Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11311


This item is only available as the following downloads:


Full Text
I* Y
3
i
&*m
'*to _'.*.-. _m:V- I
T*
"--.
O
/
>
I

/
-*.
ANNO XLIII. NUMERO 154.
P1H V A CAPITAL E LltilBES OX0E SE JA.O PICA POBVB. ~
Por tmmwsiiinUUt.,. *..............:. 6)5000
Por sM.s ditas idea..
Por na atino idea..
Cali ni aere tTulsa ,
.1
.1
.1
.!
.. .1
i i
.j-.i
.i
I20O0
24000
.320
TER^A FEIRA 9 DE JULHO DE 1867.
'AMA DENTRO E FOR.-t DA PROVINCIA.
pr tres mxm ianUd*;. -.- rr %-......v r ..
Por seis dite idea. ';...............................
Por MTe ditos idea..................... ............
Per bb anno idea., n..............................
1
\
W750
18*800
230250
270000
221BnA-22 SQI lPiaimi3?D ITD laiMPaWMJ) 91 12!D3* MWliUDA 3)3 l&MSL & I?213D2> 8?3 l?HD'?Il33!fM3D3,
IEKCARREGADOS DA SUBSCR1PCAO.
Parahyba, o Sr. -Amonio Aiexandrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva ; Aracaty,
oSr. A. de Leraos Braga; Cear, o Sr. Joaquim
os de Oliveira ; Para, os Srs. Gerardo Antonio
Alves Filhos ; Amazonas, o Sr. Jeronymo da
Costa*, Alagoas, o Sr. Franeino lavares da Costa;
8ahia, o Sr. Jos Martin3 Alves: Rio-de Janeiro,
o Sr. Jos Ribeiro Gasparinbo.
PARTIDA U(S ^TAPETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estages da va frrea ata
Agua Preta, todos os das.
Igaarass e Goyaona as segundas e sextas reirs.
Santo Anto, Gravad, Bezerros, Bonito-, Caruar,
. AltiBho, Garantaos, Baique, S. Beato, Bom Con
seibo, Aguas Bellas e Taearat, as tercas -reirs.
Pao d'Albo, Nazareth, Limoeiro, Hrejo, Pesqaeirs,
Isgazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa-Vis-
ta, Oarieury.Salgueiro e Ex, as qnartas feirasl i
| Seriohiem, Rio Formoso, Tamaadar, Una, Bar-
reros, Agua Preta e Pimeoteiras, ose- q-uintas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAKS DA CAPITAL.
Tribunal do commereio: segundas e quinta*.
Relajo : tercas e sbados s i horas.
Faienda : quintas s 10 boras.
Juizo do commereio : segundas as 11 boras.
Dito de orphos : lerg*$ e sextas s 10 boras.
I Primeira vara do cive/: tergas e seita3 ao meio
dia.
Segunda vara do civel : qnartas e sabbades a
I hora da tarde.
EPHEMER1DES DO MEZ DE JULHO
1 Lea nova as 6 b, e 56 m. da I.,
8 Quarto cresc. as 2 h. e 39 m. da. t.
16 La ebeia as ti b. e i m. da t. ":
24 Quarto ming. as 14 b. e 54 m. da m.
31 La nova a i b. e 32 m. da m.
DAS DA SEMANA.
8 -Segunda. Ss. Proeopio e Pryscilla mo.
9 Terga. Ss. Cyrillo e Bricio bb., S. Anatoh* v m.
10 Quarta. s. Silvano m., S. Bianor b.
11 Qoinla. S. Sabino m., S. Abnendio m.
12 Sexta. S. Jo Goalberto ab., S. Jansoo.
13 Sabbado. S. Anacleto p. m., S. Ellas ra.
14 Domingo. S. Boiveotura b. card. dr. serapbleo
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 8 boras e 30 m. da aunbaa
Segunda as 8 horas e 54 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COsfelROS.
Para o sut at Alagoas a 14 e 30; para o nort*
at a Granja a 15 e 30 de cada mex; para Fer-
nando nos das 14 dos mezes Janeiro, marco, mai >'
jolho, setembro e novembro.
PARTE OFFICIAL
Ministerio do Imperio.
Relami dos offleiaes e pravas da armada condeco-
rados por decreto desta data, em remuneraran
de servidos prestados at o dia 22 de dezembro
de 1866 na esqoadra em operares contra o Pa-
raguay.
Ordem do Cruzeiro.
Offleiaes.
Cbefes de diviso Elisiario Antonio dos Santos,
Francisco Gordeiro Torres e Alvim e Jos Maria
Rodrigo.es.
Capito do mar e guerra Joaquim Rodrigues da
Costa.
Capies-tenentes Balduino Jos Ferreira de
Agolar, Gui herme Jos Pereira dos Santos, Joo
Menees Salgado e Jeronymo Francisco Gon-
<;alves.
Cirurgio de esquadra Dr. Carlos Frederlco dos
Santos Xavier de Azevedo.
> Cavalleiros.
Capiles de fragata Luiz Maria Piquet e Mamede
Simoes da Silva.
Capiles lenentes Manoel Carneiro da Rocha,
Augusto Nelto de Mendonga, Manoel Ricardo da
Cnnba Couto, Antonio Joaquim de Mello Tambo-
nm e Artbur Silveira da Motta.
1" tenentes Francisco Romano Stepple da Silva,
Manoel de Moura Cirne, Jos Bernardino de Quei-
roz, Joaquim Cardoso Pereira deMello, Felippa Fir-
mino Rodrigues Libaves, Custodio Jos de Mello.,
Luiz Barbalbo Munit Fiuza, Dionisio Maohes Bar-
reto e Jos Vctor de Lamare.
2' tenentes Antonio Quintiliano de Castro e Sil-
va e Luiz de Paula Mascarenhas.
1" cirorgles Drs. Joao Jc-s Damasio e Tristao
Henriques da Costa.
Ordem d* Christo.
Commeodadores.
Capftes de mar e guerra Victorio los Barbosa
da Lomba.^otonio AfTonso Lima e Jos Antonio de
baria.
Capites de fragata Vctor Santiago Subr e Eli-
:iario Jos Barbosa.
Capito-tenente Euzebio Jos Antones.
Cavalleiros.
Capites-tenentes Augusto Cesar Pires de Miran-
da e Francisco Goolart Rolin.
1" tenentes Francisco Aolonio Salom Pereira,
FranciscoiosCoelhoNeKo, Eduardo Wandetlc'jik,
Helvecio de\Souza Pimental, Manoel Soajfls"Pinto,
Franciseo SpfttdiSo Rodrigues Vaz^s Carlos
Palmeira, Octavfeno Antonio Vit.ytle Oliveira, An-
tonio Pompen de\\lbuquerque Tjavalcanti, Manoel
Marques Mancebo, Fe Carlos Ballbazar da Sirv'eira, "Carlos da Silveira
Bastos Varelia, Antonio Severiaoo Nones, Pedro
Pinto da Veiga, Miguel Joaquim Pederneira, Mi-
guel Antonio Pestaa, Jos Antonio Correa de
Mello, Francisco Flix da Fonseca Pereira Pinto,
Joaquim Antonio Cordowil Maarlty, Joao Jos Lo-
pes Ferraz de Castro, Euzebio de Paiva Legey, Jos
Dorotheo da Silva e Carlos Miguel Conrado.
2 tenentes Manoel Jos Alves Barbosa, Francis-
co Augusto de Paiva Buena Braodo, Rodrigo An-
tonio de Lamare, Heorique Ellery e Antonio Joa-
quim.
1" cirurgioes Dr. Pedro Manoel Alvares Morei-
ra Villaboiro, Dr. Luiz Augusto Pioto, Dr. Tristao
Arthor de Campos Pi, Dr. Domingos Soares Pinto,
Dr. SymphroBio Olympio Alvares Coelbo e Dr. Jos
Caetano da Costa.
2" cirurgioes Dr. Alfredo da Rocha Bastos, Dr.
Luiz Carneiro da Rocha, Dr. Amedeu Prudencio
Masson e Dr. Luiz da Silva Flores
2o cirurgio de commisso Justiniano de Castro
Rabello.
Capito de artilharia R. J. Ricce.
Commissarlo de 3* classe Marciano Marques dos
Santos.
2 pbarmaceutico Filinto Elysio Pinheiro.
Praticos 2* tenente Fernando Etchebarne e Ber-
oardino Gustavlno.
Ordem da Rosa.
Gra-craz de 1* classe.
Almirante visconde de Tamandar.
Grande dignitario.
Cbefe de esquadra baro do Amazonas.
Dignitario.
Capito de mar e guerra Delfim Carlos de Car-
valho.
Commendador.
Cirurgio de diviso Dr. Claudio Jos Pereira da
Silva.
Offleiaes.
Chefe de diviso reformado Anfcnio Lopes de
Mesquita.
Capites de fragata PedroThom de Castro Arau-
jo e Aurelio Garcindo Fernandos de S.
Casites-tenenles Joaquim Guilherme de Mello
Carro, Francisco Jos de Freita, Joao Gomes de
Faria Jnior, Joaquim Candido dos Reis, Fortunato
Fcster Vidal, Jos Marques Guimares, Joo Anto-
nio Alves Nogoeira, Manoel de Araujo Corte?, An-
tonio Luiz Hoonholtz, Joao Gougalves,Duarte e Lu-
cio Joaquim de Oliveira.
1" tenentes Pedro Ferreira de Oliveira, Luiz di
Costa Fernandos, Fernando Xavier de Castro, Elie-
zer Counbo Tavares.
Cirurgio de diviso Dr. Jos do Nascimento
Garca de Mendonca.
Io eirnrgio Dr. Joaquim Monteiro CaminhoS.
2* cirurgio Dr. Joo Adrio Chaves.
Cavalleiros.
Francisco Duarte da Costa
Ex-segundos cirurgioes Dr: Antonio Jos d
Mello e Dr. Luiz Alves Banbo.
! pbarmacoutico Jos Caetano Pereira Pi-
ntete!.
Pharmaceotlcos de commisso Antonio Candido
da Silva Pimentel e Silvestre Mondes Ferreira Ma-
galhes.
Capello padre Ignacio Emerat.
Pilotos Jos Manoel Feotes, Joo Bernardioo de
Araujo e Joo Pereira dos Santos.
Escrivo de 2" classe Manoel Francisco de Mon-
ra Bast. s.
Escrives de 3' classe Joo Antonio da Silva Pi-
caneo, Domingos de Souza Pereira Botafogo Filbe
e Hyppolito de Miranda Ferreira Compeli.
Commissario de segunda classe Luiz Antonio
Coelbo.
Commissario de terceira classe Manoel Jos do
Nascimento.
Primeiros machinistas James Honsby, Joaquim
Januario da Silva, Joo Madeira da Fooseca, Ben-
jamn Bethell, Joo Farlnha des Santos, Henriqoe
Carpencer, Roberto Harfleld, Guilberme Brlnkmau
Eduardo Walker.
Ajudantes machinistas Luiz Ferreira de Carvaiho la corte.
O teoeote-coronel Jos de Avellar e Aimeida,
com o titulo de barao do Ribeiro.
Manoel Ignacio de Oliveira, com o titulo de ba-
ro do Ouricury.
Felisberto Ignacio de Oliveira, com o titulo de
baro de Cruaogy.
Foram nomeados : '
Jos Martins Pereira de Alencasre, commenda-
dor da ordem de Cbristo, em attencio aos ser vi-
cos que prestoo como presdeme da provincia das
Alagoas, remetiendo grande numero de guardas
nacionaes, recrotas e voluntarios para a guerra.
Manoel Das da Cruz, commendador da ordem
da Rosa, em atteoco aos servicos que prestoa em
relaeo a' guerra cootra o Paragoay.
O major do estado maior de 2a classe Antonio
Domingnes Ferreira Bastos, official da ordem da
Rosa, pelos serviros prestados na organisacao do 3*
corno de exercito.
O capito-tenente da armada Fortunato Foster
Vidal, cavaeiro da ordem de S. Benlo de Avlz.
Foram apresentados:
O padre Dr. Jos Rayrooodo da Cunt-, na igre-
ja paroebial de Mossa Seobora da Candelaria des-
e Hennogenes Martins Bastos.
Praticos Luiz Repello, Jos Rolle n e Severine Ro-
drigues Dias.
Mestre Francisco Lino dos Santos.
Guardio Cyprlano Possidonio Simas.
Sargentos do corpo de imperiaes marinbeiros
Antonio Pacheco de Miranda e Saturnino dos San-
tos Vidal.
Cabo do mesmo corpo Benedicto Correa.
Cabo de marinheiros Eduardo Levag.
Ajudante do directar d?s construyes navaesda |
arsenal de marinha da corte Antonio Luiz Bastos
dos Res.
Director das offleinas de machinas do arsenal de i
marinha de Pernambuco Jos Maria da Conceigo
O padre iulio Carlos de Oliveira, na igreja paro-
ebial do Mcssa SeBboa* da Piedade do Tobaro,
da diocese do Rio de Janeiro e provincia de Santa
Catharina.
O padre Raymundo da Porificago dos Santos
Lmos, em um canooicato que se .cha vago na ca-
tbedrai da diocese do Maranbo.
O chantre Felicio de Abreu e Silva, na dignida-
dede arcipreste dacatbedral da diocese de Marian-
na.
O padre Fernando Augusto de Mello, na cade i-
ra de conego qoe se acba vaga oa catbedral da
mesma diccete.
Por carta Imperial de 22 foi agraciado D. Maria-
no Donlo Muoz, secretario geral de estado e Jnior.
Palacio do Rio de Janeiro, em 21 dejunhode
1867.ios Joaquim Fernandes Torres.
COINIIM DAS ARMAS.
Quarle general do eommando das armas de Per-^
oambuco oa eidade do Reeife, 8 da juho
de 1867. --"
OBDAf DO DIA N. 362.
O bri;deiro comraandante das armas declara a
guafngo para a fins convenientes :
i. Qoe a presidencia conceden em portara Je
6 do correte, tres mezes de licenca ao Sr. tenente
do 9. batalho de infamara do exercito Secondl-
no Ayres Velloso de Mello, para tratar de soa san
nisiro de relagoes exteriores da repblica di Bali-
via, com a gr-croz da ordem da Ros*.
Por decreto de 1 de jocho foi concedida a de-
misso qoe pedio Jos -Wartns Pereira de Alen-
casre do car^ de presidente da provincia das A-
ligoas.
Por decretos de 19 do correle :
Foi recondnzido o cooselbeiro Firmino Antonio
de Soma, desembargador da relacao de Peroam-
boco, oo lugar de presidente da mesma relaeo.
Coocedeo-se ao bacbarel Jos Marcellioo de A-
raujo Ledo Vega a demissio qoe pedio do logar
de juiz mooicipal da i* vara do termo do Rio
Grande, da provincia de S. Pedro do Rio-Grande
do Sol.
Foi removido, a seo pedido, o juiz municipal e
de Desta provincia ( em coolinoaco da que para o de orphos Joo Fraocisco de Moora Magalbes,
mesmo fim obteve do governo ), nos termas do ar- i do termo de S. Jos do Norte, na provincia de S.
ligo 4. 2.* do decreto n. 3,579 de 3 de Janeiro do Pedro do Rio-Grande do Sol, para a i* vara muni-
aooo passado, com os veocimeotos marcados no cipal da dita provincia. \
artigo 5.* 3 1." do citado decreto. Foram nomeados :
2.* Que o cooselho supremo militar de jusllga, o bacbarel Joo da Cuaba Pereira Beltrlo, juiz
em sessao de 21 de junbo ultimo, reformoo a sen-' mnnicipal e de orphps do termo de Pitaoguy, oa
tenca do conseibo de guerr?, qoe condemnou o Sr. provincia de Mioas-Geraes.
alteres Antonio BertinoPereiradeCarvalho.esargenio o bacbarel Jos de Souza Ribas, juiz municipal
ajudante Antonio Samuel Pereira Geraldes, ambos e de orbaos do termo de Pona Groaa, na pro
do extincto corpo provisorio desta provincia, a oin vlncla do Paran.
mez de priso levando se em conta -o-tempo de pri- o capito Antonio Alves de Campos, teoeote-co.
parte do|
sao soffrida corro ocursos oa primeira
artigo 8. dos de guerra, para coodemnar o prime
ro dos reos a doos mezes de priso, e o segando a
15 dias : consegointeraente determina.gueseja pos-
to em liberdade o mencionado sargento ajodarite.
Assignado) Joaquim Jos Gonqitties Fontes.
Esta conforme. Emiliano Ernesto de Mello
Tamborm, lenente-ajodantedeordens encarregado
do detalho.
INTERIOR
Capito tenente
Vidal.
1" tenentes Antonio Ximenes de Araojo Pitada,
Jos*Maximlano de Mello e Alvim, Jos Severo Mo-
reir Rios, Manoel Martins de Araujo Castro, Pe-
dro Jos Alves, Manoel Lopes da Cruz, Joo Joa-
quim Rodrigues Pinto, Francisco Forjaz de Lacer-
da, Antonio Ferreira de Oliveira, Arnaldo Leopoldo
de Murioey, Eduardo Augusto de Oliveira, Fre-
derico Guilberme de Loreoa, Jos Antonio de Alva-
rim Costa, Angosto Leopoldo de Noronba Torreso,
Joaquim Angosto da Costa Sampaio, Carlos Frede
rico de Noroob, Joaquim Googalves Martius, Frao-
cisco de Paula Telles de Menezes, Eduardo Frede-
rico Meooler Gocalves, Estanislao Prezerwodows-
ki, Jos Piolo da Luz, Francisco Jeronvmo Goncal-
ves, Felinto Perry, Jos Candido Goillobel, Manoel
Looreoc.0 de Castro Rocha, Gaspar da Silva Rodri-
gues, Augusto Cesar da Silva, Bonifacio Gil Pinhei-
ro, Saturnino Vieira de Carvaiho, Joaquim Ray-
moodo de Lamare Sobrfobo, Joo Justino de Proeo-
5a e Gregorio Ferreira de Paiva.
2*' teoeoles Joaquim Marques Baptista de Leo
Jnior, Jos Antooio de Oliveira Freita?, Joo Ma-
ria da Silva Cootlono, Hermn Lodwig ade, Ma-
noel Pereira Pioto Bravo, Jos Marqoes Maocebo e
Adolpbo Panlo do Bomsoccesso Galhardo.
Goardas-marinba Migoel Maria Listwa e HiDri-
qoe Carlos Ribeiro Lisboa.
Aspirantes Joaquim Pedro Alves de Barros e Ao-
tooio de Sooza e Oliveira.
i* cirurgio Dr. Manoel Baptista Valladeo.
2* cirorgioes Dr. Joaqoim da Costa Antune*, Dr.
Maooe! Joaquim da Rocha Frota,. Dr. Maooel Joa-
qoim Saraiva, Dr. Joaqoim Carvalho Betlamio, Dr.
Maooel Simoes Daltro e SHva e Dr. Odorico Carlos
Baeellar Aotuoes.
Cirurgioes de commisso Dr. Jos Pereira Gui-
mares, Dr. Raymoodo Jaciottro de Sampaio, Fran-
cisco de Paula Pereira Tavares, Williara Rogers,
Gervasio Alves Pereira, Joo Pizarro Gabiso, Ma-
ooel Caetano de Mattos Rodrigues, Antonio Nogoei-
ra de Mendonca.
RIO 1)E JAMviltO
26 de jimho.
O senado adoptou bontem em 3' discusso
proposico sobre a construeco do ramal da estra
da de ferro de Valenca.
Approvoo em 1* e 2" discossao a_ proposigp
que aumrisa a naturalisago de cidado brasiier)
do subdito portogoez Joo de Meoezes e Suva e oa
tros. 1
Rejeitou em 1* discusso a proposico de 1860
sobre exames de varios esludantes, a qoe se refe-
ro o parecer da mesa o. 80.
Continuando a 2* discusso do peojeelo decla-
rando extensivo ao principe consorte da princeza
imperial o art. 6 da lei do ccnselbo de estado, foi
approvado o arligo additivo do Sr. Prannos, e
bem assim o seguinte do Sr. visconde de S. Vi-
cente.
f O casamento da imperante oo da priocezi im-
perial com um estraogeiro importa para este a
coodico de efeado brasileiro natoralisado. Elle
prestar o respectivo juramento perante o impera-
dor.
O projecto passoo 3* discusso.
Proseguio a discusso da resposta a' falla dp
ihrooo. Orram os Srs. baro de S. Loureoco, Za-
caras (presidente do cooselho) e bario deColigipe,
e licou a discusso adiada pela hora.
A cmara dos deputados approvoo hootero, soc-
cssivameole, os pareceres da 2* 6 3' commissSes
de poderes recoobeceodo deputados os Srs. Aolo-
nio Carlos Ribeiro de Andrada Machado e Silva,
Joo Crispioiaoo Soares e Olegario Herculano de
Aquino e Castro, pelo 3a distncto da provincia d*
S. Paulo, e os Srs. Caetano Xavier da Silva Perei-
ra e Joaquim Jos de Assis, pela de Malto GrossO.
Elegeu depois para membros da mesa qoe tem
de fonceionar durante o. corrente mez o* mesmas
do mez passado.
Cooliooon em ultimo logar a discossao da prc-
posta que fixa a forca naval para o anno financel-
ro de 1868 a 1869. Oraram os Srs. ministro res-
pectivo e Dias da Cruz, fleando a discossao adiada
pela hora.
Foi a imprimir a seguinte redacto t
c A assembla geral resolve :
t Art. 1 Fica o governo aotorlsado para cooc
der carta de oatoralisaclo de cidado brasileiro
aos subditos Italianos padre Niscolo Loiz, residen-
te oa proviocia de Mioas-Geraes, e Heoriqoe Kou-
sio, residente na do Espirito Santo; aos subditos
portoguezes Joo Loureiro de Carvalho, residente
na corte, Jos Pereira da Costa Maldooado e padre
Jos Maria Dias Pereira, residentes oa do Rio de
Janeiro, Jos Cutrira de Sooza e Fraocisco Norc-
oha da Meoezes, residentes Da do Ceara', Jos Luiz
de Araujo e Nicolao Teixeira de Araujo, residen-
tes na de Minas-Geraes, Antonio Jos Ferreira de
Vasconcelos, residente na de S. Pedro do Rio
Grande do Sol, e analmente ao subdito prussiaoo
Dr. Francisco de Paula Cavalcaote de Albuquer-
que, residente Da do Cear.
Art. 2 Ficam revogadas as disposicSes era
contrario.
c Paco da cara dos depotados, em 26 de junbo
de 1867.Piolo de Figueiredo.L. de Albuquer-
qae.
rooel commaodaote do batalho de lofaotaria o-
33 da guarda nacional da provincia de Peroambu
co.
Rogerio Lacio da Silva Mergulbo, tenenle-coro
oel coomaodaole do 2* corpo de cavallaria da
guarda nacional da dita provincia.
Poi rtfcrmado:
O coronel commaodante superior da goarda na-
cional dos municipios de Olinda e Igoarasni Joa-
quim Cavalcante de Albuquerqoe, do mesmo pos-
to.
Foram perdoados:
A Antonio Fraocisco Rodrigues, o resio do lem-
po qoe Ibe falta para cumprir a pena de 6 annos
de priso com trabalbo.
A Manoel Benevenuto Coelho, o sesto do lempo
que Ihe falta para cumprir a pena de 4 annos e 8
mezes de priso e molla commotada em 2 annos
e 7 mezes.
A Paulino Marceliino de Oliveira, o resto do
lempo que Ihe falta para rumpnr a pena de 14 me-
zes de priso e multa correspondente melade do
tempo.
A Wenceslao Gomes da Rocha, o tempo que Ibe
falta para cumprir a pena de 3 annos de priso.
ciaes, cmaras municipaes, coofrarias? irmaodades
e cidados.
Tratou-se em 1' discusso da preposicj relati-
va ao deseovolvimeoio das acluaes estradas de
ferro para o interior do Brasil, com o pareceres
respectivos, e depois de algunas observares dos
Srs. Silveira da Motta e presidente do cooseibo.
venceu-se o adiamento, at estar presente o Sr.
ministro das obras publicas.
Continuando a discusso do voto de grabas, ora-
ram os Srs. presidente do cooseibo e Sooza Franco
e Gcou a discusso encerrada, nao se procedeodo
votaco, por falta de numero legal.
A cmara dos deputados approvoo bontem sem
debate a redaego. do projecto que ja publicamos,
antorisando o governo a conceder carta d oatu-
ralisago a varios esirngeiros.
Continuou em seguida a discossao da proposta
do governo que lixa a forga naval para o anno -
nanceiro de 1868 a 1869. Orou o Sr. Gama Abreu.
Occupoo-se depois com a discusso do parecer
da commisso de poderes sobre as eleigdes do 5"
districto da provincia de Mioas-Geraes. Oraram
os Srs. Ferreira da Veiga e Araujo Barros.
Ambas as discusdes caram adiadas pela hora.
Oliveira, 2 sargeoto alferes
batalho de infatuara.
Em 25 do correte foram expedidas as seguale.*
ordene:
Prorogaodo por 3 mezes a liceoga com qoe se
acba para tratar de soa saode oa provincia de S.
Paulo o capito do 1* regiment de cavallaria li-
geira Fraocisco de Assiz de Araujo Maeedo.
Em virtude dos termos de ospecgo, a que pro
cedeu a joma militar de saude em sesso os. 867
e 868 de 14 e 17 do correte:
Coocederam-se as segoiotes licengas:
De tres mezes, com sold e etapa, para goza-la
na provincia da Babia, ao major do 54 corpo de
voluntarios da patria Thomaz Jos de Araojo Oli-
veira Lobo.
De dous mezes, com sold e etapa, ao capito do
37* corpo dito Joo Esleves de Freitas.
Exonerado do servico do exercito :
Capito do 23* corpo de voluntarios da patria
Daniel Urbano Danascenc Rosado
Dito do 29 dito Angosto Praoco Velasco.
Tenente do 54 dito Pedro Lopes Mooiz Fiuza.
Alferes do 38 dito Fraocisco Xavier de Salles.
Dito do corpo policial de Matto-Grosso Fraocisco
de Paula Rodrigues.
Diio de commisso Fraocisco Aotonio de Oli-
veira.
S. M.o Imperador, acompaohado dos seos semi-
narios, visitn bootem as offleinas de machinas do
arsenal de marinha, os monitores em coustrueco
na ilha das Cobras e oasylo provisrio de invli-
dos oa Armago.
Sua Magestade chegou ao arsenal s 9 boras da
manh e retirou-se 1 hora da tarde.
Por decretos da 8,
graciados: \
19 e 22 do correnle foram <
Fallecen boje de velbice, oa idade de 103 1|2
annos, urna parda de nome Valeria do Nascmeoto
Maia, natural de Campos, stlteira e moradora em
Nilherohy.
A fallecida tinba em perfeito estado todas as'suas
faculdades.
- 27
Foi bootem apresentado no senado o seguinte
reqnerimento do Sr. baro de Colegipe, e teodo o
Sr. visconde de Jeqoitiobonba pedido a palavra,
fleon adiado.
Requeiro qne se pegara ao governo pelas re-
partigdes competentes, os esclarecimentos segra-
les :
1 1.* Reiago dos offleiaes da goarda nacional
qoe tem sido demittidos, suspensos e reformados
sem reqoererem, desde agosto do anno passado al
boje, e sendo possivel copla das nlormacoes qce
molivjrara taes actos. .
2.* Qnantos commandos superiores e corpos
da goarda nacional tem sido creados, e em qoe
provincias, durante a mesma poca. \
c 3.* Reiago dos jaizes manicipaes qoe tfero
deixado de ser recondnzidcs ; dos jaizes de dlrei-
to avalsos, vencendo oa nao ordenado, do meslo
espaco. V
c i. O numero de pragas da guarda nacional
qoe tem dado para o servlgo de guerra as provin-
cias d S. Paulo, Minas, Bahia, Rio de Janeiro e
Pernambnco.
Entrn em 1* discusso, e depois de algomas
observares dos Srs. Sinimb e Penna, foi rejelta-
da, a proposigo aotorisando a matricula do estu-
dante Durva de Menezes Fraga e ooiro.
Foram successivamenle postos em discusso, e
approvados, dez pareceres da commisso de legis
lago, para serem archivados, iodeferidos, coosi
derados prejodicado', 00 flearem sobre a mesa,
differeotes representagOes de assembta* provio
Por decreto de 19 de junbo foram consedidas as
segiotes pensdes:
De 6O3 mensaes:
A D. Maria Justina Flora Dias, me do capito
do 18* corpo de voluntarios da patria Jos Candido
Dias >ampaio.- *
A D. Isabel da Cunha Valdetaro, viuva do ca-
pito do 28* corpo dito Luiz Martioiano Valde-
taro.
De 425 mensaes:
A ti Pdrr*berta Martins de Carvalho, mi do te-
viente da guarda rr.ciou.' Feliciano Mariins de Cas-
til ho.
A D. Jesuina Emilia Pedrosa Lobo, mi do len-
te do 7* corpo de voluntarios da patria Antonio Pe-
droso Goularl.
De 215 mensaes :
A Manoel Antonio So.res da Gama, lene'uie re-
formado.
De 18 J mensaes :
A Jos Nicolao de
de commisso do 8"
De 600 rs. diarios
A Antonio da Rocha Lopes, 1* cadete 2* sargen-
to do 31' corpo de voluntarios da patria.
A Jos Baptista Pinto, particular 2 sargento do
1 corpo dito.
De 500 rs. diarios :
A Raymundo de Souza Mattos, cabo do 1* corpo
dito.
A Luiz de Franga Silva, dito do 2 batalho de
iofaotaria. ,
A Manoel Antonio Teixeira, dito do 7 corpo de
voluntarios da patria.
A Vctor Antonio de Sou a, dito do 11 batalho
de lofaotaria.
A Joaqoim Ribeiro Soares, dito do 11* dito
dito. -
De 40 rs. diarios:
A Vginio Isidoro dos Santo?, soldado do 7* cor-^
po dervfrrBo taos da patria.
A Isidoro Bispo 'de Sooza, dito do dito dito
dito.
A Antonio Fraoeisco Barbosa, dito do 30 dito
dito.
A Joo Feliciano Ferreira, dito do dito dito
dito.
A Tertuliano de Aimeida Trindade, dito do 10*
dito dito.
A Joaquim Bento de Araujo, soldado do 8* cor-
po de voluntarlos. *
A Jaciotho Moreira, dita do 32 dito dito.
A Raymado Pereiri da Silva, dito do 46 dito
dito.
A Jos Viceote SaturDioo, dilo do 15* dito dito
dito.
A Marciano Damasceno de Carvalho. dito do 12*
dito dito.
A Jos Francisco de Brito, dito do 30* dito
dito.
A Theodoro Vaz de Jess, dito do 8* dito dito.
A Antonio Gomes de Azevedo, dito do 3 dito
dito.
A Balbino Jos Francisco, dilo do 12 batalho
de infamara.
A Simeo Jos Machado, dito dilo dito.
A Mariano Carvalho Barbosa, dilo dito.
A Gaspar Antonio de Souza, dito do 6 bata'lbo
de infanlaria da guarda nacional da corte.
Por decretos de 22 do dito mez :
De 500 rs. diarios:
A Leonardo Vieira de Souza, rabo do 29 corpo
de voluntarios da patria.
A Joaqoim Napoleo de Moura, dito do 40* dito
dito.
De 400 rs. diarlos.
A Benedicto Antonio do Prado, soldado do 2*
corpo de voluntarios da patria.
; A Ibrabim Pereira da Costa, dito do 18 dito
dito. "
Por decreto da mesma data foram condecora-
dos : .
Com o habito de Cbristo o padre Benedicto Conti
e o 2 cirurgio Dr. Alfredo da Rocha Bastos, pe-
los servigos qoe prestaram oa esqoadra em oppe-
ragoes durante a Invaso do cholera-morbos.
Prestaram exame do dia 22 do correte, e obtl-
veram carta de piloto, os seguintes seobores
Luiz Jos dos S ntos.
Carlos Angosto de Faria Veiga.
Boaveutura Jos da Silva.
Joo da Penna Jnior.
Jos Carlos da Costa Barros.
Pedro Googalves Perdigo.
28 -
HoDtem nao houve sesso oo senado por falta de
numero legal.
< Cinco caobooeiras da esquadra braslleira, seis
transportes, algomas chatas e outros navios domi-
oam o alio Paran', vigiando noite e dia aquellas
margeos, theatro de tantos combatea passados.
t Tambem na parte do rio fronteira ao Estero
Bellaco esto numerosos vapores da esquadra bra-
silera, que nao permittem por all o passo.
O correspondente da Nacin Argentina observa.^
< Ha alguns dias mudou completamente o as-
pecto da guerra.
Tudo esta' em movimeoio. O general Osorio
|a' passou a Tranqueira do Loreto e vem sobre
luir.
O marquez de Caxias mandn preparar tudo
para a marcha. Foruacatdss, trem de guerra e a
aclividade dos fornecedores, ledo, todo esta' de
monstrando que vo principiar com vigor as ope-
rag5es.
No meo modo de ver e segando os melbores
dados, o mez de jalho vai registrar um desses com
bates em que se decide da sorte dos povos.
A esqoadra uo cessava de bombarbear Curu-
paily. Em Curuz, como oas linhas de Tuyuty,
havia entre as-avangadas amiodados tiroleius, de
que sempre resaltavam alguns ferimeotos, e de
vez em.qoando urna morte.
Correm differeotes vende* sobre o motivo
dessa entrevista militar.
< Alguns qoerem crr que o geoeral Caxias, 00
desejo de unir sua torga a de Osorio, veio consul-
tado para esse effeito.
< Qaerem outros que Osorio fosse o solicitador
da conferencia, com o Qm de pedir ao marqaez a
I soa opioio sobre as operagoes do 3* corpo de ex-
ercito depois da talar o territorio paraguayo.
Emflm, fosse qoal fosse a caosa da conferencia
bavida, o resoltado bavemos de saber breve.
Eatretaoto, sera' nm plano errneo se desisti-
rem da passagem de Itapa para fazerem joocgao
de forgas.
A expeiieocia, e qoe fatal experiencia, nos
tem provado qoe a jonego do 1* eoro o 2 exerci-
to, bem looge de produzir om feliz xito, ao con-
trario concorren directamente para o atrazo das
operagdes, sendo para o erro dellas, erro Slho de
rivalidade entre grandes e cojos resoltados altes-
tam os moros de Caropaity.
Itapa (segaodo as acreditaveis noticias qne
temos) nao tem forga sufficieote para repellir nossa
invaso ; esta effectoada, o loimigo tem sem a me-
nor duvida de atleoder a ella; ora, abi tem om
desmerabrameoto de sua tropa e por cooseqoencia
4
Sobre o estado satisfactorio do exercito publica a j immediata ama total impossibilidade de fazer fren
Nacin Argentina a seguiote carta : I te as tres torcas beillgeraotes.
< Hoje, como ja' disse, acha-se o exercito brasi- | Sea estrategia militar dos demoostra a grao
leiro em moito bom estado de disciplioa e ludo se
deve esperar destes soldados.
t E' ceno que em parte estes trbalhos, estes
afans se esterilisaro momenlanearaente, pois nao
basta va que urna revolago parricida viesse obri-
gar a separar do exercito alliado grande parte dos
aguerridos soldados argentinos, mas anda a chole-
ra dizimou tambem as rlleiras .dos-libertadores do
Paraguay.
Com to poderosos motivos assz jusliScada
eslava a forrada loacgo d) marquez de Caxias;
mis i> aue teria satisfeito outro geoeral meaos
amante de glonu.so seu paiz nao o rmiz elle tomar
por egide protectora, atif.as_.sen? tcjnsar um
momento se dedlcou a preparar os eleu^. ->qs, que
de utilidade attestada pelos exemplos qoe pode pro-
duzir um ataque simulado meramente em ponto di-
; verso aquelle a que o inimigo tem empregado soa
vigilancia e cuidado, como desconbecerse o grao-
de proveito que deve produzir um ataque de faeto
por diverso ponto aquelle qoe o inimigo guarda
com sua pequea forga ?
Loper, no empenho de obstar as operarles
deste exercito, despreode orna forga para Ibe fazer
frente.
Abi temos o enfraqoecimento de suas flleiras
qae disputara a lomada de seus fortes e nossas
forgas podem tentar um assalto e lograr um trium-
pho.
Eu emendo que a atteogo do ioimigo orna

c
devera assegurar o iriumpho a' causa da alfrav^v'das cousas qoe se" deve de preferencia buscar dis
Mu fcil me seria apontar aqui todos esses%trabir, e se me nao engao isto nao idea minba,
trbalhos, que nem se quer sao suspeilados pelo
inimigo, mas preBro guardar silencio, pois at cor-
to ponto seria prestar servigo, aos inimigos da cau-
sa, que nao tardariam a fazer saber a Lpez q jau-
to se tem feito.
Breve, muilo breve esses trbalhos serj do
e sTfB\de quera muito "mais habilitado do qae ea
coDhecfhjJjtj? diaria -Vt.aerra.
Vou de oovo refer rracto tAr-janslo dos ex-
ercitos 1 e 2* para pergontar :
< Quai o resultado qoe produzo essa joocgo.
< E' o que esta' a vista de todos,
t Nao temos a registrar um feito glorioso de
nossas armas depois de unidas dos campos ioira!.
gos.
1 A falta de estabilidade nos planos iocon'.es-
dominio publico pois vo traduzir se em factos que
todos farojustiga.
De outras correspondencias extrahimos o se-
guinte :
c E' falso, completamente falso, que a cholera -tavelmente um atrazo para as operagdes.
tornasse a apparecer em Tuyuty ; a verdade qoe | 1 Eu entendo, e crelo que muila gente opin.ra'
ella nao se aoseoloo io eirameote e que na ultima { commigo, que o 3* corpo de exercito deve operar
semana tivemos cinco casos fataes, mas esta sema-, por Rapua e nnnea faaer jonego as forgas em opo-
na nada ba que inspire cuidado. i ragoss ni Paraguay.
< Falln se de om grande combate travado em > Mas os borneas qae tem oas mos as redeas
Carozo eolre alguns batalhoes brjsileiros e para- \ destes negocio.- obraro como eoteoderem.
goayos, mas tambem falso. Hjove um tiroteio c O que ea pego qoe a qoalqoer plaoo qoe
JjtBJVpooco serio entre partidas que sahem a des- adoptera a Providencia Divina ampare com sua
cobeto, e, como naltral, ambos os lados tiverara proteego.
aejQeridas. t A cholera em sua danmificadora passagem pe-
Bizem qne o general Osorio recebeu ordem de los nossos exercitos no Paragoay dizirooo inoorae-
:orporar-se ao grosso do exercito de Tuyuty. f ras vida?.
Extinguiram-se bastantes corpos por caosa da
grande morianJade bavida.
-Os offleiaes desses corpos vieram servir nesta
exercito.
Felizmente Do temos lldo enfermidade por
aqui e Deus queira que sempre po; saraos dizer as-
sim.
Nada mais me resta a narrar, porqoe nao
en:
Sei que elle leve ordem de por-se em marcha,' ms
ignoro para onde se dirige, como provavel qae o
o igoorera qaaotos fallam deste assumpto, por que
o marquez de Caxias a ninguem da' canta do que
faz, ese a alguma pessoa o copfia essa tem bastan-
te criterio para nao ir divlgalo
< Falloo-se tambem de grandes magos de papis
recebidos as liabas, viudos do Paraguay e entre-
gues ao marquez de Caxias. Os magos nao sao ta- ieem occorrldo novidades, a nio ser o que levo
manhos como se inculca. E' certo que o marquez 1 dito,
recebe sensualmente informagdes secretas, que
mas o modo por que
um aovo peridico
creio sao muito bem pagas,
as recebe nao o conhego, nem suppooho que o co-
nhegam aquelles que referen) cado.
Ha trbalhos Importantsimos fitos oestes l-
timos dias e que ratera suppr um ataque immi-
oeote, mas quandosen' nao o posso adiviohar.
c Nada de novo as linhas. O inimigo ai que
parece adopta a tctica da inercia ; a cada om a
soa vez.
O interior das provincias argentinas continuava
agitado pelas guerrilhas, mas apezar disto snppu-
nba-se que o geoeral Paooero nao tardarla a vol-
tar ao Paragoay com parle ao meos das suas
forgas.
Em Boeoos-Ayres aioda Mitre agoardava a so-
lucio da questo da vlce presidencia da repblica,
que ao congresso parecia bavor alguma disposigo
para protelar.
Propondo-se na cmara dos deputados nacioaaes
a expnlso dos depotados Sarmiento e Ocampo por
traidores a' patria, como implicados na recente
revolago, (ravon se sobre isto calorosa discossao
qoe durou alguns dias, em qae as galeras e os car-
redores esliveram sempre apiobados de povo. Um
telegramma da ultima hora expedido para Monte-
video annuncla qne a. cmara acaboo por volar a
expnlso com grande maioria.
Desta ultima eidade nada temos qae referir.
Eotroa tambem bootem dos portos do sol o va-
por Guapori com dalas de Porto-Alegre at 19,
Rio Grande 23 e Santa Catharina 25 do correte.
As noticias sao de pouco interesse.
Pela presidencia da provincia de S. Pedro do Sol
lora oomeado o tenenle-coronel Francisco Pinto
Porto para organlsar um corpo provisorio nos mu-
nicipios do Rio Pardo e Eacrozilhada, e com elle
marchar a guarnecer a fronteira oo ponto que Ibe
fdr designado.
A cmara dos deputados approvoo hornera o pa-
recer da 3' commisso de poderes sobre as eleigdes
da provincia deGoyaz, reconhecendo deputados os
Srs. Andr Augusto de Padoa Fleury e Jos Vieira
Couto de Magalbes.
Continuou depois a 2* discossao da proposta do
governo qoe lixa a torga oaval para o anno finan-
ceiro de 1858 a 1869. Orou o Sr. Vaz Pinto.
Continuou tambem a discusso do parecer da 3*
commisso de poderes sobre as eleigdes do 5* dis-
tricto da provincia, de Mioas-Geraes. Orou o Sr.
Ribeiro da Loz.
Ambas as discoss5es acarara'adiadas pela hora.
Eotroa bootem do Rio da Prata o traosporte
Arino com folhas de Boeoos-Ayres at 20 e Monte-
video 22 de correte.
As ultimas noticias que ham do ibeatro da
guerra sao datadas de Toyuty 14 a Con entes 16.
Nao se fallava seno de preparativos de ama ba-
talba, que se ealcolava para principios de julho, e
em qoe se decidirla provavelmeote da sorte da
guerra. No acampamento alliado estava-se coos-
truindo nova lioba de triocheiras, oo antes de fos-
sos, para poder aquella poslgo flear guardada por
diminutas forgas emquanto o grosso do exercito fr
emprebeoder operagdes por ootro ponto. E' pelo
menos o qoe dizem as correspondencias.
Este ootro pooto esta' claro qoe a esqoerda das
linhas de Lpez, por onde ellas podem ser flan-
queadas, indo os exercitos. sitiados sabir-Ibes pela
retaguarda. Alli os Paraguayos, toreados a baler-
se em, campo aberto, dtfflcilmeote resistiran) ao
impeto Mas nossas Iegi5es aguerridas.
Accresi^nta urna correspondencia:
A mesma presidencia ordenoo ao major Bernar-
do Lopes Doro, enearregado das reunies no dis-
tricto de S. Joo de Camaquao, qoe se recolhesse
a' capital com as pragas qoe tivesse reunido, aflm
de marchar para a fronteira de Urogoayaoa.
Fr preso em Viamo Serara da .locha Gil,
om dos autores do alternado cootra a pessoa e pro-
priedade de Jos Loiz da Costa Jooior, vereador
da cmara municipal da capital da provincia.
Fra contratada com Hygino Correia Durao a
coDStrocgo (.0 caes da eidade do-Rio-Graode.
Por determinaco do presidente seguir para o
passo de Piratiay o engeaheiro Dr. Antonio Eleu-
tbonio de Camargo, aflm de estndar os trbalhos
para* aconstruego de urna poste naquella loca li-
dade.
00 3* corpo de exercito escreverira a Astra de
Bag o seguinte : .
< S. Carlos, 26 de maio de 1867.
< Estamos acampados em S. -Carlos, qaatro le-
guas a quem de Itapa.
< O exercito esta' com oito mil e tantos solda-
dos, r
1 A elle devem unirse mafs seis mil homeos,
commaodades peto general Argolo.
< Devenios por conseqoeocia emprebender a pas-
sagem para o territorio inimigo com qualorze mil
Brasleiros.
Tenbo f, anima-se nma esperaoga consolado-
ra, de qne ao 3* corpo de exercito vai caber a glo-
ria da reodgo dos Paraguayos.
No dia 16 do corrate segoio deste pooto o
Exm. Sr. baro do llar val, pelas 11 boras da ma-
nba aeompanbado de um official, quatro pragas e
mais dous cidados argentinos, com destino a em-
barcar na Tranqueira do Loret?, aflm de ir confe-
renciar com o Exm. Sr. marquez de Caxias, que
I embarcara no mesmo dia para encontra-lo.
1 A conferencia leve lugar no da 18.
O baro ja' esta' de volta.
Publiciva-se no Jaguaro
com o titulo ii: de Junho.
De Santa Catharina nao ba noticia algama de
importancia.
No dia 24 seguirn) para o sol os vapores Geren-
te e Presidente.
Por carta imperial de 26 do correnle foi Datura-
Usado cidado brasileiro o subdito portugus An-
tonio Jos de Aimeida Costa.
Por decretos da mesma data foram concedidas
as seguintes pensdes :
A Leocadia Maria da Conceigo, vi ova do solda-
do do 7* corpo de voluntarios da patria Francisco
Camillo Dias da Silva, a de 12,* mensaes.
A D. Anna Barbosa da Conceigo Silva Leal,
I viuva do major Elsea Xavier Leal, a de 42#000
meosaes, sem prejuizo do que por le Ihe compe-
tir.
Por decretos de 22 do correte:
Fot suspeoso do exerclcio por tempo indetermi-
nado o coronel commandante superior da guarda
nacional dos manicipirs de Maragogipe e Tapera,
da provincia da Babia, Joo de Oliveira Goedes.
Foram reformados:
O tenenle-coronel commaodaote do batalho a.
29 da goarda nacional da proviocia de Pernambu-
co, Severioo Alexaodre Villano, oo mesmo pos.o.
O coronel commaodaote superior da guarda na-
cional dos municipios do Pombal e anoexos da
provincia da Parabyba, Joo Daotas de Oliveira,
no mesmo posto,
O tenenle-coronel commandante do batalho o.
21 da goarda oaciooal da provincia da Parabyba,
Vicente Jos da Costa, no mesmo posto.
Foram nomeados :
O bacbarel Joo Manoel-Mendes da Cooba Aze-
vedo, Joiz inooicipal e de orptos do termo de S.
Jos do Norte, da proviocia de S. Pedro do Rio
Grande do Sol.
O teneDle-corooel Vasco Marrano da Gama e
Mello, chefe do estado maior do commaodo supe-
rior da suarda nacional do municipio dalmpera-
triz, da provincia das Alagoas.
Joaquim da Silva Crrela, teoeole-corooel com-
mandante do batalho de iofaotaria o. 10 da goar-
da nacional da dita provincia.
O tenenle-coronel Felippe di Cunha Lima Mata-
raca, commandante do batalbo de infanlaria D. 27
da goarda nacional da dita provincia.
O lenente-coronel Dr. Manoel Dantas Correia de
Ges, coronel commandante superior da guarda
oaciooal dos municipios de Pombal e aonexos da
proviocia da Parabyba.
Clementino Leite Ferreira, teen te-coronel com-
mandante do batalho de infanlaria n. 21 da guar-
da nacional da provincia da Parabyba.
O tenente Ilidlo Dantas Correia de Ges, tenante
coronel commaodaote do batalbo de infanlaria o.
23 da goarda oaciooii da dita provincia.
O teosnte-coronel Joao Francisco de Carvalho,
coronel commandante soperior da guarda nacional
dos municipios da Passagem Franca e Manga, da
provincia do Maraaho.
O teneote-coronel Manoel Jansen Telles da Silva
Lobo, coronel commandante saperior da goarda
nacional dos municipios de Codo e Coroau* da
mesma provincia.
Foram perdoados :
A Googalo Santiago o resto do tempo que Ihe
falta para onmprir a peaa de qaatorze annos de
priso.
A Joa Flix da Rocha o tempo qae Ihe falta pa-
ra cumprir a pena de doze anuos de priso.
A Maooel Ferreira dos Santos o resto do lempo
que Ihe falla para cumprir a pena da doze aonos
de priso.
A Miguel Ferreira Gomes o resto do lempo quo
Ibe taita para cumprir a pena de quatorze annos da
pri'So.
A VicjQte Francisco Je Oliveira o resto do tim-
1 --.
1/

M


Marte de Pernav>beo vcrca le 8 de Jul de
1867.
y '
*,
pj que he falta para camprir a peo* d* qwtotte
annos de prisa o.
Por decreto de 18 do carrele foram asonados
quartos escriptorarios da c ntadorla de rnarinba
8 praticanles Jos Joaqaim dos Sanios Juaior, e
Jos Faustino da Silva lacques; e por titulo da
raesma dala foram nomeados praticanles Eduardo
Eugenio de Parla, ABtonio de Babo Rlbeiro Soaza
Juior e Feiisbtrto Augusto da Costa.
Por decreto de 19 fot aposentado o almoxarife
da 1 scelo do almoxarifado Francisco Gregorio
de BuIhSes Coelbo, e nomeado para o substituir Ri-
czrdi Jos de Araujo.
P r decretos de 21 do p'esente mez, confero-se
a gradoaje da raplto-enente ao director das o-
ficinas de machinas do arsenal de rnarinba da pro-
vincia de Peroambneo, 1* tenente graduado Jos
Mara da Conceico Jnnior, e a de 1* tenente ao
ajodante do director das construejSes navaes do
arsenal da corte, 2 tenente graduado Antonio
Luiz Bastos dos Res, pelos servijos qae tem pres-
tado, diriglndo, aquello a encina de machinas, e
este a de construcjSes navaes, estabelecidas no
Cerrito para occorrer s necessidades da esqoadra
em operabas contra o Paraguay.
-------- m m\ i
S. A. o 9c. conde d'Ea visitn hontem o labora-
torio pyrotechnico do Campinho.
O Sr. ministro da guerra visitn bontem as obras
que se esto fazendo na ilba do Bom Jess para o
As. y lo de Invlidos, e depois o asylo no morro da
Armacao, examraou minuciosamente tant) aquel-
las obras, como o estado de asseio a- disciplina do
asylo, demorando-se para esse m desde as 8 1(2
horas da manha at as 2 horas da tarde.
L-se no Telegrapho Martimo :
Por um preprio para o governo chegado de
Maldanado, quinlafeirade manha, receben o Sr.
chefe poltico os seguintes pormenores de um s-
nisiro no Rio da Prata.
Copia do fragmenta esCripto com lapls e atira-
do ao mar era nina garrafa, relatando a triste si-
tuajo em qae se acha-vjm a tripolaco e passa-
geiros da barca hespaohoia Innocencia, encontra-
do na costa de Castillos, onde parou a garrafa per
feitamante lacrada^ e a qnal foi recolhida com va-
rios cadveres de mulberes e homens.
O fragmento diz assim :
A bordo da barca Innocencia, na altura de
Cisullos, 8 de marco da 1897.
Acbamo nos nesta altura arribados da Patago-
na. navio acha-se em amito mo estado e U-
zendo muita agua ; vamos com direcjao a Mou-
tevido : desgrajadameute ha toda a probabili-
dada de naufragarmes autes de entrar.
Perdamos o capitn e o pilotj era coosiquen-
ca do temporal ; irazeraos aborda despedajada;
o navio aprsenla o qoa Iro mais desolador pe-
los c amores de irinla senhoras e horneas que
terhs a bopdo, as quaes, convencidas do nosso
eei.o naaragto, lupluraa o soceoro Ja Pruv;-
deoea.mostrando ao co os innocentes que lero
a mesma sorte que todos nos ; e eu que navego
ha 37 annos, nunca me vi como hoje que se me
aprresecta o flm de meus dias ; por Isso ped
h?opp4eaMar e ertraordl&erie da-souraa de.....
30,9zj:371#217, destinada a saiisfazer exwsso de
despeza, e aotorisacio para a reallsgao de ppera-
(5es de crdito eu emisso de papef moe*;ratdJ a
importancia do crdito solicitado, bem c, m de
uqia somma correspondente ao resto das aaterisa-
coes concediJas pelas leis n. 1177 d- 19 de setem
bro de 1862, art. 22 8 3, n. 1236 de 10 de setem-
bro de 1863, o?. 1244 e 1243 de 26 e M do ionho
de 1865, e ns. 1330, 1310, 1352 de- 24 de agesto e
19 de selembro do anno passado.
A comroisso considerando quet o transporte
das qiantlas de qae trata .a proposta-de verbas nao
esgotada8 para as que o foram tova saa justiflea-
cacao em necessidades de servigo publico e precei-
to legal, enlende que devera ser approvados os de-
cretos que o antonsaram.
Considerando mai a commisso, que abertura
do crdito supplementar e extraordinario sDlIieita-
do corresponde, segundo esta- demonstrado, a ne-
cessidades reaes do servico publico, e finalmente
que para occorrer s despezas provenientes do
crdito pedido, assim como aos outros encargos, de
que ralla a proposta, derivados de diversas auto-
risages legaes deve o ibesouro flear premunido
dos meios necessarios e promptos, de modo a estar
desafogado da presso de difflculdades, o que com-
pre previnir, e considerando, qae, segando se v
da exposigo de motivos, que precede a proposta,
talvez seja Indeclinavel empregar como recurso ex-
tremo a emisso do papel-raoeda, e certa de que,
segundo a palavra do governo, esse recurso nao
sera ernpregado senao no caso de o exigirem as ne-
cessidades do thesooro, bem como que os poderes
pblicos nao deixaro jamis de attender' a's con-
sideragSes de magno interesse nacional que dicta
ram o art. 9 da proposta :
E* de parecer que seja ella sobmettida a' deli-
berado desta augusta cmara; convertida em pro-
Jecto de lei dos seguintes termos:
Accrescente-se :
A assembla geral legislativa decreta :
O mais como na propdta.
Pa?o di cmara do depotados, em 27 de ju-
nho de 1867.p. LeSo Velloso__Baptista Pereira.
Arago e Mello, i
.a
-r**-
RodeHpb. Corre i da Sil v Bjrttwj,- par* o R* (TammoiMenezes e Domingos Jos da Silva Coutoy'
do porteiro e del de aupas frtia.pIM'aMir Jos Pereira da Silva Reis? Mano-el Pinto i
militar de guarnijao da corte.Portarte- d* '-
/to.ajudaute
dfr>
corrente.
Benedicto Alves Barbosa, para o lugar de ama
anese do hospital militar provisorio de Andaratoy,
nesta corle.Portara de 4 do corente.
Transferencia.Concedeu-se transferencia para
a arma de iufantaria ao Sr. segundo tenenle do pri-
meiro regiment de artllhana a cavallo Eugenio
Augusto da Mello, na conformidade das dizposicSes
do art. 6 da le n. 1,143 de 11 de setembro de
1861.Decreto' de 3 do corrente.
Faileciraentos.Cipito do 20* corpo de volun-
tarios da patria Joaqaim Francisco Fernandas, m
4 de novembro do anno prximo pasudo, no hospi-
tal brasileiro era Buenos-Ayres; para onde Uvera
baixa em 6 d > dito me*, ferido por bala de fuzil no
brago esquerdo, que foi amputado.'
Capitn do 17* corpo de voluntarlos da patria
Jos Rodrigues Daarte Juaior, em 13 de ootubro
do anuo prximo passado, no acampamento das
O
Joaqaim Mamede dos Gaimares
Peixoto, Per-
tetea Antonio Francisco Tinta,' teoente-coro [ nimbco, 38 anuos, s"oTero,Tanto Aotono'; Dtbv-
Leal, conego Hnriqae de cl
jtef M'ano! leixeira
fcnxar Brando e negociante Francisco Jas Ra-
4B0*
Alaqoas. -O vice presidente da provincia eon-
vocou para 15 do corrate, a aasembla provin-
cial.
PERNAMBUCO
REVISTA DIARIA-
8. M. o Imperador, acompnhado dos sens sema-
narios, visitou hontem as oficinas do almoxarifado
e enfermarla do arsenal de guerra e assistio ao
exercicio com carabinas de Spenser. Embarcando
dapots na galeota, a' meia hora depois de meidia,
visitn a ilba do Bom Jess e as oflkiBas de ma-
chinas do arsenal de raarnha.
Tornea hontem posse do lagar de capiao do
porto, o Sr. capito-ienente Jos Avellno da Silva
Jacques.
Reasnrairam hontem o eterelelo de julz de
_ orphos, do termo do Recite, o Sr. Dr. Francisco
forjas em operac5es ao sol da provincia de Mallo- de Carvalho Soares Brando, e de promotor publi-
Grosso. co e curador geral de orpbo* o Sr. Dr. Armlnio
Capitio do segando batalho de arlilbaria a p Corlolaoo Tavares dos Santos. Moram ambos esses
Luiz Antonio Vleira da Silva Coqaeiro, em 13 de enbores, na roa das Larangeiras n. 18 priaelro
fevereiro do corrente anno, na capital da provincia tJdar, onde do despachos. *
na Joao Morena da Silva Braga, era o 1-de no- Wilson & C, para forneciment de carvQaS
provincia, pelo prego estipula Jo de 23J30O por to-
i oelada.
vembro do anno prximo passado, na capital da
provincia de Santa Catharlna, onde se achava
doente.
; Capito do corpo de estado-maior de primeira-
clase Manoel Feliciano Pereira da Carvalho, em 7
de abril do correte anno, na ctdade de Corrientes,
de cholera-morbos.
Capito de coramisso addido ao 21 batalho de
sica pulmonar:
Joio Pinbeira de Salles, Parahyba, 60 ancos, sol-
tejro, Boa-Vista ; aqeuia.
Manoel, Pernambaco, 12 annos, S. Jos ; febre
! perniciosa.
Fioroda Laminda de Vascancellos, Pernam-
i unco, 24 annos, solteira, Boa-Visla; tubrculos pal-
' monares.
Jos, Pernambaco, U horas, Bea-Vista ; es-
pasmo.
Henriqoe, Partmmbuco, 1 mez, Bo*.Vista : fn-
terte.
Mara, Pernamboco, 2 horas, S. Jos; espasmo.
Pedro, Pernambneo, 13 mezes, Boa-VIsta ; de-
senteria, (escrava.)
Mafia do Carato de Jasas, Pernambaco, 65 an-
nos, vlova. Boa-Vista ; interite.
Ignaeia Francisca Ferreira, Pernambneo, 39 an-
nos, viuva, Boa Vista ; tubrculos pulmonares.
Loureoca Maria da Cooceico, Pernambneo, 20
annos, solteira, Boa-Viste; tubrculos pulmo-
nares.
infamara Beato de Faria Teixeira Lomba, em 26' inslrucco publica, foi nomeado para reger-interi
Por decreto de 2 do correte mez teva merc
do titalo Je barao de Saqu3rraa o cidido Jos
Pereira dos Sanios.,
Por decretos de 26 do in-smi mez*foram nomea-
dos commendadores-da ordem-da Rosa, o tenante-
coronel Bernardino R.drlgoes de Avellar e o capi-
to Mareellino de Avellar e Almelds, em atlfogao
?os releva 'i#$ servico* por ellas areitaes em re
iago a' gnerra com o Paraguay.
Foi concedida a D. Luciana Cinstanga Ferreira
des Santos, viava do alferes do corpo do estado-
maior de 2a classe e tenento te coramisso Carlos
Agostinho de Souza, a penso de 24$ raensaes, sem
prejuizo do que por lei Ihe competir.
eu e os demais desgranados que nos achamos a
burdo dssie navio a pessoa que recolher este pa-
pel que lenha a cadade de entrega-lo era Mon-I
tevj:!o a D. Maibias Iogfande, para que por seu1 Vor decreto de 26 do corrente foram concedidas
iuteimedio saibam as uossas familias de Tarra- a.s honras do posto de capito do exercito ao cap
gona o destino que tivemos. i {* ao 23 corpo de voluntarios da patria Daniel
* Sao 3 horas da manb5a\- Antonio Penslo.-. '. UfDa''o Daraasceno Rosado, em attenco aos rel-
E' todo quanio se sabe dabuelle s:nistro.
Oficinal do fragmento Hjra' sido sem dovl-
vaot#s servicos por elle prestados na guerra con-
tra o govsrio do Pargy.
da enviado ao Sr. Ioglauda pelo viziuho de Cas- P>r decreto de igual data fjirBfjrmado o capito
foi quem encontrn ai"0 *" "^^ uaitfataria Cyriico Jos da Silva
Hilos, D. Serafim'Rocha, que
garrafa.
Hoj* 17 celebraram-se funerW peas victimas
da Innocencia por meio de urna spbscripco ero-
movida pelo cfflnal auxiliar. D. Fernando Qaijno,
inl<"ia!ior desta hiimam'-iiu ^u'aaieni.'
* Ja Que n'o podemos soccorre-los para resti-
tuir ihes a vida imploramos no templo pelo eterno
descanso daquelles infelzes.
< Ha dons dias que reina forte temporal : Dos
queira que nao tenhamos a deplorar outras des-
gragas. u
A Tribuna publica o seguinte sobre um navio
que naufragou no banco Inglez:
, O brigue mecklemburguez Uemrich Georgt',
com carga geral, de Haraburgo, consignado aos
Srs. Bartbold & C, perdeu-se completamente, se-
gundo a declaraco do piloto, trazido para este
porlo pela canboneira pjrtugueza Zarco.
O capito, dous marioheiros e dous "^jassagei
ros deixaram o navio em 17 do corrente.
SuppSese que se achara a bordo de urna bar-
ca que vem com destino a este porto.
Na mesma canhoneira vrn, alera do piloto,
tres marioheiros e um passageiro.
O navio acha se ao S. 1|4 do SE., distante cer-
ca de 7 milbas do.ponto.
< piloto e os outros qne vierara, aBtes de te-
rem sido rffcolhidos por aquelle vapor porluguez,
baviam. tentado passar o ponto, o que nao pude-
rara fazer, tendo do refugiar se de novo a bordo do
brigue.
na eop
Cyr
iidade das disposijSes do 1* do art. 9
c\ n. 648 de 18 de agosto de 1862, visto soffrer
molestia incuravel que o torna incapaz do servico.
. -30-
Sobre o importante assumpto, e com o titulo de
Colonias Militares, aca*a o Sr. Jos Rafioo Ro-
drigues Vascoocellos, chefe de seceo da secre-
taria da guerra, de publicar urna memoria,
em que, depois de apresentar os dados que pode
colher sobre a historia e estado actual das colonias
militares, exp5e as suas ideas a respeito destes es-
tabeUcimentos que, segundo elle, devem servir pa-
ra guarda das fronteiras, calechese dos Indios, pro-
teegao da navegado fluvial, polica das matas des-
ribuigo de trras s pra?a3 do exercito escusas
do servico, e para dar irabalao e futuro aos men-
digos e sentenciados por criraes leve?. Consideran-
do as colonias do ponto de vista do flm especial a
qae se destina cada urna, o autor expde o modo
por que entende deverem ser orgaoisadas, e esbo-
?a om plano geral para defeza das nossas frontei-
O navio tera quatrops d'agua ; porm, como des vantagens.
Jiorbaixodas mercadorias lera pedras de cala-
mento provavel que se salve toda a sua carga
cora pequea avaria.
Ja .-.iliiram niitas lanebas para o salvamento
por conia dos consignatarios.
O Hemrich George encalhon no domingo 16 do
corrente, as 7 horas da manha, ao sol do baoco
Inglez.
< Ameaeados todos de om imminente perigo, re*
solveu seu capito, horas depois dosinistro, em-
barcar na lancha com seis homens da trlpolacao e
doos passageiros, os quaes dirigirn) se para um
lugar hamburguez qoelinham avistado naqnellas
aguas, e cuja procedencia tambera de Hamburg),
com destino ao nosso porto.
Pela declaraco que fez o piloto vlndo a bordo
do Zarco sabe se que baviam sido recebidos a bor-
do do referido navio, coja chegada ao nosso porto
esperada a todo o momento.
< Alera dos pormenores que deixamos referidos,
obtivemos os seguintes, qae revelara o imraenso
interesse qu tomaram os vapores Ercok e Zarco^
pelo seu pouco calado, para salvar esses nufragos,
a cujo efficacissimo auxilio devem boje a vida.
< A's 10 horas da noite de 17 fondearan) arabos
os navios no banco Inglez, calcalaodo-se duas mi-
lbas do navio em perigo, por serem contrariados
pelo mo terrpo.
Toda a noite permanecern, fundeados e no
dia seguinte, as 6 horas da manha, emprebende
ram de novo a marcha, collocando-se ambos os va
pores a meia milha de distancia do navio, por ser
impossivel chegar mais perto por falta d'agua.
Deram depois fundo e logo do navio em peri-
go Gzeram signal de soccorro, ao qae foi-lbes res-
pondido do Zarco qae seriam opportanamenle al-
tendidos.
Momentos depois repetiram o mesmo signa!,
pedindo qae os salvadores nao retardassem o soc-
corro, pois so* sitoaco tornava-se de momento a
momento mais critica e qae neobama embarcacio
tlnbam para salvar-se.
< Nao permittindo o forte vento e a arrebenta-
clo anticipar o soccorro aquellas desgracados, a
canhontira Zarco fez signal ao vapor italiano Er-
ole para que mandasse sabir um bote a salvar o
navio em perigo, operaco que nao foi eflectuada
immediuameate em virtude do mo lempo.
Em tal sitoaco e apreciando o commaodante
da Zarco o risco que corriam, resolvea ao mei-
dia mandar um bote com um oficial, o pratieo e
algumas pessoas da trlpolacao, os quaes com risco
de vida ebegaram a bordo do navio, eonseguiodo,
devido ao esforjo desses intrpidos marlnbeiros|
salvar o piloto, tres marioheiros e um passageiro,
os quaes estao mui reconbecides pelo generoso cui-
dado qae Ibes dispensaran) at a- saa ebegada ao
nosso porto.
A posico em qae se acha.o navio da' espe-
ranzas de se poder salva-lo assim como parte ou
todo o carregamento.
O vapor americano Editar Everett sabio boje
para aquelle lagar com o mesmo flm. >
- 29 -
A cmara dos deputados approvou hontem, em
ama s discusso, com varias emendas, o projecto
que concede a peosio de 60f mensaes ao capito
do 3" corpo de volvntarios da patria Antonio de
Paula Cavaleanti de Almeidaj ostros,.
Conliouod depois a diseusso da proposta que
flxa a forca naval para o anno flnanceiro de 1868
a 1869.
Orou o Sr. J. Madureira.
Continuou tambera a discusso do parees- da 3*
coramisso da poderes sobra as elc,des do 5 dit-
tricto da provincia de Minas-Geraes. Orou o Sr.
Cesarlo Alvim.
Ambas as diecaesoes Acarara adiadas pela hora,
rol apresentado o seguinte parecer :
t Ao exame da commjfiso de orcamento foi
snbmeitida a proposta do poder execolivo, solici-
tando approvaco para varios decretos qae, na
conformldade do art. 13 da !ein 1177, de 9 de se-
tembro de 1962, iransooriaram da amas para en-
tras verba diversas importancias, aflm de occor-
rer a desperas para qas nao foram sifflcientes a*
ras pormeio de estabelecmeolos deste genero^sa- -na enfermara militar da mesma cld^de.
sentados a carta distancia uns dos outros.
Cooclue por ora projecto de regulameuto e>'caL
para as colonias militares e mixtas.
Nao diremos que sejam aceltaveis todas as ideas
do autor, mas o qae sabemos que urna materia
multo digna de estudo, pois que at agora por falta
de systema, perseveraba e boa administrado,
pouco ou neobum fruclo temos colbido do estabe-
ecroenio de que outras nagSes leem tirado gran-
Urge, portanlo, adoptar um plano, e a occasio
opportuna. Brevemente o estado ter de repartir
datas de ierras pelos voluntarios. Se isto se Ozer
com iotelligencia, e se souber entreler em proveito
do publico os hbitos militares adquiridos n'uma
looga campanba, teremos assentado as bases da fu-
turas povoagoes, alias as trras qua se deram sero
abandonadas e em vez de cidados uteis taremos
homens perigosos.
Chamando a attenco para este ponto dobr&da-
menie importante na actualidade, o Sr. Rodrigues
Vasconcellos, quejas suas ideas se adopiem no to-
do ou em parla, %mesrao se rejeltem completa-
mente, presin era todo o caso om servigo muito
para agradecer-se. ^p.
Foi hootem eleita a directora do" Monte Pi dos
Sorvidores de Estado, que tera de servir no bieonio
de 1867 a 1869, e flcou composta da seguinte ma-
neara :
Prndente, o Sr. conselhelro de estado Dr. Jos
Mara da Silva Paranhos.
Vicepresidente, o Sr. capito de mar e guerra
Jos Goocalves Victoria.
Secretarlo, o Sr. capito Dr. Carlos Frederico de
Lima.
Thesooreiro, o Si\ conselbeiro Antonio Henri-
ques de Miranda Reg.
Directores os Srs. Dr. Malhaus da Cuoba, Joo
Caroeiro do Amarai e Dr. Tbomaz Alves Juaior.
Adjuocios, os Srs. Dr. Eduardo Augusto Pereira
de Abreu, eonselheiro Anlonig Flix Marlins, Dr.
Jos Thomaz de Lima, Dr. Firmo de Albuquerque
Diniz, Augusto Frederico Collm, Dr. Lopo Diniz
Cordeire, coronel Galdino Justiniano da Silva Pi-
meniel, Dr. Tbomaz Antones de Abreu, Ignacio Eu-
genio Tavares, Justino de Figneiredo rtovws, Dr.
Manoel de Oveira Fausto e Jos Antonio Pereiar
Leal.
1* de jolbo.
Por decretos de 15 e 19 de janho foram creados
ama seceo de batalho de goardas-nacionaes da
reserva na capital da provincia do Rio Grande do
Norte, um esquadro de cavallaria no municipio
de Nazaretb, da provincia de Pernambuco, i outro
as freguezias de Campos-Novos e de Corlbanos
da provincia de Santa Catbarina.
Por decretos da ultima daquelias dalas foram
elevadas a' categora de batalho a pnmeija sec-
eso do batalho da reserva da guarda nacional
da provincia de Pernamboco, e a'.categoia de
seceo de batalho a companbia avolsa de reser-
va, organista no municipio de Lages da provin-
cia de Sania Catharlna.
Janeiro do corrente anno, da epidemia reinante no
acamparaeoto das forjas em operacSes ao sal da
s-rovincia de Maito-Grosso.
Tenente do stima batalho de infaotaria Joo
Baptista de Menezes, na hospital do sangue no Sa-
ladera, em Corrientes, no dia 26 de malo do anno
prximo passado, de Infecgo parulenta provenien-
te-de ferimento grave recebide em combate.
Tenente do egaodo regiment de cavaftari*
Jos Ribeiro do iNascimento, no" hospital ambulante
do primeiro corpo do exercito em operares con-
tra o govera) do Paraguay, de varila, era d de ja-
nho do anno prximo passado.
Tenente de commisso Manoel Joaquira de"
Aguiar, em 6 de setembro ds anuo prximo passa
do, no acampamento das forjas em operaces ao
sai da provincia de Matto-Grosso.
Tenente do batalho de voluntarios oliciaes
pertencentus s forjas era operajSjs ao sul da
pruvioc'ia de Matto-Grosso Julio Jacintbo da Silva,
tm O de agosto do anno prximo passado, no
acampamento das mesmas forjas, a" margena d: rio
aboco.
_ Tenent" do 17 corpo fle volnntT*' H patri.t
Francisco de Paula Barbosa, era 7 ue novem-
bro do anno prximo passado, no mesmo acampa-
mento.
Tenente do sexto batalho de infantera Aurelia-
no Pires da Albuquerque, em 15 de margo do cr-
reme anno, na capital da provincia de S PedT) do
Rio Grande do Sal.
Tenente do 15 batalho de infantaria Joaquim
Alves da Cunha, em camiho da provincia da Wat-
D-Grosso para esta corte, no lagar denominado Pa
xenda dos Buritis.
Alferes da eommisso do 12 batalho de infan-
taria Manoel Antonio de Carvalho, em 2dejunho
do crreme, na capital da provincia de Santa Ca-
n arina.
Alferes de cavallaria de linha, commissionado
no posto de lente, Francisco de Paula Antones
Hudson, em 16 de malo do correnta anno, no anco-
radourode Montevideo, vindo para esta crte.
Alferes Joo Baptista Pereira Lagos, do batalho
de voluntarios policiaes qae faz parte das forjas em
operajSes ao sul da proviocia de Malto-Grosso, em
17 de outnbro do aooo prximo passado, oo acam-
pamento das mesmas forjas.
Alferes do batalho- goyaono de voluntarios da
patria Joo Luiz da Molla Oliveira Lobo, era 10 de
outubro do anno prximo passado, no mesmo
acampamento.
Alferes Maximiano Jos de. Brito Alambert do
batalho de voluntarios policiaes que faz parte das
forjas om operares ao sul da provincia de Matto-
Grosso, em 25 de setembro do anno prximo pas
sado, no acampamento das mesmas forjas.
Alferes de coramisso Jjo Morelra da Silva Bra-
ga, da companbia de reserva da cidade. de Alegre-
te, era 2 de novembro do anno prximo passado,
Foi designado pela presidencia para servir
de mafw de- oofpo ctocavaHaria a. 3 da (jaarda
nacional do. Ouricury a Sr. capito Fellppe. Rodn
gues Coelbo.
Sobre
propesta da 8r. Dr, directo gerai-da
Correspondencias
O Sr. Br. Ilearlque Pereira de
f5a e os progreMtow de
Alferes do primeiro batalho de iofantajia Au
J^usto Jorge dos Santos, em 9 de |unh< ovaao
prximo passado, no hospital brasilelrri (rS'Bu''enos-
Ayres, em consequencia de ferimento jr bala de
fuzil.
Alferes de cavallaria de linha commissionado no
posto de tenente do esquadro de cavallaria da
provincia de Goyaz, Joo Bonifacio Marques Lopes
Fogaja, em 8 de Janeiro do corrente anno, na mes-
ma provincia.
Alferes do 13* batalho de infantaria G-raldo
de Araujo Maltez, em dezerabro de 1865, no hospi-
tal da cidada de Corrientes.
Alferes do corpo do estado raaior de segunda
classe e tenente de commisso do 23 corpo de vo-
luntarios da patria Carlos Augusto dos Santos, em
2 da maio do anno prximo passado, no hosoital
de raarinha da mesma cidade.
mente a cadeira deprimeiras lettras daipema-
jo da Cachoeira do Roberto o Sr. Henrlqa* Bene-
dicto Corroa de Vasconcellos, seado-o igualmente
para o pevoadp do Saoco- o-Sr. Manoel Freir de
Lavor, mediante a gratiflujao dtr6O0#V ananaes.
Foram nomeados amanuenses da secretarla
da instrncjSo publica os Srs. Jos Xavier Carnelro
de Barros Cairpello e Sebasllo Antonio de Albu-
querque Mello ; e portero da mesma repartijao o
Sr. Joto da Cuoba Moraira Alves.
Foram exonerados a. pedido o Sr. Irino Coe'
Iho da Silva de seg-unao supplenle do delegado do
segundo districlo desta capital, e o Sr. Manoel Jos
da Costa Goimares de subdelegado de Catende,
termo do Bonito, sendo nomeados para substituir
a esle o Sr. Jos Velloso L'yra, e daqaelle o Sr.
majar Antonio Pereira da Cmara Lima.
Foram nomoados terceiro, qoarto e quinto
sopplBQtes do delegado do segnado districto desta
capital os Srs. Augusto de Sa' e Albuquerque,- Joa*
quim Maximiano Kereira Vlanoa. e Jovin. Coelho
da Silva, prkneir* supplenle do subdelegado do
nrimeiro distrioto de Cabo o Sr. Thomaz Jos da
Silva Gu mo ; quarto Suppleutu do sobdeie^ado
do primeiro diatricto do Bonito o Sr. Jos Ribeiro
Riba.
For deliberaje da presidencia foi suspenso
e mandadoresponsabilisar o Sr; Dr. Heoriqne Pe-
reira de Lacena, jaiz municipal e de orphos da
comarca de Goyaona.
A proorio pedido, foram removidas as pro-
fesoras D. Fillsmina Adolpho da Cunha Sales, de
Ingazeira para S. Jos desta cidade ; D. Cosma
Joaquina de Castro Nunes, de Santo Anto para a
Boa-Vista dasta cidade ; D. Maria Theodolinda de
Haced') de S. Lourenjo para Caxanga'; B. Ther.i-
za Adelaida daliina e Mello, da Pedra Tapada
para Casa-Forte ; e D. Maria Firmina Alcofdrado,
de Buiaue para Ipojuca.
O Sr. professor Heliodoro Alves Gavalcanti
foi removido do Buique para a cadeira da Casa-
Forte ltimamente creada.
Informaanos que ba na ruado Rosario da
Boa-Vista ama casa oode espancam borrivelment
e de modo incommodativo a' visinbanga, a urna ou
mais eriangas ; e, pois, recommendaraos tal pratica
a' attengo do Sr. subdelegado.
A' ra dos Prazeres ha urna casa, d'oode
laogando-se aguas sojas a' roa, tera acontecido se-
rem cora ellas lavadas pessoas que
cumpre, pois, qae o respectivo dono providencie
para qne se nao reprodozam laes lavagens.
Tiram a mala hoje no crrelo os vapures
brasileiro Guar para os portos do norta do Impe-
rio, e americano Lady Lang para o Rio de Ja-
neiro.
O vapor Guar irouxe dos portos do sol.....
1:300S para a oossa praga e 48:710*700 rs. para
as do norte. '
Da ordem do da n. 554, expedid pela reparti-
jao do ajudane-ganeral em 27 de janho Ando,
consta o seguinte :
Foram nomeados os Srs. : tenenle-coronel do
estado-maior de pnmeira classe Sergio Marcoodes
de Andrade, para exercer o logar de chefe de eec-
jo da directora do material do exercito, desta se-
cretaria de estado,dorante o impedimento do Sr.
tenente-coronel do corpo de engnheiros Jos Basi-
lea Neves Gonzag;a, qae se acha ao exercito, em
operagdes,Portara de 12 do corrente.
capito de arlilbaria Joaqaim Xavier de Oliveira
Pimete!, para flear a' disposijo do ministerio dos
negocios estrangeirna, tendo de ser ernpregado
na commisso de %emarcajio de limites entre
esle imperio e a repblica do Per.Em 8 do cor-
rele.
Temes a vista jornaes do sul do imperio, trazi-
dos pelo vapor Guar, com datas do Rio de Janei-
ro al l.', da Baha at 5 e de Alagdas at 7 do
corrente
Sob as rub-icas Parte Oflictal e Interior vo
por .extenso as noticias mais importantes; alm
das quaes, apenas encontramos as que seguem.
Ro de Jareuio.Ao transporte Ortllana, lti-
mamente chegado da Europa, foi dado o nome de
Werneck, em honra da memoria do bravo l. te-
nenia desse nome, morlo no Paraguay. Para cora-
manda-lo foi nomeado o capi) de fragata Pedro
Tfcom de Castro Araujo.
No da 1. do corrente devia ter Ingar a
transferencia da escola de rnarinba, para bordo
da fragata Constttuicao.
Os transportes Itapicuru' e Armo deviam
partir, nesse dia para o Rio da Prata, conduzindo
tropa.
Falleceu, em Minas Gerae?, o corenel Wen-
ceslao Alves Bello, com 71 anuos.
Baha.-A mesa admini-trativa do Instituto
Histrico, para o corrente anno, compe se dos
Srs.: Eim. arcebispo, presidenta; Dr. P. J. da
Rocha e Pedro Jos de Abreu, vlc-presidentes ;
Manoel Correa Garcia, secretario ; Dr. Guilberme
Pereira Rebollo, orador.
Foram trasladados do cemiterio do Campo
Santo para a igreja dos militares, no dia 30 do
passado, os ossos do lente general Luiz de Fran-
ja Pinto Gareez.
Fallecern) o antigo advogado Dr. Jos Joa-
quim dos Santos, e o capito do corpo de poli-Jia
Pedro Rodrigues dt- Alcntara.
A festa de 2 do corrente assim descripta
pelo Jornal:
< A' 1 hora da tarde pouco mais oo menos en-
traran) no Terreiro de Jess os dous carros trlum-
phaes, precedidos de grande numero de cavallei-
ros, e acompanbados do batalho patritico dos
calxelros naoionaes e da guarda nacional, dividida
em duas brigadas, commaodadas pelo Exm. Sr.
barSo de Pass e coronel-Jos Pereira da Silva
Reis, seb o comraando em chefe do Sr. coronel
commandante superior Nicolao Caroeiro filbo. A
guarda nacional conservou-se postos at acabar
o Te-Deom s 3 1/* da tarde, depeis do qoal lodo
S. Exc. o Sr. presidente com o Dr. chefe de poli-
o Exm. Sr. bario do Rio Vermelho presidente
. Devia pacitir da cOrte para a Europa, no dia
10 do corrente, o vapor sglez Oneida, com escala
pelo aosso porto..
Sahiram do Rio de Janeiro para o nosso por-
to : a 25, o palhabole E/wa ; e a 27, o brigoe
Norma.
O cambio regolava: sobre Londres 21 7|8 e
21 3|i no Rio de Janeiro ; sobre Londres 21 5i8 e
21 3|4 d., sobre Paris 430 e 433. sobre Hamburgo
793 e sobre Portugal 130 a 132 v na Babia.
~ Pelo ministerio do imperio foi remettida ao
da justiga, em 25 do passado, copia da lei provin-
cial de Pernambuco, creando as comarcas de Ca-
ruar e Itamb.
Por portara desse ministerio e data, foram
concedidos 6 mezes de licenga ao conego de Olinda
Tranquilino Cabral Tavares de Vasconcellos.
Amanha s 10 horas se exlrabira' a 12* par-
te da quinta lotaria a beneficio da Santa Casa de
Misericordia (27") sendo o maor premio 6:000*.
REPARTIJAO DA FOLICU.
Extracto das partes dos dias 7 e 8 do cor-
rente :
Foram recolhidos a casa de detengo no da 6 :
A ordem do subdelegado de Santo Antonio, Joo,
escravo de Joo Falqae, por infraego do regula-
meuto policial a' ordem do de S. Jos, Victoria,
escrava de Emilia de tal, por averiguagdes era cri-
me de furto ~, a' ordem do delegado de Jaboato,
Antonio da Frailas Bezerra, por crime de morte.
ordem do subdelegado do Reclfe, Jos, escravo
de Antonio Lopes Braga & C, a requerimento
desie ; a'ordem do de Santo Antonio, Maria Ma-
noella da Conceijo, para eorrecgo; a' ordem do
do Peres, Luiz Jos do Nascimento e Henrique Ser-
gio ou Isidoro Servulo Bezerra, para recruias.
O Chefe da 2* seego,
J. G. de Mes quita.
Casa be detbncao. Movimonto da casa de
detengo do dia 7 de jlbo :
Kxistiam presos 329 ; entraran) 4 ; sahiram 3 ;
existem 328 a saber : nacionaes 232 ; mulheres 6 ;
eslrangeiros 23; malher 1; escravos 60 ; escra-
vas 4total 328.
Alimentados a casta dos cofres prorinciaes
237. j
Moviraento da enfermara do dia 8 :
Tiveram baixa : '
Manoel Jos Sobral.
Hyppolito, escravo de Sebastio da Cnnha An-
drade.
Tiveram alta :
Vicente Ferreira de Barros.
Antonio, escravo de Anna M. Cavalcanli d'Albu-
querque.
Passageiros do vapor brasileiro Guar, vindo
dos portos do sal :
Bilbino Moraes Pinhelro e 1 escravo, D. Thereza
C Branca da C >sta, alferes Manoel Francisco de
Paula, Bento Villares, Alberta Laros, Jacob Vi-
guer, Jos Rodrigues Cooco, .Henry Brood, Carlos
Boston Robeaser, Argemoro (liberto), Domingos
Barros de Araujo Pereira, Dr. Antonio Buarque
Guimares, Jos Ildefonso de Mello, Francisco Es-
toves Alves, Joaquim Marques da Rosa, cadete'Jos
F. Alves de Carvalho, dito Iris dos Anjos Neves, 7
sentenciados, 9 ex-prajas, e 18 aracas.
Seguem para o snl;
Justino Domingos da Silva, Jos Maria Nogueira,
Miguel toares Moreira de Araujo, Exma. Sra. -D.
erbas voladas, pedin'do a apenara toamei^lmmlrPoTUTtoTioimM?."
Capito de estado-maior de artilharia Jacintho
Machado de Bittencourt Jnior, que em 3 do
correle foi mandado servir na escola militar,
para seguir para a provincia de S.Pedro do Ro-
Grande do Snl, a' disposijo da presidencia da
mesma provincia.Portera de 17 do corrente.
Capito de commisso Joo Carlos Aobadie, para
ficar a' disposijo da presidencia da provincia-de
S. Pedro do Rio Grande do Sai, aflm de ser ernpre-
gado convenientemente na mesma provincia,A-vi-
so de 1 do corrente.
Pedro Cesarlo da Abreu, amanuense do arsenal
de guerra da provincia de S. Pedro do Rio Grande
do Sal, para o. lagar de escriptarari do
ca,
da cmara municipal e o Exm. coronel'comman-
dante das armas para o palanque e levantando os Rita Angosta Detentare, 1 crladTe7"escrava"'Dr!
vivas do estylo, dea ella as tres descargas e desfli- Seraphim M. Barrete e 2 escravas, Muty Domee-
loo em comineada relirando-se quartei as co, Peroti Jacopo, Joo Jos de Souza Mandes da
*'/* Silva, capiao Joo Gomes de Castro, segundo e-
t Os corpos apresentaram pequeo numero de nenie Car|0s Maooel Ferreira d'Araujo, alfares
pragas, mas muito asseio e luzimento. S. Exc. Raymundo de Paula. Reg, dito Raymundo Maia
Rvma. o Sr. arcebispo, por seos encommodos de de Carvalho, cadete Eoeas Marcono d'Acaulo
sade, apenas pode ofllciar no Te-Deum volteado^ Ai? Maooel A. de Oliveira Galvo, segando dito
logo para saa residencia. Da cmara municipal i Joaqaim A. de S. Cmara, 1? pragas,! ex-dita, Jeo ja da Ignorancia
Em nosso primeiro artigo, publicad no Diario
de 6 rto corrente, iratandp da persegoijo que sof-
fre o Sr. Dr. Lacena, perguntemos: cSera' a Isto
estranho o Sr. baroda Villa-Bella? E accrescen-
tamos : iPar* os qae anda lverem duvidas, mais
urna occasio sa offerece de ficar bem conbecido o
espirito de moderago e justiga, que anima S.
Exc.
Ja sabamos ento qoe tinbam partido de Goyao-
na para esta cidade Joo Paulino da Cuoha|Gouyeia
e seu ex ennhado subdelegado de Nossa Senbora
do O', com a misso de representar ao Sr. Villa-
Bella, a urgencia da suspensao do digno juiz, a
respeito da qua!, sendo pedida anles, S. Exc. esteva
em besitajao.
Pois bem : nesse mesmo dia 6, foi expedido do
palacio do governo, nm soldado de cavallaria para
levar as carreiras a ommnicajo do acto injusto,
e melhor diremosestpido-que S. Exc. decre-
tou, alias com a mesma consciencia do prelo na re-
produejo de pensamentos e palavras, que nao sao
nelle, ou ad instar de qualquar machina, que obe-
d9fl> ao impulso do sen motor.
Tal foi a recommendajj depressa, feita ao#ol-
dado, que s 8 horas da ncite do predito dia, os
inimigos do Sr. Dr. Lucena, recebando do beato Dr.
Ganga!ves da Rocl)a a grate notioia, faziam subir
ao aren ,-enicaare.; d6 ?oue:9s, 1,0* clavara pre-
parados para o festejo da lao.Immoral triumpho
sobra a autoridade moralisada e severa executora
da lei I
Porque tanta pr'ssa da parta do Sr. Villa-Bella ?
brandes motivos de ordem publica e de justiga ins-
tigaran) S. Exc: dous credores de Trajan Olympio
da Cunha Gonveia, tinhara comecado a promover a
cobranga de quasi dezeseis codlos que esse feliz
progressista se recusa a pagar, e nao pagara', arre
dado de Gjyanna o Sr. Dr. Lucena; e, motivo
raaior anda, a reqoeriraento dos Srs. Leal & Ir-
raaos, desta praga, tinha o mesmo Sr. Dr. Lucena,
dado busca no cartono do escrivo Faiia Braga,
sogro do Dr. Fir.mino, e verificado que, em protec-
5* *5 ail Trajaoo, aquelle escrivo havla sub-
traaido de uns autos de execujo, folhas e requer-
memos, prejudicando deste modo o direito dos ere-
dores. Na mesma occasio apprehendeu o Sr. r.
Lucena mnitas cartas abertas de Trajano a Braga,
incumbindo o de ajostar advogado, de subornar avu-
Hadare?, passar procurajSes falsas, protelar o mais
pcssivel oaodamento da causa, e fallando alm
disto em denuncias que preleudia dar, com o flm
de livrar-se do juiz, de auera nao poda esperara-.
vor algum I ^^
Tor todos estos factos Braga foi suspenso imrae-
g diatamente, e ia ser processado. Ora, o sogro do Dr.
1*,J:^:.: Pirmino, no pode soffrer a punigo de seus cri-
raes, sendo presidente o Sr. baro de Villa-Bella ;
e, tao pouco, os amigos Trajano e Joo Paulino, de-
vem pagar as suas lelras. Por consequencia a sus-
pensao do Sr. Dr. Lucena devia ser decretada,
como foi, independememente de ser elle ouvido I
Este procedimento, a que no se quiz prestar o
Sr. Silveira Lobo, lira alirapo que o actual presi-
dente comimh a ser o ariete da deslroico, desti-
nado a derribar e esmagar os poneos adversarios
que anda esto em p no funccionalismo ; 00, em
outros termos, que a segunda administrajo do Sr.
barao de Villa-Bella este sob os mesmos impulsos
de cega averso e paixoes partidarias, que uV.erm
tao tristemente celebre e to geralmante execrada a
pnmeira.
Entretanto, cumpre que sajamos justos: a culpa
nao delle. Parece que quando a Providencia em
-seas altos desenbos srvese de Aulas e tyranucs
porporcionados aos lugares e circumstancia, para
castigo dos povos; ou quando os senbores da Lrra
servem-se para agoilar os seus escravos da brajos
igualmente escravos, os individuas empregados em
taes misteres, teem a mesma responsabilidade dos
instrumentos queelles manejam...............
Passemos adame. Porque foi suspenso o Sr. Dr.
Lucena ? Os factos qae flzeram objeclo de urna re
presentajo dirigida ao Sr. Silveira Lobo, e que
foram reproduzidos na denuncia d Trajano, dada
peranta o Dr. Firmiuo, joiz de direito interino, por
?r i,arai, suspeico o honestissimo Dr. Goujalves
da Rocha, coqsiam da resposta, que abaixo publi-
camos, e que ah sao victoriosamente refutados.
Porque seria, pois, a suspensao resolvida pele Sr.
V illa-Bella 7
Ouvimos dlzer. que o novo crime do Sr. Dr. Lu-
cena, consiste na apprehenso das cartas achadas
no cartorio de Braga.
Si assim ,o Sr. baro de Villa Bella, sem dei-
xar essa gravidade e leciturnldade forjada, que
a consumera a magestade do idolo do progresso,sub-
screyeu urna injustija clamorosa, de que tinbam ne-
cessidade para fias iraraoraes es seus amigos de
Goyanna.
A consUluijo no art. 179 27, declara, que o se-
gredo das cartas invfolavel, e que a administra-
jo do correio flea rigorosamente responsavel por
qoalquer infraego deste principio.
O cdigo criminal nos arts. 213 e 216, tratando
das penas, qua devem ser impostas aos que viola-
ren) o dito segredo, falla da tirada de cartas depo-
sitadas no correio, ou das que se acharem em poder
de algum portador particular.
Q mesmo cdigo no art. 129 9, falla, (I* bypo-
these) em sobtraejo, suppresso ou abertura de
carta lanjada no correio; ou (2* bypolhese) dos
mesmos factos, commeilidos com abuso de poder a
respeito de carta dirigida por portador parti-
cular.
Daqoi se v, que no comprehendida na pro-
hib jo a faculdade, que tem a. autoridade na in-
vesiigajo de um crime, de apoderar-se de cartas
abarlas, que se acbem em poder do delnqueme
provsndo o delicio.
A este respeito, diz Trebulien, tratando da ins-
truejo criminal em Franca, onde domina o mes-
mo principio do segredo das cartas : >fi certo que
si as cartas forera achadas abertas ou deslacradas
no domicilio do reo, o julz de instruejo pode lr o
seu cometido e apprebende-lae.
Para o caso de se acharara as cartas suspeitas no
correio, lembra o mesmo escripior o expediente de
se mandar que sejam abertas pelo reo a quem sao
dirigidas depois do qae pisssro s ruaos de
joiz.
JNesle sentido ha decisdes dos tribuuaes trance-
zes; e entre nos conste qae o chefe de polica da
Babia, procedeu do modo indicado.
Qual pois. o crime do Sr. Dr. Lucena, loman-
do carias abarlas, que provavam crimes do escri-
vo Braga, em ama busca dada competente e le-
galmente no cartono deste ?
O crime estsimna ignorancia ou na m f
do presidente pa. tidario, desquitado de lei e razao,
quando se trate de imeresses de sea partido. As
razoes qoe o decidiram a decretar a suspensao da
honrado Sr. Dr. Lucena, o as mesmas, que cada
dia resolvem S. Exc. a snbscrever um escndalo
qualquer, que os amigos exijam.
Justiga do Sr. Villa-Bella I a justica da lur-
qula ; a jusliga-do capricho e do olio ; a.jasti-
corapareceram pouco vereadores. Pregn no Te
Deum o Rvm. Sr. conego Rodrigo. Hoave pouca
concurrencia de povo : pooca animaco : os fes-
tejos cerno qae se tornaram oficiaos, sem essa vi-
vacidade na:oral da espootaaeidade, qae sempre
elevou e distingui o grande dia da Babia.
Brigido dos Saotos, e 2 ex di tas"; 3 escravas.
cshitkmo pbuco. Obituario do dia 5 de
julho de 1867.
Francisco Correa do Carmo, Pernambace, 50 an-
nos, solteiro, S. Jos ; tubrculos pulmonares.
Severino Rezeade da Silva, 32 annos, casado,
A direcjo para os festejos no anno de 1868/Santo Antonio; cmaras de sa'ngoe
compoe-sa dos Srs. : general Manoel Muniz Taya- Emilia Francisca da Conceijo! Pernambuco,
res deembargador Bernardo Doria, Drs. Jos 39 annos, casada, Boa-VIste; ranero no altero.
Mana da Triodade, Maooel Joaqaim Liberato de Francisca Romana, Pernambaco, 45 annos, sol-
Maitos, Joo Luiz Soares Martias, Cincinato Pinto teira, Recite; inflammaco
da Silva, A. Caroeiro da-*ocba, Jerooymo Sodr Damiana, Pernamboco, *30 annos Santo Anto-
Pereira, Domingos Carlos da Silva, Garca Pires nlo ; ptbyslca pulmonar
. Albqquerque, l P. A. de Lima>5ordjlbo, | Marte, Pernambaco, 2 horas, escrava, Boa-Vis-
_' Maooel da Cuaba L. Vasconeellos, Aarfaslo C. de te ; espasmo.
malvola e da perversidade, que
dabaJde procura escoades-se na capa de urna mo
derajo bypocrita...........
Ao passo que S. Exc. suspende o Dr. Lacena,
mojo de mrito real, de servicos relevantes aopaiz,
um dos melhores juizes da provincia; apela todas
as immoralidades dos seas agentes; e por exemple,
nesses mesmas factos de Goyanna, com raiaco ao
nosso amigo, deixa o Dr. Firmioo, sogro de Braga,
no lugar para o qual incompativel por disposijo
da le e por declaraco de um aviso, que ha pouco
expedio o Sr. Mirtim Francisco, ministro da justi-
ga ; porque exactamente o Dr. Firmino o hornera
mais proprio para praticar os actos de persegalgao,
que estio decretados contra o Sr. Dr. Lacena.
Si a lei e a moralidade tiifessera algara valor
para o Sr..Villa-Bella, S. Exc. j teria omesmo coa
o flm de evitar tanto abaso, resilvido em euoipri-
mento da lei, que o. Dr. Firmioo nao eiereasse nm
cargo, de que faz arma contra orna autoridade
digna, pondo em agitajo a comarca, e dando o es-
cndale de horrorosa Injnstft.
Mas, o Sr. Villa-Bella acredita qae Ira' o sea ca-
minbo mais seguramente continuando a praticar
actos, que Ihe do triste celebrldad. J colbeu o
fructo da miseravel escamotage de servigos albeios,
dando nesta cidade, gratuitamente, espectculos
cmicos de atravessador de voluntarios amarra-
des ; soBha actualmente maiores bonras e provei-
10, qoando depois de jamar, / saboreando o sea de-
.liciosn bavana, coma de cima de palacio, no meo
t aduladores, a* cabejas de recrutas e designados
e abl ebegam a toque de corneta, amarrados,
estropiados de longa viagem, e acompanbados de
mulberes e meninos cm pranto ; j tem o sea no-
me ligado aos frades quadrados do caes da Aurora,
e aos maraoeiros de Caiana do jardim de palacio ;
) v seguro o benefieio publico do tramicay, so-
berba empreza que dar' ao Sr. Mornay e a quem
quer que seja o seo socio secreto mais de dozentos
coatos da ris, habilitados < orno sa achara com as
ultimas coocessdes a vende-te : quer, pois, esta-
belecer a segoridade do seu poder e gozos, extin-
guido os adversarios por quaesqoer meios qoe se-
jam. ...
O plano pode ser bom, mas, reSicta o Sr. Villa-
Bella, qae no ha crime feliz ; falsa a tbepria do
secretarlo de Floreoja. Um dia a roda desanda, <*
a ponigo ebega.
Reclfe, 8 de jomo de 1867.
*
P. SDepois de escripto este artigo, vtraos no
Jorna doRecifepublicada a rortariade suspensa'.
K digna do successor do parvo Lyra; pega qoe po-
da assigoar o ainda mais parvo governador da
Baratara.
Analysaremos depoi ese documento.
II Im. e Exm. Sr. Casta a um hornera-de dig-
nidada tomar a potijo de quera se delende, para
responder as accusagjjes falsas e torpes de nm
inimigo mesquinho; mas, se esse bomem nm
juiz, se contra seq.caracier de magistrado, que
se dirigen) as sellas da calumnia, forca qoe elle,
era respeito a' sociedad?, peranta quem de ve sem-
pre mosirar-se puro, e digno do cargo de que por
ella foi inveslido, procure vencer toda a soa re-
pugnancia, e desja a apreciar e a refular as rari-
dades pelo odio formuladas.
A oj ser isto, o que diz contra mim o de-
nunciante Joo Paulino da Cunha Gouven, s te-
ria em resposta desdem e desprezo.
Mas, j qae necessarlo responder, ia h>bei,
eajijua pese aos meus cetracures, do modo^nais
completo, oppondo verd.des provadas a cajla ama
das calumnias, qoe a denuncia contera.
A ratona reputajo de, juiz cumpridor dos seus
devr=, raputacao que tanto przn, que zio con
tanto afao, no acara comaromeiii;.
TuLo pieva coullBW no poder irresi.Mivel t'a
verdad*.
t Disse alguem, La Rochefaucauld, sappoaho,
que a calumnia, quando nao queima, tisna. Con-
venho que sien, que ella tisna, a mesmo que quei-
ma tambem e sempre, mas a boca do calum-
niador.
Qner-o denunciante, e qperera aquellas, de
quem o denunciante orgo e instrumento,
que eu seja suspenso, e, se possivel 'r, afastado
desta comarca, em que, ha cinco annos, exerjo o
cargo de jujz municipal e de orphos, -porque
vjp) em mus an obsKculo a's suas'pretenjoes
3Thoa.tas criiafucsas.
Acharar, no sei porque, que era asada a occa-
sio, e ei-los a me piolarera como om poltico
infrene e famoso, que- promove reumoes para ex-
citar odios e paixoes contra o governo; e por se
frsnte de sediciosos para perturbar a ordem pu-
blica.
Nao se podia dar de mira, como poltico, idea
ni a.s falsa I
< As minbas ideas e os meus sedimentos, ma-
nifastados na imprensa e na tribuna, como depu-
tado provincial ; manifestados pela minia conduc-
ta, como agento policial, em quadrasSeleiloraes,
n'e"ssas. pocas de laclas, em que sebed) de ponto
as paixoes partidarias -, e, flualu ente, como juiz
municipal n'esta comarca, ora que tenho ssistido
a mu i tas eleij5.es,- alguma- deltas disputadas por
amigos meus imimos, ,como sejam os Drs. Urbano
Sabino Pessoa de Mallo e Flippe Lope Ntlto, que
at fai meu hospede ; sao o mais solemne desmen-
tido qua posso oppr a essas calumnias.
Toda a minha vida de empregado publico e
de bomem poltico, qua no looga nem desco-
nheclda, eu a cfferejo ao mais severo o rigoroso
exame, e n'eila no eocontraro um s faci, que
no seja um protesto enrgico contra essa qualifi-
caja) de partidario violento e faccioso.
Sempre pensei que as ideas mais poras e ver-
daderas desnaturara se, perdem de vaipr a cor-
rompem-se, servindo-se da violencia como roeio de
triumpho.
Sempre pensei, que a poltica, que deve t^r
por flm a prosperidade moral e material do palz ;
0 que s com um desenvolvimento pacifico se pode
conseguir; que deve ter por m a consagrtgo
da todos os direitos, e o imperio da justija : o que
no se pJe obter sem um respeito religioso da
ordem e legalidade: commelte ura grave e funesto
erro, pondo a seu servijo a resistencia a's autori-
dades constituidas, a forja, a anarebia, fonte de
lodos os males, que ella tem de combater.
O qua se diz em apoio dessa.torpe e falsa
qualieajo 7
Que promov reunioes em Bom-Jardlm, e
t n'etlas manifestei-mo ostensivamente contra o
t governo, que tomei parte activa no deploravel
< conflicto, que teva lugar n'esta cidade, em a
noite de 2 de fevereiro, entre os votantes da op-
posijo e a gente armada, qua oceupava a casa
do subdelegado Manoel Goojaives Nunes Ma-
cbado; que n'essa occasio contranei as ordens
do delegado, e responsabilisei o commandante
1 do destacamento por todo o qae boovese de
acontecer; qae concorrl para que a matriz fosse,
no dia 3, occopada pela forja reqalsitada pelo
juiz de paz; que, finalmente, dirigi todos os ira-
balhos eleitoraes, como ura dos chefes da opposl-
jo.
_No sei o que mais para admirar, se a au-
dacia de certas mentiras, se o1 despudor e o cynis-
mo de certos homens, que procurara conquistar,
com delajes calumniosas, a immortalldade do
desprezo I
< Simo prazer, qoe vo gozar o denunciante e
seus comparsas, por me lerem reduzido, a' forja
de imposturas, de calumnias e de infamias, ao pa-
pel de quem se justifica.
t Mas, j o disse: son Juiz; Uve ordem superior
para me justificar; dou cintas de minba conducta
a' sociedaie, que tem direjto de exig-las; jclgo,
portento, salva a minba dignidade.
Respooderei.
Promov e assisti algumas reunidas polti-
cas do Bom Jardim, e aellas fiz sentir aos meas
amigos e correligionarios, na linguagam modera-
da e sensata, que costumo fallar, que deviam plei-
tear a eleijo, qoe era isto um dever, dever de ci-
dados, dever de horneas polticos.
Isto mesmo j disse pelo Diario d* Pernambu-
co, ao artigo a que allude a denuncia, em resposta
s falsidades a calumnias de ama gazete pelouri-
nho, intitulada-A SilMaco.
Desse mea procedimento no me justifico; por
que no o teabo por criminoso.
Considralo tal, fura fazer ao governo ama
injuria, e urna salyra pungente ao meu paiz.
Porqoe diz o denuncame, que eu manifestei-
me ostensivamente contra o governo, no o sei.
Se peosa isto, porque au fiz, lora do termo em
que son joiz, acto do oppjsicionista moderado e
respeitador das leis, ento > u no o comprehendo;
e, ou o denunciante ura estupido, ou ba defeito
na minba imelligencia.
Peaso, que desojar ver um partido substituir
outro na governajo do paiz, e para esto firo
trabaibar dentro da eapnera da legaliidade, no
aggredir ao governo. Os partidos podm caire
subir, sem qoe o governo, que com ellas nao se
confunde, que uma entidaja a parte, soffra o me-
nor abalo; e a le fundamental qua autorisa, qae
qaer. mesmo, podemos assim dixer, essas. mudan-
gas de poltica, quando iconselhadas pelo publico
interesse, no considera cerlamenle os actos ten-
dentes a, opera-la, como allantados contra o go-
verno.
c Sa, maji.festaudo-me contra a poltica domi-
nante, manifestei-me contra o governo, o crtme
o orime do immoderado desejo, que tem o denun-
ciante de denegrirme, ou da sua deploravel eegdel-
ra de espirito.
1 Chego aos aconlecimenlos da noite de 2 de fe-
vereiro
c Eslava em minba casa naqaella noite, quando
ouvi grande vozeite e tumulto l para o princi-
pio da roa Direila, oode linha parado a gente da
opposijo, qae, precedida de ama baoda de msi-
ca, inerme percorria as roas desta cidade. Serio
9 horas da noite. Procure! informarme do que
se passava, e seube qoe um grande conflicto se
bavia travado entre os votantes da opposijo, e os
homens armados, qae estevam pela calcada e dea-
tro da casa do subdelegado Maaoal Gonsalves.
V
i



k
V


v*
:




.

Itrio de rcninUBM Terca felra S de Julho de 1887-
\

c Avista fliWnao hesite!. mas tio gravada de dividas passivas, e a dividirse
Hvia orna dusordera a acalmar, urna lut, por tanlos berdeiros, que s vero tocar a cada um
jae poderla tornar-si saogreot, a impedir; Bao a ridicaia quantia de 13050O0, como soccedea
devia Bear espectador inactivo : dirig rae *mme- ora a oeranya do teoeole Miguel Lias da Silra, a
latamente para onde me cbaraava o meo dever maior qae divid por arrolamanto, nao esta' manos
de autoridad.; punlica. no caso de ser partllbada por este modo, segundo
c Antes de ebegar casa fio subdelegado Ha- o espirito da doutriaa dos praxistas, do qae ama
noel Gonsalves, encontr! o destacamento > ar- de SOjjWGO ou 40W000", mas'livra de divids, e
mas, 40 pravas pouco mala on menas, postase partivel smenle por daos berdeiros. (Documento
formatur.i oo meio da ra, em aititude de fazerep 8.)
fogo sobre opovo, qae Ibe estava em freate. Afu- Isto me parece irrepondivel.
fio-me em extremo aquella espectacaJo pelas des -< C assim que teaho entjadido a theona dos
fragas, Qae va irainentes NJo pono repetirs praxistas, e de accido fojoj essa iateliigencia,
palavras, qae enie profer, nem expjr detalbada- que tenbo procedido.
ente os esforg >s qae erapreguei; mas digo-o, < Com o poder de julgar dos casos, em que as
chaio da satisfar que dio seotimeoto de acn de- herancas, sendo mdicas, devem serjtartilbadas
ver cwaprido, e dlgo-o sem temor de ser desmn- por arrolameoto, tenbo (eito sempre desi>odar-o-
(ido pelos qae etiverara presentes, e sao incapazes aso aeonselbado pelas clrcamstancias, e pela con-
de sacrificar-a verdade a seotimentos tadignos, qae veniencia dos orplwos.
flz todo o que era humanamente ^ossivel para Im- Oode esta' o Dea criara T
pedir a luta sanguinolenta, que eslava prestes a < .No odio do denunciante to someote.
comecar. > Quanto ao recebimento de castas, como part
E os meas esforcos oram coroados do nais dor, falso qae as leoha recabido,
(elii resaltado. A massa de votantes da opposlgao, < A certidao sob numero... e o termo de eiame
superior tal vez a 800 borneas, rlirou-se para o sob numero... ah estao para provalo.
convento do Cirmo, e o destacamento recolheu se < Cono juiz, e como avaliador, teaho reesbida ;
ao quanel. e tenbo reoebido, porque isto me julgo com di-
c Os proprios amigos do denuncia ule, e elle reito.
mesmo depois do conflicto e nos dias segolntes, E das castas, qae conspetera ao avaliador, s
antes de se haver formado o piano di adulterar os tenbo recebido a da simples avaiiacao, porque as
/acias, para se me fazer passar por /autor de des- outras recebo, como uiz. Porm antes da Ir adian-
ordeas, dizUro, que a mim principalmente era de- te, cbamo a attencao de V. Exc. para a certilo,
vido o terse evitado o derramatnento de saogue. sob n. 9, da qual se v, que oiuitos desses artola-
L'ji d'elles no fervor d a sua admiracao chegou a memos tenbo feito gratuitamente, e de amitos ou-
chamar-meAujo da paz. tros tenbo mandado contar somante melada das
Eis o qae me relativo nos acoolecimenlos de cusas. Cbamo tamben) a attencao de Y. Exc. pa-
ra esse ponto: que as cutas que percebo -nos in-
vntanos ordinarios exceden muito s que m oa
bem nos arrolamentos.
( Com isto julgo, qae ticar sem effeilo, a baixa,
orpe e mmunda insinuacao qae taz o dsounc an-
te, quaodo da' a' entender, que eu smeate com o
filo em malor lucro, procedo a' arrolamentos,
2 de fevereiro.
* No da 3 fui matriz dar o mea voto, como
eleitor, e ImmediatameDleretirei-me.
Antes d'isso, allou-se, que a polica ia fazer
fogo sobre os votantes da matriz, para e-xpell los
de la'; fui entio a casa do Dr. fiaaoalves da lio-
cba, juiz de direito, coovida-lo para de comliinago
empregarmos os meios tendentes a' evitar essa quando devia fazer inventarlos regalares,
triste extremidade; convite este, qae nao foi accei- Repillo essa injuria infame com toda a indig-
(o, porque constuu-no- logo li. qae. a polica ia nago de miaba alma.
para a igreja do Amparo fazer duplcala. O altes- a Desses arrolamentos s resultara valtageas
do, sob a. 1, mustra o que se passou entre mim e para os herdeiros; eu tenbo com elle augmento
o Dr. juiz de direito. i consideravel de jrabalho, e dimionico de salario ;
O attestado do mesmo Dr. juiz d direito, sob nada mais.
o. 3, o do respeitavel vigarie, Domiogos Alvares; Agora, dizer-se que nao devo receber caitas
Vieira, sob n. 3, o do ctrurgiao Joo DomiogueSjComo avaliador, por qne recebo como juiz, affir-
gaeira Costa, Dr?. Freitas HeoriquesTJ>oo Hlr-
cano, para qae digarc, e o itenunciast foi ou nao
am dos que, mas esbrareiarjua. coaita ascuas ju-
dicaturas nesta comarca.
< O aoti'o que levou eideooociaate dar a de-
nunclr, a qae ora tespo0o, man fot o amor, a jus-
tiga, o respeito a lei; omsim am motivo torpis,
simo, como qaasi todos que serven de motores as
sua acedes.
< O deauaeiante e o sea predilecto irmo, Tra-
jaoo Olyrapio da Cunha Gouvea, eote-oderam, que
devam e deviam desfraelar a vida no dulcefar ni
*nle, no santo t beatifico ocio, a casia da fortuoa
lalbeia.
t Comecaram por contrabir numerosas e aval-
ladas dividas, e acabaram por nao a nerer pa-
No eolanto To elle, o ingrato,
Qoe a pobresiaba quebrou I...
Agora sunarflua pjagoa,
Agora b tdadosaisT...
Se, sob miaba jaoella,
Como outr'ora canta 31013,
Sem a mmha companhaira,
' Nao Iha resp >nierei mais I...
ecife, 5 de jalho de 1867.
Saus nom.
Atten^o.
O curador fi falves dos Santos, juiga do seu dever responder
ao annuocio ou protesto do Sr. Autooio Goncalves
n, .,,___ .... _.!..: '4.0S SaloSi.irmao 4o fallido, inserido no Diario de
Os credores de balde esgotavam os msiosamt- Pernambuco *
gar.
.M.2*.Cd?.da b,de e-,g0?""DiO.m?M,*!?.I Pernambl,'co' &* Me 8 de j'olho sob n. 153, acerca
!g".,ff ameacas, proprias de tafantoej (do qae da veQda era |ei|oJ dfl ,, moveJS 0's escra.
eU*.Uto se -afaoawm I) segmara de parto-a 03 Rosa e Mllhjas da ra*S(na ^^ pablicando.
a seotenga de pronuncia do dita fllido. e a peti-
580 que o dito Aoionio Gongalves dos Santos, diri-
gi no da 4 do correte mez ao lllro. Sr. Dr. jolz
vri ifd,eVned,res 0S "i6108 brad d0 mwcio, embargaodo como terceiro seoh.r,
veis eram infructferos, e s serviam para torna- ..~ij-------
qualqoer teatativa de accommodago, por aquellos
empregada.
Os credores, desengaados final, deque com
.-----:------------------------------1 -" o>- r--------- j>uauiuu
ios mals audazes e petulantes, recorreram a jus- 0 passo
c Novas difflculdades
qae despaebasse petigo algra* cotra' tae calen
toes.
possaldor prejadicado d
m
da Silva sob 0. i, e do teaente-coronel Bento Jos
Ferreira Rabello, que enlo estava no exercicio da.so, ama verdadeirasem razo.
riel.if'Jci^ rnd n ".' onrwntn nmmi, npnnr validada* m Dnrnnn n Inla J.HU..1 #.....
delegaca, sob 0. o, servem para nrovar a verdade'
de ludo quanto deixo dito, a' cerca do man proce-
diiDt uto em a noile de 2 de fevereiro, e todos elles
demonstrara, que o deauociaote mentio, afflrmaa-
do, que contrartet as irdens do Delegado, que amea
cei o commanlante do destacamento, e que deca-
rei ao juiz de direito pudtr desarmar a gente da
matriz, inculcando me cite fe da oppjsicai..
Nao era chefe da oppcsigao, nem como tal fi-
gura em circuojitancia ulum. Nao era e nem
poda se-lo, por que declarei solemnemente,
qui nao lomara a menor parte no pleito eteitoral;
por qqe a ralnha posicao de )uiz aie iojpuoba a
mais aoiau neuiialiuade; que me limlUtia a
dar o meu voto, e o,jda mals.J! isto" roalisei.
A oflueacia, gua eu tinba sobre a opposigao
era a roesma, que sempre eseroe toda atiioriffade
re--;.fitada e de prestigio, iju*do obra em Dome
da le.
Foi, pois, por ter-me abatido da lata eleiloral,
qae soa aecusado de partidario iafrene ; foi por
ter felto esforcos inauditos, expondo a mioba pes
mar-se sem motivo plauslvel, com ura fim perter-
Porqoe o juiz devera' fazer gratuitamente am
servigo qae remunerado sendo feito por ootro T
< Sera' o juiz de orpbos um agente de caridade?
O seu trabalbo nao estara' como o dos ootro?, sob
a le que pede para todo servigo ama remunera-
gao?
Anles de baverem destribuidnres e contadores,
.0 trabalho da conta e da destribuico, era feiio pe-
los juizes, que por altes reoebiim custas; e nunca
por tal facto foi aecusado juiz algum. E por (iae,
quando o juiz faz o trabalbo de avaliod- no dev..
receber castas de avaliador t Nao pnoctpio cor-
rente em direito,qae onde so da' a mesma ra-
zio, duve-se dar a me^raa disposigao-T
< Em fim, se nao tenbo procedido regularmente,
forea coovir quo a materia nao liquida ; que o
caso desses, em que o juiz deve fazer uso do sea
direito de interpretar a lei,
K se a minha iolerpretaoao nao a verdadeira,
ao goveruo imperial deve ser submettida aduvida
para ter a couveaieute deciso.
Al la', seguirei a mioba opiniao, que me pa-
soa, para impedir, que corresse muito angue as rece verdadeira, despresaudo o pare:er desse de
ras desta cidade, que sou aecusado de perturba-
da da ordem publica I
< Nao importa.
Rousseau dizia i Voltaire: as calumnias
de teas inimigos sao o cortejo da toa gloria ,
e eu peaso, que 0. ado, as calumnias, as persegu-
coes de cortos lodividuos, sao para am jaiz integro
um tributo pago ao seu mrito ; e este pen-ament
par mim urna consolagao.
Julgo ter respondido s accosagoes dirigidas a
nuncianie calumniador quo s respira odio con-
tra mim.
4 Sim; o odio qae me vota o denunciante, re-
vela-o toda essa deouncla.
c Elle ebegou a dizer que eu sou um juiz que s
tem usado de seu cargo em proveito proprio I... -
< Ousar diz-r i.-to, quindo devia saber que nao
se faria demorar muito o mas completo e solemne
desmentido!
fli 4 annosque exergj nesta comaroa a var
mim, como horoem poltico ; passo agora aoo pjn- ,do orpbaos, e durante esse curto espago de tempo
tos d.a denuncia, em que sou atacado como juiz
municipal e de orpbaos.
Diz odenuociaute, ou quero escreveuoqae
elle assignoa, qae eu roereco ser suspenso, proces-
ado e punido por ter em dezembro do aano pro-
zimo passado, no comego das ferias, abaudonado
o lermo, para pausar dias era Bom Jardim, sem
licenca de governo, e com detrimento das partes;
e affirma, que Bom Jardn] dista desta cidade 23
leguis.
< Ful, verdade, para Bom Jardim passar as
dnas semanas de festa em compapbia de mlnha
TOHw.ini_para!ytica, e pa-ra isto naa solicitei li-
cenc-i do govero; mas se proced assim. foi por
que me jolgava aatorisado a faie-lo pelo decreto
n. 1285 de 30 de novembro de 1853, que per-
mitte aos juizes essas sabid>s dos termos para dis-
tancias ties, que possara ser percorridas em 24
b '' ; e Bom Jardim, como sabido, dista desta
cidade someote-17 leguas
fransposto em 12 horas.
espago qae pode ser
tenbo feito cem vezes mals Jem boneficie dos or
pbos da qae os meas dous ultimas antecessores
duraole todo tempo qae aqai estiveramonze an
nos 1 Sou forcado a fallar nisto no loteresse da ali-
aba defeza, e fallo com documentos aatbenticos.
O -uiz meu penltimo autecessor, recolneu
durante a sua estada nesta comarca, de dinheiros
de orphos, 300,j (documento n. 10). O juiz meu
ultimo aateoessor, reeolhea a quamia de 4353180
(documento a. Atado). E eu hel recomido.......
17:970^076; bei arrecadado de alcances de lulo
res, em beo de raz 10:267182 ; hei feito arrea-
dar em hasta publica todas as propriedades per-
tencen'.es uo todo oa em parte aos orphos para
que ellas Ihes M-a annualmsote algam readimea-
lo ; hei tambera feito ranear, como nanea rende-
raoi, as patrimonios das differentes capellas que ha
neste termo ; hei feito redifioar 4 templos qae ea-
coatre em estado de oao servlrem mas para o
culto divino, dous dos quaes, baviam mais de 15
annos que eslavaui reduzidos a redil de cabras e
E' falso, que essa minha ausencia tivesse pre- uvelhas e de outros aaimae; tenbo eraflra, com
indicado a alguem. eixei de dar durante ella jsatisfagao o digo, feito talo que me lera sido pos-
daas audieucias docnma ; mas oas audiencias do sivel, para cumprir com todos os meus deveres de
crime, como prova o documento n. 6, desde que juiz (iocumeuto citado.) Eatretaato, diz odeaaa-
sou juiz nesta comarca, anda nao se me fez um s ciaots calumniador, que sou am jau que s caro
requeriraento jdos meus interesses, que s busco o man proveito,
Isso qae se diz na denuocia, cerca da justi- era detrimento de ioteresses sagrados confi2doi a
fie.igso d subdelegado Monteaegro, pura men- minha proteccio I!
lira. Essa justifleagao foi dada no da 16 de ja- < Por isto avahe V. Exc. dos senlimeotos que
neiro, quando eu ja me achava de volta n'esta ci- dictaram essa denuncia.
iile, como prova o documento sab o. 7, e cmo < Mas isto nao basta.
poior at deelarar o proprio Moateaegro, qae por c Nj posso consentir que o denunciante cubra
mais de umi vez estove o'esse da em minha o seu rosto de miseravel calumniador, cora a mas-
casa, cara de hornera que pugna pela le a pela jusiiga.
Se Me, pois, nao a quiz dar perante mim, foi' Mostrarei quem elle .
por que isto nao Ibe convlnha. Freferio o juiz de' Joo Pauliuo da Cuaba Gouveia ama irislis-
paz Ressurreicao, quo armador de igrejas e fls- sima excepgao do principio acceito pelas sagradas
cal, por que diante desse jaiz teriam menos ac- lellrasr6or bona non potest malos fructus facerel
oham.-ato e escrpulo as tostemuuhas, trazidasj < E de feito, anda nao se vio um filho respeitar
para debvxo de juramento fallarem bem "elle. menos as tradlcgoas honrosas de sea pai I
< Se por oo dar daas audiencias, em tempo de A' urna vida rica de vrtades cvicas e domes-
feria-, commetti falta pequel certamente com mai- ticas que Ihe deixou para exemplo o seu nobre e
to< outros, oa para melbor dizer, cora todos os illastre progenitor, elle otepe urna vida desre-
juize desia provincia ; e punir a lodos (porque a j grada e marcada de erimes. Anda b:-m nao liaba
um s fora injustica) serla "fatigar os tribanaesj completado seu quinto lustro e ja o estigma que
com processos Insignificantes contra a recoramen-' havia assignalado Caira e o exposto a' exacrago
digao do ministerio da justiga feita, se me nao en publica, negrejava-Ihe sinistrosobre a fronte"
gano, em fevereiro de 1866.
_ Creta, que escasado defeoder-rae mais de
tao ftil aecusagao.
* > u aecusado aiada de ter feito arrolamentos
de grandes beraocas, e de ter recebido por essas
arrolamentos castas como juiz, avaliador e par-
tidor.
E' inexacto, falso que eu tenba feito o qae
diz o denunciante.
Kvluzidosos fados s sua3 verdadoirai pro-
porgo-s. tirado o que ha de calumnioso, ver-se-ba,
que nao ba motivo para se me azer o menor re-
paro.
TVnb dividido por essa forma de irrolameoto
muitas beraogas, porm pequeas; e assim te-
nbo feito por ser esta praxe acoaselbadr por aba-
lisados escriptores, por me parecer ella racional,
e cousoante ao espirito da nossa legisUgo, qne
r;c >mraenda aos juizes de arpnos, dentro da es-
pitara do poder discrieionario, qae Ihes concede,
todo o que for de vaniagem para os orpbo?, seas
admioi-trado'.
Diz Per. e Souza not. 1021 : Nao sa de-
< ve fazer aventario, quando for menor a despeza,
do que o lacro do orpho, oa qaando a heraoga
* fjr d.e muito poaco valor. t O jolz mesmo
* faz um breve arrolameoto. avaha, divide, e se-
leacia logo. sambuj, Susano, Processo
orj>/i.
< Sempre qae me tem parecido que proceden
do-se i. divhao de ama heraoga pea forma ordi-
naria, isto e, pelo inventario, o quinhao de cada
herdeiro serla multo desfalcado pelas custas, bei
'.i meloso, segundo recommenda o citado Asan
b"ji, avahado, dividido, e sentenciado. Na de-
oaacia eonsidern-se crim3 esse mea proceder;
oor que partilhei por esse modo herangas superio-
res um aoato de ris.
Da-se abi a entender, que a heraoga, exceden-
do esse valor, nao pode ser considerada mdica,
nem dar lugar a partllha por arrolameoto.
* N) aceito,esta theorla, porque nio Ibe acho
a menor apoio/nem na razo, nem na doutriaa
Jis praxistas.
< Nao na lei nem praxe, que determine o valor,
aoi.-aa do qual nao exista mais a modeldade, que,
'guod*o o denuaciaote, autorisa os arrolamentos.
Todo delxado ao arbitrio do juiz, e o juiz,
/peto e*fletho e reoommendago dos praxistas, deve
-preterir essa forma breve, barata, sommarissima,
-semprn que o exigir a conveniencia dos berdeiros
orpboos.
% Se assim toda vez aoe o jaiz entender, ejne
existe *>sa conveniencia, deve faxer arrolamentos,
9'-vo importando, qae o acervo da beraoca seja
da 1,1 3, 4, 8 coitos de res".
E da mais, ama heranca excedente a am con-
t de ris, para o flm de ser dividida por arrola-
meoto, \lu ser considerada mais mdica, do que
um * Cfta h 'ranga de 3 eoa'os de. ris por exemplo,
e O primeiro sangue por elle derramado, a pri-
raeira victima irarnolada pela sua ferocidade foi
um sen parete em gra'o muito prximo.
c o desditoso mancebo Jos Joaquim da Cuaba
Rocha, geralmente estimado pelas suas excelentes
qualidades, e priaclpilmeo'.e pela sua iadole boa e
pacifica, em'pieno da, no maio de ama estrada pu-
blica, derrabado do cavallo em qae ia montado,
por am tiro de bacamarte, que traigoeiramente Ibe
dispara o denunciante por suas proprias mos I
E isto sem ter havldo da parte da vic'.ima a
menor aggresso ou provocage.
t Este facto atroz, estrondou por loda a corna-
ca ; ura grito geral de indignago rebealoa de to-
dos os peitos; a autondade publica, cumpriado o
seu dever, iostaurou o competente processo, e dal-
le surgi ama prova testemanbal assaz forte para
aatorisar a pronuncia contra o denunciante, e ca-
paz de azer-lbe decretar para os pos am par de
grilhes.
Foragido do lar domestico, escapou por isso
a' priso, e protegido pela longanimidad j de al-
guDs de seas parales, aos quaes elle hbje-constan-
temente insulta, aprovertou-se da occasio em que
vio as varas de direito e municipal empuohadas
por juizes legos, oa de emboscada, na espiri-
tuosa phrase do Sr. desembargador Rigoeira Casta,
para loterpor, como ioterpoz, parante elles cm
monstruoso recurso, que foi ltimamente levado
ao conhecimeoto do Exra. Sr. Dr. Manoel Clemen-
tino Caroeiro da Cuaba, quando oa administrago
da provincia ; e em virtude de recommeodago de
S. Exc, devendo o promotor publico interpor re-
curso da despronuncia, valeu-se o denuaciaote de
infundada prescripgao, processada e julgada a' sju
favor anda per am jaH deemboscada! (docu-
mento sob a. 11.)
c O sangue de Cuaba Rocha aiada boje brada
vioganga e dama justiga... E o seu matador, com
a impassibilidade a ferocidade qae Ibe sao pro-
prias, zomba e escarnece das leis e das autorida-
des, e ameaga fazer do bacamarte o seo pedestal
de gloria I
. Eis o hornera qae se atreve a fallar em lei, em
honra, em moraiidade publica I
Um criminoso confesso II....
Unido a sea irmo Trajano Olyrapio da Cunha
Gouvei, nico membro da sua familia com quero
ewriem eslrelta amisade, pelos mwtos pontos de
igualdade que entre si existem, apresenta-se pe
raate a primeira au'.'oridada da provincia para ac-
ensar a um jaiz de qiiem nunca receben oa sol-
(rea a mais leve perseguido a njustiga I
t Este tacto s por si, e em mais commeotwios,
jsaffioieale para dar umV\ idea do carcter do
denonclante.
Todo jaiz nesta comarc:
oibos as mazellas do den
comparsas, am juiz preva
severa panigao,
Apello pira o E\m.
ditos movis e escravos,
qae agora pelo sea annuacio diz que,
m- .. i... n. n tats bensestao sueeitos ao cumplimento de despo-
!fi ucoes testamentarias, da-ftnada muiher do fallido,
<'por isso seqnestrados por nundaio do Illm. Sr.
^Dr- provedor de re.-iduos desie termo do Recife:
um-hSS- 'LtSiam co;8D'i*ar !T*aJf* logo esses baosnio.da massa e o annuncio do Sr.
?a r 2!inH aocw,,fn,"baL"8S.?* ^ 4 AQfeuio G"Hes io anda mais ,ptwar o qae
ra, era a ezeepc>n-da regr.. (Qoo *. J o curador leal dsa na mformacio, qne deu na
a concii.acao.sobTevlnbm novas' flBlJsao d0 m9smo S(. Aqoqu g^\^
Reeia, 8 de julho.de 1867.
O curador nscal, Manoel Joaquim'Baptista
Vistos estes aatos, em qae- -fallido.o coinm*-
Decrregam hoje 9 de jalao.
Brguo poTlogoez Relmpago mercdorias.
Brigue porluguezConstante //dem.
Polaca italianaPeglidem.
Patacho noruegueusfi;ufcan-(ariohade trigo.
Barca nacionalFavoritacharque.
Patacho banoveranoAllanteidem.
Patache nacional Fa/n/-idem.
Patacho naeloDalGuilherminaidem
Patacho bollandet Wilhermtna Magdalena -idem.
Samaca bespaobola-Prompfaidem.
Polaca nacionalS. Pedroideco.
Bn?aeportognezN. S. da Concetcdo-idm.
RECEBEDORIAOE RBNDAi INTERNAS
GKRAES.
Rendimento 3e dia 1 a 6......... 0:478J697
Idea do di 8 ................. 1:977688
11:4665385
. CONSULADO PROVINCIAL."
Rendimento do da 1 a 6......... 44:59i420
Idem do da 8................. 6:924*545
51:518*965
MOVIMETO DO'PlTO
Mas feita
difflculdades I
Todos se averbavam de snspeitos, e qaasi to-
dos sem motivo* ou per motivos frivolos.
< Em uma sarta de sentenoa exequenda .de Ro.
cha Lima & Guimares contra os denanciautes, da
jnlzes se averbarara de suspeitos, como se v do
documento sob n. 13.
< Foi preciso, qne ceesasse o meu impudimeuto,
para que^ et^rda carta de sentenga exegaenda,
recebesse o devido cumpra-se. (Documento cKadoj.
< lnie ira, I
E' raisterpanirmossemulbanreenudra, dlsse-
ram elles.
E' mister iofligirraos am castigo a esse juiz
altivo que uos ruede por qualquer hitla I
E' mister, que esse juiz d'ora em diante, nao
funecione mais em causas nos-as I
O que devemos para isso fazer t Recorrer as
denuncias.
< Denuncia dada, suspeigo infalllvel I
1 E s assim seremos salvos das exigencias dos
nossos iroplacaveis credores...
Os documentos, sob ns. 14, 15, 16, 17, 18, 19,
20, 21, 22 e 23, tornam b6m patente este infame
joge, esta miseravel trica, aconselhada na banca
da corrupeo 11-
Eis, Exm. Sr., o qae me occorre a responder
a V. Exe., qae se dignar deeculpar-me o desali-
obo das pbrazes, e o emprego de ama ou outra
expressao, por ventara meaos propria e conve
oieute, fazeado a devida justiga a mim e ao de-
nunciante.
Dens guarde a V. Exc.
Cidade de Goy3nna, 5 de abril de 1857.
t Illm. Exm. Sr. conselheiro Francisco de Paula
da Silveira Lobo, presidente da provincia.
O juiz municipal a de orphaos.
t Henrique Peretra de Lueena.
rablicagoes -a pedido
qae nao fechar as
ciaote e s dos seos
oador, merecedor de
tr. desembargador Hi- i
Os buffo9 parisienses.
A ope'-a coma 0 86't a sua execueao.
Acaba de ser representada, pela primeira vez,
no oosso theatro de Sania Isabei, a opon cmica,
em um actoO66, oosso ver, urna das rnelho-
res corapjsigoes de Offeinbacb.
Figuraran] no espectculo os artistas Noury,
Pelva e M"e Adle Lenormand ; esta, no deserapa-
nho do p*pel de Griuly ; Mr. Pelva. no de Frantz,
a Mr. Naury, no de Josopb Berthold.
A operaO 66, iucouiestavalmenle um mi-
mo d'arte, tanto encarada debaixo do ponto de vis-
ta litterario, como rausicai
Como trabalbo Htterario, torna-se ootavel pela
moraiidade do fim a que se propozeram, Forges e
Laurencm, seus autores, e pelo desenvolvimento
correcto e mimuso da consepgo.
Como creagao musical, aiada mais se recom-
meuda, pela delicadeza e fino tseto, com que se
houve o osprado Offembach, era to potica e lin-
da composigo.
A execugo foi satisfactoria ; e nem o contrario
sa poderia esperar.
Os Srs. Naury e Pelva, como aempre, conaerva-
ram-ss 11.1 altura condigna do seu talento, e foram
devidamente applauidos pelo espectadorei jasti-
ceiros e imparciaes.
Frantz e Joseph Bertbold foram cabalmente re-
producidas em sceoa por essas dou distinctos ar-
tistas, que, oosso ver, acham-se cima de todo
e qualquer jaizo avoravel que se Ihes possa fazer.
O papel de Grillly, cuja miraosission e difflcil
execugo muito acertadamente coobi a M"a Adle
Lenormand, foi deserapenhado de um modo cabal.
H* Adle L?aormand, auimada elo justo apre-
go que o publico Ilustrado tem dado a seus talen
tos, jornindo-ge urna vordadeira raioba do palco
pelo donaire e graga de seas gestos e movimeotos,
pela dogura de sua voz melodioza, pelos allracti-
vos de seus olhares elocuentes, e por lodos os do-
tes divoos, que se reuoem para formar as criatu-
ras raras, mais urna vez teve para ser sincera e
devidameate admirada e appJaudila.
E' que o fogo santo do genio abrasa e Ilumina
a sua bella f onu de artista.
E' que o talento e a belleza, alm de muilos ou-
tros encantos, se reuoiram para elvala a altara,
que nao dado a todos attiogir.
Trajaudo ura liado e bem talludo saiote de seda
encarnada, franjado de velado pret', M"c AJle
Lenormand, se transformara perfaitamente na ty-
roliense Grillly, a bella ingenua e apaixonada pri-
ma de Frantz.
Desde a primeira at a allina sceoa da opera,
M"c AJle Lenormand, desempenbou o papel de
Grittly, com tal perfeigo, que de todos os espec-
tadores inidstinciamente recebeu os mas sinceros,
espontneos e frenticos applausos.
A cada melodiosa nota desprendida de seos la-
bios de rosa, Mu" Adle Lenormand, era saudada
com repetidos bravos, palmas e flores.
Ao espirar a altima nota do romaoce, qae tra
duzimos, e qae faz parte deste nosso escripto, de
um dos camarotes da esquerda, atiraram e foi
car-lhe ais ps, urna syaibolica e linda griual la
de folbas de lauro, entremeadas de f jlhas e bo-
tos de rosa, com ua lago de fita de seda branca
adamascada, em cujas extremidades lia-se, em
grandes letras da ouro, as inscripges :A' Jllle
Adle Lenormand 1 -A' Partiste dtstaingue I
E' mais urna prova do aprego, que por meto
do sen talento artstico, Mu Adle Leoormaad,
lera cooqastado no nosso theatro.
S; nos sobrasse tempo daramos aos leitores a
traduogo de todos os versos que foram por elh
cantados, ao desempeaho do papel de Grittly/
oo s por qae o foram com seotimeoto e arte,
como por qae sao liodissmos. Todava cao po-
demos oos furlar ao dezejo de traoscrever aqu os
quatro seguintes versos, inspirados peta saudade
e pela dr que senta Grillly ao receb'er a carta
de sua querida e infeliz irmaa :
Adieu, Tyrol, adteu, montagnes,
Rien ne ptul plus me reteir...
Adieu, ma mere el mes compagnes,
L bas on pitare... il faut partir !... 1
Terminamos aqu o nosso escripto, cujas pala-
vras sao apenas am pallido reflixo, do qa deleja-
vamos dizer, a a qae tem direito M"c Adie Le-
normand, essa bella e fulgurante estrella do palco.
E' de um effelto admlrave!, a nos faz bater o
corago, a 4* scena da opera, qaando Grillly,
tendo as mos a sua guitarra, quebrada, balbu-
ca as seguintes palavras, em referencia a Frantz,
o sea ingrato primo :
c Brise ... ma pauvre guitarre t ... Ah I
Frantz I... en a 6i>n raison de dir que la ruhes-
se vems change le caur. >
' Eis o romance, qae tradasimos, para cojo tra-
balho pedimos indulgencia aos aossos leitores.
ROMATCE.
Era a fiel companhelra
Dos gratos e dos mios dias :
Eu era tica com ella...
Meas amores e alegras 1...
Soa voz harraoniosa
A' miaba voz responda;
Eram dalla, os meas segredos,
lodos.ella, conhecia :
Dizia Ihe os meas prazeres,
As mi o bas peuas e ais...
Mas, agora, erobra a guaira,
Nao I Vos posso dizer mais I...
*
Suando, Frantz, me accordavt,
antando ao romppr do dia,
Complac'ente, barmooiosa,
M'aha guitarra responda I,.,
----.w .. a 1 CIJUCI IUIVUIU UC UIU '-t
rado allvio pela sezBeaca a fl. 32
pela superior dedsatf de fl. 54:
cuate Amaro Gomnatvas idos Sainos, mila-se que
' reqoeriraeuto de um s-u credor, duela-
v., conflrmsda
mestr-se, que
averiguadas as oa os as da fallencia, reconheceu-,
se sor a mesma devida a axceasos/de despejas do
fallido, e ma' gesto o saos negocios: motra-sa
mais que o fallido apresentou sua escripturagao
cornmercial truncada ; e a pirte apresentada ir-
regular, e viciada por entrelnhas e rasaras e lo:
deficiente, que se nn pode conhecer b3m a sita-
gao dos negocios do fallido, e.explicar as saas
iransags, dando justifleago as suas receitas;
mosira se mais que o fallecido oceultou valores da
massa fallida; como lado se manifesla da minuta
de exame a fl. 212, e aais pegas dos aul03. E at-
tendendo que o fallido era saas razoes a fl. 307 nao
juslica por forma alguma, as argucoes apontadas
e que assim tem jQfnuzido s disposigdes dos arts.
800 i, 801 -J 1 e i e 802 i, 2 e 6 do cod.
commercraJ, julgo a fallencia caipusa e fraudu-
lenta, e pronuncio o filudo como ocurso as pe-
nas do art. 263 do cdigo crimiaal, fleaodo oftriga-
do a priso e livramenlo na forma da le. De.-ta
rainba deciso recorro para o superior tribunal da
relacio; e compra o escrivo o seu regiment,
pagas as castas pela massa fallida.
Recie.5 de^unho de 1867. Tristao de Alencar
Araripe.
Illm. Sr. Dr. juiz do direito especial do commer-
ciu. Autoulo Gocgaives dos Sanios, lera l*gi-
timos embargos de lerceiro seahor possuider e
prejudicado, a oppr a arrematago dos escravos
Matoia e Rosa, bem como aos trastes qae foram
considerados perteocerem a massa fallida de Ama-
ro Goncalves dos Santos. Peda a V. S. concoda
vista para dito tira. E R. Mee.Antonio Goncal-
ves do Santos. informa o curador fiscal cora
brevidade.Recife i de julho uer 1SG7.Alencar
Araripe.
Illm. Sr. Dr. juiz de direito do commercio.Os
escravos Matbias Rosi, bem como Vicente e An
tonio, e os movis, oriiu descriptos pelo fallido
Amaro Googalves dos Surtos, como seas no invea-
urlo a que V. S. pi ocideu, por occasio da ab?r-
lura da falleuca. lendo sido antes relacionados no
activo do balaago, que o proprio fallido apresen
tou aos seus credores, quando pertend'au urna mo-
ratoria particular. Declarada a pronuncia do ans-
rao fallido, apreseotou-se ao Sr. juiz municipal da
2* vara, um reqoenmeaio em nome de Vicente e
Aotooio, pedilo ser manutenidos em sua libe'r-
dade, e agora se apresenta Antonio Googalves dos
Sanios irmo do fallido, dizendo-se senbor possui-
dor prajndcado dos 3 pnmeiros e dos movis I
Desse modo desapparecem lodos os bens, oao obs-
tante i.re sido tambe n doicn,;tjs ao iaveatario
a que se precedeu por falleciraeuto da muiher do
fallido, onde foram adjudicados para pagamento
dos credores, por ser o activo Inferior ao passivo.
Qjanto a supposta berdaae de Vicente e Aalo-
nlo,,0 carador ja' respoodeu em obso-*" ~*-
respeitwel despacbo de V. S., 00 reque:
curadodos mesmo eberaros. Acerca, i
embargo do lareeire se-mor possuidor preTdicadJ
de qae se trata, pondera o mesmo curador ser isto
um plano on artificio entro o supplicante e seu
irmo filudo, para subtrahirem ditos bens a massa,
com o fim de se tocjple'.arera, prejudicando os
cred res. Apprassotan-lo-se o mesmo supplicaute
smente agora no acto do lello, pois nada recia-
muu at ento, parece ao carador que se deve ef-
fdciuar o dito leil. V. S., porm, mandara' o
que fr servido.Recife, 4 de julho A 18o7^O
cur.i i r fiscal Manoel Joaquim Baptista.
Navio entrado na dia 8.
Rio de Janeiro e parios intermedios -o dias e 6
boras a do allimo porto 13 horas, vapor nacio-
nal Guar, ele 999 toneladas, oommandaote o
primeiro-lenente P. H. Duarte, equipagem 56,
carga differentes gneros; a Aotonio Luiz de
Oliveira Azevedo & C
Observago.
Nao bouveram sahidas.
EDITA ES.
XBU
Tdndo um meu committenle rae enviado urna
correspondencia pira aer publicada no Diario de
Pernambuco. levei-a a lypographia,eabi se exigi
a minha assigoatora, para ter lugar a publica-
go._()
Sem ter lido a mesma correspondencia, ignoran-
do o seu contedlo, e tambem alheio a publtcago
de joroaes o saas respoosabilidades, assigaei a
mesma correspondencia na melbor boa f, e so-
mente para que ella fosse publicada.
Nao s nao teaho tido parte alguma uos repeti-
dos ataques qae os inimigos do Sr. Vellozo tem di-
rigido a sua boa repaiago, como sou o primeiro a
rec nhecer a falsidade das impatages injuriosas e
calumnio-as de que elle tem sido victima.
Assim foi com duplicado pezar qae me vi consi-
derado respoosavel pelas iraputages constantes da
referida correspondencia, a qual loi publicada no
Diario de 2 1e abril com o pseudnimo de Manoel
Joaquim B. M.
O que mais seotiiia, se victima de minha boa
f, vier a soffrer a imposgo de orna pena, seria
qae algaera me conslderasse capaz de faltar a ver-
dade, injuriando e calumniando a am hornero a
quero sempre considerei como elle merece.
R*cife, 6 de julbo de 1867.
Joaquim de Souza Silva Cunha.
WBWiW
GMMEBCI.
PRAGA DO RECIFE 8 DE JULHO
DE 1867.
As 3 K boras da tarde.
(Sabbado 6 do correle)
Algodo da Parabyba P sorte14*800 por arroba
posto a bordo.
Hoja)
Cambio sobre Loodres 90 d/v 21 Ir! e 21 d.
por i*.
Algodo da Parahyba sorte14*800 por arroba
posto a bordo.
Silveira.
Presidente.
focado.
Secretario-,
Novo banco de Pernambuco
O doto banco suspende do ultimo deste
mez de junho em.diaate os juros s quantias
qoe por conta corrente permanecer no
banco.
O Novo Baoco descoota letras de 7'e 9 0/0
>o aona, conforme os prasos. .
ALFANDEGA.
Rendimento do da 1 a 6........... !47:301#9W
dem do dia 8 ...:............. 004*612
De ordem dojllm. Sr. ospector se Ui publi-
co qae 00 da 10 do correte, a 1 hora da tarde, >
a' porta desta reparligo, ser.i 'vendidos em hasta
pablica, livre da dircitos, 50 barns com mantelga
da marca Fq I (deteriorada), viudos de Liverpool
no vaoor inglez c Amazona entrado era dezembro
de 1885, e abandonados pelos dfritos a' requer
m Dtode Ferrara & ourelro.
Alfaodega de Pernambuco 8-da julho de 4867.
O escrptora io
Eutychio Moodim Pestaa.
O tenente Dscio Aqo) ?oasj.ca iniz de pr.
fio f distncto da freguezia da Boa-Vita do
termo da eldfde-do RecHe de P'rnambueo ero
vtrtade da lei etc.
Fago saber aos que o present virera ou noticia
delle tiverem, que Joo Btrtiai de Barros ms foz
a petigao da forma e maneira seguinre :
Diz Joo Martin de Barros qae quer razer citar
a Manoel Agoitinbo Soxjn daFonseca por si e
como :oeio liqmdatari) da extincta firma Selxas
d Fonseca Irmio, pira qao Ihe pairas a qain-
lia-de JGOj^lO, iaportaucla da gdaeros comprados
era seu armazera, e como nio tenha querido pagar
requer o supplicante a V. S para que digne se admit-
tir qae o sappljcante prrfve, qu o supplicado se
aoha ausente era lagar ineerto, nao sabido, aflro de
provada a sua ausencia ser o suppiicado citado
por edilos com o prase de 30 das, lindos elle te
o suppiicado citado para este conciliatorio sob pena
de revelia, dando o escrivo declarago ou certi-
dao do resultado, 'sendo ciademaado as cus-
US. -
Pede a V. S. illuMrlssimo senhor juiz u. '
do 1" districlo da fregueiia da Boa-Vista, assim 1..
deftra. E recebera merca.
Joo Caetano d'Abreu, procuralox.
E mais se oo conlinha m dita petigo, e nelia
del o meu despacbo do tbeor seguale :
Justifique. Primeiro distrieto da freguezia da
Boa-Vista, 5 de julho de 1867.
Dacio d'Aquin) Fonseca.
E bavendo o justificante Joo Mariias de Sarros
provado peranie mira o alUgado em sua petigo, e
senlo me os auto cooclasos aelle profer a miaha
senteoga da forma seguale :
Julgo por senteoga a presente justiflcagSo para
que produaa seus devido* ffeilos. O escrive
passe cariada editos contra Maaoel Agostinho Sei-
xas da Fooseca, cora o praso do 30 das para que
findoi ellas se preceda a coociliaglx O justificante
Joo Mirtios d* Barro6, pagua as custas.
Primeiro districlo da freguezia da Boa-Vista, G
rte^jullio de 1867.
Decio d'Aquioo Fonseca.
m virtude de mlnha sentenga' passou-se a pre-
sent carta de editos com o preso de 30 dias ;e
pelo tbeor da qual cbaraa-se a cita-se a Maaoel
Afostioho Seixas da Fonseca, para comparecer na
primeira audiencia dente juno depuls de fiodos os
30 dias; e para que a presenta chegue ao conhe-
ciraenlo do dito suoplicado, seas prenles e ami-
gos, o presente afiliado no lugar mais publico
iioste districlo e publicado pela impreosa.
Dado e passado nesta cidade do Recle da Per-
nambuco aas 6 dias do mez de julho Francisco de Barro Correa, escrivo que o es-
crevi.
Decio d'Aquino Fonseca.
Dr. Candido Casslmfro Goedes Aleoforado, Corec-
lio Ferreira Franga Filbo, .mejor fabriclo Gomes
Pedroso, Gabriel- Aaionto, Rermraagildo B. de Al-
roeida, JacintboT. BsmmMo, Jisquim Mana t>;l-
meira, Joo Antonio Goncalm Jnior, Joo Rodol-
pbo do Miranda, Jo Jua_quJm;Iul>ayaona de Oli-
veira, Manoel AcciolyTaotiigo Ramos, Manoel
Joaqom de Miranda e Silva, ilV.oel da Silva Meo-
donga. Prxedes Gomes da silva Ptanga, padre Ve-
nancio Lins TaUasaBtrn te. ______
lDspecfSrj> do rsenttl de a-
rinhn.
A inspecgo do arsenal de manaba compra urna
vergoutea de pinho que tenha 62 p> de compri-
mento e 15 a 16 pollegadas de dwro-tro.
Iospecgo,do arsenal de marinba de Pernambu-
co 5 de julbo de 1867.
O secretario.
Alajxandre Rodrigues dos Aajos.
asm-
De ordem do Illm. Sr. rededor do Gymnasio, de-
claro qae esU' aberta a ioaeripcao por seis mezes,
para o provimeoio dos logaros de repetidores do
mesmo Gymnasio. Os preiendentes devem apre-
seotar n 1 secretaria deste eslabelecimeuto es seus
requenmenl'is, ajuntando pr-jva de idaieoMHor de
18 anno?, attestado de moraiidade. consentimento
de seus pas on de quem os rapreseotar, se sao ti-
verem ainda attingido awaioridade, a documentos
que abooem a sua apudo lilieraria dos termos do
art 30-5 2 do regiment de 25 da jalho de 1835.
Secretara do.&ymaasio, 6'de julbo de 1867.
Antonio o'A.-sumpgo Cabral,
Secretario.
coMf 1 o mu
Relago das cartas registradas MI-lentas na admi-
nistrago do correio desta cidade para os senbo-
res ahaixo d clarados :
Dr. Aprigio Justiniano da Silva Guiraaraes, Df.
Antonio Boanjue de Guarni, Francisca Brgida
de Mello, Dr. Franc seo Lucas de Souia 'Rangel,
Fraucisco Vieira Pnrdigio, Gom-'s Deviaf- Joo Mar-
tinsGoagalvas, Jos'le Amorim Lima, >Io: Anto-
nio de Oliveira, Leaudra Joaquina rio Sacfamento,
Maaoei Gomes d s Santos, padre Raymundo de Oliveira, Vicente Navarro de AoJraie.______
Pela adminhtrago do cerreio de*a,-aitfad e
se fz publico-qae hoje (9) m tneio da aechar
se-h". a mila que vapor-*ro?riean> La tem de couduzir para o Rio de letoaro m dlroi-
tura.
O 30 das uleis parad pagamente da deci-
ma dos predio urbaoos sobre bDs de roo mora,
e de 20 por rento do consumo de aguardeote no
segando semestre de 1866 a 1867, liadam-se no
dia 9 de jalho viadouro, lindo os quaes estaro os
cotrihuintes sugeitos a multa de qae trata o art.
50 da lei prvjocial o. 596 dr 13 de maio de 1864.
Meea do coasulado proviucial .8 de julho de
1867.
Servindn de administrador,
I. al.G. Pemtra da Sil AVISS MARTIMOS
DEGLABA'jOiS.
rmmk munooM
DE
Xavegtcao wsleir i pov vapor.
Parahibi, Natal, Maco, Aracaty, Gear e
A:arac.
\ No da 15 as 5 horas da tarde
5o mnnr Pirapama, corn-
maodante Torre, "' {.ortos
cima lodicados. Recebe- cafa-
ate o dia 13. Eocommenda?, sageiros e diohero a frete at 3 horas da tarde do
da da saluda : escriptorio no Forte do Matos n. I.
COaUPAJTHIA
DAS
Messageries Imperiales
At o dia 14 do correte mez esoera-se do por
.V* '^5 qual
V& 1
%
para a
!7z:303A544
MOV MENT DA ALFANDEGA.
Volumes entrados com fazendas..
< t < gneros-----
Volumes sabidos com azeodas...
1 c 1 generas....-
-----321
92
514
-----606
Santa Casa de Misericordia
do Eecife.
O Iilm. Sr. comniJDdador Jos Pires Ferreira,
thesnaroiro da S- o'a Gata da Misericordia do Re-
cife 00 dia 22 do corente pelas 10 horas manba,
00 salo da casa dos expostos ara' pagamento das
meosalidades de abril r juaho fiado, as amas que
se apreseotarera cora as eriaogas que tornarais pa-
ra amameotar.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife, 8 de julho de 1867.
O escrivo
______________Pedro Ridrigues de Souza.
De ordem do Iilm. Sr. inspector da tbesoura-
na de lateada desta provincia se faz publico a
quem interessar possa, que no dia 12 do corrente
raet cosnegaro oa referida tbesourara os paga-
mentos das pensdes do mete po geral dos servi-
dores do estado, vencidos at o ultimo de junho
prximo passado.
Secretaria da ihes jurara de fatenda de Peroam
buco 8 de julho de 1857. Servindo de offlcial-
maiorManoel Jos ficto.
O tribunal do commercio de Pernam-
buco em vista do que dispe o art. 9," do
decreto n. 883 de 17 de novembro de 1851
faz publica a vaga de um dos officios de in-
terprete de commdrcio desta praca, e marca
o prazo de 60 dias coudos desta data para
que acuelles que se aliaren habilitados
apresenie:n seus reqoerimentos instruido
com os documentos de que trata o art. 6.
do mencinalo decreto.
E para constar mandei passar o presente
que ser publicarlo nos jornaes de maior cir-
cularlo, o ti-il vai por mim assignado nesta
secretaria do tribuaal do commercio de Per-
nambuco aos 4 de julho de 1867.
O secretario,
Jos Marcelliao da Rosa.
& conselho de compra do arsenal de guerra
precisa eomprar o seguale :
] hvros em braoco de papel holanda pautado
com 50 folbas.
1 dito dito dito com 70 ditas.
4 ditos dito dito com 16 ditas.
2 ditos dito dito com 20 ditas.
2 ditos dito dito com 24 ditas.
2 ditos dito dito eom 40 ditas.
i dilo dito dito coro 50 ditas.
1 dito dito dito com 80 dita?.
i c?ldeir53S para 30 pragas (de ferro.)
2 garfos grandes de metal para oosinha.
2 facas ditas ditas de dita.
20 lenges de latao.de 10 libras cada am.
4 arrobas de eslaobo em vergaioba.
Quem quizar vender ditas artigos apresentem
suas proposlas em carta fechada com as respecti-
vas amostras na sala do oonselho as 11 horas do
dia 11 do corrente. .
Conselho de compras do arsenal de guerra 6 de
julho de 1867.Jos Mara Ildefonso Jacome da
u da E'inpa o vapjr trance',
depois da demora do costurad
baha e Rio de Janeiro.
Para condigoes, fretes e passagens trau-se na
agencia ra do Trapicho n J.
GOMPSNHIA PERNAMBUCANA
DE
Navegacao costura por, vapor.
Macei e escalas, P.nedo e Aracaj
No dia 1S as 5 heras da tarde
t^!'i\ segu o vapor Ipojuca, com van
-ilP^Vilr^- dante Mirtina para os portos aci-
^JU^Mjfipjcl ma indicados. Recebe carga r.t
^BSShI 0 o din 12. Eocommendas, pa=sa-
geiro e dlnbeiro a frete at 3 horas da tarde do
dia da sabida*: escriptorio no Forte do Malos n. 1.
Para a Babia
Pretude seguir com muita brevldaie a velleira
sumaca naciopal Eortencia, tem parle de sea car-
regamento prompto, para o resto que Ibe falta tra-
ta-secom os seus consignatarios Antoaio Luiz de
Oliveira Aevedo & C, no seu escriptorio, ra d?,
Crut o. 1. ___ _________^^_______
Para o Aracaty
5egue era poucos dias o bem couhecido e vellel-
ro palhabote nacional Dous Amigos, (em parte do
sea carregaraento prompto, para 1) resto qne Ihe
falta traia-se com o sea consignatario Antonio Luit
de Oliveira Azevedo C, do sea escriptorio, ra
da Cruz n. 1.
CI
DE
ES A VAPOR
E' esperado dos portos Jo norte
at o dia 12 Je julho o vapor
Santa Cruz, coraraandante Gui-
Iherme Waddingtio, o qual de-
pois da demora do costume se-
guir para os portos do sof.
Recebem-se desde ja passagairos o engaja-se a
carga que o vapor poder condazir a q tai devera*
er embarcada no da de soa chegada, eocommeo-
das e diohero a frete at o dia da saiiid* ns 2 ho-
ras. Previoe-se aos Srs. passageiros qoe suas
passageos s se recabern nesta geicU rna da
Cruz o. 1, escripurio da Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo A C.
Lisboa.
Segu era poucos dias o brigue portugus Cons-
tante II para carga e passageiros trau-ie com
Oliveira Filhos t Ca, largo do Corpo Santo o. 10,
ou com o capito na Praga do Commercio.
Para Lisboa.
Vi sabir com toda a presteza o bem conhecido
lugre portugoez Julio, por ter a sua estiva com-
pleta. Recebe alguma carga e passageiros, para
o qae se trata com os consignatarios Tbomaz
d'Aquino Fonseca & C, na ra do Vigario n. 19,
primeiro andar.
^^^
Segu cora a posslvel brevidada o brigue escu-
na GRACIOSA, capitao Ratls, tocando no Mara-
lo s em oltimo ose, para alguma carga que
Ihe falta trata-se com o respectivo consigaatarii
Antonio de Almeida Gomes, a' ra da Cruz u. 23,
1 andar.
(*) O siguario dasta pnblicago acbava-se qo ca-
so de servir de responsavel de artigos por elle tra-
sidos a typograpbia os artigos a' que elle alinde e^, P(j5ioa de Me0 pres,denle.
qae foram por elle assigoados oecessitavam de omy^_ ._ j____'_-------=
responsavel perante a lei; nSo flzemos seno pon
derar-lbe isso e elle de boa vontade se tornou o
respoosavel.
Se foi victima, o algot de sua boa f foi quem
Ihe dea os artigos qae elle asslgoou e fez publicar
sem conhecer o sea comeado.
O RR.
Rio Grande do Sal
Vai sabir em poucos Mas a barca portagaera
Nova Manaana ; recebe carga a frete commodo,
para o que traia-se com Oliveira Filhos C, largo
do Corpo Santo n. 19, ou com o capitao na praca
do commercio.
mmms) mm>
Porto
Relago das oartrs registradas vindae do sol pelo
vapor Guara'a para os senhores afeaixo decla-
rados ;
Dr. Antonio Rnaroue da Gusrao, Candjdo Al-
berto Sodr da Motta, Candido Cesar da Silva Lao,
X
%
Pretende seguir com a maior brrvidade possivel
a barca porluguaza Oureuse por ja ler parte de sea
carregaraento prompto: para o resto a frete com-
modo e pissageiros, ais quaes oderece encllenlas
coramodos, traanse com Cunha, traaos & C, na
ra daMidre de Daos 0. 3.
i
v.
IMUIILADO]


i
lirio de *ef Bambuco Cerca telra 8 <* Julho de 1867.
.
LEILOES.
y
. .



V
PHOTOGRAPHU
VILEIiLA
ROA DO CABUGA N. 18, ENTRA-A PELO
PATEO BA MATRIZ.
O nosso estabelecimento pliotograrjliioo
de nome Malillas, tudo sera' entregue queml-est sempre em da com todos os memor
LiLAO
Be Massas finas de Lsboa.
HOJE.
O agente Pestaa fra' leil-o por contt risco
le quera perteocer de M caixas com massas bran-
cas as de I arroba, 1 ditas de 1|2 arroba de
rnasstntias u sero Vendidas em um ou mais lotes
no a aoia mencionado as 11 boras ta manhaa
ao*rmtem do Annes.________________
LEILO
DE
/*
(avariadas.)
neje 9 de Jnlho.
Sa_oders, Brothers & C. faro leilo por inter-
venjjao do agente Pinto e por copta e risco de
quera pefteneer de 5 lardos com saceos feltos, e
fardos com estopa larga afanados a bordo ov
'bngne laglez Resolntion, as i'i horas em poni,
em seo armazem de f uendas no do sobrado do largo do Corp o Santo n. 11.
LE I LA
QiarU-feira 9 4 terrea te.
O agente Pontnal fara' leilo po conta de qnem
pertencer de 2 moleqoes iel anuos, lindos, 1 di-
to de S2 annos, escravos eescravas coslnheiras e
enzoromadeiras, de idades diversas.
Noesjnptorio do mesmo agente a ra da Gru
n. 63, 1 andar, as 11 Ignoras do dia cima.
le ura cubrile I do 2 rilas e urna
burra ansa e g*rda.
Quarta-feira 10 de julho a 1 hora em ponto
Era frente ao sobrado da roa do Brum n. 74,
onde bavera' anteriormente leilo de movis, por
nter venci do agente Piole._________________
LEILA
DE
LEItAO
Quinta feira 12 do correte.
Traau-ferencla.
Pele asete Euzebio.
DO ESLAVO MATHIAS.
Por mandado do Illa. Sr. 'Dr. jaiz especia do
commercio e a reoaerlroento do curador :cal ira
novamente a leilo a mobilla e o resto de algons
movis que Bcaram por vender e bem assim um ts-
cravo de nome Matlas, ludo sera' entregue quem _
roaior preco der, oaqoelie da e ora a roa estrella, mentos e progressos que n:> America du
dj Rosario n. 45. ______!_____--. I Norte, o na Europa se consegu na arte
pbotgraphica, e para alcaocarmes lal i
nunca poupamos despezas nem sacrificios,
de sorte que os nossos numerosos fregueses
podem ter a certeza de que sempre encon-
trarlo em nossi estabelecimeoto tudo quan-
a arte e a moda oflereoer' de boa, no
novo e velho mundo aos amantes da pho-
tographra.
NOVIOAOE PHOTOGRAPMCA.
Acabamos de receber todo o necessario
para fazer Tetra tos chamados carte-album.
Este genero de retratos ltimamente in-
ventado na America do Norte, rpidamente
se propagou na Inglaterra e Frasca aonde
giza actualmente de todo o.favor da moda.
A carte-album se faz por duzias como os
amigos cartSes dt visita.
Na Ioglalerra trocaram o nome de carte-
album pelo de retrato-galera os ingleses
usam encaixilhar estes retratos em quadros
especiaos para com elles formar galeras,
com que ornara seus gabinetes. Recebe-
mos urna certa quantidade do taes quadros,
os quaes cederemos por barato prego aos
nossos fregoezes. -J
As pessoas que quizerem ver specimens
dos retratos chamados carte-album, ja fei-
tos em nossa offieina sao convidados a visi-
tar o nosso estabelecimeoto.
CARTES DE VISITA A 9(51000 A DU25IA.
Em consequencia do novo genero de re-
tratos chamados carte-aibum, diminuimos
o preco dos anligos cartdes de visita, os
quaes de 4ioje em diuite ficam reduzidos
ao preco de
9000
pela prtmeira duzia, sem que por causa
desta diminuic5o de preco, detxemos merar-nos no nosso trabalho, como sempre
foi nosso costume. Alm disto, continua-
mos a dar os cartoee de visita em cartes
de Iuko, Bristol, ou porcelana, dourados ou
lithographados para o que wmos urna vanie-
dade de 12 modelos, a escolha de quem se
retratar.
__?- VA GOMO PnEVENCO.
,**eaar do nosso trabalho ser muit ce-
ncido nesta cidade, aonde trabalbamos a
12 anos, com tudo j Bigamos de nosso de-
ver dizer hoje o seguinte:
Nos retratos fertos em nosso estabeleci-
meoto emprega-se toda a cautela para of-
ferecer-se a par da belleza do trabalho, as
melhores condicSes de duraco. Doura-
mos e fixamos os nossos retratos sem oilhar-
mos a economas, e ltimamente para lhes
podermos dar urna lavagem mais ampia
e segura, contratamos com a compaohia de
Bebiribe urna penna d'agua. Os nossos
cartes de de visita sSo verdadeiras pboto-
graphias, que nao preciso de retoques do
pintor para Ihe desfarcarem os defeitos, e
convidamos a quem quizer a passar sobre
elles urna esponja molhada em agua, our ~
deixa-los mergolhados por espaco de bol
em agua, ou em espirito de vinho: se qpre-
sentarem alteraco sero recebidos por nos
e pagos pelo duplo de que tiverem cus-
tado. j
Continuamos a fazer retratos por todos os
systeraas photographicos at hoje condeci-
dos em photographia. O nosso sortimboto
de caixinlus, quadros, passe-par-taus, e
joias de ouro para a collocac3o de retratos
o mais completo, variado e abundante que
oxisle nesta cidade. ^_______
" r na
CHEG4MM
A loja das Collumnas
Lindos manguitos com gpllinhas.
- Grande variedaie de golinhas com punhos, de cambraia.
De bretanba e de esguiao.
Gravaiinbas de cambraia de muito gosto para senhora.
Hicos peplum ae grosdenaple prelo enfeitado, o que tem vindo de melbor gesto a
Pernambuco. .* _. ._. ,, n
ra do Crespn. 13de Antonio Correa de vasconcellos 4 C.
JOLAS
DO
MINDOELEGANTE
C.
K.2D ^ N. 2 D,,
OR%C\0 E OVUO. ^^fl9
X loja n. 2 D inlitnlada Coracao de Ouro na roa do Cajonga, acha-se d'ora em diante offerecen-
do ao respfiuvel pnblico com especialidade as pessoas que honram a moda os objecios do ultimo gos-
to (a Pars) por menos SO por cento do que em outr* qoalquer parte, garantindo-se a qualidade e a se-
idez da obras.
O respeiiavel publico avahando o desejo qne deve ter o proprielarlo de_nm novo estabeleclmen-
lo qoe quer progresso em sen negocio deve chegar immediatamente ao cora$ao de ooro a comprar
aneiscom perfeitos briibanies, esmeraldas, rubios e perola; verdadeiras em agarras, modernas pele
diminuto preco de 10*, brincos modernos de ouro e coral para menina pelo preco de 3#, maracas oe
i prata com cabos de marfim e madreperola obra de moderno gosto (o que o encontrarlo no coracao de
i onro) voltas de ouro com a competente cruslnha ricamente enfeilada pelo pequeo preco de 12*, brm-
| eos de om trabalho perfeito por um modicc preco, cassoletas, tranealms, polceiras, alnnetes para re-
tratos e cairos aodelos tudo de alto gosto, aneis proprios para butar cabello e firma, dito para casa-
mento, no aniso roseta tem o Coracao de Ouro um completo e bem variado sortimento de diversos
posto?, butoes para punhos com diamante, rubins e esmeraldas, obra esta importante ja' pelo seu va-
lor ja' por gosto ds desenho, brincos a forma da delicada moslnba de moca com piogente cociendo es-
meraldas, rubins, brilbantes, perolas, o gesto snblime, alfinete para grvala no mesmo gosto, relo-
glos para senhora cravados de pedras preciosas, ditos para humera, diversas obras de brilbantes de
nuilo gosto, crusinhas de rnbins, esmeraldas, perolas e brillantes, aneis com letras, cachetas de
trystal e ouro descoberta para retrato (a ingleza) brincos de franja, ditos a imperatrize toda e qoal-
quer joia, para secoliocar retralos'e obras de cabello, e outros muilos ebjectos que os pretendeotes en-
contrarlo no Coracao de Uuro qae se conserva com toda a amabilidade aos concorrentes deixando-
se de aqnl mencionar precos de certos objectos porque (desculpem a maneira de fallar) dizendo-se o
,;
46 RA MOTA 46
THOMAZ FERREIRA DF CMMLHO
Com o proposito de satisfazer o respeiiavel publico desta cidade e em gerat a to-
dos, creamos o nosso estabelecimento com um complexo vanado de todas as fwedas;
bem como, laa, seda, linho e algodSo.
Um variado sortimento de roupa feita, e por medida com toda brevidade e per-
f p irii n
' Os nroprietarios deste estabelecimento protestando fazer suas transaeces sempre j preco talvez algoem faca mo joizo da obra, por'ser to diminua quanlia a vsu do sen vaor.
na molhnr hoa fp nossiv^OiDeram i concurrencia de numerosos freguezes. Convictos do Na mesma loja compra-se, troca-se ouro, prata e pedras preciosas, e tambera recebe se concer-
ne vem de expor, conv^rt aos amantes do bom gesto e elegancia, para que apparecam "
a convencer-se da verdades _,a
No mesmo estabelecimento vende-se cha verde a U e preto a 20800, eocom-
meada especial.
A SABER :
Urna mobilia de Jacaranda com lampos do pedra
marmore, 4 casticaes e mangas, qoadros, espelb/'-
1 cama fraoceza de Jacaranda, i gua.rda roiy .
loillete com pedra marmor espjf ,, i-isvatorio,
1 sof, 2 "fineni^ ITjwisinS e 2 ditas de balan
co i!-; a.nareilo, cadeifas americanas, ditas de ba-
laceo, 1 mesa elstica, t aparador, looca para al-
moco e jantar, i carteira de viagem, camas de
ferro, marquezas e ruitos ooiros objectos.
Quarta-feira 40 de jnlho no Io andar do so-
brado da ra do Brum n. 74.
O agente Pinto fara' leilo pur conta e ordem
de um estrangeiro qoe retlrou-se desia provincia,
dos movis e objectos cima mencionados existen-
tes no i aniar do sobrado da ra do Brum n.
74, onde se effectuara' o leilo as 10 horas do dia
cima dito. __________
LEiLA
DAS
divida-, movis, armaee e generas da
taberna da rua das Laraageiras
ii. 16.
quinta-feira 11 de julho.
At 41 oras em ponto.
O agento Piolo levar novaraenle a leilo nao s
as dividan como a arraaco e gneros da taberna
da roa das Larangeiras n. 16, perlencentes a
massa fallida serviodo de base as maiores illrtas obtidas no
leila.j do di.8 do correnle, a requerimento doDr.
promotor pablicn como curador fiscal da ret- rid
raasa, e por mandado .do'lllm. Sr. Dr. juiz de direi-
t) especial do curamercio; o leilo ter logar as 11
boras d" dia II do correte, na mesma uberna na
rua das Larangeirs n. 16. ________
Oe verga?, mastarus, pao de bojarrona e de co-
tello, pannos, massame, cabos para troca, cor
rentes finas, poliame, tanques de ferro, barme-
tro e mais perteoces de navio, sendo os paos de
pioho de viga de superior qualidade e o panno
m m*lhor eslado
- Sexta fera 12 de jnlho
KO FOIUE DO MATT0 EH FRENTB AO ARMAZEM DA
C Mi'AMHA PERNAMBUCANA
O agente Pinto fara' leilo por tonta e risco de
quera perteocer dos objectos aeima mencionados,
os q jaes poderlo desde ja' strem examinados : o
leilo devera' ter Ingar as 10 horas do dia cima
dito era frente do [armazem da Companbia Per-
nambocana no Forte do Hato.
i i i ^_um-msm^sBBSSBBsam
AVISOS DIVERSOS.
OTaRIA
eoooioo e aoooooo
Corre amanha.
Quarta-feira 10 do corronte mez no lu-
gar" e horas do costume se extrahir a 12
parte da 5a lotera a beneficio da Santa Ca-
sa de Misericord-a (27.a)
As encommendas sero guardadas semen-
t, at a noite da ves per a da exi raccao.
O thesoureiro,
. Antonio Jos Rodrigues de Souza.
Offerece-se um caixeiro braslleiro com pra-
tira de taberna, hvrx da guarda nacional : dirja-
se a rua da Guia n. 9, que se dir.
Precisa se de um caixeiro de 12 a 14 annos-":
roa do Rngel, taberoa o. 73.
*MA
Precis.-se de urna ama para Cozlnbar e engom
mar : na rua estrella do Rosario n. 32, segnndo
Mtftr.
Amas.
I'recia se de doas, orna para coziobar, e outra
para engoramar: na Capuoga, roa das Pernam
bocadas, casa defronte da taberna do Sr. Joia dos
Sanl*.
Cozinheiro
t em prectar de um bom coziobei'o portaguez:
dinii-sH a* rua Nova, loja n. 86._______
Ama.
Pr^cis de urna ama para casa de orna pe-
toa : irau-se Da ru dasTrincbeiras n. 28.
U i pessoa >olieira offerece s tos Sr?. de enge-
nho, para administrar, assim en no estila e resilla
em ij ul.iuer machina, e faz e coaeerto que a dita
prc:ar do offieio de'caldeireiro : qoem pretender
anouocie o wdoh o diri|a-si a* rm Direita
p. 4?.
litencm
A-
Desappareceu no sabbado 6 do correte, o mole-
que Jolio, idade de 16 annos, teudo ido por man-
dado de seu actual sentoor, levar de manhaa a es-
tacas das CracoPontas, um saeco com encommen-
das e'um embrulho com azendas, do qoe t ao pre-
sente nio b noticia, suspeitandose qne dito escra
vo tenha sido sedzido por algoem, por que nunca
fugio e uem houve motivo par-a Isso, levando vesti-
do camisa de algodao riscado e calca de dito azul,
bonet de seda preto, com o e?nal as vezes anda de
palla para traz, estatura baixa, ps um pouco apa-
Ihetados por causa de muito bichos, que n'elles lera,
calcanhares foveirs, cor ura pouco fulla, filia
mansa, mas bastante regrista, cabellos crescidos,
cara regular, tendo na face um taino e outro na
testa, e coslnma cochar qoando est sentado; ten-
do dito rooleque sido escravo do easal de Antonio
Lins de Vasconcellos Barros, dono da proprletade
Pontable prxima a Gameleira, e estado mais de *
annos, em Barreiros e Agua-Preta, depositado em
poder do Sr. Joaquira Jos Tavares da Costa, por
execuco de seu actual possuidor Antonio God es
da Cunha e Silva, contra dito Lins, sea devedor.
Quem souber onde se acha dito escravo, ou o pe-
gar, dirija-se a roa do Imperador n. 2, que se gra-
tificar.
Recite 8 de juloo de 1867.
Antonio Gomes da Cunha e Silva.
Ama.
Precisa-se de urna ama para cosinhar e engora-
mar : na rua das Cruzes n. 21, primsiro andir.
"Alogase a meiade de urna casa, a alguma
pessoa : a tratar na rua do Cotovello n. 28.
Joo Pedro de Mello convida aos Srs. ere"
dores de seo finado tio Antonio Joaquim de Mello'
a rennirem se qumta-feira 11 do correte as 11
boras da manhaa a roa Direita n. 6, 1" andar,
afim de deliberaren! sobre o espolio do mesmo.
Precisase de urna ama livre ou escrava pa-
ra casa de familia para cosinhar e engomaiar, pa-
ga-.-e bem agradmdo : no largo da R'beira n. 7,
tabem-
\
Precisa-se de 200J a juros dando-se garan-
ta a contento : quem quizer fazer tal negocio di-
rrja-se a praca da Independencia a. 22, que acha-
ta' com quem tratar.__________
"-^~Na~ praca da Independencia n. 33, loja de
oarives, compra-se ouro, prata e pedras preciosas,
e tambem se faz qoalquer obra de eBCommenda e
todo e qoalquer concert._________________
e Coracao de Ooro abrto at as 8 boras di noile.
Qoalquer pessoa que se dirigir ao Coracao de Ouro nao se podera' eoganar com a casa, pois
i nota se ua sua frente um coracao pendorado pintado de amarello, alem de outro qae se nota em um
rotulo (tsto se adverte em consequencia de terem ja' algumas pessoas engaado com outra casa.
Practsa-se de nm
da rua do Rangel n. 9
amassador : na
padaria
Agencia de passaportes e
portaras.
Ciaudim do Reg Lima, despachante de passa
portes, portaras, tira-os pira dentro e fra do im-
perio, por commodo preco e presteza : na rua da
Praia, priraeiro andar, n. 47.________________
"Offerece -se ama mulber para lavar e en-
gommar : a tratar na rua das Pernaabucaoas,
defronie da venda do Sr. JdSo dos Santos, na Ca-
puoga. ___________
Precisa-se alagar ura moleque para vender
na rua : na roa das Agaas-Verdes n. 46, segundo
andar.
i'
AJ i
Pretende-se edificar
servir para um asylo pi
MLillUill 1:1.1
X. 3 A--Rua do t abug-X. 3 A
Agostinko Jos dos Santos 4f. G
Acaba de chegar a este estabelecimento-um esplendido sortimento de
joias do ultimo gosti, perfeico artstica e modellos enteiramente novos;. como
seguem: aderegos com rubim, esmeraldas e perolas finas, pulceiras, broches
para retrato, anneis, botes de punho, brincos e cassoletas com letras, etc.,
etc etc. Salvaste prata do Porto, faqneiros, paliteiros, calix de mesa e
frncteiras, cujos presos s5o incompetiveis, pois que os proprietarios desta casa,
recebendo seus artigo* directamente da Europa, podem servir vantajosamente
aos seus freguezes. Compram-se brilhantes, pedras finas, ouro e prata, paga-
se bem, tambem se incumben! de fazer concertos.
Alnga-se urna escrava para ven
rua e um escravo para todo o servico: quem
precisar dirlja-'seao caes do Ramos n. 12 ou
no aterro no sitio que foi do,Campello.
Precisa-se de urna senhora qne saiba
ensinar a ler, escrever, grammatica portu-
gueza, franceza, msica e piano, para en-
sinar a doas menioas em. um engenhd na
freguezia da Eescada, urna legua distante
da estacSo, paga-se bem : a tratar na rua
doCabugn. II, 2o andar, com Francisco
Antonio de Britto.
No dia 11 do corrente mez e anno (quinta-feir a)
das 7 as 8 horas da manhaa se celebraro na igre
ja de Nossa Senhora do Carmo algamas missas e
BOIiEJElltO
No caes do Apollo armazem n. 55, precisa-se
alogar om bom beleeiro.
~~ Precisa-se de nma ama para coiiobar, la-
var e engommar para casa de hornero solUiro :
no paleo da Ribelra n. 13.____________
Precisa se de urna ama para o servico de
urna casa de familia : na Soledade casa da profes-
sora poblica. __________________________
Na roa da Cadeia do Recife n.
urna ama para cssinhar.
50. precha-se de
N roa dos Pires n. 36 precisa-se aloear urna
prela que saiba cozinhar e lavar.
D-se 500000
a quem pegar um eavallo, qoe roobaram na noite
do dia 6 do correnle, da casa do caes de apiba-
ribe, perlencente a Theodoro Rampck. Os ugnaes
do eavallo sao os segointes : melado, crina1; e can-
da prela, as mos calcadas de preto, os cabelles da
coza direita sao arrepiados, sendo por islo desco-
nbecida a marca de om ferro, castrado, anda de
baixo a meio esqaipar : a pessoa que dr noticia
verdadeira sera' tambera gratificada.
Aluga-se a casa terrea com sotao na roa da
Alegra (Boa-Vista) u. 46: a tratar na roa de Sao
Francisco n. 3.
Roga-ae ao Sr. Demetrio Jos Teneira, esta-
dante do 3' anno, de vir ou mandar na taberna da
roa do Secego.n. 56, negocio qae nao ignora, des-
de o anno de 1868.
Alogi.se um armazem grande na ra de
Praia n. 33, proprio para caroe ou oatro r a 11 -
quer o*rocio : a fj'ljr no rae.ro*.
Preci?a-se de urna ama forra ou captiva para
servico de urna casa de ponca familia : na rua de
Hjrlas n. 142, andar. ________
nma casa que devera'
a tratar com o solicita-
dor Barroso, roa da Concordia n. 34, o qual apre
sentara' a descripeo e orcamento respectivo. As
propostas serao enviadas em caria fechad?..______
Alfenco.
o
Os abaizo assignado: declarara ao corpo do com-
mercio e tambem aos seas amigos e comitentes,
que dissolveram a sociedade qoegyrava nesta pra-
ca em sua prensa de algodao sob a firma de Lobo
Filho, ficando a cargo do socio Manoel hidoro
de Oiiveira Lobo, toda a liquidacSo da mesma
firma. <
Recife, de jolbo de 1867.
Manoel Ignacio de Oiiveira Lobo.
______Manoel Izidoro de OliveirafrLobo.
Manoel Izldoro de Oiiveira Lobolf contioa
sob soa firma de Oiiveira Lobo, com a |a preosa
de algodao, e roga aos seos amigos e freguezes a
continaaco de seos favores._______________
Na raa Nova 2. andar n. 65, aloga-se urna
casa terrea na roa Aogusla n. 112.___________
Precisa-se de alogar urna escrava para todo
servico de ama casa de ponca familia ; a tratar na
um memento por alma do Dr. Domingos Lourenca rua do Hospicio n. 38.
Rua da Aurora
Aloga-se e segundo andar do sobrado da rua da
Aurora n.2i, cm 4 salas, 6 quarlos, todos forra-
dos a papel e pintado, e soto para cozinha, tendo
agua e despejo : a tratar na raa Formosa n. 15
com Caodido C. G. Alcoforado,
Atten$io.
O abaizo assignado declara ao publico que desta
data deixa de ser gerente da padaria da praca da
Boa-vista n. 14, pertencente ao Sr. Domingos An-
tonio da Silva Beiriz, e aproveita a occasio para
agradecer ao mesmo senbor o bom tratamento que
recebea durante o lempo que esleve em sua
casa.
Recife, I de ulho de 1867.
Beroardioo Gomes de l'aiva.
^"llma senhora franceza da' Hcoes de piano,de
francez e italiano em casas particulares: a tratar
a rua do Imperador .71 1 andar.
Precisa si de urna ama livre ou escrava qae
saiba bem cosinhar e engommar para ama fami-
lia que consta de doas pessoas e que resile fra
da cidade : a roa da.Iraperatriz n. 39, 1* andar.
Alfinet rdebnlhats com
retrato
perdeu-se um na noite de 4 do corrente do thealro
de Santa Isabel at a rua da Imperatriz: quem o
tiver acbado se o quizer restituir a seu dono^ diri-

Vaz Curado (ba pouco fallecido na cidade de
Goianna) a pedido do sen amigo c Dr. Antonio de
Vasconcellos Menezes de Drnmmond. ______
Attencao.
Na rua do Apoilo n.. 47, cosinba-se para fora
com maita perfeico e por prece commedo.
Precie a se alogar om escravo na rua da Crnz
n. 46, cu|o trabalho das 8 as 5 horas da tarde.
Quera precisar de um bom mestre destilador
festrangeiro): para informaco raa da Imperatriz
n.24.__________________________________
Aviso para nos importante
No comfeo da administraco da actual mesa
regedora da irmandade de Nossa Senhora da Boa
Viagem, annunciou o irmo tbe&ooreiro que os
negocios tendentes a irmandade na povoacao da
Boa Viagem seriara tratados pelos respectivos pro
curadores abi moradores (ignoramos quem lhes
desse semelbaote poder). Agora vimos qae nma'
casa edificada em trra do patrimonio (que nao
tem pago foros e nem ltimamente hnderaio por
incuria das adminlstracoe?) fez-se Ihe quintal todo
cercado de madeira na extenso de mais de cera
palmos de fondo exeedendo muito do alinnamenlo
dos demais quintaos das casas do patrimonio da
igreja, tirando-se al o caminho de transito antigo
que havia, tudo sl* feito (segando dizem) por um
dos procaradores (factor ou administrador de cer-
cas e banbeiros). Pergunta-se ? o tal senhor pro-
curador est autorlsado a fazer semelhaoie con-
ce.s56setransformar.5js? Parece-nos qoe nao;
porm cada ura vai fazendo o quo Ihe parece. Pe-
dimos ao respeiiavel jalz da irmandade, qoe por
sua recoDhecida bondade e cavalherismo tem sido
tantas vezes illudido, providencie para qae o patri-
monio da igreja nao seja lesado, e casse os poderes
de algoem que se julga o todo da irraaudade ( o
resollado de caballas) S as mesas reunidas re-
gedora, conjunta ou geral, conforme manda o com-
promiso que compele resolver os negocios da
irmandade, e nao cada um em particular.
Os 27 Irmaos ante-honiem reunidos.
TVT
ao aommercio
O abaixo assigoado declara ao commercio, e es-
pecialmente aos seus devedores desta pr*ca e tam-
bem os do mato (centro) que de julho do correte
em diante o Sr. Antonia Valenlim da Silva Barroca
socio commaoditario de seo estabelecimento, gy-
rando a Brroa de Jos Gomes Villar & C, como do
contrato que ambos flzeram, e tem de ser regis-
trada no tribunal do commercio desta cidade.
Approvcia a occasio de pedir aos ditos seos
devedores que pagaem qaanlo antes os seus dbitos
pois muito se precisa de diohelro para cumpri-
menlo de dbitos do dito estabelecimento; e ga-
rante continuar a vender aos seus boas freguezes
que at o presenta tem dado provas de verdadeiros
amigos, sallsfaiendo semore os seas dbitos.
Escrava para comprar
ou alugar
Precisa se de una escrava qae cozinhe, por
compra ou aloguel : na rua da Cruz, armazem o.
10, das 10 boras da manha as 4 da tarde.
i
Precisase alugar urna escrava para o servico
de ama pequea lamilla, ou ama ama forra : Da
rua da Concordia n. 3-, sobrade do armazem do
soL____________ .
Precisa-se de urna ama para cozinhar, e en-
gommar ; na raa da* Croze* o. SI, f andar.
ja-se a mesma rua n. 17, 2 andar, que sera
lineado.
gra-
Aos Srs. fogueteiros
na botica da roa larga do Hosa io n, 34
vende-se
Salitre retinado de 1' qaadade.
Enxofre em cylindro idem.
Limalba de (erro (muito nova.)
dem de ac idem.
dem de punta d'agulba idem.
Precl?a-se de ara menino para caixeiro, dos
limos chegados: a' roa Direita n. 35._____
Advogacia na corte
0 Dr. Aristides de Paula Das Martios
(era o seo escriptorio de advocada na rua do Hos-
picio a. 1,1 andar, onde pode ser consultado so-
bre qoes(55s jnridicas, das 9 horas da manhaa as
3 da Urde. Eocarrega-se de qualquer causa ci-
vil, coramerciai, ecclesiastfc- e criminal, inveou-
rlos, aopellacdes, revislas e negocios pelas repar-
ticoss." Os negocios fora da corle, a m das pro-
curares devem vir acompanbados das compelen-
tes orden.
Deseja-se alogar um sitio com estribarla e
planta de capim, as proximidades da cidade :
quem o livor dirija-se a roa de Crespo o. 16, l*
andar.
Urna pessoa devidameoie habilitada, enear-
rega-se de preparar comida para caixeiros, promet-
iendo servir a contento : os (entrares logistasque
do seu presumo se quizerem ntilisar, podem ira-
tar a' travessa da Bomba, casa o. 1.__________
O ESTUDANTE do 3. anno Jeronymo Lou-
renco de Araojo, venha a roa das Crnzes n. 35, pri-
raelro andar, a negocio qne nao ignora.________
Antonio Jos Barreires, subdito portuguez vai
a Europa tratar de soa saude.
O professor de piano CJaudto "Idetorqae Cir-
neiro Leal, modna-se da rua das Crnzes n. 30, 3*
andar, para a raa da Camboa do Ciro o. Si,
primeiro andar.
ARMAZEM DL ROIPV FITA
Reg & Moura
rua Nova n 24
Os proprietarios deste estabelecimento, verdaderamente penhorados para com seus
amigos e freguezes, pelas continuadas provas de acceitaejio e confianca que delles ho re-
cebido no espado de lempo em que se acham estabelecidos; nutriodo, agora como sem-
pre, desejos de corresponderem suficientemente a esses ttulos que muito e muito apre-
ciara ; resolveram augmentar o pessoal artstico da sua offieina de alfaiate para assim sa-
tisfazerem com a presteza possivel qualquer encommenda de roupa feita ou por medida.
As pessoas, a cujo :argo se acha a direccSo da offieina, s5o os Sjs. Lauriano, Castello Bran-
co e Souza Coito, artistas de reconhecido mrito e incontestavel zello e solicitude por tu-
do quanto dizrespeiloa sua arte. Pelo pouco que fica dito e pelo muito que poderemos-
accrescentar na presenga dos nossos freguezes, affiancamos desde j a mais restricta ob-
servancia e fidelidade no cumplimento dos nossos deveres.
Atten$to.
\. 2 .-Rua do Livrameat<-N. 25
Deposito ds (amneos e calcado nacionaes da fa-
brica da rua do Jardim n. 19, de Jos Vicente Go-
dinho, tanto no deposito como na fabrica se
aprompiam todas as porcoes de calcado o mais ba-
rato possivel, esta fabrica tem todas as macbioas
proprias para os calcados ja' bem acreditados pelo
grande numero de freguezes que daqol se for-
necem._______________________________
0 Sr. Jos Marques da Costa Soares,
(negociante no Recife) queira vir esta typo-
grapbia negocio.
%4
.<*>&
f,
G4SA DE IAM0
_G Pateo do Carmo 26.
Neste estabelecimeoto tSo im-
portante para a saude e asseio
do corpo, acham-se montados 20
banheiros, que slo servidos com
a ordem e asseio que para de-
sejar-se. Quatno destes banhei-
ros sao, especia'mente reserva
dos para senheras e por isto
acham-se collocados em lugar re-
servado, aonde s tem entrada
as pessoas de urna mesma fami-
lia.
(* PRECOS DE BANHOS AVULSOS.!
Obras venda na Horaria
Universal, rua do Impera-
dorn. 54.
Resolucoes do conselho de estado sobre a in-
teligencia do acto addicional na parte relativa
asserablas proviociaes.
Grammatica portagaeza de Solero.
Dita philosopbica de Daarte.
Dita franceza de Noel et Chapsal.
Calhecismo da diocese do MaraohSo.
O Llvro dos meninos.
. Jesu Christo a a critica moderna.
i
V
MARTIMOS
CONTRA FOGO.
A companhia Indeninisadora, estabeleci-
la nesta praca, toma seguros martimos so-
bre navios e seus carregamentos, e contra
(ogo em edificios, mercadorias emobilias:
aa rua do Vigario n. 4, pavimento terreo
lo?ooo
5)jooo
lojooo
lojlooo

1 bauho fri, mdtno ou de
chovisco..... Soo
l dito de choque. i#ooo
i dito de farello. Wooo
i dito aroma tisado. l X$ PRESOS POR ASIGNATURA.
*><& 30 banhos por mez trio,
momo ou de chovisco. lo^ooo
25 banbos com cartes
para os mesmos. .
t_ ditos ditos ditos. .
i2ditosditos dechoque.
12 ditos ditos de farel-
lo.......
O estabelecimento estar abor-
to nos das uteis das 6 heras da
manhaa as 40 da noute, nos dias
santificados das 5 as 5 horas da
tarde.
Joaquim Beblaao de Barros
participa aos seus amigos o fregoezes qoe modoa
a soa offieina de marcenara da ta.\ da Aurora 0.
2o para a rua Direla n. 112, e coulma a fabricar
as ricas mobili's de Jacaranda' e amarello, santo-
arios de Jacaranda" e cedro, e outra qualquer obra,
e encarjegase desncenos e verniz de quaesquer
movis. Na mesma offieina encontram se grosas e
limas de ac patentes, eoutrs ferragens para mar-
cinaria, e lem algnns bancos desoecupados que
convida altjom colleja ao trabalho.
Precisase de urna ama para o ervico nter
no de orna casa : a tratar na rua do Livramento
n. Si, 3* andar._____________
Precisa se fallar com o Sr. Dr. Jovencio Al-
ves Bibeiro, na rua do Arago n. 40.
O advogado Amaro Joaquim Fose
Albuquerque (em sen escriptorio a' fu
Crnzes n. 35, 1* andar ; reside a*iraves-
sa do Veras n. 15. Encamga-se de
questdes em todas as coniarcas na exten
cao da linha frrea.
Quem tiver e qn*r vender os volnmesi da
Legisiacao Brasilera dos annos de i, 18,
1826, 1827, 1828, 182, 1839, 1850, 1851, 18*2,
dlrlja-se a secretaria da polica aura de tratara
tal respeito com o resbectivo secretarlo.^ '
esidencia e consultorio
Medico cirurgico
DO
Dr. Antonio Dnarte
Na praca da Boa-Vista n. 21 oude
pode ser procurado a qualquer
hora.
Especialidade
Doencas do peito, e de meninos.
D consultas das 7 s 10 boras da
manhaa.
a na
Precisa-se de ama ama livre ou escrava para o
servico interno e externo de ama casa de doas
pessoas : na rua das Crozes n. 28.
Ensino de msica
ii. 75, 2aandar, roa lo Imperador i.
75, 2o andar.
Lecciona-se per solfejo ea tocar va-
rios instrumentos ; dando-se as li- i
ces das 5 horas da tarde as 10 da W
noite em casas ou em suas residen- g|
mm cias.
*HMW-HMUIMI
Precisa se de orna ama para o servico interno
de orna casa : a tratar na rua da Cadeia do Recife
armazem n. 8. "
Esta desocupado o,sllio da ponte de Uchoa a
beira do rio Capibarlbe jooto ao do conaelhelro
Jos Bento da Cunha e Figneiredo : quem o quuer
dirija-se a roa da Cadeia do Recife escriptorio nu-
mero 21.

s
1
s
V
\
FEITOR
Precisa-se de om homem qoe tenha algama pra-
tica de engenno para feitor de campo, prefeno-
do-se portaguez : quem pretender dirjase ao prI-
meiro sobrado ao p da ponte dos Afogados
achara' com qaem traur. _________
qae
Precisi-se
Na roa do Imperador n
csa se de nm criado/fiel.
73, 2' andar, pre t de ama ama para comprar e coiinhar
jtreitao RosariJ o. 41.
na roa es-

.
r.*


\
u
Diario de |er o amanee f r?a telra 8 c ilko d 4So7.
1

. *
fi
*
<

-
'
'
i

'"a
OMOURODBVSNZA
Ao re^peitavel publico pernambncano pede-se
A ttencao
laaleiga ingleza
320, 500, 800 e io s no armazem se acba viste.
Manteiga fpanceza
em libras 560 e 640, em barris se far differenca.
Banha de porco
em libras 320 e 38 \ em porclosefar differenca.
Fructas
em calda Pera, Pecego, Raintaa Claudia, Alperxe e nutras muitas 500 e 640 a lata:.
Ervllhas
Portuguezas 640, francezas 900.
Fumo
em latas do Para e de albaneque, lata lo e 15200.
Gomosa de mllho
em pacotes 400 e 500, dita da trra 100 e 200 a libra.
Vluho
de Bordeaux em caixa a duzia 5$, garrafa 500, dito de H a duzia, 800 a garrafa, |dto a
145 a duzia, 1#20D a garrafa, dito do Porto a 85 125, 185, 245, caixas de dazia, assim
como Qgueira caada 35500 e 45, puro J A A Lisboa 25800, 35 e 35500 a qualidade
convida.
Caz
lata a 85 de 5 galoes maispequeas a vontade do comprador, em garrafa 330.
Alpiste
I ID I 16 0 a libra, pataco a 100 a libra.
Aceite
em garrafas a 800 e 15-
CHARUTOS
n caixa de 50 por 15, ditos Delicias, Trovadores e Parisienses em caixas de 100, ditos
da ExposicSo caixa 55, ditos de Regala caixas com 100 a 25500 e outras muitis marcas
que s na presenca dos compradores.
PREZUNTOS
de lamego em barril, ditos de flambre o.melbor que ha no mercado por prego que fas
admirar 11
DOCE DE GOIABA
caixoes de 560 fino, ditos de 155UO que parece marmellada, dito em lata-; muito fina
qualidade a 15200.
BOCETAS
com doce secco a 15 e 25.
QUEIJOS
do Alentejo em latas chegado pelo vapor Oneida, ditos Fkmeogos e Pratos dos mais novos
que ba no mercado.
AZEITONAS
de eivas como no mercado nao temos a 15 a lata,em barris do Porto a 15 como n8o ba
nieaor.
II BM3 SEKIM
Salisfeito o invencive Veado R raneo, com-asmaneiras aenciosas cern que
oi acoltdo pelo rospeitavel pablico desta briosa provincia, a ponto de que muitos a por-
ga despataram a salisfaco de serem os primeiros a oomprarem em seu importante arma-
zem, se desvanece em declarar com toda e lealdade de que capaz, que est cada voz
mais aaimado, nao s pelo benigno acolhimento que tem recebido, como pelas orcas de
quedispoe porque at boje nao careeeu ainda dos preparados de jurubeba, nem do
xarope alcoolico de veame.
O Toado Kraaco. declara a quem anda o nao conbece que nao ura
desses bicharocos intrataveis que por alii vivem com figura hunana; domesticado oo
ameno paiz onde aamavel Aguia Branca vio a luz do astro bemfertor, elle partidario
desse invejavel agraao e sinceridade que com tanta gravidade se desprende do seu
bico-encantador.
O Veado K raneo, como todo o huiem civilisado, ama a sociedade dos
bons, g03ta do cenlro do mundo elegante, usa do tnico de Jayme, para previnir que'ibe
poabam a calva ao sol, vai a companbia des Btales Parisiens e -no meio do partido de
BWSajie A elle, elle tambem atira-lhe o seu lindo bouquei.
Digae-se o benigno leitor de jurar as palavras sinceras do sincero Veado
Braaco, e venha prover a sua dispensa do qaemelhor se pode encontrar tfum estatoe-
cimento de molbados.
A modicidade dos preces, comparados com a boa qualidade dos gneros o
bom modo com que se recebe os senhores compradores, deve certamente convidar as
peesoas que anda nao vieram nossa casa a fazer parte dos amigos o freguezes do oeo
BELLISSIMO ARMAZEM
CASA 04 FORTUNA.
Aos 6:0005000.
Bllhetea garantido
ARA DO CRESPN. 43EGASASDOGOSTUME
O abalio asignado vendeu dos seos mnito feli
tes bllhttes garantidos da lotera que se acaben
deeitrabiti benetteio das familias des volnola-,
ros da patria, os seg uiutes premios :
N. 5i7 dous qaartos com a sorle de 2:000,5.
N. 98 dr.os quartos com a sorte de 600*.
N. 3993 dous quirico com a .orte de 3O0J.
E outras muitas. sortes de 100*, &0 e 20.
Os poesuidoruspodem vir receter seus respec-
ivospremi-jssem os desconlos das lei?, na casa
da Fortuna a* roa do Crespo n. 23.
Acbam-se a venda os da 12" paite da a' lote-
ra da Santa Casa da Misericordia, que se extra-
bira' quarta-feira 10 do correle.
Preeo.
Bilbetes.......... 6*000
Meioe............ 3*000
Quartos.......... 1*500
Para as pasma que comprarem de 1005000
paraewu.
Bilhetes.... .**..... '5*300
Melos............ 2*50
Quartos.......... 1*375
'______ Manoel Martios Fua.
~ Aotooio Goosalves dos Santos, leslameuleiro
de sua tinada cunhada D. Joinna Mara Xavier Pe-
reir, constando-lne que pelo juiso do comniercio
desta cidade tem de ser vendido em leilao diversos
beos do casal da tinada como constituindo a mas-a
fallida de Amaro Gonsalves dos Santos, marido da
tinada e irmio do anunciante, apressa-se em vir
pela rmp-ensa protestar contra seraelbante venda
para que no futuro nlnguem cbane-se a Ignorancia,
pois taes bens esto sojeitos ao cumprimento do dls-
posi^Sas testamentarias da finada e por isso secues-
trados por mamdado do illm. Sr. Dr. provedor de
residuos deste termo do Recife, esrrivo Vascon
cellos.
O auano asslgeado, exudante do terceiro
ann deciars que nao se entende com elle um an-
nuncio do hotel Dous Amigos.
Js de Carvaibo Cesar.
Cozlahelro.
Precisa-se de um bom coilnheiro para todo o
servico tendente a comodonas para urna casa de
negocio : na ra Nova n. 28. Paga-se bem.
Para escriptorio.
Aluga-s~ cata sala e aleva do segaado andar
do sobrado amarello do cateo do Collegio, proprio
para escrlptorro d'advogado, ou rapas solteiro : a
tratar no tereeiro andar do mesmo, ou a' roa do
Imperador, rmazem b. 81.

FugM no sabbadu 6 do correte da casa n-
5 da ra da Mangueira um xeco ciotador cm
casa : qcem o pegn qoereado-o restituir leveo a
mesma casa que ai:n de se dar o valor delle se
ticara' bastante agradecido. *
Frecisa-se deum criaek) para compras:
roa do Imperador n. 73,1.a andar.
%klfo
.vara 800
ftluga-se urna escrava para o servio de muilo
pequea fanilia, ou urna ama forra-: na ruada
Conccrdia a. 34, sobrado do armazem do sol.
Pr^cisa-se de urna ama para comprar a mais
servico fie casa de Douca Umilia : oa ra da Sea-
talla iNoy's. 14, 2* andar.
Trecam sv
as nota'' do banco tt-Brasil edas catxas filiaes,
com descont rautto rasoavel, na praca da Inde-
pendenefa n. 22.
DE
CONHECIDO PELO NOME
DE
VEDO BRANCO
Estabeleciuo ra Direita n. 16;
Esqufaa da travessa de S. Pedro.
C6MPBAS
Orioula
Compra se urna escrava crioala de 15 a 26 an-
nos,^oe saiba pet-fsitamente -eogommar, cozintiar
e lavar: a tratar uu armaiam to sal da ra Impe-
rta', oob Valdexioc da polvofa.
duro e prffta.
Kocbras veJhas; : compra-sena praca ^da lo
clepBtiaocio n. M loia de frhctes.
Moedas de ooro.
XapX'.ie- e cs'.rangeiras assim como 'libras
'jstertiaas: cansp^oi-se na rc do Crestio o. 16,
Drimero andar.
e 9*; -a ra d*(Mz o. 3.
Moeas de ^prata
nsevecaes, asstm como pateases portafraezM e
hespaches, eoapmiMW ce-ragremio : aa ru Crespo n. 16, primeiro andar.
23S0
para moedas nacionas de 20* : na rna de Crespo
:. id, primelro aodar.
GRANULOS ANTIMONIAES
Da oetear FAPILLilD
Not dioerf pan curs5 d*f oltliig do coriQa, dt asUuaa, do ctUrrho, da coqueluche,
da tsica, etc:
GRANULOS ANTIMONIO FERREOS
Para a ewacas^da memU, da chloroaia, da menorrhe, du nemlgiaa, navretea, das Bolestias
eecrofulosM, etc.
GRANULOS ANTIMONIO FERREOS AO BISMUTH
Para a aneao das aaolestias, nerrosas, das tu digearu, dypepeiaa, etc.
WWMMQJk i Pkcrmada de E. MOUSNIER, i Saujon Cbarente-Infrieure).
(Em Rio-de-Janeiro, FLIX FARAUT, pharmacia, 71, roa Sete Setembro.
11 Em Pernambuco, P. MAURER et C*. pharmswa, roa NoTt.
(Emafaceio. FALCO MAS, pharmacia imperial.
Ycode-se na ra Nova n. 25, pharmacia franceza de
P. MAUREIT* C.
Libras esteriinast
Compra.' se com hsca premio : na pra a da .Id
depeiiteocia n. 21
Oompraai-sc escravos
Silvino Gailherme de Barros, compra, veae ^
troca effsaUvamente esoravos de ambos os sexos
e de todas aa Hades : a* roa do Imperador n. "J9,
erceiro andar.
ufo e prala JimoedKdo
Compram-se libras leriinas a 10S300, moedas
de 20* a 22*oOO, ditas de 16* a t'ii0, assim co-
mo toda e qnaiqner outra qualidade, e tambera
prata nacional e e.-trangfira : na ra da Cadeia,
ioja de fazendas .su 38. _
Comnra-se orna escrevaoiinheirt e engom
udeira, que nai ttnlia acbaoaes nem vicio: na
ra da Senzaia velba n. 84.
Comp
ra-se
tima armaeao de armazem ou pra tele iras
que nao seja de piuco, e que -esteja em
muito bom eslado : na cornpanLa Peruam-
buca a.
Compra-s
libras esterlinas, ouro brasilero e partuguez eom
bom premio : na ra da Cruz o. 48, armasen de
E. A. Burfe & C.
S5Sf
m$ DE
N0SS\ SEM10HA DA Cfll\CEIG^O
Para edueaeSo do sexo nascnlloo Vj
Director Manoel Alves Vianna
O collegio da Conceic3o, mudado uliimameate para o bairro de Santo Ab-
tonio, ra de S. Francisco, casi n. 7. coniigna estac5o central dos trilhos
urbanos dos Apipncos, conlioa a funecionar regularmente, recebendo alum-
nos externos e internos, tanto para as aulas primarias, como para todos os
preparatorios necessar03 matricula de qtialquer faculdade, sendo os seus
respectivos professore; pessoas moralisadas e de um concito magistral j
bem flrmido nesta cidade.
O director deste novo colleg'o cnntiuusndo a empregar toda a solieitude no
desempenho de seu mandato, epera fazer-se mais digno da confhnca rom
qne o v3o honrando os senhores pas de fam'lia., confiando-ljie bondosamente
Libras esterlinas.
compram-se oo escriptQrio de Antooio Luiz de
Ollveira Azevedo & C, roa da Cruz o. 1.
Jomaes para embrolho
Compra se oa fabrica a vapor de cigarros, na
anliga roa dos Quarteis de polica n. 21.
Ouro e prata.
Moedas de ouro e prala oacionaes, estrangeiras
e de todos os valores se compram'na Ioja de ouri-
ves junto ao arco de Nossa Senhora da Cooceico
roa da Cadeia do Recite, assim orno ouro e prata
em obras velhas, brilbantes, diamante?, e se paga
bem.
E
ks^
os seos filhos
Os estalutos-Jo collegio, assim como o francu ingresso em todas
dependencias, esto sempre a disposic3o de quem possa interesar.
as suas
Coaomia
Comprase um jogo de diccionario loglet e por-
luguex por Viera formato grande, prefere-se edi-
cao de Lond/es : ru Direita n. 79, andar.
_n
VENDAS
Vende se pm sobrado de um andar na ra
do Amorlm n. 10. com chao proprio : quem pre-
tender dirija-se a ra da Cruz n. 18, segundo
aodar.
VEMM
rbombo de muoico a 24a o qoinfal
cal n. 447.
na roa Im
Veode se a taberna da roa Direita o. 93,
bem .(regulada para esta praca com para o
centro ospreten! ,qtes pjde dirialrs ao mes-
mo estabVKciaieoto.
Vende-'se-um preto de 33 annos, boa condnc"
la, matute multo ladino, carreiro e tambem en-
tend de servicos do mar 9 ? sijQ? Ba ra do
Fogo n. 9.
lival mm segundo.
Ra do Qucimasio a. 419.
Qner acabar com as fazeudas abaii*
menciona i:<.
Queiram vir rer o que i bom e barassima.
Joalbas de labvnntho com bioo, faienda bo? a
3*300.
Carre'fis de linba com 100 jardas a 30 rs.
Gravatas pretas e de coree muito finas a 500 r
Caixas de obreias de massa muito novas a 40 rs.
onfiadores para espartilho de cordo e fita a 6
ris.
Carretelsde linba Alexandre com 400 jardas a Oi-
ris.
Resmas de papel almaco muito bom a 2*300.
Frasco de oleo babosa a 320 e 300 rs.
Ditos de dito bigienique verdadeiros a 1*000.
ditos dito falso a 800 rs.
Ditos de macacarperola a 200 rs.
Saboneles muito finos a 60, 160, 200 e 310 rs.
Ditos de bolla moUo tinos a 240 o 320 rs.
Caixas para rap com bonitas estampas a 100 rs.
Miadas de linba froxa para bordar a 20 rs.
Varas de cordo para espartilho a 20 rs.
Frascos com tinta rxa muito boa a 240 e 320 r>
Pentes" volteados para regacar abello de menina
a 320.
Frascos de macaga' oleo muite Abo, a 120 rs.,
>botoaduras muilo finas para colletes a 500 rs.
OartSes de linha branca e de edres a 20 rs.
Libra de ara preta superior a 400 rs.
hartas de aQnetes franceses com 14 pentes
120 rs.
Escovas par fato, fazenda boa, a 500 rs.
Varas de franja braoca de linbo para loalba a
100 rs.
Pecas de bico estrello com 20 varas muito bonito a
1*000.'
Varas de papafioa de diff rentes larguras a 120,
160e200rs.
Ctixas de palito balio a AO rs.
Caixas de palitos de segurancia sem ench)fre i
60 rs.
S.bonetes de familia a 100,160 e 2i0.
Grosas de botSes de madreperola para camisa a
500 rs.
La para bordar de todas as core; e fina, a libra
6*000.
(Jarretis com 4 oitavas de retroz preto muito fino
a 1*000.
Caixas com soldados de chombo para meninos a
120 rs.
Cartilha de doutrina christaa a 320 rs.
Latas com superior banha a 200 rs.____________
F4ZEMDAS NOVAS
para as feslas'de S. Antonio, es. .ioo
no armazem do Pavo na da
Iinneratrlz o 60
DE
GA1A & SILVA
Receberao-se pelo ultimo vapor da Euro-
pa ai mais novas fazendas como sejam:
Bonitas cassas do listas grana
dies.
Ditas castelhaoas.
DtaTdTTlaita.'* ^
Ditas transparentes com os mais^ moder
nos e mais delicados gostos vara a"rifBt7-
D.tas de diversas qualidades com novos
gostos o covado a rs. 240, 280 e 320.
Cortes de medina sendo urna bonita fazen-
da transparente com lindas palmas qua-
dros de seda tendo cada corle 19 covados a
rs, 24*.
Ricos'corles de vestidos brancos trem lin-
das barras bordadas em alto relevo a 24*.
Ditos braceos tambem bordados are, 5& e
60.
Cortee de poil de cbvre com 1$ covados
a m.
Modemissimas vareges tapadas e transpa-
rentes *eii as mais delicadas cores e com bo-
nita* litas de seda, covado 8 640/800 e l*.
Alpacas lizas enfesadas com asrresmais
modernas o covado a 640.
Ditas-enlestadas com lindos lavares gra-
d|se miudinbos covado 360.
Bonitas alpacas tarradas com os ntais mo-
derosdezenhos covado a rs, 800 c i*.
Ricos cortes de vestidos de fil nfeitados
a 30#.
Poopelina de quadrinhos traasparenies
com os mais apurados gostos equaze a lar-
gura dechita fraoeoza covado a rs, 640.
Ditas majs estreitas porm racito bonitas
covado SOO.
Sedas de cores com 4 palmos de largura
covado 3$.
Ditas esreilas lizas de listras -covado 2 Grao covado a n, 1^60Q,:i^800, 2,2iS00 e 3*.
Ricas sedas lavradas.
Saias com quatro-paonos ricamente bor-
dadas a rs, 5*, 64, 7, 85, .40*. e 11.SL
Tarlatari8s brancas de cores -vara a rs. \
?00.
Fil braiico lizo vaca ai"s. 8'.0.'
Dilode flores para vertido vara-rs. 640.
-Outras muitas diversidades de fazendac
que se mandam tambem levar era casa das
lxmas, fatill'aspara escoljercm ou dfio-se as
amostras deiando ficar peohor no ^rmaze-a
do Pavao ra da Imperatrtz n. 60- de Gm
ma & Silva.
Bordados do Pavao
Entremeios largos
^abadiuboe estreitos
Babadinhos largos
Entremeios estreitos
lpades e transpareates
Gaaia Si Silva receberam um grande por-
co dos mais finos babadinhosT! entremeios,
tanto largos eomo estreitos, sendo tapados
e transparentes com os verdadeiros borda-
dos a alto relevo tendo de todas as larguras
e desonho?, grande porcSo igual para qual-
qner obra, que assim possa ser preciso, e
garantem que podem vender por menes 40
ou 50 por cenio, do que em outra qualquer
parte, attendendo a grande porcSo que tem
no seu armazem do Pavo: ra da Itnpera-
Iriz o. 60, de Gama & Silva
Perfuman ts filias,
INGLEZAS DE GQSNELL & C.
E FKANCEZAS DE E. PENAD.
A antiga e bem conhecida Ioja de miude-
zas ra doQueimado n. 16, c ntinua a
estar provida de finas perfumaras de diver-
sos fabricantes acreditados como Gosnel e
Penaud, sendo deste, exceente extractos
para lencos, agua de Colonia, oleo, banha,
cosmetique para cabellos, opiata e pos para
denles, sabonetes para mos e barba, etc.,
e'.c.; e daquelle, superior agua de Colonia,
opiata ingleza e pos para denles. Alm dos
mencionados objeclos ba muitos outros que
por suas 1)oas qualidades e bonitos vasos,
agradarlo completamente aos apreciadores
do bom.
Fivellas e fitas para cinto,
Na antier i Ioja de miudezas ra do Quel-
mndo :>. I encontraro os pretenderes
vii bebo sortimento de fivelas e fitas para
ciato* sem que esqueca os lindos pentes
prateados, con fitas pendentes e sem ellas,
sempre a contento do experiente freguez
que se dirigir dita Ioja de miudezas:
ra do Queimado n. 16.
Diferentes objectos
expostos a apreciacao dos esclarecidos fre-
guezes q ie os quizerem comprar ; na ra
do Queimado n. 16.
Bonitas caixinhas de madeira com fecha-
dura, proprias para, costura.
Outras ditas com arranjos para costura,
Sapatinhos de setim e merinos para bap-
tisados.
Meias de seda para dios
Tocas e chapeosinhos para ditos.
Tercos de madeira, osso, cornalinas, obras
mni perfeitas.
Alfinetes de osso com bonitos moldes,
obras de gusto para peito de senhoras.
Ditos pretos para luto.
Meios aderecos de madeperola.
Porte jope ou suspende saias.
Lencos bordados para senhoras.
Brincos prelos, pulseiras e alfinetes com
camafeo, tudo para luto.
Froco grosso de 13a, para differentes fins.
Bonecas mansas e choronas para crean-
cas. .
Cestinhas proprias para creancas e bo-
necas.
Bandejas pequeas para copos.
Bonitas e adera is cliapelinas de seda
para senhoras
Na Ioja de miudezas ra do Queimado
n. 16 vendem-se bonitas chapelinas de seda
mni bem enfeitadas e por precos rasoaveis.
Eofeites de flores a imitaeao de chape-
linas
Vendem^se-essesbonitos e mc^sips en-
feites de flores aTmTf>f&Llecliaj >u
r.ia do Queimado, Ioja de miti^eTas n. Ib:
Differenles objectos
Veodem-se na ra do Queimado, Ioja de
miudezas n. 16.
Gravatas brancas de cambraia para doivos.
Gravatas brancas de setim para ditos.
Rosas Camelias, ramos e caixos de flores.
Papel para rosas e folhas para ditas.
Lencos de cambraia fina com barras de
cores, sendo
Para horneas a 3^600 a duzia.
Para meninos a 800 rs. a duzia.
Vendem-se na ra do Queimado, Ioja de
miudezas n. 16.
Colierinhos de linho
obras de ultimo gosto.
Vendem-se na Ioja de miudezas;
do Queimado n. 16.
CABIDES PORTATEIS
TORNBAnOS E ENVERNIZADO.
Vendem-se na Ioja de miudezas:
do Queaado n. 16.
P. ntes de tai taruga e otros de metal
A aguia branca: ra doQeimado p. 8
acaba de recebe/ algumas amostras de pen-
tes de tartaruga para'senhoras, todos de ne-
vos moldes e bons gostos, s( bresahindo en-
tre elles algons cujas novidades em mol-
des, e perfeicSo de obra os tornam recom-
mendados para quem apre-ia o bom ; assim
como recebeu igualmente ootros mui forni-
dos e bem feitos para dsenbaracar e outros
com eixo paradebrar e propriospara barba.
Tambem recebeu outros de metal pratea-
dos e dourados, que de tal molde sao os pri-
meiros que app necem osquaes com o semi-
crculo que fazera sobre o coque torcanvos
mni bonitos.
Oranacas brancas
Vieram muito boas, epor isso.vendem-se
a 10200 e 2)5 na Ioja da aguia branca.: ra
do Queimado ri. 8.
ISabadinlios crespos ..
O novo sortimento que acaba de chegar
continua a ser vendido como dantes 2#5U0
e 3d a peca e sempre r a roa do, Queimado
Ioja da aguia branca n. 8.
Pentes enfeitidos para menina*
Vendem-se na Ioja da aguia branca: ra
do Queimado n. 8.
Ilol'as de anii /
Vendem-se na Ioja da aguia branca: ra
do Queimado n. 8
Bonitos port-relogios
Vendem-se na Ioja da aguia branca : ra
do Queimado n. 8.
Para mesas
Galbeteiras para azeite e vinagre.
Saleiras de vidro e paliteiros de porce-
lana.
Veodem-se na luja da aguia branca: ra
do Queumdo n. 8.
Lnvas de pellica preta.
ra
ra
Vende-se urna escrava
roa Bella n. 45*.'
viada do talo : na
Vndese a casa terrea ra do Pilar n.
117 : os preteodentes podt-m tratar na mesma roa
casa o. 129.
COUROS
Perreira & Matheu na roa da Cadma do tte-
cife n. 62, vendem :
Coaros de vitelja, decavallj, de vaca' de bol e
sola envernisada, proprias para ca'{ad>>, coberta
de carros etc., etc.
Agua mineral
ferrngiuesa, acidulada, gaioia e carbnica
LE
OKfcV/i
O oso d'apua de Orez/a mu particularmente
recomraendado pela escola de raedicioa de Pars,
para todas a? afi*ecc.6es do tabo digestivo, ingorgita-
mento das vicera? abdomine?, e ge/almente (odas
as molestias proveni''Qie3 d frquera orgnica, ou
pobreta de saegue.
DEPOSITO ESPECIAL
|34Rnl larga do Koaario34
Pharmacia de Uartholoinen dk.C
Novamente chegada bolas russianas, perneras
melas p?rceiras da melhor qnalidad qae temos
l:t; : co realeo) ti vapor ra Kovan. 7.
Caixinhas
oom pastilhas de cheiro para
queimar-se em lugir
de incens.
Vendom-se na ra do Queimado ; Ioja de
mudezas n. 16.
PASTILHAS ODOBIFMANTES.
Essas cheirosas pastilhas s5o sempre
apreciaveis, e com especialidade no correte
mez, porque servem para perfumar os ora-
torios ou altares em que se resam ou can-
tara louvavelmente o Mez Mariano, es-
tas vendom-se na Ioja da Aguia Branca:
ra do Qaeimado n. 8.______________
Fogms.
de artificio da fabrica da estrada de Joo de Bar
ros da vi ova (tufioo, aproorietaria desta muito
eonceituada qati em seaestabeleciuiento existe um completo
s.rtimento de fagos para S. Joo e S. Pedro e de
oui-js ai tifio- ('snceroentes a essa arte, as pessoas
pois qoe quner4D oomprar destes objeclos podem
dear snas enediumendas no armazem da bola
ama-flla no oitu da secretaria da polica onde
qiveca um portador qne os vai bascar com a maior
presieu possivel.____________
ilap Paule Cordefro e Viajado
A Ioja 4e miudezas a ra do Qsim-a o. 16
receueu ai remessa do rap Paulo Cordeiro '
viajado, e continna a reeeber orto os vaporespose
" NOVENAS
DE
rroo e Sant'nna,
g novenas de N. S. do Car-
anPAnna; m ra do Impe-
Chegaram para a Ioja da Aguia Branca ;" a roa
do yneimado n. 8.
Hamos de flores para c >qoes
A aguia branca acaba de reetber ura nico
carto com ramos de flores para coques.
A perfeico e delicadeza dessas flores tem
satisfeito a todos que as tem visto e com-
prado a 5l cada ramoisso na ra do Qnei-
mado, Ioja da aguia branca n 8.
Faca favor de 1er
para saber o que de novo chegou na Ago branca a roa do Queimado n. 8.
Trancas pretas de vidrinhos com pingen-
tes, e sem elles.
Botes pretos e de cores, enfeitados oom
vidrilhos tendo com pudentes e sem elles.
Alamares pretos para basquines.
Novas e bonitas guarnieses pretas para
ditas e vestidos.
Coques de bonilos moldes.
Enfeiles de flores obra de bom gosto.
Pentes^.de tari*-
apo?aTftLjgg8to.
Pentes dourados e piu.
vos e bonitos.
Bonitos e modernos galoes de st.
cores para vestidos.
Bicos de seda e guipure..
Leqnes, todo de madeperola e sndalo.
Ditos de sndalo e seda.
Ditos pretos para luto.
Ditos de faia, os quaes fazem quatre
vistas.
Ditos todos de sndalo, e sndalo e seda
para meninas.
Bonitas cestinhas bordadas a froco para
meninas
Escovas de cabo de marflm, e madrepe-l
rola para denles.
Aboloaduras bonitas para coletos.
Brincos de corrente de borracha, voltase
pulseiras de dito.
Aderecos pretos p.T;; luto.
E muitos outros objeclos que serao pre-
sentes ao comprador qae se dirigir a dta
Ioja d'Agua branca a rtu do Queimado n. 8.
Agora sim
Acabam-se as moscas.
Porque a aguij branca acaba de reeeber
porcao de papel mala mosca e continua
a vende lo como d'antes a 40 rs, a fol'ia,
comparefao pois os prelendentes e serao
servidos na Ioja d'Agua branca ra do
Queimado n. 8.
Nova remessa *
De correntes de boracha.
A aguia branca a ra do Queimado n. S
recebeu nova remessa das desejadas corren-
tes prelaz de borracha, e continua, a vende-
las como d'antes a 33 a vara.
PASTILHAS
VERMFUGAS
N.S.
Est;
moeda
radorn. 15 de!ronte de S. Francisco.
Utensilios typogrpiicos.
Acabam de chegar de Franca e eslo a ven-
da na roa do Imperador n. 15 defronte de
S. Francisco: ricas escovas para lavar for-
mas, ditas'para tirar provas, componidores
de diversas larguras mui modraos, tinta
para impressfo fiua, linbas e entrelinhas de
differentes qualidades e pontas. A mesma
casa continua a ter teslamentos de differentes
animaes; e folhetos de Porcina, Magalona
etc., assim como cidade de Deus, Horas da
Semaoa Santa, Manual Eocyclopedico, Ripan-
sos, Gaminho do Co, Horas Portugueas,
Marianas, Imitado de Cbristo, Escudo Admi-
ravel etc.
Novo rap
Laja da Aurora na ra larga do Kfga-
rio n. 18 de Manoel Jos bptt
k Irma.
Rrceberam rap grosso a imlta;o do francez
da Mjriea de MeroD & C, do qaal se vende bara-
to, assim como de ontras muitas qualidades.
"~A#) de lil&o
Nos rmateos de Tasso Irmaos, em cunbetes de
i arroba?. _________________' ________
Farinha superior
Tem para vender Antonio Lniz de Ollveira Aze
vedo & C, no .en escritorio, rna da Cruz n. 1.
NOVA YORK.
DE COR CHEIRO E SABOR AGRADAVEIS'
Infinitamente mais efficazes do que todos
os mais remedios perigosos enauseabundor
qne existem para a expulso daslombrigae.
N5o causam dores e produzem seu effeito
sem precisar logo depois de purgante ne
nhum e taoincitantes em apparencia c den--
ciosas em gosto, que as criancas estao
promptasa tomar mais do que marca a re
caita.
Uteis como um excellenle meio de fazer
remover as obsfrucepes do ventre, mesmo
no caso de nSo existirem verme agpm, as
PAST1LHASVEKMIFUGAS DE KEMPS S50 promp
tas einfalliveis na sua operac3o e por todos
os respeitos dignas deconanca e approv-
{5o de todos os paes de familias. Prepa-
radas nicamente porLanman & d,
Nova York.
2 A' venda as drogaras de A. Caors, Bra-
vo 4 C. e P. Maurer & C, e em todos os
estabelecimentospharmacenticos do imperio
orna casa terrea no fim da rna da concordia, edifi-
cada de novo e de boa construeco, contendo doas
salas, dous qoarlos, coxlnha fora, quintal moraao e
plantado e cacimba propria e qoem a mesro pie-
ender dirija se a' prac da Independencia 0. S2
?



.

rer?a feira 8 de *f ulo de 867.
pre-
ante
RA Ultl vi W. 38
O propriotano deste estabdacimanto deseja chamar a attencSo dos saibores
pCiotanos, para os acreditados mecbanismos que contina a fornecer; os quaes ga
ser comosaeopru. Ja melhor qoalidade possivel:
Machinas de vapor
forfa de um cavallo para cima. As menores sSo mui proprias para motores.de desaro-
cameotos de alodSo ; ellas viajam armadas e podem trabalhar dentro de 21 horas, depois
de caegarem no lagar. Ellas levara todo quanto preciso para o irabalho, e diversosao-
brecellentes. As machinas miiores sSo proprias para a moagem de canna, e ha debas
que podem junta e separadamente moer canna e de;carocar. Ellas podem-se applicar a
quaiquer moenda ja existente seta outra mudanca do qae a substituido das rodas da,al|nan-
jarra, ha tambem cora moenda juata. Ellas lem depsitos d'agq i e boeiros de ferro, e
olo precisam para seu assentamento de obra alguma, qur de carap'ma, qur de alvenaria.
O lempo para assenta-las rao escede de dze alas ao mais, e em casos de mortes de aui-
maes ou arrombamentos de acudes, etc., garante-se o. assentamento em oito das. TDdos
estes vapores sao simplsimos na construccSo, e se regem por quilquer pessoa inlelligente,
a facilidade da condcelo sendo especialmente considerada, tanto que nSo ha lugar era que
BSo se possam conduzir, qus-por Ierra, qur embarcado.
Lembra se aos senbores 'de engeoho que a venda dos .aojmaes e o. servigo da
gente oceupadu no seu tratatnento os bSo de recuperar da maior parte da despeza do
*apor, deixando-lhes a wptagem de ama moagem certa e accelerada ; e acab.ao.do com a
despeza da compra continuada de aovos animaos, e com os desgastas do traba'.no que se
tem come'les.
Ser tal vez desuecessario l.embrar aos compradores de vapores a vantagera que Ibes
resulta de comprarem suas machinas garantidas em urna fabrica, tendo artistas compe-
tentes para assentar as mesmas e ensinar a maneira de trabalhar com ellas, e j prepa-
radas para arremediar qualjuer desarranjo; facilidades estas que jamis podem euxm-
trar comprando as aos simples negociantes, os quaes por falta de conhecimento na .ma-
teria nem se quer podem garanti-los de que as machinas que vendem sejam oropria ou
suCQcidutes para o trabalho em que se queira emprega-las, e no caso de desastre u5e. Ro-
jeen prestar-mes soceorro algum; sendo que anda quando venham s fabricas para oertar as machinas alheias, torna-se-ha preciso fazer repentinamente moldes novos, etc.
para as pecas estragadas. J numerosas vezes estes vendedores lem representado ueus
vapores como sendo de forca moi superior sua actual e verdadeira forca ; equineco
este que nao s engaa ao comprador acerca do trabalho que possa tirar do vapor, mas
tambem da- lugar ao pagamento de um prego excessivo, vista da forca real da machina
que compram.
Tambem ha sempre prompto rodas d'agua de ferro, sartfhos com cruzetas para as
mesmas moendas de canna de todo o tamanho, rodas de espora e angulares, paroe;; ou
coches para receber o caldo, crivos e portas de fornalha, taixas deferro batido, .fundido e
de cobre, formas de ferro galvamsadas para purgar assucar, bombas -simples e de pu-
cho, alambiques de ferro, eixose rodas de carro, arados, grades, enebadas a cavallo, e ou-
tros instrumentos de agricultora, moinbos o tornos para fazer farinba e haimente too o
objecto de mechanismo de que se costuma precisar.
Na fabrica se fazem obras novas a encommenda e concertos, com a maior presteza
e solidez. O grande deposito de pegas e objectos habilitam-aa muito para este flra.
O proprietario ser sempre mui feliz de poder aar informacoes ou esclareciiBfc#to
ios senhores que se servirem de seu prestimo.
D, W. Bowjian, engeabajro.
TRATAMENTO nv CHABLE, PARS
ferflcn especial, consultare*, 3, n VWlenne
AVISO AOS DOINTES. SBfSSSJff" **" m'** ~~ *
rada, leMiCa-
beke, Copaaflu
te* tsdw u
nnauaa opia-
to, ea piula i,
MMtoCtMl
dido a uto estuu curado ? L'sei c abusci de um grande aumera de iajacfAOXa, | friTuaw
corar em i das, e eatou anda mais docntcs.
HA AIS 90 AJVNOS *
que euro radicalmente sem recahidas, Corrimentos, Relaxando do canal, Catarr\o di rnrtja,
Ptrdas seminad, curando primeira a causa virulenta inflammatorla d'essas doencj* aexuei,
com algums vidres do meu depurativo do sanguh para parar esaas aBee^o, acear o
canal e lhc tornar a dar sua regide dou para acabar meuexeelfente xabopb ao cituato m
fbbko et miiiha injsccao. A cura radical, as luntoua para os Huios crneos, aegata
o mesno tratamento. [Vejase a noticia explicativa.)
40.000 DOENTES CURADOS
Verdadeiro tritamento depuravo do sangue. As herpes as mato mvetaradas.
i
VZETEDO & FLORES
RA DA GADEIA N. 47
Madapolo do baldo.
Superior madapolo camiseiro que val 85 a 6#.
Dito que val 70 a 50.
Chitas do bala
Bonitas chitas cores fkas e panno fino a 3oo e 32o rs. o covado.
Baldes de canda.
Os mais modernps oales de arquinhos finos, que por isto se toraam reeommen-
iaveis ao bello sexo.
Ceroolas e c i misas.
Ceroulas de bramante francezas a ii56oo.
Camisas de pregas largas que valem 30 a 2^
As metas inglezas do baldo.
Superiores meias cruas para homem que valm 90 a 70.
Roua feita do baldo
Sortimento de caigas, paletos, colletes de brim, panno fino de casemira, tudo por
preco commodo,
O BA-IiiO
ende muitos outros objectos por insignifisantissimos pegros.
prvidoi, tinu, chaaat $ afeceatt tmereas, humores, e"todas udoentas que alterao a
dn 9nnn> ala curadas em poueo tempo por mea xakofb dipiativo do anoi ,.
UA.MiiuniAifciiAfcs, mkdus pilCla dipcbatitas t mlnka Pemmda ANTi-DAmnoaA
Vcja-se a maneira de tratarte. A. noticia que m da gratis n* deposita de UMut madka-
raeatos. Eim exeellente tratamento lio eontem mercurio" soa superioridad a ba CMbacida e
olo ha om m caza que pasaa como eu apresentar tantas attesUc.oes da cura, '
' tm farit. c**mtUat4*> do ioutor CkabU i por correipondenct.
.^, m B m -- ^ .^ ...
PREPARAgOES FRREAS -INGAKIGS
PPR6VADAS PILA ACABE1IIA DB MEOlCIflA
DE BRIN DU BUISSON
Pkarwctnfice, Inrade stlj Icaemia de sdscina ie tj
. -T -
0 inepta,orofessor Troussbao. aa, ultima ediplo de 8e Inuado dt-TIum-
peuta t.Mafaria medica, feconlice ,qa s ferrugDX)os eimplds s9o muitaa
veaea inefficaaes para curar as moT.ii.tias que tern por causa o empobrec monto
do sangue. Muitos mdicos dos mais disiinrtos aitribuem esse m o xito a anseneia,
o'essas preparacCes, do metnganese, que se aclw oo sangue, como o tara reco.ubecjdo
os cbimioos os mais peritos, sempre intiniamente unido com o ferro.
E' pois, prestar-se um verdadeiro servco aos Sr" Mdicos, o ohamar-sea attencao
sobre as preparaeoes seguintes.
Io P5 sVfMmt mmtranipftfi ando nmediatamente urna agua, acidalada,
I I rerreOS aUailgUICUO ga^oia, agradavel, subsWumo com vantagem
economa as aguas mincraes ferruginosas.
2 Plalas e Xarope de iodureto de ferro e de manganesc inalteraveis
eontendo cada ama cinco centigramos de iedareto de ferro m?.nganico indicadas
particularmente as molestias lymphaticas, escrofulosas, e oas chamadas can-
crosas e tuberculosas.
Io Brages de laettto de ferro e kmBMmVJfff^^S
i tmte cacboaalo frreo manganico I V&fSBiPt
ahernac estas duas preparagSts di os melhores reauHados.
G S' Burin da Buisson desojando obt>r a adheso oompleta do punlice medio* a
cerca do valor de saas preparares, previne que eHe as p3e gratuitamenut a soa
dispoaicSo, dir%cudo-se;
No Permunbuct, a seo agente, feral, Mamrer O, paarntaceuticos, re& Roya.
a m rnkt um
Vapores.
Vende-seem casa de Sanaders Brothers & C,
oo larco do Gorpo Santo n. 11, vapores patente*!
coai todos os parteoces proprios i*ra teter mover
tres ou quatro macbinas para desearogar algodo.
Aos agricultores
Saniders Brotber & C. acabara ie receber da
Liverpool vapores (fe forca de 3 a 4 caaallos com
todos os pertences.e mu proprios para.fuer m?; yanClSCO J0S6 liermailll
ver machinas dedascarocar algodao, podendO< 'RITA NOVA N *
vapor trabalhar ate com liOserras, tambem eer- '.X. ""',*." "'
vem para enfardar algodo oa para orjtro .quaiquer acapao> receber um lmdo 6 magnifico Wr-
servico em que asam trabalhar com animaes. Os | timento de oculos, lnnekiS, binocnlos, do tt>
mesmos tambem tem a venda machinas amerita- timo-e mais apurado gofio da Europa^ OCO
as de 35 a tO serras : os pretendentes dirijar iosde se ao largo do Corpo Santo n. 11. _____
Ver da dei ros-
Goiiares Royer
Electro Magnticos Anodinos
Ou CoUares Anodinos, para facilitar a den-
ticSo das criangas contra as convalses
das mesmas, a estes collares nos escuzado
fazer qaalquer recommendacJo, visto a
grande utilidade qae tem produzido quelles
pais que os tem applicado em taes cirenm-
stancias pois nos parece que nao haver um
Pecas de (ranea branca de caracol a 60 rs.
Duza de tesouras pequeas a 480 r.
S pai OU m3i qa por es'te meiO nSo quei- Ptueo* d'agua para ilmpar deotes a m rs.
_ a. ..-, ._^, n(T-;mf.r.t<, A cono Canas com colxetes francezes a 40 rs.
ra por termo a taes softrimentos da seos
ifilhinbos visto,ser um mal que tanto os
jflagella, pois a estes coliarfis acpmpanha um
;folheto que ensina como se deve applicar, e
vende-se na loja do Gallo Vigilante, ra
do Crespo n. 1, polo preco de ,44000, o&
e 6JQ00.________________
Loja do Gillo Vigilante
DE
(uinnraes& Freitas i
RA DO CRESPO N. 7.
Os donos deste bem conhecido estabelaci-
mari timos.
VAL SE! 8EGGNM
Ra <|ueliaHdo u 40, loja m
mindezas
Jos Bigouvnno
Carriteis de retees de todas as cores a 80 rs.
Frascos d'agua de Colonia muito superior a 500 rs.
Frascos de o eo muite fino a 500 rs.
Baraibos francezes muito finos a 160 r?.
Redes pretas lisas para svgurar cabello a 320 rs.
Dmiss de pennas daaco.tstataflnas a 60 rs.
Caixas de lioha do ga: de ?0 noyellos a 600 rs.
dem de palitos d segaranca a '20 rs.
Lencos de cassa com barra a ICO rs.
Ouzia de facas e garfos de cabo preto a 34600.
Garrafas dq.agpa FJ^jda verdadeira,JdlO.
Baqados do Porto de todas as larguras e todos c*
procos.
Sylabarios com estampas, para meninos a 32(i rt
Memento da roopa de lavar a 100 rs.
Duzias de meias multo flaaspara seohora a 4 00
Agulhas francezas a balo (papel) a 60 rs.
Pares de sapatos de tranca e tapete a 1-IOO.
Pecas de fitas de laa -de todas as cores a 500 i .
Srozas de botoes de porcelana prateados a iOOi 4
Caixas com alflneites Irapcezes a 80 rs.
ment, tem a honra de avisar ao respeitavel.
nnhliTi o enm A publico, e com especianaaaes aos seus nu Regma de d(J co branco )jso a ^
morosos freguezes, que acabam le receber Frasco con} sope,. ,lBt m rs.
um completo sortimento de objectos de mui-. Grosas de phosphoros de gaz a 2000
to goslo e de completa novidade neste mer-; f"es de.notSes de punbo multo bonitos 80
e queos.tendorecebido emdireitura, os Kr.aS.o? i_EJ^ti!0 noveo,
podero vender por menos que outro qual-
quer.
Requissimos leques de madreperola
branca.
Vende-se na pharmacia de Pv^^rer & C, ra Nova.
700 rs.
TalUeres para meninos a 240 rs.
Masso com superlores.grainpoi a.-30 rs.
Grosas de pencas de a?o multo finas a 320 rs.
T ... j j 1 Bonets para meninos a 12
Requissimos leques de madreperola preta. Pentes com costa de metala 400 rs
Lindos leques de sndalos para senhora. Realejos para meninos a 100-rs.
A' LOJA DEfUEJIDJkS DE AUGUSTO PORTO i C.
11Ba do Queimado11
Augusto Porto & C. acabara de receber da Europa superiores cortes de seda de cores para
bailes e casamento?. ,
Ricos cortes de blond esm manta e capella para noivas. '
Cortinados bordados piranamis de nava; ejiaellas.de 75 a 8QS cada um.
Colxas de seda e ontras de la e seda o que ha de mlhor pira camas daoqvas.
Toalhiohas de croch pira caietras e sofiJ. e^nartilh >s a allana para ssnhjras, camisinhas
com manguitos bardados e lindos eachovaes para bipii senboras e meninas.
Lavas de pellica para boraom e seahoras e superiores chap>s de sil de t)1as as qaalidades.
?-------Ca' para vestidos baratissima bonitos fl^dr3s o cavado a 180.
Tapetes grandes para sof, ditos pra iija>,ditos para camt e peiaao3 para portas e janella?.
J Moir branco e preto superior para *iJM*- seda de qaadrinhos. cambfaias brancas d; renitis yiitiiila*, ditis de cores e lilas percales.
Basqones de seda preta ultima moda.vcuiiM-n r:t>aii? d^ auiiiiKs, vale se barato.
Cam/sas para-borneas fraatjeias e iaglezas ds llano e de algolio ria e serouli* da liaho su -
periores.
Capas de borracha, sobretudos e perneiras as melhores e mnis elefantes.
Malas grandes para viagens, ditas peineaas e saceos de tapete e cauco.
Bramante branco de 4 larguras a 2S500 a vara, pioaos pretos e aiues, casemiras pretas e de
cores ludo bom.e barsto.
Neste estabelecimento ba sempre um completo ortirnento de bo^s fizenias tanto para a praca
como para o centro da provincia e superiores objectos proprios para casamentoscomo sejam capellas,
mantas, vestidos de blonde e de moir branco, cortinal os, colchas, veadenlo-sa lado mais barato e
tambem as melhores
Esteiras e alcatifas para forrar, salas.
11 Ra do fcuelinatlf) 11
O ARMAZBM DE MLHADOS
INTITULADO
1NJEGTI0N BROU
Uicleatea Intaillvel PrcMrvattva, ahtetulamaio a niea que wn m ambua adiUTo. Veudm
au priH te*** -n-t. (Hile* twttH" wMMaMk Htt-*.) tmk, m UM
4 _Tatar B-. lwtai-l niii. IB.
Yende-se na BoticaFranceza ra Nova n. 25.
-.'
Ditos de sndalos para meninas.
Leques de faias, muito lindos..
Ditos de ossos.
Lindos port-bouqaet com cabo de madre-
perola proprios para casamentas e bailes.
Lindos cintos para senhoras om-fl ellas
e fivellas.de differentes qualidades e gosto.
Requissimos eofeites com coques e sem
elle.
Luvas dejouvin. nteiramente nova?, bran-
cas, pretas e de cores.
Lavas de seda, fio. da escocia, algodo e de
outras qualidades para senhora e homem.
Lindas trancas pretas e de cores om ve-
drilho e sem ello, assim como lindissimas
guarnices para enfeitar basquioes e botoes
para os mesmos.
Lindas toujuiohas e sapatinhos ricamen-
te enteitados proprios para baptisados.
Meias de seda para o mesmo fim.
Bengallinha para meninos.
Linios pentes de tartaruga, mas?a e outras
muitas qualidades.
Muito boas escoas para deotes, chapeos-
roupa, cabellos, unhas e para limpar pentes,
Superior linhas para crochet.
. Agualha? para o mesmo fim.
< Lindos agulheiros e dedar de madrepero-
la emarfim, assim como de metal.
Lindas guarmc3s de botoes, para colets,
'ponhos e colerinhos.
Ricas capellas para noivas.
Meias de seda para senhoras.
Superior thesouras pira unhas, costura,
cortar cabello, etc. etc.
Finas Davalhas cabo de tartaruga, marfim
e outras qu didades.
Suspensorios de seda para homem.
| Ditos de algodo para homem e meninos.
Requissiraas caixas com msica eontendo
o necessario para costura, proprias para pm
delicado presente.
Requissimos livrinhos para missa.
Lindos indispensaveis para meninas das
escolas.
Fiuos aderecos pretos para luto.
Grande sortiment de finas perfumaras
dos melhores fabricantes at boje conhe-
cidos.
YERDADEI&O LE HOY
ct iibubi, Bartnr-MMedn
Ra de Seina, SI, a. PARS.
\
Emcad:i gtrtatt, nWaatMW Mili
que Ia o in''.'i ,i^-!, uui iyfl(i^p| r--...
relio com o mi.lo 1-^it.ki.j.l dh Ci.v-..m> ?v m. t
.V B._. nf
X------,l.-|>l I ri;, Un
t .S -ii..,..,rt-
'/ y^^TP'--)
DGCTFl -I

I

Deposito na pbarmacia de P. Maurer 9
C. em Pernambuco.
XAROPFTDEfUiATTvor "
DE CASCA DE LARANJAS AMARGAS
COM IODURETO DE POTASSIO
DE
J P. Laroze.
pliarmaceulieo < m Pars
Oioduretodepotassio um verdadeiro al-
terante, um depurador de iccontestavel efi-
cacia; combinado com o xarope de casca de
laranjas margas,aturado sem pertubaco
alguma pelos temperamentos os mais fracos,
sem alterar as funecoes do estomago. As do-
se mathematicas que elle conten permittem
aos mdicos de receital-o para todas as cem-
;.
pleices-, as affecgoes escrofulosas, tubercu-
E^inuitos outros objectos que impossivel | losas, cancerosas e nos accidentes intermit-
seria menciona-los e que se encontraro na .tentes iterceiros; alem d'isso, o agente o
Situado as Clac Poutaet h. 8o.
. 3-

B
r
C
* s
o
Cu
v
O
V

O 3 9 a. O, s s S5 a.
Cb a. a. o
ct> a oa
o a o P-
H 3 a 3 CB
o Cu o 5 S O a. ~3 1
93 o> ts
S o a. a.
o. o
-1 0 a
P o i
s o 3 n.
d. a. 2. 8 as _>
o a. . a
o> o>
a>


t . um reloyi das outras
o

as eS
Sil
O
6J S
B o

a. as
o ja
3
a>

Cu
s
9
o
C
os.
Si.
55
-4
2.
o
2.
sj

O
Toma a subida honra de chamar a attenco dos amantas di ecm m ;. >;i o eu
bello sortimento de novos e apeiitosos gneros.
As Duas Americas muito se apraz em recber em quaiquer de s<;s p Viado Branco, fazendo-lhe as devidas corlezias em prosa e verso e enviudo i.iios.os
esforcos para congratular-se com elle o melhor possivel, desejando-llte sompf.e raaidae
brilhante carreira.
, Alerta grita o Baliza
Quena que junto a mm pisa ?
Res; onde as Duas Americas Eis-nie aqui lindo Vanlo.
Com carcter puro e franco : Gomo squipre -.
Sou'eu que venho saudar Saudndo-te como ordeno
loja do Vigilante, ra do Crespo n.
7.
CALLOS
A lindo Veado Branco.
A leal
la !e de amigo.
As 9n\a criess a;r^ vet-i
guezes que o seu grande ar-uasui acU rias propris pan as 'estas de S:;it- A:n >. S. Jo-j
ingleza e fra
^ '.
a occiiia i a a iv..ir
If. u.;i iiei.o
i e S '''.\
'tai. aais'idoas, > ;-- < ^- ii I \& > rf
Ai: ;. Americas pele que lhe poupeui o dosgosio de seu chefe mai<. h p*
bandeira a meie pp com o pedido de =fiado! f=
u- v. is (Ye-
i%;ia-
' ei ga
l
dr-ICWITt DE 0K4tEi\T0S m IGiEJt
Ba do Imperador JV. 23,
PomadaGalopeanpara a eitraccao e cara r-
pida e completa ds; callos duros, sem a menor dor,
vende se na
pka; macia e drogara
M
Uariliolemca & Cpaahla.
34 -BA LARGADO B09AE10 34
nico deposito.
maispod)ro.;o contra as doencasrheumaticas.
Deposito em todas as pharmacias e casas de
drogaras no Brasil.
Expedices, em casa de J. P. Laroze, rae
des Lions-St-Paul, 2, Paris.
A' venda na pharmacia de P. Maurer &.
Ca, ra Nova n. 25.


Defronte de S. Francisco,
Acaba de receber de ParL um rico sortimento
bronze, prateados e dourados, proprios de igrejas e capellas, taes que : candelabros,
casticaes, custodias, turbulos, lampadas e cruzes de diversos gostos e tamanhos. Os
precos desses gneros s3o commodos, e devem ser aprontados.
1* andar.
de ornamentos e objectos de
Collares Royer magnticos
Medallias e prstif as magaelicas.
A Aguia Branca receben nova rameSsa "dos pro- j
vellosos collares Royer magnticos, ja snmmamen-
ta conhecldps para preservar as coovoJses e tuf- \
iilar a denticlo das crianca.
Com esses ntels cortares elctricos magntico?
tambem nao pequeas qoaolidades de oedattias
e pulsetras .elctricas magnticas coja utilidade
tam sido aproiseitada per quwa soflte do nrvo60
hjrpocondico, tremores njs maos etc.
Assim como os collares lio pr esta o geral mente
coohecidos e acreditados pelos eBcazes effeitos e
bons resultados que tem cojbido as pessoas que
delles tem usado ; assim tambem ebegaram a ga-
nhar tao alta reputacao essas aprecia veis medalbas
e pulseiras magnticas, nma vez qae o aso dells*
or se esteadeodo a todos que dellas necessitem- A
Agola Branca con.ina a receber por todos os va-
pores francezes nma determinada quntidade des- i
ses sempre preciaos e estimados collares Royer
magnticos e por isso flqae na lembrauca de todos
que os acbaro constantemente em dita loja da
Agnia Branca, raa do Qneimado n. 8.
Rotondas
Veodem'e raiondas de Al : na ra do Livr:*
meato n. 26, a 2JH|0.
Pars, 36, Ri
rivienne, I>
CHABiEMlOFr.iNSPCiAL
DAS E.NFERMIDADAS DES SEXUAES, AS AFFO
.^OKS Cirr-A,r^AS. EAUTIRA50E6 DO SANGUE.
'O.OoecoTas das impmgen,
pstulas, herpes, sarna,
comixoaicr%ttonia, e al-
brevet,viiiotas dosanguti
____l'.virv, e altsraeoet do san*
jjue (Xarope vgi;Ul sem mercurio). 0cpurti.
cgee CAMIN ,\ll^i *AES tomao-se dou
por semana, segnindo o tractatoento Depurativo: 4
wwpw|pBw) bis iweswa"s moKstraa*
Este XaropeCitractode ferro
da CHABLE, cura immedia-
lamente quaiquer purgacao,
relaxacao, e debiliaade,
igualmente os fhixos e floru
brancas das mulheres. Esta injeecao benigna e_-
prega-se con o Xarope de Citraclo de Perro.
uemarroidaa, Pomada que u cara aaa tres diaa.
POMADA ANTIHERPimCA
Contra: nu afeccoes cutneas e comixots.
PILULAS VEGETAES DEPURATIVAS
Ao v ciMbie, eada fraew vai accoapahad da M
DEPUPAT1F
PLUS DE
COPAHU
"Xarope e pasta de Seiva aviso aos SR8. MDICOS.
DEPOSITO GERIL
do assucar crystalisadoda fabrica a vapor da
povoagao do Monteiro
i. 26 Caes 22 de Nevembra o, 26
O doto proprietario deste grande estabelecimento convida ao respeitavel publico,
qae se acha da novo iunecionando a fabrica do Monteiro, e que no estabelecimento acim
encontraro sempre um sortimento de asascar crystalisado em paos e ralado queje ven-
der d5o s a varejo (foto de nwia arroba para cima) como por atacado para tora da
provincia.
DO
Plnhclro martimo
DK
E. Lagasse
Preparaeoes mui preconizada? pelos sabios med
eos de Paris, com as melhores at boje discobertas
para a cor-a certa de todas as molestias do peito,
bronebites agudos e ebronicos, asthma e anda das
afeccoes das vas orinarlas.
DEPOSITO RSPICIAL
34Roa laja ii aasaiio34
Parataolaxle Bartkolomea Batatas a 600 rs.x^n^o
em libras a 40 rs., ateilouu novara 800 rs. a an-
coreta : a' raa das Crazas, aaaiem da porta
larga o. 41 A.
Sirop du
DrFORGET
Cara calarrhoi, tona
csqueluehtt, irrUafes
nervosas s dos trem-
ehios i titas as doencat
do peiio; basta ao doenU
ama eolhe rchdea deste Miope D' Forcit.
Dr., CU ajble em ParU, r- Tlvie__e, .
i venda na pharmacia de P. Maurer 9
e C, em Pernambuco.
y
Ul G4Z G4Z
Cbegoa ao antigo deposito de Ffeory Forater &
il, roa do Imperador, om carrefamento de gaz de
orimeira qaalidade.o qoal se venda em partidas e
t retalho por meos preco do qoe em ootr* quat
mer parte.
,________.____^ ---------"lu. n.....
" Vende-se ou permuta-seporum sitie,
o^engenho Marianna, cito na freguezia de
Vende se um escravK meia idade, robos- gerinh5em, bom d'agua, e uma lflgua do
lV:-eren1raara5^fa Ti Porto de embarque: tratar om Ig 4
caes do Ramos, / to, na roa da Cadea (Jo Recite D. 50,
,
i .
'
'
c
t


>*.-
lar lo de rernanbceo Terca felra 8 de #nlh t
1867.
1


\m ^ mwm$
*
a
.5
8
B
0
GRANDE SORTIMENTO
______ DE
FiZi:VI*V* BiR4T
NA
LOJA E ARMAZEM
Raa da teperatrlr o. 6h
3E
Joaquim d AJmeida tinto
A jurubeba contra o ingorot- .
lamento do figado e do bac?, Z espermacete ProP^ para machi-
Km extracto alcoollco, ciapls-! Vapores de forca de 3 a 4 cavallos,
tro, oleo, datura, pllnlas, Serras avulsas para machinas. -!
. u aroPe ?* .Mancaese todos osmais pertences para as
A jnrubeba urna das substancias med-, mesmas.
camentosas que pertencem ao reino vege- Carros de m5o para aterro,
tal, e pertence a classe dos tnicos e,despbs-r, Cylindro para padarias.
truentes, sendo empregada com vaotagem, Debulhadores para milho.
contra as febres intermitentes acompanhadas Arados americanas,
de engo. gitamenio de figado e de baco. Ella.. Carrinhos proprios para armazens.
tem sido apphcada Qom incontestavel pro-. Moibos para refinacao.
veito contra a anemia ou chlorose, e hydro-i dem para m'lho.
phesia, catharro da bexiga, e mesmo para Escadas de madira americanas,
combater a mensiruacao dificii, resultante
da mesma anemia, ou chlorose.
Depsitos geraeo
Em Pernambuco, ra larga do Rosario!
n. 10, Rio de Janiro, pbarmacia do Sr.
Dourado, Rio Grande do iul, em casa dos'
Srs, Casco & G-, Macei, pharmacia do Sr.
Claudino, no Havre,, pharmacia de Mr. Ma-
rical, em Lisboa, oa pba inacia do Sr. Feij.
Alm do grande sortimento das melhores machinas, americanas para descarrocar
aIgod5o. de 10, 12,14, 16, 18, 20, 22, 23, 30, 35, 40 e 50, nest* estabelecimento se
encontra mais o seguinte:
Gaixas com vdro sonidos,
de todas as qualidades.
Bombas d japyz.
dem amerianas.
Perros para engommar a vapor.
Vassouras americanas.
Baldes americanos- para- compras.
Tinas de madeira.
Ballaios e cestas' de verguinha.
Guarda comidas.
Peneiras 'arame para padaris e refinacBes-
Correntes para almanjarfa.
Machados e faces americanos.
Barricas com milho branco americano.
No armuzem de fuzendas de
rna do Crespa a, f A. e miau Oa, t?e 2L-j\rador
Custodia Irse Alv (ftilinvHia,
C AMA SILVA. |
Os proprietacios deste grande- estabelecimento acabam de receber da Europa um,
grande sortimento das melnores fazendas de 1, linho,~aIgod5u e seda, as quaes vendem
por precos baratsimos, afim de apurarem dinheiro, dando de todas ellas amostras,!
anisando Bear nm pechor oumandam-nas levar em casa das Exmas. familias pelos seus!
catxeiros, assim como a pessoas quenegoeiam em pequea escala, neste estabelecimen-!
to comprarab pelos mesmos precos qoe secompram as casas nglezas, ganuando-se
apenas: o descont. 1
Gasemiras pretas entestadas a f Goo.
N loja do Pavo vndese superior casemira
entestada prela par calcas e paletos pelo baralo
pre^o de 1600 o covado or a 2S60 cada c re
de caiga, dita muito oais Boa, eovae a'2200
oo o corle a 35300, dii?s moito finas sem srem
tofestadas a l#*w, 2*000 .e 2*500 cada covado :
oa loja e armazem do Pavo na ra da Imperlriz
o. 60 de Gama & Silva.
As casemiras do Pavao corte a 3)5500.
Vendem-se bonitos cortes de casemiras de cores
escoras propwas- pira o lempo de Inweroo,pelo
bar.no prego de 3*500, ou o covado a 2*000, seo-
Oo entestadas, assim como booUas meias casemi-
ras escuras com msela de seda a 640 rs. o eovado,
ou 2&210 o corte de calca,' sendo-fazenda at mujto
wopria.para.os, meninos qoe 'requemara a escola-,
isto oa loja e armai-m Jo Fa-vo ua tua da Impe-
ratru u..,6Q, de Gama & Silva.
Cele/Las para sai
so na loja do pavo.
Vendem-se .pegas de celezia de a|gpdo, sendo
acbamalotada e rauilo propria para satas odootra
qaalquer especie de roupa branca, pelo barato pre-
go de 4000 rs. a pega com, 10 varas, ou retalba-se
Para camas de uoiras.
Vende o Pavita.
Ricos cortinados bordados a 8*000, 10*, 16*,
20* e 25* o par ; assim como os mesmos tambera
serven) pera janelias; ditos adamascados a 10* e
'12* ; bonitas pegas de cassas adamascadas para o
metoo eftelto; bonitos damascos de laa de una
e duas largaras, proprios para colchas, assim oo-
mo bonitas colchas de croch : lul Isto se vende
ma barat do que em autra qnalqoer parte, na
lojai do Pavao, ra da Iroperalri n. 60, de Gama
4,SiJva^
Cascas de cor a 24o rs.
Vecderse ura benito sortimento de cassa&de
cores, pelos baratlssimos pregos de 340, 280 e
320 rs. o eovado, assim como om bonito son:-
meoto de cassas (rancezas com listas largas a 800
rsi a vafa.finissimo organdys mausadas-a!*, na'
loja e armazem do PavSo, ra da Imperatnz o.
60, de Gama & Silva.
Organdy a -i^OOO.
Grande aimazem de tin-i
tas medicamentos etc. *
Roa do Imperador n, 22.
Productos chimicos e pharma-
centicos os mais empregados em
medicina.
Tintas para todo o genero de pin-
tura e para tinturara.
Productos industriaos e tintas
| para flores, como bot5es de Aeres
e modelos em gesso para imitar
ffructas e passaros com o compe-
tente desenho.
Productos chimicos e industriaes
f para photograpnia, tinturara, pin-
gg tura, pyrotecnia etc.
S Montado em grande escala e sp-
S prida directamente de Pars, Lon-
dres, Hamburgo, Anvers e Lisboa
m pode offerecer productos de plena
?J| confianza e salisfazr qualquer en-
H| commenda a grosso trato e a reta-
as lho e por prego commodo.
XAROPE FERRUGINOSO
DE CASCAS DE LABANJAS E CASSIA AMARGA
Com iodureto de ferro inalttravel
De *. P. Laroze pharmacentic j
em Parta
E sob a forma liquida que mais fcilmente
se assemelna o ferro, e isto, sem produzr
perturbado alguma; u'esta forma, tambem,
Vendem-se bonitos cortes de organdy preferivel s" pilulas e pastilhas em todos
sendo com listras todas brar.cas ou com lis-j os casos em qne sao proscriptos os fernjgt-
coi te,; nosos. E o melhor auxiliar, do oleo de |-
tras de cores tendo oito varas cada coi te, nosos.
i 440 rs.a vara:' ni lj'7arm'zmv"d'ov*Pave; Pe' barato preco de k&, pechincha: na' gado debabalbo, porque conteat o xnroSj
ra da impratriz n. 60. de Gima & Suva. loja e armazem do Pav3o raa da toperatrii, de cascas de laranjas amargas, to gfvr-5-
n. 60,da Gma e Silva. j mente appreciado, para a cura das doria de
Chitas a. 201 e 240 rs. .estomago, digestes difflceis, inappefen*ia,
Vendem-se chitas inglesa de com txaielc-
SAI AS ErxjNOMIQAS A 3*200.
S'Balojad iive.
Cbegou um grande sortimento dests novas saias-
^ escuras proprias para lempo de .invern iwr- evita


n v 1?? c b^.raf moderno neste mercado. Como seiam:
Cambra* de cores mattsadas flniasimas 11 Riqassimos cortes de Seda para vestido
uuavara. a a Otf, BOiJ, 70,8'>|jl, e QO.
dem brancas transparente unas de 4, Limios cortes de %hJde seda> pdos
(baratissimos precos e 25|, 30^ e 35^.
Cortes de blond para noiva, trazendo cada
T^ndr. r*rMAn om raf.,M nnirt rem 75?,?--Jl- J?. ."ire,t.ara.Pe, \a^T francez Estnmadure, um.yariadissimo vae composta nao se soje de Jama ao mesmpTtem- do : na, loja
bonitas por terem lindas barras como imnoratri? n
ioglezas a
/-, .. i i /-j < ai io~------i-------r --r^. -i un^i-i. i-oii [ iiiuiu,, v, um (.ii iduisaiuiu 'o uuujpu3ia uau se sujt- uo nwd ao mesmo iem- ao ni oia e-arma
bant jS t, oeiliO, ra ao (Uet- sortimento de razendas Goas e da ultima moda em Paris, e aproximaudo-se as festas de Psi0 rauilbnilas Pr 'rem udas barras como' imneratriz n 60 de
mudo n 19. \*l*J^^:m!W**~ m vir convidar o respeitavel publico, 2r"S'2S!!!,nDr!0nro? ^T^l't Helas ocle
; Lssj^^arft-s^ -"i1!?!??- 'fcB.- ai^-^^ih^r vr ^^^"t^ sr=fs. a^wK^^^SsSiViVaSi %%srsR!!r
50,W,70f 8i)e. 8^300 a peca.
Bales de arcos para senhora a 2#500.
Id. m de arcos de cores a 3J500.
dem de arcos trancos nesgados a 3# e
3500.
dem de mursulina a 5$.
Id.:m de mursulina para meninas a 3f e'
3^500.
dem de arcos para meninas 1$60O e 2. |
Cambraia de salpicos branca a 44(500 a'
pe?a com 8 1/2 varas.
dem admascada para cortinado a 125 a
peca com 20 varas. i
dem para forro a 3$ a peca com 10 jar-'
das.
Retondes de fil, a 6)51.
Chales de fil a 5$.
Lencos de cambraia brancos finos a i #800,
U e 2^500 a duzia.
Lencos de cassa finissimos a 3^200
3^60 j a duzia.
.Ditas de algodo de dlfferenle qualida-
va.
Espartillios.
dl'mP/f^?Steh09?nah.1^ca e C-r?DCa^T- "li"* -P.iUI fr.nce.es
Lmas de toas as qualidades. inciezes na i inuiMi i* Pavan na raA
corte saias dd setim, capella e veo.
Ditos de dito com pequeo toque'a 40$
e50.
Moireantique branco, azul e preto.
Seda branca.para vestidos denoivas.
Grosd aples de todas as cores.
Riquissimas basquines de seda preta, bor-
. dadas cora gosto.
Lindos cortes de laa com barra e de ulti-
ma moda tendo cada corte o seu figurino.
Riquissimos cortes de vizita, la com lis-
(tas de seda para vestido, esta fazenda re-
comcuenda-se muito por ser inteiramente
novidade.'-
Ditf da mesmaqualidade porm empecas.
Requissimo transparent de seda para ves-,
i tido de senhorastambem novidade.
0
qualidades
MadapolSo fraacac que d melhor
no u'i'rixado.
Oranv**|ft*tM.
Dito de urna s cor e com listas da mes-
ma cor.
Chapeos de seda parahomem.
Ditos de phanasia para hornera.
Casemira preta muito fina.
Ditas de cores inteiramente novidades.
Chapeos de sol com lindos castoes.
Toarlias de labyriotbo, muito ricas.
Ricas fronhas de labyrinto.
Riquissimos leocos de ditu.
Rendas, bicos da ierra e grades para lencos.
Urna reqnissima toalba toda aborta de Ja-
bynntho o que ha de melhor neste genero.
ipglezes Ba. loja e armaie do Pavao, na ra da, Imperatriz n, 60 de Gama e Silva.
Imperatriz n. 60. de Gama PANNOS DE CHRQCHE'.
Vende-se um granda sortimento dos mais boni
tos pannos de chrocb? proprios para cadelras, so
phs, cadeiras de balanco, para abofadas e par* Ia *> <&&* "SOS a 3OJU, ditos estampados'
cobrir presestes, e veadem-se por precos baratos. |fino& a o^oK), 65. 6^500, ditos crepon
com listras de seda a 7^500 e 8^000,
pechipeba.: oa loja e armazem do PavSo
ruu da Imperatriz n. 60 de Gama e Silva.
As 10 miharas de cambraias
Covado 30O rs. vara SOO rs.
80 o pavo
Vendem-se finissim cambraias. france-
zas com listras miuda e graudas e com
lindos desenos de fiVes e palmas, sendo
todas com as cores mais modernas e mais
lazem do Pav5o ra da ide drogaras no Brasil.
Gama, e Silva. Expedicoes, em casa de J. P. Laroze, ra
des Lions-Sl-Paul. 2, Paris.
Deposito em Pernambuco, pharmacia de
P. Maurer & C. ra {jova n. 29.
O oleo de figado de ba -alho desinfectado
de Cbevrier, conserva as qualidades e pro-
priedades reconhecidas ao oleo de figado de
bacalbo ordinario ; o seu cheiro gsto
sao muito agradaveis, e a digesto ?az-se f-
cilmente.
Deposito em Pernambuco, 3 "
rsr. & C, ra v-

5OOO a
duzia.
Vendem-so meias inglezas para homem a
5^000 a duzia, ditas para senbora a 4000 :
na loja e aimazem do PavSo : na ra da
Chales baratos
l&.3#ao.6 e 7,3000.
Vendem-se chales de merino estampados
na loja a armazem do Pavao, ra. da Imperatriz
n. 60, de Gama, & Silva.
FAZENDAS PARA LUTO.
Loja do pavo.
Vecc'e-se setim da China preto seudo urna fa-
zenda moito leve e sem lustro com 6 palmos de
largura proprio para vestidos e roupas para hu-
meen pelo baratj preco de *000 o eovado meri-
no preto enfestadp muKn bom a 1*6(X), superiores
I bomfeazinas pretas a 1*600, 1*800 e 2*000 rs. o
covado, superior canlao a t*00, lanrlnha preta
lisa 4C0 e50Ors. o covado. um grande sorM-
Xoa^B'.
Riquissimas gravatinbas para senhora.
Cambraia de linbo muito fina de 6 e 9^ a' tid^t0S*0rleS de barege e de 15a para ves" '
vara. |
Madapoloes finos de 75, 85,95,105,115
e 125 a peca.
dem enfestado muito fino a 95 a peca
com 20 varas. j
Platilha de algodo superior fazenda para
saias a 35200 a peca com 10 varas.
Cobertas de chitas da India, muito grande i
a 25600,
Lences de hamburgo fino a 25400.
dem de bramante a 35200. i
Pannos adamascados para cobrir mesa a j
45500.
Guardanapos de linho adamascados a...
35500 a duzia.
Atualhado adamascado com 7 1/2 palmos,
de largura a 25 a vara.
dem adamascado de linho com 7 1/2 pal-
mos de largura a 35 a vara.
dem trancado de algodo a 15500 a vara.
Algodo enfestado com a mesma largura
a 15l)0a vara.
ToaIhasalcochoadas de linho a 1(5 a duzia.
dem com pello a 135 e 145 a duzia.
Fil de linho liso a 800 a vara.
dem com salpicos a 900 a vara.
Grosdenaple preto superior de l#80O,
25 e 25500 o covado,
Morantique preto superior a 25800 o co-
vado.
Flanella.de todas as cores a 800 o covado.
dem branca a 600 o covado.
Bramante de linho com 10 palmos de lar-
gura a 25500 a vara.
dem de linho com 5 palmos a 15200 a
vara.
dem de linho com 3 1/2 palmos a 800 a
vara.
Assim como o atrs mu tas fazendas que
se vende por menos que em outra qualquer
parte, e d-se amostras de tudo,
noivos.
CoHarinhos d linho inteiramente novi-
dade.
Puiilios e goliHihas para senhora.
Riqaissimas saias bordadas.
Lindas chapelkinas de seda para senhoras.. Riquissimas camisktaas para senhora.
Ditas ditas de dita para meninas.
Chapeos de pal ha para senhoras.
Riquissimos chapeos de sol paragitas.
Peitf lirdadfs (ara omisas Ip ?60t0 tatos de .rabo bordad, s para canuta de. deffl mais barato que ^M^fmifcM rato preco de 300 rs. o covado ou a 500 a
Requissimos enfeites com coque e sacata-
inteiramente novidade.
Riquissimos leques de madreperola.
Ditos ditos de sndalo.
Luvas de Jourin preta, branca e de cores.
Chales de seda.
Ditos de cachemira.
Riquisimrs manteletes de cores, inteira-
mente novidade.
Riquissimos,cintos para senhoras.
Riquissimas fivellas para cilos.
Riquissimas cobertas de ponto de crochet.
Meias d' laias para padres.
Ditas de laa para padres.
Ditas de seda para senhoras.
Ditas de dita para creaneas
^Cassas muito finas e i^irmem ^^\^^^^^lZ V
Riquissimos veos c mantas de blond.
Ditos chales do toquim.
Fil de linho, liso e de salpicos.
Fil-de seda, dito e.de ditos.
Espartilhos para senhora inteiramente no-
vidade.
Lindes baloes de laa para senhora,
Ditos de dila para menims.
Ditos de muculina para senhora.-
Riquissimas vestimentas para baptisados
contend, chspeosinho. sapalinho, meiasinha
e camisinha ricamente bordadas.
Coeiros bordados muito finos.
Um rico lencol de labyritho, propriopara
casamento.
Chitas, cambraias, madapoloes muitos
outros objectos., que se deixa de mencionar.
0 dono deste importantissimo estabelecimento contina nos proposito de que-
rer vender muito e ganhar pouco, para o que sugeita-se a ganhar nicamente o descont.
Proprietario das lojas e armazens da
Arara, ra da Imperatriz
ns. 56 e 72.
Tendo recebido pelos ltimos vapores da
Europa diversas qualidades de fazendas do
que faz ver ao respeitavel publico, vende
barato s alim de apurar dinheiro, como
nenhum outro.
Attengo.
-X chitas a 160 r. o covado.
OiaS Ve&dem-se chitas em retalho a 160 rs. o
Vende-se na fundicSo-da Aurora em Santo coyado.
Amaro, 2 boias de folha de ferro'de 3i8 Ditas em peca a 200 rs. o covado: roa
grossura, com fundo semispherico e altura, da Imperatria lojas da Arara ns. 56 e 72.
Lourenco Pereira Meudes Guimar&es.
cnico, tendo 15 1|2 palmos de alto e 6 3[4
ditos de dimetro com olhaes raanilhas o 2
balas de ferro fundido para amarraco, etc
Panno preto fino a 15600.
Venderse panno fino preto para calca e
palitots a 15600,'25, 25500 e 35000 o.co-
1^^DhlelSi5d5Sr i 3*80O'o saeco : o. vado,cortes de casimira ore para;palcasa
armazem de Candido Alberto Sodr
travessa da Madre de Dos n. 14.,
da MotU na
lemeoias da Dr. J. C. Ajer, ei-lenta
da Uiiversidade de pensylvaBia, dos
Estados-Dnidas.
Bxlraeto compasto de salsa-par
r i lia de Ayer.
Peitoral de cereja.
Remedio para sezes.
Plalas catartlcas.
O deposito central para as provincias
Pernamtmco, Alagoas, Parahyba e Rio-
Grande do Norte, destes remedios tSo fa-
3jjl, 35500 e 4500O: roa da Imperatriz lojas
da Arara, ns. 56 e 72.
MOCAMB1QUB A 400 RS.
Vende-se urna nova fazenda com palmas
de seda por nome mocambiqne para vesti-
dos de senhora a 400 rs. o covado.: roa da
Imperatriz lojas n6. 56 e 72.
Baldes a 25000.
Vende-se bales de arcos de todos os ta-<
manhos a 25, & e 36C<01 ra da Impera-
trie lojas da Arara o 56* e 72
LSazinbas a 200 o covado.
iU, 185, 205,-255, do ultimo gosto : ra
da Imperatriz ns. 56 e 72.
Madapolo de 24 jardas a 45000.
Vende-se pecas de madapolo cora 24 jar-
das a 45, 55, 65, 75, 85 e 105000: por
estes precos s na Arara ns. 56 e 72.
Algodaosinho a 35 a peca.
Vende-se pecas de algodaosinho a 35, 45,
55,65 e 75000 o mais barato que se pode
vender: na ra da Imperatriz ns. 56 e 72.
Cotim e castor para calcas a 800 o
corte.
Vende-se cortes de cotim e castor para
calcas de homem a 800 e 15, ditos de brim a
15180 e 15600, dites de brim pardo liso a
15200 e 15400: ra"da Imperatriz lojas da
Arlara ns. 56 e 72.
Rareje com listas a 32o.
Vende-se bareje com listas para vestidos
de senhora a 280 e 320 o covado.
Lasinha escocesa a 280.
Vende-se lSasinhas escocezas para vestidos
de senhora a 280, 320 e 400 o covado: ra
da Imperatriz loja e armaaem da Arara ns.
56 e 72.
Roupa feita nacional.
Vende-se palitots de panno fino, saceos
fraques, a 55, 65, 85 e 105; ditos de
casimira de cores a .44, 55, 65, 85 e 105;
coletes de casimira a 35, 35500; calcas de
roravelmente conhecidos e acolhidns en vado: s na roa dalmperatrU ns. 56
todas as partes da America do Sol e de 72.
Norte, acha-seem casa deTheod Ch'rls-
tlaosen, 16 coa do Trapiche en
Pernasabneo.
Os precos de
335 por duzia de estrado de salsa-parrllha.
275 por duzia de peitoral de cereja.
275 por duzia de remedio para sezes.
75 por duzia de pilulas catharticas
se enteodem dloelro vista, con
o descont de 5 por cento em quantidadei
de 6 a 12 duzias, e de 10 por cento em
cuantidades superiores a 12 duzias.
Vende-se lasiohlis para vestidos de .se-, brim pardo a 15600, 25; ditas brancas de
nhora a 200, 240, 280, 320, 400 rs. o co-, liho a 35500 e 40.; ceroulas a 15, 1560O
Chitas'francezas finas a 240.
Yende-se cbatas fraoceBas largas a 240,
280 e 320 o covado: ra da Imperatriz
lojas da Arara n. 56 e 72.
Chales de merino a 25ooo.
Vende-se chales de mirin estampados a
25, 25500; ditos de 13a a 15000, ditos de
phantasia a 15000 : ra da Imperatriz lojas
da Arara n. 56 e 72.
Rasquias a 145000.
Vende-se basquinas ou casaquinhos de
Grosdenapoles preto para senhora a 145,
e e 25; calcas de cantor a 15280 e 15600.
Palitots de alpaca branca e de cores a 45,
45500. e pretos a 35, 35500 e 45. Palitots
de brim a 25, 25500: ra da Imperatriz
n...56 e 72.
Cobertas de chita da Arara.
Vende-se cobertas de chita a 15800, 25,
25500; ditas de damasco a 45; ditos de
fustao a 65 e 65500: ra da Imperatriz lo-
jas da Arara os 56 e 72.
Vende-se bramantes para lences a 25500
e 2580J o coado; e muitos outros objectos
que seria enfadonho mencionar.
. Ra da Imperatriz os. 56 e 72,
VENDE-SE
Motores americanos para doos cavallo?.
Dito dito para quatro cavados.
Machinas para descarocar a!godo de 14, 16,
18,20 30, 35 e 40 serras.
Preocas para enfardar algodo fazendo os sac-
eos com 6 palmos de coraprimento com o peso de
150 e 900 libras, viadas ltimamente da America
no armatem de Henry Forster A C, no. cae Pe
dro II o. i junto ao Gabinete Porluguez.
loja e armazem do Pavo, ra da Imperalriz, a. .
60,e d ama& Silva. ivara, e grande pechincna attendondo a
Rramaote de linbo. J grande porcSo que tem, senSo seria para
^* ^dJonlurape,09barat0S precos de12**00. do Pavao, ruada imiieratriz n. 60 de Gama
S*SMol*80 a vara, superior panno de linho o:iva
proprio para len(->s, toaihas, e sereolas, pe- "J"va*
|,e. Chales-de reada a 4^.
superior a 10*, I Vendem-se bonitos chales pretos de renda che-
ti* .i 12*, alcodozinho ofestado liso muito eu- gados ltimamente pelo barato preso de 4*: na.
corpado proprio para lences a van a 1*. dita en-1 lola e armazem do Pavao, ra da Imperairlz n. 6
trangado muito superior fazenda com a mesma de Gama & Silva,
largura a 1*200 a vara, assim como mais um in-1 Xa vas vestidos a 6000.
fioidade de fazendas brancas que se vendem mais Na loa Q Pavo
! baratas que em outra qualquer parte so com o lim I Cheearam os mais modernos e' hinitos rnrttw
:.Tfp^ett W. G>ZTsl PaV5' **B5 lrSSfffda6100nv'SSCcr da
ra corte) send 7 varas |lstedas para salas e 3 Varas
LOUC-'iS IiraaCOS sem listas, mas com enfeite para o corpo (oa ca-.
a 25ooo, 2^800 e 35200. ; saqulnbo) garante se neste genero ser o mais mo
Vende-se um grande sortlmenn de teneos de jern0 1ue tem vin,, ao raercado, tendo entre el-
cambraia branca pelos baratos precos de 2*000 e les mu,los brancos com listas e enfeites pretos, e
2*800 a duzia, assim como ditos com lista do c- 'endem-se pelo barato preco de 6*, nicamente
re Bies em volta, tamo proprio para bomens co- armazem ao Pavo rna aa Imperatriz n. 60, de
mo para meninos, que se vendem pelo barato "snia Silva.
prego de 3*uu a duzia, ditos grandes de cassa li- i
za que se vendem a 500 rs. cada um, Ba loja e
armazem do Pavo, ra da Imperatriz o. 60, de
Gama& Silva.
Madapolo peehiucha a $$
Vendem-se pecas de madapol5o sendo fa-
zenda muito superior com 24 jardas cada
peca pelo' barato preco de 65, dito muito
mais superior a 65300 e 75, assim como
dito finiSMino a 85, grande pechincha: na
loja e armazem do Pavao ra da Imperatriz
n. 60 de Gama & Silva.
As chitas baratas
illa loja do Pavo a 240, 280, 320 e
360 rs.
Vendem-se urna grande porcao de chitas
fnissimas com pequeo toque de mofo, ten-
do miudiobas e graudas, que se vendem pelo
barato preco de 280 rs o covado, sendo fa-
zenda que val muito mais dinheiro, ditas lar-
gas e escuras sem defeito a 240 rs. o cova-
do, ditas preclaras escuras e alegres a 3 -0 e
360 rs., tudo isto pechincha na loja e ar-
mazem, doP<.y de Gama Sil^a.
Para caigas
Veodem-se meia casemira muito encorpa
da e escura pelo barato preco de 320 reis o
covado ou a 15120 reis o corte decalca,
sendo fazenda propria para calcas, paletos e
coletes, grande pechincha na loja e arma-
ze ii do Pavao, ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Suva.
Chitas petas a 160 e 200 rs.
Vendem-se chitas pretas inglezas com sal-
piquinhos a 2C0 rs. o covado, ditas lizas a
160 rs., no armazem do Pavao: ra da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Atoalhado.
Vende-se superior atoalhado de algodo ada-
mascado com cito palmos de largura,, vara a 2*,
dito trancado sem ser adamascado vara a 1*800,
dito superior de linho adamascado vara 2*800 e
3*, guardanapos de linbo cr qoe sao os mais
econmicos a 3* a duzia, na loja e armazem do
Pavo, roa da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Chitas con mofo a 2g0 >., na laja do
Vende-se urna grande porcao de chitas
francezas com muitos bonitos desenhos, pelo
barato preco de 280 rs. o covado, por ter
um pequeo toque de mofo, sendo de cores
seguras e garantindo-se qoe soltam o mofo
logo que se lavem e a nao terem este pequeo
defeito seriam para 400 rs. o covado, esta
pechincha acha-se nicamente na loja e ar-
mazem do Pavao : ra da Imperatriz'n. 60,
de Gama 4 Silva. _,eai
-
Gfrande reducto
NOS PRECOS DAS
Preparages
DE
Lamman Kemp
Salsa parriiha de Bristol duzia 33*.
Agua Florida de tfurray & Laoman 10*.
Anacabuita peitoral de Kemp 22*.
E u qoaoto a agua florida preciso a maior cao
tela contra as falsificares frau jlenlas francezas:
as verdadeiras prepararse se vendem ao nico
deposito ra do Trapiche n.'8.
XAROPE
DE CASCAS DE LARANJAS AMARGAS
ae #. P. Laroze, pharmaceutIco
em Parla
35 annes de sneeessos altestam a sua eficacia,
coa:
tnico excitante/para ajudar asfune-
$es do estomago, assim como dos intesti-
nos, e curar as doeneas nervosas, agudas ou
chronicas.
tnico anti-nervoso, para curar os incom-
modos percureores de doeneas assim evita-
das, e para facilitar a digesto.
anti-pehiodico, contra os calofros, calo-
tes, com ou sem intermittenc'.as, e que teem
por especficos as-substancias amargas; tam-
bem efficaz contra as gastrites e as gas-
tralgias.
tnico reparador, para combater a ex-
haustacSo do sangue, dispepsia, anemia, es-
gotamento, inappetencia, Iftngor etc.
Deposito em todas as pharmacias e casas
de drogaras no Brasil.
Expedicoes, em casa de J. P. Lazore. ru
des Ltons-St-PauL 2, Paris.
Deposito emYernamboco, pharmacia de
d. Maurer cVC- roa Nova n. 6.
MOLETAS DO PITO
AmHm luporiante
vender no sdo escri|H0i..,
a precos razoaveis, os seguintes geiu...
Fari: ha de mandioca em saceos, igual a -jc
ribeea.
Caixas eom vinho do Porto de ama duzia.
Viuho do Porto em barris de 5* e 10*
Panno de algodo da Bahia proprio para saccos*de
assucar i ronpa de escravo, da fabrica do Sr.
comraenlador Pedroso.
Fio de algodo da mesma fabrica.
Cigarros do Rio de Janeiro
Xaiope de salsa aairilha ; p p
ou
DEPURATIVO DO SANGE USADO AS MOLESTIAS DE
PELLE, IMPINGENS, DORES RHEUMATICAS E ULCEHAF
VENREAS.
Deposito
Pharmacia do Pinto ra larga do Rosario nu-
_____________mero 10._____________
Farinha de mandioca superior.
A tratar com Tasso Irmos, ou no trapiche Ba-
rao do Livramento no Forte do Mattos._______
Na ra do Trapich n 16.
icham-se os seauintes devosito?
De R. B'Doiaghaos eui Nuil.
Boargogne.
Viuno Pommard tinto.
Cortan tinto.
> Santo Georges tinto,
i Chambertin tinto.
> Ricnebonrg tinto.
t CIos de Vougeottin o.
> Cbablis branco.
DeH A.Woefem Fraacart:
Bheno.
Geiseabeimer.
Uebfraamilcb.
Jarcobrunner.
m casa de Theod Christian?eD, roa do fra
piche-novo n. 16, nico agente no norte do Brasii
i9 Brandenborg freres, Bordeaux, encontra so oa
'ectivamente deposito dos artigos segafitos:
St.Jalien.
St. Piorre.
Larose.
Cbateaa Loville.
Gbateaa Margaux.
Grand vjn Ghateau Lafltte 1838
Cbateaa Lahtte.
Haut Sauternes.
Chatean Sauternes.
Cbateaa LataurBlanche.
Chateau Yquem.
Cognac em tres qualidades.
Azeite doce. Pregos de Bordean!.__________
Joaquim Jos Gongalves
Beltrao
RIA DO TRAPICHE R. 17 Io ASDAR)
. Sacca por todos os paquetes sobre o Baocc
oMinho em Braga, o sobre os gaintes 'oga-
em Portugal,
abor:
sboa.
Porto.
Valenca.
Guimarles.
Coimbra.
Cliavos.
Viooo..
Villa do Conde.
Arcos de Val de Vdx.
Vianna do Castello.
Ponte, do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famelleao.
Lomego.
Lagos.
CovUbaa.

Escravos fgidos
50$degpaticae.
A quem Irouxer ao conseltieir Firmino AUo-
nio de Souza, no Hospicio, o seu moleque Joaqata.
fagido desde o meiado do mez de abril co|y*
signaos segalntes: edr preta. cabeca eoapnda, g
te ta saliente, canella fina, secco do corpo, boicot*,
falla apressado e atrapalhado, pea pequeos, satto
vestido de calca azul corta- o camisa de riscado
costoxna andar sem chapeo o representa ter meaos
de 16 anno, soppde-se terse dirigido para Pao
dWlbo.
ContiBa a esur fo|ldo o eeravo Laeiv
crioulo de fdade pouco mais oa monos 39 a 30
annos, baixo o grosso do corpo, rosto oomprid o
cariado, nariz chato, cabellos empinos, boieos
Os nicos verdadei/os xaropes, de hypophospbl- grossos, barbado, as vezes osa s de btfo4o,ort
tos de soda, do cal o de ferro do Dr. CburcbiU tra-' ~
zem a Arma quatro vetes repetida deste sabio me-
dico sobre o sobscrlpto e a marca de fabrica da
pharmacia Swann, 12, ra Castiglione, Paris.
Acia-se a venda em frascos quadrados com o no-
mo do Dr. CburcbiU no vidro. Prejo 4 francos em
Paris : Com instrncglo
Vende-so em casa de P. Maurer & C.
pequeos; moito ladino, traala* do
assim como do ampo: consta que traisita oa
Trombeta, Collouia do Pimeoteiras Leoiolaiai o
nos engeobos Candad o S. Benedicto : qoeoa o
capturar leve-o ao sea Sr. o capllo Jos CaadMo
das Noves no engenbo Papagaio, lento do Porte
Calvo, oa no Reeifo na roa do Apollo o. M, sjm
era generosamente gratificado.
-

/
IuSveD


i
Diarla de Pernaaihuco Terna letra 8 d Julh de 186?.
fi*



ASSEBLi GER4L
3o Qae seja considerada valida a elenco ro ; o do 5. regiment de cavailaria ligeira
CASARA DOS SEM10R8S EPUTADOS.
SESSO EU23DE Ju.NllO Ol l8>7.(l)
PRRSIDENCU DO SR. SILTBIR.V LOBO.
As 11.3/4 horas da maahi, feila a cha-
ma-ia, verifica-se haver numero. sufuV.ienle,
ire-se a sesso, sendo appvjvaJai as
actas das antecedentes de 21 e 22.
0 F r. Io ."'ecrktario di renta do seguate
EXPEDIENTE.
fres officios do ministerio do imperio,
enviando as actas e mais papen relativos
s eleiges das provincias do Cear, Parahy-
ba e do Maranho. A' Ia commisso de
poderes.
Outro do mioistei io da agricultura com-
mercio e obras publicas, devolvendo o au-
tographo da resoluc5o sobre a approvago
pre-idida pelo Io juiz de paz da cidade dos
Lences.
4o Que seja considerada valida
presidida pelo 3o juiz de p<.z da villa de
Urub. -Joo Jos de Oliveira Jonqueira.
Penses a diversos.
Lem-se, julgara se objectos de delibera-
do, e vio a imprimir para entrar na ordem
dos trabamos os prselos seguintes:
A assembla geral resolve :
t Art. 1. Ficam approvadas as penses
concedidas pelos decretosde 17 de novembro
de 1866 a D. Mart Snhorinha Varella
Barca, mi d") alfere? do 1. corpo de vo-
luntarios da patria da provincia do Rio Gran-
de do Norte Manoel Barbalho Bezerra, morto
em campanua, de 30$ mensaes; ao tenente
reformado do. exercito, Jo5o Francisco das
Chagas, de 18J mensaes; ao 2. cadete do
Narciso Jos Espindola, de 400 rs. diarios;
ao do 2 Manoel Francisco Rodrigues, de
a eleigof400 rs. diarios; ao do 14 batalho de in-
famara Manoel Pereira de Carvalho, de 400
rs. diarios; ao do mesmo batalho Antonio
Joo -Telles, de 400 rs. diarios ; ao do 30
corpo de voluntarios da patria Manoel Jos
do Nascimento, de 400 rs. diarios; ao de
38 corpo Benedicta Loureaco Sergio, de
400 rs. diarios; ao do 1.a batalho de in-
voluntarios da patria Pedro Severo da Costa de 400 rs. diarios; aodito do 20" dito Aca-
Leite, de 360 mensaes; aodito de commis- ci Jos dos Santos, de 400 rs, diarios; ao
de varios decretos relativos a mina" de car- 1. batalho de infantaria Jo5o de Souza Bar-
vodepedra descoberta nis margeos do roso, de iOO rs. diarios; ao 1. sargento do
rio Jaguarao e seu affluentes na provin ia 2. corpo de voluntarios da patria Constan-
do S. Pedro, bem como acercada construc- tino Rodrigues da Asunpco, de 600 rs.
;5o de urna estrada de ferro |ftra o servido diarids; ao 2. cadete 2. sargento refrma-
la referida mina; na qual resolugo S. M. do do 2i" corpo de voluntarios da. patria
i Imperador consente. A archivar, o 10- Manoel Amaro da Silva, de 600 rs. diarios;
ciando-se ao senado. ao2. cadete 2." sargento do 2. regiment
Quatro do secretario do seoado, devol- de cavailaria ligeira Joo Francisco de Alva-
vendo, por nao ter o mesmo senado podido renga, de 600 rs. diarios; ao cabo de es-
lar o seu consentimento, as propostges quadra do 11" corpo de voluntarios da patria
que dispensara das leis de amortizado as Francisco Gomes de Jess, ao cabo de es-
capelas de Nossa Senhora da Corrente, da qu3dra do I Io corpo de voluntarios da pa-
cidade do Penedo, provincia das Alagas, e tria Manoel Ignacio de Aquino Regis, ao cabo
do Nossa Senhora da Conceigo Apparecida, j de esquadra do 22 corpo de voluntarios da
do termo de Guaralinguet, na provincia de patria Jos Francisco de Castro, ao cabo de
S. Paulo; a casa de caridade da cidade de' esquadra do 3o corpo de voluntarios da pa-
S. Matheus, na provincia do Espirito Santo, tria Antonio Francisco do Rosario, ao cabo
eas fabricas das matrizes da freguezia de j de esquadra do 5." batalho de Lfantaria
S.-nta Tbereza da irmandade do Santissimo |Raymundo Ferreira da Silva, ao anspegada
sao Francisco Moreira de Lima, de 360 men-
saes; ao dito do 1.' corpo de voluntarios da
patria Manoel Antonio da Silva, de 360 men-
saes; aol. sargento do asylo de volunta-
rios da corte Joo Luiz de Figueiredo Jo-
nathas, de 600 reis diarios; ao 2. dito do
4 batalho de infantaria Virgilio Alfredo
das Neves, de 600 reis diarios; ao dito dito
do asylo de invlidos da corte, Francizco Es
fanlaria Monoel Domiogues de Menezes, de leves'da Cruz, de jO) reis diarios; ao dito
400 rs. diarios; aodo5. Raymundo Soares' dito do 11 corpo de voluntarios da patria
daSilva,de 400 rs. diarios; ao do 6. Antonio Belmiro Francisco Ribeiro da Silva, de 600
Francisco de enna, de 400 rs. diarios; ao \ reis diarios; ao dito-lito de 47 dito Anto
do 1. corpo de voluntarios da patria Pi; nio Apolioario da Cu.iha, de 600 reis diarios;
Francisco de Magalhes, de 400 rs. diarios
ao do 2. corpo Jos Teixeira da Coneei-
go, de 4oO rs. diarios; ao do mesmo corpo' riel do asylo de invlidos
Sabino Alves Correa, de 400 rs. diarios ; ao Joaquim Ribeiro, de 500
dos Santos, de
corpo Justino
Sacramento da mesma freguezia,. e de San-
ta Isabel do Rio Preto, no municipio de
Vaenca, provincia do Rio de Janeiro. In-
teirada.
lira requerimento de Mariano Jos Cuper-
tiuo do Amarai; pedindo um anao de licen
<;a com todos os seus vencimentos, para
tratar de sui saude em quaiquer parte do
imperio ou lora delle. A' commisso d'e
. penses e ordenados.
Outro de Manoel de Siqueira Lima, pe-
dindo augmento de ordenado do seu empre-
go de carcereiro da cadeia da cidade de
(Grvelas, da provincia da Baha. A' mes-
ma commisso.
Outro da Jos Joaquim da Cruz, director
da seclo da secretaria de estado dos ne-
gocios da marinha. pedindo que se Ihe ad-
dicione oito annos e cinco mezes de servigo
a outros que tem na mesma repartido.A'
mesma commisso.
Quatro de Joao Pedro de Almeida
' m9 Thomaz Pimentel de Ucba, Antonio
gues e Manoel Coelho Co\rMg..&Hto$%
corpo /Je volufl{3f5sll"patria' MarceHioo
""raes e Henrique de jtofCISo "Pereira, aos do l. batalho. de
'riculac^s' infantaria Raymundo de Sonza Nonato, Joo
n83 que Francisco Alves de Souza e Bernardino Car-
doso de Oliveira, ao do 6." batalho de
do 2.a corpo de voluntarios da patria Joo
Alexandre Ferreira Paz, ao anspecada do 1.
batalho de infantaria Jos Maria dos Santos,
ao anspegada do 3. regiment de cavalliria
ligeira Guilherme Joaquim Pereira, de 500
rs. diarios para cada um ; aos soldados do
1." corpo de voluntarios da patria Joaquim
Maria Maciel, do 2.a crpo de voluntarios da
patria Presciliano Candido Jac ntho de Souza
e Lydio Alves Ribeiro Pinto, aos msicos
do 7. corpo de voluntarios da patria Hono-
rato Antonio de Lima e Joaquim Goncalves
da Ressarreigo, aos soldados do 7." corpo de
vot untar ios da patria Benedicto Marcndes
e Caurir de Almeida Brito, aos do 9. cor-
po de voluntarios da patria Manoel Francisco
do Nascimento e Jeronymo Martiniano Fi-
gueira de Mello, aos do 24" corpo de vo-
luntarios da patria Jos de Carvalho Braga e
Marcellino Jos Rodrigues, aos do 30o* corpo
de voluntarios da patria Valerio Jos BJodri- a&s-^feres do 2. corpo de voluntarios- da
iim: a \llr\r,r\\ rn^lkn PnCnina ,. iL^ftStT _-_.!- I_____!. .._ I ____ An. LA. O
.. ^uiumisso de instruego
?*.....
Fixaco de (orea de ierra.
L-se e vai a imprimir, para entrar na or-
dem dos trabatbos, a seguinte propo.-ta do
governo, convertida em projecto de lei pe-
)a respectiva commisso:
A commisso de marinha e guerra exa-
minou a proposta do poder executivo, fixan-
do as forjas de Ierra para o anno financeiro
de 1868 a 1869, e de parecer que a mes-
ma proposta seja convertida no seguinte
projecto de lei, reservando-se a commisso
para-justifica da na discusso, c dar as in-
formaces que forem exigidas.
Accrescente-se: A assembla geral
decreta.
O mais como na proposta.
Sala das commissoes, em 21 de junbo
de 1857.Justiniano Baptista Madureira.
Isidoro Jansen Ferreira.
Elrigao da Hait". (o districto.)
L-se e vai a imprimir, para entrar na
ordem das traDalhos o parecer da commis-
so, que conclue assim :
Temos neeessidade de concluir o nosso
voto, que j vai longo por demais ;e assim
olerecemos os seguintes artigos :
1 Que sejam approvadas as eleiges
primarias e secundarias de Maracas, Ce-
tele, Macaubas, Carinnanha, Monte-Alto,
Chique Chique, Pilo Arcado, Campo Lir-
go.
2 Que sejam approvadas as eleices das
pirochias do Santissimo Sacramento do Rio
"ie Gontas e Morro do Fogo.
3 Que seja annullada a eleico da pa-
rochia do Bom Jess.
4 Que fique adiado at a apresentaco
das respectivas actas o conhecimento da elei-
Co de Campestre.
5 Que seja approvado o collegio ao Rio
de Contas e recetados os votos dos eleito-
res legtimos que nelle votaram.
6 Que sejam approvadas as eleiges pri-
marias das tres parochias de Santa Isabel de
Paraguass, e annullada a elaigo docolle-
gio.
7" Que seja approvada a eleico primaria
da villa da Barra, presidida pelo 1 juiz de
paz, e o collegio presidido interinamente
oel mesmo juiz.
' 8 Que seja approvada a eleigao primaria
de Santa Rita do Rio Preto e annullada a do
collegio. ...
9 Que sejam approvadas as eleices pri-
marias e secundarias do Urub, presididas
pelo 1 juiz de paz Claro Francisco Negro
e annulladas as duplicatas do 3o juiz de paz
Joaquim Lucio de Souza.
10. Que sejam approvadas as eleices
primarias e scundarias da cidade dos Len-
ces presidida a i* na matriz pelo 2 juiz
de paz, Candido Jos da Silva Leo.e an-
nulladas as duplicatas da capella do Rosa-
11. Qae sejam reconbecidos e declarados
deputados os Srs. coronel Antonio de Souza
Spinola, Dr. Frederico Augusto de Almeida
Dr. Salustiano Ferreira Souto.
Sala das conferencias da 2* commisso,
23 de juoho de 1867. F. L. Bittencort
Sampaio. Jos Avelino Gurgel do Amaral.
------ Emenda *o parecer.
Actigo-^unico. Qae sejanulla a eleigao
primaria do Campestre. Souto. Spinola.
" Frederico.
Emenda ao parecer.
Em vista do relatorio, da diicusslooral
apresen tados,
in-
fantaria Tito de Oliveira, ao 4. batalho de
infantaria Francisco Jos de Souza, ao do 5."
batalho de infantaria Raymundo Lamego
Costa, ao do 6. batalho de infantaria Eze-
quiel Joaquina Pereira, ao do 7. batalno de
infantaria Salustiano Jos de Jess, ao do 10
batalno de infantaria J aquim Antonio de
Magalhes, ao do 14 batalho de infantaria
Vicente Lopes Galvao, ao do 3.0, regiment
de cavailaria ligeira Vasco Rodrigues de Al-
meida, ao do 9 corpo de cavailaria da
guarda nacional Marcilio Jos Pinto, de 400
rs. diarios para cada um; ao imperial ma-.
rinheiro Jos de Matlos Polycarpo, de 144f
annuaes ; de 21 de novembro de 1866, a
D. Clara Dias de Magalhes Antunes, viuva
do capito do 12 batalho de infantaria e
major de commisso commandante do 46
corpo de voluntarios da patria Manoel An-
tunes de Abreu, de 5 40 mensaes, sempre-
juizo do meio sold que Ihe competir em ra-
zo da l.1 das referidas patentes de seu ma-
rido ; de 28 de novembro de 1856, a D. Ca-
rolina Burlamaque de Barros Lima, viuva do
tenente do 8. batalbSo de infantaria do exer-
cito e major de commisso do 46 corpo
de voluntarios da patria Julio Pompeo de
Barros Lima, a penso de 63t mensaes,
equivalente diterenga entre o meio sold
correspondente 1.a daqnellas patentes, e
uizo
de
do 3." corpo Floriano Luiz
400 rs. diarios ; ao do 8.
Jos Rodrigues, de 400 rs. diarios; o do
9. corpo Manoel Jacintbo Duarte, de 400 rs.
diarios; ao do 11 corpo Jos Venceslao
Carneiro, de 400 rs. diarios; ao do 22
corpo Gregorio Lourengo da Costa, de 400
rs. diarios ; ao do 24 Cecilio dos Santos,
de 400 rs. diarios; ao do 29 Carlos Candi-
do Alves dos Reis, de 400 rs. diarios ;
u 1. sargento do 20 corpo Joo de Souza
Pinto, de 600 rs. diarios ; ao 1. cadete do
6. batalho de infantaria Luiz Monteiro da
Cunha Telles, de 400 rs. diarios ; ao cabo
de esquadra do 3 corpo de voluntarios da
patria Henrique Gabriel Bezerra, de 500 rs-
diarios; ao do 1. corpo Gabriel Jos No-
gueira", de 500 rs. diarios; ao anspegada do
6. batalho de infantaria Firmino Franco,
de 500 rs. diarios; ao do 2. corpo de volun-
tarios da patria Felismino Gomes Parabyba,
de 400 rs. diarios ; a Francisco Nunes de
Souza, de 3000 annuaes.
Art. 2. Esos penses sero pagas des-
de a data dos respectivos decretos.
Art. 3. Ficam revogadas as disposi*
ges em contrario.
t Sala das commissoes, em 18 de juoho
de 1867.Joo Francisco Teixeira.Joo
Carlos de Araujo Moreira.
* A assembla geral resolve:
Arl. 1. Ficam approvadas as penses
que foram concedidas pelos decretos de 28
de novembro de 1866 ao major do 15 ba-
talho de infantaria Joo- de Souza Fagun-
des, a de 420 mensaes, sem prejuizo do
meio sold que por lei Hie competir; ao
tenente do 30 corpo de voluntarios da patria
Benjamn Beltro de^AJencaviia*42(MfkeB-
saes equivalste ao sido daquella paetrte;
o sold correspondente a 2.*, sem pre
do dito meio sold ; a D. Luiza Pires
Carvalho Albuquerque, mi do piloto escri-
vo Aristides Arminio de Azevedo Albuquer-
rque, a penso de 4320 annuaes; a D. Ignez
Maria Joaquina de Jess, mi do 1. sargen-
to do 24' batalho de voluntarios da patria
Jos Benedicto de Castro e dos soldados vo-
luntarios Joo Jos da silva e Raymundo da
Silva Pand, a de 360 mensaes ; aos soldar
dos do 10 corpo de voluntar ios. da patria
Manoel Moreira de Oliveira, ao do 11 cor-
po de voluntarios da paria Norberto Pereira
da Silva, aos do deposito provisorio de 1.a
linha Vicente Pereira Nobre, Francisco D-
niz de Araojo, Jos Rodrigues de Almeida
e Izidro Alves, as de 4C0 rs. diarios para
cada um.
Art. 2." Estas penses serio, pagas des-
de a data dos respectivos decretos.
t Art. 3.
ges em contrario.
Sala das commissoes, em 18 de junho de
1867.Joo Francisca Teixe-ira. Joo
Carlos de Araujo Moreira.
A assembla geral resolve:
c Art. 1." Ficam approvadas as penses
concedidas pelos decretos de 21 de dezembro
de 1866 a D. Aurelia Dmaso de Carvalho,
viuva do capito Angelino de Carvalho da
quantia de 300 mensaes; a D. Maria Um-
belina Fegoerste'in, viuva do coronel do 11
batalho de infantaria do exercito Pedro Ni-
colao Feguerstein, da de 600 mensaes ; a
O. Eliziaria Coelho de Albuquerjue, viuva
do capito do 21 corpo de voluntarios da
patria Jos Antonio de Albuquerque, de
patria Ignacio Antonio Lisboa-, ao do 16.
dito Joao Arvirey ao do 26' dito Antonio
Candido Brrelo, ao do 40 dito Silvestre Go-
mes de Souza Andrade, ao do .54 dito Jo3o
Ireno Pltta Monteiro, de 360 aensaes p*
ra cada um, equivalentes ao sold das ditaff
patentes ;^o alferes do 2 batalho de infan
taria Joo Eduardo Tigamigos, de 180 men-
saes, sem prejuizo do meio sold-que por
lei Ihe competir; ao sargento do 3. corpo
de voluntarios da- patria Malaquias Martios
da Costa, de- 600 reis diarios; ao soldado
do dito dito Luciano Evangelista, de 400
rete diarios; ao particular d 7# dito Benlo
Dias Ferrar de Arruda.de 400 ris diarios ;
aosoldadodol-ditoTiburcio de Paub Ma-
chado, de 40O1reis diarios a dito do dito
dito Joo Bapi*sta-da-Roee,.a penso de-400
rite-diarios; ao-2- cadete 1- sargento 4
dito Joaquim R&mos da Silva Moreira, g de
600 reis diario; ao 2- cade do ditOrMa-
noel Luiz Carlos-lavares, e o soldado do w
dito-Tertuliano Avelino Pereira, ao dito do
dito-dito Joo Jos de Arroda*, ao dito do N
dito Jos Ferreira de Lina ao dito do 24
dito Manoel Jaouario, as de- iOO reis diario
para.cada um ; ao cabo do esquadra do 24-
diloFrancisco TOetra de Carvalho, a de 50J
reis diarios; aosoWado do dito dito Manoel
Jos do N'ascimeato, ao dito- dio dito dito dito
Fraacisco Ferreira de Brito* ao dito do d'to
ditoJoao Pedro da Silva, ao dito do 26 dito
Antonio Francisco de Paula Barros, ao dito
do dito dito Bernardino Alves Bezerra, ao
ditodito do 30 dito Liberato-Jos Moreno, aoj
do 40 dito Primo Feliciano Barbosa, ao dito
do-2- batalho de infantaria Raymundo Jos-
das Santos, as-de 400 reis diarios para cada
um; ao cabo do3- dito Pedro Luiz de Sou-
za, a de 500 reis diarios;.aos soldados de-
4' dito Francisco Jos dos-Santos e Francis-
co Luiz da Silva as de 400-reis diarios para
cada um ; ao anspegada do 5" dito Antonio-
Francisco Rjbeiro.a deoOOreisIdiarios; aodi
to 5- dito Vwtor Pereirada Slva.a de 400 rei&j
diarios; aos cabos de esquadra do 6* dito
Felippe Feliciano de Araujo. e Vicente Bor-d
ges Fialho, as de 500 reis diarios para cada
um ; ao seldado do & dito Raymundo Lujz
da Costa, a, de 400 reis. diarios; ao cabodej
esquadra do 10 dito-Manoel Ignacio da SiJta,
a de 5D0reis diarios; aos soldados do II
dito Jos Gomes da Silva, dito Jeremas Bel-
lo do Espirito Santo, as de 400 reis diarios
sargento do 16 dito Silvi-
ao sargento ajudante do 6o dito Jos Gongal-
ves de Almeida, de 600 reis diarios; ao for-
da corte Manoel
reis diarios; ao
ditodo 10 corpo de voluntarios da-patria Ho-
racio Pereira de Santiago, de 500 reis diarios;
ao dito dito asylo de invlidos da corte .'an-
dido da Costa Rosal, de 500 reis diarios;
ao dito dito dito Hermenegildo Hipolyto de
Saot'Anna, de 500 reis diarios; ao cabo do
dito dito dito Antonio Luiz Furtado, de 500
diarios; aodito dito Jos Vicente da Cruz,
de 500 reis diarios; ao dito do 2 i corpo de
voluntarios da patria Antonio Jos de Saot'-
Anna, de 500 reis diarios; ao anspecada do
32 corpo de voluntarios da patria Elias Jos
Nicolao de Almeida, de 500 reis diarios; ao
2o cadete do asylo de invlidos da corte Al-
varo Marques de Souza Prates, de 400 reis
diarios; ao dito dito do 20 corpo de volun-
tarios da patria Antonio Floriano Paulino de
Moraes, de 400reis diarios; aodito dito do
5 batalho de infantaria Joo Francisco Dias
Lopes, de 400 reis diarios; ao soldado do
asylo de invlidos da corte Joaquim Antonio
dos Santos, de 400reis diarios.; aodito dito
dito Antonio Basilio dos Santos, de 400 reis
diarios; ao dito dito dito Salviaoo Jos de
Almeida, de 400 reis diarios; ao dito dito
dito Agostinho Ferreira Jardim, de 400 reis
diarios-; ao dito dito dito Joo Antonio da
Cuaba, de 400 reis diarios; ao dito dito dito
Pedro de Saot'Anna, de 400 reis diarios; ao
dito dito dito Pedro Antonio, do 40D reis
diarios: ao dito dito dito Vctor Nunes d
Souza, de 400 reis diarios; ao dito dito-dito
Raymundo Macbado de Oliveira. de 400-reis
diarios; ao dito dito dito Joaquim Da>fid'
do Nascimento, de 400 reis diarios; aodMo
dito dito Joaqun Francisco Xavier, de 400
reis diarios; ao dito do 8o batalho de in*
fantaria Antonio Felippe Lopes, de 400 reis
-diariost-aotlito 355*dUoJosJsoares Cor-
rea, de 400 reis diarios; ao dito do depo-
sito provisorio Antonio Plnheiro Dantas, de
400reis diarios; ao dito do 2." corpo de
vo.unlarios da patria Jhciutho Jos da Silva,
de 400 reis diarios; ao- dito dito dito Hen-
rique Manoel da Victoria, de 400 reis dia-
rios ; ao dito do 7o dito Manoel Luiz da-Cruz,
de 400 reis odarios; ao dito do 31 d-to dito
Francisco de Oliveira Jorge, de 400 reis dia-
rios; ao corneta do asylode invlidos daer-
te Antonio Francisco Rodrigues, de 4'JO reis
diarios; pelos decretos de 23 do referido
mez: a D. Mirianna Glementina de Vaseon-
ceHosGalvo, viuva do brigadeiro Jos An-
tonio da Fonseca Galvor de 600 meneaes
a D. Maria Eusebia Barbosa,-viuva do tenen-
te do 39 cjrpo de voluntarios da patria Frao-
crseo Jos Barbosa, de 424 mensaes; e fi-
nalmente pelos decretos de 26 do mesmo,
17:corpo de voluntarios da.
s sanios, ub *uu rs,
dito do 29 dito Olegario Jos de Sant'Ao-
na, de 400 rs. diarios; ao dito do 31. dito
Salvador Francisco Baeno, de 400 rs. dia-
rios.
Art. 2. Estas penses sero pagas das
datas dos- respectivos decretos..
Art. 3. Ficam revogadas as disposiges
em contraria.
Sala das commissoes, 19 de junho de 0S qUe tm prestado na presente
paracadaum;ao2* -
I no Rodrigues Pimeiita, a de 600 reis diarios;
Ficam revogadas, as disposi- aos soldados do deposito provisorio de 1.a
linha Manoel Thomaz Quirino, Manoel Joa-
quim de SanVAnna, Joo da Silva e ao sol-
dado do 3- regiment de cavailaria ligeira
PantaleoCypriano da Silva, as de 400 reis
diarios para cada um; e tambem as conce-
didas pedo decreto de 1 de dezembro de 1866
a D. Clelia Jansen Muller Meiiulles eD. Clo-
tilde Jansen Muller Faria, ir ms do Ia te-
nente da armada Napole) Jansen Muller,
morto em consequeucia de ferimentos re-
cebidos em combate, urna penso igual ao
sold daquelle offlcial, que Ihes ser abona-
da reparadamente i a Anna Maria Theresa
e menor Antonia, viuva e filha do guarda
urbano Antonio Jos Pacheco, que foi as-
sassinado pelo italiano Vicente Martioelli,
SjJmensaesTaoi'." cadete l." sargento do | quando o prenda em acto de servico, a pen-
11 corpo de voluntarios da patria Manoel sao de 400 mensaes, igual ao sold que na
Gomes de Albuquerque, de 600 rs. diarios ; quella qualidade percebia o seu hnado ma-
ao imperial marinheiro Jos Antonio dosrido.e pai; e pelo decreto de 5 de dez.-nv
Santos, de 1440 annuaes ; pelos decretos de bro de 1866, ao imperial
tos Santos Porto, de 500 reis diarios; ao
dito do Io dito Jos-Leopoldo Polaco, de 500
reis-diarios; ao aospegada do 14 dito Anto-
nio Fraoeisco Cabra!, de 500 reis diarios; ao
soldado do 6 eorpo de voluntarios da paj
tria Joaquim Candido da Costa,
diarios; ao dito-do 46 dito Valentina Jos de
Sanl'Aana, de400 reis diarios; aodito da
Gompanhia do operarios militares Henrique
Erancisco de MWlo, de 400 reis diarios; ao
dito do 19 dito. Jos Antooio do rtascimeaio,
de 400 reis diarios; ao.dito do 21 dito Fran-
cisco Teixeira- de Nascimento, de 400 reis
diarios; aodito do 29 dito Antonio Jos Bar-
bosa, de 40d' reis diarios; ao dito do 7o di-
to Antonio Augusto Claudio, de 400 reis-dia-
rios; ao dito do 2o dito Manoel Ferreira, de
400 reis diarios; ao dito do.7batalho de
infantaria Joo Francisco da Silva, de-400
reis diario*; e ao dito do 51 corpo de-^ vo-
luntarios-da patria Joaquim JosdoSant'Ap-
na, de 400 reis diarios.
t Arl. % Estas penses sero pagas das
datas das ooncesses.
Art. 3/ Ficam revogadas. as disposi-
ges em contrario.
Sala das commissoes, em 18 de junho
de 1867.'-Joo. Francisco Twceira.Joao
Carlos de Araujo Moreira.
A assembla geral resolve:
Artigo l. Ficam approvadas as pen-
ses concedidas pelos decretos de 13 de
margo de 1867, a D Francisca Faria de Al-
meida, mi do capito do 18 batalho -do
infantaria, major em commisso e comman-
dante
Rodrigo _
mensaes; ao cabo do 2o regiment de ca
vallara Pgeira Firmiano Rodrigues Lucas,
de 500 rs. diarios; ao dito do 6o batalho
de infantaria Jos Marabo, de 500 rs. da-
de voluntarios
1857. Joo Francisca Teixeira. -Joo
Carlos de Araujo Moreira.
Nturalisacdes.
L-se, e vai a imprimir pira entrar na
ordem do trabalhoj, a seguinte redaeco :
A assembla geral resolve:
Arl. 1. Fica o governo autorisado para
conceder carta de natur lisago de cidado
brasileiro aos subditos italianos padre Nico-
lao Luiz, residente ni provincia de Minas-
Geraes, e Henrique Kousio, residente na do
Espirito Santo ; aos subditos portuguezes
Joo Loureiro de Carvalho, residente na
corte ; Jos Pereira da Costa Maldonado e
padre Jos Maria Dias Pereira, residentes na
do Rio de Janeiro ; Jos Cutrim de Souza o
Francisco Noronha de Menezes, residentes
na do Cear: Jos Luiz de Araujo e Nico-
lao Teixeira de Araujo, residentes tu de
Minas-Geraes; Antonio Jos Ferreira de
Vasconcellos, residentes na de S. Pedro do
Rio Grande do Sul, e finalmente ao subdito
prossiano Dr* Francisco de Paula Cavalcante
de Albaquerqoe, residente na do Cear.
Art. 2. Ficam revogadas as disposi-
ges em contrario.
Pago da cmara dos deputados, em
25 de junho de 1867. Pinto de Figueire-
do.L. de Albuqueruue.
L-se, juiga-se objecto de deliberago, e
vai a imprimir para entrar na ordm dos
trabalhos, o seguinte projecto :
a A assembla geral resolve:
Art. 1. Fica o governo autorisado a
mandar passar carta de cidado brasileiro
ao subdito portuguez Manoel Francis o> Mo-
reira, residente em Itapemirim, provincia
do Espirito Santo.
f Art. 2. Ficam'revogadas as disposiges
em contrario.
Sala das sesses, &5 de junho de
18'7.Horta de Araujo.
O Sr. Martinbo Campos reqaer urgencia
para se votar antes- da eleico da mesa os
pareceres, sobre as eleices do 3. districto
deS. Paulo e da provincia de Matto Grosso.
Consultada a cmara, resolve pela atlirma-
tiva.
PR1H8IRA PARTK [OK ORDEM W DI.V.
Procede-se votago do parecer da 2g
commisso'de poderes acerca do 3? distric-
to eieitoral da provincia de S. Paulo-
Sendo o parecer approvado em todas as
concluses oSr. presidente declara deputa-
dos- pelo referido districto e provincia os
Srs. ur. Antonio Carlos Ribeiro de Andrada
Machado e Silva, Joo COnspiniano Soares
e Olegario Hrcalano de Aquino e Castro.
Segue-se a votago do parecer da respecti-
va commisso de poderes acerca da elerco
da provincia de Mato-Grosso, o quaUeado
approvado em todas as suas eoncluses,-ex-
cepto na respoosabilidade do juiz de paz
Leopoldino de Faria, o Sr. presidente decla-
ra deputados por aquella provincia 03 Srs.
Caetano Xavier da Silva Pereira e Joaquim
JosdeAssis.
Achando-se na sala immediata os Scs. An-
tonio Carlos Ribeiro de Andrada Machado- e
Soares e Caetano
Xav:er da Silva Pereira, sao- introduzidos
com as formalidades do estylo, prestara ju-
ramento, e tomara assenlo,
Procedendo eleigao da mesa, sabe
eleitos :
votos
60
54
50
43
5i
52
54
52
o Sp.
de"~40C^ rei&JPres,dente completa a commisso de ins-
tracpo poblica, nomeando o Sr. Chrispi*
niano.
O Sr. Martinho Campos manda a mesa o
seguinte reqnerimento -.
Requeiro urgencia para que entre de
preferencia em discusso o parecer da ceaa-
misso de inquerito acerca da eleigao do5o
districto de Minas-Geraes, e que se prosiga
nesta discassso at a votago do mesmo
parecer, nos dias seguintes. Martinho
Campos.
A urgencia apoiada e o requer > en to
rejeitado.
SESINDA PARTE DA. ORDBM DO DA.
Contina a discusso. da fixago de Tor-
gas de mar.
ODteve a palavra o Sr. ministro, da ma-
rinha.
Declara que nao vam tratar da. poltica,
esimsiraplesmente defender-se das aecusa-
ges que Ihe tem sido feitas pelos- oradores
da opposigo.
Aprsenla a cerlHo da inspeego porque
passou o offlcial de marinha que foi refor-
mado, e de que tratou o Sr. Diasda Cruz,
para mostrar que esseofliciatno podia con-
tinuar a servir por ter sido julgado incapaz
do servigo activo; e que quaeto ao recruta
Bvaristo, de que trata tambem o mesmo Sr.
qae commanda em ctaefe a armada no Rio da
Prata, queprovam que o governo pao tem
poupado esforgos para nada faltar eaqoa-
dra, merecendo at encomios do proprio
chefe da esquadra.
A pasar de ser inimigo poltico dos Srs.
marques de Caxias e Joaquim Jos 1^
nao podo deixar de apreciar bem alto a de*
dicaco desses dous i Ilustres geoeraes a qoem
o paiz bastante dee petos relevantes lerri-
goerra.
declarando arada que o governo nao teve ob
motivo do menor desgosto por ter entrega*
o com ruando do exercito e da armada es-
sos dous distinctos e benemritos genrraes,
que tudo tm feito para qae coa a naor
brevidade Brasil ultime coa gloria e dig-
nidade esse pleito de honra, cojos destiaw
ihes est) confiados.
Obtem a palavra para responder o Sr. Dias
da Craz.
Protesta contra as expresse* do Sr. mi-
nistro da marinha, declarando qae nao leve
nunca inten;odeoflende-loparlicohnaente,
quando se tem dirigido a S. Exc.
Emende que as aecusages que fe* ao Sr.
ministro da marraba nao foram destruidas
por S. Exc que procarpa sophismar, iHu-
drado anda urna vez o paiz, e aprsente
ainda documentos para provar qae o indivi-
duo de nome Evaristo guarda nacioai,
qae tem prestado serricos, cojos docuiaera-
tos foram fornecidos pelo capito, maj*r, te-
nente-coronel commandante do corpo, econv
mandante superior da guarda nacional de
Nitberoby, e protesta contra o epitheto de
documentos falsos com mosear aos autores desses documento, cojas
expresses o orador devolve-as intactas a
quem as avangou porque ne deviaia partir
da boca de un ministro offensas to- graves
a ofikiaes distinctos de ama corporaga que
bastantes servigos tem prestado ao paii e
qae so to dignos quaoto aquetle qo*r se
quizerem considerar dignos.
Sustenta que esse individuo doente como
elle orador pro-va como o testemanho de
mdicos illustraitos con o Sr. cooselheiro
Meirelles e ootros que o examinaran e o
julgaram to doente e impossbilitado de
servigo, como tambem fot verificado por elle
orador e que portanto nao jolga o Sr. mi-
nistro de marinha as condices de poder
apreciar em sentido contrario a opinio ejnd-
gameuto dos verdadeiros provectos da setn-
ela medica, porque8. Exc. na> competen-
te, nao tem ashibilitacesnecessarias.
Estando a hora adianteda e nao poend
atongar-se muto na discusso, o rador Caz
ainda outras coasiderages para pjovar que
o Sr. ministro da marraba nao foi fiel 4 c-
mara as informales que deu para attenuar
o sen' proceder no desempenho da sua mis-
so, e declara que S. Exc. tem sempre labo-
rado em erro, e que nao tem sido- fie* as
suas informages, ao qae o orador jolga por
nao estar S. Exc. a par dos conheciowstos
da materia.
Ficoma discasso adiada pela hora.
D-se a ordem do da e levanta* t^
sesso.
ao teo.ei.te do
patria Francisco Xavier Cavalcaoti de Albu-
querque, da quaotia de t* meosaes; ao 'Silva, Jlo ChrispDiano
alferes do 5o dito- Bthias Garlos de Araujo-
Maciel,de 360 meosaes; ao 2* sargen'o do
5" dito Joo Vatatim Tavares, de|60 reis
diarios,-ao dito do batalho de eogenheiros-
Manoel Goncalves*4o Coutode60(i reis dia-
rios ; ao dito do-20 corpo de voluntarios da
patria Joaquim Je* de Azevedo, de 600 reis
diarios; ao cabo do dito dito Jos Vicente
de Miranda Netto.. de 500 reis diarios ; ao
do 10 batalho de infantaria Antonio
Presidente o Sh Silveira Lobo.
Vice-presidento, os Srs. Faria.
Silveira de Souza.
Spiridio.
Io secretorio, oSr. F. Vianna.
2o dito, oSr. Horta de Araojo.
3o dito, o Sr. Abetlardo de Brito.
4o dito, o Sr. Synval.
A' requerimento do Sr. Macedo,
LITTEMTOBA.
LM POICO OfcTL*.
Eis aqu- algumas das mais criticas si toa-
cues da vida:
A de urna eoquelte, quando nao tem
quem Ihe cine para a cara.
A de um. poeta quando tem mais inveja
que estro.
A de um chefe quando sabe menos qa*
o subalterno.
A de uta-actor... curese quando nao sa!*-
o papel.
A de um alfa ate que se engaa na me-
dida.
Ade umi. mi quande- nao pode casar a
filha.
A de um. devedor quando d de cara Mi
o credor.
A de um empregade publieco quando -!n
mudanga ministerial.
A de u.-na noiva quando- v o noivo ca
outra, e vice-versa.
A de um catoolico que se namora de mi
protestante.
A de ama mulher que se eneontra ao mes-
ma tempo com dous que amara.
A de urna baeta que ainda nao acabo de
vestir-se ao ultimo toque de misa.
A de um hornera que dia om disparato
que nao tem emenda.
A de-om soldado finalmente quando-vai
vestido-de paisano e se encentra com Ocom-
mandante da companbia.
taria, major em commisso e comina. deputado 0 orador' declara que por rooti-
) do 22 eorpo de voluntarios da patria i V0JjuslM ^^ fazer efiectiv a sua pra-
igo Luia Baptista, da quantia da 42* nQ CQ de fuzteiros navaes, visto estar
ga no corpo
na sua conscieocia que esse individuo de
nada soffria.
Defende-se da aecusago que Iho foi feita
de baver intervindo no pleito eieitoral a
26 do mesmo mez, a D. Honoria Anderlina
dos Passos, viuva do alferes de commisso
do 8." batalho de infantaria do exercito
Firmino Jos dos Passos, de 36 meosaes; a
D. Rosa Maria Paulino da Fonseca, mi do
alferes do 34 corpo de voluntarios da patria
Alfonso Aurelio da Fooseei, de 36#men-
, doeumeatos .-^^ ; ao sol*,* do 8. toUlMo de afaata-
ria Manoel Marques da Silva, de 400 rs.
diarios ; ao soldado do 12 batalho de
infantaria Manoel Francisco dos Reis, de
400 rs. diarios; ao do 13 de infantaria Jos
Victorino do Carmo, de 400 rs. diarios; ao
do 10 de infantaria Joaquim Jos Ferreira,
de 400 rs. diarios; ao do 7. Beiizario An-
tonio Custodio, de 400 rs. diarios; ao do
dvida venia a Ilustrada
inquerito, proponbo:
Ia Que sejam apurados os votos da fre-
guezia do Bom Jess.
2 Que sejam apurados os votos
gueziado Campestre.
da fre-
({) A sesso publicada no nosso numero
^ '. i. 1. I Jn rvn.' Ir. NnC ftifl
Nos dias
marinheiro Joo
Ignacio de Souza a de 140# annuaes.
Art. 2. Estas penses sero pagas des-
de a data dos. respactivos decretos.
Art. 3. Ficam revogadas as disposiges
em contrario.
t Sala das commissoes, em 18 de juoho
de 1867. Joo Francisco Teixeira.=Joo.
Carlos de Araujo Moreira.
c A assembla geral resolve:
.Art. i."Ficam approvadas as pensos
concedidas pelos decretos de 16 de Janeiro
de 1867 a D. Maria Mathilde Francrscone de
Azevedo, viuva do major do 8a batalho de
infantaria Joaquim Luiz de Azevedo, da quan-
tia de 420 mensaes; pelos decretos de 19
do mesmo mez: ao tenente do 5.* batalho
da patria Joo Cavalcante de Albuquerque. .favor do Sr. Carlos Pinto, declarando que
de 500 rs. diarios; ao anspegada do 10' nao expedio circular alguma, nem houve
batalho de infantaria Antonio Soares Galvo,' presso daliberdade do voto na Provincia
de 500 rs. diarios; ao dito do 5 corpo de do Espirdo Santo para que fosse eleito esse
voluntarios da patria Antonio de Azevedo seu prente, que tem hoje um assenlo na
Coutinho, de500rs. diarios; ao dito do'cmara, pelos votos dos conservadores e
26 dito Ricardo Nunes dos Santos, de 500, liberaos jaquel la provincia, pelos servigos
rrs. diarios; ao.dito do ".Mito Manoel Joa-' que tem prestado em taM**"M.
qaim da Costa, de 500 rs. diarios; ao sol- Respondendo a censura feita pelo Sr. Mar-
dado do 1 batalho de infantaria Manoel tinhoCamposdehav.ro governo obstado a
Ferreira de Macedo, de 400 rs. diarios; aopassagem do requerimento em que pedia
d;to do dito dito Jos do Prado Teixeira, de coma do contracto de casamento de s
400 rs. diarios; ao dito do 4 dito Jos
Francisco Barbosa, de 400 rs. diarios; ao
dito do 5 dito Jos Luiz Carneiro, de 400
rs. diarios; ao dito do 6 dito Mauricio
Carlos daMotta, de 400 rs. diarios; ao dito
do 11. dito Guilherme Francisco da Silva,
dito Flo-
A associago dos operarios macbnta
da Gr-Bretanba, fondada em 1851 pela fu-
so de muitas outras de menor importancia,
acaba de publicar o seu relatorio. qae atiesta
qual a forga da associago.
A corporacjio de-que fallamos sonta va. no
seu comego apenas 12,000 socios a om capi-
tal disponivel de noventa e nova cootos de
ris.
No fim do auno passado coatava 3tf,0Cf>
membros, e dispunaa de um capital (lacerta
de seis ceios e trinta con tos de ris.
A despeza da associago, dorante o anao
lindo, foi pouco mais de duzentos a setenta
contos de ris; porm atteadeod a que o
seu rendimenlo annual de tresentos e ses-
senta a trezentos e noventa contos de rv>,
fica em caixa urna reserva coosideravel.
Um dos productos mais> importantes, a
que resulta do juro paga pelos baas onde
so acham depositados os capitaes.
A associago distribuio, a titulo de soc-
corros aos doentes e aos operarios, sautra-
balho, a quantia de duzentos viole a ciaco
contos d ris.
de 400 rs. diarios; ao dito do 7"
de*ibba*>de!9^ JworM^eTswes dTMva,l"M^^li..damftaria Manoel Rnymund' Cordeiro,
21,22 e 23
f4o.
n.5o
rins; ao do 16 Francisco Baptista Monte't- de 210 mensaes; ao
riano Jos Raymundo, de 400 rs. diarios;
ao dito do 8o dito Jos Hermenegildo Fer-
reira de 400 rs. diarios; ao dito do dito
,, dito Jos Thenorfo di Cruz, de 400 rs. da-
es do M-corpo de ros; ao dito do Ua dito Jos de Oliveira,

-
teza, quando no senado havia deixado passar
sem opposigo igual pedido de om nobre
senador, declara que no senado, pedio-se
copia desse contracto sem se frzer censuras
ao governo, no enlaoto que na cmara pro-
curou-se fazer censaras, que elle'orador
nao poda deixar sem um protesto procuran-
do raesme obstar essa passagem, visto que
se fosse approvado o requerimento passana
necessariamente em julgado essa censura,
Apresenta e 1 officios, declarando que
tem tambera carias particulares do almirante
O gran-duque Alejandre, herdeiro da co-
ra da Russia, acaba de ebegar a sua maio-
ridadee de prestar juramento de obedien-
cia ao imperador, seu pal. r_
Esta ceremonia verificou-sena sala do taro-
no do palacio de invern de S. Petersborgo.
A familia imperial, os altos dignatarios da
igreja e do Estado e o corpo diplomtico,
assistiram ceremonia,
A cidade e*tevesplendidamento ilhunina*
da durante a noote.
A academia archeologica da Blgica rasU-
veu, que o congresso archeologieo ioleraa-
cional, que nao pode celebrar-sa ao atan
passado. eoha lugar no corrala.
A commisso organisadora, de accordo
com a administrativa, iiiaro diadaabertara.
TYP DO DIARIO.-RIA DASCaUZIS 5. Mk '
X


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EOKYH5555_09FB36 INGEST_TIME 2013-09-05T01:38:48Z PACKAGE AA00011611_11311
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES