Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11318


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO XLIII. NUMERO 161.

MR 1 A CAPITAt. E LUGARES OXDE SE XlO PACA POITE,
Por rej raoies adiiafados.,. >...........
Por seis ditas idem.. .1 i .* .*, .; ... .3 ,f #1 vi #
Por aalifeo idea.. .1 ,j ,j ., ,. ,] .3 ,-, v ;., .
Cala a-iaero mili .1 :.......; .
6,5000
12*000
24jfOOO
320
ftARTA FEIRA 17 DE JLHO DE 1867.
PA"A BEMBO E FOB.I DA PBOVIXCIA.
Por trea mezes (JUbUm;. r m nn i., t., v <. f, r.- .
Por seis dilos idem. rr........................
Por bot toa dem.................. ,, ,. .,
Por un jubo dem.. p|......................

* *"*
.
6*780
135500
23*250
27*000

I

\S9Q<&Qii83 SIS IP1MIH1B11D OO 22MIP!&l!Il) 2)3 UUttWlI* IHHMliniDil 0)2 ffim 93IaVD8 3313 IPIR(D!Piail18!MIN>8*

IENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO.
Parabyba, o Sr. Antonio Alexaodrino de Lima;
, Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva ; Aracaty,
/ oSr. A.de Lemos Braga; Cear, o Sr. Joaquim
/ Jos de Oliveira ; Para, os Srs. Gerardo Antonio
i Alves & Filhes; Amazonas, o Sr. Jeronymo da
i Costa; Alagoas,o Sr. Franeino lavares da Costa;
/\Baha, o Sr. Jos Martina Alvs; Rio de Janeiro,
Y> Sr. Jos Ribeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estafes da via frrea at
Agua Preta, todos os dias.
Igaarass e Goyaona as segunda? e sextas feiras.
Santo Anto, Gravati, Bezerros, Bonito, Caraar,
AltiBbo, Garanbuos, Bniqne, S. Bento, Bom Con-
selho, Aguas Bellas e Tacarat, as tergas-feiras.
Pao d'Albo, Nazaretb, Limoeiro, Brejo, Pesqaeira,
Isgazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa-Vis-
ta, Oarieury.Salgueiro e Ex, oas guanas feiras I
Serfnbiem, Rio Pormoso, Tamandar, Una, Bar-
reros, Agua Preta e Plmeoteiras, as quintas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tnbnnal do commereio: segundas e quintas.
Relago : tercas e sbados s 10 horas.
Fazenda: qu/'ntas s 10 horas.
Jnlzo do commereio : segundas as 11 horas.
Dito de orphos : tercas e sextas s 10 horas.
Pri*>eira vara do
dia.
Segunda vara do qv*l :
1 hora da tardo.'
EPHEMERID
1 Loa nova as 6
8 Quartocresc. as
16 La ebeia as 6 .
24 Quarto ming. as
31 La nova a 1 b.
tercas sextas ao meio
quartas e sabbade a
DO HEZ DE JULHO
e 56 ro. da t.
h. e 39 m. da t.
e i m. da t.
h. e 34 m. da m.
52 m. da m.
DAS DA SEMANA.
13 Segnnda. S. Camillo de Lellls fnndador.
16 Terca. Nossa Senhora do Carmo.
17 Qoaru. S. Marinha v., S. Aleixo, S. Vertula.
18 Quinta. S. Rnflne b., S. Sympboroso.
19 Sexta. S. Vicente de Panlo fundador.
20 Sabbado. S. Ellas prof., S. Margarlda v. m.
1 Domingo. S. Henrlqne imperador.
' '--
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 2 horas e 31 m. da tardo.
Segunda as 3 horas o 18 mnalos da manhaa.
PARTIDA DOS VAPORES COsTEIROS.
Para o snl at Alagoas a 14 o 30; para o nono
at a Granja a 15 e 30 de cada mex; para Fer-
nando nos dias 14 dos mezes Janeiro, marco, man
julbo, setembro e novembro.

V
-
i
I
J
I!l
.
n *
I
ir
EXTERIOR.
Foi concedida a exonerago que pedio o bacbarel
Alexandre Rodrigues da Silva Chaves do cargo de
presidente da provincia do Espirito-Santo.
Passo da Patria, 21 de jqnho de 1857.
Na falta de acontecimentos qoe possam chamar
a attengao do3 leitores, nem por isso deixa de me-
recer algum nteresse o que em poucas palavras
vou annonclar-lbe.
O baro do Herval cora sea exercito deve che-
gtr boje a' Tranquera do Loreto, onde a esqoadri-
lba o espera para transporta-lo immediatamente
ao territorio paraguayo. Creio que o desembarque
sera' em frente a Itaty, no rio Paran'.
O marquez de Caxias dizem que partir' de Tu-
yaty ao dia 1 de juiho para fazer juneco com o
baro do Herval, seguindo ambos a atacarem os
aragoayos pela esqnerda e retaguarda de suaex-
leosa linba de entriacheirameoto.
Pelos dados que se suppSem mais exactos, os
'araguayos ainda conservara nm exercito de cer-
:a de 20,000 bomens': destes 11 a 12,000 de ufan-
[aria, e o mais de cavallaria e arlilbaria; a caval-
iaria esta' mal montada, e nao podera' supportar
nm cboque da nossa, que, na opinio dos entende
dores e do proprio marqaez, a melbor que se
pode desejar, montada em magu fleos cavallo?.
J se retirou toda a cavallaria que bavia em Cu-
rnz para Tuyuty, e agora passaram mais de 3,000
iofantes, (cando na fortaleza orna guarnicao de
1,500 sob o mando do coronel Paranhos. A esqua-
dra protege tambem essa posicio, que nao convera
abandonar.
Fica n3ssa posigo, depois da subida do almiran-
te, o ebefe do estado-maior, Elisiario dos Santos.
J se sentem os pnraeiros movimentcs dos gran-
despassos estratgicos que se vo seguir, e acabo
de annunciar-lhe. Por emquanto o marquez con-
centra todas as anas forcas em Tuyuty. O general
Argollo, percerrendo os bospltaes, fez recolher a
seas corpos 800 pracas; e foi mandado para o
nsesmo flm um ostro enalssario i mp inania a Cor-
rientes. Etou convencido que os hospuaes vo
com estas providencias reforcar o exercito com 3
mil pracas.
Perto de 40,000 borneas devem comjr o exerci-
to alliado em poneos dias; destes smente os nos-
sos alijados entram com cerca de 7,000; o exerci-
to que vai empreheuder esta batalba- portanto,
fuasi todo brasileiro, sob o mando de um general
brasileiro.
O acampamento do Toyuly deve flear guardado
e acoberto de um ataque do inimigo.
Ficara por consequenela tres corpos destaca-
dos, sendo o menor de Caroi, qae sera' proteg;
do pela escuadra, como ja' disse, ao mando do che
fe do estado-maior, e os dous um em Tuyuty e an-
tro em movimento sobre p flanco inimigo ; nao
sendo a distancia, a qoe se vai afastar tao grande
qae nao possa em qaalqier eveotaalidade auxi-
liar as tropas qae dtfende Tuyuty, as qaaes lm
retirada sobre o Passo da Patria, em caso de ata-
que por grandes massas; emergencia que se nao
deve recelar, porque o inimigo ba de tnfallivel-
meoie attender ao exercito forte que marcha sobre
saa esqnerda.
Se offerecer-se a bypotbese da um encontr do
no-so exercito com os Paraguayos em campo razo,
nao ba a menor da."ida sobre o resultado da bata-
Iba; porem, de suppdr qae o inimigo procure
descobrlr em saa sagacidade algum meio de evitar
essa derrota certa.
Em todo o caso o nosso txjrciio esta' possuido
de urna so vontade, acabar com a guerra, derro-
tando de uaa vez o inimigo, qne se esconde e da'
botes iraicoeiro?.
A esqoadra enconracada espera em Curunl o
momento em qne deve comecar o seo movimento
no rio, simoltaneamento com o exereito.
J tenho dito que ba muito tempo a esqaadra es-
pera que o exercito possa avancar.
A passagem de Curupaity podera' reallsar-se em
menos de urna hora; qaanto a Humalia' qaaado la r
cnegarmos, veremos o qae se ba de fazer; mas
desde ja' posso asseverar-lbe qae, a' medida qoe o
exercito ganbar terren) sobre o inimigo, ha de ver
a esquadra protegendo-o no sea flanco.
A' esquadra falta somente o slgnal do almirante
para dabi a duas horas mover-se, e creio qae nao
navera' torpedos, estacadas o a qualquer outro obs-
tculo qoe a faga parar.
E este signa!, no aumento preciso, nao se ba
de fazer esperar. O almirante commanda em pes-
soa este movimento. .
E' pena qae nao hoavesse mais previdencia na
constracQo dos encausados; que muitos sao
improprios para este genero de guerra, e os nos-
sos marinbelros vo atravessar as bateras inimi-
gas na firme conviccao do grande sacrificio que
vio depdr as aras da patria.
Nao havera', porem, imnulacao qae nao soja
espontanea, porque todos natrem a conviccao de
victoria estrondosa para as armas brasileiras
Creio ae nos das primeiros de julbo a esquadra
estara'passando Curupaity para a presentar-se ad-
ame de HumaU.
T)dos estes planos esto dispostos e combinado?,
e nao pareca que por inconveniencias sao levados
a' publicidaJe porque ao reseber desta, se nao
bouver alguma cansa poderosa extraordinaria, to-
dos os factos estaro eonsommados.
Ja' chegaram aqu dous baldes de seda, e mais
um que possue o aerstata que veio do Rio de Ja-
neiro incumbido da aecenco.
Falta smente a prepararlo do -z, para o qual
sao precisas 30,000 libras de limalba de ferro. Sup-
punba-se a reraessa da limaiha no Jaguartpe, que
aqu ebegon boje cam eoormisslma viagom ; mas
infelizmente agora suppo j se que vem no Leopol-
dina, qae se espera a todo o momento, e qae ja' ia
se retirando para o Rio de Janeiro, levando-a coro-
sigo se o almirante nao the obstasse o vo, qae
pretenda dar, das ilbas da Horno;, sem ter com-
pletado a snatcommisso.
E' tempo qoe se nse desse perserntador aereo;
porque o tempo orge, e quera (az guerra precis i
andar depressa, acautelado e vigilante.
Limito-me por emquanto a ests noticias, espe-
rando em breve communicar (actos multo mais
importantes.
Tem havido conferencias entre o marquez, o al-
mirante o o visconde de Porto-Alegre, e este ulti-
mo passa para.Xnynty. Dessas conferencias nada
transpira, e o qtfo sel consequencia das provi-
dencias que vejo tomarem.
P. S.Cbegoa finaHaenie o Leopoldina; tronxe
a limalba; condoz tropa para o exercito; ebega a
tempo qualqoer reforpo.
Em o 1' do eorrente foram expedidas as segua-
les ordens:
Exonerando do servico do exercito o capitao An-
tonio Emilio Vaz Lobo e o alfares Antonio Paes de
Sa''Brrelo, ambos honorarios.
Prorogaodo por nm mez a licenca com qne se
acha nesia corte, para tratar de sua saude, ao ca-
pellao reformado padre Joaquim Eloy de Medeiros,
e por dous mezes a com.que se acba, para o ms-
alo tira, o major honorario Henriqne Jos Lazary.
Approvando a licenca de tres mezes concedida
com sold e etapa pela presidencia da provincia de
Peroamboco, ao alferes do 9" batalhp de infamara
Luiz Jos de Souza, para tratar de sua saude.
Installoa-se honlem a escola de marinba na fra-
gata ConstttutQao.
De trra passoa para bordo; do foco do movi-
mento ruidoso do nosso commereio mais activo,
passoa para o silencio e isolamento que requer o
estudo das abstracedes.
Por este lado a vantagem da mudaoca palpa-
vel, e se ero nm navio desarmado e conveniente- >. tiro-de pistola ilraas das outras.
ereto n. 3,443 de 12 do abril de 1865, e alterada a
do art. Ia do de n. 3,075 de 27 da jaabo de 1866,
qae restringi esta medida ao exercicio da 1866 a
1867.
Embarcaran: hontemno arsenal de marinha par a
o transporte Itapicur 166 pracas, qne vio incor-
porar-so ao nosso exercito em operares.
Sua Magestade, acompanbado dos seos semana-
rios e do Sr. ministro da guerra, asslstio ao em-
barque e visitou depois o navio.
Nao boave bontetn sesso em nenhoma das duas
cmaras legislativas, por falta de numero legal
para deliberar.
Do Rio da Prata entrn hontem o paquete inglez
Amo, com folhas de Baenos-Ayres at 28 e Monte
video 29 do passado.
Do tbeatro da guerra as noticias apenas chegam
a 22, nm dia alero das qae libamos. Nada aceres-
centam a nao ser qae principiavam a baixar rpi-
damente as aguas do Paraguay e Paran' que ha-
viam inundado Caraz e Iiapir. Com as obras
avancadas que os Paraguayos por um lado e os
alliados por outro faziam sobre as liabas de Rojas
e Tuyuty, ja' algumas bateras loimigas ficavam a
mente preparado para aquella inslilaico nao pos-
sivel conciliar hbitos da profi>so, exercicios de
arle e ootros misteres peculiares da vida do oca-
no, com as exigencias de estudos tbeoricos, sem
duvida de malta propriedade rodear de agua a ba-
bilacio dos aspirantes.
Na tolda da Escola de Marinha em camarina
apropriado em dimensdes convenientes, foi estabe-
lecida a aula e o gabinete de pbysica.
A' meia nao, extensa gaiota envidracada aug-
menta a luz da 1* batera, ja' esclarecida pelas 32
portas da roesma balera, e ah, em dimensOes fei-
tas com esmero e estado, existm separadamente
as aulas dos tres aonos do corso theoripo, o salo
do estudo, a copa, a sala dos banbos, e oatros ac-
cesorios indispensaveis o interoato dos alumnos.
A extensa coberta qae tica abaixo da primeira
batera foi exclusivamente destinada para o aloja-
mentos de 96 alumnos e 2 olliciaes. Consto esses
alojamenlos de oulros tantos camarotes, cada um
com espaga para cama, mesa e movel de ronpa,
substituindo as partas dos camarotes dos aspiran-
te, repostelros de damasco para facilitar aos offi-
ciaes a melbor lospecgao durante a noite.
Alero das vigas, abenas no costado para arejar
e dar luz aos camarotes, da tolda desso a' coberta
grossos tobos ventiladores qae maniera a constan-
te renovagao do ar.
As largas dimensdes do navio presto espago a
estas o outras disposigdes, calculadamente tomadas
para a ordem, disciplina, e separago que coovm
manter a bardo com as diversas calbegorias qae
formara a gaarnigao especial deste navio.
A's 10 bors da manha S. M. o Imperador, acom-
panhado de seus semanarios, S. A. o conde d'Ea,
offlefaes geueraes e superiores da armada, assis-
tiram a solemnidade da lost*M$ia.
Coube ao lente calbedratico do 2* anno, o Dr.
Giacomo Raja Gabaglia, na-qoaliiade de orador
por parte da coogregago, fazer o discurso apro-
priado ao acto, rindo o qoal os respectivos lentes
das caderas lulas no primeiro tempo fizeram em
presenga deS.M. asprelecgoes que Ibes Incumba;
retirando-se S. M., S. A. e mais visitantes a' 1 e
meta hora* da tarde.
_.__
3
Hontem nao houve sesso no senado por falta de
numero legal.
A cmara dos deputados pprovou hontem, de-
pois de orar o Sr. Correa de Brito, o art. Ia da
proposta do governo qne fiza a torga naval para o
anno financeiro de 1868 a 1869.
pprovou depois em todas as suas cooclusdes,
meaos a 3* e a 4*, o parecer da 3* commisso de
poderes sobre as eleigoes do 5 districto de Mioas-
Geraes, reconhecendo depatados os Srs. Jos Cesa-
rlo de Faria Alvim, Amerieo Lobo Leite Pereira e
Fraucisco Augusto Pereira Lima.
(Joanto as eleigoes das freguezias de Saol'Anaa
de Sapucahy.e dj Lambary das Aguas-Virtuosas,
foram aprovadvs por votago nominal.
Votaram a favor da primeira os Srs. Gama Abren,
Footenelle, Jos Avelino, Ratisbona, Toscano de
Brito, Correa das Nev:s, Arago e Mello, Joo Tei-
xeira, Faria, Araujo Barros, Mello Cavalcaotl, Epa-
minan las, Correa de Brito, Baarqae, Pereira de
Briio, Anstides Lobo, Bittencoart Sampaio, Leao
Velloso, J. madureira, Dantas, Horta da Arauju,
Virissimo de Manos, Moraes Costa, Affooso Celso,
Paula Santos, Fonseca Vianna, Vaz Pinto, Martinbo
Campos, C. Oltonl, Lima Duarte, Cissiano, Ernesto
Costa, Felicio dos Santos, Rabello, Mello Franco,
Araujo Moreira, Silva Pereira, Assise Alvim. 39;
e contra os Srs. Pinheiro Gomes de Castro, Vleira
da Silva, Jaasen Pereira, Snval, Vlrlato, Fialho,
Souza Andrade, Albuquerque Barros, Bezerra Ca-
valcaotl, Albuqaerque Mello, Meira de Vasconcel-
os, Branda, Ambrosio Machado, Tavares Bastos,
Esperidio, Lourenco de AJtonqaerque, .Barros Pi-
raentel, Tiberio, Fernandesna Cunha, Pinto de Fi
gueiredo, Maeedo, Candido Torres Filho, oapiisla
Pereira, Sayo Lobato, Pereira da Silva, Paulino
de Sonza, Lima e Silva, Faraese, Amerieo Brasi-
liense, Jos Bonifacio, Abelardo de Brito, Silveira
de Souza e Fleury, 34.
Sobre, a segunda bouve smente a seguate alte-
rago : votaram a favor os Srs. Albuquerque, Bar-
ros e Fleury, o contra os Srs. Ratisbona e Lima
Duarte.
O Sr. Fialho so assisiio a' primeira votago.
INTERIOR
Do Ro da Prata entrn tambora hontem o trans-
porte S. Paulo, sabido de Montevideo a 27 do pas-
sado; Nao trono folhas, e apenas nos mostraran)
obsequiosamente a Tribunita de 25, coja nica no-
ticia de algum ioteresse ter o coronel argentino
Segcvia batido e dispersado em Palanco, provincia
de Mendoza, urna guerrilba commandada por um
tal Prez. Mioja f Catamarca continuavam infes-
tadas por bandos armados.
Da cidade de Corrientes recebemos-nma carta
particular, datada de 21 do passado.
Por ella se v que prosegaiam os preparativos
para operagoas serias, e qae era crenga geral qae
ao 1 de joibo o marqaez de Caxias se moverla
com exercito de Toyaty- para fazer jonege com o
baro do Herval, que ja' entio devia ter transpos-
to o alto Paran' o penetrado no Paraguay, em-
prehendendo as forcas reunidas pola esquerda das
fortifieagdes de Lpez orna marcha de flanco, qae
I nos deve condazir a' victoria.
As provincias argentinas mais remotas continoa
vam agitadas por goerrilhas, que surgiam de toda]
a parte, de modo qua tornava-se agora pouco pro-
vavel qoe as tropas do.general Paunero podessem
por emquanto tornar a rennr-se a seas irmos
(farias no Paraguay.
O cougresso argentino nao aceitoo a renuncia
qoe o Dr. Paz fizera do cargo de vlce-presidente da
repblica. Esperava-se que esta nova prova de
conflaucu,mostrando aoDr. Paz que os seus servigos
eram reputados necessarios ao paiz, o movesse a
continuar na vice-presidencia, alias levara esta
questo ainda muitos dias a resolver.
O governo imperial celebroucom urna compa-
nbia de capitalistas um contrato para construego
de ama estrada de Ierro que, partindo de Montevi-
deo, passara* por Union, Pando, Minas e S. Carlos
a terminar em Maldooado.
As noticias do Pacifico nao offjrecem inte-
resse.
S. M. o Imperador e S. A. o Sr. conde d'Ea,
acompanhado dos seas semanarios e dos Srs. mi-
nistro da guerra e membros da commisso de me-
Ihoramentos do material do exercito, assistiro
boje na liona de tiro, no Campo Grande, a' expe-
riencia de um projectu-fogoete da invengo do
quarto escriptorario da alfaodega e alferes da guar-
da nacional Carlos Angosto Rodrigues Manas.
O projectil foi fabricado pelo inventor n> la-
boratorio do Campinho, que para isso o por ordem
do ministerio da guerra facultoo-lbe todos os meios
necessarios.
O project-fogaete difiere dos projectis de
guerra em ter os daas effeilos distlnctos, como ia-
dica seu nomo, o da projectil o do foguet, mas
soccedeodo nm ao outro.
B* esta ama idea qae, com mais algum esta-
do o aperfeigoamenio, pode ser de til applicag&o
oa guerra, especialmente contra massas de tropa
de infamara, e sobretodo de cavallaria.
Suas magestade e altezas embarcaram em
trem especial da estrada de ferro na esiago da
quiota Ta Boa-Vista s 6 horas da manbaa, e re-
gressaram a' urna hora menos um quarto da
tarde.
Em 3 do corren'.e foram expedidas as segointes
ordens :
Concedendo dous mezes de licenga, com sold e
etapa, para tratar d sua saude na provincia de
Mioas-Geraes, ao capilo do 17 corpo da voluota
ros da patria Maooel Jos da Oliveira Caita Preta,
e para residir na de Peroamboco, ao soldado refor-
mado Maooel Severino de Manezes.
Goacedendo licenga ao lenle reformado Carlos
Jos Van Ns para aceitar o lugar de adjunto, e.da
repartigao geral dos telegrapbos, para o qual foi
comeada par aviso do ministerio da agricultura,
commereio e obras publicas, de 23 da junho fiado.
Approvaado a licenga de um mez concedida com
sold simples, pela presidencia da provincia da
Uabia, em 11 de jaaoo fiado, ao alteres do stimo
batalho de infamara commissiooado no posto de
lente, Euzebio Gomes de Argolo Ferro.
Dispensando do servigo do exercito, como pe-
dio, ao alferes do 20'corpo de voluntarios da patria
Antonio de Oliveira Bargei Jnior.
- 5 -
A cmara dos depotadoajpccapou-se bootem com
a discassao do parecer da seguuda commisso de
poderes sobre as eleigoes do quinto districto da
provincia da Babia. Oraram os Srs. Soulo, Jua-
queira, Frederco de Almeida e Espinla, ficaado a
discassao adiada pela hora.
Por decretos de 3 do crrante mez de Juiho fo-
ram concedidas as segrales pensdas, com depea-
aeocia da approvago do poder legislativo :
A D. Rosaura Fotzo de Gralha, viuva do capillo
do segundo corpo de voluntarios da patria Aogelo
Antonio Cornelio ae Sonta Grama, fallecido em
Corrientes, em" consecuencia de f en mantos recebi-
dos em combate, a de 60 mensaes, igual ao sold
daquella patente.
Ao segundo cadete do 16* corpo de voluntarios
da patria Francisco Santiago Torres Galindo e ao
soldado do batalho naval Andr Alves da Cruz,
feridos em combate, a de 400 rs. diarlos a ca-
da nm.
Por decreto da mesma data fot comeado caval-
leiro da ordem de Cbrislo o major Mariano Anto-
nio de Amorim Carro, ficando sem etleito a de ca-
vallelro da ordem da Rosa, teita por decreto de 39
de novembro Ando, por ja' ter esta condecorago.
Por decreto de 27 de junho do eorrente anno foi
nomoado conselbeiro de guerra e vogal do conseibo
supremo militar o tenante-general Polydoro da
Fonseca Quintanilba Jordo.
Por decreto de 3 de juiho eorrente foram conce-
didas as honras do posto de alferes do exercito, em
attengao aos relevaotas servigos prestados na guer-
ra actual contra o Paraguay, ao alfares do 20* cor-
po de voluntarios da patria Antonio de Oliveira
Borges Jnior. ,
municipal e de orp
Araraqora, na mese
O bactyrel Menel
orphos e ausentes
lio do publico, judicii
ment, para o de Haje, ambos na provincia do Rio
Grande do Sal.
Foi recondazldo o fcacharel Antonio Jos do Son
za Lobo, no lugar d* juiz municipal e de orphos
do termo de Chiqja-Cbiqa', na provincia da
Babia.
Foram nomeados :
O bacbarel Joo Marcondos de Moora Romeiro,
juiz municipal e de orphos do termo de Pindamo-
nhansaba, na provnola de S. Paulo.
u bacbarel Antonio Jos de Moraes Papo, joiz
ios do termo de S. Bento do
provincia.
s Santos da Fonseca Lins,
jniz municipal e de orptaos dos termos reunidos da
Natal e S..Gongalo, nfrovincia do Rio Grande do
Norte.
Foi aceita a desistmia que Mathas da Albu-
querque pleito Jonloiafcz da serventa vitalicia do
olficio da' Oocrivo fBvativo do jurv o das execa-
goes criminaes do tetoo da Escada, oa provincia
de Peraambuco.
Permiltio-se qae Miro Brrelo de Meaezes e
Joo Antonio Hermenipido dos Santos, serveatua-
rios vitalicios, aqaellp dos ofUcios de segando ta-
beilio do publico, jtHicial e olas, e escrivo da
esta dos de primeiro tabei-
e utas, e escrivo da pro-
vedoria de capailas e residuos do termo da villa de
Nossa Senhora dos Campos do Rio Real,na pro-
vincia de Sergipe, peronttem entre si os respecti-
vos offlcios:
6
Csntinuou hontem ia. cmara dos depatados a
discassao do parecer da segunda commisso de
poderes sobre as elolgoes do quinto districto da
provincia da Baha. Oapois da orar o Sr. Juaqoei-
ra, foi rejeltado o parecer e approvado o voto em
separada, sendo recottheeidos deputados os Srs.
Antonio de Sonza Esplpia, Frederco Augnsto de
Almeida e Salustaoo Ferreira Soulo.
Occupou se depois com a secunda discassao da
proposta do governofaobre crditos. Orou o Sr.
Paulino de Souza, licando a discassao adiada pela
bora.
& M. o Imperador, acompanhado de seus sema-
narios e inspector do arsenal de marinha vstoa
bootem as offleinas de machinas daquelle estabele-
cimento.
Erobarcoo depois na galeota imperial e foi visi-
tar a fragata-escola, dirigindo-se depois a' liba das
Cobras, onde examinoaj os encoaragados em cons-
(rucc&o.
D'alli S. M. o Imperador foi ao arsenal de guer-
ra, e depois de examinar as diversas repartlgoes,
retiroa-se s 2 horas da tarde.
Por decreto de 23 do malo foi desligada do com-
maodo-superior de Macap e aooexos da provincia
do Para' a guarda-nacional perteoceote aos muni-
cipios de Gurupa o Porto de Moz, da mesma pro-
vincia, e com ella creado um outro commaodo su-
perior, formado dos battlbdes de infamarla ns. 23
e 14, e da Meci d# batalho de infamara n. 5,
todos do servigo activo.
L-se n Astro Rezendense :
< O povo desta cidade, no dia 24 do correte,
foi test imuuha de urna scena horrorosa, de qae
nao ba exemplO nos annaes de Rezende. A's daas
horas da tarde emrava na cidade um carro coodu-
ziado tres cadveres estaqueados, motilados e en-
sanguenlados, acompanhados por urna pobre roo-
Iher, mi de um desses infolizes 1 Els o facto :
c Jastina Candida do Espirito Santo com Firmi-
oa Antonia do Rosario, em compaobu de seu filho
Jos Bruno e de Maooel Tarrafa, oa tarde de 23 do
eorrente, desciaro rio-abaixo em ama canoa, viudo
estes alguma cousaebrios. Teodo ablcado em trra
para comprar plvora na casa de negocio do Sr.
Joaquim dos Santos Ponte?, passaram pela porta
de Manoel Firmioo Guanabara, que fica prxima
ao porto, e contendern) com amas enancas, qae
ah se acbavam a sos. Guanabara, seu irma
Fraocelioo Jos Rodrigues e seu sobrioh,o Joaquim
Jos Rodrigues stavara do outro lado, cortando
leoha para a fogoeira de S. Joo. As criaogas, as-
susiadas, gritaram, e eiles acudiram aos gritos,
mas chegaado em casa nao eueontraram mais os
doas conteodores. Poaco tempo depois voltaram
elles, e querendo pegar urna gallinba de Guanaba-
ra, este se oppoz, do qae resultoa ama luta sangui-
nolenta, em que empenharam-se todos elles, fican-
do morios Jos Brooo, Maooel Tarrafa e Fraoceli-
no Jos Rodrigues, e feridos Manoel Firmino Gua-
nabara e Joaquim Jos Rodrigues, qae se acbam
presos. A polica tem faito todas as diligencias pos-
siveis para deacobrir o fio deste horrendo drama,
que nao teve outras tsslemuobas alm dos proprios
qae nele flguraram.
S. M. o Imperador receoea hoatem ao pago da
cidade as depatagdas das cmaras legislativas que
foram apresentar-lbe a resposta a falla de abertura
da presente sesso.
Sua magestade responden successivameote as
duas deputages:
f E' sempre com o maior prazer qae testemunho
meu agradec ment as manifestagdes do senado (da
cmara dos deputados), todo fiando do desvelo de
todos os Brasileiros pela honra e prosperldade de
nossa patria. >
t
mo DE JA\EinO
. / 2 do jalSiode 1867.
' A cmara dos depatados pprovou hontem, sem
debate, as redagoss dos projectos, qae ja'publica-
mos, concedendo ranas pensde?.
Contioaou depois a discosso da proposta do go-
voTao,' qoe flxa a torga naval para o atino finan
ceiro de 1868 a 1869. Oroa o Sr. Gvlo Pexoto.
Coatinaon tambora a fllseusso o parecer da 3a.
commisso de poderes sobro as elelgSas do 3 dis-
tricto da provincia de- Uioas-Geraos. Orou o Sr.
C. Otlonl.
Ambas as discussoss .flearam adiadas pal i hora.
O titnlo de baro de Saqaarema concediOo ao
coronel Jos Pereira dos SaBa/hof decreto da 22
de juabo ultimo, foi com grandeza,
Apenas-as forcas de trra tivessem penetrado no
emriocbeiramento inimigo, mover-se-hia tambem
a esquadra, deixando algaos vasos em Curoz e
oo alto'Paran', debaixo das ordens do.cbefe de
divso Elisiario, e sobindo o vico-almirante com
os eneooragado e os navios que parecessom pro-
prios para operacao. Em duas horas se calculava
transpr Curupaity, apezar da saa estacada e tor-
pedo?. Humaita' se passara' tambem, e depoii al-
gumas embarcafdes peneraram no Tiblcaary,
onde poderla Lopoi asseatar nova baso do opera-
ron.
Dlffereotes cartas qoe tomos a' vista sao concor-
des oa exposlgao destes dados.
Per decreto de 26 do jnnho foi deflnitivamento
fixada era 100 ris a laxa de porte simples das
cartis qae circulara dentro do imperio, ficando
nesia parta revogada a dispesigo do art. 11 do de-
-
Hontem nao houve. sasso em nenhuma
maras por falta de numero legal.
das ca-
Por decretos de 26 de jnnho e 3 do correle :
Foi declarado sem effeito o decreto de 3 de juobo
fiado, na pane era qae nomeoa ao segando tenente
Antonio Jos de Araujo Pinhairo, para primeiro te*
nents da oitava compannia do batalho de arlilba-
ria da guarda nacional da corte, ficando esU offi
clal aggregado ao mesmo batalho.
Concederam-se as demissoes que pediram :
O bacbarel Firmino Antonio de Sonta Jonior, do
legar de juiz municipal e de orphos do termo da
Ooro Preto da provincia de Minas-Geraes.
O baebarel Joo Manool de Lima e Silva, do la-
gar de juiz municipal e de orphos do termo de
Piodamoobangiba, da provincia de S. Paulo.
Foram removidos a pedido seu :
O joiz municipal e de orphos Jos Joaqoim
Fernandas Torres Jaoior, do termo de Maranna
para o de Ouro-Proto, ambos na provincia de Mi-
na*Gerae..
. O joiz municipal e de orpbo Teituliaoo Am-
brosios da Silva Machado, do termo de Bagj para
o de Santa Anna do Ltvrament>>, ambos na provin-
cia de S. Pedro do Rio Grande do Sol.
O ioiz muniaipal do orpbeos Antonio Caetaoo
Sava Naxarto, do termo do Santa Aaa do Livra<-
Em virtude d03 termos em iaspecgo a qae prb-
cedeu a juota militar de saude em sessdas ns. 869
e 870 de 21 e 26 da junho fiado, expediram se em
o 1* e 6 do eorrente as seguales ordens:
Concedendo :
Tfbmezes de licenga com sold o etapa para
tratarle saa sade ao brigadeiro graduado Jacin-
tbo Pinto de Araujo Crrela.
Tres mezes dem dem ao alferes honorario Au-
reliano Telles da Cunha Sandes.
Quatro mezes idem com vantagens geraes ao te-
nente do 25 corpo de voluntarlos Dtocieciano Au-
relio de Menezes.
Tres mezes dem idem com sold o etapa ao ca-
pilo de guarda nacional do Pianhy Jesuioo Perei-
ra do Naseimento.
Exonerando do servigo de exercito os segointes
olliciaes:
Alferes do 31* corpo de voluntarios da patria
Francisco Amonio da Rocba.
Dito do 46* dito Jesuino Pedro da Costa.
Dito do 51 dito Jos Alves Maciel.
Eatroo bootem do Rio da Prata o transporte Mr-
quez ie Caxias, que apenas trooxo folhas de Mon-
tevideo do 1* do correte, aicangando a 20 do pas-
sado as datas do theatro da guerra.
Relativamente a operagoes bolucas no Paraguay
s encontramos o segointe telegramma transmiti-
do de Bueoos-Ayres no mesmo dia primeiro da ju-
100 :
t Cbegoa de Corrientes ojapor Espigador.
i Embarcarara-se algumas tropas para roforgar
o general Osorio, que vai dar om golpe nos Para-
guayos.
' t Experimentou-se com o melbor exilo o balo
aerosttico.
t Outro telegramma aaooncia qae porto da Rioja
foram as guerrilbas da Felppe Vrela batidas
em sangrento combate por tropas do general Pau-
nero.
Rra Montevideo teutoa-se fazer vo*ar o palacio do
poverno por meio de urna mia. Felizmente des-
cobrlo-se a tempo o plano inferoal, o ja' se tinham
falto varias prisdes; Ignoramos porm os porme-
nores do caso.
Por decreto de 6 do eorrente foram agraciados:
O major Henriqne Jos da Silva, com o titulo de
baro de Arlr.
O coronel Francisco Marcondes Homem de Mel-
lo, com o de baro de Piodamonboagaba.
Foram nomeados:
O Dr. Francisco Ignacio Marcondes Homem de
Mello, dignitario da ordem da Rosa.
O Dr. Antonio Augusto Pereira da Cunha, offi-
cial da mesma ordem.
O baebarel Gervasio Campallo Pires Ferreira,
commendador da mesma ordem.
Jos Rodrigues Alves Barbosa, commendador da
mesma ordeno.
O bacbarel Jos Pires Falco Brandao o o capi-
llo Angosto Fraaco Velloso, cavalleiros da mesma
ordem.
Por decreto n. 3,904 da 3 do correte foram ap-
provados os estatotos da sociedade Asylo do Iova-
li dos da Patria.
Em attengao aos relevantes servigos prestados
na guerra actual contra o governo do Paraguay
pela alferes do 40 corpo de voluntarios da patria
Jesaino Pedro da Costa, Ibe foram concedidas por
decreto de 6 do correnta as honras do posto de al-
feres do exercito.
Por decretos de 6 do corrate foram nomeados:
Iaspector da thesouraria de fazenda do Rio-Grao-
de, o inspector da alfaodega da corte Fabio Ale-
xandrioo de Carvalho Res.
Inspector da tbesoararla do Maraobe, o da
do Ro Grande do Sal Francisco Jos Games Pe-
reira.
2 conferente da alfandega da corte, o admi-
nistrador das capatazias Carlos Augusto de Si-
quetra.
Administrador das capatazias da alfandega da
corte, Guilherme Rapbael Possolo.
Por decreto da referida data foi exonerado :
Umbelioo Guedes de Melb, do lugar de inspec-
tor da thesouraria do Maranbo.
Por decreto n. 3,876 do 25 de raaio ultimo, foi
creada urna secgio de batalho da infamara do
servigo aciiva da guarda naciooal oa fregaezla de
Soazel, da provincia do Para'.
Por decreto o. 3,877 da mesma data cima foi
creado um batalho de infamara da mesma guar-
da oo municipio de Masago da provincia do
Para'.
Por aviso de 4 do correte, mandou-so agrade-
cer a Jos Mara dos Reis os conejrtos qae gratui-
tamente foram feitos na saa officina em diversos
instrumentos nuticos pertencentes a repartigao de
mariha, a coatar de 6 da margo a 6 da junho ul-
timo, oa importancia de 7o9OO.
9
.Nao boava hontem sesso no senado par falta de
numero legal.
A cmara dos deputados pprovou hoatem em
ama s discassao, sem debate, com varas emendas,
e projecto qae concede pensoes a D. Aurelia D-
maso de Carvalho, viuva do capito Aogelioo de
Carvalho e a oatros.
pprovou depois o parecer da 2* commisso de
pjderes sobre as eleigoes do 2 districto da Bahia,
at a 9* conclusa a, bem como todas as do voto em
separado, sendo a i* oominalmeole da seguinte
forma:
Votaram a favor os Srs. Gama Abreu, Piobeiro,
Jaoseo Pereira, Sibval, Ftalho, Lastosi, Viriato de
Medeiros, Jas Avelino, Botara Cavalcaati, Corroa
das Neves, Joo Teixeira, Souza Cirvalho, Araojo
Barro?, Mallo Cavalcaati, Epamiooadas, Luiz Felipe
Be-, Correia de Brito, Buarque, Pereira de Brito,
rando, lspiridio, Arystides Lobo, Bittencourl
Sampaio, Leo Velloso, Barros Pimentel, Barbosa
de Oliveira, J. Madureira, Dantas, Espinla, Frede-
rco da Almeida, Soulo, Pinto de Figueiredo, Horta
de Araojo, Alfonso Celso, Vaz Pinto, Fonceca Vian-
na, Amerieo Lobo, Pereira Lima, Cesario Alvmi,
Ernes'o Cosa, Rabello, Araujo Moreira, Martim
Fraocisco e Silveira de Sonza, 44; e contra os Srs.
Gomes de Castro, Balfort Duarte, Souza Andrade,
Jos Julio, Ratisbona, Toscano de Brito, Melra de
Vasconcelios, Arago e Mello, Ambrosio Machado,
Tavares Bastos, Tiberio, Fernandos da Cunha,
Araujo Vasconcelios, Bezerra, Dias da Cruz, Ma-
cado, Candido Torras Filho, Sayo Lobato, Pereira
da Silva, Panlino de Souza, Moraes Costa, Lima e
Silva, Martinbo Campos, C. Ottoni, Lima Duarte,
Faroese, Felicio dos Santos, Amerieo Brasilieose,
Jos Baoifacio, Gavio Peixolo, Antonio Carlos,
Cryspioiano, Silva Pereira, Assis, Olegario e Abe-
lardo de Brito, 36.
Todas as outras concluso do'parecer ficaram
prejudicadas.
Foram, portanto, recoobecidos depatados os Srs.
Mooel Pedro Alvaros Moreira Villaboim, Francis-
co Mana Sadr Pe "eir e Jos Augusto Chaves.
Contioaou era altimo logar a segunda discassao
da propona sobre crditos.
Orou o Sr. presidente do eonselbo, ficando a dis-
cosso adiada pela bora.
O Sr. Tavares Bastos aonuneiou as segnintes in-
terpeliacoes, cuja discassao foi marcada para o dia
11, a urna hora :
t Indico qae so marque da e hora, na forma
do regiment, para que eu possa interpellar ao
Sr. ministro da fazenda sobre a exoneracao do
ex inspector da alfaodega da corte, removido pa-
ra a thesouraria do Rio Grande do Sal, o sobre
o estado actual da adroioistrago da mesma alfao-
dega.
Em 5 e 8 do eorrente foram expedidas as se-
guiotes ordens, vista dos termos de inspecgao a
que proceden a jauta militar do sade era sessoes
ns. 871 e 872 de 28 da junho fiado e 1 do cor-
rente :
Exonerando do servigo do exercito o teneote do
24." corpo de voluotarios Martiniano Jos Alves
Ferreira. -
Concedendo as seguintes licengas :
De Ires mezes com sold e etapa, para tratar de
sua sade, ao tenente do 12.* batalho de Infama-
ra Domingos de Azeredo Coutioho.
De dous mezes idem idem, ao capilo do 2-2.
batalho de ofantaria Pedro Luir. Manoel de Je-
ss.
Em 8 do correnta foram expedidas as segointes
ordeos :
Concedendo tres mezes de licenga com sold e
etapa, para tratrr de sua sade na provincia da
Babia, ao 2.a cirurgio do corpo de saie do
exercito Dr. Livinlo de Bastos Varella ; 90 dias de
licenga idem, para tratarem de saa sade na pro
viocia de Minas-Geraes, ao capilo Joaquim Jos
dt Cruz e ao teneote Rodrigo Pinto Hornea, am-
bos do 21 corpo de ofantaria.
' Approvando a nomeago falta pelo commaodo
interino da escola militar do capito de estado-
maior da 1.' classe Jos Francisco Coelho para
servir interinamente* de instructor de Ia classe da
arma de artilharla da mesma escola.
------:-i
Por decreto de 3 do eorrente :
Foram reformados:
O tenente-coronel commandaote do batalho de
infamarla n. 9 da guarda nacional da provincia da
Parabyba Joo de Mello Aza-lo, no mesmo posto
O tenente-coronel obefe do estado-maior do com
mando superior da guarda nacional dos munici-
pios do Ico e aoaexoa da provincia do Cear Jos
Das At lo, nojmtsmo posto.
Foram nomeados:
O bacharel Tbeopbilo Pereira da Silva, joiz mu-
nicipal e de orphos do termo de Maranna, na
provincia de Minas Geraes.
O bacbarel Levino Vleira de Macelo Lima, juiz
municipal o de orphos do termo de S. Miguel, na
provincia das Alagoas.
O coronel chefe do estado-maior commandnto
superior da guarda nacional dos municipios da
capital e Santa Luzia do Norte, da provincia das
Alagoas, Manoel da Costa Moraes, commandante
superior da mesma guarda.
U tenente-coronel Francisco de Melra Lima, cha-
fa do estado-maior do mesmo commando superior.
O tenente-coronel Ernesto Jostiniaco da Silva
Freir, ebefe do estado-maior do commando supe-
rior da guarda nacional do municipio de Goyanoa,
da provincia de Pernambnco.
O capito Jos Tavares Barcellos de Araujo,
major ajadanle de ordeos do commando superior
da guarda nacional dos municipios de O inda e
Igaarass, da mesma provincia.
Lutgarue Aurelano Poggi de Figuefrdo, major
commandante da 1.* secgo de batalbo de arti-
lharla da guarda nacional da provincia da Para-
byba.
O capito Banto da Costa Villar, major com-
mandante da 2.a secgo de batalho do arlilharia
da guarda nacional da mesma provincia.
O tenente Jos Flix da Silveira Varella, tenen-
te-coronel commandante do batalho de infamarla
n. 4 do servigo activo da guarda nacional da pro-
vincia do Rio-Grande do Norte.
O capito Luiz Paulino de Albuquerque Caval-
cami, coronel commandaote superior da guarda
nacional dos municipios da Ico e Pereiro, da pro-
vincia do Ceai.
O capito Licio Ribeiro Goimares, tenente-co-
ronel ebefe da estado-maior do mesmo commando
superior.
O coroael Francisco Manoel Dias, commandante
superior da guarda naciooal dos municipios de
Lavras e Tolha, da provincia do Cear.
O tenente-coronel Roberto Correa de Almeida e
Silva, chefe do estado-maior do mesmo commando
superior.
O capitao Custodio Ribeiro Guimares, tenente-
coronel commandante do batalbo de infamara n.
11 da guarda nacional da provincia do Cear,
'Joo lzidro Portella e Jos Lourengo de Araujo
majores ajudantes de ordeos do commandante su-
perior da guarda nacional do municipio do Jar-
dn), da dita provioela.
Joo Vleira Moniz Qqiotal, capito secretario
gsral do mesmo commando superior.
Francisco Leite da Silva Plane, capito quar
tel-mastre do dito commaodo superior.
Hippolyto Pereira da Silva, capito cirurgio
mor do mesmo commando superior.
Escroveoc-nos de Nova-Friburgo :
i Na tarde do dia 4 do correte, no lugar deno-
minado Ponte do Coarado, no Rio-Grande, distan-
ta desia villa daas legua?, foi brbaramente as-
saasiaado, s 6 horas da tarde, com um tiro so-
bre o corago, Mandelioo Francisco de Oliveira,
da idade de 70 aonos.
c O fallecido era bemquisto nesta villa e em to-
do o muoicipi); occupou diversos cargos de im-
portancia oeste lugar, e ltimamente era vereador
da cmara. >
Hoatem s 8 horas da manhaa S. M. o Im-
perador, acompanhado de seos semanarios, che-
gou ao arsenal da marraba e assisiio all ao em-
barque do 341 pracas para bordo do transporta
Ailas, com destino ao nosso exercito em opera-
goes oo Paraguay.
Sua Magestade, depois dasla forga ter embarca-
do, examinou aquella trasporte, retirando-se s
10 i/2.
Abaixo publicamos o parecer da commisso da
fazenda, sobre a proposta do banco Man & C.
relativa ao pagamento da divida publica, apresen-
lado cmara dos deputados na sesso de 8 do
eorrente.
c A commisso de fazenda ien-lo examinado al-
ternamente a proposta aposentada a esta augusta
cmara pelo banco Mau & C, acompaobaodo e
ampliando um prasamento iniciado ante o poder
executivo por Adriano Gabriel Corta-Real, tenden-
te a conseguir-se o pagamento gradual e exlincgo
final da divida publica fundada, tanto externa co-
mo interna, cuja apreciagp fura pelo governo af-
fecta ao corpo legislativo, a quera compete a de-
cretago dos meios em qoe assenta a operago in-
dicada, vem aprese-star vos o resultado do seu tra-
balbo, ao qual, em attengao alta importancia
do assumpto, dedicou uro estado serio e aprofun-
dado.
< as cousideragdes que passa a expender, mo-
tiva a commisso a sua plena adherencia ao pen-
samento da proposta, e, com alguma modlficago
e addlcionamentos ao meio pratico de realiza-la ;
modlficago e addlcionamentos em que assentou a
commisso com convenclmento dos proponentes
quando liveram estes de dar as explicagdes de de-
talhe que na proposta ofTereceram ministrar, e
que a commisso julgou de feito necessarlas,
vista da magnitude da Idea, e para melbor poder
orientar-se sobre os fundamentos em que ella se
estriba.
< Exeqaibilldade do meio proposto.
t Antes de entrar em quaesquer outras aprecia-
gdes da idea, jalgou a commisso dever primeiro
que tudo inteirar-se dos faodmentos em que ella
se basj, adro de adqnlrir a necessana conviccao
de que a proposta contera om pensameato serio,
qae altioge de uro modo seguro e indeffactivel ao
fim proposto, per qaanto da conviccao cootraria
resoltarla o abandono de ulteriores consideragoes
sobre ora projecto qae promeltendo ao palt nm
servigo da maior transcendencia, e da ordem a
mais elevada, nao passasse todava de urna utopia
douradapara alentarnos no meio das difflculda-
des aaoceiras que nos rodeara. >
c Assim nao aconteceu : pelo estudo a que a
commisso se entregoo, tendo em vista a proposta
e soas -expllcagoes, formn coovicgo baseada em
dados seguros, nao s de que o projecto exeqol-
vel, como tambem qoe eocerra em suas entranbas
legtima e nao escassa remaaerago aos proponen-
te?, sendo exee'utado com iotelligencla e de mais .
a mais auxiliado com os meios de que os meamos
proponentes dispdem.
< A largueza da eompensaeo legitima que a
natoreza da operago por si mesma offereee aos
seas xecutores, bem longo de ser, no entender
da commisso, nm obstacolo a' aceitaco da pro-
posta, pero contrario, a melbor garaotia de sua
reahzago; sendo eerto qae vo longo os tomos
em que se Inculcava que o emprego de capital,
quer monetario, qoer lotellectual, poda asseatar
era outra baso que nao saja ama remoneracao
adequada ao esforco cae se emprega, bom como
aos riscos que eventualidades supervenientes po-
dem acarretar aos clculos firmados nos memo-
res dados. rwtati .*
f Que a base da proposta segura, quanto o
permtte a natoreza do recurso qoe solicitara oa
propooootes, evidencia-so, por ora simples calculo
arllbmeco, em face do qoal, aceumulados semes-
tralmoolo os joros das apotraos que se amortizara,
reunidos renda liquida das loteras qne se ex-
trabeo, o emprego conveniente desses meios ase-
gura o resultado.
< Correado por coma dos proponentes os riscos
da extraego das loteras em tao longo prazo, como
o de sessenia aonos, em que.se obriaam por si ou
seas successores oa firma baocaria que represen-
tiro a dar por coocluida a operago do rsgate da



I



Mari* le PcrwwhwM > t)ur(s (rk-< i7 de
de IML

I

380,000:000* da divida publica, tegftlma esse fac-
i a remunerarlo que a exeeueo da idea lhes
promet*, como justa compensaco desses risco?,
despeas, trabalbo sirio e constante que semelnan-
te operaco reclama, e differeneas qoe em tao lar-
go tempo dte ella trazer importancia e apreso
dos ttulos da divida do estado, qae subirlo ate o
par e alm delle, proporcio da sua diminulcao
gradual no selo da circulado e dos interesses que
nronwtlerem aoi seos possuMcres.
< Garantas de execucao.
Convencida a commissao de que a operaco
altamente vaniajosa o palr, e que o meio proposto
Tai certeiro ao desejado flm, restava-lbe assegorar-
se de qae as garantas que offerecem prestar os
proponentes eram sufflcientes para que em caso al-
guna (albasse a* pratica e exeeueo da idea, e so-
bretodo que o capital adquirido por meio da con-
trlbaicao voluntaria em 'que se bsela estivesse
sempre ao abrigo de todas as eventualidades.
c E' isla o que veris satisfactoriamente, provi-
denciado no projecto de lei qae em seguida offe-
rece a commissao a vossa consideraco.
c Pedia a commissao confiar muito nos recursos
conbecidos e posicio dos proponentes; tratando-se
porm de ama operaco, qae se estende em sua
execugo a uro prazo superior ao termo medio da
vida bumaoa, pos ella intelramente a margena as
garantas individuaos qoe os propoaentes lndubi-
tavelmente representara, e procuroa com annuen-
cia dos mesmo?, na solida base de ama cauco
suficiente em aplleos da divida publica, resguar-
dar e garantir de um modo absoluto o emprego do
capital levantado pela extraeco das loteras.
Conseguido isto, restava ainda providenciar
centra a bypothese de ama liquidaco da casa ba-
arla, que se encarrega da reallzaco de to impor-
tante pensamento, nypothese, alm depossivel, tan-
to mals digna de aer prevista qaando se trata de
urna operaeo qae s pode ficar concluida em tao
extenso prazo.
Pelo art. 5 do projecto de lei veris qae
imposta aos proponentes, ou ao estabeleci ment
qoe Ibes soeceder, seja urna firma collectiva de
responsabilidade (ilimitada, limitada ou mesmo ano-
nyma, a obrigacao de crear ou organisar, no caso
bypotbetico a que alinde a commissao, ama instt-
tuico que se encarregne de levar ao cabo a ope-
racSo do resgale da divida publica, o qae sem a
mnima duvida estar' no intereise de quera quer
qae seja qoe lhes sacceda o realizar, pois as van-
tagens cuja fruicao Ibes garantida, mnimas por
certo dorante os primeiros dez annos, avultam
medida que maior prazo decorre a maior empre-
go se da' dos meios qae se empeaham na ope-
raco.
c A eonverso em apolices inahenaveis dos re-
cursos destinados ao resgale desses ttulos, al a
importancia total da obrigacao que contrarem os
proponentes, segrega completamente essa verba de
suas operaedes, de todas as outras de crdito, mo-
netarias ou nanceiras em que o seu estabeleel-
m'-ntote.h' de empecbar-sc, Oseado portante o
estado em toda e qualquer hypotbese peritamen-
te garantido.
< Considerares geraes.
c O pensamento de amortizar e extinguir a di-
vida pnblica, admittida a idea proposta, para coja
realizaco se nao onera o presente nem o roturo,
seno com urna contribuico to mdica e suave
(alm de voluntara^ que mal se concebs pr-
meira vista possa alcancar o flm proposto, por tal
rma sceitavel qae a commissao nao se estende-
ra' demasiado em deraonstra-lo ; a ninguem in-
cumbe provar que da qaando o sol fulgura no
firmamento. Todava nao se julga a commissao
dispensada de fazer algamas succinias refiexoes
qae tem sua razo de ser na actualldade que atra-
vesamos.
c A divida publica que o projecto tem em vista
extinguir na importancia de 320,000:000* nao
infelizmente nm algarismo bypotbetico a que ne-
cessldades imperiosas podiam elevar nossos eom-
promissos, antes nm faeto de palpitante existen-
cia, e que, vinculado em nossa organtsaco Joan-
ceira e econmica, obriga ja o paiz a nm sacrificio
annual de, pelo meos, 19,100:000* ou cerca de
nma terca parte de toda a renda publica actual s
para o pagamento dos juros dessa divida I
c Ueixar perpetuamente subsistente esse cancro,
que devora as entraohas e as foreas vivas do paiz,
obrigande-nos a desviar to larga quola do produc-
to do trabalho e da riqueza publica, de empregos
que melbor entendam com o seu desenvolvimento
e progresso, nao "parece sensato nem seria jusu
para com as geraedes, qoe abi se succedem e que
com razo nos aecusariam de mprevidente?. B se
com pouco miis de 700:0003 despendidos animal-
mente, obtidos por coniribaigo voluntaria, se po-
de hoje marcar com preciso um prazo fatal, no
qual tamanho emptnho desapparee.a, esta' claro
qne a razo, o bom senso, e o patriotismo acoose-
lbam qne no interesse do paiz seja a idea recebida
e adoptada.
< Ficaria, pois, nicamente em p, como ama
objeceo a realizaco de to bello pensamento, pela
forma indicada, o reparo de qae os poderes p-
blicos decretando a creago da renda que serve de
base operaco, e applicaodo-a com severa pon
toalidade a amortizaco de qae se trata, se conse-
guir' n'nm prazo de poucos annos mecos, o re-
soltado que os proponentes ou seos successores na
firma bancaria que representan) se obrigam a rea-
lizar em 60 annos.
c E' este, porm, am argumento, alias plausivel
em abstracto, a que os factos se encarregam de
responder com tal forra e deciso, que insistir nes-
se caminno equlvaleria ao abandono da idea I
c A commissao nao beslta, pois, em aceitar de
preferencia a idea proposta, porque a considera
efficaz, ao passo que a operaco realizada pelo es-
tado se converteria em amarga decepeo no cor-
rer do tempo, como tem succedido em toda a parte,
e mesmo entre nos, com a cao exeeueo das leis
de amortizacSo.
Em presenca da grandeza de nossos compro-
missos a commissao aceita urna idea efficaz e se-
gara em seus resultados, em vez de deixar-se ar-
rastar por ama ebimera.
. uom a cautelosa e severa pena que o projecto
de lei encerra, da perda das apolices recolbidas,
em quantidade sempre crescente de milhares de
contos de res, para qualquer das partes contratan-
tes qae, por qaalqaer circunstancia ou forma,
rompa a execuce do contrato, a mareba successl-
va da operaco fiea assegurada, e cada auno que
em seguida deeorrer torna mais inabalavel a d-
realizaco do grande pensamento, a extineco da
vida publica, e nlsso consiste o principal merec-
mento da proposta qae a commissao acolbe domi-
nada da mais profunda convlccao de que no da
em que estiver assignado o respectivo contrato se
achara' marcado o comeco de urna nova era na vi-
da econmica do paiz.
Pal celebrarlo do referido contrato, releva
ainda ponderar e no projecto de lei val expressa-
mente consignado, nao Oca o estado inhibido de
apressar a amortizaco da sua divida com o em
prego das sobras que porventura se derem, das
uas rendas annnas, no decurso, de sessenta annos
do contrato ; e assim, tambem por este lado a pro-
posta e digna de todo o acolbimento, porque mar-
cha por suas operarles exlincco da divida do
imperio, sem pear o estado, naqaillo que os seus
remanescentes Qnanceiros Ibe permittirem igual-
mente fazer para acceleraco do mesmo magno re-
saludo.
< Conciaso.
Demonstrada como fie pela commissao a im-
portancia transcendencia da idea, a exequibilidade
do meio proposto, e a modicidade do sacrificio, o
que restarla commissao apreciar t
c A natureza da ion te de renda que se destina
a* operaco seria porventura digna de reparo, por
quanlo alguns economistas de boa nota condemnam
esse Imposto, embora voluntario. Altendeodo se,
porm, as circunstancias em qoe nos acbamos, e
sendo certo que te nao fax creaco de urna renda
tuna, porm sim appllcaco de nm imposto j acei-
to e popoiarlsado, nao hesita a commissao em
acompanbar com toda a energa da convieco o
pensamento dos proponenles, de qae, oa nao se
dore permiltir a extraeco de urna s lotera, oa |
doerrtaco dexs, mesmo exclusivamente para
o flm} proposto, se acharia cabalmente justifl-
M mi A C, a amortisaeie e pagamente Anal da di-
vida publica do imperio at a imprtala designa-
da nesta lei, mediante as condiedes egulotee:
i O banco Man & C, obrlga-se a retirar
fia eirentacio e reduzir a* condicao de inalienaveis
320,000.000*000 nominaes de apolices da divida
pnblica, quer interna, quer exlerna, fazeodo o
a referida quantia nos seguintes
at preeneber
prasos:
No de
No de
No de
No de
No de 30
No da 35
No de 40
No de 45
No de 50
No de 55
_No de 60

10 annos
15 i
20 >
25 i
>
>
*
>
10,000:000*000
14,000:000*006
23,000:000*000
38,000:000*000
57,000:000*000
86,000:000*000
120,000:000*000
138,000:000X000
200,000:000*000
250,000:0001000
320,000:000*000
A commissao aceita igualmente o protesto que
os proponentes nzeram em soa proposta, relativa-
sonto o confisco, que a legislace flnanceira de
1860 inflingi ao commerclo o Industria do paiz, de
a instrumento nsado e apreciado em toda parte,
como luoffensivo, representante de legitimas tran-
sacciM commerciaes e moietaritso titulo ao
portador y por motivos de conveniencia de fcil de-
monomoio, oniendo, porm, a commissao qae con-
veo destacar semeibante Idea do pensamento car-
deal da ptopeau, tornando-so a respeito, como
jasto, nma medida feral.
Termina pomnto i commissao a tarefa ie que
a inenmbistes oBereeendo a' vossa consideraco o
projooto de le, qoe aeomoaana este parecer, e so-
bro o qual resom-od a conmuto aposentar n
eorror da diseossi as mpiieaedes qae o de-
bele sonre to importante muerta tornar neoesn-
riao,
< A assembla geral legislativa decreta :
Arl. 1.a O governo contratar com o banco
S 2.* A operaco sera' realisada por meio de
compra, empregando o banco annualmente a sotu-
rna correspondente a' amortisaco a que se obriga
em cada cinco annos, partilhando a faculdade que
tem o governo de remir ao par as apolices em cir-
culado, em conformidade dos respectivos contra-
tos e leis de amortisaco vigentes, sempre que lbe
eonvenba e tiver de empregar o producto da renda
destinada a esta operaco, e os juros das apolices
recolbidas em desempenbo da obrigao jue coo-
trabe.
{ 3.* As apolices resgatadas e averbadas como
inalienaveis, nesta corte, sero depositadas no the-
soaro publico nacional em nm cofre com riuascha-
ves, das quaes nma se achara' em poder do the-
soureiro-geral e a outra em mo des representantes
do banco Mana' & C.
i 4. As apolices compradas em Londres serio
depositadas no banco de loglaterra, sendo clavicu-
lares do envolncro em que se recolberem a aquelle
banco o mioistro do Brasil em Londres, ou pessoa
que o governo designar, bera como os representan-
tes do banco Maua' & C. naquella cidade.
t i 5. Os juros das apolices resgatadas con ti-
nuaro a ser cobrados pelo banco Maua' A C. al
lindar o praso de sessenta annos, designados no
I v
a 6.* No fira de sessenta annos, as apolices res-
gatadas ficaro sem valor algum, havendo o gover-
no comprido religiosamente as obrigacoes qae lbe
impoe esta lei.
c 7." O banco Maua' & C. depositara' no the-
souro publico nacional a quantia de 1,000.000^003
em apolices da divida publica de 6% cm garanta
do cumprimento do contrato que aceita em virtude
desta lei, e como cauco do producto da renda que
for arrecadando em conformidade do&rt. 2>1*>
emquanto nao se acbar a respectiva importaucia
convertida em apolices inalienaveis.
c Esta cauco s podera' ser retirada no flm de
60 annos, recebendo porm o banco Mana' & C. oa
quera lbe soceeder, os joros que lbe corresponde-
era i>m cada semestre.
< Art. 2.* Era compensaco e plena remupera-
Co do servico que a' nago presta o banco Maua'
& G. ou quem lbe succeder como encarregado de
realisar a operaco de qae trata o artigo antece-
dente, at a exunecao e pagamento final no praso
de sessenta annos, de 320,000:00*000 nominaes da
divida publica, o governo se obriga a fazer cumprr
e fielmente executar as seguintes condiQoes :
< i. Mensamente mandara' o governo entre-
gar ao banco Maua' & C, a importancia dos bene-
ficios lquidos, que eorraspondem a' extraeco de
duas loteras por raez, segundo o plano das que ac-
tualmente se extrahem nesta corte, ineluindo a
importancia dos impostos e sello, que recebe o the-
souro publico, que a nacao cede a favor da opera-
Cao de que trata esta lei.
2.* A extraeco destas loteras, em cada mez,
se fara' de preferencia a quaesquer outras conce-
didas, nao podendo correr a roda de nenbuma
deltas emquanto nao estiver ultimada a extrac-
Clo das duas autorisadas pelo paragrapbo antece-
dente.
< $ 3. Se em qaalqaer tempo se dificultar a
extraeco das loteras, o governo permittira' maior
sobdiviso dos bilhetes exclusivamente as duas de
que trata esta lei, e consentir' que o banco Maua'
& C, por intermedio de suas filiaes, disponba delles
em outras provincias do imperio, ou onde conve-
niente for.
t Art. 3. As apolices recolbidas era virtude e
segundo o que dispe o art. 1 e seos constituem
um deposito oalienavel al fio Jar o praso de ses-
senta annos, contados do dia em que tiver logar a
extracto da primeira lotera das que esta lei auto-
risa ; dado porm o caso, que nao de esperar, de
qualquer das partes contratantes romper ou deixar
de execular as obrigagoes que contrahem em con-
formidade com as disposicoes desta lei, as apolices
at ento recolhidas ficaro, ipso fado, pertencendo
a' outra parte.
t Art. 4. Se o rompimento de qne trata o artigo
antecedente tiver lugar por parte do banco Maua'
& G ou seus successores, alm da pena do dilo ar-
tigo, perder' tambem a cauco de que trata o 7*
do art. 1 ficando, tpso fado, pertencendo ao trie-
souro publico o mencionado deposito.
c Art. o. Se durante os 60 annos era que tem
de operar se a amortisaco de que trata esta lei,
tiver de liquidar-se o banco Maua' A C, Oca a sua
gesto obrigada a crear um estabeleciraento ou
iustitulco de crdito, que se encarregue da opera-
Cao at ultimar se o resgate de 320,000:000*000 da
divida publica nacional.
i Art. 6.* As dispo.-ie.oes desta lei nSo impedem
que o governo applique as sobras da receita do es-
tado, que por ventura se derem, a accelerar a
amortisaco da divida publica.
Art. 7.* A aceitacao por parte do banco Mana'
A C. das condiedes desta lei, assignado o respecti-
vo termo no tbesooropublico nacional, sendo acora-
panhado do deposito e transferencia das apolices de
que trata o 7 do arl. l'coostltue na melbor for-
ma de dreito um contrato bilateral entre a nago
e o referido banco, que nao podera' mais ser alte-
rado sem mutuo accordo das partes.
f Art 8.* Pieam revogadas as dlsposlco em
contrario.
c Paco da cmara dos deputados, 28 de junbo
de 1867.M. P. Fontenelle.P. de Paula Santos.
L. de Albuquerque.
- 10 -
A cmara dos deputados approvou bontem, sem
debate, a redaeco do projecto, j publicado, con-
cedendo varias pensdes.
Approvou tambem sem debate, com varias emen-
das, em urna s discusso, o projecto- qoe autorisa
o governo para mandar matricular no 1.* anno me-
dico da faculdade de medicina da corte o estadante
Francisco Caetano dos Santos.
Approvon depeis em segunda dlscusso a pro-
posta do governo qae Ixa a rorca naval para o an-
no financeiro de 1868 a 1869.
Occupou-se em seguida com a segunda discos-
sao da proposta do governo qoe fiza as forjas de
trra para o mesmo anno financeiro. Urou o Sr.
Candido Torres Filho.
Uontinuoo em ult mo logar a segunda discusso
da proposta sobre crditos. Oren o Sr. Sayo Lo-
bato.
Ambas as discustoes Acarara adiadas pela hora.

Em 9 do corrate foram expedidas as seguintes
ordens :
Concedendo tres mezes de lieenca, com sold e
etapa, para tratar de sua saude nesta corte, ao l-
ente do 11.* corpo de volaniarios Jos Candido
Barros Jualer.
Concedendo permisso ao alferes do 7.a corpo de
voluntarios Antonio Benedicto de Cerquelra Leite,
qae veio invalido do theatro da guerra, para ir es-
perar em Campias, provincia de S. Paulo, e sen
ulterior desuno.
Concedendo nm mez de lieenca, para tratar de
soa saude em Petropolis, ao tenente-coronel Manoel
da Caoba Barbosa, commandante do asylo de inv-
lidos.
Por decreto n. 3,899 de >? do mez cima foi ele-
vada catbesoria do seecao de batalbio, a 5.a sec-
cao de companhia da reserva da guarda nacional
organlsada no municipio de Carolina, da provincia
do Mar&nbo.
oen n
A cmara municipal de Manaos noraeou nma
commissao composia dos Srs. senadores Jos Ma-
ra da Silva Prannos i Francisco Jese> Portad},
conselheiro Tito franco de Almeida e Drs. Antonio
Jos Moreira e Aureliano Gandido Tavares Bastos,
para beljar a mi a soa magestade o Imperador e
agradecer ao son governo peta pramulgaco do de-
creto de 7 de dezombro de 1866, qne franqoeoo a
navegaco do Amazonas a todas as bandelras.
DIlBIu DE PERSAJUPCO
Tomos a' vista jomaos e cartas, trazidas pelo
vapor inglez Ojmum, com datas do Rio de Janeiro
at 10 e di Babia at 13 do correte.
Sob as rubricas extenor e interior, vio publica-
das, por extenso, as noticias mais imprtenles.
Alm dessas, s encontramos mais as me soguea.
Rio de Janeiro.Pelo governo Imperial fol con-
tratada a navegaco dos ros Por', Madelra e Ne-
.pro, na provincia do Amazonas cora Aletaare nenes do 3a baUlbo da guarda nacional deie mu-
Paulo de Brito Amorim. nicpfo.
O governo imperial soliciten da aseara des Foi removida da cadelra de instrueco ele-
deputados lieenca para continuares na presiden- mentar do Granito para a de Vertentes, em Taqua-
-cia do Rio Grande do Sul o depnteo Francisco retinta, a Sra. professora D. Paulina MarcoHna de
Ignacio Marcoodes Hornera de Mello,' o na de-bren Almeida.
(irosso o deputado Jos Vieira do Cauto Mtgalhes. Foram a seu pedido exonerados de delegados
O Sr. senador baro de Cotigipe apresenlon luteranos os Srs. Dr. Jos Cerdoso de Queiroz Fon-
ao senado, no da r* do corrate, o seguinte reque-
r ment, que foi approvado :
< Requeiro que se peca ao governo, pela repar-
tiejao competente, as InformacSes seguintes:
t 1.a copia do decreto e instraecdes dadas a' no-
va agencia finaneeira em Londres.
t 2.a o valor total de apolices da divida publica
que tem sido emlttidas, de agosto passado at boje,
o preeo por qae foram veodidas, e qoe corretagem
pagou e tbesooro publico por essa operaco, e
quaes os correctores dola encarregados.
t 3.a se o governo tem pago corretagem pela
negociacao de bilhetes do thesouro. >
Lemos no Ctrrew Mercantil:
A Tribunita do Ia descreve assim a tentativa de
exploso da casa do governo :
A's 9 horas da noite de bontem a polica des-
cobrio a existencia de todos os preparativos para
urna mina, coja exploso devia fazer voar a casa
do governo, com os quarteiroes que existem pr-
ximos.
< Esta mina passava pelos canos mestres da ra
1 de malo e da casa do governo, de maneira que
fosse produzir a exploso em algomas das pecas
do forte. (E o lugar em que se reunem o presi-
dente e ministros para o despacho.)
< O Sr. ebefa poltico, acompanbado por dous
commissarios e pelo ebefe dos serenos, nrocedeu
pessoaimente bontem mesmo a priso de um in-
dividuo de naclonalidade allema, queseacbaya a'
espera de outros no sitio designado para dar prin-
cipio cataslropbe.
c Eocontraram-se em am soto prximo ao ca-
no mestre da casa da conjurafao um apparelho
elctrico para a exploso com todos os seus ingre-
dientes, rame, instrumentos, velas, e dous gran-
des barns da plvora, que poderiam comer cinco
arrobas.
< A polica prenden mais na mesma occasio a
vanas pessoas sospeitas. Al agora estSo seis in-
commnnicaveis. Actualmente se oceupa a autori-
dade da coiber declarares. Q processo desta cau-
sa deve ser ruidoso. Nos esforzaremos em por os
leitores ao corrente de todos os pormenores que se
derem.
t O Sr. general Flores pedio aos Srs. Leltson e
Maillefer, encarregados dos negocios da Inglaterra
e Franca, engenheiros que por si meamo3 exami-
nen) todo o appaarelbo.
< Este faeto produzio urna profunda Impresso
no povo, que se vio em ves^ura de presenciar, e
de ser victima do mais covarde e de mais horren-
do crime. E' de presumir que lie fosse o prdro-
mo de urna tentativa revolucionaria, qne tena des-
truido em urna Lora o frueto de douo an:-..;.
paz e de trabalhos no sentido do progresso nacio-
nal. >
S. Paulo.-Continuava trabalhanJo a assembla
provincial, tendo ja passado em primeira discos
sao o orcamento respectivo.
Da Revista Commercial de Santos extrahmos as
seguintes noticias
c Em It, celebroo-se com toda a pompa, no dia
10, a abertura do hospital da Santa Casa da Mise
ricordla.
c No dia 24 de malo deste anno, Germano Al
ves, morador na ilba do Mir-Pe^neno, urna legua
ao sul da cidade de Ignape, entregou ao comraen
dador Luiz Alvares da Silva da me^ma cidade sete
moedas de 500 rs. em prata e nm bilhete, dlzendo
lbe que indo seus filtras em meiado de marco a
praia do Mar Grosso, encontraram urna garrafa ar
rolhada, dentro da qual acharara as ditas sete moe
das e o bilhete todo molbado por estar a rolha da
garrafa ja muito estragada.
< Apezar de estarem as letras quasi apagadas e
o bilhete ter-se rasgado oa occasio em que o qu-
zeram abrir, leu-se o seguate :
i Os abaixo assigoados faiem a esmola.... que
amanba com sua bondade.... porto de Paranagu.
Silverio Antonio da Silva, caplto.Joo Flores
do Amaral, passageiro.Eduardo Pereita Ramos,
dito.Joaquira Rodrigues Vianna, dito. Manoel
Francisco dos Santosx contramestre. Torquato
Barrozo, praticante. Silvana, escrava, passa-
geira.
Bordo do brgue Pedro II, 11 de setembro de
1866, a ierra vista, Silverio Antonio.
t A' vista dislo, o dito eommendador Luiz Alva-
res escreveu para Paranagu.indagando do caplto,
passagero ou tripolaco do referido navio, se por-
ventura essa esmolla era para o Senhor Bom Jesns,
visto que as letras apagadas dp bilhete
r Bpm i
r,.j d<
.'i'.it res
dt'ixa-
vam perceber a quera era dirig Ja ; ao que respon-
deu o caplto do brgue Pedro II que a esmola era
com effeilo para o Senhor Bom Jesns da cidade de
lgnape; que sabiodo elle do Rio de Janeiro em se-
tembro para Paranagu, prometteram essa esmola
e ao passar pela altura de Iguape e tendo a trra
vista metleram-a em urna garrafa juntamente com
o bilhete e largaran esta no mar.
i Aodou, pois, a dita esmola seis mezes no oca-
no, e sabe Deus al que alturas nao irla Late que
afinal veio ter ao logar a que era destinada, cum-
priodo-se assim a promessa daquelles devotos.
c Ja' em 1865 ,uma embarcago que sabio da
Babia soffrenlo na altara dos Abrolbos um tempo
ral o contramestre metteu em urna garrafa a soa
esmola ao Senhor Bom Jess, pedindo-lbe boa vla-
gem, e a dita esmela velo em junbo desse anno
dar na praia de Ararapira, sendo entregue ao mes-
mo cemmendador Luiz Alvares em julho.
Faban.A directora da companhia de navega-
Cao entre esta provincia e a corte, para o biennio
de 18671868, compoe-se dos Srs. : A. A. Araojo
presidente, Francisco da Silva Aveleda e Antonio
J. de Faria.
MInas Geraes Achava-se no exerciclo de pre-
sidente da provincia o Dr. Elias Pinto de Carvalbo,
Ia vice-presidente.
Gotaz__No dia 28 de maio leve lngar, no pala-
cio da presidencia, nm baile offerecido ao desem-
bargador Joo Bonifacio Gomes de Siqueira.
De nma carta escripta de Cuyab em 18 de
marco extrabe o Monitor Goyano o seecinte :
Meu sogro daqui sabio para a capilal do Para
em commissao do Sr. Couto da Magalbes, ou do
governo, o que leve logar pela seguinte forma :
< Eslava e dito meu sogro prompto para empre-
hender a dita viagem a seu negocio ; iodo, porm,
despedir-se do presidente (Couto de Magalbes) co-
mo particular e official da guarda nacional, teve o
mesmo pjesidente occasio de propor lbe a dita
commissao por conta do governo, afim de trazer
varios carregamentos para a guerra e marinba por
via do Para', sendo a sua Ida pelo Tapajs, e a soa
vlnda peloTocantins e Araguaya at a nova colo-
nia, creada cinco legoas abaixo do porto do Rio
Grande ; denomina-se esta colonia (taacayu ;es-
tes carregamentos devero vir em dous vasos jun-
tamente com negocios, qne o mesmo meu sogro
tem de trazer de sua conta, e para a nossa socie-
dade.
c Nesta commissao elle iavou instruccoes do go-
verno, dinheiro e vlnte guardas nacionaes, sendo
que elle mesmo segura na qaalidade de capito da
guarda nacional.
c O flm nico de S. Exc. beneficiar essa pro-
vincia e tambem a de Matto- Grosso. > ^
Baha.No dia 6 do corrente, professara^pt f
catbolica, sendo baptisados e casados a Exma. Sra.
D. Sopbla Botb o Eduardo Wagenkoecht, pelo vi-
garlo da freguezia de Brotas.
Arribara, em consequenela do mo tempo, o
patacho braslleiro o que tnba sabido para o Rio
Grande do Sul.
Pelo Oneida foram remetiidas para a Earopa
208 oiuvas e 20 1/2 oraos de diamantes.
PERNAMBUCO
seca o tenente-coronel Francisco Berengner Cesar
de Andrade, este do Brejo e aquelle do carato da
S de Olloda.
Baeadeira do Brejo foi removida para a que
fol ltimamente creada nesta freguezia de Santo
Antonio a Sra. D. Amelia Augusta deOlivelra
Quintal.
S. Exc o Sr. presidente da provincia ordenou
a repartigo das obras publicas, que fossem orga-
nisadas com urgencia a olanta e o orcamento da
ponte, que deve ser eoustrbida em snbstltoico da
qne ora d transito para a Boa-vista, cojo estado de
deterioramento visivel e crescente.
Em vista do resoltado do exame procedido
no arsenal de guerra, recommendou a presidencia
respectiva directora, qoe empregasse sua solici-
tadle afim de que seja fallo com regularidade o ser-
vico da companhia de aprendizes, corlando-se os
abusos apontados pela commissao de exame, e dao-
do-se inteira execogo ao regulamento o. 113 de 3
de Janeiro de 1843, na parte concernente admi-
nistraco e economa, relativas ao tratamento dos
aprendices menores e a sua educacao.
O cooselho director da instrueco publica, em
sesso do dia 13 do corrente, sobre differentes fun-
damentos, resolveu qoalificar o delicie attriboido
ao professor Ivo Pinto de Miranda pelas provas
constantes dos autos de Instrueco do mesmo de-
licio.
Eis as noticias commerclaes. do Rio de Janei-
ro, em 9 do corrente :
< Caubio. Ineluindo pequea* transaccoes
effecluadas hoje sobre Londres a 211/4 d. para o
papel bancario, e a 21 3/8 e 21 1/2 d. para o pa-
pel particular, sommam os saques tlfectuados para
- paquete inglez Oneida :
t Sobre Londres cerca de & 380,000 a 21 3/i,
21 1/2, 21 3/8 e 21 1/4 d. para o papel bancario,
a 21 7/8, 21 3/i, 21 5/8, 21 1/2 e 21.3/8 d. para
o particular.
t jSobre Franca cerca de frs. 1.200,000 aos ex-
tremos de 430 a 450 rs.
Sobre Hamburgo cerca de B. 50,000 a 828,
830,835 e838 rs.
e Porto vigorou a tabella se-
jurubeba e do emplastro preparado por S.
S, e Ah Ufo feliz com essa lembraoca qae
grabas a Deus me acbo bom, em vista pois
venbo dar a V. S. os parabens por ter des-
coberto esse lenitivo a bumaoidade afllicta,
e offerecer-lhe o mea pouco presumo.
Soa de V. S. atiento venerador e criado
Jos Thomaz de S Caralcante.
Recife i de julho de 4867.
a Sobre Lisboa
goiole
COMMERCIO.
ALFANDEGA.
Rendimento do dia 1 a 13..........
dem do dia 16.................
336:992*433
13:130*083
350:1221516
MOVIMENTO DA ALFANDEGA.
volumes entrados com fazendas..
t c gneros....
Volnmes sabidos com fazendas... 43
i gneros.... 361
404
Descwregam boje 17 de julho.
Polaca bespanholaVenturttaviobos.
Brgue ponuguezConstante 11lagedo.
Barca nacionalFavorita -charque.
Patacho banoverfanoAtlantedem.
Patache nacionalVatentedem.
Patacho nacionalGuhcrminadem.
Patacho hollandezWilhermtna Magdalenadem
Brgue portognezN. S. da Conceicaoiietn.
Polaca nacionalS. Pedroidem.
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS
- GERAES.
Rendimento do dia la 15........ 21:306*094
dem do da 16................. 242*716

21:548*810
CONSULADO PROVINCIAL.
randimentodo da 1 a 15........ 83:106*260
dem do dia 16................. 1:317>014

84:423X274
150 /. a vista.
149 /" a 30 d/v.
148 Va a 60 d/v.
147 / a 90 d/v.
* Afouces.Negociaram-se hoje 76 das geraes
de 6 O/o a 88 1/2 Ojo-
AcgdEs Venderam-se 292 do banco do Brasil
a 176* e 173 a 177* cada nma. >
O vapor braseiro, ao devia sabir do Rio >
Janeiro para os portos do norte do imperio no da
15 do corrente, era o Tocanfins.
O vapor inglez Oneida trooxe para esta pro-
vincia 4:000*000 em moeda-papel.
O cambio na Baha regulava : sobre Londres
22 d., sobre Paris 430 rs., sobre Hamburgo 795 rs.
e sobre Portogal 135 /o.
Corra oa corte que se aehava nomeado ins-
pector da alfandega do municipio neutro o Sr. Dr.
Antonio Alves deSouza Carvalbo.
Acabamos de reeeber urna carta do nosso
correspondente do Cear datada de 22 de junbo,
que fci parar ao Rio de Janeiro, d'onde voltou
bontem com o carimbo de insuficiinte, por ter sido
sellada com 100 rs., laxa das cartas simples dentro
do imperio pelos vapores nacionaes, e ser-nos de-
volvida pelo vapor Inglez.
E' mais urna incuria do crrelo do Cear, pois
que o rotulo diz em boa e Intelliglvel lettra Srs.
Manoel Figueiroa de Faria & Filhos Recife
Pernambuco, qne deixamos registrada.
Durante o mez de junbo segoiram da corte
para o exercito 933 pracas que, reunidas 4s que
sezuirara desde o 1 de Janeiro ultimo, elevara a
8,829 o numero de prajas que tem seguido no cor-
rente anno.
Chegarara ao Rio de Janeiro procedente do
nosso porto, no dia 4, a barca Arminda e o patacho
Novo Ltma, ambos poriuguezes.
Numeraco dos-bilbetes da lotera 29* offere-
cidos pelo thesoareiro das loteras para auxilio das
despezas da guerra :
Bilhetes ns. 3219 a 3258.
reparticao da polica.Extracto das partes
do da 16 de julho de 1867.
Foram recolhidos a casa de detengao no da 15 do
correte :
A' ornem do subdelegado do Recife, Bernab An-
tonio da Costa, Bernardina Mara e Caetana Mara
da Concelgo, para correceo. A' ordem do de
Santo Antonio, Augusto e Luir, escravos, este de
Francisco Jcs Alves Guimares, e aquelle de Joa-
quim Baptista Moreira, o primeiro por fgido, e o
segondo a requerimento de seu respectivo senbor.
A' ordem do da Magdalena, Christovo Cosme Da-
raio e Francisco da Silva Lisboa, para correceo.
A' ordem do do Poco, Carlos Jos de Sena Ferreira,
por embriagaez e insultos.O ebefe da 2 seceo,
/. G. de Mesauxta.
Passageiros do vapor inglez Oneida, vindo
dos portos do sul :
Joaquim Jos Goncalves, Luiz Duro de Faria e
186 para os portos da Europa.
Sabidos para os portos da Europa no mesmo
vapor :
Joaquim StoSes dos Santos, Jos Lopes de Oli-
veira, sua senhora e 1 criada, J. A. Thon, C. Starr,
Jos Rodrigues Tavares de Mello e 1 criada, Anto-
nio Jos Barreiros, Alfonso do Reg Barros, Manoel
de Albuquerque Maranbo, Joo da Cunba Heves,
Caetano da Silva Azevedo, Jos Joaquim Caroeiro
e 1 sobrinbo, Carlos Corbett, Frederico Corbeit, A.
Dumood, Frederico Ocbaffen, Dr. Feliciano Fran-
cisco Martios.
Foram lidos no dia 14 do corrente, na ma-
triz da freguezia de Santo Antonio, os seguintes
proclamas:
1.a denunciaco.
Eoedoo Alves Gomes, com Auna Umbelioa de
Barros.
Jos Rocha da Silva, com Mara Rosa da Coa-
ce i gao.
Antonio Cabral de Medeiros, com Goilbermina
Maria de Sant'Anna.
Manoel Domingues Pereira de Freitas, com Anna
Felisblna dos Santos Lima.
Miguel Lopes de Moraes Passos, com Maria dos
Prazeres Canabarro.
Manoel Maximiano do Espirito-Santo, com Fran-
cisca Maria da Luz.
Joo Henriqaes Dencher, viavo de Joanoa Rosa
Baptista Dencher, com Maria Leocadia de Mello
Santos.
Luiz da Motta e Silva, com Mara Amelia do
Medeiros.
Custodio, exposte, com Mara Armina de Canta-
lice.
Jos Tbeodosio SemiSo da Silva, com Maria Joa-
quina da Conceico.
Bernardino Jos da Silva Meira, com Maria Joa-
quina de Souza Leio.
2.a denunclacio.
Luiz Antonio da Silva Alcntara, com Rfeardioa
Amelia de Jess Costa.
Joo Bernardino Neiva de Figuelredo, viuvo de
Mara d'Assumpco Cezar de Figaeiredo, com Maria
Joaquina da Coneeiclo.
Jeronymo de Carvalbo Yesques, com Thereza de
Jess Mara.
Antonio Mariano de Souza Gouva, com Herme-
linda Justina de Carvalbo.
Odorieo Aires Raposo da Cmara, com Idalina
Fernandos Barros.
Jos Maria de Figaeiredo, com Generosa Alves
de Souza.
Joo Amancio Brone, com Francisca da Encar-
neci Correa Leal.
Bacbarel Elsea Souza Martns, com Adelaide
Menna Brrelo de Barros Falco.
Marcelino Ausberto Lopes, com Francolina da
Conceico Silva Oliveira.
Augusto de S e Albuquerque, com Maria Ade-
laide Colbo Leite.
Mariano de S Albuquerque, com MarcoHna
MOVIMENTO DG POETO
Nauos entrados no dia 16.
Rio de Janeiro u Babia -6 das, vapor inglez Onei-
da, de 1,372 toneladas, eommandante E. W.
Leeds, euipagem 132, carga varios gneros ; a
Admson Howire & C.
Assd8 das, lancha brasiMra Graciosa. d 83 to-
neladas, capito Manc-l Caetano da Costa, eqoi-
pagem 8, carga sal, algodo e outros goneros ;
a Barlboiomeo Loureuco.
New-York59 das, hiate Inglez Ocenia, de 149
toneladas, capito I. D. Yance, eqnipagem 6, car-
ga machinas e outros gneros ; a Johnston Pa-
ter & C.
Vacie* saludos no mesmo dia.
Sontbampton e portos intermedios Yaoor inglez
Oneida, commandante Leeds.
ParaCrvela nacional Nitteroy, commandante o
capito de mar e guerra Pedro Antonio Luiz Fer-
reira.
EDITAES.
Sebasiio Lopes Guimares, eommendador da or-
dem da Rosa, cavallelro da de S. Rento de Aviz
e Cruzeiro, condecorado com a medalha de
Constancia concedida ai exercito cooperador da
boa ordem, tenente-coronel chefe de estado-
maior, e commandante superior interino da
guarda nacional deste municipio, e presidente
do conselho de revista, por S. M. o Imperador, a
quem Deus guarde, etc.
Foro saber que, na 3* dominga (21 do corrente),
se reunir' o cooselbo de revista da guarda nacio-
nal deste municipio, como determina a 2' parte do
-rt. 25 do decreto n. 1,130de 12 de marco de 1853,
na sala das sessoes da cmara municipal, as 11
da maoba, na conformidade do art. 44 das ios
irucroes n. 722 de 25 de outubro de 1850, atim de
tomar conbecimento dos recursos que versarem
sobre os casos indicados no art. 33, e que forem
interpostos pela maneira determinada no arl. 38
das ditas instruccoes.
E para constar a quem convier, mandei publi-
car pela imprensa.
Quartei do commando superior do municipio do
Recife, 14 de julho de 1867.
Sebastiu Lopes Guimares.
DECLARAOS.
REVISTA DIARIA.
Amanba reune-se o Instituto Archeologlce
Geograpbico Pernambneano em sesso ordi-
naria.
Domingo prximo comeen a funeciooar o
conseibo de revista da gaarda nacional deste com-
mando superior do Roe*, afim de tomar conbeci-, Colbo Leite. __ ... ..
monto dos reenrsos logalmente interpostos. Marcelino FrancUco Borges, com Alexandrlna
As seuoes do mesmo cooselbo o no papo tt, Mam da CMceleao.
camera municipal Manoel Barbosa do Freitas, com Leopoldina Can-
Pela le n. 758 fol removida a sede da fregae-, zla do Senbor Bom Joans da Igreja Nova para o
povoado da Cacfaoelra de Roberto, paitando a ser-
vir de matriz a capaila de Notia Senhora das Do-
res do mesmo povoado.
Fol mareada pela presidencia a terceira do-
minga de agosto vindooro para a reonlao do con-
seibo municipal de recurso eo municipio do Bonito,
visto no ter sido convocado o mesmo conselho,
quaido o devera por torea da lei, anda mesmo
nao tendo bavido reclamaco algnma. -
Foi denittldo de Ia snpplentt de delegado de
Floresta o Sr. Flrmino Gomes de Monotes, a nem
do servico publico.
Ao Sr. Bernardino de Miranda e Albnqnerqne
fol concedida a exoneracao pedida do posto de te-
Jos Tbeodosio Semlo da Silva, com Mria Joa-
quina da Conceico.
l^blicaflOes a pedido
Illm. Sr. Joaqaim de Almeida Pioto.Os
meas padecimentos do figado e do baco, e
para os quaes de balde procurava lenitivo,
j tinbam prodazido em mim e em todos
o/ae me viam acerba conviccJc de ser em
brete pasto dos vermes, qosndo per lem-
branca de am amigo fiz aso das pillas de
O cooselbo de compras do arsenal de guerra
recisa comprar o seguinte :
30 resmas de papel almasso liso de superior qaa-
lidade.
50 ditas de dito pautado dito dito.
30 caixas de peanas caliygraphicas ( verda-
deras.)
60 massos de obreias.
50 garrafas com tinta preta para escrever.
100 bezerros do lustre.
2 fj de secante.
4 Go de V-. lia.
200 bonels a Cavanbaque.
300 ditos redondos.
1500 covados de panno azul.
3000 varas de brim bracee.
1500 ditas de algodozinbo.
52 pares de metas de algodo.
52 lencos encarnados com pintas brancas.
1 ocnlo de alcance.
As pessoas que qaiierem vender ditos artigos,
apresentera suas propostas em carta fechada com
as respectivas amostras as 11 horas da manba do
dia 17 do correte na sala do conselho.
Sala do conselho de compras do arsenal de guer-
ra, 12 de jalao de 1867.Jos Maria Ildefonso
Jacome da Veiga i'essoa e Mello, presidente.
wmw (ggsM.
Relaco das cartas registradas viudas d) sut pelo
vapor inglez Oneida para os senbores abaixo
declarados :
D. Adelaide Emilia de Miranda Henriques, Anto-
nio Pedro Ferreira Lima (2), Antonio Jos de Oli-
veira Miranda, Dr. Domingos Jos Nogueira Jagua
ribe, Eras roo Jos de Mello. Francisco Jos de Ma-
galbes Bastos, Francisco Moocorvo Lima, Fran-
cisco de Paula de Albnquerque Maranbo, Dr, Joa-
quim Francisco de Parias, Dr. Joaqaim Jos de
Campos Cavalcanti Medeiros Albuquerque, tenen-
te-coronel Joaquim Maooel do Reg Brrelo, Joa-
quim Rodrigues da Costa Santos, Joi Jorge Perei-
ra, Jos dos santos Neves Jnior, Miguel Jos de
Almeida Peroambuco, Manoel Alves de Castro,
Dr. Manoel Jos'Domioguoe Codeceira. Dr. R. Bar-
bosa.
O conseibo de compras para provimento do
arsenal de guerra precisa comprar o seguinte :
16 arrobas assacar refinado.
1|2 dita de arar ota.
1 caixa aletra.
1|2 arroba cha da India.
2 ditas doce de goiaba.
36 ditas farioba de trigo.
1|2 dita de dita do Maranbo.
1|2 dita de marmelada.
4 caadas de vinagre.
2 arrobas velas de carnauba.
400 hostias.
8 libras resina de bejuim.
4 vldros de alampada.
50 vassouras.
4 espanadores.
As pessoas qae quizerea vender ditos artigos
aprsentem suas propoatae na sala do conselho
com as respectivas amostras as 11 horas do dia
17 do crreme.
Conselho de compras do arsenal de gaerra 16
de julho de 1867.Jos Maria Ildefonso Jacome
da Veiga Pessoa de Mello, coronel presidenta.
Santa Casa de Misericordia
do Recife.
O Illm. Sr. eommendador Jos' Pires Ferreira,
thesoureiro da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife no dia 22 do corrente pelas 10 horas manaba
no sali da casa dos expostos fara' pagamentoadas
mensalldades de abril < jonho Ando, as amas q e
se apresentarem com as criancas qae tomaram pa-
ra amamantar.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife, 8 de Jnlbo de 1867.
O escrlvio
Pedro Rodrigues ie Souza.
- -
O tribunal do commercio de Pernam-
buco em vista do qae dspe o art. 9, do
decreto n. 863 de 17 de oovembro de 1851
faz publica a vaga de um dos oficios de in-
terprete de commerclo desta praca, e marca
o prazo de 60 dias contados desta data para
que aquellos que se acbarem habilitados
apresentem seus reqnerimentos instruidos
com os documentos de qu trata o art. 6.'
do mencionado decreto.
E para constar mandei passar o presente
qoe ser publicado nos jornaes de maior cir-
culac5o, o qual vai por mim assignado nesta
secretaria do tribunal dfvyjmmercio de Per-1
nambaco aos 4 de julho'de 1867.
O secretario,
<_____________Jos ftjprceHino da Rosa.
Santa Casa da Misericorda1
do Recife,
Alllma. junta administrativa da Santa Casa do
Misericordia do Recife manda fazer publico que
na sala de suas sessoes, no dia 18 do corrente pe-
las 4 horas da tarde tem de ser arrematadas a
quem mais vaotagens offerecer as rendas dos pre-
dios em seguida declarados :
Estabelecimeutes de earidade.
Roa do Padre Floriano.
Casa terrea n. 49.......18*3500
dem idem n. 17.......186JO0O
Roa do Fagundes.
Casa terrea n. 32.......15650CO
Travessa de S. Jo:.
Casaterrean.il.......154,5000
Ra dos Pescadores.
Casaterrean.il.......216#0CO
Roa das Calcadas.
Casa tema n. 30.......1753000
dem idem n. 38........1583000
Ruadas Cinco Pontas.
Casa terrea n. 70.......2183000
Travessa de S. Pedro.
Sobrado de dous andares n. 2 f. 3503000
Ra larga do Rosarlo.
Segondo andar do sobrado n. 24 3003000
Terceiro andar idem dem .... 3013000
Roa da Roda.
Casa terrea n. 3......... 965000
dem idem 0.7....... 96*000
Becco do Qoiabo.
Casa terrea n. 8.......1443C00
Ra do Encantamento.
Sobrado de dous andares n. 3. 9013000
Roa do Amorim.
Sobrado de 2 andsres o. 21. 1603C0O
Ra do Nogoeira.
Casa terrea n. 17........ 2413000
Patrimonio de erphos.
Ra das Laraogeiras.
Casan. 17.......... 1923000
.la do Rangel
Casa terrea n. 06.......3013000
Ra Velba.
Casa n. 32. ........210,2000
Becco das Boias.
Sobrado de dous aodarts.....5023000
Roa da Lapa.
Casan. 11.........19C3O0O
Ra da Moeda.
dem n. 47....... 3513000
Ra do Vigario.
Primeiro audar do sobrado n. 27 181300O
Ra do Pilar.
Casa n. 99.........2563000
dem n. 103.........2003000
dem n. 94.........2013000
Sitio n. 5 no Forno da Cal. 1503000
dem. n. 105......r U43O0O
As arrematares sero feitas pelo tempo de um
anuo, deveodo os licitantes virem acompohados
de seus fiadores 00 munidos de cartas destes.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Recife 11 de jolhodel867.
O escrivo,
Pedro Rodrigos. de Soaza.
Santa Casa de Misericordia.
A Illma. junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia de Recife, contrata com quem por rae-
nos fizer o fornecimenlo de pao e bolacha qoe pre-
cisaren] o collegio das orphas e o hospicio de alie-
nados em Olinda 1 recebe para isto propostas na.
sala de suas sessfias pelas qoatro horas da tarde de
18 do crreme.
Secretarla da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife, 11 de julho de 1867.
O escrlvao
Pedro Rodrigues de Souza.
Santa Gasa de Mise icordia
do Recife.
Pela secretarla da Santa Casa de Misericordia do
Recife, se faz sciente aos aquilinos das casas abai-
xo declaradas, que se no prazo improrogavel de
15 das nao vierem renovar o arrendamento das
mesmas casas, sero dellas despejados judicial-
mente, conforme deliberen a Illm." junlS adminis-
trativa.
Ra do Padre Floriano, casa n. 49.
Ra dos Pescadores, dita n. 11.
Roa das Calcadas, dita n. 30.
Becco do Qoiabo, dita n. 8.
Roa do Encantamento, sobrado de 2 andar es
n. 3.
Ra do Nogoeira n. 17.
Ra das Laraogeiras, dita n. 17.
Raa Velba, dita n. 32.
Becco das Boias, dita o. 18.
Roa da Lapa, dita 0. 11.
Roa da Moeda, dita o. 47.
Roa do Pilar, ditas ns. 99, 94 e 103.
Sitio do Forno da Cal, n. 5.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife 15 de julho de 1867.
O escrivo,
Pedro Rodrigues de Sooza
THEATRE
DE
SAINTE 1SABELLE
COMPAGNIE
ons
BOUFFES PARISIENS
A11 Jourd ui, naercrcdl 17 julllet.
15. Keprsentatioa de rakonnement.
Prmiere representation
UNE DEMOISELLE ENLOTERIE,
operetle bonffe en nn acte, paroles da Mrs. Jaime
Fils et H. Cremieux, mnsiqoa de Jaeqnes Offen-
bacb.
PERS0NNAGKS.
Pigeonnean................ Mr. Noory
Dmelolr................... > Pelva
Aspasl..................... M" Guillemet
La scene se passe Pars.
Seonde representation
LA CONSIGNE EST DE RONFLER,
vaudeville en nn acte, de Mri. Eugue Grang et
Lamben Thibonst.
prusonnagis.
Landremol, soldat............Mr. Pelva
Tavernier, capllaine d'infante-
re....................... > Noury
Irma.iawrnier..............M- Matbllde Poppe
Charlotte, remase de chambre. Bluette
La scene re passe Paris, qnartier de la Ppi-
nire.
Intermde de danre ,
LA DERNIERE ROSE D'ETE,
pas nouveau compos et dans par M"* Celestino
Thierry.
Dernire representation
INDIANA ET CHARLEMAGNE,
vaudevllle en nn acte, par Mrs. Bayard et Doma*
noir.
DESTBIBUTION.
Cuariemagae...... Mr. Pelva
Indiana........... M- Matbllde Poppe
Ordre du spedacle.
1. Indiana et Cbarlemagne.
2.e La demoiselle en lotorie.
3.' La dernire rose d't.
*, La consigne est do ronfler.
On eommencera a 8 beures.
Vendredi, premire representation onnrt adi
EXFERS.
fe
'
-
-



mmm
Urlo de Praamiae# Q a arta frfra 1 ie JuQio de W37*
AVISOS MARTIMOS
fieiPASHIA BB4SILE1RA
SI
Paquetes a vapor
Efe
Xarope de salsa parrilha do P >r
O
DEPURATIVO DO SAKGUB LA0 AS MOLESTIAS DE
PF.LLE, UtflNOBNS, DORES RIIEUMATICAS E ULCERAS
TBNIBIAS.
Deposito
Pharmacia do Pinto ra larga do Rosario Da-
mero 40,
AVISOS DIVERSOS.
E' esperado dos por tos do norte
at o dia 29 do correte o vapor
Guar, commandante o pri meiro
lente Pedro Hyppolilo Doarle,
o qaal depuis da demora do cos-
tme seguir para os portos do sal.
Desde j recebem-ae passageiroi e eigaja-se a
carga que o vapor podar eonduzir, a qaal devora
ser embarcada no da de soa cbegada, eoeom-
meadas e diobeiro a frete at o da da sabida as
3 horas. Previne-se aos Srs. passagelros que saa s
p_assagens s se recebem nesta agencia roa da | Pareceres e mais ^^ de comms_
Instituto 4rcheolgico e Geegraphlet
Peraambocano
llavera seesao ordinaria qainla-feira 18 do
torrente julbo, pelas 11 horas da manha.
ORDEM DO DIA
Cruz n. i, escriptorio de Antonio Loiz de Oliveira .
Azevedo i C _______________^^^ soes.
-----------lara o Araeaty """" I ][jeitura.de varos docamenlos de valor bis-
segae uestes dias o palbabote Emilia : a tralar com torico ff J* l*10 Sr- major Salvador Heari-
Jos Sa' Leitao Jnior, na roa da Madre de Dos, que de AJbuquerque, SOCIO effectivo do Ins-
^ titaalo.
Secretaria do Instituto, 15 de julho de
0MPANH1A BEASILEIRA
DE
PAQUETES 4 VAPOR.
E' esperado dos pon do snl
1867,
Jos Soares de Azevedo.
Secretario perpetuo.
Muita attencao
o 'apor IKK !a?,d* casa ? 31- ba um* 88nhra
arias mauo Uel e caPaz Ia6 Pel s^ grande preciso
que tem dispoz-se a ir para casa de qaalqaer a-
milia estrangeira engommarou eosiobar baveodo
preciso, comanlo que seja casa de pessoa estran-
geiras o o nesta pra$a ou tora dalla.
TocatUins, commandaote Farias,
o qaal depois da demora do eos-
lame' segura' para os pertos do
. norte.
Reeebem-se desde ji passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder couduzr a qaal devera'
ser embarcada no dia de saa chegada, encommen
das e diobeiro a frete at o dta da sahlda ai 2
horas. Previne-se aos Srs. passageiros que snas
passagens s se recebem nesta agencia roa da
Crai o. 1, escriptorio de Antonio Lalz de Oliveira
Azevedo & C
Lisboa.
Segoe em poneos dias o brlgae porlognei Cons-
tante II para carga e passageiros trata-se com
Oliveira Futios & C; largo do Corpo Santo n. 19,
ou com o capito na Praga do Commercio.
Para o Aracaty
Segae em poneos dias o bem conbecido e vellei-
ro palhabote nacional Dous Amigos, tem parte do
sea carregameoto prompto, para o resto que Ibe
alta trata-se com o sea consignatario Antonio Luiz
de Oliveira Azevedo & C, no sea escriptorio, ra
daCTOz n. L___________________________
~Para o Rio de Jauciro
acha-se proposto e pretende com brevidade sabir o
bjipue portuguez Relmpago por ter engajada al
gama carga : para o resto tratase cora os consig-
natarios Tbomaz de Aquino Fonseca & C, ra do
Vigario n. 19, 1* andar.
^flfc
Segu com a possivel brevidade o brlgae esea-
na GRACIOSA, eapitao Ralis, tocando no Mar-
nbo s em ultimo case, para algnma carga que
Ibe falta tratase com o respectivo consignalarii
Antonio de Alenla Gomes, a'jrua da Cruz n. 23,
1* andar.
Ama deleite.
Na roa da Peana n. 25, segando andar, precisa-
se de ama ama de leife.
Paro o Rio de Janeiro
pretende segoir com mnltabrevfdade o patacho na-
cional Beberibe, tem parte de seo carregamento a
bordo, e para o resto que Ihe falta e escravos a
frete, para os qnaes tem escolenles commodos,
tratase com os seos consignatarios Antonio Loiz
da Oliveira Azevedo & C, no seo escriptorio ra
da Cruz n. 1.
Para a Bahia
Pretende segoir com muita brevidade a velleira
sumaca nacional Hortencia, tem parte de sea car-
regamento prompto, para o resto qoe Iba falta tra-
ta-se com os seas consignatarios Antonio Loiz de
Oliveira Azevedo &C, no seu escriptorio, ra d
Cruz n. 1.
LEIL'OES.
De um lltetro sentado em um pequeo balcao
com gavetas, um repartimeoto com tres quartinbos, 8 cadeiras de paliaba, um
lampeo grande de folba com o distico botel Lu-
zitano, urna cama de vento velha, um banco j
carapina, dous pendentes com dnas arendellas c?.-
da um, um regalador, seis bicos de lastre de gaz,
duas eabeceiras de mesa de jantar, 4 cadeiras
amenenas usadas.
O agente Martins fara' lello dos objectos cima
a reqoerimento do desembargador Alezaodre Ber-
nardino dosReis a Silva e por mandado do Illra.
Sr. Dr. julz municipal da primeira vara, cujos ob-
ctos toram penhorados a JoJo Adriano de Mello
utra.
O CACADOS m
Novo e ftem sortido deposito
de gneros alimenticios
Di. 19 Roa da Imperatriz IV. 19
DE
Thomaz de Figneiredo.
Certo de que o respeitavel publico e especial-
mente seas amigos o bavia acolber bem, o Cacador
abri este novo estabelecimeoto onde sempre tem
oovos e escolhidos gneros, a vontade dos compra-
dores, por mdicos presos, e torna-se recomenda-
vel, especialmente para as senhoras mis de fami-
lias amantes da economa, porque alm de empre-
garerr. sens dinheiros no que bom e barato, po-
dem sem susto mandarem seos portadores, por
menores e mais inezperieotes qae sejam oa certeza
de nan serem tezados em pesos e medidas.
O Caqaior j conu numerosos freguezes tanto
da praea como do mato, e garante estar habilitado
a fornecer a grosso e a retalho, para o que recebe
encommeodas, garantindo nao abusar, e nao ven-
der gato por lebre.
O Calador n3o deiza sabir dinbeiro ama vez
qae nlo perca as mercadera?, para o qae o res-
peitavel publico deve esperimentar.
O Caqaior nao tem urna casa aparatosa, e ebeias
de caluugagem para chamar a attencao dos encan-
tos, limitoa-se apenas a destiogui-la das de mais,
com onome de Caqaior, que significa cagar gneros
bons e baratos, freguezia e diuheiro.
O Caqador contina a receber assucar, mal,
agurdente, la, madelra?, feijo, milbo, etc., etc.,
pagando logo a dioheiro, ou trocando por gneros
a vontade do remetente, foroecendo alm das mer-
caduras eiistentes em seu deposito, carne, ferra-
gens e fazeodas.
O Caqador pede que olbem com attencao para
esse aviso e derramem sobre elle seus vahmen-
tos.
a
O M
O S o 6 w
TS C fc. V>
SS .So
3 a
C3
I

"P
3
>
re
o
v:
i*s.i
i- a o
r.
o
o e
i-
S
>
O
<
3
es
sil-
1S
(a
a
I o
HOJE
O leilao ter logar ua loja do sobrado n. 39, da
roa da Imperatriz, as II horas do dia.
-> -
s
co
fia
a -re es
M 9
OT 3
.re
en
a S
o
ao g,
3 o
o o
es

a -3 ,2
D9 deposito da roa do Codorniz b. 14.
Sexta-feira 19 do correte.
O agente Pestaoa legalmente autorlsado fara'
leilao para pagamento dos credores da armacao,
gneros e mais utencllios existentes no deposito
da ra doCordoniz n. 14, do da cima menciona-
do e no mestuo deposito as 11 horas da manba.
LEILJLO
DE
(aya riada.)
A 17 do correte.
O agente Oliveira fara' leilao por conta e risco
de quera perteocer de cerca de 60 pegas de estopa
< larga avariada e damnificada pelo cupim.
HOJE
o m;o dia em ponto, do armazem trapiche da
companhia, largo do Corpo santo.
De urna fabrica de cigarros.
HOJE
O agente Pontual vender' em leilao por manda-
do do Ilim. Sr. Dr. jaiz de direito especial do com-
mercio, a fabrica de cigarros sita a roa Direita
a. 23.
O leilao sera' effeetoado no mesmo estabeleci-
mento as 11 horas do dia cima.
LEILAO
De vergas, masiarosj pao de bajarrona e de ca-
lado, pannos, ansian, cabos para troca, or-
reotes finas, poleame, taoqae de (erro, barme-
tro e mais perteoces de navio, sendo os paos de
pinho de viga de superior qtiaUdada e o panao
no melbor estado. <- 'f^i m
QuiQta-feira 18 do cfrente
no Forte do Mato, em frente ao armazem da Com-
panbia Pornambucaoa.
O agente Pinto fara' leilao por eonta e risco de
quera perteocer dos objectos cima meneonadoi.
Os qaaes podero desde ja' serem examinados, o
eilo devera' ter lagar as 10 horas do dia cima
ito em frente do armazem da companbla Per-
nambocana m Forte do Mato.
LEILAO
Se*ta*fwra 16 as 11 toras.
De orna mobilia de Jacaranda nova.
Dos sobrados de ns. 41 e 44 na roa Augusta.
Do sobrado n. 27 do largo 4o Terco oa ra das
Cineo Pomas.
Por conta e ordem de diversos vender' naqnel-
le dia na roa Mtreita t Rosarlo n. 45 armaaom,
os predios e mobilia otmo cima.
*a = ^ re S'g
tvl.g-r o s g
5^ -S S o a
3- S--3 g S S ,g a
n p > O. p o
re
o
t-
So
rffl
re o -Ir
O n
-3 S2
-re S re
B
re rf -.
t;
^ fe
C 3 m
qj ** -CC
II?
O)
re lm oj
3 o.
g re o
>
0 m
a a
S"S
.3-2S
a "
<0 m O
>Za
B
i
agre
= a s?
re w .3
1/3 .
o
re
.fe a
o8S
re g
o o
g> s
* .2 o
S.S-S
en q
P S 2 "3 re
60 3
o
3
O"
O
o
o
o
ao
CASA OA FORTUNA.
Aos 6:000$000.
lili he es garantidos
A RA DO CRESPO N. 23 E CASAS DO COSTUME
O abaizo assignado venden nos seus muito feli-
es bilbetes garantidos da lotera que se acabon
de extrahir a benetlcio das familias dos volunta-
rios da patria, os segaintes premios :
N. 2884 um meio cora a sorte de 2:600.
N. 2960 um meio com a sorte de 600.
N. 2636 um mel com a sorte de 300.
E outras muitas sortes de 1004), 40 e 205.
Os possuidores podem vir reeeber seus respec-
ivospremiossemos descontos das leis, na casa
da Fortuna a' roa do Crespo n. 23.
Acbam-se a venda os da 2a parte da 8' lotera
do tbeatro de.Santa Isabel, qae se extrahlra' ter-
ca (eir 23 do corrente.
Preeo.
Bilhetes.......... 6*000
Meios............ 3000 '
Qnartos.......... 1#500
Para as pessoas qae compraren de 100000
para cima.
Bilhetes.......... 55300
Meios............ 25750
Qaartos.......... 1*375
_______, Manoel Martins Finia.
LOTERA
6:000?0u0 E 20000000
Terca-feu-a 23 do eorrente mez no lu-
gar e horas do costme se extrabir a 2a
parte da 8a lotera a beneficio do theatro
de Santa Isabel (29.a)
As encommendas sero guardadas somon-
te at a noite da vespera da eitfacgao.
O thesooreiro,
atonto fea Rodrigues deSonza.
:FSSpS------------
Preena-se de ara forneiro qae seja perfeito aes-
te tervico : na na larga do Rosarlo n. 16.
Attencao.
o
Fugiodo eageobo otezano o escravo por nome
tote, com os sicnaes seguloles: cor de cabra, ida-
de de 20 anoo?, tem urna belide no olho, altara re- e caiea "godaVbraico, 'e
Fogio na noite de 9 do correte mez de jaiba
de bordo do patache nacional Arroio Grande, um
escravo crioulo por neme Amaro, natural da pro-
vincia do Rio Grande do Sal, idade de 19 a 20 an-
oes, estatura baiaa, cor fula, rosto romprido, bei-
cos grossos; falla mono de vagar, e tem oas costas
algons signaos de cicatrizas, levoo vestido camisola
N. 2 D -* N. 2 ft
9
COK4CAO DE OlllO.
A loja n. 2 D intitulada Coracao do Ouro na ra do Cabaga, acba-se d'ora em diante offerecen
do ao respeitavel publico com especialldade as pessoas que booram a moda os objectos do ultimo gos-'
to (a Pars) por menos 20 por cenio do que em ouira qualquer parte, garantiodo-se a qualidade e a so-
idez da obras.
O respeitavel publico avaliando o desejo que deve ter o proprietario de nm aovo estabelecimen-
to que qoer progresso em seo negocio deve chegar inmediatamente ao coracao de ouro a comprar
aneis com perfeitos brilbaotes, esmeraldas, rubins e parola ; verdadeiras em agarras, modernas pele
diminuto preco de 105, brincos modernos de ouro e coral para menina pelo preco de 35, maracas do;
prata com cabos de marSm e madreperola obra de moderno gosto (o qoe o encontrarlo no corarlo de
ouro) voltas de onro com a competente cruslnca rte*ente enfeitada pelo pequeo preco de 125, brin-'
eos de um trabalbo perfeito por um mdico preco, aassoleus, tranealns, pulceiras, alnetes para re
tratos e cairos modelos todo de alto gosto, aneis prop'rios para botar cabello e firma, dito para casa-
mento, no artito roseta tem o Coracao de Ouro nm completo e bem variado sortimeoto de diversos
gostos, bulSes para ponhos com diamante, rublos e esmeraMasyobr esta imprtame ja' pelo sea va-
lor ja' por gosto ds deseobo, brincos a forma da delicada maoslnba de moca com piogenta contendo es-
meraldas, rubins, brilbaotes, perolas, o gesto sublime, alflnete para grvala no mesmo gosto, relo-
gios para seohora cravados de pedras preciosas, ditos para hornero, diversas obras de brilbaotes de
mallo gosto, erosionas de rabies, esmeraldas, perolas e brilbaotes, antis com letras, cazoletas de
erystal e onro descoberta para retrato (a ioglea) brincos de franja, ditos a imperatrize toda e qual-
quer jola, para secolocar retratse obras de cabello, e oulros muitos objectos que os pretenden tes en-
contrado no Coracao de Ouro que se conserva com toda a amabilidade aos coocorrentes deizaodo-
se de aqu mencionar procos de certos objectos porque (desculpem a maneira detallar) dizeodo-se o
proco talvez algaem faca mo juizo da obra, por ter tao dimlnata -anatMia a vista do sea valor.
Na mesma loja compra-so, troca-se ouro, prata eyedras preciosas, e tambem recebe se coneer-
tos, por menos do que em outra qualquer parte, e do-se obras a-amostra com penbor, conservaodo-st
o Coracao de Onro aberto at as 8 horas da noile.
Qualquer pessoa que so dirigir ad Coracao de Ouro nao se po*wa'engaar com 3 casa, pois
nota se na sua frente nm coracao pendurado piolado de amarello, alem de ootro qae se nota em nm
rotlo (Isto se adverte em conseqoeocia de terem ja' alguroas pessoas engaado com ootra casa.
guiar, os ps apalhetado?, ntitola-se por forro e
desconfiase ter viado para essa praga para asse-
tar praga oa ter ido para o sol de Agua Preta : pe-
de-se as autoridades e capites de campo se pega-
rem levar ao mesmo engenho oa a roa da Cruz n
IB, 3* andar.
CAES DO RAMOS
branco : quem o appreheuder
do dito patacho, oa oa roa do
bem recompensado.
om booet de bros
e entregar a bordo
Trapiche n. 4, ser
Joaquim Jos Gon^alres
Beltrao
RLA DO TRAPICHE R. 17 Io ANDAR)
(.Sacia por todos os paquetes sobre o Banco
o Mioho em Braga, e sobre os guintei oga-
em Portogal. *
Novo e grande deposito de superior earv&o de Cardiffna
Bat)ia.
Antonio Gomes dos Santos & C, roa Saeta Barbara n. i, esto habilitados a supprir de
oarvao em condicSes mais favoraveis que em ouft j qaalquer deposito, a.todos os navios a vapor que
ccfero.naoaelJe porto. A contratar nesta com Domingos Alve* Matheus.,
ATTENgiO-
Exposico de Felicio Jos de Qneirtr,
natural do Gear.
Fllelo Jos de Qaeiroz, natural da provincia do
Ceara', do logar da Catioga do Goe?, aleijado por
raridadede nasceagaa, sendo esta somenteja exis-
tencia do meio corpo da entura para cima, teado
a Miureza o privado de vestes do corno, com 24
annos de idade, a robusto ; acba-se em exposlcao
em nm dos saldes do eaes do Ramos para quem o
quizer ver, mediante a dimn t exprtala de 500
rs. para todos em geral. O mesmo sobe e desee
em qaalqaer escada qae se Ibe apretarte, bem
como acompaoba qaalqaer fiomem em carreira,
assim como monta a eavailo sera anzilio algara a'
panida do cavallo, esomenle aos domingos.
' Preelsa-se alogar urna ama deleite : a Ira"
tar na roa do Hospicio o. 68
Precisa-se alagar orna e?crava para vender
ra : a tratar na roa do Hospicio n. 68.
m: 3 .4Ra do CabiigaX. S A
Agostinho Jos dos Santos # C.
Acaba de chegar a este estabelecimento um esplendido sortimeoto de
joias do ultimo gosto, perfeicao artstica e modellos enteiramente no?os; como
seguem: aderecos com rubim, esmeraldas e perolas fiaas, pulceiras, broches
para retrato, aunis, botoes de punho, brincos e cassolel^s com letras, etc.,
etc., etc. Salvas de prata do Porlo, faqueiros, palrtetros, calix de mesa e
fructeiras, cujos presos s5o incompetiveis, pois que os propriclarios desta casa,
recebendo seus artigos directamente da Europa, podem servir vantajosamente
aos'seus freguezes. Compram-se brilhantes, pedras finas, ouro e prata, paga-
se bem, tambem se incumbem de fazer conceptos.

500000
Anseoton-se do sitio Coringa em trras do eo-
genbo Joadi freguezia da Escada o mulatiobo
escravo dejme Fejiz, idada 12 annos pouco m ais
oo meaos, cor clara, grosso do corpo, cabello de
fogo aonellado e leoa cbipo de palba de ca r-
nauba, camisa e caiga da atulo, cajo desappare-
cimento teve lugar era o i* da margo prximo
passado: qaem o pegar sera' gratificado n> enge-
nho J jodia no sobredito sitio a entregar a sua se-
nbora Clementina Pessoa de Oliveira oa no Reclfe
a ra da Praia n. 43, estabelecimento de mo Iba-
dos de Genuino Jos da Rosa.
5
atoer:
Lisboa.
Porto.
Valeoga.
Gui otara.
Coirabra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde.
Arcos de Val de Vez.
Vianoa do Castollo.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famelico.
Lamego.
Lagos.
Covilbaa.
Va9al (Valpassos.)
Mirandella.
Beja.
Barcellos.- .


Fugio oo 6tbbado 6 do correnta da casa o.
da roa da Mangueira um zexo cantador e manso*
qa&m o pegou qaerenlo-e restituir leve o a mes-
ma casa que alm da se dar o valor dalle se ficar
bastante agradecido.
Muila atteuco
Pede-se a dous individuos de'ruas do Queima-
do e Crespo que nao deizem os seus afazeres aoe
tem para virera namorar fazendo de ans seas col-
legas da ra da Cruz catangas de palba, do coo-
trario passarao pela decepgao de verem os seus
nomes por ezteogo.
Um inimigo dos tolos.
Preclsa-se alogar urna ama forra ou escrav8
para casa de pouca familia, para comprar e cozi-
char: a tratar na ra do Rangel o. 10, segando
andar.
Precisa-se de um prelo para carregar
calza com miudezas : na ra Nova n. 28.
um

PARA UZO INTERNO




PHOTOGRAPHIA
TI'JLELIiA
nA DO CABl'GA N. 18, ENTRADA PELO
PATEO DA MATRIZ. .
O nosso estabelecimento photogrsphico
est sempre em dia com todos os melbora-
mentos e progresos que na America du
Norte, ou na Europa se consegue na arte
photographica, e para alcaagarmos tal fim
nunca poupamos despezas nem sacrificios,
de sorte que os nossos numerosos freguezes
podem ter a certeza de que sempre encon-
trarao em nosso estabelecimento ludo quan-
ro a arte e a moda offerecer de bom, no
novo e reino mundo aos amantes da pho-
tographia.
NOVIDADE PHOTOGRAPHICA.
Acabamos de receber todo o necessario
para fazer retratos chamados carte-album.
Este genero de retratos ltimamente in-
ventado na'- America do Norte, rpidamente
se propagou na Inglaterra o Franca aonde
goza actualmente de todo o favor da moda.
A carte-album se faz por duzias como os
antigos cartdes de visita.
Na Inglaterra trocaram o nome de carte-
album pelo de retrato-galeria e os ingleses
usam eficaixilhar estes retratos em quadros
especiaes para com elles formar galeras,
com que ornam seus gabinete's. Recebe-
Samuel Power Joiinston i GeapaiMa
Ruada Senzala Nova n. 42.
AGENCIA DA
FacdlfSo dcLow Moer.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavaHoe.
Moendas e meias moendas para engenho.
Taixas de ferro coade e batido para enge-
nho.
Vrreios d<; carro para nm e done oa?tlloe.
^elogios de onro patente inglex.*
\rados americanos.
Ylachinaspara descarocar algodio.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
Companhia fidelidade de seguros
martimos e terrestres
estabelecida no Rio de Janeiro;
ACKTES KM PERNAMBCO i
Antonio Lniz de Oliveira Azevedo k C,
competentemente autorlsados pela direc-
tora da companbla de seguros Fidelida-
de ,tomam seguros de navios, mercado-
rias e predios no seu escriptorio ra da
Cruz o. 1.
s
Aos Srs. fogueteiros
Na boliea da roa larga do Rosario n. 34
Vende-se
Salitre reOnado de 1> qualidade.
Enxofre em cylindro idem.
Limalha de ferro (muito nova.)
dem de ac idem.
dem de ponta d'agnlha idem.
Precisa-se fallar com
Dias Vuela no armazem da
raizo n. 14.
o Sr. Joao Valeotim
estrella, largo do Px-
Precisa-se de urna mulher capaz para fazer
ocmpaDhia a urna senbora : a tratar oa ra Direi-
ta o. 73, loja.
PREPARADOS SIMPLES,
Xarope de jurubeba garrafa......... i<$ooo
Vinhode 1<>6oo
Plalas de vidro......... l(6oo
Tintura de 64
Extracto hydralcoolico de jurubeba 12#ooo
PREPARADOS COMPOSTOS.
Vinho d jurubeba ferruginoso garrafa. 20ooo
Xarope -tfoo
Pilulas a vidro... 2#ooo
Oleo de jurubeba vdros.... 64o
Pomada de pote...... 6io
Emplastro libra..... 2#5oo
PARA UZO EXTERNO
A JURUBEBA*
Esta plantaje hoje reconhecida como o mais poderoso tnico, como um excesj
lente desobstruente, e como tal applicada nos engorgitamentos do gado e baco, na-
bepatites propriamente ditas, ou ainda complicadas com anazarchas, as inflammacoes
subsequentes as febres intermitentes ou durezas, nos abeessos internos, nos tumores es-
pecialmente do tero e abdomen, nos tumores glanduosos, na anazarcha, as bydrope-
zias, erysipellas; e associada as preparaces ferruginosas, ainda de grande vantagem
as anemias, chloroses, faltas de menstroacao, leucorrheias, desarranjos atnicos do esto-
mago, debilidade orgnicas, e pobreza de sangue, etc.
O que dizemos afflrmam os mais;distinctos mdicos desta cidade, entre os quaes
podemos citar os lllms. Srs, Drs. Silva Ramos, Aquino Fonseca, Sarment, Seve,Pe-
reirajdo Carmo, Firmo Xavier, Silva etc. Todos fes nconhecem a excellencia d'este po-
deroso medicamento sobre os demais at non ronhecidos para todos os casos citados,
tanto que todos os dias fazem d'elle applicacSr.
Apresentando aos mdicos e ao publico em geral diversos preparados da juru-
beba, tivemos por fim generalsar mais o oso d'este vegetal, fazendo desapparecer a
repugriancia que at hoje sentiam os doentes de usar dos preparados empricos d'elle, o
mais das vezes repugnantes a tragarem-se, e- que iinham ainda a desvantagem de n5o
ser calculada a-dose convenienje a applicar-se, o que torna muitas vezes improficno um
medicamento, que podena produzir ptimos resultados.
Os nossos prepados s foram apresentodos depois de havermos convenientemente
estudado a jurubeba, fazendo as experiencias precisas para bem conhecer as propriedades
medicamentosas d'esta planta em suas raizes, folhas fructas ou bagas, e a dose convenien*
ea applicacao, tendoalm d'isto procurado levar es nossos preparados ao maior grao de
tperfeicSo possivel, para o qoe n5o poupamos esforcos, nao nos importando o pouco lu-
crojque possames tirar.
Por tanto os que se dignarem recorrer aos nossorpreparados podem ter a certeza
de que elles offerecem a garanta, de que se pode encontrar a prompta e infalhvel cura pSto7prrih7desfa7cIrem"os"defeitos, e
Cesario Aureliano Ventura e sua senbora falta -
riam ao mais sagrado dever de gratido se dei-
xassem de vir pela imprensa dar um testemnnho
de seu reconbecimento aos seus araigjs qua acoro
panbaram no dia 14 do corrente, a sua ultima mo-
rada os restos mortaes de seo tio Manoel Martins
de Moraes, com esoecialidade ao seu amigo o Sr.
Dr. Francisco da Paula Soares pela ofB:iosidade e"
desioteresse com que sa raostrou no tratamunto
daquelle finado, ao Rvd. Sr. padre Bento digno
capellao daconfraria de Sanhor Bom Jess daVia-
Sacra, e ao actual tbesonreiro da nusma Candido
da Costa Dourado, recebara pois estes senhores a
nos sa conflsso certos de que ella sincera.
Jos Paulo do Reg Brrelo, manda no dia 1-
do crente mez pelas 6 1|2 horas do da, cele-
brar missa na igreja do convento do Cirmo do
Recife e as 9 horas do mesmo da na matriz
do Cabo, pelo descanso eterno do seu mui presa-
do fllno o alferes do balalbao 21 de voluntarios da
patria Sal vino Jos Fintaoo do Reg, morto era
combate nos campos do Paraguay, por ser aquella
dia aoniversario de sua morte.
annos, pouco mais oo menos, cujos slgoaes sao :
baixo, corpo ebeio, barbado, prosista, quer se in-
culcar de forro, e ba desconfianza .qae queira se
aprsentar como voluntario da patria, e talvez que
oa provincia da Parabyba, para onde j fez urna
fgida quaudo perteoceu a ootro senhor Jos Alves
Bezerra, senhor do engenho Escavadinho, sito na
comarca de Nazereth : rogase, portaoto, as auto-
ridades policiaes ou qaalquer capito de ampoa
apprebenso do mesmo, pagando-se generosamente
a qoem o aprsentar a seo seohor, o abaizo assig-
nado, em seu eogaobo Gatinbinba, sito na comarca
e freguezia de Iguarass, ou nesta praca a Rocha
Lima & Gulmaraes.
Lalz de Andrade de Albuquerque Maranho
Desappareceudo engenho (iatimbinna, no e
mos urna certa quantidade de taes quadros, 18 do corrente, o escravo Luiz, moiato, dada 22
os quaes cederemos por barato preco aos
nossos freguezes.
As pessoas que quizerem ver specimens
dos reiratos chamados carte-album, j fei-
tos em nossa officina sao convidados a visi-
tar o nosso estabelecimento.
CARTES DE VISITA A 9(J000 A DCZIA.
Em consequencia do novo genero de re-
tratos chamados carte-album, diminuimos
o preco dos antigos cartdes de visita, os
quaes de hoje em diante ficam reduzidos
ao preco de
9 OOO
pela primeira duzia, sem que por causa
desta, dijjtinuicao de preco, deixemos de es-
merar-nes no nosso trabalbo, como sempre
foi nosso costume. Alm disto, continua-
mos a dar os cartdes de visita em cartdes
de luxo, Rristol, ou porcelana, dourados ou
Iithographados para o que temos urna varie-
dade de 12 modelos, a escolha de quem se
retratar.
t^ VA GOMO PREVENCO.
Apezar do nosso trabalho ser muito co-
nbecido nesta cidade, aonde trabalbamos a
12 annos, com-tndo jalgamos de nosso de-
ver dizer hoje o seguinte :
Nos retratos feitos em nosso estabeleci-
mento emprega-se toda a cautela para of-
ferecer-se a par da belleza do trabalho, as
melhores condices de daracSo. Doura-
mos e fixamos os nossos retratos sem olhar-
mos a economas, e ltimamente para Ibes
podermos dar orna lavagem mais ampia
JARDIiH DAS DAMAS
i*
de qualque dos soffrimeotos, que deixamols innumerados, se forem em tempo appliados
Precia-se de am preto para iodo torvico
na roa da Saudade n. 13.
y- O Dr. Manuel do Reg Barros Staia Leo.
nao tendo podido dtspedlr-se de todos es seos pa-
rentoa e amigos om conteqoeneia da brevidade
de su viagem para-Earopa, o fu por meto dest*
oftroee-Jbes o tea diminuto prettlmo nm Paria
oo em qoilqnK parto onde se achar.
tendo alem disso, medico ou doente a vantagem de escolher as nossas variadas prepa- elles urna wpoja molhada em agua, ou a
racoes, aquella que melhor lhe pode convir, j pela fcil applicacSo, e j pela complicac5o 4eixa-los mergulhados por espaco de horas
das molestias, idade, sexo, ou ainda nalureza de cada individuo. em jg^ ou em espirito de vinho: se apre-
As nossas preparaces ferruginosa* 's5o feitas de forma que se tornam completa- sentarem alterac5o sero recebidos por nos
mente soluveis nos suecos gstricos, porque procuramos os compostos de ferro que como e pagos pelo duplo de que tiverem cus-
taes estSo hoje reconhecidos. tadoT
Para aquellos que mais minuciosamente queiram conhecer as propriedades da; Continuamos a fazer retratos por todos os
jurubeba, e saberem a applicagao de nessos preparados, destribuimos gratuitamente svstemas photographicos at hoje conheci-
em nosso deposito um folheto, onde tratamos mais extensamente d'esta planta e dos mes- dos em photographia. O nosso sortimeoto
o preparados,
feositd geral te todos os praparadts
Botica e drogara
34Ra larga do Roarlo34
NOVA
Loja de fazendas
36 Roa da Imperatriz 36
_ m DE
***Guimares Silva
Os propietarios desta'.bello estabelecimento
partecipara ao respeitavel publico, e a seus dig-
nissimos fregaezes qae eacontrario no elegante
jardim das damas fazeodas todas novas modernas
de diversas qualidades e ricos desenbos, todo o
e segura, contratamos com a companhiade J09 ba de b0D1 e barato a satisfaco de todos os
nQKt;h ~ ZZ,aZ. n* njumnm IIregaezes, que nos qaelram honrar com sua pre-
Bebinbe nma penna dagua. Os nossos ^ a ^. ^ rt0f Ilgodao. vas-
cartoes de de visita S50 verdadeiras pUOtO- qaioas, eotremeios, babadlohos, camisas francezas
craphias, que Dio preciso de retoques do ,de lioho e aigodo, seroolas da lioho, camisas fla-
nella de cor, tudo de diversas qaalidades e gostos;
assim como am complato, sortlmento da roapas
feitas, tanto franeezas como da Ierra e por medida,
todo eom brevidade e perteigo, com o proposito
de agradar a todos, tanto em agrados dos jardinei-
ros como a melhor Ma f possivel na classiQcaco
de nossas fazeodas, por isso partecipamos a todos
em geral dirigr-sa ao elegante jardim das Damas,
verlflear-se da verdad e.
Precisa-se alocar ama ama qae saiba coziabar
o fazer o mais servico de casa de pequea familia :
na rut das Crozas em Santo Antonio n. 41, segan-
do andar.
.-i. i
Atiendo
Precisa-se de ama ana para o trrico interno
de urna casa de poaca familia : a tratar na ron da
Roda n. S.
convidamos a qoem quizer a passar sobre
de caixnhas, quadros, passe-par-tauts, e
joias de ouro para a coIlooacSo'de retratos
o mais completo, variado e abundante que
1 oxiste nesta cidade.

I
*mmm


um

larlo de rernambneo ~ savia telra 19 de Julho de 1867.
i
GB4NDEFAP0SICV0DE1867
WMM
LHJ0MP4GXIE LYOSXA SE
137,'BOULEVARD DES CAPUCINES, 37.
DE FRONTE DO GRANDE HOTEL.
Estofas de seda, manteletes, visitas,
mants, etc., cassas intaressas. rendas,
chales da india e fraacezes. tec dos do
gostoimais novo, enxovaes para ca-
sanentos.
A Compagnie Lyonoaise tem a honra de
informar as senboras brasileiras e portu-
guezas qne acharao no seu estabelecimento
sales de costura para a confeccao ios seus
vestidos executados no melbor gosto, e so-
bre os mais elegantes padrBes._______
"^"Precisa-se logar ama casa com commodos
para familia : qaem liver annancle oa dirija-se a
roa Bella n. 25.
Qaem precizar de am caiteiro, cora pratica
de molhados em grosso e a retalbo, padaria e fa-
brica de charutos, apparega na raa de Hortas n.
39, taberna.____________< ________
Ama.
Precisase de ama ama para engommar: oa ra
do Trapiche n. 36. segando apdar.
Precisa-se de urna ama para cozmbar para
casa de poaca familia: largo da R|beira n. 7,
venda.
~ Offerece-se ama criada Portagoeza, para o
servico de ama casa de familia menos de cos-
nba : a tratar na roa de S. Francisco n. 70.
CHEGAMM
A loja das Collumnas
Lindos manguitos ora gollinbas. iw
Grande variedade de goliDbas com punhos, de cambraia.
De bretanfaa e de esguia'o.
Gravaliobas de cambraia de.muito gosto gara senhora.
Ricos peplum de grosdenaple prelo eofeitado, o que tem vmdo de melhor gesto a
> advogado Amaro Joaquim FooYeca
Ubuquerque tem sea escriptoriosa' roa
Cruies n. 35,1* andar ; reside a* iraves-
sa do Veras n. 15. Encarrega-se. de
qoestoes em todas as comarcas na exten-
lo 4a linba frrea.
Pernambnco.
i ra do Crespo n. 13 de Antonio Correia de Vasconceltes de C.
-------------
B
3*
OQ
3
a
G.
a.
Precisase de ama ama de leite :
raa da Moeda n. 33.
trata-se na
o
B
o.
5
r
o
Em resposta ao aunando dps Srs. Francisco
Goncalres Servino e Joaqoim Francisco de Albn-
qaerque Santiago, publicado no Diario de sabbado
13 do correte procurando tornar dovidosa ante a
opmiao publica a lisura com qoe compre a finada
D. Maria Manocla da InCarnaco, cunnada e ta dos
annonojantes a casa terrea do pateo da Paz qoe faz
esquina para a raa de S. Miguel da povoaco dos
Afogados, duende elles que a comprei com algum
sigilo a pessoa incompetente e por diminuto creco;
declaro em primelro logar, que a comprei por es-
criptura publica lanzada as notas do isbelliao Por-
to Carreiro, assignada a rogo da vendedora sea so-
brinbo Felippe de Santiago Cavalcante de Albu-
querque Irmodo 2* annanciante e como testemu-
abas presentes Antonio Correia Cabra! e o major
llanoel Cavalcante de Mello ; em segundo lugar,
qoe a vendedora e acbava em mansa e pacifica
posse da dita casa, bavia 40 para 50 annos por ti-
tulo de dte que Ibe Bzera sea pal Lino Gomes de
Sonza ; em terceiro lugar Analmente que a com-
prei por 1:200*000 que era o maior prego que po-
da valer no estado em que se acbava : o qoe tudo
provarei e o mais qoe for necessario em Juizo com-
petente, onde aguardo os annaaciantes e entao se
reconbecera' de que lado esta' a ma' f.Jos de
Sonza Nones Braga. ______
.<
C.4SA
de commissao de escravos,
Na casa de commisso de escravos roa do Im-
perador o. 45,3* andar, recebem-se e.-cravos pa-
ra serem vendidos tanto da praca como do mato,
e os senbores de engenbo qae por qualqner moti-
vo qoeiram desfazer-se de algnm nao tem mais do
que remette-lo ao abano assignado que garante o
bom tratamento e prompta venda, nao se poopan-
do ezforcos afim de em todo satisfazer as pessoas
qoe o qaizerem honrar com i sua conUaoca. Nes-
a casa ha sempre para vender escravos de ambos
os sexos.
Antonio Jos Vieira de Sonza.
AVISO
Precisa-se de um escravo de meia idade, de boa
conducta e habilitado para todo o servico de nma
casa de poaca familia, assim como de orna escra-
va qae cosinbe e engomme bem, ensabe e faga
lodo o mais servico proprio de nma criada : qaem
tiver e qaizer alagar dirjase a' roa da Auroran.
70, 2* andar.
a
o
en
O
m
"i
2.
* 8.
v oa
O.
p
en ce
%
en O
0 a
1 W
g -s
*
en en
-i i
, -.
i. B
ea a
a

1.1
s
O.
O.
CD
5
o.
C6
O
O
3
p.
ce

o.
es'
a
o.
CB
B
o.
93
CB
5
i"
o
s
09
&
B
8*
CU
CB
o
s
2.

fula publica do seio femiaino. na po-
voaco da Casa-Forte.
A professora publica de Instruccio primaria da
povoago da Casa-Forie, faz publico que, no da lo
do correte mez, abre a respectiva matricula na
casa de sua residencia na mesma pvoacao.______
Attencao. .
N. 2 i-Roa do LivrameiU-N. 25
Deposito de (amanese calcado naclonaes da fa-
brica da roa do Jardlm n. 10, de Jos Vicente Go-
dinbo, tanto no deposito como na fabrica se
apromptam todas as porgoes de calcado o mate ba-
rato possivel, esta fabrica tem todas as nacbioas
proprias para os cacados ja' bem acreditados pelo
grande numero de freguezes que daqol se for-
necem.__________'______________________^
O Sr. Jos Marqnes da Costa. Soares,
(oegociante no Recife) qaeira vir esta typo-
grapbia negocio.
DE
CAROSA
PREPARADA! FRI
POR
AUOUSTE CAOBS ^
Pharmacentico pela escola de Pars e successor nesta cidade
DI
Aristide Saisset e J. Soum
22.-Ra da Cruz-----22.
SEGUROS
MARTIMOS
B
Tratamento puramente vegetal sem mercurio, iodo, ouro. nem outro qualquo
mineral. n *
Verdadeiro pnrificador do sangae sem azoagae.
Especial para a cura de todas as molestias que tem sua origem na impureza do
sangue, como sejam as molestias boubaticas, syphiliticas, escrophlosas, darthrosas, quer
venham ellas por hereditariedade, quer sejam adqueridas pelo contacto com pessoas in-
feccionadas dos diversos Tiros que contaminam o sangue e os humores.
A caroba um remedio prodigioso, [usado desde remotas eras pelos indios
do Brasil, e passando seu uso de gerac5o em geraco, hoje um dos remedios mais co-
nhecidoscomo proprio para combater as molestias mais hediondas, entrando nesse nume-
ro a morpha ou elephantiases, para cujo curativo os nossos sertanejos consideram a
caroba como remedio especifico.
A moito tempo entrou a caroba nos formularios como preparacSo magistral
sob a forma de eleictuario, ainda hoje lembrado as pharmacopas com o nome de seu
Celebre aUtOr JOaO AiVP.S CsniPrn n3n olla nnrlanln ronuutin nnnn nm ^nonnnhopidn
Dr. Antonio Dnarte
Na praca da Boa-Vista n. 21 onde
pode ser procurado a qualquer
hora.
Especlalldade
Doencas do peito, e de meninos.
D consultas das 7 s 10 horas da
manhaa.
RA DAS CINCO PONTAS N. 86
AO GRANDE ARMAZEM
DAS
DAS AMERIC4S.
Sempre barato
Hantelga
InglezaflOr a i&, a libra e a Soo rs. soffrivel e propriapara tempero a 32 rs
CONTRA FOGO.
A companhia Indemoisadora, estableci-
da nesta praca, toma seguros martimos so-
bre nvio's e seus carregamentos, e contra
fogo em edificios, mercaduras e mobilii:
oa rna do Vigario n. 4, pavimento terreo
l^ceienre autor Joao Alves Carneiro: n5o ella portanto remedio novo nem desconhecido.
nnonlfAitiy? UD^u?nto de c31"003 da mesma sorte preconisado desde tempos knmemo-
5&lU0JJ0IttOUIlbUiLUIl 8 [.raos como o mais apropriado para o curativo dasboubas e ulceras syphiliticas srdidas,
Medien fiiruraicn \ i en5Pre8atl0 com proveito depols de improficua applicac5o de muitos oulros agentes
j LLianjiiu g| therapeuticos enrgicos e de uso quotidiaDO.
Muitos dos nossos mdicos de considerac5o e entre elles o muito distincto pratico
e observador o Sr. Dr. Pedro d'Athayde Lobo Moscoso, tem confirmado por meio de ex-
periencias repetidas, o que diz a fama das benficas propriedades da caroba no trata-
ment das boubas, das diversas formas sob que a syphilis se apresenta a muito especial-
! mente as que teem sua sede na pelle, e poderiamos relatar alguns casos de data moito
moderna obsarvados pelo mesmo Sr. Dr. Moscozo em que a caroba pwduzio admir-aveis
efleitos, depois de inuteis e prolongadas applicacoes de salsaparrilha, mecurio, iodo, ou-
ro e seus preparados, etc., etc.
N5o era possivel que urna planta 15o notavel por suas inappreciaves virtudes es-
capasse a perspicacia e investigares dos mais abalisados praticos europeos, que se ap-
plicam com especialldade ao estudo e tratamento das molestias syphiliticas e herpetfcas
e para prova ahi sjao os Srs. Drs. Casenave, Schurfer, Ricord e ontros dando as mais
letras informales sobre as propriedades curativas da caroba e preconisando-i com
remedio poderosissimo para o tratamento das erupoes cutneas, seccas ou suppurativas,
dartbros de todas a qualidade, eczemas, nlceras de diverras naturezas, tumores, osseos
e outrasmuitas molestias de natureza sypmlitica ou boubatica.
Por ter-se generalisado muito o uso da essencla da caroba qae eu pre-
paro e pelas instancias de varios mdicos que desejam continuar em sms observacSes,
deliberei-me a ter prompta urna quantdade da mesma ssencia, obtida Sem a acc5o do
ogo, para n3o prejudicar as propriedades medicamentosas; e d'ora em oante encon-
trar-se-ha na minha pbarmacia sempre e em por?o suficiente para todos o^pedidos a
ESSENGIA CONCENTRADA De CAROBA, e o ungento da mesma plenta para que nun-
ca fallera aos Srs. mdicos que quizerem esperimentar t5o precioso agente medicinal.
Recife de Parnambuco, 17 de outubro de 1866..
AGste Caobs.
dem franceza a 56o rs. a libra.
Cha
C4SA DE BANHO
26 Pateo do Carmo 26.
Neste estabelecimento 15o im-
portante para a saude e asseio
do corpo, acbam-se montados 20
banheiros, que sao servidos com
a ordem e asseio que para de-
sejar-se. Quatro destes banhei-
ros s5o especialmente reserva
des para senboras e por isto
acham-se collocados em lugar re-
servado, aonde s tem entrada
as pessoas de urna mesma fami-
lia.
tPRECOS DE BANHOSAVLSOS.,
1 banho fro, momo ou de
chovisco. 5oo
1 dito de choque. iStoqp
1 dito de farello. IPooo
1 dito aromatisado. l^ooo
PREgOS POR AaSIGNATURA.
30 banbos por mez trio,
mor no ou de chovisco. lo#ooo
25 banbos com cartoes
para os mesmos. lo#ooo
12 ditos ditos ditos. 5ooo
12 ditos ditos de choque, i oooo
12 ditos ditos de farel-
lo.......lo/looo
O estabelecimento estar abor-
to nos dias otis das 6 horas da
manhaa as 10 da noute, nos dias
santificados das 5 as 5 horas da
tarde.
o principio da ra do Apollo casa n. 7, loja
debaixo de om sobrade, cozinba-se para fra com
toda limpeza e actividade : qaem qoizer contratar
appareca a qualquer hora que senara' com qaem
tratar
Vinho tnico e nutritivo
QUINA E CACAO.
N
Esta nova combinacao reone em urna bebida as-
sis agradavel e conveniente a todos os organis-
mos, a qoina qoe om medicamento tnico por
excellencia, e o cacao qae contem principios nu-
tritivos assis reconbecidos.
Elle se emprega com o maior snecesso ta cara
das paludas cores, soffrimentos do estomago, per-
da de appetite, digestdes dificultosas, menstrua-
coes difflceis etc., etc.
Deposite especial
NA
Pharmacia e drogara ;de Bartholomeu & G.
34--Ina larga t |asari~34
AL16AM-SE
Ooas casas terreas ns. 3! e 34 sitas na Capunga,
roa to Ventara, junto ao porto denominado do Las-
ser, caiadas e pintadas de aovo, e com commodos
pan familia, tendo cacimba, senzala, estribarla,
aleo de om grande quintal morado; qaem preten-
der dirija-se a roa do Trapiche n. 3,1* andar, qoe
achara' com qooaa n-aar.
Preelaa-ae ""
Tender: na roa
andar.
De primeira qualidade a 2)98oo e proprio para negocio I1600 a libra.
Blscoltos
iDglezes pearl, nic-nac, oval, cracnel, e outros superiores a Uioo a lata.
Figos Jr
A 24o reis a libra. *
Sommas .- .,
De milho branco a 4oo reis a libra, de araruta verdadera propria para alimen-
tar criangas a 5oo reis a libra e caxinhas com 4 libras por menos, gomma do MaranhSo
a 16o rs. e tapioca sag a 24o a libra.
/ Chocolate
Superior a 1$, a libra.
Doces
De goiaba em latas a l-Soo em caixa de 4 libra%nioilo fino a ltfgoo, em caixSes
de 2 libras a 5oo e 32o. L
Peixe
Em latas a liJooo reis a libra, sortido^em qualidades.
Ostras
America a 8oo rs. a lata.
Baldes e Tasaonras
Americanas a 8oo reis cada peca.
Touclnho
De Lisboa a 320 reis a libra.
Tomates
Em latas a 6oo rs.
sal
Refinado em lindos postes por 5o rs.
Rlrshs de Wasser
A 24ooo a garafa.
vermooth e Absantho
AUSoo afarrafa.
Bltter
A l)5ooo agarrafa.
De bordeaux snperior, Saint Estephe, Saint Julien, Saint
e64ors. a garrafa.
vinho
Do Pwto fino a 14)jfooo a duzia e 105oo a garrafa e magnifico tamhem a em bar-
ril a 8oo a garrafa.
imc|iic do Porto
Adamado ou tras marcas a Ooors.a garrafa e lo^ a duzia.
vinho da Flgnelra
O que ha de malhor a 4)J, a caada de Lisboa a 35 e 44 a garrafa.
vinagre
De Lisboa a 2oo e 28o rs. a garrafa.
rarellode Lisboa
Saceos com 9o libras a 4$5o.
CerTeja
Franceza em gigos de urna duzia a 6#.
lngleza
Bass verdadera a......T. e Victoria e Alssop a 5oo res a garrafa.
Criado
Precisa-se de om forro ou escravo para
servico de orna casa : a tratar na roa do
p. 16, loja das 7 as 11 e 3 as 6 da tarde.
todo o
Crespo
Emilio a 7ooo a duzia
!!if!
1
B

SaT-alS-B
B = *
Si" "BS
2
a

n
&
a
at-
oe
3
s.
ajotar om moleqae oa negra para
Aguas-verdes n. 40, segando
Trocamse
as sotas do banco do Brasil odas calas aliaos,
oa descont mallo rasoavel, na praca da Indo-
endnela n. 21
Roga-se ao Sr. Demetrio Jos Teixeir, esta-
dante do 3' anno, de vir on mandar na taberna da
roa do Secego n. 86, negocio qae n o ignora, des-
de o anno de 1800.
O professor do piano Claudio Idebnrqne Car-
neiro Leal, mndnn-se da roa das Croxes n. 30,3*
nadar, para a roa da Camboa do Carmo n. Si,
primelro andar.
Ensino de msica
tm ci
mm
7o, 2 andar, na de Imperador i.
75, 2o andar.
Lecciona-se per solfejo e a tocar va-
rios instrumentos; dando-se as li-
cos das 5 horas da tarde as 10 da
noite em casas oa em suas residen
cas.

Ama
Precisa-se de ama ama livre oa eserava para o
servido interno e externo de ama casa de daas
pessoas : na roa das Crnios n. 88.
Ao Illm. Sr. subdelegado da regaexla de S-
Antonio pede-so a V. S. qoe lance soas vistas so-
bre orna senbora qne castiga orna crianca de 7
para 8 annos, sendo estes castigos rigorosos que a
dita crianca nao es pode seflrer, coja senbora
moradora no Becco da Bomba, pode se a V.S. aleo
disto as snas vistas para qne nao eaoommode a vt-
sinaanca._____________\, ^_________^ .
Deseja.se alngar am moleqae de 1S tnnoo,
eaja conducta seja afianeada : na fondieio do Bro-
man, rna do Brum n. 3f.
Preohaie alagar orna ama eserava oa livre,
que compre, cotinne, e engomme pin casa de pon
ca familia : roa de Hortas o. 1.
Aiuga-se urna eserava moca bastaste saoia,
a qual sabe fazer todo servico de urna casa :
quem precisar dirija se no Corredor do Bispo casa
sem numero defronte da do n. 12..
O multo conbecido macbinista do gaz Oliveira,
avisa a todos os sens freguezes que deve ser pro-
carado na ra das Trincbeiras n. 48, nem s para
concert e limpeza como para collccagao nova, e
se encarrega nao s de dar os encanamentos e co-
mo apparatos sem dar nenbam incommodo aos
consumidores, mas sempre de aecrdo com a em-
preta a gaz. ^____^__
- Precisa se de om criado para tratar de um
cavallo e ama vacca: no sitio da Passagem passan-
do a ponte grande n. 8.
Atten$to.
Elias Baptista da Silva declara que Joaquim de
Souia Pinto, deixou de ser seu caixeiro desde esia
dan. Recife iff de jolbo do 1867. ________
Attencao.
o
Constando ao abaixo assignado subdito porta-
gnez qne o Sr. Jos Veloze Soares & Filbo, admi-
nistradores e locatarios do trs piche denominado
Companhia, tem propalado que o mesmo abaixo
assignado nunca foi seu caixeiro e sim um sim-
ples capataz, vem declarar quem interessar pos-
sa que foi caixeiro dos mesmos senbores mais de
9 annos e que deixou de o ser desde 14 de maio
do corrente anno. Recife 15 de jolbo de 1867.
Bernardino Francisco Junqueira.
Cozinheiro
Aloga-se um preto que cozinha perfeitamente :
na roa larga do Rosario n. 34, andar.
Rival sem segundo.
Roa do Que lina no n. A9.
Quer acabar cam as fazendas abaiii
mencionadas.
Queiram vir ver que boa e baratissimo.
Toalbas de labynntbo com bico, fazenda boa a
3*500.
Carretefs de llnba com 100 jardas a 30 rs.
Gravatas pretas e de coree muito Bnas a 500 rs
Caixas de obreias de massa muito novas a 40 rs.
onfladores para esparlilno de cordao e fita a 61
ris.
Carreteis de liaba Alexandre com 400 jardas a SO*
ris.
Resmas de papel almaco muito booa a 2*500.
Fraseo de oleo babosa a 320 e 500 rs.
Ditos de dito biglemqae verdadeiros a 1*000.
Ditos dito falso a 800 rs.
Ditos de macacar perola a 200 rs.
Sabonetes muito finos a 60, 160, 200 e 320 rs.
Ditos de bolla muito finos a 240 e 320 rs.
Caixas para rape com bonitas estampas a 100 rs.
Miadas de liaba froxa para bordar a 20 rs.
Varas de cordao para espartano a 20 rs.
Frascos com tinta rxa moito boa a 240 e 320 n
Pentes volteados para regalar cabello de menina)
a 320.
Frascos de macaca' oleo muite fino, a 120 rs.
Abotoaduras muito finas para colletes a 500 rs.
CartOes de linba branca e de cores a 20 rs.
Libra de arte preta superior a 100 rs.
Cartas de alfinetes franceses com 14 pentes
120 rs.
Escovas par* fato, fazenda boa, a 500 rs.
Yaras de franja branca de linbo para toalna a
100 rs.
Pecas de bico estrelto com 20 varas muito bonito a
1*000.
Varas de papalina de dlfferenles largaras a 120,
160e200rs.
Caixas de palito bailo a 40 rs.
Caixas de palitos de segur anca sem enebofre a
60 rs.
Sabonetes de familia a 100,160 e 240.
Grosas de botos de madreperola para camisa a
500 rs.
Laa para bordar de todas as cores e fina, a libra
6*000.
Carreteis com 4 oitavas de retroz preto moito fino
a 1*000. *
Caixas com soldados de chambo para meninos a
120 rs.
Carlilba de doutrina cbrisla a 320 rs.
Latas com superior banha a 200 rs.
IVOSSA SENIORA DA rjONCGIfjlO
Para edaeaco do sexo masculino
Dt ector Manoel Alves Vianna
O collegio da Conceicjio, mudado ltimamente para o Dairro de Santo An-
tonio, ra de S. Francisco, casa n. 72, contigua estaejo central dos trilhos
urbanos dos Apipucos, conlina a funecionar regularmente, recebendo alum-
nos externos e internos, tanto para as aulas primarias, como para todos os
preparatorios necessarios matricula de qualquer faculdade, sendo os seus
respectivos professores pessoas moralisadas e de um. concito magistral j
bem firmado nesta cidade.
O director deste novo collegio contiuuando a empregar toda a solicitude no
desempenho de seu mandato, espera, fazer-se mais digno da confianga com p*i
que o v5o honrando os senbores pais de familia, confiando-lhe bondosamente ^^
os sens filhos. ''?;?.
Os estatutos do collegio, assim como o franco ingresso em todas as suas
dependencias, est5o sempre a disposigo de quem possa interessar.
*w
A NACIONAL
Companhia geral hespanhola de seguros sobre
a vida
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
BANQUEIROS DA COMPANHIA
O Banco de Hespanha
Attencao.
Precisa-se de ama ama de engommado qoe seja
esempedida : i tratar na raa do Mondego n. 2.
PrAi|W.?A uhar noticias de Antonio Alves,
natural de Paco de Soaxa, logar de 8. Lourenco,
em Portugal, qoe velo para o Brasil entre os annos
de 1828 e 1831 deseonfla-so qne ja* morto pela
falta de noticias qae teem os seas parantes alii :
roga-se por Isso a qaem possa dar alfa** infor-
mac5es o favor de dirlgir-se a raa de-Apollo n. 20,
eccriptorio de Camino & Noguelra.
DIRECCAO. GERAL
Madrid: Rna de S. Agostinho
n.IO
SUnaco da companhia en 15 de jnlho de 1866.
Apolices 19:700 Capital Rs. 127:144,5670 ou moeda brasileira
Rs 1-2,714:476^000
A Nacional abraca toaas as conbinaces do seguro de supervivencia e n'ella pode
fazer-se subscripto de modo que em nenbum caso se perca o capital imposto nemos Tu-
eros correspondentes.
Urna afianca depositada^nos cofres do]estado, garante a boa administracSo da com
panhia.
Os fundos da companhia se invertem em ttulos do estado e se deposiiam no ban-
oc de Hespanha com intervengo do delegado do governo e do conselho administrativo.
A companhia e'stranba toda a empreza ou aospiculafo perigosa,eos ttulos em
gue se invertem os fundos imp s na rmesma; no-se correm o menor risco, pois esto
qarantidos pelo governo, podeatonacao d a tor p.eizosd
NOVO DEPOSITO
DE
MACHINAS
pArtA DESCAROCAR ALGODAO
Manoel Bento de Oliveira Braga,
Caxinkwrf.
Precisa-se de no coiinbeiro, preferlndo-se bespa-
nhol oa portnguei: na raa das Larangeiras n. 14,
botel.
53-Rna DIreIUn-53
Neste estabelecimento se encontrar2o as
verdadeiras machinas americanas chegadas ltima-
mente, as quaes sao feitas pelo mais afamado fa-
bricante da America, por isso avisa a todas as pes-
soas que precsarem comprar, de so dirigir a este
estabelecimento que comprarlo das mais perfeitas
neste genero, assim como mais barato do que em
outra qualquer parte, por isso qne te recebe por
conta propria, bem como cannos de thumbo e moi-
nhos para moer milho, e grande sortimento defor-
ragens e miudezas em groa a retamo.
Machinas americanas para moer caf, de
tono systema, propas para refinacSo,
a dem para milho.
r.


-Sfr
-zn
mmma
Mario de Pcrnambaco Qaarfa fera Ude Jiilho de !St>7.
1
v
Massa fallida de Joaquim
Jos Gomes de Souza
Os abaixo asignados, administradores da
massa fallida de Joaquim Jos Gomes de Sou-
za, avisam aos devedores a predila massa
afim de que, em o prazo de 8 das a da
tar do presente, lhes paguem os eus res-
pectivos dbitos, na iuteltigencia de que
findo este prazo, sero ajuizados os mes-
mos dbitos, sera excepclo algama.
Recife 16 de julho de"4867.
Os administradores,
Rosa A IrmSo.
Permuta se uta engeaho d'aeua de faier as-
snear, sito sa fregueila de Serinhaem, d stante da
via frrea meta legua, moeote e Jrrente, com
mattas, loRradoure?, e todo o mais acccessorlo, por
predios n'esta cidade : quem pretender dirija- se
ao largo do Paraiio n. 26 a (aliar com o Sr. Feliz
Francisco de Sotua Magalhes. _____
encao.
As pessoas que tiverem relogios parados por (al-
ta de concerios, qaerendo aproveita-ios para seo
aso oo para vender, dirija-se a ra Direita leja
de relojoeiro n. 139, que concerta-se e doara-se
com perfeicio e por menos do que em outra parte,
prometiendo camprir o que diz por ser casa nova
e querer acreditar-se._________________________
~ Precisa-ee de orna escrava di meia idade
ne ensaboe e seja quitandeira : na roa Direita n.
39, toja de relojoeiro._______________________
O abaizo assignado tem constituido seo pro
carador na provincia do Rio Grande do Norte o ade
Togado Dr. Antonio Jos de Alcovla, em quera ello
reconhece, alm de ama bonradex a tuda prova, r
lelo necessario para Incumblr-se de qoaesque-
questoes, sem sacrificar de modo algara os interes-
ses de seas consitaintes. Fazendo esta declaradlo
por certos motivos, o abaizo assignado jalga que
ella podera' aproveitar aos seas amieos que o co-
nbecem de porto para comprehenderem que nao se-
ria feite esta meDCo de ura bomem que o mesmo
abaizo assignado nao podesse abonar, como faz
pelo presente, garaatiodo as qoantias enviadas ao
dito sen advogado para o andamento de negocios
jadiciaes ou admlnisiralivos.
Recife 15 de jaibo de 1867.
FaDricio Gomes Pedrosa.____
Precisa-se de urna senhora que saiba
ensinar a ler, escrever, grammatica portu-
gueza, franceza, msica e piano, para en-
sinar a doas meninas em um engenho na
freguezia da Eescada, urna legua distante
da estacSo, paga-se bem : a tratar na ra
do Cabog n. 11, andar, com
Antonio de Britto.____________
Deseja-se alagar um sitio com estribarla e
planta de capiro, as proximidades da cidade :
quem o tiver dirija-se roa do Crespo n. 16,1*
andar.
Alm do grande sorlimento das melhores machinas, americanas para descarrooar
algodo, de 10, 12,14,16, 18, 20, 22, 2o, 30,35, 40 e 50, neste estabelecimento s
encontra mais o seguinte:
Azeite de espermacete propria para machi-
nas.
Vapores de forca de 3 a 4 carados.
Serras avulsas para machinas.
Mancaes e todos os mais pertences para as
mesmas.
Carros de mao para aterro.
Cylindro para padarias.
Debulhadores para milho.
Arados americanas.
Carrinhos proprios para armazens.
Moiohos para refinado.
dem para milho.
Escadas de madeira americanas.
Caixas com vidro sortidos.
de todas as qualidades.
Bombas de japyz.
dem americanas.
Ferros para, engomraar a vapor.'
Vassouras americanas.
Baldes americanos para compras.
Tinas de madeira.
Ballaios e cestas de verguinha.
Guarda comidas.
Peneiras d'arame para padarias e refinacoes*
Corren tes para almanjarra.
Machados e facoes americanos.
Barricas com milho branco americano.
NOVIDAD
ra do Crespo n, 9 a* esquina 4a A Imperador
DE
Custodio Jos Alves ftaimailei
Tando recebido em direitura pelo vapor francei Estremadure, um variadissimo
' sorlimento de fazendas finas e da ultima moda em Pars, e aproximando-se as testas de
S. Jo5o, S. Pedro e Sant'Anna, por isso apressa-se em vir convidar o respeitavel publico,
e com especialidade aos seus numerosos freguezes, que venham ver o que ha de mais
moderno neste mercado. Como sejam :
COMPRAS
Ouro e prata.
Em obras velbas: compra-se na praca "da ln
dependencio n. 22 loia de bilbete
Moedas depuro.
Nacionaes e estrangeiras assim como libras
esterlinas: campram-se na roa do Crespo n. 16,
primero andar___________________
Compra-se moedas de ouro de 20, 16,5, I0
e 9; a roa da Cruz n. 3._________________
Gompram se patacoes e prata brasileira li-
bras esterlinas moedas, de 95, de 105, de 165 e
20J por malor prego do que em outra qaalqaer
parte: na ra da Cadeia loja de fazentfa> n. 58.
Moedas de prata
nacienaes, assim como patacSes portogaezes e
bespanbes, compram-se com premio : na roa do
Crfpo n. 16, primeiro andar._________________
"25S500
praa moedas nacionaes de 205 : na ra do Crespo
n. 16, primeiro andar.
Libras esterlinas
Comprara se com bom premio
dependencia n. 23.
na
[la
a da lo
Compram-se escravos
Silvino Gnilherme de Barros, compra, vende e
troca effectivamente escravos de ambos os sezos
e de todas as idades : a' roa do Imperador n. 79,
erceiro andar.
Compra-se
Urna armacSo de armazem ou prateleiras
que nao seja de pinho, e que es teja em
muito bom estado : na companhia Pernam-
bucaaa._________________________
Compra-se
libras esterlinas, ouro brasileiro e portuguez com
bom premio : na ra da Cruz n. 48, armazem de
E. A. Burle & C.________________
Libras esterlinas.
compram-se no escriplorio de Antonio Luiz de
Ollvelra Azevedo & C, raa da Cruz n. I.
Ouro
e prata.
Moedas de ouro e prata nacionaes, estrangeiras
e de todos os valores se compram na loja de ouri-
ves junto ao arco de Nossa Senhora da Concelgio
roa da Cadeia do Recife, assim como ouro e prata
em obras velbas, brllnantes, diamantes, e se paga
em.
Compra-se
ama escrava preta que tenba bonita figura e com
habilidades : na praca da Independencia nmeros
13 e 15.___________________________>
Compra-se orna casa terrea pequea em qual
quer dos bairros desta cidade, e tambera se vende
um mulatinho com 17 annos, muito boa pega e ez-
cellente conducta : na roa de Apollo n. 1, primei-
ro andar, das 10 horas as 3 da tarde.
Sitio e casa,
Compra-se nm pequeo sitio com boa casa de
vivenda as mmediages do bairro da Boa-vista,
ou mesmo ama casa terrea que tenba commodos
para familia e quintal espagoso no referido bairro :
quem tiver acuantie oo dirija-se a roa da Matriz
n. 9 para tratar. ________
Riquissimos cortes de seda oara vestido
a 500, 600, 700, 800, e 900.
Lindos cortes de foulard de seda, pelos
baratsimos precos de 250, 300 e 35$.
Cortes de blond para noiva, trazendo cada
corte saias de setim, capella e veo.
Ditos de dito com pequeo toque a 00
e 500.
Moireantique branco, azul e preto.
Seda branca para vestidos de noivas.
Grosdenapoles de todas as cores.
Biquissimas basqoinesde seda preta, bor-
dadas com gosto.
Lindos cortes de Ia .com barra e de ulti-
ma moda tendo cada corte o seu figurino.
Riquissimos cortes de vizita, la cora lis-
tas de seda para vestido, esta fazenda re-
commenda-se muito por ser inteiramente
novidade.
Ditf da mesmaqualidade porm em pecas.
Requissimo transparent de seda para ves-
tido de senhoxastambem novidade.
Riquissimas gravatinbas para isenhora.
Ditos cortes de barege e de la para ves-
tidos.
Lindas chapellinas de seda para senhoras.
Ditas ditas detdita para meninas.
Cbapos de palba para senhoras.
Riquissimos cbapos de sol para.ditas.
Requissimos enfeites com coque e sacata-
inteiramente novidade.
Riquissimos leques de madreperola.
Ditos ditos de sndalo.
Lavas de Jouvin preta,"branca e de c&res.
Chales de seda.
Ditos de cachemira.
Riquissimos manteletes de cores, inteira-
mente novidade.
Riquissimos cintos para senhoras.
Riquissimas fivellas para cintos.
Riquissimas cobertas de ponto de crochet.
Meias de laias para padres.
Ditas de lar para padres..
Ditas de seda para senhoras.
Ditas de dita para creaocas.
Ditas de algodo de dlfferentes qualida-
des e preco para homem, senhora e crianzas.
Luvas de todas as qualidsdes.
MadapolSo francezo que de meihor
no aiercade.
Organdy braaio com lista.
Dito de urna s cor e com listas da mes-
ma cor.
Chapeos de seda para homem.
Ditos de pbantasia para homem.
Casemira preta muito fina.
Ditas de cores inteiramente novidades.
Chapeos de sol com lindos castoes.
Toalhas de labyrintho muito ricas.
Ricas fronhas de labyrinto.
Riquissimos lencos de dito.
Rendas, bicos da trra e grades para lencos.
Urna requissima toalha toda aberta de la-
byrintho o que ha de melbor neste genero.
Peitos de lioho bordados para camisas de
noivos.
Collarinhos de linho inteiramente novi- u'e d Gama & Silva.
*.
SORTIMENTO
fazerjOas humus
LOJA
'A
NA
E ARMAZEM
DO
PAYAO
Raa da hperatrlz n. 6a
GAMA. SILVA.
Os proprietarios deste grande estabelecimento acabam de receber da Europa um
grande sortimento das melhores fazendas de 15a, linho, algodo e seda, as quaes vendem
por precos baratsimos, afim de apurarem dinheiro, dando de todas ellas amostras,
dcixapdo ficar um peohor ou mandam-nas levar em casa das Exmas. familias pelos seus
caixeiros, assim como as pessoas que negocia em pequea escala, nete estabelecimen-
to comprarlo pelos mesmqs precos que se compram as casas inglezas, gannaado-se
apenas o descont.
Casemiras pretas entestadas a ( 6oc.
Na loja do Pavo vndese snpertor casemira
enfesiada preta para calcas e paletos pelo barato
preco de 1600 o covado oo a 2J80Q cada c rte
de calca, dita muito mais fina; covado a 2J200
oo o corte a 3500, ditas muito finas sem serem
enfestadas a 18O0, 2000 e 2,5500 cada covado :
na loja e armazem do Pavo na roa da Imperatriz
o. 60 de Gama & Silva.
As casemiras do Pav3o corte a 30500.
Vendem-se bonitos cortes de casemiras de cores
escaras proprios para o teropo de invern, pelo
barato preco de 3500, oo o covado a 2*000, sen-
do enfestadas, assim como bonitas meias casemi-
ras escaras com msela de seda a 640 rs. o covado,
oo 2j)240 o corte de cal;a, sendo fazenda at maito
propria para os meninos que frequentam a escola,
isto na loja e armazem do PavSo na roa da Impe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
Celeiias para saias
so na loja do pavo.
Vendem-se pegas de celezia de algodo, sendo
acbamalotada e muito propria para saias cu outra
qaalqaer especie de roopa branca, pelo barato pre-
go de 40C0 rs. a peca com 10 varas, oo retalha-se
a 440 rs. a vara: na loja e armazem do PaveJ
roa da Imperatriz n. 60. de Gama & Silva.
SAIAS ECONMICAS A 3*200.
S na loja do Pavo.
Chegou om grande sorlimento destas novas saias
escoras preprlas para tempo de ioverno sor evita-
ren) que as saias brancas com que urna senhora
vae composta nao se soje de lama ao mesmo tem-
po sao moito bonitas por terem lindas barras como
se osa ltimamente na Europa e veodem-se pelo
barato prego de 3200 cada o a, na loja e armazem
do Pavo, roa da Imperatriz, n. 60 de Gama & Sil-
va. '
Espartilhos.
Vendem-se magnficos espartilhos francezes e
inglezes na loja e armazem do Pavo, na rjia da
Imperatriz n. 60. de Gama & Silva.
PANNOS DE CHROCHE'.
Vende-se um grande sorlimento dos mais boni-
tos pannos de ebroebs proprios para cadeiras, so-
phs, cadeiras de balanco, para almofadas e para
cobrir presentes, e vendem-se por precos baratos
na loja e armazem do Pavo, roa da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
FAZENDAS PARA LUTO.
Loja do pavo.
Yende-se setlm da Chica preto sendo urna fa-
zenda moito leve e sem lostro com 6 palmos de
largura proprio para vestidos e roopas para ho-
mem pelo barato prego de 2*000 o eovado meri-
no preto enfestado moito bom a 1*600, superiores
bombazinas pretas a 1*600, 1*800 e 2*000 rs. o
covado, superior canto a 1*200, lanzlnha preta
lisa a 400 eOOrs. o covado, om grande sorli-
mento de alpacas e princezas pretas que se ven-
dem mais barato que em ouira qualqner parte, na
loja e armazem do Pavo, ra da Imperatriz, n
dade.
Punhos e gollinhas para senhora.
Riquissimas saias bordadas.
Riquissimas camisinbas para senhora.
Cassas muito finas e inteiramente novida-
des.
Riquissimos veos e mantas de blond.
Ditos chales de toquim.
Fil de linho, liso e de sal picos.
Fil de seda, dito e de ditos.
Espartilhos para senhora inteiramente no-
vidade. *
Lindos bal es de la para senhora,
Ditos de dita para meninas.
Ditos de muculina para senhora.
Riquissimas vestimentas para baptisados
contendo, chapeosinho, sapalinbo, meiasinha
e camisinha ricamente bordadas.
Ceeiros bordados muito finos.
Um rico lencol de labyritho, proprio'para
casamento.
Chitas, cambraias, madapoles e muitos
outros objectos, que se deixa de mencionar.
O dono deste importantissimo estabelecimento contina nos proposito de que-
rer vender muito e ganhar pouco, para o que sugeita-se a ganhar nicamente o descont.
1
Utensilios typogrphicos.
Acabam de ebegar de Franca e eslo a ven-
da na ra do Imperador n. 15 defronte de
S. Francisco: ricas escovas para lavar for-
mas, ditas para tirar provas, componidores
de diversas larguras mui modernos, tinta
para impressao fina, linhas e entrelinhas de
Sedas largas
A 2* o covado
SO na loja da pavo.
Vendem-se modernissimas sedas com largura
de cbita franceza, sendo cem padroes modernos,
tendo entre ellas cores proprias para quem esta de
lato : veode-se pelo barato prego de 2* o covado :
grande pechincba : na loja e armazem do Pavo,
Patacoes
Compram-se patacoes hespanhes, portogaezes e
brasllelros de cnnbo antigo, em casa de Alamson,
Henry & C, roa do Trapiche-novo n. 40.
Yacca de leite
Compra-se ana boa vacca de raga tur na : na
ponte de choa sitio de CarolI.
Compra-se nm carro par 4 pessoas que es-
teja om bom estaio : ai tratar com Oliveira Filhos
& C, largo do Corpo Samo escriplorio n. 19.
VENDAS
perfeiu co'zinheira,
na raa da Cadeia
Veode-se orna escrava molata, de boas qua-
lidades, boa eogommadelra, cozinheira e costare!-
ra : na roa da Cadeia n. S9.__________________
Escrava
Vende-se urna negra moca,
engommadeira e cosloreira :
numero 47.
Vendem-se os engennos Timb e S. Pedre
ambo no Cear Heirim freguezia de Estrems
ne Rio Grande do Norte com legna e meia de tr-
ras propria e frescas, boas obras de pedra e cal
com bois e bastas, e lado o mais qoe mister :
qo*m o pretender pode-se entender no Cear
Heirim com sea proprietario o tenente-eoronel Jo-
s Fu_ da Rocha Falco e para informacOei a*
!>* ata otdade de Oliveira Frihos 4 C, e no
Natal de Fabrfclo & C, vende-se a dlnbeiro a
a prazo, tendo firmas descontadas nesta praca, e
te fax negocio cotnmodo pata os compradores.
differentes qualidades e pontas. A mesma roa da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva,
casa continua a ter testamentos de differentes
animaes; e folbeos de Porcina, Magalona
e te., assim como cidade de Deus, Horas da
Semana Santa, Manual Encyclpedico, Ripan-
sos, Caminbo do Co, Horas Portuguesas,
Marianas, Imitaco de Christo, Escudo Admi-
ra ve 1 etc.
Feijau
Vende-se feljlo molatinbo por 7* a racca, ama"
relio, branco, preto e rajado por 5* : na roa do
Codorniz n. A. ________________
rOVEHAS
DB
N. S. do G&rmo e Sant'Anna,
Esto a venda as novenas de N. S. do Car-
ino e da Senhora Sant'Anna; na ra do Impe-
rador n. 15 defronte de S. Francisco.
A(jo de Mao
Nos armazens de Tasso Irmos, em connotes de
4 arrobas. __________________________
Vende se ama taberna moito afregnezada, sita
na estrada nova de Cachanga' jonto ao rancho da
viova Villasecca : a tratar nos Remedios, taberna
de Fianclsco Jos de Pal va.
Admirem-se da grande pechincha
.*?* de algodo eom toqoe de avarla a 2*000,
2*600 e 3* : na roa da Imperatriz n. 51, loja da
orta larga jonto a padarla fraoceza.
VESTIDOS
PROMPTOS E POR MEDIDAS
Depois da sua fundacSo, a Compagnie Ly-
onnaise nunca cessou de cuidar particular-
mente na'escoma'dos seos artigos, todos
do meihor gosto, e de primeira qualidades
por isso, nao ha nenbuma casa que pozas
rivalizar com este 'estabelecimento, que ago;
| de universal reputacKo.
Cortes brancos
A 500 rs.
Vende-se bonitos cortes de cambraia branca com
bonitas barras bordadas e tendo tambem algons
com benitas barras de cores; vende-se pelo bara-
to prego de 5*, na loja e armazem do Pavo, roa
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Alpacas de cores
A 300 rs.
Cbegarm as mais bonitas alpacas de cores para
vestidos com desenhos miados e graudos, tendo
largara de cbita franceza, e vende-se pelo barato
prego de 503 rs. cada eovado ; grande pechin-
cba : na toja e armazem do Pavo, roa da Impe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
Bramante a 2g,
Vende-se superior bramante de linho alvo com
10 palmos de largara, pelo barato prego de 2* a
vara : na loja e armazem do Pavo, roa da Impe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
Algoio avariado
Vende-se pegas de algodo largo maito encorpa-
do, pele barato prego de 5*500 a pega : na loja e
armazem do Pavo, raa da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
Reta Ibes
Vende-se orna porgo de retalbos de chitas e ca-
gas pretas, por prego barato, na loja e armazem do
Pavo, raa da Imperatriz n. 60, de Gama di Silva.
Sedas a 320 rs. o covado
Vende-se om bonito sorlimento de sedas de listas
qoe sempre se veoderam per maito mais dinheiro
e liqaidam-se pelo baratissimo prego de 320 rs. o
covado, s para acabar: na loja e armazem do Pa
vo, raa da Imperatriz o. 60, de Gama & Silva.
Bramante de linho.
Vende-se superior bramante de linho cora dez
Dalmos de largura pelos baratos pregos de 2*400,
Tt*eoo o 2#800 a vara, saperior panno de linbo
proprio para lenges, toalhas e sereolas, pe-
lo barato prego de 60, 700 e 800 rs. a vara, pe-
gas de Hamburgo de linho moito superior a iO*,
ti* e 12*, algodozinho Infestado liso moito eu-
corpado proprio para lenges a vara a I*, dita en-
trangado maito superior fazenda com a mesma
largura a 1*200 a vara, assim como mais orna in-
finidade de fazendas brancas que s vendem mais
baratas que em outra qualquer parte s com o Om
de aparar dinheiro, na loja e armazem do Pavo,
ra da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Lencos brancos
a 20ooo,"2i58oo e 352oo.
Vende-se um grande sortimenu de lengos de
cambraia branca pelos baratos pregos de 2*000 e
2*800 a duzia, assim como ditos com lista de co-
re* fies em volta, tanto proprio para bomens co-
mo para meninos, que se vendem pelo barato
prego de 3*200 a duzia, ditos grandes de cassa li-
za que se vendem a 500 rs. cada nm, na loja e
armazem do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Hadapolo pechincha a 6$
Vendem-se pecas de madapolo sendo fa-
zenda muito superior com 24 jardas cada
peca pelo barato preco de 60, dito muito
mais superior a 60300 e 70, assim como
dito finissimo a 80, grande pechincha: na
loja e armazem do Pavo ra da Imperatriz
n, 60 de Gama Silva.
As chitas baratas
Na loja do Pavo a 240, 280, 320 e
360 rs.
Vendem-se urna grande porcao de chitas
Qnissimas com pequeo toque de mofo, ten-
do miudinbas e graodas, que se vendem pelo
barato preco de 280 rs. o covado, sendo fa-
zenda que val muito mais dinheiro, ditas lar-
gas e escuras sem defeito a 240 rs. q cova-
do, ditas preclaras escuras e alegres a 30 e
360 rs., tudo isto pechincha na loja e ar-
mazem do Pavo: ra da Imperatriz n. 60
de Gama & Silva.
Para calcas
Vendem-se meia casemira muito encorpa
da e escura pelo barato preco de 320 reis o
covado ou a 10120 reis o corte de calca,
sendo fazenda propria para calcas, paletos o
coletos, grande pechincha na loja e arma-
zem do Pav3o, ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Chitas pretas a 160 e 200 rs.
Vendem-se chitas pretas inglezas com sal-
piquinhos a 200 rs. o covado, ditas lizas a
160 rs., no armazem do Pavo: ra da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Manteiga barata.
Iogleza a 1280, 800 e 640 rs.; de tempero a
320 rs.; franceza a 640 e 480 rs.; sabao a 200 rs.
a libra : na roa das Croies n. 42.______________
Na raa da Soledade, casa n. 70, vende-se nm
piano de mesa em maito bom estado.
Vende-se ama casa de taipa na Boa-Viagem :
quem a pretender comprar, dirija-se a' raa do
Nogueira, e procure entenderse coa Joo Fran-
cisco Bastos de Oliveira, qae este dir' quem
vende.
Vende-se ama casa terrea na rM dos Copi a
res n. 9 : a tratar na raa Estrtita do Rosario
n. U.
Atoalhado.
Vende-se saperior atoalhado de algodo ada-
mascado com olto palmos de largara, vara a 2*,
dito trancado sam ser adamascado vara a 1*800,
dito saperior de linho adamascado vara 2*800 e
3* gaardanapos de linbo cr qae sao os mais
econmicos a 3* a duzia, na loja e armazem do
Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Chitas com mofo a 280 rs., na loja do
Pavo
Vende-se urna grande porcao de chitas
francezas com muitos bonitos desenhos, pelo
barato preco de 280 rs. o covado, por ter
um pequeo toque de mofo, sendo decores
seguras e garantindo-se que soltam o mofo
logo que se lavem e a nao terem este pequeo
defeito seriam para 400 rs. o covado, esta
pechincha acha-se nicamente na loja e ar-
mazem do Pavo : ra da Imperatriz-n. 60,
de Gama Silva.
Para cama* de noivas.
Rices cortinados bordados a 8*000,10*. 16*,
20* e 25* o par ; assim como os mesmos tambem
servem para janelias; ditos adamascados a 10* e
12*; bonitas pegas de cassas adamascadas para o
mesmo effeito; benitos damascos de la de ama
e duas larguras, proprios para colchas, assim oo-
mo bonitas colchas de croch : tn|u isto se vende
mais barato do qoe em antra qaalqaer parte, na
loja do Pavo, roa da Imperatriz n. 60, de Gama
t Silva.
Cassas de cor a 24o rs.
Vende-se um bonito sorlimento de cassas de
cores, pelos baratsimos pregos de 240, .280 e
320 rs. o covado, assim como nm bonito sorli-
mento e cassas francezas com listas largas a 800
rs. a vata, finissimo organdy.masados a 1*, na
loja e armazem do Pavo, ra da Imperatriz n.
60, de Gama & Silva.
Organdy a 4000.
Vendem-se bonitos cortes de organdy
sendo com listras todas brancas ou com lis-
tras de cores, tendo oito varas cada corte,
pelo barato preco de 40, pechincha: na
toja e armazem do Pavo tua da Imperatriz
n, 60 de Gama e Silva.
Chitas a 200 e 240 n.
Vendem-se chitas inglesas de cores Sxas
pelo barato preco de 200 e UQ, rs. o cova-
do : na loja e armazem do P^vo rna da
Imperatriz n. 60 de Gama e Silva.
elas Inglezas a 5 dazla.
Vendem-se meias inglezas para homem a
50000 a duzia, ditas para senhora a 40000 :
na loja e armazem do Pavo : na roa da
Imperatriz n. 60 de Gama e Silva.
Chales baratos
20, 30500, 60 e 70000.
Vendem-se chales de merino estampados
a 20, ditos lisos a 30500, ditos estampados
finos a 50500, 60, 60500, ditos crepon
cora listras de seda a 70500 e 80000,
pechincha : na loja e armazem do Pavo
ruu da Imperatriz n. 60 de Gama e Silva.
As 10 mil varas de cambraias
Covado 300 rs. vara 500 rs.
S o pavo
Vendem-se flnissim cambraias france-
zas com listras miuda e graudas e com
lindos desenhos de flo'es e palmas, sendo
todas com as cores mais modernas e mais
lindas que tem vindo ao mercado, pelo ba-
rato preco de 300 rs. o covado ou a 500 a
vara, grande pechincba attendendo a
grande porgo que tem, seno seria para
muito mais dinheiro : isto na loja e armazem
do Pavo, ra da imperatriz n. 60 de Gama
Silva.
Chales de renda a 4.
Vendem-se bonito:- chales pretos de renda che-
gados ltimamente pelo barato prego de 4* : na
loja e armazem do Pavo, raa da Imperairlz d. 60
de Gama & Silva.
Xovos vestidos a 600O.
Na loja do Pavo.
Cbegarm os mais modernos e bonitos cortes
de organdyspara vestidos,.tendo 10 varas eda
corte, sendo 7 varas listadas para salas e 3 varas
sem listas, mas com enfeite para o corpo (oo ca-
saquinbo) garntese neste genero ser o mais mo-
derno que tem vindo ao mercado, tendo entre el-
les muitos brancos com listas e enfeites pre'tos, e
vendem-se pelo barato prego de 6*, nicamente
no armazem do Pavo roa da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.___________________________
VENDE-SE
Motores americanos para doas cavallos.
Dito dito para qaatro cavallos.
Macboas para descarogar algodo de 14, 16,
18,20 30, 35 e 40 serras.
Prengas para enfardar algodo fazendo os sac-
eos com 6 palmos de comprimento com o peso de
150 e 200 libras, viadas ltimamente da America
no armazem de Henry Forster & c, no cae Pe
dro II n. 2 junto ao Gabinete Portuguez.
Grande reducto
NOS PREgOS DAS
Preparages
DB
Lammau i Kemp
Salsa parrilha de Dristol duzia 33*.
Agua Florida de Murray & Lanman 10*.
Anacaboita peitoral de Kemp 22*.
En quauto a agua florida preciso a maior cau-
tela contra as falsiflcagSes trau Jlenlas francezas :
as verdadeiras preparares se vendem no nico
deposito rna do Trapiche n. 8._________.________
UollaresRoyer magnticos
lledalbas e pnlseiras magnticas.
A Aguia Branca receben nova remessa dos pro-
venosos collares Royer magnticos, ja summamen-
te conhecldos para preservar as convals5es e faci
litar a dentlgo das criangas.
Com esses otis collares elctricos magnticos
tambem nao pequeas qoaotidades de medalbas
e pnlseiras elctricas magnticas coja utllidade
tem sido aproveitada por quem sofre do nervoso
bypocondico, tremores as mos etc.
Assim como os collares Royer esto geralmente
conbecidos e acreditados pelos efflcazes effaitos e
bons resoltados qae tem colhldo as pessoas que
deiles tem osado ; assim tambem cbegarm a ga-
nhar tio alta reputago essas apreciavels medalbas
e pnlseiras magnticas, orna ve* qaff'o uso dells
fr se esteadendo a todos que deltas necessitem. A
Aguia Branca contina a receber por todos os va-
pores francezes urna determinada qumidade des-
ses sempre precisos e estimados collares Royer
magnticos e por Isso fique na lembranga de todos
qae os acbaro constantemente em dita toja da
Aguia Branca, ra do Qoelmado n. 8.
MOLESTIAS DO PEITO
Aviso Importante.
Os nicos verdadelros xaropes de hypophosphl-
tos de soda, de cal e de ferro do Dr. Chnrchlll tra-
zem a firma qaatro vezes repetida deste sabio me-
dico sobre o subscripto e a marca de fabrica da
Pharmacia Svrann, 12, ral Castlglione, Pars.
Acha-se a venda em frascos qnadrados com o no-
me do Dr. Cbarcbill no vidro. Prego 4 francos em
Pars : Com Instrucgo
Vende-se em casa de P. Hanrer & C.
CALLOS
Perfuman is finas,
INGLEZAS DE GOSNELL C.
E FRANCEZAS DE E. PENAUD.
A antiga e bem conhecida loja de miude-
zas ra do Queimado n. 16, continua a
estar provida de liras perfumaras de diver-
sos fabricantes acreditados como Gosnel e
Penaud, sendo deste, excellente extractos
para lencos, agua de Colonia, oleo, baaba,
cosmetique para cabellos, opiata e pos py.
dentes, sabonetes para mos e barba, etc.,
etc.; e daqaelle, superior agua de Colonia,
opiata ingleza e pos para dentes. Alm dos
mencionados rJbjectos ha muitos outros que
por soas boas qualidades e bonitos vasos,
agradarlo completamente aos apreciadores
do bom.
Fivellas e fitas para cinto,
Na antiga loja de miudezas ra do Quei-
mado n. 16, encontrarlo os pretenderes
nm bello sortimento de.fvelas e fitas ura
cinto, sem que esqueca os lindos pestes
prateados, com fitas pendentes e sem ellas,
sempre a contsnto do experiente freguez
qae se dirigir dita loja de miudezas:
ra do Queimado n. 16.
Diferentes objectos
expostos a apreciado dos esclarecidos fre-
guezes que os quizerem comprar; na ra
do Queimado n. 16.
Bonitas caixinhas de madeira com fecba-
dura, proprias para costura.
Outras ditas com arranjos para costura,
Sapatinbos de setim e merinos para bap-
tisados.
Meias de seda para ditos.
Tocas e cnapeosinhos para ditos.
Tercos de madeira, osso, cornalinas, obras
mui perfeitas.
Alfinetes de osso com bonitos mojde:,
obras de gusto para peito de senhoras.
Ditos pretos para luto.
Meios aderecos de madeperola.
Porte jupe ou suspende saias.
Lencos bordados para senhoras.
Brincos pretos, pulseiras e alfinetes com
camafeo, tudo para luto.
Froco grosso de 13a, para differentes fins.
Bonecas mansas e chorooas para creao-
cas.
Cestinhas proprias para creaocas e bo-
necas.
Bandejas pequeas para copos.
Benitas e modernas chapelinas de seda
para senlieras
Na loja de miudezas ra do Queimado
n. 16 vendem-se bonitas chapelinas de seda
mui bem enfeitadas e por precos rasoaveis.
Enfeites de flores a imitaco de chape-
Moas
Vendem-se esses bonitos e modernos en-
feites de flores a imitaco de chapelinas: na
ra do Queimado, loja de miudezas n. 16.
Differentes objectos
Vendem-se na ra do Queimado, loja de
miudezas n. 16.
Gravatas brancas de cambraia para noivos.
Gravatas brancas de setim para ditos.
Rosas Camelias, ramos e caixos de llores.
Papel para rosas e folhas para ditas.
Lencos de cambraia tina com barras de
cores, sendo
Para homensa 30600 a duzia.
Para meninos a 800 rs. a duzia.
Vendem-se na ra do Qdeimado, loja de
miudezas n. 16.
Collerinhos de linho
obras de ultimo gosto.
VeDdem-se na loja de miudezas; rus
do Queimado.n. 16.
CAB1DES PORTATEIS
TORNEADOS K ENVERNIZADOS. -
Vendem-se na loja de miudezas: ru?.
do Queimado n. 16.
Caixinhas
com pastilhas de'cheiro para
queimar-se em lugar
de incens.
Vendem-se na ra do Queimado ; loja de
miudezas n. 16.
PASTILHAS ODORIFUMANTES.
Essas cheirosas pastilhas sSo sempre
apreciaveis, e com especialidade no correte
mez, porque servem para perfumar os ora-
torios ou altares em que se resam ou can-
tam louvavelmente o Mez Mariano, es-
tas vendem-se na loja da Aguia Branca:
ra do Queimado n. 8.
AGUA FLORIDA
PomadaGalopeanpara a extraegao e cara r-
pida e completa dos'callos duros, sem a menor dor
vende-M na
P-amacia e fragaria
Bar.holnea & c-_paahla.
14BA LAHOADO BOSAWO3*
nico deposito.
MURRAY & LANMAN
A agua florida de Murray & L.anmand
olhada como um artigo de perfume, nao
tem podido ser igualada pelas preparaces
as mais custosas: conserva seu aroma, co-
mo se formasse parte da prenda a que ella
se applica.
Sua efficacia tSo delicada, como elegan-
tes sao seus multiplicados usos, qur seja
empregada como artigo de toucador, qur
no uso do banho, ou como suavisador da
pelle, depois que se tenha feito a barba;
j para limpar as gengivas ou aromatisar o
hlito.
D suavidade, brilho e elasticidade as
compleices, depois de se baver lavado; al-
livia a irritaco de erupces ordinarias; faz
desapparecer o desagradavel aspecto dos
pannos, das sardas, do rosto, rugas e toda a
casta de ebulicoes, e d vigor e frescura
parte onde qoer que se applique. Sua effi-
ciencia e elegancia sao igualmente infalli-
veis nos casos em que seja preciso applica-
la como estimulante e antisptico, nos con-
corsos e assemblas numerosas, as loca-
lidades infeccionadas, na alcova de um en-
fermo, assim como om antidoto excellen-
te para os desmaios causados por cansaco
ou suffocacao. Preparada nicamente por
Lanman & Kemp, Nova-York, e a venda por
Caors & Barbosa.
JoSo da C. Bravo & C.
A' venda as drogaras de A. Caors, Bra-
vo 4 C. e P. Maurer 4 C, e em todos os
estabelecimentospharmaceuticos do imperio



Mari 4a PcrautaM QuarU letra i de lulaao de 1867.
RA DO BBUM W. 38 nrft.
0 proprietario deste estabelecimento deseja chamar a attencSo dos sennores pro-
prietanos para os acreditados mechanismos que contina a fornecer ; os qoaes garante
ler como sempre. da melhor qualidade possivel:
Machinas de rapor
torca de um cavatto para cima. As menores sao mai proprias para motores de descaro-
camentos de algodo ; ellas viajam armadas e podem trabalbar dentro de 24 horas, opa
de chagarem no lagar. Ellas levam todo qaanto preciso para o trabalho, e diversos so-
brecalientes. As machinas miiores so proprias para a moagem de canna, eha aeuas
qae podem jantt e separadamente moer canna e descarocar. Ellas p^em-s^e appucar a
qualquer moenda j Sent sem ontra mudanca do qae a substituto das rodas da ataan-
iarra, ha tambera com moenda juuta. Ellas tem depsitos d'agua e boeiros de ferro, e
nio precisara para sea seoUmento de obra algoma, quer de carapma, quer de alvenana.
O lempo para assenta-las nSo eicede de doze-dias ao mais, e em casos de mortes de ani-
maes oa arrombarnentos de acudes, etc., garante- o assentamento em oito das. Todos
estes vaDores sao simplissimos na construccSo, e se regem por qualquer pessoa intelligente,
a facilidade da condcelo sendo especialmente considerada, tanto que nao ha lagar em qae
DSo se possam conduzir, qar por trra, qur embarcado. -
Lembra-se aos senhores de engeoho qne a yenda dos ammaes e o servico a
ente occapado no sea tralamento os h5o de recuperar da maior parte da despeza do
vapor, deixando-lhes a vantagem de urna moagem certa e accelerada ; e acabando com a
despeza da compra continuada de novos animaos, e com os desgostos do trabalho que-se
temcomelles.
Ser talvez desnecessario lembrar ao? compradores de vapores a vantagem qae loes
resulta de wmpraremsuasimachinaa garantidas em ama fabrica, tendo artistas compe-
tentes para assentar as mesmas e ensinar a maneira de trabalhar com ellas, e j prepa-
radas para arremedar qualqaer desarranjo; facilidades estas que jamis podem encon-
trar comprando as aos simples negociantes, os quaes por falta de conhecimento na ma-
teria nem se qor podem garanti-los de que as machinas qne vendem sojam proprias ou
suficientes para o trabalho em que se queira emprega-las, e no caso de desastre nao po-
dem prestar 4hes soceorro algom; sendo que anda quando veobam s fabricas para con-
certar as machinas alheias, tornae-ha preciso fazer repentinamente moldes novos, etc.
para as pecas estragadas. J numerosas vezes estes vendedores tem representado seus
vapores como sendo de torca mui superior i sua actual e yerdadeira tor?a; equivoco
te que n5o s engaa ao comprador acerca do trabalho qae possa tirar do vapor, mas
tambem da lugar ao pagamente de om preco excessivo, vista da torca real da machina
que compram. ,
Tambem ha sempre prompto rodas d'agua de ferro, sarrillos com cruzetas para as
mesmas moendas de canna de todo o tamanho, rodas de espora e angulares, paroes ou
coches para receber o caldo, crivos e portas de tomaina, taixas de ferro batido, fundido e
de cobre, formas de ferro galvaoisadas para purgar assucar, bombas simples e de Tapu-
cho, alambiques de ferro, eixose rodas de carro, arados, grades, enchadas a cavallo e ou-
tros instrumentos de agricultura, moinhos e tornos para fazer farmha e finalmente todo o
Gbjecto di mechanismo de que se costuma precisar.
Na fabrica se fazem obras novas encommenda e conCertos, com a maior presteza
e solidez. O grande deposito de pecas e objectos habilitam-na mnito para este fim.
O proprietario ser sempre mui feliz de poder aar informaces on sehn*ett*!ento
aos senhores que se servirem de seu prestimo.
D. W. Bowman, engenheiro.
_________________________ __________-lr, itllililU--------li
0MOUR0DEVENEZA
Ao respeitavel publico peraarntrneaiio pede-se
Attengo
i
.-i-

a
.
DE
IZEYEDO & FLORE
RA DA GADEIA N. 47
Madapolo do baldo.
Superior madapolo camiseiro que val 80 a 60.
Dito que val 7# a 50.
Chitas do bala.
Bonitas chitas cores fixas e panno fino a 3oo a 32o rs. o Covado.
Baldes de cauda.
Os mais modernos Dales de arquinhos finos, que por isto se tornam recommen-
da\eis ao bello sexo.
Ccroulas e camisas.
Ceroulas de bramante francezas a i06oo.
Camisas de pregas largas que valem 30 a 20.
As metas inglezas do baldo.
Superiores meias cruas para homem que valm 90 a 70.
Roupa feita do baldo.
Sortimento de caigas, paletos, colletes de brim, panno fino de casemira, tado por
preco commodo. _
O BAIilO
ende muitos outros objectos e por insignificantissimos pegros.
INJECTION BROU
iKlemlca InfUUrd e *re*it., abui
u prindam Uttm U ana*. (Eligir la '
iarntar Bit, >i*wl Muii, Ma.
anisa inmri
aadjti. Veude-M
-tu*,muu
Yende-se na Botica|Franceza ra Nova n. 2JK.
lILIlYt*
Xaropee vlaho ferruginoso de
jurnbeba com pyrophosphato
de ferro.
tnorose, anemia, escrofalas, racbitismo, blennor-
rhagia, leocerrba. febras intermitentes e ame-
norrba (menstroncao dolorosa e Irregular)
etc., etc.
Ha mnito qae tiohamos em vista assoclar o ferro
as nossas preparares dejarabeba ; mas levamos
lempo a experimentar qaal a preparaco ferrogi-
nosa, qae mais conviria ao organismo bomano,
vinao por flm a decidir nos pelo pvropbospbato
Je ferro, com o qaal podemos presara r os nossos
xarope e vinbo de jorabeba ferruginosos.
Temos a observar, porm, que o uso dos medi-
camentos de jurnbeba com o pyrophosphato de
ferro nanea pode occasionar a pbtysica na* pes-
soas ainda as mais delicadas, como mollas veees
tem a ontecido at a pessoas robustas, qae se bao
servido do mesmo medicamento preparado com
entras sobstanejas ferruginosas, por isso que o
poosphoro debaixo da forma de pyrophosphato,
nm meio propbylatiso reconbecido infalllvel con-
tra esta terrivel affeccao.
As prepararles de jnrnbeba, a qne havomos as-
sociado o pyrophosphato de Ierro, so mnt provei-
tosas no tratamento das molestias das senboras,
taes como a cblorose, anemia etc.
Estas molestias manifestam-se com os sympto-
mas seguintes : Deecoramento geni da peile e
das membranas mocosas, frwa, Incbaelo das
faces e das pernas ; exelacio aervosa, bysteris-
mo, meancoria, deblJMade aascolar, dores ne-
urlgicas, pulso mais freqaente do qae no estado
de sade, calor febril, peHe secca, appatites de-
pravados, vmitos, prlslndeventre, nwostrnaeo
dolorosa. irregular, poneo atnadaote, dweorada,
aulla, flores brancas, amaoorrnagja e inlicondi-
dade.
Dste estado espantoso, alias to rdinarfimnte
reconbecido w*mertwo Mmero e
Grande aimazem de tin-j
tas medicamentos etc.
Roa do Imperador o. 22.
Productos chimicos e pharma-
ceuticos os mais empregados em
medicina.
Tintas para todo o genero de pin-
tura e para tinturara.
Productos industriaos e tintas
para flores, como botes de Aeres
e modelos em gesso para imitar
fructas e passaros com o compe-
tente desenho.
Productos chimicos e industriaos
para photographia, tinturara, pin-
tura, pyrotecnia etc.
Montado em grande escala e sup-
prid directamente de Pars, Lon-
dres, Hamburgo, Anvers e Lisboa
pode offerecer productos de plena
confianza e satisfazer qualquer en-
eommenda a grosso trato a a reta-
| Iho e por preco commodo.
mimnmt>m*
Farinha de naidioea superier.
A tratar com Tasto Ira*tt, ou 'no trapiche Ba-
o
ahorasj deeappareeot!
preparacoes cima.
nico deposito destes -aedicamentos:
Haitei|a iiglexa
320, 500, 800 e 10 s no armazem se acha vista.
Manteca franceza
em Horas 560 e 640, em barris se far differenca. ___.
. Banha de porco
em libras 320 e 380, em porclo se far differenca.
Fructas
em calda Pera, Pecego, Rainha Claudia, Alperxe e outras muitas 500 e 640 a lata.
Ervllltas
Portuguezas 640, francezas 900.
Pomo
em latas dolar e de albaneque, lata 10 e 10200.
CioMoaa de Mllbo
era pacotes, dita da trra 100 e 200 a libra.
Vlnho
de Bordeaux em ca'ixa a duzia 50, garrafa 500, dito de 80 a duaia, 800 a garrafa, [dito a
140 a duzia, 10200 a garrafa, dito do Porto a 80,120,180, 24, cacas de duzia, assim
como figueira caada 30500 e 40, puro J A A Lisboa 2)5800, 30 e 30500 a qoalidade
convida.
as
em lata de 5 galSes e mais pequeas a vontade do comprador, em garrafa.
Alpiste
140 e 16 0 a libra, painco a 100 a libra.
Azelte
em garrafas a 800 e 10.
CHARUTOS
em caixa de 50 por i&, ditos Delicias, Trovadores e Parisienses em caixas de 100, ditos
da Exposico caixa 50, ditos de Regala caixas com 100 a 20500 e outras muitas marcas
que s na presenca dos compradores.
PREZUNTOS
de lamego em barril, ditos de fiambre o melhor .que ba no mercado por preco que faz
admirar! 1
DOCE DE GOIABA
caixoes de 560 fino, ditos de 105UO qne parece marmellada, dito em latas muitoflna
qualidade a 10200.
BOCETAS
com doce secco a 10 e 20.
QUEUOS
do Alentejo em latas chegado pelo yapor Oneida, ditosFlamengos e Pratos dos mais novos
que ha no mercado.
AZEITONAS
de elvas como no mercado n3o temos a 10 a lata, em barris do Porto a 10 como n5o ba
melhor.
UC*.
ATTENCAO
A' LOJA DE FAZENDAS DE AUGUSTO PORTO &
11Ra do Queimado11
c,
Loja do Gallo Vigilante
DE
Guimares k Freitas
RA DO CRESPO N. 7.
Os donos deste bem eonbecido estabeleci-
mento, tem a honra de avisar ao respeitavel
publico, e com especialidades aos seus nu-
jmerosos freguezes, que acabam de receber
nm completo sortimento de objectos de mni-
to gosto e de completa novidade neste mer-
cado e que os tendo recebido emdireitura, os
poder3o vender por menos que outro qual-
qaer.
Requissimos leques de madreperola
branca. '
Requissimos leones .de madreperola preta.
Lindos leques de sndalos para senhora.
Ditos de sndalos para meninas.
Leques de faias multo lindos.
Ditos de ossos.
Lindos port-bouquet com cabo de madre-
perola proprios para casamentes e bailes.
Lindos cintos para senboras com fuellas
e fivellas de dilerentes qualidades e gosto.
1 Requissimos eofeites com coques e sem
elle.
Luvas de jornia, inteiramente novas, bran-
cas, pretas e de cores.
Luvas de seda, fio da escocia, algodo e de
outras qualidades para senhora e homem.
Lindas trancas pretas e de cores om ve-
drilho e sem elle, assim como lindisslmas
guarnieres para enfeilar basquines e botes
para os mesmos.
Lindas touquinbas e sapatinhos ricamen-
te enteitados proprios para baptizados.
Meias de seda para o mesmo fim. *
Bengallinha para meninos.
Lindos pentes de-tartaruga, massa a ontras
muitas qualidades.
Marto boas escovas para deotes, chapeos-
roupa, cabellos, unhas e para limpar pentes,
Superior linhas para crochet.
Agualbas para o mesmo fim.
Lindos agulheiros e dedar de madrepero-
la emarfim, assim como de metal.
Lindas guarnices de botoes, para colets,
punhos e colerinhos.
Ricas capellas para ooivas.
Meias de seda para senhoras.
Superior thesouras para unhas, costara,
cortar cabello, etc., etc.
Finas navalhas cabo de tartaruga, marfim
e outras qualidades.
Suspensorios de seda para homem.
Ditos de algodo para homem e meninos.
Raquissimas caixas com msica contendo
o necessario para costura, proprias para um
delicado presente.
Requissimos livrinhos para missa.
Lindos indispensaveis para meninas das
escolas.
Finos aderecos pretos para luto.
Grande sortimento ue Gnas perfumaras
dos melhores fabricantes at hoje con he-
ridos.
E muitos outros objectos que impossivel
seria menciona-los e que se encontrarlo na
ja do Vigilante, ra do Crespo n. 7.
ermann
PUJA NOVA N. SI,
acaba de receber om lindo e magnifico jot-
timento de ocotes, lunetas, binculos, de ul-
timo e mais apurado gosto da Europa 6 oca
los de alcance para observares e,'para o
martimos.
RIVAL SEM SEGUNDO
Ra do ftneimado a. 49,lo|ad
miadeza
DE
Jos Bigoamno
Carriters de reteoi?de todas as cores a 80 r.
Frascos d'agoa de Colonia moito superior a 500 M.
Frascos de oeo mallo fino a 500 rs.
Baralbos fraaceiesmuito fleos a 160 rs.
Pecas de tranca branca de caracol a 60 rs.
Duzia de tesoaras pequeas a 480 rs.
Frascos d'agua para limpar deotes a 500 rs.
Caixas com colzetes francezes a 40 rs.
Redes pretas Usas para segurar cabello a 330 rs.
Duziis de pennas de ac mnito Anas a 80 rs.
Caixas de liaba do gax de 30 novellos a 800 rs.
dem de palitos de segnranca a SO rs.
Leecos de cassa com barra a 100 rs.
Duzia de facas e garfos de cabo preto a 3#6O0.
Garrafas de agna Florida verdadelra 1JO00.
Babados do Porto de todas as larguras e todos os
P"?os- .
Sylabarios com esumpas para meninos a 320 Fi
Memento da roupa de lavar a 100 rs.
Dniias de meias multo finas para senhora a 4.00
Af albas francezas a balo (papel) a 60 rs.
Pares de sapatos de trasca o tapete a 14500.
Pe^as de flus de lia de todas as cores a 500 re.
Grozas de botoes de porcelana prateados a 180/ j
Caixas com alfineiles francezes a 80 rs.
Caixas de 100 envelopes mnito finos a 500 rs*
Resma de papel de pese branco liso a 24-
Frasco com superior tinta a 100 rs.
Grosas de phospfaoros de gaz a SfOOO
Pares de botoes de panno mnito bonitos 80
Linhas em carteo de 200 jardas a 100.
Caixa de superior linha do gaz com 50 novellos
700 rs.
Talheres para meninos a 240 rs.
Masso com superiores grampos a 30 rs.
Grosas de peonas de ac multo finas a 320 rs.
Bonets para meninos a 1.
Pentes com costa de metal a 400 rs.
Realejos para meninos a 100 rs.
Angosto Porto A C. acabam de receber da Europa superiores cortes de seda de cores para
bailes e casamentos.
Ricos cortes de blond cam manta e capel'a para noivas.
Cortinados bordados para camas de noivasjanellas de 74 a 804 cada om.
Colxas de seda e outras de la e seda o que ba de melbor para camas de noivas.
Toalbinbas de croch para cadeiras e sofs, e?partilhos a soltaoa para senboras, camisinhas
com manguitos bordados e lindos enchovaes para baptisados, e baloes de masselina e de reos para
senboras e meninas.
Lavas de pellica para homem e senhoras e superiores chapeos de sol de todas as qualidades.
La para vestidos baratissima bonitos padrees o covado a 280.
Tapetes grandes para sof, ditos para piano, ditos para cama e pequeos para portas e janellas.
Moir branco e preto superior para vestido; de liados desanos, grosdenaple de todas as cores
seda de quadrinhos, cambraias brancas de muitas qualidades, dita da core inds paralos.
Basquines de seda preta aitims. n>o Camisas para bomens francezas e inglezas de llano e de algodo finas e seroulas de linbo su-
periores.
Capas de borracha, sobretodos e perneiras as melhores e mais elegantes.
Malas grandes para vlagens, ditas pequeas e saceos de tapete e couro.
Bramante branco de 4 largaras a 24300 a vara, pannos pretos e azues, casemiras pretas e de
cores ludo bom e barato.
Neste estabelecimenlo ba sempre um completo sortimento de boas fazendas tanto para a praca
como para o centro da provincia e superiores objectos proprios para casamentos como sejam capellas,
mantas, vestidos de bionde e de moir branco, cortinados, colchas, vendendo-se tudo mais barato e
tambem as melbores
Esteiras e alcatifas para forrar salas,
11Roa do Queimado11
1
F4ZEMD4S NOV\S
DEPOSITO GEIUL
do assucar crystalisadoda fabrica a vapor da
povoaco do Monteiro
o. 26 Caes 22 de Novembro n. 26
O novo proprietario deste grande estabelecimento convida ao respeitavel publico,
que se acha de novo nccionando fabrica do Monteiro, e que no estabelecimento acinn
encontrarlo sempre um sortimento de assucar crystalisado em pahs e ralado que se ven-
der nao s a varejo (isto de meia arroba para cima) como por atacado para tora da
provincia.
0
ri'iicMffs be ornamos be igbeji
Ba do Imperador N. 23,
Defronte de S. Francisco, le andar.
Acaba de receber de Paria um rico sortimento de ornamentos e objectos de
bronze, prateados e dourados, proprios de igrejas e capellas, taes que : candelabros,
casticaes, custodias, turbulos, lampadas e cruzes de diversos gostos e tamanhos. Os
procos desses seeros sao commodos, e devem ser aproveitados.
J^Two das rt> 4o Ltvraaooto oo Forte do Mattos.
de Ho
Yende-se a casa terrea o. 44 da roa
. ocoiomb : a tratar na mesma casa._______
Pjiarmacwdej.^p^ ru larga doRo-j Venfle-se-tteo'de ricino m latas de 30 libras:
sirio n. 10, em Pernambuco.
'na roa da Cadeia-velba n* 1, do segundo andar. ]
Na ra do Trapich n 16.
acham-se os seauintes depsitos
Be R. Breningnaas em Nuits.
Bourgogoe.
Vinbo Pommard tinto.
Cortn tinto.
Santo Georges tinto.
Chambertin tinto.
Rlchebourg tinto.
Clos de Voogeottino.
Cbablis branco.
De I. A. Wtef em Francfort:
Rueo.
Geisenhemer.
Liebfraomilcb. ...
Marcobronner.
Em casa de Tbeod Christiansen, ra do Tra
che-novo n. 16, nico agente no norte do Brasil
Brandenburg freres, Bordeaux, encontra-se aa
tactivamente deposito dos artigos seguales:
St. Julien.
St. Pierre.
Larose.
Chateau Loville.
Guatean Margaux.
Grand vio Chateau Lafitta 4880.
(batean LaAte.
Haut Sauternes.
Chatean Sauternes.
Chateau Lataor Blancha.
Chataao Yfoem.
Cognac em tres qaaHdades.
Aiwtedoce. Preoos de Bordea.
Xarope e pasta de Seiva
DO
Plnheiro martimo
DI
Preparaeoes mui preconisada? pelos sabios mdi-
cos de Paris, com as melbores at boje diseobertas
para a enra certa de todas as molestias do peito,
bronebites agudos e ebronicos, astbma e ainda das
affecedes das vias urinarias.
DEPOSITO ESPECIAL
34Roa larga do Rosario34
Pharmaela de Bartholomea AC.
Bola para earroea.
Ha para vender bonitos e possantes bois mansos,
para cerroca : no sitio da rna do Mondego o. 1
i
Ps de coqueiros
a 500 rs., se a compra fdr mais de 100 far-se-ha
om abatimeoto
45-Rna DlrelU -45
Peehineha.
O novo proprieurio da loja de calcado da roa da
Croa n. 21 vende a dinheiro vista superiores bor-
zegoins nftRadoae lisos para senhora, menina e
menino, pelo arato preco de 14300, 24000, 34.e
44000. -. 7
Farinha superior
Tem para vender Antonio Loii de Oliveira Aie
vedo & C, no seo eaeriptorio, roa da Croz o. 1.
para as festasde S. Antonio, eS. Joo
no armazem do Paro rna da
Imperatrlz n. 60
DE
GAIA & SILVA
Receberao-se pelo ultimo vapor da Euro-
pa as mais novas fazendas como sejam :
Bonitas cassas de listas grana-]
dies.- f
Ditas castelhanas. |vara 800
Ditas da Italia. \
Ditas transparentes com os mais moder-
nos e mais delicados gostos vara a rs G10.
Ditas de diversas qualidades com novos
gostos o covado a rs. 240, 280 e 320.
Cortes de medina sendo urna bonita fazen-
da transparente com lindas palmas e qua-
dros de seda tendo cada corte i9 covados a
rs, m.
Ricos cortes de vestidos brancos com lin-
das barras bordadas em alto relevo a 24$.
Ditos brancos tambem bordados a rs, 5# e
Cortes de poil de chvre com 18 covados
a m.
Modernissimas vareges tapadas e transpa-
rentes com as mais delicadas cores e com bo-
nitas listas de seda, covado a 640,800 e i.
Alpacas lizas enfestadas com as cores mais
modernas o covado a 640.
Ditas enfestadas com lindos lavores grfi-
dos e miudinhos covado 560.
Bonitas alpacas lavradas com os mais mo-
dernos dezenhos covado a rs, 800 e 10.
Ricos cortes de vestidos de fil enfeitados
a 300.
Poupelina de quadrinhos transparentes
com os mais apurados gostos e quaze a lar-
gura de chita franceza covado a rs, 640.
Ditas mais estreitas porm muito bonitas
covado 500.
Sedas de cores com 4 palmos de largura
covado 2J.
Ditas estreitas lizas de listras covado 20.
Grande sortimento de grosdenaple pseto
covado a rs, d600,10800, 20, 20500 e 30.
Ricas sedas lavradas.
Saias com quatro pannos ricamente bor-
dadas a rs, 50, 60, 70, 80, 100, e 110.
Tarlatanas brancas e de cores vara a rs,
800.
Fil branco lizo vara a rs. 8 0.
Dito de flores para vestido vara rs. 640.
Outras muitas diversidades de fazendas
que se mandam tambem levar em casa das
Exmas, familbasparaescolherem ou do-se as
amostras deixando ficar pennor no armaze-a
do Pavao ra da Imperatriz n. 60. de Gm
ma & Silva.
Bordados do Pav&o
Entremeios largos
Babadiuhos estreitos
Babadinhos largos
Entremeios estreitos
os e traaspareates
Gama YSilva receberam urna grande por-
clo dos mais finos babadinhos e entremeios,
tanto largos como estreitos, sendo tapados
e transparentes com os verdadeiros borda-
dos a alto relevo tendo de todas as larguras
e deaenhos, "grande porco igual para qual-
quer obra, que assim possa ser preciso, a
garaotem que podem vender por mens 40
ou 50 por cento, do que em outra qualquer
parte, attendeodo a, grande porclo que tem
no seu armaiem do Pavao: ra da Impera-
Lrizn.60,deGama*Silva.
VERDAOEIKO LE RO
ioibt, DiHwt-IMtdn
Ru de Soine, 51, a. PARS.
Em cada garrafa, vai. ratre a roflu e o ppl azul
qne lci o meu linelf, um rotulo iaprnto nu una-
relio com O SBLLO iKI'iaiiL DO C0TE'->0 miNf.- z.
f.B.-
tfndf-sruna :.Ifr
dr fi" fraiKo so- i
brePart.3.-,iirl i
t en fhi ,i, *'a j
do aly.-itirin : 'ilo !
uior c, ,i. i
Deposito na pbarmacia
C. em Pernambnco.
de P. Maurer e
XABOPE DEPUHATIVO
DE CASCA DE LARANJAS AMARGAS
COM IODRETO DE POTASS10
DE
JP. I ai-oze.
pbarmaceueo em Paris
O ioduretodepotassio um verdadeiro al-
terante, um depurador de incontestavel efi-
cacia; combinado com o xarope de casca de
laranjas amargas, aturado sem pertubaco
alguma pelos temperamentos os mais fracos,
sem alterar as funeces do estomago. As do-
ses mathematicas que elle contem permittem
aos mdicos de receital-o para todas as cem-
pleicoes, as affeccoes escrofulosas, tubercu-
losas, cancerosas e nos accidentes intermit-
tentes e terceiros; alm d'isso, o agente o
mais poderoso contra as doencas rheumaticas.
Deposito em todas as pharmacias e casas de
drogaras no Brasil.
Expedices, em casa de J. P. Laroze, rae
des Lions-St-Paul, 2, Paris.
A' venda na pharmacia de P. Maurer &.
C.a, ra Nova n. 25.
Rotondas
Vendem-se rotondas de fil : na rna do Livra-
mento o. 26, a 34000.
Paris, 36, Rna Vlvienne. D-
DEPURATIFI
du SANG
DAS ENFERMIDADAS DES SEXUAES, AS AFKKO
CQES COTAWEAS, E ALTEBACOES DO SANGUE.
5,000 curas dti impingent,
ittulaM, herpes, $ama,
omixoet, acrimonia, e at-
leroeM,vieiotas do sangue
viru$, e alteraeoet do tan.
gue. (Xarope vegetal sem mercurio). Separativas
resetaca ba.mios ma i it ais tomao-ee dous
por semana, seguindo o tractamento Depurativo: i
empregado as mesmas molesUas.
Este Xarope Citracto de ferro
de CHABLE. cara immedia-
tamente qaalqerntrgae o,
relaxacao, e debilidade, a
igualmente os fluxos e flortt
brancas das mnlhere. Esta injeccao benigna ent-
rega-M com o Xarope de Citracto de Ferro.
Heaaorraidaa, Pomada qae aa cora em tres dias.
POMADA ANTIHERPETICA
Centra: bu affeccoes cutneas comixoes.
PILULAS VEGETAES DEPURATIVAS
*o av CkaMe, cata frasee val accsaipabado da tu
COPAHU
Bap Pan lo cordel ro e viaiada
A loja de miodeus a roa do Qnainaada n. 10
receben nova remeasa do rap Panto Cordeiro a
Viajado, e continaa receber por todos os vaores,
AVISO AOS 8RS. MDICOS.
Cora cmarrhes, loutt
evfwteeAw, irritacbu
nerwotai tas doi bron-
chiot t uit as doencas
de peito; basta ae doeota
urna colhe rcb.de deste xarope D' Foaerr.
Dr- caiAJau *a Parta, nut vuicawe, SO.
A venda na pharmacia de P. Maurer p
e C em Pernambuco.
Sirop du
DfFORGET
GAZ GAZ GAZ
Chegou ao antigo deposito de Henry Portter &
d, roa do Imperador, om carref amento e gas de
primeira qnalldade.o qaal se vende em partidas e
i retalbo por aneaos preco do qae em oam Jbal
ijoer parte.
Sevada.
Vende-se evada anlto nova a 34 a arroa*
ma Direiu a. 30. W~
-r
-



-1^ "
Dlarl* levmmtaet taarta letra 19 ele 4alh* 4c 1867.
'*
A
?
V.
Salisfeito o inveoeive Veado Braa, com as maneiras attenciosas com que
folacolhido pelo rospeitavel publico desta briosa provincia, a ponto de que maitos a por-
fa despularam a satisfacSo de serem os primeiros a comprarem em seu importante arma-
zem, se desvanece em declarar com toda a lealdade de que capaz, que est cada vez
mus animado, n que dispe porque at hojelo careceu ainda dos preparados de jurabeba, nem do
xarope alcoolico de veame.
O Veado Braaeo, declara a quem ainda o nao conbece que nao um
desses bichamos intrataveis que por abi vivera com figura humana; domesticado no
ameno paiz onde a amavel Aguia Branca vio a luz do astro bemfeitor, elle partidario
desse invejavel 3grado e sinceridade que com tanta gravidade se desprende do seu
bico encantador.
O Veado Braaeo, como todo o bomem civilisado, ama a sociedade dos
bons, gosta do centro do mundo elegante, usa do tnico de Jayme, para previmr que lhe
ponaam a calva ao sol, vai a companbia des Bonffes Parisiens e no meio do partido de
madame Adelle, elle tambem atira-lhe o seu lindo bouquet.
Digne-se o benigno leitor de jurar as palavras sinceras do sincero Veado
Braaeo, e venba prover a sua dispensa do quemelhor se pode encontrar n'um estabe-
cimento de molnados.
A modicidade dos presos, comparados com a boa qaalidade dos gneros e o
bom modo com que se recebe os setihores compradores, deve cortamente convidar as
pessoas que ainda nao vierara nossa casa a fazer parte dos amigos e freguezes |do nosso
Noarmazem de fazndas de
Santos Cx>elhotrua do Quei-
madon 19.
Peales de tartaruga e otros de metal I tes pretaz de borracha, e continua'a vende-
A 3(7)113 rll"3 n*1 *nt *I f\ __ n l..______ '.__ a m
BELLISS1M0 1RMAZEM
DE
MOLHADOS
CONHEQDO PELO NOME
DI
VEADO BRAMO
Estabelecido ra Direita n. 16.
Esquina da travesea de S. Pedro.


Lourenco Pereira Meudes Guimar&es.
Proprietario das lojas e armazens da
Arara, ra da Imperatriz
ns. oG e 72.
Tendo recebido pelos ltimos vapores da
Europa diversas qualidades do fazndas do
que faz ver ao respeitavel publico, vende
barato s alim de apurar dinheiro, como
nenhumoutro.
Attenco.
Chitas a 160 rs. o corado.
Yendem-se chitas em re taino a 160 rs. o
covado.
Ditas em peca a 200 rs. o covado: roa
da Imperatriz lojas da Arara ns. 56 e 72.
Panno preto fino a 1#600.
Vende-se panno fino preto para calca e
palitots a 10600, U, 20500 e 30000 o co-
vado, cortes de casimira preta para calcas a
30, 30SOO e 40000: ra da Imperatriz lojas
da Arara, ns. 56 e 72.
MOZAMBIQUE A 400 RS.
Vende-se urna nova fazenda com palmas
de seda por nome mocambiqne para vesti-
dos de senhora a 400 rs. o covado : ra da
Imperafiz lojas ns. 56 e 72.
Baldes a 20000.
Vende-se bales de arcos de todos os ta-
manhos a 20, 30 e 3?$5C0: ra da Impera-
triz lojas da Arara n. 56 e 72.
Lazinhas a 200 o covado.
Vende-se lasinhas para vestidos de se-
nhora a 200, 240, 280, 320, 400 rs. o co-
vado : s na ra da imperatriz ns. 56 -e
72.
Chitas francezas finas a 240.
Vende-se chitas francezas largas a 240,
280 e 320
160, 180, 200, 250, do ultimo gosto: roa
da Imperatriz ns. 56 e 72.
Madapolo de 24 jardas a 40000.
Vende-se pecas de madapollo com 24 jar-
das a 40, 50, 60, 70, 80 e 100000: por
estes pregos s na Arara ns. 56 e 72.
Algodosinno a 30 a peca.
Vende-se pecas de algodaosinho a 30, 40,
50, 60 e 70000 o mais barato que se pode
vender: na ra da Imperatriz ns. 56 e 72.
Cotim e castor para calcas a 800 o
corte.
Vende-se cortes de cotim e castor para
caifas de bomem a 800 e 10, ditos de brim a
10280 e 10600, ditos de brim pardo liso a
10200 e 10400: roa da Imperatriz ojas da
Arara bs. 56 e 72.
Bareje com listas a 32o.
Vende-se bareje om listas para vestidos
de senhora a 280 e 320 o corado.
Laasinha escocesa a 280.
Vende-se lasinhas escocezas para vestidos
de senhora a 280, 820 e 400 o covado: ra
da Imperatriz loja e armazem da Arara ns.
56 e 72.
Roupa feita nacional.
Vende-se palitots de panno fino, saceos
fraques, a 50, 60, 80 e 10; ditos de
casimira de cores a 40, 50, 60, 80 e 100 ;
coletes de casimira a 30, 30500; calcas de
Drim pardo a 10600, 20; ditas brancas de
linho a 30500 e 40; ceroulas a 10, 10600
e 20; calcas de castor a 10280 e 40600.
Palitots de alpaca branca e de cores a 40,
40500, e pretos a 30,30500 e 40. Palitots
de brim a 20, 20500: roa da Imperatriz
s. 56 e 72.
Cobertas de chita da Arara.
Vende-se cobertas de chita a 10800, 20,
20500; ditas de damasco a 40; ditos de
fustSo a 60 e 0500: ra da Imperatriz lo-
e 320 o covado: ra da Imperatriz a. ov o i&. _,. ,,h,i.,.imi .,
i,-,: a. i__. B -a r ri-u__i j v a. i >este esiaDeiecimeeto > rna da Imperatr z D.
lojas da Arara n. 56 e 72. Cobertas de chita da Arara. 70. encontrara- o respeitave pabiico a lindo e
Chales de merino a 20ooo. Vende-se cobertas de chita a 10800, 20, variado sortimento de miudezas perfumaras da
Vende-se chales de mirin estampados a 20500; ditas de damasco a 40 ; ditos de sociedade bygienica Lubio, Piver e Condrai, lavas
20, 20500; ditos 4e 13a a 1,9000, ditos de stSo a 60 e 0500: ra da Imperatriz So- Seca0X'c^dZdTep,r.seafnf i c,f
phantasiaal0OOO: ra da Imperatriz lojas' jas da Arara ns S6 a72. ^cS^J^SaJSS'ff JS>qti
da Arara n. 56 e 72. Vende-se bramantes para lences a 203001 em otara qualquer parte, o* Inu consumidores
Basquinas a 140000. e 20800 o covado; e muitos Olltros obieetos I ?' necessitatn ter encommodo de irem ao bairro
Vende-se basquinas ou casaquinhos de I que seria enfadonho mencionar.
Grosdenapoles preto para senhora a fi,| Ra da Imperatriz ns. 56 e72.
PBA.M4CIA
DE
Joaquim de Almeida tinto
A jurubeba contra o ingorgi-
tamento do figado e do bago.
Era extracto alcoolico, emplas-
tro, oleo, tintura, plalas,
xarope e viuho
A jurubeba ama das substancias medi-
camentosas que pertencem ao reino vege-
tal, e pertence a classe dos tnicos e desobs-
truentes, sendo empregada com vantagem
contra as febres intermitentes acompanhadas
de engo- gitamento de figado e de baco. Ella
tem sido appheada com incontestavel pro-
ve to contra a anemia ou chlorose, e hydro-
phesia, catharro da bexiga, e mesmo para
combater a menslruacao difficil, resultante
da mesma anemia ou chlorose.
Depsitos geraes
Em Pernambuco, ra larga do Rosario
n. 10, Rio de Janeiro, pharmacia do Sr.
Dourado, Rio Grande do Sol, en casa dos
Srs, CascSo & C, Macei, pharmacia do Sr.
Claudino, no Havre, pharmacia de Mr. Ma-
rical, em Lisboa, na pharmacia do Sr. Feij.
(Vmedissdo Dr. J. G. ayer, ex-ltaie
dsUaiversidaie de peasylvania, nos
EslaoVs-Snides.
Extracto composto de salsa-par
rllha de Ayer.
Peltoral de cereja.
Remedio para sezoes.
Minias catharticas.
O deposito central para as provincias
Pernambuco, Alagoas, Parahyba e Rio-
Grande do Norte, destes remedios t3o fa-
voravelmente conhecidos e acolhidos em
todas as partes da America do Sul e do
Norte, acha-seem casa de Theod Chris-
tlansen, 16 ra do Trapiche en
Pernambuco.
Os procos de *
330 por duzia de estrado de salsa-parrilha.
270 por duzia de peitoral de cereja.
270 por duzia de remedio para sezoes.
70 por duzia de pilulas catharticas
se entendem dinhelro vista, coa
o descont de 5 por cento em quantidadet
de 6 a 12 duzias, e de 10 por cento em
quantidades superiores a 12 duzias.
Farinha de mandioca a 3J80Q
armazem de Candido Alberto Sodr
travessa da Madre de Dos n. 14.
o sacco : no
da Malta na
Boias
Vende-se na fundifo da Aurora em Santo
Amaro, 2 boias de folha de ferro de 3(8
grossara, com fondo semispherico e altara
cnico, tendo 15 1|2 palmos de alto e 6 3j4
ditos de dimetro com olhaes mauilhas e 2
balas de ferro fundido para amarracSo, etc
Vende-e a armaco sita a* roa das Cinco-
Pontas, n. 68, propria para qnalqaer negocio, a
qoal casa' tem commodos pera familia, quintil e
portao, tudo Independenle da loja: a tratar na
mesma das 10 horas da maaba a's 3 da tarde.
4 LEALDADE
e Recife para se proverem do
que precisaren, pois na Lealdade acbaro lado
do melbor gosto e por precos muilo coamodos.
. Bom e barato
Cambraia de cores matisadas finissimas a
800 a vara.
dem brancas ranspjrente floas de 40,
5*, 60, 70, 80 e W50 a peca.
Baloes de arcos para senhora a 20500.
dem de arcos de cores a 30500.
dem de arcos brancos nesgados a 30 e
30500.
dem de mursulina a 50.
dem de mursulina para meninas a 30 e
30500.
dem de arcos para meninas 10600 e 20.
Cambraia de salpicos branca a 40500 a
peca com 8 1/2 varas.
dem admascada para cortinado a 120 a
seca com 20 varas.
dem para forro a 30 a peca com 10 jar-
das.
Retondes de fil a 60.
Chales de fil a 50.
Lencos de cambraia brancos finos a 10800,
20 e 24500 a duzia.
Lencos de cassa fimssimos a 30200 e
30600 a duzia.
Cambraia de linho moito fina de 60 e 90 a
vara.
Madapoldes finos de 70, 80, 90,100,110
e 120 a peca.
dem enfestado muito fino a 90 a peca
com 20 varas.
Platilha de algodSo superior fazenda para
saias a 30200 a peca com 10 varas.
Cobertas de chitas da India, muito grande
a 20600,
Lences de hamburgo fino a 20400.
dem de bramante a 30200.
Pannos adamascados para cobrir mesa a
40500.
Guardanapos de linho adamascados a...
30500 a duzia.
Atualhado adamascado com 7 1/2 palmos
de largura a 20 a vara.
dem adamascado de linho com 7 1/2 pal-
mos de largura a 30 a vara.
dem trancado de algodo a 10500 a vara.
Algodo enfestado com a mesma largura
a 10100 a vara.
Toalhas alcochoadas de linho a 110 a duzia.
dem com pello a 430 e 140 a duzia.
Fil de linho liso a 800 a vara.
dem com salpicos a 900 a vara.
Grosdenaple preto superior de 10800,
20 e 20500 o covado.
Morantique preto superior a 20800 o co-
vado. .
Flanella de todas as cores a 800 o covado.
dem branca a 600 o covado.
Bramante de linho com 10 palmos de lar-
gura a 20500 a vara.
dem de linho com 5 palmos a 10200 a
vara.
dem de linho com 3 1/2 palmos a 800 a
vara.
Assim como outras muitas fazndas que
se vende por menos que em outra qualquer
parte, e d-se amostras de tudo,_________
Fazndas boas e baratas
para acabar.
Rea do Crespo n. 8 B.
Os novos proprietario? deste estabeleeimento,
qaerendo acabar com varias fazndas Anas teem
resoivido vender por precos muito mdicos, os
secuintcs artigos : riqakslmos cortes de seda
de cores com listas, pelerinas pretas de den-
telle e de cores, fixs de gripuri, ntremelos
transparentes e babadinbos transparentes ; riqais-
simas mantas de fil preto, puchos, pollas para se-
nbora ; muito bom atualhado de linho e de algodo,
pardo e branca, sedinbas de quadros, vestidos de
lia com barra, pelo baratissimo preco de 000;
camzinhas de cambraia tapada, ditas transparente,
toalhas de linho bordadas, retondas de renda, es-
partilhos muito ricos e baratos, lavas pretas de
torcal, pannos de crochet para mesa, ditos para
cadeiras, ditos para sof; riqaissfmas colchas de
crochet, ditas de damasco de seda, ditas de 13a ;
riquissimos cortinados para janellas, ditos para ca-
ma, saias bordadas, pelo baratissimo preco de 5 ;
moito ricas capas de cambraia branca bordada,
isactembaqaes e capas de gras preto, por preijo
; muito barato, tarlatana de todas as cores e muilos
I bons cintos ajardineira, pelos baratisslmos precos
de 45, 45500 e 5J ; loalbas de atualhado de li-
! nao com trinta palmos de comprido, ga'.e de seda
de muitos padroes, pelo baratissimo prego de 400
rs. o covado ; assim como muitas outras fazndas
que s com a vista do freguez se podero ennume-
rar. Tudo isto, na loja da ra do Crespo n. B
de Fernando Gomes da Silva & C.
A aguia branca: ra do Qeimado u. 8
acaba de receber algumas amostras de pen-
tes da tartaruga para senioras, todos de no-
vos mbldes e bons gestos, sobresanando en-
tre elles alguns cujas novidades em mol-
des, e perfeicSo de obra os tornam recom-
mendados para quem aprecia o bom; assim
como recebeu igualmente outros mui forni-
dos e bem feitos para desembaracare outros
com eixo para dobrar e propriospara barba.
Tambem recebeu outros de metal pratea-
dos e dourados, que de tal molde sao os pri-
meiros que apparecem os quaes com o semi-
crculo que fazem sobre o coque tornam-os
mui bonitos.
Carapncas brancas
Vieram muito boas, epor isso vendem-se
a 10200 e 20 na loja da aguia branca : roa
do Queimado n. 8.
Babadiuhos crespos
O novo sortimento qne acaba de chegar
continua a ser vendido como dantes 20500
e 30 a peca e sempre na ra do Queimado
leja da aguia branca n. 8.
Pentes enfeitades para meninas
Vendem-se na loja da aguia branca: roa
do Queimado n. 8.
Bollas de ail
Vendem-se na loja da aguia branca : ra
do Queimado n. 8.
Bonitos port-relogios
Vendem-se na loja da aguia branca : roa
do Queimado n. 8.
Para mesas
Galheteiraspara azeite e vinagre.
Saleiras de vidro e paliteiros de porce-
lana.
Vendem-se na loja da agoia branca: ra
do Queimado n. 8.
Lavas de pellica preta.
Cbegaram para a loja da Aguia Branca :' a ra
do Queimado d. 8.
Ramos de flores para coques
A. aguia branca acaba de receber um nico
cart5o com ramos de flores para coques.
A'perfeicao e delicadeza dessas flores tem
satisfeito a todos que as tem visto e com-
prado a 50 cada ramoisso na ra do Quei-
mado, loja da aguia branca n. 8.
Faca favor de 1er
para saber o que de novo chegou na Aguia
branca a ra do Queimado n. 8.
Trancas pretas de vidrinhos com pingen-
tes, e sem elles.
Botes pretos e de cores, enfeitados com
vidrilhos tendo com pingentes e sem elles.
Alamares pretos para basquines.
Novas e bonitas guarnicoes pretas para
ditas e vestidos.
Coques de bonitos moldes.
Ditos de sndalo e seda.
Ditos pretos para luto.
Enfeites de flores obra de bom gosto.
Pentes de tartaruga obras modernas, e
apurado gosto.
Pentes dourados e prateados, moldes no-
vos e bonitos.
Bonitos e modernos galoes de seda, de
cores para vestidos.
Bicos de seda e guipure.
Leques, todo de madeperola e sndalo.
Ditos de faia, os quaes fazem quatro
vistas.
Ditos todos de sndalo, e sndalo eseda
para meninas.
Bonitas cestinhas bordadas a froco para
meninas.
Escovas de cabo de marfim, e madrepe-
ro!a para dentes.
Abotoaduras bonitas para coletes.
Brincos de corrente de borracha, voltase
pulseiras de dito.
Aderecos pretos para luto.
E muitos outros objectos que serao pre-
sentes ao comprador que se dirigir a dita
loja d'Agoa branca a ra do Queimado n. 8.
Agora sim
Acabarn-se as moscas.
Porque a aguia branca acaba de receber
porclo de papel mata mosca e continia
a vende-lo como d'antes a 40 rs. a folba,
compareci pois os pretendentes e ser5o
servidos na loja d'Agua branca ra do
Queimado n. 8.
Nova remessa
De corren tes de boracha.
A aguia branca a ra do Queimado n. 8
recebeu nova remessa das desejadas corren-
las como d'antes a 30 a vara.
Vende-M a taberna sita a' rna do Forte"
outra nos Balrros-baixos, com poneos fundos, pro'.
pria para principiante : a tratar na mesma, ou a
rna do Imperador n. 16.___________________
Vapores.
?ende-seem casa de Sauafers Brothers & C,
no largo doGorpoSantn. 11*,vapores patentes
con todos os pertences propriospara fazer mover
tres on quatro machinas para desearocar algodo.
Verdadeiros
Collares Royer
Electro Magnetices Anodinos
Ou CollarerAdinos, para facilitar a der>
ticSo das criancas contra as convnlsoea
das mesmas, a estes collares nos escaza do
fazer qualquer recommendacao, visto a
grande utilidade que tem produzido queiies
pais que os tem applicado em taes circun-
stancias pois nos parece que nao haver um
s pai ou m3i que por este meio nao quei-
ra por termo a taes soflrimentos de seus
fllhinhos visto ser um mal que tanto os
flagella, pois a estes collares acomoanha nm
folheto que ensioa como se deve appliear, e
vende-se na loja do Gallo Vigilante, ra
do Crespo n. 7, pelo preco de 40000, 50
Loja da consciencia
Ra das Cruze* a. 30.
Neste estabeleeimento encontrarlo os fregueres
um completo sortimento de aviamentos proprios
para calcado por precos muito commodos, bem
como um variado e escolhido sortimento de :a!-a-
do para bomem como sejam :
Borzeguins francezes de lustre para homem a
75500.
Ditos ditos de bezerro para dito a 65500.
Elsticos de seda para borzeguins a vara por
15800.
Formas francezas chapeadas para homem a 4f
-
Agua mineral .
ferruginosa, acidulada, gazoia e carbnica
p
OfIBZZA.
O uso d'agoa de Orezza mui particularmente
reeommendado pela escola de medicina de Pars,
para todas as affecefes do tnbo digestivo, ingorgita-
ment das viceras abdomines, e geralmente todas
as molestias provenientes de fraqueza orgnica, cu
pobreza de sangue.
DEPOSITO ESPECIAL
34Rna larga do Rosario34
Pharmacia de Bartholomea & C
Escravos rugidos
Contina a estar fgido o escravo Luciano
encolo de fdade pouco mals on menos 29 a 30
amios, baiso e gfosso do corpo, rosto oomprido e
camodo, naris chato, cabellos carapinhos, beicos
grossos, barbado, as vezes asa s de bigode, olhos
pequeos ; muito ladino, trabalha de sapa'.eiro,
assim como no campo: consta que transita em
Trombeta, Collonia de Pimenteiras Leopolpina e
nos engenbos Cndalo e S. Benedicto : quera o
capturar leve-o ao sea Sr. o capito Jos Candido
das Neves no engenho Papagato, termo de Porto
Calvo, on no Recife na ra do Apollo n. 32, qae
era generosamente gratificado.
Fugio no da 4 docorrenle do enge-
nho Macaco, o escravo Jos, crionlo, com 40
annos de idade pouco mais ou menos, cor
fula, pouca barba, altura regular, o umbigo
muito grande, pernas acambetadas, e com
marcas de feridas, ps grossos e feios, quem
o pegar leve-o aoreferido engenho Macaco, da
freguezia de S. Lourenco deTijucupapo a seu
Sr. Henrique Olympio Tavares da Rocha, ou
na cidade do Recife a seu correspondente o
Sr. Joo Pereira Moutinho, que ser gene-
rosamente recompensado.
Gratifica$io.
Gratificase a quem apresentar ao Dr. Joaqaim
Baptista Moreira, morador a' ra da Saudade, o
sen escravo de nome Augusto, natural do Para',
idade de 33 aBnos, estatura regular, edr fu.:, o
qual anda com ronpa de servicocalca, camisa e
chapeo de feltro usado, trazendo alm disto a ca-
beca atada com nm lenco, por t-la raspada. In-
culca-se forro, para andar ganhando dentro da ci-
dade ; pois desde sabbado, 13 do corrente, qne se
ansentou, e (o visto no bairro de Santo Antonio a
fazer carretos. Recommenda-se, cntrosim, a's au-
toridades policiaes a sua captara, bem como pro-
testa-se proceder contra qnem Ibe prestar aconta-
ment.
LISTA GERAL


28:
44:
*.
-
DOS PREMIOS DA 11. PARTE DA LOTERA CONCEDIDA POR LE PROVINCIAL N. 605, A BENEFICIO DAS FAMILIAS DOS VOLUNTARIOS DA PATRIA, EXTRAHIDA EM 16 DE JULflO DE 1867.


NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS.
4
7
9
i
17
29
39
33
34
40
46
47
82
SS
58
69
7.
74
78
84
85
90
96
10!
3
8
10
17
18
27
32
36
38
40
41
44
46
49
SO
63
65
205
65
20#
65
169
80
81
84
86
92
94
200
1
9
14
15
18
19
22
28
38
32
34
38
43
61
62
83
88
78
83
88
97
|99
303
18
16
30
36
38
40
61
69
63
405
65
205
65
105
**i
405
65
205
5
205
65
368
70
72
77
78
82
90
91
95
96
402
8.
20
23
28
29
33
44
47
80
82
64
66
7f
78
"83
96.
99
801
9
II
13
21
25
38
39
. 40
44
48
48
105
65
1005
65
205
860
63
65
86
60
64
65
67
602
11
13
24
25
29
34
47
54
58
63
75
80
95
708
11
13
14
16
18
19
23
87
7
77
81
83
81
86
800
4
8
65
105
65
405
105
65
10
65
105
65
812
22
30
35
36
37
47
60
83
39
71
72
73
80
86
92
908
17
23
24
26
33
46
47
48
49
84
88
57
60
61
62
68
71
78
84
93
94
96
99
1005
65
1000 65 1222
2 r- 25
10 26
11 48
12 59
22 _ 63
33 66
37 69
41 84
44 105 90
47 5 94
51 95
62 98
84 1303
57 14
88 18
67 28
80 31
87 38
88 41
90 48
1109 ^m 47
12 'ym 48
14 __ 82
27 mm 62
29 _ 72
40 _ 77
48 _ 78
56 82
63 _ 84
69 mm 86
72 90
74 _ 91
80 _ 1406
93 _ 8
96 11
99 405 .15
1200 65 17
9 28
10 tm 29
MS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS.
65 1449 65 1694 65 1889 65 2064 65 2268 65 2473 65 2727 65
-. 54 1704 94 105 71 78 205 81 105 28
55 7 1913 65 74 78 105 87 65 29 105
105 59 9 16 78 _ 84 65 88 55 65
65 64 14 18 79 _ 88 94 56
67 . 17 19 84 _ 92 96 62 .
p* 73 18 21 96 _ 99 2607 ^M 66 205
79 22 30 2103 _ 2300 17 105 68 65
mm 82 23 31 7 105 4 105 20 65 71
^~ 84 ~ 26 36 14 1005 8 65 36 75
"~' W- 27 40 16 65 7 43 ^_ 82
90 30- 54 M 17 8^ 205 -46 ' 86 105
405 92 34 59 ^j 28 9 65 49 87 205
65 M02 37 62 29 26 80 90 65
~- 26 51 65 ; 46 28 66 n 92
30 60 66 80. ^_ 19 69 _ 2803 _
-~ 31 62 68 405 64 32 82 MM 20 _
37 63 Pm 69 65 58 33 86 l^m 24 _
" 42 70 70 62 _ 38 89 42
43 72 79 64 49 2601 ^M 49
*~ 48 V 79 80 .. 68 _ 80 18 mm 60
49 80 86 _ 66 __ 89 105 21 H 52
51 81 265 87 a. 67 81 65 23 wm 84
205 62 83 65 93 __ 71 _ 89 34 mm 87
ti 68 86 98 105 77 ^ 90 205 36 3005 69 205
7 88 99 65 94 w 2404 65 41 5 72 65
79 91 2001 96 ^M 8 46 10 76
105 82 1803 6 105 98 ^fl 16 t- 47 65 77
65 86 6 ~. 10 205 2202 205 28 80 78 _
87 10 11 65 ; 6 65 31 ' 68 82
105 88 13 15 8 32 81 _ 83 105
65 90 27 24 11 __ 33 89 105 84 2:0005
1617 30 105 16 13 Smm 38 93 65 88 65
19 34 405 27 . 29 --- 40 2709 105 89
48 43 65 33 30 42 10 105 2996 _
86 80 41 34 87 405 11 65 10
105 88 67 43 40 60 (65 13 23
5 68 68 44 68 ~ 63 fc 16 405 28
76 69 84 69 67 17 65 29 __
7 87 105 61 105 60 71 l n l 33 ~
2936 65 3696
51 99
54 _ 3101
87 a 2
58 12
60 6605 20
61 65 23
64 405 V
66 65 29
67 405 31
72 65 37
78 105 39
83 65 41
90 42
93 44
94 _ 46
95 47
8003 82
8 205 62
-18 65 67
15 mm 70
17 76
18 _ 78
28 __ 83
29 84
30 88
37 87
40 88
48 89
82 90
65 91
62 93
63 _ 94
64 3113
70 19
71 ^- H
72 13
73 19
82 6:0005 31
w 61 3*
MS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS.
65 3233 1005 3401 65 3882 6
34 65 4 83 105
37 ' u 92 65
39 _ 11 3601
41 _ 23 2
42 w 26 17
105 48 ^ 36 28
BJ 46 10f 40 28 m.
81 65 46 265 26
52 48 65 29
83 64 30 105
305 50 80 34 65
65 88 84 39 105
68 87 44 6
66 . 89 105 68
85 . 92 65 68
205 86 mm 96 71 ~
405 87 __ 98 81
65 91 105 99 98
3303 65 3803 3711 -_.
6 4 19 d
7 8 . 30 R_
11 10 16 31 mim
14 65 20 31
11 ' 23 33 _
17 24 34 ^^
34 ! 33 80 10
38 36 81 65
105 48. 37 84
.65 68 40 68
_ 68 48 405 . 86
69 . 61 65 66
74 105 87 66
79 65 *, 67
83 68 69
_ 84 _ 70 1005 71
88 105 73 65 71 1805
_- 99 65 74 88 65
_ 93 76 88 mm
' 96 r H w w. 1
3792 65
96 mm
8
99 205
3800 65
9
21
28 mm
32 mm
37 a
40
43
48
80 =3
59
60
63
74 205
76 205
84 105
87 65
90
97
3903 -
I es
6
15
28 ^
34
38 m
43 _
46 mm
49 mm
80
71
86
87
88
91
4000 -5

*k
*mm



8
Diario de Peraatabuco QuarU lelra 19 de lulho de i87.
mmiU 0ER4L
- Sala das commis$5es, em 2G de juaho
da 1867.JooTeixeira.Candido ). Ro-
drigues Torres.
CIMA DOS SNIORES DEPUTADOS. L-se, apoia-se, e approva-se sea debate,
' ses*ao em i de jitlho de 1867. o seguate requerimento:
A's U3/i, feiu a chamad,! veiiflcasa havar Requeiro que se solicite do governo as
numero sullicieote, abre>* iisessio, UMO-sa e seg0intes informales:
T^crS i St?5aint. 1' Copia das propostas, pareceres e
exhdientb : planos relativos ao raeihoramento do porto
Dous officios i5"min sterio do imperio, e estabelecimentos de dcas na provincia de
enviando as copias dos decretos pelos qaaes Pernambnco.
S. M. o Imperador houve por bem conce- 2. Idnticos documentos sobre o pro-
der varias pensoes.A' commisso.-le pen- longameato da estrada de ferro da mesma
ses e ordenados. provincia para o centro da cidade do Re-
Outro do secretario di sealo,"participan- cife.
do que por oflicio do ministerio do imperio t Paco dacamara, 1 de julhode 1867.
constou ao mesreo senado qae S. M. o Im- Buarque de Macedo.
perador consente na resolaeJfr'Tne approva O Sr. Cassiano (pela ordem) :Si\ pre-
as pensoes concedidas a D. Laurinda Joaqui- sidente, ea desejava que V. Exc. se dignasse
na de Jess Pinto ea outras pessoas. Intei-' informar-me se utn jornal, que se diz remi-
rada. Igido por homeos do partido-do bom semo,
Oatro do mesmo secretario, participando i por homeos provectos, pensadores, indepen-
que o senado adoptou, e vai dirigir sane- es e abalisados na governametacjio do Es-
cao imperial, a rsoluc5o quo isenta de di- tado e as praticas e usos parlamentares, e
reitos de importado todo o material mpor- que tem um contrato Armado com a mesa
tado para a construceo do ramal da estrada do senado para publicar seus trabaluos,
de ferwde Valenca estrada de ferro de pode insultar, injuriar a cmara dos deputa-
Pedro II.Inteirada.
Ontro do mesmo secretario, enviando a
proposito que autorisao governo para man-
dar matriculare admittira acto do 1. anno
da faculdade de medicina da Babia o estu-
dante Marcos Antonio Monleiro da Silva, e
no 1
.e2 anno da faculdade de du/eito do
Recife a outros estudantes, qual o senado
nao tem podido dar o seu consentimento.-
Inteirada.
Outro do mesmo secretario, enviando a
proposito do senado declarando que a pen-
so de 400 rs. diarios concedida ao soldado
Maxiraiano Rodrigues Nery ser paga desde
a data do decreto que a concedeu.A im-
primir.
Um requerimento de Hercules Foglia, pe-
diodo para ser matriculado no 2o anno me-
dico, dispensando-se os exames de prepa-
ratorios.A' commisso de instracclo pu-
Outro de Candido Alvaro de Noronha Li-
ma, pedindoparafazer acto do Io anno medico
no flm do anno, depois de prestar os exa-
mes de preparatorios que lbe falla.A' mes-
ma commiss>.
Ootro de Joo de Miranda da Silva Res,
pedindo para ser admittido a fazer acto do
1" aono medico, depois de apreseatar certi-
dio da approvaco dos preparatorios que
bes faltam. A' mesma commisso.
Lm-se, julgam-se objecto de deliberado,
e vo a imprimir para entrar na ordem dos
trabalhos, os projectos com que concluem os
seguintes pareceres.
Pensoes a diversos.
A commisso de pensoes e ordenados,
tendo examioado as copias dos decretos de
12 de junho de 1867, de parecer que seja
adoptado o seguinte projecto:
t A assembla geral resolve:
t Art. 1. Ficam approvadas as pensoes
concedidas pelos decretos de 12 de junbo de
1867: de 185 mensaes Firmina Angosta
Ribeiro, viuva do 2o sargento do 23 bata-
lbao da guarda nacional Benjamn Augusto
Ferreira dos Santos; de 12jj mensaes a D.
Ivaria Nucator dos Santos, viava do 2o cade-
te do 42 corpo de voluntarios da patria, Joo
Baptista da Silva Costa; e bem assim a pen-
so de 42$ mensaes a que foi elevada a de 360
mensaes concedida pordecreto de 19 de Ja-
neiro de 1867, coocedida ao tenente hono-
rario do exercito Manoel Antonio da Silva,
por decreto de 12 de junho de 1867.
Art. 2. Estas pensoes sero pagas da
dala dos mesmos decretos.
Art. 3. Ficam revogadas as disposices
em contrario.
t Sala das commissoes, em 28 de junho
de 1867.Joo Teixeira,Joo Carlos de
Araujo Morara.
t A commisso de pensoes e ordenados,
tendo examinado as copias dos decretos de
29 de maio de 1867, de parecer que seja
adoptado o seguinte projecto :
a a assembla geral resolve :
a Art. 1. Ficam approvadas as pensots
de 300 mensaes concedida ao alferes do I I
corpo de cavallaria da guarda nacional Cy-
priano Jos Ribeiro; a de 365 mensaes ao
dito do 8o corpo de voluntarios da patria Joao
Ferreira da Fonseca Doria; c de 400 rs. dia-
rios ao corneta do dito dito Antonio Martins
de Oliveira.
Art. 2. Estas pensoes sero pagas das
datas dos mesmos decretos.
Art. 3. Ficam revogadas as disposi-
res em contrario. .
a Sala das commiss5es, em 2S de junho
de 1867.Joao Teixeira.Joo Carlos de
Araujo Moretra.
A commisso de pensoes e ordenados,
tendo examinado as copias dos decretos de
11 demaio de 1867, de parecer que seja
adoptado o seguinte projecto:
A assembla geral revolve:
. Art. 1. Ficam approvadas as pense3,
de 215 mensaes concedida a D. Maria Fortu-
nata Dormond do Macedo, viuva do 2o c-
rurgiSo do eorpo de sade do exercito Dr,
Manoel Joaquim Rodrigues de Macedo; e a
de 400 rs. diarios concedida ao soldado do
46 corpo de volantarios da patria Antonio,
Mathias de Menezes.
Art. 2. Estas peases serao pagas das
dalas dos mesmos decretos.
t Art. 3. Fiam rehogadas as disposices
em contrario.
Sala das commissoes, em 28 de. junho
de 1867.Joo Teixeira.Joo Carlos de
Araujo Mor eir.
Igualdade de vencimentos dos primeiros of-
ficiaes da pagadoria aos qoejpercebemos
chepes de seccao do tbesouro nacional.
A commisso de pensoes, -e ordenados,
tomando na devida consideraco o que alle-
go Joo Lucio de SouzaValente eLuiz Fran-
cisco Leal,primeiros,officiaes ehefes de sec-
cao da pagadoria",das(Iropas da corte, e at^
tendendo a que nao ha razio plaosivel para
que continaem os peticionarios a soffrer as
consequencias da!excepto, que a seu res-
peito fez o decret n. 3,202 de 24 de dezem-
bro de 1863, quando, tomando por norma
para os'jencimntsjdos empregados da
mesma pagadoria os dos empregados de igual
categora do tbesouro nacional, eicluio des-
ta regraos peticionarios, d parecer qoe
sejam estes attendidos no que requerem e
assim offgrece consideraco dest augusta
cmara o seguinte projecto: !^ w
- A assembla geral resolve:
Art. 1." Ficam equiparados 6s YenO
mentes dos primftiros" officiaes da;pagadp- para todos.
dos, fazendo da imprensa livre um poste ?
O Sr. Horta oe Araujo :Nao pode.
(Apoiad s).
O Sr. Cassiano :Consta-me que existe
urna clausula ou artigo no contracto, assig-
nado pela redaeco do Mercantil com a
mesa do senado, que prohibe expressamen-
te qne essa folha dirija insultos e injurias
aos membros das cmaras!
Uma Voz :Existe sem duvida um artigo
nesse sentido.
O Sr. Cassiano : Ioformo-me agora que
o art. 11 do contrato! umsta-me ainda
mais, Sr. presidente, que a mesa do senado,
no anno passado, em snas conferencias, e
estando fechadas as cmaras, impuzera uma
multa redaco do Mercantil por ter ella
publicado um artigo con'.ra um honrado se-
nador, era uma discnsso individual, em que
o adversario desse senador assignava os ar-
tigos e tomara a responsabilidade legal^ do
que escrevla.
Um Sr. Depotado ;A redaeco era ou-
tra 1....
O Sr. Cassiano:Ento esta tem privi-
legio para insultar e injuriar esta cmara ?
Vozes:Tem, tem.
O Sr. Horta oe Araujo : E' o que se
v todos os das.
(Apoiados.)
O Sr. Cassiano:Se o honrado pres-
deme do senado ou a mesa respectiva, no
anno passado, em urna questo puramente
individual e na ausencia das cmaras, mul-
ten a redago do Mercantil por ter ella pu-
bjicado um artigo assiguado e com a respon-
sabilidade legal contra um senador, me pa-
rece que agora deve fazer o mesmo com m-
xima razo. (Apoiados.)
Que os Srs. baroes assignalados e outros
tribunos insultem esta cmara, dizendo, en-
tre outras amenidades, qoe ella nao repre-
senta a maioria do piiz, nao deve nos sor-
preder, nem admirar-nos, porque a paixo
mconsellieira.. (Apoiados). Mas, senoo-
res, que a reda?o do Mercantil, que quer
ter'foros de Ilustrada e honesta, redaco
estipendiada pelo senado, que recebe gran-
de fatia doorcamento..,
Um Sr.Deputado: Para issoque lhe
pagam.
O Sr. Cassiano:... insulte, injurie em
linguagem indecente, todos os das, a toda
esta cmara, e pela maneira que eu vou mos-
trar casa, cerlamente extraordinario,
certamente edificante!... Chamo a attenejio
da casa para os bellos trechos que vou
lcr. Depois de dizer o tal escrevinhador
que o ministerio actual o mais antipopu-
lar que tem havido, que no senado, onde
se acnam os homens proeminentes, tem con-
tra si a maioria toda, que todos eslo con-
cordes, (com excepco sJiente do Sr.
de Jequitinhonha) qoe o ministerio nao po-
de continuar no poder, porque cada da de
demora aggravar-se-ho mais as desgracas
do paz, conclue com as seguintes belle-
zas, O que resta ao ministerio? Conta
com a cmara dos deputados. E foi esta
eleita livrement ? "Representa a opinio do
paiz real ? Nao mil vezes nao I E" f m sua
maioria a feitoria da feitoria da polica! E'
representante da fraude eleitoral posta em
execuco pelo ministerio e seus represen-
tles as provincias. E', emGm, nao a ver-
dadeira expressSo do paiz, mas de uma
multido ignominiosa que beija a cada que
a arrasta, que canta hymnos na porta dos
Sr. que orgulha que lhe roubein a conscien-
cia e at a propria dgnidade!... Quando o
paiz real (o paiz real do Mercantil e dos seus
homens do bom senso !...) nao ignora
tudo isto, pJeterconanca em um minis-
terio que so tem,apoio daquelles que foram
escoltados a delb, e de antemo preparados
para apoiarem todas as desgracas do paiz e
oceultarem as miserias dosgovernantes ?!.,,
Este artigo, que mais causa compaixo do
que rancor (apoiados), est assignado por
escarneoA Opinio Publica U*.
O Sr. Horta de Araujo :Eu desprezo
assim os bares do senado como o orgo
conservador.'
O'Sr. Cassiano:Nada mais accrescenta-
rei Sintome convicto de qoe lguma provi-
dencia se ha de. tomar afim de que cesse essa
desenvoltura de linguagem, que deploro, e
qoe certamente desacredita no3S> paiz,
O Sr. Horta de Araujo (pela ordem):
nobre deputado por Minas acaba de re-
clamar contra alguns artigos que tm sido
impressos o Correio Mercantil. Eu.enten-
do que V. Exc. Do pode Kj&ar providen-
cia alguma no sentido de cohibir artepro-
duccao das injurias coudas nesses artigos e
dirigidas nao s"aesta cmara, como a al-
guns de seus membros determinadamente":
issp compete m'esa do senado ; e, desde
3ue,ella o,nao tem feito, en estou equa-
id querp contrato paca a pablicpo.dos
debates do senado nao. existe a raespaa clau-
sula que pos iqui temos estipulado.
O Sr. MartinhoCampos: Queunc_foi
guardada.
O Sr. Souza Carvalho :Pelo Jornal do
CommerciQ tem sido. ,^
O Sr. Martinho Campos : Que nanea foi
guardada.
O Sr. Cassiano :O art. 11 do;eontrato
nada vale T ~
O Sr. Correia-das Neves :O melhor e
exTuinguir a clausula; liberdade de iraprn-
claro que no cntralo po existo a clausula
restrictiva das pnblicaces, que aqui temo
no contracto com o Jornal ao Commercio.
Y. Exc. sabe, Sr. presidente, que o Cor-
reio Mercantil hoje o orgio do partido
conservador, sendo que tambem no senado
domina essa opinio poltica, isto a maio-
ria dos senadores partence ao partido con:
servador e portante eu estou persoadido de
que a maioria conservadora do senado fez
esse contrete afim de auxiliar, ou estipendiar
uma folha que.nao so sustentassse a SS.
Eses, e suas doutrinas, como tambem para
que offendesse e injuriasse seus adversa-
rios, nesta e na outra cmara, e sobretudo
o ramo temporario do poder legislativo.
Podem faze-lo...
O Sr. Americo Bb.vzilie.nse :E' preciso
mais algum respeito para com a cmara dos
deputados. (ipoiaaos.)
(Ha outros apartes.)
O Sr. Horta de Araujo :... mas o que
asseguro que para o que tm dito no sean-
do os dous Srs. bares do bom senso, qne ali
tm injuriado os membros desta cmara, e
para todos os artigos que tm sido publica-
dos e o lorem no Corrtio Mercantil, quer da
redaeco, quer sob a epygraphea pedido,
e cojo fim nico parece ser maltratar al-
guns collegas nossos e injuriar toda a cma-
ra ; para isto, Sr. presidente, eu s tenho
uma retribuicao, o desprezo. {Muitos
apoiados.)
O Sr. Martinho Campos (pela ordem) :
Poucas vezes reclamo por motivo de apartes,
e em geral nao o posso fazer porque nlo leio
os discursos que ouco aqui, nao tenho lem-
po para isso, e por esta razo tenho por ve-
zes declarado que nao aceito os apartes que
me sao attribuiios, como meus, seno quan-
do esto de accordo com as minhas opinies
conhecidas; nao tomo em geral o trabalho
de reclamar contra elles, mas no discurso do
nobre deputado o Sr. Fernandos da Cunba
que acaba de ser publicado ha aparte que se
torna puramente pessoal contra o Sr. conse-
Iheiro Saraiva, hoje ausente. Diz o aparte :
Pela parte protesto contra as palavras
do nobre deputado, comquanto se reQro a
uma pessoa de qoem estou separado para
todo o sempre, mas que nao merece seme-
lbante imputaco. >
O Sr. Ferndndes da Cunha,: Eu nao
altero os apartes.
O Sr. Martinho Campos :O nobre de-
putado sabe que, desde que tive a fortuna
de o conhecer," pude apreciar seu carcter
e o tive sempre no mais subido apreco. Mas
eu nao disse, nem poda dizer em relaco ao
sr. conselheiro Saraiva a proposico absoluta
que aqoi se acha; digo que me acho sepa-
rado politicamente, porque pessoalmenle,
nao s nao me acbo separado, como que re-
puto a amisade do Sr. conselheiro Saraiva
como uma daquettas de que mais apreco
fago, porqafllem para raim o subido valor de
ser heri>nra de uma pess de uiinha familia,
hoje nao existente, epela qual nei de sempre
chorar.
Wo,
Dl.V.
PBIMEIKA PARTE DA ORDEM DO
Fixago da forca naval
Contini a 2.a discusso do art. l.d
proposta do governo que fixa. a forca naval
para o anno financeiro de 1868 a 1869.
O Sr. Gavio Pejxoto (Jlovimento de at-
tcnco, profundo silencio):Sr. presiden-
te, a proposla, do poder execulivo flxando a
torga naval do imperio para o anno financei-
ro de 1868 a 1859 mais um documento
offerecido ao juizo do paiz para demonstrar
u amor e zelo que tem pelo cumprimenteida
le o nobre miuistro da marinba. _*
Parecer a que, depois das censuras feius
por mais de uma vez ao defeituoso modo
pelo qual o governo do paiz solicit i das c-
maras o exercicio de uma de suas mais im-
portantes attribuices, era j lempo de vol-
lar s praticas regulares do systema que
nos rege.
O direto deve ter mais torga do que q
acto e a lei mais vigor do que o preces
dente.
No emtanto o arl. 1. do projecto que dis-
cutimos, contrariando um preceito constitu-
cional, deixa entregue ao arbitrio do governo
a fixaco da torca naval.
Fazendo depender o limite que assignala
das respectivas lotaces dos navios que o
govern > julgar necessarios, e concedendo
3,000 pracas de marrnhagem e de pret dos
corpos de marinha em circumstancis ordi-
narias e 6,000 em circumstancias extraordi-
narias, quando fcil a S. Exc. o Sr. minis-
tro augmentar ou diminuir a forca embarca-
da, o que quer dizer a torga naval activa, o
projecto nao respeita o principio constitu-
cional, substitue pelo contrario a vontade do
execulivo a vontade do poder legislativo.
(Apoiados da opposigo.)
Mais de uma vez, do senado e da cmara,
dos deputados, foi assignalado este defeito
capital, e, apesar das reclamaces, o nobre
ministro, que progressista, julgou preferi-
vel o arbitrio do passado execuco Del da
conslituigo do seu paiz.
Para quem sabe que, ao avesso do que al
principio se praticou, a lotago dos navios
determinada em avisos repartico do quar-
tel general e nao por decretos, do governo ;
para quem, consultando os prdprios mappas.
torneaos pelo relatorio do no^re ministro e ^^^^^3"
dos seus antecessores, pode apreciar a ex-
trema' facidade com que se Segmenta otf
dimine a-torga de embarqu, destocando
assim o limite da" lei-ir admiravel a repeti-
go ogste facto que iltde as intenges do le?
gisladDr constitucional,' e qae pode gerar
e nicamente o arbitrio de S. Exc.
Joiados da opposico.) \
O carcter da administrago da marinha
oa actual singular; S. Exc. quasi que
se pode diier que divide-se entre umapai-
^o tresloucada pelo arbitrio e um entusias-
mo desmedid* pelas innovages sem funda-
mento e sem causa.
A serie de medidas decretadas pelo nobre
ministro sao outras tantas violages deleise
da consfituiglo, "irmas gemeas da proposta
apresentada a esta cmara.
O decreto n. 3,708 de 29 de setembro de
1866, chamando ao servigo da marinha de
guerra 1,600 individuos empregados na vida
do mar e matriculados n capitanas dos
portes, encerra manifestas infraeges de lei
ou de regulamentos, feitos em consequen-
cia de autorisago legislativa, qne j cas
Basta lr os arts. 3., 4. Jfl6..
Para expedi-lo, o nobre miaWro sophis-1
mou o art. 08 do regulamcyto de 19 de
maio de 1846, artigo que nao cnferio ao
poder execulivo a attribuico qae exerceu.
sendo que as disposices anteriores e poste-
riores limitam-lhe o sentido e assignalauj-lhe
o fim.
Os matriculados as capitanas podem ser
chamados ao servigo da marinha naval nos
termos do regulamento, e por isso ficam
isentos do servigo da guarda nacional e do
exercito, mas nodorecrutamento para a
armada, e sob as mesmas condigs estabe-
lecidas pela lei.
O arl. 68 nao tem, pois, relago alguma
com a medida extraordinaria posta em pra-
tica no decreto cima mencionado.
Quando se nota que no fim da sessodo
aono passado veio o ministerio pedir ao cor-
po legislativo o encurtamnto do prazo mar-
cado na lei eleitoral prohibitivo do recruta-
memo; quando se considera que j ento
nao era misterio para os nobres ministros
a necessidade de novos reforgos que engros-
sassem as lileiras do exercito e da forg? na-
val ; como explicar o silencio de S. Exc. pe-
rante as cmaras e a dictadura na ansencia
deas ? S pelo desprezo das formulas par-
lamentares, verdadeira excrescencia nesta
poca feliz, em que tudo se faz, tudo se ex-
plica pelo principio da salvco publica.
(Apoiados da opposico.)
Fel minha parte presto oais bomenageni a su-
bliire conslituiso do nieu pato.
O grandioso edificio consiiiucional, com taato
esmero ergaido por nossos maiores a esse templo
da aouguiJade qae se "abra ou fechva nos das
da paz ou da guerra.
O decreto n. 3,710 de 6 de outabro de 18bb,
creando uma repartifo fiscal, e por conseguate
empregos e daspeas, outra infraegao mamfesta
da constituigao e das leis, pelo qual o nobra minis-
tro devla pedir um bul de indemnidad^.
Nem se diga, sentiores, que se trata de paras
commissoes, que termlnaro com a guerra. O
proprio decreto, pela sna natareza e por seu con-
texto, reclama contra semelbante Interpretado.
Aorganisacao da repartlgo fiscal, a categora
dos empregos, a distnbaigo das fancijoei, tado
emQm repello semeltunte defes. hutoi tambem
osarts.le6"3 ie8.(L.)
Se me engao, o nobre min.stro nos explicara o
oiotU^wao entende a repartigao qu creoa. Sa-
oordinada directamente ao ministerio da marinba
e nao ao commando em chele, o nobre ministro
nos explicar qoaes as dspendencias da nova re-
pariicSo, tendo ea vista a or^anisagio da admi-
aistra{ao central. E' ama dependencia da conta-
doria.
No caso afflrmativo nao sei como b. Exc. poae
.egar qae hoave moJIUcagao de lei, porque alte-
roo-se pontos essenciaes oa organsagao^ da admi-
nistrago central, to caso negativo, nao sel com
sustentar a suDordinacSo directa ao miaisterio da
marinha. '" '" ,
Nem se esparta a cmara. Em apoto das obser-
vgoes qae acabo de aier invoco o estemunho do
proprio governo.
O decreto n. 3,739 de 9 de ferereiro de i8>7,
raferendado pelo nobre ministro, definindo as at-
tribuigojs e deveres do chefe do estado-maior e
consagrando as que competen) ao coramandante
em cnefe, contraria o pensaraanlo salvador que
serve de base creago da pagadoria de marinbi
no Rio da Prala. Os arts. 1", 4 e 7". demonstrara
a minha proposico, porqae afllrmam que em ope-
ragoas de guerra b ebefe do estado maior exerce
couveoieatemeate as altribaigSes, que se Ibes sao
cantridas peto arl. 7; attnbuigSis qae, em parte,
oa Rio da Prata sao exercidas peia repartigo fis-
cal do nobre raiaistro.
Assentaodo e* urna base inconstilucioDal, qaal
o 'decre'to",fl :2 da soa riat*rza. O ribbre ministro nao podia por
acto seu'organis'r os estados-maiores, esquadras,
divisSes, etc. (apoiados da opposigo.)
Seria preciso levar o seu principio s ultimas
consequencias. A organisagao do estado-maior dos
exerclios e das armadas em todos os paizes amr.
qaesto importantissima, e nesta paiz a constitoi-
gao expressamente declaroa qae do dominio da
lei.
O nobre ministro, porem, usurpando importan-
tes attribaig5as do corpo legislativo, compoz os
estados-maiore3, julgando-se aatorlsado para fixar
o numero, gradaago, emprego e vencimeoto dos
ollleiaes qua os devem formar. Um s artigo mos-
trar como se respeitoa a lei: o 4*, no qual se
marcara os venclmantos dos secretarios e ajudao-
les da ordens, qae, podeado ser offlciaes subalter-
nos, percebe unto como os commandantes do
maior navio da torga em que servirem.
Verdadeiro canos, a syothese do relatorio do
nobre ministro est no sublimissimo artigo-Ope-
ragffes de gaerra, trecho hemerlco que ha de
imraortalisar o nobre ministro.
O es'.ylo, a materia, a onginalldade das aprecia-
cfles.a ousadia d'os lances, a mnlacao das scenas,
do loo uma cor especial.
PU minha parte, quando quero apreciar a ad-
ministrago de s. Exc, eu digo a toda : t Leiam
o vugoOpera.gis de guerra. Logo em seu co-
ttrego o nobre ministro abre os diqaes ao seu en-
aiasrao cem estas palavras, que me reriram os
onvidns Evitando o campo raso, onde acil nos
ra a vidorra; o dictador vangloria-se entretanto
ra da corte aos vencimentos que ora perce
bem os chefe* deseccTo do Oiesoufo nacio-
nal.
Art..2. Ficam revogadas as d'isposiges
em cont rio. *..
6 Sr. Hrtade Araujo : Acredito qne a
mesa d* senado jtante zelosa'no com-
prrmento dos seus deveres; e, nao tendo
ella tomado providencias no sentido de pro-
hibir aiteessio de artigos- semelhintos,
as mais graves o importantes consequencias.
Nem se-diga, como alguns dos antecesso-
res nobre ministro, que ha impossibili-
dade de comprir exactamente a lei: seme-_
Ihant desculpa nao pode ser aceita pelos
legisladores do paiz, e nenhuwi razao pra-
tca'se pode com fundamento^fferecer para
continuago de semelbante abjjo.
O que se nota em ootros pwrzes, e a mes-
ma realidade do preceito coptitucional af-
firm a possihildaderTJe umTOaximo.
Estas considerages augmntam de valor
nas-presentes circumstancias. Os armamen-
tos -augmntam; as nstrueges. de navios
creiere por COnstouinte incomprehep?
siver-queAfnobfe' ministro pega o mesmo
que:pf S. Exc. w engaa, oa enganaram-se os au-
tores da p'roposia do anno pawado.
A cmara deve nour ainda. que, se uma
dasrazes com que sustentan os ministros
da marinha a impossibilidade da fixaco do
mximo est na terminago" da* lotages, que
variam segundo as circumstancias. a for$
pedida peto nobre ministro, que no seu ve-
latorio cania os 9euiJropric* triumpbos e
promelte novas jj^ifirucges. para empre-
gadftjM guerfj. gigantesca que sustenla-
mqS^Wa Duia' CUJ ^ eJlcerra'^
CUS uinuiua u gaiju \..------/ _
Queris avaliar a origlnalidade das apreciagoes T
Ouvi": *_ .
c Nao sena) ainda possivel a cooperagao mme-
duta do exercito, tantas veej se repetem as evo-
Incoas da esquadra, qaaolas, sem vantagem effea-
tra, se rnaDitestam o valor e disciplina dos oOt-
claT e mariobeiro?. Agaardam-se, poi?, eircums-
uncias que permitiam reprodoiir feit) Igaal 4
brilbanle tomada de CurtH. E ao emtanto a
gaerra prosegue; o ponto de honra subsiste. Tal
a sliuago que ningaem dir ser facto anico, es-
tranha excepeo na historia ratlitar. Exemplos
exi-tem, e bem recentes, qae sobejamente respon-
da a critica que por ventara se *ca a supposta
iflacco dos genoraes. s
Os acontecimeolos segoem o sea curso. A
pretiso humana nao pode calcular a hora inttl-
livel do triampho. .
Eitas vaotagans effectivas, fazendo sappor a
existencia de outras qae o ne sao,os aconteci-
raetos qae segaetn o sea curso, a prevlsao na-
mana qae n5o pede calcular, o ponto ae honra
qua subsiste emqaanto agua/dam e as cujspmstajn-
cas, que permitiam reprodoxir a brilBantft;. tomada
d Curoz.'.'. .
Volvei os olhas para a scenas que madam, e
peribntai fo' Sr. ministro se realmente tiTemos
vajHagens o a ni o. _
' Aqal elle vos declara que as v^ntagens naa sao
effectivas. Mas alm, referindQ-'se aos bombardea-
meatos; elle diz: ,
E assim os borabardeamentos contra Cnrnpai-
ty e o acampameiBo paraguayo tem sido repWw,
oom mais oa menos mten^idade, oblendo-se van-
itgeBs parlaes." ....
'"Ao terminar, oalmente, miracniosa aeacoowta,
erdadeiro-flcMtra ouro do artigo, o nobre mi-
olstro devasei^vis horisontes com a .seguale
aoreciaco;. ._
c AdmiUiado mesmo a byportrase, qae julgo im-
pnrvavel, de qoe os resollados dos laoessaotes
babardeeBtos nao coiTespoadam de um molo
ciivo ^inteogo d UpsUttr PMiadlw Q
ioimigo, todava restam vantagens firmadas M
experieacia em abono do procedimenlo da esqua-
dra.
i Os exereicios de fogo tem sido fecundos em
Iqo 33 atis para os nossos artilheiroi, qne ncam
conhecendo a principal arma dos combates, ao
passo qae as evolugoas da esquadra concorram
para bem apreciar as coadigSes estratgicas do
rio. _
E conclue daclaranda qae tem boas razoes,;para
acreditar .qae essos preliminares em qae se erape-
nbam a actvidde e o valor dos nossos bravos
prennuciam mais alta empreza.
Fiqu?, portanto, o paiz sabendo, S. Exc. quem
raanifeita o segredo dos bombardeamentos. O ge-
uaral faz exercicio de fogo. a esqaadra examina
as SoWicoes estratgicas do rio'I: Qaantas balas
nao effacvas por vantagens effectivas ? I
A originalidade tambora um dos tragos cara-
teristicos da penna fcil do nobre ministro : elia
corra, o nobre ministro obedeeea : nem mesmo
os dominios de seu coltega da guerra foram respei-
lados ; receioso talvez de qae a descripoao nao
toase lidl, vardadaira e revestida artsticamente, o
ratori.) da arinha vtajoo, viajou e. 'vjaiou por
esses are.
Nio pensem qae as operagoas de guerra qae o
Sr. ministro descreveu reer.em-sa onicamente a'
armada, nao : S. Exc. fez-se geaeral e almiran-
te, conwiSndoa exercitos e dirtgio esqaadras. fHl-
larldatfe.)
O. entbasiasmo foi tal qae nem mesmo escapa-
rara a' colhelta de loaros os jornaes europeus. Em
algaos pontos esta ordem do dia ama verdadeira
revista.
No ntralo, coasa muito diversa esperava do
nobre ministro a coragem do soldado e elogiada
pericia dos geoeraes. Era pegas desta aatareza ou
nio se escrevem taas artigos ou escrevem-se sob
oatro pomo de vista.
O Sr. ministro, talentoso como sabe-o melbor
de qne ea. '
Depois de ludo que ouvio a cmara, nao admi-
ra que o relatorio do nobre ministro, 4eprezaudo
a experiencia de seus antecessores, repita miluares
de erros de data prxima, alguns dos qaaes nem
mesmo com apparentes razSes podem ser susten-
tados. Citarei um exemplo, a suppresso da
secgo taclnica do coaseibo naval. ( Apoiados da
opposigo.)
Apezar de todas as Ilegalidades e desacertos do
mioi-terio da marinba, os defensores do governo
tm encontrado basta seara, onda colher flores e
fructos em honra de S. Exc, e ainda o aobre de-
potado qua me preceden oeste debate, digno rela-
tor da commisso de marinba e guerra, nao poapou
louvores a' administrago do paiz, procurando en-
xergar no pretendido silencio da opposigo a res-
peito da proposla do governo valioso docamento a
sea favor.
N4 occorrea ao nobre deputado qae se tratava
de ama lei de conflaoga, caja discusso admitte
variadas considerages; nao occorreu lbe que, sen-
do a faigao caracterstica da actualidade o mani-
fest de-mreso das leis e o qaebramento de todas
as normas dos governos regalares, campna-vos
opposlcuaistas, tornar bem salientes os tragos dis-
linctivos da sitoago que atravessaraos; nao oc-
correu-lhe ainda a neoessidade da, aponlar ao paiz
alguns fados espaciaos que pela sua importancia
demoostram a tendencia arbitraria de uma sita-
gao, que se diz liberal por excelencia, mas escra-
visa o cidado ao passo qae qaer emancipar o es-
Admiracao devia caasar-oos a defeza, sempre a
mesma, erabora variada na forma, e cojo thema
forneceu-nos o honrado Sr. presidente do conre-
ino nos memoraveis discursos qae proferlo nesta
casa, no correr da discusso da resposta a falla o
Oacupando-me deites, me terei oceupado da sua
reproduego feta pelos diversos oradores do go-
TeCom elTeito, senhores, o que oovimos de novo ?
Algumas apreciacSas inexactas do nobre deputado
pelo Para,cojo talento e illustrago ea poderla ole-
recer carao garantia da opinio em sentido contra-
ri, oarqae os seas estorgos nao poderam conse-
guir o fim desejado. ,
D*Blr do almples augmento dos vasos e do
pessoal prova era favor do governo, e suppnmir
lodas as questoes -Intermediarias, necessarias para
qae -se formule um jaizo seguro e fandamen-
CJm os recursos votados pelo corpo legislativo
qualquer ministre pedera fazer o qne fez o actual.
A qaesto outra, e liga se ao emprego, mais oa
meaos fructuoso, dos melos ao seu dispor.
Ora, para nao dizer mais, ponto vencido e at
confesado pelos proprios ministros, qae^ algaps
r&w'-s'zf tuX SiS.' s-*s
dos contratos. Reflro-me a alguns dos encouraga-
dos feitos ltimamente na Europa.
Comparar o orgamento da Franga relativo ao mi-
nisterio da mirioba com o orgamento do Brasil,
sem attender a' especialidade de om e outro, sem
decompor-loe o elementos, para chegar por meio
de um processo de emioago de despezas a um
jaizo approximdo, manlfestamente um erro qae
o mesmo nobre deputado ba de confessar, e que
s se pode explicar pela difflculiade da empreza.
O termo medio, procurado pelo nobre deputado
pelo Para, am termo imaginario, cajos extremos
perdera-se no desconhecido. L_...
Qaando, em seus estados sobre os orgamentos
da marinha ingleza e fraoceza, Clarigni qoix ene-
gar a conclusoas, fot aasim qae proceden, prlnci-
p'ou pela organisagb. separoa os servidos para po-
der comparar com seguraoga as verbas disuada
d8Re^tam-nos os discursos do chefe do gabinete
repetidos no presente debate pelos oradores minis-
Ouvi esses discursos com a profaada alteogao
que desafiara um talento dlstinclo e nma palavra
inspirada; li com a solicitude e car.os'fade que
provoca o estado financeiro do paiz o <^0J0
noDre presidente do conselho; e mait orna.-va,
Sr. presidente, remontando-me ao PMiado e enca-
rando o presente, lamente! a po-lgao do nobre mi-
nistro, obrigado a esquecer-se do pnmeiro, sem po-
der defender o segundo. .a.lfll rtl
Nao posso acompanhar ao illastre presiente do
conselho na sua venerago pelos esiyloi: da velba
laglaterra, que o nobre minialro pretende traxu,-
plaotar neste paiz. As saas P^"" 5e P'
flro a saa conducta de honiem. K;fso recordar
lhe neste momento aqaella S""?"1?'^.0.
eloqueotemente sustentada por S. ^"- ? uro d's
cassao como aquella, e qae, PPW'f* P^'^
mar, abri lbe as portas do poder- ( Apoiados da
oppaslgao.) .
Nesse tempo, o nobre presdeme do conseibo nao
llana oa pelo menos nao mos;rou tao eitremec.da
affeigo pelos estylos do paiz classico do governo
rTeu,tS;Sr. presidente, que tinha fundada
razo; li nesse paiz eminenteinenu tradicional,
nem mesmo as praticas secplares podem diminuir
o zelo pela libardade constitucional; la o direto de
icterpallago mais do que a conqnlHa de om
principio, uma realldada pratica ; l a disciplina
dos partidos e a regotaridade das disenisoas em-
penbam-se conslaotemante na raaoieoga da princj-
pal base dojtoverno ingtez a pabllcidade; la Os;
ministros de estado fernecm os mais vastos e in-
teiros escjaeciraentts sobre todos os negocios, e
nao se julgam autorisados a roubar ao^onhaclmen-
lo das cmaras at mesmo documentos publicados
em paiz estrangeiro; la o povo discute as pragas
publicas com a mesma liberdade e socego com qne
se discate nos parlamentos. (Apoiados.)
Ouando o no re ministro conseguir traosporur
pan este paiz as mesmas condigSes de vida que
explicavam a allianca permanente e.seo.abalo do
progresso reflectidQ e da indica l"W*".8.^
gundo a pbrasede Montalambert, ea applandlre a
introduego das novas praticas.
Nao Sr. presidente, naqaelle paiz classico da
Iiberdde constitucional depois de tres annos de
guerra, e qaando do alto dessa catara era qae
folladoras e frtqaentes aaqaelfes pantanos; e, se-
gundo as ultimas noticias do tdealro da gaerra,
cooservavam-se nos bospitaes cerca doce mil
doentes.
Mas o 3.* corpo de exercito ainda nao ebegoo, e
as correspondencias lo repetidas por S. Exe. ae-
cusam desergoes em larga escala-
Mas a anidade do commando'pode desapparecer
de om momento pan ontro, e as rivalidades, em
que nao iallei, e qae o nebre presidente do conse-
lho veio tnzer tao inconvenientemente i discusso,
podem surgir de novo.
Mis, mas, Sr. presidente, em presenga da guer-
ra, eu oodevo dizer tudo; preflro ealar-me.
Nesta parte o dlseorso do nobre presidente do
conseibo encerra claras censuras aos seas anteces-
sores, e, oque mais, a dedisicio esolicitada dos
antiges chelas a quem estavam confiadas as torcas
brasil airas. (Na j apoiatfts.)
. Nao acredito qae o nobre ministro tivesse razo
para taes censuras, e antes ittribuio as aprectagSes
inexactas do nobre presidente do conseibo dema-
siada eoofianca depositada as correspondencias a
qne alluJi.
Aoceltando, porm.o valor dessa aatoridade, alias
iasuspeita aos nobres ministro?, minha tristeza sobe
de ponto.
O exercito paraguayo um exercito de farropi-
loas ( a correspondencia que o diz ); naqaelle paiz -
s ha uma cabeg1, s ba um pensamento, s ha
uma vontade e s ba um brago : do seu dictador.
A fome dizima as Bleiras do seu exercito, as deser-
goes s podem ser evitadas pelos melos extremos ;
o desconteolamento profondo e geral, ebega quasi
ao desespero.... e entretanto, senhores, nos esta-
mos parados diante de suas trinebeiras I (Muitos
apoiados.)
Els-atti, Sr, presidente, por que, como dlsse o ao-
bre presidente do conselho mesmo as canonisa-
goes, ba sempre um advogado do diabo. ( Hilari-
dade.) fiMeW I
E' o paiz, qae aprecia a coragem e a resignaclo
do soldado brasileiro ; o paiz, que applaude o de-
nodo, a bravora, o herosmo inexcedivel dos ehefes
e seus subordinados; o paiz, que se enthusrasma
por tantas coreas de gloria oeKadaa pelo exercito a
pela armada ( applaosos), qae pode fazer se nao
vottar-se para o governo e acensar o systema e a
direegao da guerra ? Nao, os ministres alo deli-
neara batalbas em seas gabinetes, mas sao os su-
premos directores do servigo militar; sobre eHes
pesa a responsabilidade da eseolba dos ehefes e do
modo por que taes servicos sao desempenhados ; e
quem procurar ioformar-sa do que se passa sa-
ber, como o paiz todo sabe, ou deve saber, qae por
falta de systema, qae por falta de arrecadago exis-
ten) esparragadas pelas margeos do Paran em
completo abandono as intemperies e aos extravos,
muaigoes de guerra que ebeganam para muitos an-
nos ; entretanto que sahem constantemente desto
porto navios carregados de muoiges de guerra.
(Sensago.)
O Sr. MuiisTao da Marinha :O governo nao
tem informagoes deste facto.
Um Sr. Deputado : Isto nao passa talvez de am
improviso.
O Sr. Tavarks Bastos (com torca) :Nos dize-
mos o qae sabemos, nao improvisamos nada I
(.Apoiados.)
O Sr. Gaviao Pbixoto : Sabemos, porm, mais
anda : qae, por falia de fiscahsago, encontrou-se
em um volunta que dizia comer medicamentos re-
mettidos para o exercito, em vez. de am caixo de
remedios, um caixo cheio de reinas. (Hilaridade.)
E entretanto, Sr. presidente, aioda Acarara rolbas
para se encerrarem as dlscassdes desta casa I (lli-
laridade prolongada.)
Na Ioguterra, Sr. presidente, nao se lavraria o
absurdo decreto mandando suspender uma eleigo.
O Sn. Lourenco de Albuqukrqub :Pan qne
nos falla de luglatern, quaado ba pouco censuroa
o ministro que tem invocado os seus estylos ?
O Sr. Gaviao Peixoto :Eu fallo por ana o no-
bre presidente do coa.-el to quiz encarnar em aosso
paiz as praticas t Inglaterra. ( Apoiados.)
Na Inglaterra, Sr. presidente, nao se_ lavraria o
absurdo decreto que sospeadea.a eleigo de depu-
tados genes em uma das provincias do imperio. A
ioconstitucionalidade e Injonveniencia da medrda
foram indirectamente reeonbecidas at pelo pro-
prio governo.
A disposigao da coostitnico do imperio que de-
termina o da da reuaiao da assembla geni ama
disposigao constitucional, e em a referencia a esta
caonn tratava-se Jo comego de urna nova legis-
latan*
Ningaem ignora qae no fim da sessao pascada,
t-raiqp governo necessidade de soldados, enire a
deduego do prazo Jo recrnlamento e o meio que se
lbe propunba de adiar a eleigo primaria, preferid
aquelle a este.
A provincia de Mato-Grosso estava as mesmas
ou em palores circamstaocits; parle de sea terri-
torio eslava invadido e oceupado pelo ioimigo, a
guarda nacional estava destacada era servigo de
guerra, e grande numero de cldados liaba mar-
chado para as frooteiras. Eslabelecei a difierenga
entre a grandeza de urna e de outra, e dixei-me a
tjua ficam reduzdos os argumentos do Sr. presi-
dente do conselho T
Parece qoe o governo preeisva fazer constar
naquella provincia que resida na do Para o aosso
collega o Sr. Assis, a quem nao faltam merecimen-
los, e ea soa o primeiro a recoohece-lps, mas a
quem faltavm elementos para se fazer eleger por
Mato-Grsso.
E por que o governo nao pedio ao corpo legisla-
tivo uma lei a ul respeito ? O nobre presidente
do conselho cpnlessa que se enganou com todo o
paiz, e en aceito ao meos esta declaragao com es-
peradla ffe qoehei de obter outras; Mas, se tal era
a crenga do oobro ministro, como se combina ella
com a reduego legal do prazo do rectutamento pela
necessidade instante de maular novos soldados
para as Gleir?s do exercito 1 k "'
E o qoe diremos, Sr. presidente, da lrma desse
decreto? Se a su execuco eslava dependente da
deliberagao do corpo legislativo, nao parece que
era escarnecer do proprio direto firmar semelban-
te condigo, qnando a reonio das cmaras seria
posterior a sua execugio?
Depois, Sr. presidente, eu comprebendo que ae
cmaras neste paiz isentem os ministros de respon-
sabilidade dando-lhes om bil de indemnidade, mas
eu nao sel como urna legislatura ordinaria possa
modificar disposiges coaslltoclonaes. (Apoiados.)
O nobre presidente do conselho, llsonjeacdo-sa
de ser o primeiro que sosleatou offlcialmeate a
emancipago da escravatara, orgulhou se da gloria
inmensa que por isso !be caba. Mas essa gloria,
qae alias na poca prsenle pode ser a gloria de
Erostrato, ( apoiados) ba de ser repartida por mui-
tos, e os qniotioas da partilba sero lanos que bem
p le acontecer ignorar-so a quem cabera por of,
timo a palma da victoria.
O projee de constituigao apresenUdo consti-
tuale oo art. ioi encarragava a assembla geral
a creago de estabelecimenlds para a emancipago
lenta dos negros e sua educago. religiosae indus-
trial. O decreta de 20 de oatubro de 18M
ma assembli cermituinte, organisando os conse-
Ibos genes das pfeviucia?, no art. i i 1*
bia-lhes oestudo do meioara a lenta e,grdenla
emaueipago dos escravos. .
Alera disto o finado cohselbeiro Jose.Bonifac
forniulou Um projecto sobre este-assumpto, ea
fallecido Jos' Clemente na sessao de 13 de mato de
1826 apreseptoa_nm outro projecto no mesmo
sentido. ai I .
Em 1830 o; depntado Silva Galraaraes tambem
olareceu m ootro projecto, renevado em i852 e
sempre reijeitado, propondo a aberdde dos que
nascessem de wntre escravo e outras pioviden-
cia;. E medidas subsidiarias foram propostas em
diversos relatorio?, cmodo d Sr. Sayo Lobato,
Sinimb, Vasconoellos e oatro?. E finalmente no
senado brasileiro, por mais de ama vez, se preten-
den sustentar a qopstao e proaotos qae nao me-
receram as honras da discusso.
Assim, pis, Sr. presidente, V. Exc. v que desde
a consumite e no senado e aqnr mesmo, j l vo
decorrldos largos aonos, msis de-ama voxlanerosa
'
w
vleVse'os tem promettldo a sua brave terminar
gao, as explicagoes do nobre ministro) seriarn tris,
tes explicages. (Apoiados.) "~
Edicao correcta e augmentada das correspon-
dencias do Jornal do Commercio, os discursos de
S. Exc j linbam sido respondidos por correspon-
dencias iguaes do Correio Mercantil.
, No aecusei a uingaem : limitei-ma a pedir ex-
plicages, mis as palavras de S. Exc, em vei de
tranqailisar inqaieuram-me o espirito...
A revolugo as repblicas argentinas, as diffl-
culdades na organisago do 3." corpo do exercito,
a cbqlera-morbas dizimando as Qleirae -Ues nossw
bravos, e a necessidade de dar neva "organisago
s torgas militares, ]a impondolqe.o Jago da aato-
ridade da disclpll na (sio palavras do honrado pre
sidenie do conselb.o), ja dando anidado ao cora-
mando, slo as causas qde expltsui a demora na-
"s, senhores, ,achoUn;morbns anda nao d-
apparecea de-todo, e se desappareceu^la^ es la Q as
febjes pilaaoeas e. OS outras epidemia? UO O-
5w3sS?SSsS TaittAWswrn:
Vos: a gloria, portanto,
presidente do conselho. ,_
E quan* se trata de Interesses tao vastos e im-
portantes, qaando se trata da fortuna pnbca^e
das lortunae particulares, principalmente em po-
cas tristes como a presente, a generosldade nao
decida dos erandes eleitos. Sem deixar de ser ge-
nerosa >& deTe primeiro ser. preveo;",aia
toto es- assumpto, ella sera inconsiderada,
imprudente e incendiaria. (Apoiados da opposi-
""os exemplos* de lodos os paizes, em relagSo a
emancipacio de escravos, conlrariam o pensamen-
io do nonre ministro; em nenjaum se atirariam
ameagas indefinidas como e clarar ao parlamento que anda se esta estodando
a qaesto I Pode o nobre presidente *o conselho
dizer-nos | qnando chegar a epportanldade de
que reza a falla do throoo e qual o alcance da pra-
(Cosar-AaJ
"typ! Woiiio-RifliiAa utu w. w.





!

-
v

0


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EM6FWGCY9_N7ZBF1 INGEST_TIME 2013-09-05T03:12:00Z PACKAGE AA00011611_11318
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES