Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11359


This item is only available as the following downloads:


Full Text
1
!fe
**+m

i

ANNO XLIU. NUMERO 202.
PAR X CAMTII, B ,ltVHKSO\lE HK lO rAA POBTE.
Piraras aeiesafljiUlM.,. *. *~.......... 000,
Por uia Utos trn,, .i - Por um idea.. .] .; .j ., ,j ; .3 .j ., .; ;j ... 24*000
CaJa niatn.aniso .1 .............. ^ ..... 320
'Mi 5& oidau
*-^ -GUARA FEIRA 4 DE SETEMBRO DE 1867*
---------------------------------------------------------
PABA DE.MUO E FOBA DA PBOVIACIA.
Par. tre neceiadiantato;. r. rv! r.- .'.-.'. '. ..
P.rii4itpUem. trr'..............................
Por nova, ditM ideo..................................
oijjrtv e*a apie aaB. m ., .. .. ,. .. ., .. ,, ., .. ..
W780
11*500


saiiaiu^sa m a>2inim2TH) na adiMpaasut m bimnmiii mnniajaD di v&m ranas, asta iPiaDiPMiMiDa.
-i.
IENGARREGADOS DA SUBSCRlpgAO.
Parabyba, o Sr. Antonio Aleandriao 'de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva ; Aracaty,
o Sr. A. de Leaos Braga; Cear, o Sr. Jeaquim
os de Oliveira ; Para, o* Srs. Gerardo Antonio
Alves 4 Filhes ; Amazonas, oSr..Jeroaym'o da
Costa; AIagoas-,o Sr. Franrino Tavirres da-Costa;-
Baha, o Sr. Jos Martins Alves: Rio de Janeiro,
o Sr. Jos Ribeiro Gasparinho.
>ABT!OA DOS 3fT4K8T4S.
Otinda, Cabo, Escada e estacoes da va frrea at
Agua Preta, todos os dias.
lgnarass e Goyanoa as segaadas e sextas fairas.
Santo Anlo, Grvala, Bezerros, Bonito, Caraarti,
Aitinho, Garantaos, Baique, S. Bento, Bom Con-
selho, Aguas Bellas e Taca/aii, as tercas-fejras.
Pao d'Alho, Nazaretb, Limoejro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella,. CabrpD, Boa-Vis-
ta, uricury, Salgueiro e Ex, as quarta* (airas
Seriubem, Rio Formoso, Tamahdar, Una, Bar-
reros, Agua Preta e Pimenteiras, as quinta*
feras.
AUDIENCIAS DG8 THIBNAB8 DA CAPITAL.
Tribunal do commerelo : segaadas e quintas.
Itelaco : tercas e sbados s 10 horas.
Fazenda : quintas s 10 horas.
Joizo do commercio : segundas ai 11 horas.
Dito de orphaos : tercos e sextas s 10 horas.
Prlmeira vara do civel; tercas-e sextas ao aeio
> dia.
Segunda vara do civel : quartas e aabbades a
1 hora'da urde.
EPHEMERIDB5 &> M DE SETEMBRO B
5 Quarto creso, as 8 h. e" 39 m. da t.
13 Loa ebeia as 9 h. e 41Wa t.
21 Quarto mine, ans 17 m. da m. w
%7 Loa nova as 8 o. e 60 m. da I.
DAS DA SEMANA.
S Sepnndr. 8. Estevo rei de Hangrla.
3 Terca. S^Eafemla v., S. Arlstbeo b.lJ '
4 Quarta; S. Bofa de Viterbo v. f., S.'Rosala v.
5 Quinta. S. Herculaoo m.. S. rceoste m-
6 Sexta. S. Libania v., S. Zacharias prpf.
17 sabbado. S. Regina v. m., S. Pamphilo b.
8 Domingo. A Navldade de Marta Santissima.
PREAMARDEHOJE.
Primeira as 6 horas e o m. da maabia.
Segunda as 7 toras 18 minutos da larda.
PARTIDA DOS VAPORES CCteTEIROS.
Para o sai at Alajroas a 14 e 30; para o norta
at a Granja a 15 e 30 de cada mex; para Fer-
nando nos dias 14 dos meses Janeiro, marco, mai
Julho, selembro e novembro.
..' !
-
...
EXTERIOR.
| tO motivo que determinen o. rei a pro-1 Francisco de Le*os Dow*......... 10*000
'rp,W d'AStP. moiln (finir nmatiei nriA anm- I Th90i0ro.-_Tv',es............... 10*000.
' ceder d'este modo Contra aqoelles que sera-
Jo,\o Baptista Perrelra da Aoaociaco. 10*000
,J)re se prestaiam aos seus caprichos;, com paulo de Aibuquerqoe Gama........" 104000
Abvsslolii ujna obediencia cga anda um ioystrio.
Quando em logiatarra se presta OoS^-\^^^^^^
de attencSo asitaac^emqae se achara na ^^3^_lf,w_e' ,uf, '!:,an?S
liormacoes acere i dessa s.tuacao. rentados. Diz-se que foi o regresso de Mr.
J?Z! J ? cnAl*:tmr- Stern' Fiad sera os operarios que servio de pretex-
om dos captivos mglezes, diruoria a 90a es- rirusn .
reside era Londres...EU poisa. "^^ i3e eoloram.provocado
no nos presagia nada beaa, provavel
! que a nossa situacao nao experimente -ne-
! nbuma melhora depois do regresso de Mr.
I Fiad como ateuns dos nossos esperavam.
posa, que
arta: -
Magdala, i de maio de 1867.
Miuha cara Carila. Decorren mais i
um mez depois de miaba ultima carta! Um
mez igual aos anteriores tres mezes desta.
vida miserave. de prisioneires. passada em ^nX empestade ; mi ?.r que'
ifJ,Tr.S?e a |6 Qa f3d,ga m'^Z \ rene sobre as Lssas cabegas, urna nuvem
S.ln Z ^ .A gUmaS VeZ6S me f T cada vez mais gross de ameacas, s temos a
LUr?aCaat?' \lT engaaar, ?DQafe, daS! dizer: Que a'vooiade de Deas ha de cum-
Loras muito lentas escrevendo planos.de ser- r SQ sv \T
SSf;,D5ft- ?UaQd m6U Peosamonto j ^ f f a todos ee3 e se
J2fn2?!td'S.tr.0"I1M,-M aSS-,mSeaS0;lmt.Tessam pela nossa libedade, deveis, ape-
amara este triste exerctcio.consignando em
paginas intimas a narrara detalhada dos in-
cidentes do nosso penoso captiv'eiro.
< Eu vos enviara, de lempos a lempos,
algomas dessas expansDes dolorosas. se nao
fosse imprudente conservar aqui urna cousa
de natureza tao.-comprometedora. Admi-
ram-se, pensando que nos dsenos Je frica
sejam necessaris tantas precau?es para ex-
primir os pensamenos.
reza vos_ faz decerto sor,rir, e tedavia to
verdadeiro como extraordinario dizer que
urna nica phrase, escripta mesmo era
Iingua estrangeira, pode servir de instru-
mento a gente mal disposta para ebegar aos
resultados mais arbitrarios, mais egostas e
, mais prejdiciaes. ,
c Desde a minha u'.tima caria o estado
das cousas nao melborou maito para nos.
O rei prosegue sempre na sua obra de de-
vastado as provincias sujeitas ao su po-
der arbitrario. Os rebeldes, appoidos pe-
los camponezes, que estao descoatentei, fa-
zem; pela sja parte, ludo quanio Ibes
possivel para se vingarem das crueldades
daquelle que outr'ora reconheciam como seu
chefe.
E' comtudo evidente que as cousas de-
vem chegar dentro em pouco a urna crise,
cu a urna solugo. A furocidaJj implaca-
vel do rei tena esgolado a paciencia dos mais
tmidos e dos mais servs dos seas subditos,
e tudo parece actualmente animado de urna
nica paixlo ardente e profunda, qae s tem
um nica lira:derrabar o tyranno.
O exercito que onlr'o a estava' s suas
ordens, dispersou-se, para fornur era tod>
o paiz bandos de rebeldes; e como de futu-
ro Ibes ..impossivel preencher as lileiras in-
cri velmente esclarecidas das suas bordes guer-
reras, badeafinal serforcado afazerdoseu
Amba aelual o seu ultimo asylo, e o seu t-
mulo, ou ento fugir cora uta pequeo nu-
mero de homeos dedicados, para ir procurar
asylo em provincias insalubres.
Qualquer quaseja o resultado da lucta,
nao temos, bumanamente fallando, neubu-
ma brilhante perspectiva Deus pode certa-
mente libertar-nos, e se continuarmos a de-
positar nelle a nossa confianca, pode na sua
misericordia e na sua sabedoria, ebeia de
bondade, dispr, todos os acontecimientos
para nosso bem.
< Temos amigos prximo de n5s, e em
volta de nos; mas aqui a avareza e cobi?a
sabem destruir todos os lacos, mesmo os mais
sagrados. E segundo tudo quanto tem trans-
pirado no publico, o capitao menos poderoso
e mais despresivel. se chegar a apoderar-se
de nos, tem direito de esperar fazer toda a
sua fortuna pelrtelo de reter aigum euro-
peo sem defeza.
Se o metropolitismo servisse a anarehia,
encontraramos cato de nos a amizade sin-
cera e desinteresada; mas nisto succede
comb no resto ; tudo problema. Ha uns
qainze dias, pouca mais ou menos, madarae
lozentbal, madame Fiad, assim como todos
os empregados europeos, suas mullieres,
filhos e bens, foram apprehendidos de im-
proviso, e s se deixaram dous velhos em
liberdade.
zar de tudo quantO se tem escripto aqu,
estar penosamente embancados pela atitude
do rei. Com outro homem, alguns presen-
tes teriara sido soflicientes para nos soltar ;
mas o rei Theodoro prefere recebar os res-
gates e continuar a guardar os prisioneiros,
que lle~con"srder" como urna garanta de
concesd semjrle cjescentes.
Estou preparado para, todas as eventua-
Joaqalm Leocadio Viega?___........ 10*06^
Maooel J j.- de Campos Barbosa...... 10*000
Ajudante de orden?, tnajor Joo Vicen-
te de Brito Gilvo..;..-............ 10*000
Rufloo Jos Fernandosde'Figtreiredo.. 6*000
Joo Manoel de Castro.............. SAOOO
Jos Odeloa Aaaes Jacome Pires..... 5*000
Minoel de Miranda Castro........... 5*000
Jos Felippe de Toledo............... 5*000
Silvloo AotpnioHotirigaes::......... 5*900
Joaqaim Ribeiro d Agaiar Montar-
roios Jonior.:..........-.......... 5*000
Tfjano Otias Gomes dos Santos...... 34000
Lui Fraor.isco Vleira de Luna....... 5*'J00
Liberato Merenciaoo de Soasa........ 5*000
Arcbanjo Cbrisplano de Gonveia C. 5*070
Antonio Joi de Miranda Falcao...... 5*000
Joaqaim Antonio Alves............... 4*000
., ,',,'lidades,\ por consequencia nao me inquieta
1 fact0 deita natu" o futuro. Adoramos um Deus, que nao est
limitado, era, pelo lempo nem pelos^espa-
os, e se tiveriaos-fielmente confianca n'elle
pode, no momento de maior perigo, des-
truir os ;malv^dps e. salvar os seus.
2 de maio.Accrescento urnas linhas
minha carta de hootem, por isso que se po-
de agora fazer, um vez que os meos de
correspondencia com o exterior se tornam,
'aqui a pouco lempo, muito difficeis, e
quem sabe mesmo se impossiveis. deapro-
veitar.
tO regresso de Mr. frad, o desaponla-
ment que experimentou p rei, que n5o ob-.
teve o que pedia, e a certeza que adquiri
de que de futuro o engao e a intriga se-
riara impotentes para arrancar novas con
cessoes ao governo inglez ou aos ebristos
inglezes, tudo se reuni, creio eu, para le-"
var em breve, a nossa triste e dolorosa his-
toria a urna crise derradeira.
Todos os dias, e mesmo todas as horas,
esperamos ser transteridos para a priso
com'mum, sendo all de-novo encadeados.
lia apenas oito dias que se ordenou a exe-
cucao em massa de mais de 200 prisioneiros
entre os quaes se achavam mutos persona-
gens do distineco. Este massacre summa-
rio, que, sem duvida, tinba sido provocado
pela falta de guardas para as victimas, est
longe de indicar que devemos esperar que
se moderem os costumes do tyranno.
iTememos que um egosmo cruel e im-
perdoavel chegoe a urna maoeira arbitraria
e m de expdr as couzas para oceultar a
nossa verdadeira situarlo e os designios
bem conhecidos do rei, Que Deus, na sua
infiaita misericordia, intervenha e nos liber-
te, sehao a nossa separacb nao ser longa.
fzendo-se a nossa uoio para sempre na
gloria I
Que Ddus vos abence, a nossos caros
filhos, e que nos d a ambos a forca de que
carecemos. E' a supplica que Ihe dirige o
vosso marido muito afectuoso
*Henrique A. Stern.
PERNASVI8UC0
REVISTA DIARIA.
Coatinua a merecer boai acolhimeoto a sabs-
cripeo para o empresnai> oactoaal gratuiti, como
se v da lista qaa segu, das pessoas qae bonlem
se Inscreveram :
Transporte to dia 3.....^........ 595*000
Antonio Jos da Costa Guimares..... 10*000
11 r. Francisco de Paula Salas......... 30*000
Teoente-coronel Joao Valeolim ViUela. 204000
Or. Joao Diaiz Ribeiro da Cuoa...... 13*000
Dr. Laz Salatar Moscoso da Veiga
Pessoa..........i............... 10*000
Dr. Manoel de Siqdeira Civaloaaie... 10*000
Francisco Lacio de Castro........... 10*000
FOLHETIM
I

D. BRANOA DE LANZA
RECORDiQOeS DA CORTE DE FELIPPE II
Rtaance hisirieo original
Por E. Fetjo de Mendoza.
PARTE I
Rc(Iemp<,o por amor
LIVKO II
OS D3 FAVORITOS.
(Cootinaa'Co do n. 201.)
CAPITULO III.
Constanca Prez.
No dia immediato, soito horas da ma-
nha, via-se nma menina encantadora em
um dos aposentos da casa de Antonio Prez.
Este aposento eslava adornado, com gosto
e simplicidade, e tanto se Ihe podia chamar
toucador como oratorio. As paredes eram
das com arabescos, o pavimento es-
Rs. 835*000
Foi o Sr. alfares Mariano dos Res Esplaola eo-
carregado de recrutar na cldade da Victoria.
Na ra do Qaeimado vao os respectivos mo-
radores establecer ama iliaminacao particular,
como a que ja se nota em outras roas commer-
cues docta cidade.
Da participado official consta lerem sido to-
mados dous recralas, viudos de Qulpap, as pro-
ximidades da colonia de Pimenteiras, por om gru-
po de individuos armados, sem qae boavesse re-
sistencia alguma.
Em coosequencia disto, recommeodoa a presi-
dencia a' aaloridade local, qaa providencias.'e co-
ln no caso coobesse, afim desque sao fleassem
impaaes os deliaquentes.
Por portara do Eim. Sr. presidente da pro-
vincia de 28 de agosto Bado (oi invalidada a de 22
e restabelei-ida a de 9 do mesmo mez, para effeito
de subsistir a nomeaco do Sr. Laurenio Gon;al-
ves de Azevedo, para aleres de corpo de polica,
ama vet qae provon niio ser praca activa do exer-
cito porOaver sido-reformado, e ter declarado o
Exm. general commandaote -das armas nao labi-
bl-lo de exercer essa comrnlssio o estar addido ao
deposito de recrnias.
i -^ Na seganda-teira pela tarde foi morro, em
ama taberna Sita a' ra Imperial, o Sr. Francisco
Jos de Saot'Aona, por urna, estocada sobre a re-
gio do eoraco, qae sapoe-se ter-lhe sido dada
por um Joaquim. Gonfialvas da Luz, a quem o res-
pectivo Sr.' sobflelgado capturoo,, em urna cas-
nha daijuallas immeJsSss; occlfo em um quarto
sob amts roupas.
iNaquelia taberna, segnttdo conjla, pouve jjgo da'
parada ; ueste resoitOo aRefCaijSs, e destas a final
nasceu o triste acontaclmeOlo que referimos,
Va mais este resultaTril coma de tal vicio!
' DI boje a emprezai do Santa Isabel, uro es-
pectculo, qae pela sua escolha e variadade re-
commeada-se aos amantes do'heatro.; os quaes
por conseguirte nao deixaro do ir apra/'n-lo.
Para sexia-feira, 6 do corrate, as 2 boras da
tarde, achasa convocado o instituto dos advocados,
devendo ter lugar a reaaio na salla do jory.
lttlerla. A que se acha vnda
c a 36a a beneficio das familias dos volun-
tarios da patria, que corre depois d'ama-
nh3a.
X. nha I It 1 um galanleio muito ssidao a'
menina Y., e de repente deixouse daquella vida
de cartas almisoradas e coaversacoes nocturnas,
sem. se sabeT porque. As relago -s tinham sido
sempre tao licitas quanto o podara eiigir a mo-
ral publica, mas Z, irmao da menina'Y.,' enlen-
dau que da renuncia ao galanleio por parte de X.
podia resultar prejuizo para o futofo de sua irm,
e foi ter com X. para dizer-lbe':
O senbor nao se portou bem com minba ir-
ma.
Nao sel em qae. Nao falte-i a nenburaa pro-
messa, porque nao fiz promessa nenbuma.
E' verdade, mas pela sua assiduidade com-
prometleu o sea futuro, e por isso venbo cfTere
cer-lbe esta alternativa : casar caa miaba irma
on bater-se commigo.
Ab, mea caro senhor,respondeu X. desem
hargidaojeulede dous pangos, costumo sem-
pre.escwlber o maior. Casarei I
casou. .
A' T. ac.-uteceu o mesmo qae, a X., ou um pou-
co peior, porque foi o pal e nao um irmao quem o
procaroQ.
Senhor, estou longe de davidar que tenham
sido licitas o muito honestas as suas relacSss com
minha fllha. Mas sendo maito antigs, aleado tido
muito assiduas, o rompimento que acaba de de-
clarar-so pode ser-lbe prejudicial no futuro, e por
uso venbo pedir ama reparaco.
B entao qae reparagao quer V. S. ?
Ku.... parece-me que s o casamento....
Sinto maito ter de dlzer-lbe qae nao pode
ser. Eu seria om marido deptoravei; tenbo mantas
incriveis, caprichos qae fazem tremer. E' essa a
esseocla do mea carcter. J v qae sua lilba fa-
ria commigo um pessimo negocio.
Assim sera; mas essas reflexSes deviam ter
sido fetas ba muito lempo. Ou casa com minba
liitia ou Datemos-nos amanhi. -
Pois sira; bater-oos hemos ananba.
Na dia segointe, os dous adversarios, cada um
com daas lestemunhas, saltavam de um carro par-
to de um dos ponto i mais cerrados da floresta da
S. Germano, porque isto-passoa-se em Franca.
Caba u j) chava miudiaba.
O pai comecou. po' tirar o seu paletot. Mas T-
nao pensava em fazer o mesmo. As suas testema-
nbas observaram-lhe qe devia fazelo para nao
ter essa vantagem sobre o sen adversario, mas T.
insisti, allegando que eslava encatbarroado. Como
fie objactajsem que'nlo era Isso ama rarao seria,
resolvea-se por lira a tirar o paletot; mas quand
j o tinha quasi despido, vio qae a cnava coraega-
va cahir com mais forga.
Nao, issnaol Autes qaero casar I
Yestio o paletot, nao se batea e casou.
Urna jangada salva-vidas americana, por no-
roa NonpareiUe, ebegoa a' Southamptoa no dia
25 do correte, d.s 5 para ?* 6 boras da tard. A
viagem foi de 43 das a partir de Nova-York. O
capillo John Miker e mais dol3 homens eram toda
a equipagem. Esta jaogada tem apenas 7 metros
de comprldo e 3 de iargo. Consiste em tres cylin-
ocos unidos as extremidad* ligados entre si por
grossaa lonas retorcidas por prauchas atravessa-
dzs por fortes versas de ferro, ara dous mastros e
nao tem coberts. Urna especie de barraca formada
de panno Impermrfavel serve de baliche.
Este extraordinario baixei durante a sua via-
gem teve sete vezes de capa por cansa do mo
terapo; encontroa diversos fcavios de qaem reee-
bea alguns mantimentos, o ultimo deu-lhe urna ga-
liana qae anda chegou vira. Os tres.homens es-
tao de perfeita sande, nao traziam chronometro,'
corrigiam a derrota quando encootravam algam
navio. Durante todo o caminlio nunca lizerara
agua, coaservando-se a jangada completamente 1
impermeavel; vioham munldps de om apparelbo
conveniente para eneber do ar os cylindros. Na
sua ebegada a Soalbampton capitao foi .visitado
pelo presidente da cmara do commerelo, e foi
logo transmittido para a Amrica a noticia da sua
entrada em Soatbampton.
Segundo so l n'um jornal de Vienna, um pa-
dre perteoceale a'dicesi-de Zeogg, chama.do.
Ikaric, executon om trabalno nunca visto na' atte-
dgravador. -
No espago de qnioze itt,- este eclesistico
gravoo sobre um pequeao CiTBgo de gioja, com o
auxilio de urna navalha, o Padre-nosso, a Ave-Ma-
ra e o Credo. Estas tres oragde.s cootem juntas
993palavras qae aqaelU artista gravea sobre o
carogo. (l
Posto que as letras sejam apenas perceptiveis a'
vista, toJavra com urna lente podera-se ler perfef-
tamente essas 293 palavras.
Eis urna peta que o enva ama folha.4os
Estados-Unidos, o New-York {fortune Journal :
Trata se de abrir um tnnoejfpor baixo do ocea-'
no Atlntico, para antr o m$5 ao antig mundo
por meio de um eamiabo de tarro subuurioo. Fo-
ram coasfllladps os a||is .emiopntes engenbeiros d*
America e da,'Earj. a declararam que este pro-
jecto era praiicaVeV preciso paraoexecatif
lempo e dinbeiro, e o capital, apezar da espanto-
sa enormidade da sua cifra, apuaiecer. Segundo
om calculo aproximado, sero precisa 500 mi-
Ihoes de libras. Ja um grande numero de capita-
listas esto dispo3tos. a entrar nesla cdtossal em-
prza. Os planos desta obra sero por si s urna
dasmsraviltias deste scalo. *
j^BpeABtic^ da polica. Extraeto datarte
WoS '3 de setembro. ....
Foram recomidos a casa de detencao no dia 2
Jo brrente :
A' ordem do Dr. delegado-da capital, Manoel
Antonio deFreita;. para.averiguagSes sobre cr-
ate de morie. A' ordem do subdelegado do Re-
cife, Clara e Candido, africanos lvres, para cor-
recto ;e Domingos, escravo de Laiz Antooio de
Siqaeir, -reqaehmento deste. A' ordem do de
Saoto AaBnio. Pedro Fraocisco Ciraeiro d'Almei-
da, para-eorfeego. A' ordem do de Sao Jos, Joa-
qun Gongalvej da Luz-, "para csrrecgao ; e Joo
Alves das Nave?, pdr crime de mora. A' ordecb"
do da BOa-vist, Tneodjro Jos da Silva, para cor-
reego. A' ordem do da Magdalena, Bevenuto Aa-
Ionio da Silva Santiago, para correccao.
J. G. de Mesquita,
chefe da 2* seccao.
Movlmelo do hospilil Portugaez no msz de
agosw de 1867:'.
Existiam 28,entraram 28, sahiram 27, morreram
4, existem 25.
Fallecern!, de-oleeras 2, de varilas 1, e de
intente 1.
Passageiros do vapor araercaoo North Ame
rica sahidoe jiri New-York e -portos interme-
dios : 1 -.
Jes Correta d'Oliveira, Maria Itergas, e Ires n-
Iboa. I
Passageiros sabidos 00 Santil Cruz para o
Aracaty.
Laiz Jo? Esteves, Custodio. Ribeifo Gaimaraes,
Antonio Beocio Ferreira, Viceote Farreira Men-
dos, Pedro Jos da Costa, Fraocisco Gougalves Li-
nhaes, Joo Gongalves L'nhares e 1 criado.
Passageiros do brigoe escuna Cysne, viodos
do Rio-Grande:
Antonio Jos Ferreira, Manoel Jos Ferreira e
Francisco de Paula Barcellos.
o fazer, e qae por falla de torgas pbysicas, oa por
oairos motivos, nao pdem dlspor de suas pessoas.
as. circomstancfas melindrosas, em qae se aeba
o paiz, nioguem se deve jalgar dispensado de col -
locar do aliar da patria o obulo.de que possa dls-
por para a defeza dos brios aacionaes.
A idea de ama sabscripgao patritica, lembrada
pelo Diarto do Rio, se for bem comprebendida,
pode dar um orilhante resultado, offerecendo ao go-
verno ama somma nao pequea para auxilio das
desperas da gaerra, e pateoteando ao universo io-
teiro qae o sagrado fogo do amor da patria arde
com vivaeldade oos peitos brasileiro?.
A, iodo o cdadao nacional on eslrangelro, seto
disncgo de cor poltica, corre o rigoroso dever
de inscrever sen neme na lista dos subscriptores,
coiQjunrrftaIlva de qae possa dispr.
2 om empresiimo sem jaros feto ao governo,
cm sua pesquisa f de urna idea. Em
delles se poem os observadores sagazes, que
sobresahem em perscrutar os phenomenos
particulares, os estabeletem, os descrevem,
os prendera successivameote ao dominio da
sciencia. E nesse dominio para tal arte
enrequecido, entao os espiritos legisladores,
que ctassificam os factos observados, assig-
nam as relac as resumein nessas formulas geraes, que de-
finem com precisSo o ponto de partida e o
instrumento de suas conquistas.
Se me permittido aventurar minha
apreciado acerca desse to transcedente as-
m
.;
para o qoal o capitalista coocorrera" coso qaanlias' Slimpto, asseguro que S. S. tornar-se-hia
mais avullaias, mas na qaal devem figurar com'um mestre da legislacao scientifica, S6
partes erabora insignificantes, aqaellesque nao p-
dem dispr de granles recars^s.
A sabscripgao abena na typographia do Diario
de PernambLco ja' contm algaos aomes, e com
prazer o dizemos, algaos senhores ja' se mandaran)
incrver. Esteexemplo de patriotismo diga o de
ser imitado.
A occasio por demais solemne estamos
prestes a desfechar sobre o inimigo audaz o ultimo
golpe; os coragoss braslleiros desde o Prata al o
Amazonas, palpitara de anciedade por ver am mo-
mento de tamanha gloria para o paiz. ..
bravos, qae de lodos os pontos do imperio
tm corrido em defesa da patria, sao digooi e me-
recedores de qoalqaer sacrificio de nosSa parte.
Elles.'que esto soffreodo todos os rigores de dma
campaoha lo protrahida, recenerao com iodizlvel
prazer a noliefa de que seas irmos se condoem
de sea estado, e que a nada se paupam para os fa-
ter'regressar cobertos de vrenles loaros ao seio
suas familias.
A lacia em qae o paiz esta' empeohado de to-
dos os Brasileiros, porque a todos ferem as ofen-
sas qae Ibes sao feiias. Os males da patria tocam
a cada um da seus filhos. Qaem querera' ser ci-
dado de om paiz sem brios, e sem digoidade na
ctoqal 7 Eia, pols, habitantes da heroica provincia
de Ptfrnambuoo, mais om esferco, que servir' so-
mente de (ornar mais gloriosos os litles de qae
goza nosso terreno natal; corre! sem demora a
pre.staT ao governo mais esta coadjuvagao. qae se-
ra' talvez a derradeira. a patria afilela qua
vos pede soccorro, a" ai vozes da patria devem
achar echo do pello de seas filhos.
111 1 '
*
PublicagOes a pedido
tekado e'as' bancas e cadeiras.de couro de uos desessais anoos e coasa alguna, m
FiaodreaVfoj pregos de prata. jduvid, seria mais potico qae a sai liga
A cmara tinha duas janellas que a bau-
nilba e o jasmin, revestiam e adoravam ex-
teriormente, e entre ellas se via urna mesa
de carvalbo, caprichosamente feita, com
um espelho e diversos objectos de toucador.
Em frente desta mesa achava-se um pe-
queo retabulo com am frontal de seda
carmezim, om docel de velluda azul que
penda sobre urna formosissima imagem da
Yirgem do Pitar. Aos ps desta estava col-
locado um erncifixo de marm, e diaote do
altar um genuflexorio com um livro de
oraces abort.
0 sol Ilumina va completamente a cmara,
e alguns atrevidos passaros pousavam as
janellas, qae davam para um extenso jar-
dim em que se viam militas e bellas flores,
ouvindo-se o canto dos ronxioes e o leve
sassurro das abelhas, qae, trabalhadoras in-
cansaveis, voavam de planta em planta, rou-
bando s flores o sueco para fabricaren o
seu mel.
Sentada a'uma alta cadeira ao lado de
ama das janellas se via a menina que te-
mos mencionado, e que fim verdade era
muito menioa, pois acabavaide sabir d in-
fancia para entrar na adolescencia. Tinha
sem
ira
m
Oommunic^dos
_L
As dilBculdadcs floanceiras em que se acha o
governo para levar a cabo a guerra de honra que
o paiz sasleota cootra a repblica do Pragoay,
sao geralmeote couhecidas. Nao consUte o patrio-
tismo smeute no sacrificio que se prestam a fa-
zer de suas vidas, aqoelles qae podan sajeitar-se
aos rigores de ama campanna, com brilho nao
menor se patent elle na offerta de dioheiro ou de
qualquor outro mel iadispensavel para a susteuta-
gao da guerra por parte dos qae esta no caso de
Srs. Redactores.Terminando um artigo
publicado as columnas de seu conceituado
Diaria de Perambuco n. ido do correte
mez, protestei respeito e coQsideraco ao
Sr. Dr. Felippe Nery Collado, e agora con-
tinuando, principiarei por emittir o lisongei-
ro conc9ito, que formo de S. S., desejando
cumprir o que determina Jess Consto,
quando diz a um da. seus discupu'.osdai a
Deus o qua de Deus, e a Cesar o que
de Cesar.
Dotado da vos*a mathematica (vossa lal-
vea seja expressSo thechmca da sciencia me-
dica, os professionaes perdoem-me se ouso
metter a mo em sara alleia,) estodante
distincl e talentoso de 3 annos de matlie-
aticis, estudos de phisica, se S. S eleva-
do sob lo felizes auspicios ao car o deen-
genhoiro cordeiilor ; gosando do prestigioso
om de gemetra profundo, se houvesse
dedicado aos estudo3 especiaes de engenhei-
ro de pontes e clsadas, aos de engenheiro
geograpbo, aos de engenheiro de constrnc-
coes civis, ou architectura, praticando fre-
quentemente o que fosse conquistando theo-
ricamenie, S. S. se constituira iocontesta-
velmente engenheiro hbil, e que difficnlto-
samente encont-aria competidor em Per-
hambncQ. .. _
.Direi mais, se a S. S. /aecessem algumas
cualidades phisicas, e moraes actividade de
expediente, promptiJo de .aegao' para ser
um perfeito engenheiro, poderia ainda ser-
vir vantajosa e brillantemente a sciencia
prestando importante servieps sua provin-
cia natal. Diz o Sr. Guisot, era s^u dis-
curso proferido no instituto de Ffnga por
occasio da ascenso membro desse impor-
tante e Ilustre estabeleciment scienlifleo,
do profundo e sabio Mr. Biot, o discpulo
mimoso e estremecido do immortal e cele
bre gemetra Mr. de Laplace, na vaga dei-
xada pela morte sentida do Ilustrado e Ilite-
rato Mr. de Lacretelle. Ha mais de urna
maneira de servir a sciencia e de engran-
dece-la. Ella tem seus especuladores su-
blimes, e como que seus prophetas, que apa-
nham, em um revez d'olhos, as grandes
leis do Universo, e as sorpreheodem, como
Colombo descobrio o novo mundo pondo-se
Era de estatura baixa e bastante delgada.
No rosto oval tinha ess tanto mais formosa quanto que a natureza
' avara em a conceder. As faces, com a
doce cor da rosa entretaberta,. eram talvez
am pouco lnguidas, mas davam sua phy-
sionomia am suave cunlio de castidade e
pureza. Os olhos, de am azul paludo, pho-
tographavam a sua alma tranquilla, como se
tora am lago sereno ; e os cabellos, de um
louro brilhante, que cabiam em caados ao
redor da sua fronte e clo,-completavam o
aspecto angelical daquella menina, que mais
que belleza da trra pareca um aojo do
co.
Gibando a sua doce bocea, comprehendia-
se qae aquellos labios nao podiam proferir
mais que parases tornas p s>nsiyeis, e con-
templando o conjoncto de toda a sua pies-:
soa, se adevinhava nella ama dessas natu-
reza faltas de energa, qne tSo nascerain
Sara dominar, e que se deixam'mo'rrer antes
o qae sustentar urna .Iota, sacriGcaodo-se
per todos, e s lendo lagrimas para chorar
as seas dores.
Vesta urna ampia .'tantea de seda azul
celeste, pdicamente cerrada at ao pescoe^,
e subgeita ao corpo por um cordio de prata
com bortaa.
**. 1
Esta menina cnamava-se Constanca Prez,
e era irmSa do secretario de estado, allia-
da de Branca e promeltida esposa, como j
sabem os nossos leitores, do joven Joo de
Lanuza, a qaem amava com toda a soa
alma.
Constanca tinha as mos ama banda de
seda roxa, que sem duvida deslinava para
o sea promeltido; pois estava acabando de
bordar nella as iniciaes entrelazadas do sea
nomo e do de Jlo. De vez em quando
alguma fagittv lagrima cania sobre o bor-
dado, lagrima qae a menina enxugava reli-
giosamente cbtoo se fra am tributo aos
seus ausentes amores.
Da repente abrio-se a porta daxamara e
entrn um pagem, que teria ans vinte annos,
com o rosto radiante de alegra.
. Este joven, um dos companheros de in-
fancia de Lanuza, que nascera ao seu ser-
vico e queadorava os seus senhores coraoa
Deus, entrara s ordens de Constanca Per*
por iodicacSo de seu joven amo, com o fim
de proteger a menina e de te-la ao correte
de tudo que succedesse.
O joven adiantoa-se at ao centro da c-
mara, e dei'xoude sorrr vendo chorar Cofia-
tanca,
vesse exelusivameute querido ser en ge
nheiro.
Porem, S. S.. j se hacend destrahido
no doutorar-se as sciencias jurdicas sociaes,
e exercendo diariamente as fu oxces de pro-
fessor publico da Itagua ingleza no gymna-
sio, as de interprete do tribunal do com-
mercio, e as de escriptor publico, e demais
proprietario de urna typographil, cuja admi-
nistraeio, sem duvida, est Seu cargo, j
mais poder-se-hia multiplicar em ordem a
satisfazer convenientemente todos os inte-
resses municipaes. Essa minha opinio,
com que nao pretendo justificar o acto de
sua distituicao, que sinceremente me sorpre-
hendeu.
Agora os meus servicos prestados a mu-
nicipalidade e conseguiotemente meus di-
reitos adqueridos a urna reparaco da iojus-
liga prati;ada por essa corporacQ em 1857.
Relatando-os ao publico em geral, e aos meus
amigos em particular,no guardarei rigorosa-
mente a ordem chronologica: irei publicn-
dolos proporgao que me for lembrando, e
encontrando meus antigos apontamentos.
Logo que. entrei em exercicio em outabro
de 1846 rae foi terminantemente ordenado
qu procedesse a veriticacuo do alinhamen-
to conferido ao Sr. commendador jMaRalhes
Bastos para edificar o sea sobrado no ngulo
formado pela ra do Crespo e ra do Im-
perador, lado oriental;
Era questo importante, aparico rpida
desse edificio em urna das mas mais popu-
losa e Ireq neniada da cidade, e ha via atlra-
hido attengo publica, cansando impresso
desagradare], de sorte que se faziam graves
accusaQoes a cmara e mais ainda ao en-
genheiro que havia, como que cordel ali-
nhado, tao perfeitamenta o acbei de accordo
com a planta do lugar respectivo.
Era o mestre encarregado da constmeco
o hbil allemo Andre Isacc, e seu adminis-
trador o antigo administrador do iheat o de
Santa Isabel o Sr. Peixoto, e creo que entre
os espectadores desse meu trabalho divisei
com prazer o engenheiro Portier, que me
observava com altenco eintere$se, que ins-
pirara os negocios serios.
Pois bem, sustentei por escripto e con-
segura attitude, que nasce de urna convic-
io profundi, que a cordeaco conferida
pelo meu antecessor, estava j.erfeitamente
exacta. Que a circumstancia de apoiar-se
na aresla do sobrado situado na extremida-
de septentrional da ra antigamente chama-
da do Collegio, do 1. quarteiro ao sal da
ra hoje denominada do Imperador, lado
oriental,a vrtice deuma insensivel inflexo
reiotrante, formada pela linha de edificacao
das casas existentes no 1. quarteiro da
supracitada roa, e a recta noyamente desen-
volvida, que ao tocar na altura da aresta
meredional do quarteiro de casas do Sr.
Antonio de Moraes Gomes Ferreira, outr'ora
theatroGamboaformava outra insignifi-
cante inOexo saliente (essas sao sempre
mais prejudiciaes as conveniencias do ali-
nhamenio,) sendo conseguintemente, com
toda prepriedade, o que se chama ama li-
nba quebrada; reunida a insignificante van-
tagem do edificador avanzar o antigo ali-
nhamento, era a causa, o motivo de todas as
censuras e clamor. Explicado sufficiente-
mente todos os pontos duvidosos a cmara
autorisou a continuaco dessa construeco
bastaniemente elegante e magestosa-
Tive que conceder cordeaco ao Sr. Vicen-
te Jos de Brito para poder, construir muro
na ra da Solidado, fechando o seu terreuo.
Observei ento que as doas casas do falleci-
ti- ;
e-
Ab 1 minha senhora... Ihe disse,
possivel que estejais chorando quasi sem-
pre ?
E admira-te isso, Luiz ? Ihe respon-
den a joven. Ignoras acaso porque choro ?
Nao, seuhora, mas... ,
Vai fazer um mez que Joao e Branca
embarcaram em Cdiz, e nada temos sabido
Sim, verdade, mas nao deveis afili-
gir-vos unto, porque sem duvida ter es-
cripto a meus senhores.
E julgas que nao sebera esquecido de
mim? replicn Constanza, corando.
Assim o creio, disse o joven com af-
fectuosa malicia. Isso nao era possivel ;e
como nunca succedem no mundo cousas im-
possiveis, o meu joven senhor no vos tem
esquecido cortamente.
E se Ihe snccedeu alguma desgraca ?
Nao provavel. |m de qae na do-
siea official que desemeenhava, teria che-
gado aos nossos ouvidos.
Ah 1 tu que sabes quanto Ihe quero e
que ests ratirdo de tudo parece-te pos-
sivel qoe eu possa viver feliz e tranquilla,
qaando estou separada de Joo e d minha
boamalriaha, nicas pessoas que me que-
rera no mundo, e em troca me acho 1
corte ao lado de mea irmao Antonio, que se
oppe ao mea casamento com Joo, porque
Prez aborrece Braca ? Meu Deus! Ta,
meu bom Luiz, j sabes todo iito; nao me
perguntes, pois, porque estou to triste nem
porqae choro...
Sim, senhora. sim, respondeu o pa-
gem meltendo cautelosamente a mo na al-
gibeira'da sua veste, tudo sel, e posso as-
segurar-vos qae comprehendo peritamen-
te a posico dillicil' em que estis ; mas...
traequillisai-vos um pouco, minba senhora,
um pouco, para que possais ler esta carta,
/sbpiz tirou da algibeira urna carta, que
apwsentou soa joven ama, com ar de tri-.
umpbo e sorrinio-se cheio de alegra.
Qae iwd? exelamoa Constan, le-
vantando-se, um carta ?
Sim, senhora.
De Joo, por acaso ?
Sim, minha senhora.
Oh / porque nao m'fti&te ha mais
tempo? MeuDes! d-m'a, tf-aV
Constanza arreblou a carta a Luiz, e
rompendo o sello a desdobroo, comeando
a ler vidamente. '




.
-

(Cminmr-se-h(t.)
, i-
fcuyq

rr-rr


****
MMM
M^PV
m
do Herculaoo Alves da Silva, cujo alioha-
mento dado por.u.m ^P'^SSS "
e quedevia indicara recta do destorctmento qa9 8|0 jM fl(w agrdam a nm Seadendo
do muro nrninr.tarln. n3n fnra filado cor- oatrea.
--------------------------------_
meas, a quem m da aasento ea ama assembl a trii. aieB.n
pac* dsafcaarpdio aloeios que. o Sr. Catunda l?"68 ', ^r^TT
Dm mendigo do governo, a dos palores oaeodigos,
do muro pro|ctal5t nao fora fhade
del, nao eslava exacto, de sorte qae se se
prolongasse essa liaba para o sul ialarceptar-
se-hia essa ra pelo lado da Treaope. Pro
cnrei remediar essa imperfeicio, tomal a areav
ta meridional da primeiracasaba cas terrea*
pertencente ao negociante los Geronymo
Monteiro, adjscente ao sobrado dos Srs.
Gaimaries. No flz qaestao, nio levei mes-
mo isto aocoohecimeoto da cmara, apena*
notei essa insignificante modificaeSo da plan-
ta, considerando acertado nao occupar a c-
mara com impertinencias de correccio, quan-
do della mereca cooflanca.
Ainda five occasiio de prticando urna
cordeacSo sollicitada pelo fallecido Angelo
Francisco Carneiro, depois Vrscoode de Lou-
re, o edificador mais importante de seu tem-
po para construir armazens na roa, que se
iormavaento com consideraveis atterros,
surgindo da margem esquerda do Beberibe,
ao occidente da ruado Appollo, observar que
S a. Uarta. Faltos rtfrociara, como diz
o .sr. utaoda, porqae (teado isseoto na sembl
t o laat-passaa) ja oio adenuncioa ? Ser
porque (o Sr. Catead suppoodo os conservadores
ja ato poder} qoer agradar a algaem, que possa
dar-Ibe eslatalidade no sea emprego ? Isto qoe
leobo dito para mostrar, parante o publico, quem
o Sr. Q3*Joaqalm de Oliveira Catumda43>, ea
(amllia Peitosa no Cear.
Agora iras mostrar qaal o motivo qoe levoa
o Sr. Calunda a olknder a familia Peicosa.
Poi nomeado jai maoiclpal, da villa de S. Joao
do Principe, o Dr. Francisco Barbosa Cordeiro, bo-
mem bem conbecido nesta cidade pela vida liberti-
na e dessoluta, que levoa na saa mocidade acad-
mica, cojos costme?, na vida pratica. cada Tez
mais foram-se collegando, e sempre habituados na
saa moeldade, idade, em que todos conservam saa
digoiaade, elle enterrou-a nos lupanares, d'onde
jamis ha de tirar.
O Dr. Barbosa, como promotor do Ip, ficoa
bem conbecido no Ceara, e agora, no Inbamam,
acabou de .solidar as bazes do jnizo, que todos
[azlam delle.
Poda mostrar, com documentas,
fez o Dr. Barbosa no Iabamum, como nada- tenho
usa' doxa-
rope de veame na forma proscripta no re-
~.4*ri* ** ****&*** 4e 4867.
*
ceitu rio, tendo todo o cuidado de se aba- ludo, dasaaiof ulilidade para curar radi
Marasmo, hypooondria, emmagrecimento.
O urope aleboolico de veame sobre
algnmascasas que ahii se havia eiilicadoI?=']!?''?.'! Sr-Camoda,deizarei
nao estavam peritamente accordes em seu '* TjZf\ ? "T^J
alinhamento. encootrei convenientemente as l *&.fol *"*** << ? *.
faltas notabas, de sorte que hoje difficilmen-
le poder-se-ha encontrar os pontos irregu-
lares.
em cuja defeza o Sr. Cunada abacaoba a familia
Peitosa.
OSr. Catooda pedio a paiavra,na assembla, para
usticar am reqaerimento sobre a prisao do Dr.
tarbosa.e nada tendo que diier em favor do sea si-
lencio conferido cordeacao _ae uiustraao e m|e iag0 descarregoa ama catiuuria de insulto
centra a familia Faltosa, que nada leve com a pri-
sao, e nem com os proeessos instaurados contra o
dolo adorado (Ur. Barbosa) do Sr. Catoada pelo
digno Dr. Joao Ferreira da Silva para cons-
truir urna estacada em frente de sea sitio na
Capunga, margem esquerda o'.rio Gapiba- \%?de>ZZ ttinZ*.
ribe, suscitou-se quetio por esse motivo, \ Qaando oio acha-se provas para justificar urna
entre mira e O fallecido Sr. Rufino de Almei- proposico, e laucase botes contra quem nio tem
da, SOllictar, qae era do finado commenda- mnima parte nesta falu de recursos i 6 porque
ua, suii uwi, ijuo o o uw uimuu iffi,,, por nieos infames quer-se agradar a alguem,
dor Manoel Gongalves da Silva. Afflirmava ^e |e i 0 p'0 h
aquelleSr.quea cordeacao nio respeitava Ainda pde-se tolerar e mesmo defender-se a
as conveniencias de seguranca do silio de .um hornera falto de edacacao absolutamente, que
seu conslitante, na margem opposta, e mes-, val commetter am crine forado pelo magoiusmo
, n/Z--,iM,, nArnnfl nn P\Utia do lDneiro i porm um, que resisiio-se de am
mo qajm arbitrarla porqae no exista; maM hoQf vai d;^bafar ii5e8 ilM
planta db logar. Levoa essa questao peran-
te a cmara. Sustentei com inergia e pode-
rosamente a apoiei com a fiel execuc3o da
planta,
composti do engenheiro Dr. Francisco do
este torna se digno de todo o dispreso.
Um bomem ignorante, que serve de instrumento
pode-se, muilo bem, dizer-se, delle, o que o Catuo-
A "riman norn*po"i "nmT7ommissao! da dUse.d? fatni"a Fonosa; Porm um homem, que
ira^ao e vai desabar odios albeos71 Oq.e se
Reg Barros e Dr. S Pereira. No dia e ora' podar dizer delle ?
aprazada meachei no lugar, onde flz a ve-j Q?8 ---. OSt. Catuuda, que sabe empregar
rificagaqfem presenCa de'to illastres e dig-,SS^^>%Z'"""*'
nos seonores da curva resoltante dos pontos Conciuinao direi daas paiavraa sobre a familia
determinados na cordeac5o; apresentei aos Feiioza.
mesmos senheres duas plantas approvadas,' a familia Fetoza e liberal desda dos seas priu-
nma npn Frm Sr Pint Chichorro da Ga- c|P'os, e desde que o senador-Pompeo otaefe do
ama pelo Exin.br. Fiato t-nicnorro ua uu parlld0 llberai> M Ciara', tem sempre tido muita
ma e OUlra peto Exm. Sr. VlCter de Oliveira. am'sade com ella, e nao pode-se dizer que seja por
- primeira e nica questo. em que in
Foi a .
bavia^ como que urna especie de queixa, le
vada perante a cmara contra mim, durante
o tempo que estive seu servir).
Pois bem, mea triumpbo foi completo e
brilhante. Os dous cavalleiros membros da
commissao ficaro convencidos da exactido
da cordeaf3o apz a verificafo procedida e
da apresentacjSo das duas plantas approva-
das, que nesta parte estavam accordes. Ti-
ve mais a satisfac3o de receber em nossa casa
a honrosa visita do destincto commendador
supracilado, affirmando me que apenas ha-
via autorisado a seu procurador a indagar
se omeu digno amigo, o Sr. Dr. Ferreira
havia obtido cordeacoes, porm que elle ha-
via excedido, sen duvida, pelozelo eviden-
te que costumava mostrar no cumprimento
de seus'deveres, teve a benevolencia e ca-
vallerismo de offerecer-me algumas expres-
ses capazos de suavisar a impresso, que
tinba experimentado por [este respeito. E o
que mais notavel o fallecido Rufino cooti-
nuou a manler commigo relaces de corte-
sania e affabilidade, s quaes dei sempre
muito apreso, para admirar a virtude ci-
cas desse prestimoso cidadio.
O engenheiro.A. F. R. Sette.
(Continuar-se ha.)
-i--------1 m i
Ao deputado provincial, do
Cear, Joaquim de Olivei-
raOatunda.
No Cear, como em toda parte, ezistem certos
logares, que s5o o attractivo das vistas dos ambi-
ciosos; isto porqae nestas oartes ainda nao reina a
corrapeo dominante do paiz.
Esta excepeo causa tanto veixame aos bomens
corrnptos, como afflige em am paiz moralisado,
aos bomens honestos o predominio do chme em
certas e determinadas localidades.
Para acabar com esta gangrena social erguem-se
vozes poderosas, como a de Cicero para expulsar
Catillina das ponas de Boma, e sao applaudidas
por todos os bomens sensatos.
Para acabar com a excepelo, que a nica mo-
ralidade do paiz, encontra se, verdade, grandes
oradores; porm teem sempre a sorte de Malout,
qoe perdeu a confianga de sea partido, e, at, a
moleta, em que se apoiava.
Em 1863, as saturnaes eleitoraes, na provincia
de Pernambneo, nouva am lugar, qoe foi respeita-
do, qaal a arca de No, que resisti ao rigor do
diluvio.
Como em Pernambaco em 1663 foi respeita do S.
Laoreaco da Mtta, tambera respeitaro, no Cear,
a comarca do loJumum as correras do Sr. Alvim;
Dio era pois justo, segundo a lgica da poca, que
sendo este lagar respecto material, isto livre das
cagadas humanas, e pleito eleitoral, fosse respeita-
do tambera moralraente.
Nao era justo que o Inbamam sendo acatado
pelos seas adversarios polticos, deisa.se de encon-
trar, entre seos correligionarios, um, que tazeado
de Saturno, nio lancasse sobre o Inbamam as
masellas, que sao os loaros dos bomens da situa-
gio.
Qaando o Iabamum, a titulo de predominio, cl-
vilwacao e punljo da familia, Feltosa, vio reinar
em seos babitantes (como nos lempos barbaros
jamis se vio) o mais disastroso dlspotlsmo. Quan-
do dizia-se qoe a familia Feitosa era selvagem, nao
deizon de ver-se am dos seas membros eiercer na
comarca, o cargo mais importante. Naqoella po-
ca de clamor, para Inaamnm, o coronel Joaquim
Leopoldioo de Araujo Cbaves (membro da familia
Feitosa) exereea o cargo de juiz de direito interi-
no. Pifijniile tempo, qne o Cear sao tinba
o nome 'de ama das provincias mais bem policia-
das do imperio, nio se legou ao coronel Joaquim
Leopoldioo a capacidade de exercer um cargo im-
portante. Qoando o partido consereaior no seu
prejudicial exclusivismo, qne nao attendia as babi-
litac5es, o era escolla para cargos importantes a
caracteres foi nomeado coma^aidante superior do Iabamum
Joaquim Leopoldioo de Aranjo Cnaves. Agora, qne
o Cear mareba na vanguarda das provincias otis
civiiisadas, (i) e qoe tem servido de modelo a mal-
tas ootras, qoe am deputado (o Sr. :s3*Joaquim
de Oliveira Catonda-4^) ergoa se na assembla
provincial, do Cear, para dizer: >que exitte, no
Cear, timn familia (que tera inflaencia legitima
em ama comarca) qoe o assassinato ama tradico
de long data, que se caractensa pelo uso constan-
te do bacamarle a Ao panbal. Urna familia refrac-
taria a 'civilitaeo, qae o terror da popalacao
oaeiflca'dos rnbamaoe e seas arredores. Anterior
a estas paiavraa anda tem as segalntes: (A eo
marca de lnbamom se arta sobo jago ferrenbo de
ama raga estapida e avisada ao crlme.
E' preciso ser-se destituido de todo o sentlmento
humano, e ter-M o prazer de representar na soel-
dade, de borneas honestos, am papel abjaeto para
avancar-M proposicSes desta erem I!
Qaem, Ua4o o diicarso do Sr. Catandas e souber
2251.%f '? !>* nosso palt; sem
1lmJfiW,,,,0 I familia Mloaa teve
2^.2Sa*j^te*olerudoapaiafafda. Qma-
Q*5s3lrf:m familia tem sido saaa-
pre oppnmiaa, qoe os seus servicos foram sempre
ZE^^T?"*"*?**" Wtileu i UrV-tii
am darlda qoe o Sr. Catoada nm, estes bo-
l) Nio quero dizer qae os conservadoras
reobam eiio algoo beoeflelo ao Cear.
io:er6sse; por que esta amisade desde'a mocidade
do senador, qae maoteve-a era mulla iotensidade
com algans membros da familia Feitoza, qaando,
juntos, cursavam a' academia de Olinda.
Qualquer membro da familia Feitoza, qae sabe
do seu torro natal, torna-se considerado para com
aquellos, com quem vive em communloaco. Sera'
por que seja ella estupida assassina e refractaria ?
Deixo a resposta a quem coohecer de perto a fa-
milia Feitoza, e a quem souber porqae tornaras:
os bomens considerados na sociedade.
Qualquer membro da familia Feitoza tem no se-
nador Pompeo um amigo. Sera' por que o senador
tenba prazer em vivar com assassinos T Sendo a
familia Feitoza assasstna, come diz o Sr. Catunda,
o senador Pompeo (tio do Sr. Catoada ) de longa
data, que tea amisade com assjssinos, e continua-
ra' ter.
O Sr. Catunda ja' procaroa ter amisade com a
familia Feitoza, tanto que vlsttoa-m (sem ter ami-
sade comigo) no Ceara', quando abi estiva de pas-
sagem para aqui, seado.eu membro da familia Fei-
toza.
Seria possivel que o Sr. Catooda, tendo este ca-
rcter to probo, como apregoa, e sendo a familia
Feitoza assasslna, como elle disse, qulzesse viver
em contacto com ella ?
V-se que o Sr. Catunda iustramento o bypo-
crita.
Reci/e 3 de setembro de 1867.
Francisco Primara de Araujo Cit.
ERRATA.
No communicado hontem pnbltcado n'este Dia-
rio sobre a massa fallida de Sebastio Jos da Sil-
va, deram-se os seguales erros qae convm cor-
rigir :
Na 16 linba em lugar de-respond, diga-se res-
pondo.
Na 27 linba em lagar departidor, dlga-se part
calar.
Na 39 a 48 linba em lugar depor, diga-se para.
Na 62 linba em lugar deconstante, diga-se com
tanto.
Na 63 olia em lugar deboa, diga-se urna.
Na 81 liaba em lagar deo tutor diga se a festas,
Na mesma, em logar dee pagodeiros, diga-se pa-
goderas.
Na 82 Haba em lagar deum senbor, diga-se am
Ir-.-
Na 85 liaba em logar deqae aqui, diga-se para
aqai.
Na 86 lioha em lugar deo sopprim, dlga-se o
supplicante.
Na 93|linba em logar dee feito;, diga-se e fes-
tas.
Na 104 linba em logar deo despeitado, diga-se
s o despeitado. "
Na 199 linba em lugar deem qae, diga-se qae.
far, atm de soar convenientemente, alm
d conserrar o ventre corrente, qne conse-
guir tomando ama ou duas pilulas purga-
tivas do mesmo veame.
T< dos quaotos auceumbem desta molestia
te diz Meceu de erysipeUa recoUaida;
ao contrario, algans expositores presumen)
ser o de8eovolvimento da putrefaccSo no
sangue, tanto que o lagar ialammado que,
ento a saa cor era encarnada, se troca
em livida on negra e termina em gangrena,
e por essa razao qoe conveniente o xa-
rope alcohlico de veame na infusao de
flor de sabugo, para se conseguir resolver
a infiammacSo, ou pelo menos terminar pela
supporacSo, impedindo assim a gangrena.
Os effeitos do xarope alcohlico de vea-
me applicado na 11 r de sabugo ao doente,
nao s de vantagem por sua qualidade
diafortica, como pela ansi-septtea para
todo qaando impedir a putrefacta o as molestias. .
Na erysipeUa nSo deve o enfermo nos
primeiros tres das usar de comidas e bebi-
das que possam esquentar ioflammar o
sangue.
A comida durante esse tempo deve ser
do reino vegetal, como sag, farinba do Ma-
ranhao, pao torrado, bolacha, etc.
Ainda nio vi expositor de medicina que
aconselbasse que nos primeiros tres dias de
acommeltimeotos do mal, nao se usasse de
medicamentos; ,o que elles repellem s5o 03
ungentes/ unturas que obstruem mais e
repellem do que promovem a evoCuacSo da
Rarte; o que convm trazer o lagar ataca-
do e bem agasalhado para a traospiraclo e
defender do ar.
O verdadeiro xarope de veame vende se
na botica da ra Direita n. 88, de Jos da
Rocha Paranhos.
Tenho recebido cartas de algumas pessoas
de outras provincias que me communicam
ter desta cidade sido remettido o meu xa-
repe falsificado, que tem dado resultado ao
descrdito de minha preparac5o, cojo co-
nhecimento se tem verificado depois dos ef-
feitos qae taes remedios apresentava ; as-
sim, pois, tenho a declarar ao publico que
no letreiro que vai pregado na garrafa do
xarope, sempre foi assignado por meu pu-
nho, e daqci em diante, alm desta assig-
natura o farei tambera no papel que cobre
a garrafa. Rogo ao mesmo publico qae
quando forem assim engaados, tomem tes-
temunbas, me remeltam os rtulos falsifica-
dos e me participem para fazer effectivo o
artigo 167 do cdtfigo crimioal do Brasil.
Jos da Rocha Paranhos.
ErysipeUa-
O medicamento que com mais influencia
e energa tem combatido essa terrivel en-
fermidade, tem sido o xarope alcohlico
de veame.
Urna escrava da mi do Sr. Francisco Fir-
mino Monteiro, pessoa bem co-ihecida nesta
cidade, achando-se.de cama, e com as per-
itas bastante ochadas, e cheia de tumores,
tomando o xarope de veame, acha-se hoje
boa, prestando servicos.
A mana do Sr. Jos Francisco Pinto, mo-
L-sc na Reforme Hedicale
A maior preocupado do medico consiste
em saber se as suas receitas sSo prepara-
das com bons productos, pois que, quando
a receita preparada com productos inferio-
res, o que acontece nao raras vezes, os effei-
tos que querem alcancar os mdicos, mal-
logram^ ou pelo menos, o medicamento nao
exerce aplenitude de soa aeco.
Para evitar este grave inconveniente, os
pharmaceuticos devem tratar de empregar
productos bem fabricados, e entSo n5o po-
demos fazer melhor, senao assinar-lhes
os productos da Casa Lamoureux Gendrot
fabricantes de productos chyraicos em Paris.
Nao somente, a incontestavel superiori-
dade dos productos desta casa foi reconhe-
cida por todos, mas ainda a modicidade
dos seus ptecos os recommenda aos Srs.
pharmaceuticos e droguistas
A casa Lamoureux e Gendrot conseguio
evitar a contrafacejo, inventando urna cap-
sala qae nao se pode imittar, e cuja execa-
co muito difficil, por exigir um material
mu complicado e custoso.
Isto mais urna prova da sollicttude dos
senhores Lamourenn e Gendrat para os in-
teresses e seguranca dos Srs. pharmaceuti-
cos e droguistas que, sem duvida, sendo de-
sejosos de empregarem bons productos, nao
deixarSo de dirigir-se a esta casa.
Lamoninx e Geadre
fabricantes de productos cbvmicos, forneeedores da
casa do aperador e dos hospitaes de Paris.
Todos os productos sahindo desta casa sao
da primeira qualidade e fechados por urna
capsula inimitavel o que os pe em salvo da
conlrafacclo.
clmenle, e empouco tempo
Advert-SA que o verdadeiro xarope s
se vende nesta cidade na botica acifgfe indi-
cada, do abaixo assignado; e em oatra qual
qner parte qae se tem annunciado oJa da
mesma composic3o, e nem o abaixo assigna-
do se responsabilisa.
Jos da Rocha Paranhos.
COMMERCIO.
arroba
t
ma
arroba
i
10*000
4*000
Calza flllal do banco do Braslf
en Permanabaeo, aos 26 de jn-
Iho de 186.
De ordem da directora se fas selente aos Srs.
accionistas, qae o tbesoareiro esta' autorisado -
pagar o 27* dividendo das acc3es do baneo do Bra
sil, inscriptas n'esta caiza, a' razan de 12*000.
elO guarda-livros
'.Ignao Nones Correa,
Novo baneo de Pemamfmco
Para conhecimento dos interessados a di-
recgo do novo banco declara une a partir
do i." de setembro do correte anuo, o ban-
co entrar em liquidar;!.
Recjfe 28 de agosto de 1867.
AI,FANDEGA.
aendimento do da 2 ...........
dem do dia 3
a
Voluntes entrados com fazendas...
i f < gneros....
Volumes sabidos com fazendas...
t gneros....
cidos ^uros para rea-
ctivos.
cidos pyrogallicos e
tamnicos.
A troponia, codeina,
digitalina e todos
os alcalmos vege-
taes.
Bromuretos e odure-
tos.
Sulfate de quinina pu-
ro, valerianato e lo-
dos os saes de qui-
nina.
Psimpalpaveis.etc.,.
Calornel puro, e lodos
os saes de mercurio.
Chlorureto de ferro
(puro) neutro.
Carbonates, snlfatos e
todos os saes de
ferro.
Acetato, hydrochlo-
rato-
Sulfato e todos os saes
de morpbina.
Ferro reduzido pelo
hydrogeneo.
Essencias puras.
Extr actosglycernia-
Fabrica em Paris ra de Paradis (au mas
rador na ra Direita n. 51, tendo sido ac-rais), deposito noRii de Janeiro, E. Cheve-
commettida do mesmo mal, acha-se tambem ot, roa do Carino.
boa.
A Sra. D. Senhorinha Umbelina dos San-
tos, moradora na ra das Cacadas n.' 38.
achando-se atacada de erysipeUa as cxas.
Attencao.
Xarope aleboolico de veame, preparado
com quatro tumores bastante volumosos, no pelo pbarmaceutico Jos da Rocha Paranbes,
estado indolente, que a prlvava de pr-se estbejecido com botica na ra Direita n,
de p ha muito tempo, com o uso do xaro-, 88 am Pernambuco.
pe alcohlico de veame e pilulas purgativas Este xarope ^ncontestavelmente supe-
do mesmo, cha-se restabelecida, e no uso rior a todos osxaropes depurativos, de cuja
dos medicamentos os tumores terminaram composicSo o sen maior elemento a salsa
pela suppuraco. j parrilha. pois que se tem conhecido ser o
A Sra. D. Rita, moradora na ra d San- (veame mais enrgico para a prompta cofa
ta Rita n. 13, primeiro ahdir, solfrendodo das molestia?, coja base essencial depende
mesmo mal ha muitos anos, pois que a,da parificado do sangue ; assim pois se
erysipeUa atacava amiudadamente, depois ^em verificado por muitas pessoas que se
que tem tomada esse remedio nunca mais acnavam desengaadas, as quaes acham-se
lhe den. I hoje restabelecidas com o referido xarope
Outros mnitos factos desta ordem delxo alchoolico de veame: entretanto que al-
de mencionar aqot pranlo me tornar pro-'guos, tendo osado do urope de Cnrinier,
luto e enadonho. de Larrey. de salsa parrilha, de saponaria,
Sendo a erysipeUa orna molestia que sem oleo de figado de bacalho, e ontros agentes
duvida effeito de materia gerada no cor-; desta prdem nada conseguiram. E elle de
po como expem alguns escriptores de me-1 fcil djgestao, agradavel ao paladar e ao ol-
dicina, e em consequencia da febre lanca- phto. Alguns mdicos desta cidade e da
da na pelle, onde produr inflammacao, e de Majcei o teem recbmmendado nara a ca-
que muitas pessoas, por nao se terem con- \ ra das *
vennienlemente tratado, suecumbem com o Impigens, tinha escrophulas.
Descarrecam boje 4 de setembro
Barca iDglezaRosemontmercadorias.
Barca portaguezaGrattddo- mercadorias.
Lugre fraucezRio Grandeidem.
Brigue ioglezAnne Scott idem.
Escuna bollandezaFrnuzidem.
Brigue norueguenseTrio fariuha de trigo.
Barca hamburguezaSapAiaburros,
fatacbo portugaezSemparebarqae.
Hiate inglez Maayu Lomzemadeira.
Barca franeezaHavrefarinha de trigo.
Imporaco.
Vapor ioglez Sane, entrado de Soathamptoa,
manifestoa o seguate:
11 caixas queijos; a J. Pater & C.
45 ditas ditos; a A. A. Gomes.
16 ditas ditas; a V. P. da Costa & Filho.
55 ditas ditos; Tasso rmeos.
13 ditas ditos; a Marques Barres & C
12 ditas ditos ; a M. P. Corga Janior.
11 ditas ditos; a J. J. da Costa.
i duas sedas, livros, chapeos de sol de seda; a
Keller & C
1 dita miudezas; a J. A. Barbosa.
2 ditas calcado; a Arantes Si Lyra.
1 dita fazenda de algodo; a D. P. Wild.
1 dita seda; a Haooel & C.
i dita livros; a Joao W. de Medeiros.
3 ditas ditos; a Luilbacar & C
1 dita miudezas; a ltonleiro & Irmio.
1 dita vidros; a P. Haurer & C
1 dita livros; Lopes de Oliveira.
60 ditas queijos; a A. Domont.
1 dita fazendas; a A. Hamborgaer.
i sarrio chapos de palha; a Vaz & Leal-
1 saceos farinha; R. Scbmettan.
1 caiza fazenda de laia; a A. C. Abren.
2 ditas dita e brim de linbo.
15 ditos queijos e 1 caixao sementas-, a ordem.
2 ditas bordados, filas; a D. A. Matbeas.
1 fardo miudezas, 1 caiza tecidos de laa e de
algodo; a Linden Weydmann & C.
1 caiza jolas falsas; a L. J. Ferreira.
1 dita roupa; a agalbes & Irmo.
1 ditas lilas; Henrique & Azevede.
1 dita tapetes; E. A. Burle & C
1 dita joias; a A. Hyvemat & C.
1 dita ditas falsas; Vaz & Leal.
10 ditas cb; a L. A. Siqueira.
1 dita camisas; a Scbafbeitlin & C
49 ditas fazendas de algodo; a Ferreira &
MatOeus.
1 dita perfumarla; a A. Hamburger & C.
1 dita joias falsas e fazendas de linbo; a Mello
Lobo.
1 dita caixas para despachos; a C. J. Alcoforado.
1 dita papis; a L. B. Bank.
1 dita caixas; a S. A. Caon.
1 dita chapeos; a Manoel 1. de Oliveira & Filbo.
1 dita peridicos; mt. M. C Soares.
1 embrulbo um mappa; a J. B. Alcoforado.
1 caiza doces e confeltos; a Manoel Joaquim
Pereira.
1 dita livros; a J. N. de Souza. '
1 dita macaes; a J.F. Lima.
3 ditas (rucias; a A. L. Braga.
1 dita diversos obejectos; a P. J. Layne.
Brigne nacional lnvencivel, entrado do Rio de
Janeiro, consignado a Amorim Irmos, manlfeston
o eguinte :
10,027 $ de charque,'64 barricas, 416 $ de se-
bo coado, 120 (B de dito em bexigas, 1,500 linguas
seccas, 35 couros secoi ; aos mesmos.
Brigue nacional Gracioso, entrado de Ma-
co, consignado a A. A. Gomes, manifestoa o se-
grate :
500 alquelres de sal; a ordem.
Patacho nacional Gloria, entrado do Rio de
Janeiro, consignado a J. J. G. Beltrlo, manifestoa
o seguate:
100 barris e 175 meios ditos manteiga, 150
meias barricas vazias, 100 volumes ditas encesta-
das, 80 caixas congnac, 1 dita papel para forrar
sal, 1 dita estupira, 7 ditas mercadorias, 1 cama
da ferro, 4 harneas e 1,480 saceos caf, 20 latas
174 rollos (amo, 72 saceos fijio ; a ordem de di-
versos.
PAUTA DOS PBEgOS DOS GENRHOS SUJEITOS A DOIBIT0S
DE SXPORTACAO. SEMANA DE 19 A 24 DO HEZ DE
AGOSTO DE 1867.
Mercadorias. Unidades. Valores.
Abanos.........eento 2Jtf00
; -I ., .. IU
dem de ararata.....i
Teijao de qualquer qodlidade .
'" F^o^ inlbVbom : *. '
?' dem ordiMHo oa retolho. .
dem em rolcbom. .
dem ordinario ou restolho .
S*0*111133........ama
*** ......arroba
Ipaeaanha.(raiz). ....
LenU em achaa. ...... eento
Toros ,.*
Linhaaeesteios. ....'.' m
Meloumelaco......e,aUt
*M ........ arroba
Wf*10?,....... am
Pao Brasil....... quintal
dem do jangada...... um
Pedras de amolar..... nmi
dem de filtrar...... c
dem fle roblo...... >
Piassava........ molho
Ponas, oa chifres de vaccas oa
novilhos....... cesto
Praachoes de amarello de dous
costados,....... um
dem de louro ...... >
Rap......... libra
vaOoO
Sal.......... alqueire
Salsa parrilha...... arroba
Sebo em rama......
dem em velas......
Sola em vaqueta..... ama
Taboas de amarello .... duzia
c diversas...... >
Tapiocas ....... arroba
Tatajnba...... quintal
Travs........ urna
Unhas de boi...... eento
Vassoaras de de piassava
Ditas de timb......
Ditas de carnauba..... ,
Vinagre......... caada W
Alfandega de Pernamuco, 31 de agosto de 1867.
AD1TAM MEEN T0.
Cera de carnauba arroba 60400
Cassueiras de Jacaranda, duzia 950000
Enchameis...... um 10500
Esteiras de carnauba. urna *60
Ossos........ arroba
Palha de carnauba molho
Penna de ema .... libra
Baunilha. ......
Ararata....... arroba
Pechay .......
Toros de angico. duzia
Sapatos de couro branco. par
Era ut supra.
ApprovoAfandega de Pernambneo 31 de agos-
to de 1867. A. Eulalia.
Asslgaados. Os 1." confereates, Jos Ribeiro
Gutmaraes e Jos Miguel de Lyra.
Conforme.0 3.* escripurano, Eutyclio Mondim
Pestaa.
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS
GERAES.
Rendimento do dia 2 ............ 1:358*536
Idemdodia3.................. 8418026
14:3091940
19:8134242
31:1231132
212
414
-----626
173
715
10*000
8*000
1*000
3*000
25*000
2*500
12*000
6*000
160
2*000
3*000
6*000
5*000
900
800
1*000
160
3*800
20*000
10*000
1*000
160
400
25*000
5*000
7*000
2*000
140*000
87*000
3*000
2*000
6*000
380
10*000
8*000
6*400
800
20000
25000
100000
120000
600000
800
1:199*362
CONSULADO PROVINCIAL*"
Rendimento do dia 2 ........... 2:595*853
dem do di 3................ 645*304
3:241*157
LondOD & Brasilia Haok. i,i
mtte.
Capital do banco 15,000 acedes
c. S 100.................. 13.333:333*330
AcgSes enjillidas 13,030....... 11,555:555*550
Capital pago a af 45 por aceSes. 5,200:0003000
BALANCO DA CAIXA FILIAL EM PKRNAMBCO
EM 31 DE AGOSTO DE 1867.
ACTIVO.
Letras descontadas........... 1,029:683*350
Crditos sobre diversos outros
bancos e caizas filiaos....... 1,700:511*010
Caiza emmoeda correte.
pernicioso aso de qne, nos tres dias nao
devem usar de rmerjio algum, o qoe faz-
se entender o mal por n3 se ter a princi-
pio combatido; por isso, pois, coovenien-
Aguardonte de cana .... caada
dem restilada ou do reino
dem casaca.......
dem genebra ... *
dem aleool oa espirito de agua- >
ardente ....... t
Algodo em caroco .... arroba
dem em rama oa em laa
Arroz com casca.....
dem descascado oa pilado >
Assucar mascavado ....
dem branco........a.
dem refinado......
Azeite de amendoim on mendo-
bim r......casada
dem de coco.......
dem de mamona .... *
Batatas alimenticias r arroba
Bolacha eidinaria, propria para
embarque .......
dem fina........
Caf bom .......
dem escoma oa restolho.
dem torrado......
Caibros ........
Cal ........
Jdem branca ....
Carne secca (xarque) .
Carneiros .......
Carvaa vegetal ... .
Carreas de sienpira .
Cera de carnauba- em bruto. .
dem idem em velas .
Cha. ....
Charntos '. .
Cevados (porcos)
Cocos (seceos) .
Colla
900
806
400
880
900
2*800
11*200
1*500
2*600
2*300
3*800
4*000
2*500
1*800
1*400
1*500
PAS5IV0.
Capital fornecido pela caiza nu-
trir.......................
Depsitos:
Em conta corrente
simples........ 490:47334*0
Apraso fizo.....633:094**80
Crditos diversos, outros bancos
e calas filiaos...'..........
Rs.
361:697*910
3,091:892*270
883:888*890
1,123:569*900
1,079:433*480
3,091:892*270
S. E. e O.
Pernambuco, 3 de setembro de 1867.
Theodore Simn,
Accouotant-
MOVIMEUTO UO POETO
" ii. mi imm i g r
O Ilim. Sr. insiwqtor da tbesoararu de fa-
zenda desta provincia manda fazer publico que tem
mareado o da 16 de satoaafcr* prximo vindoaro
para o concnrsaqae se tem de aorir saeta tb son-
rana para preenebimento das vagas, d* praticantes
ex'*^n,e nesl> reparticio, na' alfaoaega e na re-
cebedoria. Os ozames versarlo sobra as materias
de que trata o do are do decreto n. 3114 de
t7 de juoho de 1863, a saber : Miara e aoalyse
grammatleal e onhograpWa, arUhaeUe* e saas ap-
pueacoes ao eommercio, com especialidade i re-
doecio de moedaj,, pesos e medidas, calculo de
deseonto, joros simples e compostos, tbeona de
cambios e suas appllcases. s cosebrrentes de-
verao previameote apreseuur seas! reqoerimentos
instruidos de documentos qae provem idade com-
pleta de 18 annos, fsencio de peca e culpa, e bom
comportamento, na forma do artigo 3 do decreto
n. 2549 de 14 de marco de 1860.
Secretarla da tbesonraria de fazenda de Pernam-
bneo em 3 de agosto de 1867. Servlndo de offi-
clal-malor,
___________________Manoel Jos Pinto
O Dr. Tristo de Alencar Araripo, official da
imperial ordem da Rosa, e juiz de direito
especial do eommercio, nesta cidade do
Recife capital da provincia de Pernambu:o
e seu termo, por S. M. Imperial e Cons-
tituciooal o Senbor D. Pedro II, a quem
Deus guarde, e'.c.
Faco saber aos que o presente edital vi-
rem que no dia 25 do prximo futuro mez de
nevembro do correnta anno, pelas 11 horas
da manhSa, ter lugar na sala dos audito-
rios a reuqiao dos credores da massa fallida
de Dencker <4 Barroso, afim de serem cum-
pridas as disposicoes dos arls. 842 e se
guintes do cdigo commercial, sendo que
nenhum credor ser admittido por procura-
dor, se este nao Uver podores especiaes
para o acto, nem a procurado poder ser
dada a pessoa que seja devedora aos fall ios
e nem um mesmo procarador representar
por dous diversos credores e caso aprsen-
telo os referidos fallidos, projecto de con-
cordata sero considerados como adherentes
mesma, os votos daquelles que n5o com-
parecerem.
E para que chegue ao conhecimento de
todos mandei passar o presente que ser
pubicado pela imprensa e afxado no lugar
do estylo.
Cidade do Recife de Pernambuco 31 de
julho de 1867.
Eu, Secuodino Eiiodoro da Cunba, escre-
vente juramentado o escrevi.
Eu, Manoel Mana Rodrigues do Nasci-
ment, escrivSo o subscrevi.
Trist&o dj Alencar Araripe.
O Dr. Tristo d Alencar Araripe, official da
imperial ordem da Rosa, e juiz especial
do eommercio nesta cidade do Recife de
Pernambuco e seu termo por S.. M. Im-
perial e Constitucional o Sr. D. Pedro
II. a qaem Deus Guarde, etc., etc.
Faco saber aos que o presente edital vi-
rem e d'elle nolicia tiverem que no dia 5 de
setembro do corrente anno se ha de arre-
matar por venda a quem mais der em praca
publica deste juizo o escravo de nome Ma-
noel, pardo, com idade de 28 ancos pouco
mais ou menos, avaliado por 8000000 mil
reis; o qual foi penhorado por execuc3o de
Antonio Garca, coDtra Pedro Chrisolego Ca-
valcanti Vanderley. E n5o havendo lauca-
dor que cabra o prego da avaliagao arre-
matado ser feila pelo prego da adjudicacSo
na forma da lei.
E para que chegue ao conhecimento de
todos mandei passar o presente que ser
publicado pela imprensa e aflkado no lugar
do costume, cidade do Recife de Pernambu-
co 21 de agosto de 1867. Eu Secundioo
Eliodoro da Cunha escrevente juramentado
o escrivi.
Eu Manoel Mara Rodrigues do Nascimen-
to, escrivao, o sberevi.
DEGLARA50ES.
Navios entrados no dia 3.
Rio-Grande do Sul18 dias, briaae-escuna nacio-
nal C>jsne, de 257 toneladas, capitao Jos Mon-
teiro de Almeida, equipagem 13, carga 13:500
arrobas de carne ; a Amorim Irmo.
Rio-Grande do Sul 21 das, barca brasileira No
va Carolina, de 273 toneladas, capitao Virginio
Lacio de Hattos, eqaipagem 12, carga 10:000
arrobas de carga ; a David Ferreira Baltar.
Havre 37 dias, barca franceza Havre, de 180 to-
neladas, capitao Pitel, equipagem 12, carga difle-
renles mercadorias; a Tisset Prere.
Rio-Grande do Sul15 dias, brigue nacional Praze
res, de 302 toneladas, capitao Jos Colbo de
Castro, eqaipagem 12, carga 11:100 arrobas de
carne ; a Amorim Irmo.
Montevideo18 dias, patacho bespanhol Lauriano,
de 172 toneladas, capitao Evaristo Roses, eqai-
pagem 12, carga 4:000 qointaes bespanboes de
carne ; a' ordem. Este navio segaio para Ha-
vana. Arriboo a este porto por ter aberto agua
e Ibe faitar o pao de bajarrona na lat. 28* 11 S,
e long. 38* 0 6' S. do meridiano de Cadrz, pro-
veniente de am graade temporal qae soffrea ao
dia 22 de agosto.
Navios sahiios no mesmo da.
AracatyHiate nacional Santa-Cruz, capitao Jos
Victorino das Neves, carga differeotes gneros.
S. Toamai Escuna bollandeza Anliga, captto
G. G. Senolb, em lastro.
Santa CamarinaPolaca nacional S. Pedro, capitio
Jos da Rocha, carga varios gneros.
S. Tbomaz Escuna lugleza Mary Bloek, capitao
Kolloy; ea lastro.


libra
nm
arroba
a

. .
_. .
Copros da+oi, salgados.,. .
dem dem seceos espichados
dem idem verdes.
dem idem cabra corados
nao
Tumores, ulceras, escorbuto.
Cancros, sarnas degenerada, fluxo alvo.
Todas esas affecfSes provm de urna au-
sa interna ; nao ha pos razao alguma em Mwidem deonca.
te que, logo que alguem se sentir alacado crer qoe ellas se podem corar com reme- SSSfiifSSi .:
de tal mal, deve provocar. a transpiracSo'diosextercos. Tambem se prescreve o xa- rSmcaldi
tomando aO principio ama colherinha de rope aleboolico de veame para o tratamento T&panadores grande' '. '. ".
cb do xarope alcohlico de veame dis- das anecedes do systema nervoso e fibroso, Iem pequeos.... .
solvido em orna chicara de iofasSo de flor, taes como : Jbter** para forro de estivas .rum
desabugneiro quente, adocando-a com mais1 Goita, rheumatismo, paralysia, : EstopPJadonal......Soba Sooo
aswcar, continoando not tres das nesse; Dores, impotencia, esterilidade. Farinha de de manioca '. '. '. aiquflre 3#ooo

massa
am
libra
>
t
am

3*000
7*000
7*000
6*300
440
360
400
560
3*800
4*000
1W0O
3*900
320
500
ffl
15*000
4*080
660
165
US
O
10*000
1*900
360
S
m
am
arroba
ama
libra

eento
un
oeote
libra
EDITAES.
O capitao Candido Jos Coelbo de Moara,
engenheiro do governo Imperial, e jniz commissa-
rio, eacarregado da medlgao e damarcagao das
trras devolatas nesta provincia de Pernambn-
eo ; faz publico para o conhecimento de qnem con-
vier qae Ando o praso de 10 dias a cootar da data
desta publicacao, dar principios a seos traba-
Ihos; comecando por medir e demarcar os terre-
nos do logar denominado Pao-Brasil, parando da
liaba qne divide pelo lado dosel, os terrenos do
Ezm. Sr. desembargador Alvaro Barbalbo Ucua,
das trras devallas ; por Isso convida aos pro.
prfos e posseiros das Ierras vizinbas a apresanta-
rem seas ttulos, e a avlveatarem os moros de
suas trras, aflm de serem descriminadas das devo-
lutas.
Povoaso dos Montes, 1' de setembro de 1867.
O capitao, Candido J. Coelho de Moura.
Acamara municipal desta,cidade tendo Te
contratar a obra de seu pico, faz publico qae o
plano desee edificio acba-se esposto em sua secre-
*"? JE ___J_fir* *? ** d,^_!JE4* Mr ""B," didatos'deverao ser aoresenUdos at o dia23.
nado por aqaelies qae pretenderem coocorrer a
arremaucao, Ando o qnai sera' annunciado o dia
b qne deve ir a praca semelbante obra, sob a,
baze de 160:000* j offereelda por toda a obra de-
corada e prompta, annunciando-se tambera as eoe-
dic5es do contrato e sea pagamento : aqaelles qae
pretenderem licitar nessa arrematado devero
munir-se de flanea idnea que a garanta, sem o
qae nao poderao ser admtalos.
Paco da cmara municipal do Recife 14 de
agosto de 1867.Lua Jos Pereira Slmoes, 'pro-
presidente.Fraoclseo Canato da foa-vlagem, se-
cretarlo.
O conselho de compras do arsenal de guerra
precisa comprr o segointe :
3 arrobas de rozo trra, 4 brozas sortidas para
pintor, 2 arrobas de pos prete, 1 arroba pregos
Trnceles de 11|2 pollegada, 20 milbeiros de tazas
de bomba, 2 arrobas de pregos fraocezes de duas
pollegada?, 2 ditas de dito de 2 1|2 pollegadas, co-
nbecimeates Impressos mil, 80 mozilas de aovo
raodello, 160 correias para as mesmas, 80 lamioas
de ago para as mesmas, 80 marmitas, 80 correias
para as mesmas, 80 boroaes de brim, 2 cornetas,
6 resmas de papel almaco greve liso, 4 caivetes,
6 caizas pennas de ac, 6 duzias de lapis, 1 missai,
I clemela para missa de rquiem, 6 toalbas de
paono de linbo com bico para altar com 13 palmos
de comprimeoto e 2 1|2 de largara, 6 toalbas de
panno de linbo para parificar as mos, 2 roquetes
para a fabrica, 3 aivas de panoo de linbo, 6 amitos
de dio, 1 frontal de sebasto com 10 palmos de
com.rimeoto e 4 i|2 de largara, 1 csala branca
com seas perteaces, 1 dita eocarnada com seas
pertences, 1 capa de asperge branca, 1 veo de
hombro branco, 1 ambella branca, 1 ambala com
capa, 1 estolla roza pendente para baptisados, i
dita branca pendente para baptisados.
As pessoas qoe qnizerem vender ditos objectos,
aprosentem saas propostas na sala do cooselbo, as
II horas do dia 6 de setembro vindonro.
Conseibo de compras do arsenal de guerra 30
de agosto de 1867. Jos Mara Ildefonso Jacome
da Veiga Pessoa de Mello, coronel presidente.
Conselho de compras navaes.
O conseibo contrata no da 5 de setembro prxi-
mo vindonro, em vista de propostasjecebidas at
as 11 horas da manha, e sob as condicoes do es-
tylo, o fernecimento aos navios da armada e esta-
belecimentos de manaba, no trimestre de outubro
a dezembro do correte anso, do segointe :
Vveres, dietas e oatros objectos de
consumo.
Arroz do Maranbao, agurdente de 20 graos
assucar branco grosso, aletria, ararata, assucar
branco refinado, azeite doce de Lisboa, bolacha,
bolacblnha americam, baeslbo, carnauba em ve-
las, cha bysson, cevadinba, carne verde, caf em
grao, carne secca do Rio Grande do Sol, farinha de
mandioca da trra, feijo, galinbas, lenba, man-
teiga iogieza, malte, manteiga franceza, pao, sal,
sabio, loucinbo de Lisboa, tapioca, tijolo de alve-
naria grossa, vinho de Lisboa, velas estearinas e
vinagre de Lisboa.
Sala das sessdes do conseibo de compras navaes
30 de agosto de 1867.
Alexandre Rodrigues dos Aojos
____________________Secratarlo.
Repartido das obras publicas
De prdem dp Sr. engenheiro, (chefe inte-
rino da repartigao das obras publicas, se faz
publico qae o concurso para preenebimento
das vagas de conductor tera lagar oo dia
26 de setembro prximo viodoaro, ao pa-
lacio da presidencia, e o de praticantes e
escreventes no dia 27 do mesmo mez.
Os concurrentes serio argidos ,iaa mate-
rias de qae tratam os i.e, 2.a e 3. do
art. 10 do regulamento de 31 de julho de
1866, e qae vio abaixo declaradas.
Os requerimentos para inscripcao dos can-
e poderao ser, instruidos com quaesquer do-
cumentos ou ttulos scientificos, qne abonem
a eapactdade dos mesmos candidatos.
Secretaria das obras publicas 22 de agosto
de 1867.
O secretario,
Feliciano Rodrigues da Silva.
Materias do concurso para conductores,
praticantes e escreventes da repartico das
obraa publicas.



./





W
-*


sam

larl* e rermtmWuco liara felra 4 de etenafcro 4~!867-

Para conductor
/atheoaaticas amentares ;
algebra at equacSes do 2. grao ;
Trigonometra;
Elementos da geometra analtica e des-
criptivel; de astfoaonlia ; de arehetectara e
de resistencia -de materiaes.
Conhecimento perfeKo dos instrumentos
graphicos e dos trabalbos de niTellamento
e plantas;
Desenho linear o de aqnarelb.
Para praticaates
Lingoa nacional e francesa; '"
"De ordem do Illbtk. Sr. inspector da tbesonra.
ria de fazenda desta prevnote se fai publico que,
acha-ss i venda na mesma t*esoorara, a I5#090
cada exemplar, a obra artstica da estrada de (er-
ro de D. Pedro H. As pessoas a quem eouvler,
deverao dirigir-se i referida thesoarafie.
Saeretarta da tbasoaraf ia de rateada de Peruam-
baco 31 de agesto de 1967. Servlodo deofflctal-
maiorMaooel Jos Pioto.
CeDselho de compras atraes
O coDselbe promote da 11 de setembro pr-
ximo vlndouro, avista de propostas reeebidas al
as 11 horas da manhia e sob a* ooodicSedo estr-
o, a compra dos segalnies objectos do material da
armada.
Para provimeato do almowifado de
marraba, m-
800 agalbas de lona e brim, 1 amarra de (erro
de 9|8 de grossura, 6 ancorles para batelSes, 1
pega de cabo de cairo de 4 l['l pollegadas, 40 ca-
dernaes bb de 4 a 19 pollegadas, Incaler de 4
remos, 60 pecas de Iinfaa de barca Boa, 50 ditas de
looa larga da Bassia, 50 cnoites bb de 4 a 11 pol-
legadas, plvora marea torre, 10 mllheiros de pre-
Terminara' o spectacalo cam o applaudldo eni-
ire-acto tomieo eesempenbado pela Sra. D. Jesa
oa e o Sr. Talxeira, ornada de mosica do Orphea
inmolado
Os dons infernos
Cotoeeara'ao8
AVISOS MARTIMOS
COtfPANHIA PERNAMBUCANA
na
Ka vega cao costeira oor va por
Para Fernando de Norooha.
Segae no da 4 de setembro
prximo, ao meio dia, o vapor
Skmanguape, coa mandante" Cos-
ta. Recebe carga ate o dia 3.
Enconmenda, passageiros e dl-
nbeiro a (rete at 10 boras do da da sabida : es-
criptorio no forte do Malos n. 1. '
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A. YAPOR
E* esperado dos portos do norte
at o dia 19 de setembro o vapor
Sanio Cruz, commandante Gai-
tberme Waddingtoo, o qaal de-
_____6* V*Adaaora do costme se-
guir para os portos o sol.
Recebem-se desde j passageiros e engaja-se a
carga qoe o vapor poder cooduzir a qual devera'
ser embarcada no dia de soa chegada, eooomnaen-
das e dinheiro a (rete at o dia da sabida as 2 ho-
ras. Previne-se aos Srs. passageiros que as
passagens s te recebem nesta agencia rna da
O leilo sera' efectuado a rui fl
Mil I* toas. _,
Imperador o.
Monte Pi Popular Pernam-
bueano
De ordem da directora convido aos Srs.
socios a compareceremquarta-feira 4 do cor-
rente, s 7 horas da traite na sala das ses-
fim Je^se reunirem en) assembla ge-
par tratarse de negocios relativos ao
da floda d. Aievandrma Gibsoa .? **a<}* **] ~ O Sr. Francisco de Paula Chaves, tena.
Illm. Sr.Dr. jolx de orpoios, (ara' latlao aos as ama carta, o escriptorio deste Diario.
travos adnudescnptosisto ; ~o ^lMwifoad0 8cietiflca a'seas amig08 e
itlrvJli i mais Pe&soas que assislirao* aos scflragio? e encer-
as 11 boras na porta do predloqae toi AssoelaciOj-J plllJ.r.a.dea 'Iin*i.0. fllb0
Commercial largo do Corpo Santo.
=.--F
gos caibraes,_2 pecas de pete, 6 denlas de Uboas ;Crui Q SJ ^^.^0 ae AntonloLoix de Ollvel-
de cedro de 3|4 de peilegada, 4 d atlas de uboas
de cedro de i peilegada, 4 arrobas de tachas de
cobre, 40 miiieiro de tachas de (erro, 2 vergoo-
teas de piano de 43 ps ingler.es de comprimento,
16 pollegadas de dimetro em ama ponta e 10 na
outra, 200 vidros d vldraca de 23 3|4 pollegadas
inglesas de eomprimeato 16 1|2 de largo, e 20
arrobas de zlnce em barra.
Para o Para*.
1 p ?ca de cabo de Hubo de 1 1|4 pollegada, 2 di-
tas de 1 i|2 alta, 4 ditas de 3 ditas, 19 ditas de 2
l|i ditas, 1 dita de 2 3|4 ditas, 77 ditas de 3 ditas,
1 dlia de 3 1|2 ditas, 3 ditas de 4 ditas, 2 ditas de
5 ditas, 50 (blbas de cobre de 28;0
Sala das ssssoes do consetho de compras navaes
31 de agoste de 1867.
O secretarlo,
_____________Alexandra Rodrigues dos Aojos.
Consulado provincia!.
O chefa da 1.a scelo servjndo de administrador
do consolado provincial, faz pablieo para que che-
gne ao conbecimento de todos osdevedores de im-
postos do anao finaneetro fiado de 1866 a 1867,
que no ia 28 de setembro vindouro flndase o
prazo marcado para o recebimento de seu.- dbitos
ficando snjeitos os qoe n3o pagarem at aquee
da a mulla de 9 / e sersm executados.
Mesa*do consolado provincial 30 de agosto de
1867. .
A. Witrovio Pinto Bandira e A de Vascoocellos.
Saeta (Jasa da Misericorda
do Recife,
,> l Hua, junta administrativa da Santa Casa do
Misericordia do Recife manda fazer publico qui
na sala de suassessoes, no^dia 5 do correte pe-
las 4 horas da tarde tem de ser arrematadas a
qaem mais vaotagans offerecer as rendas dos pre-
dios em seguida declarados :
Estabtleciinentos de caridade.
Roa do Padre Floriano.
Casa terrea n. 49. : 182*500
dem dem n. 17.......186*000
Roa dos Pescadores.
Casaterrean.il.......21640C0
Ra das Calcadas.
dem idem n. 38........158*000
Ra larga do Rosarlo.
Segundo andar do sobrado n. 24 'I 300fi000
Terceiro andar dem dem > U 301*000
Ra da Roda.
Casa terrea n. 3........ 96*000
dem idem 0.7....... 96*000
Becco do Qoiabo.
Casa terrean. 8.......144*000
Ra das Calcadas.
Casa terrea n. 36....... 176*000
Roa do Padre Floriano.
Casa terrea n. 47.......168*000
Roa do Nogneira.
Casa terrea n. 17...... 2i2*000
Roa das Cinco Pontas.
Casa terrea n. 108.......233*000
Patrimonio de orpaos.
Ra do Sebo.
Casa terrea n. 13.......217*000
Rna do Pires.
dem n. 39.........121*000
Ra da Cacimba.
dem o. 67......... 81*000
Ra do Pilar.
Ra das Laraogeiras.
Casan. 17.......... 192*000
dua do Rangei
Casa terrea n. 56.......301*000
Ra de S. Goncalo.
Casa terrean.84.......194*000
Ra do Vigario.
Primeiro andar do sobrado n. 27 181*000
Ra do Pilar.
dem a. 98.........201*000
dem o. 105..........144*000
dem n. 108...........201*000
Casa n. 99.........256*000
dem c. 103.........200*000
dem n. 94.........201*000
Sitio u. 5 no Forno da Cal. 150*000
dem. n. 105 ..-.....: 144*000
As arrematacoes se rao feitas pelo lempo de nm
anno, devendo os licitantes virem acompanhados
de seus dadores oa munidos de cartas destes.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Recife 29 de agosto de 1867.
O escrivao,
Pedro Rodrigues de Soaza.
ra Azevedo A C.
PARA 0 RACATY
pretende seguir com maita brevidade o palhabote
nacional Dmu Amigos, ten parte de sen carrega-
mento engajado : para o resto qoe Ibe (alta trata-
se com os seas consignatarios Antonio Ltnz de Oli-
veira Azevedo & C, no sea escriptorio roa da Croa
n. 57.
Para Porto.
Segae nestes oito das o brigne portognez Umao,
por ja' ter soa carga engajada, para->reste e pas-
sageiros trata-se com os seas cowlfBltarioj Tho-
maz de qaino Fonseea & C a roa da Vigario .
19, andar.
C0IPA.1BI.4 MHSILIIRA

DK
De orna moWIIt de aaawHfiuf oW de 1 sola.
2 censlos, 1 mesa oval, tcadeiras de bra
ditas de guarnido, i eadeira de balanga, 1
dor,2 easlicaes e mangas, 1 caodieiro a ga
logo de parede, insorfaderas.fcafx* *e toaris-
cos, 1 coaweda, 2 aaari^ e-eadrtras, 1 cabi-
do, 1 esunte, 40 volamos differentes ioblASr.i
M>ai e" i tele de roopa de nso.
No 2o andar do sobrado da ra Nova t, 40u
0 agMte Pinto (ara' leilo por autorisagao de
censal le Franca e em presenca de nm sen de- 4
legado, dos objectos aelma mencimados, perteu
ioaqolm Awa- Daltro, qee por mero equivoco
deizon de dar u testemnnho igual de ana
gratldio, u que dea do tiario de 27 de a
oxk rto, ao muiio- distlocto cort-acade-
e do Recite.
iCrT 'touthad
referido abalxo assignado pessuido de om
profunlo agradece a rodos em
o qa<>, boje trlgesslmo da de
passamento de sea sobredHo fliho, mandav* cele-
brar urna missa na matriz da Boa-Vista, e-trio po-
' duudu o hiul'por encommodos. que o prlvam de
asslsti-ia como desejava, por isso, declara para co-
nbeciaento daapossas ja' convidadas pelo meemo
Deno. *
Jos Ferraz Daltro.
eeafeea sncoessae do finado Pedro Eduardo Btrar- -
geots, e exKtentes no segnedo andar do sdjiMdo
da roa Nova n. 49, onde se effectuara' o leillo as
10 hars do dia cima dito._____
LiEIIAO
autorisado
Paquetes a vapora ^
Dos portos do sol esperado
at e da 7 de setembro o vapor
Cruzeiro do Sul, commandante
Alcoforado, o qaal depois da de-
mora do costme seguir' para
os portos do norte.
Recebem-se desde ji passageiros e engaja se a
carga que o vapor poder cooduzir a qaal devera'
ser embarcada no dia de saa chegada, encommen-
des e dinhelro a (rete at o dia da sabida as 2
horas. Previne-se aos Srs. passageiros que suas
passagens s se recebem nesta agencia roa da
Cruz n. 57, escriptorio de Antonio Lalz de Olive!,
i ra Azevedo & C.______________________________
&0MPANHIA PERNAMBUCANA
DK
Navegacocosteirapor vapor.
Macei e escalas, Penedo e Aracaju'.
o vapor Potengt segae para os
portos cima ao dia 14 do cor-
rente pelas 5 horas da tarde. Re-
cebe carga somente at o dia 13
ao meio da ; eneommendas, pas-
sageiros e dinheiro a (rete at as 2 boras da tarde
do dia da sahida : escriptorio no Forte do Hatos
rimiMiu miMMBUim
DE
Navegaco cosleira por vapor.
Parahyba, Natal, Maco, Aracaty, Ceara' e
Acaraco'.
O vapor Ipojuca, commandan-
te Hartins segne para os portos
cima no dia 14 do correte pelas
5 boras da tarde. Recebe carga
at o dia 13 ao meio dia, passa-
geiros, enommendas e dinheiro a (rete al as 2
boras da tarde do dia da sabida : escriptorio no
Forte do Matos n. 1._____________________
Para Penedo e Macei
Recebe carga o hiato Novo Gosto,, a tratar na es-
cadinha com o mestre e na ra da Cadeia Yeiba
1, no 2* andar.
O agente Pontnal competentemente
tara'nlffid dos segaintes predios : I
Um sobrado de dous andares e sotlo 00 bairro
do Recife, becco di> Caapello n. 4, cojo reodlmen-
to annnal 624*.
una casa terrea na (regaezia de 9 los, ra
dos Copiares n. 17, que rende anaaalmeata I9*.
Urna casa terrea no burro da Bu-Vista rna da
Alegra n. 2B,.tnd quintal e cacimba meeira e
1 renda aonaal 144*.
Urna casa terrea tamben ni oairro da Bo>-
vlsta roa da Conceicio o. 62, cor- rande quintal
plantadoeaoaqaafcha ana escolente cacimba e
um telheiro, rendando anooaimente 216*.
Um terreno com cem palmos de (rente e cem de
fundo, comeado as (rentes roa do Destino na
Boa-Vista, S easiohas de pedra e cal e no laudo 2
de madeira, ama cacimba a dees arvarados, ficen-
do no oitio das primeirae a ntt do Socego e Ten-
deado toda*'ellas 480* por a mu.
Um qoadro com 27 easiohas de pedrae eal.tam-
bera na Rea Vista roa do Soseg, todas em bom
esUdo, tendo eo fundo urna latrina de pedra e cal
com esgoto para a mar. O rendimento deeUs 27
caslnbas de 1:620* auaualraente.
Os pretendentes podem eunnar estes predios
nos lagares indicadas e para informacOes dln-
jam-se a' roa da Cruz n. 62, i" andar, onde- se e(-
fectuara' o leilo*:
HO JE
Qaarta-feira 11 de setembro as 11 horas.
Ll-JILAO
De ama casa terrea com sota na roa das Per-
nambacanas esquina da roa da Amizade e de
nm terreno junto com 82 palmos de (rente e 90
de (ando, rende por anuo 400*.
HOJE
Pelo agente M rtins, a ra do Imperador n. 16,
as U horas do dia. __________________________
IiEILAO
QaioU-ieira 5 do setembro,
De um sobrado de um andar e sotao, novo; (al-
tando os repartimentos, sito na roa de S. Joo em
direcc.ao ao gazometro, sera' vendido as 11 horas
daquelle dia no mesnw predio para que os preten
tendentes melbor informados (azerem urna boa
acquisl5o. _____________________________
~ LEiLA
De muas e burros
ELXIR DI
Jeronymo da Costa L'ma, sea av Francl.-co Pin-
to da CosU Lima e Jos Virissimo de Azevedo,
agradecera cordialmente a todas as pessoas qae se
dignaram asslstlr aos ltimos suffragios (eitos a
sda esposa, neta e fllna Amelia Adelaida de Aze-
vedo Lima, bao como a>irmandade do 01 vino Es-
pirito Santo, do Cotlegio, pela promptido com
qoe se presUram a este caridoso icio e convidara
as mesmas a assistirera a missa do stimo da qoe
se ha de celebrar sabbada 7 do crreme as ho-
ras da manbaa na ign>ja da ordam ter cairede N
S. do Carmo, pelo qae desde j se confessam eter-
namente grato.
Jos Lopes Ferreira cordialmente agradece a
todas as pessoas qoe srdignepaa asslstlr ao all- estado
mo snffraglo de seu soa Jos Lau de Azevedo,
Ae novo os eoavid* p^r* assistir as missas do 7*
dia qne tera' lugar as 6 boras da manbaa do dia
5 de seterchn na matriz de S. Jas, palo qu* se
confessa desda j samoameate grato.
Altenco
.
LEILOES.
De um sobradado dous andares e soto si-
to na ra da matriz da Boa-Vista n. 44,
em chaos foreiros.
Cordelro Simees
a mandado do Illm. Sr. Dr. juiz dos orphos leva-
ra' pela terceira e ultima vez a leilo o predio ci-
ma mencionado pertencente aos berdelros de D.
Anna Mara da Assampciio Albaqaerque, servindo
de base a oflerU obtida no leilo de 16 de agosto,
isto
HOJE
as 11 horas, na porta do predio qae (oi Associac&o
Commercial largo do Corpo SaniCj____________
O agente Oliveira (ara' leilo por conu e risco
de quera pertencer, de 71 muas e 5 burros para
tirar race, sendo os mais lindos animaes e de su-
perior qualidade qae a este porto tem vindo, ezis-
tindo entre elles ptimas parelhas para carros e
chegados prximamente de Montevideo pela barca
bamburgueza Sophe, capito C. BoUxen-
A superioridade destes animaes, sobre qnaes-
quer outros de BueuosaAyres oa da oatras proce-
dencias, por certo animara' a concurrencia de se-
nhores de engenbo e oatros entendidos, ao leilSo
qae tera' logar
Segunda-felra 9 do correte
as 11 horas da manha no deposito a roa do im-
perador n. 14, defronte da igreja de S. Francisco.
ao-
Relajo das cartas registradas existentes na
aiministraejo d) correio desta cidade
oara os senbores abaixo declarados:
Dr. Antonio Buarque de usmao, Antonio da
Costa Das, Antonio Joaquina da Costa Gnimares,
tenente-coronel Hemelerio Jos Velloso da Silveira,
Ignacio Banto de Loyola, Joaqoim de Assurapcio
Qaeiroz, Joaquim Ferreira da Silva, r. Joaquim
de Sonta Res, Joo Pereira do Rego Dr. Jos Ri-
cardo Gomes de Carvalbo (Santo Anuo), L0J1 Ma-
nir, Maria da Assamp^o, D. Mara Benedicta Pe-
reira, Manoel Bento de Oliveira Braga, Sabina Ma-
ra da Silva, Soatball Mellor & C
ti .,
THEATRO
De nm es ravo criealo, idade 24
ios, boro estribeiro.
i ailatinha, idade i3 annos. com
perfeicao.
Cordeiro Simoes
obtida a competente autorisajio (ara' leilo dos es-
eravos aelma, isto
HOJE
as 11 horas, na porta do predio qoe (oi Associaco
Commercial largo do Corpo Santo- ._______
R-indose proceJendo ao inventara e partilbas
dos bens da (loada Mar Joaquina da Paiva e nao
apparecendo outro-i *ens alem da casa terrea d.
11 sita na ra da Malbias Ferrtira da cidade de
Olinda e constando que a raesraa tam de ir a pra-
ga, previne-so qne ningueos (ac Ungamento on
entro qaalqner negocio sobre a referida casa, a
qual se acba hypotbeeada por ama divida superior
ao sea valor e para cujo pagamento o credor by-
pothecario vai intentar a respectiva aeco.
Aluga-se urna ana que engomma, cosinba e
faz servico de casa : na.ra Direita n. 29._______
jffflUGdaVO
Aos senbores entendedores de caones pede-se
a eiplicacSo do segrate :
Se um donnato que tem tomado o habito e a
tonsura de ama ordem, goza oa nao de cerlos pri
vilegjos cannicos, ese pode ser acollado a palma-
toria e chicote; e no caso contrario, se-o superior
qae Ihe inBinge ucs. castigo?, est oa nao irre-
gular.
Para a forraulacio de oatros casos taes, multo
precisa de exp!iC3c5e$.
_________________Joaqoim Macaco.
O abilzo assignado, thesoureiro da irmanda-
de de -Y S. da Boaviagem, convida a todos os de-
vedores do respectivo patrimonio, qor a titulo de
alaguel, qur de foro, para que satis(acam seus
dbitos at o Ora do eorrente mez, visto como esta'
aatorisado a promover judicialmente, e a intentar
a accao de commisso a aquetles que nalie encorre-
ram.q lando se nao sujeitem, a um novo afora-
mento, para o qu& podo ser procurado na roa de
Santa Tbereza n.52. Recife 4 de setembro de 1867.
Caetano J s Mandes.
DO
DR. SEV1AL.
Para o tratamento e curaiapida e completa das molestias sypniiticas, ens-o-
las, rheumatismo, bobas, gota, debilidade do estomago, iafiammacOes ebrooicas do figado
e baco, dores sciatieas, cephalalgias, nevralgias, ulceras chronicas, hydropeaias, plemi-
sias, gonorrheas chronicas e em ge al todas as molestias em que setenha en vista a pu-
rificado do system* sanguneo.
Considerxfoes geraes
A saude um bem inapreciavel, coja importancia e valor s est reserrado ao enr
fermo o avaJa-lo.
neontestavel que o homem nesle mundo constantemente, e por todos os lador
atacado poriima.inflnidade de agentes morbficos que todos tendeo, dadas-certai e deter-
minadas circamstancias, a alterar o regular exerekiodas foncoOes organieas sultanbo
pesse'deseqailbrio e qoe se chamamolestia.
~ A molestia oao mais do que a desvirtuace das torcas vitaos, occasionada,- d,
gando as investigaedes 9 experiencias dos mais abalisado mestres da scieacia pela depm-
vaclo dos bnmores geraes, consequencia da aceta maligna desees raesmos agentes mora e
fieos iroduzdos no oEganiamo pelo acto da respiracao, pela via digestir, "peto contacto
immediato etc. etc. etc.
A syphilis infelizmente tem sido a partittia da hunaanidade, e como tora, de dun-
da que esse terrivel Proteo da medicina urna molestia hereditaria, ella tem sido obser-
vada em todas as idades, e debaixo de todas as suas formas tao variadas; enfraquecendo
conslituicoes robustas, produzindo mutitaces, e cortando anda em flor da idade vidas
preciosas. .
Eliminar da economa esses principios deleterios. e- purificar amatsa geral dos
humores tem sido -desde tempo immemorul o fim constante da medicina,'o-os purgati-
vos flgnram em primeiro lugar para preencher esse desiieratum ou fim.
O Elixir depurativo do Dr. Seviai parece merecer a preferencia sobre todos: os
immensos uccessos obtidos pelo uso deste salutar agen1 e tanto na Allomante/como em
Franca e Italia, o tornam o companbeiro ioseparavel de qnasi todos os docntes.
Sendo as molestias, como cima dissemos, de vidas s alteracoes dos-humores, o
Elixir depurativo do Dr. Seviai pode serempregado vantajosamenle na sjqaoihs, erisi-
pelas, rheomatismos, bobas, gota, debilidade do estomago, inflammages dvenicas do
figado e baco, dores sciatieas, cephalalgias, nevralgias ulceras chronicas, bydropesias,
pleurisias, gonorrheas chronicas etc. e em geral em todas as molestias em que se tenha
em vista a purificaco do systema sanguneo; pois que orna pratica constante .tem feito
ver que elle indispensavel nos casos gravissimos para minorar os soffrimentos, e pre-
parar o doente para medicacOes superiores; e as menos graves a cura:'a conse-
quencia de sea uso, convenientemente repetido.
As substancias- que entram na eomposicio do Elixir depurativo do >Dr. Seria
pertencem todas exclusivamente ao reino vegetal, e grande cathegoria -das substan-
cias depurativas e.antsyphUiticas; assim, ao passo que este remedio depdra o orga-
nismo, eliminando os principios-nocivos sande, pelo mecanismo natural das evau-
aces alvinas, neutralisa ao mesmo tempo o viras syp'hilitico quando este virjem.
tem feito erupcSo ho exterior debaixo de suas multiplicadas formas; e previne tam
bem os estragos dessa terrivel molestia, quando por ventura se ache ella, ainda no
de encubagao, isto sem se ter manifestado sob frmas exlernas: beneficio
mmenso, tanto mais quauto oeste estado os individuos igneram completamente se es-
So contaminados por este terrivel inimigo.
O sabor agradavel d'este Elixir convem a todos os estomagosra sua acc5o so-
br o tubo intestinal suave e benigna, e de nenhuma forma prodaz molestias medi-
camentosas, como acontece ao purgante dito Le Roy, .que na sua qualidade de drs-
tico forte irrita a mucosa intestinal, e consecutivamente a seroza, resultando deste es
tado, muitas vezes, hydrapesias, que quasi sempre terminan) pela morte,do doente.
Assim pois esperamos que o uso deste remedio justifique cabalmente as nos-
sas assevarasoes, porque sendo um medicamento to simples na sua composico. a
pratica tem. confirmado sua utilidade.
I.'nlco deposito en Peruana!**.:^
1
Na botica e drogara

o
DE

artothomeo Companhia.
34RA DO ROSARIO LARGAJi.

AVISOS DIVERSOS.

LliAO
Instituto Archeologico e Geographico
Peniambucano
A commisso de irabalhos histricos do Instituto
Archeologico e Geograpbico Pernambncano, ore-
risa com urgencia de consultar o Valoroso f.ua
deno de Fr. M*ooel ^Calado.
A pe.ssoa qae tiver om ezemplar dessa rarissi
ma obra, e o queira ceder por venda ou por em
prestimo, ter a hondada de mandar aviso a se-
cretaria do mesmo Instituto, do convento do Carmo,
junto a nibliotheca provincial, para ser procurado
pelo segando secretario. Recife, 31 de agosta de
1867.
Salvador Henrtque de Albuquerque.
' Precisase alagar duas pretas e um moleqne
para vender na rna : a tratar na ra de Hortas
Damero 17.
O abaixo assignado competentemente aato-
risado para cobrar por meios amigaveis oa judi-
ciaes o qae se dever a emproza do gaz, convida a
todo os devedores para entregaren ao abaixo as-
ignado a importancia de suas divida aura de evi-
tareco processo judicial. RecKe 3 de setembro de
j867.R. L Barata de Almeida.
Antonio de Oliveira Costa, Brasileiro, retira*
se para Europa. _________ ___
O abaixo assignado avisa ao respeitavel cor-
po do eommercio desta praca e ao publico em ge-
ral, qoe tera justo a compra da armacao e gneros
existentes na taberna da rna do Hospicio n. 28,
pertencente ao Sr. Bernardlno Pacheco dos Santos;
portanto se dentro do praso improrogavel de oito
das nao apparecer quetn se opponba a realisacao
da dila compra, ella sera' effectaaa sera qae o
abaixo assignado reste responsabilidade alguma
para o futuro. Pernamhuco 3 de agosto de 1867.
_____________Bernardo Gomes de Abreu.
Os bilh'i-'s, inleiro- n. 1153, meio n. 172, e
quartos ns. 2576 e 3378 da lotera 36 a beneficio
dos voluntarios da patria, quo corre no dia 6 do
eorrente mar, pertencem ao Sr. Pedro de Mello da
Sjlva.__________.
= Quem tiver para alugar a ama pessoa estran-
celra, urna casa com quintal as immediaQ5es de
Santo Antonio ou Boa-Vista, pde-se dirigir a raa
do Imperador n. 79, 2o andar.
Precisa-se de nm servente para a botica da
praga da Boa Vista n. 32.____________
Precisa-se comprar urna lancha em perfeito
estado, que pegue em 100 saceos com assocar -
na roa da Cadeiai loja n. 35, se dir" qaem pre:
cisa. 1
EMPREZ.GOIHBR& '
Quarta-feira 4 do setembro de 1867.
De naa cas* terrea a' roa do Jardim (em S. Jos),
em chaos proprios, n. 21, com ama porta e duas
janellas, corredor separado, 3 quartos, 2 salas,
cosinba fora, quintal e caeimba e nm sotao com
4 q a artos.
Cordeiro Simoes
legalnHDte antorlsado fara'< leilo da casa terrea
cima descripta, podendo ser examinada por qaem
pretender, sendo qae as informales o dito agen-
ta satisfar' em sna sede a" roa da Cadeia do Re-
clfe a. 27, cojo lerlao tera' lagar no dia
#*E ->>>
as 11 boras, na porta do predio qae- ol Assedaeao
CwwwcMi.Hrgo uto,Carpo Santo.,
Precisa-se de nma|aoa para, comprar e cosi-
nbar : na prag da Boa-vista n. 7, lajandar,
da alta-comedia do
maestro Norenha, in
A seronda represenlagao
Sr. Mendes LeM, saoslca do
titulada _______
EPITAPHIO E BPIPHAXAMIO
representada pelas Sras. D. Fako e JoM e pelos
Srs. C. de Ucerda, Joraani e Gaimaries.
A pTiraeira represtatteio da cosHdto-drama do
Sr. J. Ruuoo, masaca dodiiaitra Casimiro, coo-.
dernada e insunmeniada pelo maestro Colas,
titulada a ,
MIGUEL 0T0RNEIRO
representada pel'St.C. de Ltewtta, Hi Palco e
WMgtpp. i.fc^^ -,
H. b. Aimportaate,a;ia-oaa.-atSte.D. laleo
canta nesta peja expressamanta eapripta pelo
Sr. Colse^tWea-aaetrk'Mfe uiWesoffllSI-
tro,
A reprMi*cjo innirttaiaai ano InUtaUda

De nm Importante spbrado no Po?o da Paaella,
(o melbor dos arrebaldes) com excellentes om
modos para granee faniiU, com 7 qaartos, 4 sa
las, Risianr, qnarWTjaraJetor, coxflra, esujbaria,
nm DBo^trim, lew acardos lados, portio de fer-
ro e mais 60 palmos de terreno de cada lado do
sobrado.
Cm sitio na estrada de Jlo de Barros defronte
da capelta com cas de pedra cal,-1 alas, 6
qnarios, wainha n farra; arcarnos arvoredos, ter-
reno proprlq*tei)da 833 f almos de frente e mais
Doas eaaa;d*eA* #a ms jalas ma da
Paz as. 8? ^* A. __
Urna casa terrea n. 464 o* ra- .IsjfMrlal ren
dttadlda em't qne se
Precisa-se de ama ama para moco solteiro :
no pateo do Carmo n 9. I
Sitio para alugar
Alaga se nm grande sitio na estrada de Joao de
Barros esquina do becco qoe vat para Santo Amar,
ro, com grande e eioellente casa de vivenda e
multas arvores froeUferas : qaem o pretender di-
rija-se a soa proprietaria a vlscoodesii de, Goian-
na no sitio que i be flea fronteiro.
GoosQlada de Portugal
Por participaQo do vicecnsul do Brasil, bi|
liba && itadira, consu haver all fallecido o sob
dito brasileiro (naturalisado) Joaqoim Francisca
dos Sanies, deixando nm legado a am irmo de
nomo Joo Francisco dos Santos (portugus)
dente nesto provincia, o que se fai publico para
conhacimeate do istareesado.
Ama.
Na praja da Boa-Vista n. 5
ama qae saiba-cozinbsr.
precisa-se de ama
200
500
240
200
10O0
240
80
500
500
480
500
320
60
600
20
14Q0Q
3?0
100
4,*>0,0
60
00
160
80
600
25000
1 0
80
100
700
240
30
320
Prscisa-se de ama ama escrava para engom-
mar e coziobar para casa de multo pouca familia :
na rna Nova n. 37.
A roiiiiaivs.i adnaiBlstrativa da
igreja de Noeaa Me ahora do
llosarlo da freguezla da Boa
Viada.
Ao publico.
Os abaixo assigoados tendo sido nomeados por
especialidade do illm. Sr. s provedor de eapeUas,
para comporem a commisso administrativa da
mesma igreja e sea patrimonio.
Seientiflcam ao respeitavel publico que ha ver nos
.das de domingos e dias santificados, o santo sacri-
ficio da missa, Q qoe du respailo a grande obra
que est a vista do respeitavel pablieo temes muito
boas desejos de continuar e com a maior brevida-
de saturemos em commisoes a pedir aos devotos
da mesma Senhora, esmolas para continuacao da
dita obra, nos multo difficil farer esta obra estan-
> igujs om i adaialtUajaa senda que esvasse
por
a igreja
Jarro prop-la oara passar a (sto
, ftmde-para-e rio, t sefnnda pusaado
Criado.
PreMsOSe-alafar s aoleqn pera -trade de.
ama peqaeaW'fMllfa : a tufar ni va* da ktpeva-
^Jcpeajar-ir* 6 as TO norap da^ma-
\/m0 em dlante.T
Offereco^' w^hW^pTcoB-"
prar e TMBDhar;.. no'boceo., do Pofan nu-
mero 31,
comatoapod*. imaadade aeihor podia-se promo-
ver u aecessidade.
Porm a adminiatracao actual com breviaaae
tratera de convidar 09 irmo? da mesma Igreja para
tealar e lomaren caohecimeuto dos .negocios ur-
gentes qae necessita a Igreja e sea patrimonio, visto?
achirmwW* a ppmdti atraso.
Consistorie da admlnistracao da igreja daNossa
Senhgra, do Rosario da regaeria da Boa-Vieja, 17
a#agostodel867.
Cyr|1C0 A,Tes fl Jwn*-
Romualdo Antonio do-Saeramiel ;
Jos Gomes de sania.
Pascoal AWes de Agniar.
Thomai de A. Al ves do Naschnenia-
Vittoriao Booms de Oliveira-

RIVAL SEI SEM6
Ra do fuelmado a. 4. loj-t de
mludezas
DE
Jos Bigeiinno
Varas de babado bordado do Pono a .
Carreteis de retro* prete com duas oitavas
proptks para machinas a .
Pregos francezes de todos os Unannos a
Grozas de botdes de osso para calca a .
Espelbos donrados moito finos a .
Caixas com llnha superior para marcar a .
Carriteis de reteoz de todas as eores a .
Frasees d'agaa de Colonia muito superior a
Frascos de oleo muito fino a......
Duzla de tesoaras pequeas a.....
Frascos d'agna para lirapar denles a .
Redes pretas lisas para segurar cabello a
Duzias de pennas de ac muito finas a .
Caixas de lioba do gaz de 30 novellos a .
dem de palitos de seguranca a
Garrafas de agua Florida verdadeira .
Syllabarlos com estampas para meninos a
Memento da roupa de lavar a.....
Dazias de meias finas para senhora a .
Agulhas francezas a balao (papel) a .
Pegas de fitas de la de todas as cures a
Grozas de botoes de porcelana prateados a
Caixas com alflneites trancezes a .
Caixas de 100 envelopes muito finos a
Resma de papel de peso branco liso a
Frasco com superior tinta a.....
Pares de botoes de panno maito bonitos
Liabas em carto de 200 jardas a .
Caixa de superior linba do gaz com 50
novellos .............
Taiheres para meninos a ...... .
Masso com superiores grampos a .
Grosas de pennas de ac maito finas a .
Bonets para meninos a........1 000
Pentes com costa de metal a...... 400
Realejos para meninos a....... 100
Rival sem segundo.
Rna do Quelmano n. 49.
Qeer acabar com as fazendas abaixo
mencionadas.
Queiram vir ver o pe e boa e baratissimo,
roaihas de labynntho com bico, faien-
-da boa a.............
Carreteis de linba com 100 jardas a .
Gravatas pretas e de cores maito finas a
Caixas de obreias de massa muito novas a
enfiadores para espartilho de cordo e
fita a............-
Carreteis de linba Alexandre com 400 jar-
das a..............
Sabonetfs maito -fines a 60, 160, 200 e
Ditos de bolla muito finos a 240 e .
diadas de linha Iroxa para bordar a
Varas de cordo para espartilho a -
entes volteados para regacar cabello de
meninas a............
Frascos da macaca' oteo, milite gao, a .
Abotoadoras maito Unas para colletes a .
Cirt5es de kuha branca e de cores a .
Libra de ara preta superior a
9scovas par tato, laceada boe, --..-
aras de franja nraae de linbo para
toalnaa ...-,,... '
Pecas de bico estrello com. 20 varas maito
VaraTdVVpaflD' de 'difcrentes fcuga- -
mi *20,lfiO e_. .......
Gaias de palito balao a.........
Caixas de palitos de segaranga eg en
cbofre a .... /
Sabenetes de fatrna a 400,'MD {
Grosas de botoes de madreperoia t para
1 camisa a ..... -.-,-
Carlilna de doatrina chnsua.a .y ..,
Latas eom snperlor banha >'
Qaadernos de papel peqneoe soperioca .
Datla de barataos ftancezaestmenoA.
Groza diMWP*aWiW Cixis aealbo do masmps
Catxa d"pbTOoros(lVyeltlBba contaado
1 oo'^eninW mafto'perefeVa .
Resmas de papel almaco muilo superior -
B5tBasd34>aoeloudo,5aperi(jr quali-
qdade r?*J**-.^............
Dozias de meias para bomem.....
Dazias de meias croas malte superiores .
Ama.
Precisase de urna ama forra ou escrava para
casa de poaca familia, pava comprar e cosinbar :
a tratar na ra do Rangei n. 10t 2' andar.________
Francisco Antonio ds Carvalbo, subdito por-
toguez, vai a Europa tratar de na saude._______
O abaixo assignado declara ao pnblieo e ao
com iercio em geral que nao vende nem compra
escravos, e nem tem transaeco alguma este
respeito.
Mximino da Silva Gusmo.
Precisa-se de nma ama para casa de rapaz sol-
teiro, preferindo-se escrava : na ra doQaeimado
n. 39, loja de fazendas.__________
Precisa-se de 30Jj a premio de 1 12 p.r
cento pelo tempo de oito mezes, com segnranca em
om oa doas escravos pegas: quem qoizer fazer
este negocio deixe carta na raa das Crazes a. 13,
com as lniclaes J. F. M._______________________
Precisa-se de 3O0S0O0 a premio sobre hypo-
theca em nma casa terrea em om dos arrabaldes
desta cidade : a pessoa que qoizer, qaeira deixar
o numero da casa em carta fechada nesta lypo-
graphia, com as iniciaes C. L. P. _________
Precisa se
de um rapaz qne tenba pratica de leja de fazendas
prra ir para o mato ser calxeiro, garaotindo-se fa-
zer-lbe um ordenado igual ao sea merecimento :
quem se acbar em taes circuinstancias .dirija-se a
ra do Livramento n. 4, loja, que achara' com
quem tratar. ________

AMA
Precisa-se de ama ama para lavar e engommar:
na raa do Trapiche n. 36, 2 andar, ______
Jos Joaquim Dias, cidadao porlogae*,
Portugal tratar de saa saude.
val a
35OOO
30
500
40
to
20
MO
320
20
20
320
120
500
20
100
500
1*000
60
240
......ni
K
tw
rPade-se ao-gr.tteudoro h*.^****'
negaeiante em f^mMigm^^[
do vir a' iota de seada*4o Pane Publico a. o,
a negocio do se aunase.
Grande ai mazem de tin-S
i tas medicamentos etc.
Ra do Imperador n, 22;
m. Productos chimicos e pharma-
I ceuticos os mais empregado* em
3 medicina.. ^
m Tiataa para todo ogenero de pin-
M tara e para tinturara.
jS, Productos industriaos e tintas
Cnara jQpres, como botos de flores
Vmdd*elos em gesSo para imitar
fructas e passaros com o compe-
tente desenlio.
Productos chimicos eindustriaes
para photographia, tiatnraria, pin-
trjra, pyrotecnia etc.
Montado em grande escala e sup-
pride directamente de Paris, Lon-
dres, Hambnrgo, Anvers Lisboa *
SpodAofferqcer pr9ductos de plena B
cojanca e satfsfaicr qjjalqyer en-
commenda aigrosso trifb eVreta- I
lho e por preco commbdo.___
?***
m PEITO
Attencj.
tobem feita^oosaf todos os adobos netessarios,
dando-se looci-flna*e taiheres, e mWliS:.
var du lilil as tolulsm : poiem-se dirigir
a'n.TilrXSKr,W l-*alar1or cima
da toja OaJaaikb
AtIoo wirfcn Os nnicos verdadelros xaropes de bypophosphl-
tos de soda, de cale ?.ferro do Dr. Charchlll tra-
Mm a *^*ioimm** este sabio me-
dice sobra o 6ohH|*iMW ,* fabrica da
nhamacia Svhbb, 12, ma Casliglione, Parts.
Acha-se a venda em frascos qaadrados com o no-
mo do Dr. CBurehit! no vldro. Prec/J" 4 francos em
Paris : Com Instrnccao
Gil i3raz de Sautilhana
Este inimitavel romaaotidoLeaage, trado-
zido por Bocage* wanoan.por U em bro-
tara, e 54 8wadeTaa4oc mica, roa do Creapo n. % defronto do arco
de Santo Antonio.
s



I > I lili
MMkl


tuJ
StVXmhkJtL ,arta felr^IVtiUlftta
tuguez.
r. -M<
jdfce desti4sooc|o |o mu pMtaD'to M84bi,Br.
Joio Jaclotbo -da Ueitm0WmJte, a aeqoislcao
da mais 4 novos socios, vida aos bous estarlos
daqaelle senhor, estando todos no,cato do 3* do
art. 8 dos estatutos, e tndo Jl relujado a tmpor-
. taocia das suas jolas.
n______
A proposito deste loovavel mo, que demonstra
I goanlo o Sr. Medeiros ReteB.de se interessa pe
H tes >onderac5es.
Todos os mecobros desta tio otll e humanitaria
> sociedade temos por dever, segando o S 4* do ari.
11 da le que nos rege tproraeoer a entrada de to-
cios e quaesquer donativos a bem da assoctacot.
hfcl a M?'t08 n* eslar3o em circumstaoc.as de fazer on
,,M promover donativos; mas a directora acredita qoe
Mies, teca escepco de um so, se achara do caso
ilotH-49 diligenciar a entrada de novos socios, que ve-
nham engrossar as flieiras des qoe esli cuntribuin-
fins to justos, e que ozala nanea se ve-
Oeeessidade de ser toccorrldos por esu as-
Qaando nao se consiga de 4, on 10, o a
24, ti mais, qaal ser e socio do Monte-Po que
nao possa persuadir a um oo dous amigos ou co-
Dbeeids, qae entrem para o Mente-Pio se quite-
rem ser protegidos ou amparados em maltas con-
jabelaras difficleis, qae em saa vida pqdero
darse T .
tr- eeocurso de todos os socios para este flm em
tremo desejavel, porque sem costo algam, por
todos compartflbado o eropenbo, se podem colher
grandes resoltados, qoe lero como conseqoencia
immediata o maior deseevolvimento da sociedade.
,,, Augmentados os recursos desta, e obvio queme-
Ibor poder ella preeBchet a saa bemfaseja missao,
e qolcadar-lbe maior amplitade ; a directora con-
vida, pois, todos es associados a cumprirem coa
zetaeo atea os que dispoe 4 do art. 11 dos esta-
tuto, pe|o menos a 1* parteisto promover a
entrada dos socios.
En poder do secretario, ra da Cruz n. 33,
ifcun-se impressas propostas para socios, que
abas cada um podera formular por si, e sao asslm
concebidas:
MONTK PI PORTUGUEZ.
Proponho para soeto o Sr.... por ser eidadao
portogaez em pleno gosa de seus direitos, ter
meios lcitos de subsistencia e bom procedimen-
to, requisitos exigidos no 3* do art. 8 dos es-
< ututos.
Pernambu:o.....de.....de 186
O socio O candidato
L& F" -
iSaturalidaae
EsUdo
Eroprego
Residencia. >
- Saltsfeito o invencivel Vcado iftramco, com as maneiras attenciosas com que
M acomido pelo respeitavel pinico das4a briosa provincia, a ponto de qae maitos a por-
fa desputaram a sasfaeSo de seren os prime iros a coroprarem em sen importante arma-
zem, se desvanece em declarar com toda a lealdade deque capaz, qot, est cada vez
mais animado, nao s peto Denigro acol&imento que tem recebido, como pelas forcas de
qoe.dispoe porque at boje nHo careceu ainda dos preparados de iarobeba, nem do
xarope alcoolico de veame.
O veaia Brame, declara a qaem anda nao conhece qae n3o am
desses bicbarocos intrataveis qae por ah vivem com figura humana; domesticado no
ameno paz ende a amavel Agira Branca vio a luz do astro bemfeitor, elle partidario
desse invejavel agrado e sincerjdade que com Unta gravidade se desprende do seo
bico encantador;
O Tea do lira neo como todo o homem civilizado, ama a sociedade dos
bons, gosta do centro do mundo elegante, usa do tnico de Jayrne, para previnir que lbe
ponham a calva ao sol, vai a companhjt, des Booffes Parisiena e no meio do partido de
madanae Adelle, elle tamben atira-lbe oseu lindo bouqoei.
Digne-se o benigno leitor de jur'ar as palavras sinceras do sincero Veado
Braeee, e veoha prover a sua dispensa dounemelbpr se pode eaeoatrar n'um estabe-
cimento de molhados.
A modicidade dos precos, comparados com a boa qualldade dos gneros e o
bom modo com qoe se recebe ossenheres compradores, deve cortamente convidaras
pessoas que ainda nao vieram nossa casa a azer parte dos amigos e freguezes Ido nosso
BELLISSIMO ARMZEM
MOLHAD
PHOTOGRAPHIA
VIl^EJLIiA
UVA. DO CABCGA N. 18,

Secretaba do Monte-Pio Portuguez em Pernam-
boeo, 31 de agosto de 1867.
Jos da Silva Loyo,
Presidente.
Joaqaim Gerardo de Bastos,
Secretario.
.'"V
w
, Precisase de ama eozinbeira llvre ou escra-
va : na roa de Apollo d. 20.__________________
MOFIA
Para o Eira. Sr. ministro da jsstica
ver, admirar e providenciar.
H-ije a cobira assentoa-se
no lagar da eqaldade : o jais
vende a consciencia no mercado
dos poderosos, como as mulbe-
res da Babylonla vendlam a pu-
dicicia, as pravas publicas, aos
que passavam diante da luz do
dia. (A. Hercolano.) >
No Despertador, folba da provincia da Para-
byba, o baebarel Jos Joaquim de Sa' Benevides
appareceu qnerendo provar o horroroso procedi-
mento que teve para comigo na qoalidade de juiz.
Sao lautas as mentiras desse calamniador, qae
cada vez sa envolve mais de lama. Mendax in
uno, mendax in mnibus. Perante o muito hon-
rado jqz de direito da comarca, o Dr. Victorino
do Reg Toscano de Brito, prove a legalldade da
trausacao qoe Qz com o meo devedor Antonio
Hercalano d'Almeida; tanto assim que o mesmo
juiz derrinon o monstro filbo do despeito, da pto-
teccao e do patronato.
Prove exuberantemente, e tenbo consciencia
de que o juiz de direito Toscano de Brito nao me
fez favor e sim intera jostica ; e se Benevides for-
jou o monstro processo, ( elle forjou). segundo
voz geral, foi por dever a Barboza, tio do mea de-
vedor, a qoantia de i:GO0JOGQ, e nao podendo pa-
gar-lne, prestoa-se a essa viogaBca miseravel, caa-
sando-me graves prejuizos superiores a 20:0005,
como Ibe poderei provar; sendo cote o processo
de estellionato alguns 4:000,5 i estando onze dias
na casa de deteaco para ser remettido para a Pa-
rahyba. O Dr. Benevides cobrio-se de Lama, e,
como nao pode provar o sea acto, apparece peld
ornal meotindo descaradamente, e pegndose e-
teias de aranbas.
Miseravel juiz : vem pelos jornaes de Peroam-
buco provar o que dissestes n'aqaella correspon-
dencia peto modo seguiste :
1 .* Qaaes os commerciaotes qae tiveram nego-
cios comigo, e que contam factos de pouca sinceri-
dad?.
2-* Se tea simitis cum simibus, collega Joao
Fernandos Lima, juiz municipal de Bananeiras,
me qoiz prender, e por qoe motivo.
3.* Qaaes as lettras de boas firmas que vendi
pela meUde de sea valor.
Vem tambem provar por qae te recusaste a des-
pachar favoraveimente doas peiigoos mtnbas,qaan-
do erara para provar mlnba innocencia; e assim
com me ueste de tres consasnma ou Ignorancia
oa peita on vnalidade.
Vem provar o contrario do qae dsse o c Volan-
tirio da Patria no Diario de 28 de juoho do cor-
rente, qoanto a's segnintes pbrases, que muito
folgarei, mea cbaro baebarel, de te ver escoimado
das (altas de qae te aecusam : Miseravel,
Negro, Prevaricador, Ignorante, Corrapto, Mal-
vado, Indigno jaiz caja vara nao pode ser mals
respeitada per estar coberu de lima .
Se nao vieres pelos jornaes de Pernambnco pro-
var o qoe cima peco, dire ser exacto tudo quan-
to se leo dito pelos jornaes contra o baebarel Be-
nevides; e nao retirarei esu Molina ate qae
Saa Magesude o Sr. D. Pedro II o o Exm. Sr. mi-
nistro da jnstlca veiam, e providencien de oa-
neira a ficar minha humilde pessoa desaggravada
das ol ansas e dos abasos de antoridade, praticados
pelo jaiz municipal da villa da Independencia na
provincia da Parabyba, o baebarel
JOS' JOiQl'IM DE SA BENEVIDES:
A pnsao a' noite e tumultuariamente arrestado T
O monstro processo de estellionato derribado
pelo jaiz de direito?
Os onze dias de prisao, e os prejuizos calculados
em mais de 20:0005000 7
Os doas despachos indeferldos, negandi os meios
de defesa do reo e protegendo a am falsario.
Recite, 23 de agosto de 1867.
Jos Gomes Villar.
Che clate vermicida
Di
Antonio Nunes de Castro.
Desde 1857 que sio as tabellas vermicidas ap-
pilcadas em Portugal, como o remedio proropto e
eficaz para a expulso das lombrigas, que to gra
ves padecimentos causam e que quasi semnre nao
se suppoe ellas a origem.
Este vermfugo preferivel a qualquer outro
pelo sea agradavel paladar e facU appHcacio as
criaicas qoe mais geraimente sao atacadas de se-
melbante mal
Deaasite especial
34-Roa larga do Retarle84
Botica de Bartholomeo & C.
Alaga-se ama casa terrea por feata, nos Ar-
rxbadof,eom Isaas, 4qaartos, e qaarto fra,
quintal grande e cacimba: a tratar na rna das
Para o excellentissimo mi-
nistro da justica ver.
O abaixo assignado detido na casa de de-
tengo desta cidade de Pernambuco ha tres
annos, e processado nos termos de Flores e
Baique, n5o lhe tem sido permittido res-
ponder ao jury, nico meio de sua defeza,
como lbe faculta a coastituiejo do Imperio;
tendo sido requisitado pelos juizes daquellas
comarcas por mais de seis vezes. Ghefe de
numerosa familia, e boje sobrecarregado de
prejuizos inclusive suas despezas durante o
largo esdaco de tempo que tem absorvido, a
pouca fortuna que de sen trabalho possuia;
e protesla reclamar at ser attendido.
Jo5o Manoel Fraz5o.
GAZEOL
DE
Burrin du Buisson
Liquida voltil preparada por Smllase, repro-
daziado cbimicamente os vapores qne se soltam
em volta do aparelbo parificado do gaz carbnico,
empregada com o mais seguro successo contrr
a coqueluche, a phtisica e todas as molestias ebro-
nicas dos palmos
VENDE-SB NA
Btica e drogara
DI
Bartholomen A. C.
_____34Rna larga do Rosario34______
~KL
Vende-se me I: tratar a roa do Apollo n. 4.
Sabonetes de alcatrao
O oso destes sabonetes tem apresentado os mais
benficos effeitos contra as impingens, sarnas, ti-
aba, caspa, comicbSes e todas as demais molestias
de pelle
VENDE SE NA
B tica e dragarla
DE
Uartliolemeu d Companhla.
______34Ra larga de Rosario34
""Una escrava.
Paga-se pontualmeole, pelo alague! de ama es-
crava que salba cesinbar, engommar e faser o mais
servico de casa de orna senhora estrangeira, sem
familia, aquautia de 255 mensalmente; a tratar na
roa da Senzalia Velba n. 22 segando andar.
Curso de preparatorios
O baebarel Ernesto Adolpbo de Vasconcellos
Chaves, residente na raa da Madre de Dos n. 36
(Recife) tem aberto em saa casa corsos dos se-
guales preparatorios:
Lingna latina
frauceza
Pblosophla
Recebe tambem alumnos internos em pequeo
numero e sob eondiccSes razoaveis. Pode ser pro-
carado a qoalqoer hora do dia._______________
O Sr. Jos Marques da Costa Soares,
que mora na ra do Vigario, queira vir
esta typographia, a negocio que nao ig-
nora.
Crnzep.*4,aid

tjtapaioia

teBBel Pawer JthBstoi k
Rna da SenzalaNova n. 41.'
AOIXCIA DA
Fudleie de Lew Heer.
tfahiM a vapor de 4 e 6 cava los.
Moeiias e metas moendas para engenno.
Txxaa de ferro coada a batido para a&ge-
nho,
i2S?* ?*~m dooi es*
Iicbina8 de costura.
Collegio de S. Francisco
Xavier
fara edncaco de meoinos
]f Eatabelecido na grande e
|IS toena rejada casa onde
^ estere e Ciyeinaslo, no
Ilosplelo, e dirigid
pelos padres da eompa-
nhla de lesas.
Neste collegio, recebem-se meni-
nos de 6 12 annos para serem
educados e instruidos em todas as
materias preparatorias das faculda-
des do imperio.
Haver meninos internos, meio
pensionistas e externos.
Os internos pagaro 40 mensaes,
os meio pensionistas 45(j, e os ex-
ternos 5,5.
Os pobres serao admittidos gratui-
tamente as aulas do collegio, pro-
vando o etado de pobreza com at-
testacao do parocho respectivo, ou
de outra pessoa de f.
Para adntissSo dos alumnos e
para quaesqueresclarecimeotos, tn-
ta-se com o director do mesmo es-
tanelecijiento a qaalqoer hora do
dia.
Fogo do ar
No armazem da bola amarella no oitao da se-
cretaria da polica receben:-se encommeodas de
fogo do ar para dentro e fora da provincia. __
Aloga-se a padarla do Gas da roa da Con-
cordia n. 6i : a tratar na roa Direlta n. 90,
Preclsa-se de oficial cabelleireiro e
barbeiro em casa de Gustavo : ra da Cadeia
do Recife n. 51.
mmmmm&m-Bmmmmmm
I Residencia e consultorio
Medico cirurgico
DO
Dr. Antonio Duarte
i>a praca da Boa-Vista n. 24 onde m
! pode ser procurado a qualquer hora, i
Especial Idade
Doenpas do peito, e de meninos, i
Gabinete medico cirurgico
DO
Dr. Ignacio Alcibiades Vellezo
Pode ser procurado a qaalqoer bora do da ou
da noite prestando-se aos chamados (ora da cida-
de, com toda a promptidao. Pratiea qualquer ope-
raco. Da' consultas das 6 as 9 horas da manbaa :
rna da Imperalrii n. 86. ________________
Retratos histricos
Na photographia Vil lela, a rna do Caboga n.
18, entrada pelo pateo da matriz, encontram-se os
segnintes retratqs :
Do archiduque Maximiliano, ex-imperador do
Mxico.
Da princeza Carlota, ex-imperatriz do Mxico.
De Jurez, ebefe da re volta, e qae ordenoa o
fazliameDto de Maximiliano.
Prego 500 rs._____________________________
Joaquim Jos Gron^alves
BeltrSo
RA DO TIAPICBB N. 17 i ANDAR)
Sacca por todos os paquetes sobre
do Minho em Braga, e sobre os
.; em Portugal.
aber:
Lisboa.
Porto.
Valonea.
Gol maraes.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conrt.e.
Arcos de Val de Vez.
Vianna do Castelle.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famelico.
Lamego.
Lagos.
Covllhaa.
Vassal (Valpassos.)
Mirandella.
Beja.
Barcenos.
- Preclsa-se de urna ama de leite:
da Independencia ns. 8 e 10.
CONHECIDO PELO NOME
M
0 BRANCO
tabeiecido ra Direita n. 16.
Esquina da traressa de ti. Pedro.
o Banco
gaintes loga-
^^ N.2D |5e N. 2 ft
||k\^ CORACAO DE OUKO. ^fci
A loja n. J D intitulada Coracao de Ouro na ra do Cabug, acba-se d'ora em diante offerecen
do ao respeitavel publico com especlalldade as pessoas qae bonram a moda os objeetos do ultimo gos
to (a Paris) per menos 20 por cento do que em eutra qaalqoer parte, garantindo-se a qoalidade e a so
idez d9 obras.
O respeitavel poblico avaliando o desejo que deve ter o propietario de um novo estabelecimen-
to qne quer progresso em sen negocie deve chegar inmediatamente ao coracao de ouro a comprar
aneis com perfeitos brillantes, esmeraldas, rubios e perola ; verdadeiras em agarras, modernas pek
diminuto prego de lO, brincos modernos de ouro e coral para menina pelo preco de 3, maracas de
prata com cabos de marfim e madreperola obra de moderno gosto (o qae o encontrarlo no coracao de
ouro) voltas de ouro com a competente erosiona ricamente enfeltada pelo pequeo preco de 124, brin-
cos de um trabalho perfeito por am mdico preco, cassolelas, tranealkis, pulceira?, alfinetes para re-
tratos ontros modelos todo de alto gosto, aneis proprios para butar cabello e firma, dito para casa-
mento, no rtico roseta tem o Coracao de Ouro um completo o bem variado sorUmento de diversos
gosto?, butSes para nunbos com diamante, rabias e esmeraldas, obra esta importante ja' pelo sea va-
lor ja' por gosto ds desenbo, brincos a forma da delicada moslofaa de moca com piogente contendo es-
meraldas, rubins, brilbantes, perolas, o gesto sublime, alnete para gravata do mesmo gosto, relo-
gios para senbora cravados de podras preciosas, ditos para homem, diversas obras de brilbantes de
muito gosto, crnsinbas de rubins, esmeraldas, perolas e brilbantes, aneis com letras, cazoletas de
trystal e ouro descoberu para retrato (a ingleza) brincos de franja, ditos a imperatrize toda e qual-
quer joia, para secol car retratos e obras de cabello, e ontros mutos objeetos que es pretenden tes en-
contrario no Coracao de Ouro que se conserva com toda a amabilidade aos concorrentes delxando-
se de aqu mencionar precos de cortos objeetos porque (desculpem a maneira de fallar) dizendo-se o
preco talvez aignem faca mao juizo da obra, por ser tio diminuta quantia a vista do sen valor.
Na mesma loja compra-se, troca-se ouro, prata e pedras preciosas, e tambem recebe se concer-
t?, por menos do qae em outra qualquer parte, e dao-se obras a amostra com penhor, conservando-se
e Coracao de Ouro aberto at as 8 horas da noile.
Qualquer pessoa qae se dirigir ao Coracao de Ouro nao se podera' engaar com a casa, pois
nota se na sua frente am coraco peodarado pintado de aroarello, aiem de outro qae se nota em um
rotulo (isto se adverte em conseqoencia de terem ja' algnmas pessoas engaado com outra casa.
X: 3 ARa de CabugX. 8 A
Agostinlio Jos dos Santos $ C
Acaba de ebegar a este estabelecimento um esplendido sortimento de
joias do ultimo gosto, perfeicSo artstica e modellos entecamente novos; como
seguem : aderecos com rubim, esmeraldas e perolas nas, pulceiras, broches
para retrato, anneis, bot5es de punho.-irincoe e cassolelas com letras, etc..
etc., etc. Salvas de prata do Porto, faqueiros, palitetros, calix de mesa c
frocteiras, cojos precos s5o incompetiveis, pois que os propri^tarios desta casa,
recebendo seus artigos directamente da Europa, podem servir vantajosamenta
aos seus freguezes. Compram-se brilbantes, pedras finas, ouro e prata, page
se bem, tambem se incumbem de fazer concertos.
na praca
m<^^<
Preclsa-se alugar um moleque ou am preto
qae emenda de cozlnha e mais servico de casa
na roa de Hortas n. 17, armazem. ^____
Preclsa-se de nm pequeo de 15 a 16 annos
para caixeiro, qae leona pratiea de taberna: a tra-
tar na roa da Aurora n. 84.
e com-
Ama
Precisa. de orna ama -para coxinbar
prar : na raa estreie do Rosario n. 41.
Gffiewa ae latuero e, fum-
leiro.
Roa da kNeratriz 39
Faiea-se e concerlaa-ee boobM de qaatoaer
systima, e fazem-se encanamentos para agua.
Precisa-se alogar ama escrava que saiba co-
sinhar e engommar pelo tempo de sois mezes : na
rna de S. Francisco o. 54.
Aluga-se
O segundo andar da rna do Amorim n. 48, com
cmodos para familia : a tratar no armazem de
mesmo.
0 Dr. Joio Baplista Casanova
pode ser procurado a qualquer hora em
sen consultorio homeopathico largo da
matriz de S. Antonio n. 2.
No mesmo onsultorio tem sempre grande sor-
timento de medicamentos de bomeopathia de We-
bere Catellan, tanto em glbulos como en tlolora,
assim como tem nm sortimento de ferros de ci
rurgia em agrteiras e avulsos do afamado Cbar-
rier de Pars,
Manoef JosTPatriclo vem publicar por este
jornal qoe a orna qae se armn no dia 39 de agos-
to prximo Ando, na igreja do Espirito Santo, e a
eeira qae se gastn na mesma, fol feta a despeca
por elle para o snffragio do 7a dia pe* m<>rte <*e
sea prezado irmio Jos Rogerlo Patricio ; e nao
para ama outra visita de cova qae la se fez, sem
aotorisaco do supplicante nem to poooo do ar-
mador.
i i i un
Sedulas do banco do Brasil
e suas caixas no Mara-
utao, Bahia, etc.
Trocam-se efectivamente no sobrado da travessa
da roa da Concordia n. 13.
No armazem de tibias ra do Impera-
dor n. 22, vende se.:
Salitre reoado arroba 6500
Enxofre arroba 24800
SEGURO
MARTIMOS
Atten$o.
N. 25 Roa do Livraucto N. 25
Deposito de tamancos e calcado nacional da fa-
brica da raa do Jardim n. 19, de Jos Vicente Go-
dioho, tanto no deposito eomo na fabrica seapromp-
tam todas as porcSes de calcado o mais barato
possivel, esta fabriea tem todas as machinas pro
prias para os calcados ja bem acreditados pelo
grande numero de freguezes qoe daqul se for-
neeem.
Ama de leite
Precisa-se de- a na ama qae tenba bom e abun-
dante leite, paga-se bem: a tratar na ra da Praia
"mazem n. 13.___________________________
Aluga-se
o 1* andar do sobrado da ra Velba a. 20, com
mullos commados: a tratar na raa do Corredor do
Bispo defronle dos ns. 12 e 14.
Escrava coziaheira
Preclsa-se de nma eozinbeira eseran, paga-se
bem : na roa dos Pires, sobrado n. 35. ^^^
Bom negocio para quMi
tem dinheiro &&
O abaixo rssignado, residindo ao Brasil i vinte
e cinco annoi, e possulndo em PortHgal algnmas
Siinlas, assim como nm palacio no Passo de Fal-
jante, provincia do Minho, .desejando reallsar
aqu qaalqoer negocio qae por falta de meaos tem
delxado de se apresentar como proprletario e gozar
os direltoa que lhe asis tem dos ditos beos, eonvldo
pelo presente a .uem qaizer e tiver no caso de fa
zer qaalqoer negocie tal respeito de e procurar
para tratar ot anexen Baliza, i ra do Livra-
manta n. 38,. di 10 boras da manba as 3 es
Na frac* da Iodepeideacia ^33"
eorives, cenpri-se ooro, prau e pedras
e tambem aeaz qaalqoer obaa de ib
todo e qaalqoer cooeerto.
Jos Laiz Gaaiaco, loeatorio do armazem do
largo d'Assembla n. 20, faz publico pelo presente,
principalmente as pessoas qae sempre o bonraram
coa suas fregaezlas. qoe felisnente j se acba ha-
biliudo por caru de alfandegameito, pelo governo
imperial, e mais repartirles competentes de seo
piiz, para receber em sua prenda e armazem, os
algoddes procedentes de ontras provincias; temo
a conviccao de qoe continuar a enmprir com os
deveres oososneotes as obrigaeflee da oe se acha
enearregado em cumprimento da le. Recife 2 de
seteabro de 1867.
Poa gratificaed
Desapparecea da loja da roa do Crespo n. 13,
CMborriaiM preta, de raca ingUza, ratelra,
coa ama maiba amarella em cada olho e _ps :
qnem a tiver achilo e quizar restituir a seo do-
ne dlrija-se a aesma loja na roa do Crespo n. 13,
oira/ tea reoompsede.
CONTRA FOGO.
A companhia Indemnisadora, ostabeleci-
da nesta praca, toma seguros martimos so-
bre navios e seus carregainentos, e contra
fogo em edificios, mercadorias e mobilias:
na ra do Vigario n. 4, pavimento terreo
TIIES0L1K0 N4C0NIC0
Acabam de" ebegar Encademaclo Pari-
siense, ra do"Imperador n. 71, as segnintes
publicaooes :
Le Mo.nde Maconniqde : Revista das lojas
de todos os ritos: riquissimo deposito das
maiores preciosidades maconicas, desde a
origem da ordem : centenares de discursos
dos mais distinctos oradores da Europa e da
America nos differentes templos maconicos
de urna e outra parte do mundo : 9 volu-
mes in 8..
Uma collecco de 15 Rituaes de lodos os
ritos, para as ceremonias de recepcSo, de
inauguragSo, de festas equinoxias e solsti-
cias, de Bauquetes, de pompas fnebres, etc.
Um cowudor geral completo, guia indis-
pensavel para todos os macons, tanto 'sim-
ples mam broa da ordem, como autoridades
on ifficiaes de templos.
Estas doas nlrimas pobiieacoes em gran-
des velumes in8..
Ao todo 12 volumes.
Precisase


BNGA
Qnem laven por engao da igreja. da Soleiade,
na noite de domingo 1' do crrante, um cteodo de
sol pequeo de seda cor de cafe, queisa entreear
ao saeristio da mesma igreja.
de ara criado qoe seja bom copelro e enteada de
compras, e de ama criada qae salba bem lavar,
engommar e cozinnar, prelerindo-se qoe sejam es-
trangeiros : na rna Nova p. 89, 2 andar.
ENTRADA PEU
PATEO DA MATRIZ.
O nosso estabelecimento photograplico
est sempre em dia com todos os melhcra-
mentos e progressos que na America do
Norte, ou na Europa se consegue na irte
photographica, e para alcaocarmos tal fim
nunca poupamos despezas nem sacrifidos,
de sorte que os nossos numerosos freguezes
podem ter a certeza de que sempre encon-
trarn em nosso estabelecimento tudo qoan-
to a arte e a moda offerecer de bom, no
novo e vejnp mundo aos amantes da pho-
tegraphia.
NOVIDADE PH0T0GRAPH1CA.
Acabamos de receber todo o necessario
para fazer retratos chamados carte-album.
Este genero de retratos ltimamente in-
ventado na America do Norte, rpidamente
se propagou na Inglaterra o Franca aonde
goza actualmente de todo o favor da moda.
A carte-album se faz por duzias como os
antigos cartdes de visita.
Na Inglaterra trocaram o nome de carte-
album pelo de retrato-galeria e os ingleses
usam encaixilbar estes retratos em quadros
especiaos para com elles formar galeras,
com que ornam seus gabinetes. Recebe-
mos uma/certa quantidade de taes quadros,
os qaaes cederemos por barato preco aos
nossos freguezes.
As pessoas que quizerem ver specimens
dos retratos chamados carte-album, j fei-
tos em nossa officina sao convidados a visi-
tar o nosso estabelecimento.
OARTOES DE VISITA A 9|J000 A DZIA.
Em consequencia do novo genero de re-
tratos chamados carte-album, diminuimos
o preco dos antigos cartdes de visita, os
quaes de hoje em diante ficam reduzidos
ao prece de
pela primeira duzia, sem que por causa
desta diminuido de preco, deixemos de es-
merar-nos no nosso trabalho, como sempre
foi nosso costume. Alm disto, continua-
mos a dar os cartdes de visita em cartees
de luxo, Bristol, ou porcelana, dourados ou
lithographados para o que temos uma varie-
dade de 12 modelos, a escolba de quem se
retratar.
t&" VA GOMO PREVEN?AO.
Apezar do nosso trabalho ser muito co-
nhecido nesta cidade, aonde trabalhamos a
92 annos, com tudo j oigamos de nosso de-
ver dizer hoje o seguinte:
Nos retratos fetos em nosso estabeleci-
mento emprega-se toda a cautela para of-
ferecer-se a par da belleza do trabalho, as
melhores condiees de doracao. Doma-
mos e fixamos os nossos retratos sem olhar-
mos a economas, e ltimamente para lhes
podermos dar uma lavagem mais ampia
e segura, contratamos com a companhia de
Bebiribe nma peona d'agua. Os nossos
cartees de de visita s5o verdadeiras photo-
grapbias, que nao precisao de retoques do-
pintor para lhe desfarcarem os defeitos, e
convidamos a quem quizer a passar sobre
elles uma esponja molhada em agua, ou a
deixa-los merjyilhados por espaco de horas
em agua, ou em espirito de vinho: seapre-
sentarem alteraco sero recebidos por nos
e pagos pelo duplo do que tiverem cus-
tado.
Continuamos a fazer retratos por todos os
systemas photographicos at hoje conheci-
dos em photographia. O nosso sortimento
de caixinhas, quadros, passe-par-tauts, e
joias de ouro para a collocac5o de retratos
o mais completo, variado e abundante -que
existe nesta cidade.
Monte-pio Portuguez.
*TA'directora provisoria julga conveniente publi-
car os segnintes artigos dos estatutos :
Art. 11. Sao deveres do socio :
i.' Promover a entrada de socios e quaes-
quer donativos a bem da ass&ciacao.
Art. 15. Os donativos ou servicos de certa
ordem prestados por subditos portugu?zes, sejam
on nao socios, serao galardoados da maneira se-
guate :
8 Com a quallflcaco de bemfettores da so-
ciedade aos socios que offertarem quactia nao in-
ferior a dozemos mil reis, ou algum douativo equi-
valente a essa importancia ; ou angariarem pelo
menos trlnta novos socios, em circunstancias de se-
rem admittidos, e que realisem o pagamento da
respectiva joia.
g 2.* Com a qualcac,ao de bentmeriks da so-
ciedade aos qae contriboirem com a somma de am
cont de reis, oa angariarem cem novos socios as
me?mas condigoes de paragrapho antecedente. >
Vejam-se mais os artigos 16,17, e 18 dos eslata
tos, coneerwntes a esta materia.
Em referencia a entrada de novos socios, a di-
rectora chama a atlencao dos actuaes para o ar-
tigo 9 dos estatutos : para facilitar este servico, a
mesma directora mandou imprimir propostas com
os competentes dizeres, que poderlo ser pedidos ao
secretario da sociedade, a ra da Cruz n. 23, pri-
meiro andar, ou ao empregado externo, o Sr. Joo
Fernandes da Silva Oliveira.
A directora commuoica ainda aos senbores as-
sociados e a quem mais tiver tnteresse em o saber,
que desde o principio do correte anno, ha presta-
do soccorros aos socios que os lem requisitado, e
a elle se mostraram com direito, segundo os esta-
tutos, como de tudo dar conta sa prozima reunio
da assembla geral, sendo :
Soccorros a socios desempregados.
Soccorros a soccios impossibilitados de trabalh&r
por doenca.
Soccorros a socios presos, cojo livramento con-
segu.
Soccorros a socios qoe por doenca grave preci-
savam retirar-se para Portoeal oo para onira loca
lidades.
Soccorros a viuva desvalida de um socio.
A directora provisoria pretende convocar a "as-
sembla geral dos senbores associados para o se-
gundo domingo do mez de ootobro vindonro, afim
de lbe pre.Mar conlas i* sua gerencia desde que
leve a bonra de ser eleita, devendo ter logar a
eleiQo da nova directora, conseibo fiscal e com-
missees de contas, no subsequente domingo do re-
ferido mez de ontubro, em conformldade cora os
artigos 22 e 25 dos estatutos; e dar assim por ter-
minada, asna mlsso.
Secretaria do Monte-pio Portagoez em Pernara-
buee, 20 de agosto de 1867.
Jos da Silva Loyo.
Presidente.
Joaqaim Gerardo de Bastos.
Secretarlo.
Trocam-se
as iotas do banco do Brasil edas calas filiaes-
dem descont muito raseavel, ata praca da lude,
odeuda a. 21 r .
Club PepHamiieafto
A partida do mez de setembro ter logar
na noite do dia 6.
Otfereee-se om rapa para ser criado de
goma casa : quem precisar dirija-se a raa
Gaia n. 57.
Companhia fidelidade de seguros
martimos e terrestres
estabelecida no Rio de Janeiro
AGENTES EM PERNAMBUCO
Antonia Luis e Oliveira Aievedo k C.
competentemente autorisados pela
directora da companhia de seguros
Fidelidade, tomam seguros de na-
vios, mercadorias e predios no seu
arlo rna da Cruz n. i.
al-
da








fard*********'- **& rlH # Hettifr* 1*' ft&7.
'
COMPRAS
4ff*T
i
. t .. t.;


)

POR
**-..,
AUCWSTE CVMtS
Pharmaceutico pela cola de Parii e saccess lefl cidade
..,., 0 7 t o
Anstide baisset e J. Soum
22.-Ro da Cru-
_____ ____
-22.
_
TraUmento paramente vegetal sem mercurio, iodo, flro nem oatro qaaiqoe
mineral.
Verdadeiro parificador do sangoe sem azoogue. ,
Especial para a cora de todas as molestias que tem sua origen na impureza do
sangue, como sejam as molestias boubaticas, syphiliticas, escrophulosas, darthrosas, quer
venham ellas por herditariedade, quer sejam adqueridas pelo contacto oom pessoas in-
feccionadas dos diversos virus que contamiam o sangue e os humores.
A caroba um remedio prodigioso, [usado desde remotas eras pelos indios
do Brasil, e passando sea uso de gerac5o em geracSo, hoje um dos remedios mais co-
nhecidoscomo proprio para combater as molestias mais hediondas, entrando nasse nome-
ro a morpha ou elephantiases, para cujo curativo os nossos sertancjos consideram a
caroba como remedio especifico.
A muito ttmpo entrou a caroba nos formularios como preparacao magistral
sob a forma de eleictuario, ainda hoje lembrado as pharmacopas com o nome de seo
celebre autor Joao Alves Carueiro : nSo ella portanto remedio novo nem deseonhecido.
O ungento de caroba da mesma sorte preconisado desde tempos immemo-
riaes como o mais apropriado para o curativo das boubas e ulceras syphiliticas srdidas,
e empregado com proveito depois de improficua applicaco de muitos outros agentes
therapeuticos enrgicos e de uso quotidiano.
Muitos dos nossos mdicos de consideradlo e entre elles o muito distincto pratico
e observador o Sr. Dr. Pedro d'Athayde Lobo Moscoso, tem -confirmado por meio de ex-
periencias repetidas, o que diz a fama das benficas propriedades da caroba no trata-
ment das boubas, das diversas formas sob que a syphilis se apresenta e muito especial-
mente as que teem sua sede na pelle, e poderiamos relatar alguns casos de data muito
moderna observados pelo mesmo Sr. Dr. Moscozo em que a caroba produzio admiraveis
efieitos, depois de inuteis e prolongadas applicaces de salsaparrilha, mecurio, iodo, ou-
ro e seos preparados, etc., etc.
NSo erapossivel que urna planta to notavel por suas inappreciaveis virtudes es-
capasse a perspicacia e invcstigacoes dos mais abalisados pralicos europeos, qne se ap-
plicam com especialldade ao estudo e tratamento das molestias syphiliticas e herpejieas
e para prova ahi es)5o os Srs. Drs. Gasenave, Schurfer, Ricord e outros dando as mais
lisongeiras informacoes aobre as propriedades curativas da caroba e preconisando- -t como
remedio poderossimo para o tratamento das erupcoes cutneas, seccas ou suppurativas,
dartbros de todas a qualidade, eczemas, ulceras de diverras naturezas, tumores, osseos
e outras muitas molestias de natureza syphitica ou boobatica.
Por ter-se generalisado muito o uso da essencla da careba que eu pre-
paro e pelas instancias de varios mdicos que desejam continuar em suas observares,
deliberei-me a ter prompta urna quantidade da mesma esseocia, obtida sem a accao do
ogo, para nao prejudicar as propriedades medicamentosas; e d'ora em diante encon-
trar-se-ha na minha pharmacia sempre e em porcSo suficiente para todos os pedidos a
ESSENCIA CONCENTRADA De CAROBA, e o ungento da mesma penla para que nun-
ca fallem aos Srs. mdicos quequizerem esperimentar t3o precioso agente.medicinal.
Recife de Parnambuco, 17 de outabro de 1866.
AUGSTE CaORS.
Deposito geral de todos radjd so apeos
Botica e drogara
34Ra larga do Rozario34


DE
NOSSA SENII04 DA GONCEICH
Para edueaco de sexo masculino
Director Manoel Alves Vianna
O collegio da Conceirao, mudado ltimamente para o bairro de Santo An-
tonio, ra de S. Francisco, casa n. 72, contigua estafas central dos trilbos
urbaaos dos Apipncos, contina a funccionar regularmente, recebendo alum-
nos externos e internos,* tanto para as aulas primarias, como para todos os
preparatorios necessarios matricula de qualquer faculdade, sendo os seus
respectivos professores pessoas moralisadas e de um concito magistral j
bem firmado nesta cidade.
O director deste aovo collegio contiuuando a empregar toda a solicitude no
desempenho de sen mandato, espera fazer-se mais digno da confianza eom
que o vSo honrando os senhores pais de familia, confiando-lhe bondosamente
os seos filhos.
Os estatutos do collegio, assim como o franco ingresso em todas as suas
dependencias, esto sempre a disposicSo de quera possa interessar.
amoaT
Companhia geral hespanhola de seguros sobre
a vida
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
BANQUE1R0S DA COMPANHIA DIRKCCO.GERAL
O Banco de flespanha Madrid: Una de S. Agostlnho
I n.IO
Sltuaco da companhia em 15 de julho de 1866.
Apolices 19:700 Capital Rs. 127:144(5670 ou moeda brasileira
Rs 12,714:476,5000
A Nacional abraga toaas as conbinaces do seguro de supervivencia e n'ella pode
fezer-sesubsiripg) de modo que em uenhum caso se perca o capital imposto nemos lu-
cros correspondentes.
Urna afianza depositada nos cofres do.estado, garante a boa administrac5o da com
panhia.
Os fundos da companhia se invertem em ttulos do estado e se depositan no ban-
oc de Hespanha com interveocSo do delegado do governo e do conselho administrativo.
A companhia estranhatoda a empreza ou 53spiculac5o perigosa,eos ttulos em
gue se invertem os fundos imp s na rmesraa, no-se correal menor risco, pois est3o
garantidos pele governo, podeatenacao da a tor p.eizosd
.
O Dr. Carolino Francisco de Lima San-
tos v-se obrigado a declarar por este Dia-
rio, que nSo se responsabilisa por qualquer
contracto de compra, venda, ou emptestimo
f eito por ootro em seo nome, sem procura-
do ou escjipta de sua propria letra. .__
r:_ Preeisa-se alugar urna ama de leite :
na roa do Imperador n. 44, botica.
Pedid \
Pede-se ao Sr. los Gomes Pessoa da Albaqner-
que, eonsenhor oa reodeiro do eogenbo Tabatinga,
qoe ins> o mande a' ra Nova o. 3 tratar de
nefock qcM oao ifsora, do contrario vera' sea
Borne nene Piarlo lem Interrapco.
Da-te dlnhefro a premio mdico, wbre bypo-
tbeeade inmoveis, em quantlas superiores ata
tabeiliio
cont de ris : trala-se t- cartorto do
Portoejmiro. *> "
' Ferretra t Monteiro, temi asmado coma
st* taberna, sita na roa Imperial o. 48, jaira nada
datar a pavea alfoma, porm se tgtm felpar
credor da diu sociedde, apresaste as soas icob-
Im o preso BMBte pifas.
Foi roubado de casa do abaixo assigna-
do um cbronometro inglez de ouro, coberto,
todo liso, com urna pequea mola ao lado
para o abrir, tem mostrador, ponteiros e
signaes de ouro, tem o numero 1691, de
repetioo e do fabricante French Cbeapside
London; rogo aos senhores relojoeiros e
ourives a qnem for offerecido de o apreen-
der que satisfarei qualquer despeza. Re-
cife, 28 de agesto de 1867.
Loix de Moraes Gomes Ferreira.
i i i i -
A secretaria da polica precisa comprar
as collecges de leis do imperio e ctecisJes
do governo relativas aos anno de 1839,
1850, 1881 e1852.
A pessoa que as tiver e quizer vendej
compareca na referida secretaria as horas
do seo expediente, ou entenda-ee com o res-
pectivo secretario, rna da Saudade n. 15.
O official-maior da Ia seocSo
_________Jos Xavier Faustino Ramos.
Precisa-se de am ama s para ozmbar :
na praea da Boa-vista, botica n. 6.
---------------------------->.. ..-------------
Moedas de'ouro.
Naekmaes e sjtfNngeMs asSB eofla**iibra
esterlinas: campram-se na raa primelro andar.________ ______ -
- Goprj se moedas de saro de 0*, l&t, i O
e 9 a rya da O ai o. 3.___________
Moedas de prata
aacienae^, assim como pataches portbguezes e
QespanbriS, compram-se com premio : na ra do
Crespo n. 16, primeiro andar. "*____________
Ouro enx ..moeda
Paga-se mais do que' em mitra qualqu?r
parte: na ra do Crespo n 19, loja.
Libras esterlinasc
Comprarase com bom premio : ca pra a da In
dependencia n. SI. ____________'" .
Compam-sc esprtyos
Silvino Guilherme de Barro?, compra, vende e
roca etfectivaraente escravos de ambos os sexos.
de todas as idades : a' roa do Imperador n. 79,
e-rceiro andar.____________________
Patacws "
Compram-se patacoes hepanh&s, portugueses e
brasilelros de caobo antigo, em casa de Alamson,
Henry & C, roa do Traplche-oovo n. 40.
GRANDE
Compra-s na loja de joias do corado de onro
n. 2 D, roa do Cabaga, moedas naclopees Te 20j
Ouro e prata em moeda
Compra se por maior preco do que em ontra
parte : na roa Nova n. 31, loja de /errageos.
ouro e prata
Moedas de ouro e prata naelonaes, estrangeiras
de todos os valores se compram na loja de ouri-
ves junto ao arco deNossa Senbora da Coaceico,
ra ii.t C*iiia em obras veitus, bnlhantes, diamantes e se paga
bem.
Compra-se ouro e praia em obras
na r rana da Independencia D. 2?.
velbas :
Comp
ram-se
com premio maedas de ouro e de prata naclenaes
e estrangeiras : na ra da Cadeia do Recite n. 16
armaren) de Adriano, Castro & C._____________
Compra-se sempre por mais do que em ou-
tra qualqoer parte, prata brasileira e estraogeira
(patacdes) libras esterlinas, moedas de 9 e 16J
portuguesas, de 5$, 105 e 205 brasileiras, ooras
oa ootra qualquer qualidade de ouro, e se trocam
sdalas do banco do Brasil e caixas flliaes de ou-
tras provincias: na roa da Cadeia do Recife n.
38, loja de azulejo.______________
OU1]
*ra-se
cobre, lato e chumbo : no armazem da boa ama-
reila no oitao da secretaria da polica.
Na ra do Crespo n. 15, V andar, compra-se
nm cofre de ferro que tenha bastante segoranc.
Compra-se libras esterlinas, a' roa da Cruz
n. 18,armazem de Jos Joaqulm Lima Balro.
Comara-se ama varanda de ferro emtbom
uso, para sacads, qoe tenba 21 palmos de compri-
do : na roa estreita do Rosario n. 47.______'
Comvn-se
nesta typograpbia um metbodo de solfeijos para
piano, pelo antor Carpentier.
5
Tendo de se liquidar a i ja de calcados Trance-
zes sita na roa d j Imperador n. 32, previne-se ao
respeitavel publico que a mesma liquidaco teraj
somonte logar de segonda-feira 0 docorrente mez
em diante, e para se dar urna idea da baratez,
abaixo se traoscreve os precos:
Borzegoins de Mellier verdadciros. .. 115000
Dito Suzer dito...... .- 8*000
Dito do mesmo fabricante de diversas
qoalidaes..........85000
Dito do fabricante Panion e Lavergea .. 8J000
Dito da diversas fabricantes de 35 a 75000
Sapatoes de Soter qoe se vendiam por
S5O00: a........... 35300
Borxeguins para menino de varios fabri-
cantes de 55 por ........ .. 35! 00
Botinas para meninas idera dem a .. 35500
Ditas para senhoras id-m idem Jjlly 35500
Sapatoes para meninos de diversos fa-
bricantes..........35000
Perfumaras do fabricante Lobin e Piver, sorti-
meoto variado de diversos extractos e agoa de Co-
Jania.
Camisas para bomem.
Bengalas, gravatas, cbarnteiras de mbar, pen-
tes de tartaruga de diversas qaalidades e mode-
los, moa urna inQnidade de artigos de luso e
bom gosto._________________________________
'Fedegoso de Pernambuco,
A planta, conhecida entr ns sob a de-
nominaco. de fedegoso, e no Rio de Janeiro
e provincias do sul deste imperio pela de
crista de gallo, o tiaridium utilissimum
ou tiaridium elongatum de Schum, e o he-
liotropium curassadium de Mart, pertence
familia das boragineas.
O fedegoso considerado, na therapeutica
pernambucana, como urna das plantas mais
recommeudaveis por suas virtudes curativas
e applicado Dterna e externamente, como
calmante do systema nervoso na paralysia,
astma, tosse convulsa ou coqueluche, tossses
rentes e antigs, suffocaces, catarrbos pul-
monares etc., e em geral contra todos os
soffrimentos das vas respiratorias; sendo um
excellente unitivo para aquellos que padecem
de phthisica pulmonar. Sua ellkacia contra
o ttano ou espasmo incontestavel, e nin-
guem ha, que o desconbeca. Nao ignoran-
do nos o que acabamos de dizer, e esfor-
zando-nos por ser til humanidade sofre-
dora, preparamos o que abaixo indicamos,
pondo a disposico des distinctos"mdicos e
dos doentes d'esla e das outras provincias
deste imperio nossas preparacas, que sao:
PILULAS, TINTURA, XAROPE E VJNHO
FERRUGINOSO.
nico deposito, pharmacia de J. A. Pinto
ra larga do Rosario n. l(h____________
0 arrobe vegetal,
muito superior oas xaropes de Cuisinier e
de Lorrey. De fcil digestSo, agraavel ao pa-
ladar e ao olphato, elle cura radicalmente,
sem mercurio, todas as ailecces da pelle,
impingens, alporcas, tumores, ule ras, sarna
degenerada, escrfulas e escorbuto. E' so-
bretodo poderoso as molestias rebeldes ao
mercurio e ao iodoreto de potassio.
nico deposito na pharmacia do Pinto,
ra larga do Rosario n. 10 junto ao quartel
de polica.
VENDAS
POTASSA DA RUSSIA
A 200 rs. a libra,
de mnito superior qualidade : vende-se no escri-
torio de Oliveira, Filbos & C, largo do Corpo San-
to n. 19.
Collares Koyer
Ob AnodiuGS elctricos magnticos
Deposito acreditado
Loja da agoia branca ra do Queimado n. 8
Apregoar ainda os prodigiosos effeitos dos ^^^
LUVAS
Novo sortlmento de lavas de pellica (Joavin),
ebegadas do ultimo vapor francez, ao armatem de
vapor na ra Nova n. 7.
Vende-se orna eserava com
de : trata-se na roa das Cruzes,
n. 38.
16 aonos de ida-
seguolo andar,
Na ra do padre Floriano, casa n. 67
se vende boas hostias para igreja, e obreias
para escriptorio.
de receber lindas
senbora, ricas calxinbas para eos-
Collares Royer ja nao e ensinar ou querer | turas, ditas para jous, pentes dourados para coco,
introduzir novidades, porque a fama de sua
efflcacia tem-se tanto estendido, e os seus
felizes resultados a tal altura elevado, que
hoje rara a pessoa que por experiencia
propria, ou por intermedio de seus amigos
e parentes, ignore ou desconheja as virtu-
des desses sempre apreciaveis collares
Royer.
A aguia branca porm s gloria de concor-
rer para um to justo fim, se nao por ou-
tro modo ao menos por ter sempre, e cons-
tantemente um completo sortimento desses
collares magnticos, que bem se podem cha-
marsalva vidas das enancas.
Resta ainda que os senhores pais de fa-
milia se facam convencer jde que convem
nao esperar que as mangas sejam atacadas
do mal, e por isso necessario ou conve-
niente que com antecedencia se deite na
enanca um desses collares para assim estar
ella conservada das convaleces e se contar
livre dos rigores da dentic >.
A aguia branca ra de Queimado n. 8
contina a receber por todos os vapores
francezes a quantidade que ha contratado e
por isso acha-se ella sempre provida dos ver-
daderos collares Royer eletricos magn-
ticos.____________________
Vende-t urna crloula de 23 asnos de idade,
oa conducta) do serto, cosinha soffrivel e lava
bem, bonita Agora : na ra do Pogo n 9
HISTORIA DElARLOS
Dvelas muito ricas, assim como cintos e pulseiras
da ultima moda de Pars, ntremeles e babadiobos,
bonitos i.mcadores dourados e de~jacara(ida, espe-
Ibos escossezes de diversos lamaohos e ricos cai-
vetes para senbora, voltas para peseoco, gravati
nbas, bico de seda, dito de algodo, labynntho, e
muitos < utros objeclos de apurado gosto, qoe se
torna enfadonho mencionar, tudo por precos mul-
lo commodos: a' roa da Imperatriz n. 70, na loja
da Lealdade.
Vendem-se as madeiras da casa incendiada
da. ra da Cruz : a tratar na mesma roa o. 50.
Jjreu
Vende-se brea em barrile a retalbe, muito ba-
rato : no armazem da bola amarella no oitao da
secretaria da poiicia.
Vende-se um muiatmho de idade de 12 an-
uos, liada figo, bom copeiro, habituado ao servlco
de casa, sem vicios e bem educado : roa do Hos-
picio defronte da casa em que foi o gymnaslo na
penltima casa junto ao canal; os preteodentes
podem ir vello das seis as nove boras da manba,
ou das tres as seis da tarde.
Vinbo superier em caixas de ama duzia ;
tem para vender Antonio Loix de Oliveira Azeve-
do & C, no sea escriptorio ra da Crnz n. 57.
XII
Rei da Suecia
rOR VOLTAIRE.
Vende-se esta excelletjte obra por 15200 em
brochara, na llvraria Econmica ra. do Crespo
O. 2.
Na mesma llvraria tomam-se asslgnataras para
avida de Horacio Nelsouo celebre almirante
aogki a 15 cada exemalar.
Vende-se
daas bataneas peqaenn eom! braco dt ferro, e os
ewpetentes' pesos, assim como um balcao : na
rea larga do Rosarlo n. 18, fabrica de cigarro.
Venemse vaccas paridas e solteiras, e doos
novllhos: no sitio dos arcos, ro Remedio, junto a
Igreja do mesmo ponte._________
Vende-se a taberna da rna Imperial n. 215,
eom poneos fundes, propria para principiante : a
tratar na roa Dtreita dos Afogados n. 82.
Veadem-se Ivroi elatlm, francez e gao-
grapbia : na ra Imperial n. 36.____________
Cal de- -ii boa
No armazem do caes da albudeca i. 5 e no tra-
piche da companhia, ha para vendar superior tal
nova, marca TH, chegada ha dias na' baa porta-
goexa Uratidao, a preco dj IQj^o buiii, ~ :
Vende se por 500J lma.'preta >BilU|d
meta Idade, coiinh, lava e eogomma e mnito boa
Jnitandefra:'tratar p roa do Broa o. 89, fuo-
icio.
- __Vendem-se sementes
parreira e farlnba de milbo
D. 7, qaadro do balao.
e hortalizas, ps de
na roa da Florentina
PILULAS
Xaropee vlaho ferruginoso de
jurabeba eom pyropbosphato
de ferro.
Cblorose, aoemia, escrfulas, rachitismo, blennor-
rhagia, leucorrba. febres intermitentes e ame-
norrba (menstraacao doiorosa a lrregalar)
etc., etc.
Ha moito qae tiohamos em vista assoclar o ferro
as nossas preparagSes de jurabeba ; mas levamos
lempo a experimentar qoal a preparacao ferrugi-
nosa, qae mais convida ao organismo humano,
vindo por .fim a decidirnos pelo pvrcpbospbato
de ferr, com o qoal podemos prepara r os nossos
xarope a vinbo de jurubeba ferruginosos.
Temos a observar, porm, qae o aso dos medi-
camentos de jurabeba com o pyropbqspbato de
ferro nnnea pode occastonar a pbtysica as pes-
soas anda as mais delicadas, como mollas vezes
tem acontecido at a pessoas robustas, qoe se bao
servido do mesmo mdicamente preparado com
outras snbstaoeias ferruginosas, por isso qae o
pnesphoro debati da forma de pyrophosphato,
um meio*prephylatko reconbecido infallivel con-
tra esta terrivel affeccao.
As preparaedes de jnrubeba, a qae havemos as-
sociado o pyrophosphato de ferro, sae mol prove-
tosas no tratamento das moleatias das senhoras,
taes cerno a cblorose, anemia etc.
Estas molestias maoifestam-se com oa tympto-
mas segnintes :Descorameoto geral da pelle e
das membranas mocosas, magreza, incbacSo dis
faces e das pernas ; excitaco nervosa, histeris-
mo, melancola, debllidade muscular, dares ne-
vralgicas, pulso mal treqoente do qae no estado
de sade, calor febril, pelle secca, appatites de-
pravados, vmitos, prisio de veotre, menstraacio
doloresa, lrregalar, poace afboodaote, deicorada,
nolla, flores brancas, amenorrnagia e inecandi-
dade.
Dsie estada espanteso, alias to erdinariam ote
reconhecido entre nos em crescldo namero d se-
nhoras, desapparece s com o prudente oso das
IpepajejcSes cima.
i nico deposito destes medicamentos:
pharmacia de J. A. Pinto, ra larga do Ro-
ario n. 10, em Pernambuco.
Loja do Gallo Vrgihat^
DE
Goimaresl Freifas *
RA DO CRESPO f. 7.
Os proprietaries deste bem cnbecido es-
tabelecimento tendo em vistas a boa vontade
com que toda generosa populacho desta bel-
le cidade coocorre com a sua coadjuvaejio
para o basar de prendas que costumam es-
tabelecer no dia da commemoracjq, do ani-
versario do Hospital Portuguez de Benefi-
cencia, cojo producto applicado a bm
daquelles que baldos de recursos e no leito
da dor ali procurara melborar seus soffri-
mentos e aproximndose o dia dessa gran-
diosa festa por isso apressam-se em avisar
ao respeitavel publico do que ba de mais
moderno em seu estabelecimento, alm'dos
quaes tem variedade de outros, que a serem
para um fim tito justo os venderm por pre-
cos mui rasoaveis. *knm cT
Riquissimas caixas com msica contendo
o necessario para costura, proprias para um
delicado presente.
Riquissimos livrinhos com capas, de tar-
taruga para missa.
Riquissimo lbum com capa de tartaruga.
Porta joias, dedaes e relogios e neste gos-
to urna inQnidade de objectos.
Vasos, calungas e palliteiros de porcelana.
Bonecas que chamam papai e mamli.
Fiissimos lencos de cambraias de Iinho
com disticos.
Caixinhas com perfumaras.
Bengalas de canna com lindos castoes de
marfim.
Riquissimos enfeites com coques e sem
elle ioteiramente novidade e ultima moda.
Lindissimos cintos para senhoras.
Fivellas lindas de moito gosto.
Lindos port-bouquetcom cabo de madre-
perola proprios para casamentes e bailes.
Riquissimos leques de madrperola.
Lindos leques de sndalos para senhora.
Ditos de sndalos para meninas.
Ditos de sndalo tendo no centro um qua-
dro de seda, ultima moda.
Leques de faias muito lindos.
Ditos de ossos.
Lindos pentes de tartaruga, massa e outras
muitas qualidades.
Lnvas de joavin. inteiramente novas, bran-
cas, pretas e de cores.
Ditas de seda.
Meias de seda e algodao.
Lindas trancas pretas e de cores nm ve-
drilho e sem elle, assim como lindissimas
guarnicoes para enfeitar basquines e Lotoes
para os mesmos. ___
Lindos indispensaveis para meninas das
escolas.
Bengallinbas para meninos.
Suspensorios para meninos.
Lindas touquinhas e sapatinhos ricamen-
te enleitados proprios para baptisados.
Meias de seda para o mesmo fim.
Muito boas escovas para dentes, cbapos-
roupa, cabellos, unhas e para limpar pentes.
Superior lionas para crochet.
Agu has para o mesmo fim.
Lindos agulheiros e dedaes de madrpe-
rola e marfim, assim como de metal.
Lindas guarnicoes de botoes, para coletes,
puncos e colerinhos.
Ricas capellas para noivas.
Meias de seda para senhoras.
Superiores thesouras para unhas, costura
e cortar cabello, etc., etc.
Suspensorios de seda para homem.
Ditos de algodSo para homem e meninos
Finos aderecos pretos para luto.
Grande sortimento ae finas perfumaras
dos melhores fabricantes at hoje conhe-
cidos.
Grande sortimento de fitas de todas as
qualidades.
E muitos outros objectos que impossivel
seria meuciona-los e que se encontrarse na
loja do Vigilante, ra do Crespo n. 7.
GRANDE BAZAR
RA NOVA N. 10 E 22
Machinas para descaro$ar algodo, do me
Ihor autor que tem apparecido na America-
E' tal a execucao do machinisma, que o al-
godSo sahe quasi to perfeito como o de bu-
landeira. Recomraenda-se a attenco dos
Srs. agricultores, estas machinas.
"Gomma de mandioca,
Desembarcada hontem, nova e de superior qua-
lidade, vende-se por preco commodo; na roa Vita-
rle n. 27 primeiro ander.
Vende-se
No trapiche Barao do Livrameoio*, to Porte do Ha-
tos n. 15, eontinui-se a vender saeeas com farlnba
de mandioca aos precoj de 34500 a 5(000, sendo
a desta altkno preco farlnba mnito especial, a ella
antea qne ae acate.
Cera le caraaiaa,
e velas de carnauba, no armatem' do Annes, de-
ooate de alfindega. No mesmo se vende om bra-
Aro armazem de fazendas de
SantusCoelho,rua do Quei-
rnado n 19.
B0m e barato
Cambraa de cores masadas finissimas a
\ 800.a vara.
dem brancas transparentes finas de 45,
55000,6.J, 7,J, 84 e 90000 a peca com 10
jardas.
dem branca tapada de 8a e 9 a peca
com 12 jardas.
dem branca franceza muito larga a 90 a
peca com 8 varas.
Baloea de 35 e 40 arcos nesgados para
senhoras, a 40500.
dem de 35 e 40 arcos com ferrngem a
20500.
dem de mursulina nesgados a 50.
dem de crochet a 50.
dem de mursulina para meninas a 30 e
30500.
Saias bordadas a 50.
Cambraias admascadas para cortinado a
120 a peca com 20 varas.
dem para forro a 30 a pe?a com 10 jar-
das..
Cambraa de linho mnito fina de 60 e 90 a
vara.
Madanoles finos de 60, 70, 80, 90,100,
110 e 120 a peca. ,
Platilha de algodao superior fazenda para
saias a 30200 a peca com 10 varas.
Cobertas de chitas de ramagem a 20600.
Lences de bamburgo fino a 20400.
dem de bramante muito fino a 30200.
Pannos adamascados para cobrir mesa a
40500.
Gurdanapos de linho adamascados a...
30500 a duzia.
Atualhado adamascado cora 7 1/2 palmos
d largura a 20 a vara.
dem adamascado de iinho com 7 1/2 pal-
mos de largura a 20 a vara.
AlgodSo enfestado com a mesma largura
a 10100 a vara.
dem trancado de algodSo a 10600 a vara.
Toalbas alcochoadas de linho lisas a 110
a duzia.
dem de algodSo felpudas a 130 e 140
a duzia.
Colchas de fusto a 60000.
Retopdes de fil preto a 60.
Chales de fil a 50.
Lencos, de cambraa brancos finos a 10800,
20 e 2PO a duzia.
, Lencos de cassa fiissimos a 30200 e^
3060a a'duzia. >
I F de. linho liso a 800 a vara.
dem com salpicos a 10000 a vara.
Grqsdenaples preto bom a 10800 e 20
o covado.
Morantique preto superior a 20800 o co-
vado.
Flanella de todas as cores a 800 rs. o co-
vado.
Tarlatana de todas as cores a 800 rs, a
vara.
Rramante de linho com 10 palmos de lar-
gura a 20500 a vara.
dem de linho com 5 palmos a 10200 a
vara.
dem de linho com 3 1/2 palmos a 800 s
vara.
Riquissimos basquins a 250000.
Assim como outras muitas fazendas que
se vende por menos que em outra qualquer
parte, e d-se amostras de todo,
Cintos pretos
e de futras cores, com fraujas de vi-
dril nos brancos e pretos.
A aguia branca, na ra do Queimado n. 8, rece-
beu d'esses modernos cintos deponas, com fran-
jas de vidrilbos braneos e pretos ; comparecam,
peis, os pretendentes, qae senario sortlmento a
contento.______________________________
AGUA FLORIDA
3D3E3
Piano.
Vende-sa om bom plano forte de tres coris: a
r.tar na rna da lapwfatrtx n. 60, loja.
- II .M
Ciaealt
Vende-se dmeato Portlaad: ne armrem de
Vicente ftrrelra da Cesta & FUfe, roa da Madre
de Dos n. M,________
_ Na roa do Rangel n. 33 vende-se nm esere-
vo de 17 annos, proprie para eriado en boleeiro
prn, de boa estator.
MURRAY & LANMAK
A agua floiTfa de Murray & Lanman
olhada como um artigo de perfume, nao
tem podido ser igualaba pelas preparacoes
as mais custosas: conserva sen aroma, co-
mo se formasse parte da pre?da a qoe ea
se ap plica.
Sua efflcacia tao delicada, como elegan-
tes sao seus multiplicados usos, qur seja
empregada como artigo de toucador, qur
no uso do banho, ou como suavisador da
pelle, depois que se tenha feito a barba;
| para limpar as gengivas on aromatisar o
hlito.
D suavidade, brilho e elasticidade as
compleices, depois de se haver lavado; al-
tivia a irritacSo de erupcoes ordinarias; faa
desapparecer o desagradavel aspecto dos
pannos, das sardas, do rosto, rugas e toda a
casta de ebulicoes, e d vigor e frescura
parte onde quer que se applique. Sua efi-
ciencia e elegancia sSo igualmente infalli-
veis nos casos em que seja preciso applica-
la como estimulante e antisptico, nos con-
cursos e assemblas numerosas, as loca-
lidades infeccionadas, na alcova de um en-
fermo, assim como om antidoto excellen-
te para os desmaios causados por cansaeo
oc suffocac5o. Preparada nicamente por
Lanman Kemp, Nova York, e a venda por
Caors"* Barbosa.
Jo5o da C. Bravo & ~o
k' venda as drogaras de A. Caors, Bra-
vo de C. e P. Maurer S C e em todos o?
estabelecimentospharmacecticos do imperto
ChaeJte de Oesbrlere
purgativo de magnesia.
E* o chocolate de desbriere e melbor porgante
at agora cnbecido e e grande aceitaco em Pa-
rs, ende teas sido mallo applicado no hospital
Hotel Dieo peles professores Troossean e Pidoax
com e melbor resoltado.
Por soa seco laxante porga sem fatigar o esto-
mago e os intestinos, e apresenta ptimos resolta-
dos oosbo dortvaUvo, abrovente, anstvernoso, re-
frascante a da#avavo.
fteffjsite Mpeeiai
34Roe larca 4o Resario-34
Botica de Bartbolomea & C.
Vei4e-se wu casa m povoaeao do Barro?
eom mnitos commodos, do lade do rio, proprio
para passar a festa : a tratar na travessa do Ca-
rioca o. 5 (caes do Ramos).




i-.
I <. III1BII
..... .....II lili I I
lUrit 4c Prntrnum^m *- ^yr^i felfa A de ftetemfero 4c 1867.
RA DAS CINCO PONTAS K. 86
AO GRANDE ABJBAZEM
DAS
,V
Sempre barato

tar
a 4
de
togleza flor a 1*, a libra e a 5 rsVMftivslc fropria pifa tempero a 32o rs
dem fraoceza a 58o rs. a libra.
Cha
De primeira qualidade a 2,J8oo e proprio para negocio iWoo a libra.
Inglezes pearf, nic-nac, ova!, cracnel, e outros superiores a 101 oo a lata.
A 21o r* a Ota* "
Comea
De milho branco a 4oo res a libra, de ararota verdadeira propri* para alimen-
criancas a 5oo reis a libra ecainhas eoni4libras por menos, gomo do Marauhao
6o rs. e tapioca sag a 24o a libra.
Chocolate
Superior a 10, a libra. |
De goiaba em latas a I05oo em caixa de 4 libras, muito fino a UMi^Mi caixoes
2 libras a 5oo e 32o.
Pelxe
Em latas a ljjooo reis a libra, sortido em qualidades.
Ostras
America a 8oo rs. a lata.
Baldes e vassouras
Americanas a 8oo reis cada peca.
Toaelcho
De Lisboa a 320 reis a libra.
Tenates
Em latas a 6oo rs.
Sal




eG
ni
Refinado em lindos postes por 5oo rs.
Rlrsha de Wasier
A 20ooo a garata.
Vermonth e Abssntho
A 10ooo a farrafa.
Bltter
A I0ooo agarrafa.
De bordeaos soperior, Saint Estepbe, Saint Jalien, Saint Emilie a 70ooo a duzia
5o rs. a garrafa.
Vinho
Do Porto fino a 140ooo a duzia e 105oo a garrafa e magnifico tamhem em bar-
r Boo a arrafa.
inqiie do Porto
Adamado e outras marcas a 9oo rs.agarrafa e io| a duzia.
Vinho da Flgnelra
O que ha de melhor a 40, a caada de Lisboa a 30 e 40 a garrata.
Vinagre
- De Lisboa a 2oo e 28o rs. a garrafa.
Farello de Lisboa
Saceos com 9o libras a 405oo.
Cerveja
Franceza em gigos de urna duzia a 60.
lngleza
Bass verdadeira a......T. e Victoria e Alssop a 5o* reisa garrafa
INJECTION BRO
. Hjjlrale lo
a* immn b tea."
^T^^-rK/
Hl
iea+M
>aam
i
MIIIIIHIIIPg

PREPARACES FERREAS-HAHGAIICAS
iPPROVXDIS PELA ACADEMIA BE MBDlCIRi
DE BURIN DU BUISSON
sarauMuli, Iikhi pa kaim de tVlkiu i Pirii

O eminente professor TaeossBAU, na nhimt edicto de sea Tratado de Tkera-
peuta Materia medica, recenheee que o ferruginosos simples ato muilas
vetes inefficazes para curar as molestias que leem por causa o empobrec memo
do saague. Muitos mdicos dos mais distinctos attribuem esse ra o xito a ausencia,
n'essas preparaooM, do mttntanese, que se acba no sangtie, como o tem reconhocido
es cbimicos os mais peritos, sempre intimamente unido cora o ferro. '
E' pois, prestar-se um verdadeiro servlco aos S* Mdicos, o chamar-se sua alten cSu
sobre as preparares seguintes.
Io PflS fpPfP^ mflnffflnipnc iinio iramediatamente mna agna, acidalada,
T KiTW UiailgaUlCOS gaZ0M, agrtdmi, substituido com vaatagem
t eeenemia u aguas mineraea ferruginosas.
2 Pillas c Xarope de ienreto de ferro e de manganese isalteraveis
eontendo eada ama eince centigramos de iodureto de ferro manganico indicadas
particularmente as molestias lympnaticas, escrofulosas, e Das chamadas az
rosas e tuberculosas.
t Mw de laetato de ferro e de rnese %SFSSSS
i Piles de carbonato frreo manpsico lTT3Sre
Jternar estas duas preparaooea di os memores resultados.
O lurin da Buisson destjaado obter a adhesio completa do publico medies a
carea 4 valor de soas preparaooes, previne qie elle u pie rratoiUmeiite a saa
dispoueXa, dirigendo-se ; _,
fc !* ferntwJmca, a sea agente feral, Murar >, pharmaceaticc*, r*a Nova.
un
9 n
Ao re&peitavel publico pernambncaiio pede-se
Attenfo
lanteiga ingle
320, 500, 800 e 10 s no armazem se acba vista.
Manteiga franceza
em liDras 560 e 640, em barris se far differenca.
Banha de porco
em libras 320 e 380, em portfo se far differenca.
Fructas
em calda Pera, Pecego, Rainha Claudia, Alperxe e outras muitas 500 e 640 a lata.
.~ ErrHhaa
Portuguezas 640, francezas 900.
Fumo
em latas do.Para e de albaneqae, lata 1,5 e 10200.
,M emtllio
em pacotes, dita da trra 100 & 200 a libra.
VlMhO
de Bordeaox em cana a duzia 5|, garrafa 500, dito de 8* a duzia, 800 a garrafa, dito a
140 a duzia, 02OO a garrafa dito do Porto a M, 420,180, 240, cixas de duzia, assim
como flgoeira caada 30500 40, poro hkvi Lafco 20800,-30 e 30500 a qualidade
convida.
Jai
em lata de5 gafes maispequeas a voatade do comprador, em garrafa.
Alpiste
140 e 16 O a libra,'painco a 100 a libra.
AzelCe
em garrafas a 800 10.
CHARUTOS
em caixa de 50 por 10, ditos Dolidas, Trovadores Parisienses em caixas de 100, ditos
da ExposicSo caixa 50, ditos de Regala caixas com 100 a 20500 e outras muitas marcas
que s na presnca dos compradores.
PREZUNTOS
delamego em barril, ditos de fiambre o melbor que ba no mercado por preco que faz
admirar 1!
DOCE DE GOIABA
caixes de 560 fino, ditos de 10500 que parece marmellada, dito em latas omito fina
qualidade a 10200.
BOCETAS
com doce secco a 10 e 20.
QEOS
do Alentejoem latas cnegadopelo vapor Oneida, ditosFlamengosePratos dos mais novos
que ha no mercado.
AZEITONAS ^__
de elvas como no mercado nao temos a 10 a lata, em barris do Porto a 10* como n5o ha
melhor.
NMBhGI.1

ruin
.

1


ARAR

Em liquidadlo.
O proprietario destesdousestabelecimen-l Ratina faifa nnrnnl
tos tendo muita fazenda em ser e desejaodo! J^T** I6|ia S^.
liquidar para vender mais barato que pos- n J ende-se calcas de casimira a 50, 60 e
sivel na ra da Imperatriz lojas e armazens H'F??8 5Mfi mei* cm* i??22
da Arara, ns. 56 e 72 Ie 3& ditas de brim Pardo a i^600' 2"5400
*in^ orim,*,,w ***. nr.,-* a u 'e 20500; ditas brancas de Iinho a 30500,
Alpacas admascadas para vestidos de senho- 4(5 e u.' pa|Uols de casimira preta e Je co.
ras 5uu e iti) rs. res a 5jj!) 6lj 8# e 10(,. palitots de mea
Yende-se alpacas do assento branco com casimira a 30, 30500 e 40: palitots de al-
listas e flores lisa e admascadas proprias paca de cores e branca a 30500 e 40: palitots
para vestidos de feenhoras a 500, 720 e 800
rs. o covado ra da Imperatriz lojas da Ara-
ra, ns. 56 e 72.
Ditos 160 o covado.
Vende-se ditos em retalhos a 160 rs. o
covado, ditos em pega a 200 rs. o covado
DE
Joaquim de Almeida Unto
Ajurubeba contra o ingorgi
tamento d fgao c do ba$9.
Em extracto aleoolleo, emplas-
tro, oleo, tintara, plalas,
xarope e vlnho
A jorubeba orna das substancias medi-
camentosas que pertencem ao reino vege-
tal, e pertence a classe dos tnicos e desobs-
trueotes, sendo empregada com vantagem
contra as febres intermitentes acompanhadas
de eogo'gitamento de figado e de bago. Ella
tem sido applicada com incontestavel pro-
veito contra a anemia ou chlorose, e hydro-
phesia, catharro da bexiga, e mesmo para
combater a mensiruago difficil, resultante
da mesma anemia ou chlorose;
Depssilos |erae
Em Pernambuco, ra larga do Rosario
d. 10, -Rio de Janeiro, pharmacia do Sr.
Durado, Rio Grande do Sol, em casa dos
Srs, Casco & C, Macei, pharmacia do Sr.
Glaudino, no Havre, pharmacia de Mr. Ma>
rical, em Lisboa, na pharmacia do Sr. Feij.
Sedas largas
A U o covado
S ua loja d j pavo.
Veodem-se maderoissimas sedas cam largura
de coita franceza, sendo com paflrSas modernos,
tendo entre ellas Cores proprias para qaem esta de
lato : vende-se pelo barato prego de 5> o covado :
grande pechincba : na loja e armazem do Pavao,
ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Cortes braneos
ASOOrs.
Vende-se bonitos cortas de cambraia branca com
bonitas barras bordadas e tendo tambera algnos
com bonitas barras de cores; vndese pelo bara-
to preco de S, na loja e armazem do Pavo, roa
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Alpaeas de cores"
A 500 rs.
Chegaram as mais bonitas alpacas da cores para
vestidos com desenhos miados e graados, tendo
largara de cbita franceza, e vende-se i pelo barato
prego de 500 rs. cada eovado ; grande pecbio-
cba : na toja e armazem do Pavo, roa da Impe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
Bramante a 2$.
Vende-se superior bramante de llobo alvo com
10 palmos de largara, pelo barato preco de 1} a
vara : na loja e armazem do Pavo, ra da Impe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
lgolo avadado
Vende se pecas de algodo largo maito encorpa-
do, pela barato prego de 550O a pega : na loja e
Francisco Jos Germann
(RA NOVA N. SI,
acaba de receber nm lindo e magnifico sor
timento de ocnlos, lnnetos, binculos, do nl-
timo e mais apurado gosto da Europa o occ
los fle aleante para observacCes e,para o
ntataaOT.
Fundado dAurora-em
% Santo Amaro
Completo sortlmento de taius batidas e (andi-
das, alambtqoes todos os tamanhos e fondos de
ditos, raoendis de todos os tamanhos de superior
qualidade, crivos e boceas de foroalha. o qae tale
se vende por commodo prego.__________________
Lavas de pellica,
A' loja da Aurora na roa larga do Rosario n. 38,
perteneeote a' Manoel Jos Lopes & Irmo, rece-
beram pelo vapor inglez as seguintes lavas de
pellica branca, para borneas e seaboras, ditas de
cores para bomensv as mais frescas que tem che-
gado a este mercado, pentes de crystal de differen-
tes modelos para coco, cintos maito modernos para
senbora, ftref d differen tes qaalidades para cin-
tos, chicote de estrato alto finos; assim cono
muitas mais hiendas que so a vista dsUas se pode
apreciar.
Aos agricultores
Saanders Brothers dt C. aesbam de-.receber de
LArpool vapores de forga de 3 a 4 civallos com
todos os pertettees e mu proprios pira fazer mo-
ver machinas de dMcaroear algodio, podendo ca-
da vapor tratalbar at com 140 serras, tambem
servem para enfardar algodo on para oatro qaal-
qaer servigo em qae osam trabaibar com animaes.
Oz mesmos tambem tem a venda maehidas ame-
ricanas de 38 40 serras : os pretenderes diri-
am-se ao largo do Corno Santo n. 11.
Vapores. *
Vende-se em casa de Saanders Brothers & C
o largo do Corpo Santo n. 11, vapores patentes
om todos os pertences proprias para fazer mover
es ouquatro machinas par a-scarogar algodio
de brim decores a 2500, 3)5 e -5: serou-
de algodaosinho de Iinho a i 600, 2$,....
2#5U0 : roa da Imperatriz lojas da Arara
ns. 56 e 72.
Organdis de cores a 640 rs. a vara.
Vende-se cassa organdis de cores a 640
armazem do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
Retalhos
Vende-se ama porgo de retalhos de chitas e ca-
gas pretas, por prego barato, na loja e armazem do
Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama > Silva.
Sedas a 320 rs. o covado
Vende-se um bonito sortiment de sedas de listas
que sempre se veoderam par maito mais dinbeiro
THIDAlHtMB-R
4* ircHKT, Dort'iir-VMerln
Ru do Saino. 5t; A 'PX'.ilS.
Rni rada ga:r..;'.i, vai, ,n!r i rr-h, ., ,.;...., ,
que lri o nu-ii (turf, un minio i.,.;,r.. ,., .,.
tilo como sello Imim, su CnvriNo '<
.V Tt. rili.i-
. I'-mi -.!. a l !r
r :*, >*! '. ...,.. ....
(<: *, ir -: -i
a rtn ,,^s ., ^>.
!*-'I-tiin,..r
ns'. rf-m -,,'... r .i..
plor i ..
UO CJ1U o ,-EI.I.
r f i
DOCTEUR-MJtOlfisC,
.ET PHARAWCiEAl
iKiiimii
Vende-se na pharmacia de P. Maurer 4C, ra Nova.
I'
retalhos de caca preta a 120 o covado: re- e 720a vara: talataoa de cores a 800 rs. a
talhos de caca de cores a 200, 240, rs. o co- vara: ra da Imperatriz lojas da Arara ns.'e "qoidam-se pelo^baratissimo prego 4a 320 rs. o
vado: retalhos de lasiohas a 160, 200 240 56 e 72.
rs. o covado: roa da Imperatriz lojas da Madapolo a 4,5000 a peca.
Arara ns. 56 e 72. Vende-se pecas de madapolo com 20 va-
Brim pardo transado a 560 rs. a vara. ras a 45, 5$, 6)5!, 7$, 80 e 10^: ra da
Vende-se brim pardo com peqneno toque Imperatriz loja da Arara ns. 56 e 72.
de mofo a 560, 640 rs. o covado: ra da! Casimira emfestada a 1$ o covado.
Imperatriz lojas ns. 56 e 72. Vende-se casimira enfeslada de duas lar-
Lazinbas a 200 o covado. S* l*i ^00 e 3{ ocovado panno fi-
,- .j j no preto a 1)51600, 25, 2^500, 3! e 45: ra
J&S?SmftV^Sa? S: da ImPeratriz ,0J'as daArara 56 e 72. >
nhora a 200, 240 280, 320, 340 e 400 rs. AlgodSosinho a H o 45a peca.
o covado: na ra da Imperalru lojas da Ara-, Vencle.se algorjgosinno a yg % ^
Chitas francezas largas a 240 rs. o covado.' {f^r! \f7^ da Imperatrz lojas
Vende-se chitas francezas largas a 240, Bramante a;9JKfM a vara
280 320 e 400 rs. o covado: ra da Im- YmSSSZS^wSL de lar-
peratriz lojas da Arara n. 56 e 72. gura moo e 2jB00 J ^'Jj;
Mosambique a 400 rs. o covado. peratriz lojas da Arara ns. 56 e 72.
Vende-se mosambique com palmas de se- Algodao enfestado a 15 a vara,
das para vestidos de senhoras, a 400 rs. o Vende-se algodao enfestado de duas lar-
covado: evareja de listas para vestidos de guras a 15 a vara dito transado 15280 a va-
senhoras, a 280,320 rs. o covado. j ra: ra da Imperatriz lojas da Arara ns. 56
Sedas escosseza com quadros para vestidos j e 72.
de senhoras, a 280 320 rs. o covado: raaj Cassa franceza a 240 rs. o covado.
da Imperatriz lojas da Arara ns, 56 e 72.
Arara vende as saias 35500.
Vende-se cassas de cores para vestidos a
240, 280 e 320 o covado, vendes-se cortes
Imperatriz-lojas da Arara ns. 56 e 72.
As sedas da Arara 15.
Variado sortimanto de modernos chapeos e chapellnas de seda, de l e de palha de Italia,
para ^ntnra e menina.
Superiores tiras, bordadiobose entre-melos bordados em cambraia tapada e transparente.
lja loja das columnas a na do Crespo n. 13
DE
Antonio Correia de asconoellos & $>mpanliia.
n> i. '
SOVO DEPOSITO
'(!>
1 n
i - J '
i -
Vende-se saias bordadas para senhora a de cambraia de cores e com barras a 25500,
35500,45, 65 e75,saia balo ou crinolinas35 e 3o.00: s nas loJas da Arara, ruada
de arcos a 25, 25500 35 o 35500: roa da 'mperatriz ns. 56 e 72.
Cortes do laa de 14 co vados a 35.
Vende-se cortes decapara vestidos de
seohora com 14 covados o 35, 35500, 45,
Vende-se sedas de qnadrinhos e com lis-' 45500 e 55, vndese cortes de caigas para
tas a 14, 15200, 1^600, 15800 e 25, o co- homem a 800, 15, 15200 e 15600. colari-
vado: pupclinas de seda com palmas saltos nhos de Iinho para homem 400 e 5C0, ditos
para senhora a 156C0e 15800, grosdenaples de papel a 500 rs.a duzia, golinhas' para
de cftres a 15800 e 25, dito preto a 15600, | senhora a 200 e 320 rs. por estes presos nas
15800 e 25: ra da Imperatriz lojas da Ara- lojas e armazens da Arara, ra da Impera-
ra ns. 56 e 72. Itriz ns. 56 e72.
, !'!
__^_



FBa i>ESCABOCAR algodio
Manoel Bento de Oliveira Braga.
83Rm DIrcIta .53
Neste estabriecitaento se tacontrarSo a
verdadeiras machinas americanas elfegadas nHima^
mente, asquaes sao feitas pelo mais afamado fa-
.oncant da America, porisso-tiisa todas as pes-
sos qne precisaren! comprar, de se dirigir a este
estafeelficimento que comprataiL-das mais perfeitas
neste genero, a
outra qualquer
cen""
hhos r.
ragens e mjudezas*
^aca^dftj"
radxf,-nmas%_
nw irwfliQQ uu osuuiiQTa.
como mais barato do que em
por issp que se recebo por
_mbo e moi-
tmento de fer-
e a retalho.
>J?^.balanooa^
unaahos proprias
,-4 9 ,
TRATAMENTOdod-CHABLE,, PARS
TES. f^5* *** -*.*.
Nlo ettoa ca-
rado, temei Cn-
beba, Copabiba
anb Mu u
formas em opia-
ceoMto, uive
e uto estou curado? Lsei e abusci de am (rande DUJnere *> miKCAon??irt2J&
em 4 diai, t eatou inda raais doentes. ^* "" "-^v""-, Hrw*
UA MAIS UO AMOS
ie euro difalmente sin recahidas, Commmtos, elaxacao 4o canal Catmrrha it Imi'Ji.
eriai itmmaet, curaiid* primeir a ca'jsa vimlenU iiiOammatoria d'essaj doeacas sexuaes.
com ajjtims idro* do mau okpbatIvo do siNctm, para parar essas afecceei, aeecar o
canal i % tornar a dar sua repdez dju para acabar meu exccllente xajopb o r.iraATo vs
didu
curar
Z^ZSSVFffiSi-i %2 aMSbkZSr os liaos .rama. ,u
^0,000 DOENTES CURADOS
Vrdadelro tatameat depuratiTo do saogue. M ktrptt prvrwei, nu, cliaoa* affcctiavmari, tamnes, e todas udMDCM ci attwio a ten
do unpie t*o corada em pouco tempo por aeu x*op arom&Tiv* unava mtmi
J^J. M. d. W.M.. A loto. ^ u d, .W.J^X Ti Sdk.-
Voado-se na ra Nova n; 8, pharmacia francoza do
?. MMiRER-.&-'Ci
covado, s para acabar : na loja e armazem do Pa.
vao, roa da Imperatriz o. 60, de Gama & Silva.
Aviso agradavel.
Soiiza Soares & Iruio.
Raa Nova o. 28.
Vendem :
Lindas muito superiores em novellos sorlida a
20000 e 20503 a libra.
Dita mais inferior a 10200 e 10300.
Dita do gaz, preta, branca e de cores, em cai-
xas de 40 novellos, 800 reis.
Dita em caixas de 50 novellos, branca, a 7
reis.
Dita em caitas de 10 novellos grandes, a 540
reis.
Dita branca e preta, em canoas, a 160 reis a
duzia.
Dita do Alexandre, carros 200 jardas, a 10200
a duzia.
Dita em carros, com 80 jardas, a 360 reis a
duzia.
Agulhas de fundo dourado maito Qaas, caixa a
220 reis.
Ditas ingleza?, sortidas, milheiro 700 res.
Grairpas com cabeca de vidro, duzia a 160
reis.
Ditas lizas o crespas, maco 30 e 60 reis.
Colxete em caixinhas, duzia 640 reis.
Dito em cartoes, dazia 600 e 900 res.
Espoleta? verdadeiras, B B, caixa 100 reis.
AlQoetes em cartas grandes a 140 reis.
Ditos em cartas menores, 100 res.
Ditos em caixas com aieia libra, 320 reis.
Botoes de madreperola para camisa, grosa 460
e 'QOreis.
Ditos de osso para calca, grosa 200 reis.
Ditos de longa, grosa 160 e 220 res.
Ditos de moedinba para pannos, a 10600 reis
a duzia.
Pentes para alizar, duzia 10100, 20200 e 30000
reis.
Ditos maito superiores para blxo?, dazia 20000
reis.
Ditos para coco, dazia 10500,10800, 20400 e
30400 reis.
Pbosforos de cera maito superiores, dazia de
caixinhas 320 reis.
Baralbos francezes maito fluos, 200 reis.
Ditos portogaezes maito boas a 120 a 160 reis.
Espelbos em qaadro dourado a 120.
Trancas lizas e de caracol, peca a 40 50 e 60
reis.
Fita de laa para debram, vara 100 reis.
Dita de algodo branca, peca 240 reis.
Dita de liobo, peca 40 reis. ctnan
La de todas as cores para bordar, libra bfluw
reis.
Garante-se cincerldade e baratlssimo preeos
RA OVA N. S8.
*llllllllli|
SPharmacia eapecial horneo
patalea da r. Sabino. O
L. Plnho. ....
Cha de Ia sorte para oso das
pessoas que se tratam. homeopathi-
camente. ,.
Vende-se em pacotes de libra a
Roa Nova n. 43.
Deposito na pharmacia deP.Maurey
C. em Pernambuco.
XAROPE DEPURATIVO
DE CASCA DE LARANJAS AMARGAS
COM IODURETO DE P0TASS10
DE
*.P. Larozc.
pharmaceutlco em Paris
O iodureto de potassio um verdadeiro al-
terante, um depurador de incontestavel efi-
cacia; combinado com o xarope de casca de
laraajas amargas, aturado sem pertnbacjo
alguma pelos temperamentos os mais fracos,
sem alterar as funeces do estomago. As do-
ses mathematicas que elle contem permittem
aos mdicos de receital-o para todas as cem-
pleicoes, nas affecces escrofulosas, tubercu-
losas, cancerosas e nos accidentes intermit-
ientes e terceiros; alm d'isso, o agente c
mais poderoso contra as doencas rheumaticas.
Deposito em todas as pharmacias e casas de
drogaras no Brasil.
Expedices, em casa de J. P. Laroze, roe
des Lions-St-Paul, 2, Paris.
A' venda na pharmacia de P. Maurer &.
C, ra Nova n. 25.
Pars, 36, Ra Vivfenne, P*
CHABLEMDECINSPCIAL
AS ENFKHUIiiAUAS DfcS SEXliAES, AS AFRO
LS rUTASK-;. K A .TiauCOKSDO SANGK
~ ZQ.QGO cuts itsimpingcnt,
B piMfi/n.<, herpes, fama,
'rl ror/ijoc, acrimonia, e as-
.'; i "*J tocott,viciosa* tlomngur,
iaij.TrTvTfcv-'aAcawlt''im*, alleacuei do san
i- [Xarope vei i:n so, nereurio]. Bi>raratinu
TCftciso iu,\ii;v ru!i.\;r>,::!i toraao-$e doui
por vmaa. (guindo lArtcitaetAo Deiwrativo: l
n.;.r.---n!c. na r..L r,.u
moiRMiaa.
Kic XarapeQtrtctodefem
ir CHARLE, cura media.
Ninutr qualquer/xiruiifao,
r'n.rrcaa, e lirfii/.ioi/, t
, almiu or /I-: rns f-'tr$
. I* :# iiijoiro.io Mcnigf. tm-
W l'.itrnchj ti( Fp-0.
ii. I'ubuJj >::. j. ,-ira ca i mi diu
POIVIAOA AiV7rHEP,PTlCA
ditti. ui *ff*r->ii i'iflto*r jILULAS VF.GETAES ~7f>tjr?r TIVAS
- < fcMa. 'i*'frM*.tl>t*.;.,at;is1j, U ,
aVSOACS SHS./MEQIG08.
-.V.
I'ur cwarrko, otte$
tt 4ul broit-
*!' r l-.Hus as ilocnfiU
-*< priia; bnl* o OoenU
Cal de Lisboa
Ven Jq-se no armazem de David Ferreira Bal-
tar raa ao Brom n. 66. _______________
adelra de slcuplra
Vendem-se IOS paos de slcapra, qae se aebam
depoaitados ao estaleire do r.- 4aulm Aitonlo
Rodrigues, na roa do Bram, on*twSa serea-
miMdospelotprMende&tes; a tratar u travessa
da MadrirdeDeo n. Mti^.- \...........,, ...
__Veid-e om pre* pensante emoco : na roa
raa do Kaogel D- 9, ot (roca-se por nm om seja
coilnhetro. Z?. .....
. ...: l-.!r,*i . >*htM*+wwl%Z.t
;A,wwU na pharmacia,dfl RMaurer p
;e C, em Pernambuco.,
GAZ GAZ GAZ
Cbegoo ao antigo deposito de Henry Forster 4
C, roa do Imperador, om carregamento de gaz de
primeira qaalidade.o qual se venda em partidas
i retalho por menos preco do qae em oatr* qaal
qnar parta.
lea para veader Artoato Luto -de-OHveira An
?wlo 4 C, do sea escriptorio, ra dr Grax n. 87.
BURROS
Ha para se andar dow kirros -sendo am para
seHa oatro aera carga : qo#m tralsar comprar
tm\**9 a raa do Cresa* t. |%s: achara' com
qaem tratar.
ILEGIVELJ
h



J

tari* 4c rcrmaanbue* Qnarta felra 4 de fteteaaro e 1867.
1
A Agola bramen.
Antes de avisar* san |m rraaftsi* do qne da
no b raaa^^vai jiraflMlw ffe H nin-f.*r %**?
primemos e agradeeimeotos aa amafcffiado brinco
pelas maaeir*fcagra&r*iseomqn*eil*p ha iraudO,
assim eusarna ***> *W*-iaa UmUm
qae a par da eentinoaeSo da tu jaaflatM toaba
erescido aogq>ou da Una frngaata*,* mal que
com aquella ligaireza de qae isjgaaa, tivret* da
pontaria d'aaaailee qae a pretexta d* amostra le-
vara os objecios e pelas soas immeasas oecupacdes
Do Tollam mais. "^
Ja v, pois, o bello Viada branco qae a atoja
aprecia o sen bondoso tratameota, e Iba desejaora
feliz porvir. Assim dtto e feito, val a agola bran-
ca satlstaer a su boa fregosla, pela obrigaco
em qae mu de ontinaamenu scleotiflea U do
qae de boto recebea, pela qae avisa-a, de qae aca-
ba de chegar para a loja d'agaia branca, a roa do
Qae.mado.t.8.- o segaiate : TO
Coques novos de Halos e variados moldes.
Bailes moderaos e bonitos para senboras.
untos de .pomas eaeiuios com vidrilbos.
Cordoes gtossos, pretos e de cores com vidrilaos
para enteles de vestidos.
Trancas pretas e de oatras cores, tahbem com vl-
dril tos para o mesmo Om.
GuaruicSe pretas para basqaines, vestidos etc.
Trancas e faldas de seda para o mesmo.
Dita dita de laa e algodao.
Fitas de velludo de cores, lisas e chamalotadas.
Bicos de seda.
Pitas de borracba para cintos.
Ligas de seda para senboras a meninas.
ntremelos e babadinbos bordados.
Gollinbas e pannos bordados para senboras.
Colleriohos para borneas.
Abotoadaras de diversas qaalidades e preeos para
coletos.
Ditas ditas.di(as para pannos.
Bonitas correntes pretas para reloglos.
Aguia Branca a' roa do Qaelmado i. 8, re-
ceben :
Caixiohas com doas baralhos franceses, de col- <.
naos fiaos, eotermeados com doorados/ papel en- IT"ltl0S ProPn0S Para armazens
oorpado, lustroso e opaco, obra moito boa. Moinbos para refinacao.
Ditas com tantos de osso, marfim e madreperola dem para milbo.
W
s
ai
9
b-
Wl
wx
SQ 3
<
O
GRANDE SORTIMENTO
VAXEHDAS BARATAS
HA
LOJA E ARMAZEH
DO
Alm do grande sortimento das memores machinas, americanas para descarrocar
algodao, de 10, 12,14,16,18,20, 22,^5, 30,35, 40 e 50, neste estabelecimentoTe
encoatra mais o segainte:
Azeite de espermacete propria para machi-
nas.
Vapores de torca de 3 a 4 cavallos.
Serras. avulsas para machinas.
Manclese todos os mais pertences para as
mesmas.
Carros de mSo para aterro.
Cylindro para padarias.
Debulhadores para milho.
Arados americanas.
I
J
para voltarete.
Penles de marflm com chapa e sem ella, para
limpar caspas-e tirar bichos.
Ditos fiaos d'osso e tartaruga para o mesmj
fim.
Ditos de osso baleia e tartaruga para desemba-
rcar.
Ditos, de ditas dita para barba.
Oeulos de peoeira para qaem soflre da vista.
Oatros de differentes graos e cores, com arma-
c5es d'aco fino.
Ouiros tambera de armacao fina, vidraca de co-
re?.
Lonetos. oa pinceoez com armacao e ac, ba-
falo e tartaruga, vidros brancos e de cores.
Eo velo (es pequeos bordados.
Dito ditos opacos e grandes para ofScios.
Frasquinbos com superior tinla carmim.
Stereoscopos e vistas.
Acaba de chegar om aovo sortimento e conti-
nuara a sarem vendidos por pregos commodos.
Meias
Pretas de laa e laia para padres.
Brancas de laa para ftomens e senboras.
Ditas da borracha para qaem soffre iaxacio as
pernas.
Brrelos oa carapucas brancas de algodao.
Essencia de ail, e bolas de dito para en-
gommado.
Vendem-se na loja d'agoia branca, na roa do
Qaeimado n. 8, sendo a essencia em frasquiohos a
500 rs., e as bolas a 60 rs.
Lencos de cambraia brancos e de cores com
barras de cores fixas
J nao a prlmeira vez que a aguia branca ven-
de desses longos da marea BBB, isto bons, bo-
nitos e baratos, por sso approveitem todos essa
nova occasio de se proverum desses sempre pre-
cisos lencos, caja commodidade de preco anima a
azer-se o gasto.; custam el les 35600 a doria, e os
pequeos para meninos a 800 rs. a dazia. Quem
se dirigir a loja d'agaia branca na ra
Escadas de madeira americanas.
Caixas com vidro sortidos.
de todas as qaalidades.
Bombas de japyz.
dem americanas. ,
Ferro para engommar a vapor.
Vassouras amerieanas. -^
Baldes americanos para compras.
Tinas de madeira.
BaUaios e cestas de verguinba.
Guarda comidas. '
Peneiras d'arame-part padarias e refinacSes
Correntes para almanjarra.
Machados e facoes americanos.
Barricas com miibo branco americano.
(X2
toa da Imperatrk 6k
SE
AMA nranrlA rE!XeUios d??1* g1nde estabererimento acabam dereceber da Europa nm
Srlr das memres pendas de 13a, nho, algodo eseda, as qoaes vendem
.WxaffiL;aratissmos, afim de apurare dioheiro,-dando de todas ellas amostras,
rS S J* peohor ou mandam*n8S w.m casi das Exmas. familias pelos seos
to cSraS ^T as P686038 Lnain 5JS8 mesm0S pre(?0S qa6 8e c<^i>rm a* nglezas, ganbaodo-se
Loja
DAS
is
Batas
viqaaus de lastre praprtas otra eobertes 4*
n*o, Bailo novas e da melhor qoalidade pos-
vel: TsaAsase por preeos razoavejs na rna da
utdeta c. 66 A.
Vestidos ae tantazia a 6(5 e 8$.
Vendem-se bonites cortes de vestidos de
fantazia com lindas barras e enfeites de seda
apenas o descont.
Caseiiira pretas eafestadas a i-6eo.
Na loja do Pavio vende-se superior easemlra
eaiesuda^ preta pari t\q^ e paletos pelo barato
TCS'ff ^ de 681 na loja
oo o corte a 3jsoo, dkas mallo finas sem serem Ie armazem do PavSo ra da Imperatriz n.
enfestaJasalSOe, #060 e3#00eadacovada: 60. De Gama 4 Silva.
Pannos de linho.
Vende-se superior panno de linbo puro
para lences e ceroulas a 640, 700 e 800
reis, a vara na loja e armazem do Pav5o ra
da Imperatriz n. 60. De Gama & Silva.
inJi e *rm*Ieni do Pavao na roa da Imperatriz
n. 60 de Gama 4 silva.
Armazem de fazendas finas para grandes toilette e uso
ordinario para todas as classes.



i
1
.
raa do Crespo n, A. esquina da do Imperador
DE
Custodie Jos Alves Guimaies.
O proprietario deste importante estabelecimento avisa ao respeitavel publico
e aos seus amigos e fregoezes que acaba de receber pelo vapor francez Guienne, di-
. do S.ltS?,gos ? mda' os mado n. 8, conhecera'que taes lencos tem as qua-1 maD0"se dia da commemoracao do anoiversario do Hospital Portuguez, por isso
lidades cima ditas. apressa-se em vir avisa-los do que ha de mais moderno em seu estabelecimento, como
Novo sortimento de albuns de 50 a 200 sejam:
retratos. Riquissimas chapelinas com coque. I Lavas de Jourin preta, branca e de cores.
Vendem-se sempre por presos commodos ; na Ditas sem elle. I indn ra do Qaeimado, loja d'aguia branca n. 8. t hdag S.JS5L- a n,,h It ,- /D l con8i> a,,M ""^ oarra-
Bolas ds norraoha nar hrin uQaas coapelinas de palha da IUlia. (fte-J Riqmssimos cortes de transparent dese-
oorracna para orn commenda-se moito estas chapelinas por se- da para vestido de senboras-tambem nov-
Vendsm-se na rua^o QuSmado loja da aguia t^SBB3&S!l&
Riquissimos cintos de seda, com matames
branca o. 8.
Carretela
para
de retroz
chinas.
Vendem-se na ra do Qaeimado loja da aguia
branca n. 8.
Papel paquete.
Vende se na ra do Queimado loja da aguia
ranea n. 8.
A Aguia Branca ra do Queimado n. 8,
recebeu de novo os seguintes objectos e
est vendendo-as por preeos rasoaveis.
Modernas fivellas.
Modernas fivellas de madreperola, lavra-
das e lisas, guarnecidas com enfeites de
prata dourada, vendem-se na loja d'Aguia
Branca ra do Queimado n. 8.
Leques
todos de sndalo, outros todos de sndalo
com bonitos desenbos que representam qua-
tro vista, outros de sndalo e seda, ootros
de faia tambem com desenbos que formam
quatro vistas; vendem-se na loja d'Aguia
Branca, ra do Queimado n. 8.
Luvas finas
de camursa, brancas e amarellas: vendem'
se na loja da Aguia Branca ra do Quei-
mado n. 8.
Latas com banba fina
vendem-se na loja da Aguia Branca, a ra
do Queimado n 8.
Chapelinas modernas,
enfeites de flores, capellas finas para noivas,
ditas brancas e cor de rosa para meninas,
caixos e ramos de flores finas e botes de
rosa de diversos lmannos: na Aguia Bran-
ca roa do Qaeimado n. 8.
Meias finas para meninos.
A Aguia Branca ra do Queimado n. 8,
recebeu meias mui finas para meninos, e
est ven den do as de cores a 54000 duzia,
brancas a 5500 e ernas a 6000.
Trancas de vidrilhos, brancas e pretas, lar-
gas a estreitas.
A Agaia Branca a ra do Queimado n. 8,
recebeu novo sortimento das trancas cima
ditas, e como sempre vende-as por preeos
commodos.
Fitas
novas
para cartas de hachareis e a irmandade do
Bom Conielbo.
A Agula-Branc?, a roa doQueimado n.8, recebeu
novas utas acbamalotadas para ambos os lados,
mu eocorpadate toda de seda, com viva o agrada-
vel cor, e, como sempre, vende per preco multo
rasoavel.
Collares Royer magnticos
Medallia e puUeiras magnticas.
A AgaiaBtaaca. receben aova remeesa dos pro-
ve tosos collares Royer magnticos, ja sammamen-
te conheeidoe para preservar as convulaSes e faci-
litar a desafio jfe* crUncas.
Com esses otis collares elctricos magootieo
tambem nao pequeas qnantidades, de medalhas
e pulseiras elctricas magnticas caja utilidade
tm sido aproveitada por qaem soffre do nervoso
bypocondico, tremores as maos etc.
Assirn como escollares Royer esto geralmente
conhecidos e acreditados pelos efficazes effeitos e
bons resultados qae tem colhido as pessoas que
dellestem osado ; alm tambeffl tegartiB 'a'fS-
nbar tan. alta repugio essa apreciaveis medalhas
e polselras magnticas, ama vex qae o aso deOi
fot se esjendendo a tedos qae ellas aeeeasltein. A
Agota frasca contina a receber por todos os ta-
Pores Iranceies ama determinada qontidade des-
ses sempre preciaos e estimado* ollares Reyer
magnetteos e por Isso fique na lembraaea de teoe
que os achario coastantemente em dita Iota da
Agota Brancay.Ka4a,0ssini1n n. 8.
cbineza, ultima moda.
Lindas saias de 15 com bordados, proprias
para as excellentissimas senboras trazerem
por cima do balo, ultima moda em Paris.
Lindos cortes de seda para vestidos.
Moireantique branco, azul e preto, fazen-
da inteirameote nova.
Grosdenapoles de todas as cores.
Ditos pretos.
Leques de madreperola.
Ditos todos de sndalos.
Ditos de sndalo tendo no centro um qua-
dro de seda, inteiramente novidade e ulti-
ma moda.
Chapeos de sol para senhora.
Ligas de seda psra senhora.
Ditas para-meninas.
Espartilhos para senhora.
Riquissimos enfeites para senhoras, intei-
ramente novidade.
Bales para senhoras e meninas.
Touquinhas ricamente enfeitadas.
Coeiros bordados.
Toalbas de labyrintho muito ricas.
Ricas fronhas de labyrinto.
Riquissimos lencos de dito.
Rendas, bicos da trra e grades para lencos.
Um rico lengol de labyrintos.
Riquissimas basqoinesde seda preta, bor-
dadas com gosto.
dade.
Lindos cortes de 15 com listas de seda.
Riqutssiinas fivellas para cintos.
Fil de seda e de linho.
Riquissimas camisinbas para senhora.
Riquissimas saias bordadas.
Punbos e gollinbas para senhora.
Riquissimos manteletes de cores, inteira-
mente novidade.
Peitos de linho bordados com gosto pro-
prios para camisas de noivos.
Collarinhos de linho lisos e bordados para
homerrs.
Lindos veos e mantas de blonds.
Riquissimas vestimentas para baptisados
contendo chapeosinho, sapatinho, meiasinha
e camisinha com lindos bordados.
Riquissimos chales de touquim.
Grvalas de seda branca para noiva.
Ditas de cambrjia de linho com bordados
as pontas, novidade.
Chapeos de sol de seda com cast5o de
marfim.
Ditos de outras qualidades.
Chales de seda.
Ditos de cachemira.
Chapeos de seda preta para homem.
Ditos de pbantasia para homem.
Casemira preta moito fina.
Ditas de cores inteiramente navidades.
Cambraias, laas, chitas, madapoles e ou-
tros muitos objectos.
Espartilhos.
Vendem-se magnficos espartilhes franceses e
ingleses na loja e armazem do Pave, na ra da
Imperatru n. 60. de Gama 4 Silva.
PANNOS DE CHROCHE*.
Vende-se om grande sortimento dos mais boni-
tos pannos de ebrochs proprios para cadeiras, so-
phas, cadeiras de batanen', para almofadas e para
cobrir presentes, e vendem-se por preeos baratos
DaJ#aJenma6m *>Ptt*Oj rna da Imperatrii
n. 60, de Gama & Silva.
FAZENDAS PARA LUTO.
Leja 9 paYo.
Vende-se setim da China preto sendo nma fa-
zenda muito leve e sem lostro com 6 palmos de
largura propro para vestidos e roopas para ho-
mem pelo barato preco de 2?000 o eovado meri-
no preto enfestado muito bom a 1J600. superiores
bombazinas pretas a 1600, 1800 e 2*000 rs. o
eovado, superior cantao a I^JOO, lamlnha preta
I lisa a 400 eSOOrs. o eovado, nm grande sortl-
; ment de alpacas e princesas pretas que se ven-
! dem mais barato qne em outra qualqner parte, na
| toa e armazem do Pavao, ra da Imperatriz, o
60,e d Gama & Silva.
As 10 mil varas de cambraias
Covado 300 rs. vara 300 rs.
Stf o pavio
Vendem-se finissim cambraias france-
sas com listras miuda,. e graudas e com
lindos deseohos de flo"es e palmas, sendo
todas com as cores mais modernas e mais
lindas que tem viodo ao mercado, pelo ba-
rato preco de 300 rs. o covado ou a 500 a
vara, grande pechincha attendendo a
grande porc3o que tem, senlo seria para
muito maisdinheiro : isto na loja e armazem
do Pavao, ra da imperatriz n. 60 de Gama
'Silva.
i Chales baratos
I U, 35SOO, GA e 70000.
Vendem-se chales de merino estampados
a 20, ditos lisos a 3(5500, ditos estampados
finos a 50500, 60, 60500, ditos crepon
com listras de seda a 70500 e 80000,
pechincha : na loja e armazem do Pav5o
ruu da Imperatriz n. 60 de Gama e Silva.
Nove vestida* a 60000.
Na loja do Pavo.
Cbegaram os mais modernos e bonitos cortes
4e orgaodys pira vusiidos, lendo iO varas mOi
corte, sendo 7 varas listadas para salas e 3 varas
sem listas, mas com enfeiCe para o corpo (ou ca-
saquinho) garante se neste genero ser o mais mo-
derno que tem viudo ao mercado, tendo entre el-
les muitos brancos com listas e enfeites pretos, e
vendem-se pelo barato preco de 6, nicamente
no armazem do Pavo roa aa imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Para camas de noivas.
Vende o PavJo.
Ricos cortinados bordados a 8J000,10, 162,
20 e 25J o par ; assim como os mesmos tambem
servem para jsnelias; ditos adamascados a 105 e
I2 ; bonitas pegas de cassas adamascadas para o
mesmo effelto; bonitos damascos de laa de urna
e duas larguras, proprios para colchas, assim oo-
mo bonitas colchas de croch : tugu isto se vende
mais barato do qne em autra qualquer parte, na
GRANDE BAZAR ,
ra Nova n. 20 e 22
- Machinas para costura do autor Wheelar
AWibon, chegadas ltimamente daA
ncnlf WBPde w^-se com dSus
EItL\fl6 ,qa,quer fazenda' eSS
iniar, frangir, bordar e marcar roupa tudo
Bramate deinhoa 20 20400, 20800 reis n^henT^iSlf50 simp1^8' ^uecom-
a vara. ; u cilmente a maneira do traba-
Vende-se- superior bramante de linho' SJ p^arno P"1'03 de coser em ma-
com 10 palmos de largura proprios para 22 Vminrl Pr d,aoserviCo que fe-
lences, pelo barato preco de 20, 20400 e
ciam 30 costoreiras.
208OO reis a vara, na loja e armazem do'JfSS ** Mtabe,ecimento a alteo-
PavSorua da Imperatriz n. 60. De Gama Si-J, 00,t-ist0F* el,e se acha <*><*
& Silva. i Pletamenle sonido de objectos de gosto
AlgodSosinho enfestado a 10 10290 reis a1 ? I5,eqfi?8 de madreperoIa e de san-
vara. da,-' fiveJas' fitas Para cinto, cokes perfu-
mana e etc,
Na rna nova n. 20 e 22. Caroeiro Vian-
na &C.
0 dono deste importaotissimo estabelecimento contina nolouvavel proposito de
qnerer vender muito e ganhar pouco, sujeitando-se a tirar em suas mercaduras um lucro
rasoavel, para assim poder melhor agradar aos seus numerosos fregoezes.
C<
A' LOJA DE FAZENDAS DE AUGUSTO PORTO
11Eua do Queimado11
. Angosto Porto d C. acabam de receber da Earopa. superiores cortes de seda de cores para
bailes e casamentes.
. Ricas cortes de.blood com manta e capel!a para noivas.
Cortinados bordados para camas de noivas e jauellas de 7J a 80# eada om.
Coisas de seda e outras de la e seda o qae ha de melhor para eamas de noivas.
Toalbiobas de croch para cadeiras e solas, espartilhos a saltana para senhoras, eamsinbas
com manguitos bordados e liados encbovaes para baptisados, e baldes de masselina e de arcos para
senhoras e meninas. --
Lavas de pellica para homem e senhoras e superiores chapeos de sol de todas as qaalidades.
. Laa para vestidos baratissima bonitos padroes o covado a 280.
Tapetes grandes para sof, ditos para piano, ditos para cama e pequeos para portasjauellas.
Hoir branco e preto superior para vestidos de lindes desenbos, grosdenaple de todas as cores
seda de quadriobos. cambraias brancas de mui tas qaalidades, ditas de cores e lindas percales.
Basqaines de seda preta ultima moda, chales e retoosi de suipure, vende-se barato.
Camisas para horneas franceus e ioglezas de linbo e de algodao Unas e s*roaias da linho su-
periores.
Capas de borracha, sobretodos e perneiras as melhores e mais elegantes.
Halas grandes para viagens, dita; pequeas e saceos de tapete e couro.
Bramante branco de 4 largaras a 2500 a vara, pannos pretos e atoes, easemiras pretas a de
cores todo bom e barato.
Mate estabelecimento ha sempre nm completo sortimento de boas fazendas tanto paca a praca
como para o centro da provincia e superiores objectos proprios para casamentes como sejam eapellas,
mantas, vestidos de blondo e de moir branco. cortinados, colchas, veadeado-se todo mais barato e
tambem as melhores
Esteiras e alcatifas para forrar salas,
U~Baa doQuelmado-ll
Vende
86
azeito de peixe malte novo a 600 rs. a garrafa: na
roa das Crnies o, Ji. *
-
Noy*-e'grande df^egite4e suprior carvao de Cardiffna
Babia.
Antonio Gome; dos Santos 4 C, rna Santa Barbara n. i, estio habilitados a snpprlr de
oarvio em coodlcSes man faveravels qne em oorio qaalqoer deposito, a todo os navios a vapor qoe
certera. oaoneJIe porto. A contratar nesta com Domingos Alves Mathens.J
loja do Pavo, roa da Imperalrii n." 60, de Gama
& Silva.
Orgaady a 4$QOO.
Vendem-se bonitos cortes de organdy
sendo com listras todas brancas ou com lis-
tras de cores tendo oito varas cada corte,
pelo barato preco de 40, pechincha: na
loja e armazem do Pavo ra da Imperatriz
n. 60 de Gama e Silva.
Atoalhados para meza a 20000, 20300 e
30000."
Vende-se superior atoalhado i de linho
adamascado alvo com 8 palmos de largora a
30 a vara; dilo adamascado pardo a 20500
rs.; dito alvo de algodo a 20000 rs.; dito
trancado alvo, sem ser adamascado a 10600;
guardanapos econmicos pardos a 30 a du-
zia ; ditos alvos a 30500 e 40000: isto na
loja e armazem do Pavo ra da Imperatriz
n. 60 de Gama d- Silva.
Casaqoinhos de fil.
Vende-se os mais modernos casaquinhos
ou basquinas de fil preto. pelo barato pre-
co de 160, chales e retondas de renda prefa
na loja e armazem do Pavo "ra da Impe-
ratriz n. 60. De Gama & Silva.
Cambraias largas com 8 Palmos de largura a
10 e 1280.
Vende-se cambraias largas da Escocia len-
do 8 palmos de largura que falicita fazer-se
um vestido apenas com 4 varas, pelo bara-
to preco de 10 e 1280 reis a vara pechin-
cha ua loja e armazem do Pavao raa da Im-
peratiz n. 60. De Gima & Silva.
Cambraias escocezas tapadas e transparentes.
Vende-se um magnifico sortimento de fl-
nissimas cambraias brancas para vestidos
tendo mais de vara de largura pelos preeos
de 100,120, 130, assim como nm grande
sortimento de ditas mais abaixo de 40, 50,
60, 70 e 80, garantindo-se aos comprado-
res que neste genero nao podero comprar
melhor em outra qualquer partee s na lo-
ja do Pavao ra da Imperatriz n. 60. De
Gima & Silva.
Damascos para colchas a 50, 20500 e 800 rs.
Vende-se o mais superior damasco com
8 palmos de largura propro para colchas
com os desenhos mais buoitos que tem vin-
do ao marcado com urna s cor e de duas
cores peto barato preco de W o covado, di-
to om 6 palmos di largan a 20*00, ditos
4 orna s largara a 800 reis, na loja do Pa-
vSo roa da Imperatriz n. 60. De Gama &
Sh>a.
Cassas de nma s -cor a 300 rs.
o covado.
Vender bonitas cassas de ama cor s.
toado cor de rosa e asul, cor de lyri, tom,
verde e cor de canoa, pelo barato preco de
gOO rs. o eovado: na loja earmazem (
Vendem-se superior algodosinbo ameri-
cano enfestado qne a largora delle d a lar-
gura do lengol, sendo liso a vara a 10 e sen-
do trancado a 10280 na loja e armazem do
Pavo ra da Imperatriz n. 60. De Gama &
Sirva. .
Punbos e golinbas a 10000 o par,
s o Pavo.
Vende-se um grande sorlimento dos mais
bonitos e modernos punbos com golinhas,
sendo de esguio de linho bordados a 10000
o par, ricos manguitos com gollinbas de
cambraia tapada e transparente a 20000 o
par, E' pechincha; na loja e armazem do
Pavo ra da Imperatriz n 60 de Gama 4
Silva.
Calcinhas pera meninas a 640 e
800 ris.
Vende-se calcinhas bordadas para meninas
que ahdam na escola pelos baratos preeos
de 640 e 80Ors., manguitos para as mes-
mas e para senhoras pelos mesmos preeos,
na loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60,
de Gama d- Silva.
Baldea de canda.
Vendem-se as mais modernas crinolinas oa ba-
ISes- proprios para vestidos de cauda, sendo os
meibores e mais modernos que tem viudo ao mer-
cado e por preeos multo razoavels : na loja e ar-
mazem do Pavo ra da Imperauz o. 60, de Ga-
ma & Silva.
Lias tranapareutes.
Cbegaram as mais modernas barejes oa laasl-
nbas 'transparentes com bonitas listas de seda,
vendem-se oa loja e armazem do Pavao ra da
Imparatriz o. 60, de Gama & Silva.
Casaquinhos para senhora
Cbegaram os aals moderos casaqutnnos oa ja-
queles pretas ricamente enfeitadas sendo com cin-
tura e sem ella, petes preeos mais mdicos que em
outra qualqner parte : se vendem na loja e arma
zem do Pavo roa da Imperatriz o. 60, de Gama
& Silva.
Baldes a *#< *&oo e 30.
Vende-se aro grande sorlimento de crinolinas
oo baldes de arcos para senhora pelos baratos
preeos de 2, 2500 e 3 por ha ver grande por-
cao : na loja e armazem do Pavo roa da Impera-
triz n. 60, de Gama & Silva.
Madapelo e algodo
Vendem-se superiores pecas de madapolao ten-
do 24 jardas cada urna pelos baratos preeos de
6, 6500, 7 e 8i,ditos fraocezes fazenda muito
superior em pecas ou a retalho, algodao multo en-
corpado pecas com 20 jardas a 5J500, 6 e 6,5400.
dito muito flno qae serve at para camisas a 8> :
na loja e armazem do Pavo ra da Imperalris n.
60, de Gama & Silva.
Novidade do Pavao.
Alpacas, a 1280
Cbegaram as mais brilbantes alpacas de
seda para vestido, sendo neste genero ornis
bonito que tem vindo ao mercado tanto em
novidade de dezenbos como em Adres, pots
urna nova fazenda que se confunde perfei-
tamente com seda tendo entre ellas algomas
todas brancas com os mais lindos lavrados
e vendem-se a. 1280 reis, o covado, na loja
e armazem do Pavio, ra da Imperatriz n.
60. De Gama d Silva.
Os casaquinhos de pavo
a 18,51, 200, 250 e 300.
Cbegaram os mais modernos casaquinhos
ou jaquelas de grs preto, ricamente enfei-
tadas, sendo uns com cintura e outros sol-
tos con'orme se usa ltimamente e vendem-se
pelos baratos preeos de 180, 200, 250 e
300, na loja e armazem do Pavo, roa da
Imperatriz a. 60. De Gama & Silva.
A alpacas do Pavo
para vestidos a 10.
Cbegou um grande sortimento das mais
bonitas alpacas lavradas, de cores qae se
vendem a 40 o covado, ditas a 800 reis,
ditas lizas de todas as cores a 640 reis, que
se vendem na loja e armazem do Pavao, raa
da Imperatriz n. 60. De Gama & Silva,
festines brancos
a 40, s o Pavo.
Vendem-se bonitos cortes de vestidos de
cambraia branca com bonitas barras tendo
entre elles tambem com barra de cr e ven-
dem-se pelo barato preco de 40 cada um,
na loja e armazem do PavSov roa da Impe-
ratriz d. X De Gaaw & Silva.
rande novidade
Vestidos a 60
$4 aa leja de Pavio.
Se vendem os mais ricos cortes de organ-
dy branco com elegantes listas largas, pre
tas tendo 10 varas cada corte com os com-
petentes eneitos para o corpo sendo neste
genero o que tem vindo de mais novo ao
mercado, pelo barato preco de 60, s na
loja e armazem do Pavo, roa da Imperatriz
n. 60. De Gama & Silva.
Fabrica
DE
CERVEJA NiCIOiM
De Henrpe Leidrn
0 proprietario deste estabelecimento Mo
poupando esforces nem dinheirc pr* a-ra-
dar ao respeitavel publico e seus Lu. .erosos
freguezes acaba de installar para commodi-
dade e interesse dos mesmos.
Um deposito g^ral do roa da Impera-
triz o. 32
Aonde encontrarlo sempre um variado
sortimento qaer em grosso quer emretalbo
dos gneros segnintes:
Cerveja nacional branca e preta.
Vinhos Anos e outros de Franca e Alie-
manha.
Afcyntho Suisso.
Kerschenwasser,
Cognac.
Vinagre branco e tinto de superior qua-
lidade, tambem tem deposito de agoa e li-
monada gazoza da fabrica do Sr. Jules Gros-
jean.
E tudo sem differenca no preco que se
fechou na fabrica.
Qualquer encommenda que fr enviada
ao deposito ser immediatamente apromp-
lada e remettida ao domicilio do comprador.
Vende-seo engenho Animoso.lFegaeziiTda
Escada, contiguo ao ramal da estrada de ferro
que ni terminar na villa dosBezerros; tem o n-
genbo 600 bracas de trra de cente e 1,200 de
fundo, com bastantes matas, me eom agua, tem
serrana eaviamento defannba tambem com agua
tem proporces para safrejar 2,000 pes : quem
qoizer comprar, dirija-se ao povoado de Marca cao.
a filiar com Calisto Teixeira de Carvalbo.

Escravos fgidos
Aviso



_
.-......i
-
VENDE-SE
Motores americanos para dona cavailec.
Dito dito para qnatro cavallos.
Machinas para dcecarocar algodao de 14, lo,
18,20 30,3 e 40 sarra*.
Preacat para enlardar algodao tazando oa sac-
eos com 6 palme* le oomprimenlo com o peso de
, 150 e 200 libras, vtodM oMaumeate da Amrica
pavlb ra da Imperatriz D. 6ft de Gama 4 no armazem de Henry Forster 4 C, no ca* Pe-
Fugio na noite de 23 de agosto a escrava
crioola, Benedicta, natural desra provincia,
tem pouco mais oa menos 45 annos, foi
comprada a Jos Joqaim Lopes Pereira Goima-
raes, em 1866, morador em Tiglpl, esta preta fal-
lava com ura senbor-mogo, morador na Escada,
onde ella tem fllhos a quera comprar; venda p5o,
agua e lavava ronpa, e fazia o sea giro pela fre-
gueiia de s. Jos; tem os signaos ssguiotes : falla
manoa e agradavel, coslnma botar as mos no pei-
to, altara regalar, edr fula, algoos cabellos bran-
cos, olbos peqoenos e brancos, naris cbato, bocea
grande com falta de dentes, rosto enrto, ps cbato
metiendo para dentro qnaado anda : quem a pe-
r leve a ra da Concordia n. 40, qne sera' re-
compensado.

Fugio o moleque Luis, de bonita Qgura, bas-
tante preto, fot venido de caiga de brim paido e
camisa de algodao riscado de azul; levon cemsigo
um balaio grande forrado de encerado preto com a
Arma da casa commercial de Hanriqae & Azevedo,
dentro do qaal exista uns pecas de piano flno preto
e cinco duzia, de lencos de seda de cor. Quem o
pegar leve-o a roa da Cadea o. 34 oo a rna do Im-
perador n. 48, que ser bem recompensado.
-7*
Aenco.


*ooo*>
Contina andar fgido do poder do abaixo as-
signado, desde o dia 12 de marco do correle anoo
a seo escravo pardo claro, de nome Cyriaco, com
o* signaes seguintes I reprsenla ter de idade 46
annos, roslo redondo, e nm tanto envergado, olbos
empapujados e fundos, bocea grande, beleos gros-
sos, barba feebada e ruiva, pos e maos erossos e
caados, peitos vermelhos e cabelludos, cabellos
crespos e avermelbados, costoma andar armado de
faci e ama bayoneta n'nm pi, gosta de tomar
cachaca, e qaaodo Oca bebado da para poeta e re-
gris la ;rog'-se, porunto, as autoridades pollclaes
e capiiis de campo a apprehensao do mesmo, e
isva-io a sen senbor o abaixo assignado, no en-
genho Pedregalbo, em Naxareth, qae sera' recom-
pensado com a grilifleaeao cima.
Jos Ignacio Ferreira Torres.

Silva.
dro n. 2 jante ao abineie Portoguer.
Contina a estar fgido o es
cravo Simio.
100#000 de gratificado.
Boga-se a todas as autoridad** a eapites oe
campo, tanto desta provincia como da das Alagoas
a apprehensao do dito escravo, qae fugio de casa
4a **n senbor no da 11 de jalao da otrente anuo,
oa* os signaes segnintes : de aa|an mocambique,
idade de 40 annos, pooco mal* m dnos, alto,
semblante carregado, eenj falta daiemea na freo-
te, cor rata, com talaos em circule Miando ao pe
das oreraas. sem barba, levoi veiMOaalta e ea-
samlra de cor em bom eatao, eaaia4a algodao
blanco, chapeo de mala anea oov; nato es-
cravo foi comprado ao 8r. Joe Vtoeate Lindo-
so, morador na provincia da* Alago aor sen
procurador o Sr. Joaquim Cavalcanti da Alba-
qnerque Metto, morad** no um da Barreiros.
Consta-nos que erte ereravo J4 ki viste aa Seri
ahiem, aonde elle intrcaan reiaodes de cooaeci-
mento. GraUflca-se oen a .alalia cima a quai
qoer pessoa que o eniregar no Recite, raa Direita
numero 30.
ILEGIVEL


I.......I lili 1- ll I III.....
8
PUMo de r*rfc,cq ~ sj-yju l#f* afr,etpbr<, 4c 1807.
4SSKBL4 GER4i
---------------------------------j. i --------rr
CUMA DOS SEMORN DEMTAD0S
SESSAO EM J6 DE JULHO DE 1867
PRESIDENCIA DO SU SILVCMA Di SOUiA {'
PRESIDflWB)/ :Jm
(ConiIanaf.aCi.)
Encontrando-se de passagem eom esse conse-
Iheiro de estado, que o honra com a sna amiza-
de. disse-lbe o orador qae havia de oppr-s) a
emisso dos ciocoenla mil contos de papel-moeda
ce?, e a razio simples, dio mais ou menos o
j mesmo joro, sao pagos em tempo sabido em moe-
| da invariaval. Demais, se as apolle** a 90 oo
acnam grande procora, como diz o Sr. ministro da
fazenda, qual o meio de attraur as oapiiftejqao
nellas recosam fixar-se ? crear outrbs Ihuats que
oTeregam alguraa outra e nova vantagem.
elnor isto do qoe descer muito do prego das
com quebra da crdito do estado. Qoando
operages de crdito" vo deixaodo de dar
resultado, em vez de torga-las, melhor Imaginar
paires em eondiges diversas qae aitrahiam os ca-
pilaes. Fui este um dos segredol de qse ultima-
mst)te se langou mo nos EstadoUnidej' par Je
os ambi-
que aventarla ua cmara a idea do eropretimo. vantax por mel de emprestimo* dltTerentas as
.enormes sommas de qoe ja fallou orador.
5* Coptraria as vistas da le de 12 de setembro
de 1866'na retirada do papelmoe'qa.
A le de 12 de setembro tefe em vista .a retirada
gradaal do papel circulante, dispondo o terreno
para em um futuro mais ou meaos femlo a lean-
garmos os oenecios de ama clrculagao real.
Se os (Bulos de om emprestimo resgatavet no
8ra de cinco aonos ao par metlico, circulando co-
mo moeda, contrariara os fias da le de 11 Se se-
tembro essa coutrariedade temporaria, porque ao
m do prazo teem de desapparecer da clrculagao.
Pica respeilad o priaclpb capital da le, alo se
aggravaod a depreelago ja reconhecida no papel
existente. Faz-se um sacrificio temporario i urgen-
cia das circumstancias, mas no flm de cinco annos
volta-se plena execueo da lei, qae alias tea ttdo
aesse tempo iateira execugao, prqae o papel-moe-
da emitiido para pagamento dos juros dos ttulos
deve como elle tambera ao flm dos cinco anuos ser
todo rettrado com o producto dos impostos ou por
meio de em prestimos.
Se os ttulos de emprestimo por entrarem no
meio circulante accidentalmente, podem afiectar o
pensamento e dos da lei de 12 de setembro, anni-
quilada licara ella por ama vez com a eraisso dos
50,000:001)4 de papei-raoeda. O Ilustre depaUdo
por S. Piulo o reeooheeeu, quando dea preferen-
cia relativa as ideas do orador sobre as do pro-
jecto.
O sobre presidente do conseibo argalodo o ora-
dor de cootradiego perguolon na concurrencia de
dous agentes fiduciarios, sendo o propuso pelo
orador o mais apreciavel, para onde fugiria, visto
que o orador asseverra qae nao podem permane-
cer juntos na drcolago dous instrumentos de va-
lor desigual. A resposta fcil. Os ttulos alladi-
dos sendo emprestimo e dando jaro razoavel dei-
xaram a cireulago para se refugiarem na gaveta
dos particulares. Ja o orador disse em outra occa-
sij que eram um estimulo a economa.
Mas, aecrescentoa S. Exc, a populagao nao est
acostomada com esse papel. Aeosiumar-se ba, res-
ponde o orador e ba de preferi-lo ao papel-moeda
puroe simples, logo qae sejam conhecidas as van-
tagens que sobre elle tem.
Deixemo-nos de novidades, disse mais S. Exc.
Sim responde o orador, de novidades prejudiciaea'
a de augmento do papel-moeda e outras anlogas
que possam surgir.
A populagao acostuma-se com as novas lels qae
sao estabelecldas e acompioba a mareba das ideas
e das ocecessidades publicas, que variara com o
correr dJS lempos com o andar da civilisagSo.
Se fosse o orador, se fossem os conservadores
qne se oppozessem a ama medida, porque a popu-
llo nao a vio alada em praiica, bradaria logo o
Sr. presidente do conseibosao os emperrados.
S. Etc., porm, tem o direito de deleader a roti-
na pela rotioa, elle o pontfice mximo, a ultima
encarnago do progresso 1...
Foi tambem por S. Exc. aecusado o plano do
orador de inexeqairel. E' exactamente esse o lado
pelo qual nao da elle poota em qaa possa pegar a
critica.
O orador sujeilou-se ao odioso da expresso
emprestimo forgado, a ser declarado autor de
novo papel-moeda, a ludo quaato quiz dizer o Sr.
presidente do conseibo, so para nao incorrer a sua
proposta na censara de pouco praticavel. Dau-lhe
a forma de meio circulante. O modo pratico de
realizar a idea mandar abrir ama cbapa, com
ella imprimir os ttulos, tazlos aolbeaticar e da-
los no thesouro a quena fr buscar pagamento das
letras que se forem venceado.
Parece, pois que S. Exc. aecusoa dioexequi-
vel o plano do orador nicamente para ter o gosto
de applicar ao orador e aos seos amigos que sus-
tentaran] a mesma Idea, a fbula dos ratos de La-
fontaine.
Qaaodo S. Exc. fallou no concilibulo dos ratos
para prem o guiso ao pescogo do gato, sappoze-
ram maitjs que S. Exc; na distribuico, reserva-
ra-se o importle papel de Rodillardo'fhilarldade.)
Foi engao. '
O gato aqu o mo estado fluaoceiro do paiz.
gaiso o remedio qae cada om se propOe dar.
O nobre presidente do conselho esta' portanto, no
caso dos mais, tambem um dos rato) (contina a
bilaridade), e o orador assim o diz, porque, sendo
sincero e justo, recoohece qua S. Exc. empenha-se
tambem na solugo dis difflcnldades financeirasda
sitnagao.
Deixa o nobre ministro de mencionar urna cir-
camstancia, e vem a ser que todos os membros da
respeilavel assembla de que falla o fabulista, opi-
naran] qae se puzesse ao pescogo do gata um cas-
cavel, qae deveria ser sempre socante, embora o
fosse mais ou menos. O que nem ara dos ratos
propoz (e essa talvez a razo por que S. Eic. se
esqnivuu de figurar ao como) foi que se pozesse
ao pescogo de Rodillardo um amuleto de papel-
moeda. (Apoiados a risadas). Nao pa.-sou pela
cabega da Lafontaioe que all bouvsse quem dlsso
se lembrasse.
O orador insiste que disse como bavla de amar-
rar-se o gaiso. ( Risadas). S. Exc. pode nao gos-
tar de guiso (continua a bilaridade ); mas esta'
estabelecido qual u modo de amarra-lo.
U Sr. Ministro da Justiqa :Acbou que nao Q-
cava bem amarrado.
O Sr. Paulino de Souza diz qae isso outra
queslo.
Nao censura ningaem por suas opioioes boas cu
mis. Em Guangas, como em tberapeotlca cada um
segu oseu systema : ba nisto plena e iateira lber -
dade. Segundo o testemaoho veridico de La-age,
boave na Hespauha um medico celebre, qoe quasl
escureceu a fama, quasi deitoa a barra a diante de
Hypocrates e de Galeno. Fallo do Dr. Sangrado
( bilaridade) personagem muno conheeldc.
O seu systema de substituir as veas do doente
o saogue pela agua morna tem mais de ama ana
logia com o plano financeiro do papel-moeda.'
Un Sk. Deputado:Pensei que ia fallar na aj>
plicaco do veneno em casos extremo.
O Sr. Paulino de Souza :Lembra bem o oobre
deputado, vou dcixar a applicago a finangas das
doatrinas do grande pratico de Valhadotid, pois
sngerem-me censa melhor.
Disse aqu om dos defensores da proposta qoe
era enejado o caso extremo.de langar mo do pa-
pel-moeda, como a medicina nos casos extremos
recorre aos oais enrgicos venenos, como mel de
corar. O orador aceitn e applaudio a eompara-
go do papel-moeta; coma veaeu. A emisso do
papel-moeda porra na soraraa de O,000;0005.
O que perguola (e nsla parte pede o auxilio dos
professores que tem assento na casa) se pode
ser permlltido administrar o veneno na dse em
que quer faze-lo o Sr. presidenta do conselho. (Ri-
sadas ).
(Ha muitos apartes)
OSr. Martinuo Campos :Decididamente desU
taita matara o doente. (Hilaridade geral )i
O Su. Paulino de Soha :0 doente morrera' da
cara; mas, asta* assentado a nao ba appellago
nem conferencia, ba de lomar toda a dse do ve-
neno.
(Gontinaa a bilaridade).
O Sn. Mabtinho Campos e ootros aenhores dio
aob a forma de meio circulante, no qoa^bondoa
queile distincto economista, dizendo-lbe que j
.sssa idea tambem Ihe occorrera. Nao trataram,
porm das condigSes constiluivas a praticas da
operagao.
Com a assergio do Sr. presidente do conselho,
de serem em tudo as suas ideas as dasse nobre
conseloeiro, folgou Imraeosameota o orador, e com
olle avistando-se felicitou-se por lio completo ac-
cordo de pensamento.
sent qae asslra oo fosse, porque aqaelle II-
Iastro cidadao observoa-lbe qae, concorda loteira-
mente no fundo do plano, nao jnlgava necessarias
certas condigSe?, como seja por exemplo o rsga-
te fl\al ao par do padrSj monetario, condigao es-
encial no entender do orador para a perfeita se-
foranga e garanta dos portadores dos titules e
para obstar a saa depreciaga como meio circu-
ame. i
O plano do orador nao em todo o desse cousa-
heiro, nao o de Mr. Glad.-lqne, nao o de Mr.
Cbase, nao o projecto de 1839, de lodos aceitn
alguma eouza qoe Ihe parecen bom, rejeilando o
que nao se coadonava com o flm que Uvera em
vista.
E' sna somante a c mMtugao qae fez dos diver-
ses elementos conbecidpj."
Nao pense pornlo o Sr. presidente do conse-
lho que o orador qoiz pro:lamar ama grande des-
-oberta em finangas e-qne com ella artnou p^u-
laridade e a gloriaNao : o orador quando vera
a tribuna para oumprir o sea dever, arrasiado
pela nocessidade moral de defender suas eonvic-
goes.
Vozes :Muito bem.
OS. Pabljnode Souza :-Nada ambicin, v
realisada a sna onica aspiragao poltica, tendo om
assento no parlamento, podendo naqaelle lugar de
honra (a tribuna) defeoder os interesses do si
paiz (muito bem), nao pode incommodar
cioso de gloria e de posigdes.
Sirvam estas palavras de resposta aos ditos do
nobre presidente do coaselho quando andou por
ah afirmando que o orador se apresentava muito
ufan por enunciar ideas de outrem.
Entrando na critica das operag5as levadas a ef-
feito por Mr. Gladstone e por Mr. Case, do nos-
sj projeclo de 1S39 e das instrucgdes de 3 de Ja-
neiro de 1842, o orador aprecia minuciosamente
;is condigoes de cada orna, estabelecando os pon-
tos de analoga com o sea piano, e os motivos
porque nao aceitoa outras bases etn qoe ellas se
rmaram.
Os excheque bilis de Mr. Gladstooe sao com o
prazo de cinco annos, realisavels de doze em doze
niezes, com jaro vanavel, que o banco de Ingla-
terra paga semestralmente em vista de coupim,
dados ao portador como titulo.
Sao recebidos pelos exactores e no baoco em
pagamento de qualquer conlribuigo ou transaegao
com o estado.
So tem aoabgia com a operagao proposta, por
sarem os ttulos recebivels pelo goveroo e pelo
banco, qae na Inglaterra incumbido da cbran-
os dos i m pos tos. i
Depois de dar as razies porque nao aceitou as
miras condigoes do excheque bilis, passa o orador
a avahar o acto do congresso americano de 3 de
margo de 1863.
Os ttulos correm como moeda (legal tender),
vencem o juro de 6 por cento ao anoo, pago no
tim de tres annos, que o prazo da operagao, sao
reembolsados em moeda legal, a do tempo do ven-
cimento, papel moeda, ouro, on o que for.
O ministro da fazenda Mr. Me Cullongh no re-
latorio de 1866 propondo a retirada do pjpel-moe-
da e de taes titulo?, lembroa para esse Om a mes-
ma operagao com a modicago de pagar joro rae-
uor em ouro, o que vera em abono da idea do ora-
dor, de resgatar afioal os ttulos qae lembrou, na
forma do padro monetario.
, Na mesma occasiao observa Mr. Mac Collongh
qae taes ltalos se naviara conservado no carcter
de emprego de capital e pouco (llciarara na cir-
colago, predominando a qualidade de empresti-
mo sobre a de meio circulante.
As semelbaogas saocorrer como moed legal
e sera juros. No mais sao diversas as condigSes do
plano do orador.
O papel qae se planejou emitlir em 1839, tinha
curso forgado ; era fecebivel as estg5es publi-
cas, venc.vel a 6, 12, 18 e 24 mexes, resgatavel
gradualmente cora o producto de certas rendas,
logo que entrassero para o thesoaro. Estes ttulos
podiam ser reformado:*, e o jaro de 7, 3 por cen-
o era pagavel no flm com o capital, no acto da re-
forma.
O orador depois de analisar e comparar cada
urna destas condig5es com as que propoz, entra no
exarae das instroegoes de o de jaoeiro de 1842,
Dotando qae a op rago nellas comida nao pode
realisar-se, porque sendo o juro dos ttulos 6 por
cento e ao par a preslagode capital, maiore3 van-
ugens offareciam as apolices muito abaixo de 70,
dando joro superior a 9 e 10 por coto.
Alm dlsso o ioteresse qae deixavam eotao oa-
tras applcagSes do dinheiro oo tinba relagao com
o qae promeltia o thesoaro.
O dinheiro dava nesse tempo em bas maos ele-
vadissimo premio.
Hoje o assim. O (besouro tem 50,000:000*
l depositados a 6 por canto ; as apolices de 90 do
cerca de 7 por cento ; o capital iolimidado pelos
tristes resaltados da especulago, procura a som-
bra do estado. Um emprestimo a 7, 3 por cento,
pagavel no flm de cinoa annos em moeda in-
variavel, hoje om emprego vantajoso de capital.
O reembolso ao par metallico altractvo que
escurece a differengs qae Tai do prazo defenci-
meato das letras do thesoaro para o do empresti-
mo em questo.
O Sr. presidente do conselho, depo3 de, cora a
amabilldade do costme, declarar peor do qae a
peste o plano do orador, limitou-se a offerecer o
merecimento dos autos, dizendo-lbe que respon-
desse ao nobre deputado por S. Paulo, qae to
vantajosamente disentio a proposta do goveroo.
E' o qae o orador vai fazer, agradecendo aquel-
lo honrado membro a benevolencia com qoe o
tratoa e dndose por maitollsoogeado cora o jaizo
do illastre deputado que declaroa ser perfeilamen-
te combioada a operagao sob o ponto de vista
scientifico, achando-a porm mais aproprlada para
a retirada do papel-moeda do que como expedien-
te financeiro as circnmsuncias actoaes. Alludlo
S Eie.ao qoe dissera Mr. Mac Cullongh era sea
ultimo relatorio sobre as Boaot**. dos Estadoa-
' S juizo mostrado do honrado deputado mdemni-
sa o orador das aprecug5as do Sr. presidente do
conselho.
Sao as argaig5as feiias as segaintes : ,
1.a Os tolos tem donjo carcter: nao se nxam
bem como emprestimo qem como meio.circulante.
Podem entrar o entrm no meio circulante, mas
tendem sempre a tomar carcter de emprestimo,
-.ando eata a qualidade qae oelles predomina, como,
comprebadeudo muito bem a operagao, reconba-
ceu o iliostrado deputada. Foi esse am dos fias
que o orador teve multo em vista par ar reda-I os
logo depois de eraittidos da circulacao.
2* Como meio circulante, deprimem as notas do
governo dois qae conslituem papel mata apreciado.
Nao; porque tendera a desviar-so da circulacao,
assamiodo o carcter de tilulos segaros de boa reo-
da. Quando porm circule parte desse papel, nao
se depreciando, pois tem o alor do padro
apartes. i
O Sb. Puno de Socza (voltando-se para o Sr.
Marti abo Campoi):V. Exc. quando aqui se fal-
ln a primeira vez em veneno como medico, lem-
brou-sa que seria caso de intervir a junta de hy-
giene (risadas), outro honrado depuladb'que esla-
va ento ao mea lado, hornera de lei, sngerio que
monetario em que ba de ser reembolsado, a aepre- 8e cmmasse o soccorro da lostica ( risadas), da po-
ciago qne por ventura commualcar ao papel do |cSa pr9vBtlva.
governo punca sBrconfio a emissao de 50,0^:0004j E", porm, todo baldado.E*u' decreUdo irre-
de papel moeda. Isto mesmo parecen tambem fe vogavelmant que vamos ter mais 50,000:000* de
eonbecef o seo dislicto collega. ,t- Jpel moeda. A onica Jostiga qae apreciara' o
3 Como emprestimo altera o,B_eteilo dos ca- $tt0 a t historia impircfal, qaaado astigealar a
as Tambem nao; porque o governo nao lnga-
ra esses talos no mercado, vai dando am paga-
mento aos portadores das letlraa do thesoaro, 4
medida que aili forem em bosca de reambolso. A
sua coHoeago se ir faiendo gradnaimenU oa fl-
cando logo-com elles os qaa os recabessam do the-
soaro, oa assimqae passassem as maos de otros
que nellas jolf assem bem parados os seas haVeres.
E' o mesmo capital empreg*4o asieftas do masca-
ro qae te empregari nesses ttulos.
V Fario baixar as apolices.
.Nao er o orador qae assim acontega, pciqae
como ja ditse o govtrno nao levar estes litlos ao
coaderanaroa efleitos desastrosos desu medida per
niciosa, subversiva, e, sob o ponto de vista finan-
ceiro, revolucionaria. (Appados).
' fj orador, depois de tres horas de tribuna, nao
se anima a encetar os ootros pontos do debate. Fa-
tigado, como se acna, vai apenas dizer mais algu-
mas palavras-----
Um Sr. Deputado :PaRao minutos para a
hora. *? /
OSr. Pauum ok Souia nao deixara apalavra,
fallando algans mnalos, ao Sr. presidente do con-
seibo oa oofro qualquer orador qaa Iba quera res-
mercado aera os emi," de chato. ITaa ilocacio pender; nao capaz dessa lacIfMNMtv.Tara'- por
sefar-teaxa e gradoalmapte. O* ^pU*es qud^ tanto. >alargar-.a am pouco mju vai atlender a
principio nellas se tem N ramtSar o os jl' nm qaeixa que do orador eio Sr. presidente do
empregado em letras do t'asou W?'J9lD0.e *** 0 V***t da east qaa o
E' certo que serio mais deseaos do qae apoll- S'lrta quando de a or.
Mostrou-se o nobre presidente do consalbo maito
resentido por dizer o orador qaa o ministerio nao
esta' na altura da siluagao gravisslma do paiz.
Refario-se ao gabinete e oo as pessoas dos mi-
nistros, laito assim aje por demais reeaivoa logo
o minislr eom que diseulla, racooiacendolhe
tlenlos elevados e qaalidades pessoaes.
ones at boje tara sido pessoal nem aggressivo.
O Sh. Martinho Campos b outros sbnhobes :
Apo>ado.
O Sr- Patlino de Souza re/eria-se ao gabinete,
a sua orgtoisago, a* ana polica....
O Sr. Martinho Campos :-Aoj actos e oo a's
pessoas.
O Sr-^aulino de Souz.v :.. ao aprego e
confianga do publico. Exprimi a sua conviego
sobre ama sitnagao poltica, e persiste em dizer que
estava no seu direito. Vai trazer, para tornarse
bem explieio, apreciago anloga que (az de sita-.
goss dadas de outro paiz.
Mr. Guizot, urna das primeiras cabegas da Fran-'
ga da Europa, em 1848, na opioio do orador, nao
se acbou na altara da sitnagao, porque nao soabe
prevenir nem dominar a revolngo de feverelr.
Cavaignae, qae alo vale Guizot, acbou se na al-
tura da situagSo, quando restitulo a seguranga so-
cial e a ordeui publica a' Franga nos das nefastos
de junbo.
Quando fallou em altara, nao quiz referr-se a*
altura pbysica, intellectnal nem moral-das pessoas
dos ministros, referio-se a saa altara poltica, ao
prestigio, ao apolo da opiniio qae acredita sincera-
mente faltarem ao gabinete.
Nao definir' o que prestigio, mas como tem
anda alguns minutos, trara' algans exemplos para
mostrar o qae prestigio conflaaga em poltica.
Prestigio, diz o orador, tinha O'Coonell entre os
irlandeze.-, porque, em seo nobre peito viam todos
offegar a alma opprlmlda da patria ; porque elle
senta carao seus os males que affliglam os pobres
Glhos da desditosa Ern. (Maito bem ).
Prestigio tem o illastre general, a quem o oobre
presidente do conselho, a casta de ama recompo-
gao mioisteral foi bascar para guiar a sorte da
oossas armas oa campaona do Paraguay. Por seus
triampbos faz o orador os mais ardentes votos, nao
so pela estima e respelto qae ihe tributa, mais an-
da porque nesses triamphos se empennam a honra
e a gloria do Brasil,
Prestigio des3e cidado eminente, a coja som-
bra o anno passado acolnea-se no senado o nobre
presidente do conselho, recebendo delle o pensa-
mento dessa lei, dessa misera lei de 12 de setem
bro de 1866, que hoje rola e dilacerada (apoiados)
anda de seus farrapos se quer tazar baodera para
cobrir o contrabando do papel-moeda. (Muito
bem).
Basta, porm, de exemplos, quando o orador tem
nesta parte contra a Sr. presdanle do conseibo a
sua propria confisso.
8. Exc. disse aqu, na dlscusso do voto de gra-
gas, algumas palavras que no sea discurso impres-
so sao attnbuidas a Lpez, de caja bocea S. Exc.
cortamente as nao oavio.
Sao as seguales:
Sai qae o imperio vastisslmo e tem multo mais
recorsos do qae ea; mas a vontaie qua predomi-
na la' oo sa faz coohecer e sentir como a minba
vooude aqui nao lenho cmaras, l ha cmaras,
ha imprensa, ha o ejecutivo, manietadi do egi
men constitucional, ao passo que aqui ningaem
devassa o meu pensament, e as minbas deci-es
sao incontinente obedecidas em toda a extensao da
repblica.
Essa tribuna, essa imprensa, essas pelas que ma-
nietam o executivo sao as grandes alavancas com
que se move o espirito publico nos paizes llvres,
sao grandes elementos de torga para os govarnos
prestigiosos, a que nao falla o apoio da naca). (\-
pojados.)
Sao peas para o nobre presidente do conse-
ibo, nao o foram para outros neste e em outros pai-
zes.
Sabe o cobre presidente do conselho em que po-
ca a Inglaterra subi mais no fastigio militar,
quando aicangou mais victorias e firmou a sua so-
berana nos mares ?
Foi quando William Pitr, conde de Cbatlam, im-
pondo-se a Jorge II pela vontade da nagao, reali-
sou em toda a sua plenilade as condigoes do rgi-
men de governo livre da melle grande paiz. (Muito
bem.)
Na tribuna dominava o genio da aloqoeoela,
na impreosa, a par de Addison, Johnson, e ou-
tras glorias Iliterarias, cada om dizia com liberda-
de o seu modo de encarar os negocios pblicos.
Obteve porm esse governo mametado do rgimen
constitucional todas as vantagens na diplomacia,
oas campaunas de trra e mar.
Todos os mezes llumlnava-ae mais da om vez
a socegada morada do cidado iogles, ardiam na
praga publica fogos de alegria. O vento que ira-
zia um navio as costas da Inglaterra, diz Macaulay
era prenuncio de victorias, cada meDssgeirq o por-
tador de estandartes e de tropbeos lomados ao ini-
migo.
Na Alleraanba as armas britanatcas faziam pa-
rar os exercitos de Luiz XV na erreira das con-
quistas ; os almirantes ioglezes (Boscawer e Haw-
ke) destruiam as esquadras [rincezas as costas
de Portugal a na babia de Blscaia; Wolfe morria
feliz aoaoDuocio da victoria diaote dos muros de
Quebec; lord Clive e Coote assentavam os fun-
damentos desse imperio Immenco das Indias,
que deu a rainba Victoria 140,000,000 de subdi-
tos I
Eram to brilhantes resaltados devidos em sua
mxima parte ao valor e patriotismo da nagao
britannica, mas todas essas glorias sa enramavam
para fazer refulgir ainda mais a corda do presti-
gio qae brilhava oa fronte elevada do grande re-
presntame dos coramons de Inglaterra I (Muito
bem.)
Estava all aberta a tribuna, a imprensa era
franca, estavam em toda a sua torga essas peas
com qoe aqui nao pode baver-se o nobre presiden-
te do conseibo i (Multo bem) Ao passo qoe o Leo-
pardo loglez aspirava a supremaca da mando, a
arvore secular da constituido britannica ostenta-
va-se cada vez mai garbosa e vrente. Nunca
laogou ella no slo raizes mais vlvazes e profun-
das, nunca reverdeceu mais, nanea s apresentoa
carregada de lo bellas'flores, de to aprimorados
(rucios. (Muito bem, multo bem.)
Esses tactos eocbem de salisfago os verdadeiros
amigos do systema representativo (apoiados) osos-
irando que os raakores resultados poticos sao com-
pativeis coa o grande principio da liberdade cons-
titucional.
Se o nobre presidente do conselho, se o goveroo
contasse com o apoio nacional, nao seriara as peas
da oooslituigo que Ihe servirlas de embarago, nao
sao elles que manietam o execativo.
- O Sn. Martinho Campos e octr s skihores:
Muito bem.
O Sr. Paulino de Souza :Esta' dada a rora.
Refere se portanto nnieamente a um ultimo lacio
qua se deu, que se esta' dando agora mesmo neste
recinto. Nao tara' pois seno assigoata-lo.
A primeira vez qae aqui fallou este anno o Sr.
presidente do conseibo dirlgio-se aos daquelle ban-
co (mostrando o banco da opposlgao liberal) com
modos e palavras os mais seductores, recordou-
itios que aiada ba bem pouco haviara militado jun-
tos, implorando que voltassem a antiga allianga,
que de novo se unissem para telleidade da patria
(Maito bem.) Permanecern! todos all surdos e
ioabalaveis. Sera' isto prova do prestigio do mi-
nisterio ?
O que se esta' passando agora mesma aqai neste
momento?
Nos os conservadores e aili (mostrado o mesmo
baoco) os Blbos desbordados do partido liberal,
sem aos enteadermos, sem nos nnirmos, tendo
combatido at as portas do parlamento, esperan-
do talvez amanhaa acharmo nos em frente sos
dos outros, eslamcs aqui bateado a mesma rota,
accordes em om nico pensamento condem-
nar e combater o governo. ( Apoiados, maito
bem.)
Nao nos podamos entender, porque temos prin-
cipios e somos liis a baodera qoe iramula com
honra em nossos arraiaes: nao nos podemos unir
porque f5ra do parlamento esto os nossos amigos
pellicos separados por oploiSas e Interesses polti-
cos oppostos.
O qae sigofica, porm, o tacto de se achirem os
dous partidos reaes em qoe se divide a nago dea-
tro e fr* do parlamento, accordes na idea de con-
demoar o goveroo ?
Significa e vem prevar ama verdade qae aqu
ja' o orador ama vez enuuclon e qaeo ministe-
rio nao tem, nao pode teta oonflanga publica
(Apoiados da opposigao, maito bem, maito bem, o
orador recebe (tUciiagdas-)
A discusso tica adiada pela hora.
Dada a ordem do dfa, levanta se a sessao as 4
horas da tarde.
SESSAO EM^rDE JULHO.
poesidencia do sr. fatua (vicepresidente;
A's 11 3/4 feiu a chamada vorifica-se baver nu-
otero sufBcieote, at;e-se a sessao, sendo lid'.e ap-
provadi a acta aoieriot.
O Sr. I' secretario d conta da sagaiule
EXPEDIENTE;
Um ojudo do ministerio do imperio, comma-
nicando que Sua Magestade o Imperador fleara in-
teirado das pessoas qua eompBa a mesa desta c-
mara qae tem da servir no presente mez. ittei-
rada.
Ontro do ministerio da agricultura, coramercio
a obras publicas, remetiendo as copias dos (lcre-
los onde se torna ram dependentes da olterior ap-
provago da assembla geral os privilegios canee -
didos a Charlas Pradez e Willfam F. Jooas para
usarem da madeira no fabrico do papel, e iseacgo
de direitos para a materia prima e machinas qae
importaren!; e a Jos Botelno da Araojo Carvalho
para empregar o kaolim e oatras argas no fa-
brico da louca.A' commisslo" de commercio, lo-
dustria e artes.
Outro do secretarlo do senado, parllcipaudo, em
additamento, qae, de coaormldade com o olflcio
desta cmara, emendou se a proposigao que appro-
va as pensos coocedhfas ao capitao Joo Vicente
de Brlio Galvio a eutros, oroHautdo-se as palavras
a do 24 dito Manoel Amaro da Silva: a aceres
caotou-se depois das palavrasde 29 de setembro
de 186d- o segaiote:e a de 600 rs. diarios con-
cedida por decreto da 17 de novembro do mesmo
anno ao 2* cadete 2* sargento reformado do 24*
corpo de volantanos da patata Manoel Amaro de
Silva.lnteirada.
Outro do mesmo secretario, participando, em
aditamento, que, de conformidade com o offlcio
desta cmara, emendou-se a proposigao que appro-
va as pensoes concedidas ao soldado Felizardo Jos
da Silva e sutros, alterando-se o norae d Antonio
Moreira de Araujo Neves para Antonio Mor eir de
Araujo Netto. lnteirada.
Outro do 1. secretario da assembla legislativa
provincial de S. Panlo, enviando ama representa-
gao da mesma assembla, relativa as divisas entre
esta provincia e a de Minas.A' commissao de es-
ta tistica.
Um requer memo d Carlos Domingos de Sou-
za Caldas, porteiro graduado do salo desta cma-
ra, pedindo urna gratifi^agao de SOOJ.A' com-
missao de polica.
Outro de Felippa Aogusu Benigna Meira, viu-
va da Tbomaz Jos Meira, 3 escriplurano da the-
sourana de fazenda da provincia de Parnambuco,
pedindo urna pensao para si e mais tres fuos me-
nores.A' commissao de penses e ordenados.
Ontro de Fraucisco Rodrigues Gaimaraes, pe-
dindo se Ihe mande admitlir a exame do 2 anno
medico cujas ligo>s assiste como ouviote.A' com-
missao de instruego publica.
L-se, jalga-se objeclo de deliberagao, e vai a
imprimir para entrar na ordem dos trabalhos, o
projecto seguate:
< A assembla geral resolve :
< Artigo nico. Pica coocedida erapreza de
encauamento d'agua potavel para abasteciraeuto
da capital da provincia de S. Paulo, establecida
de conformidade com o respectivo contrato cele-
brado entre a presidencia da dita provincia e os
emprezanos bacbarel Felicio Ribelro dos Santos
Camargo e Dr. Carlos Rath em 2 dejulho de 864
iseogo dos direitos de Importago, creados oa le-
gislago vigente, para todos os raaleriaes vindos
de fra do imperio, com destino s obras do refe-
rido encanamento ; revogadas as disposices em
contrario.
Saladas coramissdes, em 27 de julbo de 1867.
M. B. Fonlenelle.L. de Albuqoerque.F. de
Pania Santos.
L-se, juiga-se objecto de deliberagao, e vai a
Imprimir para entrar na ordem dos trabalhos, o
segointo projecto:
A assembla geral resolve :
< Art. 1.* Fica desmembrado do municipio do
CatalSo, provincia de Goyaz, e incorporado ao mu-
nicipio de Paracat, provincia de Mioas-Geraes, o
territorio qae tica ao lado esquerdo do rio de S.
Marcos, partiodo-se-de suas eabeceiras at a sua
foz oo Paroabyba, e a qae Oca a direHa do hbei-
ro denominado dos Arrependidos, desde suas
naseeotes at a sua juocgio ou barra eom o Rio-
Prelo.
a Art. % Revogam-se as disposigdes em con-
trario.
Pago da cmara, em 27 de julbo de 1867.B.
de Mello Franco.
O Sa. Martinho Cautos faz algumas observa-
goes.
PRIMEIRA PARTE DA ORDEM DO DA.
Entra em dlscusso, e approvada sem debate,
a redaego do projecto qae eoacede a peoso aa-
ooal da 400 a D. Hinonna Malbiides de Olivaira,
til ha do finado conselheiro da estado Candido Bap-
lista de Olivaira.
O Sr. Tavares Bastos- fundamentos e mandn
a mesa am reqaerimento de pedido da informa-
qSet, que licou adiado por baver pedido a palavra
o Sr. ministro da justiga.
Soscitoa-se ama qaesto de ordem : se devia fl-
car adiada a discusso do requerimente ou se de-
via se discutir nesta mesma s.-.-sfio, oa qual toma-
rain parte os Srs. Tavares Basto, Marttnbo Cam-
pos, Souza Carvalho e Abelardo de Brito.
O Sb. Prksirnte decidlo ento que continua va
a discusso do requerimento, e temoj parte nella
o Sr. ministro da justiga, que declaroa qae votara
pela pa sagem do requerimento.
O Sr. Tavares Bastos fez algamas considen-
goas,^ beija as maos do Sr. ministro-da justiga
pala deeiaragao feita de votar a favor do reqaeri-
mento.
O Sr Ministro da Justica declaroo qu9 agora
vota contra por persuadir-se ser urna censura a
passagem do requerimento vista da deeiaragao
do seu autor.
Tomaram ainda parlona questo oa Srs. Marti-
nho Campos e C. Oltoai.
A reqaerimento do Sr Toscano de Brito foi ap-
provada a preferencia por meia hora.
Oraram o Sr. Toscano de Brito, toureogo Ca-
valcaati e Tavares Bastos-
Ficou encerrada a discusso. ..
A requerimento do Sr. Tavares Bastos proceda-
se a votago nominal.
Votarain contra o requerimento os Srs. : Pedro
Leito, Adolpbo de Barros, Jansan, Lustosa, VI-
riato, los Avelioo, Amaro Bezerra, Toscano, Cor-
rea das Nves, Gama Abren, Joo Teixeira, Souza
Uarvalho, Araujo Barros, Mallo Cavalcanti, Epa-
minondas, Luiz Felippe, Correa.*de Brito, Buarque
de Maxedo, Perelra de Brilo, Brando, Ambrosio
Machado, Speridio, Aristidae Lobo, Bitteacourt
Sarapalo, S. Valioso Sods, Villaboim, Araujp
VascoDcelios, B. de Oliveira, J. Madureira, Fran-
cisco de Moura, Spinola, Frederlco de Almeida,
Socio, Pinto de Figueiredot, H. de Araojo, B. Pe-
reira, Virissimo de Maltos, Moraes Costa, A. Celso,
P. Santos, F. Vianna, Casslaoo, Americo bobo, P.
Lima, Cjsario Alvim, Ernesto Costa, Rabello, M.
Franco, Araujo Moreira, A. Braslliense, Martira
Francisco, Antonio Carlos, Flenry, Silva Pereira,
Asis, Abelardo de Brito, silveir de Sooza, Mello
Alvim e Arago e Mullo.60.
A faw, os Srs. : Pinbeiro, Gomes da Castro,
Balford Doarte, Vieira da Silva, Fonteoalle, Syn-
val, Souza Aodrade, Pamplona, Albaqaerqoe Bar-
ras, Tavares Bastos, Lourengo da Albuquerqae,
Barros Pimeotel/a-Tiberio, Fernaaoes da Cunba,
Augu.-lo Chaves, Bezerra de Menezes, Das da
Cruz, Macedo, Ctndido Torres, Sayo Lobato, Pe-
reira da Silva, Paulino, Vai Piolo, Marlioho Cam-
pos, haro da Prados, Christiano Cltoni, Lima
Duawe, Feliaio dos Santos, Gavio Peixoto e Ola-
garo.-30.
Os Srs. Fontenelres e Stnval dedaram votar
a favor do requerimento, mas nao a favor da oen-
sura. -
SEGUNDA PARTE DA ORDEM DO DA.
Crdito supplementar ao ministerio da faienda.
O Sr. Silva Pereira combate o projecto.
Nao bavendo numero para se encerrar a discus-
so, o Sr. presidente da a ordem do dia a levanta
a sessao.
poslgo qae declara appllcavels i prineeza lmpe-i ni(ia hnr\ mfr.A a nr.tan n dia iinti
rial e ao principe conserta certas fflsndslcdas do ?-*. nora' n sJevanu
art. 6.* da lei da 13 da novembro da 1841.a im-
primir. '1S M!
Om requerimento de Jos Leopoldo Ramos, pe-
diodo ser matriculado oo 1.a anno medicoA'
commissao de instruego publica;
Outro de Antonio Moreira Jnior, pedindo que
sejam validos os exames feitos em S. Panlo, aflm
de ser matriculado na escola de medicina da cor-
te.A' mesraa commiso.
~ L-se, apoia-se, e rejeitado em dbala, o ?e-
faiote requerimento : l
< Reqaoiro qae pela repartigio competente sejam
dados os seguales esclarecimentos:
f {.'Copia dos (fflcios do delegado da polica
de Petropolis ao commaodanta do aestacamanlo
sobre a prisao d Eiaardo Gmall.
c 2.a Copia do auto da exama de sade porqae
passoa Gmall.
< 3.a (jul o motivo porqae estove preso oa ca-
S, e qaantos das.
c 4.a Ioforraago do commandanta do batalhiio
da guarda nacional de Petropolis se e todivio
guarda nacional e prompto'para o servigo.
t Sala das sesses, 30 de jalho de 1867. Das
da Cruz.
L-se, apoia-sa e approva sa sem debate o sa-
gaiule reqaerimento:
< Requeiro qae se pega com urgencia ao govar-
go copia dos pareceres apreseotados pelo engeahei-
ro G. Raja Gibaglia sobre o melhoramento do por-
to de Parnambuco.
Sal das sessSos, 30 dejulho de\1867__Buar
qae de Macelo. > .
Lra-se, d vo a Imprimir para entrar na ordem
dos trabalbop, as redacgSes dos projeetos couceden-
do varias peasdes.
Vem a' mesa, e sao lidas, as seguales inter-
pellagoes:
< Reqoeiro que se mirque dia e hora para que
ea possa interpellaro Sr. ministro do Imperio sobre
os pontos seguales:
1. Que providencias tomou a proposito do
tacto de haver sido preso em Sargipe o subdito por-
loguez Cardoso pelo motivo de veader exemplires
da Biblia ?
Ia Se tm sido pagos os veoeimeutos dos pro-
fesores de seminarios subvencionados, cuja nu-
meago foi feita, independenle do conecurso exigi-
do pelo decreto u. 3,073 de 22 de abril de 1863;
e que providencias tm sido adoptadas em ordem a
darse cumprimento a essa duposigo ?
3 Se foi suspensa a cimara municipal da
Laguna, na provincia de Santa Camarina, a man-
dados processar os respectivos vereadores?" No
caso afirmativo, qae motivos determinaran) seme-
Ibante resolugo ?
i Sala das sesxde.% 30 de juiho de 1867.Bel-
fort Duarte.
< Usaudo do direito conferlo pelo regiment da
cmara, pego que se marque dia e hora para que
o Etm. Sr. ministro dos negocios estrangeiros se
digoe responder s segrales iaterpellagSes :
< l. Sa o governo imperial tem conhecimento
de que o da Confederago Argentina mandn pro-
ceder ao armamento da ilba de Martim Garcia, e
como consideou ou considera esse tacto.
t 2.a Se ja' foi ratificado o tratado do limites
ltimamente celebrado entre o imperio do Brasil
e Repblica di Bolivia er do caso affirmativo,
por qua oo foi cumprida pelo gocerno a ultima
parte do 8.* do art. 402 da eoostituigo do im-
perio.
t Sala das seseos, 30 de jalho da 1867.-Joa-
quim Manoel de MacJo. >
O Sr. Presidente marca para a primeira o dia 2
a para a seguoda o dia 3 de agosto; o declara que
vai-se officiar aos Srs. ministros respectivos, na
forma do regiment.
Vem' a' masa, l'do, apoiadot a flea adiado por
pedir a palavra o Sr. ministro da marinha, o se-
guate requerimaoto:
Reqoeiro que pelo ministerio da agricultura,
commercio e obras publicas se pega ao governo
cdpia dos pareceres das eommlssoas encarregadas
do exame da escripturago da compauhia de pa-
quetes, e assim tambera copia do parecer do conse-
ibo de estado a esse respeito, e do parecer do pro-
curador da corea, se bou ver.Lima Duarte. >
O Sr. Toscano ds Brito ( pela ordem): Sr.
presidente, a depatago nomeada por esta cma-
ra para felicitar a S. M. o Imperador por occasio
do anniversario natalicio de S. A. a Serenissima
Prineeza Imperial dtrigio-se ao pago da cidade no
dia e hora qae lrre forano indicados; e sendo re-
cebada com as formalidades do estylo, eu na qua-
lidade de orador da mesma deputago recitei, po-
rania o mesmo augusto seobor, o segaiote dis-
curso :
c o dia de hoje commemora ara feliz acontec-
meato qae lateressa tanto a V. M. Imperial, com)
a* oagao iotelra; a V. M. Imperial porque nessa
dia do anno de 1846 vio naseer a filha querida,
que a Providencia destioava para herdeira de sea
throno e de suas virtudes : a* nagao, porqae com
a asgusta prihceza adquiri mais urai3jaohoT~pt*
a coasolidago do principio monacohlco qae espoa
taooaraente bavla escolhido^aai sua eoostituigo
para o governo do Estado ohece com salisfago que V. M. Imperial todo era
penboo para imbu? a fatura Imperatrii do Brasil
no bons principios e praticasque lo nota vil-
mente assgnalara o- reinado da Vossa Magestade
pelo respeito aos preceitos coaslitucionaes.
A nago, senbor, v nestes fados om penhorde
sua futura prosr.eridade, a urna garanta para a sua
liberdade, nao pode deixar de, com V. M. I., regosi-
jarse no dia que commemora o nascimento da au-
gusta prineeza, objecto da suas mais caras espe-
raogas.
Acamara dos deputados,interprete destes sen-
tmenlos, e comparlilhandoos com effusSo, con-
gralnia-se com Vossa Magestade pelo feliz natali-
cio de S. A. Imperial a Sra. D. Isabel; e nos enva
em deputago para manifestar a V. M. Imperial os
seutimentos de qoe esta' possoida.
S. M. o Imperador dignou s responder do se-
guate modo:
i E' com o malar prazer qoe recebo as congra-
tulagoes que me apresentais em oome da cmara
dos seohores deputados.
O Sr. Presides te declara qoe a resposta de saa.
mazesiade recebida com maito especial agrado.
O Sr. Toscamo de Brito :Urna vez qne esto
cora a palavra, pego a V. Exc. para fazer urna reo*
tificago.
O Sr. Pmsidentb :Pode taz-la.
O Sr. Toscano de Brito. :No discarso do o-
bre deputado pela provincia do Rio Grande do Nor-
te, quando elle dizia que ba trila anuos no Brasil
nao se vola, vem um aparte meu dizendonem vo-
tara. Este aparte nao foi dado por mira.
Reconbego que o nosso systema eleitoral mai-
to defeitooso e precisa de reforma radical para qoe
a eleigo seja orna verdade; mas ea nao poda
avangar ama proposgo to absoluta.
ORDEM DO DA. ~
Proeede-se a votago da proposta do goveroo so-
bra crditos, coja discusso fiera encerrada na
ultima sessao a approvada ; lodo, depois de adop-
tada commissao de redaeco.
Continna a segn Ja discosso do art. 2.a da pro-
posta do goveoo que fixa as torgas de trra para o
auno financeiro de 1868 a 1869.
0 Sr. Jos Bonifacio impugna o art. 2.a da pro-
posta e offerece a segaiote emenda :
c AoLzV Emve datem direito na conformi-
dade de seirs eagajamentos a todas as vantagens,
dlga-se continaarao a gesar de todas as van-
tagens.
t O mais como no artigo.
Ao i. Depois das palavrasguardas naci-
se a sessao.
SESSAO EM U DE JULHO.
PRESIDENCIA 00 SR. SILVW** DE SOUZA ( VICE-MlE-
.. tiowtrhs.)
A s 1I1|4, feita a chamad, rarlfea-so ba?er Ha-
rnero sufflclenle, abte-w a sessio, sendo lid* e ap-
provada a acta interior.
O Sr. 1.a Secretario da' eoata do segutnle :
expeounte.
m offldo do mioiterlo do imperio, envianda s
copias dos decretos pelos qoaes saa magestade o
Imperador bouve por bem conceder as peD5es de
400 rs. diarios ao cadete J*s dos Santos Das
Carneiro e aos soldados Libo Pereira Lopes a Joo
Jos dos Santos Mes-ias.A' commissao de peosoes
e ordenados.
m reqaarimento do hachare! Lnlz Rodrigos
Villares, pedindo autorisago para trocar, sem o
descont da le as notas do thesoaro que perleocem
a' saa curatalada D. Joaquina Mara Pereira Vian-
na.A' commissao ds fazenda.
Outro de Jos Deolindo Pyrrho, pedindo qae se
lbe mande cootar tres annos e nove das em saa
antigi Jado de servigo como continuo da secretarla
da marinha.A' commissao de pensdes a ordena-
dos.
Outro de Antonio Moreira Jnior, pedindo qne se-
jam validos os exames feitos em S. Paolo, aflm da
ser maincul i lo na escola de medicina dista corte.
A' commissao de instraego publica.
Outro de Arcelioo Gandioo de Qoeiroz, pedindo
ser admittido a exarae do 1.a aono da faeoldade de
direito do Recite, depois da mostrarse habilitado
em inglez.A' mesma commissao.
Vea a masa lido e apolado o segointe requerr-
mento :
t Reqaeremos qae se'coosulto a eamara se nos
coocede algans das de liceoga para Irmos a pro-
viocia de S. Paulo.
f Saladas sessSes, 31 de jalho de 1887.Jos
Bonifacio.Andrada Machado.
O Sr. Abelardo de Brito pede qae o reqaeri-
mento seja dispensado de ir a respectiva commis-
sao, e entre logo em discusso.
Consu tada a cmara, nao s consente no pedido,
como approva o reqaerimeoto.
Os Shs. Candido Torres Filho e Biabque recla-
mara sobra a publicagiio dos trabalhos.
ORDEM DO DIA.
Entrara em discusso, e sao approvadas sem de-
bate, as redacgd>s dos projeetos qae concedem va-
rias pensfies, que foram a imprimir na ultima ses-
sao.
Entra em primeira discusso o projecto qoe au-
torisa o goveroo a admitlir a matricula em qual-
quer das faculdades do imperio o estodaote Fran-
cisco de Paola Barroso Nunes.
O Sr. Aravj > Barbos pede, e a cmara consen-
te, que o projecto teora ama s discusso.
Vem a mesa, sao lletas, apoiadas, e entram coa-
junctamente era dlscnssfio, diversas emendas, cot
cedendo o mesmo favor a outros estadantes.
Ninguera pedindo a palavra, e pondu-se a voto
o projecto, approvado com todas as emendas.
Vem a mesa, iido, apoiado e approvado sam
debata o seguidle requerimento :
t Requeiro qua sejam redlgldas em projecto se-
parado cada urna das emendas.Baptisla Pereira.
O projecto, as emendas e o requerimento sao re-
medidos a commissao de redargo.
Liceoga ao bacharel L. H. Cistrioto
Entra em I discossSo-o projecto qoe autorisa o
governo a conceder mais um anno de llcenga com
todos os seus vencimentos ao 2 ullkial da secre-
taria Ja agricultura, o baeharel Leopoldo Ueori-
qae Cistrioio.
O Sn. Alvim pede, e a cmara consente que o
projecto lenha ama s- discusso.
Vera mesa, sao lidas, apoiadas, e entram con-
juoctameota em discusso, as segumtes emendas:
< Offereco como emenda o seguate projecto.
Pinto de Fguolredo.
t Fica o goveroo autorisado para conceder om
anno de llcenga com todos os sens vencimentos ao
2a escriptnrario da alfndega dasta orto- Mariano
Jos Curpetino do Amar.il, aflm de tratar de saa
sande onde Ihe convier. >
l?ual favor ao Dr. Jos Lalz da Silva Moura
Nos das 18-e 29 nao bouve sessao.
ll I IBS
SESSAO EM 30 DE JULHO DE 1867.
As 11 e H|4 feita a chamada verifica-se haver nu-
mero sufflciente, abre-se a sessao, sendo lida a ap-
provada as actas das anterio es.
O Sb Ia Secbetario d conta do segu na
EXPEDIENTE.
Um offlcio do ministerio do imperio, aecusando
0 reeebimento do desta cmara, em que coraran-
nica ao goveroo imperial qoe a mesma cmara ap-
I provou a eleigo a qae ltimamente se proceden
(na parochia de Nossa Senhora de Nazaretb do
i Riacbo, pertencente ao 2a districto eleitoral da
1 provincia do Maranhao, a declarando que se expe-
| dir aviso i presidencia da dita provincia, para
qoe aquella deciso tenha a'devda execagaoIn-
tasada.
Ooiro do mesmo ministerio, enviando o offlcio
da cmara municipal da cidade de Goyat, aeom-
panhado da acta da apuragao dos votos de todos
os coBegis da proTtneia e-*os -doeomeotes rela-
tivos a e>igo era duplcala na cidade da Boa-
Vista.A' 3. commissao de poderes.
Oatro do mesmo miaisterie, eaviaodo as copias
dos decretos pelos qaaes boave por bem S. M. o
Imperador eonceder-pensSas a diversas pessoas.
A' commissao da peasdes e ordenados.
Outro do secretario do senado, enviando a pro-
naasdgaseem effeetivo servigo de guerra
Sapprima-se o resto do paragrapbo.
c O 2.a Sobstltaa se pelo segaiote :
Os voluntarios e os engajados do exercito terso
direito as vantagens dos voluntario da patria de-
vendo o premio dos prlmelros ser de 300#000 e os
dos segundos de 400*000.
Accrescente-so ao artlgo'osegaiote paragrapbo:
t O J 3.a Os libertos, a os perdoados pelo poder
moderador, qoe se allstarem as fllelras do exerci-
to sarao considerados como volantarios do mesmo
exercito com direito as vantagens a estes conferi-
das pela legislago anterior. >
A emenda apoiada, e posta em dlscusso.
0 Sr. Ministro da Guerra sustenta o artigo im
pugnado.
Nao havendo mais quem pega a palavra, encerra-
se a dlscusso sobre o art. 2.a, o qual, submettido
votago, salvo as emeodas, approvado.
Procede-se a leitura a submette-se a volajo as
emeodas offarecldaa a este artigo.
Rejertam-se as emendas.
Entra em discusso o art. 3.a e approva-se depois
de oraram os Srs. Christiano Ottoni a ministro da
guerra
O art. 4.a approvado sam discusso.
O projecto adoptado e val a commissao da re-
daego.
Entra em lerceira discussio a proposia eobre tor-
cas da mar.
Oraht oa Srs. Dias da Croi e J. Madureira, jnitt.*-
Qeaado este os seos additivos.
A discussio tica adiada pela hora.
juiz de direito da comarca de Otiras, no Plauby,
para tratar de sua saade.Sinval.Araojo Bar-
ros.Fialho__Jos Avelioo. ?
Niogaera pedindo a palavra, e pondo-se a rolos
o projecto, approvado com as emendas.
Vem mesa, lido, e approvado aera debate, o
seglnte requerimento :.
c Requeiro que as emendas sejam redigidas em
projeetos separados.Pereira da Silva.
O projecto e as emeodas vo com o requerimen-
to commissao de redaego.
>y Matricula de estodaote,
OSr. BOrta de Araujo requer preferencia pa-
ra entrar i inmediatamente em discusso a segointe
emenda approvada pelo senado proposigao desta
cmara que admitte canos estucamos a matricula
oas faculdades de direito e de medeeina e na es-
cola de marinha:
k c- No art. Ia supnranmse os carnes dos estu*
dautes Joaquim Cardoso de Mello Res e Gaspar!-
no Moreira da Castro Filho. >
Consultada a cmara, approva a preferencia pe-
dida, e era seguida a referida emenda.
Fixago da torga naval.
Contioih a 3' discusso da proposia do governo
qoe tixa a torga naval para o anno financeiro do
1868-1869 com os additivos apoiados.
O Sb. C. OttomSe acaso o Sr. ministro da
marioha qmzesse intervir cesta discusso,. talvez.
fosse mais coavemente que faliasse antes de mira
(pausa); creio qoe assim se pooparia tempo......
mas, visto qua S. Exc assim nao peosa, tomaral a
palavra.
A rpinha primeira observaco sera relativa a
am estylo que se iatroduz, oo sei se pela pri-
meira vez esto anno, m>s que de fado desvirta
as dL-cussoes-; vem a ser, irataodo-se das leis an-
noas, reservarem-sa para a 3* discusso os addi-
tivos coocedendo extensas autorsagaes.
Esses arbitrios sao questdes de conflaaga ; e as
que.Moes de roofianga s pdera ser debatidas com
alguma liberdade na 1' e 2a- diseassSes.
O Sr. Fomseca Vianna: As propostas do gover-
oo s tem duas discussoes.
O Sr. C. Ottoni:Pois imagine o nobre depu-
tado que eu s fallei da 2a, e observe que a minba
proposigao tica em p.
Estes additivos na 3.a discusso, bem sei, nao
sa coafra a letra do regiment; mas da certo o
estylo oo curial.
Citarei em prova a autoridade do Sr. ministro
da guerra, que peosa como ea.
Na discusso da proposta de fixagao da torgas.
de trra pergantoa-se a S. Exc. porque, toado pe-
dido no relatorio autorisago para reorganisar o
exercito, nao. Ib'a conceda a commissao : pergan-
toa-se ainda se S. Exc. pretenda embarcar a bisca
(foi a phrase de que usaram em um aparte), oa 3*
discussio t S. Exc responden qae oo era capaz
de tal.
O Sr. J. MADURRinA : Da embarcar biscas.
O Sa. C Ottqni : Deixemos essa palavra de
parte. S. Exc. desenvolva o sea pensamento : dis-
se qae nao era eapaz de fazer na 2* dlscusso re-
serva mental da autorisago desejada, para vic
formula-la era additivo na 3* discussio, em qaa o
debate manos ampio.
Notando, pois, que a esta respeito o procedk
meoto do -Sr. ministro da guerra condemnou pro*
viamente o do sea collega da manaba, entrare!
na materia da ordem do da.
No debate de boatem den-se controversia entra
am membro da opposigao a urna da maiorla. Ea
nao acompanbarei em todos os pontos essa contro-
versia ; cumpra-me, porem, declarar qoe mea si-
lencio nao importa o reconuecimemo do qua as
objecgSes taitas pelo nobre deputado pelo Rio do
Janeiro qae abri o debata fossem satisfactoria-
mente respondidas pelo nobre relator da commis-
sao. E, como exemplo da improcedencia das res-
postas, alladrei somante ao oorpo de ofBciaes da
fazenda, qne om dos additivo* pede aotorisagao
para reformar.
O Sr. J. Madurbtra: Qae continu a autori-
sago.
O Sr C Otioni : Lando trechos do relatorio
da marinha, o nobre depurado pelo Rio de Janeiro
mostroa claramente: l', qoe reforma de qaa se
trata va era a soppressao do osen vio do navio ;
3 que essa soppressao era prtma factt Inadmis-
sivel 3a, qne em (5oas ensalos fleara a Idea coa-
demad, e qae assim o reeooheeeu o Sr. minis-
tro ; 4a, aaa apezar disso S. Exc vai ensaiar an-
da a reforma. Nsnhoma destas assergSas foi, nem
podia ser abalada, porqua sa faadam em palavras
textoaes da relatorio.






.
<(^rwrar-M-*a\)
^TYP. DO DIARIO-RUA DAlf.^RUIES N. 4T

!*<
.....; ...
mm


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EKAPVB8C8_GMHHF6 INGEST_TIME 2013-09-05T01:25:12Z PACKAGE AA00011611_11359
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES