Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11307


This item is only available as the following downloads:


Full Text
s
X
c

-M
,


-

'

J
*
ANNO XUII. NUMERO 150.
PAB1 A C1PITAL E LlfilBE ONDE SE IVA PAA POMTE.
PortfejmMesidiaDUdoi.,. .- .' 6,0000*
Poraeisdilos idea.. .] ,1 .} ., ., tl ... .., .j .7 ..i :T1 .. ; 42,5000
Per a* ana, ije.. .] j .-, ., #1 #, .j ^ rfl ,.. #1 .... 240000
fiaaawroatdls, .J .../.. ;...... > 320
MIU*. >* -
QUINTA FEIRA 4 DE JULHO DE 1867.
PABA DEXTBO E FOBA DA PBOVIXCIA.
Por tres mnes idiantadoi;. m tt r?: .-.. 1.1 *i v r.- r." ?r ..-
Por seis ditos idm. r?........ ......................
Por nore ditos dem.................................
Por un anno idea.. 53 .. .........................
60750
43^500
2S025O
270000
23IBS12 MU IPlI&lfntIBVS(D RD 18S3UllPV(DI!lQD Q>I fit&HtiM IftBTJaiIlM 3)2 9&M& ffBUDS, 8393 ?SD?li22a2)29
JENCARREGADOS DA SITBSCRIPgAO.
Parahy ba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima;
Natal, 0 Sr. Antonio Marques da Silva ; Aracaty,
oSr. A. de Leraos Braga; Cear, o Sr. Joaquim
3 os de Olivira; Para, os Srs. Gerardo Antonio
Alves & Pilhes ; Amazonas, o Sr. Jeronyrao da
Costa; Alagoas, o Sr. Francioo Tavares da Costa;
Baha, o Sr. Jos Martins Alves: Rio de Janeiro,
o Sr. Jos Ribeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estagoes da via frrea at
Agua Preta, todos os dias.
Igaarass e Goyaaoa as segundas e sextas felras.
Santo Anto, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruard,
Altinbo, Garanhuns, Baiqoe, S. Bento, Bom Con-
selho, Aguas Bellas e Tacarat, as tergas-feiras.
Pao d'Albo, Nazaretb, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
lagazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa-Vis-
ta, uricury,Salgueiro e Ez, as qaartas feiras
I Seriobem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Bar-
reiros, Agua Preta e Pimenteiras, as quintas
-eiras.
AUDIENCIAS DOS TRLBUNAES DA CAPITAL.
Tnbnnal do commercio: segundas e quintas.
Relago : tercas e sbados is 10 horas.
Pazenda: quintas s horas.
Ja Izo do commercio .- segundas as 11 horas.
Dito de orpbos : tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do cire: tercas e sextas ao meio
dia.
Segadda rara do elvel : qaartas e abbades a
1 hora da tarde.
EPHEMERIDES DO MEZ DE JULHO
1 La nova as 6 b. e 56 m. da t.
8 Quarto cresc. as 2 h. e 39 m. da t.
16 La cbeia as 6 h. e i m. da t.
2i Quarto ming. as 14 b. e o m. da m.
31 La nova a i b. e 52 m. d m.
DAS DA SEMANA.
1 Segunda. S. Tbeodorco ab., S. Castro b.
1 Terga. S. Isabel, s. Othon b., S. Proeesso m.
3 Quarta. S. Eulogio m., S. Anatbollo m.
4 Qninia. S. Oseas prof.. S. Aggeo prof.
5 Sexta. S. Phllonrena v., S. Trifina m.
6 Sabbado. S. Uomingis v o., S. Isaas prof.
7 Domingo. Ss. Claudio, Nicostrato e Papias mm.
PREAMAR DE HOJE.
Primsira as 3 horas e 42 m. da tarde.
Segunda as 4 horas 6 minutos da manha -
PARTIDA DOS VAPORES COsTEIR.03.
Para o sal at Alagoas a 14 e 30; para o non*
at a Granja a 15 e 30 de cada mez; para Fer-
nando nos dias 14 dos metes Janeiro, margo, mai>
Julho, setembro e novembro.
PARTE OFFICIAL
OVEREODA PROVIXCI.l
Expedien'e de da 22 de marco de 1S67.
2" secgo.
N. 927.Offlcloao presidente da relago.Recom-
mendando nesta data ao desembargador removido
para esse tribunal Jos Pelippe de Son Leo, que
a bem do servigo publico entre na exercieio do sen
cargo, independente de titulo, que apresentara' no
prazo de tres mezes; assim o communico a V. Exc. j
para sua intelligencia.
N. 928.Dito ai Dr. chele de polica.Davolvo
a V. S. afn de que seja devidamente asslgoada
urna ds relag<5es que vieram annexas ao seu of-
flcio de 28 de fevereiro prximo flodo sob n. 1318,
dos presos pobres recolbidos a' cadeia de Naza
retb, durante os mezas de jaiba do anno prximo
passado a Janeiro ultimo, visto assim o baver soli-
citado o inspector da tbesouraria provincial em ot-
ticio n. 126 datado de hornera.
N. 929.Dito ao mesmo.Em vista das ocur-
rencias que acabara de ter logar na villa do Pao
d'Albo, segundo informagao official, de baver neste j
momento recebido nm grande numero de indivi-
duos armados accomettido a respectiva cadeia da
qaai flzera sabir todos os criminosos e recrutas
qae baviam, e isto depois de terem feito fogo sobre
o destacamento de trota pracas qae guardava a
respectiva cadeia, matando lhes quatro horneas e
feriado^ outros, recommendo a V.S. que se diri-
ja para aquella villa, aflm de qae d todas as pro-
videncias no sentido de serem preses e punidos na
forma da le, todos aquellos que se acbarem em
colpa por aquelles fados.
N. 930.Dito ao desembargador Jos Pelippe
de Souza Leo.A bem do servigo publico recom-
mendo a V. S. que entre em exercicio, indepen-
diente de titulo, que apresentara no prazo de tres
mezes contados tiesta data.
N. 931.Dito ao commandante superior do Re-
cite.Respondendo ao offlcio de V. S. de bontem
datado, cbeme dizer-lbe que os dous esquadr"es
da guarda nacional nao esto coraprehendidos na
ordem a que V. S. se refere, qae as dsposigoes dos
l,2e 3 do art. 121 da lei o. 602 de 19 de setem-
bro de 1850 abrangem tambem o? offlciaes de filei-
ra, e flualmente que os batalhoes 7* e 83 devem a-
qaartellar cora o corpo de polica, o 3' na fortale-
za das Cinco Ponas, o 4 e 6- no quartel do Hos-
picio e o 5' na Solidada.
N. 932__Dito ao mesmo.Era aditamento ao
mea offlcio dasta data declaro a Y. S. qae o 1 ba-
taibo de infantana da guarda nacional desta ca-
pital devem aquartellar com o 4o e 6* bataiho no
quartel do Hospicio.
N. 933 Dito ao mesmo.Constaudo-rae qae
V. S. conceder dous mezes de licenga ao guarda
do 1* esqaadrao da guarda nacional desta capital
Joaqaim Antonio de Olivira, a quera maodei re-
volber a pnsao e submetter a conseibo de discipli-
na pela insabordinaco que commeiteu, baja V. S.
de inlorraar-me a semelbante respeito, e bem as-
sim qaal o andamento qae tem tido o proeesso do
predito couselbo de disciplina.
N. 931.Dito ao mesmo.-Expeca V. S. as suas
ordens para que sigam cora toda a urgencia para a
villa de Pao d'Alho, a disposiQao do respectivo dele-
gado, qaareota pracas do batalho n. 5 da guarda
nacional deste muoieiplo, coramanladas por um
offiVial de confliaQa.
N. 933.Dito ao mesmo.Recommendo a V. S.
que alem das qoarentas pracas da guarda nacionrl
do batalho n. 5 de qae trata o mea offlcio desta
data, faga seguir raais cera do raesrao batalho.
N. 936.Dito ao commandante superior de O-
lida.Teado um grapo de borneas armados ac-
commettido a cadeia da villa de Ps d'Alho, fi-
zando fogo sobre a forra qae a guardava, recom-
mendo a V. S. a expedijao da suas ordens pra se-
guir quauto antes para aqaella villa disposi(o
do delegado, cem pragas do b*talno n. 11 do seu
commande superior, commandadas por orflciaes de
coatianga, devendo V. S. requisitar me quauto an-
tes o armamento e muoic.'s necessarias se por
acaso nao as tiver aquella batalbao.
N. 937,Dito ao commandante superior do Ca-
bo.Expega V. S. as convenientes ordens para qoe
pelo batalbao n. 40 da guarda nacisnal sob seu
-commaudo superior, sejam po.-t is a' disposu; io do
delegado de polica do termo de Serinbaem mais
cincoeota pravas, e bem assim que apelle com-
mandante preste ao delegado do termo de Ipojaca
a torga que por este (or reqaisltado para o servigo
do recrutamento.
N. 938.Circular a todos os comraandantes su-
periores.Em observancia do qae foi determinado
por aviso do ministerio da instiga de 13 deste mei
declaro a V. S., para qae o faga executar que Q.
-cam suspensa?, emqaanto o contrario nao for de-
terminado, Todas as licengas e dispensas do ser vi
go, concedidas a guardas que nao forem operarios
dos arsenaes de guerra e marlnba' ou de -stauele-
Omentos particulares encarregados de obras e ser-
vigns que lenham relagio immadiata com a guer-
ra do Paraguay.
N. 939.Dito ao commandante do batalbao n. 5
da guarda naoional do Recite.Expedindo ordem
nesta data ao commandante superior da guarda
nacional deste municipio para que sigam qaanlo
antes para Po d'Albo, a' disposigo do respectivo
delegado quarenta pracas do san baulhao, com-
mandadas por um ofcial de confunga recommen-
do a Vmc. que trate de preparar desde ja essa tor-
ga, abm de nao baver demora na sua ida para a-
pella villa,
N. 941.Dito ao commandante do corpo provi-
sorio de polica.Autoriso Vmc. a engajar no cor-
po sob seu commando, o paisano Tolentlno Perrel-
ra BessoDi, que foi julgado eapatem inspecgo de
saude.
N. 912.Dito ao caplo Manoel Joaquim de
Castro MadeiraRecommendo a Vmc. que ap/es-
se a sua marcha para a villa do Pao d'Albo, aflm
deebegar all com a mxima brevidade possivel
visto a nscessidade urgente, que tem o delegado
de polica daqnelie termo, do auxilio da torga coro-
mandada por Vmc. para reforgar o destacamento
que guarda a cadeia daquella villa, e que segando
noticia qne hoja corre, tora aggredida por um
grupo armado qae zeram fogo sobre o referido
destacamento.
N. 943.D[a-ao joii de direito interino da co-
marca de Garannuns.Respondendo ao offieio de
7 de Janeiro ultimo com que Vmc. ma remetten o
termo de contracto celebrado com o tenente-coro-
el 'f bomaz de Aquino Cavalcanle para a factura
do edificio qae na villa do Baique deve servir de
cadeia, casa da cmara municipal, e tribunal do
jury, tenho de dizer que approvo esse contracto
com as modlflcagSes feitas pelo chefe da repart-
gao das obras publicas na informagao junta por co-
pla, datada de 21 de Janeiro oltimo sob n. 18, as
qaaes foram accedas pelo eentractante como se v<
do offlcio tambem junto por copia.
N. 944.Dito ao 2* tenente do 1* bataibo de
artilbaeia da guarda nacional do Recite Arrainio
Passoa de Alnuqaerque.Recommendo a Vmc.
qoe apresse a sua marcha para a villa de Pao d'A-
lho, aflm de chegar all boje mesmo, visto a neces-
sidade urgente que tem o delegado de polica da-
qnelie termo, do auxilio de fprga commaodada por
Vmc. para reforgar o destacamento qne all guar-
da* cadeia.
3' seccSo.
N. 945.Offlcio ao inspector da tbesouraria de
azenda__Remetta-me V. S. aflm de ser enviado
ao Exm. presidente das Alagdas que a reqositoa
m offlcio de 13 do crrante a goia do soJt&o>rer
formado Manoel Soares de Souza. qne segnio para
aquella provincia.
N. 910. Dito ao mesmo. Remeti a' V. S.
para o fira conveniente a inclusa guia do ex-capi-
to do 51a corpo de voluntarios da patria Ignacio
Prutos dos Santos Soares, satisfago o que exigi a
contadoria dessa repartigo no seu offfcio a qua se
refere a informagao prestada por V. S. em 20 de
novembro ultimo, sob n. 681, sobre o requerimien-
to em que o referido x-capito pedia pagamento
do que vencen quando commandante- em campa-
nha o referido corpo, convindo observar qoe se-
gundo consta de aviso do ministerio da guerra de
11 do correte, a este official se abonou em Moote-
vdo a quantia de 60$ em data de 28 de (everetro
do anno prximo passado.
N. 947.Dito ao mesmo.Nesta data e a bem
do sarvgo publico, recommendo ao desembarga-
dor remevido para a relaco dasta provincia, Jos
Felippe da Souza Leo, que entre no exercicio de
seu cargo independente de titulo, que apresentara
no prazo de 3 mezes: o qoe a' V. S. communico
para seu conbecimento. <
N. 948.Dito ao mesmo.E vista de sua in-
formagao de bontem seb 0. Ia7fdada cora referen-
cia a' da contadoria dessa thesonraria, autoriso V.
S. a mandar pagar ao earcereiro da cadeia do ter-
mo do Pao d'Alho Francisco de Assis Campos Cos-
dem, os vencimenlos a que tiver elle direito.
N. 949.Dito ao raesrao.Acensando recebido o
offlcio de 20 do correte, com qae V. S. me raraet-
teu um exemplar do relalorio dessa inspectora,
agradeco-lhe esta efferta.
N. 950.Dito ao inspector da-thesonraria pro-
vincial.Recommendo a' V. S. qoe em vista do
pret junto em doplicata, e nao ha vendo inconve-
niente, mande pagar a Jerooymo Pereira Maris
ou Evaristo Mandes da Cunha, conforme solicitoa o
comraaadante superior da comarca do Brejo da Ma-
dre de Dos em offlcio de 25 da corrate, os venci-
menlos relativos ao mez de fevereiro ultimo dos
guardas oacionaes destacados naquella villa.
N. 951.Dito bo ebefe da repartigo das obras
publicas.Mande V. S. fazer cora urgencia os con*
certos precisos nos bicos do gaz do quartel do Hos-
picio e collocar outros as coxias e prisoss do mes-
mo quartel, como solicitou-me o general comman-
dante das armas em offlcio de 21 do correlo, sob
n. 438.
4* secgo.
N. 953.Dito ao Esra. presidente da provincia
do Rio de Janeiro. Cora a copla da intormago
n. 25, ministrada era 14 deste mez, pelo comman-
dante do presidio de Femando, transmiti a' V.
Exc. aflm de que, de conforraidade com o decreto
n. 2,566 de 28 de margo de 1860, tenha o conve-
niente destino o incluso reqoerimenlo era que o
sentenciado dessa provincia Joaquim da Cruz Lima
pede psrdo da pena qae esta' cumpriado naquelle
presidio.
N. 954.Dito ao Exm. presidente da provincia
da Baha. Accqso recebido com o offlcio de V
Exc. de 18 do correte, um exemplar do relalorio
cora que V. Exc. abri a assambla legislativa
dessa provincia no dia 11 desta mez.
. N. 955.Dito ao Eira. Sr. Dr. Joo Ferreira de
Moraes, primeiro vice-presidente da provincia da
Baha.Pelo seo offlcio de 19 do correte, flquei
inleirado de baver V. Exc. nessa data assamido a
adrainistrago dessa provincia na qualidade de sea
primeiro vice-presidente.
N. 956.Dito ao Exm. presidente da provincia
do Ceara'.Communico a' V. Exc. em additamen-
to ao meu olflcio de 18 do correte, que attenden-
do ao que me ponderou em offlcio incluso por co-
pia o gerente da Companbia Pernambucana a na-
cessidade de atfixar-se a bem dus interesses do
commercio os dias de sahidas dos vapores para os
porto3 do norte, resolv approvar o que propoz a
mesma companbia po citado offieio.
N. 957.Dito ao director geral da instrncoao
publica.Em vista de sua informarlo de 21 do
correte, sob n. 109, dada com referencia ao re-
quer meato de Flix de Valois Correa, e atienden-
do a' que foi elle approvado pelos professores no
same da habilitagao a qua se submetteo, resolv
deferir o peticionario, aflm de que se lha passe o
titulo de habilitagao : o qae communico a Vmc.
para os flus convenientes.
N. 958.Dito aos agentes da Corapanhia Brasl-
leira de paquetes a vapor.Pdem Vmc3. fazer se-
guir para os portos do norte o vapor Tocmlins,
araanba, a' hora indicada em sea offlcio de boje.
N. 939.Dito ao gerente da Companbia Peraam-
bacana.Approvo, como Vmc. prpoe em seu offl-
cio de boje datado, que as sahidas dos vapores des-
sa companbia para os portos do norte sejam nos
dias 15 e 30 de cada mez, aflu de levarem para
all as malas qae os vapores transatlnticos trou-
xerem da Europa como das qae vierem pelos mes-
aos dos portos do sol, po lalo essa compaohia fa-
zer desde ja' os respectivos annaucios para seme-
lbante tira.
N. 960.Portara__Os Srs. agentes da Compa-
nbia Brasileira de paquetes man Jam por a' dispo-
sigo do eoronel Francisco de Paula Souza Leo
at o Ceara' no vapor Tocanltns urna passagem de
estado a r e dnas de prda.
N. 961.Dita.-Os Srs. agentes da Corapanhia
Brasileira de paquetes mandem dar urna passagem
de estado a re at o Maranbo no vapor Tocantms
a Serveliaoo de Faria Castro.
Expediento do secretario do gorerno do dia 22 de
margo de 1867.
1* secgo.
N. 962.Offlcio ao Exm. Sr. general comman-
dante das armas.-S. Exc. o Sr. conselheiro presi-
dente da provincia, manda declarar a V. Exc. que
por despacho desta data conceden seis dias de
prazo para provar isengo legal ao recruta Vicente
Nogueira Ramos.
N. 963.Dito ao mesmo.Da ordem de S. Exc.
o Sr. eonselbeiro presidente da provincia declaro a
V. Etc. em resposta ao sea offlcio de 31 ao cor-
rente,' sob d. 434, qoe ne-t d;ta Oca expedida a
conveniente ordem ao director das obras publicas
para mandar fazer com urgencia os concertos pre-
cisos nos bicos de gaz do quartel do Hospicio como
V. Exc. solicitoa em seu citado offlcio.
>". 964.Dito ao mesmo.S. Exc. o Sr. conse-
lheiro presidente da provincia, autorisando o di-
rector interino do arsenal de guerra a mandar
conduzir para o quartel do deposito de recrutas os
utensilios qae com destino ao mesmo deposito', se
aebam promplos n'aquelle arsenal; assim o manda
commnmcar a V. Exc. da ordem do mesmo
Exm. Sr.
N. 965.Dito ao director do arsenal de guerra-
De ordem do Exm. Sr. eonselbeiro presidente da
provincia, recommendo a V. S. que faga entregar
o armamento que se mandoa nesta data fernecer
ao commandante do 5.* bataibo da guarda nacio-
nal deste municipio s pessoas que por parte
d'aauelle commandante ah se apresentarem a
quaiquer hora, aluda mesmo noite.
2* secgo.
N. 966 Offlcio ao commandante superior do
BrejoO Ex, sr. eonselbeiro presidente da pro-
vincia, manda declarara V. S. em resposta ao seu
offlcio de 5 docorrente, que a tbesouraria provin-
cial tem ordem para pagar os vencimentos cons-
tantes do pret que em duplcala veio annexo ao
citado offlcio.
3 secgo.
N. 967.Offlcio ao inspector da thesonraria de
fazenda.S. Exc. o Sr. eonselbeiro presidente da
provincia, manda transmtuir a> V. S. as 4 inclusas
erdeos, sendo 1 do tbesooro nacional sob o. 38, 2
do ministerio da auorra, datadas de 13 do correa-
te, o 1 em duplcala e sob n. 538, expedidas pela
repartigo do ajodante general bem como um of-
flcio do ecretarlo
deste mez.
do ministerio da fazenda de t
UOVKKXO DO BINPADO.
SEDE VACANTE.
COPIA DE ALGUNS DOS DESPACHOS DADOS PELO IIVM.
SR. COXEGO GOVERNADOR DO RISPADO, DE 16 AO
ULTIMO DE JDNHO FINDO.
Hvd. Joo Mana Esperanga, tendo chegado re-
centemente da Italia, pede permissopara exercer
ordens
as ordens sacras naste bispado.Tendo me in-
formado da idoneidade do Rvd. supplicante, e sen-,t
do-rae abonada a sua conducta pelos Rvds. missioJ 'oao eI.sabe.l. amboi escravos do finado Antonio da
narios Jesnitas italianos residentes nesta cidade,
concedo licenga ao supplicante para celebrar o san-
to sacrificio da missa, ea-quanto o contrario Ihe
nao fr determinado.
Manoel Francisco de Panla, achando-se em pari-
go de vida, e tendo em sua companbia Genoveva
Rodrigues Sette, e querendo com ella casar-se,
aflm de desencarregar a sua consclencia, pede dis-
pensa de proclamas.O Rvd. vigario de S. Jos,
Informando-sa do medico do supplicante sobre o
estado do enfermo, declare se com effeilo se acba o
nobente em perlgo de vida, d onde sao naturaes
estes nubentes, se vieram solteiros livres a desem-
pedidos, e se tera-se conservado taes, e finalmente
se pode sera receio edneeder-se esta dispensa abso-
luta da proclamas.
Ayres Ferreira, querendo casar-se com Isabella
Miraodena Glausen, e acbando se prestes a partir
para o matto por coaselbo dos mdicos, requer
dispensa de proclamas desta cidade e da naturali-
dada do supplicante, que portuguez.Autjado
justifique ter vindo solteiro, livre e desimpedido do
lugar de seu natural, e o Rvd. escrivo d vista
Quanto a' dispensa de proclamas desta cidade,'nao
tsm lugar.
Manoel Jos Marques, requerendo dispensa de
dous proclamas para se casar cora Umbelma dos
Anjos Pessoa, visto ter de embarcar boje para o
sal como voluntario da patria.u Rvd. parocbo
da Boa-Vista me informe sobre a urgencia que ba
de concluir-se ja' este casamento, e se nao ba im-
pedimento algum que os embarace de o realisa-
rera; e finalmente se conveniente concederse a
dispensa dos dous proclamas. .
mesmo.O Rvd. vigario do Corpo Santo in-
forme se na sna matriz foi corrido algara proclama
destes contrabentes.
O mesmo.Corrido no Corpo Santo o segando
proclama no prximo dia santificado, e astandocor-
ridos todos os das demais fregnezias sera impedi-
mento, dispenso o tereeiro proclama da menciona-
da fregnezia do Corpo Santo, nao apparacendo im-
pedimento.
Umbelma dos Anjos Pessoa, pede dispensa da
certido de baptismo para casar se com Manoel
Jos Marques__Dispenso a certido de baptismo
da supplicante para o Ara mencionado.
Leoncio de Hollanda de Albuquerque Maranho,
morador oa fragaeaia da Palraeira dos Indios, pede
dispensa de proclamas para se casar D. rsula
Maria da Concelgo.Havendo no crreme mez
diversos dias santificados, que moilo abrevlam o
terapo os denunclagoes ; o morando o supplicante
83 leguas distante desta capital, nada pode escosa-
lo de correr os proclamas.
Francisco das Chagas Mendes, morador em Ma-
ranguape, querendo casar sua sobrinha Maria
Rosa da Cooceigo com Severiaoo Antonio Maciel
Montairo, e nao encontrando certido da baptismo,
pede dispensa d'ella.Dispenso a certido de bap-
tismo, nao havendo impedimento algum, e sendo
apresentada ao Rvd. panocho a lieeoga do jaiz de
orpbos.
Joo Francisco Lopes, senhor do engenho Giqui
freguezia da Escada, tendo levantado arai capella
em seu engeoho para se celebrar oos domingos e
dias santflcidos o santo sacrificio da missa, pede
qae dita capaila seja examinada pelo Rvd. paro
cbo.O Rvd. paroebo informe se a capella lera a
decencia necessaria, e se esta' provida de para-
mantos e utencilios para a celebrago da missa.
Informa mals se tem patrimonio cannico.
Thomaz Jos de Aquino, morador em Paoellas,
pede que mande certificar se pirante o governo
do bispado foi posto impedimento ao casamento do
orpho Joa Antonio Alves de Olivira com sua ti-
ln Maria Joaquina de Jess. Rvd. escriva-da
cmara ecclesiastica certifique do que constar. ^
Joaqaim Severino Cavalcanti de Albaquerqatu|
querendo celebrar o baptismo de urna sua filba, f
a filba do snpplicante de nome Ignacla, mande ao
Rvd. parocbo da freguezia dos Aflogados abrir no
competente livro o assento de baptismo de dita sna
filha. Prove qae nos livros da matriz se nao acha
o langameato de qae trata.
O mesmo.O Rvd. vigario dos Aflogados, i vis-
ta da certido inclusa, passada pelo Rvd. sacerdo-
te que adrainistrou o sacramento do baptismo
filba do snpplicante, lance no livro respectivo o
competente assento de baptismo da mesma sappli-
cada.
Joo Antonio da Costa Flgaeirda, pede para jus-
tificar perante o vigario da Le o casamento de
Cesta Fignelra, e cojo casamento leve logar em
1818.Tendo pertencido os escravos, a que alinda
a petigo, ao- finado Antonio da Costa Figeiida,
e nio declarando o supplicante em que qualidade
se apratenia para proceder a esta justifleacao, ss
taes escravos anda exiMem e se Ibe pertence oa
pertencero, declare o fira para qae pretende a jas-
liflcago requerida.
Manoel Jos da Motta, nao tendo achado assento
de sea casamento na Matriz de S. Jos pede qae
mande abrir no competente livro da mesma fre-
guezia dito assento.
O Rvm. conego vigario da Boa-Vista declare se
se lembra quaes foram as lestemunbas.e se, como
me dizem, foi este o nico casamanto ti qne o mes-
mo Rvd. vigario assistio na capella do Pombal, resi-
dencia do Exm. visconde de Suassuna, e com a li-
cenga do vigario de S. Jos.
O mesmo. O Rvd. vigario de S. Jos, ten-
do vista a declarago dada pelas testemunbas do
casamento do supplicante,e as duas informagSes do
Rvd. parocbo da Boa Vista, que de licenga do
panocho respectivo assistio ao casamento, abra
no livro competente o assento de casamento cora
todas as declaragoes de direito.
Joaquim da Costa Brandao, natural da freguezia
da Victoria, cidade do Porto, querendo casarse
nesta cidade do Recite, freguezia de S. Pedro Gon
calves, aprsenla certido de bito de saa primelra
molber, e pede que seja admltida dita certido de
bito para poder passar a' segundas nupcias. In-
forme o Rvd. vigario de S. Pedro Gongalves.
O mesmo.O Rv& pancho emita o sen juizo
sobre a autbenlicidade da certido de bito junta.
O mesmo.A' vista da informagao do Rvd. pa-
rocbo, jolgo valida a certido de bito da primeira
mulher do snpplicante para os fias que pre-
tende.
.0 Kvd. Joo Francisco do Espirito Santo, tend
sido-novamente nomeado coadjutor da freguezia de
Santo Amaro dejaboato pelo respectivo parocbo,
pede que lbe mande passar a competente proviso.
Quaudo me for devidamente proposto pelo Rvd.
parocbb, nao terel duvida era nomea-to. O Exm.
Sr. D. Manoel prohibi expresamente que os pa-
rochos noraeassem coadjutores.
O raesrao.Passe proviso, visto ter sido devi-
damente proposto palo Rvd. parocho.

PERNAMBUCO
m
*oj o de o. 11'* deste anno, qua autorisa o pre
baptismo administrado m sua casa era oratorio
privado, aflm da nio passar do tampo marcado
pela consiiroigo do-a-cebispado para os baptisa-
mentos.Se a raadrinha se acha doente ple dar
procuragao a' urna pessoa, para qua a sabslitua
no acto do baptismo, o qaal deste modo pode rea-
lisar-se dentro do lempo marcado pela constiluigo
do arcebispado, citada pelo supplicante, e de con-
forraidade com o que em taes casos determina a
mesma constitoigo.
Lu* Pedro Alexandrino de Meira, tendo sido
bapiisado em artigo de morte um seu filho, pelo
Rvd. vigario de S. Jos, pede permissSs para se-
rem applicados os santos leos a' mesma crian-
ga pelo Rvd. prior do convento do Carmo de Olio-
da, servindo de padrinbo o mesma Rvd. prior ofi-
ciante.Nao tem lugar, nam o sacerdote qae ira-
poe simplesraente os santos oaos a' crianja' ji
baplisada em artig de morte, pode cootrabir pa-
rentesco algum, qur com os pais, qur com a
mesma changa.
Carlos Francisco Ferreira Borges, tendo presta-
do flanea a banbos da naturalidade, e tendo.-os
agora apresentado pede desobriga delles. Diga o
Rvd. escrivo da cmara ecclesiastica.
O mesmo.Seja desobngado da flanga, na con-
forraidade da informagao.
Rvd. vigario Gamillo de Mondonga Furtado, ten-
do permutado a sua freguezia de Campia Grande
cora a de S. Miguel do Tap, tebdo sido approva-
da a permuta pelo governo imperial e havendo
chegado a carta de apresentago do Rvd. vigario do
Taip para se eollar na freuezia do supplicante,
pede qoe nao proceda a' dita coilago em quanto
nao chegar tambem a carta para o supplicante ser
collado na freguezia do Taip.Mtrco o prazo at
14 de setembro prximo, em que completara seis
mezes desde o dia era qae baixoa b decreto de
aceitago da permuta, e apresentago de ambos,
para ento serem collados.
Clandino Marques Vianna, tendo o professor de
msica Ananlas Emiliano de Aodrade Guerra obtl-
do proviso de raestre de capella de S. Miguel de
REVISTA DIARIA*
Fanccioooa bontem a assembla provincial cora
25 depntados.
Lida e approvada a acta da antecedente o Sr. se-
cretorio deciarou nao baver expediente.
Foi tldo e apmado um parecer da commisso
de obras publicas, qua conclue por um projecto
autorisando o presidente da provincia a mandar
pagar a Vicente Ferreira da Costa Miranda, arre-
matante de 300 brag\s da estrada do sol a quantia
de 249.3 i71 de cusas judiciaes; e considerado oh-
jecto de deliberago um projecto, creando na co-
marca do Limoeiro os municipios de Bom Jardim
e de Taquaretioga, sendo elevadas a cathegora de
villas as povoagoes de Bom Jardim e de Varenles.
Era seguida approvou as redacgfies dos projactos
ns. 109 deste anno que approva diversos crditos
suppleraantares ao orgamento vigente e 87 tambera
deste anno que conceda mais urna lotera de.....
400:0005 a beneficio das familias dos voluntarios
da patria. .
Passando a ordem do da approvou era 3' dis-
cusso com urna emenda o projecto de n. 4 de
1864, depois da sobre elle fallar o Sr. Drummond
Bento Jos da Costa Juaior ou cora quera melho
res vanugens offerecer a collocago de trilbos ur-
banos desta cidade a terminar na povoago de
Santo Amaro de Jaboato, sendo dispensado do in-
tersticio a requeriraanto do Sr. Ramos; em 3" o de
n. 51 de 1864, que crea um imposto addicional de
3 % com applicago ao asylo de mendicidad-;-; em
2' o de n. 100 de 1864, que al tora os limites das
fregnezias do Bonito e Bezerros, dispensado o in-
tersticio a requerimento do Sr. J. do Reg Barros;
em 2* o de n. 104 deste anno que iaterpreta a iei
n. 550 de 1861; em 1* o de n. 111 tambem dasta
anno, que manda dar a gratificago de 6005 a0
procurador da coroa e soberana nacional; em 3*
o de n. 81 do anno passado, que regula a aposenta-
doria dos collectores e escrives ; em 1' as emen-
das apresentadas em 3* ao orgamento municipal ;
em 2* o de n. 61 deste anno, qoe concede um aba-
te ao arrematante dos impostos municipaes de Pao
d'Alho, fallando em favor do projecto o Sr. Gitirao-
na, dispensado do interst co a requerimento do
Sr. Eraigdio Marques; em 2> o da n. 79, qoe crea
urna cadeira da lingua franceza para o sexo ferai-
nino nesia cidade, cora um additivo creando urna
cadeira de latim em Caruar, dispensado do inters-
ticio a requerimento do Sr. Cicero; em 3* o de n.
66 que crea diversas cade,ras de instruego prima-
rla ; em 2" o de n. 91, que extingue o 2 districto
d) paz de Jaboato, dispensado do Intersticio a re-
querimento do Sr. Soares Brandad; em 2* o den.
99, qae manda pertencer a freguezia do Cabo os
terrenos do engenho Massangana, qae boje penen*
cem a de Ipojuca, mandando-se.oovir sobre os ad-
ditivos offarecios ao mesmo projecto ao governa-
dor do bispado ; e finalmente entrando em 2* lis-
cusso o de n. 31 do presente anno, que concede
nma gratificago ao colaborador da secretaria do
governo, flcou adiado por verifiar-se nao baver
casa.
Levantou-se. a sesso as 2 1/2 horas da tarde,
designando para ordem do dia segointe, alm da
anterior, mais a 2* discussao dos projee los ns. 111
e 114, e 3* dos de ns. 61,79, 91 e 104 deste anno
e o de n. 100 de 1864.
Campos das Alagoas, e querendo dito Anaoias
prohibir que o supplicante exerga era dita capella Os estudantes babianos reunirara-se, como ti-
sua proflsso de msico, pede providencias a re3- nbamos annunclado, no dia 2* de jalho, e mstalla-
peilo.A proviso de raestre de capella passada a ram urna asso^iago patritica, cojo louvavel fira
favor de Ananias Emiliano nao Inhiba a quaiquer solearais annualmente aquello dia, que, sendo o
ontro chefe de msica de se encarregar da muaica anniversario da Independencia de sna provincia,
de quaiquer feslividade para que for convidado. nm dos mais memoraveis em a nossa historia, por-
Gullbermina da Silva e Cunha, pedindo para dar que sellou, e foi o epilogo da nossa emancipagao
a justificago de seu baptismo perante o gario da poltica.
freguezia de Cimbres visto nao so ter achado a
certido de baptismo. Passe mandado de com-
misso para o Rvd. vigario de Cimbres tamar o
depoimento das testemunbas, sendo a justificago
Joleada por este juizo.
Thomaz Jos da Aquino queixando-se de que o
vigario de Papacaca nao tem dado a certido de
baptisMo de JoSo Antonio Alves de Olivira.Diga
o Rvd. vigario de Papacaga, qaal a raiao porque
tem deixado de dar ao supplicante a certido re-
querida.
Capitao Fyaacisc* das Chagas Cavalcanti Pessoa.
pede qnerst vista da cert.idjto passada pelo Rvd.
Simo da Aj>j*.Jo Ci.Mjj.qae bapi'soa em 4%9-
Nesse louvavel intuito sao os estudantes brda-
nos efflcazmenie auxiliados pelos outros seas com-
provincianos, aqoi residentes; oque a todos honra
bastante.
O dia 2 da jalho um dia de todos os Brasilei-
ros. Se 4 Babia coube a gloria de ser o tbeatro
doi prodigiosos feitos de valor nelle operados, nem
por isso as demais provincias soas irmas deixaram
de ter parte nesta grande acontecimanto, visto como
elle rematou o drama da llberdade do Imperio ; e
Pernambuco se ataa de ter sido quinboeiro dos
trabalhos e glorias, qae se completaran naqnella
dia, sendo all representado pela saa columna au-
xiliadora, ao mando do distincto veterano coronel
Jos de Barros, qae tanto llustroo aquella cam
panba.
Por outro lado convm manter na memoria do
povo essas doces lembrangas, qae podem desper-
tar grandes virtudes cvicas, e effeclivamente ali-
mentan) o patriotismo que nunca se deve deixar
amortecer.
Todos os babianos indistmetamente sao convida-
do de novo para se inscreverem na associago,
para o qoe se podem dirigir a quaiquer dos seas
directores.
Os fonecionarios da sociedade patritica Dous de
Julho, eleitos na referida reunio, foram o acad-
mico Lodrengo Gomes de Araujo, presidente ; e os
acadmicos Aristides A. Mi I ton, e Joo BapsiaGoi-
mares, 1 e 2* secretarios.
A commisso dos festejos de 1868 compoe-se dos
Srs. : ur. Joo A. de Araujo Freitas Henriques, te-
nente-eoronel Domingos Alves Matbens, Dr. Anto-
nio Duarto da Silva, negociante Francisco Melcbia-
des de Cerqueira, acadmicos Aristides Augnsto
Milton, Loorengo Giraos de Araojo e Silva e Luiz
Duarte da Silva.
A commisso de contas composta dos acade-
mjcos Luiz Pereira de Araoje, Antonio Calmon A.
Goss, Jo> Leopoldno de Qaeiroz, Francisco de
Moncorvo e Lima e Antonio F. Souza Braga.
Saadando a icaugurago da sociedade patritica,
taremos votos para que ella realise o bello flm a
que se propOe.
Hoja reune-se o Instituto Archeologico e Geo-
graphlco Pernambucano em sesso ordinaria.
Vagou o lug: v de interprete do commercio
por morte do respectivo tunecionario, achando-se o
lugar em concurso de provimento.
Com data de 29 de majo escrevem de Cor-
rientes o segointe :
< Depois da noticia que ta del da chegada do
Ozorio a Itat, e da ida do Caxias para conferenciar
cora elle, nada mais tenbo sabido; roas eu creio
que mui breve bavemos de ter alguma cousa de
importante, porque nao possivel que o nosso ge-
neral qaeira comprometer o exerclto a mesma
sorte desastrosa que teve o exereito francez em
Cartbageoa no anno de 1741 e o ioglez na guerra
burmeza em 1824.
< A febre intermitente e o escorbuto iuvadiram
fortemente o nosso acampamento e Influenciando
de um modoepidmicoesio derribando os nos-
sos militares com especlalidade os recrutas e jovens
soldados nao aguerridos as vicissltades atmospbe-
ricas, as fadigas e as prlvagoes.
Desie modo nao crivel qae os nossos mare-
chaes delxem de approximar os raovimentos da no-
va campanil.
< Mas cousa notavel e sobre maoeira edificante
peto coronarlo : a causa primordial destes males
esta' na' deficiencia ou m qualidade das ragdes
alimentares, favorecida com outras influencias, taes
como : o despreso a' hygieoe, a' ma' collocago do
acampamento, os rigores da disciplina, as fadigas
inuieis e s imprudencias a que o soldado em cara-
panha abandona-se cora tanta facilidade.
< Antes, durante, e depois da batalha, diz um
escriplor moderno, a disciplina a melbor protec-
go do soldado, ella prepara a victoria, a dicide e
delta se uiilisa para poupar-se o sangue dos com-
batentes; sem ella as desfeilas toroam-se derrotas!
e as retiradas desastrosas.
Assim por todas estas causas "que o nosso
exereito que anda ba pouco terapo centava cerca
de 40 mil bomens aguerridos'^-eapazes de obra-1
rera prodigios de valor, hoja petera' contar 26 mil, I
e destes apenas 12 a 15 raujmbateaies f
Os bospitaes que paresfc* ncar mais alivia-
dos com o desappareeimentofldo cbolera-morbas,
principian a sar oceupados com as novas victimas
das epidemias dafebre intermitente e escorbuto
e alguDs casos de rbeumatismopara as quaes nao
hasulpbato de quinino, era plantas e suecos an-
ti-escorouticas e nem iodoreto de potassio para com-J
bate lasa nem to pouco a tabella de dietas or-
ganisada de modo para poder satisfazer os casos de
semelbante natureza.
< Anda mais podendo todas essas taitas ser de
alguma lorraa reparadas com a transferencia des-
ses doentas para os ares patrios, que talvez bastas-
se para restabelece-los, deixam-os c ficar quando
qoasi todas as semanas esto descendo vapores va-
stos em que j podiam ter ido mals de 300 destes
Intelzes I
< Falla-se qae os bospitaes da cidade de Cor-
rientes em virtade de estarem mal construidos,
collocados n centro do commercio, e tora loteira-
mente das conveniencias hygienicas vo ser mu-
dadas para o Itapiru' e Chocarita e eslou quasl
dando crad.to a noticia, visto urna pessoa habilitada
ter-me aflaogado que no mesmo sentido o governa-
dor desta provincia ja' havia representado ao raar-
quez de Caxias, que muito o atienden.
< O brigadeiro Manoel Feliciano Pereira de Car-
valbo, ebefe do corpo de saude, apezar de andar
doente vaio um dia destes visitar o hospital do Sa-
ladero, e tal foi o seu cootentamento pelo aceio e
boa ordem era que encontrn as enfermaras que
nao pode deixar de, na occasio de retirar se, elo-
giar o 1* medico teneote-coroael Jacntinga e todos
os mais facultativos de sua secgo, e de accrescen-
tar que nao precisavamos de outro hospital em
Corrientes, assim quizessem satisfazer os desejos
que desde o principio rasstrou por essa idea, e
cumprir as suas iustrucgdes. Esta manitestago
nao deve agradar o embusteiro da cidade que faz
questo do lugar, e conta patranhas para nao o se-
pararen] da comadre.
30.A ultima hora.Hontem e boje tem ba-
vido um bombardao como bem poncas vezes; sop-
pde-se qoe, tendo crescido demasiadammle o rio,
ao ponto daraosso exereito ver-se obrigado a procu-
rar novas posigoas, os paraguayos se soubessem
aproveltar da occasio para nos encommoda-
rem.
t Sao estas as minhas supposlgdas, mas sejam
ellas qaaes forem, o resaltado que o nosso exer-
eito val a soffrer agora mais das sesdas e do es-
corbuto em consequencia do alagamento do acara
pamento e dos miasmas qoe bao de se desenvolver
iofallivelmente depois.
< Vamos mui mal, o toda a demora qae boaver
em atacar o inimigo nos ser fatal.
> Nao sera' nanea com os novos reforgos que
forem ebegando qae se eneberam as tacanas dos
que forem morrendo pelas razoes qae j acabe de
dizer qae os recrutas sao os qae menos resistem as
vicissitudes atmospheriess, etc., etc.
< Termino dando-lhe a inste nova de ter morri-
do da actual epidemia defebre palustreo nosso
patricio Joaquim de Mello, tenente do 51*. Veio
bontem em muito mo estado do acampamento,
com mais 40 companheiros offlciaes para morrer
hoje neste hospital, do qaal medico o Dr. Ma-
duro.
O hospital estava com 900 e tantos doentes, e
a saa mortalidaae diaria sendo de 2 a 5 por dia,
boje coro duas carregagoes ao acampamento ebe-
gadas nesta semana intervalando urna da oulra 2
das, esta' com 1400 e a sua morlalidade passando
a ser de 10 a 15. Por esse andar, breve vamos a
ter os 4000 doentes dos mezes atazados e a vermos
estabelecido para o recebimento desses intelzes o
jamis esquecido systema barracaltumba.
t Disseram-me qne o marqaez de Caxias tinha
partido para o Passo da Patria para ter orna con-
ferencia cora o baro do Herval, por ter este che-
gado e que antes dfsso, havia mandado assestar to-
da a artilliaria as bateras, como que indicando
nesta ordem comego de operagoes.
< Diz-se que o Herval apenas tara' ons 3200 ho-
raens, mas que reunidos a torga de Poriinho, que
ha mezes ji o espera va em Itati, prefaro ora total
de 8000 bomens, gente mais- que su luciente para
operar na passagem do rio Paran, combinando as-
operagSes de flanco com o exereito da frente e Cu-
ruin'.
< Ap/esentaram-se IS transfngas paraguayos.
Lpez teme j ono6so- movimeoto de flanea e; por
Isso fortifica a toda a pressa S. Solano.
i O marqaez disse, qae dar* a acgo, logo qne
a quadra sanitaria restabelega-se. Por esse lado
vamos melbor, pols o cholera esta' extracto.
Por baver eqoivoco no batanete do Novo
Banco publicado bentem, damos hoje de novo no
lugar competente.
A Esperanto, de Corrientes, assim se expri-
me sobre o corpo medico brasiieiro :
Em nosso dever de fazer semprejusliga aquera
a merece, nao desojamos passar em silencio o no-
bre proceder desenvolvido pilo corpo medico bra*
sileiro, existente nesta cidade, durante o tempo era
qne reinou o cholera, proceder que, nao. obstante
| ser peculiar ao carcter brasiieiro, se tornou mui
notavel, mesmo entre aquellas pessoas que consti-
tnem o diminutissirao numero de ioimigos dos nos-
sos leaes alliados.
t. Todos os mdicos brasileiros, sem exceptad
alguma, prestaram-se com a maior espontaneidades
a assistir a todas as pessoas accommettidas do ter-
rvel flagelio, nao cifraodo-se nisto s os seos ac-
tos humanitarios ; pois proporcionaran! sem inle-
resse algum a lodos os doentes nao so medicamen-
tos, como os melos de que crecerem em sua maior
pafle.
< Anda mais, sem embargo do grande trabalbo
que trabara do cumpriraento de deveres para com
os seus coocidados ; sem embargo de nao des-
cansaren) em assistir a toda a hora do dia e da
noite ao arrabalde desta cidade, aceitavam os con-
vites qae Ibes foram dirigidos por parte das socie-
dades de caridade creadas e qae se crearam.
Assim, pois, a Esperanza, em nome do povo
agradecido, se honra em dar as mais expressivas
ei5.nc*"es de reconheciroento ao corpo medi-
co brasilein, ">r to delicado e humanitario pro-
cedimento. K- ^
Numerago do* .'iteles da lotera 27*, offe-
recldos pelo tbesoureiro para anxilio dTtfgspezas
da guerra.---------
Bilbetes ns. 1,416 a 1,425.
Movimento de hospital de Nossa Senhora
da Conceigo dos Lazaros, do 1* a 30 de junbo
de 1867 :
Existiara 14 bomens e 11 mulher es, entrn 1
bomem, sabio i hornera, evadio-se 1 hornera, exis-
tem 13 bomens e 11 mulberes.Total 24.
Existem empregados no esubeleciraento 8, a
saber : oppello 1, medico 1, regente 1, dita 1,
barbeiro i.cosinheiro 1, serventes 2.
Foram visitadas as enfermaras pelo medico do
estabelecimento o Sr. Dr. Ignacio Firmo Xavier,
nos das segatntes: 3, 6, 10, 12, 15, 17, 19,21, 25
e 27.
' O mordono de mesa,
A. J. Gomes do Correio.
O regente,
Dtniz Ignacio P. dos Santos.
Movlmento do hospital Portuguez no mez de
junbo de 1867:
Existiara 27, entrarara 29, sahram 28, morreram
4, existen) 24.
Fallecern), de tubrculo 1,de hepatite-splente
de hydrotborco 1 e de tubrculos i.
REPAHTIQAO DA POLICA.
Extracto da parle do dia 3 de julho :
Foi recolhido a casa de detengo no dia- 2 do
crreme:
A' ordem do subdelegado de S. Jos, Clandino
Valentim Valdevino, como suspeito de ser desertor.
A' ordem do da Boa-vista, Angela Maria da Con-
celgo, para correcgo; Manoel Jos aiathias, a re-
quisigo do caplo do porto ; e Pompeo, escravo
de Jos Pereira de Miranda Cuaba, como indiciado
era crime de ronbo.O chefe da 2* secgo, /. G. de
Mesqutta.
tHIIOMCi JUD1CURU.
TRIBJf AI< DA BELAC&O
SESSO DE 26 DE JULHO DE 1867.
PRESIDENCIA DO BXM. SR. CONSELHEIRO SOUZA.
As 10 horas da manha, presentes os Srs. desem-
bargadores Gitirana, Guerra procurador da corda,
Lourengo Santiago, Alraeida Albuquerque, Motta,
Assis, Domiugues *. Silva e Souza Leo, tallando
os Srs. desembargadores Santiago e Ucbda Caval-
canle, a brio-se a sesso.
Passados os feitos deram-se os seguintes jura-
mentos :
APPELLAgSES cruces.Appellanle, o juio; ap
pellado, Pedro Jos DuarteA' novo jury. Appl-
lante, Joo Jos Marques; appellada, a jostlga.A-
novo jory.
Proeesso de respousabilidade contra o Dr. Eduar-
do Pindahiba de Mattos, por queixa de Pedro Ale-
xandrino da Costa Machado.Sortiados os Srs.
desembargadores Gitirana, Motta, Lonrengo San-
tiago.Improcedente.
habeas corpus, de Pedro Alexandrino da Costa
Moraes, foi concedido para a sesso de 6 do
coi rente.
deligencia chime.Com vista ao Sr. desembar-
gador procurador da jusliga.Appellanle, o jnizo;
appellado, Francisco Antonio da Silva.
Assignon-se dia para jalgamento dos seguales
feitos : '
APPELLagAo crime.Appellanle, Attico Januaho
Serragrande; appellada ajostiga.
PASSAGENS
' Do Sr. desembargador Gitirana ao Sr. desem-
bargador Guerra.Appellagao clvel: appellante,
Jos Jeronymo de Albuquerque; appellado, Fran-
cisco de Olivira Lima.
Do Sr. desembargador Lourengo Santiago ao Sr.
desembargador Almeida Albuquerque,Appelacao
crime: appellante, Guilherme Francisco d'Assis;
appellada, a jost'ga. Appellag5es civels: appel-
lante, o coronel Jos Antonio Machado; appellada,
a irmandade de Nossa Senhora das Dores. Appel-
lante, Jos dos Santos Neves; appellado, Manoel
Gongalves Ferreira e Silva.
Do Sr. desembargador Motta ao Sr. desembarga-
dor Assis.Appellagao crime: appellante, Jos Pe-
reir Batata; appellada, a jusliga.
Do Sr. desembargador Assis ao Sr. desembarga-
dor Domlngues da Silva__Appellagao clvel: ap-
pellante, Pedro por sea curador; appellado Emilio
Pereira de Araujo.
Do Sr. desembargador Assis ao Sr. desembarga-
dor Uchoa Cazcaleante.Appellagao civel: appel-
lante, os berdeiros de Francisco das Chsgis Caval-
canle ; appellado, Cbristovo Xavier Lopes.
Levantou-se a sesso a ama hora e meia da
tarde.
^------
JLondon & rasillas Bank, Li-
mited.
Capital do banco 15.0C0 aegdes
ese 100..........i....... 13.333:333*330
Accoes emittidas 13.090....... 11,555:555*550
Capital pago t.S 45 por acgSes. 5,200:000*000
BALANQO DA CAIXA FILIAL EU PKRNAMBCO
EU 23 DE JUNHO DE 1867.
ACTIVO.
Letras descontadas............ 1,125:853*750
Crditos sobre diversos outros
bancos e caixas flliaes....... 1,716:038*150
Caixa em moeda correte...... 553:646*270
R. 3,395:538*170
J


N..
__
-
-----------
DUrt*
* Quinta Mn
' ^i. !*r------------i----------
A e Jalho de 1867.
------------------------------------- -----------------------------------
-* ii i, pas*,vo- acaso P8g* S6 do peconmeoto ivre de com o pai, e por quem tofos matosas fo- de4ft<4B innho de 1668. "de el-rei D Pedro
-puai toroecido pela can ma m.9gmV) i Sr. general Abrea e Urna, e delle copure lrom /icos E como dizeis fue o tomo Deas' II, e do decreto de 3 de novembre de 1766,
Btwiios'.".!.*.".'.'.".'......'.*.'.'.' i,Mi:i33*580 fielmente a segualehorripilantepassagem : leo Deus deJesus Christo? Se isto oio deI.rei D. Jos. Como, em face destes
< Sabei, Sr. Padre Campos, qae ab'omi- | ignorarte.a crassa, demencia; se 5o de-
i,e8S-.5i6#700 t no o Deas do Judeos, o Deas feroz e
Cnditos diverso, oatros bancos
calas filiaos.........%.
Rs.
3,39S:538#170
S. E. e O.
Pernambuco, 3 do jalbo da 1867.
Theore Stmon, Accountanl.

28
NOVO BANCO DE PERSAMBIXO.
alncete de Noto Banca-ePernaiabnco, ei
de junhe de 1867. (')
ACTIVO.
Apolices da divida publica........ 870:8005000
Estrada de (erro ds Baha........ 131:074^706
Ttulos depositados...... 43:843550
Letras descontadas..... 469:i3M930
Letras protestadas..... 238:260*981
Banco da Babia N/C
Banco Mercantil Porloense.......
Aluguel de casa......
Tornecimeiiio .......
Juros.............................
Despezas geraes......
Caixa .... .....................
16:023*120
600*000
583*120
5:000*090
932*661
3:887*222
995:943*031
Reis.... 8,776:084*601
F1S31TO.
Capital................. 2,000:008*000
Smissao.......;................ 36:690*000
Letras por dinheiro recebido a
Juro/ .......................... 30:000*000
Contas corren tes com juros 353:080*289
Coota* crtenles simple.......... 89:2023814
Jundo de reserva...... I9:763*il9
Ttulos em cauco .
Knowles & Foster, ('e Londres.)
.Francisco de Figueiredo & C, do
Mo de Janeiro...,...........
Banco da Baha S/C ....
Massas fallidas cargo do Banco.
Dividendos........
Premios de saques e remessas...
Deacontos........................
43:845*350
15*270
63*358
40:521*800
fc164*597
5:5il*iw0
60*000
59:205*854
Ris. 2,776:081*601
Istado da cala.
Su ouro amoedado...... 9:174*070
Em notas do tbesouro de 10*000 213:490*000
Em ditas moltures..... 171:518*000
Em ditas da caixa filial do Ban-
co do Brasil....... 601:4405000
Em pratae cobre. 320*961
Ris. 995:943*031
Eemonstraeo da emisso.
It notas do valor de 200*000 19:600*000
4 > 100*000 13:400*000
73 > 50*000 3:650*000
S. 1S. e O.
Rii 36:650*000
O guarda livros
Ftancisco Joaaum Pereira Pinto.
('l Por engao dado no presente bataneo bon-
tem publicado, de novo u tazamos boje.
O fifi.
Uommiinie^Ios
as Biblias falsificadas.
O christo velfto, oa, mais correctamen-
le, o Sr. general Abreu e Lima, nao se deu
por veocido nam convencido f Instigado por
odios proprios e alheios ; e arrebatado pela
impectuosi torrente de sea desmesurado
orgulho, que, semelbante ao sapo, incha
e se dilata, quanto mais fustigado, ah
reapparece o Sr. general Abaeu e Lima
com um livro, de mais de tresentas
paginas, em qae com ama iasolencia s
igaat sua ignorancia, com ama affoi-
teza s inferior sua impostara, e em
qae o sofisma decrepito frisa com o para-
logismo infantil, ataca, sob enmanto hypo-
cripta de christo velho, todo o que h
mais fundamental e consolador as crencas
religiosas de um povo 1 O sagrado Con-
cilio de Trento, a origem apostlica da igre-
ja romana, a tracSo christa, a suprema-
ca espiritual do papa, os esplendores e vi-
sualidades sublimes do culto externo, o
dogma do Purgatorio, a invocac5o dos san-
tos, os suEfragies pelas almas dos mortos,
e, o qae mais, o proprio Deus, sao hor-
rivelmente ultrajados e ridicularisados por
essa penna de dez tubos, sempre recheiados
tle fel e pegoaha, para derramar por sobre
os objectos mais santos t
O sea livro, verdadeiro tremedal de blas-
femias e heresias, acervo immenso de ab-
surdos e disparates, poce sem fundo da
mais indigesta, e azinbavrada erudigao, ar-
mazem alandegado de alheios fardos carum-
cbosos, parto hediondo de um cerebro
attropbUdo, era seu disforme complexo,
um audacioso grito de impiedade .' E quem
poderia stippor, que sse embriao intellec-
ual, que essa superfetacao hertica, qae ha
fle horrorisar ao mesmo protestantismo,
fosse acolhida e protegida por pessoas que
se dizem catbolicas, e at por agentes do
governo de um Estado, que jorou manter
e sustentar a, religiao catholica apostlica
romana, consagrada no pacto fundamental
do imperio ?l Fosse publicado em Franca,
ou n'outro qaalqaer paiz civilisado, esse
-conjancto de heresias e impiedades, qae
Te-lo-hiim immediatamente embargado pela
polica I Mas aqui a polica cuida de mis-
tr mais alto : cuida das eleicoes ; os cos-
tames pblicos lhe passam indifferentes:
eis o progresso I
E porque esse acolhimento acodado, e por
maldito do Sr, general Abrea e Lima, se
nao porque o meu nome ahi coberto de
baba ptrida, condimento saboroso ao pala-
dar de adversarios mesquinhos e cegos, que
n3o advertem qae essas arrieirices e desem-
xabidos doestos, que o Sr. general Abreu e
Lima esparrinha sobre mim nao me podem
incommodar, nem ferir, como nunca -en-
commodafam nem feriram a centonares de
familias distincias e a milhares de indivi-
duos, qoe, por sua propria conta, e por
dinheiro, segundo se affirma, tem elle sa-
crificado s farias implacaveis de sua 3f-
mesis beliosa ? Quintos desses, cajas maos
generosas boje beije todo curvo e lambarei-
nnho, nao izeram parte dos hecatombes
da sua dicacidade e malevolencia ? Como
nao advertem esaes adversarios mesquinhos
>; cegos, qae o ser a insultado pela mes-
na bocea, que vasa encbarradas de blas-
femias contra o proprio Deus? contra a sua
i ,'rea, contra os seus santos, contra os seas
'oncilios, contra as sua doctrinas e tradi-
;es, considerar-me o ente mais feliz do
uundo l
De feito, nanea petisei qne os odios eivis,
>;aeas paixes polticas, que
sanguimrio do Pentateuco.' tfoi talvez
a nica notavel alteraglo, qae fez J.
t Christo na le aatiga, t^odi/icando a idea
do epte supremo ; e elle o explica varias
vezes, dzendo qae assim foi preciso na-
quelle tempo por caasa da dureza do
coracSo dos Israelitas qnando sahiram do
Egypto; mas qne na poca da sua pre-
"gacao os Judeos estavam iteiramente
modifleados, depois de tantas calamidades
porque naviam passado.
Entio J. Christo annuncia ata Deas de
bondade e de amor, e nunca falla delle
se n5o csamando-o met pai, nosso pai
oa vosso pai, qae est no Co. Declaro-
vos, Sr. Padre, qae o meu Deus o
Deas qae Jess Christo pregn, o Deas
do Evasgelho, que a mioha le smente
o Evangelho, a minha nica f (vade re-
ir* ceta o vosso caf) o symbolo dos
Apostlos, nada mais e nada menos,
c Ser isto ama impiedade ? Pois bem,
deixai-me ir para o inferno onde vivire
em muito boa companbia com todos os
Apostlos, e Evaogelisias, e com todos os
santos at o IV scalo. Ide v3 para o
Co com Domingos de Gusmo, com Pe-
dro de Arbues, com Torquemada, e Cu-
neros, com Alexandre VI, e Paalo IV,
com todos os Gregorios, exceptuando
uns qutro, emGm com a escoria do gene-
ro humano.
< Achaes muito ousada esta minha lin-
gaagem ? Assim ser, mas mister por
um paradelro nessa redea sola, qae cor-
re a sociedade brasileira sem rei nem
roque, onde qualquer perverso, qualquer
devasso, qaalqaer sandeu levanta a voz e
prega a immoralidade e a corropgo como
regras de bem viver. J que o governo
nao se importa com a sociedade civil, nem
com a regiat, ao menos aquelles que
fazem parte deila, alcem tambera sua voz
para condemnar a idolatra, e fazer pre-
valecer o Evange'ho, si que somos
chrisVSos.
E' at onde pode chegar o desconxavo, e
a demencia de urna cabecal Em todas
stas golfadas de vmitos negros, nSo ha
um salpico que n5o seja/ ;raa sandice, urna
heresia e urna impiedade t E bavera
christo, cathoco ou protestante, a quem
lhe nao tremara as carnes e lhe n3o san-
gre o coracao, ao 1er estas blasfemias infer-
naes contra o seu Deus, e contra os seas
Apostles e Evangelistas 1 Que ara rapaz,
no desaccordo, e dilirio das paixoes sera
freo proferisse tantas blasfemia? e impie-
dades, seria um mal, que talvez, encon-
trasse desculpa no- verdor dos annos ; mas
que um velho, cuja cabe?a j pende para a
sepultura, e cajos olhos jcomecam a entar-
var-se com a nevoa da morte, prorompa era
taes excessos de loucura impia, na ver-
dade intoleravel, e digno de compaixo!
Pondo, porm, de parte a analyse mi-
nuciosa de cada urna das proposites, ou
absurdos asquerosos, coudos nos periodos,
que deixo transcriptos, pois que saltara aos
olhos de todo o mundo, passarei oceu-
par-me rpidamente do essencial.
O publico tem sido testemunha da grita-
ra, que ha levantado o Sr. geaeral Abreu
mencia> hypocrisia 1
Ihot.e-se que a passagem que extrhi de
Retie 2 de jilbo de t7.
Jtaquim Pinto de Campos.
P. .A defesa ao iHustre escriptor por-
Btonameotos legislativos, tendes, Sr. gene- tugaez o Sr. Camillo Castello Branco, por
ral, o rrojo de dizer que o Concilio nao mim citado na sua obraDivtndade de
lei de'Portugal e do Brasil! Eis aqai o ta- Christe.e groueiramenU abecanhado palo
b- Ma.eus, acha-se reprodustda nos antros Ato t/uologo, o sabio jurisconsulto, caja as- insultador do Concilio de Tretto e do ibe-
Evaigelnos, queesto cheios de frequentes sombrosa eruiicSo traz muita grato por ahi'raao Deas dos Jadeui, reaervarai para ou-
oitocoes dos livros de Moyses, cuja leitura de qaeixo cnido f O homem de ama au-; tro escripto ; posto que saiba que o Sr Cas-
Jesus Christo acooselhava aos ladeas, e dacia as saas negativas e affirmativas, qae tollo Branco gyrato sobranceiro no mundo
conseqaentemente a todo o povo christo, horrorisa Affoga oleitorn'um diluvio de (das letras, que de certo lhe nao chegaro
como se l no capitulo XVI do Evangelho'palaTrCeseamplificaces^e o nlodeixa res- os dardos, arremessados pela mo convulsa
de S. Lucas, as segumtes palavras do mes- pirar I Posso com toda a raso e cabimento do Sr. general Abreu e Lima ; como suas
mo Senhor lesas: Elles l tm Moyses, pplicr ao vosso livro, Sr. general, as se-
e os Prophetas: oucam-os.i Habntt Moysen gaintes palavras de Cicero : As neceda-
Prophetas: audiant tilos. Ora ser cri- des, incoherencias, e diaparatos de qae en-
vel, Senhor general, que Jess Christo acn- cheste a tua oraclo, foram tantos, que mais
selhasse a lico do Pentateuco, se nelte nlo te impugnaste a ti pvoprio, do que a mim!
dominasse plena e magestosa a ideia do ver- Tam aatem eras excors, ut tota m oratione
dadeiro Deus? Nao teodes lido noEvaa-/aa tecum ipst pugnares', nsc modo non
gelho, que Jess Christo nao cessa de dizer, 'coherentia inter se dceres, sed mxime
qae noveio destruir lei, mas sim aper-;disjuncia at que contraria, ut non tanta
feicoa-la ? Non venisolvere legemaut Pro- mecum, guanta tam tibt esset contentio ?
phetas, sed adimplere: Sabei, porm, qae (Cic. Phihp 2.*, VIII).
diatribes nao irlo inquietar as cinzas do pa-
dre Antonio Pereira, de Lamenay, de Lacor-
daire, e de tantos contra quem investio na
sua colera demento t
Pinto de Campos.
Fublica(?5es a pedido
Jess Christo nao alterou, nem podia alte-
rar, como Deus que era, nenhutn dogma
consagrado na antiga lei, porque o dogma
inalteravel: como pois dizeis com tempri-
dade louca, qae Jesas Christo modiflcou a
idea do Ente Supremo? Isto um despro-
posito tal, qae nenhum menino, qae tenha
conheciraento da doutrina ebristan, ser ca-
paz de proferir 1. Faz vergooha ter qae re-
futar erros tSo grosseiros!
Se cresseis em Jess Christo, e no Evan-
gelho, senhor general, nao dirieis os absur-
dos herticos, que dissestis, no vosso tene-
broso livro, contra o Purgatorio, caja exis-
tencia se demonstra e se pro va evidentemen-
te pelo captulo XII do citado Evangelho de
S. Matheus. Ahi se l qae Jesas Christo,
reprehendendo *os*Farizos, por lhe attri-
bujrem influencia de Beelzeb na pralica dos
t E toooquel-
milagres, lhe diz no verso 32:
E' esto o verdadeiro retrato do livromons-
truoso do sr. general Abreu e Lima Ao
qual, protesto perante Deus e o mando, res-
ponder o mais breve possivel, sobre os se-
gaintes pontos: 1. qoe os livrosdentero
cannicos foram sempre considerados devi-
namente inspirados por todos os santos pa-
dres, cajas opinles spresentarei por exten-
so, na ngua latina, com o portuguez ao
lado ; assim como apresentarei as actas dos
Concilios primitivos, declarando cannicos
os referidas livros na mesma forma por que
o fez o Concilio de Treato; 2- qae a igreja
de Roraa foi fundada pelo hemajjentarado
apostlo S. Pedro; exibindo provabeoidas
nos monumentos da mais alta antiguidade
christa. E portante o publico suspenda
o seu joizo sbreos absurdos, e erros, qae
a respeito destes pontos entinto o Sr. gene-
ral Abreu e Lima. Nada direi sobre outros
le que dsser algama palav a contra o Filho artigos, comidos no seu mixtiforio, por que
do Homem. perdoar-se-lbc-ha; porm o que a! j flearam refutadissimos na minha 'primera-
disser contra o Espirito Sonto, nao s lhe
perdoarneai neste mando, nem no oatro.....
Quiautem dixerit contra Spiritum.Sanc-
tam, non remittetur ei, eque inhoc sculo*,
eque in futuro.
Deste texto do Evangelho deduz S. Agos-
tinho na Cidade de Deus, livro XXI, e S.
Gregorio, no livro IV dos Dilogos, um bom
argumento em favor da existencia do Pur-
gatorio ; por que nao diria Jess Christo,,
que o peccado contra o Espirito Sancto nao
se perdoava nem neste mundo, nem no ou-
tro, se nao supposesse que alguos peccados
se podiam perdoar no outro mundo.
Ora, tanto esta conclusao lgica, e ir-
refutavel, que Jess Christo referiodo-se, no
Evangelho de S. Marcos, capitulo IX, ete'r-
nidade das penas dos condemnados ao in-
ferno, diz tres vezes, que o bixo que l os
roe nunca morre, e o foo nunca se apaga.
Ubi vermisecrum non mor tur, et ignis non
extinguitur. Quauto nos nao deve aterrar,
exclama, Sancto Agostinho, esta senlenca ter-
rivel do Jess Consto, repetida tres vezes no
mesmolugarl Quem nln terreat ista reptitio
el illius pena comminatio. tam vehemens
ore divino ?
E pois, qae diris a isto, senhor general ?
lia oa nao ha Purgatorio?. Como concillareis
estas passagens do Evangelho com os vossos
absurdos e heresias? E de que lado estar
a m f, e a ignorancia: d iquelle,'que ar
e Limaem favor da canonicidade crcfasipajgumenta e falla dentro da igreja cthftica,
e nica do livros do Velho Testamento,
chamados protocanonicos ; entretanto veja
agora o mismo publico a contradico mons-
truosa deste homem sem f, nem religiao,
que na sua demencia oa ignorancia ousa
blasfemar contra o Deus do Pentateuco,
cuja canonicidade tem elle como infallivel,
*que effectivamente o E quem esse
Deus feroz & sanguinario, que o Sr. gene-
ral Abreue Liat&nbomina e detestal E'
o ueus creador "fio Co e da trra 1 E' o
Deas Trino, o Deus Omoipotentissimo, per-
feitissimo, justissimo, sapientissimo, iramu-
tabilissirao! F' o Deus que pelo minis-
terio do seu legislador Mayss operou as
mais estopeadas maravilhas, qae o mando
tem visto I E' o Deus que prescreveu ao
seu povo as mais justas e sabis leis t E' o
Deus que revelou nos preceitos do declogo
orgrandes principios da lei natural, e os
deveres e obrgacoes da creatura para com
seu Creador E* o Deus, a cuja voz se
abriram as aguas do Eriireo. e passaram
p enchuto mais de seiscentas mil pessoas I
E'. o Deus que fez cahir no deserto a chu va
do man, e fez rebentar da dura rocha fon-
tes de aguas viras l E' emfim, o Deas de
Abrahaam, e o Deus de Isaac, e o Deus de
Jacob, e o Deas de todos os povos e nacSesI
Es-aqui, repito o Deus feroz e sanguina-
rio detestado pelo novo oracolo do pro-
gresso !
Ora, vindec, Sr. general, onde lestes
qae Jess Christo modifican a idea do Ente
Supremo ? Apresentai, 'se sois capaz, um
s texto ou passagem do Evangelho em qae
esse absurdo impo possa encontrar a menor
sombra de cahonestaco / Nao sabis, lin-
gna de bronze, que Deus, sendo essencial-
mente immutavel, nao pode soffrer modi-
ficacao alguma na id de seus divinos at-
tributos ? E qual suppondes vos ser o
Deus de Jess Christo, o Deus do Evange-
lho, segando as vossas expresses ? Pois
ignoris qne o Deas de Jesas Christo seja o
mesmo qae o Deas dos Judeos, e por con-
seguate do Deus do Pentateuco f Neste
ponto vos mostris mais ignorante, e mais
impio, qae o mais encouragado mahome-
tano / E dizeis com todo o entone, e an-
chara, qae sois seguidor de Jesas Christo e
de sea Evangelho I Blasfemia I Sim, blas-
femia ; porque se cresseis em Jesas Christo,
e no seu Evangelho, nao havieis de rom-
per em guerra impa contra o altissimo
Deus dos Judeos; visto como se prova pelo
capitulo XXII do Evangelho deS.Matheos,
que o Deus que Jess Christo annuuciava
era o mesmissimo Deas do Pentateuco,
a quim abominaes I c E sobre a resur-
reigo dos mortos, diz Jess Christo aos
Sadducos, nao tendes vos lido o que Deus
disse, fallando comvosco : Eu sou o Deus
de Abrahaam, e o. Deus de Isaac, e.oDeus
de Jacob ? Ds resurrecUone auteiii mor-
tuorum non legistis guod dtetum est a Deo
dicente vobis: Ego sum Deus Abrahaam,
et Deu* Isaac, et Dtus Jacob ? E de que
livro fez Jess Christo esta citaco ? Do
as animosi-
les pardarias^bliterassem, em despeito
- terceiro, aquelles puros sentimentos de xodo, um dos livros do Pentateuco l
i ligio, que se receberam com o leite, e| Ora bem, enhor general, por este texto
como que constitaera urna segunda clarissimo, evidentsimo vos podis con-
ureza.l Este phenomeno inaudito esta- vencer, si de cWcco sois capaz, de que
. reservado a esta triste onjunaara so- o Deas de Abrahaam, e o Deus de Isaac, e o
em qae, de involta com todos os fia- Deus de Jacob, o mesmo Deus dos Judeus;
1.'os polticos, devia surgir a peste da im-
ade e da heresia f
' para que se nao diga, qae declamo,
nica interprete das Sanctas Escriptuf..,, oa
daqueileque est iteiramente fra da igre-
ja catholica, e que tem o arrojo de dizer no
seu asqueroso livro, que a mesma igreja ca-
tholica que tem falsificado as Sanctas s-
cripturas ? Oh justo Deus, que cathoco sia-
cero pode ouvir, sem horrorisar-se, esta blas-
femia? Eoto, senhor general, a igreja ca-
tholica falsificadora ? E'omo coociliais
aioda esta proposito temeraria e insensata
com aqaelle texto do Evangelho, em que
Jess Christo diz, que aqaelie que nao ou-
vir a igreja, que nao obedecer s suas de-
cisOes, ser tido na conta de pago e gento?
Qui Ecclesiam non audierit sit tib sicut
ethnicus et publicanus ? Nao diseis, que se-
gus a Jess Christo? E como desacatis a
sua igreja, taxando-a de falsificadora da
biblia sagrada ?
Pois bera, senhor geaeral: des que vos
nao s insultis a igreja, como.escarnecis
de suas decises, truncando, e invertendo
as Santas Escrptaras contra o providente,
decreto do Sagrado Coucilio de Trento, vos
considero incurso as penas fulminadas pelo
dito Concilio as seguintes palavras: Se
alguem pois noreceber por sagrados, e ca
nonicos estes mesmos livros inteiros ctm to-
das as suas partes, da maneira por que na
igreja catholica se costumaram 1er, e se con-
tera, na antiga edicj vulgata latina, e com
conhecimentoe proposito deliberado, despre-
sar as sobreditas tradices seja excommun-
gttdo. Si quis aatem libros ipsos ntegros
cum mnibus suis partibus, prout in Bule-
sia catholica legi consueverunt, et in veteri
vulgata latina edione habentur, pro sacris,
et canonicis non susceperit, et traditioms
pradictas sciens, et prudens contempserit,
anathma sit.
Daqui nao ha fugir, senhor general; es-
tais excommungado; e apenas esta diocese
tver a felicidade de ver em seu seio o novo
bispo.jespero que S. Exc. Kvma., por honra
e obediencia aos decretos do Sancto Conci-
lio Tredenttno, to sacrilegamente atacado
por esse Luthero-merim, o faca declarar-l-
tando. E', ou nao o Concilio de Trento a
constitoico fundamental da igreja catholica ?
E'; logj preciso qae se facam effectivas
suas penas contra os infractores de suas leis;
do contrario, essas penas cahirloem desuso,
e ludibrio; e isso anima o qualquer per-
verso, a qualquer devasso, a qualquer san-
deu a levantar a voz, e a pregar a corrup-
co, e a immoralidade, esmo regras de bem
viver.
E' verdade, senhor general, qne diseis a
pagina 102, em nota, qae no Brasil, nem
em Portugal o Coucilio de Trento nao lei,
excepto o capitulo 1 .* da sesso "24 de re-
formatione. Fra dessa sesso e capitulo,
bradais vos, o Concilio de Trento nao lei
entre nos, por que elle nao obriga seno
aquelles lugares, em que foi promulgado e
recebido, etc.
Estaos perfeitamente engaado, Sr. gene-' alardei o autor, segund me consta, ser a
ral 1 E' assim que atrapalhaes, e atropellaes' obra muito protegida 1 Pois bem, l ver
tado com a vossa audaz ignorancia I E' S. M. nesse presente funesto a maneira des-
assim que desconheceis os decretos, al va- abrida por que atacada a religao do Esta-
rs, etc. dos antigos reis de Portugal, reco-! do, e a rematada loucura com que se iosti-
ne endo o Concillo de Trento em toda a sua, ga o governo brasileiro a romper todas as
plenitude 1 Sim, Sr. general, fei acceito relaces espirituaes com a corte de Roma ;
resposta, publica la no Diirio de Pernam-
buco, e qne dentro em breve ser distribui-
da em folhetos,
Quanto a inquisicao, nao direi mais urna
palu/ra; pois t jdoa os qaa me leram so nao
de lembrar, que eu nao defend, nem justi-
fiquei os horrores do santo e-fficio, que alias
conderanei como offensivos ao espirito de
mansido do Evangelho de Jess Christo. O
que me propuz mostrar naquelle rpido es-
boro foi que a santa igreja nSo fra cmplice
as atrocidades dos Torquemadas. E se o
Sr. geaeral Abreu e Lima tractou deste as-
sumato, foi para ter ogosto de passar por
erudito, custa dos diversos esoriptores,
alias Ilustres, como Fr. Luiz de Souza, e o.
Sr. A. Hdrculano, que desta materia se oc-
cuparam.
Nada tambem direi sobre o digno Sr.
Dr. Ignacio de Barros Barreto, que o Sr ge-
neral trouxe imprudentemente discusso,
com o fim nico de lanzar a sizania entre
mim e aqaelle doator, a respeito do qual,
nao obstante nossas divergencias religiosas,
nutro os melhores sentimentos. Com este
serviQo, que o Sr. general he quiz prestar, o
seu fim nico foi faze-lo esquecer das diffa-
maces e doestos, que n'outros temposdi-
rigi familia do Sr. Barros Barreto, que
sempre me vio .ao lado della, rebalendo as
aggresses injustas do homem, que boje
tanto se esbofa por lisonjear as victimas da
sua malevoleacia f Oh tmpora oh mores !
Anda direi ao Sr. geaeral, que contes-
to a sua procedencia, no tocante a vir ella
de Sara ; l* por que Sara foi casada, e s
tevo por lho a Isaac, e nao consta que na
saa familia houvesse coitos domaados; 2.a
por que abominando o Sr. general o Deas
dos Judeas, que o Deus de Abrahaam, nao
de pertencer sua Iinhagem ; portanto,
procurar a sua procedencia no tronco de
Agar.
Pela minha parte, declaro que venho de
para origem catholica, por qae son lilao de
dus caiholicos apostlicos romanos, cajas
virtudes, embora humildes e modestas, coos-
tftuera o meu nico titulo de Qdalguia. Se
por este lado me accommettordas, dar-vos-
bei urna eterna lico de amor filial...
Terminando esta rpida resposta, pedirei
ao publico que me releve, se me exced na
vivacidade de estylo. O meu aggressor nao
se limitou a ferir-me e a maltratar-me; fe-
ria e maltratou ao proprio Deus, e a saa
anta igreja. Eu seria indigno do ministerio
espiritual que della recebi, se me calasse
diaute dos insultos grosseiros, que esse ho-
mem desmandado lhe dirigi com o maior
sangue fro e reflexo I Alm de que, te-
nbo diante dos olhos aquello tremendo ora-
culo de Jess Christo, quando diz por S. Lu-
cas, capitulo XII, versos 8 e 9: Todo o
que me confessar deanto dos bomens, tam-
bem o Filbo do II jmemoconfessar aate os
anjos de Deus. O que, porm, me negar
de inte dos bomens, tambem ser negado na
presenca dos anjos. > Omnis, quicumque
confsssus fuer 11 me coram homimbus, et
Ftlius hominis confitebitur illum corum An-
gelis Dei: qui antem negaverit me coram
hominibs, negabitur coram Angelis Dei.
Estou firmemente disposto a acompanhar
esse provocador do Co e da trra at as
partas do inferno, alm das quaes nao irei,
. verdade. Sei que elle est acostumado a
Morcar os outros as tripas da gente; a
mim me nao ha de ioforcar; pois nao o tem o
a elle, nem a todos os seas protectores.
Quem como Deas perguntava S. Mi-
guel a Lucifer: Quis ut Deus ? E por mi-
nha vez farei a mesma pergunta ao novo
bom homem, Jos Velloso
Noares.
O booradissimo Sr. Jos Velloso Soaies j deixoo
o trapiche denominado ds < compaobia > :.terral-
ooa o sea privilegio de am trapiche alfandegado on
otre-posto privilegio, que sendo benfico ao inte-
resse publico no pensamento do governo, sem o
que Dio te-lo-hia concedido, foi convertido pelo con-
cesionario em urna cova, aoade o interesse do
commerciojos assucares dos productores alagoanos,
tracto de seas capltaes e trabalbo, e as leis do de-
cero publico eram Inmoladas as extorsoes de ama
arrbico indomavel.
Ja' nao temos, por tanto, de ouvir tantas e to
lanas queixas, a' qao o booradissimo Sr. Velloso,
fazendo de seus labios a residencia da bonra, se
bavia tornado sardo, de modo a desdenbar justos
pedidos, modestas advertencias, e ao ponto de ja'
nao baver paciencia para soffre-lo.
- Em verdade, tinha-se toda attencao ao homem,
qae.estava com saa vida atrazada, complicada e
onerada da grandes dividas : desejava-se, e espera-
va-se qoe, circamscriplo aos legtimos Interesses e
vantagens do sea privilegio, elle melborasse mnito
de sorte ; mas desejava-se tambem do livre accordo
do criminoso viesse a correioo e a emenda de seas
crimes. .
Mas di qce valiam estes to nobres e loavaveii
sentimentos se o homem, com saa honra na bocea,
tado desprezava ?
" H* d'abl que parliram diversas correspondencias
pabiicadas oeste jornal, denaaciando positiva, e de-
terminadamente os estelliooatos abasos, e rapaci-
dades do bonradisslmo concessionarlo do governo,
deino-lo tirar com fafa ao cbJ" os saceos d as-
sacar e se descoseram para d'ahi apanhar para si
porgues leste genero, gaarda-io, e veode-lo qaasi
qaotidianamente em grande quanllda^e, eiigiodo
em paga dos seas servlcos de deposito, carga e des-
carga maior tixa do que a da tabella dada pelo go
veroo etc ?
Escndalo isto, para o qual todo o estygma J*
poaco, tanto mais, quanto era nesta cidade ssss
populosa, rica e commercial e a (rente das aotori
dades qae tactos desta ordem se davam sem re-
serva.
O honradissimo.Sr. Velloso nao responden a ira-
putaQdes to graves e desairosas como estas : (alia
nos bons amigos, que tem: qaelxase de qae tenha,
sem motivo, inimlos gratuito; : sempre com saa
bonra nos labios finge desprezar artigos de jornaes,
parto de vis calumniadores e maldizentes.
Has o qae fazer elle ? Xa consciencia propria
acba a coodemnacao das colpas: (ora da conscien-
cia (oge estremecido ante a prova plena, qae sabe'
existir de seas crimes; pelo que nao pode tomar a
vioganca e legal digna dos verdaderos nomens hon-
rados, qual a de chamar a jaizo o sea responsavel
por taes imputacSes; por que sabe que neste caso
em vez de acbar as leis punitivas a vindicta de-
sojada, receberia d'ellas lerrivel condetnoaco.
Que fazer, por tanto, se, apezar de tudo isto, a
consciencia convicta lhe accende os odios, e faz lhe
ardxra alma em desejo de vinganca contra qaem
sappSe ser sea offensor ?
A peripecia qae d'ahi seguio se, asss nteres-
ante.
O homem n5o de (olgaedo. Bons amigos lhe
n5o faltara : talento m astucias e sophistfcagoes
ihe sobra : amor a saa bonra de bocea o qae
mais abunda n'elle, e em to vantajosas coadicSes o
qae (ez ? Digamo-lo de nma s vez i fragilidades
sobre fragilidades. Vejamos.
Vendo-se sobre a presso da indlgnacjio publica
por cansa d'aqaelles seas boos eitos denunciados,
e qaerendo dar algama coasa de si em vindicta de
sua honra de bocea, cbamoa ao jaizo da seganda
vara municipal aqaelle que elle sappaaha ser seu
offensor. Bem.
Mas sendo os fados a elle imputados verdadeiros
crimes, qae admittem aeco publica, e por conse-
guate calumniosos, e susceptiveis de prova para
defeza de qaem os imputoa, o booradissimo Sr.
Velloso deslaca d'aqaelles tactos algamas palavras
em urna correspondencia, por elle criminada, como
sejam as palavras cynico, escandaloso etc. e
faz destas palavras am segundo e novo crime > o
de injurias.
Mas, ainda assim, Qcava elle debaixo da lerrivel
presso das provas ; por qae Bcavam eoto, taes lu-
jurias, como feitas a am depositario de aotoridade
publica, carcter este, sem duvida do honradsimo
SrrVelloso, como agente oa preposlo do goverpo
em am eotre-posto, oa trapiche alfandegado, exer-
ceode, mediante um privilegio, fanccSes e servlgos
qae sao da competencia das alfandegas do imperio,
munido de meios coercitivos contra os infractores,
recebendo para si urna taixa, qoe a marcada na
tabella para as mesmas alfandegas, etc., etc.
E cooseguiotemente taes sappostas injurias, Oca-
vam como se disse sugeitas a prova.
Nesta-conjtftctura o honradsimo Sr. Velloso
nega este sea carcter pablico de preposto do go-
verno, considera-se na jualidade de commissiona-
rio do governo, naqualle entreposto como simples
particular, e desta sorte procara no cdigo crimi-
nal a menor pena, para vindicta de sua honra com
tanto, qae prive o sea accasado do direlto de de-
fender-se, provando tado qaanto lhe Impntoo na
correspondencia criminada, e soffra dentro da al-
eada do jaizo municipal nm castigo certo.
Ja' te vio bonra com tamaoha e to indigna elas-
tlcidade?
As argucias do honradfssimo Sr. Velloso se re-
datera ao segnlnte : Por amor a* saa honra elle
quer ser, oa oo se importa de ser estellionatario,
extorqaidor da propriedade alhela; mas o que
nao quer que o chame por isto cynico e escan-
daloso ; e com qaanto aquelles tactos Imputados
sejam evidentemente calumniosos, quando falsos,
elle qaer, qae as palavras a' elle referidas, sejam
iojuriosas. Que bonra to babil em investir as
cousas, capaz al de fazer do quadrado redondo e
vlce versa ?
Qae historia 1 am individuo a qaem imputado
com asseoto de toda a conviccao, am certo homi-
cidio com circunstancias aggravantes, deixa de
mo esta positiva imputacao e quer fazer punir o
Imputador, por casar chama-lo malvado por caa-
sa de tal bomicidio. S da honra do Sr. Velloso
pode sabir taes historias, para se nao dizer ab-
surdo.
O homem honrado as direitas nao se importa
merc, (perdoe-me nao dar-Ibe ao menos-senno-
7 ca D0 """lo *> se nsam essas delica-
!?" P*r Qa deixassem passar, como certa
52. ^? desagradavei, qoe causan apenas um.
locomnwdo ephemero e passafeiro.
dem,??im2rel0J ** Patamente, quanto a te
demia jurdica deve a saa merc.
tal faSLttMd*s d0 lutire contundente, foram de-
f h qoe D,8aeai, por mais impetuoso que
mVrewu *'* no escodo da razio;
lonirna ,f C0uta teve nB" Jnf loe toase de paa-
rt,, Hn'hnif008 mens coegas, infrenes apalxona-
. .ita?1T' sabiram camP rldientar1a.il-
no, e apreeiarem novos toseremos, e os assombro- *
ia. Mas qual t O lustroso culello, contra toda a
espectativa, recolhea-se ao estojo, e apenas sabio a
lame com nm fraqaissimo golpe, especie de mmo-
,S ''"ewio, qae corre abi iropresso no Jornai
do Recife.
Ohomemdo Ciarlo de Pernambuco, aprovel-
tou o ensejo, e qual rebollo de boa especie, desgas-
tou-o de ama maneira assombrosa; e contra todas
as regras da ba amollacao, reduzio lhe o brllh am poaco opaco, a reflexo de caveira de j-
menlo.
Ora depois disto, qae valor podem ter as euffo-
das de saa merc em materia de illastraco?
Quanto a mim, valera tanto, como as optnioes do
.osavo de Ado sobre economa poltica, como a
nnovacSes que Calm qaiz introdazir na teJegra-
poia elctrica, ou fallando commercialmente, como
a segunda va de carta recebida que se lauca ao
n paM.d,a,i,segnir ein "reliara praia.
u or. Lutello inquestioaavelmente mallo igno-
ranl?......em materias de commercio, e como esta
sua ignorancia pode desabonar am poaco a poau-
lacao desta trra excencialmente commercial, pe-
rante qaem nao esteja a par da cegoeira do gvme
deste derrubador de/lamias, quero conceder-lbe
por momentos a honra de ser humano, e fazer
algamas reflexSes sobre o commercio,
* Se a tanto me ajudar engenho e arte :
qaero mesmo demonstrar-IHeqae, o que ditse nlo e-
oque (?) mm P "
Em ama das suas canaladas, calilladas, macha-
nadas, ou como melbor nome bajara em boa e
ethimologiea pbrasenlogia, exclamou sua merc :
Commercio illustrado, aqu \
Ora ea nao sei, nem sna merc o disse a nin-
guem, se o adverbioaqutse referia ao lugar em
que vibrava os seus golpes: em caso affirmativo
don razao ao homem ; conbejo por l ifhos de Mi-
S d,l8c'PnJos da Esculapio e Irmos de S. Pedro
e b. Paulo; mas nao me consta que os Albos de
Mercurio, uvessem ingresso, desU vez, no Oiytnpo
em qaa tem seu lagar de honra o afamado producto
da teada de Vulcano.
Sa porm aqaelle adverbio se refera praca
commercial do Recife, cabam perfeitamente aqu as
raluhas reflex3es, e l vo ellas.
Aqcella exclamado paYUda dos'pnlmfiis de um
individuo de inflma elasse, costomado apenas
rrequencia dessas nauzeantes locandas, onde a es-
coria social vai saborear a amarellenta patricia, o
rouxo catalao, ou o adalterado figueira, era a cou-
sa man natural do mundo ; mas proferida por um
bacharel, por cavalleiro do grand mond, por nm
represeatante i* parii6, de am circulo eleitoral,
o intoleravel; porque custa a crer, que am figurio
tao brilhantemente collocado na prateleira social,
se tenha extraviado por essas miseraveis
e por ellas quelra aquilatar
geral.
E d'ahi... quem sabe?
Eu nao seu sombra de sua merc e nao dovido
de cousa alguma. desde que orna velba me contoo,
que hoavera um sanllnho, qae ao davidoa qae
am boi podesse voar !
Commercio illuslraio, aqui I
Ora sua merc nao far favor de me dizer o que
emende por commercie Ilustrado ?
Qaerera' por ventura, que cada taberneiro seja
am Iliterato, cada caixeiro um bacharel intel li-
gante ?
Qaerera' que os guarda livro? sejam membros
da academia franceza, que os negociantes sejam
postas, dramaturgos, romancista, historiadores,
pbilosepbos, msicos, pintores e cboreograpbos ?
Querera' que cada taberna seja ama estante de
livros, cada luja um gabinete de. estado, cada ar-
mazem ama bibliotheca, cada trapicha urna arca-
dia, e cada escriptorlo urna Babel onde se fallera
todos os idiomas vivos, mortos e marlbnndos ?
E qae paiz o commercio totalmente illas-
Irado ?
Acaso
o- commercio
bodegas,
em
ferrabrz, que recebeu do inferno a missao defender-se do qae de mo e criminoso commette
de desvairar o povo christo com as suasjmas s6nnente com as palavras com qae se eoao-
dootrinas perniciosas. ItaboiDeus por mim: | ciaHma J "SfcZ"** ferem logoe.de
tenho toctos os bomens de bem, que anda parto o bom senso; de sorte qae, para conhece-
nio arrenegaram suas crencas; tenho emfim tas, nao mister ser formado em dlreitooano
o sentimento geral da populac5o brasileira,'ramo flos. conhecimentos a' que ellas> pertencem ?
muta n asnirii << iJliJ r !... ', para verdades assim intuitivas basta imparciali-
onde o espirito do erro poder azer insaios, i 5ades e ,riste de qaem a nao tem.
mas nlo laucar raizes. Yenba pois o Sr. Em todo o caso va o leitor, qne por este modo,
general armado de settas aceiradas no fel da honrado Sr. Velloso o proprio, qae vera a jaizo
impiedade, que lh'as heide quebrar as Don-llamr saa prop,ria eondernaacio de esteitionau-
i.. onmn c n_ ,n ,Kn7, a nt*t r o, e prevaricador cynico: suas argucias, suas
tas, como S. CyrillO quebrou as de Nesto- hicana, sua sophisticacio rde a's leis criminaos,
rio. Teoho dito quante basta para protes-; tado se resolve na prova real de suas maifeitorias
tar contra o livro impio, que acaba de ser d0 trapiche de companhia, taes ques lhe foram Im
derramado no se>o das familias catholicas
de Pernambuco, e qoe at-me consta vai
ser remettido S. M. o Imperador, e a to-
dos o% seos ministros, por um dos quaes
patadas.
Basta poj hoja e vltaremos se Hecessario fr.
O compadecido do Sr. Velloso.
0 commercio e as cati Hadas, macha-
dadas, estaadas on como melhor
nome hajam.
NasregiSes das classes numerosas e importantes,
sopra assis forte um veato chamadodespreso,
qoe affasta deltas as ofensas, qae lhes atiram ener-
gmenos deseoxabidos.
Eis a razo porque o commercio de Pernambuco
em Portugal pelo cardeal D. Henrique re- faendo se suprimir j no Rio de Janeiro a soitou ama g o mesmo Deas de Jess Christo, o mes- gente na menoridade de el-rei D. Sebasti5o, nunciatura apostlica, e estabelecer-se con- lne eonstaram as catanadas com que o lustroso
mo Jess Christo, que Deus de Deus, Luz como consta do alvar de 12 de setembro' seguintemente o scisma religioso I
de Luz, Dens verdadeiro de Deus verda-\de 1564, e do decreto de 19 de margo de Bate horror sobre horror no peasa
exaggero, e qae calumaio, abrirei ao'di'ro, gerado e nao feilo, consubstancial 1568 do mesmo soberano, e da carta de lei 'mente
cultlli o mimoseou, fpando na assembla se discu-
tia o projecto de eitinecao do corso commer-
. cial.
\ Basiava qae fossetn ellas vitradas por saa
o commraercio de Londres, Pars, New-
iorl, Rio de Janeiro, Haraborgo, Lisboa, Ganeva
lanas oatras pracas commercia6s do mundo, nao
contara no sea gremio aomens Ilustrados o igno-
rantes ha mesma proporgao que eatre nos ?
>e sua merc soubesse alguma cousinba, certa-
mente conbeceria esta verdade; mas como a
oilwa o sea forte, e lem oavido di:er qae
la as outras Ierras tudo melbor do qae entre
nos, nteadeu que tambem o commercio por la'
cousa difirante. Outra hypotbese.
Sua merc esta' talvez persuadido, do qae as
opperajSes commerciaes de Pernambuco, cingem-
se a simples troca de mercadorias por dinheiro,
ao manejo material de balancas,pesos,medidas, va-
ras e covados ao alcaoce de qualquer cidadao do
Congo oa Cabiada I
Oa I saota Ignorancia I
Faca-se a lamoarina I
Saiba pois o Sr. Contundente, que o commercio
de Pernambuco, entretem relac5es importantissi-
mas com as principaes prajas o maodo, e que
felizmente para elle, nao precisa recorrer a extra-
nbos para que as operaces mais difflceis, as tran-
zajts mais importantes se effeciuem com a ne-
cessaria regalaridade.
Saa merc saberia disto se se desse ai incom-
modo de escorregar do Olympo a cajas jambabas
se acba agarrado, e se abysmasse neste mundo de
trtvas chamado commercie. Convencer-se-bia que
nesta escurtdo, ha muita la? e com brilbo sufi-
ciente para transmlitlr a certos lampiSes alimen-
tados com torcidas de diplomas scientifleos, qaa
infelizmente nem sempre sao o justo premio da
lotelligencia, do estado e do aproveltameoto.
Os jaizej compententissmos do commercio de
Peroambaco, sao as pragas importantes com qaem
continuamente se corresponde; essas fazem-ibe a
devida justica, consideram-n'o como devem e res-
peitam-n'o como merece: entretanto qae am
pouco problematbico, o juizo qae as academias es-
irangeiras formariam das do imperio, se mallos
hachareis houvesse, qae at-o proprio idioma cao
soabessem escrever. .
An I......Esqaecta-me diier ao Musir ou lus-
troso instrumento, qae temos por ca' amas mate-
rias purameate commerciaes, chamadas escripia-
racao mercantil, clcalos, cambios, reduccoas de
moedas, pesos e medidas.; isto sao camiohos invios
para saa merc e aposto todo o rendimento das al-
fandegas do reino da La, em como saa merc
ainda qae se armasse de mais don?, quatro oa des
guates, nao seria capaz de aniquilar os trambolbos
em qae tropecaria a cada passo.
Nao fallare am correspondencia; para esta
mister am poaco de grammatbica e orthograpbia,
e neslas materias mostroa iaa mere* para qaanto
preslava no seu decantando o que eu diese o
que e do eapbonico quando nao, nao I
Disse.
Fallei como sino em da de feslividade. Creta,
illustradissimo Sr. Cutello qae flqaei com os pol-
moes araados: aioda assim, se qoizer honrar o
commercio com mais um ar da saa graca, repara-
rei a a varia, segurarei a mea pbisico e de com-
isara accordo com saa merc proporcionaremos,
rapazeada (especialmente) nm passatempo mdico
e sobremaneira divertido.
\E elles precisam, coitados, mrmeota estando
oVjou/7 Parisienses prestes a faser-se de vella,
por terem a maior parle do carregamenio enga-
jado.)
Assigno-me respeltosa e inicia/mente.
Se saa mere fizar malloemoeonoemeoobecer-me
illustre-se com algum padeiro para se, pretender
diriglr-se a mim ao cahir em mais orna asoeira
chamando-me cor*ario, pirata oa ladro de galli-
Dbas.
O cidadio,
S S S F
COMMERCIO.
Novo banco de Pernambuco
O novo banco suspende do ultimo deste
mez de junho em diante os juros s quantias
que por conta correte permanecem no
banco.
O Novo Banco desconta
ao anno, coaforme os prases.
letras de 7 e 9 0/0
IMT
O novo banco paga o dcimo oitavo divi-
dendo de 6)9300 reis por acc9o.
)

*


i
i





I -
alarlo 0

atota felra 4 de alhe te 19*7'
Novo Banco de Peraambueo
Convoco de novo a assembla geral dos
Srs. accionistas do banco para 5 de julho
prximo ao meio dia na casa do banco, re-
commendando o seu comparecimeolo por si
oa por procaradores, que devern serjaccio-
nislas lambem, afim de appreciar-se conve-
nientemente o parecer apresenlado. que abai-
xo segu, sobre o destino do banco.
Recife 22 de junho de 1867.
Visconde de Camaragibe,
Presideute da assembla geral.
PAREGER
830 alqaeires sal; a orde.
Patacho norueguense Kjukan, entrado de
Trieste, consignado a ordem, manlfeston o se-
gaiote :
2,382 barricas farinha de trigo; a Loatmano Vapor franeex Bourgogne, entrado de Mar-
seille manlfeston o segninte :
SO calas sabio; a Keller & C.
1 dita flus de seda e aigodio; a J. L. Goncalvea
Farreira.
1 caixa algodo bordado ; a A. Hamborger.
i dita chapeos; a Henrl Wilm.
1 dita lia e modas; a Moohard & C
1 dita artlgos de Pars; a Otto Bohres.
% ditu flus e fazenda* ; a Francisco Gomes de
Oliveira.
i dita impresso, 1 dita algodo ; a Scbafbeitlio
o novo banco nSo pode contfnnar prove losa- i c,jXa {vros impressos; ao cnsul de Franca.
mente suas operacoes. -------
Sem fallar na deficiencia dos descontcs, pauta dos pbicm ros obkkhos sujkitos a dibbitos
para a qaal podem ter concorrido diversas exportado.- suiaiu o 24 a 29 do uu db
causas que nlo sSo permaoenies; existe um Kmo ^eroad0ri, Umdafles. Valores.
defeitodeorganisac3odeste banco, que tor- Abanos......... .
ta imposeivel a sua continuadlo com vanta- Agurdente de cana ....
gem para os accionistas. Idea* resillada on do reino .
Este banco foi instituido.iota.certas condi- jj JJ; ; ; ; ;
ces onerosas, com o fim de obter do gover- Wem aieooI ^ espirito de agua-
no a faoaldade da emissao; mas nao lhe sen- ardente ......
do posstvel osar desta faculdade, em quan-! Aigcdao em caroco .
dem em rama oa em laa .
Arroz com casca .....
dem descascado ou pilado .
cento
caada
to o valor do papel moeda do governo^o
das notas do banco do Brasil, de curso Tor-
eado, estiver depreciado em re!ac5o ao valor
4o ouro ; nao pode elle auferir as vanta-
gens que esperava, e para caja realisaco
se sujeitou a empregar metade do sen capi-
tal em apo.ices da divida publica e em ac-
eces de pompanhias garantidas.
Parece que Dio preciso demonstrar que
em quanto durar este estado monetario n3o-|
ser possivel ao novo banco fazer demorar
em sua caixa qualquer fundo metlico de
que se queira elle prover, anda com gran-
de sacrificio, para poder resgatar as notas
de sua emisso.
A commiso pooca ou nenbuma espe-
ranza tem de qne as circunstancias actuaes
do depreciamento do papel moeda possam
ser melhoradas promptamente de um modo
permanente, que permita ao novo banco
asar da faculdade da emissao ; e emende
que sem esta nao deve o banco continuar
com os encargos onerosos, a que se sub-
metteu conservando metade do seu capital
fra do gyro das operacoes bancarias.
Para que cada um dos ccionistas empre-
gue seus capitaes em apolices, nao preciso
_ecorrer a estabelecimentos desta ordem.
Portanto nao podendo offerecer vantagens
a continuado do banco nestas circumstan-
cias, a commiss.0 prefere a sua liquidado,
ainda com certeza de perda para os accio-
nistas ; afim de que estes recebam ,o que
Ibes houver de caber, oa tomem qualquer
providencia em ordem a estabelecer outro
banco sem emissao, mas sem os bices que
sao consequen;ia della.
Hesita, porm, a commisso sobre a con-
veniencia da occasio em que se deve proce-
der a esta liquidaco, e vista da descon-
fianza geral, e do estado deploravel do cr-
dito, quer pu'lico, quer particular, entende
que se deve conceder algum espado, e pro-
poe.
1. que seja adoptada a liquidado do
aovo banco.
2. que seja posta em em effectividade no
lempo, e pela forma que entender conve-
niente o esclarecido criterio, experiencia e
zelo da actual direccao, continuando as cou-
sas no estado em que se acham at a liqui-
daco.
Recife 21 de junho de 1867.
(Assigoados.) Visconde de Camaragibe.
Jos Bernardo GalvSo Alcoforado.
ALFANDEGA.
Randimento do da 1 a 2........... 42:171*715
-dem do dia 3 ................. 15034J082
>
arroba
>
-
a.
>
>
57:203*797
MOVIMENTO DA ALFaNDEGA.
Volara*? entrados ctvm fazeadas.. 324
c c < gneros.... 674
Volaras sabidos com fazendas...
i c i gneros....
-----998
65
508
-----573
. caada
i
>
arroba
Assacar mascavado
dem branco
dem refinado
Azeite de amendoim oa mendo-
bim
dem de coco ....
dem de mamona ....
Batatas alimenticias ....
Bolacha ordinaria, propria para
embarque....... >
dem fina........ .
Caf bom ....... >
dem escolha ou restolho.-
dem torrado...... libra
Caibros.........um
Cal.......... arroba
dem branca .... ,
Carne secca (xarque) ...
Caraeiros ....... um
Carvao vegeul..... arroba
Caryenas de sicupira urna
Cera de carnauba em bruto. libra
dem idem em velas ...
Cha..........
Charutos ....... cento
Cevados (porcos).....' um
Cocos (seceos)..... cento
Colla ........ libra
Couros de boi, salgados.
dem idem seceos espichados >
dem idem verdes..... >
Idem idem cabra cortidos um
dem idem de onca. .... >
Doces seceos...... libra
dem em gela.Vra massa ...
dem em calda ......
Estaadores grandes um
dem pequeos .... >
Esteiras para forro de estivas
de navio........ cento
Estopa nacional..... arroba
Farinha de de mandioca alqueire
dem de araruta. > arroba
Feijao de qualquer qudlidade
Frechaes........ um
Fumo em tolha, bom .... arroba
dem ordinario ou restolho.
dem em rolo bom.....
Idem ordinario ou restolho
Gallinhas........ urna
Gomma......... arroba
Ipecacuanha (raiz).
Lenha em achas. ..... cento
Toros......... i
Linhas e esteios....... i
Mel ou melaco...... caada
Miliio.......' arroba
Papagaios....... um
Pao Brasil........ qunal
dem de jangada...... um
Pedras de amolar..... urna
dem de Qltrar...... c
dem de rebolo ...... i
Piassava ........ molho
[tontas, ou chifres de vaccas ou
no vilhos....... cento
Pranchoes de amarello de dous
cosUdos, ...:... um
dem de louro......
Rap......... libra
Sabio......... >
Sal.......... alqueire
2*500
900
800
400
880
900
3*250
13*000
1*500
3*600
2*200
3*800
4*000
2*500
1*800
1*400
1*500
3*000
7*000
7*000
6*500
440
360
400
580
3*800
4*000
1*600
3*500
320
500
2*000
3*000
15*000
4*000
660
165
260
110
380
10*000
1*000
360
520
4*000
2*000
16*000
2*000
3*000
5*000
4*000
5*000
15*000
8*000
10*000
8*000
1*000
3*000
23*000
2*500
12*000
6*000
160
2*000
3*000
6*000
5*000
900
800
1*000
160
3*800
20*000
10*000
1*000
160
400
dem de 400* por companblas aw*-
nymas.........................-
Idea de 10* por bote.............
Maltas...........................
ReetltaieSes e repos|c5es.........
800*000*
160*000
655*9**
1*2*440
Res.... 11*600*614
Mesa do consalado provincial, 28 de jenbo de
18*7.
O eicrivao,
. Ulysie Coeble Cmlcante de Mello.
MOVIMEMTO DO POITO
Navios entrados no dia 3.
Ass9 das, hiate brasileiro Dous Amigos, de 77
tonelada?, capitio Julio Gomes da Silva, equipa-
gem 8, carga sal; a Antonio L. de Ollxeira Ate-
vedo &- C
Rio-Grande do Sal13 das, barca brasilelra The-
roa, de 287 tonelada?, cap'o Jos Antonio
Vasqne, eqoipagem 12, carga 12,400 arrobas de
carne secca ; a Biltar & Oliveira.
Naviot sakidts nt meimo ta.
Rio da Pratapatacho bollandez Krtmmtnii, capi-
tio Eogllsmao, carga assncar o outros g-
neros.
Bahasomaca hespanhol Favorita, capilo E.
Pages ; carga carne secca.
Observado.
Apparece ao norte nm brlgae italiano.
EDITAES.
O lllra. Sr. inspector manda fazer poblico
para coobecimento de quera interessar que lendo
sido apprehendidas pelo offlclal de descarga Silva-
no Joao Nepomnceno Bastos, 5 pistolas de algibei-
ra, sendo tres de dous canos e duas de nm, qoe
acbon na lancha qne condoiia de bordo do vapor
fraocez Bourgogne, procedente de Marseille, em 26
do corrate, e nao sendo condecido o dono, 0.
ca-lbe marcado o prazo de 8 das na forma do arl-
745 do rfgalamento em vigor, para, independente
de qualquer ootra intimacao apressntar sua defe-
za, reqaerer o que fr a bem de sea direito e ver
proseguir todos os mais termos do processo, como
prescreva 6 art. 744 3 3* do raesmo regnlamento.
Alfandega de Pernambaco 28 de jucho de 1867.
O 3* escriturario,
Eatychllo Mondin Pesian.
Salsa parrilha......arroba
Sebo em rama......"
[dem em velas......
Sola em vaqueta.....urna
Taboas de amarello .... duzia
diversas
Deicarregam neje 4 de julho.
"Vapor inglez-Ccjsnmercaduras.
Barca frauceza Colignymercadorias.
Barca francezaSonto Andridem.
Patacho lnglei-L"pnn0-idra.
Galera ingleza -Hermionemercadorias.
BriRue portoguezConstante IIdem.
PaUcho neruegaease Barca nacionalFavorita charque.
Patacho hanoverianoAtlanteidem.
Patache nacional Valenteidem.
Patacho nacionalGuilhermnaidem.
PaUtho hollandez Wilhermtna Magdalenaidem.
Somata bespaoholaPromptaidem.
Polaca nacionalS. Pedrodem.
Ingue portoguezN. S. da Conmca*idem.
Brigue portoguezfl*/ampaoomercadoria.
Importaco
Vapor iagiez Oneida, entrado de Soatbamptoo,
maoifestou o seguinte :
53 caitas qaeijj ; a Tasso Irmaos.
15 ditas ditos; a Patn Nasb & C.
30 ditas ditos; a A. Dumont & C.
11 ditas ditos ; a J. J. da Costa.
12 ditas ditos; a M. F. Corga Jnior.
16 ditas ditos ; a F. da Costa & Filbo.
30 ditas ditos ; a A. A. Gomes.
1 dita rendas de algodo, 1 diu jolas; a Leba-
man A C.
2 ditas chapeos de sol e miudezas, 2 ditas Utas
de seda e fazeoda de algodo *, a Keller & C.
1 di'a la e sedas, 1 dita argos para chapelheiro
o 1 diU tecldas de algodo; a Lopes & C
1 dita vestidos feitos ; a J. J. Silva G.
1 sumo chapeos de palha ; a Va & Leal.
4 canas cuteleria, ferrageas e 25 ditas queijos;
a Izidoro Netto & C
1 dita fazenda de algodo ; a Mondard C
1 dita miudezas; a Montelro & C.
2 ditas calcado ; a Arantes & C
1 dita fazenda de linho ; a Magalhes & Irmao.
1 dita fazenda de algodo, i diu gravatas; a D.
P. Wt\A.
2 ditas fazenda de algodo e sedas, 12 ditas car-
tas, lavas e brioqaedo; a Lendem Weydman
* C.
1 diu queijos e presuntos ; a Jos G. da Silva.
2 calzas chapeos ; a Ghrisliane & Irmao.
1 dita eh, 2 diUs obras de electroplate, 1 dita
machina de litapar facas. 1 dita velas, castlcaes e
vidros, 1 barrica vro para viaraza, t cala cu-
sas ; a L A. Siqaeira.
1 caixa lavas, a malaeu R. Adour.
2 ditas livros; a Lailhacat & c.
1 diU sedas ; a llssei-trers.
1 diu jolas ; a A. HyvernaL
4 ditas miadezas ; al. A. Borle.
25 ditas qaeijos; Von Lohsten & C.
17 ditas ditos; a J. Pater & C.
i diu charutos; a M. Romaguera & C.
1 cesto bichas i D. i. Matneas. ,
1 dita objectos de escriptorio ; a B. W. Doyie.
1 diU penodieos; a A. M. C Soares.
2 diUs hvros ; a J. N. da Sonta.
21 ditas bautas.e conservas; a Duarte C. Hfa-
8 & C
60 diUs cebollas; a E. R. Rabello.
5 barril cera ; a Tn, A. Fposeca & C
i ambrultw 450* ; a Joao M. C. Lima.
1 barril vioho ; a Loiz Abraocher.
2 ditos dito ; a J. P. A. GalmarSes.
1 caira cnulerU 5 a Joao a Beetos & C.
Hiato nacional Dws Amigos, entrado
25*000
5*000
7*000
2*000
140*000
87*000
3*000
2*000
6*000
380
Faculdade de Direito
lie ordem do Exm. Sr. director fago cons-
tar que nos dias 5 e 6 de julho prximo vin-
douro, ter lugar, perante esta Faculdade,
a defesa de thoses ao bacharel Jos Joaquim
Tavares Belfort comeando o acto as 10 ho-
ras da manha ; e que no dia 2 s 8 horas
da manha'a, dever o doutorando compare-
cer nesta secretaria para tirar o ponto de
dissertacSo.
Secretarla da Faculdade de Direito do
Recife 27 de junho de 1887.
% secretario,
Jos Honorio Bezerra de Menezes.
DECLARARES.
Tapiocas .......arroba
Tatajuba......quintal
Travs.........ama
Unbas de boi...... cento
Vassouras de de piassava
Ditas de timb...... 8*000
DiUs de carnauba..... 6*400
Vinagre.........caada 80)
Alfandega de Pernamuco, 28 de julho de 1867.
ADITAMMEEXTO.
Cera de carnauba arroba
Gassueiras de Jacaranda, duzia
Euchameis......um
Esteiras de carnauba. urna
Ossos........arroba
Palha de carnauba, molho
Penna de ema .... libra
Sapatos de couro branco. par
Era ut snpra.
Approvo.. Afandega de Pernambnco 28 de jo-
nho de 1867. A. Eulalia.
AssIgBados. O 1." conferente, Jos }faguel de
Lyra. O 2. conferente, Cicero Brasileir de Meho
Conforme.O 3." escriturario, Eutyclio Modunl.
Pestaa. .
RECEBEDOR1A DE RENDAS INTERNAS
GERAES.
Reniimento de dia 1 a 2.........
Idea do da 3.................
60400
950000
10500
160
240
800
20000
800
3:8231535
1:557*258
5:380*71)3
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do dia 1 a2......... 15:551*552
dem do dia 3................. 9:881*626
25:^33*178
-----------,-----,---------.---------------*---------------
Madre de Dos.
Casa d. 8.........382*000
Becco das Bolas.
Casa b. 18.........502*008
Roa da Lapa.
Casas. 11.........196*000
Ra da Moeda.
dem n. 47. ....... 351*600
Roa do Encantamento.
Sobrado de dous andares n. 11. 901*000
Roa do Pilar.
Casa n. 99.........256*000
dem n. 103.........200*060
dem b. 94.........201*000
Sitio n. 5 no Pomo da Cal. 180*000
As arramataeoes sero feitas pelo teaapo de nm
anno, devendo os licitantes virem aeompanhados
de seos fiadores oa manidos de cartas destes.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Recife 2 de jnlho de 1867.
O escrivio,
_ ____________Pedro Rodrigues de Sonta.
Sabbado, 6 do corrente, s H horas
da manha'a, na sala das'audiencias operan-
te o Illm. Sr. Dr. juiz do commercio, dev
ter lugar a reunia)' de credoces da massa
fallida de Sebastiao Jos da Silva, afim de
'Off0bacb, et lecHMXT, opera eomiqne, mnsiqne
ti Adufpne Adam.
A' l'tnde : unrasa aox eufkbs, opera en deox
aett's et quatre tableaox; les bavaads, opera en
deox acies, masiqae de J. Offenbach. 1
^TISOS MARTIMOS
LOTERA
nnr.sJMU PERVilIBlCtM
DE
Pfavegaco costeirn jfot vapor.
Fernando de Norooba.
Segae no da 4 de jalbo pro-
limo ao meio da, para o porto
cima o vapor Mamanguape, com-
maudante Ga-ta. Recebe carga
at o dia 3. Eocommeodas, pas-
beiro a frete at as 10 horas do dia
escriptorio no Forte do Matos n. 1.
A OS .OOO^OOO
>' Quarta-feira 10 do correte mez no a
gar e horas do costme se extrabir a 12*
parte da 51 lotera a beneficio da Santa Ca-
,88 de Misericordia (27.")
i As encommeadas sero guardadas somen*-
1 te at a noite da vespera da extraccao.
, O thesonreiro,
Antonio Jos Rodrigues de Soaza.
A drogada na erte.
O Dr. Aristides de Paula Dias Martins, tem o se
escriptorio de advocacU na ra do Hospicio n. t
1* andar, onde pode ser consultado sebre qnestSe
joridicas, das 9 horas da manbaa s 3 da tarde.
&0MPANHIA PERNAMBUCANA
DR
Pfavegago costeira por vapor.
Transferencia.
Fica transferida a sahida'do
vapor Mamanguap, para o presi-
dio de Fernando de Norooba pa-
ra amanbaa 5 do corrente ao
meio da em vlrtode de ordem
superior.
Lisboa.
tratar-se da nomeacao dos administradores J^S' Axevto 4 r, no s
oa de concordata se fr proposta, visto nada
se haver deliberado na reuniao convocada
para 28 do passado e que por justo motivo
ficou adiada para 6 do corrente.
Recife, 2 de julho de 1847.
Os curadores ficaes.
Alves Hambuger & G.
Santa Casa~df Msericordia
d Kecife.
A Illma. junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Recife, contrata a factura da pbra
que necessila o sobrado n... sito a roa de Mathias
Ferreir na cidadede Olinda, com quem melbores
condi(5es offerecer. ,
Os pretendentes apresentarao as propostas era
cartas fechadas, quinta feira 4 de julho pelas 4
horas da tarde na sala das suas sessoes.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cite, 28 de junho de 1867.
O escrlvSo.
Pedro Rodrigues de Sonta.
s 30 dias rilis para o pagamente da deci-
ma dos predios urbanos sobre bens de mo mors,
e de 20 por cento do consumo de agurdente no
segando semestre.de 1866 a 1867, findam-se no
dia 9 de julho vindouro, findo os quaes estarlo os
centribuictes sngeitos a multa de qne trata o art.
50 da lei provincial n. 596 de 13 de maio de 1864.
Mesa do consalado provincial 28 de julho de
1867.
Servindo de administrador,
_________T. M. G. Perelra da Silva.
Attene
ageiros e
da sahida :
Prtan Pretende seguir com rooita brevidade o velelr .^u.iacii^ .imii.i i-^-T.-J' ZHn^^T
e bem construido brigue nacional DamSo, tem par-
te do sea carregamedlo prompto para o resto qoe
lhe falu trata-se com os seos consignatarios Amo-
/--,
Reidiraeato da mesa do consulado pro-
Yincial, em todo o mez de juuhde
1867.
Direitos de 90 res do assacar ex-
nprudo............'. L.......'
dem de 20 res por taada de
aguardante.............\....
dem de 20 reis por caada de al-
eool.......................
dem de 5 0(0 sobre o algodo....
dem de 7 OjO sobre o mel........
dem de 8 0|0 sobre.couros......
dem de 5 0|0 sobre os mais gene-
ros..........................
Imposto da dcima urbana......
dem de 20* reis por venda de es-
eravos......................
dem de 10 0(0 de novos e velhos
direitos......................
dem de 5 0|0 sobre os premios das
loteras.......................
dem de emolamentos de polica..
dem de 4 0|0 sobre estabeleci-
mentos.........................
dem deiOOtO dito dito...........
dem de 20 0|O o eoosummo.....
dem de 8 00 sobre escriptorios..
dem sobre coaros.................
dem de S0|0 sebre o captan.. ....
dem de 50 reii por aiq aeeura sal
dem de 60 reis por cavallo do
sella............................
idem de 1 0|0 sebre Mtlo.
8:515*601
947*055
10*440
15:457*048
4*816
1:466*016
861*31?
70:685*326
2:288*000
776*443
770*000
7*800
* vjv avnn-w miau. ..
consigoado a A. L. de 0. Aievedo & U't maoues- r^, de K por escravo eiporudo
too o seguinte : Mem de 10* por toneladas d'alva-
400 alqaeires sal; o ordem. u..*- ^D,......................"
flate nacional Bmilia, entrado naca, mim de M por escravo nhador.
coittf nade a Jos de 84 Leitao, maniteoa e se- ltm ie {oo* ^ Uil diranc-
gniote : 1 j5o de fscravos.................
580*800
4:498*120
'248*000
228*000
64*750
1*000
118*000
115*0$
200*000
A administraco do correio desta ci-
dade eogaj homens para o servico de cami-
nheros as pessoas que estiverem nestas con-
dices e quizerem se engajar : dirijam-se a
mesma com ^tostado que abone sua con
ducta.
Arremataco.
Tendo-se de proceder aos reparos e ontras obras
no ediflci da eapitania do porto, convida-se a quem
se queira encumbir de taes obras, a examinar o
orgamento na mesma repartigao, e apresentar suas
proposias em carta fechada no dia 8 do corrente ao
meio dia.
Capitana do porto de Pernambaco 2 de julho de
1867.O secretario,
______"________Pecio de Agolpo Fonseca.
* Subdelegada da rrepnnzia de Santo Antonio
do Recife 1 de jalbo de 1867.
ACHADO.
Nesta subdelegada entregoa o iospector do qaar-
teirao 38 desta freguezia Paulino Onofre Nnoes,
com loja na ra do Livrameoto, a qnaotia de 15*
em cdulas que apprebenleo a um preto liberto de
nome Benedicto, qoe passando naqaella ra pelas
4 boras da tarde do dia 18 do mez de junho prxi-
mo fiado, o encontrn na calcada, sem que nessa
occasi> se podesse dascobrir quem fosse ;eu dono:
que n se julgar com direito a Ul dinbeiro apresen-
te-se, que dando os signa es e esclarecimenios con-
venientes lhe sera' entregue.
O subdelegad},
Manael Antonio de Jess Junios.
Conselho de compras nifea.
O conselho contrata no dia 5 do etrrente
mez, sob as condices do estylo e vista de
propostas recebidas at as, 11 horas da raa-
nha, o fornecimento dos seguntes objectos
de fardamento' no presente trimestre do
julho a setembro.
Para aprendizes artfices aquartelados no
arsenal de marinha.
Colchas de algodo, lencos de' seda preta,
sapatSes, e saceos de guardar roupa.
Para imperiaes marinheiros e prendizes
ditos.
Lengos de seda preta, sapates e saceos
de lona de marinhagem.
Tambem o conseibo no mesmo da 5 do
corrente mez, e por igual forma, promove
a compra dos objectos do material da ar-
mada, seguntes : 8 barris de alcatrao, 2
amarras de 918 de grossura, 40 cadernaes
bb de 4 a 12 pollegadas, plvora marca
tom, 6 ancoretas para bateles, 60 pecas
de linha fina de barca, 50 moites bb de
4 a 12 pollegadas, e 200 vidros de 23 3[4
pollegadas inglesas de comprimento e 16 e
1|2 de largura.
Sala do conselho de compras navaes, Io
de julho de 1867.
O sacretario,
Alejandre Rodrigues dos Anjos.
Santa Gasa da Misericorda
do Recife,
A Illma. janta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recife manda fazer publico qne
na sala de suas sessoes, no. dia 5 do eorrente pe-
las 4 boras da tarde tem de sdVarrematadas a
quem mais vantagens offerecer as rendas dos pre-
dios em seguida declarados :
Eslabeleciiuentes de caridade.
Ruado Padre Floriano.
Casa terrea n. 49.......182*500
dem idem n. 45.......156*000
Roa de [S. Jos.
Casa terrea n. 5.......170*000
Rna do Pescadoras.
Casaterrean.il .. 216*0C0
Roa das Calcadas.
Casa trra a n. 30. ..... 175*000
dem dem n. 34........* 180*080
Rui de Sanu Tnereta.
Cata terrea n. 7....... 109*080
Ra larga de Rosario.
Sobrado de 3 andares n. 24 (3* andar) 801*008
Beoeo do Qoiabo.
Casa terrean. 8.......144*080
Ra do Encantamento.
Casa terrea n. 3.......401*600
Roa do Amorim.
Sobrado de 2 andares n. 21. 160*000
Roa do Nogaeire.
Casa terrea n. 17........ 241*000
Roa] do Padre eWortiB. *
tem n. 17............ WM>
Roa de BortM.
Sobrado de em anda* e;otto 240*000
P*trim*lo de orphos.
Roa de Burgos. ___
Casan.21. .... 114*000
um**.*. .RM^. OJO
Cmpanhia do Beberibe
TendO-se resolvido que na falla de licitan-
tes fosse agua dos chafarizes e bicas dos bair-
ros do Recife e Boa-Yi8ta fornecida por ad-
ministracao, as pesseas que quizerem en-
carregar-se desse servico poderao logo apre-
sentar-se em casa do director ra do Impe-
rador n. 57.
; eccleslastiea, e criminal, Inventarios, appellagde
revistas, e negocios pelas repartieses.
Os negocios fra da corte, alm das procoragoeav
devem vir aeompanhados das competentes ordens.
Fogio no da 27 de jonho de 1867 o escrav
da nome Feiippe, idde de 25 anuos, cor fula,
crioulo, denles largos e alvo?, ja tere be*igar mos-
tra na pona do nariz, tem os ps grossos e 01 da-
dos curtos, multo paixolla e quer entrar na po-
ltica, alto, com ponca barba ; quem o pegar le-
ve-o a Varjada, termo da villa do Limoeiro, qne
ser bem gratificado
O conspltio de compras do arsenal de guer-
ra precisa comprar o segninte :
2 livros de papel holanda pautado com 50 follias.
1 dito dito dilo 70 Mhas.
4 ditos ditos ditos 16 ditas.
2 ditos ditos ditos 20 ditas.
2 ditos ditos ditos 24 ditas.
2 ditos ditos ditos de 40 ditas.
1 dito dito dito 50ditas.
1 dito dito dito 80 ditas.
As pesssas que quizerem vender ditos livros
esentem as suas propostas em carta fechada na
pbrsala do conselo^ll horas do dia 5 do corrente.
Conselho de compras do arsenal de guerra 1
de jolno de 1867.Jos Mara Ildefonso Jacome
da V"'ga Pessoa de Mello, coronel director. ,
Santa Gasa de Misericordia do Re-
cife.
Pela secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife se convida as pessoas aoaixo declaradaspara
qne venham requerer a retirada do collegio das
orphaas, das educandas tambem adianto menciona-
das, as quaes mostrando pouco desejo de continuar
no collegio, a Illma. junta administrativa deliberoa
que fossem entregues a' seus prenles oa pessoas
que por ellas se ioteressam, na conformidade do
art 48 3' e do art. 50 do regulamento daquelle
Ubelecimento :
Niomisia de Luna Costa, irmaa de Mauoel de Lana
Costa, raorader a* ra da Cruz.
Samaritana, Sitia de Rosa Claudina;
Leocadia Mara da Conceicao, filha de Mara Leoca-
dia ja fallecida;
Francisca hidra;
Isabel da Luz ;
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife, 28 de marco de 1867.
O escrivao,
Pedro Rodrigues de Sonza.
Santa Casa da Misericordia
do Recite.
A Illma. jauta da Santa Casa da Misericordia du
Recife, recebe propostas para arrenaamento das
casas abaixo declaradas, que achando-se arruina-
das sero arrendadas por qualquer prego, a quem
se incumbir de as concertar:
Estabelecimentos de caridade.
RuaDireitan. 33.
Rna da Moeda n. 37.
Ra do Burgos n. 2.
Ra do Pbarol n. 72.
Becco da Abren n. 2.
. Patrimonio dos orphos.
Ra da Cacimba n. 19.
Os pretendentes para melbores esclareclmentos
poderao dirigir-se a esta secretaria.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do Re-
cife, 28 de marco de 1867.
O escrivao,
Pedro Rodrigues de Sonea.
Segae em poneos dias o brlgae portoguez Cons-
tan! H 5 para carga e passageiros trata-se eom
Oliveira Filhos & C*. largo do Corpo Santo n. 19,
oa com o capitio na Praga do Commercio.
CMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR
E' esperado dos por los do norte
at o dia 12 de julho o vapor
Santa Cruz, commandante Gui-
Iherme Waddiogtoo, o qaal de-
_ pois da demora do eos turne se-
guir para os portos do sul. ,
Recebem-se desde ja passageiros e engaja-se a
carga qoe o vapor poder conduzir a qual devera'
ser embarcada no dia de sua chegada, encommea-
das e dinbeiro a frete at o dia da sabida as 2 ho-
ras. Preyinese aos Srs. passageiros qne suas
passageas' s se recebem nesta agencia roa da
Cruz n."l, escriptjr-o de Aalonlo Luiz de Oliveira
Azevedo 4 C.
C6IP.4W BRASILEIRA
DE
Paquetes a vapor
E' amerado dos portos do sai^
at o dia 8 do corrente o vapor
Guar, commandante o primeiro
tenante Pedro Hyppollto Duarte,
o qual depuis da demora do eos-
turne seguir' para os portos do norte.
Besde ja recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada, encom-
mendas e dinbeiro a frete al o dia da sahida as
2 horas. Previne-se aos Srs. passageiros que suas
passagens s se recebem nesta agencia ra da
Cruz n. 1, escriptorio de Antonio Laiz de Oliveira
Azevedo & C.
TOt\
Precisa-se de orna ama para eczinhar, e en*
gommar ; na rna das Cruzes o. 21, 1* andar.
Precisa-se de urna ama par? todo o servico
de casa; na roa de lionas n. 1.
Jeronymo Emiliano de Miranda Castro, iran-
Mcfc de dor pelo passamento de sua mai D. Clara
Mara de Miranda, agradece sinceramente nao s
as corporales religiosa?, como tambem a todas
as pessoas, que no dia 29 do mea fiado assisliram
na matriz de Santo Antonio as snas exequias;
roga qnelles de seas amigos qoe quizerem ouvir
urna mlssa por sua alma, o comparecimeoto a re-
ferida matriz s 6 boras da maoba do da 6 de
corrente mez.
Recife, 3 de nlbo de 1867.

Segae com a possivel brevidade o brigue escu-
na GRACIOSA, capito Ralis, tocando no Mara-
nho s enf ultimo case, para alguna carga que
lhe falta tratase com o respectivo consignatari'
Antonio de Almeida G me-, a' ruada Cruz n. 23,
1 andan_______________________________
Rio Grande do Sul
Vai sabir em poneos iias a barca portugaeza
Nova Mariaana ; recebe carga a frete commodo,
para o qne trata-se com Oliveira Filbos C, largo
do Corpo Santo n. 19, ou com o capito na praQa
do commercio.
Porto
Pretende seguir com a maior brevidade possivel
a barca portugueza Oiirfu por j ter parte do seu
carregamento prompto : para o resto a frete com-
modo e passageiros, aos quaes offerece excellentes
commodos, trata-se com Cunha, Irmaos & C, na
roa daMadre de Dos n. 3
CASA OA FORTUNA.
Aos 6:000$000.
B.Ibctes saran.tdos
\ RA DO CRESPO N. 23 E CASAS DO COSTME
O abaixo assignado venden nos seus muito fau-
ces bilhetes garantidos da lotera que se acabou
de extrabir a beneficio das familias dos volanU-
rios da patria, os s-guiates premios:
N. 527 dous quartos eom a sorte de 2:000/.
N. 98 dous quartos com a sorte de 6'"
N. 3993 dous quartos com a sorte de 31
v E ontras moitas sor tes de 100$, 40* e
Os possuidores podem vir receber seas respee-
ivospreoiossemosdesconlos das leis, na casa
da Fortuna a'r.ua do Crespo n. 23.
Acham-se a Vt_da os da 12* parte da 5* lote-
ra da Santa Casa da Misericordia, que se extra-
hira' quarta-feira 10 do corrente.
Prefo.
Bilhetes.......... 6JO00
Meios............ 32000
Quartos.......... 1*500
Para as pessoas que eomprarem de 100)5000
para cima.
Bilhetes.......... 5*500
Meios............ 2*750
Quartos.......... 1*375
________________Manoel Martins Finta._____
Joaquim Suarte Perelra declara que tem
contratado com Antonio Duarte Pereira veuder-
Ibe sua oocheira a ra do Cajabouce n. 20.
LEIL'OES,.
iiOtPE:
Quinta feira 4 as U horas.
Pelo agente Euzebio.
Por mandado do Illm-Sr. lr. juiz especial do
commercio a requeriraento do curador flseal da
massa fallida de Amaro Gongalves dos Santos se-
rlo vendidos diversos movis inclusive mobilia de
Jacaranda', timbera dous escravos, cojo leilo tora
lugar Daquelle dia a' ra estrella do Rosario n. 45.
armazem junto a taberna da esqoina do Sr. Silva.
THEA.TRE
DE
SA1NTE ISABELLE
COMPAGNIE
DBS
BODFFES PARISIERS
Aajoard'hul, jendl 4 Jalllet 67.
\\. KepiseutaoB de rabonnemeot.
Prmiere representaron de
LE 66,
oprette en un acte, paroles de Mrs. De Forges et
Laurencio, musiqua de J. Offenbach.
DIST-IBUrriOH.
fraalz, Jeun Tyrolien, cnan-
leur ambulant...........Mr. Pe va
Grltlly, sa cousine, Idem Idem M"" A. Lenormand
Joseph Barthold, colportenr
ambulant................ Mr. Noory
La sceoe se puse aox environs d'ane petiu ville
do Wurtemberg.
lutermde de danse
LA MADRILEA,
dm espagnol, dans par M- Celestina Tlerry.
Cinquteme reprsentation |
LES PANTINS DE VIOLETTEr
opere"9 bouffe en acte, poroles de M- Len
Bailo, masiqae d'Adolphe Adam.
DBSTHlBUTION.
Aleofriba, encbanteur.......Mr. Noory
Plerrot, sou flls............M- Matbtlde Poppe-
VioletU.................... M^AdleLnormand
Palasse................... M~ Celestino Tbierry
PAS DE L'OMBRE,
cempos et dans par M Clestine Tbierry.
OraVe du twtetaeh.
1. Les Panllns de YWete.
t. La Madrflna.
a. Le 6.
kf Le pas de f ornare.
Ott eommaneera 8 honres.
Be artendant les premieres rpresenution de la
onoui-u ra _otwue, oprette, murtqne de J.iqaets,
Da armacao, gneros, gaz e pertences da taberna
da ra do Forte n. 2, bem afreguezada e com
poneos fundos, propria para qualquer princi-
piante.
O agente Manas fara' Isilao por Mata e risco
de quem perteocer da taberna cima, o balango
pode ser examinado em mo do mesmo agente.
Sexta-feira 5 do corrente
as 11 boras do da.
AVISOS DIVERSOS.
Devor da scultora Saut'Aujia
erecta ao eonveotode S. Fran-
cisco.
De ordem do irmo juiz faco publico que por
deliberaco da mesa tera' lugar na ultima domin-
ga do corrente mez a festividade da Excelsa Pa-
droeira desla devo?o a Senhora Sant'Anna, cojo
programma sera' publicado em occasio epporlu-
na. Consistorio da devoco de jalbo de 1867.
O secretario,
Frederico H. da Sllveira Tavora.
Na ra da Cadeia do Recife o.
urna ama para cssinbar.
50. precisa-se de
Criado
Precisa-se alagar um criado forro 03 escravo
at 25 annos para copeiro e mais servigo de casa
de pouca familia : na roa da Imperatriz n. 7, se-
gundo andar.
Fernando Gomes da Silva teado comprado a lo-
ja de fatendas d& Augusta Hygino de Miranda, sita
a roa do Crespo n. 8 B, declara ao respeitavel pu-
blico que, se alguem se acbar com direito a mes-
ma loja e que por esse motivo queira oppor-se a
esta transaego, queira reclamar no prazo de 3
dias, fin Jo- os quaes sera' julgada effactiva.
Lava-s com perfeicao tanto _da sabo como
de varrell dando-se garanta, po'endo-se tratar
na ra da Cruz n. 55, 3* andar.
Caixeiro.
Na ra Nova n. 32, se dir' quem
boas garantas a quaotia de 1:600* cora
de 2 por cento.
da' sob
o jaros
Iostoto Archeoitgivo e fieograpblco
Pernambncaa
Haver sesso ordinaria quinta-feira 4 do
corrente julho, pelas 11 horas da manb.a.
ORDEM DO DIA
Pareceres e mais'trabalhos decommis-
S6S
ConclasSo da leitora do catalogo bio-
graphico dos bispos de Pemamboeo, pe
Sr. Dr. F. M. Rapozo de Almeida, socio effeo
tivo do instituto. .
Secretaria do instituto, i de julho de
167
Jos Soares de Azevedo.
Secretario perpetua.
As pessoas que pretendan- comprar a
mobilia de amarello, annunciada no caes do
Ramos n. 32, sendo que jinda queiram
compra-la, apparec^m que se far negocio:
assim como tambem veode-se urna cama
amarqoezada, urna dita de vento, um cap>
diairo de gaz, um par de lanternaa, um dito
de jarros, grandes, com um* par de beu-

\
Precisa-se de um caixeiro para taberna dos nlti-
mamente ehegados do Porto ; _a travessa da rna
Augusta n. 5.
Jos Lopes de Oliveira retira-se para Europa
e sua senhora a tratare de sua saude, levando
m sua cmpanhia um criado, fie-iuJ > por seus
procuradores em i* lugar o 8r. Francisco Jos Lo-
pes, em 2* o Sr. Albino Jos da silva, e em 3" o
Sr. Joaquim Ildefonso da Motta Silveira.
Hospital Po ituguez
Sao convidados os Sr?. socios do Hospital Porta-
gtez'de Benoflcencia em Pernambaco a se rennt-
rem no edificio do estabelecimento domingo 7 do
corrente pelas (0 boras da manbaa par em ses-
so da assembla geral asslstir a posse da nova
admlnistracao de conformidade com o qae dispde
o art. 29 dos estatutos.
Secretaria do Hospital Portogoez de Beneficen-
cia em Pernambnco aos 3 de junho de 18(57.
O Io secretarlo,
]. J. Fioza de Oliveira.


ponca
Precisa-se de urna ama para -casa de
familia : na ra larga do Rosario o. 8.
Furtaraui do podeL '* atiaixo assignado nm
relogio da prata galvanizado, patente snisso, com
os seguntes signaes : descoberto, com vidro de
crystal, faltando o ponteiro dos minutos e a ma-
cliini perfeita, assim como urna cadi de cabello
com enfeltes de ouro a bailo tendo no gancho duas
cornalinas eacastoadas em ouro: pede-se as pes-
soasecom especialidadeaos Srs. relojoeiros a quem
ditos objectos forem offerecldos o obsequie de 0$
aprehenderem e mandar participar na praca da
Independencia n. 12 oa a ra da Paz n. 40, qae se
gratificar.
Jos Bernardino C. de Barros.,
AMA
Precisa se de urna ama forra on escrava para
cosinbar para pouca familia : na ra d) Crespo
n. 7, loja do Passo. _______
- A. Dumont retirando-se temporariamente
para a Baropa deixa por seas procuradores sm 1
lugar ao Sr. Torqaato Henriques da Silva e em 2
ao Sr. J. OC Doyle.
1101^; 1:1 liO
No caes do Apollo armazem- n. 55, preclsa-se
alagar na bom beleeiro.
Quem annoncioo vender urna uberna sorli-
da e em bom local dirjase ao Recite roa da Gru
n. 41, toja de lapatos.______________________
A ttenco
Um rapo-tobo brasileiro de 15 annos de idale
offerece-se para caixeiro de alguma casa de com-
mercio em grosso on a reulnd, com unto qae nao
seja uberna. Quem se qnirer milisar do presumo
que elle poda offerecer e quizar ter laformacoes dr
riga-se ao 2a andar desu typegrapbia das 8 is 10
horas da manbaa e das 2 >/ ** 6 0* trt.
>
""
I MUTILADO i



*fsrl* d frnanabneo Quinta tetra -1 de albo ie 1867.
i .

Ao corpo do commercio
O abaiio assignado declara que tem jattj e con-
tratado a fabrica 'de charutos sita na roa de S
Goncalo d. 17 pertenccnie ao Sr. Fiancisco Aui nio
de Aimeida, quem se achar. com dirello ar. sen-
te-se no prazo de 8 das na ra dos CoeJhos d. 8.
Rectfe Io de joiho de 1867.
Leoviglldo Romualdo da Silva.
.- ii *
Precisase de orna ama para coiinhar e comprar
para orna casa de poaca familia ; na roa da Cruz
n. 8, 2* andar.____________^____________
Na ra Nova 2. andar n. 65, alagase ama
casa terrea na rna Aogusta n. 112.
Aos Srs. fogueteiros
na botica da roa larga do Rosario u. 34
Vende-se
Salitre refinado de 1' qaadade.
Enxofre em cyliudro idem.
Limalha de ferro (mnito nova.)
dem de ac idem.
de m de pona d'agulha idem.
Precisase de um feitpr para trabalhar, que
saiba tratar de caplm, bortalice, etc.: qnem esti-
ver nestas circamstancias e der conhecimento de
saa condQcta, appare?a na roa do Qaelmado n. 26,
1* andar.
Da-se 1:0005 a premio sobre bypotbeca
boas firmas: a' ra Direita n. 43. 2* andar.
O
l
Advogacia na corte
0 Dr. Aristides d Paula Das Marlins
tem o sea escriptorio de advocada na ra do Hos-
picio n. i, t andar, onde pode ser consoltado so-
Are qoestoas jurdicas, das 9 boras da manha as
3 da tarde. Eacarrega-se de qaalqaer cansa ci-
vil, commercial, eeclesiaslica e criminal, inventa
rio, appellacSes, revistas e negocios pelas repar-
tieses. Os negocios fora da corte, alm das pro-
curajSes devem vir acompanbados das competen-
tes ordens.
Precisa-se de urna ama para o servico interno
de ama casa : a tratar na ra do Livramento n
21, 3* andar. .______________________
HA.
Precisa-se alugar ama ama forra ou escrava,
preferindo-se esta ultima para comprar e cazmbar,
paga-se bem se servir bem ; a tratar na loja da
na Nova n. 11.__________ ______________
Precisa se de um bom destilador para encar
regar-se do ama destiiacao bem montada em nm
engenho pouco distante desta praga ; a quem con-
vier dirjase a roa da Concordia n. 73._______
Qaem precisar de ama ama de leite dirija-se
a ra Direita dos Afogados o. 31 _____
~ Precisase de um caixeiro com pratica de ta-
berna, de 12 a lo annos : na raa do Fogo n. 20.
Precisase de urna ama para casa de poaca
familia : na ra Direita n. 2, 1" andar.________
Precisa-se de urna senhora que saiba ensinar
a 1er, eacrever, gramm?tica porluguza, francez,
msica e piano, para ensinar a duas meninas em
nm engenbo na freguezia da Escada, urna legua
distante da estacao, paga-se bem : a tratar na ra
do abugi n. 11, 2 andar, com Francisco AW&io
de Brito. f^
&
MAS
Photographo da A, casa imperial do Brasil
Rna do Cabog n. 18, sobrado, entrada pelo pateo da litrte*
Acabamos de receber de Fraila pelo vapor Estremadure urna linaa eonec-
Qo de ....
ALFILETES DE Oi'RO PARA RETRATOS- lfi .
Ha alfinetes simplesmente de ouro, porm de bonitos fetttos, e na j1"
con pedras preciosas engastadas, perolas, rubios, esmeraldas etc. Os P^cos Q0S
netes com os retratos das pessoas que os comprarem, variam de 180 a 400000.
Tambem ba alflnetes de ouro para collocarem-s retratos e especies para-gra-
vatas ou mantas ltimamente em uso para bomens. Estes alfinetes com o retrato custam
de 140 a 180000.
RETRATOS POR TOHOS OS SISTEMAS PHOTOGRAPfflCOS.
Retratos em ambrotypo, para, caixinhas ou quadros.
Retratos em porcelana.
Retratos em papel para diversos taannos.
Retratos em cartees de visita.
Vendem-se passe-par-toots e molduras pretas e douradas de todos os tamanhos,
assim como vende-se tudo quanto preciso para trabalhar em photgraphia ou am-
brotypo.
Ha ama bella variedade de vistas stereoscopicas representando paisagens, edi-
ficios e monumentos de diverses paizes da Europa, frica e America. Tambem existe
qoantidade de academias coloridas e transparentes para stereoscopo, e tudo se vende
por barato preco. Stereoscopos de acaj, pallissandre e mogno de 40 a 15|J0O0.
AlbuDS de diversos formatos e gostos para 20, 30, 36, 40, 50, 106 e 120 re-
tratos, de 30 a 180000.
A galera e officina acham-se abertas todos os dias e a todas as horas.
N,2D ^ U. 2 Di
^F** COR&CAlO DE OURO. *^
A loja n. 2 D intitulada Coraco de Ouro na roa do Cabog, acba-se d'ora em diante offerecen*
do ao respeitavel publico com especialldade as pessoas que bonram a moda os objectos do ultimo pos-
to (a Pars) por meaos 20 por eento do que em oatra qualqoer parte, garantindo-se a qoalidade e a so-
lide! da obras.
O respeitavel pnblico avahando o desejo que deve ter a propietario de nm novo estabelecimen-
to qne qaer progresso em sen nogocio deve chegar immediatamente ao corarlo de ouro a comprar
aneis com perfeitos brilhanies, esmeraldas, rubins e perola; verdadeiras era agarras, modernas pek
diminuto prego de 104, brincos modernos de ouro e coral para menina pelo prego de 3, maracas de
prata com cabos de marfim e madreperola obra de moderno gosto (o qne o encontrarlo no corago de
ouro) voltas de ouro com a competente cruslnba ricamente enfeltada pelo pequeo preco de 12J, brin-
cos de nm trabalbo perfeito por nm mdico prego, cassletas, tranealms, pulceiras, alfinetes para re-
tratos e oulros modelos tudo de alto gosto, aneis proprtos para bntar cabello e firma, dito para casa-
mento, no rtico roseta tem o Coraco de Ouro um completo e bem variado sortimento de diversos
gostos, butdes para punhos com diamante, rubins e esmeraldas, obra esta importante ja' pelo sea va-
lor ja' por gosto ds desenbo, brincos a forma da delicada maoslnba de moga com piogente contando es-
meraldas, rubins, brilbantes, perolas, o gasto sublime, alfinete para grvala no mesmo gosto, relo-
gios para senhora cravados de pedras preciosas, ditos para hornero, diversas obras de brilhantes de
nafto gosto, crusinbas de rnbios, esmeraldas, perolas e brilbantes, aneis com letras, cacoletas de
trystal e ouro descoberta para retrato (a iagleza) brincos de franja, ditos a imperatrize toda e qaal-
quer joia, para seco! car retratse obras de cabello, e Potros muitos. objectos qne os pretendemos en-
contrarlo no Coraco de Ouro qae se conserva com toda a amabilidade aos concorrentes delxando-
se de aqnl mencionar precos de cortos objectos porque (desculpem a maneira de fallar) dlzendo-se o
prego tal vez algaem faca mo juizo da obra, por ser lo diminuta qaantia a vista do sea valor.
Na mesma loja compra-se, troca-se ouro, prata e pedras preciosas, e tambem recebe se coneer
tos, por menos do qne em oatra qaalqaer parte, e do-se obras a amostra com penbor, conservando-se
e Corado de Ouro aberto at as 8 boras da noile. '
Qaalqaer pessoa qoe se dirigir ao Coraco de Oaro nao* se podera' engaar com i casa, pois
nota se ua saa frente nm coracao pendarado pintado de araarello, alem de outro qoe se nota em um
rotulo (isto se adverte em consequencia de terem ja' algumas pessoas engaado com ontra casa.
Affi- "
Pr*ji-se de ama ama para cosinbar e mais
vrficos de ama casa de duas pessoas: na roa da
Imperatriz n. 65, tinturarla franceza._________
Attenco.
Urna pessoa competentemente habilitada para
. oceupar-se em qaalqaer genero de planUgoes, ou
como destilador em qualquer destilago, ou ainda
como administrador de engenbo?, offerece-se para
qualquer daquelles misteres. O pretendeate ja tem
trabalbado no interior da provincia, bem como na
Guteiwa Ingleza, e director de plantagoes na Trin-
dadee na Jamaica ; coEhecendo portanto perfeita-
mente os diversos ramos de cultura do paiz, acba-
se no caso de ser empregado : quem de-seu pres-
timo se qu'zer utilisar ou obter melbores informa-
coes, dirija-se ao coosujado ioglez ou a' livraria
franceza d. 9 roa do Crespo em carta fecbada, sob
o adresse de A.
O Sr. Amonio Jos Domingues deixou de ser
caixeiro de Manoel Jos Lopes & C, da loja da
ra larga do Rosario n. 38, desde o dia 17 de ja-
nho do correte anuo. Recife 2 de ulbo de 1867
Gabinete Portuguez deLei-
tura.
De ordem do lllm. Sr. presidente substituto do
conselho deliberativo, convido aos Srs. conselbei-
ros a reunirem-se em sesso ordinaria sexta-feira
S do correte pelas 6 horas da tarde.
Secretaria do conselho deliberativo do Gabinete
Porluguez de Leilura 2 de julbo de 1866.
Jos Ribeiro da Fonsec,
. Secretario.
Aviso
As pessoas que tiverem obras na tintura-
ra da ra Direita casa n. 117 tenham a bon-
dade de tirarem as mesmas at o dia 15
do mez correte, do contrario sero vendi-
das para embolco da sobredio tinturara.
Precisa-se de urna senhora que saiba
ensinar a ler, escrever, grammatica porlu-
gueza, franceza, msica e piano, para en-
sinar a duas meninas em um engenho na
freguezia da Eescada, urna legua distante
da estacao, paga-se bem : a tratar na ra
do Cabug n. 11, 2" andar, com Francisco
Antonio de Britto.
CHEGAMM
/ A loja das Collumnas *
Lindos maBgrjtos com gollinhas.
Glande variedade de golinhas com punhos, de cambraia.
s~- -'' De bretanha e de esgoio.
Gravatinhas de cambraia de muito gosto para senhora.
Ricos peplum de grosdenaple prelo enfeitado, o que tem vindo de melhor gesto a
Pernambuco.
ra do Crespn. 13de Antonio Correia de Vasconcellos A C.

w
KA
KA
9 mima m mmmM %
Neste estabelecimento encontrara' sempre o pnblico o mais bello sortimento de pianos eom-
prebendidos os pianos tanto apreciados do fabricante Cari Scbeel.
O abaixo assignado encarrega-se de concertar e afinar toda a qaalldade de pianos, segando o
o melhor systema, e maior esmero e prompiidao possivel.
Henrlque Vogeley.
MUNDO ELEGANTE
\
46 RITA. NOVA M
THOWIAZ FERREIRA DF MRVALHO C.
Com o proposito de satisfazer o respeitavel publico desta cidade, eem geral a to-
dos, creamos o nosso estabelecimento com um complexo variado de todas as fazendas ;
bem como, laa, seda, linho e algodSo.
Um variado sortimento de roupa feita, e por medida com toda brevidade e per-
eicl o.
Os proprietaros deste estabelecimento protestando fazer suas transaccoes sempre
na melhor boa f possivel, esperam.concurrencia de numerosos freguezes. Convictos do
que vem de expor, convidam aos amantes do bom gosto e elegancia, para que apparecam
convencer-se da verdade.
No mesmo estabelecimento vende-se cha verde a 30 e preto a 20800, encom-
menda especial.
Atten^ao.
O abaixo assignado declara ao pnblico qae desta
data deixa de ser gerente da padaria da praca da
Boa-vista n. 14, pertencente ao Sr. Domingos An-
tonio da Silva Beiriz, e aproveita a occasio para
agradecer ao mesmo senbor o bom tratamento qae
receben dorante o lempo que estove em saa
casa. .
-4-itecife, 1 de albo de 1867.
Bernardino Gomes de Paiva.
"^"Cbrles Gerstl val para Enropa.
Urna senhora franceza di llcoes de piano, de
francez e italiano em casas particulares; a tratar
a rna do Imperador .71 1* andar.
O Sr, Jos Marques da Costa Soares,
(negociante no Recife) queira vfr esta typo-
grapbia negocio.______________
fede-se aos credores da fabrica de cbarntos
Estrella do Norte, sita na rna de S. Goncalo que
apreseniem sens ttulos para serem salisfeitos em
a rna esireita do Rosario n. 30, dentro do prazo
de 8 das visto sea proprietario querer retirarse
para Europa. Recife i* de jnlbo de 1867.
_________Francisco Antonio de Almeida.
(_ Vende-se ama escra va viada do mato : na
raa Bella n. 45.
COIROS
Fer reir & Matheas, na roa da Cadeia do Re-
cife n. 62, vendem :_______________________
~ Couros de vitelU, de cavallo, de vaeca' de bol e
sola envernisada, proprias para calgada, eoberta
de carros et, etc.
Samuel Power Johnston i lempanhia
Ruada SenzalaNova n, 42.
AQINCU DA
Fundidlo de Lew Moer.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos.
Moendas e metas moendas para engenho.
Taixas de ferro coado e batido para enge-
nho,
Arreios de carro para um e dous cavallot.
Relogios de ouro patente inglez.'
Arados americanos.
Machinas para deacarocar algodio.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
Predsa-se de urna ama para o servico inter-
no de ama casa : a tratar na raa do Livramento
n. 21, 3* andar._________________________
Precisa se fallar com o Sr. Dr. Javeneio Al-
ves Ribeiro, na rna do Aragon. 40.__________
Escrava para comprar oo alegar.
Precisa se de urna escrava que r.ozinhe, por com-
pra 00 alagael : aa ra das Cruzes, armazem o.
54, das 40 horas da manhaa as 4 da tarde.
* M ^
O advogado Amaro Joaquim Fonseca
Albuquerque tem seu escriptorio a' raa
Cruzes n. 35,1* andar ; reside a' travs-
sa do Veras n. 15. Encarrega-se de
questoes em todas as comarcas na exten-
gao da linha frrea.
Aluga-se um armazem gr?nde na rna de
Prala n. 33, proprio para carne ou ontro qaal-
qaer negocio : a fallar no mesmo.
Qaem tiver e qaizer vender os volamos da
Legislagao Brasileira dos annos de 1834, 1823,
1826, 1827, 1828, 1829, 1839, 1830, 1831, 1852,
dirtja-se a secretaria da polica aflm de tratar a
tal respeito com o respectivo secretario. -
Precisa-se d ama ama para todo o servico de
casa de pequea familia : na rna das Crnzes n.
41 A, taberna.___________________________
Offerece-se nma criada portugueza para casa
de pouca familia ou hornera solteiro ; quem pre-
tender dirija-se ao pateo da ribeira de Santo An-
tonio n. 13.
Mudanca
Na rna do Imperador n.
cisa se de nm criado fiel.
73, 2* andar, pre
D-se 1:000$ a premio sobre prelio nest
praga : qnem pretender dirija-se a raa do Socega
o. 29, que la se dir' qaem d. ___________
CASA
de commissao de escravos,
Na casa de commisso de escravos rna do Im-
perador n. 45,3* andar, recebera se escravos pa-
ra serem vendidos tanto da praga como do mato,
e os senhores de engenho qae por qaalqaer moti-
vo qaeiratn desfazer-se de algum nao tem mais do
que remllelo a,o abaixo assignado qne garante o
bom tratamento e prompta venda, nio se ponpan-
do exforgos aflm de em todo satisfazer as pessoas
qae o qaizerem honrar com 1 saa coutianga. Nes-
a casa ba sempre para vender escravos de ambos
os sexos.
-________ Antonio Jos Vieira de Soaza.
Trocam se
as notas do banco do Brasil e das calas filiaos,
com descont mnito rasoavel, na praca da Inde-
pendencia n. 22.
Advocada
O baebarel Olympio Marques da Silva
tendo transferido saa residencia da cida-
de do Rio Formoso para esta, contina no
exercicio de sua profissao de advogado
em sea escriptorio a' rna do Imperador
n. 45,1* andar, onde reside e pode ser
procurado,
Advoga no civel, commercio, erime e
ecclesiastico, e incumbe se de cansas pa-
ra qaalqaer dos termos do sal da pro-
vincia, onde tem pessoas habilitadas qae
Ibes deero o devido andamento e ira' sen-
do necessario.
Preeisa-M de nma ama para cotiobar, la.
var e engommar para casa de homem solteiro :
no pateo da Ribeira.
A assistente Hara Francisca da Conceicao mu-
doa a saa residencia da rna de Hoftas n. 68 para
o primeiro andar do sobrado da roa Direita n. 45,
onde pode ser procurada a qaalqaer hora do dia
e noite.___________^_____________________
Roga-se ao Sr. Demetrio Jos Teixeira, esta-
dante do 3* anno, de vir on mandar na taberna da
rna do Socego n. 56, negocio qae nao ignora, des-
de o anno de 1865. *
\". S Allua do CabugS. 3 A
Agostinh Jos dos Santos $ C.
Acaba de chegar a este estabelecimento um esplendido sortimento de
joias do ultimo gosto, perfeigo artstica e-modellos enteiramente novos; como
seguem: aderecos com rubim, esmeraldas e perolas finas, pulceiras, broches
para retrato, anneis, botes de punho, brincos e cassletas com letras, etc.,
etc., etc. Salvas de prata do Porto, faqaeiros, paHteiros, calis de mesa e
fracteiras, cujos precos s5o incompetiveis, pois que s proprielarios desta casa,
recebendo seas artigos directamente da Europa, podem servir vantajosamente
aos seus freguezes. Compram-se brilhantes, pedras finas, ouro e prata, paga-
se bem, tambem se incumbem d fazer concertos.
ARMAZEM DL ROIPA FEITA
Reg & Moura
ra Nova n. 24
Os proprietarios deste e^>elecimento, verdaderamente penhorados para com seus
amigos e freguezes, pelas continuadas pravas de acceita$o e confianca que delles hao re-
cebido no espaco de tempo em que se achara estabelecldos; nutrindo, agora como sem-
pre, desejos de corresponderem sufficientemente a esses ttulos qne muito e muito apre-
ciam; resolveram augmentar o pessoal artstico d sua oficina de alfaiate para assim sa-
tisfazerem com a presteza possivel qualquer encommenda de roupa feita ou por medida.
As pessoas, a cajo :argo se acha a directo da officioa, sao os Sjs. Lauriano, Castello Bran-
co e Souza Couto, artistas de reconhecido mrito e incontestavel zello e solicitude por tu-
do quanto" diz, respeito a sua arte. Pelo pouco que Gca dito e pelo muito" que poderemos
accrescentar na presenca dos nossos freguezes, affian$amos desde j a mais restricta ob-
servancia e fidelidade no cumpr ment dos ncjssos de veres.
Attengao.
N, 2-5--Roa do Livramentr-N. 25
Deposito de tamancos e calgado naconaes da fa
brica da roa do Jardim n. 19, de Jos Vicen te Go-
diobo, tanto no deposito como na fabrica se
apremptam todas as porgos de calgado o mais ba-
rato possivel, esta fabrica tem todas as machinas
proprias para os calgados ja' bem acreditados pelo
grande numero de freguezes qae daqal se for-
necem._________._______________
Na praga da Independencia n. 33, loja de
ourives, compra-se onro, prata e pedras preciosas,
e tambem se faz qaalqaer obra de eBcommenda e
todo e qualquer concert.
Na rna do Imperador n. 73, segundo andar,
preoisa-se alugar nma cozinbeira j de idade.
Vino tnico e nutritivo
BE
QUINA E CACAO.
BIG1U\I).
Esta nova combinaco rene em ama bebida as
ss agradavel e conveniente a todos os organis
mos, a quina que um medicamento tnico por
excellencia, e o cacao que contem principios nu-
tritivos asss reconbecidos.
Elle se emprega com o maior soccesso na cura
das paludas cores, soffrimentos do estomago, per-
da de appelile, digestoes difficultosas, menstrua-
goes difficeis etc., etc.
Deposite especial

NA
Pharmacia e drogara de Bartbolomeu & C.
34Rna larga do Rosario34
Serventes.
Precisa-se de nm on dons moleqnes para ser-
ventes do hotel Pernambacano a' raa das Cruzes
0.39.__________________________________
Perden-se o qnarto de bilbete n. 2565 da 43*
parte da lotera concedida a beneficio das familias
dos voluntarios da patria, tendo no verso o nome
do abaixo assignado : previne-se portanto ao Sr.
tbesonreiro das loteras no caso de sabir elle pre-
miado, nao pagne se nao ao annnnciante.
Jos da Silva Ferreira.
O 5 cd a
1:1 i n S E
Sggpi
5 i I| |
|8si8,8
8 2.
grg'SsS'S
K>
O
35S33
en o S
K S' =
= f "S?
& t* &
B53S.
a
n
S-
s
a-
aoaqnlm Beblano de Barros
participa aos seos amigos e freguezes qne mudou
a saa ofBcina de marcenara da raa da Aurora n.
25 para a raa Direita n. 112, e contina a fabricar
as ricas mobilUs de Jacaranda' e amarello, tanta-
arios de Jacaranda' e cedro, e ontra qaalqaer obra,
e encarjega-se de concertos e verniz de qnaesqner
movis. Na mesma ofBcina encontranvse grosas e
limas de a$o patentas, e entras ferragens para mar-
cinaria, e tem algnni bancos desocenpados qae
convida algum collega ao trabalbo.
Rna da Aurora
Aluga-se e segando andar do sobrado da rna da
Aurora n. 24, com 4 salas, 6 qnartos, todos forra-
dos a papel e pintado, e soto para cozinba, tendo
agua e despejo.- a tratar na raa Formosa n. 15
com Candido C. G. Alcoforado,
Precisa se de ama ama qae engomme com per-
feigo para cesa de poae familia : na raa Nova
ns. 20 e 21 ________________
Die ordentliche General Versammlung
des Doutschen Huelfs vereins wird am 20
Juli stattfinden ; im Auftrage des Ausschus-
ses erinnert der Secretair hiemit alie Mlit-
glieder, die Veraenderung der Statuten
betreffende Aatraege zn machen baben,
darn, ihm solche, in Uebereintimmung
mit 3 des drilten Artikels der Statuten;
in Lejlen eizusenden.
Pernambuco d 1 Juli 1867.
B. Nobiling,
Secretair._______
os senhores de enge-
nho
Um caldeireiro desta praca se offerece para con-
tratar-se em algum engenbo para trabalhar pela
saa arte, ou lidar com a machina se o engenbo for
movido a vapor, do que tem grande pratica por ter
sempre trabalhado em fabricas desta praca, o qual
aprsenla tens atlestados : quem pretender dirija-
se raa do Brnm, travessa do Chafarla n. 47.
Publica^o Iliteraria.
BSTUDO
SOBB.H
O recurso corda.
A' proposito do projecto de le approvado pela
amara dos deputados na sesso de 1866, revelan-
do o art, 2* do decreto n. 1.911 de 28 de marco de
1857.
- PELO
Dr. Braz Florentino Henriques de Souza
Lente de direito civil na Faculdade do Recife.
Sabio a' laz esta interessante pablicacio, e acba-
se i venda as livrarias de J. Nognelra de Soma, e
CALCADO BARATO
Grande pechincha.
Bolinas pretas para senhora a 3000.
Ditas ditas para meninas a 25500.
Na pra^a da Independencia ns. 13 e 15, loja de
Arantes c Lyra.
Obras venda na livraria
Universal, ra do Impera*
dor n. 54.
Resologoes do conselho de estado sobre a in-
teligencia do acto addicional na parte relativa s
assemblas proviociaes.
Grammatica portugueza de Solero.
Dita pbilosophisa de Daarte.
Dita fraoceza de Noel et Chapsal.
Catbecismo da diocese do Haranbio.
O Llvro dos meninos.
JesuChrsto a a critica moderna.
Precfia-se de ama ama para casa de poaca
familia, que oosinhe e engomme : na ra do Sol
n. 19.
Ama de leite.
Precisa-se de urna ama de leite
numero 20.
na ra Nova
SEGUROS
MARTIMOS
CONTRA FOGO.
A companhia Indemnisadora, estabeleci-
da nesta pra?a, toma seguros martimos so-
bre navios e seus carregamentos, e contra
fogo em edificios, mercadorias e mobilias:
na ra do Vigario n. 4, pavimento terreo
I Residencia e consultorio I
Medico cirurgico
DO
Dr. Antonio Daarte
Na praca da Boa-Vista n. 21 onde 1
pode ser procurado a qualquer J
hora.
Especialldade
Ooencas do peito, e de meninos. j
D consaltas das 7 s 10 horas da [
manha.
CASA DE BANDO
26 Palee do Carato 26.
Neste estabelecimento tao im-
portante para a saude e asseio
do corpo, acham-se montados 20
banheiros, qne s5o servidos com
a ordem e asseio que para de-
sejar-se. Quatro destes banhei-
ros sao especia'mente, reserva
drs para senhoras e por isto
.acham-se collocados em lugar re-
servado, aonde s tem entrada
as pessoas de urna mesma fami-
lia.
PRESOS DE BANHOSAVULSOS.
1 baulin fri, morno ou de
chovisco. .... Soo
i dito de choque. iooo
l dito de farello. lrooo
l dito aromatisado. looo
PRESOS POR A&SIGNATRA.
.30 banhos por mez fri,
momo ou de chovisco.
25 banbos com cartes
para os mesmos. .
12 ditos ditos ditos. .
12 ditos ditos de choque.
12 ditos ditos de farel-
lo.......
O estabelecimento estar aber-
to nos dias uteis das 6 boras da
manha as 10 da noute, nos dias
santificados das 5 as 5 horas da
tarde.
i


100000
io^ooo
5ooo
10,5 000
10^000
!i*;
COMPRAS
Oaro e prata.
Em obras velbas : compra-se na praca "da la
dependencio n. 22 loja de bilhetes. ,
Moedas de .'ouro.
Nacionaes e estrangeira's assim como libras
esterlinas: campram-se na raa do Crespo n. 16,
primeiro andar. _____m
Compra-se moedas de onro de 20, 16, 10
e 9; a roa da Crai n. 3.
220 rs. se paga por oitava de prata de Te
marcada, na loja de oarives no arco de N. S. da
Coycei;ao, no Recife.______________^_^__
Moedas de prata
nacienaes, assim como palacetes portugaezes e
bespanbes, compram-se com premio : na ra do
Crespo n. 16, primeiro andar.
22*400
para moedas nacionaes de 20 : na roa do Crespo
n-16, primeiro andar. _______
Libras esterlinas0
Comprara se com bom premio : na pra-a da In
dependencia c. 22.
Uompram-sc escravos
Silvino Guilherme de Barros, compra, rende
troca efectivamente escravos de ambos os sexos
e de todas as idades : a' ra do Imperador n. 79,
erceiro andar.__________________________
Oaro e prata amoedado
Compram-se libras sterlinas a 105300, moedas
de 203 a 22o00, ditas de 16 a 17500, assim co-
mo toda e qualquer outra qualidade, e tambem
prata nacional e estrangeira : na rna da Cadeia,
loja de fazendas n. 58. _______^_^_
Compra-se orna escreva cozinbeira e engom
madeira, qoe na tenha achaques nem vicio: na
raa da Senzala velha n. 84. ___^_^_
Compra-se
Urna armacao de armazem ou prateleiras
que nao seja de pinho, e que esteja em
muito bom estado : na companhia Pernam-
bucaua.
Compra-se
libras esterlinas, ouro brasileirO e portugus com
bom premio : na roa da Cruz n. 48, armazem de
E. A. Burle & C.__________________________.
Libras esterlinas.
compram-se no escriptorio de Antonio Luiz de
Oiiveira Azevedo & C, ra da Cruz n. 1.
Libras esterlinas.
Compram-se libras esterlinas: na roa da Cadeia
loja n. 52. ____________
Joraaes pura embrolho
Compra se na fabrica a vapor de cigarros, na
amiga rna dos Qoarteis de polica n. 21.
Compra-se
am cofre qae esteja perfeito : no armazem d) via-
do branco, ra Direita o. 16.
~\
Ouro e prata.
Moedas de ouro e prata nacionaes, estrangeiras
e de todos os valores se compram na loja de oari-
ves janto ao arco de Nossa Senhora-da Conceigao
roa da Cadeia do Recife, assim como ouro e prata
em obras velhas, brilhantes, diamantes, e se paga
bem.
Compra-se um santuario de Jacaranda em
bom aso : na raa do Qaeimado n. 33 A, loja da
Esperanga._____________________________
Comprarse
urna armacao de madeira da trra, propria para
armazem de loja ; no largo da assembla n. 1, es-
criptorio da companhia Pernambocana.
VENDAS
Ama
Precisa-se de ama ama livre ou escrava para o
servigo interno e externo de nma casa de duas
pessoas : na raa das Cruzes n. 28.
ftlllllililill
, Ensinodemusjoa
I
i andar, na io Impera**'
78, 2o andar.
Lecciona-se per solfojo e a tocar va-
rios instrumentos; dando-se as H-
coes das 5 horas da tarde as 10 da
noite em casas ou em suas residen-
1
mm cas.
Mili
Precisa-se de orna ama para o servico interno
Garranx, de Lailhacar & C, ao prefe da 3* cada de ama casa ; a tratar na raa da Cadeia do Recife
templar.
armazem n. 8.
Vends-se nma casa terrea na rna dos Copia-
res n. 9 ; a tratarnprua estreita do Rosario nu-
mero 16. ___________.
Vende-se a casa terrea i ra do Pilar n.
117 : os preteodentes podem tratar na mesma raa
casan. 129._________________________'
Saceos com farinba de mandioca multo b-
jala : no armazem da companhia Pernambncana

Vende-se urna cabra moca de 24 annos e
idade, alta, bonita Agora, engomma e cozinba bem,
peca; trata-se na ra do Fogo n. 9. Na mesma
casa ha outras escravas para vender-se._______
Attengdo.
Vende-se a armaco da taberna da travessa da
rna Angosta n. S; a tratar na .mesma.
\
NOVENAS
Y
DE
N. S. do Crmo e Sant'Anna,
Es tao a venda as novenas de N. S. do Car-
ino e da Senhora Sant'Anna; na.rua do Impe-
rador n. i S defronte de S. Francisco.
Utensilios typographicos.
Aeabam de chegar de Franca e eslSo a ven-
da na roa do Imperador n. 15 defronte de
S. Francisco: ricas escovas para lavar for-
mas, ditas para tirar provas, compooidores
de diversas larguras mui modernos, tinta
para impresso fina, linhas e entrelinbas de
differentes qualidades e pontas. A mesma
casa continua a ter testamentos de differentes
aiimaes; e folhetos de Porcina, Magaloaa
etc., assim como cidade de Deus, Horas da
Semana Santa, Manual Encyclopedico, Ripan-
sos, Camioho do Co, Horas Portuguexas,
Marianas, ImitacSo de Christo, Escudo Admi-
ravel etc.
(


I"
I
i
:'
l
A
i
.
i
Ulano de pernambuco Quinta feira 4 e *ulho de 1807.
Jemeo'ies do Dr. J. C. A ver, ei-lente
daiiversidade d Pensvlvaaia, aos
Estados-luidos.
Exlraeto composto de salsa-ps;.
rllttade Ayer.
Peitoral de eereja.
Regedlo parasezdes.
Plalas catliarticas.
0 deposito central para as provincias
Pernambuco, Alagoas, Parahyba e Rio-
Grande do Norte, destes remedios iSo fa-
voravelmente conhecidos e acolnidos em
todas as partes da America do Sul e do
Norte, acha-se em casa de Thcod Chrla-
tlansea, i6 ra do Trapiche en
Pernambuco.
Os precos de
33J por duzia de estrado de salsa-parrllha.
274 por duzia de peitoral de eereja.
27i5 por duzia de remedio para sezoes.
75 por duzia de pilulas catharticas
se entendem diuheiro i vista, coa
o descont de 5 por cento em quantidadei
de 6 a 12 duzias, e de 10 por cento em
qaantidades superiores a 12 duzias.
^ %%&*&%%&'
ce

"3
r
ev
B
es
SO
GRANDE SORTIMENTO
FA2HBMD8 BARATAS
NA
LOJA E ARMAZEM
DO
.i j. Alm do grande sortimento das melhores machinas, americanas para descarroca
Igodao, de 10, 12,14,16, 18, 20, 22, 23, 30,35, 40 e 50, neste estabelecimento a
encontra mais o segumte:
Azeite de espermacete propria para machi-
PHARHACIi
DE
Joaquim de Almeida tinto
A jarnbeba
Em extracto alcoollco, emplas-
tro, oleo, tintura, plalas,
xarope e vlnho
A jurubeba urna das substancias medi-
camentosas que pertencem ao reino vege-
tal, e pertence a classe dos tnicos e desobs-
truentes, sendo empregada com vantagem
contra as febres intermitentes acompanhadas
de engo -gitamento de flgado e de bago. Ella
tein. sido apphcada com incontestavel pro-
veito contra a anemia ou chlorose, e hj-dro-
phesia, catharro da bexiga, e mesmo para
combater a menslruaco diffieil, resultante
dj mesma anemia ou chlorose.
Depsitos geraes'
Eos Pernambuco, ra larga do Rosario
o. 10, Rio de Janeiro, pharmacia do Sr.
Dourado, Rio Grande do Sul, em casa dos
Srs, Cascao & G Macei, pharmacia do Sr.
Glaudino, no Havre, pharmacia de Mr. Ma-
rica!, em Lisboa, na pharmacia do Sr. Feij.
ATTENCAO
No armazem de fazendas de
SantosCoelhotrua do Quei-
mudo n 19.
Bom e barato
Gambraia de cores matisadas finissimas a
800 a vara.
dem brancas transparente Gnas de 4>,
U, U, U, 80 e 80500 a peca.
Baldes de arcos para sentiora a 241500.
dem de arcos de cores a 3(5500.
dem de arcos brancos nesgados a 30 e
30500.
dem de mursulina a o.->.
dem de mursulina para meninas a 30 e
30500.
dem de arcos para meninas 10600 e 20.
Cambraia de salpicos branca a 40500 a
peca com 8 1/2 varas.
dem admascada para cortinado a 120 a
peca com 20 varas.
Llem para forro a 30 a peca com-10 jar-
das.
Retondes de fil a 60.
Chales de fil a 50.
Lencos de cambraia brancos finos a 10800,
20 e 20500 a duzia.
Lencos de cassa finissimos a 30200 e
30600 a duzia.
Cambraia de linho muito fina de 60 e 90 a
vara.
Madapoles finos de 70, 80, 90,100,110
e 120 a peca.
dem enfestado muito fino a 90 a peca
com 20 varas.
Platiiha de algoJo superior fazenda para
saias a 30200 a peca com 10 varas.
Cobertas de chitas da India, muito grande
a 20600,
Lences de hamburgo fino a 20400.
dem de bramante a 30200.
Pannos adamascados para cobrir mesa a
40500. -
Guardanapos de linho adamascados a...
30500 a duzia.
Atualhado adamascado com 7 1/2 palmos
de largura a 20 a vara.
dem adamascado de linho com 7 1/2 pal-
mos de largura a 30 a vara.
dem trancado de algodo a 10500 a vara.
Algodo enfestado com a mesma largura
a 10100 a vara.
Toalhas alcochoadas de linho a 110 a duzia.
dem com pello a 130 e 140 a duzia.
Fil de linho liso a 800 a vara.
dem com salpicos a 900 a vara.
Grosdenaple preto superior de 10800,
20 e 20500 o covado.
Morantique preto superior a 20800 o co-
vado.
Flanella de-todas as cores a 800 o covado.
dem branca a 600 o covado.
Bramante de linho com 10 palmos de lar-
gura a 20500 a vara.
dem de linho com 5 palmos a 10200 a
vara.
dem de linho com 3 1/2 palmos a 800 a
vara, -
Assim como ostras muitas fazendas que
se vende por menos que em outra qualquer
parte, e d-se amostras de tudo,________
as.
Vapores d^ forca de 3 a 4 cavallos.
Serras avulsas para machinas.
MancSes-e todos osmais pertences para
mesmas.
Carros de mSo para aterro.
Cylindro para padarias. r
Debulhadores para milho.
Arados anericanas.
Carrinhos proprios para armazens.
Moinhos para refinacao.
dem para milho.
Escadas de madeira americanas.______
as
Caixas com vidro sortidos.
de todas as qualidades.
Bombas de japyz.
dem americanas.
Ferros para engommar a vapor.
Vassouras americanas.
Baldes americanos para compras.
Tinas de madeira.
Ballaios e cestas de verguinha.
Guarda comidas.
Peneiras d'arame para padarias e refinacoes'
Correntes para almanjarra.
Machados e faces americanos.
Barricas com milho branco americano.
PAVAO
Roa da Inperatrli o. 6h
DE
GAMA Os propietarios deste grande estabelecimento acabam de receber da Europa um
grande sortimento das melhores fazendas de la, linho; algodo eseda, as quaes vendem
por precos baratissimos, nm de apurarem dinheiro, dando de todas ellas amostras,
dorando ficar um peohor ou mandam-nas levar em casa das Exmas. familias pelos seus
caixeiros, assim como as pessoas que negoctom era pequea escala, neste estabelecimen-
to comprarao pelos mesmos precos que se compram as casas ingleas, ganhando-s
apenas o descont.
Casemiras pretas enfesladas a | 6oo.
Na loja do Pavo vndese superior casemira
enfestada preta para caigas e paletos pelo baralo
prego de 15600 o covado ou a 2*800 cada c re
de calca, dita moito mals Boa, covado a 25200
oo o corte a 3*300, ditas muito finas sem seren
enfestadas a 1*809, 2*000 e 3*500 cada covado :
na loja e armazem do Pavo na roa da Imperatriz
n. 60 de Gama & Silva.
As casemiras do Pavao corte a 30500.
Para camas de noivas.
Vende o Pav5o.
Ricos cortinados bordados a 8*000, iO*, 16*,
e 25* o par -, assim como os mesmos tambera
servem para jaoelias; ditos adamascados a 10* e
12* ; bonitas pegas de cassas adamascadas para o
mesmo effelto; bonitos damasos de la de orna
e daas larguras, proprios para colchas, assim co-
mo bonitas colchas de croch : to|u isto se vende
mais barato do qne era autra qualquer parte, na
NOVIDADES
rara um mh..
rtia do Crespo n, 9 A. esquina da do Imperador
Vendem-se bonitos cortes de casemiras de cores L0^-?0 Pavio rDa da Imperatriz n. 60, de Gama
escuras proprios para o tempo de invern, pelo
barato prego de 3*500, ou o covado a 2*000, sen-
do enfestadas, assim como bonitas meias casemi-
ras escaras com msela de seda a 640 rs. o covado,
ou 2)240 o corte de caiga, sendo fazenda at muito
propria para os meninos qae frecuentara a escola,
isto na loja-e armazem do Pavao na roa da Impe-
ratnz n. 60, de Gama & Silva.
Celezias para saias
s na loja do pavo.
Vendem-se pegas de celezia de- algodo, sendo
acbamalotada e moito propria para saias oo outra
qualquer especie de roupa branca, pelo barato pre-
go de 4000 rs. a peca com 10 varas, oo retalha-se
a 440 rs. a vara : na loja e armazem do Pavo!
roa da Imperatriz n. 60. de Gama & Silva.
SAIAS ECONMICAS A 3*200.
S Da loja do Pavo.
Cbegon um grande sortimento destas novas saias
escuras proprlas para tempo de invern por evita-
ren] que as saias brancas com que nmasenbora
vae composta nao se soje de lama ao mesmo tem
Custodio Jos Alves Giras,' Se*.
Tendo recebido em direitura pelo vapor francez Estremadnre, um variadsimo
sortimento de fazendas finas e da ultima moda em Paris, e aproximando-se asfestas de po samnit0 bM'ts por terem lindas barras como
e com especialidade aos seus numerosos fregueses, que venham ver o que ha de mais
moderno neste mercado. Como sejam :
para vestido
pelos
Riquissimos cortes de seda
a5O0,6O0, 700, 800, e 900.
Lindos cortes de foulard de seda,
baratissimos precos de 250, 300 e 350.
Cortes de blond para noiva, trazendo cada
corte saias de setim, capella e veo.
Ditos de dito com pequeo toque a 400
e 500.
Moireantique branco, azul e preto.
Seda branca para vestidos de noivas.
Grosdenapoles de todas as cores..
Riquissimas basquines de seda preta, bor-
da'das com gosto.
Lindos cortes de 13a com barra e de ulti-
ma moda tendo cada corte o seu figurino.
Riquissimos cortes de vizita. 15a com lis-
tas de seda para vestido, esta fazenda re-
commenda-se muito por ser nteiramente
novidade.
Dita da mesmaqualidade porm em pecas.
Requissimo transparent de seda para ves-
tido de senhorastambem novidade.
Riquissimas gravatinhas para senhora.
Ditos cortes de barege e de laa para ves-
tidos.
Lindas chapellinas de seda para senhoras.
Ditas ditas de dita para meninas.
Chapeos de palha para senhoras.
Riquissimos chapeos de sol parsitas.
Requissimos enfeites com coque e sacata-
inteiramente novidade.
Riquissimos loques de madreperola.
Ditos ditos d sndalo.
Luvas de Jouvin preta, branca e de cores.
Chales de seda.
Ditos de cachemira.
Riquissimos manteletes de cores, inteira-
mente novidade.
Riquissimos cintos para senhoras.
Riquissimas ivellas para cintos.
Riquissimas cobertas de ponto de crochet.
Meias de laias para padres.
Ditas de 15a para padres.
Ditas de seda para senhoras.
Ditas de dita para creaocas
Ditas de algodo de dlfferente3 qualida-
des e preco para hornera, senhora e criancas.
Luvas de todas as qualidades. .
MadapolSo francezo que de melhor
no mercado.
Organdy branco com listas.
Dito de urna s cor e com listas da mes-
ma cor.
Chapeos de seda para boraem.
Ditos de phantasia para homem.
Casemira preta muito fina.*"
Ditas de cores inteiramente novidades. ,
Chapeos desolcom lindos castoes.
Toaihas de labyrintho muito ricas.
Ricas fronhas de labyrinto.
Riquissimos lencos de dito.
Rendas, feicos da trra e grades para lencos.
Urna requissima toalha toda aberta de la-
byrintho o que ha de melhor neste genero.
Peitos de linho bordados para camisas'de
noivos.
Collarinlios de linho inteiramente novi-
dade.
Punhos e gollinhas para senhora.
Riquissimas saias bordadas.
Riquissimas camisinhas para senhora.
Cassas muito finas e inteiramente novida-
des.
Riquissimos veos e mantas de blond.
Ditos chales de tqquim.
Fil de liBho, liso e de salpicos.
Fil de seda, dito e de ditos.
Espartilhos para senhora inteiramente no-
vidade.
Lindos bales de la para senhora,
Ditos de dita para meninas.
Ditos de muculina para senhora.
Riquissimas vestimentas para baptisados
eontendo, chapeosinho, sapatinbo, meiasinha
e camisinha ricamente bordadas.
Coeiros bordados muito finos.
Um ,rico lencol de labyritho, proprio'para
casamento.
Chitas, cambraias, madapoles e muitos
outros objectos, que se deixa de mencionar.
O dono" deste importantissimo estabelecimento contina nos proposito de que-
rer vender muito e ganhar pouco, para o que sugeita-se a ganhar nicamente o descont.
barato preco de 3200 cada oaa, na loja e armazem
do Pavo, roa da Imperatriz, n. 60 de Gama & Sil-
va.
Espartilhos.
Vendem-se magnficos espartilhos francezes e
inglezes na loja e armazem do Pavo, na roa da
Imperatriz n. 60. de Gama & Silva.
PANNOS DE CHROCHE'.
Vende-se um grande sortimento dos mals boni-
tos pannos de ebrochs proprios para cadeiras, so-
phs, cadeiras de balanco, para almofadas e para
cobrir presentes, e vendem-se por precos baratos
na loja e armazem do Pavo, roa da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
FAZENDAS PARA LUTO.
Loja do pavo.
Vende-se setim da China preto sendo ama fa-
zenda moito leve e sem lastro com 6 palmos de
largura proprio para vestidos e roupas para ho-
mem pelo barato preco de 2*000 o eovado meri-
no preto enfestado muito bom a 1*600, superiores
bombazinas pretas a 1*600, 1*800 e 2*000 rs. o
covado, superior canto a 1*200, lanzlnha preta
lisa a 400 e500rs. o covado, um grande sorti-
mento de alpacas e princezas pretas que se ven-
dem mais barato que em outra qualquer parte, na rat0 preco de 300 rs
loja e armazem do Pavo, roa da Imperatriz, n
60,e d Gjama & Silva.
3 Bramante de linbo.
Vende-se superior bramante de linho com dez
palmos de largura pelos baratos pregos de 2*400,
2*600 e2*800a vara, superior panno de linho Silva
proprio para lences, toalhas e sereulas, pe-
lo barato preco de 640, 700 e 800 rs. a vara, pe-
gas de Hamburgo de linbo muito superior a 10*,
11* e 12*, algodozioho infestado liso multo en?
corpado proprio para lences a vara a i*, dita en-
trangado muito superior fazenda com a mesma
largura a 1*200 a vara, assim como mals ama in-
fmidade de fazendas brancas qae fe veadem mais
baratas que em outra qoalquer parte s com o Ora
de aparar dinheiro, na loja e armazem do Pavo,
ra da Imperatriz n. 60 de Gama & '"Iva.
Lencos brancos
a 20ooo, *208oo e 302oo.
Vende-se um grande sortimeut) de lengos de!
cambraia branca pelos baratos pregos de 2*000 e
& Silva.
Grande aimazem de tin-
tas medicamentos etc.
Roa do Imperador n, 22.
Productos chimicos e pharma-
ceutices os mais empregados em
medicina.
Tintas para todo o genero de pin-
tora e para tinturara.
Productos industriaes e tintas
para flores, como botoes de "flores
e modelos em gesso para imitar
fructas e passars com o compe-
tente desenho.
Productos chimicos e industriaes
para photographia, tinloraria, pin-
tura, pyrotecnia etc.
Montado em grande escala e sup-
pride directamente de Paris, Lon-
dres, Hamburgo, Anvers e" Lisboa
pode offerecer productos de plena
confianca e satisfazer qualquer en-
commenda a grosso trato e a reta-
lho e por prpo commodo.
Cassas de cor a 24o rs.
Manteiga baeata
S
~. logleza a 1*280, 800 e 640 rs., e de tempero a
a! !ife nv.m on-,to sortimeD, de cassas de' 320 rs., franceza a 640 e 480 rs., sabo a 200 rs. a
cores, pels baratissimos pregos de 240, 280e'ibra
J20 rs. o covado,
pregos
. assim como um bonito sorli
ment de cassas rancezas com listas largas a 800
rs. a vara, flnissimo organdys matisados a i*, ea
loja e armazem do Pavo, ra da Imperatriz n.
60, de Gama & Silva.
Organdy a 4000.
Vendem-se bonitos cortes de organdy
sendo com listras todas brancas ou com lis-
tras de cores tendn oito varas cada corte,
pelo barato preco de 40, pechincha; na
loja e armazem do Pava roa da Imperatriz
n. 60 de Gama e Silva.
Chitas a 200 e 240 rs.
Vendem-se chitas inglesas de cores flxas
pelo barato preco de 200 e 240 rs. o cova-
do : na oja e armazem do Pavao ra da
Imperatrii n, 60 de Gama e Silva.
Helas iiigiezas a 5ftlOO a
dnfeia.
Vendem-se meias inglezas para homem a
50000 a duzia, ditas para senhofd-as40OOO :
na loja e armazem do Pavao: na xna da
Imperatriz n. 60deGamajj Sily.a.
Chales baratos
-^^oOO, 60 e 70000.
Vendem-se chales de merino estampados
a 20, ditos lisos a 3j$500, ditos estampado
finos a 50500, 60, 60500, ditos crepon
com listras de seda a 70500 e 80000,
pechincha : na loja e armazem do Pavao
ruu da Imperatriz n. 60 de Gama e Silva.
As 10 mil varas de cambraias
Covado 300 rs. vara 500 rs.
SO o pavo
Vendem-se finissim cambraias france-
zas com listras miuda e graudas e com
lindos desenhos de flores e palmas, sendo
todas com as cores mais modernas. e mais
lindas que tem vindo ao mercado, pelo ba-
o covado ou.a 500 a
rara, grande pechincha altendendo a
ARARA
Lourenco Pereira Mendes Guimar&es.
Boias
je-se na fundilo da AurGra em Santo
Amaro/I^oias de folha de ferro de 3[8
grossurar^rJI^fenao s"eTntspffflrl"e "SfliFa
cnico, tendo 15 1$ palmos de alto e 6 3{4
ditos de dimetro com olhaes manilhas e 2
balas de ferro fundido para amarracSo, etc
^gua mineral
ferrniaw, uitohta., una* e earbonica
DE
rRBMA.
O uso d'agua de Orezz 4 moi particulariLnl.
reeommendado pela escola de p.0icina de Par,
paira todas as afecgoes do tubo digesim..^prglta
Beato das vlceras abdomines, e geralmen^
as molestias provenientes i fraqueza orgnica
pobreza de sangue.
DEPOSITO ESPECIAL
34Ra larga do Rasario<34
Pharmacia de Bartholomea dkC.
BOTAS.
Novament ebegaaa botas -russlanas, perneras
6 meias perneiras da melhor qaalidade qne temos
visto : no.armazem do vapor roa Nova a. 7.
BBBtiT .
VB*e-e no escriptorlo de A. Domont a roa do
T/apicb* n. 48, andar.
Propietario das lojas e armazens da
Arara, ra da Imperatriz
ns. 56 e 72
Tendo recebido pelos ltimos vapores da
Europa diversas qualidades de fazendas do
que faz ver ao Tespeitavel publico, vende
barato s alim de apurar dinheiro, como
nenhum outro.
Attengo.
Chita a 160 rs. o eovado.
Vendem-se chitas em retalho a 160 rs. o
covado.
Ditas em peca a 200 rs. covado: ra
da Imperatriz lojas da Arara ns. 56 e 72.
PanDO preto fino a 10600.
Vende-se panno fino preto para calca e
palitots a 10600, 20, 20500 e 30000 o co-
vado, corles de casimira preta para calcas a
30. 30500 e 40000: ra da Imperatriz lojas
daAMraT'nST-Si-fi 72.
MOCAMB1QUE A 400 RS.
Vende-se urna nova fazenda com palmas
de seda por nome mocambique paa vesti-
dos de senhora a 400 rs. o covado: roa da
Imperatriz lojas ns. 56 e 72.
Baldea a 20000.
Vende-se bales de arcos de todos os ta-
annos a 20, 30 e 305OO: rna da Impera-
triz lojas da Arara n. 56 e 72.
LSazinhas a 200 o covado.
Vende-se ISasiphas para vestidos de se-
pra a soo, 240, 280, 320, 400 rs. o co-
na ra da Imperatriz ns. 56 e
y P francezas finas a 240.
280 e 320o?francezas krgas a 240,
lojas da AxarSaj1*!01 da IlBPeratriZ
Chales de mia a *-
Vende-se chales deakin estampa
20,20500; ditos de Ka 10000, ditos' A
phantasia a 10000 : roa da lxaneraujr\ u
da Arara n. 56 e 72. >V* ~.
Basquinas a 14|000.,*
^uinhos OcL
Grosdenapoles preto para sejhora a {^fw M^ed7
I^IflC
160, 180, 200, 250, do ultimo gosto: ra
da Imperatriz ns. 56 e 72.
Madapolo de 24 jardas a 40000.
Vende-se pecas de madapolo com 24 jar-
das a 40, 50, 60, 70, 80 e 100000: por
estes precos s na Arara ns. 56 e 72.
AlgodSosinho a 30 a peca.
Vende-se pecas de algodaosinho a 30, 40,
50, 60 e 70000 o mais barato que se pode
vender: na ra da Imperatriz ns. 56 e 72.
Gotim e castor para calcas a 800 o
corle.
. Vende-se cortes de cotim e castor para
calcas de' homem a 800 e 10, ditos de brim a
10280 e.10600 ditos de brim pardo liso a
10200 e 10400: ra da Imperatriz lojas da
Arara ns. 56 e 72.
Jtareje com listas a 32o.
Vende-se bareje com listas para vestidos
de senhora a 280 e 320 o covado.
Laasinha escocesa a 280.
Vende-se ISasinhas escocezas para vestidos
de senhora a 280, 320 e 400 o covado: ra
da Imperatriz loja e armazem da Arara ns.
56 e 72.
Roupa feita nacional.
Vende-se palitots de panno fino, sceos
fraques, a 50, 60, 80 e 100; citos de
casimira de cores a 40, 50, 60, 80 e 100 ;
coletes de casimira a 30, 30500; calcas de
brim pardo a 10600, 20; ditas brincas de
linho a 30500 e 40; ceroulas a 10, 10600
e 20; calcas de castor a 10280 e 10600.
Palitots de alpaca branca e de cores a 40,
40500, e pretos a 30, 30500 e 40. Palitots
de brim a 20, 20500: roa da Imperatriz
ns. 56 e 72.
Cobertas de chita da Arara. .
Vende-se cobertas de chita a 10800, 20,
20500; ditas de damasco a 40; ditos de
Vtf> a 60 e 60500: ra da Imperatriz lo-
16,
VENDE-SE
Motores americanos para dons cavallos.
Dito dito para qoatro cavallos.
Machina? para descarogar a'godo de 14,
18,20. 30, 35 e 40 serras.
Prengas para enfardar algodo fazendo os sac-
eos com 6 palmos de comprimento com o peso de
150 e 200 libras, vlndas ltimamente da America
no armazem de Henry Forster & C, na caes Pe
dro II d. 2 junto ao Gabinete Portuguez.
w 56 e 72.
se Bramantes para lences a 20500
&,o158I2t,o.; e moitos ontros objectos
mencionar,
ns. 56 e72,
nde porcao que tem, sen3o seria para
muito mais dinheiro : isto na loja e armazem
do Pavao, ra da imperatriz n. 60 de Gama
Chales de renda a 4.
Vendem-se bonitos cbales pretos de renda che-
gados ltimamente pelo barato prego de 4 : na
loja e armazem do Pavo, roa da Imperairlz n. 69
de Gama & Silva.
Notos Tes ti dos a 6000.
Na loja do Pavo.
Cbegaram os mais modernos e bonitos cortes
de organdys para vestidos, tendo 10 varas c da
corte, sendo 7 varas listadas para saias e 3 varas
sem listas, mas com enfeite para o carpo (oa ca-
saqnlnbo) garntese neste genero ser o mais mo-
derno que tem vindo ao mercado, tendo entre el-
les muitos brancos com listas e enfeites pretos, e
2*8007dfa7s7m co"dTtos'co'm Utt4ee Si^? rPnr,e, tA^STrnTZ
res fixes em vlta, tanto proprio para bomens co- S^fS* Pava0 rna da ItDPeratm D- 60' de
mo para meninos, que se vendem pelo barato
prego de 3200 duzia, ditos grandes de cassa li-
za que se vendem a 500 rs. cada nm, na loja e
armazem do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Madapolo pechincha a 6$
Vendem-se pecas de madapolo sendo fa-
zenda muito superior com 24 jardas cada
peca pelo barato preco de 60, dito muito
mais superior a 60500 e 70, assim como
dito flnissimo a 80, grande pechincha: na
loja e armazem do Pavo ra da Imperatriz
n. 60de fiama 4 Silva.
' As chitas baratas
Na loja do Pavo a 240, 280, 320 e
360 rs.
. Vendem-se urna grande porcao de chitas
finissimas com pequeo toqu de mofo, ten-
do miudinbas e gradas, que se vendem pelo
barato preco de 280 rs. o covado, sendo fa-
zenda que val muito mais dinheiro, ditas lar-
gas e escuras sem defeito a 240 rs. o cova-
do, ditas preclaras escuras e alegres a 320 e
360 rs., tudo isto pechincha na loja e ar-
mazem do Pavo: ra da Imperatriz n. 60
de Gama & Silva.
Para calcas
Vendem-se meia casemira muito encorpa
da e escura pelo barato preco de 320 reis o
covado ou a 10120 reis o corte de calca,
sendo fazenda propria para calcas, paletos e
coletes, grande pechincha na loja e arma-
zem do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Chitas pretas a 160 e 200 rs.
Vendem-se chitas pretas inglezas com sal-
piquinhos a 200 rs. o covado, ditas lizas a
160 rs., no armazem do Pavo: ra da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Atoalhado.
Vende-se superior atoajhado de algodo ada-
mascado com cito' palmos de largara, vara a 2,
dito transado sem ser adamascado vara a 15800,
dito superior de linbo adamascado vara 2800 e
3, gnardanapos de linbo cr qae sao os mais
econmicos a 3 a duzia, na loja e armazem do
Pavo, roa da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Chitas con mofo a 280 rs., oa loja do
Pavo
Vende-se urna grande porcao de chitas
francezas com muitos bonitos desenhos, pelo
barato preco de 280 rs. o covado, por ter
um pequeo toque de mofo, sendo decores
seguras e garantindo-se que soltam o mofo
logo qae se lavem e a nao terem este pequeo
defeito seriam para 400 rs. o covado, esta
pechincha acha-se nicamente na loja e ar-
mazem do PavSo : roa da Imperatriz n. 60,
de Gama & Silva.
na ra das Crines n. 42.
Kival mm. segundo.
Rna do QHeimano n. 4t>.
Qoer acabar com as fazendas abaixo
mencionadas.
Qneiram vir ver o qae bom e baratissioo.
Toa Ibas de labyrintho com bico, fazenda boa a
355OO.
Carretela de liona com 100 jardas a 30 rs.
Gravatas pretas e de coree muito finas a 500 rs.
Caias de o'jreias de massa moito novas a .40 rs.
onfiadores para espartilno de cordao e fita a 6C
ris.
Car retis de linba Alezandre com 400 jardas a 20f
ris.
Resmas de papel almago muito bom a 25500.
Frase de oleo babosa a 320 e 500 rs.
Ditos de dito bigienique verdadeiros a 1000.
Ditos dito falso a 800 rs.
Ditos de macagar perola a 200 rs.
Sabooetes muito finos a 60, 160, 200 e 320 rs.
Ditos de bolla muito finos a 240 e 320 rs.
Caixas para rap com bonitas estampas a.100 rs.
Miadas de lioha froxa para bordar a 20 rs.'
Varas de cordao para espartilno a 20,rs.
seos com tinta rxa moito boa a 240 e 320 rt
piteados para regagar- cabello de meninat
a320T\_^
Frascos de mac^' oleo rauite fino, a 120 rs.
Abotoaduras maitos0Aas Para colleles a 500 rs.
Candes de linba hram^>-a erres a 20 rs.
Libra de ara preta sapenor a 100 rs. r"" -*i*
Cartas de alfinetes francezes com 14 pentes ~~
120 rs.
Sscovas par tato, fazenda boa, a 500 rs.
Varas de franja branca de linbo para toalua *
100 rs.
Pegas de bico estrelto com 20 varas moito bonito a
15000.
Varas de papaflna de differentes larguras a 120,
160 e 200 rs.
Caixas de palito balo a 40 rs.
Caixas de palitos de segaranga sem euclnfre a
60 rs.
Sabonetes de familia a 100,160 e 240.
Grosas de botoes de madreperola para camisa a
500 rs.
La para bordar de todas as cores e fiaa, a libra
e$ooo.
Carreteis com 4 oitavas de retroz preto moito fino
a 1O00.
Caixas com soldados de chumbo para meninos a
120 rs.
Cartilha de doutrina ebrista a 320 rs.
Latas com superior banha a 200 rs. '
VENDE-SE
chombo de monigoa 249 o qainfal
perial n. 147.
na roa Im
Vende se ora escravo de meia idade, robus-
to, de boa conducta e proprio para "qualqoer ser-
vigo : a ver e tratar na travessa do Carioca n. 2
caes do Ramos.
Vende-se urna borra (cofre) e tambem se
vende urna balanga romana todo em bom estado '
e por prego commodo : a tratar na ra da Mjeda
n. 29. _______________________________
Veodem-se doos bon3 escravos proprio para
servig de campo : a tratar na roa da Praia ar-
mazem n. 3.
Grande reducto
NOS PREQOS DAS
Prepara ges
DB
Lamman & Kerap
Salsa parrilhade Bristol duzia 335.
Agua Florida de Murray S Lanman 105.
Anacaboita peitoral de Kemp 225-
En qoanto a agua florida preciso a maior cau-
tela contra as falsificares Iraululenias francezas :
as verdadeiras preparares se vendem no nico
deposito roa do Traptcbe n. 8.
XAROPE
DE CASCAS DE LAR AMAS AMARGAS
oe I. P. jLaroze, pharmacentico
a em Pars
35 annos de sueerssos attestam a sna efikaeia,
como;
tnico excitante,,para ajudar as ranc-
coes do estomago, assim como dos intesti-
nos, e curar as doencas nervosas, agudas ou
chronicas. .
tnico anti-nervoso, para curar os incom-
modos percursores de doencas assim evita*
das, e para facilitar a digesto.
anti-periodico, contra os calofros, calo-
res, com ou sem intermittencias, e que teem
por especficos as substancias amargas; tam-
bem efficaz contra asgastrites e as gas-
tralgias.
tnico reparador, para combater aex-
haustagao do sangue, dispepsia, anemia, es-
gotamento, inappetencia, langor etc.
Deposito em todas as pharmacias e casas
de drogaras no Brasil.
Expedicoes, em casa de J. P. Lazore. rae
des Lions-St-Paul, 2, Paris.
Deposito ejn Pernambuco, pharmacia de
n. Manrer & C. ra Nova n. 25.________
MOLESTIAS DO PEITO
Aviso Importaste.
Os aicos verdadeiros xaropes de hypopbosphl-
tos de soda, de cal e de ferro do Dr. Cborcbill tra-
zem a firma qoatro vezes repetida deste sabio me-
dico sobre o subscripto e a marca de fabrica da
pharmacia Swano, 12, roa Castiglione, Paris.
Aeha-se a venda em frascos qoadrados com e no-
me do Dr. Cborcbill no vidro. Prego 4 francos em
Paris: Com Instroccao
Vende-se em casa de P. Manrer & C
Vende-se urna crionla de meia Idade por
5005, cozinba bem e tambem sabe engnmmar ; na
roa do Fogo n. 9. _______
Vende-se o bonito escravo mde idade de i
annos pouco mais oo meos: qaem preteader J
rija-se a roa Direlta 0. 99,_______________
Vende-se nm sobrado de um andar na ra%
do Amorim n. 10, com chao proprio : qaem pre-
tender dirija-se a ra da Cruz o. 18, segando
andar.
Vende-se orna taberna sortida e em muito
bom lugar: qaem qoizer aoooacie sna morada.
Na ra do Trapich n 16.
acham-se os seauintes depsitos
De R. Broninguaus em Naits.
Boargogne.
Vinbo Pommard tinto.
1 Cortn finto.
> Santo Georges tinto.
1 Cbambertin tinto.
* Rlcbeboorg tinto.
1 Clos de Voogeottino.
1. Cbablis branco. ^ -
De H. A, Woef em Francfort; -
Bueno.
Geisenheimer.
Liebfraomilch.
Marcobrunoer.
Em casa de Tbeod Christiansen, ra do Trf- -
piche-novo n. 16, nico agente no norte do Brasil
de Brandenborg freres, Bordeaox, encontra-se ea
factivamente deposito dos artigosseguintes:
St.Jolien.
St. Pierre.
Larose.
Chateau Loville.
Cbateao Hargaox.
Grand vin Chateau Lafitte 1858.
Chateau Lafitte.
Haot Sauternes.
Chatean Sauternes.
Cbateao Lataur Blancbe.
Chateau Yqoem.
Cognac em tres qualidades.
Azeite doce. Pregos de Bordeaox.
Joaquim Jos Gtoncalves
. Beltrao
RA DO TRAPICHE N. 17 4o ANDAR)
(.Sacca por todos os paquetes sobre o Banco
do Minbo em Braga, e sobre os gaintes loga-
" em Portugal.
aber:
Lisboa.
Porto.
- Valenca.
Gol maraes.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Con4e.
Arcos de Val de Vez..
; Vianna do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famelicio.
Lamego.
Lagos.
Covllbia.
O
3


Blarlo ato trtumhnem ~ Quista felra 4 de 4ulho ale 1867.
RA 90 BMJ11 tf. 38
0 proprietario deste eslabelecimento deseja chamar a attencJo dos senbowa pra-
priotanos para os acreditados mechanismos que contina a fornecer ; os quaes garante
ser como sempre. da melhor qualidade possivel:
Machinas de vapor
forca de um cavallo para cima. As menores sSo mui proprias para motores de descaro-
camentos de algodao ; ellas viajam armadas a podem trabalhar dentro de 24 horas, depbts
de chegarem no logar. Ellas levam todo qaanto preciso para o trabalho, e diversos so-
brecenantes. As machinas maiores sSo proprias para a moagem de canna, e ha dellas
que podem janta e separadamente moer canna e descarocar. Ellas podem-s applicar a
qoalquer moenda j existente sem ontra mudanca do qoe asubstilaicaodasrodas da alman-
jarra, ha tambemcom moenda juuta. Ellas tem depsitos d'agha e boeirw de ferro, e
nSo precisam para seu assenUmento de obra'alguma, qur de carapina, qur de alvenaria.
O tempo para assenta-las n5o excede de doze dias ao mais, e em casos de mortes de ani-
maes ou arrombameotos de acudes, etc., garante-se o assentamento em oito dias. Todos
estes vapores sSo simplissimos na construccSo, e se regem por quaiquer pessoa intelligente,
a facilidade da condaccSo sendo especialmente considerada, tanto que nao ha lagar em que
n5o se possam conduzir, qur por trra qur embarcado.
Lembra-se aos senhores de egeoho que a venda dos animaes e o ser vico da
gente occnpacU) no sea tratamento os hSo de recuperar da maior parte da despeza do
vapor, deixando-lhes a vantagem de urna moagem certa e accelerada ; e acabando eom a
despeza da compra continuada de no vos animaes, e com os desgostos do trabalno que se
tem com elles.
Ser tal vez desnecessario lembrar aos compradores de vapores a vantagem que mes
resolta de cmprarem suas machinas garantidas em urna fabrica, tendo artistas compe-
tentes para assentar as mesmas e ensinar a maneira de trabalhar com ellas, e j prepa-
radas para arremediar quaiquer desarranjo; facilidades estas que jamis podem encon-
trar comprando-as aos simples negociantes, os qaaes por falta de conhecimento na ma-
teria nem se qur podem garanti-los de qae as machinas que A'endem sojam proprias ou
sufliclentes para o trabalho em que se qaeira emprega-las, e no caso de desastre n5o pe-
dem prestar -Ibes soccorro algam; sendo que ainda quaodo veaham s fabricas para con-
certar as machinas alheias, torna-se-ha preciso fazer repentinamente moldes novos, etc.
para as pecas estragadas. J numerosas vezes estes vendedores tem representado seas
vapores como sendo de forca mui superior sua actual e verdadeira forca; equivoco
este que alo s engaa ao comprador acerca do trabalho que possa tirar do vapor, mas
tambem da lugar ao pagamento de um preco excessivo, vista da forca.real da machina-
que compram. "v-,
Tambem ha sempre prompto rodas d'agua de ferro, sarilhos^om cruzetas para as
mesmas moendas de canna de todo o tamanho, rodas de espora e anguladas, paroes ou
joches para receber o caldo, crivos e portas de fornalha, taixas de ferro batia^fnndido e
de cobre, formas de ferro galvanisadas para purgar assucar, bombas simples e arrepe-
cho, alambiqaes de ferro, eixose rodas de carro, arados, grades, enchadas a cavallo^e ou-
tros instrumentos de agricultura, moinhos e tornos para fazer farinha e finalmente tbdo o
objecto de mechanismo de que se costuma precisar.
Na fabrica se fazem obras novas encommenda e concertos, com a maior presteza
e solidez. O grande deposito de pecas e objectos habilitam-na muito para este fim.
O proprietario ser sempre mui feliz de poder dar informaces oa es,ciareciifleatb''
aos senhores que se servirem de sea prestimo. ^ '
D. W. BomcAN/engenheiro.
ATTENCAO
LOJA DE FAZENDAS DE AUGUSTO PORTO l C
11Ra do Queiaado^11
Angosto Porto C acaban de receber da Europa snperleres cortes de seda de cares para
bailas e casamentes.
Ricos cortes de blond cae) manta e capella para noivas.
Cortinados bordados para camas de noivas e janellas de 71 a- 809 eada nm.
Colxas de seda e outras de la e seda o qae ha de melhor para camas de noivas.
Toalhiohas de croch para cadeiras e sof?, espartllhos a saltana para senhoras, camislnhas
com mnganos bordados e lindes enehovaes para baptizados, e batSes de massellna e de reos para
senberas e meninas.
Lavas de pellica para hornera e senberas e superiores chapeos de sol de todas as qaalidaer.
La para vestidos barailsslma bonitos padrees o covado a 180.
Tapetes grandes para sof, ditos para piano, ditos para cSma e peqaenos para portas e janeltas.
iloir branco e-preto superior para vestidos de lindos desenlio, grosdenaple de todas as cores
seda de qnadriohos. cambraias brancas de mditas qaalldades, ditas d% cores e liadas percales.
Basquiaes do seda preta altlma moda, chafes e retonde's de euipare, vende-se barato.
Ciar as para horneas franceras e ioglezas de llaho e de algodo Qaas e seroalas de liaho su-
periores.
Capas de borracha, sobretodos e peroeirae as melhores e mals elegantes.
Malas-Brandes para viagens, ditas peqaenas e saceos d tapete e coaro.
Bramante branco de i largaras a 2#500 a vara, pannos pretos e azaes, casemiras- pretas e de
cores todo bom e barato.
Neste estabelecimento ha sempre tira completo sortimento de boas fazendas tanto para a pra^a
como para o centro da provincia e superiores objectos proprios para casamento? como sejam capellas,
mantas, vestidos de blonde e de moir branco, cortinados, colchas, vendendo-se tudo mais barato e
tambem as melhores
Esteiras e alcatifas para forrar salas, 3
i i -Roa do Quelmadoii
Vapores.
Vende-seem casa de Saaaders Brothers & C,
ao largo doCorpeSantn. 11, vapores patentes
com todos os pertences proprios para axer mover
tres oa quatro machinas para descarocar algodao.
Aos agricultores
Saunders Brothers & C. acabam de receber de
Liverpool vapores de forca de 3 a 4 caaallos com
todos os pertences, emoJ proprios para axer mo>
ver machinas de descargar algodao, podendo eaoa
vapor trabalhar ate com O serras, tambem ser-
vem para enfardar algodao on para outro qoalqaer
servico em que asam trabalhar com animaos, os
mesmos tambem tem a venda machinas america-
nas de 39 a 40 sorras : os pretendentes ilrljam-
se ao larto do Corpo 8anto n. II.________
liiii-'-ii ii nriiH
S
O ARMAZEM DE MOLHADOS
INTITULADO
DUAS AMERICAS.
SHuadd oas Claco Ponas o. 86.
Toma a sabida honra de chamar a atiendo dos amantes da economa para o sea
bellb sertimento de novos e apetitosos gneros.
As Duas Americas muito se apraz em receber em quaiquer de seus pontos o
Viado Branco, fazendo-lhe as devidas cortezias em prosa e verso e envidando todos os
esforcospara coagratlar-se com elle o melhor possivel, desejando-lhe sempre rpida e
brilhante carreira.
Alerta grita o Baliza
I Qaem que janto a mim pisa ?
Responde as Duas Americas Eis-me aqu lindo Veado,
Com carcter puro e franco: Como sempre em boa liga,
ou eu que venho saudar Saadando-te como ordeno
Ao lindo Veado Branco. A lealdade de amigo.
i&MaV^
a
As Dnas Americas aproveita a occasio para avisar aos seus amaveis fre-
guezes que o sea grande armazem acha-se prvido de am bello sortimento de especia-
fias proprias para as festas de Santo Antonio, S. Joao e S. Pedro. D&m comomanteiga
ingleza e franceza, amendoas, sortes e outros muitos gneros.
As Duas Americas pede qoe Ihe poupem o desgosto de sea chefe mandar por
bandeira a meie pao com o pedido de =fiado 11=
Por menos de 10
DE
1ZETEDO fe FLORES
RA DA CADEIA N. 47_
Madapoldo do baldo.
Superior madapolSo camiseiro que val 80 a 60.
Dito que val 70 a 50.
Chitas do balo.
Bonitas chitas cores fixas e panno fino a 3oo e 32o rs. o Covado.
Baldes de rauda.
Os mais modernos Dales de arquinhos finos, que por isto se toraam recommen-
daveis^ao bello sexo.
(eroulas e camisas.
Ceroulas de bramante francezas a 106oo.
Camisas de pregas largas que valem 30 a 20.
As meias inglezas do balo.
Superiores meias croas para homem qae valm 90 a 70.
Roupa feita do baldo.
Sortimento de calcas, paletos, colletes de brim, panno fino de casemira, tudo por
preco commodo. _,
ende muitos outros objectos e por insignificanttssimos pecros.
SEM MAIS CEREMONIA
Sajisfeito o invencivel Veado Branco, comasmaneiras attenciosas com que
fiacolhido pelo respeitavel publico desta briosa provincia, a ponto de que muitos a por-
fia desputaram a satisfago deserem os primeiros a compraren era seu importante arma-
zem, se desvanece em declarar cpm toda a lealdade de que capaz, que est cada vez
mais animado, nao s pelo benigno acolhimento qae tem recebido, como pelas torcas de
que dispoe porque at hoje nao careceu ainda dos preparados'de jurnbeba, nem do
xarope alcoolico de veame. .;.'.._
O' Veado Braneo, declara a qaem anda o naoconhece que n5o e am
desses bicharocos intraaveis que por ahi vivem com figura humana; domesticado no
ameno paiz onde a amavel Aguia Branca vio a luz do astro bemfeitor, elle e partidario
desse invejavei agrado e sinceridade que com tanta gravidade se desprende do seu
bico encantador. ..... -.jii. j
. O Veado Branco, como todo o homem civihsado, ama a sociedade dos
bons gosta do centro do mando elegante, usa do tnico de Jayme, para previnir que lhe
ponham a calva ao sol, vai a companhia des Booffe Parisiens e no meio do partido de
madame Adella, elle tambem atira-lhe o seu lindo bouquel.
' Digne-se o benigno leitor de jarar as palavras sinceras do sincero veado
Branco, e venha prover a sua dispensa do que melhor se pode encontrar n'um estabe-
cimento de molhados.
A modicidade dos precos, comparados com va boa qaahdade dos gneros e o
bom modo com qae se recebe os senhores compradores, deve certamente convidar as
pessas que ainda nap vieram nossa casa a fazer parte flos amigos e freguezes do nosso
DE
Joaqalm imes dos Santo
23 Largo do Terca 23.
0 proprietario deste eslabelecimento de seceos e molhados tendo d fazer ama via-
9m, est resolvido a vender por menos de 10 a 30 por cento a dinheiro; para isso tem
am grande a vantajoso sortimento para os amigos do bom e barato, que a maier parta
deste, vieram por conta, parft o que Ate nnuncio de lguns gneros, e a vista destes
regalarlo os outros mais.
dinheiro avista
Gaz americano a 8,800 a lata e a 380 rs. a garrafa.
Toucinho de Lisboa a 240 e 320 rs. a libra, e em barril ha grande abatimento.
Caf do Bio a 180 e 220 rs. a libra, e em arroba ha grande abatimento.
Gerveja dasmais bem acreditadas marcas a 5,ooo e 6,ooo rs. a duzia.
fmho Figueira da melhor marca a 3,500 a caada, e 480 rs. a garrafa.
dem de Lisboa a 2,700 e 2,800 a caada, e a 360 e 400 rs. a garrafa.
Phosforos do gaz a 2,000 rs. a groza, e a 180 rs. o maco.
Manteiga franceza nova, a 560 rs. a libra, e em barril a 520 rs.
dem idem ingleza flor a l.ooo rs. e 800 rs. a libra.
Arroz pilado de India a HO'rs. a libra, e em arroba 3,400 rs. oa a sacca.
Sabao massa a 220, 200 e 240 rs. a libra, em caixo ha abatimento. >
Papel marca martello a 5,500 rs. a resma e viado 4,ooo rs.
Vraho branco de Lisboa da melhor qualidade a 500 rs. a garrafa.
Banha de porco refinada a 500 rs. a libia, e em porcao ter abatimento.
Alm destes gneros ha outros muitos que enfadonho menciona-los.
O proprietario dest armazem avisa aos seus freguezes que tem contas e letras ven-
cidas, o favor de as mandar pagarr
TRATAMKNTO.md' CHABLE, de PARS
Medico cspcclnl, consultafOei, 36, ra Vivtenne
AVISO AOS DOENTES. g^sy?*os palM5 **Buniero
de
BELUSSIMO ARMAZEM
DE
MOLHAD
CONHECIDO PELO NOME
DI
VEADO BRANCO
EstabdeeMo ra DMta n. 16.
Esquina da tavetta de Pedro.
Nao ettoa ca-
ndo, tomel Ca-
bi-ba, Copahiba
sob toda* ai
formas en opia-
to, cptalas,
confeitos, Unho
o estomago per-
dido e nao estnu corado? l'sei e abus?i de um grande numero de injecAOES, fue pretenden)
curar em 4 das, e eslou ainda mais doente's.
HA MAIS 20 WVOS *
up curo radicalmente sem recahidas, Corrimenloj, Relaxafo do canal, Catarrho d btcetga,
erdas seminaes, curando primiira a cansa virulenta aiflammatoria d'essas doencas sexuaes,
com algums vidros do meu u-:i'i:nativo do s&ngce, para parar essas affec(oes, seecar o
cana! c lhe tornar a dar sua regidez dou para acabar neu ezcellente xaropb ao citbato m
mu et minha i.\jf.c;ao. A cura radical, as SENnoass para os Ouxos brancos, segucm
o mesuo tratamento. [Vejase a noticia explicativa.)
40.000 DOENTES CURADOS
Verdaderro tratamento depurativo do sangue. As herpes as mais envetaraiat, errupedet,
pruritos, virus, hagas e a/fecces venreas, humores, e todas asdoencas qae alterto a pureza
do sangue slo curadas em poseo tempo por mea xa&ofe depurativo do sangue meus
banros mimerabs, minhas pilcias depcrativa e minha Pommada AHTi-DATmoeA.
Veja-.se a maneira de tratar-ee. A noticia qae. se la gratis no deposito de meus medica-
mentos. Esse cxcellente tratamento mo eontem mercurid, sua superioridade a bes CMhecida
uo ha urna ao caa qae possa como eu apresentar tantas attestacoe de curas.
' Em Part, ceniultagiei do dentar Chablt t vor corrispondtncia*.
Vende-se na pharmacia.de V. Manrer & C, ra Nova.

rAlUMiTg DE ORNAMENTOS BE IfiHEJi
Ba do Imperador N. 23,
Defronte de S. Francisco, le andar.
Acaba de receber de Pars um rico sortimento de ornamentos e objectos de
bronze, prateados e doarados, proprios de igrejas e capeUas, taes que : candelabros,
casticaes, custodias, turbulos, lampadas e cruzes de diversos gostos e tamanhos. Os
procos desses gneros s5o commodos, e devem ser. aproveitados. ^___^^___
Verdadeiros
Callares Royer
Electro Magnticos Anodinos
Ou Collares Anodinos, para facilitar a den-
tic5o das criancas contra as convulsoes
das mesmas, a estes collares nos 6 escazado
fazer qualqaer recommendacSo, fisto a
grande atilidade que tem produzido aquellos
pais que os tem applioado em taes circun-
stancias pois bos parece que nfio haver am
s pai ou mal qae por este meio t3o quei-
ra por termo a taes soffrimentos de seus
filhinhos visto ser um mal que tanto os
, pois a estes collares acompanka um
folheto qu ensina como se deve applicar, e
vende-se na loja do Gallo Vigilante, raa
d Crespo a. 1, pelo proco de 4iJ000, H
e 60000,______________________
Loja do Gallo Yigante
DE
Ga i maraes k Freitas
RA D6 CRESPO N. 7.
Os donos deste bem conhecido estabeleci-
mento, tem a honra o> avisar ao respeitavel
publico, e com especialidades aos seus nu-
merosos freguezes, que acabam de receber
um completo sortimento de objectos de mui-
to gosto e de completa novidade neste mer-
cado e que os tendo recebido em direitura, os
podero vender por monos que outro qual-
qaer.
Reqaissimos leques do madreperola
branca.
Requissimosleques'de madreperola preta.
Lindos leques de sndalos para senhora.
Ditos de sndalos para meninas.
Leques de faias muito lindos.
Ditos de ossos.
Lindos port-bouqaet com cabo de madre-
perola proprios para casamentes e bailes.
Lindos cintos para senhoras1 com flvellas
e flvellas de differentes qualidades e gosto.
ReqoisBimos enfeites com coques e sem
elle.
Luvas de jouvin, inteiramente novas, bran-
cas, pretas e de cores.
Luvas de seda, fio da escocia, algodo e de
outras qualidades para senhora e homem.
Lindas trancas pretas e de cores om ve-
drilho e sem elle, assim como lindissimas
guarnieses para enfeitar basquines e botoes
para os mesmos.
Lindas touquinhas e sapatinhos ricamen-
te enfeitados proprios para baptisados.
Meias de seda para o mesmo fim.
Bengalnha para meninos.
Lindos pentes de tanaruga, massa e outras
muitas qualidades.
Muito boas escovas para dentes, chapeos-
roupa, cabellos, unlias e para mpar pentes.
Superior linhas para crochet. '
Agualbas para o mesmo fim.
Lindos agnlheiros e dedar de madrepero-
la emarfim, assim como de metal.
Lindas guarnicoes de botoes, para colets,
pnaos e colerinhos.
Ricas capellas para noivas.
Meias -de seda para senhoras.
Superior thesouras para unhas, costura,
cortar cabello, etc., etc.
Finas navalhas cabo de tartaruga, marfim
e outras qualidades.
Suspensorios de seda para homem.
Ditos de algodo para homem e meninos.
Requissimas caixas com msica contendo
o necessario para costura, proprias para um
delicado presente.
Requissimos livrinhos para missa.
Lindos indispensaveis para meninas das
escolas.
Finos aderecos pretos para luto.
Grande sortimento ae finas perfumaras
dos melhores fabricantes at hoje conhe-
cidos.
E muitos outros objectos que imposSivel
seria menciona-los e que se encontraro na
loja do Vigilante, roa do Crespo n. 7.
~~ CALLOS
PomadaGalopeanpara a extraegao e enra r-
pida e completa dos: callos daros,sem a menor dor,
vende se na
Pharmacia e drogara
DE
Barthelemea & Companhia.
34-RA LARGADO ROSARIO34
Uolco deposito._______________
Collares Royer magnticos
Medalhas e pnlseiras magnticas.
A Agnia Branca receben nova remessa dos-pro-
veltosos collares Royer magnticos, ja sommamen-
te conhecidos para preservar as convulsoes o faci-
litar a deoticao das criancas.
Com esses ntels collares elctricos magnticos
tambem nao peqaenas qnantidades de medalbas
e pnlseiras elctricas magnticas coja atilidade
tem sido aproveitada por qaem soQre do nervoso
bypocondico, tremores as mos etc.
Assim como os collares Royer estao geralmente
conhecidos e acreditados pelos efflcazes efleltos
bons resoltados qae tem tlbldo as pessoas qae
dalles tem asado ; assim tambem chegaram a ga-
nbar tio alta reputacao essas apreciaveis medalbas
e pnlseiras magnticas, ama vez qae o oso dellas
fr se estendendo a todos qua dellas necessltem. A
Agola Branca contina a receber por tfog os va-
pores franceies ama determinada qantidade des-
ses sempre precisos e estimados collares Royer
magnticos e por isso flqne na lembranca de todos
qae os acbaro constantemente em dita loja da
Aguia Branca, raa do Qaeimado n. 8.
"Xarope e pasta de Seiva
DO
Pinheiro martimo
DS
E. Lagasse
Preparares mal preconizadas pelos sabios mdi-
cos de Paris, com as melhores at hoje diseobertas
para a cara certa de todas as molestias do peito,
brosebites agudos e ebronicos, ajthma e ainda da
afecc5es das vas urinarias.
DEPOSITO ESPECIAL
34 Rut larga de Rosarii34
Pharmacia de Bartholomeu
Francisco Jos Germam
|RUA NOVA N. 21,
acaba de receber om lindo e magnifico MT4
tmente de ocnlos, lunetos, binculos, do nh
timo e mais aparado gosto da Europa o oca
los de alcance para observares e, para o
martimos.
RrAL SEM SfillNDO
Raa do Qaeimado a. 49, loja do
mludeza
DE .,
Jos Bigouinno
Carriteis de reteoi^de todas as cores a 80 rs.
Frasees d'agna de Colonia moito superior a 500 rs.
Frascos de oleo moito tino a 600 re.
Baralbos francotes moito Unos a 160 rs.
Pecas de tranca branca de caracol a 60 rs.
Dazla de tesoaras peqaenas a 480 rs.
Frascos d'agna para liropar dentes a 500 rs.
Caixas com colxetes francotes a 40 rs.
Redes pretas lisas pan segurar eabello a 320 rs.
Daziis de peanas de ara mallo Anas a 60 rs.
Caixas de linba do gaz de 30 novellos a 600 es.
dem de palitos de seguranca a 20 rs.
Lencos de cassa com barra a 100 rs.
Duzia de facas e garios de cabo pre'.o a 3J60O.
Garrafas de agna Florida verdadeira 11OC0.
Babados do Porto de todas-asiargoras e lodo e*
precos.
Sylabarlos eom estampas par meninos a 3x0 n
Memento da roupa de lavar a 100 rs.
Dazias de meias multo finas para senhora a 4.00)
Agolbas francezas a balo (papel) a 60 rs.
Pares de sapatos de tranca e tapete a 14500.
Pecas de fitas de la de todas as cores a 500 re.
Grozas de botoes de porcelana prateados a 160r |
Caixas com alfineiles Irapcezes a 80 rs.
Caixas de 100 envelopes muito finos a 500 rs-
Resma de papel de pese branco liso a 2#., k
Fraseo com superior tiat a 100 rs.
Grosas de phosphoros de gaz a- 2J0O0
Pares de botSes de ponlio multo bonitos 80
Linhas em carteo de 200 jardas a 100.
Caixa de superior liaba do gaz eom 50 noraUo
700 rs.
Talheres para meninos a 240 rs.
Masso eom superiores grampos a 30 rs.
Grosas de pennas de aeo maito finas a 320 rs.
Bonets para meninos a 14.
Pentes com costa de metal a 400 rs.
Realejos para meninos a 100 rs.
VERDADEIRO LE RO
te MlC!**KBT, Btctmr-MUectn
Ru de Selne, SI', PARS.

Em cadn garrafa. Tal, entre t roll-a c o ps- -
que Ua o cien nete, um rotulo irTro na
relio cora Sello laritc ao Corra *o r a
N.fl.-,
b-nrt'
4S i
r: i.
l'r*
rtParl(,rUa.ir1
SO ill.n ilr r ~'y.
4o abal'i'" v.in r -lo *
T Jt-f. ,tni.
Deposito na pbarmacia
C em Pernambnco. .
I
de P. Manrer 9
XAROPE DEPUKATIVO
DE CASCA DE LARANJAS AMARGAS
COM IODURETO DE POTASSIO
DE
P. Laroze.
pharmaceutieo em Paris
0 ioduretodepotassio um verdadeiro al-
terante, um depurador de incontestavel efi-
cacia; combinado com o xarope de casca da
laranjas amargas, aturado sem pertubag3o
alguma pelos temperamentos os mais fracos,
sem alterar as funecoes do-estomago. As do-
ses mathematicas que elle eontem permittem
aos mdicos de receital-o para todas ascom-
pleicoes, as affeccesescromlosaSjtuberca-
losas, cancerosas e nos accidentes intermit-
tentes e terceiros; alm d'isso, o agente o
mais poderoso contra as doencas rhematicas.
Deposito em todas as pharmacias e casas da
drogaras no Brasil.
Expedicoes, em casa de J. P. Laroze, ra
des Lions-St-Paol, 2, Paris.
A' venda na pharmacia de P. Maurer d;
C.\ roa Nova n. 25.
Batatas
DEPOSITO GER4L
do assucar crystalisado da fabrica a vapor da
povoa$ao do Monteiro
a. 26 Caes 2 4c KaTenkra a. 26
O boto proprietario deste grande estabeledmento convida ao respeitavel publico,
(rae ae acba de novo idnccionaBdo fabrica do Monteiro, e qne no estabelecimento acra,
encontraro aempre om sortimento de assocar crystalisado em pans e rajado or.p ^*M snperiolfcfl,,.;-^: vndese na roa da i
der nao s a varajo(i8to de meia arroba para cima) como por ata^of* ide peosP^^O"
provincia, ^^ \
Rotondas
Vendem-se rotondas de fil : na roa do Llvra-
mento n. 26, a 2000.____________
Paris, 36, Raa Vivienne. r>
CHABLE MDECINSPCIAL
DAS ENFERMIDADAS DES SEXUAES, AS AFFEG-
CnF.^ PUTAEAS. E ALTERACOES DO SANGUE.
30,000 curas das impingent,
pstula, herpes, sarna,
eomixoes, acrimonia, e ol-
lcrcoes,vieiosas dosanguei
virus, e altsrfcoes do san*
gue- (Xarope vegetal sem mercurio). 'Bepuratiraa
Tcxetaes BAKUOS IMIiVERAES lomao-se doua
por semana, seguindo o tractamenlo Depurativo : i
empregado as mesmas molestias.
Este XaropeCitractode ferr
de CHABLE. cara immed>-
tamente qualquerpuroacao,
relaxacao, e debilidad*,
igualmente os /limos e flore
brancas das mulhere. Esta injeccao benigna aak-
prega-se com e Xarope de Citracto di Ferro.
uemerroida, Pomada que as cura em tres dias.
POMADA ANTIHERPETICA M
Centra: as affeccoM cutneas comi&ei.
PILULAS VEGETAES DEPL.WTIVAS
do CfeaMt, cada frasee vai aacesfabade de ao
U]htU).
AVISO AOS SUS. MDICOS.
Can rtMrto*, Uum
cetJutlucK*, * nervosas *> dos bron-
chiot'toit as domf
dope,S8taaodoen
nm M,lhr""* desle "P6 D' F0R6T.
urna eolhjj^ fm p^^ TItU., tm.
t vanda na pb>iuacia da
pufcuco.
DE-PURATIF
dn SANG
PLUS DE
COPAHU




t _
fcW:
Sirop du
DrPORGFT
/v
2
P.Manrer o
em libras a 40 rs., ay^M,
coreta : a?
larga p.''
rs. a an-
da aorta
&C
GAZ GAZ GAZ ~
Cnegou ao antigo deposito de Henry Porster *
u, ra do Imperador, om carregameoto da eu Aa
primeira qnalidade.o qaal se* vende era paraa
i retlho por menos prejo do qoe em oor nal,
qner parte. SUM<
Faraha de maadltca anpeHt *
Ak tratar com Tasso Irmaoa, ou ao trapiefee Ba
rio do Livrameato no Forta do Mattos.
Farello novo a 4400^
em saceos rindes: a roa do Apelle a. *.
n
\
y
<
aMsaaaVaalaH


Marte e PeraaMbaeo Qalnta (eir 4 de Jalhe de (867.
I

H

O
O
S
!
2
o
o
o
C6
mmm novas
GAMA & SILVA
OURO DE VSNEZA
Perfumaras fina?,
INGLEZAS DE GOSNBLL 4 C.
pamas realas de S. Antonio, eS. Joao e francezas de e. penaud.
o armazem do Pavo rna da A antiga a bem conhecida loja de miude-
Iaiperatrlz 60 s 4 ra de Queimado a. 16, ontinua a
estar prvida de-finas perfamarias de diver-
! ios fabricantes acreditados como Gosnel e
Penaud, sendo deste, excellentes extractos
Receber5o-se pelo ultimo ?apor da Euro- para lencos, agajde Colonia, oleo, banha,
pa as mais notas fazendas como sejam: cosmetique paSkbellos, opiata e pos para
Bonitas cassas de listas grana-j entes, sabonetspara m5os e barba, etc.,
n-Si" ih (vara800 etc.; e daqaelle, superior agua de Colonia,
uitascasteinanas. i opiata ingleza e pos para denles. Alm dos
Ditas da Ilalia. \ mencionados objectos ha muitos outros que
Ditas transparentes com os mais moder- por saas boas cualidades e bonitos vasos,
nos e mais delicados gostos vara a rs 6i0. agradarlo completamente aos apreciadores
Ditas de diversas qoalidades com no vos do bom.
gostos o covado a rs. 240, 280 e 320. Fiwlla* e ftn< nnm rintn
Cortes de medina sendo; urna booita 'azen-1 rJvmas ? Jllas Para m ll
da transparente com lindas palmas e qua-
dros de seda tendo cada corte 19 covados a
rs, 24*.
Ricos cortes de vestidos brancos com lin-
das barras bordadas em alto relevo a 240.
Ditos brancos tambem bordados a rs, 50 e
60.
Cortes de poil de cbvre com 18 covados
a 160.
Modera iss i mas va reges tapadas e transpa-
rentes com as mais delicadas cores e com bo-
nitas listas de seda, covado a 640,800 e 10. do Queimado n. 16.
Na antiga lofa de miudezas ra do Quei-
mado n. 16, encontrarlo os pretendeotes
nm bello sortimento de fivelas e fitas para
cinto, sem qne esqueca os lindos pentes
prateados, com fitas pendentes e sem ellas,
sempre a contento do esprtente freguez
que se dirigir dita loja de miudezas:
roa do Queimado n. 16.
Diferentes objectos
expostos a apreciarlo dos esclarecidos fre-
guezes que os quizerem comprar; na ra
*

.-
.
I
A respeitavel publico pernanbncano pede-se
Attencao
s
Santeiga ingleza
320, 500,800 e 10 e no armazem se acha vista.
Manteiga franceza
em libras 560 e 640, em barris se far differenca.
Banha de porco
em libras 320 e 38ft, em porfo se far differenca.
Fructas
em calda Pera, Pecego, Rainha Claudia, Alperxe e ootras muitas 500 e 640 a lata.
Ervllbas
Portuguezas 640, francezas 900.
Fumo
em latas do Para e de albaneque, lata 10 e 10200.
Gomma de nillh
em pacotes 4Q0 e 500, dita da trra 100 e 200 a libra.
vinho
de Bordeaux em caixa a duzia 50, garrafa. 500, dito de 80 a duzia, 800 a garrafa, "dito a
140 a duzia, 10200 a garrafa, dito do Porto a 80,120,180, 240, caixas de duna, assim.
como figueira caada 30500 e 40, puro J A A Lisboa 20800, 30 e 30500 a qualidade
convida.
lata a 80 de 5 gales e mais pequeas a vontade do comprador, em garrafa 360-
Alpiate
140 o 16 0 a libra, paingo a 100 a libra.
. Azeite
em garrafas a 800 e 10.
CHARUTOS
em caixa de 50 por 10, ditos Delicias, Trovadores e Parisienses em caixas de 100, ditos
da Exposicao caixa 50, ditos de Regala caixas com 100 a 20500 e outras muitas marcas
que so na presenea dos compradores.
PREZUNTOS
de lamego em barril, ditos de fiambre o melhor [que ha no mercado por preco que faz
admirar 11
' DOE DE GOIABA
caixoes de 560 fino, ditos de 10500 que parece marmellada, dito em latas mnito fina
qualidade a 10200.
BOCETAS
com doce seoco a 10 e 20.
QUEIJOS
do Alentejo em latas chegado pelo vapor Oneida, ditos Flamengos e Pratos dos mais novo*
que ha no mercado.
AZEITONAS
de elvas como no mercado nao temos a 10 a lata, em barris do Porto a 10 como nao ha
melhor.
Alpacas lizas entestadas com as cores mais
modernas o covado a 640.
Ditas enfestadas com lindos lavores gra-
dose miudinhos covado 560.
Bonitas alpacas lavradas com os mais mo-
dernos dezenhos covado a rs, 800 e 10.
Ricos cortes de vestidos de0fil enfeitados
a 300.
Poopeiina de quadrinhos transparentes
com os mais apurados gostos e quaze a lar-
gura de chita franceza covado a rs,' 640.
Ditas mais estreitas porm muito bonitas
covado 500.
Sedas de cores com 4 palmos de largura
covado 20.
Ditas estreitas lizas de listras covado 20.
Grande sortimento de grosdenaple preto
covado a rs, 10600,10800, 20,20500 e 30.
Ricas sedas lavradas.
Soia> com quatro psnnos ricamente bor-
dadas a rs, 50, 60, 7*. 80, 100, e 110.
Tarlatanas brancas e de cores vara a rs,
800,
Fil branco lizovara a rs. 8C0.
Dito de flores para vestido vara rs. 640.
Ontras muitas diversidades de fazendas
que se mandam tambem levar em casa das
Exmas, familhasparaescolheremou do-se as
amostras deixando ficar penhor no armaze-a
do Pavao ra da Imperatriz n. 60. de Gm
ca de Silva.
Bordados do Pav&o
Entremeios largos
Uabadiuhos estreitos
Babedinhos largos
Entremeios estreitos
Tapados e transparentes
Gama & Silva receberam urna grande por-
cSo dos mais finos babadinhos e entremeios,
tanto largos como estreitos, sendo tapados
e transparentes com os verddeiros borda-
dos a alto relevo tendo de todas as larguras
e desenho?, grande porcia igual para qual-
quer obra, que assim possa ser preciso, e
garantem que podem vender por menos 40
ou 50 por cento, do que em outra qualquer
parte, attendendo a grande porcao que tena
no seu armazem do Pavao: ra da Impera-
triz n. 0, de Gama & Silva-
Joaqun) Jos Goucalves Jjeliro lem para
vender no son escripiorioj ra do Trapiche n. 17,
a preeos razoaveis, os seguintes gneros :
Fari ha de mandioca em saceos, igual a de Ha-
ribeea.
Caixas con vinho do Porto de orna duzia.
V"inbo do Parto em barris de 3 e 10"
Panno de algodo da-Bahia proprio para saceos de
assncar e ronpa de escravs, da fabrica 4o Sr.
cemoeadador Pedroso.
Fio de algodo da mesma fabrica.
Cigarros do Rio de Janeiro
Noto rap
Loja da Airara aa roa larga do Bota-
rio n. "8 de ??auoel Jos Lopes
k Irno.
Receberam rap grosso a imltacao do francez
da fabrica de Morn & C, do qual se vende bara-
to, assimeomo de ootras muitas qaaHdades.
o~de^Mil?
Nos armazens de Tasso Irmos, em coobetes de
4 arrobas.
Bonitas caixinhas de madeira com fecha-
dura, proprias para costura.
Outras ditas com arranjos para costura,
Sapatiohos de setim e merinos para bap-
tisados.
Meias de seda para ditos.
Tocas e chapeosinhos para ditos.
Tercos de madeira, osso, cornalinas, obras
mui perfeitas.
Alfinetes de osso com bonitos moldes,
obras de gosto para peito de senhoras.
Ditos pretos para luto.
Meios aderecos de madeperola.
Porte jope ou suspende saias.
Lencos bordados para senhoras.
Brincos pretos, pulsen as e alfinetes com
camafeo, tudo para luto.
Proco grosso de la, para differentes fins.
Bonecas mansas e choronas para crean-
cas.
Cestinhas proprias para creancas e bo-
necas.
Bandejas pequeas para copos.
Benitas e modero*s chapelinas de seda
para senhoras
Na loja de miudezas roa do Queimado
n. 16 vendem-se bonitas chapelinas de seda
mui bem enfeitadas e por precos rasoaveis.
Enfeites de floras a tmitaeo de chape-
linas
Vende-se esses bonitos e modernos en-
feites de flores a imitaca'o de chapelinas : na
rua do Queimado, loja de miudezas n. 16.
Differeotes objectos
Vendem-se na raa do Queimado, loja de
miudezas n. 16.
Grvalas brancas de cambrata para noivos.
Gravatas-branca* de setim para ditos.
Rosas Camelias, ramos e caixos de flores.
Papel para rosas e folhas para ditas.
Lencos de cambraia lina com barras de
cores, sendo
Para homens a 30600 a duzia.
Para meninos a 800 rs.' a duzia.'
Vendem-se na rna do Queimado, loja de
miudezas n. 16. l
(Merinhos de linho
obras de ultimo gesto.
Vendem-se na loja de mkidezas; rna
do Queimado n. 46.
CABIDES PORTATEIS
TORNEADOS E E.WEHNIZADOS.
Vendem-se na loja de miudezas: diia
do Queimado n. 16.
Peotes de tartaraga e otros de metal
A aguia branca: roa do Qeimado n. 8
acaba de receber algunas amostras de pen-
tes de tartaruga para senhoras, todos de no-
vos moldes e bons gostos, aobresahindo en-
tre eiles alguns cujas novidades em mol-
des, e perfeicSo de obra os tornam recom-
mendados para quem aprecia o bom ; assim
como recebeu igualmente outros mui forni-
dos e bem feitos para dese:nbaracar e outros
com eixo para dobrar e proprios para barba.
' Tambem recebeu outros de mil pratea-
dos e dourados, que de tal molde sao os pri-
meiros que apparecem osquaes com o semi-
crculo que fazem sobre o coque tornam-os
mni bonitos.
Carapocas braicas
Vieram muito boas, e por isso vendem-se
a 1)9(200 e 2 na loja da aguia branca : rua
do Queimado n. 8.
BabadiDes crespos
0 novo sortimento que acaba de chegar
continua a ser vendido como dantes 2^500
e 3(5 a peca e sempre na rna do Queimado
loja da aguia branca n. 8.
Feotes eofeitados para meninas
Vendem-se na loja da aguia branca: rua
do Queimado n. 8.
Bollas de ail
Vendem-se na loja da aguia branca: rua
do Queimado n. 8.
Bonitos port-relogios
Vendem-se na loja da aguia branca : rua
do Queimado n. 8.
fara mesas
Galheteiras para azeite e vinagre.
Saleiras de vidro e paliteiros de porce-
lana.
Vendem-se na loja da aguia branca: rua
do Queimado n. 8.
Lavas de pellica preta.
Cbegyam para a loja da Agnia Branca ;] a roa
do Uaelmado n. 8.
Ramos de flores para coqoes
A aguia branca acaba de receber um nico
cartao com ramos de flores para coques.
A perfeicao e delicadeza dessas flores tem
satisfeito a todos que as tem visto e com-
prado a S cada ramoisso na rna do Qnei-
mao, loja da aguia branca o. 8.
Faca favor de 1er
para saber o que de novo chegou na Aguia
branca a roa..do Queimado n. 8.
Trancas-pretas de Vidrinhos com pingen-
tes, e sem elles.
Botes pretos e de cores, enfeitados com
vidrilhos tendo com pin-entes e sem elles.
Alamares pretos para basquines. '
Novas e bonitas guarnices pretas pare
ditas e vestidos.
Coques de bonitos moldes.
Enfeites de flores obra de bom gosto.
, Pentes de tartaruga obras modernas, e
apurado gosto.
Pentes donrados e prateados, moldes no-
vos e bonitos.
Bonitos e modernos gal5es de seda, de
cores para vestidos.
Bicos de seda e guipure.
Leques, todo de madeperola e sndalo.
Ditos de faia, os quaes fazem quatro
vistas.
Ditos todos de sndalo, e sndalo e seda
para meninas.
Bonitas cestinhas bordadas a froco para
meninas.
Escovas de cabo de marfim, e madrepe-
rola para dentes.
Abetoaduras bonitas para colotes.
Brincos de corrente de borracha, voltase
pulseiras de dito.
Aderecos pretos para luto.
E nimios outros objectos que, sero pre-
sentes ao comprador que se dirigir a dita
loja d'Agua branca a rua do Queimado n. 8.

AGUA FLORIDA
Caixinhas
- com pastilhas de cheiro para
queimar-se em lugar
de incens.
Vendem-se na rua do Queimado ; loja de
miudezas n. 16.
PASTILHAS ODQRIFUMANTES.
Essas cheiresas pastilhas sao sempre
apreciaveiSj e com espeeialidade no corrente
mez, .porque servem para perfumar os ora-
torios ou altares em que se resam ou can-
4am louvavelmente o Mez Mariano, es-
tas vendem-se na loja da Aguia Branca:
raa do Queimado n. 8.
MURRAY & LANMAN
A agua florida de Murray de Lanmand
olhada como um artigo de perfume, io
tem podido ser igualada pelas preparacoes
as mais custosas: conserva sen aroma, co-
mo se formasse parte da prenda a que ella
se ap plica.
Sua eficacia t3o delicada, como elegan-
tes sSo sens multiplicados usos, qur seja
empregada como artigo de toucador, qur
no uso do banho, ou como suavisador da
pelle, depois que se tenha feito a barba;
j -para limpar as gengivas ou aromatisar o
hlito.
D suavidade, brilho e elasticidade as
compleices, depois de se haver lavado; al-
livia a irritado de erupces ordinarias; faz
desapparecer o desagradavel aspecto dos
pannos, das sardas, do rosto, rugas e toda a
casta de ebulic5es, e d vigor e frescura
parte onde quer que se applique. Sua efi-
ciencia e elegancia sao igualmente infalli-
veis nos casos em que seja preciso applica-
la como estimulante e antisptico, nos con-
cursos e assemblas numerosas, as loca-
lidades infeccionadas, na alcova de um en-
fermo, assim como un antidoto excellen-
te para os desmaios causados por cansaeo
ou suffocac5o. Preparada nicamente por
Lanman & Kemp, Nova York, e a venda or
Caors & Barbosa.
Joao da C. Bravo & G.
A' venda as drogaras de A. Ct rs, Bra-
vo & C. e P. Maurer & C., e em i,dos os
estabelecimentospharmacenticos do imperio
Agora sim
Acabam-se as moscas.
Porque a aguia branca acaba de receber
porcao de papel mata mosc e continua
a vende-lo como d'aotes a 40 rs. a folha,
compareci pois os pretendentes e serao
servidos na loja d'Agua branca 'rua do
Queimado n. 8.
Nova remessa
De correntes de boracha.
A aguia branca a raa do Queimado n. 8
reeebeu nova remessa das desejadas corren-
tes pretaz de borracha, e continua a vende-
' las orno d*antes a 3$ a vara.
Fog
s.
de artificio da fabrica da estrada de Joao de Bar
ros da viova Rufino, aproDrieuria desta ronilo
cooceitnada fabrica avisa ao respeitavel publieo
que em sen estabelecimento existe nm completo
sortimento de fogos para s. Joao e S. Pedro e de
o-"os artigos concernentes a essa arte, as pessoAg
poia 4. quizerem comprar destes objectos podem
deixar snas encommendas no armazem da bola
amarella no oit'o da secretaria di polica onde
qaver um portador que os .; asear com amaior
presteza possivel. >
Bap Paulo Cordelro e Viajad
A loja. de miudezas a raa do Qneimads n. 16,
receben nova remessa do rap Paulo Cordeiro e
Viajado, e continua a receber orto os vaporespos
Escravos fgidos
g(
0$ de gralifieaco,
A qnem trouxer ao conselheir Firmino Anto-
nio de Souza, no Hospicio, o sen moleque Joaqnim,
fgido desde o meiado do mez de abril com os
signaes seguintes.- edr preta, cabera comprlda,
te: ta saliente, canella fina, secco do corpo, beigudo,
falla apressado e atrapalhadn, ps pequeo?, sahio
vestido de calca aznl enrta e camisa de riscado :
costoma andar sem chapeo e representa ter menos
de 16 anuos, snppe-se ter-se dirigido para Pao
d'Alho.
Contina a estar fugid') o escravo Luciano
encalo de idade ponco mais on meos 29 a 30
annos, baixo e grosso do corpo, roto oomprido e
carnndo, nariz chato, cabellos carapiobos, beicos
grossos, barbado, as vezes nsa t de bigode,olhos
pequeos ; mnito ladino, trabalba de sapateiro,
assim como no campo: consta que transita em
Trorobeta, Collonia de Pimenteiras Leopolpina e
nos engeobos Cndalo e S. Benedicto : quem o
capturar levo-o ao sea Sr. o eapitao Jos Candido
das Neves no engenbo Papagaio, termo de Porto
Calvo, 00. no Reeife na rna do Apollo n. 32, que
era generosamente gratificado.
100,5000 de gratificace.
Foglo no da 22 de abril prozimo passado o es-
cravo Deonizio, mulato, com os signaes seguintes
idade 22 annos, tainra regular,, falla de doas
dentes na frente do lado superior, olhos um peuce
aperlados, tendo os dedos minimdg dos ps arreba-
tados, coslama trazer o chapeo cabido sobre es
olhos, e tem mais o nome escripia em nm dos bra-
cos, como osam os marnjos : qnem o apprehender
e levar a seo senhor Jos Goncalves de Azevedo
na rua da Cruz do Recite n. 34,Tecebera' a eraU-
Ificaco cima. *
GERAL
26:
j
DOS PREMIOS DA 4tJ. PARTE DA LOTERA CONCEDIDA POR LE PROVINCIAL N. 608, A BENEFICIO DAS FAMILIAS DOS VOLUNTARIOS DA PATRIA, EXTRAHIDA EM 3 DE JLHO DE 1867.
t
4
\
f
\
KS. PREMS. US. PREMS. NS. PREMS.
1
4
7
10
15
17
30
31
32
34
38
41
84
63
66
67
70
72
82
86
87
94
98
101
s
3
9
It
18
33
38
43
44
43
81
87
89
68
74
78
6
100J
6
176
89
90
92
M
65
96 ^
10* 206 -
6J 8 204
20* 14 64
6* 17 ._
18
19 i.
22
iOJ 24 _
6* 25
27 '
39 _
43
54 -
58 _
60 ^.
^^ * 78 -_
m 76
6004 88
6* 308 404
11 64
^ 13
19
20 404
37 I
43 __
46 _
83 _
204 84 __
64 62 .
. 68
68
70
72
164 74
64 83
104
204
64
104
64
386
87
88
98
401
4
5
8
14
18
17
23
30
31
33
40
46
49
80
82
63
4
86
60
76 -
78
83 -
88 _
90
94 -
800
2
4
10 _
11
16 -
18 -
19
18 _
27 2:0004
204
64
NS. PREMS. NS. PREMS.
64
530 64 746
33 80
34 51
41 _ 52
U 54
87 55
J61 404 56
63 64 57
68 60
69 104 61
78 64 63
80 6
98 . 78
602 84
5 404 803
10 64 8
13 mi 13
14 20
21 104 36
24 64 40
33 104 41
43 104 48
63 64 47
86 48
66 _ 86
7* *_ 5
73 _ 69
80 10 81
88 64 82
702 89
3 91
12 97
18 104 900
19 64 U
14 13
33 24
34 26
37 1004 29
41 64 30
48 64
404
64
104
64
104
104
64
104
4
NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS.
957
69
62
66
70
74
86
88
90
91
99
1000
11
15
24
28
27
48
86
61
72
74
82
86
91
92
97
98
1101
3
9
U
14
19
23
58
31
34
40
43
4
104
64
104
64
104
64
104
64
204
64
1148
50
54
86
61
72
74
82
88
90
94
96
98.
1209
.18
16
17
31
33
42
46
47
63
66
73
78
77
80
84
86
90
91
1310
11
17
13
,43
89
72
64
1004
64
104
'64
104
64
104
64
104
64
104
64
1390
92
97
99
1401
7
9
23
39
41
60
68
73
81
83
88
89
94
98
98
1617
18
22
26
29
31
32
35
39
47
49
80
69
64
66
71
77
79
81
82
104
64
204
64
104
404
64
1888
96
1608
11
16
29
32
35
41
48
51
62
60
64
67
68
76
89
90
93
1707
8
20
22
31
36
37
44
48
48
83
86
88
60
61
66
71
72
76
80
64
104
64
NS. PREMS. NS. PREMS.
1783
"85
88
91
1801
14
16
17
18
21
22
30
31
37
80
51
83
84
62
73
74
77
79
96
98
1906
9
24
30
33
37
38
44
63
88
58
60
61
68
72
64
104
64
104
64
104
64
204
64
1974
76
77
80
87
2000
4
6
14
18
24
29
46
48
' 49
52
60
63
71
80
86
96
2101
i
4
6
9
13
15
26
34
36
40
86
60
68
68
69
74
79
64
104
64
104
64
204
64
NS. PREMS.
64
104
64
2180
82
93
97
2202
3
4
9
17
23
28
30
44
48
48
62
64
67
70
79
93
98
2302
4
7
9
19
31
47
48
81
61
68
66
79
81
8!
87
89
NS. PREMS.
204
64
2390
97
2403
8
24
32
34
36
38
40
44
47
62
69
61
66
81
83
84
87
97
98
1601
6
7
11
13
18
10
24
26
36
37
64
1004
64
104
64
104
64
NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. INS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS.
104
64
404
204
64
69 -
77
79
82
83
2592'
93
2602
4
7
9
14
17
46
60
63
71
73
73
76
82
86
87
89
90
93
96
2700
7
13
14
15
K
24
31
38
39
41
44
88
60
61
66
73
74
64
104
64
2775
91
94
99
2800
4
9
24
26
27
29
33
43
44
46
48
61
52
65
78
84
88
96
98
99
2904
8
28
53
64
65
73
76
78
88
94
99
3006
7
13
64
204
64
104
64
3018
24
25
29
33
44
61
65
67
71
76
78
86
89
92
97
3102
5
7
8
18
24
.30
33
42
60
64
66
70"
72
86
3101
2
6
20
33
34
38
49
51
6
404
64
104
64
204
64
404
3233
84
87
61
74
78
80
83
87
94
3301
6
10
(42
16
19
21
23
27
38
42
43
48
83
?
56
61
73
79
82
94
93
3401
8
6
10
11
19
13
30
64
204
64
104
64
404J 79
3788
91
92
95
3802
5
11
14
18
25
28
31
32
34
38
40
48
61
62
66
69
78
81
.86
88
94
95
3901
2
64
1004
:0004
64
301
64
, -
104
64
1
'58
79
78
80
81
93
97,
vm
204
3004
64
^


>3
BUfla de rcruxmhnrt *f*ta lelra 4 de Idilio e 1861
4SSyjBL\ 6ER4L
CAUSA DOS SESITORIS DIPUTADOS.
SESSAO EM 12JUNHODE 1867.
PRESIDENCIA DO SB. SILVKIRA DE SOUZA ( VICE PBBSI
DKNTK).
SEGUNDA PARTE DA OBtlEM DO' DA.
( Cootinaaco. )
Ficam approvsdos os decretos pelos quaes fo-
ram concedidas pensoes em 13 de fevereiro do
1867 a Joanna Aldina de Maia Brrelo, viava
do major de commisso do 1" corpo de voluntarios
da patria e capltao do exercito Joo Adolpbn de
Souza Barreto, morto ero combate, a penso de 54
mensaes, sem prejaizo do meio sold que por lei
ibe compele; a D. Igoscia Serafina Freitas da Sil-
veira, viuva do mejor rommaodante do Ia corpo
da Conceico e Antonio Joaqnim dsSttrerra, do 18*
dito Joto Francisco de Queiror a Josa Evangelista
da Costa, do 30* dito Raymando Alves Marttns, do
A' no aparte em qae se lamenta o nSo ter o go-
verno presenciado os preparativos de Lpez fas*
ponde o orador, qae essa cenara abrange mala
32 dito Francisco Jo> de Barros e Hilarlo Sazano de ora outoqueoBio, e a cmara permittira' que 8'
de Ollvelra, do 38* dito Joao Francisco de Ollvelra, Exc. passe alm, porque tem mullo qae dizer ain>
do 4/ dito Cietano Antonio Rodrigue?, do 8 bata- da. (Moito bem),
Ihao de afamarla Joo Manoei de Santa Brgida, do Qaaato ao sarcasmo que Iba ttribolram, qnando
7a dito Jorge Alexandre de Abreo, do Ia batalbo pronuoeiava o sen'diseursb, nio' exacto; o sar-
de artilbaria a p Jo3o Cbrysostomo, do 4" corpo d, casmo envorve offjosa, e a consciencia nio Ibe ar-
cav liara da guarda nacional Manosl Alexandre gu* de ter offeqdido a ninguera. Emende qae a qoa
de Ollvelra as pensoes de 400 rs. diarios para cada, oratoria nao permute Ir alm de argumentos pro
hm ; ao cornetamr do 16* corpo de voluntarios oa contra o assampto, e se tjvesse de aconselbar a
da patria Manoei Chevorio a penslo de 600 rs. da- algaem urna escola orator-Bio aconselharia a
riog; a D. Mara Alexandrina de Oliveira, vinva do qae mpos ao orador. 860)011114 lvido, e sobrese-
alferes do 8o batalbo de infantaria- Manoei Este- nbo carregado; prefereria indicar aos jovens que
vao de Oliveira Pinto, morto em conseqtrenci* de comcam percorrer ssa arena brilhante o sol
ferraents recebidos era combate, a penso raensa'l activo com que Tnlers, nessa arte maravilbosa,
de 185000, sem prejuizo do meio sold que lhe devassa os dominios da historia, das floancas, da
competir ; em 27 de fevereiro de 1867 a D. Ame- poltica interna ou externa ; apontana Palmerston,
lia Pereira do Nascimento, viava do teneote do 2, designarla Gladstone, qae aos ridos manejos das
regiment de cavallaria ligeira Jos Ribeiro do' cifras, diz ama oa oatra facecia em qae o espirito
provisorio de guardas nacionaes Manoei SeraHm Nascimeoto, fallecido no hospital ambalaote do 1
da Sllvelra, morto em combate, a penso de 81J corpo do ex8rcito em operacSe, a peuso de 215
mensaes igaal ao sold da dita patente ; a D. Ju- mensaes, sem prejaizo do meio sold que Ibe com-
lia Adelaide do Nascimento Games, ftlha legitima- petr. ao tecente do 11a corpo de volunlarios da
da do capito^do 22 batalhao de infantaria Ante- patria Hermogenes Jorge Pitta a penso de 125000
nio Joaquim Gomes, morto em combate, a penso: mensaes, equivalente ao sold daqaella patente; a,.
de 305 mensaes, sem prejoizo do mem sold que Mara Francisca dos Santos Bellota, viuva do parti- bistorioa qaatro aninquenlos;
por le Ibe compete ; a Francisca riosa ao uar-; CU|ar t. sargemo Qo 8. bata|hao de maulara Pom- cooslderaco de prioridade, o
mo Lacerda, D. Mara Rosa do Carao Lacerto e' perj do AmilraI Be,|0, D0 de 24 de i
D. Deoliada Rosa do Carrao Lacerda, rca e Irmas
do 1 tenonte da armada Manoei Nogaeira de La-
,j indas na campan!, a pensSo de 7i05rannuaes,
partidamente; a Carolina, Emilia e Mara, lias
menores e legitimadas do teneote do 17* batalhao
de infamara Hennqne Jos Borges Sido, morto
em combate, a penso de 219 mensaes, repartida-
mente, sem prejoizo do meio sold que por tei Ibe
compete ; a Clara Maria de Moraes, mi do al-
teres do 2* batalhao de infantaria Antonio Joaquim
Correa de Moraes, morto em combate, a penso de
365 mensaes, igual ao sold da dita patente; a
Apollinaria da Silva Torres, viuva do macbinista
do vapor Pnnceza de Joinville, Heonqae Sencier a
penso de 405 mensaes; ao capitn do 1 corpo de
cacadores a cavallo de voluntarios Antonio Joaquim
da Silva Camboim a penso de 605 mensaes, igaal
ao sold da patente ; aos tenentes do 18 corpo de
voluntarios da patria Antonio Jos da Silva Conra-
do e do 17 dito Arlindo Eduardo Camboim, as
pensoes de 425 mensaes para cada uro, iguaes aos
sidos das patentes; aos alfares do 22 batalhao
de infantaria Polycarpo Vieira da Cunta Brasil e
do 6 dito Joao Ribeiro de Carvalho as pensdes de
185 mensaes para cada na, sem prejaizo dos meios
sidos que por lei Ihes competem ; aos alteres do
o corpo de voluntario? da patria Narcizo Amanes
de Csrqaeira e do 5" corpo de cavallaria da gaar-
da nacional Leoncio Alves Coelho as pensdes de
365 mensaes para cada um, Igaaes aos sidos das
mesmas patentes ; ao 1 sargento do 10 batalhao
de infamarla Ricardo Valplano de Souza a penso
de 600 rs. diarios; ao cabo de esquadra do 4 ba-
lalbo de infamarla Panlo Faustino e ao anspecada
do 6 dito Jos Francisco de Oliveira as pensoes de
500 rs. diarios para cada um ; ao 2 cadete do 4
corpo de voluntarios da patria Joo Antonio Julio
a penso de 400 rs. diarios; ao 2 cadete forriel
do 23 dito Manoei Joaquim Alexandrino de An-
drade a penso de 500 rs. diarios ; ao 2 cadete do
2i dito Jos Antonio da Fonsea a penso de 400
rs. diarios ; ao 2 cadete 2* sargento do 47 dito
Antonio Me reir de Araajo Neves a penso de 600
re. diarios; aos soldados do Ia dito Felizardo Jos
da Silva, do 4* dito Jos Rodrigues de Alaeida, do
7o dito Francisco Antonio Maria, do 8 dito Marli-J
niano Gregorio Gome?, do 12 dito ManosV'rH
cisco dos Sanios, do 18 dito Joaqoirn -m.ionio La-
rangeira, do 18 dito Manoei GoM&Tves de Mattos,
do 20 dito Francisco Lonjas Galvo, do 21 dito
rfc'jTWn u dTCunba, do 29 dito Pedro
maio de 1866, sendo alferes em commisso do 26
batalhao de volantaros da patria, a penso de 365

\
cerda, fallecido em consequencia de moJeilias ad- mensaes, ignal ao sold daquela palete : ao 2
cadete furriel do 4 corpo de voluntarios da patria
Manoei Ferrelra Ribas, ao cabo de esquadra do 8
dito Manoei Felippe Camaro, ao cabo do 2 regi
memo d cavallaria ligeira Estevo dos Santos, ao
dito do 18 carpo de voluntarlos da patria Antonio
Silverio da Silva, aos sospesadas do 12 batalhao
de infantaria Antonio Manoei de Aquino, do 2 cor-
po de voluntarlos da patria Manoei Amonio da Cos-
ta Pereira, do 30 dito Francisco Lopes de Lima,
do 1 dito Joo Laz Maxzote, ao soldado do 37 dito
Francisco Manoei Pereira as peo-ojs de 500 rs.
diarios para eada no>; aos soldados do 46 dito
Manoei Athanasio da Conceigo e Manoei Ferreira
de Carvalho, do 3a dito Jos Lopes daConceicao.do
Ia dito Joaquim Mariano Pereira, do 8a batalhao de
infantaria Antonio Jos Cardoso e Francisco Ale-
xandre Coimbra, do 7a dito Manoei Ignacio dos
Saltos, do o dito Galdino Francisco da Silva, do Ia
dito Claudioo Teixeira de Sonza, do 8a corpo de
voluntarios da patria Joo Gomes Ribeiro, do Ia
dito Jacob Maaser, do 13 batalhao de infantaria
Antonio Ignacio da Silva, do 31 corpo de volunta-
rios di, patria Candido Casimiro de Paiva, do 51a
dito Jos Lauriano de Souza, do 5 batalhao de in-
famara Jos Antonio, do 30 corpo de voluntarios
da patria Manoei Bezerra de Senna, e ao corneta do
8 dito Benedicto Jos da Silva as pensoes de 400
rs. diarios para cada um ; em 2 de marco da 1867
a D. Anna Eaphrasia de S Werneck, mil do Ia
tenante da armada Francisco de Salles Werneck
Ribeiro de Aguillar, morto em combate, a penso
de 4005000 annuaes, sendo esta addiclonada i de
1:0005000, qae lhe foi concedida por decreto de
20 de jaobo de 1857, em attenco aos bons servi-
Cos prestados na carreira da magistratura, durante
49 annos por sen finado marido o conselbeiro Jos
Werneck Ribeiro de Aguillar, ministro do supremo
tribunal de Justina ; a D. Adelaida .da Graca Vital
de Oliveira, viuva do-capito de fragata Manoei An-
tonio Vital de Oliyira, morto a bordo do encoura-
$ado Silvfulo, no combate contra as baleras de Cu-
rupajtyr a penso de 1025000 mensaes, sem pre-
Juio do montepo que lhe possa compelir; aos me-
nores Isabel e Gentil, lbos legtimos, e Abilio, Albo
legitimado do capito do 4a corpo de voluntarios
da patria Angosto Cesar Guimares, morto no com-
bate de 24 de maio de 1866, a penso meDsal de
605000 reparadamente, devendo cessar a mesma
penso, quaoto aos dons ltimos, desde que chega-
rem a sua maiorldade ; a D. Josepha Francisca de
Jesos Salles, viava do lente do 38 corpo de vo-
lantaros da patria Alexandrino Goncalves de Sal-
Jo
rncisco da Silvelra, do 42a dito Jos Maria das
JN'eves, do 46a dito Florano Jos Antunes do 47
Joaquim Pereira de Sant'Anna, do Ia batalhao de
infamarla Manoei Jos Ferreira da Silva, do 4a dito
Francisco de Lima Gama, do 7a din Manoei Cae
tao de Sant'Anna, do 12a dito Jos Leonardo do
Nascimento, do 14 dito Manoei Pereira So Nasci-
menlo, do batalbo de engenberos Javencio do
Nascimento Trovo, do corpo de artfices da cor-
te, Amonio Manoei de Arando Coutinho, do 2a
corpo de cavallaria da gaarda nacional Manoei
Theodoro, di 2 regiment de cavallaria ligeira Jo-
s Joao Veimar, do 3a batalhao de infamara Ma-
noei Mauricio de Souza, as pensoes de 400 rs. dia-
rios para cada um ; em 16 de fevereiro de 1867
aos cabos de esquadra do 41* corpo de voloniarios
da patria Jos Joo dos Santos, e do 9a dito Ange
lico Alves de Siqueira as pensoes de 30U rs. dia-
rios para cada um ; aos soldados do 6a batilho de
infamara Paulino de Moma, do 8 dilo Jos Ja
qum de Sant'Anna, do 12a dito Manoei Antonio
Monleiro, do 7a corpo de voluntarios da patria Po-
licio Jos da Silva, do 13 dito Antonio Ignacio da
Silva, do 18 dito Joo Leite da Silva e Jos Igna-
cio Ferreira; do 15a dito Antonio Damazio Ferrei-
ra, do 10a dito Luir. Gonzaga de Souza, do 26 dito
Manoei Joo de Almeida, do 31 dito Manoei de
Castro, do 46a dito Porfirio de Carvalho, do locor-
po de cavallaria da gaarda nacional Rufino Maria
da Silva, do 10* corpo de voluntarios da patria Sa-
lusliano de Braga Machado as penstos de 400 rs.
diarios para cada um : em 20 de fevereiro de 1867
a D. Emereciana Leopoldina Figueira de Mello,
viava do tenente-coronel de Ia liaba Francisco
Frederico Figueira de Mello, a penso de 485 men-
saes, sem prejaizo do meio sold que por lei Ine
compete ; a D. Francisca Bandeira Caldas, viuva
do major do corpo do estado-maior de 2* ciasse
Jos Mana Pereira Caldas a penso de 485 men-
saes, igual ao meio sold da patente de tenente-co-
ronel, por contar o sao finado marido 43 annos de
servijo, sem prejoizo do qne por lei lhe compete;
a D. Candida Pereira Pinto Fernandos, viuva do
{nenie do 10a corpo de guardas nacionaes Jos
Femandes dos Santos, a penso de 425 mensaes,
igual ao suido daqaella patente ; a D. Anna Au-
Vist 1 de Moraes Monclaro, viava do lente do 13a
batalbo de infamara e capito de commisso do
26a corpo de voluntarios da patria Pedro de Al:
cantara da Silva Monclaro, a penso de 395 aen-
saes, sem prejaizo do mel sold que por lei Ibe
compete ; a D. Maria Jos Wlllongbly dos Santos,
viava do tenenle do Ia corpo de cacadores a c-
vallo Melcbiades Lourenco dos Santos, a penso
de 215 mensaes sem prejaizo do meio sold que
-,por lei lhe compete ; a D. Mara Thereza de Jess
Menezes, viava do lente do 7abatalhao de infan-
taria Joao Baptista de Menezes, a penso de 215
mensaes, sem prejaizo do meio sold qae por lei
'ibe coapele ; a D. Mamona Clotilde de Azevedo,
ftma do voluntario da patria Francisco Comerino,
a penso de 3005 annuaes; a D. Leonidia Caroli-
na da Rocha Goncalves. viuva do raachioisia Jos
Nicolao Gongalves, a penso de 4805 annuaes; ao
capito (Jo corpo de voluntarios da patria Nstor
Augusto Moricines Barbosa a penso de 605 men-
saee, igual ao sold daqaella patente ; ao 2* sar-
gento do 26a dito Arcnanjo Ferreira dos Passos a
penso de 600 rs.djarios, aos cabo3 de esquadra
do 21 dito Jos Francisco de Meirelles, do 10a dito
Joaquim Jos de Araojo e do 32a dito Honorio Jos
do Nascimento as pensdes de 500 rsi diarios para
cada nm ; ao anspecada do 47a dito Manoei Joa-
quim Gomes a penso de 500 rs. diarlos; aos sol-
dados do 16a batalbo de infantaria Sebastiao Jos
de Soaza e Luiz Relpb, do 13a dito Jos Antonio do
Nascimento, do 7a corpo de volantari03 da patria
Miguel Francisco da Silva, do 2a dito Paulino Car-
valho de ^, do Ia dito Joaquim Francisco de Pau-
la, do 21 dito Antonio Francisco Duarte, do 24
dito Gregorio Monleiro do Espirito Santo, do 12a
batalbo de infantaria Francisco Pereira de Mene-
zes, do 32a corpo de voluntarios da patria Estevao
Jos Fernandos; ao soldado de inavos da Babia Ma-
noei Lanrindo de Souza, do 9a crpo de c vallara
da guarda nacional Jos Ferreira de Freilas, do 9a
corpo de volantaros da patria Eseqaiel Alves
Moniz, do quinto dito Manoei Eseqniel de Oll-
velra, do quarto batalhao de artiihana Benedic-
to Alves do Santos as pensoes de 400 rs. diarios
para cato um ; ao imperial marlnheiro Jos Joa-
quim des Santos a penso "de 1145 annuaes; em 2
de fevereiro de 1867 ao Ia sargento do 5a corpo d-
cavallaria da guarda nacional Antonio Carlos Oie3
que a penso de 600 rs. diarios; aos cabos do cor-
po policial do Rio-Grande do Sal Jos Alves de Li-
ma do Ia batalbo de infantaria Roberto Achimi-
dit,' do 2a corpo de volumarlos da patria Manoei
Simplicio Barreto, do 5a dito Manoei Pereira da
Silva, ao furriel do 18* corpo de cavallaria da
guarda nacional Antor.io de Souza Garcia, aos aos-
pegadas do 12 batalbo de infantaria Manoei Jos
Sodre, e do 24a eorpo de voluntarios da patria Hy-
gino Antonio da Costa as pensoes de 500 rs. diarios
para cada um ; aos soldados do 2 batalhao de in-
famarla Manoei Majando Rodrigues, do 6a dito
Gaspar Antonio de. oowa, do IIa dito Ado Fran-
cisco de Mattos e JosNarlsiino Ferreira, do 12a
dito Manabi Joio Rbelro.^to 3 eorpe de volunta-
rios da patria Manoei PauloNd caceico, do 4a
dito Innooenclo Pereira Franca,"^ a> dftoJoo Fe-
lippe de Oliveira, do 6a dito AmaaX da fr
descansa um pouco da avidez fatigante. (Multo
bem).
.0 obre deputado pela Babia litera historia de
um' quinquenio, mas o oosso toputafo pelo Rio de
Janeiro, como mais velbo, e testoraanha presencial
de todos os factos, de ha um qnarto de secuto,
e, se nao tr* a
orador (Iterara a
ordeno.: o" orador passara considerar ja' a his-
toria do nobre deputado pelo Rio de Janeiro, e
a' fazer os commentarios que a razo esta' pe-
dlndo.
O nobre deputado pela Baha explicara a eleva-
co do ministerio de 24 de maio e a retirada do de
i de raarc j, nao so paja sorpreza, por qae seado a
inaioria de um voto, Ira claro que em poaces das
cahisse, mas por qu nao estava a' trente dos ne-
gocios pblicos a flor do partido conservador; nao
estavam as capacidades da 1 ordem, comqoanto o
orador recoobeca no nobre deputado pelo Rio de
Janeiro nm bomem disttncto por seas talentos, pro-
verbial probidade e coherencia de seotimeotos.
( Apoiados).
O Sr. Saao Lobato : En era o minimo.
O Sr. Zacaras diz qae evidente qae ealo nao
dinglam os negocios publieos os borneas prlnci-
paes.....
O Sr. Sayao Lobato da' am aparte.
O Sr. Zacaras nota qae qaaado fallara o nobre
deputado pelo Rio de Janeiro o orador sement dea
am aparte, e esse mesmo se referia a' verdade dos
faetos e a' sua digofdade.
OSb. Sayao Lobato : O mesmo farei eu: nao
darei mais apartes.
O Sr. Zacaras esta' persuadido que S. Exc. ba
de comprir a sua palavra.
Cr o orador que, quando Carlos Botto altribmo
a independencia dos Estados-Umdos a ama questo
de cba', enganra-se. Que necessario ir ao fun-
do das origens, verificar as razoss, investigar os
faetos em toda a sua verdadeira procedencia, e as-
sim recoobecer qae esse acontecimento poltico te-
ve sua razo de ser em outros motivos.
O orador aprecia este facto adduzindo outras
coosideracSss.
Buscando se o valor histrico do discurso do no-
bre deputado pelo Rio de Jaoeiro, acha-se este ar-
gumento sem replica : Qae a razo por qae o
partido conservador titubiava, era por que o parti-
do liberal tinha euto toa a imprudencia de con-
servar o recurso das armas como am argumento
valioso em politica : que o emprego deste argumen-
to a7astava es liberaos da direceo dos negocios
pblicos, razo por que esse partido fra vencido
e convencido.'
No dia em que o partido liberal, pelo progresso,
reconbeceu que tinhi muitos recursos dentro da
propria consiitaico, logo que regeierou-se com-
pletamente, no modo de pensar de seas adversarios,
nao leve mais obstculo para os dirribar. Sem o
recurso das armas o partido liberal nesse dia se
apresentou como capaz de governar opaiz. (Muitos
apoiados).
Mais anda ba urna diffieuldade, difflcnldade que
les, morlo do ataque de 2 de maio de 1866, a pen- o nobre deputado pelo Rio de Jaoeiro discuti am-
so mensal de 425000, igual ao sold daquela pa
teme ; e Leopoldo, filho legitimado do alferes de
cavallaria da guarda nacional da corte, addido ao
14a de infamara de 1' linha Joo Alves de Azevedo,
morto no acampamento do Ia carpo do exercito em
operacoes contra o Paraguay, a penso de 365000
mensaes, at sua maiorldade ; e Jusepha Caroli-
na Ferreira de Mallos, Elisa Carolina Ferreira de
Mattos, Innocencio Fabricio Ferreira de Manos e
Augusto Fabricio Ferreira de Mallos, filhos meno-
res do capilo do 11a batalbo de infantaria Joa-
qnim Fabricio de Manos, morlo em combate, a
penso de 305000 mensaes, reparadamente, sera
prejaizo do meio sold que ihes competir, devenfV
cessar a dita penso, quanto aos dous ltimos, des-
de que chegirem ar sua maloridade ; ao guarda
nacional da provincia do Rio de Janeiro Ana-
nas Joaquim de Oliveira, que ficou inulilisa-
do completamente da mo esqoerda, por oc-
asio em que descarregava ama carabina per
ordem de sea commandante, em servlco poli-
cial, a penso de 400 rs. diarios.Horta de Araojo.
Mnguem pedindo.a palavra, e pondo se a votos o
projecto, appro.vdo, bem como as emendas; e sen.
do ad miado, reroettido commisso de redaeco-
Bespssla falla do throno.
Contina a discusso do projecto de resposta a'
falla do tbrono.com as emendas apoladas.
U Sr. Zachabias (presdeme do conseibo}, prio.
clpia dizendo que de ve urna resposta aos dous l-
lustres deputados que se pronunciaran! em ultimo
logar contra o projecto de resposta a' falla do thro-
no ; e sera' to breve quanto o assnmpto o permit-
a, e lio respeitoso, quaoto o merecem os dignos
deputados pela. Babia e pelo Rio de Janeiro, cajas
Ideas val o orador tomar em consderaco.
E' justo que comece pelo Ilustre deputado pela
provincia da Babia, cuja ausencia deplora, porque
na ordem que seguir o debate, cabe-lbe o pnmai-
ro logar.
S. Exc. declarara o orador como o primei.ro res-
poosavel pela situaco presente, o que equivale a
responsabiiisa-lo pela continuacio de urna situadlo
que ja' conla am qainqaenio. Mas fcil cora-
prehender esta accasaco do nobre deputado pela
Babia, qaaado o orgo da imprensa do partido a
que pertence esse nobre deputado igualmente dis-
sera que a missao Saraiva fra a boceta de Pando-
ra de onde romperam lodos os males que atairu-
nham o pan.
Este ponto, porra, da misso Saraiva tem sido
amplamente discutido nesta e na ontra cmara;
mas to solomne a accasaco qne se pretende
derivar dabj, que o orador .esta' sempre disposto a
oceupar-sa dekle.
O governo que noraeou a mlssso Saraiva, cum-
prio o sen dever, e nada tem de se arrepender,
porqne os rebultados que a politiea podia prever
realisarem-se completamentamente, oa fossea pela
sorte das armas, ou pela diplomacia; resaltados
qna foram applaodidos com os elogios de que a
cmara tem ooticia, nesse destecho natural, quer
pelas armas, quer pelo convenio de 20 de feverei-
ro. (Muito bem. Muitos,apoiados.)
Quanto a' guerra que o governo do Brasil man-
tera com o do Paraguay, nao tem nenhuma flliaco
com a misso Saraiva. (Muitos apoiados). E de
raa' f, oa de pouco escrapulo, na apreciaco dos
factos dizer-se qae a guerra com o Paraguay, as-
cea da misso Saraiva. (Muito bem).
Ninguem ignora que o dictador do Paraguay
ba muitos annos se preparava para urna guerra,
qae ao enlamo a faria com muitos maiores resulta-
dos um anno depois; porqne, se o presidente L-
pez tivesse terrpo de premanir-se" com encouraca-
dos, qae ja'lavara encommendados na Eoropa, a
a sua acgo serla Irreslstivel, oa pelo meaos, des-
eando o Prata, viria insaltar-Bos atrozmente.
Nada leodo feto a repblica Argentina em of-
fensa ao Paraguay, se nao negar, nao smente ao
dictador mas tambern ao Brasil, passagem por seu
territorio, allegando a mais absoluta neutralidade,
e segundo-s dabi a declaraco da guerra, basta a
reeordacao deste facto para que bem claro fique
qae Lpez servio-se da nossa guerra com o Estado
Oriental, como de am simples pretexto. (Muitos
apoiados).
Lpez, phantasiando nm equilbrio das naedes do
Prata, quera sustentar sea poder, e entao qualqaer
pretexto Ibe servia; quera apresentar-se como
am bomem de gaerra, connecia os recursos e a
forca das repblicas circumYlsinhas, e coohecia
tambem a f >rea gigantesca do Imperio. Em am
dialogo que tivera com no estraogeiro, elle dissera
qae a vontade que prepooderava no Brasil,'onde
havia nm parlamento e outras instiluicoes to li-
brrimas como a sua constituicao, nao podia pre-
ponderar, nem se fazer obedecer como no seu Pa-1
raguay onde e nicamente a sna pessoa impu-
nba e obtioba mais passlva obediencia de toda a
na?o. -
E'evidente que, nao so a guerra com o Paraguay
nao tem flllacao alguma com o ultimtum da ais-1
sao Saraiva, nem com a gaerra con Montevideo,
mas que era apenas urna questo de ^empo.,
(Apoiados). ^ '
O que aconteceu, fol pormitlir a Providencia Di-
vina que.esse incidente dispertasse a ambico de
porqne nao podara' defende-lo nrmelo das armas? > de Carvalho, a de 425000 mensa?, equivalente o
Ttdt 'nomaz Goncalves, dooito^iw- Lpez, e vlesse elle manifestar-se antes do obter
mo Marns de Medeiros, do 10a dito EM-yM t> novqs, ma.s efftoze* e avallados recorsos. (Mallos
(.ira Machado, do 11a dito Joo Januario Peralta apoiados).
pamente, e qui para fazo la sobresahir fez cami
nbar para esse ponto o seu discerso. (Muito bem).
Duas cousas tem entorpecido o partido liberal,
que a maioria do paiz. ( Mu tos apoiados e ap-
plausos).
A era essa facilidade de recorrer a's armas.
Orador pede liceaca para corroborar o sea pea-
sameolo a respeito da mudanza qae se operoa 00
paiz, depois qae o partido conservador nao pdde
allegar mais essa considerado, lendo urna carta
de um 'amigo seo, rujo nome porra segredo.
Esse amigo estava ausente, retirado dos negocios
pblicos, fra do paiz. i
( No meio do mais profundo silencio a vnjos sg-
naes de attenco, o orador faz a leitura da carta a
que alinde).
Flcava assim explicada por mao de aeslre a no-
va face do paiz.- Novas necessidaees, novos acn-
teciraentos exisgiam novas combinaedes. Mas no
Brasil o vencedor tem al a veleidade de dizer-se
vencido e convencido.
O gabinete de 24 de maio procedeu de nma fonte
multo pura, de nma poltica que procuroo adaptar
se a adaptou-se a's uecessidades e urgencias da so-
ciedade.,
O nobre deputado pela provincia da Babia, ana-
lysando a ascencao do ministerio de 30 de maio,
dissera aue a^cora exercera um aelo de bypocri-
sla -, expresso qae, merecendo immediata censara
da cmara, levou o nobre deputado a rectifica-la de
prompto subsiltnindo-a pel de responstbilidade
ministerial.
Mas, alada aqu se collige qoe essa explicarlo,
nao verdadeira em relaco a' poltica do gabinete
de 30 de maio, que. nao fui nem desleal nem bepo-
cria. ( Muitos apoiados).
Os partidos equilibravam-se nesta cmara, ti-
nhara reciprocamente experimentado as suas tor-
cas. ( Apoiados). O Sr. marijuez de Caxias nao
linha podido governar, o orador nao pode por sen
turno. ( Mudo bem ).
Passando a responder ao nobre deputado pela
Babia, quanto a'accusaco que flzera ao ministerio
de 15 de Janeiro, de se ter retirado por ama ques-
liuncnla do presidente da provincia do Rio da Ja-
neiro, diz que inexacto, que ja' mais algaem pe-
dir ao governo a exonerago desse presidente, e
oem ella Influio de sorte alguma pava a sua reti-
rada, eujo motivo nico consta dos annaes da c-
mara. Nem fo por ama quesiiuncula, nem a re-
tirada desse governo fot desairosa. ( Muitos apoia-
dos. Muito bem). Pelo contrario, foi muito parla-
mentar. (Apoiados).
E' o que o orador tinha a dizer quanto a este
ponto ao nobre deputado pelo-1 distrlcto da pro-
vincia da Babia.
O Sb. Tav Altes Bastos : O nobre depntfdo nao
comparecen a esta sesso por doente. Tenbo urna
carta em que elle, com pezar, o participa.
O Sr. Zacabias diz qne o nobre deputado, qae
nao comparecen, elle tem na cmara amigos dedi-
cados e tem demais a lealdade de orador. ( Muitos
*apoiados. Multo bem ). Sent sinceramente o sea
estado de enfermidade.masa sua ausencia nao pre-
judica a discusso, por que o que elle orador tem
de dizer o dira se esse nobre deputado-eslivesse
presente. ( Muito bem. Apoiados)
Nao pode, porm, presciodir de referir-se a qoa
liflcaco que S. Exc. dera a' um voto do eu nobre
amigo, o Sr. conselheiro Saraiva, dizendo que o
ministerio d 31 de agosto cabira por ama capoe-
ragem poltica, expresso qae o orador nao encon-
tra admittida por nenbuma escola poltica. ( Mui-
tos apoiado, vivas contestacSes e apartes negando
que o Sr. Fernanles da Cunha se servisse dessa
expresso em relago ao Sr. Saraiva).,
Admira se o orador qne o nobre deputado p*la
Babia se demorasse largamente em acensar o go
verno pela providencia da se mandar escravos pa-
ra a guerra, elassifleaodo de iadigno do Brasil fa-
zer depender do braco escravo o triumpho da sao-
ta causa que susta. Mas. o nobre depotado se es.
quecera nessa eccaslo de que na Independencia
do Brasil o brago escravo concorrea eficazmente,
e as collecc5es patrias avultam decretos e provi-
s5es mandando pagar aos seflhores, a llberdade de
escravos qae concorreram com suas armas nesse
grande pleito de nossa emanclpaco politica. E na
propria provincia da Baha, mais do que em parte
alguma, a historia faz avullar facto dessa nature-
za, com urna differengfc que abi eram anda escra-
vos, aos quaes se protnettia a liberdade depois de
prestaren! o juramento para o servico das armas.
(Muitos apelados. Muito bem).
Respndendo a om aparte, diz o orador que tan-
to o governo absoluto oomo o governo constitucio-
nal teifl obrigaeo de salvar a sociedad; que a
diflerenga esta' em qae o. governo absoluto procede
como quer, e o constiluciooal, tendo. o mesmo di-
reito, tem a obrigaeo de vir aos representantes da
naco dar comas do sea procedimenlo.
(Crozam se aparte). .
Quanto ao escravo, desde que consegne a liber
dade entra no gozo de seos dlreilos polticos, ee
cidado brasileiro tanto quanto o qoe nasceu I'
vre : pode votar. E, pergenia, o orador, quantos
entre nos nao tero obtido o seu diploma, qaer d
deputado. quer de senador, com o concurso dos que
devem o direito de voto cartas de allomas ?
(Muitos apoiados). E se o escravo pode assim coa-
correr para a represenuso nacional de seo paiz,
(Mudos apojados. Muito bem).
Depois de outras considerares sobre este pon-
to, nota o orador que o nobre depatado pela pro-
vincia da Babia ceniurasse o governo acremente
pela remessa que Ut de condemnados para o Hlo
da Pala.
Mas anda, por oceasio de sna. independencia, o
Brasil servio se do braco do condemoado. O ora-
dor tem coinsigo o decreto de 21 demarco de 1823
determinando que os condemnados tomassem parte
na luta. Eos pairiotas da independencia do Brasil,
os venerandos cidados qoe nos deram ama patria,
nao repugnaran] chamar para esse pleito de honra
individuos que esiavani sob o peso de ama condeno-
naco..
O Sb. Paulino de Souza :Devemos modela-Ios
em suas virtudes e nao em seus erros.
O Sr. Zacabias diz qne nao era nm erro,, e que
o governo actual proceder de nm modo muito ra
zoavel, exereeodo om direito escripto na Constitu-
Cao do imperio. O poder moderador tem o direito
de perdoar as penas. (Apoiados).
O governo mandoo vir nao s de Fernando, mas
de outras prisoes, a relaco geral dos condemna-
dos. Eram numerosos, e mandando apenas 200
para o Rio da Prata d'entre am namero avultadis-
srao, isto basta para flear bem' patente que o go-
verno nao s fez seleccao dos direitos, roas compa-
rou e preferio o procedimenlo de todos esses indi-
viduo?, escolhendo os que Ibe pareceram digoos de
alguma tolerancia : foram esses os indultados; a
seleccao foi completa.
Diz-se, porm, qae, saaccionado o acto nao se
deve faze-lo qoanto ao destino que tiveram esses
homens.
No entanto, acha o orador que nao so Ibes podia
dar um destino mais nobre ; nao se ihes podia
abrir ama porta mais agradavel por onde esses ar-
rependidos e regenerados pela pralica e exemplo
de bravura nos campos de gaerra reentrassem para
ama sociedade, que virode defender iriumpbantes.
(Muitos apoiados. Muito bem).
Foi dada a palavra para responder ao Sr. Sayo
Lobato.
Levantou-se para pedir ao Sr. presidente que d
por fiados os trabalbos de boje, visto que lendo co-
mecado a discusso da resposta falla do throno,
dez minutos depois de 1 hora, e sendo ja 3 1/2 ho-
ras, nao tem tempo para em menos de meia hora
respojjdf ao discurso do Sr. presdeme do conse-
Iho ; jRia, portanto, ao Sr. presidente que, man-
tendo-ihe a palavra
irabalbos de boje.
O Sr. presidente
dido.
A discnsso fica adiada pela hora.
Dada a ordem ao dia, levaota-se a sesso s 31/2
horas.
i sold daqaella patente; ao alferes do Ia corpo de
volumarlos da patria Amonio Raymando Pereira
do Lago, ao alferes do 2a corpo de volantaros da
patria Luiz Americano Vilbeaa de Almeida, ao al-
fares do 3a corpo de voluntarios da patria Francis-
co Pereira da Caoba, ao alferes do 4a corpo de vo-
luntarios da patria Dafval Alfredo Portella, as de
365000 mensaes para eada um, equivalentes ao
sold das ditas patentes; ao alferes do 7a batalhao
alimentaria Emygdio Vieira da Lemos, a penso
a Arl. 2.a Ficam revogadas as dlsposiroes em
cootrarlo.
c Paco da cmara des deputados, em 15 de-jo-
nbo de 1867.-C. Pinto de Figaeiredo.-L. de Al-
bafuerqae.A. Tiberio de Moncorvo Lima. >
InierpellacSes.
Vem mesa e sao lidas, as segointes ioterpella-
c5as, cuja discusso fica marcada para quartafei-
r 19 do correte, a 1 hora da tarde.
Usando de direito qoe me concede o regimen-
t da cmara dos deputado^, peco que se marque
o Sr. ministro da
de 185000 mensaes, sem prejuizo do meio sold I a e nora pm 0 Sf sttea se
que por le Ibe competir; ao cabo de esquadra do a^ne responder as segointes interoellac5es :
24a corpo de volantaros da patria Joo Luiz Perel- i No caso de ser anda nectario le
para amanba, encerrasse os
declarou que attendia ao pe
SESSAO EM 15 DE JUNHO.
prsidencia do sr. silveira de souza (vice-
presidente.
Ao mel da, feita a chamada, verlfica-se baver
00 mero su luciente e abre-se a sesso.
Le-se e approva-se a acta da antecedente.
O Sr. Ia Secretario da conta do segulnte
expediente.
Dous offlcios do ministerio do imperio, enviando
as actas e mais papis sobre as eleicoes da pro-
vincia de Mato-Grosso.A' 3* commisso de po-
deres.
Outro do mesmo ministerio, enviando as copias
dos decretos pelos quaes S. M. o Imperador hoave
por bem conceder varias pensoes.A' commisso
de pensoes e ordenados.
Outro do ministerio da guerra, enviando o roque
rimento ero-que os priraeiros officiaes e cheles de
seccao da pagadoria das tropas da corte, Joo Lu-
cio de Souza Valente e Luiz Francisco Leal, pedera
que seus veocimemos sejam igualados aos do lhe-
soaro nacional.A' mesma commisso.
Tres do secretario do senado, transmitiendo, por
nao ter o mesmo senado podido dar o sea consent-
meato, as proposites que dispensam as leis de
amortisaco para qae possam possuir beus de raiz
as irmandades do Santissimo Sacramento da eathe-
dral da cldade de S. Luiz do Maranho, do Santis-
simo Sacramento da fregoezia de Nossa Senhora da
Conceico de Angra dos Res da provincia do Ro
de Janeiro, e outras da mesma provincia ; bem
como as corporac5es de mo morta, em favor da
irmandade de Nossa Senhora do Rosario da fregoe-
zia de Samo Anto, e dos estabelecimentos de cari-
dade da cidade do Recite, n: provincia de Peroam-
buco, e do hospital de earitode da cidade de Ma-
celo, e da irmandade da-Saolo Antonio, erecta na
matriz da cidade Diamantina, provincia de Mioas-
Geraes.Inteirada. 1
oatro do mesmo secretario, parlicipanJo que o
senado adopton, e val dirigir a saneco imperial, a
resolucao queapprova as psnsSes concebidas a D.
Laurinda Joaquina de Jess Pinto e a outras pes
sos.Inteirada.
Um req-ueriment do teBoale-coronel Lu'z Soares
Veigas, pedlndo ser relevado da quantia de 4985
que ficou devendo a' fazeaaa nacional da ajuda de
casto qae lhe foi arbitrada por oceasio da expe-
dicao a-Mato Gr os so.A'eommisso de fazenda.
Outro de Carlos Maximiaoo de Azevedo e Silva,
pedlndo ser admittido a'matricula do Ia anno da
Facultode de Medicina da corte, 0brigand9.se a
prestar eiame de historia e geographia antes do ac-
ia do referido anBo.A' commisso de ust-accao
publica.
Ontro de Joo Lagden Correa do Reg, esladante
do 1 a a no da Faculdade de Medicina desla< corte,
pediodo ser admlttido a exaate do Ia e 2a conjuoo-
tamente na mesma Faculdade.A' mesma com-
misso.
Acha-se sobre a mesa, e remetlido a* 5* com-
misso de poderes, o diploma do Sr. Joaquim Jos
de Assis, depatado elelto pela provincia de Mato-
Grosso.
Eleico do MaraDUo (1 dlstricto).
L-se, e val a imprimir para entrar na ordem dos
trabalbos, o segrate parecer :
c A 1* commisso deinqaerito examinon as actas
da eleico primaria da fregoezia de Nossa Senhor
de Aaiareiti da villa do Riacho, 2a districlo da
provincia do Maraobo, eujo conhecimeoto ficra-
adlado por nao terem as mesmaa-actas sido presea*
tes a' commisso quando deu parecer sobre as eiei<
cSss do referido districto.
Tendo sido observadas no procesa da elei-jo
da referida fregoezia de Nosea SenAor de NftM-
reib, as prescripcoes da lei, entento a commisso
qoe deve ella ser approvada.
Sala das sessSes da 1 commisso de nqusKo
15 de jaobo de 1867.F. T. de BrUo.Corra>das
Neves.Sooza Carvalho.Viriato de Medeircs.
M. Cavalcanti.-M. de Vasconcelos.F. Vlanau.
PensSes a diversos.
Lam-se, Jalgam-se objecto de deliberacao, e vao
a imprimir para entrar na ordem dos trabalbos, os
projectos segointes :
< A ass6mbla geral resol ve :
c Art. 1.a Ficam approvadas as peasej conce-
didas por decreto de 6 de setembro de 1866 a D.
Maria Ferreira da Costa Robim, viava do capito
do 10a corpo de voloctarios da patra Joaqoirn Fre-
derico Kfappe da Costa Rubim, da qaactia de 605
mensaes ; pon decreto de 14 do mesma a D. Luiza
liosa d'Avila, mi do teneote do 30a corpo do vo-
luotarios da pairla Wenceslao Jos Sachado, da
425000 mensaes; por decreto de 2 o mesmo a
D. Belmira de Souza Doria, viuva do major do 13
batalbo de infantaria Joaquim Joo de Menezes
Doria, de425000 mensaes ; a D. Escolstica Cbris
tina de Almeida Borges, viava do lente do 40a
corpo de voluntarios da patria Coraelio Borges de
Barros, de 425 mensaes; a D-. Mara Leopoldina
de Mattos Ferreira, viuva do tejiente-coronel com-
mandante do 21a corpo de voluntarios da patria
Joo Paulo Ferreira, de 965*00 mensaes; ao sol'
dade do 5a batalhao de infantaria Lourenco Gomes,
de 400 rs. diarios; ao soldado do 1 batalbio de
artilbaria a p Dionisio Ferreira Homem, de 400
rs. diarios; por decretos de 10 da outnbro, a D.
Anaa Deifica da Assampco Martim, viuva do ma-
jor comraissionado no posto de teueote-coronel qom
mandante do 11 batalbio de infamarla Jos.Mar-
lint de 545000 mensaes ; a praea da marinhagera
da armada Paulo Ferreira da Cruz, de 1445000 an-
nuaes ; a D. Henricjueta Rosa de Sant'Anna, viuva
do capito do 31a corpo de voluntarlos da patria
Joaquim Jos de Sant'Anna, de 605000 mensaes j
sendo laes pensoes pagas desde as datas dos respec-
tivos decretos. >
t Art. 2.a Ficam revogadas as disposicoes em
contrario.
. 1 Sala das commlssas, em 14 de jaobo de 1867.
joio Francisco TeixeiraJoo Crl9 de ArDJ
Moreira. .
c A assembla geral resolve:
Art. 1.a Ficam approvadas as panso9s couce-
didas pelos decretos de 10 de novembro de 1866,
ao capito do 3a corpo de volantaros da patria Ao-
nio de Paula Cavalcanti de Almeida, de 605000
mensaes, Igual ao sold daqaella patente; ao ca-
pito do 26a corpo de voluntarles da patria Antonio
Rodrigues dos Santos Fraoca Leite, a de 605000
mensaes, equivalente ao sold daquela patente, ao
tenenle do Ia corpo de voluntarlo da patria Candi-
do Luiz Marqnes, a de 425000 mensaee, equiva-
lente ao sold daquela patele; ao lente do 4a
corpo do volntenos da patria Mauael lm Q)am
ra, ao cabo de esquadra do 31 corpo de volunta
ros da patria Antonio Jos da Silva, ao anspecada
do 7a batalhao de infamara Manoei Pedro Celesti-
no, as de 500 rs. diarios para cada um; aos solda-
dos do 3a batalbo de infantaria Francisco Nunes
Bezerra, do 2* eorpo de volantaros da patria Luiz
Pedro Bomflm, do 7a corpo de voluntarios da pa-
tria Antonio Barbosa Lima, Antonio Montelro da I gQerr3( est resolvido a insistir
Silva, Manoei Pereira Coz, do 38a" corpo de volon- acna estabeleeida T
taos da patria Claudioo Marreiro e Oliveira, do sala das sessSes, em 15 de jltnbo de
41a corpo de volantaros da patria Paulo Jos do9: ajacedo. >
Santos, do 43* eorpo de voluntarios da patria Jos o gR j. Secbetarm da- conta c> nraa reclaaa-
Joaquim de Almeida, as pensoes de 400 rs. diarios; gjy q sr. Joo Mendes de Almeida, por ter sido
para cada um; a D. Umbelina Horacia de Audra- i fa ^T3 a ordem do dia de boje o parecer rela-
da *eixas, viuva do capito de commisso Francia-1 |vo eleico do Ia districto da provincia de S.
co de Paula Athayde Seixas, fallecido emCorren-|patl|0i tem ^0 ant|a decorrido cinco das de-
tes, em consequencia de ferimeotos que receben ^ dA pawjcaco no jornal qoe publica- os toba-
tes1 da casa.
. levantar
novas forcas parase1 continuar e acabar prompta
e honrosamente a guerra do Paraguay, pretende o
governo e*mpregar o systema de recrtamento for-
do, como at agora T
t i." Anda na mesma bypothese, julgando o
governo, 00 necessario ou iodispensavel, novo des-
tacamento da guarda nacioaal para o servicn da
na pralica que se
1867.-
em combate, a quantia de 605000 mensaes, equi-
valente ao sido daquela patente.
Art. 2.a Estas pensdes sero pagas desde a
dala dos respectivos decretos.
Art. 3.a Ficam revogadas ai disposc5es cm
contraro.
Sala das commissdes, em 14 de junto de 1867.
Joo Francisco Teixeira!Joo Carlos do Araujo
Moreira.
c A assembla geral resolve:
ArU 1.a Ficam approvadas as pensoes conce-
didas pelos decretos de 17 de outubro de 1866, ao
capito do 4a corpo de voluntarios da patria Manuel
Pereira da AssuoVpco, da quamia de 6O50OO men-
saes ; ao.tenanle do 26 dito Pedro Jaouario de
Paiva Das, de 4250OO mensaes; ao dilo do 30a
dito Joo Pereira de Gouveia Torres Galind^, de
415OO0 mensaes; ao alferes do 15a dilo Joo Bap-
tista Pereira Marques, de 36-50.0 mensaes; aodito
do 41a dito Leoooldlno Cabral de Mello, de 365000
mensaes; ao dito do 2a corpo de cacadores a ca-
vallo de voluntarios Carlos Rodotpbo, de 3650OO
mensaes; ao dito do 18a de infamara Antonio V.
de M deiros, de 185000 mensaes; ao 1 cadete do
7a cipo de voluntarios da patria Candido Osono
de Camargo, de 400 rs. diarios; ao dito do 11 dito
Amonio Eogeoio Alves Ferreira, de 400 rs. dia-
rlos ; ao 2a sargento do 30a dilo Joaquim Roberto
Ferreira, de 600 rs. diarios; ao cabo do 4a dito
Laurindo Gomes Coutinho, de 500 rs. diarios; ao
dito do 10a dito Pedro de Alcntara Jarrioba, de
560 rs. diarios; ao dito do 4 corpo de cavallaria
da gaarda nacional Bonifacio Justode Oliveira, de
500 rs. diarios; ao anspecada do Ia batalbo de
animara a p Francisco Ferreira Jnior, de 500
rs. diarios; ao dito do Ia corpo de voluntarios da
patria Joao Ambrosio Leite, de 500 rs. diarios; ao
dilo do 4a batalbo de infantaria Luiz da Franca
Marrano, de 400 rs. diarios; ao particular do 7
corpo de volunlarios da patria Jorge Joaquim Cr-
rela da Silva, de 400 rs. diarios; ao msico do Ia
dte Manoei Vieira Passos, de 400 rs. diarios; as
dito de 2' ciasse do 1 batalbo de infamarla Ma-
noei Antonio de Passos, de 400 rs. diarios; au sol-
dado do Ia corpo- de voluntarios da patria Joo Jos
Thereza, de 40>rs. danos; ao dito do 2a dito Vic-
toriano da Silva Cardoso, de 400 rs. diarios; ao
dito do 4 dito Joeo Francisco dos Res, de 400 rs.
dsarios; ao dito dito dito Igoaeio Jos da Silva, de
400 rs. diarios; ao dilo dito dito Joo dos Santos
Teixeira, de 4UO rs. diarios; a dilo do 3a dilo
Lourenco Maciel da Amor Divino, de 400 rs. dia-
rios; ao dito do Ia dilo Modesto Pereira Machado,
de VA) rs. diarios;. ao dito dito dXo Joaquim Pato
Cavalbeiro, de 10J rs. diarios; ao- dito do 6a dito
Joo Jos de Fgueredo, de 400 rs-. diarios; ao di-
to do 7a dito Joaquim Antonio de Agolar, de 400
rs. diarios; ao dito- doiO" dito Joaquim Jos de
Araajo, de 400 rs. diarios; ao dito dito drt&Tneo-
pollo- Soares da Silva, de 400 rs. diarios; ao dito
do 11a dito Antonio-Gomes do Nascimento, del 400
rs. diarios ; ao dito dito dito lgoa*olo LoureocV de
Souza, de 400 rs. danos; ao dito do 18a dilo
itiaiar de Souza Caraeiro, de 40) rs. diarios; ao
dilo do 14a dilo Jos- Fagundes Baptista, de 400 rs.
diarios; ao dilo do 18adito Manoei Pereira da Sil-
va, de 400 rs. diarios; ao dito do 21a dito Januario
Jos Rodrigues, de WO rs. diario*; ao dito dito
Aatosuo Tenorio Cavalcanti, de 0 ts. diarios; ao
dilo do 24a dito Gregorio da Silva Ramos, de 400
rs. diarios; ao dito dito dito Pedro Jos dos Saotos,
de 40J rs. diarios; aodito dito dito Macedooio Jo-
s da Silva,.de 40o rs. diarios; ao dito do 26a dilo
Francisco Jos dos Santos, de 400ts. diarios; ao
dito dito dito Amonio Corroa Lima, de 4.0 rs.
diarios; ao dito dte dito Igoaeio Jos Pereira, de
iO rs. diarios; ao dito dilo dilo Aatoaio Francis-
co Fitosa, de 400 rs. diarios; ao dito dito dito
Francisco Lourenco do Nascimento, de 400 rs. dia-
rios ;. ao dilo do 38 dito Manuel Alves Pereira, de
400-rs. diarios; ao-dilo dito dito Lourenco Pereira
de Castro, de 400 rs. diarios; ao dito dito do 40a
dito Bernardo da Silva Mendynca, de 400 rs. dia-
rios ;. ao dito do 44a- dilo Marcelino Jeronymo Ri-
beiro, de 403 rs. diarios; ao dita do 42a dito Fran-
cisca Jos alachado, de 400 rs. diarios; ao dito do
46a dito Jos Joaquim da Silva, de 400 rs. diarios;
ao dilo dito dilo Joo Soares Baptisla, de 'l-M rs.
diarios ;.ao dito do 51a dito Demingos da Silva
Guimares, de 40ft rs. diarios; ao dito dita dito
Jos Panlo Anania, de 400 rs. diarios; ao dito di-
to do 1 regiment de cavallaria ligeira Regioaldo
Goncalves de Sonza, de 400 rs. diarios; ao dilo do
Ia-batalbo de abalara Jos Aatooio da Costa, de
400 rs. diarlos; ao dito dito dito Manoei Ferreira
da Silva, de 400-rs, diarios; ao dito dito dito Ma-
noei Lopes da Silva, de 400 rs. diarios; ao dito di-
to dn-o Jos Francisco dos Saotos, de 400 rs. dia-
rio; ao dito de. 4a dito Joo Francisco Ferreira,
de 400 rs. diarios; ao dito dito dilo Manoei Nunes,
de 400 rs. diarios; ao dito do 5a dito Domingos
Tbeodoro Mendes, de 400 rs. diarios; ao dito do 6a
dito Jacintbo Berrelra Sobral, de 400 rs. diarios;
ao dito dito dito Paule Antonio Alves Pires, da 400
rs. diarios; ao dito do 7a dito Cosme Damio Fe-
bi>pe, de 40O rs. diarios; ao- dilo dito dilo Manoei
Francisco d*.Cosla, de 400.-/S. diarios; ao dito di-
to dilo Pedro Jos Vieira, de 400 rs. diarios; ao
dito dito dito Sebastiao Fra-icisco de Panla, de 400
rs. diarios.; ao dito do 8-dito. Manoei de Araujo
Leite, de41)0 rs. diarios; ao dito dito, do 9a dito
Manoei Vereira da Costa,, de 400 rs. diarios; ao
do dilo do 10a dito Actes Felicio Carlos, W
diarios; ao dito dito dito Francisco Jos Ferreira,
de 400 rs. diarlos; ao dito dito dito, izidoro Pedro
dos Santos, de 400 rs. diarios; ao dilo dito dito In-
nocencio Bispo da Silva, de 400-ss. diarios; ao
dito do ti- dito Fraociseo Xavier da Silva, de 400
rs. dia/ios; ao dito do 12a cito iosa Francisco de
Oliveira e Silva, de 400 rs. diarios; ao dito do 13a
dito.Antonio Jos dos Santos, .de 400 rs. diarias v
ao dito dito dito Jos Eelix-Lopes, de 400 rs. dia-
rio ; ao dito dito dito Raymooao da Silva Vieira,
de 400 rs. diarios.; ao dito dito.dito Antonio Sotero
dos Santos, de 400 rs. diarios ;.ao dito-do 14 dito
Antonio Francisco dos Santos, de 400 rs. diaros;
ao dito do 16 lito Luiz Manoei de A noria, de
400 rs. diarios ;.ao ditodo 22a-dito Jos Joaquim
da Silva, de 400,rs. diarios;. e ao dito da compa-
nhia de zuavos da Babia, Antonio Arysiides da
Silva, de 400.rs. diarios; e outro sim, a que foi
concedida por decreto de 37 de outubro do mesmo
anno, ao soldado do 24a corpo de voluntarios da
patria Maximiano Francisco Negalbo, de 400 rs.
diarios.
t ArL 2.a Estas pensSes sero pagas, das dataa
dos referidos decretos.
c Art. 3.a Ficam revogidas as disposc5es em
contrario.
c Sala das commissoes, em 14 de-junho de 1867
Joo Francisco Teixeira.Joao Carlos de Araa*
jo Moreira. 1
Lm se e vio a imprimir para entrar
dos trabalbos, as seguimos redaccoes :
Matricula de estudames.
t A as-embla geral resolve :
Art. 1.a Fica o go>erno autorisado a mandar
matricular os estudanles Durval de Menezes Fra-
ga e Joo Vaz de ,Garvalbo Sodr, este do 5a a
aquello do 2a anuo jurdico da faculdade do Reci-
te, que ebegaram 48 horas depois do eocerramen-
to da matricula,
t Art. 2.a Ficam revogadas as disposic^s em
cootrario.
. Sala dis commissoes, em 1S de janbo de lo7
C. Puto de Figuelredo L de Albuqoerqoe.
A. Tiberio de Moacorvo Lima 1
Penso a D. R. Araripe.
c A assembla geral resolve :
Arl. t. Fica approvada a pansao concodida
pelo decreto de 24 de seteribro de 1865 a a Ro-
mana Candida de Araripe, viava do capito Cbil-
derico Cicero de Alencr Araripe, e as suas duas
Albas menores, sondo a dita penso corresponden-
te ao respectivo meio saldo, sem prejuiw do que.
por le competir as agraciadas*
na ordem
*-.
^
Depois de oraren) em sentido favoravel a reela-
maco os Srs^ Bittencoort Sampaio e Horta de
Araojo, decidi- o Sr. presidente qae o referido
parecer fleasserpara a orde do da de segaflda-
feira.
O Sr. GaM Aem- (pela ordem):Sr. presi-
dente, ped a palavra para pedir ama simples in-
formaco. e desejo qoe nao eja considerado es-
te pedido como ama censura a qoem qner qoe
seja.
Peco a V. Exc que, sendo possive, nos informe
do estado em que esto era trabalbos da 2' com-
misso de inqoerito om relaco aos fe 5 distric-
tos da provincia da Babia. So tenbo em vista sa-
ber o estado em que esta' este assumpto, nao cen-
suro a ninguem.
O Sb. Candido Tobr.bvFiiho< :-0 parewr osla-
prompto.
OSb. Gama Abreu :Ensrj tenbo por motivo
deste pedido o desejo de que a-cmara poss* apro-
-veitar as Inzes que as discossSBS havidas- e por
haver naturalmente as pessoas iptwessadas aessas
eleicSee nos trariam ; nao tenbo ontra qoaiqner
razo. Desde que OU50 a declarac3b de nm mea- -
bro da commisso de qoe o parecerse acba promp-
to, qoasr qae fleo satisfeito.
O Sb. Ca.-whdo Tobres Filho :Fa! s assiar
o parecer.
O Sb. JosAvELiKo:Ea son memBro da com-
misso, e nao sei se o parecer est prcsrpto. Peto
a palavra. V
O Sr. PBESFoe.vrd -.Ordem do ola. T-ern a pa-*
lavra o Sr. Martinho Campos.
O Su. Jos Avelino : Ea pedia parawa pela
ordem.
O Sr. Presidente : Teta a palavra.
O Sr. Jos Avelina1 (pela ordem):Sr. presi-
dente, o honrado deputado peto Para' deseja Sor in-
formales sobre os 2a e 5"s da Bahia.Sou
membro da 2* commisso; e posso da-las. E* ver-
dade que ha dous ou tres das se concluirn!*as
discussSes relativas ao 2a dtstr'relo e ba mai de
olio as relativas ao 5, e nao sei a razo qoe mili-
ta para nao terem sido aiuda aereffntados os res-
pectivos pareaeres.
Aigans meabros da commisso eapenderam o-
seu juize a respeito da eleico- da Tapera, pertec*
cenl ao 2 districto, e com a dciscdessa fregOe--
ziar ficou concluida a dicusso ; um de' :, porm,
pedio qae se adrasse para o dia segura a deeiso
dos negocios da Tapera. Creic- que se completa
bdjeo 3 da, e contieno a ignorar quett o motivo
porqne o parecer nao nos foi pceseote;
Pela minha parce, por parte do Sr Bp. Bitten-
court Sampaio e de ontros memoro da eommisso
Qcaram os negocios decididos.
Se Ira ioteresse qoalquer em pretellar es pare-
cer, se ba calculo, se ha proposito nisso). declaro
qae son- o primeiro a desconhecer taes- melivos.
fago justiga aos outros memoros da ccrannVo ;
mas son fOreado a declarar qoe eil ja" oonclalo
os seus traDalhos, quer quanto ao-2*; qnerquanto
ao 5a distrieto, para que a cmara emre no-conhe-
cimeato des;a demora, que nao deve continuar
sem expcaco.
(Jomo membro da commisso protesto pela de-
mora da apresentac) do parecer, porqne cao que-
ro qoe ella me seja'tambem increpada.
O Sr. Aiaujo Barros :- Apoiado, tn multo
bem.
PRIMEIIU PARTE DA ORDSM'DO A>
Pedido de informales-e-do contrato de casamento
de S. A\ Imperial..
O Sr. Presidente :Tem a palavra o Sf. Mar-
linho Campos.
O Sr. Martinho Campes levaose para- apr-
seotar um requerimento pedindo- nforraacoas a
respeito da nossa armada estacionada no rio da
Prata.
Nao pode deixar de fazer algunas- coosiieracoas,
acerca do procedimenlo de gnveroc- em negar in-
formacoas a' cmara, apezar dos bcos exenaplos da-
dos aos S?, senadores, satisfazendo-lhes em todas
as inforroafioes qae sio pelos mesmes padidasr, dan-
do com este proced melo mais importancia aquel-
la cmara do que a esta.
Lamenta que a cmara seja tratada com^e pen-
co easo, aoaao tem sida,,pelo governo.
Cada vez descooria raais do liberalismo e da jas-
tiga do Sr. presidente de conselho to apregoado,
principalmente, porque sua amttcao o. tem-des-
vairado ao ponto de querer estar som todos e com
ludo.
Nao pode, portanto, acreditar aa f poltica do
Se. presidente do coneeUio.
Declara qae, tendo o governo entregado oicem-
mando- em chefe do exercito e do- armada, no Rio
da l'raia a dous ebefes proemiaeoies do partido
conservador, qae o governo devsa resignar knme-
diata&unte o poder ao partido ?qoe perleneem es-
ses doos cheles, pop ser esto procedimenlo mais
leal e conseutaneo com a razce.
A gaerra urna ealamidade, e- assegwa qne osr
destinos da naco nao est identificados com a.,
guerra.
Vio na folha oflaird urna noticia, qne loe cansa,
alguno receio, acerca da boa harmonia qne deve..
reinar no exercito. Consta qoe o Sr> general Mi,
tre em breve ir& tomar o caminando em chefe do
exercito, e o orador deseja saber so- elle tomar
taatbam o comisando da eoqoadrav e desde j az
responsavel ao governo por todos os- males qoe nos
acontecer, e tambem ptlo modo pouco lisoogeiro
porque tem sido tratado o exercito), pela imprevi-
dencia do da mariohli pelo mo servico da. armada.
EntenJn que a promoco do Sr. visconde de Ta-
mandar fal immerecida ; o- qae nao admira, por-
que o goveroo tem galardoada a individuos, que
antes ja os havia censurado, pelos seas esregra-
mentos.
Faz aida censaras aos Srs. marqoez de Caxias
e vicealmirante Joaqnim Jos Ignacio-,, pelo pro-
loncramento da guerra, e aecnsa-os pac fazer po-
ltica brasileira no Bao da Prata.
Conclundo, manda a mesa os segointes reqaa>
rmenlos:.
Requeiroqaese peca ao govaroo informacio-acetr
ca do desemvolvimeolo do escorbuto as tripula-
c5es da esquadra brasileira em operares no Rio
da Prata, sendo estas Informales acompanhadas
das coavnuQlcaeSes ofQciaes do commandante da
esquadra e dos ebefes do servico de saode a tal
respeito, fazendo- se mense das providencias
aconselbadas e tomadas para resiabetecer e coa-
servar a saude dosnossos bravos -marinheiros.
Martinho Campos.
f Reqairo igualmente copia da ordem do dia
do eliminando da esquadra de 20 de fevereiro do
crreme anno, congratalando-sa com a esquadra .
pelo convenio de 20 da fevYeiro, aceito mais re-
provado pelo governo.S. a R. Martinho Cam-
pos. .
i Reqneiro c,oe se peca ao governo copla do con-
trato do casamento de Sua Alteza Imperial.Mar-
tinho Campos,
Foram apoiados e Qcaram adiados por pedir a
palavra om Sr. depatada.
Fol apresentado mais a segrate interpellaco :
t Usando do direito que me conceda o rgimen*
to da cmara dos deputados, peco qne se-marque
dia e hora para que o Sr. ministro da Jostra se
digne responder s seguimos InterpellacSes :
t 1.a No caso de ser anda necessario levantar
novas torcas para se continuar e acabar prompta o
honrosamente a guerra do Paragaay, pretende o go-
veroo empregr o systema ds recrtamento (or-
eado, como at agora T...
(Cojitin)ar-$e-ha.
"TYP DO DIARiara DASCRUZES N. 44




/

(.
r -s


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EPK2V0LGE_U81YIZ INGEST_TIME 2013-09-05T04:36:32Z PACKAGE AA00011611_11307
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES