Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11315


This item is only available as the following downloads:


Full Text
-/
ANNO XLII. NUMERO 158,
PABl A CAPITAL 8 LII.VIIKV OXDE E RfA FAfiA rOBTE,
Por tras aes dilatados.,. <).......
Per seis ditw Mea.. ., .1 .; .. ... ,, ,, /, /, ,
Por uaaaue idcn.. .) .j .; .1 H ., ,j. .. #i ,j ..... .
Cali amero aris .1 .,,........
Sil 4/1 j u 4.
itiii
.*
8,5000
125000
24000
320

SABBADO 13 DE JLHO DE 1867.
V T" ,.i
ABA DENTRO E FOSA DA PHOVIMII,
Per fm mw iflutalM.-. n- rerrn ,., 1#J r. v m
Por seis dito dem. .......
por < ditos de.......:; ;; ;; ; ;; ;; ;.............
hr.uta., ni.;...............; ;; ;; ;; ;; ;; ;; ;;
W750
13*500
230250
270000



&aaana-aa m mmumw* ni>iuWMOT m mannaii munta n namia mm'hh tunmum..



IENCAKHEADOS DA SUBSCRIPTO.
Parahyba, o Sr. Antonio Aiexandrino'de Lima;
Natal, o Sr. Amonio Marques da Silva ;Araeatr,
o Sr. A. do Lemos Braga; Cear, o Sr. Joaquim
i os de Oliveira ; Para, os Srs. Gerardo Antonio
Al ves Casta; Alagoas.o Sr. Fraorino lavares da Costa;
Uaoia, o Sr. Jos Manas Al ves; Rio de Janeiro
o Sr. Jos Ibeiro Gaspannho.
PaRTUia, W S staKETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estag5es da va frrea at
Agua Preta, todos os dias.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Anto, Grvate, (iezerros, Bonito, Caraar,
Altiabo, Garanhuns, Buique, S. Beato, Bom Cnn-
selho, Aguas Bellas e Tacaratd, as terr-as-ieiras.
Pao d'Albo, Nazarelh, Limoeiro, Breio, Pesquei-ra,
lagazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa-Vis-
ta, Ouricury.Salgueiro e Ez, oas qaartaa feiras
I S8--AemA-3Lpl0^'n2SO T*aaaodar. Ua'.^r-rPffmeiravarado civel: terCas e sextas ao
Agua Preta e Pimenteiras, as quintas-1 da. *
reros,
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAS DA CAPITAL
Tftbunaldo comraercio: segundas quintas.
Relagao : tercas o sbados s 10 horas.
Fazenda: qaiotas as 10 horas.
Julzo docommercio ; segundas as II horas.
Dito de orpbos : terca* e sextas s 10 horas.
meiol
Segunda vara do clvel : quartas e sabbades a
1 hora da tarde.
EPHEMERIDES DO MEZ DE JLHO
1 La nova as 6 h. e 36 m. da t.
8 Quarto cresc. as 2 h. e 39 m. da t.
16 Loa cbeia as 6 h. e" 4 m. da t.
4 Quarto ming. as 14 h. e 54 m. da m.
1 La nova-a-1 b. a 62 m. da m.

DAS DA SEMANA.
I.
8 segunda. Ss. Procopio e Pryscilla mro.
9 Terca. Ss. Cyrillo e Bricio bb., S. Anatolia v m.
10 Quarta. S. Silvano m., S. Bianor b.
11 Quinta. S. Sabino id., S. Aboeodio ni.
12 Sexta. S. Joo Gualterio ab., S. Janson.
13 Sabbado. S. Anacleto p. m., S. Ellas m.
14 Domingo. S. Boaventara b. card. dr. serapblco
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 10 boras e 54 m. da manhia.
Segunda as 11 horas e 18 minutos da tarde |
PARTIDA DOS VAPORES COsTEIROS.
Para o sal at Alagoas a 14 e 30; para o norte
atoa Grr.nja a 15 e 30 de cada mez; para Fer-
nando nos dias 14 los mezas Janeiro, marco, man
julho, setambro e novembro.
PARTE OFFICIAL
-.
CiOVERNO DA PRO VI.\CIA
Kxpedientt de da 2 de abril de 1867.
1* secgo.
N. 82.Offlcio ao Exm. general eommandanta
das armas.Pode V Etc. coo'-nder permisso ao
soldado do corpo n. 51. de voluntarios da patria
Joaquina Jos Vieira para esperar decsao dogo -
verno imperial sobre sua baixa ou reforma na vil-
la da Escada, onde lera sua famll*. De*te roooo
tica deferido o requer ment dessa praga a que al-
lude o offlcio de V. Bxc. o. 479 desta data.
N. 83.Dito ao mesroo.Por parte do delegado
aearregado do espediente da repartido da poli-
ca Ihe sero apreseotados os recrotas Joo Fran-
cisco de Moar, Francisco Xavier dos Santos Ma-
uoel Jerbuimo Correia, Manoel Alexandre de Son-
'a, Adolpho Jos Dias e Jos Theodoro Cabral da
ilva, atim de que V. Exc. Ibes d o conveniente
destino depols de inspeccionados.
N. 8*.Dito ao mesmo.Tendo a companhia
pernambueana de mandar um dos seus vapores ao
retidlo de Femando no da 12 do crrente as 10
oras da macha; assim o commuDico a V. Exc
itim de que faga embarcar eom antecedencia oque
tiver de reraetter para o mesmo presidio.
N. 85.Dito ao mesmo.Constando de aviso da
repartirlo da guerra de 18 de margo ultimo ter si-
lo approvada a licenca de 3 metes qne para tratar
de sua saude, conced ao coronel coromaojfjhte do
roGna



btlaipSo 2* de lofautara JosdaSilva GuTmares;
assim o commuaico a V. Exe. para sen conheei-
raento.
N. 86.Dito ao mesmo.Era cumprimot) da
orden do Exm. Sr. ministro da guerra expressa
um aviso de 21 de margo ulilrao, srva-se V. Exc.
Je mandar dar baixa do servido por iocapacidade
ohisica ao mancebo da companhia de operarios mi-
litares desta proviocia Andr Mariano, cujo termo
da iuspecco acouipauhou o offlcio dirigido quelle
ioini-ti-rio em 13 de fevereiro prximo Dad > sob
u. 19.
N. 87.Dito ao mesmo.Sirva-se V. Exc. de
informar sobre o que pede no inclnso requeri-
mento o recmlado Manoel Cavalcaote de Albu-
" i-.t |um Mello.
N. 88.Dito ao mesmo.Mande V. Exc. forne-
cer ao tenente-coronel commandante do 7* batalhao
de iolanuria da guarda nacional do manicipio do
ecife, sete selias com os competentes arreios
para os offlciaes daquelle batalbo, que lem de se-
guir hoje para Pao d'Albo.
N. 89.Dito ao mesmo.Maode V. Etc. apre-
.-ntar ao capito do porto o liberto Liberato, of-
fareeido por Joaqaim Felippe da Costa para o ser-
vigo da armada.
N. 90.Dito ao mesmo.Mande V. Exc pdr
4in iibrrdade o recrnta Roberto do Espirito-Santo,
visto ter sido julgado incapaz do servico mitnar em.
inspecgo de saude.
N. 91.Dito ao mesmo.Recommeodo nesea
data ao capito commandante do deposito e.-pecial
de instrucgo, Jos lgaacip de Medeiros Reg Motf-
leiro, que compre com urgencia mais vinte caval-
lis e vinle salios com os competentes arreios, as-
sim o cemmuuico a V. Exc. para sen conhecimen-
to.
N. 92Dito ao mesmo.Mande V. Exc. por em
liberdade os recrotas Paulino Francisco Martins,
Uogaciano Mauoel dos Santos, Francisco Gomes
de Almeida, So Luiz de Alboquerqae e Aogelo
Manoel dos Santos; visto terem provado Isengo
legal do recrutamento.
N. 93.Dito ao mssmo.Devendo no Io vapor
quecbegar do norte, seguir para acorte donde
vio a' esta provincia era servigo, o major honora-
rio do exercito Caetaoo Pinto de Veras; assim o
communico a V. Exc para seo conheciment, pre-
venindo-o de que a' tbesouraria de fazenda se ex-
pedio bontem ordem para ajustar as contas do mes-
mo major, e passar-lhe guia de soccorrimeoto.
N. 94.Dito ao mesmo.8irva-se V. Exc. de
inindar por em liberdade o recruta Maooel Je-
rnimo Correia, visto acbar-se comprebendido na
10 das condigoes annexas ao decreto n. 1030 de 7
de agosto de 1851.
N. 95.Dito ao mesmo.Maode V. Exc. pflr
ora liberdade os recrntas constantes da inclusa re-
lago, visto torera sido juigados incapazes do ser-
vigo militar, em inspecgo de sande, aos quaes se
refere o seu offlcio n. 480 desta data. Relago a
Manoel Gomes de Sonza.
Loureogo Maooel de Sant'Anna.
Victorino Kuliuo.
Manoel Tbomaz da Silva.
Jos Alexandre Perelra.
Joaqom Francisco do Espirito-Santo,
anoel Gomes de Agniar.
Maooel Jos de Lima.
Joo Bezerra de Mello.
Joo Francisco da Annunciagao.
JX. %Dito ao capito do porto.Mande Vmc
por em liberdade os recrntas Ladgero Balorindo
Soares de Carvalho e Manoel Joaqaim de Sant'An-
na, que segundo sea offlcio a. 68 de 27 de margo
ultimo, (orara coaslderados incapazes do servigo
o inspecgo de saude.
N. 97.Dito ao mesmo.Por parte do Exm. ge-
neral commandante das armas, ser apresentado a
Vmc. o liberto Liberato, ofJerecido por Joaqaim
Felippe da Costa, para o servigo da armada, o que
commuaico a Vmc. para os lies convenientes.
N. 98.Dito ao director do arsenal de guerra.
Tendo a companhia peroambncana de mandar am
ios seas vapores ao presidio de Fernando oo dia
12 do correte s 10 boras da man ha ; assim o
commnoico a Vmc aura de que faga embarcar
cora antecedencia os objectos que tiver de remet-
ter para c sesmo presidio.
N. 99.Dito ao mesmo.Mande Vmc. (ornecer
ao commandante do Ia batalhao de artharia da
uarda nacional desta capital, oitenta capotes,
igual numero de mochilas e cantls.
N. 100.Dito ao mesmo.Mande Vmc. eoire-
. <
4 y
N. 101.Dito ao mesmo.Mande Vmc foroe-
cer ao tenente-coronal commandante do batalhao
o. 40 da guarda nacional de Ipojuca, cem farda-
mentos brancos completos para a forga do mesmo
batalhao que seacba aquartellada nesta capital.
N. 102.Dito ao mesmeMeide Vmc f me-
cer ao capito commandante interino do 2.* es-
quadrao de cavallaria da guarda nacional do mu-
nicipio do Recife, Irinta e cinco capote para a
forga !o mesmo esqoadro, que se acha aquaroi.
lada, e ao teneote-coroaei commandante do 5.* ba-
talhao da mesma guarda nacional cem pares de
sapatSes para as pregas d) sea batalhao, que tam-
bem se acha aqaartellado.
N. 103.-Dito ao mesmo.Mande Vmc entre-
gar o armamento que se tenha reeolbido a esse
arsenal, p?rteocente a pariiculares, mediante or-
dem das antoridades policlaes, qae as mandarn)
recolber.
N. 104.Dito ao commandante do presidio do
Fernando.- Para jieder ser fomecida a eatraia ou
balieira qne Vac aolieitou em offlcio do 20 de
margo ultimo sob n. 39 para o servio desse presi-
dio, se faz preciso qne Vm. declare o numero de
remos qne deve ter essa balieira segundo exige o
inspector do arsenal de marlpba em offlcio de 30
d aqoelle mez sob n. 1167.
N. 10o.Dito ao mesme.Remato a Vmc para
Ben eonhecimento e dlrecglo copia do offlcio r.
2192 que em data do i.* do correte .dirigi-me o
d legado enc.rregado do expediente da repartigo
da polica em addltamento a oatro da mesma re-
partigo de SI de margo prximo flodo e sob n.
1929, que por despacho da 29 do mesmo mez foi a
informar a esse commaodo.
N. 106Dito ao major ajadante de ordens da
presidencia.Nao se fazendo mais precisa a forga
que mandei reunir nessa cidade sob as ordens de
Vmc, recomraendo Ibe qae se recolija a esta cap
tal e ento se providenciar sobre o pagamento
das despeas, que se tem feito.
N. 107.Dito ao commaodante do deposito de
instrucgo. -Recomraendo a Vmc. que compra
com urgencia vinte cavados e viota selias com os
competentes arreios, qae se fazem precisos para o
servlg .
N. 108.Dito ao alferes Javioiano Jos de Al-
bnqaerque.Tendo expedido ordem, que Vmc. ja
deve ter recebido, para ser saspenso o recrnta-
meoto, oenbuma; providencia ha que lomar acerca
do que se conlm em seu offlcio de 25 de margo
ultimo, qae fica assim respondido.
2.* secgo.
N. 108.Offlcfo ao Exm. presidente da relagao.
Cabeodo a V. Exc. pelo qae dlsp5e o decreto n.
3572 le 30 de dezembro de 1865, ministrar a esta
presidencia mappas para formago da eslatistica
judiciaria, correspondeotes ao anno ltimamente
findo, quelra fazeio at o fira do mez do jonho de
cada anno.
N. 109.Dito ao Dr. chele de polica. Respon-
deodo ao seu offlcio desta data sob n. 223i tenho
a dizer-lhe que mande lrazer-me os revolveres, a
que allude.
N. 110.Dito ao commandante superior do Re-
cife. -Davolvo a V- s- a proposta do i." batalhao
de artilbaria da guarda nacional desta municipio,
a que alinde o seu offlcio de 28 do correte sob n.
151, aOm de que nella sjam contemplados os
dous offlciaes ijue se acbara-aggregadus aquella
.batalhao, os quaes devem ser preferidos para
preeuvhimento das vagas, segando dispSe o aviso
do mipisterio da jusliga de 13 de outubro de 1858 ;
convindo que d'ora em di-inte nenbuma proposta
me seja apresentada sam que tenha sido observa-
da seraelhante disposigo.
N. 111.Dito ao mesmo. -D V. S. suas ordens
para qae s seis horas da tarde do oi 4 do cor-
rente esteja postada em frente da matriz do Corpo
Santo cma guarda de honra-lirada do 2.a batalhao
de infamara da guarda nacional sob sea caminan-
do superior, aOm de acompanhar a Imagem do
Senhor Bom Jess dos Passos d'alli para o conven-
to do Carino, em cujo paleo dever s tres boras
da tarde do dia seguinte acbar-se postado todo
aquella batalhao, aflm de acompanhar a mesma
Imagem ero seu regresso para a referida matriz.
N. 112.Dilo ao mesmo.txpega V. S. as suas
ordeos para qae seja transferido o 3.a batalhao de
infamara do quirtel das Cinco Pomas onde se
acha para o do corpo de polici>.
N. 113.Dito ao mesmo.Expega V. S. as suas
ordens para que seja fornecldo boje mesmo am
dos ciaras do 1.* osqaadro da guarda, nacional
ao 2.a esqn.dric, qoe se acha aquarteiadve qne
se Ihe faz necessarlo para o servigo.
N. 114.uito ao mesmo.Tendo por portara
desia data nomeado para o 1.a batalhao de artilla-
rla da guarda nacional deste municipio os offlciaes
constantes da inclusa relagao, assim o communico
a V. S. para sea eonhecimento e dir gao.
N. 115.Dito ao mesmo.Para qae na thesou-
raria de fazenda possara ser pagos os vencimentos,
a contar de 26 de dezembro do anno prximo pas-
sado a 15 de Janeiro deste anuo, dos guardas m-
ciooaes qae estiveram empregados no servigo do
recrutaroeolo na povoago de Santo Amaro da Ja-
boato, i-sa preciso que os prets, que inclusos
devoivo, e a que se refere o sea offlcio de 15 de
margo ultimo, sob o. 129, sejam reraetlidos em
duplcala/ como solicitou o inspector d'aquella the-
souraria em offlcio de 29 do citado mez de margo
sob n. 170.
N. 116.Dito ao joiz municipal da 1." vara.
Maude V. S. por a disposigo do Dr. chele de poli-
ca os sentenciados da justiga que esliverem as
condigoes de ser enviados para o presidio de Fer-
nando, atim de seguirem no vapor que a Compa-
nhia Pemambocaoa tem de mandar para all, no
do Jos Jpaqolm Hylaro da Silva, a qae se refere o
sea offlcio n. 187 do 1* do correte
N. 128.Sao ao
dos offlciaes do
da 12 do correte s 10 boras da raanhaa; re-
mefando-me V S. opportunamenta as respectivas
guias bem como as dos que all exlstem sem
ellas.
N. 117.Dito ao |oiz de direito do Bonito.
Tendo nesta data recommendado a cmara muni-
cipal de Garuar que proceda a apurago geral
dos votos dos collegios eleitoraes do 4.a districto
desta provincia no dia 3 do corrente ou logo que
Ihe Idr presente o offlcio desta presidencia, de-
vendo para isto juramentar os sapplentes de ve-
readores, qu, na forma da lei, forera nacessa-
rios, assim o commuuico a Vmc. para que provi-
dencie no sentido da ter prompta exeeugo a su-
pracltada ordem.
N. 118.Dito ao delegado encarregado do expe-
diente da repartigo da polica.Mande Vmc. pdr
em liberdade o recruta Adolpho Jos Cavalcanle,
qua com o nome de Adolpho Jos Dias acha se re-
cuimdu a easa de detengo.
N. 119.Uito ao mesmo.Mande Vmc. apre-
sentar ao general commandante das armas os re-
cruta* Joo Francisco de Moura, Francisco Xavier
dos Santos, Manoel Jeronymo Correa, Manoel Ale-
xaodre de Sonza, Adolpho Jos Dias e Jos Theo-
doro Cabral da Silva mencionados no seo offlcio u.
2191 de bootem datado qae Qca assim respondido.
N, 120.Dito ao mesmo.Offlelando nesta data
aojuiz municipal da 4' vara desta cidade, para
mandar pdr a' disposigo de Vmc os sentenciados
de justiga qae esliverem as cireamstanclas de
serera enviados para o presidio de Femando, aflm
de seguirem oo vapor que a Companhia Parnam-
bucana tem de mandar para all no dia 12 do
corrente s 10 horas da maobaa, assim o commu-
nico a Vmc para sea eonhecimento e dlreccio.
-V 121.lito ao commaodante do eerpo provi-
sorio de polica.Ordenando nesta data a' tbesou-
raria de fazenda qae pagae ao lente qaartel-
gar ao commandante do corpo de policia as qaa
renta armas que foram recebidas d'afaadega em, lmeslra uo corpo sob sea commando, a quantia de
virtude do mea offlcio desta data. 313J20U rs. qae veoceram os 116 paisanos que se
achara addidos a esse corpo, recommendo-lhe qoe
depoij derecebida aquella qaantia faga entrega-la
ao lente coronel Antonio Francisco Paes de
Mello Barreto.
A". 122.Dito ao mesmo.Mande Vmc pdr
di-posico do capito Antonio Pereira da Cmara
Lima, o alferes do corpo sob sea commando Tran
quilico Agnello Pessoa Dutra.
N. 123.Dito ao mesmo.Nesta data expeco or-
dem para qne o terceiro batalhao da goarda-nacio-
nal seja transferido do qaarlel das Cinco Pomas
para o do corpo d policia, o qoe eommanico-
vmc. para os flns convenientes.
i ',*-~"D'''> a<> mesmo.Mande Vmc. forn*e*r
ar,.oxos mbalados de pistolas ao capito eom-
mandante interino do segando esqoadro da guar-
da nacional do municipio do Recife.
N. 125.Dito ao mesmo.-Antoriso Vmc a fa-
ter ngajar para sertg do eorpo sob seo com-
mando os paisanos Manoel Francisco de Lyra e
Alexandre Correa de Lima, aposentados com o
sen offlcio n. 186 do Ia deste mez-
N. 126.Dito ao mesmo.Para os los conve-
nientes deojvo a Vmc. o cooselho de investlgago
do soldado Benio Nones de Oliveira, com a por-
tarla de nomeago do respectivo cooselho de jura-
mento.
N. 127.Dito ao mesmo.- Aolorlso Vmc a
excluir do corpo sob seu commando o soldado addj-
mesmo.Designe Vmc. am
copo sob sea commando para ir
a comarca de Flores letaf ao respectivo collector
a quaotia de 4:000j que o Inspector da tbesonra-
ria de fazenda tem de enviar para all para paga-
mento dos vencimentos dos goardas naclonaes des-
tacados naqaella comarca.
N. 130.Dito ao tenente-coronel commandante
do stimo batalhao do municipio do Recife.Re-
comraendo a' Vmc. que, eom a forga do sea bata-
lhao que se acha aquartelada. siga quanto antes
para a villa do Pao do Alho, a' disposigo do Dr.
ebefe de polica.
N. 131.Portara.O presidente da provincia,
tendo era vista a proposta apresentada pelo tenan-
te-coronel commandante do primelro batalbo de
artilhana da guarda-nacional do municipio do Re-
cife, sobre a qoal informoa o respectivo comman
daole superior em offlcio de marco ultimo, resolve
nomear para o referido batalhao os offlciaes se-
guales :
Estadomaior.
Segundo-tenerte secretarlo, o segundo-ienente da
primeira companhia Eugenio Goncalves Cas-
cao.
Segando tenente porta-bandeira, Joao Ferreira dos
Santos.
Primeira companhia.
Prlmeiro-tenente, o segando dito da mesma Sabino
Joaquim da Silva Corado.
Segondo-teneole, Francisco de Panla Gongalves.
Ferreira.
Segundo dito Joo Duarte Carneiro Monteiro.
Segunda companhia. >
Primeiro-tenente, o segundo dito da sexta Arroinio
Pessoa de Albnqaerqae.
Segundo dito, Eustaquio Zeferoo da Silva Braga.
Quima companhia.
Seguodo-lenente, Manoel de Souia Cordeiro Simoes
Jnior.
Sexta companhia.
Segundo-tenenie, Manoel Gongalves Ferreira Costa.
Segundo dito, o alferes aggregado Joo 'julin i
Marques.
N. 132.Dita.Para o conseibo de julgamento
a que vai ser submettido o soldado do corpo provi-
sorio de polica Bento Nuois de Oliveira, m-
melo :
O Sr. capillo Luiz de Franga Melle Jnior.
Auditor.
O Sr. Dr. promotor publico desta capital.
Vogaes.
Os Srs. :Tenente Leodegano Liberato Pereira
Caldas.
Dito Joo Pereira Lagos.
Al'eres-cirurgio Joaqaim Jos Alves de Albu-
qaerqae.
Alteres Tranquilino Acuello fesse Dutra.
Dito Maooel Aprigio de Moraes.
3.a secgo.
N. 133.Offlcio ao inspector da thesouraria de fa-
zenda.Tendo a Companhia Pernambucana de man-
dar am dos seus vapores ao presidio de Fernando no
da 12 do corrente as 10 horas da manha. assim o
communico a' V. S. para sea cooheeimento e di-
reegio.
S. 134.Dilo ao mesmo.Transmuto a" V. S. o
pret junto em duplcala, a que se refere o offlcio
do commandante superior da comarca de Cabrob
datado de 6 de margo ultimo, aflm de que, se nao
bou ver incoo veniente, maode acreditar o tenente
coronel Hoque Carlos de Alencar Paixoto pela
quantia de 285(820 rs. proveniente dos vencimen-
tos que p ou a contar de 16 de Janeiro a 13 de fe-
vereiro deste aooo aos guardas nacioaaes destaca-
dos na villa do Granito, como se vd do menciouado
pret.
N. 135.Dilo ao mesma.Providencie V. S.,
para que se nao boover inconveniente seja paga
empresa da iilamioacau publica desta cidade, co-
mo pede no incluso requerimento documentado, a
quantia de 4391200 rs. proveniente do gaz consu-
mido durante os mezes de ootnoro a dezembro do
anuo prximo passado, cora a illumioaco dos
quartels de cavallaria, Hospicio e Soledade, bem
como do hospital militar.
N. 138.Di ao mesmo.Maode V. S. recolber
aos cofres dassa repartigo,aflm de tero convenien-
te destino, a quantia de 13-679(822 rs.. que existe
depositada na caixa filial do banco do Brasil, pro-
veniente de donativos feitos para as urgencias da
estado.
Nesta data offlcio ao presidente da referida caixa
filial para pdr a disposigo da V. S. a supradita
quantia.
N. 142.Dito ao mesmo. Restitaindo a V. S.
os papis que vieram annexos a sua informago de
30 de margo ultimo sob o. 173, e si) relativos ao
pagamento, qae na importancia de 120(000, pede
Qulrlno Joaquim Madeira, proveniente de vinte e
cloc alqoeires de fartnba de mandioca, que ven-
dea ao commandante do presidio de Fernando, em
margo de 1863, para consamo do mesmo presidio,
leaho a dizer-lhe, qae nos termos do parecer da
contadona dessa thesouraria, a que se refere a
sua citada informago, mande proeessar essa divi-
da para ser paga qaaado pelo thesoaro nacional
fr marcada a necessaria quou, visto pertencer
elle a exerclcio ja' encerrado.
N. 143.Dito ao mesmo.Declarndome olxm.
Sr. ministro da guerra em aviso de 18 de margo
oltirao, ter sido approvaja a liceoga de tras mezes,
que para tratar da sada, concedi ao coronel com-
mandante do20a batalhao de infantariaJos daSilva
Goimares; assim o communico a V* S. para sea
eonhecimento e dlreego.
N. 144.Dilo ao inspector da thesouraria pro-
vincial. A Antonio Jos da Silva, mande V. S.
pagar, seno boover inconveniente, e em vista da
conta Jauta em duplicata, a qae se refere o offlcio
do delegado encarregado do expediente da repart-
gao de polica, datado de bootem, e sob n. 2,206,
a qnantia de 14(455 rs. despendida durante os me-
zes de fevereiro e margo deste anno, com o forne-
cimento de luz e agu para o quartel do destaca-
mento da Santo Amaro de Jaboato.
N. 145.Dito ao mesmo.Em vista do pret jan-
to em duplicata, e nio haveodo Inconveniente
mande V. S. pagar ao sargento Olymplo Perreira
da Silva, conforme solicitou o commandante supe-
rior da comarca de Palmare, em offlcio de 28- de
margo ultimo, os vencimentos a contar de 26 de
fevereiro prximo fiado, at 28 do citado mez de
margo, aos jardas naclonaes destacados na villa
de Agua Preta.
N. 449Dito ao presidente da caixa filial do
banco do Brasil.Pode V. S. mandar recolber a
thesouraria de fazenda, a que nesta dala offlcio, a
quantia de 13:679(822 rs., qne existe depositada
na caixa filial, proveniente de donativos faltos para
as urgencias do estado.
4.a secgo.
N. 151Offlcio ao Rvm. vigario geral.Deven-
VOVRRIO DO BI9PADO.
SEDE VACANTE.
O Exm. e Rvm. Sr. internuncio apostlico acaba
de aatorisar ao Rvm.. Sr. conego govemader do
bispado, em data de 25 do prximo passado para
dispensar os oradores constantes da relagao abaixo
transcripta nos impedimentos da afflnidado licita
30 de* Im^w1!5,0, deeret 333 de \*m pritae^ rao i1 d ""I l*ttera| e do se-
tormi^A ,? !m' ,Slrar DmJ*3m pm *aoo gr0 attmgepte ao primetro de consanguinl-
formagao da esiaustica; civil correspondente ao ao- dade da liaba latleral uu|{uiu.
mninS1* flnd Secoma,eDdo ,l19 iQe '. E^s petlgdes pdem ser procuradas oa secreta-
Sez de innho onZ ti."??i,6S- ,a,0 d i ft + ***. P'acio da Soledade.
mez I moho como Veceitua o referido decreto. Joao Miguel Rodrigues e Anua Joaquina do Espiri-
v. d. uito -o administrador do crrelo.. to-Saoto. -
Pelo sea offlcio do Ia do corrate flqnei iotelrado
de ter sido subtrahida a mala qoe o estafeta Joa-
quim Pedro do Nascimento, coaduzlo para Villa-
Bella e que bavendo todo? os indicios de ter sida
elle o propro qae a subtrahio offlciou Vmc. n'a-
quella data ao Dr. ebefa de polica aflm de man-
dar osjaarar o competente processo.
N. 154.Dito ao jan de paz mais votado da
freguezia da Boa-vista.Iotelrado pelo sea offlcio
desta data dos motivos pelos quaes daixou de ser
boje iostallada janla de quahflcago dessa fre-
guezia, recommendo a Vmc, que guardado o
preso e mais formalidades da lei faga a aova con-
vocago e rena a referida juota no dia 16 de jq-
oho prximo vlndouro que para isso flea desig-
nado.
N. 155.Dito a cmara municipal de Caraar..
Cooslaodo a esta presidencia qae a cmara muni-
cipal de Caruar havia marcado o dia 8 do cor-
rete para a apurago geral dos votos dos coile-
gios qoe-compda o 4a districto eleitoral desta pro-
vlncia, recommondo a mesma cmara qaa proceda
a referida apurago no da 3 do corrate de con-
formidade com o qae por le est determinado, e
quandoistoja nao possa ter lugar o faga no dia
4 00 logo que esta Ihe for presente, para o qae sa-
rao chamados e juramentados aquellas sup leotes
de vsreadores que foram necessarios caso nao
comparegara os f (Tactivos.
N. 156. Dito ao gerente da companhia Pr-
nambucana.Pode Vmc. lazer seguir para o pre-
sidio de Fernando o vapor Parolaba no dia 12 do
corrente as 10 hora* da manha e para os porlos
do sul e norte os vapores Mamanguap e Ptrapama
nos dias 13 o 15 desio mez as horas indicadas era
seu citado offlcio, fleaudo Vmc. ceno da qua nesta
data expego as convenientes ordens para o embar-
que das pragas, seuteocudos e objectos que teem
de ser remettiuos para aquella presidio.
N. 157.Dito ao mesmov Declaro a Vmc para
seu eonhecimento qua o Exm. Sr. Ministro da jus-
tiga commuottoa-me em aviso da 14 da margo ul-
timo tern'aquella data solicitado do da fazenda a
expedigo de ordens a lira de. ser paga a essa com-
panhia a quantia da 42(326 rs., importancia da
passagens dadas a diversas presos.
Kxaedieale de secretario d javerao do dia 2 de
abril de 4867.
2a secgo.
N. 188. Offlcio ao commandante superior do
Recife.Sua Exc o Sr. cdYjselheiro presidente da
provincia rvioda declarar a V. S. que foi remeitl-
do ao- arseijil de guerra para fomecer o pedido
felto para o 6a batalbo da infantarla e que veio
janto ao seo offl:io,?. 156 de 29 d) mez filio.
N. 159Dito ao commandante superior de Ca-
broo.O Exm. Sr. conselheira presidente da pro-
vincia manda declarar a V. S. em resposta o seu
offlcio de 6 de margo nltirao, -qoe transmittio a
thesouraria de fazenda para o lira iodieado no ci-
tado offlcio, o pret em duplicata, a que elle se re-
fere.
N. 160.Dilo ao eoraraiadinte superior de Pal-
maras.Sua Exc. o Sr.> cooselheiro presidenta da
provincia manda declarar a V. S.
Pereira e Joaquina Carolina do
Antonio Gomes
Amor Divino.
Joo Tavares de Araujo e Joaquina Maria do Bspi-
rito-santo.
Jos Barbosa de Freitas e Mana Joaquina do Espi-
rlto-Sauto.
Manoel Soares da Silva e Clara Mara da Con-
ceigao.
Amonio Maooel dos Santos e Banvinda Maria da
Conceigao.
Francisco Igoacio da Croz e Josepha Mara de San-
ta Anna.
Francisco Bezerra de Vasconcellos elThereza Maria
da Mello.
Jos Laiz Dantas e Luisa Maria da ConceigSo.
Joo Pi de Seona e Porfir Maria da Soledade.
Agostmbo Barbosa da Silva e Maria Xavier da
Costa.
Damio Malhias de Sonza e Joaquioa Maria da
Conceigio.
Joaqaim Fraacisco de Souza e Maria Magdalena de
Jess.
Eduardo Pereira de Souu e Francisca Maria Ca-
valcanti.
Virginio Fortunato da Silva e Rita Honorla de Me-
deiros.
Joaquim Ciemenlino de Carvalho e Silva, e Gol-
Ibermina Maria da Annunciagao.
DIARIO BE PEflfABjBUCQ
Da Europa cnegou bontem o vapor francex Na-
varre, trazendo jornaes de Hamborgo at 20, de
Londres at 23, de Pars at 24 e de Lisboa at 28
do passado.
Erara esperados em Pars anda mate hospe-
les eoroados; todos os soberanos da Allemanha
all comparecern ; anauociava-se para o princi-
pio do correnu_a visita do ral Luiz da Baviera, e
a do rei do Wtfrtemberg. Dina-se que a viagem
dos imperadores d'Ausiria fra adiada de 6 para
15 do correte.
A imperatfiz leudo sentido necessidade de des-
tancar alguns dias em Ischl, depois das fadigas
das festas da coroago de Pestu. Quanto ao sulto
devia desembarcar em Franga nos ltimos dias do
mez passado tetado sabido de Constaotinopla a 20,
onde receben na vespera da sua partida o corpo
diplorastico e os seas ministros. Dorante sua
ausencia, a regencia confiada ao gro-vizir Ali-
pacha'; Foad-pacba' substituido (uterinamente
no mioislerio dos negocios-estraogelros por Saofet-
pacba.
A visita do rei da Prassia a Paris fez muito rao
efieito em certas regidas polticas de Londres. Di
zem alguns qae o rei da PrussU por deferencia
pelos lagos da familia, deveria ter prolongado a
sua excursaoat Wiaisor, e que a sua falta of-
fondera o puodooor britaonico ; dlzera outros qoe
ba urna liga entre o re da Prussia, o imperador da
Russia e o imperador Napoleo relativamente a
questo do Oriente.
. em resposta ao .Os lories anda nao esqaeeeram a expedigo da
seu offlcio de 28 de margo ultimo que nesta jUta I Dioamarca, e pronnnciam-se sempre a este res-
autorisou-se a thesoararia provincial a pagar ao Pe'tJ ^e ata oodo mais altivo para a Prassia ; ape-
sargento Olyraplo Perreira da Silva os venclmeu- "J ** 1ae se Ju'ga provavel qae se elles estives-
N. 146.Dito ao mesmo.Ananindo ao qae so-
licitoa o chefe da repartigo das obras publicas em
tos constaotes do pret que em duplcala vaio an-
nexo ao citado offlcio.
N. 161.Ditoaqdelagado eucarreado do expedi-
ente da repartigo da policia.O Exm. Sr. conse-
Ihero presidente d provincia respondeodo -o offl-
cio de V. S. datado de hootera e sob o. 2206, man-
da declarar que a thesoararia provincial tem ordem
para pagar a Aotoaio Jos da Silva, a quantia de
14(455 rs. constantes do citado offlcio.
N. 16!.Dito ao delegado em exercicio do ter-
mo de Garanhuns.Nesta data autorisouse a the-
souraria provinciai a pagar ao negociante Joo
Baptista dos Uaimares PeJxoto a qaantia da
528(400 rs. constante do offlcio de V. S. datado
de 16 do correte, o qaal fica assim respoadido
de ordem do Exm. Sr. coas -Iheiro presidente da
provincia.
* 3.a secgo.
N. 163Offlcio ao inspector da thesoararia de
fazenda.Coasta de partecipagao do juiz muoici-
pal do termo da Booito, bacharel Aotooio Colam-
bano Serapbico de Assis Carvalho, da 24 de feve-
reiro ultimo qae nessa data e por molestia do 1*
substituto, assumio ella o exercico do cargo de
juit de direito da comarca d'aquella nome, o qae
a V. S. communico de ordem de S. Exc. o Sr.
conselheiro presidente da provincia.
N. 164.Dito ao mesmo. O bacharel Aotonio
Salastiaoo de Abren Reg, partecipou qne termi-
nando em 28 de fevereiro ultimo a liceoga de qae
gosava, reassumio nesse mesmo dia o exerctelo do
cargo de promotor publico da comarca de Gara-
nhuns, o qoe a V. S. eommanico de ordem de S.
Exc o Sr. conselheiro presidenta da provincia.
N. 165.Dito ao mesmo. Saturnino Jos a
Silva partecipou que no dia 19 de fevereiro ulti-
mo, e na qnalidade de Ia substituto assumio o
exercicio do cargo de juiz municipal e de orphaos
do termo de Cabrob, por ter o respectivo pro-
prietario assumido as fuocgdes de juiz de direito
da comarca do mesmo nome, o que a V. S. com-
munico de ordem de S. Exc. o Sr. conselheiro pre-
sidente da provincia. t
N. 166.Dito ao mesmo.Em 24 do mez findo,
partieipou o juiz de direito da comarca do Bonito
ter em 16 do mesmo mez, nomeado o bacharel
Jos Bapllsta Gitlran, para exercer merinamente
all o cargo de promotor publico, delxado no mes-
mo dia 16, pelo bacharel Candido Martins de Al-
meida, por ter sido nomeado procurador fiscal da
fazenda provincial; o que communico a V. S. de
ordem da S. Exc. o Sr. conselheiro presidente da
provincia.
N. 167.Dito ao mesmo.O bacharel Joo Gon-
zaga Bacallar partieipou ter reassamido em 28 do
mez fiado, o exercicio do cargo de jaix municipal e
de orphos do termo do Cabo : o qoe a V. S. com-
offlcio de bontem sob o."70, recommendo a V. S. munico de ordem de S. Exc. o Sr. "conselheiro pre-
que, sena o houver inconveniente mande entregar dente da provincia.
ao thesoureiro d'aquella repartigo a qaantia de
16:000(000 constante do inclnso pedido, para uc-
correr-se as desptzaa com as obras por adminis-
trago ne corrente mez.
N. 147.Dito ao mesmo.Recommendo a V. .
3ue, em vista das comas juntas ero duplcalas, e
os mappas tambem juntos, a que se refere o offl
ci do delegado em exercicio no termo de Garan-
huns datado de 16 de margo altitno, mande pagar
ao negociante Joo Baptistaflos Guimariss Pelxo
to, seno boover inconveniente a quantia de......
528(400, despendida dorante os mezes de dezeov
N. 168.-Dito ao chefe da repartigo das obras
publica?.A' thesoararia provincial aulorisou-se
nesta data a entregar ao thesoureiro dessa reparti-
go os 16:000(000, constantes do pedido qae em
duplicata veio aooexo ao offlcio de V. S. datado ce
bontem e sob n. 70 : o qoe fica assim respondido
de orden do Exm. Sr. conselheiro presidente da
provincia.
4." secgo.
N. 169.Offlcio ao engenheiro fiscal da estrada
de ferro.Cemmuoico a Vmc. de ordem de S. Exc
o Sr. conselheiro presidente da provincia, qae nes
bro do anno prximo passado a fevereiro deste u dala Oca expedida a conveniente ordem, aflm de
anuo, com o sustento dos jiresos pobres da cadela '
d'aquella termo.
N. 148.Dito ao mesmo.Minda V. S. adiantar
nm mez de sold ao tenente do corpo de polica
Francisco Jos de Sacramento e Silva, que tem de
seguir am diligencia para fr tata capital. *
ser posto em liberdade o trabalbador da estrada de
ferro Manoel Jovino Correa, de qoe trata o sea offl
co de 31 de marco prximo Ende, qaa tica assim
respondido.
em nessa poca oo podar, nao teriam feito mais
do que lord Ruppal a favor da Dinamarca. Hoje
qoe so renova a questo de nma restitngao de
urna parta do Slesvrig, os tortas a o* seos amigos
renovara as severas apreciagdes que ha tempos ba-
viam ja desapparecdo das collumnas dos jornaes
britannicoi.
Entretanto a prxima visita Oa raioba da Prns-
sia a rainha Victoria, a anonadada excarso do
re Guilherme qae verla procurar a raioba, antes
oo deools da estaco dos banhos e alnla mais do
que estas vtagens, um accordo eqoltavel com a Di-
namarca, urna poltica liberal interior largamente
praticada em Berln, e analmente a sobretodo a
coovicgo de qae nao existe accordo algam parti-
cular opposlo aos ioteresses da Inglaterra, acabaro
de dissipar estas impresses momentneas, que s
meocionamos por contrastaren] cora outras tmpres-
soes que dominara em Paris nos crculos militares
e aoti-prussianos.
Nestes crculos estranha-se qne o imperador e
o seu governo tenham feKo tac boro acolblmento ao
re Guilherme ea-iSr. de Bismark, e que nao te-
nham protestado contra a reconstitaigo de Zolve-
reio, tal como acaba de ser aceita pelos estados da
tal reconstitaigo qae fazem depender as diposl-
gdes do tratado de Braga, para a futura ouifltago
poltica da Allemanha, da sua anificago aduanal-
ra ; e finalmente de parecer renunciar para o fu-
turo a toda a desforra contra a Passia e a todo o
engrandecimento sobre o Rbeno.
As opinioes mais sensatas e imparclaes s achara
motivos de louvores, naqnillo mesmo que os ontros
censuram, pois se pode considerar na verdade co-
mo um acto de poltica justa, prudente e eqoltavel,
inspirando se dos lateresses da Franga, considera-
dos sob o novo aspecto da sodariedade dos poros
substituindo-a ao sea antagonismo.
Corre o boato de nm resfrimento de relaedes
entre aa cortes de Paris e de Berln desmeollado-
se igualmente a noticia da viagem qae no prximo
mez de setembro o imperador Napoleo prometie-
ra ao rei da Prussia.
Entretanto em Beriin a opiniio publica mostra-
se muito satlstefta palo acolbimento feito em Paris
ao rei Guilherme.
Parece, porm, certo que a paz da Europa teode
a consolidarse, e que anda que se levantassem
nesta ocesio algumas nuvens entre a Franga e a
Prassia, ellas nao perturbaran! o conjunelo de
ma sitaago qoe se torna melhor cada dia.
No corpo legislativo francez agita-se ama ques-
to multo importante sobre a prorogagao da sesso.
O Sr. Jallo Simn fez-se orgo dos receios da op-
posigo e pedio qae se dsse para ordem do dia a
lei sobre a imprensa, consentlndo ao adiamento da
lei sobre a reorganisago do exercito. O Sr. Rou-
ber respondeu Iba protestando da sinceridade das
iotengoes do governo e propondo terminar a actual
sesso pela discussao immediata do orgameoto.
Quaulo aos projectos de lei cajos pareceres a fo-
ram apresentados senara reservados para a futura
sessio, que comecaria oo Ia de Janeiro prximo.
Depois de diversas ebservages apreseoladas pelos
Sn. Tniers e fimile Olivler, o eorpo legislativo
adoptou por 210 votos contra 34, a proposta de*mi-
nistro de estado.
O principio da discassao do orgameoto foi no dia
26 de jaabo. EatMinto cuiu-gou-se a discassao so-
bre os crditos sopplemeotares do exercicio de
1866. O Sr. Berryer pedio os documentos relativos
ao Mxico, que ibe foram negados peo Sr. Rouner.
Ful Igualmente apresentado ao corpo legislativo
nm projecto em qoe se pedem 158 mllboas de fran-
cos a litlo de crdito supplementar, qae sera' le-
vantado medanle a emisso de bonds do thesiuro.
Os goveruos da Praogae da Italia acabara de pu-
blicar n documentos diplomticos qne os seas
agentes trocaram relativamente a qneslo de Lt>
xemburgo.
Os documentos italianos mostrara qne desde a
origem do conflicto o gabinete de Florenga inter-
ven para evitar as complicages. Esta interven-
go, bem acolbid pelas partes interessadas, acaboa
de crear litlos presenca da Italia na conferencia
de Lendres, e a sua parilcipago foi acolbida por
todas as potenciad como um peabor de ordem e de
paz, qua foi proposta :
Qoanto aos documentos franceze', e ero especial
os qoe se referen) as primeiras phases do Inciden-
te, tem o merecimento de esclarecer alguns pontos
que tinbam sempre ficados obscuros ou contradic-
torios. Elles estabelecem primeiro, que foi o prc-
prio rei dos Palzes-Baixos qoetn tomn a iniciativa
de denunciar a Franga qae, nao poda obter da
Prussia qaa llbertasse o Limbnrgo e o Loxembnrgo
da sua posico mixta, e o seo receio, qoanto i se-
guranga dos s^as outros estados ; mas que foi o ga-.
bnete de Pars qoe leve a idea de nma cesso vo-
luntaria do grao-ducado Franga. Admiliida em
principio a cesso com as condigoes que foram pro-
postas pelo cedente, a Franga dsejava ella mesma
levar ao eonhecimento dt Prussia, este contracto, e
insisti vivamente sobre este ponto ; mas o re dos
Paizes-Baixos nao Jolgou dever acceder a este mo-
do de proceder, apressou-se a divnlgar a Prussia as
negociarles enceladas, divulgagao que expox antes
da hora a questo luxembargueza a todas as com-
pilcar ^s das quesides europeas, |cora grande ma-
goa da diplomacia franceza, e ao mesmo lempo do
Sr. de Bismark, segundo se colhe dos despachos do
Sr. Senedetti.
O procedimenlo do governo ingles as diver-
sas phases da o cmara dos lo- is a approvagao das duas mais al-
tas notabiiida do paitido liberal nesta assem*
ble ; lord Ct*i. ndon e lord John Russell.
A cmara n> > coramuns oa soa'sesso de 17 do
passado, tioh votado per urna mal ra de 14 votos
a jnncgo da i.-iiversidade de Dorhaw, a de Lon-
dres para o i: ercicio de franqua eleitoral. Mas
na sesso de 23 reconslderou esta resoluco e rejel-
tou-a definitivamente por 234 votos contra 226,
esta proposta apresentada e deffendida pelo Sr.
Disraeli.
Era contrario da promessa do governo ingles de
que depois do Pentecosts seria apresentado o bil
de reforma para a Irlanda, o Sr. Disraeli, annnncia
que esta apresenlago seria indefinidamente addia-
da, em conseqnencia do estado de perturbago em
qae actualmente se aeha a Irlanda. -mretanio pa-
reca que um dos meos de conseguir a ordem na-
quella importante provincia seria apresentar-lbe um
bil destinado a satisfazer mais de am descontente ;
o governo ingles porm jolgou o contrario.
Um meeting de assoaeiagdes operarlas, partida-
rias dos conservadores, tioba sido convocado para
o dia 17 em Si. James-Hall, atim de protestarem
contra a prolongago da agitago alimentada pela
liga da reforma. Os bilbeles de estrada s deviam
ser concedidos aos partidarios das resolucoes a vo-
tar, mas muitos membros da liga e operarios das
assoeiages reformistas podenca alcangar bilbetes.
Resultoo d'ajui urna desordem ao principio, e de-
pois orna verdadeira balalha.
O Sr. Drumncond Wolfe tinba proposto a presi-
dencia ao Sr. Fowler, mas o Sr. Manila, ero nome
dos reformistas presentes, oppoz a candidatura do
Sr. Baxler Saogley. Os reformistas pretendern)
que depois de levantadas as mos, este tivera maio-
ria, mas os conservadores recusaram reconbecer
este resultado. D'ahi a discussao passoo rpida-
mente a urna lata violenta. A policia ebegoa mas
nao leve forga de applacar a desordem se nao fa-
zendo evacuar a sala apagaodo-lbe o gar.
Entre o Times e o H$ral travoa-se a este respailo
urna polmica dizendo o primeiro que os reformis-
tas e o segundo que os perturbadores s formavam
a quinta parle do meeting.
Contam de Birminghan graves pertorbagoes que
tioham rebeniado nesta cidade entre protestantes e
catbolicos, a ponto de necessitar a interveogo da
forga armada e a proclamago da lei marcial.
Estas desordena foram, segando se diz provoca-
dos pelas pregagoes ante-papistas de nm Irlaodez,
convenido ao protestantismo, e to ardenle em sea
zelo de neophito.qae lem irritado al o mais alto pon-
to o phan'tismo dos operarios Irlandezes catholicos
qua povoam Birminghan. Daqui nasceu rama des-
ordem qae as autoridades tiveram grande trabalbo
para apasigoar.
As desordeos continuaran) por alguns das, sendo
necessario ler-se o Riot act ( lei acerca dos tumul-
tos ) ; chamaram-se tropas para Blrmlngbam, e es-
tas anda pediram.
Duas ras foram saqueadas e urna capella cat-
lica destroida pela multldo que fez bastantes es-
tragos; bomens armados de paos percorri ira as
ras; as desordeos continuaran! abi depois da
raeia nona, continuando depois a mais viva agita-
tago a o maior receio da populago.
O jornal a Prance declara que o boato de
urna viagem do papa a Pars nao tem fundamento
algum serio. possivel que Po I X,em conversa par-
ticualar tenha aludido s magnificencias da exposigo
ea atraego que ellas exercem sobre os Hlostres via-
jantes mas dabi o acreditar na sua intengo de
ceder tambem a esta attracgo vai mullo ; e anda
que o santo padre tivesse tido essa Intengo ou o
gabinete das Tolherias tivesse Intentado de Ib'a In-
citar evidente que bastantes obstculos se oppu-
nham a realisago de tal viagem os menores des-
tes obstculos sao talvex a idade e dbil sande de
sua santidade.
Apezar da vigil.ncia que as (ropas Italianas
exercem sobre as frontsiras do territorio pontificio,
urna columna de bomens armados em numero de
duzeutos, tentn invadir esta territorio pelo lado
de Terni.
Dizem as ultimas noticias qae o bando fra dis-
perso pelas tropas italianas enviadas em sua per-
seguigo, deixaodo fiear 47 prlsioneiros.
Parece que esta tentativa destinada a dar o sig-
na! de am movimento geral e qne davla ter por
efieito levantar as populacdes romanas. Dizem qae
os dazentos honras qae tentaran] penetrar em Ro-
ma eram garibaldlnos, ontros que maxzinisias. As
populares do territorio pontificio, conservavam-se
tranquillas.
O parlamento italiano tera-se oecopado do or-
gimento de recelta em qoe se resomem as maiores
diffleuldades flnanceiras da siluaco actual. Foi
pela segunda vez proposta pela commisso da cma-
ra de Impor nma taxa de 8 por cento sobre a ren-
da proposta, qoe votada 4a primeira vez pela c-
mara, ba via sido unnimemente regeitada pelo se-
nado.
0 imposto sobre renda combatido pelo governo,
foi definitivamente regeitado pela maioria.
O Monttnw de 25 do passado dis que os coapoos
italiaoos seria pagos desde o Ia do correte na ca-
sa Rotscbild.
Em quanto o czar e o seu tilbo mais novo, o
principe Wladimlr deixavam Paris e tomavam o
caranbo da Russia, o czar Witcb em logar de ir a
Londres, como se linba annunciado, dirifia-se para
Copenhague.
E' permillido acreditar que era para abi se eu-
contrar mais cedo eom sua joven esposa a princeza
Dagmar ; mas dixem alguns que a sua viagem nao
extranha a cooseraacfcs qua tarta havida em
Paris, entre os soberanos da Franga, da Prossi e
da Russia, a respailo da exeeugo do artigo do tra-
tado de Praga, qne ordenava a resliiuigo pela
Prussia i Dioamarca dos portos septenirionaes a
Scbleswig. 4
Al agora, este negocio tem fleado sempre no v
ponto em qua o dexaram > prirneiras aberlurasfei-
tas pela Prassia ao gabinete de Copenhague. A


s.
I



/

'
-
r*~
>
n
VJ- "*


w*
________
Mari *e PerB*lMK -- NubbaaU 13 4c Jultao de
1867.
-
Prossia qoereado ceder o menos te{tfMrfcKl"MMl [iwpuNi
i s pupulagjs al- respoadeccia
t re, na corveu de guerra fln/'/A .'* &m, *****

e reclamando da Dinamarca para
leraaes que fiabitam este- territorio, garantas e
compensares que este reino Ihe-oin-pode cea-
ceder- .....
B' proweii forero, que estas exifencas oo se-
jam posias de lia modo o rigoroso, seoao para
obrtgar a Dinamarca a renunciar a sna pretengo
de levar a linha de demaroanla at ao DaaeWtrfce,
e qae se ehegara' a um aecordo qoando esta potes-
ca (iver consentido em reflaa a saa frontera a
norte de Pleosburgo, de randa qoe deixe Alsea a
Duppel em poder dos prusaianos.
O re da Prossia coBseraer-sa-ka ausente da
sna capital durante lodo o vaai); Ira' s aguas da
Eais, e visitara' sucoeasivameale Badea, o prlori
pado do Hobenzellero e a corta da Inglaterra.
O intrpido mona-cha toorlsta so voltara* a Ber-
ln no mez de outubro, epecha em qna espera a
vi.ila que o imperador Napoleio Ibe promeliea
sna partida de Pars.
No da 18 roaeio-se era Berlia o conselho de mi-
nislros para se occopar da siluaco do antigo reino
de Hanover.
O ministerio decidi cutio qae todo o Hanover
formara urna nica provincia, coro a suas clr-
caorserlpcdes administrativas e religiosas. Ante,
porm, dase tomarem resolucoea definitivas a este
respeito devera er consultados os bomens de con-
nanca no Hanover, os deputados do rekbstag, e
ontras pessoas notavels do paiz. A estas novas de
liberaedes ha de presidir o ministro do reino.
A conferencia adaaneira reunida em Berln no
dia 4-e> jMbo eo*eofda-ns segwotes- pontos,:
Pica em vigor o tratado das alfaodega de 15 de
joubo de 186o. A legisiaei adoaoeita exerc-
da por ama representagio commom dos governos
e dos-poos isto. e, par- roaio da parlamento aiua-
neiro, qua decide por maioria.
A maoeira de votaeao dos governos regulada
peto aotigo vslema feudal, cao-a reserva de urna
modifkac em favor da Barriera. A Prnssia ca
investida do direito de eoiwecaco a com a presi-
dencia da assembla.
E' a esta potencia que compete coneluir trate-
dos de ceromercio e navegaeao, ea neme de todos
os astados, que fazem parle da uateo adaaoeira;
a Prossia tem floalmeote o dsroito do veto.
A representado dos novoe nevos corapae-ae do
reicberaio de Allemanba do Norte, o das delegad*
do* estados do sol, qe deven ser eieitos de ae-
cordo com as dispesicoes da eoaswtuico federal.
As difficuldades qua.se nounaam a adbesoo da
Baviera a reconsliliwgaedo Zolv.arkn, foramjira-
das.
A Baviera ja' prestas o seo caasea*i.aeulo ; o
sea representante o 3r. TifUareaeu assiguou a
coavenco d 4 de joano.
A conferencia devia reuaiMe a.23 de junto) pa
ra redigir o i atado deiiartwo. &*l tratado dove
ra' ser sabraettido depois a- saocgao do parlamento
e a* conicIbo a eeo*se>reo do norte, assim
como as das enmaras I iijl.-ativas do sol; n-e-n-
chulas estas formalidades deve entrar era pleno
rigor no priaeiro de Janeiro de 1861 pelo tempo
de doze anoos.
O principa Hsarique dos Paiaes-Baixos, como
lugar tenente do re grao-duqae abri a sesso dos
estados luxemburguezes, chamados a saucciooar o
tratado de Londres, qae refnloc a situacao do grao
ducado.
O principe no seo diseorso fex notar que o tra-
tado consagrando a independencia e a autonoma
do paiz, Ine conserva a btordada das suas rela-
gS coa roer eiaes, e que por conseguate preneu
che os votos da pnpolacao luxemburaueza. Ela
assembla votoo* por unaolmidade menos om voto,
o project de le que appcova o tratado de Lon-
dres.
Outro projecto de lei corollario deste o foi tam-
bera admittido a diecasso; e tinba por objeclo
autonsar o governo a mandar fazer os estudos
necessarios para a liosfermaeaa da fortaleza Lo-,
xembory, en* praea aberla, e a principiar a exe-
cuqbo deste irabalho, deaeodo porm justificar de
pois diante da assembla as d-.\- utz*= fetas oeste
seotido. A cmara approvou por ua grande maio-
ria.
Se os brinanles das de Pestb foram para a
Hungra urna verdadeira fest* de redempeo, con-
sagrando a restitoicao do* vos direitos seculares,
e das suas rerogatms coastituoionaes; o da 17
de jonno nao foi meaos feliz para es paizes que
forma a metale oeeideatal da monarebia. Pela
primelra vez, ha tantos a anos, o governo e os pa-
vos se acharara reunidos nes uv.-raos sentimentos,
e as mesmas aspirs^i?. O Sr. Beust, propoudo
os seas quatro projectos da leis orgnicas fuodoa
realmente o direilo constitucional da Cisleithania-
A revlso da patente de fevereiro, segundo o prin-
cipio do duelismo eonsiilacioaal, o abandono f-no
pela coroa do direito de doar ceosl'.iulces e leis,
direilo Ai que ella liaba infelizmente feito um uso
omito frequenle, a renpoosabilidade ministerial, e
a lei sobre as delegagoes parlaujeoiares, encarre-
gados de tratar de aecordo com a Huogri), os ne-
gocios communs do imperio, taes sao as bises da
nova consluicao, que desta vez tem orna origem
irreprebenslvel, porque ella devora a sua origem
ao concurso legal da cocea e da nace.
A lei sobre a respoosabilidade ministerial se-
ria, ella abnca e atlinge lodos os actos de que os
ministros se teriam tornado cuipavel no exercicio
das snas faneedes, ou seja centra o imperador, ou
contra a constiiuico.
A pronuncia, e acca.-acao. do ministros urna
prerogaliva da cmara dos depulados; mas o pro-
cesso sera' instruido, e o julgado tomado por um
alto tribunal de doze membros, que a cmara dos
senbores eseolbe do seu seio. O soberano nao po-
da fazer deter o proetsso, mesmo na aqsencia das
cmaras, uem fazer uso do seo direito. de perdo
em favor de um ministro condemnado, seuao pe-
dido da cmara dos deputados.
A segunda lei apresentada a 17 de junbo deter-
mina as rnf difieavae que a restauracao ^a Hun-
gra torna neoensaru na patente de fevereiro, que
destinada a ser a lei fundamental para toda a
monarebia.
Nesla -e-sao o ministro da jotttea dea igualmen-
te nma boa noticia a astembia, ul a de iatro
duco do ury no cdigo criminal das provincias
alera do Lettiiell.
Os jornaes de Constaetinopla anda se ocep-
pam das numaresas pri^es de passas importan
tes daquella cidade no principio do mez passado.
O Ceurrier i'OrietU diz que estas medidas d&msa
das produziram no publico ulna dolorosa commo-
cao, parecem dirigidas contra o partido do movi-
mento cbamado a Nova Turquia. A Turf uia or-
gao do soverno prf teade que a idea de urna assem
bla representativa, cojos individuos presos nao
tem a menor aocao, 4 completamente estuba a
medida que a polica julgou dever laucar sobre
ellea.
A indignaco levantada em toda a Europa
pelas perseguic&s que o governo romaaicio xer-
ce contra os IsraelUas do sea paiz, e as demons-
traedes das potencias nio ten> bailado ao qae par
rece, para proteger oa jude us da Moldavia contra
os barbaros procseos de Sr. Bralano.
O gabinete austraco tomoo a Iniciativa de pro
por a reviejo do tratado de Parte de 1836 que pz
flm a' guerra do oriente, e de que a Rossia gaobou
to grande reseotimeoto.
Rebentaram serias desordens na Bulgaria.
Mullos bandos arraado6,occqpaai os desflladeiros.
de Balkans-
Algnns ioraae* franca,zes de 53 de Junho pu-
blicara ara. despacho lelegrapico de Mr. S: ward
a* legacao amricaaa en Yianna, annuncianJo
ue Maximiliano havia-sido condemnado a exilio
e que partir com direccao ?' Inglaterra.
O mais inteiiigeate, *aas lambem ti mais vil e
mais croai.de toaos o paetes mi litares que do M-
xico tm exercido o poder supremo, e qae com Ui
feto.ora coa o conaarao d cleto, ora com a op-
posicao do raesnw clero, tiaba conseguido manter
all por alguna asaca, a' forea de arufioios e de
crueldades, ama eaaecie i gaverao regalar.
Santa Ansa experimeotou reaonqotstar a sua
autoridad de outro tempo, aobre as roiaas do im-
perio. Velho, com a saade seHapre arrmoada por
deboche?, sem nome, mas sempre ambicioso, ac-
tivo, o espirito voltado para al lutrigM, Immensa-
meute rico peloa rhesoarot roubao* em quanto
i BJQ'da eaiaraarAaaxWa nma cor
acerca da saa nrettoaM^DM^arA-iicoi-,
dade aqol, e estas mftsmis patso poderlam un- tai, o Sr. D. Peroando, assomlndoj
oelli.la a-ollar aqai algtrta da, orno Bzeram eaar wioo, presidir' aos negocios do e.
Itarbjde..
< Os que poderem, hio de transpprtar-&a> a',
Austria, ftfraVa Maximiliano um corte mexi-
cana, em Miramar, e bao de baver baslaatea que
posean (ormar n'etsa ponto um goemo aaexi
cano, emo praMcou era Roou o rei das Doas-
Sicilias depob da sua expulsao de aples. Al-
gubm* potencias europeas eontiaaario a reconhe-
c-lo coma imperador de Mxico, como o fex a
Hespaaha a respeilo do rei das Duas-Sicilias.
t Todas as vexea qnp nos soceeder ter eompli-
eaoSs coa. nma nacao enropea quabxoer, a me-
dida tomada pala parte interessada sera intrigar
com Maximiliano, e ameacar.oos de dar apoio
ao nosso legitimo soberano para recob'?r a saa
t autoridad* anbw o osorpadot, se os recu-
sarmos ftcelUr as condicSes que bos forem im-
postas. _
t Alia disso, se Maximiliano fr perdoado e
aulorifado a regressar para o seu paiz, estou certo
de qae niogaem na Europa nos tazara' de magoa-
mmidade, atteodendo a que as nacSes tracas uao
se snppdem magnnimas ; mas dlr se-ba, pelo con
trario, qae procedemos pelo reeeio da opioiao pu-
blica da Europa, e porque nao oosamos tratar com
severidade um principe europea e nosso sobe
rano >.
t Nao quero diier que Maximiliano deva ser
oeressariameBte fusilado. O qoe eu quero dtter
6 qae ae Iba nava tirar ledo o poder de fazer al-
guna mal ao Mxico antes que Ihe seja permlttldo
partir..
Felizmente, pareo, nao se reasoaa-.hypothese
figurada por esse-tHpfmata.
Dos jornaes da Europa irauscrevemos a segaiata
proclamaeio do imperador M-iiwiliano :
Cidadaos i Agora qna a aoragem e o patrio-
tismo das tropas republicanas despedacaram o mea
sceptro tfosta praca qoe me foi preciso defender
com tenaeidade para salvar a ininba caasa e a
atiaba existencia, soUrende um assedre- horrivel,
durante o qual os soldados imperiaes, coa os re
pobHcaaos, laclar n de dedicacao e de- herosmo,
quero expilcar-roe.
Cidadio'. Eu vio ae M-kco, nao somonte ani-
mado da convieco a mais viv da possiBilidade
de assegurar a ventara de todos, mas tambera de-
baixo da proteceo deNapoleo III, imperador dos
Prancezes.
(Seguem-se aqui gravssimas expressoes eonira
Napoleo III, formulada* n'um estylo qae a im-
prensa franceza nao pode reproduzir/
Cidadaos I Eis as minhas almua* palavras.
Dssejo que meu sangae regenere o Mxico, o qae
a minba serle sirva de lice a todos os principes
imprudentes e ambiciosos. Possais vs proceder
com prudencia e verdad*, e ennobreeer eom as
voesas virtudes acaasa publica e a bandeira
def-radeis. Pos? a P*ovWeneia salvaiuar-1arJv*
e toroar-vos dignos de mira. I
Eacerraram-se deflai?lvameBte no dia 27 do
passado as cortes portugoezas. S. si. o Sr. D
Lui11 prononcioa o segutnte discurso :
DIgoos pares do reino e Srs. deputados d na-
cao porlugaeza :
Quando ha pouco mais de um anno eocerrei
os vossos trabalhos parlamentares, disse no meio
de vos :
Confio ern que a futura sesso iegisl Uva se
IHastrara' por largos commettimentos, appiicando ;
os representantes do povo as saa lotes e a soa :
devosle pela patria, a' "ensata e us-radajes-ilu !
cao do graole problema social a que esta' ligada ,
a moralidade, o progresso e o beui-estar da natao.
.\auca_ esperaqjas for.am
n
mpaobado por outros vasos daaanatfc teat Sa tasa, saja asta atedida, determioe-se que aqoalle
* aaaiau o diploma de socio, nao leona di-
i baaatkios proporcionados por aquello es-
V^poslSo, represenuda no PiW^~
commissio popular importante, havit-se ligado
na dos grapa* da oapaalcao ea Ltsaae, aaado aen
bhcado um maaifesa? poltico, em que se mencio-
uoa eaceiltntas ptaaos de reorgaateaeio adminis-
trativa;
O parlamento aaprovou o aecordo conclaMo ea-
ir Portugal e o Brasil para a-eiecucao do art. 13
da caavencaeaaaalarde 4 de abril da 1863.
CuQauava sao, alterar o o, mesmo gabinete.
, O estado saeuaio do paix ara excellenla.
Foi agraciado eom o ltalo da conde d Valia, o
Sr. Luiz Augusto Rebollo da Silva.
ana 4b seaeoeteiu. E para que anda mais pro-
*
PEHNAMBUCO
REVISTA DIARIA
O Rvm. Sr. padre Dr. Antonio da lt.cha Vianna
obsequiou-nos com a ramessa de um exemplar da
obra que acaba de publicar na Babia sob titulo de,'"'"' .
fopilafao em indite a/pW>fico dos dispostoes das Os fundos brasileiros
Teis civis braseiras qae regem materia cannica; dres: """0* ,,
p nos por isto lbe sumos deveducas de reconbeci- A ,*'*, ,i
c E" Mi a conflanca que nos inspira a anata ad
mnlttracao que multo esperamos de seu zelo e
candada, a >sde ja' lbe Iribuaaaaaaaaaossos agra-
decioaaioa netos bens que ha da fiuar a aoaaiia
insHtnigao.^-trn tubdtto portuguez.
No aa O do correte, na loogitaaa 30 US S. a
latatodeySvP 0' O., perden-se totalmeote a barca
inglesa flannaz Plyth, capitn WiUaam Me. Gavia,
eom 13 peeeoas de tripolac&o e uuvpassageiro, a
qual la dalaverpool para a China, com 300 tone-
ladas de arvo de pedra.
Hontea a-galera da mesma naci Compadre, a
dez railbas de distancia do nosso porto, largou ao
2 piloto \Viiliara Gtaacer e 3 marioheiros, era um
bote, que aportou a tarrlloha ae nosso poi to.
O caplio, o reato da tripolacao e o pass*ageire,
qoe oave/garara n'ootro bote, foram perdidos de
vista as 9 horas da aoate de sabbaao, 7.
De Lltbo devia partir a 8 do correte o
vapor ioglez Olinda, para oosso porto; e a 16 o
vapor iukIbz Jerau para o Ceara, Maranbao a
Pan.
eram cotados em Lon
dees: antigos de 5 % a 7!; de 4X por cenf de
de 4 pof cunto de 1883 a
Laorentino qae se dera depois da data do dislrato,
cojo, registro pedem. Volie ao. Sr. desembargador
fiscal.
Com Informaclo do Sr. desembargador Iscal.
Da Cempaabi Peraamaacana, sobre o recolhi-
mento' da cacia de registra do- vapor Pertinttnga.
Satisface o parecer fiscal.
De Guilberme Jorga da Motta e Manoel Luiz Ri-
eiro, dls'.ralo sociaLRegistre-se. v
Nada mais buove e encerroa-se a sessaa i
oma hora da urde.
ment.
O trabalbo do digno lente de direito cannico do
seminario arcDkpiscopal damanitesta importan- ij,qco do laglaiaria...
ca ; pois sendo urna compilacao de leis relcenles Banco de Franca.................
' Banca de Hespanha............
69X; e de 3% de 1868 de H\ a 75.
A laxa do descont regulares na Earopa :
Va
a materia cannica, cohida fentre um cabos de
leis que .constitoem a nossa legislacao civil, inte-
ressa em motro qoer a Juristas, qner a sacerdotes,
pma vez que ahi acha-se reuoido e prompto o que
demandara grande trabalbo e casto para ter-se.
' A isto accresce a forma alphabetlca da obra, que
facilita asss a procara de qualquer materia espe-
cial | e estas vaotageos sao cortadas por anaota-
I edes do autor com referencia eJlUisirac.So de varins
ariigos, que d'isto carecem.
* D estji obra poucos exemptares vieram para esta
provincia, e estes acharase a ra do Camarao
o. 7.
O couselbo de qualincagao e revisan da,guar-
da nacional da nacoeqia de S. Pr. Pedro Goocalves
abre seas trabalhos no dia 13 do correte, as 9
horas u'araanba, no coasisiario da respectiva
igreja matriz.
Amaobaa faz o Club do Recie reuoiao da fa-
milias.
Os Srs. lancadores Joo Pedro de Jess Mal-
li e I'idoro ThaoOolo de Mat'.os Perruira foram in-
eti.'-.hjidos do lancaaento dos'fnposios provineiaes,
relativos ao aneo fioaoceire vigente de 1867 a 68,
perrencendo ao 1.* a coliecta dos baitros do Reeife
e Sauio Antonio, e ao 2. o bsirro da Boa-Vista e
arrab.il! s d'e-t t cidade.
Foi promovido a capitao da i.' companhia do
bataltio n. 8 da guarda nacional deste municipio
o Sr. Juvmo Coelho da Silva.
O Sr. Jos Fernaodes da Silveira Daltro foi.
comeado tenle para o 8.a baulhao da guarda
nacional sobre proposta do respectivo comman-
dante. < -
-i Por lmpedimenlo do respectivo f.inocionario,
foi o Sr. Jos Nlcacio da Silva Jnior nomeado para
servir interinamente o lugar de solicitador dos fai-
tes da fazenda provincial.
Delgnarasscommuaicaru-Bos o seguate: "
t O sabdolegado Jesu villa,, e>tabelecido cora
loja de raiudezas junto a ponte,
urna pequea loja de raiudezas junto a
melbpr reaiisadas,: prenden e remelteu immediatamente escollado par
issas mais largamente cumpridas V essa capital como recruta, om pobre almoereve,
A poltica illnstrada das nacCes deve setdn-, mirador de oatro termo, cora isucao le ;at, p
das as aptld** para o alil desenvolvimento oa
adminisiracao no interesse reconhecido dos potos.
< Esta creoca gerai firmn a poltica do pkiz ;
seguodo ella foi dirigido com perseveraaca o vosso
trabalho incessante, e a nacSo receben sem o so-
bresali de entras pocas a transformadlo ecQoo-
mica, administrativa e fioanceira, que acaba de
operar-se as leis, e qae val ser realisada na pra-
tica.
< A cordura fci filba da iilusir?co, do bom sen-
so t do progresso dos costumes pblicos.
Muitas e importantes sao as reformas ap-
provadas na sesso legislativa que venho encerrar.
Foi organlsado o servicodo ministerio dos ne-
gocios estrangeiros. Foi approvado o tratado de
commercio com a Franca no pensaraeolo de abrir
mais lamo mercado aos productos nacionaes e fa-
cilitar a imporiac > ao camraercio externo. A con-
venci de oxiradiego oora a Hespanba baseada
nos principios reconhecidos pelo direito Internacio-
nal, e oulras convencoe e tratados de manifesla
utilidade obtiveram lambem a saneco parla-
mentar.
As (francas do estado receberam ootavel me-
Iboramento com as importantes reformas qae vo-
taste?, effectaando grandes reduccoes na despeza,
reorganisando com vantagem difai entes servicos
pblicos, creando novas receitas, n tlxaodo oulras
regras de conveniente, administracao. Asslm nos
vamos aproximando do equilibrio entre a receila e
a despeza de estado, frucio da paz-publica e ,d j des-
envolvimeale das (oreas productivas do paiz.
f O meu governo proseguir' eom perseveraaca
no proposito de reformar os diferentes servicoa, }>
laudo ora vaia a mais rigorosa ecooomia, e confio
que uesie empeobo lbe prestareis o- conenrso da
vossa illustrago e do vosso patriotismo.
O desenvolvimento da vtaco aocelerada e or-
dinaria ficoa sssegurado pelas importantes leis qoe
approvastos, devendo esperar-se do complemento
das liabas frreas do paiz e das sua*. ostia Jas ordi-
narias a generalisaco a tode ella dos grandes be-
neficios de que ja b je gosa nma grande parte da
nago.
< A creecn do crdito agrcola e das sociedades
cooperativas, as proposlas de lei qoe votastes das
sociedades anouymas e de esgalo e cultura dos
terrenos patanosos coudueon sistemticamente
para o desenvolvimento do erudito e para a riqueza
dos povos.
O cdigo civil, recentemente approvado, mo-
numento de illosiraeao e de trabalho, e padro a>
gloria nacional, abre ama pagina memoravel oa
oossa histeriatarlameutar, e deixa assignalaios s
beoQos e applauos de< paiz os louvaveis esforcos
de lodos os que collaboraram na reakisacao da mais
fecunda aeforraa dos nossos dias.
c A reforma penal, organisaado o sys.lema pe-
nitenciario, pdde irsduzir na lei a abolico da
pena da oerle, ja felizmente saaecionada pelos
fados.
< A simjpaBcaeo da admioistraco da justica,
coaprebendeode a exlineeao das joizes ordina-
rios, e a reforma do jury, vieram igualmente oc-
oonrer a instantes necessiaades da organisacu judi-
cial.
< O reernUmenlo martimo e a reforma dos ser-
vicos superiores de ministerio da mar id ha e ul tra-
mar foram talis asanapias, de ha mailo reclama-
dos neta conveniencia do sarvioo, de qae igualmen-
te se oceupou a vossa soliciluda.
c Finalmente a reforma gerai da adrainistracao
civil, sea anVouxar os tocas quesustenUm a soli-
drledade do oslado, eslabeleceu a admiaistracjo
em bases defiuidas de desceatralisacao adaiaistra-
Uf, intereasando os povos no exeretcio do poder,
tes aptidoes.
< Tendo empenbado com rara dedcacae no ser-
vico das quesldes moraenlosas, que resolvestes, o
vsso cabedal de iatelligaacia a da experiencia,
idea descascar da* fadigas de urna laboriosa ses,
sao legislativa, com acoascieaa de ter bem ser-
vido a pat.iaso iodependeote aso do mandato le-
gislativo.
< Da ligaca > systeoaiica as trabalhos na pre-
sente sesso legislativa, da sua p-atica rasoavel e
-illustrsda, e da cootiauaco dos vossos eafersos
auito tem qae esperar a naci.
< No aeio das gowraos livres. deseovolvem se e
eoexistera sempre direitos diversos, une para man-
n'aqu-lla villa.
Este facto deu-se em um dos ltimos dias da1
semnaa passada, cansando aqni dfisagradabelissima
Impressao, da que poderiam resultar serias conse-
qnencias a nao ser a prudencia da gente mais cor-
dada, que acoaselhava que se livesse calma, e se
cooflasie na jusliga da aolorfdade soperiori.
t O recruiado existe to deposit da Solidade,
eora destino ao Paraguay; e dlzera que encasado,
e lera familia.
tConsta que comlodas aseircoraslauciasfraeste
facto levado ao eoolia-.iaeoto do juit de direite da
comarca de Oiinda pe lo Jais rauniapa! de Iguaras-
su ; informando se-nos tambera que nao psle o
priraeiro acto de arbtranedade comraettido,oor
aquella autoridade
t A' ser verdadoo quauto fi:a exposld, prediu-
raos qae as deviJas providencias se nSo f*o espe-
rar por pane do Exra. Sr. presidente da provincia,
e Dr. ebefe de polica. >
O Sr. Jos Tiumaz do Amaral e Mello foi no-
meado, para reger inlerioaaeule a cadeira de pri-
tneiras ieltras do povoado de Varas, em Inga-
zeira. 6
Chegou hontem dos p-rtos do norte de sua
escala, o vapor Parahyba, da compaobia Pernara
bacana, cora daias do Ceara al 4, do Rio Grande
al 7 e da Parahyb) al 11 do correte.
A assembla provincial do Ceara devia abrir-se
no da 4.
Palleceo no Aracaly, o coronel Silvestre dos
$aatos 'taminba, com 70 aonos de Idade, d'uma
apeplexia.
Damos hoje era nossa 8.' pagina algumas li-
abas que nos dirigi de Paris ti nosso patrelo e
amigo o -r. Joo Paulino de >ouzatJcha, que ol
esluda a medicina.
En seu nomo pedimos indulgencia ao publico
para o seu pequeo trabalho; um eusaio de
quera nao esta habituado escrever para o publi
co, roas que tem desujos de servir para alguroa
ceusa aos seu patricios.
Em dala de 23 de juoho passado escreve-nos
um oosso amigo que se cha era Paris o segua
te sobre a nosta expasigo Uaiveral de Pars ;
t O Brasil felizmente ja pode ser appreciadr,
porquaoto j se cham ultimados os traOalbos das
salas e da arrumacao dos objeclos, faltando s-
nrente o'ellas syraetrla e gesto.
A sala onde se acnam expostas as aossas bel-
las na j eiras, que lanta utilidade offerecem COns-
trui-co e a marcenara, a mais linda e a de me-
loor effeito, porque est decorada em forma de um
pequeoo basque ; as madeiras porm eslao mal
arrumadas, o que tem sido muito reparado,
Urna falla bem seasivel se ola agora na nossa
eiposicao, e que quasi nunca la se encorara os
raeoibros da coajmiftsp, e apenas por la andam
algons guardas qossqs que sabem explicar aos visi-
tantes acerca de nossos puducjks exposto, o que
tem dado lugar a que por mais de urna vez tenbo
eu ouvido cnl car diversas pessoas esta falta que
infelizmente nada de bom diz da solicitude da
comraisso ao desempenljo de seus deveres,
E" este o resultado da eieico do Gremio
Seientiflcopara o cargos jodiciarios do corrate
mez: '
Juiz de direitoJos Elisio de Carvalao Couto.
Juiz municipal Manoel Rodrigaes da (
Vianna.
1/ promotor,Simplicio Coelho de Resende Fi-
mo.
2.* dito Antonio dos Passos Miranda.
1." delegadoJos Elias da Rosa Calbeiros.
e reaniodo em torno- den o eaopiiraaj 4s Uflerea- 1' dito Aotonio Estevao de Oiveira.
Escrivaes de delegado Alexandre de Sooza Pe
reir do Carmo Juoior e Fraocisco da Caoba
eslava no poder ; sabio do exilia para onda, o ter a ordem e o peder social, outros para garantir
rara mandado pela priraeira vez as victorias do! a liberdaaes publicas e os interesse* odividuaes.
part lo liberal, 9 pela segunda vez a vooladaener-' >reapeHo mntaoe a maauteocao simaluaea deste
gica o governo fraaKez,- e sob o pretelte de levar direKes canstitue a seguraaca, a duracao, a honra
Maximiliano, e ornecer-lhe os ateiof da vallar '
Europa, deceatbaacoo no solo mexicano, asas
meos felii do qoe. a* Baeeae do imperio, vose
impedido de fazer a sna sobmlssao a HsxiniMeao,
com o peosameate reservado de o destbronar e
de ibe saeeeder, caba dMta vez no poder de Joa-
ristas.
O ministro de Joarez, em Waablngteo, o Sr. Ha-
rnero, poblicou a carta sefwate, procurando justi-
ficar a exeeaeko imperaaor Mtci>Haoo :
Ignoro quaes sejasa as latenodes de Jurez a
respello de Maximiliano; aros raeeio que,s lbe fr
aermlltido regressar impunemente para a Europa,
a a vida la soeiedada, e ao a bese eslava! da poli
tica das naeaee. Portugal ha mono qoe entrou
Mole caminbo, e qoe o segoe coro-firmeza e con-
vieco r elle faa de dever-se o eompiemenio da
obra em qoe lacessantemente todos trabalbamos.
A tranonilidada nteroa, a aeiaaoa de eatrei-
ta aoizade eom as aapSes nostas allada, aa paz
ae desfrneta a Earopa, sao feliaBeoadicSes q^e
parnittea appiieal aos'melhorameoTbs do paiz o
eaidadoe da adamistraaie e os recursos ios
poma.
f Este' encerrada a sesso.
Castello Branco.
Eserivao do joryJos P. de Gasmao Ucb6.
Auditor de raarjnha e.guerra-Antonio Antro Al-
ves Mooteiro.
Remettem-no o seg inte sobre a posse da
n)va junta administrativa do Hoapital Portoguez de
Beneficencia
, f "No domingo 7 do corrate leve lugar a posse
da junta administrativa do Hospital Portoguez da
Beneficencia, aa qual devemes esperar ludo quan-
to Mr a bem daquekie imprtenle a caridoso este
be leoi melo.
Os sentimentos religiosos qae aaimam a cada
om de aeus disuado* msaibras. a aaii segara
garaolU dos benficos resuf.dos da semellaotead-
anaiwraaje.
B apezar da ektatmos convencidos de qoe nada
acapara'a perspicacia do nobre membros da
aella jante, seja-nos peraiUido chamar sua illas
irada aiteaceo para om ponto aja providaneia
aera* de muita nlilidade.
Grande numero de subdito da na(io portu-
guez 4 ponen favorecida da fortuna, maa seja jaal
for a posieao qae ellas leobam nesla cidade, pare-
ee-nos que todos deviara gozar do beneficios qae
Ibes preporctoaa o Heaaitat da Benencencia, logo
que delles precisem. lato pasto, jasto qoe lodos
oococratt par* a maaoteocao do estebelecimealo.
saja ama constsnte aroeaca para a paz do Melle?,: sesso qae acaboa, avalla a reforaa penal, onde se
Ha de ella coolioaar a asar, para ergonba nossa, comprebebdn a abolico da pena de morie, e a ap-
o ltalo da imperador o Mextee. Todos os Mexi-, proracio do eodlgo civil. -. *l
canos descontenies, todos os qoe tiverem quaes- j No da 3 do correte devia partir para a Italia o
Entre as medidas adoptadas pelo parlamento, aa Lemaraaos, pois, qaa sa reforma oe estatates no
sentido de tornar mais ampio o quadro dos socios,
fazendp qoe seu nuaofo. dividido em diversas ca-
thegorlas, se eleve o pooto na pBSeY a renda des-
sas entradas oa jolas, fazer face as grandes des-
2, Va
5 Ve,
Va

Banco de Francfort..............
Banco Hamburgaez...............
Banco de Bremen...............
Banco de Hullauda...............
. Ficaram a carga navios Unido para Peaam-
buco, A mar ona par o-Para, na Porto ; Uradao e
Constante para Pernambnco, Harta Luiza e Atuylt-
aa l para o Maranbao, /jada, .-Icoo, Heiviqui e,
Marqtu do, Sgaia Cruz para o Para, eta Lisboa.
Cbegaram : Cotisrani* / de i^roambaco
a 13, Linda do Para a 20, Anglica 1 do Maranbao
a Lisboa ; .4 co ao Porto.
Sabiram : Li&eira para o Para de Lisboa ;
Umao para o Para, e Restauracpo para o Maranbao
lo Porto.
Das. ultimas noticias commerciaes da Europa
extrabiraos os seguinies precos dos gneros do
Brasil :
Hamboigo 20.O assucar mascavado de Per-
nambaco regula li^ a 16 b. e o branco \i)i a JO
b. O algodo Pe/oaoobuco 12 a. tV o ua Pa
rahyba, Ceara e Mafanhao 18 a IxX- & c4c do
Para 6 a 6tf. Os cnuros salgadcs 5 VA a &)4 e os
s ceo X. a &X- A bQwacb. du.Pa*. 23, V
2G.
Liverpool 22.Vendaran* se 112,000 sac-os,
seado 5.400 dg.Pernambuca eParahjbi. do IX
15 d., 6\0 do MaranhJo de 12 a 18 d.,'e 4,300 da
Babia e Macul, e, li>a 12 V-t d. per %, caicuiaa-
do-se a existencia em 824,430 saceos, eem viagem
GSi.OOO saceos; a uim*.hora cotava-se, Peroam-
bpco 12 3/, (j.^ par,hyba 11 A d., Maranhlo 12'A
d., Macei 11 > d.
O assacar leve pr cara e Oca colado com urna
alca de 6 d. por sobra as ultimas coiaces.
Havre 24.Venderara-sc a cooros pelo Voidiana
de Peroartbuftj afr.,4|/0 per 50 kito.
bbparticao da poLicu.Exir.aeio das parles
do dia 12 jle julh de 1867.
Foram reeolbides a casa de delenQo no da 11 do
corrate :
A' ordem do Dr. delegado da capital, Jos Pedro
de Saat'Aaaa para correccao ; a ordem do subde-
legado do Reeife, Joao-de Miranda e Rosa Mara
Joaquina,, para correccao.O chefe da 2* seecao, /.
Q. de Mesquitt.
Casa be detenqao.Movimenlo da casa de
deieocao do dia l*dajolt>o :
Kxistiara presos 325 ; entraran* 4 ; sahirara 6
exsstem 323 a saber : naekaes23*; molberes 8;
estrangeiros 25; mulber 1 ; escravos 53 ; escra-
v Alimentados a casta dos cofres proviaciaes
27.
Movimento da enfermara do dia 12 :
- Te ve baixa :
Miguel Anselmo daSilva.
Teve alta :'
Manoel Jos Sobral.
Passageros do vapor fraijeez Navarre, vindo
da Europa.:
Ledu Marie Lardera, Eugeoe Rossy, Maximia-
no Febronio Esraerald >, Henriqne de*Oliveira Re-
guelro, Pedro Soares de Amorim e seu filho Ma-
noel Gonsalves Gomes de Amorim, Joo da Silva
Ferreira, Bernardo Francisco d*Azevedo Campos.
Seguera para o sul :
Hean Scipioo Duval, Jalio Theodoro F., Simn
C, Jo.- Kleio, Joo Pinto de Lemos Jnior, Joo
Yaz de Carvaiho Sodre 1 criado, Francisco Car-
piui-iro, Jos Carpinleiro.
cemiterio publico. Obituario do dia i0 do
correte.
Jos Felisberlo Carlos Maia, Peroambuco, 56
annos, casado, A (logados, apnplexia fulminante.
Jos Carneiro Rodriaaes Canpello, PerBeoboco,
51 anoos, casado, Boa-Vista, intente.
Maaoel Pedro dos Santos, Parabyba, solteiro,
Reeife, bepatite.
Manoel Fraocisco da Silva, Rio da Janeiro, 57
annos, solteiro, Boa -Vista, tubrculos pulmonares.
Josepha Mara da Conceico, Peroambuco, 30
auno-, casada, S. Jote, ptbyaica laringla.
Sebastlo,Pernambuco,4meze5, Recite, diarrbea.
- M
Igoacio da Costa Camarale, Pernambaoo, 85
annos, viovo, S. Jos, apoplexia.
Cesara Umbelina Alvos, Pernambuco, 11 annos,
Reeife, pibysica pulmonar.
Andrezi, frica, 48 annos, escrava, S. Jos,
SESSO JUDICIARIA IM 11 DE JULHO VB
mi.
PRESIDENCIA 00 EXM. SB. DSSRMBARGAD*a
a. r. hutti.
Secretarte, Julio Gumaroes.
A's ooze horas e meia da manhia, o Exa. Sr.
presidente abri a sesso, estando reunidos os Srs.
deseoabargadores Sil.v? Gutauraev B-eis a. Salva e
Acclali, e os Srs. deputados Rosa, Basto e Miranda
Leal, e o Sr. snpplente S Leitao.
Lida, foi approvada a aeta da sesso antece
dente.
ACORDAO ASSISSADO.
Appellaole o coronel Jos Pedro Velloso da Sil-
veira, appellados os herderos de Francisco Car-
neiro da Silva.
JUXGA1UNT0S.
Appellante Francisco Jos Germano, appellado
Joo Jos PereiraOrdenou-se ama deligencia.
Appellantes as menores Manoela e Igoez, por
seu curador in litera, appellado Miguel Arcbanjo
de Pignarrdo.O Sr. Rosa nao apresentoa este
feito.
Appellantes Luiz Antonio Vleira e outros, ap-
pellada a directora da Caixa filial do Banco do
Brasil nesta cidade.
Appellante Jos Vicente Emery, appellado An-
tonio Joaqnim Lamas.
Appellante Jos Pedro de Carvaluo, appellados
Cleraeote Jos da Silva Neves Si CAdiados a pe\
dido dos Srs. deputados.
passagbns. <
Do Sr. desembargador Silva Guiraares ao Sr.
desembargador Res e Silva.
Appellaotes Moreira 4 Dusrte, appellado Paulo
Jos Gime.
Do Sr. desembargador Reis e Silva ao Sr. de-
sembargador Accioli.
gAppellantes Moeda, Medeiros 4 C, appellado
Manoel Ferreira de Medeiros.
Appellante Jos Antonio Moreira Dias, appella-
dos os administradores da tr?assa fallida de Amo-
rim, Fragoso, Santos fl{ C.
Do Sr. desembargador Accioli ao Sr. desembar-
gador Silva Guimares.
App^llauld Josa .Antonio Moreira Dia, como" cu-
rador de um desassizado, appe lado Luiz Alves Vl-
lella.
0ISTKIBC1Q0BS.
Ao Sr. deserabariiailor Suva Guimacaea.
Appellan'.e AogQsto Coeit.o Leiie, appellado
Beojamin Tuckens.
Appellante o Dr. Joo Baptisia Cisanova, ap-
pellados os administradores da raassa fallida de
Amorim, Frag so Saatos & C.
Ao Sr. desembargador Res e Silva.
Appellaole Mam el Jo&quim Ferreira Eiteves,
appellados loa > Jos de alDuquerque e outro.
Appellaole o leneute-corooel Manoel Joaqnim
do Reg Albuqnerque, appellado Felippe Benicio
Gomes dos Sautos.
Ao Sr. desembargador Accioli.
Appellaole Jos Pereira do Rosario, appellado
Alexandre Jos Gonealves Basts.
AGGRAVOS DO JIZO ESPECIAL DO CJMMKR.C10.
Aggravanle tenente-coronel Manoel Jos da Cos-
a, aggravados D. ConsUntina Jacinlba da Metta e
outros.
O Exra. Sr. presidente oegoa provimeote.
Nada mais se aprosentaodo a despacho, o Exra.
Sr. presidente bou ve de encerrar a sesso a meia
hora da tarde.
pibysica pulmonar.

**
CHROWCi 4UI)rliRU.
rillBl VAL IM COUHEBCIO
ACTA DA SESSALTADMI.N1STRATIVA DE 11 DE
JULHO DE 1867.
PRESIE.NX1A DO EXM. SJt. DESEMBARGADOS
ANSELMO FRANCISCO FEBXTTI.
As dez horas da icaaha, reuqidos os Srs. de-
putados Rosa, Basto, Miranda Leal e snpplente
S Leitao, S. Exc. o Sr. presidente ab/Io a sesso.
Lida, foi approvada a acta da sesso de 8 com
a seguate declarago; Que na resoluco do tribu-
nal sobre os correlores, foi resolvido, conforme os
officios ellos dirigido;, que apreseutassem re-
cebedoria os lvros de talo, e umbe a os proto-
callos se fossem exigidos.
* EXPEDIENTE.
Officios (5^ dos correlores Lolz Aojavel Du-
bourcq Jnior, Henriqne Guilberme Slepple, Gon-
zalo Jos h ffonso, e dos prepostos Pedro Jos Pin-
to 6 Jezolno Barroso de Mello, dlzeodo que nao
leem livro de talo por que nao fazera transacc5es
| de accSes, ou de apolices de divida publica.-Fo-
ram com vista ao Sr. desembargador fiscal.
Officios (2) dos corretores Jos de Aquino Fon-
saca e Francisco Mamede, dizendo que cumpri-
ram a ordem qne Ibes rol dada, apresenlando
recebedoria os seus livros de talo.Ao archivo.
Aos Srs. deputados foram distribuidos es se-
guales livros: Diario de Francisco Pereira de
Mendonca & C.dem de Manoel Luiz dps San-
ios & C-
Poram presentes os mappas dos segrales trapi-
ches ;Nmeros 9, 15 1/ do edteio Alfandega
Velha.Nmeros e 13 do mesrao edificio.
Baro do Uvraoenlo (Loyo) ao caes do forte do
Mallos,-N> 47, ao largo do caes do Apollo.
Marones, Irmo A CN. 20 da roa do.Anollo.
Tasso.N. 4 da ra da Madre de Dos.Nmeros
3 e 5, da ra do trapiche.Jos Luz;'aj> largo
da Assembla.Barbosa.Machado.Que fossem
na secretaria conferidos cea oe anterioras aap-
aas, e quanto ao de trapiche o. 47, qoe o sigsala-
rio Castao, Josa Mendes moslrasae-se autorisado
para isao.
Comparecen Jos da Silva Loyo Jnior e assig-
nou o termo da fiel depoaiiario dos gaeres qae
forem reexpide* no trapicheCompanhiade qna
sao administradores Jos da Silva- Loja, Filaos
da
Commiuiicados
A suspnso e reacnsabilidade do juiz :runicipal
de oiaima, o bacliarc H^nriqae Pereira
ie Lacena.
Os leitores qae tiverem urestado seria atteogo
marcha dos negocios pblicos na comarca de
Goiaona, bao de ter observado qoe as lulas dos
partidos, em pocas eleitoraes, repercutem qnasi
que permanentemente uaqaella localidaae.
Todos quantos directa ou indirectamente entrara
em semelhanies preitos, conservan! ceria excacu
de animo, e procuram, vencidos e vencedores, des-
abafos pe.^soaes e saciaraento de paix5es
Na uitirau carapanha eleitoral naquolle lugar,
eom razio oo sem ella, comecou-se logo nos pri-
raeiros preparauvos a d^ze^se, que a >pposc,ao se-
ria dirigida pelo juiz municipal, o Dr. Luceoa.
Nos jornaes appareceram rtclaroacSes contra es-
ta direecao aliegando-se que um juiz nao devia lo
mar parte dlrecla em ama eleicao, sob pena de
corapromettimeolo do seu carcter de autoridad?,
e de IntervencSo ndebila no pleito.
O-joiz defendeu-so pela imprensa, e confessan-
do que presidir clnbs eleitoraes, disse que o Qzera
no carcter de simples cidadao.
Nao pedemos bem comprebender essa distinc-
cao entre carcter publico e carcter parlicolar no
depositario da auloridade comprometlido era ura
pleito eleitoral.
O Dr. Luceoa, joven, fogoso, sedarlo frentico
dos principios liberaes empenbado em ura pleito
renhldo, como que jogou a opposico naqueHa co-
marca, necessilava da auxilio divino, para nao fi-
car muito comprometlido com amigos contrarios,
e poder sem prejulto da causa publica, e continuar
no deserapenho do espiDhoso cargo de juiz, e juiz
de cornarea tao celebre como a de Goianna.
Sem aqaelle aaxilio.quasi impossivel em tempos
lio Impos, o jaiz esqueceu a calma, a prudeucla,
e a clrcumspecco para dar pasto ao amor proprio
cffendido, e procurar ate aoode ebegavam as suas
forcas, esmagar seus inimlgos.
Na forma rnoi usada alli, comecaram accosacoes
de nterveo^o da aoloridade na aleico, jusiibca-
C5es de i'fi* accintosos contra o juiz municipal,
denuncias de ligueiros contra vermelhos e vice-ver-
sa, e todo o cortejo de entrigas mesqolnhas de al-
deia, at involverem as denuncias, como alli sem-
pre se usa, o jalz municipal.
Nos jornaes desta cidade se publicaram a denun-
cia dada ao presidente da provincia, pelo cidadao
Joao Paulino da Cunba Gouveia e a resposta do
juiz o Dr. Luceoa.
De urna e de outra resalta o estado de exacer-
baco de ambos.
Ura raostra bem patente a inimisade que 'ote ao
juiz, e o desejo de vd lo expulso da comarca, onde
o considerara elemento poderoso de opposico.
Outro deisa ver na sua resposta a impossibilida-
de do juiz poder exercer as suas tuneces com
aquella Imparcialidade. jnslica e placidez que exi-
ge a iei, e que devora ser ufanal do magistrado.
Apezar do recorso de que pode dispr o Dr. Lu-
ceoa, ba na sua resposta expressoes improprias do
hornera civilisado. e da posico da aulondade infe-
rior que falla primelra aniorMade da provincia.
efendendo-se das aecnsacSes de prevaricares
qne lbe faziam, deiioo da p e robuteeida a de
juiz parcial, e al certa ponte polico, ou antes
partidario.
Mostrou-se ineompativei para o cargo da juiz na
comarca de Goianna.
Depois da denuncia dada ao presidente Silveira
Lobo, recrudesceu a lula : daouocias foram dadas
ao juiz de direite contra o juiz municipal ; e este
por seo torno procuren lirar disferra da seos adver-
sarios.
Porte eontenoa abrio-sa eolre o juiz municipal
e o esenvo Miguel Joaquina de Faria Braga, so-
gro do Dr. Jos Joaquim Firmioo, influeacia pro-
gressista de Goiaooa, e queoa o Dr. Luceoa al-
tribue parte da guerra que se lbe faz.
Contra Braga dexretou o ju uma suspeosao
correccional; por sna vez Braga qaelxou-e de ar-
bitrariedades do juiz.
Ainda contra o juiz ltimamente nova denuncia
se deu peraote a vara de direite.
O denunciado oppoz suspenso ao Dr. Firmino,
qne no-empedimento do joiz de direito deva officiar
no seu processo, allegando como -motivo para isso
o facto de ser genro do estrio Braga da quera se
considera inimigp : a ealreusto conlina'a a prati-
caracias de jurisdiacao contra Braga, como, se nao
podeodo o Dr. Firnuno ser seu juiz, por ser genro
Immediatamente que lbe foi apresentado o re-
qoerimenlo, o jai*, aa ve a da mandar passar mao-
dado em que te declarassa a assjanto. da basca, e
ordena-la aos ofneiaes de joslica, aos qu>fs compete
a execucHa dos mandados de exibiyio e busca, cod.
de proc: cnmioal til. 2o cap. 7* art. 19, sabio da
audiencia em companbia do esenvo Brsg, e che-
gando a porta da nasa da reaideocia desie f lo
guardar por quatro offkiaas de jestica e tomaodo-
Ibe aa chaves das gavetas da esa oo escripiorio,
abrio-as, e depois de minofiosa bueca em pn rara
dos supposios documento* coramercia.s, ippossoa-
se danta aaasso da cartas a!ticuiare> propru-dade
do escrivo, declarando que avista do conu-udo
dellas la instaurar processo contra o mesmo es-
crivo, a qnem logo aspan ifpa do exercicio de
suas fuocedee, e contra oulras pessoas.
llavera acto de roaior prepotencia, de mais es-
candalaso despotismo I
A' passar sem a devida ponico este alternado
inaudito, quaes sero as suas consecuencia- v
Quem garaBtira' o segredo das familias, soas
quenas, as confidencias da amis.de, deque sao as
carias os mais seguros e verdad?iros vehculos T
Nao btstero os meios da accao despqtica de
que lancam diariamente man, as autoridades arbi-
trarias e violentas? Anda querem mais a sn dis-
psito volacao dos segredos das carias, to amla,
e claramente garantido na coostiiuicao do imtitrio?
O juiz desapuntado pete acto de revoltante arb-
tranedade, quiz apa Irinhar-se com a* dispo-o.oes
do cod. crlm. arts. 215,116, 217 e 218, qae em sea
desapontameclo chama, reguladores e txplicadores
do art. 179 da Coutiluicao.
Nao se lembroa porm. de meditar sobre as pa'-
lavras do cdigo, e nem de verificar que no caso
vertente nao Ihe poda aprovear os sopbismas
que so Lazem daspalavraa da conslitui(o.
O qae declarado nviolavel pela const 'gao,
sem modifleacao oo liraitaco alguma, nao pode ser
violado e caso alggju. Por que o cuodigo crimi-
nal sraenie se oceupa das vioTagSes das cartas no
correio, nao se seeue que. dixasse segredo del-
las de ser inviolaiel no asilu invtolavd do eidido.
A simples leitura da dispos'co do 27 do art.
179 da constituico, a.-im concebido : o .<,<<.lo
das cartas i iuviolaveL A adminkira^ao d<> cor-
reio /fea rigorosamente responsavel por qualquer
infracco deste art., nao pode deixar doviua al-
guma.
O argumeato qae pretandera tirar da disposicao
do segundo memoro deste- paragrapbo, nao pede
merecer seria attencaa
O legislador ao quiz que a. invioiabilidaie do
segreda das cartas, poJesse ser iimilado tao smen-
te a' estaco publica, onde sao ellis depositadas
era conauc* para ebegacea ao seu destn, tsten-
dea-a tambera ao lar domesiico, a casa d cid .' <.
Aquella declaracao urna dispoo co exiiiicati*
xa do principio estabelsndo, de um rnodo gerai e
absoluto, e qoe de maneira aigama nsiringe ;< -ua
ampiiiude: sem ella matlo bem poderia dar-'- rn
sjnluto inverso, e cora mais visos de recaes; -e
boje, succede.
Assira como se argumieoia que a raviulabilioade
das cartas tem logar em quauto oo correio,
lambem se argumentaria qoe o segredo dellas 6
seria ioviolavel em quanto eslivessem em peder
do seu autor, e sob a iqvclabllidade do lar domes-
tico.
Que o Dr. Lucera violn a constitu cao, pratl-
caodo o acto que pralicou, n se poder*' bona /-
de contestar.
Se o governo mperiai eeosuroa o msgistraJo
que .-oh o faadameaio de descobnr Brov^s rantra
reos presos, por rriuie de mcea faasa, tirou car-
tas do correio e fe las abrir pelos proprios reos,
contra os qnaes faziam prova, como lolerar-st- a
sobtraego em nome da lei, de cartas particulares
existentes em lugar privado, e dirigidas a prssoa
que nao era indiciada em crime algum ? Dechiou
o juiz que a vista do contando das carias aprehen-
didas ia instaurar processo contra diversas pe-
soas,' comessando pelo dono dellas, ao qual irraie-
diataajonte suspendec do exercicio de funcede., pa-
blicas.
Este segundo acto imprudente do juiz nao ira-
portara' era outros crimes, coreo es de abuso de
auoridadee divalgacodo segredo de cartas?
Nao se teria violado un direilo natural do
hornera, cojo exercic garantido pelo 4o do
art. 179 da conslitoic", as palavras todos poditn
communicar te us pensamientos por pala vi as ou por
escriptol Sendo as cartas propriedade daqueile
que as enva e dn que as receba, e que nu deve
abosar deltas, realisada a sua sobtraeco, e divul-
gado de seu conteudo, nao se podera' diu-r que
a' nestes tactos um roubo sem restitaico pos-i*
vel?
O juiz municipal a nosso vr-commeiieu om acto
immoral, e abusoa do poder de que o reverta o
seu cargo. Immoralidade fi abuso, primo, por
que o segredo c nlido as cartas foi discuborlo e
publicado, nao por "iquelle a quera elles se riri-
giara, e sim por ura terceiro estranho a ease segre-
do ; secundo, porque por esta forma o nensamen-
lo escripto apenas e nao manifestado, foi toques-
irado e divulgado por um abaso de poder.
Caroout, fazendo coosjdera^oes sobre o art. 187
i 9 ilo codige de fostroccao fr'ancez, diz > Por mais
criminosa que possa ser ama carta, segundo o fea
coolendo, emquanto oo se tiver feito publica, nao
pode coostiuir crime nem diiiclo punivel, :.n
pede ser legalmenie lomada era consiO1 r.icao ai-
goma em juizo; e se ella rejunta ao procesa o
acensado, oote-se bem o accosado, lem direito de
requerer que dahi seja excluida. Asslm foi efl-
cuid i pelo tribunal de Cassaco em G de abril de
1816.
Ora se contra um acensado nio pode fazer pro-
va uma carta, por mais criminoso que srja o sea
cuniendo, como qoerer o Dr. Lacena, que sirvam-
de base a' proeessos o segredo de eartes por elle
proprio violado.
A nossa conslituicao to clara sobre a questo
sugeita, as disposicoes de nossas leis to terminan-
tes e as resolncoes do governo to acertada?, que
nao precisamos recorrer a' legislacao eslrauha.
S porm livessemos dilicieuc.ia de leis a respi-
to, iramos encoatrar a susienlaco da doutriea
aceita por oossos legisladores, as coortiiuirdes o
cdigos ae Franca, Blgica, Portugal, Hesp'anba,
Sardeoha e de oulras naooes cultas.
Resta saber qual deveria ser o procedimeolo do
presidente da provincia, a cojo conhecimento che-
gou a noticia do facto, devidameate comprovado
por documentos do proprio punbo do juiz.
Entendemos que outro nao poda ser se nao u-ar
da atlribuico, que Ihe coofere o | 8 do art. 5*
da lei de 3 de outubro de 1834, e suspender o juiz
municipal do exercicio de suas fuuccdes, e manda*
lo responder peraote os iribunaes pelo abuso cora-
mellido, e flagrante violaoao.da coosliiuieo, era
cuja guarda deve velar o presidente da pro'incia.
Em lodos os tempos assim tem procedido os pre-
sidentes, e em poca nao moi remota igual proce-
dimeolo teve o Exm. visconde de Uamaragibe,
qaaode na admmisiraco desta provincia, por oc-
casiao de om jaiz rauolcipai, o da primeira vara
desia cidade, demorar expedicao de um mama-
do, por capricho pueril para com uma auloridade
superior.
Em todas as pocas, eertos aetos de eoerga pro-
vocara queixas insensatas, disabafos mesqninhos,
principalmente da pirte daquelles sobraquera cabe
a vindicta da iei. Nao passam porm de agoacei-
ros que borripbam e as vezes eniameam a esta-
da, por onde eaminnam os que tem a' seu cargo
a admini.-traco. '
Qaando se pratica um acto escodado na lei, e
qnaaaosetema conscieacia limpa de remoras,
nao se deve temer tempestades, quanto mais os
ventos porcos do sueste.
Ha armas to mal manejadas, qoe s (e-rem aos
proprios jugadores, sao coasegnlodo locar se quer
de leve a' quem se pretende ferir.
Qjem cospe para o ar arrisca-se a' que a saliva
em retorno, lbe manche o rosto.
Recite, 10 de julho de 1867.

Fuboagoes a pedido
ReqoeriUMate de im Martins de Barros Junter de. Braga podesse er elle juiz de Braga.
pedindo o registro d saa noraeacao de caixeiro Este incoherencia prova bem o estada de juiz
dJo4oMartiEdeaterws.-Bagitra-s* moniclpal absorvido pelapaixao.
Dita 4e Pedra Maorer e Luis Margte Franae- Recusapdo-se o Dr. Firmino aavetbar se de sas-
zes este de 48 annos, de idade e aqaeUe de 41, peito, entenlen o juii dever tomar vioganca de
socio da fltmaP. Maorer 4' eaubelecida i Braga, e neste proposito, esqoecido das leis do de-
raa Nova desta eidade pediudo matricula para di-' coro, pralicou um acto de inqualiflcavel despotismo
te frma. Os supplicant.es salisfac*"- a 1-parte que loe trouxe, como consequeocia inevlavel, a
do 1 membro do artigo 15 do decrete n. 738 da, suspenso e responsabilidade.
25 d aovembro de 1850- Eis a caso. Um mandado de basca foi requerido
Dito de Joo Lais Ferreira Ribeire e Narciso ao uiz muaicipal pelo solicitador Aotonio Pinheiro
Jos Machado Jaataodo a escriptora de cessio i de Mendonca, contra o escrivao Braga sob preiex-
exlgida no parecer bacal proferido sobra sua peli- i to de apreaeader documentos eilrahidos dos gatos
So bem como a certidao de bito do escravo da urna causa coromerclsl.
Illm. Sr. Joaquim de Almeida Pinto.
Padecerlo um mea filho menor de urna ia-
flammacao no figado, e tendo resistido
moitos remedio, recorr as saas composi-
coes de jurabeba, e com taula felicidade
que ao um da dual sanaas, que o dito
meu filbo lomou, e com um emplastro quo
V. S. lbe applicoo, fieot elle completamen-
te reslbelecido.
Pplo 4116 io so a(:a4eco a V. S. este
feliz curativo, coa loe peimUto que faca
o uso que Ihe coavier da presente.
Son
De V, S,
Amigo altelo a venerador.
Manoel Al ves Guerra.
Boa-Vista, 22 de JbntA d 867.
ni ^ r ri m

-f-r-
-r ," -.
"!"


BOOOOOOOOOJB
i
~.
>
MarU e Vtmmhneo ~- fiabbado 14 4/ fb lie 67-
Manoel Joqnim Raptisu previne a qaem qner O Dr. Tristao (le Alencr Araripe, offlcial da Impe
que l-se a eorrespoodeaua 4o fallido Amaro Gm-
alves dos Santos, qae todas as calumnias que ah
Ha sao Irrogadas pelo Hile filudo nao sao entra
cousa raaia do qu a repettcao do que ja disse e
repeli aunas veas dos amos de (alinela, onde
ludo f> completamente rafettlo, mostraodo-se,
alm disto, de modo i Bao ha ver d vida aigoma
que o dito Amaro proceda con imjoaHflcavel
mate.
O mesmo Baeiiata, (ore n* es mos ie (silen-
cia desceren dj superior trit>ml da relacao,
apr^s-nura' ao respaitavel poMieo umaeacelnla
exposicao, assas omprovada de indo saaflro um
oecorrido entre elle Amaro fioteafres des Sal-
tos. Recife II de Jnlbo da 1M7.
Mi* i
A. tllalos circnaeluia
N se corar radicataente me*nte o
uso do peitorsi de AuacabuHa de Kemp,
tod >s os casos ordinarios de tosse ctirnlca.
rial ordera da Rosa e juiz de direlto especial do
commercio desta cidid* do Renife capital da pro-
vincia de Pernambuco, por boa MajaaOde Im-
perial e Constitucional o Sr. Pe Ilacata
Deas guarde, etc.
Pco saber aos que o presente edltal vrssn, flos
a requerlmeni) de Flix Souvag acha
soa frllencia pela seateBca do theor
Vista a peticlo a fainas daa, na qual o
ciante matriculado Pelix Souvage, pede a dec'
cao da soa fallencia, atiento o tea estado de Ha
s Ivencla, hei por declarada a drt fallencia a da-
tar do dia de bontem ; e mando que se proceda
aea termos da arrecadacao, despegada a appoti-
co d seUes, por estar fachado a estabelaciaiento
ewiswrtlal do fallido.
Nemeio caradores flseaes os credores supplicao-
tes a fbibas sete, os qoaes prestarao juramento ;
e sejam conrocados os eredorea para qae do dia
15 do correte mes, nomlem depositarios, que re-
ceba a raassa fallida.
Pabliqne-se a fallencia por editaes.
Recife, 10 de jnlbo de 1887. Alencar Ara-
Ra do Nogueir?.
Caa terrea n. 17........ 1*000
Ruaj do Padre oFIonan.
idea. 17........... 1861000
Safcrffc de un and" aW>'* 0*000
ParriBRi di #ll
^ ftoa-das taraners*.
leaa n. 17. .. .
Roa Velha.
asa o. 3z. ... .
Madre-de Dos.
Casa o. 8. '..?.. .
Becco das Boios.
Casa n. 18. ......,..- 801*000
Roa da Lapa.
.Casan. 11......... 196*000
fia da Moeda-
Idemo. 47. ... .
Ra do Eocaaoameelo.
192*000
210*000
303*000
^e'oe com a P9HA frevldade o brigoe escu
"i* a SA- caBit5 >*tls, tecaado no Mar-
ofio so em Dliirao'eap, ara alguna carga que
Ibe ralla trata se com o respectivo eonsigoatarl'
Antool>da Almelda Gomes, a'.raaala Crur n.-M,
1* andar.
.
484*000
MfOOO
senteoca aqoi
a respectiva no-
presenie convoca
comparecerem na
bronchites, calarrhos, astiiraa etc. mas sita
tambero m;snqMi)do a molestia baja aflec- rp?.flstio de'AFencar rarpe.
tado seriamente os orgos di respiracab, E mais se nao contina em dita
S8os progressos podera se atalhar pelo es- *pida Pra qae teoha logar
paco E aaod ioteiros, o appcac*/ do re- fg %STc^rTt
remedio proporcionar uan atavio iostanta- ala das audiencias oo dia cima designado.
neo e indefinito NO ha necessidade de E para qne etefae ao cooheriment de todos
abrigar ou ter o menor receto relativamente mnd81 p,s," presente que sera' publicado pela
aos seos etotos, mesmo durante os perio- ,m-pi
dos mais avancaios de debllidade. Na.sua
erab^rada composicao nao entra opiatos,
oem acido prnssico, nem antimonto, nem
nenbumi outea .droga oaaseaeuoda, sin
to s omento composta e preparada da ex-
tracclo dos suecos d .unu axtra balsmica
do Mxico, a qual possue as propriedades
as miis admiraveis e curativas, e as saas
curas sio realmente maravihosas.
A'ha-se venda as Dharmacias de A.
Caors, J. da Gonceigo Bravo & C, e R.
Maurer 4 C.
CMMEHCIO.
PRAfA0 RF.GIFE l DE JULHO
DE 1867.
As 3 X oras da Urde.
4Hateak)
Algodao da Parabyba 1* sorte15*000 por arroba
posto a bordo.
Hoja)
Algodao de Macei P son 15*000 por arroba
i:csio a bordo,
ideo dem i' socte U430J por arr La posto a
bordo.
Cambio sobre Londres-90 d/v 21 d. por 1*000.
Ctmbi-a sobe Parisa' vista 453 rs. por franco.
S^que sobre o Rio o> Jneiro8 d|v ao par.
8ilvelra.
Presidente.
Macerto,
Secretario.,
Novo banco de Pernambuco
0 novo banco suspende do ultimo tueste
mez dejunhoem.diaate os juros squaiitias
qoe por con corrente permanecem no
banco.
O Novo Banco deseonta
ao aono, cosforme os prasos.
letras de 7 e 9 0/0
ALFANDEGA.
RooiiiiBeHto do da 1 a 11.......... 275:110i6
dem do dia 12 ................ 23:192*556
293.303*002
MOV MENT DA ALFANDEGA.
68
sn
ViuD-is enlradoscom lateadas..
> < gneros..
Voiuau-s sabidos coa faieidas.
i gneros..
------392
133
296
-----t
Descarregam boje 13 de julbo.
Briguo .iortuguazConstante //iagedo.
Brizne iiorluguez Relmpago idem.
Barca nocional Favorita ebarque.
Patacho haooveriaooAtlanteidem.
PatachJ nacionalGuilhermmaIdem.
Patache nacionalValenleidem.
Pat>i.bo hollandeWhermina Magdalena idem
Sum tea i --p.iubolaProwpa iilsm.
Polaca nacionalS. Pedro idem.
Bng isporiuguezN. S. da Concngao-idem
RECEBSOOfllA DE RENDAS INTERNAS
GERAES.
Rendlinento do dia 1 a 11........ 14:474*688
Id -i do d>a 12................. 8374439
Recife, 1* o> jatbo de 1867.
Ea Seeaadtno Eleodoro da Canha, escrevente
jaratuentadn o escreti.
Ea Manoel Maria lodrigues do Nasclraento, es-
srivao o subserevi.
_ trislao de Alencar Araripe.
O Dr. Jos Ricardo Gimes de Carvalho, joit mani-
cipal nesta cidada da Victoria, termo e comarca
da Santo Antao, provincia de Pernambuco, por
S. H. I. e L., qae Deas guarde, etc.
Faco saber aos que o prseme edital de 20 dia
de pregSes a 3 de pracas virem, que nodos os
mesmos se bao de arrematar oo dia 6 de agosto
do corrente anno, a qnem mals der, os bens se-
galotas :
Um sobrado de nm andar, chaos proprios, sito
na roa dos Curraes n. 14, avallado por.....
4:000*000.
Urna casa de tijollo na mesma ra dos Carraos,
avaluda por 400*. .
Um terreno sito na mesma ra dos Curraes des
la cidade, avaliado por 1:200*.
Um carral para gado najmesma tai, em chaos
proprios, por 2:000$
Urna casa janta ao sitio do lioado Flix, em
cbaos proprios, por 150*.
Urna salgadeira junta a' malanga desta cidade,
por 50*.
Urna parle no sitio Cariss desie termo, avaada
por 70*, os quaes bens vio a' praca por fallec-
meato do teoente Antonio Goncalves da S I-, par
pgamentj de seus c edores.
E para que ebegue ao c nin cimento de tolos
mandei passsr o presente, que sera' afiliado nos
lugares mais pblicos desta cidada e pnbHcado
pela imprensa, sendo a presente arrematado na
pona deste izo.
Cidade da Victoria, 10 da julho de 1867.
Ea Belarmlno dos Santos Balcao Filho, escrivo
interino o escrevi.Jos Ricardo Gomes de Car-
valho.
N. 10.Pjrou 20) rs. de se lo. Victoria, 10 de
julbo de 1867. Carneiro da Silva.Paes Br-
relo.
Esta' conforme.O escriva > in.lerino, Beiaraolno
dos Sanios Bolcao Filho. _____
De ordera do Illm. Sr. Inspector se faz publico
ue no dia 15 do corrnHe, a 1 hora da tarde, e a
porta desta repartiere, ser o vendidas em bata
publica, livre de^ireitas, coco pistolas .de aigibei-
ra, sendo tres de dous co s e duas de nm, aban-
donadas pelos don e adiadas pelo oficial de des-
carga, Silveriu Joo Ne^ataue-tao Baste, na iaacha
que condozia d* bordo do vapor francez iBour-
gognei, viudo da Maiseilie em 26 de junbo prximo
ando.
Alfroaega de Pernambuco 11 de jalho de 1867.
O semplarario,
Eaiyclilo Mondim Pestaa.
238*000
200*000
301*000
150*000
Sobrado de dous andares n. II.
Boa do Pilar.
Casan. 99.......
Mema, 03.......
dem b. 94......
Sitio n. 3 do Forno da Cal. ." .
As arremalagSes serio ieitas pelo lempo de nm
anno, deveodo os licitantes virem acompaobados
de seas fiadores ou manidos de ctrias desfes.
Secretaria da Santa Gasa da Misericordia do
R6cifelldjoihode*867.
0scrivo,
Peidc Redrioes de Soaza.
aspecto d arsenal de -
rlnha.
A ibspecco do arsenal de mannba compra ureu
vergontea de pinho.qae (eoba 62 ps de corapri-
meolo, de 15 a 16 pollegadas d* dimetro.
lospeccao do arsenal de marraba de Pesoaaobi-
co 11 de julbo de 1867. .
O secretario,
_______ Alexandre Badagaes dos Aojos.
Amanha 13 do corrate perante o Sr. Dr.
jaiz municipal Ja segunda vara na sata ds au-
diencia.- ta ha de arremaUr por ser a uiiima pra-
Paro o Rio da Jaaelro
, De s*ftoir com mu"abr;vidade o patacho na-
cional Beberibe, tem parte de sen carregameoto a
bordo, e para o resto que Ibe faMa e escravos a
frele, peca os Mes tem exeelienias comaodos,
Ira la se com os seos coosignaurios Antonio Luiz
de Oliveira Axevedo & C, no seo escripterio rna
da Crot n. I.
GOMPAHirPM^lCAHV
DE
Navega gao costeira por vapor.
Macei o escalas, Penedo e Aracaj.
No dia 13 as 5 herae da larde
segae o vapor Ipojuca, comaoan-
danle Alrtinsj)ara os portas ci-
ma faficadov Receba-carga at
, o da 12. Etooaiffletfas, passa-
geiros e dlobeiro a frele al 3 horas da larde do
da da sabida : escriptorio aafBrta&o lalos o. i.
AVISOS DIVERSOS.
LOTRIA
fiOOOWiOO E 2000fl00(>
Terca-tetra 16 do [corr-cote mez no lu-
gar e toras do costume se extnhir a 44a
parte da lotera a beneficio das familia dos
voluntarios da pair* (*&,*)
As encommendas seri guardadas somas
te al a noite da vespera da extraccao.
O thesoureiro,
______Antonio Jos Rodrigues de Soue.
Olubdo Recife
Domingo 14 do correte, baver reuoio
de familias.
Fadana
Attenf^o.
Precis'e de otal ama de eogommado qae seja
desempedida : a tratar na roa do Moodego a. 1.
Fugio na oeito/ta 9 do correle mez de julbo
de bordo de placi>t utcn,a* Grande*, nm
escr.vo cfiolo per > A-> are, natural da pro-
vincia do Rio Grande dj'Sul, idlde de-19 a 20 ao-
ne, estatura aiia, cor foja, rofio coirprido, bei-
cos gromos; ftrlra-lwiifo de vgar, a tem oas costas
alguus siftoaes daxjcalizes, igvoo veUio camisola
e caiga de algodao braned; e om booel de brim
branco : qnem o apprhender e entregar a bordo
do dito aatacho, oa *a roa do Trapiche n. 4, Sra
^nrtcotpaanfi.________________________
Joaquim Jos GoucalTes
Beltro
ma-bo nrntm %v v asar)
Sacca pot tdflOs os paquetes sbbre o Baaco
o Htaho era Braga, a sobre -o gaime* loga-
em PartOEal.
5a era grao de adjudcag5o, alguos objeetos de pa-
dara penborados a Jos Girrea iia Silv Colares
por execncio de D. Toereza de
Escrivo Alhaide.
--Oompanfak am^rieaaa e br-
sikira de paquetes ayapor
At o dia U do corrate esperadp.de New-1
York por S.Tnomaze Para'am dos vapores da
compaohia o qual depois da demora do co.-tume
seguir' para os partos do tu'. Para fretes e pa-
sagens trau-se cora os agentas Hanry Forster &
Breci-ia-M de nm foroeiro e de trabalhado es
ae sejam perfelto3 neste servico : na roa larga
Precisa-sa" de um pbrmacratico da carta
oa hibrl oficial, para tomar conta de urna botica
por bataneo, em muilO bom local, e alguu negocio
faz, dando .-se bom ordeaa-Ja.-ou interesse, em c-
zo do sea dono ter da retirar-se para fra por
molestia : quem esliver n'estas circnm!t dirija-se a' rna do Crespo n. 18, prlmefro andar
No becco do Lobato outr'ora ra dos Copia-
res, na casa o. 3, se precisa de urna ama secca.
Alnga-s* o tercefro andar "d* fcaa n. J2 da
roa do Rosario Estrella : oa thesoorarra das- lote-
aras, i
wammmmmmwm
Jasas Axevedo. ,C, ra do Trapichen. 8.
CBRREIO GKRAL
fel aamlnisirago do correio desta cidade,
Rio Grande do Sul
Vai sabir em poucos las a
se^oca Manaana ; recpbe carga
barca portoguera
a frele commodo,
faz publico qoe m vlrluie da c mvengao postal' para o qoe traia-se cm Oliveira Filbes & C, larg
celebrada polo foveroos brasileiro e francs se ;?> Corpo.Sanio n. 19, ou comocapitao na praca
DEGLAM?OiS.
18:3.12*127
CONSULADO PROVINCIAL.
R-ndim-nto do da 1 a 11.
dem do dia 12..........
69:167*863
2:2178836
71:383*699
.
YIMENTO BO PORTO
Navtos entrados no dia 12.
Rio Glande de Sul 16 dias, brigaa nacional Au-
relimo, de 230 toneladas, capito Jos Bernardo
da S raza Pipo, equipagam 12. carga 10,090
arrobas de carne ; a Maia 4 Espirito Santo.
Rio-Grande Jo Sal 15 dia?, palbabete portugnez
Nivi S-irt, de 187 lonelada?, capilao Joaqulra
Js 1a SiWa.Junlor. eqaipigera 8, carga 9,i00
arrobos da carne; a Aotouiu L. de O. Azevedo
4 0.
Bordeaux e pgrlos ialcrmedlos 17 dias, vapor
francoz Navarre,ie 1270 toneladas, comraandan-
le M> ;09t, equipagon Ui, carga diK^reoies
r o ros; a Tisset-frere.
Cear; e portos intermedios 6 dias e do ultimo
porlo II horas, vapor nacional Parahyia, de 104
icnslalas, commandante Trajano da Costa Hallo,
e raipagem 21, carga varios gneros; a agencia
iurna-nbacana.
Navios sahtdos no mesma dw
Porto b-.rca portugueza (Jrense, capilao Jos T.
M .reir, carga assucar e outros gneros.
Liv-.rpoo! vapor Inglez Chrysoltte, commandante
Jarajs l'nomax, carga assucar e algodao.
Observaco.
Funliou no lamsro um hiate, igqprava-se a
Da<;59 por bo ingar bandeira.
Apparece ao norte ama galera. ,
EDITAES.
No dts 18 do {crrante as 11 horas da ota-
nhas ia a audiencia do Dr. [oh dos feitos da a-
xendi iro a praoa pira serem vendidas a quem
mai-s rir a- segointes casas, penboradas por exe-
ncaj da fazenda provincial :
Cisa terrea de taipa na estrada de Joo de Bar-
ros, avaijada por 600* e penhorada a Antonio Be-
Iicnn> Rodrigaes Selle.
Ci.-a larrea meia agaa sita oo becco do Calb>
bo:ce n. 18 avallada por 500*, penhorada a Joo
do IIosario Azevedo.
roa do Motocolomb
80*, penhorada a
Santa Casa de Misericordia
do Itecife.
0 l!im. Sr. commendador Jos Pires Ferr ira,
thesoureiro da S;nta Casa de Misericordia do R-
cita no dia 22 do correte pelas 40 horas manonja
no salo da casa dos exposto; fara' pagameotoalas
mensalidades de abril i juntio Ando, as amas q e
se apresentarem com as criancas qae lomaram pa-
ra amameolar.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife, 8 de jalho de 1867.
O escrivo
Pedro Rodiioues de Souza.
O conselho de compras do arsenal de guerra
precisa comprar o segninte :
2 livros em branct de papel holanda pautado
com 50 foibas.
1 dito dito dito com 70 ditas.
4 ditos dito dito com 16 dita?.
2 ditos dito dito cora 20 dilas.
2 ditos dito dito com 24 dilas.
2 ditos dito dito com 40 ditas.
i dito dito dito com 50 dilas.
1 dito dito do com 80 dilas.
c?ldeirois para 50 pragas (Je ferro.)
2 garfos grandes de metal para cosala.
2 facas ditas ditas de dita.
20 lences de lato de 10 libras cada am.
4 arrobas de estanho em vergainba.
Q :em quizer vendar ditos artigos apresenlem
soas propostas em carta fechada com as respecti-
vas amostras na sala do conseibo as 11 horas do
da 11 do corrente.
Conseibo de compras do arsenal de guerra 6 de
julho de 1867.Jos Maria Ildefonso Jacome da
Veiga Passoa de Mello, presidente.
tribunal do commercio de Pernam
buco em vista do que dispe o art. 9, do
decreto n. 863 de 17 de novembro de 1851
faz publica a vaga de um dos oficios de in-
terprete de commercio desta praca, e marca
o prazo de 60 dias contados desta data para
que acuelles que se acharan habilitados
apresen tem seus reqoerimentos instruidos
com os docamentos de qus trata o art. 6.
do mencionado decreto.
E para coostar mandei passar o presente
qoe ser publicado nos jornaes de maior cir-
colacao, o qual vai por mim assignado nesta
secretaria do tribunal do commercio de Per-
nambuco aos 4 de julho de 1867. .
O secretario,
___^_________Jos Marcellino da* Rosa.
Santa Casa de Misericordia,
A IIIma. jama administrativa da Santa Cata de
Misericordia de Recife, contrata com quera por me-
nos fker o foroecimenlo de pao e bolacha que pre-
cisaren) o collegio das orpbas e o hospicio 9e alie-
nados em Oiioda : recebe para isto propostas na
?ala de saae sessdes pelas quatro horas da tarde de
18 do correte.
Secretarla da Santa Casa de Misericordia do Re-
cite, 11 de jalho de 1867.
O escrivo
Pedro Rodrigaes de Souza.
rao eipedidas malas para Europa pelo vapor in
glez Oneida.
As cartas sero recebida? at 2 horas antes da
em qae fr marcada para a sahida do vapor, e os
ornaes at 3 horas antes.
Administracao do correio da Peroambuco 10 d
jnloo de 1867.
O administrador,
___ Domingos dos oBassos Miranda.
IaspectfHo do arsenal de
marinlia h
Fax se pablieo que a eomaissao ate peritos exa-
minando, na forma determinada no regulamento
anoexo ao decreto o. 13ii da 5 de fevereifo de-
1854, o casco, machina, caldeira, apparelhe
mastreacao, veame, amarras e anooras do vapor
iCamaragibe> da companhia vigijaate, achou lodo
esses objeetos em estado de poder o vapor conti-
nuar no servigo de reboque em que se emprega.
lo^pecgao do arsenal de mariniia de pernambu-
co 11 de juloode 1867.
H. A. Barbosa de Almeida,
THEiTRE
m
SAN TE ISaBELlE
COMPAGNIE
PES
boffes mmsm
Aujourd'haK 9jaa^di 13 Juillet.
13." ftep seilatiM 4e raboaueiaent.
Troisiuie rpreseoianon de
LE 66 I
epra coro qoe en un acte, de Mrs. Da Forges
el Laoreoeio, musiaue da Jacques OIT-obach; j^ne
par Mrs. iiry, Pelva el Mu" Adela Leaormaod.
Prmier^B>reseaiation
LE5 DEUX 6ILLES,
sayoette en ea acte, parales el masiqae de Mr. Me-
lesville file.
DESTBIWTI9N.
Gille, amoreax de C-dombi-
ne................,...... Mr. Pelv*
Ariequio, sao rival.......... Noury
lotermde de daa.-e
PAS DE L'OMBJRE,
compoi t.dans par M Clesime Thierry.
Troisime reprsentatioo
LA FEMME AUX FS D'OR,
vandevllle en ao acta, jou par Mrs. Palva, Noary,
Ferand, Ernest, Antoine, Ladera, el M" Mathilde
Poppe.
Ordre du spectacle.
|. Lesdeux giles.
2/ La 66.
3.' ri de Tmbre.
4.' La famme aax aifs d'or.
On eommencera 8 heum.
Lundi, 15 du courant, premire reprsentatioo,
n consigne bst de B0NKLBR, vaudeville en nu ac-
te, par Eugne Grang el Lambert Thiboust.
Mercredi, 17, premire representaron, la deso-
SBLbE en loterik, opretle en un acte, musique de
Offanbacb.
Vendredi, 19, premire rpresentalioD, rphie
aux knfers. opera bqnffjn en quatre actes, de Mr.
H:ctor Criaieax, musique de Jac^ues Offenbach.
do coaamer o>.
\)ear
Segu era pauCJi dia a escuna Georgiana, tem
doos te-fo' da carga j a bordo : quem quizer
carregsr trat eom o-Sr. Quintal oa com o Sr.
Tasso Irm.os nostes 3 das.
fwmik nmmwfm
DE
'veAWU) jBdsieii'--i po? vapor.
Parahjba, Satal, Maco, Acacaty, Cear e
^Aiarac.
No ia 15 &i8 horas da tarde
segu o vapor* Pirapama, fjj
daote Torres, para os portos
aeima iDdr.dos. Recebe caaja
ate o da 13. Eocommendas, pas-
sageiros o Oiulialro a fret al 3 horas-da larde do
da da sah'da : Historio no Forte *o Matos n. I.
"finnrliia *
Pretende seguir ciim muila brevidade a veNafaJ
Jantlina nacin i I Merienda, tem parte de sen car-
rpgamanto prompto, para o resio qae ibe falta tra-
U-*c coan m seus coesiguatarios Antonio Laz de
Olivesra A/evedo & C, ni seu escriptorio, raa-dr
Croz n. i.
LfilVOES.
1
Deam eabrblet cora arreios, urna carroQi no
va, um bu, uraa etata fraoeez de araarello, um
guarda louc, -livensos raarqnzoes, marqaezas
pa ra urna s pessoa dormir, consolas, mesas para
sala oe Ceiraz e oatros muuos- objeetos que serio
veudidos ao correr do martillo.

afear
Lisboa.
Porto.
Valeoca-
Guimajraes
Coimbra.
Chaves.
Taeo.
VrMedoCoo^e.
^jco .de Val de Vt.
Vianna da Castollo..
Ponie do Lima.
.Villa Real.
Vrtla-Nov de'Fametfcio.
Lamego.
Laaos.
Covilha.



Jos Rodrigaes da Oliveira Lima, Manoel Jjsd
de Oliveira Lima.C'sma JeequMii de Lima Nu-
nes, Maria Rosa de Lima Camarg, Joaquim An-
tonio de Castro Manes e Maooel Malaqaias de Ca-
vTtf) agradecbra summaioenta a lodos aquellas
qoe se digoaram assistir os aitimos suffraglos fei-
tos a sea presado pai e sogro ; assim coma eoo-
vidam a todos os seos amigos aparentes para as
iislirem as missas que to elimo dia lo do cor-
ren, mandarn celebrar as 6 horas da maniaa na
oritem terceira do Cirmo, pelo repooso elerno de
oa alma.
Jos Alves Barbosa, Jos Alves Birbosa Jnior
e Manoel Arres Barbosa Sobriobe, coovidam aos
seus amisros p*ra assistirera oissa pelo repoujo
l^atro da Uaa de sua presada ulna c irmf que
tera* lugarna matriz do Cerpo Santo, seg^nda-
(eira lo de corrente as 7 bofas da mannaa e das
de j cordiataneuta agradecin lo cariosa con-
currencia
A tiutarana franceza almilla aro menino
pzra discpulo de idade de 10 a lo anuos daado-se
casa e comjaa.
?recisa-se de urna ama qae faca todo o
Me ma casa : na laturari franceza rna
peratriz n. 55.
erviQo,
da Ira-
Acha se contratada a taberna da ra Direita
n. 9o, pertencente a Jeronymo Ribeiro de Suiza
livre e desembarazada e quem se juL'-ir com di-
reito a mesma apresente-se no prazo de 3 dias.
.ti
Pelo ageute Mariios no armaxem da ra do Ira-
perador n. 6, as 11 huras do dia.
I); um i < socava noca
HOJE. p '
O agenta Ponlual veudara' era leilo por centa
de quem pert(?ncar urna eseraa__coelnhelra e en
gomma'leira, fcom l8auuos de idade.
O lellao sera' tffictuad.) laberaa da ra do
Rosario da Boa-vista n. oi.as II horas.
'------------------------------- i
AVISOS MARTIMOS
GeiPAnU BR4SILEIRA
DE
Paquetes a vapor
E' esparado dos porros do norte
at o dia 29 do correle o vapor
Guara, commandante o primeiro
ten.ote Pedro Hyppolo Duarte,
o qual depois da demora do cos-
tume seguir' para os portos do sal.
Desde ji recebem-se passageiros e engaja-se a
carga qae e v.>por peder coadurir, a qaal dever
ser embarcada no dia de sua chegada, encono
mendas e diohairo a frete al o di* da sahida as
2 horas. Prevnose aos Srs. .pa6saatfos que snas
passagens s se recebam nesta agepcia ra da
Cruz n. 1, escriptorio de Antonio L&r de Oliveira
Azevedo ,4> C.__________________________
"COPAMIIA BBASILEIRA
DE
M
HOJE.
O agente Puntual venoera' era leilo nma arraa-
qio de lauro em niuito bora estado, um par de ba-
lancascora cuas da ubre e correles de lato,
bragas do ferro e cara pasos, da taberna sita a ra
do Rosario da Boa-cima u. b'3, a' requeriraaalo do
Sr. Joo Martius da Barro: a por maudado do Illm.
Sr. Dr. jaiz, e-pecUl do commercio.
O lello s.ra' effoiiualj ua mesma taberna as
11 horas.
Preeisa-se de um escravo de meia idade, de boa
conducta o habilitado para toio o servido da orna
casa da pouca familia, assim como de urna escra-
va qae coinne e engomme bera, easaba e f-sa
todo o mais sarvico proorio da ama criada : qaum
tiver e quizar alugar dirLa-se a* ra da Aurora n.
70, 2 andar.__________________
A(l HDWMiT"
Francois Meoo faz ver ao respeitavel publico
qoe acaba de^recebar os maii elegantes e ioteres-
a ites qaadros qae at hoja lera viado; como a
batalha de 21 de maio pelo onde v se L >pas. O preco para a entrada 500
ris.
Al
eneo.
9
De 200 sacros con farinha.
Seguoda-eira 13 do correte.
O ;geate Pestaa fara'leilo por conta e risco
de quera pertaucer de 803 saceos cora farinha de
mandioca vin Jas do Rio Grande do Norte na bar-
caja 6'. Jos Diligente, .-erao vendidos em ac ou
mais lotes oo da cima mencionado as 11 horas
da manha na trariirtne do baro do Livramento
no Forte do Malo.
Be
velas.
4

s
Casa terrea de taipa na
4Af oalos) o. 47, avallada por
rao [uiftao Manoel de Faria.
Casa terrea na estrada de Luiz do Reg n. I
avalioda por 8O0J, penhorada a vluvj rie Ricardo
da Silva Lisboa.
Casa larrea oa Casa Forte n. 80, avallada norf
6005 e pe.oborada a Je?* Francisco Carneiro pla
ma-M filuda de Nono Maiu de Seix*s.
Ca-a da zaipa e sitio oom arvfes'de fracto.iia
-ostra u o'Agua Fria A.^analiails aur 1:0H e
peorioradoa aos herdeiros da Jarooyma Ma/la da
Concejero.
Casa de taipa oa Casa Forte a. 1, avallada por
loOS a penhorada a Cathariaa Jorge da Cuoba.
S .braio de am andar na travesea do Carmo n.
10, ova lisio por 1:5004 e penborado aos berdei
ros de Mana Josepha de Mallos.
A pose du terreno fjaaravMsa do Frenes -(S. Jo
) ude extatra a,caea n. 12 e U avallado por
oOi e peniaorado a nMwta.da Jafg Hwaaa
L n bot iaMmiado^Hladlpoa,-ti*ado
Por '.i$ e uapfeoradfl: Iduioa da Crax Ribeiro
por Maoofl Praneiaco Petraz,
0 ioiiicitador Iniariao
Jo- %'A<$ da Silra Jaoior.
E' esperado dos portos do sol
at o dia 22 do correte o vapor
Toca*'**, commandante Farias,
o qqal depois da demora do cos-
ime seguir* para oe prtos do
norte.
Rac-bem-se desde ja passageicoe e engaja sa
carga que o vapor ooder couduzr a qual devera*
-j- ser embarcada no dia de sua chegada, encommen-
Jsanta U*sa da misencoraa ^ *** <> dasahida a. 2
Preyme-se aos Srs. passagetros qQe mas
do Reeife,
horas.
passageos s se
Alllma.junta administrativa da Santa Casa dt
isataeordia do Recife meada azer publMo qui
oa sai de sajas sesses, ao^dia 18 do corj-eota pe-
las 4 horas da tarde tem de ser arrematada; a
quem mais vaotagens offerecer as rendas dos pre-
dios em seguida declarados :
fetatolefine'frtoft e carHaiie,
Roa do Padre Floriano.
Casa terrea o. 49......
dem idem n. 45......
Roa dos Pescadores.
Casa terrea o. 11......
Roa das Calcadas.
Casa tem n. 30.......
Ra larg do Rosarlo.
Sobrado de 3 andares n.2Af| i^dy;)
Casa terrea n. 8.......
Ra do Encantamento.
Casa tarrea *,%,> .....
Roaai Amorim.
Sobrado de 2 andafw 2t. -
recabam ,#esu age*cu r da
Cruzn. 1, escriptorio, de.AatoniQLat a> QUvejra
1824500
litiiors
175*000
301*000
4Ol*tX0
160*00t
Segu em poneos dtesobrffseportsgaez Ooitt-
tanU U pam^arga. e paseagairas trata-se com
Olivpira Filtws 4 C-, largo do CoK) Saato *. }%;
ou com o capita,o na Praga do CoaamefiS,
Para o Afacaty
Sagne em peawos dias o bem conhecido e velVel-
ropaikabete nacional Dous Amigos, lem parteado
sea carregarneato prompto, para o resto que fie.
-falta trata-se com o sea consignatario Antonio Lalt
de Oliveira Azevedo.di C, no aaa Wiptorio, ya p; um Caigrro 4e LOQStauABl
botes, lo remos e
Segunda-fe ira o de julho
as 1 i horas, no trapiche da alfaodega.
O agente Pialo fara' leilo a requarimento de
Hussey opitao da galera americana Nillie Fogar-
ty, ncendteda na sua ultima viagem de New-
York a S.'FrincIsco com carregameoto de carvo
de pedra, com iieenca doSr. inspector da altando-
ga em presenca-de um empregado da mesma re-
partieo para o 8ra momeado com assislencia do
cnsul do.- E^iadeti-ljJBidos e por conla e risco de
quem periencer-dos botes, remos e vela cima
mencionado*, safoado da dito galera, o leilo ser
eflectuado as 11 horas no trapiche da alfaodega.
. ,r, LEILAD
Transfereaela.
Pelo a^ftte Eazebro.
T^rca feira i 6 do corrente.
Do escravo Mathias e de urna
''""rnebtKa de Jacaranda.
Por mandado do Illm. Sr. Dr. jpU especial do
commercio e a requerlmento do carador flscai ira'
novao**ile a leilo a mebilia e o resto de alguns
Fraacisco GoacalvesServHia, Joaqaim Fran-
cisco de Albuquerque Santiago, legitimo.- hrdel-
ros dos filados Lino Gom^s "de Souza e sua mulber
Auna Mara,da C-ooceiQo declarara para evitar
duv da que ninguem compre, nem de qualquer
maneira negocie cora Jo-i Nones da-Silva Braga
a casa do pateo da Paz qae faz esqaioa para a
ra de S. Miguel da povoago dos Alagados, visto
com o esta casa pnense aos bens anda nao in-
ventariados deixado; por aqaalles finado a Tora
comprada pelo Sr. Braga cora algara sigilo a ama
pobre velha qoe alm de ser iocompetaate estava
paralitica sobre a cama sera poder produzr o que
pensava o que bem explica o diminuto preco de
tal compra, sendo qoe os cima mencionadoi ja'
deram principio a prepositura da competente aci.-a i
coolra o Sr. Braga. ReMta 12 da jnlbo de 1157.
Coifraiia de S.Jos d'Agonia
Por dalabaraco do noaso irrao provedor convi-
ao a todos os nosso irmaos a comparecerem em
nosso consistorio seguoda-faira lo do corrente pe-
las 6 l|2 horas da tarde a 15 as 10 horas da (na-
cha adra deeocaroai-ido; assistirmos ao Te-Deum
e festa de Noasa-Saabafa lo Carmo.
Consistorio 12 de julbo de 1867.
O secretario,
Antoaio de Azevedo Neves.
Fugio no dia 4 do corrate doenge-
nbo Macaco, o escravo lose, crioolo, cora 40
annos de idade poaco mais ixt men.as, cor
fula, pouca arba, altuMrejaUr, o urabigo
milito grande, peraas acambelada, e com
marcas de ferinas, ps grossos e feios, quem
o pegar leve-o ao referido engenho Macaco da
freguezia de S. Lourenco deTijncopapo a seu
Sr. Henrique Olyuspio Tarares da Rocha, ou
na cidade do Reoife a seu correspondente o
Sr. JoSo Pereina Mouiiuho, qoe ser gene-
rosamente recompensado._________________
U abaixo ataigaado faz sclenle geralmente
todos commerciante-: e a quem mais ioteressar pos-
sa, que pessoa oenhuma faca iraosaccao om ama
letra qae tem Manoel Telxeira Llaa, caja aceita
pelo iupplicaote, porqa dita letra ba nella com-
plicacao de ajustes de coates t qae o mesmo Tei-
xelraTjima se lem egado, e consta querer negar
a mesma letra ; e para qae ningaem se chame a
engae faz-se a presente declaraco.
Eogenbo Agoas-lloas 11 de julho de 1867.
Joaquina Jos Cavakanti.
-StBiel-Nwer iol*U iona^tnhi
Ra da Seauala f*ORa n. 42.
\*itci*.a
frUMaJlfAft dMV W.OAMT.
.tachinas a vapor de 4 e 6 cavali*.
Moendase meias moeudas para asgeobo.
Caixas de ferro co*oV # batido pira enge-
nho.
Arreios d" curro para om e tonu couatiio.
!tetoiodeo.iiro oaiante *ngid.'
Arados aoiencarws.
naeicaspaa desicabrocaraJajodo.
atores paradnos.
Slacbina da costara.
gg Companhia Wlidade de segaros S
S maritimose terrestres
festabelecida no Rio de Janeiro; fR
AOEXTKS Kll PERAMBCCO SB
A Antoaio Inti r!e fnivefra heredo 4 t, m
f" competeBtetaewenntortWd'ris peladlrac- r5
isria da compaattia de seguros Fidehda- \M
-de.tomaaseauros.de navios, meneado- t
j{5. riis e predios no sea escriptorio ra da
7? Crui n. 1.
Aos Sr?^. %u#teiros
Na botica a r larga dn'-Kosao o. $4
'eutif-se
Salitre refinado da 1 .inadade.
Eoxofre em cylindra dem.
Limalha de forro (muaio nova.)
idem de ac dem.
dem de pona d'agulha idem. ____________
Fdbritiade cerveja nacional
DE
HEERIQUE LEIDEN
a. 35 rna do Ceb p. 35
O proprielario desle eslabelecimento, pri-
meiro iniroucior deste raao de industria no
Brasil e ex-pvcpri 'larios da Imperial e antiya fa-
lilica de cerreja uaciuuil, ra de Mala-civallos
76 c 78, lo de Janeiro,.Taz sciente ao respei-
tavel publico desta capital, que, depois de
noros e aturados estudos sobre o objecto,
acompauhados de multplices e prolongabas
experiencias cerca da gran !e difJerenc
de clima, para chear a resultado idntico ao
j colindo no Rio de Janeiro, isto obter
urna cerveja que se possa justameate com-
parar melhor para aqu importada, acaba
de fundar urna grande faDrica de importan-
cia tal poder produzir, mais de 3000 gar-
rafas diariamente, pelo que, dasta data em
diante, acha-se habilitado a fornecer, com a
mxima promptidSo, qualquer qu-ntidade
de cerveja branca e preta de superior quali-
dade, aos seus numerosos fregnezes, qner
para uso particular, quer para negocio.
Igualmente faz publico, ter om grande
sortimento de vinbos Anos e ordinarios de
Allemanha e Franca por mdicos precos, ba-
vendo^dos da ultima especie deste 360 res
a garrafa, sem casco, at 15$, a duzia. To-
das as encommendas: ero' entregues livres
de despezas, nos domicilios de senbores
compradores.
Prevalecendo-se da opportunidade previ-
ne o mesrao proprielario ao commercio de
grosso e a retalbo que t \iaaoem encarregar-
se-ha de fornecer-les urna excellente qua-
lida.de de vinagre, por elle fabricado, o qual
revalisa com o melhor que se vende nesta
praca.
O estabelecimento do Sr. Leiden acaba de
ser honrado da risita do iHin. Sr. Dr. ins-
pector da sade pnblica, o qual Sr. Dr. achou
as fablicas montadas e e-'tabelecidas as me-
lhores condicoes bygieicas e as qualidades
da cerveja, dos vinbos e do vinagre dos ine-
lhores que se possa recommendar ao uso do
publico.
rVchando-se o seu estabelecimento mon-
tado em um dos mais amenos sitios desta
capital muito se recoramenda concurren-
cia dos amadores dos recreios honestos, que
nelle encontraro alm de ptima cerveja de
diflereotes sortes, caramacbois naturaes,
jogos licMos, da bola e bbar ^ finalmente
boa companhia.
Um aviso anterior indicar os diversos de-
posito* que o Sr. Leiden propoe-se a esta-
beleer em diversos pomos desta cidide,
para meior altender a quem se di^nar
hoDra-io com sua conaaca.
Carta
Roga-se a pessoa que trooxe de Macei ama car-
ta para Luii P reir Goocahres da Cunba, o obse-
quio-de manda-la entregar na ra da Fraia n. 13,
o.i declarar onde reside para ser procurado._____
in peroam
Deutscher

4 Rosaaio o. 4S.
Desappareceu do eageoho liatimbinia, ao dj
8 do corrente, o qscravo Lua, motato, ioado 2S
annos, poueo mais ou meos, cajos signaes sao :
baixo, corpo ebeio, barbado, prosista, qaer se in-
culcar de forro, e ba desconflacca qae qaelra se
h rr\rt*i. on paiIiibIa
mm
f"
XM^dain 16 do correte.
*** lf* o gMldrt>eatao fir' lellao ds om eaxorro de
l^rWO ieha-se proposto e pretende com brevidade sabir aparada rao oat se lern nolavel pelo sea la-
.-.., hilgoe porlQgaei Relmpago por ter engajada a^aaotae, boakesa, gaaade cauda, proprio para sitio
g*.car.;.ajiaoieaaooo))ataara o eoaia>Lpela auniMM, qai ser' vendida em lelllo
*ai*m TbaaM d Aame^otusa A C, a ao dlaaetma meaaieaado as 12 horas da
Vigarlo d. l, l andar. I no largo do Corpo Santo.
. na
comarca de Nazereth : rogase, portaoio, as auto-
ridades po appreneesao do mesmo, pagando-se generosamente
a quem o apreseotar a sea seahor, o abaixo assig-
nado, em sea eogonho Gatimbinha, sito na comarca
e fregaeila de Igoarasso, oa nesta praja a Rocha
Lian & Goimaries.
Afnga-se rjm|gTfl 4o ooiiaba perfeilamente
a ra larga do Rosarao a.3y ?* indar._______
Precls-' alagar um'esfla'v que eoprei
anbaa I eoxlnhe e engorame, para casa de pouca familia :
a rna de Hurtas b. 1.

Haelfavereia
mico.
Der in der GeaeraWer aromlung am 20 dieses
Monats vorzulegende Bericbt des Aa^cbasses ist
vom 18 an bei Herr W. Spieier Oder bei dem Uo-
lerieicbnetenzu erlwlteo. ira auftrage des Aus-
cmasses teilt der Fnterzeichneie den Han en Mit-
glieern erner init, d-s Abaeoderung der Statu-
teo betrefladti Anlraege bis iam 15' von ihm ent-
(egeagenommea
Pernambuco d, 13 jalj 1867.
B. miUng
._________Secreuir.
Precasa-se de ama mulher eapaz para (aier
companhia a ama senhora : a tratar na ra Direi-
ta n. 73, toja._______'
Precisa-se oe uuaa ama para casa de um nu-
mera solteiro, e de om moleqoe de 10 a 12 anqos:
na ra dp H^ta, i/, afs^em,
Gil Braz de Santilhana
Est inimitavelro8WHGe de Lesage, tradu-
ztdo por Bocage, veade-se por 441 ero bro-
xora, e 5$ efleaernado: na vraria Econ-
mica, ru do Crespo n. 2 defronte aj arco
de Siato Aatooio. ,

T

I"

R
0 . * 4
/ *



*fr! *t rVm.mbuco alabado IS ifc INilho de 1867.
------
rt r
:i
w



?>
\


PHOTOGBAPHIA
VIL.ELL.A
RA DO CABCGA N. 18, ENTRADA PELO
PATEO DA MATRIZ.
O nosso estabelecimento pbotogrtpbico
est sempre em da com todos os melhoia-/pernambuco
mentos e progressos qoe na America do
Norte, od Da Europa se consegue na arte
photographica, e para alcancarmos tal fim
nunca poupamos de3pezas nem sacrificios,
de sor te que os nossos numerosos freguezes
podem ter a certeza de que sempre encon-
trarlo em nosso estabelecimento tndo quan-
to a arte e a moda offerecer de bom, do
novo e velbo mundo aos amantes da pho-
lograpbia.
NOVIDADE PHOTOGRAPHlC\.
Acabamos de receber todo o necessario
para fazer retratos chamados corte-lbum.
Este genero de retratos ltimamente in-
ventado na America do Norte, rpidamente
se propagou na Inglaterra e Franca aonde
goza actualmente de todo o favor da moda.
A carle-album se faz por duzias como os
antigos cartdes de visita.
Na Inglaterra trocaram o nome de carte-
lbum pelo de retrato-galera e os ingleses
usfm eneaixilbar estes retratos em quadros
especiaos para com elles formar galeras,
com que ornam seos gabinetes. Recebe-
mos urna certa quantidade de taes quadros,
os quaes cederemos por barato preco aos
nossos freguezes.
As pessoas que quizerem ver specimens
dos retratos chamados carle-album, j fei-
tos em nossa officina s5o convidados a visi-
tar o nosso estabelecimento.
CARTOES DE VISITA A 9)5000 A DUZIA.
Em consequencia do novo genero de re-
tratos chamados carte-album, diminuimos
o preco dos antigos cartdes de visita, os
quaes de boje em diante ficam reduzidos
ao preco de
O^OOO
pela primeira duzia, sem que por causa
desta diminuicSo de preco, oeixemos de es-
merar-nos no nosso trabalho, como sempre
foi nosso eos turne. Alm disto, continua-
mos a dar os cartdes de visita em cartoes
de luxo, Bristol, ou porcelana, dourados ou
h'thograpbados para o que temos urna varie-
dade de 12 modelos, a escolha de quem se
retratar.
W VA GOMO PREVENgAO.
Apezar do nosso trabalho ser muito co-
nhecido nesta cidade, aonde trabalhamos a
12 annos, com tudo joigamos de nosso de-
ver dizer hoje o seguinte:
Nos retratos fetos em nosso estabeleci-
mento emprega-se toda a cautela para of-
ferecer-se a par da belleza do trabalho, as
melhores condices de duragao. Doura-
mos e fixamos os nossos retratos sem olhar-
mos a economas, e ltimamente para Ihes
podermos dar urna lavagem mais ampia
e segura, contratamos com a companbia de
Bebiribe orna peona ri'agua. Os nossos
cartoes de de visita sao verdadeiras photo-
graphias, que nao preciso de retoques do
pintor para iba desfarcarem os defeitos, e
convidamos a quem qoizer a passar sobre
elles urna e-ponja molhada em agua, qu a
deixa-los mergolhados por espaco de horas
em agua, ou em espirito de vinho: se apre-
sentarero alteracao sero recebidos por nos
e pagos pelo duplo de que tiverern cus-
tado.
Continuamos a fazer retratos por todos os
systemas photographicos at hoje conheci-
dos em photograpuia. O nosso sortimento
de eaixinlHS, quadros, passe-par-tauts', e
joias de ouro para a collocafao de retratos
o mais completo, variado e abundante que
existe nesta cidade.
CHEG4RM
A loja das Collumnas
liiodos manguitos com gollinhas.
Grande variedade. da gotnbas com punhos, de caarais.
Detretanba e de PsgaiSo.
GravatiDhas de cambraia de muito gosto para senbora.
Ricos peplum de grosdenaple preto eofeitado. o que tem vmdo de melbor goito
ra do Crespn. 13 de Antonio Gorreia de Vasconcellos & C.
m
D
MUNDO ELEGANTE
46 RA MOTA 46
THQMAZ FERREIRA DF CARVALHO H.
Com o proposito de satisfazer o respeitavel puMtco desta cidade, e em geral a to-
dos, creamos o nosso estabelecimento com um complexo variado de todas as fazendas*
bem como, la, seda, linho e algodao.
m variado sortimento de roupa feita, e por4oedida com toda brevidade e per-
feicSo. w
Os propietarios deste estabelecimento protestando fazer suas transaccoes sempre
na melhor boa f possivel, esperam concurrencia de numerosos freguezes. Convictos do
que vem de expor, convidan aos amantes do, bom gosto e elegancia, para que apparecam
convencer-se da verdade. L**
No mesmo esubelecimento vende-se cha verde a3e preto a 20800, eocom-
menda especial.
Precisa-se de urna seuhora que saiba
ensinar a ler, escrever, grammatica porlu-
gu>za, franceza, msica e piano, para en-
sinar a doas meninas em um engenbo na
freguezia da Eescada, urna legua distante
da estacSo, paga-se bem : a tr. tar na ra
doCabugn II, 2o andar, com Francisco
Antonio de Britto.
Economa
Compra-se um jogo de diccionario inglez e por-
tat:uez por Vieira formato grande, prefere-se edi-
cto de Londres : ra Direiu n. 79, andar.
Rival sem segundo.
Rna do Que Imano n. 4L9.
Qaer acabar com as fazendas abaii
meaciouadas.
Queiram vir ver o que e ton e baratissin.
Toalhas de labynotho com bico, fazenda boa a
3*300.
Carretela de liona com 100 jardas a 30 rs.
Grvalas pretis e de edree moito finas a 500 rs
Cito* de obreia- de massa muito novas a 40 rs.
odiadores para espartano de cordao e fita 6
ri.
Cairelis de linba Alexandre com 400 jardas a 20t
ris.
Resmas de papel almaco muito bom a 2*500.
Frasco de oleo babosa a 320 e 500 rs.
Ditos oe dito nigieaiqae verdadeiros a 1*000.
Ditos dito falso a 800 rs.
Ditos de maedear perola a 200 rs.
Sahonetes moito finos a 60, 160, 200 e 320 rs.
Ditos de bolla moito fios a 240 e 320 rs.
Caitas para rap com bonitas estampas a 100 rs.
Miadas de linba froxa para bordar a 20 rs.
Varas d cordao para espartilho a 20 rs.
frascos com unta rosa moito boa a 240 e 320 r.
Pecie< voltalos para regacar cabello de menina
* 320.
Frascos de macac*' oleo moite fino, a 120 rs.
Abotoaduras moito rias para colletes a 508 rs.
(Jarifos de liona branca e de cores a 20 rs.
Litri fle ara preta .superior a 100 rs.
Cartas dt alrlnetes franceses com 14 peales
ISO rs.
ttauvaa par* falo, fazenda boa, a 500 rs.
Vara* de franja branca de linho para toalba
?00 rs.
Pecas de bico estrello coa 20 varas moito bonito a
1*000.
Varas de papaflna de dltTeientes largaras a 120,
I60e200rs.
G>*at <1h palih) balio a 40 rs.
Canas o* palitos de secaranca sem encuofre a
0 rs.
S.t.oneuw de familia a 100, 160 e 240.
Grosas de botdes de madreperola para camisa a
500 rs.
Lea para bordar de todas as core e flna, a libra
6*000
Orrneis com 4 oitavas de retroz preto moito fino
a I #000.
Caixa- com soldados de chambo para meninos a
lO ti- '
Cwiha de dooirioa chrisia a 320 rs.
Lm* coro superior taoha a 200 rt.
Maita alienado
Peder a <-ius individuos das ras doQaeimado
e Crcs? i qof oo deisem os seus afazeres que tem
para *irem namorar faseodo de uus seos r.ollegas
da roa da Croz ealoocas de palhs, do cooirarlo
passara pela decep^io de verera os sea* oooes
por slrc).
Vm mifflig! i
y____ N, 2 D ^r N. 2 D,
^(P^ CORiCiO DE OURO. ^J^3
A loja o. 2 B intitulada Coraco de Ouro na rna do CabOf i, acba-se d'ora em diant? oBerecen"
do ao respeitavel -poblico com especlalldade as pessoas qoe hooram a moda os objectos do oltimo gos-
o (a Paris) por mera 10 por eenio do qoe em oolra qualqoer parte, garantiodose a qoalidade e a so-,
tidez da obras.
O respeitavel publico avahando o desejo qoe deve ter o proprietario de am novo estabelecimen-
lo qoe quer'progressoem sen negocio deve chegax imrpedlauroeote ao coracao de ouro a comprar
aaeiscom pereitos brilbantes,esmeraldas; rabise perola-, verdadeiras em agarras,- modernas pek
diminuta preco de luj, brincos modernos de ouro e coral para menina pelo preco de 34, maracas de
prata com cabos de marflm e madre perola obi-a de moderno goslo (o que o encontrarao no coracao de
ouro) voltas de ouro com a competente erosiona rlcaiiienle eofeilada pelo pequeo preco de 125, brin-
cos da om trabalho perfeito por am mdico prego, cassoletas, tranealios, palceiras, alaetes para re-
tratos e ontros modelos lado de alto gosto, aneis proprios para botar cabello e firma, dito para casa-
mento, ao rtico roseta tem o Coracao de Ouro uu> completo e bem variado sortimento de diversos
goslos, butoes para punbos com diamante, rubios e esmeraldas, obra esta Importante ja' pelo sea va-
lor ja' por gosto ds desenho, brincos a forma da delicada mosloba de moca com pingente contendo es-
meraldas, robins, brrrbantes, perolas, o gssto sublime, alBoete para gravata no mesmo gosto, relo-
glos para senhora cravados de podras preciosas, ditos para houiem, diversas obras de brilhaotes de
uuito gosto, crasinhas de rubios, esmeraldas, perolas e brillantes, aneis com letras, cazoletas de
trystal e ouro descberta para retrato (a inglesa) brincos de franja, ditos a imperatrize toda e qnal-
qaer JT, para secoliocar retratse obras de cabello, e ootros muitos objectos que os preteodentes ea-
cootraro no Coracao de Doro qoe se conserva com toda a araabilidade aos concorrentes deixando-
se de aqu mencionar precos de certos objectos porque (desculpem a maneira de fallar) dizendo-se o
preco tatver. algaem faca mi jaizo da obra, por ser to diminuta qaantia a vista do sea valor.
Na mesma lwja compra-se, troca-se ouro, prau e pedras preciosas, e tambem recebe se concer-
tos, por menos do qoe em outra qaalqoer parte, e dao-se obras a amostra com penhor, conservando-sa
e Coracao de Onro abertc at as 8 horas da noile.
Qoalqaer pessoa qae se dirigir ao Coracao de Oaro nao se podera' engaar com a casa, pois
nota se na sua frente om coracao peodarado pintado de araarello, alem de outro qae se nota era um
rotulo (isto se adverte em consequencia de terem ja' algumas pessoas engaado com ootra casa.
G
B
a'.

a
o
I
as
o
c-
a>
j>
a>
en
a
u
5
a-
co
Q.
te

"i
s
c
ce
s
o.

o.
a>
g
o.
o
ai
O
en
O
ct>
en
O
i
a
a
o
as
=-
O
en
8
T3
I' 3

* l
* o
9 5"
S B
2. _
S"
en eB
O. 5
o
o
3
a_
'
j=
s
CI-
5
Cu
e
O.
CD
33

O
99
O
en
&-
a
o
as
O.
O
a
as

a.
o
i
O
Ce
g
rs
o
o.
9
0
5
a
a
a
o
5d
es
>
o
w
t
o
M
(
03
h
e<9
a
o
so

-5

O
O
r5

rs


l
?4 ce r
** 3 *. 1
m----.---------------------i--------- "1
ax> < a
letf
?3C
2,-g- S SI 3
ca-o s

So
I -8 ti*
* 1 o
c er^s o. 3"
X O. O w 5 85-
= .a5S
o i a f S
vi as
Cm
a
8.3
/i
Deseja-se alogar um sitio com estribarla e
planta de capim, as proximidades da cidade :
quem o tiver dirjase roa do Crespo o. 16, 1'
andar.
na
Roga-se ao Sr. Demetrio Jos Teixeira, esta-
dante do 3* anno, de vir ou n.andar na taberna da
rna do Secego n. 56, negocio que oso ignora, des-
de o anno de 1865. _____________
Precisa-se de3:U00 ajaros dando-se por
segoraoca om engenho moito perto desla praca :
quem tiver annnncie.
Na praca da Independencia n. 33, loja de
ounves, comprase onro,prata'e pedras preciosas,
e tambem se faz qaalqoer obra de eacommenda e
todo e qaalquer concert.
Precisa se de am teitor para um situ
esquina da ra da Madre de Dees, loja n. 43.
ttMiQM
O professor de piano Claudio Idtbarque Car-
netro Leal, mud ni-se da ra das Crozes o. 30, 3*.
nadar, pira a ra da Camboa do Carmo n. 21,
primeiro andar.__________________________________
C4S4
de commisso de escravos,
Na casa de commissao de escravos rna do Im-
perador n. 45,3 aodar, recebem se escravos pa-
ra sereno vendidos tanto da praca como do mato,
e os senbores de eogenbj qoe por qnalqaer moti-
vo queiram desfazer-se de alguna nao tem mais do
qae remette-lo ao abaixo assignado qae garante o
bom tratamenlo e prompla venda, nao se poopan-
do exforcos afim de em todo satisfazer as pessoas
que o quizerem honrar com s sua cacnaea. Nes-
a casa ha sempre para vender escravos de ambos
os sexos.
Antonio Jos Vieira de Sonza.
Ana
o
duas
Precisa-se de ama ama livre ou escrava para
seryieo interno e externo de ama casa de
pessoas : na roa das Crozes o. 28.
Ensino de msica
1. 75,
2 andar, rna do Imperador i.
75, 2o andar,
Lecciona -se por solfejo e a tocar va- >
* rios instrumentos; dando-se as li M
JK Qes das 5 horas da tarde as 10 da IR
g| noite em casas ou em suas residen* jgg
tm cias. mt
MsiiH jRjRPl Kk 3elsK KB
Precisase de ama ama para o servlco Interno
de orna casa : a tratar na roa da Cadeia do Recife
armaiem o. 8.
Escrava para comprar
ou a lugar
Precisa se de ama escrava qne cozlnhe, por
compra ou aloguel : na rna da Cruz, armazem n.
10, das 10 boras da manhas 4 da tirde:_____
Colleglo da Coucei^o.
Era consequencia de se ter exonerado do pro-
fessorado primario deste collegio o Sr. Aarehano
de Pinho Borges, acha-se boje encarregado de to-
do o ensino dos doos graos o Sr. major Salvador
Henriqne de Aibuquerqae.
Com a escolha deste senhor, ja bastante conh'e
cido do poblico desta cidade e de ootras provin-
cias, como professor pralico, metbodlco e pacifico,
e por seos escriptos adaptados a' tnstroccio dos
meninos ; o director jolga ter fe lio ama digna e
acertada sobstitnico, qae garante sofflcieotemente
aos Srs. pas de familia o bom ensino e tralamento
de seos filhos.
FEITOK
Precisase de um hornero qae lenba algama pra-
tica de engenbo para feitor de campo, prefeno-
do-se portogoez : quem preieader dinja-se ao pri-
meiro sobrado ao p da ponte dos Afogados qae
achara' com qnem tratar. ^^
Aloga-se um armazem grande~a~roa de
Praia a. 33, proprio para carne ou outro qaal-
quer negocio : a fallar no mesmo.
N< 2 "RA D0TMREST2.
Caf e luach
Bn'coatra se a qoalqaer hora.
Aceium-se assignaotes qoe venham almocar e
jamar a este estabelecimento e Igualmente se for-
necem para fora comedorias sadias e bem l'eitas.
-\"o se tratara' bem os fregoezes s aos pri-
meiros das: o tratamenlo ser seo pre o qae se
confeccionar no principioregularbomou ex
cellente, conforme o qae cada om qaiier despen-
der, os precos sero moa veis.
M. lHka < Twrci-ai- t
ti Alofa-e a sata la frente do 1* andar do so-
, tocado da roa da Cadeia n. 60, moito proprla para
' eseriptono ou rara morada de pessoa solleJra.: a
ratar no rmarem do meimo sobrado.
J4RDIM D4S DAN4S
NOVA
Loja de fazendas .
36 Roa da Imteratrii 36
DE
Guimardes Suva
i propietarios deste bello estabelecimento,
partecipam ao respeitavel poblico, e a sens dig-
nisiimos fregoezes qoe encontrarao no elegante
jardim das damas fazendas todas novas modernas
de diversas qualidades e ricos deenhos, todo o
qae ha de bom e barato a sausfacao de todos os
fregoezes, que nos queiram honrar com saa prer
senca, a saber : sedas, lias, linho, algodo, vaa-
quioas, rntremeios, babadlnhos, camias francesas
de linho- e algodao, seroalas de liado, camisas fla-
nella de cor, iodo de diversas qoalidades e goslos;
assin como om completo sortimento de roopas
feitas, tanto francezas como da ierra e por medida,
lodo com brevidade e perfelcao, cfc o proposito
de agradar a todos, nato as agrado* do Jardn*!-
ros como a melbor boa f nosval na elassiucacao
de Dossas fiwoda, por wo pariecipanoe a todos
em geral dirigir-1 ao elegante jardim das Damas,
rer!8>ar se da verdadp.
!f: 3 aRa do Cabug-X. \'
Agostinlio Jos dos Santos $ C.
Acaba de chegar a este estabelecimento um esplendido sortimento de
joias do ultimo gost>, perfeigo artstica e modellos eoteirameote novos; como
seguem : aderecos com rubim, esmeraldas e perolas finas, pulceiras, broches
para retrato, anneJs, botoes de punho, brincos e cassoletas com letras, etc.,
etc., elcr- Salvas de prata rto Porto, faqoeiros, paliteiros, calix de mesa e
fructeiras, cujos precos s5o incompetiveis, pois que os propri-tarios desta casa,
recebendo seus artigos directamtnie da Europa, podem servir vantajosamente
aos seos freguezes. Compraru-se orilhantes, pedras finas, ouro e prata, paga-
se bem, tambem se incumbem de fazer concertos.
^*fr
PARA ZO INTERNO
PREPARADOS SIMPLES,
Viho tnico -e nutritivo
BE
QUIMA E CACAO.
DE
BUJf-HAVBf.
Esta aova combinacao rene em urna bebida as-
s agradael e conveniente a lodos os organis-
mos, a qniu qae um medicamento tnico por
excedencia, e o cacao qoe coMem principios nu-
tritivos acaa reeonbecldos.
Elle se eoprega com o maior successo na cara
aas pallldas cores, soffrimentos do estomago, per-
da de aooetiie, digestdes difflcnltosas, meosirua-
gdes difflceis etc^ te.
IMpeBit sperial
m j
Pbarmacia e drogara de Earthoiomerr C.
34-gna larga dotsario-34
ALI)6AN-SE
doas casas terreas os. 32 e 34 sitas na Ctpaog?,
raa da Ventara, junto ao porto denominado do Las-
sere, caiadas e pioladas da novo, e com commodos
para familia, tendo ca'iraba, sentala, estribarla,
alm de om grande qointal morado ; quem preten-
der dirija-se a roa do Trapiche n. 3, andar, que
achara" com qoem tratar.
Aluga-se
om criado escravo : a tratar no escritorio de Si-
queira, Irmios dt C, largo do arseorl de guerra
numero 3.
Precisa se alogar om moleque ou negra para
vender : na rna de Aguas-verdes n. 46, segundo
andar.
Xarope de jurubeba garrafa......... \ #ooo
Vinho de lGoo
Pilulas de vidro......... Il6oo
Tintura de 64o
Extracto hydralcoolico de jurubeba ltfooo
PREPARADOS COMPOSTOS.
Vinbo de jurubeba ferruginoso garrafa. 2#ooo
Xarope l$6oo
Pilulas N vidro... 2Jooo
Oleo de jurubeba vidros 64o
Pomada de pote...... 6io
Emplastro > libra..... 25oo
PARA ZO EXTERNO
A JURtBEBl.
Esta plantar hoje reconhecida como o mais poderoso tnico, como um excesl
lente desobstruente, e como tal applicada nos engo-gitamentos do figado e baco, na*
bepates propriamente ditas, ou ainda complicadas com anazarchas, as inflammaces
subsequentes as febres intermitentes ou durezas, nos abeessos internos, nos tumores es-
pecialmente do tero e abdomen, nos tumores glanduosos, na anazarcha, as hydrope-
zias, erysipellas; e associada as preparaces ferruginosas, ainda de grande vantagem
as anemias, chloroses, faltas de menslruacSo, leucorrheias, desarranjos atnicos do esto-
mago, debilidade orgnicas, e pobreza de sangue, etc.
O que dizeraos affirmam os mais distioctos mdicos desta cidade, entre os quaes
podem os citar os lllms. Srs, Drs. Silva Ramos, Aquino Fonseca, Sarment. Seve, Pe-
reira.do Carmo, Firmo Xavier, Silva etc. Todos elles reconh cem a escellencia d'este po-
deroso medicamento sobre os demais at hoi ? onhecidos para todos os casos citados,
tanto que todos os das fazem d elle applicac^.
Apresentando aos mdicos e ao publico em geral diversos preparados da juru-
beba, livemos por fim generalisar mais o uso d'este vegetal, fazendo desapparecer a
repugnancia que at hoje sentiara os doentes de usar dos preparados empricos d'elle.o
mais das vezes repugnantes a tragarem-se", e qae tinnam ainia a desva tngem de nao
ser calculada a dose conveniente a appiicar-se, o que torna muitas vezes improficoo om
medicamento, que poderla prodazir ptimos resoltados.
Os nossos prepados s foram apresentados depois de haverraos convenientemente
estudado a jnrubeba, fazendo as experiencias precisas para bem conhecer as propriedades
medicamentosas d'esta planta em soas raizes, folhas fructas.ou bagas, e a dose convenien'
ea applicagao, tendo alm d'isto procurado levar os nossos preparados ao maior grao de
tperfeicSo possivel, para o que n5o poupamos esforcos, n5o nos importando o pouco lu-
crojque posames tirar
Por tanto os que se digna'rem recorrer aos nossos preparados podem ter a certeza
de que elles offerecem a garanta, de que se pode encontrar a prompta e infallivel cura
de qualque dos soffrimentos, que deixamos innumerados, se forem em lempo applicados
tendo alem d'isso, medico ou doente a vantagem de escolher as nossas variadas prepa-
races, aquella que melhor Ihe pode convir, j pela fcil applicacao, e ji pela complicacSo
das molestias, idide, sexo, ou ainda natureza de cada individuo.
As nossas prepajac5es fefruginosas sio feitas de forma que se tornam completa-
mente soluveis nos soceos gstricos, porque procuramos os composto de ferro que como
taes estao boje reconbecidos.
Para aquelies que mais minuciosamente queiram conhecer as propriedades da
jurubeba, e saberem a applieacio de nossos preparados, destribuimos gratuitamente
em nosso deposito um folneto, onde tratamos mais extensamente d'esyi planta e dos mes-
mo* preparados^ !
Dettgitt geral de U#s os preparados
tica e drogara
34Ra larga do Rezario34
Noto e grande -deposito de superior car?&> de Cardiffna
Bpbia.
Antonio Gomes dos Santos 4 d, raa Saatft Barbara n. 1, estio habHittdoe a snpprir de
rvlo en eondicSes nsalfavoraw qae en) oan j qaalqoer deposlw, a toieww navios a vapor qna
ccrrpjn naooele porto. A'contratar neaiom Domingos Alves StttMVi.,
Trocam se
as olas do banco do Brasil e das caixas filiaes,
com descont moito rasoavel, na praca da Inde-
pendencia ikSJ^
Ao Sr. capilao do 2* baialhao de infantjria
Ignacio Plnio dos Santos Sases pede-se o favor de
se dirigir a ra do Imperador o. 18, aflm de con-
cluir negocios que o mesmo senhor nao ignora.
Igual f vor pede-se ao Sr. Joaqolm de Sooza Cirne
m\ 4M4
Na rna Nova n. 60 precisa-se de nma ama que
saiba cocinhar.
Precisa-se alugar um esciavo de meia idade
para servico de ama casa de familia : quem o ti-
ver para alugar pode ir na roa larga do Rjsario n.
38, que se dir' quem precisa.
Na na de Sanio Amaro d. 6, precisa-se d
am feitor que saiba tratar de jardim e pomar, pare
o logar do Uonteiro : a tratar das 9 as 10 bora.
da manba. ___^ __
Ama de leite.
Precisa se de ama ama de leite : na raa do
Apollo n. 20.
Frederico J. Corbe'.snbaito de S. M. britan-
nica, retira-se cara a Europa
Offerece-se nma ama para compras e cos
nliar e para casa de bomem soileiro : a tratar n.
nova desee berta ao p do jogo da bolla.
O abaixo assignado fai scient aoTespeitave!
publico e com especialidade ao coreo do commer-
cio, qae nesta data comproa ao Sr. Joaqnim Luis
Fe reir Leal o estabelecimento de rcolhados sito a'
ra da Imperalriz o. 23, denominado Alabama, li-
vre edesembarcado de debitse de qoalquer oaus:
se algaem se jalgar com direito a qoalquer recla-
mado, dirjale ao mesmo estabelecimento no pra-
so de tres das. Recife 9 e julbu de 1867.
Antonio Joaquim Ferreira Porto.
Roa da Aurora
Alnga-se a segando andar do sobrado da ra da
Aurora n. 24, com i salas, 6 quartos, todos forra
dos a papel e pintado, e soio para cozinba, tendo
agua e despejo: a tratar na roa Formosa d. 15
com Candido C. G. Alcoforado,
Precisa se de urna senhera que se queira en
carregar da educa$o de i meninas em nm ence
nho peno, com tanto qae saiba o francei, poriu
guez, msica e piano e trabalhbS de agolha : querii
se quirer coolraiar dirija se ao escripiono ae Do-
mingos Alves M..meos a roa do Vlgario n. 14.
-O ESTUDANTE do 27 an^Je7olTymo~Lu-
renco de Araujo, venba a ra das Cruzes n. 35, pri-
meiro andar, a negocio que nao ignora.
Forro ou escravo
Precisa-se alugar nm escravo cu pessoa
na ra do Torres n. 2.
forra
Pedido.
Sendo a pente. qae liga o Campo das Princeazs
e palaeio do governo ao bairro do Recife, urna das
obras qne tanto formosam- a cidade, como facili-
tara o transito de urna izrande parte popolacio,
qur da capital, qur do cmlro, e qoe muito con-
vem aos habitintes do lado da ra da Aurora e
Santo Amaro, -que todos transilam pela ponte de
ferro ; encontrara o prornpto transito para passar
ao Recife : esta ponte acbs-se com algumas esti-
vas podres, apezar dos esteios, linhas, madres, e
todo, ou qnati todo madeiramento de sea lastro,
estarem perfetos, qoe ainda offerecem leDga dura-
cao. Esles reparos sao pequeos, e nao moniaro a
contos de ris. Pede -se, portanto, ao Illra. Sr. Dr.
ebefe das obras publicas lance as vistas para este
bem poblico, com o qaal muito gaubam os habi-
tantes desta populosa cidade: as'sira o espera
_________________Um transitante.
Ainda esta' fgida, desde o dia 23 do mez
passado, a escrava de nome Felicidade, crioula,
representa ter 22 annos de idade; altura regular,
bem feita de corpo, levou vestid de chita, chale
amarello ; coma qoe foi sedozida. O abaixo as-
signado protesia contra quem a tiver em sea po-
der. Roga- se a's autoridades policiae* a appre-
hendam e mandera a' rus da Cadeia-Velha n 1,
qae se pagarlo todas as despezas.
USA DA FORTUMT
Aos 6:000#000.
llllhetes garantidos
A RA DO CRESPO N. 23 ECASAS DO COSTUME
O abaixo assignado vendeu nos seas muito feli-
zes bilbetes garantidos da lotera que se acabou
da extrahir a benedeio da Smu Casa da Miseri-
cordia, os segnistes premios :
N. 1763 bilhete inteiro com a sorte de 6:0303.
N. 2001 bilhete inteiro com a sorte de 2:000.
N. 3810 am raeio com a sorte de 600,.
N. 13S1 dous quartos com a sorte de 300.
E ootras maltas sor tes de 100, 40 e 204.
Os possoidores podem vir receber seus respec-
ivos premios sem os descontos das leis, na casa
da Fortuna a' raa do Crespo o. 23.
Acnam-se a venda os da 44' parte da lotera
das familias dos voluntarios da patria, qoe se
eztrahlra' terca feira 16 do correte.
Preco.
Bilhetes.......... 6*000 .
Meios............ 3*000 ,
Quartos.......... 1*500
Para as pessoas qoe compraren de t00r5000
para cima.
Bilhetes.......... 5*300
Melos........... 2*750
Qaartos......... 1*375
___________Maooel Martios Fiuia.
O abaixo asslgoado faz .tiente ao "poblico,
qoe tem contratado a compra da casa de drogas
na pra^a da Boa-Vista n. 24, livre e desembara-
zada de qualqaer enus. a que esteja sujeita, ao Sr.
Jos de Plnbo Borges. Se alguera se jalgar com
direit a qaalqoer reclaoacao, inja-se a' mesma
casa de drogas no prazo de tres das. Recife, 11
de jolbo de 1867.
Antonio Mara Marques Ferreira.
Grande hotel eentral
Ra larga do Rosario uumero 37
Alogam-se espacosas salas e qaartos mobilbades,
ser vem se comedorias a toda hora com aparado
gosto e sseio e recebeo-se pendonistas por pre -
eos commodos.___________________________
Francisco Aaasuci) Pires Lonrei7o"rlira so
para Aracaju.____________________________
Preelsa-se de 4:000f a 5:000* a juros, dan-
do-se por garanta ama propriedade denominada
Tres Ladeiras on om entecho : qoem qoizer fazer
esta negocio annnneie por este Diario, para ser
procurado, no tratar na rna da Praia n. 37.
Precisase de ama preta escrava para casa
de pooca familia, prefere-se preta velha: na raa
do Jardim n. 2.
t
\


>
a
h
I1

ir
*
: '
^

/
v
**"
ltilk*mirmnc* MiktMfWZ n&o de'IStJ.
*>
Aaprovado pela fa rada de
de Medlelaa, fpiwafi
liaapliarT a> Paria.
ELIXIR DO D" fHEHMES
Aparevado pela facnldade
da mxlcinn, imprecada non
Wapllaea de Paria.'
Occupa o primeiro 1
il-Di
jij-
ar entre as preparaces ferruginosas as mais assimilaveis. 0 Elixir do, a empregado diariamente nos hoepitaes de Paria e principalmente no
Htel-Dieu (servico da Faculdade de Medicina de Pans). Administra se com o maior osito as aceiten* He eanaumpcAo resultantes da cxIummImA* da> un(nr. cli to-
reis ou creajmtlidaa. Inoren brancan, anemia depois das hemorrhagias, ou duraite as c%valescencias de lebres perniciosas, afrocaeon.'eitatpitstfoda das mul-
heres pajadas. Nao menos effictz contra o raciitismo o obra poderosamente para os homensujas forcas estam esgotadas pelos trabalhos intellectaftes, abusos de todoss,neros, etc.
Toaaa-ae cmb a alais ale aaaa collierinlii dcpoia de cade refeleee. i
Deposito feral na pharmacia, ra Reaumnr 43 e em casa de E. , vara 800
atepMtte ena PEBNAUBFCO, P. MAURBR bt O, e em todo u Pharmaciai no Braifl.
0M0UR0D
mt
*k
Ao respeitavel publico pernambncano pede-se
Alternan

Manteisa iu^leza
320, 500, 800 e 10 s uo armazem se acha vis'a.
Manteiga franceza
era libras 560 e 640, em barris se far differenca.
ianha de porco
era libras 320 e 380, em porgao se far differeaga.
f'rucias
em calda Pera, Pecego, Rainha Claudia, Alperxe e outras muitas 500 e 640 a lata.
Ervllhas '
Portngoezas 640, francezas 900. .
Fimo
em latas do Para e de albaneque, lata ij e 1200.
Gouiusa de lulltao
em pacotes 400 e 500, dita da trra 400 e 200 a libra.
Viuho
de Bordeaux em caixa a truzra 55, garrafa 500, dito de 841 a duzia, 800 a garrafa, Jdito a
14,5! a duzia, 10203 a garrafa, dito do Porto a 80. 120, 180, 240, caixas de duzia, assim
como figueira caaada 30500 e 40, puro J A A Lisboa 20800, 30 e 30500 a qualidade
convida.
Ciar
lata a 80 de 5 galoes e mais pequeas a vontade do compra lor, em garrafa 360.
Alpiste
110 6 iS 0 a libra, painco a 100 a libra.
A'zelte
em garrafas a 800 e 10.
CHARUTOS
em caixa de 50 por 10, ditos Delicias, Trovadores e Parisienses em caixas de 100, ditos
da Expsito caixa 50, ditos de Regala caixas com 1O0 a 20500 e outras rauitis marcas
que s na presenca dos compradores.
PREZUNTOS
delamego em barril, ditos de fiambre o melbor que lia no mercado por precoquefaz
admirar 1
DOCE DE G0IABA
caixoes de 560 fino, ditos de 10500 que parece marmellada, dito era latas milito fina
qualidade a 10200.
BOCETAS
com doce secco a 10 e 20.
QUEUOS
u .Ueatej em latas ebegado pelo vapor Oneida, Hitos Fiamengos e Pratos dos mais nevos
que ba no mercado. I i
AZEIT0NAS
de elvas como no mercado nao temos a 13 a lata, em barris do Porto a 10 como nao ha
melhor. >
CiSADEJAMO
26 Pateo de carao 26.
Neste estabelecimeoto t3o im-
portante para a saude e asseio
do corpo, acham-se matados 20
banhelros, que sao servidos com
3 ordem e asseio que para de-
sejar-se. Quatro estes banbei-
ros sao especia'meDte reserva
drs para seuhoras e por isto
acham-se collocados em lugar re-
servado, aonde s tem entrada
as pessoas de urna mesma fami-
lia.
*PRECOS DE BANHOSAVULSOS.
\ banbofrio, mornq ou de
chovisco. .... 5oo
1 dita de cr oque. I0ooo
1 dito de farello. Ifrooo
1 dito aromalisado. I0ooo
PREgOS POR ASIGNATURA.
30 banbos p.. r mez fro,
morno ou de chovisco. Io0ooo j^oj
25 banhos com caries
para os mesmos. lo?ooo
42 ditos ditos ditos. 5#ooo
i2ditosditosdecboqae. lo^ooo
12 ditos ditos de farel-
Jo. ..'.... 100000
0 eslabelecimento estar aber-
to nos das uteis das 6 horas da
raanhaa as 10 da nou'e, nos das
saittfkadus das 5 as 5 horas da
tarde.
mmmmmH
Moedas de prata
naciepae*, assim cgnio pataeoes por.tagnezes e
nesploboes.-coapran-sefom premio :- na ra do
Crespo n., 16, pnmajro andar.
258500
mmm mus
para as feslas de S.jntoiiio, eS.Joo
no armazem do Pavao ra da
liaperatriz n 60
DB.
GAMA i SILVA
Recebero-se pelo ultimo vapar da Euro-
pa as mais oras fazenlas como sejam:
Bonitas cassas de listas grana-'
dies.
Ditas casteihanas.
Ditas da Italia.
Ditas transparentes com os mais moder-
nos e mais delicados gostos vara a rs 640.
Ditas de diversas qoalidades com novos
gostos o covado a rs. 240, 2dO e 320.
Cortes de medina sendo urna bonita azen
da irM'in ^ate com lindas palmas e qua-
>s .i- > lia tendo oada corte 19 corados a
' 24#
Ricos cortes de vestidos brancos com lin-
das barras bordadas em alto relevo a 240.
Ditos brancos tambera bordados a rs, 50 e
0.
Cortes de poitde cbvre com 18 covados
a 150.
Modernissimas vareges tapadas e transpa-,
rentes com as mais delicadas cores e com bo-.
nitas listas de seda, covado a 640,800 e 10.
Cenes iie Uu taruga e uniros de metal
A aguia branca : ra do Qeimado n. 8
acaba do receber alguraas amostras de pen-
tas (k taf tsraga para seaboras, todos de no-
vos moldes e bons gostos, sibresahiodo en-
tre ellas algons cujas novidades em mol-
des, e perfeicao de obra os tornam recom-
mendados para quem apre.ia o bom ; assim
como recebeu igualmente outros mui forni-
dos e Lera feitos para desen baracar e outros
tora eixo para dobrar e propriospara barba.
Tambera recebeu outros de metal prate;<-
dos e dourados, que de tal molde sao os pri-
raeiros que app irecem.squaes com o semi-
crculo que fazem sobrio toque torcam-os
mu bonitos.
Caraiuea braicas
Vieram muito boas, e por isso vendem-se
a 10200 e 20 na toja da aguia branca : ra
do Queimado n. 8.
Habar! i unos crespos
O novo sortimento que acaba de cheirar
continua a ser vendido como dantes 20500
e 30 a peca e sempre na na do Queimado
leja da agnia branca n. 8.
Peales enfeitados para meniBas
Vendem-se na toja da aguia branca: ra
doQoeimado n. 8V
Bullas de anil
praa moedas nacionaes de 20
n. 16, primeiro andar.
Da roa 4o Crespo

Satis'eilo o invencive Veado Braneo, com as maneiras altenciosas com que
foi acolhido pelo respeitavel publico desta briosa provincia, a ponto de que muitos a por-
ga desputaram a satisfacen de seren os primeiros a comprarfm em su importante arras
zem, se desvanece em declarar com toJa a lealdade de que 6 capaz, que est cida vez
O advocado Amaro Jo'.guim Pun.-tol
Alboijoerqne lem sen escriplorw *' roa
Crnzfs n. 35, l andar; raide a' trves-
sa do Veras n. lo. Eucarrega-se de
questoes em todas as comarcas na extrn-
cao da iinh.i frrea.
Na roa do Imperador n.
cisa se de um criado Sel.
73, 2 andar, pre
Hrecisa-SB tallar com
Das Vitela no armazem da
raizo o. 14.
~ ."w
o Sr. Joao Vaientim
estrella, largo do Pa-
Atteucao.
:\". 2 -Raa do Ltvrament -H. 2o
Deposito do tamancos e calcado Dacionaes da fa
trica da ra do Jardlm n. 19, de Jos Vicente Go-
dioho, tanto no deposito como na fabrica se
apromptam todas as r>or?5es de calcado d mais ha-
rato possivel, esia fabrica tem todas as machinas
proprlas para os calcadas ja' bem acreditado* pelo
eraode nume.ro de fregueies que daqul se for-
nececn.
O Sr. Jos Marques da Costa Soares,
(negociante no Recite) queira vir esta typo-
"' graphia negocio.
mais animado, nao s pelo benigno acolhimento que Um recebido, como pelas forcas de [ C/O*a5 a venda na livraria
que dispoe porque at hoje n5o careeau anda dos preparados de jurubeba, nem do Universal, mu do Impera-
xarope alcoolico de veame.
O Veado Braaeo, declara a quem anda o nao conhece que nao um
desses bicharocos intrataveis que por ah vivera com figura hu nana ; domesticado no
ameno paiz onde a amavel Agut Branca vio a lu do astro bemfeitor, elle partidario
desse invejavel agrado e sinceridade que cor taota gravidade se desprende do seu
bico encantador. .
O Veado raneo, como todo o bomem civilisado, ama a sociedade dos
bons, gosta do centro do mundo elegante, usa do tnico de Jayme. para previnir qoelhe
ponham a calva ao sol, vai a companhia des Boules Parisiens e no meio do partido de
madame Adelle, elle tambem atira-lhe o seu lindo bouque!.
Digoe-se o benigno lettor de jurar uas palavras sinceras do sincero Veado
Braneo, e venha prover a sua dispensa do que me.hor se pode encontrar n'um estabe-
cimento de molba ros.
A modicidade dos precos, comparados com a boaquaKdade dos generse o
bom modo com que se recebe os ssnhores compradores, deve certamente convidar as
pessoas que ainda nio vieram nossa casa a fazer parte dos amigosi e freguezes Ido nosso
dar n. 54.
Ilesolncoes do consdho de estado sobre a ib
lelligencia do acto adicional na parte relativa a
asst-mbias iiruviociaes. *
Grammatica portuguea d Solero.
Dita philosophica de Doarie.
Diu franeza de Noel ct Chapsal.
Cathechmo da diocese do Maranhao.
O Livro dos ineninos.
Jd-a Ctiristo a critica moderna. ,
MARTIMOS
BELLISSIMO ARMAZEM
DE
OLEADOS
CONHECIDO PELO NOME
CONTRA FOGO.
A companhia Indemnisadora, estabeleci-
da nesta praca, toma seguros martimos so-
| bre navios e seus carregamentos, e contra
fogo em edificios, mercadorias e raobilias:
na ra do Vigario n. 4, pavimento terreo
DE
Estabeleciuo na Direita n. 16.
N
Esquala da (ravca.a de 9. Pedro.
PILULAS de BLANCARD
A WDUUTO M FEM WALTEBATXL
ApproTftdmB pela. Academia de Medecina de Pars
irmaiwHu -i mmm mui iwtmiaao
navarrat*a o XMmats m fbmca, da Estoica, da iblaitm, ba totjooia, btcJ
jfca^ifc liaraw Bwrotif* Pufarryai. i, Mtw-York, UU, 4$ P*rt+1*.
iaaaPlaaw asToltidas a*aan eanwU raaae-balaurica de om teaai4ade oeaat, taa
. avaatatCBi de aeraa iaalterareif, um tibor, aaaaca Tluae, e de m6 umm
mil tipavoa. Gonndo dai propriedade da loao tloruio; alai aerea prind-
nVri as aisoeod Odntica*, E*crofuli, mm lafuai, Cnirrmt, M Imurrrtm,
NtaarriM, -mmU, ata.; ala, attas eCerMea ****** aaa aaiajapa dai aaJ. awr-
I pan diflcr as cowtaifoca Ifmphaticat. fr* aa tMUuin.
IT.M. O Man* a* km lapua m altana '**'
aat* **. MiaMt. Cm prm dt parea t *t akadd.*. 4-
iWIHili ti Pumu *t aaeara, *nt -*****
,rai
Vtnde-se na roa Nova n. i, pharmacia frinceza de
. p. MAURERII C,
Residencia e consultorio
Medico cirurgico
DO
Di. Auteoie I)uarte
Na praca da Boa-Vista n. 21 otide
pode ser procurado a qualquer
hora.
Especlalldade
Doencas do peito, e de meninos.
Da consultas das 7 s 10 horas da
manba.
a
rlado
Precisa-se de om forro ou e;cran par lodo
servico de urna casa : a tratar na ra do Crespa
n. 16, Ioj das 7 as (1 e 3 as 6 da tarde.
Alugi-se umaesciava moca h-uuuo sadia,
a qual sabe fater todo seri?>i de urna nasa :
quem precisar dirija se no Corredor do Bispo ca-a
sem numero defronte da do o. IS.
COMPRAS
O uro e prata.
Km obras velbas: compra-se na praca "da la
dependencio n. H toja de bilbeies.
Moedas de ouro.
Nacionaes e estraogeira asaj cuiao libra
esterlinas: canjpram-.-e na roa do Crespo n. 16,
primeiro andar.____________ _____^_^
Comprase moedas de oaro de SU*, I6& 104
e 9^; a roa da Crot 0.3.
Compran se patacq> prata hraslleir.
bras esterlinas moedas, de 9J, de 40J, de I6f
04 por malor preco do que em ontra qualqoer
Pte: oa rui di Cal I >ja de faten^as a. 58,
Libras esterlinas
praa da lo
Compran? se rom bom premio
dependencia n. 22.
oa
(tompranvsc escravos
Silvino Gnilherme de Barros, compra, vende e
troca ^lectivamente escravos de ambos os sexos
ede todas a* idades : a' roa do Imperador n. 79,
erceiro andar.
Vendem-se na joja da aguia branca : ra
Alpacas lizas enfestaias com as cores mais Queimado n. 8.
modernas o covado a 640. BoaiUs jrl-relogibs
Ditas enfestadas com lindos lavores gra- Vendem-se na loja da aguia branca : ra
dose miudinhos covado 560. do Queimado n. 8.
Bonitas alpacas lavradas com os mais mo- t/ara mesas
demos dezenbos covado a rs, 800 e l&. i j Galheteiras para azeite e vinagre.
Ricos cortes de vestidos de fil enfeitados i Salaras de vidro e paliteiros de pore-
30*. !|aDa.
Poupelina de quadriohos transparentes i Vendem-se na loja da aguia branca: ra
com os mais apurados gostos e quaze a lar- do Qoeimado n. 8.
gura de chita franceza covado a rs, 640.
Ditas mais estreitas porm muito bonitas
covado 500.
Sedas de cores com 4 palmos de largura
corado 25.
Ditas estreitas lizas de listras covado 2 Grande sortimento de grosdenaple preto \
Lnvas de pellica preta.
Cbegaram para a loja da Anua Branca i) a rea
do uoeimado o. 8.
Hamos de flores par* cuques
A aguia branca acaba de receber um nico
cartao com ramos de flores para coques.
Compra-se orna escreya cozmheira e engom I Grande sortimento de grosdenaple preto A oerfeic3o e delicadeza deesas flnrP< ipm
madeifa, que nSi tenha achaques nenj vicio: na eAAn a r lAftin tXOm\ 9 AKlkl ^ -^f^in j
roa da Seozaia veiba n. 84. !c00 a re oouu, l)8U, 25, 20oUU e *.; satisfeito a todos que as tem visto e com-
-------------p; i---------I Ricas sedas lavradas. | prado a 55 cada ramoisso na ra do Qnei-
LOmpra-Se Saias com quatro pannos ricamente bor- mado, loja da aguia branca n. 8.
Urna armacao de armazem ou prateleiras d*dai i rs, 55, 65, 75, 85, 105, e 115. i Fqaq fflvnr Tarlatanas brancas e de cores varaars.! i-av tavui uo ici
800. i Para saber o que de novo chegou na Agu;*
Fil braneo lizo vara a rs. 8 0. branca a r"a do Queimado n. 8.
Dito de flores para vestido vara rs. 640. Trancas pretil de vidrinhos com pingen-
Ootras moitas diversidades de fazendas,tes e sem e,,es-
que se mandam tambem levar em casa das! Botes pretos e de cores, enfeitados oom
Exmas,familbasparaescolheremou d5o-seas wdnlhqs tendo com piogentes e sem elles.
que n3o seja de pinho, e que esteja em
muito bom estado : na companhia Pernam-
buca a.
Compra-se
libras esterlinas, oaro brasileiro e portugus com
bom premio : oa ra da Croi o. 48, armazem de
E. A. Borle & C.______________*____________
Libras esterlinas.
compram-se no escriptorio de Antonio Luiz de
Ollveira Azevedo & C, ra da Croi o. 1.
Ouro e prata.
Moedas de ouro e prata naciooaes, estraogeiras
e de todos os valores sh compram na loja de oari-
ves junto ao arco de Nossa Senhora da Conceico
roa da Cadeia do Recite, assim como ouro e prata
em obras velhas, brilhantes, diamantes, e se paga
bem.
amostras deixando ficar penhor no armaze-a
do Pavao ra da Imperalriz n. 60. de Gm
ma A Silva.
Bordados do Pav&o
ntremelos largos
Babadiubos estreitos
Babadinhos largos
Eotremeios estreitos
Tapad s e transparentes
Gama V Silva receberam urna grande por-
cao dos mais finos babadinhos e entremeios,
SffiS? ^ff*fi^dn^\*> lar8s como eslreitos- seDd0 laPad0S
13 e 13. e transparentes com os verdadetros borda-
Compra-se ama casa terrea pequea em qual-
quer di bairros desta cidade, e tambem se vende
nm muutinbo rom 17 annos, muito boa pega e es-
Cfl' ule conducta : na roa de Apollo n. 1, primei-
ro .iudar. das 10 horas as 3 da lardn.
^200 .
p^r moedas de 20J000 brasileiras : na ra Nova
n'^60, 3 andar.
Compra-se
Alamares pretos para basquines.
Novas e bonitas guarnicoes pretas para
ditas e vestidos.
Coques de bonitos moldes.
Ditos de sndalo e seda.
Ditos pretos para luto.
Enfeites de flores obra de bom gosto.
Pentes de tartaruga obras modernas, e
apurado gosto.
Pentes dourados e prateados, moldes no-
vos e bonitos.
Bonitos e modernos gales de seda, de
cores para vestidds.
Bicos de seda e guipure.
dos a alto relevo tendo de todas as larguras Leques, todo de madeperola e sndalo,
e desenhos, grande porcSo igual para qual-1 Ditos de faia, os quaes fazem quatro
iquerobra, que assim possa ser preciso, e vistas.
| garantem que podem vender por menas 40! Ditos todos de sndalo, e sndalo e seda
i ou 50 por cento, do que em" outra qualquer para meninas.
j parte, attendendo a grande porco que tem i Bonitas cestinbas bordadas a froco para
i no seu armazem do Pavo: ra da Impera- meninas,
triz n. 60, de Gama & Silva j Escovas de cabo de marfira, e madrepe-
UtensiTios typogrphicos, ^AbSlStmis para ,(.'
Acabam de chegar de Franca e estilo a ven- Brincos de corrente de bomeba, voltase
d3 na roa do Imperador n. 15 defronte de'polseiras de dito.
S. Francisco: ricas escuvas para lavar for- j Aderecos pretos para luto,
mas, ditas para tirar provas, componidores' E muitosoulros objeclos que sero pre-
de diversas larguras mui modernos, tinta sentes ao comprador que se dirigir a dita
I para impresso fina, linhas e entrelinhas de loja d'Agua branca a ra do Queimado n. 8
Vendem-se doas boas casas na povoacae de differentes qualidades e ponUs. A mesma
!a ei torreS Znrt "T^ll ,?, V i." Msa conliDua a estamentos de differentes i
S:rare"e!TTd^r1%Scfip';orJio o? Dr.1! I -* D~"!" "'"" ; ^"^
VENDAS
i**
Vende-se oleo de ricino em latas de 30 libras:
na roa da Cadeia-velha n 1, no s gunio andar.
Vende-se a casa terrea n 44 da ra
loculomb : a tratar na mesma casa.
de Mo-
Agora sim
; animaes; e folhetos de Porcina, Magalona i
Ac de Milao
Campos. e te, assim conio cidade de Deus, Horas da
Semana Santa, Mraual Eocyclopedico, Hipan-
sos, Caminbo do Co, Horas Portuguezas,
s armazens de Tasso Irmos, em cunbetes de Marianas, Imitaco de Cbristo, Escudo Admi-
4 arrobas.
Farinha superior
Tem para vender Antonio Luiz de Oliveira Aze
vedo & C, no seu escriptorio, ra da Cruz n. 1.
Sevada.
Vende-se sevada muito nova a 3$ a arroba :
ra Direita n. 30.
na
tJIencao'
b
Vende-se um terreno sito na ro do Destine- com
42 palmos de frente e com 121 de fuoo>, no prin-
cipio da roa ao entrar pelo lado do Hispido; a
tratar oa roa do Cabug loja da esquina com J.
C. de .una Freir.
Bola para earroca.
Ha para vender bonitos e possaoies bola mansos
para cerroca : no sitio da ma do Moodego n. 2.
ravel etc.
Vende-se urna escrava viuda
ua Bella n. 45.
do mato : na
Feij
u
Vende-se feijio moialiobo por 7
relio, braneo, preto e rajado por "i
Codorniz n. 12 A.
Porque a aguia branca acaba de receber
porco de papel mata mosca e continua
a vende-lo como d antes a 40 rs. a folha,
comparego pois os pretendentes e serao
servidos na loja d'Agua branca ra de
i Queimado n. 8.
Nova remessa
De correntes de boracha.
A aguia branca a ra do Que.*mado n. 8
I recebeu nova remessa das desojadas corren-
tes pretaz de borracha, e continua a vende-
a acca, ama-'. las como d'anles a 35 avara.
na roa do
AGUA FLORIDA
Vende-se
travs de qualld. de de mais de 30 palmrs
larga do Rosario n. 34, 1* andar.
na roa
Ps de coqueiros
a 500 rs-, se a compra for mais de 100 far se-ba
um abatimeoto
45Ra Direlt}-45
Loja da consciencia
llua das Cruze n 30.
Neste estabelecimenio eoconiraro os regaeres
am completo sortimento" de aviaoentcs proprios
pjra calcado per precos moito commodos, bem
como om variado e escolbido sortimento de calca-
do para hoine como sejam :
Borzegoios francezes de lastre para homem a
7*500.
Ditos ditos de bezerro para dito a 65500.
Elsticos de seda para borzeguios a vara por
800.
Formas francezas chapeadas para bomem a 4.
Agua mineral
ferruginosa, acidulada, yazaza e carbnica
OR8ZZA.
oso (Tagua de Orezza mui particularmente
reeommeadado pea escola de medicina de Pars,
^>ar* todas as affeccoes do to^o digestlrn, ingorgita-
ento das viceras abdomioes, e geralmenle todas
is molestias proveniente d frsqaeza orgnica, on
pobreza de sangue.
DEPOSITO ESPECIAL
(34Ba larga do Uasario34
Phariacla de artholoaiea t C
m Na roa da Pilar o. 62 venie-se~Y"cas7 terrea
d. 4 da mesna roa, e om preto de oacio ae 40
annos.
Novo rap
Loja da Aurora oa roa larga do Rosa-
rio d. 8 de Maocel Jos Lepes
& Irmo.
Receberam rap grosso a imltacio do francez
da fabrica d Meron & C, do qual se vende bara- [
lo, assim como de ootras muitas qualidades. i
Vende-se nm preto de 3o annos, boa condue-
la, matute mullo ladino, carreiro-e tambem en-j
tende de servicos do mar e de sitios : na roa do
Fogo o. 9.
Hip Paulo Cordelro e Viajado
Aloja demiodezasa ra do Qu-im.-dd n. 16
receben nova remessa do rap Paulo Cordeiro e
Viajado, e cootinoa aj^eceher orto os vaporespos,
NOVENAS
DE
N. S. do Corroo e Sant'Anna,i 1IA,agua florid" de.Murra? & ^mmu
Estao a venda as novenas de N. S. do' Car-! ^tdTdT seMtrS l^' ?
mo e da Senhora Sant'Anna; na ra do tope-110-??-'^.^ ,gua,ada P61" Preparacoes
MURRAY & LANMAN
rador n. 15 de fronte de S. Francisco.
COI
Ferreira & Matbens. na roa da Cadeia do Re-
cite n. 62, vendem :
Cooros de viteilt, de cavallo, de vacca' de bol e
sola enveroisada, proprias para calcado, coberta
de carros etc., etc.
A tiendo
Vende-se om terreoo sito aa roa do Destino cora
41 palmos da traite e p >m IW fuo <> no prin-
cipio da roa ao entrar pelo lid i do Hospicio : a
tratar na roa do Clboga '-'ja C de Lona Freir.
de artificio da fabrica da estrada de Joo de B 5
ros da vinva Rufino, aproorletaria desta muito
conceituada fabrica avisa ao respeitavel publico
qne em sen estabelecimento eiiste om completo
snimento de fogos para S. Joao e S. Pedro e de
outros artigos concernentes a essa arle, as pessoas
pois qne qnizerem comprar destes objectos podem
deixar suas enoommendas no armazem da bola
amarella nooitao da secretaria di polica onde
qn-era um portador que os vai buscar com a maior
presteza posslvel.
Vende-se a casa terrea a roa do Pilar n.
117 : os pretendentes podem tratar na mesma roa
casa n. 128. __________'
Farioka de naidioca soperir.
A tratar com Tasto Irmios, oa no trapich Ba-
rao de Uvrameaf no Forte do Mattos.
Vende-se na sobrado de om "indar na ro*
do Amorim o. 10. com chao proario : aaem pre
tendr dirij-e a roa da Cruz o. 18, segando
andar.
as mais custosas: conserva sen aroma, co-
mo se formasse parte da prenda a que ella
se applica.
Sua eficacia t5o delicada, como elegan-
tes sao seas multiplicados osos, qur seja
empregada como artigo de toucador, qur
no oso do bairho, ou como suavisador da-
pelle, depois que se tenba feito a barba;
| para limpar as gengivas ou aromatisar o
hlito.
Da suavidade, brilho e elasticidade as
compleic5est depois de se baver lavado; al-
livia a irritacSo de erupfbes ordinarias; faz
desapparecer o desagradavel aspecto dos
pannos, das sardas, do rosto, rugas e toda a
casta de ebulices, e da vigor e frescura
parte onde quer qne se applique. Sua eftv
ciencia e elegancia sSo igualmente infali-
veis nos casos em que seja preciso applica-
la como estimulante e antisptico, nos con-
cursos e assemblas numerosas, as loca-
lidades infeccionadas, na alcova de om en-
fermo, assim como um antidoto exceden-
te para os desnudos causados por cansaco
ou suffocacSo. Preparada unicamonte por
Lanman Kemp, Nova York, e a venda por
Caors Barbosa.
Joao da G. Bravo & C.
A' venda as drogaras de A. Caors, Bra-
vo dr C. e P. Maurer & C, e em todos oa
estabelecimentospharmaceuticos do imperio
'"'"


M
< -
larlo de entakie Sabbado 13 de Julli de 1867.
RUI liO BRl 3S. 38
0 proprietano deste eatabelecimeato deseja-tfaanwra atlencae dos senbores pro-
pietarios para os acreditados, mecaanismos que contma a foraecer ; 09"qaes garante I
ser comoseoipre. da aelhor qualidade possivel:
KaehiHas de vapor
forga de am canlla para oima. As menores .so mni proprias para motores de descaro-
cimentos de alodio ; ettas viajamarmias e podem trabalbar dentro de U aeras,depois
de caegarem no lagar. EHas levara tefe qaanto preciso para o trabalho.iddwiwos so-
brecalientes. As machinas msiores lo pFoprias para a moagetn de caona, e fea aeuas
que podem fama e separadamente moer caona-e descarocar. Ellas podem*e-apaticar
qaalquer moeata ja existente sem ontra mudanza do qae a substituicao das rooas daaiman-
arra. ba tambera coa moeada jauta. Ellas lera depsitos d'aga* e bomros do ferro, e
Dio precisam para saMsseoUmeato a obra alguma, qur de empina, qur de alvenana.
O lempo para assenta-1* ao uede de d<*e dias ate mais, e em ates de mortes de ani-
maos ou arrombamdutos.de acudes, etc., garaate-se o asseataaeataam aito das. Todos
estes vapores sao simplUsimos oa consarueco, e se regem por qu ilquer pessoa ratelligente,
a facidade da conducen saado especialmente considerada, tarto qae naoiaiogat n que
nao se possam condur*^ttr por torta, quir embarcado. .
Lembra.se aos sanboces de engenbo qae a >fenaa des animaos a* aerMEO oa
geute oceupado no .sensatamente o bao de recuperar da maior parte da despaaa do
vapor, deixando-lhes a fantagem de orna moagera certa e aceeterada ; despeza da compra conlinuada dejwvos animaes,e com os desgostos do trabaluo.que se
tem com ellas. J
Ser tavez desnecessario lemorar a^icompradores de taparea.a Taotafenkpe ibes
resulta de comprarem soas machinas garantidas em ama fabrica, tendo artista* -eompe-
teates para assentar as mesraas e ensinar a maoeira de tcabalbar com ellas, e j.iprepa-
radas para arrenwfcar qo*l:yoer desarraojo; facilidades estas qae jamis pode aacon-
trar comprando ae aos simples negociantes, os qaaes por tolla de cooaacimente na ma-
teria nem se qur podem garanti-iee de que as machinas que vandem ssjam nropaas ou
su'ficientes para o trabalbo em que se queira empf agallas, o no caao-de desastre aso po-
dem prestar Ibes soocorr algam;. sando que anda quando xeobam s fabricas para con-
certar as machinas alheias, torna-se-ha preciso fazer repentinamente moiaes aovas, etc.
para as pecas estragadas. J numeeoaas vezes estes vendedorestem representado seus
vapores como sendo,de fbrfa mni superior a a aclnal* verdadenra torca ; equivoco
este que nao so engaa ao comprador acerca do trabalho qae possa,tirar do vaporjnas
tambem da Jugar, w pagamento de um prego excessivo, vista da torga real da macbma
Que compram.
Tambem ha sempre pr ornato rodas d'agua de ferro, sarrlhos com cnazetas para as
mesmas moendas de carrea de tede o tamanho, rodas de espora e aagolare^ pasees ou
ooches para recebar-o caldo,,crwo 3 portas de fornalha, taixas de torro batido, fundido e
de cobre? formas de torro galvamsadas |ra porgar assaear, bomban ampies e de ropa-
cho, alambiques de tono, eixo&eroelas de carro, arados, gradas,-ettevdaeai cavalto e ou-
irs instrumentos de grieattora, moiohos e tornos pata tozer tar.nuaeaaimente.todo o
ouiecto de inecaanismo de que se costaraa precisar. nMaota,^
Na fabrica se fazem abras novas encommenda e canoertos, coca a .maior peesteza
e s- lidez O arande deposito-de pecas e objectos .babilitanvna'miiopa este fim.
O propietario sersempre mui feliz de poder dar informacoes ou-asclaraBnento,
aos senhores que se servirem de sea prestimo.
D. W- Bowman, engemeiBe.
TRATAMNTd dob- CHABLE, n PABIS
Medico especial, conaultacea, 30, ra Viv
AVISO AOS DOEHTES. SSfaiSSS" -9dm m m .

i'GUERI
&&".

dul e nto ertou cirado? Usei e Att de um ffai'wumn m em 4 da, c ettou inda ruis doeutes. '
DA MAIS AMAOS ^^
e. tare radicalmente sn recahida. Cormmtntoi, tel&cafdo do canal, Ctvrho itmig;
Perat teminaet, euraudo prim^ira a caula tiruloila inflammatoria d tan mmpt
com alfums vidros do meu depurativo do angub fara parar esui taMQtw,
caual e lie tornar a dar sua regidea dou para acabar meu excedente xajopb wcrr
remo et miiiha. injeccacl A cura radical, as uifBOMH p* Suxoa bmcot,
momo tnUmtBto. fTij* noticia explicativa.)
40:000 TOEflTES CliRAOQS
VerdAdAlro InUmeato depuralif*ni. i *?"*_, ^'jLA'r7Ht^lI
pntriioi, tinu, cUgat e afftcpiei xmtrm, huomm, etoda dee hku|
do tao* to eoraai em pwo temj* pr mw xabofb .iw*at?!? o umw
'fc.Tllitrarlrfl""PI
PREPARARES FERREAS-MAHGAHICAS
APPROVADiS PELA academia db mboicira
DE BURIN D BUISSON
nnacMBet, tamal pela Acafa 4 Wei t> Pa
inent.pr*ssor T^inssBA, na ultima ediclo ie seo Tratado de Thera-
pmtm t Mattrim mdK,-reconhece qve os ferruginosos simples so muitas
vetes inefficaies para curar as molestias que teem p*r*ew o empabrecianento
do sangoe. pinitos mdicos dos mais distinetos ataibsam eaae meo exat* 8>aBaena,
n'essas preparac5*s, o nutnganest, qne se ache no sangne, cerno o tero seewbeado
as fhiminoa O mal iurtlg*. umprf i&amente unido com o ferro.
E" peis, presur-seum verdadeiro service aos S"" Mdicos, ochamr-seiaatteclo
sobre as preearatoes seguintes.
o
Vapores.
Vende-seem casa de Saonders Brotbors & C
ao UtiloCorpoSaoto o. II, taporas patentes
cootodw o perieoces proprlos Pa;*J"r
jas ogqMiru macotnas para descarocar Igodio.
Aas agriwrttorcs
SaoadMi Brothers 4 C. acabara de **eTJ*
todas^ertance.,^ mu proprwT)ara faier mo
tar iaabis-d detcaregar Jlgodao, podendo caoa
vasar irabaloar ate com 140 wrras, tambem ser-
vea para enfardar *godao on para oncrovqaaViaer
servido em qoe *sam trabalhar com nimaes. u
matam uaabetn tem a venda machinas america-
nas de SI a 40 serras : preie%deotes dirfltm-
seso larao do Corp Sanio o. 11..________ .
IUV1L
Rna4lt>4Ma<

rs.-
I
I
V
PS &PrPS BISIlfflRUafi sndo mediatamente urna agaa, aeiaolada,
TOO ICriet UiailgalCWi gazoza, agradavel, suhsUtomdo com vantegem
eeenonua as aguas mmeraes terrugimpsas.
Pillas e Xarope de iodureto de ferro e de rnaagaaesc inaltemeis
eootaade eada urna eiaeo centigramos de iodnrelo de ferro manganico indicadas
BarcBlarmente as molestias Tymphaticae, escrdfilosa,fl8>enaraadas at g
rosas e tuberculosas.
receitadas especialmente
para a ctllorosis, a Be-
nwa, a leueorrhea, a aae-
narrhaa. A indicacio de
de lclalo de (erro e de mai*anese
4 Plalas de carbonato ferro mangaaifio
kerttar estas teas preparacoes di os meUwres resaludos.
O f lorin da Buisson desejando obter a adfcjsiO'templete,do puWico medies a
crea do valor de saas preparacoes, previa* qae eBe u pe .gratuitamente a sua
disposivao, dirigeado-s*';
Ha Perntmbuco, a sea agente gertl, Bfavarav O", pbamacenticoa, ra*Tova.
Verdadeiros
Callares Koyer
Electro Magnticos Auediies
Oa Collares AadinOs, parafaeilitar a 4an"
tifio das criaasas contra as coavulsoes
das mesmas, a estes callares oot esciuado
fazer qaaqaer recommeoda^io, i8to a
grande utilidade grie tem prodazido qaeHes
pajs qoe os tem ap|icado em jas circam-
stancias pois nos parece que riSo' haver oro
^pai >g^i.^>j^WgvaoeaaKraii-
a pi1 tanaa ? laai nfraa
filhinhos visto ser um mal qae tanto tss
Jflagella, pois a estes collar aeompanha am
folheto que eosina como se deve applicar, a
vende-se na loja do Gallo Vigilante, roa
do Creapo a. 7, pelo preco de 40000, 30
e 6^000.___________________
Loja do Gallo Vigilante
DE
aiM-ires k Freitas
RA DO CRESPO N. 7.
Os donos deste bem conbecido estabeleci-
mento, tem a honra de avisar ao respeitavel
publico, e com especialidades aos seus no-
merosos freguezes, que acabam le receoer Fri8eo con, superior ibu ioa-rs.
um completo sortimento de objectos de mui-1 Grosas de phosphoros de gaz a ajtooo
to costo e de completa novidade neste mer- Pares de botSes de punho mnito bonitos 80
cado e que os tendo recebido emdireitura os l^T^X^Sff^T noveHo,
poderao vender por menos queoutro qual- 700 rs.
quer. I Taltwres para meninos a 240 as.
Requissimos leques de madreperola 5*ss|> com superiores grampos a 30 rs.
hranra Grosas de P*00*8 de a moitOiflnas a 320 rs.
uirtULd. ... i Bonets para menino^ a 15
Requissimos leques de madreperola preta, (ipentea-com costa de meui a 400
[RA aWWkW.,
acaba da receber B'fBia a magnifica aor
tnaaito de oculos, laa*oa, tBaanlos, lo ul-
timo e mais apurado ffal**i*nropa a occ
los de alcance nara o
martimos.
para obsaP*i#ies epata
)0"*
la* a
Jos Ms-OuitULO
Cartitsis de rteos'de iedas as cores a 80 rs.
Fas*ce d-.#a de Cotot^anmoto saperier a
atascas de e ejDaito,anoaaaO rs.
fliaalsn aftaaaatas bnm qm* fit r .
Pacas de lr*of* Uraaoa de caracol a 60 rs.
Duila d fesouras ptqoenas a 480 rs.
Frascos d'agua para liropar dentes a 300 rs.
Gaasa com rnlralat rtnraixt ai ss.
Ktates"4rSI[s.li5Ajiataj1ejuii:ar .ajiellojLaUP re.
Duzias de pennas de ago muito finas a 60 rs.
Causas de (iota do gaz de..ag aovellos a 60* rs.
Ido da palitos de segitsaoaa rs.
Leaeos de cassa com barra.a 1*0 rs.
Duela de facas e garios de cabo preto a 0600.
artabs d agua Florida verdaoelra lAfcU.
Babaaos do Porto de todas as largaras e leaos c
preoos.
Sylabarlos rom esumpas paea-msniaos a 320 rs
Memento da roopa de lavar a 100 rs.
Dazlas de meias multo finas para senhora a 4 00
Agolbas franeezas a balo (papel) a 60 rs.
Pares de sapatos de tranca e tapete a 13500.
Pegas de fitas de la de todas as cores a 500 ;
Grozas de botoesde porcelana prateados a 160< ,
Jai xas com altioeHes Irancezes a 80 rs.
Gaias de 100 envelopes moito finos a 500 rs-
Resma de papel de peso branco liso a 2J.

I
Vea^e-se na pharmacta de P. Maorer & C, ra Nora.
ata M MI
m
A1 LOJA DEFAZENDAS B AUGUSTO PORTO i L
IIRa do Queimado11

1ZEYEDO dfc FLORES
RA DA GADEIA N. 47
Madapoldo do baldo.
Superior madapolSo camiseiro que val 80 a 6&.
Dito que val 7J a 5i5.'
Chitas da balo
Bonitas chitas cores fixas e panno fino a 3oo e 32o rs. o cuvado.
Balees de caada.
Os mais modernos,.oaloes de arquinhes finos, que por isto se toraam recommen-
daveis ao bello sexo.
Ceroulas e camisas. .
Ceroulas de bramante franeezas a l)>6oo.
Camisas de pregas largas que valem 30 a 20
As meias inglezas do baldo.
Superiores meias cruas para homem que valm 90 a 70.
Rou a fea do baldo.
Sortimento de calcas, paletos, colletes de brim, panno fino de casemira, ludo por
preco commodo. _
O BALlO
ene muitos outros objectos e por insiguiflcantissimos pegros.
^
JN.TECTION BROU
'Jyt
au priBdaam sdeM *
i cTtaur *."
rcaervaMVB, bt^uuae unk* que aa*
a. (Kria* a mnrei|ii ea esa]
Ha.
maliiia ddilivs. Veooe u
Ka'
Vende-se na BoticaFranceza roa Nova n. 25.
,-------------------- .-------------------------------------------------------------- ------------------------
Na ra do Trapich n 16.
acham-se os seauintes depsitos
De R. BrnBiaghans em Naito.
Bonrgogne.
Viibo Pommard tftrto.
Corioolinio. ^fc
Santo Georges'tint. lil
Chainbertit aip. ,,
Rlcbeboafgtrnlo.
i CI03 de Vongeoltii. '
> Chablis branco.
De A.Waefea Fraaefart:
Bbeno.
Geiseubeimer.
L;e,franmilch.
Marcobronaer.

Em C3?a de Tbeod Christiansen, ra do Tra
pkne-novo n. 16,anieo ageste no norte dobrasil
de braadenbucg frres, Bordeaox, eaeontra-se es
r^ .;>:> rnent? deposito dos afliges segoiutes:
.^.Julien.
Si. Pierre.
v Larose.
Cba'.cao Lcoville:
3hav-aa Hargaaz. _.
Grand vin Gbateau LaflWe *W8.
Gn'ean LaSlte.
flatU Sauiernes.
Chatean Saaternes.
Gbateau LataurBIaacne.
Cbateaa Yquem.
Cognac vea tres qoalldades.
Areite d ce. Preeos a BoraBaux.
- l.a.juun ;u Qanftle8 ejiro. tm P
r n-.i o escrlplorio, ?oa ,4o Tr.api.cne n
a prv: .[, os spginles gneros :
FaH iii de iaoilSca n saews, Ifnal a de Me
ribeea.
Caix-4 Ptto dM|aaa.j4o(ia.
Vohorij r (0o
para ;acco:
s^- '.to, 'da fabrica ao
roraraecj--of Poiroso.
F; j de acodas da mesas* fabrica.
Cigarros do Rio de Janeiro
Grande hiniazem de tin-
tas medicamentos etc.
Ra do Imperador n. 21.
Productos chimicos e. pharma-
eenticosos mais embregados em
[ medicina.
Tintas-para todo-o genero de pin-
I tnra e para tinturan a.
.Productos induslriaes e.tintas
para flores, como botos de flores
e modelos em gesso para imitar
iradas e passaros com o compe-
tente desenho.
Productos cbimicos e iadustriaes
para photographia, tininraria, pin-
tora, pyrotecjaiaetc.
Montado em grande escala e sup-
pride directamente de Paris, Lon-
dres, Hamburgo, Anvers e Lisboa
pode offerecer productos de plena
confianca e satisfazjr qualquer en-
commenda a grosso trato e a rta-
lbo e por preco commodo.
Angosto Porto C. aca'iam de receber da Europa superiores cortes de seda de ceres para
bailes e casamentos.
Ricos cortes de blond cam manta e capellaoara noiva.
Cortinados bordados oara camas de noivas e jauellas de 74 a 80 eada.am.
Colxas de seda e ouiras de la e sedao que ha de melhor para camas de nolvas.
ToalbiBbas de croch para cadeiras e sofis, eoartllhjs a sultana para saoboras, camisinbas
com manguitos bordados e lindos enohivaes para baptisados, e bal5ss de mosselina e de arcos para
senboras e meninas.
Luvas de pellica para hornera e senhoras e superiores chap >s de sol de todas as qualidaaes.
La a para vestidosbaiaiissima benitos padrees o novado a 230.
Tapetes srande^ para sof, ditos pra iiaao, ditos para (Am e pea^nis pira portas e janejlas.
Moir brinco e preto sapenor para vestidj< Ij linios il seda de qnadrinhos. eambraiis brancas da coaitas qaiHdades, ditas de ores e lindas percales.
Basquines de seda preta ultima mola, chiias e raDoljs da Raipnra, venia se barato.
Camisas para bornees franeezas e inglezas da lloho e de algjlo iais e seroulas de linbo su
periores.
Capas de borracha, sobretodos e perneiras as malhores e mais elaganles.
Malas grandes para viagens, dita paqueis e saceos da tapete e couro.
Bramante branco de 4 larguras a 2300 a vara, paaaos pretos e azuas, casemiras pretas e de
cores ludo bom e barato.
Neste estabelecimento basempre um completo sortimento de bo.^s fjenlas tanto para a praca
como para o centro da provincia e superioras objectos proprios para casaraantos como sajara capellas, e OUtras quilldaaes.
mantas, vestidos de blonda e de moir branco, cortina los, colchas, vendando sa tud) mais barato al Suspensorios de seda para bomem.
tambem as melbores
Lindos leques de sndalos para senhora.
Ditos de sndalos para meninas.
Leques de fsias muito lindos. ,
Ditos de ossos.
Lindos port-bonqaet com cabo de madre-
perola proprios para casamentos e bailes.
Lindos cintos para senhoras com fi> ellas j
e fivellas de differentes qualidades e gosto. ;
Requissimos enfeites com coques e sem
elle. I
Luvas dejouvin. inteiramente nova?, bran-
cas, pretas e de cores.
Luvas de seda, flo da escocia, algodo e de
outras qualidades para -senhora e homem.
Liadas trancas pretas e de cores c >m ve-1
drilho e sem elle, assim como lindissimas
guarnieses para enfeitar basquines e botes
para os mesmos.
Lindas toujuinhas e sapatinhos ricamen-
te enteitados proprios para baptizados.
Meias de seda para o mesrno fim.
Bengallinha para meninos.
Lio ios peotes de tartaruga, massa e outras
muitas qualidades.
Muito boas escovas para deotes, chapeos
roupa, cabellos, un has e para limpar pentes.
Superior linhas para crochet.
Agualda; para o mesmo fim.
Lindos agulheiros e dedar de madrepero-
la emarfim, assim como de metal.
Lindas guarnices de botoes, para colis,
pannos e colerinhos.
Ricas capellas para noivas.
Meias de seda para senhoras.
Superior thesouras para unhas, costura,
cortar cabello, etc., etc.
Finas navalhas cabo de tartaruga, marfim
Realejos para meemos a 100 rs.
- i. -
rs.
steiras e alcatifas para forrar salas.
11 flua do Queiaado11
O ARMAZEM DE MOLHADOS
INTITULADO
SUoadd aas Cinco Pontas ai. 86. >
Toma 9 subida honra de chamar a attencao dos atoantes da economa para o se
bello sortimento de rovos e apetitosos gneros.
As Duas Americas muito se apraz em recber em qndquer de seus pontos o
Viado Branco, fazeudo-lhe as devidas cortezias em prosa e verso e envidando todos os
esforcos para congratular-se 'com elle o melhor possivel, desejando-lhe sempre rpida e
brilbante carreira.
Alerta grita o Baliza
Quera que junto a mim pisa ?
Responde as Duas Americas Eis-me aqui lindo Veado,
Com carcter puro e franco : Como sempre em boa iga,
Sou eu que veoho saudar Saudando-te como ordeno
Ao lindo Veado Branco. A lealdade de amigo.
As.Mas Americas aprcveia a occaaiio pa'a avisar aon seu> aaiiveis fre-
guezes que o seu grande armazem apa-se prvido de um beho sortiip.^.nio w. e.vpecia-
rias proprias para asjestas de Sauto Amonio. S. Jblro e S. Pedro! Ifecd como thaateiga
ingleza e franceia. amtt'doaa, sortes e outros mutos gefi-ro>.
As Duas Americas pele que lhe peu^cn o desgosto de seu chefe mandar por
bandeira a meio pao com o pedido de =fiado 11= ^__________
MP(rS!I0 (rBRiL
do assucar crystaUsado da fabta a vapor da
povoagao do Monteiro
b. 26 fres 22 de Novembr. a. 26
- O noto proprietario deste grande estabelecimento confida.ao respeitavel poWico,
que se acba de novo unecionando a fabrica do Monteiro, e que no estabelecimento acirai
encontrarlo sempre um sortimento de assaear erystalisado em pans e ralado que se ven-
der nao so a varejo (isto de meia arroba para cima) como por atacado para fra da
provincia.
9
Ditos de algodo para homem e meninos.
Requissimas caixas com msica contendo
o necessario para costura, proprias para um
delicado presente.
Requissimos livrinhos para missa.
Lindos indispensaveis para meninas das
escolas.
Finos aderecos pretos para luto.
Grande sortimento ae finas perfumaras
dos melhores fabricantes at hoje conhe-
cidos.
E muitos outros objectos que impossivel
seria menciona-los e que se encontrarlo na
loja do Vigilante, roa do Crespo n. 7.
LLOS
PomadaGalopeaupara a extraccao e cura r-
pida e completa dos; callos duros, sem a menor dor,
vende se aa
Pharmacia e drogara
DE
Bartholonaeu Conpanhla.
34 -RA LARGADO ROSARIO34
nico deposito.
Collares Royer magnticos
Medalhas e pulse iras magnticas.
A Aguia BraBca receben nova remessa dos pro-
veltosos collares Royer magnticos, y sommamen-
te conbecidos para preservar as convulsSes e faci-
litar a dentigao das eriaacas.
Com esses ntels collares elctricos magnticos
tambem nao pequeas quantidades de medalhas
e pulseiras elctricas magnticas cuja utilidade
tem sido aproveilada por quem soQre do nervoso
hypocondico, tremores as maos etc.
Assim como os collares Royer esto feralmente
conbecidos e acreditados palos efflcazes eOeitos e
bons resultados que tem colhido as pessoas que
dalles tem nsado ; assim tambem ebegaram a ga-
nhar to alta reputago essas apreciaveis raedalhas
e pulseiras magnticas, urna vez que o oso dells
fdr se esteodendo a tedos que ellas necessilem. A
Agula Branca con.ina a receber por todos os va-
pores francezes urna determinada quntidade des-
ses sempre precisos e estimados collares Royer
magnticos e por isso Oque na lembranga.de todos
que os acharo constantemente em dita loja da
Aguia Branca, roa do Queimado n. 8.
iva
i -
VERDADEIRO LE RO
U aiBMaaiKT, DMUiv-Hieta
Rae do Saino, 61, 6l PARS.
Em cadn garrafa, ral, rn\rr ro
qut leva o mu unrtc, um pilulo uupmai a ama- i
rtlIO CODl O MlAO.|il.ElL Bu CdTKr.N., nait'I. *
,V n. r.:ift- j
. tra4 v-iitna'' trJ 5
df S lr..iin>i s>- (
>aMiHatn.-w i.tv; i
6(1 .. I- s'a i
|il 'I H!HI-i,f../-|-if
S)HWi|Wi i .1
aalcr tomn
DOCTEUr-MECECIM^^X^
ET PHARMACIEN
Deposito na pbarmacia de P. Maurer e
C. em Pernamboco.
xarpeImep nativo ""
DE CASCA DE LAIIANJAS AMARGAS
COM IODURETO DE P0TASS10 .
DE
f.P. Laroxe.
pharraaceuiir.o em Paris
0 ioduretodepotass;- um verdadeiro al-
terante, um depurador de incontestavel eflfi-
cacia; combinado com o xarope de casca de
iaranjas .margas, aturado sem pertubaco
alguma pelos temperamentos os mais fracos,
sem alterar as funecoes do estomago. As do-
se- mathemaiicas que elle contem permiltem
aos mdicos de receital-o para todas as C(.m-
plecoes, as allecces escrofulosas, tubercu-
losas, cancerosas e nos accidentes intermit-
ientes e terceros; alm d'isso, o agente o
maispodriroso cootraas doencas rheumacas.
Deposito em todas as pharmacias e casas.de
drogaras no Brasil.
Expedicoes, em casa de J. P. Laroze, ru
des Lions-St-Paul, 2, Paris.
A' venda na pbarmacia de P. Maurer A.
G.a, ra Nova n. 25.
Rotondas
816
Vendem-se roiondas de
ment n. 26, a 22000.
na ra do Livra-
bf
II *.1 39
i pelos sabios medi-
ares at hoj diseoberta
Xtt'auc 4eaaiea BawUia a- P-r
OU
F4B IC4NTE DE OBINAHENTOS E 1GKEJ4
Ba do Imperador N. 23,
Mft'RATIVO DO SAHGCE DSXtd
ii un ir
eposilo
LESTIAS DE
TICAS ,K CtCERAS
Defr^ite 4e S. Francisco, Y andar.
Acaba de recabar -da -Per -um rico sortimento de ornamentos e objectos de
bronze, prataadosedoarados, proprios de igrejas e capellas, taes que ^ ceaaekrbrfs,
Pharmacia "oPioto ra.langa^BoNri-uu-! casticaes, custodias, turibuJos, lampadas e cruzes de diversos gostos tamabos. 0s
1 mero fO. 1 preeos desses gneros sao-comaaodos, e-devem ser aproveitados.
DI
Peparag5es mui pro
coMe.eVrifc.WMW
para a corJOetta.ae,jlas as molestias do peito,
broqchites agpdos e ebrouicos, asthma e anda das
affepeaes ds .Tas armarlas-
BifOSlTO KSPICiAL
-^a lwai* Bo8axie^34
Paris, 36, Ra Vivienne, 1>
CHABLE MDECIN SPCIAL
DAS ENFF.RMIDADAS DES SEXUAES, AS AFFEC-
^QES CUTNEAS. E ALTERACQES DO SANGUB.
S0.0O0 coras das impingent,
pstulas, herpes, sarna,
comixoes. acrimonia, e ai-
lercoet, viciosas dosanguf,
virus, e alteracoes do san
gue. (Xaropa vegetal sem merenrie). Depuratiraa
vesetaea BANH08 MHiniES tomao-se dous
por semana, segniodo o tractamaolo Depurativo: t
empreado as mesroas molestias.
Este Xarope Citracto de ferro
de CHABLE. cura immedia-
tameote qnalqurpuroocao,
relaxacao, i debilidae,
igualmente os ftuxos e ftorss
brancas das mulheres.Esta injeccao benigna av
prega-ce com o Xarope de Citracto de Ferro.
wiinaWM, Posada qae u cara em tres diaa.
POMADA ANTIHERPETICA
Centra: as affeccoes cutneas i cornisn.
PILULAS VEGETAES DEPURATIVAS
<"'.....aaa^aaaaaa^iMwpitaadadstai
DEPUATIF
dv> SANG
PLU DE
COPAHU
ww mm
iii r
TOIGET
,nmajHie/cb(talf.te
DlfiOS.
~m\ inmi
W
krnt-
t total akeencas
i; basta ni doent*
Forcet.
.^rTMjw*JPs^*a#J(W^ *
A venda aa"paaiaeHi','ie P.plaarer 9
e C, em Peraeaibaea.
ltate a iQO rs. *ww
m libras a^ft rs^aseliMas *pva a-aoo rs. a ao
crela : ff i il|T[Plllli" ""
4a.iH>rt
t!tW*SI5
rhombo de muoici*a onJalil :* WA to
mm
Chegon ao antigo deposito ..da Hen
gjro do Imperador, um cr&aipe
orimaira oaliaadMraoalaaMaaie 1
retal ho per aseaos preeo do qtm
raer pane.
i
Forster &
de gaide
partjdas
tt-1 qual
1=_______ Aia*iaSiA
Veode-se ama casa de tipa oa treges! do
ft>rro, ten sitio e oommedos grandes : a tratar na
epa Augusja n. 9.
u

$




L

f


;
.
i
<*.
Joaquim de AlmeidaUnto
A jurubeba contra o, ingorgi-
tamento. do figado e do bago,
Em extracto ateooHco, emplas- Vapores de forca de 3 a 4 cavallos.
tro, oleo-, tintara, pitillas, : Serras avulsas para machinas.
xarope e violto jManeles e todos os mais pertences para as
A jurubeba urna das substancias med-' mesmas.
cameotosas que pertencem ao reino- yege-, Carros de mo para aterro,
tal, e pertence a classe dos tnicos e desobs- Cylindro para padarias.
truentes, sendo empregada com vantagem Debulbadores para milho.
contra asebres intermitentes acompanbadas Arados tmericanas.
deeDgo gitemento deOgad&edebace. Ella Carrinhos proprios para armazens.
tem sido applicada cora incontestavel pro- Moinhos para refinaclo.
veito contra a anemia ou- colorse, e hydro- dem para m'lho.
phesia, catharro da bexiga, e mesmo para Escadas de uaadeira americanas,
combater a menslroacao difficil, resalante
da mesma anemia ou cblorose.
Depsitos ge raes
Em Pernamboeo, ra larga do Rosario
n. 10, Rio de Janeiro, pbarmacia do Sr.
Dourado, Rio Grande do Sul, esa casa dos
Srs, Casco & C, Macei, pbarmacia do Sr.
Claudino, no Havre, pbarmacia de Mr. Ma-,
rica!, em Lisboa, na pbarmacia do Sr. Feij.
Alm do grande sortimento das melhores machinas, americanas par? dgscarxocar
algodo, de 10 12, 14, 16, 18, 20, 21, 2?, 30, 35, 40 e 50, Ueste etfabelecimeoto se
encontr mais o seguirte:
Azeite de espermaeete propria para machi-
nas.
Caixas com vidro sortidoe.
de todas as qualidades.
Bombas de japyz. ?.
dem americanas.
Farros para engommar a vagpr.
Vassooras americanas.
Baldes americanos para compras*.
Tinas de madeira.
Ballaios e cestas de verguinbjj.
Guarda comidas.
Peneiras d'arame para padarias e reflnaces
Correntes para alraapjajra.
Machados e fac5es amercano.s.
Barricas com milbo branco. americana.
roa do Crespo n, 1 A. esquina da *o Kaa^rador
DE
Custodie )osd Alves CulEre*.
GRANDE SORTIMENTO
DE
LOJA K AftMAZKM
DO
Roa da Iftiferatrlc d. 6b
se
ra:. Ai SILVA.
Os propr'retarios dose grande estabelecimento acabim de receber da Enropa um
grande-sertmento-das melboree fezeadas etta, linho, algodo esetfa, as quaes vendem
por precos- baraiissimos, aam de-apurare dinbeiro, dando de todas ellas amostras,
demando flear um perrhor ou nwndam-nas levar em casa das Exmas. familias pelos seos
caiseiros; assim-como- as pesaoas qoe negociam em pequea escala, neste estabeiecimen-
te cempnario petos mes procos qoe secompram as casas ingiezas, ganbando-se
\ apenas o descomo.
Cnsemipas pretas aesUdas a | 6bo
Na loja do Pavo vndese superior eaaeojBM
eoregiada pr^ta, .paja, calca* e patetas. *elo harala
Preco de tfiOO n cnVarin mi a ?aMVtrada < rt
preco de 1600 covado"' ou a 5j80O"cada c r'te
le caifa, dita- mol mate fina, covido a 2^200
oo o eorte-a 33500, rt'rtas omito Qnas semserem
eafenadas a 1,1809, 2*000 e 2J0Q cada, eov4o.:
na loja e armazem do Pavao na ra da Imperatriz
d. 60 de Gama & Silva.
As casemiras do Pavao corte a 3#>QQ.
Vendem-se boiiilos cenes de casemiras de,cores
escoras proprios- psra- o t^mpo de'invern,pelo
tara pfego de-JOS0&, u o covado a 2*060, **.
o eafestadas, ast*a.cQOW booiUs, meias caspoi-
ras escoras coqi,meju;U. dejgeda 64(1 rs. o covado,
ou 2}24a.o corte d calca, sendo fazenda at mujio
propria par* es senines qoe freqaeotam a escola*
telo m laja e armaMmdo Favo d ra da Irope-
Wnz-,R,60-!de^*a)*i& gilva,.
Ceieiia* para saias
so na loja do pavo.
Ven.dew-se,,pc,a,s,,.de calel.de.algcdao, sandp
achamalotaia ewoito propria pa,ra sajas oa ouira
qualqoer especie de roopa branca, pelo barato prf-
co de 40X0 rs. pes* coa 40 varaa, on retattaaie
t oolvas.
Vende, o. Pavao.
Reos- cortimdcs bordados a 8*000,105,16*
iQl e 2o* o par-; assim como os mesmos tambem
servem para janelias; ditos adamascados a 105 e
12* ; bonitas pegas de cassas adamascadas para o
mesmo erTelo; bonitos damascos de 13a de orna
e doas larpura, proprios para eolebaa, assim no-
mo bonitas cjlcbaj} de croch: tufu Isto se vende
mais barato do que em aotra qualqner parte, na
loja do Pvao, roa da Impera-triz- d. 60, de Gama
l Silva.
Cascas decora 24o rs.
Xaropee Thabo ferrngiaoso de
Jarabeba eoni pyropbospbao
de ferro.
CblomMvaMOisviMerafirlab, Nobrtiemo, blonnor-
rhagia, toacorjthsa. ebres iniermiteoies e ame-
norrha (menstroaco dolorosa e lrreg'j .i)
etc., etc.
Ha mono qoe riobamosem vtou asoociar o ferro
as noMM preaararofis dejorababa ; ma levamos
tempo a expettmeatar qoal a preparacao ferrugi-
nosa, qoe mais conviria ao organismo hamane,
vindo por Km a decidir nos pelo pvrophospfcato
de ferro, com o qnal podemos prepara r us n.-?-s
xarope e vinbo de jurobeba ferroginoros.
Temos a observar, pprm, qoe o-uso dos medi-
camento de joiabeba com o pyrunho.-priaio e
ferro nonca pode occastonar a pbtysicr. as pf
soas anda as mais delicada;, como murtas vetrs
tem oo'ecida al a pessoaa roboslaf, qoe se tha
servido do memo melicamento preparado cem
oalras substancias 'ferroginosas, po: isso que o
pbosptjoro debalxo da fArma de pyrophosphato,
om meiaproptirlaii'oTeeanbecdo ioflllvH coa-
tra eslt terivel affetcio.
As preparacSes de jurubeba, a qoe basemos a-
sociado o pyrophosphato de ferro, sao mni provei-
tosas no trtamento das molestias das senhora,
taes como a Morse, anemia etc.
Estaa molestias manifesttm-se com os syaptu
mas seguintes :De&coramento geral da pelle e
das membranas mocosas, magreza, in^hacao $
faces e das peras ; excitadlo nervosa, hj"sterf<-
rao, metneolia, efellidade nmcnlar, dore* ni-
vralgicast, pulso mais freaaeoie do qus no estada
de s^de, calar febril, pelle secca, appatites de-
pravados, vmitos, prJ'o de veotre, menstrutao
dolorosa, irregular, pooco ahondante, decorada-,
boII, floree brancas, amenorrhsga e iofecondi-
dade
Dste estado espantoso, alias to ordinarian? ate
reconbecido entre nos em crescido numero se-
Veadewa-ura beaiio soitimento de cmsjs d nboras, desapparece 6 como prodmte nso das
icreg, pejos aaraBWDOs precos da 240, 280 e prepar^oss cima.
329 rs. o covado, assim como um bonito sorti-
meoto de cassas francezas com listas largas a 800
r a vb, fioissime- orgaodys malisados a 1 na
loi e armaiem do PavSo, roa da imperatriz n.
60, de Gama & Silva...
Qrgandy a 1XOOO.
Vendm-se bonitos cortes de organdy
sendo com- Hstras todas brar.cas ou cura lis-
tras de. cores tendo orto varas cada corte,
a 440 i s. a vara;' na loja.e ajm^m da Pava; pelo baraf.- preco de 4,5, pecbincha: na
ra da^joip^trz n,.60..de. Gsraa,^ Silva. l loja a armazem do Pav5o toa.da Imperatriz
B.60deG,,maoSiJva.
C bitas'a 209 240 r*.
SfltS ECt^OMlOAS A 352OO.
Unioo depoeUo destes medicamentos :
pharmaeia de i. A. Pinto ria larga do Uo-
sario n. 10. emPernambuco.
Perfumari s finas,
INGLEZAS DE GOSNELL C.
E FU A.NCEZAS DE E. I'ENAUD.
A amiga e bem conbecida loja de miude-
zas ra doQueimado n. 10, c ntinna a
estar provida de finas-perfomawai. liver-
No armazem de fzendas de
SantuS rOelko%TUa. do Quei~ sortimento de fzendas Anas e da ultima moda'em Paiis, e apr05imanjd"-se as'fe'stS^'p^S^^bnuTwn^a^ > silva
m-aflnn 19 Si^Jo3' S" P?dro e S3nl'Anna. Por sso apressa-se em vir convidar o respejtavel publico, lef ""aamente na atropa e vendem-se pelo eas ia*iez~ a '
muaOJl I. e ^q, eDC M nnmprnsn(l frenMW1. _n. vanhnm BW *^ ,, Vi^__Yl barate preoa de 3OO.eadao-., na WenMiemi |KMI a D|V a
Tendo recebido em.direitura pelo vapor rancez Estrenadle, um variadissimb. vae conpostanSo,se,njawlc.Umap mesmo. temado m loa' a.
O CC raZeriilaS filias P a Ultima marla Om Paiic a tni..ivirin,l>i m rM.r An [iin5nmilit.il.!-.: mir Icroir. linH.chirrio fntnr, t______..._ n
sos fabricantes acreditados como ijisnei e
S.a*a laja dt P^tO. "fibUasia Yute 248 r*. Penaud, sendo deate, excellente- extractos
Cbrgeo nm grande sortimento destss novas satas fon^r.,;, rhil- -.i^ j- ,,. a,a.; Pra lOOCOS. agu de Colonia, oleo, 'wnhj,
#w* pr<*rws para impo remito assaubraueas oom qi-cma.seaaoia;;Peiobaratt pjMCO de 3ftO.a^rs. O C0T->
araauem
e com especialidade aos ses numerosos freguezes, que veuhara ver q que ha de mais
uoin e naraio moderno neste mercado. Como seiam :
Cambra-a deores mat.sadas fimss.mas a RiquiSsimos cortes de seda para vestido! Ditas de algodo de differeote, qualida-
IdemTrncas transo-ente finas de 45 a ^ '***' X? '?*<\'*\9Vx ^s e preCo para homem, senhora e crianeas,
, .m-^f !.r2SpJreflle noas ae *"J L,ndos cortes de foulard de seda,, pelos Luvas de todas as qualidsdes.
; baratissimos precos ie 25i, 305 e 355. MadapoUfo' francezo que demelhor"
Corles de blond para noiva, trazendo cada no mercado,
corte fijas de setim, capella e veo. Orgaadj rwaa.coTnlfritatv
Ditos de dito com peaueno toque a 405
55, 65, 75, 85 e 85500 a peca.
Baloes de arcos para senbora a 25500.
Idi-m de arco> e cores s 35500.
dem de arcos braacos nesgados a 35 e
35500.
dem de mursulina a 55.
dem de mursulina para meninas a 35 e
35500.
dem de arcos para meninas 15600 e 25.1
pequeo toque a
e505.
Moireantique branco, azyl e preto.
Seda branca para vestidos de noiyas.
Grosdenapoles de todas as cores.
Riquissimas basquines de seda preta, bor-
Cambrcia de salpicos branca a 45500 a a,jas ^jq g0St0
peca com 8 i/2 varas. Lindos cortes de 15a com barra edeulti-
Idem admascada.para cortinado a mla;ma moda lendo cada corte o seu fiurino.
peca com 20 varas. i Riquissimos corees de mita. 15a cora lis-
Mem para forro, a 35 a peca com 10 jar- tas dese(ja para vestido, esta fazenda re-
a 1 en ti comoienda-se rauito por ser inteiramente
Retondes de fil a 65. 1 n0vdade.-
Chales de fil a 55. { Ditf da n^smairailidade porm em pecas.
^T^ ai?braia braDC0**DOS a W- Requissimolrlnsparent oTsedpara ves-
25 e 2f>5W a dazia. tido de senhrastambem novidade.
Lencos de cassa fimssimos a 35200 ej Riquissimasgravatinbas,para senhora.
j^b'j a auza. Ditos cortes de barege e de la para ves-
Cambraia de Itabo rauito bna de 6# e 95 a tidos.
vara. i
Madapoloes finos de 75, 85, 95,105,115
Dito de urna s cor e com listas da mes-
ma cor.
Chapeos de seda para homem.
Ditos de pbantasia para homem.
Casemira preta mnito fina.
Ditas de cores inteiramente novidades.
Cbapos de sol com lindos castes.
Toaihas de labyrintho muito ricas,.
Ricas fronhas de labyrinto.
Riquissimos lencos de,dit>.
prego de 3JO0 cada u a, na Mja e armatem
do Pava, ru da Jofflrariz,.n. 60 de>Gama va.

daazia.
Vendem-se meias inglesas para homem a
EspartilhO. 55OOO a dutia, ditas para senhora a 45000:
.Vea4em.Be magatices espartlbos franaeie: eiDa loa earmafem do P-avao : na ta da
ingles naioja e irmaiem do Pawo, na roa da ImperatXU 00 de-Gama e Silva.
im#erairii a. 60. de Gaw 4 Wva. Chales baratas
PANNOS DE CAROCHE*. ifi, 3$5^, 05 e 75000.
,a7n?fn;seaamhBMBl,d*60rtitB?D"J ** "f*" ^ \ VndeiB-a chales de merino estampados
tns paqpps de chrocn.es p/pprios psra cadeiras, so- a- ... .. txnn a:.^, ....^a,.
pas, cadeiras d bataneo, para almofadas e para \ ** ditOl-liSOS a 3*500, dttos estampados
cobrtr preseotes, e veederase por precos baratee finos a 55300, 65. 65500, ditos- crepon
na loja; e atmarem *o-i4fao, na da Imperalrii! com listras de seda a 75500- 0 85000,
n. 60, oe Gama_ SiIva i pechioch*: na-loja e armwem. do PavSo
' ruu da Imperatriz n. 60 de Gama e Silva.
As ib mil varas de cambraias
Covado 300 rs. vara 500 rs.
o Pavao
Vendem-se fitoissim cambraias france-
zas com listras miuda e graudas e com
lindos desenhos de flo'es e palmas, sendo
Lindas chapellinas de seda para senhras.
Ditas ditas devdila para meninas.
Cbapos de palba para senboras.
Riquissimos chapeos de sol para ditas.
Platilba ce algodo superior fazenda par-'IntSS^tTSd8 ^ CqU6 SaC3la"
saias a 35200 a peca com 10 varas. j n
Cobertas de chitas da India, muito grande
a 25600,
e 125 a peca.
dem enfeslado muito fino a 95 a peca;
com 20 varas.
Lences de hamburgo fino a 25400.
dem de bramante a 35200.
Pannos adamascados para cubrir mesa a
45500.
Guardaoapos de bobo adamascados a...
3-5500 a duzia.
Ala I hado adamascado com 7 1/2 palmos
de largura a 25 a vara.
dem adamascado de linbo com 7 1/2 pal-
mos de largura a 35 a vara.
dem trancado de algodo a 15500 a vara.
Algodo enfestado com a mesma largura
a 15100 a vara.
Toaihas alcochoadas de linho a {15 a duzia.
dem com pello a 135 e 145 a duzia.
Fil de linho liso a 800 a vara.
dem cora salpicos a 900 a vara.
Grosdenaple preto superior de 45800*
25 e 25500 o covado.
Morantique preto superior a 25800 o co-
vado.
Flanella de todas as cores a 800 o coyado.
dem branca a 600 o covado.
Bramante de linho com 10 palmus de lar-
gura a 25500 a vara.
dem de linbo com 5 palmos a 15200 a
vara.
dem de linho com 3 1/2 palmos a 800 a
vara.
Assim como outras muitas fzendas qoe
se vende por menos que em outra qualquer
parte, e d-se amostras de todo,________
Riquissimos leques de madreperola.
Ditos ditos de sndalo.
Luvas de Jouvin preta, branca e de cores.
Chales de seda.
Ditos de cachemira.--*
Riquissimrs manteletes de cores, inteira-
mente novidade. >< -
Riquissimos ciptos para senhras.
Riquissimas fivellas para datos,
Riquissimas cobertas.de ponto de crochet.
Meias d laias para padres.
Ditas de laa para paJres.
Ditas de seda para seuhoras..
Ditas de dita para creancas.
Laja G>>pavio.
Vene-se seiia. da China preto feudo urna fa-
zenda mnito leve e sena lustro com 6 palmos de
' largura proprio para vestidos e renpas p'ra ho-
! mem peto barafr preco de ?000 o covado men-
1 no preto enfestao maito bom a I600, superiores
Rendas, btcos da trra e grades para lencos, bombazioa* pretas a i^uuo, jooe ooors. o
Urna requissima toalha toda aberla dela-;covad.superior cantao a i$qo, lanrinpa preta,,
bvnntho o aue ha de melhor neste cenero lisa a 4c0 e300rs- ocovadp. om grande sort- todas com as cores mais modernas emais
Pei^ ?eo, *'paP"Deei pretas qoe se ven- hndas que tem vindo ao-mercado, peloba-
fetos e linDo Doraaos para camisas e dem mais barato qoe enj ouira qualqoer parte, oa! nrlm ap vn ., n m..nn nn no a-
"0'VOS. loja e armaiem do Pavo, ra da Imnerairii, n l V*& m 7^.*%?**!***.%?' *
Collarinhos de linho inteiramente novi- 60,e d Gama & Silva. BfcL1 8 Perucha aHndendo a
e i Bramante de linho. grande porcSo que tem,.senSo sena para
*, .... Vende-se superior bramante de linbo com der mqito mais dinbeiro : ist na loja e armazem
punnos e gomabas, paro senhora. | palmos de tartnra pelos baratos pre?os de 2J40' do Pavo, ra da imperatriz n. 60 de Gama
Riquissimas saias bordadas. : 2600 e 2^809,3 vara, superior panno de Idbo gilva
rs!areva"a, pP chales de ret>da a 4#.
cas de flambrgo de linho muito superior a iOJ Vendem-e bonitos-ebales pretos de renda che-
: lid e #, algodaotinr'intestado liso mnito eu- 8dos oltimamente pelo barato;preoo da 4J : na
corpado proprio para leoooes a var a !4, dita en-| 'Ja e armaiem do Pavo, ra da Imperairlz n.,60
tranca/Jo mnito superior,,(atetida. com. a mesma de Garoa s''Ta
dade.
Riquissimas camisiuhas para senhora. Pr.oprii para' leoce*. tpaibas e serenias, na-.|
Cassas muito .finas e ioteiramente noviaa- i ]barj*? precd
des.
Riquissimos veos e mantas de blond.
Ditos chales de toquim.
Fil de linho, liso e de salpicos.
Fil de seda, dito e de ditos,

Espartilbos para senhoraint.ekamen.te. noMe apurar dintwiro, naioja e Mfm do Pavao,|de orgKaDdys Dara ves,id0Si tendo 10 TM c dft
I
vidade.
Lindos baloes de lita para senbora,
DUos.de dita paramieoians.
Ditos de muculioa |*ara senhora.
Riquissimas vesttenlas para .baptisados
contendo. rhnprmBwbr', mpaJllpTj meiasioba^
e camisinha ricamente bordada.:
Cdeiros bordados muito finos.j
Uro rieo lencol de labyrithft, proprio para
cae-amento.
Chitas, cambraias, madapoloes e muitos
outros objectosb que se deixa de menioaa,r.]
0 dono deste importantissimo estabelecimento contina nos- proposito de qce-
largura a JS200 a vara, assim como mais ama in-
flnidade de faendas brancas que se vendem mais
baratas que em outra qoalqoer parte ; com o- lira
\ovos vestidos a 6^000.
Na toja do Pavao.
Gbegaram os mais modernos e bonitos cortes
ra da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Leucos brancas
a 25000, 25800 e 352oo.
Vende-se um rnde sorliment) de lencas de
cambraia branca pelos baratos precos de 2&000 e
2^80'J a dutia, assim como ditos com lista de co-
res fixes em volia, tanto proprio para homens co- ,
mo paia meninos, que.se vendem pelo barato "aiB* S1|va-
preoo de 32200 a dutia, dilos grandes de cassa I i- -
za que se vendem a 300 rs. cada um, n? loja e
armazem do Pavo, roa da Imperatriz n. 60, do
Gama & Silva.
corla, sendo 7 varas listadas para salas e 3 varas
sera lisias, mas com enjerte para o c >rpo (oa ca-
saqoinbo) garante se neste genero ser o mais mo-
derno que tem vindo ao mercado, tendo entre el-
les mmto9 brancos com listas e enfeites prelos, e
vendem-se pelo barato preco de 6&, unloameate
no armazem do Pavo ra da Imperatriz n. 60, de
Madapoln Bcchincha a g$
Vendem-se pe?as de madapolSo sendo fa-

v uuuu uesMJ Huyvi miuu&iiuu cw re""""""" wwuug v^.hu "WM"" zeoira muiia stipenut wm jurutis odua : prencas para enfaedar algqdo fazendo
rer vender muitoe.g^nhar poucp,.paxa o que,sugeita-sea,g3obar uniearaente o-detcento. pera pelo barato preco de 6(J, dito muito [ eos com 6 palmos de compnmento com c
tois superior a 6(J*00 e 7J, assim como '
-M*-


Lourenco Pereira Meudes Guimaraes.
Farinha de mandioca a 34800
armatem de Candido Alberto Sodr
travessa da Madre de Dos n-ia.
o sacco : no
4a Malta na
------------:
Boias
Vende-se na fundico da Aurora em Santo
Amaro, 2 boias de folha de ferro de 3j8
grossura, com fundo semispberico e altura
cnico,, tendo 15 I|2 pahnos de alto e 6 3|4
ditos de dimetro com olbaes manilbas e 2
balas de ferro fundido para amarracSo, etc
emeoios do Dr. J. G. Ayer, ex-late
da laiversidade de' pensylvaaia, its
Estados-unidos,
Bxlraeto conpaaito de salsa-par
rlltia de Ayer.
Pe toral de ce reja.
Remedio parasezoe*.
Pilla* eatharticas.
O deposito caatral para as. provincia
Pernambuco, Alagoas, Parabjba e Rio-
Grande do Nrte,.destee remedios to fa-
voravefmente conhecidos e acolhidos em
todas as partes da America do Sol e do
Norte, acha-se em casa de Theod Chrls-
tlaoao4, L6 ** Trapicho en
PeraaaolaBaoo.
Os precos de
335 por duzia deestrac* e sefsa-parrllha.
274 por duzia de peitoral de cereja.
270 por daa- de remedie para seioM.
7i5 por duzia de plalas eatharticas
se entiidan o
o descont de 5 por cento em qoantidadei
de 6 a 12 duzias, e de 10 por cento em
quantidades superiores a 12 duzias.
Proprietario das lojas e armazens da
Arara, ra da Imperatriz
ns,.56e72.
Tendo recebido pelos ltimos vapores da
Enropa diversas qualidades de fzendas do
que faz.ver. ao, respeitavel publico, vende
barato s alim de apurar, dinbeiro, como
nenhnm outro.
Attengao.
chitas a 160 rs o corado.
Vendem-se chitas em retalho a 160 rs. o
covado.
Ditas em peca a 200 rs. o covado: roa
da imperatriz lojas da Arara ns. 56' e 72.
Panno preto nao a 1600.
Vende-se panno fino preto para calca e
palitots a 1,5600, ti, 2500 e 3jJOOO o co-
vado, cortes de casimira preta para calcas a
34, 30500 e 40000: ra da Imperatriz lojas
da Arar2, ns. 56 e 72.
MOZAMBIQUE A 400 RS.
Vende-se urna nova fazenda com palmas
db seda por nome mocambiqne para vestir
dos dsjenhora a 400, rs. o coyado: ra da
Imperalriz lojas ns. 56 e 72.
Baldes a 2*000.
Vende-se bal5es de arcos de todos os ta-
jaanhos a 25, 30 e 35500". roa da Impera-
lriz lojas da Arara n 56 e 72.
LaaztnhaS a 200 o covado.
\M, 180. 200, 250, do ultimo gosto: .ra
da Imperatriz ns. 56 e 72.
Madauolao de 24 jardas a 40000.
Vende-se pecas de madapolSoam 24 jar-
das a 45, 55, 60. 75, 80 e 100000: por
estes precos s oa Arara ns. 50 e 72.
Algodosinho a 35 a pega.
Vende-se pecae de algodoeinho a 35, 40;
50, 60 e 70000-o mais barato que se pode
vender: na ra da Imperariz na. 56 e 72.
Cotim e castor para calcas, a 800 o
corte.
Vende-se corles d cotim e castor para
caicas de homem a 800 e \6, ditos de brim a
1 f580 e 15600, ditos de brim pardo liso a
15200 e 15400: ra da Imperatriz lojas da
Arara ns. 56 e 72.
Baceie com listas a 32o-
Veada-se baneje com listas- para vestidos^
de senbora a 280 e 320 o covado.
LSasioha escocesa a 280.
Vende-se I5asinhas escocezas para vestidos
de senbora a 280, 32a.e 400 o covado: ra
da Imperatriz loja e armazem da Arara ns,
56 e 38.
Roupa feta- nacional.
Vende-se palitots de panno fino, saceos
[fraques, a 55, 65, 85 e 105; ditos de
casimira de cores a 45, 55; 60, 80 e 100-;
coletos de casimira a 30, 30500; calcas de
Vende-se ISasinhas para vestidos de se- \brim.pardo a 40600, 20 3 ditas brancas de
nbora a 200, 240-284V530,-400 rs. o co- linho a 30600 e 45 cenootes a 10, 1560
vado: s n ra da Imperatrix ns. 56 e e20; calcas doeattoria 10*80 e40600.
72.
Chitas fraoceaae'njia8.240.
Vendaje chaa feanceMS. largas a.240,
280 e 320. o covado: ra da Imperatriz
lojas da Arara n. 56 e 72.
Chales de merm a 20ooo.
Vende-se chale de-rnirin estampadas a
20, 20500; ditos de 13a a 10000, ditos de
parrtBsia a *0OO(r_^ raa da iBiperatrrz loja!
rate, 00a da Arara n. 56 e 72.
Basquinas a 140000.
Vende-se basquinas ou casaquinhos de
Grosdenapoles preto para senhora. a 140,
Palitots de alpaca branca ede cores- a 40,
40500. e pretos a 30V30WO e 40.i Palitots
de brim a 0, 20500? roa" daitaaperatriz
os. 56 e 72.
Cobertae de corta > ds Arara.
Vende-se cobertas de' chita a 10800, 2&
20500 ; ditas de damasco-' 40 ; ditos de
fusto a 60 e 60500: ra da Imperatriz lo
jas Arara as 56 e 72.
Vende-s bramaate para-lences s 20^(60
e 20980 o covado; e muitos outros objeete
que seria enfadonho mencionar.
Ra da Imperatriz ns. 56 e 72,
VENDE-SE
Motores americanos para dons cavallos.
Dito dito para qoatro cavallos.
Maduras para zonda muito saperor com 1 jardas cada l8'^J^ Stuiu aieodo- fazendo os s
o peso de
ioO e 200 libras, viadas allimameste da America
no armazem de Heory Forsler & C., no cais Pe
assim
drto (missimo a 85, grande pecbincha : na
loja e armaera do Pavao ra da Imperatriz
d. 60 de Gama Silva.
As chitas baratas
Fia laja do Pavao a 240, 280, 320 e
360 rs.
Vendem-se urna grande porco de chitas
finissimas com pequeo toqae de mofo, ten-
do miudinbas e graudas,. que ?e vendem pelo
barato prego de 28Q rs o covado, sendo h
zenda que val muito mais.dinbeiro, ditas lar-
gas e escuras sem defeito a 240 rs. o cova-
do, ditas preclaras escuras e alegres a 30 e
360 rs., tudo isto pecbincha na loja e ar-
mazem do Pavo: ra da Imperatriz n. 60
de Gama & Silva.
.
Para calcas
Vendem-se meia casemira muito encorpa
da e escura pelo barato preco de 320 reis o
covado ou a !5tf26 reis o corte de calca;
sendo fazenda propria para calcas, paletose
coletos, grande pecbjncha na loja e-arma-
wr de PavSe, ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Chitas p etas a 160 e 200 rs.
Vendem-se chitas pretas ingiezas com sal-
piquinhos a. 260 rs. o covado, ditas lizas a
160 rs., no armazem do Pavlo: ra da Im-
peratriz n. 60, de Gama.& Silva.
dio l n. 2 junto ao Gabinete Portuguez.

i
Ataalhado.
Vende-se superior amainado de algodo ada-
mascado cpm. cito pannos de largora, vara a 20;
dito transado sam ser adamascado vara a l***'.
dito superior de lmho adamascado vara 30800 e
31, goardanapos de linio cr que sao os mais
eaonw*oo.a.0fa,.lawu, o* loja e armazem do
Pavo, roa da Imperatriz n. 80. de Gama 4 Silva.
Vende-se urna graade por cao de chita^
francezas coa:m*iites Uwiloa desenos, pelo
barato preeo do 280 rs. o covado, por teri
um pequeo toque de mofo, sen lo de cresJ
seguras e garantindo-se que soltara o mofo
logo que se lavem ea nao terem este pequeo
defeito seriara para 400 rs. o cavado, esta
pecbincha acha-se nicamente na loja e ar-
mazem do Pav3o : ra da Imperatriz n. 60,
de Gama & Silva.
flfande reducto
NOS PRECOS DAS
PfepfLrages
LamiBaB h Kemp
SaJsa arrfca de Bristol duzia 330,
Agua Florida de Hnrray & Laoman 100.
Anacabnita peitoral de Kemp 220.
En qoMto a afoa florida preciso a maior cn-
tela cootra as falsiBca^de franlnteatas francezas :
as verdadeiras prepar^d^s se vendem no anteo
deposito roa do Trapiche n. 8.
~ XAROPE
DE CASCAS DE LARANJAS AMARGAS
ae I. P. i;aroze, pharmacentico
can Parla
2 unos de sucetssos attestam a stu eflleatii,
como:
tomco excitante, para ajudar as fnac-
cs do estomago,, assim como dos intestt-
nos, e curar as doenfas.nervosas, agidas oo
chronicas.
tnico anti-nebvoso,para curar osineom*
modos percursores de doencas. assim evi u-
das, e pana facilitar a digesto.
ANTirMisioDico, contra oe 0alafF*> co**
r^*,comou8emintermi*encias, e porespeoificeaJis.substancias amargas; tam-
bem efficag. oontra asgastrites e as gas-
tralgias.
tnico reparador, para combater a ex-
bpuatac3o do sangue, dispepsia, anemia, es-
gotamento, inappetencia, langor etc
'.que para co.eilos. rp:aU~. n p< para
on^tan naTmtdentes' sabonete&Vm mao&.e barba, etc.,
* etc.; edaqoelle, superioraguasd.Cokr.ia.
opiata ingleza e pos para dentes. Alm Jos*
mencionados objectos ha muitos outros que
por suas boas qualidades e bonitos vasos,
agradarlo completamente aos apreciadores
do bom.
Fivellas e fitas para cinto,
Na antiga loja de mrudeaas ra do Quei
mado n. 16, encontrarSo os preteaeoleB
nm bello sortimento de fivelas o liUa para
cinto, sem que esqueca os lindos pentes
prateados, com Atas pendentes e sem ellas,
sempre a contento do experiente fregnez
que-se dirigir dita toja de miudezas:
ra doQueimado n. 16..
Differentes objectos
expostos a apreciaco dos esclarecidos fre-
guezes qoe os quizerem comprar; na ra
do Queimado n. 16.
Bonitas caixinhas de madeira com fecba-
dura, proprias para costura.
Outras ditas com arranjos para costura,
Sapatinhos de setim e merinos para bap-
tisados.
Meias de seda para ditos.
Tocas e cha; eosinhos para ditos.
Tercos de madeira, osso, cornalinas, oirs
mui perfeitas.
Alflnetes de osso coro bonitos moldes,
obras de gosto para peito de senhras.
Ditos pretos para luto.
Meios aderecos de madeperola.
Porte jope ou suspende saias.
Lencos bordados para senhras.
Brincos pretos, pulseiras e alfineles com
camafeo, tudo para luto.
Froco grosso de laa. para differentes flns.
Bonecas mansas e choronas para crean-
cas.
Cesohas proprias para reancas e bo-
necas.
Bandejas pequeas para copos.
Benitas e nuderuas cliapeliuis de seda
tara sea liaras
Na loja de miudezas ra do Queimado
n. 16 vendem-se bonitas ciiapelmas de seda
mni bem enfeitadas e por precos rasoaveis.
Enfeites de flores a imitavao de chape-
linas
Vendem-se esses bonitos e modernos en-
feites de flores a mitaco de cbapelinas: na
rtta doQueimado, loja de miudezas n. 16.
Diflereates objectos
Vendem-se na ra do Queimado, loja de
miudezas n. 16.
Gravatas brancas de cambraia para noivos.
Gravatas brancas de setim para ditos.
Rosas Camelias, ramos e caixos de flores.
Papel para rosas e folhas para ditas.
Lencos de fa mora ia lina con barras de
cores, sendo
. Para homens a 3^600 a duzia.
Para meninos a 800 re. a doa.
Vendem-se na raa do Queimado, loja de
miudezas n. 16.
Collerinhos de linho
obras de ultimo gosto.
' Vendem-se na loja de miudezas; roa
do Queimado n. 16.
CABIDES PORTATEIS
TORiriADOS I TTVEHiniADOS.
Vendem-se na loja de miudezas: ra
do Queimado n. 16;
16.
de drogaras no. Brasil.
Expedicoes. em casa de J.p. Laaore. rqe|
des.LaonsrSt-Paal. ^.Paris.
Deposito em Pernambuco, pharmacia de
p. Maurec A C. ra Nova n. 25.
molestias do peito
Arlao* Importaste.
Os micos verdadelros zaropes de bvpopbosptakV
tos de soda, da cal e de tetro do Dr. Cborcni tra-.
Min,a firma qaauo retes repetida deste. sabio me-
dico sobre o subscripto e a marca de fabrica da
pbarmacia Swann, i% roa Castiflione, Parte.
Acha-se a venda em frascos quadrados com o no-
me do Dr. Cbwrtia o.vidjRo, Preco i, fraocos eBi
Paris : Com instrueco
Vende-se em casa de P. Manrer & C
Caixinhas



com pastilhas de cheiro para
queimar-se em lugar
de incens.
Vflndemrse na ra do Queimado ; loja, de
miudezas, b i 6.
PASTILHAS OpQRIFUMANTES.
Essas ebeirosas. pastilhas s?io. sempre
apreciaveis, e com espefiiajftade no, corren te
mez, porque servem para perfumar os ora-
torios., o altares em que se resam ou can-
tara louvavejmeate o Mez Mariano, es-
Deposito em todas, a* pharnaacias e casa, -m ^^SSn loja da Aguja Branca,:
ma, do Queimado n. 8..
aOXBBHBOBOlOflBaBaM
Escravos ffcgMoe
. -, Coona eslM foJ*? o. eservP^aci'
crionlo^Tldade ponSo miToB menos 29< a JO
annes. balio e groa do eorpa, rosm oomprido e
srosaos. bwtodo, u.vetea oaa^ de blgpde., o|hos
assim como no careno- consta qoe transita em
Tromfceft, Collool de Pioeotairas Leopolpina e
nos eniobo* Cndalo e S. Benedicto : qoam o
capturar ieve-oao seu Sr. o caniUo Jos Candido
oasNeves no egeobo Papagaio, termo de Porto
Civo,oa noReeUb na roaao-Apollo o. 3t, qoe
eri generosamente ratificado.
>
-r


I
I
8
:
Diarlo de Peraambuco ubbudo 13 de Julho de 1SC7.
quenissimos olhos pretos, e quasi redondos assentou-se om extrema grovidade, voltou
tornava livda. e tornou a votur entre os dedos a caixa de
Parcia-me que entre nos n> se achata rap, e disse-me baitando a voz :
carta sobre a e pertencia a entra aociedade. Acoavaoifr- lu, sabe de certo, qae todos nos temos de
commodativo, tanto no moral orno no phy- preencher nesta vida deveres mais ou menos
Pars, 23 djimho Je%18o7.
M*u charo ainigo.Quando me esrev^" sico, e desejiva sempre achar motivo para penosos. E' desta natareza a misso que
te cdiaJo-me que flzessi algumJ,!,<> Ihe repellir a m3o que elle rae estendia to- venho desempenbar aqui. Nao verdade
espito t'oncerneiite medicina reprsame, dog QS dom com m raDugento ao que sea av se casou no lempo da repu-
ia uo grande palacio do C.mpo de M.rte, de5pedir se da minha famliha> b|Ci ,
I .guei-me victima deuin sonlio, nao sopor
4 icj conheco o pouco que valu para esses
tidjaibos, como tambeiu por que temo mas-
sar sera proveilo os leus asignantes.
No entanto o convireqoe me latsfcs foi to
amavel t> tao honroso pira mim, que nSo pos-
so deixar de escreve ao menos duas linhas,
i ara provar-te ineus boas desejos.
Respond com urn gesto alfirmativo.
a miaba ayo, soube agora o radico proce-} remreos, porque respond a todo que ouvi. i n femano BarkP nvehen mm inoran
apressei-wr era vir "offefecer-lhe o meu
prestimo. "^
Ficorlhe muito agradecida, Yercourt;
nSo esperava menos do senhor.' Hei de
eserew boje mesmo jo tutor de* pegenos
para que, de aepord) comigo, tome as pro-
vide cas que as circumstaocias reciamrai.
Estas dilflculdades ho de applapar-
se todas, nlo o duvido. A senhora nao
Comecarei, pois, fallando-te de urna des-
ooberia de grande alcance para a Anatoma "ridament^sobrado"
e o estados anatomicos-pathologicos, deseo-, Corremos todos para elle, e Vercoort di-
erta que e favila aos doutores Brissaude.i^enciou erguel-o, mas no'tocoo seoo em
Laskouski, eqoe se acaa em exptriencia, membros inertes: passra por ali a morte,
Tjnba Luiz D3lbert principiado a narra-
cjfo de certa ave itura mai divertida, porque Parece, continuoui| meu interlocutor, fas por isso bem em se inquietar. Alm
passra n'uma viaem Al'emanha, quando qu seu aro nao celebro o casamento senao disso, Chaulain anda muilo falto de meios
ouvimos inopinadamente um somsecco e si- na igreja Ora, naquelle tempo havia jem e a'senhora poder ptovavelmente tran-
nistro, que a todos nos fez dar um salto as todas as localidades ofliciaes de administra- sigir...
cadeiras, e que me gelou de terror. |C*e civil, perante os quaes se devia contra- Transigir! exclameu mihna av, tran-
Fra mea avfr, que depoi de ter loctado tar o casamento antes de se r igreja. Os sigir I Eotao nao se trata aqui se nao de
por muilo tempo com ama dr, que nao ees- consorcios eflectoados sem o concurso da diabeiro ? Jraosige-se por ventura no que
sra de crescer, caira da cadeira desampa- autoridade civil, tinham sido declara los toca reputado f Como que e o se-
nullos, e sao-no anda boje perante a le. bor pode asar de tal lioguagem ?
devendo receber sua sao^So do tempo, que
em omitas cousas o arnitro supremo.
Por meo de um processo particular, os
D:s. Brissaud e Laskouski cooseguiram pre-
parar pecas anatmicas que, conservando
saas cores natuiaes, volumes normaes e per-
!;.;.) estado, dio mu clara ideia da parle
vi va do corpo, de onde sao tiradas e facilitara
extremamente o estudo do mesar) corpo.
Junto seceo das Artes Liberaes, perto
da notavel expoaico do Dr. Aozoux e ao
lado do maoequim do Ilustre Fontana, vena-
se pecas naturaes tabem dissecadas e con
servadas, que a maior parte dos visitantes
que deltas se approximam e as eaoaram, pas-
mam le admiraco, tal o grao de perfei-
c? dessas pecas! A' primeira vista parecem
eiias decraadmiravelmentetrabalhada, mas
um exame mais detido, convence de que s
a nalureza pode chegar aqulla perfeciibili-
(3ade.
E' em ama pequea vidraca sem ornatos
que seostentam as bellas pecas dos Drs.
Bssaad e Laskouski, como que dizendo que
o que bello nao precisa de adorno para
fazer-se notar.
Ao juizo da academia de Pars devem ser
submetiidas essas pecas, logo que o tempo e
.; sugeico urna serie ascendente de tem-
peraturas, Ihes liver dado urna irrecusavel
anecio de garanta.
Resumindo os numerosos ensaios que tem
sido tentados at boje para remediar os in-
convenientes dos estados anaiomicos, chega-
se aos dous seguintos processos : Constrv*-
rao da pecas on liquides, e conservando
das pecas seccas. O primeiro processo nao
seno meios resultados, pois os lquidos
empregados na conservacao alteram e des-
coram mais ou menos os tecidjs ; o segundo
de urna utilidade mu limitada, pois faz
perder s pecas sua moleza, volume e cor
nturat.
A anatoma, tirando todas assuas vanta-
gens do estudo das relaces, indispensa-
vel deslocacSo dos planos, para poder-se
estndar por c mparaco todas as carnadas
superpostas, e julgar das rela'coes de estruc-
tura, de volume, de posico e profundida-
de.etc. ele. Nao tememos dizer que nos
parece que estes resultados s3o obtidos pelo
processo de conservaclo, de que fallamos.
Temos em apoio esta proposico, nao s
a opinio de iiomens mu competentes taes
que Lappey e Auzoux, como tambem a
consideracao que mereceram seus invento-
res, seodo-lhes permittido exporem fora do
prazo marcado a> suas preparacoes, sem
contar o que nos dizeau nossos olbos, que
uSo guiados pelos poucos conhecimentos que
possuimos
Entre as pecas preparadas, e que estSo
expostas na vidraca de que j fallamos, urna
rno desecada foi preparada no mez de de-
zembro de 865, datando a maior parte das
outras do mez de novembro del 866. Um
braco cito a respectiva omoplata e a clavi-
cula, u:n membro inferior com parte da
bacia, sao sobre ludo notaveis, como prepa-
racao e conservaco.
No Uuseu Orphita da escola, de medicina.
urna vidraca quasi cheia de preparajjoes dos
mesmos Drs., permitte anda julgar a excel-
lencia das'pecas. L se encontram, todos
mi eiros, os orgaos geni taes da mulber, e
coraces, como pecas pathologicas, qne,
posto que sob a influencia de um forte calor,
nada teem perdido de suas qaalidades.
Todos os mdicos poderao, pois, para o
tutnro, ter em seu gabinete de trabalho um
maeqaim deseccado, e d'sto tirar as maio-
res vantagens possiveis.
Comento-me, porque s isso posso fazer,
em dar pnblicidade, k to til descoberta, e
do intimo d'alma lamento nao poder divul-
gar o segredo da preparacao dos inventores,
que s ser cenhecido quando a academia
de raed J. B. de Soma Vcha,
Estudante de medicina.
'. .
LITTER4TEA.
Tres paglMMi
Da historia de urna familia.
Soavam sonoramente duas horas n'um
enorme relogio de bronze doirado, que re-
presentava o Tempo condonado as Horas,
quando nos assentmvs alegremente mesa.
Estavam presentes meu a?, que contava
j oitenta e dois anoos; sua esposa, tambem
mu idosa, mas ainda mnito viva e bem con-
servadla ; minha iratfa Helena, Luiz Oalbert,
seu noivo, e, em Qm, mea primo Vercoart.
Participando da boa disposicio de espirito
com que todos se acbavam, esperava impa-
ciente a sopa, quando me pareceu notar re-
pentina mudanca, no aspecto de meu av.
Empallidecera extraordinariamente, esla-
va cabisbaixo, e n5o dizia urna nnica pala-
vra. A expressSo da physionomia, ordina-
riamente serena e placida, modiflcavase-lhe
visivelmente. Tinha os labios entreabertos,
as faces convalsas, e grandes bagas de suor
as fontes, que os cabellos brancos e annel-
lados Ihe cobriam quasi inteiramente. O
primo Vercoart notara, de certo, o mesmo
que ea notei, porque Ihe vi lanzar a vista na
mesma direcclu da minha, filando-se no mes-
mo ponto com singular pers-slencia
e fizera com que a alma de um homem de
bem, soltasse o vo para a eternidade.
N5o dilig^nciarei descrever o tumulto inex-
piicavel que se succedeu aquella scena, as
idas e vindas dos creados, e a tarda chega-
da do medico e do sacerdote. Minha av,
admiravel nos primeiros momentos pelo san-
gue fri e presenca de espirito, avergou de-
pos por instantes ao peso de seu infortunio.
Assentada n'um canap, com a eaieca
descansada n'um al mofada, nao cnorava,
nio fallava, e mal attentava em mim e em
minha irma, de joelhos a seos ps.
Que terrivel acontecimeato I disse afl-
nal o primo Vercourt, avolumando ainda
mais a voz, j de ordinario volumosa.
Estremec, porque me esquecera de que
se acbava presente. Dalbert disse-lhe algu-
mas palavras ao ouvido, e era segnida sai-
ram amos, fechandobrandamente aporta
atraz de si.
Os meas primeiros annos, bem como .os
de minha irma, tinham sido triatissimos;
e apesar de muito mocos ainda, opprimiara-
nos j mu crois recordaces. Mu peqae-
ninos anda, tinham-nos vestido de lelo,
pela marte de nossa m5; e depols quasi
que o nao tornramos a despir.
A sos com a avosnha, que nos restava,
diligenciando consola-la, vhnos-lhe correr as
lagrimas, ao receber as nossas caricias. Be
jou-nos, cingio-nos convulsivamente aopeito,
e conpreiiendi que a valorosa senhora fizera
voto de n5o desamparar os orphlos, que Deas
confiara sua guarda. Em seguida reco-
brou a sua gravidade serena, e~ nos deixa-
mo-la no seu quarto, orando por aquelle a
quem tanto estremecer.
Depois separei-me tambera de minha Ir-
ma, e encaminhei-me machinalmente para
urna salinha, que dava para o jardim. Na
salinha, que tinha a porta aberta, eslava
comaodamente assentado o primo Vercourt,
terminando o jantar interrompido. Mal me
avistou chamou-me.
Aproximei-me delle, a torcer o bigode, e
encarei-o.
Paulo, disse-me elle havemos de pre-
cisar preencher certas formalidades ; neces-
sito por isso de algumas informaces, que
agora nao posso pedir Sra. d'Arthus. Sabe
por acaso onde foi que o meu pobre to, e
seu av nasceu, e em que poca ?
lles'tei por instantes na resposta.
Nasceu em Paris, respond eu afinal,
em 1768.
Disseram-lhe alguma vez onde se ti-
nha casado ?
Casou-se em Senlis, nos primeiros
lempos da revoluc^o franceza.
Vercourt tirou do bolso urna carteara, pz
os oculos, e registrou cuidadosamente as da-
las que Ihe eu dissera. Em seguida vol-
tou-se para mim, dizendo-me com sequi-
do :
- Obrigado.
Aclo continuo voltei-lhe costas.
Vercourt pegou no chapeo, empunhou com
a ossuda mo urna coraprida bengala de
cana da India, sem a qual o n5o viam nun-
ca, e affastou se vagarosamente. Sent rae
ao vel-o ir-se, porqueignoro a razoin-
vadira-me o espirito a idea de que nos era
nefasta a sua presenca.
Ao cabo de dous diaseffectuaram-se as exe-
quias de meu av, n'uma humilde igreja de
aldea, na qaal j tiohamos visto abrir bas-
tantes sepulturas. A' note'foi Dlbert pro-
corar-me, e conversamos por muito tem-
po, achando urna especie de coosolacSo em
nos recordamos de. mil cousas adoraveis,
daqnelle de quem nao nos podamos ainda
convencer que estivessemos separados para
sempre.
Fatigado por tantas commoces quando
me recolhi ao meu quarto, nao tomei a ap-
parecer seno no outro da s dez horas, na
occasio em que mioha av e minha irma
se dispunham para sair. Como estavam
ambas seriamente affectadas, quasi as obri-
gra o medico a dar um passeia de car-
ruagem.
Eslava eu na salinha, em que ltimamente
me encontrara com o primo Vercoart, quan-
do vi um criado idoso, e que nos servia des-
de os vinte annos, correr para mim, visivel-
mente assustado.
Sr. Paulo, disse-me elle, esto l fra
un homens, com as m3os cheias de papel
sellado, que querem fallar senhora.
Mande-os entrar.
Abrio-se a porta, e entrou nm homem
de estatara mediana, bastante nutrido, com
os cabellos cortados escovinha, muito bexi-^j
goso, e com um maco de papis debaixo do
braco. Seguia-lhe as pisadas outro indivi'
dao, alto e magro. Trajavam ambos de
preto dos ps at cabeca.
Ea, disse o primeiro, sou ojuiz de
paz deste canto, e este senhor que me
acompanha o meu escrivo. Viemos a
esta casa, para p.' sellos em todo, em no-
me do Sr. Nicolao de Chaulain Lafosse, que
um dos herdeiros do Sr. d'Arthus.
Conhecia muito bem Chaulain Lafosse,
nosso prente no mesmo grao em que o era
Vercourt. mas cojo comporlamento, irrega-
Pelos
Assim, pois, a Sr. d'Arthus segando o qae aossos haveres nao temo nada, porque es-
diz o meu requereote, apenas Maria Jos to salvos. O que eu quero orna repara-
d'Orvay, e nao foi nunca nulher legitima de cao. Eu e mea marido, fizemos a anoos,
Marcos Antonio d'Arthus. Conseguinte- testamentle mo commum ; esse testa-
mente... ment est depositado no cariorio ds Basin,
Basta, senhor, exclamei ea, nao diga tabelliao, e por elle legavamos mutuameute
maia I em caso de morte, todos 6s bens' de que po-
Senti-me espantado pelo que ouvira. Ape- dessemos dispor, por occasio do falleci-
sar da minha pouca experieneia, entrevi mentde^pialquer denos.
com simples relaucear de olhos as conse-: primo fez um^B^vimeQto brusco, le-
quencias da nova de.-graca que cahira sobre vantou vagarosamente bengala, e em se-
nos. guida apoiou-a com forca no tapete.
Tratava-se do futuro de ama familia n-! Poderiam sosteotar ter havido capla-
teira, da minha pobre av, a quem urna cao, disse elle, e qae o Sr. de Arthus nao
commoco moral poda abreviar os das, gosava do pleno uso das suas faculdades
Indignado, sem saber o que fazia, desaba- int?llectuaes, quando assignou esse docu-
fei em exclamares apaixonadas contra ment...
aquellos que ha viam tido coragem, depois' Eu sentia-me j sobradamente indignado;
de prodigalisarem a Sra, de Arthus innu- nao pude ouvir mais. Sahi da. sala, e fui
meras attences, de Ihe contestar, no dia I para o extremo do jardim, onde pelo menos
immediato ao lallecimento de seo marido,' nao bavia sellos, nem autos, nem argucias
os ttulos de que osara por perto de cin-jurdicas.
gente que trabalha se cuide no prato do
meto, comprando logo om pato e uma gal-
linfM para o mesmo dia. Usual nao ser,
mis extraordi iario; o extraordinario nao
usual ? N3o tomem por paradoxo; Hen-
rique IV quiz democratisar a gallinha; e
defeito de seu "ato foi nao democratisar os
frangajataos; p.r isso o puzeram no olho
qae a ranha de Inglaterra se
dignara commatar-lhe a pena de morte.
isse elle que isso pouco lheJm|ortava,
mis que era tal vez e'hQMae aiiai fosse,
por causa da sua vel&ml

Segundo o ultimo recens*ainto, a capi-
da ua, e democratisaram-se por si, sem tal do imperio rimo conta 5i 00 habilan-
coenta annos.
Desjo sinceramente, proseguio ojoiz
de paz qae a Sra. de Arthus consiga restabe-
cer os seus diraitos: caso para se pleitear
alegndose que ambos os combatentespro-
cederam de boa f, e-qoe sua firme inten-
ro era unirem-se legtimamente. Crea
que nao est perdida a sua causa; devo
cora tudo confessar, que nao certo o sea
bom extto. Seja como fr, ama vez qae
temos de proceder a om operaco indis-
pensavel, nao Ihe parece prefer ve I submet-
ter-se a ella sem demora, em quanto sua
av est ausente, a fim de que tenha tempo
de a predispor, a pouco e pouco, para en-
carar a sua cruel posico ?
Impressionon-me esta reflexo ; e, cha-
mando febrilmente o odioso Baptista, orde-
nei-lhe que fosse bascar ama 'vela acesa.
O juiz e o seu escrivo metteram sem
delonga m' s a obra ; de sorte que ao
cabo de meia hora, viam-se na parte maior
dos movis e as portas das diversas casas
grandes sellos de Acre encarnado, ligados
a dous e dous por fitas brancas. Em se-
guida retiraram os dous representantes da
lei, e eu lquei s naquelle deserto, estre-
mecendo ao rodar longiquo das carruagens,
e temendo oavir o sjm da campanhia, que
devia annunciar o regresso de minha av.
Ouvi-lhe e final os passos na escada, que
ella subia vagarosamente, por padecer de
rbeumatismo, e corri ao su encontr. Era
lal a minha paliidez, eslava lo transtornado
que inspirei compaixo a minha av.
Nao te apoquentes por esse modo, dis-
se-me ella; bem vs que estoa ainda muta
rija.
E ao passo que me apertava efectiva-
mente esbocava-se Ihe nos labios mui frouxo
sorriso. Acto continuo olbou emtorno.ie
vio dois grandes sellos n'um vasto arm.jiio
de carvalho, em qae esteva guardada abun-
dante porgao de finissimas procellanas.
Que isto V exclamou ella com a ex
presso do pasmo.
Minha querida av, repliquei ea,
abrindo a porta da sala, esleve aqui ha pou-
co o juiz de paz, que veio por em tudo es-
tes sellos.
Ah I sim, bem sei... parece que de
uso fazer-se isto. Teu to Armand nao
est c ?
Respond fazendo um gesto negativo.
E' extraordinario, proseguio minha
av, que me nao tenha jrdverttdo.
Ea entretanto, suppunba que suava san-
gue ; e s com voz trmula e apenas per-
cepiivel pude continuar:
Segundo o que ha pouco me disseram
supponho que tambem o Sr. de Chaulain,
Lafosse, tem dreitos que fazer valer ?
O Sr. de Chaulain Lafosse t
Assim roo disseram. Parece que a
lei como minha av se casou n'uma poca
em que nao havia ainda os officiaes de ad-
ininislraco civil, que entendem nos contra-
tos de casamento, coneede certas direitos
aos prenles do av, direitos que o Sr. de
Chaulain est resolvido a invocar.
Minha av olbou para mim, visivel-
mehle assombrada.
Que significa isso ?! Qae ests di-
zendo ? Nos nao devenios nada ao Sr. de
Chaulain, que pelo contrario, nosso deve-
dor ; e tea av nao tem prenles mais pr-
ximos do que os Albos I
Sera duvida, mioha av ; mas...
Nao ha mas, nem meo mais l... re-
plicou ella com vehemencia.
O Sr. de Chaulain, aflirma ter havido
onmisso de certas formulas, e que por isso
o seu casamento, minha av, sagrado aos
olhos de loda a gente, seria... ataeavel sob o
aspecto jurdico.
. Ella eolo encaroo-me. crusou as duas
mos no peito,e murmurou com toz pou-
co natural ;
Emfim, dize-me tudo, nao quero que
me oceultes nada.
Baixando os olhos, desesperado pelo mal
que Ibe fazia, repeli-lbe pontualmente a mi-
nha conversaco com o juiz de paz.
E' infame disse ella a final, dema-
siadamente infame para merecer meis que
despreso. Ataques to grosseiros sao sobre-
modo viles para que possam offender uma
mulher honesta, e nem seqner Ihe exci-
(Continuar-se-ha.)
DM POCO Di TUDO.
Um palo e uma gallinha foram furtados,
e nina rapariga de menos maus bigodes,
levada ao tribunal correccional em Paris,
aecusada como autora do furto.
A r jura ter comprado tanto o pato como
a gallinha a um camponez,
Um dos queixosos reconhece. o seu pato,
o outro nao reconhece a gallinha.
E* este o assumpto que iospirou a um jo-
ven advogado francez um dos mais chistosos
discursos, que ha lempo a esta parte se tem
proferido nos iribunaes.
Traduzimo-lo da Gazette des Tribunaux
de 24 de maio deste anno:
Por onde principie, mal sei, diz o advo-
gado ; ser pelo palo ou pela gallinha ? Se
a hypothese fosse come*los, era muito mais
intrincada, porque quer uma qaer oulw tem
seu sanete, e receiava escandasar o' pato
dando a preferencia gallinha. Mas a hy-
pothese nao se verifica ; aqui nao entra a
arte culinaria, visto que pato e gallinha, gal-
linha e pato, uo eslo cozinhados, mas, se-
gundo se diz, foram furtados.
Estamos pois na presenca de dois cada-
veres, e na falta da medicina legal para nos
esclarecer, para nos servir de orculo,.pro-
cedamos sem sciencia e sem orculo au-
topsia.
Pego primeiro na galinha, e acho-lhe no
pescoco os vestigios de um formidavel lenho
resultado de mos amestradas e de instru-
mento corlante. \
O execulorde altajostica veio tela ju-
diciaria ; e sanio em vez de carrasco nego-
ciante de gallinhas, no mercado principal.
Pergoatou-se-lhe, se acoja gallinha, de que
se trata, era sua. Replicn com nobre in-
dignado.
A gallioha nao minha: todas as gallinhas
sangro por minhas proprias mos ; e co-
nbecn o meu golpe, a legua, entre mil.
Semelbanle declaraco nao negocio de
brincadeira ; o vendedor de gaUinh s de-
poz sob juramento; tem um methodo espe-
cial de sangrar gallinhas, talvez um privi-
legio de envenco ; respeitemos as mareas
da fabrica / Nao reconhece na galliaha pre-
sente a que Ihe furtaram; e ento a aecusa-
Co revira-se, e ?* procurar outro queixoso
mas como o nao ha, segue-se, em liaba rec-
ta (e esta a tbese-que defendo) que a gal-
lintia poda ser comprada, e nao se prova
que fosse furtada.
E quQm a minha conslituinte t Uma
guapa e honesta mai de familias.
O presidente Lembro ao Sr. advogado
que dos autos consta que a r solteira
e nao casada.
O advogado. Quanlo agradeco ao Sr.
presidente essa salutar e abencoada interrop-
Co I Nao casada t Como mais se ele-
va aos meus olhos Casada por effeitoda
lei, tinba de sapportar, quizesse ou nao,
todos os deveres, todas as faigas, todas as
dores da esposa, e da rai de familias f Li-
vre, librrima par* tudo desprezar, aceita
voluntariamente os onus nao por dever,
mas por entbasiasmo, por virtude t Se
vissem, como co, essa vida intima modelo
confessariam qae nao ba casa nem mais ar-
ranjada, nem mais aceiada, que nao ha
mulher mais digna da maternidade t Vi
tres creancinbas brincan lo n'um berco, on-
raais nem mais
NaSfemilias m?is ricas e regaladas, onde
o jantar quotidiano regado pelovelho
baurgggme e o burdeaux, tambem l de vez
emquando nao se abre uma garrafa de
champagne, joahannsberg ou tokay ? Por-
que nao ba de o operario, que trabalha
tuda a semana, ter o seu extraordinario ao
domingo ? O extraordinario de Aiexandre
o Graode foi o dominio do mundo; Luiz
XIV, que vivia em faustoso palacio aioda
asflm cobicou por extraordinario Versailles,
e est extraordinario importava n'algumas
centenas de milhe >! Deixemos porm o
passado e as testas coroadas, e v o tom
mais baixo, porque mais baixas se podem
encontrar coraparaces.
Nao se lembram, ha apenas vinte ann >$,
dd um certo castello histrico, em que Se
festejava um certo presidente, e onde o ban-
quete poli tico degenerou n'uma especie de
relinda da Counille, e all um diplomata
alterna foi surprehendido a soprar n'uma
gaitinha (mirlilon) o estribilho da marse-
lheza ?
Na presenca de apetites to alambasa-
dos, e exdruxulos, que figura fazem o mea
pato e a minha gallinha? E' verdade que
nao pausamos de simples operarios, mas gos-
tamos dos extraordinarm, cUmo toda a
gente ; a differenca estar em que vindo o
extraordinario, abrimos os cordes bolsa;
e nem lodos f izem outro tanto..
O trlbund, que rio muitas vezes com os
gracejos do orador, engulio a gallinha sem
custo, mas o pato, reconhecido por seu do-
no, foi de difficil digeslao; e por is30 a r
foi condemnada a tres mezes de priso.
A coiiimissa ingleza de nstrucco publi-
ca lamenta que nos elencbos das escolas da
Escossia, figurem smente os nomes de....
418:367 alumnos, ao passo que deveria ha-
ver mais 92:000 para se attingir a propoF-
Co que se julga ser equitativa, isto sex-
ta parte da populacjo.
Est averiguado que os pastores escocezes
se esmeram mais do que entra qaalquerclas-
se na educaco dos filhos. Noventa e nove
por cento dest i pobre gente habitara casas
afastadas das estradas, no meio das breabas,
separadas dasviasdecommunicaco por pan-
tanos ou pormontes de difficil passagem para
as creatinas durante o esto, absolutamente
impra ti cavis na estaejo invernosa.
Apezar diss?, difficilmente se encontra
um pastor que nao saiba lr e escrever; e
seus filhos, desde a mais lenra idade, fre-
quentam as escolas, qae distara doze milbas
das suas babitaces, entrando na aula s se-
gundas fetras e regresando a casa lodos os
sabhados.
tes, dos quaes WO.oOO sabem ir e escre
ver mais u menos, e 2i0,(W0 sao completa
mente anaipbabetos.
Inglaterra. 2.11 1,51 0,92
Frauca .... 1,73 1,30 0,95
Prussia.... 1.57 1.17 0.80
Austria.M. 1,87 1,41 0,94
Blgica.... 1.23 0.83 0,62
Ba viera.... 1.33 0,89 0,60
1,53 1,05 0,70
1,88 1,50 1,02
1,19 0,85
0,40

Acaba de verificar-sena communadeBo-
eaoians (Corsega) um terrivel duello.
Os tres irmaos Miriconi e os tres irmos
Serppaggi encootraram-se n'um bosque an-
de se bateram: tinham por armas machados
e punbaes. Nenhum dos seis- foi morto,
mas ficaram lodos gravemente feridos, o mui-
tos dentro elles ticaram eslropiados para toda
a vida.
Se nao Gzeram bkis mal porque as for-
Cas lhes faltaram.
Questes de interesse deram '.lugar a esta
carnificina digna deoutrws tem pos.
- ._

Foi elevado em Chium, diz o Internatio-
nal de Londres, ura monumento memo-
ria dos austracos que suecumbiram na bata-
Iha de Koenigsgraelz.
Este monumento consiste n'uma grande
cruz de ferro, collocada sobre um pedestal
gothico, oo qual se l-a segu'inte inscripeo:
c Dedicado pelo principe Max Egon e pela
pnaceza Liontina de Fariemberg memoria
dos bravos soldados austracos que morre-
ram pelo imperador e pela patria, 1866.
larissimo, o afastra do resto da familia.: tam a co'era.
Nao pude, comtudo, lembrar-me de qaal e pegando n'ama dobrade:ra que eslava
seria o direito com que invervinha nos nos- p0r acas0 em cima do fogo quebrou-a
sos assuraptos particulares: com energa de que nao a snppunha capaz,
Sr. juiz, repliquei eu, a senhora d'Ar- e atirando-a depois para o lame, exclamoa
Naquelle tempo tinha eu apenas dezoito.thos, miDha av, nSo est em casa, mas nao com voz forte :
annos- mas apesar disso lembro-meqoe sen- lardar de certo qne se reCplba. Mea tjo Havemos de defender o nosso norae
ti pel primo antipathia mui protuada e tinha-me j fallado dasoa visita, e ditoqueea nossa honra ; o rerdadeiro patrimonio
real Vercourt era extremamente magro, havia de Ser preciso pa*erem-se cortos do-. que voces teem, meus filhos, e de que vos
trajava sempre com escrupuloso ,aeek>; e os comentos, viste nem ea nem. miaba irma ] nao ho de despojar sem combate.
seos mais pequeos mowtflos eram rigo- termos attinfido anda a mamridade. O que
rosamente calculados, e'|hodico3:.comoJnao entendo o que me n a respeitodo
quanto Ihe dizia respeko Usava do CjAet- Sr. de Chaulain. O Sr. d Arthus deixou
leira castaoha, coidadosamente pentevda, e um iBho, e nos representamos nossa m<,
que Ihe fazia sobrewir com certa dureza o fcaurence d'Arthus.
amarellado da cutis, que obrilbffde dois pe-1 O joiz sorrio-se, om tanto embancado,
Inopinadamente bateram na porta tres
pancadas, muito discretamente, mas qae Ihe
atrairam a atlengo.
Vai ver qaem disse-me ella.
Abri a porta, e vi ehtrar o Sr. Vercourt.
Minha senhora, dis.te elle dirigindo-se
Appareceram por ns de abril na Transyl-
vania, refere o tWanderer, jornal de Vien-
na, urnas moscas venenosas que puzeram em
vivo desassocego a populaco.
Em Oeva e nos arredores tinham os re-
banos encerrados, nos curraes, afim de os
preservar das terriveis picaduras destas mos-
cas, e coaservavam grandes fogueiras acce-
zass portas.
A lavra das trras fazia-se de noite com
lanternas, havendo cuidado de prodnzir fu-
rao constantemente em roda do gado.
Os bomens mesmos tinham difficoldade
em preservar-sedas picadoras destas raos-
de a alvura da roupa deslumbrava ; eram cas venenosas.
rosas cahdas no seio dos lyrios I Nao ser j Mais de cem' cabecas de gado graudo, es-
esta a mais enthusiasta legitimidade ? Per- pecialmeate bfalos, suecumbiram.
mittam-me que diga que os thalamos mais, 0s estragos que estas moscas causaram
alambicadamenie legtimos nao offerecem! nas jmmedac5es de eva sao avahados em
seuo raras vezes um qoadro to risonho 4;gQQ florios.
de amor coojagat, como aqoelle que gos-, \ g demio desappareceram em seguida
toso contemplei. a ama chava abundante e em consequencia
t Agora, entro de volla com o pato, d0 resfriamento da temperatura, porm a
tE* reconhecido por am veadedor destas ^ reappareceram, e causaram grandes as-
aves a quem faltn um pato; e elle reco-]solees emSeboshely e nas proximidades,
nbece-o depenoado.. Ora, todos os patos onde 8e qmm alcatro e petrleo para as
depennados nSo se confondem ? O queixoso I jifugentar.
nao desconhece a verdade, o por isso ladeia -------
etd:
\No sei se o pato n&o o mesmo, mas \ doenca, conhecidasob o nome de cattle-
nao duoido sobre a identidade do papel plague, qae ataca e mata o gado, tem dura-
que Ihe embrulha o pescoco entonguen-, do 99 semanas 00 Reioo Unido : durapte a
lado? semana que acabou em 11 de maio, conta-
ron vendo que a demanda perdeu a vam-se ainda 17 casos qae formavam por
tramontana Ainda agora tinhamos um san- esta forma 278.561 de.de o principio da in-
grandor previlegiado de gallinhas; agora vaso desla peste,
temos um coveiro de patos, qae s certifica
a sua identidade pelas mortalhas I
ga, explicou proficientemente, como tambem
possue om segredo s seu, p ira aaortalhar
era papel almaco I Crescit eundo. .., Ca-
rainhamos de prodigio em prodigio; d'antes
ama folba de papel branco, saja de tinta
preta, bastava para enforcar om homem; de
hoje m diante, segundo a jurisprudencia
dos que vendem patos, basta a folba em
branco, e a tioto-preu, j demais!
cFalta-me s uma objeceo, e fico sem
O Times publica a seguinte estatistica
comparativa dos precos medios, que se i>a-
gam nos diversos caminhos de ferro da Eu-
ropa.
Os precos slo calculados a tanto por mi-
Iha, tomando para unidade ^le moeda o
penrvf I
l- cla.s c)M3 3' cIms V elass.
Convem saber-se, accresceuta o Times,
que na Inglaie ra se veodem mais do que
em oulro qualqoer paiz bilhetes de ida a
volta, ecom maior redaeco de precos; que
os regulamenios concerneutes s. bat(agens
dos viajantes sao mais liberaos o que 00
continente ; que maior espaco oceupam os
lugares dos viajantes, e mais acertadas sao
disposices tomadas para c vitar, o mais que
seja possivel, aos mesmos a mudanca de
wagn.
O Sr. Stoart Mili apresentoo no parlamen-
to inglez, amprojecto de lei para unir a ei-
dade de Londres debaixo de om nico mu-
nicipio, ou, como elle diz, fazer am muni-
cipio central federal de toda a metropele in-
gleza.
O actual municipio de Londres abrange
to somente a trigsima parte da populacao
da'metropole, que oceupa uma rea relativa-
mente menor do que a da City de Londres
All se acbam incluidas mais duas cidades..
Westminsler e Southwark, que sao repre--
sentadas por seus municipios. Porm o res-
to de Londres, que encerra alguns dos mais
esplend dos e ricos districtos, est sujeito
anda ao amigo systema parrchial,que come-
i;ou a vigorar qasndo all existiam somente
prados e bortaa.
A proposito da moco de Mills, o Times
deine nos segoistes termos a capital da Gra-
Bretauha:
A maior anomala deste paiz de anoma-
las, a mais vasta aggiomerejo de casas que
existe sobre a trra, uma regio povoada de
construeces cojos limites nao possivel de -
finir, reunio de ornas poaGas de cidades.
colleeco maravilhosa de bairroslimitropbes.
amalgama incongruo e mal disposio, um
ajontamento de propriedades, feito seto pla-
no 00 unidade ni creaco, e sem o devido
regulamenio desae qae existe.
J oeste jornal demos noticia o pro-
cesso intentado por AlexandrcDumas contra
o photographo Liebert & C, por este ter
posto a venda varios grupos, em que figura-
vam o celebre- romancista e mademoiselle
Adah-Isaacs-Menk, artista equestre america-
na, que faz a parte de Mazeppa na peca Les
piratee delaSatsanne,representada nothea-
tro de la Gait. O autor pedia que fosse
prohibida a venda dos retratos, e destruidos
os clichs, obrigaodo-se a pagar as despezas
feitas.
O tribunal de 1 instancia julgo a ac^e
improcedente-, porque o photographo tirou
os retratos sera- receber remuneraco algu-
ma, e os retratados pedir^m uma porcode
ejemplares, e o uso e costume oeste ca o
exporem-se os retratos venda, sendo o
producto a indemnisacSo do trabalho do pho-
tographo.
Aiexandre Dumas appellou dasentenca,o
o tribunal de 2.a instancia de Paris proferto
o seguinte accordo :
Considerando que Liebert & CU por ama
convenco tacita, resultante de fectes bavidos
entre ambas as partes, se julgouaatorisado
para publicar s p-.olngraphias de que se
trata, com a condico de nao pedir a Aie-
xandre Domas o preco dos exemplares qae
Ihe dsse.
Considerando qoe osta coocesslo resolla-
va de um oso estabelecdo no commercio
da photographia; mas que este mesmo aso
manda neste caso qoe a publicado e a venda
cessem quando a pessoa, que as aulorisou
com o seu silencio, declara formalmente que
retira o seu consealimento e ofierece o pre-
go da photographia ;
Considerando que nao se pode admittir *>
consent ment tcito urna concessao defini-
tiva e perpetua do direito de publicar retra-
tos pbotographados ; antes pelo contrario
para ha ver uma tal alienaga'o necessatio
um contrato espresso e nao ama simples,
tolerancia, cujos limites devem ser sempre
marcados por aquelle que consente;
Considerando qae milhares de circums-
tancias. podem impedir a conlinaaco desta
tolerancia; qne a mesma publeaco pode
advertir a pessoa que consinti, que com
esse fado faltou propria digoidade, e qoe,
se a vida particular deve ser murada por in-
teresse dos individuos, tambem o deve ser
muitas vezes a bem dos costumes, e do res-
peito opinio publica;
Considerando que Aiexandre Dumas usou
de um direito, fazendo cessar a publeaco
das photographias, e obrigando-se a pagar
o preco dellas;
Dando validado k offerta, avaliam o preco
em 100 francos (4 libras), fleando prohibi-
do a Liebert de C. publicar e vender as di-
tas photographias sob pena de perdas e
damnos ; os clichs sero entregues a Aie-
xandre Lamas, sendo-lhe restiiuida a multa.
'
' r '<
1

, *

*

..-
>*
i
Foi ltimamente publicada pelos jornaes
inglezes uma lista com os nomes dos possui-
dores de consolidados inglezes ; e della re-
salla o facto assis notavel qae todo o debito
nacional da Gr-Bretanha est nas mos de
127,000 pessoas.

A philosophia o tabernculo da verdade,
e os philosophos, seus sacerdotes, divulgara
s vezes alguns erros.

i
O atheu nega estpidamente a existen
ia de Deas, e endeasa-se a si pwprio.
A fortuna inconstante como nm cata-
vento.
TYP DO DIARIO.RA DAS CRUZES N. U
J


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EFBZCWCP7_3YOONT INGEST_TIME 2013-09-05T02:38:57Z PACKAGE AA00011611_11315
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES