Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11257


This item is only available as the following downloads:


Full Text
V



I
s
ANNO XLIU. M jIEUO 100.
'ABA A CAPITAL E LIABE* O>DE K *AO VACA PBBVB. :
IVIrMadmavirtfet.,. *............. ff/fOOO
Pr seis Utos Me.. .1 .7 .... .- .. ;' ,2000
^rniwUii.. ..;..... .j .,.). .... 241000
lia ntoaer avulst .;..,.................. 3)
QUINTA FEIRA 2 DE MAIO DE 1867.
Por tres mezes adia Diados;.
Por seis ditas idea. ..
Por noTe ditM ideai.....
Per na aane Mea......
WmtO B FOA a A PBBYIXCIA.
f. .. ..
. .
. .. .. .. .
.. .. .* .. ..
.. ..
MWO
20H50
71000
saaini-fii am ipiidadiibiid ikd ssimipvqiikd m m&ittijm imra;m m jAiait iraam 9399 aa ENCARREGADOS DA SUBSCRIPTO.
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty,
o;5r. A. de Leraos Braga; Cear, o Sr. Joaqun
Jos de Oliveira ; Para, os Srs. Gerardo Antonio
Alves d Filhos ; Amazonas, o Sr. Jeronymo da
G)sta; Alagoas,o Sr. Franeino Tavares da Costa;
B.ihia, o Sr Jos Martina Alvos; Rio de Janeiro,
o Sr.Jos flbero Gasparinho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
linda, Cabo, Escasa e estafes da va frrea al
0 Agoa Preta, todos os dias.
narass e Goyaona as segundas sextas feiras.
oto Aolp, Grvala, Bezerros, Bonito, Caruarii,
Altinho, Garaahnns, Btiique, S. Beoto, Bom Con-
sejad, Aguas Bellas e Taearat, as tercas-feras.
Pao (TAlho.'Nazarelb, Linoelro, Brejo; Pesqneira,!
Isgazeira,- Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa-Vfs-
ta, Oorieary.Salgaeiro e Ex.nas quarta feiras I
Serinhem, Hio Fonneso. TamaoSar, Boa, Bar-
reros Agua Preta e Plmenteras, as quintas
feiras.
AUDIENCIAS "DOS TRIBUNAES DA CAPITAL-..
Tribunal do comraereio: segundas e quintas.
Relago : tercas e sbados s 10 horas.
Faxenda : qa/ntas s 10 horas.
Juizo docoramerofo ; segundas as II horas.
Dito de orphos: tercas e sextas s 10 horas.
Primara varado civei:
da.
Segunda vara do civei
I hora da tarde.
urcas e seatae ao mato
:. qnartas e sabbaflos a
EPITEMERIDES DO MEZ DE MAJO
4 Loa nova as 4 h.;e 4 m. da ir.
10 Qoartocresc. as 7 h. e 12 m. da I.
18 La chela as H h. da m.
26 Quarto ming. ai 2 1t2 h. da h
DAS DA SEMANA.
2p. Segunda. Nossa SeDhora dos Prazeres.'
30. Terfa. S. Cunarlna de Sena v., S. Sopliia v. m
i. Quarta. S. Felippe e S. Thiago apps.
2. Quinta.- S. Mapbalda v., S. Atbanaslo m.
3. Sexta. S. Rodolpho m., S. Amaro m.
4. Sahbado. Ss. Floriano e Sacerdote mm.
5. Domingo. S. Pi V p., S. Angelo c. m.
PREAMAR DE
Primeira as 1 bom e 18 m. da larde.
[Segunda as 1 iioraa a 42 minutos da aaanan.
PARTIDA DOS VAPORES COsTllROR.
Para o sul at Aiagoas a 14 e 30; pava nena
at a Granja a 15 e 30 de cada mez: para Fer-
nando nos dias 14 dos laexes Janeiro, i
jalbo, seterabro e noveabro.
PARTE DFFICIAL
GOVEB.\0 DA PROVI\< 11
Belatorio apresentado assembla proviu-
* cial, no dia 15 4o correte, pelo Eira.
Sr. conselheiro Francisco de Paula da
Silvelra Lobo, presidente desla provin-
cia.
(Continuaco).
SANTA CASA DE MESERICORDIA.
Continua a junta administrativa a ter. a sen car-
go os mesmos estabeleclmeutos referidos no rela-
icrlo anterior, a saber:
O hospital Pedro II. a tasa dos Espostos, o hos-
pital dos Lazaros, o Hospicio dos alienados, o col-
egio dos Orphos e o das Orpbas.
Estes estabelecimentos funccionam com a reg-
laridade que tem sido possivel obter-se pelos es-
crgns da mesma junta, e se tem prestado aos seos
c&rldosos fins quanto permitiera os recursos da
Sania Casa.
Tendo-se realisado a mudanza do collegio dos
orphos no anno prozimo passido, ja' boje lodos os
estabelecimentos a cargo da Santa Casa se acbava
..va edificios pertencentes a seu patrimonio.
Pela lei n. 660 de 18 de abril do anno preximo
liado mandn esta assembla construir oais nm
rato no edificio do bospital Pedro II. Esta obra
que o provedor da Santa Caaa Jalga urgente ja' a
acba eontractada.
O medico deste bospital representa sobre a ne-
<:essidade de serem collocadas algumas veneziaoas
para resguardar dos raios do sol de tarde os tfoen-
tes das enfermaras, que Qcam do lado do poenle.
E' urna medida que nao acarretara' grande des-
pozas e cuja breve eatlsfago vos sem duvida a-
eonselbada pelos sentimentos de caridade, que vos
animara.
Aprsenla o provedor, como urna ootra necessi-
dade do estabelecmeoto, a consirucgo de urna co
inlia commoda de coja falta muilo recente-se este
io de ordinario contera em si nui numero de 230
.pessoas.
A junta administrativa, que ja'enprebeodea com
seus recursos proprios-melhorar o estado das la-
trinas, nao pode pela penuria de seos cofres reali-
sar mals este melborameolo.
Na conformidade do aceordo havldo entre a' jun-
ta e a Direcco da Associacao Comuiercial Beoefl-
cente desla cidade ezistem recolbldos no bospital
de Pedro II mendigos de nm e ouiro sexo, cojo nu-
mero tem variado entre 18 e 28 os quaes sao
rnanlidos com as vendas do producto da sub crlp-
-,:o promovida -pela mesma assoclago para um
as y lo de mendicidade.
O hospital Pedro II conserva-se em unto asseio
, -.anto de desejar. O seu movimenlo do 1* de
jineiro a 31 de dezembro de 1866, foi o segulnte :
!: n.-liam kjmens............... 60
c mnlberes.............. 61
Eutraram bomeos............... 691
< mulheres.............. 366
------1181
Sabiram homens................ 524
mulheres.............. 223
Morreram bomens.............. 143
< mulheres.............. 141
E:tistem bomeos...
mnlberes.
------1031
84
66
------150
A casa dos Exposlos tem as precisas proporcSes
para comportar o numero dos que, concluida a
cieaijao, tem de ser recolhidosao estabeleclmenlo;-
trata a junia de ampliar as soas acomodares.
Este estabeleclmenlo tem grande necessidade de
um cano de esgoto para as aguas pluviaes e ser-
vidas.
As exposlas a' costa de seus trabalhos vestem*
se e concorrem para a decoraco da igreja de Nos-
sa Senbora do Paralzo. Tambera prestara algum
servico de costura para o hospital Pedro II.
O movimenlo da casa dos expostos no mesmo
neriodo cima referido foi o segrate
Esistiam meninas.
Eatraram dem___
Casaram-se.
Morreu.....
Iixistem.
80
7
87
2
1
------3
84
------84
Em eriagao /ora do estabelecimento.
Exlsliam meninos
< meninas
O movimento do eollegio de Janeiro ao oltirao
de dezembro prximo passado foi o segolnae :
Exisliam orphos................. 43
pensionistas.............. 6 ^.
Eotraram orphos..............
peosioaistas............... 6
Sabiram orphoa.................. 7
- 76
('orara expostos meninos.
t meninas.
Morreram
'.i xistem.
41
44
------85
29
28
------57
47
------47
95
------95
O hospital dos Lazaros foocciona regularmente ;
entretanto o sen asseio, segundo informa o prove-
dor da Sania Casa, nao o mesmo que se nota nos
estabelecimentos, que se dirigidos pelas irmas
ds caridade.
O movimento desie hospital do 1* de Janeiro a 31
(13 dezembro de 1866 foi o segainte:
Existan) bomens............... 10
< mulheres.............. 3
Eotraram homens.............. 4
< mulheres............ 3
Evadiram-se bomens.
Morreram mulheres..
Iixistem bomens..
< mulheres.
-------20
2
-------2
S
-------2
12
12
------24
numero de 74
O Hospicio dos Alienados eonta
infelizes recolbdos em suas cellas.
Este estabelecimento nao tem patrimonio proprio.
Foi creado pela Santa Casa para receber alguns
alienados remedidos pela polica e por particulares^ |
para o hospital Pedro 11, onde a boa ordeno do es-
ubalecimento nao permittla qne fossem conser-
vados.
A polica faz frequenlemente remessa de aliena-
dos e os particulares, qne oa tem em suas casas
c.io deixem de procurar o estabeleclmenlo, cojas
-tiiispezas crescem de dia em dia, e montara a cifra
d 15:000* anoualmente, que a metade da sub-
venco que esta assembla concede para lodos os
t tabeiecimentos a cargo da Sania Casa.
Chamo a vosea alten?5o para a necessidade.de
uielborar o edlGcio deste estabelecimento, e de
ilola-lo com o mek de poder quinto ncessa-
rio prestar-se ao sen ntilissimo Om, anda mals
mr qoe a nnica instituico deaia especie existente
o a provincia.
O collegio dos Orphos esta' em nm predio per-
tuneente, como ja' dlsse, a Santa Caaa, e qoe tem a
precisa eapacidade para accomodar nm creseido
numero de educando?.
As aulas que ezistem sao apenas urna de primei-
ras letras e ootra de msica.
Se a Santa Casa dispozesse de raaiores recunos,
ewviria ampliar mals o plano da edoea^io, pro-
aorciooando-Ibes educaco e habilitacSes arlis
Ji cas.
Era virio d# do arl. 14 da lelo. 611, tem sido
adi recomidos 11 menores, Qibos de voloniarios da
patria, de offlciaes da gnarda nacional e do eorpo
ds polica, pagando a provincia as despezas feitas
ojm vestoarios e al|mentCo.
7
Exlstem orphos.................. 57
> pensionistas.............. 11
- 68
O collegio das orpbas funcckraava ezcellente-
mente, segundo informa o provedor da Sania Casa
era seu re a torio.
u edificio em qoe se acba tem grandes accom-
moda{5e8, e melhorou consiikravelmente com os
reparos que interiormente foram faltos com b. au-
xilio que para este fim voton esta assembla. Ago-
ra faz-se necessario que sejam realfsados os repa-
ros de qoe precisa o exterior do mesmo edificio.
As orphas no lugar em qne esto, nem sempre
acham obras de encommenda para fazerem, como
ieontece s expostas, o qoe entretanto nao sao in-
feriores em habilitaees. Por Hela razo nao se
vestem a sna cusa como estas. -
O movimento do collegio garante o mesmo pe-
riodo Ji alludido foi o seguirfte :
Exstiam.......................... 117
Eairaram........,............... 14
------131
Sabiram......................... 14* ,
Morreram........................ 2
------16
Existem orphos................... 100
> pensionistas da provincia... 10
particulares. .. 5
Os predios da Santa Casa acham se em estado
de grande deterioramento. Alguns cooservara-se
inhabilitados por sea estado de roioas, oolros j
teem cabido, e a reaior parte delles, diz o prove-
dor da Santa Casa, ter (goal sorle, se nao forem
accudidos em lempo.
Os contratos que se celebrara cora inquilinos
sob a condicco de repararem os predios, nao sao
meios inficientes.
Chamo vossa attenco sobre este ponto, aflm de
que procuris dar satisfaco a esta exigente neces-
sidade.
As despezas da Santa Casa vo crescendo sem-
pre, e nao crescendo ignalmente o seo patrimo-
nio ; convm conservar e aproveitar este qoanlo
fr possivel, para que nao venha o estabelecimen-
to pesar sobre os cofres pblicos.
A juma administrativa tem procurado pelos
meios legtimos garantir os inleresses da Santa
Casa na deploravel emergencia do alcance do sea
ex-procurador Symphronio Olymplo de Queiroga,
facto de que teve ella conbecimento era abril do
anno passado, e que muilo surprehendeu pelo
bom concedo, de qoe gosava dito procarador.
Este alcance pelo una ba sido verificado monta
acuantia ds 19:752,1312.
Acba-se definitivamente resolvida pelos tribu-
naes do paiz a questao movida centra a Santa Ca-
sa pelo bacharel Laiz Rodrigues Villares, casado
com a filha adoptiva de O. Joaquina Mara Pereira
Vianna, dando em resultado ficar de nenbum ef-
(eito a doacao por e-la feita Sania Casa o que
Irouze s suas rendas consideravel desfalqoe.
Desde 31 de agosto do anno passado qoe foram
entregues ao referido bacharel Villares, como cu-
rador de D. Joaquina, todos os predios doados.
Alm disto acba-se devendo a Santa Casa a mes-
ma D. Joaquina, de rendimeotos dos referidos
predios duraote lodo o*tempo era qoe e3tiverara
em sua poss?, feitos todo3 os descont?, elevada
somraa de 50:200^67.0.
Na doficiencia de meios em que vive a Santa
Casa at para suas despezas de costeio de ne
cessidade que a assembla provincial tome alguma
medida a este respeito.
Pesa ainda sobre o cofre da Santa Casa urna
divida de 33:932^189. contrahida em lempo da
extiocta adminisiraco, segando informa o prove-
dor, era virtude da delerminaco da presidencia,
mandando receber doentes no hospital Pedro II,
alm do numero que este podia comportar.
Tem a Santa Casa dividas activas na .importan-
cia de 60:475*830, sendo parte dessas dividas in-
cobravei.
J vedes, portanlo, que a Santa Casa de Mise-
ricordia reclama de vossa parte solicita alinelo e
as medidas qae em vosso escla-eci Jo zelo e senti-
raentos humanitario?, mals apropriadas vos pare-
cerem para malborar o sea estado actual Mere-
ce-o ella pela maoeira porque sempre tem procu
Irado satisfazer aos caridosos fias de sua Insti-
tuico.
BECOLIIIMBNTO DO BOM CGNSELHO
Para esie po estabelecimento que recolhe e
educa em seu seio lanas e to infelizes orphas
peco vos o auxilio *possivel. Seria msmo para
desejar que "podesse ser augmentada a quota con-
signada no art. 27 da le n. 687 do orcamento vi-
gente ; por quanto a eseassez dos gneros de pro-
dcelo do paiz, e as causas qae determinan) sua
caresta subsisten), e redozem extrema penuria
o estabelecimento, cujo patrimonio rendeu apenas
em o aono prximo passado HoJOO).
Sem o auxilio que vos pego, lo Interessanle es-
tabelecimento cortamente nao poder prestar o
abrigo e proieccao s desvalidas qne o procuram.
E' elle dirigido por urna superiora, urna direc-
tora interna das recolbidas e urna professora.
Conta cincoenta e sete educandas e ezistem mais
quatro menores que vo ser admittidas.
COL0NI8ACA0.
Poaco lenho que dlzer-vos sobre este assomplo.
Formon-se nesta provincia orna associacao com
o fim de promover a Importaco de colonos pola-
cos, mas at o prsenle anda nao ebegaram esses
colonos.
O meo antecessor mandn entregar a eommis-
so central da referida associacao o beneficio da
1.a parte da lotera, que Ibe foi concedida pela lei
d. 690 de 30 de maio do anno passado para occor-
rer s primeiras despezas da colonisaco.
Em selembro prozimo fiado quatro familias de
norte-americano?, compostas de 24 pessoas, qae
baviam emigrado dos Estados-Unidos, chegaram a
esla provincia e declararan) qae qaerlam aqu
permanecer.
A pre: Idencia facilitn Ibes todos os meios para
qae se estabeleceisem as trras volutas prxi-
mas colonia militar de Pimenteiras, e all se
acham empregados nos trabalhos agrcolas, sendo-
Ihes ministrados pelos cofres geraes os meios de
subsistencia, em quanto nao os podem obter do
seu irabalho.
rm pago em dia ojjuro qoe vence porrrimestre na
rsxao de 7 por cento.
desenvolvimeoto prospera qae tiveram algumas
das rentes da renda phbliea, fez elevar a receita
da provincia no ezercicio prozimo flodo a....... depsitos.
1,996:829*872, sjmerior a que foi oreada em-----I Pelo baianeo, a que se procedeu no ultimo o
3i8:223#872. primeiro semestre, verillcoa-se -que ezistem na eai-
edozindo-se porm, asquanllas de 33:033W33 za dos depsitos a qoantia de 435:829*611, a sa-
saldo de ezercicio anterior ; 1:959*969 de resti- ber : 247:475*983 em lettrs?, 90,366*800, aro ac-
tnlcSes, 130:106*690 do movimenlos de fondos,' coes'de aiffereoies coronanhias a illutos da-divida
ainda asslra a recelta liquida do referido esercielo | provincial e 98:988*828 ero dinheiro
vem a ser de 1,831:731*180, qhe ezcede a do' As leltras procedem de arrematarse de Impos-
ezercicio precdeme em 271:197#339. i tos,e as qne se vencem no correle exercicio ira-
Para o augmento desta .receita mais concorreu portara em 64:495*647.
o producto dos direitos de ezportaco do assucar e As accSes e ttulos s,o garantas dos respon-
algodo, qoe se elevou, a deste genero a.........' els fazenda publica por coatralos e oDrigacoes
588:817*037, e daqnelle a de 359:372*738. de diflerantes natorezas.
Comparjndo-se este resultado com o do ezer- > No dioheiro coprebende-se qoantas deposita-
cicio anterior, venflea-se que o do llgodo teve nm das em sdbstitoieao de fl^ngas quoias votabas nos
augmente de 186:284*565, devido nao s ao seu exercicios fiados para obras de mairlzes ; e t:000*
preco como lambsm a ter-se eiporlado mais..... dado por SuaMagestade o Imperador paraacons-
304,566 arrobas ; o do assucar leva para mais a trueco de um eemilerlo na villa de Serinhem,
difiereoca de 108:671*837; proveniente de.......' descomes feitos nos venciraentos dos offlciaes de
de 1,207:465 arroba?, qae de mais se eapor- polica para ioderooisaco do qae devera a Ibe-
laram. souraria geral, porceots[gem das prestacoesne al-
A despeza do exercicio findo foi de........... I gamas obras recibidas provisoriamente e saldos
l,716:63i*4ISLa qual deduzlndo-se..............I loteras anda nao proscriptas e beneficios de
140:244*24.0 de movimento de fundos, Oca redozi- entras.
da a 1,576:437*173. j Nj relalorio do inspector encontrareis as recei-
Hoo've p'ortanto, um saldo de receita sobre a des- las dos tra ltimos ezercicio?, e do primeiro se-
peza no valor de 389:85*050, devido as sobras de mesire do actual como bases do orcamento da re-
algumas consignares, e por nao se ter despendido 'ceita e dnspeza que tendes de confeccionar para
os 25:000* votados para anzilio da despeza com a o ezerceto futuro.
agosto de 1851, remella em offlcio separado copia no prozimo passado, dos guardas naci
do edita!, que em virtude do art. 11* daamesroo | cados as povoac<5es de Pa.meira e Corre
decreto tem V. Exc. de mandar afiliar na capital quella comarca.
fazenda modelo, 3:175*500 para a illuminaco
da cidade do Rio' Formbzo, e 8:840* para a crea-
cao da inspaeco do algodo.
, Este saldo fei nos termos do art. 2* da lei n. 575
addicionado rubricaObras Publicas-do cor-
rente exercicio.
RKPARTIC.VO.
E' reconhecidameole i os a luciente para o pesado
irabalho qae por ella corre, o poaco pessoal e mal
retribuido, que ctualmeote tem.
Dabi resalla o atraso em que se acba o seu ex-
pediente, e a Impossibilidade de iraze-lo em dia
As despezas efiectuadas pelas cooslgnac5es ve-' P"1 mais esftoroos que envidem seas empregados.
tadas oa lei do orcamento vigente foram : Estu convencido de que esta ssembla nao
Assembla provincial.......i... 31:630*689 deixara' de tomar em cousiderago -o que a ente
62:048*920
10:160*000
220:718*026
19:877*435
87:103*625
97:337*38*
15:551*634
140:850*811
41.048*628
55:290*000
6:127*740
9:991*899
527:662*009
Secretaria da presidencia........ 26:8*1*096
lasiruccao publica.............. 216:600*675
Snbvengo a Companhia Pernam-
bu:aos, a' Associacao dos Artis-
tas, e aos Expositores..........
Toeatro....................
Corpo provisorio de polica e auxi-
lios aos vol anta ros...........
Cadeias e conduccao de presos....
Illuminaco das cidades do Reeife,
Olinda e lioyanna..........r..
Estabelecimentos de caridade, re-
colhlmenloS, sustento e curativo
dos presos pobres............
Culto publico...................
Cobranca, arrecadaco e flscalisa-
go ti a renda...........>......
Aposentados e jubilados...........
Ainortisacao e juros de apollces..
Impresso e poblicaco dos traba-
lhos das repartieres provinciaes.
Re:-Iituicoes.......................
Obras publicas....................
Endurado se desla ultima despeza a quantia de
2J:651*854, despendida com a repartico das
obras publicas, Acara' redozida a 504:011*155 a
somraa despendida com as segnintes obras:
Reparos conservago das estradas e oontes
93:105*156. Empreza Mamede 56:700*.
Dllos de edificio 6:327*876.
Conservagao,reparos e desobslracgo dos cae3
703*600.
(/ligamento das ras 161:00-5*858.
Mairizes e outras igrejas 35:459*720.
Obras novas 160:333*165
Estudos grapbicos 375*680.
Alm desta despeta fez-se mais a de 49:009*
cora o ealgamento no3 termos do 4* do art. da
lei n. 558 de 4 de maio de 1863.
RECSITA. DO PRIMEIRO SEMESTRE DO EZERCICIO COR-
RBNTE.
Pelo balancete qae acompanha o relatorio do
inspector da thesouraria provincial veris qne a
receita do primeiro semestre do exercicio crrente
fOi de 1504:764*958 ou de 632:749*676 abaten-
do-se 281:148*459, saldo do exercUio passado,
822*903 de reslituigSes e 140:043*920 de movi-
meotos de faados.
Excede a do primeiro semestre do exercicio fin
do em 11:479*605, por eausa da divida activa que
se cobroa, e do direilo de ezportago do assucar,
que rendeu no*semeslre do exercicio corrente.....
141:232*115, ao passo qoe nodo ezercicio passa-
do so produzo 92:749|465.
DESPEZA DO PRIMEIRO SEMESTRE DO CORRENTE EXER-
CICIO.
Despendeu-se com o differentes ramos do ser-
vico publico no semestre, de que trato, a qoantia
de 783:265*197; ou antes a somraa de...........
784:135*736, s deduzir-se 37*360 de movimen-
los de fundos, e 4:092*401, saldo das quantia?,
qae passaram caiza especial do ealgamento da?
roas.
Este saldo, reuuido ao de 266:499*461, que re-
sulla da receila sobre a despeza prefaz o saldo to-
tal do dito semestre de 270:591*862.
Qaaoto s despetaa que se lem de (azer no se-
gundo semestre do exercicio que vai correlo, eo-
tende a thesouraria, qae a randa que existe ainda
por arrecadar, offerece para ellas recursos saffl-
cienles.
Bati o seo juizo na segainte demonstrago :
f Persuadido de qoe a renda do corrente ezer-
cicio nao sera' menor de 1.597:853*, termo medio
das qoe se afrecadaram nos tres ltimos, nao s
porque a do prximo fihdo importoa como fica di-
to, em 1,831:731*, como por terem sido os impos-
tos nelle decretados os mesmos (com diminutas al-
teragos), qae actualmente se cobrara, vira' pro-
vavelmente a realisar-se a receita na importancia
pelo menos de2,028:689*. juntndose a qne fica
calculada o saldo de 430:916* da dilo exercicio
9ndo.
Sommaodo a despeza decretada pela lei do or-
camento vigente em 1,827:668*, ter-se-ha abalen-
do-a da dita receila, o saldo de 201:021*, que po-
de ainda elevar-se com o augmento da renda, e as
sobras de algumas consigoagSes.
. Este, saldo parece me qae chegara' nao s para
as despezas qae por ventara teobatn de ser feitas
por crditos sapplememares, se forem Inanfflcitn-
tes as respectivas conslgnagj?, como ladfjnm pa-
ra as de obras publicas, que ezcedereoafl crdi-
tos votados, e devem ser pagas pelas sobras das
conslgnagdes da lei do orcamento do exercicio pr-
ximo fiado. >
divid activa e PASIVA.
respelto ezpde o inspector em seu relatorio, adra
de provideociardes, como olenterdes conve-
niente, .
Em materia de organisagao dvservigo nao s
quanto a esta reparligo, como a quaesquer ou
tras, entendo qae a grande mxima de scieocia ad-
ministrativa consiste era pessoal idneo pouco nu-
meroso e bem atribuido.
Por portara de 14 do mez prximo fiado, demit-
ti o bacharei Cypnano Feneloo Quedes Alcoforado
do lugar de procurador dos feitos da fazenda pro-
vincial, e noraeei para o substituir o bacharel Can-
dido Martios de Almeida,
Toado fallecido o tbesoureiro do consulado pro
vlncial, J jo de Sa' Leilo, preeacbi a vaga por
elle deixada, nomeando a Jos Hygino de Souia
Galvo, por portlrla de 26 ds fevereiro ultimo.
(Continar-se-ha)
i i n i mam f
Por aviso expedido pela reparligo da agricoJjo-
ra, commercio e obras publicas, datao de 23 de
margo ultimo, mandn o governo Imperial, que
fossera concedidos, oca o pedir ura d'aqaelles co-
lonos, William Graham, oa favores do regulamen-
to para as colonias do estado de 10 de Janeiro de
1867. Este aviso reeebido ltimamente nao teve
ainda ezecago.
Sendo iodispeosavel para este fio a medigo e
demarcago das trras publicas, foram Horneados
para este servico o engenbelro Bernardo Jos* da
Csmara e o agrimensor Joo Das Pinto Aleixo.
Aqaelle eogenbeiro delzoa de aeceilar saa no-
meago, porque aebava-ae impossado no cargo,
que ora ezerce, de ehefe da reparligo das obras
poblicas da provincia.
Creio qne o agrimensor s por si, sem o anzilio
de um oolro proflssional, poned poder fazer.
TtBSOOBAWA PROVINCIAL.
O estado flnanceiro ds proviocia lisongeiro. O
No ezercicio prxima fiado arrecadou-se a quan-
tia de 83:294*220 da divida aetiva, que eslava li-
quidada e verificada.
Resta por cobrar 406:630*232, inclusive a im-
portancia da divida provenante diqaelle exer-
cicio.
Toda esta divida acba-se em jalao para ser co-
brada.
A divida passiva da provincia, reconhecida e li-
quidada al o oltimo de dezembro prximo flodo,
importa em 1,058:625*609, sendo 1,052:973*668
do jaro de 2 por cento garantido pela provincia a
cempanbia da estrada de Ierro do Reeife a S.
Francisco, vencido de 9 de fevereiro de 1858 at
o ultimo de junbo do anno passado.
Existe alm desta divida a de 118:000* prove-
mente dos ttulos erailtides para pagamento da
ebra 4o calgameaio as ras desta cidade qne ex-
ceden nao s- as qnanlias para elle votadas, mas
tamben) senda do imposto lancado sobre a ala-
gan! dos predios para o mesmo ealgamento.
A asaorua?ao do capital desta divida tem de co-
megnsrDCezercleodefp. a 4870, achacan, po-
Expedieale do dia 14 deferereird de 1867.
1." secgo.
N. 476Offlcio ao general commandaole das
armas.Declarndome o Exm. .Sr. ministro da
guerra em aviso de 30 de Janeiro ultimo, qae por
| decreto de 30-de Janeiro ultimo, qae por decreto
de o daquelle mez passoa a aggregado arma a
que pertence, na conformidade do arl..2." i i."
motivo o. 2idcf decreto n. 260 do 1* de dezemoro
de 1841, o lenlo do 9. balalbo de infamarla
Francisco Amonio de Sa'arreto Jaaior que se
nena nesta provincia; assim o corarauoieo a' V.
Exc. para seu conlitcimento-
N. 477.Dito ao mesmo.Qjeira V. Exc. infor-
mar sobre o que pede Elisiano Gomes de Mello, no
reqoerimenlo que junio com o offleio da !. secgo
da reparligo do ajudant: general datado de 24 de
Janeiro ultimo.
N. 478.Dito ao mesa:oExpega V. Exc. as
soas orden?, para que o commandaole da fortaleza
do Brum recolha presos a' dispo^oo desta presi-
dencia 14 pragas ao primeiro esqualro de chal-
lara da guarda nacional deste municipio, que se-
io apreseotados naqueiia fortaleza.
N. 479.Dito ae raesroo Sirva-se V. Exc. de
expedir as convenientes orden?, para que agr
mesmo me seja aprsenla lo o recrut Daniel Fe-
lippe de Vasconcellos, que pon oflkio de bontem
mandei por em liberdade.
N. 480.Dito ao inspector do arseu.l de inarl-
nha.Mande V S. com a mxima urgeacia, fun-
dir nesse arseoal o maior numero possivel de bom-
bas de 68, segundo o modello que pelo arsenal de
marinba da corte Ihe foi enviado, deveodo serem
ellas remeitidas para all a proporgo qae ss forem
apromptando.
N. 481.Dito ao director do arsenal de guerra
Mande. Vm:. fornecer aa tanenie-ooronel comman-
daole do batalho n. 40 da guarda nacional do mu-
nicipio de Ipojuca 250 (admenlos brancos comple-
tos, para igual numero de pragas daquelle bata-
lho, que se acha aquarielado na fortaleza das
Cinco Ponas.
N. 482 Dilo ao mesmo.Mande Vmc. fornecer
com urgencia ao commandaole do segundo bata-
bo de infamara os olencilios seguimos :
Quatro jarras.
Quatro cocos,
urna mesa grande.
Duas ditas peqaenas.
Seis cadeiras.
Qualro banco?.
N 483.--.Dito ao capilo do porto.Deferindo o
requerimento qoe me eoderegoo o matriculado
nesSa capitana Manoel Lopes de Souza, resolv dis-
pensadlo do servigo da guerra para que eslava de-
signado, visto ter provado ser o arrimo de sua ve-
Iba mai viuva : o que communtco a Vmc. para
seu conhenpiento e ezpedigo das convenientes
ordes.
N. 484__Portara. -O presidente da provincia,
atlendendo ao qae reqaerea Anlonlo Francisco Ci-
valeanli, guarda da companhia de aprendizes me-
nor* do arsenal de guerra, resolve coneeder-lhe
nm mez de licenga com ordenado para tratar de
sua sade.
N. 485.Dita.O presidente da provincia, alten-
deudo ao qoe requereu o tenante do primeiro cor-
po de capadores a cava lio Manoel Joaqaim Macha-
do, e tendo em vista a informaco de general com-
mandante das armas, datada de 30 de Janeiro all-
rao, sob n. 138, e parecer da junta de sade. resol-
ve cpnceder-lhe tres raezes de licenga nos termos
dos arts. 1 e 4 o. 2 do decreto n. 3,579 de 3 de Ja-
neiro do aono passado, com referencia ao art. 106
de regulamenio de 27 de outubro de 1850, para
tratar de sna sade.
2* secgo.
N. 488.Ofllciaao conselheiro presidente dar-
lagio.Pelo offleio de V. Exc. de 12 do corrente
Qqnei inteirado do falle.imento do serventuario vi-
talicio do offleio de escrivo da chancellarla desse
tribunal, Francisco dos Res Nones Camnello, e
envi-rae copia do aviso circular de 25 da catabro
de 1861 para os fins convenientes.
Aviso a que se refero o offleio supra.
Circular.Ministerio dos.negocloa da jastiga.
Rio de Janeiro, 25 de oatabro de 1861.Ulna, e
Exm. Sr.A falta de eselarecimemos mais com-
pletos no procesan dos coocursos para provimento
dos offleio de jastiga, seja em relago a qoalidade
des mesmos offlcios, seja por nao mencionarse a
razio da vacatura, e a poca em qae foram creados,
ignorando-se nao poucas vetes se devam oa nao
continuar a prover.se, vlst) como a ereaeo de taes
offlcios depene de legislado provincial, nem sem-
pre presente ao governo imperial, dando taes oc-
urrencias lugar a provimentos indevidos, a qae
forgoso reparar pelo prejafto de Inleressado?, exi-
ge, qoe V. Etc. alm das oformagoes nos requeri-
mentos relativamente a Idontidade de cada nm dos
fiMiflOfleoies, oa forma do decreto o. 817 de 30 de
dessa proviocia e publicar pela imprensa com a
declaracao o. dia, era que foi afflxado e publicado,
e em que deve terminar o prazo do concursx es-
seedital uecessario qae V. Exc. faga consignar a
uaia da lei, decreto^ou proviso, que creoa o offl-
eio, que se vai por a concurso, o raolivo da vaga, e
o oome da pessoa, que anteriormente servia-o.bem
como se a vaga sellmitaao efflclov qae se tem de
prever, oa se se estende a todos os annezos, cum-
prindome prevenir.a V. Exc. qne os requerimen-
to*, que de ora a vante vierem a esta reparligo
sem estas formalidades sero devolvido?, sem'qae
delles se tome coohecimento, annunciando-se esta
oceurreocia no jornal em qoe se pablicaat 03 actos
offlciaes para conbecimento dos interessados. E por
que a bem da regolaridade do servigo rauito con-
vm evitar deloogas, e ainda os extravos que sof-
frem os reqaerlraentos dos pretndeme?, nao viudo
todbs sob a mesma dlrecgo, e relacionados, deve
ra Y.. Exc. remelllos na forma indicada, depois
de baver cada pretndeme pago no correio o sello
a que est obrigado, visio tratar-se de negocio de
iouresse particular.
ueus guarde a V. ExcFrsnc^co de Paula de
Negreiros Saio Lobato.--Sr. piesi lente da provin-
cia de Pernarabueo.
N. 489 Dito ao chefe de polica.Expega V. S.
as suas oMns. para que seja remetlida a ihesou-
raria provincial, conforme solicilou o respectivo
inspector, em cffleio de 12 do corrente, sob B.-77,
a relago dos presos pobres recolbidos a cadeia do
lerrao de Flores, desde o Io de dezembro do anno
prximo passado at 8 de Janeiro ultimo, alira de
que naquella thesouraria possa ser paga a despeza
feita cora o sustento de taes presos, durante osse
lempo, como V. S. solicilou em offleio de 30 do ci-
tado mez de janefro n. 763.
N. 490 Dito ao mesmo. -Cora a copia da in-
forraago ministrada em 13 do corrente, e sob o.
76, nelo inspector da thesouraria provincial, res-
pondo aojffl:io de V. S. n. 362. do 15 de Janeiro
proximoTlndo. sobre o fornecimento dos presos po-
bre?, e recrutas do termo de Flores, e pagamento
de sidos ao destacameoto e escoltas de que Irata o
mesmo offleio.
N 491.Dito ao commandanle superior o Re-
eife.Expega V. S. suas ordeos para a nomeago
o conselbo de disciplina, que mando sejam snb-
lettidas s pragas do 1" esquadro de cavallaria
da guarda nacional deste municipio mencionadas
na relago, junta por copia, e. que pelo crirae de
desobediencia foram recolbidas a fortaleza do
Brura por ordem desta presidencia para o fim ci-
ma declarado.
N. 492.Dito ao mesmo.Constendo-me de of-
fleio do inspecior da thesouraria provincial, data-
do de 13 do corrala, que ainda nao foi dispensado
do aqaartelamenio o amanuense dagaella reparli-
go Joo Cear Cavalcanli di Albuquerque, teneale
do 2 batallo de iofanlaria", recommejodo i V. S.
fue reirer' aas nrdenspara ter-logar seminante
dispensa, como determine! em oflhio de 5 deste
mez.
N. 493.Dito ao mesmo.Tendo o batalho n.
4 da guarda nacional deste monleipio reeebido do
arsenal de guerra 300 armas com bay metas, expe-
ga V. S., com urgencia, as Suas orden?, para qae
sejam recolhidas, quanto antes, aqaelle arsenal 200
das referidas armas.
N. 494.Portara.O presidente da proviocia,
allendendo ao qua requereu o joiz de direilo da co-
marca dos Palmare?, bacbare Joo Fraoc'uco da
Silva Braga, resolve conceder 3 mezes de liceoga,
eom os venciraentos, que por lei lhe competirem,
para tratar de saa saode, fora daquella comarca.
3" secgo.
S. 496.Dito ao iospector da thesouraria de fa-
zenda.Sob minha responsabilidade mando V. S.
adjuntar ao tonente-coronel'commandaole do bata-
lho o. 40 do iofiotaria do municipio de Ipojuca,
que se acba aquortelado com o mesmo batalho na
fortaleza das C nco-Ponla?, a qaautia de um cont
e*)uinhentos mil ri?, para occorrer as despezas
daqaelle corpo ; (cando o mesmo teneote-corooel
obrigado a ajusiar cootas opportanameole.
N. 497.Dito ao mesmo.-Expega V. S. suas
ordeos, para enmpriraento do aviso circular do mi-
nisterio da jusiiga de 23 de Janeiro prximo flodo,
e junto por copia, sobre os direitos que eslo so-
jeitos es ttulos de nomeagoes de suppleiltes de jui-
zes munielpaas.
N. 498.Dito ao mesmo. Declarando-me o
Exm. Sr. ministro da geera era aviso de 30 de
Janeiro oltimo, que por decreto de 5 daquelle mez,
passou a aggregado a arma que perteoce, na coo-
(ormidade do art 2 1" motivo 1 n. 2 do decreto
o. 260 do l' de dezembro de 1841, o teneme do 9
batalho de infamara, Francisco Antonio de S
N. 507.Dito a) mesmo.Reslitoo a V. 5., pa-
ra o fim indicado em meo offleio de 11 de dezem-
bro d > anno prximo passado, e j aoibeaiieado
com o visto do eororaandanfe sanertor ea somarra
de Garanbuns, conforma mieiton V. 5., ea offl-
eio de 22 do citado mez de dezembro, sh n. 696,
o pret junto em duplcala, a' qne se refere de
predito commandante superior de 20 de janeara
aliimo n. II,relativos aos veneimenu entrianaa
deotes ao mez de oatabro daqaelle asmo, eos guar-
das oacionees descaa dos na villa do Buiqoe.
N. 508.Dito ao mesmo.-De eonforwi las caaa
o que solicilou o inspector da ihesoararia de fa-
zenda em offleio de bootem. sob n. Si, taaade v".
S. iodemnisar aquella repanieao da guana de
1:359{|910 rs., proveniente do toraedmotlo Ma
pelo arsenal de guerra, durante o ezercicio do
1865 a 1866, de diversos objeclos para o eorpo da
polica desla provincia, afta de qae poaea aili ser
curaprida a ordem do rnlnislerl > da guerra de ft
de Janeiro deste aono, mandando anauar onan
qoantia da despeza do $ 6*arseaaes do guerra
naquelle exercicio.
4a scelo.
N. 509 Offleio ao jniz de paz ntais v,t
freguezia de Iguarasso.loieirado pelo seo >
de 31 de Janeiro preximo Ando, de nao ter insulta-
do a Juuti de qnalncago dessa fregoezia naier-
ceira dominga daqaelle mez pelas radas declara-
das em sea citado offleio, reeomra--ndo a' Taar.
qoe, guardado o prazo e aaais formalidades do tas,
faga a nova eonvoeaeio e reno a referido jaato
no dia 24 de margo prozimo vindouro, qoe ora
isso tica designado.
Expediente da secretara do forera* de dia 14
de fevereiro de 18*7.
2." secgo.
N. 510.Offleio ao commandante superior de Ga-
raohODS.O Exu. Sr. conselheiro presidente da
provincia manda declarar a' V. S., ea r sposu ao
seu offleio de 20 de Janeiro ultiao, sob u. II. qae
transmiilio a' thesouraria provincial, para o fia in-
dicado no citado offleio,* q pret, qae ea dopiieau
veio a elle annexo.
N. 511.Dito ao mesmo. NesU dau anlonsoa-
se a thesouraria provincial a pagar a Oaadnao do
Reg Lima Jnior a importancia dos veaciaoaoo?
consuntos dos prets, que em dopiieau vieraa an>
nezos ao offi :io de V. S, datado de 30 de Janeiro
ultimo, sob n. 10, o qnal Oca aasim roaooad'.do de
ordem do Exm. Sr. conselheiro piesident? da pro
vincla.
N. 511-Dilo ao Dr. Joo C*rk de
Vasconcellos.e ordem do S. Exc. o Sr. i
Iheiro presdeme da provincia, acenso o recepg*
do offleio, em qae V. S. pnrtielpo, qae, por baver
terminado e sea qaatriennio, denoo, ea 9 do cr-
reme, o ezercicio do cargo de juiz muoieipal o de
orphos do termo d'Agua Preta.
N. 513.Dito ao Dr. Francisco Domingaes Ri-
beiro Viabna.De erdem de 8. Eze. o Sr. eoose-
Ibeiro presidente da provincia, acenso recebado o
offleio de 11 de dezembro ultimo, ea qoe V. d.
participou ter, no dia 10 do mesmo aes, entrado
no ezercicio do eargo de promotor poMico do co-
marca de Flores.;
3.i seeco.
N. 514.Offleio ao inspecior da inesonraria da
fazenda.O Dr. Joo Carlos de Mendooea Vascoc-
cellos deizoo em 9 deste mez o ezercicio de> cargo
de joiz municipal e de orphos do termo de Afta
Preta, por baver terminado naaoelle da o seo
quadnennio : o que a' V. S. eomannieo do ordea
de S. Exc. o Sr. conseineiro presidente da om-
vracia.
N. 515.Dito ao mesmo.S. Ex-, o Sr. Bago-
Iheiro presdeme da provincia, manda iraasmittir
a' V. S. a inclusa ordem do ministerio da gue.-rr,
datada de 31 de jaoeiro ultimo.
N. 516.-Dito ao mesmo.-O Dr. Francisco Do-
mingues Ribeiro Vianna, promotor publico n>aea-
do para a conjarca de Fiore*, eotrou ea ezercicio
no dia 10 de dezembro olllma : o qae o' V. S
coramnnico de ordem de S. Eze. o Sr. eonselbciro
presidente da provincia. -
4.a secgo.
N. 518.Offleio ao Rvra. eonego Ignacio Antonio
Lobo,Pela secretaria de governo se eomaon ca
ao Rvm. Sr. eonego da S de olinda Igaaeiu Anto-
nio Lobo, que por por lar i a de 22 de jaoeiro oiumo
se Ibe eoocedeu dispensa da resideaea aaara.
cumpnndo que satisfaga na rocebedoru de rondas
internas a imporuoea dos emolamenios corres-
pondentes a' referida portara, para Ibe ser en-
tregue.
uarreio Jnior, que se acba nesta provincia; as-
sim o fag) constar a V. S. para os fins convenien
tes.
N. 499.Dito ao mesmo.Respondendo ao offl
co qua V. S. me dirigi hontem sob n. 84, tenho a
dizer, que lomo a respoosabilidade do pagamento
da gratlficago de 100J, que em 26 de Janeiro ul-
timo, mandei abonar ao tenente Jus Candido de
Barros Jnior, como eocarregado do recrulamento
no interior da provincia.
N. 500.Dito ao%asmo.Tomando em consi-
deragao o que expz no incluso requerimento o
Ezm. juiz de direito da comarca do Cabo, Dr. Ma
noel Clernenlino Carnelro da Guona, recommendo
a V. S. que mande pagar-lbe os seus venciraen-
tos, correspondentes aos dias 3 a 12 de novembro
nltimo, em que por doente deixou de exercer as
unegoes do seu emprego, considerando se para
esse fim abonadas aquellas faltas.
N. 501.-Dito ao measn*.Ordene V. S. a' rece
bedoria de rendas internas qne arrecade a impor-
ponaocia dos direitos e emolumentos, qae tem ds
pagar o eonego de meia prebenda da S de Olinda,
Ignacio Antonio Lobo, por ter obudo dispensa* da
residencia amara por portara de 22 de Janeiro o
timo.
N.-501.Dito ao mesmo.Declaro a V. S. pa-
ra seo coohecimento e fins convenientes, q te ao
avisq que me dirigi o Ezm. Sr. ministro da fa-
zenda, orn 25 de janeirooltimo, veio annezo o de-
creto de 24 daquelle mez, pelo qnal foi nomeado o
bacbare Jos Roberto de Moraes e Silva, [ara o
lugar de ibesooreiro da alfandega desla capital.
N. 803.Dilo ao mesmo.Remello a V. S. para
sea conbecimento e fins convenientes, o meloso
mappa, qae me envin o eomasaadante superior
deste municipio, com offleio de bonlem, d:> torga
do 4* batalho de infamara, qae se acba aqnar-
telada sob as ordeos de commando do i* batalho
de afflilharia desta capital.
NTB04.Dito ao mesmo.Nesta dala ezpeco as
con venientes ordeos para qne pela ihesooraina
provincial .aja indemnisada osea reparligo da
qoanlia de l:3f9#9IO rs., consume do offleio de
V. 8, datado de hontem, e sob n. 82, o qnal fien
assim respondido.
N. SkjjtrDi'o ao inspector da thesouraria pro
vlncial.A* viatado sea offltio n. 78 de 13 do
eorrente, manaeJMterar as ordena ja' ezpedidas
para ser dispensan do aquarlelaaeoto o amano
ense dessa repartila. Joo "Cesar Cavalciinte de
Alboquerqae. O que eommuoico a V. S. em res-
posta ao ciudo ofMpjKfC .. a
N. 506.Dilo ai?lSan.-Traii*tpMW *
os dous prets juntos, nm dupllcat?, ato de qne. w
nao hoaver Inconvonlente, mande 9***?"*'
dio do Reg Lima Jodier, e r og> o
commandanle superior na aereado Garanhns
em offleio de 20 LrV'an
venejoentos retfJros i mez de outubro do ai
1TERI0R
RIO DE JA\EI
aMVR\00SS?DEPlT4WrS
SEXTA SESSO PREPARATORIA KM 24 DE
ABRIL DE 1867.
PRKSIDKKCU DO SO. FISTO t rmWOOOO (VICB rBB-
SJSBJRB)
A's onze horas da mabba, foiU a ehaaada, e
achando-se prsenles ca Srs. Pinto de Figoeireoc,
Horta de Araofo. Paallno de Soasa, Candido Tor-
res Fiiho, Bautista Pereir>, Macedo, Soasa Aladra-
do, Avelino, Caaslano, Forrelrn da Veiga, Villa-
boim, Sodr Pereira, J. Madnreira, Soaoo, Vira
de Medeiros, Paria, Fonseca VUnna, Sonsa Urra-
Ibo, Mello Cavalcanli, Fernandos do Canas, Aran-
jo Barros, Pereira Lima, Correa do Brla, Riostra
da Luz, Toscano de Briio, Meira do Vascaneoflos,
Dias da Cru, Corroa dos floree. Amorten Lona,
Sayao Lobato, Beiorl Doarte, Tinnrto, BWtaeoan
Sampaio, Barros Piraeatel, Jooqaora, Baarqae,
Boaerra, C. Ollooi, Lima o Sllm, Fnraosao o Tava-
res Bastos, Cisenando Naboco, Araojo Vasconcel
los, Virissimo do MaUos, Loiz Foiipno, Pereira da
Silva, sbre-se a sessoo.
L-se e approva-se a aeU da antecdela. .
O^r. 1* secreurio da conta do segmnw
EXPIDiBRTO.
Offlcios do minisurio do lanar, onviann actos
e mais papis relativos a oaaeBoa priaanas o se-
cundarias das provincias do Amazonas, Para, Ma-
ranno, Piauby, Ceari, RjaGroado do Rortt, Fa-
rahyba, Peroambuco, Alagoas, Sergipe, Banta,Es-
pirito-Saoto, Rio da Janeiro, Ulnas Goraos, 1 Fao-
lo, Goyaz, Paran o Sonta Ciaarlnn.A
missdes rapoctlvas.
Offleio do Sr. noanolaairn Martia n
beirode Andrada, eaonoaalaadojaoS. m.o
parador honro por nan nlSi
lario do estado dos m *2Li2r2T:
Acha-soaoore antasa,o rM.A1*1^ r ^"
ptente, o diploma do Sr. Prane* eano in
los,donniado olosjn dr^nlBn8_
Santo, qo* m*Wmt0' IU9*mn "*
missaO- _.
Aoonvile do Sr. amldenle, o Sr. Mor Cava:
eanii presu juraaenlo coao acanto na Ia eoa-
missao de poderos. .. .
Nada mais havondo n tratar, o Sr. prosidant*
levanta a sessio ao meto dia.
da MI O conselheiro Francisco do Panla d : ra Lo-
a son podido, exerado o eargo de pre-
la provincia de Peroanrta, nnr naento
RaBm-
Ri-



fe'rtrl le Fe.*
vincla de firnabuco, e Borneado j>*ra o n}e.smo
lagar o Dr. Esoesto Feliciano da Silva Tavares.
Por pecrelos da mesma d*a^sMm <>!
em alinelo aos servicos q arwtatam
rflo-i guerra com o Parsgaay :
Coramendador da Rosa AjrJaSlo Lak de AJmeda.
Cavallefros da ordem de rislo os bacbarejfe
(iuilborme CordeiroCoelho Cmtra a Antonio Gon>
cIvs de Carvalbo.
' Poi decreto da raesraa data foi :a*eieada eiro da ordem de Cartajo o ooaM4ante saaerfer
loo Marttolano FonVeoalies, por lar )a o babito da
Rosa, qnando por decreto de 12 de dezembro do
anno prximo passado fol Ihe concedida esta ulti-
ma c:ndecoracao.
Por carta imperial da mesma data teve mare da
medlba de 2* classe o sobdito francez Samuel
Kdotirdo da Costa Mesquita, por ler eoadjovado a
extinecio do incendio que no dia 21 do fevereiro
do correte anno, se ateo* em ama casa siu i roa
Direita desta cidade.
Por decreto de 24 do correte, fot concedida ao
2 tt nenie A Ia batalbao de artirharia a p los
Artbar de Morinelly, a demisso que pedio do ser-
vico do exercito, visto acbar-se incapat de conti-
nuar no mesura servido, como consta do termo de
raspeccio a que foi submettldo em data de 5 do
correte.
Ni cooformidade das disposicies do 1* art. 9
da lei 0. 648 de 18 de agosto de 1852, rol, per de-
creto de 24 do crreme, concedida reforma ao co-
ronel commandaote do 20* batalbao de infamara
Jos da Silva Guimaraes, visto sofTrer molesta
inctravel que o torna iacapai de continuar o ser-
vico do exercito.
-a
Por decreto de 24 do correte (orara nomeados
para a alfandega de ruguayana :
Para servir era commlssao o lugar le ajudaole
do inspector da alfwdaga de Uruguayanna, o 4
escriptaMMo da de Pernambuco Ernesto Augusto
deAthayde.
Thesonreiro, o administrador das capatazias C-
lao da Cmara Barcenos.
Administrador das capatazias, o 3. escripturario
ioferioo da alfandega de Sama Calbarioa, Ricardo
Pereira da Lo-ta.
1. escripturario o 3 da thesouraria de S.
Pedro do Rio Gaande do Sul, Bento Jos de Lavre
Pinto,
Por ttulos da referida data foram Borneados :
Para servir interinamente o lugar de 1.a coofe-
reole, o 3 escripturario'da alfandega de Paraua-
gua'. Cirios Augusto Cesar Plaisant.
dem idem ideal, o'cbefe de seccao da thesoara-
ria le fazenda da provincia das Alagdas, Tito de
Abreu Fialho.
Para servir interinamente o lugar de 2.* confe-
rente, o 4," escripturario da alfandega do Rio Gran-
de do Sul, Tobas Tell Marlios Moscoso.
2. escripturario o 4." da de Pernambuco, Jos
de Avila But-nMurt Neiva.
Para servir interinamente o logar de 2 escrip-
turario, o prallcante da alfandega da Babia, Jlo
Emygdio tfa Silva Castro.
Commandanles dos guardas, o' furriel das forcas
dos guardas da corte, Virgilio aues d* Mello.
Por decretos anda de 24 foram :
Aposentado, o 1.a confereute Manoel Goncalves
Ramos.
Demittido o ajudante do inspector, Eoailio Joio
Valdeuro.
Por decreto de 24 foi nomeado o 3. escripturario
da alfandega do Para', o 1. da de Uraguayan,
Fiancisco Kabello de Carvalbo.
b, a....-i. mo.m. a,n M iw*MW*w*t faHedo letnoa* WfsaMatailmaresalonado 0 vipw americana M"-.
deSudaoSLirov^ d0 b,rK devSlir^ pela clrcomUnclas actnaa8 do pal itirort..* lanelrueem cont de rl*.
\ tras "Por ootro lado, experimenta oto 'grande pe-
tar Mate aa^Bprasafca^tocaja 0AS balancias
dosfrt|imoc4iBipo, Coa** pora*, M iarpreasa ;
confia la axparieaaia de awgos. 'eaee 0*r. Ocla-
.van, a qaeaj convida a. Wp^crr o pata sobre as
ineMM do. pomeet ; oota, ftaelmeot-s naquet-
es m seo eampaaheicwi %ue lgrame) a victoria
das ornas, eeonQhHkdir'ntaio toeS Chwstlano,
Otteaj, bario da Prados e Maniato Campoe, um -
rispase mqbo apphodido. -
O Sr. Feroandes Moreira er qne a eaiveco de
% f Mal* ele 1867.
-.*
8 dias.-S. Jes; espejas*
Santo ejjnii
R
MI
piy%
Mtnambuco,
;dej
Por decreto n. 3,819 de 6 do correte, foi eleva-
do a' cathegoria decorpo o esquadrio avnlso n. 6
da guarda nacional da provincia de S. Paulo.
Por decreto n. 3,831 de 10 dq correte, foi ele-
vada a' catbegoria de hatalho a 3.a seccao do bata
Ihiio da reserva da guarda nacional da provincia
do Piauhy.
Por decreto n. 3,838 de 13 do corrente, .01
creado am batalbao de infamara de guardas ua-
ciouaes na freguezia de Orob, da provincia da
Baha.
t'or decreto de 24 de atril foi reformado o te-
ner te-;'oronel commandante do 1." baialhao de in-
famara da goai da nacional do Recite, Domingos
Afbuso Nery Ferreira, no mesmo posto.
Verilieou-e ante-hontem o jantar cfferecido ao
Sr. conselheiro *>ancsco Octavianp, por ^tguas de
eeus amigos. O jafltir, servido Rom muito gosto
pelo hotel de Europa, em urna mesa de cincuenta
ujieres, este-ve mu.to animado e concurrido. Co
i:.-, i.-du as b 11-' horas da tarde e terminoo 9 t|2
hor'r-, aos sons de urna banda de msica.
O primeiro brinde foi levantado pelo Sr. vlseqn-
de de Abiete, que oceupava o centro da mesa, ten-
do a' dreila o Sr. conselheiro Oetaviano. O Sr.
visconde saudou ao Ilustre omalista e ao parla-
mentar, a quem a causa liberal deve servicos rele-
vantes, e ao diplmala que que tao dignamente
acbava de des6iupenbar o cargo de ministro do.
Brasil junto s repblica* do Prata. Como presi-
dente do senado, o nobre visconde disse que se re
gosijava com a presenca do Sr. Oetaviano naquella
cmara, e eoncluio dlzendo : S41e bem vindo !
A etas palavaas corresponderam estrepitosos ap-
pfedHee,
O Sr. Oetaviano levantou-se no meio de profundo
silencio, e disse que as palavras do venerando es-
tadista, que acabava de fallar, o bonraft duplamen
te, por serem a expresso dos senlimentos de um
estadista respeitado por todos os partidos do Bra-
sil, um patriarcha da indep'n lencia, e por ser um
dos meslres que elle tem acompanhado desde a sua
juventude. Folga que elle loe d a boa viuda, agra-
dece Ihe a sua saudaco cordial, e espera que nao
Ih-3 falte, nem ao pair, as suas graves circuns-
tancias aetnaes, os conselhos dos mesmos gui s
illuslres qne o dingiram al boje. Pede hceuca
para, aproveitando a solemndade desta momento,
cuusgnar a gratido a acatameoto que tributa acs
eleitores do Rio de Janeiro, que o contemplaran)
em urna lista de senadores na soa ausencia, e dis-
pensando as amigas formlas genuflexorias do
candidato. Pensa queoSr. viseoade de Abaet Ibe
flzer-. jastica ; a sua poslco poltica contmi a
ser a mesma ; nao se pode' ser tjansfuga de nm
partido. (Muitos applausos.) Alludindo aos grandes
servlgos do Sr. visconde de Abaet, nao so como
presidente do sepado, qnde tem sabido zelar a dig-
nidade desta alta corporcao, mas como um esta-
dista em coja vida ioteira se sjcontram brilbaotes
exempios de patrietisjno, prpSe nma saudaco
ao me.-mo senhor, que acomida com mait-.s ap-
pJaosof,
O Sr. Soua Franco tem um motivo especial
para applandir ao brinde ba pouco levantado ao
Sr. Oetaviano; a lisoogeira clrcomslancia de ba-
ver S. Exc. desempernado no Prata o papel de um
nabilissimo diplmala (Mullos applausos). Elle ibe
rende as suas homeoagens, porque o Ilustre en-
viado do Brasil conseguir al firmar sympathias
no povo e entre os homeus do governo, e conven-
cer a todos qne no Brasil a monarebia pode e ba
de viver com a liberdade, assim como a democr--
cia no resto da America, sendo O Brasil o primeiro
em ccadjovar a esta. (Multes applaosos) Pal-
laado da posijo do Brasil no Pr"ata, que Ihe pare-
ce bnlhanle, elle nSo deseja esqoecer que a nossa
marinha grande parte cabe nesseresoltado, e triis
di qne a todos ao denodado ebefe que a comman-
d.ira, o Sr. viscoode de Tamandar, o bravo dos
-trtavos.
Eqe brinde fo-coterto pelos applausos de loa a
rtuoiao.
O Sr. visconde de Tamandar attrlbuo essa sao
di cao a benevolencia do amigo, qne elle couhecera
eci om extremo opposto do imperio, no Amazonas,
aluda multo joven, noa3**prometlendo j as espe
raneas que o sea rulnro realisoo. Pede cenca
' para nomear ao ebefe i quem elle pensa qne mais
se deve, o vencedor de Riachuelo, o baro do Ama-
zonas, e conciue propondo ao Sr. conselhiro Soo-
za Franco um brinde, qne vivamente correspon-
dido.
U Sr. Pinto Lima dirige ama; saudaco ao res-
peitavel Sr. Dr. M.niz Brrelo, como ara dos mals
amigos Iiberaes, e ebefe da soa imprensa mais au-
toilsada. (Muitos applausos.)
O fin Tavares Bastos pedo lieeoea para render
ao gabinete de 31 de agosto a hosoenagem devida
pelo acefto com que proceder nasjffe olleaoo a
frente dos negocios do Brasil a Pftta o illaslre
caralbeiro, que corresponden to dignamente as
*8])erangas dos tus amigos. (Muitos applaasos.)
Diz que no .suspeito em MjHao a estfabl
nele, que basltoa ; eslima podPTwantar nm brin-
de a um dos mais ilustres ebefes literaes, que
acata e r. oselbeiro Fuado. Estas
palabras foram .' .islieamente respondidas.
O r. Pedro L nao esqueja Ba
eccasflb em que so teeem cor6 a mirfnia brasl-
lelra, o note de activo ministre que se empenba-
ra em dota-la de nevos recurso no cooteco d
la, o Sr. Plato Lima, que saodado pela reu-
n.o.
cr
palt depende da soa mocidade, preza os seus no
bres estimlos, v a' frente della nm mojo qne
tem mostrado qnanto pede o talento amadarectdo
pela reflexo e ajudado pela perseveraoca, pensa
qne o futuro da mocidade estadios e perseve-
rante, e sanda ao Sr. Tavres Bsstos, como o sea'
representante. A palavras do orador foram en-
thosiasticamente acolhidas.
O Sr. Pinto Lima lembra a homenagem devida
o Brasilelro, cojo espirito 4e Iniciativa, caja de-
dicado e prodigiosa aclividade ainda nao foram
excedidas, refere-so ao Sr. bario de Mana, que
saudade pela reuulo como aquello que tem desen-
volvido o espirito de eropreza no Brasil.
Depois doSr. bario de Mana agradecer esse brin-
de, o^Sr. Oetaviano Jlt que nSo era s como ia-
mlnease qne elle readia homenagem ao Sr. Mata,
mas como hornera publico principalmente. Deve-
Ihe, com jffelto, molto o Brasil inteiror qae o tem
visto a frente das maiores de suas emprezas desde
o Rio de Janeiro al o Amaionas; deve-lne anda
pela altara a que elle tem elevado a reputacao do
commercio brasileiro no Rio da Prata. plausos). Pede lictnca para brindar ao commercio,
por qde foi o corpo do commercio qae codjavou
aos Andrados no movimento da independencia, foi
elle qne offerecea os primelros recursos para a
creacao da marioha brasileira ; foi nelle que sem-
pre o orador encontrara apoto e entbasiasmo
ainda o commercio que na presente lata auxilia e
secunda os esforcos do governo contra o inimigo
do Brasil. (O orador fot vivamente applauit&o.)
O Sr. visconde de Abaet levanta ara brinde
marnba baasilelra.
O Sr. Fernandes Moreira, em algumas palayrns
calorosas, recorda os feitos d'armas do exercito e
os seus bravos generaes.
O Sr. Pedro Luiz propSe nm brinde especial ao
mogo guerreiro, o poeta voluntario da pina, o ti
lustre coronel Dr. Pinheiro Golmares.
Em seguida o Sr. Furtado sada a guarda na-
cional.
O Sr. Souza Franco diz que, qaando sa applaude
aos vencedores, nao se deve esquecer os vencido
qae fra summa injastir;* nao lembrar com enthu-
siasmo o nome daquelles dos sens corre.igionarlos
qne nao alcancaram a realeico, e principalmente
os Srs. Pedro Luiz, Fernandes Moreira, Tito Fran-
co e outros.
O Sr. Souza Ferreira confessa-se commovido pe-
las jnstas manifestares do aprego que a todos me-
rece o nome Ai Oetaviano ; o que salvar o palt,
pensa elle, o talento esclarecido. Elle nao pode
deixar de tambem saodar oeste momento aquella
d s filbos da geraco a qne perlence, que tem pro-
movido a causa do progresso com dedicacao ageite
a quem se'deve receotemente o sqrviQO de promo-
ver a abertura do Amazonas, acontecimento que
nma pessoa illnstre qaalifloa um dos mais notavels
do seclo XIX. Sauda, po?, de novo ao Sr. Tava-
res Bastos. (Applausos.)
O Sr. Oetaviano, posto que tenba recebi urna
intimaco oficial de velhice (riso), tem igual f na
mocidade brasileira. E' testeisunba do que valera
os sentimentos nobres da juventude no Brasil; nao
falla s pela sua experiencia poltica ; mas por que
daqui a milhares de liguas ella os vio a esses mo-
gos fazer face a todos os perigos, coraprir escrupu-
losamente todas as ordens, sem discuti-las e s per-
guntaodo se erara para bem do Brasil. Elle o- vio
respeitosos para o principio da autoridad!, com
quanto se pretenda que o nao sejam ; vios cheios
de entbasiasmo e abnegado, e pergunta, lembraa-
do-se delles, por que desanimar T Elles abi olve-
re patria smales cidados, porque" o orador
suppoe que nao naver governo algum que esquega
o corapromisso de reeouduzir a esses voluntarios
ao seio das suas familias, nao bavera quem preten-
da coostrange-los ao srvlgo de scldado.. Tal lem
sido o exoeeso da sna bsavura, que nao os devemos
esqoertr. Sin elles a mocidade do Brasil, e ella .
que vira resolver as grandes quistos da actuali-
dad, ella a esperancfl da patria, ella conduzir o
paz aos seus destioqs. Sada, pols, ao Sr. Dr.
Tneophilo Carlos Ottom, como o mais mego dos seus
amigos presentes.
A este brinde, eothusiastici.Bnt correspondi-
do, succedeu o Sr. Tavares Basts, que agradeceu
aos seus dous amigos a benevolencia com que o
saudaram ; er tambem na mocidade e nos seas
instinctos generosos; mas o grande dever dos mo-
gos continuar as tradigSas dos patriotas que os
precederam. Felizmente o Brasil possue estadistas
respeitaveis e mogos dedicados ao progresso da pa-
tria. Assim, nao se temo do fuluro, encara-o sem
pavpr, er que os embaragos do psiz sao passagei
ros.
Soppoe que nuocs foi mais brilhante a n issa
posigo no exter.or, e principalmente no Rio da
Prata, onde o Brasil acaba de ser esplndidamente
represento do. Suppe tambem que a queslao fl
nanceira, em um paiz cuja renda dobra.no periodo
de vime annos, nm assumpto que o patriotismo
das cmaras resolver' com facilidade. Quanto s
lutas dos partidos, por que se ba de > nxergar com
desanime os accidentes da nossa poltica interna,
em cujas dissengdes nao estao iBleressadas as ideas,
mas os homens, pela difflculdade de se emende-
rem ? Esses accidentes, que alias deplora, nao o
desanimarlo, em quanto vir a' frente da causa li-
beral homens como o Sr. Oetaviano, que nm
ponto de contacto para todos os liberaes, que sabe
moderar os mpetus da mocidade e acoSelbar a
velhice, que am mogo e om estadista. (Muitos
applausos.)
O Sr. viscoode de Abaet peosa, como o Sr. Ta-
vares Bastos, que nao devemos desanimar apezar
de serem difflceis as circumstancias do paiz. (Ap-
plausos). Espera que todos os Braslleiros corres-
pondan) gravidade da sitoago. (Muito bem). Mas
pergunlar : o cidado brasileiro tem somonte de-
veres a'cnmprir ? Nao lera' por ventara alguus
dreitus ? (Apoiados). Elle ja disse ao Sr. Oeta-
viano : Sede bem vindo I Elle o repete : Senhor,
sede bem vindo para defender a idea liberal, e as
prerogativas do parlamento 1 Desojarla o orador
qae se reconbecesse qne aos dlreitos do cidado
corresponder dous deveres do governo. O pri-
meiro respeitar a liberdade do voto, base da
eleigo. O segnado governar com o concurso do
parlamento. Nao averiguara' se todos os governos
Concelgao, Pernanbuco, 1,20 an
vista; tubrculos pnlaaottanas
buco, 2 sanos, Recite; aornl
- De ana cana de Londres, ==
pastado, transcreveroos o seguate:
DevMsr logar no da 10 a assemttga saijBjew^^^W^wnbaco, unos,
tral da compaobla da estrada de ferro de Pernam- .. cmaras oe saagoe.
baje, segundo eeefterto quess|aaan' iMo. Mara "J^bac, w matea,
ratrtotia espera (setao aafa*aii >fas reataaaa-1 FraW^aagtarnamboco, Sai
cSaa-aalas calaras arasvelm peRMe as quaw
Miaantau' a eaaapaoBia o baraofaVMaua.
a direciajia peed qniM u*Jl"
ejo e 3 34 *h ** MB01fTM2',8po.i",lti I dror*
iaslata-achawe egavernoaraalelfodlsposto aga- aropessa.
auSn^^lreBfcroe^^edopw-,0^ 3 aooos.-aserava, 8aoe
od4S)a*aClafio-toBtso|as>ia Ant ra%4iarrhea.
me'eiavieVprosapia anabir na esjwooleasas Bonifacio arnarabuco, 18 anos. Bo*vistal
. i ^_-a.-_ ^ ,___.:- va HPlamntia
mm-to ftK-9 nM*to?*rvm, 9 >r*f*M
qaa la levaau-se poderosa forte e enrgica pura
ito
ar
obras, nma Ves que se realise a garanta.
t Couc e o relator a decaragao d^ qae at 31
de albo prximo os vales en obrigagSes devtoas
elevaa-se a & 186,150, dos qoaes os possuidores
de 142,800 pedera prompto pagamento. Essas
obriiagow alo garantidas pela garanta liquida,
que lem a compaohia annnalmente de 50,608.
t O professor Agassis acaba de declarar em
New-York, n'ama aessio da Associacio para o pro-
gresso das sciencias, nao baver no Amazonas um
w peixe semelhsnte aos de qualqoer outro rio d'a-
gua doce ; qae diversas partes desse rio tem pei-
xes proprios s deltas e como exemplo da abun-
dante raridade existente na baca do Amazonas,
apresentou e resultado do exaras que fez de om
pequeo tanque contiguo, s de alguus centos de
varas quadradas, onde se acbarsm 200 especies de
peixe?, isto tres veaes o numero dos qae se en-
contram no Mississipe.
t No proprlo Amazonas aohou 2,000 especies
difhreotes, e qaando comecara suas invesligagoes
s se conhecia a existencia de 150 especies ; e dis-
se mais, que, a proporgao que aebava malor nume-
ro a differenga entre elles parecia augmentar.
t Procedeu a ama ciassIQcago geral dos peixes
do Amazonas, e Irouxe eomo exemplo nm, que po-
derla mu propriameote cbamar-se peixe singula-
rissimo, pela circumslancia de que tinba a facul-
dade de audar em ierra seccaj ieudo-se encontrado
um delles cinco milhas longe d'sgoa; o proprio
professor conservoa am vivo fra d'agoa por meio
dia e ao restitu lo ao sen elemento natural mos-
trou se tao gil como se nanea de la' o houvessem
tirado. Alm disso om peixe ligeiro, pois trepa-
ra pelo plano inclinado d orna arvore velba que
cablra, enroscando-'se-lbe entre os ramos, at que
om tiro deitou abaixo ao mesmo lempo o peixe e
ara passaro.
< Declaren o professor que o Amazonas, para
rio de agua trbida e de temperatura to alta (sen-
do 80 graos o termo-mdlo), nutre numere extra-
ordinario de peixes deliciosos para a mesa.
O Amazooas com effeito, o monarcha dos
ros, nao s pela distancia que percorre, como pelo
volume de suas aguas; a descoberU'do professor
Agassiz da' Ibe nma importancia at agora nao sus-
peitada, e que provavelmente nao contribuir
poaco para accelerar a chegada as suas margeos
das popalacSss destinadas a torna-lo com sua in-
dustria, orna das mais ricas e frequeoladas vas de
commercio do mundo, agora que o seu curso foi
aberto a todas as oaooes do globo."
O Sr. Dr. delegado deste termo dirigi -nos a
carta seguinte :
Delegada de polica do 1 districto do termo
da cidade do Recife, de malo de 1867
c Illms. Srs. redactores do Diarto de Pf-nambu-
co.No numero de vosse jornal, qne foi poblioado
no da 29 do raez Blufeo'' e na parteRevista Da
ra-s l que na|gte de 26, m a ra do Impe-
rador, succumbiriFnm menino de uns 9 annos,
que recebera urna J>ayonetada na regiao do peito.
Esse facto que era Ignorado por mira at a leitora
de vosso jornal, obrlgou-me a proceder a diligen
cas ea avergoages quo jolguel necessarias a sua
verlflcago. E, como al o presante me nao tenba
sido possivel conseguir esclarecraento algum, ve-
no rogar-vos nformagas que me habiliten) a ve-
rificar a verdade desse acontecimento, por certo
bem lamenlavel.
c Coosmti, senhores redactores, qae vos ansel-
os os agradeeimeftos de minha parte, pelos esela-
rafraeotos qne espero receber-de vossa solicitudo
nesse negocio.
i Tenho salisfagio em assignar-me de yv. Ss.,
patricio respttador, amigo, venerador e criado,
Luiz de Albuquerque Martn? Pereira.
Em resposta a S. S. temos nicamente a dizer
que nao costumamos forgcar noticias e sobre tuda
trislissmas como a que demos acerca do dia 26,
em o o. 97 deste Diario.
Se all dissemos que urna criaos i lja morta pe-
las bayonetas da torga publica, foi porqae o ouvi-
mos a diversas pessoas e nao porque o tivessems
presenceado, porque felizmente nao estivemos no
seio do conflicto
Ouvmo-lo, repelimos,, a diversas pessoas, as
qaaes oo podaremos indicar a S. S. visto como el-
las nos sao desconhecidas.
No sabbado immediato ao co&flicto, dizia-se na
ra do Imperador que esse fado era real, e elle
correu de bocea- em bocea esta cidade. Demo-lo
como ella nos viera aos oovidos, sem accrescentar-
Ihe virgulas nem pontos.
S. S. oslamos certas, nao contestara sua posstbi-
lidaae, e, pqs, nao deve admirar que tenhamos
igualmente crido nellae nesse caso a teubamos^u-
blicado.
Apottando-o ao publico, apontamo-lo igaalmente
a polcia a' qaem compatia e compele provar o con-
trario ; e nosso prazer sera' immenso de termos
sciencia, cerno inicia a carta de S. S. qne tal nao
Bouve e que Inexacto essa noticia que demos.
Cremos ter satifeU0 a carta de S. S.
Receba o Sr. Dr. delegado os protestos de nossa
estima e eonslderago.
Pedera nos chamemos a attengSo de quem
competir para que i providencias sobre o proce-
d mnto de uns guardas do 6o batallio da guarda
oaciooal ora destacados oa fortaleza do Brom, que,
alm de eotrarem as tabernas daquellas imme-
diagoes, e comerem e beberem sem pagar, insul-
tam os propretarios dos estsbelecimentos, qaando
p dea pagamento, a ponto de os ameagar com
pascadas. Anda hornera foi por estes mesmos
guardas espancado am preto velho, que procurava
repelhr insultos dirigidos a sea senhor.
V-i hoje praga, perante a junta da thesoa-
rarla provincial : a impresso de 600 exemplares
das leis n. 369 de 14 de roaio de 1855 e 598 de 14
de maio de 1866 e os seus respectivos reglamen-
os ; a obra do muro do jardim do Campo das Prin-
ceps, orgada em 7:15J ; e c fornecinvento de
roupa e diversos objectos para a casa de detengo.
No dia 9 do corrento Iro praga, perante a
mesma junta, os reparos da estrada do Porto de
Gallinbas, que serao comegados dentro de 15 das
e concluidos em 6 raezes, avahados em 7:0291;
Empedrameoto da estrada da Boa-viagem, qae
"Vpelllr os insultos co6ardmente atlrados aos seas
orios.
E' mentira-que-os lestes da academia Untw
exaltado .os nimos e animado as dstordeos. -j3s J
Srs. Drs. Agolar e Apriglo, aicos leales que tis-
tlverara noeonflicio, erasa os aiiegados do aCaa-
dido, e ninguem ea vio stoeio4a turkaa,
E' anda' mentira qae o eidaiao Fraaeisco O-
35 annos, eaaedtwaaerare sjeiro audasse dlrMado iasaltoe injoms as sn-
loridades. O riJaia FrasMlscasynelB(a'ia-
vor dos acadmicos, como erasa odas aafaaacs
jae se acbavam a logar.
E' analmente caasskra todo qajito dii o atllsss
do partido progresare*, #DJcaao4o Jtmti da~U-
mfe-
Ha soldados feridos pelas pedras do povo. Acre-
ditamos. Mas ba tambem muitos homens do povo
(ridos palas baiaoetee dos saldados, sala como
algans acadmicos.
Racife i da malo de 1807.
Um quinto annista.
SMnie ; bepatlte.
a, 78 annos, escravo, taa-vista ; bjr
Mornoam bo mu
va ; eclampsia.
Cosme, Pernambuco, 30 annos, escravo. Boa-vista;
febre lypboWs.
JU1Y DO EE6IFB
1 UE MARCO DE 1867.
Prisidtneia do Sr. Dr. Manoel Joti da Silva fkiva,
jui* de direito da segunda vara criminal
Promotor publico Interino Dr. Celso Tertuliano
Fernandes Qaintella.
Escrivo Joaqoira Francisco ds Paula Estevss Cle-
mente.
As 10 lloras-da maofeaa feila a chamada compa-
recen apenas o Sr. jurado Dr. Jos Ignacio de Al-
querque Xavier, deixando de eomparecerem os d-
male Srs. juf*dos qae foram anillados cada om em
20*000.
Procedeu-se o sorteio de 47 Srs. jurados, os quaes
sao os seguimos :
Dr. Carolino Francisco de Lima Santos.
Antonio Jos Teixeira Bastos.
Dr. Luiz Bmigdio Rodrigues Viaana.
Cosme das Trsvas Teneira,
Manoel Antonio de Jess Jnior.
Loiz Pereira de Parla.
Luis Cesario de Reg. -
Dr. Antonio Manoel de Siqneira Cavalcaoti.
Gongalo Io~ Alfonso.
Lolz Jos Pereira Simoes.
Francisco de Oliveira Mella e Silva.
Aodr Ferreira de Almeida.
Jos de Vasconctllos.
Dr. Manoel de Azarado Monteiro.
Francisco de Miranda Leal Seve.
Antonio G luga I ves Torres.
Firmino Hercolano Baptista Ribeiro.
Joo da Silva Farla.
Luis Antonio de Siqneira Jnior.
Francisco de Paula e Silva.
Dr. Alexaadre de Soaza Pereif* do Carmo.
Pranqifco de. Paula Pira.
Joa i da Gunba Soares Gatmares.
Bernardo da Cuaba Teixeira.
Joo Tiburco da Silva Guimaraes.
Marcorairo Pancracio Pereira dos Santos.
Jos Amonio Pereira da Silva.
Jos Lopes Dias.
Dr. Loiz Salazar Moscoso da Veiga Pessoa.
Joaqum Pedro dos Santos Bezerra.
Dr. Manoel de figueira Fria.
Capitn Jos Hermenegildo Leal Ferreira.
Antonio Jos de Vasconcellos.
Capito Henrique Eduardo da Costa Gama.
Dr. Jo 5 o Gongal.es da Silva Montar royos.
Jos Pedro das Neves.
Francisco da Paula.Gpacalves da Sitva.
Dr. Caetano Mara de.Parias Neves.
Jos Iidoro Pereira dos Reis.
Domingos das NevnTeixeira Bastos.
Dr. Horacio Valfredo Peregrino da SIvj.
Jos E.iis de Oliveira.
Bernardmo de Sena PontuaL
Jos Francisco de S Leitao.
Dr. Manoel de Siquelra Cavalcanti.
Geminiano Joaquim de Miranda.
Caetano Silverio da Silva-
Concluido o sorteio mandouse proceder as noti-
fleagoes dos novos jurados sorteados, e levantou-se
a sesso, adiando-se para as 10 hor*s do seguinte
da.
Publicares a pedido
O acadmico do 5* anno Flortano Jos de Mi-
randa appella do corpo acadmico miseravelmSav
te illudido para o corpo acadmico bem informado.
t Eu nao tlnba necessidi.de
t desta ligio para saber qt>4 o
< Capitolio dista poaco da ro-
" cha Tarpa.
Jfirafcau.
JVaetM
Barcellona 32 das, n
tupe, de 133 toeMadae,
nulo, eqol,
fartoha de
Rio de Janeiro a
di
NSa boaveran nkdsa
m
"
EOITIES.
'fUZ
Communicados
. da e-trada
teem cumprido esss deveres; deseja que nenbum' sera comegado dentro de 15 dias e concluido em 6
os esqueca. Concias dizendo qae estima licompa- mezes, avallado era 8:195.
nhar ao Sr. Tavares Bastos, saudando de novo ao
Sr. conselheiro Oetaviano.
O Sr. conselheiro Oetaviano sada a' cmara dos
Hontera pela manba seguio para Rio'-Formo-
so, por Una, o contingente de guardas oaciooaes
daquelle termo que, sob as ordens do %: coronel
suas dh d 32 Se oDXo IberTl c? "" marCa d, Rl F"mS0' se achava nes'a Cida(,e em
sentir'profundamente, porque anda considera Igualmente seguio a tarde o baulbao de loo-
qae a^opinio por esse partido ; mas, em todo o JM* commaodo do Sr. tenente-coronel Joao de
caso, confessa que nao receia dos seus adversarios,ba e Albuquerque, com cerca de duzentas e trinta
nenhuma aggresso a'liberdade, e me a cmara Pr**19-
dos depotados sabera' velar pela coostitoigo. Hoje o agente Cordeiro Siraoes effectaara o
(Muitos e repetidos applaosos). leilo de predios annunciado para hontera, qae
O Sr. visconde de Abaet propoe Analmente o nao teve lagar motivado pela chava.
brinde de honra a S. M. o Imperador, que foi cor- Hoje as 11 horas se extrahlrt a 38- parte da
respoudido com vivas aolmperador, locandatomu- |otra oas famlli dos volautanos da patria, seo-
siea o hymno nacional.
. A reouiio dispersou-se as 10 horas da notte.
DU1I0 DE PEBNMBUCO
do o rnaior premio 6:000*.
bparticao DAjPOLtciA.Extracto das partes
dos dtas i de raaio de 1867.
Foram recolhidos a casa de detengo no da 30
do corrente :
] A'ordem do Illm. Sr. Dr. chefe do polica, Ti-
h mam Dtmlno Perreira de Siqoelra Gomara, viodo do
D termo de Plores, como crimiooso de morte. A' or-
0 vapor americano ileirimao, chegado
do Rio de Janeiro a Babia, apenas adlanioaum a"e"m doso'bdeeVd'odo R7cTfrMa"no^scVavovde
Reg Machado, para avenguagoes em erime de
dia de cada nm desses portos, sendo d'alli dmda
25 e d'aqui do dia 28 do passado.
Da corte Dada temos que accrescemar ao qae
publcanos sob a rubrica Interior.
Baha. nQ di* J7 boove oova assoada na as-
sembla provincial, quando foi declarado Dio ha-
ver sesso por falta de numero legal de depntados.
A alfondega renden do i" a 27 494s\K383.
O cambio regulava : sobre Londres 23 7(8
14 d-, sobre Pars 396 a 400 raasknbre Hambor-
24 d., sobre Pars 396 a 40O*^H
go 730 rs. e sobre bkboa i! ^F
i h'j-u r ja
PEHNAIIIWCO
tmmmm
REVISTA DIARIA-
Deixoa hontem de^uocclonar a -assambla pro-
vincial por falta de epatados
Drame toda o dia da hontem cahio sobre a
eidade copiosa abara.
furto. A' ordem do de S. Jos, Jos Serrador, para
averigaagSss em crlme de roabo ; Francisco e Ma-
noel, escravos, este de Leonel de tal, e aquello de
Anoa Mara dos Saotos, por briga O ebefe da Ia
secgo.J- G. de esquita.
Passageiros do vapor americano Merrimac
viodos da Baha :
Migael Jos Brochado, Antonio de Alsoeida
Campos, Joaquim J Costa e 1 escravo a entregar a
uarte Costa.
- Cemtkbio publico. Obituario do da 29 de
abril de 1867.
Francisco Solano da Silva, PernaoBbnco, 87 annos,
solteiro, Boa-vista ; tbysica pulmonar.
Joo, Peroaaaboao, 10 asnos, Boa-vieta; tubrcu-
los pulmonares.
Angela Rosada Miranda, Pernambuco, S9 annos,
viuva, Vanea; cmaras dessogue
0 corpo acadmico e o partid^ pr-
gressista.
A mentira, a intriga o a calumnia sao as armas
mais poierosis do partido progressista.
Baldo de recursos para justificar, ou mesmo pa-
ra attenuar c procedimento arbitrario e iniquo do
Dr. chefe de polica, no atlenlado.de 26 do cerreo-
le, este partido abatido e de moralisado na opi-
nio publica, procara defender aquella antoridade
calumniando o partido conservador, e injuriando o
corpo acadmico.
A mocidade. Arme na nobresa do fea carcter
e c -.Mocada no pedestal de sua dignidade, protesta
altamonte contra as calumnias de om partido, que,
como todos sabera, ebegoa ao ultimo degro do
Cynismo.
O Sr. Dr. Maxmano Lopes Machado, em plena
sesso da assembla provincial, osultou ao corpo
acadmico de um modo violento e brutal, atlri-
buindo-lbe sentimentos vis e mesqainbos.
Varias pessoas das galenas, indignadas com o
procedimento do Ilustre deputado, repeliiram
enrgicamente as injurias dirigidas a' mocidade
acadmica, qae por mais de orna vez tem dado
prov.i= de amor a' ordem e ao bem publico.
Maximiano Lopes, furioso Com as galeras, de-
clarou edio mortal aos estudantes, e jurou vlngar-
se do primeiro qae encontrasse.
Foi victima innocente de sen furor o acadmico
do 3 anno, Torres Portugal, que, passando pela
ponte de ferro do Recife, foi selvtica e barbara-
mente espancado por aquello deputado e por seus
irraos. Individuos j adiantados na carreira do
crime.
O povo acodi ao conflicto e deu ordem de pri-
so aos malfeitores, que foram acompanbados com
a victima no meio de grande clamor publico at a
secretaria de polica.'
La ebegados e felto o corpo de delicio, os advo-
cados do e-Hendido mostraran! com a le na mo a
flagrancia da priso, e pediram ao Sr. Dr. chefe de
polica a soa effectivldade.
Mas o subdelegado de S- Jos, que tantos e to
relevamos serviges prestou por occasio das elei-
goes, nao poda ser preso, embora a le e o povo o
exfgssemt
E era qnanto se discuta a flagrancia da priso,
e o Sr. Dr. ebefe de polica, sophismava com a le,
mais de tres mil pessoas, aglomeradas na porta
da secretaria de polica, pedlam em altas vezes a
priso dos criminosos I
Eram 7 horas da noite, qaando o Sf. Dr. Pl-
into chegoa a' varanda e declaren que nao coco*
obecia a flagrancia da priso, e que os criminosos
estavam livres I
O povo flcou indignado. A pateada rompeu fu-
riosa. Os grites demorra a liga I cia o reina-
do da desmtralisaco I fra o chefe di [poluta 1
sureiam de todos os lados e repercutan) multo ao
longe.
O Sr. Dr. Felinto, garaniiio e guardado por mais
de 600 pragas de artilheria, infamarla e cavalla-
ria, quiz vingar-sf da pateada, fazendo espancar e
espaldeirar brbaramente o corpo acadmico e o
povo qne inermes reelamavam pelo cumprimeato
da lei 1
Ento as pedradas cnoveram para a secretaria
de polica, os vidros das varandas espedacaram-se
e o povo mesmo desarmado procarava repelir as
baonetas da polica.
Eis o facto como se passou e como foi presencia-
do por mala de tres mil pessoas I
4| BP8 Part>do progressista como quizer,
maS Hee mo da mentira nem da calumnia,
oeanambem invoque a opinio publica qne o re-
pelle e detesta.
Os factos foram todos imprevistos e dizer qae
bouve clenlo do partido conservador para desmo-
ralisar a aotaalidade, mentir Infamemente, ara-
da injuriar a mocidade offendida.
O corpo aeademico nao poda despensar o coo-
curso de mi Ih a res de pessoas que se acharara no
conflicto, dsfendendo-o e pugnando pelos seas di-
reilos.
Do ako da imprensa livre e soberana do raen
paiz derofio a qualqoer individuo (grande ou pe-
queo, rico ou -pobre, fldalgo oa pastor) que se tl-
ver bro e vergonha, dignidade e honra, servio-
do-se deste jornal, declare fraoca e lealmeote se
me vio ou me ouvio prender o Sr. Dr. M. Lopes
Machado, ou se houve algum pessoa que Ibe
desse voz de priso na minha presenca.
Recite, 27 de abril de 1867.
Flortano Jos de Miranda.
------- m i
Sr. compadre velbo Joaquim Jos Ferreira Pr.ho.
Cnmprindo o qae Iba disse, desde ja' por i qoi
veu gemeodo e chorando uo valle de lagrimas.
Quera, meo compadre dos extremos, dovidara' que
ligueiro sou, muito aotes de quem a liga creau T
e porque algaem sou, por Deas, sim, seobor, em-
bora as breabas privado de amor, este o men
genio herdado e mantids por qaem me creoa; e se
isto historia, vejamos agora.
No Dtarto de Pernambuco do dia qaarta-reir
1 de dezembro qfiT85, tempo das primeiras elei-
goej depois da revolta, vendo en as differente.i ca-
pacidades, que eolotwara lembradas ao respBita-
vel publica: desta capital para excellentes <*ec uta-
dos da assembla geral, admirei-me como cnonlo
desta capital, d'en'tre ella?, nao vir o nome do meo
amigo chafe da repartigo, em que eoto ea era om
simples guarda por graga de Deas e favor dos ho-
rnea?, o Kxm. Sr. tenenl-corne! Antonio Carcielro
Machado Rios, visto qae, em oatr'ra elle mu lo
dsejou com o devido direito a tal ponto ebegar,
pelo qae com a fraqaeza dos meas poacos <> pe-
queos botdes, de miin, e eoto s para mo:...,
sempre com a devida venia e consenso de quero di-
reito linha de lembrar ao respeitavel publico seus
representantes, escrevl eflz com que o meu sempre
iembrado amigo desemposlorado o Exm. Qnado Sr.
Manoel Figneira de Faria, flzesse publicar no sen
Diario o seguinte :
Srs. eleitores !E' um dos peccados qnecflen-
de o Espirito Santo, negar se a verdade conhjcida
por tal. Vracs. tem por vezes publicado po este
Diario diferentes capacidades, que pelo direi.o de
filbos desta provincia, por servlgos prestados e in-
telilgeocia, esto no caso de serem votados par de-
potados da assembla geral, e se de facto este pro-
posito consciencioso nnicameme, permutara lem-
brar um pernarabucano que em todas as crises se
tem sabiamente sac-ificado com distinego, banra-
dez e intelllgencia ; despresando em tais occasioes
dos seus servlgos, o amor de sua vidaT e dos seus
intewsses particulares, sem que d'abi tenba obtido
nm saldo a favor. )
E' este, Srs. eleores, o tenent-coronsl Anto-
nio Carneiro Machado Rios, coosideTai oa applica-
gao da sna berdada fortuna, considera! dos rele-
vantes servicos prestados voluntariamente em
1826, quando poz termo aos malfeitores do Arraial,
Casa forte, Monteiro e Apipuoos etc. ; considerai
nos servigos prestaaos na Abrilda ; considemi aos
servigos dos das 26 e 27 ; considerai atinal, nos
servigos prestados em mais de 3 mezes de noite a
noite no pateo da matriz da Boa Vista, aonde muito
perigoo a sua vida, e deixou de promover os seus
interesses particulares, concluindo aqueiles sabl-
dcs servigos, com os do fatal 2defevereiio de
1842.
E' portanto, Srs. eleilore?, o tenente-coronel
Machado Rios, um pernambueno, que esta' sobre-
carregado de relevamos servigos e intelligoocia,
colbldos por sua actividade, curiosidade e expe-
riencia dos factos e crises de sua proviocia.-Apar-
tai este nefando rancor de urna qualquer preven-
go, sle gratos com o reconheci ment de um per-
nambucano honrado, e publica}cmigo qae para
depntados da assembla geral, os Srs. lente Coro-
nel Antonio Carneiro Machado Ros, marecbal An
tonio Correa Ceara, conselheiro Antonio Peregrino
Maciel Monteiro, conselheiro Sebastiao do Reg
Barros, commeodador Domingos Malaqnias de
Aguiar P'res Ferreira, Dr. Francisco de Paul. Bap
lista, Dr. Joaquim Villela de Castro Tavares, Dr.
Anselmo Francisco Perelti, empregado publico
Floriano Corroa de Brito, Dr. Antonio Francisco
Pereira de Carvalbo. Agora o doce d'ovos para
nolvos :Dr. Manoel Mendes da Cunh i Azevedo,
Dr. Urbano Sabino Pessoa de Mello, Dr. Jeronymo
Villela de-Castro Tavares.
c Meu charo compadre, de mim para miri en-
tendo que ao moribundo, nao bastante smente a
cooQsso. mas tambem a comraooho, fra do qae
por exemplo, doDlioaara' o maolo das reatgoes,
d'oode s lucrara as eofermidades cancros, hydro-
phobia, morpba, hydroplsia d'agoa etc., pois me-
dico nao son, e rogo dest'arte, quem d'ahi mais
lucrara' ? Os vigias dos hospilaes, que poaco se
d3o do mais. E nesle bom gosto, meu velbo com-
padre, vou pisando no campo matlsado de flores, e
por isso para mim cantando : A liga bonita e
bem feila, de balo nao usa a bella, ainda na
feiticeira, quanto mais vestida ella ; assim ella
queira e possa, adquirir ataduras n ais concerten-4
tes e sem aspereza ; porqoe assim muita {feote
usando de boos refrescos, cor de rosas, ficaro,
raelaocia e ceo verde, aguas do Capibaribe, me-
Ihor prego gosaro.
Adeus, mea compadre, eu sou como sabis o v-
vente de mallo geoio e todo particular.
Sitio do Arraial, 27 de abril de 1867.
Francisco Jorge d tSouzn.
O Dr. Trisito de Aleoear Araripe,
pe ria I ordem da Rosa, jefe a> **_
commercio, desta cidade do Hastia
buco e sen termo, por S.
ciooal o Sr. D. Pedro II, a
m Fago saber aos qae o L---
Celle noticia tiverem, qoe no dia 1
irrente anno, se ha da ai
qaem mais dr, em praga pobli a
sitio com casa de pedra e cal, o l_
Panella, avallado pjr 8:000#, o qaai
do por execugao de Galdlno Aatoaio Ala*
ra. contra a viova e herdeiros do Dr. 3mT
Alvos Ferreira. E nao baveado laMastor sjs ca-
bra o prego da avaliacio, a irrrsifar> san* f= i'
pelo prego da adjodKaeko.sa (oran a las.
E para qne ebegoe ao eaaaedsaeaa do Maa
maodel fazer o presente edita! qa san* pabU.
cado pela impreasa, e afflxado aos taparea da r *
turne.
Dado e passado oesU eidade do Recite de rVr
oaraboco, aos 21 de marco de 1887.
Ba Seeoodoo Eliodoro da Caona, eacreveate jav
ramentado o e-crevi.
Eu Maooel Mara Rodrigues do Tisismiaoi. es-
crivo, o subscrevi
_______________Truto de Alenctr Ararme.
Joio Baptista de Castro e Silva, fosweaslastor ra
ordem da Rosa e iospector da taca orara da U-
zenda da provincia de Peraasabsjea, por Sua
Hagestade Imperi I, a qaem Dsas gaare ata.
Fago saber aos que o prsenle edHal virosa aa*.
em vlrtode da circular do ibesecro a. 10 de 20 ; -
margo ultimo, serio desde ja' sobaaaaadas aera
thesouraria as notas do mesmo ranease da IJaT*
e 2*000 da 2* estampa e 10*000 a T, a sjaa n
tempo opporlano se mareara' o dia, asa qae drv
ra' principiar o de-coolo da le ai va^ir das actJ-
qu" Dio tiverem sido at eoo snbsliloidas.
Thesouraria de faltada da Peraaaasjeo, 29 a
abril de 1867.
Joio Baptista de Castra a Suva.
FaenldlasJe ue JfrcaWT
De ordem do Etra. Sr. director se fax i aal i
a lista das faltas dos estudales desta fuaMi
relativas ao mez de margo, cox as aotaa doa res-
pectivos lentes, o jaleadas em sesfia da coafre-
gago de 10 do correle, monos quanto as radr ir;-
1' do 2* anno, 1* e 2* do 4* aaa->, e I* da > asa
por nSo terem comparecido os respectivas fcafr-.
Segando anno.
Alipio Jos da Costa 9 faltas e 2 aaaaaaaaj aa
2* cadeira e contina a (sitar.
Terceiro aaao.
Rosendo Mauricio Lobo 1 falta nz 2* cadeira,
Antonio Francisco Leal 1 dem, Horacio da Mva
Rebollo Castro 1 idem, Antonio Josejaita 4a Ssaaa
Jnior i Idem, Jos de Araojo Vuaaa a Alsaasda
1 idem, Ernesto Alvim da Silva 1 ideas, Pvc
Rodrigues Soares de Meirelles 1 ideas, Satvastor
Borges de Barros 1 idem, Antonio da Castro ANes
10 id-rn, Joaqoim Gonsalves Aleixo 2 Mesa, la-
noel Joaquim Cavalcante de Albuquerque I Mam.
Jos Jaciotho de Souza I Hem, Jo- Dnarte da
Magalhaes 10 idem, M'goel Arcbanjo Pereira do
Reg 1 idem, e Julio Adolpho Ribas t Idea.
Quinto anno.
Alfredo Affonso Ferreira 1 falta aa 2a e.delra,
Samuel dos Santos Pontaal 1 ca 3*cadeir.i. Can-
dido Alves Ma-had-.- 1 oa V cadeia, Reiaaldo Go-
mes de Oliveira 1 oa 3' c Mac-Dowell 1 aa 2a cade-., a, J -ao Lapas Pessoa da
Costa 2 na 2* cadeira, Antonio Goasalves Ferreira
3 na Z' cadeira, Getulio Moreira i Castro Liaaa 4
na 2a cadeira, Jos Joaquim dt .tisaeida .Xoaaa 1
na 2' cadeira, Julio Cesar i '.mCocet UdiAa I
na 2' cadolra, Joo Barbalho VcM* Cavaiean-* t
na 2* cadeira, Eduardo Angosto da Silva I sabfea-
tioa na 3a cadeira, Vie ote do Reg Tosono Bar-
reto Lsabbatioa na 3a cadeira, D-tactrio Jasa Te -
xeira i falla na 2a cadeira, J mi Eirsio tr Carva-
iho Como i sabbatina na 3a cadeira, Jo? Beraar-
des Gom-s Serra Brlforl 1 falla oa 2a cadeira e i
sabbalina oa 3a, Jos Climaco do Espirito Saalo i
faltas na 3a cadeira, Antonio Frrraz da MoQa Pe-
dreira 1 falta na 2a cadeira e 2 sabbaiiaae aa 3a.
Jos Cardoso da Cunha 1 falta na 2* cadeira, L o
Cassiano Lima, 3 fallas na 2a cadeira e I >abbai-
na na 3a, Sesostrio Silvio de Maraes Sarraeafo I
filia oa 2a cadeira e 3 ditas e I sabta'iea aa >,
Joaquim Rjgerio de Oliveira I Lita aa 2a easteira
e i sabbaJina na 3a, Amonio Joaquim Rha Jume-
4 faltas na 2a cadeira e 3 ditas a 1 sabbauaa aa
3a, continuando a faltr, Alariro Jos Fuado 1
faltas na f caleira, Ernesto de Paiva Leite 3 bi-
tas na 2 cadeira e 1 sabbatina na 3*. a CaadiJ
Pinto Lobio 4 faltas na 2' cadeira.
Secretaria da facuidade de direito do Recife 29
de abril de 1857.
O secretario,
Jos Honorio B. de Menez'.-.
V
EECLRiCOiS.
COMMERCIO.
NOVO BANCO DE PER-
* NAUBOO
O novo banco paga o ducimo oitavo divi-
dendo e 643002 eis por aceso.
Xoao banco de ernambuco
O Novo Banco descoma letras de 9 e 10 0/0
so aooo, conforme os presos.
ALFANDEGA.
Rsodimeoto do da i de maio...
4:779*223
"779 -223
MOVIMENTO DA ALFANDEGA.
Volamos entrados com fazendas..
tic gneros....
Volumes sabidos com fazendas...
* |a*aroa....
400
400
Descarregam boje 2 de mala.
Brigue InglesAssoJutun-arercadorias.
Barca inglesaJfmoaidem.
Brigae ieglesGtrtmssviuidem.
Pataebo portoguez Jfanaaaa 11 idea.
Brigae portoguez-TriMmpAoidem.
O povo toma sempre o partido des qae soffrem
os rigores da prepotencia; o povo levanta-se sem-
pre forte e enrgico contra os abasos e violencia
das autoridades ; foi por isso qae o povo cercon
a mocidade.
Oa Srs. Machado a chefe de polica sao os un- Barba portofcbexaSiiea'eomercaderas,
eos respoasaveis pelos laetos altamente esoaodalo- Polaca ilaliaoa-Scra-mereadorias.
sos do dia 26 debril. ; Escoaa holisteuseOri/ntidem.
Os progressistas qae nao recuam diante das tro- j Barca Ingiera fisope-madeira.
pellas, iafamias e miserias, e qae JA estio encane-! Brigue inglesCounters of Dudleyferrageus
odos na pratiaa de actos criminoso?, julgam qae a; Escoaa hanoverianaArektplvora.
corrupeo transpox os ombraes da facuidade de Escuna suecaAfiraada-fsrloba de trigo,
direito.
Eslam engaado-. A mocidade muito nobre
pela grandeza de soas ideias, pala pureza da sen
eoraeio; tem a alma alada aio crestada palo so
Co iseiho d-. eeairis da artea, re
fierra.
O conseibo chama a attenco o seo antono.-. pa-
blicado no jornal de 30 do mez fiodo.
Sala do cooselho, Ia de maio d 1867.
Veiga Pessoa
Director.
Goocalves da Silva
______________________Secretario._________
Santa Casa de lijerietriia d le
cife.
Pela secretaria da Santa Casa de Misericordia ->
Recife se convida as pessoas abaixo declaradas par..
que veobam requerer a retirada do tea)ir o tfaa ar-
phos, dos educandos constantes da laiatjao ataias
publicada, os qaaes, toado auiogido a idaste asada
pela lei para a soa edoeico, forasa pela lllva. jsa-
la mandados entregar a seos prenlas :
Maximiliano de Lima Ribeiro, afilando do tr. Jar
Qoiotioo de Castro Leso ;
Secretaria da Santa Casa de Miserieavaas da Ra-
cife, 28jde marco de 1867.
OeaertvM.
^^^^^^^ Pedro Rodrifaaa i
Sonta Gasa da ise:icardia do leeife.
Tendo o lilao. Sr. commendador Jos Piras Fer-
reira, reassomido o exereicio do caria de raasca-
reiro desU Santa Casa, manda fazer sen-ate a
quem poder interessar, qoe os pigiaiaalaa
nuario a ser feitos nesta secretaria aos dia-
nados de todas as semanas, das 9 aa II aorae
roanbaa.
Secretaria da Saou Casa da Misericordia da I
cife, 27 de atril de 1867.
Oesarivia,
a^________________Pedro Rodrigaas da Soasa.
Conselho de compras
O conseibo compra plvora marea
convida aos qne queira veaaeta a a
s uas propostaa ao dia 9 do correas raes,
antes no arsenal de marlaba ao ilisa. Sr.
presidente do mesmo eoaeslfca. _
Sala das sesses do eeassfaa Meotaari
! de maio de 187.
O secrtalo,
Aldxaadre aodr^aaa daa
"*"*"* w""r uoaaufus. cuiafau, icui a anua iiib dbu cresnaa pelo 80-
Clara Mara da Conceicao, Pernambuco, SS aoaos, pro imparo, paixbes vis, as vestes asada nao sal-
solteira ;coogesi3o cerebral. ] picadas do .lodo em qae vlvem mergatbadas os bo-
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS
GERAES.
Rendimeato do da I de malo..... lh400
104*00
Santa Casa da Misericordia
do Recife,
Alllma.januadmiaistrativada Saate Gaaada
Misericordia do Recifa manda faxar p "
na sala de suas sasaoaa, no dia 2 de<
las 4horas da tarde tem da sari.
qoeak'mais vantageos ofaraoar aa raadaa 4a> pra-
dios era seguida declarados :
BsUMeciBMata H eariaiade.
Roa do Padre Pleriaaa.
Casa terrea n. 49.....
dem Idem o. 45......
dem idem n. 17......
Becco da CarvaHta.
Casa terrea a. 5......
Roa de S. Jos.
Casa terrea n. 5......
dem idem o. 7......

PAGINACAO INCORRETA


* e Mato e 1867.
v
__ Roa dos Pescadores.
Casaterra .II.......U6J0C
Itu das Calcada*.
CUMKIB........173JO00
Idemidem o. 34........180*000
Bn de SidU Tbereza.
CiumNl. 7.......1**000
Ra larga do Rosario.
Sobrada da 3 sedares a. 94 (3* andar)
& Miguel
--
Mam idea > SS (i* andar).
Idem
47*OO0
180*000
i Masa deas** andana).
Laja a. i C dtta dita.....
Ofta n. f D 'dita dita. .
Travessa do Calabozo.
Casa lar rea a. 8......
la Nora.
Casa terrean. .. 567*000
Beceo do Qoiabo.
Osa terrea n. 8.......144*000
Ra do Encantamento.
Gasa tarrea n. 3.......401*000
Roa da Gadeia do Rectfc.
Sobrado de 1 aniar n. M. 683*000
- Ra de Amorim.
Sobrado de t andares n. 11. 160*000
Roa do Rofoelia.
Casa terrea o. 17.......S4I*000
Pttriaunie de riiaes.
Praca do Pedro H.
Sobrado n. 33 poBlice (2* leja). .
dem dem (1* sai)......Mi
dem dem Ra do Imperador.
.Sobrado de dous andares n. 81. 1:000*000
Roa das Urangeira*.
Casa,. 17.......... 192*000
Roa Tena.
Casan. 32.........310*000
Roa de S. Soncalo.
Casan. SI........189*000
dem n. 24.........194*000
Raa vRrtsarto da Boa vista.
Casan. 88.........169*000
adrede Osos.
Casa a. 8t ........301*000
Beeco das Bofas.
Casta. 14.........362*000
Idean. 18:........802*000
Roa da Lana.
Casan. 11..........196*600
dem n. 2.........181*060
Ra da Moeda.
Casa a. 21.......... 381*000
dem n. 47......-.. 381*000
Roa do Aielle do Paite.
Casa a, 18...... .1:006*000
Roa da Seatala VeWia.
Casan. 136........854*000
Roa da Guia.
Casan. 27. ..... 127*000
, Roa do Pifar.
Casa n. WI.........201
dem n. 99. ....... 23
dem n. 110. .........201
Escuna portogoea Olivnra, sahira'
brevidade pasti vel, para carga o pi
tase com o son consignatario Jlo
a roa do Apello o. 4.
Lisboa
AOS SRS.ASAD. IIGOS.
0
Pretende segnir com brevjdade para o l
porto, e recebe carga a frete o brigne porto
Uovuntnto, capitao Braooo; a tratar com o coa'
signatario Antonio dV Alanida ornes, a' raa da
Grot n. 23,1. andar.
Par
Seguir com a pessivel brevidade para o indi-
cado pasto o naav eootaaeida htste Atado PcupuU,
caplUte Barros ; para a arga qae Iba fatu trau-se
com e seo coasigaaurie Antonio de Atoelda Go-
mes, a raa da Crui n. 23,1* andar.
PORTO
Segne com brertdade a barca portogoea Silen-
cio, por ter parto de rai carga prempta. para o
resto e passagefros trata-se com Olivelra Kflhos 4
C, largo do Corpa-Santo n. 19, oo com o eaptuo
na praca.
COMPAltHlA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR
^k
E' esperado dos portos do sal
at o dia 8 do correte o va-
per tiuar, commandants Pedro
Hyppolito Doarte, o ojal depols
__ da demora do oslme seguir*
para os portos do norte.
Desde ja recebem-se passageiros e eogaja-se a
carga que o vapor poder conduiir, a ojatl devera
ser embarcada no dia do saa chegada, encom
meodas e dinheiro a frete al o dia da sabida as
2 horas. Previne-se aos Srs. passageiros qae saas
passagens s se reoebem oesta agencia raa da
Croz a. 1, escriptorio de Antonio Loit de Qii reir
Aipvedof C
CMMlll BRASILEIRA
DE
Paquetes a vapor
17 esperado dos portos do aorta
at o dia 9 do corrate o vapor
Paran, commandante o capitao
de fragata Santa Barbara, o qoal
depois da demori do costme se-
gurra' para o portos do sn<.
Recebem-se desde ji passageiros e eogaja-se a
^
Por sdu dono s delirar pira fora da praviana, vendem-se o sdfeatttes
Wte jurisprudencia, d roaior parte dos qoaes coa pouco uso, onMarnadlf
gOdtt '.
Diccionario geral de legistocao, doulrina e juris-'orndencia, par ttlfttz,
W fo!. em grande folio.............. Mtjfttt
Diccionario do contencioso commercial, por Mass, 1 vol. emiatie .
Jurfaferadencia das saccesses, por Cooflans, i vol.......
Elementos de direito romano, por C. Maynz, 1 vo!. .^ ....
Espirito do direito, por Frttot, 1 fol......~ .
Tratado sobre fallencia*,- por Gooffroy, 1 vol........
Cdigo predial portg.-uez, por Silva Ferrao, 1 vol .
Legislado do thesouro em materia conteaciosa, por DumesniaV tTOfc
Espirito das leis, p >r Montesquieu, 1 yol. .....^
Economa poltica, por Forja? de Sampaio, ^ vol.......
Contrtate par corps por Duverdy, I vol.........
Quem se qoizer manir de bns llvros,. por procos) commodos, aptoveitar a oc-
casiao na roa do Crespo n. 4 fabrica do chapos de sol.
" WMM I
de m
Para educado do sexo masculillo
Director Manoel AlvesVima
O coilegio da Coaeeiaao, mudado ltimamente para o b irro de Saoto Antonio, roa
de 6. Francisco, casa- o 73, contigua eslacao central dos "trunos nrbanos dos Apipneos,
contina a faoceiooar regalrmeos, recebendo alomn >s externos e internes, tanto pwa as
aulas primarias, oemo para todos os preparatorios necessarios a' matricula de qflalquer
Paculdade, sendo os seus respectivos professores pessoas moralizadas e de um conceito ma-
gistral ja bem Armado nest cidade.
O director desle novo coilegio continuando a empregar toda a solicitada no desempe-
nho de sao mandato, espera fazer-sa mais digno da tonfiaoca com qne ojrao honrando os
senhores pas de familia, coofiano-fhe bcnwsdftjeWb os seos Irnos.
Os estatutos do coilegio, assim orno o franco ingresSo em todas as snas dependen-
cias, esto senpre a diipjsfco de qonn possa ioteressar.
ME\h i
CAROSA
PREPARADAA FRI
carga que o vapor poder condozir a qoal devera'
ser embarcada no da de sua chegada, encommen-
lem a. 94 ........ 201*000 das e dinheiro a frete at o dia da sahida as 2 ho-
dem a. 103.........200*000
Sitio n. 3 no Fortio ds Cal. 180*000
Ras "to*Booantamento.
Sobrado do dous andares o. 11. 901*000
As arrematar*}** serio feltas pelo lempa de um
a tres aoaos, deveodo os Untantes vfrem acom-
paohadas de seas fiadores oo munidos de cartas
destes.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Becife 25 de abril de 1837.
Oescrivao,
_______________Pedro Rodrignes de Soma.
Pela secretaria da Santa Casa de Misericor-
dia do Reclfe coavfda-se as senboras abaixo men-
cionad s para que ven ham recolher ao coilegio
das orpbas as menores em seguida declar/da?, de-
vendo apresentarem as respectivas certidoes de
idade :
Mara, Alba de Caadida Coutinbo Ponce de Len.
Cietaaa, ai ha de Caetana Mara Francisca Agosti-
nha.
Joanna e Emilia, filhas de Ruoa Maria da Con -
ceico.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife 16 de abril de 1867.
O escrivo,
______ Pedro Rodrigues de SoQza.
Re-
do
tfaata Casa de Misericordia
cife.
Pela secretaria da Santa Casa de Misericordia do
iitecife se convida as pessoas abaixo declaradaspa-a
qae venbam reqoerer a retirada do coilegio das
orpbas, das educandas tambem adianto menciona-
las, as qnaes mostrando ponco desejo de continuar
no coilegio, a lllra'a. junta administrativa deliberou
jue fossem entregues a' seus parentes ou pessoas
que nor ellas se interessara, na conformidale do
arL 48 3* e do art. 50 do regulameoto daquelle
'.abelecimenlo :
Alexandrioa das Virgen?, illia de Anoa Joaquina
Soares de Mendonja, moradora na Capunga ;
Nioralsia de Lana Costa, irmaa de Manoel de Luna
Costa, morador a' roa da Cruz.
Samaritana, fllha de Rosa Clandina,;
Leocadia Hara da Conceico, fllha de Maria Leoca-
dia, a fallecida;
Francisca Itidra;
gaitera dos Prazeres ;
Isabel da Lu *,
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
ale, 28 de marco de 1867.
O escrivo,
Pedro RodrigaesdeSouta.
Santa Casa da Misericordia
do Recite.
A Illtna. junta da Santa Casa da Misericordia do
Becife, reeebe propostas para arrendamento das
casas abaixo declaradas, qae acbaado-se arruina-
das se-ae arrendadas por qualqaer preco, a qaem
se incumbir de as concertar:
Eslabelecimentos de caridade.
Raa Direita o. 33.
Ba da Moeda n. 37.
Raa do Burgos o. 2.
Raa de Pbarol o. 72.
Raa dos Coelbos n. 94.
Becco da Abreu n. 2.
Patrimonio dos orphSos.
Raa da Cacimba n. 19.
Ra do Amorim n. 26.
ras. Previne-se aos Srs. passageiros que snas
passagens s se recebem nesta agencia raa da
Crut n. 1, escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C.
Segu at o dia S de malo para esse porto o pa-
Ibabote Gloria 11, para carga trata-se com o con-
signatario Jos Maria Palmeira, na praca do Corpo
Santo n. 4.
Maranho
O patacho brasileiro Volante, capillo Travassos,
segu brevemente para o indicado porto e pode
ainda receker alguma carga; tra'a se com o res-
pectivo consignatario Antonio de Almeida Gomes,
ra da Cruz n. 23, 1* andar.
LEILOES.
LEILAO
O agente Puntual vender' em leilao por coola
de qnem perteocer os escravos segnintes: 1 mula-
ta de 20 aoaos de idade, excedente eostnreira e
eBeommadeira (sem molestia alguma) com urna
fiha de i raezes; urna negra da Costa (raui sa-
dia) etcellente cosinbeira, engommadeira e qni-
tandeira; duas escravas cosinheiras, engomma-
deiras e lavadeiras; 1 escravo cosinhelro, am di-
to carapna e carreiro, e dous di os sem ofScio.
POJE
No seu escriptorio a ra da Cruz n. 62, primei-
ro andarlas 11 boras. _______
De escovs e saptos.
O agente Pontual vender' por conta e risco
de quem perteocer 18 duzias de sapatos de tran-
ca e lo grozas de esc ovas para escovar sapatos e
duas bombas para cacimba.
mu:
No su eseriptorio a ra da Cruz n. 62, pri-
meiro andar, as 10 1|2 hora^________________
LElLAO
COMO SEJAM
4 c8as terreas em chaos proprios
roa do Rscente ns. 16, 48,20 e 22
C'ordelro ftlmes.
em conseqnencla da muita chava nao pode effec-
toar o leilao aononciado para hontem, das casas
Os pretendentes para melhores esclarecimenlosJterreas cima mencionada?, pertencentes ao Sr.
idera-a dirigirse a esta secretaria. Francisco Jos de Campos Pamplona, o qne ter
tosco-
DE
AZEVEDO RUADA GADEIAN. 47
m A dinheiro
Roupa feita em porgao e a reta'ho por pre?o muito barato, que a vista poderse
avaliar da realidade.
Fazendas
Lindos batees de musselina, d3o s3o baratos; baloes de arcos estes sim, sao ba-
ratos, lindas chitas escuras, cambraia modernas com lista aomeio, cazemiras em cortes,
lindos desenhos, collarinhosaCavour,reiondasr endadas, chales rendados, chales de merino
pretos, finas chitas largas para coberta. superiores meias ioclezas, sao caras e boas, su-
periores comios ue naneila branca, para evn*. .,;,..,* u__v.^ uiuou yma cai-
cas; ha muitas outras fazendas e roupa feitas, que tojas se vende muito barato a dinheiro
a vista dam-se amostras e mandam-se levar as casas.
flTI:
FSiS
55 /uo. da Imperatrii em Pernambuco 55
SpCHiUIT dfc c.
Premiados na exposigao nacional de 1861,.no Rio de Janeiro, vao abrir um estabelecimento de
primeira ordem, para tingir e limpar com a roalor perfeiQo fazendas em pegas ou em obras de quaes-
quer tecidos como sejam : laa.'algoTao, seda, cachemir?, touquim, peona--, ossos, raarflm e mesrao ma-
deira, chapeos de feltro e de palhinha de todas as cores etc., promeltendo os annunciantes entregar
as suas obras perteltamente Hopas e cora o lastro das fuendas novas, pois tem o seu estabelecimento
os prodoctoi os raais floos e 003 raelbores fabricante?, assim como possuem 03 utencill03 os mais
aperfeigoados at boje conhecidos e tem por corrdspoodente a primeira casa de Paris nesta especiali-
dade, a qoal os ter sempre a par dos ltimos aperfenj 'amotos e novas descobertas.
Tintura preta tercas e seztas-feiras.
Abertura em principio de aaio.

podero dirig .
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do Re-
cite, 28 de margo de 1867-
0 escrivo,
Pedro Rodrigues de Sooza. _
anta Casa o* Misericordia do
Reclfe.
A tilma, janta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recife, manda fazer publico qae no
da 2 de maio proiimo futuro, na sala de suas ses-
sojs, tem de ser arrematado por qaem mais van-
tageas ffurecer, o f orneciraeoto de carnes verdes
que houverem de consumir os estabeleciment s
pos a* sea cargo, nos mezes de malo e janbo pro-
zimo futuro.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Be-
cite, 5 de abril de 1867.
O escrivo,
Pedro Rodrigues de Soaza.
!
THEATRO
DE
ISABEL
lugar
as 11 boras em ponto na porta do predio aonde foi
a associacocomoerciel, largo -4o Corpo Santo.
- De farinha de trigo.
(Transferido por cansa do m) tempe)
O agente Pontual vender em leilao por conta
de quem perteocer orna grande porgao de farinba
de trigo em saceos por atacado on em lotes a von-
tade dos compradores.
Setla-feira 3 do correte.
O leilao sera' eHeciuado no caes do Apollo, ar-
mazem dos Srs.Ta,sso & Irmo confronte a ponte
nova, as 11 boras.
LEILAO
Oe ama casa*terrea a raa do
do Bram n. 26.
Sabbado 4 do correte.
O agente Pesua legalmsnte aotorisado fara'
leilao da casa terrea cita na roa do Areal do Brum
n. 26, a qaal toi tratada ba pouco, de pedra e cal,
tem i salas, 4 qaartos, sotao, cosioba fora, copiar
coberto, eaci-nba e morada foreira ao major Jo-
m
8MPREU-C0MBR4.
Em coaseaaencia do mo terapo ca transferido s Joaqun do Reg Barro*,
nara sabbado 4 do eorreoto a reproseotaoo do Os Srs. pretendentes podem examnala
j um Junu i!a snhirin Kll>.
manba no largo do Corpo Saato unto ao
commercial.
eolel-
drma-olemonio d/jogo-drama de sabido me- ltl boras da
recirauto e digao de ser visto pelo Ilustrado pu-
blico desta capital, o qae ao certo nao acontsceria
com o pessimo tempo qae esta.
iyisos muTives
Para o Aracaty
Sigu eir brevidala o palhabote Bmk* : para
carga e pa.-ugairos inti-sa cora o consignatario
Jas S*' Letio Joniof. r&a da.| irs do DonJ.
Rio de Janeiro
Pra ) iadieado poito segu em poucos das a
escoaa austraca Superb, de Ia classe, por ter o
sen earregamento quasi todo engajado o ara o
poocj que Me falta trata-se eom o consignatario
Joaofclm Jo*Gonclve Beltrto rog tfo Traptclje
caf
AVISOS DIVERSOS.
i f
Francisco Nunes Bairo, subdito portaguez
retira se para Europa a tratar de sna saode, le-
vando em sna coropanbia por orlado, Jos Pereira,
snbdito portogaos.
Jlo Manos da ?Veif% Jotras sabdUo portn-
Baei rettra-se pata a Europsu
Cypriano-Peaekn Gaedss Aleatorado, tala
Eoropa.______________________________^_
Precisado da a saenlao do olUmos ehega-
! dos do Porto : do pateo do Carmo o. 13.
PREPARACOES FRREAS-BilfiAIlGAS
1PPR0VABAS PILa ACADEMIA B HBDICIlli
DE BURIN D BUISSON
rasraactilic*, lamas* pela Jealeoia de Itdkiaa ds Para
eatkwate professor Tmmsbo, aa ultima edico do sen Tratado i* TAsra-
roHttaa s Matma medica, recoahece qne es ferruginosos simples eAo matas
vetes meffieaaa para curar as olestias que teem por eausa o empsorecimciao
do saogne. Muitos mdicos dos mais distinetos attribuem esse a o ente k aoscnaa,
n'essas preparafoee, do urnngantu, que se ache no sangae, como o tem reconhecido
t chimioos os aaais peritos, sempre intimamente unido com o farro.
E' pas, prsstar-seum verdadeiro servco aos S,M Mdicos, o chamar-se sna attenoe
sobre aa preparacoe* sogniates.
! Pie faiins minaanifAfl i*ndo inune*a*>raente urna agaa, aeidalada,
1 TOS mxm UaUgUieW gazeza, agradavel, snbstkumdo coas vantagem
ooonsmls as agaas miaeraea forrnginosas.
2 Plalaslame e iooreto de ferro e de masganese inatterares
oaataads cada tu jaso centigramos de isdureto de ferro manganieo indicadas
paiisnlartnente aas moteuiu lymphaticaa, escrofulosas, e ota chamadas eaa-
- o vakercalosas.
roeeitadas especialmeete
ara a cWorosis, a aae-
nii, a leneorrbea, a ame-
narrhea. A indicacao de
naahados.
completa do pnbtleo medica a
pee gratiiiUmeale a saa
phariascencicea, raa Wova,
II lili I
pon
AUCrlISTE (AORN
Pharmaceatico pela esooli de Paris e succeasor nesta crbde
Aristide Saisset e J. Soum
82.------Roa la eras^
' i >
Tratamento pnramente vegetal sem mercurio, iodo, onro, era tro anajm*/
mineral. *
Verdadeir pwfficador do mangue seta azoague.
Especial para cara de todas as molestias que tea saa orgaa na aaafffa do
sangod, como sejam as mofestfw boubatcas, sypbilitwas, escrpbolom, liillii1. aner
jenham ellas por heredttanedade, quer sejam adqueridas pe contacto coai
reccionadas dos diversos viros que coniaminam o saDgue e os humores.
A caraba um? remedio prodigioso, usado desde remotas eras
do Brasil, e passando seo-uso de geracSo em geraco, hoje nra dos retace
onecidos como pfopno par* combate r as molestias mais hediondas, entrando
ro a morpha on elephantiases, p3ra enjo curativo os nossos sertanejos
caroba como remedio espeefteo.
A muito totopo entrn a ctroba nos formularios con^preptrafaa aragiolnl
sob a forma' de eleietuarin, anda boje letnbrado as pharmacopas- eom o oani iu aua
celebre autor Jbao Alvos Carneiro: itao ella portante remedio aove nea deaao
0 ungento de caroba da mesma sorte preconisado desttetaapoa i
riaes como o mais apropriado para o curativo das boobas e ulceras iXpnilhiaai i
e ernpregado com proveito depois de improficua applicacao de muitos
therapeoticos enrgicos e de oso quotidiano.
Muitos dos nossos mdicos de considerarlo e entre elle* o mar u.
e observador o 9r. Dr. Pedro d'Athayde Lobo Moataso, tem confirmada jor aw w-
perteocias repetida, o qne diz a farpa das benficas propiedades dalwoaa aa nwta-
mento das boobas, das diversas formas sob que a sypbilis se aprsenla eHhoita ananciil
mente as que teem sua sede na pelle, e poderiamos relatar alguna so de data Dito
moderna obsarvados pelo mesmo Sr. Dr. Moscozo em que a caroba prodaito aaaaaaveis
effeitos, depois de inuteis e prolongadas applicac5es de salsaparrilfaa, oacuriov iodo, ou-
ro e seus preparados,, etc., etc.
N3o era possive! que nma planta lio notavel por suas inappreciavois vaaaaat es-
capaste a perspicacia e investigacoes dos mau abalisados praticos enropos, qne se ap-
plicam com especlaHdade ao estudo e tratamento das molestias syphiliticas e berpejicas
e para prova abi esjao os Srs. Drs. Caseoave, Schurfer, Ricord e ootros dando ao mais
lisongeiras informacoes sobre as propiedades curativas da caroba e precooiaaoda i coaao
remedio poderosissimo para o tratamento das erupcoes cutneas, seccas oo rapaaratiai,
dartbros de todas a qualidade, ec.emas, nlceras de diverras naturezas, tumoras, osseos
e outras muitas molestias de natureza syphi ilica ou boubatica.
Por ter-se generalisado mui .o o uso da esencia da caraba que aa are-
paro e pelas instancias de varios mdicos que desejam continuar em suas obser*ae6es,
deliberei-me a ter promp'a. urna quantidade'da mesma essencia, obtida sea- a ac0o do
ogo, para n5o prejudicar as propriedades medicamentosas; e d'ora em diaote aicoo-
trar-se-ha na minha pharmacia sempre e em porcao sufflciente para iodos os podidos a
ESSENCIA CONCENTRADA De CAROBA, e o ungento da mesma penla para qae nan-
ea fallem aos Srs. mdicos que quizerem esperimentar lo preciuso agente raadiciaal.
Rect'fe de Parnambuco, 17 de outubro de 1866.
Agdste Caors.
<$$p
Vende-se na pharmacia de P. Maorer & C, roa Nova.
DE
DE
/IGNES. .
N. 55. RU.% DO 1RPMRADOR t 5S.
Os pianos desta antlga fabrica sao hoje asss conhecidos para ina saperiorldade, vantngens e garantas que offerecem aos compradores, calidades estas iBContesta
PARA UZO INTERNO
PREPARADOS SIMPLES,
Xarope de jarnbeba garrafa......... Idooo
Vinhode > i^fioo
Ptlulas de vidro......... l6oo
Tintura de 64o
. Extracto' hydralcoolico de jurubebas l^Soo
PREPARADOS COMPOSTOS.
Vinbo de jufubeba ferruginoso garrafa. 2^ooo
Xarope lijtoo
Pilulas tidro... 2dooo
Oleo de jnrobeba vfdros.... 64o
Pomada de pote...... 64o
Emplastro libra..... 2#5oo
PARA UZO EXfERNO
A J 1 ItLHttBA.
Esta plantar hoje reconhecia como o mais poderoso tnico, como om excel-
lente desobstruente, e como tal applicada nos engorgitaments do gado e bago, ras
bepatites propiamente ditas, ou anda complicadas, com anajarehas, as inflammacoei
subsequentes as febres intermitentes oa durezas, nos abeessos internos, nos tumores es-
pecialmente do tero e abdomen, nos tumores glandftlonos, n anardia, as hydrope-
zias, erysipellas; e associada as prepracoes fetagirieais, aindi de grande Tant'gem
as anemias, chloroses, faltas de moastroacSo, leucormeit, doaarranjos aioaic s do esto-
mago, debilidade orgnicas, e pobreza de sangue, etc. wa
O que dizemos affirmam os mais di tinelos mdicos desta tidade, entre os quao
podem os cita os lllms. Srs, Drs. Silva Ramos, Aquino Fonseca, Sarmenio. Seve, Pe-
reirado Carmo, Firmo Xavier, Silva etc. Todos eltes reconh cem a excellen-ia d'este po-
deroso medicamento sobro os demais al ho:: onhecidos pira todos os casos citado*,
tanto qudModns os das fazem d'elle sppricaca
ApreseutanJo aos me Jicos e ao pablico em geral diversos preparados da jaro-
beba, tivemos por fim generalisar mais o uso d'este vegetal, fazendo desappareeer a
repugnancia que at hoje sentiam os doentes de usar doi preparados empricos d'elle, o
mais das vezes repugnantes a tragarem-se, e que tinham ainda a desva itagem de nao
ser calculada a dose conveniente a applicar-se, o que torna muitas vei $ improficoo um
medicamento, que podena prodozir ptimos resultados.
Os nossos prepados s foram apresentados depoi9 de haverraos contenientemenie
estudado a jurubeba, fazendo as exjJlriencia^ precisas para bem conhecer as propri^dadoi
medicamentosas d'esta planta em suas raizes, folhas fructas ou bagas, e a dote convente
ea applicacao, tende alm d'isto procurado levar os nossos preparados ao maior grao do
tperfeicio possivel para o que nao poop irnos esforcos. e3o nos importando o pooco lu-
cro que possames tirar. *.
Por tanto os qae se digna*em recorrer aos nossos preparados podem ter
de que elles offerecem a garantia, de que se pode encontrar a proaipta e i
de qualque dos soffnmentos, que deixamos innumerados, se forem em tamp
tendoatm d'isso, medico ou doeute a yantagem de-oscolber as nossas *?
rages, aqueUa que melhor Ihe pode convir, j pela fac
Procisise de om menino portognez para ca-
' xeiro de taberna sendo dos ultimo*, chegados. do
! Potio ; no pateo (Jo Terjo fc Hli
das molestias, idide, sexo, ou anda natureza
As nossas preparacoes fenuginosas
mente soluveis nos suecos gstricos, porfe
taes esiio hoje reonbecidois.
Pra aqnelliB.-jqueaais minuciosl
7eis que elles tem daniiltwamonto wnqoteado sobre iodos os que 9 apparecido nesta praca ; pos- jurubeba, e saberetn a applicag5o de ni
nuindo um teclado o madUnismo que obedecem a todas as ventada e caprichos das pianistas, sem emnoss deposito lim Muelo, onde tratinos|
tlonca faltar, por taren) (abrieados ds proposito, e ter-se feito ufumamente melkoramentos importan- mfJnrf>n3r*ln
vssimos para o clima desta paiz ; qoanto s vozes. sao melodiosaa o nadadas, o per isso mnito agrada- mus P16Pai? p
ais aos onvldos dos apreciadores.
Paxea-so-conforme as eocommendas, tanto nosta fabrica como M do Sr. Blondel, de Paris, socio
torresfondeaue da Tignos, em caja capliat foram, aaaaprn inaaaiadow am wtw a oxposigSes.
No mesmo estabelecimento sa achara sempre ata xplendMO o variado sortlmento da msicas dos
attortti antores da Borora, assim como nvaaanjw planos hafOKM!la, sondo lo4o vendido par
oreos commodos o raxoavfjs,
ilo.
a que se torna
nposto de ferro qae coaao
s proprieSades da
stribuimos gratuitamente
34Wu Urgr ''zarion

PAGINACAO INCORRETA
EGIVEL


m
Olarlp #-eraw4iM ~ ^lu l<*ra ^ Jk^ 4*o7.
u .
Precisa-se de um wixeiro dp 14 a 161
annosia tfilar na
na febica: fe fiai
il iuWeb
Superior a todos os tnicos conhecrdos contra a]
anemia, chlorose, hydropesia, obstruccao do ab-1
aemeu. B tambem emcregadp nos caaos da meos-
truagao d'fflcil ; nos eatarrhos da bexga, etc.
Piolo ptiarraaceuiico.
Ra larga do Rosario u. 40
_____ "PerBambueo.
M
P/ectsa-se aluear ama *ma que
engomme para casa de urna familia de
soas : na ra do Hospicio o. 36.

cosinbe e
duaa pes-
--------------;
Frecisa-se de urna ama para andar com menino
e tratar da roopa do mesmo : a tratar na praca
do Corpo Santo n. 17, 3 andar.
Jpaquim Jos Goncalves
BeltrSo
RA DO TRAPICHE N. 47 Io ANDAR)
#
Sacoa por todos os
do Minbo em Braga,
< em Portugal,
aber:
Lisboa.
Forto.
Valonea.
Gulroaras.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
. Vla do Con*e.
Arcos de .Val de Vez.
Vianna do Casteilo.
Ponte do Lima.
?Villa Real,
Vlla-Nova de Famelleao.
Lamego. %
Lagos.
Covilbaa.
paquetes sobre o Banco
sobre o > gantei Ioga-
Precisase de orna ama para cozinbar: tra-
ta se a* roa daXadeia do Recife, 2 anear, do so-
brado n. 34-,
Na ra do Trapich n 16
acham-se os seauintes devosos
De U. Bruninghaus em TCuits.
Bonrgogne.
Vinbo Pommard tinto.
> Cortn tinto.
i Santo Georges tinto.
> Chambertin tinto.
* Rlcheboorg tinto.
Clos de Vongeot lin o.
> Cbablis branco.
De H A. Woef cu Francfort:
Rheno.
Geisecheimer.
Liebfraamilcb.
Jfsreobrunner.
Em casa de Theod Christiansen,rua do Trfa
piche-novo n. 16, nico agente no norte do Brasil
de Brandenburg freres, Bordeauz, encontra-se ea
tactivamente depsito dos artigos seguia'es:
St.Julien.
St. Pierre.
Larose.
Cbateau Loville.
Chatean Margaux.
Grand vin Chateau Lafitte 1858.
Chatean Lafitte.
Haut Sauternes.
Chatean Sauternes.
Cbateau Lataur Blancbe.
Chatean Yquem.
Cognac em tres qualldades.
Azeite doce. Presos de Bordeaux.__________
Precisa-se de ara pequeo de 12 a 14 anuos
para calxeiro de taberna: a tratar na ra da Glo
ria n. 114._________ ___________
Nesta typographia se precisa fallar
com urgencia ao Sr. Justino da Silva Car-
dse negocio.
Precisa se alugar am eseravo para distribuir
pao e bolacha na ra : a tratar na ru ra Concor-
dia n 6i padaria, nao se olha ?dianlar alguma
q.ianiia sob.e os alaguis.
O advagado ~
- 11'obso de AlinqoerqucJlelb
mudou a sua residencia para a Capunga a' ra
das Crioulas n. 13, e conserva o sea esenptorio
rea estreita do Rosario n. 34, onde pode ser pro
curado para os mysleres do sua prosso das 10
do dia, as 3 horas da tarde.
Retirado completamente a vida civil para mais
nunca se ocesparde poltica desia trra, offerece
a seas clientes intefra garanta de zelo e aclivida-
de em seos trabalhos. E os aceita tambem para
o Cabo, Ipojoca eEscada onde lem procuradores
probos e diligentes e at para Ingares mais longi-
quos onde pode Ir pessoalmente, sem grande re-
munerado, nao sen jo excessiva demora; pelas
appellacoss e por ootros trabalhos porm, qne pa-
ra aqui llie izerem a honra de remelter de fra,
se contenta com mdico honorario..
Alm do civil e commercial trabalba tambem no
foro eclesistico e no jury:
c3o de
Photographo da A, casi imperial do Brasil
Roa da Cabug i. 18, sobrato, entrada pelo patee & Matriz.
Acabamos de receber de Franca pelo vapor Ettremadurt urna linda collec-
ALFINTES DE OURO PARA RETRATOS.
Ha almetes simpSente de ouro, porm de MU I .jo., e ta slfinete*
com pedras preciosas engastadas, perolas, rubios, esmeraldas etc. O* precos aos ain-
oetes com osTeiratos das pessoas que os comprarem, variam de i 8* a 4U0Uuu.
Tambem ha alfiletes de ouro para collocarem-se retratos e especies para grr
vatas ou mantas ltimamente em uso para borneas. Estes aldnetes com o retrato custam
de 14,51 a 18,5000.
RETRATOS POR -TODOS OS STSTEMAS PH0TOGRAPHICOS.
Retratos em ambrotypo, para caixinhas ou quadros.
Retratos em porcelana.
Retratos em papel para diversos tamanhos.
Retratos em candes de visita.
Vendem-se passe-par-touts e molduras predas e douradas de todos os tamanhos.
assim como vende-se tudo quanto s preciso para trabalbar em photogrlpbia oa am-
brotypo.
Ha ama ella variedade de vistas s.tereoscopicas representando paisagens, edi-
ficios e monumentos de diversos paizes da Europa, frica e America. Tambem existe
quantidad de academias coloridas e transparentes para stereoscopo, e tudo se vende
por barato preco. Stereoscopos de acaj, paliissandre e mogno de 45 a 150000.
Albuns de diversos formatos e gostos para 20," 33, 36, 40, 50, 100 e 120 re-
tratos, de 34 a 18^9000.
A galera e officina acham-se abenas todos os dias e a todas as horas.
N. 2D ^" N.2D,
!P^ COKACAO IE OURO. ^Jfc|$
A loja n. 2 D intitulada Coracao de Ouro.na roa do Cabug, acha-se d'ora em diante offerecen-
do ao respeitavel publico com especialldade as pesioas que bonram a moda os objectos do ultimo gos-
10 (a Pars) por menos 30 por cenio do que em oolra qualqoer parte, garantindo-se a qualidade e a so-
lides da obras.
O respeitavel publico avaiiando o desejo qne dore ter o propietario de nm novo estabeleclroen-
to qne quer progresso em seu negocio deve chegar immediatamente ao eoraeao de ouro a comprar
anets cora perfeitos brilhaotes, esmeraldas, rubios e perola ; verdadeiras tn agarras, modernas pek
* diminuto preco de tOj, brincos modernos de ouro e ceral para menina pelo preco de 3>, maracas de
prata com cabos de marfim anjadreperola obra de moderno gosto (o qne o encontrarlo no ccracjSo da
ouro) voltas de pnro com a competente crusinlia ricamente eneilada pelo pequeo preco de 13, brin-
cos de um trabaho perfeito por aro mdico prego, cassoletas, tranealins, pulceiras, alneles para re-
tratos e ootros rxodelos tudo de alto gosto, aneis proprios para botar cabelloe firma, ditopara casa-
mento, no rtico roseta tem o Coracao de Ooro ora completo e bem variado sortimento de diversos
gostos, bulfiet para punhos eom diamante, robras e esmeraldas, obra esta Importante ja' pelo sen va-
lor Ja' por gosto ds desenlio, brincos a forma da delicada miosinba de moca eom piogeute comeado es-
meraldas, rubios, brilbantes, perolas, o gesto sublime, allinete para grvala no mesmo gosto, relo-
gios para senhora cravados de pedras preciosas, ditos para bomem, diversas obras de brillantes de
multo gosto, crusinhas de rubios, esmeraldas, perolas e brilbantes, aneis com letras, cae lelas de
trystal e ouro descoberl'a para retrato (a ingleza) brincos de franja, ditos a impe/atrize toda e qnal-
qner joia, para secolocar retratos e obras de cabello, e ootros muilos objectos qne os pretende ates en-
oontrarao no Coracao de (Juro qae se conserva eom toda a araabilidade aos concurrentes odindo-
se de aqu mencionar precos de certos objectos porqne (desculpem a manera de fallar) dlrendo-se o
preco tal vez alguem faga mi juizo da obra, por ser too diminuta qoantia a vista do sen valor.
Na mesma loja compra-se, troca-se onro, prata e pedras preciosas, e tambem recebe se concer-
t, por menos do que em outra qualquer parte, e do-se obras a amostra com penbor, cooservando-se
e Coracao de Ouro aberto at as 8 noras da noile.
Qualquer pessoa que se dirigir ao Coracao de Ourffnao se podera' engaar cora a casa, pois
nota se na soa frente om corceo pendnrado pintado de amarello, alem de ontro que se nota em um
rotlo (isto se adverte em conseqnencia'de torero ja' algnmas pessoas engaado com ontra casa.
ort

m ADVOGAD
wBacfaarel Manoel Joaqom Silveira"
Wi N. 7 ABa do CrespoN. 7 A *H
*S |. andar. %%
mmmmmm mmm-mmmmm
Attenco.
X. 2 i-Boa do Livrameat -S. 28
Deposito de (amneos e calcado nacionaes da fa-
brica da ra do Jardim n. 19, de Jos Vicente Go-
dioho, tanto no deposito come na fabrica se
aproroptam todas as porgSes de calcado o mais ba-
rato possivel, esta fabrica tem todas as machinas
proprias para os calgados ja' bem acreditados pelo
grande numero de freguezes que daqnl se for-
necera.
ORNATOS GRA DE
I- BliUIfl
Vestimenteiro e bordador de Pars.
93 RUI UO IMPERADOR 3,
Defronte da iggya de S. Francisco.
Concurrencia impossivel
justificada pela snppresso de intermediarios, pela compra directa das materias primas, pelaexe*
cugo dos trabalhos as ufflcinas da casa e pelo diminuto lucro com que se satisfaz.
Animado pelos importantes negocios que faz cora grande parle do mundo catholico da Europa
resolveu o annonciante eslabelecer Qliaes da casa oe Paris em diversos paizes longinquos qne
offerecem vantagens, e velo inaogurar o primeiro estabelecimente nesta ddade, sem duvida urna
das mais adiantadas e commerciante da America do Sol, e que por >sso mesmo necessila d nm
estabelecirn nto qne nada deiie a desejar, quer'em relacao s precisoes materlaes e quer intei-
lectnaes.
Os Srs. sacerdotes e demais pessoas, que se dignaren visitar o estabelecimento, abi acbarao
sempre ama gbandb variedade de todos os objectos para Isreja e para o clero.
ODRIVESARIA PARA iGREJA.
Novos modelos de custodias e de vasos sagrados.
ALFAIAS DA IDADE MEDIA, A' LUIZ 13
Os pregos var*tirW|iOo o"fanTaBBo, & y firma.
TAPETARAS E ARMAgOES PARA IGREIA.
Fornece toda a qualidade de armagoes, por precos mdicos, vontade do fregus ; tendo
sempre orna pesso no estabelecimento para Ir tomar as medidas necessarias para completa satis-
fagao da encommenda.
NOVAS UMBELLAS PRIVILEGIADAS.
COLLEGIO DE SJtNT AMARO
BA1RRO DO RECIFE ,,
N. 61-Caes do Apollo-N. 61
DIRIGIDO POR
OS FRANCISCO RIBEIRO DE OUEA.
Este collegio fundado em Sanft Amaro das Salina no anno de 186$, acha-se dt
ptesenle faoccionando no bairrodo Recife, caes d:> Aopllo n 61, onde continn a receber
alumnos tanto pensionistas, como mel pensionista e externos para as aolas primarias ei
secundarias ou preparatorias.
A anla de insirurgo dementar aeba-se melhodicamente dividida em tres secgQe
cada ama com o seu protsssor.
O director deste collegio julgon conveniente abrir dous corsos nocturnos, os qoaei
sao de reconhecida vantsgeiu nao s para o commerclo como umbem para qual.quer ou
tro ramo da vida : o Ia de ingle e frauoez e o 2 de gramraatlca da iingua nacional,
ariibmetica, calligraphia etc., como se v abaixo :
Anla de IttstrnccSo primarla.
Professor Jos Francisco Ribeiro de Sjuza.
> Manoel da Costa Pereira, alumno do 2 anno da escola normal.
fivm. padre mestre Antonio Manoel da Assnmpcao.
lustrneco secundarla.
Lingua latina professor Jos Faustino Marinho Falcao.
franceza e ieglcza Forlonao Raphael dos Santos, acadmico do 3 anng,
Rbetorica e potica, geograpbi e histeria Dr. Antonio Raagel de Torres Baodeira.
GeometriaRvm padre mostr Francisco Joo de Azevedi).
Philosophia Tobas Brrelo de Menezes, acadmico do 3* anno.
Instrncco recreativa.
Desenbo Eduardo Claudino Correia Cabral.
Msica vocal e instromental Trajano Flllppe Nery de Barcells.
Dansa Manoel Bapti^ta de Souza.
Cnrso nocturno das 9 as 9 horas da nolte.
! Ingles e fraocez, ler, escrever, contar e fallar correctamente.
2* gramraatica da lingua nacional, analyse e orthographia, contabilidade om-
prehendendo systema metrologico decimal, calligraphia etc., etc.
Estas urabellas de molas, adoptadas por S. S. Po IX, tem por sua
e riqueza a dupla vantagem de cobrir inteiraraente o Santissimo Sacramento e
cuitar o andar.
E'CLPTURAS EM MARFIM E EM OSSO.
perfeieo, novidade
o padre, sem dffl-
Imagens de Christos, caldeirlnhas, ernzes, nuadros e todos os objectos devotos.
Objectos em argila, simples e prateados.
Todas as informaedes sero ministradas gratis, acerca dos ornatos de igreja.
Conceder-se-ha facilidade para os pagamentos.
Eis o catbalogo do qne tem a venda :
CASULAS.
Precisase de nm impressor e de um_disci-
pulo : na lytbograpbia de F. H. Caris, rna da Ca-
uda do Recife n. 36.
SEGUROS
MARTIMOS
CONTRA FOGO.
A companhia indetnisadora, estabeleci-
bre navios e seas carregamentos, e contra
logo em edificios, mercadorias e mobilias:
na roa do Vigario n. 4, pavimento terreo
aniel Power Johnston A Coapaobii
Ruada SenzalaNova n. 42.
A8B1HCIA DA
Vundleio de Low tloor.
Machraas a vapor de 4 e 6 cavallos.
Aoeadasemeiasmoendag para engenho*
Taixau de ferro coado e batido para enee-'
nh, "
-------
Arreios de carro para ana e dona cavallot,
Relogios de ouro patente inglez.'
Arados americanos.
Jachinas para descarocar algodo.
Motoras para ditos.
Machinas de costara.
^IWSaV NMMBf W WnlWful
Companhia Sdelidade de seguros i
martimos e terrestres
estabelecida no Rio de Janeiro;
AOBNTBS III PtBKAMBUCtf
Aaitaia Lu de Olrrelrs iuMit t C,
nipetentementeautorisados peladlrec-
torli da eompanbia de segaros Fldelida,
i,toman segaros de navios, mareado,
riai; e predios no ten escriptorfo roa da
Lwrns a. t.
Dianas, de veludo, de crina e de
galo lustroso.
De damasco com ernz de onro e
seda.
De damasco dobrado, com diver
sos bordados em relevo na
cruz.
De tecido de prata oo de ouro.
dem com diversos bordados em
relevo na ernz. 4
dem idem mnito ricas.
De velado de seda com cruz de
ooro tino em relevo.
De cbamalote de seda bordado.
Gethicas e da idade media.
A cor da casla nao influe i
preco.
CAPAS.
De velado estofado.
De damasco.
De (ecido de prata e de boro,
dem com emblemas em releve
e ricas franjas oa murga.
De veludo de seda.
De tecido de prata e de onro fino.
DALMTICAS.
O oJjsmo preco das casulas.
ESTOLAS PASTORAES.
De velado estofado.
De dito deduas faces.
De damasco.
De dito de daas faces.
De tecido de prata oa de oaro.
dem idem, eom emblemas em
relevo, franjas e bordados de
torcal.
dem idem em relevo maito ri-
cas.
De tecido de oaro e de prata fino.
De charoalote bordado de seda,
eom dnas faces.
VE'OS DE HOMBROS.
De tecido de Lyio.
De dito dobrado, de oaro fino.
De damasco, bordado [em relevo.
dem idem, multo rico.
VE'OS PARA EXPOSIClO.!
De tecido de Lyo.
De chamalote de prata com em-
blemas em relevo.
De dito dito, muito Qnos.
VE"OS DE SAGRARIOS
De todos os precos.
BANDEIRAS.
Da Santa Infancia.
De confrarias de Nossa Senhora.
Parochiaes, qualquer que seja a
- invocacao.
Gui?es com emblemas em relevo.
A collegao va'ria de 350OO
3:000,8000.
PALLIOS.
Em veludo estofado as qnatro
pomas e no forro.
De tecido de Lyo, com oaro.
De dito de prata e de oaro las-
trse
De dito dito, eom quatro emble-
mas bordados em relevo.
Muito ricos, iateiramente bor-
dados em relevo eom ouro fino.
PANNOS MORTARIOS.
De la.
De veludo Inglez preto verda-
deros
De damasco dobrado de brocado.
Estes pannos tem dons metros de
Corpreos de cambraia Qn.
Toalbas para commuobo e alta-
res
Guarnicdes de rendas para alvas.
Ditas para toalbas de altar, aos
metros.
Toda a qualidade da roopa ga-
rantida e perfeitamente execu-
tada.
DIVERSOS OBJECTOS.
B&lsas para tirar esmolas.
Cordoes finos para alvas.
para meninos do coro.
Voltas, s dozas.
Cintos e cinturoes.
Sacras de altar, em carto.
Ditas em quadros.
Marcas para miseaes, com seis
pernas, em cbamalote.
Flores artificiaos, o ramo.
Estdfos e todos os demais objec-
tos de igreja.
BRONZES DE IGREJA.
Casticaes para altares, prateados,
de novos modelos :
323 milmetros
379
433 i
467 c
841
eso e
812

12
14
16
18
20
34
30
pollegadas).
largura e tres de compriroeoto.,Cruzes de altar, correspondentes
ROUPAS DE IGREJA. aos castigaos, o par.
Alvas de panno de linbo fino. Tburibolos e navetas praieadas.
INTERNATO
DE
S. BERNARDO.
Estabelecido ua cidade de Reeifc em 18 ; 2
Son a proteceo do Siiinme Pontfice Pi IX
DIRECTORO BACHAREL EM MATHEMATICAS
Bernardo Pereira do Oarmo Jnior.
O director do nternato de S. Bernardo, n5o tendo evitado esforcos
nem sacrificios para proporcionar aos seus alumnos nma perfeita educacao
pl.ysica, moral, intellectual e religiosa, cfferecendo-lhes urna habitaclo com
bastantes condicoes de salubndade, habis professores que sao solcitos em
prepara-los conveoientemente ao lim a que se destinara, medico pratico
que lhes faca comprehender os preceitos da hygiene e lhes cure das doencas
e finalmente um sacerdote Ilustrado e honesto que Ibes explique os princi-
pios da religiSo chrlst5a, espera que assim constituido e em vista do ex-
cellente resoltado, que tem apresentado, contando utn crescido numero de
alumnos na Faculdade de Direito, qne concloiram all vadosamente os es-
tudos preparatorios, n5o deixar o seu estabelecimento de continuar a mere-
cer dos-senhores paes de familias o auxilio e confianca com que j mu i tos o
tem honrado; e Ibes roga, bem como a todas as pessoas interessadas, que
se dignem de visitar o mesmo sea estabelecimento, onde sempre encontra-
rlo franao ingresso.
Cadeiras de ensino:Primeiras lettras dividida em daas classes, ten-
do cada urna o sea professor, latina, francez, inglez, aritbmetica, algebra e
geometra, geographia, rhetorica, philosophia, desenho e msica.
O collegio tem a sua sede nos espacosos edificios ns. 32 a 84 3 ra
da Aurora.
Nos estatutos do collegio, que estao disposrcao de quem os quizer
ler, se acbam consignadas as condicoes de entrarla e matricula as diversas
aulas do estabelecimento.
mmwwm mmmm wmmm
m Ersimo de msica par
tieular
Na ra do Imperador n. 75 segnn-
do andar, lecciona-sesolfejoe diver-
sos instrumentos de msica, e tam-
bem dar'as lices em suas proprias
casas das .5 horas da tarde as f O da
noite.
jfsnUfeiwfll Wk&W mtWi SMKMW
Criado.
No collegio da Conceilo precisa-se de om bom
criado forro cu eseravo.
Na roa do Jardim n. 19 precUa.se de onv
caixelro que tenba pratiea de cortar calcado, o or-
denado 300*000.
Trocam se
Nulas das calas Qliaes do banco do Brasil e de
proprio Banco cjm um pequeo descont : na rna
da Cadela do Recife n. 83.
Desappareceram na noute de 23 para 24 docerca-
do doSr. JoSo Monlz al S. Jos, um burro e ama
borra, todordoos castanhs edr de rato, o turro
mais alio qae- a barra. Recompeoca-se a quem
der noticias delles, e ser maior a recompeca a
qaem os entregar na rna do Imperador n. 23.
Alogase nma escrava bem entendida em
cosiohar o diarlo de ama casa e em comprar na
ra : a tratar na roa da loperatrit n. 39, 1* an-
dar.
Roga-se ao Sr. Nero de S Alboquerqae de
vir a roa Nuva o. 51 a neeocio.
. Precisa-se de um caiieire de 10 a 14 annos
de' Idade ; na ra do Rangel o. 8, deposito.
Precisa se de ama ama para comprar para
casa de orna moca solteira; na ra de S. Francisco
e. /O. .
Offerece-se
Para o ensino de portogoez, (ranees oa latim,
fra desta cidade, ua mogo soltelro e bem morige-
rado. Quem precisar, declare por este Diario on-
de deve ser procortdo.______
Mausoleo.
\cba-se aberta urna sobscripcao para a factura
de om maujolD qae se ha de erigir ao marlyr do
dever, o honrado deputado portogoez Jos Julio de
O.iveira Pinto.
Os Srs. Portoguezes residentes nesta capital e
provincia que qnizerem em bomenagem, e iribnto
a Ilustre victima concorrer para perpetuar nm
acto de tanta dedicai^ao aodever e bonrao po-
dero fazer dirigindo se ao escrlptorio de Tasso
Irmos a roa do Amorim, agente: da correspon-
dencia da Portugal.
Lava-se, engomma-se e concerla-se roopa
com asseio e promptido : na travessa dos Pires
n. 5._________________________
Fogos.
de artificio da fabrica da estrada de Joo de Bar-
ros da viava Rufloo, aproorietarla desta maito
conceituada fabrica avisa ao respeitavel publieo
que em seu estabelecimento existe um completa
sertimento de fogos para s. Joo e S. Pedro e de
ootros artigos conceroentes a essa arte, as pessoas
pois que quizerem comprar destes objectos podem
deixar suas encommendas no armazem da bola
amarella nooito da secretaria d poUcia onde
llavera um portador que os vai buscar com a maior
presteza possivel. ^^^^^^
' Precisa-se de um menino de 12 a 14 annos,
com prallca oa sem ella para caixers de taberna :
a tratar na rna de S. Miguel dos Afogados, taber-
na n. 34, pagase bem.
O Sr. Silvano Rodr gues Passos lenba a bon-
dade de vir a ra dos Pires n. 43, padaria, dar
contas do pao que tem fiado na ra, e eosinar as
casas dos freguezes qae devem, e fazer a sua coota
para pagar o que est devendo, pois nao assim
que se toma coala do pao albelo para vender e nao
prestar "comas, pois seno o fizer por bem, em
qualquer parte que esliver, sabeodo-se, se obriga-
r a prestar as ditas comas como manda a lei.
~C0LL1M0~ DOS'T"
AMARO
Gaes de Apollo no Recife
Neste estabelecimento precisa se de um
criado livre ou eseravo para todo o servico,
dando conhecimento de sua conducta.
C'avallo lurtado.
N noate do dia 26 para 27 do correle, rooba-
ram do engenho Santa Cruz, fregnezia de Barrei-
ros om cavalio russo pedrer, rodado, andador do
baixo a mel, com a segniote marca A, pede-se as
autoridades poli iaes a captara da dito animal, o
qual pode ser entregue no referido engenho, ou
em Una ao Sr. Jos Joaquim Dias Paredes.
Perdeu-se no sabhado de aleluh desde a
igreja do Corpo Santo at a rna do Pilar, 1" casa
a dire.ta depois de passad) o arsenal de marinba,
urna pulseira de ouro : quem a achoa e por con-
sciencia queira entregar roga-se qae o faca dirl-
gindo-se a dita casa 2a andar e onde mesmo rece-
ber gratificado se o exigir.____________'
Manoel Fernandes da Costa, subdito portu-
guez, vai a Europa, levando em sua eompanbia
seu liiho menor de nome Henrique.
mk
Precisa-se de urna ama que compre e cosiohe,
para casa de pouca familia : na ra Estrella do
Rosario n. 34,1* andar.
de cambraia fina.
< de panno de linho, para
meoioos do coro.
< guarnecidas de rendas finas,
i c de fil, de rices de-
sechos.
Roquetes em panno de linbo sem
mangas,
c com ditas.
Amictos.
Toalbas e saogoinnos.
Caldeirinhas om hysoppe idem.
Custodias ditas e douradas.
Lustres ditos e correles fortes
para os mesos.
Cruzes para procissio, eom ratos
ditas.
Varas, alabardas para suissos e
cadas para porteiro*. -
Estes objectos todos sao en co-
bre e nao em materlaes de
composico.
Aviso essencial para evitar qualquer erro ou mf.
Os Srs. compradores nao devem ignorar qae o oaro u3o pode ser fiado nem
tecido, e que por consegointe os gaies dos ornamentos chamadas de ouro fino sao de
prata donrada, os de ouro meio fwo sao de metal donrado e os de ouro falso so de
cobre donrado, e como tal confundir os ttulos que se lhes den sempre, que So mera-
mente commerciaes.
_ Oa ornamentos que o annonciante tem venda sao o de galSes de ouro meio
nh^8' ? ? de 8eda's man(lando vir os de ouro fino por encommenda; e naohunj
oojecto sahe de seu estabelecimento sem ser acompanhado d'uma factura por elle firma
ja, especificando a qualidade do objecto, para poupar-se a explicacoes sempre incon-
venientes ao d{)8 de realisada a venda.
A PREVIDENTE
Sociedade portagaeza de segaros untaos sobre ajvida, foo iada e
administrada pelo ^
BANCO ALLIANCA DO PORTO.
Todo o pai que desejar acautelar o futuro de seus filos dev,e quanto ntes,
azer inscrever os seas nomes na lista dos socios daProvidentepor que, com un
pequea quantia que, todos os annos para all for applicando, tirada do (rucio das.sua?
economas, no fim de 2o annos alcancar-lbes-ha ama fortuna, que por nenhum outro
meio e com to pequeo desembolso poder obtet.
Ot exemplos praticos de outras sociedades anlogas tem mostrado que:
Precisa se de jma ama para casa de poaea
familia : a tratar na ra de sania Rita o. 14, se-
gando andar.___________________________
Precisase de nm cosiobeiro na rna so fian-
gel n. 9._________________^________ '
Ai
Precisa se de nma ama nacional oa estrangeira,
para eogommar para pequea familia : na roa
Nova e. 20.
Club o
100$0(H) pagos aonualmente podem prodnzir.
AMA
i**
Na roa do Trapiche d. 44, segundo andar, pre-
cisa se de orna ama forra oa oaptiva que cotinhe
9 eogomme.
massador
arpaysaijor roa padaria di
Preeiu-se de
PraaioiPrf? p
am
4?.
AJaga-se o primeiro andar do sobrado o. 18
roa da Madre de Dos, maito, prcprlo para eserp-
("no.
i.ill rrc,*-fe orna boa ascrava para o serv
W| do R-elfe n. 8, innwm.
i
da a i anno.
a 2 annos...
a 3 ------
a 4 s .....
Por um menino de
> > de i
> > de 2
> de 3
de 4 a 15 .
Por urna pessoa de 15 a 20 anno*
> s de 20 a 30 ..
> de 30 a 40 ..
de 40 a 50
Em 5 an-
nos.
1:1004 4:000* 9:0004 20:0004 47:OO0J
9004 3:0004 7W004 17:0004 37:0004
8604 2:9004 7:2004 16:0004 35:0004
8604 2:8004 7:1004 15:6004 34:00i|
8604 2:7004 7:0004 15:5004 33:30Ctf
8604 2:7004 7:0004 15:4004 S3:30C4
8604 2:7004 7:1004 15:6004 34.00C4
8601 2:7004 7:20041 16:0004 37:09t(|
^004l3UX)0)tl7:500
Quem pretender subscrever para a Provideste e deaege quaesquer eaeiaronMih!
tos pode dirigir-se, em Pernambuco aos Srs. Manoel Joaquim Hamos e Silva, r
gartojn. 11 que daio V nentos qfle e desejarem
7nem os pe.Jjr.
Em 10
annos.
Em 15
annos,
Em 20 an-
nos.
Em 25 an-
nos.
Recife.
reuojo de fa-
Domiogo, $ do corrente, havera'
milia. _______
Precisa-se de urna ama forra oa escrava para
para o servico de ama casa de familia : na roa Di-
reita n. 96. *mmmm
e prospectos gratis, i
Precisa se de orna ama para cozinbar: oa roa
do Apollo n. 14, armazem de assucar.
Medico com mais de 20 annos
de pratiea Dr. J. Antao de Sena : I
8* ra Nova n. 58,1-andar.
Alogam-se os ires andares da easa o. 57 na
roa da Cruz do Recife, raeentemente edificada e
pialada de novo : a tratar no armazem o. 8 da
mesma rat.
Rrecisa-se de .ama ama forra oo escrava pa-
ra o servico externo e interno de nma casa de pou-
ca familia, na toa das Cruzes n. 28, j andar.
Precisa-se alagar parte d ama easa terrea
na fregaezla de Santo Antonio, para ama pessoa
solteira de conducta regalar ; a* tratar oo pateo
do Carao o. 3.
-Por jeiaOrnenaae-aloga-H o i^andir
do sobrado D.Ofda roa da Gala, estelrado Ho-
po
irata-se
i S. Miguel dos
Aff adoi,aloga-ie 4 escravos para o servteo da mes-
>at*-Mi bem : a tratar oa mesma ou O ro* *>
ABIfl! l.
16 aoaos : oa roa 4as Croies o. 41.



zm&
tot&At ptfft.H>0 'Ifrit* fer de Malo
-
^
Gasa para altigar
Aluga-se o 2. 3adar da casa cita ra da
Praw n.t>3, cora bons comrnodos, canos de
esgotos. e pintada de novo: tratar no
^tmesmo esfrt)leciniento._________
Sr. Praueisro
AGUA FLORIDA
(
X>3BI
{
1IK. SEVIAL.
Para o tralaraenld e cura ripala e completa das molestias syptailtUcas, erisype-.
las, rheuraatismo, bobas, gota, debinade do estomago, infiammacoes ehronicas do ligado
e baco, dftres sciaticas, cephalalgias, nevralgias, ulceras chronicas, hydrpesia?, pleuri-
sias, gonorrheas chronicas e em ge; altodas as molestias ea que soleaba em vista apir-
rifleacio do systeoa sanguneo.
Constate raides geraes
saude k um bem inapreciavel, cuja importancia e valor s est reservado ao en-
fermo o incontestavel que o homem oeste mundo constantemente, e por todos os lados
atacado por urna infiuidade de agentes morbficos que todos tendem, dadas certas e deter-
minadas circumslancias, a alterar o regalar exeroicio das fuocces orgnicas, resultando
pesse desequilibrio o que se c'uamamolestia.
A molestia nao mais do que a desvirtuado das torcas vitaes, occasionada, se-
gundo as invostigacoes e experiencias dos mais abalisado mestres da sciencia, pela depra-
vado dos humores geraes, consequencia da accio maligna desses mesmos agentes morbi-
fieos introchmdos no orgaoismo pelo acto da respirado, pela via digestiva, pelo contacto
inmediato etc. etc. etc. i .., .
A sypbilis infelitmente tem sido a partilha da humanidade, o como tora de duvi-
da queesse terrivel Proteo da medicina urna molestia hereditaria, ella tem sido obser-
vada em todas as idades, e debaixo de todas as suas formas t5o variadas, enfraquecendo
constituices robustas, produzindo nutilacoes, e cortando ainda em flor da idade vidas
preciosas. ,
Eliminar da economa esses principios deleterios. e purificar a massa geral dos
humores tem sido desde tempo immemorial o fim constante da medicina, e os purgati-
vos flguram em primeiro lugar para preencher ess&4esiteratum ou fim.
O Elixir depurativo do Dr. Sevial parece merecer a preferencia sobre todos: os
immensos sucoessos obtdos pelo uso deste salufcr agento tanto na Aliemanha, como em
Franca e Italia, o tornam o companheiroinseparaTCl de quasi todos os doentes.
Seodo as melestias, como acim dissemos, devidas s alteracocs dos humores, o
Ulixir depurativo de Dr. Sevial pode ser empregado vantajosamente na syubrlis, erisy-
oelas rheomatismos, bobas, gota, debilidade do estomago, inflammages chronicas do empregada como artigo de toucador qur
Lado e baco, dores-sciaticas, cepbaialgias, nevralgias, ulceras chronicas, 'hydropesias. no uso do banho, ou come suavisador da
pfeorisias, gonorrheas chronicas etc. e em geral em todas as molestias em que se tenha peile, depois qne se ten
em vista a purificaco do systema sanguneo i pois que umapratira constante tem feito
ver qe elle indispensavel nos casos gravissimos para minorar os soffrimentos, e pre-
parar o doente para medicaces superiores; e as menos graves a cara a coose-
queacia do seu uso, convenientemente repetido.
As substancias que entrara na coaposico do Elixir 'depurativo do Dr. Sevia
pertencem todas exclusivamente ao reino vegetal, e grande cathegoria das sirbstan
cas depurativas e antisyphiliticas; assim, ao passo que este remedio depura o orga
nismo, eliminando os principios nocivos saude, pelo mecanismo natural das eva u
ac5es alvinas, neutralisa ao mesmo tempo o virus sypfoHitico quando este virjem-
tem feito erupeo bo exterior debaixo de suas multiplicadas formas; e previne taui
bem os estragos dessa terrivel molestia, quaado por -ventura se ache ella ainda no
estado de enettbaco, isto sem se ter manifestado sob formas externas: beneficio
immenso, tanto mais quanto neste estado os iadividuos ignoram completamente se es-
li contaminados por este terrivel inimigo.
O sabor agradavel d'este Elixir convem a todos os estmagos, a soa aeco so-
bre o tubo intestinal suave e benigna, e de nenhuma forma produz molestias medi-
camentosas, como acontece ao purgante dito Le Roy, que na sua qualidade de drs-
tico forte irrita a mucosa intestina!, e consecutivamente a seroza, resultando deste es-
tado, muitas vezes, hydropesias, que quasi sempre lennirram pela morte do doente.
Assim pois esperamos que o uso deste remedio justifique cabalmente as nes-
gas asseveraces, porque sendo um medicamento to simples oa sua composic3a
pratica tem confirmado sua utilidade.
Caico deposito em Pera*amitos i
Desela-> sbsr onde eiisie o
Malaqoias ou Melgada de Siqu?ira. "u "T;
respndante nena pr.-c. Esta wohur l
com fazendas para (ora al janh do enoo prximo
passado, ltimamente consta terse retirado para o
Rio de Janeiro, negocio de seo iaieresse : a ra
da Crox o. "43.
MURRAY & LANMAN
A agua florida de Murray A Lanmand
olhada como um artigo de perfume, nSo
tem podido ser igualada pelas preparacoes
as mais costosas: conserva seu aroma, co-
mo se formasse parte da prenda a que ella
se applica.
Sua efficacia to delicada, como elegan-
tes sao seus multiplicados usos, qur seja
CASA DA FORTUNA.
Aos 6:000#000.
BUheles garantidos
A RA DO CRESPO N. 23 EGASAS DO '-'
O abaixo assignado vendeu nos seas
es bilhetes garantidos da lotera que se
de exlrahir^ a beneficio da colooisaco ptica W
seiruiates premios :
N. 1880 dois qoartos com 9 sorte de 6:0004
N. 3934 f i t 1:1(104
N. 3393 ara t e c 500
N. 1098 c mm t !00#
E outras muUa&rlc: de {0Q, 405 e SO*.
Os possuidores^Wem vir recober seos rppec-
livos premios sem os descontos .ds lea, aa casa
da Fortuna 'roa do Crespo n.23. .
Aoham-se a veada os da 38 parte dA Joteiia
das familias dos voluntarios da patria, que e ei
trahira' qaintataira 2 do correte.
Pre^o.
Bilhetes......----- 6000
Meios............ 3*000
-Qoartos.......... 1*500
Para at psaen que eomprarem de 100A; ,
para cima.
Bilhetes.......... 5*300
Meios............ 2*750
Qoartos.......... 1*375
. __________Manoel Martins Finta.
Saques sobre Lisboa-
Oliveira Filos & C, (largo do Corpo Santa ti
9, saccam sobre a praca ib Lisboa. > > .
Wtnmu
Na botica e drogara
DE
Bartothomeo Compankia.
34-RA DO ROSARIO LARGA34
a '
s
9 *
9 1
a Cu 3 a. A 3 =3 CD O
a a o. O
eo co
CP "& "O o
o 3 o. as" H o 3-S ce ce -3 Cu CD "2 09 5d
Ul s (D ce 09 rN
=3 O o O. O >
O n o a
rt> O ^
s o 5' a O, 2. B 09 o, o> Cu O
C/3 CD . O
O CP
ce Ti 3 CD o
co o o 09 >
09 3 a. Cu tt)
-03. OS 3 O -- % O O, m o
O c >
Ct O o . V
"1 te 8 1 a 3 ct> %
W3 * en
8 a 3 3 O o O o g o o o
o o o 13
w < Q9 3
M 3 O
'
H
a.
C>


j es

3 s
I pj
c% "en
?i -i
V9
5l S
O S
e-* e^*
-s O
a o
Co e*.
O
o
-s
so
c*
Ci
O c*
CO T
Si. a
p

'
c =9
a
o
p
X
a
a.
c*
-
a

I
j para (impar as gengivas eu aromatisar o
halite.
D* suavidade, ^briHio e elasticidade as
compleices, depois dse baver lavado; al-
livia a irritaco de empeces ordinarias; fac
desapparecer o desagradavel aspecto do
pannos, das sardas, o rosto, rugas e todao
ceista de ebulicoes, e da vigor e frescura
parte onde quer qu se applique. Sua efi-
ciencia e elegancia sSo igualmente infalli-
veis noscjsos em-qoe seja preciso applica-
la como estimulante-e antisptico, nos con-
cursos e assmblas numerosas, as loca-
lidades infeccionadas, na alcova de m en-
fermo, assim como um antidoto escellen-
te para os desmaios causados por cansaco
ou suffocagSo. Preparada nicamente por
Lanman & Kemp, Nova York, e a venda por
Caors* Barbosa.
_____Jo5o-daC. Bravo & C
Ta pra^a da Independela n. 33, loja de
ouri^es, compra-so ooro, prata e pedras preciosas,
e Umbm fe faz qaaltjuer otira do eBeommenda e
todo-e' (]rre quinta-feira 9.
Aobam-se venda na-respectiva tbeson-
raria, ra do Crespo o. 15, os bilhetes,
meios e quartos da Ia parte da Ia lotera
da matriz de -Serinhem (18a) sendo a ex-
tracao no lugar-e hora do costme.
Os premios de 6:O00#O0O al 10>000
sero pagos urna hora depois da extracc3u
at as 3 oras da tarde, e os outros depois
da distribuieao das listas.
As encommendas sero guardadas somen-
Xe at a-noite da vespera da extraeco.
O ihesotweiro,
Antonio os Rodrigues de Soaza.
Cfiado.
Precisase de doos criados : ao ftotel Pernaai-
:,;: -r,r,. a ra das Crazes o. 39.
i
C1SA
De commissao deescravos.
Na casa de commissao de escravos, ra do Im-
perador n. 45, 3* andar, recebem-se escravos p&
ra serem vendidos, tanto da praca como do ntai > y ra-
e os Srs. de engeobo que por nualquer motivo
qoeiram desfazer-se de algom, nao lem mais do
que remelle lo ao abaixo assigoad) que garaote o
bomtratamento e prompta venda, e tambem se
encarrega de tratar aoenUs de frialdade. Sesta
casa h sempre para vender escravos de ambos os-1
setos.
Antonio Jos V. de Soma.
tfo armazem de frzendas da
SaTt'sVfolho,* do Qmi-
'matn 19.
Vende-se
Madapolio fino de Ut U, U. m, U0
e 12^ a pessa. nvn
Balees de arcos de 20500, ty, 3:>o00.
Dito de arcos encarnados de 303W.
Ditos de mursulina a 5$.
Algodao enfestado com 7 1/2 patacos de
largura a 14100 a vara.
Cambraia branca fina de 4#, 5^, 60, 70 e
80 a pessa, ^
Dita para forro a 30 c pessa.
Dita con) salpicos ',jr?nca a 40BOO com 10
varas a nossa.
i'j 'ai i ccvtinado com 20 varas a pessa
Ueiui ..es de fil preto a 60500.
Choies de fil preto a 500-.
Grosdenaple preto superior fie 10800,
94, 20500 e 30 o covado.
t Morantiqoe preto superior a 20800 o co-
'vado.
Flanellae todas as cores a 800 o covado.
Cobertas de chitas da India a 25600,
Lences de hamburgo fino a 29400.
Ditos de bramante superior a 30200.
Bramante delinho com 10 palmos delir-
gura a 30500 a vara,
j Dito de lnho com 5 palmo? 10200 a
agnia branca veodendo boucaes.
A Agoia Ijranca raesbeo nm bello evariaoo r-
timenlo de bonecas, fepdo_ granaes e pgupnas.
EXPOSIC&O UNIVERSAL
PARS
Na livfaria franceza
Ra BU CRESPO'"!!. 9.
Assi^nam se os seguintes jornaes, tratando espe
cialmente da ExposiQo :
Cocrner de l'-Europe, por anno 20.
L'IHustraHon.'idem dem 24tf.
Le Monde Tliustrd, idem dem 15^..
Panlheon de (Industrie, idem idem SO^-
Albino Baplista da Rocba, relo-
joelro e donrader, pra?a a bid
-pendencia o. 12, acaba de recober
um sortimenlo de relogics de ouro
e donrados e de prata brancos. co-
bertos e d escoberos com vi-jro de
crystal, cadeias de ouro de diver-
sos gostos, recebe-se na mesma qualguer d mcerto
pertencente a arle, e afflanca tanto os relegin* ven-
didos como os concertados mas barato possiw! a
vista dos objectos
Dito de lnho com 3 l/> vallaos a 800 a
vara.
Lencos de cambia branca finos a 40800,
20, 205OO\ 30500 e 40 a duzia.
Fil de liaba liso a 800 a vara; e eom
salpicos a 900 a ^ara.
Atuathado trancado com 7 1/2 palmos de
largura a 10600 a vara.
Dito adamascado com 7 l/ palmos a 20.
Dito de lnho adamascado a 3>.
Panos de la adamascados para cobrir me-
sa a 4//500.
To&lhas ileochoadas de lnho a 120 a duzia.
Tealhas de pello de 130 e 140 a duzia.
Guardanapos de lnho adamascados a...
30500 a duzia.
Cambraia de linho superior de 60 e 90 a
vara.
Chitas francezas finas, escaras e claras a
320 e 360 o covado.
Assim como outras muitas fazendas que
se tornara enfadonho mencionar que se ven-
de por baratissimos precos.
bonitas e ftias, veilida* nao veaildas, cua rosto
de cerir, porcelana e qpasa, olhM Bxos, o movi-
raK e por (vnsfgo nte caras e narsils.
B quanto a preco*o qjpraor oa.> ifina an-
dado, porque nao qaer*ri''dar mais C-< que te in
pdlf, e assim pd- lrlgr-se aoin d's,a*'
comprar das '^neca", que est vendtndo a Agoa
branca. rQa do Queiraado u. 8.
CfiiUires Royer magnticos, medalhas e pui-
seiras magnticas.
A Awia branca receben nova rpmessa_do9 pro-
veitosesos collares Rojer magoeticos:w s0""3^
le conhecldos para presrvar as convaleces e na-
litar a denticao das crianzas, rom sssp ow eoi-
lares elctricas magnticos vieran tambem Bao
pequeas qnantidades de medalhas e !
elctricas magnticas, caja ntilidade tem sido apre- -
veitada por quem soffre de nervoso hypocroort^,
tremores uas mos, etc. etc. Assim como o col-
Srf, 5jc -estao geralme te conhecldos e acreft-
!adeos ffeflcasef effeito,. ^^f^g
tem coibidos as pessoas que deliM '""
assim tambem chegaram i P^"'^..^^/^?-
Qao essas apreciaveis medalhas e pulseira^mag
neticas, urna ver qne o oso d ellas (r J J J^
do a lodos que dellas necessllera. A Ago" *- "j
ca continua a receber por todos oa porw^rran-
ceies urna determinada Q^bI'^ fleMe, -,agre
precisos e estimados collares Royer n"^
por Isso flqne na lembranca de todos ^ ''^ acD*
rao constanleraente em dita loja d Agua branca,
roa do Queimado n. 8. .1M,
*ms de crochet para sof, cader,
, jarros ele.
Cheto. Tanto os de algodao oomo os de laa a ago.*
vende-os por precos ommodos.
Sdereos enfeiles para .opasbran-
cas de seahera^ e meaiaas.
Ses noves, de denle.por n>*
outros qne a fuma ao a'
entremtio, cujos f" ne fazern
ues lera geralmenl
Precia-se de urna t roa para easa de pouca
.;iiia : na .ra estrella do Rosario o. 2o, loja.
Jos Joajjuim de Figaelredo, portuguez, reti-
ra-e para.Europa.
Preclsa-se de urna aaia que cosinhe e ia$a
'-io servico denma casa e compre na ra ; a ir-
laf na ra estrena do Rosario n. 2, loja.
AMiS.
Hua da Cadela n. 65
jNa roa da Cadeia o. 35 na para vender-se ornamentos de igreja por catao: pre$i>-?c am oa-
tra1a**r parte: AgABER;
rnameotoi de damasco branco de 24^000 a 325000
i j encarnado de 12*000 a 32*080
, > rdxo de 22*000 a 30*000
> preto de 20*000 a 30*000
verde de 20*000 a 29*000
i 4e velludo preto 26*000
A Uta dajioa procura qne leo bavido destes objectos prevenimos ao publico que 6fev che-
gara* de Pars orna nova remes.-a de oroltaento de todas as cores, Inclasive ornamenlo?, sebsto. ca-
pas de asperges, ombellas, etc.
Recebe-te toda e qaalqoer eneommenda relativa ao callo.
Preea-se de daas amas oarua da Paima o. 5,
i junta i ocheira do Sr. Antonio Refinador.
Fagio no da 20 de abril o corrente anno, o
preto Amonio, crioulo, idade de 39 annos, peuco
nsafs ou menos, com os signaes segmnles: boa
altura, corpo regular, rosto redondo, cor fula, lem
os ps bastante grandes e apalbelados e as juolas
u.-j pouco encbadas, tem urna das oreldas da par-
te de cima cortada um pedaco e ama cicatriz de-
baixo do queiso do lado direitq, a qua4 j est sa,
falla um poaco apressado a arrebatado^ levou ves-
tido caiga decasemira deguadros pret? e branco,
camisa de chita de palmas .encarnadas e jaqoeta
de panno azul, ebapo preto copa redonda com
orna fivt lia de oseo ao lado; roga-se as aatorida-
des polica es, capitaes de campa a apprehaoc.io do
dito escravo e ieva-lo a casa do seu senbor na roa
Imperial taberoa o. 4, que sera recompensado.
Resposta interessante^
Nao ha ventara como er tolo, e ter milo mal
sem cora ; c: i .-u por isso aulorisado a responder
qae o 1* juiz de paz do dislricio mair de Jaboa-
to ha multo dea parte de doente ao sea inunsdiato
eva veto?.
Basta. Lembraneas ao commendador, ao Vira
O Pita Deas Dar.
Eseravo fgido"
No da 28 de abril (ogio da villa de Pao d'Albo
o preto rrloolo, de nome Alexandre, de 28 annos
de Idad poaco mais oa menos baito, cor fula,
bem fallante, ps grossos, con es dedos grandes
abertos, sem barba, e bontm 30 do mesmo mez
andn aqu oa cidade ; cojo eseravo perieacea a
Jos Pinto Ribeiro, desta praca, e depois a Luiz
Jos Pinto da Costa, da cidade de Olioda ; a pessoa
qae o pegar podera' lvalo ao Sr. Antonio Anto-
nes da Silva morador em Pao d'Alhp, a quem per-
lence o meamo eseravo, oa nesia pr, com&des Mara Freir, oa ra do Apollo o. 31, qae
re&bera' a graliflcacao de 50*.
Muita attengo
dos, e
um c-U
Veoeravel coafrana de Saeta Rila de
Cassia.
O abaixo assigaado em nome da mesa regedora
desta contraria coovida a todos s oos-os carissi-
mos irraaos a eomparecerem no domiogo prximo
'.' de maio) as 9 horas da manba afim de elege-
rem os novosfanecionarios que tem de reger no
annoile 1867 a 1868.
Consistorio da veneravel coofraria de Sania Ri-
ta de Cassia 30 de abril de 1867. '
O escrive,
Jos Rodopiano dos Sanios.
&
^
Monhard & C. declarara palo presente que nada
dovem a esta praca e nao tem com>romlssos al-
^ans quer por letras qaer de outra forma. Quem
0 jul.ar prejudicado por esla declaradlo quera
ce dirigir a ra da Cadeia n. 36.
Grande aimazem de tin-
tas medicamentos etc.
Ra do Imperador n, 22.
Productos chimcos e ptiarma-
| ceoticos os mais empregacios em
r medicina.
Tintas para todo o genero Je pin-
( tora e para tinturara.
[ Productos industriaes e tintas
[ para flores, como botoes de flores
i e modelos em gesso para imitar
i finetas e passaros com o compe-
[ tente desenho.
Productos chimicos e industriaes
! para photographia, tinlnrarif, pn-
[ tura, pyrotecnia etc.
Montado em grande escala e sup-
pride directamente de Paris, Lon-
dres, Hamburgo, Anvers e Lisboa !
pode offerecer productos de plena !
confianca e satisfaz-jr qaalqoer en- j
commenda a grosso trato e a reta- j
lbo e por preco commodo.
Chitas largas a 140 rs.
Escuras e cores Das com um pequeo principio
de mofo : na ra da Madre de Dos n. 16, loja de-
fronte da guarda da alfandega.
"FareUGTTlpOO
o sacco com noventa e tamas libras
da estrella, largo do Paraizo o. 14.
no armazem
D. Carolina Leopoldina Jorge Bastos, roga a to-
dos s seas parentes e pe.-soas de sna amisade o
earidoso obsequio de assisirem 5 algumas missas
que por alma de sua prezada ilu D. Adelaida
Bastos Gomes Pen, se ho de celebrar na Igreja
do Divino Espirito Saoto, amanh-aa 3 do correte,
as 6 1(2 horas da manha, trigessimo da do seu
fallecim''nm. ______________'
Ao commercio
loohard & C fazem ecento a ecla praca que
lentlo adraittido como socio da sua casa comroer-
cial o Sr. Eduardo Metiler, a firma soeial madar-
se-ha em Mogbard Meliler & C. __________
~-Z 'p7ecTsa-e de urna ama qae coslnhe e com
pre ; oa ra Augusta c 1. primeiro andar.
COMPRAS
Compra m-sc escravos
gilvino Guiluerme de Barros, compra, vende e
troca efectivamente escravos de ambos os sexos
e de (odas as idades : a' ra do Imperador n. 79,
erceiro aodar. ________._.^_-
Ouro e prata.
Em obras ralbas : compra-se na praca 'da Ib
dependencio n. 22 loja de bilhetes. ______
" Moadas de ouro.
Nacionaes e estraogelras assim corno libras
esterlinas: campram-se na ra do Crespo 16,
primeiro andar.
Vndese palha de carnauba mato alva do
primeiro corte em pequeas e grandes porcoes a
3G0 o molho, a aqaelle prego no desembarque,
quando no armazem a 700 rs.: na rea do Vina-
rio n. 13.
Palha de carnalia"
Vende-se palha de carnauba muito nova
safra : na ra da Moeda n.43, armazen.
desta
PILLAS de BLANCARD
,AO WDOIITO ra ferro inaltiavxl
Approradaj pela Academia de Medecina de Pariz
r IITIMIUI IW MiCIL N H-mWMO
ABA* NOS H04PITAS M ABCA, DA IEL0ICA, BA LAUDA, DA TOiOIJU, tTC.
MenfOMlun^u Z Bx**if<* niH* lf~-Ycrk, UU, PtrU, 1W. I
BftM Platal nvIvidM 'a etmiit re*m*-bfaiMrica Ae m teanktade exceMira, ten
Tantarn t aeran ImltertTeis, $** *l*r, *). pefae vrinine, e i* n* caaren ot
mfbf
pumeot
gVa para aodifcv m eomtaiD tyM**cteu, pmn m MHum.
* O MnM 4* hm taww* JK*:
1Zm-
"mi
ida.qwieaeliiMpAMe
k,M.
Yeodo-se oa Mn^na Franceza ra do Crespo n. 9 e na Bot$H.Fr3Dceza ra Nc"? c. 28
Conliona a andar fgido doengenho Pedregalbo,
comarca de xXawetb, desda o me de dezembro Ddependencia n. 22.
prximo passado, o escravo de nome Cyriaco, que
representa ter 33 a 40 annos de jdads, cujo escra-
vo pi rtence ao abaixo assignadp, o qual tem os
signaes seguimos : cor alv, cabellos crespos e
verralbo., olhos fundos, reforjado do corpo, as
mos, pernas e ps grossos, muita barba, e esta
avermelhada. Rogase portanto as autoridades po-
liciaes e capitaes de campo a apprehenso do mes-
mo escravo, e leva-lo ao dito engenho, a sea senbor
abaixo asngnado, qae sera' generosamente recom-
pensado. Desde ja protesla-se contra quem o liver
acortada,
R^cife, 3a de abril de 1867.
Jos Ignacio Per* ira Torrea.
MOLESTIAS DO PEITO
Aviso Importante.
Os aicos verdadeiros xaropes de bypopbospbl-
Ijs de s 1?, de cal e de Ierro do Dr. Cbnrcblll tra-
zem a firma qoalro vetes repetida desie sabio me-
dies sobre o subscripto e a marca de fabrica' da
pharmacia Swann, 11, roa Castiglione, Paris-
Acha-se a venda em frascos qaidrados com o no-
me do Dr. Cnarchill no vidro. Prtqi 4 francos em
Paris : Com Instrorcio ^
VOd-jf em casa de P. Maarer i a
Compram-M libras sterliuas: na praca da
Compra se
Na fabrica de sabio nos Afogados doas escravos
que se|am mogos e robustos.
Comprare moed, 10
e 9$; a roa da Cruz n. 3.
Comprase
cobre, lati e chambo : no armazem da bola ama-
relia no oilo da secretaria da polica.
Oorapra-se
Na rna da loria n. 3, forqallhas de ferro chum-
badas era pedra, 12 oa mais ps de larangeiras
dos melhores eoxeri;--, aslm como 6 ps de par-
reiras moscatel: qaem tiver laes ubjeetos para
vender dirija-se a mesma casa de manua at H
horas ou ds S da larde em diante.
VENDAS
Vende se 6 prelas, sendo 4 de 23 a 30 anuos.
t de 33, ontro de 40 com habilidades; i tratar na
,' foa do Fgo o. 9.
SAL DO ASSID .
A ende-se a bordo do palhabote Emliu : a tratar
com Jos de Sa' Leito Janior.
0 duelo de morte do desolado portu-
goez Jos Julio de Oliveira Pinto.
Vende-se a narracao deste triste acontecimento
na loja de llvros do 8r. Nogueira-de !5onza ra
do Cr^gno a 1J600 cada exemplar..
Vende-se fomo da trra em rolo:: ou libras,
tendo alguus de superior qualidade e outros mais
secos proprios para cigarros : na ra d;is Calcadas
d. 49, taberna junto a Fortaleza das Cuco Funtast
Vende-se tres vaccasde leile con cria : a
traiar na travessa de Sant Amaro entrando pela
encrotilbida de Belm o segninle sitio do lado
esqnerdo.
Farello a 4 JasiccaT
Vende-se na roa de S. Francisco n. 70 e arroz
com casca, sacca com 22 coias a 5j.
Vende-se a casa terrea na ra ravessa do
Pires o. 29, tendo 30 palmos de frente e 56 de
comprldo, e 30 de largo, tendo urna pirta e daas
Janeilis de frente, sala na frente e sala atraz, leo-
do 4 qoartos, com corredor ao mel e cozinba fra,
com grande quintal e com orna boa cacimba : a
pe*soa desejaado vender far qoalqacf negocio,
pois a casa rende 23 por mea, e qnem pretender
dirija-se a rna do Rosario da Roa-Vista n. 33.
Vende-se o eogeobo d'agoa deneminado Je-
ruzalem, sito no termo de Serinbiem, moente e
correte, com boas trras de plantacSeu: a tratar
na ra do Hospicio n. 22.
Vende-se orna casa terrea atada nova, na
praia do Caldelreiro n. 26 : a fallar com Sebastiao
Antonio do Reg na roa do Bartholome j j. 61.
Vende-se ama mobllla da amarello. aioda
nova : qaem qnlzer annuncie.________
Para quem tem machinas
Pollas de lodos os tamaitos e a precos commo-
dos.
Agoilbdes dem dito.
Mancaat Idem dito.
Mionos de ferro, americanos, para fazer farl-
nha de miibo mullo fina, oa moer cafa, para traba-
Ibar tanto a mpo como movidos par motor.
A ellas antes qne se acate
Saias bordadas muito toas de elegantes
bordados pechincba por 9$ na iua dala-
jerdtriz n. 20. i
Veada-ta ama casa tarrea, nova, da no boc-
eo doQolabo, no AfcjpdM : a tratar o>m a vioTa
do ufaras Proeaaao Pereira do Nasetnifolo, nc so-
b-j'o qoe fiiqafna com 0 mesaWlWCi).
agradado por so ^";vlad aianierla"""mu
tras sero dadas cora penher B<"an,er,a- As ims^
Adqd e 20 2U reiraos.
A aguia branca recebeo novo prtlmenio de ai-
buns de differenlea gostos e diversos lmannos ca-
ra admittirem de 10 al 200 retratos, u* qoe gos-
um ce comprar o bom drijam-se roa ovrjuei-
mado o. 8 lo/a da agola branca qoe sero~beai
servidos.
Para baptisadas.
A aguia branca ra do Qaeimadd n. 8 r'erebeo
novsment? camisinbas de cmbrala, bardadas a
enfeilada?, chapeozinbos de sebm, moldes novo
de benitos sapatinhos de setim e merm, todos
bordados e enfeitados e meias de seda e de fi da
eseossia.
iDteressa a todos saberem o qae de ne-
vo a aguia branca recebeo, por isso
facam o favtr de ler o qae se segu:
Tranjas de vidn'lhos, pretas e brancas, largas e
estreitas, com pingentes e sem elles. moldes ovos
e bonitos.
BotSes pretos e de cores, com pingentes e sem
elles, o qae de melhor gosto se pode encontrar
nesse genero.
Cintos pretos com denles fundos, enditados com
Vldrllbs. o qoe ha de mais moderoo.
Guarnicoes de Alas largas para as barras e es-
treitas para os corpos dos vestidos.
Cordoes grossos, pretos e de cores enfeitados
com vidrilbos e sem elles.
Rosas de vidro para enfeites de vestidos.
Espartiihos de sultana, muito b*a fazenda t
bem enfeitados, para senboras e meninas
Leques de madreperola e sndalo, ditos de ba-
no com seda preta para luto, ditos pequeos de
sndalo para meninas, ditos baratos a 1010 pro-
prios para casa.
Pentes prateados com fitas cabidas, obra moder-
na e de gosto.
Feotes de tartaroga modernos para senheras,
ditos dito para meninas, ditos dito de deseoiba-
racar.
Ligas de seda para senboras.
Bicos e rendas de guipure.
Fitas para sombras de ditos.
Meios adereces de flores.
Ramos de flores finas para cqc
Delicadas tcesouras com aros
para costuras.
Bom'us raixinhas com agulhas e alfiaales bran-
cos, pretos e donrados. /
Retroz fraocez em miadas e carrehis para ra*
chinas e ditos de torcal.
Agulhas parisienses e fundo doorado, ditas pa-
ra trabalhar-se em la e ditas e liabas para cro-
chet.
NOVOS OBJECTOS
Vindos para a Aguia Branca a roa da
Queimad n. 8
Bonitas fivellas Crispini ultimo goslo para
cintos. *
Fitas oscessezas e outras com difiranles carac-
teres, gostos apreciaveis.
Novlssimas golKnbas de crystal a aljfar com fi-
tas as extremidades para dar lace e flcarem pen-
dentes, obras essas de muito gosto e ioteiramente
novidade em Paris, e aqu as primeiras que appa
recem.
Mollas com trancelins e mais arranjos para a;
senboras suspenderem os vestidos do lado e na al-
iara qne quizerem, o que se torna de n.uita utili-
dade, e principalmente agora que os vestidos enm-
pridos cerrera o risco de serem pisados e rotos, no;
apertos qae sempre ha por oceasiao de visitar a;
igrijis e outros actos.
Meios aderecos de aljofares miudos, imitando pa-
rolas.
Bonitos cabases ou bolsas proprias para as se-
nhoras e meninas trazerem nos bracos.
A Aguia Branca deixa de mencionar aqui signos
objectos qne receben para loto, isso para nao con-
fundir os de alegra coa os de tristeza, mas se ai-
guem tiver a infelicidade de precisar comprar :
Manguitos e gollinbas prelas bordadas.
Vol'.as e brincos de borracha e benoitre.
Ditas de vidro cera bonitos e novos moldes e fi-
tas as extremidades.
Ditas as mesmas circunstancias, para cabeca.
Pentes pretos com fitas e sem ellas.
Fivelas, fitas e coala prelas.
Alfinetes e brincos de vidro, e borracha ele. pa-
ra pregar.
Enfeites de laa para vestidos pretos.
Cadeias de borracha e vidro para relogio.
Fumos para chapeos, etc.
Nesse caso pode dirigir-sa a dita loja da Aguia
Branca, a roa do Queiarado n. 8.
'apaos,
alreperota
E' degrada.
Corles de calca da casemlra suissa por 2J50C,
fazeuda esenra propria para o invern, apparecam
antes qae se acabe : na roa do Qaeimado numero
43 a 45.
- Vende-se urna parda qultandeira, qoe cosioa
soMnvel, compra na rna, lava roopa, propria para
todo o servico em que se quizer empregar, por
ser corpulenta : a traiar na roa das Aguas-Verdes
B. 80.
Vende-se vinbo de Bordeaox em quartolos
barris e caitas : em casa de Tlsset reres, ra jad
ra piche n. 9. _________
kua do Imperador n. 22
No Iraoda armaxem denota vende-*a por preces
com modos :
Salitre refinado.
Enxofre.
Limalha de fero, em grao e agulna. .
Dita de ac em grao e agalba.
Varias preparacSss cbimieas para fogos de arfl-
flelo.
- Vende-se travs d* qualidade ; aa roa dos
Pescadores n. 8. *__________- -.
Veode-se ama armacao propria para taber-
na ou outro qual quer negocio : a tratar no pateo
doCarmoa.C. ________
Grammatca portiigueza
accommodada aos principios geraes da pajfvra,
segodas de inmediata applicaco pratiea aof
FRANCISCO SOTERO DOS RSIS
ara bello volme brochada "oilavo graadJaf>vir*-
nbio 1366 a venda pac 3*, na
Livraria franceza
RUADO CRESPO N. 9.


tari. 4c rematle* ... uin O ARMEZAM
DNIAO MERCANTIL
53 RA DA CDEI 53
PASSA \DO O ARCO DA COMCEIfllO.
MO nrl53 d6 re8*er pelos mms vaPre8 Amaron e Extremadr ossegtotes no-
. ws> gneros.
m. !, u a- u <>EUOS AL4NTEJ0
en tatas de diversos tamanhos.
maltes superiores em (atas de dez libra eraetifoneL fechadas.
. Pescada
excetente peixe ern salmonra.
PEIXF ~
de todas as qaalida eedsm latas.
. Prezunto8
para fiambre, ingleses; os memeres que vem ao mercado.
k BgttiO^
preparadas em pequeas latas de urna libra.
,. QE1JOS
pratos e flamengos.
Novos figos
emlatas e caixiohas.
Marmelada e gela de marmello
* Latas com fruas
pera, pecego, rainha Claudia, alperce etc.
Estes e outros muitos artigos de superior qoalidade se venda psrproco o mi*
commodos. /
nmm\ mu mk a qimrsi.1
A' loja de fazendas do Auguro Pofto & C.
11Ra do Qeimadoli
Augusto Porto G. receberam pelo ultimo pa-piete os mais saperiores
vestidos pretos rtamente bordados a agulba.
Linios corteWc rareantique preto para -vestido.
pasquines e polowaises de seda pre etreitado? com o meloor gosto.
Sedas pretas de flopes muito superiores, m4iT*iWi^ie'freie. ogrosdana-
ple preto de moiUrs qoaiidades e mocos precos.
Rotondes e chales de guipare de seda e de algodao.
Pannos e caserairas pretas de diversas quaBdldes.
Ricos vestidos de blend com manta e capeila para noiva.
Enxovaes e vestidos bordados para baptisaes do fO# a 00.
0>fchas <1e seda e de 13a e seda para cstfcls de noivas.
Corte? le seda e nwrrewitUroe de cofs*ira vestidos -saperiores.
Moireantique branco, sedas brancas gfodenaiJOtee b?attco e decores
para vestidos.
Chapeos de castor1 brancos e de seda^fetos para hornera, seahora e me-
hinos.
Baloes, espartilhoy, camlsmhas com manguitos boriftfrtw-e lindos chapeos
de sol para seoiora.
Malas para vlagemnosvflpores, malotes e sactds de viagern son bello
sortimento de
Alcatifas para of ar salas
11Roa b HHad^-ll
Por menos de 10. e 20, e 30 por sent.
DE
Joaquina slnaSes dos Santos
23 Largo do Terco 23.
0 proprietario deste estabelecimento de seceos e molhados tendo de Jaser naan via-
jm, est resolvido a vender por menos de 10 a 30 por ceoto a dinha^o;, paw.isso toas
um grande a vanidoso sortimento para os amigos do bom e barato, que a auiar jarts*
deste, vieram por conta, para o que faz nnuucio de alguns genere*, o a vista 4esOss-
regularao os outros mais.
A dinheiro avista\
Gaz americano a 8,800 a lata e a 380 rs. a garrafa,
loucinho de Lisboa a 240 e 320 rs. a libra, e em barril ha grande abatimento.
Saf d> Rio a 180 e 220 rs. a libra, eem arroba ha granle abaiimento.
Qerveja das mais bem acreditadas marcas a 5,ooo e 6,ooo rs. a duzia.
inho Figueira da melhor marca a 3,500 a caada, e 480 rs. a garrafa.
;dem de Lisboa a 2,70 J e 2,800 a caada, e a 360 e 400 rs. a garrafa.
Phosforos do gaz a 2,000 rs. a groja, e.a 180 rs. o maco.
Manteiga franceza nova, a 560 rs. a libra, e em barril a 520 rs.
dem idem ingleza flor a l.ooo rs. e 800 rs. a libra,
f^rroz piado de Ina a 110 rs. a libra, e em arroba 3,400 rs. ou a sacca.
Sabo massa a 220, 200 e 240 rs. a libra, em caixSo ha abatimento.
Papel marca martello a 5,500 rs. a resma e viado 4,ooo rs.
Vinho branco de Lisboa da melhor quadade a 500 rs. a garrafa.
3anha de porco refinada a 500 rs. a libia, e em porclo ter abatimento.
Alm desies gneros ha outros muitos que enfadonho menciona-los.
0 proprietario deste armazem avisa aos seas freguezes que tem contss e letras ven-
cidas, o favor de as mandar pagar.
M FRAGATA AMAZONAS
DE
MACHINAS AMERICANAS
Verdadeiras do fabricante X. Y. Canttoagln C.
Hob&os amananos para moer milho.
Na ra Nova n. 20 e 22, grande deposito
das verdadeiras machinas americanas de todos
os fabricantes; seN enjontra neste deposito
grande porca"o de machinas, e se vendem por
menos preco do que em outra qualquer parte,
por se receber em direitura da America; se
fornece todas as explicares necessarias ao
comprador para :onservac5o das mesmas;
neste grande estaoeecimento se encontra mui-
tos artigos americanos, que muito deve agra-
dar aos agricultores que asam de taes artigos,
encontra-se tambem todas as collecc5es de de-
senhos sobre os quaes se aceita qualquer urna
encommenda, que com promptido ser execu-
tada; neste grande estabelecimento, encon-
tra-se em grosso e a retalho, grande porcSo
4e erragens, e miudezas que se vendem por preco commodo, pedindo-se a atteneso
de xtdos para este estabelecimento que muito lucrariio em fazer suas compras: na
ca Nova n. 20 Carneiro Vianna.
Monteiro Gutmares.
i. o na lo Queimurfo a, 5.
A loja da fiagaa ta caba'de rece.er de Pai um bonito sortimento de fezendas pre-
tas de muito gosto, come- sejo ltades cortes de moireantique de mui lindos padrees eque
vendem por preces baratissraos, gorguro de seda preto com listas assetinadas (fazenda
esta, inteiramente nova neste mercado) grosdenaples pretos e de cores de differentes lar-
guras e qualidades, por mui mdico preco, crinolines americanas para balo grande
sortimento de poil de chevre com listra de seda para festidos e outros muitos objectos
de gosto, como sejam:
Chapelinha de seda, crep, e palba para coque.
Bssqoinee de seda preta ricamente borjadas.
Leques e sandalo-mito moderos.
tutos de ma ireperola muito finos.
Lirdos cintos a CloWe'novos gostos.
Rotondas de seda, e algodao.
Cortes -de blonde para sasamentos.
Cortes de seda de cores finos.
Cortes dsmdar de seda.
Cambraiilwanca co ft^almos de largura.
Espartiftios sultane.
Camiais bordadas parn senhoras.
stremeios e nvbaSitdMs bordados.
Veos de ffl- meraeiona-los seria frfadonho,
- Vapores.'
Vende-see ca Saanders lrolaers (i C,
uo Urgo do Gerpo Sanio n. 11, fJare p*IbbW
coto todos o pertenc^s propFre* pf (*r *'y
tres oq guaira aaettims pir daysyaf ajj^y
Aos agricultores
Sacraders Brotbers & C. acabara de recehor dt
Liverpool vapores de for$a e 3 a h caaaHos coa
lodos os pertraceM ">' proprios para fa***1-mo-
ver machioas de deacaro?r algodao, poSeado cada
vapor trabalhar Me cora 140 ifrtas, tamben ser-
ven para enfardar algodo oo para outro qaaiqaer
servido em que osim trabalhar cdo anSitmes. 0
mesmos Umbem tem a venda machinas america-
nas de 38 a 40 serras : os prUMfcates dirjaa-
se ao largo do Coreo Santo o. 11.
Yerdadeiros
Collares Rover
Electro Magnetices Anodines
Ou Collares Anodinos, para facilitar a den-
tica o das enancas contra as convolsoes
das mesmas, a estes collares nos escupido
&zer qualquer recommendaclo, visto a
grande utflidade que tem produzida agro lies
pais que os tem applicado em taes circuna-
stancias pois nos parece que n5o haver um
s pai ou ra? que por este meio i)9o qiei-
ra por termo a taes soffrimentos de seas
fllbinhos visto ser um mal que tanto os
' fiagetla, pois a estes collares acompania um
fometo que ensina como se deve apphcar, e
vende-se na loja do Gallo Vigilante, roa
de Crespo n. 1, pelo preeo tfe HftUSO, 50
e 6J00O.
Loja do Gallo igilante"-
DE
fin maraes & Freita
RA DO CRESPO N. 7.
Os donos deste bem conbeeido estabeieei-
mento, teodo em vista sempre o melttor
meio de bem serur a sens numerosos fre-
gnezes a lequeriram em Parisnm correspon-
dente, o qoal nada tem deixado a desejar na
escolba de suas encommendasr por isso boje
mais que nunca se acham habilitados a bem
servir seus freguez s, tanto na e>colha dos
objectos como em precos, como sejam:
Lindas trancas pretas e de cores e m ve-
driiho e sem eile, proprias para enfeitar bas-
quinas, sssim como bot9es para os mesmoe.
Ltndos cintos pretos e de cores, fazeida
enteiramente nova em gustos.
Lavas de pelica, seda, Bo da escucia, e i.or-
cal, pretas. brancas e de cores.
Meias de 13a para padre.
VEi\DESE
ama mohilia de Jacaranda' a Loli XV, asa dita
lo amarelto de nesmo eitio, sendo obra mono
sen feia, de aporado bom gosto e recontieeida so-
lidez. Ignalraente se vende palba apparelhada pa-
ra emplbar, por menor preco qoe em ootra qual-
jaer parte; na camoda do Carmo n. 19, loja de
rasvetseira
ifidseo Jos fennanB
[RA OVA % 3l, /
sicaba de receber um lindo e maflifco sorf
timento de oculos, ranetos, bhcalo\ 40 ul-
timo e mais aparado gosto da Europa e oca
tos de alcance para observaeSes epart o/
martimos. f
rival se mmm
toa o rIMKM [
Carrrtets de reteorfde
Prascdd'iM-d'tt
Frasees de e'*e mort* flno I
Barata frasceses i
Pecas de transa branca
Cuta AV teonras per
Frascos 0**10* paral
Caitas eoa foleles fraaou a-IO r?.
Redas pretts lisas par* segnrar cabello a 310 rs.
Contiena a queimar todo qoaflto tem em sen e-
iibelecimento.
Paree flesapaie de tpele a l#0O.
Datas de penoas Sa^mSKo OMs a 60 rs.
Caixasde liaba do gax de 30 noveHo a SOS rs.
dem de liabas do gai de 40 rs. o sowllo a 700 rs.
I>m de palitos de segorafic* a 20 rs.
Lencos- de cassa com Barr a t0 rs.
Duiia de facas e garfos d tabo preto a 3*000.
Mase* de palitos Ikndo paea Saoteo* te ISO rs.
R'cas do ntremelos maitoSoasa 300, 600, 800 *
(Jarraras de fm Fldrid* wrtdelrfc *OO.
Balados de Pe Ho%s tVMgiire (aSs "
prejos.
Svlabaflos com estompas para meninos- a 3ie j
lomeolo da ronpa fle lavar fOff'rs.
Notxs eartllhas pfa menlflos-a ISO rs.
THtttn-Se nws milito Atlas pata seobeaa a 4Jo-., ,
Agoiha fraoeezAS a bala (ps^e) a 60 rs.
Pares de- sapatoe de tranca e tapete a i600.
Pegas de Blas de I3> de todas as cores a 060 ;;.
Groras de botoes de portetana prateado a W. ? 1
Caitas com alOaeHes- iraneezea-ai 80 rs.
Caitas de 400 envelopes muite fine a 600rs.
Resma de papel de pe branco liso a 2|.
Franco commiperlttr HdU a lOOrs.
Grosa de pbeapboros Se fat a BSSOO
Superior "papel "almaco fino liso e pauta- Pa de *86 ^ P8' mutto benito* 8
ris.
Dita de todas as qoaiidades para horneo P'egos trnceles de todos es tamaos (iitea>U.
senhoras e meninas.
Agulbas proprias para crochet.
Lindas capellas parneivas.
, i Liobas era eario de 960 jardas a 100.
do com 33 hnbas, assimeomo de peso pe-jGaixa de ^periar lista do-gn cam sonoveih
queno, amisadee tarjado | TOOrs. '
Lindas touquinhas e sapatinhos ricamen-. Fakeiras de conta para menina* a 320 rs.
to enfeitados para- baptisados asskn como Ritieres pan meninos a 240 rs.
j onioiauu3 y v CaixJ m| Mper,ores \Kit para gftaratOS. 20 rt.
meias de seda para o mesmo nm. I Ma550 cora ^^ nafa a 30 rs.
Lindos vasos de porselana e metal para. srosa8 ,je pennas de aso multo finas a 320 rs.
pS de arroz. Bonets para meninos a-1#.
Pacotes com superior pos de arroz aro- Feotes com costa de metal a _WOn.
_.._. r Capachos compridos e redondos a aOO rs.|
Realejos papa meninos a 100 rs.
OUTR'ORA PROPHETA
HOJEAS
NOVO DEPOSITO
Riia das Ciuco Pautas m. 86.
Habitantes de S Jos,
Eis vossa dispoico o venerando Propheta que tendo-se levantado do abysnv>?em
que o tinham collocado vem de novo emplorar que Ibes estendaes vosw mo proctetora.
0 ex-propheta consentindo em si urna grande reforma no tocante casa, Hmpeza
e bem escolhido sortimento de novos gneros, tambem consenlio em mudar de nome, in-
titulando-se s Duas Araericas; com este pompo-o titulo per'tende este grande estabele-
cimento ser til, nem s aos cidadOes amantes da economa, como tamben aoslllms. Srs.
de engenhos e lavradores, ecom especialidade aos Srs. commerciantes que eostumam
transitar pela via-ferrea, por ser perlo da estacao dsa Cinco Ponas e nao haver dispeza al-
gn na condcelo.
Attencolt!
Esta casa tendo cahido no discredito do publico em geral, deseja adquirir impor-
tancia vendendo osmelhores gneros do mercado, lucrando apenas o disconto de cinco por
cento.
Mateiga ingleza flor a 800 rs. a libra. dem franeezas a 3ia rs. o frasco.
dem igual a que se vende c pelo nosso j Copos lapidados para agua e vinho a
bairro a 1,00o, por 560 a libra, s as Duas 6,ooa, 5,?oo, 3 000, e 2,5eo a duzia.
America. Papel pautado greve a 4,3o a resma e
dem franceza em barril ou meio a 540 de embrulho a 1,000 rs.
matico.
Ricas caixas com msica para costura,
ricamente infeitadas e todas marchetadas de
madrepe/ola.
Lindos livrinhos com capa de tartaruga | da mais oovajiue 11
proprios para missa.
Lindos port-bouquet com cabo de madre-1 "{
parola proprios para casamentos e bailes 12^500.
etc., etc.
Grande sortimento de pentes de tarta-
ruga para cock, alisar eregacar os cabellos,
assim como de mariin, raassas e borracha.
Grande sortimento de sabonetes de todas
as qm.idades.
Superior banha em latas de diversos ta-
maitos e precos.
Superior linha para crochet.
Grande sortimento ae perfumaras dos
melhores autores al boje coahecidos.
Grande sortimento de botes tanto para
punhos, como para colletes.
1 Finas thesouras para costura, unhas e ca-
; belleireiros.
Grande sortimento de escovas para rou
pa, cabellos, dentes e unhas, assimeomo para
limpar ouro, e muitos outros objectos qoe
menciona-los seria enfadonho.
S no Vigilante, roa do Crespo n, 7.
CiL DE LISBOA
ni mercado : vende-se no
armasen) de David Ferreira Bailar, ra do Brum
I o, 66; barris 'le 4 arrobas, toda era pedra, por o$,
e 2 ditas, hermticamente fechadas por
DE
MACHINAS
AttA ESC.VROCAR ALGODO
Manoel Beno de Oliveira Braga,
53Roa Direlta n.53
Neste estabelecimento se encontrarlo as
verdadeiras machinas americanas chegadas ultima-
mente, as quaes s5o feitas pelo mais afamado fa-
bricante da America, por isso avisa a todas as pes-
soas que precisarem comprar, de se dirigir a este
estabelecimento que co'rapraro das mais perfeitas
neste genero, assim como mais barato do que em
outra qualquer parte, por isso que se receoe por
conta propria, bem como cannos de chumbo e moi-
nhos para moer milho, e grande sortimento de er-
ragens e miudezas em grosso a retalho.
Machinas americanas para moer caf, de
veno systema, proprias para refinacao,
> viem para milho.
e 6oo rs. a libra.
Caf de 1.a, 2.a e 3.a sorte a 24o, 2oo e
16o rs. a libra, e arroba a5,8oo, 5,3oo 6j
4,8oors.
Arroz do Maranhao a loo rs. a libra o ar- \
roba 3,2oo.
Banha de porco fina, emlatas, a 52o rs. ,7oo rs a lata.
Toucinho de Lisboa a U.aooa arroba.
Vassoaras americanas a 36o rs.
dem proprias para sallas a 800 rs.
Baldes para compras a l.ooo cada um.
Marmelada a 64o rs. a lata.
Doces portuguezes em calda de assucar a
Agoslinho Jos d
teodo feito urna reforma geral no seo negocio, apresenta-se a soacorreneja
publica convicio que poder servir vantajosamente aos seus fregoetw. EsU
casa acha-se"completamente sortida de obras de i.uro, prata e brirhantes, eu-
jospwc/sioo mais resumido possivel. Compram-seos mesmos objectos
cima declarados em obras velhas. Incambe-se de qualquer encommenda
concernente ao seu negocio.
Agostiiio Sq* dos Santos $ G
a libra e 600 rs, a retalho.
Queijos do ultimo vapor. .
dem do penltimo a 2,000 rs.
Gomma de milho branca a ioo rs. a libra
admira, mais o primeiro alimento- para
criancas.
Tapioca a 2oo rs.
Sag a 2io rs.
Sevadinba a 16o rs.
Genebra de Hollanda, verdadeira, a 37o
rs. a botija.
dem em frasqueira'com 12 frascos a
5,5oo rs.
'dem de laraoja a lo;ooo e o frasco a 9oo
rs.
dem de lima a 1,000 o frasco, muito
aromtica e excita p apetite.
Velas de spermaoete, proprias para car-
ro, a 800 rs.
dem de 6 em libra a 64o rs.
Carnauba do Aracati a 4oo rs. a libra e
12,5oo a arroba.
Gaz verdadeiro americano a 8,600 a lata
com 27 garrafas,-e latas de galio a 2,ooo e
garrafas a 38o rs.
Cebollas da Lisboa al,000 omolho.alho
abrs. omasso..
P hosphoros a 2,100 a groz a.
Palitos para dentes a 12o rs. o masso
com 20 macinhos.
Peixes em latas, preparados de escabexe
a 95a rs. a lata.
Pumada 24o rs. a duzia.
Adubos: cravo a 00a rs. a libra, conachos
'a 000- ervadce a 36o rs. piojenta a 3o rs.
Azeite-dce portugueza 64o rs. a garrafa.
1 dem franesz clarificado a 9oo r^. a garraa
Licores francezes de boas qualidades a
: l,5oo agarrafa.
dem nacional a 1.5ooa caada.
Louca, grande sortimento de pratos, ti-
gellas, bacias, bules, ^chicaras e pires por
precos reduz-idos.
Chprimein qmlidade a;6ooe 2,8oors.
a|ibra.
, Idamproprio para negocio-a 4,6oo a libra
dem preto superior a;', "00 a libra, ver-
dadeiro nomeopathico.
dem venos boin a l.oo a libra.
Sabiioraissi 2oo e 2o rs, a libra e em
caixa por menos.
Vinhos, do Porto fino...
Lagrimas do Douro verdadeiro a l,8os,
Duque do Porto
Adamado a 1,000.
Pedro V, DuqWa e outros a 9oo rs. agar-
1 rafa e 9,ooo a caixa.
Vinho do Porto Menezes em barril a 5,5oo
a caada, da vida a velhos e alent a moscos.
Madeira fino a l,5oo,
Vinho do Porto em pras a 4,8001 ca-
ada.
Figueira engarrafado a 6,oao a duzia.
Lisboa 2,8eo a caada e 36o rs. a garra-
Idem secco do Rio Grande, sardinbas e fa. Quem deixar de beber vinho joffrivel por
tainhas em quaotidade.
Bacalho, ha constantemente quaatidade
de barricas, pelo preco do trapiche
Sardinhas de Nantes, a 31o rs. a latinha.
Sal refinado em lidos potes a 5oe rs.
Latas com morcllas, cbouricas e figado
guisados a 2,3e, excellentepetisco, cbou-
rlca em barril a 6o rs.
tal preco.
Vinho branco superior proprio para missa
a 6,5oo a duxia, engarrafado, e 'Q rs. a
garrafa.
Vinho caj do afamado Carrera do Cea-
r a 10,000 rs. a duzia.
Chamins para caadisiro de ;az dorsos
tamanhos part diversos precos.
CALLOS
PomadaGalopeau--para a ex ir ac cao e cora r-
pida e completa dos; callos duros, sem a menor dor,
vende se na
Pharmacia e drogara
DE
nartholttmca dV Coaipatahla.
34-BOA LARGADO ROSARIO -34
_________nico deposito._____________
UollaresRoyer magnticos
Meilalhas e pulse i cas magntica?.
A Agnia Branca receben nova remessa dos pro-
v^tosos collares Royer magnticos, ja suramamen-
te conhecldos para preservar as convolsoes e faci-
litar a deoticao das criancas.
Com esses ntels collares elctricos magnticos
tambem nao pequeas quanlidades de medilhas
e pnlseiras elctricas magnticas coja ntilidade
tem sido aproveitada por quem soffre do nervoso
bypocondico. tremores nis mios etc.
Assim como os collares Royer estao feralmente
coohecidos e acreditados pelos efflcazes effeitos e
bon3 resultados qae tem colbido as pessoas que
delles tem usado ; assim tambem chegaram a ga-
uhar tio alta reputscao essas apreciaveis medalbas
e pnlseiras magnticas, urna vei qae o uso dells
tdr se eslendendo a ledos que dellas necessitem. A
Aguia Branca con ina a receber por todos os va-
pores franceies orna determinada qontidade des
VERDADEIRO LE ROT
de SIGNORET, DocUHr-Mdecin
Ru de Seine, 51, PARS.
Ka oda grr>fa, ni, eetw roiha e papel and
que lera o meo tloete, nm rotulo ImpreMO i ama-
relio com Sillo lartaui M Mnu raixciz.
if. B. Remettendo-te urna lettra de 5M (naesi
Isobre Par, aedUvei a 60 dlu de vtata, ae
goza-K do abaUmento t do Bator i aceito.
Deposito principa]
lo legitimo Le Roy x-^ t
rm Caza do nosao
nico agente peto
Brazil a Su Airro-
io Fnaire: de La-
cuba na Babia
not princtpaet pfcar-
maceuteea.
Deposito na pharmacia
C. em Pernambuco.
de P. Maurer

X\ROPE DEPURATIVO
DE CASCA DE LAHANJAS AMARGAS
COM IODURETO DE P0TASS10
DE
I P. Laroze.
pbarmaceutieo em Pars
O ioduretodepotassio um verdadeiro al-
sesTempTe""precisos e estimados collares Royer Iterante, um depurador de incontestavel effi-
magoeticos e por isso flque na lembranga de lodos |cacja; combinado com O xarope de casca de
laranjas margas, aturado sem pertubacao
alguma pelos temperamentos os mais fracos,
que os acbaro constantemente em dita loja da
Agola Branca, roa do Qoelmado n. 8.
Vende se
excellente doce de golaba a lz a arrobi
da Senzalla-Nova n.
torio.
na rna
sem alterar as funcces do estomago. As do-
_ ses mathematicas que elle contem permittem
38, andar" Terreo, escrip- aos moiicos de receital-o para todas as ccm-.
pleices, as affecc/Se&escrofulosas, tubercu-
losas, cancerosas e nos accidentes intermit-
ientes e terceiros; alm d'isso, o agente o
mais poderoso contra as doencas rheumatteas.
Deposito em too^p|sittas*"pasas de
Noticia ao publico
Goke os carvo do gaz
Vende-*e agora na fabrica sgas-d'esta
cidade, coke, ou carvao do gaz, de primeira ; drogaras no Ea
qualidade, proprio pan todo, aonde trj Sxpe^lcass, flwicisa necesssrio um bom o regular calor como e- ass Liafii-St-Paul.. Por M..
jam coeinhas, padartas, caldeifas d vapor,' A' veu'dana pharmacia ce
destilaras, etc. Recebem-ae ettensroes- C.^rtnrNcrva'n. -23.
criptorio da empreta de gat, na roa de Un*!
peradora. 31 ou.na fabrica do #az. ___j
V.
rer 4.
80 se v ndo
rey
Na roaDireiU loia de caJeaio n. 73, vece-se
botis ingleies para meninos de 7- a 19 awm a
34500, bonas fraseetai para senhora ebra espe-
cial a 5*, 4#00 r3#cW0, dltM para-eBte05 e
nreainaa de 1 a 3 annos a 211#8^^
a 14390 e tranc
^UKUra
tapete avelluda
tos de marroq
nm coaHileto
grosso eorai
320, sola e
vaquetas
a ver e tratar na r Aognsw nT 82
go o. 0.
bilbares dnMmiaaia caf
fttr.ii n. 69 e 91, con-
Se facaraaS eojm todos
s om pe*a inarmo-
caflentks, me-
pernees Saf caf e
^ da e
taier-
rt-
ae de fr|i|dd :
LL
>


4a llaivars idade de ftmtfh \^T
'mi se Ayn*
IPeitoral da reja.
Irleatedlo pa*
PeniSt Para*** e^Bfc
Grande d& Scfrte, leates raatna tio ti-
poravetaente coahecidw a aeolWf es
,odae ae partes d ^fcrica do Sal e do
Norte, ac&a*eaf*aM de The** ebria*
rlaa.ea, a***** d Vraplefce ew
PerawartiMa>.
Os preco* de
330 por tluria de estrado de salsa-parrtbi.
27 por dojia de peitoral de cereja.
27 por duda de remedio para sezSes.
70 por dazia de pillas catharticas
se entenden dlaheiro vista, con
o descont de 9 por cento era quandadei
de 6 a 42 dozias, e de 10 por cento em
qnantdades superiores a 12 dozias.

#8
X
w
s
0
SO
**8gB*
Ra da Imperatriz n. 60
DE
a GAMA I SUVA. ,
Cte proprfrttfio <3este grwjle eit*balecmntO"?***,w- .. n, ,
&* Jwos vestidos Poil de v
vre a 16*000.
luto, ved e
Parar.
Veadasa-se laaaJabaii ra preprias ptra lite
pe*eaaratto*n#Me*Qai0O rs. o oovaio: di
toja e armazem p'PaTlo raa da Imperatriita.
le Sana A Silva.
Craeha
Para adera
Para sotas
Par camas
Para presentes.
Cfcegaram os mais reos pannos bordado a ro-
ch mprios para encostos de cadeiras ana se
veidem a 2J500 e 3*, ditos para encesto de sor
a-*j. dHos proprloa para cobrir almof'adas i
>4(SG0 e ditos para cobrir presentes a 24500 e 3*:
na toja do Pavao roa da Imperajjiz n. 60, de Ga-
Perfamarias novas,
Alm do grande sortimento das melhores machinas, americanas para descarpocar
algodJo, de 10, 12,14, 16, 15, 20, 22, 23, 30, 35, 40 i 50, neste estabelecimento se,
encentra mais o seguinte :s
Azeite de espermacete propria para machi-
nas.
Vapores de forca de 3 a 4 cavallos.
Serras avulsas para machinas.
Mances e todos os mais perlences para as
mesmas.
Carros de mSo para aterro.
A antiga loja de roladez*9 a ro* do Qoeima. j
a. 16, receben novo sortimento de perfamarias
sendo fiaos extractas e essencia concentrada, chei-
ros agradaveis para Teneos, leos snrfioe, pbiloco-
.me, e babosa para cabellos, banbas e cesmetiqaes
lamben para es cabellos, poz deeoral e nygienicos Cvlindro para padarias.
para cantes, opiata iagleza e francea para ditos, Debolhadores para milho.
sabonetes em barras quadradas, ontros em calw- raiftQ st,Apiraw*
nhas, e ooiros de bollas transparentes para mo, e Arduos iuiomuwm.
ontres mu finos em carxlnbas de louca para bar- (rrinnos propnos para armazens.
ba, agua da colonia de superior qaalfdade em fras- Moinhos para refinado.
eos de diversos lamanios e presos, agua ambreada j,jem para mlho
paca banbar e refrescar o rosto, ag.ua florida ( da .-..j-jl a. ....apira ampriranaQ
verdadeira) tnico de Kemp, e multas outras per-, ^eaaas 06 ludOeira americanas.
fumarias que a vista da boa qualidade e commo-
didade de precos, o comprador nao objectara'.
Meia pretas de lfta e de laia.
Caixas com vidro sonidos,
de todas as quajidadies.
Bombas de japyz. ^
dem americanas.
Ferros para engommar a vapor.
Vassouras americana^. '
Baldes americanos para compras.
Tinas de raadeira.
Ballaios e cestas de veigutnha.
Guarda comidas.
Peneiras d'arame para padarias e refioaces"
Correntes para almanjarra.
Machados e facoes americanos.
Barricas com milho branco americano.
Para padres.
Vendem-se na loja de miudezas a' roa do Quei
mido n. 16.
rara OopuSaUOs. finas e de todas as qaahdades, assim como objectos de grande novidade -propriamente A^foilae d nava i 2nna r 2ooo rs.
Bonitas coapensinbos enhilados, sapaunbos de pnhnra.? nara n nnpnn sp tflm nnnnafla na Avolha de ts rticos achan-' %?l'aiC8 "?"> *.*M c 6y'"' '*;
setim e merm, bordados e enfeitados, meias de Para M lomas senoras, para o que nao se tem poupauo na escotna uetaes anigos, acoaa | vendem-se chale de mermo estampados a 2|
seda, e ib d'esccia para ditos. Vendem-se na lo- do-se assim habelitadtssimo para bem servir aos seus freguezes, ae quemespora toda pro- 2#oo cada am.
Ra do Crespo n, 7 A
Custodio Jos Alves GutmarSes, proprietario deste aovo estabelecimento^ participa ao
respeitaval publico que abi sempre encontraro um varadissimo sortimenta de fazendas
finas e de todas as quaidades, assim como objectos de grande novidade propriamente
parte de :nas fatebdas cmo hviatn flnooleujk).
tem resolvido continuar a vender ainda mais ba-
rato em virtude, co a^mn^ftta Su,^m em
soas fazendas por occasiao do balanco a que pro- Na lija M BaV9. '
eederam em 3i de dezembro alt.mo ; perm para ChMacam pelo vapor do dia 15 do correnia, os
frieren saiisfater e aprefeniar *o respeilavena- malsjindos cortes de poil de chvre para vistidos,
llco os sens numerosos freguezes tanto desta pra- sendo fazenda inteiramente nova no mercado, ln-
a^coirodo tnataom novo e variado sortimento de] do.esta fazeada bstanle lastre com os m.is deli-
ea4osROtos tanto em listras como em flores solas
e vendem-se pelo baralissimo -preco de '6^000,
leudo cada corle 18 covados, isto na loja e arma
zem do pavao na ra da Imperatriz d. 60, cieGams.
a. |Hra iia>
Os espartunos do Pavo.
todas as quaidades de fazeuaa,. 4ede as mais
modestas at as de mais apurado luxo, nao se tem
poupaooa escolha deltas, limitando seas lacros
apeaas no descoco. Conm^n a dar fazendas
amostra, com penhor, ou manda-las ppr seas caj-
xeios em casa dac'Exma* familias.
CawJwalaa Um d Pavo 34X80,
40Q0 c 4*SQ0.
Vende-se um grande sortimenio .das nelbores
cambraias transparentes, tendo 8 varas e meia ca-
da peca, pelos .baratos preges de. 3*300, 4QO0,
61,iJpOd, 6500 e 7JW0O a peca ; ditas de es-
cossia oom 9 varas cada peca, tando mais de vita
de largura a 6*000, 7,8000,8*000 3 10*000 ; ditas
Victoria a 6*000, 7*000 e 8,8000 ; ditas largas com
8 .palmos de langa a 1*000 e 1*280 a vara, sen-
do preciso apenas 4 varas para vertidos, alienten
do a largara ; ditas para forre multo encorpadas
1 3*200 a peca : na loja-e armtzem do Pavio na
roa da Imperatriz n. 60, de Gaau & Silva*
Para cama de noivs vende o Pavio
Vendem-se ricos cortinados bordados e adamas
cados p/oprlos parafi&anas e jafieas pelos baja tos
presos de *, TO*000; 16*, 20*000 e 25*000 ; sa-
perior.damasco de 1a enfeitado a imitaco de seda
propno para coloras a 2*500 p cevado ; rica* col-
chas de croch pelo baralissimo preco de 10*) 0 e
12*000: isto nadija e arraizem do' Pavao na roa
da Imperatriz n, 60, de Gama & Siiva.
Cara de carnauba
Vende-se na ra da Madre d* Oeus n. S, mais
barata do qoe 6* VENM-SE
Motorss amereanca para dons cavAHos-
Dito dito pare qaatro ditos. ...
Machinas para desearacar algodao Je la, ,
18, 20, 30,38 e 40 serras.
Prencas para enfardar algodao fazendo os sac-
eos com sew palmos de com prime oto, cora o peso
de 150 e 200 iMwas, viudas nltlmameoie.da Ame-
rica : no armazem de Henry Forstel^ C, co caes
Pedro H n. 2 jonto ao Gabinete Porroguez.
BapPalo Cordelroe Vi .Jao
A loja de miudezas a roa do Qotim-dd o. 16,
recabea nova remessa do rap Paule Uordeiro e
Viajado, e aintinna a raceber portados os vapores
fe p*reles
_, o.
LANIaN & KBMP.
Salsa parrilha de Bristo dozia. 33*006
Agua Florida de Murray & Lanmao.. 10*B00
Anacabuita Peioral de-Kemp. 22*008
Em qcanto a agua fljrida preciso a 1 aior cau-
tela contra as falslficacoes fraudulentas rancezas:
as verdadeiras preparacj5es.se venden, no upico
duposito roa do Trapiche 8.________'
Antonio Jos de Castro vende 6 fazendas de
gado sitas 00 termo do Serd deucminadi Boa-
vista, F4 :- Serr* Mulung, Serrote, Mnndo.Npvo
Vendenvae umagrafla'e e variado sorlimento do e Inga, todas muilo boas de criar pelas proporcoes
espartjlbps^os mais bejn hitos que tem Ivindo ao
mercado, sendo de todos os tamanbos, vendendo-so
poriflmiPKco muita ioavel: isto na loja do Pa-
vio na ra da Imperatriz n. 60, de Gama A Silva.
! Pavio.
Vende-se bonitos lencinbos bordados para a-o
pelos baratissimos presos de 1*000 e 1*600 cada
um ; loja e armazem do Pavo na roa da Impera-
triz a. 60, de Gama & Silva.
AlsjtuoziiiDO enft-tado
Ven ?e-se superior algodozinbo enfestade, muito
encorpdo,' proprio para lences, por ter 8 palmos
ja de mludesas a' roa do Queimado n. 16.
Bicos e rendas dasilhas.
/ A loja de miudesas a' roa do Qoeimado n. 16,
/ reeeben novamente ootro sortimento daqaelles bons
/ e bem eonhechlos mcos e rec-das das ilbas, coja
foriidao, e segoranga de tecido, ibes da' immensa
/duraco e os diflerentes tas a que acertadamente
sao applie&dos Tazem a grande procura, e prompta
extraego como constanteraente tem acontecido;
assim pois concorram os prelendentes, que a vista
da commodidade dos precos nao objectaro em
comprar.
Graxa econmica.
Em eaixinhas, latas e barrls, a' loja de miudsas
a' roa do Queimado n. i6, receben novo sortimen-
to dessa boa graxa econmica.
La safa bardar.
A loja de miudesas a* ra do Queimado n. 16,
reeebeu novo sortimento de 15a fina de bonitas co-
/ res, e como sempre vende a baratamente, e o sor-
timento a eontento do comprador.
Bonitas caixinTias.
De madeira com enfeites dourados, e otjlras de
raetal para guardar j as. Vendem-se na ra do
Queimade loja de mmdsas n. 16.
Enfeites e griaaldas.
Na loja da mkidesas a* roa do Queimado n. 16,
acbaro os apreciada-res do hora, um bello sorti-
mauto de bauitos enfeites para bailes, tbeatros e
clmenlos; assim como delicadas grioaldas para
nofvas, eaixos de flores finas para enfeitar os ves-
tidos de ditas, e muitos ontros objectos, e todo se
vende por precos -lo rasoaveis qoe o comprador
experiente, nao se atrave a objectar a respeim.
SiihadiaUos hordaos, entrneles ditos.
Todos de tina cambraia e delicad s bordados.
Vendem-se na loja de miudesas a' roa do Queima-
do n. 16.
Plumas brancas e de co"CS.
Vendem-se na loja de miudesas a' ra do Quei-
mado n. J6.
Franjas
Com borlas e sem ellas, para cortinados, toalhas
etc. Vendem-se na loja de miudesas a' ra do
Queimado n. 16.
Boas e bonitas fitas.
/ Lizas e Isvradas, larga-: e estrellas; veodeoo se
:ia loja de miudesas a' ra do Queimado n. 16.
Bonitos enfeites para vestidos.
A loja de miudesas a' ra do Queimado n. 16,
esta' recntenteme provida de moi bonitos eufeites
1 para vestidos, sendo bicos de seda tanto branco
como pretos, de diferentes larguras e com vidri-
lhos, ou sem elles. "
Trancas e galdes de seda dos ultimes gostos, di-
tas com vidrilhos, pretas e brancas e de differeotes
larguras e gestos. Filas de velludo pretas e de
cores, com lista as relas. E assim muitas outras
cousas de moda e novidade, e ludo por precos tao
oramodos, que b comprador flea satisfeito e nao
S Dt'jecla a comprar.
Bollas de bo; racha.
De diverses tamanhos para brioquedos. Ven-
dem-se na loja de miudesas a' ra do Queimado
" G\Z G4Z GAZ
Chegon ao amigo deposito de Henry Forsler &
C, ra do Imperador, am carregamento de gaz de
primeira qualidade,o qual se vende em partidas e
a retalbo por meos prego do que e oatr' qual
qaer parte.
Rival sem segundo. ,
f Rifa do Queimano a. 4.
Qoer acabar com as fazendas abaii*
teccio, principiando por virem visitar seuelegante estabelecimento para assim melhor po- j
derem apreciar o seguinte:
Requissimos cortes de sedas de cores com listas.
Sedas pretas de todas as quaidades.
Barquino de seda preta enfeitados com gusto.
Rotondes de seda e de algodao e lioho.
Camistnhas para sen hora.
Esparlilhos ultimo gosto novidades.
Mantas pretas de blono,
Cintos pretos bordado de aljofares novidades,
Requissimos enfeites com coknovidades.
Lindas flvellas para cintonovidades.
Organdy inteiramente- novidades.
Cambraia chiozanovidades. \\
Punhos e'gollinbas para aaahora,
Chapellinas de seda *
Ricas saias bordadas.
Meias de lias para bomem e senhora.
Lavas de pellica.
Riquissimos pentes de tartaruga.
Meias pr tas para padre.
Coques muito ricos vindos pelo ultimo vapor.
Fronhas de labyrintho muito ricas.
Lencos de labyrintho muito finos.
Rendas e bxos da trra.
Grades para lencos.
Ricos corpinhos de cambraia para senhora.
Times bordados para batisads.
Coeiros bordados muito ricos para baptisados.
Brigantinas, chitas d todas as -ualidades, panno, casetruras,' tri nse mnitos
artigos que seria enfadonho menciona los.
Ditos de merm liso a 3*500-
Ditos eslampados de crepon a 6*, 7*, e 8*000.
Ditos pretos bordados com franja de seda a 14*.
Na loja e armazem do Pavio na roa da Impera-
triz n. 60 de Gama & Silva.
Casemiras pretas a M, 70 e 7)f500.
Vendem-se flojsimas casemiras para calcas
los baratos precos de 6, 7*, 7*300 o corje.d
muHo finas a 2*, 2$500e 3* c covado, grande
pecbincba.: na loja e armazem do Pavio ruada
Imseratrfz d. 60. de Cama A Silva.
Alpacas e princesas na loja do PavSo a
560, 840 e 7*0.
Vndese alpaca preta lisa muito bea fazenda a
560, fi40 e 720 rs., ditas de cord.io tcuito soperior
a 800 rs. o covado, princeza preta encorpada a
720, 800, 900 e 1*, assim-como um grande sorli-
mento de bombazinas e cania: preto que se ven
dem miis caratos do qne ero entra qualquer par-
te : na loja e armazem do Pavac roe da Impera-
triz n. 60, de Gama & Silva.
Para luto.
Vende se superior merino coru 6 palmos de lar-
gura proprio para vestidos e outras obras por ser
eiuii-> leve a 2* o covado, superiores bombazinas
e cantSes sendo fazenda tao prrpria para vestidos
como para ronpa para homens, iazinbas pretas
lisas, cassas francezas pretas tacto de listras como
com palmas a 560, 640 e 800 rs. a vara, chitas
pretas tanto largas como estrellas que se vendem
por precos baratos: na loja e armazem do pavio
ra da Imperatriz o. 60, de Gama & Silva.
Meias casemiras a 2$ o corte.
Vendem-se superiores cortes de meias casemiras
escura com mselas de seda e sem ella pelo bara
outFOs tierno preco de 2* o corte ou a 600 rs. o covado,
i sede raaenda propria para calcas, paletots e col-
0 dono deste estabelecimento est resoivrdo a lucrar unkamente o descont, -fr leles, pecbincha naioja e armazem o Paveo
isso os precos de su's faeendas ser5o razoaveis, encontrando sempre o respeitavel pubtop roa aa lfliDera,rl1 P. de Gama 4 silva
nos-empregados deste etabela:imento agrado e sinceridad.*
Loui'enoo Bmtm Metidos Guimares.
I
Queiram vir ver que bou e baralissimo.
Libra de gomma de milho a 400 rs.
Toalbas de labyrinmo com bico, fazenda boa 1
3*500.
Girreteis de llnba com 100 jardas a 10 rs.
Gravaus pretas e de cree maito finas a 500 rs.
Oi'.as de obreias de massa maito novas a 40 rs.
ouadores para espartilho de cordo e fita a 6'
ris.
Carretels de liaba Alexaadre com 400 jardas a >0t
ris.
Resmas de papel alsaaco muito bom a 2*806.
Fraseo de oleo babosa a 320 e 500 rs.
Ditos de dito bigleniqoe verdadeiros a 1*000.
Ditos dito falso a 800 rs.
Ditos de macaear perola a 200, rs.
Sabonetes muito finos a 60,160, 200 e 320 rs.
Dito1! de bolla muito fines a 240 e 320 rs.
Cains para rap com boatos estampas a 100
caixas de palitos a balao a 40 rs.
Miadas de linha boxi para bordar a SOrs. -
Varas de' cordo para esparlilho a 20 rs.
Frascos com tinta rOia^nlto boa a 240 32V r.
Pentes volteados para regaear cabello M menina
a 320.
Frascos'de qjawa' oteo oaaite flaa,.a 1 rs.
Abotoaduras muito finas para coiles a 500 ra.
CariSes de linha branca e de eres a 2f r.
Libra de ara preU sapertor W0 ra.
Caras de ailnetes francesa com 14 pentes
120 rs. I
Escovas par* talo, fazenda boa, aJ
Agua mine
ferruginesi, aridulada, gaznu orbonica
itezy
O oso d'agoa de Orezu
recommeada*! pela escola Je medicina Se
para todas a* affecces do tubo digesvo, in,'
ment das vieeras -abdominies, e geralment
as molestias provenientes de friquen orgnica, 00
pobreza teMBgaa.____"
DWrvBIT MMMKHi
34Raa larga de ReaarioJ4
Phamaela de ilarthoUnea A c.
Proprietario das lojas e armazens da Arara,
ra da imperatriz ns. 56 e 72,
tendo recebido pelo ultimo vapor da Europa diver-
sas facturas de fazendas, como seja : grosdena-
plo preto, sedas pretas e de cores, moriantique
preto para vestido de senboras, pannos finos, ca-
semiras pretas e de cores, brim de cores, panno
de linho, chitas de multas quaidades, m'dapol5es,
algoddes e ontras muitas fazendas qne avista dos
compradores se dir, para ver a qualidade e preco
como se vende, s as lujas e armazens da Arara
ra da Imperatriz ns. 56 e 72.
Vende-se algodao a 35 a peca.
Vende-se peca de algodao a 3*, 4*, 5*, 6* e
* : na roa da Imneralriz armazens da Arara ns.
16 e 72.
Chitas a 16o o covado.
Vende-se chitas em retalbos a 160 o covado, di-
tas de cores fizas a 200,'ditas francezes finas a
280, 320, 360 e 400 rs. o covado : as lojas da
Arara, rna da Imperatriz ns. 56 e 72.
Pa-no preto para a quaresa a 1,600 o
covado.
Vende-se panno preto para calcas e paletots a
1*600, t*800, 2*, 2*500, 3*. e 4*, o covado : na
roa da imperatriz, lojas da Aran ns. 66 e 72. .
Laazinbas para vestidos a 240 o covado.
Vende-se laazinbas para vestidos de senhora a
320 e 400 vndese ditas de listas trans-
parentes a 320 o covado : na rna da^Imperatriz,
nos armazens da Arara ns. 56 e 72.
Grosdenaple preto a 1,600.
Vende-se grosdenaple preto para vestido, a
1*600, 1*800, 2*, 2*500 e 3 o covado ; moran-
tique*reto para vestidos a 2#500, 2*800 o cova.
do : as lojas e armazens da Arara, rna da Im-
peratriz ns. 56 72.
. Cortes de casimira preta a 3,000.
Vende-se cortes de casimira preta para calca a
3*, 3*500, 4*.; corte de brim para calca de
homem a 1* 1*280 e 1*600 : na rna da Impera-
triz, lojas da Arara ns. 56 e 72.
Bareje com listas para vestidos a 32o o
covdo.
Vende se bareje transparente para vestido de
senhora a 300 e 360 o covado, ISnzinha para ves-
tido a 320 e 319 o covado : na rna da Impera-
triz ns. 56 71
Vendem-se pe(as de madapolo "muito fino com
12 jardas a 3*200, 3&5O0 e 4* ditas com 24 jardas
a 69, 7* e 8*, ditas muito superiores a 9*, ditas
de 40 Jardas a 560 e 640 rs. a jarda, ditos france-
zes de todos os preces e qaalidades, pegas de algo-
dozinbo com 18 jardas a 4*000, ditos com 20
jardas e muito encorpado a 5*500, 6*, 6*400 e
7*. Algodaoainho enfestado liso vara a 1*, dito
trancado vara 1*280, tudo isto pecbincba para
apurar dinbeiru : na loja e armazem do pavo, na
ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Vestidiuos pava meninas
Vendem se elegantes vestidinhos para menina 1
de lisiaba muito bem enfeitados pelo baratissiai
prego de 2:500, ditos de gotgaro de seda a 3*0TX-
na loja e armazem do Pavao na ra da Imp9ratriJ
n. 60. de Gama & Silva
Chales de merino
Vendem se finissimos chales de merino lieos c
diversas cores, tendo as franjas de seda a 4*00t.
tendo com as franjes de 12 a 3*500 rs., ditos es-
tampados muilo finos a 5*509, 6*000 e 7*000, d
tas de orpon com listas de seda a 8*000, dito:
mais ordinarios para acabar a 2*000 e 2*500 : u
I loja e armazem do Pavao na ra da Imperatriz 1
i 60, de Gama & Silva.
Arara vende os baies a 2,000.
Vende-se baldes para senbora a 2*000, 2*586;
31*500 e 4* ; as lojas da Arara, roa da Impe-
ratriz ns. 56 e 72.
Meias para meninos a 5oo o par. Poil de^jhevre a 640 rs.., na loja do Pavio.
Vende-se meias croas para menino a 500 o pac.) Vndese esta nova fazenda cnaito lustre sa com
ditas para homem a 3*500, 4$, 5* e 6*, ditas pa- elegantes listras assetwadas propria para vestidos

ra senhora a 3*, 4*, 5* e 6*: as I Jas e arma-
zens da Arara, roa da Imperatriz ns. 56 -e 72.
Mozambique a 4oo.
Vende se orna nova fazenda por nome mnsom-
bique, dito com palmas de.seda para senbora a
400 rs. o covado : na roa da Imperatriz, lujar e
armazens do Arara, ns. 56 e 72.
Madapolo entestado a 35oo.
Vende-se peca de madapolo enfestado a 3*500
e 4*, ditos de 24 jardas 4*, 5*. 6, 7, 6* e
10* ; na raa da Imperatriz, lejas da Arara ns.
66 e 72.
Leamos braceos a 2ooo e de cores a
1,600.
Vende-se lencos de cassas com barras de cores
a 1*600, ditos todos bancos a 2*, 2*500 e 3*000,
ditos de linbo a 5* e 6*: Ba roa Imperatriz, lojae
e armazens da Arara as. 56 e 72.
Sedas novas e bonitos gostos a 14oo.
Vende-se sedas de aovo gosto a 1*400, 1*600 e
2* o covado : as lojas do Arara, raa da Impe-
ratriz ns. 56 e 72.
Golinhas a 2oo.
Vende-se goiinhas para senboras -e meninas a
200 e 320, manguito e gola de linho ile 1*600,
corpinbos para meninas a i*, ntremelos bordados
a 1* a pega ; roa da Imperatriz ns. 56 e 72.
Bramante para lences a 2,400 a vara.
Vende-se bramante com 10 palmos de largura,
propno para lenges a 2*400. 2*600 e 2*800 rs.
a vara ; panno de linho a 640 e 720 rs. a vara :
as tojas da Arara n. 56 e 72.
Eoupa feita nacional.
Vende-se paletots de panno preto para homem
a 5* 6*000 7*, 8* e 10* ; caigas de casimira
preta e de cores a 5*0CO, 6 e 8* ; Golletes de
casimira pretos e de cores a 3*000, 3*600 ; po-
letots de brim a 2*000, 3* e 9*500, palista de
alpaca pretos a 3* 3*500 e >*, chambres da chi-
para andar por casa a 5*.
Ra da Imperatriz ns. 56 e 72.
sendo com as edres e padrSes mais modernos que
tem viudo ao mercado, vendem-se pelos baratos
precos de 640, 800, 1* 1*200 o cavado, dao-se
tambera as amostras: na loja e armazem do Pavo
a roa da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Lasinbas bonitas na loja do Pavo.
Chegon para este estabelecimento nm grande
sortimento das mais bonitas iasinhas listradas
com differeotes cores que se vendem pelo barato
prego de 590 rs. o covado, ditas de ama s cor
mais com salpiquiobos maito preprias para roa-
pa? de meninos a 480 o covado, assim como am
grande sorlimento de alpacas lisas e briihantes
que se vendem a 640 : na loja e armazem do Pa-
vao ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Alpacas para luto na loja do Pavio.
Vende-se um bonito sortimento de alpacas pre-
tas com listras brancas proprias para luto a 1* o
covado: na loja e armazem do Pavao roa da Im-
peratriz o. 60, de Gama & Silva.
INJE TINBROU
ftnde-se na ra Nora n.;25, pharmaciafranceaa de
p. MAURER & C; iSri-SBint
Atlanta a 200 rs.
Vendem se bonitas allantas proprias para vesti-
dos pelo barato preco de 200 rs. o covado ; na loja
e armazem do Pavo roa da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Chaias de sol de alpaca.
Vendem-se os metbores e mais bem armados
chapeos de sol de alpaca com 12 laiteas, senda o
melbores que tem vindo ao mercado, assim como
um bonito sortimento de chapeos de sol de sida
que se vendem por preco muito em conta : na loja
e armazem do Pavo roa da, Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Cartea de caita
de W, U e 12 ovados a 94U WO e 320 rs,
.Veadeane soperlcre* cortes de chitas de 10,11
e 12 covados que se faz a cont pelo parato preco
de *40 280 e 320 rs., sendo chitas qne cnsttram
maito mili djntelro faz-se a conta por este di-
minutos prefaapart abar: 1 loja *
do Pwa ruada Impaiatriz n. 60, le Gama &
para vestidos de W:
Com 6 palmos de largu.
Vende-se flnhwmo setim da Cwaa *e cordaosi.
nho com 6 palmos de largura do WMr*M*
um vestido alaea 6 covado i-tfrW*M
qoe urna nova hienda sem lusue pelo baratd
prego de 2* cada covado : na loja mazenlj>
Pavio roa da Imperltru b.W, 4e Gama & Suva.
Cachinsa 30.
Vndese um elegante sortimento dos mais bo-
nitos cuacme para seunoras: naioja e arma-
tem do ParSo roa da Imperatrli n. 00, Gama
de largura, pelo baralissimo prego de 1*000 a
vara.
Dito com a mesma largura, sendo angado e
muito encorpado, a 1*280 a vara, assim como pe-
cas de dito de urna largura s, eom 18 jardas, a
4*, grande pecbincba: na loja e armazem de
pavio, na roa da Imperatrii n. 60, de Gama &
Silva.
Cassas francezas
Vendem-se as mais bonitas cassas francezas para
vestidos pelos baratissimos pregos de 240, 280 e
320 rs. o covado, assim como bonito organdy com
assento branco e palmas com lisias de cns, pelo
baratissiuio prego de 3*0 rs. o covado ou a 500 rs.
a vara : na loja e armazem do pavo, na roa da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Cassasvfraaadiaas
Cbegaram as mais bonitas cassas francezas rom
listas largas tanto ao comprido como enviasadas,
sendo os padrSes mais bonitos que (em v nd _> ao
mercado, e vendem-se a 800 rs. a vara : na loja e
armazem do pavo, na rna da Imperatriz o. 60, de
Gama & Silva.
Organdy branca
Vende-se o mais fino organdy branco com pa-
drees, mindinhos proprio para vestidos, pele barato
prego de 1* a vara, assim como pegas de dito
com 8 1/2 varas a 9*. fluissimas pegas de cam-
braia branca da Escossia com 9 varas, tendo o
palmos de largura, a 7*, 8*. 10* e 12*. assim
como ontras muito mais baratas: na loja e arma-
zem do pivo. na roa da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma A Silva.
Boleas para 84000 e 10.5000.
Vende-se maneiras bolgas de tapete com caixa
de conro, proprias pera roupa eogommada e mui-
to proprias para quem viaja em camlnbo de ferro
pelo barato prego de 8* e 10*, assim como ditas
sem caixa para barato preco : na loja e armazeni
do Pavo, roa da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Pe chincha a 30500.
Cortes de casemira.
Vendem-se superiores cortes de verdadeira ca-
semira toda de laa padrees escaros proprics para o
1 invern pelo baratissimo prego de 3*500 cada cor-
le de caiga ou amesua fazenda a 2* cadi, covado
tendo 6 palmos de largara e muilo propria para
caigas, paletots e colletes seria fazenda para maito
mais dinbelro a nao ter-se (sit ama grande pe-
chincha na compra desta fazenda e vendem se
nnicamente por este preco na loja e arm. zem do
Pavo roa da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Cotias baratos
Ciortes de cal?a a 800 rs.
Vende-se cotins escuros muito encoipados a
240 o covado ou a 800 rs. o certe, graade pe-
cbincba principalmente para quem faz ronpi para
vender e quem comprar em pega tera' o alaatimen
to de 20 rs. em covado : na loja e armazem do
Pavo roa da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Lencihos boriados
A 500, 640, 800 e 1*.
vende-se om grande sortimento dos mais lindo?
lencinhos bordados para mo, sendo a 500, 640,
800 e i*, e moito ricos a 1)1(600 cada um. Dums
de ditos branco? lisos proprios para boanm a 2;j,
3f e 49, todo isto pecbineha : na loja e arma-
zem de pavo, na roa da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
Organdy a 40000 sd o Pavio.
Vendem-se pegas de cambraia organdy de lisias
brancas tendo 8 e meia varas pelo barato prego de
4*008 a pega ou corte de vestido, isto ta loja e
armazem do Pavo : roa da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Pechincha a 40000 e 50000.
Meias da Escocia
Meias da Escocia.
Meias da Escocia
Chigon para a loja do Pavo orna grande por-
co de meias da Escocia, sendo de cor oscura e
muito elsticas preprias para homens que s? en-
dem pelo barato preco de 4*000 e ditas di, mesma
cor, sendo moito mais encorpadas a 5*000 e se-
riara pan muito mais dinheiro a nao ser ima pe
chincha ; na loja e armazem do Pavo : ra da im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
, Pannos de linho.
Vende-se superior pannos^e Hnho proprio par;
lonces, toalhas e seroulas etc., pelos baratissimo:
precos de 640,700 e 800 rs. a vara ; bramante c
linho com 10 palmos de largura a 2*200, 2*500 *
2*800 a vara; om grande sortimento de Hamburg'
oa Cregoellas por baratos pregos : na loja e arm
zem do Pavo na rna da Imperatriz n. 60, da Gi-
ma di Silva.
Graade pecbincba em chitas fraiceas
A 240 rs.
Chitas a 240 rs.
Chitas a 240 rs.
Chitas a 240 rs.
Vende-se am graade sortimento de chas fran-
cezas escaras proprias para vestidos de aedar em
casa afflangaado-se serem de cores fizas pele ba-
ratissimo prego de 240 rs. o covado : na loja e ar-
mazem do Pavao roa da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
r-ii 1 1 11. '
Qv-e tem em si : as pessoas que as qafter comprar
p-dem dirigir-se a roa do Vigario 0. 31, Io andar,
e-eripterio do annonciante.__________ ___
Xarope e pasta de Seiva
DO
Piaheiro niaritiuao
DI
E. Lafasse
Preparares moi preconuadas pelos sabios mdi-
cos de Par:s, com as melbores at boje disecbertas
para a cura certa de todas as molestias do pello,
bronchi'.es aguaos e chjronicos, astbma e anda das
affecce:- das vias urinaria?.
DEPOSITO ESPECIAL
34Ra larga de Rasarle34
Pharmacia de Bartholancii kC.
DEPURATIf
d SANG
PLUS D
COPAHU
Parte, 36, Rna Vivienne, IV
CHABLE rVUorcN spCal
DAS ENFERMIDADAS DES SEXUAES, AS AFFEC-
COES CUTNEAS, E ALTERACOES DO SANGD1.
30,000 curas ds impingen,
pstulas herpes sarna,
comixoes, acrimonia, e ai-
lercoes,viciotas dosanaue;
viru, e aileraeoet do san'
gue (Xarope vegetal sem mercurio). Depurativa*
Tegetaea SMimoai nncRtiS lomao-se dons
por semana, seguiodo o iradamente- Depurativo .- 4
empregado as mesmas molestias.
Este XaropeCitractode ferro
de CHABLE. cura immedia-
tamente qualquer purgacao,
relaxacao, e debilidad,
igualmente os /laxos e /lores
brancas das mtilheres. Esta injeccao benigna eo>
prega-se eom o Xarope de Citracto de Ferro.
H POMADA ANTIHERPETICA
Contra: as a/feccoes cutneas e coimxoei.
PILULAS VEGETAES DEPURATIVAS
da v ChaWo, cada frasco vai sccompabado de sa
talaste.
AVISO AOS SRS. MDICOS.
Cora catarrhot, osH*
coqueluche, irriucm
nervosas sa dos brom-
chiot e toda/ as doenca
do peito; basta ao doente
ama colhe rchdea deste xarope D* Forget.
Dr. chable em Parii, raa vivieaae, s.
A venda na pbarmacia de P Maurer
e C., em Pernambuco.
Sipop du
DrFORGET
Vende-se urna arniacao.
Vende-se urna armacao propria para leja, ou
outro qualquer estabelecimenn la com gaz enca-
nado-, s>ta ca roa do Rosario n. 4i : a tratar na
mesma ra n. 38 cem Manoel Jos Lopes & Ir-
mo._____________________________
Vende-se um molatinho de qu&tone acnos,
com bonita figura para om bom pagtm na roa
do Qifimado o. 47.
XAROPE
DE CASCAS DE LARANJAS AMARGAS
+e *. P. l,aroie, pharmaeeatico
em Pars
3o annos de suceessos atiesta a aa tffleaeia,
MMl
tnico excitante, para ajda as De-
ces do estomago, assim con des intesti-
nos, e curar a6 doencas nervosas, agudas 00
enronicas.
tnico anti-nervoso, para corir os incom-
modos percu'sores de doencas assim evita-
das, e para facilitar a digesto.
anti-periodico, contra os calafrios, calo-
res, com ou sem intermittencas, e que t'eem
por especficos as substancias amargas; tam-
bem eflicaz contra as gastr i tes e as gas-
tralgias.
, tnico reparador, para combater a ex-
haustacao do sangue, dispepsia, anemia, es-
gotamento, inappetencia, langor etc.
Deposito em todas as pharmacias e easas
de drogaras no Brasil.
ExpedicSes, em casa de 7.P. Lazore. roe
des Lions-St-Paul, 2, Pars.
Deposito em Pernambuco, pharmacia de
n. Maurer A C ra Nova n. 25.
"' V
\
Soperior vinho COLliARES.especial, da bem co-
nhecida eaerediada marca DEJANTE 4 Cp. amia-
do na exposicSo da soCledade Central da Agrleoi-
tara Portngueza com a roedalha de boom, e na
eipoiel* Imwraaclonai do Porto com a medalha
de i classe. Vende-se em caixas de doaj mias
de garrafas, ao nico deposito a rna da Ciide.'a ej-
crlplono de Leal Reis._______ _
\'INH0S
Superiores valas Ritoteja e Carca-
vellas.
Esta ultima qualidade mol flaa. malte propria
para o mat delicado tost e aepaeHea par o esto-
mago. Vende-se em caixas de 2 dalias da gar-
rafas, no nico deposito a ra da Gadeia 'isc/into-
rio de Leal Res.____________s
Atten$a&.
N raa do Imperador n. i vende-se
udeliaafr)?, eiiya Farelto.
0 Bausa venaa saceos eos- W *ras d, %^mtSto,o.4#500.
Escravos fgidos
60j?000 reis.
De gralificaee, qoem pegar o eseravo Hanoel,
prelo, de 40 annos de idade, baixo, gro?snra rega-
lar, peruas arqueadas para lora, e com o braco es-
qoerdo corlado jonto ao cotovelo.
Bste eseravo ja' foi preso ao Remedio onde se so
p5e que esleja,por algnma olaria farendo tijollo por
ser esse o seo offlcia Roga-se pois as autorida-
des policiaes e eapities de campo, a sua appr*ben-
Slo, podendo ser entregue no Recite ao 8r. Bernar-
ino de Sena Ponlnal, ou no engenho Macaoassi
ao abaixo assigoado. .
MarcloniUo da silveira Lins.
Aos capitaes de campo
blOOO de graliicacaa
No dia 13 do correte a noite, fugio da casa
do abaixo asignado, aa Capnnga, o eseravo da-
me Vctor, eom os signaos segointes : cor
fula, cabellos carapinbos, olbos pequeos, narb
bato, bocea grande, rosto nm tanto redondo, sea*
arba, qne representa ser 17 sanos de idade, alta-
ra e corpo regalar, ievou vestido, camisa de alae-
dao branco, e calca de brim; qoem o aprebenew
eve-o casa de Lehmano Preres, na roa de Qr>
lo a. 16, ou na raa do Imperador n. ib, l* que ser generosamente recompensado.
Recite 14 de marco de 1867. -.
Lehamano Presr^
Fo'gio em 2 de marco di correle _*
idade annos: qaem o 9&*J&PrJSZ
Attento.
Aona-se fgido o preto Gervasra, esenw aoJat.
H Bito Bistos, com os sknaeajissjjijfjjj
idade 35jnnoa.tone? t**
na a mata- %?mev, 'rea, tem ebrOdojl puj
cose, am dedo d'ama das roaos. E' bem conb
---------1 cidade e em seos ar.edores: tefJ^^^^^B
do Meio da Vanea, sera" beta nuiaiaMn
fj^Hajl


r^
PMrfl
m**.v i: itrn^c. ,liUlU tcjl-d Ajk, Atajo J bu7.

MTTERATRA.
TBKJTRO DA 6UHWA.
.V. 6. Legaban dos EstadoS'Unidos.
B enos-Ayres, 6 de fjFereiro de 1867.
A. S. Exc. o Dr. D. RiBno de Elizalde, mi*
resoluco da conferencia se far efectiva' Baenos-yres, icTde Fevereiro de 1867.
oa obrigatefta, seja para a terminachoe A S Exc. o Sr. ministro recente dos
sqspansao da guerra, seja-pan o re*la|)>'E-tados-Uyd eneral Alejan-
lecimento da paz, se nio depois qae tenha-rjre Asbwn.-Jr. fBrstr&luidtlw imr
sido accordada' por lodos os membros da: periosos do servicofoblico tm Impedido o
conferencia, e de nuil aanceionada e rati- governo de tomar em cagfideraco a nota
flcada pelos governos de cada dn>a de todas de v. ExcH de 6 do corfKte, e*ommuni-
as partes belligerantes, e"ipem qualqoer car-lle a resolaco qae tfoptou de pr-se
r.iro das relaces oxteriere*. Seohor.- protocoilo ou ootro papel que a conferen- de accordo com seas aliados para respon-
Mu poneos das ha qae, ao conclnir a mi- cia julgue conveniente" submelter a seosMer a essa nota, e ofarhoje. Rogo a V.
ota nota n. entend do meo grato dever respectivos governos, ou ao presidente dos Exc. baja por bem de desclpar esta de-
aufgurar a V. Exc. qQd a Repblica Argn- Estados-Unidos, o representante do Prfa-
tma podi sempre o em qualquer emer- guay por parte desle, e a maioria dos ple-
geacia confiar na sincera sympatbia dos Es- nipotenciarios pefl dos belligerantes, pode-
tados-Unidos e. seu fraternal desvelo pelos | rao obrar em reDresentaco de ses go-
interesses geraes da jgico argentina, e es- vernos.
pcalmeote o governo arggnti.no sabe que1 4o Qu 0 presjdenle do8 Estados-Uoi-
a guerra que prosegue entre o Paraguay dos ^^ uma pessoa para MSJ8tir &
de orna parte, e o Brasil com asRepubli- presidr diw C0Ilferenca e prestar seus
cai Argentina e Oriental da outra, chama bons officios em formaje informa cao ou
o parueatarmenle a luenclo do povo.e conseIho para fa#tar seu8 effeil m
do govenn dos Estados-Unidos sem-direito de voto/qem to pouco de
Em diversas occaaoes o presidente dos contrahr ob #Q / d
EsUdosiUnidos temchamado a attengao dos Estados-Uni.'os
beiFigenntes a ste respeito, offerecendo-1 J 5.~No "caso de descordo entr os
Ifcs seus bons officios, que pereciam ter plenipotenciarios, o presidente dos Estados-
prjbabilidade de conseguir uma pacficaco. | unidos designar algum estado ou sobera-
Gomo representante dos Estados-Unidos n0 n3 os Estados-Unidos nem qualquer
junto ao govero argentino, tenho tido a i ds belligerantes, para, cmo terceiro, de-
bonrn de tratar desn importante que3tao em icidir lodas questoes que Ihe sejam
submeltidas pela conferencia, e a deciso
de tal terceiro
mitinas cartas oHciaes ns. I e 3, dirigidas a
V. Exc. durante o mez de Janeiro prximo
passado, firmemente convencido de que na
presente crise dos negocios polticos desle
paiz a mediaco amigavel dos Estados-Uni-
dos ooteria mui benficos resultados para as
repblicas do Prata.
V. Exc. me informou, em saa nota de 29
dv jw-cilo, que o governo *da Repblica
Argentina se aproveitaria dos oficios ami-
gavtis dos Estados-Unidos, chegada a occa-
sio de entrar em negociares de paz.
Entretanto hontem recebi de Washington
am offioio informando-me que a cmara dos
representantes dos Estados-Unidos, de ac-
cordj eom os sentimentos do presidente e
seccionando a opinio publica da naco,
havia adoptado a 17 de dezembro rproximo
passa lo a resolugo seguinte: /
t Considerando que guerras destruidoras
locomaiercio eprejadiciaes s instituicSes
republicaus tm rebentado ha algum tem-
>o entre a Hespanha e varios Estados sul-
americanos da costa do Pacifico, como tam-
ben) entre o Paraguay e o Brasil e as Re-
pblicas Argentina e Oriental na costa do
Atlntico, resolveu:
Que se recommende, como pela presen-
te se faz, ao governo que offere?a os officios
amigaveis dos Esta los-Unidos, se isso fr
possivel, afiu de restabelecer a paz e har-
mona na America do Sul.
Por conseguinK o presidente, assim
solicitado pela graivie maioria da legislatura
do governo dos Estados-Unidos para reno-
var o?, esforcos queja antes havia feito, er
conveniente, pjf uma carta circular da se-
cretaria de Estado, submetter s parles bel-
geranies as seguintes propostas :
c P Que noca conferencia tenln lugar na
r:hd de Washington no dia convenciona-
do e marcado por todas as partes bellige-
rantes, entre os plenteocirios do Paraguay,
do Brasil e das Repblicas Argentina e do
Uruguay, autrisados a tratar todas as ques-
toes pandantes entre asparles beligerantes,
seprala e conjunctaraen?, assim como a
considerar e regular os termos de uma paz
permanente, que seja igual, j isla e hon-
rosa para tolos os belligerantes.
2o. .Que o Paraguay nomeie um dos
-jlas plenipotenciarios, e que cada uma das
outras potencias belligerantes ja' citadas no-
meie tambem um, porm que cada uma
das tres potencias alliadas tera' o direito
de conferir, se Ihe parecer, seus poderes
ao mismo plenipotenciario designado por
ama das outras, de maneira que as tres po-
tencias alliadas tr5o a op?o de ser repre-
sentadas por um ou mais plenipotenciarios,
"t 33- Que cada um dos plenipotencia-
rios to poder obrar se nao debaixo da
direccSo do governo ou governos por quem
liver sido oomeado, de modo que neabuma
4 no caso que aceite a misso,
ser consignada no protocoilo e outros do-
cumentos, ou procedimentos da conferen-
cia, e ser decisiva e obrigatoria para todas
as parles. -
6o. As despezas de cada plenipoten-
ciario presente a' conferencia serSo abona-
das pela potencia que os tiver nomeado.
A conferencia se reunir em lugar conve-
niente, que ser proporcionado" pelo presi-
dente dos Estados-Unidos.
7o. Um armisticio tera'.logar desde
que todas as potencias belligerantes hajam
informado ao governo dos Estados-Unidos
que aceitam estas proposices, e sera' mau-
tido at a terminacao da conferencia.*
Y. Exc. vera' que todo o teor destas
proposites nao significa por certo-d t'n-
lerpenfo que alguns peridicos dessa ci-
dade e de Montevideo tem indevidamente
procurado attribuir-lhe, torcendo a mente
do offerecimento dos bons officios dos Es-
tados-Uaidos; pelo contrario apenas sig-
nifica mediado offerecida pela qual os
Estados-Unidos desejam ver a boa fe e har-
mona restabelecidas entre os Estados da
America do Sul.
E, tomo a liberdade de declarar que creio
qoe o Ilustrado governo a quem esta' con-
fiada a sorie da Repblica Argentina, e de
que V. Exc. forma uma parte t5o Mmpor-
mora.
AproveKo esta opporlonidade para reite-
rar a V. Exc. a expresslo de minha mais
alta consideraco e apreco Rufino de Eli'
zalde.
Rtsposla do governo paraguayo.
ola do ministro Berges
Assumpcjo, 24 de marco de 1867.Sr.
ministro.O abaixq assignado, ministro e
secretario de estado da reparticao de rela-
coes exteriores, teve a honra de receber e
levar ao alto conbecimento do Exm. Sr. ma-
rocha! presidente da Fepoblica a nota qu
V. Exc. se servio dirigir-me com data de
20 do corrente, communicando-me que o
governo do Brazil e seus alliados das rep-
blicas Argeotina e Oriental recusam a me-
diacSo que V. Exc. offerecra por ordem do
Exm. governo dos Estados-Unidos, com o
louvavel proposito de fazer cessar por meio
de um tratado de paz que salve a honra e
os direitos dos belligerantes, comprometti-
dos na presente luta.
O Exm. Sr. marecbal presidente da rep-
blica me ordenou de aindaumavez agradecer
ao Ilustrado gabinete de Washington, pelo
orgao de V. Exc, o interesse que tem ma-
nifestado de contribuir para a termioacSo
dos funestos effeitos que causa neste conti-
nente a sanguinolenta Iota que sustenta a
repblica, e cojo prolongamento affecta nao
s6 maitos-interesses neutraes, mas tambem
prepidica os principios que constiluema
vida destas nacionalidades, cujas existencias
repouso no respeito do direito internacional
desgracadamente conculcado.
A S; Exe. o Sr. Carlos A^ Washbwn,
ministro residente dos Estados-Unidos na
Assumpco pela poltica do gabinete de S.
Cbristovo no Ro de Janeiro.
Agradece tambem a. V. Exc. a robusta ap-
gumentace- com que recasou a condico
preliminar de que o marecbal presidente da-|
cepublica abdique seu posto e sato* do pa
para consideras a quesUfe da medaacSo.
A salvacao daqneUes-.principios- reconhe-
cidos como-indispeosafeis estabrtidade e
progresso dos povos- que banha-e Rio d
Prata trabio a beeefica influencia dos gabi-
netes de Londres e de- Pars, consignando
lante, deve estar convencido que a prolon- era solemnes tratados-a autonoma do Esta-
gada luta sanguinolenta com tantas victimas
e "sacrificios mais que sufficiente para
vindicar a honra da Repblica Argentina e
de seus alliados, e que agora a paz to
urgentemente necessaria que so ella pode
permiltir ao governo nacional o assegurar
os beneficios completos de sua poltica Ilus-
trada e progressista.
V. Exc, com seu grande conhecimento
d8 passado e experiencia do presente, deve
conhecer esta verdade, que na vida das
nires, como na dos individuos, ha mo-
mentos prenhes das mais graves consequen-
cias para o porvir, e permitta-me abrigar
a fundada esperanza de que as propostas
de meu governo, que nao s5o se nao a
expresso dos sentimentos unnimes do
povo e do governo dos Estados-Unidos, ani-
mados nestas circumstancias, nao s por
sua boa vontade, se nao tambem por uma
decidida determinaco de sustentar a digni-
dade e os nteresses daquelles que Ibe
prestam sua confianea, serlo cordialmente
aceitos pelo governo argentino, e conduzi-
rao a um prompto armisticio, que sera' o
sengeiro precursor de uma paz duradou
ra igualmente honrosa e benfica para to-
das as repblicas da America do Sul, que,
sendo da mesma raca, fallando o mesmo
idioma e professando a mesma religiao,
deveriam naturalmente formar uma familia
cujos membros nao tivessem outra emula-
cao mais que o desenvolvimento de sua
mutua prosperidade e felicidade.
Tenho a honra de ser, etc. A. A*both.
N. 7. Ministerio das relaces exteriores.
do Oriental do Uruguay,, quando esta peri-
gosa j por vistas de absorpco meditada e
tentada por meio das armas pelo imperio de
Brazil, j pela iavaslo injustilicavel do go-
verno argentino, que Umbem tentou contra
sua existencia, poltica.
Pareca qae,. depois- das infructferas ten-
tativas armadas pelo Brasil e repblica Ar-
gentina, que chamaran a attencSo da Ingla-
terra e da Franca, que obrigaram estes Es-
tados a respeitar a independenciaUa rep-
blica Oriental e a consignar essa declarado
em tratados solemnes, devia-se suppr qoe
desappacecenam para sempre as antigs
pretences de seus visinbos contra a sua so-
berana.
Sem embargo forcoso confessar que,
apesar da garanta de potencias poderosas,
o governo brazileiro nao desisti de suas.
antigs pretences d fazer volver a seu do-
minio a provincia Gisplalna, arrancada par
meio da torga e constituida em Estado so-
berano pela urgente necesstdade de estabe-
lecer uma garanta solida paz e progresso
dessa Estado e seus conterrneos, destruindo
assim as constantes vistas do Brasil de fa-
ze-la provincia sua, e a pretenco tambem
pouco razoavel do governo argentino de re-
construir com ella o vice-reinado de Roanos-
Ayres.
Ao principio rospeitaram-se os principios
de autonoma dos Estadas do Rio da Praia,
*
FOLHETIM
O ARMEIRO DE IWlUO.
POR
PONSON DU TERRAIL
Parte primeira
VIII
O sonho do rei.
(Cootinuago.)
J o dissemos por muitas vezes, a noute
esteva negra e n3o teria permittido ao Del-
phim observar o rosto de Rapbael, anda
mesmo que este ultimo nao estivesse masca-
ndo.
Earespondeu elle, son ,am fidalgo
italiano chamado Rapbael, senor.
E' aprimeiravezque oa?opronunciar
o sea nome:
Sdu, com tudo, de nmasoffrivel casa,
murmurou Raphael com surda irona,
E eu offendi-o t perguntou o Del-
pbim com admirac3o.
N5o exactamente, seBhor. Com tudo,
orna fatalidade qae quer que am de nos,
?. A. oa ea, morra esta noute.
PerdoAsse o Delpbim, dirigindo-
soaS. Aodrests bem corto, marquez,
de que este fidalgo tenha todo o sea bom
seasc T
Simrespondeu o marqaez.
Oaca, senhorreplicou Rapbael com
colera oica c comprebender. Em qaan-
to V. A viver, ser um obstculo invenci
?al entre mim e mea pai... Em quanto
virer, ser-me-ha impossivel tomar o nome
de onu pai e apoiar os labios sobre a fron-
te da mulber que amo com faror e paixio.
Gomprehende, senhor ?
constantemente aleada pelos ioleresses mais
ou menos bem entendidos dos rtfiiJO' em
qoe se acbavam divididos. Dessl flagello a
repblica do.Paraguay nio soffre desde sua
emabcipacSo.
Osanoi haviam decorrido, e pareca que
a independencia oriental n5o seria jamis
objecto de guerra internacionaes quo aba-
lassam o Rio da Prata. Porm essa lison-
geira esperanca fot v^a, pois quando ms ,os
sa espera governo brazileiro, prevalecen-
do-se do seu poder, se lan?ou com protes-
tos pouco justiicavels sobre o que lotava
naquella occasio com uma guerra civil,
cuja prolongaco havia consumido seus re-
cursos e exhausto todos os elementos de que
podia dispr, para entrar em probabilidade
de bom successoem uma guerra internacio-
nal t5o mjustiflcavel como inesperada.
Exigencias peremptonas foram feitas ao
governo Oriental pelo plenipotenciario bra-
zileiro, que apoiava suas razoes em uma nu-
merosa esqoadra as aguas do Prata e em
numeroso exercito sobre suas fronteiras,
promptos a lancar-se sobre aquelle desgra-
sado paiz, cruelmente despedacado por uma
prolongada guerra civil, o que tudo-induz
a erer que nao'era estrnha a politica brazi-
leira.
Foi naquellaangustiosa sitoaco que o meu
governo julgou do seu dever chamar a alten-
cao do-gabioele-deS. Cbristovo, offerecen-
do-le sua mediagao para demonstrar-lhe
amigavekoente os funestos resultados que
produzr sua politica ameagadora se insis-
tisse em contiaua-la e levar a effeito seu
proposito de abrir hostilidades por mar e
trra contra o governo Oriental e seu exte-
nuado paiz. Fez mais, demonslrou-lhe que,
se o governo- imperial presistisse naoceu-
pacSo do Estado Oriental- por forcas terres-
tres, consideraria este faoto um casus- brtli
e eGollocaria no indeclinavel dever do con-
sidei'ar abortas as hostilidades.
O governo imperial tanto nao attendeu
s justas consideraces qoe o meu governo
submetteu sua Ilustrado e criterio, como
foi mais longe, encarou com desprezo seu
amistoso interesse e lancou sobre soo
Oriental cuja autonoma garanta conjunc-
tamente por tratado* pblicos com a rep-
blica Argentina, uma forte jlivisao do exer-
cito, com cuja oecupaco se anmou a re-
bellio contra o governo legal ; demais sua
esquadra ameacava bombardear suas inde-
fesas povoaces, tingajcom sangue Oriental
seus caudalosos "os, devastava seus cam-^
pos e suas florescenles cidades se reduziam
a ruinas. Ajusticia, a humanidade e o di-
reito in)ernacional, o nico escudo dos po-
vos debis contra, a arbitranedade e a vio-
lencia dos fortes, foram inteiramente calca-
cados pela poltica pouco leal e generosa do
gabinete- de >_ Cbristovo, com desprezo
dos usos- estabetecidos pelas naces civiii
sadas.
O geverno do Paraguay nap desconhecia
qae o Brazil podia ter direito s reclamacoes
que apresenteu ao governo Oriental, e se
Uvesse se limitado aos termos 'prescriptos
pelo direito das gentes, se nao tivesse em
vista occasionar am conflicto bellicoso, cer-
tamente que a repblica do Paraguay nao
teria deixado de escuta-lo em tal emergen-
cia, sem o. interesse de uma solugo honro-
sa e pacifica; porm a questo afasiava-se
das regras diplomticas e os fados demons-
ta-avam um perigo imminente.
Na situaco era qpe se achava a repblica
Oriental e ser violentamente coagida pela
forca, sensivel, porm necessario confessar
que semelhante procedimento da parte do
governo brazileiro fot pouco generoso e
anda menos nobre.
Definidos os termos em que deix,o narra-
dos os acontecmentos, a situaco do meu
governo era clara : desattendida a sua me-
diaco, dnegadas as explicages e desco-
nhecidas e desprezadas suas excellentes
disposic5es, nao Ihe restava outro recurso
que o extremoo das armas,- e para ellas
appellou como uni meio de salvar sua
a paz nunca foi alterada de urna maneira boara e direitos compromettidos pela politi- a09q, Paraguay, em aiteneJoa* paz.
siria, se bem que a^-goerra das guerras era a abofliva/tfe am governo tme-to'eci aoe pffffieVsos,
nos boseimi eios honrosospartrcoUonestar *
N5o, palavra de honra l responden
Henrique de Valois, com perfeita indifferen-
cae, dentro em pouco Ihe pedrei mais
ampias informacest porque nao posso ade-
vinhar que estrnha e nefasta influencia exer-
co sobre o seu destino, porm, primero,
permitta-me, que termine a minba conteoda,
com Santo Aodr, que pretende ter qae
vingar a morte de seu pai Bem deve conbe
cer, senhor, qoe os direitos delle s5o mais
sagrados do qoe os seas e qae o devo satis-
fazer primero.
A voz do principe era dominadora e.o al-
tivo Raphael. que nanea linha corvado a
fronte nem cedido a pessoa algama, sentio-
se subjugado e nSo ousou revindicar o di-
reito que tinha adquirido pela sorte, de ser
o primero a crusar a espada.
Vejamos, Santo Aodr, proseguio Hen-
riqoe de Valois, collocaodo-se altivamente,
com o chapeo na cabeca e mo no ponbo
da espada, diante do marqaez pretendes
qae matei tea pai ?
*- Sim, seohor.
E' segundo a maneira de interpretar
as coasas, mea amigo, porem oSo este o
lagar das explicacoes. Um Valois nao se
desculpa com a espada oa mo.
Bem Idisse o marquez com sarda
ironia.^-Assim. V. A. vai dar-me a honra..
De me bater comtigo, marqaez. Estoa
as suas ordens e se encontrares o caminbo
do mea peito, nao s obrigado a poopar-
me.
O Sr, de Santo Aadr dea am rugido de
a.
Ah I mormoroo elle meo pai...
Vais pois ser viogado ?
E tiroo a espada.
Heoriqae imitoa-o.
Bem ldisse elle com iodiffrefl$a
sua poltica ameacadora.
Nao podia ser duviloso o xito das armas
brasileras, fortemente coadyuvadas pela re-
bel'iao, cujas tendencias eram as dfesmasdo
Brasil.: o desapparscimento do governo le-
f.al e a creac de outro que fdsse mais d-
cil e condescender s suas exigencias.
Triumphou, portanto, a rebello mediante
os esforcos do Brasil, e subi ao poder ge-
neral Flores, representante do partido tole-
rado, e o Brasil abraodou soas reclamares
peremptorias em quanto sustentava este
mandatario imposto pela forca ao povo
oriental na goerra qoe "fazia o Paraguay.
A rebelliao abalava as instituic^es do paiz,
porm n3o era bastaote; o Brasil quria
anda mais : as instuuigoes democrticas
liberaes da_ repblica Oriental nao mere-
ciam sua sympatbia e desejava sua destrui-
Co, conseguio-o. Ha mais de dous aunos
quea garantas constitueionaes sao deseo*
nhecidas naquelle paiz e sao sust'rfas por
orna dictadura, qoe carece da cndilo es-
sencialmente democrtica, baseada na von-
tade nacional; porm ella subsiste por von-
tade do governo brasileiro |e de um circulo
que se chama r-artido colorado.
O governo paraguayo se achava em cir-
cumstaneias de oppor-se ao brasileiro, apof-
ando o partido blanco, que se achava no
poder, e o triuupbo nao houvera .sido
duvidoso ; porem seus principos poiiticos,
sua Iealdade e moralidade nao ^lhe permi-
tiam proceder dessa maneira. Tratou com
o govorno oriental, como- trataram todas as
nacoes porque era legal, porem nunca eon-
fdscendeu com as pretences que mini-
estara de ser seu alliado; e entrar sidoe
tratados posteriores, nos quaes tiveramos
licto o Paraguay sar exigente; Taes onsi-
como, todo o motivo de provocaco, c seus
deraomeu goveraoem desaccordo comu.
principios polticos e por isso se excuso o*
O governo paraguay, Sr. ministro.nve^
qaelS oriental nao consu'.toa suas copro-
nicnci&'s-, nem se ingerio nelta com o
psito de obter vant'gense coneessesirna
Nao foi tambera" sustentar um part lo
politfco para exercer sobre elle- influencia
que Ihe trouxesse vantagens immediatas ou
futuras, como tem sempre feito o- governo
imperial.
Protesto contr3 a condocta imperial, tem
snstentado com as armas os direkos- legti-
mos de um povo livre, a necessklade de
respeitar as institaices ea autonomia desle
paiz, exposto sempre a terfiveis abatas pela
proteceo, jamis justificada dos governos
visinhos, de. tancar sobre elle revotafes or-
g .nisidas com escndale no Brasil e na re-
publica Argeotina. aproveitando-se para taes
attentados do partido vencido as totas etei-
toraes, e qoedesconteate estava prompto a
organisar comits e revoluces aaqaelVes
estados, certo de que encontrava um pro
teceo effieaa e immediata da parte desses
governos; porem jamis- taes fados se ae-
ran) no Paraguay.
Triompbando a revolnco cread pelo
general Flores, mediante a cooperacao das
forcas e recursos do Brasil, se declarou dic-
tador de.seu desmantelado paiz, er na ne-
cessidade de se conservar no posto em que
o collocoo a vontade imperial, acceitou a
exigencia de- fazer a goerra ao Paraguay,
nico paiz que sem olhar a sacrificios, s m
buscar vameeias, se tornava defensor k> 1
edesinteressado de uma nacionalidade pr-
xima a desapparecer do cathalogo dos po-
vos livres.
Qae razoes teria qjie-expor ante o mun-
do o Estado Oriental por levantar suas ar-
mas comra o governo paraguayo, como can-
didamente proclama.
Eis aqu as causa que origioaram a ac-
tual guerra com o governo do Brasil eseu
alliado o- governador discricionario da re-
publica Oriental. As que origioaram a
guerra com a repblica Argentina, ainda
que idnticas no fundo, foram. aconseja-
das por to imperiosas razos como as do
Brasil e que o nfra-scripto tem, ordem de
levar ao .conhecimento de V.Exc, afimde
que por seu ajotorisaio e imparcial orgo
possa. sor submettida a' Ilustrada aprecia-
cSo do, goveroo. de V. Exc como as causas
primordiaes qpe aconselharam o governo do
abaixo assignado a aceitar; com seu squi-
to de males, a presente guerra, como ni-
ce meio de prevenir outros maiores.
Seria demasiado extensa minba comrau-
nicacSo, se me propozesse referir todos os
aggravos qoe o governo argentino tem in-.
fungido ao da repgblica desde a emancipa-
Co, por lodos os meios a seo alcance,
sem attender .e eram conformes a' digui-
dade e decoro de. ama naejo civilisada-, c
ciyii
no conceito 'd'tratros
nao oceupam anda o Iik
corresponde e a qoe Ibes die
.__ direito soae riquezas e privile-
giado clima, eleUientos uais que sofficien-
tes para serem cuites e prsperos.
tea repobltca
do Paraguay (azar conhecer i Argentina sua
categora de naco indepeodente, combatida
com com osi^peia por largos fonos. E se
obteve esse grande resultado oj pela fir-
meza e patriotismo do Ilustrado governo
que subsiituio a uma dictadura que pesou
sobre o paiz por espacos de muitqs anuos,
e vontada unnime do povo paragoayo de
gozar inslituicoospropras de harmona com
as exigencias-da nova poltica adoptada.
Tenho satisfaclo em recordar e con-
signar na presente nota, qoe a grande re-
publica que V. Exc. representa foi uma
das primeiras em saudar t independencia
paraguaya. O Brasil mesmo se apressou
nao s a reconbecer aossa independencia,
como tambem a fortalece-la, porque enio >
comprebendia e apreciara o qoe boje desco-
nbece e combate, a oeeessidade ostotu guo
dos Estados qoe o rodeiam para que a paz
neste continente fosse uma realiaade inaba-
lavel cuja sombra crescesse a cifHisacSo e
o progresso.
O Paraguay, amigo desinteressado e agra-
decido do Brasil por seus bons officios para
o reconbecimento de soa independencia, e
desejoso de cultivar e estreilar suas amiga-
veis relaces, aceitn am tratado de limites,
seno prejudicial aseos direitos, pelo me-
nos oneroso por qae sacrifica va orna parte
importante dalles com o elevado intento de
prevenir todo o motivo qae de futuro po-
desse alterar as boas relages entre ambos
os paizes; mas quando o gabinete imperial
estudava as estipolacoes daqoelle tratado
propesto por elle, e aceito eom generoso
desinieresse por meu governo, tinham cres-
cido as pretences territoriaes plenamente
satisfeitas por um momento.
Assim rejeitou o tratado em qne o Para-
guay fazia immensas conoesses^ e compe-
netrado da mpossibilidade de ceder as exor-
bitantes pretences territorias do Brasil, por
qoe mutilara lastimosamente o leritorio
nacional, eonro pareca pretende-lo, mas soas
vistas creseiam medida qoe a ropoblica
condescenda com ellas, at onde Ihe era li-
cito faze-lo, e em tal situaco fot pretso
chegar ao accordo de adiar a qoestad de
limites. Desde ento a leaidsde degabine-
te de S. Cbristovo foi menos acreditada
por meu governo. Nao obstante, as relaces
entre ambos os paizes se couservaram em
perfeito p de amizade, e pareeia qae nur>
ca seriam perterbadas.
A necessidade de concorrer para destruir
a dictadura do general Rosas? qoe eraoobs-
tacuton,ue entorpeca o progresso e a.esta-
bilidade dos Estados Sul Americanos, acon-
se hou o gabinete brasileiro a propor ao de
Assumpcao, no aono de 185, om tratado
dealanca, em qae reconbecera come nico
meio de conservar a paz e tranqoillidade do
sul da America Meridional o mais severo
respeito ao stato quo das nacionalidades qoe
a oceupam, e pr-eservar as naces que diri-
gem corara qualquer -tentativa de atacar a
sua independencia, invadir seos territorios
ou destruir sua iotgridade, entandendo
ento que a allianga dos joiaes e uniSedas
forcas era o meio mais poderoso e effieaz
para conseguir to justo fia, qae em nada
offendia os direitos dos outros estados con-
terrneos.
O tratado cujo espirito deixo escripto foi
aceito e firmado por meo governo, mas cir-
cumstancias espeeiaes obstaram o sen com-
primete. L
(Contina.)
eis' os relmpagos qae sftntillam no co, e
pela Paschoa, com izia o rei Luii XI, pare-
ce-me que nao teremos falta de luz t
Com effeito, a chuva cahia j com violen-
cia, o vento curbava os pinacu'os das arvo-
res e as oaveos, rasgaodo-se, por iotervallos
vomitavam o fogo do co,que projectavaasua
sinistra claridade sobre o lagar do combate.
Era, de certo.essa a hora e o lugar de ama
luta encarnicada entre um filbo que vingava
a morte de seo pai e o bomem qae o tinha
assassinado.
Os doos adversarios crosaram as espadas,
e Raphael, qae tinha assistido modo e
sombro, a essa scena preliminar do comba-
te, ao oovir o primero tinido de ferro, seo-
to o coracjto apertar-se-lhe e baftr com vio-
leocia. Receiaya pelos das do seo amigo
oa pelos do horoem qae aborreca ? Nem
elle mesmo o poderia dizer.
Durante dez segundos, lgubre silencio
apenas perturbado pelos trovos, reiooo em
torno desses homens qoe disputavam mutua-
mente a vida com selvagem furor; ao menos
o marquez, porque o Dalpbim contentava-
se com defender a soa com essa maravilho-
sa habilidadeoa esgrima qae possuiam todos
os Valnis, e qoe o rei Heoriqae^ III de vi
levar aos supremos lisites da arte.
Depois, de repente, Saoto Aodr den um
UM POUCO Dfi TUDO.
Uma fe!ha estraugeira eombate a aopersli^io
que etisle, principalmente eolre os marioheiros
logleze?, de qae a sexta-f;wa dia aiiago. 6*-
servaf,. diz aquella folba,. ()uanias sextas-feifas
(elizes figura Da historia da mais celebre de ts-
das as empreaas martimas, descobeta. e eaplo-
rafio da America : No d*a 30 de agosto de 1*92,
Colombo emprehendeu sua viagero de-descober-
ta dt-Afljeiea. No dta- 12 de outobra do mesmo
anuo descorre trra pela,primeira vm. A 4de ja
oeiro de t493 regressa. A 15 de maroo do mesmo
aooo chega a Palos. A S2 te noverohro riega a
Espattola da sua segoada viagero. 13;de jouho de
1W4., deseoberta do CMlineote americano. Todos
estes dias eram seitas-feird?. >
Bra ja' sabido que- o navio sueco FrmerHutadt,
qae navegava das possessoes asiticas da Rossia
para Guatemala, dascobrio, a 82 graas de lougi-
tode e 37 de latitud* norte, urna pequea liba, no-
tavel pela especie desconhecio* de aaimaes qoe ali
se encontram. Acrescentaa folbas- estrangeiras
que n3o ha mappa nem rotelo qae marque a exis-
tencia dessa ilha, nem nago. qoe se julgoe com,
direit) a ella, e por isso a Soecia acaba demandar.
um navio de guerra para, tomar pos^e deila. Sa-.
gondo o que refere o capito do treierxlatait% na.
naquella ilha urna especie de- macacos qne habi-.
tam em cabanas e viven da caca.
Meo charo marqaez responden o
Delpbim com socegocreio qae cbegadO
o momento em oueposso, sem cobarda ex-
plicar-te como se pode, at certo poolo, at-
tribuir-rne a morte de teu pai. Ouve-me
com attenco... Tea pai ultrajou minba
mli; vi-o ajoelbado diaote della e esbofe-
teei-o. Eu linba entao dez aooos, e nao po-
dia ser a mim qoe teu pai pedira reparac
dessa insulto. O meu professor de esgrima
o italiano Aventurino, bateu-se em mea
lagar. Bateu-se lealmeote e maten teu pai
com todas as regras, como eu proprio o faria,
se fosse homem.
- Meotira I exclamoo o marqaez.
Disse a verdaderespoodea simples-
mente o Delphim.
E a punhalada que V. A. dea entre
as espaduas ? '
Eu l exclamou o Delpbim. J<
Sim responden com frieza o mar-
qaez.
Mentira 1 eu s soube do duello depois
da morte de tea pai "e da faga do Aventu-
rino.
Saoto Aodr dea am grito.
V. A. jarar-me-hia ssa ? exclamou
elle com vivacidade.
O Delphim abaixou a espada, e collocan-
do a mi sobre o coraco, disse solemne-
mente.
grito de raiva, e recuou am passo.
O Delphim tinha-o desarmado de repente i----------------------_--------.:
e a soa espada tioha ido cabir a distancia qoe cootamos era m eirameote simples, e o
de dez passos. Ao mesmo .tempo, Heori- Jw^J"^ Jl!?!!?g*^e_ 2
Mrquez, juro-te pela minha honra
que disse a verdade.
Infame 1 exclamou o Sr. de Santo
Andra duqueza mentio l
E ajoelhando-se aos ps do Ddlphim :
. Senhor, perdoe-memurmurou elle-
oa antes mateine, porque ousei provocar o
filho do meo re!
Levanta-te, amigo disse o Delpbim
com benevolencia, nao somos ambos fidalgos
e nao temos o direito de nos explicamos
com a espada na mo ? E agora, aceres-
centou Henrique com esse tom de franqueza
que attestava eloqaentemente o seo nobre
saigue, deixa-me terminar a minha segunda
cooteoda, "
O Sr. de Saoto Aodr pegou oa mo \o
priocipe e beijou-a; depois, ia sem dutida,
deixar escapar uma oobre e generosa'paU-
vra qae desarmasse a impa cegueira de F.a-
pbael, porm,,lembroo-se eolo do jura-
mento que lbe tinba arrancado a duqueza e
calou-se, O marqaez. era escravo da rma
palavra, por mais criminosa qoe fosse aquel-
la a quem a tinba dado.
Agora nos, meo fidalgo l disse pela
segunda vez o Delphim, esperando qne Ra-
phael viesse collocar-se diante delle.
Porm, Raphael nao se moven. Tem
vel e completa revolucjto se'Uoha opendo
em seu espirito. Sabeudo que soa mi tinha
mentido, tinaa visto rasgar-se o veo qae
ella tinha laucado sobre seas olhos para he
occtiUar o seotimento da honra e do devM.
apoiooapoota da sua espada ao peito do qae, estabelecendo-se a esgrima e o doello que. e/a como elle, .filho dftieu .1J Jj
marauez aue eocrosoa o bracos e disse em bases e leis positivas, foi reconhecio e. seciid com frie'xa declarado que, ferir um homem desarmado terror que sentimos quando yernos aque.ies
V A tem esse direito. (1)'constitua um acto desleal que deshonrava
_________' para sempre aquelle que o praticava. O
Mate-me
. ________. para sempre
(t) Na poca da nossa oarraco, o fact0 desarraamento equivala entSg a victoria..
s em perigo de vida
.acordava r^Bntnamente de um
rroroso ; o crlffllnoso e lonco qne
quera ser fratricida, o bastardo qoe tioba
ousado, por um momento soobar a jerarchia
e o nome do priocipe legitimo, tinha emfint
horror de si mesmo, e ceda o logas a esse
Raphael. de Milo, to bravo, to generoso,
a esse discpulo querido do velho Guasta-
Caroe, que a loura Mariaooa tinha amado
com tanta ternura.
Eolo ? perguntou o Delphim ad-
mirado dessa inercia.
Rapbael dea am passo, tirou a espada e
quebrou-a sobre o puoho ; depois, inclinou-
se diante do Delphim e disse-lhe :
Senhor, V. A. tem direiio de mandar-
me ao cadafalso ; porquH desde algumas
horas, lludido dlo meu desespero e por
prfidas insinuaces, ousei sonhar a morte
do meu principe para tomar o sen lugar...
Porm, por piedada pelo sangoe que me
corre as veas, poupe-me a vergonha e a
ignominia da Praca de Grve... mate-me ..
Raphael arrancn a mescara e om re-
lmpago, itlumioaodo-lhe otosIo, fez soltar,
ao DeTpWm um gri|o de espanto.
Mate-me disife o armeuo com fneza
merec a morte. Soa o fi'ho da duqueza
de E'tampes I...
O Delpbim deixon escapar uma exdama-
Co de sorpresa e quasi de alegra, e*asteo-
deodoa'mloiBapbal.
Mea Dio !disse elle.
O resto i lacil de devmbar. O sangue
tinha fallado ao coracSo desses doos homens
e foi com as mios enlapadas, qoe montaram
a cavallo e correram pira Paris, para verem
ainda ama vez aquelle, a qoem um delles
em voz alta, e o ooiro, 6 segredo de seo
concito, davam o nome de pai.
Ah I chegeram muito Urde I
(Continuar-se-lm.)
TYP, 6*taM^.WttA (AS'fJRZBi N. il


\
'


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EV16Z96HP_73MN2K INGEST_TIME 2013-09-05T04:29:42Z PACKAGE AA00011611_11257
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES