do commercio
contormaram-se todos, inclusive o proprio Sr.
Barroca, os quaes reservaram o seo direito para a
occasio da classilieacao dos crditos, qae quan-
do se vero affixar para o effeito do pagamento a
importancia e qualidade de cada um.
Ainda na ultima reooio o Sr. Barroca eoncordoa
em dar por verificados os crditos, vindo a suscitar
essa questo a qae alladlmos depois de tado aca-
bado e deciduo, ao lavrar se a acta da rennio,
cabeodo nolar-se que se atguns dos antigs credo-
res votaram pelo projecto de concordata do Sr.
Barroca, outros como a Caixa Filial e o Sr. Joaqaim
Lopes de Almelda votaram contri.
Jolgamos dever dar ao publico esta explicarlo
para dissipar toda e qoalqaer prevenrio que po-
dessem ter produiido contra nos a palavras do Sr
Barroca, de qaem nao esperavamos essa aggres-
so; pois se reconbecemos qae nao pode ter lbe
sido agradavel o nosso rotatorio sobre o exame
dos livros do fallido, todava ala no demos prassa
em fater liquidar aeraos* os triboaaes as traosac
coas bavidas entre o Sr. Barroca a a massa de Se-
bastlao, especialmente desde o dia da morte deste,
deixando essa ttrefa .viuva ae fliesse concorda-
ta oa aos administradores, mesmo porque entende
mas qae a misso dos caradores fiscaes as fai
leocias tem o carcter provisorio.
Recife,.. de setembro de 1867.
lvtt tiomburu*l k C.
ti.....un un ai
L-se na Reforme Hedicale
A maior preocopacao do medico consiste
em saber se as suas receitas s5o prepara-
das com boas productos, pois que, quando
a receita preparada com productos inferio-
res, o que acontece nao raras vezes, os effei-
tos que querem alcancar os mdicos, mal-
logram,. oa pelo meaos, o medicamento nao
exerce arplenitude de soa aeco.
Para evitar este grave inconveniente, os
pbarmaceuticos devem tratar de empregar
productos bem fabricados, "e entao oo po-
demos fazer melhor, senao assioar-lhes
os productos da casa Lamoureux Gendrot
fabricaotes de productos chymicos em Paris.
Nao somonte, a iocontestavel superiori-
dade dos productos desta casa foi reconhe-
cida por todos, mas ainda a modcidade
dos seus precos os recommenda aos Srs.
pbarmaceuticos e droguistas
A casa Lamoureux e Gendrot conseguio
evitar a contrfaccSo, inventando urna cap-
sula que n5o se pode imittar, e cuja execa-
c5o moito difficil, por exigir um material
mui complicado e custoso.
Isto mais urna prova da sollictude dos
senhores Lamourenn e Gendrat para os in-
teresses e seguranca dos Srs. pharmaceoti-
cos e droguistas que, sem davida, sendo.de-
sejosos de empregarem bons productos, n5o
deixarao de dirigir-se a esta casa.
Lamourux e Geudre
fabricaotes de productos ebvmieM, fornecedores da
casa da (aperador e dos hospitaes de Paris.
Todos os productos sahiado desta casa sao
da primeira qualidade e fechados por urna
capsula inimitavel o que os poe em salvo da
contrfaccSo..
O Dr. Francisco Lins Caldas, cavalbeiro da or-
-de de Consto, jaii municipal e de orpnios,
primeiro sopplente em-exerciclo do termo de
Olinda, per sua magestade Imperial e constitu-
cional que Deas guarde etc.
Paco saber aes qoe este edital virem, qae por
este juio se ha de arrematur por venda, fiados
os dias da le, e pragas saceessivas, qoe ter* lu-
5aro aluno, no dia 14 do prximo vmdouro mez
e setembro, pelas 10'boras da manba, a porta
da casa das audiencias ; os bens seguales : urna
taberna sita nesta cidade, no largo do Amparo, em
as lejas do sobrado denominarlo do ponto, cons-
tando a dita rabern, da armacao, seas pertences
e gneros, avahada por selscrnlos e quatro mil
setecentos e sessenta res; e pertencente ao casal
do finado Benedicto Jos Uaarte Cedriro, a qaal
vai a praca a requerimento da inventarianle Tbe-
reza de-Je sos Cedrim, vluva do dito finado.
E para que ebegue ao conheclmento de todos
mandei passar o presente que sera' afiliado no
lagar do costme e pabllcado pelo jornal, dado e
passado nesta cidade de Olinda, sob mea signal e
sello deste juio, oa valha sem sello ex'causa, aos
10 de age-sto de 1867.
Eo Francisco das Cbagas Cavalcanti Pessoa. Es-
crivao de orphSos o escrevi. Francisco Llns Cal-
da?. Ao sello tresenlos reis. Valba sem sello ex
causa. F. L. Caldas.___________
O cidadao Antonio Augusto da Fonseca, ca-
valleiro da imperial ordem da Rosa, e juiz
de paz do 2.4 anno da freguezia do San-
tissimo Sacramento do bairro de Santo
Antonio da cidade do Recife, provincia
. de Peraambuco, em virtude da lci etc.
/Faco saber que, na qualidade de presi-
dente interino do collegio eleitoral desta ci-
dade por impedimento do juiz de paz do
i.' anne, que pela cmara mun-cipal foi
Bitpo, as 4 horas da lar-
: S cadeiras de amarello,
?T^uEi aariW" de madeira de an-
gfeo por lOf, 1 mesa redonda de meio de sala, de
amarello, por-181, i aaaaa ps torneados por
i^iff!d2'!lerll,8^ de metal por 51;
cojos bens foram penhorados a D. Praocisca Lu-
ciana do Reg Calislra, por exeenco de Antonio
Constantino Monteiro.
aoftfteio mmt
Pela adminlstracao do correio desta cidade se
faz publico qae em virtade da eoovenco postal
celebrada pelos governos brasilelro e francez, se-
rio e pedidas malas para Europa no dia I do
corrente mez pelo vapor ingles.
As cartas serao recebidas at duas boras antes
da qae for mareada para a sabida do vapor; e es
jornaes al tres boras antes.
Administraco do correio de Peraambuco 7 de
setembro de 1867.
O adminislrador,
Domingos dos Passos MiraoJa.
THEATRO
este juizo remettido o officio do tbeor se-
guiDte :
Paco da cmara municipal do Recife 21
de agosto de 1867.
Illm. Sr.Tendo o Exm. presidenle da
provincia por officio de 19 do corrente, con-
vocado a nova, assembla legislativa provin-
cial para a prxima legislatura qae tem de
funecionar em os annos de 1868 e 1869,
designando o dia 15 de novembro prximo
vindouro, paraeleicio dos membros da mes-
ma assembla ; esta cmara assim o com-
monica a V^ S* para sua intelligncia, e aQm
de que tambem convoque os eleitores desta
freguezia, para o dia indicado, de vendo ter
em consideraclo o que dispoem o art. 2.
do decreto n. 2,633 do l." de setembro de
1860.
Deus guarde a V. S.Illm. Sr. capito
Luiz Cosario dti Reg, juiz de paz l. votado
da freguezia de Santo Antonio, Luiz Jos Pe-
reira Simoes pro presidente, Francisco Canu-
EMPREZACOIMBRA
Sabftado 7 de setembro.
ESPECTCULO EM GRANDE G\LA PARA SOI.KMM-
SAR O MBMORAVEL E FELIZ DIA DA EMAN-
ClPAClO POLTICA DO I.MPEPIO DO BRASIL.
Depois que S. Exc. o Sr. baro de Villa Bella
muo digno presidente da provincia tiver apare-
cido na tribuna, cantara' a Sra. D. Paleo acampa-
nbada da eompanbia dramtica :
O HYiN 5.UM1L
Seguir-se-ba ao hymno a primeira representaeso
do drama em 4 actos, origical brasilero, briihan'n
composico de um distlncto e illnstrado peruarn-
bucaoo, intitulado
Sr. Thomaz.
Lisboa.
C. Laceria.
Peregrino.
Sr. D. Falco.
> Raymundo.
^Guimaraes.
rFreltas.
> Emiliana.
Brrelo.
i Boa Viagemsacretario. Em cutepri- a"l
PERSONAGNS.
Albaqaerque, commandante das
forja3. '.......,
Fernando, ajudante de ordens. .
Tabyra, indio, chefe da tribu
Tabayar........
Araray, indio da mesma [u\Ua.
Isabel, moca portogueza. .
Padre Jacob, jezuita.....Sr. Jordani.
Pedro, negro, escravo de Albu-
querqoe. ,.....'.
Um offleial porlagoez.....
Um bomem do povo.....
Oatro dito........
Um ofilcial bollandez. .
Homens, malheres e indios.
A aeco passa?e em Pernmbuco nos tempos
coloniaes ao corr' car a invaso hollaadeza.
A empreza sempre desejosa de que no thealrs
de Santa Isabel sejam representadas as composi-
c,5es naclonaes demerito Inconteslavel, taes cerno
a Tabyra, nao hesitou u a s momelo em dar ao
publico este lindo drama com aquella pomp a
brilhantlsmo de que elle ha mister. As.-im que
o scenario do primeiro 'acto novo, piBtado iielo
babll scenograpboo Sr. Dornellas, e novo'tambem
lodo vistuarlo qae foi sobmetido ao capricho e
gosto do Sr. Raymundo Jos de Araujo.
A ndole e natureza do Tabyra sao tao anlogas
as glorias do vasto imperio da Sania Cruz, que a
empreza nao poderia de certo adiar om outro dra-
ma, que mais fallasse ao patriotismo dos br?lei-
ros e solerrjoisas.se o sea grande
na
Manoel Goocalves aues Maekadt.
O bacharel Henr i que Pereira de Lacena, em o
Diario de hontem, descea de saa ri di cala arro-
gancia a no nao menos ridiculo farfM^**, pr-
sentando-se ao pnbnco, como vWtma de lojaslas
persegnicoes para Inspirar simpalbiaj, que aso
merece.
Communica ao publico que vai me responsabi-
lisar peranle os trrbanaas pela pnblicioao, que fiz
do tacto* anana ifea imaniam.
Nao raneen a respeasabibdade aoai nne o Sr.
Lacena sappde, talvez, ma inmldar: accaito-a,
desojo aaetmo.
Quanto as calonias qae anda me irroga o Sr.
Lncana n oommanicado aooiam; praUado
recorrer aos meias ingaos, e, arrastanao-o ana trl-
ERRATA.
Na pnblieacio de bontem Dan o* credores da
cidos puros para rea-
ctivos. _
cidos pyrogallicos e
tamoicos.
A tropona, codeina,
digitalina e todos
os al calmos vege-
taes.
Bromuretos e odore-
tos.
Sulfate de quinina po-
ro, valerianato e to-
dos os saes de qui-
nina.
Psimpalpaveis,etc.;.
Galornel puro, e todos
os saes de mercurio.
Chlorureto de ferro
(puro) neutro.
Carbonatqs, sulfatos e
todos os saes de
ierro.
Acetato, hydrochlo-
rato.
Sulfato e todos os saes
de morphina.
Ferro redazido pelo
hydrogeneo.
Essencias poras.
Extractos^gryeernia-
Fabrica em Paris roa de Paradis (aa mas
rais), deposito no Rio de Janeiro, E. Cheve-
ot, roa do Carmo.
COMMEBCIO.
ment do referido officio convido os eleito-
res nao s desta f.eguezia, como das de S.
Frei Pedro Goncal ;es, de S. Jos do Recife,
dos Affogados, da Varza, de Santo Amaro
de JaboatSo, de Muribeca, de S. Lourenco
da Malta, do Poco da Panella e da Boa-Vista,
que constituem o referido collegio, aim de
que todos comparecam ds igreja matriz de
Santo Antonio no dia 15 de no\embro pr-
ximo futuro, pelas 9 horas da manha,apara
que procedam organisacao da mesa, e mais
actos relativos a eleicao dos membros da
assembla provincial, conforme determinara
as leis respectivas.
E para que ebegue ao conbecimento de
todos mandei fazer o presente edital, que
ser affixado nos lugares mais pblicos da
freguezia, e publicados pela imprensa.
Recife 5 de s tembro de 1867. Ea, Joa-
quim da Silva Reg, escriv5o que o escrevi.
Antonio Augusto da Fonseca.
Domingo 8 de setembro
Segunda representaco do drama em 4 actos in-
titulado
DECLARARES.
Cal xa filial m banco lo Braali
ena Perataaiaa>, aoa 26 de Ja-
lan* de 186.
Do ordatn da djreatona ae tu setenta aoa Sra.
aecloBlsUs, qae o Msoareiro osla' aotorisado -
pagar o 37* dividendo das acedes do banco do Bu
sil, inscriptas n'esta caixa, a' razio de 12*000.
O guarda-livros
laaao Runa Correa, -
Novo banco de Pernambueo
Para conhecimeoto dos interessados a di-
receo do novo banco dechira que a partir
do !. de setembro do corrente anno, bban-
co entrar em liquWacf o.
Recife 28 de agosto de 1867.
Novo Banco de Pernambueo
Em liqnidaeo.
O novo banco paga o 19 dividendo de
O conselho de compras do arsenal de guerra
precisa comprar o seguinte :
500 meios de sola.
20 dazias de taboas de loaro para assoalho, de 10
a ti polegadas de largara e de 25 a 27 palmos
de comprimeoto.
2000 pregos de assoalho.
As pessoas, qce qnizerem vender os referidos
objectes, apresentem as suas propostas na sala do
ccnstlno, a's 11 boras do dia 13 do corrente.
Outrosim o conseibo chama a' atteacao o sea
anaoncio publicado no da 6 do crreme, pelo qae
diz respeito a ornamentos de igreja, do que tam-
bem recebera' propostas na mesma occasio.
Conselho de compras do arsenal de guerra, 9 de
setembro de 1867.
Jos Maria Ildefonso J. da Veiga P. e Helio,
Coronel-presidente.
Francisco de Paola Goncalves da Silva,
Secretario.
Ceiselhe de compras navaes
O conselbe promove do da i i de setembro pr-
ximo vindouro, avista de propostas recebidas al
as 11 boras da manla e sob as coadicoes do esty
lo, a compra dos segolntes objectos do material da
armada.
Pira provimento do almoxarifado de
narinba.
800 agulbas de lona e brim, 1 amarra de ferro
de 9(8 de grossara, 6 ancorles para baleldes, 1
pega de cabo de cairo de 4 1)3 pollegadas, 40 ea-
dernaes bb da 4 a II pollegadas, 4 esealer de 4
remos, 60 pecas de linba de barca fina, 50 ditas de
lona larga da Russia, 50 moiloes bb de 4 a II pol-
legadas, plvora marca torre, 10 milbeiros de pre-
gos caibraes, t pecas de tapete, 6 dazias de taboas
de cedro de 3|4 de pollefada, 4 dalas de taboas
de cedro de 1 pollegada, 4 arrobas de tacnas de
cobre, 40 milbeiros de tachas de ferro, 1 vergon-
teas de plnbo de 42 ps inglezes de comprimento,
16 pollegadas de dimetro em ama ponto e 10 na
ootra, 200 vMros 4 vidraca de 23 3|4 pollegadas
tnglecas de comprimento e 16 10 4t larga, a 90
altabas da tinco am barra.
Para'.
dVVol-

Findo o drama representar-se-ha pela s"gunda
vez a muito -applaudida comedia-drama eru I
acto
MIGUEL O TORNEIRO
Tomara parte a Sra. D. Falco e os Srs. Ltcerda
e Peregrino.
Dar' flm ao espectculo o muito chistoso entre-
acto cmico pela Sra. D. Jesaioa e o Sr Teiieira.
Os dous infernos
N. B. Os bilbetes sero vendidos para os dous
espectculos cima aaoanclados.
Comecara' as 8 horas
.V M______________"
mos martimos
Para o ..
1 peca de cano de Tinao de f ti
taae 1 liSaito, 4 ditas de 2 Has, diars de 2
l| ditas, i diu de 13(4 ditas, 11 ditas de 3 drM.
1 dna de 3 i|2 drtaa, 3 ditas e 4 ditas. 2 druide
5 ditas, SO falhas de cobre de j
Sala das sessoes do conselho de compras navaes
31 de atalo da 1867.
O secretarlo,
Alexaodre Rodriaaaa dos Aojo*.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR
E* esperado dos portos do norte
at o dia 19 de setembro o vapor
Santm Cruz, commandante Gui-
Iherme WaddingtoD, o qaal de-
pois da demora do costme se-
guir para os portos do sul.
Recebem-se desde ja passagelros e engaja-se a
carga qae o vapor poder condazir a qual devera'
ser embarcada no dia de sua chegada, encommen-
das e dinhefro a frete at o dia da sabida as 2 ho-
ras. Previne-se aos Srs. passagelros qoe as
passagens s se recebera nesta agencia roa da
Cruz n. 57, escriptorio de Antonio Luiz de livei-
ra Azevedo A C.
mmmk brasileiiu
DE
Paquetes a vapor
Dos portos do sol esperado
al o dia 7 de setembro o vapor
Cruzeiro do Sul, commandante
Alcobrado, o qaal depois da de-
mora do costme seguir' para
os portos do norte.
Recebem-se desde j passageiros e engaja-se a
carga que o vapor DOder condazir a qaal devera'
ser embarcada no dia de saa chegada, encommen-
dis e dinbeiro a frete at o dia da sabida as 2
horas. Previne-se aos Srs. passageiros qae suas
Sssagens s se recebem nesta agencia roa da
oz n. 57, escriptorio de Antonio Luiz de Olivei.
ra Azevedo 4 C.
GOMPANHU PERNJMBUCJN
DE
Navegagdo costea por vapor.
Macei e escalas, Penado e Aracaja'.
o vapor Fotengx segoe para os
portas acm aw dia 14 do cor-
rete pelas 5 boras da tarde. Re-
cebe carga somente al o dia 13
ao mel da ; eneommendas, pas-
m a frete at aa I oras- da tarde
do'dia da sabida: esertptorio no ta do Matos
Tribunal do commercio.
Neau data ni saacrlpso no competente livro o
blata acieaal Novo Etpwnca, de 61 teaeladae,
proprledade de Bartholwnen Lonreoco, desta el-
Secretiri, 4 de setembro da 1867.
~
PARA O ARACATY
pretende secoir com mata brevWade o palhabote
naeioaal Dous Amtou, teta parte do sea carrega-
mento engajada: para o reno que Iba ralla trata-
se com os seos consignatarios Antonio Lntz de OH-
vetra Azevedo s C, no sea escriptorio roa da Cruz
n. 57.
C
*.
v
1

t.

^:;-
i
i
*
i-
ILEGVEL

paap
11*"


ii ir .i-
,v '-; ';>
i i mili.....
- ftaftftM* 1 .*r4*mkr*, i*J<
<>
r01PANHI\ PKR.UMBlfi\S\
DE
Na rejaca cnsteira tr Yttor.
Parabyba, Natal, Macao, Ajacaly, Geara' e
Acaracu'.
O vapor Ipojuca, commandan-
te Mantas segu para os portos
actaia do di 14 do correnlfwtas
3 huras da tarde. Receba carga
al odia 13 ao meio dia, patsa-
gcos, eoeammenda* e dfoherro a frota at asi
horas da tarde do dia da sabida : escrlplorlo no
Porte do Matos o. I.
COMPAWHIA
VAS
Messageries Imperiales
At o dia !4do crrante mea espera-se *a Eu-
ropa o vapor francas Kstramtdure, o goal depaai
da demora do crtame seguir* par* a Babia #
Rio da Janeiro : para coodic^Ses, fretes e passa
gens trata-se na agaoata, roa da IVurbt fc.0.
Par Pa-4*U-
Pretende seguir con malta brevidade o veleir
palha bote portaron Nna Sorte, tem parte de rea
carregameoto engajado, para o resto que Iba (alta
trata se cem os seas Iconsignatarios Antonio Lqz
da Oilveira Atesado da Cruz n. 57. '
i a Babia.
Pretende seguir com mulla brevidade o veleiro
e bem coaheeido palhabote Dol Amigoi, tem par-
ta da sen earregaraento prnrapto, .para o resto
que Ihe falta trata-se> com os seas consignatarios
Antonio Laiz deOlivein Aievedo 4 C, ao sea es-
criptorio roa da Crtu a. 57.
Para Peaedo e Macei
Recebe earga o Mata oco Gosto,, a tratar oa es-
carimba, com o meatre a na roa da Cadeia Vaina
s. 1, no f andar. __________
Instituto Archeologico e Geographie
ei'Batnbacaao
A coaurissaolde trabajaos feistorleaade Instlalo
Arebeologfco e Geograpbfeo PernanftTireano, pre-
cisa, com urgencia de consultar o Valoroso Luci-
dme do Fr. Manoel Calado.
A pesso* qae tver a ejemplar deesa rarissi-
ma obra, a o i] na ir a ceder por anda on por em-
prestiao, lera a boadada da n.aodar aviso a se-
cretaria do mesmo los titulo, no convento do Carmo,
junto a bibliotbeca provincial, para ser procurado
pelo segando secretario. Reclfe, 31 de agosto de
1867.
_____ SalMdor Untnfud AibHfur^ti.
TWnheiro prenrioT
D-se dinbeiro a premio mdico, sobre
bypolheca de immoveis, em quantias supe-
riores a mn cont de ris : trala-se do car-
torio, do tabellflo Portocarreiro.
0 COrdeirO prevfttefitQ Mor dos progresas.
Na antiga loia) d miodezat a roa dO/Quei- i.p5'9 ^Portante estabelecimetto acaba de recer
naTn 4* !e '>*** bolacblnba hwpanhola denomi
O Mn<.iM n,lJ^T '^T en .. 5*d-~pr . u eoraeiro prndente se afana de ter "
parocameaie ao aeopre meatoravel iU
temhro. Elle eamponaenta aa r **?***
em geral ea cada ara cidaao em par tica'.
cordeiro providente nio se intromeltera' em estra-,
nbos a albeos negocios, restrlng tado-se apenas ao
Precisa-se da 300* a premio de aa a meio
por eebto pelo tempo d oito mezes com seguran-
za ejn amoa doas eseravos pecas : qaem quizer
faMr este negocio detx caru fechada na roa das
Palean 13, Ra
ifi JANEIRO
Sahira' com mu brevidada para o referido
porto, por ter a maior parte da carjra eogajada. o
paihabote portupu. Dezenove de Junho ; para o
resto que Iba falla, pode tratar-se com o consigna-
tario Davia Ferreira Bailar, roa do Bram a. 66,
ou com o capito a bordo._________________
Para t Porto.
Sega? oestes oito dias o brigoe portuguez Unvlo,
por ja' ter saa carga engajada, para o resto e pas-
sageiros tratase com os saos consignatarios Tilo-
ma', de quino Fjn>eea <& C a ra do Vigario n.
19, 1* andar.___________________________
Para o Rio de Janeiro.
Para o Rio de Janeiro deve seguir o mais
breve possivel o patacho nacional Valente.
que tem, maior parte da sua carga prompla,
Para a (pe aioda Ibe falta e eseravos a frete
trata-se com o respectivo capito, ou com
os consignatarios Marques Barros & C, aa
Praga do Corpo Santo n. 6 2o andar.
LEILOES.
:om po'assa
De 13 barris com po'assa avariada
HOJE
Peo agente Minios k ra do Imperador
as li horas.
n. 16,
LEiLVO
De muas e burros
O agente Oliveira fara' leilo por conta e risco
de quera pertencer, de 71 muas e 5 burros para
tirar rae*, sendo os mais lindos animaes a de su-
perior qnalidade que a este porto tem viudo, exis-
tindo entre elles ptimas parelhas para carros e
ebegados prosimameate de Montevideo pela barca
bambur^ueza Soplne, capito C. Boltzen.
A superioridade destes animaes, sobre quaes-
quer oatros de BaenosaAyres oa de oatras proce-
dencia, por celto animara' a concarrencia de se-
nhores de engenbo e outros entendidos, ao leilo
qae lera' lugar
Ssgunda-felra 9 do corrente
as il hora* da imnhaa no deposito a roa do Ira-
pera Ji.r n. I i, defronte da iereja de S. Francisco.
DE FERRAGEM
Constando de
Ps de ferro, serrotes de differentes tama-
nbos, martellos e cacarolas estanbadas
com ps.
Tcrc-feifa 10 ie seembro.
O agente'PintD fara' leilo por coita e "risco da
quera pertencer de ara sortimento de ps de ferro,
serrote*, martellos a cacarolas, as 10 boras do da
cima dito em sea escriitorio rui da Cruz n. 38.
LEILO
DE
SENDO:
Alexinlrc, mulato, de idade 40 annos.
Rodrigo, crioulo, carapioa, idade 26 annos.
Ruuj, dito, pedreiro, idade 22 annos.
Cordeiro Simoes
levara' pela segunda vez a leilo os eseravos ci-
ma ra-ncitiu id >s parteocenles a Uada D. Alexan-
drina Gibson, sapvlndo da base a offjrta obtida no
lella do i do correte.
Terga-felra 10 dalsetembro
as-11 boras a' poria do predio qae foi a Assota-
(3o Commercial largo do Corpo Santo.
.
a.i:iiv\o
O a- ule Pontual compelenlemente autorisado
fara Ino dos segaintes predios :
Um sobrado da doas andares e solap do batrro
do ReiTife, becco do Campello n. 4, cojo rendimen-
to ancua! 624$.
Orna casa larrea na fregnezla de S. Jos, roa-
dos Copiares n. 17, que rende annaalmente 192.
Uma casa tarrea no bairro da Boa-Vista roa da
Aiegria d. 23, tendo quintal a cacimba meeira e
cuja renda anoual 14tli "^BajaBaaaaaaBl
Urna casa terrea tambemno bairro da Roa-Vista
roa da Coneeico o. 63, coa grande qolntal plan-
tado e no qaar ba orna exceileote caetmba e u m
telheiro, rendendo annaalmente 216$.
Um terreno com cem palmos de frente e cem
de fondo, contando as frentes ra do Dejlioo na
Bja Vita, 5-casiobas de pedra a cal a no fondo 2
de madeira, ama cacimba a daos arvoredos, icao
do no oito das prmeiras a roa do Sooego e ren-
dendo todas ellas 480$ por anno.
Um qaadro com 17 casinbas de pedra e cal taot
bem m !!)i-V4sts roa do Socego, todas em
estado, teodo ao fosdo orna latrioa de pedra cal
com egoio para a maro. O reodimanto deltas 37
casrntns de 1:620* annaalmente.
Os pretndanles podera examinar estes predios
nos lagares indicados e para inrormages diri-
]am se a' ra da Craz n. 62, andar, onde se et-
fecttlara,^ lallo :
Quaria-teira It 4a aetembro as, 11 boras.
O absiio assignado, tbesooreiro da Irmanda-
de de -N. S. da Boaviagero, convida a todos os de-
vedores do respectiva patrimoeia, qor a Mola de
alagael, qur de fdro, para qae satisfagam seus
dbitos at o flm do corrente mee, viste eaaoasta'
autorisado a promover jodwalieate, e a intentar
a accao de commisso a aquellos qae nelleeaeorre-
ram, q jando se nao sujeitem, a am novo aora-
mento, para o qae podo ser procurado na roa de
SantaTberaia n.5i. Becife ida selembro de 1867.
Caetaoo Jos Mandes.
Fabrica e fundigdo de bronzes
e outros metaes, caldeireirp,
laioeiro, e funeiro, situada
na Soledade, ra do Pti*r
cipe n. 3, e com deposito na
ra Nova n 38, da cidade
do Recife
DE
BRAGA &SAMPAI0 ..
Fabricam-se neste importaote estabatea-
mento todas as obra concernentes as artes
respectivas como sejam:
Alambiques de todos, os tamaitos em
feitios, os mui acreditados apareibos da
Derosoe com as dimences delicadas dos
fabricados em Franca.
Fabricam-se avulsas quaesquer pecas des-
aparelhos, como sejam o dilatador, ratifica-
dor e condensador, ou esquenta garapas,
resfriador, serpentinas interiores.
Fabricam-se bombas de todas as dimen-
ces e qualidades, pelo systema francez oa
americano, simples, de presso, repoxo, e
com especiaiidade a estanca rios 1 assim de-
nominadas pelo enorme volme de agua
que absorvem calculada em 100 pipas por
ora, e das quaes algumas esto promptas a
serem experimentadas.
Existem bombas por este systema, me-
nores, para regar sitios, garantindo-se n3o
s sua dura gao como a grande qoantidade
de agua que fornecem pelo que s5o cons de-
radas hoje as primeiras bombas conhecidas.
Todas as mais obras se fabricam vonta-
de dos freguezes e a seu capricho,
Existem sempre promptos no deposito in-
dicado na ra Nova n. 38, um completo sor-
timento de obras solidas, bem construidas e
a preros rasoaveis, como sao alambiques,
serpentinas, taxo3, passadeiras, repartidei-
ras, Cscumadeiras, cocos, candeias, e muitos
outros utencilios preprios para engenhos,
como sejam mancaes de bronze, parafuzos
para rodas de agua e outros.
Cavilbas, machos para lemes, pregos de
todos os tamanbos e para o forro de cobre
de navios.
Aprompta-se tudo quanto diz respeito as
obras de lato torneadas e polidas com toda
a perfeico.
Vlvulas para tanques de banho, torneiras
de todos os lmannos e qualidades, assim
Como todos os ornamentos para militares,
botes para farda, apareibos para barretina,
nmeros, espheras, espadas, cornetas, alam-
padas turbulos, caldeirinhas, navetas, almo-
farizes, perfumadores.
Obras de folhas de flandres de todas as
qualidades, bahs, bacas, bules e oritros
utencilios domsticos.
Lampioes para gaz para engenhoSi folha
de flandres em caixas, folbas de cobre e la-
to, tubos de chumbo para encaoamentos de
todas as dimenges, folhas de zinco, estanho
em barras e verguinha, lancees e barras de
cbambo, vidros finos psra espelhos, de co-
res, bordados, e opacos, e outros para vi-
dracas, diamantes para cortar vidros, cadi-
nhos ordinarios e de patente, rea para mol-
dar, folies para ferreiro, lavatorios com ba-
cas e jarros, trra podre e outros nmeros
oljjectos proprio de taes estabelecimentos.
Sendo todas as obras inspeccionadas e
feitas sob a direccSo do socio administrador,
Jos Baptista Braga o qual se acha de novo
especialmente incumbido da gerencia de t5o
importante estabelecimente, isso urna ga-
ranta pela sua longa pratica, que tem os s-
nhores freguezes de que sero servidos a
contento, com promptido e preco commo-
do, pelo qne os proprietarios Ihe sero agra-
decidos.
CASA DA FORTUNA
Aos 6,0000
B1LHETES GARANTIDOS.
A' ba no Crespo k. 23 e casas do costme.
O abaixo assigoado teodo veudio nos seas ami-
to feifzes bilbeles garantidos um malo o. 649 com
a sorte de 1:2U08; am meio a. 336 com a sorle de
300}, a oatras muias sortes da lotera qae se ac*
boa de extrar a beneficio das familias dos volun-
tarios Oa patria, Gonvida aos possuideres dos ditos
bllbetes a vlrem recebarseaa respectivos premios
sernos descontos Jas leis oa casa da Formal
raa do Crespo^n. 23.
Acnam-se a venda os da 3' loteria a beneficio do
convento do'Carmo do-Recifa qne se exrrdbira' a
14 do cerrante.
Preco.
Bilbete, ....
qae diz respeito a miadecas em cuja antiga loja a.
16 a roa do Queimado permaaecera' aspefaoo
de todos saas valiosas protecc5es observando elle
alm da saa costamada mansidao, condescenleo-'
c e afrado. Na loja do cordeiro pretidente en-
coniruao es awteoienaoa sempre a conetante-
menie completo sortimento de miadetas, Ins per-
fumarias, lavas de pellica, objectos de moda a
pbMtasla e outros muitos qae enumralos se tor-
nara eofadonbo, notaodo-se entra eHes os qne
abaixo vio meocioaados, sendo por lodos reconbe-
cido a commodidade dos precos :
Albons de diversos tamanbos e qualidades para
retratos.
Cbapnainbos esapatiahns naca bapsados.
Coquea simples a enfaltades.
Leqnes de sndalo e oatras qualidades ,x ..
VoRaa de retroz eom cassoiejas obra moderna.
Golliobas e punhos para senboras. '
Bieo de liaoo aimitafo da do pala
Canalla* eom flais agolbaa..
Modernas cbapeujus e enfetw para sennorax
Linbas para crochet
Laa para bordar.
Pinos espartilaos para senboras.
Leqoes de diversos gostos a 1.
O cordeiro prcridente.
A roa da Queimado n. 16.
Vende as seguate* oojeelos eeosUntes do varia-
do sortimento abaixo declarado :
CoUiues oleircos aiottios contra as conval-.
bSk
Bonitas abotnadnras para |-AlJet>s,
Coiarinbos nwderoos.
Finas navalbas cabo de marflm.
Escotas macbeoiaaas e oatras nulidades para
roupa, chapeo e cabello.
Bonitas canas para rap
Tinta axni e prea para esorrpia.
Dita preu para marear roupa.
Pinos caivetes para aparar peonas.
Laaie eom caeta de osso
Ditos de cores para desenhos.
Bonitos finleiros de longa a vrdro.
Piwspara solo a voltarete.
Buraataas para atar papis a segurar punhos.
Bita para annqnedo de eriancas.
Bolas de borracha.
Lindos maracaes.
i*ara aaVerta* o hoapital por-
tuguez.
Boniusceitinbas com frucus de cara, obra de
marta perfeico e botn gosto.
Para cortar moldes e embrnlbar fazendas
Veade-se papel pardo foltta grande.
Para lustrar cateados.
Veade-se superior grasa econmica.
Vende-se papel para malar moscas.
A loja do cordeiro prevldcnte
Ra do Queimado n. 16.
-Nal la achara o os pretndanles na grande e va-
riado sortimento de perfumaras Boas, lano ingle-
sas como francesas, sendo:
Finos extractos para lencos.
Banbas e pomadas para cabellos.
Oleo pbilocome e baboza para dito. -
Pos bygieoicos para denles.
Ditos campborados para ditos.
Opiata inglesa a fraocea para ditos.
Pacotas eom pos de arroz.
Vasos de porcelooa para dito?.
Sabonetas para mao a barba.
E maitos outros objectos que sero presentes
ao comprador qae se dirigir a roa do Queimado
o. 16, loja' do cordeiro providente.
llandeijas pequeas. .
Vendem-se na roa do Queinndo n. 16. loja do
cordeiro prevtOnte.
Charutos
da acreditada fabrica de Jos Furtado de
Simas.
Vendem-se na loja do cordeiro providente a roa
do Queimado n. t
Precisi-se. de ama naja
ara casa de pequea
faaaanhiaaisJ
para coanbar e com-
familia : na ra de
OBI
< ao Sr. Tbeodoro Jos Peraira Tavares,
neaaaantt* eaaPeers de Fogo, qae lenha a bon-
dade de vtr-aaaaaodar passoa habilitada a' loja
de Antonio Jos dos Reis.* C, no passeio publico
n. o. a negocio qua nao ignora.
Paatonaa S do corrente o scrv~JJT-
quina, aaaia aela^ataa a rosto ferido da urna
queda qae levoa no dia da fagida ; qaenx-o ap-
jrehender e levar a ruad* Cadeia do Recife n.
ti, y andar, sera iraticado.
a
^- s aaaf
S 5
en
3
J3
ce
sr
as
O
*i
3
a
3
o
a
ea
co
s
s
a
N
. a
t-
a
JO
i
3
S
a g-s
o
co -a
eo p Ja
4 H i i
co 2 cu
.55 *m
8
oCd
kCbfr.
I
$3
03
.^03 I
151
a SIS.* ^.as1^
o-a ti*-"
i&ss.s
S o" o
;-'
s-Si? a s

Vafh

Cao
9 as
C] cu

S co
S
n co a.
9
fe =
o
CSO aa
s
2 a g H 5 -3
g
l'5
Negrmlia.
Precisa-se de urna negrinba para andar eom
ama crianca : na tinturara francoza ra da Im
peratriz n. 5o. ....____________^___
Ama.
Precisa se de ama ama para coziotiar em casa
de bomem soiteiro, que tem. pooca familia ; na
ruado Crespo, casa n. 12. _
Ama de Ue
Precisase de urna ama que tenha bom e bastan-
te leite ; na na de Santa Rita n 8.
o tratraenle e rpidai e completa das molestias sypbilites, eris-o-a*
las, rheumatismo, bobas, gota, debibdade do estomago, infiaBHBaC5es cnroeieas do figado
e bago, dores sciacas, cephalalgias, nevralgias, alceras ebronicas, hvdrooeBiM. nleori-
ss, gonorrheas chroaicase m je. al toda* as molestias era que se toaba en tilla a po-
rifica^ao.Jo syetoma sangaineo. v
1 OBsIderacoes geraes
A saude um bem inapreciavel, cuja ttaportancia e valor s es reservado ae ens
fermo o avalia-lo.
incoatestavel que o homem oeste mando constantemente, e por todos oelador
atacado por ama infloidade de agentes morbficos qae todos tendem, dadas certas e deter-
minadas circun*8tancias, a alterar o regular exercicio das fanecoes orgnicas, resaUanbo
pesse desequilibrio o qae se chamamolestia.
K molestia nao mais do que a desvirtuado das forgas vi taes, ocasionada,- d,
gando as investigaces e experiencias dos mais abalisado mes tres da sc enca, pela dapm-
vaclqi dos humores geraes, consequencia da aeco maligna desses meemos agentes mora e
fcesBiroduzflos no organismo pelo acto da respiraban, pela tia digestifa, pekwjomato
immediato etc. ate. etc.
A syphilis infelizmente tem sido a partilha da humaoidade, e como fra dedavi-
aa pe esse torrivel Proteo da medicina orna molestia hereditaria, ella tem sido obser-
vada em todas ae idades, e debaixo de todas as soas formas fio variadas; enfraqaeeendo
constitucoes robustas, produzindo mutilacoes, e cortando anda em flor da idade vidas
preciosas.
Eliminar da economa esses principios deleterios. e purificar a massa pera) dos
humores tem sido desde tempo immemorial o fim constante da medicina, e os purgati-
vos flguram em primeiro lagar para preencher esse tsiterattm en fim.
O Eiixir depurativo o Dr. Se vial parece merecer a preferencia aaaaa lodin n i
immensos suceessos obtidos pelo uso deste salutar agenie tanto na Allemanha, como sra
Franca e Italia, o tornara e companheiro ioseparavel d quasi todos os doentes.
Sendo as melestias, como cima dissemos, devidas as alteracoes dos bumores, o
Elixir depurativo do Dr. Sevial pode ser empregado Tanlajosamente na srnhiais, artoy^
pelas, rbeumatismos, bobas, gota, debilidade do estomago, inflammacoes ebroaicasdo
figado e baco, dores sciaticas, cephalalgias, nevralgias, ulceras ebreaicas, hjdropeiias,
pleurisias, gonorrheas chronicas etc. e em geral em todas as molestias em que se tenha
em vista a purificacao do systema sanguneo; pois que ama pratica constante- tem fcte
ver que elle indispensavel nos "casos gravissimos para minorar os soffriraentos, e pre-
parar o doente para medicaces superiores ; e as menos graves a eura a conse-
cuencia do sea uso, convenientemente repetido.
As substancias que entrara na composiclo do Elixir deparahvo do dr. Setia i
pertencem todas exclusivamente ao reino vegetal, e grande cathegoria das substan-
cias depurativas e antisyphiliticas; assim, ao passo que este remedio depura o orga-
nismo, eliminando os prinetpios nocivos saude, pelo mecanismo natural das evau-
a(us alvinas,' neutralisa ao mesmo tempo o virus sypbilitico qoando este virjem.
tem feito erupeo ao exterior debaixo de suas multiplicadas formas; e previnetaui
bem os estragos dessa terrivel molestia, quando por ventura se ache ella aioda no
estado de encubacfo, isto sem se ter manifestado sob formas externas: beneficio
mmenso, tanto mais quanto neste estado os individuos ignram completamente sel es-
3o contaminados por esto terrivel immigo.
O sabor agradavel d'este Elixir convem a todos os estmagos, a sua acc3o so-
bre o tubo intestinal suave e benigna, e de nenhuma forma produz molestias medi-
camentosas, como acontece ao purgante dito Le Roy, que na sua qualidade de drs-
tico forte irrita a mucosa intestinal, e consecutivamente a seroza, resultando deste es
tado, muitas vezes, hydropesias, que quasi sempre terminam pela morte do doente.
Assim pois esperamos que e uso deste remedio justifique cabalmente as nos-
sas asseveracoes, porque sido um medicamento tao simples na sua composicSn. a
pratica tem confirmado sua utilidade.
Caico deposita em Peruambir
Aluga-se
Um sobrado com graode quintal na ra
do rio do Poco da Panel la, aprazivel fogar
para se passar a festa : a tratar com J. J.
aaaaa.
Meio. .
Qaarlo.
A
AVISO
100$000 de gratfleatflo.
Contina a estar fgido o es
cravo Simio.
Roga-se a todas as autoridades e capllSes de
campo, tanto festa provincia como da das Alagoas
a apprehense do dito escravo, que fugio de casa
de seu senhor no dia 21 de julbo do corrente anno,
com os sigoaes seguinles : de nagao Mogambique,
idade de 40 annos, ponco mais ou menos, alto,
semblante earretado, com falta de dentes na fren-
te, cor foja, com talbos em circulo redondo ao p
das orelbas, sem barba, levou vestido caifa de ca-
semlfa ae cor em bom estado, camisa de algodao
branco, chapeo de meia maca novo -, esta es-
cravo foi comprado ao Sr. Jos Vicente Lindo
so, morador na proviocla das Alajjoas, por seu
procurador o Sr. Joaquim Cavalcanti de albu-
qnerque Melto, morador no termo de Barreaos.
Consra nos que este ercravo ja foi Visto em Serl-
nbaem, aonde elle intretm relacoeg de conbecl-
mento. Gratificase com a quantia cima a qual
quer pessoa que o entregar no Recife, ra Direita
numero 30.
lljje ao mio dia esta' a venda na ra do
Imperador n. 33, typograpbia Republicana Fede-
rativa Universal o artigo do Jornal do Commercto
intituladoE5quadra Brasileira pelo pre$o de
80 r*______________________________
100^000 de gratificado.
Fugio do engenbo Raiz, d fregoezia da Escada,
o escravo de oome Berna rdOr-alto, magro, com
pouco buco, bem feito do corpo, bonita figura, de
idade de 23 annos, costuioa uzar roupa de algodao
azul listado e chapeo defeltro ou de cauro; qnem
o apprehender leve-o ao engenhd cima ou a' roa
das Croles n. 11, que recebera* a graQcacao ae-
ma. Previne-se que anda por esta cidade.__
O Dr. Carolino Franeisco de Lime
Santos v-se obrigado a declarar por esta
Diario, qae n3o se responsabilisa por qual-
quer contracto de compra, venda, ou em-
prestmo feito pOr outro em seu nome, sem
procuracSo ou escripta de sua propria letra.
Quem precisar de urna senbora capaz para
cozer em casa fraocea, on alias costuras finas de
alfaiate, dirjase a' estaco da Soledadb, sobrado.
; No dia S do corrente ausenlou-se o preto
Francisco, escravo, de 22 anuos; bonita figura, alto
e cbaio do corpo : tem nm signal bem vlstvel, fi-
gurando um meio circulo logo abaixo do olho es-
querro : levou vestido orna camisa de madapo-
lo francesa, caiga da brim pardo, chapeo de eonro
e nm cobertor de laa escuro anda novo. Poi re-
medido do logar S. Miguel, da provincia do Cea-
la' por sen senhor Bernardfno Lopes de Amorim
ao Sr. Carneiro Vianna, e vendido por estes se-
chores em 29 de agosto lindo : roga-se portanto a
todas as autoridades policaes e capiles de campo
a sua apprenenso, a entregar ao.mesmo Sr. Vian-
. Em porgo de 100,5 para cima.
Blinate......S*300
Meio......4730
Qoarlo.....1*373
Manoel Martios Fioia.
m*
AVISO* DWEtSOS.


Pracisa-se fallar com
mes da Paiva na
andar.
o St-Bernardina 6o-
Attencao.
Xarope alchoolico de veame, preparado
pelo pharmaceutco Jos da Rocha Paranhos,
estabelecldo com botica na ra Direita n
88 em Pernambuco.
Este xarope incootestavelmente supe-
rior a todos os xaropes deparativos, de coja
composicao o seu maior elemento a salsa
parrilha. pois que se tem conhecido ser o
veame mais enrgico para a prompta cura
das molestias, cuja base essencial depende
da purificacao do sangoe ; assim pois se
tem verificado por muitas pessoas que se
acnavam desengaadas, as quaes acham-se
hoje restabelecidas com o referido xarope
alchoolico de veame: entretanto que al-
guns, tendo usado do xarope de Curinier,
de Larrey, de salsa parrilha, de saponaria,
oleo de figado de bacalho, e outros agentes
desta ordem nada conseguiram. E' elle de
fcil digesto, agradavel ao paladar e ao ol-
phato. Alguns mdicos desta cidade e da
de Macei o teem recommendado para cu-
ra das
Impigens, tinha,escrophulas.
Tumores, ulceras, esc rbuto.
Cancros, sarnas degenerada, fluxo alvo..
Todas essas affeccoes provm de urna cau-
sa interna ; nao ha pois razao alguma em
crer que ellas se podem curar com reme-
dios exterr-os. Tambem se prescrevo o xa-
rope alchtoco de veame para o tratament
das affeccoes do'systema nervoso e fibroso,
taes como :
Gotta, rheumatismo, paralysia,
Dores, impotencia, estenlidade.
Marasmo, hypocondria, emmagrecimento.
O xarope aleboolico de veame sobre
tudo, da maior utilidade para curar radi-
calmente, e em pouco tempo o rheumatis-
mo.
Adverte-se que o verdadeiro xarope s
se vende nesta cidade na botica cima indi-
cada, do abaixo assigoado; e em outraqual
quer parte que se tem anounetedo nio da
mesma composicao, e uem o abaixo assigoa-
do se responsabilisa^______________
Irritacao dos pilmSer. angi-
nas, tosse; aaros de
sangue, erupo ou garro-
tilho, oat^rf o> rouquido
a todas as ihnnmerafeirmolestias que affe^
to aos orgos d respiracao
DES.lPPiHGCE.TI
odiante a accao da balsmica e irrev
ANACAHUITA
a*-
'
Na botica e drogara

.
DE
Barthotomeo & Companhia.
34RA 00 ROSARIO LARGA34,
RIVAL SEM SEGUNDO .
Ra do Quelmatlo a 49, loja de JH t \
mludezaa
DE
Jos Bigodtnho
Varas de babado bordado do Porto a 200
Carreteis de retroz preto com doas oitavas
proprks para naebioas a 500
Pregos francezes de todos os tamanhos a 240
Crozas de botoes de osso para caiga a 200
Espelbos doorados multo finos a i000
Caixas com liaba superior para marcar a 240
Carriteis de reteoz do todas as cores a 80
Frascos d'agoa de Colonia muito superior a 500
Frascos de oeo muito nao a...... 500
Duzla to lesoaras pequeas a..... 480
Frascos d'agua para lirapar dentes a 500
I! le. prefas lisas para segurar cabello a 320
Duzhs de pennas de ac multo finas a 60
Caixas de linba do gaz de 30 novellos a 600
dem de palitos de seguranza a 20
Garrafas de agua Florida verdadelra 'JOCO
syabarlos eom estampas para meninos a 320
Memento da roupa de lavar a..... 100
Ouzlas de meias finas para senbora a 40!)0
Agulbas francezas a balo (papel) a 60
Pegas de fitas de laa de todas as cores a 500
Grozas de botSes de porcelana prateados a 160
Caixas com alfineites trancezes a 80
Caixas de 100 envelopes muito finos a 600
Resma de papel de peso branco liso a 2,5000
Frasco com superior tinta a..... ItO
Pares de botoes de ponho multo bonitos 80
Linhas em cartSo de 200 jardas a 100
Caixa de superior linba do gaz com 50
novellos ............. 700
Talberes para meninos a....... 240
fciasso com superiores grampos a 30
Grosas de pennas de ac muito finas a 320
Bonets para meninos a........ 1000
Peales com costa de metal a...... 400
Realejos'para meninos a....... 100
ftival sem segundo.
Roa do Qnelmano n.49.
)aer acabar com as fazendas abaixo
mencionadas.
Qaeiram vir Ter o qne bom e baratsimo.
Toalbas de labynnlbo com tico, fazen
(Grande aiinazem de tn-S
tas medicamentos etc.
Roa do Imperador n. 22.
Productos chimicos e pharma-
ceuticos os mais empregados em
medicina.
Tintas para todo o genero de pin-
tura e para tinturara.
Productos industriaes e tintas
para flores, como botoes de flores
e modelos em gesso para imitar
fructas e passaros com b compe-
tente desenho.
Productos chimicos e industriaes
para photograpbi#, Hnturaria, pin-
tura, pyrotecnia etc.
Montado em grande escala e sup-
pride directamente de Paris, Lon-
dres, Hamburgo, Anvers e Lisboa
pode offerecer productos de plena
confianca e satisfazar qualquer en-
commenda a grosso trato e a reta-
: lho e por preco commodo.
Aloga-se o sitio denomnfado Toque na Torre
confronte a Capuana, a margem do rio, com com-
modoa para duas lamillas aasstr a festa, terreno
para plantajes e pasto para doas vaccas : os pre-
teodentes poem dlmir-se a Torre a-miar- com
Joao Carneiro Rodrgaos Campello ou na roa de
Agoas Verdes n. 102.
i
Ta, que generosamente se grati
'
Anannclo.
Contina fgido desde o da 2 de abril o mulato
bem Joao, ijde de 40 annos,, poneo mais oa me
nos, com os Agaaes segainles : cor alaraojada,
cabellos caxanlobos, estatura neniar, refor^rto o1
corpo, pernas grossas, trabalha de tnestre de assa-
cr, mostr de pedfeiro, sapateiro, mallo fa-
'Uante de cachimbo, sanio com destino a Serl-
nb3em. O abaixo assigoado toga a's autoridades
policiaes e capiles de campo que mandem pren-
der dito mulato e leva lo a seu senbor no engenbo
JaparatOba, que sera' bem recompensado e por-
" j!5*ntol, to jnlbo to IWT."
^- O direclor da sociedadeRecreid da Moci-
dade, convida a lodos os socios para hoje 7 de se-
lembro, as 7 boras da* Boira,' rennlrem-se do sen
respectivo salao, -.
D-se dinheiro a jaros sobre .bypolnee se-
gara : ia roa do Kogo ai 20. _
J^oJosBoaraae..
(Jai lio ctarMMW* daTlteod*, eoebera,
estribarla, bmrtro.^ carimbar, te., mrt3nHr rt",^TiTai"*9**"*


PEITORAL de KEMP.
aa
De ordem do Sr. presidente da commissao a
ministradora da ipertal-eaf*ria de N. S.k As-
sumpcao du Fronteiras Ha Balancia, cootio tMos
os insios da mesma capetla a' compiracma o- r-
S^8ddcorrwa^ilit^'to!4^6mfcilirvore,-cuja madeira por muuo tempo se
do da, para se tratar da iff^toe iiTiitiapiiiip ha usado -no Tampico pava a cora dan en-
tendentei a maMMOflo das dlrelto da .
lapKial capellat Recite V de seumbro di 1867.
Joio'8ll?lrtpPranlseoddelto
Bscrrvianfliw.
PMiia>fle de do pwttcaWe arwtoim : t*
-,^'
pecial este incomparavel remedio, umi
t
cima mencionadas. Foi tam-
we*'ensanda e approvada pela cadttfi
medica de BerUm. 0 peitoral de Kemp
um xarope delicioso inteirimenle livrede
pi, acido hydwcyanco e outros ingre-
dientes nocivos.
com
da boa a ."...........
Carreteis de linba com 100 jardas a .
Sravatas pretas e de cores muito finas a
Caixas de brelas de massa muito novas a
enfladores para eepartilbo de cordao e
fita a...............
Carreteis de liaba Alexandre com 400 jar-
das a .............- -
Sabonetas mnilo finos a 60, 160, 200 e
Ditos de bolla muito finos a 240 9 .
Miadas de liaba froxa para bordar a .
Varas de cordao para espartilho a
entes volteados para regagar caberlo de
meninas a............
Frascos de macaga' oleo muite fino, a .
\botoadnras maito finas para colietes a .
CartSes de linba branca e de cores a .
Libra de ara preta superior a.....
Escovas para (ato, fazenda boa, a
Varis de franja branca da-Itabo para
toalba a.............
Pecas de blco eslreltoeom SO varas mnito
bonito a..............l*000
Varas de papafina de diferentes larga-
ras a 120,460 e ........- 200
3^000
30
500
40
to
10
aso
320
320
120
500
20
100
500
100
Caixas de palito balo a........
Caias de palitos de1 sefrnranea sem en-
ctaofre a.............
Sabonetas de familia a 100,160 e
Grosas de botoes de madreperola para
camisa a.............
Cartilba de doutrina christaa a
Latas com superior banda'a.......
Qoadernos de papel peioeno soperlcr a .
Dotia de baralbos rancetes superior ;
Groxaj d#pa4itnDsnorio sapertore -
Ciixis a retalbo" do mesmos ...
Caixas-de'pbospboros de vefrratia contendo
500 vlItnWW' mnfto superiores a .
Resmas de papel almaco muito superior .
Resmas de'papel paulado superior quali-
dade........ B......
Darlas de meias para hom.em.....
Dorias de meias croas malte superiores
40
60
340
600
320
200
20
24000
1*00
ft
160
2J500
3*600
2*800
4#0u0
Attfn$o.-
de familia coiioha-se Ara fra
com todo o asseio e promptido. As Comidas mul-
lo bem fe'tfas com todos os adobos aecesiarlos,
dndose looca Ana e talheres, e se mandando la
var as casas qne q-ulwem : podem-se
a' rna^slrelte da'rto sarlo. 10 1'
da loja de funileiro .
dir
aaaat, por CU
XAROPE
** DE CASCAS DE LARANJAS AMARGAS
De J. P. Laroze, pharmaccuiico
em Parts
3o annos de snecessos attestam a sna effieada,
como:
tnico excitante, para ajudar asfuBC
5oes do estomago,
assim como dos intesti-


nos, e corar as doencas nervosas, agudas on
chronicas.
1 tnico anti-neryoso, para curar os tncom-
modos percursores de doencas assim evita-
das, e para facilitar a digesto.
Aim-PERiODico, contfa os calaftios, calo-
res, com ou sem intermittencias, e que teem
por especficos as substancias amargas; tam-
bem eflicaz contra asgastfites e as gas-
tONico reparador, para combater a ex-
haustaco do sangue, dispepsia, anemia, es-
gotamento, inappetencia, langor etc.
Deposito em todas as pharmacias e casas
de drogaras no Brasil.
ExpedicSes, em casa de I. R Lazore. rae
des Lions-St-Paul. % Paris.
Deposito em Pernambuco, pbrmaca de
n. Maurer A C. ra Nova n. 25.
Rlmias do wm
Avlo Importawte.
Os nicos vsrdadeiroe-xaropes de dypopbospdi-
los de soda,de cal e de ferro do Dr. Cbortb II tra-
em a Arma quatro vetes repetida deste lo me-
dico sobre o subscripto e a marca de fabrica da
Pharmacia- Swann, IV rail ftrtW'one, Par.
Acha-se a venda em fraseos qaadrados com o no-
me do Dr. Cburchill no vidro. Preco 4 francos em
Paris : Com instrueco
Vende-se em cata de P. Maarer s i*
Qit firaz de BBitilhaaa
Este inimilvet romance do tesage, trada-
aido por Bpwge, vende-sft por K% em bro-
tura, e 5% ncadernado : na livraria Econ-
mica, ra do Crespo n. 2 dbfronte do arco
de Santo Antonio.


s.
_
>




Marte e rtrwmhue. **** 9 re to*l>ro ele *o7r**
Er
- -

f I"
PHOTOGRAPHIA
TIIEIIA
RCA DO CABUGA N. 18, ENTRADA PBLO
PATEO DA MATRIZ.
0 nosso estabelecimento pbotograpbico
est sempre em dia com todos os melbora-
mentos e progressos qoe na America do
Norte, ou na Europa se consegue na arte
photograpbica, e para alcaocarmos tal fio
nunca poupamos despezas nem sacrificios,
de sor te que os nossos numerosos freguezes
podem ter a certeza de que sempre encon-
trarao em nosso estabelecimento todo quan-
to a arte e a moda offerecer de bom, no
novo e yerno mundo aos amantes da pbo-
tograpbia.
NOVIDADE PHOTOGRAPH1CA.
Acabamos de receber todo o necessario
para fazer retratos chamados carte-album.,
.Este genero de retratos ltimamente in-
ventado na America do Norte, rpidamente
se propagou na Inglaterra e Franca aonde
goza actualmente de todo o favor da moda.
A carte-album se faz por duzias como os
antigos candes de visita.
Na Inglaterra trocaram o nome de carte-
album pelo de retrato-galeria e os ingleses
nsam encaixilbar estes retratos em quadros
especiaes para com elles formar galeras,
com que ornam seus gabinetes. Recebe-
mos urna certa quantidade de taes quadros,
os quaes cederemos por barato preco aos
nossos freguezes.
As pessoas que quizerem ver specimens
dos retratos chamados carte-album, j fei-
tos em nossa officina s5o convidados a visi-
tar o nosso estabelecimento.
OABTBS DE VISITA A 90000 A DCZIA.
Em consequencia do novo genero de re-
tratos chamados carte-album, diminuimos
o proco dos antigos candes de visita, os
quaes de boje em diante lieam reduzidos
ao preco de
0OOO
pela primeira duzia, sem que por causa
desta diminuido de preco, deixemos de es-
merar-nos no nosso irabalho, como sempre
foi nosso costme. Alm disto, continua-
mos a dar os cartdes de visita em carlees
de luxo, Bristol, ou porcelana, dourados ou
Hthographados para o que temos urna varie-
dade de 12 modelos, a escolba de quem se
retratar.
tST VA GOMO PREYENCO.
Apezar do nosso traba I lio ser muilo co-
nbecido nesta cidade, aonde trabajarnos a
#2 annos, com tudo j algamos de nosso de-
ver dizer hoje o seguinte:
Nos retratos fetos em nosso estabeleci-
mento emprega-se toda a cautela para of-
ferecer-se a par da belleza do trabalbo, as
melhores condicoes de"durac5o. Doura-
mos e fixamos os nossos retratos sem oltaar-
mos a economas, e ltimamente para Ibes
podermos dar orna lavagem mais ampia
e segura, contratamos com a companhia de
Bebiribe orna penna d'agua. Os nossos
cartes de de visita sao verdadeiras photo-
grapbias, que nao preciso de retoques do
pintor para Ihe desfarcarem os defeitos, e
convidamos a quem quizer a passar sobre
elles urna esponja molbada em agua, ou a
deixa-los mergolbados por espaco de horas
em agua, ou em espirito de vinho: se apre-
sentarem al.teracSo sero recebidos por nos
e pagos pelo duplo do que tiverem cos-
tado.
Continuamos a fazer retratos por todos os
. systemas pbotograpbicos at boje conheci-
dos em photograpbia. O nosso sortimeoto
de caixiohas, quadros, passe-par-tauts, e
;oias de ouro para a coUocacjSo de retratos
o mais completo, variado e abundante que
existe nesta cidade.
AGUA FLORIDA
o
03
co
Q.
a>
-t
,
o
5'
s


n

'
as
2




MttBMMMttMS
O Dr. A. S, Pereira do Carmo (medico) M
est morando no sobrado n. 12 da roa da ;
Imperatrlz.
Fogo do ar
No armaiem da bola amarella no oilo da se-
cretaria da polica receben:-se encommeadas de
logo do ar para dentro fora da provlBcia.
esidencia e consultorio
Medico cirurgico
Pfecisa-se de official cabelleireiro e
rara O eXC^llentlSSimO mi- barbeiro em casa de Gustavo: ra da Cadeia
nistro da justica ver.
O abaixo assignado detido na casa de de-
tonlo desta cidade de Peroambuco ba tres
annos, e processado nos termos de Flores e
Buique, nao lbe tem sido permittido res-
ponder ao jury, nico meio de sua defera,
como lbe faculta a constituido do Imperio;
tendo sido requisitado pelos juizes daquellas
comarcas por mais de seis vezes. Chefe de
numerosa familia, e boje sobrecarregado de
prejoizos inclusive suas despezas durante o
largo esdaco de tempo que tem absorvido, a
pouca fortuna que de sen trabalho possuia;
e protesta reclamar at ser attendido.
Jo5o Manoel Fraz5o.
DO
Satisfeito o inventivo! veado raneo, com as maneiras attenciosas com que
fa desputaram a satisface de serem os prime iros a.compraren] em seu importante arma-
zem, se desvanece em declarar com toJa a lealdade de que capaz, qae est cada vez
mais animado, n5o so peto benigno acolbimento que tem Tecebido, como pelas torcas de
quedispoe porque at hoje n5o carecen ainda dos preparados de jurubeba, nem do
xarope alcoolteo de veame.
O veado rauco, declara a quem ainda o nSoconbec que nao um
desses bicbarocos intrataveis que por ubi vivera com figura .bu.asna; domesticado no
ameno paiz onde a amavel Ayuia Branca vio a luz d astro bemfetor, elle partidario
des invejavel agrado e sineeridade que com tanta gravidade se desprende do seu
bico encantador.
O veado raneo, como todo o homem civilisado, ama a sociedade dos
bons, gosta do centro do mondo elegante, usa do tnico de Jayme, para previnir que lhe
ponham a calva aosol, vai a companhia des Booffes Parisiens e no meio do partido de
jnadame Adelle, elle tambem atira-lbe o seu lindo bouquel.
Digoe-se o benigno leitor de jurar as palavras sinceras do sincero Veado
raneo, e venha prover a sua dispensa do que melhor se pode encontrar n'um estabe-
cimento de molbados.
A modicidade dos precos, comparados com a boa qoalidade dos gneros e o
bom modo com qoe se recebe os senhors compradores, deve cortamente convidar as
pessoas que ainda nao vieram nossa casa a fazer parte dos amigos e freguezes |do nosso
Curso de preparatorios
O bacbarel Ernesto Adolptio de Vasconcelos
Chaves, residente m roa a Madre de Dos n. 36
(Recife) lem aberW era sua casa corsos dos se-
grate* preparatorios :
Liagua luina
franceza
R-.h i.w. "Wlosopbl
newoe tambem alomos internos em pequeo
numero e sob condtecSes razoaveis. Pode ser pro-
curadoaqoalquer hora do dia.
Prscisa-te de ama ama eserava para eogm-
mar e ecziohar para casa de multo pouca familia :
na rna .Nova n. 37.
Companhia fidelidade de seguros
martimos e terrestres \
estabelecda no Rio de Janeiro
j AGENTES EM PEU.NAMBUCO
Antonio Lhi de (Wiveira Azevcdo & C.
competentemente autorisados pela
directora da companhia'de seguros
Fidelidade, tomam seguros de na-
vios, mercadorias e predios no seu
escriptorio ra da Cruz n. i.
fia
BELLISSIMO MIMZEM
MOLHADOS
>. LlifK)
CONHECIDO PELO NOME

Estabeleciuo ra Direita n. 16.
Esquina da travesa de S. Pedro.
-i- O Sr. Jote Marques da Costa Soares,
que mora na ra do Vigario, queira vir
esta typographia, a negocio que n3o ig-
nora._________,*, ,..,...,. __________
O abaixo assignado avisa ao respeitavel cor-
po do commercio desta praga e ao poblico em ge-
ral, qoe tem justo a compra da armaco e generes
existentes na taberna da roa do Hospicio n. 28,
pertenceate ao Sr. Bernardlno Pacheco dos Santos;
portanto se dentro do praso improrogavel de cito
das nao apparecer quem se opponba a realisacao
da dita compra, ella sera' eOectoada sem que o
abaixo assignado reste responsabilldade algama
para o alaro. Pernambuco 3 da setembro de
1867. Bernardo Gome^de Abrea__________
Francisco Jos da Fooseea, cidado porta-
guet, retira-se para Europa._________________
O abaixo assignado declara ao publico e ao
commercio em-geral qae nao vende nem compra
escravos, e nem tem transaeco algama a este
respelto.
_______________Maximino da Silva Gusmo.
Jdaqulm Moreira da Silva vai a Europa.
Ainda restam algumas col leches das bio-
grapbias de aigoas poetas e outros borneas Ilus-
tres da provincia de Pernambuco, pelo commen-
dador A. J. de Helio. Tres tomos por 9$T" Na
ra Aogusta n. 92.
GAZEOL
0E
Burrin du Buisson
Dr. Antonio Osarte
na praca da Boa-Vista n. 21 onde m
pode ser procurado a qualquer hora, m
Espeelalldade
Doencas do peito, e de meninos, i
i^^
N. 2D
CIRAC.
N. 2 D,
DE OURO.
MURRAY & LANMAN
A agua florida de Murray & Lanmand
ornada como nm artigo de perfume, nc
tem podido ser igualada pelas preparacSes
as mais custosas: conserva seu aroma, co-
mo se formasse parte da prenda a que ella
te applica.
Sua eficacia to delicada, como elegan-
tes sao seus multiplicados usos, qur seja
empregada como artigo de toucador, qur
no uso do banbo, ou como suavisador da
pelle, depois que se tenba feito a barba;
ja para limpar as gengivas ou aromatisar o
balito.
D suavdade, brilho e elasticidade at
compleicoes, depois de se.haver lavado; al-
livia a irritacSo de erupcoes ordinarias; fas
desapparecer o desagradavel aspecto dos
pannos, das sardas, do rosto, rugas e toda a
casta de ebulic5es, e d vigor e frescura
parte onde quer que se applique. Sua efi-
ciencia e elegancia s5o igualmente infalli-
veis nos casos em que seja preciso applica-
a como estimulante e antisptico, nos con-
cursos e assemblas numerosas, as loca-
lidades infeccionadas, na alcova de um en-
fermo, assim como um antidoto excellen-
te para os desmaios causados por cansaeo
on suffocac3o. Preparada nicamente por
Lanman A Kemp, Nova York, e a venda por
Caors & Barbosa.
Jo3o da C. Bravo & -3
A' venda as drogaras de A. Caors, Bra-
vo &C. e P. Maurer VC, e em todos oe
estabolecimenospharmaceoticos do imperio
$9*Vt\ PtWSr JtfelStOB k (ialBUl
Ruada SenzalaNova n. W.
AQINCIA DA
Fondlelo le t#w mw,
acioas a vapor de 4 e 6 civalloi,
Moendas e raeias moendas para engenbo.
Vaius de ferro coado e batido para enge-
nbo,
Arreioadeoarro para nm e dota cawHot.
Belogioi de ouro patente ingle/
Arados americanos,
iachinaapara dscarocr algodio.
Motores para ditos.
Hacbipis Liquida voltil preparada por Smllose, repro-
dazindo cbimicameate os vapores qae se soltam
em volta do aparelbo purificado do gax carbnico,
empregada com o mais segaro saceesso contrr
a coqueluche, a pbtisica e todas as molestias ebro-
oicas dos pnlmdes
VESDE-SK NA
Botica e drogara
DB
Bartholomen <&: C.
34Roa larga do Rasarte34______
MEL
Vende-se mel: a tratar a roa do Apollo n. 4.
MOFINA
Para o Eim. Sp. ministro da justica
ver, admirar e providenciar.
Hoje a cobica assentoo-se
no logar da eqaidade : o jnii
vende a conscienela no mercado
dos poderosos, como as mulhe-
res da Babylonla vendiam a pu-
dicicia, as pracas publicas, aos
qae passavam diante da luz io
dia. (A. Herculano.) >
No Despertador, folha da provinela da Para-
byba, o bacbarel Jos Joaquina de Sa' BenevMes
apparecea qaerendo provar o horroroso proeedi-
menlo que teve para comigo na qoalidade de juiz.
Sao tantas as mentiras dsse calumniador, qae
cada vez se envoive mais de lama. Mendax in
uno, mendax in mnibus. Perante o mano hon-
rado juii de direito da comarca, o Dr. Victorino
do Reg Toscano de Brito, prove a legalidade da
transaco qae Qz com o mea devedor Antonio
Herculano d'Almeida; tanto assim qoe o mesmo
juiz derrihoa o moostro filbo do despeito, da pro-
teccao e do patronato.
Prove exoberaotemente, e tenho consciencia
de qoe o juiz de direito Toscano de Brito nao me
fez favor e sim intelra jostra ; e se Benevldes for-
jnu o monstro processo, ( elle forjon). segando
voz geral, foi por dever a Barboza, lio do mea de-
vedor, a qoanlia de 1:G000C0, e nao podendo pa-
gar-lbe, prestou-se a essa vioganca miseravel, cao-
sando-me graves prejoizos superiores a 20:0005,
como lbe poderei provar; sendo com o processo
de estelllonato algans 4:0004 ; estando onze das
na casa de deteacao para ser remetlido para a Pa-
rabyba. O Dr. Benevides cobrio-se de Lama, e,
como nao pode provar o sea acto, apparece peld
ornal meutindo descaradamente, e pegande-se e-
teias de aranbas.
Miseravel juiz : vem pelos jornaes de Pernam-
buco provar o qae dissestes n'aqaella correspon-
dencia pelo modo seguate :
1.* Quaes os eoromerciaotes qoe Uverao nego-
cios comigo, e qae contam (actos de pouc* sineeri-
dade.
2. Se lea similis cum sunibus, coJIega Joio
Fernandes Lima, juiz municipal de Bananelras,
me qoiz prender, e por qoe motivo.
3.a Quaes as lettras de boas firmas qoe vendi
pela metade de seo valor.
Vem tambem provar por qae le recasaste a des-
pachar favoraveimente daaspeiic.oes miabas, quan-
do eram para provar minba innocencia; e assim
commetteste de tres cousasurna ou ignorancia
ou peila oa VcDaliUade.
Veo provar. o contrario do qoe disse o Volun-
tario da Palria > oe Diario de 38 de juobo do cor-
rete, quanto a's segointes pbrases, qae moito
folgare, meo charo bacbarel, de te ver escoimado
las taitas de qae te' aocasam : t Miseravel,
Negro, Prevaricador, Ignorante, Corrupto, Mal-
vado, Indigno juii coja vara Bao pode ser mais
respeitada per estar coberta de lima >.
Se nao vieres pelos joman de Peroamboco pro-
var o qae Mina pe?o, tirei er eiacto todo qaan-
to se tem alto pelos jornaes contra o bacbarel Be
nevides; e nao retirare! eita < Mofina *, at qae
Sua Uagesude o Sr. D. Pedro II Exm. Sr. mi-
nistro da jusiica veiam, e providencian de ma-
neto a flear minba banitMe petsoa desaggravada
das otfeosas e das abases de antoridade, pracados
pelo juiz municipal da villa da Independencia na
provincia da Parabyba, o bacbarel
JOSr JOMill DE SA BENEVIDES:
A pnsao a' noite t tomoltoarlamente arrastado T
O monstro processo de estelllonato derribado
pelo joiz de direito?
Os onte dias da prisio, e os prejaizos calculados
en mus de 20:0004000 7
Os dous despachos indaerides, negando os meios
de defesa do reo e protegendo a am falsario.
Recife, J3 de agosto do 1867.
Jos Gmti ViUar.
Gabinete medico cirurgico
DO
Dr. Ignacio Alcibiades Vellozo
Pode ser procurado a qualquer hora do dia ou
da noite prestando-se aos chamados fora da cida-
de, com toda a promptido. Pratica qualquer ope-
ragao. Da' consultas das 6 s 9 horas da manha :
roa da Imperatriz n. 86;____________________
Joaquim Jos Gongalves
Beltro
Rl'A DO TRAPICHE N. 17 Io ANDAR)
os
e
paquetes
sobre os
Sacca por todos
jo Minbo em Braga,
c em Portugal.
! aber:
Lisboa.
Porto.
Valenca.
Gaimares.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Con< Arcos de Val de Vez.
Vianna do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Fameltcao.
Lamego.
Lagos.
Coviibaa.
Vassal (Valpassos.)
Mirandella.
Beja.
Barcellos.
sobre o Banco
gaiotes luga-
A loja n. 2 D intitulada Coraco de Ouro na ra do Cabagi, acha-se d'ora em diante cfferecen
do ao respeitavel poblico com especialldade as pessoas que bonram a moda os objectos do ultimo gos
to (a Pars) per menos 20 por cento do que em ootra qualquer parte,farantmdo-se a qoalidade e a so
idez da obras.
O respeitavel publico avallando o desejo qnedeve ter o proprietario de um novo estabelecimen-
to qae quer progresso em sea negocio deve chepar inmediatamente ao corado de ouro a comprar
aneis com perfeitos brilbantes, esmeraldas, rubios e perola; verdadeiras em agarras, modernas pele
diminuto preco de 104, brincos modernos de ouro e coral para menina pelo prec,o de 34, maracas de
prata com cabos de marfim e madreperola obra de moderno goslo (o que o encontrarlo no corceo de
ouro) voltas de ouro com a competente erosiona ricamente eofeitada pelo pequeo preco de 124, brin-
cos de um trabalho perfeito por um mdico pre?o, cassoletas, tranealkis, pulceira?, alflnetes para re-
tratos e outros modelos tudo de alto gosto, aneis proprios para butar cabello e firma, .dito para casa-
mento, no artieo rsete tem o Coraco de Ouro nm completo e bem variado sprtimenlo de diversos
gostos, bufos para punbos com diamante, roblns e esmeraldas, obra esta importante ja' pelo sea va-
lor ja' por jrosto ds desenbo, brincos a forma da delicada rooslnha de moca com pingente contendo es-
meraldas, r,ubins, brilbantes, perolas, o gesto sublime, alflnete para gravata no mesmo gosto, relo-
gios para senhora cravados de pedras preciosas, ditos para homem, diversas obras de brilbantes de
nuito gosto, crosinhas de robins, esajeraldas, perolas e brilhantes, aneis com letras, cacoletes de
trystal e euro descoberta para retrato (a ingleza) brincos de franja, ditos a imperatrize toda e qual-
quer jola, para secolocar retratos e obras de cabello, e outros muitos objectos que os pretenderes en-
contraro no Coraco de Ouro que se conserva com toda a amabilidad aos concorrentes delxando-
se de aqu mencionar precos de certos objectos porque (desculpem a maneira de fallar) dzendo-se o
preco talvez algaem faca mo juizo da obra, por ser to diminuta quantia a vista do sen valor.
Na mesma loja compra-se, troca-se ouro, prata e pedras preciosas, e tambem recebe se coneer-
tos, por menos do que em outra qualquer parte, e dio-se obras a amostra com penhor, conservanoo-s
e Coraco de Ouro aborto at as 8 oras da ooile.
Qualquer pessoa que se dirigir ao Coraco de Ouro nao se podera' engaar com a casa, pois
note se ua sua frente um coraco pendurado pialado de amarello, alem de outro que se nota em um
rotulo (isto se adverte em consequencia de terem ja' algumas pessoas engaado com ootra casa.
Precisa-se
comprar ou alagar ama casa terrea que esteja si-
tuada na ra da Rodaou S. Francisco : a tratar na
ra do Queimado n. 46, loja.________________
Aloga-se urna eserava moca e robusta para
casa de familia, que faz todo o servlco externo e
Interno : quem precisar procure no Corredor dc-
Bispo defronte da casa n. 12.
COMPRAS
Aluga-se
O segundo andar da roa do Amorim n. 48, com
cmodos para familia : a tratar no armazem do
mesmo. __.
O Dr. Joao Baplista Casanova
pode ser procurado a qualquer hora em
. seu consultorio homeopathico largo da
, -matriz de S. Antonio n. z.
No mesmo c msoltorio tem sempre grande sor
timento le medicamentos de bomeopathia de We-
bere Catellan, tanto em glbulos como em tintura,
assim como tem um sortimeoto de ferros de ci-
rurgia em carteiras e avulsos do afamado Cbar-
rier de Paris._______________________
Na praga da Independencia n. 33, loja de
ourives, compra-se ouro, prata e pedras preciosas,
e tambem se faz qualquer obra de encommenda e
todo e qualquer concert.___________________.
A secretaria da polica precisa comprar
as collecces de leis do imperio e decisoes
do governo relativas aos annos de 1839,
1850,1851 e1852.
A pessoa que as tiver e quizer vehdej
compareca na referida secretaria s boras
do sed expediente, ou entenda-se com o res-
pectivo secretario, roa da Saudade n. 15.
O official-maior da Ia seccio
Jos Xavier Faustino Ramos.
Attenco
Cbama-se a attenco de quem competir para a
obra qae se esta fazendo no traplebe do Pelouri-
abo, pols urna porcaria completa.
O protector da Baha.
9. S ARa de CafongX. 3 A
Agostiuho Jos dos Santos # G

Acaba de chegar a este estabelecimento um esplendido sortimento de
joias do ultimo gosto, perfeic5o artstica e modellos enteiramente novos; como
seguem: aderegos com rubim, esmeraldas e perolas finas, pulceiras, broches
para retrato, anneis, botes de punho, brincos e cassoletas com letras, etc..
etc., etc. Salvas de prata do Porto, faqueiros, paliteiros, calx de mesa o
fracteiras, cujos precos s5o incompetiveis, pois que os proprietarios desta casa,
recebendo seus artigos directamente da Europa, podem servir vantajosamenta
aos seus freguezes. Compram-se brilbantes,. pedras finas, ouro e prata, page
se bem, tambem se ncumbem de fazer concertos.

Moedas de ouro.
Nacionaes e estrangeiras assim cortTo libras
esterlinas : campram-se na roa do Crespo c. 16,
primelro andar.____________________________
Compra-se moedas de ouro de 204,164, 104
e 94 a ra da Cruz n. 3.________________ .
Moedas de prata
nacienaes, assim como paiacSes portuguezes e
bespanbes, compram-se com premio : oa rea do
Crespo n. 16, primeiro andar.________________
libras esterlinas
c
Compram-se com bom premio : na pra-a Ja lo
dependencia n. 22.________________________
Compram-sc escravos
Silvino Guiiberme de Barros, compra, vende e
roca effectivamente escravos de ambos os seic
de todas as Idades : a' roa do Imperador n. 79.
e-rceiro andar._____________________
Pataces
Compram-se pataces bespanbes, portuguezes o
brasileiros de conho antigo, em casa de Aiamson,
Henry A C., roa do Trapicbe-novo n. 40.
24F0Q0
Compra-se oa loja de joias do coraco de ouro
n. 2 D, roa do Cabug, moedas nacionaes de 504
Ouro e prata em moeda
Compra se por maior preco do que em outra
parte : na roa Nova n. 31, loja de ferragens.
No armazem de tintas ra do
dor n. 22, vende se :
Salitre refinado arroba 64500
Enxofre arroba 24800
Atten$o.
N. 25 ftna do Livramento \ 25
Deposito de tamancos e calcado nacional da fa-
brica da ra do Jardlm o. 19, de Jos Vicente Go-
dioho, tanto no deposito como na fabrica seapromp-
tam todas as porc.oes de calcado o mais barato
possivel, este fabrica tem todas as machinas pro
priaspara os calcados ja bem acreditados pelo
grande numero de freguezes qne daqoi se for-
neeem.
Precisa-se comprar ama lancha em perfejto
estado, que pegue em ZOO saceos com assacar -
oa ra da Cadeia, loja o. 35. se dir' quem pre:
cisa.
Maria Q. Rodrigues Perreira, Mara Q. R. Fer-
reir, Isabel Clara R. Ferreira, Delflna R. Ferrei-
ra, Francisca P. R. Ferreira, Margarlda A. F. Mar-
ques, Mara C. N. dos Santos, Jos R. Ferreira J-
nior, Antelo L. R. Ferreira, Joio Ferreira dos
Santos, Maneel Francisco Marques, e Antonio
Francisco Lea), agradecer cordialmenle a todas
as pessoas qae se dignaram iSsistir os oltimos
suffraglos feltos a seu esposo, pai, sagro e cunea-
do e convidara aa avernas pessoas para assistl-
rem a mista qne se ba de celebrar segunda felra
9 do corrate mez, pelas 6 boras da manba, oa
igreja da ordem terceira de Nossa Senbora do
Carmo palo qae desde ja te coifessam elema-
mept en**, '
Roobaram bontem noite da roa do Impera-
dor n. 90, omrelogio de prata descoberto, com am
cordio de rede e janumente ama cbave de oaro :
roga se portento aos Srs. onrlves a relojoeiros de
no eso de ser orTerecidp leva-lo a meso ma n.
90, fBe se gminn'. i

Irmandade do Espirito Santo
Por ordem da mesa regedora convido aos'irmios
da Irmandade do BspirUo Santo para asalstir a
fetbt de Nosia Santera do Cenaeolo, qae ten' lo-
gar no da 8 do corrate najas 9 hora* a maabia,
anniversario da reconciliado 4a (reja, asaim co-
mo pelas 7 borts da urde para yfe-jKoOJ. Reci-
fe 6 de atemore e 1107.
O. Afta,
Esorlvao.
Chocolate vermicida
DE
Antonio Nunes de Castro.
Desde 1837 qne sao as tabellas vermicidas ap-
plicadas em Portugal, como o remedio prompto e
efficaz para a expulso das lombrigas, qae lo gra
ves pidecimentos cansara e qae qaasi sempre nao
se suppoe ellas a origem.
Este vermfugo preferivel a qualquer outro
pelo seo agradavel paladar e fcil applicago as
crianzas qae mais geralmante sao atacadas de se-
mejante mal. v os c
Deposito especial
34Rna larga o Rosario34
Botica de Bartbolomeu & C.
Saques.
Joio do Reg Lima saca sobre Lisboa : a roa do
Apollo n. 4.
Na roa da oiio n. 40, precisa-se de um
bem criado e de urna cosinheira ou cosinbeiro pa
ra o servios de ama pequea familia.
nos
MARTIMOS
CONTRA FOGO.
A companhia Indemnisadora, estabelec-
da nesta praca, toma seguros martimos so-
bre navios e sena carregamentos, e contra
fogo em edificios, mercadorias e mobilias:
na ra do Vigario n. i, pavimento terreo
Trocam-se
as notas do banco do Brasil e das calas filiaes-
dom descont muito rasoavel, na praga da Inde,
oendencia n. 22.
vuro e prata
Moedas de ouro e prata nacionaes, estrangeiras
de todos os valores se comprara oa loja de cur-
ves junto ao arco de Nossa Senbora da Conceico,
roa da Cadeia do Recife, assim como ouro e prata
em obras velhas, brilbantes, diamantes e se paga
bem.____________________________________
Compra-se ouro e praia em obras velhas :
na praca da Independencia a 22.
Compram-se

com premio meedas de ouro e de prata nacienaes
e estrangeiras: na ra da Cadeia do Recife n. 16
armazem de Adriano, Castro & C.__________
Comprase sempre por mais do que em ou-
tra qualquer parle, prata brasfleira e estrangeira
(patecSes) libras esterlinas, moedas de 94 e 164
portuguezas, de Sf, 104 e 204 brasilefras, oncas
eu ootra qualquer qualidade de ouro, e se trocara
sedulas do banco do Brasil e caixas filiaes de ou-
trag provincias: aa roa da Cadeia do Recife o.
58, loja de azulejo.
O bacbarel lgoacio Das de Lacerfla
pode ser procurado para os misteres da
profissao de advogado a roa do Crespo
7, 1* andar.
Furtaram na mairasada do dia 8 do correite,
do sitio onde mora o capltao Miguel Jos de Almel-
da Pernambuco, em Ponte dt Uch, done eavaUos
mellados de dinas pretea, ferrados de novo, tendo
nm delta faca e etqulpador, e o outro nm pooco
barrigudo e andador baixo : pede-se a quem os
vir os apprehenda e leve ao referido sitio, oa na
cochelra 4o Sr. Bapsta, oa ra do Imperador, gra-
Uflcando-se geaerpaanuate a quem os entregar.
Quem precisar de ama pessea habilitada pa-
ra em sen lagar assenter praca no exercMo pode
iristrse a roao ewlnifrn. Msrtoja.
O abaixo assignado competentemente aoto-
risado para cobrar por meios amigaveis oa jadi-
ciaes o qae se dever a empreza do gaz, convida a
todos os decidores para entregarem ao abaixo as-
signado a importancia de suas dividas aura de evi-
taren) processo judicial. Recite 3 de setembro de
1867. R. J. Barata de Almeida.
Saboneta de alcatro
O oso destes sabonetes tem aprese otad o os mais
benficos effeitos contra as impingens, sarnas, ti-
nba, caspa, comiences e todas as demais molestias
de pelle
. VE-NDE-SE NA
Botica e drogara
DB
BartholoMeu dr Coaipaaihla.
4Roa terna d Batuto.14
ft Ao amanbecer de qalnia-fel'a 19 de agosto
tartaram do engenbo Galilea da cidade da Victoria
dous quariaos, um castanbo, de sella, ootro caxi-
io (tirando a preto) e ambos castrados, com este
ferro P.' na pa direita e no qaarto esqaerdo: ro-
ga-se portento as autoridades policiaes, senbores
de engenbo e mais proprietarios, toda e qualquer
pessoa do povo a apprehensao dos mesmos mnlto
principalmente do ladro para se proceder segn-
* >>
Eoaenuo Galilea 1* de setembro de 1867.
- Precite-se de ama anta para casa Je pouca
fatnflfa : a'tratar na na d Alegra 3..
Cuinpra-se
cobre, lati e chumbo : ao arioaiem da boa amz>
relia no oito da secretaria da polica.
Naroa do Crespo n. 15, 1* andar, compra-se
nm cofre de ferro qoe tenba bastante segotanc.
Compra-se o drama era cinco actos
A noite do homicidio oa O ambicioso poli-
tico: nesta typograpbia. _______________
Comprase ama casa terrea em qualquer das
fregoezlas da capital, cajo valor nao exceda a
2:0004 : a tratar a roa do Pilar n. 6.__________
Comprase urna padarla que seja em bom
lagar oa entra se de sociedade cora dous oa tres
escravos idneos, para admioistrar oa tambem se
taz o mesmo negocio com alguma refinacao : quem
qaizer esle negocio annuncie por esta folha.


IVENDASi
---------- .
Venderse
am moleqae de idade de 17 aooos, bem preto e
moflo sadio ; excedente peca : a tratar a roa
do Codorniz n. 2
= Veode-se aa ntolatlobo da idade 17 a 18
annos, bonHa Bgora, qoe por malta preciso que
sua senbora se aithi do mesmo ; quem pretender
dirite-to a roa de Bertas n. o*.
a; Bernardlno Pacheco dos Santor vende a soa
taberna na roa do Hospicio o. 28, ao Sr. Bernar-
do Gomes de Abrea : quem se acbar com direito
nella apreseote-se no praxo de tres dias, a contar
de boje no armazem de MaooeJ Souza C. Pimpio.
Recife, 7 de setembro de 1867.
Defronte do patelo episcopal, casa o. 15, se
vende om reatadlo eepeetel para molestia de pnl-
mdes, sangue pola noca, tost agida, bronohites, e
oatras molestias qae atacara o peito; tem este re-
medio feito coras milagrosas; assim como baoba
especial para criar cabellos e segurar as ratees,
conservando a cabeca sempre fresca e sem caspas.

v.


.
,
- -i...
..rtff *MmM#.*. ^bado,-HMHPi &"*
5
*

P1

de
Cintos pretos
edeautras carea, com franjas
drilhos brancare-arettis.
A afola braaea, na ra doQoeimado n. 8, rece
beo d'es*es modernos cintos de ponas, eon frac
jas de vtdrllhos crneos e pretos ; comparece
pols, os pretndeme?, que acbarao sortimento >
conteoto.
Collares Royer
Oa Anodines eleetricos magnticos
Deposita) acreditado
Loja da aguia branca ra do Qeimado n. 8
Apregoar anda os prodigiosos effeitos dos
Collares Royer j nao ensioar ou querer
introduzir novidades, porque a fama de sua
elflcacia tem-se tanto estendido, e os seus
fehzes resultados a tai altura elevado, que
boje rara a pessoa que por experiencia
propria, ou por intermedio de seus amigos
e parentes, ignore ou desconhe;a as virtu-
des desses sempre apreciaveis coliare
Royer.
A aguia branca porm sa gloria de coacor-
rer para um tao justo fim, se nao por ou-
tro modo ao menos por ter sempre, e cons-
tantemente um completo sortimento desses
collares magnticos, que bem se podem cha-
marsalva vidas das enancas.
Resta anda que os senbores pas de fa-
milia se facam convencer jde que conven)
nao esperar que as criancas sejam atacadas
do mal, e por isso necessario ou conve-
niente que com antecedencia se deite na
crianga um desses collares para assim estar
ella preservada das convaleces e se contar
livre dos rigores da denticao.
A aguia branca roa do Qeimado n. 8
contina a receber por todos os vapores
francezes a quantidade que ha contratado e
por isso acha-se ella sempre provida dos ver-
daderos colUres ftoyer eletricos magn-
ticos.
Bolas ds Borracha para brln-
qnedos.
Vendem se na ra do Qeimado loja da aguia
branca n. 8.
Carretels de retroz para ma-
chinas.
Vendem-se na ra do Qeimado loja da aguia
branca n. 8.
Papel paquete.
Vende se na ra do Qaeimado loja da agnia
ranea n. 8.
A Agoia Branca ra do Qeimado n. 8,
recebeu de novo os seguintes objectos
est vendendo-as por precos rasoaveis.
Modernas fivellas.
Modernas fivellas de madrepcrola, lavra-
das e lisas, guarnecidas com enfeites de
prata dourada, vendem-se na loja d'Aguia
Branca ra do Qeimado n. 8.
Leques
todos de sndalo, outros todos de saodalo
com bonitos desenbos que representan) qaa-
tro vista, outros de sndalo e seda, outros
de faia tambem com desenbos que formam
qnatro vistas; vendem-se na loja d'Aguia
Branca, ra do Qeimado n. 8.
Luvas finas
de camursa, brancas e amar ellas: vendern
se na loja da Aguia Branca ra do Qei-
mado n. 8.
Latas com banba fina
vendem-se na loja da Aguia Branca, ra
do Qeimado n 8.
Gbapelinas modernas,
enfeites de llores, capellas finas para noivas,
ditas brancas e cor de rosa para meninas,
caixos e ramos de flores finas e botoes de
rosa de diversos tamanbos: na Aguia Bran-
ca ra do Qaeimado n. 8.
Meias finas para meninos.
A Aguia Branca ra do Qeimado n. 8,
recebeu meias mui finas para meninos, e
est vendendo as de cores a 5)OOO duzia,
brancas a 5JI500 e cruas a 6^000.
Trancas de vidrilhos, brancas e pretas, lar-
gas e estreitas.
A Aguia Branca a ra do Qeimado n. 8,
recebeu novo sortimento das trancas cima
ditas, e como sempre vende-as por precos
commodos.
Fitas novas
para cartas de hachareis e a.irmandade do
Bom Conselho.
A Agaia-Brancv, a ra doQueimado n.8, receben
novas Otas acbamalotadas para ambos os lados,
mu encorpda e toda de seda, com viva o agrada-
ve I cr, e orno sempre, vende por preco multo
rasoavel.
Collares Royer magnticos
iledalhas e pulsen-as magnticas.
A Aguia Braaea receben nova remessa dos pro-
venosos collares Royer magnticos, ja summamen-
te conhecidos para preservar as convnls5e3 e faci-
litar a denticao das criancas.
Com esses ntels collares eleetricos magnticos
tamben) nao pequeas qnantidades de medalbas
e pnlseiras elctrica magnticas enja ntiiidade
tem sido aproveitada por qnem soffre do nervoso
bypocondicc, tremores as mos etc.
Assim como os collares Royer esto geralmente
conhecidos e acreditados pelos efflcazes effeitos e
bons resultados que tem colbido as pessoas qne
delles tem usada ; assim tambem ebegaram a ga-
nbar tao alta reputagao essas apreciaveis medaibas
e pnlseiras magnticas, urna vez qne o aso dells
fr se estendendo a todos qne aellas necessitem. A
Aguia Branca contina a receber por todos os va-
pores francezes nma determinada quantidade des-
ses sempre preciaos e estimados collares Royer
magnticos e por isso Oque na lembranca de todos
qne os acbaro constantemente em dita loja da
Agnia Branca, roa do Qaeimado n. 8.
Vende se
azeite de peixe mnito novo a 500 rs. a garrafa : na
rna das Crnzes n. i.
P0T4SS4 D4 UiSSIA
A 200 rs. a libra,
de muito superior qnalidade : veode-se no escrip-
torio de Oltveira, Filhcs & C, largo do Coroo San-
ARROZ DE CASCA
Vendesen saceos grandes a 4>50d { no tra-
piche do Cunta._______
~ Vendem-se as partes dos engenbos Amparo e
Mocot na fregoezia de Santo Aotao, sendo a parte
deste de 2:800J e a daquelle de 6:000,1000 : a
pessoa que pretender dirija-se a ra da aladre de
DeoBD. 14, on no cacado Ramos a. ti._______
Vende-se por preclsio ama escrava crionla,
de bonita agora, sera vicios, sabendo bem lavar de
varrela e sabio, cozinba o diario de ama caa -
na roa da Maigoeira na Boa-vista n. ti.
GRANDE SORTIMENTO
Mal]
US ~QT] -" '
Alm do grande sortimento das memores machinas, americanas para descarrocar
algodao, de 10, 12,14,16, 18,20, 22, *, 30, 35, 40 e 50, neste estabelecimento-sa
encontra mais o seguinte:
Azeite de espermacete propria para, machi- C is com vidro sortidns.
as.
Vapores de forca de 3 a 4 cavallos.
Serras avulsas para machinas.
Manc5ese todos os mais pertences para a
mesmas.
Carros de mo para aterro.
Cylindro para padarias.
Debulhadores para milho.
Arados americanas.
Carrinhos proprios para armazens.
Moinhos para reGnaco.
dem para milho.
Escadas de madeira americants.
Caixas com vidro sonidos. .
de todas as qualidades.
Bombas de japyz. t ^
dem americanas.
Ferros para engommar a vapor.
Vassouras americanas.
Baldes americanos para compras.
Tinas de madeira.
Ballaios e cestas de verguinha.
Guarda comidas. '
Peneiras d'arame para padarias e refinacSes*
Correntes para almanjarra.
Machados e facoes americanos.
Barricas com milho branco americano.

FA2EIDAS BARATAD
LOJA E ARMAZEM "
no
P A V A(T


Ra da Imaeratrlz i. 6a
BE
fcAM afc SILVA.

Os proprietarios deste grande estabelecimento acabam de recetor da Europa um
grande sortimento das melbores fozendas de 13a, linbo, algodao eseda, asquaes venden)
por precos baratissimos, afim deapurarem dinheiro, dando de todarelias amostras,
deixando ficar um peohor ou mandam-nas levar em casa das Exmas. familias pelos sena
caixejros, assim como as pessoas que negociara em pequea escala, nete estabelecimen-
to cdmpraro pelos mesmos precos que se comprara as casas inglezas, gaDhando-sa-
apenas o descont.
-
Casemiras pretas entestadas a \ 6o*. Vestidos ue tautazi* a 6,? e 8*.
Na foja do Pavo vende-se superior casemira Vendem-se bom'tes cortes de vestidos de
aiestada preta para calcas e paletos pelo barato fantazia com lindas barras e enfeites de seda
le pelo baratissimo preco de 6-S e U na loja
e armazem do Pavao ra da Imperatriz n.
60. De Gama & Silva.
Pannos de linbo.
Vende-se superior panno de linho puro
para lences e ceroulas a 640, 700 e 800
res, a vara na loja e armazem do Pavao ra
Cambia u
Venham ver
Vende-se na K ja de marcineina na CamtiOa uo
Carme n. i2. palba apparelhada da raellicr sorie
pari tecercadeirar e sotif, por1 preco mais co1-
mododo que eajoutra qnaiqaer parte.
> fl'-lf
Armazem de kzendas finas para grandes toilette e uso
ordinario para todas as classes.

raa xd pa
ra do Crespo a, J a. esquina da do Imperador
* DE
Custodio Jos Alves Guimates.
O proprietario deste importante estabelecimento avisa ao respeitavel publico
aos seus amigos e freguezes que acaba de receber pelo vapor francez Guienne, di-
versos artigos de moda, os quaes sao de completa novidade para este mercado, e apro-
ximaudo-se o dia da commemora^ao do anoiversario do Hospital Portuguez, por isso
apressa-se em vir avisa-los do que ha de mais moderno em seu estabelecimento, como
sejam:
Riquissimaschapenas com coque. Luvas de Jouvin preta, branca e de cores.
Ditas sem elle. I Lindos cortes de la com barra.
Lindas chapelinas de palba da Italia. (Re-s Riquissimos cortes de.transparent dose-
commenda-se muito estas chapelinas por se- da para vestido de senhorastambem novi-
- .y. o covado u _m. ....
de calca, dita moito mais fina, covado a 2*200
o o corte a 35500, ditas muito finas sem serem
enfestadas a i|809, 2*000 e 2*300 cada covado :
na loja e arnaxem do Pavo pa rna da Imperatrii
d. 60 de Gama & Silva.
Espartilhos.
Vendem-se magnficos espartllhes francezes e
inglezes na loja e armazem do Pavo, na rna da
Imperatriz n. 60. de Gama & Silva.
' PANNOS DE CHROCHE*.
vende-se nm grande sortiment dos mais boni-
tos pannos de chrochs proprios para cadeiras, so-
pis, cadefras de bataneo, para aloofadas e para
cobrir presentes, e vendem-se por precos baratos
Di'Ja e armazem do Pavao, roa da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
FAZENDAS PARA LUTO.
Loja dt pavao.
Vende-se setlm da Cbina preto sendo urna fa-
zeca mnito leve e sem lustro com 6 palmos de
largara proprio para vestidos e roupas para ho-
rnera pelo barato preco de 2*000 o eovado meri-
no preto enfestado mnito bom a 1*600, superiores
bombazinas pretas a 1*600, 1*800 e 2*000 rs. o
covado, superior cantao a 1*200, lanzlnba preta
lisa a 400 e 600 rs. o covado, nm grande sorti-
mento de alpacas e princezas pretas qne se ven-
dem mais barato qne em ontra qualqner pane, na
loja e armazem do Pavo, rna da Imperatriz, n
60> d Gama & Silva.
As 10 mil Taras de cambraias
SO o PavSo
Vendem-se finissim cambraias france-
zas com listras miuda e graudas e com
lindos desenbos de Oo es e palmas, sendo
GRANDE BAZAR
rna Nova n. 20 e 22
Machinas paa costura do autor Wheeter
AWilson, chegadas ltimamente da Ame-
rica; as quaes pode cozer-se com dons
pespontos, toda e qualquer fazenda, emba-
raar, frangir, bordar e marcar roupa; tndo
coniperfeicao. S3o to simples, quecom-
prehende-se fcilmente a maneira do traba-
da Imperatriz n. 60. De Gama & Silva. ,jhoe a pessoa tendo pratica de coser em ma-
Bramante de linho a 20 20400, 20800 reisrPIDas- Pde fazerpor diaoservico que fa-
a vara. .ciam 30 costoreiras.
Vende-so superior bramante de linho'' e^ama"^e. ^ estabelecimento a atten-
com 10 palmos de largura proprios para ^ d0 Publico, visto que elle se acha com-
inceles, pelo barato preco de 20, 20400 e Patamente sortido de objectos de gosto
20800 reis a vara, na loja e armazem o^f0 bem leques de madreperola e de san-
Pavio ra da Imperatriz n. 60. De Gama da'.> Avelas, fitas para cinto/cokes per/u-
& Silva.
Algodosinho enfestado a 10 10290 reis a
"vara.
Vendem-se superior algod5osinho ameri-
cano enfestado que a largura delle d a lar-
gura do lengo!, sendo liso a vara a 10 e sen-
do trancado a 10280 na loja e armazem do
Pavao roa da Imperatriz n. 60. De Gama <
Sirva.
Punhos e gol i n has a 10000 o par,
s o Pav5o.
Vende-se nm grande sortimento dos mais
bonitos e modernos punbos com golinhas,
Covado 300 rs. vara 508 rs. sen(jo de esguiSo de linho bordadosa 0OO
todas com as cores mais modernas emais sjjva.
o par, ricos manguitos com gollinbas de
cambraia tapada e transparente a 20000 o
par, E' pecbincha ; na loja e armazem do
Pav3o ra da Imperatriz n 60 de Gama &
lindas que tem vindo ao mercado, pelo ba-
rato preco de 300 rs. o covado ou a 500 a
vara, grande pechincba attendendo a
Calcinitas pera meninas a 640 e
800 ris.
Vende-se calcinbas bordadas para meoinas
grande porcSo que tem, sen5o seria para que aD(jam na escola pelos baratos precos
muito mais dinheiro : isto na loja e armazem' de 640 e 800 rs., manguitos para as mes-
do Pavao, ra da imperatriz n. 60 de Gama
Sitan
Chales baratos
20, 30500, 60 e 70000.
Vendem-se chales de merino estampados
a 20, ditos lisos a 30500, ditos estampados
maria e etc,
Na roa nova n. 20 e 22. Carneiro ViaB-
na &C.
mas e para senhoras pelos mesmos precos,
na loja do Pavo ra da Imperatriz o. 60,
de Gama & Silva.
Baldea de eanda.
Vendem-se as mais modernas crinolinas on ba-
ldes proprios para vestidos de canda, sendo os
melbores e mais modernos qne tem vindo ao mer-
finn a KAK RA UKnn Hitna annn i memores e mais moaernos que iem vioao ao mar-
unos a 505UU, 60, tyoW, ditos crepon' ead or preos molt raioavels. Da )oa ear.
rem ratenamente novidade).
Riquissimos cintos de seda, com matames
cbineza, ultima moda.
Lindas saias de l com bordados, proprias
para as excellentissimas senboras trazerem
por cima do balao, ultima moda em Pars.
Lindos cortes de seda para vestidos.
Moireantique branco, azul e preto, fazen-
da inteiramente nova.
Grosdenapoles de todas as cores.
Djlos pretos.
Leques de madrepcrola.
Ditos todos de sndalos.
Ditos de sndalo tendo no centro um qua-
dro de seda, inteiramente novidade e ulti-
ma moda.
Chapeos de sol para senhora.
Ligas de seda para senhora.
Ditas para meninas.
Espartilhos para senhora.
Riquissimos enfeites para senhoras, intei-
ramente novidade.
Bal5es para senboras e meninas.
Touquinbas ricamente enfeitadas.
Coeiros bordados.
Toalhas de labyrintho muito ricas.
Ricas fronhas de labyrinto.
Riquissimos lencos de dito.
Rendas, bicos da trra e grades para lencos.
Um rico lencol de labyrintos.
Riquissimas basquines de seda preta, bor-
dadas com gosto.
dade.
Lindos cortes de 15 com listas de seda.
Riqtajssimas fivellas para cintos.
Fil de seda e de linbo.
Riquissimas camisinhas para senhora.
Riquissimas saias bordadas.
Punhos e gollinhas para senhora.
Riquissimcs manteletes de cores, inteira-
meate novidade.
Peitos de linho bordados cora gosto pro-
prios para camisas de noivos.
Collarinhos de linho lisos e bordados para
homens.
Lindos veos e mantas de blonds.
Riquissimas vestimentas para baptisados
contendo cbapeosinho, sapatinho, meiasinha
e camisinha com lindos bordados.
Riquissimos chales de touquim.
Gravatas de seda branca para noiva.
Ditas de cambraia de linho com bordados
as pontas, novidade.
Chapeos de sol de seda com castao de
marfim.
Ditos de outras qualidades.
Chales de seda.
Ditos de cachemira.
Chapeos de seda preta para homem.
Ditos de pbantasia para homem.
Casemira preta muito fina.
Ditas de cores inteiramente novidades.
Cambraias, tas, chitas, madapol5es e ou-
tros amitos' objectos.
O dono deste importantissimo estabelecimento contina nolouvavel proposito de
querer vender muito e ganhar pouco, sujeitando-se a tirar em suas mercadonas um lucro
rasoavel, para assim poder melhor agradar aos seus numerosos freguezes.
Cal deLtodoa
Vende.se superior cal de Lisboa, desembarcada
diurnamente: no armazem da rna do Amorim nn
mero 14.
Cera de caraaaba,
e velas de carnauba, no armazem do Annes, de-
eonte de altandega. No mesmo se veBde om bra-
qi de balanza proprio para armazem.
Piano.
YeaAa-s* am bom plano forte^de tres cordaa: a
trtar unn da ImpritrU n, 60, Joja.
Cineau
Vaade-ia cimento Portiand no armazem d
Vicewe Frrira da Coatt A FHbo, roa 4 Madre
ieDfjm. K, ^
I"
ATTENCAO
LOJA DE FAZENDAS DE AUGUSTO PORTO i C.
11Ra do Qeimado11
i ara
Angosto Porto C. acabam de receber da Europa superiores cortes de seda de cores
bailes e casamentes.
Ricos cortes de blond com manta e capelia para iiolvas.
Cortinados bordados para camas de noivas e jaoel'.as d 1$ a 80* cada nm.
Colxas de seda e outras de la e seda o que ba de melhor para camas de noivas.
ToaJbinbas de croch para cadeiras e sof, espartilhos a saltana para senboras, camisinbas
com manguitos bordados e lindos encboves para baptisados, e bal5es de mnsselina e de arcos para
senboras e meninas.
Lavas de pellica para homem e senhoras e superiores chapos de sol de todas as qualidades.
Laa para vestidos baratissima bonitos padrSes o covado a 380.
Tapetes grandes pan sof, ditos para piaa; ditos para ema e peqnenos para portas e janellas.
Moir branco e pfleto saparior para vestidos de lindos desenbos, grosdenaple de todas as cores
seda de qnadrinbos. cambraias brancas de quitas qoalidade*, ditas de cores e lindas percales.
Basquinas de seda preta ultima moda, chales e retnos de guipare, vende-se barato.
'. Camisas para bomens francezas e inglezas de linbo e de algodao Anas e seroulas de linbo su-
periores.
Capas de borracha, sobretodos e perneiras as melhores e mais elegantes.
Halas grandes para viagens, ditas pequeas e saceos de tapeta e conro.
Bramante brancode 1 larguras a 2JJ300 a tara, pannos pretos e aines, casatniras pretas e da
cores tndo bom e barato.
Neste estabelecimento ba seajpre nm completo sortimento de boas fazendas unto para a praca
como para o centro da provincia e superiores objectos proprios para casamentos como sejam capellas,
mantas, vestidos de bloode e de moir branco, cortinados, colchas, veadendo-se todo mais barato a
tambem as melbore.3
Esteiras e alcatifas para forrar salas.
41 Roa o Qaeimado11
com listras de seda a 7500 e 800O,
pechincba : na loja e armazem do PavSo
ruu da Imperatriz n. 60 de Gama e Silva.
Para cania de uolva*.
Vende o PavSo.
a.cos cortinados bordados 8*000,10*. 16*,
2 e 2o o par ; assim como os mesmos tambem
sorvem para janellas; ditos adamascados a 105 e
12; bonitas pecas de cassas adamascadas para o
mazem do Pavo ra da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
I,as transparentes.
Cbegaram as mais modernas barejes oa iasl-
ohas'transparentes com bonitas listas de seda,
vendem-se na loja e armazem do Pavo raa da
Imperatriz o. 60, de GamaA Silva.
Casaqulnhos para senhora
Chegaram os mais modernos casaquinbos oa ja-
mMmoTffeU^rtwnitos' to^STTiu de'nma I ?uet" Pelas ricamente enfe.tadas sendo com cn-
e duas larguras, proprios para colchas, assim oo- ,or e sem ella- P"31SSLSS?9f
mo bonitas colchas de croch : tu*, Isto se vende' ootra qoalqaer parte : te vendem na loja e arma-
mais barato do qoe em autra qalqner parte, na' z.eldo Pavao roa da ^peratriz n. 60, de oama
loja do Pavao, roa da Imperatriz n. 60, de Gama Sl"jl; ..
& Silva.
Organdy a 40OOO.
Baldes a 2$, tfiAoo eS|.
Vende-se nm graude sortimento de crinolinas
Yendera-se bonitos cortes de organdy SB^&^,%%ortvr%Ba?r;S
sendo cora listras todas braceas OU com lis- cao : na loja e armazem do Pavo rna da Impera-
tras de cores tendo oito varas cada corte, triz n. 60, de Gama & silva,
pelo barato preco de kL pechincha: na! Madapolo e algodao
loja e armazem do PavaoVua da Imperatrii' Vendem-se superiores pecas de madapoia ten-
nB u fi ima fl Silva Ido 24 ardas cada ama pelos barat?s pr/J0S d.e
n. ou ae wn e auva. i w ^g^ 7# e ^ dilos rrancezes fazenda mnito
Atoalhados para meza a 2>000, 2(Jo00 e superior em pecas ou a retalho, algodao maito en-
34000. | corpado pecas com 20 jardas a 51.500, 6 e 6,8400,
Vende-se superior atoalbado de linho ;*< muito fino que serve at para camisas a 8#:
adamascado alvo com 8 palmos de largura a Da l0i*e- *. p'a0 r" da la>*r"T[t D-
34 a vara; dito adamascado pardo a 2 rs.; dito alvo de algodao a 24000 rs.; dito
trancado alvo, sem ser adamascado a f$600;
guardanapos econmicos pardos a 34 a du-
zia
Novoe
1''_' i .i '
grande deposito de superior cary&o de Gardiffna
Babia.
Antoaio Gomes dos Saates & C., roa Sanu Barbara n. 1, esto habilitados a ropprir de
(rT) em condcSes mais favoraveis que em aso qaalqner deposito, a todos os navios a vapor qn*
ccrim EArael'e porto. A sootraiar nesta oto Domingos Alves MatheasJ
60, de Gama & Silva.
Novidade do Pavao.
Alpacas, a 1280
Chegaram as mais brilbantes alpacas de
, ditos alvos a 34500 "e 44000: isto na', seda para vestido, sendo neste genero o mais
loja e armazem do Pavo ra da Imperatriz bonito que tem vindo ao_mer^f<3(0A^toi<^
n. 60 de Gama & Silva.
Gasaqninhos de l. I
Vende-se os majs modernos casaquinhos
ou basquinas de fil preto. pelo barato pre-
co de 164, chales e retondas de renda preta
na loja e armazem do Pavo ra da Impe-
ratriz n. 60. De Gama & Silva.
Cambraias largas com 8 Palmos de largura a
14 e 1280.
Vende-se cambraias largas da Escocia ten-
do 8 palmos de largura que falicita fazer-se
um vestido apenas com 4 varas, pelo bara-
to preco de 14 e 1280 reis a vara pechin-
cha ua loja e armazem do Pavo ra da Im-
peratiz n. 60. De Grna & Silva.
Cambraias escocezas tapadas e transparentes.
Vende-se um magnifico sortimento de fi-
nissimas cambraias brancas para vestidos
tendo mais de vara de largura pelos precos
de 104,124, 134, assim como um grande
sortimento de ditas mais abaixo de 44, 94.
64, 74 e 84, garntindo-se aos comprado-
res que neste genero nao podero comprar
melhor em outra qualquer parte e s na lo-
ja do Pavo ra da Imperatriz n. 60. De
Crna & Silva.
Damascos para colchas a 54, 24500 e 800 rs.
Vende-se o mais superior damasco com
8 palmos de largura proprio para colchas
com os desenhos mais buoitos que tem vin-
do ao mercado com una s cor e de duas
cores pelo barato preco de 54 o covado, di-
to com 6 palmos de largura a 24500, ditos
de urna s largura a 800 reis, na loja do Pa-
vo ra da Imperatriz n. 60. De Gama d-
Silva.
Cassas de urna s cor a 300 rs.
o covado.
Vende-se bonitas cassas de urna cor s.
tendo cor de rosa e asol, cor de lyrio, roxa,
verde e cor de canna, pelo barato preco de
pOO rs. o covado: na loja e armazem do
Pavo ra da Imperatriz n. 60 de Gama &
Silva.
Os casaquinhos da firo
a 184,204, 2We 364.
Cbegaram os mais modernos casaquinbos
oa jaquetas de gros preto, ricamente enfei-
tadas, sendo uns com cintura e outros sol-
toa con'orae se osa ltimamente e vendem-se
pelos baratos precos de 184, 204, 254 e
304, na loja e armazem do Pavao, roa da
Imperatriz o. 60. Do Gama & Silva.
Fabrica
DE
CERVEJA NiCIONAL
Da Henriqoa Leidrn
O proprietario deste estabelecimento nao
poupando esforcds nem dinheiro para agra-
dar ao respeitavel publico e seus numerosos
freguezes acaba de installar para commodi-
dade e interesse dos mesmos.
m deposito gral ia rna da Impera-
triz d. 32
Aonde encontraro sempre um variado
sortimento quer em grosso quer emretalbo
dos gneros seguintes:
Cerveja nacional branca e preta.
Vinhos finos e ontros de Franca e Alio-
manha.
Absyntho Suisso.
Kerschenwasser.
Cognac.
Vinagre branco e tinto de superior qua-
lidade, tambem tem deposito de agoa e li-
monada gazoza 9a fabrica do.Sr. Jules Gros-
jean.
ludo sem differenca no preco qne se
fecbou na fabrica
Qualquer ncommenda qoe fr enviada
ao deposito ser immediatamente apronto-
tada remettidaaodo eicilio do comprador.
~ GRANDE BAZAR
HA NOVA N. :0 E 22
Machinas para descarocar algodao. do me
Ihor autor que tem apparecido na America'
E' tal a execuco do macbinisme, que o al-
godao sabe quasi to perfeito como o de bu-
landeira. Recommenda-se a attenco dos
Srs. agricultores, estas machinas.
novidade de dezenhos como em flores, pots
urna nova fazenda que se confunde per fri-
tamente com seda tndo entre ellas algnmas
todas brancas com os mais lindos lavrados
e vendem-se a 1280 vis, o covado, na loja
e armaiem do Pavao, raa da Imperatriz n.
60. De G3ma 4 Silva.
As alpacas d Pavo
para vestidos a 14-
Chegou um grande sortimento das mais
bonitas alpacas lavradas, de cores que se
vendem a 14 o covado, ditas a 800 reis,
ditas lizas de todas as cores a 640 reis, que
se vendem na roja e armazem do Pavo,Tua
da Imperatriz n. eO. De Gama & Silva.
vestidos braneos
a 44, s o Pavo.
Vendem-se bonitos cortes de vestidos de
cambraia branca com bonitas barras tendo
entre lies tambem com barra de cor e ven-
dem-se pelo barato preco de 44 cada um,
na loja e armazem do Pavo. ra da Impe-
ratriz n. 60. De Gama & Silva.
raade novidade
Vestidos a 64
s na leja de Pavas.
Se vendem os mais ricos cortes de organ-
dy branco com elegantes listas largas, pre
tas tendo 10 varas cada corte com os com-
petentes enfeitos para o corpo sendo neste
genero o que tem vindo de mais aovo ao
mercado, pe10 baraU) Prec0 de 6& so na
loja e armazem do Pavo, ra da Imperatriz
a. 60. De Gama & Silva.
Chales a Beooiton a 54000 E 64000
na loja do Pavo-
Chegaram os mais modernos chales Be-
ooiton, sendo de urna s cor com bonitas
franjas de pelucia, e tendo entre riles as
cores mais modernas que teem vindo a este
mercado e vendem-se pel barato preco de
54 e 64060, ditos a Isabella que supprem
muo bem os caxins o vendem-se pelo
barato preco de 74000 rs. gai antindo-se
qne n'este genero o que ba de mais. novo
no mercado e moito decentes para qualquer
senhora mar: vendem-se na loja e armazem
do Pavo, coa da Imperatriz n. 60, de Gama
& Silva.
CARNAUBA.
Vende-se cera de carnauba em Mcoaa
sendo de superior qoafidad na laja *.**
vo, ra da Imperatriz n. 60 de Gam* a
Slva.
LUVAS
Novo sortimento de lavas de pellica (Jouvin),
ebegadas uo ultimo vapor francez, ao armaiem do
vapor na roa Nova n. 7.______________
Vndese nma escrava com 16 aonos de ida-
de : trata-se na ra das Crnzes, segn lo andar,
n. 38;______________________________
' Na ra do padre Floriaoo, casa n. 67
se vende boas hostias para igreja, e obreias
para escriptorio:____________________
3 KA KM
Este estabelecimento acaba de receber lindas
chapelinas para senhora, ricas calziobas para eos-
toras, ditas para jotas, penses doorados para coco,
fiveas muito ricas, assim como cintos e pnlsetra;
da ultima moda de Pars, ntremelos e babadinhos,
bonitos toocadores doorados e de Jacaranda, espe-
Ibos ecosseies de diversos tamanhos e ricos cai-
vetes para senbora, voltas para pescoco, gravan
nbas, bico de seda, dito de algodao, labyrintho, e
muit09 outros objectos de apurado gosto, qoe se
torna enfadonho mencionar, luoo por precos moi-
to commodos: a' raa da Imperatriz n. 70, na loja
da Lealdada i'Jt
Na roa do Rangel n. 33 vende-se nm eesr
vo de 17 annos, proprio para criado oa bolee iro
preto, de boa estalara.___________________
Vende-se urna armacao propria para qu-
quer negocio, e a casa oflerece bons commodos :
tratar na raa das Crozesjn. 37.
A 300000
paletots medelo francez
Paletts casacas.
De superior panno forrados de seda a conteni
da pessoa qoe se dignar fazera encommenda
NO
Pelo26Oasfo
Hia Nava
26_________
Attenco
Vende-ae nma moWBt de Jacaranda' a Lnir XV
eianumentenmade mmnUo ao mesmo gosto,
nde estts obras moito solidas e segaras, e pw
uceo raxoavel : oa acreditada casa de marcln*-
KVmi* Caaba do Carao n. 11
So trspiebe Bario do Lvrameito, no Porte do MU-
MS..B. 13, coutoaa-M a vender saccas oom tarlnft
4 Mandioca aos precos de 34500 a 8000, sendo
aroMU-nlUmo preco farlnba maito esoeclal, z Ha
aaJ*oae se acafce.


l" I III
y>
lario de Pera*ne Safo
^
eteawbro de 1867,
RA DAS CINCO PONTAS N. 86
AO GKANDE ABMAZE1
DAS
lfjLTUf
I 5* .-'
DAS AMERICS
Sempra barato
Manteiga ,, r.
Ingleza flor a 1& a libra e a 5oo rs. omivel e propria para tempero a jzo rs
dem fraaceza a 56o rs. a libra.
Cha
De primeira qaalidade a 2J8oo e proprio para negocio 4^8o a libra.
Biscoitos
Iogleze8 pearl, oic-oac, oval, cracnel, e cueros soperiorea a 101 lata.
Flg
* A 24o res a libra.
COM
De milha braoco a ioe res a libra, de arar uta verdadeira propria para alimen-
tar enancas a 5oo res a libra e caxinhas com 4 libras por meos,, gomma do MaranhSo
a 16o rs'. e tapioca saga a 24o a libra.
Chc*late
Superior a i& a libra. |
Doces
De goiaba em latas a iSS5oo em caixa de 4 libras, mnito fino a i jflao, em catxoes
de 2 libras a 5oo e 32o.
Pclxe .
Em latas a i tfooe res a libra, sortido em qualidades.
tras
America a 8oo rs. a lata-
Baldea e Vassoura
Americanas a 8oo reis cada peca.
Touelah*
De Lisboa a 320 reis a libra.
Tomates
Em latas a 6oo rs.
Ao respeitavel publico penfflitaQifcdMe
AttenfM
Maoteiga ingleza
320, 500, 800 e 10 so no armazem se acha vista.
Manteiga franceza
a liDras 560 e 640, em barris s far differeaca. t -
Banha de porco
em libras 320 e 380, em porcao se far differeaca.
; Fructas
em calda Pera, Pecego, Rainha Claudia, Alperxe e ontras mitas 500 e 640 a lata.
Errllhas
Portngaezas 640, fnmcezas 900.
Famo
em latas do Para e de albaneqae, lata 14 e 1,5200.
t-oiBma de mllho
em paco tes, dita da trra 100 e 200 a libra.


'




Sal
.

1
I



'
Refinado em lindos postes por 5oo rs.
Rirahs de Wasser
A 2ooo a garafa.
vermouth e Abssntho
A i5oo a arrafa.
Bltter
A 1 ooo a garrafa.
De bbrdeaux superior, Saint Estepbe, Saint Julien, Saint Eaie a T.oooo a duzia
e 64o rs. a garrafa.
VInho
Do Porto fino a i4#ooo a duzia e l5oo a garrafa e magnifico tambera em bar-
ril, a agarrafa.
Dnqne do Porto
Adamado e outras marcas a 9oo rs. a garrafa e lo a duzia.
vinho da Flguelra
O que ba de melhor a 4)9, a caada de Lisboa a 3J e 40 a garrafa, .
De Lisboa a 2oo e 28o rs. a giSST*
Farello de Lisboa
Saceos com 9o libras a 45oo.
Cerveja
Franceza em gigos de una duzia a 6$.
lagleza
Bass verdadeira a......T. e Victoria eAlssop a 5oo reisa garrafa





INJECTION BRO
yyilmit InfaJilvel humulll, akMtuUnaM* moc iu cuta _
*u prmrfpae b*Ueu mua. (Exk)r Mmh l mtl. (M sm*m *
sM-.tB.t-i
' M'u-
yniiuniniimiiaii
PREPARAgOES FRREAS-HNGARICA
APrROVADiS PBU ACADEMIA DS MEDICINA
DE BURIN DU
ntnuut, tumi pela Academia de Ilcita da tira
BUISSON
O eminente professor Trossba, na uhima edicSo de sen Tratado de Thera-
P MaUria medica, reconbece que os ferruginosos simples sio dhIss
veies inefficazes para curar as molestias que teem por causa o empobrec ment
do sangue. Muitos mdicos dos mais distinctos attribuem esse m o xito ausencia,
n'essas preparacSes, o mtmganest, que se acha no sangue, como o tem reconhecid&
es chimicos os mais peritos, sempre intimamente unido com o ferro. '
V pois, prestar-seum verdadeiro servco aos S"* Mdicos, o chamar-se sua attenco
sobre as preparaces seguintes.
|R9nff|li|>Afi dando immediatamente urna agua, acidulada,
waugauvuu gazoza) agradave), substituido com Tantagem
eetnoBua as aguas mineraes ferruginosas.
Plalas e Xarope de ie&reto de ferro e de manganese iaalteraveis
eentendo cada urna cinco centigramos de iodureto de ferro manganico indicad:;
particularmeate as molestias Tymphacas, escrofulosas, e oes chamadas ea?
trosas e tuberculosas.
2o
PH4RM CU
DE
Joaquim de Almeida tinto
Ajurubeba contra o ingorgi
tamtnto do figado e do baco
Em extracta afcoolico, emplas-
tro, oleo, tintara, plalas,
xarope e vinho
A jurubeba orna das substancias medi-
convida.
Cax
VIuho ...
de Bordeaos em caixa a dozia W, garrafa 500, dito de 8# a dazia, 800 a garraa, dito
145 a duzia, 15200 a garrafa, dito do Porto a 80,125, 1W, 245, caitas de dozia, asstm | A jrjruDeba e orna das substancias med-
trucles, sendo mpregada com vantagem
contra as febres intermitentes acompanbada
de engogitamento de figado e de baco. Ella
tem sido appbcada com incontestatel pro-
veito contra a atemia ou cblorose, e hydro-
pbesia, catharro da bexiga, e mesmo para
combater a menslruacio difficil, resoltante
da mesma anemia, aa. colorse. _
Depsitos geraes
Em Pernaobaco, ra larga do Rosario
B. 10, Ria de Janeiro, pbarmacia do Sr.
DtosadaV- So Grande d Sal, em casa dos
Srs.-CascSo 4 C, Macei, pbarmacia do Sr.
ClaudinOb oo Hawe, pbarmacia de Mr. Ma-
rical, em Lisboa, na pharmacia do Sr. Feij.
Sedas largas
A H o covado
Ss a leja fl > pava.
Vendem-so modernisslmas sedas com largara
de cuita franceza, sendo com padrdes moderos,
teodu entre ellas cores proprias para quem est de
loto : vende-se pelo barato pre(o i -& o covado :
grande pecotarba : ca loja e armazem do Pavo,
roa da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Cortes brancas
A 500 rs.
Vende-se bonitos cortes da cambraia branca com
bonitas barras bordadas e teado tambera algnns
com bonitas barras de cores; vende se pelo bara-
to preeo de 35, na loja e armazem do Pavo, roa
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Alpacas de cores
ASOOrs.
Cbegaram as mais bonitas alpaeas de cores para
vestidos com desenhos miados e graudos, tcjpdo
largara de chita franceza, n vende-se pelo barato
prego de 803 rs. cada eovado ; grande pechin-
eba : na toja e armazem do Pavot roa da Impe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
Bramante a 2$.
Vende-se superior bramante de linbo alvo com
em lata de 5 galoes e mais pequeas a vontade do comprad*,, em garfaUr
Alpiste
140 e I e O a libra, painco a 100 a libra.
Azelte
em garrafas a 800 e 15.
CHARUTOS
em caixa de 50 por 15, ditos Delicias, Trovadores e Parisienser em cantas de 100, ditos
da Exposicao caixa 55, ditos de Regala caixas com 100 a 25500 e outras muitas marcas
que s na presenca dos compradores.
PREZUNTOS /
de lamego em barril, ditos de fiambre o melhor que lia no mercado..for -pjaja oit faz.
admirar I i
DOCE DE GOIABA -
caix5es de 560 fino, ditos de 15500 que parece marmollada, dita ein latas mnito fina
qualidade a 15200.
BOCETAS
com doce secco a i 5 e 25.
QUEIJQS
do Alentejoem latas chegadopelo vapor 0/iei(rt>ditosFlamengosePratos dos mais novos
que. ba no mercado. x
AZEITONAS ^_ .
de elvas como no mercado nlo temos a 15 a lata, em barris do Porto a 15 como nao ba
melhor. '



Em liquidoslo.
Roupa feita nacional.
Francisco Jos Germaafi
[RA NOVA N. 2*.
acaba de receber om lindo e magnifico r
timento da ocolos, lunetos, binculos, do al
timo e mais apurado gosto da Europa o occ
les de alcance para obserracSes e.'para r
martimos.
Fundkao ((Aurora em
Sanio Amaro
Completo sortlaenlo da taixas batidas e toadi
das aiambiqnes de todos os tamanbot e fandus da
ditos, moendas de todos os tsmanfcos da superior
qoalidade, crlvos e boceas de tornalba. o que tude
se vende por commodo prego.
Aos agricultores
Saonders Brothers & G. acabam. de receber da
Gfcetpool vapores de torca de 3 a 4 cavarlos com
todos os pariences mol proprios para fazar mo-
ver machiois da daecaroear algoaao, podendo ca-
da vapor trabalhar al com 140 trras, tambem
servem para enfardar algodao ou para ootro qual-
8aer servioem qoe osam trabalfcar oom aninaes.
I meamos tmbeos tm a venda macbidas ame-
ricanas do 35 a 40 sorras : os pretendeoles diri-
am-se ao largo do Corpo Santo o. ti.
Vaporas.
Vende-se em casa de Saaiders Brothers & C,
o largo do Corpo Santo n. 11, Taporas patentes
om todos os pertences proprios para fazer mover
es oa qualro machinas para desearocar algodao
O proprietario destes dous estabelecimen-1
tos tendo muita fazenda em ser e desejando
liquidar para vender mais barato que pos-' / ende-se calcas de casimira a 55, 65 e
ras ou e /zu rs. res a ^ 6 8$ e ,0^ ,tots de mea
Vende-se alpacas de assento braneo com casimira a 35, 35500 e 45: palitots de al-
Iistas e fires lisa e admascadas proprias I paCa de cores e branca a 35500 e 45: palitots
para vestidos de senhoras a 500, 720 e 800 de brim de cores a 25500, 35 e 25: serou-
rs. o covado ra da Imperatriz lojas da Ara- de algodaosinho de linho a 10600,. 25,....
ra, ns. 56 e 72. i 2550Q: roa da Imperatriz lojas da Arara
Ditos 160 o covado. ns. 56 e 72.
Vende-se ditos em retalhos a 160 rs. o Organdis de cores a 640 rs. a vara,
covado, ditos em peca a 200 rs. o covado: Vende-se cassa organdis de cores a 640
retalhos de caca preta a 120 o covado: re- e 720 a vara : talataoa de cores a 800 rs. a
vara : na loja e armazem do Pavo, roa da Impe
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
Algoao avaiiado
Vende se pecas de algodao largo mnito encorpa-
do, pelo barato prego de 5A500 a pega : na loja e
armazem do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
Retalhos
Vende-se ama porcao de retalhos de chitas e ca-
cas pretas, por preco barato, na loja e armazem do
Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Sedas a 320 rs. o covado
Vende-se nm bonito sortlmento de sedas de listas
qoe sempre se venderam par mnito mais dinheiro
VERDADEIRO LE ROY
4t IU,fm*T, Datjur-M(dcn
Rra d Setn, 51', PARS.
Em 'dn garrafa, ai, entre i folhi o pipel mi
que lfi o mcu :nete, un mtiiio impresso em ain-
rtllucoui o SLLO 1m: ii i
unr.o rmxoi.
.V B.~ rmrX-
lr;&.< -Tia Mira
Ir Si ii Irwir i-
brePim. icfil3.|
60 di de i-iia.
4a alatiranutn o
Buor
tlnmitn (
dteos lo.


Deposito na pbarmacia deP. Maorer
C em Pernambuco.
talhos de ca?a de cores a 200, 240, rs. o co- Tara: ra da Imperatriz lojas da Arara ns. e "qa'dara-se pelo baratissimo pre$o de 320 rs. o
vado : retalhos de lasinhas a 160, 200 240 56 e 72. c9vado's^ ^ra acabar : na loja e armazem do Pa-
vo, roa da Imperatriz n. 60. de Gama & Silva.
3
Mees de laetato de ferro e de man gaese
Pilalas de carbonato frreo manganico
recetadas especialmente
para a entornis, a ane-
mia, a leucorrhea, aune*
. norrhea. A indkcio de
alternar estas dnas preparaces da oa mcliores reealtados.
0 y Bnrin dn Buissen desejando obtor a adhesio completa do publico meaico a
cerca do valor de anas preparaces, previne qie eUe u pBe eratuiumente a su
dispoaicao, dingendo-M;
Mo Pernambiu,toa agente feral, Maszsr Oh, pnamaeentieos, a.Hott.
lliiiiiMinniiiiii ir
Veade-se na pharmacia de P. Jlaurer dafC., ra Nova.
l si

.
Variado sortimanto de modernos enapos e chapelinas de seda, de 816 e de palba de Italia,
para senhora e menina.
Saperiores tiras, bordadinbos e ntremelos bordados em cambraia tapada e transparent-).
Ka loja das columnas a roa do Crespo o. 13
. 1)B
Antonio Correia de Vasconcellos & Compaiila.
rs. o covado: ra da Imperatriz lojas da
Arara ns. 56 e 72.
Brim pardo transado a 560 rs. a vara.
Vende-se brim pardo com pequeo toque
de mofo a 560, 640 rs. o covado: ra da
Imperatriz lojas ns. 56 e 72.
Lazinhas a 200 o covado.
Vende-se lasinhas para vestidos de se-
nbora a 200, 240, 280, 320, 340 e 400 rs.;
o covado: na ra da Imperatriz lojas da Ara-
Madapolao a 45000 a peca.
Vende-se pecas de madapolao com 20 va-
ras a 45, 55, 65, 75, 85 e 105 ra da
Imperatriz loja da Arara os. 56 e 72.
Casimira emfestada a 15 o covado.
Vende-se casimira enfestada de duas lar-
guras a 15, 15600 e 35 o covado panno fi-
no preto a 15600, 25, 25500, 35 e 45': ra
da Imperatriz lojas daArara ns. 56 e 72.
Aljjodosinho a 35 e 45 a pega.
Vende-se algodaosinho a pecas de 35, 45,
raa, Hfta72. 155, B5 e 75 a"peca ra da Imperatriz lojas
Chitas francezas largas a 240 rs. o covado.! ^ Arara DS 53 72 ^
9J^r?! UST naCeZa,3 larg3S T' Bramanle a 25400 a vara.
^riftot^TrSJT? !. W Vede-Se bram3Dte de I0 Palm0S de la^
peratnz lojas da Arara n. 56 e 72. gura a 2^i00 e 25500 a vara: ra da Im-
Mosambique a 400 rs. o covado.
Vende-se mosambique com palmas de se-
das para vestidos de senhoras, a 400 rs, o
covado:' e vareja de listas para vestidos de
senhoras, a 280,320 rs. o covado.
Sedas escosseza com quadros para vestidos
de senhoras, a 280 320 rs. o covado: roa
da Imperatriz lojas da Arara os. 56 e 72.
Arara vende as saias 35500.
peratriz lojas da Arara ns. 56 e 72.
Algodao enfestado a 15 a vara.
Vende-se algodao enfestado de duas lar-
guras a 15 a vara di lo transado 15280 a va-
ra : ra da Imperatriz lojas da Arara ns. 56
e 72.
Cassa franceza a 240 rs. o covado.
Vende-se cassas de cores para vestidos a
210, 280 e 320 o covado, vendes-se cortes
Vende-se saias bordadas para senhora a je cambraia decrese com barras a 25500,
35 e 35500: as lojas da Arara, ra da
Imperatriz ds. 56 e 72.
Cortes de laa de 14 covados a 35.
Vende-se cortes dela para vestidos de
senhora com 14 covados o 35, 355U0, 4"
35500, 45, 65 e 75, saia balo ou cricolinas
de arcos a 25, 25500 35 e 35500: ra da
Imperatriz lojas da Arara ns. 56 e 72.
As sedas da Arara 1|.
Vende-se sedas de quadrinhos e com lis-145500 e 55, vndese corles de caigas para
tas a 15, 15200, 15600, 15800 e 25, o co- homem a 800-, 15, 15200 e 15600. colari-
aovo DEPOSITO
'i
vado: popelinas de seda com palmas saltos
para senhora a 156C0 e 15800, grosdenaples
de cores a 15800 e 25, dito preto a 15600,
15800 e 2^: ra da Imperatriz lojas da Ara-
ra ns. 56 e 72.
nbos de linbo-para bomem 400 e 5C0, ditos
de papel a 500 rs. a duzia, golinbs para
senhora a 200 e 320 rs. por estes precos as
lojas e armazen* da Arara, ra da knpera-
tmns. 56 e72.

Pa|a ESCAROOAR ALGODAO
Saaoel Benfo de Oliveira Braga,
53~**Bl*e|iin..-53
i
verdadeiras aiaebiBM am rica ihepO&Wnv
mente, as roaes sSo feitas r> raais afamado fa-
bricante da America, porissS avisa "todfftfpS-
?9h3wSSarem COfflprar' de.se dirigir este
estabelecimerjl qoe conrora^o das mais perfeitas
este genero, assim como mais barato detrae em
.oairaqaalqoer parto, por is*o que W recete por
^onts*ropfia,-berri como cannos^c1i6mIe -
shoapara isoermilho, gnrarT^a^rtrteettt defer-
ragens e miudezas em grosso, e 3. retalhe.
. Facas de cabo Draned de arelo'balancoa r,A
dotfabaftW(fc5c6rrera. |
1

TRATAMIENTO m irCHABLE, d PARS
Medico especial cnsul taeoe., 36, ra VIvlenne r
) AOS D0i aJ%? M >* fll *
Nlo ectoo cu-
rado, tomei Cu-
beta, Coprtiba
sob todas aa
formas em opia-
to, cptalas,
coa/eiloj, tenhu
dld. e >aWeatAu cando? Ure .TdTum raude aumm de autakow^ mSSJSa
curar em 4 da, e estou aiada raais doentcs. .*^w-, H Ficwuueu
ir coro ra.dlalmnt sern rca*idag, Cvrrimentos, Relaxacdo do canal Catarrf* 4$ twnoa
triai lertunae^ curando primeira a causa virulenta inllammatoria d'essas dorncas sxbks.'
ci ni aljjiMiis vidros do meu dkpcraiho do s*nou, parr parar aman aSeeeaw. teeetr o
canal e lo* untar dwsaBTegidet eirpara acabar meuexcellnte xarope ao citato de
tunto ct mmha iNjEcfAO. A cura radical, a uwobama aara oa luiu.anuu. mai
o mesao tratamenlo. {Vejase o noticia explicativa.} "^ '^
40.000 DO ENTES CURADOS
Verdadeiro traUmento depimtiva do aaogue. Ai kerpe ai ma envetarmiai emveet
pruridoi.nnu.ckottu e offeotfei mmtmi, baoorea, e todas aadaeacaa ae Iterio a pama'
do tangne alo curadas em pouco lempo por meu xarofb dhpcativo o bambiw omu
banho mimbkah, minhas pilclaj dbpcrativa e mlnha Pommadm AMTi-MaoaA.
' Teja-ae a uncir de tratarle. A noticia qoe se da gratis M deposito de m# swdtea-
atmtoe. EaavexcaUoaU trataaeDto ai conten mercurd\ asa superioridada imm
nMMiMHeaniie paata ca ea apreseattr tanta atteaucAe a caras,
mfmi:mmmHrt ***** Chai* mr ^**omE!s2,. """
l
Vuade-so aa roa Nora n. 23, plurmacia franceza de
?, MWBER A C.
Aviso agradavel.
Souza oarea & Irmo.
Raa Nova o, 28.
Vendern :
Lionas m lid) saperiores em oovellos sortida a
2,5000 e 230J a libra.
Dita mais inferior a 1^200 e l00.
Dita do gaz, preta, branca e de cores, em cai-
xas de 40 novellos, 800 reis.
Dita em caixas de 50 novellos, branea, a 7
reis.
Dita em caixas de 10 novellos grandes, a 540
reis.
Dita branca e preta, em cartoes, a 160 reis a
dazia.
Dita de Alexandre, carros 200 jardas, a 1*5200
a dazia.
Dita em carros, com 80 jardas, a 360 reis a
dazia.
Agulbas de fundo donrado milito Gaas, caixa a
220 reis.
Ditas inglezas, sorlidas,. milbeiro 700 res.
Grao?pas com cabera de vidro, dazia a 160
reis.
Ditas lizas e crespas, mago 30 e 60 reis.
Colxete em caixinbas, duzia 640 reis.
Dito em cartoes, duzia 600 e 900 res.
Espoletas verdadeiras, B B, caixa 100 reis.
AlBnetes em cartas grandes a 140 res.
Ditos em cartas menores, 103 reis.
Ditos em caixas com meia libra, 320 reis.
Botoes de madreperola para camisa, grosa 460
e 5l0reis.
Ditos de osso para calca, grosa 200 reis.
Ditos de louga, grosa 160 e220 reis.
Ditos de muedinba para pnnbos, a i600 reis
a duzia.
Pentes para alizar, doria 1*5100, 2*5200 e 3*000
reis.
Ditos multo superiores para bixos, duzia 2*5000
reis.
Ditos para ec, dazia 1*5500, 1*5300, 2*5400 e
3*5400 reis.
Phosforos de cera multo superiores, dazia de
caixinbas 320 reis.
Baralhos Kancezes-anito fkios, 200 rea.
Ditos portagoezes mnito boos a 120e 160 reis.
Espelbos em qoadro dourado a 120.
Transas lizas e de caracol, peca a'40 30 e 60
reis.
Fita de lia para debmm, vara 100 reis.
Dita de algodao branca, pega 240 reis.
Dlt de linbo, pega 40 reis.
L3a de todas as cores para bordar, libra 6*5000
res.
Garante-se cincerldaie e baratfsslmos precos
RA OVA N. 28.
XAROPE DEPURATIVO
DE CASCA DE LA HAN JAS AMARGAS
COM IODURETO DEPOTASSIO
DE
f.P. Laroze.
pbarmaceatieo em Pars
O iodureto de potassio um verdadeiro al-
terante, um depurador de incontestavel efi-
cacia; combinado com o xarope de casca de
laranjas amargas, aturado sem pertubacSo
alguma pelos temperamentos os mais fracos,
sem alterar as funeces do estomago. As do-
se mathematicas que elle contem permitiere
aos mdicos de receital-o para todas as com-
pleicSes, as affecces escrofulosas, tubercu-
losas, cancerosas e nos accidentes intermit-
ientes e terceiros; alm d'isso, o agente o
mais poderoso contra as doencas rheumaticas.
Deposito em todas as pharmacias e casas de
drogaras no Brasil.
Expedicoes, em casa de J. P. Laroze, ru
des Lions-St-Paul, 2, Paris.
A' venda na pharmacia de P. Maurer .
C.*, ra Nova n. 25.
Pars, 36, Ra Tivfenpe, l>
DAS y..-.1 'I il.v.Il.All.\S |)t.s SKXIUKS, AS ATOO-
%l::,V'^^3yM'''M\a",' fcrprs. sarna,
S-i4lpijfftft':oiHxoe, aermumia., e ai-
Vi'Si'S t ltrsuc*,vicioM*ilotaucTitt
**ht-li,*,,Ami*%M virui. S>e (\arupii ecUil -n mercurial, ii.-puroiiva*
-crine- UANIION . por semana, sexuimio o traettmenlB Oepurativo : 4
empre^inli na- mnsinas niole.-iias.
W^'l'Wift~&. s"' X:,PCitra<:todererr
frf r*^.:*- f*: >ie CIIAIILE. Cura immedi.
: 'f? laill*!"1,"lal|uer;iir';iieo,
h2L- ia tJ "'*Mflw> debttida, *
ra*fti. bronca* 3i lull^res, Ea ojeceao benigna
pr'jg.e coia o Karopc de i.ilraci de ferro
Hr.rld,.. Pumarta que a* cura eni ires dita.
POMADA ANT1HERPETICA
Costra : na? afecco'i culanni
,'ILULAS VEGETASES
:- i. Obable, ca ii-ax.:.j vii
s cr.m'xoes.
DEPURATIVAS
.'i--b, ...lad 4a trn
AV30 AOS SaS. MDICOS.

Vjix
(Jura cBfarrho!, tonel
coqueluche* irriluciei
nervoxa* tai dos bron-
i'.'oi t todas as doencas
Jo pello; basta ao detenta
i-olhi" n-hilea (k-(e tarop D' Forcet.
"Hl em Paria, roa Vlrleue, .
tKPharmacia especial borneo
pathlca do Br. ablno O
L,. pinbo.
Cha de i* sorte para oso das
pessoas que se tratam homeopatbi-
camente.
Vende-se em pacotes de libra a
35200 rs.
Ra Nova a. 43.
Gal de Lisboa
Veoe-e no armazem-de David Ferreira Bal-
lar ra do Brojn n. 66.
Madclra de slcupira.
Vendem-se 135 naos de slcupira, que se acbam
depositados no estaleiro do Sr. Joaquina Antonio
Rodrgaos, na roa do Bram, onde podem ser exa-
mrBadci^los pretendentes; a traur na travessa
da Madre de Dos n. l.____________________
__Yende-se oo preto possante e mo^o : na roa
roa do Rangel o. oo troca-e por am qoe sej
cozhabeiro.
A venda na pbarmacia de P. Maurer o
e C, em Pernambuco.
GAZ GAZ GAZ ~"
Cbegon ao antigo deposito de Henry Forster 4
2., roa do Imperador, nm carregamento de gaz da
primeira qnalidade.o qaal se vende em partidas
i retalho por manos preco do que em oatr qaal
juer parte.
Farinlia superior
Tem para vender Antonio Luiz de Oliveira Am
vedo & C, no sea escriptorfo, roa da Ooi n. 87.
Para as excellentissimas
seohoras.
AlojadoPasso acaba de reeeber nm grande e
arladissimo sortlmento de basqolnes de seda rica-
mente enfeitados e do melbor gosto qce se pode
encontrar: estes baqnines se tornaai mnito re-
oommendaveis nao s pela sna bte qoalidade,
copio por serem de gostos intelramente novos, pois
diz o correspondente do Passo qoe forarn os melbo-
res qoe se apresentaram na Eiposicao Universal
de Paria, a vista desta recoramendacao multo de
snppr qne ditos basquinas devamagradar, e as
excellentissimas senhoras qoe precisaren), *o po-
dero eacontrar oecaslao melbor para eseolber e
comprar, pois tem precos tao raseaveis de 20J a
401, conforme soa qaalidade, isto s na loja do
Passo roa do Crespo n. 7 A, asqaloa do Impe-
rador.
I Veade-se ama- casa na povoacSo d Barro,
com muitos commodo, do lado do rio, proprio
para passar a (esta : tratar oa travessa do Ca-
rioca o. S (caes do Ramos).
**

V.

ILEGIVEL
^^i



*
pv
Afo armazem de fazendas 4e
Santos Coelho, rua do Quei-
mado'n 19.
Boa e barato
Cambraia de cores matisadas finissimas a
800 a vara.
dem brancas transparentes finas de 45,
8#000, H, H, H e 9000 a peca com 10
jardas.
dem branca tapada de 8# e 9* a peca
com (2 jardas.
dem branca franceza muito larga a 90 a
peca com 8 varas.
Baloes de 35 e 40 arcos nesgados para
senhoras. a 40500.
dem de 35 e 40 arcos com ferrogem a
20500.
dem de mursulina nesgados a 50.
dem de crochet a 50.
dem de mursulina para meninas a 30 e
30500.
Saias bordadas a 50.
Gambraias admascadas para cortinado a
120 a peca com 20 varas.
dem para forro a 30 a peca com 10 jar-
das.
Cambraia de linbo muito fina de 60 e 90 a
vara.
Madapols finos de 60, 70, 80, 90,100,
110 e 120 a peca.
Platilha de algodo superior fazenda para
saias a 30200 a peca com 10 varas.
Cobertas de chitas de ramagem a 20600.
Lences de bamborgo fino a 20400.
dem de bramante muito fino a 30200.
Pannos adamascados para cobrir mesa a
40500.
Guardanapos de linbo adamascados a...
30500 a duzia.
Atuaihado adamascado com 7 1/2 palmos
de largura a 20 a vara.
dem adamascado de linho com 7 1/2 pal-
mos de largura a 20 a vara.
Algodo enfestado com a mesma largura
a 10100 a vara.
dem trancado de algodo a 10600 a vara.
Toalbas alcocboadas de linho lisas a 110
a duzia.
dem de algodo felpudas a 130 e 140
a duzia.
Colchas de fustao a 60000.
Retondes de fil prelo a 60.
Chales de fil a 50.
Lencos de cambraia brancos finos a 10800,
0 e 20500 a duzia.
Lencos de cassa fimssimos a 30200 e
30600 a duzia.
Fil de linho liso a 800 a vara.
dem com salpicos a 10000 a vara.
Grosdenaples preto bom a 10800 e 20
o covado.
Morantiqoe preto superior a 20800 o co-
vado.
Flanella de todas, as cores a 800 rs. o co-
vado.
Tarlatana de todas as cores a 800 rs, a
vara.
Bramante de linho com 10 palmos de lar-
gura a 20500 a vara.
dem de linho com 5 palmos a 10200 a
vara.
dem de linho com 3 1/2 palmos a 800 a
vara.
Riquissimos basquins a 250000.
Assim como outras muitas fazendas que
66 vende por menos que em outra qualqer
parte, e d-se' amostras de tudo,
VENDE-SE
Motores americanos para dous cavallos.
Dito dito para qoatro cavallos.
Machina? para descarocar algodo de 14, 16,
iS, SO. 30, 35 e 40 serras. j
Preseas para enfardar algodo fazeodo os sac-
eos com 6 palmos de comprimeoto com o peso de I
130 e 200 libras, vindas intimamente da America I
no armaiem de Heory Forster & C, no cae Pe-
dro II o. 2 junto ao Gabine'.e Portagaez. i
Aproada pe* faculaade
Medicina, empresario Boa
Bospttaea de Parto-
ELIXIR BO D* THERMES
paralada pela Iaeldada
de Balrtaa, empresad* o
de Parto.
Oecupa primeiro lugar entre as prparaces ferruginosas as mais ossimilaveis. O Elixir do bV THERMES em pregado diariamente nos hospias da Paris e principalmente no
Htel-Dieu (servico da Faculdade de Medicina de Pars). Administra se com o maior xito as doeneas de NMuaape** resultantes da exhnata>4o d* aagae. chlo-
rol( ou core pallida, flores brancas, anemia depois das hemorrhagias, ou durante as convalescencias de febres perniciosas, ift>eaya,o palpitaeoa das m ul-
ceres pejadas. Nao menos efficaz contra o racnitismo c obra poderosamente para os homens cujas forcasestam esgotadas pelos trabalhosmtellectaes, abasos de todosos gneros, etc.
Toma-se can a doMs de nata calhcrtnha depol de cada refeleaa.
Drpa.Ita eral na pharmacia, roa Reanmur 43,, em casa de B. GALLOIS, pharmaceuco do S. M. Imperador, place Vendme, 2, en
aWpatito em PEBXAHBECO, P. MAURER ir O, em todu ai Pharmaciai no Braril.

Ditos de sndalos para meninas.
Ditos de sndalo tendo no centro um qua-
dro de seda, ultima moda.
Leques de faias muito lindos.
Ditos de ossos.
Lindos pentes de tartaruga, massa e outras
muitas quididades.
Luvas dejoavin. ioteiramente novas, bran-
cas, pretas e de cores.
Ditas de seda.
Meias de seda e algodo.
Lindas trancas pretas e de-cores om ve-
PILIJI.AS
Xaropee vlnho ferruginoso de
jurubeba eom p j rophosphato
de ferro.
Cblerose, anemia, escrfulas, racbitismo, blennor-
rbagia, leoeorrba. febres intermitentes e ame-
norrba (menstroaco dolorosa e Irregular)
etc., ele.
Ha muto qoe tinhamos em vista assoclar o ferro
ss nossas prepiragoes de jurubeba ; mas levamos
tempo a experimentar qual a preparacao ferrugi-
nosa, que mais convida ao organismo homano,
vindo por flm
GRANDE
Loja do Sallo Vigilante
DE
Gnimaraes& Freilas
RA DO CRESPO N. 7.
Os proprietarios deste bem conhecido es-
tabelecimento tendo em vistas a boa vontade
com que t da generosa popu'acao desla bel-
le cidade concorre com a sua gcoadjuvaco
para o basar de prendas que costumam es-
tabelecer no dia da commemoraco do anni-
versario do Hospital Portuguez de Benefi-
cencia, cojo producto, applicado a bem
daquelles qne baldos de recursos, e no leito
da dor ali procuran melhorar seus soffri-
mentos e aproximando-so o dia dessa gran-
diosa festa por isso pressam-se em avisar
ao respeitavel publico do que ha de mais
moderno em seu estabelecimento, alm dos
quaes tm variedade de oatros, qae a serem
para um fim to justo os venderm por pre-
cos mui rasoaveis.
Riquissimas caixas eom msica contendo
o necessario para costura, proprias para um
delicado presente.
Riquissimos livrinhos com capas de tar-j
taruga para missa.
Riquissimo lbum com capa de tartaruga.
Porta joias, dedaes e relogios e oeste gos-
to urna inflnidade de objectos.
a decidirnos pelo puopbospbato
drilho e sem elle, assim como lindsimas; ^ ^o^T^XS^ T" ggXe? J **-
gnarnic5e para enfeitar basqumes e Lotoes Temos a observar, porm. qae o aso dos raedl-1 g 5" mesm fabricante de
par os mRsmns. I carnelos de jarnbeba com o pyropbosphato de
L(ii..s iinlisn nsaveis para meninas das fe//nn? fcrfta^.
Bengaiiiii'i;i- pira meninos.
Suspensorios para meninos.
Lindas touquinhas e sapatinhos ricamen-1 Phesphoro debalxo da forma de pyrophospbato,
te enfeitados proprios para baptisados. Z ^u\rS!fZiTahe0 mm*1
Meias de seda para o mesmo fim.
Muito boas escovas para dentes, chapos-
roupa, cabellos, unhas e para limpar pentes.
Superior lionas para crochet.
Agulbas para o mesmo flm.
Lindos agulheiros e dedaes de madrepe-
rla e marfim, assim como de metal.
Lindas guarnieses de botes, para coletes,
punhos e colerinhos.
Ricas capellas para noivas.
Meias de seda para senhoras.
soas ainda as mais delicadas, como maltas veres
tem aootecido atea pessoas robustas, qoe se bao
servido do mesmo medicamento preparado com
ootras sobstaneias ferruginosas, por isso que o Borzegoius para menino de varios
cantes de o# por .......... 31X100
Botinas para meninas idem dem a .. 3o00
5
Tendo de se liquidar a loja de calcados ("ranee
es sita na roa do Imperador n. 32, previne-se ao
respeitavel publico qne a mesma liquidara) lera
somebte logar de segunda-feira 20 do correte mez
em diante, e para se dar ama idea da barateza,
aballo se nflmscreve os precos:
115000
8*000
diversas
qoalidades..........8*000
Dito do fabricante Fanion e Lavergen .. 85000
Dito da diversos fabricantes de 55 a 75000
SapatSes de Sater que se "vendiam por
55000 a........... 35500
fabr-
con
affecca
As preparares de jurubeba, a que bavemos as
sodado o pyrophospbato de ferro, sao mai provei-
tosas no tratameoto das molestias das senboras,
taes como a chlorose, anemia etc.
Eslas molestias raanifestam-se com os sympto-
mas seguales :Descoramento geral da peile e
das membranas mucosas, magreza, inenacao dss
faces e das persas ; eicitago nervosa, bysterfs-
mo, m!nccolia, debilidade muscular, dores ee-
vralgicas, pulso mais frequente do que no estado
de sade, calor febril, pella seeca, appatites de-
pravados, vmitos, priso de ventre, menstruacac
dolorosa. Irregular, pouco abundante, descorad,
Superiores thesooras para unhas, costura: ^ florebraDcas amenorrbagia e iufeenndi
e cortar cabello, etc., etc.
Suspensorios de seda para bomem.
Ditos de algodo para bomem e meninos.
Finos aderecos pretos para luto.
Grande sortimento- de finas perfumaras
dos melhores fabricantes at hoje
cidos.
Grande sortimento d fitas de todas as
qualidades.
E muitos outros objectos que impossivel
seria menciona-los e que se encontrarlo na
loja do Vigilante, r"ua do Crespo n. 7.
Dste estado espantoso, alias to ordinarianr ote
reconbecido entre nos em erescido numero d se-
nboras, desapparece s com o prudente nso das
preparaodes cima.
nico deposito destes medicamentos:
l" pharmacia de J. A. Pinto, ra larga do Ro-
sario n. 10, em Pernambuco.
chocolate de oesbrlere
purgativo de magnesia.
E* o chocolate de desbriere o melbor purgante
at agora conbecfdo e de grande aeeitaclo em Pa-
ris, onde tem sido muito applicado no hospital
Hotel Dieu pelos professores Trousseau e Pidous
com o melhor resoltado.
Por sua aeco lazante purga sem fa'igar o esto-
mago e os intestinos, e aprsenla ptimos resolta
0 arrobe vegetal,
Vasos, calungas e palliteiros de porcelana. e m01t0 superior oas xaropes de Luisimer e. dos como dorivativo, abrovente, anstiverooso, re
Bonecas que chamam papai e mami. ide Lorrey. De fcil digestSo, agraavel ao pa- frescante e depurativo .
Finissimos lencos de cambraias de buhoIW* e ao olphalo, elle cura radicalmente, Deposito especial
com disticos sem mercurio, todas as affecc5es da pelle,
Caixinhas'com perfumaras. i impingeos, alporcas, tumore?, ulcras, sarna
Bengalas de canna com lindos castoes de degenerada, escrfulas e escorbuto. E so-
marg, bretudo poderoso as molestias rebeldes ao
' mercurio e ao iodoreto de potassio.
Riquissimos enfeites com coques e sem \jq\w deposito na pharmacia do Pinto,
elle inteiramente novidade e ultima moda. rua |arga Q Rosario n. 10 junto ao quartel
Lindissimos cintos para senhoras. e n0iicia.
Fivellas bodas de mnito gosto. j ---------'----------------------------------
Lindos porl-bouquetcom cabo de madre-, B^eil
perola proprios para casamentos e bailes. vende-se bren em barril e a retaibo, muito ba-
Riquissimos leques de madreperola. ; raio : no armazern da bola amarella no nao da
Lindos leques de sndalos para senhora. secretaria da pocia.
34Rua larga do Rosarlo34
Botica de Bartholomeu & G.
Vende-se um molatiubo de idade de 12 an-
cos, linda figura, bom eopeiro, habituado ao servico
de casa, setn vicios e bem educado : roa do Hos-
picio defronte da casa em que foi o gymoaslo na
penltima casa junto ao canal; os pretendenles
podem ir vello das seis as nore horas da manba,
ou das tres as seis da tarde. -
Gomma de mandioca,
Desembarcada bontem, nova e de superior qna-
lldade, vended por preco commodo; oa roa Viga-
rio o. 27 primeiro aoder.
35300
Ditas para senboras idi-m idem Jolly .
SapatOes para meninos de diversos fa
bricantes............35000
Perfumaras do fabricante Labio e Piver, sorti-
mento variado de'diversos extractos e agua de Co-
tona.
Camisas para hornero.
Bengala?, grvalas, cbaruteiras de mbar, pea-
tes de tartaruga de diversas qualidades e mode-
los, eraflm urna inQoidade de arligos de loxo e
born gs'-________________
Fedegoso de Pernambuco,
A planta, conhedda entre us sob a de-
nominarlo de fedegoso, e no Rio de Janeiro
e provincias do sul deste imperio pela de
crista de gallo, o Itartdium utilissimum
ou tiaridium elongatttm de Schum, e o he-
liotropium curassadium deMart., pertence
familia das boragineas.
O fedegoso considerado, na therapeotica
pernambucana, como urna das plantas mais
recommendaveis por suas virtudes curativas
e applicado interna e externamente, como
calmante do systema nervoso na paralysia
astma, toase convulsa ou coqueluche, tossses
rentes e antigs, suffocacoes, catarrhos pul-
monares etc., e em geral contra todos os
soffrirpentos das vias respiratorias; sendo nm
excellenfe unitivo para aquellos que padecem
de pbthisica polmonar. Sua efBcacia contra
o ttano ou espasmo incontestavel, e nin
guem ha, que O desconheca. Nao ignoran-
do nos o que acabamos de dizer, e esfor-
cando-nos por ser til humanidade sore-
dora, preparamos o que abaixo indicamos,
pondo a disposicSo des distinctos mdicos e
dos doentes d'esta e das outras provincias
deste imperio nossas preparares, que s3o:
PILULAS, TINTURA, XAROPE E VJNHO
FERRUGINOSO.
nico deposito, pharmacia de J. A. Pinto
rua larga do Rosario n. 10.
pnpfc para uberm t
carros, multo novas e da melbor qoalidade pos.
slvel : vendem-se por precos razoaveis na rua da
Cadela b. 56 A.
Cal de Ii boa
No armaiem do caes da alhndega a. 5 b) para
vender perior cal nova, marea TM, ebegad ba
das na baria por loguera trotidao, a preeo de
105 barril.
' Vinbo superior em caixas de ama dotia ;
tem para vender Antonio Luir de Ollveira Aiete-
do A C, no seo escriptorlo roa da Crot n. 87.
Cal de Lisboa nova.
Vende-se a roa do Apello o. 4.
Escravos fgidos
Faglo no da 10 de agosto do correte soas
do engenho Cbambari, do termo do Bonito, o f s-
cravo Domingos, de cacao, com os sienae?" srguln-
tes : cor prets, cabellos carapinhos, rosto e olbos
regalares, nariz chalo, beigo e bocea regalares,
pooca barba, altara, eorpo e ps regulares, tendo
em orna das facesna>a marca de ferida a forma
de om triangulo, representa ter 88 a 40 annos de
idade, pouco mais oa menos, pouco ent.-r.de de pe-
drelro e carreiro : rogase as autoridades poli-
ciaes e capites de eampo a captura do dito es-
cravo, podendo ser entregue no referido engento,
oa no ongenho B. Despacho, termo da Bscada, qae
sera' generosamente recompensado.
Foglo no Io do correte do engenho CavT-
leiroda fregutxia de Afogados, o esrravo Theodo-
ro> crioulo, de idade de 29 unos, cor prets, alta-
ra e grossora regulares, oarlz chato, mnito fallan-
te e tirador de repentes, amigo de cantar e daosar
em sambas e de dizer-se forro, condozio calcas
de listra bracea e parda, paleto! de casemira de
cor dnvidosa, chapeo preto de copa alta, esmisas
de madapolo, algodo liso e de listras aiues e
uns borzegnins velbo?, alm dtstes objectos pode
ser encontrado eom oatros, por ser inclinado ao
vicio de fartar : rogo as autoridades policiae;, ca-
pites de campo e mesmo qualqer res"-a do po-
vo, qae o apprebendam onde for enct ufado e o
c'induzam ao engenho cima, onde o conductor se-
ra' recompensado
Fraucisto Cardozo da F P'-eca.
Foglo o moleque Luiz, de bonita ligara, bas-
tante preto, foi vestido de calca de brim pa do e
camisa de algodo riscado de azul; levcu cemsigo
om balaio grande forrado de .encerado preto cea a
firma da casa commercial d Heuriquc & A:evedo
dentro do qual exista uns pegas de piano fin:, prete
e cinco duzia, de lencos de seda de tii Qarra o
pegar leve-o a roa da Cadea n. 34 ou a rua do Im-
perador n. 48, que sera bem recompensado.
ALtleneo.
*oooo.
Contina andar rugido do poder do abaiio as
signado, desde o dia 12 de margo do correte anno
o seu escravo pardo claro, de neme Cyrlaeo, com
o* sgnaes segnintes : reprsenla ter de idade 40
annos, rosto redondo, e om tanto envergado, olbos
empapujados e fuodos, bocea granee, belgos gros-
sos, barba fechada e ruiva, ps e maos erossos e
caroudos, pellos vermelb&s e cabellados, cabellos
crespos e avermelbados, cosloma andar armado de
facSo e orna bayoneta n'om pao, gotta de tomar
cachaca, e quando Oca bebado da para poeta e re-
gris : rog -se, portan'.o, as autoridades piliciaes
e capities de eampo a apprebensSo do mesmo, e
lava-lo a sea senbor o abano assignado, bo en-
genho Pedregalho, em Nazaretb, que sera' recom-
pensado com a grstiflcaeo cima.
Jos Ignacio Ferrefra Torres.
Attenc
f*
iOe^OOO de gratifleacao
Cootioa ausente da casa do abis assignado o
mnlatinbo Ra y mundo, desde 23 de agosto de 1866,
com os signaes seguintes : representa ter 15 a 16
annos, corpo regular, cabellos caziados, ps bem
feitos, e como slgnal mais frisante tem o dedo pr-
ximo ao pollegar de urna das maos cortado quasi
pero p da onba : roga-se, portanlo, aos capitaes
de eampo e autoridades poliefaes a appreneno do
mesmo, e leva lo a roa nova do Santa Rita, casa
de sea senbor
Antonio Mara de Araojo.

-

-
GERAL
-
-
-
561
DOS PREMIOS DA
47, PARTE DA LOTERA CONCEDIDA POR LE PROVINCIAL N. 005, A BENEFICIO BAS FAMILIAS DOS VOLUNTARIOS DA PAlRIA, EXTRAHIDA EM 6 DE SETEMBRO DE 1867.
NS. PREMS.INS. PREMS. NS. PREMS.
3
10
19
23
24
25
29
33
37
3fr
39
43
46
49
50
se ;,
57
ti
64
73
76
77
78
81
85
90
92
107
13
15
. 17
18
25
27
33
34
40
41
44
45
46
49
50
52
53
55
57
59
0
63
8
70
71
6*.
m
6*
10$
6*
10*
174
80
88
96
205
6
7
20
29
33
39
48
49
57
64
65
67
69
71
75
76
84
85
91
92
95
98
307
9
13
16
20
29
33
36
37
40
5
7
68
72
M
81
83
\01
5
10
13
16
10
22
- 36
6*
10*
6*
10*
6*
NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS.
10*
6*
O
6*
500*
. rt
20*
*
O*
6*
40*
6*
441 6* 643
42 51
49 52
57 53
58 54
62 _ 58
66 a. 59
67 61
71 66
74 71
77 83
78 87
81 88
87 90
88 92
95 97
96 701
501 2
2 11
12 40* 12
16 8* 13
36 14
37 17
38 29
44 30
47 33
51 35
56 36
5 37
61 10* 44
65. 6* 47
67 48
70 49
74 55
75 ' 60
78 ' 65
81 70
84 75
88 106* 78
90 61 84
91 92
3 93
94 tt 95
~97 803
604 _ 5
5 23
10 _ 24
11 30
17 20* 44
-te 6* 45
31 47
33 34 '48 49 1
6*
10*
6*
20*
851
64
67
69
. 78
83
86
89
92
96
98
907
9
10
14
15
i3
6*
20*
6*
6* 26
_ 31
._< 32
10* 43
6* 48
52
^ 55
_ 56
__ 58
_ 60
- - 62
_ 63
_ 67
_u 70
__ 72
'^ 80
1 84
^ 87
. 89
91
97
98
1002
. 3
_ 6
_ 10
M 16
aa 20
_ 21
__ 24
. _ 25
a 31
35
_ 39
51
200* 54
40*
6*
1063
68
75
78
83
93
1100
3-
10
11
13
20
36
37
4!
43
45
46
51
32
57
65
66
68
69
71
81
94
95
97
204
11
14
17
19
20
34
42
46
49
51
60
65
70
85
6*
20*
6*
6*
10*
6*
87
88
9
91
93
1302
3
80*
40*
6*
40*
6*
10*
6*
40*1
*
1312
18
20
25
28
29
31
37
43
46
52
57
58
64
66
68
72
76
77
80
81
83
84
87
88
90
95
97
1400
3
13
18
19
20
25
27
30
32
33
43
45
47
48
49
52
58
60
80
89
87
'98
97
1502
6*
NS. PREMS.'jNS. PREMS. NS. PREMS.|NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS.

20*
6*
10*
6*
1324
26
27
29
39
41
43
44
51
53
55
57
62
64
71
72
76
83
85
89
96
99
1602
O
8
13
15
20
27
28
29
33
36
37
38
42
46
48
53
55
56
59
60
68
70
71
78
79
81
82
85
87
9J
10*
6*
1693
1700
1
3
4
10
16
17
27
28
30
31
32
37
38
39
42
46
48
52
62
63
65
66
68
71
82
85
91
94
96
97
98
1841
12
17
24
rio*4'"30'
36
42
52
3
68
69
72
78
82
84
85
88
6*
10*
6*
10*
t*
6*
1900
1906
8
M
11
23
26
27
29
37
44
45
47
49
55
65
71
72
75
76
77
78
79
83
92
96
2001
4
11
14
16
17
26
29
31
38
40
41
42
48
49
51
52
54
56
57
62
76
80
81
83
90
9a
2100
2106 U 2298
- 99
2300
- 3.
100*
10*
6*
40*
6*
6*2441
42
16
17.
23
10*
6*
40*
6*
28
29
37
45 irn
31
52 ---
53
54 10*
56 6*
57
64
65
67
70
71
73 __
80
81
85 j
90
93
95
2210
11
15 10*
17 *
19
27 i
37 10*
38 6*
41
43
46
47
48 10*
55 6*
58 w
59
63 r-
66
70 -
78
79 20*
J9 t*
87
92
4
5
9
13
16
17
19
22
23
24
28
30
31
35
39
40
44
46
52
56
58
62
66
67
69
75
77
79
80
84
86
89
90
91
97
98
2400
1
14
15
16
23
25
26
30
33
34
38
100
6*
10*
6*
_
00*
6*
45
52
55
59
62
72
81
83
88
91
96
99
2502
4
8
10
11
21
23
29
36
45
52
59
61
73
75
78
80
82
89
99
91
92
98
2605
8
11
12
15
17
23
29
31
33
48
49
51
55
62
6:000,5
6*
10*
6*
2663
64
66
75
82
84
90
'97
6?

10*
6*
2705
10
13
* 18
22
24
23
26
32
35
40
42
46
47
51
54
55
60
64
87
95
90
20*
91
93 -
2980 -
1
9 -3108
10
10*
6*
-I 55 6*1
-j. =|
73
75
77
78
82
89
2802
6
9
11
13
18
15
28
37
40
49
50
55
61
63
69
71
NS. PREMS. NS. PREMS.INS. PREMS. NS. PREMS.iNS. PREMS. NS. PREMS.
2875
78
82
84
86
87
3068
70
71
72
75
81
20
22
25
44
46
48
49
51
53
54
'ii.-j.wn

10*
57 niffof
59
60
61
64
65
67
69
70
VI
76
77
80
84
91
94
3001
10
18
20
96
33
35
37
41
51
52
54
57
6*3263
10* 63
6* 67
_ 68

100*
6*
_
14
28
32
33
34
42
45
47
49
57
ti
62
70
81
88
90
91
92
94
99
3200
i
5
6
11
12
17
21
22
23
25
27
31
40
46
48
52
56
57
20*
6*
70
72
73
83
84
85
87
89
99
3302
4
12
14
-
10*
*
ib*
6*
17
18
19
28
33
42
43
45
47
62
64
68
.70
78
81
89
95
98
99
3400
7
10
14
15
16
20
21
23
25
26
27
34
35
6*3439
43
44
53
55
69
71
73
'74
77
94
97
98
99
3501
t
- 13
16
17
92
- 24
29
34
36
42
45
48 100*
49 6*
- 53
_
6* 3617
21
20* 27
6* 33
35
43
10* 46
6* 48
20* 53
6* 55
56
60
* ^ 61
_ 64
__ 67
__ 74
__ 75
76
__ 80
_ 84
91
'" 92
_ 94
_ 95
3701
4
6*
57 _
62 -
95 r-i
at 10*
67 6*
73
74 ;
75 <
s ^
90 10*
91 6*
92
93 ~~
95
97
98
3608
11
13
14

11
15
17
19
24
15
26
28
31
38
38
40
41
43
44
45
50
55
56
61
64
67
71
77
93
3794
97
3800
13
15
22
25
27
29
33
36
37
38
41
42
54
65
72
73
76
80
81
92
93
94
95
6*
10*
40*
6*
16*
6*
90*
9
11
15
26
31
32
34
36
38
20* 40
6* 45
54
56
57
58
10*
6*
10*
6*
10*
6*
66
99
79
79
88
f
90
94
9$
40*
6*
6*

v



MMM^M
MMMM


Diarlo de PeraaMbuco Sabbado 1 de Sctembro de 1807.
4SSEBL4 GER4L
I

CMARA DOS SEORES DEPUTADOS-
SKSSAi) EM 31 DE JLHO DE 867.
I-nEWDBNaA-DO SR. SILVEIRA DE SOUZA ( VKW-PRE-
IDBNTli.)
(OnliOUacj.) *
E.,;pregae todjs os eforg'ds que estavm ao
meu flcauce, para contemplar a todos que o mere-
fiara ; abri o malor numero de vagas possivel,
pr omcveodo reformas e passageos para a segunda
i'.lasse. mas aioda assim Uve o pesar de Dio pro-
mover a muitos offlctaes diMinctos.
Declaro com franqueza cmara que Da ciaste
dos !" teneates prtnclpalrneote muitos efflciaes
deixaram de ser contempladas, lo digaos como os
que o foram, porque os limites do quadro a isso
rao obrlgaram, e Draguen? sabe com que difflcul-
dadas. Gibas da miotr, consciencia, eu lociei para
escoloer entre merecimentos que se roe assigna-
vam iguaes I
O alargamento que peco habilitarme-ha a repa-
rar as tnjustigas qae se tinham commettido, a des
pello taeu, e para recompensar quaesqoer outros
crvlQos importantes que espero sejam anda pres-
tados.
0 nobre deputado que o combate por Ibe parecer
rasuficiente nao tem razio, porque necessana-
rcenta se Iba bavia de marcar um limite, porquan-
to esse mesmo limite que Ibe di o carcter de
'recompensa. (Apoiados)
E era so oiga que provira' d'ahi aogmeoto de
despeza, Sr. presidente, porque....
O Sr. Das da Cri'z : Eu nao o combat por
esse lado.
O Sr. Ministro da Marinha : ----Oavi ao
nobre depuiado (aliar em augmento de despeza, e
suppuz que referia-se ambem ao augmento do
qcadro...
O Sr Das da Criz da' um aparte.
O Sr, Ministro da Marinha : ... Bem, mas
:u odo o caso bom qne eu informe a' cmara
qae esse addilivo nao provm elevago de despe-
ga n~ orgamento. (Apoiados.)
Mandei organisar e tenho aqni, Sr. presidente,
tres tabellas do augmento de despeza que trara' r
inaior nnmero de postos que se pede para as dtBe
rentes classes, no mnimo, medio e mximo.
A cmara sabe, que a classe dos 2- teoentes
nunca se ehega a completar, de modo que fica em
aor a maior parte da somma que para seos venci-
memos dislribne a lei do orcamenlo.
Deduzido o que percebero oitenta 2o' tenentes
namaro que essa classe nunca atlingio, e levada a
differeaca a' conta do excesso da despeza com os
no vos postos, havera' aioda sobra oa quaotia vo-
lada, em qualquer das tres hypolbess figuradas,
E' asslm qne, do mioirao, restaro 45:216$, do
mdso 129:112$, e no mximo 167:760*.
Deixo de ler as tabellas para nao cansar mais a
imara, mas o resultalo o que assigoalei.
/Assim, pois, nem o augmento de despeza se pode
tuvocar contra a medida que solicito como um ac-
to de verdadeira justiga. (Apoiados)
Nada mais direi por ora, aguardando que a dis-
oasso contine para vollar a' tribuna. (Apoiados;
multo bem, mniio bem.)
O Sr. Foxceca Vunna (Io secretario): E do
meu dever explicar a casa um faci, para que
nao recaa sobre o nobre ministro da marinha urna
culpa que toda minha. A commisso de man-
ara e guerra logo que enirou em 2* discnssao es-
te projecto, apresentou os artigos addltivos, eu de-
positei-os sobre a mesa, mas esqueci-me completa-
mente delles, at que fot encerrada a 2* discusso
h oao foram lidos.
Nao tendo sido os artigos auditivos lidos, en
para de alguma forma minorar esta falta que com-
me:ti, mandei no da 23 de.julho imprimir esses
.riigos e vieram muito antecipadamente impres
S(5 i 3a discusso. Por coosequencia, se bouve
falta, quem deve carregar com a culpa sou eu, e
nao o uobre ministro da mariuba.
O Sr. C. Ottcni : esejo em primeiro lugar
l.quidar o incidenta a que se referi o Sr. Io Secre-
ano, porque tem o alcance de um precedente
que deve ficar cot clareza registrado nos Annaes,
pira ser allegado em casos idnticos.
O principio que flca estabelecido 6 a convenien-
cia de serem oflarecidos na 2a discusso das leis
de forgas os additvos que do aotorisages im
portante', e nao oa 3* discusso.
Declaron o Sr ministro, e confirma o Sr. secre-
uno, que os auditivos estiveram na mesa quaudo
iorria a 2* discusso, e s por esqaecimeDto do
Sr. i secretario deixaram de ser lidos e apoiados.
Acecinado a explicaco e notando que ella impor-
U o reconhecimento do priucipio que eu sosten
tara, nada mau tenho a dizer a este respeito.
Repllcarei ao Sr. ministro acerca da mu poucos
dos pontos em que toque! dos outros satisfago-me
ia* o publico confronte as allegages de um e ou-
t. o lado.
A commisso par* a compra de escravos flcou
r/erigaada ; S. Exc. cbamou para o sen gabinete
um offlcial da secretaria, deu-lbe a graticagno
Ja offlcial de gabinete ; mandoo-o para a Baha
rara seos vencimentos, inclusive aquella gratifica-
ois, e o encarregou de comprar escravos...
O Sr. Ministeio da Marinha : Promover a li
barlago.
O Sr. C. Ottoni:...de promover a libertagao
de escravos para Ibes dar praga no exercito e na
-.rmada ; tal o facto, confessado de plano ante o
parlamento.
Censuro este acto, qne, que em tren parecer
nao legal nem conveniente, e pode ser ongem
de series pengas.
A lei, quasdo autorisa a gratiicagao a nm om-
ial de secretaria, pelo augmento de trabalbo no
gabinete do ministro, define claramente o servigo
que remunera ; fazer a despeza e deslinar o em-
pregado a funeges diversas e albeias, sopbs-
mar a lei e duplicar a despeta autorisada, porque
o offlcial desviado naturalmente substituido por
oatro.
Tem S. Exe. um gabinete oa Babia 7 Comprar
escravos servico do gabinete do ministro ? a'B'
ina lei creon emprego publico com esta attribui-
cao ? ou autorisou despozas com tal servigo ? Ha
no orgamento verba para compra de escravos, ou
em lei de recrulamento faculdade de proeucber
por este mel as Iacuna9 das fllelras do exercito f
Por qualquer dos lados que se considere e acto a
sua illegahdade manifesla.
Entrlncbeirou se o Sr. ministro na dura neces-
stdade, mas nao se fez cargo de refutar a demons
trago qne del, e jalgo cabal, de qne nao pode ha-
ver peior meio de preencher a forga armada.
Sendo notorio que a populagao escrava escassea
porque o namero dos nascmeutos menor que o
dos bitos, e maitd menor anda o numero dos nas-
cidos que chegam a puberdade, a consequeotta
que em regra sao Tjfferecidos venda tmente os
escravos- viciosos e 'criminosos; e, pois, que o
exame para a praga somente cura das condigoes
physicas, seguese qoe abrir a compra de escra-
vos para tal flm decretar o recratamento de pre-
ferencia de ladroes, de bebados a criminosos.
Os proprios babitos e degradado causada pela
iafelit estado de eScravo, nao o Clispoe, de ceno,
para a sSa disciplina do exercito; e se pretendem
que a liberdad9 os' regenera, nao duvidana cre-lo,
sefossem escolbidos os de ndole mansa e bom
procedimiento ; mas nao, senbores, os que vao a
feira do gabinete, os que sto a -venda, sao com
raras excepciJos, os looirrigiveis.
Pov6e o governo por este meio os nossos bata-
Ihdes, e permita Deua que nao tenbam os respon-
saveis amargos arrependimentos'l Que podera a
disciplina militar sobre entes que comidos pelo
jago da escravidao, se tornarara iosoportaveis a
seus senbores I Nao quero ser Cassandra, nem me
referirei ao procedimento desses soldadas oa guer-
ra ; mais, feita a pax, refllcta o governo se os seas
balalboes offerecem garantas seguran? publica.
Pondere-se especialmente como flca composta a
n-.ssa sociedade, em coosequencla das glorias e
dos louros humanitarios qae o ministerio pretende
colber, e comparece com o recratamento su gene-
rit qoe S. Exc. promove. Sobre esle pomo silo
me demorare!, porque nao quero., imitar as levian-
.ladee mioisteriaes Conclno que depois de haver
S. Exc. negado o facto que denunciei cmara,
vio-se obrfgado a confessa-lo, e alem da coarctada
de necessidade, allego* em prova da legalidad,
nem da conveniencia. A cen;ura, paU, subsiste
em toda a saa forca.
Ji qoe fol obrigado a fallar de compra de escra-
vos, desejaria qae o Sr. ministro nfjrmasse fe-
mara qnantos sao os escravos libertados por conta
do governo, aqu as provincias, para asseotarem
praga ; e qoantos eites foram, depois de com-
prados a pagos, julad09 incapazeS do servigo mi-
litar pelo* exames feitos cesta cdrte; porque cons
ta-me qae a este respeito se dio grandissiaos
abasos. i t
A' proposito de conseibo naval s farel nma ob-
iarvagao. Um dqsso collega membro da maiorla
desta cast, e membro adjunto d cowelbo naval,
disse boDlem em aparte qae aquella iostiiuico mi-
litar nao poda ser presidida seno pelo mlnstxp,
oa em saa falta pelo membre militar mais gra-
duado ; e assim virloalmante combatan o adduv*
qoe deixa a escolba do vicepresidente ao arbitrio;
do ministre. *^
isto me parece sem rplica.
O argumento em contrario que S. Exc. derlvou
a presidencia do ministro paisano nao tem valor
algum. Nao sou daqoelles qoe coodemnam abso-
lota os ministros paisanos as pastas da roari-.
|ha e da guerra ; mas o direlto com qoa Ikrttl-
lem a todos os trabalbos de sua repartilo, nada
tem cora a gerarcba militar; esse direito Ih'o
dio o-poder moderador, o parlamento, a consttot-
{io, o seo meter polftlco. _--
O ministro, oeenpandoa alta poslcaode meawrtt
de nra poder constitucional, flca cima de todas as
gerarchlas militares; os generaes Ihe obedecem
sem o menor prejoizd" da soa dignldade. Mas o il'
r-presidente, qoe nao tem carcter poltico, qae
all o primus inter pares, qoe nao tem ontras at-
tribuig5es se nao da InsMwgao Mdtlar de que fax
parte, em nao, senbores, nao pde.ter preeminen-
cia sobre outros mais graduados; todas ai ideas de
disciplina, de gerarebia, de pundonor militar se
oppoe a semetbaote aberragio. S. Exc. esta' em
erro ; e como a aceitagSo do cargo creto bIo ser
obrgatona, nao besito em asseverar a S. Exc. qae
se Hornear vice-presldente o menos graduado, nao
tara' membros com que 'coaiponha o eonselho na-
tal. Eu craio que todos os militares membros
desta casi conflrmaro o que sustento (O Sr. Al-
vtm faz signal afirmativo;, e a cmara acaba de
tero gesto approvador do nobre deputado por San-
ta Camarina.
Portanro, se o addilivo prejodica o mais gradua-
do inconvenioote, e nao sera" exeqalvei; se nio
prejodica Intil, porque 9 caso esta' providencia-
do no regulamento. Para que, pois, semslbanle
addilivo ?
Duas palanas a respeito das compras. S. Exc.
deixou era p moitis ohsrvagdes que eu bavia
apresentado; essas vo para os Annaes, e serio
julgadas por quem de dfrelto.
A respeito daqaeilas de que S. Exc se oecapa,
nao iosistirei e6pecialisando censuras; mas obser-
varei qoe a mlnba.critlca aolsvstema seguido fleou
em p
No_ fiz nem fago iosiouagSes, nem duvido das
iotengoes do nobre ministro; mas sustento qoe
avocar a si as compras, converlendo em regra o
arbitrio qoe a lei esiatolo pira casos de excepgo,
e preterrado a bata publica e a in|ervengao das
reparticoss que a lei creoa para esse servigo, om
erro que ple ser funesto; por mais telo qae te-
nha o nobre ministro, nem Ibe sobra tempo, nem
pode ler as variadsimas habilltagSes e conbeci-
raentos praticos que sao necessarios para as com-
P"s'Pr a,sim diter, encyclopedicas da reparti-
gao da marinba. D, pois, ou nSo d S. Exc. im-
portancia a roinha observagao, tenho cumprido o
men dever como o emendo.
Nada mais direi, para nao locorrer na pecha de
protelador, que com tanta inlustiga melancou o
Sr. ministro.
O Sr. Affonso Celso (mfQlstro da marinha):
Sr. presidente, asiste o nobre depotado por M-
oas Geraas em qaecommetti nra aboso faxeodo
seguir para a proviocia da Babja om dos mens
olflciaes de gabinete com os seos vencimentos aflra
de promover a acquisigo de libertos.
Respondo a S. Exc, qae nao ha nlsto a menor
sombra de abuso, porquauto me licito incumbir
aos meus cfflciaes de gabinete das commiss5es de
servigo publico qne me parecerem convenientes,
para que os desempenhem ondo quer que ao deter-
mine. (Apoiados.)
Quanto aos vencimentos que fol percebendo sao
os do seu emprego.
O Sr. C. Ottoni:Agora nao offlcial de gabi-
nete.
_ O Sr. Ministro da Marinha:Contini a s lo,
e nessa qualidade qne la o mandei, e demais
isto urna simples questao de pilavrs.
Emende o nobre deputado que por ter sahido da
curte perde essa qualidade? Pois bem, seja assim;
conservei (he os vencimentos, para o que eslava
autorisado.
A tabella n. 23 do orgamento, qoee Inscreve
Despeza extraordinarias e evenluaesconsigna
urna verba para gratificago e eotros vencimentos
a diversos empregados, olflciaes do corpq da arma-
da, classes annexas e outros, por servlgo!itraor-
dlnarios e nso previstos no mesmo otgaQMuto.
Era um empregado a quem incambl de servicos
extraordinarios fra da corte, e para compensa
los xei-lhe veocimentos iguas- aqs que tinha o
mea offlcial de gabinete, aatohsado pela lei. (A-
poiados.; Ja
O nebre deputado ]alga mao. es(e meio de qae
tem ian;ado rao o overno para obtersolados e
raarinbeiros, e diz que bavia outros preferiveis.
Ha outros sem duvida, e os termes empregado,
mas para conseguir mais fac I rente o seo flmen-
teadeu o goveroo qae deva tambera, a exemplo
de outras nages, amigas e mofleroas, promover a
libertagao de escravos.
Nao posso descobrir qual se]a o inconveniente
da medida, desde que a ningoem se obriga a
emancipar o seu escravo, antes se respeta e roco-
nhece o direiio de propriedade. (Apoiado.) 1'js
censnravel ama providencia qae, alm de dar sol-
dados para o exercito e roariobeiros para a esqua-
drs, augmenta o nnmero dos hornees livres no
paiz, pois qne cada praca que se obtem um in-
feliz de menos nos ferros da escravidao?! (Apoia-
dos.)
Ha porventara alguma cousa de immoral na
emancipago de escravos?
Ao contrario, urna medida essa eminentemen-
te liberal___
O Sr. C. Ottjni:Nao considerei a medida por
esse lado; mas o nobre ministro forga-me a fa-
ze-lo, eo o farei.
O Sr. Ministro da Marinha:Diz o nobre de-
putado que nao considerou a questo por este la-
do; mas siu eu obrigedo a encarar as questoes so-
bre que debalemos nicamente sob a face que S.
Exc. as encara ?
OSr. C. Ottoni:Nao o quero obrigar a cousa
aiguma.
O Sr. Ministro ba Marinha:Ento nao se ao
que veio a sua reclamago.
OSr. C. Ottoni:Nao reclamei, expliquei-me
apenas.
O Sr. Ministro da Marimu:Pois qaando V.
Gxe. examiuar a questo debaixo deste ponto de
vista eu me obrlgo a respooder-lbe.
O Sr. C. Ottoni:Hei defaxe-lo, Y. Exc. forgoa-
me a teso: ea ao o quera.
O Sr. Ministro da Marinha:Parece que o no-
bre deputado sapp que nesta casa ba quem te-
nba medo de discutir com elle Eu me compro-
meti a rosponder-lbe....
O Sr. C. Ottoni:Desde j Ih'o agradego, por-
que considero isso nma boara. Aceito o repto.
O Sr. Ministro da Marinha:Nao Ihe fago hon-
ra nenboma com isto, V. Exc. que m'a d.
Quer o nobre deputado saber qnantos escravos
tem o governo libertado para se alistarera como
soldados e marinbeiros, e quintos delles lm sido
depois jalgados incapazesTjas inspecgdes de saude.
. A cmara comprehende qoe en nao posso de mo-
mento dar ama roformooao completa a este res-
peito-----
O Sr. C. Ottoni : Slm, senhor, comprehendo
isto, nem eo a pretenda neste instante.
O Sn. Min stro oa Marinha Entretanto posso
dizer ao nobre deputado que para a esqattra laem
vindo da Babia 74, e ainda nao foi recusado ams,
por isso qae a pesssoa por mim incumbida, alera
de empregado probo e zeloso, profissional, me-
dico ; e portento por si mesmo conhece os qoe es-
to oa nao no caso de servir. A joota de saude da
marinha ainda nao deu por incapaz om s dos li-
bertos mandados da Babia pelo Sr. Dr. Vascon-
eellos.
Apeoas se de nm facto destes, mas com nm li-
berto aqu da crte. Chama-se elle Simplicio Alves,
se me nao engao ; fol examinado a primeira vez
dado por bom, libertoa-se e assentou praga ;
mas, examinado novamente poneos dias depois por
medlcosjjoe com razo alias foram aqu muito
elogiados, reconueceu-se qae esteva impossibilltado
para o servigo militar, porqae soffria de urna ber-
nia inquinal ja amiga. (Oh 1 oh !) Nao tenho noti-
cia de cairo fado semeihante.
Dlsse o nobre depuudo qoe, redigido como se
acba o addittvo relativo .presidencia do conseibo
naval, autorisa a nomeago de om tice-presidente
qae nao safa nem o mais graduado, nem o mais
amigo dos membros mili'ares do conseibo, o qae
S. Exc. considera contrario a tolos os principios
de disciplina e sobordinagao.
Nao comprehendo como possa prejudiear i dis
ip.ina e subordiagao militar a nomeago de om
vice-presideote as condieSes indicadas. '
Porvemora nao vemos todos os dias diversas or-
den? da hierarebia social om iodividuo mate gra-
duado a certos respertos subordinado a oatro qae
Ihe inferior em gradaacao T .
o propflo exercito assim acontece, e nem por
isso afroutam-se os lagos da disciplina. Hi all of-
iciaos de commissio commandando a ontros qae
na offlcialidade do posto Ibes sio superiores. (A-
poiados.)
demais, senbores, o conseibo naval nio ama
4dFporaeio- militr1,' a respeito da qaal devam ob-

.r~.-.0 cu. i.Ju o rigor as ragrat qaa a basa da
disciplina se aebam esttbelscidas para o exercito e
a armada.
R' urna eotidade puramente consultiva, orna cor*
i As allegagos da assembla provincial de Mi-
nas-Geraes sao de lucontestavel verdade.
. c E* a prioelpil que aquella provincia anda
nao chegoo a vez de recebar dos poderes centraes
poragao era que nao ba graduagao; os seos mam- fcenefleto anlogo aos qne favorecen S. Paulo Bio
bros sao todos iguaes; suas attrlboigas llmitam-se '
a esclarecer o ministro por mel da saos pareceres
e repreSBtagoes. (Apoiados.)
Continua o nobre deputado sustentar, to ji
qoe illegal, porque nada se pode dppr a urna
disposico clara e terminante da le, mas que
defeituoso e mao o systema qae segu em alguma*4
compras ou contratos. I ^\
^r. presidente, ea nSo desconhego qae esse syste-i
ma tem seus inconvenientes e mesmo seas perigos
para aquella que o emprega.
Um desees perigos 6 flear a autorldade snjeita a
essas Imputages calumniosas que boje sao por as-
sim dizer a consequencla ioevitavel do exercicio
de certos cargos, dizer-se, por exemplo : cCoo-
tratasle com folaoo poraraizade oa proteegio, del-
xaste de preferir a sicraoo por odio oa vioganga.
Reconbeco lado isto, mas perganlo : podem e
devem semelbaotes coosiderages influir no proce
dimento de um funcclonario pobllieo qae eompre-
benda seus deveres ?
Uae qaalifieago mereces aatorldaik) oo o em-
pregado qae delxa de pratiear aquillo qoe recoobe-
ce ser conveniente e necessario pelo receio de que
o calomoiem ? (Muitos apoiado-.) '
Na verdade, nada mais commodo e seguro do
qae mandar fazer todas as compras por interme-
dio do eonselho, por meio de concurrencia ; a res-
ponsabilldde asslm nenburoa, Oca-s aeoberto
de tudo, embora proveoba d'ahi prejuizo para o
estado, embora se pudesse obter cousa melhor e
mais barate. V '
li' commodo, sirn, mas fraquexa, cobarda.
(Apoiados.) Que me importa a mim qae ma ca-
lumnien), se tenho consciencia de que procedo
bem, se tenho consciencia qae presto am servigo
ao mea pala ?
O systema perigoso, concordo; mas que seja
mi, nao. Se mao, deve ter prodnzido seas re-
saltados. Pois bem, onde esteo ellas ?
Qaal foi o contrato mi que se fez na repartigo
da marinba, fra de concurrencia ? Qae objecto se
comproa por mais do qoe valia ? Era isto o qne se
devia provar, para que podes sem proceder as ob-
servages do nobre deputado a este respeito.
Mas essa demoostragao niogaem pode apreseota-
la, porque Impossivel,porque, repito, os contrados
tos feltos por esse systema reputado mao sio justa-
mente os melhores.
E, Sr. presidente, este modo de proceder nao
de Janeiro, Babia a Peraambuco Cada urna das
lis saleada em extenso considerare! poterna
estrada de farro a expensas dos cofres gerae;
emquanto a' provincia de Minas, nao recebeu fa-
vor igual.
A estrada de ferro de D. Pedro II na parle em
constrnago jaz toda em territorio flamioense ; e a
pequea extenso da 3. secgio (coja constraegao
alias nao se sabe qoando comegar), qae lem da
transpr a rala das duis provincias, essa mesma,
qae fol decretada e planejad, apenas desenvolve
algumas leguas paralellas e contiguas ao Rio Para-
hyba, limite da provincia.
t Mnas-Geraes, portanto, jaz as mesroas cir-
cumstancias em qoe jatiam as suas qoatro irmas
antes da constraegao d?s respeciivas estradas de
ferro; isto seas productos tem de transitar des-
de o interior at as suas divisas pelas antigs es-
tradas de transporte onerossimo.
t A oxposlcio qoe precede nio envolve qoeixa
ou censura ; antes da efectiva construego da es-
trada de ferro domnense, qne liga o ocano is
raas de Mina, serla difflcil dotar a provincia cen-
tral com ootra estrada de ferro que s seria fcil
em continuago da primeira. Mas aquella cendi-
go ba atollo este preenchlda ; e desde qae o foi,
a asprago da provincia de Minas-Geraes tornou-
se to legitima como as.mais legitimas. ^
Coroldo reeonbego com a 'mtioria da com-
raisso qoe a cmara dos Srs. depulados presente-
mente nada pode deliberar, tendo j formulado no
projecto qne se acba em discusso no senado auto-
risagao ao governo para promover o melhoramen-
to em questo.
Sera impertinente qualquer apreoiago neste
parecer das emendas offerecidas no senado ; nota-
rei com todo que a respeits d'aquellas qae deixam
o prolongamento da estrada de ferro dependente
de nova e futura autorisagSo legislativa, sera
duvida funada a apprehensio que manifestou no
debate S. Etc. o Sr. ministro da agricultura nos
seguales termos :
t Todos comprehendem perfeltemente qae, se
no parlamento brasileiro se apresentassem cou-
tratos coneedeodo a esta on qaella provincia
c liabas frreas, cada om dos depulados, por um
c desejo muito louvavel, e certo, mas demorando
c qualquer solu^o, se apressana a pedir para
t sua proviocia Igual favor.
A discusso se ira varia nesse terreno/por
sua natareza escorregadio; ncabam dos deputa-
< dos quereria desistir da preteagao de dolar a
sua provincia coen ana estrada de ferro ; e co-
c rao nao podemos ao mesmo tempo cobrir o palz
< ioteiro de estradas de ferro, a coosequencia se-
< na..., qoal? nada fazer-se.
< E, pois, pareeeodo me conveniente chamar a
atteogao da sabedoria do senado para todas estes
ponderages, proponho, em idditamento ao pare-
cer da commisso, qae com a representagAo da
assembla provlncal de Minas sejam remanidas
copias do mesmo parecer e leste voto separado.
Sala das sesses. 31 de julho da 1867.C. B.
Oltoni. *
L-se e vai a imprimir para entrar na ordem
dos trabalbo o parecer sobre as elelgoes da cidade
do Penedo, perlencente ao 2. districto da provin-
cia das Alagoas.
Vem mesa, lido, apoiado, e flca adiado por
pedir a palavra o Sr. Vaz Pinto, o seguinte reque-
rmenlo :
Requeiro que se f-ecam informages ao gover-
no sobre os desastrosos acontecimentos que se de-
ram com as forgas expedicionarias em operagoes
no sal da provincia de Matto-Grosso, segando o
qae noticiam as flbas diarias desta corte, a bem
assim sobre o qae ha de verdade relativamente a
invaso da cholera-morbus na mesma provincia.
Sala das jesses, 2 de agosto de 1867.As-
sis.
Lm-se, e vao a imprimir para enirar na ordera
dos trabalbos, as seguintes redaegoas :
A assembla geral resolve :
Arl. i.' Flca o governo autorisado para con-
ceder mais nm aono de licenga com lodos os seos
vencimemo* ao 2. otUcial da secretaria da agri-
cultura, o.bacbarel Leopoldo Henrique Castrloto.
Art. 2. Fcam revogadas as dispisiges em
cootrario.
>< Sala das commisses, em 1 de acost de 1867.
Pinto de FigueirJi.Tiberio de Moncorvo.
A assembla geral resolve :
Arl. 1. Fica o governo autorisado para con
ceder um anoo de licenga com todos os veucimen-
tos ao !. escripturario da alfaadega desta corte,
Mariano Jos Cupertmo do Araaral, aflm de tratar
de sua sale onde Ihe convier.
Arl. 2.* Fcam revogadas as disposigoes em
contrario.
< Sala das commisses, em i de agosto de 1867.
Pinto de FigueirJo.Tiberio de Moncurvo.
A assembla geral resolve :
Art. i. Fica o governo autorisado para con-
ceder am auno de licenga cora todos os seos ven-
cimentos ao juiz de direilo da comarca de Oeiras,
na provincia do Piauhy, Dr. Jjs Luiz da Silva
Moura, aflm de tratar de sua saJe oude Ihe con-
vier.
Art. 2. Revogam-se as disoosiges em con-
trario.
Sala das commisses, em 1 de agosto de 1857.
Piuto de Figueirdo. Tiberio de Moncorvo.
A assembla geral resolve :
Art. i. Fica o governo autorisado a mandar
matricular no 1. auno da Fzculdade de Direilo de
S. Paulo o estudaote Jos Tbeodoro de Souia Lobo,
levando em coma os exames preparatorios que o
raesmo preston na escola central: como alumno
interno da escola de marinha, na qualidade de as-
pirante a guarda-marraba, o estulante Vicente
Pereira do Reg, matriculada n) 1.* anno da Fa-
culdade de Direilo do Recife ; e a admittir a eia-
"\e de obstetricia oa Faculdade de Medicina do
Rio de Janeiro a Mana Driebacher, dispensaado-
Ibe a reqoencia dos annos exigidos pela lei.
t Art. 2. Fcam revogadas as disposigoes em
contrario.
Pago da cmara dos deputados, em 1 de agos
to de 1867.Pinto de Figoelrlo.Tiberio de
Moncorvo.
Os Srs. Esperidiao e L. de Alboquerque recla-
mara sobre a publicacao dos trabalhos.
PRIMEIRA PARTE DA OHDEM DO DA.
Procede-se a votago da proposta do governo que
fiza a forga naval para o anno fluanceiro de 1868
a 1869, e approvada, bem como todas as emen-
das ; e sendo adoptada, remanida com ellas
commisso de redaegao.
Eotra em 3.' discusso a proposla do governo
que Gxa as forgas de trra para o anuo financeiro
de 1868 a 1869.
Vera a' mesa, sao lidas, apoiadas, e entram con-
jonctamente em discusso as seguintes emen-
das :
't Albas naturaes dos olflciaes militares e aos
orphaos as mesmas condiges, menores de 18
aunos, reconbeldos e habilitados por qualquer
dos meios estabelecidos pela lei o. 473 da 2 de
selembro de 1847, fica extensivo o beneficio do
meio sold nos termos quer da le da 6 de no-
vembro de 1827, quer do art. 8. da lei n. 1,220
de 20 de julho da 1864. Francisco Carlos Brao-
du. .
a Continuara em vigor as disposigoes do art. 2.a
da le n. 1,2.46 de 28 de junho de 1863, na parte
relativa aps arsenaes de guerra, suas dependencias
a depsitos de artigos bellicos.Francisco Carlos
Braudo. > '
< Os olflciaes do corpo de eogeoheiros empre-
gados as obras publicas do ministerio da agricul-
tura, com permisso do ministerio da guerra, fi-
cam comprebendidos oa excepgo etpressa oo art.
9.* ila lei n. S8S de 6 de selembro de" 1850.Mello
.e Alvim. >
No art 3.*, em logar das palavras on se
o governo julgar conveniente, mediante a quan-
Geraes", jaga escosavel a micigo de idea alguma' ta de 6bO|>000, diga-se ou mediante a qaan-
qua as possa de pfompto satislater, visto como ja' lia de l:200000, em circumitaneias ordinarias.-
se acba am. discusso lo seuado Qn projecto 100- O mais coto est no artigo.Mello e Alvlm.
dente ao mesmo flm -emanado desta angosta ca- j i A presente le regera* -tambera o crrame exer-
mara ; e, pois, prope que se remella a referida cicio. J. Mduraira. Isidoro Jansen Pereira.
represeatago a' cmara, viuicu, para toroa-Iaj se F. L. Blltencoort San pato.
novo ; segoiram-o mais de nma vex meas ilustres
antecessores, adoptaram-o tambem varios minis-
tros da guerra, entra os qaaes citare! o meu hon-
rado coiieg, que como eu lem colbido os mesmos
resaltados vaotajosos.
Demonstre-se o contrario, e ea serei o primeiro
a arripiar carrelra e a confessar os meas erro?.
Meu desejo nico, miaba oniea aspiragao, acer-
tar. (Apoiados ; muito bem, muito bem.)
Anda ocenpam a atteogao da casa os Srs. Pedro
Leitio e Dias da Cruz, fleando depois 'encerrada a
discnssao.
Dada a ordem do da, levantoo-se a sesso.
SESSO EM 1 DE AGOSTO DE 1867.
PRESIDENCIA DO SR. SILVE1R \ DE S0UZA (VICE-
PRESIDENTE )
Ao i/2 da, felta a chamada, verifica-se haver
Damero safflcieme, abre-se a sesso, sendo lila e
approvada a acta anterior.
OSr Io Secretario da' contado seguale
EXPEDIBNTE.
Tres offlcios do secretario do senado, participan-
do qae o mesmo senado adoptoa, e vai dirigir.
sangao imperial as resolnges que approvam va-
rias pen oes.Inteirada.
Ootro do mesmo secretario, enviando, por nao
ter o senado podida dar o seu consentlmento, a
propisigo declarando qae constitaem divida pri-
vilegiada as poreentagens dos correctores.Intei-
rada.
Tres requerimentos de Severo Antonio de Mou
ra, J,- Mara Pereira da Silva a JoSo da Silva,
pedindo serem naturalizados cidados brasileiros.
A' commisso de coostllulgo.
Ootro de Miguel Archanjo Madeira da Silva, pe-
dindo Ihe serem aceltos os exames feitos na aca-
demia de S. Paulo, aflm de se poder matricular na
escola de medicina da corle. A' commisso de
instraego publica.
Lem-se, julgam-sa objectos de deliberarlo e
vao a imprimir para entrar na ordem dos traDa-
Ihos, os seguales projecios :
A assembla geral resolve :
< Artigo nico. Fica o governo autorisado a
mandar matricular em qualquer das faculdades de
medicina do imperio o estudaote do primeiro anno
do corso jurdica da cidade do Recite Joaquim Pa-
checo Meades, dispeosando-se para isso o referido
esiadaote de repetir o exame das materias exigidas
.naquellas faculdades ; revogadas as disposigoes era
contrario.
Sala das sesses, 2 de agosto de 1867.Jos
Avelino.
AM. !. A provincia de Sergipe se limitar ao
sul e ao occideote com a da Baha pelo Rio-Real,
desde a foz at sua eabeceira, linha recta ao
oorie, atravessaado as serras do Capito e Negra,
em precura da eabeceira do ro Xiog, a por este
ate sua foz no rio de S. Francisco; e ao norte com
a provincia das Alagoas, comegando da desembo-
cadura do rio Xiag, no de S. Franci;co abaixo
at a sua foz no ocano.
Art. 2." a povoago do Coit Acara' annexada
ao termo de Simo Das, provincia de Sergipe, ai
que a respectiva assembla provincial resolva como
melbor entender a'cerca dessa annexaco.
Art. 3. Os limites ecclesiasticos floarSo sendo
es mesmos fizados para o civil no art. !.
Art. 4. Fcam revogadas as disposigoes em
contrario.
t Pago da cmara dos deputados, 2 de agosto de
1867.F. L. Biilencouft Sampaio.P. Leo Vello
so.J. J. Barbosa de Oliveira.J. C. Gama Abreu
Aristides da Silveira Lobo.L. C. M. rtatisbona.
C. Pinto de Figueiredo.Abelardo de Brito.
Jos Avelino.Fonseca Vianna.Sinval.-Araujo
Barros.
Lem-se, julgam-s' objectos de dellberagao, e vo
a imprimir para entrar n ordem dos trabalbos, os
projectos seguimos :
< A assembla geral resolve :
A't I. O goveroo autorisado a conceder
carta de uaturalisago de cidados brasileiros aos
subditos porluguezes Jos Luiz Machado, residente
oa cidade do Rio Grande do Sul; Manoel Lopes de
Amorim, residente em Nitherohy ; e Pedro Gongal-
ves Perdigo, residente nesta corte.
t Art. 1." Fcam revogadas as disposigoes em
contrario.
t Sala das commisses, 2 de agosto de 1867.
Virisslmo de Mallos. Araujo Barro.A. S.
Lobo.
< A assembla geral resolve :
f Ar;igo nico. Fica o governo autorisado a ma-
Ibora'r a aposentadora do primeiro cbferente da
alfandeg aposentado Joao Nascates Piolo com as
vaniagens concedidas pelo arl. 95 do decreto n.
267 de 19 de setembro de 1860, mandando contar-
me para esse flm os annos que servio como offlcial
da extincta segunda linha de milicias : fleando
revogadas as disposigoes em contrario.
c Sala das commisses, 30 d julho de 1867.
Candido Torres Fimo.J.oo Teixeira.
L-se e vai a imprimir para, entrar na ordem
dos trabalbos o seguinte pareeer e voto em se-
parado :
A commissaoAi commercio, indaslria e arles,
examinou a representago que a' esta augusta c-
mara dirigi a assembla provincial de Minas-Ge-
raes, pedindo o prploogamemo da estrada de far-
ro da D. Pedro 11 at as grao-s arterias flaviaes
da proviocia, e vem aprtsentar o resollado do seu
estado.
A commisso, reeonhecendo a : legiiimidade
das ispiragoes da assembla provincial de Mui.i-s-
entender conveniente, ua, devida conslderagao
< Sala das commisses, em 30 de julho ;o 1867
sperldlo.E. de B. ?.J. d Barros Piraenttl
C. B. Ottoni, com voip em separado.
Voto em $$paraip.
O; Srs. Gomes de Castro e Gama Abreu fizem
algumas coosiderages.
A discusso flca adiada pela hora.
O Sr. I.vSecrbtakio, obleada a palavra pela or-
dem, da' coala de um offloio do Sr. ministro dos
Subscrevendo acoocluso do parecer de meus negccios eslraogeiros, declarando que 0. governo
Ilustres collegas da commisso de comroercio, io- Imperial nao Jolga conveniente levar a' discnssao
duslria artes uo posso entretanto eonteniar-me os assumptos a que se.referem as interpellages
com a simples rem'e sontago da ssseajbja provincial de Minas-Geraes,
porque tendo esta cmara dlscatjdo largamente a
Ciadas por um membro desta cmara.
O Sr. Presidente declara que, de accordo com
questo a que ella se ref?re, proloflgamento da es-: o regiment e com a resposta do sr. ministro os
trad de ferro de b. Pedw II, nada mais justo pa-
rece-me do queacompautur a 4ta represeotagao
com urna apreciagu do lundaraento de suas alie-
gagojs. O que se conseguir' fazendo-rrie a cmara
a honra de remetter ao senado, com a mencicBada
reptisetg*o, copias da parecer e deste voto em
separada;
I
l
negocios eslraogeiros, nao tera' lagar a interpella
tho anauuctada Dar amaaha.
SEGUNDA PARTE DA ORDEM DO DA."
INTERPKI.LAGBS.
Eotram am diaeo-so as imerpellages annuucia-
das pelo Sr. Belfort Uuartv oa sesso da 30 de ju-
lho ultimo.

O Sr. Bf.ifort Dartb (movimetU At alien-
So: silencio): Comacarei, Sr. praaideote, por
applaodir o precediraento do nobre rntajuro do
imperio, qoe, separaodo-se nesta parte da Morado
presidente do conseibo, presin homenagem ao
principio liberal da discusso quando pela primei-
ra vez oeeoooo a atteogao da cmara dos Srs. de-
putados (apoiados); S. Exc. ( lo para nio con-
demnar o seo passado (apoiados); S. Exe. lelo
I porqae recordou-se qae era orna das reliquias
dessa pbalaoge gloriosa de saadosos mestres, qae
. legarara s gerago-s de hoje tantos e tao nobres
. eidtnplos de patriticas dedicagas; pbalange qae,
por desgraga do pair,- vai rareando de da em dia
*nas pessoas, as tradiges e al as doulrinas I
(Muito bem)
_ Um assumpto grave, senbores, me chama boje
a' tribuna ; e tanto mais grave o considero, qnan-
to vejo que elle eoteode com preciosas liberdades
sociaes que naturalmente se Qliam, e que, golpea-
das boje, produiiro amaoba, e faulmeate, o
exterminio de todas as outras ; porquanto todas
as liberdades sao irraas, todas se coosorciam sem
esfergo, todas se do mutuamente as mos, todas
sao galbos de orna mesma arvore : nio pode urna
ser mutilada sem que para logo o tronco se con-
sidere ferido, ceiciados de turpado. (Apoiados
mmto bem I)
As miabas imerpellages emendem directamen-
te com a llberdade religiosa, liberdade de ensioo,
llbordade municipal. A cmara considere a gra-
vdade do asaompto.
Liberdade religiosa I primeira e mais imprtan-
le garanta social, que nao s o direito qae tem
cada om da crer oa oo crer, mais para
cada igreja o direito de estabelecer-se, da cons-
tiluir-se, de maoter-se. de governar-se, de fallar
e propagar, sem offender o direito de ninguem
(apoiados; mullo bem); Iib9rdade religiosa, pa-
lavra de vida, de regeneragao, promessa do Evan-
gelho, reconhecimento do hornera interno e do eu
humano, em nome do qual o Creador justiticou a
personalidade, para qae esta, por soa vez jasiiQ-
casse por obras a graga da Provldeoela ; liberda-
de religiosa, em nome da qoal Feoelon, o sabio
prelado, pedia a Lu z XIV, qoe Ibe ordeoava que
partisse no intuilo de acalmar os protestantes fu-
gitivos por occasio da revogsgo do edito de
ames, qae mandasse imprimir exemplares da
Biblia por conta do estado, aflm de serem distri-
buidos entre os nereges, para que nao acreditas-
sem haver aellas verdades que se Ihes pretenda
occullar; em nome da qual Jorge I, o re imhera-
no da Grecia, tendo desembarcado no Pir > em
outubro de 1863, assistira a um Te-Deum em igra-
ja grega, tendo a sea lado tod>s os diplomatas es-
lraogeiros e ootavelraente os ministros das" nages
catholicas; em nome da qual, na Turqua, o Gro-
Senhor den aos catholicos aulorisago para torera
em seus templos sinos, aflm de annunciarem as
diversas ceremonias de sea caito; em oome da
qual, na Silesia, os sraelisias ioauguraram suas
igrejis, com assistencia do clero catholico e pro-
testante, tendo commegado por celebrar um ban-
quete, onde se ergueram brinde; a' tolerancia,
fraternidade e amor do prximo (apoiados) ; em
nome da qual o re da Prussia recommendava aos
presideotes dos diversos caitos que orassem por
elle na mesma igreja, supposto em diffarentes
horas, no qae foi imitado pelo imperador dos
Francezes em a sua circular do de agosto de
1862 ; em nome da qaal o general Benedeck, go-
veroando a H'ia;ria, dava aos protestantes a mais
ampia liberdade, abolindo todas as reslricges in-
compaliveis com a civlisago e com o progresso
deste seculo ( moito bem ); liberdade religiosa,
senhores, a' sombra da qual lem vivido a Hollanda,
onde a reforma religiosa est acabada no seotido
o mais liberal, e eosaiam viver a Blgica, a Aus-
tria, a Suissa e a Italia; liberdade religiosa, em-
flm, Sr. presidente, cujo claro vivssimo se df-
faode ja' por todo o globo, partindo de dous gran-
des focos de civlisago, de luz e da progresso
do seis de dous povos Irmos Inglaterra e Es-
tidos-Uoldosl (Vivos apoiados; muilo bem I mui-
to bem I)
A primeira a maior nago do mondo, o mais
liberal de todos os povos; educado na escola da
discusso vre, possue ha sete seculos a magna
caria, o habeos Corpus, o parlamento e o jury, e
eocerra em si o germen fecundissimo dessas gran-
des reaeges raoraes que Ibe transformaram a po-
ltica, communicano-lhe esse typo invariavel e
flxo da ama energa mascla que nao receia dian-
te do tempo, nem sossobra em face do rev/.,
principio soberano e lodeslruclivel, que como j
algaem o dlsse antes de mim, faz crer aos outros
povos que, qaando a Inglaterra christa e liberal
se move, quando seus jornaes e seos meettngs 60-
megara a protestar contra urna iniqudade social,
a humanidade vai gacbar urna victoria, urna gran-
de verdade moral vai romper todos os obstculos,
todos os precooceitos, todos os hbitos, todos os
interesses,todas as nuvens. (Mnito bem)
Ab I o que faz a grandeza do povo ioglez a
idea, a bandelra, o principio qoe elle repre-
senta ;del deposilario e como que guardando
com avareza as suas velhas tradiges nacionae*,
elle encara o usado em allitude de quem desafia
at os seus tres ioimigosabsolutismo, conquist*;
revolugo. Cooservador sem ser immovel, podera'
perder am dia o Caaad, as Iodias e Gibrattar;
fiquam-lba os rochados da vaina Britaonia, fique-
Ihe urna nesga de ierra, qae sobrara' sempre ao
povo Ioglez espago para cultivar a liberdade reli-
giosa e a liberdade poltica. (Apoiados.)
O segundo o paiz onde todas as grandes Igre-
jas se reconhecem membros de. um mesmo corpo,
e bonrndo se urna a3 ontras honram-se a si mes-
mas, onde a unidad* do protestantismo evidente,
onda, como diz Fish, o aspecto do paiz umi po-
derosa apologa do christianisrao, onde se liberali-
sa o miro para espalbar sobre a ierra palavra de
Deus, onde se emorebende curar as dunas do
pauperismo, oade a'litleratura decldidaraeote
raoralissima, onde, emflm, senhores, se olha para
o christianisrao pela soa face brilhairte da sanlifl-
cago e'do dever. Ah I Sr. presidente, nesses pa-
ses a liberdade religiosa, qoe eu quero no meu,
urna verdade. (Muito bem.)
Permita a cmara que lea om trecho da carta
do inioi.-tro italiano Ricasoli aos bispos em Roma,
e com a sua leitura porei termo a este ordem de
ideas :
t O governo deseja qae a llalla goze em breve
do magnifico e imponente espectculo religioso
que hoje felicita os cidados dos Estados-Unidos,
livres em toda a extenso da palavra diante do*
concilio nacional d Balumore, onde se discuten)
llvremeute as doutrnas religiosas, e cojas deci-
sas, approvadas pelo papa, sero proclamadas e
observadas sm todas as cldades e aldts, revesti-
das de todas as saocges esperitoaes, sem exequ-
tur algum, oem placel. Esse espectculo espanto-
so e maravilboso prodazido pela liberdade, pela
llberdade professada e respeitada por todos, em
principio e em facto, as suas mais viaes applica-
ges,na vida civil, poltica e social.
Nos Estados-Unidos o cidadao segu lvremen-
te a creoga que melbor Ihe parece e adora a di-
vindade na forma que mais conveniente Ihe Ao
lado da igreja catbolica erige-se o templo protes-
tante, a irjesquita musulmana, o pagode cbinez;
ao lado do clero catholico funeciooara o consisto-
rio de Genebra e a congregado metbodlsla. Se-
melhanleestado de couza nao faz conuso algu-
ma, oem offende- E porque ? Porque neoboma re-
ligio peda ao estado protecgo especial, nem pri-
vilegio; cada ora dallas vive, desenvolve-se, pra-
tica-se sob a egide da le comraum, e-a lei, igual-
mente respeitada por todos, garante a todos igual
llberdade.
A iotengao do governo italiano mostrar tanto
quanto estiver ao sea alcance qae elle tem f na
llberdade e que deseja applica-la to ampia co-
ma Ibe permitiera os interesses da ordem pu-
blica.
Sao palavras, Sr. presidente, qae bonram nm
ministro, sao palavras que dispensara commen-
lario.
LIvre ensioo I Grande idea liberal, mas qae
coosequencia virtual da liberdade do culto. Eu nao
a eomprebondo, en nao a quero seno assim. As-
sim o entendeu a Austria, asslm o emenden a
Franca, assim o eoteodeu na Italia am illuslre de-
putado, que em um dos artigos de sea regulamen-
to de iostrocgo publica proelamava o principio da
dispensa de exame de religio para o alumno qae
nao professasse o eolio catholico. Em materia de
ensino eu considero o individuo qae ensina e o
que eosinado ; este mais para a sociedade do
que aqoelle, porqae este o futuro, e o fatoro de
seas Albos o primeiro cuidado de orna nago II-
vre, assim como oa familia constituida sobre ba-
ses impreteriveis a iodispeosareis a familia a
primeira expressao do estado.
Emendo, pois, qae em am paiz ea) que nao ha
culto livf nao deve baver ensioo perfeltamente
livre; nesses a llscatisagao inmediata do governo
necessaria, principalmente na mstroegao dos re-
ligiosos a congregaes, qoe sao a negago da la-
milla, e a familia o mais solido alicoree em que |
devera' assentar o enaino, qoe prepara para o es-
tado civil. I
Em om disearso proferido no parlamento por-
tuguez, o Sr. Meodas Leal, como ministro da ma-
rinba, qoereado mostrar como modernamente se
tem querido renovar as bases do catbolicismo, as-
taodo.o sobre as liberdades concebidas oa saa
mais larga sigoifteaco, citoo am. facto slgnjflcatl-
T ..ij?8 Un>bem farei meogo. Era pooeo depois
00 i o JO.
Publieava.se em Franca om jornal intitulado
L Avenir. Redlglam-o Licordaire, aotes de eiogir
o habito da ordem de S. Dnmiogos : Lammenais,
antes de ter abandonado o gremio da Igreja : e
Montalembert, aales de coraecar a reaccao catboli-
co-politic. ^
Essa folha defaodla a liberdade do ensino, mas
conjuntamente e dependente de ontras liberdades
como a de culto, a de consciencia. snffragio univer-
sal, desceotralisago administrativa, etc., a liber-
dade omnmoda, como ja algaem appallidoo tsse
eofeixameolo. To ootavel quaolo liberal program-
an nao merecea, porai, os applaasos da coria
romaoa, qae o fulraiaou oa soa celebre oeyclica
de 1832 I
A liberdade de ensioo, pois, sem a do caito,
oro privilegio que se oo pode oothorgar em Bo-
rne dos sios principios do liberalismo, qae em tal
caso r/o podera ser com razo invocados.
Fraoquezas muaiclpaes I Bis a terceira idea a
qae se ligam as miabas imerpellages.
E' tradicional a importancia das garaotiSs do
municipio. Nao pretendo fazer o sea histrico.
limitar-me-bei a consigoar qoe Luiz XIV, herdei-
ro poltico d>s Valols, qne, oo dizer de Laboolaye,
mostraram se sempre inimigos declarados de todo
o que oo (eodesse a unificar o sea poder, leve a
triste honra de dar na Franca o derradeiro golpe
aos direitos da commaoa, legando ao sea sacces-
sor o poder absoluto com os germeos da sanguino-
lenta epopa de 89.
A gloriosa constituate reerguea do abatimento
o municipio, preparaudo-o para soffrer os ataques
do grande imperador, que em nome da nntdade
do grande imperio desfez orna a ama as liberda-
des francezas, dando aqoelle generoso povo, em
troca da humilhagao interna, o fumo, o saogoe e
as glorias de Marengo e Ausierlif, e respoodeodo
Franca, qoe Ibe pedia o ar paro das liberdades
confiscadas, com a voz sinistra do canhao qae an-
ounciava Arcle, lena oa Mootmirail (Moito bem.)
Em nosso paiz as muoipalidades, bem se pode
dizer, ja viveram, ou aales nunca viveram seao
calcadas, comprimidas, desnaturadas. Atada as-
sim j representaran), como orgos da nago, pa-
pel iraportaate depois do lgubre episodio qtie ex-
pelllo deste racimo os legisladores coastiiaioles.
Coosaltadas para dar o seu voto no prejecto da
constituir>, lerabrar-se-ha a cmara qae a muni-
cipalida Ja de li apresentoa emendas liberaiissi-
mas, atlribuidan ao sabio padre Feij, sendo urna
deltas a eleigo directa. Esta s coasiderago,
quando n) bouvesse outras de grande alcance,
bastara para merecerem ellas o respeito de um
goveroo liberal ; quanto mais que o muoicipio,
entregue sua iaiciativa e s-m peas qae o desar-
men), o primeiro elemento de prosperidad.-) in-
dustrial e soeial de um paiz dado. (Apoiados.)
Tanto basta para que nao se transgrida a le para
ferir a sua representago immediala.
Sr. presidente, declaro a V. Exc. e a camira
que nutro serias apprehenses quanto as opioies
do ministerio nestas materias, e principalmente
sobre llberdade religiosa, porquanto ouvi com
Kraode pasmo e sorpresa ao nobra presidente do
conseibo que nao recooluzira um jais municipal
por haver elle sustentado o grande principio, qae
comquaoto nao seja lei, leve o sea assento na con-
sciencia publica esclarecida, na Igreja livre no
Estado livre. (Apoiados.)

Confesso-vos, senhores, que senti-rae presa da
mai? viva emogo, para nao dizer de indignago
em sea auge, ouviodo as expresses do honrado
presidente do eonselho ; parecen-me at divisar
por entre as vestes prolanas do nobra ministro da
fazenda o burel do franciscano oa a negra cogla
do benedicloo I (Hilaridade prolongada.) Nio I
nao foi e nobre presidente do cooselbo quem des-
prendeu dos labios esse verbo, triste docameoto
de urna intolerancia aoachroniea ; foi eartemente,
a acreditarmos na iransmigrago dos espiritos,
alguma alma de capuebinho qae penetroa no ce-
rebro da S. Exc. e emprestou aos magieos orna-
tos da encantadora elocuencia que tantas vezes
nos ha arrebatado um to condemnavel peosamen-
to I ( Hilaridada.) profereria am liberal, e menos o maior liberal de
nossos tempos I o liberalissimo presdanle do eon-
selho I Por honra das opinies de S. Exc. eu du-
vido do que ouvi, en oem discuto. Passo adiaote
e entro na expusico do primeiro facto, para cujo
exame tive a honra de chamar arena da discus-
so o respeitavel Sr. ministro do imperio.
A 17 de dezembro do anoo passado chegou a
Aracaj, capital da provincia de Sergipe o subdito
portuguez Torquato Mamas Cardoso -, no da se-
guite despacbou oa alfaadega volumes cootendo
Biblias e extrahio da Ibesouraru a competente au-
lorisago para (azar acto de c nnmercio vendende-
as ; e apresemou-se flaal ao chele de polica da
provincia communicando-lbe o seo carcter de
estrangeiro e a sua prolisso, retirndose da pre-
se m; a do magistrado conscio da que nada o per-
turbara no exercieio desse direito iacooteslavel.
Vendidos alguns exemplares decorndos poocos
dias aps o da ebegada de Torquato a Aracaj.
teve o vigario de subir ao pulpito, e dahi proferlo
excommunho contra todos os.que lessem e possuls-
sem as Biblias de Torquato, por elle'reputadas fal-
sas.
Cabera aqu algumas observares acerca da pre-
tensa falsidade de certas edigoes da biblia. A fai-
sificago oo existe, e se existe s compete aos
pastores avisar aos fiis, mostrar-Ibes o erro edesig-
oar-lhes a verso ou edigao que devero ler. A
falsflcago nao existe, porquanto ella presume a
lntengo de engaar, e essa inteng.io se nao desco-
bre as diversas versoaa que difieren) da mgala.
Conhecem-se no Brasil tres verses da biblia
em portuguez : 1*, a do padre Antonio Pereira de
Figueiredo, autorisada pela curia romana, mpres-
sa em Lisboa e reimpressa entre nos, e nao faz
moito tempo, pelos bem conhecldos editores os
Srs. Garoler & C ; tal a verso exacta da vul-
gata; 2*, eta mesma versan impressa era Londres;
e boalmenle a verso do padre Joo Effrreir de
Almeida, protestaote, irapfessa em NewfVork. As
dais primeira; combina'em tudo e por tndo; a
de Almeida difiere oo s. em nao trazar alguns
livros deutero-canenieos como no emprego de al-
gumas palavras. Citare! ooas exemplos qae me
oceorrem oeste momeato : na historia das Albas
de Lotb, a biblia protestante diz : deitar-se,
as catholicas dizem dormir; em ootro logar
a protestaote diz : nao le corvars s cousas
creadas, as catholicas l-se nio adorars, etc.
A cmara bem conhece a distinegio qoe se fazia
entre Irvros proio-caoooicos, e deotero cannicos
a sabe que estes ltimos s foram aceitos como
divinos depois do concilio de Tremo ; porqoanio
anteriormente elle perlebelam ao canon dos livros
ecclesiasticus, nao tinham carcter da revelagao,
nem de mspiracao.erana apenas edificantes. Ainda
mesmo depois do qoarto. seculo, os padres que
segulam o bebrea nunca comprehenderam oo
canon de seus livros os dentero-caobDicos, por-
qae os apostlos nao hvriam fallo mengao delles.
E porque os concilios divergram em epraies o
papa Gregoro, o cardeal Xlmenes, o cardeal Cae-
tano e outros nooca os conslderaram divinos,
alada no seclo Vil.
Publicada a excomoabio falaiioada palo viga-
rio de Aracui contra oa que leisem as biblias
vendidas por Torquato, qne oao eram ootras se-
no as do padr adIodIO Pereira. publicadas em
Londres mandn o chefe de polica chmalo a
soa presenca para adverfir-lhe de qae o espirito
da popolaeo Ihe ara contrario, a qoe valia mais
abandonar a capital a ir para o interior da provin-
cia continuar a venda de se,oa livros.
(Continuarse ha.)
TYP. DO DIAR10-RA DAS CRUZES N.
\
W
k.
S
L
j~-

I -
*
jW


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E91NSSC84_LAWE3R INGEST_TIME 2013-09-05T04:02:50Z PACKAGE AA00011611_11362
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES