Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11345


This item is only available as the following downloads:


Full Text
'O1!
ANNO XLHI. NUMERO 188.
.! I> ?!**.- 4 ft
*
PAftft. A C.IPIT.IL JWL'BIBES OXBE SE NJL PAA )>TTE.
Per.lrea em iduMii.,. .................. 6*000
Prsfs diU5Jd.. .1 ,1 ,j .! .u ., .. ., ,, .i.i'.i .... i23O0
4>er Mune Un;. .; N .. #i ., yf #J #j .#] ,,, M -.^ .

o
:1*l
I M
!, |0pM
**I
^ '"SEGUNDA FEIRA 19 DE AGOSTO DE 1867.
KA BEMBO E NBA DA PRO VI\C I4.
Par tres mus afetate;, rr m r t.,,., i.? *. rv .. Ki i.. r.
rv
Per mis ditos idem. m.............--v .........tntf tfti'l
Por aove ditw idea...............
Per db anno idea J .......................
rir nano mw.. ~i ....., .. .. 4...............
61750
I8#800
269280
27tfO00
i o
A88NftBA8!l U IPIlaaUIllD iTD INIMffmialD Q>1 ffitfDia WWtmM ID JAMA M1BD8, 8192 IPI&MiriSAiairD.


. Li C ir

IEXCARREGADOS DA SUBSCRIPgAO.
Parahyba, o Sr. Antonio Aleundrino de Urna;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Araeatr,
oSr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr." Joaquim
i os de Oliveira; Para, os. Srs. Gerardo Antonio
Aires 4 Filhes ; Amazonas, o Sr. Jeronymo da
Costa; Alagoas.o Sr. Francino lavares da Costa;
Sania, o Sr. Jos Martina Ai ves; Rio de Janeiro,
o Sr. Jos Ribeiro Gasparlnbo.
PARTIDA DOS BSTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estarces da Via frrea at
Agaa Preta, todos os dias.
Igaarass e Goyanna as segundas e sextas reirs.
Santo Antao, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruar,
Altinho, Garanhans, Buiqne, S. Bento, Bora Con-
seibo, Agaas Bellas e Tacaratii, as tergas-feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limpeiro, Brajo, Pesqueira,
iigaieira, Flores, Tilla Bella, Cabrob, Boa-Vis-
ta, Oorieary.Salfoeiro a Kx, as qaattaa feiras
i Serinliem, Rio Pormoso, Tamaodar, Una, Bar-
rairo, Agua Preta e Pimenteiras, as quinus
| feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBHAES DA CAPITAL
Tribunal do commercio : segandas e quintas.
Relacao : tereas e sbados s 19 horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Jalzo do commerc/o ; segundas as 11 horas.
Dito de orpbos : tercas e sextas as 10 horas.
Primeira rara do oirel: tercas e sextas ao aielo
dia.
Segunda vara do ci val : qoartas e sahbadea
1 hora da tarde.
EPHEHERIDES DO MEZ DE AGOSTO
7 Quartocresc. as 4 b. e 17 m. da m.
15 La cneta as 7 h. e 45 m. da m.
23 Quarto ming.as 6 1|2 b. da t.
29 Lna nova a 10 b. e 13 m. da m.
DAS DA SEMANA.
19 Segunda. Ss. Luiz f. b. e Teda o.
iO Terca. S. Samuel profeta e Fetisberto *b.
1 Quart*. S. Joaona Francisca. Romana V.
i Quinta. Ss. Fabriciano e Aethusa. mm.
23 Sexta. S. Pelippe Benicio e Tbeonllla v.
2i Sabbado. Ss. Bartbolomea a, e Tacio m.
25 Domingo. O SS. CORAGO DE MARA.
.' PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 5 horas e 18 m. da nnnbia.
Segunda as ti hora 42 minlos di tarda.
PARTIDA DOS VAPORES COt^EIROS.
Para o sol at Alagoas a 14 30; para o norw
at a Granja a lo a 30 de cada mex; para Par*
nando nos das 14 dos meses Janeiro, ma/cp, mai
julbo, setembro e novembro.
PARTE OFFICIAL
GOVEBXO DA PROVNCIil
Expediente do dia 17 de abril de 1867.
3'secgao.
i. 766.OCBcio ao inspector da tbesoararia de
fazenda.Tendo-me declarado o Dr. Francisco de
Paula Pena, em offlcio de 6 do corrate, que re-
nunciava em favor das despezas da guerra a gra-
tificacSo de 600^ Qoe se Ibe mandou abonar por
isr aito parle da commissao que fai ao presidio de
Fernando a servico do ministerio da guerra, assim
o commuoico a V. S. Dar sea conhecimento e
ds convenientes.
N. 767.Dito ao mesmo.Declar a V. S. para
es ai convenientes, e em resposla ao seu offlcio
de hoatem. sob n. 212, que tica approvada a de-
misso que conceden o inspector da alfandega des-
ta cidade ao guarda da mesan alfandega, Antonio
Bernardo Carneiro Monteiro, qm a soticitou por
motivo de molestia.
J. 768.Dito ao mesmo.Restituiodo a V. S.
os prels que vieram anoexos ao seu offlcio de
hontem, sob n. 211, relativos aos venc meatos a
contar do 1* a 13 do correte mez, dos paisanos
qu para manutengo da ordem publica vieram ds
Santo Amaro de Jaboato e estiveram addidos ao
oorpo de polica, tenbo a dizer-tbe que expO* o te-
neute-coronel Antonio Francisco Paes de Mello
Barreto, no offlcio jomo por copia, datado de boje,
mande pagar taes veucimentcs de conformidade
rom o meu offlcio de 13 deste mez.
N. 769.Dito ao mesmo.Recommeodo a V. S.
que em vista da conta e pret juntos em doplicata,
a que se refere o offlcio do commandante superior
deste municipio, datado de bontem e sob o. 197,
monde pagar, se nao bouver inconveniente, nao s
os vencimentos a contar de 2o a 31 de margo ul-
timo, das pravas do 7 baialhao, que para rnanu-
lenco da ordem publica foram chamados a servi-
;) de aquariellamento nesta capital, mas tambem
a quantia de 3 (920, despendida como (oroeci-
mento de iuz a agua para o respectivo quatlel du-
rante aquellos das.
N. 770.Dito ao mesmo.Em vista do incluso
pret que me remeitea o commandante superior
deste municipio com offlcio datado de bontem, sob
a. 200, e nao bavendo inconveniente, mande pa-
gar os vencimentos relativos a primeira qulotena
do corrente mez, do contingente do 3* batalbao da
guarda nacional destacado no quartel do corpo de
polica.
IS. 771.Dito ao mesmo.Tendo nesta data ap-
provado os contratos que o conselho de compras
navaes celebrou com diversas pessoas, segundo o
termo e offlcio, datados de 5 e 9 deste mez, para
fornecimento do almosarifado do arsenal de mari-
nha, assim o commuoico a V. S para seo conhe-
cimento, prevenindo-o de que aqnelle conseibo re
metiera a essa ibesouraria as copias dos referidos
contratos para os flns convenientes.
N. 772.Dito ao mesmo.Teodo-me o coronel
do ostado maior de segunda classe Jos Maria Il-
defonso Jacome da Velga Pessoa e Mello, partici-
pado baver no dia 15 do correte; assumido oexer-
cicio do lugar de director do arsenal de guerra
para o qual tora nomeado por decreto de 31 de
dezembro uliimo, assim o commnoico a V. S. para
sen conhecimento e direccao.
N. 773.Dito ao mesmo. Transmuto a V. S.
os prets juntos em duplcala que me remenea o
commandante superior deste municipio com offl-
cios de bontem, sob ns. 202 e 203, afim de que se
nao houver inconveniente, maule pagar os venci-
mentos relativos a primeira quinzena deste mez,
dos guardas nacionaes destacados as fortalezas do
Bram e Buraco, beru como do 1" batalbao de arti-
gara aquarteladas no Hospicio.
N. 774.Dito ao mesmo.Reslituo a V. S. con-
venientemente os prets inclusos em duplicata
que se refere o offlcio de V. S. datado de 29 de
marco ultimo, sob o. 170, e relativos aos venci-
mentos a contar de 26 de dezembro do anno pr-
ximo passado al 15 de Janeiro ultimo, das pracas
do 8a batalbao de infamara da guarda nacional
deste maaicipio quefistiveram empregalos no ser-
vigo do recrotamento na povoacao de Santo Ama-
ro de Jaboato.
N. 775.Dito ao mesmo. Providencie V. S.
para que se nao houver inconveniente, manda pa*
gar os vencimentos a contar de 23 a 31 de margo
ultimo dos offlciaes do 7* batalbao de infamara
aqnartellados nesta ciade como se v da folba
juota em duplicata que se refere o offlcio do
commandante superior deste municipio datado de
bontem e sob n. 199.
.N. 776.Diio ao mesmo.S9naohonver incon-
veniente, e em vista dos prets juntos em duplica-
ta que rae. remellen o commandante das armas
com offleis de honiem sob ns. 529 e 330 mande
V. S. pagar os vencimentos correspondentes a 1
qaituena deste mez, das pracas do depsito de re
c.-utas e dos prisioneros paraguayo*.
N 777.Dito ao inspector da tbesoararia provin-
cial.-SenSo bouver inconvenlenie,mande V. S. pa
gar ao commerciante Manoel Jos dos Sanios con-
forme solicitou o commandante superior da comarca
de garanbuas em offlcio de 13 de margo ultimo,
sob n. 30 os vencimentos relativos ao mez de fe-
vereiro prximo fiado dos guardas nacionaes des-
tacados no districto de Pao-ferro termo do Bulque,
como se v do pret junto em duplicata.
N. 778.Dito ao niesmo.Expega V. S. as suas
ordens porque estando em termos a inclusa rela-
gao nominal e nao bavendo inconveniente sejam
pagos a Jeronymo Pereira Maras, conforme soli-
citou o eommandantt superior da comarca do
Brejo da Madre de Deus em offlcio do 1* do cor-
rate os vencimentos rela.ivos ao mez de margo
ultimo dos guardas nacionaes destacados n'aqualla
villa.
N. 779.Dito ao mesmo.Tendo por offlcio de
19 de dezembro prximo Ando mao tado substituir
por outro offlcial o alteres Elias Jos de Mello, no
commando do destacamento da cidade de Goyan-
na por acbar-se pronunciado, e bavendo em 3 de
Janeiro designado o alferes Guilbermino Francisco
de Paula Monte-Negro para render o offlcial que
esta va commandando o referido destacamento, as-
sim o commumco a V. S. para os flns convenien-
tes.
N. 780.Dito ao mesmo.Recommendo a V. S.,
que em vista do competente certificado mande pa-
gar ao arrematante do u timo lance da estrada de
Nazaretb a importancia da 2* preslago a que lera
direlto por haver executado dous tergos das obras
do seu contrato, segundo consta de offlcio do ce-
te da reparligao das obras pnblios datado de bon-
tem e sob n. 91
N. 781.Dito ao mesmo.Annuindo ao que so-
licitou o commandante superior da comarca de
Garanbons em offlcio de 2 do crreme sob n. 36
e 37 recommendo a V. S. que em vista dos. prets
juntos em duplicata e nao bavendo inconveniente,
mande pagar a Claudino do Reg Lima Jnior, os
vencimentos das pragas da guarda nacional des-
tacadas nao s na v.iia do Bom Conseibo dorante
os metes de Janeiro a margo deste aano, mas
tambem na pavoago de Corremos, nos dous l-
timos de taes mezes como se v dos mencionados
prets.
4* secco.
N. 783.Dito ao Exm. presilente da provincia
das Alagas.Rogo a V. Exc. que se digne pro-
videnciar em ordem a serem ministrados os escla-
recimentos reqoisilados pelo juiz municipal da 1"
vara desta cidade no offlcio de 16 deste mez jamo
por copia com referencia ao sentenciado Jos Gon-
galves do Nascimento.
N. 784.Dito ao desembargador provedor da
Santa Casa da Misericordia.Concedo a autorisa-
cao que V. Etc. pede em seu offloio de 16 do cor-
rente sob n. 660 para serem recolbidas ao respec-
tivo eollegio as orphas Mana e Amelia Albas do
fallecido Manoel Mariano de Souza Pimeotel pof-
teiro que foi da admioisirago do correto desta
provincia.
N. 785.Portarla. O presidente da provincia
attendendo ao que requeren rei Augusto da Im-
maculada Conceigo Alves coadjuctar da tregue-
zia de Santo Antao e tendo em vista a loformagSo
do conego encarregado do governo do tf#ado, fe-
solve coaceder-lbe 3 mezes de liceaga com orde-
nado somente para ir a corte tratar de negocios
de.seu convenio.
N. 786.Dila. O presidente da provincia em
vista da proposta do director geral da lostruego
pnblica de 16 do corrente sob n. 150 resol ve no-
mear o cidadao Heraclio de Araujo Villar para
reger interinamente a 1* cadeira do 2* anno di
escolla normal durante o impedimento do respec-
tivo proprietario.
Expediente de secretario do govem do dia 17 de
abril de 1867.
2* secco.
N. 787.Offlcio ao commandante superior do
Recife. O Exm. Sr. conselbeiro presidente da
provincia manda declarar a V. S. em resposta ao
seu offlcio datado da bontem e sob n. 200, que
nesla dala se expedio ordem a tbesouraria de fa-
zenda para pagar a importancia do pret, a qae se
refere o citad j offlcio.
N. 788.Dito ao commandante superior do Bre-
jo. u Exm. Sr. conselbeiro presidente da pro-
vincia manda declarar a V. S. em respos'.a ao seu
offlcio do 1* do correte que acaba de autorisar a
tbesoararia provincial a pagar a Jerouyuo Perei-
ra Marios os vencimentos constantes do pret que
em duplcala veio annexo ao citado offlcio.
N. 789. -Ditoao commandante superior de Gs-
ranbuns. S. Exc. o Sr. conselbeiro presidente da
provincia respendendo ao offlcio de V. 5. datado
de 13 de margo uliimo, manda declarar a V. S. que
acaba de aotorisar a thetonraria provincial a pagar
ao commerciante Manoel Jos dos Santos os veu-
cimeotos constantes do pret que veio jomo em
duplicata ao seo citado offlcio.
. 790.Dito ao me.-mo. Nesta data autorisou-
se a tbesouraria provincial a pagar a Claudino do
Reg Lima Jnior, os vencimentos constantes dos
pret- que em duplicata vieram annexo* aos offlcios
de V. S. datados de 2 do correle e sob n. 36 e 37
os qaaes ficam assim respondidos, de ordem do
Exm. Sr. conselbeiro presdeme da proviacia.
3.a secgo.
N. 791.Offlcio ao inspector da tbesoararia pro-
vincial. S. Exc. o Sr. conselbeiro presidente da
provincia manda communicar a V. S. para seu
conhecimento que segundo consta de offlcio de 16
do corrente do Dr. Jorge Dornellas Ribeiro Pessoa
entrou elle n'aquella data no exerclcio interino de
director da cscollajnormal.
N. 792.Dito ao chele da repartigao das obras
pdicas.De ordem de S. Ese. o Sr. conselbeiro
presidente da provincia declaro a V. S. em res-
posta ao sea offlcio de bontem sob n. 91 que ces-
ta data autorisou-se a tbesouraria provincial, a
pagar em vista do competente cerlideado a 2'
prestago a qae tem dlreito o arrematante do ul-
timo lance da estrada de Nazaretb.
4* secgao.
N. 793. Offlcio ao i* secretario da assembla
legislativa provincial. -N. 6.De ordem de S. Et.
o Sr, conselbeiro presidente da provincia trans-
muto a V. S. para serem presemos a assembla
legislativa provincial 40 exemplares do novo re-
glamento da repartigao das obras publicas de
31 de julho do anno passado.
N. 794.Dite ao mesmo.N. 8.-Para ser pre-
sente a assembla legislativa provincial passo as
mos de V. S. de ordem do Exm. Sr. conselbeiro
presidente da provincia o incluso quadro Impresso
dos impostos que formam a receita das dive sas
provincias do imperio acompanbado da legislagio
que os regula.
N. 793.Dito ao mesmo.N. 9.De ordem de
S. Eic. o Sr. conselbeiro presidente da provincia,
transmiti a V. S. para ser prsenle a assembla
legislativa provincial o Incluso projeclo de postura
que a cmara municipal da cidade de Naiaretb,
confeccionou e remellen com o offlcio de 4 de ou-
tubro do anno passado jauto por copia.
N. 796. Dito ao mesmo.N. 10.De ordem ds
S. Exc. o Sr. conselheiro presidente da provincia,
transmuto a V. S. para ser presente a assembla
legislativa provincial, os inclusos balances da re-
ceita e despeza do anno passado, qae remettea a
cmara municipal de Tacarat com offlcio de 17
de Janeiro ultimo, junto por copia, bom como o ba-
lanQ) da despeza da quantia de 525A que a mes-
ma cmara pede aotorisacao para fazer das rendas
que arrecadar uo exerclcio de 1867 a 1868.
N. 797Dito ao mesmo.N. 11.De ordem de
S. Exc. o Sr. conselbeiro presidente da provincia,
passo as mos de V. S. para ser presente a assem-
bla legislativa provincial, a inclusa copia do con-
trato celebrado com Jos Amat para dar represen-
lagdes lyricas no tbeatro de Santa Isabel por espa-
go de tres annos.
N. 798.Dito ao mesmo.N. 12.De ordem de
S. Etc. o Sr. conselbeiro presidente da provincia,
transmuto a V. S. para ser presente a assembla
legislativa provincial, o incluso ptojecto de posta-
ras, que re mellen a cmara municipal da villa de
Tacarat com offlcio de 18 de Janeiro ultimo, junio
por copla.
N. 799.Dito ao mesmo.N. 13.De ordem de
S. Etc. o Sr. cooslhero presidente da provincia,
passo as mos de V. S. para serem presentes a as
sembla legislativa provincial, as inclusas copias
dos contratos celebrados.com os Drs. Joaquim Pi-
res Machado Portella e Francisco de Paula Salles,
para a confecgo da classificago das leis provin-
cias! e do ndice alpObettco das masmas leis.
N. 800.Dito ao director ral da iastruccao pn-
blica.S. Exc. oSr. conselbeiro presidente da pro-
vincia, tendn por portara desta data, e em vista de
sna proposta de 16 do crreme, sob n. 150, resol-
vido momear o cidadao Heraclio de Aranjo Villar,
para reger interinamente a 1* cadeira do 2* auno
da Escola Normal dorante o impedimenlo do res-
pectivo proprietario; assim O'Qianda communicar
a V. S. paYa seu eonbeclmsnto.
DIARIO DE PERMMBUCO
FOLHETIH
D. BRANCA D LANDZA
RECORDARES DA CORTE DE FELIPPE II
Romance histrico original
Por E, Fevjo de Mendoza,
PARTE I
Rcdenap^o por amor
LIVROI
O CORSAHIO'NEGRO.
(Cootinaaco do n. 187.)
CAf ITLO IX.
Conselhos infructuosos. *
Depois qae o Corsario termioou a sua
narri?5o, retaoa am momento de silencio,
porque oem elle poda fallar, profundamente
commovido como eslava com "a recordarlo
as suas desgracas, nem Branca se atreva
a mterrompe-lo, porque entenda que devia
respeitar a sna dor.
Por fim o pirata passou a m2o pela fron-
te e olliou a hespanaola.
Eolao esta se lhe dirigi.
Fernando, lhe disse com a sna mais
suave voz, a vossa historia desastrosa e
lerrve, % sobra-vos razio para qae vos
qaeixeis das mulheres e aborregis o rei.
Mas permitti-me que vos d um conselho.
Fallai, Branca ; sois um njo, e n5o
podis dizer-me cousa qae n5o sej boa e
No sabbado ebegon de Liverpool e Lisboa o va-
por ioglez Amazon, apeaas adianlando um dia s
noticias que recebemos pelo Guttnne. Do Jornal do
Commirao de Lisboa, do da 30, extrahimos o qae
segu, nicas noticias que deile conten.
ITALIA.
Cbegara Roma o geaeral (ranee; Dumonl, afim
de inspeccionar a legio Aotibes, a qual passou re-
vista, uo campo de Monte Cavallo, logo depois que
ebegou. O general disse-lhes, >o vollarem para o
quartel :
O imperador soube, com profando seotlmeato,
haverem se realisado deseredes em nossas Qleiras.
Eitou disposto a onvir as queixas, que os legio-
narios possam ter qae apreseatar.
Todo aquelle que expoier francamente o dese-
jo de vallar a Franca, sera' all couduiido cusa
do goveroo, e as vagas qae estas retiradas prodg-
zirem nos quadros sero immedlatamenid preeb-
Qbidas.
t Os {maro nao donara' de ser severamente pu-
nida qualquer deserco ; deve estipular se com o
governo italiano urna convenci, am virtude da
qual se ha de elle obrigar a entregar os desertores
as autoridades pontificias. Espero que vos mostres
dignos da Frasca, na bourosa misso que vos foi
confiada pela" orerno do imperador; por rs3o qae
contiauaes serapre a ser soldados francezes, anda
que pagos pelo governo pontificio, coja soberana
temporal deveis sustentar, at ultima gola de
vosso sangue.
t Nada tendea a recelar; 6 governo imperial
contina a considerac-vos como seus soldados, e
ba de vigiar pela vossa seguranza. Embora uzeii
um lago e urna bandeira diflerentes do da Fran
ca, MR temporario e urna medida aconselbada
por altas razdss polticas.
Essa linguagem prodazio sensagio tanto no par-
tido liberal como do reaccionarlo, e tem sido mili-
to commenladas.
Ja comegavaro a deixar a corte pontificia, os
bispos ahi congregados para a festa centenaria.
Na cmara italiana os deputados ?iancini e
Curt iaterpellaram o gabinete sobre a inspeegio
do general Dumont, e o supposlo allstamento e ar-
mamentos para urna Invaso nos estados romanos.
O Sr. de Ratazzj responden qje nada navla de
posilivo sobre armamentos para invaso; o queja'
o governo tinha pedido explicagSss Franca acer-
ca da Inspecgao ; e que era falso tralar-se de ac-
cordo para a entrega de desertores.
Segundo diz a Independencia Belga, cerca de
600 garibaldinos approximaram-se das (ronlelras
rematas, sendo repellidos pelas tropas italianas.
Houve em Genova a reunio do com i co po-
pular, no tbeatro Carlo-Felice. A concorrencia foi
immeasa, e os discursos pronunciados foram gra-
ves e serios, sendo muito applaudidos.
A assembla tomn a segniote deliberado :
i Considerando que a Italia nao lem cumprido o
seu programma, em qoauo nao tiver reivindicado
Roma para sua capital;
< Considerando que em vo que pode existir a
esperanga de ver o paiz desenvolver-se/no interior,
de urna maneira fLresceote; e de obter no exterior
a posigo de nago poderosa e respeitada, em quan-
lo esse bem supremo nao tiver sido conquistado;
Os genovezes, reunidos em assembla popular
b publica, tomam a seguate rsolago :
< 1.* Confirmam solemnemente o direlto, que
os italianos tem.de possuir Romfpor capital da
Italia.
< J 2. Proclamar o dever, qae incumbe todos
os italianos, de concorrer com todas as suas torgas
e por lodos os meios, para a reivindicago desta
fraego importante da patria italiana.
Reun Gas semelbanies tem bavtdo em diver-
sos pontos da Italia.
I PORTUGAL.
Suas majestades o rei e a rainha aebavam-se
em Paris, depois de visitarem Pierrefonds e Com-
pigas- -No da 23 do passado foram coruprimen-
tados pelo corpo diplomtico, cajos membros sua
magesiade a rainha dirigi palavras affaveis.
A Patrie diz que, apenas Hade o luto, bavera
urna reuniao semi-otScial as Tutberias em obse-
quio ao rei e a' rainha.
Falleceaem Lisboa, no dia 29, o Rvm. co-
nego da s de Guaraa, Francisco Soares Franco.
Cbegara, no dia 27 do passado, de volta de
Roma ao Porto, o bispo desta diocese.
A alfaodega do Porto rendeu, de 1 a 27 do
passado 159:708*385.
PERNAMBUCO
Pois bem, j que me jnlgais boa, ou-
vi-me. Nao deveis, mea amigo, entregar-
vos a esses norriveis planos de vingaoca,
porque a vioganca a paixao mais terrivel,
e se todos os offendidos se vingassem, nao
haveria sociedade possivel, nao existira o
mundo. Nao, Fernando, nao. Deixai ao
Omoipotenle o cuidado de castigar o mal-
vado. No queirais usurpar-! be as snas at-
trlbuicjes, castigando por vossa propria con-
ta, e lembrai-vos daquelle preceito divino
Perdoai-nos as nossas dividas, assim como
nos perdoamos aos nossos devedofs.Jx-
gais que Deus dea sem castigo os perver-
sos ? Nao. O que causa algum mal
mais tarde castigado. Deas pesa e mede
os soffrimentos dos que padecer, e por
lies castiga o que injustamente o caosoa.
Deixai, pois, a vosaVvinganca, eu.vo-lo ro-
go, e recordi-vos de que frei Luiz vos di-
ra o mesmo!se vivesse. Fazei como eu...
vQga-vos dspresando e compadecendo-vos
dos 'que vos fizeram soflrer, porque, ai
del les! Deas os tem a pon tado j com a
vara da sua jostra.
E fallando assim. Branca, eievava ao co
os seas puros e formosos olhos. nos qaaes
se reflectiam os raios da Iua semelbande-a
a urna daquellas prophetsas da antigaidade
que yiam com os olpos da alma os snecessos
futuros, e cboravam tristemente as desgra-
nas que iam oahir sobre seas irmSos.
Fernando estremecen por .urna emocjto
inexplicavel, mas moveu a cabera para um
lado e outro em signal de dsvida e de in
crodulidade.
N5o, Branca, n3o, disse hespanaola.
Vos sois mulher e per isso tallis assim, \
molber, quando offendida, s lhe ica o
triste recurso das lagrimas, mas o homem
nao pode chorar e necessita por isso de vin-
gar-se.
Quanto vos engais I Julgais que a
mulher nao pode vingar-se, acaso porque
iraca ? Pois a sua mesrna fraqueza lhe pode
proporcionar mais occasies. fia mesrna,
se uo dia em qae me vi to infamemente
engaada por Antonio Prez me quizesse
vtngar, ser-me-hia preciso mais que mandar
ao rei a carta que eu recebera, dirigida
princeza d'Ebok ? Nao tena isto sido a
perda da minna rival e do meu amante ?
Cortamente que sim; mas seria en mais
venturosa?. Deteria por isso roda do
meu destino ? Nao, em verdade : os meus
soffrimentes teriam sido os mesmos, e se o
me8qoraho prazer da"vingarrca poda ale-
grar-me algama cousa, s serta por alguns
momentos; depois perda o direito de me
qoeixar, porque o qae se vinga (ez-ae jus-
tica e nao tem direito a pedir majs.
Sem embargo, sen&oraf.
. Deixai-me continuar, disse Branca
inspirada. Vos queris vingaf-vos de Fe-
lppe II, que vossojnimig, e para vos
vingardes delle tQnde'que sacrificar maltas
vctimas, que neabum mal vos teem feito.
Qae dirieis se todos os pareles dos solda-
dos e marinheiros que cahem sob o fio da
vossa espada so qnizessem vingar de vos,
e vos perseguissem como a um homem que
Ibes arrebata vida dseos rases sem
que estes vos, tivessem ollendido f Nao es-
Urlm o, sea direito segqndb asvossas
Hdas ? Certamente que siftt; e que seria
Uwito do mando s Wdos assi rwnaswm f
Por portaras da presidencia de 17 do cr-
ranle foi aposentado o Sr. Tbeodoro Machado Frei
re Pereira da Silva no lugar de ebefe da 1* secco
do consulado provincial, sendo nomeado para o
substituir o Sr. Dr. Antonio Witruvio Pinto Bau-
deira Accioli e Vasconceltos.
No sabbado tave lugar a collaco do grao de
dootor em direito ao Sr. bacbarel Jos Joaquim
lavares Beifort, servindo lhe depadrrbo o Sr. Dr.
Aprigio Jostiniano da Silva Guimares.
Os irmJos novaos da ordem terceira "de S.
Francisco feslejiram hontem a' sua padroeira N.
Senhora da Ajuda, com toda a poraoa e brilhaotis-
mo. Oraram no Evangelho o Rvm Fr. Espirito-
Santo e o Te-Deum o Rvm. vigario de Aguas-
Bellas. Antes da festa fizeram sua entrada diver-
sas pessoas, e professaram os novicos cojo lempo
de noviciado se ar-hava coocluido.
Na vespera a' tarde procedeu-se a' bengo da
respectiva imagem.
Tambem celebrou-se bontem a festa de N.
Senhora do Carmo, que se venera no frontispicio
da respectiva igre|a. O temlo eslava elegante-
mente ornaHo. Oraram ao Evangelho o Rvm. A.
de MeHo e Albuquerque e ao Te-Deum o Rvm.
Leonardo Grego.
A' noite foi qoelmado, em frente da Igreja, um
bello fogo de artificio.
Na sesso de sabbado entrn em julgamento
no tribunal do jury o preto Joo, escravo de Jos
Francisco Bento, pronunciado pela subdelegada
de S. Jos, por fenmentos graves feitos no menor
Francisco, as penas do an. 208 do cdigo cri-
minal.
Por forja das respostas do conselho de sentenca
aos quesilos propostos, verifleando-se achar-se o
roo comprebendido no referido art. 205 grao me-
dio, foi condemoado, de conformidade com o art.
60 'do mesmo cdigo, a' 100 agones e a trazer por
um anno ferro ao p, sendo o respectivo dono con-
demnado tambem as castas do processo.
Por incommodos ds sande, foi concedida e
exonerajao pedida de coadjactor da fregoezia da
S Jos desta cidade ao Rvd. Sr. Joao Gomes de Tendo e ehefe da repartlcSo das ebrae-pa-
u "veira- Micas, verlfleado, segon*) as ordens da presWea-
Pela presidencia foi declarado ao commando c'a, acbar-se em completo estado de mina, as cha-
superior da guarda nacional deste mnnicioio do Pas de ferro onduladas sobra qae assenta o calca-
Reclfe, que nao bavendo previamente sido feila a ; met>l<>
designaco de guardas nacionaes destacados para j clarado a convenieneia de reparar-se com proojp-
o servido da guerra, devem ser considerados vo- j Mdojaes minas, consta-nos qae foram organisa-
luntarios da patria os guardas que sentaren) praca
no exercito ou alstarem se nos corpos de volunta-
rios da patria.
Sobre exposljo da tbesonraria provincial,
resolveu o Exea. Sr. presidente abrir, na importan-
cia total de :89iJol2, diflerentes crditos snpple-
mentares, para contiouacao de despezas que cor-
rom pelo ornamento do anno ftnanceiro fiado de
186o' a G7, ora em liquidadlo.
Taes crditos sao para occorrer despezas con-
signadas nos arts. 3 f, 10 S 3o, 17 *, 19, 20,
43 e ii da referida lei.
Fallecen na villa do Brejo o Sr. Dr. Jos
Francisco Lopes Lima, que all (ora por doento.
Pela delegada de Goyanna foram presos Ma-
noel Felippe, Joao Paulo e Manoel Antonio de
Franja conhecido por Manum, por estarem pro-
nunciados como cmplices do espancamento de Do-
mingos Ramos Pimeotel, na fregoezia de Crnang.
Alguem nos pede lembremos a' junta dos Srs.
correctores a conveniencia de serem publicadas
diariamente as allerajdes do cambio sobre Portu-
gal, como o sao aquellas sobre outras pracas, al-
ternas as relajees comraereiaes que existem entre
a nossa praca e as desse reino, quer entre com-
merciantes e qoer entre particulares.
Por falta de numero, nao fonecionou no dia
16 a AssociacoCommercial, estando marcado o dia
20 para a respectiva sessSo, cuj o fim especial la'
lemos noticiado.
O proprietario dos mnibus da linba de Olin-
da continua de setembro em diante, o servico da
mesrna linba, cujas partidas sero desla cidade
para aquella a's 4 1/4 horas da tarde, e dalli para
aqu as 8 1/1 da manhaa'.
Pelo Sr. subdelegado desta fregueza de San
to Antonio, foi mandado recolber ao quartel de po-
lica, a despstelo do Sr. Dr. chefe de polica, o
pardo Pedro da Silva OJonel, pronunciado no ter-
mo de Iguarass por prime de ferimentos graves,
praticados no pardo Joo Ramos ha cerca de 4
annos.
O referido criminoso foi capturado pelo inspector
de quarteirlo, o Sr. Jos Vidal de Negreiros.
Ante-bontem lev lugar, como previamente
se aqannclara, a reunio do partido conservador
para tratar-se da organisacao do Greiio Per-
nambucano _ua Uniao C0NSBB.VM0B. a' seme-
Ibanca das que tem sido Installadas em outras pro-
vincias, de acord com o que resolven o centro
do mesmo partido na corte.
Escolhida e numerosa foi a sociedade que eo-
cbeaoClob Pernambasano, Ingar da renalo, cal-
culando-so em cerca,de 700, os cdados que all
foram representar o partido conservador.
S. Exc. o Sr. vi-conde de Camaragibe, em eujo
onoe foram feitos os convites para essa reunio,
assnmio a presidencia da mesa a convidou para
tornaren) assento nella os Srs. Drs. Souza Res e
Joo Alfredo.
Em seguida o mesmo Exm Sr. expdz o motivo
da convocarlo da reunio, fazendo lr urna carta
que do centro conservador Ibe fra dirigida para
esse fim ; depois do que sobmelteu a' approvajo
das pessoas all reunidas as bases da associao
Uoio Conservadora.
Em seguida propz o mesmo Sr. visconde que
fossem approvados para reger provisoriamente o
Gremio Pdrnambucauo os estatutos que regem o
centro conservador na corte, at que, orgaoisado
aquella, possa confeccionar os seus respectivos es-
tatutos de harmona com os deste.
Approvadas anonas as propostas, tratou-se da
eleijo dos membros do gremio e de seu numero *,
e, suscitando-se urna questo sobre o modo porque
deviam ser elles eleitos, fallaram os Srs. Joo
Tnom, Souza Reis, Manoel Portella, Campos, Al-
colorado, Libo, Araripe e baro de Muribeca, re-
solveado-se a' liual que fossem eleitos por aclama
cao 22 membros indicados pelo presidente, sendo
para este logar acclamado previamente o Exm.
Sr. visconde de Camaragibe, que propoz os segoin
tes Srs.: baro de Vera-Crn*. baro de Muribeca,
conselbeiro Jos Bento da Cunha Figoeiredo, Dr.
Jos Bernardo Galvo Alcoforado, Dr. Joao Jos
Ferreir de Agolar, Dr. Antonio Joaquim de Horaes
e Silva, conselbeiro Dr. Pedro Aulran da Malta e
Albuquerque, monsenbor Joaquim Pinto de Cam-
pos, Dr. Braz Florentino Henriques de Souza, Dr.
Joaquim Piras Machado Portella, Dr. Joo Alfredo
Correa de Oliveira Andrade, coronel Domingos
Alfonso Nery Ferreira, Dr. Ignacio Joaquim de
Souza Leo, Dr. Bento Jos da Costa, Dr. Augus.o
Frederico de Oliveira, Dr. Joaquim de Souza Reis,
Dr. Francisco de Barros Brrelo, Dr. Joaqnim de
Aqoino Fonseca, Dr. Pedro de Athayde Lobo Hos-
coso, Joaqoim Pedro Barreto da Mello Rago e Luiz
Antonio Vieira, depois de approvados os quaes,
den se por rinda a reunio.
Consta-nos que pela reparticao das obras pu-
blicas, deve-se proceder boje medijo dos tri-
Ihos urbanos de Appipucos,
Ah t ponde um freio aos vossos desejos de
vioganca... delende-os a sua vertiginosa
carreira... nao tentis a Deus... Anda po-
dis ser feliz, Fernando; deitai um olhar
em roda de vos, qaeimai a vossa horrivel
bandeira e ped a Deus perdao pelo damno
que tendes feito s suas creataras.
i*. Senhora...
Anda nao conclu, proseguio Branca,
olbando cada vez mais aflecluosamente para
o Corsario. N3o acreditis-que eu pens
["assim fior necfissidade, nao. Se me tivesse
querido vingar de Prez nSo me faltarla re-
soluto nem valor. N5o me vinguei por
que edei a vinganca, porque creio qae
um delicto, am crime tSo grande como o
que se deseja castigar com ella, e me aler-
rou sempre a idea de me collocar ao nivel
do agressor, dando-lbe direito para se qoei-
xar e,talvez, para se queixar com justica
Alm de que, a vioganca como a pedra
arrojada por urna fund^: lineada no espaco
fficil saber onde ir parar; e, acredi
tai-ffle, deve ser muito triste o precipitar-se
qaalquer; no abysmo do odio para vingar
urna off'ensa, e depois de vingada olbar o
caminbo porque passou e v-lo coberto de
sangue.
Branca guardn silencio, e vendo que o
pirata nada Ibe dizia, sorrio-se, com arde
triumpbo.
Oh i mea amigo, lhe disse, conven-
cei-vos com as minhas razos, e deixai de
perseguir os subditos de Felippe II.
Femando levanten a cabeca e responden
lhe tristemente:
Perdoar a'esse infame rei qae Janto
damno ao fez, qae perdeu deshonrou a
dos tres orearaemos, indicando os tres systemas
seguintef, com especifteaco das vantagens e in-
convenientes de cada am; sendo o primeiro para
substituir o pavimento qne existe por ora soalbo
geral de madeira, o segundo .qae o mesmo sys-
tema existente e o terceiro am bello calcamento
de parallepipedos de pedra, assento sobra um las-
tro de madefra.
A' S. Eic. o Sr. presidenote compete deliberar
qual del les deve ser preferido de haraonia com a
conveniencia publica.
o Sr. Joaquim de Almeida Pinto, babil pbar-
maceutidb desta provincia, acaba de publicar mais
um folheto, no qnal se exaliam as excellentes cua-
lidades do Fedegoto de Pernambueo, hb tratamento
de nm grande numero de molestias taes como a
paralysia, astbma, tosse convoisa oo coqueluche,
tosses recentes e amigas, snftVacSes, catarrhos
pulmonares etc. O Sr. Pinto fex desta planta va-
rus prepararon, que se acbam a' venda em sna
pharmacia, ra larga do- Rosarlo n. 10.
O bom no me de qne gosa este distlncto pbar-
maceotico, e os bons servigos qne ba prestado a*
parte .-ofredora da nossa sociedade com os sena
preparados de jurubeba, nos leram a confiar muito
em n novo medicamento com qne o sen incaneavel
talento veio enriquecer a tberapeutica.
Foi sexta-feira pela primeira vez, este anno,
scena, em o nosso Sania Isabel, o drama sacro
Milagros de S.nti Antonio que tanto agrada ao
publico desla eldade.
O espectculo corren bem,.destingolndo-se o Sr.
Peregrino no papel de Fr. Antonio, que foi bem
comprehendido e melhor executado. Todos os do-
mis artistas trabalbaram bem.
As decoracoes do scenario, bem como as vesti-
mentas que demanda o drama, foram todas pre-
paradas especialmente para esta nova apresenta-
cao do drama, tornando se por isso*o actnal em-
prezario digno de merecidos encomios.
Hoje as 10* horas se extra bir lote-
ra beneficio das familia dos voluntarios
da patria (33) sendo os maiores premios
6:000fl e 2:0000.
O thesoureiro das loteras, attendendo
a necessidade para reformar o plano pelo
qual se esto extrabindo as loteras, confec-
cionou um plano de maior numero de pre-
mios, que foi approvado pelo Exm. Sr. pre-
sidente da provincia e que dever comecar
para a loleria -'iia em diante, satisfazendo as-
sim aos continuados pedidos dos senhores
compradores de bilbetes.
Pedem-nos a segnlnte pnwicacio :
Srs. Redactores da Revista Diaria.Ja' que a ana
Revista, eccnpon-se hoje do Largo das Priocezas,
eremos que nao seria mo lembrar-lbes qne con-
viria fazer nesse logar nm square, a' maneira dos
que existem em Londres e Paris, onde as crean-
cas podessem ir distrahir-se e fazer exercicio cor-
preo ao ar livre.
< Desde algum tempo se nota que a tuberculi-
saco pulmonar, nesta capital, se desenvolve bor-
rivelrcente e 'lodos os dias vemos figurar no Obi.-,
loario os nomes de um grande numero de pessoas
que suecumbem a' essa terrivel affeeoio, e cumpre
que se vo combaten Jo desde a infancia as predls-
posicoes que possam ter as criaocas para seme-
Ibante mal.
Nao seria psalo para o? pas de lamilla con-
correreaa em cada anuo, com urna pequea qnan-
tia para o enlreteaimento desse square, pois que-
d-lle teriam de gozar seos Olhos, nao tanto como
distraco, ma< como meio bygien co. Isto se pra-
lica em Londres, segundo nos consta.
Por este meio, e sem ser dispendioso para a
provincia, teremo< um lugar de recreio em que as
mangas podero passar algomas boras a brincar,
e Acara' esse largo aformoseado.
Remettem-nos o seguale, pedindo soa pnbli-
cacao :
t .no dia 14 deu a sociedade Recreatita Juven-
lude sua partida anniversarla. Foi mais nma noi-
te de recreio que a presidencia e alguns socics
quizeram dispensar.
c Nao podiam por certo escolher ama ootr
prova de amlzade a* sociedade do qne a dansa ;
porque ella dispensando voluptuosamente seas,
passos decentes e .-empre engrasados, e quem sabe
eneber os coragoes de mais vida, mais greca, mais
dogura e mais encantos; e por isso mesmo foi qaa
em a noite desse dia nm numero superior a' so-
senla senboras cada qual mais betla, cada qual
mais linda e cada qnal mais abastada, fez a socie-
ojade Recreativa Juventud? reunir em si o epilogo
de todos os prazeres e todas as beldades, qae so-
mente o bello sexo qaem sabe prodigaliear.
< Duas salas, ricamente mobiliadas e adornadas
de flores naturaes, eneberam-se de convidados qae
I
mulber que eu amava, convertendo-a em
um ser despresivel, e que, nao satisfeito
ainda, me teve n'ama priso dez annos...
que foram dez seculos de tormento!...
Nao... nanea... E" impossivel... Admiro-
vos, Branca, mas nao vos posso imitar.
E porque ?.
Sem davida porque o nao quer o
co.
O co, dizeis I Ah t nSo insultis a
Deas... Olhai, disse indicando ao pirata
a estrellada abobada do firmamento, olhai,
Fernando... Deus vos falla pela bocea de
urna fraca molber. Deixai; deixai esta
vida t nao mais vingaogas... n3o mais san-
gue... nao mais horrores I... Bastantes
innocentes tem perecido,- e vos sois res-
ponsavel pelas'suas vidas.
A posic3o de Branca era nobre e enr-
gica, A soa bella figura, Iluminada pela
lna, os seus cabellos agitados por um hgeiro
vento, tudo nella inspirava naquette momen-
to venerarlo e respeito.
O Corsario vio-se subjugado e responden
com voz grave:
Tendes um encanto irresistivel para
convencer. Onvindo-vos, comprehendo que
vos interessais por mim. como urna amiga
verdadeira, e qnero demonstrar-vos que
sou capaz de virtude desde boje...
Como ; cedis t
i Sim, Branca... n5o mais vioganca...
n5o mais sangue....
A irm5a de Linaza ia cabir de joelbos para
dar grasas a Deas pelo trioropbo que a
srft palavras conseguir, qaandtf seoavw
Qm clamor mmm, muitidio del
piratas seapresentou no jardim, dando vo-
zes de morte.
A bespanbola levantou-se estremecendo
em quanto que Femando se adiantava gra-
ve e firme a receber a suasegundo pareca
sublevada gente.
Capito, exclamou qae os capita-
nea va, qae nao era outro se nao Bertuccio,
vinganca 1 vioganca!
Que isto ? Que vos traz aqu ?
Qae se passou ?
Seobor, exclamou Peruginoeobo do
Madrid; os infelizes San Pietro e Belonaro
foram publicamente entercados por ordem
de Felippe II. Eu mesmo li os cartazos que.
lhe pozeram as costas, os qaaes diziara
qae aquelles traidores bandidos estavam j
castigados, e que o mesmo faria o rei ao
sea chafe o malvado Covsario Negro.
O pirata fez-se lvido de' colera ouviodo
esta noticia.
Bem, por Deas! exclamou impetuo-
samente. Esse rei perverso e bypociri
desafia-mee nao cede ; pois W"*^*
repto e veremos. Tmgai ^""f0/-
proseguio com maior ***2?X S
morte ao rei, at que nos poderomo> da ^
cUia, ou todos Qaiamos em seai poder. Ah
guerra intermioavel... oa teou a Fep-
P8Branca estremecen, po^qw devitbou
aue os seusbons conselhos eram j perdidos
o que o pirata, to nobre e ctosgracado. ia
precipiiar-se de novo, com aquella noticia,
na fatal torrente da vingmea.
.{C*.>



11


L
LfLY 'Sfr** *e r9TmMmhmtm **-** teij 1S de A|mU de
V'iii tu i a -
1867.
ao desenvolver-fe a daosa as 11 hora da ote.
sella peraaudcenro sempre com enthusiasmo at
as 4 nana ee manla.
< Orda regularidad bao ve ssmpr no des-
empeo* du irabalbos, e por isso nio qaereraos
termiear nonas liabas sem que primeiro digamos
Ee de crtele enviamos um -aparto de mao a es-
membro influente da partida, e eom espeeteli-
dade au Illra. Sr. Balibauf arto da Gouveia como
presidente e director que m&o Nm saadanos com
om extremoso abraco pela grinalda de loares qao
colbeo. >
* Chegou ao ssbbaAa dos portos do norte ie
ana escala, o vapor Pangba, sendo portador de
jornaes do Ceara' at 10, do Rio Grande at 15 e
da Parahyba at M* ao corrente. Bis o que colbe-
mos :
Na capital do Ceara' desentolvera-se a varila.
Em Banaoeiras, do termo de Batarit,JLaiz Ti
motbeo assassiaoa a sen Irmao Antonio Timotbeo.
O assassino foi preso.
Lemos do Cwwiw:
t Ante-honiem io), por occasiio de matar se al-
gomas rezes para o consamo, enconlrou-se no ven-
tre de urna vacca om feto, que ama verdadeira
aberraco da natureza. O Sr. Dr. Rlbelro forne-
ceu-oos a segointe diseripcao desse moasiro qae se
acba exposto em seo masen : .,,.,.
t O aspecto physionomico geral o de perteua
apparencia com o do camello, examinado minucio-
samente esse aspecto tornas mais saliente, por
manto se observa qoe a formatora do crneo nao
a da soa especie, porque em logar de ser acha-
tada 6 |molrrnf nlfl oval, m direccao perpendicu-
lar, tendo extraordinariamente de anmalo, om olho
grande na parlo anterior e superior da lace na
j anotara das daaa rbitas occo latee, qoe con ver
giran a' formar ama so, deixando distinguir-?*
atravec da cornea desse grande oleo, os globos dos
dons oteas aormaes encanados dentro de orna so
rbita e cobertos pola mencionada cornea transpa-
rente : logo abuso desse olho grande nata-se a
abertura dos nariie?, nao tendo a configurao 4a
nenta da especie bovina, slm cootrabida de
nodo, qao so observa a narina da especie lan-
fera.
c O labro superior oonlrabldo igualmente de
modo que, para o bordo anterior forma a sallenc.a
como na forma do- beioo- do camello e nio da de
sua especie : a mandbula superior inteirameni.
mal formada, e os rudimentos que a compSem nao
lea a forma da do son especie, qoe em lagar de
ser alongada acha-se carta e aunando para baixo;
a mandbula interior tambera nao tem- a forma da
de sua especie, e sim da da langera, a pa* te dalla
qae friua o quaixo iutorior, que deveriater alon-
gado, acha-se i amadiAumente vertido um ngulos
recto cuino o do carneiro ou camello, tendo na saa
exirem u e s alveolos dentarios mu saliaats
com o boleo interior um poaco corto ; de modo
qae de.v','ire ulos alveolos; a consistencia dos
belfos i i.at macia, e difiere na de sua especie;
a llago n-itari1', perm mnl silente d* bocea
om virtude. da coalractora dos queixos e beicos ;
asoreias ao grandes, l?rgas e mui macias chalu-
das sobre o conducto auditivo, como no cao de
Terra-Nova, o que oo natural na especie bovi-
na ; o pello que cobre toda a cabeca e parte do
pescoco mais longo, mais denso e mais macio do
que naturalmente se observa nesta espeele.
No Rio Grande fallecen o Rvm. Joac Carlos de
Sooza Caldas, seodo nomeado para o sobstitmr na
cadeira de latim do lycu o Ur. Joaqaim Germano
Ramos.
Lemos na Cerni Natalense.
* No da o o Esm. ^r. Dr. Gustavo Adolpbo de
Sa', com sua Exma. Sra. e as mais pessoas que
d'aqui os acompanharam, regressou da viagem
effectuada no dia 2 a' povoacao de Maeahyba.
< Foi all recebldo com as mais signifcala
demonstraoe* de prazer e sympatbia.
i Teve lagar a hospedagem na casa do abasta-
do negociante o Sr. Amaro Barreto de Albuqner
qne Maranho, que soobecom aba estima-vel fami-
lia, despender ateneSen e finezas de um cava-
lheiro.
c No dia 3 foi eflorecido a S. Exc. pelas classes
do commercto e lavoura, representadas por ama
commisso, composta dos Srs. eapitao Barbosa de
Moura, Teophilo da Rocha Barros, Julio Bar
reto, um baile que primoa pela concurrencia e
profuso.
' No immediato foi-lbe dedicada orna urna reu-
nto familiar pelo sobredlto Sr. Amaro.
Na raaoha do dia 4, depois de ouvir missa
visitou o Sr. presidente a villa de S. Goncalld, em
companhia de muitos cavalleiros, algans dos quaes
de la* vieram para tal ftm, reunidos a oolros da
Utinga.
i A viagem de S. Exc. a" commercial povoacao
da Macabyba, prometi ser fecunda em melbora-
mentos reaes para ella, unto qnantoo permitlirem
os recursos do thesooro provincial.
Na Parabyba nada occorrea.
Rbahticao da polica. Extracto das partes
do dia 17 de agosto.
Forara recolhidos a casa de detencao no da lo
do corrente:
A' ordem do subdelegado da Boa-Vista, Josepba
Alves da Silva, Izabel Pereira da Costa e Carlos,
escravo de D. Rita de Sooza Leo, este a' requer-
mente de soa senbora e aquellas para correcto.
O ebefe da 2* seccao.J. G. de Mosquita
Casa de btengao. Motimenlo da casa de
deteocao do da 17 de agosto :
Existiam (presos) 356, entraram 3, sahiram II,
axiitem 348. A saber: nacionaes 240, mnlberes
por
11; estrangeiros 37, mulber 1; escravos 55, es-
cravas 4. Total 348.
Alimentados a costa dos cofres provinciaes
245.
Movimento da enfermarla da casa de deteocao
do di 17 do corrente.
Tiveram baixa :
Jos Beroardo da Silva, Jos Felippe Santiago.
Tlveram sita:
Joaqaim Gomes da Silva.
-r Pssageiros do vapor nacional Parahyba,
vindo do Acarac e portos intermedios :
Frederico Klangoard,Isabel Haria da Coneeico.
Herculaoa de Lima Wanderley, Raymondo Gomes
da Silva Lima, soa mil e urna irmaa, JosC.
Figneira de Sabola, Pe0ro Jos Goncalves da Silva,
i escrava e 1 criada, Jos Francisco Ramos, Ge-
remias Galvo Guaia, Manoel Januario L. 6alv2o,
Justino Ferreira de Agoiar, Dr. Ignacio Dias de
Lacerda, soa senbora, 2 criados, 2 escravos e 3
menores, Jo.- Paulino de Arruda, Vltalina de Paula
Barbosa, Joo Loiz Telles de Mello, Joo Antonio
Carrelra, Manoel Ferreira da Silva, Castodio Pe
reir da Silva, Manoel Januario Arroda, Manoel M.
Camacho, Cypriano Jos da Siiveira, Hermano
Kalkmann, Lourenco Antonio de Azevedo, padre
Joaquim Graciano de Araojo, Francisco Jos Go-
mes, 2 pracas, 1 preso de Jostica e 2 escravos a
inglez Atnazon, vindo
Francisco Jos
Garibaii,
Passageiros do vapor
de Liverpool e Lisboa :
Felippe Emilio Mena da Costa,
Rodrigues, John Fry ngel.
Passageiro do patacho nacional
sabido para o Rio-Grande do Sul :
Manoel Marques Pinto.
Danos em seguida os AjKmtamentos do com
nundador Aihanazio em Prit, ticnptos em sua
cortara, mimoso folbetim do festejado Jallo Cezar
Machado:
Segunda-feira,Os tem pos,sempre quero
ter aqoi, entre tr papel e o lapls, este desabafo
com a verdadeos lempos vao crois, e nio ba
mais remedio senio vivar. D'abi pWm a neces-
sidade de engendrar e inventar expedientes para
alimentar o commercio. '
As casas por es nanea teem escriptos mas v4
a gente as portas, babucando-sa a mercA da bri.
sa... se aquLboovesse disso, nm cario com este
letreiro-Oiaffo* fcopvm id, para alugar.-Vei-
tonta ama pessoa qaalquer eonsa porteira, e el-
ia abi embirr* era nos levar la cima.
Hoje saccedeu-me isso. Mu corno 14 era Urde,
r?CM\ encomnodar o morador actual do quarto :
Faz favor de subir, senhor 1 dlsse-me a por-
leira.
Mas, san tinha, para que ba vemos agora de...
Soba, seonor, niod enoommoao aigna.. .-
Com e/feito sqbj, e aebei-me com nma pcora
unjio galaptioba, qoe largou a conversar com
ao... PerwW ao cabo de Tinte nrlnntoi que o que
est *M MAN>... tan quartt,
Fui d'sili tomar caf.
O criado.-, sabida gritn com voz de Staator :
* sarer dado o troco. Qoii-me
v|on*ar efeamando sobre adn as atteocaes,
.-or me baver snbtrabido tyrannla absurda da
uao recebar o troce.
Hornea, est agora I
ro> to *> ompral en no litro, por me
> irz, frtil, paasa noile t ^.^ mm panaav
* ina para la, ebego .^t^iSStSSnt
liyra. Mas lio t ***'. Jte ojae serte por
ltalo eos livros c nesu trra?
m Tateadatra. -(iMhgiodo-a na- pertsira,
concierte cpmo elles Ihe chamara :)
Di-me noticia, senhor, de om sujello man ami-
go, que do Brasil J tem viudo a Pars amas
poaeaide tere.-.. Dlzem-me qae mora aetotl-
mente ueste predio.
Como se chama T
Mella.
r. da Molla no tercelro aunar, porta da es-
qnerda.
Trepe! tres andares de vlnte- e ciace agros ;
pneiei pela caopalnha.
Nioguem l conhece o MotU.
Valtei ontra ves ao portelro.
Mu senhor, responde me fie. o tercelro an-
dar por cuna das dwa $tbrelaj931
Ah I ..._
Tornei a galgar oiteau e cinco degraus,
causa deeta mania das sobreK>ja..
didas. ______.
Fai com minna esposa a compras.
Moha esposa um coral; aquella nao engaara
estes amigos do Pars. L em Lisboa eofla todo
pelo fondo de nma agnlba, e anda sempre em dia
com as modas novas.
O dono da loja onde fomos boje assim qoe a vio
desdenbar das navidades, fez nm signa! ao caiiei-
ro. D'alli a nana appareceram furtivamente dnu
calxas de papelo multo embrulbadas, muito ata-
das, e minha esposa foi introduzida com mysteris
n'uma saleta onde o dono da loja Ihe conceden
< por ser ella > ans mtrosltos de urna fazenda
qae aioda ningiun oto em Pars. Al quanio el-
le dlsso isto, um suj'eilo, que l eslava tarabem,
ponderou para um amigo :
L por isso fio eu 1
Mlnha espasa B'gpo sn-regatear, e pozeroo-nos
a aodar quanto antes. Ha de humilban as pessoas
da nossa amfsade qnando voltarmos para Lisboa ;
esse o flm principal da nossa viagem I
J nos iamos a tirar costas, ainda oavi dizer
ara dos caixeiros qoe a fazenda qae miaba esposa
levava era nm mtno que esuva arrecadado l den-
tro havia dez annos. nqailio era para nao vender
mais por agora.
-Quarta-feira.Vim encontrar ea o Castro da
calcada dos Caldas. Arranba sea boceado de tran-
ces, e conbece a raparigada toda. Rrmos o gran-
de dlabo, e ftnos tomar alguraa eousa a um bote-
quim, ara dos melbores e mais contraes.
Tomamos o nosso refresco na sala de entrada,
e pedimss Jogo de domin. O Castro j est todo
dado ao domin. O Castro o diabo I
Na segunda sala, ttens seuhore*; disse-ou o
creada* com aquellos ares presumidos quo -o o
pan&gio do mu mieter e qae deixam a gente de
bocea aben?.
Emigramos efleclivantente para Ihe obedecer.
Na tal segunda sala pergnotoa-nos oatro creado o
que qoeriamos tora ir
Tivemos do tomar oatra limonada-qae era o
uuiuo liin os tdu au.uolle manej> mais engeiioso
qae louvavel.
(Na casa de pasto, as cinco horas em panto):
Um tordo.
Aiada nio estao promptos, senhor I
(Ao dar das seis horas:)
Eoto o tordo
Mea senhor, ja. ge acabaram.
Ea j eoahecla o cao do c8go, o cao do pas-
tor, e o cao de quinta, mas o qus nao esperava
eoeontrar era o cao de lorette.
Val ella com sete cuidados nao lh'o pizem, e
n5o se perca,*(dis o Castro qae ludo aqailio sao
afte* para se volUr para um lado e ootro).
Nao sel como ella fer aqqillo, roas o cao metteu-
se-me entre as pernas que me ia fazendo cahir, e
anda em cima Uve de Ibe pedir desculpa, etc.
D'alli em (liante olhava para mim quando eba-
mava o cao, de forma qae parela cbamar-me a
mim... e fai Indo 11 1
Psstl... Bibil... Chril...
Qu i oa- feira. Fui tomar um bao lio.
U eusto de om banbo de seis vlntens.
Parece barato.
Com essa despea todas as bolsas podem, e at
os pobres se refrescariam com freqoencia. En-
tretanto o Castro, qoe at sabe latim, diz que na
antiguidade custavam s am quadrante :
Dum tu quadrante lavatum (Horacio).
Mas o peior qae nio se lembra a gente de que
ba : guardanapos, smeas, lencol, forro de tina e
am tanto para o oreado I
Vem a costar dezoito vintens.
Esta a peior, a mais iocrivel, amis tupos-
sivel, a mais cynica qae me tem saecedido desde
qoe estoa em Pars.
Escapando as vistas crajugaes, dei urna saltada
ao baile publico Mabille.
Assim que entrei salton-me ama peqaerroxa o
braco, a querer qae ea dan;asse e vi-me grego pa-
ra me desembarazar della.
Entao, levando-me a am logar mais retirado, e
com ares pdicos disse-me a meia voz :
Tem abi troco para.... (mais baixo) ir all a um
sitio I
Sorri-me eu, por achar graca ao arsinbo contra-
feito della, e dei-lbe dous francos, qae era o menos
qae tinha.
Mas a pequea nao voltou, e disse-me o Castro,
qae nestes assnmptos l de cadeira, que bavia ido
repetir a cena com ootro novieo e ootro e ootro, a'
costa de nos todos.
Chama se a isto tratar do dia de amaoba; em
havendo muitos innocentes, a sera realisa perto
de nma libra por este meio engenhoso. E chamara
a isto nma trra civillsada I... '
Sexta-felra.Nao admira; a sexta-feira
sempre dia aziago I
Fui a' exposigao.
Progresso, esplendor, inieacjio dos povos, todo
isso 4 muito bom, mas ba ama coasa immutavel e
lodeslractivel qae ha de sobreviver as ruinas das
cidadesa commodidadj pessoal. Aodei por la'
todo o dia sem acbar p. Quera ter isto, achava-
me naqoillo : ia para aqui, levavara-me para aco-
la* : pergonUva por am pavilbo, vendiam-rae bi-
ibete para am jardim ; Uve tres jardins e nio vi
oada da exposico, seno nm chapeo qae minha
esposa comproa por qoatro libras, um cbapo para
ella.... que me faz soar a mim I
A' sabida nm larapio, um fil como diz o Cas-
tro, passon para a algibeira della o relogio qae es-
ta va na minba. Sorpreendo-o, persigo -o ; esqai-
va-se por ama porta, corro atraz delle ; entra por
ontra porta, fazem-me comprar ootro bilbete; nao
pereo de vista, tejo-o sabir por ootra porU ja', e
voo-lbe na pista ; entra por outra porta nova, de-
moro-rae a comprar novo bilhete; e torna a sabir,
t tornamos a entrar e tornamos a sabir, e no flm
entra elle ssioho porque ea ja' nao linba mais di-
obeiro para comprar bilbetes I
E oo vi nada da exposico I...
Fomos a' noite ao theatro. Acudimos la' ce
dinbo para apanbsrmos bous lagares, e encostamo-
nos a' porta qae ainda eetatn fechada e faenada se
cooservou por muito tempo. Quando entramos,
nao posso pereeber por ende havia penetrado do-
zeotas pessoas, que la' acharaos sentadas ja', oceu-
pando os melbores logares I De mais a mais dis-
se-me o Castro que sao esses justamente os qae en-
trara de graca I.... p-.TP
E' mu singolar.
Sera' mais fcil acbar agulha em palbeiro do
qoe troco na bolsa dos coebeiros ata sitia da muita
passagem. Que nao se pod apear, qne o esto
empseendo as redeas, qae nao consegae ebegar
com os dedos a' algibeira e mil transtornos qae le-
vara o cavalbeiro a preferir volUr costas sem re-
ceber os miados.
Saboado.Pni tlsitar cemiterlo do Pre-
Lachaise, mal interessante por mus mausoleos e
memorias histricas. as ras mais desertas avis-
tei urna ou ootra senhora trajaodo de loto, e indo
pagar a algoma sombra adorada o tributo saudoso
de perpetnas; a sensibllidade de algnmas suecum-
beaaexceseo da afliccio onlo tita remedio seno
accair-lhes. "7^
Na confusio de taes scapas trivial perderse
um objecto, e achei rreni menes de tres lenclnhos
de assoar cada nm com seo bilbete de visiU lni-
cando o nome e morada das tintas Inconsolaveis
Kqn*diz o Castro qne titem dttso). E* la' pos-
sival I r
Comprai segnoda-feira nma
Llda, foi approvada a acta
dente.
IXMSDrtJTE.
Oflsu do Exm. Sr. presideat
vidanao o tribunal a bir asslsi
no dia LJ do correte ao maie
frmeerde fazer cantar na igreja do
telrado. _^_^
Foram k rabriea os segaiatu litros : letradas
a sabidas do trapiche Companhia.Diario de Pia-
to Barboza 4 C.
D18FACH8S.
Itoqueriotaato dan J>s Ferreira Pinto de
numero, se dimita nm hornera ( anUa uio utissazar enhmlgida. pabUea,
=

'
Mu, curaprtndo o despacho de 8 do corrate na-
reautead o seo contrato social.-RegU-
4 Matheus,registro i no
sea ca'xeifo Jostftrrefra
remnrap o
fi*ee.
Bita de Ferreira
rneaete qae den ao
Costa.Regisire-se.
Dito da direeaao do inovo Banco de Pernambueo,
subentea- pan me ser registrada a declaracio de se hater
resolvido a Uquidacao do atesnso banco 4 contar
do 1.* de setembro prximo fiado, aflm de qne
enage ao coohectmanto dos Interessados.Como
requer.
Dito do Hugovon Bartels e Manoel Marques de
Abren Porto, pediado o registro do seu coalrato
de sociedade.VisU ao Sr. desembargador fiscal.
Dito de Joaquim Luiz Vieira, reclamando con-
tra o pedido de rebabllitacao de sea devedor Ma-
riano Machado Freir, do Ceara.Junte-se aos
autos de rehabiliuco do supplioado.
Dito de Mariano Machado Freir, fazenda pon-
deracej romr raf\imiin faita por Joaqultp [
Loie Vierra- a-soa retabllitacao.Joete-se eeau-
to de rehabiliUg do supplicaote.
Dito de Barthoiomeu Loureaco, pediado carta
ie matricula para o sea hiateNova Ssperanca.
Satisfaga o parecer fiscal.
Somatado ex offieio de Jos Velloso Soares &
Filbo.YisU ao Sr. desembargador fiscal.
Nada mais oaveudo a tratar o Exm. Sr. presl
dente encerrou a sesso as orne horas o mei da
manhia.
SESSAO JUDiaARiA^EM 16 DE AGOSTO BE
1867.
PHES1DENC1A DO EXM. SB. DESEMBARGADOU
A. r. PEBBTTI.
No impedimento do secretarioReg Rangel.
A's onze horas e meia da manbia estando reu-
nidos os Srs. desambargadores Silva Guimares.
Res e Silva e Accioli, e os Srs. deputados Rosa,
Basto, Miranda Leal e sappienta Sa Leitao, o Exm.
Sr. presideiiie dectarou abarla a sesso.
Lilia, foi approvada a anta da sesso antec-
deos, cora a'raflcaoo de nio ter sido voto ven-
cido ao julgameniu do feito eotre partes
Erabargantd autor Aatooio Leite de Magalbes
Bastos, embargado roo Antonio Domingos Pinto, o
Sr. desembargador Reis e Silva, ter voUdo por
urna deligeneia o Sr. deputado Rosa.
Foram lides e assignados os aofjfdju proferidos
ai ultima sesso, nos fetos entre partes
Appeliaote autor o Or. Joo BaptisU Casanova,
appellados reos os administradores da massa falli-
da de Araorim, Fragoso, Santos & G.
Appollanles arrestantes Tasso & Irraos, appel-
lado embargante 3 o padre Pneiippe Benicio da
Fooseca Galvo.
Embargante autor Antonio Leite de Magaibes
Basto-, embargado roo Aotonio Domingos Pinto.
JULGAMENTOS.
Jaizo especial.Appellaate reo Jos Antonio Lo
pes, appetlado aator Lourengo Ribeiro da Cunba
Oliveira, cessionano de Jeouiun Jos da Rosa.
Juizes u= Srs. deserabargadores Silva Guiauraes e
Accioli (relator) e os Srs, deputados Basto e Mi-
rauda Leal.Foi confirmada a sentenca appellaaa.
Juizo especial.Appeliantes embargantes os ad-
ministradores da massa fallida de Joaquim, Jos
Siiveira, appellado embargado Joo Jos de Stqneira
Perro, socio da firmaFerr > & Maia.Forara
despresados os embargo eom o tolo do Exm. Sr.
presideate e seado vencidos os Srs. deputados Ro-
sa e supplente S Leiio.
Jaizo especial.Appellaate autor Manoel Joa-
quim Ferreira Esteves, appellados los Joo Jos
de Albuquerque e Jos Roberto de Moraes e Silva.
Contina adiado a pedido de ontro Sr. depu-
tado.
Jaizo especial.Appellaate reo Augusto Colbo
Leite, appellado autor Benjamim Tuckens.Conti-
na adiado a pedido de ootro Sr. deputado.
Juizo monicipal de Macelo.Appellanle exe-
quente Francisco Yaz Pereira, appellado executa-
do Eneas de Medeiros Couto Lias.Adiado a pedi-
do de um Sr. depatado.
Juizo especial.Appellanle reo Jos da Rocha
Paranhos, appellados autores D. Ueoriqueta Si-
raes da Silva, vlava de Francisco Sima? da Sil-
va, e seu genro Virgilio de Castro Oliveira, admi-
nistrador de sua filba menor.Adiado a pedido
de um Sr. deputado.
Juizo municipal da cldade de S. Miguel, comar-
ca d)s AlagoasAppellanle embargante o raajor
Jos Guedes Nogneira, appellado embargad for-
mo Jos de Castro.Adiado a pedido de om Sr.
deputado. .
Juizo especial.Appellanle oxecutado Francisco
das Cbagas Catalcante de Albuquerque, appellado
exequente Manoel Alves Ferreira.Adiado a pedi-
do de am Sr. deputado.
Jaizo especial.Appellanle reo Ibratino Jos
Gaaoao, appellados autores Flix Sauvage & C.
Adiado a pedido de am Sr. deputado.
PASSAGEM.
Do Sr. desembargador Reis e Silva ao Sr. de-
sembargador Accioli.
Appellaate a cmara monicipal desla cidade,
appellado Antonio U reir de Mendouga.
AGGBAVOS.
Juize especial.Aggravantes A. Scbafiter & C,
aggravado Tboraaz JefiWies.
O Exm. Sr. presideute oegoa provlmento.
Juizo especial.Aggravanies A. Scbaffter & C,
aggravados Wilson A II -tt.
O Exm. Sr. presidente negoa provimento.
Jaizo municipal do Cabo.Aggravante Carlos
Eugenio Dnarehe Maviguier; aggrayada D. Mari
Rita de Albuquerque.
O Exm. Sr. presidente den provimento. -
Nada mais* bouve e encerron-se a sesso a
urna bora da tarde.
sa e cartulina qne o hornera venda com o titulo
deAcotaran se os cabellos breose vejo ago-
ra desastradamente qae este foi porca'oanlco
que nio me enganoa ; estou no Sos da primefra
semana e da primelra garrafa aja' nao lenno ca-
bellos nem prelo nem braneo, porque a cabeca,
tmou-me o aspecto de nma bolla de bilbar f ^
Gonimunicados


Malgr le relachement des mteurs
tt la corruption de notre stele, le
monde n'est ni aveuglt, ni injus-
te: l senil connaitre encor; ilscait
estimer le vrai merile.
o san endito reputaclo s
tartos da maledicencia f Pel os
e cinco anuos de nata arodade
deviam ser ootru taatu ees,
vor s levanussem peranta o criterio
goteroo justo, e desapaixonnioT Quem
oo v ausa acto arbitrario do actual ministro da
tu anda a proposito insidete a raacaJar na
oWadeo dsatincto, qae tinha edesjaerito decoaser-
var pona, e sinceras, mu gratea a modestas, u
UM casvucias polticas T
A moral lio necessaria ou relacSes da Umllla
e da sociedade, como neeessaria ao gcterao du
nagSes. Os gottraos, apesar da translsraages
saccessltu porque um pasudo o prineinio 4a
autoridad, nao perdaram nanea, a seu anneur
primitivamente pairiarchal. Um estado urna gran-
de-familia, ama tribu civilisada, onde o goterno
aaarurena, mu panacea que m ae governa por
leis discricionarias. Os seus actos detem ser ao
mesmo lempo rnaaifeeiacdes d autoridad pruden-
te, e ligSe de preceptor edificante. Ora nenhum
sisodo dir, qaa o goterno qae espesinha nm
ciaaaao benemrito, que o expunge do offlcio
ou emprego de qoe o inteslio a sna aptidao, e sem
que a isso preceda maduro exame, e refleclido
conselho, obre como autoridade, qae corrijo, e
como preceptor qne exemplifique I
Tal descortazia e desabriarento s proprio dos
furacSds, mas nao de goveraos, que aspiram ana
foros de illuslrados a progressistas, no sentido cuto
e genuino da palavra.
Aopmio publica um elemenlo poderoso de
goterno; mu nea-escandaliaando-acom proee-
dimeoljs offousivo du susceptibilidades moraes
do paiz, qae os governes aloaaeam o sea valioso
concurso. Nao podara deixar de offender essas
susceptibilidades os governo, qne ferera com om
golpe dimissorio o amaneado pnblioo virtuoso; oa
governes erabm qne rachas os ouvidos i vos da
justa imparcialldade, para os abrir ao eoxamsar
comixoso da intriga da aventuremos desalma-
dos I Demais: oa emprego pblicos nao sao pa-
trimonios aiienavets a arbitrio dos ovemos, oa oo
tlvem merca de um geioa de mi do ministro,
nutu digiti, como dizia nm antigo escrip-
lor; nem Uo ponco sio os empregos pblicos gor-
geUs com qae se paguera aos cortezoes, e alabar-
deiros das vaidadea e caprichos ministenaes, nem
melos de sabstitoir-se a opino que Ibes foge no
paiz por urna oejtnie de par cari, mediante as
largaezas do favoritismo. Nao; aes olbos da ver-
dadeira razo de estado os empregos pblicos san
raoeda de curso viUllcio eom que se premea no
estado a aoiid \ a intalllgeacia, a probidad e os
servtgos do eidao.
As sociedades onde os provimeotos e as destiiui-
go-s dos empregus, e offluios pblicos oao sio
regalados pelos principios da moral, e de jusiiga,
nao podem corm Jerar-o cividsadas. e cuitas, A
justiga a theoria do dinite; a mocal a pratica
da Justina.
A pnmeira coudico ae ordem esUve uas socie-
dades i a seguranga cora que os seas membros
repoasam sombra do seu direito, e das garantas
qae o tutelara. Desde, porra, que o direito e as
garantas individuaes sao suprimidas n'om mo-
mento de mu humor partidario do governo, aera
outra formalidad que o seu querer voluntarioso,
a sociedade langaJa as mais angustiosas sas-
pensoes e sobresaltos 1
Pois este o suda a qne tem chegado a socie-
dade brasileiral O paiz, esta grande persona lid a -
de cellecliva, que se nutre e vive do concurso de
iodos, tem sida profundamente romaJo sra sua f,
profuodamenu feudo eu sens aff^clos, lagos de
anio e fraternidad, que se espedagaut todos os
dias sob a mo calosa a spera de urna reaego
desabridsima, que considera parias todos os cida-
dos, qne nao esposara a voeaco da dobrez, ou se
nao istingaem pela arle das intrigas e torpes
manejos partidarios I
Qae dlfereog de bomens e de lempos I O mar-
ques de Paran era ministro da fazenda, e pres-
dante da. conseibo quando se deu aqui na tbesou-
rana geral a subtraegio de tinte contos de
ris. i Ao recebar a noticia do fado, dizia elle,
Oguraram-se-me diversas hypolheses de extra-
vio ; mas nunca nassas hypolheses entrou a mais
leve suspeiu de qae o thasoareiro se tivesse bavi-
do msso com uagllgeneia on dolo. Proferir estas
palavras ao lar os protestos, que toda a ieputac&o
de Pernambueo fizan em reiterados apartes em
favor da rapuuoao e crdito do Sr. Nery Ferreira,
por occasio da orar, si bem nos lembra, o Sr.
deputido Barros Barreto, qae tinha entao assento
como supplente.
E' verdado qae nessa poca regia a machioa go
vernati va o mais sao criterio e Puroambuco tinba na
cmara urna dapuUgo, quena sna qnasi toulida-
de limbrata em mauter i Ilesos os bros de sua
provincia, e nao procurata arredar os seas patri-
cios, aioda mesmo adversarios, das posiges lucra-
tivas; mas boje (quantum mutaus ab iliol) a ra-
presentagao de Pernambueo nio tonha, e oo cuida
senio em derrabar todo na provincia, comuoto
que vio avante suas ambteoes pessoaes; o d'abi a
faca aos pellos ao ministro para dimiltir o empre-
gado caberlo de servigos, e ttulos de benemeren-
cia, nao comprados por UnUoulas e trastes ano-
rtados, mas sim adquiridos com digoidade, e con
farldos com espentaneidade I
Sim, foi dimittido o Sr. Nery Ferrein; mas a
sua defeza oo se bazda tanto as tradices de seo
honroso passado, como no clamor geral qae a saa
dimissao tem produzidol
Sirva-lbe este solemne testemunho da opioiio de
grato consolo, em quanto o volver, de lempos mais
propicios, e que nao esto looge, Ihe traga o bafej
salour da rtparagio I Quando boaver no Brasil
am goterno, qae nio d'agarriotype aos seas actos
a argucia dos sopbistas, e a corropego dos ulicos
do baixo imperio, nos seus dias de maior degrada-
gao, e agona, todo sera posto, e reposto' no sea
legitimo -lagar....'
Delxemos, pois, qae os pardaes do progressimo
debulhem as espigas da seara albeia. A praga ba
d acabar, como em nossos gados acaboa a peste
de carrapaios.
Recite, 15 d agosto de 1867.
O immi'j das tnjusttcas.
bella e assaz concorrea pa o boa desempenbo o
nrllnaatismo de drama.......
A deeoracao da sceoa stet sublime, e na ulti-
ma scena o pincel do. nosso seeaograpap DornalUs,
lembra-nos os quadros de ftaphael Uo decantados.
BA non palavra o Uagrit de Santo Antbnto
transformando o tbeatro, pareceu-nos tirar o ma-
rasmo, qne persegne a nossa bella sociedade ;
pone importa a ola a que nertenea a drama ;
dramas como os Maqres ie Sanio Antonio, repre-
sentades como vitaos, partencen a escola do bello,
idealisada por Daos.
MaruUu.
\ t mil
PRAGA DO RECIFE 17 DE AGOiTO
DB IM7.
As3> horas da tarde.
(Aos 14 do corrente)
Cambio sobre Loudres-90 d|t Si d. por 1*000.
Siiveira.
Presidenta.
Macado,
Secretario-,
CaUa filial Yo banco do Braal
em Pernambie, non 26 de Ju-
lo de IH 3.
De?rdem da directora se fu setenta aos Srs.
accionistas, qoe o tbesoureiro esta' aotorisado -
pagar o S<* dividendo das acgdes do banco do Bra
sil, inscriptas n'esta caixa, a' razio de 12*000.
0 guarda-litros,
Ignacio Nones Correa.
ALFANDEGA.
Rend ment do da 1 a 16........ 3W:08#806
dem do dia 17.........i....... 32:717*88*

352:800*394
Volarnos entrados com fazendas...
* generes....
Volumes
a
sahidos com fazendas...
gneros___
(D'AaUISUAU.)
Urna prova por demais suasoria desta verdade
nos offerece nm fado recente, cnjas-Impreses
ainda dommam lodos os nimos. Referimo nos i
dlmissao, que acaba de soffrer o Sr. coronel D. A.
Nery Ferrein do logar de tbesoureiro da thesooraria
geral desla provincia. A surpreza e indigaago,
que esse uto de atroz vindicta poltica tem provo-
cado nesta capital, iraduzem a protunda convtcgo
de qae nm grande mrito foi desconsiderado, e
terido na pessoa de am respeiuvel cidado. Rara
vez, sobre om faci qaalquer de ordem social, sa
tem manifestado tao enrgico e unnime o senti-
raeqto publico I Na condemoago do asperrlmo
desabrimecte ministerial todas as votes se teem
confundido o'um brado nico ( Si boato por abi
espirites damoinbos, que destoassem do con geral 7 j.q, i^..,.
das opinies, bao sido Uo recaudos uo applaaso, 'I* """"''
- dissertoa com
v40"" **** /"Ito do grao de milbo I
*\*a sa qoer se falla de stmelbant causa em iodo
CHMHIG4 JII48U.
BSISEIICIO
SMACTITA DE 16
DE AGOSTO DB 1807,
rnnsmnnu n. wut.m, HMiPtanaanq
< Ai dez horas da manhia esundo reaoidos as
Srs. depnudes Rosa, Basto, Miranda Leal e snp-
iaotcflLmao, fxm, Sr. paaMente deciarou
aaertaa sessia.
como destees e sorratelros bavlam sido na
propiaago do veneno victima do sea odio e
vlagange I
E' por demais lameaUtel desabrigada a sorte
do empregado publico 1 Quando menos pensa
despojado 40 seo emprega., sqm lbe valerem pre-
edetriss de honra, nem abonos de longos ser-
vifosJ 7
; E porque fai assim dimiuido com unte daseerte-
zia o Sr. NeryFerret Fqi limitijdp, diz OJ
decreto, por negociar com dinheiros proprios ,
albeios. Qae principios de jurisprudencia podaos
aotorlsar esu dastitalgioT Quaes os factos, qaa
a- poeiam moUvu T Abusar par tettara o Sr.
Nery Ferreira das,dinblros confiados i ana guar
da 7 Nao. Foi aiguma vez apanbadoam falta nos
balances ordinarios, e extraordinarios f Nao. No
longo tempo em qoe servio, desparten por nealquu
uuneira suspeias contra a saa lisura e probdav
de T N. Nio tinba fiadores chaos e abonados,
que Ihe couUnpavam saa Uang e conQanca epffl
toda a soa seguridadT Tinha. Os eapiues cera
qoe garla algomas traa*acoes caosnaaniaee alo
perunciam a pessoas eonhecidas na prqv.ncaa.pfr:
sua abastaoca, prebldad T Partenola. Nao
possni elle mesmo dinbeiros seos, batidos por
dotes e beranoasT Possnia. Qoeoraeuacao u
lei lbe podiktadw de srtir dauntaresudaauue
aos aauauMo, da parean firq o sw proarlo
apiurr Nem ura frade mendicante, estt 8gail
auqdqraspreserlD^ eexempeo^r ""
C sanoelo ou akuca-u byaothaees wtgdlBfddja
como magftlralmeute o demonstfou o Constrtador,
Problema winmercial para
ser yerificado por quem
direito tiyer.
Publicarn dos Diario de 22 e 27 de jmho
de 1867.
Exportado
Tapor inglez Amazonas, para Liverpool
1759 saccas com algodo com 10823 arro-
bas e 12 libras (termo medio 6 arrobas e
7 libras.)
Sumaca hespaohola Marroquim para
Bartelona601 saneas com algodo, com
3092 arrobas e 16 libras, (termo medio 5
arrobas e 4 314 libras.)
Sumaca hespaohola Paula, para Bar-
celona1040 saocas com algodo, com 4403
arroba 2 libras (termo medio 4 arrobas
O viga ambulante.
1 .. !
Theatro de Santa Isabel
Este' era scena no theatro de Santa Isabel o dra-
Ea sacro Magres de Santo Antonio. Ja' 6 bastan-
eooheciJo pete publico desla cidade, o que o
drama em si o qu val ; portante, u patevMs
ty* er* trac* mas aopoblteo referem-sa ainamente
o trabalho d'arte, verdadeira interprete do pensa-
""nto do escriptor. Snppunbamos, sjanos dado
*" dizer, qu a actual cempanhia dramtica Bao
.a si as lamentes precisos para ropreaenter
nm drama da ordaaa dos #0**** de Sonto Anto-
K, felizmente engamo-OP, do que assaz nos rego-
. mos; a noite de If do ndante dlsslpon todos
os nosaos rate, motrode-se-nos a terca de qne
spoeacempaad na uaneeo o drama, cate
4^fft^Un nada dtixon a dsjar.
quem foi confiad a mlssao' de representar o bea'lo
Aatealo, tetando-s aliwa do geate eojsaawtoo
Mplainnn grada aneiadad conhoceoon da mn-
rlte artstico, caplMtd fielmente o retrato jasado
pelo dramaturgo,
Gonsinu, pois, o 8r. Peregrino, Q" en, desco-
nbecldo no mondo tbsatrat, So centro da miaba
ofcataridad w antis auus emboras, pela primor
ddsaattabalqo^jWagrM de Saa
imporunu e dicii como o de Santo
s o gealo no paleo pote t aem d
649
------649
93
205
-----398
Descarregam boje 19 de agosto.
Escuna inglezaMoru Block mercadorlas.
Bngue po-tuguez Untoidem.
Brigne inglez-l///ica SuojavJi bespannoldVis'.ol vmhos.
Samaea bespanbola Carolinavinhos.
Sumaca hespanhoiaRosita dem.
Barca dmamarqaeza Waldemar farinha de
trigo.
Brigue inglezJVffCibacalho.
Bavs.iDS'eza"toali".;} C/o-iJearvc.
Lugar inglez*farflnce->carvo.
Patacho nacionalGujnrmmacharque.
Vapor'inglezAmtsxonmercadorias.
luiportato.
Vapor francez Guiene, entrado de Bordeaux,
manfestou o segointe:
3 caixas cartas e livros; a V. Mozzi.
3 ditas objectos de piedade ; a Soeur Magnin.
1 dita calgado e livros ; a Socur Chavrerocbe.
1 dita mercearla, livros e objeetos de piedade ;
a Soeur Lezat.
I dita confelcojs mercearia, e lavas; a J. A.
Barbosa.
4 volumes sedas e flus de ditas ; a K-ller & C
5 caixas couros ; a E. A Burle.
3 ditas sanguisugas ; a J. A. P. Serodio.
1 dita czalas e tecidos; a Lebmaou fren.
3 diUs sedas, modas, ronpas e confeigoes; a Ma-
galhes 4 Irmao..
2 ditas chapeos, flores e fitas; a Cbristiani
freres.
2 ditas tecidos de la; a A. C. Abren. '
3 ditas calgados e confeigrjes ; a L. A. Siqueira.
3 ditas tecidos de algodo, i dita artigos de Pa-
rs ; a Lopes d'Oliveira.
5 volumes tecidos de algodo, qaiaqailbaria,
couros, tecidos de la, de seda e mixtos, lavas e
joias; a L. Weydmao.
2 caixas panno ; a Kelbe & C.
60 dilas qaeijos ; a Damont.
G3 ditas ditos; a Tasso Irraos.
12 dilas ditos; a M. F. Corga.
11 diUs ditos ; a Joo Ignacio da Costa.
16 ditas ditos; a V. P. da Costa & Filbo.
30 ditas ditos i a A. A. Gomes.
17 dilas ditos ; a J. Pater & C.
15 ditas diDs; a ordem.
1 dita estofos de algodo; a Oliveira Sohrinbo.
19 ditas qoeijos; a Silva & Joaquim Felippe.
lo ditas ditos ; a Sodr da M.
8 ditas diios ; a Jos Joaqaim Alves.
6 ditas conservas, 2 ditas ferro batido ; a Du-
boarg.
3 ditas vinho; a G. Paul.
2 ditas tecidos de seda : a H. Wilme.
2 ditas estofos de algodo ; a M. Metter & C.
2 diUs calgado ; a Arantes & Lira.
7 barris vlnbo : a Lois B.
3 caixas tecidos de seda, fitas de diu e artigos
de Paris ; a Otto Brodres.
1 dita mercearia; a B. de Goararapes.
i diU livros e jornaes; a G. de Lslhacar & C
2 diUs tecidos de algodo ; E. A. Burle & C.
1 dita artigos de Pars ; a J. L. G. F. & C.
2 djtas tecidos e confeigoes ; a Adriano Cas-
tro di C.
50 ditas sardinhas; a J. da Silva Faria & Irmao.
2 dilas sangaesugas; a Caors.
17 ditas conservas e licores ; a Mendebourn.
1 casco vinbo ; a M. Mettler.
7 caixas modas, estofos de algodo e mercearia ;
a A. Hamburger & C
t dita relogios; a E. Blun.
1 dita pentes; a Islorio Netto.
12 ditas e 4 barris vinho, 5 caixas bros, fil,
renda de linho ; a M. J. R. e Silva & Genro.
3 caixas artigos ; a L. J. Ferreira.
1 dte ditos de Paris ; a Vaz & Leal.
1 diu agua de tieby ; a Mello Lobo & C.
1 caixa confeigo ; a Gomes & Freitas,
4 ditas menearla e objectos de cirgoeiro; a R.
Adour.
1 dita confeigo; a C. J. A. Gomes.
2 ditas ohjectos da cirgoeiro ; a ordem.
6 dilas relogio, jolas e roublnas ; a A. Hyter-
nal A C.
1 eaia sedas; D. C. Ramos.
1 dila iguora-se ; a Siqueira Cvalesnti.
30 ditas fructas; a J C. Braga.
1 volnme tecidos ; Monbard.
1 volume litros ; a Sour Lezat.
1 dito qolnqullharia; a J. A. M. Das.
1 volume panno de linho ; a isidorio Nette & U
1 dito tecidos a D. P. Wild.
* dito dito ; a Gomes de Oliveira Sobrinbo.
Bngue inglez Neva, entrado de Terra Nova,
consignado a J. Pater & C, manifestou o segulnte:
3,250 barricas bacalbo; aos mesmos.
Eipria?io.
Sumaca bespanbola Prroiosa, carregou par*
Barcelona,:
421 saccas com 2,266 arrobas 15 llbras'de al-
godo.

rAOTADOs pbeqos nos oBtreaos soaznos a. dirkitos
DK BXPORTACAO. SMANA Di 19 A 24 DO MU DR
AGOSTO DI 1867.
MercarJorias. Unidades. Valores.

eento
un
cenia
lnr

i

mn
libra
i

um

2*000
3*009
15*000
4*000
660
165.
260
110
380
10*000
1*000
360
520
4*000
2*000
*2ha. .
Charuto* .....'.".'.
^C6^(MCC08) .t, .
Cow^Vh^aalgado;. '.
dem idem seceos espichados .
Idean idem tondas, ....
idem idem cabra eortidoa .
dem idem de onea. ....
Docee seceos......
dem en golea'on musa .
Idea em calda......
EspauadaFes grandes .
Idan peqmanos .
Estotras para forro de siivu
de nato........cento 16*000
Estopa nacional.....arroba 2*000
Farinha de de mandioca alqueire 3*000
dem de araruu....., arroba 10*000
Feijao de qaalquer qudlidade
Frechaes........nm
Fumo em rotba, bom .... arroba
dem ordinario oa restolho.
dem em rolo bom. ....
dem ordinario on restolho >
Gailinhu ,'.-.....*. urna
Gomma.........arroba
Ipecacuanha (raiz).
Lenaa em achas......cento
Toros......... ,
Linhu e esteios......
Meloumelaco .J^^.. caada
Milho.........arroba
Papagaios.......tim
PoBrasiL....., qnraal
4*000
5*000
15*000
8*000
10*000
8*000
1*000
3*000
28*000
2*500
12*000
6*000
160
2*oeo
3*000
*ooo
8*000
900
800
1*000
160
dem de jangada. ...... nm
Pedras de amolar.....urna
dem de filtrar...... (
dem de rebolo.......
Piassava........molho-
Pontas, oa chifres de vaccas ou
novilhoe.......cento
Prancboes de amareilo de dous
costados........ um
Idem de loure......
Bap.........libra
Sabao......... ,
*}.......... alqueire
Salsa parrilha...... arroba
Sebo eta rama......
idem em velas...... ,
Solaemvaqueu ...'.' nma
Taboas de amareilo .... duzia
diversas..... ,
aP,0fM ......*. arroba
a,aJnn ......quintal
i ra ves .......^^
Lohas de boi......cento
Vassouras de de piassava '.
Ditas de timbo......
Ditr.r, o caiauba..... >
Vinagre.........caada
Aifandega de Pernamuco, 17 de agosto de 1867.
ADlTAlfKSRNTO.
Cera de carnauba arroba
Cassueiras de Jacaranda. duzia
Enchameis......nm
Esteiras de carnauba. urna
Ossos........arroba
Palha de carnauba molho
Penna de ema .... libra
Sapatos de couro braneo. par
Era ut supra.
Approvo-Afandega dePernambnco 17 de agos-
to de 1867. A. Eulalia.
Asslg&ados. Os 1." confereote, Antonio Car-
los de Ptnho Borges e Jos Miguel de hura.
Conforme.O 3.* escrpurjaA'tit ttincini, loU8
Pestaa.
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS
GERAES.
Rsndimento do da I a 16........ 16:320*181
Idem do dia 17......*............ 699*796
3*800
20*000
10*000
1*000
160
400
25*000
5*000
7*000
2*000
140*000
87JO0O
3*000
2*000
6*UO0
300
10*000
8*000
6*400
800
6400
955000
^500
160
240
800
20noo
800
17:019*977
CONSULADO PROVINCIAL
Rendiraento do dia 1 a 16.
dem do dia 17..........

21:157*015
1:509*994
22:667*009
'nalbodsraY!coTsai"trtnsBgoPo qne
Alanos........... oto
Aduardente de can*. .... caada
Wenirestilada ou do reino
dem caxaca....... >
dem geaebra ...
dem aleool o*;e*piri*d* agn*
asdeote ,......
Algodo era caroca arroba
dem em rama ou em laa ..
Arroz eom casca......
dem descascado on puado
Assucar mascavado .... ,
o^rSSuV : :->.r'"P6r .*'
Azeite de amendolm on mendo-
bim ........oanad
dem de coco...... *
dem de mamona, ,.,n^:;. .
Balates alimenticiu ....
Bolacha ereinaria, proptf* pan
embarque.......
dem ina ........
Caf bom .......
Karr*0:!.-,
Caibros........m
PsI..........arrosa
idea traaca ^,
qa^sec*aj;wgii,e)
^^s ......

arroba
2*500
900
800
400
880
900
3*250
11*500
1*000
2*600
2*300
3*800
4*000
2*500
1*800
1*400
1*900
PRAgADORECIFi;
19 DE AGOSTO BE 184)9.
AS TRES HORAS DA TARDE.
Revisa semanal.
Cambios.Saccou-se sobre Londres de 20% a
21 d. por 1*000; sendo o valor dos saques effec-
laados de diminuta importancia.
Alqodao.-O de Pernambueo vendeu-se de
12*000 a 12*500 a arroba, e o da Parabvba a
13*500.
Aguaroentb.Veodeu-se a 74*000 a pipa.
Couros Os seceos e salgados venderamse a
160 rs. a libra.
Arroz.O pilado da India vendeu-se a 3*150
a arroba.
Azeite doce.Vendeu-se o de Lisboa a 3*500
galo.
Bacalho.Era atacado vendeu-se a 18*000 a
barrica e a retalbo a 20*000 ; Ocando em deposito
3,350 barricas.
Batatas.Venderamse a2*500rs. a arroba.
Bolachinhas.dem a 4*500 a barriquinha.
Caf.Vendeu-se de 5*500 a 6*0C0 a arroba.
Cha.dem de 1*800 a 2*400 a libra.
Cbrveja. A duzia de garrafas vndense de
4*500 a 7*000.
Louca.A ingleza ordinaria vendeu-se com
premio de 320 por cento sobre a factura.
Ma.meiga.Vendeu-se a ingleza de 880 a 900
rs. a Irtra, e a franceza de 540 a 700 rs.
Masas.Venderam-se a 7*500 a caixa.
Passas.dem a 10*000 a caixa.
Presuntos.Venderam-se a 16*000 a arroba.
Quedos.Os flamengos venderam-se de 1*600
a 22O cada nm.
Sabao.Vendeu-se o inglez de 140 a 145 rs. a
libra.
TouciNHO.Vendeu-se o de Lisboa a 9*000 a
arroba.
Vwagrk.Vendeu-se o de Portugal de 80*000 a
108* a pipa.
Vinhos.-Os de Lisboa venderam-se a 200* a
pipa ; e as da ontros paizes a 180* a dita.
Velas.As de composiQao venderam-se a 570
ris o pacote de 6 velas.
Descont. O rebate da tetras regulan de 7
a 9 por cento ao anuo.
Fretbs.Para Liverpool, 7/16 por libra 5 /po-
lo algodo, em navio da tela; 5/8 d. por libra 5 J,
en vapor; 15 por libra 5 / pelo lastro de assn-
ear. Carregando na Parabvba, para Liverpool 5/8
d. por libra 5 */ polo assucar em navio de vela, e
crregando em Mani 5/8 por libra 5 V-
MOVIHENTO itO FftiTO
-------------------------------------
A'cw entrados no dia 11.
Liverpool por Lisboa23 das do ptimeiro porto e
17 do segundo, vapor iantes Amazon, de 528 to-
neladas, capito RobeM EUu, equipagem 23,
carga fazendas e outros ,gnros; a Saunders
Brothers 6l C.
Acarac e portos intermedios9 dias, vapor na-
cional Parahyba, se 104 toneladas, commaodan-
te Trajano da CosU Mello, equipagem 20, carga
differeotes gneros; a agenda penambocana.
Terra-Nova40 das, brigue ioglet Neva, de 242
toneladas, capito John Jenkins, equipagem 15,
carga 3,250 barrteas com baoalaao ; a Jobnsion
Pater & C.
/Vatios sabidos no mesmo dits.
Rio-Grande 4o Sol-patteUo nacional Geribeldt,
eapitao Domingos Fnnelsca Anca, earga
aal.
Babiapauchojuglez Ctnturt caplti" Moigoau,
earta parte da qoe treuxe-d lew- ****
ao vegetal ...
uas de sicapira
earga parte
SlMaSgu
K5u*S,S"ii
Hamhnrgp-55. dias, fnna prussiana
109 looeUda, capaa O*"
7, urga dlflarutes
roeira. ^_
Obuna(ae
NIO bonvenm sahidas.
yverpool por Maa>-ftrin bjaJu aenswwr, ea-
ntieW.H.A^4f.e'-'V.
, o>ipagem
aJoa MuiaPai-
EPtTlES.
-....... nilll^l* I
!-
?



A untara monicipal dula ainada tanda da
contratar a obra de seu paco, faz pnblleo que o
plano desse edificio acha-se exposto am saa secre-
s




- segaada fefr 10 de {alo de 1867'
Uria por espaco de 13 das, onde pode ser exami-
nado por aqualles qoe pretender em eoocorrer a
arrematacao, findo a qai aera' anaoociaolo o dia
em que dure ir a praca saraelbaota obre, aob a
bate de 160:000* j offareeida por toda a obra de-
corada e prompu, aaoaneiaado*se tamben as coa-
dlcCes do contrato e sea pautan : aqaeHes ana
preteadereaa licuar nesta arrwaasaoio estarlo
munir-se de flanea idnea qoe a garanta, eem o
Pa?o da cmara cuialemal do Reeife 14 de
agosto de i867.-ioii Jos Pereira Simoaa, pfo-
presidente.PraacUco Canato da Boa iaiaav at-
entarlo.
Ear
Setuira canta possivel rJruUde e ftala Lindo
Paputi, eapilf) francisco Rioairo Barros, pira a
carta qoe Im hit\ trata-se com o respectivo Wn-
sifatario Antonio da Almaida Gimes, a' ra da
crnrn. 3, andar.
LEU OES.
DECLlBlfrStt.
Dfi
Pela flsoalisacio frsgaetla da Boa-Vista se
(az pablico a quem interesar possa qoe se acba
em deposito ama vaco e quatro c*brae{bixo) qae
foram appreheodidos nos sitios de Chriatovo e
Avalar, destr amao as plaotaeSse : ejaesa m Jalear
oom direlto as mesmas eompareoa que satisfaren-
4o o dlsposto ao ate. 10 d> til. das pastaras u-
Dicipaes de 30 de )unho de 18*9 Ibe sero eo-
tregaes.
Pregueiiada Boa-vista 17 de agosto de 1167.
O Mea!,
Jerooy roo Jos Fe*reir.
i i i ni nnfiai i Mil i
Sania cas* da Mfeericwa de
IWC1IC
Pela (retarla da santa casa da mUerjoc a no
Reeife se (as scienie aos parantes do orptfao, abai-
so declarado, que teado elie attiDgiao a idade de
14 aonos, resol vea a film' Junta administrativa da
mesan santa casa, qae ttsse entregas a' seas p-
renles, de conformidnde com o artigo 43 d Sga-
lamento daqaello stabelaeimente.
Antonio Leoncio de Lacerda, lbeaaAooa Fran-
cisca Pses brrelo.
Secretaria da santa casa de misericordia do Re-
eife 9 de agosto de 1867.
. eserivo
lMfq.BoaiaiW.fcgoffa,.
ArrcBtMit.
Terea-feira, 20 do corrate, va* a' araca de ven-
da a casa terrea da raa da Baperaaca, na Soieda-
de, perteaceote a' baranda jaeente de Jjaquim
Francisco da Canas, avallada em 400#.
Santa Gasa da jffiserworda
do Recite,
Alllma. junta adiniaistrativada Santa Casa dt
Misericordia do R?cifo manda fater publico que
na sala de suas sessoes, no^dia 12 do correte pe-
las 4 horas da tarde tem do ser arrematada; a
quem mais vauugens offerecer as rendas Sos pre-
dios am seguida declarados :
Estabelecimentfs 4e ariade.
Rna do Padre Floriano.
Casa terrea o. 49. \ 182*500
dem idem n. 17.......186*000
Raa dos Pescadores.
Casa terrea a. Yl.......6J0C0
Roa das Calcadas,
idem idem n. 38........138*000
Raa iaraa do Rosarlo.
Segando andar do sobrado n. 24 3002000
Terceiro andar idem dem .... 301*900
Raa da Roda.
Casa terrea n. 3......... 965000
dem idem u. 7....... 96*000
Becco de Qoiabo.
Casa terrea o. t8.......144*000
Ra das Calcadas.
Casa terrea n. 36....... 176*000
Roa do Padre Floriano.
Casa terrea n. 47.......168*000
Ra do Nogueira.
Casa terrea n. 17...... 242*000
PatriniARio de orphW.
Roa das Larangeiras.
Casan. 17.......... 192*000
na do Rangel
Casa terrea n. 36.......301*000
Roa da Lapa.
Casan. 11.........196*000
Raa do Vigario.
Primeiro andar do sobrado n. 27 181*000
Roa do Pilar.
Casa n. 99.........256*000
dem n. 103.........200*000
(dem n. 94.........201*000
Sitio n. 5 no Forno da Cal. 150*000
dem. n. 105......". 144*000
As arromatacoes sero fe tas pelo tempo de am
anao, deveado os licitantes virera acompaabados
de seas dadores ou muoidos de cartas destes.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Recite 16 de agosto de 1857.
O eserivo,
Pedro Rodrigues de Souza.
MPt^i
hjsajg
o npivuaqdn tapa wi'oa HHUVJl *< '
Hjopo^A. aoajd joparaduii -ji *S <>P oonnaoimnqd 'SIOTITD "H P *> ma "et raumaoH m noBujraqd ?
arariadas
A 19 dt earreite.
O agaote Oliveira fara" ltilo por conta e risco
de quem pertetteer de dous fardos de afgo-
dio, um dito de estopas e ama eafca de cbHas, to-
do avariado a bordo do vapor tOlioda, na soa re-
ceule viagem, a assim de algumas outras fazendas
para lechar coatas
as 10 botas da murtiaa em ponto no arfflazem
roa da Senxala Velhan.100.
i ti ri nm i
LEILAO
De copos lisos.
O agente Oliveira tara' leilao para ultimar fac-
turas de 21 caixas'de copos de medida lisos sortl-
dos, quaes'sao osados em estabeleclmentos de mo-
Ibados
H04E
depois do meto dia, no armazem a' raa da Saa-
zala Velba n. 100.
LEILAO
De vinhos e cognac.
ote ^oaaaaS-aoaDiNn.ap
-\nxa m
-o|q
on ovaoraradwmud o uaj rp byr)
3-HIOX
eV|joj po ap |odJp qnijjq,., na a. a,*p am
niBiso sbSjoj tfjfno nooxoq so ajad ojuauzasojopod ajqo o emomq.Hij 0 BJinoo zbohis souan a obm -aspafod sajan
. .naosaiBAooo sv^nsjnp no 'seidBqjJoaiaq sep siodap |iuu 'aMiji| aiomj'itffflaal'iatM m rawji
k p vfStrtwm san rao jorera otnosas BJsiinnrpv (autd op ntorpew ap apaprnonjap kiao^rm(-*nf}u
gaHWHl M oa Hixng o sioABrjmwsa stava a* Baaoutnjjoj eaeoajBdajd sb ajfaa jni Oiianad e Sboo
sawetiiHX .a oa Hixna
MM yin IJWM
- Aatonio Lopes de Aguiar deixou de ser cai-
xeiro dos Srt. Alves & Lopes na raa larga do Ro-
sario n. 37, desde o dia 16 da agetto do crreme
iOBCv
MWbvaaaajajapM
I
agente Oliveira fara' leilao para fechar conlas
de poreSes de viDbo Xeret em barrls de quario,
vinbo Rordeaax de dlfferentes mareas, como de
cognac de daas qnalidades engarrafados, 5
de Dhospboros e ama dita d'agaa de colonia
Segunda feira 19 do corrate
ao meio dia em ponto,
zal Velba n. 1'
O Illm. Sr. coronel director do arsenal de
guerra, tem de remetter para a provincia das Ala-
'oas diversos artigas bellicos, por isso convida aos
Srs. proprietarios e consignatarios de navios qae
quizerem contratar a conducao de taes artigos, a
comparecerem na directora do mesmo arsenal, das
11 horas da manha s 3 da tarde de todos os dias
uteis.
Directora do arsenal de guerra de Pornambuco,
17 de agosto de 1867.
O escripturario,
Jos Alfredo de Carvalbc
De nma taberna sita na rna Imperial n. 215, cem
tndo de ama elegante armaca, faz, gneros e
ptrtences qne soro vendidos em nm s lote e
pelo maior preco.
Terca feira 20 do corrate.
Pelo agente Martns, o leilao tera' logar a rna
do Imperador n. 16, as 11 horas do dia, os pre
tendentes podem examinar a venda a entenderse
com o dito agente em enja m5n se acha o bala neo
LLL\u
De nm escrave pees de 10 annus de
MMi
Terca-feira 30 do correte
Pelo agente Vartins, no armazem da rna do fm-
perador n. 16, as 11 horas do da.
aLiSsind^
De 20 caitas con queijos fl^mengos e
8 ditas dito prato.
Terga-feira 20 de agosto as 10 horas em
DORtO.
*0 agente Pinto fara' leilao por conta e risco de
qoem pertencer de20 caitas con qneij.is flaman-
gos e 8 ditas com qoeijos pratos ltimamente vin-
tos e desembarcados do vapor ingles c Ama ton e
existentes no armazem do Sr. Aooes em frente a
alfaodega, aonde se eectaara' o leilao as 10 horas
do dia cima dito.
Na dia q>arta-feira 21 do corrale o ana ver-
nra?mem7rib8e*-*J**meolaeE- J.*p*. W* da 8":
v* OMatebsta vida para #a eiernidade, querendo
oa"liaUrflongalves Penna Jnior, saa molher e
Rlhas ata fallecida dar nm tslemanho de .estima a
alma da dita imada tem resofvldo mandar, cele-
brarla "mencionado da missas em beneficio da
finada, e para este fim se animam a convi-
no s as pessois qoe assistiram ao enterro
mesu'.a D. J sepha, como as mals da sna ami-
lide a comparecerem em dito dia na igr eja do
Livraueoto as 6 Itihoras da maaa e sarao eier-
nimente gratos aos queso lguarera banrar coa
a< snas assistenclas a to piedoso acto.
aaaaaaaaaaaaaaaMB^aaaaaaawaaaaaa-aajaaaaB-
O Sr. Jos Mara Palmeira qoeira dirigir se a
secretaria da sauta casa, qae se Ibe deseja fallar.
BOIA
lirim
Ulcerosa
Curada.
De ama mela o leca e 5 cavaIIos,
Terca feira 20*do corrate.
Em razao de nao se ter podido fazer o leilao da
meia caleca e cavallos ja annenciado para sabba-
do passado, lera' luear na terea-feira 20 do cor-
reate no largo do Corpo Santo as 12 horas da rna-
dbaa.
AVISOS MARTIMOS
COP.iSHIA BR.VSILEIR.V
DE
Paquetes a vapor
E' esperado dos portes do sol
at o dia 22 de agosto o vapor
Sania Cruz, commandante Gui-
llitime Waddiogton, o qaai de-
pois da demora do costme se'
gnir para os porros do norte.
Recebem-se desde j passageiros e engaja-se a
carga qae o vapor poder condazir a qaal devera'
ser embarcada no dia d saa chegada, encommen-
das e dinbetro a frete at o dia da sabida as 2 ho-
ras. Prevne-se aos Srs. passageiros que as
passagens s se recebem nesta agencia ra da
Crat n. i, escripuno de Antonio Lniz de Oliveira
Azevedo dt C.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR
E* esperado dos por tos do norte
at o dia 27 de agosto o vapor
Paran, commandaDte o eapttao
de fragata Santa Barbara, o qaal
__P depois da demora do cosame se-
gnifa" para os portos do sal.
Recebem-se desde ji pswsageiros e engaja-se aH
earga que o vapor poder condazir a qaal devera'
ser embarcada no dia de saa chegada, eneommeo-
dis e dlnhelro a frete at* o da da sabida as 2
horas. Prevme-se aos Srs. passageiros que snas
passagens s a recebera nesta agencia raa da
Craz n. i, eseriptorto de Amonto Lat de Oliveira
Atevede V C.
Paftt a Bahia
Pretende setolr com maila brevidae a vellerr
somaca naetoaal n&ttencia, tem tarta de sea car-
regamento prompto, para o resto qae Ibe falta tra-
ta-se com os seas consignatarios Antonio Luiz de
Oliven-a Azevedo & C., no sen escriptorio, ra d
30 a. i. ____________.
Ro Pretende sahlr com multa brevfdide pata OtA
dicado porto o velefro pataebo rGailhermina por1)
ter a maior parte de sen carregamento engajado,
para o resto aeJbe falla e escravos a frete trata-
se eom o consignatario Jeaqnia Jos Soncalves
Beltro, roadeTraptoe. 17.
De 100 ranas com massas.
Qaiata-feira 22 1o corrate.
O agente Pestaa fara' lilo por conta e risco
de quem pertencer de 100 caixas com massas
muilo novas desembarcadas ltimamente, as qoaes
sero vendidas em um oa maje lotes no dia cima
as 11 horas da manba no armazem do Annes.
""-BlHHaBaa-BiaHPjjaiasa-asH-HBf
AVISOS DIVERSOS.
LOTERA
AO
6:0000OO E 1:200100o
Sabbado 24 do correte mez, se extrahi-
r pelo plano abaixo transcripto a 13a par-,
te da 5* lotera a beneficio da Santa Casa-
de Misericordia (34/)
As eocommendas serSo guardadas somen-
te at a noite da vespera da extracco.
O thesooreiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
PLANO
4000 bilhetes a 5,8009.............20:WO000
Benefcio, sello e commisslo 24 0(0.. 4:800^000

Liquido...... 15:200*000
1 Premio de........ S:0004000
i Dito de.......... l:20O0O0
1'Dito de........... oOO^OOO
5 Ditos de
10 Ditos de
18 Ditos de
39 Ditos de
975 Ditos de
1050 Premios.
2950 Brancos.
VofliOO 5OOJOO0

10*000
6*000
15:200*009
4000 Bilhetes.
N. B. Os premios maiores de 400*000 estio su-
faites ao descont da le provincial a os malares
de 1:008*000 ao da lei geni.
Theaoorarta tas loteras de Pemambaco 10 de
agosto de 1867.
llwooreiro,
Antonio Jos Rodrigos de Soota.
AppxovoPalaoJo dojoverao de Pernambaae
10je agosto da l7.-8aro de Villa Baila.
Conforme.Fraacisco Luoio de Castro.
Ti ftfl
un iii i i
ParAhyba
Segu nttfto breve o hfate nacional ProUcUr,
capia Goncalves Pasfia ; 4 para o resto da carga
traa* acara tapujo a baraa.
if
tdddJnekar
se
aaAt&^SaJTVS'taS
t traur com Tasso Irmios.
Rrecisa-se de am servente para a botica da
praca da Boa-vista n. 32 : a tratar na mesma.
I!

Vende-se ama escrava moca perfeiu cosioheira
e boa eofiomoiadeira, para ver o tratar na ra Di-
relia o. 86, i andar.
Urna pessoa habituada oTerec > -se para feiter
on administrador da algom engenho : a pessoa
qae precisar dirija-se a raa Velba o, 30, on an-
noacie por esta folha.
aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaav^eaaaaaaaaav
i

Irrnawiade acadmica de S. Seuliora
do Bom-Consellio.
Celebrar-se-ha pina mlssa pelo eterno repoaso
d'alma do nosso irmao adjunto Joaqoim Ferrar
Daltro, quinta-feira 22, s 9 horas da manha, s-
timo dia do saa passamenlo, e para este fim con-
vido a todos os nosos i rmaos.
Consistorio da trmandada acadmica d N. Se-
nuera do"Bom-Conselno, 19 de agosto de 1867.
J. N.Tolentino de Carvalbo,
Secretario._______
Offerecd-se para ama de homem solleiro nma
senbora qae sabe.cozmbar e engommar, porm
nao compra: a procara'r defronte da abobada da
Penba n. 49.
= O abaixo ass'lgaado declara qne tendo-visto
nesta folha para ir a' prga por venda a casa da
roa da Esperanca, na Soletfade, pertencente a he-
ranea de Joaqoim Francisco da Caoba, apreast se
a daelarar que nulla por quanto ha herdeires.
Domingos Ferrera Lima.
XAROPE
DE CASCAS DE LABANJAS AMARGAS .
ae al. P. Laroze, pharmaceutlco
em Parla
15 annos de successos attestam a sna efficacia,
como:
tnico KxcrrANTK,, para ajudar as faac-
coes do estomago, assim como dos intesti-
nos, e curar as doencas nervosas, agudas on
chronicas.
tnico anti-nervoso, para curar os incom-
modos perrjrsores de doencas assim evita-
das, e para facilitar a digesto.
ANTi-PERioDico, contra os calafrios, calo-
res, com ou sem intermittencias, e que teem
por especficos as substancias amargas; tam-
bera efficaz contra asgastrites e as gas-
tralgias. >m aMpamaaa
tnico heparador, para eombater a ex-
haustaco do sangue, dispepsia, anemia, es-
gotaaento, inappetencia, langor etc.
Deposito m toSs as fhamacias e casas
de drogaras no Brasil.
ExpedicSes, em casa de J. P. Lazore, roe
des Lions-St-Paal, 2, Paris.
Deposito em Pernamboco, pharmacia de
n. Maurer d C. rna Nova n. 25.
~^ :'--- n
Precisa-ae da omaama de leite : a tratar na
loja de louca o. 26, sito na roa larga do Rosario.
Na roa do Trapiche sobrado de deus andares
n. 20, precisa-se de ama mulber para cosiubar e
engommar, casa de" ponca, familia.
Precisa-se de un escrvo de mTa Idadb, da boaj
conducta e habilitado para todo o servio de ama
casa de pooea familia-, quem ti ver e qnirer alagar
trija^e rta^diardra n. 70-2 andar.
mnibus de Oltodfe
Prafciaeo
Candido.de Madelres faz scaMa ao
pablico, que no primeiro de setembro principia ao- 86
SSSAi
k da manna
abll
O.
a
J&S?J!\2& ** poblteo e *-
pecialmente ao respetuvel wpo do commerelo,
^^^^tcredor, apresen^
saasmia, e qaaarao Bao eoaaparaaa oatai wm
aarpwf a ipa Kaaifa 1
---AiO-*e mi
qaal fu todo servio,desoa aja tanto externo
como interno; artrUaVt*eamr do Bispo casa
saajaomaaodefraawadap.H
- btimtfkm, soWitt '. V. f1. W\
Portugal.
^aa ifcfc^t va ^^sMaaa^^^M fakai^tfaa
mmm U9 aimi*w JfllaIJWWroiaom
vel pablico e com eepse1all<
trt taoertra da ral netrTL,
roa de Canhoto 4 -t nean
Vo a cairo do toen Jflw j*
&
julgdo improcedente owhSSm aot
vavawr enrjargaoa >
considerar irfwftdw
Todos aquelto fue S chao aijitdb i bo(-
fror rr,o!rsto.s scrofolosa, tthserosas, on yphi-
liticos, anda me.-mo as reputadas de peior
oaturea, apenas necessltao de lr o segninte
taso maravillioBO, para que se stotto iutelra-
rnento oonvencidos que a aun proprla enra,
nao s mernmnnte poarivel mas sbu abaola-
taiOBBto certa. --
Joio Jos Fkkkrika Bakboza, reaideaU
na Cidade dd M.-.ranho. tic ha todo- o sen
oorpo coberto de chagas ulcerosas, e donata
lgttno8*nBos do mdicos os tnois afamados, tendo usado
durante todo esie lempo quasl toda a especia
de medecrotts'que Am fttes casos empreaos
pela faculdado medica, porm debalde sem
obter o menor beneficio ou alivio: achando-se
pois em taca apuros elle finalmente resolveu-
se,"cleno8 de repetidos e baldados eeforaaaa
faber uso da'
Salsaparrilna
DEJUSTOL.
No u>do elle ,iperuu chegou a tomar OiiMt
Uarrafaa de Salaaparrha Vm-*w rrascos das
Pilulas Vegctae Assucarada, e o rcsultaa"o
foi elle obivr uua completa e perfeita cura.
Oa Sera. Fekiieiiia & Ca., Droguistas de
Haranhito, forSo quera sup;irirao os medica-
mentos, e acbo-se perfeitamente ao facto
d'este caso, e ca meemos Senhoiea, n3o so se
a chao proraptos confirmar o mesmo, como
tambera em fornecer o actual adresso do Ser.
Bakiioza, a toda e qualquer pessa qne por
ventura se deseja informar da verdade.
Recommendase mui particularmente aa
Doentes que'tenhao o maior cuidado na escolb*
deste excellente remedio, nao usando outro i
nao ser a Oenuina Salsaparrilha d Bristol,
a qual esclusivamentf preparada por
LANMAN&KEMP,
De NOVA YORK,
todas as mais sao inefficazea a da aaa
pristllno
Precisa-se alugr urna casa ou nm
sebrado em qualquer urna das ras seguin-
tes: Imperador,- Imperatriz, Nova e Auro-
ra, quem tiver para alugar, deixe carta no
escriptorio deste Diario, dirigida a Dr. D.
J. Ring, medico.
Variado sortidleeto* de modernos chapeos e cbapellaas de seda,
para senbora e menina.
Superiores tiras, borddmeos e entre malos bordados em cambala tapada a
Na leja das columnas a rna da Crespa n. 4S
DE .
I
pilfea *> laHh,
. 11 e >
Antonio Correia de Vasconcelos & OompaolBi.


CAEOBA
PREPARADAA FRI
POR
Al CarLNTE ClORN
Pharmacentico pela escola de Pars e successor nesta cidade
io4


i
DE

.'

ristide Saisset e J, Sounl
da Ctnz-----22.
22.-----Rna
i
--------
aa mmm


Precisa se de urna ama que saiba eosinba'S
lavar e engommar pura casa de homem sottelro r
no pateo da Ribeira n. 13.
Na roa do Rangel n. 9, precisa-se de um
preto oa homem livte para tratar de cavallos e
mis'afnieres. ^^
Escrava para comprar
ou alugar
Precisa se de nma escrava qne eoeiabe, por
compra oa aloguel : na roa da Cruz, armazem n.
10, das 0 boras da manba as 4 da larde.
Os Srs. credofes do fatliflo Amaro Gungaives
dos Santos, quelram apresentar os tfus crditos no
prazo de 8 das, ao administrador da massa abaixo
assigaldo, oa Casa de saa residencia n. 8 na raa
Nova 8e Santa Rita, oa na ra das Trinxefras n.
19, aflm de ser cumprida a dispdsi;o do art. 859
do cdigo commercral.
O metto administrador pede aos devedores da
referida massS; ft.aiam de se entender com elle para
pauarem os sbns detritos oom;a possivel brevldade.
Reeife, 14 de agosto de fW7.
_______Manoel Joaqm Raplrta.
Tratamento puramente vegetal sem mercurio, iodo, onro, nem ontro qualqoe
mineral.
.Verdadeiro puricador do sangue sem azoogue.
Especial 'pata a cura de todas as molestias que tem sna origem aa impureza
sangue, como sejam as molestias Doubcas, sjpbiliticas, escrophulosas, dartbrosas, qaec
venham ellas por hereditariedade, quer sejam adqueridas pelo contacto com pessoas in-
feccionadas dos diversos virus qne contaminam o sangue e os humores.
A carofra nm remedio prodigioso, [usado desde remotas oras pelos indios
do Rrasil, e passitrldo seu uso de geraejo em gera^ao, boje um dos remedios mais co-
nbecidoscomo propno para eombater as molestias mais hediondas, entrando nesse nume-
ro a morp'ha u elepnanifases, para cojo curativo os nossos sertanejos consideraaa a
caroba como remedio especifico.
A muito tempo entrou a caroba nos formularios como preparado magistral
sob a forma de eleictuario, ainda hoje lemb'rado as pharmacopas.com o nome de sea
celebre autor Joao Alves Carneiro: nao ella portante remedio aovo nem desconhecid.
0 ungento de caroba da mesma sorte preconisado desde tempos immemo-
riaes como, o mais apropriado para o curativo das bonbas e ulceras syphiliticas srdidas,
e empregado com proveito depois de improficua applicaco de muitos outros agentes
therapeuticos enrgicos e de uso^ quotidiano.
Muitos dos nossos mdicos de consideracao e entre elles o muito distincto pratico
e observador o Sr. Dr. Pedro d'Athayde Lobo Moscoso, tem confirmado por meio de ex-
periencias repetidas, o que diz a fama das benficas propriedades da caroba no trata-
mento das boubas, das diversas formas sob que a syphilis se apresenta e muito especial-
mente as que teem sua sede na pelle, e poderiamos relatar alguns casos de data muito
moderna obsarvados pelo mesmo Sr. Dr. Moscozo em que a caroba produsio admiravefe
effeitos, depois de imitis e prolongadas applicaces de salsaparrilna, mecurio, iodo, on-
ro e sens preparados, etc., etc.
NSo era possivel que urna planta t5e notavel por suas inappreciaveis virtades es-
capasse a perspicacia e investigacoes dos mais abalisados praticos europeos, que se ap-
plicam com espeferalldade ao estudo e tratarneoto das molestias syphilifieas e herpejicas
e para prova abi esiao os Srs. Drs. Gasenave, churfer, Ricord e outros dando as mais
lisongeiras informaces sobre as propriedades curativas da caroba e preconisando-a coma
'remedio poderossimo para o tratamento das erupces cutneas, seccas oa suppuratiras,
dartbros de todas a qnalidade, eciemas, ulceras de diverras naturzas, tomores, osseos
e outras muitas molestias de natureza syphilitica ou boubatica.
Por ter-se generalisado muito o uso da essencia da caroba que en pre-
paro e pelas instancias de varios mdicos que desejam continuar em suas observagoes,
deliberei-me a ter prompta urna quantidade da mesma essencia, obtida sem a ac?3o do
ogo, para n5o pjejudicar as propriedades medicamentosas; e d'ora em diante encon-
trar-se-ha na mihha pbarraaci sempr e em porcSo suficiente para todos tos pedidos a
ESSENCIA CONCENTRADA De CARORA, e o ungento da mesma plita para que nun-
ca fallem aos Srs. meeficos que quizerem esperimentar tao precioso agentejmedicfcal.
Recrfe d* Partfambuco, 17 de outubro de 1866.
aV -V%arn -. -*
AUGUSTE GaORS.
^_
,-. -



nit. sevial.
Para o fratamento e cura rpida e completa das molestias syphiliticas.
eris-o -i
Precisa se de nma ama para lavar e.engom-
mar; a tratar no Monteiro, casa que foi do fallec;
do Cavalcante.
MIOPE
--
o cseas de laranjas e cassia amarga
Cm ioureto de towo ifWrteTavel
De ^. P. Laraze, pbar macen tico
a liquida que mais facibaeate
o ferro, e ist, sera procfuzir
'" pertarbacJo algima; n'esta forma, tambera,
" e prefer vel s piiulas e pastilbas em todos
os casos em que sao proscriptos os ferrugi-
nosos. E o meRibf mffliar .do oleo de fi-
gado de briMrMO; porque contem o xarope
de cascasde larajs amargas, tao geral-
mtftt aypWyjjdd^ para acora d&ddrts de
estomago; tg^fros difileels, inappetencia,
st%
em todas ss pnarmacias e casas
no Brasn.
, era casa de X P. Laroia, rae
PS,phaxraaaU^
_ er *G rataaim.
mpsKb tnfmmm, ast de P Sra-
reric, rtii Hdv^i ft. '
las, rheumatismo, bobas, gota, debiliefade do estoMa^irfanMnac^cnrooicasdo figado
e Baco, dores sciaficas, cephli^ias, fievralgias, nlcefis roicas, by'droffesias, pleuri-
sias, gonorrfieas chronicas.e em ge al todas as molestias fe que seteaha em vista apu-
rficago'do systeia sanguiheq.
Conslderaces geraes
A saude um bem inapreciavel, cuja importancia e valor s est reservado ao ens
ferino o avala-lo.
incontestavel qu o homem nesle mundo constantemente, e por todos os lador
atacado por ama infinidde de agentes morbficos qae todos tendeni, dadas certas e deter-
minadas circumstancias, a alterar o regular exercicio-das funecoes diganicas, resnltanbo
pesse desequilibrio o que se chainamoletia. %mmM^m^
A molestia p5o mais da que a desyirtuacSo das forjas vitaes, occasionada,- d,
gando as investigacoes e experiencias dos mais abalisado mesures da sciencia, pela depm-
vacSo dos humores geraes, consequencia da acJo maligna desss ntsmos agentes mora e
fieds iptrodozdos no organismo pelo acto da rt&piracSo, pela vii digestiva, pelo contacto
inmediato etc: etc. etc. ._,, .., *
k syphilis infelizmete tem sido a par ti Iba da human idade, e como fora de du vi-
da q%e esse terrivel Protoe da inedicrna urna molestia hereditaria, ella tem sido obser-
vada em todas as ida'd&s, dbalx de tois as suas fitnis tao variadas, itafraquecendo
constituicoes robuslasv produzindo mutila^oes, e cortando ainda em fl6t da idade vidas
Dr6COS3S 14 \rm A
Elimin* ncbnofMa esses principios deleterios. e purificar anassa geral dos
humores tem sido desde tempo immemorial o fim constante da medicina, t os ;>urga
vos figuran em primeiro lugar para preencher esse esiteratthi ou fim.
tte* debito mm P^aa.aaAtafei
i -a
*9*Sm>tothomeo
-ADO
A^gMria
irll al
\
"^
wm*





sm




"-'
I
ni
larln Je Pernaintmeo We|* felvfc %% t Agoato e ',67

fia
PHOTOGMWil*
VIIEIIjA
i DO CABGA N. i8, ENTRABA P
PATO DA MATRIZ.
O rrb#Q. estabelecimeoto photogrphico
sempre em dia com todos os melhora-
itos e progressos qoe na America do!
ou na Europa se consegue na a
slograoMft e para alcangarmos tal
nos despezas nem sacrificios,
de sorte nossos numerosos fregueies
oden ter a certeza de que sempre encon-
irao em i estabelecimento tudo qtian-
a aite e ; poda effereeer da bom, no
10 e lelViBndo aos amantes da pho-
ipbia.
NOVIDADE PH0T0GRAPH1CA.
Lcabamos de receber todo necessano
fazer retratos chamados carte-album.
genero de retratos ltimamente in-
ventado na Amrica do Norte, rpidamente '
se propagou na Inglaterra e Franca aonde
goza actualmente de todo o favor da moda.
A carte-album se fax por dozias come os
aotigos cortiles de visita.
Na Inglaterra trocaram o nome de carte-
lbum pelo de retrato-galera e os ingleses
usam encaixilhar estes retratos^em qaadros
especiaes para com elles formar galeras,
com que ornam seos gabinetes. Recebe-
mos ama certa quantidade de taes quadros,
os quaes cederemos por barate preco ao6
nossos freguezes.
As pessoas que quizerem ver specimeos
dos retratos chamados carte-album, j fei-
tos em nossa officina s5o convidados a visi-
tar o nosso estabelecimento.
CARTOBS DE VBITA A 90000 A DtU.
Em conseqoencia do novo genero de re-
tratos chamados carte-album, diminuimos
o preco dos antigos cartde de visita, os
quaes de boje em diante ficam reduzidos
ao preco de
9OOO
pela primeira duzia, sem que por causa
desta diminuic5o de preco, eixemos de es-
merar-nos no nosso trabalho, como sempre
Joi nosso costume. Aim disto, continua-
mos a dar os candes de visita em cartees
de luxo, Bristol, ou porcelana, douranbs off
lithographados para o que temos urna varie-
dade de 12 modelos, a escolha de quem se
retratar.
BT VA GOMO PREVENCAO.
Apezar do nosso trabalho ser muito co-
nhecido nesta cidade, aonde trabalhamos a
42 annos, com todo jnlgamos de nosso de-
ver dizer hoje o seguate:
Nos retratos feitos em nosso estabeleci-
mento emprega-se toda a cautela para of-
ferecer-se a par da belleza do trabalho, as
melhores condc5es de durado. Doura-
mos e fixamos os nossos retratos sem olhar-
mos a economas, e ltimamente para lhes
pdennos dar urna lavagem mais ampia
e segura, contratamos com a companhia de
Bebiribe orna peona d'agua. Os nossos
arlos de de visita sSo verdadeiras photo-
grapbias, que nao precis5o de retoques do
pintor para lhe desfarcarem os defeitos, e
convidamos a quem quizer a passar sobre
elles urna esponja molbada em agua, ou a
deixa-los mergulhados por espaco de horas
em agua, ou em espirito de vinho: se apre-
sentarem alterado sero recebidos por nos
e pagos pelo duplo do que tiverem ; cus-
lado.
Continuamos a fazer retratos por todos os
aystemas photograpbicos at hoje conheci-
dos em pbotographia. .0 nosso sortimento
de caixinhas, quadros, passe-par-tauts, e
joias de ouro para a collocac5o de retratos
o mais completo, variado e abundante que
existe nesta cidade.__________________.__
O Sr. Jos Marques da Costa Soares,
que mora na ra do Vigario,.queira vir
esta lypographia, a negocio que nao ig-
nora,
ItoidwTewnsltorio
Medico cirurgico
DO
Br. Antonio Daarte
na praca da Boa-Vista n. 21 onde
fpde ser procurado a qualquer hora.
Especial ldade
Doencas do peito, e de meninos.
Gabinete medico cirurgico
DO
Dr. Ignacio Alcibiades Vellezo
Pode ser procurado a qaalqaer bora do dia oa
da noite prestndose aos chamados fora da cida-
de, com toda a promptido. Pratica qualquer ope-
racao. Da' consultas das 6 as 9 horas da manba :
Toa da Imperatrii b. 86.
Preclsa-se de urna eriada que taca a cos-
nba e compras da casa de nm bomem solteiro,
qoer-se pessoa de ceofianca : na roa do Qaeima-
do loja da Esporanca: I
Trocam-se notas do banco do Brasil e de
soas caixas filiaos; na roa da Cadea n. 81
Na roa do Rangel n. 9, compra-se am pre :o
de meia idade que seja sadio e sem vicios.
O PARTIDO LIBERAL
sen progrmala e fatnro.
Por E. Ablaye, trad. de ifaraobao i n-
tido volme 2*000.
A venda na livraria franceza
Roa do Crespn. 9.________
Samoel Power Je Insten k Untaikii
Ruada SenzalaNova n, 42.
AfltHCU D
Fundleao deLow Moer.
Machinas a vapor de i e 6 cavallos.
Jloendas e meias moendas para engenho.
Taixas de ferro coade o batido para enge-
nho,
Arreios de carro para nm e dons cavallos.
ftelogios de ouro patente inglez.'
Arados americanos.
Machinas para descarocar algodao.
Motores para ditos,
doc
hlafldeiidadede seguros
martimos e terrestres
estabeleeida no Rio de Janeiro
Asuma tu hhajhcco
latea! Lili ie Uretra aasvaat* C,
i competentemente autortsados pela direc-
tora da companhia de seguros Fldelida-
i de,tomam segaros da navios, atareado-
i ras e predios ** eerriptnrio roa da
4
)mpant
8rSfcrto o rnveoeivet Veado n raneo, com smaneiras attenciosas com que
? J$%TBsp'etveI publico desta briosa provincia, a ponto de que muitos a por-
_ utaram a satisfacSo de serem os primciros a comprarem em sea impostante arma-
zem, se desvanece em declarar com tod a lealdade de que canal WB i est cada vez
FPa& s Pelo benigno acol|imnto que tem recebMo, como pelas torcas de
ispoe pf af'heje'BSo careceu ainda dos preparados de iurnbeb'a, nem do
xaropeafi^i *+ '
raneo, declara a quem aiqn o nao cooiiece que nao um
desses bicharocos mtrataveis que por ahi vivera com figura haniuM domesticado no
ameno paiz onde a amavel Aguia Branci vio a luz do astro bemfqdijfcjf partidario
^desse invejayel 3gradQ e sinceridade que com tanU gravidadnc se desprende do sen
1 bicoencantador. f i < .-- .
0 ,Ve** ** como todo o bomem civilisado, ama a socledade dos
beos,gota do centro do mondo elegante, usa do tnico de Xayme. para previnir qoe lhe
Ji calva ap sol, vai a companhia des Booffes Parisieqs e no meio do partido de
madame Adelle, ella tamben atira-Ihe o seu lindo bouquf.
J Digne-se o benigno leitor de jurar as palavras sinceras do sincero Teado
anco, e venha prover a sua dispeosa doquesneihor se pode encontrar n'um estabe-
cimento de molhados.
A modicidade dos pregos, comparados com a boa qnlidade dos generosa' o
bom modo com qoe se recebe ossenhfes compradores, deve cerUmente convidaras
pessoas que ainda n2o vieram nossa casa a azer parte dos arngM elregaezes |do nosso
PARA OS EXIGES DE NOVEMBRO
Jos Sojres de Azevedo, professor de lin-
i mciooal no Gymnasio Pro-
wcjl wftMfe, tem aberto em sna casa,
na pella n. 37, cursos especiaes das se-
gnntes^materias, para os alumnos qoe li-
verem de faaer exaine em novembro proxi-
IRA ftlCnPA 1
mo faturo :
Llogoa
Franceza.
eUUtoria.
BELLISSIMO 1RMAZEM
r na

LHA.DOS
ONHEODO PELO NOME
..

"'- '
pido fu DireitaDA J16.
Hn da tratesta ale Pedro. ?t> l)(\
RA BIS CINCO PONTAS N. 86
' li GRANDE ARMAZEM .
DAS

. DS AMERIC4S.
A n A i i n i
Sempre barato
.
i yt
ManAelgs
Ingleza flor a 14, a libra e a 5oo rs. softYivel e propria para tempero a 32o rs
dem franceza a 56o rs. a libra.
Cha
De primeira qualidade a 2-j8oo e proprio para negocio i6oo a libra.
Blscoltos
Inglezes pearl, nicniac, oval, cracnel, e outros superiores a \&loo*a lata.
FlgOS
A 24o res a libra.
Ciosnmas '*
De milho branco a4ooreis a libra, de araruta verdadeira propria para alimen-
tar enancas a 5oo reis a libra e caxinhas com 4 libras por menos, gomma do MaranbSo
a i6o rs. e tapioca sag a 24o a libra.
Chocolate
Superior a 1/1, a libra.
Doces
De goiaba em latas a l#5oo em caixa de 4 libras, muito fino a l8eo, em caixoes
de 2 libras a 5oo e 32o.
Pelxe
Em latas a iooo reis a libra, sortido em qnalidades.
Ostras
America a 8oo rs. lata.
Balds e vassouras
Americanas a 8oo reis cada peca.
Toncinho
De Lisboa a 320 reis a libra:
Tomates
Em latas a 6oo rs.
sal
Refinado em lindos postes por ooe rs.x
Rlrshs de Wasser
A 2ooo a garafa.
Vermonth e Ahssntho
AliJ5oo a farrafa.
Bltter
A looo a garrafa.
De bordeaux superior, Saint Estephe, Saint Julieb, Saint Emilie a 70000 a duzia
e 64o rs. a garrafa.
Vinho
Do Porto fino a 14|Jooo a duzia e 105oo a garrafa e magnifleo tamhem em bar-
ril a 8oo a garrafa.
Duque do Porto
Adamado e outras marcas a 9oo rs. a garrafa e fo a duzia,
vinho da Flgueira
O que ha de melhor a 4, a caada de Lisboa a 3$ e 40 a garrafa.
vinagre
De Lisboa a 2oo e 28o rs. a garrafa.
- Farello de Lisboa
Saceos com 9o libras a 405oo.
Cerveja
Franceza em gigos de urna duzia a 60.
1 Inglesa
Bass verdadeira a......T. e Victoria e Alssop a 5#o res a garrafa
__________________*________________-___________:________________;_________________i
Na loja do sobrado d. 11 da roa da Impera-
triz se dir' qaem vende por barato prego am car-
ro com vidraca (caleze) em omito bom estado.
ronnjninnnnininipi ainnSnBiBl
(^ O Dr. A. S, Pereira do Carmo (medico) j
est morano no obrado n. 1S da roa da
Impertirla.
Para o*xcellentissimo mi-
nistro da justca ver.
O abaixo assignado detido na casa de de-
tengo desta cidade de Pernamboco ha tres
annos, e processado nos termos de Flores e
Baique, n3o lhe tem sido permittido res-
ponder ao jury/ nico meio de sua defeta,
como lhe faculta a constituico do Imperio;
tendo sido requisita do pelos juizes daquellas
comarcas por mais de seis vezes. Chefe de
numerosa familia, e boje sobrecarregado de
Eirejoizos inclusive suas despezas durante o
argo esdaco de tempo que tem absorvido, a
poaca fortuna qoe de seu trabalho possoia;
e protesia reclamar at ser attendido.
Jo5o Manoel FrazSo.
i
Ahiga-se
orna can com bastanus comamlos na cidade no-
va de Santo Amaro fin da roa da Aorora : a tra-
tar no largo do Corso Santo ^unelra an-
dar, oo em Santo Amare casa do Bino do Sr An.
tonto Jos Gomes do Crralo.
n
Aluga-se o sobrado da roa da Madre
Dos n. 36, com bastantes oommodoi :
trata-se na rna de S. Francisco collegio-da
onceigo.

N. 2 D
B
COK AGIO
11.

E OURO. ^fcf
A rojan.l D ntitolada Gora?o de Ooro.na rna do Caboga,acha-se d'ora em diante offerecen
do ao respeitavel poblico com especialidade as plseoas qne bonram a moda os objectos do nltimo gos
to (a Pars) por menos 20 por cento do qoe era ootra qualqoer parte, garantmdo-se a qualidade e a so
idea da obras.
O respeitavel publico avallando o desojo qoe deve ter o proprietario de nm novo estabelecimen-
to qoe quer progresso em sen negocio deve ebegr immediatamente ao coracio de ouro a comprar
aneis com perfellos brilbantes, esmeraldas, rubial e perola; verdadeiras em agarras, modernas pek
diminnto preco de 101\ brincos modernos de ouro e coral para menina pelo preco de i, maracas de
prata eom cabos de marfim e madreperola obra de moderno gosto (o que o encontrarlo no coracio de
onro) voltas de ouro com a competente erosiona ricamente eofeitada pelo pequeo preco de 12, brin-
cos de nm trabalbo perfeito por nm mdico preco, cassoletas, tranealtas, pulceiras, alfinetes para re
tratos e outros modelos tndo de alto gosto, aneis proprios para tratar cabello e firma, dito para casa
mento.no rtico roseta tem o Coracio de Ouro nm completo e bem variado sortimento de diversos
gostos, bulSes para pnnbos com diamante, rubins e esmeraldas, obra asta importante ja' pelo sen va-
lor ja' por gosto ds desenbo, brincos a forma da delicada moslnba de moca com piogente contendo es
meraldas, rubina, brilbantes, parolas, o gesto sublime, aldnete para gravatano mesmo gosto, relo-
gios para senbora cravados de podras preciosas, ditos para bomem, diversas obras de brilbantes de
maito gosto, erosionas de rubios, esmeraldas, parolas e brilbantes, inels com letras, cazoletas de
erystal e ouro descoberta para retrato (a ingleza) brincos de franja, ditos a imperatrise toda e qual-
quer joia, para secoliocar retratos e obras de cabello, e outros muitos objectos'que os pre tendentes en
contrario no Coracio de Ouro qoe se conserva com toda a amabilidade aos concurrentes deixando-
se de aqu mencionar precos de certos objectos popque (desculpem a maneira de fallar) dlzendo-se
prego talvez algnem faca mi jnizo da obra, por ser to diminuta qnantia a vista do sen valor.
Na mesma loja compra-se, troca-se ouro, prata e podras preciosas, e tambera recebe se coneer-
tos, por menos do qne em outra qualquer parte, a dao-se obras a amostra com penbor, conservando-sa
e Coracao de Ouro aberto ate* as 8 horas da noile.
Qaalquer pessoa qoe se dirigir ao Coracio de Ouro nao se podera' engaar com a casa, pois
nota se na sna frente nm coracio pendurado pintado de amarelto, alera de outro qne se nota em nm
rotulo (isto se adverte em conseqoencia de terem ja' algumas pessoas engaado com outra casa.
RQSnWPfnW# Mastica.
As pessoas que desejarem estudar qual-
quer deseas disciplinas, podem dirigir-se a
residencia indicada, de manbia at s 8 ho-
ras e meia, e de tarde a qualquer hora.
m CoUegio de S. Francisco
b Xavier
Para edneacio de meninos
Estanelecido na grande e
Hent rejada casa onde
esteve o Ciymnasio, no
Hespido, e dirigid*
pelo padres da compa-
nhia de Jess.
Neste collegio, recebem-se meni-
nos de 6 12 annos para serem
educados e instruidos em todas as
materias preparatorias das faculda-
des do imperio.
Haver meninos internos, meio
pensionistas e externos.
Os internos pagaran 40 mensaes,
os meio pensionistas !S0, e os ex-
ternos 50.
Os pobres serao admittidos gratui-
tamente as aulas do collegio, pro-
vando o estado de pobreza com at-
tesUtco do parocho respectivo, on
de outra pessoa de f.
Para admissao dos alumnos e
para quaesqueresclarecimentos, tra-
ta-se com o director do mesmo es-
tabelecimento a qualquer hora do
dia.
-* Ao Sr. capillo do 2* baulbSo de infamar a
Ignacio Pinto dos sayos Sases pede-se o favor de
se dirigir a rna do imperador n. 18, aflm de con-
clor negocios qoe o mesmo senbor nao ignora
Igual favor pede-se ao Sr. Francisco Rodrigues dos
Santos Carioca.
Precisa-se alagar um moleque oa negra pa-
ra vender; na ra das Aguas Verdes n 46, 2 andar.
Legtimos charutos e ci^ar-
ros da Havana.
Acabam de ebegar a livraria franceza,
______Ra do Crespo n. 9.
M.'S
S A

Acunado Cabng-X.
Agostinho Jos dos Santos # C
Acaba de ebegar a este estabelecimento um esplendido sortimento de
joias do ultimo gosto, perfeicao artstica e modellos entecamente notos; como
seguem: aderemos com rubim, esmeraldas e perolas finas, pulceiras, broches
para retrato, anneis, botes de punho, brincos e cassoletas com letras, etc..
etc., etc. Salvas de prata do Porto, faqoeiros, paliteiros, calix de mesa c
fructeiras, cojos precos sao incompetiveis, pois que os proprietarios desta casa,
recebendo seus artigos directamente da Europa, podem servir vantajosamenta
aos seus freguezes. Gompram-se brilbantes, pedras finas, ouro e prata, page
se bem, tambem se incumbem de fazer concertos.
A moradora do sobrado da roa estreita do
Rosario n. Si, 2* andar, participa a todos os seos
freguezes de flore, tanto de dentro da cidade co-
mo de fora, qne mndoa sna residencia para
mesma roa, sobrado n. 35, onde podera' ter pro-
curada para fazer qaalquer encommenda qne se
Ibe Qzer em flores de papel, panno e cera, como
capellas para noivas, palmas de laranja, oapellas
para mnlnas e santos, rosas, palmas, arcos para
santos, booquets para enfefte de mesa, de altar
-para qualquer festa, enfeita-se anda chapees para
senhoras para meninas; faz-se roupas proprlas
para baptisados, vestidos para noivos entelados a
gosto pelos ltimos flgurinos ebegados de Pars,
assim como toda e qualquer qualidade de costa
para senbora e meninas.
Bordam-se fitas a onro para laces de imagem e
booquets para casamento, para cintos a' onro, a
tentljonlas e a seda.
Enfeitam-se velas de multo gosto para baptis*
dos e altares; faz-se bandeijas de bolos com ar-
macoes proprlas para casamento muito enfeitadu
com bolos finos de toda a qualidade, pastis de na-
to e podios, bolo ingUz e de S. Joio eneHados
para presentes, po-de-l enfeilados, doee da ovos,
assim orno tambem prepara-se biasMn de era-
vos natoraes para caaaroento; tndo lato se faz
com toda promptldio, presteza e asaela e maU ba-
rato do qoe em ootra qualqoer parto.
GAZEOL
DE
Burrin da Buisson
Liquida voltil preparada por Smllnse, reprq-
duiindo cbimicamen os vapores qne se soflam
em vofta do aparelbo pnriieado do gaz carbnico,
* empregada com o mais seguro soccesso costra
* coaelacbe, a pbtisca e todas as molestias coro-
VBIWB-8B RA
Botica e drogara
JkC.
34Bu larga i* Isris34
Sabonetes de akfltr&o
O oso destes sabonetes tem apresentado os mais
benficos efleltos contra as impingens, sarnas, fi-
aba, caspa, comlebdes e. todas as demais molestias
da pelle
vmn-saju
Botica] e drogaria
Bartholomen i. ConuamhU.
14na larga Se Reaarie 14
Um moco qne tem babiliucio para cobran-
SLffESffiE?* e*lxe,r0 ****** ttrt^1-
Sedulas do banco do Brasil
e suas caixas no Mara-
uhao, Baha, etc.
Trocam-se effeclivamente no sobrado da travesa
da rna da Concordia n. 13.
MBMB WM Hll'Wi
S No armaxem de Untas rna do Impera- \
dor n. 2%, vndese :
Salitre refinada arroba 6$500
Enxofre arroba 2*800
Attenco
o
Antonio Jos da Costa Araujo,gerente do estabe-
lecimento de Bernardo Alves Pinbeiro, na rna lar-
ga do Rosario n. 17, Jas sciente aoasenbores vende-
Ihajea ao publico m geral, qne tem um grande
sortimento de enerlos fabricados dos melbores fo-
nos viudos de conta propria, e por prejos muito
baratos avista de sna boa qualidade.
Na praca da Independencia <. 33, loja de
ourives, compra-se ouro, prata e p.uras preciosas,
e tambem te faz qnalqner obra de eneoaamenda e
todo e qualquer concert.
ltenlo..
R.*25 |na de LivrameiU N. 25
Deposito de umaneos e calcado nacional da fa-
brica da rna do Jardlm n. 19, de Josq Vicente 6o-
dinbo, tanto no deposito como na fabrica se apromp-
tam todas as porc,oes de calcado mais barato
pessivel, esto fabriea tem todas aa machinas pro-
priu pera o< calcados ja bem acredludos pelo
granan numero de fregneies qne daqnl se for
SEGUROS
MARTIMOS
CONTRA F060.
A companhia Indemnisadora, estabeleei-
da nesta praca, toma seguros martimos so-
bre navios e seus carregamentos, e contra
rogo em edificios, mercadorias emobilias:
na ra do Yigario n. 4, pavimento terreo
Attenco.
Moedas de euro e nrata
Na rna Nova n. 31 compra-se por maior preco
do que era outra qualquer parte.
Joaquim Jos Gon^alves
Beltr&)
RA DO TRAPICHE N. 17 i ANDAR)
Sacca por todos os paquetes sobre o Banco
lo Minho em Braga, a sobre os gaintes luga -
c em PortugaL
aber:
Lisboa.
Porto.
Valenca.
Guimares.
Coimbra.
Cbaves.
Viseo.
Villa do Con*e.
Arcos de Val de Vez.
Vianna do Castello.
Ponto do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famelico.
Lamego.
Lagos.
Covilbaa.
Vassal (Valpassos.)
Mirandella.
Beja.
Barcenos.
GRANDE
Aluga-se o t. o andar do sobrado n. %,
junto a igreja dos Martyrios, bastante fresco
e com commodos: tratar com Antonio
Jos Rodrigues de Souza na roa nova n. 60,
das 7 s 9 horas da manbSa, ou das 4 s G
da tarde.
Trocam-se
as notas do banco do Brasil e das calas alises-
dom descont mnito rasoavel, na praca da lnde,
oendeneia n. it, _~-_^_____
telado
Preclsa-se de nm criado for on captivo
rna estreita do Rosario n. 28, \e.
S
Tendo de se liquidar a leja de calcados france-
zes sita na roa do Imperador n. 32, previne-se ao
respeitavel publico que a mesma lquidaco tora'
jmente logar de segunda-feira 20 do corrente mez
em diante, e para se dar nma idea da barateza,
abaixo se transcreve os precos:
Borzeguins de Meler verdadeiro?. 11*000
Dito Suzer dito. .......8JO03
Dito do mesmo fabricante de diversas
qnalidades..........8*000
Dito do fabricante Fanion e Lavergen .. 8*000
Dito da diversas.fabricantes de o* a 7*000
Sapatdes de Suzer que se vendan) por
5*000 a........... 3*600
Borzeguins para menino de varios fabri-
cantesde 5* por .......... 3*000
Bolinas para meninas dem idem a .. 3*500
Ditas para senhoras idem idem Jolly 3*500
Sapatdes para meninos de diversos fa-
bricantes..........3*000
Perfumarlas do fabricante Lnbio e Piver, sorti-
mento variado de diversos extractos e agua de Co-
lonia.
Camisas para bomem..
Bengalas, grvalas, charutelras de ambir, pon-
tos de tartaruga de diversas qnalidades e mode-
los, emfim urna id Anidada de artigos de luxo e
bom gosto.
i
na
andar
Novas

Msew#tW
onfora dalla, danto o ann fiador *
prest-
Aloga-se o pequeo sobrado de nm
sotan os rna do Caiabouco n. 20 : na rna
15, sobrado. _______"________________
Urna escrava .
Pagasemeatahaento 15*palo alogoei da ama
eacrva qne salba cosinbar, engonmar e faser o
mais sarrio de casa de nma seahora estrangelra,
e pagamento sera' (alto com a maior pontoalidade
e segranos : a tratar as roa da Senzaia Veiba n.
- Precisa Uta ana* ilesW pira eiisiaTaa
arimeiraa letras a dnaa meninas am nm engeono
dlMnto do Recite seis legnas: a tratar na roa
twat w.' _______
SlfA-Bn.ataa Jb^ntnas Sa'nt"Anna ^oTSc-
M an Ottada, nn naneartt ndn do Rio Gria-
doNrle,nflMade
Brasil Histrico
O primiiro numero do segunde- anuo desta Re-
vista anab de ebegar; com elle principia a pu-
blicaban da revoloco de Pernambuco de marco de
1817. Assigna-se por 12* por anno : na livraria
franceza, roa do Crespo n. 9.
ESaUPTORJO 'DE ADVOGAClA.
O Dr. Antonio Berges da Konseca e sen filho o
Dr. Bento Borges da Fonseea tem eseriptorio de
advogaeia no patee da Panizo n. 30, entrada pela
rna da Boda. Tratan com particular interesse to-
aaa m canana de %> ae enearregam.
AMA
Preclsa-se na rna do Rangel n. 6, ama qoe co-
' e para pequea familia.
stab
A Saudade
Sabio a los o t* amen dente periedtoo liuera-
rtoe potico offareeidoao bello ana e vende ee a
80 ra. o nomero avnlso na typograpbia Repnbll-
cana a rea do Imperad n. 38. _________
Precisa-se
Alagar ama canda gnecacregn* de olto cena a
-**' ia -*m"' ""M"~ "*
MOLESTIAS DO PKITO
Avlao importante.
Os aicos verdadelros xaropes de hypopbospbi-
tos de soda, de cal e de ferro do Dr. Cuorchlll tra-
zem a firma quairo vezearfepetida des sabio me-
dico sobre o subscripto e a marca de fabrica da
pbarmacia Swann, 12, roa Casglione, Paris.
Acba-se a venda^m frascos quadrados com o no-
me do Dr. Cbnrchill no vidro. Preco fc francos em
Paris : Com lustrucco
Vende-se em casa de P. Ha ver & C
Aos Srs, consumidores do
gz
A direecao la empresa do gaz convida respet-
osamente aos Srs. consumidores qne por aeaso
ponan ter queixas por falnde gas, on outro fn
dobveniente qae possa sebrevir, firam dirigir
anas reclamacoes ao eseriptorio da empreu n. 3111
roa do Imperador, aonde reaeberio immediata
pronpiaattenclo.
ferdeu-se o bilbete inteiro n. 1783 da lotera
qoe corre no da 19 do correal, por leso regase
o Sr. thesourelro das loteras e nato caatotfstas e
vendedores de bttetes, qne nio pagnem o premio
qae aeUe sabir seoao a abaixo snfanlo.
H_______________Jos Manos! ds Iva.
ALCGaT"
Francisco Gomes de Orvelra. geni de tollo,
ipriMO II '"'" **~" Pelo
aiaisii cosnwiies que ton para tnanceaa fasni-
Ol, por osito Mr Mo sna resideocto date
maltes annos.
*.
^.

s


_
m^BWvi
m

>
j
v

"Si
**to!
o
-
IX ~31*I I
if

DaA%v WrWtt;1*! sjs faffiteiaun %**.
CQMEHt
Moedas de'ouro.
Nacionaes e estrangiras assitn cerno libras
esterlinas: campram-se na roa do Crespo o. 16,
primelro andar.________________.
CoMpra-se moedas de ouro d&iOJ. 16*, iOJ
e 94 a roa da Cruz n. 3.__________^_______
Gomprara se pataefles e prala braslleira li- fi
bras esterlinas-moedas, de 9, de 10,5, de 16,3 e c ra.
204 por malor pre;o do qne em oatra goalgoer
parte : na ra da Cadeia loja de faiendas o. 8fe.
Ao .armaren. < "^Lflia'a* e
oantosCoelho,ra ao Quei-
madon 19. ,
Boa e barato
Cambraia de cores matisadas finissimas a
L
Moedas de prata
nacieoaes, assitn como patace* pbrtuguezes
bespanbes, compram-^e coin premio
Crespo n. 16, primeiro andar.
na ra do
Libras esterKnas
Coropram-se com bom premio
dependencia n. 22.
?a
pra'-a da In
I i I l
;.0..'j : I 1-J ,8C*
A3 Efe i.
PARA UZO INTERNO
PREPARADOS SIMPLES,
Xarope de jurubeba garrafa......... tfaop
Vrahode i6oo
Plalas de vidro......... l6oo
Tintara de 64o onooiq o
Extracto hydralcoolico de jarobeba-f2(8oo
. '.-.
PREPARADOS COMPOSTOS.
'
>.


Vinho de jurubeba erroginoso garrafa. 20ooo
Xarope > ]6oo
Plalas vidro... 20oo
Oleo de jurubeba vidros.... 64o
Pomada de > pote...... 6io
Emplastro i libra. ..... 205oo
PARA UZO EXTERNO

A JTURUBEEiA.
Esta plantaje hoje reconhecida como o raais poderoso tnico, eomo om excesi
lente desobstruente, e como tal applicada nos engorgitaro.eutos do figado e baco, na-
hepatites propriamente ditas, on anda complicadas com anaiarchas, as inflammaces
subsequentes as febres intermitentes ou darezas, nos abeessos internos, nos tamores es-
pecialmente do otero e abdomen, nos tumores glandulosos, na anazareba, as hydrope-
2ias, erysipellas; e associada as prepararles ferruginosas, anda de grande vantagem
as anemias, chtoroses, faltas de menstruacao, leucorrheias, desarraojos atnicos do esto-
mago, debilidade orgnicas, e pobreza de sangue, eti.
O que dizemos affirmam os mais.'distinctos mdicos desta cidade, entre os quaes
podem os citar os lllms, Srs, Drs. Silva Ramos, Aquino Fooaeca, Sarment. Seve, Pe-
reira.do Carmo, Firmo Xavier, Silva eto. Todos Has reconhecea a excellencia d'esle po-
deroso medicamento sobre os deraais at hojo cooaecidos para todos os casos citados,
tanto que todos os das fazem d'elle applicacSr.
Apresantando aos mdicos e ao publico em geral diversos preparados da jara-
beba, tivemos por im generatisar mais o aso d'-este vegetal, fazendo desapparecer a
repugnancia que at hoje sentiam os doentes de osar dos preparados empricos d'elle, o
mais das veces repugnantes a trag*Tem-se, e que tinham anda a desvantagem de nao
ser calculada a dose conveniente a applicar-se, e que torna auitas vezes improficno om
medicamento, que podena produrir ptimos resaltados.
Os nossos prepades s foram apresentades depois de havermos convenientemente
estadado a jurabeba, fazendo as xpertenciastpracisas para bem conhecer as propriedades
medicamentosas d'esta planta em suas ratees, folbas fractas -eu bagas, e a dose convenien*
ea applicacSo, tendo alm d'isto procurado levar os nossos preparados ao maior grao de
tprfeico possivel, para o que nao poapamos estorbos, na nos importando o pouco la-
cro que possames tirar.
Por tanto os que se dignarem recorrerles nossos preparados podem ter a certeza
de que elles offerecem a garanta, de que se pode encontrar a prompta e infalhvel cura
de qaalque dos soffnmentos, que deixamos innumerados, se forem em tempo applicados
tendo alm d'isso, medico ou doente a vantagem de escolher as nossas variadas prepa-
raeoes, aquella que melbor lbe podeconvir, ja pela fcil appcacSe, ej pela complicafo
das molestias, idade, sexo, ou anda natureza de cada individuo.
As nossas preparaces ferruginosas sie feits de forma que se tornam completa-
mente solareis nos suecos gstricos, porque procuramos os composto* de ferro que como
taes estao boje reconbecides.
Para aquelles que mais minuciosamente queiram conhecer as propredades da
jurubeba, e saberem a applieacao de nosses preparados, destribuimos gratuitamente
em nosso deposito un folneto, onde -tratamos mais extensamente d'esta planta e dosa?e;
mos preparados,
Depesito geral de 'todos radjd eo apeos
Botica e drogara
34Roa larga de Rozario84
m
Compram-sc escravos
Silvino Guilherme de Barros, compra, vende e
roca efectivamente escravos de ambos os sejos
de todas as idades : a' ra do Imperador n. 79,
e-rceiro andar.
--------
Pataces

Compram-se pataches be'-panhes, poriagueies e
brasilelroe de cnnho antigo, em casa de' AJamsoo,
Henry & C, roa do Trapiche-novo n. 40.
25^600
Compra-se na loja de jotas do coracSo de onro
n. 2 D, ra do Cabnga, moedas nacionaes de Mf
Ouro e prata em moeda
Compra-se por maior preco do que em oatra
parte : na rna Nova n. 31, loja de ferragens.
vuro e prata
Moedas de onro e prata nacionaes, estrangeiras
de todos os valores se compran) na loja de ouri-
ves junto ao arco de Nossa Senhora da Conceico,
rna da Cadeia do Recite, assim como onro e prata
em obras velhas, brilbanles, diamantes e se paga
bem. ____________
Compra-se ouro e praia em obras velbas :
na praca da Independencia n. 23.
Libras esterlinas
Compram-se no escriptorio de Antonio Luiz
0!|veira Arevedo & C, roa da Crnr n. 1.
de

Compram-se
cota premio moedas de onro e de prata nacienaes
e estrangeiras: na rna da Cadeia do Recite n. 16,
armazem de Adriano, Castro & C.
Compra-se
nma casa no bairro de Santo Antonio at a quan-
fla de 1:6004000: qaem o ti ver para vender deixe
sna morada em carta fecbada nesta typographia
com as iBiciaes A. B. 5_
Compra-se
Umpreto e orna preta de aisla Idade, escravos,
com tasto qae ne sejam de easa de commlsso :
na rna da Iraperatni d. 5S.
VENDAS
Vende-se atn sitio na nrargem de rio Capiba-
oibe : a tratar o* 'na do Qteimado n. 16 A.
HISTORIA DE CARLOS
Vil
Rei da Suecia
fOR VOLT AIRE.
Vende-se -esu excellente obra por #200 em
brochura, na llvraria Econmica raa -do Crespo
n, 2.
Na mesa livraria tomam-se assignataras para
avida de Horacio Nelseno celebre almirante
oglet a lj cada eiemplar.____________________
Fannna de mandioca a 3800 o sacco : ao
armazem de Candido Alberto Sodr da HsfU s?
travessa da Madre de Dos n. 14.
Fariaha de mandioca superior;
A tratar com Tasso Irraos, on no trapiche Ba-
rio do Livramento no Ferie do Manos.
mim
mm SENHORA u nc icio
Para edneacSo do sexo masculino
Director Manoel Alyes Viaona
0 collego-da ConceicSo, mudado nltmameate para o bairro de Santo Aa-
^^ tonio, ra de S. Francisco, casa n. 72, contigua estac5e central dos trilhos
Wa urDaQos dos Apipncos, contina a funecionar regalarmente, recebSndo alnm-
- nos externos e internos, tanto para as aulas primarias, como para lodos os
preparatorios necessarios matricula de qualquer faculdade, sendo os seus
respectivos professores pessoas moralisadas e de um concito magistral j
bem firmado nesta cidade.
O director deste novo collego contiuuando a empregar toda a solicitado no
desempenho de sen mandato, espera fazer-se mais digno da confianca com
que o vo honrando os seabores pas de familia, confiando-lbe bondosamente
os seus ilhos.
Os estatutos oxscollegio, assim como o franco ingresso em todas as suas
dependencias, estSo sempre a disposicio de quem possa interessar.
W
DE
[DE
J. VIGNES.
N. 55. HU IMPERADOR M. 55.
Cf fanos desta antiga airica sao hoje asis conhecidos para que seja necessario insistir sob r
ina suparioridade, vantugease garantas que offerecem aos compradores, qaalidades estas incontes
vais aa attes tem deQnitivameate conquistado sobra todos os qne tea apparecido nesta praca ; pos
naindo um teclado a maentaismo qne obedecem todas as vonudes a caprichos das pianistas, sea
tiunca falhar, por serem fabricades de proposito, e ter-se feito ltimamente melhoramentos importan-
vssimos para o clima deste palz ; quanto is vozes, sao melodiosas e flautadas, e por isso muito agrada-
sais aas oavidos dos apreciadoras.
Fasena-se coaforme as encommendas, Unto BesU fabrica como na do Sr. Blondel, de Pars, socio
orrespondente da i. Vignes, em coja capital foram sempre premiados em todas as exposicSes.
No mesmo estabelecimeato se adiara sempre um explenddo e variado sortimento de msicas doa
albores anteras da Europa, assim como harmnicos a pianos harmnicos, sendo todo vendida por
procos eomuK>o.eraioavels.
Cal de Lisboa
Venie-se no armazem de (David Ferreira lial-
tar roa do Brom n. 66._______________
Gil Braz e Santilhana
Este inimitavel romance de Lesaga, tradu-
zdo por Bocage, vende-SA por 4)5 em bro-
xura, e 5#.encadernado : na livraria Econ-
mica, ra do Crespo n. 2 defronte do arco
de Santo Antonio._____________________
No trapiche do Bario do Liaramento
no Forte do Mattos o. i5, contnua-se a
vender saccas com fariaha de mandioca aos
preoo6 de 3,5800 a 54, sendo deste .ultimo
preco, fariaha muito especial, ella untes
que se acabe.________
Vndese urna escrava de 24 annos, onka
figura, f peca, sutural de Sobral : na raa do
Fogo n. 9.
arrehe vegetal
-muito superior aos xarope de Cnisinier e de
Larecy. Oe fcil digestio, agradacel o paladar
e ao al p bato, el le cura radicalmente, sem merca-
ra, todas as affecedes da palle, impiagens, alpor-
cas, tamores, ulceras, sarna degenerada, escrfu-
las e escorbuto. E' sobre todo poderoso as mo-
lestias rebeldes ao mercurio e ao iodoreio da co-
tassio.
NiCO DEPOSITO
Pharmaeia de Joaquim de Almeida Pinto,
roa larga do Rosario o. iO.
dem brancas transparentes flas ds 4$,
|W0O0, G,?, ifi, 8& e 90000 a peca com 10
jardas.
Wem branca tapada de 80 e 90 a peca
>m '2 jardas.
dem branca franeeza mutlo larga a 90 a
pega com 8 varas.
Bales de 33 e 40 arcos nesgados para
senhoras, a 4B00.
dem de 35 e 40 arcos com ferrugem a
20500.
Mem de mursulina nesgados a 50.
\ dem de crochet a 50.
I^m de mursalina para meninas a 30 e
30500.
ir dadas a 50.
Cambraias admascadas pira cortinado a
120 a peca com 20 varas.
Hem para forro a 30 a pecaom 10 jar-
das
Cambraia de linho muito fina de 60 e 90 a
vara.
Madapploes finos de 60, 70, 80, 90,100,
110 el^apeca.
Platilha de algodao superior fazenda para
saias a 30200 a peca com 10 varas.
Cobertas de chitas de ramagem a 20600.
Lenfes de bamburgo fino a 20400.
dem de bramante muito fino a 30200.
Pannos adamascados para cobrir mesa a
40500.
Guardanapos de linho adamascados a...
30500 a duzia.
Atualhad adamascado com 7 1/2 palmos
de largura a 20 a vara.
dem adamascado de linho com 7 1/2 pal-
mos de largura a 20 a vara.
Algodao enfestado com a mesma largura
a 10100 a vara.
dem trancado de algodao a 10600 a var*
Toalhas alcochoadas de linho lisas a 110
a duzia. -
dem de algodao felpudas a 130 e 140
a duzia.
Colchas de fustao a 60000.
Retondes de fil preto a 60.
Chales de fil a 50.
Lencos de cambraia brancos finos a 10800,
20 e 20500 a duzia.
Lencos de cassa fimssimos a 30200 e
30600 a duzia.
Fil de linho liso a 800 a vara.
dem com sal picos a 10000 a vara.
Grosdenaples preto bom a 10800 e 20
o covado.
Moreantqne preto superior a 20800 o co-
vado.
Flanella de todas as cores a 800 rs. o co-
vado.
Tarlatana de todas as cores a 800 rs, a
vara.
Bramante de linho com 10 palmos de lar-
gara a 20500 a vara.
dem de linho com 5 palmos a 10200 a
vara.
dem de linho com 3 1/2 palmos a 800 a
vara.
Riqusimos basqaios a 250000.
Assim como outras muitas fazendas que
se vende por menos que em outra qualquer
parte, e d-se amostras de todo,
Arados americanos
Samad P. Jobnsion & C. tem para vender sspe-
riores atados americanos : a raa da Sen*a!a Nova
n. 42.
Uiml sem segundo.
Ra do Queimana n. 4.
Qoer acaiar can as fazeifa abaj
mencionad? >.
Queiram vir ver a je tosa t aaratisaisM.
Toalbas de labynnlho com tico, fatenda boa a
3#900.
Carreteis de liaba com 100 jardas a 30 rs.
Grvalas pretas e de coree moi;o finas a 500 rs.*
Calzas de obreias de massa muito novas a 40 rs.
onfiadores para espartilho de cerdao e fita a 6v
ris.
Carreteis de linba Alexandre cem 400 jardas a SOt
ris.
fraseo de oleo babosa a 3S0 e 800 rs.
Ditos de dito higlemqne verdadeires a 1^000.
Ditos dito falso a 8&) rs.
Ditos de macacarperola a 2C0 rs.
Sabonetes mnito finos a 0, 460, 300 320 rs.
Ditos de bolla muito finos a 240 e 320 rs.
Caulas para rap com bonitas estampas a 100 .
Miadas de liona froxa para bordar a 20 rs.
Varas de cordo para espartilho a 20 rs.
'cates v: Iteados para regacar cabello de menina*
a 320.
irascos de macaca' oleo muite fiao, a 120 rs.
Abotoaduras mnito finas para colletes a 500 rs.
Cartoes de Imha branca e de cores a 20 rs.
Libra de arda preta superior a 100 rs.
Sscovas par tato, fatenda boa, a 500 rs.
Varas da franja branca de inbo para toalba i
100 rs.
Pecas de bico estreito com 20 varas mnito bonito a
JKWO.
Varas de papafina de dlfferentes Jarearas a 120,
160 e 200 rs.
Caitas de palito balSo a 40 r?.
Calas de palitos de seguranza sem encbofre a
60 rs.
Sabonetes de familia a 160,160 e 240.
Grosas de boloes de madreperoia para camisa a
500 rs.
Caixas com soldados de chombo para meninos a
120 rs.
Cantina de doctrina ebristaa a 320 rs
Latas com soperlor banha a 200 rs.
Quadernos de papel peqneno superior a 20 rs.
Dnrla de baralhos trnceles superior 2#.
- ----------------:--------
Avisj agradwel.
Soma icrea d lrmo.
Rna .\ova n. 28.
Vendem :
Linhas muito soperiores em" novelios cra a
2^000 e 2JS00 a libra.
Da mais nfarlor a f#SK e 1*500.
a ,l *az> preUj. branca e de core.-, em cai-
xas de 40 novelros, 00 reis.
Dita em caixas de SOnovello?, branca, a 7
re?*
Pita em caixas de 10
reip.
novelios grandes, a 540
em cartees, a 160 rei a
Dift de Alexandre, carros 200 jarda, a 100
a duna. '
carros, com 80 jardas, a aCO reis a
Dita branca e preta,
duzia.
em


Dita
duzia.
Agulbas de Tundo doarado mnito finas, caixa a
220 res.
Ditas ingleza?, sortida?, milnelro 700 res.
Grarpas com cabeca de- vidro, duzia a i
reis.
Ditas tizas e crespas, majo 30 e 60 reis.
Colxete em calxinbas, dozla 640 reis.
Dito em canoas, dalia 600 e 900 res.
Espoletas verdadeiras, B B, caixa 100 reis.
Alfinetes em cartas grandes a 140 reis.
Ditos em cartas menores, 100 reis.
Ditos em caixas com aeia libra, 320 reis.
Botos de madreperoia para camisa, crea 460
e 500reis.
Ditos de osso para calca, grosa 200 reis.
Ditos de louca, grosa 160 e220 reis.
Ditos de moedinba para pnnhos, a 1,5600 reis
a dnzia.
Pentes para alizar, duzia 1*100, 2*200 e 3*000
res.
Ditos mnito soperiores para blxos, duzia 2*000
res.
Ditos para cuc, dnzia 1*500,1*800, 2*400 e
3*400 reis.
Pbosforos de cera mnito superiores, duzia de
caixinbas 320 reis.
Baralhos francezes mnito fino?, 200 reis.
Ditos portngnezes moito boos a 120e 160 reis.
E.-pelhos em quadro dourado a 120.
Trancas lizas e de caracol, peca a 40 50 e 60
reis.
Fita de la para debram, vara 100 reis.
Dita de algodao branca, peca 240 reis.
Dita de linno, peca 40 reis.
Lia de todas as cores para bordar, libra 6*000
res.
Garante-se cinceridade e baratisslmos
RA OVA N. 28.
PBARJUCIA
E
Vende-se nma grande porclo de lijlos que-
brados on metralnas proprio para aliceres, sendo
cada canoa de milbeiro 10*. e de 1,200 lijlos 12*.
e assim per djante: na otarla do sitio Crtama
nos Afogados.

Veade-se om preto pocsaate a moco : na raa
rna do Rangel n. 9, oa troca-te por ara qae seta
cozinheiro.

CompauMa gara! hespanliola de seguros sobre
a vida
ADTOWSaDA PELO REAL DECRETO DE 2i DE DEZEMBRO DE 1859
BANQUE1R08 DA COMPAKHIA DraECgAO.GERAL
MMmem le HeapaHha Madrid: e s. AC Sltaa^i* da OMpaaihla -4 5 de jalhe de 1866.
Apolices 19:700 Capital Rs. 127:444^70 oa moeda brasileira
Rs 42,714:476,51000
A Nacional abraca toaas as conbiaaces do seguro de supervivencia e n'ella pode
fazer-se subscrip$) de modo que em neuhum cal se perca o capital imposte nemos lu-
cros correspoodentea.
Unta aflanca dcpositad*nos cofres do'estsie, garante a boa administraclo da com
panhia.
Os fundos da companhla se invertem em ttulos do estado e se depositara no ban-
oe de Hespanba com intervengo do delegado do governo e do conselho administrativo.
Fedegoso de Pernambuco
A planta eonbecida entre eos sob a denomina-
5o de fedegoso, t no Rio de Janeiro e provincias
do sql deste imperio pela de crista de gallo o
tiaridtam ntilissmnm oa tiaridlatn elongatum da
Scbom., e o heliotropram curassadlam d Mari
pertence a familia das boragtneap.
O fedegoso considerado, oa tnerapeotiea per-
oambaeaaa como ama dis plantas mais raeommaa-
daveis por suas virtudes corativas, e applicado
interna e externamenla.cn calmante do systema
nervoso, naparalysia. asthma.tMse convulsa on co-
quelocbe.tosses recentes eantigs, snffocaces, ca-
tarrnos pplmonares etc., e em geral contra todos os
sofrimentos das vas respiratorias ; seodo ura ex-
cellente Unitivo para aquelles que padecem de
pbtlslca pulmonar. Sua eficacia contra o teuno
on espasmo Inconteilavel, e ntngnem ha, qae o
desconbeca. Nio ignorando nos o qae acabamos
da dizer, e esforcando-nos por ser otil a bomaol-
dade soffredora, preparamos o que abaixo indi*
camos, pondo a disposicio dos dlstinctos mdicos
e dos doentes desta e das outras provincias desle
imperio nossas preparafoes, qaeaao :
rande aiTnazem de tin-I
tas medieamentos etc. I
fina do Imperador n. 22.
Produttos chimicos e pharma- Mj
| ceticos os mais empregados em
medicina.
, Tintas para todo o genero de pin- *
tura e para tinturara.
Productos industriaos e tintas
para flores, como botos de flores
e modelos em gesso para imitar
fructas e passaros com o compe-
tente desenho.
Prodoetos chimicos e industriaos
para photographia, tinluraria, pin-
tura, pyrotecnia etc.
Montado em grande escala e sup-
pride directamente de Paris, Lon-
dres, Hamburgo, Anvers e Lisboa
pode offerecer productos de plena
confianca e satisfazer qualquer en-
eommenda a grosso trato e a reta-
lbo e por preco commodo.
Na raa do Seve oa Ubi dos Ratos, casa ter-
rea n. 1, ha para vender-se om moleqae com Ida-
de de 18 annos, com as habilidades de engommar
e cosinbar perfeitamente.
Pililas, tillara, xarote e viiba t
fede|oso.
Uolee depeeite
Pharmacia de J. A. Pinto, ra larga do
Rosario D. 10.
Na ra do Trapich n 16.
acham-se os seauintes depsitos
De R. Broiinghaosem Nuils.
Boargoge.
Vinho Pommard tinto.
Cortn tinto.
* Santo Georges tinto,
t Cbambertin tinto,
t Ricbebourg tinto.
> Clos de Vougeot Un o.
f Cbablis branco.
De 1. A. Woef em Frajicfert:
Rbeno.
Geisenheimer. u *v -
ebraunilcb.
laaraofaroaaer.
tm casa de'Theod Chrlstiansen, rna do Tra
pioba-novo n. 16, nico agente no norte do Brasil
da Bf aaaanhsjrg, fraras, Bareaux, encontra-ia aa
tettTBsjaaaeaaaaWaa'ew atttgssegumus:
St.Jaled.
St. Berra.
Larose.
Chatean Loville.
Chateau Margaux.
Grand vin Cbateau LafitU 1858.
Chateau LaBtte.
Haat 8aatemas.
Chatean Saater oes.
Chelean Lataur Blancha.
Cbateau Yqnem.
Cognac em tras qaalidades.
Axeitedoee. Preces de Bordeau.
DE
Joaquim de Almeida tinto
A jurubeba contra o ingorgi
tomento do figado e do bago.
a extracto alcoolleo. emplas-
tro, oleo, tintara, plalas,
xarope e vioho
A jurubeba urna das substancias medi-
camentosas que pertencem ao reino vege-
tal, e pertence a classe dos tnicos e desobs-
truentes, sendo em pregada com vantagem
contra as febres intermitentes acompanhadas
de engorgitamento de figado e de baco. Ella
tem sido applicada com incontestavel pro-
veito contra a anemia ou chlorose, e hydro-
phesia, calbarro da bexiga, e mesmo para
combater a menstruacao dificil, resultante
da mesma anemia ou chlorose;
. Depsitos geraes
Em Pernambuco, ra larga do Rosario
o. 10, JRio de Janeiro, pharmacia do Sr.
Deurad, Rio Grande do Sul, em casa dos
Srs, CascSo & C, Macei, pharmacia do Sr.
Claudino, no Havre, pharmacia de Mr. Ma-
rical, em Lisboa, oa pharmacia do Sr. Feij.
Sedas largas
A |f o covado
S oa loja do pavo.
Vendem-se modernisslmas sedas com largnra
de cbita franeeza, sendo com padroes modernos,
tendo entre ellas cores proprias para quem est de
lato : vende-se pelo barato preco de 2 o covado :
grande pecbincba : na loja e armazem do Pavo,
rna da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Cortes brancos
A 500 rs.
Vende-se bonitos cortes de cambraia branca com
bonitas barras bordadas e tendo tambem sgaos
com bonitas barras de cores ; vende-se pelo bara-
to preco de 5, na loja e armazem do Pavo, rna
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Alpacas de cores
A500rs.
Chegaram as mais bonitas alpacas de cores para
vestidos com desenhos miados e grandos, tendo
largara de chita franeeza, e vende-se pelo barato
preco" de 500 rs. cada covado ; grande pecbin-
cba : oa toja e armazem do Pavo, ra da Impe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
Bramante a 25.
Vende-se soperlor bramante de linbo alvo com
10 palmos de largara, pelo barato preco de ii a
vara : na loja e armazem do Pavo, rna da Impe-
ratriz d. 60, de Gama & Silva.
Algolo araado
Vende-se pecas de algodao largo mnito encorpa-
do, pele barato preco de 6*4500 a peca : na loja e
armazem do Pavao, raa da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma di Silva.
Retalhos
\ ende-38 ama porco de retalhos de chitas e ca-
cas pretas, por preco barato, na loja e armazem do
Pavao, rna da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Sedas a 320 rs. o covado
Vende-se am bonito sortimento de sedas de listas
que sempre se venderam per mnito mais dinbeiro
a liquidam-se pelo baratissimo preco de 310 rs. o
covado, s para acabar : na loja e armazem do Pa-
vao, roa da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
pregos
PILIJIjAS
Xarope e Timbo ferruginoso le
jurubeba eoni pyrophosphato
de ferro.
Chlorose, anemia, escrfulas, racbilismo, blenoor-
rbagia, leucorrba. lebres intermitentes e ame-
norrba (menstruacao dolorosa e irregular,
etc., etc.
Ha mnito qae tinbamos em vista associar o ferro
as nossas preparaces de jurubeba ; mas levamos
tempo a experimentar qual a preparaco ferrugi-
nosa, que mais conviria ao organismo humano.
vindo por flm a decidir-nos pelo pvrophospbato
de ferro, com o qual podemos prepara r os nossos
xarope e vinho de jnrnbeba ferruginosos.
Temos a observar, porm, que o uso dos medi-
camentos de jurabeba com o pyrophosphato de
ferro nunca pode occasionar a pbtysica Das pes-
soas anda as mais delicadas, como moas vetes
tem acontecido atea pessoas robustas, que se bao
servido do mesmo medicamento preparado com
outras substancias ferruginosas, por isso que o
pnospboro debaixo da forma de pyrophosphato,
om meiopropbylatieoreconbecido infallivel con-,
tra esta terrivel affeceo.
As preparaces de jurubeba, a que bavemos as-
sociado o pyrophosphato de ferro, sao mai provei-
tosas no tratamento das molestias das senboras,
taes como a chlorose, anemia etc.
Estas molestias manifestam-se com -os sympto-
mas segnintes :Descoramento geral da peiie o
das membranas mneosas, magreza, incbaco das
faces e das pernas; excitaco nervosa, bysteris-
mo, melancola, debilidade muscular, dores ne-
vralgicas, pulso mais requente do que no estado
de sade, calor febril, pella secca, appatites de-
pravados, vmitos, priso de veotre, menstruacao
dolorosa. Irregular, pouco abundante, descorada,
aulla, flores brancas, amenorrhagia e infecundi-
dade.
Dste estado espantoso, alias to ordinariam nie
reconbecido entre nos em erescido numero d se-
nhoras, desapparece s com o prudente nso das
preparagoes cima.
nico deposito destes medicamentos:
pharmacia de J. A. Pinto, ra larga do Ro-
Usario n. 10, em Pernambuco.
PASTILHAS
VERMFUGAS
ao.
Vende-se na falta do bacalbo talabas seseas do
Par* par proco commodo a 11 o caito : na jna
do Trapiche n. 80 A.
~^-~ Veade-se doas barros de boa qualidade para
velos na coebeira da roa da Sanula Velba n. 12,
para tratar no hotel d'Univers defronte do arse-
nal de marinba.
isaa
harmacla especial borne
patalea do Dr. sabino
li. Plano.
Cha de 1* sorte para uso das
pessoas que se tratara homeopathi-
camente. r
Vende-se em pacotes de libra a
30200 rs.
Roa Nova u. 43.
iMlllll
Fundi^ao dAurora em
Santo Amaro.
Completo sortimento de taixas batidas e fundi-
das, alambiques de todos os tamanhos e fondos de
ditos, moendjs de todos os tamanhos de superior
qnalidade, crlvos e boceas de fornalba, o qae todo
se vende por eomawdo preco.
..... i, i
Attencdo. .
Na roa do Qasimado, leja de Uzeadas n. 41,
vendem-se ricas capas para senhora, de merino,
bordados, de' todas as cores, dos mais modernos
que tem rindo ao mercado, por prego commodo.
Vende-se farlnha d mandioca
va : oo armazem do Ajines n. 3.
andega..
mnito fina e al-
defronte da al-
HOYA YORK.
DE COR CHEIRO E SABOR AGRADAVE1S
Infinitamente raais efficazes do que todos
os mais remedios perigosos enauseabundos
que existem para a expuls5o daslombrigas.
N5ocausam dores e,produzem seu effeito.
sem precisar logo depois de purgante no-
nhum e toincitantes em apparencia e deli-
ciosas em gosto, que aseriabas esto
promptas a tomar mais do que marca a re
ceita."
Uteis como um excellente meio de fazer
remover as obstrueces do ventre, mesmo
no caso de nSo existirem verme algum, as
PASTU-HASVEIUnTGAS DE KEMPS S30 promp
tas einfalliveisnasuaoperacp e por todos
os respeitos dignas deconfianca e approva-
e3o de todos os paes de familias. Prepa-
radas nicamente por Lanman 4 d.
Nova York.
A' venda as drogaras de A. Caors, Bra-
vo 4 C. e P. Maurer $ C, e em todos os
estabeledmentospharmaceoticos do imperio
Aos agricultores
Saunders Brothers & C aeabam de recebe.- de
Liverpool vapores de torca de 3 a 4 ca'vallos com
todos os pertences e mol proprios para fazer mo-
ver machinas de descarocar algodao, podando ca-
da vapor trabalbar at com 140 serras, tambem
servem para enfardar algodao oa para outro qnal-
8aer servicp em qne usam trabalbar eom animaes.
x mesmos tambem tem a venda macbldas ame-
ricanas de 35 a 40 serras : os pretendemos diri-
jam-se ao largo d Corpo Santo n. 11.
Este estabeJeciaeoto acaba de reoeber lindas
cbaneiinas para senaora, ricas caliinbas para cos-
toras7dltts para joias. pentes doarados para cace,
Arelas mnito ricas, assim eomo cintos e pnlselras
da ultima moda de Pars, ntremelos e babadinbos,
bonitos toocadoree donrados e de Jacaranda, espe-
Idos escossezes de diversos tamanhos e ricos cai-
vetes tara sennora, voltas para paseoco, gravad-
nbas, bico de seda, dito de algodao, labynntbo, e
moiloi outros objectoi de aparado gosto, qae se
torna enfadonho mencionar, todo por preeps mni-
to commodos: a' roa da Imperatriz n. 70, nja ioja
da Lealdade.
i
\\


'.' 1 Jl 19*.
6
Marte m WwilNw eanda felra i *e A.*.* de 1M7.
BA 0 BRIJM M. S8 ^
O propietario deste estabeleclmeoto deseja chamar a atieocSo dos sennw*JP*;
os Dar o acreditados mecbanismos que contina a fornecer ; o qBaea faraiu*
prietanos para os acreditados mecbanismos que
ser comosempre. da melhor qualidade possivel:
OMOORODEVENEZA
Ao respeitavel publico pernambncano pede-se
.n
320, 560,800 e 10 s no armazem se aeba vista.
Manteiga franceza
em oraa 560 e 640, em barcia se fr differenca.
anha, de porco .
em libras 320 e 380, em porcSto se ferr differenca.
Fructas
em calda Pera, Pccego, Rainha Claudia, Alperxe e ontras muitas 500 e 640 a lata.
Errilhas '
Portugaezas 640, francezas 900.
Machinas de vapor
forfa de am cavallo para cima. As menores sao mui proprias para motores de dJJ*"?"
camento de algodao ; ellas viajam armadas e podem trabalhar dentro de 24&<*> ^T
de chegarem no logar. Ellas le vam tudo qnanto preeiso para o trabalho, e dw*J.,J"
brecellentes. As machinas maieres sao proprias para a moagem de canna, e na' *Ud*
qoe podem junt e separadamente moer canna e descarocar. Ellas podem-se appucar ^a
qaalquer moenda j existente sem oatra mudanca do qoeasubstmcodasrodaai flaaiman-
larra ba umbemeom moenda junta. Ellas lem depsitos d'agoa e boeiros de ferro, e
no precisam para sea assentmento de obra alguma, qur de carapina, traer de alvenarta.
O tempo para assenta-las nao excede de doze das ao mais, e em casos de mortes de ani-
maes oo arrombameotos de acodes, ele, garante-se o assentmento em oito das. Toaos
estes vapores sao sioplisilmes na construccio, e se regem por qualquer pessoa iotelUgeote,
a facilidade da-coo*ie#o sendo especialmente considerada, tonto qoe nao ba logar emane
ufo se possamronduzir, qnr por trra, qur embarcado. .
Leoibra-se aos senbores de engenho qoe a venda dos animaes e o servico ai em picotes, dita da trra 100 e 200a libra.
gente occopad no seo tralamento os hlo. fie recuperar da attior parte da despee doi
vapor, deixanflo-lhes a vantagem de ama moagem certa e accelerada; e acabando JJP
despeza da compra continuada de novos animaos, e com os desgastos do trabalno que se
tem com eiles. < ,h
Ser talvez desnecessario lembrar ao3 compradores de vapores a vaotagem .uei"
result de comprarem suas machinas garantidas em urna fabrica, tendo wlis^.eei{!a"
lentes para asseotr as mesmas e ensinar a maneira de trabalhar com ellas, e ja P1^*"
radas para 'arremediar qualquer desarranjo; facilidades estas qoe jamis podem encon-
trar comprando as aos simples negociantes, os qnaes por falta do ceaheraentu naw-
trtanem se qor podemgaranti-losdeqneas machinas que vendemsojam PrP"
suficiente* para o trabalho em que se queira emprega-Ias, e no caso de desastre nao po-
dem prestar Aes soocerro argum; sendo que ajada qoando venham as fabricas paraxeu-
certar as machinas alheias, torna-se-ba preciso fazer repeotinamente moldes novos,-eje.
para as pecas estragadas. J numerosas vezes estes vendedores tem representado iens
vapores como senda de torga mni superior soa actual e verdadeira torca; equivoco
este qae nSo s engaa ao comprador acerca do trabalho que possa tirar do vapor, mas
umbem da lugar ao pagamento de um preco excessivo, vista da forca real da macnina
que compram. ... J.
Tambera ba sempre prompto rodas d'agua de ierro,*arHhcom crazetas para ab
mesmas moendas de canna de todo o tamanho, rodas de espora e angalares, proes ou
joches para recebar o caldo.crivos eportas de fornalha,.toixasdeferro batido,fandido e
de cobre, formas de ferro galvaoisadas para purgar assocar, bombas simples e de repu-
cho, alambiques de forro, eixose rodas de carro, arados, grades, anchadas a vaM> e ou-
tros- instrumentos de agricultura, moinhos e foraos para tasar farinha tfmaimeate ao o
obiecto de mechanismo de que se costuma precisar.
Na fabrica se fazem obras nova3 encommenda e eeocertos, com a aaiar presteza
e solidez. O grande deposito de pecas e objectos habilitam-aa multo par*t&.
O proprietrio ser sempre mui feliz de poder aar InformacSes aaeM*aaento
aos senhores qne se servirem de seu prestmo.
O. W. %ct#iu, ^nBlr.
Attengao
aiteija isgleza
em latas do Para e de albaneqoe, lata l e 1,5200.
ana de mllho
bra.
de Bordeaox em caixa a duzia 54, ganafa 500, dito de 8 a duzia, 800 a garrafa, dito a
14,5 a duzia, 10200 a garrafa, dito do Porto a 80,12(5,180, 240, caitas de dona, assim
como figueira caada 30500 e 4&joro J A A Liaboa %jW 3* 30500 a qaahdade
convida.
Caz
em lata de 5 galoes e maispeqnenas anontade do comprador, em jarrafa-
140 e l^OaUbra.paiftcoalOO-ahta.
AxeMe
em garrafas a 800 e 1&
CHARUTOS ...
em caixa de 50 por U, ditos Delicias, Trovadores e Parisienses em eaixas de 100, ai tos
da Exposicao caixa 50, ditos de Regala caixas com 100 a 20500 e ootras muitas marcas
qoe s na presenca dos compradores.
PREZUNTOS
delamego em barril, dito de fiambre o melhor qoe ha no mercado por preco que taz
admirar I
DOCE DE GOJABA
caixoes de 560 fino, ditos de 10500 que parece marmellada, dito em latas mmto-nna
qualidade a 10200.
BOCETAS
", com doee secco a l^e 20.
QUEIJOS
do Alentejoem latas chegadopelo vapor Oneida, ditosFlameogosePratos dos mais novos
que ha no mercado.
AZEITONAS
de elvas como oo mercado nao temos a 10 a lata,em barris do Porto a 10 eomo nio ha
melhor.



i
PILLAS de BLANCARD
o Morarro n mo bamutb
Approradtt pela Academia de Medecina de Panx
lumUMi mntA db iBMg, a bkluca, da larda, da tdibia, i
Mtnfoi* *MTM mu Bxpnifot VvbHTfO** 4 Htrr-York, 1S5, 4 P*4$, M*.
ErtuPOnlM wHUu wTvm* casada ratoa-batMBlca 4e rna toraHada execafn, tan
iTjnugra de tere tnaltameii, m> ubor, de um pequeo raluaie, e dt aU eaoMrtB m
ortaia-dlieuha*. Gaaando dat proptedadr do Xobo edoXauMi ella* camfriaal-
palmente as affeecoei CUorotit, Bttrof*lo$u, tuttrtulotat, Camtroiat, aa murria,
menorraM, anemia, cae.; enOm, ella offerecem aoa pntieoa H edkataoda* av
gica para modificar at eonatltaltoca IfmphatUa, fra m miUtmlm.
y. B. O Macal* da fcrro tafura aa aMarad ciadtoa-
meoto infiel, irritante. Como (Tora dt car

U aarau e de aaiheneidad* du
reraadelra* Plala e Blaneard, dew -* ealg*nos sene e
pratareaeUTaenosu arma, qu( reprodorid, que ectjn. h"
inferior de oca roala er*e. Bata ** aceoaBar da*
Aenam -se ena todas a Pfearaaaela.
Miiacitoai
Pkarmaetutie*, ra Bonaparlt, H.
farla.
X
nz

Di
Drases de laetato de ferro e de manganese
t Pilmas de carbonato frreo unmgameo
alternaf estas duaa nrenarscfif s Ai aa mclhorM
FREPARACOES FRREAS-MABGAHICAS
APPROVADAS PILA ACADEMIA M MBDIClUA
DE BURIN DU BUISSON
PluiMceBlico, Inreid pela laienii h tWkm k Para ,
O eainente professor Trov-ssead, aa ultima ediSo de sea Tratad dt thtra-
peutica e Materia medica, recenhece qae os ferruginosos simples s8o muitas
veres inefficazes para curar as molestias qne teem por causa o empobrec ment
do sangue. Muitos mdicos dos mais distinctos attribuem esse m o xito h ausencia,
n'essas preparaedes, do meenganese, que se acba no sangue, eomo o tem recenhecido
es chimicos os mais peritos, sempre intimamente unido com o ferro. '
E' pois, prestar-se um verdadcTO service aos S"* Mdicos, o chamar-se sua attencSo
sobre as preparaedes seguintes.
dando immediatamente urna agua, acidalada,
eazoza, agradave!, subsUtuifldo com Taitagem
3 econsmia as aguas mineraes ferfuginosas.
Plalas e Xarope de iedareto de ferro e de mangane-se inaliemeis
eontendo eada ama cisco centigramos de iodureto de ferro mangan ico indicadm
particularmeate as molestias Tympbaeas, escrofulosas, e as chamadas cas-
trlas e tuberculosas. <**'
recetadas especialmente
tara a cWorosii, a ane-
mia, a leucorrhea, a ame-
norrbea. A indicacio de
akernar Mas duas prepatac&es di os mlhores reacudot.
O f Btrin da Buisson deaajando obter a adhealo oompieu do publica meafiea a
cerca do valor de suas preparacCes, previne qae eUc as pe gratuitamente a na
disposic**, dirigendo-te;
Ma Pernambuee, a ten agente geral, Maorer s>, pharmacentcos, rea Ifovi.
1(
erreos mangaDieos
Lonrenco Pereira Meudes Guimaraes.
160, 180, 200, 250, do ultimo gasto: raa
da Imperatriz os. 56 e 72.
MadapolSo de 24 jardas a 40000.
Vende-se pecas de madapolSo com 24 jar-
das a 40, 50, 60, 70, 80 e 100000: por
estes precos s na Arara ns. 56 e 72.
Algodaosioho a 30 a peca.
Vende-se pegas de algodSosinbo a 30, 40,
50, 60 e 70000 o mais barato que se pode
vender: na ra da Imperatriz ns. 56 e 72.
Cotim e castor para calcas a 800 o
corte.
Vende-se cortes de cotim e castor para
Proprietario das lojas e armazens da
Arara, ra da Imperatriz
ns.56e72.
Tendo recebido pelos ltimos vapores da
Europa diversas qualidades de (azendas do
que faz ver ao respeitavel publico, vende
barato s afim de apurar dinheiro, como
nenhom outro.
A-tten$ao.
Chitas a 160 rs o eovado.
Vendem-e chitas em retalho a 160 rs. o
eovado.
Lqja do Gallo Vigilante
DE
finiraares k frailas
RA DO Cl*SPO M. T.
Osdonosdescabemconbecido estal
ment, tem a honra de avisar ao rapuMM!
publico, e com etyecialidjtdasjoaj
merosos freguezes, qaa e.r
um completo sortimalle de efectos d
togwtoedecompae^lWade oe ar-
cado e que os teocweoctido ecevdireitara
poderlo vender "por^feisiiuf outro qual-
qaer. i
ReqaissimoB jaques de raadra|ro
branca. J* M .a s
Requissirnos toques de madaeperola preta.
Lindos leques de sndalos para senhora.
Ditos de sndalos para meninas.
Laques delatas multo lindos.
Ditos de oaos.
Lindos port-bouquetcom cabo de madra-
peroia proprios fin calamentos e bailes.
Lindos cintos para senhoras com fisalias
e fivellas de diftantas qualidades e go&to.
Requissimos enfeites com coques e sem
eUe.
Luvas de jouvin, inteiramente novas, braa-
cas, pretas e de cores.
Luvas de seda,fio da escocia, algodao e de
outras qualidades para senhora e homem.
Lindas trancas pretas e de cores en ve-
drilho e sem elle, assim como Undissimas
guarnices para enfeitar basquines e Lotes
para os mesmos.
Lindas touquinhas e sapalinhos ricamen-
to eneitados proprios para baptsados.
Meias de seda para omesmo fim. ,
Bengallinha para meninos.
Lindos' pentes de tararoga, maesa e outras
muitas qualidades.
Maito boas escovas para dentes, chapeos-
roupa, cabellos, unhas e para limpar pentes.
Superior liabas para crochet.
Agualbas para o mesmo fim.
Lindos agulbeiros e dedar de madrepero-
la e marfim, assim como de metal.
Liadas guarnices debotes, para coleta,
unhos e coterinhns.
Ricas capellas para ooivas.
Meias de seda para senhoras.
Superio hesouras para unhas, costura,
cortar cabello, etc., ate.
Finas navalhas cabo de tartaruga, marfim
e outras qualidades.
Suspensorios de seda para homem.
Ditos de algodao para homem e meninos.
Requissimas caixas com msica comeado
kf necessario para costara, proprias para oto j
delicado presente.
Requissimos livrinhos para missa.
Liados indispensaveis para meninas das
escolas^N^
Finos delecos pretos para luto.
Grande sortimnto ae finas perfumaras
dos mlhores fabricantes at hoje conbe-
cidos.
E muitos outros onjectos que impossivel
seria icBnciona-tos e que se encontrarlo aa
ja do Vigilante, ra do Crespo a. 7.
ermann
Ptta, VA N. 21,
asta de rocaber um lindo e magnifico ior
Mirto d ocuios, lacae, binculo!, do uh
Orno e ais rala ge da Europa a oca
loa da ateanoa pare ataemees e, para t
marimoa.
W1L
4
1 o Ja i
D*S -
Jos Bigouvnho
Varas de basado bordado do Porto a 900 rs.
Cairelis da retro* prato eoffl doas oitava? proerio
para achinas a 600 rs.
Agalbas para machinas a HWOO.
Pregos franeeies da todas os um'anbos a 240 rs.
fincas de botees > osto para calca a 200 rs.
Espalos doarados muito finos a 1*1080.
Canas com linba soperior para marcar a 944 rs.
Carriteis de raieoi'de todas u cores a 80 rs.
Prasoes d'acna de Colonia maito soperior a 500 rs.
Frascos de o'eo maito fino a 500 rs.
Pecas de tranca branca de caracol a 80 rs.
Duza de teeoaras pequeas a 480 rs.
Frasco* d'agua para limpar dentes a 500 rs.
Redes pretas lisas para segurar cabello a 320 rs.
Dalias de peonas de ac maito finas a 60 rs.
Caixas de liaba do fu de 30 novillos a 600 rs.
dem de palitos de segnanca a 20 rs.
Garrafas de agua Florida wrdidelra 1J0G0.
Babados do Porto de todas as larguras e lodoe ai
precos.
Sylabarlos com estampas para meninos a 320 rs
Memento da roopa da lavar a 100 rs.
Dazlas de meias maito finas pira senbora a 4*00 '
Agulhas francezas a balo (papel) a 60 rs.
Pecas de Otas de la de todas as cores a SCO rs.
Grozas de bot5esde porcelana prateados a IfOf |
Caixas com alOneites trancezes a 80 rs.
Caixas de 100 envelopes multo finos a 00 rs.
Resma de papel de peso brinco liso a ii.
Frasco eom soperior tinta a 100 rs.
Pares de botOas de pnnbo muito bonitos 80
Unhas em caftao de 200 jardas a 100.
Carta de superior linba do gaz com 50 novelice
700 rs.
TaJhera* para meninos a 340 rs.
Uasse eom superiores grampos a 30.rs.
Grosas de pennas da ago maito finas a 320 rs.
Bonets para meninos a i*.
Potes com costa da meta! a 400 rs.
Realejo para meninos a 100 rs.
Ditas em peca a 200 rs. o eovado: roa caicas ,je homem a 800 e 15. ditos de brim a
da Imperatriz lojas da Arara ns. 56 e 72. 'jfco e U600, ditos de brim pardo liso a
Panno preto fino a 1(?600. ; IjfOO e l|4O0: ra da Imperatriz lojas da
Vende-se panno fino preto para caiga e Arara ns. 56 e 72.
ITT
nmnnx
u s a m m m m
INJECTION BRO
: UTCtmlea lufaurvel a PreacrvaOTa, ak*afeu*M*M a nica aa aiaa ion bastaum aadHif*. Veo*m
a* arMipae badea* 4a Mead*. (BaJa* a CMncsM da **). (Haawli c.l linai.)- I
irn mnamim mwW >ictatciic*acac. ctt
Vende-se na pharmacia de P. Maorer &C, roa Nova.
palitots a 1^600, U. 205QO e 35000 o eo-
vado, cortes de casimira preta para calcas a
Rareje com listas a 32o.
Vendase bareje com lisias para vestidos
35, 35500 e 45000: ra da Imperatriz lojas ,je senhora a 280 e 320 o eovado.
da Arara, ns. 56 e 72.
MOZAMBIQUE A 400 RS.
Vende-se urna nova fezenda com palmas
L5asinha escocesa a 280.
Vende-se 15asinhas escocezas para vestidos
de senhora a 280, 320 e 400 o eovado: ra
de seda por nome inocambiqe para vest- da imperatriz loja e armazem da Arara ns.
dos de senhora a 400 rs. o eovado : ra da
Imperatriz lojas ns. 56 e 72.
Balees a 25000.
Vende-se bales de arcos de todos os ta-
56 e 72.
Roupa feita nacional.
Vende-se palitots de parroo fino, saceos
manhoV25, 35 e 355C0: roa da Impera- fraqoes, a 55, 65, 85 e 105 ; ditos de
triz lojas da Arara n. 56 e 72.
L5azinbas a 200 o eovado.
Vende-se 15asinbas para vestidos de se-
nhora a 200, 240, 280, 320, 400 rs. o eo-
vado : s na roa da Imperatrix ns. 56 e
72.
Chitas francezas finas a 240. y
Vende-se chitas francezas largas a 2*0,
280 e 320 o eovado: ra da Imperatriz
lojas da Arara n. 56 e 72.
Cbales de merm a 25ooo.
Vende-se chales de mirin estampadas a
25, 25500; ditos de 13a a 15000, ditos de
phantasia a 15000 : ra da Imperatriz lojas
da Arara n. 56 e 72.
SrS Basquinas a 145000.
Vende-se basquinas oo casaquinhes de
Grosdenapoles preto para senhora a 145
easmira de cores a 45, 55, 65, 85 e 105 ;
coletes de casimira a 35, 35500; caigas de
brim pardo a \ 5600, 25; ditas brancas de
iinho a 35500 e 45; ceronlas a t& 1-560O
e 25; calcas de castor a 15280 e 15600.
Palitots de alpaca branca e de cores a 45,
45500, e pretos a 35, 35500 e 45. Palitots
de brim a 2& 25500: roa da Imperatriz
ns. 56 e 72.
Cobartas -de chita da Arara.
Vende-se cobertas de chita a 15800, 25,
25500; ditas de damasco a 45; ditos de
fust5o a 65 e 65500: ra da Imperatriz lo-
jas da Arara ns 56 e 72.
Vende-se bramantes para lences a 25500
e 25800 o eovado; e maitos outros objectos
que seria enfadonho mencionar.
Ra da Imperatriz ns. 56 e 72.
_- i

NOVO DEPOSITO
Pama DESCAROCAR ALGODiO
Maaoel Beato de Oliveira Braga.
&3!ta nirelt-a aa>-53 .
Neste estabelecimento se encontrar*) a
verdadeiras machinas americanas chagadas ultima-
mente, as quaes sao feitas pelo mis afamado fa-
bricante da America, por isso avisa a todas aa pes-
soas que precisarem comprar, de se dirigir a este
estabelecimento que comprarlo das mais perfeas
f enero, assim como mata batato do ana em
ontra quaknier parte, per isa qoe se reeeba per
conta propria, bem como caanos de chumbo e moi-
nhos paN moer navio*, a graade aartuoeaU dafcr-
rageoa e miudezas em grosso e a refelt.
Machinas americanas para moer caf, de
Materna* propria* para r"
dem lem para UJta.
TRATAMENTO do- CHABLE, h PARS
Medico eepcclBl, connultnceai, 3O, ra Vlvtcnn.
AVISO AOS DMNTES. ^L^SS? *-
?lo iie sus
di.'.o e Dio estou carado? L'sei e ibusel de un grande namaro
eam em 4 dial, a e*M atada mti* doeates.
DA MAIS O A Y VOS
m caro radlcahnente ten reeahida, CorrimenUu, fttlaxafo 4e camal,
Parea* tammaei, canuda primeir* a caula virulenU inflimnwtoria
com
Mta sacan ca-
rado, tomd Ca-
beba, CopabJb*
sob todas ai
fenaueca opia-
to, capsilas,
d'ssa doeaeajs caxM*v
algojai tMts bmu "ner-RATivo do thnavm, para parar eaaas affeceee, wcasr
canal Ihe tomar a dar tu* regida dou para acabar bmu exceDent xabopb *>*) citbj*to aa
raaae *t nnba numecao. A con radical, as sanaous can a lu
a mmmtrtAmtmU.(Vaia-um noticia explicativa,)
40.000 DOENTES CURADOS "
Verd4*tr* tnUmcato depuratmda acngac.. Ai kwpn mmaU mvatan
-*+*mti$, lacMrea, tecas aatcacaa cjaa aMettaa
cana aar mea xanora >i
do naga* ato
ninc
eandi* ei
xpcmATivo o aairan
xioiw atUDcmABs, ctlnau pilcla* rvaaTiraa nasa Pcwwbcw amti-uit*
- VcIc-cc c ******* Ja tratar*!, k MUtla ft* ce d* gr***> a* afmU m atea* marn
eatcTBeca ciidiali cratacaeca ato mammmm^k\ m. *.prtorM*to b**i aaatoaito
ato ca cata sa cas* tac cacea cccac *a retentar taatu tMcctaoiis t agfl ^Jrw^,
Ja rar*. wawHciw tamyr Cat**i I par crraiy***.*. ti..
Yoode-se na mi Nova n. 25, pharmaciafranceza de
p. MAURER i C.


mti
mangnitos com plllnhas.
Aloja dasGollumnas
de i?ifli**%s eom puohos, da cambrato:
DBbrBtanha a de esgolao.
GravatiBuaa de cambraa de muito gosto para senhora.
Ricoa peplun de grosdeapie prato aa/iitao, arfia ttm -iJ da Miar
Pernambuco.
roa do &wpoa. 13 de Aatonie Gorreia de. Vascoaciltos 4 C.
sato
FAZEVBAS NOVAS
para as festas de S. Antonia, eS. Joa
no armazem do Pavo raa da
imperatriz a. 60
DE
GAIA & SILVA
Receberao-se pelo ultimo vapor da Euro-
pa as mais novas fazendas como sejam :
Bonitas cassas de listas grana-1
dies (vara 800
Ditas castelhanas.
Ditas da Italia. i
Ditas transparentes com os mais moder-
nos e mais delicados gostos vara a rs 640.
Ditas de diversas qualidades com novos
gostos o eovado a rs. 240, 280 e 320.
Cortes de medina sendo urna bonita fazen-
da transparente com lindas palmas e qua-
dros de seda tendo cada corte 19 covados a
rs, 245.
Ricos cortes de vestidos brancos com lin-
das barras bordadas em alto relevo a 245.
Ditos brancos tambera bordados a rs, 55 e
65-
TERDADEIRO LE ROT
*> CISICKET, r*t*ur-IMdn
Rae de Soino, 81, a pars.
tul
Em <-dii garrafa, tal, ratre a rolha r n Ppf |
qoe lca o keu ii, ota rotiiib ItapreVjfc en ina-
rtUocom a sillo Imi-iai. >a oma ,,
Cfn Cf'.
DOCTER-IIIEOECm
^ET PHARMACIEN
otbto ra vC'I.
8. n rme!.
leiia i -?> i i h** i/ 11 r
*VSl"' fr*,r,., .o-
CePri>.-ati)|||
* 60 <(,a. ,|f > !_
akai'iiiiiMi:^)/*^,^
aoa*lini,>!., do.>
culor letcunni
Deposito na pbarmacia
C.. em Pernambuco.
de P. Maurer t
XAROPE DEPURATIVO
DE TASCA DE LARANJAS AMARGAS
COM IODURETO DE P0TASS1O
DE '
l.P. Laroze.
priarmacentleo em Pars
0 ioduretodepotassio um verdadeiro al-
c*4.|.-^-ta:S3J^^
MnHopniaeimaa varpfffs taadas e transna-! !aranJas "margas, aturado sem pertubacao
raoteTm X delicad^Tes e mm K-, al^uma Pel03 temperamentos os mais fraS,
SIS SSafSSSraUS 8M 5 sem fe funcC5es-d0 mmo. As do-
Alpacas lizas enfestadas com as cores mais
modernas o eovado a 640.
Ditas enfestadas com lindos lavores gra-
^^^W^L os mais mo- ]teDtes e **"> ^ IMsso, o agente o
I mais poderoso contra as doencas rheutnaticas.
Deposito em todas as pharmacias e casas de
se^ mathematicas que elle contem permittem
aos mdicos de receital-o para todas as cem-
pleicSes, as affecces escrofulosas, tubercu-
losas, cancerosas e nos accidentes intermit-
dernos dezenhos eovado a rs, 800 e 15.
Ricos cortes de vestidos de fil eneitados
305.
Poupelina de quadrinhos transparentes
com os mais apurados gostos e quaze a lar-
gura de chita franceza eovado a rs, 640.
Ditas mais eslreitas porm muito bonitas
eovado 500.
Sedas de cores com 4 palmos de largura
eovado 25.
Ditas estreitas lizas de listras eovado 25.
Grande sortimento de grosdenaple preto
eovado a rs, 15600,15800, 2"S>25S00 e 35.
Ricas sedas lavradas.
Saias com qoatro pannos ricamente bor-
dadas a rs, 55, 65, 75, 85, 105, e 115-
Tarlatanas brancas e de cores vara a rs,
800.
Fil branco lizo vara a rs. 8C0.
' Dito de flores para vestido vara rs. 640.
Outras muitas diversidades de fazendas
que se mandam tambern levar em casa das
Exmas, famiroasparaesoolberemou do-se as
amostras deixando Bear penhor no armaze-a
do Pavao ra da Imperatriz n. 60. de Gm
ma & Silva.
Bordados do Pavao
Eotremeios largos
Babadiuhos estreitos______
Babadiohos largos
Eotremeios estreitos
Tapaios t transaareites
Gama & Suva raceberam urna grande por-
cao dos mais finos babadinhos e ntremelos
tanto largos como estratos, sendo tapados
e transparentes com os verdadeiros borda-
dos a alto relevo tendo de todas as largaras
e desonhos, grande porcao igual psra qual
quer" obra, que assim possa ser preciso, e
llcaiteM qoe podan vender por menea 40
ou 50 por canto, do que em outra qualquer
parte, attendeodo a pas porcia qaecam
no seu armmw do rateto; raa. da.lapera-
riz o. 60, de Gam & Silva._____'
drogaras no Brasil.
ExpedicSes, em casa de J. P. Laroze, ra
des Lions-St-Panl, 2, Paris.
A' venda na pbarmacia de P. Maurer 4.'
C.1, roa Nova n. 25.
Parts, 36, Una Vivlenne. >
CHABLE MDECINSPCIAL
AS ENFERJUDADAS D1S SEXUAES, AS AFFKO
irrAHEAS, E A VTERACOES DO SANGUB.
~ 30,000 curaiuimpingent,
puilu'.at, herpes. sarna,
comisos, acnmonia, e ai-
lerc&*t,vtiosas do langutf
w'n*, taWtraaoe* do san-
fue. (Xarope vegetal sem Mercurio). epui-BtfTM
Tecetaea EIMIO* aWOlBaXAKU tom*o-M dou
por semani. segniBde o traeumento Depurativo :
araprejado as mesmas nolestias. (.
i XaropeCitnetode ierra
de CHABLE. cora iBinedia-
lameaieqclquerpuroaao,
relamaoio, de*i)iW, a
icaanaanta aa (caca** florea
branca* e** xalharee.K*M ajceee* beakpa eck>
prega-M eom Xarepe de Curado i* /erro.
acacacii iHu. Peaaaoa c.ac u cara cea traa **aa
POMADA ANTlHERPfcTICA -
Ceatr*: iu a|ac|a*t oittamoaa
PLUS DE
COPAHU
PtLULAS VEGETAES DEPURATIVAS
IchTi1*"^ m4m1nm^i aca*a*iiaaaaaa'api
AVISO A08 8R8. MDICOS.
Cara eetcrr***, mam
irrmfaa
Sirnp du
F0iGT f
\nartosai
\eHaaa
Ida
unta colhe rchdea darte xarepe
Br. CataaNLal *** Parl, ra
A venda na ptermacia de P* Maurar f
o Cv, em Pernambuco.
Tarreos para
Vende-ce terreaos ne Cexaag, aiuilo i os, e
arapriasaara
a roa 4o Apollo o.
edificar
_ji, maito alti
QcaMi ireaadir atr*ia-ia
GAZ GAZ m
CmaKtn m bUm dcfcac> a*> lltory Forster 4
L, rva 4o Imaeraaofi oca utrefMaeato de gai da
rlmeira qmnaade.o qa*\\ se vwaaaca partidas
wcaibo por omdos pre?o do qae eo* oar* qual
Farinha aupeor
Tea a*r* veaaer AateaoUte deOltaein Ate
teoi t, ao w esenltofld, iWaa'Grtt n. L


-
! e i|M( 4c 1867.
^
-?
\
4
a
Izedlos fo ftr. J. C Ijar, u-lute
rllha de Ayer.
Petaral de eereja.
aleaaed.a para a
Minian eatiuirtfeas.
0 deposito central para as provincia*
Pernambace Alagoas, Partayba e Rio-
Grande do Norte, destes remedios to ft-
voravelmenie eoohecidos e acoitridoa em
todas as partes da America do Sol e de
Norte, acha-se em casa de Theed Chrta-
tlaa-co, 46 roa da Trapiche
Os procos de
330 por dozia de estracto de salsa-parrllha.
%H por dozia de peitoral deeerejt.
li por dozia de remedio para sezSes.
70 por dozia de plalas catharticas .
se enteodem dlauelro vista, coa
o descont de 5 por cento em quantidadei
de 6 a 12 dozias, e de 10 por cento em
qnantidades superiores a 12 dozias.
\>m ^ ib^%%%M
g
3
te
SO
GRANDE SORTIMENTO
fAMBSBAS ItlItlTAS
=C
ti
LOJA E ARMZEH
DO
DAS
Mni,0 ^ Proprietarios deste grande estabelecimeoto acabam de receber da Enrona
grande sortimento das melhores fazendas de iaa
Pf procos baratsimos, afim de aporarem di
aenaode Star om peobor oa mandam-nas levar
A Agalla branca.
Antes de avisar a soa boa fregnezia do que de
doto ha recebido, vai primeiro dirigir seas com-
primentos e agradecimentos ao bello Viado branco
pelasmaneiras agradareis com que elle a ba tratado,
e assim eomprindo esse dever, deseja loe tambem
que apar da eontinnaco de soa robustez tenba,,
crescido augmeoto de bous freguezes, e mais qne ^ylindro para padarias.
com aquella l.getreza de qoe disp5e-se llvre-se da Debalhadores para milbo.'
pontana d aqnelles qae a pretexto de amostra la- Arados merirAnas
vam os objeetos, e pelas saas immensas oecupacoes traaos americanas,
nao voltam mais. y v i karnnhos propnos para armazens.
Ja y, pois o bello Vtade branco qae a agaia Moinhos para reflnaca"o.
Alera do grande sortimeoto das melbores machinas, americanas para descarroear
IgodSo, de 10, 12,14,16, 18, 20, 22, 23, 30,35, 40 e 50, oeste estabelecimeoto se
encontra mais o segumte :
Azeite de espermacete propria para machi-
nas.
Vapores de torca de 3 a 4 cavallos.
Serras avolsas para machinas.
MancSese todos os mais pertences para as
mesmas.
Carros de mo para aterro.
. que _
aprecia o sea bondoso tratamento, e Ibe deseja non
felit porvr. Agsim dito e feito, val a agaia bran-
ea uttsfazer a soa boa fregnezia, pela obrigaco
em qoe esta' de eontinoamente sclentiOca la do
qae de novo receben, pelo que avisa-a, de qae aca-
ba de ebegar para a loja d'agala branca, a roa do
Qoeimado n. 8; o segointe :
Coqnes novos de linios e variados moldes.
Enfeites modernos e bonitos para srohoras.
Cinto* de pontas enfeitados com vidrilhos.
Cord-s ^ros.-iw, pretos e de ores com vidrilhos
para en'eites de vestidos.
Tranca* pretas e de ontras cores, tambem com vi-
dnlhus para o mesmo fim.
GusrmcS' pretas para basqnines, vestidos etc.
Trancas galSes de seda para o mesmo.
Dita dita de la e algodo.
Fiua da tiudo de core?, lisa e cbamalotadas.
Bicos de seda.
Fitas de borracba para cintos.
Ligas de seda para senborai e meninas.
Eatremeios e babadinbos bordados.
Gollinhas e punbos bordados para senhora.
Collerinhos para bomens.
Abotoadaras de diversas qoalidades e precos para
coleta*.
Ditas ditas ditas para ponhos.
Bonitas correales pretas para relogios.
Agaia Branca a* ra do Qoeimado n. 8, fe-
ceben :
Caixinlias com doas baralhos francezes, de colo-
ridos finos, entermeados com doorados, papel en-
corpade, lustroso e opaco, obra muilo boa.
Ditas com tentos de osso, marflm e madreperola
para voltarete.
Pentes de marfim com cbapa e sem ella, para
limpar caspas e tirar biebos.
Ditos tinos d'osso e tartaruga para o mesmj
fim.
Ditos de osse baleia e tartaruga para desemba-
rasar.
Ditos, de ditas dita para barba.
Ocolos de peoeira para qaem soflre da vista.
Oatros de diferentes graos e cores, com arma-
Soes d'aco loo.
Oatros tambem de armacao fioa, vidraca de co-
res.
Lonetos ou pincenez com armacSo e ac, b-
falo e tartaruga, vidros brancos e de cores.
Eovelopes pequeo* bordados.
Dito ditos opacos e grandes para oficios.
Frasquinbos com superior tinla carmim.
Stereoscopos e vistas.
Acaba de chegar om novo sortimento e conti-
nuara a serem vendidos por piecos commodos.
Meias
Prelas de la e Iaia para padres.
Brancas de lia para horneas e senhoras.
Ditas de borracha para qaem soflre iuxacao as
pernas.
Brrelos oa carapuQas brancas de algodo.
Essencia de aoil, e bolas de dito para en-
gommado.
Yeodem-se na loja d'aguia branca, na ra do
Queima lo n. 8, sendo a essencia em frasquinbos a
500 rs., e as bolas a 60 rs.
Lencos de cambraia braocos e de cores com
barras de cores flxas
Ja nao a prlmeira vez que a aguia branca ven-
de desses lencos da marca BBB, isto bons, bo-
nitos e baratos, por sso approvellem t)dos essa
nova occasio de se proverem desses sempre pre-
cisos lencos, caja eommodidade de preco anima a
fazer-se o gasto ; custam elles 360O a duzia, e os
pequeos para meninos a 800 rs. a duzia. Quem
se dirigir a loja d'aguia branca na ra do Quei-
roado n. 8, conbecera' qoe taes lencos tem as qua-
lidades cima ditas.
Novo sortimento de albuns de 50 a 200
retratos.
Vendem-se sempre por Oreos commodos; na
roa do Qoeimado. loja d'aguia branca n. 8.
Bolas de norracha para forin-
quedos.
Vendem se na rna do Queimado loja da aguia
branca n. 8.
Carretel de retroz para ma-
chinas.
Vendem-se oa roa do Qaimado loja da agaia
branca n. 8.
Papel paquete.
Vende se na roa do .Qoeimado loja da aguia
raBca n. 8.________________________________________
GR4NDE BAZAR
BA NOVA N. 20 E 22
dem para milho.
Escadas de madeira
americanas.
Caixas com vidro sortidos.
de todas as qoalidades.
Bombas de japyz.
dem americanas.
Ferros para eogommar a vapor.
Vassouras americanas.
Baldes americanos para compras.
Tinas de madeira.
Ballaios-e cestas de verguinha.
Guarda comidas.
Peneiras d'arame para padarias e refinacSes*
Correntes para almanjarra.
Machados e facoes americanos.
Barricas com milho branco americano.
m 4a Iajperatrlz n. 6h
ASIA SILVA.
i
BiStM
,..!2aeU8, tfe l0,,re Proprtai p:ra cobertas de
carros, moito novas e 4a melbor qoalldade pos-
Cadela l wa"" "*' ***** nt0*ms n* "* *
om
PW procos baratiirom afim A .,r a- v aiBUd e8ea8> asquaes venuem
fid*^^r^V^LLP^rT,d,t,heu'0' dando de todas eUas amostras,
mesmosprecos qoe secompram as casas ioglezas, gannando-se
NOVIDADES
DA
. UMINin
rna do trepo a, A. esquina da da Imperador
DE
Cnstodio Jos AJves GuimarSes.
Tendo recebido em direitura pelo vapor francez Estremadure, um variadissimo
sortimento de fazendas finas e da ultima moda em Pars, e aproximando-se as testas de
S. Joao, S. Pedro e Sant'ABna, por isso apressa-se em vir convidar o respeitavel publico,
e com especialidade aos seus namerosos fregueaes, qoe venham ver o qoe ha de mais
moderno neste mercado. Como sejam:
comprarlo pelos
apenas o descont.
Caseawa* preu8 eafeitadas a |oea.
mh**2? d0 Pa*"0 wmle-se superior casemira
nrTiESf''"^ "^ e Palets Pel bar,t0
Preco de 1*600 o ovado oa a 2*800 cada eortt
" aiC, dita mnito mais fina, eovado a 21200
2f.,?rle *. 3*500' d,t,s DBnit0 flMS 9ora 9erem
entestadas a 1*800, 2*000 e 2*500 cada eovado :
Ni e/arn>em do Pavao na raa da Imperatriz
n- 60 de Gama 4 Suva.
S ni loja do Pavo.
tbegon nm grande sortimento destas novas saias
rfm ra8 ^"P1"138 Psu'a tepo de invern por evita-
rem que a saias brancas com qae nmasenbora
vae coroposta nio se anje de lama ao mesmo lem-
po sao muito bonitas por terem lindas barras como
se usa ltimamente na Europa e vendem-se pelo
barato preco de 3200 cada no.a, na loja e armazem
do Pavao, raa da Imperatriz, n. 60 de Gama & Sil-
3
para vestido
pelos
Riquissimos cortes de seda
3 500,600, 700, 800,6 900.-
Lindos cortes de foulard de seda,
baratissimos precos ie 250, 300 e 350.
Cortes de bloud para noiva, trazendo cada
corte saias de setim, capella e veo.
Dkos de dito com pequeo toque a 400
e 500. .
Moireantique branco, azul e preto.
Seda branca para vestidos de noivas.
Grosdenapoles de todas as cores.
Riquissimas basquinesde seda preta, bor-
dadas com gosto.
Lindos cortes de la com barra e de ulti-
ma moda tendo cada corte o seu figurino.
Riquissimos cortes de viziu. 15a com lis-
tas de seda para vestido, esta fazenda re-
commenda-se muito, por ser inteiramente
novidade.
DiU da mesmaqualidade porm em pecas.
Requissimo transparent de seda para ves-
tido de senhorastambem novidade.
Riquissimas gravatinbas para isenbora.
Ditos cortes de barege e de Iaa para ves-
tidos, i
Lindas chapellinas de seda para senhoras.
Ditas ditas de.dita para meninas.
Chapeos de palha para senhoras.
Riquissimos chapeos de sol parsitas.
Requissimos enfeites com coque e sacata-
inteiramente novidade.
Riquissimos leques de madreperola.
Ditos ditos de sndalo.
Luvas de Jouvin preta, branca e de cores.
Chales de seda.
Ditos de cachemira.
Riquissimcs manteletes de cores, inteira-
mente novidade.
Riquissimos cintos para senhoras.
Riquissimas fivellas para cintos.
Riquissimas cobertas de ponto de crochet.
Meias de laias para padres.
Ditas de 13a para padres.
Ditas de seda para senhoras.
Ditas de dita para cranlas.

Ditas de algodo de differentes qualida-
des e'preco para hornero, senhora e criancas.
Luvas de todas as qoalidades.
Madapo'o francezo que de melhor
no mercado.
Organdy branco com listas.
Dito de urna s cor e com listas da mes-
ma cor.
Chapeos de seda para homem.
Ditos de phantasja para homem.
Casemira preta muito fina.
Ditas de cores inteiramente novidades.
Chapeos de sol com lindos castoes.
Toalbas de labyrintbo muito ricas.
Ricas fronhas de labyrinto.
Riquissimos lencos de dito.
Rendas, bicos da trra e grades para lencos.
Urna requissima toalha toda aborta de la-
byrintbo o que ha de melhor neste genero.
Peitos de linho bordados para camisas de
noivos.
Collarinhos de linho inteiramente novi-
dade.
Punhos e gollinhas para senhora.
Riquissimas saias bordadas.
Riquissimas camisinhas para senhora.
Cassas muito finas e inteiramente novida-
des.
Riquissimos veos e mantas de blond.
Ditos chales de toquim.
Fil de liaho, liso e de salpicos.
Fil de seda, dito e de ditos.
Espartilhos para senhora inteiramente no-
vidade.
Lindos bale de la para senhora,
- Ditos de dita para meninas.
Ditos de muculina para senhora.
Riquissimas vestimentas para baptisados
contendo, chapeosinho, sapatinho, meiasinha
e camisinba ricamente bordadas.
Ceeiros bordados muito finos.
Um rico lencol de labyritho, proprio'para
casamento.
Chitas, cambraias, madapoloes e muitos
outros objeetos, que se deixa de mencionar.
O dono deste importantissimo estabelecimeoto contina nos proposito de que-
rer vender muito e ganhar pouco, para o que sugeita-se a ganhar nicamente o descont.
GRANULOS ANTIMONIAES
Da Doctear PAPILL411
Nv iwl pwt cms8 mm naUrtiu do cori{8, da aithma, de c*Urrho, da eeavelncb*,
da tiaka, ate:
GRANULOS ANTIMONIO FERREOS
Para a aaraaaa^aa asaaia, da ahlaroaia, da amanordiaa, dat aavndgiaa, t
Uaroaia, da amanorrhaa, da
acrefuloaat, etc.
uiTtwai, iaa molettiM
GRANULOS ANTIMONIO FERREOS AO BISMUTH
' Pm a amrafM a* swlaatiaa, Barracas, u viaiiUgaatrvM, rrpapaiac, ala.
TWULMQA. t Pkarmacia de E. MOUSNIEH, k Saajon (dnnmte-Inftrieaie).
Bm Rio-de-Janeiro, FLIX FA R AUT, pharmacia, 77, roa Sete Setenakro.
Em Pernambuco, P. MAURER et C*. pharmacia, ra Nova.
Km Maceio. FALCO DAS, pharmacia imperial.

Machinas para aescarocar algodo. do me-
lbor aator que tem pparecido na America.
E' tal a execoclo do machinismo, que o alr
godo sahe quaei tao pereito corno e deba-
landeira. Rfecommenda-se a attencao dos
Srs. agricultores, estas machina.
Verdadefeos -I
Wtapeslajer
Bectra Haiaelicas Aaadiia8
Ou Collares Anodinos, pira ftdlitar a dea-
ticao das criancas contra ai convulsoes
das mesmas, a estas collares nos esenzado
fczer qaalqaer recommendacio, visto S
pande utilidade qae tem produdo qaelres
pais que os tem applicado em taes circun-
stancias pois nos parece qae nao haver um
s pai ou mli qae por esta meie alo quei-
n por tomo i taes soflrimentos de saas
filhinhos visto ser om mal que tanto ostl
flagella, pois a estes collares acompanha um
fattka^mia.a]Hiia\.00BW se deve applicar, a
vende-se na laja do Galle TagilaoSnrr ros
^ "' P6l preC de ii000' ^
k'
LOJA DE FAZENDAS DE AUGUSTO PORTO
11Raa do Queimao11
AC,
Angosto Porto A G. acabara de receber da Earoua susertores cortes da seda de cores para
bailes e easameatos.
Reos cortes de blond cea anata e capella para noivas.
Cortinado bordados para enmis de noiva* janelias de 7# a 804 cada nm.
Otaae de seda e ontras de lia e seda o qne ba de melbor para camas de noivas.
Toattinhu de eroeb para eadara* e sota, espartUbos a aluna para senboras, camisinhas
com manfntws bordados e liados enebovaes para baptisados, e baldes de masselina e de reos para
senhoras maHoai.
Lavas de petHea para bosaan a sanberu e superiores chapos de sol de todas as qnalidades.
Ua para vestidos baratissima boaJioe padrOee o eovado a J80.
TejaojM arandea pan ofa, ditos para ptaao, ditos para cama peqnenos para portas e janellas.
^ j "f* S"80 PW Mparaf para vestidas da lindos deseohos, grosdenaple de todas as efiffis
seda di aaadrtoaee, eambraiaa braacaa da awitas qoaUdadas, ditas de cores e lindas percales.
Bwe^naa de eaa prato aiUeaa moda, chales e retondea de aipare, vende-se barato.
^^UaWeea parnbomaaa trncelas e inglesas de Mnito e de algodo finas e seroulas de llntw sn-
Ma^midi^ ISf*-.' ** mto* a Mis elegantes.
y.-.:T?Z: LP**- *Haa,neqnenaa e uccos da topete e couro.
.*?!!*tt!S!to*^,l~*4Wa vara, Monas pretos e zoes, casemira pretas e de
veras tnoo Domo Baamo. "ij
Jlasta estobeleaiasanto ba sanare osa ateto sortimento de boas fazendas tonto para a praea
*MfMt> ornato prrtotit**umim*+iWto ^^ casamentos coao sejam capellaaj
aaia, vvseeeade Uastdee de nwir biw>,Bs^d()8, cachas, veneddo-se tudo mais barstp a
-TaMiiMi
Estdfas e altsatifes para forrar salas
H-Rua doqatelaaada11
Espartilhos.
Vendem-se magnficos espartilhos francezes e
ingiezes na loja e armazem do Pavao, na roa da
Imperatriz n. 60. de Gama 4 Silva.
PANNOS DE CHROCHB'.
Vende-se um grande sortimento dos mais boni-
tos pannos de ebroebs proprios para cadeiras, so-
pMa, cadeiras de baianco, para alicoradas e para
cubrir presentes, e vendem-se por precos baratos
-A%*J %aum do Pavo, roa da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
FAZEMDAS PARA LUTO.
Loja ao paYa.
Vende-se setim da China preto seodo urna t-
pana moito leve e sem lustro com 6 palmos de
largara propno para vestidos e roopas para ho-
mem pelo barato preco de 2*000 o eovado men-
e preto enfestado moito bom a 1*600, soperiores
bombazinas pretas a 1*600, J800 o 2*000 rs. o
eovado, superior canteo a 1*200, lanalnba preta
usa a 400 e 500 rs. o covade, om grande sorti-
mento de alpacas e princezas pretas qne se ven-
dem mais barato qae em outra qoalqoer parte, na
tea e armazem do Pavo, ra da Imperatriz, n'
60,e d Gama & Silva.
As 10 mil varas de cambraias
Covado 300 rs. vara 500 rs.
SO o pavo
vendem-se finissim cambraias france-
sas com listras miuda e graudas e com
lindos desenhos de flo"es e palmas, sendo
todas com as cores mais modernas e mais
lindas que tem vindo ao mercado, pelo ba-
rato preco de 300 rs. o covado ou a 500 a
vara, grande pechincha attendendo a
grande porc3o que tem, senSo seria para
muito maisdinneiro : isto na loja e armazem
do Pavo, ra da imperatriz n. 60 de Gama
Silva.
Chales baratos
n, 30500, 60 e 7^000.
Vendem-se chales de merino estampados
a 20, ditos lisos a 30500, ditos estampados
fines a 50500, 60, 60500, ditos crepon
com listras de seda a 70500 e 80000,
pecbincha : na loja e armazem do Pavo
ruu da Imperatriz n. 60 de Gama e Silva.
Noaos vestidos a 60000.
Na loja do Pavo.
Cbegaram os mais modernos e bonitos cortes
de organdys para vestidos, tendo 10 varas c da
corte, sendo 7 varas listadas para salas e 3 varas
sem lisias, mas com enfeite para o corpo (ou ca-
saquinbo) garante se neste genero ser o mais mo-
derno que tem viudo ao mercado, tendo entre el-
les muitos braocos com listas e enfeites pretos, e
vendem-se pelo barato preco de 6*. nicamente
no armazem do Pavo ra da Imperatriz n. 0, dej
.Gama & Silva. *
Para camas de noiva*.
Vende o Pavo.
Ricos cortinados bordados a 8*000,10*, 16*,
20* e 25* o par ; assim como os mesmos tambem
serven) para janelias; ditos adamascados a 10* e
12*; bonitas pecas de cassas adamascadas para o
mesmo effelto; bonitos damascos de la de nma
e dnas larguras, proprios para colchas, assim oo-
mo bonitas colchas de croch : tu|u'isto se vende
mais barato do qoe em antra qualquer parte, na
loja do Pavao, roa da Imperatriz o. 60, de Gama
& Silva.
Organdy a 1*000.
Vendm-se bonitos cortes de organdy
sendo com listras todas brancas ou com lis-
tras de cores tendo oito varas cada corte,
pelo barato preco de 40, pechincha: na
loja e armazem do Pavo ra da Imperatriz
n. 60 de Gama e Silva.
Atoalhados para meza a20OOO, 20500 e
30000.
Veode-se superior atoalhado de linho
adamascado alvo com 8 palmos de largura a
30- a vara; dito adamascado pardo a 20500
rs.; dito alvo de algodSo a 2*000 rs.; dito
trancado alvo, sem ser adamascado a 10600;
guardanapos econmicos pardos a 30 a do-
zia ; ditos alvos a 30500 e 40000: isto na
loja e armazem do PavSo raa da imperatriz
n. 60 de Gama Y Silva.
Gasaqoinhes de fil.
Vende-se os mais modernos casaquiahos
ou basquinas de fil preto. pelo barato pre-
co de 100, chales e retondas de renda preta
na loja e armazn do Pavo ra da Impe-
ratriz d. 60. De Gama & Silva.
Cambraias largas com 8 Palmos de largura a
10 e 1280.
Vende-se cambraias largas da Escocia tan.
do 8 palmos de largura que falietta fazer-se
nm vestido apenas com 4 varas, pelo bara-
to preco de 10 e 1280 res a vara pechin-
cha na loja e armazem do Pavio roa da Im-
peratiz n. 60. De G^ma ti Silva.
Cambraias escocesas tapadas e transparentes.
Vende-se um magnifico sortimento de fi-
nissimas cambraias brancas para vestidos
teodo mais d vara de largura pelos precos
de 100,120, 130, assim como um grande
sortimento de ditas mais abaixo de 40. 50,
60, 70 e 80, garantindo-se aos comprado-
res que neste genere nlo poderlo comprar
melbor em outra qualquer parte e s na lo-
ja do Pavo rna da Imperatriz n. 60. De
Gama Silva.
Damascos para colchas a 80, 20500 e 800 rs.
Vende-se o mais superior damasco com
8 palmos de largura proprio para colchas
com os desenos .raais buoitos que tesa viu-
do ao mercado com nma s edr e de daaa
cores pelo barato preco de 50 o covado, di-
to edm 6 palmos de largura % 20500, ditos
de urna s largora a 800 res, na loja do Pa-
vo ra da Imperatriz n.'60. Da Gama t
SUva.
Vestidos de fantazia a 60 e 80.
Vendem-se boniles cortes de vestidos de
fantazia com lindas barras e enfeites de seda
pelo baratissimo preco de 60 e 80 na loja
e armazem do Pavo ra da Imperatriz n.
60. De Gama & Silva.
Hamburgos a 100.
Vende-se pecas de superior hamburgo de
linho com 20 varas a 100, na loja e arma-
zem do Pavo ra da Imperatriz n. 60. De'
Gama & Silva.
Pannos de linho.
Vende-se superior panno de linho puro
para lences e ceroulas a 640, 700 e 800
res, a vara na loja e armazem do Pavo ra
da Imperatriz n. 60. De Gama & Silva.
Bramante de linho a 20 20400, 20800 reis
a vara.
Vende-se superior bramante de linho
com 10 palmos de largura proprios para
lences, pelo barato preco de 20, 20400 e
208TO reis a vara, na loja e armazem do
Pavo ra da Imperatriz n. 60. De Gama
Silva.
Algodosinho enfestado a 10 10200 reis a
vara.
Vendem-se supwiicr algoJcsinbo ameri-
cano enfestado que a largura delle d a lar-
gura do lencol, sendo liso a vara a 10 e sea-
do trancado a 10280 na loja e armazem do
Pavo raa da Imperatriz n. 60. De Gama d
Silva.
Punhos e golinhas a 10000 o par,
s o P<.vo.
Vende-se om grande sortimento dos mais
bonitos e modernos punbos com golinhas,
sendo de esguio de lioho bordados a 10000
o par, ricos manguitos com gollinhas de
cambraia tapada e transparente a 20000 o
par, E' pecbincha; na loja e armazem do
Pavo ra da Imperatriz n 60 de Gama &
Silva.
Calcinhas pera meninas a 640 e
800 res.
Vende-se calcinhas bordadas para meninas
que andam na escola pelos baratos precos
de 640 e 800 rs., manguitos para as mes-
mas e para senhoras pelos mesmos precos,
na loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60,
de Gama Silva.
fe Cassas de urna s cor a 300 rs.
- ^jflf' o covado.
Vende-se bonitas cassas de urna cor s.
tendo cor de rosa e asul, cor de lyrio, roxa,
verde e cor de canna, pelo barato preco de
300 rs. o covado: na loja e armazem do
Pavo ra da Imperatriz n. 60 de Gama &
Silva.
Algodosinho avadado.
Vendem se pecas de algodo com um pe-
queo toque de a varia: na loja do Pavo ra
da Imperatriz n. 60 de Gama de Silva.
Lences de bramante a 20500.
Vendem-se lences promptos de braman-
te de linbo a 20500: na loja e armazem do
Pavo ra da Imperatriz n. 60 de Gama A
Silva.
Peits para carnizas a 800 e
10000 rs.
Vende-se um grande sortimeoto dos mais
modernos peitos ou berturas de esguiao de
linbo para camisas peles baratos precos de
800 e 10 rs. cada um e sendo em duzia
faz se um abatimento. E' pecbincha: na
loja e armazem do Pavo ra da Imperatriz
n.. 60 de Gama Je Silva.
Finissimas perca Has a 500 rs.
Vendem-se as verdadeiras e mais finas
percallas para vestidos tendo os mais lindos
padrees miadinhos e graudos, assim como
com listas modernas, pelo baratissimo preco
de 500 rs, o covado na loja e armazem do
Pavo ra da Imperatriz n- 60 de Gama &
Suva.
Boleas para viagem.
Vendem-se bonitas boleas para viagem
cpm caixinha para roupa engommada pelo
barato preco de 80000 rs.: na loja e ar-
mazem do Pavo rna da Imperatriz n. 60
de Gama Silva.
GRANDE BAZAR
ra Nova n. 20 e 22
Machinas para costura do autor Wheelar
cT'i aSffSsu,l A-
L q.a*f poB ^w-se com dons
binas3 PDodfl0aend0 Pralica RK;ar-
ruinas, pode fazer por dia o servico muTT
ciam 30 costnreiras. ^ q
rt^Hf- este estabelecimento a lten-
lo do publico, visto que elle se arha rm.
pletamente sonido l obj ctos de%S"
Na ra nova n. 20 e ^2
na ftfi.
Carreiro Vian-
. 7iYe?de*se am Prelo'roanfta, boa au-a hf7m.
trabalbaflor omito fcrcwo, earrra qtSBr SS
qoeforncssivel, por preco de 300$: 8 trata na
ra da Cruz u. ao, 3- andar.
Sal do Assh
Msfia&KfS1 ,L?<, i,,gJ,e,e' dfl- Ba
meidaGoS POr'de ADt0D d6A'-
Vapores.
Vende-se em easa de Saunders Brothers 4 a.
o largo do Corpo Santo n. II, vapores patentes
om todos os pertences proprios para faier mover
resoaqaatro machinas para desc?rm-ar aJapAo
Predios.
Vendem-se para pagamento da divida 6 casas
terreas novas, sendo 3 na travs da ra At.
gasta e 3 ca rna da Cadeia Nova, anda sem no-
meragao; tem eada orna doas salas, doos qoartos,
Oom qaiotal, e ao mesmo cozioba e mais um qoar-
to; esta alagadas a 204000 mensaes : a tratar
na rna da Concordia n. 73.
7~Y,ende"se uma casa na povoacao do Barreado
lado do rio, com mottos commedos, propria para
passar a festa : a tratar na travessa do Carioca,
n. 2, caes do Ramos.
Escravos fgidos
VENDE-SE
Motores americanos para doos eavalloe.
Dito dito para qoatro cavallos.
Machinas para descantear algodo de 14, 16,
18,20. 30, 35 e 40 serras.
Prencas para enfardar algodo fazendo os sac-
eos com 6 palmos de comprimenlo com o peso de
160 e 200 libras, rindas aitimameote da America
no armazem de Henry Fdrster & C, no casa Pe
dro D n. 2 jauto ao ttabiaete Portagnez.
Collares Koyer magnticos
Nedalhas e polseiras magnticas.
A Agaia Branca receben nova remes dos pro-
vellosos collares Royer magnticos, ja saturnamen-
te coobecldos para preservar as convnlsdes e faci-
litar a deolicao das criancas.
Coa esses ntels collares elctricos magnticos
tambem nio pequeas qnantidades de medalnas
e pulseiras elctricas magnticas enja utilidade
tem sido aproveitada por qoem soflre do nervoso
bypocondico, tremores as maos ele.
Assim como os collares Royer eslao geralmente
conbecidos e acreditados pelos efflcazes efteitos e
boas resoltados qoe tem eolnido as pessoas qoe
delles tem nudo ; assim tambem cbegaram a ga-
nhar tao alta reputaco essas apreciaveis medalnas
e polseiras magnticas, nma yes que o oso dallas
fr se esteodendo a todos qne deltas necessltem- A
Aguia Branca contina a receber por todos os va-
pores francezes orna determinada qointidade des-
ses sempre preciaos a estimados collares Royer
magnticos e por Isso fique na leoabranca de todos
qne os acuario constantemente em dita loja-da
Agola Branca, rna do Qoeimado n. 8.
Para as escolas de ins-
true^ao primaria
Acha-se a' venda neto preco de 320 rs. nm II-
vrtaUo oom meta encadernaeao bastante forte e
liada, comeado a carta de A B C com explica-
cace a lateada aak yeten mtrico, e o cathe-
cismo da Doutrina Chrisiaa oom nm augmento, no
qoal se easloa ao menino o qne necesrlo
TfT-'TT atd o anoitecer : MjM^M
I^Brancisoo,
>t : na
, detronte da ^."francisco, a. Iff,
-Tende-se au tafearna na Pauagem da Magda.
lena, roa de PartasMA, n. 10, mnito propria para
principiante : a tratar na mesma.
Jattenco.
9
Contina andar fngido do poder do abaixo as-
slgnado, desde o dia 12 de marco, do corrate anno
o sen eseravo pardo claro, de oome Cyriaco, com
os slgnaes seguales : representa ter de idade 40
annos, rosto rodonde, e om tanto envergado, olhos
emiapncados e fondos, bocea grande, beicos gros-
sos, barba fechada e rniva, ps e mos grossos e
camodo, peitos vermelhos e cabelludos, cabeHos
crespos e avermelbados, costme andar armado de
faco e nma bayoneta n'nm pao, gosia de tomar
cachaba, e qoando flea cebado da' para poeta, e
regris a : roga-se, portento, as autoridades poli-
claes e capites de campo a apprebensao do mes-
mo, e leva-lo a sen senbor, o abaixo assignado, no
engenbo Pedregulbo, em Nazaretb, qne sera' tem
recompensado.
____________________Jos Ignacio Pereira Torres.
Eseravo fgido,
Fugio no dia 20 de jalbo do crreme aqno o es-
eravo Vicente, nacao Angola, idade 40 anuo?, pon-
co mais on menos, altura regular, secco do corpo,
pernas arqueadas, sendo nma. mais do qae outra,
bastante ladino, rosto cemprido, pouca barba, traz
cabello nm pouco rente, ns'acamlsola de algodio-
zlnbo por cima da calca, chapeo de feltro pardo,
guarda sol de seda, ja' velbo, tendr no casta o uma
emenda de. flandres; snppSe-se que este eseravo
Irabaiba de dia em algnm sitio nos arrabaldes
dosta cidade, e que de noite se occolta em algama
casa. Protesta-se, pois, contra qnem ti ver aconta-
do dito eseravo, coja apprebensao se pede s au-
toridades policiaes, gratiQcando-se conveniente-
mente na roa da Cadeia do Beclfe n. 27, segando
andar.
100$ de gratifica^
Fogiram no dia 8 de agosto deste correte aune
de 1867, do engenbo Selle Ranchos fregnezia da
Escada, pertencentes a Beroardloo Barbosa da Su-
va, doos escravos a saber: Francisco, crioole, ida-
de 32 annos pooco mais oo menos, alto, bom car-
po, edr bem preta, sem barba, ps grandes, tem e
dedo encostado ao mnimo do om dos pos aleijado
de nma ferfda qne teve, qne s ficoo nm botaozi
abo, tem o andar emborcado e denles alimados;
Tbomaz, crioolo, de idade 38 a 40 annos, altura
regular, bem cbeio do carpo, espadando, cor bem
lula, barbado, testa grande e cantada, tem orna
croa na cabera qoe parece calvo, peitos cabella-
do?, ps largos e dedos cortos, j pinta pooco na
barba, falla descancada e moito cantador, o pn-
melro fol vendido pelo Sr Joao Hypolito morador
na villa do Bolqoe, oo Recite ao coronel Gouvela,
co procara o Bniqoe oa Parama d'oode natural,
o segundo de Lage de Cannoto oo CanhoUnfeo,
comprado no Becife ao Sr. Antonio Jos Vieira da
Son : roga-se as autoridades policiaes e eapilaes
de campo a appreheosio de ditos eseravos e pro-
testa-se contra qoalqoer pessoa qoe os occuliar
para disfructar seus servicos, e quem pega-Ios e
leva-Ios ao dito engenbo recebera' a gratificacie
de 100a'._ _J_________
HI I '

Fugio
desde o dia 19 de agosto a escrava crioola de ne-
me Florencia, de idade do 48 aones, pouoo mai
on menos, anda irregularmente em consequeneia
de nm p aleijado, tana muito, e intitulase de for-
ra : qnem a peg-.r leve ao abaixo assignado em
sen sitie, na Torre, qne sera' gratificado.
Joaquim Francisco Franco.
50^ de gratificando
i Fugio o eseravo Simio, de nac&o Mocambiqae,
idade 40 anuos, tem os segointes sigttaes:
barba, com talbos em clrcolo redondo ao pe
oretnas, alto, falla de domes na frente, semblu
carregado, levoo calca de easeniln de cor r~
esUdo, chapeo de mas novo, caro de
branco: este eseravo fot comprado em at
1864 ao Sr. Jos Vicente' undouso, morador \
JoajSm*Cavalcan de AlbonaerqSe^enXn^'
tfayapiermo de Barreiros, ppjc, taso UWJr
dUo eseravo tenha segnido algons daqneHef rnia
re* ; roga-se as autoridades policiaes a sna ip
prrhenrto, auim como aos caplties de ca
at-lo a sen senbor Bernardloo Antonio .
Bastos, na roa Direiu n. 30, no Recite, qne
e graufleacio cima.
.


^
8
P'^loAFeriug^^^faaftJc^iy^^ao lflfl7.
4SSEBLG4 GGR4L
CAAR* DOS 9BSH0RES PITADOS-
SESSO EM 17 PE JULHO.
TSIDBNCIA DO SR. ESPKRID1AO (VICB-
PRESISENTB-)- A
(Continuis*)
Mo adraissivel emerTtatite proceder." Ss o
ministerio de estr&ogefroe gsioa tres mil e tantos
cintos nio classificados, e no eaiaato a despeza fi-
lada de novecentos e tantos cootos. A despeza
nao crassiSeada, redolida a sysiema, inutiliza o
lrla.
O crdito do nobre mil
3,228, de 31 de margo de !
to systema, como von demonstrar.
Al aqai sabia-se qae os crditos eram clcala-
dos tendo se em vista as verbas distinctas do orea-

estes emprestlmos todas as formas posslveis; o
sea m muias veses era pagar om empreitimo
em otro esaarsstimo; era contando eom largos
capitaes dentro do proprio paix, abarca-loa em toda
a sua extensas; pedia as furiosas grandes como
as pequeas, as pequeas eoroois medias, lado o
voto das cmaras. Nos nao podemos e nao deve-;a cmara para ver se teoho razo qaando digo qae
mosrepresentar o papel de tab-llies publico?, des- oecessario qae tenbamos todo o cuidado e solici
70:000*000
154:7505000
54:7505000
100:000*000
tinados a reconbecer a? as-iguaturas
ministerios.
A cmara actual, dina de urna nova eleigao.se
nao deve ligar-se aos Irros do passado, nao deve
tambem esquecer-se de previnir os abasos no fu-
taro ; e ea tenbo esperanza de qae a cmara saba-
ra' corresponder a' sua origem, telando as impor-
tantes aitribuigo'ss que Ibe (oram confiadas pela
constituigao do paiz.
Despeza nao elassifleada I Mas como a pagara
os prepostos do tbesonro ? Mas como a escriptara
o mesmo tbesonro ? I Mas como pode 8scalisa-la o
nobre ministro T I Mas como pode Tota la a cama--'
ra ? E' urna serie flu vlolagoes de le, mals-do
que isso, ama impossibilidade. Se nio sabis o
que gastastes em cada verba, como podis distri-
buir o crdito ? t
Esta doctrina colloca os ministros emuma posi-
rao iodeflnivel; esta doutnua, depois de-feltas taes
despezas, rouba aos nobres ministros at misma a
possibilldade de abrlrem crditos na forma da le;
e neste ponto a jusiiga pede qae ea felicite.a S.
Etc., porque os crditos abertos pelo ministerio da
azenda sao dos mais regalares.
Assim nao succede ao Sr. ministro de estran-
geiros. O crdito aberto por S. Etc. a 9 de Janeiro
do correle nno, desde o principio ao fim ama
revogago da le. Ets a jastifleagao :
Senhor.O decreto o. 1,192 de ISdejunho
de 1866 deierminou que vigorasse no correte
exercicio a le qoe flxoa a despeza e orgou a re-
celta geral de anno Boabceiro de 1865 a 1866.
Essa le consignou no 4* do art.
4* para ajada de cutio a qoan-
tia de.......................
E no ? para as despezas ex-
traordinarias no exterior a de
testas daas verbas tem de dar-
se om dficit que esta' oreado
em.........................
Sendo o da verba do $ de___
E oda verba do 5 de........
Resulta o priraeiro de haver o poverne impe-
ra! enviado ama misso especial a repblica da
Uolivia e ter necessidade de crear legagoes perma-
nentes as repblicas do Chile, Equador e Nova
Granada.
t O segando provm das crcumslancas excep-
clonaes em que se acba o paiz, e de nao ter a iei
do orcameoto concedido fundos para o pagamento
das differougas de cambio e comraissoes; cansas
HStas qoe tambera determinaran) no exercicio de
1865 a 1866 a abertura de um crdito suppleman-
tar para a mesma verba.
t Com o lira de supprir aquella dficit, venbo
submelter a' approvagao de Y. M. Imperial, em
cooformidade da Iei, o decreto junto abrindo ao
ministerio dos negocios estrangeiros um credilo
supplememar de 154:750*. que tem de serappll-
cado despezas das referidas verbas no exercicio
liaanceiro em vigor.
t Tenho a honra de ser de V. M. Imperial re-
verente subdito.Antonio Coelbo de Sa' e Alba-
querque. >
A primeira sen?ago qae experimenta-se a' lectu-
ra deste creditq a da admirago I O nobre mi-
nistro oo se cansa a demonstrar o seo pedido ;
pede 154:000*, como poderia exigir mais. No es-
tante S. Exc. devla ter urna base, e esta base a
demonstracao.
Estf decreto o. 3,775 abre am credilo de......
154:000*, a saber : 54:030* para a verba do art.
4 do orcamente do ministerio de estrangeiros, e
100:000* para a verba do art. 5.
Da jastifleagao resulta qae o augmento provm
de ajadas de costo, da creaco de legagoes e das
diflereogas de cambio e commlssSes. Os accresci-
mos das ajadas de cusi a' razo de 27 dinheiros
poem ser calculados; os accrescimos provenien-
tes de ordenados e gratiQcagoes tambem podero
Sor calculados ; as differeoga de camtio, despeza
por natureza variaveL a nica que offerece im-
possibilidade, mas isto antes de realisar-se ou an-
tes de conbecida n'um tempo determinado. O que
diz respeito a ordeDados e gratificagSes pertence a
um arlgolegagoes; as ajudas de cusi tem o seu
artigo especial; as differeogas de cambio e com
inisioes devem constituir na demonsirago um
elemento a parte. Nada disto se fez I Que serie,
Sr. presidente, de comradlcgoes I
Qual o servigo elassifleado no art. 4 e no art. 5
do orgamento? No orimeiro destes ariigos, e ea
posso recorrer ao proprio balango de estrangeiros
apresentado em 1864 a 18C5, ajadas de casto, soe-
corros, ele.; no segando irata-se de despezas ex-
traordinarias no exterior que s por excepgo po-
de comer as differeBgas de cambio, porque estes
podem supprir a mais de urna dellas. as comrais-
soes e dlfereogas de cambios tinham um artigo
especial no orgamento da ministerio de estrangei-
ros, qae nao ebegon a passar.
Como, pois, o nobre ministro desloca todo, nada
justifica e abre o crdito? Deve ter urna razio pa-
ra pedir 154:000*, e nao mais cu menos; qoal
elia ? S- Exc. o nobre ministro, permitta-se-me a
expressao, collocou-se n'um becco sem sabida. Se
o augmento, provm das legagoes novas, deye ser
lovado conta do artigo respectivo ; se provm de
ajudas de costo, ser incluido no respectivo arti-
go; as differengas ds cambio, qae podem referir-se
a am e a outro artigo devera ser langadas em ver-
ba especial. O nobre ministro confandio todo; pre-
ctsava pagar legagoes novas qae creou e missdes
especiaos. Como bavia de abrir o credilo T Ahi es-
tava a tabella do ministerio da fazenda limilando-
lbe a aegao I O qoe fez ? Barslhou tado, suppri-
mi a demonstrago da lei, e procuren depois um
artigo qualquer em que coubesse semelhanie cr-
dito. (Apolados.) Era ama palavra, qual o empre-
go desses 154:000* ; quanto pede S. Eic. para le
gg5es, para ajndas de casto, e quanto para dina-
rencas de cambio qae tem de ser inclnldas na ver-
baExtraordinarias ?
Appello para a conseiencia do nobre presidente
do conseibo, sempre recto em sea jaizo, elle que
diga se possivel determinar o quantum das ne-
cessidades sem conbecer o que se gaslou e o que
se precisa. Sem esclareeimenlo algum, o crdito
de 9 de Janeiro inapplicavel. Com semelhanie
pratica pode se augmentar verbas relativas ap or-
gamento indefinidamente, e os augmento nao le-
ru limite.
Sr. presidente, o qoe me de, o qae nao posso
comprebender como invocando-se todoa os das
a recordaedo da guerra, e tantas vzes tendo o go-
verno na tribuna chamado a nossa attengo para o
estado actual do paiz, em urna poca como esta em
que solicita-se o anilio de todo o Brasil para a
sustentacao da guerra extern, se ba desejo de que
o corpo legislativo, o novo e o governo se abracem
em amplexo fraternal para ttebellar o iniraigo com-
mam, e nobre ministro de estraBgeiros augmenta
despezas qoe nao tem explicaco. (Apoiados.)
Nao eomprehendo essa serie de missoes espe-
ciaes, essas legagoes que se dividem e se subdivl-
dem sem om motivo qualquer. (Apoiados.) Nao sei
como possivel legitimar estes aogmentos. Para
tado ba raz&3, at, por exetnplo, para elesar Ve-
nesuela repenlinamenle cathegoria de legago,
augmentando assim a despeza.
Nao sei para qne se crearam. agentes especiaos
nas tres repblicas, CWIe,.Per e Equador. Nao
eram dlspensaveis ? A guerra comecou ha bastante
lempo, e s agora qae a abandancia de dlnbeiro
dos despena.
Nao sel.repilo. para qeseestabeleeer todas essas
legacSee-dlstlnctas. As raxSes do Sr. ministro de
estrangeiros no relatorio nao satisfatem. Pois, e-
nbores, nio vivemos bem at agora sem essas le-
gagoes 1 E qnando se vem pedir accrescimo de
imposto ao paiz, goando o nobre ministro da fa-
zenda eonfessa as difflculdades da, sitaagio, que
sargem para augmentar-nos a despeza missoes es-
peclaes, e que dividimos legagoes? (Apoiados).
Ea tenho direilo de qaeixar-me do nobre minis-
tro da fazenda; tire maltas vezes occasiode apre-
ciar em S. Exc telo pelo servigo publico, amor a
acooomla ; tenho por consegalnte direlto de qael-
xar-me de S. Etc., e estas qaeixas qae formulo na
tribuna sao al eerto ponto nm iriButo de oonsde-
rago que Ibe voto. (Apoiados).
O Sr. Martinho Campos :E' o mestno qae me
acn teca
O Sr. Josk BoNn-Acio :Sr. presidente, nao pos-
so ainda abandonar a qaestSo dos crditos, qoe
alias dilxarei em caminno, porque estn nlmii-'
mate cansado, sem fazer agomas refleto>a so-
bre nm dos crditos abarlos pelo nebre ministro d'
guerra, qae' encerra theorlas orlginaes ness m-
menlo; pois bem, o nobrVj iffinffo da gderra qae fosse possivel para conseguir o desojado ter-
aprsenla um crdito que tem por base aquilio mo da guerra. Lincoln dnia: qaem deve a si mes-
mesmo qae elle qaer provir, isto o nobre mlnls-' mo, ni) contrabe divida nimiamente pesada. E
tro da guerra calcula a despeza feita proporcional- era por Isso o papel-rooeda deixou de existir I
men te, para achar proporctonaltnente o qoe pede Em 1860, Sr. presidente, quado comegoa a
ao corpo legislativo! E'origina. gne'rra dos lslados-llijdo, a prosperidade desse
Basta exprimir este pentamento para qne se pos-1 paiz era immensa : o resenceamento decenal tlnba
sa apreciar o seu valor ortico, evo lr urna par-: aecusado um crescimento .extraordinario na popu-
le qae digna da attengaoye qae eu recommendo Ugo, na fortuna mobillarii e na fortuna Immobi-
fiarla; e notai, senbores, qae os dados estaiislicos.
nesta materia, como nota o escriptor Jorge Wal-
A nossa obrgago. pois, como depotados, e a ta em-os governos, mesmos aquellas qae nio se di-
, ziam constilaclonaes ? Escolba-se qoaiqaer paiz e
8tudem-o,asAtrtalando os pon los capitaes da der-
a do3s oongagao. pois, como depotados, e a
vos.) V 'Jf JT J
de iodos os : tuda no exercicio da importante missSo 'de fiscal!-
sar as depeas publica;.
A jnslifleagao conectiva ou em complexo ,
porm, fcil e Intuitiva : subsiste as mesmas cir-
cunstancias extraordinarias, os fundos votados pa-
ra as despezas de cada exercicio foram calculados
para eircumstancias ordinarias, e sio, portaoto,
deficientes ; logo a jastifleagao a mesma qae deu
origem a todos os crditos extraordinarios conce-
didos ao governo desie o de n. 3,401, de 3 de feve-
reiro 1865 at o de n. 1,352 de 19 de seteabfo de
1866, conseguintemante tem a sen favor a sanego
do corpo legislativo.
Sancgio do corpo legislativo/ Traduzi o pensa-
miento em phrase vulgar, o pensamento claro: a
lei nio qaer semelhaots modo de justificar crdi-
tos, mas se violo a lei violo-a com o corpo legisla-
tivo. Veja a cmara a responsabilldade qae toma.
Mas contintemos : o Sr. ministro vem censurar
o seu proprio crdito >
< Conforme ja Uve occasio de mostrar, impor-
lou a somma total da despeza nos dous exerciclos
de 1864 a 1866 em 84.915:897*415, qae produzio o
termo medio de 42,457:948*707, e partindo desta
base, parece que bastar, para completar os encar-
gos do exercicio cerrente, um credilo extraordina-
rio de 13,769:986*, igual ao qae Qcou decretado
pelo corpo legislativo para o semestre, mas se se
attender a que a despeza do exercicio de 1865 a
1866 mais compara ve l com a do actual pela i den-
udada de cireamstancias, excedea ao dobro da
do anterior, isto o de 1864 a 1865, resoltar o
bem (andado recelo de qae este aovo crdito ain-
da nio seja suficiente-; estando, porm, prxima
60:00O#uuu a reunjjj ,jas cmaras, que de ceno nio deixarao
de auxiliar o-goveroo, se porventora se vier a ve-
rificar que ainda sao necessarios maiores sacrifi-
cios, julgo prudente nio alirapassar agora os limi-
tes assignalados no predito crdito.
Urna s reQexJo: os crditos nio se abrem para
semestres, e perianto o primeiro crdito devia ler
por. base o gasto do anno; mas, admitiindo a base
proposta, a que fica rednzida a proporcionalidade
do Sr. ministro ? E' verdade qae ja se nos asse-
gura qae teremos de ir votando mais crditos por
justifkagao collectiva. Depois do que se l, fcil
comprebender o que se segu.
Occorreodo a impossibilidade ja manifestada
de conbecer-se o estado de cada rubrica, mas sen-
do certo que a despeza nao classincada ter de ca-
ber, em maior ou menor proporcio, aos 2*, 6',
7, 8", 9, 10, 11, 12, 14 e 15', e rubrica-Re-
partigio de fazenda, por onde correm despezas
extraordinarias, julgo do meu dever, em virtude
da deliberagao do ministerio a que tenho a bonra
da pertencer, solicitar de V. M. Imperial a promul-
gago do decreto jauto coocedeado ao governo, pa-
ta pagamento do resto das despezas do exercicio
correte de 1866 a 1867, um credido extraordina-
rio precisamente igual ao votado pela lei n. 1,352
de 19 de setembro do anno passado, a saber :
i 2' Conselbo supremo militar 15:726*000
| 6' Arsenaes de guerra, etc. 5,221:448*000
7* Corpo de saude dos bos-
pitaes................ 493:843*000
8 Qaadro do exercito..... 5,153:644*000
9* Commissoes militares. 32:711*000
10 Classes Inictivas....... 233:12**0)0
11 Gratificacoes diversas... 179:997*000
12 Fabricas.............. 42:202*000
I 14 Obras militares........ 223:960*000
i 15 Diversas despezas eeven-
tuaes................. 2,153:778*000
Repartigk da fatanda.. 19,553*000
ker, nao podem com certeza foroecer um calculo
exacto a este respeito, porque a fortuna mobiiiaria
eaconde-se, furta-se ao clcalo, e a fortuna inmo-
biliaria avaliada por doos tercos do seo valor.
Alguns Estados bouve, qae viram, cousa espan-
tosa, apezar dos bragos roo bados a'agricultura ou nio possivel fazer permanecer da cireulago
para Ir cdmbaler, estender-se largamente o seu' os 50,000:000*000 de bilbeles do tbesouro ?
territorio cultivado; ootros qae viram augmentar i Se fdr possivel, nio precisis do papel-moeda; se
Irei i qaestio no ponto em qae a colloqoei.
Nao tenho. como disse, dados certorpira calcu-
lar a importancia dos reenrsos que paetsa o nobre
ministro da latead*; aceito os 50,000*000*000 em
toda e qoalqoer bypothese.
O Sr. Sa?o LoBATd: V. Etc. j demonstrou
que asa qnaota nio era bastante.
O S. Joe Boniacio : Nao a reputo bastante,
ja dase ; mas como o sobre ministro me affirma
que snffleiente. eu argumento com esta base
(apoiados); se S. Exc. dissesse que precisava da
60,UNiO00*000, argumentara tomando nova po-
sigio.
Recorramos ao sea relatorio; i expressia;sobre
este ponto.
8. Exc. diz: Posso de um instante para putro
ser obrigado a pagar bilbetes do tbesouro que ve-
nhamao troco; preciso paga-Ios ; re-pondo en:
(Tota. Peoaea&ara qo*,co o eritwaf qoe a
distingue, compare o qne se faz entre nos com o
que tem succedido por toda parte. *
Em Franga o poder qne proclamoa a emancipa-
ao foi o poder revolucionarlo. Depois das hesita-
(des da constiointe e da legislativa, a convenci a
proclama. E notai-o, nio era ama questao social,
antes de todo era urna arma poltica, era a arma
com qae a Kranga traerla combater a Inglaterra
13,769:986*000
Mas, sensores, o que admlravel neste crdito
, que as baies em qua elle se fon la sao contra-
dictadas pelo balango do tbesonro de 1864 a 1865'.
O crdito do nobre ministro da guerra compara
as autohsagois de 1864 a 1865, de 1865 a 1866,
de 1866 a 1857, com as despezas feitas nesses
exerciclos. Comparemos as despezas de 1864 a
1865 da tabella do relatorio da guerra com as par-
celias do ba a ;;:.
A despeza de 1864 a 1865 devia ser conbecida.
Tabella do nobre ministro 27,282:83tJ>506-. E' isto
o que se gastou, segundo a tabella do nsbre mi-
nistro da guerra; mas nao o que se gastn se-
gundo o bataneo? Aqu esta' 22.302.987*543.
Igual discordancia se d nas parcellas que coocor-
rem para esta somma que acabo de mencionar.
Tabella do nobre ministro.Iostrocco militar
231:563*201.
BalangoInstrucgo militar 215:476*617.
TabellaArsenaes 6,986:416*375.
Balango-6,99l:58l*104.
TabellaCimmissoes militares 9,722:975*883.
Balango7.720.451J404.
TabellaDespezas nao classifieadas............
3,360:973*929.
Balan$o-3,378:248*807.
Por conseguinte, se o balanco tem razio, o cr-
dito, mesmo proporcional, do nobre ministro da
guerra nao da' o resultado que S. Exc. quer.
Se pelo contrario os clculos do nobre ministro
que sio exactos, entao sera' impossivel aceitar o
balaogo do ibesouro como expriaindo verdade.
Sr. presidente, eu pretenda analysar todos os
crditos, porque todos elles, mais ou menos, la-
correm no mesmo deleito; pretenda percorrer
verba por verba o quadro de S. Exc; mas estou
muito cansado e preciso dizer mais algama cousa
sobre ootros pontos. Por isso abandono este exa-
me; creio ter demonstrado a Incerteza da propos-
ta, a illegalidade e a inconveniencia dos crditos
qae aoalysei.
Examinada a proposta, segoe-se naturalmente o
exame dos meios offerecidos pelos diversos orado-
res que trataram desta questio, e com os quaes eu
siato nao estar perfeitamente de accordo. O meu
pensamento nesti materia resame-se inteiro no
seguinte: execotai a lei de setembro e lira dalla
todas as suas eonsequencias.
Uuaes foram, Sr. presidente, os meios lembra-
dos pelos mostrados oradores qne me precederam
na tribuna ? O nobre dapntado pelo Rio de Janeiro
lembrou a emisso de bilbetes. do tbesouro com
prazo, jaro razoavel, e resgate ao par metlico.
Este plano fci molificado por outro distinelo o-
rador qae occapoa a tribuna. Oatro nobre depala-
do pelo Rio de Janeiro lembrou a emisso de ap-
lleos a prego mais balxo, e a cobraaga dos impos-
to) alfandegaes pelo padrio monetario. O nobre
ministro da fazenda, rejaitando ledos estes meios,
mantem a saa proposta, qne se resume no papel
moeda, e por conseguinte na emisso de bilbetes
do tbesouro sem limite algum.
Destes meios embrado?, Sr. presidente, ea nio
concordo com am so.
As opiniSes sustentadas pelo nobre depotado pe-
lo Rio de Janeiro tiveram por base as seguintes
razSas : a medida lembrada em 1839, as instruc-
goes de 1842, os exesaplos dos Estados-Unidos, um
precedente de Gladestond, na Inglaterra, e por um
as conveniencias que descobre no empresiimo tal
como o concebeu. Confesso ao noere depuudo pelo
Rio de Janeiro qoe, aceitando o sea pensamento
como elemento para um plano normal, aum de
resgatar o papel-moeda. em tempo opportano, nao
posso aceita-lo como expediente flnanceiro nas cir-
camstaocias actaaes. (Apoiados.)
O precedente de 1839, que se resame na emis-
sio de bilhetes eom as seguintes conig5es: prazo
de, 18 e 44 mezes, prazo dio de 7,3 por cea-
to, curso forgado; vetdadeiro papel-moeda, sujei-
lo a qoelma, na rrma da lei de 11 de ontubro de
17; nio tem cor si a sanego da experiencia.
os depsitos das calxas econmicas, faeto qae acen-
sa perfeitamente qoal o valor, qual a torga pro-
ductiva desse paiz.
o fim da guerra o paiz nao se tinba empobre
cldo, as fabricas tiabam crescido, a alga dos sa-
larios compensava at certo poni as perdas soffri-
das, isto os soldados qoe iam combater na guer-
ra, eram bracos qae se fartavam a' industria,
verdade, mas a saa ausencia nas cidades augmen-
tava o salarlo, todo se compensava; as economas
feitas pelo governo eram novo incentivo dado s
industrias, porque essas.industrias existiam no pro-
prio paiz, e os capitaes pedidos a uns eram em-
pregados por ootros dentro do territorio.
Eotre nos a questo diversa : nos compramos
ludo ao estraogeiro, temos de mandar vir todo de
tora, e de remetter tudo para fra.
Por consequeneia, o emprestimo qae o nobre
depatado qaer, o empresiimo ao par mettllico
(perdoe-me o mostrado depotado) rninoso"para o
estado, embora eu repute mais ruinosa lnda a
proposta do nobre ministro, se S. Exc a conservar
tal qual esta', se S. Exc. nao disser qaal a impor-
tancia do papel-moida, e em qae coadiedes qaer
emilti-lo.
Sr. Prksidente do Consblho:Eu ja' disse.
O Sr. Jos Bonifacio:O meio apresentado pe-
lo nobre deputado tem a meu ver alguns incon-
venientes, que quero assigoaiar. Prescindindo da-
quelles que mo foram la librados pelo orader qae
me preceden na tribuna, eu jalgo que os bilbetes
enjillidos, como quer S. Exc, e pagos ao par me
lauco, trazem por primeira consequeneia a baixa
dos nossos ttulos; e desde qae o jaro variavel,
e por consequeneia que os bilbetes tm de procu-
rar reembolso quando o emprego dos capitaes fdr
mais lucrativo, trazem por segunda consequeneia
forzosamente alteragoas no mercado dos capitaes.
Eu devo accreseentar ainda qae, faaccionando
esses bilbetes ja' cerno ttulos de emprestimo, ja'
como moeda, este carcter duplo, que eu at corto
fdr possivel em parte, nao precisis' se nio desst
parte.
Eis aqoi as duas limitaces: do papel-moeda a
dos bilbetes de thesouro.
O nobre ministro nio poderi emitilr nm cel-
til de papel moeda que nao seja para pagamento de
bilhetes do tbesouro ; nao podtra' emittir bilbe-
tes do tbesouro qae nio seja para o resgate do pa-
pel-moeda.
Tornemos claro o meu pensamento. Veo ao
troco bilbetes na importancia de dez mil contos,
emitte-se urna somma Igual de papel-moeda. Vol-
tam de novo pedidos de bilhetes em igual somma,
o tbesouro recolbe papel-moeda na mesma impor-
tancia. Ha urna perfeita balanca de entradas e
sahidas.
As coodigoas da cireulago Picara as mesmas, isto
, a somma do papel-moeda e dos bilbetes do tbe-
sonro ao tempo da lei nao se altera. Sendo o ter-
mo medio das emissoes de bilbeles 40,000:000*.
e contando o nobre ministro ter urna emisso de
bilbetes, quando execnlar a le, de 50,000:000*000
de bilhetes do tbesonro, natural qae o jogo das en-
tradas e sabidas seja de 10,000:000*; a emissio
do papel nio podar exceder, esse limite; e em
todo o easo, se exceder, encontrara' o mercado des-
obstruido, isto desfalcado de igual somma de bi-
lbeles do tbesouro.
A formla serla sempre : mas 10,000:000* de
papel, menos 10,000:000* de bilhetes do tbesouro
e vice-versa.
Como nesta maneira eu nao desej) seoo qae se
faga o que fdr absolutamente indispensavei, pela
minba parte, se o nobre presidente do consejo
aceitar esta limitagao, nio podendo emitlir um r&at
qae nio seja para resgate dos bilbetes do theseoro
votare! pela proposta de S. Ene., porque o mea flm
este -' o qae nio aceito a proposta como est,
porque se deduz ao seguinte : antorisado e nobre
ministro a emittir 50,000:000* para pagar bilbetes
do tbesonro, depois, asando da facaldade qae tem
dea emanei paci: laM a al f arria voluntaria qae
toses es diss presenciamos neste paiz, concedida
palo sensor ara vldsjs. sada por testamento. (Apoa-
Pois bem, era ao menos estss informagSes; nem
so saa*. cmb)>k0S)ss mmm stoelies qne tm
sido libertados por estes mecal ttm
Nada sabemos, marchamos a's cagas, a's tontas,
e proclamamos semelbsnte don trina persnte o paiz
aas clrcumstanciM actaaes I ll ( Malto bem).
senbores, provocando a attancao do nobre minis-
m qae a Kranga Ruarla combater a og aterra. tro sobre assaa,pl0 a^a enV fw nrstr-
Ao muido daanarcbiasuccsdeof o* fulgores de lbe ttabm Qm D Va^S le dll-
uma espada victoriosa ; era o poder" quereado con-
ponto considoro ioeompalivel, ba de, dadas eertas exereido, emittir outros 50,000.-000* de bilbetes.
causas, predominar nm sobre outro. (Apoiados.)
Quero dizer com isto qae como agentes de circula
gao, os ttulos qoe o ootore deputado quer qoe se-
jam emittido:, depreciarlo ainda mai o papel do
governo.
E' esacto que os boa de ecbiquler soffreram
na Inglaterra modifioagao- importante ; mas este
exemplo, patrocinad) por sm grande nome, tem
um valor essencialmente relativo. Para nio tocar
em outro pontos, a simple organisagao fiaancei-
ra, em qoe o banco representa om imporlantissi-
mo papel, arma ama differeoga qne nao deve ser
esqueclda.
u emprestimo, nos termos apealados pelo meu
mostrado collega me parece encerrar urna injueti-
ca. O estado o coico a carregar com todos os
seus prejaizos.
Qaendo se votoa a lei de 12 de setembro de
18b2, o corpo legislativo coocedeu- ao banco do
Brasil grandissimos favores: Joi calculada peto-
Sr. viseonde de Itaborahy a somma desses favo-
res: concedea-se-lhe o-aso gratuito de-45,000:000*<
duraote largos aonos, e os lucros, tomando por
base a taxa de8(',, eram inmensos.
Se autorisarmos um emprestimo qoe deve ser
pago ao par metlico, va* coneorrer ao mercado
para comprar esses ttulos- a moeda banearia; isto
, concedemos ao banco todos esses favores, e ain-
da pagamos em cima a depreeiago do sea proprio
papel.
Accrescentem-se a todas estas razies aqoellas
qae naturalmente decorrem da presso do momen-
to, e o meio nao me parece acertado.
Por conseqoencia, acredito-qoe, como expedien-
te flnanceiro, a medida lembrada pelo nobre depu-
tado nio acelAavel;. como elemento para am pla-
no formal de rngate do papel-moeda, ea o reputo
eminentemente aproveitavel, om tanto modificado.
Fol por am mel semelhanie em mais de nm
ponto qae, depois da guerra,. Mac Cal loca; procu-
roa resgatar o papel-moeda dos Estados-Unidt.
O Sa. Buarqub : Menos eom o carcter for-
gado.
O Sa. Josii Bohfacio : O-plano consista na
emisso de obrigagSas reerofeeisaveis, com joro
nunca menor de 6/, e pagos em metal. A eon-
sobdacao do papel-moeda por meio de nm em-
prestimo, contrabido era rendas temporarias* tal
era o pensamento derradero proposto no con-
gresso.
Se nio concordo, pelas raiees-expendldas, eom a
medida lembrada pelo talentoso orador que rom-
peu a dlscussio, muito menos posso admitlir aolo-
rlsagoes indefinidas que dexam.ao governo o oso
ilimitado dos bilbetes do tbesouro ao lado das
emissdes do papel-moeda.
Sob este ponto de vista, as modificagdes ofere-
cidas a este plano traziam orno resultado o eer*
ceamenlo dos graades inconvenientes que causa a
poese i Ilegitima em que esta os governos, de aug-
mentar como querem a divida fluctuaste.
As modifleagoes offerecidaa,. mais ou meno* en-
traro na proposia do nobreminiatro.-se elleqaiier
limita-la neste ponto ; porque o nobre deputado a
quera me refiro em ultima analyse, se bem o com-
prebendi, quer dar nova forma aos bilbetes do tbe-
souro. (Apoiados.)
A emisso de apoHces nas circunstancias actuaos,
parece-rae mais ruinosa do qoe a emissio do pa-
pel-moeda (notai bem) se este fdr limitado de tal
modo que etreulacao efe amanh&a nao pessa ser
mais que a urculaco de hoe, aceita a base da pro-
tposta.
O Sn. Pereira da. Silva : O que Impossi-
vel.
O Sa. Josa Bonifacio : Se ha capitaes qoe se
querem empregjr em apolices ( esta a hypo-
these) elles hio de procura las desde qoe percam
a esperanga de obter preco mais vanujoso do
qoe o actual. Depois, a questio saber se pos-
sivel manter a actual cireulago dos bilbeles do
thesouro.
A outra medida lembrada, 4o augmento dos im-
postos alfandegaes pelo padrao monetario, me-
dida qae deve ser ponderada e meditada por occa-
sio de discallr-se o orgamento.-..
O Sr. Presidente do Consklh) : Apotado.
O Sb. Jos Bonifacio : .- porqne entao pode-
remos augmentar esses impostas al ao ponto qae
lembrou o nobre depotado. (Apoiados.)
Se, porm, estas medidas nio podem ser aceita?,
muito menos a proposta do nobre ministro da fa-
zenda, tal como se acba. f Apoiados.)
S. Exc. nao es o elogio do papel moeda, -mas
aceila-o como orna necessidade indeclinavel.
O Sr. Presidente do Consblho : Apolado.
O Sa. Jos Bonifacio: E o mea honrado ami-
go, depatado peto Rio de Janeiro, creio que foi ora
pouco adame, porque fez o elogio do papel-moeda,
reputsndo-o um meio ordinario nas cireumsiancias
extraordinarias. Qoanto a mlm, i sempre ora
meto extraornario, ama medida de que s se
langa mi qnando nio 'possivel empregar ootra
qoalqoer.
Ao avesso das antigs doutrina?, os governos ei-
vilisaos oo sa julgam com direito de etaHtit1 pa-
pel-moeda, salto no extremo caso : o direito de
bater moeda Ibes foi conferido em proveto pu-
blico, am monopolio por utilidade publica. Na-
da mais. ,
A questo pois, esta e nio outra.
nio tem por
Tirai-lhe o corso (oreado; e o qoe fica sendo ? A
modlfleagao qae se Ibe seguio em 1842, nao pro-,
duzlo memores effsltos. Pilo contrario, pode-se ver j pos?ivel dispensar o papei-moesaT
nesta mudanga da leglslieao aperfeicoamentos de Os ejemplos qae foram oBareeidos da llana ea
orna idea que nao Unha ctaegado a' sua madurea.; Aastriai sio eiemptos qo| tf o,0.0^* eno/'f
O mesmo erai
tado, at certo
ie nao tinha chetado a' sua madurea. Austria sio ejemplos que ijm mwmu ='
mpresllmo lembrado pelo nobre depu-! circumstaocias ( mullos ansiados), pelo conipano,
%o pento, opp5s-se ao pensamento da- sio essencialmente rejeitados pela lei de 12 se
qaeila medida.
Por consequeneia o argumento qoe se pode de-
duzir do fado, em vez de favorecer a dootrlna do
nobre depulado, pareee-me que a eondemna. .
Os exemplos dos Estados-Unidos da America,
Sr. presidente, lambem nio proceden, se atten-
dermos a' difTereoca das condicoes em qoe esta'
aqaelle paiz em relgio ao nosso.
8r. presidente, o governo americano nio lanoon
mi unlcimeute de obrigagSes de tal nalureas;
desda ojirincigio o governo americano lances mis
d toses os asios para adiar as dimealdade?,
cootrasrfo eprestraos sobre emprestiajos, dea
tembro, qae estabelecen a dootrlsa, que W aseita
nesla casa, de qne as omlssSss fosseea fsuas
pelo thesouro e nio pelos bascos. ( Mailos apotj-
dos.)
Nesses palies aceitaram-se os baocos de eraisiao,
e os goversos procurartm septir-ss dstles para
emittire papel-moeda (apoiados); entre n, pelo
contrario, a iei de 4J de setembro sapprimlo a
emissio dos bancos e autorUoo o tbesouro a emit-
tir ; e para que ? para que houvesse msis regQla-
ridad e Bsealisa^ip, para qae o mercado flBie*%
lirre qaasio possivel fosas da nf>vt]w4Kii do
ppel'bajcartp.
(Apoiados.>
Como nao se trata s de um ministerio, mas- de
qaaesquer ministerios que teobam de governar o
paiz, este abuso pode dar-se; depois de saturada o
mercado eom as notas, serem emillidos mats bilbe-
tes do thesouro; isto qoe nao quero ;: timitagic-
que offerego a realisago pratica da lei de 12 de
setembro, o qoe ella qaiz fol manter na cireulago
o mesmo estado. Os casos da necessidade- estavam
fra do pensamento da lei. O sea fim e pensamen-
to eram claros. (Apoiados.)
O Sr. Pacuno de Souxa ;Pensamento que fol
desconceliuado pelo nobre ministro da fazenda.
(Trocam-se apartes entre o Sr. Candido Torres e
o orador.)
Sr. presidente, tratei da queslio de recursos;
dlrei agora algomas palavras-sobre a questo do
trabalho.
Nio basta que o nobre ministro pela autoris$ao
para contratar emprestimos, para emittir papel-
moeda, ou qualquer outra astorsagio; lodos- e
qoaesquer meios a qae se recorrer serio pago, em
ultima analyse, peta prodncgo do paiz (apoiados),
e por conseguinte osla prodaecao que o nobre
ministro nao pode esqoecer, por que s ella ba de
solver as difficuldades presentes e levar-nos a ea-
rsioho seguro para vencer as do futuro. ( Muitos
apoiados.)
A economa nao tem sido respeirada pelos nobres
mfsisiros (apoiados-), e para nao ettar se nio em
exemplo, eitarei aquello mesmo que j leve a de-
fez de S. Exc, Isto i; os crditos para a expoet-
gao : para que gastos com a exposigo ? ( Apela-
dos. )
O sobre ministro dsfendeo este eredlto, citndo-
nos os premios que-nos linbam concedido na Eu-
ropa, disse qoe assim promovemos o desenvolvt-
ment-o da nossa industria ; mas S. Etc. por certo
nio pede comparar despezas de tal natureza esa
despezas extraordinarias (apoiados) e quando tan-
tos desgranados caraiosam pelas mas e estradas
deste paiz sem recursos, nio creio qne se possam
chamar despezas extraordinarias essas que se 7a-
zem com expesigSes-e telegraphosi ( Apoiados e
nao apoiad.s.)
Nio- eootesto a & 3xc, mas desde que se trata
de despezas extraordinarias, aquellas que o sao
sao, dsvem ter o seo lngar (apoiado); pois oo se
podiam prever nos ornamentos ordinarios essas des-
pezas da exposigo e dos telegraphos ? (Apoiados.)
Nao ba por coosegninte ecooooia (apoiadosfc.os
orgamenlos que foram apresentados aqu boolem
pelo nobre deputado pelo Rio de Janeiro, como ex-
hibindo-provas de economa por parte do governo
demonstrara o costrario.
A redoegao de despezas cousa que difflcimente
se comprebende. Ouera quizer ulgar dos lacios
com seguranga separe as despezas ordinarias e ex-
traordinarias, elimine o que improductivo...calcule
eom todas essas gtttificagoes qae nunca desappare-
cem dos orgamentos (apoiados),. examine os largos
credilos qae foram abertos e nio foram analysados
pelo men honrado amigo (apoiados), e coegar a
conckisoes diversas.
Nao ba, por tasto, ecooomia, Sr. presidente ; os
factos sio palpaveis, sao claros, basta olSiar para a
somma das despezas nao clarificadas y nio me re-
flro agora ao ejercicio de 1864 a 1865.
Nao ha, Sr. presidente, seguranga, por qne as na-
vas dsatrinas, apregoadas sem duvid no mais loa-
vavel empeos e na mais nobre siseeridade, sio
mollas vezes ama terrivei ameaga qne estremece
fortunas e colloca'em posigao difficU>uma das mais
importantes elasses do psii.
Nao ha seguranga,.por que a seguranga se pode
nascer da f e da conaaoca ; e nas condigoes espe-
ciaes do paiz o direito vacilla e a lei estremece.
Ora, Sr. presidente, para nao citar se sao um
acto, discutireia magna questio do elemento ser-
vil sob o ponto de vista econmico
Sr. presidente, a cmara vio sahlr de seu seto
um documento importante, declarando-em nome do
governo e em aome da maioria que o apoia, que a
emancipagao-era urna oecessidade instante que 96
verificar sem abalo da propriedade. Mas al hoje
Sr. presidente, at boje o paiz Inteiro espera urna
resposta a essas duas perguntas, perguntas que eu
repetir), por qoe irata-se da fortuna e vida de
urna grande parte do imperio, prnoipalmeute da
Babia para o sol.
Parece, Sr. presidente, qse ama resposta cate-
grica se deve dar, e eu em nome dos grandes in-
teresases a reclaaio de S. Exo. Essa expropriaeo
em nome aa moraiidade publica, como a ebamava
um grande orador, refere-se i propriedade eserava,
qoe embora illegitima em saa origem, viveu i som-
bra da lei, ergneu-se i vista de todos os governos,
reponsou na boa t social I
Sr. presidente, en tenho direito em nome do meu
paiz e da minba provincia que me tirou da ohscn-
ridade era que viva para me collocar neste Ingar ;
tenbo obrigagio mesmo de pergunlar ao nobre mi-
nistro, o qaa qaer, o qae pretende, oomo qae se
verificario as medidas de "que se trata, de qae
meios se servir o governo para conseguir os seos
Ins sem abalar a propriedade actual ? Se o go-
terno pretende realisar essa medida na sesaio fn
tura, on em outra, para que faltn neila na sessio
actual ?
Mas o conseibo de estado estods, e o nobre mi-
nistro diz qae esperemos, qae esperemos sempre,
qae esperemos at qae uio possamos esperar mais...
e o nobre ministro conserva-se sempre na mesma
posicio duvidosa, nio diz o que quer! Mas en sei,
senhorei. qae as theorias pbllantroplcas exigem
immediatamente a reallsagio dos seos dselos; mas
en sel tambem qne a nis'oria implacavel em soas
deducc5es I _,, ,
O nobre ministro nada disse nem por oeeasiso de
disentir-so a falla do tbrono ; sempre o silencio I o
qoe quer, o que pretende ? O campo vasto para
a slseossio; que immensidade de theorias, que se-
rie de systemas nio se podem levantar ?l Essa
questio magna agitoa mais de um paiz I O que se
3oer: a emooIpaeiQ immediata, a emancipado
isrida e depois simultanea, a eraancipago gra-
centrar em seus punta de ferro ludo ; a csskrali
sagao sua va em toda parle : no ensino pela uni-
versidade ; na organisagao finaaceira pela organi-
sagao de um graode baoco ; na poltica por meio
de instituicoes erguendo-se urnas a.bre oulras.
O fserrairo que atravessava a Europa, despeda-
cando seeptros e coroas, preci3ava de. om poder
forte e concentrado. *
A escravidio resascila ao lado da glori Fataa. I
contraste 1
A scena mudase ; a fortanaabandona o granjla
bomem. ^J
Aos fulgores da espada victoriosa succede a'ces-
tauragao I Pensis que algum governo velo de
novo atlrar imprudentemente ao pete das assem-
blas a magna questo eacandescenie ? Nio, o seo
procedlmeoto foi oatro : melboron-se a sorte das
colooias, prearou-se promover o desenvolvimeoto
da agrlculiura e do commereio, crearam-se bancas,
animou-secom premios o progresso industrial. O
governo secuadou a accio da sociedada colonial ;
mas nio tratou de emancipar, nao acbava o terre-
no preparado.
Ao goveroo da restaurabas succede o de julho.
Pensis ainda que reviven de sbito aos applausos
da multido, e no meio das alegras de um poder
que se ergua a grande idea ?
Comega entio com cuid?dosa solicitude urna se-
rie de medidas preparatorias. A igaaldade d II-
vres e libertos; o restabelecimento dos eonselbos
colooiaes; a suppressao da taxa das alforrias ; a
creagio do e:tado civil dos libertos em Fringa ; a
determinago dos casos da emancipar/io necesa-
ria ; o recenseamento regular da popoiagio ; a
Instrucgo primarla e religiosa ; tudo emfim sem
arrnldo oceupou a atiegio do governo.
Em 1837 a^parece o 1" projecto, ouve-se urna
commisso, ba um inquerito sobre o esttdo legal
dos escravos e o estado econmico das colonias,
nada esquecido.
Em 4839 a idea contina o seu caminhi, novas
commissoes, novos Inquerilos, sao onvdas as colo-
nias ; o governo vat pausadamente e cora seguran-
ga. Em 180 a questo volta a orna nova commis-
so ouvida.
O duque de Broglie, sen relator, resumi a ques-
to em poucas e eloquentes palavra.
Elle considera a emancpago' sob tres pontos de
vista. Era relaeo ao estado qoe tem de fazer des-
petas e substituir o senhor; em relagao ao escravo
que adquire um nevo estado j em relaeo ao se-
Bfcnr, caja fortuna diminue. A liberdade urna
bella cousa, mas compre noblllta-la. Ser livre nao
ser ocioso e desgragado. ;
O estado deve olbar para as soas creagSes-; as
reformas soeiaes preciwm de tempo para frux;tifl-
car. Como dizia o grande publicista : r Compre
fixar ama-demora, durante a qoal dever-se-h* lo-
mar todas- as medidas para preparar no seio da po-
poiagio eserava a familia pelo casamento, a pro-
priedade pelo peculio, a moral pela reiiga, a n>,
lelligencia pela instrucgo.
Em toda parte nao se decidera quesloBs como
esu de nm jacto : escolbe-se o tempo, a occasio ;
espera-se a poca da madoreza. At nao corre,
confia. Nao se atira qoestdes desta ordem ao vr-
tice das paixdes revoltas inquietando oe grandes
inieresses da sociedade e da Familia. Diz-se o que
se qaer, para qae ninguem se incumba de diz-lo
a seu modo.
Pensemos, sensores, peoseoKvs I"
O nobre ministro nio quer, nio pode qoerer que
as carias de alforrta passadas seto goyerno do meu
paiz se assemelbem a passaportes de miseria, es-
cripia com lagrimas e assignado com sanguc-1
O prejcto de 4840 foi substituido por un serie
de medidas preparatorias, que o-geverno oppuoha
como oecessario adlamento a' obra; qae se preten-
dia foodar em tempe.
Qaando a emaocipago coosegoio trinrapharem
Frangaj foi no dia em qae- ama nova revoluoo se
dava 'ne paiz, mas depois de estados laboriosos de
largos annos.
Na Inglaterra veris qne se dos mesma eoas-,
notai que l, eorao- sa Franca, os poderes do estado
raandavam ouvir os governadores das colonias-m-
teressadas na escravatara, proooravam todos os
dados estatisticos isdispensaveis para a resalwjo
da problema ; nao se disse : vamos emancipar
escravos sem qoe se tlvesse ledos os esclarec-
mentos-neeessarosy.eome, por eseoaplo, a rsopeiie
da popoiagio, o qoe indispensa-vtl para peder-se
calcular a iodemoisaejo.
O numero dos nascimeotos, dos bitos, das-alfor-
rias por testamento-e por doacs; a relagae entre
livres e escravos, e- estre estes qoanto as-oficio
que exercem ; o estado da agnculiura ; ss-esc^a-
reclmemosesstneises para determinar as coodigoas
da grande medida. Todo mais marchar s ce-
gas; perturbar em vez de crear, e em poliHca ha
sonhos perlgosos-f-
Na graode repaWi-.a, qoantss peripecia-T Qae
latas gigantes e- reunidas ? desde o sea comego
esta qaeslo nao- foi someole social, foi tambem
ama questo potttea, alternativa de predominio
entre o sul e o-norte, coja primeira origem esta'
sa propria constituido dos Atados-Unidos j ques
to- lio difflcnltosa que os grandes hoaens da in-
dependencia rocaaram diams de mil embarazos
Pois bem, estodal-a em seos ltimos das. Vde-o
o. mesrao nore ameagado, vde-o amoacado, mas
dirigido por sm grande ksmem ; va-o Intundo
sem desesperar at e nlliato momenio. e contem-
iJai aquello que snecambiA-ao puobal doassassioo
o elevado emancipados minar peto odio, nem pelos sentrnoslos philantro-
,picos, proporcionando es asios a' oecasiio, e so-
mente no.ultimo dia,no.oltimoextiemo, proclamar
a liberdade I
Comparai todo isto oom aquillo ojua veles entre
nos. Ja se onvio a algum presidente de provincia
ao meaos? Ja se pediram algomas inlormages a
respeito do estado das pro'viocias? Sbese^ao
menos aproximadamente, qual o prejuixo queso
soreria, dadas certas circom>taacas? Quaes sao
os dados estatistico. qpe se colhen ?
Da histeria de todos os paizes a concia-o esta :
nio ba emaocipago sem tempo e sem preparaeo.
K' preciso substituir trabalho a trabalho. Isto
nm ponto vencido..
Pois bem, como que os nobres min&ros subs
tituem, ou preparara os breos qne sa-libertas)'
Nada se saoe. Nio se trata da colonlsago, nao se
diz urna palavra a respeito'de semeaantes pontos !
Mas a emaocipago artigo da bandeira !
Colonisagio I r I' Quaes as cotuiigoes ds vida s
de irabalno f \ 1
Examinamos.
Bropridade. propriedade esta,' concentrada
em grandes raaos em algumas provincias do Impe-
rio. o sul raro mesmo encontrar quem nao ts>
aba um pedago di trra.
No norte esta* concentrada em grandes mies,, e
tem urna organisagao especial; nas trras que per-
lencera, a grandes proprielscos trabalham aqueiles
qne sio denominados aggregados. Pois bem,
qual a propriedade ?
Bu nao trato desta ou aquella porgo da eolonos
qse possam ser contratodos por este oa aquello
systema ; fallo das randas correntes, hilo dos
meios de transformar o trabalho da emigragao em
grande para sabsUtoir o srago escravo. I
Aonde tai o governo bascar a propriedade para
fornece-la aos novas solnos ?
A propriedade particular ? Somante por meio de
ama medida violenta, directa oa indirectamente.
(Apoiados). A propriedade publica aonde est f
Esta' longe dos povoados, e onde as estradas ?
Familia.-'Eu nio sei, senbores, quem tem razo;
mas sei qoe e direilo nio d igual para todos. A
historia de algosa projectos o demonstra-
Capitaes ?A onde os vai bascar o sobre minis-
tro para applica-los Nem ao menos existem ios-
tilulgoes qae acompanhem o colono para protge-
lo e aaxllia-lo al o sea estabeleciments t
Quaes sio, pois, as condigsss desta soobada
sobslitnigio ?
Eu, Sr. presidenta, lambem soa emancipador,
mas emancipador sem esqoecer os grandes e vas
tos loieresses do paiz. (Apoiados). Nao quero
qos a emaocipago sm ves de nm beneficio seja
ansa desgraga para todos. ( Muio bem).
E' por isso qae me opponbo a' idea. Se o sobre
ministro tratasse ds preparar o terreno, dorante 40
ou 60 annos, e depots desse tempo viesse a's eama-
rai s dlssease : Decretemos s emascipagao dos
escravos, en seria o prlmeirs a bem diss as
ministro e a dar-lhe o atea soto. (Apoiados).
Deelaracoes vasas, como as qne se flssrsm na
falla do tbrono, aiotanw saals reparavsis
a proposta, porque
paiz, e nao se ca-
igo : espero qae S. Exc. decla-
re peraote a cmara qnaas sio as opinioes do go-
verno a tal respeito.
Nao julgue a questo alheia
a proposia auppde recursos no
braro Impostes sem trabalho. Se o trabalho nio
crescer na proporgio necessana, entio os impos-
tes serio novo onns, quasl sem proveto. O no-
bre ministro sabe qoe o braco escravo que ali-
menta toda a fonte de exportago. ( Apoiados).
Os gneros de nossa exportago sio o fructo da
cultora do brago escravo. f Apoiados).
O Sr. Martinho Campos : Quasl exclusiva-
mente.
O Sr. Toscano dr Brito : Ha
provincias no
norte do imperio aobde o brago livre exporta.
((la ostros apastes).
O Sr. Josa Boswacio : Bastara' tomar am le-
ero para se ver se tenbo razio : por quem cul-
tivado entra nos o caf em quasl toda a saa totali-
dade ? E o caf sem davlda o genero mais im-
pertante da nossa exportago.
Sr. presidente, no estado ds caocaso a qua eos-
guel soa obrigado a terminar, calando outras coa-
slderagrjas que tioba de fazer.
Pago ao nobre ministro que me desculpe se por'
ventura algama palavra pode esespar-me, que o
ferisse da qualquer modo, porque nao foi este,
nem poda ser o meu fim.
Na vida poltica, como oa vida privada procuro
sempre guardar am terreno neutro, onde possa
apenar, ;em envergonbar-me. tanto a mi de meus
amigos, com o a de meas adversarios. Na vida po-
ltica sempre Qz timbre, sem afastar me do eum-
priraento dos meus deveres, de respeltar todas as
regras de cortesa honrando a independencia do
pensamento albeio, e com tanto mais esforgo e fago
agora, quanto bem possivel que seja eu quem
erre, e S. Exc. quem acert.
Do que nos cerca, quasi sempre triste desillusao
da sorte, todo vai-se ; preciso conservar o qae
se pode guardar. ( Moito bem ). Suchos de glo-
ria 7 Desapparecero, com a ventana das paixoas,
ou com o invern das idaes. (Apolados).
Ambicio da poder ? Quera las sentio ja' o sa-
bor, que nao seotisse tambem o travo de fel no
fuodo da taca I Popularidad^ I' popsiandade I Ma-
cauley a desomroara, oteando com pasmo para a
historia, a prfida encantadora-das mil e ama noi-
tes que puna- o sens amantes sob as formas as
roals repulsiva pelo grande crtme de t&la encan-
tado um momento, (Muito bem).
Sr. presidente,.feli7.es daquellerqne podem gsar-
dar al o derradeiTo momento a f- dos-seas pri-
meiros anuos e a crenea de toda a sua vida. (Apoia-
dos ). Fol por amor della que combat ao lado do
nobre ministro da fasanda, ainda por amor della
e era xuraprimeoto do men dever, qse oceupci boj
a tribuo, achaudo-me era lado epposto ao de S.Esc
( Muito bem ; mullo bem).
(u oradora felicitadoecomprimenlsdo por quasi
todos os Srs. depotados )
O Sr. Zauarias (presidente do cooselbo. Atten-
go) : Sr. presidente, a miaba obrigagio neste
debate circoms:revendome o mais possivel a'
materia sojeHa, rectificar as inexactas ai>reciagoas
que aqu se em feito a resoeito do estado tbesouro
nacional, e por outro lado sustentar como mais ade-
qmado a's clreamstancias o meto lembrado na pro-
posta para o governo fazer faee ass seus empeaos.
Voa cumpnr o mea dever,- Sr. presidente, aio
com ministro, qualrdade qoe me knpde o dever de fazer
ams-apreciago- retrospectiva de diversos discursos
pronunciados a respeito do assomoto.
Neo pense a cmara qoe vou apreciar todos os
discursos; se nao' alguns, e ainda esses smenta
nos pontos priocipaes. Ja' respond ao nobre de-
putado pela provincia do Rio de-Janeiro que enea-
tou este debate, mas com a psMea$ao do sea dis-
curso tivjuei inteirado de que alguns pontos tlaham
escapado a minba. primeira resposta,
Devo, pois, coutecar por elle depois responderei
a algsos dos tpicos do discorso do nebre depatado
tambera pela provincia do Rio de Janeiro, o esti-
mavel autor da Historia da Fa%dacas)o Imperio,*
esta' claro qua em seguida hei de lomar em consi-
derag do discurso do nobra deputado pela pro-
vincia ds S. Paulo os tpicos mals-essesciaes.
Respoodendo-lbe, Sr. presidente,, bel de fue-lo
de med qne as :oni;scenAenc:3S do coragia ce-
dam a's severas aspiragoas da canteiencia, oomo
o nofcre deputado fez, pronnneando-se contra o
ministerio, a cuj -. frente se acba am amigo que
tamo o eslima e aprecia. Se nao responder boje a
todo i discurso do nnbre depatado,. a eamara ava-
llara' qoal o motivo ;&Exc falteu tres largar ho-
ras do -tantas cousas, cou tantos- doeomeotos, que
me -impossivel na ultima hora da sessio acompa-
nba-to-es; todas ae-oSnervagdes qoe fes.
Sr. .presidente, nu seo discurseo nobre deputado
pela provincia do Rio- de Janeiro qne comeeou o
debate, ha vi a aseverado que a lai da 12 de setem-
bro da 1866 era. urna lei tiaanceira. Ha nessa
aprioiagao um engao: a lei de l de setembro
nio s ama lei fioanceira, mas urna lei balearia,
qne te-ve por txn estancar a emissio do basco do
Brasil, e nao pronoruiosar recursos ao goverao.
Pe os a o nobra/deooiado que- a lei tanto era fi-
naaceira que aaisnswi tres operagoes parai occor-
rer ao dficit do exercicio da 18651866^ Ora,
moslra-se Imraediatamente qp.e a Importancia de
11,000:0JO^OOC destinada a pagar ao banco o res-
gate do papel-moeda, que elle Savia retirado da.
cireulago segundo a lei da sua mstiluigc-, nio foi
esa recurso para o governo.
O Sr. P. db-Socia :Eu nio disse Isss.
O Sr. Presums do Co.tshjw :V. &c* mea-
donando as operag5as aotorisadas pela lei para,
ioceorrer ao dtficit de 18651866, conlemploo a.dfr
11,000:0005000, acerescentando:
O resultado desta operagio nio poda ser oa-
tro seoio repor as coasas uo estado anterior a>ea>
ecucSo da le de 5 de julho de 1853, qoe deu logar
a creagao, do banco do Brasil. Logo, eonfessa
que nio era recurso para, 186318G6 a opecacio
dos 11,000:000*000.
O Sr. Josk Bonifacio.:Eu nao disse tal*
U Sr, Presidente do.Conseuk.:V. Exc. com-
prebenden meibor a lei. Eu retjro-me ao nobre
deputado pelo Rio de Janeiro, o qual sugsondo que
a lei ds 12 de setembro urna tai finaaceira, en-
tena* que ella propoi-se dar recursos ao governo,
qaando o sea flm foi por termo a emis;io do ban-
co do Brasil, fornseendo apenas- accidentalmente
alguns recursos,a importancia, das letras do tbe-
souro existentes na cartelrs do banco e a da da
reserva inetallica, do mesmo- sauce, mas nao a dos
H^)00:000000j como pareceu. inculcar o nobre
deputado, ncluisdo-a no numero das tres opera-
goes que diz aatortsadas pela le para faasc faca
ao dficit do. exercicio ds 48851866.
Na discnsso do senado patenteou-se aae essa
le nio passava em soa substancia de otas lei des-
tinada a reprimir a emisso do baoco do Brasil;
que nao era urna lei de recursos, para, o governo
fazer a gosrra, e por conseqqancia que sao era
Dma lei noaaceira.
Era esse um dos pontos que me tiabam escapado,
quando respond ao nobre depulado pela provincia
do Rio de Janeiro. Faltou-me tambem considerar
meibor o atvitrs qne exhibi para evitar a emisso
do papel-moeda, alvitre qos vi meibor desenvolv*
do no ssa discarso. -#
O Sr. P. de Souza : Ea nio alterei o qoe
disse.
O Sr. Presidente do, Cossklho :Mas depois
que foi publicado o sea discarso, qae ea meibor
pode conslderi-lo.
O Sr. Buahqur : Todos entendern que era
am emprestimo toreado. -._...
OSr. Psesibints na Consblho: Senbores,
compre que eu volts a esle remedio, 11 ssie.grande
recurso do nobre depulado. O meo^trabalho ja-
cii: o nobre denotado pela proviuola de S, Paulo
iMumJKods refutar o famoso expediente do no-
bTsSpuUdo pelo Rio deJane.ro a que todos 03
M i^bato. adberiram, explieaudo-o, oa modlscan-
io+ msis ou menos. Ea aceito do sobre deputado
Mla provincia de S. Paulo essa parte do seo dis-
curso, e offereco-a como resposta ao nobre deputa-
do pela provincia do Rio de Janeiro, e aos qae
adoptara o seo alvitre,
O S. P. m Souza : Ea tomarei em conside-
rsgao.

dlversldade de cmln.&Q, qoe flifJrto^a 1
. 1

\-
(Confinusr-sf-na.)
K
"TYs. DO DlRl-RA DAS CRZES N. U. ^
fsl


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E303CQFNI_JNQ99U INGEST_TIME 2013-09-05T04:19:27Z PACKAGE AA00011611_11345
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES