Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11319


This item is only available as the following downloads:


Full Text

m
ANNO XLUI. NUItfEBO 162.
PASA A C1FIT VI, K LKaBES ONDE SE NAO PAA POBTE,
PtrlraiaeiMaliiitalM^. J. ........... 6*000
Fdrsus altos Um.. .1 ,i .-} .-, ., ,, M .. #1 .,-r, .. s QOO I
DIARIO DE
QUINTA FEIRA 18 DE JLHO DE 1867.
PAB1 DE.MBO E FOn.l DA PBOYINCIA.
Por tres meiei iiutidM.-. rr m rr r.; ,. v lV r. r"r ..
Hr seis dt.s idem. rr ..............................
Per nove ditos idea........................... _......
Per uum idea.. .. .. .,,.................. #< ##
W750
13,5500
2G025O
274000
3SU(BSJ32 212 IPianIBIBD RD ISMIPDIHIKD D)3 UIIKDM UIIUliaD ID3 9M1A IIIMD8, 8313 IPKDIP133ffM(D3a
IBNCARBEGADOS DA SUBSCRIPTO.
Par aby La, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva ; Aracaty,
oSx. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. Joaqaim
Cose de Oliveira; Para, os Srs. Gerardo Antonio
Alves & Filbes; Amazonas, o Sr. Jeronymo da
Costa; Alagoas.o Sr. Francino Tavares da Costa;
Bahia, o Sr. Jos Martins Alves: Rio de Janeiro,
o Sr. Jos Ribeiro Gaspannho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estaroes da va frrea al
Agua Preta, todos os dias.
Igoarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Anto, Gravati, Bezerros, Bonito, Caraar,
Alucino, Garanbuns, Buiqne, S. Bento, Bom Con-
selho, Aguas Bellas e Tacaral, as tercas-feiras.
Pao d'Albo, Nazaretb, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
legazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa-Vis-
ta, Oarieary.Salgneiro e Ex, as quartas feiras I
Seriobem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Bar-
reiros, Agua Preta e Pimenteiras, as quintas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAE8 DA CAPITAL.
Tnbnnal do eommereio : segundas e quintas.
Rela;o : tercas e sbados s 10 horas.
Fazenda: quintas as 10 horas.
Jolzo do commerc/o : segundas as 11 horas.
Dito de orphos : tercas e sextas s 10 boras.
Primeira vara do cirl: lergas e sextas ao mel
dia.
Segunda vara do cival : qnartas e sabbades a
1 hora da tarde.
EPHEMERIDES DO MEZ DE JULHO
1 La nova as 6 b. e 56 m. da t.
8 Quarto cresc. as 2 h. e 39 m. da t.
16 La cbeia as 6 h. e 4 m. da t.
24 Quarto ming. as 14 b. e 34 m. da m.
31 La nova a 1 b. e 52 m. da m.
^
DAS DA SEMANA.
15 Segunda. S. Camillo de Lellls fundador.
16 Terca. Nossa Senhora do Carmo.
17 Quarta. S. Marioba v., S. Aleixo, S. Vertnla.
18 Quinta. S. Roflne b., S. Sympboreso-.
19 Sexta. S. Vicente de Paolo fundador.
20 Sabbdo. S. Elias prof., S. Margarlda t. m.
1 Domingo. S. Henrlque imperador.
PREAHAR DE HOlR.
Primeira as 3 boras e 4? a>. da taris.
Segunda as 4 boras 6 tai utos da raanba.
PARTIDA DOS VAPORES COsTElROS.
Para o sal at Alagoas a 14 e 30; para o norw
at a Granja a 15 e 30 de cada mez; para Fer-
nando nos dias 14 dos mezes Janeiro, marco, maij
julho, setembro e novembrc.
*
PARTE OFFIGIAL

y
:
1 /






E -'-"-
-:-
I
I *

!'
I. 1-
MINISTERIO DA JISTIC A
DECRBTO N. 3,900 DE 26 DE JUNHO DE
4867.
Regula o juizo arbitral do eommereio.
Hei por bem, de conformidade com a
3utorsa?o concedida pelo artigo 3o da iei
n. 1,350, de 14 de setembro de 1866, de-
cretar o seguate:
Art. Io Fica derogado o jaizo arbitral
Becessario, estabelecido pelo artigo 20, ti-
tulo nico do cdigo commercial.
Art. 2o O juizo arbitral ser sempre vo-
luntario, e pode ser instituido antes ou na
pendencia de qaalquer causa ; em Ia ou 2a
instancia, e at mesmo depois de interposta
ou concedida a revista.
Art. 3o 0 juizo arbitral s pode ser ins-
tituido mediante o compromisso das partes.
Art. 4o Podem fazer compromisso todos
os que podem transigir.
Art. 5o O compromisso oa judicial ou
extrajudicial.
Art. 6o O compromisso judicial pode ser
feito na conciliario, ou durante a demanda,
perante o juiz ou tribunal onde ella pender,
e por termo nos autos.
Art. 7o O compromisso extrajudicial pode
ser feito por escriptara publica, ou por es-
cripto particular, -assignado pelas partes e
duas testemunbas.
Art. 8o O compromisso deve conter, sob
pena de nullidade.
Io Os nomes, pronomes e domicilio
dos arbitros.
| 2o O objecto da contestado sujeila
decisao dos arbitros.
Art. 9a A clausula de compromisso, sem
a nomeaclo dos arbitros, ou relativa a ques-
toes eventuaes nao vale senao como pro-
messa, e ca dependente para a sua per-
feic5o execuco do novo e especial accordo
das partes, nao s sobre os requisitos do art.
8a seno tambem sobre as declarares do
art. 10.
.., Paragrapho nico. Esta disposigo ex-
tensiva aos estatutos das companhias ou so-
ciedades anonymas.
Art. 10. Alna dos requisitos essenciaes
do art. 8 podem as.partes accresceatar no
compromisso as segoiotes dedaracSes:
.1 O prazo em que os arbitros devem
dar a sua decisao.
| 2 Se a decisao dos arbitros ser execu-
tada sem recurso.
| 3o Apena convencional que pagar
butra parle aquella que recorrer da decisao
arbitral, nao obstante a clausula sem re-
curso.
A pena convencional nunca ser maior
que o terco do valor da demanda.
4o Autorisaco para os arbitros julga-
rem por equidade, independente das regras
e formas do direito.
5 Autorisaco para nomeaclo de 3o ar-
bitro.
Art. 11. Apena convencional estipulada
no compromisso ser demandada quando e
como determinara os art 66 e 70.
Art. 12. As partes devem no compromis-
so nomear um ou dous arbitros, e tambem
os respectivos substitutos, se isto Ibes aprou-
ver.
Art. 13. E' tambem livres partes no-
mear o 3 arbitro para o caso de divergen-
cia, ou autorisar aos dous arbitros para
essa nomeaco.
Art. 14. Se as partes nao tiverem nomea-
do o 3a arbitro, nem autorisado a sua no-
meaco, a divergencia dos dous arbitros ex-
tingue o compromisso.
Art. 15. Podem ser arbitros todas as
pessoas, que merecerem a confianca das
partes.
Exceptoam-se:
1* Os surdos-mudos.
2. Os cegos.
f 3 Os menores.
4o As mulheres.
5o Os interdictos.
6o O analpbabeto.
7 O estrangeiro que nao souber a lin-
gua nacional.
8 O iaimigo capital.
I 9 O amigo intimo.
1 10. O prente por coasaoguinidade ou
afinidade at segundo grao, ontado por
direito cannico.
U. O que tiver particular interesse na
decisao da causa, como o socio, o advogado,
o procurador e o dependente de qualquer
das partes.
Art. 16. Todava, podem ser arbitros as
pessoas designadas nos paragraphos seguin-
tes, nD obstante a razio de suspeiclo, sen-
do esta razio conbecida pelas partes e ei-
pressamente declarada no compromisso.
5 1 O amigo commum.
2o O parate entre os parentes.
Art 17. Podem tambem ser nomeados
arbitros:
| 1 O jaiz de paz no acto da concilia-
pao.
2a O juiz de primeira instancia, \
3 Qualquer membro dos tribunaes su-
periores.
Art. 18. Tem lugar a disposigo doarli-
jgft antecedente, anda que pelo compro-
wisso os arbitros tenham poder parajulgar
independentemente das regras e formas do
direito.
Art. 19. lostitnido o juizo arbitral por
compromisso judicial ou extrajudicial, co-
megar a causa perante os arbitros no-
meados.
Art. 20. Se j a lide etiver pendente,
jauto aos autos o compromisso judicial ou
extrajudicial, ou assignado o termo pelos
compromittentes, o juiz do feito ordenar
ao escrivo que devolva os autos ao juizo
arbitral, sem dependencia da intimaco das
partes.
Art. 21. Se a causa se achar na segunda
instancia, ou interposta ou j concedida a
revista, ser a petico para ajuntar o com-
promisso dirigida, no primeiro caso, ao pre-
sidente do tribunal do eommereio ; no se-
gundo caso, ao mesmo presidente ou ao do
supremo tribunal de justiga. se j o recurso
tiver sido ahi aposentado : e no lerceiro,
ao presidente do supremo tribunal ou ao
do tribunal revisor, se j ahi estiverem os
autos da revista.
Art. 22. Em qualquer dos casos do ar-
tigo antecedente, os respectivos presidentes
mandarlo autoar o compromisso e mais
papis que acompanharem a petico, orde-
nando que os autos sejam devolvidos ao juiz
competente, para ter lugar o juizo arbi-
tral,
Art. 23. Nao havendo tempo marcado
para os arbitros darem a sua decisao, ser
este de dous mezes, a contar ida aceitar\o
expressa ou tacita dos mesmos arbitros.
Art. 24. O praso legal ou convencional
para decisao arbitral pode ser prorogado,
por expresso consentimento das partes,
com tanto que a prorogaco tenha lugar an-
tes de expirado o primeiro praso, sendo
junto aos autos o documento respectivo.
Art. 25. Os arbitros nomeados aceitarlo
ou se escusarlo dentro de oito dias, depois
que Ibes f6r notificada a nomeaclo, e se
nesse praso nada disserem, julgar-se-ha te-
rem aceitado.
Art. 26. Fica extincto o compromisso :
Io Divergindo os arbitros, se no com-
promisso as partes nao tiverem nomeado 3*
arbitro ou autorisado a sua nomeaclo
(art. 14).
2 Escusando-se qualquer dos arbitros
antes de aceitar, nao havendo no compro-
misso substituto nomeado.
3 Fallecendo ou impo9sibilitando-se
porqualquer modo antes da decisao algum
dos arbitros, se no compromisso olo hou-
ver substituto nomeado.
4o Sendo jolgada procedente a recnsa-
Clo de algum dos arbitros, nao havendo no
compromisso substituto nomeado.
5. Tendo expirado o praso convencio-
naou legal (art. 10 Io e art. 24).
% 6o Fallecendo alguma das partes, sendo
algum dos berdeiros menor.
Art. 27. Em qualquer dos casos do ar-
tigo antecedente, reverterloosau&saojui-
xo ordinario, se j houver causa pendente
para proseguir nos termos ulteriores, ou
proporlo as partes as accoes que julgarem
competir-lhes.
Art. 28. Depois de aceita a nomeaclo
expressa ou tcitamente (art, 25) nao pode-
rlo os arbitros escusar-se ao encargo que
receberam.
Art. 29. Terminado o prazo marcado
para a decisao da causa (art. 26 5o). po-
der o juiz^puoir com mulla de 1 a 5 0|0
do valorCda causa, e prislo de 8 a 20 dias, o
arbitro gue for convencido de concluio com
urna das partes para demorar a decisao ou
frustrar o compromisso.
Art. 30. Este julgamento ser summario;
ouvido o aecusado por escripto sobre a pe-
tico e documentos da parte, dentro de tres
dias improrogaveis, inquiridas verbalmente
as testemunbas, se as houver, o juiz proiri-
r a su i sentenga por escripto, como de di-
reito for.
Desta sen'.enca compete aggravo de peti-
Cao ou de instrumento.
Art. 31. Feita a nomeaclo dos arbitros,
s por commum accordo das partes poder
ser revogada.
Art. 32. S poderlo os arbitros ser re-
cusados pelas partes por causa legal posterior
ao compromisso, salvo se delta nlo tinbam
conhecimento, e jurarem ter chegado sua
noticia depois da nomeaclo.
Art. "33. Sao causas legaes de recusado
dos arbitros todas as enumeradas no art. 15;
e proposta por escripto ser julgada na for-
ma do art. 196 do rgulamento n. 737 de
1850.
Art. 34. Acceita a nomeaclo (art. 25), os
arbitros nomeados ordenarlo, por despa-
cho, que as partes deduzlm sua intenclo
nos termos que serlo marcados segundo a
difficuldade e complicado do negocio e nlo
poderlo exceder de 10 dias para cada
urna.
Art. 35. O escrivo far os autos com
vista ao advogado de cada urna das partes,
e (indo o termo, os cobrar, com raz8S ou
sem ellas.
Art. 36. Quando alguma das partes nao
tenha advogado, poder no praso marcado
appresentar assignadas as suas allegarles
com os documentos respectivos, indepen-
dente de vista dos autos.
Art. 40. As testemunhas serlo inqueridas
pelas partes que as produzirem, seus advo-
cados ou procuradores, na presenga dos
arbitros, no dia, lagar e hora marcados pelo
escrivo, com intimaco das partes, ou seus
procuradores.
Art. 41. No juizo arbitral serlo admitti-
das todas as provas admissiveit no-juizo or-
dinario.
Art. 42. Findo o termo probatorio, serlo
os autos condados aos arbitros em commum
por cinco dias, para os examinar, dados os
qaaes declararlo por quota se os acbam em
estado de ser julgados.
Art. 43. Se qualquer dos arbitros enten-
der que a questo nlo est suficientemente
esclarecida, poder mandar proceder ao
exame ou d'ligencia que julgar conveniente,
e mesmo ao juramento de alguma das par-
tes, para ajada de prova.
Art. 44. Qualquer d'estas diligencias,
pode tambem ser feita a requerimento das
parles, se alguma deltas o requerer, at
encerrar-se o termo probatorio.
Art. 45. Se os arbitros entenderem que
a causa se acha em termos de ser julgada,
assim o declararlo por despacho, mandando,
que sellados os autos, se Ibes fa?am conclu-
sos, para sentenca Anal.
Art. 46. Os arbitros julgarlo de fado e
de direito, conforme a le e as clausulas do
compromisso ; salvo se no compromisso
(art.10 4o) as partes os autorisarem para
julgar por equidade, independentemente das
regras e formas do direito.
Art. 47. Quando os arbitros tiverem po-
deres para julgar por equidade, indepen-
dentemente das regras e formas do direito,
poderlo prescindir do processo estabelecido
nos artigos antecedentes, e darlo a sua de-
cisao, ouvindo verbal e summariamente as
partes e testemunhas ; reduzindo a termo
os depoimentos das testemuohas e admittin-
do os memoriaes qae as partes offerece-
rem.
Art. 48. A sentenca dos arbitros ser
datada e assigoada em commum se concor-
darem, ou separadamente, se discorda-
ren).
Art. 49. Se concordarem em parte, e
em parte discor darem. poder o rra mes-
nw sentenca declarar aquillo em que con-
cordara, e aquillo em que discordara.
Art. -50. Se occorrer divergencia entre
os arbitros, e no compromisso as partes
nlo tiverem nomeado 3o arbitro ou autori-
sado a sua nomeaclo o escrivo far os
autos conclusos ao juiz, para declarar ex-
tincto, o compromisso. (Arts. 14 e 26,
1.)
Art. 51. Se pelo compromisso estive-
rem os arbitros autorisados para a no-
meaclo do 3o arbitro, o escrivlo far os
autos conclusos aos mesmos arbitros, para
a nomeaclo-do 3o arbitro.
Art. 51. Os arbitros, conferenciando en-
tre si, declararlo por despacho datado e
assignado em commum, ou a nomeaclo do
3o arbitro, ou a sua discordancia sobre
essa. nomeaclo.
Art. 53. Dada a discordancia entre os
arbitros sobre a nomeaclo do 3o arbitro, o
escrivo proceder nos termos do art. 50.
Art. 54. Havendo 3. arbitro nomeado
pelas partes, ou pelos arbitros, o escrivlo lbe
far os autos conclusos, para desempatar.
Art. 55. O 3. arbitro ser sempre obr-
gado a conformar-se com a opinio de um
dos arbitros; podendo, todava, se a decisao
versar sobre questes diversas, adoptar em
parte a opinilo de um ou outro sobre cada
um dos pontos divergentes. .
Art. 56. Para decidir, dever o-3. arbi-
tro conferenciar com os outros discordantes,
que para isso serlo notificados, e somonte
decidir por si nlo se reunindo os arbitros
no prazo marcado para a conferencia.
Art. 57. Nestas conferencia? poderlo os
arbitros discordantes modificar a sua opi-
nilo no todo ou na parte, em que discorda-
rlo, e do que se vencer entre lles plu-
rald.de se lavrar sentenca, por todos as-
signada.
Art. 58. O terceiro arbitro dar a sua de-
cisao na forma determinada nos artigos ante-
cedentes, dentro do prazo d 20 dias, conta-
dos da publicaco da sentenca dos outros
arbitros, se nlo fr outro prazo marcado
para este Qm no compromisso, oa se nlo
fr renovado por mntuo accordo das partes.
Art. 59. A sentenca arbitral s pode ser
executada depois de homologada.
Art. 60. A sentenca arbitral proferida
pelo juiz da 1.a instancia ou por qualquer
membro dos tribunaes do eommereio, quer
como arbitro nico e commum das partes,
quer intervenha qaalquer ;delles somonte
como arbitro nomeado por urna dellas, ser
executada independentemente de homologa-
Clo.
Art. 61. A sentenca arbitral nao aprovei-
ta nem prejudica a terceiro, que nlo assig-
decidir se o caso de appellaclo, nlo obs-
tante a clausulasem recurso.
Art. 65. A el msulasem recursonlo
obsta a appellaclo:
i. Sendo nullo ou extincto o compro-
misso.
2. Escedendo os arbitros os poderes
conferidos pelo compromisso.
3. Preterindo os arbitros as formas es-
senciaes do processo.
Art. 66. Decidido o tribunal superior que
nao houve algum dos casos referidos no arti-
go antecedente, nlo tomar conhecimento da
appellaclo.
Art. 67. Decidindo.porm.otribunalque
o compromisso nullo ou extincto, julgar
milla a decislo arbitral, e mandar que se
proceda na forma do art. 27.
Art. 68. Outrosim, decid indo o tribunal
superior que os arbitros excederam os seus
poderes, julgar nulla a decislo arbitral, e
mandar que os arbitros decidam de novo a
causa, salva a disposico dos arts. 24 e 26
5..
Assim se proceder tambem quando o tri-
hunal decidir que houve preterida o das for-
mas essenciaes do processo.
Art. 69. Em qualquer dos casos dos
arts. 67 e 68, a pena convencional ficar sem
effeito.
Art. 70. A pena convencional, no caso do
art. 66 ser demandada por acclo de dez
dias.
Art. 71. Se a causa j pender em juizo
ordinario, contiauar a escrever no juizo ar-
bitral o escrivlo que era do feito.
Art. 72. Se a causa comecar logo no juizo
arbitral escrever no feito qualquer dos es-
crives do civei a quem tocar por distribui-
do, a requerimento do autor.
Art. 73. Ao juiz que presidir o juizo ar-
bitral compete:
1. Proceder s diligencias quelhefo-
rem requeridas para instituirlo do juizo ar-
bitral. (Art. 19 e seguales.)
2. Impr a pena marcada po art. 29.
3. Conhecer da reeusaco dos arbitros.
(Art. 32 e seguintes.)'
4. Homologar e execotar as senlencas
arbitraos,
5. Providenciar sobre todos os inci-
dentes qe depeoderem de jarisdiccSo.
Art. 74. O juiz de 1.a instancia do domi-
cilio das partes compromittentes, ou de urna
dellas, quando fr diverso, qual fr por ellas
escolhido, ser o competente para presidir
ao juizo arbitral.
Art. 75. Continuarlo a ser julgados con-
forme o cdigo do eommereio os processos
do juizo arbitral necessario, comecados an-
tes desle rgulamento, estando j os arbitros
nomeados e lendo aceitado.
Art. 76. Ficam revogadas as disposices
em contrario.
Marti m Francisco Ribeiro de Andrada, do
meu conselho, ministro .e secretario de esta-
do dos negocios da justiga, assim o tenha
entendido e faga executar.
Palacio do Rio de Janeiro, em 26 de ju-
nho de 1867, 46. da independencia e do
imperio.Com a rubrica de S. M. o Impe-
rador. Martim Francisco Ribeiro de An-
drada.
GOMMNDO DAS ARMAS.
Q>mtf 1 general do eommaado das armas de Per-
nambueo ia cidade do Recite, 17 de julho
de 1867.
ORDEM DO DIA N. 364.
O brigadeiro com mandante das armas tu publi-
co a guarnigo para os dividos effaitos, que a presi-
dencia communicou em offlcio de boatem datado,
ter sido approvado pelo'ministerio da guerra, se-
gundo lbe foi declarado em aviso do 1* do crrante
mer, o arbitramento de 380 rs. para a elapa, de
73 rs. para o pao alvo dos doentes das enfermaras
militares, e de 800 rs. para a forragem durante o
siraesire de julbo adezembro do presente anno.
(Assignado) -Joaquim Jos GotiQilvet Fontes.
Esta conforme__Emiliano Ernesto de Mello
Tambortm, tenente-ajudantedeordens encarregado
do detalbe.
INTERIOR
Art. 37. Se alguma das partes nlo alie-' nou o compromisso ; mas os herdeiros e
> _*v. _____... .._- .-.._-_*---- mam onorn\?cr\va liic rtnn a i.^irrniraiTl raonAndnnt
gar ou nlo ajuntar os seus documentos nos
prazos marcados, ir por diante a causa; e
nlo se juntarlo depois, salvo se nisto con-
vier a outra parte.
Art. 38. Quando a causa precisar de
maior discusso, ou o reo com a sua con-
testaclo ajantar noyos documentos, de que
o autor nao tenha feito menclo, poder con-
cederle ao autor para replicar, e ao reo
para triplicar, novo prazo, que nunca exce-
der de cinco dias.
Art. 39. Terminados os prazos, se as
partes ou alguma dellas protestou por pro-
va testemunbal ser marcada para isso urna
s dilaclo, que nlo poder ser maior de 10
dias,
successores dos que o as'sigaaram respondem
pelos seus resultados, e sao obrigados a cum-
prir tudo a que seriam obrigados aquellos a
quem succedem, anda que sejam menores,
ou outras quaesquer pessoas, sujeitas cura-
tela.
Art, 02. Se o compromisso nlo conliver
a clausulasem recurso appellando algu-
ma das partes ser a causa decidida em
2.a instancia pela forma e modo por que
slo julgadas as causis da jurisdiclo ordi-
naria.
Art. 63. E' livre s parles, sob sua res-
ponsabilidade, appellar da sentenca arbitral,
nlo obstante a clausula-sera recurso.
Art. 64. A,o tribunal superior compete
BIO DE JANEIRO
10 de julho de 1867.
Fol bontem apresentado na cmara dos depata-
dos o seguinta parecer :
A 1." commisso de ioquerito, lando examina-
do as actas e informales relativas s eleicoes das
fregoeiias do Assu', Angicos, Sant'Anna de Mallos
e Apody, da provincia do Rio Grande do Norte,
em qne bnuve duplcalas, e cajo conhecimento fleoa
adiado, passa a emiitlr e sen parecer em relacao a
coda ama dellas.
< Freguezla do Ass.
i Houve oa igreja matrit no dia e hora designa-
dos pela le urna eleic&o regalar, a que comparece-
ram todos os eieitores e supplenies, excepcao so-
monte de um oa outro, que se acbava mudado ou
navia fallecido ; seodo presidida pelo 1.* jaiz de
paz do distrlcto da Vanea, o mais visinho ao da
matriz, em razio de n5o haver comparecido nenhum
dos juizes de paz do districto da paroebia.
Esta eleicao correa e foi concluida com todas
as formalidades legaes, sem nanhnma reclamacao,
ou protesto, as respectivas actas, nem representa-
Sao algoma, de qae constem irregularidades em
sen processo e andamento.
. Eotreanto, o 1. juiz de pai, por um mane)o
visivelmente fraudulento, allegando fantasuda
coaeco, qae oio provou, smala ontra elelco na
casa da cmara sem o eompareclmento de um s
eleitor ou supplente, e organisando a mesa com os
2. e 5." votados para juizes de pax da paroebia,
ao passo que quallnca de clandestina a eleicao re-
galar a qae elle mesmo eonfessa esur-se proceden-
do na matriz, e de multar os eleltore e supplentes
que sua propria acia declara bavtrem comparecido
e acharem se faoceioaando all I
i Semelbante artefacto, manifestmente fraudu-
lento, nao pode prejndlcar a eleicao da matriz, cu-
ja legitimidada alias foi ja recoobecida pelo colle-
glo eleltpral coir.posto dos eieitores de tres fre-
Suezlas, entre, as qaaes figurara os de Campo-Gran -
e, em que nao houve duplcala, e que filo toram
contestados por modo algum, assim oomo pela c-
mara mdoicipal aparadora Q> jjplUkl da provincia,
que se deve presumir conhecedora do processo
eleitoral da mesm provincia e com fundamento
legitimo para a preferencia qae lbe deu, sendo
qe alm disto lbe nao foi dirigida reclamacao al-
guma.
- Fregosla a> Angicos. -
< Iljuve tambsm nesta fregnezia nma eleieo
regalar no corpo da Igreja nutrir, presidida pelo
1.* juiz de paz do quatriennio passado, e organisa-
da paroebia, a qual foi eonciaida sem contesiago
aigoma nao constando das respectivas actas
nenhuma reclamagao ou protasto-.
A legitimidade da presidencia do l. juiz de
paz do quatriennio passado flrma-se em acto ante-
rior do presidente da provincia, que, em conse-
quencia de representaco documentada contra a
eleicao de vereadores e jaizes de paz do quatriennio
corrate, annalloa a dita eleicao, submettendo sua
decisao ao conhecimento do governo imperial, na
forma da Iei.
O individuo, porrn, qne flgurava como 1-*
juiz de paz do actual quatriennio, desobedecendo
ao acto regular do governo, forja arrojadamente
actas de ontra eleicao como tendo logar no mesmo
corioda igreja matriz, onde, segando as Informa-
cSas do presidente da proviocia, baseadas em at-
istales da parocho da fregnezia e de outras
pessoas qualificadas, nao houve senao a eleicao le-
gitima.
< Nao passa, portanto, essa snpposta eleicao de
um manejo clandestino e criminoso, que como tal
foi igualmente repudiado pelo respectivo collegio
eleitoral do Ass, bem como pela cmara munici-
pal apuradora.
Freguezia de Sant'Anna de Maltos.
< Desta fregnezia vieram igualmente actas em
dupiieata, como se duas eleicoes se tivessem feilo.
Urna, porm, teve com effeito lugar regular-
mente no corpo da Igreja matriz, presidida pelo i."
juiz de paz do quatriennio corrente, que o tam-
bem do passado.
< Tendo, entretanto, bavido all igaalmente du-
plcala na eleicao de vereadores e juizes de paz, a
que se procedeu a 23 de dezembro do anno passa-
do, por baver o governo imperial annullado a qae
se lizera anteriormente, e tendo o presidente da
provincia approvado a que foi presidida pelo 1.a
juiz de paz, annnllando a ontra, que se dizia feita
pelo 2.*; um individuo, que nesta figura como i.*
eleito, a despelto daquelia decisao do presidente da
provincia que foi submetiida na forma da Iei ao
conhecimento do governo imperial, e qae entre-
tanto Ihe tirava toda a jarisdiccio e competencia
para funecionar como juiz de paz, procede, oa fioge
proceder a ontra eleicao na casa da cmara, alle-
gando para islo, como o 1.* juiz de paz do Ass,
pretextos banaes da coaccao, sem juntar a menor
prova, nem baver feito reclamacao oa protesto al-
gum, nem anda encaminbado queizaoa represen-
taco ao presidente da provincia, ou a esta c-
mara.
c Iocontestavelmente semelhante eleicao, ainda
verdadeira, nao poderia aer approvada pela vicio
radical da Incompetencia do supposio jaiz de paz,
que careca de jurisdicgo, e exercea assim fuoc-
cues que lbe nao competan), commettendo um cri-
me previsto e especificado no nosso cdigo penal;
pelo que estara ella inquinada em lodo caso de
nullidade iosanavel, motivo pelo qual foi o respec-
tivo collegio desprezado pela cmara municipal
apuradora, que apurn como legitimo o dos eieito-
res da eleicao do i. juiz de paz.
c Freguezia do Apody.
Feita nesta freguezia a eleicao legal no corpo
da igreja matriz, com o comparecimento e asis-
tencia de qoasi todos eieitores e snpplentes da pa-
roebia, e sob a presidencia do -' juiz de paz do
districto mais visinho, o de Caraabas, em faila de
todos os juizes de paz da freguezia, que foram de-
vidamente convidados, e deixaram de comparecer,
pelo qne foi organisada a mesa no dia 4 de feve-
reiro, acbando-se entretanto reoBidos eieitores,
supplentes e povo desde a vespera a' hora marcada
pela Iei: simula tambem o 1. juiz de paz ontra
eleicao na casa da cmara, sem que se saiba a que
pretexto, nem como foi organisada a mesa, e cor-
reram os mais actos da supposta eleicao, pois que
nao foram remedidas as respectivas actas, e apenas
se tem della noticia pelo collegio isolado e aullo
qae formaram os respectivos eieitores, rennindo-se
em nnmero de 10 smente (a freguezia d 12 eiei-
tores ; ainda sob a presidencia interina do referido
1.* jaiz de paz, o qaai foi, como devia ser, des-
prezado pela cmara municipal apuradora.
< Os eieitores da eleicao da matriz reuniram-se
legalmenle aos iocontestados das dnas freguezias
de Carabas e Mossor, qae com ella consliluem o
collegio, os qaaes os reconbeceram leg'.timo3, sem
que apparecesse contra elles a mnima impugoajo
de natareza alguma; impugnaejio, que se nao
deu Igaalmente nem perante a men cmara
municipal apnradora, nem perante esta augusta
cmara.
A dupiieata ficticia da casa da cmara de Apo-
dy pois afoda evidentemente um recurso immo-
ral, e um manejo fraudulento e clandestino, que
deve ser condemnado no devido empenbo de mora-
Usar o processo eleitoril, expurgando-o de frandes
e Acedes.
c A eommlssao portanto propoa em concluso do
sen parecer :
c 1.* Que seja approvada a eleicao primaria da
freguezia do Assu', que teve lugar na respectiva
matriz sob a presidencia do 1.* juiz de paz do dis
triem da Varzea, o major Ovidio de Mello Monte-
negro Pessoa.
c 2.* Que seja approvada a eleicao da matriz da
freguezia de Angicss presidida pelo 1.* joiz de paz
do quatriennio passado, Vicente Ferreira Xavier
da Crnz.
< 3.* Que seja approvada a eleicao da matriz da
freguezia de Sant'Anna de Mallos presidida pelo 1*
juiz de paz do quatriennio corrente e do passado,
Hermenegildo Pinbeiro de Vasconcellos.
c 4.* Qae seja approvada a eleicao da matriz
da fregnezia de Apody presidida pelo 2. jaiz de
paz do districto de Carabas, Jos Francisco da
Cmara-
t 5.* Qae annalladas as duplcalas clandestinas
e criminosas, que foram figuradas nessas fregu
zias, se mande proceder criminalmente contra seas
autore na forma da le.
i Sala da commisso, 9 de julho de 1867.Vi-
riato de Medelros.Souza Carvalho. Correa das
Neves. F. Vianna.Mello Cavaleanti.Meira de
Vasconcellos, vencido qnanto as freguezias do Ass
e Angicos, visto como votei pela validado das elei-
coes feitas nessas paroebias em casa da eamara e
presididas pelos l.M jaizes de paz. __________
Do mesmo relatorio ainda se v qna deve ser
aborta por tod o resto do corrale anno, nesta ci-
dade urna Caixa Filial daqaelle banco.
Consta-nos que na subida do rio de S. Fran-
cisco, no dia 3 de agosto prximo, at Plranbas,
sera' a companbia Pernambucaua representada por
dous dos seas vapores, um dos qaaes sera' o Ipojn-
ea o ou.ro o Marmnguape que o aeompannara' e
lbe prestara' no caso de encalhar qualquer soccor-
ro visto nao estar ainda bem averiguado e devida-
mente ballsado, como convinha, o novo canal, abor-
to depois da ultima chela.
Somas igaalmente informados de que na vlagem,
aos portos do norte, que daqai sabe a I j do prxi-
mo faturo mez de agosto, seguir' o Pirapama ao
Para', onde sera' presente a abertara do grande rio
Amazonas no da 7 de setembro.
Um nosso jornal de bontem demos publiclda-
de a ama correspondencia do Passo da Patria, da-
tada de 21 de jo&bo, na qual se diz qae all se ba-
via recolbido o vapor Jagnanbe (qne pertence a
nossa praca) com enorrmssma viagera. Estamos
autorisado a declarar que aquelle transpone sabio
do Rio de Janeiro em 23 de maio, condnzindo pe-
trechos bellicos para o exercito (onde entao reina-
va o cholera) e tropa, que devia deixar em Santa
Camarina, por aquella razo.; que depois de all
se recolber, e haver desembarcado a tropa nao po-
de lomar carvao immediatamente e por algnns dias
por causa do pessimo lempo qne fazia entae e que
foi causa do naufragio do patacho portuguez Es-
trella, que se diriga ao Rio Grande do Sal; qae
por esse motivo foi distrabido da sna commisso
para ir prestar soccorro a aquello navio, o qae ef-
fectivamente fez, eonsegaiado salvar lodos os nu-
fragos ; que tendo voltado a- Santa Caiharina, to-
mara carvao e seguir a Montevideo, onde ebegoa
com excelleote viagem, mas onde foi ainda detido
vario; dias sem poder tomar carvao, em conse-
quencia do fo te temporal que entao se dea, e qae
oc'casionoa o desarranjo no macbinlsmo, e quasi
naufragio, na costa de Sania Calbarina de ontro
transporte de nome Lautego, qae os nossos leitores
estao lembrados all entrn rebocado pela canno-
neira ingleza Dolterel, e um outro vapor cojo ne-
me nos nao recorda agora.
O Jaguartbe, alm de urna construccao superior,
dotado das melbores accommodacSes e com vastos
pores, acabava de metter caldeiras novas, cons-
truidas na curte pelos Srs. Maylor & C. as quaes
lbe imprmem ama marcha nanea inferior a 10 mi-
Ibas por bora.
O correspondente do Passo da Patria classidcan-
do de enormsima a viagem do Jaguaribe qne se
elevou a 27 dias, igoorava as circunstancias, qae
a isso deram causa.
Somos s vezes por demais severos acerca de nos
mesmo, entretanto que somos em extremo in-
dulgentes acerca de extraos. Ainda agora o va-
por Oneiia que se esperava a' 15 s ebegoa a 10.
o americano (ambos paquetes) que era esperado
at 15, ainda boje 17 a noile nao apparece, e nin-
guem mormura. Porqae nao faremos o mesmo
acerca das nossas cousas ?
E' o seguiote o qoadro demonstrativo da re-
ceita e daspeza da es.rada de ferro do Recife a' S.
Francisco no prximo passado mez de janbo:
BECEITA.
Passageiros................ 17:2294150
Bagagens.................. 1:924*050
Mercadorias............... 11:672*OiO
30,25
5,61
34,Oi
0,2o
2.77
Armazenagem............. 85*630
Animaes.................. 949*420
Transporte por coala do go-
verno.................. 491*865 1,44
Telgrapho elctrico......... 273*740 0,80
Multas................... 100*000 0,29
Juros e dUlereara de cambies 1:403*070 4,09
Receia nao ciassifcada..... 62*000 0,18
Despeza geralannullada.... 95*720 0,28
Total da receila...... 34 286*685 100,00
DESPEZA.
Conservacao da linba....... 9:383*028
Locomotivas.............. 8:344*971
Trafego de passageiros...... 2:973*518
Dito de mercadorias........ 3:706*810
Reparos de carros o wagdes. 1:776*210
Administraco e outras des-
pezas................... 1:088*844
Telegrapbo elctrico........ 528*500
Reparos de edificios........ 277*000
Despezas sanitarias......... 30*000
33,38
29,69
10,58
13,19
6,31
3,87
1,88
0,99
0,11
Total da despeza..... 28:108*881 100,00
A despeza foi de 81,98 % da receila, fendo sido
em igual mez de 186 de 70,27 /..
No semestre ultimo de Janeiro a' janbo, foi o
seguinte o balanco da mesma estrada :
Total da receita................ 339:326*704
Diio da despeza............... 206:495*094
Saldo a' favor da garanta de juros 132:831*610
Garanta de joros de 7 */ so ao-
no'sobre o capital de libras ster-
linas 1,200.000 ao cambio de
27 /.......................
Differenca devida pelo governo a'
companbia.................
Das qaaes pertence ao governo ge-
ral palos sens 5 /............
E ao governo provincial pelos seus
2-A.......................
373:333*334
240:501*724
171:786*945
68:714*779
240:504*7
PERNAMBUCO
REVISTA DIARIA.
No competente lugar damos boje a' publici
dade o relatorio do English Bank o Rio de Janeiro
Limited, apreseotada aos accionistas a' 15' de maio
do corrate anno, em Londres.
Como se vera' dalle foram os lacros lquidos do
banco 3 52,108 7 s. 4 i. no anno Qnanceiro Ando
a' 28 de fevereiro, tendo sido det 15,003 o divi-
dendo do 1* semestre e devendo ser de 3b 18,000
o do 2 semestre a' distribuir, correspondente a" 6
/.. Vem a Bear pois um saldo no lacro liquido de
S 22,108 7 s. 4 d. que devendo ser unido o fando
de reserva eleva-o a' St 45,233 9 s. 4 d.
- Sendo o oapital alisado de St 500,000 corres-
pondente aos jaros de 30,000 a 6 ao anno, v
se que lisongeiro o estado do. banco, a vista, qo
sea (aojl de nservjj.
A despeza do semestre foi de 60,85 / da re-
celta.
O saldo a favor da garanta de jaros correspon-
de a 2,49 */ ao anno, sendo a quota parte rela-
tiva ao governo geral de 1,77 *|0 e a relativa, ao fq-
verno provincial de 0,72 V
De 1 a 15 do corrente vieram ao nosso mer-
cado 2357 saccas de algodo e 2076. saceos de- as-
sacar.
Na noite de 10 do crrante evadise da ca-
deia do Cabo Francisco Gomes de Parias, pronun-
ciado como ladro de cavallos, por um rouho qae
fez n'uma das paredes da priso, nao sendo presen-
tido em sea trabalho por dous criminosos de mor-
te, qae com elle estavam, por dormirem.
O celebre capito Seminas, que commandou
o famoso corsario confederado hlohami, e qne ac-
tualmente lente de pbilosopbia n'um collegio, ex-
erimio-se nos seguintes termos acerca dos navios
americanos n'ama palestra luterana em qoe rea-
tava as facanhas d'aqaelle navio corsario:
t Quando aodavamos pirateando,-se acaso algu-
ma duvida nos restava quanto a nacionalidade ae
algara navia qae avistatamos, bastara mlra-la
cora o telescopio a qaalquer distancui eni qae se
achassa, para sabermos logo se era merloaio. Se
sobrepnjava os navios de todas as outras na$oes
pela symetria do casco, pela elegancia, pelo, com-
primento e graduado adelgacjmeto dos mastros;
se as suas velas eram mais alvas, matares e des-
pregadas com mais garbo; se em breve como se
fosse urna tormosa dama, arrebatava os olharee do
espectador com as suas graciosas formas e as sua
alvas ronpas, estavamos sempre cortos qae era um
YflUtP 9
Hoje eflectua o agente Pinlo o leillo de ver-
gas, mastaros, pao de bmarrona e de catello, cor-
rentes, cabos par* troco, tinques de ferro, bar-
metro e tnais. accessQr?s de nsvio, as IQ npris m

\



A
Mario *e Perita
~ 0lnta feira 18 4e Julho de 1867.
L
ponto no Forte do Malte, era trente te armnem
da Companbia Pernambueaoa.
Lun de Franca Ventala, que be *>nco <*-
po fez em Agoa-Preta ott ssassttato e 0K0 Terl-
mentos, petos qnaes acata de ser preso e esta sen-
do proeessa*, nao fol do tramen dos iedoKades
pelo loverno imperial para ir prestar serrteos na
guerra contra o Paraguay, como por mal informa-
dos dissemos, quando noticiamos oscrimes per eUe
Sratleados, e tambem afflrmoa an correspondeete
esta provincia em carta datada de 28 do passadoa
redacco do Jornal do Commrao na corte.
Luit de Franca tendo sido condemnado pelo jury
de Barreiros, comarca do Rio Formoio, em 31 de
agosto de 1859 a pena de 7 annos de priso simples
por crime de mor te, fot posto em liberdade em 11
de setembro de 1866, por ter acabado de comprir
a pena no presidio de Fernando.
Hoja fia sessao do Instituto Archeologico e
Geographico Pernambacano.
novo corpo de voluntarios da patria, ora
em organisacao nest provincia, j coota alistado
um soflrivel ncleo de defensores dos (oros nado-
naes; e de esperar que em ponco lenbamos
naquellas filelras numero bastante para segar
mais este coniingente, demonstrauvo do patriotis-
mo pernambucano, que coplas to brllhantes tem
estampadas na historia.
Esta leri anda de registrar novos feitos desse
sentimenio elevado, que se aninfaa em ceracSes
generosos; porque os Sitaos de Peroamboco jamis
desroentlro a sua procedencia cavalheirosa, con-
servando-se quedos e impassiveis em face do as-
traagelro, que em sua temeraria insania procura
marear as glorias do paiz e inquiaar o brilno da
nacionalidade brasileira.
E* mais um esforc, verdade; porm pequeo
para nimos grandiosos, que se revem em um
passado cojas paginas slo orna snccesso de glo-
rias.
Pernambuco dar tonta e conta briibante de
Os Albos, que j l tem no campo da balalha|
tem-lhe beroicamente sustentado a honra do nome
varonil; e os que esto a seguir, sob a direcgo de
dous militares pernambucanos de reconbecida dia-
tincco, nao desmereceram de seus irmos; e
quando voverero, uns e outros, ao torro natal,
vingada a patria, della tero as benco?, como fl-
ibos que bem merecem aos pas, de quem sao o
orgolbo.
Arremata-se boje, peranta a junta de iazenaa
da tbesonrarla provincial, o imposto do pedaglo de
difieren tes barreias.
rbparticao da polica.Extracto das partes
do da 17 de jmbo de 1867.
Fui smeme recoihido a casa de detenco no da
16 do corrate :
A' orJ-m dos, o eacr.vo Francisco, de propriedade do lenen-
tecronel Jos Lucca- da Cmara, por andar fgido.
Och.-fd da 2-* seccSo, J. G. de Mosquita.
_ Casa ie nsxRNQAf.Mfment da 'asa de
deten ip do uia 16 de juuio :
ixi?tiani presos 333 ; entraram 2 ; sabiram 6 ;
existem 319 ; a saer : nacionaes 233 ; mulberes
7; estrangeiros 26 ; mulheres 3; escravos 56 ; es-
cravas 4 : total 329.
Alimentados a custa dos cofres public.s 233.
Movimeoto da enfermara do dia 17 de julho de
1867.
Te ve alta :
Manoel Joaquim de Santa Anna.
cemitkuio publico. Obituario do dia 12 do
correte.
Manoel Ambrosio da ConceiQo Padilba, Pernam-
buco, 40 auaos, solteiro; S. Jos; anazarca.
Severino Carlos da Silva, Pernambuco, 48 annos,
casado, Boa-Vista; tubercolos pulmonares.
Mara ADgelica de Jess Gama, Pernambuco, 22
annos, casada, S. Jos ; metroperitonite.
Amelia, Pernambuco, 3 mezes, Sanio Antonio; eou-
valsoes.
Cora, Pernambuco, 2 mezes, Afogados; consti-
paco.
Francisco, Pernambuco, 12 mezes, Boa-Vista ; ana-
zarca.
Justino, Pernambuco, 22 annos, escravo, Boa-Vista;
bepatlte.
Jos Jaciolbo Mntelro, Pernambuco, 38 annos, ca-
sado, Afogados; alleuncimeria.
- 13 -
Pedro Lopes da Silva, Pernambuco, 25 annos, sol-
teiro, Santo Antonio; bepatite.
Maria, Pernambuco, 2 mezes, Boa Vista ; sarnas
recolbidas.
Josepha, Pernamboco, 4 mezes, escr.wa, Santo An-
tonio ; convuls5es.
Helena, Pernambuco, 2 mezs^escrava, Santo An-
tonio, convuUoas.
- 14-
. Maria Regina Capitolina, Pernambuco, 40 annos,
solteira, Boa-Vista ; tubrculos pulmonares.
Cbrlspim, Pernambaco, 30 annos,escravo, Boa-Vis-
ta ; tubrculos pulmonares.
- lo
Francisco de Souza Mattos, Pernambuco, II an-
os, solteiro, Santo Antonio ; cerebrile.
Joaquim da Silva Grillo, Pernambuco, 20 annos,
solteiro, Boa-vista, pleonca ebronica.
Jos Joaquim da Cmara Rodrigues Sette, Per-
nambuco, 12 annos, solteiro, Boa-vista ; desn-
teria.
Manoel Ribeiro da Foaceca, Pernambaco, 47 an-
nos, solteiro, Boa-vista ; penenmonia. (
Joaquim Francisco Xavier, Pernambuco, 20 an-
nos, solteiro/Boa-vista; tubrculos pulmonares.
Manoel Martins de Moraes, Pernambuco, 45 an-
nos, solteiro, Boa-vista; bydropesia.
Maria Theodora Cordeiro, Pernambaco, 4 i an-
nos, casado, Affogados; hepatte.
Anna Mana dos AbjosT Percambuco, 90 annos,
viuva, Boa-vista ; velbee.
Anna Jor de Mello, Pernambaco, 98 annos, sol-
teira, Jaboato; velbice.
Jovita Mana do Nascimento, Pernambuco, casa-
da, Santo Antonio ; tubrculos pulmonares.
Mncela Mara da Cnnceicao, Pernambuco, 30
annos, Boa-vista; ferimentos.
Maria, Pernambucj, 11 mezes, Boa-vista; convul-
c5es.
Francisco, Pernambuco, 9 mezes, Recite; ence-
pbalite.
Mara, Pernambaco, 2 hora?, S. Jos; espas-
mo.
Joo, Pernambuco, 2 mezes, Recife; espas-
mo.
Pedro, Pernambaco, 2 mezes, Boa-vista ; con-
vulsees.
Maximiano, Pernambuco, 1 anno, escravo, Santo
Antonio -, interite.
Luiza, Pernambuco, 40 annos, escrava, Recite ;
lnflamaco.
-16-
Domingos Jos Tavares, Pernambuco, 38 annos,
casado, Saoto Antonio; tubrculos pulmonares.
Maria Jos do laraco de Jess, Pernambuco,
40 annos, viuva, Boa-vista ; ptbisica pulmonar.
Anna Damiana, Pernambaco, 50 anuos, solteira,
Boa-vista ; ga-iro interite.
Pbllomena, Pernambuco, 8 mezes, S. Jos ; con
vnlsdes.
Joo Marques de Souza, Pernambuco, 38 annos,
casado, Boa-vista ; nm abeesso.
Daniel Francisco da Costa, Pernambaco, 38 an-
nos, vinvo, Simo Antonio ; peneomonia.
Maria, Pernambuco, 17 meies, S. Jos; conges
to cerebral.
Claadina, Pernamboco, 8 oas, Santo Antonio ;
espasmo
Em notembro do atino passado fol pago em divi-
dendo na razo de 6/s por acc j litro de impostes
(tacme tax) na importancia de 15,000.
Fretende-se dividir Igual somma no dia W de
junho prximo futaro ; prefaxendo asslm para o
dito auno floanceiro nm dividendo de 6 /
Restara' entSo nm saldo de i 22,108 7/s d,
cuja quantle, na opinio da directora, devia ser
transferida para o fondo de reserva, que assim
montara* a J 45,233 9/s 6 d.
O governo Imperial do Brasil tendo prompumen-
te approvado as resoluebes adoptadas pela assera-
bla geral do Raneo no dia 14 de marco de 1868,
aflm de mudar a firma do mesmo; aatorisando,
ao mesmo teropo, a directora a fazer algomas mo
di6cc5es na gerencia do estabelecimento no Rio
de Janeiro, effectuaram-se estas aKeracoes no dia
21 de dezembro de 1866 : passando assim o Brasi-
lia* & Portuguese Bank Limited para a presente
firma do English Bank of Rio de Janeiro, Limited.
Julgando-se proveitoso estabelecer ama caixa
filial em Pernambaco, o governo imperial, com a
mesma promptido, conceden a licenca necessaria,
assignando o decreto no dia 9 de fevereiro prximo
passado. Desde ja'trata-se de fazer os arranjos
necessarios para a abertura de9ta caixa filial, que
provavelmente principiar' a funecionar anda esta
anno.
A directora nao pode delxar de reconbecer, pe-
rante os accionistas, quanto elles todos devem ao
zelo e prudencia dos Srs. Joba Gallop, Glover &
Roberts, aquella o presidente, e estes, os seus colle-
gas, directores do Banco no Rio de Janeiro, tendo
a directora, ja por si, agradecido especialmente
aos mesmos.
Em conformidade com os estatutos sabem da di-
rectora nesta occasio os dous Srs. A. H. Hult e
Jobn Kaowles. Ambos sao elegiveis e se offerecem
para serem reeleitos.
Compete tambem boje a assembla geral nomear
flseaes para o correte anno.
Londres 15 de maio de 1867.
13 St. Helens Place, E C.
3 .annos, S. Jos; ana-
mez, Santo Antonio; ca-
dia, Boa-vista ; hermor-
3 annos, Boa-vista ; be-
Romo, Pernambaco,
zarca.
Flix, Pernambuco, 1
maras de sangue.
Joo, Pernambaco, 1
rtaagia.
Urbano, Pernambuco,
patito.
Mara Antonia do Rosario, Pernamboco, sol
leira, Boa-vista ; penaumonia.
Manoel Francisco Branco, Pernambaco, 23 an
nos, solteiro, Boa-visia; bexigas.
Lonrenco, Pernamboco, 6 mezes, Recife, escra-
va ; convuudas.
Cosme, Pernambuco, 20 annos, escravo, Boa-
vista ; tubrculos pulmonares.
Manoel, Pernambuco, 44 annos, eservo, Boa-
vista ; febre perniciosa.
Velatorio do English Bank of
Rio de Janeiro Limited para
o anno flndo em 28 de feverei-
ro prximo passado.
Comprindo com a soa obrigaco, a directora
sabmetle aos accionistas o resumo do activo e pas-
sivo do Banco, asslm como da conta de lacros e
cerdas para o anno floanceiro flndo no dia 28 de
fevereiro de 1867. /
O lacro total do anno montn em t 79,077 i/s
10 d ; dedozldo do qual, o rebate das letras des-
contadas aiuJa nio vencidas, as despezas com a
agencia no Porto at o dia 29 de setembro prozimo
passado, dia em qae se fecboa este estabelecimento,
e com os mais gastos do Banco em Londres e Rio
de Janeiro, deixam 52,108 7/s 4 d como lacro
liqoJdo do anno de 1866-67.
cuONia JiD'.cium.
TBIBUrVAL bo cortraiSBCio
ACTA DA SESSAO ADM1.M1STRACTIVA DE 15
DK JULHO DE 1867.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESEMBARGADOS
ANSELMO FRANCISCO PERETTI.
As dez horas da mauha, reunidos os Srs. de-
potados Rosa, Basto, Miranda Leal e supplente
Sa Leitao, S. Exc. o Sr. presidente ab/io a sessao.
Lida, foi approvada a acta da sessao antece-
dente.
XPED1BNTE.
Aviso do ministerio dos negocios da jnstica de
19 de junbo ultimo, era resposU a consulta que
este tribunal lhe lizera em 17 de Janeiro do cor-
rete anno ; o triounal resolseu que de novo se
cousoltasse o governo afim df^aber qual a multa
qoo .leve ser imposta aoe trapioh^iros ave no
teeui i.vros sellaos, oa que tenUo-os, nao ieem a
escripturaco em dia, Isto at a data do ultima
balaago que remetter, pois que o tribunal encon-
trou alguus administradores de trapiches sem li-
vros sellados ou com a escripta atrasada de i, 2
ou mais annos, e a outros nicamente com livros
sellados pela afandega e sem os ter sellado e ru-
bricado por este tribunal, dignando se o governo
indicar oeste caso qual o meio de certicar-se o
tribunal da exaclido dos balancos, que lhe sao
enviados, e de cumprir assim o que determina-
do pelo artigo 90 do cdigo do commercio.
Oflcio da junta dos curretores, datado de boje,
juntando bnielim commercial relativo semana
prxima passada.Ao archivo.
Oficios (2) dos correiorts Francisco de Miranda
Leal Seve e Joo da Cruz Macado, dizendo que
cumpriram a ordem do tribunal apresentando ao
administrador da recebedoria os seus livros de ta-
ln que os acbau regalares.
Offlcio do corretor Francisco Jos Silveira, di-
zendo nao baver cumprido a sobredita ordem em
raza de nao ter livro de tais o Q ie fosse com
vista ao Sr. desembargador fiscal.
Offlcio do corretor Bernardino de Vasconcellos,
fazendo sentir que em comprmanlo da j mencio-
nada ordem se dirigir recebedoria com cujo
administrador se entender repello.Que se
officiasse ao dito corretor para declarar se tem
com effeito o livro de talo em forma, e se o apre-
sentou ao administrador da recebedoria.
Com enderesso este tribunal foi presente um
exemplar do Pedro II folha publicada na cidade
da Fortaleza provincia do Cear, de 22 de junho
u limo com um annuncio marginado, dizendo o
seguinle: a Perguata-se ao Illm. Sr. Dr. jait
do commercio, se eaixeiros de casas commerciaes
desta praca sao recoohecidos por S. S. como agen-
tes de leudas, e se sao validos os leiKes feitos pe-
los mesmos, assim como se podem fazer leiloes
judiciaes T I I Pergunta-se ao mesmo tempo ao
Illm. Sr. Dr. inspector da afandega, o conserva-
dor do commercio, se S. S. ignora que um agente
d leiloes desta praca, des;acha mercaduras na
afandega desta cidade para ama casa commercial
de que caixeiro. Pela resposta sero gratos os
ignorantes das disposr~es do cdigo commercial. >
O tribunal em vista do contedo de dito ?noun-
cio, resolveu que o conservador do commercio na
dita provincia informasse com o que lhe occorres-
6e sobre os fados mencionados. .
Aos Srs. deputados foram destribuidos os se-
guimos livros .Contas correntes do agente de
leilSes Antonio Jos Cordeiro SimSes.Diario e
copiador de Narciso Jos Machado.
Ao Sr. Dr. offlcial-maior ordenon o tribunal que
informasse na 1.* sessao, se quando procedeu o
registro dos estatutos do Banco Inglez e Rio de Ja-
neiro constava a verba do pagamento do sello con-
forme dispoe o artigo 8 do decreto n. 2490 de 30
de setembro de 1839.
Foram anda presentes os mappas dos seguales
trapichesRamos.Baro do [Jivramento do For-
te do Mattos n. 15.Cunta.Companbia Pernam-
bucana.
O tribunal mandn qae conferidos com os lti-
mos mappas, e estando conformes fossem arcbira\
dos.
O administrador do trapiche n. 47 do largo do
caes do Apollo oflereceu novo mappa para substi-
tuir o que j tinha enviado por ter sabido com er-
ros de somma e inexactidSes.Mostr o asignata-
rio estar aotorisado para assignar este mappa.
DESPACHOS.
Requerimento de Jos Marcellino da Rosa & Fi-
Ihos offerecendo registro as nomeacoes que de-
ram aos seus calxeiros Jos Joaquim Goncalves
Rosa e Francisco de Assis Goncalves Rosa.Re-
gjstrem-se.
Dito do agente de leiloes Jos Mara Pestaa,
apresentando, para sciencia deste tribunal o co-
nbecimento de baver pago o imposto annuo de seu
offlcio.Registre se.
Dito de Eduardo Correa dos Santos, cldadao
brasileiro, de 26 annos de Made, residente e esta-
blecido na cidade do Aracaty, provincia do Cea-
r com commercio grosso e retal ha em fazen-
das miodezas e eneros de estiva sob a Urtna de
J>s Corri & Filos, pedindo saa mscripcao na
matricula dos cjmmerclanles ; apresentando, em
abono de sua preteocao, om alterado firmado por
Manoel Alves Goncalves Ferreira, Francisco Igna-
cio Tinoco de Souza e Francisco Antonio Gomes
de Mattos__Vista ao Sr. desembargador fiscal.
Com informaco do Sr. desembargador Sscal.
Da companbia de seguros Northern Assurance
4 C, que pretende estabelecer-se nesta praca.A
procuraco qae os sapplicantes juntam sendo data-
da de 8 de outabro de 1862 para tomada de con-
tas a C. J. Astley & C nao serve para o que pre-
tenden! agora os supplicantes, e de mais preciso
qae mostrem ter satisfeito o disposto no artigo 8
do decreto n. 2490 de 30 de setembro de 1859.
Nada mais tendo sido submettido a despacho,
den o Exm. Sr. presidente por fiada a sessao as
onze horas e meia do dia.
SESSAO JUDICIARIA EM 15 DE JULHO DE
1867.
PRISmiHCU DO EXM. SR. DESEMBARGADOR
A. F. PERETTI.
Secretario, Juho Guimaraet.
A's onze horas e meia da maoba, o Exm. Sr.
presidente abri a sessao, estando reunidos os Sri.
desembargadores Silva Guimares e Res e Silva,
e os Srs. deputados Rosa, Basto e Miranda Leal, e
o Sr. snppleate S Leitao, faltando com causa par-
ticipada o Sr. desembargador Accioli.
Lida, foi approvada a acta da sessao antece-
dente.
O eserivo Alboqaerqae registroa o ultimo pro-
testo de letra sob o o. 1437 a 9 do corrate e o
esenvo Alves de Brito a 12 do mesmo mez sob o
a. 1412. v
ACOROAO ASSIGNADO.
Appellante Francisco Jos Geiaano, appellado
Jlo Jos Pereira.
miiiMiii.il.
Appellantes as menores Manoela e Ignez, por
seo carador in litem, appellado Miguel Arcbanjo
de Figueirdo. -
Appellante D. Juan de Aoglada Hjp, appellados
Aranaga Hijo & C
Appellantes os administradores da massa fallida
de Pedro da Silva Reg, appellade. Man-^i Joa-
qntm Ramos e Silva & Georos.Adiados -i pedido
dos Srs. deputados.
Appellantes Luiz Antonio Vielra e antros, ap-
pallada a directora da Caita Filial do Banco do
Brasil nesta cidade.
Appellante Jos Vicente E tonio Joaquim Lamas.Nao foram projtoslos estes
2 feitos por nao estar presente o Sr. desembarga-
dor Accioli.
Appellante Jos Pedro de Carvalbo, appellados
Clemente Jos da Sirva Neves & CO Sr. Miran-
da Leal nao aaresentOQ os autos.
DE3NNAQA0 E DIA.
Appellante Jos Antonio Moreira Dias, como ca-
rador de um desassizado, appeilado Luis Alves VI-
lella.-Primelro dia ntil.
PASSAOENS.
Do Sr. desembargador Silva Guimares ao Sr.
desembargador Res e Silva.
Appellante Arminio Pessoa de Alboqaerqae, ap-
pellado o Dr. Fraocisco Alves da Silva.
Appellantes Adriano & Castro, appellado Ernes-
to Augusto Mamguaba e Silva.
AOfiRAVO M mSTRUMMTO DO JUUO MUNICIPAL K DO
COMMERCIO DA BSCADA-.
Aggravante Matblas de Albuquerqae Mello, tu-
tor da orpha Maria de Sant'Anna Gomes de Mel-
lo, aggravado o commendador Braz Carneiro
Lelo.
O Exm. Sr. presidente negou proviment.
Nada mais nouve e eocerrou-se a sessao
meia hora da tarde.
Correspondencias
Srs. Redactores. Provocado pelo Sr.
coronel D. A. Nery Ferreira, em o commu-
nicado inserto em o sea Diario de i 3 do
corrente, para declarar em nome e por
conta de quem, flz com elle transaeces de
descont de letras, durante o tempo qae
tive estabelecimento de cambio ; em ho-
menagem verdade, asseguro qae, dorante
dez annos gastos n'aquelle negocio, tive
maltas transaeces com aquelle senbor e
por avultadas qaantias, por coota de ter-
ceiros, figurando e ntre estes os Exms. Srs.
Visconde de Camaragibe e BarSo de Muri-
beca, os quaes, por maitas vezes, tiveram
de enteoder-se directamente comigo.
Esla verdade est patente de meus livros,
regularmente escripturados, qae se acham
i no Novo Banco de Pernambuco e de algumas
: cartas do mesmo Sr. coronel Nery Ferreira,
1 que existem em mea poder, as quaes po-
dem ser examinadas por qtaaal quizer.
Puoso ter desta forma, satisteito ao re-
clamo mim dirigido, ao qual n3o me era
possivel furlar, urna vez que a minha de-
claraco, sendo verdadeira, como impor-
ta, segundo dtsse o mesmo coronel, a de-
feza de sua honra e reputaco.
Recife, 16 de julho de 1857.
Joaquim Jos Silveira.
des da Trindade, proprietario Antonio Carneiro
4* Cunha, Bario de Bemfica, padre Albino de
Carvalho Lessa, commerciante Jos Maria Geral-
das, commerclinte Joio Fraocisco dos Santos, ar-
tista Francisco Antonio de Menes, empregado
publico Antonio Carlos de Leaos Daarte, com-
merciante Manoel Lopes Machado, alferes Manoel
Laii de Slqueira, empregado publico Manoel Cae-
tao Spinola, empregado publico Bernardo Jos
Martias Pereira, commereiante Antonio Basilio dos
Santos, artista Francisco Joaquim Ramos e Silva
Biro do Campo Verde, commereiante Manoel da
Silva Bastos, artista Manoel Jos de Lemos Barros,
commereiante Liborio Vieira Olympio, commer-
eiante Manoel da Cruz Martins.
Supplentes.
Dr. Silvio Tarqonio Villasboas, Dr. Antero Ma-
noel de Medeiros Furtado, coronel Domingos Al-
fonso Nery Ferreira, proprietario Flavio Ferreira
Catao major Manoel dos Santos Nunes de Oliveira,
proprietario Clorindo Ferreira Cato, te nenie-co-
ronel Francisco de Miranda Leal Seve, Dr. Joo
Maria Seve, Dr. Manoel Joaquim Silveira, neg-
Manoel Jos da Silva Guimares, Dr. Antonio
Maria de Farias Neves, Dr. Aprigio Jastiniano da
Silva Guimares, Dr. Bento Jos da Costa, pro-
prietario Francisco Rufino Correa de Mello, pro-
prietario Manoel Luis da Veiga, tenente-coronel
Antonio Carneiro Machado Ri s, desembargador
Francisco d'Assis Pereira Rocha, artista Jos Joa-
quim Ramos e Silva, Dr. Jos dos Santos Nanas
de Oliveira, negociante Luix Jos da Silva Gui-
mares, proprietario Manoel Antonio Teixeira de
Alboqaerqae, artista NicolaoTolentinodeCarvalho,
Dr. Pedro d'Albabyde Lobo Moscoso, proprietario
Alexandre dos Santos Barro!, proprietario Bento dos
Santos Bamos, proprietario Jos Maria Freir Ga-
meiro, Dr. Joaquim Ferreira Chaves, capito Jos
Francisco Lavra Pena, artista Ceryno Rodrigues
da Silva Campos,alferes Francisco Joaquim daCos-
ta Fialbo Jnior, major Francisco Martins Raposo,
Dr. Joo Juvencto Ferreira de Agoiar, negociante
Joaquim Goncalves Ferreira, negociante Jos Mar-
tins do Rio Jnior, capito Jos Pereira Teixeira,
comerciante Justino Jos de Soaza Campos, artista
Candido Rosalino Tavares de Mello, commereiante
Francisco Joaquim de Mello Tavares, proprietario
Joaquim Jos Ferreira da Penha, proprietario Jos
Carneiro da Cunha, artista Jos Lacio do C?.rmo,
artista Manoel Rodrigues do O', Dr. Tristo de
Alencar Araripe, proprietario Vicente Paula Oli-
veira Villas boas, Dr. Amaro Joaquim da Fonceca
Alboquerque, despachante Joaquim Claudio Mon-
teiro, capito Manoel do Nascimento da Silva Bas-
tos, proprietario M-inoel Antonio da Silva Ros, l-
ente BeDjamim VirSes Dutra.
E para constar ser este afflxado na porta da
igreja matrir e publicado pela imprensa. *
Recife, 13 de juibo de 18(37.
Eu Francisco de Barros Corris, escrivao que
e eserivo.
Declo d'Aqaino Fonceca.
-i
EDITAES.
De ordem do Illm. Sr. inspector se faz publico
que, no dia 19 do corrente, ao meio dia, e a' por-
ta desta repartico, se bao de arrematar, livre de
direitos, treze volumes com fazendas abalxo des-
criminadas, vindas do Havre em differentes navios
em mil oitocentos e sessenta e cinco, e abandona-
das pelos direitos, a requerimento de Keller &C.*:
9 caixas ns. 343, 358, 369, 365, 375, 376, 377, 387
e 388, conlendo duzentos e vate e tres dazias e
nm ebales de l bordados de 6|4, avali dos a 484
rs. a dozia10:708JOOO; 2 caixas ns. 352 e 353,
conleudo clncoenta e tres duzias de chales de l
estampados, de 54056 polegadas com 1202 varas
quadradas; i caixa n. 393, contoado vate e (res
duzias de ditos dito-, de 54 polegadas por faee,
568 varas quadradas, total 1770 varas quadradas,
avahada a 1666 rs. a vara, 2:9i8J^20; 1 fardo,
conlendo o seguate: 22 pegas, de brim da lindo
entrancado, com 990 metros de 43 polegadas,' 517
varas quaJradas, avaliado a 900 rs. ya vara
46o300 ; 36 ditas de dito, riscad liso at.la los,
cora i807~maro8 d* l polegcU dradas, avalladas a 400 rs. a vMa^sBTJraO, total
da avaliaco rs. 14:423^320.
Afandega de Pernambuco, 17 da/Julho de 1867.
escripturarlo,
Eutvchio Mondan Pestaa.
O Dr. Francisco de Carvalbo Soares Brando, juiz
de orpbos e ausentes da cidade do Recife e sea
termo por Saa Mageslada o Imperador, que Deus
guarde, etc.
Paco saber aos que este edital virem e delle ti-
verem conbecimento, que anto o meu antecessor,
Dr. Jos Eustaquio Ferreira Jacobina, D. Luiza
Maria Busterf, requereu para qae, examinado o
estado de faculdade intellectual-, de sen Irmo
Francisco Fernandes da Silva Manta, se Ibe no-
measse curador, para administrar sua pessoa e
bens, petico que foi deferida pelo meu predlto an-
tecessor, nomeando peritos os Drs. Pitanga e
Villas-boas para examinar o predito Francisco
Fernandes da Silva Manta ; feito o qae, snbiram
os mencionados actos a' sua concloso, no qual den
e proferio a sentenca do tbeor seguinte :
f Vistos estes autos, attendendo a' petico de
fl-\ 2 e exame de fl<. 5- fli. 6, nenbuma oppo-
sicio do reo, parecer do doutor curador geral,
c algo desasisado o supplicado Francisco Fer-
i nandes da Silva Manta, e incapaz de reger sua
< pessoa, e administrar seus bens na frra da or-
t denaco do livro 4 g 103, pelo que o privo de
continuar na administraco de sua fazenda, e
c mando que se afflxem os competentes editaes
f nos lugares do costme, e se publiqaem pela
c imprensa. Nomeio para curador do mencionado
c interdicto a Jnviniano da Silva Mantt, que pres-
c tara' juramento, procedendo a inventarlo na fr-
c ma da lei; prestando o curador a respectiva
e flaoga e custas. Recife, 6 de jalho de 1857i
c Jos Eustaquio Ferreira Jacobina.
E para constar mandei passar o presente, que
sera' publicedo pela imprensa e afflxado nos la-
gares do costuine, afim de que niognem faca
transacSo alguma com o predicto interdicto Fran-
cisco Fernandes da Silva Manta, sano por inter-
medio de seu curador Juvjnianoo da Silva Manta,
com previa autoritario deste o presente edital
so portera' ter o devido andamento depois de ter
transitado pela chancellara do superior tribunal
da relago do districto.
Dnij e passado o'esla cdada do Recife de Per-
naaibuco, aos 10 de julho de 1867. Eu, Antonio
Pereira de Soma, eserivo interino, escrevi.
Francisco de Carvalbo Soares'Brando.
Estava sellado.
O tenente Decio d'Aqaino Fonseca juiz de paz do
1* districto da freguezia do Santissimo Sacra-
mento do baffro da Boa-Vista do termo da cida-
de do Recife de Pernambuco em virtuda da
lei etc.
Faco saber, que nao se tendo procedido na terceira
dominga do mez de Janeiro, como determina a lei,
a reviso da qualificaco dos votantes desta pa-
roebia, o Exm. Sr. presidente da provincia desig-
nou o dia 18 de agosto prximo futuro para esse
fim; perianto, pele presente convoco aos senbores
eleitores e supplentes abaixo declarados, para que
ao soppra citado dia as 9 horas da manha eom-
parecam no corpo da igreja matriz para organisa-
cao da junta revisor ; certos que sero multados
os que deixarem de comparecer sem motivo jus-
tificavel:
Eleitores.
Tenente Decio d'Aqaino Fonceca, Dr. Joaquim
d'Oliveira Souza, professor Mignel Archanjo Min-
dallo, Jeronymo Jos Ferreira, tenente Joaquim Jor-
ge de Mello, dispachante Joo Bartholomeu Gon-
calves da Silva, commendador Manoel Lnix Vi-
raos, tenente-coronel Antonio Carlos de Pinho
Borges, commendador Tbomaz d'Aqnlno Fonceca,
empregado poblico Joo Atbanazio Botbelho, em-
pregado pnblieo Francisco Antonio da Silva Ca-
valcante, negoeianle Corblniano d'Aqaino Fonceca,
empregado publico Dr. Eduardo de Barros Falco
de Lacerda, tenente-coronel Feliciano Joaquim dos
Santos, major Gustavo Jos do Reg, Dr. Jos Car-
neiro da Rocha, empregado poblico Hennque de
Andrade Brederodes, Dr. Lonrenco Trigo de Lou-
reiro, empregado publico Dr. Luiz da Carvalbo
Paes d'Aodrade, major Luiz da Costa Portocar-
reiro, eserivo Manoel de Carvalbo Paes d'Aodra-
de, commereiante Tbomaz Garre, proprietario
Tbomaz de Carvalbo Soares Brando, empregado
publico Joo Pedro de Jesns da Matt. artista Ru-
fino Manoel da Cruz Coossejro, major Manoel do
Nascimento da Costa Monteiro, Dr. Joa^oim Jos
da Foneesa, artista Francisco Mendes Martas, te-
nente Francisco de Paula SPeixoto, artista Sv'anoel
Francisco Honorato, proprietario Jos Antonio Gpe
DECLUACOSS.
Santa Casa de Misericordia
do Recife.
O Illm. Sr. commendador Jos Pires Ferreira,
thesoureiro da Sima Casa de Misericordia do Re-
cite no dia 22 do corrente pelas 10 horas manob
no salo da casa dos expostos rara' pagamentoadas
mensalidades de abril ; junho flndo, as amas q e
se apresentarem com as criancas que tomaram pa-
ra amamentar.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife, 8 de jalho de 1867.
O escrivao
Pedro Rodrigues de Souza.
CORREIO GBtilj
Relaco das cartas registradas existentes na ad-
ministraco do correio desta cidade, para os se-
nhores abaixs declarados :
D. Adelaida Emilia de Miranda Henriqaes, Dr.
Antonio Borges da Fonseca, Antonio Jos de Oli-
veira Miranda, Domingos Jos Nogneira Jaguari-
be, D. Francisca Brigida de Mello, Francisco Viei-
ra Perdigo (2), Dr. Joaquim Franciseo de Faria,
Dr- Joaquim Jos de Campos, Costa Medeiros
Albuquerqu?, Joaquim Olinto Bastos, Joo Martins
Goncalves, Joo Pedro de Sa' Pereira, Jos de Al-
melda Lima, Jos Antonio de Oliveira, Jos Joiye
Pereira, Leandra Joaquina do Sacramento, Manee I
Alves de Castro, Mano1! Gomes dos Santos, padre
Raymundo Joo de Oliveira, tejiente Venancio
Lu falle Bmrrolo.
Santa Casa da Misericorda
do Becife,
Alllma.junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recife manda fazer publico qne
na sala de suas sessdeS, no. da 18 do corrente pe-
las i horas da tarda tem de ser arrematadas a
quem mais yantagens offerecer as rendas dos pre-
dios em seguida declarados :
Estabelecimentes de caridade.
Ra do Padre Floriano.
Casa terrea n. 49.......182*500
dem idem n. 17.......186*000
Ra do Fagundes.
Casa terrea n. 32......, 156*0C0
Travessa de S. Jos.
Casa terrea n. 11.......134*000
Roa dos Pescadores.
Casaterrean.il.......216J0C0
Ra das Calcadas.
Casa tema n. 30.......175*000
dem idem n. 38........158*000
Ruadas Cinco Pontas.
Casa terrea n. 70......... 218*000
Travessa de S. Pedro.
Sobrado de dous andares n. 2 |. 350*000
Roa larga do Rosarlo.
Segundo andar do sobrado n. 24 300*000
Terceiro andar idem idem .... 301*000
Ra da Roda.
Casa terrea n. 3......... 96*000
dem idem u. 7....... 96*000
Becco do Qoiabo.
Casa terrean. 8.......144*000
Ra do Encantamento.
Sobrado de dous andares n. 3. 901*000
Ra do Amorim.
Sobrado del andares n. 21. 160*000
Ra do .Nogneira.
Casa terrea n. 17........ 241*000
Patrimonio de erphos.
Roa das Larangeiras.
Casan. 17..........192*000
.- ua do Rangel
Casa terrea n. 56.......301*000
Ra Velba.
Casan. 32........210*000
Becco das Bolas.
Sobrado de dous andares.....502*000
Ra da Lapa.
Casan.il.........6*000
Roa da Moeda. Y
dem n. 47. ....... 351*000
Ra do Vigario.
Primelro andar do sobrado n. 27 181*000
Ra db Pilar.
Casan. 99........ 256*000
dem n. 103. .......200*000
dem a. 94. ....... 201*000
Sitio n. 5 no Forno da Cal. 150*000
dem. n. 105......S 144*000
As arrematares sero feitas pelo tempo de um
anno, devendo os licitantes virem acompnbados
de seus fiadores ou munidos de cartas destes.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Recife 11 de jolbo de 1867.
O eserivo,
Pedro Rodrigues de Souza.
O tribunal do commercio de Pernam-
baco em vista do que dispe o art. 9, do
decreto n. 863 de 17 de novembro de 1851
faz publica a vaga de um dos offlcios de in-
terprete de commercio desta praca, e marca
o prazo de 60 dias contados desta data para
qne aquellos que se acbarem habilitados
apresentem seus reqnerimentos instruidos
com os documentos de qua trata o art. 6.a
do mencionado decreto.
E para constar mandei passar o presente
que ser publicado nos jornaes de maior cir-
culado, o qual vai por mim assignado nesta
secretaria do tribunal do commercio de Per-
nambaco aos 4 de jalho de 1867.
O secretario,
. ______Jos Marcellino da Rosa.
Santa Casa de Misericordia.
A Mima, junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia de Recife, contrata com quem por me-
n os Ozer o fornecimento de pao e bolacha que pre-
c liaren o collegio das orpbas e o hospicio de alie-
nados em Oliada : recebe para isto propostas na
sala de soas sessde pelas qnatro horas da Urde de
18 do corrale.
Secretarla da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife, 11 de jolbo de 1867.
O eserivo
____________ Pedro Rodrigos de Sonta.
Santa Gasa de Misericordia
do Recife.
Pela secretarla da Santa Casa de Misericordia do
Recife, se faz seiente aos inqoilinos das casas abai-
xo declaradas, qne se no prazo Improrogavel de
15 dias nio vieren renovar o arrendamento das
mesmas casas,:serio deltas despejados judicial-
mente, conforme deliberoo a Illm.* junta adminis-
trativa.
Ra do Padre Floriano, casa n. 49.
Ra dos Pescadores, dlts n. 11.
Ra das Calcadas, dita n. 30.
Becco do Qaiabo, dita n. 8.
Rna do Encantamento, sobrada de 2 andares
n. 3.
Ra do Nogneira n. 17.
Ra das Larangeiras, dita n. 17.
Ra Velba, dita n. 32.
Becco das Boias, dita n. 18.
Ra da Lapa, dita n. 11.
Ra da Moeda, dita n. 47.
Ra do Pilar, ditas ns. 99, 94 e 103.
Sitio do Forno da Cal, n. 5.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife 15 de julho de 1867.
O eserivo,
Pedro Rodrigues de Sonza.
THEATRE
DE
SAINTE ISABELLE
COMPAGNIE
DES
BOOFFES PARISIEHS
Demain vendredi, 19 juillet, premire rpre-
aaatatioo, orphbb aux enpers, opera bouffon en
quatre actes, de Mr. Hctor Crmleux, maslque de
Jacques Offenbaeb, decors, aceessolrs et costumes
nouveaox.
GQMME1CQ.
^Sfc
Segu com a possivel brevidade o brigae escu-
na GRACIOSA, capito Ratis, tocando no Mara-
oso so em nltimo case, para alguma carga que
ibe falta tratase com o respectivo consignatario
Antonio de Aimelda Gomes, a'trna da Cruz o. 23,
1 andar.___________________________'
Paro o Rio de Janeiro
pretende seguir com muitabrevidadeo patacho na-
cional Beoeribe, tem parte de sen carregamento a
bordo, e para o resto qne Ibe falta e escravos a
frete, para os quaes tem excellentes commodos,
tratase com os seus consignatarios Antonio Luiz
de Oliveira Azevedo & C, no seu escriptorio rna
da Cruz n. 1.
\ Para a Bahia
Pretende seguir com muita brevidade a vellelr
sumaca nacional Hortencia, tem parte de sen car-
regamento prompto, para o resto qae Ibe falta tra-
ta-se com os seas consignatarios Antonio Loiz de
Oliveira Aievedo & C, no sea escriptorio, rna dt
Cruz n. 1.
Liverpool. Brasil and Rlver
Pate team Navegatlon Comp.
llmlted.
Segu em dlreitura para Liverpool no dia 20 de
julho o vapor Cassim, commandante Hudson, tem
excellentes commodos para passagelros:
Para condieges e mais informacSes trata se
com os agentes Saunders Brothers & C, Corpo
Santo n. 11.
LEIL'OES.
LEIaLiO
DE
ALFANDEGA.
Rendimentodo da 1 a 16.......... 3o0:122516
dem do dia 17................. 18-442^440
368.i)i i^'j 56
MOVIMENTO DA ALFANDEGA.
Volnmes entrados com fazeudas..
a gneros....
Volnmes sabidos com fazendas... 96
i ce gneros.... 629
72o
Descarregam boje 18 de jolbo.
Hiate inglezOceannmercaaorlas.
Brigae portogaezConstante //pedras.
Bsrca oacioDaFavorita -charque.
Patacho banoverianoAtlanteidem. '
Patache nacionalValenteidem.
Patacho nacionalG urihcrminai de m
Patudo hollandezWtlhermma Magdalenaidem
BrigaeportaguezN. S. da Conceicaoidem.
Polaca nacionalS. Pedrodem.
JExportaeo.
Barca pertugieza Ourense, carregou para o Porto
o seguinte:
27 saccas com 120 Q e 20 < de algodao, 1931
saceos com 9755 $ de assocar branco, 400 ditos
com 2000 de dito mascavado, 350 couros seceos
com 6095 % 2448 meios de sola e 70 pranxoes de
vinbatico.
Barca brasileira Berfta B., carregou para o
Para o seguate:
475-barrtcas com 1596 u? e 5 % de assocar branco.
i- Barca portagueza Sympathta, carregou para
o Porto o seguinte :
357 saccas com 1942 flj 8 f de algod?, 80 sac-
eos com 400 de assucar branco e 180 pranxoes de
t alia tico.
Barca portagueza Nova Mariana, carregou
para o Rio-Grande do Sul o seguinte:
35 cascos com 4030 medidas de agurdente,
1200 barricas 8778 S 2i ft de assocar branco, 70
couros seceos com 1492 a.
Vapor inglez Chriysolttt, carregou para
Liverpool o seguinte:
1393 saccas com 33,100 $ de assucar mascavado
e 1400 (> de ossos.
importaco
Hiate nacional Graciosa, entrado do Aracaty,
consignado a Baltar & Oliveira, manifestou o
seguinte:
200 alqaeires de sal; a Manoel Caetano da
Costa.
890 conros curtidos, 58 meios de sola, 549 arro-
bas e 141 de la e 858 saceos com cera de car-
nauba *, a Antonio A. de Moraes.
40 cooros curtidos, 8 meios desoa, 2 saceos
com 10 arrobas de la e 12 % de pedras de
lousa.
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS
GERAES.
Rendimento do dia 1 a 16........ 21:548*810
dem do Ota 17................. 625817
Hoje 18 de jalho
A. C. de Abren fara' leo por intervenQo do
agente Pestaa, de fazendas inglesas e francezas,
hoje as 11 horas da manha em seu arraazem ra
da Cadea.
De vergas, mastaros, pao de bujarrona e de eu-
tello, pannos, massama, cabos para (roca, cor-
reates finas, poleame, tanque de ferro, barome*
tro e mais pertences de navio, sendo os paos de
pinho de viga de superior qualidade e o panno
no melhor estado.
HOJE
no Forte do Mato, em t/ente ao armazem da Com-
panid PaYnambncaua.
O agente Pinto fara' leilo por conta e risco de
quem pertencer dos objectos cima mencionados^
os quaes podero desde ja' serem examinados,' o
ello devera' ter lagar as 10 horas do dia cima
ilo em frente do armazem da companbia Per-
nambacana no Forte do Mato.
LILAO
Seita-feira 16 as 11 horas.
De orna mobilia deijacarand non.
Dos sobrados de ns. 42 e 44 na roa Augusta.
Do sobrado n. 27 do largo do Terco ou roa das
Cinco Ponas.
Por conta e ordem de diversos vender' naquel
le dia na ra estreita do Rosario n.,45 armazem.
os predios e mobilia como cima, i-__________
22:174*637
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do dia 1 a 16.
dem do dia 17..........
84:423*274
1:5619368
85:984*642
AVISOS MARTIMOS
w
rOMPAMHA BRASILEIRA
DB
Paquetes a vapor
E' esperado dos portos do norte
at o dia 29 do corrente o vapor
Guar,commandante o primelro
lente Pedro Hyppolito Daarte,
o qual depois da demora do cos-
tme seguir' para os portos do sul.
Desde ja recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no da de sua ebegada, encom
mendas e dinbeiro a frete at o da da sahida as
horas. Previne-se aos Srs. passagelros que suas
passagens s se recebem nesta agencia rna da
Cruz n. i, escriptorio de Antonia Luiz de Oliveira
Azevedo a C.
Para o Aracaty
segue nestes dias o palbabote Emtlta : a tralar com
jos Sa' Leitao Jnior, na roa da Madreado Dos.
COMPANBIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES 4 V4P0R.
E' esperado dos poros do snl
at o dia 22 do corrente o vapor
Tocantins, commandante Farias,
o qnal depois da demora do eos-
tnme seguir' para os portos do
norte.
Recebem-se desde j passageiros e engaja-se a
carga qne o vapor Doder conduzir a qual devera'
ser embarcada no dia de sua chegada, encommen-
das e dinbeiro a frete at o dia da sahida as S
horas. Previne-se aos Srs. passageiros qne soas
passagens s se recebem nesta agencia roa da
Cruz n. 1, escriptorio de Antonio Lnlz de Oliveira
i Azevedo & C.
Lisboa.
Segu em poneos dias o brfgoe portugus Cons-
tante II; para carga e passageiros trata-ae eom
Oliveira Pilhos & C; largo do Corpo Santo n. 19,
on com o capito na Praca do Commercio.
Pam o Aracaty
Segu em poneos das o bem conhecido e vellel-
ro palbabote nacional Dous Amigos, tem parte do
sea carregamento prompto, para o resto que lhe
falta trata-se com o seo consignatario Amonio Luiz
de Oliveira Azevedo & C, no se escriptorio, rna
da Cruz o. i.
Do deposito da ra do Codorniz b 14.
Sexta-feira 19 do corrate.
O agente Pestaa legalmente autorlsado fara'
leilo para pagamento dos credores da armaco,
gneros e mais ntencllios existentes no deposito
da ra doCordoniz n. 14, no da cima menciona-
do e no mesmo deposito as 11 horas da manha.
De 10 barris com viaho verde e 15 di-
tos com potassa nacianal.
Segunda-feira 22 do corrente,
O agente Pestaa far leilo por conta e risco
de quem perteocer dos gneros cima menciona-
dos com as marcas vioho J A R e potassa M, as 11
h- rae da manha na porta ao Annes defronte da
afandega. ________________
verde, vinagre,
1Q0 saceos com
a*'
De vioho do porto,
bracos devimee
feijo branca.
Seguoda-teira 22 do corrente.
O agente Pestaa fara' lellio por conta e risco
de quem pertencer de marca diamante SSS6 Larris
com vinbo do Porto, S N 6 ditos de 8 cora vinagre,
JBSA 24 ditos com vinbo 10, 5- e 4, MJAS 12ditos
dito te S; A A C 10 ditos, e dita de 10, sem mar-
ca 1677 lencos com vimes, X 100 saceos com fer-
Jo branco, tudo sera' vendido em lotes a vontade
segaoda-feira 22 do corrente pilas 11 horas da
manha na pona do armazem do Annes defronte
da afandega.
AVISOS DIVERSOS.
Irmandade de Sant'Anna da
igreja da Madre de Dos
Pelo presente sao convidados todos os Irmos
rennlr-se no consistorio da referida igreja, domin-
go M do crreme, pelas 10 horas da mauba, aflm
de se eleger a nova mesa regedora qne tem de
funecionar no anno administrativo de 18%7 a 1868.
Joaquim F. da Silva Jnior
__________Eserivo.__________
Cozinheiro
Precisa-se de nm cozinheiro, preferindo-se bes-
panboi oa portogaez : na rna das Larangeiras nu-
mero 14, hotel..
Na ra de Santo Amaro n. 6 precisa-se de
nm feitor que salba tratar de jardim e pomar, pa-
ra o lugar do Monteiro : a tratar das 9 as 10 ho-
ras do dia.
Attenc3,a
Participa-se ao publico que se vendem babas de
todos os tamanhes, por pregos commodos, para se
retirar para fra da provincia : na rna da Praia
numero 38.
Theatro de Santa
Isabel.
por falla de lembranca e de apontamento, igno-
ra-se se os camarotes ns. 11 e 13 de 2* ordem
para o beneficio da actriz D. Falco, foram passa-
des oa se se perdern). Na primeira bypotbese
pede-se por favor as pessoas que se dignaram acei-
tar os ditos camarotes, o favor de o declarar no
hotel central at amanoja ao meio da.__________
Dinheiro a premio.
Na travessa da rna da Concordia n. 13, sobrado,
se dlra' quem da'. _
Confraria de S. Jos d'Agonia.
Por deliberaco do nosso irmo provedor convi-
do a todos os nossos irmos a comparecerem em
nosso consistorio, sabbado 20 do corrente, afim de
encorporados, assistirmos a testa e te-denm de
Santo Elias do convento de N. S. do Cartao.
Consistorio 17 de jalho de 1867.
Antonio de Azevedo Neves
Secretario.

*
*
i h


\

-
lario de Peraanbneo ~ Qnlof* letra 18 ate- vlho te i867-
^

.

Vt
t
re -
re
M
es
V

O.
2 -o
a

a
8
rsi
3
o. s
o.
M
5.
o
o
S B S
Be S S
o y
&h
- 8"
a re.
_. a o
O g-w-a
. M ai "5
S u g 2
III Is
- o 2
.2 ce -3
is" e -'
t CO
3 9 _
.2 "S fc .2
-<
ce
o
3
9
O
o
o
T3
S
fi
tfi-
s
u
re
a

so
re
i
Z
3
S2 <
a oJ*J 3
o ce
2 c
0.2!
S2Psl
Si; -3
fe ^3 2 3c
- TO aj tO *0 ^ -r
3 o'S/e.s S. ce1^
.3-
&3
re co
-
<&
1
.i)

a
o
8flf|
asfi
3 re
X3
- 1F
sliil
a ce co O.
co Cd
0"OQaQ
M-'S 1
Instituto Archcolegio e freograpnico
Pernambncana
llavera sessSo ordinaria quinta-feira 18 do
correte jalho, pelas 14 horas da manhia.
ORDEM DO BIA
Pareceres e mais trabalbos de commis-
soes.
i Leitura de varios documentos de valor his-
trico, feita pelo Sr. raajor Salvador Henri-
qae de Albuquerque, socio effectivo do las-
titulo.
I Secretaria do Instituto, 15 de julo o da
1867,
Jos Soares de Azevedo.
Secretario perpetuo._____
Muita atten$o
Na roa da Roda casa n. 31, ha ama senhora
moilo fiel e capaz qae pela sua grande precisio
que tem dispoz-se a ir para casa de qualquer fa-
milia eslraogeira engommar oa cosinbar ha vendo
precisao, comtanto que seja casa de pessoas eslran-
geiras e-a nesta praga on tora dalla.
Ama de leite.
Na ma da Penba n. 25, segundo andar, precis-
se de nma ama de leite._____________________
Xarope de salsa parrilaa do Para
ou
DEPURATIVO DO SANGB USADO AS MOLBSTIAS Di
PBLLE, IUPING8NS, DORES RHEUMTICAS B ULCERAS
VENREAS.
Deposito
Pharmacia do Pinto roa larga do Rosario na-
mero 10.
S O co cu O
JOIAS
2585(3 .2 O
Alieiicao.
o
Contina andar fogido do poder do abaixo as-
signado, desde o dia 12 de marco do corrente anno
o sen escravo pardo claro, de nome Cyriaco, cora
os signaes segnintes: representa ter de idade 40
annos, rosto rodondo, e nm tanto envergado, olbos
empapujados e fondos, bocea grande, beicos gros-
sos, barba fechada e rniva, ps e mos grossos e
carnudos, peitos vermelhos e cabellados, cabellos
crespos e avermeibados, costnma andar armado de
aco e urna bayoneta n'nm pao, gosta de tomar
cachaca, e qnando Oca bebado da' para poeta, e
regris.a : roga-se, portanto, as autoridades poli-
ciaes e capi&es de campo a apprehenso do mes-
mo, e leva-:o a sen senbor, o abaixo assignado, no
eugeobo Pedregulho, em Nazaretb, qne sera' bem
recompensado.
Jos Ignacio Pereira Torres.
i oos
de gratificaco
Continua andar fgido o escravo do abaixo as-
signado, mulzto, por nome Dionizio, com os sig-
naes segoinles : idade 22 annos, estatura regalar,
falta de dous dentes na frente do lado superior,
olhos nm ponco aperlados, tendo os dedos mnimos
dos ps mais altos, eostuma a trazer o chapeo c-
nido sobre os olbos, tem um nome escrlpto em nm
des bracos, e consta que esta' trabalbando no ofli-
cio de sapateiro ; e o abaixo assignado protesta a
qaem tiver o mesmo acontado desde ja', conforme
a le.Jos Gongalves de Azevedo.
AttenQo.
S Elias Baptista da Silva declara que Joaquim de
Souza Pinto, deixou de ser sen caixeiro desde esta
data. Recife 15 de julho de 1867.
Aluga-se um armazem grande na ra da
Praia d. 33, proprio para carne ou outro qual-
quer negocio : a fallir no mesmo.
Farinha
N03 arraizens da Madre de Daos n. 22 e da es-
cadiaha defronta do arco da Conceico vendem-se
saceos com rarinti de mandioca de superior qaa-
lidade, maisem coata do qae em outra qualquer
parta.________^______________
~Pala sabielegacii do Io districto di fregu-
Bta do Afogados, fji apprehendido e recolbido a
deposito um cavallo cardo pequeo : quera se
julgar coro direito ao m9smo comparec qae pro-
vaado Itie sera' entregas. Sabdelegacia da. fre-
guozia dos Afogados 16 de julho de 1867.
O subdelegado,
Dr. Carneiro Monteiro.
o
Q
1.0,3
o S o S^
M-'
C3

ce
O.
a o


3
z
i
!
a
2 '2
ge "
co 93 "3
Lilla
IS.S ,.2-3
1 O 0}
o ce rn t*
. co co O
)' 3
*$&(
oS.S
8451 S
_____ N,2D K 2 <
^T^ COR1CAO DE OURO. ^fefi
A loja n. 2 D intitulada Cor ac o de Onro na ra do Cabng, acba-se *3ra em diante ollerecen
do ao respeitavel publico com especialldade as pessoas qae bonram a moda o ebjeotos do ultimo gos-
to (a Pars) por menos 20 por cento do que em ootra qualqner parte, garantindt>se a qnalidade e a s-
idas da obras.
O respeitavel publico avallando o desejo qne deve ter o proprielario de um novo estabelecimen-
to qne quer progresso em seu negocie deve ebegar immediatamente ao coraco de oaro a comprar
aneis com perfeitos brilbantes, esmeraldas, rubios e perol a ; verdadeiras em agarras, modernas pek
diminuto prego de 101, brincos modernos de ouro e coral para menina pelo prego de 3#, maracas de
prata com cabos de marfim e madre pe rol a obra de moderno gosto (o qae o* encontrarlo no coracao de
onro) voltas de onro com a competente crnsinba ricamente enfeitada pelo pequeo proco de 125, brin-
cos de nm trabalho perfeito por nm mdico prego, cassoletas, trinealios, pslceira?, alnnete para re-
tratos e oatros modelos tudo de alto gosto, aneis proprios para butar cabello e firma, dito para casa-
mento, no artigo roseta tem o Corago de Ouro nm completo e bam variado sortimento de diversos
gostos, butSes para pannos com diamante, rubios e esmeraldas, obra asta importante ja' pelo sea va-
lor ja' por gosto ds desenlio, brincos a forma da delicada mostima de mogacom pingante contendo es-
meraldas, rubins, brilbantes, perolas, o gosto sublime, alfioete para gravata no mesmo gosto, relo-
gios para senhora cravados de pedras preciosas, ditos para bomem, diversas obras de brilbantes de
mnito gosto, crnsinbas de rubins, esmeraldas, perolas e brilbantes, aneis com letras, eagoletas de
trystal e onro descoberia para retrato (a iogleza) brincos de franja, ditos a imperatrize toda e qual-
qner jola, para secol ocar retrataste obras de cabello, e oatros mallos objectos que os pretendemos en-
contrario no Coraco de Ouro qne se conserva com toda a amabilidade aos concorrentes delxando-
se de aqnl mencionar precos de certos objectos poiqne (descujpem a maneira de fallar) dizendo-se o
prego tal vez alguem faga mi juizo da obra, por ser to diminuta quantia a vista do sen valor.
Na mesma loja compra-se, troca-se ouro, prata e pedras preciosas, e tambem recebe se coneer-
tos, por menos do qne em outra qualqner parte, e'dao-se obras a amostra com penbor, coaservando-se
e Coracao de Oare.aberto at as 8 horas da noiie.
Qualquer pessoa qne se dirigir ao Corago de Onro nao se podera' engaar eom a casa, pois
nota se na sna frente nm coracao pendurado pintado de amarello, alem de outro qae se nota em um
rotulo (isto se adverte em conseqnencia de terem ja' algamas pessoas engaado com ontra casa.
i
^voe grande deposito de superior carvao de Cardiffna
Babia.
Antonio Gomes dos Santos i C, ra Santa Barbara n. i, esto habilitados a supprir de
oarvao em condigdes mais favoraveis que em ouno qnalquer deposito, a todos os navios a vapor qne
cervera naouelie porto. A contratar nesta com Domingos Alves Matheus.,
2 .
o
en o>
ca io
3
a -ce ce q
2 o "2
a ** u
3 er

o
O 3
o
.53
_ co i 2 n
Ilf111
= ro2
C co
i ,-3-"= .S 3
a
3
O

_ r-, 2
^! o 2
cj ce
-. a >
lis
5.
c--S g
3
a
a^
2
8 a
CCS
o
3
2.1-
s.a-3
O
-3
9*
OfScla! de barbeiro
Precisase de um offisial de barbeiro : na ra
a Cruz n. 51.
A&phalto
O fibricaute Minoel Firmino Ferreir* morador
ni ra di Cinwiia o. 73, offirece seu prestimo
a qasm precisar de ladnlhar seos armazeos, ca-
sas de moradla, terragos, cochairas etc, com este
miterial unici preservativo de cnpin, ratos e bu-
mi-lada das casas e at bygieaico.
Sociedade
CASA DA FORTUNA.
Aos 6:000^000.
Bilhe.es garantidos
A RA DO CRESPO N. 23 ECASAS DO COSTUME
O abaixo assignado vendeu nos seus meito feli
zes bilbetes garantidos da lotera que se acabou
de extrabir a beneticio das familias dos volunta-
rios da patria, os seguiates premios :
\. 2881 um meio com a sorte de 2:0005.
N. 2960 um meio eom a sorte de 6004.
N. 2636 um meio com a sorte de 3005.
E outras raaitas portes de 1005, 405 e 205.
Os possuidores podem vir recebar seus respec-
ivos premios sem os deseoutos das leis, na casa
da Fortuna a'ruado Crespo n. 23.
Acham-se a venda os da 2* parte da 8' lotera
do theatro de Santa Isabel, que se extrahira' tor-
ga feira 23 do corrente.
Prec*
Bilbetes.......... 65000
Meios............ 35000
Quartos.......... 15600
Para as pessoas que compraren de 100*000
para cima.
Bilbetes.......... 55300
Meios............ 25750
Quartos.......... 15375
Manoel Mrtir Fiuza.
IV. 8 ARa do CabngM. 3 A
Agostinho Jos dos Santos G
Acaba de chegar a este estabelecimento um esplendido sortimento de
joias do ultimo gosto, perfeico artstica e modellos eoteiramente notos; como
seguem: aderecos com rubim, esmeraldas e perolas finas, pulceiras, broches
para' retrato, anneis, botes de puaho, brincos e cassoletas com letras, etc.,
etc., etc. Salvas de prata do Porto, faqueiros, paliteiros, calix de mesa e
fructeiras, cujos presos s5o incompetiveis, pois que os propri (arios desta casa,
recebendo seus artigos directamente da Europa, podem servir vantajosamente
aos seas freguezes. Compram-se brilhantes, pedras finas, ouro e prata, paga-
se bem, tambem se incumbem de fazer concertos.
-fan osa. Jaa aSBu .
Na ra da Prau n. 34, se offerece metade dos
interesses qaa se possam fruir em nefeocio da car-
ne secca a quem ss preste com a suficiente pra-
tica e Qador idouao de sua conducta.
Precisa-se de urna ama
brado de um andar n. 32.
na ra do Aragao so-
A' ra da Penba n. 21, segnndo andar, alu-
ga-se um, doas 'oa tres escravos para qualquer
serviga, prefarindi-se de sitio prximo, s alu-
guais sao pagos mansalmenta.___________
itttenco.
o
Fgio no dia 5 do corrente mez de jalho do
sitio do Cajueiro da Passagem da Magdalena, a
escrava Mara,crioula, idade 27 anuo', cor fula,
allura regular, ebeia do corpo, rosto redondo, pel-
to corrido, qasndo falla gagueja, levoa vestido
da riscado encaraado, chales branca com rama-
gitn encarnado, costama mudar de trajes, sahio
para vender fructas : roga-se as autoridades poli-
ciaes da capital como do centro oa qaalqaer indi-
viduo do povo a prendara e leve a sen senbor Ma-
noel Aatoaio da Silva Rios, no masmo sillo do
Cijoeiro casa de azulejo que sera' gratificado ge-
nerosamente.
6:000/?OO E 2;000J000
Terca-feira 23 do corrate mez no lu-
gar e horas do costume se extrahira a 2*
parte da 8a lotera a beneficio do theatro
de Santa Isabel (29.*)
As encommendas sero guardadas somen-
te at a noite da vespera da extraeco.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
Padaria
Preeisa-se deom forneiro qae seja perfeito nes
te servigo : na rna larga do Rosario n. 16.____
?recisa-se de nm preto
na roa da Saudade n. 13.
para todo servigo
^OLOMf?
PARA ZO INTERNO
Pergunta-se
Se permlttido aos senhores escrivaes consen-
tirem que o procurador do R. seja tambem procu-
rador do A na mesma exeeagao^_____ _
Aluga-se um ptimo mulatinao para criado :
oa rna do Aragao o. 13.
war
de
A quem tiver acbado ama chave
burra e leva-la a roa do Caboga o, 9.
Illlllllllill
Precisa-se de ama ama de leite : na roa da
Aurora n. 86, andar.__________________
Aluga-se o sitio n. 9 que divide com o Ro-
sarinho por 255 mensaes: a tratar na roa de Ca-
tinga' com o Sr. Maia.
Precisa-se de um caixeira pequeo : na roe
das Crnzes a. II.
Ao inimigo dos tolos
S. S qne am tolelrao, pode publicar os nos-
sos nomes porque desda ja ihas alarmamos qae
continuaremos a namorar l pelara da Cruz
Tome cantelaqoe nio trae roabemos a sna dal-
cine.....
Os sens rvaes,
VirlsshnoQuetmado
CapimCrespo.
Burros
PREPARADOS SIMPLES,
Xarope de jurubeba garrafa......... i^ooo
Vinhode I/>6oo
Plalas de vidro......... 106oo
Tintura de 64o
Extracto hydralcoolico de jurubeba s 12#ooo
PREPARADOS COMPOSTOS.
Vinho de jurubeba ferruginoso garrafa. 2#ooo
Xarope 156oo
Pilulas vidro... 20ooo
Oleo de jurubeba vidros.... 64o
Pomada de pote...... 6io
Emplastro libra..... 205oo
PARA UZO EXTERNO
A JVRUBEBl.
Esta plantar hoje reconhecida como o mais poderoso tnico, como um excesj
lente desobstruente", e como tal applicada nos engorgitameutos do figado e baco, na-
hepatites propriamente ditas, ou ainda complicadas com anazarchas, as inflammaces
graphia e francaz, em casas particulares, por
go muitisslmo rasoavel, licoes todos os das.
mette todo zelo cabivel no exercicio de sens deve- zias, erysipellas; e assocada as preparaces ferruginosas, e anda de grande vantagem
as anemias, calorosos, faltas de menstruac5o, leucorrheias, desarranjos atnicos do esto-
mago, debilidade orgnicas, e pobreza de sangue, etc.
O que dizemos affirmam os mais^distiactos mdicos desta cidade, entre os qaaes
podem os citar os lllms. Srs, Drs. Silva Ramos, Aquino Fonseca, Sarment. Seve, Pe-
reirado Carmo, Firmo Xavier, Silva etc. Todos elles reconhxem a excellencia d'este po-
deroso medicamento sobre os demais at hon roohesidos para todos os casos citados,
tanto que todos os dias fazem d'elle applicajfr.
Apresentaodo aos mdicos e ao publico em geral diversos preparados da juru-
beba, tivemos por fim generalisar mais o uso d'este vegetal, aaendo desapparecer a
repugriaacia que at hoje sentiam os doentes de usar dos preparados empricos d'elle, o
mais das vezes repugnantes a tragarem-se, e que tinham ainda a des vantagem de na"o
ser calculada a dose conveniente a applicar-se, o que torna muitas vezes improficao um
medicamento, que podara produzir ptimos resultados.
Os nossos prepados s foram apreseotados depois de havermos convenientemente
estudado a jurubeba, fazendo as experiencias precisas para bem conhecer as propriedades
medicamentosas d'esta planta em saas raizes, folhas fructas ou bagas, e a dose convenien-
ea appcaclo, tendo alm d'isto procurado levar os nossos preparados ao maior grao de
tperfeicjo possivel, para o que nao poupamos esforcos, nao nos importando o pouco lu-
cro'qne possames tirar.
Por tanto os que se dignarem recorrer-aos nossos preparados podem ter a certeza
de qne elles offerecem a garanta, de que se pode encontrar a prompta e infalltvel cura
Tfifi Urna pessoa sofBclentemeute habilitada, offerece-
se para ensinar primeiras lettras, arithmetlca, It^m^mu febres intermitentes ou durezas, nos abeessos internos, nos tumores es-
pro.|pecialmente do tero e abdomen, nos tumores glaDdulosos, na anazarcha, as hydrope-
leve
res, de modo a alcangar o maior adiautamento pos
sivel da parte de seas discpulo? oa discipulas. As
horas serSo eonvencionadas, isto das 11 do dia
as 9 da noite. Em casa onde bouverem mais de
am discpulo o prego diminuir. Podera ser pro-
curado on na ra do Socego (Campo-Verde) n. 54,
on na rna da Concordia n. 18 A.
No dia 19 do corrente as 10 horas da manha
ba inspecgo de sande no consistorio da groja ma-
triz de S. Jos para os guardas que requereram ao
conseibo de qaaliflcago da revis3o do 2.a batalho
da guarda nacional deste municipio. Os interessa-
dos comparegam.
O major.
Miguel Bernardo Qq'nteiro.
Club Pernambucano
A partida do corrente mei, ter lagar na
noite de 25.__________
Fugio em 11 de julho urna escrava crioula
de nome Delna, idada 25 annos, eom os signaes
segnintes: nm pouco baixa, magra, rosto secco,
nma reladnra no dedo grande do p, os olbos nm
tanto vesgos, nos ps emos calor de figado,o coa-
Attenco.
o
Fugio do eagenbo Outeiro o escravo por nome
Jos, com os signaes segnintes : cor de cabra, Ida-
de de 20 annos, tem urna belide no olho, altara re-
gular, os ps apalbetados, nlitula-se por forro, e breneo : quem o appreheuder e entregar a bordo
desconfa-se ter vindo para essa praga para assen- do dito patacho, oa na roa do Trapiche D.
Fugc aa noite de 9 do corrente mei de julho
de bordo do patache nacional A.-roio Grande, am
escr.vo crioulo por nome Ai aro, natural da pro-
vincia do Bio Grande do Sol, idade de 19 a 2Q an-
eo?, estafara bal, cor fula, rosto ron.prido, hel-
eos grossos;Afalla muito de vagar, e tem cas costas
a-lgnos signaes de cicatrizes, levon vestido camisola
e caiga de atgodo braceo, e nm booet de bro
tar praga on ter Ido para o snl de Agna Preta ; pe- be recompensado.
de-se as autoridades e capitaes de campo se pega-
ren) levar ao mesmo engenbo on a rna da Crac n.
18, 3" andar, qne ser recompensado.________
Kival sem segundo.
Rna do leIman tjuer acabar com as fazendas aballa
mencionadas.
Qaeiram vk ver o qne ba t baratissimo.
Toalhas de labynntho com bico, faienda boa a
Carreteis de llnba com 100 jardas a 30 rs.
Gravatas pretas e de coree mnito Anas a 500 rs.
Calas de oareias de massa muito novas a 40 rs.
onfladores para espartilho de cordo e Ota a W
ris.
Carreteis de linba Alexandre com 400 jardas a 20t
ris.
Resmas de papel almago muito bom a 25500.
Frasco de oleo babosa a 320 e 500 rs.
Ditos de dito biglenique verdadeiros a 15000.
Ditos dito falso a 800 rs.
Ditos de maeagar perola a 200 rs.
jabonetes mnito Gnos a 60, 160, 200 e 320 rs.
Ditos de bolla mnito finos a 240 e 320 rs.
Caixas para rap com bonitas estampas a 100 rs.
Miadas de linha froxa para bordar a 20 rs.-
Varas de cordo pare espartilho a 20 rs.
Fraseos com tinta roa mnito boa a 240 e 330 r
Pentes volteados para regacar cabello de meninai
a 320.
frascos de macaga' oleo muito fiao, a 120 rs.
Abotoaduras muito finas para colletes a 500 rs.
Cartees de liaba branca e de cores a 20 rs.
Libra de arda preta superior a 100 rs.
Cartas de alfinetes francezes com l\ pentes
120 rs.
Escovas pan tato, fazenda boa, a 500 rs.
Varas de franja branca de linbo para toalha a
100 rs.
Pegas de bico estrelto com 20 varas muito bonito a
15000.
Varas de papalina de diferentes larguras a 120,
160e]200rs.
Caixas fle palito balo a 40 rs.
Caixas de palitos de segnranga sem enchofre a
60 rs.
S.bonetes de familia a 100,160 e 240.
Grosas de botes de madreperola para camisa a
500 rs.
Lia para bordar de todas as cores e fina, a libra
65000.
Carreteis com 4 oitavas de retroz preto mnito fino
a 15000.
Caixas com soldados de chambo para", meninos a
120 rs
Cartillia de doulrina cbristla a 320 rs
Latas com superior banha a 200 rs.____________
Precisa-se singar orna ama de leite : a tra-
tar na rna do Hospicio n. GS._______________
Precisa-se alagar urna ama forra on escrava
para cata de ponca familia, para comprar e cozi-
ahar : a tratar na ra do Rangel o. 10, segnndo
andar.
4, ser
C 2 M -
a f JIM 2 a.
o =! a
fipfi
a 22-a
w a 9 m a
o
I-SI al
50$000
- Precisa-se de um preto para carregar
caixa com miudezas: na rna Nova n. 28.
urna
Ausentou-se do sitio Corioga em trras de en-
genbo Joadi freguezia da Escada o malatioho
escravo de nome Flix, idade 12 annofpeuco mais
ou menos, cor ciara, grossodo corpo, cabella de
fogo annellado e ie*ou chapeo de palna de car-
nauba, camisa e caiga de axnlio, eujo desappare-
cimento leve logar em o 1* de margo prximo
passado : quem o pegar sera' gratificada no enge-
nbo Jundi no sobredi to sitio a entregar a saa se-
nhora Clementina Pessoa de 011 ve ira on ao Recife
a roa da Praia n. 43, estabelecimento de molha-
dos de Genuino Jos da Rosa.
Precisase alugar urna escrava para vender
na rna : a tratar na ra do Hospicio n. 68.
Aos Srs. fogueteiros
na botica da roa larga do Rosario n.34
Vcncie-sc
Salitre refinado de Ia qoadade.
Enxofre em cylindro dem.
Limalba de ferro (mnito nova.)
dem de ago idem.
dem de ponta d'agnlha idem._______
Precisa-se fallar eom o Sr. Joao Valentim
Dias Vuela no armazem da estrella, largo do Pa-
nizo d. 14.
ro um tanto lixad, levoa vestido ds chite cor de
caf asado, am chales de algodo^de qoalros de qualque dos soffnmentos, que deixamos ioflumerados, se forem em tempo applicados
* tendo alm d'isso, medico ou doentea vantagem de escolher as nossas variadas prepa-
ainda aovo, esta escrava foi comprada ao senhor
de engenho de Paalista em 21 de malo : roga-se
Preeisa-se de ama preta escrava, para vender
na rna : na roa do Trapiche n. 36, seguido andar.' graphia i negocio,
as antoridades e capltes de campo a aprehengo
de dita escrava e leva-la a roa Direlts. desta clda-
de .99.
Escrava para comprar
ou alugar
Precisase de na* escrava que ootlnhe,por
compra oa singue! : na roa da Cruz, armazem n.
lOTdas 10 horas da manbia s 4 da Urde.
O Sr, Jos Marques da Costa Soares,
(negociante no Recife) queira w esta typo-
Cesario Aareliaoo Ventura e saa senhora falta-
riam ao mais sagrado dever da graldo se dei-
xassem de vir pela imprensa dar um testemnnbo
de sea reconbecimento aos seus amigos que acora-
panbaram no dia 14 do corrente, a saa ultima mo-
rada os restos mortaes de seu tio Manoel Martlns
de Moraes, com esDecialldade ao sea amiga o Sr.
Dr. Francisco de Pauta Soares pela offhiosidade e
desinteresse com que so mo-mu no tratamento
daqoelle finado, ao Rvd. Sr. padre Bento digno
capello da confraria do Senhor Bom Jess daVia-
Sacra, e ao actual thesoureiro da mesma Candido
da Costa Dourado, recebara pois ews senhores a
nosa confissao certos de que ella sincera.
Desappareceu do engenho Gatirabinba, do dia
8 do corrente, o escravo Luiz, mulato, idad 22
annos, pouco mais ou menos, cojos signaes sao :
baixo, corpo ebeio, barbado, prosista, qoer se in-
culcar da forro, e ba aVsconflanga qae queira se
apresentar como voluntario da patria, e talvez que
na provincia da Parahyba, para ende ja fez urna
fgida quando pertencea a outro senhor Jos Alves
Bezerra, senhor do engenbo Escavadioho, sito nj
comarca de Nazeretb : rogase, portanto, as auto-
ridades pociaes ou qualquer capillo de ampo a
a qaem o apresentar a sen senhor,
nado, em seu eog.'nho Gatiubinba,
e freguezia de Iguarass, ou nesta
Lima 0< Guliuarof.
Luiz de Andrade de Albuqaerque Maranhio
o abaixo assig-
sito na comarca
praga a Rocha
PHOTOGBAPHIA
TIISIA
RDA DO CABCGA N. 18, ENTRADA PELO
PATEO DA MATRIZ.
O nosso estabelecimento pbotographico
est sempre em da com todos os melhora-
mentos e progresos que na America do
Norte, ou na Europa se consegue na arte
pbotographica, e para alcaogarraos tal fim
nunca poupamos despezas nem sacrificios,
fifi sorte que OS nossos numerosos freguezes|apprehenso do mesmo, pagndose generosamente
podem ter a certeza de que sempre encon-
traro em nosso cstabclocimcnto tudo quan-
fro a arte e a moda offerecer de duuj, no
novo e velho mundo aos amantes da pho-
tographia.
NOVIDADE PH0T0GRAPH1C\.
Acabamos de receber todo o necessario
para fazer retratos chamados carle-album.
Este genero de retratos ltimamente in-
ventado na America do Norte, rpidamente
se piopagou na, Inglaterra c Franca aonde
goza actualmente de todo o favor da moda.
A carle-album se faz por duzias como os
antigos candes de visita.
Na Inglaterra trocaram o nome de carie-
lbum pelo de retrato-galeria e os ingleses |
usam encaixilhar estes retratos em quadros
especiaes para com elles formar galeras,
com que ornam seus gabinetes. Recebe-
mos urna certa quantidade de taes quadros,
os quaes cederemos por barato preco aos
nossos freguezes.
As pessoas que quizerem ver specimens
dos retratos chamados carle-album, j fei-
tos em nossa officina sao convidados a visi-
tar o nosso estabelecimento. ^
CARTES DE VISITA A 90000 A DDZIA.
Em consequencia do novo genero de re-
tratos chamados .carte-album, diminuimos
o preco dos antigos cartdes de visita, os
quaes de hoje em diaote ficam reduzidos
ao preco de
90OO
pela primeira duzi-a, sem que por causa
desta diminuicSo de preco, deixemos de es-
merar-nos no nosso trabalho, como sempre
foi nosso costume. Alm disto, continua-
mos a dar os cartOes de visita em cartees
de luxo, Bristol, ou porcelana, dourados ou
lithographados para o que temos urna varie-
dade de 12 modelos, a escolha de quem se armazem n. 8.
retratar.
S3J" VA GOMO PREVENQO.
Apezar do nosso trabalho ser muito co-
nhecido nesta cidade, aonde trabalhamos a
12 annos, com tudo jalgamos de nosso de-
ver dizer hoje o seguinte:
Nos retratos feitos em nosso estabeleci-
mento emprega-se toda a cautela para of-
ferecer-se a par da belleza do trabalho, as
melhoKfis condices de durac3o.
JARDN DAS DAiS
NOVA
Loja de fazendas
36 Ra da mperatriz 30
DE
Guimares Silva
Os proprietarios deste bello estabelecimento
partecipara ao respeitavel publico, e a seus dig-
nissimos freguezes qae encontrarlo no elegante
jardim das damas fazendas todas novas modernas
de diversas qualidades e ricos desenhos, tudo o
qae ba de bom e barato a satisfago de todos os
freguezes, qua nos quelram honrar com sua pro-
senga, a saber : sedas, laas, linho, algodao, vas-
quinas, ntremelos, babadinbos, camisas francezas
de linho e algodo, seroulas da linbo, camisas fla-
nella de cor, tudo de diversas qualidades e gostos;
assim como am completo sortimento de roupas
feitas, tanto francezas como da trra e por medida,
tudo com brevldade e perfeigao, cora o proposito
de agradar a todos, tanto era agrados dos Jardinei-
ros como a melhor boa f possivel na classificaco
de nossas-fazendas, por sso partecipamos a todos
em geral dirigir-so ao elegante jardim das Dama?,
verlflcar-se da verdade.
Precjsa se de orna ama para o servigo interno
de urna casa : a tratar na ra da Cadeia do Recife
Na praga da Independencia a. 33, loja de
ourives, comprase onro,prata e pedras preciosas,
e tambem se faz qualquer obra de eacommenda e
todo e qualquer concert.
N<2 RA DO TORRES N 2.
-* Caf e lunch
Encontra se a qnalqaer hora.
. Aceitam-se assignantes qae venham almogar e
jamar a este estabelecimento e igualmente se for-
Doura- necera para fora coraedorlas sadlas e bem feitas.
os nossos retratos sem olhar- me^sSdeiSa:Tt'rabrme2Io serHImpro oqneP se
naos a economa*, e ltimamente para ines CODvencionar no principioregularbomou ex-
podermos dar ama lavagem mais ampia! cnente, conforme o qae cada nm qnhr despen-
e segura, contratamos Gom a companhia de aer, os pregos serio meaveis.
Bebiribe ama penna d'agua. Os nossos1 w- *- i^rren-W i
Terrcstfr
infamara
de
graphias, qtie nao precisio de retoques ^^!^^^S^^^TcS
racSes, aquella que melhor lhe pode convir, j pela fac appkcacSo, e j pela complicacSo
das molestias, idide, sexo, on ainda natureza de cada individuo.
As nossas preparages ferruginosas sSo feitas de foma que se tomam completa-
mente solnvei nos soceos gstricos, porque procuramos os cofpostw de ferro qne como
taes esto hoje reconbecidos.
Para aquellas que mais minuciosamente quelram conhecer as propriedades da
jurubeba, e saberem a applicacSo de nossos preparados, destribuimos gratuitamente
em nosso deposito nm folheto, onde tratamos mais extensamente d'esta planta e dos mes-
mos preparados,
DeaosiU geral de todos os preparadas
Botlea e drogara
34Roa larga 4o Rozario34
cartoes de de visita sao verdadeiras photo-1 -- Ao Sr. capillo do baiainao
ratos Sases pede-se o r
u mperador n. 18, aflra
pintor para lhe desfarcarem os defeuos, e clar n"3g0Cl0S qae 0 mesmo senbor nao ignora
convidamos a quem quizer a passar sobre igual favor pede-se ao Sr. Francisco Rodrigues dos
elles urna esponja molhada em agua, on a santos Carioca.
deixa-los mergulhados por espaco de horas
; em agua, ou em espirito de. vinho: se apre-
sentarem alteradlo serlo recebidos por nos
e pagos pelo doplo de que tiverem cns-
1 tado. .
Continuamos a fazer retratos por todos os
T^ff^VVZ^ "^.^^r-^^nros
i de caixinhas, qnadros, passe-par-tauts, e Procisa-se de 4:0005 .8:0005 t jm
jolas de onro para a collocacao de retratos
o mais completo, variado e abundante qne
existe nesta cidade.
~ Precisa se de nma senhora qae se queira en
carregar da edneacio de 4 meninas em am engel
nho perto, con tamo qae saiba o francaz, porta-
euez, msica e piano e rabalhos de agalha : qaem-
se qizer contratar dirija se ao e3criptorio de Do-
mingos Alves Mitnens a roa do Vigario n. 14.
_ O ESTUDANTE do 2. anno Jeronymo Loa-
rengo de Aranjo, venha a roa das Crazas a 35, Bri-
dn-
dose por garanta nma propriedade denominada
Tres Laderas oa nm engento): qnem qnizer faxer
este negodo annnncie por este Diario, para ser
procurado, oa tratar na rna da Praia n. 37.
rr
V
k


Marta de rernambuco Quinta ielra 18 de Julho de 1867.
GRASDEEXPOSICVODEI867
U C0PA6XIB Lim\-SE
37,'BOULEVARD DES CAPUCINES, 37.
DE FRONTE DO GRANDE HOTEL.
Esto fus de seda, manteletes, visitas,
mantas, etc, cassas impressas. rendas,
chales da india e francezes, tecidos do
gesto e mais novo, emovaes paragca-
samentos.
A Compagnie Lyonnaise tem a honra de
informar as senhoras brasileiras e portu-
guezas que acharao no sea estabelecimento
saloes de costura para a confeccao los seus
vestidos executados no melhor gosto, e so-
bre os mais elegantes padrees.
Precisase
casa de poaca
vend.
de ama ama para cozmbar para
familia: largo da R|beira o. 7,
C4S\
de commissao de escravos,
Na casa de commissSo de escravos roa do Im-
perador n. 45,3* andar, recebem-se escravos pa
ra serem vendidos tanto da praca como do mato,
os senbores de engenbo que por qaalqner moti
vo qoeiram desfazerse de algum nao tem mais do
que remette-lo ao abaixo assignado qae garante o
teto tratamento e prompta venda, Dio se poupan-
do. exforgos afim de em todo satisfazer as pessoas
qae o qnizerem honrar com a sna coaanca. Nes-
* casa ha sempre para vender escravos de ambos
os sexos.
Antonio Jos Vieira de Sonza.
AVISO
Precis-se de am escravo de meia idade, de boa
condocta e habilitado para tooo o servigo de orna
casa de ponca familia, assim como de nma e;era-
va qoe cosinbe e engomme bem, ensabe e faca
todo e mais servico proprio de nma criada : qoem
tiver e qnizer alagar dirija sr a' roa da Aurora n.
70, 2* andar.
CASA DE HAMO
26 Pateo do tormo 26.
Neste estabelecimento tSo im-
portante para a saude e asseio
do corpo, aoham-se montados 20
banbeiros, que sao servidos com
a ordem e asseio que para de-
sejar-se. Quatro destes banhei-
ros sao especia'mente reserva
drs para senboras e por isto
acham-se col locados em lugar re-
servado, aonde s tem entrada
as pessoas de urna mesma fami-
lia.
PREQOS DE BANHOS AVULSOS.
1 banho fro, momo ou de
chovisco..... 5oo
1 dito de choque. 10ooo
i dito de farello. Iffooo
i dito aromatisado. iooo
PREgOS POR ASSIGNATURA.
30banhospor mez fro,
ii i orno ou de cbovisco. 103000
25 banhos com caribes
para os mesmos. lo#ooo
42 ditos ditos ditos. 5ooo
42 ditos ditos de choque. loooo
42 ditos ditos de farel-
lo.......Io0ooo
O estabelecimento estar aber-
to nos dias otis das 6 horas da
maohaaaslOdanoule, nos dias
santificados das 5 as 5 horas da
tarde.
B
D
o
i
8
i
s.
en
"
L
O
B
s
Q.
t
o
H
o
Cu
o
o'
ClO
OH
O
o
01
o
a
2
o.
o
co
"g
o
a
a
o
1
Cu
O. * O
D- As
c
a
o.
a
B
o.
a>
o
a
3
o.
S3
CB
O
"3.
o'
co
O.
s
a.
o
a
DI
O
fi>
o.
i
I <*
1
CB"
B
o.
CB
SS3
O
i
?5
M
ce.


0
13 3
TS
? n
&9
A a e
ce ?s
0 -*
.
"1 0
'-i 0
0 A.
0
r
09 0 3
O
c
O 0
CO -t
es.
o
a-
C6
i
-4
CO
3
o
?O
si
ct.
09
es.

; .<>.!
ymx
riaho tnico e nutritivo
BE
QUINA E CACAO.
DE
BttURiXIl.
Esta nova combinago rene em ama bebida as-
ss agradavel e conveniente a todos os organis-
mos, a qnioa qoe am medicamento tnico por
excedencia, e o cacao qae contem principios nu-
tritivos assas recoDhecidos.
Elle se emprega com o maior soccesso na cora
das paludas cores, sofJrimentos do estomago, per-
da de appetile, digestoes dificultosas, meostroa-
coes dtfflceis etc., etc.
Deposite especial
NA
Pharmacia e drogara de Bartholomeu C.
jj-JM larga do Rosario34
AL16AN-SE
4oas casas terreas os. 32 e 34 sitas na Capnoga,
ra da Ventora, junto ao porto denominado do Las-
ser, caiadas e pintadas de novo, e com commodos
para familia, teodo cacimba, seozala, estribarla,
alm de om grande quintal morado; qoem preten-
der dirija-se a ra do Trapiche n. 3, 1* andar, qae
achara' com qoem tratar.
~- Precisa-se alogar am moleqae ou negra para
vender : na roa de Aguas-verdes n. 46, segando
andar._________________ ________
Trocara s
as notas do banco do Brasil e das calas flliaes,
dom descosto moito rasoavel, na praca da lnde-
oendeacia n. 22._________________^^^
Permuta-se um engenbo d'agoa de fazer as
saear, sito na fregoezia de Serinhaem, distante da
va frrea meia legua, moente e correte, com
maltas, logradoares, e todo o mais aeccessorio, por
predios n'eeta cidade : qaem pretender dirija-se
ao largo do Paraizo n. 26 a fallar com o Sr. Flix
Fraacisco de Sonza Magalhaes.
Attencao.
o
As pessoas qoe tiverem relogios parados por fal-
ta de concertos, qaereodo aproveita-ios para seo
nso oo para vender, dirija-se a roa Direita oja
de relojoeiro n. 139, qoe concerta-se e doara-se
com perfeico e por menos do qoe em ootra parte,
prometiendo camprir o qae diz por ser casa nova
e qaerer aeredltar-ge._______________
~ Preclsa-ee de orna escrava di meia idade
qoe ensaboe e seja quitandera : na roa Direita n.
139, loja de relojoeiro._______^_________.
~~0 abaixo assignado tem constituido sen pro"
orador na provincia do Rio Grande do Norte o ade
vogado Dr. Antonio Jas da Alcovla, em qoem ello
reconbece, alm de orna honradez a toda prova, r
telo oecessario para incumbir-se de qnaesqoe-
qoestes, sem sacrificar de modo algam os interes-
ses de seos constitaintes. Fazendo esta deciaracao
por certos motivos, o abaixo assignado julga qoe
lia podera' aproveitar aos seos amigos qae o co-
nbeeem de porto para comprehenderem qae nao se-
rla feita esta menfio de om bomem qae o mesmo
abaixo auigudo nao podesse abonir, como faz
pelo presente, garantindo as qaantias enviadas ao
alto seo advof ado para o andamento de negocios
jodiciaes oo adminisirativos.
Recife 1S de Jomo de 1867.
Fabrlcio Gomes Pedrosa.
RA DAS CINCO PONTAS N. 86
AO GRANDE ARMAZEM
DAS
DUAS AMERICiS.
Sempre barato
ilanteiga
Iogleza flor a 45, a libra e a 5*o rs. soffrivel e propriapara tempero a 32 rs
dem franceza a 56o rs. a libra.
Cha
De primeira qualidade a 2)58oo e proprio para negocio 4j$6oo a libra.
Blscoltos
Inglezes pearl, nic-nac, oval, cracnel, e outros superiores a 1 >loo a lata.
FgO
A 24o reis a libra.
Ciommas
De milho branco a 4oo reis a libra, de aramia verdadeira propria para alimen-
tar enancas a 5oo reis a libra e caxinhas com 4 libras por menos, gomma do Maranho
a 46o rs. e tapioca sag a 24o a libra.
Chocolate
Superior a 45, a libra.
Doces
De goiaba em latas a 4dooo em caixa de 4 libras, muito fino a 48oc, em caixoes
de 2 libras a 5oo e 32o.
Pelxe
Em latas a 4ooo reis a libra, sortido'em qnalidades.
Ostras
America a 8oo rs. a lata.
Baldes e vassoiiras S
Americanas a 8oo reis cada peca. \
Touclnho
De Lisboa a 320 reis a libra.
Tomates .-*-
Em latas a 6oo rs.
sal
Renado em lindos postes por 5oo rs. i
Rlrshs de Wasser
A 2ooo a garafa.
vermoiitii e Abssatho
A 4 ooo a farrafa.
Bltter
A 1 ooo agarrafa.
De bordeaux superior, Saint Estephe, Saint Julien, Saint Emilie a 7^ooo a duzia
e 64o rs. a garrafa.
Viuho
Do Porto fino a 14ooo a duzia e l^ooo a garrafa e magnifico tamhem em bar-
ril a 8oo a garrafa.
lauque do Porto
Adamado e outras marcas a 9oo rs. a garrafa e 4o| a duzia.
viuho da Figuelra
O que ha de melhor a 4#, a caada de Lisboa a 30 e 40 a garrafa.
vinagre
De Lisboa a 2oo e 28o rs. a garrafa.
Farello de Lisboa
Saceos com 9o libras a 45oo.
Cerveja
Franceza em gigos de urna duzia a 60.
Ingleza
Bass verdadeira a......T. e Victoria e Alssop a 5o reis a garrafa.
GRANDE HOTLL CENTRAL
Ra larga do Rosarlo 37
Alogam-se espacosas salas e qoartos mobllbades, servem-se comedorias a toda hora com apa.
rado gosto e asseio e recebem-se pendonistas por precos commodos.'
SEGUROS
MARTIMOS
I
iT-.W!2?i,b? noMciM ** AnW0l AlT8'
natoral da Paen de Sonza, ioar de S. tdorenco,
fl^8?8 i8?^ dMeoofi*"M W* J* nwrto pela
falta de noeias qoe teem os seas prenles am*
roga-se por isso a mea posea dar algomas infor-
mes o favor de dirlgir-ie a rna da Apollo n SO
ccriptrto de Carv*lbo Nogoeirs.
CONTRA FOGO.
A companhia Indemnisadora, estabeleci-
da nesta praca, toma segaros martimos so-
bre navios e seos carregamentos, e contra
togo em edificios, mercadorias emobilias:
na ma do Vigario n. 4, pavimento terreo
Preciaa-se de urna senhora que saiba
ensinar a 1er, escrever, grammatica porta-
gaeza, franceza, msica e piano, para en-
sinar a duas meninas em am engenho na
freguezia da Eescada, ama legua distante
da estaca, paga-se bem : a tratar na ra
doCabugn. 11, 2o andar, com Francisco
Antonio de Britto.
MttMttJI !
i O advogado Amaro Joaqaim Fooseca
Albnqaerqoe tem sea escriptono a' rna
Crazes t. 35,'!'andar ; reside a' traves-
sa do Veras n. 15. Encarrega-se de
qaestoes em todas as comarcas na eiten-
cao da iinba frrea.
B
Ensino de msica
n. 75, 2o andar, rna do Imperador i.
75, 2o andar.
Lecciona-se per solfejo e a tocar va-
rios instrumentos; dando-se as li-
ces das 5 horas da tarde as 10 da
noite em casas oo em suas residen-
cias.
Deseja-s alogar om sitio com estribarla e
1 planta de capim, oas proximidades da cidade :
; quem o tiver dirija-se a ra do Crespo n. it, 1
andar.
DE
CAROBA
PREPARADAA FRI
POR
AUGUSTE CAORS
Pharmacoatico pela escola de Pars e successor nesta cidade
Aristide Saisset e J. Soum
Na roa do Imperador n. 73, segoodo andar,
precisa-se alugar orna c^iobeira ja*de idade.
Consulado portuguez
Pelo presente sao chamaaos os credores do es-
polio do flaado subdito portogoez Joaqalm Amaro
oa silva Passos para virem no coosulado de Por-
tugai receberem o qae (be tocoa em raleio da mas-
sa daquelle espolio.
COMPRAS
22.-----Rna da Cruz
-22.
Tratamento puramente vegetal sem mercurio, iodo, onro, nem oatro aualaae
mweral. ^
Verdadeiro purificador do sangue sem azougue.
Especial para a cara de todas as molestias que tem sua origem na impureza do
sangue, como sejam as molestias boubaticas, syphiUticas, escrophalosas, darthrosas, quer
venham ellas por hereditariedade, quer sejam adqueridas pelo contacto com pessoas in-
feccionadas dos diversos virus que contaminam o sangue e os bamores.
A caroba om remedio prodigioso, {usado desde remotas eras pelos indios
do Brasil, e passando seu uso de gerac5o em geracSo, hoje um dos remedios mais co-
nhecidoscomo proprio para combater as molestias mais hediondas, entrando nesse nume-
ro a morphea ou elephantiases, para cujo curativo os nossos sertaneios consideram a
caroba como remedio especifico.
A moito tempo entrou a caroba nos formularios como preparaco magistral
sob a forma de eleictuario, ainda hoje lembrado as pharmacopas com o nome de seu
celebre aator Jo5o Alves Carueiro: n5o ella^rtanto remedio novo nem desconhecido.
O ungento de caroba da mesma sorte preconisado desde tempos immemo-
riaes como o mais apropriado para o curativo das boubas e ulceras syphiliticas srdidas,
e empregado com proveito depois de improficua applicaco de muitos outros agentes
therapeuticos enrgicos e de aso quotidiano.
Muitos dos nossos mdicos de considerado e entre elles o muito distincto pratico
e observador o Sr. Dr. Pedro d'Alhayde Lobo Moscoso, tem confirmado por meio de ex-
periencias repetidas, o que diz a fama das benficas propriedades da caroba no trata-
mento das boubas, das diversas formas sob que a syphilis se aprsenla e moito especial-
mente as que teem sua sede na pelle, e poderiamos relatar alguns casos de data muito
moderna observados pelo mesmo Sr. Dr. Moscozo em que a caroba produzio admiraveis
efieitos, depois de motis e prolongadas applicaces de salsaparrilha, mecurio, iodo, ou-
ro e seus preparadas, etc., etc.
Nao era possivel que ama planta lo notavel por soas inappreciaveis virtHdes es-
capasse a perspicacia e investigacoes dos mais abalisados praticos eoropos, qoe se ap-
pheam com especialldade ao estudo e tratamento das molestias syphiliticas e herpeticas
e para prova ah es|5o os Srs. Drs. Casenave, Schurfer, Ricord e outros dando as mais
lisongeiras informacoes sobre as propriedades curativas da caroba e preconisando-a como
remedio poderosissimo para o tratamento das empapes cutneas, seccas ou suppurativas,
darthros de todas a qualidade, eczemas, ulceras de diverras natorezas, tumores, osseos
e ootras muitas molestias de natureza sypbilitica ou boubatica.
Por ter-se generalisado muito o uso da essencla da caroba qae eu pre-
paro e pelas instancias de varios mdicos que desejam continuar em suas observacoes,
deliberei-me a ter prompta urna quantidade da mesma essencia, obtida sem a accSo do
ogo, para nao prejudicar as propriedades medicamentosas; e d'ora em diante encon-
See^?1^^^ Pharmacia sempre e em poroSo sufficiente para todos os pedidos a
ESSENUA CONCENTRADA De CAROBA, e o ungento da mesma plenta para que nun-
ca fallem aos Srs. mdicos que quizerem esperimentar t3o precioso agente medicinal.
Recife de Pornambuco, 17 de ootabro de 1866.
Agdste Caohs.
m
DE
Onro e prata.
Em obras velbas : compra-s na praca "da In
dependencio n. 22 loia de bilbete
Moedas de'ooro.
Naci naes e estrangeiras assim como libras
esterlinas: campram-se na roa do Crespo n. 1&
primeiro andar. ____________
Compra'se moedas de onro de 20f, 164,"10*
e9; arcada Crnz o. 3.__________
Gumpram se pataces e praia brasileira li-
bras esterlinas moedas, de J, de 105, de 160 e
20# por maior preco do qoe em ootra qaaqoer
parte : na rna da Cadeia loja de fazendas o. 58.
Moedas de prata
nacieoaes, assim como patacSes porlognezes e
hespanbes, corapram-se com premio : na roa do
Crespo n. 16, primeiro andar.
258S0O"
praa> moedas nacionaes de 205 : na roa do Crespo-
J. Ib, primeiro andar.
Libras esterlinas,.
Comprara se com bom premio : na pra-a da In
dependencia n. 22.
Compram-sc escravos
Silvino Goilberme de Barros, compra, vende e-
troca effectivamente escravos de ambos os sexos
e de todas as idades: a' roa do Imperador n. 79
erceiro andar.
Compra-se
Urna armacSo de armazem ou prateleiras
que n3o seja de pinho, e que esteja em:
muito bom estado : na companhia Pernam-
bucana.
Compra-se
libras esterlinas, oaro brasileiro e portogoez com-
bom premio : na roa da Cruz n. 48, armazem do
E. A. Borle & C.__________________
Libras esterlinas.
coropram-se oo escrlptorto de Antonio Laiz de-
Ollvelra Azevedo & C, roa da Croz n. i.
Ouro e prata.
Moedas de ooro e prata nacionaes, estrangeiras
e de todos os valores se comprara na loja de ouri-
ves junto ao arco de Nossa Senbora da Conceigo
roa da Cadeia do Recife, assim como oaro e prata
nm obras velbas, brilbantes, diamantes, e se paea
bem.
Compra-se
ama escrava preta qoe tenha bonita ligara e com
habilidades : na praga da Independencia nomeros
13 e IS.
Sitio
NOSSA SENIORA DA CONCEICO
Para edueaco do sexo masculino
Director Manoel Alves Vianna
O collegio da Conceico, mudado ltimamente para o bairro de Santo Ab- fM
tonio, ra de S. Francisco, casa n. 72, contigua estaco central dos trilhos
uroanos dos Apipncos, contina a funecionar regularmente, recebendo alum- rw
nos externos e internos, tanto para as aulas primarias, como para todos os ;
preparatorios necessarios matricula de qualquer faculdade, sendo os seus ^^
respectivos professores pessoas moralisadas e de um concito magistral i l
bem firmado nesta cidade.
O director deste aovo collegio contiuuando a empregar toda a solicitude no
desempenho de seu mandato, espera fazer-se mais digno da confianca com
qoe o v5o hooraodo os senhores pais de familia, confiando-lhe bondosamente
os seos filhos.
Os estatutos do collegio, assim como o franco iBgresso em todas as soas
dependencias, esto sempre a disposicSo de qoem possa interessar.
e casa.
Compra-se om pequeo riti com boa casa de
vivendi as immedia(5es do bairro da Boa-vista,
ou mesmo ama casa terrea qne tenba commodos
para familia e quintal espacoso no referido bairro :
quem tiver annoneie ou dirija-se a roa da Main?
n- 9 para tratar.______________________________
Pataces
Compram-se patacSes bespanbe>s, porlogoezes e
brasilelros de cnnbo antigo, em casa de AJamson.
Henry & G ra do Trapiche-novo n. 40.
Compra-se nm carro pata 4 pessoas qae es-
teja om bom estado : a tratar com Oliveira Fiibos
& C, largo do Corpo Santo escriplorio n. 19.
A NACIONAL
Companhia geral hespanhola de seguros sobre
a vida
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
DIRECCO GERAL
BANQUEIROS DA COMPANHIA
O Banco de Hespanha
Ama
Precisa-se de nma ama livro on escrava para o
servico interno e externo de nma casa de doas
pessoas : na roa das Crazes n. 28.
Deseja-se alagar nm moleqae de 15 annos,
coja conducta seja afiancada : na fandicSo do Bow-
mao, roa do Brom n. 38.
Atten^o.
K. 25-Rna do Livnmeitc-N. 25
Deposito de tamancos e calcado nacionaes da fa-
brica da rna do Jardlm n. 19, de Jos Vicente 6o-
dinbo, tanto no deposito como na fabrica se
apromptam todas u poredet de calcado o mais ba-
rato possivel, esta fabrica lem todas as machinas
proprias para os calcados ja' bem acreditados pelo
grande numero de freguezes que daqul se for-
neeem.
Precisase alogar nma ama escrava on livre,
qoe compre, cozinbe, e engomme para casa de poa-
ca familia : raa de Hortas n. i. _____
WH-l_-l-l--IB-i_i-ii
[ Kesidencia e consultorio 1
Medico cirurgico
DO
Dr. Anteiie Daarte
Na praca da Boa-Vista n. 21 onde
pode ser procurado a qualquer
hora.
Especlalldade
Doencas do peito, e de meninos.
Di consaltas das 7 s 40 horas da
naobia.
Madrid: Rna de s. Agostlnho
m.IO
Sltnaeao da companhia em 15 de jnlho de 1866.
Apolices 19:700 Capital Rs. 127:144^670 ou moeda brasileira
Rs 12,714:476,J000
A Nacional abraca toaas as conbinacoes do seguro de^upervivencia e n'ella pode
fazer-se subscripci de modo que em nenhum caso se perca o capital imposto nemos lu-
cros correspondentes.
-Urna afianca depositada^nos cofres do.'estado, garante a boa administrado da com
panhia.
Os fundos da companhia se invertem em ttulos do estado e se depositam no ban-
oc de Hespanha cora intervencao do delegado do governo e do conselho administrativo.
A companhia estranha toda a empreza ou a"ospculac3o perigosa, e os ttulos em
gue se invertem os faodos imp s na rmesma, no-se correm o menor risco, pois esto
qaramidos pelo governo, podeatonacao da a tor p.eizosd
aovo DEPOSITO
VENDAS
DE
MACHINAS
Pit DESCAROCAR ALGODO
Manoel Bento de Oliveira Braga.
g^Rna Direita n.-53
Neste estabelecimento se encontrarao as
verdadeiras machinas americanas chegadas ultima-
mente, as quaes sao feitas pelo mais afamado fa-
bricante da America, por isso avisa a todas as pes-
soas que precisarem comprar, de se dirigir a este
estabelecimento qae comprarlo das mais perfeitas
neste genero, assim como mais barato do que em
outra qualquer parte, por isso que se recebe por
conta propria, bem como curaos de chambo e moi-
nhos para moer milho, e grande sortimento defer-
ragens e miudexas em grosso e a retalho.
Machinas americanas para moer caf, de
ono Byiteoi,ipi!oprias para refiacao,
1 :?.'j dem para milho.
Vende-se orna escrava molata, de boas qna-
lidades, boa engommadelra, cozinbeira e costurei-
ra : na rna da Cadeia n. 39.
(emedies do Dr. J. C. Ayer, ex-Ieote
da Universidadc de PensylvaBia, D0^
Estados-Cnidos.
Exlraeto composto de salsa-par-
rllha de Ayer.
Peltoral de cereja.
Remedio parasezes.
Fllnlas catharticas.
O deposito central para as provincias
Pernambuco, Alagoas, Parahyba e Rio-
Grande do Norte, destes remedios tao fa-
roravelmente conhecidos e acolhidns em
'.odas as partes da America do Sal e do
Norte, acha-se em casa -de Theod ch r ie-
tlansen, 16 rna do Trapiche em
Pernambuco.
Os precos de
330 por duzia de estrado de salsa-parrllha.
270 por duzia de peitoral de cereja.
270 por duzia de remedio para sez5es.
70 por duzia de p i lu as cathar ticas
se entendem dlnhelro vista, com
o descont de 5 por cento em qaantidadea
de 6 a 12 duzias, e de 10 por cento em
(mantidades superiores a 12 duzias.
Lencos de labyrlntho
Cbegaram a' rna do Crespo n. 8, esquina, no-
vos e lindissimos lencos de labyrinloo. assim co-
mo rlqaissimas froobas tambera de iabyriotbo do
Ceara' e vendem-se por meaos preco do qae em
entra qaalqaer parte. _____________
Consulado de Franca em Per-
nambuco.
Previne-se ao publico qoe a coebeira qoe per-
tencen ao fallecido Eduardo Boargeois, sita na
roa Nova n. 59, acha-se a venda.
CompSe-se de 32 cavallos, 10 carros, arreios e
lodos os perteoees necessarios ao servlco;|da
mesma.
As pessoas qoe quizerem fazer a aeqoisicSo sao
informadas qae o consol de Franja recebera' as
soas propostas em carta fechada at o da 30 do
correte e sobre o primeiro lanco de 10:000$.
No dia 1* de agoto prximo a abertura das
cartas sera' feita oo dito coosulado em preseoca
de todos os concorreotes, e a coebeira sera' ad-
judicada a aquelle d'entre elles qae maior preco
tiver offerecido.
O pagameoto sera' feito a' vista em moeda cor-
rente e sem descont.
Escravos
No armazem do Sr. Roano na roa da Concei-
co na Boa-vista acbam-se expostos a venda 6 es-
cravos de ambos os sexos: qoem preteoder diri-
ja-se ao referido armazemas 10 boras do da qoe
achara' com qoem tratar.________________-
_ vende-se ama pequea taberna na rna do
Corredor do Bispo n. 9, e trata-se janto do neceo-
do-fogoeteiro o. 44._____________________.
Vende-se parte de ama armaco de looro-
com dons caixilhos: as Cinco Ponas n. 29.
Veode-se orna casa na roa do Amparo do
Olinda, na qolna do becco da padeira n. 40, e oo-
tra na roa de Agoas-verdes do Recife n. 49:
3nem gnizer dirija-se a roa de Sanu Rila, wbra-
o n. 27.
claro, bonita fl-
loem pretender
Vende-se om escravo pardo
gara, de idade 17 a 18 annos:
dirija-se a roa do Pilar n. 20, em
mi
Pora de Portas!
Cal de Lisbaa
No armazem de materlaes da rna da Concordia
n. 73, vende-se cal de Lisboa a retalho moito no-
va a 3*200 o alqueire.
>*

\
r



Diario de lernaaibneo Quinta feira 18 de aiulho de lbt>7.
)
.

mamu
Satisfeito o invencive Veado 11 raneo, comas maneiras attenciosas com que
Coi acolbido pelo respeitavel publico desta briosa provincia, a ponto de que muitos a por-
fa desputaram a satisfago de serem os primeiros a comprarem em sea importante arma-
zem, se desvanece em declarar com toda a lealdade de que capaz, que est cada ve<
mais animado, nSo s pelo benigno acolhimento que tem recebido, como pelas forcas de
quedispSe porque at boje nao careceu ainda dos preparados de jurabeba, nem do
xarope alcoolco de veame.
O Veado Braueo, declara a quem ainda o nao coobece qne nao um
desses bicharocos intrataveis que por abi vivera com figura humana ; domesticado no
ameno paiz onde a amavel Aguia Branca vio a luz do astro bemfeitor, elle partidario
desse invejavel agraao e sinceridade que com tanta gravidade se desprende do sen
bico encantador.
O Veado Hranco, como todo o bomem civilisailo, ama a sociedade dos
bons, gosta do centro do mundo elegante, usa do tnico de Jayme, para previnir qoe lhe
ponham a calva ao sol, vai a companbia des Booffes Parisiens e no meio do partido de
madame Adelle, elle tambem atira-lhe o seu lindo bouquei.
Digne-se o benigno leitor de jurar as palavras sinceras do sincero Veado
Braueo, e venha prover a sua dispensa do que melhor se pode encontrar n'ura estabe-
cimento de molhados.
A modicidade dos precos, comparados com a boa qualidade dos gneros e o
bom modo com que se recebe os senheres compradores, deve cortamente convidar as
pessoas que ainda nao vieram nossa casa a fazer parte dos amigos e freguezes do nosso
BELLISSIMO ARMAZEffl
MOLHADOS
CONHECIDO PELO NOME
VEADO BRANCO
Estabelecido rua Direita n. 16.
Esquina da traveasa de S. Pedro. .
ARARA
Lourenco Pereira Meudes Guimar&es.
Proprietario das lojas e armazens da
Arara, rua da Imperatriz
ns. 56 e 72.
Tendo recebido pelos ltimos vapores da
Europa diversas qualidades de fazendas do
que faz ver ao respeitavel publico, vende
barato s alim de apurar dinbeiro, como
neuhum outro.
Attengo.
Chitas a 160 rs. o corado.
Veodem-se chitas m retalho a 160 rs. o
covado.
Ditas era peca a 200 rs. o covado: rua
da Imperatriz lojas da Arara ns. 56 e 72.
Panno preto fino a 1)5600.
Venderse panno fino preto para caiga e
palitots a 11600, U, 2 #500 e 30OOO o co-
vado, cortes de casimira preta para calcas a
30, 30500 e 4^000: rua da Imperatriz lojas
da Arara, ns. 56 e 72.
MOZAMBIQUE A 400 RS.
Vende-se urna nova fazenda com palmas
de seda por nome mecambiqne para vesti-
dos de senhora a 400 rs. o covado : riza da
Imperatriz lejas ns. S6 e 72.
Balees a 20OO&
Vende-se baloes de arcos de todos os ta-
annos a 9|, 3)5 e 3>oC0: rua da Impera-
triz lojas da Arara o. 56 el i.
LSazinhas a 200 o covado.
Vende-se lasinhas para vestidos de se-
nhora a 200, 240, 280, 329, 400 rs. o co-
vado : s na rua da Imperatriz ns. 56 e
72.
Chitas francezas finas a 240.
Vende-se chitas francezas largas a 240,
280 e 326 o covado: rua da Imperatriz
lojas da Arara n. 56 e 72.
Chales de merino a 2i$ooo.
Vende-se chales de mirio estampadas a
.2,5, 2o500.; ditos-de la a 1/1000, ditos de
phanlasia a 1)5000 : rua da imperatriz lojas
4a Arara n. 56 e 72.
Basquinas a 145000.
Vende-se basquinas ou casaquinhos de
16I, 18)5, 204, 254, do ultimo gosCo: rua
da Imperatriz ns. 56 e 72.
Madapolo de 24 jardas a 44000.
Vende-se pecas de madapolo com 24 jar-
das a 44, 54, 64, 74, 84 e 104000: por
estes precos s na Arara ns. 56 e 72.
Algodosinho a 34 a peca.
Vende-se pegas de algodosinho a 34, 44,
54,64 e 74000 o mais barato que se pode
vender: na rua da Imperatriz ns. 56 e 72.
Cotira e castor para calcas a 800 o
corte.
Vende-se cortes de cotim e castor para
calcas de bomem a 800 e 14. ditos de brim a
14280 e 14600, ditos de brim pardo liso a
14200 e 14400: rua da Imperatriz lojas da
Arara ns. 56 e 72.
Bareje com listas a 32o.
Vende-se bareje com listas para vestidos
de senhora a 280 e 320 o covado.
Lasinha escocesa a 280.
Vende-se 13asinhas escocezas para vestidos
de senhora a 288, 320 e 400 o covado: rua
da Imperatriz loia e armasem da Arara ns.
56 e 72.
Eoupa feita nacional.
Vende-se patitots de panno fino, saceos
fraques, a 54, 64, 84 e 104; ditos de
casimira de cores a 44, 54, 64, 84 e 104 ;
coletes de casimira a 34, 34500; calcas de
brim pardo a 14600, 24; -ditas brancas de
linho a 34500 e 44 ceroolas a 14, 44600
e 24; calcas de castor a 14280 e 14600.
Palitots de alpaca branca e de cores a 44,
44500, e pretos a 34, 34600 e 44. Palitots
de brim a 24, 24500: rua da Imperatriz
ns.-56 e 72.
Cobertas de chita da Arara.
Vende-se cobertas de chita a 14800, 24,
24500; ditas de damasco a 44; ditos de
fusto a 64 e (|500 : rua da Imperatriz lo-
jas da Arara ns, -56 e 72.
Vende-se bramantes para lences a 24500
e 24800 o corada; e muitos outros objectos
que seria enfadonlo mencionar.
Rua da Imperatriz ns. 56 e 72.
YfcrMMfe
DE
DE
JL VIGNES.
X. 55. RUA DO IMPERADOR X. 55.
Os pianos desta amiga fabrica sao hoje asss coafeeeidos para que seja necessario insistir sobra
toa seperioridade, vantagense garantas e,ae offerecem ios compradores, qualidades estas incontesta
veis qoe elles tem definitivamente conquistado sobre todos os que tem apparecido nesta praca ; pos
toindo-am teclado e maeainismo que obedecem todas as vontades e caprichos das pianistas, sen
Uanca albar, por serem fabricados de proposito, e ter-se feito ltimamente melboramentos importan
Mimos para o clima deste paiz ; quanto s vozes, sao melodiosas e flautadas, e por isso moito agrada-
MU aas oturidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as eneommendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blondel, de Pars, socio
torrespondeote de J. Vignes, em coja capital foram sempre premiados em todas as exposicSes.
No mesaio estabeleciment se achara sempre um ezplendido e variado sortimento de msicas doa
albores autores da Europa, assim como harmnicos a pianos harmnicos, sendo tudo vendid-j por
precos cemmodose razoavels. __


I
xm
PREPARACOES FRREAS-1AH6AHICAS
APPROVADAS PILA ACADEMIA BS MEDICINA
DE BRIN D BUISSON
Pkanicetiea, laaraada acia IcaaVaiia de Man Paria
e toaste professor TrowBA, na ultima edicto de sen Tratad* i* Thara-
r%eu. Mlattria me^eat reconhece que os ferruginosas simples sto muilas
Teses inei&ttMS para curar as molestias que teem por eausa o empobrec ment
do sangne. Moitos mdicos dos mais distinetos attribuem esse mi o xito a ausencia,
n eeaae preparacota, do manganete, qne se seba no sangae, como o tan racanhecda
tS^S, ;L.! m*1* P*ritM. sempre intimamente unido com o farro. '
b pe*, prestar-seum verdadeiro aervico aos S"' Mdicos, o chamar-fe aaa atten&Jc
sobre aa preparacoee scguintei.
1 fS felTeS mailgllDiCOS !*?do inmediatamente orna apa,' aeidalada,
.n^..pa,bminerae.n^ordaVd'^^d0 ^ "****"
2* Pifadas e Xarope de iodurelo de ferro e de maneanese inaltemeis
eoataada eada uaa cinco centigramos de iedureto de ferro mangarito indicada
partienlarmente as molestias Tvmphaticaa, eaerofuotaa, na thamadt eeav
aroaaa e tuberculosas. j|
Io Ira ees de Iaetato de ferro e de uipieie) ^SftSttS
4 Pilalas de carbonato frreo oaniico )$Zil?T$^
aatarMr astas duas prepaneSea di oa aewraa rmhadoa. -V ~'m
a* nrin do Buissaa deatjaado ofctar a adhealo aoaspleta do pabea medUa a
cerca do valor de aaaa prepaeoes, praviaa qoe ella as pie gratuitamente a toa
dispoaieto, dirifeado-ae; ^^ r^*____....
Ha r*nam>uc$, a aaa agenta gaaal, Mamrwt Oh, phamaeaotieea, raa Nova.
<
Joaquim de Alnieida Irinto
Ajurubeba contra o ingorgi
tamento do figado e do bago.
Em extracto alcoolico, emplas-
tro, oleo, tintura, punas,
xarope e vintao
A jurubeba ama das substancias medi-
camentosas qne pertencem ao reino vege-
tal, e pertence a classe dos tnicos e desobs-
truentes, sendo empregada com vantagem
contra as febres intermitentes acompanhadas
de eogorgitamento de figado e de baco. Ella
tem sido applicada com incontestavel pro-
veito contra a anemia ou chlorose, e hydro-
phesia, catharro da bexiga, e mesmo para
combater a menstruacSo difficil, resaltante
da mesma anemia oa chlorose.
Depsitos geraes
Em Pernambuco, rua larga do Rosario
n. 10, Rio de Janeiro, pharmacia do Sr.
Dourado, Rio Grande do Sul, em casa dos
Srs, CascSo & C, Macei, pharmacia do Sr.
Claudino, no Havre, pharmacia de Mr. Ma-
rical, em Lisboa, na pharmacia do Sr. Feij.
4TTEi\|iO
No armazem de fazendas de
Santos Coelhotrua do Quei'
mudo n 19.
Bom e barato
Cambraia de cores matisadas finissimas a
800 a vara.
dem braceas transparente finas de 4o,
50, 60, 7& U e 8,>S00 a peca.
Baloes Se arcos para senhora a 20500.
dem de arcos de cores a 30500.
dem de arcos brancos nesgados a 30 e
30500.
dem de mursulina a 50.
dem de murselina para meninas a 30 e
30500.
dem de arcos para meninas 10600 e 20.
Cambraia de salpicos branca a 40500 a
pe?a com 81/2 varas.
dem admascada para cortinado a 120 a
peca com 20 varas.
dem para -forro a 30 a peca com 10 jar-
das.
Retondes de fil a 60.
Chales de fil a 50.
Lencos de^ cambra atrancos fieos a 10800,
U e 250O a dazia.
Lencos de cassa finissimos a 3020
3#600 a duzia.
Cambraia de linho muito fina de 60190 a
vra.
Madapoles finos de 70, 80,90,100,410
e 120 a peca.
dem entestado muito fine a 90 a .peca
cem 20 varas.
Platilha de algodio superior fazenda para
saias a 30200 a peca com 40 varas.
Cobertas de chitas da India, muito gsaade
a 20600,
Lences de bamburgo fino a 20400.
dem derramante a 30200.
Pannos adamascados para cobrir mesa a
40500.
Guardanapos de linho adamascados a.-.
30500 a dua.
itualhadaadamascado oom 7 1 "i palmos
de largura a 20 a vara.
dem adamascado de linho com 7.1/2 .pal-
mos de largura a 30 a vara.
dem trancado de algodio a 10500 a vara.
Algodio eoestado com a mesma largura
a 10400 a vara.
Toalhas alcochoadas de linho a 110 a duzia.
dem com peMo a 130 e 140 a duzia.
Fil de linho liso a 800 a vara.
dem com salpicos a 900 a vara.
Grosdeaaple preto superior de 10800,
20 e 20990 o covado.
Moraatqofl preto superior a 20800 o co-
vado. '
Flanella de todas as eorea a SOO o covado.
dem branca a 600 o covado.
Bramante de linho com 10 palmos de lar-
gara a 20500 a vara.
dem de linho com 5 palmos a 10200 a
vara.
dem de linho com 3 1/2 palmos a 800 a
vara.
Assim como outras muitas fazendas que
se vende por menos que em outra qualquer
parte, e d-se amostras de tudo,__________
Fazendas boas e baratas
para acabar.
Rua do Crespo n. 8 B.
Os novos propietarios deste eetabeleeimento,
querendo aeabar com varias fazendas Anas teem
resolvldo vender por precos muito mdicos, os
seguales artigos : riqoisslmos cortes de seda
de cores com listas, pelerinas pretas de den-
telle e de cures, fis de gripuri, ntremelos
transparentes e babadinbos transparentes ; riquis-
simas mantas de fil preto, ponhos, gollas para se-
nhora ; mnito bom atualhado de linho e de algodio,
pardo e braoeo, sedinbas de quadros, vestidos de
lia com barra, pelo baratissimo prego de 5G00 ;
camizlohas de cambraia tapada, ditas transparente,
toaibas de liabo bordadas, retondas de renda, es-
partilbos mnito ricos e barato?, lavas pretas de
torcal, pannos de crochet para mesa, ditos para
cadeiras, ditos para sof; riqaisslmas colchas de
crochet, ditas de damasco de seda, ditas de 13a ;
riqaissimos cortinados para janellas, ditos para ca-
| mi, safas bordadas, pelo baratissimo prego de 5$ ;
I moito ricas capas de cambraia branca bordada,
sactembaqaes e capas de gras preto, por preco
muito barato, tarlatana de todas as cores e mallos
; bons cintos ajardlneira, pelos baratisslmos precos
de 4, 44300 e 80 ; toalhas de atualhado de li-
nho com trinta palmos de comprido, gaze de seda '
de muitos padroes, pelo baratissimo preco de 400
rs. o covado ; assim como maltas outras fazendas
qae s com a vista do fregaei se podero eoname-
rar. Todo isto, na loja da roa do Crespo n. 8 B
de Fernando Gomes da Silva & C.
TRATAMENTO Mr CHABLE, di PARS
Se lie suis
i) vs-
Medico especial, conaultac-oea, 30* rua Vividme
AVISO AOS DOENTES. fEt'2S!? -**.----.-.
Nlo aatoa ca-
ndo, tOBMi Cu-
beba, Caaakiba
sob todas as
formas en opia-
to, capsulas,
eoafeitos, tenho
oestoasago per-
dido e nlo estou carado? Usei e abusci de um grande numero de iNJaccAoaa, qu prtteBdem
curar em 4 das, e estou ainda mais docntcs.
HA MAIS 20 ANUOS **"
ue euro radicalmente sem recahidas, Corrimentos, Relaxato do canal, Catarrho da tarifa,
mrdat seminis, curando primeira a causa virulenta inOammatoria d'essas doentas sexuaes,
com alguras vidros do meu depurativo do sangos para parar essas affectoes, seccar o
canal e lne tornar a dar sua regidez dou para acabar meu excellcntc xaropb ao citrato dc
naao et miuha injec^ao. A cura radical, as senhokes para os fluxos trancos, seguem
o mesmo tratamenio. [Va-i* a noticia explicativa.)
40.000 DOENTES CURADOS
Verdadeiro tratamento depurativo do singue. Ai htrpet os mais envetaradoi, rmpaSat,
pruritos, virus, chagas affccfes venreas, humores,todas asdoencas qae atterlo a treza
do sangue sao curadas em poaco lempo por meo xa no fe dipubativo do aaiicoa Ditas
ambos mM"i, niinhas plela depcrativas e minna Pemmada Aim-DAiTaotA.
Ve]a-te a maneira de tratar-te. A noticia que se da gratis ne deposito de meas mtdles-
mentoi. Esse exceUente tramento nlo eontem mercurio', sua auperiorldtdt a bm foatcj4a t
oto ha ana so caza qoe possa cono en apresenUr tantas attestacoes da turas.
% gafarte, tmtnHattot do doatar CkabU a por corrupondenciat.
PASTILHAS
VERMFUGAS

PILLAS de BLAHCARD
,ao Mocaaro be fibao isaltiravil
Approvadaa pela Academia de Medecina de Pars
croan** mo asatnao mieAL bb sa-htiscmo
iraiiUTADAS nos bospitas de franca, da blgica, da irlanda, da tcbqeu, tc
Mtncoii konroiai moa Bxpotifo niverfait d Nexo-York, 1853, a i* ParU, 185.
Estas Malas envolvidas 'ama tinada resiDO-babamica de un tennidade eicessiva, tem
avantagem de serem InalteraTeis, tem tator, de um pequeo Tlame, e de nao cantaral os
orgas digestivos. Goiando das propriedades do Iodo e do luto; ellas coovem princi-
palmente as afleccott Chloroticat, Eterofulota, tuberculosas. Calurosas, nt tmiorrhM,
Mmenorrhea, anemia, etc.; enOm, ellas offerecem as pratieos urna medicaca das mais enr-
gicas para modificar as constituiooes lumpluuieas, frats oa debilitadas.
ff. B. O iodurelo de ferro Impuro oa tllerad* um BMdiea- ~ ~
melo infiel, irritante. Como prora do pureu e de authencidado das Sf>r "^ttk
rerJaaelras Plalas de Blaucard, dere -m exigir nosso sello ale J7XCQ/?7t
rata reactiva e nossa Orina, aqu reproduiida, que leacba na parta *y
interior do um roalo verde. Dere -se desconfiar das faUificagees. T_
Aekaaa en soda a Pnarataelat. Pharmatndie, rua Bouapartt, ?. Parts.
Vtnde-se na rua Nova n. 25, pharmacia franceza de
p. MaURERI& C,

DO

lR. SEVIAL.
Para o tratamento e cura rpida e completa das molestias syphiliticas, erisype-
las, rheumatismo* bobas, gota, debilidade do estomago, infiammac5es chrooicas do figado
ebaco, dores sciaticas, cepbalalgias, nevralgias, ulceras ebronicas, hydropesias, pleuri-
sias, gonorrheas ebronicas e m ge; al todas as molestias em que se tenha em vista a pu-
rificarlo do systema sanguneo.
. Corjrsiilcrasjflity geraes
A saude um bemnapreciavel, cuja importancia e vaior s est reservado ao en-
fermo o aralia-lo.
E incontestavel qse o hornera neste mando constantemente, e por todos os lados
atacado por urna infinidade de agentes morbficos que lodos tendem, dadas certas e deter-
minadas circumstancias, a alterar o regular exercicio das funccSes orgnicas, resultando
pesse desequilibrio o que se chamamoleMia.
A molestia nao mais do que a desvirtuacSo das forcas vitaes, occasionada, se-
gundo as investigacoes e experiencias dos mais abalisao mestres da sciencia, pela depra-
va c3o dos humores geraes, consequencia da accao maligna desses mesmos agentes morbi-
ficos'introduzdos no organismo pelo acto da respiracae, pela va digestiva, pelo contacto
immsdiato etc. etc. etc.
, A syphilis iafelizmente!tem sido a partilha da "humanidade, e como fra de duvi-
dji que esse terrivel Proteo de medicina' urna molestia hereditaria, ella tem sido obser-
vada em todas asidades, e debaixo de todas as suas formas tao variadas, enfraquecendo
constituicoes robustas, prodozindo mutilaces, e oortando ainda em flor da idade \idas
preciosas.
EUrainar da ecooomia esses principios deletenos, e purificar amassa geral dos
humores tem sitio desde lempo immemorial o fim constante da medicina, e os purgati-
vos flguram em primeiro lugar para preencher esse fcsiteratnm ou fim.
O Elixir depurativo do Dr. Sevial parece merecer a preferencia sobre todos: os
immensos succeseos obdos pelo uso deste sakitor agenie tanto na Allemanha, como em
Pranfa e Italia, o tornamoGompanheiro-inseparave! de quasi todos os doeates.
Sendo as-melestias,-como cima dissemos, devidas s alteracoes dos humores, o
Elixir depurativ do Dr. -Sevial pode ser empregado vantajosamente na syphilis, erisy-
pelas, rheumatismos, bebas, gota, debilidade do estomago, infiammaces chronicas do
figado e baco, dores sciaticas, cephalalgias, aevraigias, ulceras ebronicas, hydropesias,
plewisias, gonorrheas ebronicas etc. e em geral em todas as molestias em que se tenha
em -vista a purificaco do-sysema saaguineo; pois que urna pratica constante tem feito
ver que elle indispensavel nos casos -gravissimos para mioorar os soffrimentos, e pre-
parar o dwote -para medieaces staperioras; e -aas meaos graves a cura a conse-
quencia do seo uso, convenientemente repetido.
As substancias que-entram na composiclo do Elixir depurativo do Dr. Sevia
pertencem todas exclusivamente ao remo vegetal, e grande cathegoria das substan-
cias depurativas e antisyphiliticas; assim, ao passo que este remedio depura o orga-
nismo, eliminando os principios nocivos saude, pelo mecanismo natural das eva u-
acoes alvinas, neutralisa so mesmo tempo o virus syphilitico quando este virjem.
tem feito erupc5o ao exterior debaixo de suas .multiplicadas formas ; e previne taui
bem os estragos dessa terrivel molestia, quando por ventura se ache ella ainda no
estado de encubacw, isto sem se ier manifestado sob formas externas: beneficio I
mmenso, tanto mais quanto oeste estado os individuos ignoran, completamente se es-!fica exposto s pode* Tsar ^m'rco^Z
15o conimnados^|r este. lejri*;! iaimigol n0 offender 2S entranhas.' As molestia
O sabor agradavel d'este Elixir convem a todos os estmagos, a sua accao so-
hce o tubo intestinal suave e benigna, e de nenhama forma produz molestias medi-
camentosas^ como acontece ao .purgante dito Le Boy., que na sua qualidade de drs-
tico forte irrita a muoosa intestinal, e consecutivamente a seroza, resultando deste es
tade., muitas vezes, hyalropesias, que quasi sempre terminam pela morte do doente
Assim pois esperamos que o uso deste remedio justifique cabalmente as nos-
sas afiseveraoSes, porque sendo m>-niedieamenio to simples na sua composiclo a
pratica tem confirmado sua uliUdade. '
Unleo depoako m Permambcc&
DE KEMP,
NOVA YORK.
DE COR CHEIRO E SABOR AGRADAVEIS
Infinitamente mais efficazes do que todos
os mais remedios perigosos enauseabundos
que existem para a expuls3o daslombrigas.
Socausam dores e produzem se effeito,
sem precisar logo depois de purgante ne-
nhum e toincitantes em apparenca e deli-
ciosas em gosto, que as crianzas esto
promptasa lomar mais do que marca a ra
ceita.
Uteis como um excellenle meio de fazer
remover as obstrueces do ventre, mesmo
no caso de nao existirem verme algum, as
PASTILHASVERMIFUGAS DE KEMPS S30 promp'
tas einfalliveis na sua operacao e por todo
os respeitos dignas deconfianca e approva-
c5o de todos os paes de familias. Prepa-
radas nicamente por Lanman & d,
Nova York.
Xarope tnico refigerante de veame e de
ferro preparado pelo pharmaceotico Jos
da Rocha Paranhos, estabelecido na cida-
de do Recife provincia de Pernambuco,
rua Direita n. 88.
Este xarope, que da tom ao movimento
muscular por sua qualidade frrea, ao
mesmo tempo purgativo pela parte do ve-
lame que encerra, e refrigerante pela parte
acida alem da precisa para perfeita solucao
e combinaco de ferro-; este atacado pelo
acido tica em extrema diviso, e assim o
mais soluvel que possivel, de sorte que j
nao to dependente de ser digerico pelos
cidos fracos, que se acham no sudo gas-
trico durante a digesto. Os expositores
de medicina sao de opinio que o ferro e
todas as suas preparacoes gozam das virtu-
des eminentemrnte tnicas, que aproveila
em todas as mole&tias que sao caracterisa-
das por fraqueza; e com effeito aco exac-
to essa opinio; nao mas dado o ferro em
substancia pelo mo resultado que tenho
observado, (e que j fiz publicar) em certas
e determinadas molestias.- por exemplo :
anemia, e febres intermitentes, terminam
muilas vezes por anazarca, que aecumu-
lacao de serosidade no tescido cellular (agua
quando est entre a pelle) e depois ascite
ou hydropesia do ventre, que aecumu la-
cao de serosidade no peritoneo.
E' sabido que o ferro um dos agentes
mais importante para que o sangue se pre-
pare e aperfeigoe devidamente, e por con-
seguinte o mais proprio para impedir o
desenvolvimento destas molestias : mas sen-
do elle um efGcaz excitante, sorbente e se-
cernente, claro que s associado como s
acha neste xarope, pode dar o re='j'liai0
que se espera, e a experiencia r^ t lem ^e.
monstrado sem risco de offonder as entra-
nhas.
Os effeitos dos incitantes, s5o : promo-
ver as secrecoes, e absorcoes, augmentar o
calor natural, e remover aquellas dores que
nascem da falla dos movimentos irritativos.
Os sorbentes sao tambem aquelles agentes,
os quaes augmentam os movimentos irrita-
tivos, que forma m absorcao, e os secernen-
tes aquelles que augmentan) os moTimenlos
irritativos que constituem as secresoes. As-
sim, pois, v-se que sem a precisa combi-
naco e modificacao nao pode ser elle ap-
plicado indistinctamente. Muitas vezes o
pratico deixa de fazer applicaco do ferro
por conhecer suspeitar que o figado, o
bofe ou pulmlo, e orgo essendal da res-
pirado, ou outra entranha est oflfendida ;
entretanto que, se se tivesse applicaio en
tempo se poderia ter evitado o desenvolvi-
mento da molestia.
Assim, pois, o xarope preparado come
Na botica e drogara
DE
Bartothomeo Companhia.
34RUA 00 ROSARIO LARGA3*
01 pbarQwcia de P. Mirjrer 4 C., roa Nova.
.
GRANULOS ANTIMONIAES
Da Doeteur 1V\IH.I.AI I
Sov medktca para evteafi das molestia do eoraeaS, da atthat, do catarrho, da coqueluche,
da lisie, etc:
GRANULOS ANTIMONIO FERREOS
Para a eurtetoldt anantia, da chlorosis, da amenorrhea, da Btvralgiaa, a nevreses, du molestia
aacrafoloats, etc.
GRANULOS ANTIMONIO FERREOS AO BISMUTH
Para a aoraeta daa raolettiu, Btrvoata, daa viaa digestiyu, dvptptiat, etc
FaXAMCA t Pharmacia de E. MOUSNIER, i Saujon ((3ureate-Infrieure).
_- 5m ^a-Jutxan, flix faraut, pharmata, 77, roa Seta Setembro.
lepHliati {Em Pernambuco, P. MAURER et C, pharmacia. roa Nova.
f Em Maceio. FALCO OH AS, pharmacia imperial.
CHEGARAM
Yende-e a arauco sita a' roa das Cinco-
Pon tas, o. 68, proprla para qoalquer negooro, a
qoal casa tem commodos para ramilla, qoinuie
porto, todo Indepenente da loja : a tratar u,
mesma das 10 horas da miDbia %'% 3 da tarde. I
Aloja das(Mumnas
Lindos manguitos com gollinhas.
Grande variedade de golinhas com punbs, de cambraia:
De bretanba e de esguiSo.
Gravatinhas de cambraia de muito gosto para senhora.
Ricos peplum de grosdenaple preto enfeitado, o que tem vndo de melhor gesto a
! pernambuco.
roa do Crespo n. 13 de Antonio Gorreia de Vasconcellos C.
nao offender zs entranhas.
contra as quaes o xarope tnico refrige-
rante pode ser applicado com proveito, s5o:
as amenorrheas, ou suspendo do floxo
menstrual das mulheres, anemia, ou dimi-
nuifo da massa do sangue e sua consis-
tencia alterada, dores de estomag, debili-
dade dos orgaos digestivos, fastio, fluxos
mucosos, flores brancas, chlorose, molestias
do sexo femenino, caracterisada por lan-
guor geral, acclorisac5o pallida da cor ou
esverdinhada, empobrecime to do sangue,
enfartes-ehronicos das visceras abdomioaes.,
alporcas ou escrfulas, escorbutos, opilac5o,
pallidez, e os estragos produsidos pelas mo-
lestes syphiliticas: asthnia ou falta de for-
cas ; fraqueza geral: e ha hydropesia ana-
zarca e asoites; tendo-se o cuidado de ob-
servar nestas duas ultimas molestias prin-
cipalmente, e em todas as outras, que um
dos effeitos salutares deste xarope ter o
ventre corrente, e as urinas desembara-
cedas.
0 modo de usarse e regular-se vai des-
cripto no letreiro pregado no frasco.
Vende-se nicamente na botica da rua
Direita n. 88 de
Jos da Rocha Paranhos.
Loja da consciencia
llua das truze* n. 80.
Neste estabelecimemo encontrarlo os fregae/es
um completo sortimento de aviamentos proprros
para calcado por precos moito commodos, bem
como nm variado e escolhido sortimento de calca-
do para hornea como sejam :
Borzegaios francezes de lastre para bomem a
7J800.
Ditos ditos de bezerro para dito a 6J500.
Elsticos de seda para borzegaios a vara por
1*800.
Formas francezas chapeadas para bomem a 4*
Vendem-se os engenbos Timb e S. Pedro
ambos no Cear Bfcirim fregaezla de Estrems
no Rio Grande o Norte com legua e meia de tr-
ras pioprias e frescas, boas obras de pedra e cal
com bois e bestas, e lado o mais qae mister :
Saem oa pretender pode-se entender no Ceara
leirim com sea proprietario o tenente-coronel Jo-
s Flix da Rocha Falco e para informales as
terio nesu cidade de Oliveira Filhos & C, e no
Natal de Fabrleio & C, vende-se a dinbeiro oa
a prazo, sendo Armas descontadas nesta praca, e
se fai negocio commodo para os compradores.
a


I, I'
larlo e per
de 186?.
RA DO IIIU M ]f. 38
0 proprietano (leste estabelecimeato deseja chamar a atlencio dos seahores pro-
prietanos para os acreditados mechanismos que fiontinfa a.fprnecer; os quaes garante
ser comoseapre. da melhor qualidade possivel:
Machinas de^vapor |
forc de um cavallo para cima. As menores s3o nui proprias para motores de descaro-
cameatas de alipdao ; ellas viajam armadas e podem trabalbar dentro de 24 horas, depois
de cuegarem no luprar. Ellas levam todo qnanto preciso para o trabalbo, e diversos so-
brecellentes. As machinas miiores s5o proprias para a moagem de canna, e ha aellas
que pedem jama e separadamente moer canna e detcarocar. Ellas podem-se applicar a
qaalquer moenda j existente sem ootra madanca 4o qcreasobstitnicSo das rodas daajman-
jarra, ha Umbemcom moenda juuta. Ellas tem depsitos d'agna e hoeiros de ferro, e
oSo precisam para sea asseotamento de obra alguna,, qur ,4e c*rapiaa, qar de alvenaria.
O teaapopira assenta-las nj escede de doze das ao-auis, e em casos de mortes deaei-
maes on arrombameotos de acudes, etc., garntele, o^s^aj^entaeflj oito das. Todos
estes vapores sao sisaplissimos na construcco, e seregem por qiulqaer pessoa intelligente,
a facilidale da conducho sendo especialmente corjsideraaa, tanto Jomlo ha, Ir^ar.em que
D3o se possam conduzir, qur por trra, qur embarcado.
Lembrase aos seahores de engenbo que a venda dos animaes e o servico da
gente oceupado no seu tratameqto os bao de recuperar da maior parte da despeza do
vapor, deixmdo-lhes a vantagem de ama raoagea certa e accelerada; e acabando com a
despeza di compra continuada de novos animaes, e com>s desgostos do trabalno que se
tem come les.
Ser talvez desnecessario lembrar aos compradores de vapores a vantagem que, Ibes
resulta de comprarem suas machinas garantidas em urna fabrica, tendo artistas compe-
tentes para assentar as mesmas e ensinar a maneira de trahalhar com ellas, e j prepa-
radas para arremediar qual per desarranjo; facilidades estas que jamis podem encon-
trar comprando as aos simples negociantes, os qaaes .por falta de.conhecimeato.i..ma-
teria nem se qur podem garanti-los de que as machinas que vendem sejam proprias ou
suficientes para o trabalno em que se qaeira emprega.4as, e^ooaso de desastre oao-po-
dem prestar-Ibes socrorro algam ; sendo que anda q$ajq4o*eaham s fabricas para con-
certar as machinas alheias, torna-se-ha preciso fazer pentiBamente moldes novos, etc.
para as pecas estragadas. J numerosas vezes estes vendedores tem representado.seus
vapores cuino send j de torca mui superior sua actual e verdadeira forca; equivoco
este que nSo s engaa ao comprador acerca do trabalno que possa tirar do vapor, mas
tambem da lugar ao pagamento de um prego excessivo, vista da torca real da machina
que compran!.
Tambem ha sempre prompto rodas d'agua d&hno, sarHhos com cruzlas para as
mesmas mjendas de canna de todo o tamanho, rodas-de espora e angulares, paroesou
.joches para receber o caldo, crivos e portas de fornalha, taixas de ferro batido, fundido e
de cobre, firma1? de fern> glvanisadas para purgar assucar, bombas simples e de repu-
cho, alambiques de fin e sos erlas de carro, arados, grades, enchadas a cavallo eou-
tros instrumentos de agricultura, moinhos e tornos para fazer farinha e finalmente todo o
objecto de mecbanismo de que se costuma precisar.
Na fabrica se fazom obras novas a encommenda e concertos, com a maior presteza
e solidez. O grande deposito de pecas e objectos habilitam-na muito para este fim.
O proprietari* sereropre roui feliz de poder dar informacoes ou esclarecwaento
aos senhores que se servirem de sea presumo.
D. W. Bowman, engenbeire.
OMORODEVEZA
Ao respeitavel publico peraambncano pede-se
L
Attenco
HaDteiga ingleza
320, 500, 800 e W s no armazem se acha vista.
Manteiga franceza
em lioras 560 e 640, em barris se far differenca.
Banha de porco
em libras 320 e 380, em porc5o se far differenca.
Fructas
em calda Pera, Pecego, Rainha Claudia, Alperxe e outras muitas 500 e 640 a lata. <
Ervllhas
Portuguezas 640, francezas 900.
Pana o
em latas do Para e de albaoeque, lata Ift e 1/1200.
Goaaii de nllko
em pacotes, dita da trra 100 e 200 a libra.
Vinh*
de Bordeaux em caixaa duzia H, garrafa 500, dito de U aduzia, 800 a garrafa, [dito a
m aduzia, 14200 abarras, ditftdo Porte a 84,#, 1W. 24<5, caixas de duzia, assim'
como ugueira caada 34=500 e 4jj(, puro J A A Lisboa 24(800, 34 e 30500 a qualidade
convida.
Caz
em lata de 5 galOes e mai^peqaepas a vontade do comprador, em garrafa-
Alpiste
140 e 16 O a libra, paioco a 100 a libra.
Azelte
em garrafas a 800 e 10.
CHARUTOS
em calza de 50 por l, ditos Delicias, Trovadores e Parisienses em caixas de 100, ditos
da ExposicSo caka 5& ditos de Regala caixas com 100 a 2)5500 e outras muitas marcas
que s na presenca dos compradores.
PREZUNTOS
delamego em barril, ditos de fiambre o melhor que ba no.mereado por prego que faz
admirar! f
DOCE DE GOIABA
caix5es de 560 fino, ditos de li>5U0 qoe parece marmellada, dito em latas muito fina
qualidade a 10200.
BOCETAS
com doce secco a 10 e 20.
QUEUOS
do Alentejoem latas ebegado pelo vapor Omida, ditosFlamengos e Pratos dos mas novos
aue ha no mercado.
* AZETFONAS
de elvas como no mercado"nao temos a 10 a lata, em barris do Porto a 10 coma b5o ha
melhor.
JLZETEBO & FLORES
RA DA CADEIA N. 47 -
Madapolo do baldo.
Superior madapolSo camiseiro que val 80 a 60.
Dito que val 70 a 50.
Chitas do balo
Bonitas chitas cores fixas e panno fino a 3oo e 32o rs, o covado.
Baldes de cauda.
Os mais modernos nal5es de arquinhos finos, que por isto se tornam recommen-
daveis ao bello sexo.
Geronlas e camisas.
Ceroulas de bramante francezas a 106oo.
Camisas de preg:s largas que valem 30 a 20.
As metas inglezas do baldo.
Superiores meias cruas para homem qoe valm 90 a 70.
Roupa feita do baldo.
Sortimento de calcas, paletos, colletes de brim, panno fino de casemira, todo por
preco commodo. _,
O BAlilO
ende muitos outros objectos e por insignificantissimos pegros.
A' LOJA DE FAZENDAS DE AUGUSTO PORTO &
11Ra do Queimado11
ti
Angosto Porto di C. acabara de recebar 4a Europa superiores cortes da seda de cares pare
bailes e casaueutos.
Ricos cortes de blood com manta e capaila para noivas. \
Cortinados bordados para camas de noivas e janellas de 73 a 803 eada nm.
Colxas de seda e oatras de la e seda o que ha de melhor para camas de noivas.
Toalbinbas de croch para eadeiras e sofs, espartlh >s a saltana para enboraa, camisinbas
com manguitos bordados e Itndos enehovaas para baptisados, e balSes de massalina e de arcos para
senboras e meninas.
Lavas de pellica para homem e senboras e superiores chapeos de sol de todas as aaalidades.
La para vestidos baratlsslma bonitos padrSes o covado a 280.
Tapetes grandes para sof, ditos para plano, ditos para cama e pequeos para portas e janellas.
Hoir branco e preto sjparior para viudos da liodos deseabos, grosdeaaple de todas as cores
seda de qnadriobos, cambraias braacas de motta qaalidades, ditas de cores e lindas percales.
Basqaines de seda preta altlmimoda. ctales e retondas de guipare, vndese barato.
Camisas para borneas francezas e iogtetas de llano e de algodao Unas e seroalas de linbo su-
periores.
Capas de borracha, sobretudos e perneiras as melbores e mais elegantes.
Malas grandes para vlagens, ditas pequeas e saceos de tapete e couro.
Bramante branco de 4 larguras a 23500 a vara, pannos pretose ames, case mi ras pretas e de
cores todo bom e barato. *
Neste estabelecimento ha sempre um completo sortimento de boas fazendas tanto para a praea
como para o centro da provincia e superiores objectos proprios para casamentos como sejam capailas,
mantas, vestidos da blonde a de moir branco, cortinados, colchas, vendendose lado mais barato a
tambem as melbores
Loja do Gallo Vigilante
DE
fioimares Freitas
RA DO CRESPO N. 7.
Os donos deste bem conhecido estabeleci-
mento, tem a honra de avisar ao respeitavel
publico, e com especialidades aos seus nu-
merosos freguezes, que acabam de receber
um completo sortimento de objectos de mui-
to gesto e de completa novidade neste mer-
cado e que os tendo recebido em direitura, os
podero vender por menos que outro qual-
quer.
Reqnissimos loques de madreperola
branca.
Requissimosleques de madreperola preta. |
Lindos loques de sndalos para senhora.
Ditos de sndalos para meninas.
Loques de faias muito lindos.
Ditos de ossos.
Lindos porl-bouquetcom cabo de madre-
perola proprios para casamentos e bailes.
Lindos cintos para senboras com fi- ellas
e fivellas de differentes qualidades e gosto.
Requissimos eofeites com coques e sem
elle.
Luvas dejouvin, inteiramente novas, bran-
cas, pretas e de "cores.
Luvas de seda, fio da escocia, algodao e de
outras qualidades para senhora e homem.
Lindas trancas pretas _e de cores cjm ve-
drilho e sem elle, assim como lindisslmas
guarnices para enfeilar basquines 0 Lotes
para os meamos.
Lindas touquinhas e sapatinhos r i carne n-
to enleitados proprios para baptisados.
Meias de seda para o mesmo fim.
Bengallinha para meninos.
Lindos pentes de tartaruga, massa e outras
muitas qualidades.
Moito boas escovas para dentes, ehapos-
roupa, cabellos, unbas e para limpar pentes.
Superior lionas para crochet.
Agualbas para o mesmo fim.
Lindos agnlheiros e dedar de madrepero-
la emarfim, assim como de metal.
Lindas guarnices de botes, para coiets,
punhos e coierinhos.
Ricas capellas para noivas.
Meias de seda para senhoras.
Superior thesooras para unhas. costura,
cortar cabello, etc., etc.
Finas navalbas cabo de tartaruga, marfim
e outras qualidades.
Suspensorios de seda para homem.
Ditos de algodSo para homem e meninos.
Requissimas caixas com msica contendo
o necessario para costura, proprias para um
delicado presente.
Requissimos livrinhos para missa.
Lindos indispensaveis para meninas das
escolas.
Finos aderecos pretos para hito.
Grande sortimeuto ae finas perfumaras
dos melbores fabricantes at boje conhe-
cidos.
E muitos outros objectos que knpossivel
seria menciona-los e que se encontrarSo na
oja do Vigilante, ra do Crespo n. 7.
ncisco Jos Germann
RUA NOVA N. 21,
acaba de receber um linde e magnifico sor-
timento de oculos, lunetos, binculos, do^d*
timo e mais apurado gosto da Europa e oca
los de alcance para observares e;para o
maritimos.
IIIV\l SEM SEGUNDO
Roa do QuelMado n. 40, loja m
mladezas
DE
Jos Bigoumno
Carriteis de retaoxde todas as cores a 80 rs.
Frasees d'agna de Colonia moito superior a 900 rs-
Frascos de o'eo moito Qnc a 500 rs.
Baralbos (rancezes mnito finos a 160 rs.
Pecas de tranca branca da caracol a 60 rs.
Dozia de tesooras pequeas a 480 rs.
Frascos d'agna para limpar dentes a 500 rs.
Caixas com colxetes francezes a 40 rs.
Redes pretas lisas para segnrar cabello a 320 rs.
Dalias de peonas de ago muito Anas a 60 rs.
Caixas de lioba do gaz de 30 novellos a 609 rs.
dem de palitos de segorenca a 20 rs.
Laacos da cassa com barre a 100 rs.
Duzia de facas e garios de cabo preto a 33000.
Garrafas de agna Florida verdadeira 13000.
Babados do Porto de todas as largaras a todos o
Sylabarlos eom estampas para meninos a 320 ?s
Memento da roupa de lavar a 100 rs.
Dulas de meias moito finas para senhora a 4.00"
Agulhas francezas a balo (papar) a 60 rs.
Pares de sapatos da tranca a tapete a 13500*.
Pe^as da fitas de l*a de todas as cres a 500 c
Grozas da boloes da porcelana prateados a 1601 |
Caixas com alfineites Irncezes a 80 rs.
Caixas de 100 eovelopes mnito finos a 500 rs-
Resma de papal de pase branco liso a 23.,
Fresco com soperior tiata a 100 rs.
Grosas de phosphoros de gas a 23OOO
Pares de botdes de ponbo moito bonitos 80
Lionas em carto de 200 jardas a 100.
Caixa de soperior linba do gaz com 50 novao
700 rs.
Talberes para meninos a 240 rs.
Masso com superiores grampos a 30 rs.
Grosas de peonas de ac moito finas a 320 re.
Bonets para meninos a 13.
Pentes com costa de metal a 400 rs.
Realejos para meninos a 100 rs. 1S&J9
vara 800
Esteiras e alcatifas para forrar salas,
11 Ra do Queimado11
INJECTION BROU
ISjimle lulallivel c *neril*, tinliifl unte* qu e
u pn.iolpa koiie and*. (Kjglr a Imihi|ii A* aa>). (WM
4 **!' hmmt Mhmii. Ufe.
Yende-se na Botica^Franceza ra Nova n. 25.
1 oaBbvuB Uditiro. Veade-M
lrf*."
Xaropee Tlaho ferruginoso de
jurubeba eoiu pyrophospbato
de ferro.
Cblonse, aoetnia, escrfulas, racbitismo, blennor-
rhagia, leocorrha. febres intermitentes e ame-
n rrha (inenstruaio dolorosa e irregular)
etc., etc.
Ha muito qoe tiuhamts em vista associar o ferro
as nossas prepararlas de jarnbeba; mas lavamos
tetnpoa exrenmentar qal a preparaco errogi-
n=J, qoe mais convlria ao organismo humano,
vfndo por fim a decidir oos pelo pvrophospbato
de ferro, eom o qoal podemos prepara r os oossos
xarope e vinbo de jarubeba ferrogioosos.
Temos a observar, porm, qoe o oso-dos medi-
camentos de jurubeba com o pyrophospbato de
farro naoca pide occasionar a pbivsica as pas-
soas aioda as mais delicada, como mollas vetes
tea) a on'ectdj atea pessoas robustas, qae se bao
servido do mesmo maUcamenlo preparado com
outras substancias ferruginosas, po: i&so nue o
pbjsrhoro debalzo da forma de pyrophospbato,
ura meio prophyUti-.o n-coobecido iolalvel con-
tra esta terrivel affeoco.
As preparacSes de jarobeba, a qoe bavemos as-
soeiado o pyropnospbatu de. ferro, sao mol provei-
tosas no fatameoto das muleatias das senboras,
taes como a cMorose, anemia etc.
Estas molestias nianifestam-se eom os sympto-
mas segointes :Dejcoramento geral da palle a
das membranas mocosas, magreza, jecbacao das
faces e das pernas; excltaco oervosa, bysterls-
mo, melancola, deblUdade moseolar, dores na-
vralcieas, pulso mais freqoeote do qua do estada
de sade, calor febril, palle secca, appatites de-
pravados, vmitos, prlso da vantre, meostroacao
dolorosa. irregular, pooco abundante, deseorada,
nall', flores brancas, araenorrbagra a iofecundi-
dtde.
Date estado espantoso, alias lio ordinariaro ote
recoDhecido entra nos em crescido numero d se-
nboras, desapnareee s com o prudente nso das
preparares ac;mi.
deposito destes
s
Grande aimazem de tin-
8* tas medicamentos etc.
Roa do Imperador n. 22.
8 Productos cbimicos e pharma-
centicos os mais empregados em
medicina.
Tintas para todo, o genero de pin-
tura e para tinturara.
Productos industriaos e tintas
para flores, -como botes de Aeres
e modelos em gesso para imitar
fructas e pasearos com o compe-
tente desenlio.
Productos cbimicos e indusiriaes
para photographia, tinuraria, pin-
tura, pyrotecnia etc.
Montado em grande escala e sup-
prido directamente de Pars, Lon-
dres, Hamburgo, Anvers e Lisboa
pode offerecer productos de plena
confianca e saMazer qualquer en-
commenda a grosso trato e a reta-
lho e por preco commodo.
HMMf
Farinha de mandioca superior.
A tratar com Tasso Irmoi, ou no trapiche Ba-
rao do Livremento no Forte do tfaUos.
DEPOSITO GERIL
do assucar crystalisadoda fabrica a vapor da
povoaco do Monteiro
n. 26 Caes 22 de Kovembr n. 26
O novo proprietario deste grande estabelecimento convida ao respeitavel publico,
que se acba de novo unecionando fabrica do Monteiro, e qoe no estabelecimento acin
encontrarao sempre um sortimento de assncar crystalisado em pans e ralado qoe se ven-
der n5o s a varejo (isto de meia arroba para cima) como por atacado para fra da
provincia.
FAZENDAS NOVAS
para a festas de S. Antonio, eS. Joao
o armazem do Pavo roa da
Imperatriz a. 60
DE
GAMA i SILVA
Recebero-se pelo ultimo vapor da Euro-
pa as mais novas fazendas como sejam:
Bonitas cseas de listas grana-
dinos.
Ditas castelhanas.
Ditas da Italia.
Ditas transparentes com os mais moder-
nos e mais delicados gostos vara ars 6i0.
Ditas de diversas qualidades com novos
gostos o covado a rs 240, 280 e 320.
Cortes- de medina sendo urna bonita fazen-
/da transparente com lindas palmas e qua-
dros de seda tendo cada corte 19 covados a
rs, 24&
Ricos cortes de vestidos brancos com lin-
das barras bordadas em alto relevo a 24(51.
Ditos brancos tambem bordados a rs, 5$ e
VERD1DEIR0 LE ROY
t nei*BET, DMMr-MNia
Buo da Selne, 81, a. PARS.
J
Ba do Imperador iV. 23,
Defronte de S. Francisco, le andar.
Acaba de receber de Paris um rico sortimento de ornamentos e objectos de
bronze, prateados e dourados, proprios de igrejas e capellas, taes que : candelabros,
casticaes, custodias, turbulos, lampadas e cruzes de diversos gostos e tamanhos. Os
preeps desses eneros s3o commodos, %e devem ser aproveitados.
Yende-se a casa terrea n. 44 da ra de Ho
nico deposito deste medicamentos: ocolomb : a tratar na mesma caa,
pharmacia de J. 4. Wfrto, nw larga do Ro-| ^VaBAMaoteo la Ptelee-e Imm de 30 libras:
ario n, 10, em Pernambuoo. 'Qa raarda Cade-'a-valha n 1, no segando andar.
Na ra do Trapich n 16.
acham-seosseauintes depsitos
De R. Bruniaghaos en Natis.
Boargogne.
Vinbo Pommard tinto.
Cortn tinto.
t Santo Georges tinto,
i Cbambertin tinto.
RicheaooTgtinto.
a Cloi de Voogeottino.
i Chablis branco.
De I. A. Woef en Fraacferl:
Enano.
Geisenheijnei.
liabfraamitcb.
fewPBcOrtiiffler.
Em casa de Theod Christiansen, rafe do Trfa
Sche-novo n. 16, nico agente no norte do Brasil
aBrandenburgfreres, Bordeaux, encontra-se aa
facTamentedeposito doi artigos seguites:
St.Julien.
StPterre.
Laroae.
Ghatean Lorilie.
Chateau Marganx.
Grand rin Chateau Lafltta (868.
Chalaan UBe.
HfeDt Santernes.
Ghatean Santernes.
Outean Lataar Mancha.
Ghataaa Tqnem.
Cognac em tres qaalidades.
Aeitedoce. Prefios de Bordeaux,
Xarope e pasta de Seiva
DO
Plnheiro martimo
DI
E. Lagasse
PreparacSes mol preconisada? pelos sabios mdi-
cos de Paris, eom as melbores al boje diseobertas
para a cara certa de todas as molestias do peito,
broBcbites agudos a ebronicos, asthma a ainda das
affeccSes das vias urinarias.
DKPOSITO ESPECIAL
34Raa larga da Rasario34
Pharmacia de Bartholomen k C.
Bolo para earroea.
Ha para Tender bonitos e possantes bois mansos
para cerroca : no sitio da roa do Mondego n. 2. -,
Ps de coqueiros
a 500 rs., se a compra fr mais de 100 far-se-ba
nm abatimento
45-maa Dlrelta-45
Pechincka.
O aovo propriattrio da leja da calcado da rn> da
Gras n. 31 venda a dinbeiro vi loparioree bor-
agrtiw aataUaaoa o Uso* para senhora, menina a
Mino, pelo barato preoo da 1*800, 2*000, 3* a
000.
Farinha isuperior
Tea para vender Antonio Laiz de Oliveire Ais
v4o'4 C., no wn eserfptorlo, ra da Cnw a, i.
Cortes de poil de chvre com 18 covados
a 15,51.
ModerDissimas vareges tapadas e transpa-
rentes com as mais delicadas cores e com bo-
nitas listas de seda, covado a 640,800 e i.
Alpacas lizas enfestadas com as cores mais
modernas o covado a 640.
Ditas enfestadas com lindos lavores grfi-
dos e miudinbos covado 560.
Bonitas alpacas lavradas com os mais mo-
dernos dezenbos covado a rs, 800 e 15.
Ricos cortes de vestidos de l enfeitads
a 300.
Poupelina de quadrinhos transparentes
com os mais apurados gostos e quaze a lar-
gura de chita franceza covado a rs, 640.
Ditas mais estreitas porm muito bonitas
covado 500.
Sedas de cores com 4 palmos de largura
covado 20.
Ditas estreitas lizas de listras covado 2)9.
Grande sortimento de grosdenaple preto
covado ars, 10600,10800, 20, 20500 e 30.
Ricas sedas lavradas.
Saias com quatro pannos ricamente bor-
dadas a rs, 50, 60, 70, 80, 100, e 110.
Tarlatanas brancas e de cores vara a rs,
800.
Fil branco lizo vara a rs. 8 0.
Dito de flres"para vestido vara rs. 640.
Ontras muitas diversidades de fazendas
que se mandam tambem levar em casa das
Exmas, famtlbasparaescolberem ou do-se as
amostras deixando filiar penbor no armaze-a
do Pavo ra da Imperatriz n. 60. de Gm
ma de Silva.
Bordados do Pav&o
Entremeios largos
Babadiubos estreitos
Babadinbos largos
Entremeios estreitos
Tapad s e transpareates
Gama & Silva receberam urna grande por-
cSo dos mais floss babadinhos e entremeios,
tanto largos como estreitos, sendo tapados
e transparentes com os verdadeiros borda-
dos a alto relevo tendo de todas as larguras
e desenhos, grande porcao igual para qual-
quer obra, que assim possa ser preciso, e
garantem que podem vender por nenes 40
ou 50 por cento, do que em outra qualquer
parte, attendendo a grande porcao que tem
no seu armazem do PaviO: raa da mpera-
riz q. 60, de Gama Silva.
F.m cada garrafa, t. ilre a rol.'i* o utpet i?ui
que leva o naeij nete, um rotulo imf relio eom o Sillo I*i :i do eovt--.no rmnc' z.
IV. B. nnrl-
t<'lii)>*enii -ali-llr
lr S'.ll Ira.o w>
brel'ir:. w.lnx-i
a 60 itw-. Ir -. ,'a.
aomiaimo.oftw^ (
o abafun^; bi eo t
miiiiiu
Deposito na pbarmacia de P. Maurer e
C. em Pernambnco.________
XAROPE DEPHATVO
BE CASCA DE LARANJAS AMARGAS
OM IODRETO DE POTASS10
DE
?ip. Laroze.
nbarmaceulieo em Paris
Oioduretodepotassio um verdadeiro al-
terante, um depurador de incontestavel eflS-
cacia; combinado com. o xarope de casca de
laranjas amargas, aturado sem pertuba$ao
alguma pelos temperamentos o maTs fraoos,
sem alterar as funceoes do estomago. As do-
ses mathematicas que elle contsm permittem
aos mdicos de receital-o para todas as com-
pIei?oes, as affecces escrofulosas, tubercu-
losas, cancerosas o nos accidentes intermit-
ientes e terceiros; alm 4'isso, o agente o
mais poderoso contra as doencasrheumaticas.
Deposito em todas as pharmacias e casas do
drogaras no Brasil.
Expedices, em casa de l. P. Laroze, ru
des Lions-St-Paul, 2, Paris.
A' venda na pharmacia de P. Maurer <&.
C.a, ra Nova n. 25.
Rotondas
Vendem-se rotondas de fll :na roa do Livra-
ment n. 26, a 20O0.
Paris, 36, Rna Vivienne. IV
CHABLEMDECINSPCIAL
DAS ENFERaUDADAS DES SEXUAES, AS AFFEG-
COES CUTNEAS, E ALTERACOES DO SANGUE.
30.000 curas das impingent,
puttulat, herpes, torna,
comixoes, acrimonia, e #-
lerc oes,vtciosas dosangutt,
I ww, aiteraeou do san.
aue. (Xarope vegetal sem mercurio). Deparativaa
vecetaca baivhos MINERAES tomao-se dos
or emana, seguindo o tractamento Depurativo :
mpregado as mesmas molestias.
Este XeropeCitrattode ferro
de CHABLE, cara immedia.
tamente qualquerouroaeoo,
reiaxacao, e debilidad*,
igualmente es fluxos t flora
brancas das mnlheret. Esta injeccao benigna eav
rega-se eom o Xarope de Citracto de Ferro.
teaaarroMaa, Pomada que as cara em tras dia.
DEPURATIF
du SAIVG
PLUS DE
COPAHU
* POMADA ANTIHERPETICA
Cratra: nai affeccoss nilimii comixoes.
PILULAS VEGETAE8 DEPURATIVAS
fo ^ cMWe, eada nm val it> de tu
Bap Paalo Crdelr e viajad
Awjademiodezasa raa do Qoeimada n. 18
receben nova remesa do rap Pulo Gordetro
Viaiado, e oootloaa a receber por todos os vaoraa,
AVISO AOS SR8. MDICOS.
Cara eamrrhos, vmes
csqutluclet, rrkafes
nervotas tas dos brsn-
caM # fo4u as doenev
do peHo:basta m doirta
urna colhe refadea dt ^ xaratM IV Forcet.
Or. f *! em Part, r Vtrlemme, MU
A venda na pbarmacia de P. Maurer 9
e C, em Pernambnco.
Sirop du
DfORGET
GAZ GAZ GAZ
Cbegou ao amigo deposito da Henry Ngtr s\
C, rna do Imperador, om carregamento de gai da
primeira qoalidade.o qoal se venda em partidas
t retamo por meos preco do que ea oatn qoal
raer parte.
Farinha de mandioca a
Wiw # Candido Alberto .
traveasa da M*4f4 bm o-14.

o saca*: no
4 KttU U



larlo de PernaMlme QnlnU lelra i 8 de Imlhe de 1867.
I
i
.
I
v.
Verdadeiros
Ciliares Ityer
Electro lagaelices AotdiMs
Ou Collares Anodinos, para facilitar a deo-
ti$5o das criancas contra as convolsoej
das mesmas, a estes collares nos escazado
fezer qaalqner recommendacJo, visto a
grande utilidade qne tem prodozido quelles
pais que os tem applicado em taes circum-
stancias pois nos parece que nSo haver um
s pai ou mai que por este meio n3o quei-
ra por termo a taes soffriments de seos
flhinhos visto ser um mal qne tanto os
flagella, pois a estes collares aeompanha am
folheto qne ensina como se deve applicar, e
vende-se na loja do Gallo Vigilante, roa
do Crespo n. 7, pelo preco de 40000, U
e 60000.
Pesies de tartaruga e otros de metal
A agnia branca: rna do Qeimado n. 8
acaba de receber algunas amostras de pea-
tes* de tartaruga para senboras, todos de no-
vos moldes e bons gostos, sobresabindo en-
tre elles algans cojas novidades em mol-
des, e perfeicao de obra os tornam recom-
mendados para quem apresta o bom ; assim
como recebeu igualmente outros mui forni-
dos e bem feitos para desembarazar e ontros
com eixo para dobrar e propriospara barba.
Tambem receben outros de metal pratea-
dos e dourados, que de tal molde sao os pri-
meiros qoe app irecem os quaes com o semi-
crculo qne fazem sobre o coque tornam-os
mui bonitos.
-\ fiarapncas brancas
Vieram muito boas, e por isso vendem-se
a 10200 e 20 na loja da agnia branca : ra
do Queimado n. 8.
labadinhos crespos
O novo sortimento que acaba de ebegar
continua a ser vendido como dantes 2500
e 30 a peca e sempre na ra do Queimado
loja da aguia branca n. 8.
Peales enfeit. : Vendem-se na loja da aguia branca: ra
do Queimado n. 8.
Bollas de ail
Vendem-se "a 'oja da aguia branca: ra
do Queiuado n. a.
Bonitos port-relogios
Vendem-se na loja da aguia branca : roa
do Queimado n. 8.
Cara mesas
Galbeteiras para azeite e vinagre.
Saleiras de vidro e paliteiros de porce-
lana.
Veadem-se na loja da aguia branca: ra
do Quemvido n. 8.
Lavas de pellica preta.
Chegaram para a loja da Aguia Branca ;] a roa
do Uueimado n. 8.
Ramos de flores para coques
A aguia branca acaba de receber um nico
cartao com ramos de flores para coques.
A perfeicao e delicadeza dessas flores tem
satisfeito a todos que as tem visto e com-
prado a 50 cada ramoisso na ra do Quei-
mado, loja da aguia branca n. 8.
Faca favor de 1er
para saber o que de novo chegou na Agui
branca a ra do Queimado n. 8.
Trancas pretas de vidrinhos com pingen-
tes, sem elles.
Botes pretos e d cores, enfeitados oom
vidrilhos tendo com pingentes e sem elles.
Alamares pretos para basquines.
Novas e bonitas guarnicoes pretas para
ditas e vestidos. *
Coques de bonitos moldes.
Ditos de sndalo e seda. j
Ditos pretos para luto.
Enfeites de flores obra de bom gosto.
Pentes de tartaruga obras modernas, e
aparado gosto.
Pentes dourados e prateados, moldes no-
vos e bonitos.
Bonitos e modernos gales de seda, de
cores para vestidos.
Bicos de seda e guipure.
Leques, todo de madeperola e sndalo.
Ditos de faia, os quaes fazem quatro
vistas.
Ditos todos de sndalo, e sndalo e seda
para meninas.
Bonitas cestinhas bordadas a froco para
meninas.
Escovas de cabo de marfim, e madrepe-
rola para denles.
Abotoaduras bonitas para coletes.
Brincos de corrente de borracha, voltas e
pulseiras de dito.
Aderecos pretos para luto.
E muitos outros objectos que serao pre-
sentes ao comprador que se dirigir a dita
loja d'Agua branca a ra do Queimado n. 8.
Agora sim
Acabam-se as moscas.
Porque a aguia branca acaba de receber
porc5o de papel mata mosca e contiaia
a vende-lo como dantes a 40 rs. a folha,
compareci pois os pretendentes e serao
servidos na loja d'Agua branca ra do
Queimado n. 8.
Nova remessa
De correles de boracha.
A agnia branc* a ra do Queimado n. 8
recebeu nova remessa das desejadas corren-
tes pretaz de borracha, e continua a vende-
m como d'antes a 30 a vara.___________
f \Afc% W> lft&%Vlfe%
Agua mineral
ferruginosa, acidulada, gaxoza e carblica
DI
OREZZJL.
O aso d'agua de Orezza mui particularmente
reeommendado pela escola de medicina de Pars,
para todas as affecces do tobo digestivo, ingorgita
ment das viceras abdominaes, e geralmente todas
as molestias provenientes de fraqueza orgnica, oo
pobreza de sangae.
psito especial
M~R* lw| do Ramio34
Pharmacia de narthelornen A V
Boias
Vende-se na fundicSo da Aurora em Santo
Amaro, 2 boias de folha de ferro de 3p3
grossura, com fondo semispherico e altura
cnico, tendo 15 i 2 palmos de alto e 6 3j4
ditos de dimetro com olhaes manilbas e 2
balas de_ferro fandido para amarracao, etc
A LE4LD4DE
Neste estabelecimento a' roa da Imperatriz n.
70. encontrara' o respeitavel pabllco am Hado e
variado sortimento de mladezas, perfumaras da
"sociedade bygienlea Labio, Plver e Condrai, lavas
de ioavii, cbapelinas, coques e enfeites para ca-
beca, objectos de modas de Pars, que recebe de
saa conta e,por esta razio vende por menos qne
em oatra qoalqoer parte. Os 8rt. consumidores
nao necessitam ter encommodo de irem ao bairro
de Santo Antonio e Recife para se proverem do
ene precsarem, pois na Lealdade acbario todo
flo molbor gosto e por preeos multo commodos.
a
te
o
tt
te
S
GRANDE SORTIMENTO
DI
FAZKYIH* B1K1T4
NA
LOJA E ARMAZEM
DO
PAYAO
Raa da ImperatrU n. 6h
BE
Alm do grande sortimento das melhores machinas, americanas para descarrdar
algodao, de 10, 12,14,16,18,20, 22, 25, 30,35, 40 e 50, neste estabelecimento se
encentra mais o seguinte:
Azeite de espermacete propria para machi-
nas.
Vapores de torca de 3 a 4 cavallos.
Serras avnlsas para machinas.
Mndese todos os mais per tences para as
mesmas.
Carros de mao para aterro.
Gylindro para padarias.
Debulhadores para milho.
Arados americanas.
Carrinhos proprios para armazens.
Moinhos para reflnacSo.
dem para milho.
Escadas de madeira americanas.
Caixas com vidro sortidos.
de todas as qualidades.
Bombas de japyz.
dem americanas.
Ferros para engommar a vapor.
Vassouras americanas.
Baldes americanos para compras.
Tinas de madeira.
Ballaios e cestas de verguinha.
Guarda comidas.
Peneiras d'arame para padarias e renacoes*
Gorrentes para almanjarra.
Machados e facoes americanos.
Barricas com milho braneo americano.
NOVIDADES
DA
mm wa id n
AMA 45 SILVA.
Os proprietarios deste grande estabelecimento acabam de receber da Europa nm
grande sortimento das melhores fazendas de 15a, linho, algodao e seda, as quaes vendem
por preeos baratissimos, afim de apurarem dinheiro, dando de todas ellas amostras,
dctxando flear nm penhor ou mandam-nas levar em casa das Exmas. familias pelos seus
caixeiros, assim como as pessoas que negociam em pequea escala, neste^estabelecimen-
to comprarao pelos mesmos preeos qae se compram as casas ingle2as, ganhando-se
apenas o descont.
Casemiras pretas enfestadas a l<6oo.
Na loja do Pavao vende-se superior casemira
entestada preta para caigas e paletos pelo barato
prego de 1J60G o covado ou a 2800 cada certe
de calca, dita moito mais Qna, covado a 22O
oo o corte a 35500, ditas moito finas sem serem
enfestadas a 18O0, 2)000 e 2)300 eada covado :
o loja e armazem do Pavo na roa da Imperatriz
n. 60 de Gama & Silva.
As casemiras do Pavo corte a 30500.
Vendem-se bonitos cortes de casemiras de cores
escoras proprios psra o tempo de invern, pelo
barato prego de 3)500, oo o covado a 2)000, sen-
do enfestadas, assim como bonitas meias casemi-
ras escoras com msela de seda a 640 rs. o covado,
oo 2ff240 o corte, de calca, sendo fazenda at moito
propria para os meninos qoe freqoentam a escola,
isto na loja e armazem do Pavao na roa da Impe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
Celezias para saias
s na loja do pavo.
Vendem-se pecas de celezia de algodao, sendo
achamalotada e moito propria para saias oo oatra
qoalqoer especie de roopa branca, pelo barato pre-
go de 4000 rs. a peca com 10 varas, ou retalba-se
a 440 rs. a vara: na loja e armazem do Pava*
na da Imperatriz n. 60. de Gama & Silva-
SAIAS ECONMICAS A 3)200. *
S Da loja do Payo.
Chegeo. om grande sortimento destas lovas saias
escoras preprlas para temoo d invern or evita-
ren) qoe as saias brancas com qoe orna leuL.r-
rna do Crespo n,|i, esquina da 4o imperador
DE
Custodia Jcs AlvesSab* Im,
Tando recebido em dlreitura pelo vapor francos stremadnre, uto variadissimo vae cmposta nao se soje de lama' ao mesmo tem-
sortimento de fazendas finas e da ultima moda em Paris, e aproximando-se as festas de po sSo m,a)t0 bonilas Pr terem lindas barras como
S. Jo3o, S. Pedro eSanfAana, por issoapressa-se em vir convidar o respeitavel publico,;s rSS&StoJS XffESSSi
e com especialidade aos seus numerosos "freguezes, que venham ver o que ha de mais
moderno neste mercado. Como sejam:
Riquissimos cortes de seda para vestido
a 505, m, 700, 800, e 900.
Lindos cortes de foulard de seda, pelos
baratissimos preeos Je 250, 300 e 350.
Cortes de blond paranoiva, trazendo cada
corte saias de setim, capella e veo.
Ditos de dito com pequeo toque a 400
e5O0..
Moireantique branco, azul e preto.
Seda branca para vestidos de noivas.
Grosdenapoles de todas as cores.
Riquissimas basquines de seda preta, bor-
dadas com gosto.
Lindos cortes de 13a com bacra e de ulti-
ma moda tendo cada corte o seu figurino.
Riquissimos cortes de vizita, la com lis-
tas de seda para vestido, esta fazenda re-
commenda-se muito por ser nteiramente
novidade.
DiU da mesmaqualidadeporm-empecas.
Requissimo transparent de seda para ves-
tido de senhorastambem novidade.
Riquissimas gravatinhas para senhora.
Ditos cortes de barege de 15a para ves-
tidos.
Lindas chapellinas de seda para senhoras.
Ditas ditas de dita para meninas.
Chapeos de palha para senboras.
Riquissimos chapeos de sol parajdi tas.
Requissimos enfeites com coque e sacata-
inteiramente novidade.
Riquissimos leques de madreperola.
Ditos ditos de sndalo.
Luvas de Jouvin preta, branca e de cores.
Chales de seda.
Ditos de cachemira.
Riquissimos manteletes de cores, nteira-
mente novidade.
Riquissimos cintos para senhoras.
Riquissimas fivellas para cintos.
Riquissimas cobertas de pooto de crochet.
Meias de laias para padres.
Ditas de 15a para padres.
Ditas de seda para senhoras.
Ditas de dita para cranlas
Ditas de' algodao de dlfferentes qualida-
des e preco para homem, senhora e criancas.
Luvas de todas as qualidades.
MadapolSo francezo que de melhor
no mercad*.
Organdy braaco com lista*.
Dito de urna s cor e com listas da mes-
ma cor.
Chapeos de seda para homem.
Ditos de phantasia para homem.
Casemira preta muito fina.
Ditas de cores inteiramente novidades.
Chapeos de sol com lindos castes.
Toalhas de Iabyrintho muito ricas.
Ricas fronhas de labyrinto.
Riquissimos lencos de dito.
Rendas, bicos da trra e grades para lencos.
Urna requissima toalba toda aborta de Ia-
byrintho o que ha de melhor neste genero.
Peitos de linho bordados para camisas de
noivos.
Collarinhos de linho inteiramente novi-
dade.
Panhos e gollinbas para senhora.
Riquissimas saias bordadas.
Riquissimas camisinhas para senhora.
Cassas muito finas e inteiramente novida-
des.
Riquissimos veos e mantas de blond.
Ditos chales de toquim.
Fil de linho, liso e de salpicos.
Fil de seda, dito e de ditos.
Espartilhos para senhora inteiramente no-
vidade.
Lindos baldes de la para senhora,
Ditos de dita para meninas.
Ditos de muculina para senhora.
Riquissimas vestimentas para baplsados
contendo, chapeosinho, sapalinbo, meiasinha
e camisinha ricamente bordadas.
Coeiros bordados muito fiaos.
Um rico lencol de labyritho, proprio'para
casamenta.
Chitas, cambraias, madapoles e muitos
outros objectos, que se deixa de mencionar.
O dono deste importantissimo estabelecimento contina nos proposito de que-
rer vender muito e ganhar pouco, para o que sngeita-se a ganhar nicamente o descoci.
Utensilios typogrphicos.
Acabam de chegar de Franca e esto a ven-
da na ra do Imperador o. 15 defronte de
S. Francisco: ricas escovas para lavar for-
mas, ditas para tirar provas, componidores
de diversas larguras mui modernos, tinta
para impresslo fina, linhas e entrelinhas de
difierentes qualidades e pontas. A mesma
casa continua a ter testamentos de difierentes
animaes; e folhetos de Porcina, Magalona
e te, assim como cidade de Deus, Horas da
Semana Santa, Manual Eocyclopedico, Ripan-
sos, Caminbo do Co, Horas Portuguexas,
Marianas, Imitac5o de Christo, Escudo Admi-
ravel etc.
Feij
ao
Vende-se feijao mnlatinbo por 7) a sacca, ama'
relio, branco, preto e rajado por 5) : na roa do
Codornir n. 12 A.
OVfJtS
DE
N. 8. do C&rmo e Sant'Anna,
Est5o a venda as novenas de N. S. do Car-
mo e da Senhora Sant'Anna; na ra do Impe-
rador n. 15 defronte de S. Francisco.
A#> de Milo
Nos armazens de Tasso Irmos, em cunbetes de
4 arrobas.
_ Vende se orna taberna maito aregaeuda, sita
na estrada nova de Cachanga' jonto ao .rancho da
vmva Villasecca : tratar nos Remedios, taberna
de Fianclsco Jos de Pai va.
Escraya
Ve nde-ee nma negra moga, pereita coxinbeira
eogommadeira e cosiureira na ra da Cadeia,
uamxo 47._______
VESTIDOS
PROMPTOS E POR MEDIDAS
Depois da sua fundacSo, a Compagnie Ly-
onnaise nunca cessou de cuidar particular-
ment na escoma dos seus artigos, todos
do melhor gosto, e de primeira qualidades
por isso, nao ha nenhuma casa que pozas
rivalizar com este estabelecimento, que ago;
de universal reputacSo.
Para camas de noivas.
Vende o Pav5o.
Rices cortinados bordados a 8)000,10), 16),
20) e 2o) o par ; assim como os mesmos tambem
servem para janelias; ditos adamascados a 10) e
12); bonitas pegas de cassas adamascadas para o
mesmo eftelto; bonitos damascos de la de orna
e doas larguras, proprios para colchas, assim oo-
mo bonitas colchas de croch : lulo teto se vende
mais barato do qoe em aatra qoalqoer parte, na
loja do Pavao, roa da Imperatriz n. 60, de Gama
di Silva.
Cassas de cor a 24o rs.
Vende-se nm bonito sortimento de cassas de
cores, pelos baratissimos preeos de 840, 280 e
320 rs. o covado, assim corto nm bonito sorti-
mento de cassas francezas com listas largas a 800
rs. a vara, Qnissimo organdys matisados a 1), na
loja e armazem do Pavlo, roa da Imperatriz o.
60, de Gama & Silva.
rgandy a -tgOOO.
Vendem-se bonitos cortes de organdy
sendo com listras todas brancas ou com lis-
tras de cores tendo oito varas cada corte,
pelo barato preco de t, pechincha: na
loja a armazem do Pavao cSa da Inperatriz
n. 60 de Guma c Silva.
Chitas a 200 e 240 n.
Vendem-se chitas inglesa* de ceres fixas
peio Larato preco d 2*0 e 5& rs. # aova-
do : na loja e armazem do PSvSo ra da
Imperatriz n. 60 de Gama e Silva.
Meias lnglezas a #000 a
duzia.
Vendem-se meias inglezas para homem a
5^000 a duzia, ditas para senhora a 000 :
na loja e armazem do Pavo : na ra da
Imperatrte n. 60 de Gama e Silva.
Chales baratos
U, 3)500, 6 e 70000.
Vendem-se chales de merino estampados
a 2\ ditos lisos a 3o00, ditos estampados
finos a 5^500, 60, 60500, ditos crepon
com listras de seda a 70500 e 80000,
pechincha : na loja e armazem do Pavo
ruu da Imperatriz n. 60 de Gama e Silva.
As 10 mil varas d cambraias
Covado 300 rs. vara 500 rs.
(SO o pavo
Vendem-se finissim cambraias france-
zas com listras miudar e graudas e com
lindos desenhos de flo es e palmas, sendo
todas com as cores mais modernas e mais
lindas que tem vindo ao mercado, pelo ba-
rato preco de 300 rs. o covado ou a 5J30 a
vara, grande pechincba attendendo a
grande porcSo que tem, senSo seria para
muito mais dinheiro : isto na loja e armazem
do Pavo, roa da Imperatriz, n. 60 de Gama & Sil
va.
Espartilhos.
Vendem-se magnficos espartilhos francezes e
inglezes na loja e armazem do Pavo, na roa da
Imperatriz n. 60. de Gama & Silva.
PANNOS DE CHROCHE'.
Vende-se om grande sortimento dos mais boni-
tos pannos de ebrochs proprios para cadeiras, so-
pbs, cadeiras de balango, para almofadas e para
cobrir presentes, e vendem-se por pregos baratos
na loja e armazem do Pavao, roa da Imperatriz
o. 60, de Gama & Silva.
FAZENDAS PARA LUTO.
Loja do pavo.
Vene-se setim da China preto sendo nma fa-
zenda moito leve e sem lastro com 6 palmos de
largara proprio para vestidos e roopas para ho-
mem pelo barato prego de 2)000 o eovado meri-
no preto entestado moito bom a 1)600, saperiores
bombazloas pretas a 1)600, 1)800 e 2)000 rs. o
covado, soperior canto a 1)200, lanzlcha preta
lisa a 400 e 500 rs. o covado, am grande sorti-
mento de alpacas e princezas pretas qae se ven-
dem mais barato qoe em oatra qoalqoer parte, na
loja e armazem do Pavao, roa da Imperatriz, n
60,e d Gama & Silva.
Bramante de linho.
iTende-se soperior bramante de linho com dez
Mimos de largura pelos baratos preeos de 2)400,1 0 pavao, ra da imperatriz n. 60xle Gama
1)600 e 2#800 a vara, soperior panno de linho
proprio para leoges, toalhas e sereolas, pe-
lo barato prego de 640, 700 e 800 rs. a vara, pe-
gas de Uamborgo de linbo maito soperior a O),
11) e 12), algodaozinbo infestado liso moito en-
corpado proprio para leoges a vara a 1), dita en-
trangado maito superior fazenda com a mesma
largura a 1)200 a vara, assim como mais urna n-
floidade de fazendas brancas qae se veodem mais
baratas qae em oatra qoalqoer parte s com o tiro
de aporar dinheiro, na loja e armazem do Pavo,
roa da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Leucos brancos
a 20ooo,208oo e 302oo.
Silva.
Chales de renda a 4L$.
Vendem-se bonitos chales paetos de renda che
gados ltimamente pelo barato prego de 4) : na
loja e armazem do Pavo, roa da Imperairlz n. 60
de Gama & Silva.
" Motos vestidos a 60000.
Na loja do Pav5o.
Chegaram os mais modernos *e bonitos cortes
de organdys para vestidos, tendo 10 varas c da
corte, sendo 7 varas listadas para saias e 3 varas
sem listas, mas com enfeite para o corpo (oo ca-
saqainho) garante se neste genero ser o mais mo-
Vende-se om grande sortimento de lengos de' ^roo qoe tem vindo ao aereado, tendo entre el-
cambraia branca pelos baratos pregos de 2)000 e les ?"s brancos com listas e enfeites pwtoM
2)800 a dozia, assim como ditos com lista de c-. veodem-se pe|o barato prego da 6) Ricamente
re* flxes em volta, tanto proprio para horneas co- armazem ao Pavao roa oa Imperatriz n. 60, de
mo para meninos, qoe se vendem pelo barato Gas" Silva.______________________i___
prego de 3)200 a dozia, ditos grandes de cassa li-
za qoe se vendem a 500 rs. cada am, na loja e
armazem do Pavo, roa da Imperatriz n. 60, de
Perfuman s fina?,
INLE^lS de gosnell & c.
E FIIA.NCEZAS PE E. l-ENAL'D.
A antiga e bem condecida loja deminde-
zas i ra do Queimado n. 16, c itinua a
estar provida de finas perfumaras de diver-
sos fabricantes acreditados como Gosnel e
Penaud, sendo deste, exeeliente extractos
para lencos, agua de Colonia, oleo, bantra,
cosmetique para cabellos, opiata e pos papa
dentes, sabonetes para m5os fbarba, efe.,
etc.; e daquelle, superior agua de Colonia,
opiata ingleza e pos para dentes. Alm dos
mencionados objectos ha muitos outros que
por suas boas qualidades e bonitos vasos,
agradarlo completamente aos apreciadores
do bom.
Fivellas e fitas para cinto,
Na antiga loja de miudezas ra do Quei-
mado n. 16, encontrar ao os pretendentes
nm bello sortimento de fivelas e flus par
cinto, sem que esqueca os lindos pentes
prateados, com fitas pendentes e sem ellas,
sempre a contento do expedente freiuez
qoe se dirigir dita loja de miudezas:
ra do Queimado n. 16.
Differeotes objectos
expostos a apreciacao dos esclarecidos fre-
guezes qne os quizerem comprar; na ra
do Queimado n. 16.
Bonitas caixinhas de madeira com fecha-
duraj proprias para coMura.
Ouras ditas com arranjos para costura,
Sapatinbos de setim e merinos para bap-
Usados.
Meias de seda para ditos.
Tocas e chapeosinhos para ditos.
Tercos dj nadara oss, cornalinas, obras
mui pe re i tas.
Alfinetes de osso enm bonitos moldes,
obras de gusto para pe to de senhoras.
Ditos pretos para lato.
Meios aderecos de madeperola.
Porte jope ou suspende saias.
Lerfcos bordados para senboras.
Brincos preos, pulseiras e alGneles com
camafeo, tu Froco grosso de 15a, para deferentes fins.
Bonec1? mansas e cooronas prrs creaa,-
gas. *
Cestinhas proprias para creancas e no-
necas.
Bandejas pequeas para copos.
Bonitas e m dei n s chapeiiaas de seda
para mi horas
Na loja de miudezas ra do Queimado
n. 16 vendem-se bonitas chapelinas de seda
mui bem enfeitadas e por pregos rasoaveis.
Enfeites do 1W> s a un-.la- tu de chape-
Unas
Vendem-se esses bonitos e modernos en-
feites-de floras a mitavo de cliapeltuas: na
ra do Queimado, loja de tmuoezas n. 16.
Diferentes nbjt-.ctes
Vendem-se na ra do Queimado.. loja de
miudezas n. 16.
Gravatas brancas de cambraia para noivos.
Gnvatas brancas de setim para ditos.
Rosas Camelias, ramos e caixos de flores.
Papel para rosas e tothas pra ditas.
Leucos de cambraia tina com barras de
efli'fs, sendo
Parahomfnsa 360i) a duzia.
Para meninos a u rs. a duzia.
Vendem-se na.ra do Queimado, loja de
miudezas n. 16.
Collerinhos de linko
obras de uliimo gosto.
Vendem-se na loja de miudezas; roa
do Queimado n. 16.
CAB1DES PORTATEIS
TORNEADOS E ENVEUNIZADOS.
Vendem-se na loja de mLdtzas: roa
do Queimado n. 16.
Sedas largas
A 2) o covado
SO na loja do pavo.
Vendem-se modernissimas sedas com largara
de chita fraaceza, sendo com padroas modernos,
tendo entre ellas cores proprias para qaem est de
lato : vende-se pelo barato preco de 2) o covado :
grande pechincba : na loja e armazem do Pavo,
roa da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Cortes brancos
A 800 rs.
Vende-se bonitos cortes de cambraia branca com
-bonitas barras bordadas e teodo tambem algans
com bonitas barras de cores; vende-se pelo bara-
to preco de 5), na loja e armazem do Pavo, roa
da IoTperatriz n. 60, de Gama & Silva.
de cores
A500rs.
Chegaram as mais bonitas alpaeas de cores para
vestidos com desenhos miados e graados, teodo
largara de chita franceza, e vende-se pelo barato
prego de 50 rs. cada eovado ; grande pechin-
cba : na toja e armazem do Pavo, roa da Impe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
Bramante a 2$,
Vende-se soperior bramante de linbo alvo com
16 palmos de largara, pelo barato prego de 2) a
vara : na loja e armazem do Pavo, rna da Impe-
ratriz d. 60, de Gama & Silva.
Algolao avariado
Vende-se pecas de algodao largo moito en corpa-
do, pele barato preco de 6)500 a peca : na loja e
armazem do Pavo, rna da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
Reta!hos
' Vende-se urna porcao de retalhos de chitas e ca-
tas pretas, por preco barato, na loja e armazem do
Pavo, rna da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Seda a 320 rs. o covado
Vende-se am bonito sortimento de sedas de listas
qne sempre se venderam por maito mais dinheiro
e liqoidam-se pelo bratissimo preco de 310 rs. o
covado, s para acabar : na loja e armazem do Pa-
vo, rna da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Gama & Silva.
Madapolo pechincha a 61
Vendem-se pecas de madapolSo sendo fa-
zenda muito superior com 24 jardas cada
peca pelo barato preco de 60, dito muito
mais superior a 60500 e 70, assim como
dito finissimo a 80, grande pechincha : na
loja e armazem do Pavo roa da Imperatriz
n. 60 de Gama & Silva.
Manteiga barata.
Ingleza a 1380, 800 e 640 rs.; de tempero a
310 rs.; franceza a 640 e 480 rs.; sabio a 200 rs.
a libra : na roa das Crozas n. 42.
Na rna da Soledade, casa n. 70, vende-se am
piano de mesa em moito bom estado.
Vende-se ama casa de taipa na Boa-Viagem :
qnem a pretender comprar, dirlja-se a' roa do
Nogaelra, e procure entender-se com Joo Fran-
cisco Bastos de Olveira, qoe este dir' qaem
vende.
Vende-se ama casa terrea na roa dos Copi a
iresn. 9 : a tratar na roa Estrena do Rosario
n. 16.
As chitas baratas
Na loja do Pavo a 240, 280, 320 e
360 rs.
Vendem-se urna grande porcSo de chitas
finissimas com pequeo toque de mofo, ten-
do miudinhas e gradas, que se vendem pelo
barato preco de 280 rs. o covado, sendo, fa-
zenda que val muito mais dinbeiro, ditas lar-
gas e escuras sem defeito a 240 rs. o cova-
do. ditas preclaras escuras e alegres a 320 e
360 rs., todo isto pechincha na loja e ar-
mazem do Pmo: ra da Imperatriz n. 60
de Gama & Silva.
Para catyas
Vendem-se meia casemira moito encorpa
da e escura pelo barato preco de 320 reis o
covado ou a 10120 reis o corte de calca,
sendo fazenda propria para calcas, paletos e
coletes, grande pechincha na loja e arma-
zem do Pavao, ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Chitas pretas a 160 e 200 rs.
Vendem-se chitas pretas inglezas com sal-
piquinhos a 200 rs. o covado, ditas lizas a
160 rs., no armazem do Pavo: roa da Im-
peratriz n. 60} de Gama & Silva.
Atoalhado.
Vende-se soperior atoalhado de algodao ada-
mascado com cito palmos de largara, vara a 2),
dito trancado sem ser adamascado vara a 1)800,
dito soperior de linho adamascado vara 2)800 e
3), gnardanapos de linho cr qae sao os mais
econmicos a 3) a dozia, na loja e armazem do
Pavio, roa da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Chitas com mofo a 280 rs., na loja do
Pavio
Vende-se orna grande porcao de chitas
francezas com muitos bonitos desenhos, pelo
barato preco de 280 rs. o covado, por ter
nm pequeo toque de mofo, sendo de cores
seguras e garantindo-se que soltam o mofo
logo qoe se lavem e a nao terem este pequeo
defeito seriam para 400 rs. o covado, esta
pechincha acha-se nicamente na loja e ar-
mazem do Pav3o : rna da Imperatriz n. 60,
de Gama Silva.
Caixinhas
VENDE-SE
Motores americanos para dons cavallos.
Dito dito para quatro cavallos.
Machinas para descarocar atgodo de 14, 16,
18,20. 30, 35 e 40 serras.
Prencas para enfardar algodao fazendo os sac-
eos com 6 palmos de comprimento com o peso de
150 e 200 libras, vindas ltimamente da America
no armazem de Henry Forster & C, no caes Pe
dro II n. 2 jonto ao Gabinete Portagaez.
Grande reducto
NOS PRECOS DAS
Preparages
Laminan & Kemp
Salsa parrilba de Brlstol dozia 33).
Agua Florida de Murray & Laoman 10).
Anacabnita peitoral de Kemp 22).
Boa guamo a agua florida preciso a maior ce-
tela contra as falsificacdes trau Jlenlas francezas:
as verdadeiras preparages se vendem no nico
deposito raa do Trapiche n. 8.______________
Collares Royer magnticos
Medalhas e pulseiras magnticas.
A Agnia Branca receben nova remessa dos pro-
vettosos collares Royer magnticos, ja snmmamen-
te condecidos para preservar as convalsdes e faci-
litar a dentlco das criancas.
Com esses otis collares elctricos magntico?
tambem nao pequeas qoaotidades de medalhas
e pulseiras elctricas magnticas caja utilidade
tem sido aproveitada por qaem soilre do nervoso
bypocondico, tremores as mos etc.
Assirj como os collares Royer esto geralmente
conhecidos e acreditados pelos efficazes effeitos e
bons resultados qne tem colbido as pessoas qae
delles tem asado ; assim tambem chegaram a ga-
nhar Uto alta reputaco essas apreciavels medalhas
e pulseiras magnticas, ama vez qae o aso dells
fdr se esteodeodo a todos qoe deltas necessitem- A
Agola Branca contina a receber por todos os va-
pores francezes orna determinada quntidade. des-
ses sempre precisos e estimados collares Royer
magnticos e por isso fique na lembranga de todos
qae os acharo constantemente em dita loja da
Agola Branca, roa do Qoelmado n. 8.
MOLESTIAS DO PEITO
AtIs Importante.
Os nnieos verdadeiros xaropes de hypopbosphl-
tos de soda, de cal e de ferro do Dr. CborcblH tra-
zem a firma quatro vezes repetida deste sabio me-
dico sobre o subscripto e a marca de fabrica da
pharmacia Svann, 1% roa Castlglione, Paris.
Acha-se a venda em frascos quadrados com o no-
me do Dr. Chorchill no vidro. Preco 4 francos em
Paris : Com instrueco
Vende-se em casa de P. Maorer & C.______
com pastilbas de cheiro para
queimar-se em Jug3r
de incens.
Vendem-se na ra do Queimado ; loja de
miudezas n. 16.
PASTILHAS OHORIFMANTES.
Essas cheirosas pastilbas sao sempre
apreciaveis, e com especialidade no correte
mez, porque servem para perfumar os ora-
torios ou altares em que sh resam ou can-
tara louvavelmente'o Mez Mariano, es-
tas vendem-se na loja da Aguia Branca:
ra do Queimado n. 8.
vSi
ares.
Vende-se em casa de Sannders Brothers & .,
no largo do Corpo Santo n. II, vapores patentes
com todos os pertences proorios para fazer mover
tres oo quatro machinas para dosrarocar algud&o.
Vende-se a taberna sna a' na do Furia-
ootra nos Palrros-bmos, rom proco fondos, pro;
pria para principiante : a tratar na mesma, oa a
roa do Imperador d. 16,
......"' J. J '..... iu. _.!.JJHM
Escravos frgidos
CALLOS
PomadaGaloneaapara a extraccio e cura r-
pida e completa dos; callos daros, sem a menor dor,
vende-se na
pharmacia e dragara
Bartholonea dr Campanilla
34-BOA LARGADO BOSARIO34
nico deposito.
Contina a estar tosido o esrravo Lorian?
crioolo de Idade pouro mais on meos 29 a 30
armes, baixo e gro.-so do corpo, rono oomprido e
camodo, nariz chato, cabellas carapiohos, beicos
grossos, barbado, as vezes ot-a < de bigrde.olbos
pequeos ; moito ladino, trabalba de sapateiro,
ai-sim como no campo: coopta qoe transita em
Trombeta, Colloma de PimeDteiras Leopolpina e
nos eogenhos Candato e S. Benedicto : qnem o
capturar leve-o ao sea Sr. o capio Jos-e Candido
das Nevos no eogrobo Papagaio, termo de Porto
Calvo, oa no Reeife na ra do Apolle d. 34, qae
era generosamente gratificado.
Fugio no da 4 do correte do enge-
nho Macaco, o escravo Jo.-, crioul", com 40
annos de idade pouco mais ou mens, cor
fula, pouca barba, altura recular, o umbigo
muito grande, peinas acambetadas, e com
marcas de fe idas, ps grossos e feios, quem
o pegar leve-o ao referido engenlio Macaco, da
freguezia de S. Luurenco deTijnrupapo a sea
Sr. Henrique Olyaspio Tavares da Rocha, oa
na cidade do Recife a seu correspondente o
Sr. Jo3o Pereira Moutinbo, qae ser gene-
rosamente recompensado.
Gnitificac^lo.
Gratifica se a qaem apresenur ao Dr. Joaqnioi
Baptista Moreira, morador a' roa da Saudade, e
sen escravo, de nome Aogusio, natural do Para',
idade de 26' siinos, et-tatura regular, cor tola, o
qoal anda com roopa de servidocalQa, camisa e
chapeo de teluro osado, trast-odo alm disto a ea-
bec atada coa um lenco, por t la raspada. In-
colease forro, para andar ganbando dentro da et-
dade ; pois desde subbado, 43 do currenle, qne se
aoseotoa, e fot visto no bairro de Santo Antonio a
fazer carretos. Reccmmeoda-se, ouirosiro, 'i ai-
loridades puliciaes a soa captura, bem como pro-
lesta-se proceder contra qnem lbe prestar acoota-
mento ______
Fogio oo sabbado 6 do corrente da casa n. 8
da roa da Mangoeira om sexo cantador a manso,
qnem o pegoo qaerendo-e resumir leve o a mes-
ma casa qae ala de se dar o valor dblle se ficar*
bastante agradecido.

r


i
^HVHft*

8
Diarlo de 1'ernafiibuci ~ Qulaia felra 18 e Julh de 18G7.
ASSKBLi GERaL
-.
v
I
GA9-UM DOS SEORES DEPIITADOS-
SESAO EM i DE JUl.HO DE 1867.
PRESIDENCIA DO SR. S1LVE1SA LOBO.
(Continuago.)
enca recommenaada pela resposta da cama-
ra Se pode, eo, com instancia, pego a V. Esc.
que declare o, ao menos para socego e trauqulida-
de da importante classe agrcola do paiz. (Apoia-
dos.)
O Sr. Tavaiub Bastos : -Nada se diz, e nem se
respoodeu as irwrpellagojs.
Sr. Gaviao Peixoio :E.o Fraoca, o roovi-
raento emancipador a favor dos escravos das colc-
na- duroa raais de 40 sanos.
Proclamada a idea pela coasllaiate em urna
poca revolucionaria, ella cahio aos golpes do pri-
metro imparador. Os governos da restaurado e
do Julbo emprehenderam urna serie de medidas
preparatorias; em 1840, um deputado levantou a
joesto no seio do parlamento, ouviram-se as com-
ulssoes; gov.rno e cmara hesltaram e recuaram,
e so em 1848 orna nova crisi revolucionaria sauli-
iicou a obra do lempo e da experiencia.
Comparai agora as eoBdigoes do trabalbo, do
capital e da industria em um e outro paiz; l tra-
a va-se apenas das colonias, aqai lra,ta-se do paiz
inteiro. La os capitaes compromettidos eram em
umma limitada, aqu s5o vastos e importantes. La
o trabalbo livre t-ra em larga escala, aqui quasi
nutio. L a v.da industrial do paiz nao se resu-
ma, como entre nos. quasl que exclusivamente na
agricultura.
E entretanto, que differeuga de conducta, quando
comparamos as palavras e procedimento dos pode-
res pblicos em nm e outro paiz I
Entre nos deixa-se a cada nm o.trabalbo de
aquerlr da obscundade das trevas o alcance, a
Mgnificago das palavras da cora e da cma-
ra ; brese a porta a todas as suposicSes possi-
veis; langa-se a dnvida no coragao do paiz; e eon-
uemua-se perplexidade e ao desanimo a mais
importante de nossas propriedades, porque a
proprtedade a cnsta de cujos sacrificios vive por em
manto anaco Inteira, porque a propriedade que
lem s do, ainda e por muito lempo anda ha de
.sor a fonle principal da riqueza publica. (Apoia-
dos.)
A Inglaterra e a II.llanda viram em suas colo-
nias o braco vigoroso e servil de um dia tornar-se
motil no dia seguiote com a cessago do trabalbo
loriado, e cahlr corrodo pelos vicios e fulminado
por essas epidemias que dizimam as populacoes
devassu.
Os Estadoo-Unido vleram por sua vez, o por
uiiimo, em orna experiencia to grande quaolu
Jolorosa convencer nos at evidencia, que a tran-
sieo no elemento servil, nao sendo preceiida de
medidas prevent-vas e preparatorias, nao pode
deixar de causar mala?, desordens e calamida-
es.
Entre nos as consequencias seriara ainda mais
graves, por cirenmstancias peculiares ao nosso
paiz.
Na America do Norte havia cerca de vinte roi-
iLoss de Individuos em Estados que ja nao tinham
em suas instituigoes o elemento servil: cerca de
note milboes de individuos, que coniinuaram a
empregar sua acvidade valeole, robusta e iocan-
savel no desenvolvirnento e presperidade do paiz e
no augmento da riquesa publica.
Entre os, com pequeas modificagos, em maior
u menor grao, todas as provincias participam das
mesmas condiges sociaes.
Mas, disse o nobre presidente do conselho: f os
ireltos adquiridos bao de ser respeitados.
Respeitados de que modo, Sr. presidente? Com
que recursos? com que meios? Pois o nobre presi-
deule do conselho, que em presenca do estado -
nanceiro do paiz reconhece a impossibilidade de
um emprestimo exterior ou interior, *e v se obri-
gado a langar mo do papel-moeda e o< impostos,
para fuer face ao dficit existente e s despezas
mdispensaveis e urgentes, lembram-se da iodemui-
iago de nma propriedado que representa mais de
doos milhoes de contos ?
Tem porventura o nobre presidente do conselho
alguma estatistica que Ihe demonstre o numero
dos escravos existentes no paii e empregados na
lavoura ?
Seno tem, e v se por 8*0 na necessidade de
aceitar as existentes, ba de reconhecer que o nu-
mero desses bragos se eleva acerca de dous mi-
nio js ; e que os capitaes representados por ellas
ebegam, seno excedom a cifra que indiquei.
Quando o emprego de duzenios mil contos, em
que se clenla as despezas feitas om a guerra,
reduzio as (nangas do paiz as criticas circunstan-
cias em que todos as reconbecem, como suscitar
urna queslao, que para ser solvida cem os respei-
ios adquiridos, ha de absorvrr aquella enorme
somma? (Apoiados.)
Obi Deus de misericordia I para onde nos leva
o Sr. presidente do conselho? (HilaridadoJ
O nobre ministro enganou-se qoaolo ao decreto
com que deu liberdade aos escravos da naco; nao
ama simples violara d legal, cerno nos disse, urna
verdadelra violagao da coustituigao, e fere urna
attribulgo da assembla geral. O art. 11*, % 15
consagra entre a- attribuig5es da assembla geral,
a seguinte : tRegular a admioistragao dos bens
nacionaes, e decretar a sua altenago.
nobre ministro, porque nio pedio ao eorpo letKin-
no autorlsago para eraittir papel-moeda ? Nio o
quiz, nao o faz; e aqulllo que naquelle terapo era
denominado aitentauo e sophisma da le, couver-
leu-se repentinamente era systema segundo a
Yoda* d rela,'r, d0 prPrio Sr mini3lf0 *"
S. Exc. enganou-se quando me suppoz receloso,
segundo a espirituosa pbrase do nobre ministro,
que as canadas de pap^l se erguessem at a' aarra
di Gubato. Eu sei quj- para o\ goveroos do meu
paiz nao ha serras que se cao vengam, prlheipal-
mente depols da invangodos planos inclinados; o
O Sa'GAvud PmxoTo : -A pttlgSo qaa ao ni- Attriboe a ostas circamstaocias a allelo livre de
a ministro se angurou diffldl entre mlm e 3. algoas depuUdoi libernas que vierara sem compro
misso algum, podendo ser ministenaes ou opposi-
Btc. nao nova, as censuras dirigidas aos actos
d) gabiaete da qae faz parle o nohe ministro nao
envolvem quebra do mandato que recebi, como
nao importan) tambera para mim a Idea de qae S.
Exc. abinion i.i as fl.piras do partido liberal, a que
sempre partraceu. (apoiados.) Entendo qae tem
comraettido erros de apreciago, e por isso respei-
lando a conciencia do nobre ministro, mantenho a
libardade da minia.
O Sr. Tav.vbks Basto :Mallo bem.
cionistas, como aconselhra sua intellieencia ; e
mais o faci de haverem varios districtos condem-
lando a poltica ministerial, deixando da reeleger
os Sn. Domlciano, Jos Jorge, Cnagai Lobato, Car-
ralbo de Maodonea e Cazar.
Nota qae no 5* distncto, como aos oatros, nao
havia prograssistas, mas es dous partidos legti-
mos, ambos com elementos para a luta, cada um
dalles unidos em roda da tres candidatos; tendo
por si os liberaes a maioria da.populago e os car-
gos policiaes, e os conservadores a gnarda nacio-
nal, os juizes de paz, alguos magistrados e os re
O Sa. Gaviao Peixoto :Nao misterio para
novo systeraa de S. Exc. um desses planos, e s nlnguem qae os candidatos a' deputago geral pela
Sf,fflC0K!f-de 4eUe< S! piiJe exP"carHallD- PTO'ineia de S. Paulo foram indicados pelo escruti-
uagem sybillina de sea relatorlo era mais de om nm previo do corpoeleioral, raeio legitimo que de- cur,os de qoaliflcago em que tem sidonotavel-
P"10- 'olvia ao elemento popular a escolha immediata de
O nobre ministro aventn um novo meio de seas representantes, que abra caminbo igual a to-
ausmentar o popel circulante sam novas emissSss das as aspiragoes, e qae era anda um recurso
do ihesonro. A lei de 15 de seterabro do anno contra quaesquer divergencias, que apparecessam,
passado fornecen ibe auspiciosa occasiio. Ha um porque todos devlam respailar o juizo do corno
irecno de seu relatorio.diffliit de explicarse, mas eleitoral. O compromlsso felto pelo centro do parti-
qae emflra significa algama coasa. As repartigSas do nao rlscou o passado nem prescreveu nome al-
gum. Como llberaef iodos nos apresentamos, como
liberaes tomos votado-. Se a censara do nobre mi-
nistro fosse procedente, o qae ea contesto, ella nao
feriria o mim nem a S. Exc, mas ao respeitavel
corpo eleitoral de nossa provincia.
Terminando, Sr. presidenta, para evitar nter-
plena conflanca nos dtstinet cavatbelros de qaa Era ,0 Qr,emenf reclamada pelo estado a
secompde o ministerio actual em cada um dos medlda da dissolaflo/(J0e como psr demonstrar
qnaes reconhego um apostlo Bel e'dedicado da po-; qQe sofregamente rgtmdava-a pira manifestar-se
litica inaagurda em 1864, e qae continuo a consi- tremente, o paiz a ella corresponden com a alai-
derar como a predestinada para realizar a fellcida- cio em TrQd^ di
de de mea paiz. ( Apoiados).
Isto prevenido, Sr. presidente, V. Etc. permitr
me-ba qne entre ea em algamas consideragdes so-
gao em viriode da qual constltulo-se a cmara ca-
la misso tarminoa em o auno prximo iludo.
/Para robustecer a creega de que aceitara o po-
^er, nao por amor dea mas por btm do imperio
reza dos debates em qae estamos empenbados.
Pudera, devera en porventura, emprehender'uma
revista retrospectiva de tudo quanto, com relago
a* poltica, se tem passado no Imperio dasde a sua
r,1^"'^^"1, V,s, como PermiI18" Da,- emente, o gabinete de 30 de malo retlroa-se para
rfla (IOS dAhulac am una aztimr,? amnanhiatM l.___-___ ... ; K
publicas teem tamb^m a sua linguagem especial,
e se Buffon dizla q ia o estyio o hoarem, nos po-
demos dizer neste paiz: '0 estylo offlclal 6 a ad-
mioistraro.
Raferindose a" execagao Ja lei de lt de setem-
bro o relatarlo exprimia-se do segaiote modo : i A
fundaco al hoje. Nao fa-lo-hei, porm, ja' por
que nao quero expr-me ao risco de tornarme
prolixo e de abosar da looganimldade da casa, ja'
por que nada aproveltaria isso ao meu proposito.
Fo/gado, entretanto, a apreciar os motivos da s-
tuagao actual, a que adhiro pelo coragio e pela
o anno de
importancia da compra da reserva metaica d pretag5es que por ceno nao esiiveram na intengo
oanco acna-se qinst completamente satitfeita pelo do Sr. ministro da jostlga, devo declarar que as
que toca caixa matriz Se a compra da reser
va metalllca do banco se acha quasl salisfefta pelo
que toca a' caixa matriz, evidente que parte do
papel-moeda, correspondente ao pagamento feto,
nao podera' ser empreado na amortizago dos bi-
Ihetes do thesooro, no emtanto o nobre ministro
continua, e no mesrao periodo : mis o papel-
moeda corresponde somma de notas do memo
banco retirada di circulacao por effetto ni) s
Aesse parlamento, como i) relativo ao ouro das
catxas fttiaes fot empreado na amortizacao dos bi-
Ihetes. >
No meio dessa inexpcavel eonfuso de palavras
o que admira o verdadeiro trabalho de Sezno,em
que.se-vio envolvido o nobre ministro.'
Nao tendo camprido a lei de 12 de setembro,
como S. Exc. ruesmo confessa, eu nao sei que ori-
ginal medida naac9ira era essa que amortizava
bilhetes ao mesrao lempo que oovas emissoes sobre-
pujavam as redueles feitas I
A tabella junta pelo nobre ministro aa seu rela-
torlo eloquente : bas^a campara la s dsposigSas
da lei de 12 de setembro e calcular sobre a emis-
sao anterior e posterior agesta lei. Em urna pala-
vra, Sr. presidente, o meerranismo da le de 12 de
setembro leve em vista substithir o papel do banco
pelo do governo, manteado a mesma circulago e
restitulndo a' praga do Rio de Janeiro parte dos ca-
pitaes disponiveis representados por bilhetes do
tbe--ouro. O Sr. mioislro, que, como eu, nao pode
nutrir a esperanga de tornar-se David Ricardo, por-
que deve ser ja reputado o prmaro fiaanceiro do
imperio, verdadeiro Adam Smith, nao s nao cum-
prio a le, como estragn completamente o systema
do legislador. Servio-se -della quando loe fazia
coota, e abandonou a quando assim ibe conveio.
Dte modo dividi disposigSes da lei, pagando a
divida do banco, em parle, e em parte deixando de
sol v la, e ao me?mo tempo qne os dous papis fl-
cavam em clrcolago, o nobra ministro acbava om
meio engenhoso de augmentar a somma de papel
circulante, com manifesia infraegao da lei.
Espantoa me que o Sr. presidente do conselho
esperasse da opposlgao a indicagio dos meios adop-
tados s difficuldades da sitnagao. Aceita-los seria
resignar o poder, e o nobre ministro nao est dls-
posto a deixa-lo por pedido.
Se as opposigOes nos governos como o nosso de-
vetn ter um systam, e;te por certo nao esta' dis
posigo dos adversarlos que comb.te. A indicagao
das medidas apropriadas a' salvago do paiz corre
por conta do governo, e em todas as situares,
principalmente as situagSes difflceis como a nossa
s pode governa quem deve faz-lo. O nobre mi-
nistro tera, pois, um sys ema, e este deve sar o
hu ) efficaz para S. Etc. : fra delle nao deve ba-
ver recurso possivel.
A pergunta do honrado Sr. presidente do conse-
lho, apenas um recurso estratgico que, feriodo a
opposigo, nao salva o governo. (Apoiados da oppo-
sigo).
Alguns dos meas honrados collegas |a' teem lem-
brado ao nobre min'stro medidas que podem ser
aproveitadas. Pela miaba parte, limito-me, na
posigo em que me coiioquei, a manter as censa-
ras que dirig ao governo. E por iss > nao inverto-
rei o terreno da discusso.
oeu-me, Sr. presidente, que o Sr. ministro da
fazenda, to cioso da digoidade de seu paiz, jal-
Argumentar com a necesidade da medida, in-
vocar o principio da salvago publica, quando se
'rata apenas de 200 libertos, mais ou menos, man-
dados para o theatro da guerra, nao argumento
serio, principalmente empregado por om hornera
do talento e illastrago de S. Etc., talento e re-
curso de que deu provas, qu3ndo naquella discus-
so, era duello com o honrado deputado pela pro-
vincia do Rio de Janeiro, e embaragado pela torga
do sea adversario, despindo-se do seu passado,
virn de bordo, proejoo a outro rum>, navegou a
todo o panno, e s cagou as velas e langou ancora
quando se vio as aguas do partido liberal. E nao
se admire acamara; nquelle duello, para.nao
cabir vencido e nem ncorrer no desagrado da
maioria, o nobre presidente do conselho se faria
Grego oa Troyano, Turco ou Chira. (Hilandade
O Sb. Presidente :Lembro ao nobre deputado
que a hora da prmeira parte da ordera do da
passada.
O Sb. Gaviao Peixoto :V. Exc. me permittir
que, resumindo quanto puder as consideragas qae
tonho 4e fazer, u3o deixe todava sem resposta os
tpicos mais importantes dos discursos do honrado
Sr. ministro da fazenda.
Com a pratica de taes doatrinas nao admira qne
o Sr. presidente do conselho entendesse que era de
poaca monta a censara qu dirig aos governo.,
aecusando-os de inverter a nomenclatura legal a
proposito de crditos para o fim de decretaren)
despezas quando o nao podem fazer.
O nobre ministro convidonma para a discusso
das cifras, e citon-me a autoriade de estranho
escriptor, declarando-me que a verdadeira garan-
ta destas materias estava na discusso. Ea tenho
melhor antorldade, qae a lei. Se esta nao serve,
proponha o nobre ministro a saa revogago.
Demais, se a discusso importantisslma nestas
materias, nao menos importantes so as prescrip-
c&es da le, correctoras dos abasos governamen-
taes. (Apoiados.)
Os crditos supplemeotares nao podem ser abor-
tos na ansencia do corpo legislativo, seno median
te as eondlgSss estabelecidas as dtsposlges legaes.
O qne fazem os nobres ministros ? Madm-lhss a
denominagao como convm, e usando da lacutdade
qae se refere aos crditos extraordinirios, por
meio de um salto mortal, falsiflcam todo systema
da legisiagao. Por om processo ignal ja' tambem
nao existem as dlsposlg5es legislativas qne se refe'-
rem s transferencias de nm crdito para ontros
servicos, coja verba esgotou se. uom verdadeiro
iogo de palavras os Srs. ministros alteram o valor
da palavrasobrae da phraseervigo flodc.
O exame de taes actos nao por certo om exarae
aritbmelico, a demonstragao legal de soa legiti-
midade, necessidade e rcoralidade.
Felizmente o nobre ministro da fazenda confessa
qae tinba emitlldo papel-moeda, e descolpon-se
com a urgencia das circumstancas, e at certo
ponto com os precedentes estabeleeldcs. A's pala-
vras do ministro de estado opponbo os discursos da
senador do imperio. As anteclpagoes feitas ao tbe
soaro por conta da snbstitnigo de notas foram
condemnadas por S. Exc.; e o ministro que se con-
tenten com a oltima le bancaria qne por om lado
autorisava ama emissao determinada, e por outro
uiminava o procedimanlo daqaelles qae taes emis-
s5es fliessem oo consentissero, nao tinba o direito
de argumentar com as cirenmstancias. (Apoiados
da opoeeigo).
O prejecto sobre bancos f0 vetado nos ltimos
das da aessao passada, o corpo legislativo nao op-
poz obstculos a S. Exc. nesta materia ; todos os
recursos qae exigi lbe foram concedido
gasse de pouca importancia a qoesto que se refere
a' prisao da Mac Yon Versen- N >s aonae3 di^o-
matico? daste patz poucas ou nenhuma se pode en-
contrar lao infelizmente encelada e to deploravel-
raeUe terminada.
A deeza do governo resume-sa inteira no-se-
guibte : nosso m era impodir que o official jrus-
siano fosse servir S> ordens da Lpez, e nao perse-
guilo : cons-goimo-lo. Para o Sr. ministro nem
o direito clarisslmo a nosso favor, conforme.** de-
claragoes cathegoricas do seu collega de estaangei-
ros; nem as susceptibilidades da honra nacional ;
nem as consequentes difflculdades com a diploma-
cia prossiana teem a mnima importancia.
A verdade, porm, outra, Sr. presidente, e no
relatorio do ministro de esirangelros ba prova de
sobejo, ha de mais para entristecer o cidado bra-
sileiro.
A 23 da margo foi preso Mac Yon Versen ; nesse
mesmo da o cnsul fraocez prolestoa sao pala-
vras suas coaira o aolo de violencia, referindo
legagao do imperador essa vlolago fligranie do
direito das gentes > do respaila devido a' sua ban-
delra.
O que houve entre o encarregado da Franga e o
Sr. ministro da et;angelros nao se sabe, mas o que
certo qu8 a 21 de mirgo o Sr. Guilherte de Ro-
quelte, obtendo a entrega do preso, que foi collo-
cado sob a orotecgo da bandeira franceza, manti-
nba a liberdade do seu governo quanto apreciago
dos (actos cousumraadc.
Assim de um lado aquelles a quem o Sr. minis-
tro negava o direito de reclamar a entrega de Ver-
sen, a obtnbam sem arredar-se nm passo do ter
reno em que se eollocaram, e o Sr. ministro de es-
trangeiros, embora zeoso da digoidade brasilera,
abata a bandeira de seu paiz, ficando a questo no
mesmo estado e devolvida ao governo francez I
E que diremos, Sr. presidente, do procedlmento
do governo, alada quando o Sr. presidenta do con-
selho tivesse razio ? Porque desde que S. Exc.
pardea asesperangas lie faze-lo prender em trra,
desde que, apezar de |sen direito, aotevia difticul-
dades, porque nao preferio faze-lo acompaohar por
om agente seu, prevenindo os governos alliados ?
Prender e soltar pode ser recurso de flaa poltica,
mas dec'aro que escapa a qualquer intelligencla.
A defeza do honrado Sr. ministro da (azenda a
melhor prova do qne afflrmo. Nem o sen talento,
nem a soa illustraglo, nem a sua palavra poderosa
poderao envernizar esta fraqneza. O que seguio-se
depois nlo o direi. La-o quem qnizer no relatorio
do Sr. ministro da eslrangeiros.
Apenas como pequea amostra do modo pelo
qual o encarregado dos negocios da frassia tratou
o Sr. ministro de eslrangeiros, lerei o comego de
urna nota. tBera que V. Exc. nao qalzesse em sua
nota de 23 satisfazer a minha legitima cnrlosidade
relativamente aos principios pelos quaes regulou-se
do governo imperial com o major
cartas de que S. Etc. fallou nao tratavam por cer-
to de mim nem de passoa de minha familia.
O Sr. MmiSTRO da Justca :Tambera eiac-
to.....
O Sr. GaviaS Peixoto :Tratavam dos foteres-
ses legtimos do partido qne elegeu a S. Exc, inte-
resses qoe esiavam de harmona com os elevados
interesses pblicos.
O Sr. Ministro da Justina iE' por isso qae
en entend que estavamos em harmona da vistas
polticas. Foi o que en disse.
O Sn. Gaviao PeixqA :Dasejo qae o nobre
ministro da jasliga, oa alta posigo em qaa se acha,
consiga, mais feliz do que eu o reputo,, realisar os
graodes principios de nossa grande- bandeira, mas
receio qne mais tarde oa mais cedo 9. Exc. desen-
gaado volte a ama
toalidade.
OSr. Macedo e outros :Apoiado.
O Sb. Gayiao Peixoto :Eu tenho plena cer-
teza qne, quando ebegar este momento,, o nobre
ministro se coaveocera' que, combatenilo- os erros
do actual governo, nem por isso esqueci-me de S.
Eic, soldado das mesmas flteiras e companbeiro
das mesmas Intas na provincia de S. Paulo. (Apoia-
dos.)
Por ultimo, Sr. presidente, e para qae o illnstre
chafe do gabinete veja qae, ao meaos nesta parl,
aceitel sdas novas pralicas, V. Exc me permitir
qae eu termine o meu discurso repetindolbe os se-
guinte versos do insigne Carados :
r O' la', Velloso amigo, aquelle oateiro
* E' melhor de sabir qae'de descer.
(ffilarrdade. O orador com pri menta* e felici-
tado.;
A discusso Oca adiada pela hora.
SEGUNDA PARTE DA ORDEM' DO DIA.
Eleicao de Minas-Seraes (S districto).
Contina & discusso do parecer da terceira com-
misso de'poderes, cora voto em separad, sobre
as eleigoas do quinto disirieio da provincia de Mi-
nas-Geraes.
O Sr. C. Ottoni enteude qae a debate nao tem
encarado a questo pelas soas faces mais por-
tantes, e pretende impriOHr-lbe direcoao diver-
sa, que lbe parece mais til para elucidar/i? da
materia.
Pensa que nao -basta apreciar o pracess ilel-
toral, e approvar os votos que parecen legtimos;
mas qae eseencial estndar o estado o escri-
tos ao tempo das eleigues,. o procedrmento das
autoridades, e indagar uao somente se os vo-
tantes presentes tiveram liberdade, mas tambem
se os ausentas- foram ou- nao arredadoa das nr-
uas por alguma eoacgo, oa> eulra causa viclaoora
da eieigo.
Pairaram, dix o orador, sobra as eleieys do
quinto districto de Minas, os.effeilos do acto-i llega I
e abusivo do ministerio, quando decidi qoe-a ieea-
gao do recruiamenio na poca da eleigSe nao ve-
Java a priso dos guardas nacionaes designados
para o servido da guerra.
Moslra que esta decisao ferio e> pensanaento- e o
espirito da lei, e declara que no> aceita a descoipa,
que este auno lera sido allegada para justificar to-
dos os acic-j da dictadura,.isto evoue nao se previa
o revez de Curnpaity, qpe exigi novos robfrgos
para o exereilo.
Combate esta coarctada do
Cafttao qe diztu ,io eu*3ei.
Susteouodo oae na. fwsiga em que eslava
exercito em 1866, osda. era nwis trivial Jo qa
prever a possibllidadee om revez, e toma?aspre-
cauges aecessarias.
Nota que esta desculpa tea servido para-coho-
nestar alguraas duzas-de actos de dictadora, pelas
qnaes eolretanto o Ss. presidente do conselho, des-
denba pedir bilis de inderaoioade, declarando qaa
virtualmenteesio pedidos.
Cita, como exeropte.o adiasaento das eleigoas do
lio Grande, a aKenago de bens nacioaaes, o
aboso da atlribui^ao de graga, pelo qual foram
mandados assassisos de prossao a hombrear com
os voluntarios da. paioa.
Sustenta qoe se pr.evalecesse a coaretada seria
mais curial adir.r. a eleigo em todo o imperio, ou
coofessar franciiofo'.e que a prisao dos guardas,
nacionaes era ama necessidade dame da quak o-
ministerio tomava a responsabllidade de-preterir a
disposigaoiegal..
Cr que terio a lei por necessidade-,imperiosa, de
servigo puwico,. aelo jostiOcavel, provada & ne-
cessidade ; mas que sopbismar as Veis, e exerter a
dictadura simulando respeito a' coostituigo e-o-que
aasraoralisa a poltica, anarchisa as ideas, fax dege-
nerarlas ustltuigoes.
^Froeura mostrar que o ano censurado, equiva-
lente a mandar recrutar no totopo das eleicoes as
devia viciar, e a' objeegao da que neste caso asta
viciada toda cmara, responde qae a medida nao
produzio em todas as provincias os rasemos ef-
feitos.
Qie nem todos os presideates tiobam a coragem
do do Para', que proclaraou cobrir cora um veo a
estatua da le, para libertar a provincia do jugo da
drecco liberal. Nem tanta dedicagao como o do
Rio de Janeiro que em aparte declarou ter feito
reaego para desmontar urna machina infernal
eleitoral, que acbou montada, sem vr a quem fe-
ria, e tornando claro que moaiou a machina em
sentido contrario.
Passando a estadar os effelto; produzidos em Mi-
nas pela deciso do governo, apona a da presi-
dencia, qae declarou desertares os designados re-
missos; e a circular do chefe de polica que man-
dn recrutar denlreelles os que notivetsem sen-
gao legal.
Confrontando estas medidas com as lels da guar-
da nacional e das eleigoes, raostra que as decisdes
proviociaes foram coronarios lgicos das do gover-
no ; pelo que o ministerio reprovando-as depois ou
Toi desleal ao sea delegado, oa acaoa-se forjado a
coodemnar o sea acto nos coronarios lgicos qae
deste dlmaaavam.
Apreciando a poltica da provincia, protesta que
censurando actos do actual presidente nao in-
suspeito, porque (diz o orador) a mlm, na mioha
pessoa, S. Exc. nunca offendeu, e ha mesmo en-
tre nos ara passado de agradavel recordago que
mente protegidos pela relago do districto.
Mos'ra com as actas, e lando alguns trechos do
parecer, qua no 5* districto, assim disposto todos os
partidos, todas as autoridades de urna e ontra par- cabga, toma'rei para" ponto de partida
cialldade a vista das ordeas qua recebiam Acarara [ 1861.
entendendo em boa f que os guardas designados: Organisada anti-parlam9ntarmente,pois qaecons-
perdiam o direito de voto. tiluira-se na ansencia de ambas as cmaras, e
E rateado a estatistica dos votaotas do districto,' quando esta acabava de ser renovada, o mioisteno
e da forc da guarda nacional, julga demonstrar de 2 de margo desse anno partteipou immediata-
que pelo meos 1,500 votantes foram arredados mete da aoimadverso quasi geral em que bavia
das urnas pelo falso pretexto de seren guardas Incorrido o partido eooservador, de colas fileiras
designados para a guerr. ; surglram, se bem que rossem respeitaveis osa-
Ora, resultando da apuragao da commissao ape-1 racteres que nelle falguravara, e apezar de baver
tldo a cntela da acclamar-se oiclador da poltica
de juslica e eanomia.
Km apoie oesta minha assergo, Sr. presidente,
lembrarel as tendencias qae desde logo manifesta-
ram-se para ama liga entre os brasileiros nooestos
e bem luleucionado*, qualqaer qae fosse saa pro-
cedencia poltica, quaesquer que bouvessera- sido
os seas principios em pocas maisou menos remo-
tas, afl.ti de langarem-se as primeiras bases do
partido caja confecgo era urgentemente reclama-
da pelas circamstaocias anmalas em qae acha-
vamo-nos, e qoe mais tarde veto a osteotar-se vigo-
roso e posante, eomo- verificaremos deutro em
paveo.
Seohores, carego de eshibir-vos urna prova da
exactido do qae acabo de dizer vos. Nao posso
depara la melbor, nem mal robusta, do que n'um
dos mais noiaveis trechos db discurso que na ses-
so de 7 de agosto do precitado 1861 proferio aqui
o digno deputado pelo i distncto da Baha,-a qae
ja' nos vamos babrtaando a oavir com a attengo
que saben' captar as talento e as illaetracdes.
Cansenii, pois que me apresa a reproduzir esse
trecho, que assim concebido :
O nobre ministro (S. Exc. alladia ao estadis-
ta a cojo cargo se acbava ento a- pasta de eslran-
geiros, nos disse que, preponderando em sea espi-
rito < e sendo nm acto de f do partido'coossrva-
dor) mais as necessidades da ordera do que as da
liberdade (dootrioa que sao admiti, e pego lieen-
ga para contestar ) todava qae a jastiea fra sera*
pre a irmaa geaea, alliada constante da liberdade;
que a ordem era apenas urna condigao de prospe-
rdade, nma necessidade de seguraugo, mas que a
prosperldade era o alvo dos governos ; que a liber-
dade nao corra aos paites Irvres os meamos peri-
gos que a ordem; mas que era mesmo por meio
as ama maioria de tres votos em favor do libe-
raes, e nao sendo possivel medir o alcance dos
i,500 votos prejudicados, parece-lbe a eleigo ra-
dicalmente viciada.
Observa que os algarismo do voto separado dao
o mesmo resultado, porque drzendo sea autor qae
as 28 fregaezias approvadas por voto unnime
da commissao ha S votos de dttfereuca em favor
dos conservadores; mas nao se podendo conside-
rar muito para a eleigo do Pouso Alegre, onde a
guarda nacional conservadora se ceremonia des-
embanhon a espada pelos seus candidados, aba-
tendo dos 25, aquelles 22 votos -de certo suspe-
los e ainda sappondo paros todos os outros, re-
salta Igual ditferenga de 3 votos em favor dos con-
servadores, o que se presta ao mesmo- argumento
ja' exposto.
Declara, que se a sua proposta de anuullaeao
apreciago mar jasta da ac- geral fr respailada se encostara' ao parecer peta
maioria de commissao, e espe o sea motivo capi-
tal em relago a cada urna das treguezias mais
disputadas-, que sao Jaguary, Sapucabyv Aguas
Virtuosas e Agua-P,
Sobre a ultima de qaatro- eleilores, repara que
se fr anuullada, adopiando-se a respeito das
outraso parecer da maioria, era o resultado (des
contaodo-se todos os votos nolioaednvidosos^ose-
guate
Dr. Alvim.........-.
Dr. PreiraLim..
Dr. R. da Luz.....
Dr. A. Lobo.^>KV.
Ferreira da Veiga.
Cobra:.......-----
Differenga de ara voto que mais reforga os ar-
gumentos em favor da nulMade geni*
Observa ainda, qne esta ultima sologo annullau-
do Agaa-F seriado todas a mais propria para vi- Ida liberdade que'a ordem pnWica"se mantlha "de
144
119
149
148
147
4o
A
o procedimento ^ 6.
ao menos delxado a me impoe reservas e duplica-me o de ver da cor
tesia.
Versen, agrdego-!he ter-me
esperanga de obler esclareciraentos a este respeito
por via de Bsrlin. Se nao consegai descobrlr esses
priucipios do direito Internacional, ttlve tenha
desculpa de serem ellas de data malto antlga oa
malto moderoai E' natural qae o major Mac Von
Versen, entre suas rmpressSes de viagem conserve
saudosa recordago do Sr. ministro de estrangei-
ros.e entre estas ssm duvida avallara' o comego
desta nota.
Antes de terminar, Sr. presidente, en devo ao
nobre ministro da justiga duas palavras a proposito
da provincia de S. Paulo. Emlneutemente liberal,
como S. Exc. o sabe, a sitoago qne existe no paiz
ba mais de quatro annos nao altern o pessoal dos
partidos naquel'a provincia. As depotaedes manda-
das esta cmara teem sido Qlbas da mesma idea
qae desde largo tempo vigora naquella parte do
imperio.
K' verdade qae essas deputagdes se teem rac-
ionado s vazes, conservando intacta a f de saa
rbindaira, e discordes apenas a respeito da applica-
cago poltica da seas principios. (Apoiados.) O es-
panto do nobre ministro parece-me, pois, nm pouco
Urdi, porque a censura ira alm do fim que S.
Exc. teve em vista.
t' corto que no foro da consciencla desapprova
o procedimento poltico do nobre conselheiro nos
oltimos dous anaos; mas esta opiniao combiokda
com as circamstaocias a que allndio tem sido cau-
sa de que at boje se abstivesse de apreciar actos
da presidencia de Minas ; ao que porm presente-
mente forgado pela saa posigo na 3" commissao
de ioqnerto eleitoral.
Nota qae a misso do presidente era apoiar-se
no partido pfogressista, se o acbassa em Minas, ou
funda-lo no caso cootrario; e que nao o acbando
nem conseguindo funda-lo seno em peqoenlssima
escala, tratou de dar arrhas ao partido liberal em
maioria oa assembla provincial, vista que as
distribuigoe da poltica geograpbica -do miols-
terio nao entrara o peosamento de apoiar os con-
servadores de Minas como apoiaram os de ootras
provincias.
Em demoastragao de qae tal era a poltica da
provincia, cita o Tacto de baver a maioria liberal
da assembla provincial, qoe votou todas as medi-
das de que pracisou o presidente, recommendado
em circolar aos eleitores do 2* districto nao dei
xassem de votar era Martinho Campos, e aos do 3*
Eston persuadido qae o honrado ministro, cioso districto qae susteutassem o orador; acto gazjero-
como da digoidade da nosaa heroica e nobre so e qoe apresenta a opponunidade para reader
nmvincia. nao quiz attrlbalr a victoria liberal aos, bomenagens, e que cita nio por valdade, mas em
I prova do qoe afflrmoo : o presideote dea arrhas
' ao partido liberal, onde neo acbou progresslstas;
favores do governo.
OJU. MlKISTftO DA JSTICA '.-ApOlldO.
rjkm Gaviao Peixoto :Nao os gosavamos nos
Intando com variadas e
porque,
pois, qoando estado financeiro do paiz era o mes-: quando em ootras pocas, Itando com
mo, quando o sea Ilustrado antemsor tinba sido multiplicas difficuldades, enviavamos representan-
censurado pelo mesmissimo tacto, qoando ao coro tes a' cmara dos Srs. depntados.
das inerepaeoes se tinba juntado a voz poderosa do O Sr. Mimstuo da Jcstica :b exacto.
como alias o atiestan as nomeages para Juit de
Fora, Mar de Hespaaba e ouiros tormos que alias
reconhece nao aerem muitos, visto qoe o lamoso 3*
partido planta que nao se tem podido acjim.ata.r
na tera generosa de Minas.
ciar radicalmente a expresso das urnas.
Sendo all os partidos to extremados, como de-
monstrara as votaejtos, qnasi todas unnimes, de
am lado como de outro, e mawfesto que um dos
dou partidos tem maioria no districto-, e~ esee tem
direito a tres cadeiras na cama; pelo que distri-
bu-las contentando os dons lados, seria o meio
mais seguro de sophiamar a eleieo.
AcredHa, que se ferem admiUMos um conserva-
dor e doos liberaes, eo nm liberal e dous cooser-
vaderes, aquelle dos oaodidatos qae se acbar sepa-
rado -da aorta de seos companheiros tera' a reoga-
nisidade de resignarmandato, dando ao distric-
to ama oeeasio de proodUciar-se de novo.
Termina invocando o auxilio d ambos os parti-
dos que tem raz3o de ser para qoe o auxilien)
aconselbando a camararom grande acto de taoaes-
tidade poltica.
Annallar nma eleigo, exclama o-orador, pelo
motivo declarado de taterveago iadebila do go-.-er-
no, -uma das mais palpitantes necessidade da
reganeragio do systema representativo.
A discusso tica adiada pela hora.
O-Sr. presideote da'-a ordem do-dia-e levantaa
sesaaa.-
SESSAO EM 2 r>B JULHO DE 1867.
BftES30ENCia>D0-Sa. SII.VEU.V. 1.0*0.
As .413/1, feta a.chamada, veiiScase bzi-\t
nomaro sufflciente, abre se asesso, lendo-s* e
approvaodose a acta, da antecede ale.
6Sr. secretario da conta do seguinte
XO?BStSHTE :
mOlfido.do earaiario do sawtdo, Uaosmitli*-
do, por nao ter o raesmo secado podido dar o sea
con se o timen to, a proposiro que autor isa o gover-
no a mandar matriealar na faccldedi de direlio
do Recite os estudantes Darval de Meaezes Fraga
e Joo Vas de Camino Sodr.latairada.
Seis das presidencias das provincias do Ceara*,'
Parabyba Alagoas, Sspirlto-Sanio, Matto-Grosse- e
Santa Catbarina, eaviaado relatarlos.A archivar.
Qaatro das presidencias das provincias de S.
Btulo, Goyaz, Re Grande do Norte Espirito-San-
to, remetiendo colleccoes de leis- promulgadas em
diversos annos.A' commissao de assemblaairo-
'nciaes.
Prelsnco de A. G. da Souza.
Ld-se, e approvado sem debate, o segeina pa-
recer:
i A commissao de peosdes. o-ordenados, aqoem
fot presente a pelieao em que Augusto GaidtBO de
Souza, escrip'iirano serviodo de secretario da re-
parligo de polica da provincia de Sania Satbari-
na, pede qae sejam divididos seas veacimeaios de
accordo com o que se pratioa com os venoimentos
dos secretarios. 6 mais empregados das repartigoes
de policia das outras provincias, Isto c, que haja
nma justa, proporgo antea o ordenado propriaman-
te dito e a gratiBcagao;e nao como ora acontece,
em que tendo a gratiftcaeo de 800#, de igaal-
qnanUa a sea ordenado* e apreciadas as diversas
considaragoes que lazo mesmo peilcionario, de
parecer que saja ella atiendido do conformidade
como qae rerjuer, olevando-se o.seu ordenado a
1:2004 ficando a respectiva gratiScagao redazida
a lO; e que, approvado o presante pareces, seja
elle tomado em considerago na lei do orcamento.
Sala das camraissSes, era 36 de junho.de 1867.
Jalo Teixeira__Candido Torres Filho.
Naturalisago.
L-se, iolga-se objecto de deliberago, a vai a im-
primir para entrar na ordem dos Habalhos, o se-
guinte projecto:
A assembla geral. resolve:
Artigo nico. Fica natnralisado cidadao bra-
silero o belga Carlas Teodoro Jos Bugueney, re-
sidente no municipio da corte; revogadas as dispo-
sigoes em contrario.
t Sala das sessoes, 2 de Jalbo de 1867.J. Ma-
dnrelra.i
PRMEIRA PARTE DA ORDEM DO DIA.
Fixagio da forga naval. .
Continua a 2* discusao do art. Io da proposta do
governo, qoe Qxa a forga naval para o anno noan-
celro de 1868 a 1869. : .
OSn. Correa de Brito ( Attengosilencio) :
Temo e tremo, Sr. presidente, ao erguer neste au-
gusto recinto minha fraca e nada autorisada voz.
(Nao apoiados). ,
Venho do seio do povo, sem ora titulo academ
co que estabelega em meu favor a presumpgao do
saber. .
Son o mais humilde membro (nao apoiados) da
deputago pernambucana, qua o Ilustrado repre-
sentante da provincia de Alagoas, que se senta na-
quelle lado (apont'ando para a esqnerda), leve a
nimia bondade de declarar despraallgiada, peto
simples fado de nio ver no meio della cldadaos
importantes e respeitaveis slm, mas que oa ja_fl-
guram na lista dos morios, eu, gyrando em regioes
mais alus pensam como nos, adoptam os mesmos
prlncipios'qne professamos, militara sob a mesma
bandeira em derredor da qual nos temos grupado,
esto identificados comnosco, e reflectem por con-
seguinte sobre nos a considerago de que mereci-
damente gozam, e qae o nobre depatado foi o prl-
meiro a reconhecer e proclamar.
E, como se todo Isso nao baara para crear me
ama atmospbera de desaleoio e tibieta, acabo de
ser ferido no intimo d'alraa por golpe to profun-
do, qae ebegoa a entorpecer-me o exercicro das ra-
cnldades Intellectaaes. .
Eotretanlo, Sr. presidente, atrevo-me a nsar da
palavra, que tive a Imprudencia de solicitar, e qoe
V. Exc. bouv a benigoidade de conceder-me; mas
atrevo-me, por qae cont com a benevolencia da
casa, entre cajos membros nio descortino am se
qaer qae tenba-me em conta de Inspirado ao ponto
de soppr-se o nico em eircamstaacias de desco-
brir e enunciar verdades. (Pausa). ,
Voto peto projecto de forgas de mar, tal como
elaboroa-o a respectiva commissao, reservndo-
me, todava, o direito de approvar qualquer emen-
da que >% necessidades do publico servigo_ bouve-
rara 8 reclamar, e que a mesma commissao resol-
w jr-sa a apresentar.
i E voto, Sr. presidente, porque deposito a
mais
um modo mais completo e permanente"; que se
devia fazer alguma cousa emapoio de ambos os
principios, porque nenhum dos dous mantinha
actualmente o exclusivismo de entras eras, nem
Conservava as ideas e pretencoss de outr'cra. A'
vista do exposto, perguntarei eu : Senhoses, por
que- se faz guerra tiga ?.....
O que qne nos separa ?'Abracemo-ncs, de-
roo-nos as raaos, compreheodamos, na pbrase de
Lua de Carn-, a necessidade de verificar e espi-
rito- liberal peto espirita ebristo, da ensmar aos
partidos a esteridade do odio e a omnipotencia do
saeriflclo, a necessidadorargente daeancerlaco>das
genoaiogias polticas de que fallei em principio e
da cooseqaente coogregag.-0 de toda as torgas;de
toda as inteligencias, de todas as ventades para
a obrado porvr, a qae as tongas decepges-do
passado nos coaridam no-fslnro.
Taes tendencias, senbcm, desenvotveram-s ao
ponte de invadirera as proprias moloeulas do oor-
posoial brasileiro, e actuaram to tortementeso-
bre lodo, qae em das de maio de 1868 o mioiete-
rio de S de mareo teve de abrir mo de poder, apds
luta reatada, .no correr da qoal coosegaira conver-
ter- em maioria a porgas desta cmara qaa at
aquella- data constitua a soa minora.
A* testa dos aihretas da aova potitioo, cuja pri"
meira victoria ah deixo aseifroatada, aebava-se o
Sr. ccoeeltieiro Tacarlas do- es e VaeconcelkOs,
qne se me nao talba a memoria, foi-. o autor da
emenda- coja adopfo determioou esse faustissuno
aconteeiarento. (Apoiados.>
Eca homenagem, pois, aos preceitos do goveroo
paiiaoiaowr, em preito as roers do systema qoe
vigora, coobe-lhe a- tarefa se organlsar o gabinete,
que devia substituir ao deeautdo, e que nao lnefi>
possivel completar seno a 21 do primeiro dos-me-
tes a qne acabo de repprtir-me.
Estava S. Exc. no caso de recebar to arfua
quanto honrosa misso r Creio que oim. (Maitus
apoiados.^.
A' babilidade, com .que dirigir a pugna, sujo
brilbante destecho tenbo atemorado, reama S-Xe.
a reputago de publicista, soiemnemaote reeonbe-
ci la pelo proprio nobre dapotado do districto da
Babia,a enja valiosa autoriade ja me socorr ama
vez,, como se evidencia da parle do sea relerido
discurso, qae passo a 1er':
O .sobre depilado, pato Paraos,, mea Ilustre
amigo, a quem devo,.e sempre reaonheceret- agra-
decido, a feliz iniciago-que rae deu>nos principios
de direito, abriudo-me com chavo-de ouro a pr-
meira portado grande templo dasclencia jurdi-
ca ; o nobre depmado, que ea considere um dos
prtmeiros publicistas do impervt(eiteM*a nao
neo conifero outro qm mais o seja);, o nobre di-
putado foi quem eosinou-me essas tbeorias, essas
douirinas puras e facundas, como < sabio, fiel e
eloquente Interprete da grande escola constitucio-
nal do mundo,da filba dilecta da iramcrlal icvo-
logiode 178.
O Sr. Arauio Barros :tas exeavagoes I En-
cerrara mais de am proveito.
O Sr. Corrra de Brito. :Os personageos, pp-
rm, que acabavam de ser venctdas em certamen
to franco quanto leal, se nao deram por convivi-
dos : partlctpavam UlusH) Haaamm de que ralla
Gulzot em soa Historia parlamentar de Fnanca
em termos qae Ihes sao lio appllcaveis qua ne
posso resistir ao desejo de ve-Ios repetir :
t E' lusSo commum dos borneas que, por mui-
to tempo, e dispondo de grande forga, tm estado
no poder, ebegarem a reputa-lo como nma pro-
priedade saa, como o eiercicio de om perfeito di-
reito sea, esqaecendo-se do fim publico e dos limi-
tes com que o adquiriram oa receberam. Taes bo-
mens ebegam a olvidar qae, nos grandes dramas
da historia, os actores, ainda os mais importantes,
tm diados o sea papel e o sea terapo, e que, se
osexcedemoa se obstinara em oceupar A.anana
contra o sentido e o curio geral do drama, sao ju*-
ta e immediatamente affastados do theatro. >
I'ma Voz :A aatoridade nao suspeita.
O Sr. Correa de Brito :~Em vez, portaalo, de
darem-se por derrotados, e de recolherera-se aos
bastidores.com o intuito de rebablitarem-se ante
a opiolo publica, foram tramar as trevas contra
o gabinete a cuja organisago tenbo alludido; e
suas tramas foram to bem ardidas, que apoz tres
das de vida corla, mas gloriossima, succamblo
aquelle gabinete ante ama votago cabalstica, e
veto a ser substituido, nao por um ministerio de
corrllbo, tal como o esperavam porventura os sens
e os nossos adversarios, mas sim peto de 30 de
maio, a' testa do qual acbon-se o venerando mar-
quez de Olinda, esse Brasileiro notavel, qoe tem a
magu ventara de haver ligado o sea nome respei-
tavel a cada nma das pocas memoraveis da na-
gao, e qoe bouve o bono senso de tomar para com-
panheiros de viaaem cidados to estimaveis como
elle, e que, para qae assim o diga eu, eram outras
tantas tradigoes de patriotismo e de servicos reaes
cansa publica.
Em ministerio, assim organisado, vio toda a gen
te a traduegao fiel do pensamento nacional qae co-
mega va a vigorar : eram as reliquias preciosas do
passado que vinham dar a mo gerago pre
sent para servirem lhe de galas no camiabo do
futuro.
Simalaram, porm, nao enxergar essa verdade
aquelles qae por ella eram mais prejudicados ; e
para oecaltarem to tela simulaco, oasam capitu-
lar de hypocnta e traidor o ministerio qae to bam.
comprehendea e desemneohou sna tarefa desde a
hora em qae se coastltaio at aquella em que re-
ferendou, em 1863, o decreto da dissolago, qae
bem longo de ter sido previa, foi provocada petos
actos de nostilidada revelados pela pouca numero-
sa maioria de ento, ja na eleigo da mesa desta
casa, ja em a de suas respectivas commissSes.
B, aenuores, podera' caber semelbante capitala-
go a horneas qae, encanecidos no publico servigo,
e aceamnlados de honras, nao tinham, nem po-
diana ter, senio a aspirago nobre de arrancar a
patria commum ao abysmo em qoe qaariam pre-
cipita la esies que Ibes emprestara Iniengoes qua
com sobrada razio nao (alta quam Ihes impote 7-.,
Certo qqe ptj. (falto? a.pQaos.)
logo espontanea e livremente, cedendo as redea3
da admlnistrago ao de 15 de Janeiro de 1864.
O Si. C. Ottohi :Eotregou o deposito.
0 Sb. Correa db Brito :Verifica-to-bemos em
vista das ponderages que teobo a fazer.
Poi ainda ao Sr. conselheiro Zacaras qne coobe
a organisago e a presidencia desse novo gabinete,
que tendo sido o fruelo da victoria alcangada ns
nrnas pela poltica nasceote, tinba em S. Exc. o
respectivo chefe por ama dessas eoaseqnencias l-
gicas e natoraes, qae s escapara aes qae nao tm
em verdadeira eonta a coherencia, qualquer que
seja o assumplo de qae se trate.
S. Exc. estava to compenetrado de qae oatro
nio fra o motivo' de saa reapparigo no ponto cul-
minante em que alada boje o vemos, qne ao apre-
sentar o sea programma, nada besitoa em decla-
rar-nos qae era o mesmo de 1862, com a nica
differenga constante dat sagrantes palavras ;
< Em 1862 o ministerio alladia ao concurso de
duas opinias com qoe contava para levar por
diante o sen pensamento poltico.
< As duas opioides polticas, porm, qne este
salo ouvo naquella quaJra, aps debates pblicos-
e solemnes, alliarem-se, sem qaebra de principios,
nem da digoidade de ningnem (muitos apoiados),
formam hoje ama s opiniao (minios apoiados),
nm s partido, cajo alvo promover sinceramente,
sem nada alterar na consiitaigo do imperto, a
prosperidade do paiz. > (Muitos apoiados.)
Eatbasiasticamente applandidas, como acabis
de veriBear, pela qoasl nnaniraidade desta casa, a*
palavras que ah deixo citadas, repercauram desda
o Praia at ao Amazonas como o auto solemne e
autbeutico da inauguragao do partido qae a todo?
os Brasileiros sensatos e reflectidos desde muito se
figurava como destioado para salvar a naeao das-
dicaldades cera que latava e preparar Iba am
brilbaate futuro ; do partido qae, tendo-se deno-
minado de progressista, era ento, como hoja, e
como, espero em Deus, ha da ser sempre, o var-
dadeire e legitimo partido liberal; com a sagradae
impreseriptivel misso de desenvolver na mato"
vasta escala possivel, e consolidar, a equidade na
urdera social, a liberdade na ordem poltica, o res-
peito aos direitos individuaos d todos e de cada
am, a maior interferencia, emfim, da aago em
seus respectivos negocies :do partido, sniores,
que se propunba, como anda prope-se, a manter
entre o principio de liberdade e o principia- da aa-
toridade o consorcio harmnico e sympatr*, me-
diante o qual, em vez de se repellirem e tnfra-
cjuecerem, prestem-se esses doos elemento a au-
xilio mutuo e sincero que Ibes prescreveu o legis-
lador coastituinte nessa arca santa da trra do
Cruzeiro, que o mais imraorredouro a eloqoasle
testemoobo do patriotismo e da sabedor: ja do prin-
cipe magnnimo-que no la ddon, ja dos conspicuos
e prestrnosos varoes em cojos conseibo acervDoi
elle de inspirar-se nos prlmeiros annos de seu rei-
nado. (Muilos apelados.)
Foi assim, sentones, que comprebeaderam v
saudaram a organisago do partido, cojos repre-
sentantes somos, todos aquelles qne, compenetra-
dos das necessidades a que elle vinba porer, de-
sejavamo ha moitos annos e constituan) averda-*
dei.-a maioria do imperio.
E,notai bem, seabores, dessa rpida eiaexpli--
cavel suceesso de ministerios que os nossos ad-
versarios teem tirado pretexto para darem nos pa-
tente de tncapazes de eontinoarmes no poder': pre-
vineo-nos al certo ponto, para qoe arripiemos
carreira, e nos coateahamos na imprudencias,
mediante as quaes lbe abramos espac mato cedo-
do que para suppr, e que compre evitar a todo-
o traase, guiados pela ligio da Msioria, a' qua
permimr-roe-heis que- v ea bascar nm examplo
qae muito nos pode aproveitar nesta qaadra.
Era 1827, seohores, lograram os liberaes de
Fraro> reconquistar o poder que esa 1820 Ihes es- -
capara das raaos para as dos eoriphdos do parti--
do que, indignado pola opiniao eomo representante
do antigo rgimen e Instrumento da contra-ravola*
cao, soube atrontar-a todignagao cwa geralmenta
bavia creado contra si,aproveitaudr>sa do estopor
geradopelo assassin>-uo do duque de Berry, espe-
culando cora o erro de haver ste eteilo dapnlado
M. de Gregoire, um do convencionaan qae, cora o
seu veto, aviara caucorrido para o rujia id in de
qae ron victima Luiz X Vi; mas tornaram-se lio
exigente para com o ministerio sabido de sen pro-
prio seio, que, qoaado meos-receiavara-ev tive-
ram de pasear a publica admraistcaeao, era. 18z9,
aos seas asimos e irreeonclliaveis adversarios, per-
sonificados no principe de Pollgoac.
Se cao aos contiverraos em nossos Impelas de
precipitado adianlaraeMo, que alias pdez encon-
trar plena justicago na sinceridad das inteagoes
que r.t-los dto, eaber-nos-ba- porventaca, sorte
iguala' desses nossos irraos da alera mar,, a qae
acabo de refarir-rae: a' for$a de exagerarmos o
bem a'cata do qoai andamos,, arriscar-nos-hemos
talvez a perd-lo da todo. (Matos apoiados.)
Pura evitarmos,. pois, tamaaba cataslFopn, nao
vamos alm dos limites que nos prescrevem. a pru-
dencia e a clrcumspecgao : os nossos adversarios,
comamos espreilam nossos, passos, eagaardo o>i
ensejo de nnlli&3ar-nos, para se apossaxm do po-
der e abusarem. deste do mesmo modo porqaa >.
teem feito, cada vez que bao conseguido em jal-
ma lo.
Eco meu humilde peasar, a priaeira medida,a*
adoptarmos para conjurar a tempesude qoe. ao-
looge se forma o de.-pendio. de todos os eslorcos
a nosso alcance para que se consolide o gabinete*
ictnal.
E porque-,, senhore^ devoremos.nos retinar a es-
se gabinete o apoto, que at hoje lbe bavemos da-
do?... Se ha motivos, para que o fagamos,, es'.o s-
eondidos as, dobras do mais escrupuloso sagrado,
visto qae a. esses. qae at hojo tem sido allegados
cabe a nota de improcedentes,.como passarei a de-
monstrar.
Em semelhanta demonsirago sueltar-me-b8i
(ea o recoahego) a occapar-me de assauptos em
qae por vezes se tem aqui rallado; raas, desde qae
se repeiem as censuras^ apezar da haverem sida
combatidas em todos os seus pontos,, oatro recur-
so nao resta aos que esto compenetrados da Im-
procedencia deltas, qae nao o da aprecia-las tam-
bem a sen tnrno, para que nao aconteca qoe Ibes,
deem oaracter de cousa julgada esses'que se nao
caosSo de reproduzi-las.
Sr. presidente, lem servido de tbema para grai
vissima aecusago ao gabinete de 3 de agosto a.in*
dallo concedido a varios degradados na liaa.de.
Fernando de Noronb, e o alista ment elles. no
exerclto em operagoas contra os barbaros, qua in-
vadirn) nosso territorio, e tenlaram Insultar-as
em nossos bro; de nago livre e radependanle.
Discord, seohores, dos qae teem nunitestado
essa opiniao, e peco>Lh8s licenga para jastifiar a
minha discordancia.
Lidos como sois, sannores, coniecels por sam da-
vida o juizo critico de Panto Voltaroa sobre os Mi-
seraveis de Viciar Hago, e nio gnoraea, portanto,
que com esse trabalho o celebre advogado do lrt>
banal de appellago de Gand roeosteceu a repa-
tago que conquistara na repblica das letras com
as soas Investigares philosopkuas stbre os princi-
pios da sciencia do bello, coasea, pois, recordar-
vos qoe, n'urj dos artigas, ana por tal jaizo agio a
tela da pablicidade, se l o seguinte :
t O que ha de verdaderamente grande no ho-
rnera a aspirago para o bem, e em qaalqaec
parte onde brilba am desses ratos celestes qae II-
lamiaam orna alma, e lbe descobrem airuma cou-
sa do qae eternamente verdadeira a justo, com-
pre qae nos adineraos respeltosns^ qaer essa al-
ma habite sob a opa afmame do forgado, qner
debaixo do vestido manchado da mulher perdida.!
Nao val ahi, seabores, a mais genuraa interpre-
tagao da sublime dontrina, qne, sellada com o pre-
cioso saagae da divina victima do Goigotna, teve
o sen comego de erecnoao no procedimento do
Dos humanado, ja para com Mapdalena, e ja' pa-
ra cora o bom ladro?... Certo qae slm.
Entretanto, senhores, em pleno secuto XIX, no
anno da graga de 1867, ainda ba quem censare o
goveroo imperial por ter outorgado perdao a alga-
mas deten* de condemnados, que, tendo curapri-
do urna boa- parte de suas respectivas sentencaa,
haviam exhibido repetidas elnconcassas provaade
arrependimeolo e cootriego; aioda ha quem ac-
cuse o mesmo governo por ter confiado a entes,
assim restabeleeidos, a carabioa com qae, nos
campos do Paraguay, esli detondendo a honra da
oago, a que foram restituidos, e cajos membros
activos e validos passaram a ser; aioda ba quam
abose da tribuna e da palavra para bradar aos
bravos, qae no campo da gloria precedern a esses.
irmos regenerados, qoe se avillio, que se rabal-
xam, aoM'.aQdo-os por companhelros de Udigasl....
(Continuar te-ha.)
"TYRDO DAWQ-WA DAS CRUZES w, a


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EXD9SUQ9M_D7T440 INGEST_TIME 2013-09-05T02:52:08Z PACKAGE AA00011611_11319
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES