Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11355


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ii-fiiriHi
ANNO XLU. NUMERO 198.
ONU sb mtd*j.
PAH.1 A CIPITIL E LUtt 1HE8 OXIE K KA PAA rOMU
nrnblttflsijaa.. .i .1 ^ ^Wifi .. -n ,; vi .i'vj &Ma.hl^.
J* *ft>Ht *!*.. -i ,ifl .1 -lira ffl ^ *1 ^ i vi *aw aja* >> 240000
.fimo:.

XTA
-.U, jAfc'
*Sb msiijlze ooi
uto
Kfip I
1U 1 il
.si ea:..


tSTOflW oml.!Btlf> *
rAKA BETTBO E FOKA DA JTHOVIX 14.
KL,.^ 200230
"*'*.....* "...................*,., fCQO
tsaoiq i
"'
I ms BJSli :

AampMi mu iPi&DoiBitn n* mu?Mu i maroi!. mtimM 0>S na* d num, aiva ipmimmmim>8,
' --------------------------------------------------------------------- '' '
IENGARRBGAD08 DA SUBSCRIPCAO.
Paratayba, o Sr. Amonio Alexandrlno de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Margues da Silva ; Aracaty,
oSr. A. de Lasos Braga; Cear, o Sr. Joaquim
os de Oliveira; Para, os Srs. Gerardo Antonio1
Alvos di Filhes; Amazonas, o Sr. Jeronymo da
Costa; Alagoas,o Sr. Francino Tavares da Costa;
Bahia, o Sr. Jos Martina Aires; Rio de Janeiro,
o Sr. Jos Ribelro Gasparinho.
. PARTIDA DOS ESTAPETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estacos da via terrea at
Agua Preta, todos os das.
Igoarass e Goyanoa as segundas e sextas feiras.
Santo Anto, Grvala, Bezerros, Bonito. Garuar,
Altinbo, Garanbaos, Buique, S. Bento, Bom Con-
sel no, Aguas Bellas e Tacarat, as tercas-feiras.
Pao d'Albo, Nazaretb, Limoeiro, Brejo, Pesqoeira,
Ingazeira, Florea, Villa Bella, Cabrob, Boa-Vis-
ta, Ouncury, Salgueiro e Ex, as qoartas eiras
-
Serlnhem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Bar-
reros, Agua Preta e Pmenieim, as quintas
eiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do cotnmereio: segundas e quintas.
Rela?o : tercas e sbados s 10 horas.
Pazenda: quintas s f O oras.
Julzo do eommerc/o ; segundas as 11 horas.
Dito de orpbos : tergu e sextas s 10 horas.
Primeir Tara do eiveJ: tercas e sextas ao
da.
Segunda rara do elvel : qnartas e sabbados a
1 hora da tarde.
EPHEMERTDES DO MEZ DE AGOSTO
7 Quartojrete. as 4 h. e 17 m. da m.
15 Lna Mi as 7 h. e 48 m. da m.
23 Qaarto asiag. as 6 1|2 b. da t.
29 Lna ora a IB- b. e 13 m. da ro.
at,
ieio|
DAS DA SEMANA.


M &. S R.0f s-Liceriom., S. Eotbalia v.
29 Quima.' S. Adolpho b., S. Sabina t m
3'l Sexta. S. Rosa de Lima v. f. americana.
31 Sabbado. S. Raymnndo Nonnato card
1 Domingo. Nossa Senbora da Penba.
PREAMARDFH6JE.
Primeira as 2 hora 6 m. da- tarde.
Segunda as 2 horas e 30 minan da manha.
PARTIDA DOS VAPORES eO&TEIROS.
Para o sal at Alagoas a 14 30; para o non
at a Granja a 15 e 30 de cada mez; para Fer-
nando nos das 14 dos metes janeir?, marco, mal
jalho, setembro e novembro.

PARTE OFFKM
Hinlsierlo do Imperio.
Altendendo aos relevantes servicos que no conj-
ales de 6, 8, 9 e 11 de maio do correte anno,
prestaran os offlciaes do exercito, guarda nacional
a volunUrios da patria, pertencemes as torcas em
operacoes ao sol da provincia de Mato-Qrosso, e
cojos nomes constam da relaco que com este bai-
xa, assignada por Jos Joaquim Fernandos Torres,
do meu conseibo, senador do imperio, ministro e
secretario de estado dos negocios do Imperio, e de
conormidade com os f$ e 3 do n. 9 do de-
creto n. 2,853 de 7 de dezembro de 1861 : bei por
bem nomea-los cavaJIeiros da crdem imperial do
* Crnzeira
Palacio de Rio de Janeiro, em 19 de agosto de
4867, 46 da independencia e do imperio.Com a
rubrica de S. M. o Imperador.Jos Joaquim Fer-
nandos Torres.
Ordem imperial do Cruzeiro.
Cavalleiros: major de commissao Joo Tbomaz
de Camuaria, pelos combates de 6, 8,' 9 e 11 de
malo.
Capito Pedro Jos Rufino, pelos combates de 6,
8 e 11 de maio.
Dito Joaquim Ferrelra de Paiva, pelos combates
de 8, 9 e 11 de maio.
Dito da guarda nacional Delfino Rodrigues de
Almeida, pelos combates de 6 e 11 de maio.
Capito Napoiean Augusto Muniz Freir, pelos
-combates de 6, 8,9 e 11 de malo.
Dito Joao Baptista Marqoes da Cruz, idem.
Palaeio do Rio de Janeiro, em 19 de agoste de
1867.Jos Joaquim Fernandos Torres. .
Atienden jo ao? relevantes servicos que nos com-
bates de 6, 8,9 e 11 de maio do crreme anno,
presiaram os offlciaes de exercito, guarda nacio-
nal e voluntarios da patria, pertencemes as tor-
cas en operacoas ao sal da provincia de siatto-
Grosso, e cajos nomes conum da relaco que
com este baixa, assignada por Jo> Joaquim Fer-
nandos Torres, do mea conselho, senador do im-
perio, ministro e secretario de estado dos negocios
do imperio, ministro e secretario de estado dos
negocios do imperio, e de conormidade com os
i* e 5 do art. 9 do decreto n. 2,853 de 7 de de-
zembro de 1861: bei por bem condecora-los com
a ordem de Curisto nos graos designados na mes-
ma relaco.
Palacio do Rio de Jadeiro, 19 de agosto de 18S7,
46 da Independencia e do imperio.Com a rabri- i
ca de S. M. o imperador.Jos Joaquim Fernan-
dos Torres.
Ordem de Christo.
Commendador : major Jos Tbomaz Gongalves,
pelos combates de 6, 8, 9 e 11 de maio.
* Cavalleiros: major da repartilo fiscal Candido
Pires de Vasconcellos.
Capito da guarda nacional Caetano da Silva
Ajbuqaerqae, pelos combates de 6, 8, 9 e 11 de
maio.
Capi) Antonio Das dos Santos, pelos combates
de 6 e 9 de maio.
Dito de voluntarios Francisco Manoel da Costa
Perefra, pelos combates de 6 e 8 de maio.
Dito dito Vicente de Paula Ferrelra, pelo com-
bate de 8 de maio.
Dito dito Joao Caelano Teixeira Muzzi, pelo com-
bate de 11 de maio.
Dito dito Francisco de Paula Galvao, idem.
Dito dito Eook Baptista de Figoeiredo, idem.
Dito de commissao Joio Paulino Lapes de Sel
xas, dem.
Dito dito Pedro Kanes Baptista Ferreira Tama-
rindo, pelos combates de 8 e 9 de vmy^
Teneme de dito Joo Laiz do Prado'Mmeiro, pe-
103 combales de 6 e 8 de maio. /
Tenente Jos Eduardo Bubosa, pelos combates
de 6,8,9 e 11 de maio.
Dito Cesario de Almeida Nobre de Gusno,
idem.
Dito Salvador Francisco Gomes da Paixo, pelos
combates de 8 e 11 de malo.
Alteres de commissao Amaro Francisco de
Monra.
Dito Manoel Ciisaaco dos Santos Souza, pelo
combate de 6 de maio.
Dito ajudante Manoel Rodrgaos Bemflca, p \r-
combates de 6 e 9 de maio.
* Dito qaarlel-mestre Domiagos Marques Lopes
- Fogaca, Idem.
Dito de commissao Jos Mara Anselmo Tavares,
peh combate de 8 de maio.
Palaeio do Rio de Janeiro, 19 de agosto de 1867.
Jos Joaquim Fernandas Torres.
Attendendo aos relevantes servicos que nos com-
bates deG, 8,9 e 11 de maio do correte ano* pres-
taran) os offlciaes epracas do exercito, guarda nacio-
nal e velnotario da patria, pertencemes as forcasjera
operacies ao sal da provincia de Matto-Grosso, e
cajos nomes consto da relaco qae coa este bal-
9

FOLHETIH
tt BRANCA DE IANZA
RECORDARES DA CORTE DE FELIPPE II
Rtmance historie original
Por E. Feo de Mendoza.
' -
PARTE

I
.<
r
xa assignada por Jos Joaqaim Fernaudes Torres,
do mea conselho, senador do imperio, ministro e
secretario de estado dos negocios do Imperio, e de
conformidades com os g| Ia e 3a do art. 9 do de-
creto n. 2,833 de 7 de dezembro de 1861 : bel por
bem condecora-los com a ordem da Rosa nos graos
designados na referida relaco.
Palacio do Rio de Janeiro, em 19 de agosto de
1867, 46a da independencia e do Imperio. Com
a rubrica de S. M. o- Imperador. Jote Joaquim
Fernanies Torres.
Ordem da Rosa,
Offlciaes : teneoie-coronel de commissao Amo-
nio Eneas Gustavo Gslvo, pelos eombates de 8, 9
o 11 de maio.
O cavalleiro desta ordem, major Jos Mara Bor-
ges, pelos combates de 6, 8, 9 e 11 de maio.
O cavalleiro desta ordem, capuo Antonio Flo-
rencio Per eir do Lago, Idem.
O cavalleiro desta ordem, capito Dlogo de Sama
Rita Brito, pelo combate de 6 de m-.io.
O cavalleiro desta ordem, p.o.jj"ocimrgo ca-
pito Dr. Candido Manoel de i iiveira Quintana,
pelos combates de 6, 8, 9 e 11 de maio.
O cavalleiro desta ordem, primeiro elrorglo ca-
pito Dr. Manoel de Arago Gesteira, idem.
O cavalleiro desta ordem, tenente Cato Augusto
dos Santos Roxo, idem.
O cavalleiro desta ordem, primoiro tenente Al-
fredo de Escragnolle Taooay, idem.
Cavalleiros: tenente da commissao Antonio Ben-
to Momeiro Toarinbo, pelos combates de 8 e 11
de maio.
Dito dito Dionyslo Pires da Motta, pelo combate
de 6 de maio.
Dito dito Eluardo-Sim8ss de Paiva, idem.
Dit) dito Ado da Cunba Kmippell, idem.
Dito dito Raymundo Fernandas Monteiro Jaoior,
pelos eombates de 8,*9 e 11 de maloJ
Dito Rapr-ael Tobas de Souza Vasconcelles, pelos
combates de 9 e 11 de maio.
Dito Jos de Oliveira Caleiros de Albuquerqae,
pelos combates de 8 e 9 de maio.
Dito de commissao Paulo Antonio Ferreira Lis-
boa, dem.
Dito dito Luiz itodrigues de Moraes Jardim,
dem.
Dito dito Manoel Jos da Costa, Idem.
Tenente Joo Baptista de Souza Vianna, pelos
combates de 6, 8, 9 e II de maio.
Dito Luiz Alves Pinto, pelo combate de 11 de
malo.
Dito Gamillo Candido de Lellis, idem.
Alteres Sabino Fernandos ae Sonza, pelos com-
bates de 6, 8, 9 e 11 de maio.
Dito Joo Pacheco de Almeida, pelo combate de
8 de maio.
Dito de commissao Bento Tbomaz Goncalves, pe-
los combates de 6 e 8 de maio.
Dito Clememino Pereira Passw Cavalcante,
idem.
it) Jorge Caetano de Souza Cousseiro, pelo com-
bate de 6 de malo-
Dito secretario Joaqaim Concalves Gomide idem.
Alfares Symphronio dos Saot >s Ribas, Idem.
Dito Joaquim Bonifacio Ferreira da Silva, pelos
combates de 6 e 9 de maio.
Dito Joaquim Alves das Naves, palo combate de
6 de maio.
Dito Joo Jos da Lar, pelos comba!" de 8 e 11
de maio.
Dito Rufino Slmois da Miranda, idem.
Dito AffoDsj Aagusio da Silva Pego, pelos com-
bates de 8, 9 e 11 di maio.
Dito Manoel da Silveira Mir, pelo combate de 8
maio.
Dito ajudante Joaquim Candido de Vasconcellos
pelos combates do 9 e 11 de maio. '
Dito quartel-mestre Jnstiniano Augusto ('-sirio
Morelra, idem.
Dito Maaodl Joaquim Rodrigues de Oliveira, pelo
combate de 9 de maio.
Dito Amonio Jos Dias Coelho, pelo combate de
8 de maio.
Dito de commissao Elias Leite de Alexandna,
dem.
Dito dito Manoel Jus Rodrigues, idem.
Dito dito Flrmioo Gorges, idem.
Dito dito Ayres Emidio Das, idem.
Alteres Serafim Augusto Morelra, idem.
Dito de Commisjo Joaquim C valante da Sil-
veira Bezerra, idem.
Dito dito Florencio Candido Gonzaga, idem.
Ditq dito Luiz Antoalo Gonzaga, idem.
Dito dito Joaqaim Amonio de Manos Jnior,
idem.
Dito dito Joaquim Cavalcante da Silveira Bueno.
idem.
Dito dito Manool Cavalcante da Silveira Bueno,
idem.
Dito dito Manoel Joaquim de Oliveira, Idem.
Dito dito Paulo Pinto Auto Rangel, pelo combate
de 11 de maio.
Alteres Jos Martinsde Figoeiredo, pelo combate
de U de maio.
Dito Joaqaim Alfonso dos Santos Lagos, idem.
Dito Fortunato de Faria Gurgel, idem.
Dito Joaquim Jos de Senna, idem.
Dito Oriol Aognsto Teixeira Lomba, dem.
Dito Daniel Binicio de Toledo, idem.
Dito de commissao Joo da Cosa Campos, idem.
1* sargento Antonio Augusto Fernandes, Ado,
pelo combate de 6 de maio.
Particular 2a sargenta Alfredo Laurenlino Martins
de Oliveira, idem.
Ia sargento Panlo Nunes de Siqueira, pelo com-
bate de 8 de malo.
2a dito Joo Ferreira da Costa, idem.
Cabo Manoel Amonio de Oliveira, idem.
Dito Francisco Jorge, Idem.
Dito Joaquim dos Passos, idem.
Paisano Manoel Alves Lisboa.
Alferes Amonio Dias Lemos.
Dito Joo Capistraoo de Oliveira.
,Djlacio io Rl d8 Janeiro, em 19 de atjosto de
1867.Jos Joaquim Fernandos Torres.
Decret n. 3,926 de 7 ie agesto de 1867.
Prosegoto a discassao da proposta, converti-
da em projecio de le, autorlsaudo operacies de
crdito e aemissio de papel-moed.
Tendo orado o Sr. visconde de Jequitiohonba,
Beou a discasso adiada pela dora.
A cmara dos depntados approvon hornero, sea
Concede o aso fle urna medalha" as torcas expedi- debate, a redaeco da'prpordoVov"eroo aeT
-?.-r,"-?m Pec5es ao sal da provincia de xa as torcas de trra para a auno financelro de
Maito-Grosso.
Attendendo a constancia e ao valor com que,
nao obstante a privaeSos soffrldas, se boaveram as
torgas expedicionarias
1868 a 1869.
Adoptou em seguida o projecto que estabelece
para S. a. a Sra. D. Leopoldina e sea augusto es-
de Maito-Grosso, bateado ; poso, nos termos do respectivo contrato matrlmo-
hnn^S?f,uC0 umnas Pa"ua5!a8 ?"! os com- nial, um patrimonio em trras, constante de djas
- -nlmigo : porcSes, cada urna da 49 leguas quadradas, sendo

. bates que com ellas travram em territorio ,u
isoidado Adao da Costa Valverde, pelo combate tal por bem conceder-Ins o aso de orna nndalha
r Tledciripf So por
uvwu
OS DOfo FVOiPfOS.
CAPITULO I.
ous novos dignos pmonaqtns.
(Cootinoar;o do n. 49,)
AolQrtiQ Peyw passoa una braco pela tor-
neada, ciotura da princeza, diiendo-lhe com
voz persuasiva :
Estremeces, Arma Ah 1 ac/edito-o...
* Se o rei me abandoDa, ou os meus inimigos
triampham e Feppe II tem qae fazer jas-
tica, entao estou perdido... Oh alm disso
agora temo outra coosa.
Outra coosa ? -Falla.
At agora nao me iembro a carta
qae equivocadamente enviei ha ora anno
minha provenida Branca de Laoaza ; 8 nao
me lembrei, porque embriagado com a mi-
nha fortppa, jalgaei qae esta jamis me
abandonara. Masessa carta, como sabes, n3o
consegu obe-la... est em seu poder; falla
de ti, e... se Branca quizesse perder-nos...
Mas logo passorj a mSO'pela frente, como
que para afugeur aquella idea espantosa^
e protegalo:
No entanto, jalg q06 calumnio Bran-
* ca de Lflnni.. su Mv^ qoerioV valw-e
dessa carta, nunca como quando a recebeu..
Nao, nao. Branca nobre e jamis prati-
car tal vilania.
D. Aona mordea os labios, porque, a
sea pezar, tinba zelos da filba de Lanosa ;
mas diligenciou sereoar-se, e disso a Prez :
Ento nao te apoqoentes mais por isso
que pelo negocio de Escobado. Animo,
Antonio; esta nout ests tmido e receioso,
vendo tudo de cores sinistras. Procurare-
mos vencer os teas inimigos, desfazer-oos
desse Matheos Vasqaez e convencer o mo-
nareba... O mais importante qaePelippe II
continu a ignorar, ou pelo menos viva*m
duvida, com respeito ao nosso amor.
Oh sim, sim, responden o secretario
de estado, tens razao, Anna ; mas n5o seria
mais prudente qae nos affastassemos da
corte? Tu srica, eo tambem. Qaeres
que vamos para Franca, longo de Felippe II,
de quem boje tenho om terrivel medo? Oh !
all viviramos ditosos om para o outro,
sem receiar os.nossos inimigos, e felizes
com nosso amor, sem ootros eaidados
nem afans.
Era necessario gue a paixo que Antonio
Prez senta por D. Anna de Mendoza fo se
urna dessas paix5es qae enchem completa-
mente o coraclo, para qne tivesse proferido
aquella idea, qae effectivamente o3o tinha
cousa algama de rasoavel.
E depois, a princeza amava Antonio P-
rez, e multo, mas n3o tanto qae por elle se
expozesse a perder o favor do rei e a re-
nunciar a sua posic3o, por mais equivoca
que fosse ; mas a molber v8a e pervertida
que sacriBcou saa yadadee ao vil interes-
se o sen decoro e o seu oome, incapaz
de abandonara senda do vicio at consegoir
completamente os seds desejos.
Foi por isto qae O- Anna se sorrio com
dissimoiado desagrado estranha pjoposta
de 6 de malo.
Dito Jos Ferreira, idem.
Dito Olegario Roque de Souza, idem.
Dito Laurindo Francisco Ferreka, pelo combate
de 8 de maio.
Dito Sebastio Tbom Pinto, idem.
Voluntario da patria Joo Monteiro Malafala,
dem.
Palacio do Rio de Janeiro, em 18 de agosto de
1867.Jos Joaqaim Fernandes Torres.
Attendendo aos relevantes servicos que, no as-
salto e tomada da praca de Coromb, no dia 13 de
juubo do crrente anno, prestoo o tenente-coronel
de commissao Antonio Mara Coelho, de conor-
midade com os 1 e S do art. 9 do decreto n.
2,853 de 7 de dezembro de 1861: bei por bem no-
mea-lo offlcial da ordem imperial do Crazeiro.
Palacio do Rio de Janeiro, em 19 de agosto de
1867, 46a d independencia e do imperioCom a
rubrica de S. M. o Imperador.Jos Joaqaim Fer-
nandes Torres.
Alien deudo aos relevantes servicos que, do as-
salto e tomada da praca de Corumba, no dia 13 de
junbo do correte anno, prestaram os offlciaes per-
tencemes vanguarda do S corpo em operarles
na provincia de Maito-Grosso, e cojos noaes cons-
tam da relaco que com este baixa, assignada por
Jos Joaquim Fernandes Torres, do meu conselho,
seoador do imperio, ministro e secretario de esta-
do dos negocios do imperio, e de conormidade com
os 1 e 3 do art. 9 do decreto n. 2,853 de 7 de
dezembro de 1861 : bei por bem nemea-los caval-
leiros da ordem de Cbristo.
Palacio do Rio de Janeiro, em 19 de agosto de
1867, 46a da independencia e do Imperio.Com a
rubrica de S. M. o Imperador.Jos Joaquim Fer-
nandes Torres.
Ordem de Cbristo.
Cavalleiros : Capito Joaquim Craveiro de S.
Dito Jeo de Oliveira Mello.
Dito Manoel Pelxoto de Azovedo.
Dito Augusto Correa da Costa.
Tenente Antonio Rodrigues de Sampaio.
2a cirurgio Dr. Carlos Jos de Sonza Nobre.
Padre Francisco Bueno de Sampaio.
Alferes Amerito de Albuquerqae Porto-Car-
rero.
Palacio do Rio de Janeiro, em 19 de agesto de
1867.Jos Joaquim Fernandes Torres.
Attendendo aos relevantes servicos que, no as-
salto e tomada da praca de Corumba, no dia 13 de
juoho do correnle aono, prestaran) os offlciaes,
pracas de pret e paisanos, pertencemes a vanguar-
da do 2' corpo em operac5e* na provincia de Hat-
to-Grosso, e cujos nomes constam da relaco que
com este t>aixa, assignada por Jos Joaquim Fer-
nandas Torres, do mea conseibo, senador do impe-
rio, e ministro e secretario de estado dos negocios
do imperio, e de conformidade com os S 1 e 3 do
art. 9 do decreto n. 2,833 de 7 de dezembro de
1861 : bei por bem condecora los com a ordem da
Ucsa nos ditlerentes graos designados na referida
rela(o.
Palacio do Rio de Janeiro, em 19 de agosto de
1867,46a da independencia e do imperio.Com a
rubrica de S. M. o Imperador.Jos Joaquim Fer-
naudes Torres. .
urdera da Rosa.
Offlcial : Capito Joaiuim Jos de Piobo.
Cavalleiros :- Tenente Joaqaim Ferreira da Silva.
Dito Ueirioo Nonato de Faria.
Dito Antonio Mara da Motta.
Dito Manoel Eugenio Barbosa.
Alferes Hortencio Augusto de Seixas Coutinno.
Dito Felisberto Hennqoes Bueno Deschampa.
Dito Jos Pereira dos Ooimaraes.
Dito Amonio Carlos Pereira.
Dito Lino Jos de Piobo.
Dito Bento Apriglo de Mattos.
Dito Manoel Nonato da Costa Franco.
Dito Kandolpho Olegario de f'igueirodo.
Dito Antonio Felippe Peroandes Cuiabmo.
Dito Francisco Paes Rodrigues Pinhetro.
Dilo Indalecio da Silva Bondao.
Dito Egydio Xavier Ribeiro.
Pharmaceotico Damio Jos Soares.
Soldado Claro de Almeida.
segundo os desenos
balxam, assignadas
urna na provincia do Paran e outra na do Espiri-
to Samo.
e instrucc$es que com este
por Joao Lostosa da Cunha I Occapoa-se depois com a dlssusso do reque-
Paranagua do meo conseibo, ministro e secretario > nmento do Sr. Assis sobre negocios da provincia
de estado dos ueqocius da guerra, que assim o te- jde Mato Grosso.
^mSS1mJft xwi2wr- -' J r4[a,E omesmo- seobor, e os Srs. ministro di
iJnSS,. Rl de Joe,r. em 7 de as"os,l> ds; marlnha e Silva Pereira, sendo retirado
lt>7, 40a da Independencia e do Imperio.Com a do seu autor.
rubrica de S. M. o Imperado!.-Joo Lustosa da j Approvoo mais, em 2a discussao, sem debate a
Cunha Paranagu. proposta do governo para a abertura de um ere
lostraeeoes sobre o uso da medalha a que se refere dito extraordinario ao ministerio da guerra.
a pedido
o decreto desta data.
Art. I." Os offlciaes e pracas das torgas expedi-
cionarias em opeflcSas ao sul da provincia de Mat-
Rejeitou, depois de algomas observacoes do Sr.
Silva Pereira, o projecto qae equipara os venci-
ruentos dos Ia cfflciaes da pagadoria da edrte aos-
i
to-Grosso osario de urna medalha conforme o de-. vencimentos qae ora percebem os ebefes de seceo
seaho junto, -pendente do lado esqnerdo do pello | do tbesonro nacional,
por urna Ota de dous dedos de largara com qua-
tro listras, senio de cor azol aos dos extremos e
verde e amarella as doas do centro.
Art. 2.a A medalha ser de onropara os offl
ciaes superiores, de prata para os capiles e su-
balternos, e de nma liga de cobre e estrabo para
pracas de pret, sindo todas da mesma forma e di-
mencSes.
Art. 3.a Os individuos a que concedido o uso
desta medalha nao podero trocar a de um pela de
outro grao, mas sempre e em todo o lempo usaro
daquella que fOr correspondente ao posto ou praca
qae oceupavam na pocba em qae a recebe-
rara.
Palacio do Rio de Janeiro, em 7 de agosto de
1867.Joo Lnstosa da Cuaba Paranaga.
COMANDO DAS ARMAS.
Qnarisl general de eemmando das armas de Per-
nambuco na eidade do Reeife, 29 de ageste
de 1867.
ORDEM DO DIA N. 373.
O brlgadeiro commandante das armas determi-
na, que na manba do dia 2 de setembro prximo
vindouro, se passe revista de mostra em seos res-
pectivos quarteis, a compnbia de operarlos do ar-
senal de guerra, e aos depsitos abalxo menciona-
dos pela ordem seguinte :
As 6 horas a compnbia de operarios, as 6 1|2
ao deposito especial de instroeco ; as 7 ao de pri-
sioneros de guerra Paraguayos, e as 7 1|2 ao dos
recrotas.
(Assigoado) -Juaquim Jos GoHfilves Fontes.
Est conformeEmiliano Krmesto de iltil*
Tamborm, tenente-ajudante de ordens encarrega-
do do detalbe.
DIARIO DE PEBNAMBUCO
t
do secretario, e lji disse olhando-o com a
expressao mais-fascinadora dos seus olbos :
Antonio, esta noute ests iosappor-
tavel, e estou certa de que amanbaa, quando
te lembrares do qae me disseste, te cha-
mars louco e nescio. Nanea te vi tao trans-
tornado, e seguramente qae os teas nego-
cios andaram bastante mal, quando apezar
do teu costumado sangue fri, poderam
conseguir anoiquilar-te e aterrar-te. Como
qaeres que nos possamos ir para Franca,
demonstrando com semelhante conducta os
lagos que nos aneen e fazendo no corado
do rei ama ferida que jamis se curara ?
Jolgas que Felippe 11 se esqueceria da of-
fensa, e acreditas qae baveria algum canto
no mando onde o sea odio nos nao podesse
alcancar ?
~ E qae fazer ?
'-" Peixa-me continoar. Esta noate 05o
te occorre nenbama idea rasoavel, e ea tenho
qae pensar pelos dous. Parece-me, Auto-
ok), qae exageras o perigo que te ameaga.
O rei o n'Osso. Dominamo-lo pe}o amor e
pela edmplicidade emalgumas das suas mais
equivocas acedes. Ama-me muito, e tu s-
lbe necessario ; creio, pois, que apezar de
todos os teas inimigos, o rei te conservar
oa sua graca.
Talvez toabas raio, exclamou o
afSicto secretario. Felippe II parece-me
qae nao desconfia por em qoanto, mas te-
nho mil inimigos qae me atormentara e me
perseguem. Alm do filao.de Esoobedo. e
de Matbeas Vasqaez, o daqae de Medina-
celi jurn viogar-se de mim, e o daqae de
Alba e o marquez de Velez secundam os
seas projeclos, porque timbem me odeiam,
J sabes que este oltimo quer chegar a oc-
cpar a minha posicSo nocoracJo do re.
e...
> ^ Pobre moco I disse a pnncez? sorrio
Anda colbemos da leitura dos jtrnaes as se-
guintes noticias que damos por suas datas :
RIO DE J l MI HO
9 de agosto de 1867.
Honlem foram adoptadas pelo senado, em 3*
discasso, as tres proposieths qae aorovam as pen-
adas concedidas a D Umbellna Horacia de Andra-
de Seixas, D. Anna Espinla da Cunba Tourinbo,
D. Mara Nucator dos Santos e a outras pessoas.
Passaram em I* e 2' dlscosso cinco proposi-
edes approvando as pens5es concedidas ao soldado
Antonio Luciano de Lima Feitosa, ao 2a cadete Ia
sargento Manoel Gomas de Albuquorqae, aos sol-
dados Joaqaim Maaoel Ferreira, Joaqaim Mara
Maciel, Jaeimbo Jos da Silva e outras pessoas;
e tres propositas concedendo llcenca com ven-
cimentos aos desembargadores Pedro Autrao da
Malta Albuquerqae e Jos Nicolao Rigueira Costa
e ao juiz de direito Candido Gil Castalio Branco.
Contlnuou a discasso do requerimeoio do Sr.
Silveira da Motta sobre a expedico de Mato-Gros-
so, e, tendo orado o Sr. baro de 9o Loorenco,
tornou a fisar adiada, depois de teram sido anota-
dos os segioles { additivos, offerecidos palo Sr.
Oltooi.
c dem, as instraccSes dadas ao coronal Drago
sobre a expedico de f >rcas mandadas para Mato-
Grosso.
c Ilem, as instraecdes dadalas ao presidente
Couto de Magalhes acerca do movlmento de tor-
cas sobre, o Apa.
do-se e interrompendo Antonio com cari-
nhosa compaixo. Vejo que nao s astuto
nem tens talento seno para resolver os
negocios do rei. Nos que te pertencem
estas completamente desorientado. Permit-
te-me que me encarregae delles.
E qae pretendes conseguir?
Salvar-te e salvar-me.
E como ?
Muito fcilmente. Os teus maiores
inimigos, e digo maiores porque sao os
mais poderosos, sao o duque de Alba e D.
Pedro Fajardo. Pois bem, o primeiro da-
se- lhe que fazer na guerra, nomeando-se
cuete de qoalqaer expediento, e ja nao torna
a lembrar-se da poltica ; em quanto ao se-
gunde eu possuo o segredo, nao smente de
ioutilisar os seus tiros, como de p trans-
formar ao mais decidido dos nossos alijados.
Mas como ?
Vaia sabe-lo. Nos, as malneres, ade-
vinhamos com muito mais facilidade do qae
vos os segredos do corac5o ; e, gracas a essa
prespicacia, ha muito tempo que em minha
casa aqu adevinhei qae D. Pedro Fajardo
estava perdido de amores.
Mas Isso...
Espera, espera... j achares o fian...
De um hornera enamorado faz-se um dcil
instrumento, quando se lhe pode lisongear
suapaixSo e dar-lbe esperances de que
conseguir o objecto do seu desvaro. Pois
bem, o marqoez de Telez, j vs tu. se nos
reoder preito e homeoagem qaando loe
disseres: < Sr. marquez, amis muito urna
bella menina, e desojareis casar com ella.
Tomai a sua m5o e soie ditoso.
E qoem havia de diier isso, oa ?
Justamente. Quem se nlo tu pode
offerecer aqualquer pessoa a mJSo deCons-
Tratou em ultimo lagar da continuado da dis-
casso do parecor sobre a reforma do regiment
em relaco as sessdes da mesma cmara.
Oraram os Srs. C. Ottonl, Barros Pimentel e mi-
nistro da agricultura, fkando a discasso adiada
pela hora.
Foram eflorecidas as seguiotes emendas :
Sub-emenda a minba I* emanda : accrescen-
te-se :
No caso do ser prorogada a analo da ma
nbaa, a da tarda abrir-seha depois de levantada
a ootra.
< A 2* emenda.. Onde diz: > Se anda houver
presente algum depotado inscripto, supprima-se a
palavra prsenle.
Depois da parase, por mais nma bora, aceres-
cente-se :
B o presidente dar a palavra a cada nm dos
inscriptos at expirar o praio da prorogacio;
tendo-se estes retirado, ou tao bavendo nenbum
inscripto, encerrar a discasso. >
< A V emenda. Onde diz: Adiada a votacao
para o dia seguate dlga-se : Adiada a votacSo
para a sesso seguinte.
c No final da emenda, sapprimam-se as pala-
vras com que termioa : Neste caso nao baver
prorogaco.
< Accrescentem-se os dous periodos seguimos :
< A votacao do adiamento que se nao possa ve-
rificar por falta de numero, Qcara Igualmente
para a sesso seguate, proseguindo, entretanto, a
discussao da materia ; e se esta Ucar encerrada,
volar se-ba em primeiro lagar na sesso seguinte
o adiamento proposto.
< A ordem do dia para a sesso da tarde ser
designada com a da manba do mesmo dia, publi-
cando-so ambas simoltaneamente no jornal da ca-
sa.A. C Tavares Bastos.
1.* As sessdes comecaro as 10 horas.
< 2a Durar? em todo o caso 5 horas.
3.* Al a entrada na ordem do dta, exclusive,
a mesa proceder como prescreve a 3* emenda
do Sr. Tavares Bastos.
< 4.* P'n entrar as discussoes da ordem do
dia, bastar que estejam presentes a quinta parte
do cumero dos mambros que hoaverem sido con-
templados na ultima follia de subsidio. As ditas
discussoes proseguiro at o Om da hora, qual-
quer que sej o numero dos presentes.
< o." Todas as mataras que fortn discutidas
sero conservadas em boa ordem para serem vo-
tadas quaodo bcuver numero, na mesma ou ulte-
rior sesse; sendo ao segundo easo publicadas no
jornal da casa por exumo, ou ao meaos com m
dicagio clara dos assumptos.
t 6. Todas as vezes que se hoaver de votar em
ama sesso as materias discutidas em ootra, o
lempo despendido com'essas volacoas e quaesquer
qnestdes de ordem a remello dallas sera adicio-
nado as 5 horas da sesso-normal.
7.a Ninguem fallara mais de ama bora, anda
qae seja ministro.
< 8.a A preferencia dada aos ministros para fal-
lar nao pretere a regra de dar-se a palavra alter-
nativamente aos inscriptos pro e contra. C Ot-
tonl.
c A sesso abrir-se-ba as 11 horas.
c Para abrir-se a sesso basta que se acbem
presentes 25 depntados.
> Se' ai? meio-dia nao comparecer metade e
mais um dos membros da cmara para lapprova-
rem as materias encerradas levaotar-se-ba a ses-
so.
Nao havera' votacao, a nao ser nos casos ex-
da
E' de minha irm5a que D. Pedro est
enamorado ?
Sim. Qae dizes agora ?
Que a toa idea admirare!, mas qae
minha irrua nao consentir nunca em ca-
sar-se com o .marquez, porque ama Joo de
Lanuza com todo o coraco.
A princeza soltou orna gargalhada.
Que tontera I disse a Prez. Vais
o cu par-te do amor de urna menina de
desosis annos, que nao sebeo qae amor,
e que ama Joo como amara um irmao ?
De todos os modos, Anna, a minha
dignidade nao me permiti offerecer ao
marquez a mo de Cons tanga. Falla-lhe tu
nisso, e ento acceito.
Muito bem, disse a princeza; deixa
isso a meu cuidado, qae nao fars nenbum
papel ridiculo. O rei de Hespanlia ser
quem offereca ao marquez a mo de Coos-
tanca.
Como ?
. Negocio concluido. Agora retira-te,
pois espera Felippe II. Santoys avisou-me
para tanto esta manba.
O rosto de Prez annuviou-se, e um re-
lmpago de zelo passou pelos seus olhos
como se fra orna labareda sombra.
Qaeres dizer que esperas o rei ?
Sim, lhe responden a princeza co-
rando.
Prez levantou-se com violencia, e 6xou o
seo othar na incendiada pbysionomia da sua
amante com ama expresso indefinivel de
cholera e de desalent.
D. Anna comprobendeu o qae aquello
olhar quera dizer, e levaotando-se tambera,
deu a saa mo ao secretario.
Meo amigo, lhe diste, nao facas ne-
nhuma imprudencia, e espera e soffre como
en. O rei est mai.t jv?lhantado, e mais
menos dia... Depois seremos lirres.

ceptaados no regiment, sem a preseoca de meta
de e mais um dos membros da cmara.
Quande encerrarse a discussao da qoalqaer
materia, e ao hoaver numero para vatar-se, pas-
sar-seha ao objecto immediato da ordem de- dia,
e assim por diaate at o fim da sesso, qae se
estendera' at as 4 horas da tarde, e at as cinco
quando se tratar de proposta do governo, ou de
reamemos. As materias encerradas sero vtala
no dia inmediato.J. de Barros Pimentei.
< Ao art. 78 depon das palavras: Cmara em
geralaccrescentese:nem podara* fallar sobr
qualquer materia em discussao por mais de ama
hora, excapto as discussSas de orcamento, Oxa-
cSo da torgas, crditos oa prsposlas do podar exe-
execullvo, as quaes podera' fallar durante bora
e meia. O mais como no art.
Para o lugar proprio : Qando a ordem dj
dia for dividiJa em duas partes nao podera', em,
caso algum, ser excedida a bora marcada para a
primeira, san a aciso da cmara,, que julgue
argente a cal i ,ico da discussao da materia em
qaesto.Silveira de Sonza.
Poi a imprimir a seguinte redaeco:
A assembla geral resolve:
i Art. i, A disposlco do art. 12 da le de 3 de
dezembro de 1841 applicavel aos passaportes
para fura do imperio.
i Ari. 2a Ficam revogadas as disposigo~as em
contrario.
Sala das commiss5s, em 8 de agosto de 1867.
C Pinto de Flgueiredo.C. de Albuquerque.
Tiberio de Moncorvo.
Reunio-se bontem a assembla-geral do Banto-
Commeraal do Rio de Janeiro, son a presidencia
do Sr. Jos Carlos Marnele, sendo secretarlos os
Srs. Hermenegildo Doarte Monteiro e Jos Pereira
Soares; foi auna a sesso.
Approvada a acta da anterior, o Sr. presidente
lt-u os artifioc lo i ',;..Henil interno qae tm rea- "*
cao com as aiinbuicdes da assemb ea-geral.
Dispeosada a leitura do relaiorio da directora,
por ter sido ameriormeme distribuido aos Srs. ac-
cionistas, lep-ss o seguinte parecer da eommlssao
fiscal, quo foi uoaaimemeota approvado :
< Srs. accionistas. Para satisfazer o qae ds-
pdem os aris. 34 e 33 dos nossos estatuto?, comp-
recem ante vos os Oscaes deste banco, afta da vos
informar do resultado do sea exame nos respecti-
vos llvros da escripturaco do banco.
< Dasse exame deprebendea a commissao fiscal
que o mais apurado escrpulo na gesto do esta-
balecmento emprega a digna directora, pois qae
a escripturaco feiti com zelo, exacto e pres-
teza, encontrando-so a maior uniformidade no
modo de fazer se os respectivos lancamentos, con- ,
frontados ons livros com ool/os.
< A commissao nao julga dever espraiar-se as
suas intormacoes, attendendo que a assembla-
geral minuciosamente informada pelo relaiorio
qae o mu digao Sr. presdeme da directora tem
de apresentar, relaiorio em qne, a par da disposl-
co de todo o movimento bavido durante e anno
baneal fiado, se encontram as mirs lisongeiras e
mostradas ideas a respeito dos intaresses banca-
ros.
< Compre, porm, a* commissao fiscal com pra-
zer declarar, que, executando escrnpulosamente
os deveres que lhe sao imposlos para a Qsealisaco
e exame da todas as operacSes to banco, esta' ella
satisfeita pola regularidade com que sao feitas-
nesta administraco, nao escapando a' commissao
o methodo, seguranca, o ordem em qae se acham
recolbidos a' casa forte os valores de todas as es-
pecies, que por sua nalureza sao a ella levados em
tempo competente.
< ', pois, a commissao de parecer, em vista do
que acaba de vos relatar, que approveis as contas-
apresentadas pola directora.
Sala do Banco-Cooimercial do Rio de Janeiro
em .'1 de julbo de 1867. Jos Joaqaim de Lima
e Silva Sobrinho.Barao de Itamaraty.Jos Bor-
ges da Costa.
O Sr. Dr. Almeida Basto motivon e mandn a*
mesa a seguinte proposta, que loi unnimemente
approvada :
Propondo nm voto de louvor ao Sr. Ewbaak
palo valioso coocurso dos seas servicos como di-
rector do Banco Commerdial do Rio de Janeiro,
dorante o primeiro anno de sua existencia. Sala
das sessdes da assembla geral, 8 de agoste de
1867. Dr. Almeida Bastos.Fernando Caslico.
O Sr. Bwbank, respondendo ao Sr. Dr. Almeida
Bastos, agradece aos sens cobegas da directora
assembla-geral a manitesta(o qne acabava de
receber.
O Sr. presidente, como orgo da directora, lea
a parte do relaiorio qae se refere a' retirada do
Sr. Ewbank, accrescentando expressoes de sin-
cero agradecimento e saudade de qae a mesma di-
rectora se confessa possoida pela retirada obriga-
da de to digno companbeiro.
Procedendo-se em seguida a' eleico de nm di-
rector e nm membro da commissao fiscal para
exercerem os cargos dos designados e para serem

1
En s a ti amo... Ea tambem soffro, por
que muito penoso fingir um amor qae se
nao sent; mas ante a necessidade tem que>
callar o coraco. Socaga-te e nao duvides.
de que vencers todos os teus inimigos....
Agora mais que nunca nos preciso dessi-
mular e fingir a mais estudada bypocrsia...
Sofframos por um ponco de tempo, e dpoi&
tero termo as nossas dores. Por em quan-
to encarrega-te de qae o daqae de Alba se
aflaste de Madrid, enviando-o a pelejar em
qoalqaer parte, que ea me encarrego de quo
o rei offereca ao marques de Velez. a mo
de CoBstanca. A circunstancia de estar
ausente Lanuza favorece os nossos. projectos,.
nao tenbas receio de que tua irma se.
opponba a casar-se com Fajando.
Mas se se oppe ?
Nao se oppor; mas se tal socceder,
crelo qae sabenas fazer-te obedecer.
Sim.
Pois eolio tamos, concluido. Adeos.
O secretario tomoo a torneada mo da
princeza e a levon aos labios com amoroso
respeito.
Adeus, lhe disse, empalidecendo do
emogo. A'manha le espero dma hora
na casinba do bosque. Vais, Anna ?
VoUj. ea t'o prometto.
Antonio tornou a estrellar a mo da prin-
ceza, e levantando om reposteiro desappa-
receu por ama porta secreta, perfeitamente
dissimulada as molduras da parede.
A princeza de Eboli torapu a oceupar o
sea logar no sof o pouco tempo depois,
a porta por oode o secretario desaparecer
tornou a abnr-se, e nella se apresentou oa
homem coberto com orna oapa na qual sty
eavelvia t ao* CVhos. '** ?
Era o rei D felippe l!.
(Confiiir-W*|.J
- .


*SV'
# '"H1
uMmrim le reramlHie Sexto lelra,1 ic Afmet 4c 1867.

.


substituidos, (oraa receidas W Msmf, represea-
tondo 69 votos, e Icaram eteites: (Ir o Sr. Joo alarifes Cimillo .os los, coa,.aw.
tolos, e
?jue M oSi ae |rw ministro 4
i I.' Piri que taca tablr im>.
ls reUtivo a qoeitio d orgnis5*o P
8r.'kirSlr amirtty eo'Ml'vofoi. semanal dos presos dos teneros de expertteo sos-
""*""" 'io ** citada em mareo fc 18W por on reoresmacJe
Foram boaxem adoptadas pe siaado u proco* da Junta de correctores 4 praca do ctmmercie,
sienes sobre roatricol e exme de estadantes, e a decida como entender do iasttea e mal conve-
duas autOTfeamtto a eoacesslo e*tMaaot o deaemr* miente r aoa iateresiat da faxenda aamonal, man-
bargador ffiueiroie Rocha jatt dedireito Pe
reir
O!
li 1 /
Passou em 5a discusso e prefecto qae marc* o
praio para a preseripcio da divida laetuante an-
terior a 18*1.
Eotraram em Ia e 2' discomio, e foram appro-
vads 16 proposicSes a respeKe de matriculas ou
exames de estodaote.
Proseguio a dicussio o reouerlmento relativo
a' expedigo de Matto Grosso. Oroo o Sr. Siiveira
da Motta e flcou a discusso adiada.
Continuou a t* discussio da proposta convertida
em projecto de lei, sobre abertura de crditos e
emisso de papel-moeda. Oraram os Srs. Sonta
Franco e presidente 4o couselho.
A discosso flcou adiada pela hora.
A cmara dos depatados approvou booiem, sem
debate, a redaecio da emenda do senado sobre
passaportes para pases estrangeires.
Approvou mals o parecer da f commlssao i
poderes sobre as eleigoes do Penedo.
Traton depois do requerimeoto do Sr. Loorenco
de Alboqoerqoe, pedlndo qae qoaoto antes o go-
veroo rafa seguir para a provincia das Alagoas o
presidente que parajalli ro uomeado. Depois de
algumas observacSes do mesmo seohor e do Sr.
ministro da jostra, ol retirado, a pedido do seu
autor.
Contina em seguida a discossio do parecer so-
bre a Teforma do regiment em releao a'* sessoes
da mesma cmara. Depois de algomas obser-a-
c5es dos Srs. Sonta Carvalao, lavares Bastos e mi-
nistro da agricultor, o primeiro destes senbores
oflereeeo um requerimento de adiamento, qae toi
approvado.
Foram offereetdas as segainte emendas :
t i.8- As sessoes comeeario a's 1 i boras.
c Durar em todo caso 5 boras.
t A chamada, leitura da acta, iexoes so-
bre ella, despacho do expedient", quest5es de or-
dem, reclaroacSes relativas publicado dos deba-
tes, e trabalbos da inesma natuma at a entrada
na ordem do da exclusive, far se-bo qualquer
que se|a o numero de deputados presentes, mas,
se r preciso votar sobre qnesi5es oceorrentes,
agoardar-se ha o comparecimeoto do numero legal,
prosegoindo-se, porm, nos mesmos trabalbos.
c 3.a Para entrar na discossio das materias
dadas para a ordem do da, bastara' qne se achem
presentes 25 depatados.
' t a discusso nao sera' i-terrompida pela (alta
de namero para se votar ; mas, adiada a votaeao
para a sessao seguinte, proseguir-se-na na discos-
sao da materia ; concluida esta, passar-se-ba a s
ootras contempladas na ordem do dia at expirar
a hora das sessSes.
A votaeao de adiamento qne se nao possa ve-
rificar por falta de numero, Bcara' Igualmente
para a sesso seguinte, proseguindo, entretanto, a
discusso da materi; e, se esta flear encerrada,
votar-se-ba em primero lagar uasesslo segainte
o adiamento proposto. ,
t Todas as materias que forem discutidas serao_]
conservadas em boa ordem para serem votadas
quando houver numero, na mesma oa ulterior ses-
sao ; sendo no segando caso publicados ao jornal
da casa por extenso, ou ao menos com Indieaco
clara dos assnmptos.
t Todas as veres que se houvtr de votar em
ama sesso as materias discutidas em ootra, o
tempo dispendfdo com essas votagdes e questSes
de ordao a ella relativas, nao se cootara' as cin-
co horas da sesso.
4. Ninguem, seja deputado ou ministro, pode-
ra fallar sobre qnalqaer materia por mais de ama
hora, excepto as discnssSes de orcaaieoto, flxaco
de torga ou propostas do poder execativo, as
quaes uoicameute ser permittldo fallar durante
hora e meia.
c yuanda a ordem do dia fr dividida em duas
partes, naopoder em caso algnm serexeedidaa
hora marcada para a primeira, salvo deliberado
da cmara que jnlgue urgente continaar a discu-
tirse a materia em questo.
c A preferencia dada aos ministros para fallar
nao prefere a regra de dar-se a palavra alternati-
vamente aos inscriptos pro e contra.
5.' A ordem do dia dar em resumo a salteria
de qualqaer projecto oa assnmpto das discas-
sSes.
6.' No terceiro dia enos segnintes das discos
s5es de qualquer negocio, tendo expirado a bora,
se anda houver algum depatado inscripto para
falla, flear a sessao prorogada por mais ama hora,
e o presdeme dar a palavra a cada um dos ins-
criptos at expirar o praso da prorogacSo ten-
do se estes retirado, ou nao haveado nenhum ins-
cripto, encerrar a discusso, mas s volarse-ha a
materia na sejso seguinte, conforme o art. 103 do
regiment.
7. as quartas-feiras e nos sabbados bavera
sesso a tarde para tratar-se de propostas do poder
executivo.
< Esta sesso principiar as 6 horas.
A ordem do da para a sesso da tarde ser
designada com a da manhia do mesmo dia, publi
cando-se ambas simultneamente no jornal da
casa.
Sala das sessSes, 9 de agosto de 1867.A. C.
Tavares Bastos.
No prlmeiro dia de urna discusso de qualquer
negocio em que seis ou mais deputados se liverem
inscripto para fallar, Acara a sesso prorogada por
mais duas horas. Sempre que terminaren) os tra-
balbos de orna sesso sem flear encerrada a mate-
ria que se dlscatia, dar-se-ba a mesma prorogaco
de duas horas em cada nma das sessSes subse-
quentes at encerrar-se a referida diseusso.Son-
za Cacvalho. >
A mesa providenciar para qae o jornal qne
publicar as discussdes, sempre que der noticia de
nao ter bavido sessao por falta de namero legal,
mencione na mesma occa&iSo os nomes dos depu-
tados qae compareceram t dos que fattaram a
sesso.
c Na ultima das emendas do Sr. Siiveira de
Soura, depois das palavrasnao podera em caso
algum ser excedidaaccrescente-sepor mais de
um quarto de bora.
c -No final da mesma emenda accrescente-se-nao
sendo permitlido reqoerer permissio para concluir
nm discurso.Soaxa Camino.
t Nao pevmluindo o rtgtmeoto aafinterrupeoe
ao orador, nao sejam tilas publicadas.Souza Car-
valho. >
Occopouse em ultimo logar com a prime* dis-
cusso do projecto qae autorisa o goverao a melbc-
rar a apoteatadona do 1 confereote da alfandega
aposentado Joio Nascetes Pint. Nao havendo,
porm, m uuero legal par a votar se flcou a disccsso
encerrada.
_ 11 -
O senado rejeltoa hontem em primeira discusso
as proposieSes nbre transferencia do capillo Dio-
go Alves Ferraz par um corpo selentlflco ; autori-
sando ora aoiilio a na vegada o do Rio das Velbas;
respetto dg oaoMojies de crdito para a empreza
da estrada de ferro do Porto das Caixas a Gan-
Ugalio.
Comtioaou a discdssio do reqoeri ment em que
e Sr. Siiveira da Molla pede iaformacSss ao go-
verno..!repyto da columna em operac&es aa
providcla de Mano Grosso, e tornou a flear adiada,
depois de orar o Sr. viscoade de'S. Vicente.
Prosegulo analmente, a primeira disessao da
proposU, convertida em projecto de lei, amoeijan-
do opecacoes da,cr*f ito e emlsso de papel-moeda
e nao' havendo mais quem pediste a paiavra, loi
posto o projectda votos e apprbvad para passar a
segunda discusso
te, seado approv
3'; bam como o
Sr. Parausos. Foi posto em discusiao 'ir q?.,e,
orarat' 6W Srs. ttrto de Mnfltma.^ata Ti
viscoade de Jeqaitiobonba e presidente do conse-
Iko.
Aldiscasso flcoa adiad pela hora.
dando jantar a esses popeie, a cate de que se
ato leaaa feo, lat laawininfin. f" sa*e
assumpto de lanu importancia deram naqueila
oceasiao os eapregados eacarregados da org*ais-
5o da mesma pauta. '
c 1* Que digae-se mandar xamiaar m alfao-
dega eampre litteralmeote a dispo$lc*o do art. 03a
do regolameato qae. manda tomar para o pwo
medio de caf bom as paotos semanaes de todas
at qoalidades snperiores desse genero.
c Paco da cmara, 10 do agosto de 18b7.
O Sr. C. Gttoai fandamentou tambem o segainte
reqaerimento :
c Rtqaeiro qae pelos tramites competentes se
obttnba a segainte Informado :
Se as orden* do presidente e cbtfe de ptlicia
de Minas, qae aotoriaram prlsio e recratamenlo
de guardas uacioaaes no 6* disiricto de Miaas-Ge-
raes, foram ou nao expedidas em circular para
toda a provincia.
c Paco da cmara, 10 de agosto de 1867. >
O Sr. Macedo annoociou as seguales interpella-
coes :
< Usando do ireito que me i garantido' pele
regiment interno da cmara dos depotados, pe;t
que se marque dia e hora para qae o Eim. minis-
tro dos negocios estraogeiroe se digue responder as
segnintes ioterpellacoes:
< 1. Em qae estado se aoba a questo Mac von
Versen, e se se chegon soluco completa aessa
questo em Borlim, qaal fol essa soluco.
2.* Se pelo ministerio dos negocios estrangeiros
foram tomadas algumas providencias oa realisades
actos importantes relativos ao decreto de 7 de de-
zembro de 1866, e qaaes sao amas ou optros.
< Paco da cmara, 10 de agosto de 1867
Foi marcado o da 16 do corrate, a ama hars
da tarde.
- 13
O senado adoptou honiem em 3* dlseassao cinc.
proposites, approvando as peus5es concedidas, ao
cadete Manoel Gomes de Albaqaerqae, aos solda-
dos Antonio Luciano de Lima Ptitosa, Joaqqim Ma-
noel Perreira, Jaciotho Jos da Silva, Joaqoim Mala
Macirl, e a outras pessoas; e tres propositos so-
bre licencas aos desembargadores J. N. Rigueira
Costa, P- Autrau da Malla e A|baqaerque e juiz de
direilo C. Gil Castello Branca.
Proseguio a discusso do reqaerimento do Sr.
Siiveira da Moita sobre a colomoa em operacBes na
provincia dt Mato-Grosso, e tornou a Gcar adiada,
depois de orarem os Srs. Prannos e ministro da
guerra.
Continaou a 2* discusso da proposta sobre cr-
ditos e emisso de papel-moeda ; tratando-se do art.
5; oroo o Sr. bario de Muriliba. A discusso fl-
cou encerrada, nao se volando por nao baver casa
cifcSou- Aadrade.V. de Med
Hae.-P.mplona.Ratisbona.-B
s*)Helo*Wvl.i-Paula Pessoa.-B
O Sr- ministro da mariaba tea
pesia i
c Augustos e digolsslmoi sniores rMarg
tea aWcloT-Segondo o art da lei a. 1^1 MW JnWesVo
de setembro de 1866, deve ccratioaar em vigor no i de que s/fatadispeauvel este e
priatoto semestre do trrenla aaoo vmaacelro, se No art WfcwretueaU se
anlea -bb fr proanlgBa a rtsfBCtfva lti do ore- tambem que, samandas as qaao
meom, a de n. 1,243 da M de Jtaabo *t 1S65, que
flxon a despeza e orcoo a recena geral do imperio
Wl.i
qae estlverera em circ
leidgase :aio ol
":(WJ*(0.-S.R.-G,
lagar das palavrasse asMots-
roo exigiremdiga-se :no caso

para o exercicie de 1865 a 1808.
t Esta lei, pora, votada para oircamsuuelas
ordinarias nao aueadeu, nem pedia attender, na
parte relativa a' desposa do miis te rio que leoue
a honra de dirigir, t's exigencia de nm guerra,
qoal a que o pafe continua a sustentar.
< E assim qne nao offerece ella recursos soffl-
cientas para os gastes das qaatro rubricasarte-
naes./orea naval, material e desperas extraorurna-
rias e e ventaaes,sobre as quaes pezam, qua.i que
exclusivamente, os gastos de armamentos navaes
duplos dos que maulemos em condicoes normaes,
qotr se atienda ao numero de navios, quer ao dt
pracas empregadas em opera^Ses activas.
O exame da despeza feta nos tres ltimos exer-
clelos mostra qae a das rubricas cima citadas
subi :
10.806:216*929
I6,980:36*iiO
15,174:983*876
ao, na qoal entrn lmmediatmen- loarlt',p,r* c
vades sem debate bs ara. 1, fe. M| h .
.4'comalgomas otaen^t. cao a {fiSfru
A cmara dos depotados approvou hontem o re
qaerimento do Sr. Lima Duarte, pediodo ao gover
oo copia dos pareares das commissdes encarrega
das do exame da escriptoracao da compaabia de
paqoetes.
Approvou depois em ama s discusso, com va
ras emendas, sem debate, o projecto que autorisa
o goverao a conceder carta de naturalisaco a Jos
Luiz Machado, Manoel Lopes de Amonm e Pedro
Goocalves Perdigo.
Approvou Igualmente em urna s discusso, tam-
bem sem debate e com varias emendas, o projecto
que ooucede pensoes a D. Herona Maria de Fre-
tas Sampaio, D. Anna Joaquina de Assompco Ma-
tos, D. Rita Amalia de Miranda e Silva, 0. Loiza
Geminiana do Canto e Mello e D. Adelaide Foates
Rangel de Antas.
Approvou mais em ama s discusso, anda sem
debate e com emendas, oprojecto que autrrisa o
governo a mandar admit a' matriculado l anuo
da facaldade de medicina da corte o estodaote
Francisco de Paulo Buenos Soares Uorta.
Approvou em seguida, depois de algumas obser-
vares dos Srs. Virlssimo de Matos, Paula Santos
e ministro da agricultura, o parecer da commisso
de commereio, industria e artes com voto em sepa-
rado sobre o proloagamento da estrada de ferro de
D. Pedro II at a's grandes arterias Ou vises da pro-
vincia de Mioas-Geraes.
Approvou em 2a discusso, sem debate, com uma*|
emeada, o projecto qae autorisa o goverao a con-
tratar o melborameoto do porto de Pernamboco.
Approvou tmbem em i* discusso, sem debate,
o projecto que couee'de loteras a varios estabele-
mentos.
Rejeitou, ainda sem debate, o projecto qae con-
cede Jos Theoduio da Rocha Brando, ex collec-
tor das rendas geraes do municipio de Uba', a re-
missao dos juros sobre a quaotla de' 17:894#397,
importancia do alcance em que flcoa para com a
(azenda nacional.
Continuou em ultimo lugar a discusso do pro-
jecto sobre a antigoidade dos magistrados. Orou
o Sr. Araojo Vasconcelos, fleando a discusso en-
cerrada.
14 -
O senado adoptou hontem em 3* diseusso 16
proposiedes sobre matriculas de estadantes.
Passou um parecer da commisso de estatistiea
mandando archivar papis de 1854 a respelto da
creagu de urna nova provincia.
Entrn em 3* discusso o projecto qae marca o
praso para prescripeo da divida floctaaoie ante-
rior a 1827. Oraram os Srs. Dias de Carvalbo, P-
rannos, presidente do conseibo e Dantas
Foram apoiadas as seguales emendas:
< Depois de 1827, diga-seinscripta oa nao ins-
cripta no grande livro da dlvia publica ou nos
seos auxiliares.
< Depois da ultima palavra do artigo, accrescen-
te-se : derogada nesta parte a disto-ico do art. 24
da lei de 10 de setembro da 1851, e a do art. 20
da le de 30 de novembro de 1841. Z. Vascou
cellos.
Esta discassaO flcoa adiada por dar hora de
passar-se a' 2* parle da oidem do dia.
Continaou a 2* diseusso da proposta relativa a
crditos e emisso de papei moeda.
Fol approvado o art. 5*. Entrn em discusso o
art 6* e foi tambem approvado, depois de orarem
os Srs. Soata Franco e presidente do eonselho. Os
arts. 7% 8*, 9 e 10* passaram sem debate, e a pro-
posta foi approvada para passar a' 3* discusso.
O Sr. Zacaras pedio, e o senado approvou, a dis-
pensa de intersticios para a 3* discusso.
Volrando se a* 1* parte Oa ordem do da, conti-
nuou.a discusso do reqaerimento do Sr. Siiveira
da Mota pediodo InformacSes sobre a columna em
operacoes na provincia de Malo-Grosso. Oraram
os Srs. Fuado, Jobim e Siiveira da Mota.
A discusso flcoa encerrada, nao se votando por
(alta numero legal.
------------ l^ B) !!
A cmara do deparados approvou hontem, em
2* discusso, o projecto 'sobre a antlguidade dos
magistrados.
Occupoo-se depois com a 2* discusso do projec-
to dde autorisa o goverao a conceder iseoco de
direltos por 25 anuos dos machinismos, appai elbos,
tabes, combustores e materias primas importados
ae|a compauhia de illuminaco a gaz da capital do
Maranhao. Oepois de algumas observaees dos
Srs. Horta de Araojo e Gomes de Castro, foi offer
cido per aqnelle seohor Um reqaerimento de ada
memo, que Bao'fot votado por falta de numero
legal.
. Foram apreseoudas as segnintes emendas:
t OEfereco como auditivo ao projecto n. 122 des
te anno, o de o. 128, tambem deste auno, eoocedtn-
do iseoco de direitos de tmportaco para os mate-
res destinados a's obras do encaaaaaenlo de agua
capital de S. Paolo.Crispimano
A cmara dos deputados approvou
nma s discusso o proferto que aotorlsa o gover
00 a melacrar a apeeeBUdoria do prlmeiro eoa
frente. < da -. al[auaega aposentado Jaso Naseeatts
Pinto.
Adoptou em seguida, sem dbale, a proposta do
governo para aabarrara de um crdito Bxtraordr-
sarioao aUater da guerra.
* i*e-nm > diicusiodteeqoer-
-ni. oiRdo, o goytri
^^;ferregT
; eompantt de pa
jro^d agrlcoitara, fleandd Alhcaisfo epcr-
r^Siaffi**1** ***** o .eguinte
companbia Fluvial da Navega
ipordesTiosMoj e outros da provincia do
ral.jrjTajrmm Bato8.~Anianio P. Plnhelro.
ao Velloso.
'O mesmo favor a' companbia Aquariade San-
to Amaro,-provine da Baha, para qaepssa
importar, livre de direltos, o materia necesario
parao eneanamealo das aguas e constrneco de
hoalem em chafar izes.-Frederico de Al me ida.Francisco So-
4ar.-Vilaboim.-J. Madurelra. ^^
' A mesma fseneo se conceda a' eompaoBia de
Navegaco a vapor Bablana pelos macbiolsmoe,
barcos e quaesquer magnas primas que ferem im-
portados de coiformldade com os coutralos cele-
brados entre a referida companbia e a provincia
das Alagoas, par o estabeleciaento da nawgacio
a vapor as lagas do Norte e Manguaba, e seos*
irucao de um traod-road e de ama ponte no por-
to de Jaragoa, sendo esta isencao por ama s vez.
. rom.Amorosro Machado.Aristldes Lobo.
Tavares Bastos.
rotado o aeertloo. 3.6S0 de M de-*
Job aoesroiW privilegio exclusivo pelo lempo
de HO anooi, para constrocclo de am porto na to-
teada do Mncoripe, la prtvincia do Ceara". e de
ama estrada ligando-o a capital da mesma provin-
c No exercieio de 1864 a 1865...
de 1866 a 1866...
1 de 1866 a 1867...
. 42,911:2364225
O qae da' -para-o termo medio
da despeza das mesmas rubricas .
em eada oxercicio............. 14,303:745*408
Deduziodo a importancia do cr-
dito ordinario concedido pela lei
em vigor nos don ltimos exr-
cicios, e qae anda rege o cor-
rate:....................... 5,198:414#432
primeara commisso, e sir por diante,
B havtr tala noamitiffttt- respectivas aos tete .mif
aslenos. ......
t No dia seguinte, e fra da sala das sessSes, ca-
Recoahece-se que o termo medio
da despeza extraordinaria foi da 9,105:330*976
Tomando este algarismo como base do clca-
lo da despeza da mesma naiurea a que ptovavel-
mente leremos de oceorrer no presente exercieio,
porqaaolo se certo que ludo nos indut a cror qae
a guerra toca a seo termo, nao menos certo que,
anda assim, devemos contar com a contiuuaco
por alguos mezes, de avultados gastos, principal-
mente com a reparaco do material deteriorado,
substilnicao dos vasos de guerra inutilizados, re-
Bovaco dos depsitos e concluso das construegoes
enceladas, podemos sem receio de exageraeo or-
ear em 7,807.000* a importancia do crdito ex-
traordinario que sera' Indispensavel ao ministerio
da marinha para saldar' lodo os seus compromis
sos no actual exercieio de 1867 a 1868..
< E' fundado nestas consi leracoes que de or-
dem de Sua Magestade o Imperador leaho a honra
de sabmetter a' vossa Ilustrada consideraco a
segainte
PtOPOSTA.
c Art. 1 E' aberto ao ministerio da marinba
para as despezas do exercieio de 1867 a 1868 um
crdito extraordinario da quaotia de 7,807:000*,
que sera' pelas segointes rubricas :
Artenatt.
Jomaos egratifi-
cacSes a maior
numero de ope-
rarios das offlei-
nas de constrae-.
Cao naval e de
machinasempre-
gados em novas
construcedes,
conctrtosefabri-
cos de navios, e
a fundicao de
artigos bellicos.. 800:000*000
Dueas despezas.
< Material de cons-
irucco naval pa-
ra novas cons-
truccSes, fabri-
cos de navios e
-de embarcaces
miadas; acquist-
Qao por compra,
no paiz'on no es-
trangeiro, de no-
vos vasos de
guerra, trans-
partes e artefac-
tos bellicos......... 1,400:000*000
< Machinas, ierra-
melas o o mate-
ria l necessario '
para o concert -
dos machinismos
e caldeiras dos.
vapores e outros
art igs essen-
ciaes as offlcoas 800:000*000
c Comburstivel pa-
ra as mesmas of-
flcoas................. 100:000*000 2,600:000*000
huiuih'|u, .......-. as ijuouH ummmrs ceatBS
eperaoOes dBs a eaittiaa em Botas, o sea producto u*o exceda a'
tornou concedida pelas ditas leis. Paco 40 seaado,
14 de agosta-ao 1867 -Carueiro de Gaatpos.
. Artigos substitutivos :
Art. 4. Wc-m approvados a detritos a qae
te refere a tabella aoaexa D, que abriram creHot
snpplemeotares e extraordinarios nos exercicios de
1864 a 1867, na importancia de 30,925:371*217.
fAs somatar iMrWMeotM a cada exereMo terto
distribuidas pelos differentes ministerios conforme
aeUbellas E, PeG.
t Art. 5.* E' o governo entorilado a realisar
operaedes de crdito at a Importancia da dficit do
exercieio dt 1866 a 1807, incluido o supphmaoto
felto por este ao exercieio anterior.
c | 1.* Altkn da emisso determinada pela lei
n. 1,349 de 12 de setembro de 1866, art. 1 % 5*,
podera' o governo emiltir papel-moeda at a som-
ma de 30,000:000*000, pare saldar o dito d/Uk,
comprehendendo-se esta quaotia aa do limite
das autorisacoes concedidas par operacSes de
crdito.
2." O governo reduzira' o mais posslvel a
sommailos btrhetes hT thesouro que existan na
circulaco, ja consolidando esta divida floculante-,
00 coBverlendo-a em obrigaces de dous a quatro
annos de praso, ja servindo-se datmissio de notas
aotorlsada pela presenta lei e pela de 12 de setem-
bro do anno passado. J. M. da Silva Prannos, i
Oraram os Srs. presidente do conseibo, Sooza
Franco e arneiro de Campos, e flcou a diseusso
adiada peta hora.

Forca naval.
Vencimenlos e
vantagens s
guarnigoes dos
navios, calcula-
das para mais de
3000 pracas em-
pregadas na es-
quadra em ope-
ragSes contra o
governo do Pa-
raguay.............. 1,889:000*000
Diversas despezas.
Municoes de bo-
ca.....:................. 438-.O00SOO0
Municoes na-
vaes................... 400:0009000
Moulcies de
guerra............... 350:600*000
Combostvel....... 1,100:000*000
Medicamentos.... 56:000*000
Eventuaes.
Premios e grati-
fleagoas s pra-
cas alistadas no
servico da arma-
da ; diflarencas
de cambio ;en-
gajamemo de ar-
listas e outros;
(retes de navios
e de gneros;
tralamento de
pracas fra dos
bosplaes do im-,
.peno; passagens
ajadas de casto
e outras despe-
zas nao prevls-
. tas...................... 980:000*000
7,807:000*060
Art. 1* Para oceorrer as despezas extraordi-
narias dteretadas no artigo antecedente, o minis-
tro e secretario de estado dos negocios da (axooda
aaiorsado a Tazer as operacSes de crdito qne
julgar convenientes, dentro ou tora de imperio.
Rio dt Janeiro, 13 de agosto de 1867.Affonso
Celso de Assis Figueiredo. >
Fol apreseolado o seguinte parecer : .
i Foi presente a' 4' commisso de orcamenlo a
proposta do poder execativo para abertura de um
crdito extraordinario ao ministerio dos aegocios
da marinha na importancia de 7,807:000 par as
despezas das quatro rubricasarstaats, torga na-
val, material, e despeis extraordinarias a aren-
tuaes-no corrento exercieio de 186718&8.
i A commisso, considerando procedentes as
razos allegadas pelo governo na eiposlco dt mo-
tivos que precede i mencionada prepesta, de pa-
recer qae seja a sisma proaos convertida em
projecto de lei, para ser sujeita ao exame e dia-
euseo da cmara dos Srs. deputados, devendo ser
arevlameote mpressa. Em consequneia prop5e
a commisso a seguate risoluce :
< A as sembl geral resol ve :
Art-i (Como n proposta.)
Art. aMIdem.)
t Aru 3 Ficen raTogadas a disposisoes em
contrario.
Souza Carvalho. >
i
ootem passou ao senado, em i" e 2* dlscBaio a
propesiclo sobre coocesso de'earU de naturalisa-
co a Feliciano BeniardlBO da Sirva Braga e ou-
*v^^.*jHwsjor crditos a emisso de papel-moeda. Foram Iidas.
apoiadas as segurares emendas >
Emenda ao art. 6*:
* Em re di nao oseada a importancia do* I
casa do commeodador Sampaio Vianna,
bef+qne o goBenrr Bpreteale eaaurr pro-
Bosta de treamento, tirar se-ha a sor le Mienta no-
mes des deputados,- ferdUBdo o dez pna.r'os i QoanoV) se deuBS facto, e s va costme
' im, de med Ue reuoirem-se oessa Osa ?
da nma tusas commi
d*eatrt sL Qs tele,
rao a eoaaatisso .
tratara' logo de int
"m O parecer dest
B Basara, o mals
loga mandado imprii
A cmara dos deputados approvou hontem em
2* discusso, depois de algumas cbservaces dos
Srs. Pereira da Silva,Predertca de Ameuia, Pon-
teadle, Souza Carvalbo, Maeedo e ministro da
agricnltora, o projecto que autorisa o goverao a
conceder isenco de direltos por 25 aoaus dos ma-
chintmos, apparelhos, tobos, combustores e mate-
rias primas, importados pela companbia de illumi-
naco a gaz da capital da provincia do Maranhao,
com todas as emendas ji publicadas e mais as se>
guintes:
< Igoal favor se faca para os materiaes destina-
dos a' caoalisaco de agua poiavel para a cidade
de Barbacana, em Minas-Ge raes.Lima Duarte.
Igual favor a' companbia que se organisar
para eneanamento de agua potavel em Calabi, ca
pital de Mato-Grosso.Silva Pereira.Assis.
Occupou-se depois com a 2* discusso do art. i*
da propostado governo para a abertura de nmcre-
dito extraordinario ao ministerio da marinba. Ora
ram os Srs. Bezerra e Virlssimo de Mattos, fleando
a discusso adiada pela bora.
Foi offerecida a seguinte emenda :
< Fica o goverao autorsado a gastar em melho-
ramentos com as barras da provincia de Serglpe
al a quaotia de 6:000*.-F. L. BitUncotrt Sam-
paio. Leo Velloso.-Dis Mello.
Poi apreseolado o segainte parecer:
t A commisso de polica tendo examinado as
emendas offerecidas pelos Srs. Tavares Bastos, C.
U ni. Barros Pimentel, Siiveira de Souza e Souza
Carvalbo, durante a diseusso do parecer dado
pela mesma commisso sobre a indieaco do Sr.
Uorta de Araojo, em a qual propoz a reforma d
art. 53 do regiment, e migando acceitaveis alga-
mas ideas coudas as ditas emendas por tende-
ren] a dar mais regulandade aos trabalbos da c-
mara, aproveltando o tempo, e tornando as sessoas
mais productivas, de parecer qne o regimeoto
interno seja observado com at segnintes aite-
races :
!. No Anal do art. 53 accrescente-se :oo qae
baja duas sessdes no dia segainte. Neste ultimo
caso a primeira sesso principiara' s 10 boras da
manba, e a segunda as 6 da tarde.
2.' as discussoes da respo.ta a' falla do toro-
no, orcamenlo, flxaco de torcas, e propostas do
Eider execotivo, a sesso sera' prorogada por 2
aras at que aquellas se eocerrem, salvo nos das
em qne houver duas seseos.
3* Abena a sesso, e depois de votadas as ma-
terias coja discusso ver fleado encerrada na ses
sao antecedente, a falta de namero para as vota-
Coes que se segulrem nao prejudleara' a discusso
das materias dadas para a ordem do dia.
c 4.* Quando a ordem do dia for dividida em
duas porte?, nao poder ser excedido por mais de
um quarto de bora o lempo marcado para a pri-
meira.
5.* Nenhum deputado poder fallar mais de
duas hora* por cada vez.que Ibe eoaber a palavra.
< 6.a Para motivar requerimeato, projecto, indi
cacao ou qualqaer moco, nenbam depotado pode
r gastar mais de me bora.
< 7.' A mesa providenciar para qae o jornal
que publicar os debates, sempre que der noticia d
nao ter havido sesso por falta de namero legal,
mencione os nomes dos depatados qne comparece-
ram e dos que faltaram.
i 8.a Quando a cmara determinar qae ba|a
duas sessdes em um dia, a ordem do dia da sesso
da tarde sera' designada com a da manha, sendo
impressas ambas simultneamente no jornal que
pobliear os debates.
t 9.a A mesa providenciar para qae no princi-
pio de cada sesso legislativa seja publicada em
avolso ama lista dos projectos e mais assomptos
sojeitos a deliberago da cmara, e ootra lista das
materias qae estiverem affectas as commissdes.
< 10.a As reclifleaedes sobre a pablicaeSo dos de-
bates sero feilas por escripto e mandadas a mesa,
qae as fara' publicar, estando em termos.
< Sala das conferencias, em 14 de agosto de
1867.Com restricc5ts, o presidente, Silvara Lo-
bo.O i.# secretario, Fonceca Vianna.O 2. se-
cretario, Horta de Araoje.Com restriegues, L Abe-
lardo de Unto, i
4,227:000*000 o senado approvou hontem em primeira e se-
gunda discussoes as proposigoes sobre p rasos
6,827:000*000 concedidas ao soldado Antonio Victorino dos San-
tos e D. Maria Aogusta Guedes de Almeida.
Proseguio a 3.' discusso da proposta de cr-
ditos, e aatorisaodo a emisso de papel-moeda. Ora-
ram os Srs. Paraabos e barao de Colegipe, e flcou
a discusso adiada pela bora,
Cpntinuou hontem na cmara dos depatados a
segunda discusso do art 1* da proposta do gover-
no abrindo um crdito extraordinario ao ministerio
da marinba. Orou o Sr. Candido Torres Filbo, fi
cando a discusso adiada pela bora.
Occopou se depois com a discusso das interpel-
lagoes annunciadas pelo Sr. dacedo ao Sr. ministro
dos negocios estrangeiros na sesso de 10 do cr-
rante. Oraram os mesmos senhores, fleando a dis-
cusso encerrada.
-M-
Na sesso de hontem do senado o Sr. visconde
980.000*000 de Sapncaby commanicou o passamento do sena-
dor marqtrez de Itaobem, e proeoz qaenio traba*
lhasst netsedia o senado, O qae Ij approwado.
meara um
__assiavB5it'J
aaa de oBtamantt a qual
mioslo sera' apiesaatado
aieVa dejanrao, o ser'
. dMnftair.
No dia 5 de jaiba, o mais tardar, comecara a
segunda discosso do ercaoaeato, qae preferir' a
todas as outras materias, e encopara' as sessdes in-
tuirs ; a segunda discossio do orcamenlo dividir-
se-ha em nove partasdispezado ministerio do im-
perto, JOBtica, tafnatetfta, gaerra, marinha, otaras
publicas e fazeoda, receita publica e artigos addi
livos.
Na segunda discossio nao podera' durar o de-
bat de cada ama das partes mais de tras sessSes.
No dia 30 de jalao devero estar improroga-
velmente terminadas na cmara dos deputados ae
duas segunda e tire eir dieuss5es do orame oto,
de modo a ser remtttido para o senado at o da 1
de agosto impreterivelmeute.
c Nao se admittiro urgencias para lalerromper
a sua discusso se nao para objectos de tal magoi-
tode qae se tntendam nio poder deixar de ter im-
mediata soluco sem grave prejaito publico e ar-
gente necessidade do paiz.Pereira da Silva.
Em qualquer estado da discusso, e anda mis-
mo quando estiver fallando um orador, qoalquer
deputado podera' requerir que se verifique o nu-
mero dos depatados presentes, e se este for menos
d qne o terco dos membros necessarios para baver
casi, o presidente declarara' suspensa a sessao.
Jos Bonifacio.
Artigo. Todo o projecto de lei aera' previa-
mente discutido no seio de commissdes, qae sero
nomeadas para tsse flm. A commisso apresenta-
ra* nm-relatorio cireumstanciado de toda a mate-
ria, concluiodo cera o sea parecer especial sobre o
assumpto.
Artigo. A cmara nomeara' ama commisso
especial de tele membros para examinar differen-
tes projectos de lei que forem submettidos a apre-
ciado da casa.-Andrada Machado.
Babia.
Do Jornal tnrascrevem )8 o sogaiole.
c Hontem 16 s 10 i [i horas da manha,
principiou o processo pelas violencias feilas
ao Sr. Soares de 01 i ve ir a oa noite de 6 do
corrente. Compareceram- os accrjsados os
Srs. leoente-coronel Castro Rebello, com-
mendador Sampaio Viaana, Castro GaimarSes
e alferes Cnelbo de Oliveira e tambem An-
tonio Rosendo da Silva acompanbados ae
seus advogados os Srs. Drs. Gustavo,
Deir, Pereira Rochae Silva e Almeida. Pre-
sente o Sr. promotor publico Dr. Abreu, fez
,o Sr. Dr. ebefe de polica a qtialificacao de
todos os aecusados e em seguida foi inquiri-
da a primeira testemunba o Sr.-Vicente Ro-
drigues Pinto, que depoz o seguinte:
P. como se passou o facto do arreb-
tamelo do ex-portein do banco da Babia
Jo3o Soares de Oliveira na noite de 6 do
corrente com as circumstancias, que o acom-
panharam e seguiram-se ?
< R. que ouvio ao mesmo Joo Soares,
que a noite de 6 do correte -pelas 9 horas
pouco mais ou menoi estando conversar
com o alferes Jo3o Coelho de Oliveira che-
garam-se elle dous ou tres individuos, que
n5o pdde conhecer, agarraram-o e metteram-o
A cmara dos diputados occupou-se bontem
com a discosso do requerimeato do Sr. Mora es
Costa, pedindo informacSes ao governo sobre a so
lucio que den reelamaco do ministro italiano,
relativamente a' entrega de sua Alba, e em que
estado se acba osla questo. Oraram o mesmo Sr.
Moraes Costa e o Sr. ministro da jastica.
Qontinuou depois a segunda diseusso do art 1"
da proposta do governo, abriodo um crdito extra-
ordinario ao ministerio da marraba. Oraram os
Srs. Cesario Alvim e Tavares Bastos.
Ambas as discuss5es Acarara aliadas pela bora
-10-
Passaram hontem em primeira e seguda diseus-
so, no senado, as proposicles sobre liceners ao
baeharel Leopoldo Heomjuo-Caslrioto, Marianno Jo-'
BHQaperto do Amaral.e Dr. Lniz Jos da Silva
Monra; a rtspiito da matricula dos estadantes Jjao
Piras, Parittlia Jum^foaoCardoao de Mear Bra-
sil Augusto Jos da Silva-t aicatativa ;a .atnso
concedida a D. Honorina liatbildee de Ollveira.
Prtsegnlo a terceira discosso 9a prbpos de cr-
ditos e aotorisando a emisso de papel-moeda; ora-
ram os Srs. presidente doeeoeelbo, vleconde de Je
qoUaheaba e baro e S. Loorenco.
A discusso flcou adiada pela bora.
Continaou hontem na cmara dos deputados a
A. de segenda-diseotiio de artigo 1.a-da proposta do go-
vtrno akriade o m endito eitraordiaano ao minis-
terio da marinba. Orou o Sr. mlmstro respectivo,
fleando a dltcosso adiada pela hora.
Occupon-se deyOts com a discossio do parecer
da cobmhiso da polica Mora a redoma do regi-
ment em reiaco as sesada da metma eamara.
-' Booifa-
cio. efreceodo este senhor um reqaerimento de
linimento, qae nio foi votado por falta de namero
legal.
Porania
apreteatadas segointes emendas:
forga em um carro, que se aprosimou
Levaram-o primeramente para um lugar des-
conhecido, onde lhe applicaram-angmhos e
arrocbos com urna corda passada pela testa:
depois conduziram-o para um nutro ponto,
que suppSe ser o moinho, onde continuaram
as violencias i lo^o que p5de, pre:ipilou-se
por urna janella, tendo antes levantado a
venda dos olhos um pouco, vendo que esta-
va sobre um assoalho esboracado: sabindo
eocontrou-se com um individuo, que disse-
Ihe onde estava e qual o camioho da cidade.
t P. se n5o ouvio Joo Soares dizer, que
conheceu pela falla alguem e quem era ?
< R. qae pela falla disse elle, ter coahe-
cido, que um dos individuos, que praticava
as violencias, ou mandava pratica I-as, do que
nao est bem lembrado, era o tenente-coro-
nel Castro Rebello, e que si os visse, conhe-
ceria um dos individuos, que o agarraram
"para mette-lo no carro.
P. si sabe ou ouvio dizer quem foi o
autor ou autores desse aiteatado ?
R. por ouvir dizer ao mesmo Joo Soa-
res que o attentado lhe proviera da direcc3o
do banco especialmente do teneote-coroael
Castro Rebello, commendador Sampaio Vian-
na e Castro Guimaraes.
t P. se sabe, que o alferes Joo Coelho
de Oliveira buscara conversa com Joo Soares
no proposito de demora-lo aflm de ser agar-
rado e meIIido no carro?
* R. que Joo Soares lhe disse em con-
versa suppor, que essa conversa fra com o
lim de demora-lo para agarrarem-o e met-
terem-o no carro.
P. se conhece Antonio Rosendo, que se
acha presente e sabe se foi dos que agarra-
ram Joo Soares ?
t R. conhece-lo de vista, mas nao sabe,
se foi um dos agarradores.
< P. desde quando o conhece de vista ou
o que deu lugar tal conhecimento ?
R. por ser empregado durante aigtim
lempo no arsenal de marinha, vendo-o, se
gundo lhe parece, com chapeo proprio dessa
ceasse.
P. ce tem ou nao relaces intimas com
algum dos ex-directores do banco da Baha,
que se acham presentes ?
< R. que tem relaces com todos tres,
mas nao intimas.
c P. se o commrciante Castro Guimaraes
alguma vez lhe fez urna proposta para ser
transmittida Joo 9oares ?
R. qae estando um dia na porta de
sea armazem passara o commerciante Castro
Guimaraes e disse-lbe, que lhe desse orna
palavra e chegando-se elle testemunha, pe-
dio-ibe para ir at ao trapiche, Gaspar fal-
lar-lhe iodo ao dito trapiche Castro Guima-
raes propoz-lhe, que levasse a Joo Soares
urnas jotas de brilnante no valor de dous ou
Ires contps de ris como peohor, para rece-
bar delte 500)1000 600,5000 por 30 dias
mediante um premio grande, para ver se
'oesse dinheiro, que dsse, se encontrariam
algumas das cdulas a> 104 d governo das
deiedr detelha, e dabi coobecer-se com al-
guna fcil da de se o roubo app.irecia ou es-
tara em mo d'elle, pois que estava conven,
cido de ter sido elle quem o roubara: ao
que recusou-se por ter relaco s de amisade
com Joo Soares e nio parecer-lhe ser elle
o autor do roubo: i vista dessa recusa pe-
dio-lhe o mesmo Castro Guimaraes, que oes-
se caso guardasse segredo para que se nao
baidasse o meto,-que poderia ser empregado
para com ootra pessoa e consegnir-se a des-
coberta do roubo, mas nao obstante esse
pedido, commuaicara ludo Joo Soares
que lbe diese admirar a coincidencia de ha-
ver no mesmo dia urna outra pessoa
R. qoe em urna aOr ftrtiastro Gui-
.rtes e teaente-coroffet "CWl-Reb!lo,
irem em um carjo casa (Jp cgmmendador
Ramn^i;,^. T ii niiBi)BBBr seguinte :
Ca8^?lnar5*lta I**6*'poaco mal
ou mwJa,.segudo lbe parata, encontran-
4o-seN5ttmvelle testemomvi nmtrapiche Gas-
par, tlWgnntou-fcov se eenhema o commen-
dador Sampaio Vianna, e si cora elle entre-
tinba relaces ? Disse-lhe qae-sim, e entio
0 mesmo Castro Gobnares coavidou-o para
ir noite casa do referido commendador:
acceitou o convite, mas como commonicasse
Joo Soares, pouco depois e elle lhe pe-
dase, qtie-trao fesse para evitar, qae de no-
vo lbe tocasem oa primeira pro posta, por-
que natural i ente quereriam conseguir por
intermedio delle alguma cousa, nao foi, mes-
mo porque Joo Soares lhe disse, que toma-
ra o fecto de nio ir elle como um ffwr fei-
to: mas paseando pela Piedade e vendo a
casa do commeodador Sampaio Vianna com
luzes na sala, aproximoo-se para ver si era
Castro Guimaraes, que s estara 4 sua es-
pera, e demorando-se para reconhecer si
era ou nao elle, trio chegac um carro e sahi-
rem delle o tenente-coronel Castro Rebello e
Castro Gaimares e entrarem para a casa do
commendador Sampaio Vianna, tendo onser-
vado,|que oa sala passeiavam duas senboras,
que segundo lhe pareceu assentavam-se jun-
to da mesa, que estava no meio da sala :
accrescentando, que, segundo lhe parece,
fol no dia da inauguraco da estrada Para-
guass ou subsequente.
P. se sabe, qu o delegado do i. dis-
tricto deu um cerco pelas tres horas da ma-
drugada no sobrado da fazeoda Garca, onde
mora o tenente-coronel Castro Rebello, sen-
do esse facto a causa de terem aban una io
Joo Soares oa manha do dia 7, em cuja
oceasiao foram vistos tres individuos sabir em
da direeco do sobradinho do moinho cor-
rendo para a cidade ?
R. sabe por ouvir dizer, que o delega-
do dra o cerco no sobrado do Garca onde
mora o tee ate-coronel Caslro Rebello, mas
ignora ser esse o motivo que fez com qae
as pessoas, que tinham Joo Soares o aban-
dondseos, visto como ignora mesmo, que
Joo soares estivesse nesse logar, e que
ouvessem la taes pessoas.
A' requerimento do Dr. promotor pu-
blico foram dirigidas testemunba as se-
gnintes :
P. si nao lhe foi declarado por Castro
Guimaraes o motivo ou fita, para qae convi-
dara-o ir easa do commeodador Sampaio
Vianna, visto que pareca com esse convite
depositar tanta confianca, que apesar de se
ter negado figurar, como descontador de
urna letra mediante penhores, nao obstante
fazia-lhe um convite relativo negocios
tendentes ao descobrimento do roubo do
banco t
R. que nao lhe foi declarado o ra
para que fra convido para a casa do com-
mendador Sampaio Vianna.
P. como nao saliendo o fien desse con-
vite, se dirigir Joo Soares manifeslando-
Ihe que tinba sido consultado por Castro
Guimaraes para ir casa de Sampaio
Vianna?
R. pelo facto de ter sido anteriormente
convidado por Castro Guimaraes para levar
as joias Joo Soares, como j depoz, sup-
poz ser ainda para esse flm e que procu-
ra va-se por intermedio de commeadador
Sampaio Vianna conseguir-se delle o que ha-
via recusado.
< P. ee declarou Joo Soares a proposta
feita por Castro Guimaraes ?
R ,uesim.
P. como tendo feito esta declaraco
Joo Soares, este notara coincidencia de ter
sido feita nesse mesmo dia igoal proposta,
e como .astro Guimaraes sabendo dessa de-
claraco fizera-lbe esse novo convite f
R. nao tendo communicado a Castro
Guimaraes a revela :o eita Joo Soares,
elle sem duvida insciente dessa circumstao-
cia lhe flzera o segundo convite.
A' requerimento do Dr. Silva e Almei-
da, bem da defesa dos reos foram, feitas as
seguintes:
P. si entre a testemunba e Joo Soares
existe canaaradesco de muitos annos e inti-
midadle, como se deduz i.' da recusa feita
Casiro Gairaares de servir de intermedia-
rio na traosaco da letra sobre penhores:
2." do pedido, que lhj dirigi Soares para
nao ir a casa do commendador Sampaio
Vianna, servico que considerara um graae
favor e qua lbe foi prestado por elle teste-
munba, faltando entrevista combinada :
3. a reiaco minuciosa que fez Soares
testemunba acerca das violen ;ias, que disse-
lhe tiaverem sido feitas na noite de 6 do
corrente ?
R. que tem intimas relaces de amisa-
de com Joo amias. .
c A' reqaerimento do Dr. Deir foi tam-
bem feita a seguinte :
< P. se entre as relaces' feitas per Joo
Soares no locante s violencias- que soffrera,
lee declarou o modopor qae applioaram-lhe
a mordaca, e a parte em que ella lhe foi ap-
1 plicada ?
t R. que Joo Soares loe dissera mrem-
Ibe applicado a mordaca de modo que elle
nao pode gritar, e que ao chefemesmo ao
sahir do carro tiraram-be- a mesma mor-
daca.
c Nada mais disse, .nem foi o sea depoi-
mento contestado.
Achando se adiaMafe' aera o Sr. Dr.
che fe de polica marcea a .continua cao do
processo para o dia 19 s 10 horas da ma-
nhia, intimadas as testemanhas e tambem
os reos e o Dr. promotor publico.
Correu o processo com toda alma e
asistencia de muitas pessoas.
O Sr. Dr. chefe de polica fez saber aos

!




accasados por urna nova nota de colpa, que
o en me porque tinham de ser processados,
era o de tentativa de morte.
< Muitas pessoas acompaoharam oracco-
sados.
PERNAMBUCO
" "a
REVISTA DIARIA,
Reunite noamm-* losMate ArotMefattoe- e
Oeotrapaloo arnambooano son a prastdeneia do
Exst. oaseibeiro meoseohor Monis Tararas e com
issisteocia dos Srs. Drs. Raposo de Almeida, Ci-
cero Peregrino, Canba Pigueiredo Jonior, Soares
de Aievedo e os Srs. padre Uao do Moate Gar-
, mel, major Salvador Beunque a o socio corres-
seo poodeoie oapile- Antonio -BratiUno.
amarada lbe dirigido urna proposta simi- j OSr. secretario j>erBoiuo menciona o segoiate
loante, qae nao acceitara- por nio ter di-. gJ'Xio do socio effecvo Dr. Arres de Al-
nheiro. I baqaerque Gama, ofiertaado ao IoaBtato os sn-
< P se vio alguma vez o tenente-coronel UM da auembia provincial do correte auno.
CastroRebellb, e Casto Guimaraes irm .Recebido com agrado, manda-se artoivr:
IBBB


mm
(BSmBSSmBl
HHHi
i

V
Vares nmeros da Oiarta de Pernambuto, of- Joaqulni Moreira Lima a Dr. Amorto Cario*
-,

fi
feriados pele consocio Dr. Pigaeirda. Recebldo
co-n awado, anda-s* ara*ivarv *
Doui nmeros 4b Mercantil, e nm da Opimlo Na-
cono/,' ornados pels Wspeetlvas- redaecSas.
Recebldo eom agrado, mandase archivar.
Duas batas da pegas, encontrada* no sillo do
Rsduelo era Saolo Amaro, pelo san proprlertrio a
offertadas sale Sr. Manoel Jos Soaras de Avallar
Jnior.Receido eom agrado, manda-se guardar.
Ootra encootfada oo locar da fortaleza do Arratal
Moo, pelo propietario daquelle sillo o 9r..tabete
orooel Tbomas1 Csvaloami da SKveira Llns.Re-
cebldo com agrado, manda-se guardar.
Vm ames* ama propowa para aocioa^-A com
missao de ada>is Eitra em discosso o parecer adiado da com-
issao de Redacgao da Revista, sobre a propo.-ta
' do Sr. Dr. Amaro de Alaaquerque, retallva a sop-
pressao d.s mensalidades dos tocios effectivos;
a terminada a discosso, sendo posto a votos, o
parecer, elle aftirovatftt, sendo' regeitada a pro-
posta.
O Sr. Dr. Rayoso de Alneida obleada a palavra
faz a feitora do seguinte parecer:
a A commissio de trabalbos histricos a arcbeo-
logicos, qoaodo visitn as Tainas da fortaleza do
Arraial Novo do Rom Jesos, demorou-se mol
pooco tempo, na pesqulza, a que procedeo; a por
Isso fcil de ver, que nao poda entrar do datido
exame, qae exiga om assompto tao interessaoie.
O resaltado do rpido exame, qae fet fl'essas
p:*etoss reliquias sreneerogleae, ja* o coBsrgoou
no relatorio a parecer, qoe offereceo ao losUlato
na se35o passada; mas vera agora ao sea conbe-
cimento, qae anda Rm resta bastante a expMrar
oa propria localidade das roinas.
Aioda ali existan os alicorees da casa, qae es-
lava na praea d'armas da fortaleza, e que prova-
velraente servira de residencia aos estrs de
campo Feroandes Vleira e Vidal da Negreiros.
Aioda ali existe otras**de orna eliicgio circular
de ljalo e cal, qae parece servia da paiol da pl-
vora.
< Aioda ali existem urnas ruinas mals colossae,
que talvet.safxm as do engenho do folaoo Bribo,
de que falla a''historia ; e la Jo islo nio foi visto e
examinado pela commissaa, porque, aieo da nio
Iba bastar* lempo, nao foi na oeeasio informada
d'estas importantes Ircamstaooias.
c Como 4 sabillb, tres rasa as fortalezas, qae
amparavam as estancias ou posto* avaocados dos
independemos centra o Recife, a da Barreta, a do
Arraial, e a da Balera. Achados e verificados es-
tes tres (Tolos dolbeatro das operacoes, julga a
commissio qus o Instituto prestara om bom ser-
vico ao fotoro historiador.
Ora a fortaleza do Arraial Novo ja se aeba ve-
rificada, e pode marcar-se com toda a onSaoca
nos mappas : as-da Batera e da Barreta tero a
commissio as mals betn fundadas esperanzas de
vo-las poder marcar en urna da nossas-proximas
sessSes.
Para acta fim requer a eommissao:
< 1* Que seja convidado o nosso prestimoso con-
socio o Sr. Dr. Gervasio Campelio a agregar-se i
commissio, aQm de prestar-ibe os'bons servigos de
sua iasirucgo especial.
< 2 Que seja autorisado o oosso tbesourelro a
satisfazeras indispensaveis despezas coa o exame
snppiementar do Arraial Novo, das localidades da
Barreta e Bateras, da descarnado da mora-
Iba sobre que est levantado o frontespicio da igre-
ja do Pilar, e com o exame da matriz da Varzea, e
de soas tradiceSes.
c Sala das sessoes do Instituto Arcbeologico, 29
de agosto de 1867.M. Raposo de Almeida, relator.
Salvador Henriqae de Albaqaerque.Padre Li-
no do Monte Carmello Luna.
Posto em discosso fazem algomas considera-
Coas diversos socios, efinalmente votado e appro-
vado.
Em segoida l-se :
Propoobo que se aolorise a commissio de traba-
lbos histricos e arcbeologteos, para dar andamen-
to an da ereccao da columna proposta no logar
do Arraial Novo junto aos vestigios qoe aioda res-
tam da fortaleza do Bom Jess; sendo o nosso so-
cio o Sr. Dr. Rodrigues Campelio, como engenhelro
incumbido de dar o risco da mesma columna e de
oraaoisar o respectivo orcamento ; e que depois de
approvado este pelo Iastitato seja convidado o pro-
prieiario daqaelle sitio Sr. tenente-coronel Tnomaz
Cavalcsnti da Silveira Lins para presidir a execu-
cs i daqoeHes trabalhos, segundo o seo patritico e
generoso offereeimento.
< Sala das sessoes do Instituto, 29 de agosto de
1867. Salvador Heorique de Albuquerque. >
E iirau lo em discosso aps a leitara, appro-
vada.
O Sr. Dr. Raposo de Almeida declara que o o. 8
da Revista trimensal do Instituto ach-se em com-
posigu, e que uestes qulnze das estar' impressa
e distribuida.
O mesmo Sr. Dr. Raposo de Almeida oblendo a
palavra Itu a primeira paite da sua Memoria so
bre a mtroducco, permanencia e extinccao da
companhia de Jess em Pernambuco.
Nesta primeira parte mostroa que a compaobia
fra lotrodazida em 1551 pelo padre Manuel Nobrega, a' instancias do donatario Dnarte Coelho
e mais moradores prlocipaes da Olinda : qae eat
1568 estabelecra o proviacial Luiz da Gr as pn-
meiras clases de ensino; e qoe em 1576 fra de-
finitivamente creado o collegio por ordem de el-rei
D. Seoastio, e com o donativo perpetuo de 4005
annuaes.
-Nh segunda parte prometa o Sr. Dr. R. de Al-
meida tratar da permanencia e extinccao da com-
panhia com a exhiblQao de documentes raros e
inditos.
A Memoria, aim das citacoes da cbroaica e de
car lis do padre Nobrega, escripta segundo a phi
tosouhia da historia.
Actuado se a hora adiaotada o Sr. Dr. Raposo de
Almeida interrompe a leitura que flea adiada.
Nao baveodo mais nada a tratar levantase a
sesso.
T
X
Almeida e Albuquerque, qoe sallsfiteram plena-
mente a expectativa publica.
Terminado o ultimo discurso, a nio pedlndo a
palavra outros membros presantes do partido, o
presidenta submetteo a consideraco da assem-
bla:
1.a As bases da associaco da unlo conservado-
ra, approvada* palo cantro director da corte, que
fo.-am oaanememeote aceitas, declarando lodos
que queriam formar o gremio cooeervador dela
capital;
2. O projecio de estatuto do gremio destt-
capital, organisado por ama commissio, que fot do
mesmo modo onanememente aceito.
annrella. Vestido corto, roo a trmj chamada val: appellante, Lote Antonio da Sonza Ribairo;l'^oasepriem abrir knru9n *~. ^. .<> ~-
de enojo, orlado com um rolfjla eocanudado, on appeiuda, a viuva do coronel Beato Jos Lemenba\Xu dS..!!*0*50 fl** ^ P0^
director do gremio leve o segolnte resoltado
Frealdeme, o- sanador Prederioo de Almeida,
Alhaqaerque;
^ Vlee-presidente*. o Dr.8Hvino BHvidio Carooi-
ro da Canija, o padre-Francisco Piolo Pessoa vo
lento cathddratico do licen Maooel Porfirio Ara-
nba;
Seeretario, os Dra.Joaqaim MoralraLima,
Jos Antonio Bapiisia;
< Tbasonreiro, o capltalisu Antonio das Santo*
Coolho;
t Conselheiros, o Dr. Leonardo Antonei'Melra
Henrlquss, o Dr. Antonio Carlos de Almeida Alba-
qaerqne, o. lenta cathelraiico do liceo major Tho-
maz d'Aquine Mindello, o '.enente-coroneJ Manofl!
Florentino Carnefro da Cnnha, o teneate-cOronel
Manoel Soares Noguelra' de Moraes, tennte-coronel
Antonio Gamillo de Hollanda, o capito-mr Jota
Francisco secretar Jola Rodolfo Gomes.
Lim.
Do Sr. desembargador Molla ao Sr. desembarga-
dor cdda Cavalcante.Appeilaeio clvelu at^l-
'ante, o bario do Livrameato; appellada, a U-
zanda.
macbeado, qae atesta eomr aa galio de palba
amarella, sobre o qoal u p5eA vollada para cima,
ama renda prea. Para o lado inferior do volante
celloen se orna roan prela df mesna especie de
qna a da onlra renda. Gallofa palba eom renda
preta estrella em todas as tostara do vestido; Do Sr. desembargador chda Cavalcaotoaa Sr.
manga justas, lando por cima-ouiras moito lar- desembargador Soaat Le3o.- Appellacoos- oi-
gas e comprldas, i maneira das mangas antigs e'veis : appellaBte- CI*odio"JJubuex : appellada,- a
guarnecidas na extremldade com eneanudado. No fazeoda. Appelbmte, D.'--UjfrellBa de Araoio
corpa, eafertw idaatlcos aos da sala Cbapdo de Guerra; appellado. Rento Jos das Dores. Appel-
reoda oseta com andeltes de palba eravos ;#a*W laole, coronel Jos Aotonio Machado; appellada, a
nse larga-renda preta que cae sobre o cA^non, Irmaodade de .lossa Senbora das Nares. Aapei
d onde devem sabir doas grossos caados su sn laole. Pudro
1W tontaiaa.aapiavWgnal. Brochadoi aqof-
a?V11, "P'0' Q^WDfofj-iaa-eoIre P>ffl i I. carf varios ganaros ;Sitar A
**V*b S'mplicidadu de mato, sia -I u 0i^- ."arar
ansa d Imo, tao bem oSo fbe Mohecemos H"rer^ ,,,^,^/, '' Bu Groni, de 204
superior em elegancia de foma e mde? ^eJ^^!?^^^?^?> W
nismo de afibjteara.
Desempeofcido assirj, tio religioso com-
lZCeAe^t .4!poli *^!i0 .*oais|ijo |-Btmta>B^rin"^M Paira
ertrffj sao formadas por daas Jaso
para cada lado.
largas.tiras da
As
fil
. appetlado,-Jus* Marlios da Silva. Appel
preto, (odas ganrnecidas de lante, SegisnanJfc Sergio dos Santos; apnsllado.
_rendf qne onlndo meio palmo abaixo da barba, Vicente Ferrelra PaSllba Calumby. AopeliaBles os
por mena da donacravos vermeihos, descera am berdelrosde Francisco daslhaaas Ca?alcae-ao-
Pn5fxodaeintara. paitado, DrTCbrietovo,Xivjer Lopes. AppeRnte,
fnlilyffVL'01!"-- Ve,t,d,.if "1"' ,d8 Adri"&Gastro appellaao, o carador dos par
foHlardcCr dorosa, liso, goarnecldo-com tres vie- do Aoloilo- e Bejmiro. AppelIacSes crimes: ap-
zes de seda cor de rosa, um pouco mais aaearn-paJtaoie, Florencio Jo* BapUsla sppeltada a
K?.en d('fi,,'v4, coaldos eom coatas de cltrmal^fstlca. Appellante, Joo Viceate Correa gacn'pi-
branco. Vestido de cima, de gase da-seda branca* ra ;> app.|*do, o juizo. ApeHanle, 0 juizo ; ap-
man ortaa onduladas. Os pannos iao separaos fiado, T^ionio-FrancisaS oSairv--. a&L
de c,da lado, e lea tres oodolac5as, que anem..civel: apjltllanie. Vquira poi sea corado?; ao
Jacos oa roselas,-de dimensoee pallado, Marcos Francisco de Jejos.
Encerroovse a sesso a ama har da^tarde.
graduadas, felina cora fita cor de rosa. O eorpo
datdo' flo vosrdr>ie baizo Cobre-so com ontro
corpo igualmente deootado, mas com-abas, o qoal.
feito de gase de sala branca-como a do vestido
da satans : *
j Perneado, s de cabello nm pooco torcido,
Monte ; chignon .alto, tranjas enroladas, e d'on'
nr->
Correspondencias
Cartas do Pars oos affirmam que cinco bros oa nossa eommissao de Exposlcao Universal
demittirara se desse encargo por qae o presidente
della, o Sr. baro de Pehedo, por occasiao da des-
trbu'clo solemne dos premios, Ibes nio dea lugar
na bancada das commissSes Internacionaes, nao
obsUQte Ihe ter sido remettido numero sufflciente
de candes de entrada, ao passo que vio-e all fi-
gar.-rem pessoas completamente estranbas eom-
missao.
Julgando-se esses membros offendidos em seu
amor proprio deram suas demissoes,. vlndo em
conseque:ieia ficar a eommissao sem os seas rela-
tor i s parciaes, o que sem davida iamentavel.
O vapor Santa Cruz trouxe dos portos do
sal : para a nossa praca 311:4834 e para os do
norte 17-300*.
O vapor Paran trouze dos portos do oorte :
para i nossa praca 11:879*520 e pira as do sol
92:3284240. -
A' bordo desse vapor vleram do norte 20
praca* para a armada e 81 para o exordio.
U forte vento que rtaou daranle a noata de
ante-hontem, fez partir as dricas do mastro do te-
legrapbo, atirando ao chao os doas baldes que as-
slgnalavam os vapores do snl a norie.
Tendo nos em nosso n. de 14 do correte fei-
t) a diclaracao de qna nao tinhara voltado as pro-
do; 11- para o preenebimeato das freguezias vagas
desta diocese, oem haviam de voltar por Ihe falta-
rem quaesquer qaesltos, tiremos de onflrmar de
novo esta deelaracio em o nosso nnmero de segon-
da-f-ira passada, em virlude [da detlaracao formal
do Mercantil de domingo, qae asseverava o contra-
rio, e dula que a nosso boa f fra iltaqutada ne-
to nono informante. Por essa occaslo pedimos
que se aguardasse o deseolace, o enlo se verla
quem estafa melnor informado.
desealace nao se fez esparar, a vaio patentear
*imL !j qe B#Ma boa f*%d0 foi ** mdo al3um
tll^ueada. Dez dos Rvms. oppositores s Igreias
vagas aobaoa-se eseolhidos pelo geverno imperial
o os demaiso seraoqoaneo os malliplicadoamba-
raos qae corrm palo ministerio do imperio per-
mitlirera ao rspeclivo ministro occapar-se desta
materia, alias- digna de toda a ponderarlo.
No domingo comeca.na igreja daSantaCrtlz.
da Boa-vista, o exercicio do mez doioroso e bon-
ra a' Saolisslma Mi dos Peccadoras, sob a dtrac-
cao do padre Bento Scbambri, e a'expensas dos
flaii da.voios.
07drtiol a Parahyba em sen ntrmero d Ji
*o orrenle publica 0 egainte :
Teve lagar domingo, 18 do crrante, em cas
do DrjSibfloVErvldlo Carnelro da Cuoos^ a Ins-
tsllagSe de gremio da Bnilocooservatlora desta
capital. !
Rennindo-se ama numerosa a brtthanta assem-
blsr'dtt'prtidff conssrvador desta c'dafle'abmalo
dta o fltm^pa8/atrnH5o PfntbPstba acitamon,
parn-pV6Wa^>M.--'SlHVn^l0dh)t^ir
Catfris, e para secratarios aos Drs. Joaqrirn'MoVe-
ra-biara e'Jas ntnio tjHIsta. W "wf
*miiii anlra'drprBSl(rncla, o Dr. SUrt
no, ern^ma, breve e .uUattatfMttaazcio axpoz o
Sf* e T <>*r'-^iV*taeaass>aTr*sQ>
ulidadav dapws d* qna pfonaMlaranB aaaMfta
discursos o Rvm.padre anoeiscoPiMS Pessoa, Or.
assembla.
Em aagoJda damos am pequeo escripta dT
Sr. Joio Paulino de Souia Uebda, nosso patricia
qae estada em Pars a medicina.
< Man charo amigo.Tencionava entreter regu-
larmente os teas le lores eom alguna a cousa a res-
pailo da medicina, qae se aeba tao bem reprsenla-,
da na exposicio universal desta anno; Infelizmen-
te, porm, nao me foi posahrel continuar por al-
gura tempo essa tarefa.
Hoje eomeco de novo esse trabalbo, qae, como
Ji te disse, s se occapar das descobertas moder-
nas a qna sejam da grande otilidade na pralica,
tratando de nm instrumento maito eogenboso in-
ventado pelo Dr. Casimiro Carcassone, o qnal se
aeba na vdrafia do Dr. Favre, seccSo das arles libe-
tas, classe XII.
Este apparelbo engenhoso, designado pelo co-
me de mletro-dynamometro, destinado a medir as
contraeoCes do tero, e eom o seu auxilio pdese
saber :
c Em caso de parto on de aborto provocado,
por exemplo, o numero, a Intensldada e as varia-
ces das contracedes do otero em um tempo dado.
1* A parte'de aecodo otero no caso de con-
vals oes hystericas.
-" 3o Pode-seestadar otetano. (Esta idea foi Ins-
pirada ao Dr. Ctrcassone pelo professor Pajot,
qoando o instrumento foi-lbe apreseotado.)
4a Se o tero cootrata-se on fica indlfferante
pa anesthesia gernl.
5* Emfim, (ais o lado pratico deste Instrumento)
no caso de hemorrhagia grave do alero por inercia
deste orgAo, o Dr. Carcassonne propde a introdoc-
cao de sea Instrumento na madre, onde He obra
de dons modos, tapando o eolio do otero melnor do
que o obturador da vagina, e, sobre todo por sda
qoalidade de corpo estranho no tero, provocaodo
soas eontraecSes, qae se podera' verificar fcil-
mate mediado se o sen grio.
t Numerosas experiencias forara fetas para pro-
var o qae fica cima dito, em prlmefro logar em
anlmaes e depois nos bospitaes, sob a di recelo de
nossos grandes mastres, e os resultados clnicos ob-
tidos tem excedido todas as esperances.
Mnilas pessoas competentes tem podido verifi-
car de otan e de tacfti o instrumento e saa appli-
cacfl e sao aeoordes em que o Uttro-dynamome-
tro do Dr. Carcassonne destinado a prestar gran-
des servicos aos praticos.
Este insiramento foi inventado por eirenms-
taneias especiaos, e ba desoito mezes que elle
experimentado no HotelDieucom grandeuiidade
para os doentes.
. < Nos paizes ostraogeiros tem tido elle ora suc-
cesso bem merecido, sobre ludo na Altemanha,
onde tem sido empregado por grande numero de
praticos,!
Dos jornaes dasEoropa transcrevemos as se-
guimos decrlpcSes'das ultimas modas deParis:
Contina o eahello loaro a ser moda eotre
as elegaotesqae passeiam pelos campos Elysios...
terrqueos, e pelo parque que oatr'ora foi Campo
de Marte. As franeszas, se dio a perros para
se tornarem loaras, nao pudsram ver, sem um
certo sentlmento de inveja, a linda edr da cabello
da sympalbiea fillia de Vctor Manoel. Aquella
louro ardeole que, quando Ihe chegam os ralos
do sol, offusca o brilho do proprio rei dos astros,
transtornoa de tal surta a cabeca das ledas pari-
sienses, que Nolrai, fabricante da famosa flavian-
na, tem se vislo perseguido por centenares de pes-
soas de ambos os sexos que desejam possuir o m-
gico elixir.
f as casas das melhores modistas acham-se ex-
posto3 os seguales trajos para noivado :
Trajo para noiua Vestido (prtnceza) de se-
da branca, eoberto com outro vestido de masselina
branca, que desde a gola at aos ps recortado
de cada lado, de maneira qua as ponas dos recor-
tes se anam sob nm botan formado por flores de
larangeira. Fivella, broche e brincos irmos. e
grinalda terminando por doas compridos cord5es.
U vestido nao deve ter eufeite algum ; as mangas
justas do vestido de seda branca sobresaliera as
magas largas e compridas do de masselina, qae
sao prezas no hombro por um boto de flores de
larangeira: Um grande veo de talle braoca com-
pleta o vestuario.
Trajo da ma da noiva.Vestido de seda de
cOr de ouro. om pouco escuro. A guarolcao ou
enfeiies corap5ese de rolos de seda cor de ouro,
disposios d9 maneira qoe simulem grandes recor-
tes sobindo at a* cintura e dlmlnumdo proporcio-
oa luiente no tamanho, a' maneira qoe se aproxi-
mara da cintura. Mantelete de renda preta, eofei-
lado cora largas rendas, tambera pretas.
Termioada a eleico do ronselho director pro- n'doas'grand; caacoespelas costas abanav^acon ra Sot^ d co ooaS- o 2%
cedeo.saa..seripcaodo.socios do gremio depois At las >iaM ou crescentes, que as n^^'a^^^SX^u^^
do que o pres.aenti encerrou os trabalbos da nhqruaW..epi Sis era Londres, nada se P--n trega-los a sobera sprwo
^T fcff',1?*1"^8 Mbe" COfD ?M> lr> da ,7 d0 trrante li um discurso na Facul-
Tm n? lisbonenses se apresentani dade da Direilo, e no da 21 corria elle improsso.
Vw. H***n MntLS^^L^PP.0,rU- A? S;nb0raS *M,a,,omafoi dispensada, e lia pequeas dimen
ponteada?, vistas *e perfil, a certa distancia, pare- s5es lave o discurso ane
cent bicephata. Has esse ponteado olferece gran- -
de vantag.-m as amazonas; porque Ibes serve de
, porque
apara quedas; a elle deve a vida urna menina
mnMn eonnaesda, a quera, na estrada de Collares,
nm cavallo, fortandd-lhe o corno, a fez calr des-
amparadamente para traz; o abencoado chigntn li-
vroo-a de fracturar o carneo contra a ealgada.
Os chapeos redondos, de palha, slo os geral-
mente adoptados nos trajos curtos e lgeiros, que
se usam nos sitios para onde se vai a banbos do
mar. O fados' para entrar na agua apresentam
nnra variedade tncrlvel de oores e de gostos phaa-
tastlcos mas a forma Mals elegante a vesta oa
casaco corto e justo na dolara, feilo de panno
cracento, i toda debruado fia encarnado; ntcoboco
de panno encarnado o botas altas, qae i sabida do
banho se despera fcilmente ; porqae leem no alio
ama presilba, que, estando adaptado a nm cordo
que as ajusta, fa-las separar desde o peito do p
al ao cntalo, qoando por ella se pocha.
Lotera. A que seacha a venda
a 35, a beneficio da igreja de Nossa Se-
nhora da ConceicJo do Militares, qae corre
amanb5a.
proauso, a mesa traasacta entrega actual
mesa regedora a administraeSo do templo, e
esta, por saa ver., de posse de t5o precioso
legado, procara satisfazer Unto, quaoto
por-ea curadort appallado, Emitro banapament possivel 3 espectativa publica.
t fT&-An^T,,w!ud1e E' de eil0> 9aasi pedemos dizer que, no
una da Srtva. kM.|. perodo da g administraeSo, os actuaes me-
sarios deram de oos a aeos inter'esses par-
ticulares, para s e exclusivamente cara-
rem dos da rmaniladj.
Nos os vimos, das e noes inteiras, em-
pregados no servico da igreja, qoal mafs ze-
loso oo desempenho de soas obrgae5es de
artista, qual mais Terroroso no comprimento
de seos deveres de rrro.
Attmdeatgtrmas obraslaternas; a actual
mesa regedora deixa quasi concluida ama
das torres da igreja, de architectura intei-
raawote-nova, e, segundo nos^arece, a pri-
meira deste gosto aqui nndade.
Tendo de passar a outro, oa formado com-
promi8so, a admiotstragSo da igreja, a mesa
regedora fez, domiogo 25 do correte, a
testa de sea Padroeiro, a qoal, se o3o exce-
den, em nada foi inferior a do anno paasado.
Em epocha de egosmo de indifferentismo
religioso, eomOa-i tual, n3o podemos dei-
xar de admirar o desinteress, abnegacJo e
fervor religioso de t5o nobfs artistas; e
para dirigir um simples, mas sincero teste-
mu nbo do aW40aweS- pete deaode e
aflneo, com qoe a actual mesa regedora sou>
be sustentar
&C.
fazendns a oulros gneros; a A. Burle
Natiis saktits sw wnw da.
Rio de Janeiro a Bahavapor b'asileiro Paran,
commandante o capitn de fragata Santa Bar-
bara.
Par' e portos intermediosvapor brasileiro Santa
int eoftanodante Wddigrhon.
aaceib e portos Intermedios vapor brasileiro loo
]*eo, commandante J. J. Martins.
dites:
O agenta ?outual nao tendo podido effeciuar
lilo de eseravos a dividas annuociado para
hootem em razio do man tempo, fara' sabado
Impreterivelmente.
Rpartica5 da polica.Extracto das parles
dos das 30 da'agosto.
Poram rtcolnidos casa de deten^io no dia 28
do crrante :
A' ordem do Illm. Sr. Dr. ctiefe de poiicia, Ale-
xandre Jos da Oliveira, viudo da provincia do
Amazonas, como sentenciado ; A' ordem do sub-
delegado da Boa vista; Luiz Goncalves da Costa,
para correccao.
O befa da 2* seccao,
J. G. it esquita.
Casa be detewqao. Mo*meoto da casa de
aeteocao do da 58 de agesto :
Exisiiam (presos) 334, entraran) 3, sahira exbtem3!4. A saber: oacionaes 227, mulberes
7 ; estrangeiros 16, mulher l; eseravos 51, escra
vas 2. Total 324.
Alimentados a ce*ta dos eoffes prbvtnclaes
235.
nao' bastara qualquer
eoragem para altera-lo. dando-o a estampa, pode-
so dizer, logo depois de lido.
Pols bem. Depois de orna certa celeama levan-
tada pelas mals mesqaiabas prevencSes, e 'ros-
trada pela letra impressa do discurso, dizem 'por
ah almas viz, qae ea o alterei...
Appel lo para todos os homens de bem qae n
ouviram.
Masque isto : appello para as mens preceden-
les.
Hei dado sobajas provas, de que sei encarar
comprom/rtmro, qae a taalos atterram ; a nae'
seria agora a grasaada de mia dazia de corvos
qae me fvia recolbar a palavra entregue aos oa-
vtdos de am Ilustre auditorio.
Por si me julgam, os qae me aUribaem seme-
Ihanie infamia.
Hecife, i i da agosto oe 1867.
Dr. Aprigio Gnimaraes.
Pabli^es a pedido
o

m m .
lard com riscas iguaes, brancas e zoes, cortado
enviezado e sem eofeiie algum. Paletot da mesma
fazeoda, ajustado cora um cinto formado por ama
larga fita azul, atada atraz a cabrado em doas pon-
las qaasi tao comprldas como o vestido; o laco do
cinto formado por daas lacadas (tendo cada ama
25 centmetros de largura), cnidas e simplesmen-
te alravessadas por ama larga ponta de fila. Cha-
peo de palba branca encanastrada.
Trajo it vistta para a noiva.Vestido de bai
xo de seda verde claro. A roda guarnecida com
presiibas perpendiculares, da altura desigual; or-
ladas comevivos brancas ; oo entro tambem tem
prezilhas; rtres a cinc"o botoeS eobertos cora seda
branca. Este prlmeiro vestido ebega ao chao, mas
sem formar cauda. Segando vestido de linos bran-
co, meaos eomprido de qae o precedente; fich ou
lento de ponas la Marte Antoinettc, semelbaote
ao vestido e atado por deiraz. Cinto com abas,
guarnecido, como o fich, com ama pequea franja
branca encrespada. Chepo branco, de palha, com
tofos de plantas aqaacas e renda verde.
< Trajo de viagcm.Sili de cachemira azul cla-
ro ; vestido carie de mohair liso, escaro e guar-
necido com fistoes arredondados, om tanto largos;
am galio azul orla de cada lado orna facha falta
de estofa igual ao do vestido e cortada em viez,
sobre qae se poem botoes azues; esta facha guar-
nece os recortes do vestido.- Paletot da mesma
fazenda,- justo coa am cinto. Chapeo redoado da
palba cor de ouro, enfeltado com ama charpa
azul prexa com ama aigrette, oa martinete dou-
rado.
f Toilette de maana.Vestido de tinos cinzea-
tj enviezado ; o panno da direila forma, desda a
gola u aos ps, orna baioba bstanle larga, so-
brepoodo-se-Ihe ama orla de velludo encarnado,, e
sobra a bainba collocam-se, desde a gola do ves-
tido at aos ps,grandes boldes braocos do madre-
perola. O paletot, da mesma aaenda, guarnecido
s por diaate eom vellddo encarnado, tem vivos
Jd mesmo velludo nos cootornos \ a parte superior
deve servohada para fra. Cllrinno direlto da
5*2* com os bieoS rebalXados. Pita de vellp-
do^oearnado, era forma de gravata.- Cnaneo' i
palha amarella enfeitado 'com atevlnW)Vknfa, or
emM nao atadas, mas simpiesmenle cruzadas,
de vallado encarnado, eoberto com renda pratt
atada no eimo do.chapao e eanindo sobre o c/it-
gnon-
t As senhoras, noa^paaaidb a p, no campo,'
asara agora muito fle^WtWlaV altas, com castso1
rallo a cordoeade Arlas.
c Ainda nessas cmm exittent esealea: ts^t'ettrps
trajea:
t'trjb paVfc paweio-.- Sala"der'JtHijT
HamefltoV esss(' tres vleans da nlesii:' i*km>
pasiw ett ondotaoaes, e eobertos toa reata irtii,
qna sobradada or na galao fian da
TIUBSIL A RELAClO
SESSAO DE 27 DE AG03TO DE 1867.
rHSSIDBWtaA DO BXM. SR. GONSEI.HKIHO SOUZA.
As 10 horas da mantisa, presentes os&rs. desem-
bargadores Santiago, Gitirana, Lourenco Santiago,
Almeida Albuquerque, Molla, Domlugujs da Silva
a Ucha Cavalcante, faftaodo S Srs. desembarga-
dores Guerra procoradar da eora, Assls e Soaza
Leao, abrio-se a sesso.
Passados osfeitos deram-se os segaioteajalga-
meatos:
aggravos dr PiTigii Aggrvante, Antonia Car-
los Pereira de Bnrgos; aggravado, o juizo.Rela-
tor o Sr. desembarga lor Gitirana, sorilados os Srs.
deserabaigadores Ucha Cavalcante e Almeida Al-
buquerque.iNegaram provimento. Aggravanie,
2Hrina Mara de Jess; aggravado, o juizo__Re-
lator o Sr. desembargador Santiago, sorliados os
Srs. desembargadores Domlngnes da Silva e Almei-
da Albuqaerque.Negram prvtmeoto. Aggra-
vanie, Antonio Carlos Pereira de Bnrgos; aggra-
vado, o juizo.Sorliados os Srs. desembargadores
Almeida Albuqaerque e Santiago.Sendo relator
o Sr. desembargador Domingues da Silva.Nega
rara provimeoto.
avpellacoescriues.Appellaote, o jalz; appel-
lado, Jos Rodrigues da Silva Jnior.A novo
jury. Appalhnte, Joaqnim Gonjalves da Costa;
appallado, o juiso.A novo jury. Appellante, Jos
Joaqun de Oliveira; appellada, a justica.Refor-
da a sentenca para o gru minimo. Appellante, o
joizo; appellada, Corddllna Mara da Concei-
Qo. Improcedente.
babeas corpl-9.Coneederara ordem a Joaqun)
de Lamos Vasconcellos, para a sesso de 3 de se-
tembro.
eligbucia chime.Com vista ao Sr. desembar-
gador promotor da jastica.Appellante, Anselmo
Ramos da Oliveira ; appellada, a justiga. Appel-
lante, Domingos da Cunha Lenhares; appellada, a
Trajo da irmoa da noiva. Vestido de fou justiga. Appellanles o joizo e" Joaqulm Alves'de
Luna Verde; appellados, o jnizo e Luiz da Fonse-
ca. Appsllante, o juizo; appellado, Jaao Climaco
Freir. Appellante, Jos Ferreira dos Santos; ap-
I pellado, o juizo.
brligencia ciVBx.Ao Sr..Dr. carador geral D
desembargador proenrador da-corOa.Appellante,
o consol portugus; appallado, Amonio Alves da
Miranda Gnimaraes.
Assgnou-se dia para julgamento dos seguinies
feitos :
APPBLLAgoBSCBiMES.-.Appellaote, Jos, eseravo;
appellada, ajasiica. Appellanta, o juizo; appella-
do, Savarino Jos Ferreira.
APPELLAgoEs civBis.Appellante, JoaquiroBibei-
ro de Moraes ; appeitado, Thoroaz Antonio Pessoa
e Aodrade. AppeHante, Agostintlo Perrelrrda Sil-
va; appellados, Plerenllab Lapes a outro.
PASSAGENS
Do Sr. desembargador Santiago ao Sr. desem-
bargador Gitirana.Appellagoes civeis: sepelan-
te, Edavlrgem, eserav; appellado, Jos de Mallos
Rango). Appellante, Mara Joaquina das Santos
Abreu; appellado, Manoel Fettx de Oliveira e
Silva.
Do Sr. desembargador Gitirana ao Sr. desembar-
gador Lourenco Santiago.Appellagao crime* ap-
peltaate, ojaixo; appellado. Manoel Mariano de
Magalnaes.
Ao Sr. desembargador Almeida Albaqaer-
qae.Appellagoes civeis: appellante, Manoel Gon-
ilves da 8oata; appellado, padre Jo> Barbosa
ieodes Lios. AppeUante, Joohston Pater A G.-
appellada, a fazeqda. '
Ao Sf. ttese%ArtadT<0Mrfa.-Appellaces
Sveis: appelUoie, D. Marta Anua Francisca de
rala Cavalcante Albagarqae; appellado, Jos
Francisco Aciari Llns.^'Appellante, Antonio Nnr-
nerto de Soaza LeaWade; appellada, a cmara
municipal. Appellante, Jos Tnomaz da Silva Ca-
bran*; appallado, Antonio Jos de Brillo Rosa-
do.
Bo Sr. desembargador Loureac
de^embaitador AfiWB>rMk4qa
gao crime: aipellante, 90 olzo;
appellado, Ray
iveis r appel-
e outros s apj
altap, Antonio tfoogatvs i Silva. AppAloiei
us Lopes Barrelrdsi appellado BernarmnflTbtiti
da Oilveira Franco.
1)0- Sr. desembargador Almeida
ao Sr. desembargador Mdtta.Apflni
Sr. Barroca e a ui assa fallida
de SebasdSaa Jos da Silva.
Ioteressado como lodo o mondo comprebende
que davo ser pela sorle de mens flfhos e netos, dai-
xei a mioba casa e os meas negocios'na Batata, e
vim a esta provincia cora o Um de entenderme
com os sensores oradores da massa MI i Ja de meo
Qoado genro Sebaslilo Jos da Silva, a ver se era
possivel fazer algara arranjo.-que fosse favbravel a
miaba filba e a meas netos.
Eoconlrei da parlo de alguos dos senbores ere-
dores o mais cordeal e obseqaioso agasaibo, e as
melhores dfsposigSes de attenderem-me na minba
intengao ; i Isto- mo'veu-me a fazer ama proposta
de concordata, em qae prometlta pagar i vista e
diobeiro da contado 50 pof cento do valor actoal
dos crditos, no caso que os tribunaes decidissem
que o Sr. Barran,nao credbr da massa fallida,
e 30 por ceuto,- nd cat^Tio esperado que este se-
nhor fosse considera*)1 credor; e para ioteira se-
guraoga dos sebores eredores,' me praponha, logo
depjis de homdMgada a- concordata, pagar-lhes os
30 por canto,- e depositar os 10 por eento restantes,
at ser decidida a qaestao dos sapoostos crditos
do Sr. Barroca, no banco, oa casa commeirial qae
os seohores creores indlcassem.
Mais da raaioria dos senbores credores, repre-
sentando mais de dous tergos do valor total dos
crditos haviam j concordado e subscripto a mi-
nha proposta, quaodo fui informado que eu nao po-
da legalmenta fazar proposta de concordata, a qual
s concedida peta le ao proprio fallido, sendo
qoe s por mera eqaidade se tem admittido a pra-
lica de proporem concordatas os: herdeiros e soc-
cessores do fallido, que morto; hypolbese irrea-
hsaval no caso de que se tra|a, em razao de serem
orphaos os Ulhos do finado Sebaslio, os quaes nao
podem transigir por s, enera mesmo por sua mi
ou tutor.
N'estas circumstancias, n5o me a^resentei em
iaizo a propor concordata ; e causou-me verdadeira
sorpreza-que fosse apresenlada e aceita urna con-
cordata d9 Sr. Barroca, o qnal, como tutor dos or-
pilaos, filhos de Sebastio, cao podo transigir, e
como simples particular, no louvavtl Intuito de be-
neficiar os mesmos orphos, parece que eslava em
pelores condiges do que eu ; era pessoa extranba,
a quem a lei nao concede a facaldade de propor
concordata,
Como era de esperar, a proposla do'Sr. Barroca
s lea cinco votos favoraveis dos credores presen-
tas reunio, entrando o'esse numero o proprio Sr.
Barroca, e com qnanto faltassem a reunido mullos
credores e os votos a'estes fossera contados, por
disposigo- da lei, era favor da concordata, aioda
assio) ella cabio por nao ter reunido es dous tergos
do valor dos crditos.
Nao teodo pois vingado este expediente do Sr.
Barroca, assim como antecedentemente ja libaos
deixado de vngar outros nao menos engenbosos,
lerabrou-se o Sr. Barroca de suggerir, depois de se
ver derrotado na voiago, a quaslo intempestiva
da vvrificago dos crditos, queslo preliminar, qoe
ja eslava veuuida, e a ro.-peijo da qual oauj o Sr.
Barroca, nemos tres ouquatro credores dlssideo-
tes asarara do recurso do artigo 84 do cdigo cora-
mercial.
Nem o Sr. Barroca ignorara qae aquella questo
vlnha fra de tempo ; se a soscitou foi anda como
um novo expediente para usar do recurso de aggra-
vo, que acaba de interpor para o Exm. Sr. presi-
dente d) tribunal do coramercio.
nao me proponbo a refalar as inexactldSas, e as
falsdades quesecdntm as raides do aggravo; por
que emendo que devo esperar respeitoso a deciso
superior. Ficar i;so, pois, para outra occasio.
Mas nao poSso deixar de protestar contra orna iosl-
ouagao prfida que se contera n'aqaellas razos, e
por mei) da qual se pretende especular coa os sen-
lmenlos religiosos do Exm. Sr. presidente do me-
riiissiuio tribunal do commerc;o. Meu georo, nun-
ca foi, qae me conste, ea (estas e pagodiras ma-
gonicas; e se la fosse, havia de encontrar sempre,
entre os mais distinctos, ao mesmo Sr. Barroca.
Vottarel ainda a'este as-urapto.
Recife 30 de agosto de 1867.
Francisco' Jos de Mogalhaes Bastos.
JT,,f. ?% "ocipal >sta cldade lando de
)?' ^e Io *?' ".publteo que o
plano desso ediiero acna-sa exposto em soa seera-
laria por espaen de lSdtas; onde pode ser exami-
nado por aqaelles qae pretenderen) eoocorrer a
arrematacaa.Bndo o qoal sera'' annaneido o dia
aaa-ajna daa la a 9mu>aamatmmtmamr sob a
baza de 160:000,$ ja offerecida por toda a obra de-
corada e proopia, annunciandn-se tambem as con-
dicoes do contrato e seu pagamento : aquellos que
pretenderen) licitar- nossa arrematago deverao
munir-se de fianga idnea que a garanta, aera o
qoe oio podero ser adojillidos.
Pagoda cmara municipal do Recife 14 de
agosto de 187.Loiz Jos Pereira Si moas, pro-
presidente.Francisco Canuto da Boa-vtaeeen. se-
cretario.
O Dr*: rfetSrj rJAlencar ArWip^( flBciafda
imperial Ordem da Roaa, e jun d direi-
to especial do ommercio desta fjldde do
Rcife de Pernaoboco. p^ r^-M;j*Sipe-
rial.etc
Faga saber aos que o presente dilal vrem
e delie noticia ti vareta que por Oito de Vi-
ente Jos de Brito-me foi dirigida a peticao
dr>tbeer seguinte:
e iiDter iilesas as 'tradiebes nim. Sr. Dr. joiz especial do cqmiircio.
gloriosas da mesa traasacta, qtie vimos hoje, -Diz Vicente Jos de Brito
por me datmpreosa, soltar um enthusias-
tico brado de significativo apreco aos sen-
timentos religiosos daquetes qae, sem olhar
para ordem algamas de sacrificios, mesmo
com prejoizode8easnteresses, procararam,
por todos os meios a sea alcance, realcar,
tanto qnanto conbe na espbera de soas tor-
cas, o culto do Dous vivo.
Receba, pois, a actual mesa regedora da
irmandade do Senbor Bom Jess das Dores
nossos cordiaes elogios, e fique desde j cer-
tayde""qner oo nobres estorcos serio em
tempo galafdoados por^quelles que, arstes
da noite, ja nos tem pago o trabalbo da ma-
nb5a.
Um Devoto.
Cbegon a asta cldade no da 26 do correte com
a sua Exm* familia e nosso amigo o Dr. Francisco
Bernardo de Carvalho, viodo da comarca de Inba-
mas, d'onda jnta de direito, para tratar de sua
saade. Aili estera por mais de 8 aonos, e com de-
sejos de mais nio voltap, nicamente por ser logar
falto de reeorsos, e de um clima excessivamente
queote, aonde elle e sua Exm' consone soffreram
consideravelmente da sita saude. Damos-Ibes os
parabens pela feliz viagem, e que o goveroo em
alteogao aos bons servicos se lembre de remove-lo
para ama ouira oomarca de melnor eathegoria.
Recife 28 de agosto de 1867.
COMMERCIO.
ata
A Igreja e a Imaodade do Ser
nhor Boa lesna daa Dores de
*j. Cioncah.
..... labir onnia cicit improbut...
Virgilio.
Todos sabem, nineoem ignora o que era,
ha cloc abaos, a igreja de S. Goncalo. Em
completo -estado -e nrirra-/ sem "patrimonio,
diflieihef,' para :So dizer impossivel, sua
reeditidacao. Meia duzia de artistas, sem
meios, posrjtdos^omente detions deseios,
tomaran a si adiflfionltosa tarefa de reons-
trcc doWmpb. E, pr )d?lo d MlSri-
Ifiordia Divoa.'imineaiatamentese abromas
porta* da candado cbristSa, 'cada om, por
saa vea, eguado a forca de saas poses, )
corre pressurosa r depor aos pe do Se-
bor Bom Jess das Dores o bolo preciso
para reatisacJo* He taTredificante empreza r
Animados com exornlo t5o piedoso, ea-
ceUm* i obra," e*c6|l ettraoFdinaria, ou
fosse que Deuy'quTzesse provar a constan-
cia- dos operarios de seu templo, para me-:
oe os recompensar, ou fosse que elto qtii-
ves: tew dar njaiSrrvrtf curso caridade dos
ai xa filial do baneo do Brasil
em Pernarabico. aos 26 de Jn-
Iho de i6J.
De ordem da directora se faz selente aos Srs.
accionistas, qoe o thesonreiro esta' aolorsado -
pagar o 27* dividendo das acgSes do banco do Bra
sil, inscriptas o'esta caixa, a' razo de 12,5000.
ciO goarda-livres
.Ignao Nones Correa,
Novo banco de Pernambuco
Para conhecimento dos interessados a di-
reccao do novo banco declara que a partir
do 1. de seteoabro do correte anno, o ban-
co entrar em liquidado.
Recife 28 de agosto de 1867.
ALFNDEGA.I
Beodimenlo do da 1 a 28........ 527:886*789
Ided'dodta 29................. 15:196*211
543:083;0OO
Volaraes entrados cora fazendas...
i t < gneros....
Volaraes sahidos com fazendas...
f c gneros....
112
-----112
139
41<5
-----555
Descarregam hoje 30 de ag)sto.
Barca portoguezaGrutulao- mercadorias.
Patach) nacional Jab1 to i.lera.
Escuna holiandeza--Knus dem.
Brigae austracoeoseppma Francisca farinha
de trigo.
Patacho nacionalSimparcharque.
imperaeio.
Hiate nacional Dous Amigos, entrado do
Aracaty, consignado a A. L. de Oliveira Aze-
vedo&C. manifest a 400 alqueires de Sal,
121 sacos 421 arrobas 22 libras de gomma
40 sacos 235 arrobas H libras de algodSo;
a ordem.
Vapor nacional Paran, entrado dos por-
tos do norte, manifestou o segainte:
Do Para.
5 rollos 2 arrobas e 22 libras de salsa, 2
caixas 732 cbapos do cbyle; a ordem.
Do Maranho.
14 barris e 50 meios manteiga de vacca,
50 meios ditos banha de porco, 750|sacos mi-
lho, 1 barril marrecas salgadas; a ordem.
Vapor Santa Cruz, entrados dos portos
do sul, manifestou oseguinte:
Da Babia.
1 saco epeeaeuaoha, 2 candes charutos; a f
ordem.
10 barris azeile de baleia; Joaquim J. G.
Beltrao.
5 ditos dito dito; a Jos M.Palmeira.
Do Rio de Janeiro.
1 caixao de papel pintado; a J. W. de
Medeiros.
1 dito'mercadorias; 'afTirjla Nayenibo
1 emeapado mercadorias ; a Antonio Jos
Panasco.
i taixSO cfutos e fumo; a J. L. Bour-
gard.
1 bah rempa objectos de uso; a J. da
Silva Souza.
2 sacos caf, 2 caixoes livros, 1 caixinba
roupa 800 barricas de bacalho; # tmbrxi-
lhos charutos, 26 barris azeite doce: a or-
dem de diversos. .
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS
GERAES.
Rendimento do dia 1 a 28........ 31:3284302
dem da dta 29.................. 575]|900
ae- tovendo
I Maooel Ma-
ra, contra Jos Pires de MQraes^ representa-
do por serrtator acontece achar-se^iifema
execuao parada a mais de 6 mezes, pSoque
requer o supplicaute a V. S. sirva-se man-
dar citar ao mesmo Jos Pires de Moraes,
hoje maior para ver proseguir oos termos
da mencionada execuco, passamlo-ae-para a
citaco cartas de Editos eom o prasode 30
dias, atiento que dito Pires de Morafes, est
em lugar incerto e n5o sabido, cuja ausen-
cia justificar osupplioante e' i e hora
que V. S. matear. Pedoa V. Sit1rtmen-
to e receber merc. O procurador Rodol-
pbo Jo5o Barata de Almeida, na -qual dei o
despacho seguinte: Sim justifcaml&a ausen-
cia no dia 25 do correte mez rd%bis da
audisencia.
Recife, 23 de julbt de 1867. AttoWr'Ara-
ripe.
E tendo o suppbcante produzid*8 tes-
temunbas sellados e preparados osMarbs sa-
bir m a minha concluz3o e nelles dei a sea-
teDca do theor seguinte:
Proceda-se a justincacSo, e mando que o
suppcado auzente seja citado por editos de
30 dias para o flm requerido a folhis .
Recife, 29 dejulbo de 1867.Trtstau de
Alencar Araripe.
Por forca do qual o escrivso fez "passar o
presente edital, pelo qul chamo cito o hei
por intimado o dito supplicado para- que
compareca neste juizo dentro do dito praso,
aflm de allegar o qbe for de justiga.
E para que chegue ao conhecimento de
todos mandei passar o prseme qne ser pu-
blicado pela imprensa, e affisado nos luga-
res do costume.
Recife, 3 de agosto de 1867.Eu Ma-
noel M.iria Rrdrigues do Nascimento escri-
vao subscrevi.
TristSo de Alencar Araripe.
Peranle a cmara muLcipal desta cidade es-
tara' em basta publica nos dias 31 do crreme
mes, 6 e 14 de setembro prximo vludouro, para
ser arrendado por quem mais offerecer, ara pti-
mo terreno para ediflear com 38 palmos de freote
oa ra de S. Pedro Martyr, ao desear para os qua-
tro caolos, oa razo de 200 rs; o palmo : os pre-
tendentes podem omparecer nos indicados dias
pelas 10 horas da manhaa ao pago da mesma c-
mara.
Pago da cmara municipal de Olind*24de agos-
to e 1867.Manoel DionuioGjmes do Reg, pro-
presidoote Marcolino Dias de Araujo, secretario.
OEGLAHigOSS.
Peranle o juizo municipal do termo de Olin-
da se ha de arrematar por venda no dia 31 do
corrente, pelas 10 horas da manba, porta da
easa das audiencias, por ser a ultima praga, os
bens seni ites: om sobrado de om andar por
1:6003090, duas casas terreas por !:500$000 cada
urna, e outra dita com so'tao por 2:0005000, todas
sitas no pateo de S. Padro Aportlo da mesma ci-
dade, e urna outra mais tambem tarrea, sita nn ra
das Calcadas da cidade do Recife por 2:5005000,
periencentes ditos bens ao polio do floado ceoe-
go Joo Baplisla de Albuquerque, teodo j sidj pu-
blicado por este jornal o respectivo edital.

Pela subdelegada do 1* districto da fiegue-
zia dos Afogados se faz publico que fui apprehen-
dido e recolbido ao deposito ara cavallo castanbo
pequeo, qaem se jalgar eom direito ao mesmo
compareca qae provando seu dominio Ihe ser en-
tregue.
Subdelegada da fregueza dos Afogalus 28 de
agosto de 1867.
O subdelegado,
Dr. Carei o Mooieiro.
yio!.tog!.?g?nRL'*TOA.8...1t?r.'lt0i."?3e'"d0' enristsos, o certo que, quando o templo
****&? >Ko;.p- i ia mi(y pallado, Agostinbo Edoardo Pi
noel Bezerra iadaj
J do Espirito-Sai
' nalladn Jnan
a,D.CosuHarla desmoronado,O mseqBennemeuieTbutB-
ais Pnock; ap-1 do otflnHfcWlSd'ttSVeis obreirosl-.
pellado, Joao Francisco ttero. Appeliaco crl- Lnnna nnr*m rlri rlnasMiiaannc 'rrirlrV
: gs-^T.M. uomum., n^JSt^%SfieSSi
ao Sr. desembargaot "Assh.iApp^lo'ei-,fervor religiosa; 64 ri flm ff qaatl-'aftbbs.
31:9045202
CONSULADO PROVINCIAL'
Rendimento do dia 1 a 28....... 45:0355600
dem do dia 29................ 3605070
13:0955870

JVaato entraits n*a*a
Baha8 dias, patacho portugus
'estimido, de
O cooselho de compras do arsenal de guerra
precisa compr r o segnrnte :
5 arrobas de rxo trra, 4 brotas- soriidas para
pintor, 2 arrobas-de pos prete, 1 arroba pregos
francezes de 1 i|2 p-llegadj, 20-railheiros de laxas
de bomba, 2 arrobas de pregos francezes de duas
pollegada?, 2 ditas de dito Je 2 1|2 pollegadas, co-
nhecimentes lmpressos mil, 80 moxilas.de novo
modelio, 160 correiai pan as mesma--, 80 laminas
de ago para as raesmas, 80 marmitas, 80 correias
para as raesmas, 80 bornas dn'briro, '2 corneta?,
6 resmas de papel almago greve liso, 4 caoivetes,
6 caixa pennas deago, 6 razias de lapis, 1 missal,
I caderneta para missa de requiera, 6 toalhas de
panno de linho com bieo para altar com 13 palmos
de comprimento e 2 l|2'de largura, 6 toalhas de
panno da lineo para purificar as mos, S roquetes
para a fabrica, 3 alvas de panno de linbo, 6 amitos
de dito, 1 frontal de sebasto com 10, palmos de
com: rmenlo e 4 1(2 de largura, 1 cisula branca
com seus pertences, 1 dita encarnada com seu~
pertences, 1 capa de asperge branca. 1 veo de
hombro braaeo, fambella braaca, t ambula coin
capa, 1 emola rdxa pandate para 'napfoados. 1
dita branca pendente para baptizados.
As:pessoas qae qaftereai vender 'ditos objectos,
aproseflUmsuas'nrobostas na satado-eoaselho, as
II hora do dia 6 de setembro vin louro,
Conselho de compras do arsenal de gderra 30
de agosto de 1867. Js'Mari'nefottso Jacome
da Vefga Pessoa de Melfc, coronel presdante^
Iflspec^o do arsenal de
marinha
Faz-se publico quoa pommissio do paritos, exa-
minando, na forma determinada no regulamento
anneko Lo decreo n. 1,324 de 5 de fevereiro de
1854 os cascos, machina, caldeiras, appareihos,
asireacSas, velames, amarra* ,e ancoras dos va-
es tlpojaca' e Parahyba da companhia per-
^nbncana de qavegaco cpsteira, achou lodos
essses objectos em estado de poderem os vapores
navegar.
Inspeoco do arsenal de; raarinha de Pernambu-
o oTle agosto' de. l8o7-
H. A. Barbosa de Almeida.
.- ___________iBpactoi',..,
De ordem do Illm. Sr. inspector da alfaade*s
se taz publico qoe, no dta 31 do corrente, ao raeio

-
-wm


*
tetra
<*A7.
-
tila, serlo levados' bjsta publica, livre de dire-t
tos, os segointoe ofcjectos apprehendldos pelo guar-
da Mlgoel Doarte de Oliveira, ao capitn da barca
franceza Cora.
Urna espingarda de dous canos para caca, ava-
llada por 100*.
Una bote pequeo avallado por 30*.
Airandega o> Pernamboco 19 de agosto de 1867.
O escriturario
Botyefcio Mondlm PeMana.
GORREIO GERAL
Relaco das cartas registradas viadas do norte
pelo vapor Paran > para os senbores abaixo
declarados :
Dr. Agezilio Perelra da Silva, Amonio Joaqun
Cosa Gaimares, Antonio Hanoel de Soma Olivei-
ra, Antonio Pereira da Canha, Carlos Alberto Qua-
dros, Cyro Pereira da Silva Ferraz, Francisco de
Assis Pereira Rocha Jnior, Ignacio Beoto de Luy-
la, Joaquina Perreira Ramos, Joao Perrelra Vilella,
Dr. Joie Jos Perreira Agolar, XoSo Pereira Reg,
Jos Leonilio da Cu o ha Alcanfor (2), Lino de Parla
& C, Lqiz Dnprat Mauricio, P. Perreira da Silva,
Manoel Alves Guerra, Maaoel da Costa Mangan-
eso, Sexostris Silvio de Moraes Reg.
Sabbado 31 do corrate, w 11 beras, seri ven-
dido o sobrado de ata andar de n. 39 da ra Di-
reita, chao proprlc, rende 4C0J annualmeate, tem
quinul e pono com sabida para a ra da Assonop-
Cao, sera effectuado no mesmo predio.
THEATRO
DE
S, ISABEL.
EMPREZA--COIMERA
Sabbado 31 de ag &to de 4867.
Tendo a empreza de montar ontros dramas de
grande aparato e accessorios representar-se-ha de-
unitivamente pela ultima vez nesta poca o sem-
pre applaudido drama sacro em 4 actos, intitulado
GABRIEL E LUSBEL
. ,Sabbado 31 do eoiTeaie
|T PIANO.
um ptimo piano de poaca oso ser vendido na
mesma occaslao.
LEiLVO
IHI
DE
-iso.
O
O agente Poutual fara" leilo por mandado do
lllm. Sr. Dr. jaiz municipal da 2* Tara, diversas
dividas na Importancia de 18:168*810 rs., sendo
10:000* em letras e o restante em conta de livro.
Sabbado 31 do corralo.
No sen escrlptorioajua da Cruz n. 62, Ia an
dar, as 11 1|2 horas.
i.i:ii,ao


Antonio.
pelo
O
OS MURES m s.
Dar m ao espectculo o dialogo cmico
Sr. Teixeira e a Sra. D. Jesnlna, intitulado
Os dous infernos
ornados de cooples tirados do multo applaodido
Orpben.
Comecara' as 8 boras

AVISOS MARTIMOS

OTaMIIA PERMBICANA
DE
Navegaco eosteira por vapor.
Parghiba, Nata.', Maco, Aracaty, Cear e
' Acarara'.
i i segu no dia 30 do jrren-
le pelas 5 boras da urde nm
dos vapores desta eompanbia.
Recebe carga at o dia 29,
passageiros. eocommendas e
dinbeiro a (rete at as 3 bo-
ras da tarde do dia da sabida: escriplorio no
Ferie do Matos n. 1.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DK
Navegaco cosieira por vapor.
Mace i e escalas e Penedo.
O vaper Ipojuca, commandante
Martins, segu para os porto* ci-
ma no dia 29 do correte pelas
S boras da tarde. Recebe car-
ga at o dia 28, passageiros, en-
commenaas e dinbeiro a (rete at ae 3 boras da
tarde de dia da sahida : escriptorie no Forte do
Matos n. 1.
O agente Pontual vender' em leilo por conta
de qnem pertenoer, os escravos seguintes i
.1 moleque peca de 10 aooos, 1 mnlatinbo lindo
de (2 annos, 1 negrinba de 10 anuos, 1 moleque
de 24 annos, 2 negras, 1 mulata, e 2 negros sen -
do nm da Costa
Sabbado 31 do corrate.
No sea escriptorio a ra da Cruz n. 62, 1* an-
dar, as 11 horas.
w
AVISOS DIVERSOS.
O Dr. Joo Baplisla Casanova
pode ser procurado a qualqaer hora em
sea consultorio homeopathico largo da
matriz de S. Antonio n. 2.
No mesmo consultorio tem sempre grande sor-
timento de medicamentos de bomeopatbia de We
bere Catellan, tanto em glbulos como em tintura,
assim como tem om sortlmento de ferros de ei
rnrgia em carteiras e avulsoa do afamado Cbar-
rier de Pars.
p
m v
i
5*
o

8
o.
cu
O
a
o.
a
w
o.
"V
.
o
8
3
o.
o
o
S
8-
of
5"
CA
eo
u>
S3
o
a>
B
S

o
en

ii: mci
o,
0>
O.
s
o.
a,
8
9 .
j
8"
a
9
m
-.


9
_


i!w?. SS"**' ?*?as"Wir'irados com que
Satisfeito o invencivel
cOiacolhido pelo respeitavel publico desta briola" proviada'1
fla desputaram a satisfago de serem os primeiros a compra
zem, se desvanece em declarar com toda a lealdade de nn*
ma,s animado, n5o s pelo benigno acolnimeoto que tea? rec^mT^ rX tELH
qpedispoe porque ate" boje nfo carecen anda*dos WD^ftfffn8 ?
xarope alcoolico de veame.
O Veado Braa >.a. declara


Aluga-se
O segundo andar da ra do Amorim n. 48, com
cmodos para familia : a tratar no armazem do
mesmo.
A pedido
i
A casa da ra Oireita n. 39, sobrado de nm an-
dar, nao est sngeita a penbora oo execuco e nena
pode ser vendida em leilo como foi annonciada
no Dmno de hootem, visto ser doada na terna a
D. Claudina mulher da Antonio da Silva Gusmo
Jnior com a coudicio de a possnir llvremenle
sem estar sugeila a dividas de sea marido e nem
o mesmo a poder dispor podando allegar por soa
raorte a qnem quizer e dispr em sna vida como
a ella aprouver, tuto constante do testamento e
inventario pelo julio dos orpbos, escrivo Brito.
Faz-se a presente publicac,ao para prevenir duvi-
das futuras._______
Preclsa-se de ama ama para cosinbar e en-
gommar e para todo servido de casa : na roa Di-
reita n. 96.______________________________
Fogio no dia 28 de agosto pelas 7 horas da
tarde, om eecravo de nome Nicolao, pertencente a
Joaquim Manoel Perreira de Sonza, com os sig-
naos segnintes : altnra regalar, cor fula, idade de
20 a 22 annos, bem (eito de corpo, ps chato?, sem
achaques, nariz grosso, cabello russo e omito cor-
to, ama cicatriz de qoeiraadara n'um dos pulsos:
quem o pegar leve o ao largo do Garmo n. 1, qae
sera' generosamente gratiQcado.
Na loia do sobrado n. 12 da rna da Impera-
triz se dir' quem vende por barato preco nm car-
ro com vidraca (caleze) em maito bom estado.
lilil i
^ O Dr. A. S, Pereira do Carmo (medico) m
est morando no sobrado n. 12 da roa da
Iraperatriz.
em sea importante arma-
capaz, qoe est cada vez
'ido, como pelas Jorcas de
preparados de jurobeba, nem do
Veado Braaeo, declara a quem ainda o nao conhece alte nSn p nm
desses biebarocos intrataveis que por ahi vivem com figura bumana; domescado no
ameno paz onde aamavel Aguia Branca.o a luz do astro bemfeilor. elle nartWarin
desse. invejavel agrado e sinceridade que com Unta gravidade se desprende do!
bico encantador.
O Veado Branco, como todo o bomem civllisado, ama a sociedade dos
bons, gosta do centro do mundo elegante, usa do tnico de Jayme, para previair que lhe
ponham a calva ao sol, vai a companhia des Booffes Parisiena e no meio do partido de
madame Adelle, elle tambem atira-lhe oseu lindo bouquel.
Digne-se o benigno leitor de jurar as palavras sinceras do sincero Veado
Branco, e venha prover a sua dispensa do que melhor se pode encontrar n'um esiabe-
cimento de molnados.
A modicidade dos precos, comparados com a boa qnalidade dos gneros e o
bom modo com que se recebe os senberes compradores, deve cortamente convidar as
pessoas que anda nao vieram nossa casa a azer parte dos amigos e freguezes |do bosso
BELLISSIMO ARMAZEM
MOLHADOS
CONHECIDO PELO NOME

.
DI

I
VEADO BRANCO

EstabelecMo ra Direita n. 16.
Esquina da traveosa de Pedro.
Precisa-se de ama ama
da Independencia ns. 8 e O.
de leite: na praga
Companhia americana e bra-
sileira de paquetes a vapor
At e dia de setembro esperado dos porlos
do snl o vapor americano North America, o qoal
tiepeis da demora do contorne seguir' para New-
York tocando no Para' e S. Tbomaz, para (retes e
passagens trata-se com os agenles HeBry Forster
& C raa do Trapiche n. 8.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
costeira por vapor'
Para Fernando de Noronha.
Segu no da 4 de setembro
proiimo, ao meio dia, o vapor
Mamanguape, commandante Cos-
ta. Recebe carga at o dia 3.
Eocommendas, passageiros e di-
nbeiro a (rete at 10 boras do dia da sabida : es-
criptorio no Forte do Matos n. 1.
Kio de Janeiro
Pretende sabir com moita brevidade para o In-
dicado porto o veleiro patacho Guilhermiaa por
ter a maior parte de s/a carregamento engajado,
para o resto que Ibe (alta e escravos a (rete trata-
se com o consignatario Joaqaim Jos Goncalves
Bsltrao, roa do Trapiche ff. 17.
Para o Rio de Janeiro.
Para o Rio de Janeiro deve seguir o mais
breve possivel o patacho nacional Valente,
que tem a maior parte da sua carga promp-
ta para a que ainda ibe falta, e escravos a
rete, trata-se com respectivo capifo, ou
com os consignatarios Marques, Barros i C.
pa praga do Corpo Santo n. 6 2" andar.
Na liba dos Ratos n. 1, tem um moleque pa-
ra se vender, completamente sadio, com 18 annos
de Idade, entende de costaba, engomma perfeita -
mente e excellente copelro.
CASA DA FORTUNA.
Aos 6:000,j000.
Bilhetes garantidos
A RA DO CRESPO N. 23 E CASAS DOCOSTUME
O abalio assignado venden nos seas maito (eli
zes bilbetes garantidos da lotera qae se acaboa
de extrabir a benecio da Santa Casa de Miseri-
cordia, os seguintes premios :
M. 3199 un meio com a sorte de 6:C00.
N. 1069 om meio com a sorte de 1:200$.
N. 119 um moio com a sorte de SOOJ.
E outras maitas sortes de 1005,40$ e 20$.
s pssuidores podem vir receber seus respec-
na casa
Para Porto.
Segu nestes oito das o brigae portagaez Umao,
por Ja' ter saa carga engajada, para o resto e pas-
sageiros.tratase com os seas consignatarios Tbo-
maz de- Aquino Fonseca & C a roa do Vigarlo n.
19,1* andar.
tivos premios sem os desconlos das leis
da Fortuna a ra do Crespo n. 23.
Acham-sea venda os da 3 parte da lotera
a beneficio da igreja de Nossa Senhora da Concei-
cao dos Militares (3o") qae se extrabira' sabbado
31 ido correte.
Preeo. r
Bilbetes.......... 6,5000
Meios............ 3*0*0
Qaartos...-....... 1*300
Para ai pesio |M compraren de 100$00C
araeima.
QBilbetes.......... 5*500
Meios............ 2*750
Qaartos....:..... 1*375
Manoel Martios Fiuza.
Para o excellentissimo mi-
nistro da justica yer.
O abaixo assignado detido na casa de de-
tenco desta cidade de Pernambuco ha tres
annos, e processado nos termos de-Flores e
Buique, nao lhe tem sido permittido res-
ponder ao jury, nico meio de sua defeza,
como lhe faculta a constituicSo do Imperio;
tendo sido requisitado pelos juizes aquellas
comarcas por mais de seis vezes. Coefe de
numerosa familia, e boje sobrecarregado de
prejuizos inclusive suas despezas durante o
largo esdaco de tempo que tem absorvido, a
pouca fortuna que de seu trabalho possuia;
e protesta reclamar at ser attendido.
JoiSo Manoel Fraz5o.
ATTKNCAO.
Os caradores fiscaea da maasa fallida de Soathall
Meilors & C, (azem sciente ao respeitavel publico,
i qae autqrisados pelo jais do commercio, dies
I constitulram Ednard BemQeld sea procurador bas-
j etani, para receber e passar qatai>j por qual-
quer quantia devida a' mesma massa.
Na rna de Hortaso. Cloja, com|jram-e jor-
naes a 4*000 a arroba._______________.
- Attengo.
Na roa estrella do Rosario n. 26 ba nma pes.'oa
qae lava e engomma com perfelcao por mdico
preco e com moita presteza. ______ _______
l'ieci-a se de una ama



para
no

GAZEOL
DE
Burrin du Buisson
Liquida voltil preparada por Smlluse, repro-
duzindo cbimicamente os vapores qae se soltam
em voita do aparelbo parificado do gaz carbnico,
empregada com o mais seguro successo contrr
a coqueluche, a pbtisica e todas as molestias ebro-
nicas dos polmdes
VENDB-SB NA
Batica e drogara
Bartholomen 4k C. >
_______3-1Rna larga do Rosario34
Trocam-se notas do banco do Brasil e de
suas caixas Mliaes; na roa da Cadea n. 52.
NEL
Vende-se mel: tratar a raa do Apollo n. 4.
O Dr. Francisco de Paula Soares, medIco
mudon-se da roa Direita para a das Cinco Poeta?,
n. 86, a* andar, onde contina no eierclclo de
saa profissao. *
Kio de Janiro
Para s referido porto sahir impreterivelmente
at o fim do crrante mez o palbabote portagaez
Dezenov de Junho, qaem nelle qaizer carregar
pode tratar com o consignatario David Ferreira
Saltar, raa do Brom n. 66 ou com o canillo a
bordo.
LEILOES.
Dos artigos do eserittorio e do arma-
zem do estabelecimento da massa
fallida de il. 0. Bieber i C:, snc-
cessores.
O agente Ollveira lora' leilo a reqaerimento do
depositario da dila massa e por mandado do nim.
Sr. Dr. ja especial do commercio desta cidade,
dos artigos indicados englobadamente o consista-
do em ama excellente borra de ferro Importada
recentemente, nm cofre de ferro, carteiras e mo-
zos de differeotes tamanbos e qualidades. mesas
aa mesma eonformidade, 1 secretara e 1 lavato-
rio de megno, esttntes pira cartas e outros miste-
res, eadelras de guarnicao e de bracos, 1 poltrona
1 pregnlcosa, repartimentos de amarello e ou-
tras madeins, armarios, lavatorios, prateieiras da
S2? Hfi*8 Doanenas, marqoeza, bancas de
ft tico e ontras, carteirai e grades
2i^r5.te? J*1 *><*"' eandiei-
resmas a papel de peso e para contar. M Waaa
de tinta preta e azul wTS^Snr.iStS
venezlani, 2 mappas geennphieM ueasfdS'
Mal*! o mmTw&iTi^JLt
Attenco
A mesa regadora d irmandade de N. S. do Ro-
sario da fregnezia de Santo Antonio do Reeife ten-
clona no mez de oatobro prximo vindouro expdr
patente aos fiis a igreja da mesma senhora, e nes-
ta occasiio celebrar as bencos das santas ima-
gens e sinos por estar a rbra da dita igreja acaba-
da, em qoanto ao esseneial, e o resto parausado
por falta de meios pecuniarios; por esse motivo
roga a mesma mesa regedora aos fiis nos coadja-
vem com suas pas esmolas aflm de se poder dar
fim ao restante da mencionada obra.
Vctor Antonio do Sacramento Pessoa.
Escrivo.
Villa da Escada
Deseja-sa saber ae o portuguez Jos Hsnriqne
de Souza j pagoo a multa a' cmara municipal da
villa da Escada por estar exercendo medicina sem
ter titula legal para isso. Como continu elle pu-
blicamente a oxereer esta ciencia apezar mesmo
de ter sido multado, por isso deseja-se saber se as
ordens desta Ilustre corporagio fleam sem effeito
on se elle se aeha superior as leis do paz.
O cacao.
Joaquim Jos Goncalves
Beltrao
RUABOHAHCHR IU7 i ATOAR)
iodos
objectos
Sacca por todos oa paquetes
ioMinho em Braga, sobre os
' em Portugal.
aber: -
Lisboa.
Porto.
Valonea.
Gaimares.
Cotmbra.
Chaves.
Viieo.
Villa do Con Arcos de Val de Vs.
Vianna do Castelie.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famellcio.
CotflhSa.
Vasial (Valpaasos.)
Mlrandella.
Beja.
Barcello*.
sobro o Banco
guintes luga-
Precisa-se de nm escravo de meia idade, de boa
londacla e habilitado para todo o servico de ama
casa de poaca familia; qnem tiver e qoizer alagar
dirija-se a' rna da Aurora n. 702* andar.
Sabonetes de alcatrao
O nso destes sabonetes tem apresentado os mais
benficos efieitos contra as impingens, sarnas, ti-
nba, caspa, comichoes e.todas as demais molestias
de pelle
VENDE-SE NA
Batica e drogara
n
Ilartholemeu & CoMpanhla.
_______34Ra larga do Roaario34
-* Ao Sr. capito do 2* blalbao de infamara
Ignacio Pinto dos Santos Sases pede-se o favor de
se dirigir a roa do Imperador n. 18, aflm de con-
cluir negocios que o mesmo senbor nao ignora
Igual favor pede-se ao Sr. Francisco Rodrigues dos
Santos Carioca.__________________________
Na rna do Trapiche n. 28 precisa-se fallar ao
Sr. Pessoa, que estove na Parabyba hospedado no
hotel do Sr. Lino.
Aluga-se um moleque que cozinba o diario
e faz todo o mais servico de nma casa : na tra
veasa da Concordia n. 13, sobrado.________^
Curso de preparatorios
Obacbarel Ernesto Adolpbo de Vasconcellos
Chaves, residente na rna da Madre de Dos n. 36
(Reeife) tem aberto em sua casa cursos dos se-
guales preparatorios:
Lingua latina
franceza
Phllosopbla
Recebe tambem alomos internos em pequeo
numero e sob condiccoes razoaveis. Pode ser pro-
curado a qualquer hora do dia.
cozinhar
pateo da ribeira n. 7, taberna.
Precisase de um calxelro de idade de 12a
15 annos, e qoe seja portuguez : na ra das Cru-
zes n. 41._____ _____________
O abaixo assignado declara que venden a
saa taberna da ra do Nogaeira n. 29 ao Sr. An-
tonio Marques de Oliveira,
de dbitos ou outros onos
de 1867.
________ Francisco Pereira de Meirelles.
Na Passagf ra da Magdalena n. 21, precisa-se
de om boleeiro a tratar at as 9 da manba e das
3 da larde em diante, on no pateo do Carmo o. i*
casa de Gabriel Antonio.
Fogo do ar
No armazem da bola amareIIa no oito da se-
cretaria da polica recbeos-so eocommendas de
fogo do ar para dentro o fora da provincia.
-^Precisa-se da qoantfa de 2:300*000 a jures,
offereceodo-se bypotbeca em orna casa de pedra e
cal, cita em om dos melhores arrebaldes desta ca-
pital rna Direita n 29 1 andar. __________
Alloga-se um escravo para copero de casa
de bomem solleiro no Corredor do Bispo n. 15 na,
mesma casa vende-se a banca especial de tirar
caspa e fater nascer os cabellos mesmo cabido
por algoma ferlda ou molestia._____________
Foi roubado de casa do abaixo assig-
oado um chronometro ioglez de ouro co-
berto e todo liso, com ama pequea mola
ao lado para o abrir, tem mostrador, pon-
teiros e signaes de ouro, tem o n. 1,091,
de repeticSo e do fabricante Frenen. Cbeap-
side, Londoo, rogo aos Srs. relojoeiros e
ourives a quem fr offerecido de o appre-
hender que satisfarei qualquer des'peza.
Reeife 28 de agosto de 1867.
_____________Luiz deMuaofomuter _
Mareoltno de Souza Travassos, bveodo per-
dido a sua cade roe ta de credo' qae da masSa
de Amorim, Fragoso, Santos & C, avisa aos se-
nbore administradores qoe nao paguem os divi-
dendos que lhe competir em rateio, seno a sna
propria pessoa, visto estar provando semelbante
perda do jolzo con pteme._____________^
Aluga-se a padaria do Gaz da ra da Con*
cordia o. 61 : a tratar na ma Direita n. 90,

JOIAS
I.2B v N. 2 D,
COBA CAO E OURO. -ffif
A loja n. 2 D intitulada Coracao de Ooro na roa do Cabog, acba-se d'ora em diante offerecea
do ao respeitavel poblico com especialidade as pessoas que bonram a moda os objectos do ultimo gor.
to (a Pars) por menos 20 por cento do que em outra qualquer parte, garantiudo-se a qualidade e a so
idex da obras.
O respeitavel poblico avahando o desejo que deve ter o propietario de nm novo estabelecimen-
SmL m4*\S 1,0 qae quer P8resLS0 em sea ne0ci9 deve chegar imroediatamente ao coracao de ouro a comprar
. necue ao ae ato.w aneis com perfeitos bnlbantes, esmeraldas, rubios e perola ; verdadeiras em agarras, modernas pele
diminuto preco de 10$, brincos modernos de ouro e coral para menina pelo preco de 3J, maracas da
prata com cabos de marflm e madreperola obra de moderno gosto (o que o encontraro no coraejio do
ouro) voltas de ouro com a competente croslnba ricamente aofeitada pelo pequeo preco de 12$, brin-
cos de am trabalho perfeito por om mdico preco, cassoletas, tranealkis, polceiras, alfioetes para re-
tratos e outros modelos tudo de alto gosto, aneis proprios para botar cabello e Arma, dito para casa-
mento, no artigo roseta tem o Coracao de Ouro nm completo e bem variado sortimento de diversos
goslos, butoes para ponbos com diamante, rubios e esmeraldas, obra osla importante ja' pelo sea va-
lor ja' por gosto ds desecho, brincos a forma da delicada moslnha de moca com pingente contondo es-
meraldas, rubins, briibantes, peroles, o gesto sublime, alfloeto para gravata no mesmo gosto, relo-
gios para senhora cravados de pedras preciosas, ditos para homem, diversas obras de briibantes de
aiuito gosto, erosionas de rubins, esmeraldas, perolas e briibantes, aneis com letras, cacoletas de
trystal e onro descoberta para retrato (a agieza) brincos de franja, ditos a imperatrize toda e qual-
quer joia, para secol'iocar retratos e obras de cabello, e ontros muitos objectos qae os pretendentes en-
contraro no Coracao de Ouro que se conserva con* toda a amabilidade aos concorrentes deixando-
se de aqnl meoeiooar precos de certos objectos porque (desculpem a maneira de fallar) dizendo-se o
preco talvez algnem faca mao joizo da obra, por ser to diminuta qaantia a vista do seu valor.
Na mesma loja compra-se, troca-se ooro, prata e pedras preciosas, e tambem recebe se coneer-
tos, por menos do que em outra qualquer parte, e do-se obras a amostra com peobor, conservando-so
e Coracao de Onro aberto at as 8 oras da noile.
Qualquer pessoa que se dirigir ao Coracao de Ouro nao se podera' engaar com a casa, pois
nota se ua sua freote om coracao pendorado pintado de amarello, alem de ootro qae se nota em uro
rotulo (isto se adverte em consequencia do terem ja' algomas pessoas engaado com ontra casa.
13.1
8 *
-
-Ra do CabogM.
Agostinho Jos dos Santos $ G
A sociedade beneQcente Segredo e Amor da Or-
dem convida a todos os sens membros para a mis-
sa de rquiem qoe manda celebrar no convento
do Carmo desta cidade quinta fcira 29 do corren-
te mez, as 7 horas da manbaa em suffragio do fi-
nado advogado Jos Narciso Camello.
Jos C Viegas,
Secretario. __.
Acaba de chegar a este estabelecimento am esplendido sortimento de
joias do ultimo gosto, perfeicao artstica e modellos entecamente novos; como
seguem: aderecos com rubim, esmeraldas e perolas finas, pulceiras, broches
para retrato, anneis, botes de punho, brincos e cassoletas com letras, etc..
etc., etc. Salvas de prata do Porto, faqueiros, paliteiros, calis de mesa c
fructeiras, cujos precos s5o incompetiveis, pois que os proprietarios de3ta casa,
recebendo seus artigos directamente da Europa, podem servir vantajosamenta
aos seus freguezes. Compram-se briibantes, pedras finas, ouro e prata, page
se bem, tambem se incombem de fazer concertos.
Sedulas do banco do Brasil
e suas caixas no Mara-
uhao, Bahia, etc.
Trocam-se effectvamente no sobrado da iravessa
da roa da Concordia n. 13.
Trocam se
W A ,-iil.4 IVK.
.
as notas do banco do Brasil e das calas filiaes-
dom descont maito rasoavel, na praca da indo.
pendencia n. 22.
Escrava para comprar
ou alugar
Precisase de .ama escrava qae coziahe,por
compra ou alugoel: na ra da Cruz, armazem n.
10, das 10 horas da manba as 4 da tarde.
0 Sr. Jo Marques da Costa Soares,
qae mora oa roa do Vigario, queira vir
esta typograpbia, a negocio que nao ig-
nora.
""" ......
Attenco.
*r *
JTi"md con,rt x o Sr. Carloi Antonio Van
nki.ll*^ID^^deo* OHtilao no logar
ua*s arras, visto a mesma distilacio se achar it-
avifo. Reeife 28 de agosto de M67.
_!___________GaSerme Jorge da afotta.
, -AVDS0
No da 20 do corrate aasentouse da casa de
sua mi o menor Manoel, de idade 12 annos, par-
do, cabellos crespos rnivos, e olhos azues ; levou
vestido calca de riscado, camisa branca, paletot de
riscado, chapeo do palba amarella e sapatos de
tranca : pede-se a qualquer pessoa qoe o encon-
trar, leve-o a' casa de soa mai, ra da Matriz
n. 28.
Precisa-se d ofEcial cabelleireiro e
barbeiro em casa de Gustavo : ra da Cadea
do Reeife n. 51.
-------------------------------------i____^____
Precisa-se de nm moleque para distribuir
pao, de 5 as 9 boras da maubaa : qnem se achar
oeste caso pede dirigir-se a roa larga do Rosario
n. 16, que achara' com quem tratar. ^^^
- Aodr Maria Pinheiro, cidado portuguez,
val para o Para'.
No armazem de timas rna do Impera-
dor n. 22, vende-se :
Salitre refinado arroba 6j00
Eoxefre arroba 2*800
MARITliVIQS
esidencia e conSltorio
Medicocirurgico
DO
Br. Antonio Diarte
, na praca da Boa-Vista n. 21 onde
pode ser procurado a qualqaer hora.
Eapecialldade
Doencas do peito, e de meninos.
Gabinete medico cirurgico
BO
ra comparecer a secretarla da Santa Casa da Mi-
MrtfOrdl?, qoe S Ih6 deseja al5ft ^
Dr. Ignacio Alcibiadcs Vellozo
Podo ser procorado a qualqaer bora do dia oa
da noite prestando-se aos ebamados fora da cida-
de, com toda a promptidao. Pratica qualquer ope-
racio. Da' consultas daa 6 as 9 horas da manba :
roa da Imperatrz n. 86.
.....
Ama
Para servfcos de dnas pessoas
Agoas Verdes o. 86,1* andar.
na roa de
Attenco
Antonio Jos da Costa Araajo,gerento do estabe-
lecimento de Bernardo Alves Pnbeiro, na ra lar-
ga do Rosario n. 17, laz sciente aossenbores vende-
Ibdes e ao publico em geral, que tem um grande
sortimento de charutos fabricados dos melhores lo-
mos vindos de conta propria, e por precos maito
baratos vista de sua boa qualidade.
Na praja da Independencia n. 33, loja de
ourives, compra-se onro, prata e pedras preciosas,
e tambem se faz qualquer obra de encommeoda e
todo e qualquer concert.
Attenco.
S. 24 Roa do Livramenlo N. 25
Deposito de tamaneos e calcado nacional da fa-
brica da roa do Jardlm a. 19, de Jos Vicente Go-
dinho, tanto no deposito eomo oa fabrica se aprc rap-
tara todas as porcops de calcado o mais barato
possivel, esta fabrica tem todas as machinas pro-
prias para os calcados ja bem acreditados pelo
grande numero de freguezes qne daqu se for-
necem.
Brasil Histrico
O primeiro numero do segundo anno desta Re-
vista acaba de chegar ; com elle principia a pa-
blicacSo da revolufao de Pernamboco de marco de
1817. Assigna-se por 12f por anno : na livraria
ranceza, ra do Crespo n. 9.
Preclsa-se alocar om moleque ou um preto
que emenda de cozinba e mais servico de casa :
na roa de Horas b. 17, armazem.
Aluga-se
o 1* andar do sobrado da roa Veiba o. 20, coa
aitos commodos: a tratar na roa do Corredor do
defronte dea ns. 12 H.
TDESOUttO
Sociedade 6 de Margo de 1817.
Convida-se aos Srs. socios a comparecer aa
sessao extraordinaria qoe lera' logar sabbado 31
do correte, pelas. 6 1|? boras da tardo.
CONTRA FOGO.
A eompanbia Indemnisadora, estabeleci-
da nesta praca, toma segaros martimos so-
bre navios e seus carregameutos, e contra
fogo em edificios, mercadorias e mobilias:
na roa do Vigario n. 4, pavimento terreo
Spic
Acabara de1 chegar Eacadernaco Par*
siense, ra do" Imperador n. 71, as seguintes
publicaces :
Le Monde Maconnique : Revista das lojas
de todos os ritos: riqaissimo deposito das
maiores preciosidades maconicas, desde a
origem da ordem : ceotenares de discursos
dos mais distinctos oradores da Europa e da
America nos differentes templos maconicos
de urna o outra parte do mando : 9 vola-
mes in 8..
Uma collecco de 15 Rituaes de todos os
ritos, para as ceremonias de recepgo, de
inaaguraglo. de festas equinoxias e solsti-
ciaes, de Banquetes, de pompas fnebres, etc.
Um cobridor geral completo, guia indis-
pensavel para todos os macons, tanto sim-
ples membros da ordem, como autoridades
oa officiaes de templos.
Estas daas ultimas poblicaces em 3 gran-
des volumes in 8..
Ao todo 12 votamos;
Os Srs. abaixo assgaados queiram vir a ad-
oinl8traeSo do crrelo geral desta cidade aGm de
receber cartas qoe Ibe sfio dirigidas com recom-
mendafio : Dr. Agesilao Pereira da Silva, Alo-
xaodre /os da Costo Valente, Adriano dos San-
tos Pereira, Anselmo Gaodino de Qafliroz, Antonio
Jos de Souza Carvalho, Antonio Leonardo Rodri-
Kss (l), D. Cesarla Candida Nobre de Gasmao,
mingos Rodrigues Guimaries, Francisco Joa-
qaim Pereira (2), Francisco Cleto Tescano de Bri-
to, Julio Cesar Pereira da Rocha, Jos de Azevedo
e Silva, Dr. Raymoodo Joio de Moraes Reg, Tbo-
maz dos Santos Becerra. Crrelo de Pernamboco
22 de agosto de 1867.
- Precisa-se alegar ama escrava qae saina ee-
sinhar ei eageomar peto tompo de seis metes : na
roa d S. Francisco n. 84.
v
t
s-m





';"- vV-''-.-rn
I """



.

Tr

/
Diarlo de perutaNe* eita felra t9 de Agosto d I8i>7.

.
.**
DE
COMPHS
Moedas decoro.
Nacionaes e estrangelras assim como libras
esterlinas: campram-se na roa do Crespo n. 16,
primeiro andar.
CAR
PREPARADAA FRI
POR
**r
ACGUSTE CORS
Pharmacoutico pela escola de Pars e saceessor nes cidade
Compra-se moedas de ouro de
o 04 a roa da Cruz n. 3.
165, 10*
DE
Aristide Saisset e J. Soum
.-----Roa da Crnz
-22.
'
ti .
!
minoral Tratament0 Paramete vegetal sem mercurio, iodo, ouro, nem outro
Verdadeiro porificador do sangae sem azougue.
Especial para a cura de todas as molestias qae tem saa origem na impureza do
sangue, como sejam as molestias boubaticas, syphiliticas, escrophulosas, darthross, qaer
vennam ellas por hereditariedade, quer sejam adqueridas pelo contacto com pessoas in-
iecciOBadas dos diversos Tiras que contminam o sangue e os humores.
A capo*>a e om remedio prodigioso, tusado desde remotas eras pelos indios
do Brasil, e passando seu uso degeracao em geracSo, hojeum dos remedios maisco-
nhecidoscomo proprio para combater as molestias mais hediondas, entrando nesse nome-
ro a morpha ou elepnantiases, para cajo' curativo os nossos sertaneios consideram a
caroba como remedio especifico.
A moito tempo entrou a caroba nos formularios como preparacSc magistral
sob a forma de eleictuano, anda boje lembrado oas pharmacopas com o nome de seu
celebre autor Joao Alves Carueiro: nao ella portante remedio novo nem desconhecido.
O ungento de caroba da mesma sorte preconisado desde tempos immemo-
Tiaes como o mais apropnado para o curativo dasboubas e ulceras syphiliticas srdidas,
e empregado com proveito depois de improficua applicacSo de muitos outros agentes
tnerapeuucos enrgicos e de uso quotidiano.
Muitos dos nossos medios de considerado e entre elles o muilo distiocto pratico
e observador o Sr. Bt. Pedro d'Athayde Lobo Moscoso, tem confirmado por meio de ex-
periencias repetidas, o que diz a fama das benficas propriedades da caroba no trata-
mento das boubas, das diversas formas sob que a syphilis se apresenta e moito especial-
mente as qae teem saa sede na pelle, e poderiamos relatar alguns casos de data muito
moderna ebsarvados pelo mesmo Sr. Dr. Moscozo em que a caroba produaio admiraveis
eneitos, depois de motis e prolongadas applicacoes de salsaparrilba, meourio, iodo, ou-
ro e seus preparados, etc., etc.
Nao era possivel que urna plantaina notavel por suas inappreciweis virtudes es-
capasse a perspicaciale investigares des mais abalisados pratices europeos, que se ap-
plicam com especialldade ao estudo e tratameuto das molestias syphiliticas eberpeiicas
e para prova ah esjSe os Srs.Ors. Casenave, Schurfer, Ricord e outros dando as mais
usongeiras aformacoes sobre as propriedades eurativas da caroba e preconisando-a como
52i^TISS,m KV tratainent0 drupces cutneas, seccas ou sappurativas,
?L L5?*8 ^ ff^* eczenias' nlceras de drerras aturezas, tumores, osseos
e outras maitas jnolesas de natureaa sypbilitica ou boubatica.
1?T -er:S6 eneraIdo muHo o uso da essencla da caroba qae eu pre-
paro e pelas instancias de ?arios mdicos que desejam continuar em suas observares
deliberei-me a ter prompta urna quantidade da mesma essencia, ebtida sa a accao d
ogo, para nao prejudicar as propriedades edicaaaen tosas ; e d'era em diante encon-
^,?4nm^P!?a/J?acia senapre e em Pr^ safficiente para todos os pedidos a
ESSENCIA CONCENTRADA De CAROBA, e o ungento da mesma plenta para que ota-
ca laiiem aos; Srs. mdicos que quizerem esperimentar t5o precioso agente medicinal
ttecie de Parnambuco, t7 de ottabro de 1866.
AUfiUSTE GOBS.
Moedas de prata
nacientes, assim como patacoes portugueses e
bespanbes, compram-se com premio : na ra do
Crespo n. 16, primeiro andar. _______
Libras esterlinas?
Compram-se com bom premio : na pra-a da In
dependencia n. 22. .
Compram-se escravos
Siivino Gnitherme de Barros, compra, vende e
roca efectivamente escravos de ambos os sexos
de todas as ldades : a' ra do Imperador n. 79,
e-rceiro andar.
Pataces
Compram-se"patacSes bespanbes, portogoeies e
brasilelros de cnnbo aotigo, em casa de A lambn,
Heory & roa do Trapicbe-novo n. 40.
24$000
m
o?
Loja do Gallo Vigilante
Comprase na loja de joias do
n. 2 D, ra do Cabug, moedas
corceo de ouro
nacionaes de 20*
Ouro e prata em moeda
Compra-se por maior prego do qae em o otra
parte: na raa Nova n. 31, loja de ferragens.
uuro e prata
Moedas de ouro e prata nacionaes, estrangelras
de todos os valores se comprara na loja de ouri-
ves Junto ao arco de Nossa Senbora da Concecao,
ra da Cadeia do Recife, assim como ouro e prata
em obras velhas, brilbantes, diamantes e se paga
bem.

Dewsite geral t todos radjd so apees
Botica e dregarla
34Raa
Compra-se ouro e praia em obras velbas :
na praca da Independencia a 22.
Compram-se
com premio meedas de ouro e de prata naclenaes
e estrangelras: na ra da Cadeia do Recite n. 16,
armazem de Adriano, Castro & C.
Compra-se sempre por mais do qUe enfo-
tra qualquer parle, prata brasileira e eslrangeira
(patacoes) libras esterlinas, moedas de 9* e 16*
eortuguezas, de 35, 104 e 20* brasileiras, oncas
sedulas do banco do Brasil e caixas Qliaes de ou-
tras provincias : ua raa da Cadeia do Recife n.
08, loja de azulejo.
Compra-se
cobre, lato e churab) : noarmazem da bola ama-
relia no oitao da secretaria da polica.
Na roa do Crespo o. 18, andar, compra-se
nm cofre de ferro que teaha bastante seguran?.
Ouro em moeda
faga-se mais do que em oulra qualquer parta ;
na raa do Grespo n. 19, loja.
VENDAS
NOSSA SEMOA DA CONGENIO
Para eduea^So do sexo maseolino
Director Manoel Alves Viaana
collegio da Cooeei?o, mudado nUrmameote para bairro de Santo Aa-
*|^ tonio, ra de S. Francisco, casa n. 72, contigua estaco central dos trilhos
8 urbaQos dos Apipacos, contina a funecionar regularmente, recebendo alum- ^^
ag us externos e internos, tanto para as aulas primarias, como para todos os #ffi
M$& preparatorios necessarios matricula de qualquer facoldade, se.ndo 06 seus
) respectivos prcfessores pessoas moralisadas p. de nm mbcia m-m-.^r^ a
bem firmado nesta cidade.
Piano.
Vende-se nm bom piano forte de tres cordas : a
tr.tar na ra da Imperatriz n. 60, loja. ______
Madclra de sicaptrT""
Vendem-se 153 paos de slcopira, que se acbam
depositados no estaleiro do Sr. Joaquim Antonio
Rodrigues, na ra do Brum, onde podem ser exa-
minados pelos pretendentes : a tratar na iravessa
da Madre de Dos n. 11.
No trapiche do Bario do Livram'ento
no Forte do Mattos o. 15, continua-se a
vender saccas com farinha de mandioca aos
pre?os de 30300 a 50, sendo deste ultimo
preco, farioha muito especial, ella antas
que .se acabe
Vndese urna escrava mogaperfeita cosinelra
e boa eneommaa\iira, paca ver e tratar aa ra Di-
reita n. 86, f andar.
ridos americanos J
Samuel P. Jonnion & C. tea para vender sape-
[ rlores arados americanos : a roa da Senala Nova
s. 42.
moralisadas e de um concito magistral j
O director deste Bovocollegiocontiuuandoa empregar toda a solicitude no
desempenno de seu mandato, espera fazer-se mais digno da confiaDce com
que o vio honrando os seabores pais de familia, confiando-loe bondosamente
-os seus filbos.
Os estatutos doollegio, assim eomo o franco ingresso em todas as suas
dependencias, estao sempre a disposiejo de quem possa interessar.
Potassa da Kussia.
Verdadeira potassa daflnssfa, em barrls e meios
ditos, cbeg&da nltimamente pela escuna pruasiaoa
t Vernos vndese na rna do Trapiche n. s >-
sen de L. .-Silva tiulmaraes.
arma-
A NACIONAL
Companhia geral hespanhola de seguros sobre
a vida
Vende-se um preto possante e moco : na roa
ra do Rangel n. 9, ou iroca-se por nm qae sej3
cozianeiro.
Vende-seammulatinbodeidade.de 12 ao-
aos, liada figura, bom coiwiro, habituado ao servios
de casa, sem vicios e bem educado : ra 4o Hos-
picio defronte da casa em que foi o gvmnaslo na
penltima casa junio ao anal; os pretendentes
podem ir vello das seis as aove horas da manha
ou .das tres as seis da tarde.
Veodem-se doas caixilhos novos envidrara-
dos e dous portass : na roa do Sebo n. 42.
AUTORISA.DA PELO REAL DECRETO DE 21
BANQUE1R0S DA COMPANHIA
1859
O llano de filespanlia
DE DEZEMBRO DE
DIRECCAO GERAL
Madrid: Raa de s. Agostinho
1 n.IO
Sltoaeie da companhia em 15 de julho de 1866.
Apolices 19:700 Capital Rg. 127:144fj(670 on moeda brasileira
Rs i2,714:476,3000
A Nacional abraca toaas as conbinaces do seguro de supervivencia e n'ella pode
fazer-se subscripta? da modo que em nenbum caso se perca o capital imposto nemos lu-
cros correspondentes.
Urna afianca depositada'.nos cofres do>stado, garanie a boa administracSo da com
panhia. -
Os fundos da companhia se invertem em ttulos do estado e se depositan no ban-
oc de Hespanha com intervengo do delegado do governo e do conseibo administrativo.
A companhia estraohatoda a empreza ou aospiculacjo perigosa, e os ttulos em
gue se invertem os fondos imp s na rmesma, ito-se correm o menor risco, pois esto
garantidos pelo governo, podeatonacao da a tor p.eizosd
POTASSA DA RllSSIA
A 200 rs. a bra,
de muito superior qualidade : vende-se no escrip-
torio de Oilveira, Filbos & C, largo do Corpo Sao-
lo a. 19._______________________
Vende-se orna flauta de bano em bom esta-
do; nesta lypograptua se dlra" quem vende.
fioimaraes & Freitas
RA DO CRESPO N. 7.
Os proprietarios deste bem conhecido es-
tabelecimento tendo em vistas a boa vootade
com que toda generosa populacho tiesta bel
le cidade coocorre com a sua coadjuvaco
para o basar de prendas que costumam e--
tabelecer no dia da commemoracao do anni-
versario do Hospital Portuguez de Benefi-
cencia, cojo producto applicado a bem
daquelles que baldos de recursos, e no lito
da dor ali procuram melhorar seus soffri-
raentos e aproximando-se o dia dessa gran-
diosa festa por isso apressam-se em avisar
ao respeitavel publico do que ha de mais
moderno em seu estabelecimento, alm dos
quaes tem variedade de outros, que a serem
para um fim Ufo justo os venderam por pre-
cos mui rasoaveis..
Riquissimas caixas com msica contendo
o necessario para costura, proprias para um
delicado presente.
Riquissimos Uvrinhos com capas de tar-
taruga para missa.
Riquissimo lbum com eapa de tartaruga.
Porta joias, dedaes e relogios enestogos-
to orna infinidade de objectos.
Vasos, calungas e palliteiros de porcelana.
Bonecas que chamam papai e mami.
Finissimos len?os de cambraias de linho
com disticos.
Caixinhas com perfumaras.
Bengalas de canna com lindoscastoes de
maDr?m: .
Riquissimos enfeites com coques e sem
elle inteiramente novidade e ultima moda.
Lindissimos cintos para senhoras.
Fivellas lindas de muito gosto.
Lindos port-bouquet com cabo de madre-
perla proprios para casamentas e bailes.
Riquissimos leques de madreperola.
Lindos leques de sndalos para senhora.
Ditos de sndalos para meninas.
Ditos de sndalo tendo no centro um qua-
dro de seda, ultima, moda.
Leques de faias muito lindos.
Ditos de ossos.
Lindos pentes de tartaruga, massa e outras
muitas qualidades.
Luvas dejouvin, inteiramente novas, bran-
cas, pretas e de cores.
Ditas de seda.
Meias de seda e algodao.
Lindas trancaa pretas e de cores om ve-
drilho e sem elle, assim como lindissimas
guarnicoes para enfeitar basquines e Lotes
para os mesmos.
Lindos indispensaveis para meninas das
escolas.
Bengallinhas para meninos.
Suspensorios para meninos.
Lindas touquinhas e sapatinhos ricamen-
te enfeitados proprios para baptisados.
Meias de seda para o mesmo fim.
Muito boas escovas para dentes, chapos-
roupa, cabellos, unhas e para limpar pentes.
Superior linhas para crochet.
Agulhas para o mesmo fim.
Lindos agutheiros e dedaes de madrepe-
rola e marfim, assim como de metal.
Lindas guarnieses de botes, para colotes,
punhos e colerinhos.
Ricas capellas para noivas.
Meias de seda para senhoras.
Superiores thesouras para unhas, costura
e cortar cabello, etc., etc.
Suspensorios*deseda para hornero.
Ditos de algodao para hornera e menteos.
Finos aderecos pretos para luto,
brande sprtimento ae finas perfumaras
dos melhores fabricantes al hoje coahe-
cidos.
Grande sortimeoto de fitas de todas as
qualidades.
E muitos outros objectos que impossivel
seria menciona-los e que se encontrarlo na
loja do Vigilante, roa do Crespo n. 7.
ATTENCiO
t\o armazem de fazendas de
Santos Coelho, ra do Quei
mado n 19.
Bom e barato
Cambraia de cores matisadas finissimas a
800 a vara.
dem brancas transparentes Snas de iC\
55OOO, 6, 7|jl, 8/? e 90000 a peca com 10
jardas.
dem branca tapada de 80 e 90 a peca
com 12 jardas.
dem branca franceza muito larga a 90 a
peca com 8 varas.
Bal5es de 35 e 40 arcos nesgados para
senhoras, a 40500.
dem de 35 e 40 arcos com ferrugem a
20500.
dem de mursulina nesgados a 50.
dem de crochet a 80.
dem de mursulina para meninas a 30 e
30500.
Saias bordadas a 50.
Cambraias admascadas para cortinado a
120 a peca com 20 varas.
dem para forro a 30 a peca com 10 jar-
das.
Cambraia de linho muito fina de 60 e 90 a
vara.
MadapolSes finos de 60, 70, 80, 90,100,
110 e 120 a peca.
Platilha de algodao superior fazenda para
saias a 30200 a peca com 10 varas.
Cobertas de chitas de ramagem a 20600.
Lences de hamburgo fino a 20400.
dem de bramante muito fino a 30200.
Pannos adamascados para cobrir mesa a
40500.
Guardanapos de linho adamascados a...
30500 a duzia..
Atualhado adamascado com 7 1/2 palmos
de largura a 20 a vara.
dem adamascado de linho com 7 1/2 pal-
mos de largura a 20 a vara.
Algodao enfestado com a mesma largura
a 10100 a vara.
dem trancado de algodao a 10600 a vara.
Toalhas alcochoadas de linho lisas a 110
a duzia.
dem de algodao felpudas a 130 e 140
a duzia,
Colchas de fustao a 60000.
Retondes de fil preto a 60.
Chales de fil a 50.
Lencos de cambraia brancos finos a 10800,
20 e 20500 a duzia.
Lencos de cassa finissimos a 30200 e
30600 a duzia.
Fil de linho liso a 800 a vara.
dem com sal picos a 10000 a vara.
Grosdenaples preto bom a 10800 e 20
o covado.
Morantqoe preto superior a 20800 o co-
vado.
Flanella de todas as cores a 800 rs. o co-
vado.
Tarlatana de todas as cores a 800 rs, a
vara.
Bramante de linho com 10 palmos de lar-
gura a 20500 a vara.
dem de linho com 5 palmos a 10200 a
vara.
dem de linho com 3 1/2 palmos a 800 a
vara.
Riquissimos basquins a 250000.
Assim como outras muitas fazendas que
se vende por menos que em outra qualquer
parte, e d-se amostras de tudo,
Xovidade do Pavao.
Alpacas, a 1280
Chegaram as mais brilbantes alpaca* de
seda para vestido, sendo neste genero > mais
bonito que tem vindo ao mercado t>i,tu em
novidada de dezenbos como em flores, p- rs
urna nova fazenda que se confn.de p< lien-
tamente com seda tendo entre eks algumsa
todas brancas com os mais Modos iavrados
e vendem-se a 1280 reis, o covado, na l"ja
e armazem do Pavao, ra da Imperati iz a.
60. De Gsma & Silva.
Oscasaquiithcs do P a 180, 200, 250 e 300.
Chegaram os mais modernos casitqninrK*
ou jaquetas de grs preto, i icameotn enfei-
tadas, sendo ons com cintura e outros >o-
tos con'orme se usa ltimamente e vend m- se
pelos baratos precos de 180, *0. 250 e
300, na loja e armazem do Pavao. ra da
Imperatriz n. 60. De Gama & Sila.
As alpacas do Pavo
para vestidos a 10.
Cbegou um grande sortmento das mata
bonitas alpacas Iavradas, de cores que se
vendem a 10 o covado,'ditas a 8DO reis,
ditas lizas d todas as cores a 6H> reis, que
se vendem na loja e armazem do Ha*Su, ra
da Imperalrizn. 0. De Gama & Siha.
f eslidos brancos
a 40, s o Pavo.
Vendem-se bonitos cortes de vestidas de
cambraia branca com bonitas barras temi
entre elles lambem com barra de cor e ven-
dem-se pelo barato. preco de 44 cada um,
na loja e armazem do Pavo. ra da Impe-
ratriz n. 60. De Gama & Silva.
Grande uovdade
Vestidos a 60
s na loj i do Paiio.
Se vendemos mais ticos coites fle ortyiB-
dy branco com elegantes listas largas, p> e
ias tendo 10 varas cada corte com os com-
petentes onfeitos para u *-W ***** nest*
genero o que tem vindo de T." "?
mercado, pelo barato prego de 63, *o ...
leja e armazem do Pav5o, ra da IuiperaUlx
Q-60. De Gama A Silva.
i yfflLM
Este esiabelecimenio acaba de rcei.ti -,las
cbapelinas para senbora, ricas caixioba* |.ia eos-
loras, ditas para joias, pentes doarad.* p.ra cir,
nvelas mullo ricas, assim como cinto v volutas
da ultima moda de Baiis, ntremelos < bahamiMa
boDitos toncadores donrados e dejacarau.'a, . Ibos escosseies de diversos tamanhos e ni-.-s .-ani.
veles para senbora, voltas para pensil', r^n.
nbas, bico de seda, dito de algodao, br.yi.mho, b
muitos ootros objectos de aparado p torna enfadonho mencionar, todo por piaros mul-
to commodos: a* roa da Imperatriz n. 70, c-a i,.ia
da Lraldade.
AVISO
Vende-se om scravo crloalo com 80 annos de
idade, sadio e proprio para todo servlco : no pri-
meiro andar da casa n. 84 da raa dos Pires qae
tu esquina para a rna do Sebo._________
Cintos pretos
e de otras cares, com franjas de vi-
drilhes brancos e pretos.
Aagaia branca, na roa do Qoelmado a. 8, rece-
bea d eses modernos cintos de con tas, com fran-
jas de vldrilhos brancos e pretos ; compareeam
pols, os pretendentes, qae acbarao sortmento
contento.
H&jm
[DE
J. VIGNES.
W. 55. RA DO IMPERADOR H. 55.
.. Jf!SdSU*,"g* fabrie" 80 '"i' asss condecidos para qae sej necesario Insistir s obrt
u mpartoridade, vantagens e garantas que offerecem aos compradores,^qoaiuides esus in^ntesta
vos que elles tem deflnlUTamente conquistado sobre todos -
* ra eues tw fleaniuvamente cooqnisudo sobre todos os que tem apparecido nwta nri" m
%!SiU*$* "toi^^obedeceaiA todas as vontades aeaprKffSUSK'iS
Sa^1"' P,,en Picados de proposito, e ter-se eito altinumeate m\hoTm^sSS.
S til oSfid^iS' JSS!PiM0 8 M' me,odi08M e tuM*s' e ** mttSSl
Faiem-se conforme as neo-,-
wwspoBdeatede J. Vigaae, em cnia
No mesmo estabeledniento se acb
tasto aeeU fabrica cono na do Sr. Blondel, de Paria iodo
tal foram sempre premiados em todas as expoeioSes. ^^
sempre om explendido e variado sortmento de msicas doa
Vende-se urna escrava recolhida con 11 an-
cos de idade, proprla para andar com criancag a
tratar na roa Imperial a. 255.
Betratos histricos
su pbotograpbia Villela, a ra do Caboga n
18, entrada pelo pateo da matriz, encontram-se os
saguintei retratos :
Do arcBiduqne Maximiliano, imperador do
Mxico.
Da princeza Carlota, ex-imperatrii do Mxico.
De Jurez, chefe da ravolta, e qae erdenca o
ra lilamente de Maximiliano.
Preco 500 tt.
MOLESTIAS DO PEITO
Avlao Importante.
Os nicos verdadeiros xaropes de hypophosphl-
tos de soda, de cal e de ferro do Dr. Cborcblll tra-
zem a Arma quatro vezes repetida deste sabio me-
dico sobre o subscripto e a marca de fabrica da
pbarmacia Swann, II, rna Castblioae, Paria.
Acba-se a venda em frascos qoadrados eomo no-
me do Dr. Cburcbill no vidro. Prego i francos em
Pars : Com instrneclo
Vende-se em casa de P. Maarer & &
Kival sem segundo.
Raa do Quciinauo a. 4.
Qaer acabar com as fazendas abaixt
meHcieaadas.
Queiram vir ver o que boa e baratissimo.
Toalbas de labynnw com bico, faznda boa *
SfBQO.
Carretela de Unta com 100 jardas a 30 rs.
Grvalas pretas e de coree muito finas a 500 rs.
Cairas de obrejas de massa muito novas a 40 rs.
onfiadores para espartiibo de cordao e fita a M
ris.-
Carreteis de liaba Alexandre com 400 jardas a SOf
ris.
Fraseo de oleo babosa a 320 e 500 rs.
Ditos de dito bigieniqae verdadeiros a 1J00O.
Ditos dito falso a 800 rs.
Ditos de macacar perola a 200 rs.
Sabonetes muito finos a 60,160,200 e 320 rs.
Ditos de bolla muito finos a 240 e 320 rs.
Caixas para rap com bonitas estompas a 100
Miadas de linha roxa para bordar a 20 rs.
varas de cordo para espartilho a 20 rs.
Pentes volteados para regacar cabello de menina
a 320.
Frascos de maca$a' oleo moito flao, a 120 rs.
Abotoaduras muito Anas para colleles a 506 rs.
uart&es de linha branca e de cores a 20 rs.
Libra de ara preta superior a 100 rs.
Escovas para teto, fazenda boa, a 500 rs.
Varas de franja branca de linho para toalna a
Pesas de bico estrello com 20 varas muito bonito a
Varas de papaQna de diferentes largaras a 190,
160e200rs.
Caixas de palito balao a 40 rs.
Caixas de palitos de segnranea som encbofre a
60 rs.
Sabonetas de familia a 100,160 e 240.
Grosas de botes de madreperola para camisa a
500 rs.
Caixas com soldados de chombo para meninos a
120 rs.
Cartilns de doutrina ebristia a 320 rs
Latas com superior banba a 200 rs.
Quadernos de papel pequeo superior a 20 rs.
Dnzia de baralbos franceses superior 2^._______
. Vende-se 26 brac>s.e 6 palawe de terreno de
Xaropee vlnho ferraglooso de
Jurubeba eom pyrophasphato
de ferro.
Cblorose, anemia, escrfulas, racbitismo, blennor-
rbagia, leueorrba. febres intermitentes e ame-
norrba (menstrnaco dolorosa e irregular}
etc., etc.
Ha muito que tiohamos em vista assoclr o ferro
as oseas preparares de jurubeba ; mas levamos
tempo a experimentar qual a preparado ferrugi
nosa, que mais conviria ao organismo humano,
vindo por fim a decidir-nos pelo pvropbospbato
de ferro, com o qnal podemos prepara r os nossos
xarope e vinbo de jurubeba ferruginosos.
Temos a observar, porm, que o uso dos med
camentos de jurubeba com o pyropbospbato de
ferro nunca pode occasiooar a pbtysica as pes-
soas anda as mais delicadas, como mnitas vezes
tem acontecido at a pessoas robustas, que se bao
servido do mesmo medicamento preparado com
outras substancias ferruginosas, por isso que o
pbosphoro debaixo da forma de pyropbosphato,
um meio prophylatico reconbecido infallivel con
tra esta terrivel affeccio.
As preparares de jurubeba, a que bavemos as-
sociado o pyropbospbato de ferro, sao mui provei-
tosas no tratameuto das molestias das senhoras,
taes como a cblorose, anemia etc.
Estas molestias manifestam-se com os sympto-
mas seguintes:Descoramento geral da pelle e
das membranas mocosas, magreza, inonacao das
faces e das pernas ; excitaco Bervosa, bysteris
mo, melancola, debllldade muscular, dores ne-
vralgieas, pulso mais frequente do que no estado
de sadde, calor febril, pelle secca, appatites de-
pravados, vmitos, priso de ventre, menstrua c5o
dolorosa, irregular, pouco abundante, descorada,
nolla, lores brancas, amenorrbagia e infecundi-
dade.
Dste estado espantoso, alias t2o ordinariam cte
recoubeciio entre nos em erescido numero d se-
nhoras, deeapparece s com o prudente uso das
preparac.5es cima.
tnico deposito destes medicamentos:
pharmacia de J. A. Pinto, ra larga do Ro-
sario n. 10, em Pernambuco.
GRANDE
Grande liqaidace de lustro mentn de
msica de todas as qoalhiad s.
50Ra Nova relojoeiro50
O dono querendo acabar com este art > revi-
ven vendar todos os seus sortimentos oh insir*
memos muito mais barato que as ou'ras r*
avista da fazenda e dos precos ningutm d-ixara'
de comprar.
A Aguia Branca ra do Queiranto n. 8,
recebeu de novo os seguintes objectos e
est vendendo-as por precos rasoaveis.
Modernas fivellas.
-Modernas fivellas de madreperola. Iavra-
das e lisas, guarnecidas com en'eit s de
prata dourada, vendem-se na loja d'Auia
Branca ra do Queimado n. 8.
Leques
todos de sndalo, outros lodos de sa-uj do
com bonitos desenbos que representan! una-
tro vista, outros de sndalo e seda, cuma
de faia tmbem com desenhos que.r-riH.m
quatro vistas; vendem-se na leja dMgui
Branca, ra do Queimado n. 8.
Luvas finas
de camarsa, brancas e amarellas: vendem-
se na loja da Aguia Branca ra uu Quei-
mado n. 8.
Latas com banba fina
vendem-se na loja da Aguia Branca, roa
do Qaeimado n 8.
Cbapelinas modernas,
enfeites de flores, capellas finas para nnivss,
ditas brancas e cor de rosa para meninas'
caixos e ramos de flores finas e Dotdr (f#
rosa de diversos lmannos: na Aguia Bi a
ca ra do Queimado n. 8.
Meias finas para meninos.
A Aguia Branca ra do Queimado o. 8,
recebeu meias mui finas para mni rus. i
est vendendo as de cores a 500.-u duaia,
brancas a 50500 e cruas a 60000.
Trancas de vidrilhos, brancas e pretas, lar-
gas e estreitas.
A Aguia Branca a ra do Queimado n. 8,
recebeu novo sortmento das trancas
ditas, e como sempre vende-as
commodos.
por
acuna
preto
Labyrintiios
Chegaram a roa do Grespo n. 8, esqoioa qe
volta para S. Francisco novos e liodiss assimeomo riquissimas fronbas de lanyrimho do
Geara, cujos objectos se vendem por menos preco
do que em outra qualquer parte.
Vendem-se dous metbodos para aprender a
tocar piano dos maestros H. Rosellin Henri
Herz : quem precisar dirija-se a praca da lude-
pendencia ns. 13 e 13 que alii achara' rom quem
tratar.____________
Cal de Lisboa
Vene-se oo armazem de David Ferreira B,.i
tar roa do Brum n. 66.
5
calcados
franee-
Tendo de se liquidar a loja de
zes sita na ra do Imperador n. 32, previne-se ao
respeitavel publico que a mesma liqnidaco lera'
somente lugar de seganda-feira 20 do crrante mez
Aos Srs. consumidores do
gz
noLdr^C?0 daoempreia d0 c<""< respev
n.m ,8 80S em diante" e para Te dar urna idea da.baraleza, j J" '^s Por falta de gar, \0 ^D,ro >n
- n7em1nle suas reclamaces ao eserlptorio da empr.-zi D. 319
Ln'JSP-"-or' aondere:>bero iuHbedi>ts
prompa attencao.
Vendem-se dous burros mansos e de boa i-*
C : para ver na ra da liada cocbwra d* J*
Duarte e para traur na rna do Crespo o. l, prt-
melrj andar.
Vende se
azeit de peiie moito novo a 00 rs. garrafa : aa
roa das Crozes n. 21.
11*000
8*000
8*000
8*000
7*000
3*600
raarinba em frente a ra do Alecrlm untados no
alinhamecto desta roa que deve flear a quem do
caes projeetado em continaaco da casa de deten-
cao para os Afogados, tendo de fondo tanto do la-
do do norte como do sol SO bracas e 8 palmos
mprenendldos nesta estencao 8 bracas que derve
ser reservada para dita roa : quem pretender di-
rija-se i ro Angosta casa nova eom poni de
ferro ae lado.
abaixo se transcreve os precos
Borzeguins de liellier verdadeiros. .
Dito Sozer dito........
Dito do mesmo fabricante de diversas
qualidades. .........
Dito do fabricante Fanion e Lavergen ..
Dito d diversas fabricantes de 5* a .
sapatoes de Sozer qoe se vendiam por
8*000 a ..........
Borzeguins para menino de varios fabri-
cantes de 5* por .......... 3*000
Botinas para meninas dem idem a .. 3*300
Ditas para senboras idem idem Jolly 3*500
SapatSes para meninos de diversos fa-
bricantes. ......... 3*000
Perfumaras do fabricante Labio e Piver, sorti-
mento variado de diversos extractos e agua de Co-
lonia.
Camisas para bomem.
Bengalas, grvalas, cbaruteiras de mbar, pen-
tes de tartaruga de diversas qualidades e mode-
los, emflm nma infinidade de artlgos de Inxo e
bom gosto. ________________________
Farinba de mandioca a 3*800 o sacco : no
srmazem de Candido Alberto Sodr da 'MotU xu
travewa da Madre de Dos n- 14-
Veotfe-se nm terreno na travesa da rna do
Principe, com 30 palmos de frente e 300 de fondo,
teodo 6 mei-aguas de pedra e cal, por preco com-
modo : os pretendentes podero se dirigir a rna
de Joao Fe mandes Vieira taberna n. 38.
Vende-se um sitio na margem do rin~Capb-
oibe : a tratar na -na do Qaeimado a. 18 A.
Chocolate de Deabrlere
purgativo de magnesia.
E" o chocolate de desbriere e melbor porgante
at agora conhecido e de grande aceitarn em Pa-
ris, onde tem sido moito applicado no b.^pital
Hotel Dlen pelos professores Troosseau e Pidooi
com o melbor resultado.
Por soa accao laxante porga sem fa fgar o esto-
mago e os Intestinos, e apresenu optim..* mniu
dos como dorinuvo, abrvente, amuvernese, re-
frescante depurativo. '
iepfjsift especia!
34Rna larga do Rosarlo 34
Botica de Bartbolomeo C
'fo



r
lar lo 4c Pernaaabue ... exU lelra 4e A*oto de iM?.
BA DAS CINCO PUNTAS N. 86
AO GRANDE ARMAZEM
DAS

Sempre barato
Mantelga
Ingleza flor a i I, a libra e a 5oo rs. soffrivel propria para tempero a so rs
dem franceza a 56o rs. a libra.
.
Cha
t
i
De primeira qualidade a 2#8oo e proprio para negocio i06o*a libra.
Blscaltos
Inglezes pearl, nic-nac, oval, cracnel, e ootros superiores a l^ioo a teta
FlgOS
A 24o reis a libra. a
G ominas ,
De milho branco a 4oo reis a libra, de araruta verdadeira propria jpara alimen-
tar criangas a 5oo reis a libra e caxinhas com 4 libras por menos, gomma do Maranhao
16o rs. e tapioca sag a 24o a libra.
Chocolate
Superior a i& a libra. |
Doces
De goiaba era latas a .#000 em caixa de 4 libras, muito fino a liJWao, em cauces





.


Ao respeitevel publico pernambncano pede-se
Attenqao
Mauteiga ingleza
320, 500, 800 e 1 s no armazem se aefaa vista.
Maateiga franceza
em liDras 560 e 649a barris se Jar differenca.
Banha de jtorco
em libras 320 e 380, em porche se-far differenca.
Fructas
em calda Pera, PBcego, Rainha dandi, Alperxe e outras moitafrSOO e 640 a lata.
BrvIIha*
Portuguezas 640, francezas 900.
Fumo
em latas-do Para e de albaneqoe, lata !# e 1 5OO.
oma de milho
em pacotes, dita da trra 100 e SOO* libra.
viuho
de Bordeara em caisaa duna W, garrafa 500, attode8*aduzia, 800*garrafa, dito
PH4BHCU
DE
Joaquim de Almeida tinto
jurubeba contra oingorgi
lamento do figadabdobaco
Em extracto alcoollce, emplas-
tro, oleo, tintara, plalas,
xarope e rlnho
A jorubeba orna das substancias medi-

i
-


de 2 libras a 5oo e 32o.
Pelxe
Em latas a iiJooo reis a libra, sonido em qualidades.
Ostras
Amrica a 8oo rs. a lata.
Baldes e Vassouras
Americanas a 8oo reis cada peca.
Vouclnho
De Lisboa a 320 reis a libra.
Tomates
Em latas a 6oo rs.
Sal
Refinado em lindos postes por 5oo rs.
Rtrsh* de ivasser
A 2000o a garata.
vermouth e Ahssntho
A l#5oo a farrafa.
Bltter
A. Iflooo agarrafe.
De bojrdeaux superior, Saint Estephe, Saint Julien, Saint
e 64o rs. a garrafa.
Tlnho
Do Porto fino a 140ooo a duzia e 105oo a garrafa e magnifico tambera* em bar-
ril a Soo a garrafa.
l>uque do Porto
Adamado e outras marcas a oo rs. a garrafa e loJ a duzia, m
Tlnho da Flguelra
O que ha de melhor a 40, a caada de Lisboa a 30 e 40 a garrafa.
vinagre
De Lisboa a 2oe e 28o rs. a garrafa.
Farello de Lisboa
Saceos com 9o libras a 405oo.
Cerveja
Franceza em gigos de urna duzia a 60.
Ingleza
Bass verdadeira a. .... T. e Victoria e Alssop a 5o reisa garra
como flgaeira caada 3 800 e
convida.
.

em lata de 5 gales emspquenas:*vootade do comprador, em'
--''Alpiste
140 e.12 O a iibra,ipain?o a 100 a libra.
Azelte
em garrafas a 800 e 10.
CHARUTOS ..." .
em caixa de 50 por l&ditosDelicia^ Trovadores e Parisienses em taixas de M, aiws
da Exposicio caixa 50y.ditos de Regala caiaas eom *00 a 20500 e .outras multa marcas
que s na presenta dos compradores.
PREZ5JNT0S i-d
de laaego mbarriU ditos.de fiambre o melbor que ba-nomereado por proco qoe iaz
admirar t
. u-i:DOCE DE GOJABft a u j
eaixSes de 560 fino, ditos4e 10BOO que parece marmellada, dito enflatas muito*ra
qualidade *1#200.,
Emilie a 70000 a duzia
V iOCETAS
com doce secco mmSfr
QUEIJ08
do Aleotejoem latas chegadspeto vapor One/dcdUosFlameago^ePratesdosmatsnovo
que ha no mercado.
A2EIT0NAS
de elvas como no mercado rato temos-- 10 a lata, em barris do P&rto a ti com
melhor.



1NJECTI0N BROU
-'St^ss&^ssi^^^
urHt^ia...
*tomt***9m.**mmi
a.
!
nimimm
PREPARACOES FERREAS-HARGAHCAS


APPR0V1DJLS PILA ACADEMIA ftS M8DICUU
DE BURIN D BUISSON
fknutali, inmO ath lata de Itdkin de rara
i'
O eminente professor Trousseau, oa ultima edicSo de sea Tratado d Thera-
ptutit* Materia medica, reconhece vetes ineficazes para corar as molestias que teem por causa o empobrec ment
do sangue. Muitos mdicos dos mais dislinctos attribuem esse m o xito a ausencia,
n'essa* preparacSes, do tnanganese, que se acha no sangne, como o tem recennecido
es chimicos os mais peritos, sempre intimamente unido com o ferro.
E' pois, prestar-seam verdadeiro servico aos S Mdicos, o ohamar-se sa alteo cJo
sobre as preparacoes seguintes.
1o Bio ?ahimc manaeniunfi dando ioimediaUmente nma agna, aeidalada,
lUo 1111 CUS UiaiigailllUo gazoza, agradavel, substtuindo com vaatagem
eeenemia aa aguas mineraes ferruginosas.
2 Prias e Xarope de iedareto de ferro e de manganese inalleraveis
contendo eada urna cinco centigramos de iodoreto de ferro manganico indicadas
particularmente as molestias Tymphaticas, escrofulosas, e as chamadas cas-
rotas e tuberculosas. *'
3 firages de laetato de ferro e de lamnese) Bfft&SgSr
i fms de carbonato frreo nungameo I tmSare
alternar estas duas prep ara ces di os melnores reealtados.
O $ Bnrin du Buissan desejando obter a adheso eompleta do pubeo medie* a
crea do valor de saas preparac5es, previne fM Ue as pie grataitameQle a tu
disposicfc), dirigendo-se;
Ib ftrnambuce, a seo agente geral, Marer O1, puarmacenticot, n* Nova.
BiiBBHItlitaiilB '
D0 rarrafa, dito do Porte\ i**-^*^!?!^ que pertencem ao reino vege,
JPfttfr i A A Lisboa 2*800, 3*e 3*5(K>^ quai ipue ^ ^ ^^4 ^^ ^ lenic08 e dflSot)9.
truentes, sendo empregada' com fnwgto
contra as febres Intermitentes acompinhadas
de engo gftamento de flgado a de bco. Ella
tem sido apphcada-eom ircontestavel pro-
veito contra a anemia oa chlorose, e bydro-
pbesia, catbarro da bexiga, e mesmo para
combater a menslroacSo difficil, resultante
da mesma anemia ou cbtorosei
Depsitos geraes
Em Pernambuco, ra larga do Rosario
o. iO, Rio de Janeiro, pharmacia do 9r.
Durado, Rio Grande da Sol, em casa dos
Srsr Cselo & C, Macei, pharmacia do Sf.
Glaadino, no Havre, pbarmaeia de Mr. Ma-
rical, era Lisboa, na pharmacia do Sr. Feijw
Sedas largas
A 2*o co vado
S na leja ddPavo.
Vendea>a moderolsslmas sedas com largura
de chita franceza, sondo com padrges modernos,
tendo entre ellas cores proprias para quem est de
luto : venderse pelo barato prego ifle 2j5 o covado s
grande pechincba : na loja e armaiem do Pavo,
roa da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Cortes braacos t
A50*rs.
VenJe-S8 bonitos cortas de cambrabranea com
bonitas barras bordadas e leudo taabem algosa
com bonitas- barras de cores ; vende se pelo bara-
to prego de 3$, na ioja e armazem do-Pavo, roa
da Imperatrw tiO, de Gama & Silva.
Alpacas de cores
A5oe>.
Chejaram as mais bonitas alpacas de cores para
vestidos coa desenhos miados e graudos, tendo
largara de chita franceza, e vende-se pelo barato
prego de SOOrs. cada eovado ; grande pecbin-
esa : oa toja-e armazem do Pavo, raa da I rope-
ra tr i i n. 60, d Gama & Silva.
Bramaste a 2$.
Vende-se soperior bramante de liobo alvo com
fr palmos de largara, pelo barato prego de 2*.a
vara : na loja e armazem do Pavo, rna da Impe-
ratriz o. 60, de Gama & Silva.
Algo lao avariad
Vende se pegas de algodo largo muito encorpa-
de, pela barato prego de 5J500 a pega : na loja e
armazem do-Pavo, roa da imperatrit a. 60, deGa-
na & Silva.
ReU>lhos
Vende-se ama porgo de retalbos de chitas e ca-
gas pretas, por prego barato, na loja e armazem do
Pavo, raa da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Sedas a 320-rs. o ce-vado
Vndese nm bonito sortiraento de sedas de l/3tas
qoe sempre se venderam par muito mais diobeiro
e liquidam-se Dlo baratissitno prego de"320 rs. o
covado, s para acabar : na loja e armazem do Pa-
vo, roa da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Francisco Jos Germann
{RA NOVA N. 24,
acaba de reeeber mu lindo e magnifico ror
timento de oculos, lunetos, binculo!, de ul-
timo e mais apurado gosto da Europa ocu
los de alcance para observacoes e,'para
marttimos.
RIVAL SE1 SEGINDO
RuadoQircIniadon. 49,lola
mladezas
Jos Bigoamho
Varas de babado bordado do Porto a 100 rs.
Csrretel de retroipreto com duas oitavas proprio
pira machina a 800 rs.
Agnlbas para machinas a 34000.
Pregas francezes de todos os tamanbos a 240 rs.
Crozas de botos de osso para caiga a 200 rs.
Biielbos doarados mnito Anos a 1*000.
Canas com linba superior para marear a 240 rs.
Carriteis de reteoxTdo, tolas as cores a 80 rs.
Frasees d'a'aa de Colonia molto Superior a500 rs.
Frascos de oleo multo fino a SOO rs.
Pegas de trabe-Bfawa de taraco! a 60 rs.
Daifa de lesearas peqaenas a 480 rs.
Frascos d'agna para limpar dentes a 500 rs.
Rdffs -pretaVUsaS para eflrar canello '* 320 rs.
Durf s de potbw de ac moito fina? i 60 rs.
Caiiasdelihado-faa**att**ve a60rs.
dem de plisr de seCTrlaja.ripaO.Ts.
Garrafas de atoa Florida verdadeira 1 JOCO.
BabaMs do'Porte' HMAl'as larguras e lodos o/
pregos.
Sylabarios eom esuMspae para ibos a 310rs
Vemeore da roapa de favar a 100 rs.
Duzlas de meias multo Unas para seohora a fr O >
Agalhas francezas a baI2o (papel) a 60 rs.
Pegas de itas de lia de todas as cores a 500r?.
Grozas de botoesde porcelana praleados a t0r
Caixae con- alBneltes rraaceies a 80 rs.
Caixas de NO envelopes muito Baos a SOO rs-
Resma de papel de pese branco liso a If.
Frssco con'superior tfata-'a 100 rs-.
Piras de bortes de pnnh multo bonitos 80
Liabas eni catio de 10 jardas a 100.
Caixa do soperior linba *o gas com 50 novelloi
700 rs.
Talheres para neniaos a 240 rs.
Masso eom sBperfores'grampos a 3* rs.
Grosas de penoas de ago milito finas ap 310 rs.
Bonets para meninos a i i.
Peates com costa de metal a 400 rs.
Realejos para meninos a 10rs.
O proprietario destes dous estabelecimen-
tos tendo muita fazenda em ser e desejando '
Em liquidado.
Roupa feita nadonl.
Vende-se calcas de casimira a 5(, 6$ e
liqu dar para vender ma.s barato oue pos-' sfi^&ES+TSa* a 11600
V^fSAF^ J ? y ditas de brim pardo a ,0600, 2*400
da Arara, ns. 56 e 72. ^50Q; m& braQs de 1nho moo
Alpacas admascadas paja vesUdos da senho- 4jj Q^. paiitots de casimira preta e de co-
ras 500 e 720 rs. res a 50, 6& 80 e 400 ; palUots de meia
Vende-se alpacas deassetfo branco com casimira a 3^-, 30500 e 40: palitots de al-
listas e flores lisa e admascadas proprias | paca de cores e branca a 30500 e 40: palitots
para vestidos de seoboras a 500, 72Ge800 de brim deeores a 20500, 30-e 20: serou-
rs. o covado ra da Imperatriz lojas da Ara-
ra, ns. 56e72.
Ditos i 60 o covado.
Vende-se ditos em retalhos a 160 rs. o
covado, ditos em peca a 200 rs. o covado:
retalhos de caca preta a 120 o covado: re-
talhos de caca de c&res a 200, 240, rs. o co-
vado : retalhos de ISasinhas a 160, 200 240 5
rs. o covado: ra da Imperatriz lojas da
Arara ns. 56 e 72.
Brim pardo.transado a 560 rs. a vara.
Vende-se brim pardo com peqneno toque
de mofo a 560, 640 rs. o covado: ra da
Imperatriz lojas ns. 56 e 72.
L5azinhas a 200 o covado.
Vende-se lasinhas para vestidos de se-
nhora a 200, 240, 280, 320, 340 e 400 rs.
o covado : na ra da Imperatria lojas da Ara-
ra n. 56 e 72.
Chitas francezas largas>a 240 rs. o covado.
Vende-se chitas francezas largas a 240,
280, 320 e 400 rs. o covado: ra da Im-
peratriz lojas da Arara n. 56 e 72.
Mosambique a 400 rs. o covado.
Vende-se mosambique com palmas de se* |
das para vestidos de senhoras, a 400 rs. o
covado: e vareja de listas para vestidos de,
senhoras, a 280,320 rs. o covado.
Sedas escosseza com quadros para veslidos
de senhoras, a 280 320 rs. o covado: ra
da Imperatriz lojas da Arara ns. 56 e 72.
Arara vende as saias 30500.
de algodosinho de lioho a 10600, 20>.....
20500; roa da Imperatriz lojas da Arara
ns. 56 e 72.
Organdis de cores a 640- rs. a vara.
Vende-se cassa organdis de cores- a 640
e 720 a vara :. talataoa de cores a 800 rs. a
vara: ra da Imperatriz lojas da Aiara ns.
e72.
Madapolo a 40000 a peca.
Vende-se pecas de madapol5o com 20 va-
ras a 40, 50, 60, 70, Sjg e 100: ra d*
Imperatriz loja da.Arara ns. 56 e 72.
Casimira emfestada a 10 o covado.
Vende-se casimira enfestada de duas lar

TEa&lDEIBO[LE Jfll
df llfiMBIIT, Doetr.4cfU
Ru do Solno, 61, P.VBIS*
Veade-se na pharmacia.de P. Maurer 4*C, ra Nova.
guras^a 10, 10600 e 30 o covado panoo fi-
no preto a 10600, 20,20500, 30 e 40: ra |
da Imperatriz lojas daArara ns. 56 e 72.
Algodosinho a 30 e 40 a peca.
Vende-se algodosinho apecas.de 30, 40,
50, 60 e 70 a peca ra da Imperatriz lojas
da Arara ns 56 e 72.
Bramante a 20400 a vara.
Vende-se bramante de 10 palmos de lar-
gura a 20400 e 20500 a vara: ra da Im-
peratriz lojas da Arara ns. 56 e 72.
Algodo entestado a 10 a vara.
Vende-se algodo enfestado de duas lar-
10 a vara dito transado 10280 a va-
ra : ra da Imperatriz lojas da Arara ns. 56
e72.
Cassa franceza a 240 rs. o covado.
Vende-se cassas de cores para veslidos a
240, 280 e 320 o ovado, vendes-se cortes
de cambraia decores e com barras a 20500,
Aviso agradavel
Souza Soares 4 Irnio.
Ra Nova o. 28.
Vendem :
Lintias muito superiores em aovellos sortida
" 125000 e 2oO0 a libra.
a
Dita mais Inferior a 15200 e 1 JoOO.
Dita do gaz, preta, branca e de cores, am cai-
xas da 40 novellos, 800 reis.
Dita em caixas de 50 novoilos, branca, a 7
reis.
Dita em caixa de 10 novellos grandes, a 540
reis.

Variado sortimento de modernos chapeos e cbapeliaas de seda, de fil e de pilba de Italia,
jar.', s ntiora e menina.
Superiores tiras, bordadinbose ntrenmelos bordados em cambraia tapada e transparente.
pitia das columnas a ma do Crespo o. 13
DE
Antonio Correia de Vasconcellos & Gompanhia.
I
1 *''

NOVO DEPOSITO
FBa i)ESCAKOCAR AWWDfc) s
Manoel Benfc> de Oliveira Braga.
53-Rwi DlrelU n.-53


Neste estabelecimento se encontrarn a
verdadeiras machinas americanas chegadas ultima-
mente, a quaes sao feitas pelo mais afamado, fa-
bricante da America, por isso avisa a todas as pes-
' soas que precisarem comprar, de se dirigir ageste
estabelecimento que comprarlo da mais perfeitas
[nestei genero, assim eome mat barate do "outra qualquer parte, ppr spo que se recebe por
fita propria, bem como cannos de chnmfcfr m#i-
nhos para moer milho, e grande.80Tt1meot^4fife^
ragens e miadeas emfroeso e a retamo.
Facas de cabo.*ranoo de jneiobaUnoo a 40
*dfli. tinas'fiaas 4ie; todos oslamanbos proprias
do trbattroWe^iHotB. 1
um!^.^^^^^e SS i^irda Arara-ruada
fe gttt 20500 30 e 30500: roa da "*>~e]g-J^ covados 30.
Imperatriz lojas da Arara ns. 56 e 72. ^^ corU;s del3a para yesldos de
As-sedas da Arara 10. senhora com 14 covados o 30, 30500, 40,
Vende-se sedas de quadrinhos e com lis- 40500 e 50, vndese cortes de caifas para
tas a 10, 10200, 10600,10800 e 20, o co- homem a 800, 10,10200 e 10600, colari-
vado: pupiiinas de seda com palmas saltos nbos de linho para homem 400 e 5C0, ditos
para senhora a 10600 e 10800, grosdenaples de papel a 500 rs. a duzia, golinhas para
de cores a 10800 e 20, dito preto a 10600, senhora a 200 e 320 rs. por estes precos as
10800 e 20: ra da Imperatriz lojas da Ara- lojas e armazens da Arara, ra da Impera-
ra ns. 56 e 72. '{triz ns. 56e72.
oi rada gDrraia, at. mire i rolfc->-.. ..;.
qttf Irva amen :ne*', uih rvltrtn lyyii ^a *tB sta^
rtttocom blite-larimiiL so ;oi^io i-m-c-.s. )
/V //. *mrt.
rnl
a 60 -..- I< x
4^S/<*?> -''-{
D0CTEUR-t0ECiNs
^ET PWRMACIEN
Deposito na pharmacia
(X. em Pernambuco.
i
de P. Maurer

, >}

TRATAMENTO v C1IABLE, m PARS

AVISO AOS DOENTES. K
de
R

Metlico t'pcoIl, conauttucde*, 30, ra' Vlvlenne
Eis aqui o que do'todo o* paizes n grande amoero
8 ai: esotevem :
Nao toa co-
rado, tomei Cn
beba, Copahib*
sob todas a*
formasen) opia-
to, capsolas,
eoaeilo, tanbo
o estOKigo Mr-
dido e i.ao estoa carado? L'sei e abusri de um grande nuinero de usc(Aoaa, que areteadem
curar em 4 das, s eatou aioda mais doenlcs.
UA VAIS SO AVOS
ae euro radicalmente sera recabadas, Corrtmentot, HeifxafOo do camal, CsUrrXo 4 Umtga.
trias icmmatt, curand primeir eausa virulenta iuflamnialoria 'e&sa daenca lexaaes.
m alguBi Tidroado rae kmuiawo o saNOE. para oarar esaai affercoe, eecar o
canal e le tornar a dar sua regida du para acabar neu excellente xahopb ao TiVato dk
fiue et miaba injeccao. A cura radical, as (BNaKtaaa para o lucos raaecc, tegiem
o DWBK) tratananW. (Ftjv-s a noticia ectplicativa.)
40.000 DOENTES CURADOS
fejaaaairatuatal*au'ai,'od* acopie. a. a^rpci tu mait tnvetormia, tmpfon,
vruridot rtnu ckagat e affectH*
do Min sao curada em mus* imf t* mea sabopb dbpccativo bo ccNsaaiv m
Vwtderwwrrwflim fc.% plwniiaciafranco^
MAURER m
Dita branca e preta, em cartoes, a 160 reis a
duzia. ^^
Dita de Alerandre, carros 200 jardas, a 1*200
a d0l- .
Dita em carros, com 80 ardas, a 380 res a
doria.
Agulhas de fando d jurado muito finas, cana a
220 reis.
Ditas iogleas, sortidas, milheiro 700 res.
rampas eom cabeja de vidro, duzia a 160
reis.
Ditas lizas e crespas, mago 30 e 60 res.
Colxete em caixinhas, dozia 6i0 reis.
Dito em cartSes, daiia (500 e 900 res.
Espoletas verdadeiras, B B, caixa 100 reis.
Alflnetes em cartas grandes a 110 reis.
Ditos em cartas menores, 100 res.
Ditoa em eaixas com meia libra, 320 reis.
Botoes de madreperola para camisa, grosa 460
e 580reis.
Ditos de osso para calca, grosa 200 res.
Ditos de louca, grosa 160 e 220 reis.
Ditos de moedinba para pnnhos, a 1*600 reis
Pestes para alizar, dozia 1*100, 2*200 e 3*000
Ditos mnito superiores para bixos, duzia 2*000
ra C
Ditos para ce, duzia 1*600,1*800, 2*400 e
3*400 res.
Phosforos de cera moito superiores, duzia de
caixinhas 320 reis. .
Baralhos francezes moito finos, 200 rois-
Ditos portuguezes moito bons a 120 e 160 rea.
Espelhos em quadro dourado a 120.
Transas lizas e de caracol, peca a 40 SO e 60
reis.
Fila de la para debrum, vara 100 res.
Dita de algodo branca, peca 240 reis.
Dlt de linbo, pega 40 reis. .^
La de todas as cores para bordar, libra o#uw
r9GaiaoteMCittcerid>de baraUssioM* roe*
RA OVA 28.
iS^SlPa'rPe.pccIal b
XAROPE DEPURATIVO
DE CASCA DE LARANJA& AMARGAS
COM IODURETO DE POTASS10
DE
I.P. Laroze.
pharmaceutleo em Pars
O oduretodepotassio um verdadeiro al-
terante, um depurador de mcontestavel efi-
cacia; combinado com o xarope de casca de
laranjas margas, aturado sem pertubacc
alguma pelos temperamentos os mais fracos,
sem alterar as funeces do estomago. As do-
se matbematicas que elle contera permittem
aos mdicos de receital-o para todas as cem-
pleicoes, as affecces escrofulosas, tubercu-
losas, cancerosas e nos- accidentes intermit-
ientes e terceiros; alm d'isso, o agente o
maispoderoso contra as doencas rheumaticas.
Deposito em todas as pbarmacias e casas de
drogarias no Bnsil.
Expedicoes, em casa de J. P. Laroze, ru
des Lions-St-Paul, 2, Paris.
A' venda na pbarmaeia de P. Maurer &.
C, ra Novan. 25.
P
pachaca do Dr. Sabino O.
L. plnho.
Cha de 1* sorte para uso das
pessoas que se tratam homeopatbi-
| camente. ,..
m Vende-se em pacotes de libra a
S 34200 rs.
Rua-Nov* a. 43.
Vndese as livrarias da roa do Imperador
n. 73 (Acadmica) e n. 79 (do Rvm. Sr. padre Ig-
nacio) e na da roa do Crespo n. a. 2 (do Sr No-
gueira) a obra intitulada Pretales- da Dveuo
Internacional, com referencia, e applicajao de
seos prineiplos as leis. particulares do Brasil, at
1867, pelo Dr^ Aotoalft de Vascoacfillos Menezes
de Drommoad.
machinas americanas
para doscroar algodio.de 15 a35 serras; jen-
de-se no erVptorto'de A. Da 'MoBi, TM o Tfa-
piche b. 48,1 andar.
Paris, 36, Roa Vlvlenne, IV
DAS i:\li.ltMlWADAS DES SEXUAjES, AS A ( KEC-
COF.S CUTNEAS, F. A .TFRACOES DO SANGUB.
- 30.00> curas das imiingen$,
pstulas herpes. sarna,
eomiioet, aormonia, e a\-
rfoi,tncioaV7j do zangvf,
ifits, e ali ''ter.'i do san*
giir (Xarp vagrlnl "i mercari). Bri>urliraa
refarm- iu1.!) nii-.iK.iP. tnmao-se donf
por semana, o-^uimlo o inc.iuweuxo Depurativo:
twrvrts'Ji) na^ me mas rjoleslias.
if.. Xo ropa CUraclo de ferro
.o t# i.HAKI.K. cura miuedia*
t?y^U* *.V3 *:i:oenteiii:i!.iiieriiir(/icao.
"T*'*5 (:i Me ule ii:!jiier|iiryTc
g| .v. i^.ibaliuanw-oste^ e loru
'.Tinco !^' Biulfierc.- tsra injec?i(.neriiE en
9rt^a-;.e com o Xarope le CitraCto /- frrro.
U4nrrWiiK.,i,i r.nra na tresdiu.
PON -ADA:-Ali T+HC 5iP&TIB3
. Cru't na- 4[eqQots c "il.'JLAS VEG^TAaS DEPURATIVAS
AVISO AOS SRS. MDICOS.
Cura caianjua B lottet
coqueluche! irrilufitl
terrosas ai dm bron- ,.
chios e ledus ai itoencat
dn peiin. basta ao doeott
oHmri'l|ito de*li- Tani|.e D' FoBCBT.
<:M*UI.1C em Paru. r Vlwleaae, >-
A venda na pharmacia de P. Maurer p
e C., em Pernambnco.
uta
GAZ GAZ GAZ
Gbegou ao antifo deposito dt tfcary Porster &
C, roa de Imperador, nm carregaaieato de gai d
primeira qualidade^ qaal se enem parUdas
iretalbo por meaos ar*so 4o qaV;aiioair,~4aal
Toar parte.
"Faritia sapeior"
t" Tem para reader AntroWLaii 18 OrrteraAM
' redo ci C, noju escrrpViro, twti!Qht n. 87.
i
:
vm


J
?
MBMMMHBHBI
l-lilimnilrtl lll
m
mmmm

I
!
r.'
A
)

"r
<
*
lar

.; M S4lJ
4 Af mo 4c 4867.
tatittf*** Ih.J. C. ijer, ex-t*til
nB*flSSs**WMW l r
Itlecereja.
Malas eathartleaa.
O deposito ceatral pura as protinciaa
Pernaabuca, llagoa, Parahyba e Ro-
Grande do Norte, destes remedios to fa-
voravelmente conhecidos e aeolhidr en
todas as partes da America do Sol e do
Norte, acha-seem casa de Theod Chrls-
tlancea, 16 raa da Traplehe ea
emanaba
Os piejos de
330 por duzia de estrado de salsa-parrllha.
I7 por duzia de peitoral de cereja.
27# por doria de remedio para sezoes.
7)J por duzia de plalas catharlicas
se enteodem dinheiro vista, coa
o descont de 8 por cento em qoantidadei
de 6 a 12 duzias, e de 10 por cento en
quaatidades superiores a 12 duzias.
a

!.
-- ......
*-
GRANDE SORTIMENTO
BE
FMEWDAS B1R1TAN

=
sy.-;0'!-.
k
LOJA S ARMAZBM
X>
1 L-- W-'T T
i i \l A
K V A (
Alm do grande sortimento das melhores machinas, americanas para descarrocar
algodao, de 10,12,14,16,18, 20, 22, 23, 30,86, 40 e 50, oeste estabelecimento se
encoBtra mais o seguinte:

A gata braaca.
Ante3 de avisar a raa boa fregoezia do qne de
novo ba recebido, vai primeiro dirigir seas eom-
priroentos e agradeeiaentos ao bello Viado braoco
pelas manelras grada veis com qoe elle a ba tratado;
e assim eamprindo esse dew, deseja-lbe lambem
qoe apar da cootinoago de sna robustez tenha
erescio augmente de bons fregnetes, e mals que}
cora aquella ligelreza de qoe dispSe-se llvre-se da
pontana d'aquelles "qoe a pretexto de amostra le-
vara os bjeetes, e pelas sus Immensas oecopac3es
nao voltam mals.
Ja v, pois, o bello Vtade brinco qne a agola
aprecia o seo bondoso tratamento, e Ibe deseja om
feliz porvlr: Awin dito e lelto, vai a aguia bran-
ca satisfaaer a sna boa fregoezia, peta obrigaeao
em que esta' de continuamente scientiflca la do
qije de novo receben, peto qne avisa-a, de qoe aca-
ba de obegar para a loja d'agola branca, a roa do
Qoeimado ni 8; o segoiote :
Coqoesnovo8 de lio jos e variados moldes.
Enfeites modernos e bonitos para senboras.
Cintos de postas enfeitados com vidrilbos.
Corooes grossos, pretos e de cores com vidrilbos
para enfeites de vestidos.
Trancas-pretas e de ontras cores, tambem com vi-
drilbos para o mesmo flm.
Guarnieses pretas para basquinas, vestidos etc.
Trancas-e- galoes de seda para o mesmo.
Dita dita de Ida e algodio.
Fitas de vellodo de cores, lisas e cbamalotadas.
Bicos de seda.
Fitas de borracha para cintos.
Ligas de1 seda pira senboras e menina?.
ntremelos e babadiohos bordados.
Golliohae e pannos bordados para senborai.
Collernbos para bomens.
Abotoadaras de diversas qoalidades e preeos para
coletes.
Ditas ditas ditas para pochos.
Bonitas correles pretas para relogfos.
Aguia Branca a' roa do Qoeimado n. 8, re-
eebeo :
Caixinhas com dous baralbos francezes, de colo-
ridos unos, eoterraeados coto doorados, papel en-
cornado, lastrse e opaco, obra rouito boa.
Ditas com tentos de osso, marQm e madreperoia
para voltarete.
Penteade marfim eon cbapa e sem ella, para
limpar caspas e tirar bicbos.
Ditos'finos d'osso e tartaruga para o mesmo
Ba.
Ditos de osse baleia e tartaruga para desemba-
rcar.
Ditos, de ditas dita para barba.
Ocalos de peneira para quera soflre da vista.
Outroe de difereates graos e cores, com arma-
goes d'aco fino. *
Outros lambem de armagao fina, vidraga de co-
res.
Lonetos ou pincenez com armaoSo e ac, b-
talo e tartaruga, vidros braocos e de cores.
Envelopes pequeos bordados.
Dito ditos opacos e grandes para offlcios.
Frasqolnnos eom superior tiola carmim.
Stereoscopos e vistas.
Acaba da chegar am nevo sortimento e contt
ouam a seren vendidos por presos eommodos.
Metas
Pretas de !a e laia para padres.
Brancas de la para bomens e senboras.
Ditas de borracha para quero soflre iuxago as
peroas.
Barretos oo carapugas brancas de algodo.
Essencta de ail, e bolas de dito para en-
gommado.
Veo lem-se na loja d'agoia branca, na roa do
Queimado n. 8, sendo a essencia em frasquiubos a
500 rs., e as bolas a 60 rs.
Lencos de cambraia braceos e de cores com
barras de cores fixas
Ja no a prlmeira vez qae a aguia branca ven-
de desses lencos da marca BBB, isto bons, bo-
nitos e baratos, por isso approveitem todos essa
nova occasio de se proverem desses sempre pre-
cisos lencos, cuja commodidade de prego anima a
fazer-se o gasto ; costara elles 3J60O a duzia, e os
pequeos para meninos a 800 rs. a dozia. Quera
se dirigir a loja d'agoia branca na raa do Quel-
mado n. 8, coohecera' qoe taes lencos tem as qoa-
lidades cima ditas.
Novo sortimento de albuns de 50 a 200
retratos.
Vendpm-se sempre por preeos eommodos; na
roa do Qoeimado, leja d'agoia* branca n. 8.
Bolas de borracha para bria-
qaedos.
Vndanse na rna do Queimado loja da aguia
branca n. 8.
Carretela de retroz para ma-
chinas.
Vendem-se na rna do Qoeimado loja da agota
branca n. 8.
Papel paqaete.
Vende se na raa do Qoeimado loja da aguia
ranea n. 8.
Na ra do Trapich n 16.
acharase os seauintes depsitos
De 11. Bruniigliaas em Nnits.
Boorgogne.
Vinbo Pommard tinto.
* Cortn tinto,
a Saato Georges tinto,
a Cbambertin tinto.
Ricbebonrg tinto,
t Clos de Vougeot tin o.
Cbablis branco.
De M. A. Woef em Francfort
Bbeno.
Geisenheimer.
Liebfraomilch.
Marcobranner.
Em casa de Theod Cb'ritnsen, roa do Tria
Sche-novo n. 16, nico agente no norte do Brasil
a Brandenburg (rrea, Bordeanx, encontra-wa
tactivamente deposito dosarteotsejrplaHs:
St.Jtrtien.
St Pierre.
Laxse.
Chateau Loville.
Chaleco Marganx.
Gran vin Ctatean Laflttt 18B.
Chalen Lafitte.
Haot Saoternes.
Chatean Saoternes.
Chatean Lauar Blanch t.
Chateau Yqnem.
Cognac em tres qoalidades.
Azettedoce. Prejos de Bordeanx.
As agricultores
Saonders Brofcers A C. acabara de reeeber de
Ukerpooi vaporea de forga de 3 a 4 wHM'iai
todas m perteneet e moi proprios .para azer mo-
ver macbnas da detearoear alfodao, podando ca-
da vapor trabalhir al com 140 serras, tambem
serve para enfardar algodio oo para ootro qoal-
qoer servico em qae asam trabalhar com animaes.
O meamos tambem tem a venda machidas ame-
ricaoas de 38 a M aeras : os prete o denles dirl-
am-se ao largo do Corpo Santo n. 11.
Azeite de espermacete propria para machi-
nas.
.Vapores de forca de 3 a 4 cavallos.
Serras avulsas para machinas.
MancSes e todos os mais prtences para as
mesmas.
Carros de mSo para aterro.
Cylindro para padarias.
Debulhadores para milho.
Arados americanas.
Carrinhos proprios para armazens.
Moinhos para refinagao.-
Idem para milho.
Escadas de madeira americanas.
Caixas com vidro sortidos.
de todas as qualidades.
Bombas de japyz.
dem americanas.
Ferros para engommar a vapor.
Vassonras americanas.
Baldes americanos para compras.
Tinas de madeira.
Ballaios e cestas de verguinha.
Guarda comidas.
Penetras d'arame para padarias e refinac^es-
Correntes para almanjarra.
Machados e facoes americanos.'
Barricas com milho branco americano.
C p^
f !
Ra da Imperatrli i. 6k
GAMA MWLWA.
Os proprietarios deate grande estabetecanento acabam de recebar da Europa nm
grande sortimento das melhores fazendaa d&Ba, linho, algodao eseda, as qnaes vendem
por preeos baratissimes, afim de aporarem dinheiro, dando de todas ellas amostras,
donando flear nm peohor ou mandam-nasdwr em casa das Ex mas. familias pelos seos
caixetros, assim como as pessoas qae negeciam em pequea escala, neste estabelecimeo-
to compraro pelos mesmos preeos qoe se compram as casas inglezas, ganhando-se
apenas o descont.
Casemiras pretas eafestadas a | 6aa.
Na loja do Pavso vente-se superior casemira
entestada preta para caigas e paletos pelo barato
prego de 1J60Q o corado oo a i#80 eada c rte
de calca, dita mnito. mais fina, covado a 2,5200
on o corte a 3,5500, ditas moito finas sem serem
entestadas a 1,1808, 2O00 e 2*500 cada covado:
na loja e armazem do Pavo na roa da Imperatriz
D. 60 ftfl film. Cilnt

Armazem de fazendas finas para grandes toiletts e uso
ordinario para todas s classes.



mm m h

raa do Crespo a, 9 A. esquina da do Imperador
DE
Custodio Jos Alves Guimares.
0 proprietario deste" importante estabelecimento avisa ao respeitavel publico
e aos seas amigos e freguezes que acaba de reeeber pelo vapor francez Guienne, di-
versos artigos de moda, os quaes s5o de completa novdade para este mercado, e apro-
ximando-se o dia da commbmoraca do anniversario do Hospital Portuguez, por isso
apressa-se em vtr avisa-los do que ha de mais moderno em seu estabelecimento, como
sejam:
Riquissimas chapelinas com-coque. Lavas de Joavin preta, branca e de cores.
Ditas sem elle. Liados cortes de la com barra.
Lindas chapelinas de palha da Italia. (Re-,; Riquissimos cortes de^traosparent dese-
mmeoda-se muito estas chapelinas por se-;da para vestido de senhorastambem novi-
rem inteiiament novdade).
Riquissimos ciotos de seda, com matames
ebioeza, ultima moda.
Lindas saias de 15 com bordados, proprias
para as excellenttssimas senhoras trazerem
por cima do ba!3o, ultima moda em Paris.
Lindos cortes de seda para vestidos.
Moireantiqae branco, azul e preto, fazen-
da inteiramerite nova.
Grosdenapoles de todas as cores.
Ditos pretos.
Leques de madreperoia.
Ditos todos desndalos.
Ditos de sndalo tendo no centro um qua*-
dro de seda, inteiramente novidade e ulti-
ma moda.
Chapeos de sol. para sonhora.
Ligas de seda para seahora.
Ditas para meninas.
Espartilhos para senhora.
Riquissimos enfeites para senhoras, intei-
ramente novidade.
Baloes para senhoras e meninas.
Touqoinhas ricamente enfeitadas.
Coeiros bordados.
Toalhas de labyrintbo muito ricas.
Ricas fronhas de labyrinto.
* Riquissimos lencos de dito.
Rendas.bicos da trra e grades para lencos.
Um rico lencol de laberintos.
Riquissimas basquines de seda preta, bor-
dadas com gosto.
0 dono deste importantissimo estabelecimento contina nolouvavel proposito de
querer vender muito e ganhar pouco, sujeitaodo-se a tirar em soas mercadorias um lacro
rasoavel, para assim poder melhor agradar aos seus numerosos fregaezes.
para
dade.
Lindos cortes de 15 com listas de seda.
Riqassimas fivellas para cintos.
Filo de seda e de linho.
Riquissimas camisinhas para senhora.
Riquissimas saias bordadas.
Punhos e gollinhas para senhora.
Riquissimos manteletes de cores, inteira-
mente novidade.
Peitos de linho bordados -com goslo pro-
prios para camisas de noivos.
Collarinhos de linho lisos e bordados para
bomens.
Lindos veos e mantas de blonds.
Riquissimas vestimentas para baptisados
contendo cbapeosinbo, sapatinho, meiasinha
e camisinha com lindos bordados.
Riquissimos chales de touquim.
Grvalas de seda branca para noiva.
Ditas de cambr.ia de linho com bordados
as pontas, novidade.
Chapeos deso de seda com castao de
marfim.
Ditos de outras qualidades.
Chales de seda.
Ditos de cachemira.
Chapeos de seda preta para homem.
Ditos de pbantasia para homem.
Casemira preta muito fina.
Ditas de cores inteiramente novidades.
Cambraias, 15as, chitas, madapolSes e ou-
tros muitos objectos.
-
a' LOJA DE FAZENDAS DE AUGUSTO PORTO
11Ra do Queimado11
& c.


Angosto Porto 4 C. acabam de reeeber da Europa superiores cortes de seda de cores par
bailes e casamento!.
Ricos cortes de blqnd cea manta e capelhv para noivas.
Cortinados bordados -para esmas de noiva* e janellas de 1} a 805 cada om.
Colzas de seda e ootras de la e seda o qae ha de melbor para camas de nolvas.
Toalhionas de croetj para cadeiras e sos, espartilbos a saltana para senhoras, camisinbas
com mtngnitos bordados e lindos eacbovaes para baptisados, e balSes de masselina e de arcos para
senboras e meninas.
Lnvasde pellica para bornea e senheras^e-superiores chapeos de sol de todas as qoalidades.
Laa para vestidos baratissima bonitos padrtes o covado a 380.
Tapetes grandes para oa, ditos para pao, ditos para cama e pequeos para portas e janellas-.
Moir braoco preto soparior para vestidos de Irados desenhos, grosdeoapte de todas as Cores
seda ie e^nadrinbos, cambraias brancas de maius qoalidades, ditas de cores e lindas percales.
Basqovnee-de sed*preta oltima moda, ebates eTetondes de eoipare, vndese barato.
Camisas para, horneas francezas e ingleus de linho e de algodo finas e seroolas de linho su-
periores.
Capas-de borracha, sobretodos e peroeiras as melhores e mais elegantes.
Halas gri*d*s para vlagwas, ditas peqnenas e aaocos de tapete e conro.
Bramante brancode 4 largaras a 2#SO0 a vara,pannos pretos e zoes, casimiras pretas e de
cores tndo bom e barato. ,
Neste eeubelecimento ha sempre nm completo sortimento de boas faxenda unto para a praca
como para o eeatroda.provincia eeopertoreeobjeetosproprios para casamento como sejam capellas,
mantas, vestidos de blonde e deolr bntneo, eorttnades, eolebas, vendeodo-sa todo mais barato
tambem as melhores
Esteiras e alcatias para forrar salaac.
ll-naa doQaelmaoo**
Vetjifcaeem easa de Saonders Brothers & C,
o larjago Corpo Santo. 11, Vapores patentes
om todos ot pertenees proprios para ftxer mover
es oo qnatro machinas para desearoc,sr algodao


-

Nowe grande deporto de ^iperior mrf&> de
Befea.
Antonio Gomes dos Santos & a, roa Santa Barbara n. 1, es%rtttrttdos a sappnr de
rtio em condlcSes mais favoravels qoe em ootto qaaiqaer deposito, a todoy.o* DpTios a vapor o,
' cerfon oaonalia porto- A contratar neits com Domingos Arres
eos.,i
o. 60 de Gama & Silva.
Espartilhos.
Vendem-se magnficos espartilhos francezes e
Inglezes na loja e armazem do Paveo, na rna da
Imperatriz n. 60. de Gama & Silva.
PANNOS DE CBROCrn?.
Vende-se om grande sortimento des mais boni-
tos paraos de caroches proprios para cadeiras, so-
phs, cadeiras de bslanco, para almofadas e para
cobrir presentes, e vendem s por preeos baratos
oa loja e armatem do Pavo, rna da Imperatriz
n. 60, de Gama & SHvn.,
FAZENDAS PARA LUTO.
Leja o pava.
Vende-se setim da Cbina preto sendo orna fa-
enda moito leve e sem lastro com 6 palmos de
largara proprio para vestidos e roopas para ho-
mem pelo barato prego de 2JO0O o eovado meri-
no preto entestado mafto bom a 44600, superiores
bombazloas pretas a 1*600, 14800 e 21000 rs. o
covado, superior canlo a 4*200, lanzlnha preta
lisa a 400 eoOOrs. o covado, nm grande sorti-
mento de alpacas e princezas pretas qae se ven-
dem mais barato qne em ontra qnalqner parte, na
loja e armazem do Pavo, raa da Imperatriz, n
60,e d Gama & Silva.
As 10 mil varas de cambraias
Covado-300 rs; vara 500 rs.
SO o pavao
Vendem-se finissim cambraias france-
zas com listras miuda.. e graudas e com
lindos desechos de flores e palmas, sendo
todas com as cores mais modernas e mais
lindas que tem viudo ao mercado, pelo ba-
rato preco de 300 rs. o covado ou a 500 a
vara, grande pechincba altendendo a
grande -porfo que tem, senao seria para
muito mais dinheiro : isto na loja e armazem
do Pavo, roa da imperatriz n. 60 de Gama
Silva.
Chales baratas
U, 30500, 60 e 70000.
Vendem-se chales de merino estampados
a 20, ditos lisos a 30500, ditos estampados
unos a 50500, 60, 60500, ditos crepon
com listras de seda a 70500 e 80000,
pechincba: na loja. e armazem do Pavao
ruu da Imperatriz n. 60 de Gama e Silva.
Notos Testidoa a 6$000.
Na loja do Pavo.
Cbegaram os mais modernos e bonitos cortes
de organdys para vestidos, tendo 10 varas c da
corte, sendo 7 varas listadas para salas e 3 varas
sem listas, mas com enfeite para o carpo (on ea-
saquinho) garante se neste genero ser o mals mo-
derno que tem vindo ao mercado, tendo t ntre el-
les muitos brauecs com listas e enfeites pretos, e
vendem-se pelo barato prego de 6, onlcamente
no armazem do Pavo raa da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Para camas de nolvas.
Vende o PavSo.
Ricos cortinados' bordados a 8J0Q0, 105,165,
205 e 25A o par ; assim como os mesmos tambem
servem para jaoelias; ditos adamascados a 105 e
125 -, bonitas pegas de cassas adamascadas para o
mesmo effelto; bonitos damascos de la de ama
e duas largaras, proprios para colchas, assim oo-
mo bonitas colchas de croch : tugu isto se vende
mais barato do qoe em aotra qailquer parte, na
loja do Pavo, roa da Imperatriz n. 60, de Gama
dt Silva.
Organdy a 4000.
Vendem-se bonitos cortes de organdy
sendo com listras todas brancas ou com lis-
tras de cores tendo oito varas cada corte,
pelo barato preco de 40, pechincha: na
loja e armazem do Pavao ra da Imperatriz
n. 60 de Gama e Silva.
Atoalhados para meza a 20000, 20500 e
30000.
Vende-se superior atoalhado de lioho
adamascado alvo com 8 palmos de largura a
30 a vara; dito adamascado pardo a 20500
rs.; dito alvo de algodo a 20000 rs.; dito
trancado alvo, sem ser adamascado a 10600;
gua'rdanapos econmicos pardos a 30 a du-
zia ; ditos alvos a 30500 e 40000: isto oa
loja e armazem do Pavao roa da Imperatriz
n. 60 de Gama & Suva.
Casaqninhos de fil.
Vende-se os mais modernos casaqninhos
Ou basquinas de fil preto pelo barato pre-
co .de 160, chales e retondas de renda preta
na loja e armazem do Pavo roa da Impe-
ratriz n. 60. De Gama & Silva.
Cambraias largas com 8 Palmos de largura a
10 e 1280.
Vende-se cambraias largas da Escocia ten-
do 8 palmos de largura que falicita fazer-se
um vestido apenas com 4 varas, pelo bara-
to preco de 10 e 1280 res a .vara pechin-
cha na loja e armazem do Pavao ra da Im-
peratiz n. 60. De Gama & Silva.
Cambraias escosezas tapadas e transparentes.
Vende-se um magnifico sortimento de fi-
nissimas cambraias brancas para vestidos
tendo mais de vara de largura pelos preces
de 100,120, 13#, assim como um grande
sortimento de ditas mais abaixo de 40, 50,
60, 70 e 80, garaoUndo-se aos comprado-
res que neste genero nao podero comprar
melhor em outra qualquer partee s na lo-
ja do-PavSo ra da Imperatriz n. 60'. De
G-ma & Silva.
Damascos para colchas a 50, 20500 e 800 rs.
Vende-se o mais superior damasco com
8 palmos da largura proprio para colchas
com os desenbos mais bu ni tos que tem vin-
do ao mercado com urna s cor e de duas
cores pelo barato preco de 50 o covado, di-
to eom 6 palmos de largura a 20500, ditos
dauma se rgora a 800 reis, na toja do Pa-
vao ra da Imperatriz n. 60. De Gama &
gilva*' .aweeaoi.
Cassas de orna s cor a300rs.
o covado.
Vende-se bonitas cassas de urna cor s.
teodotcsf densa mu), cr de lyrio, roxa,
verde e cor de canoa, ^fcto barato preco de
gOO rs. o covado: na loja e armazem do
PavSo roa da Imperatrk o. 60 de Gama
Silta.
Vestidos ue rantazia a 60 e 80.
Vendem-se bonites cortes de vestidos de
fantazia com lindas barras e enfeites de seda
pelo baratsimo preco de 60 e 80 na toja
e armazem do Pavo ra da Imperatriz n..
60. De Gama & Silva. ,
Pannos de linho.
Vende-se superior panno de linho puro
para lenges e ceroulas a 640, 700 e 800
reis, a vara na loja e armazem do Pavo ra
da Imperatriz n. 60. De Gama & Silva.
Bramante de linho a 20 20400, 20800 reis
a vara.
Vende-se superior
DAS
Basta*
Vaqaetas de lustre proprias pira eobertas di
carros, moito novas e da melbor qoalfdade pos-
alvel vendem-se por preco raxbaveis n roe da
Cadeia n. 86 A.

ji" ar*
,

GRANDE BAZAR
ra Nova n. 20 e 22
Machinas pa^a costura do autor Wheeler
4 Wilson, chegadas ltimamente da Ame-
rica; Das qnaes pode cozer-se com dous
pespontos, todae qualquer faienda, emba-
mbar, fraDgir. bordar e marcar roupa tudo
comperfeico. Sao to simples, quecom-
prebende-se fcilmente
- a maneira do traba-
, bramante de buho S?^?^^JractdM*ar"-
com 10 palmos de largura proprios para riWiporduoetT,o qoe fo-
toncos, pelo barato preco de 20, 20400 e M"^e?f
208 ?0 reis a vara, na loja e armazem do r3^n2l esl.eteSlabeIeimenlV aUeD"
Pavo ra da Imperatriz n. 60. De Gama SSSLE?''co, y.sto que elle se acba com-
a sva. | pletonente sortido de objectoa de goato.
-
AlgodSosinho enfestado a 10 10290 reis a 2!? vemJeqf de mad!:ePeroIa, e & san-
vapD i daI fivelas, fitas para cinto, cokes
vara.
- perfu-
Vendem-se superior algodosinho ameri-, ma1'a e?C' an *
Na ra nova n. 20 e 22. Carneiro Vas-
cano enfestado que a largura delle d a lar-
gura do lencol, sendo liso a vara a 10 e sen-
do trancado a 10280 na loja e armazem do
Pavao roa da Imperatriz n. 60. De Gama &
Silva.
Punhos e golinhas a 10000 o par,
s o Pavo.
Vende-se nm grande sortimento dos mais
bonitos e modernos punhos com golinhas,
sendo de esgoio de linho bordados a 10000
o par, ricos manguitos com gollinhas de
cambraia tapada e transparente a 20000 o
par, pechincha; na loja e armazem do
Pavo ra da Imperatriz n 60 de Gama V
Silva.
Caleinaas pera meninas a 640 e
800 ris.
Vende-se calcinhas bordadas para meninas
que andam na escola pelos baratos preeos
de 640 e 800 rs., manguitos para as mes-
mas e para senhoras pelos mesmos preeos,
na loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60,
de Gama Silva.
Baldes de canda,
Vendem-se as mais modernas crinolinas on ba-
ldes proprios para vestidos de caoda, sendo os
melhores e mais modernos qoe tem vindo ao mer-
cado e por preeos moito razoavels: na loja e ar
mazem do Pavo roa da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
Laas transparentes.
Cbegaram as mais modernas barejes oo lasi-
nbas'transparentes com bonitas listas de seda,
vendem-se na lo]a e armazem do Pavo rna da
imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Casaqninhos para senhora
Chegaram os mals modernos casaqninhos oo ja-
quel >s pretas ricamente enfeitadas sendo com cin-
tura e sem ella, pelos preeos mals mdicos qoe em
ontra qnalqner parte : se vendem na loja e arma
zem do Pavo roa da Imperatriz n. 60, de Gama
& Silva.
aIesa;*5oo e3g.
Vende-se nm grande sortimento de crinolinas
oo baloes de arcos para senbora pelos baratos
preeos de 2i, 2500 e3 por ba ver grande por-
co : na 'oja e armazem do Pavo rna da Impera-
triz n. 60, de Gama & Silva.
HadapelSo e algodo
Vendem-se sopenores pecas de madapolo ten-
do 24 (ardas cada nma pelos baratos preces de
6, 6,8500,1} e 8#, ditos francezes fazenda muito
superior em pecas oo a retalho, algodo moito en-
corpado pecas com 20 jardas a 51500, 6S e 6J400,
dito mnito fino qoe serve at para camisas a 8 :
na loja e armazem do Pavo roa da Imperatriz n.
60, de Gama & Silva.________________
na &c.

v ATTHWCAO.
Vendem-se as casas terreas ns. 7 e 9 da ros Je.
Motocolombo, tendo cada orna 2 salas, 3 qoartos,
coznha fra, cacimba, e om pequeo qilntal mo-
rado e cbaos proprios: a tratar com o agente Mar-
tins, ra do Imperador n. 16
Fabrica
DE
CERVEJA NACIONAL
- De UeDi'ique Leiden
O proprietario deste estabelecimento nin
poupando esforces nem dinheiro para agra-
dar ao respeitavel publico e seus numerosos
freguezes acaba de installar para commodi-
dade e interesse dos mesmos.
Um deposito gral oa roa da Impera-
triz ii. 32
Aonde encontrarlo sempre um variado
sortimento quer em grosso quer em retalho
dos gneros seguintes:
Cerveja nacional branca e preta.
Vinhos finos e outros de Franca e Alie-
manha.
Absyntho Suisso.
Kerschenwasser.
Cognac.
Vinagre branco e tinto de superior qua-
lidade, tambem tem deposito de agoa e li-
monada gazoza da fabrica do Sr. Jules Gros-
jean.
E twdo sem differenca no preco que se
fechou na fabrica.
Qualquer encommenda que fr enviada
ao deposito ser immediatamente apromp-
tada e remettida ao domicilio do comprador.
. i




VENDE-SE
Motores americanos para doos cavallos.
Dito dito para qnatro cavallos. _
Machinas para descarocar algodao de 1, to,
18,20 30, 35 e 40 serras.
Prngas para enfardar algodo fazendo os sac-
eos com 6 palmos de comprimento com o peso de
150 e 200 libras, viadas ltimamente da America
no armazem de Henry Forster & C, no caas Pe
dro 11 n. 2 junto ao Gabinete Portuguez.
Collares Royer magnticos
Medalhas e pnlsiras magnticas.
A Agnia Branca receben nova remessa dos pro-
veltosos collares Roytr magnticos, ja sommamen-
te conhecldos para preservar as convulsoes e faci-
litar a denUeo das crianzas.
Com esses uteis collares elctricos magnticos
tambem nao peqoenas quaotidadee de edalbas
e pnlsetras elctrica! magnticas coja ntiltdade
tem sido aproveitada por qoem soflre do nervoso
bypocondico, tremores as mos etc.
Assim como os collares Royer esto geralmente
conhecidos e acreditados pelos efflcazes eBeitos e
bons resoltados qoe tem colbido a peesoas que
delles tem osado ; assim lambem chegaram a ga-
nhar tio alta reputacao essas apreciavels nedalbas
e pulseiras magnticas, nma vet qne oiw
fr se estendendo a todos qoe deltas necessltem. A
Agola Branca contina a reeeber por todos os va-
pores franoeaes nma etermlnada quantidade des-
ses sempre preciaos e estimados soltares Royer
magnticos e por IssO Oque o lenbrca' tos
qoe os acbarao coBstantemee em dBa loja da
Agola Branca, toa de Qoeinaad n..
Fogio na noite de 25 du correte i escrava
crionla, Benedicta, natural desia provincia, de
45 annos, foi comprada a Jos Jo?quim Lopes Pe-
reir Guimares, em Janeiro de 1866, morador em
Tiglpi, esta preta venda pao, agoa e lavava ron-
pa ; tem o? signaes segnintes: altura regnlar, edr
(ola, algnns cabellos brancos, olbos pequeo- e
braocos, nariz cbato, bocea grande com falta de
denles, rosto curto, ps chato mettendo para dentro
qoando anda : quem a pegar leve a roa da Con-
cordia o. 40, qoe sera' recompensado._________
Fundi^ao dAurora em
Santo Amaro
Completo sortimento de taixas batidas e (andi-
das, alambiques 3e todos os lmannos e fondos de

,
ditos, moendas de todos os tamanbos de superior
qoalidade, crlvos e boceas de fornalba, o qne lude
se vende por coomodo prego^____ ________^^
i
Escravos fgidos

AUenco.
o
4*oooe.
Contina andar fogido do poder do abaixo as-
signado,' desde o dia 12 de margo do corrente annt
o sen escravo pardo claro, de nome Cyriaco, co
os signaes seguintes : representa ter de idade 40
annos, rosto redondo, e om tanto envergado, olbos
empapujados e fondos, bocea granae, betcos gros-
sos, barba fechada e rniva, ps e maos grossos e
carnudos, peitos vermelhos e cabelludos, cabellos
crespos e avermelbados, eosloma andar armado de
lacio e nma bayoneta n'nm pao, gosta de tomar
cachaga, e qoando fiea bebado da para poeta e re-
grisla : rog-se, portanto, as autoridades policlaes
e capilies de campo a apprehenso de mesmo, e
lav-lo .a sen senbor o abaixo assignado, ao en-
genho Pedregnlbo, em Nazareib, qoe sera recom-
pensado com a gratificagao cima.
Jos Ignacio Ferrelra Torres.
ni .....

P
.

GRANDE BAZAR
RAKOVA'If.-0B2a
t
l


'-'?
de gratificago
Contina a esUr fgido o escravo Simeo.de a-
o Mogambique, idade da 40 annos, tem os stg-
naea segnintes: sem barba, com talhos em cirao-
lo redondo ao p das orelbas, alto, falta de deate*
na frente, semblante carregado, levoacalea de ca-
semira de cor em bom estado, chapeo de maca
novo, camisa de algodao branco ; este escravo foi
comprado em abril de 1864 ao Sr. Jos Vicente
Lindonso, morador na provincia das Alagoas, per
seo procurador o Sr. Joaquina Cavalcanti de Albo-
qnerque Mello, morador no termo de Barraros,.
por isso talvez qne dito ercravo tentaa seguido al-
gnns daqoelles lagares; roga-se as aotoridnes
policlaes a aoa apprebensi, assim como aos ca-
Sltes de campo, lvalo a sen senb(r Benwrdmo
ntonlo eeretra Batos,>na toa Direitt n. 30, ^


H
i
oi
Reelfe qne dar' a gtittto*Vf> ***:
Machinas para desaromar algodio. dome
mor wior qoe4envapparenoo na ahwiw- ZS~SS Wr WaSSee* -=
E* tal a execucSo do miebraisms, qoe o'at- J,|;ra Ventar, *e'l*lJ22?;
godloeahe qwsVUopertWtowmff'o'dsbu- rM^^SwSRSi-
landelra. RecoaiaioBda-se a atenco doa ^.^^-^^porunttH'Wat
Srs. agricultores, estas machinas.
" i. .....''"LL"" '"-
Bren
rato : no armaaeo da bota-taaarelta se
secretaria da poiicia.
sraasar.ss
!
I
'I,, t
morwtorcpjetemappareoidona America- ^S,Wfl*SK
limados,, ..
ago>,.tem
_.Tdo, eio--
, poriit;"as antoridaiJes
d4;e%i5^l*.^ ?f*
Tappreienalo da mesma, elvala k tHineaea
t^MSnaMr, b*alad Vend^trea m*m. -s,- ^t^TSS^t
m im. nnM.rm da boUianaaf elta se. muo 4 <" BW mM
Das.
mmmm



r,-
6
Diarlo de Persa bnc* *iexfa felra de Agosto de 1867.
..... -,.-,, ,. ,7 ___________
GEiL
aHiRlDOSSiSDMITADOS.
KBssAO EM 2* E7ULH0 DE 1867.
PUESIOSKCIi D0 gR SU.VE.RA DE *OUZA (VICE-
PRESIDENTE )
''(oliTiuaca y.Wf '*/JM
V Sao passagiiros de re os officiaes,
soas f mnM8, cadetes e os oais, que asara
tormn (tatuados na o.-dero para adra issSo
a berdo; t ..ios o oiitros serio considera-
dos passageiros de convez.
'V As comedorias ser5o diarias e ?bo-
Bjkba -te de odia do embarque at o dia da
die^ia no porto do destino.
4" As demoras -te eitbarque no porto
oo lastmo oso direito a coDiinuacao do abo-
l" de comedorias na razio de 3^ diarias
pira osp.s>ageiros de re, ede 600 rs. para
OS de ronvez.
to, sob pena do proprieta rio ou commandan- cootra-Io em oulroa Estados. J v o nobre
te do vapor pagar o excedente. 'Tt/lTf^VB&do'fWy I*Bo : Poiia decidir-me pela
- ,2* Todo o carvao, tanto receba' como'arnsV-Chtattpdl, niqe a Franca, tendo
endolado adaptado e era invento seo, j deixa de lado
3 jf e njM neje aoutfo fyalef qae s5o re-
r nniicon? idamente memores a simplesinspec-
despendido a bordo, deve ser
no competenteliiinjajfrftifijj
3o Alm desse livro aeve haver un
outro, em o qual o 1* machinista de bordo
Mnencione na pagina osquerda o carv5o re-
i cebido, sua qualidade e o porto em. que
tiver lugar o recebimento- ena pagiol di-
reita o carvao despendido, e em que fia- um engao do nobre Reputado.
confia
ci. '**
O Su. tiMA Ddarte :Eu referi-me
parecer di cPmmi^p.
O Sr. Mi.\io d*,Gbbrra :E' ainda
ao
modos : fea
sao, amai
Paia pagamento de comedorias deve
oxliibir-se ordem de embarque e attestado
do diaem que se efectaou; docamento jus-
Uticitivo .i.s demoras as escalas ou arri-
bad j- fiircdas; attestado do dia dachegada
co .lec'ar c5o dos passageiros transporta-
dla,^! m para demora dos passageiros
Irausp -r ad<, e ordem para demora dos
pas.sa/H'ms a bordo, com declarado dos
dn5.ie^.atno caso de que o desembar-
que i3i seja immediato.
Os ommandantes dos transportes,
que, em v rtude de declarado expressa em
cuanta, t:verem direito a maiores come-
doras. preiicber5o as mesmas formalidades
para imereapagamento, nao percebendo
p-rem, m dores dianas nos das da demora
ue ias>ag.ro8a bordo, depois de fiada a
via^ein. do que asqoe vao aaui designadas
em Krl.
7* Toda equalqaer demora em pro-
< longag|e de viagem sem motivojustificUo e
couipruvado nao d abono de comedorias.
Palacio do Rio de Janeiro, era 27 de
oirc-i "f* 1867. JoSoLustosa da Guana
raianga. >
Pj. lant i, esses abusos para os quaes
alba* -u reconheco baver grandes tenden-
cias tamo quanto humanamente era poss-
vui irfirr, o foram as providencias expe-
j*s oelo governo. Nao ha muito lempo
vi u u.i.jurnal urna noticia que naturalmen-
te coincide -com a censura do nobre depu-
tado a respeito de vapores que se demoram
mais lempo do que deveram para augmen-
t" js lucros. Os nobres deputados
&a > lie ue ver, pelas citadas instraeces,
5e os das de viagem estao "regalados con-
iJ.'mS i distancias conbecidas: a forca dos
v. purea 'ata estipulada nos contratos, o ca-
lado, tudo est especificado, afino de que se
pide. !(> exercer activa fiscalisaco, n5o se-
jaui freq-lentes os abusos, como os que re-
ferio o nobre deputado, deter um vapor le-
vad (eimsiado tempo no Rio da Prata, de
Montevideo ao Passo da Patria.
Ora, lendo eu em urna correspondencia
que o.i dos nossos transportes a vapor tinha
levado maiio tempo, alm do necessario
para aquella viagem, mandei syndicar do
fect e espero as convenientes mormacoes,
flgatiUM d-is quaes j ebegram, e por ellas
pareoe que a demora a que se alluie fui
4v ia a ter o vapor rebocado a dous na-
tos cou luzindo fardamento, etc.
E' evidente que urna embarcacao em tal
circunstancia nao pode ter a mesma marcha
da gil* navega s, com a sua propria carga.
tomo qjer que seja, as ordens foram ex-
1 pedeUteai tempo para Montevideo e para
Corranles, e dirigi-me tambem ao nosso
gener*! commandante em chefe interino dos
exerciiua alliados, exigiodo informaces a
esle respeito ; como disse, algumas dessas
ififonu.c5es j vieram, e dSo em resaltado
que a -.rflici do declarar; asseguro, porm
que si as nutras que devem chegar breve
So satiMizerem completamente, o contrato
era rescindido.
J v, pois, o nobre deputado e a carai-
ra qon esle servico tem melborado muito,
e eia de modo a poder ser fcilmente fisca-
lisa lo.
Nao ficaram ui-to as economas qae flz
nesie faino de servico, que aaobre depu-
talo se a^urou como lo malbaratado.
Alm das economas aponiadas, que po-
de u s r oreadas em cerca de 400:030$ se
ge Uiender dirainuicao dos fretes dos va-
pores, e aos descontos a que estao sujeitos
05 couraandantes emcoosequencia de de-
ii 'tas nao justificadas, accresce ainda que
pelos contratos anteriores os pratics desses
Npores iransportes eram fornecidos pelo
govdrno, eu consegu que o fossem pelos
donisdos proprios navios.
Nisl i ha urna grande economa (apoiados)
e ha taoinem outra vantagem, que sendo
Os praiic'is da confianca dos donos dos na-
4\os. ntt de seas preposlos, em tempo alguno
fio.ierao aquelies reclamar do governo qaal-
Qu--r imiemnisac3o por prejaizos oa avarias
Em seus navios, allegando n3o serem da sua
cmiti MQ4 os pratics dados pelo governo.
(\|M)d0S )
Tenlw aqui um pequeo mappa de vapo-
re > frealos ao ministerio da guerra, e qae
4e u receido pratics por conla dos respee-
es?a -l^speza, e nello se diz o seguate
t V^pnr Mrquez de Caxias, praticagem
po Rio la Prata e Paran, no mez de abril,
- tres vez s a 3000 cada ama 9000.
Vapor Altee, dem (Rio da Prata e Pa-
ran) em aoril e junho, tres viagens, a 3000
-01 *.
Vapor Teixeira de Preilat, a mesma
cousa, etc.
Fnram pratics cuja despeza correu por
coma d-s propriotarios, resultando s destas
poucas viagens urna economa do perto de
3:>m>#. e-isto a r3peito de tres vapores.
K<- tiva 'aente aos demais vapores fratados ao
ministerio da guerra, e ver que tem havido
economa, eno pequea, em beneficio dos
Cjfres pblicos.
l>..ramo concordar* o nobre deputado
que e*w servico de vapores nao tem corri-
o revelia, e pelo contraro moito se
(em economisado.
E' verdade que e6se era o mea dever ;
e se fallei nisso foi pela necessidade da
fiefeza.
Aiada algumas palavras sobre vapores.
Dautes b5o havia providencia alguna a res-
jpeit'i do consumo de car?3o, corra arbi-
tran mente, agora n5o, exige-se nos contra-
i; que se declare positivamente as tonela-
das de carvSo que' se devem consumir dia-
riamente, e deram-se iustroccSes que fa-
caliara e tornam efficaz a fiscaJisago : s3o
as segrales:
c O carvio' que se gastar a bordo
deve ser nicamente aqaelle mencionado na
respectiva proposta oa contrato fiefretameQ-
gem, particularizando a hora era que se
acndeu ofogo, quando estev*. encostado,
como funccioQou a machina, i8to,-8e
toda, se meia oa se qoarto. de forga, o
grao de expanso e finalmente de quanlas
caldairas se fez oso. Esta escripturacSo
deve ser mui clara, feita logo depois que o
navio der fuQdo em qualquer porto, e as-
signada pelo Io machinista, e rubricada pelo
commandaole do vapor ; e, logo abaixo de
taes assigoatara8, deve dar-se um trago,
afim de logo verificar-se o gasto de com-
bustivel de porto a porto.
t o livro. de qae se trata, deve ter as
roldas numeradas e rubricadas por fiscal do
governo.
4o O commandante do vapor deve apre-
seutar um relatorio de cada viagem que
nzer, em o qaal declare no s as novi-
dades occorridas, como tambem, com toda
a minuciosidade, o gasto de carv3o diaria-
mente, nos durante o trajecto de porto a
porto, como tambem o que despenden em
qualquer delles e porqae motivo.
5o Chegado qu seja o navio em qaal-
quer porto onde possa o proprietario do va-
por ou commandante reclamar pagamento
de fretamento oa comedorias, n3o dever
ter lugar o processo de taescontas, sem que
sejam aprestados repartigSo fical o dia-
rio de bordo, o livro escripturado pelo Io
machinista e o rehtorio do commandaae,
que sao mencionados no art. 3o afim de se
verificar se o gasto de carvSo dorante a
commissao confere com o estipulado no
contrato, ou do contrio procede-se ao des-
cont, de que trata o art. Io das presentes
mstrueces.
A vista do que deixo dito, espero qae o
nobre deputado me far inteira justiga.
O Sr. Lima Duarte : Sempre a fiz.
O Sr. Ministro da Gokra : Neste
servico, que o nobre deputado acnou que
ia mal, ha urna economa que eu calculo se
realisar na importancia talvez de 400 a-
500:0000.
E, pois, em vez de censura, eu cont que
o nobre deputado ser prompto em fazer-me ;
a justiga, a que sopponhe ter direito.
Entre as accnsagjs feitas pelo nobre de-
putado disse que, existindo nos nossos ar-
senaes armamento de sobresalente, ainda o
ministerio da guerra, nessa tendencia de
gastar intilmente, talvez, os dinheiros p-
blicos, encommendou 5,000 armas a Roberts
e 2,000 do systema de Spencer.
O Sr. Buarque : Como se todas as
nages reformem os seas armamentos, sem-
pre que ha novos sysiemas.
O Sr. Ministro da Guerra : O qae eu
sinto nao ter encommendado ha mais tem-
po raaior porgo. (Apoiados.)
Todos sabem o papel que a arma de agu-
Iha representou na ultima guerra da Prus-
sia ; sendo que alguns at Ihe attnbuem
exclusivamente os importantes resaltados
alcangados oaquella serie maravillosa de
combates e de victorias; eu nio Ih'os attri-
buo exclusivamente, e sim ao genio tenaz e
emprehendeJor daquella oago, sua pode-
rosa organisago militar, disciplina do
seu exercito, a esse cuidado que sempre o
seu goveroo tem tido as-cousas da guerra,
procurando meluoramentos, entre elles a
arma de agulba, que nao foram cogitados
pelas outras nages, achando-se assim o
exercito prusssiano em melhor p de guer-
ra, do que aquelies que leve de combater.
Ora. em vista disso, na Europa, e em
todo o mundo os governos tem procurado
melhorar o armamento dos respectivos ejr-
citos, porque entendem, e muito bem, que
dada qualquer evenlualidade de guerra, ai
nages que nao se quizerem achar em con
dignes de inferioridade, muitas vezes fatal,
devem na paz procurar pr-se a par dos
melborameatos que apparecem.
Sobre a arma de agulha aiada n3o est
dita a ultima palavra.
Muitos e multiplicados inventos no sen-
tido de melhorar aquella arma tem appare-
cido de tempos a esta parte.
A Franca decide-se logo pela arma Cbas-
sepot ; a Inglaterra pela Snider; a Blgica
pela de Albini; a Suissa pela de Winches-
ter, a Austria vacilla entre o systema de
Remington e o de Peabody, tendo a prin-
cipio se decidi por aquello ; a Rassia in-
clina-se a Roberts, etc.
Grandes encona meadas tem sido feitas de
armamentos por essas nages; e se ellas,
que se acbo em paz, procoram premunir-
se desses inventos moderaos que as col-
loquem em posigao mais vantajosa, nos que
estamos a bracos com urna guerra, deviamos
despresar esses inventos, pelo simples fado
de termos armamento antigo sobresalente ?
O Sr. Lma Duarte :Nem eu disse isso.
O Sr. ministro da Guerra :E' verdaie
que o nobre deputado nao se limitou a isso;
a sua censura foi alm, mais anda com me-
aos fundamento, como a cmara vai ver.
Disse o nobre deputado que em vez de fa-
zermos esta enco orneada, podaramos man-
dar transformar as armas qae temos para-
das do systema de Cuasscpot. Ora, senho-
res, semelhante traosformaco nao se pude
fazer, s pode ser effectuada segundo o sys-
tema Roberts.
O Sr. Lima Duarte :E' o que eu disse.
O Sr. Ministro da Guerra :A Franga
mesao procura j descartar-se da arma
Cnassepot, e tanto que fez eneommendas de
armas a Roberts, e isto depois que fizemos a
nossa encommeoda.
.A arma Roberts realmente um in-
vento digno de toda i attengSo pela sua per-
feigao, rapidez do tiro e pelo seu pouco
peso, etc.
Ea tive occasiio de assistir a ama expe-
riencia na fortaleza de S. Jo3o, e observei
que um homem ainda nao adestrado no ma-
nejo de semelhante arma dava 15 tiros por
mnalo.
E esta mesma arma que acaba, ltima-
mente, de atlrahir a alteogio da Franga,
que 3 ou 4 mezas depois da nossa encom-
menda fez tambem a sua encommeoda nao
d 5,000 mas de 30,000.
te o nobre deputado nao quixer conce-
der que seja honrosa a precedencia por eos
tomada, pelo meaos ba de concordar qae a
preferencia que demos ao systema de Ro-
berts est muito justificada. (Apoiados.)
A arma de Roberts a mesma que encon-
trou- o acolbifiwnto da- Rasfia e tta de en-
') Sr. Lima Duarte:ei o seu rela-
torio.
O Sr. Ministio ba Guerra :-Se o obra
deputado visse a arma de Roberts e a dd
Chassepot, decida se pela simples inspec-
g5o pela de Roberts, que urna arma muito
mais perfeita ; a de Cnassepot urna arma
mais pesada e incommoda...
O Sr. Ljma Duarte :Nao diz isto a com-
missao.
O Sr Ministro da Guerra .. O seu ex-
tractor fabricado de tal raaneira qae nao
pode deixar de ser incoamodo no manejo
da arma. A arma de Chassepot nao d
talvez mais de oito tiros por minuto, em-
quanto qae com a de Roberts urna pessoa
que nao eslava adestrada, eu posso at decli-
na r-lhe o no me, o Sr. Fleuiss, den quinze
tiros n'um miuuto.
A arma da Chassepot nao tem a mesma
perfeigSo qae a de Roberts ; e a Fraoga pa-
rece reconhec-lo qaando acaba de fazer urna
avallada eocommeoda para os Estados-Uni-
dos ; natural que nao abandone inteira-
mente, que nao deite fra as anas armas
Chassepot, assim como a Inglaterra nao ba
de deitar fra as armas de Snider, apesar de
estar reconbecido ser ainda mais imperfeito
este systema ; assim como a Prussia nao ha
de abandonar as armas do s.eti systema, que
hoje reconbecido o peior, e foi o primi-
tivo.
Nos tivemos conbecimento primeiro da
arma de Chassepot, a arma de Roberts vel-
nos muito* depois.
A commissio, sejalguma cousa disse em
favor da arma de Chassepot, ao depois, ten-
do de dar o seu parecer sobre a arma de
Roberts, deo-lhe preferencia; posso asseve-
rar ao nobre deputado qae a eommtss5o de
meluoramentos decidio-se tambem pela ar-
ma de Roberts, reputou-a preferivel.
O Sr. Lima DoAwrr:N5o e- isto qae
est no relatorm.
O Sr. Ministro da Gcerrra :E"a kw
lr o relatorio, nao era possivel qwa com-
mistao dissesse o qae V. Exc. aflirmou.
O Sr. Lima Duarte :A commissao disse
que as anuas de Chassepot sao muito mais
firmes e mais solidas.
O Sr. Ministro da-Guerra.:Ora Tamos
a ver o relatorio, j-qae-para ello appella o
nobre deputado; qaero entrar com V. Exc.
n'om dbale franco- e positivo a este" res-
peito.
O Sr. Lima Duarte :Pois-n3o; eom>
todo o prazer.
O'Sr Ministro da Guerra :Vamos-ao
relatorio, e veremos que justamente o
contrario do que o nobre deputado est di-
zendo. O nobre deputado appella para- o
relatorio; eu aceito, ene poda deixar de
aceitar o me j relatorio, e felicidade para
mim que o nobre deputadoo invoque. (L'-.J
Ao governo imperial nio poda ser io-
diffesente o vivo intere&se manifestado por
toda a parte pela arma-de agulba, em con-
sequencia dos biilhanta resultados col nidos
na ultima guerra travada na Europa, e por
isso incumb commissao de melborameatos
d; examinar os differentes modetos, sucees-
sivamente apresenladoscomo aperfeicoamen-
to da arma, qae deve trazar grandes modiE-
cages na tctica militar.
Foram pela commissao considerados
dignos de estudo os daus systemas ameri-
canos de Roberts e Remmington, o francez
de Chassepot, e- o inglez de Snider,
< Segundo o juizo da commissao, basean-
do-sa no Jestudo e exame por ella feitos, i
preferivel pit presteza do- tiro a de Ro-
berts, que. na experiencia a que assitti,
conseguid dar- 13- tiros por minuto. >
Ja v o nobre deputado que a commissio
enlendeu ser preferivel o systema de Ro-
berts, isto o systema que adoptamos para
ensaio, systema. que tea sobre o francez,
como disse no relatorio. a vantagem de po-
der para elle ser transformado todo o nosso
armamento' Mini.
O Sr.. La BuAait:E* o que eu que-
ra qae Y. Exc. fizesse.
O Sr. Mimwuo a Guerra :Quera qae, (jasa-
do estamos a bra?o> cora am guerra, flressemos
ama tnaosformagao do nosso grande armamento ?
A iraasforaiaiflo bavia do ser eila oa no imperio
oa dos Esiadus-Uaidas. Para sor Celta ao Imperio
era preciso que de l viessem. os macninismos, os
operarios, se estabelecti>em fabricas, viessem as
armas qae esli no nosso exercito, to., o qae Le
pe naturalmente hafia de estimar amito.
OSr. Lima Duarte :Mas V. Esc. dissa que.
havia armas de mais.
O Sr. Ministro da Gurra :Sim, de eerto,
temos muitas armas, e teramos guantas precisar
mos mais, porqae para lazermos ama guaira de
bonra como aquella eoi qae estamos empen,hados,
nada ba de faltar, o governo esta com a nacao.
(Apoiados, muito bem.) Qaeria o nobre deputado
qae nuadassemos vir operarios, estabalecessemos.
fabricas, desarmaremos o exercito e parassemos
por emqaanto as operacSes da guerra at qae
transformassemos o nosso armamento ? O aobre
deputado seriamente nao poda querer semelhante
cousa.
O Sr. Lima Duarte :Isto agora de V.' Exo.
O Sr. Ministro oa Guerra :Qaeria qae dei-
xassemos de mandar as armas Spiocer, qne 1
ja devem estar no exercito com as muuicdas cor-
respondentes e apropiadas, ale qas operassemos
aqu urna transforroacao impossive ?
As armas de Cnassepot recommendam-se, ver-
dade, peht sua simplicidade e solidez, mas nao
podem, e isto um grande inconveniente, ser
transformadas para sea systema as que possaimos.
O Sr. Lua Duarte :Nem ea disse isso.
O Sr. Ministro da Guerra : Era preciso qae
perdessemos o nosso numeroso armamento, eerea
de 100,000 armas. A questao da traosformaco
preoecupa a lodos os paizes que tratara de meibo-
rar seas armamentos; e foi o primeiro cuidado
da Confederado Helvtica allender para essa cir-
comstancia qaando encommeodoa oltimamente
60,000 armas de agulba ; a Franca e a Blgica
procoram satisfaier a esta necessidade adoptando
novos systemas em ordem a aproveitarem os ar-
mamentos, qae possoea. -
Portaoto, serla ora erro imperdoavet da parte
do governo, se preferiste actualmente um systema
como o de Chassepot, qae nao se presta trans-
forma cao.
Eisaqui o parecer que a commissao dea :
i Os sysiemas americanos, e mesmo o inglez,
apresenUm sobre o francex a nao pequea vanta-
gem de poder para elles ser transtormado sem
uiuita dilHeuldade o grande numero qae possalmo*
de armamento i Mini ; o de Chassepot, porm,
como o de Peabody, recommenda-sa pela sua sim*
pieza e solidez.
4iu sneoesstTos, por differentes
deorse o eacMc., provaeoa-.se-a ex
qailitlades, defxava-se depois ao sereno, desmn
ebaqas as pecas, e no dia segalate tcMlfliJti a
recorap-las. Fot em somma ama eSeriencia
cuidadosa e minaciosamente felta. Sao ieom effei-
to armas qae dvem merecer alta attenco do
averno' as de Peabody e Remmington ; a de
eabody-parec-me ama arma perfelU, ti ve delta
coohecimeoto depois da de Roberts, mas esta tem
vantagem de poler a ella ser adaptado o nosso ar-
mamento, entreunto qie-a de Peaftofly n5o se
presta I traosformaco-; mesmo mallo mais
eara.
Se podemos fazer a encommenda de Roberts a
3J000 cada bms, compre confessar nao 'caro,
Dio podamos obter a de Peabody por meaos de
60.JOO, segando fai informado, qaand] me foi
presente o modelo.
Paseemos agora a responder a ootro genero d
accoscdes.
Disse o oobre deputado qae deveramos, attentcg
o estado das oossas Onaocas, parar com as obras
ilfUres da curte, qae, alm de muito dispendio-
sas, nio sao de argente necessidade, e podem ser
adiadas para tempos mais felizes, principalmente
as das fortalezas de Santa Craz, Lije e S Joio,
onde diz qae se faxem grandes obras, e tambem
as do arsenal de gaerra, em qae muito se tem des
pendido, e qae, devendo o goveroo proceder desta
modo para dar mais desenvolvimento s obras do
Amazonas, fez justamente o contrario, mandou
parar estas ultimas.
Nao eiaeto; o nobre denotado deve saber qae
babeis engenheiros l estao diiigindo Unto as obras
de fortlcacao do Alto-Amazonas, como as da pro-
vincia do Para, e para ellas no exercicio de 1863
1867 Consignaram-se quantias, e aiada para a
mesmas obras j novo crdito foi distribnido, e
continuara ei|as com o deseavolvimeoto qae pos-
s!vel dar-se-IBes, attentos os poneos recarsos de
qae dspoe o lagar.
Quanto s obras mlliures da corte a qae o ao-
bre depatado se referi, tem-se restring do qotllo
qae era absortamente indi-panssvel para censer-
vaco de algumas e cooelaso de outra=, ] em
maito adianudas, por quanto seria falta de econo-
ma perd-las, inutilisando-se o trabalbo concluido,
smente para evitar despazas qae em outras cir-
comstancias deverlam ser oecessarlamente feitas.
(Apoiados.)
O Si. Pedro Leitao :Como infeliimenle se
fazia todos os dias.
O Sr. Ministro a Guerra :Na fortaleza de
Sauta Cruz nao ba actualmente grandes obras em
exeeaco, sao apeoas reparos qae nao avallara
em despezas ; no meo relatorio fai bem explcito a
osle respeito, e se o oobre depatado o ler com at-
tenc/o ver qae nao ba motivo para sappdr, qae
concentro toda a actividade oas obras da defesa do
nosso porto, alias indispeosaveis ; o qae nao devo
abandonar as que esto era andamento, e tica-
riam perdidas ee parassen, porqae seria grande
erro sacricar as sommas qae nellas tem sido ea-
presadas (muitos apoiados), como refer pagina
61 ds mea relatorio.
As obras do arseoa de guerra, dando-lbe mais
espace e accommoda^Des, que anda nao sao saf-
Qcientes para o grande- material de guerra e offlei-
oas qae ah temos sao maito argentes. As da for-
taleza ds S: Joo-, onde se acbtm os menores arti-
Iheiro-, estao no mesmo e3so.
O oobre depaudo disse qae, ao passo que se
mandavam fazer estas obras,, por & Exc. repata-
das disnecessarias-, deixamos ds ordenar as de
qoe eareee o hospital militar para aocomraodar es
pobres d jen les, ha vendo necessidade de se alaga*
re easas particulares, como acontece.
Ainda aqoi foi infeliz o aobre depottdo, qne
nito nio estar presente.
No hospital militar teem-ae feito o concertos-
In-ispensaveis para o- asseio e melboramento do
aposentos dos doentes ; mas nao possivel dar-ibe
uto desenvolvimento qae nao comporta o terreno
em ajae esta' estabelecido o edificio (Apoiados.)
Todos saben qae esse- hospital esta' eollocado no
alto do Morro o Ctstelk>,.ende nao ba espato para
dar-ioe maiores- dimengoes, s se fizesse nm edi-
ficio no ar, ma isso creo qae Dio quer o Bobre
dependo.
Depois, se o numero a> enfermos militares tem
cresctde em onsequenci da gaerra (apoiados), o
aobre deputado com prebende qae nio libamos
oatro recurso, senio procurar accommoda-los em
ootras tasas particulares oa do esttdo (apotedos),
os doentes nao esperara para o sen trataeaento
qnoo goveroo oatprehendesse dar maior deseovol-
vimewo aqael! hospital, ou edifseasse ama casa
propri para esse servico ;-a censara poderla allin-
gir aos governos anteriores e nao ao goveroo ac-
tual, qste tem de acudir a ama instante naoessida-
de. (Moitos apoiados.)
Mas o nobre depatado foi ainda urna vez infe-
liz, nao asseverando ara facto .real ; o g.-veroo
naa alugoa casas para fundar dependencias do hos-
pital militar.
(OSr. Lima Duarte entra no sali-),
O nobre depatado ah vera, e ea eslimo oua me
ouc, por isso repito qae S. Exc foi ainda infeliz
nesse assarapio, porque o-governonao alogou.ca-
sas particulares para aceommodar seas doentes;
as casas qae o governo apromttoa sao prepxieda-
iles do estaje ;. ana a'esqaerda, na sabida da
ladeira do Castalia, e outra qae perlence ao minis-
terio das obras pablteas-e foi posta a' dlsposicao ao
ministerio.da. gaerra para ostabelecimento-de en-
fermaras.
. Nio era possivel reeolber todos os doentes no
hospital militar, que nao comporta maior nume-
ro de frsenlos, pota Untos sao os leltos que pode
conter.
Alm disto foi preciso separar os doentes, por-
que alguns apparaceram afectados de escrenlo e
cairos de- bexjgas ; eomprebende, pois, opacare
deputado qae nao se deviam accamoUr esses en-
fermos com os do hospital, para evitar qae fossem.
infeccionados de molestias, amas epidmicas, ootras
contagiosas. Era mister sea isoUmento, era ama
necessidade qae entao se procaroa conciliar
com a que tambem nao menos imperiosa, a eco-
noma dos dinheiros pblicos, e aprovetUraovse
aquellas casas do estado, qoa foram convertidas
em enfermaras perto do hospital, d'onde recebe-
ram o material preciso tambem o pessoal, onde
a isnpecco, por isso que Odam mal prximas do
hospital, era mais fcil de effeetaar-se. (Muito
bem.)
Portanto, concordara' eomigo o nobre dedatado,
ainia aqai fot infeliz; desojo qne S. Exc me at-
ienda bem, esparo qae miabas palavras calara
na sea animo -, parece-me qae nao lem ama
replica maito fcil oa mesmo possivel qaillo, qae
digo Hrmado em documentos e ioformacoes offi-
ciaes. (Apoiados.)
O Sa. Lima Duarte:Nao tanto como V. Exc.
Olga.
- O Sr. Ministro da Guerra :Pois veja o nobre
depatado a informago que aqoi lenbo do almoxa-
nfado ; mformaco qne pude baver hoje coa as
outras, porqae saturnos contera desta casa maito
Urde, depois de 5 horas da tarde.
O Sa. Lua Duarti :V. Exc. esta' fallando de
mais, porque ea nao me refer a essas easas.
O Sa. Ministro assustptos, nunca de mais a explicagao e a de-
feza (apoiados); o nobre deputado gostou de fa-
aer.se onvir, preciso qae ouc tambem a defeza
e reconheca a improcedencia das suas aecusaedes
(apoiados); com a disensso e com o exame, qae
se ba de maoter a torga moral, em qae e governo
se acha apoiado (manos apoiados), dest'arte as ac-
cosagoes nio acuario echo no pata (apoiados);
sempre qae fr demonstrado a' luz do dbale e da
pablicldade qae ellas oo leem o menor funda-
mento, desde que os factos tlverem ama expllcage
raioavel e justa, a disaossio oo podera' fazer so-
nso bem ao governo. (Apoiados.)
Vozrs :Multo bem I
O Sr. Ministro d Guerra :Bis aqai a infor-
mago a que refer :
c A casa que esta i esquerda da Misericordia,
onde estlveram os bexiguentos e proprlo nacional,
asU a cargo deste hospital netla fuocciona anda
ama enfermara, onde esli em tratamento 21 baxi-
goentos.
-
Dizer-se que o systema se recommenda pela sua
simpleza e solides nao iha dar preferencia; es-
toa certo qae o nobre depatado na de concordar
commig i pela preferencia, qae se dea. expressa-
mente ao outro systema.
A arma Peabody ora arma miguilica, ao
mesmo t*mpo qo a arma Uemmiogtoa; foi ujei-
u na Austria a expenoneias ma(to completas, de-
ram-se com a pncsfllra 1,800 tiros, e com. a segnn-
4a cerc* ?,o00; experiencia f?it em muitoi
A casa onde estlveram os oonvalesomes tam-
bem preiio naeional perieuceote ao ministerio
da agricultura, mas ora a' disposigo do da guerra
a a cargo deste hospital; all faoceona oatra en-
fermarla, onde esli em tratamento 24 bext-
guanlos. .
i Nenhuma casa fya alagada para o tratamento
de doentes incumbidos ao hospital militar da
corte. 1!
O Sa. Lima Duarte : Ea nio disse isso, o
qae disse qne se mandaram doentes para diver-
sas easas de sade e para o hospital da Miseri-
cordia. ,-
O Sa. Ministro da Guerra :I verdad* qae
ao mandaram doeotes para casas de sade, mas ea
acabei com essa pratiea. boje nio ba um s solda-
do enfermo em taes esubalecimenlos.
O Sr. Lisa Duarte :-0 relatorio qne o diz,
O Sr. Ministro da Guerra;Em referencia, o
ene soceedea ; mas boje o governo un hospital
mtliUr e outros e-utelecimentpe, oafa Tldem ser
aeeomrnodados todos os enfermos afines; em
enfroiarias, lin hospitaes. 81 Illad ktorpital
da Misericordia, onde eom as condlges vantajosas
sao admitidos os doentes militares : assim nio ba
necessidade de recorrerse ao servico das casas de
sade, all? maito bem feito, Unto mais qae, sen-
do sea rgimen maito difireme de militar, nio
se ple exercer aquella precisa Qscalisagio, a
que seguramente pao se baviam sujeiur seos pro-
pietarios, .- 4^
Pjrtanto, forgjso era qa9 o governo, por nen o-
ma e a bem da ordem e regalaridade do servtgo,
trausse da concentrar os doentes nos estabeleei-
raentos prfiprios ou a' disposigo do ministerio da
guerra, e foi isso que se fez. (Maito bem.)
Mas disa o nobre depatado : t Ha nra hospital
em qae se teem gasto ros de dlnhsiro, e tem bavi-
do e.'baojamento condenavel I > Eu mesmo fai
desagradavetaeoU impresnooado qaaodoe nobre
deputado reveloo-nos haver-se gasto no hospital do
Aodarahy, sem medicamentos, em olio mezas, a
quaotia de 40:000# f
Ob t seobores, eom effelto i extraordinario f
Assevero ao oobre deputado qae oio ficaria pedra
sobre pedra, nao deixar nm s empregado, se tal
esbaojaraento ou prevaricago fosse acompanhado
das provas.
Voze :Maito bem I
U Sr. Ministro da Guerra : -Sabe a cmara
quanto se tem gasto em medicamentos, nao com o
hospital de Aodarahy, mas com todos os bosplues
e enfermaras da corle, ambulancias qae teem Ido
I constantemente para o Rio da Prata, e com torne-
cimentos remettldos para Matto-Grosso, do do-
rante oito metes, mas durante todo o exercito An-
do ? Cento e tres cornos e tanto.
Ja v o nobre deputado que inverosimii que s
o hospital de Aodarahy absorvesse mais de am ler-
go dessa qoantia I (Muitos apoiados).
Nem era de crer smelbante facto, qaaado a
cmara sabe qae o honrado Dr. Souza Costa, am
dos lentes mais dislioctos da nossa faculdade ta-
po iados), o medico desse hospital.
u Sr. Lima Uuarte : Conbego o Sr. Dr. Souza
Costa e aprecio muito sea carcter, mas elle nio
tem nada eom os fornecimentos.
O Sr. Mctistro da Guerra :Nenham dos pe-
didos de medicamentos pode ser effectaado sem a
rubrica do medico. (Apoiados).
Constou-me, verdade, que as contas daquelle
hospital nao estavam multo regulares, e enio man-
dei all em commissio o hnralo Dr. Soasa Puntes,
cujozelo e inteireza...
O Sr. Lima Duarte :Sju o primeiro a reco-
rrbecer.
o Sk. Mkhstro da Gieru \ : ... coja integri-
dade epericia...
O Sr Lima Duarte :Apoiado. RecorAego a in-
tegrldade do Sr. Sonza Fonles.
OSr. Mihbtro da Guerra :... o nobre de-
putado o primeiro a recoonecer eomigo. Foi elle
venQcar as contas, que pareceram exageradas, em
dau de ti de juubo, muito antes, portanto, da
observages do oobre depntado. Note-o S. Exc. :
o geverao tem aotecipado sempre com-snes provi-
dencias sobre os relos denuncia Jos pelo nobre de-
paudov
Inforraoo-me o Sr. Fontes, ba pooeas boras, qae
at entao o fornectaremo de medicamentos na-
quelle hospital pouco mais excederla de iiOOJU.
Vozes- :Uuca in.
O Sr. Buarque :Para 40:e00>00f> I
O Srv Mini8tro da Guerra :Sao qualro contos
fe tanto, senbores, e nao 40-.0O0JW00, como disse o
nobre depuUdo. *
Voies :Ooeam I
0 Sr. Lim* Duarte :Cbamei a attengao e V.
Esc. sobre aquello ponto.
i O Sb. Mbhsiroda Guerra:O' nobre depoudo
de boa f e am cavalbeiro, nao ponbo a menor
.dovtda ; oag estas explicages, de certo se coa-
vencer, e Siendo justiga ao governo ba de acabar
volando coma'maioria qae o apoia (apoiados-) ;
porqce o nobre depatado nao proceda caprichosa-
mente.
OS. Lima Duajot:O ceno que se deram
aosos.
01 Sa, Ministro ba Guerua :Asso volando
dar* mais oma.prva do seu espirito recto.
O Su. Buarque:- ala Ja esta* mwo gover-
DiSU.
O Sr. Ministro da. Guerra-:Ea assim o creio.
Mas o oobre deputado descalpavet : quero
mostrar que soa mate amigo do nobre deputado de
qae elle meu. Dnsculpo-o apezar de ser gravea
censura. Com effetto esbaejar-se assim quasi a'
vista da governo, em um esubelecimento fiscaliza-
do por pessoas lio cosideradas,de taoU-probidade,
incrivel t
A pretexto de medicamentos para nm hospital
coosomio-so em poucos meie* iOiOOOOOO t O
fado grave, e ao governo sempre ineomlnodaer
lindido lo grosselrameote.
O Sr. Lima Duarte :Foi bom que isso viesee i
danmiiie
(P-Sh. Ministro-da GuERaA.:Eu descalposrno-
bre deputado :. nao supponha que ea qaeira tecnar
mais afilictiva a posigio do afflicto.
O Sr. Lima Du.%rtb : Nao afQtetiva, muito
agradavei.
0 Sr. Ministro da Guerra :O nobre depotado
abragon a nuvem por Juno. Qnem a nao lera'
bragado ? A' cobre opposigo saocede qaasi dia-
riamonio.a mesma cousa, diariamente abraca a na-
vem por Juno.
G numero, e descontentes immenso,, ebegam-
se todos para a opposigo, e nao leem a lsalda Je de
dizer toda a verdade, anda qae seja cootfa si. Ha
sempre am escaro no quadro -, ba sampra urna
paru que dea encuberta, mas que o governo sabe ;
e por Isso o goveroo esta* sempre de melhor
pojigao.
O nobro deputado abragoa a nuveovpor Junp oa-
vindo dizer que no hospital militar se tinha gasto
em seis oa oito. mezes 40:000^000, e entao soppoz
ser o hospital de Aodarahy. Mas deve saber qne o.
hospital militar da corte, alm das unccDes pro.-
prias de am estabelecimeato daquella ordem, no
nosso defeituoso systema de adminrstrago militar,
serve tambem de deposito central, donde sabem
fornecimenlos para diffdrenles enfermaras, ambu-
lancias e al para a provincia de Mato-Grosso. E,
pois. Oca explicado e desculpado o equivoco do
oobre depatado.
Mas no hospital de Anda*ahy, de cujas despezas
acabo de fallar, disse o oobre deputado que o do3-
mazelo tal, qae existes dezenas de arroba-, de-
sala parrilha espaltudas pelo chao, e qae s de
balsamo de Tolou gaston-se em um dia meta ar-
roba!...
Nao soa prossioaal, mas ouvi pessoas entendi-
das dizerem qae s por gracejo se podia asseverar
semelhante cousa. O nobre deputado, porm, 10-
mou-a ao serio.
O Sr. Lima Duarte :Deram me essas informa-
ges ; acber-as t j graves qae as trouxe ao conbe-
cimento de V. Eic
. O Sr Ministro da Guerra :Estando a testa
daquella reparligas nm empregado sizado, e achan-
do-se o servico montado por aquella maneira,
para crer-se qu dezenas de arrobas de salsa par-
rilba alastrem o chao, e que se gaste em um dia
meia arroba de am medicamento de qae meia libra
ja e de mais?
O Sr- Lua Duarte : Mas bom qae se saiba
dist.
O Sr. Ministro da Guerra :Qaando dsserem
coasas desta ordem ao nobre depatado, ee nio qni-
zer verificar por si mesmo, diga ao Informante que
va' cuidar de outro offlclo.
O Sb. Lima Duarte : E' bom chamar a al-
teogio.
O Sr. Ministro da Guerra -.Seria bom qne,
pelo menos, se ioformasse |de ootras pessoas, ou,
e qoizesse, dixer-me.
O Sr.Lima Duarti :O qae tiver de dizer direi
da tribuna.
O Sb. Ministro da Guerra :Nem en, como mi-
nistro, desojo oatra cousa. Isso redonda em bene-
ficie do ministerio, qne desoja merecer a estima,
mas nao pede favores oa complacencia, nem dos
seas amigos, nem lio pouco da epposigo (moito
bem), s deseja jastlga, unto da parle da raaior i a,
orno da parle da opposigo. Com isto da-se por
contente, nada mais, nada menos qner. (Muitos
apoiados, multo bem, moito bem).
O nobre depotado tambem chamoa a miaba at-
Ungi aobre o fornecimeato de medicamentos fei-
tos por ama casa, a qaal se tinha prohibido fazer
taes fornecimentos e no entretanto continuara a
effectaa-los debaixp de oatra firma.
. Creio nio baver Desse ponto censara ao ministro
da guerra. Qaem prohibi a admisso dessa casa
para semelhante am foi o actaal ministro da gaer-
ra, por veriflear-se a fa'.sificagao de certa porgad
de quinino remedida em nma das ambulancias
"para o exercito.
Logo qae tive conhecimento do tacto, mandei
reseiodir o respectivo contrato. O procedimtato
qae live para com esta casa, bei de ter para com
todas as qae obrarem de mi f ; oio terio a pre-
tendi de ver seas contratos nantldos, oaaoiq mais
renovados. (Apoiados : muito bem.)
0 ladlvidao que assim foi fQlajIoado consta-mt
qaa venden a casa a oqjro. Oal dizar ajgam tem- ~
po depois qae o comprador estava forneeendo ao
SS**"**? *!***" *' hegaado
logo ao seu conbecimento.
Efses fornecimentos, como sabe o nobre depou-
do, iaif^aaigth% toent/ata. ferrada i
visid d prpostas. Nio se fatem eom oa ad inai-
vldqo; conforme as condiges mais vantajosas em
quaHdade de prego, verificado por ama commissio
distribae-se o forueclmenio des artlgos annoncia-
dos por diversos proponen tes.
Aconteeou que essa casa ja matriculada na pra-
?a com ootra firma, tambem concorresse e tivesse
de tomar parte 00 foroeeimento. Parece que pelo
facto dd sa ter commeltido um crime em nma casa
oio. deve ser ella interdicta para sempre. -
Todava nao pode levar isso a bem, revolui-me
eom o facto qaaado chegoa elle ao meo conheci-
mento, pdendo ser qae at fosse am poaco injusto
por na sentimento nobre de iodignagao contra o
vicio e a fraude. m%m
Pode baver nisso algam exeesso -, mas quera at-
tender pureza e eleragao do motivo ha de sempre
justificarme.
Determinei, pois, qae essa casa nao forneoesse,
porqae em meu espirito paira a suspeita de que a
transferencia da casa podia ser ama apparencia, e
mudanga da firma urna flegio, continuando a ser,
portanto, proprietario da casa o mesmo individuo
qae abusara da soa posigao.em detrimento da sa-
de dos nossos bravos soldados.
Era apenas urna suspeita, talvez sem fundamen-
to, 00 entretanto Desta supposigao nao consent
qaando me ebegaram as ioformagdes pedidas, qae
esse individuo aaferisse lacro continuando a forne-
cer medicamentos, na eoBformidade da ordem ter-
miaante, que anteriormente fra expedida.
Julguei qae assim proeedendo, cumpria o meo
dever ; nbo lenho complacencia com pessoa al-
guau, nao lenbo amiges quando se trata de ser-
vico publico e em prejaizo do mesmo servico pu-
blico.
Acensan lo a edministrac&o de guerra ainda dis-
se o nobre depulado : Todos os anuos reforma-se
a escola militar; actualmente ainda se quer refor-
mar, mas sem declarar quaes sio as bases da re-
forma. 1
O nobre depaudo nesu ponto coniioaoa a ser
iojaslo para eomigo: no mea relatorio declarei
quaes as vistas do governo a esle respeito: ja existe
mesmo algura trabalbo J a reforma.rtrari nao aug-
mento de despeza, quer-se smente concentrar na
escola militar as materias propriamente militares,
exlremando-se as donlrinas qae dsvem perteacsr
ao engeoheiro civil, e ser ensiaadas na escola cen-
tral ; e isto est no mea relatorio, e se nao ve-
jamos :
< A escola central pertence mais pela sna posi-
gao e ootras circam-siancias ao estado e formalara
de engenbeiros civis ; dispensara estes os hbitos
de disciplina militar qae all senio podenr adqui-
rir; e passando ella para o ministerio do imperio
ou agricultura, ensinar-se-t na escola militar ni-
camente as doutrhias necesarias para os nossos
fovens serem um da militares instruidos e disci-
plinados.
c Aotorisado, como se acha e governo, pelo art.
298 do regnlamento das escolas militares, para nel-
le fazer as alteracSes a bem dd-ensino, comUoto-
que deltas oo resalte augmente de despeza, ple
llevar a effeito to til reforma; para isso ja- tenho
os elementos e os meios neesssarios obtidos pela-
economa proveniente da suppressao da escola pre-
paratoria do Rio-Grande do Sal. *
A falla notada pelo oobre depatado nio existe ;
nao ha motivo para qaalqner censura a este res-
peito.
O nobre depatado anda- me fez grande injustiea
qaando disse, referinde-seao deposito de aprendi-
zes arllloejros :-
c lofelizmente-ja all se dio muitos abasos, nio
sendo os meninas recebiebs se nao quando sao
acompaobados de reuommeodacpes, deixando de
ser admittidos oatros em verdadeira pobreza a mi-
seria.
< Daqaelle deposito foram enviados para o Para-
V
i
guay meninos
criancas. >
sem a idade precisa, verdadeiras
Ora, posto seja isla urna cousa peque-aa, nio dei-
xa comtodo de ter algoma gravdade pois importa
dizer Ulvee-orpbos apreseotados por suas mais, precito
ea de recommendaodes, de empeabos.
Entreunto ceno qae teobo facilitado o mais
possivel taes adraisses. As recommendagdes, alus
aao reeebidas sao lid inutei:- qaao desneeessarias,
e miiitas vezes a entrar no mea carro lenbo para-
do para ouvir urna pobre mulber, que pede por
sea fUbo, e nuoea deixei de atleader.
Para lomar 00 ama previdencia qualquer, nio
preciso de recoramendagao e multo menos para
admittir menores artilhsiros ; desejra os ter em
grande numero, bbm validos e com arobustez na-
eesara.
Por meio deste deposito de aprendizes arlilheiros
e dos depsitos de instraceao, como ja tive oceasio
de dizer no mea ultimo discurso, -que consegui-
remos rehabilitar com eficacias as differentes ar-
mas, de qae se eompoe o nosso exercito.
Beclaro mais ao oobre depatado qae o deposito
de aprendizes artllbeiros-.da corte, lendo numero
(imitado dos que deva admittir, ainda nao atllngio
seu mximo; portante, mais orna prova de qae
nao havia nseessldade de cartas de empenho, oa
reoommandagoss de quem queque seja, e a aecu-
;sagao nao tem razao de ser; o governo o mais-
empenhado, precisa o deseja esses aprondizes arll-
ibeiros ; mas nao pode fazer daquelle deposito um
hospital, urna casa de conva^acenles, e por isso os
meninos autes da serem admittidos sao sujeitos a
inspecgode saud, e satisleitos os requisitos exi-
gidos no Mspeciivo regulaaenlo nao ba a menor
duvida, ontram logo para o esiabute:imeuto.
Qaando algeom se aprsenla pedindo a admis-
so de qualquer menor en o xeando admittir, se
stiver as coadigoes do regnlamento, e entao com
este mea despacho vai o iuiv!do, inspeccionado,
e admitiido se fr julgado apto.
Censaroa-me tambem o nbre deputado por ter
mandado para o theairo da guerra aprendizes arti-
Ibeir'os aiada menores. Senhores, cerca-de noventa
aprendizes marcaaram e o tiieram cora verdadei-
ros voluntarios, segairam contentes, e l esli
prestando servigos importantes.
Mas nao foram, como disse o aobre depaiado,
menores que anda nao pudessera prestar servigos,
foram mancebos maiores de 17 anuos, com, o pre-
ciso desenvolvimento, veritiesdo por urna inspec-
eio a qae foram sojeitos, porqae nio era do inte
resse do goveroo remetter para a guerra indivi-
daos qne fossem eneber nossos hospitaes.
L ebegaram felizmente, e como do qae liba-
mos mais necessidade era de arlilheiros, sai qne
foram maito bem reeebidos, e a esta hora Uivez
estejam pugnando pela honra naeional, e breve
nos bao de trazar, com o nosso valente exercito,
dias de gloria para a nossa patria. (Mallo bem,
maito bem.)
O Sr. Oleoaro taz considafagas, sobre a u-
ten a.
A discassio Oca adiada.
Dada a ordem do dia, levanta se a sessao.
_____

%
\
SESSAO EM 23 DE JULHO DE 1867.

u ID enca do sr.
SILVEIRA DE SOUZA
SIDEKTI.)
(VI:PBB.


A meio-dia feita a chamada verica-se haver nu-
mero sutHciente, brese a sessao, sendolidaeap-
provada a acta da anterior.
O Sr. 1" Secretario di conta do segainte
EXPEDIENTE.
Um offlelo do ministerio do imperio, commnni-
eando qne S. M. o Imperador se digna de recebar
no pago da cidade, no dia 29 do eorrente, a nma
hora da tarde, a depniagio desta cmara qae lem
de felicitar o mesmo augusto seohor pelo aootver-
sarlo natalicio de S. A. Imperial a Sra. prioceza
D. Isabel.Ioteirada.
Ootro do mesmo ministerio, acensando o reea-
biment do desU cmara, em que communica ao
governo as decjsos da mesma cmara, acerca,as
eleiges a qaesepiocedeu oltimamente na pro-
vincia do Amana, e declaiaodo qne fe, expedi-
do aviso para que aquellas decises sejaoi exaett-
menie cnmprldas.Inteiraaa.
Oatro do mesmo ministerio, enviando, eom o of.
icteTpresidencia da provincia do Ra Grande
So Norte, a acta da eleigio primaria na parochta
de S. J ae Mipib da mesma provincia.-A' !
commissio de poderes.
L-se e flea adiado por pedir a palavra o Sr,
Horta de Araojo, o segainte parecer :
(C h*uar-se ha.)
TYP. D DIARIO-RA DA CRUZSS N. M.
v^
-rr-r
rrm


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E65FPLL3N_ZLNRL7 INGEST_TIME 2013-09-05T00:09:05Z PACKAGE AA00011611_11355
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES