Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11239


This item is only available as the following downloads:


Full Text
.i iip i. ;
liii i i i niV .v. t>m i./:, i ( .1
11 -i"
^mtwm
ANMO XLIIL NUMERO 82.
flRl A CAPITAL E LUGARES 0\UE SIE NAO FAGA POBTE,
for *>es mezes l/astadoa.,. l\ 000
Parto* <(*$ tda .....*...... 120000
Por na idm iba.. ., .; .. ......... 2400
ai tumor raja ,3 ...... i.............. 320
1U UJ
DE
JER **"* M"* ** 1M PROVINCIA.
Por Irw ames di*.*"* ... .
Por seis diUs Mea. .-1 ...........................
Par note dias idea..... *." .*....... .....\ \\
Per h aune idea.. r^ .. ,...>.'............
6,5750
18(9(900
20*280
27000
833(BH-Sa IB IPaaJIaiTBD HD asiailIPD!IlCD IDI IHD3a
ENGARRBGADOS da subscripcao.
Parahyba, o Sr. Antonio Alexndrino de Lima:
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva ;Aracaty,
oSr. A. de Lomos Braga; Cear,o Sr. Joaqaim
'os de Oliveira ; Para, os Srs. Gerardo Antonio
Al ves <5 Filbos; Amazonas, o Sr. Jronymo da
Costa; Alagoas.o Sr. Franoao lavares da Costa;
Baha, o Sr: Jos Martins Ai ves: Rio de Janeiro-,
o Sr. Jos Ribero Gasparlaho.
PARTIDA D<-S ESTAPETAS.
Olinda, Cabo, Bscada e estages da via frrea at
Agua Preta, lodosos das.
Ignarass e Goyaona as segundas e sextas felra.
Santo Aoto, Gravat?, Beterros, Bonito, Carnar,
Alnabo, Garntanos, Baiqoe, S. Beato, Bom Con-
selho, Aguas Bellas e Tacarat, as tercas-feiras.
Pao d'Albo, azareth, Limoeiro, Brejo, Pesqaeira,
Isgazeira", Frorer, Villa Bella, Catorob, Boa-Vis-
ta, Ouricury, Salgueiro a fi, as qnartas fairas
I Serinhem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Bar-
reros, Agua Preta e Plmenleir'as, as quintas
feras.
AUDIENCIAS.DOS TRIBNAES DA CAPITAL.
Tnbnnal do commercio : segundas quintas.
Relago : tercas e sbados s 10 horas.
Fazenda: qu/ntas is 10 horas.
Jnlzo do commercio ; segundas as II horas.
Dito de orpbos : terQMS e sextas s 10 horas.
(D IDI VikOiM A I?!lMJ)3, 8313 lPiai>I?Ml1a\!&II1>8g
ra do eive: tercas e sextas ao meto
ira do civel : qnartas e sabbades
tarde.
MERIDES DO MEZ DE ABRIL.
as 7 b., e 12 m. da 1.
rese, aos 17 m. da 1.
ia as S h., e I i m. da 1.
ming. as U b. e 9 m. da t.
Z5

JL
PARTE OFFICIAL
das da semana.
8. Segunda. S. Amando b., S. Elvsio m.
9. Terca. S. Demetrio m., S?. Acacio e Hago bb.
10. Quarta. S. Etequiel prof., S. TercD'cio m.
'I. Quinta. S. Leao Magno p. dootor da egreja.
19. Sexta. Ss. Vctor e Vessia mra., S. Julio.
13. Sabbado. S. Hermenegildo principe m.
i4. Domingo de Ramo?#. Damnina v.
.....' % 1 I-i"! a'!-!*1! I
PREAMAR DE HOJE.
Prlmeira as S boras e 54 m. da maahia.
Segunda as 7 boras- 18 minotoe da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COsTEIROS.
Para o sal t Alagoas a 14 e 30; para o norw
at a Granja a 15 e 30 de cada mes; para Fer-
nando nos das 14 dos mezes Janeiro, marco, maio
jalho. setembroe novembro.

OVERVO DA PROVIVni
Expediente do da 30 de Janeiro de 1867.
1* secgo
N. 1286. Offieio ao general eoromaodante das
armas. Pode V. Eic. contratar com alguna pro-
prietarlo, como propoz era sen offlcio n. 142 (testa
data, a ameotago dos eavallos do deposito espe-
cial de ioslrucgo que o respectivo eommandaate,
no offlcio incluso, declara necessitarem de pasta
gem no campo, abra de melhorarem das feridas
que soffrem e da magrem em qne se achara- Pica
assra respondido o seo citado offlcio.
N. 1287. Dito ao director do arsenal da guer-
ra. Mande V. S. fornecer, cora urgencia, ao 2*
'batalho de Infamara da guarda nacional do Re-
cito os artigos de corroame e mais objeelos men-
cionados no incluso pedido assignado pelo respec-
tivo commandante.
N. 1288.Dito ao mesmo. Remella V. S. com
urgencia para o deposito de recrutas os utensilio-,
qne se apresentaram n'esse arsenal 'om destino
a'qoelle estabeieeimento, fazendo V. S. a despeza
de.eooduccao que sera' iudemnisada pela tbesou-
raria de fazenda.
N. 1289.Dilo ao capito do porto.Com desti-
no ao servco da armada, apresenlo-lhe o recrota
Joaqnim Jos de Sant'Anna.
2* seceso.
N. 1290. Offlcio ao Exm. presidente do supre-
mo tribunal da |ustica. Commuoico a V. Exc.
.que o bacbare Lourengo Francisco d'Almeida Ca
lanbo deixou por molestia o exercicio do cargo
da juiz de direilo da comarca do Brejo, no da 22
do corrente.
N. 1291. Bito ao mesrae. Commuoico a V.
Exc. que o bacbare Antonio B.iarque de Naza-
relb delxou, em 18 de dezembro prximo dudo, o
exercicio do cargo de juiz da direito da comarca
do Limoeiro por ter sido nomeado ebefe de polica
da provincia da Parabyba.
N. 1292. Dito ao mesmo. Commuoico a V.
Exc. que o juiz de direilo Aotouio Manuel de Me-
deiros Furtado, tendo gosado de nma liceoca de 4
mezes que termlnon no ultimo de dezembro pr-
ximo lido, entrn no dia 1" do correte no goso
de mais 30 das concedido pelo Exm. coaselneiro
presidente da relago desta provincia.
N. 1293.-Dito ao Dr. chele de polica. Acabo
de determinar an.tenent8-coronel Jo?> de Sa d'AI-
buquerque Mello Gadelba, que faca substituir com
urgencia as SO pravas do destacamento da cidade
-de Goyaona por ontras do batalho o. 14 da guar-
da nacional do municipio daquelle oome, e da
conSanca do respectivo delegado : o que comma-
oico a V. S. em resposta ao sea offlcio n. 721 de
28 do corrente, e para que faga coasiar ao mesmo
delegado, recommendando-lbe que apprebeoda as
armas do baialbo n. 12 que forera encontradas,
cerra i determioel em data de 24 do corrale.
N. 1294.Dito ao mesmo. Reslituiodo a V. S.
os preis que vieram annexos ao seu offlcio de 15
do correle, sob a> 378, relativo a's etapas abona-
das pelo delegado do termo do Ez, a 9 recrutas
que, sendo remedidos para esta capital com desti-
no ao servco do exercito, foram tomados no cami-
nho, recommendo-lbe que providencio para que
aes prets venham em duplcala, e sejam sanados
os defeitos que n'elles se nota, segundo coasta do
parecer jaoto por copia da cootadona da luesoura-
ra de fazeoda a' que se refere o offlcio do respec-
tivo inspector, datado de 23 de Janeiro cadente e
sob n. 47
N. lz9o. Dito ao commandante superior da
gwrda nacional do municipio do Recife.Mande
V. S. retirar do dislricto da Magdalena as pragas
da guarda nacional que all se acnam destacadas,
as quaes tem de ser substituidas por oulras do
orpo de polica.
N. 1296Dito ao mesmo.-Declaro aV. S. para
sen connecimeoto e flns convenientes que nesla
dala mandel sati>fazer pelo arsenal de guerra o
pedido de corrame e ootros objectos para o 2."
batalbao de infamara como V. S. solicilou em seu
offlcio n. 39 de 21 do mez corrente.
N. 197.ito ao mesmo.Tornando-se necei-
sano para a captura de criminosos no termo do
Limoeiro a conservaco do inferior e 12 pracas do
batalbao n. 6.* de infamara deste municipio, que
all se acnavam destacados, em visia do que me re-
presentaran! o delegado e promotor publico respec-
> tivos, era data de 27 do correte : assim o. resolv
communrear a V. S. para soa inteligencia, decla-
rando que providencie! para que do da 9 em diaole
as referidas pracas sejam pagas pela colleclom da-
quelle termo e por coma dos cofres provlnciaes.
N. 1298.Dito ao mesmo.Teado por portara
desia data, de cooformidad com a sua informaco
de 29 do corrente, sob n 50, nomeado a Sevenno
Jos dos -aoios guiar e Firmioo Fraocisco de
Brlto, para alferes daquelle da 5." e esle da 8"
cooipanbia do mesmo batalho: assim o commumeo
-a V. S. para seu conhecimenlo e direceo.
N. 1299.Dtto ao mesmo.Expeca V. S. as soas
rdens para que sejam disoensados do servco da
polica as pracas do batalho o 6 de infamarla do
municipio do Recife, destacados no disincto do Pe-
res, logo que all ebegue o destacamento do corpa
de policia.
"N. 1300.Dito ao mesmo. -Mande V. S. apre-
soniar se na casa de delencao 50 pracas, em lugar
das 30 de que trata o meu offlcio de hontem, pa
guardaren) os sentenciados al o porto de
que.
N. 1301.Dito ao mesmo.Expela V. S. as soas
orden', para que seja rendido com urgencia pelo
Segundo lente do 1.* batalho de arlilbaria Andre
Xavier Viaona, o alferes do 6. batalbao de infan-
tana quo se acba destacado mi forte do Brum.
N. 1302. Dilo ao commandante superior da
guarda nacional da comarca de Garanbuos.Com
a copia da informago ministrada pelo inspector da
thesoara-ia provincial, em 28 do crrante, e sob n.
48, respondo ao offlcio de V. S. de 7 de dezembro
ultimo, sobre o pagamento do pret que veio junio
ao de n. 30 de 25 de setembro do anno passado.
N. 1303.Dito ao commandante superior de Pao
d'Aino.Tornndose necessario para a captara de
.criminosos no termo do Limoeiro a co9ervaco da
torca da guarda nacional sob o commando superior
de V. S., que all se achava destacad, em vista do
qoe me representaran) o delegado e promotor pu-
blico respectivos em data de 27 do corrente : assim
o resolv e communieo a V. S. para soa intelligen-
cia, declarando Ibe que providenciei para qao do
dia 9 em dlante a referida for?a, seja paga de seus
vencimeolos pe colleotoria da villa daquelle termo
e-por coma dos cofres provinciaes.
N. 1304. Dilo ao commandante superior de
Goianoa.Recommendaodo ne.-ta data ao tenenle-
cjrooel Jos de Sa de Albuquerqoe Mello Gadelha,
que faca substituir com urgencia por pracas do ba-
talbao n. 14 de infamara da gnarda naeonal desse
municipio, e da confianza do delegado desse termo
as 20 de queseeompde o destacamento de*sa cida-
de : assim o commuoico a V. S. tiara seu eooueci-
visorio de polica.Paca Vmc. destacar com urges
ca na povoacio da Magdalena a disposicio do
respectivo sabdelegado om inferior ou cabo de es-
quadra o cinco soldados do corpo sob seu com-
mando.
N. 1307.Dito ao mesmo.Faga Vmc. destacar
com urgencia no dislricio do Peres a disposigSo do
respectivo sabdelegado om aargeato e 5 soldados
do corpo sob sea commando.
. N. 1308. Dito ao iuiz municipal la pseada.
Por decrete de t9 ae dezembro ultimo bouve Sua
Mgestade o imperador por bem permittir que Ma-
thias de Alboqoerqae Mello Jnior, labelliao de
notas e esenvao do civel e.crima e da provedoria
e Joao Damascsao da Silva, a>crivo privativo do
jory e execugo cnmios. ambos deste termo,
permutam entre si os respectivos offlcios : o que a
VmC. commaoico para seu cooiiecimeoto, e afira
de que faga constar aos agraciados para os dos
conveniente*.
N. 1309.Dilo ao promotor publico da comarca
do Limoeiro.loteirado do qaanto me participou
Vujc. em data de 27 do corrate, tenho a dizer-lbe
m resposta, que acabo de declarar- ao delegado
desse termo que o destacamento de 30 pragas da
guarda nacional do Pao d'Albo e 12 do municipio
do Recife ir para a freguezia do Bom Jardira afira
de empregar-se na captura dos criminosos que
Vmc. e aquello delegado ailudem.
I N. 1310.Dilo ao promotor publico dacomarca
do Cabrobloteirado do contedo do offlcio da-
tado de 4 deste mez sobre as occorrencias crimi-
nosas que se aeram no lugar do Scco, recommen-
do-lne que por sua parte active as deligencias que
ine incumbe para punigo dos culpados.
N. 1311.-Dno ao delegado ae polica do termo
de Santo Aotao. Respondendo ao sea offlcio de 28
do corrente em que-pede se|i desigaadoum offlclal
para eommaodar o destacamento que existe nesse
termo, analo ser coaposto de 24 pragas, leoho a
declarar Ibe que por ora nao conveniente seme-
Ibame designago, tanto mais quaolo o sargento
jue a oommanda tem desempenhado satislacloria-
mente as suas funcgdes.
N. 1312.Dito ao delegado de policio do termo
do Limoeiro.loteirado do coatedo do seo offlcio
de 27 di) corrente, tenho a dizer Ibe em resposta
que as 12 pragas e 1 mlerior do 6* batalbao de in-
famara do municipio, desta capital, e as 30 do mu-
nicipio do Pao d'Albo que ah se acbam, devera Ir
para a freguezia do Bom Jardim aOm de emprega-
rem-se na captura dos criminosos a que Vmc. o o
promotor publico dessa comarca ailudem, certo
Vmc. de que ja em 25 do corrente providencie! pa-
ra que a colleclona dessa villa pague os venci-
meolos dessa forga.
N. 1313.Ponaria-O presidente da provincia
tendo em vista a proposta do tenenle coronel com-
mandante do 2* batalbao de infamara desse mu-
nicipio sobre o qual loformou o respectivo comman-
dante superior em offlcio de hontem datado sob 0.
50 resol ve, nomear a Severino Jos dos Santos
Aguiar e Firmioo Francisco de Brilo para alferes,
aquello da 5* e esle da 8a compaohia de mesmo ba-
talbao.
N. 1314.Dita O prasManl* A p"<* t-
exercicio, deve a Ihesouraria pagr a companbia de deteocao as 50 pragas, que V. S. sollcitou
pela verbaobras publicas geraesde qne trata o
11 do art. 8.* da lei do orcameolo que est em
vigor. Deas guarde a V. Exc.Maooel Pinto de
Souza DantasSr. presidente da provincia de Per-
narabuco.
N. 1326.Circular a todas as cmaras Para
dar enmprimento ao aviso circular da rpna'-iwig
d .01-iooiiur, cuiuiuermu o oDras publicas de to
do corrente, remetta-me a cmara municipal de
.........-. .com a miior brevidade copias au-
tenticas dos autos verificadores das dimeusdes das
em
seo offldo-desu data, para escoltaren) os" crimino-
sos al o Jionto de embarque.
N. !34fiM)lto ao mesmo.Ficam expedidas as
conveoienas ordens para serem sobstituldas por
pragas aa-eorpode policia as da guarda naciona
que existan nos disirictos do Peres e MagdaUna: n
tfue coognotaf % V- s. So er-tem do Kim. Sr. con-
seiheiro pfesWBote da provincia, e em resposta ao
sea offlcio de 29 do corrente.
N. 1343.Dito ao commandante superior da
guarda nacional da comarca do Rio-Pormoso.O
RPlra **" ffln"rt>v. Viajoo lo' 'oda a daie com que sabio o retrato. Reeommeidwno-
medidas usadas nesse municipio.Dlreetoria cen- Exm. Sr.conselheiro presidente da provincia, man-
traln. 21.* seccaoRio de JaneiroMinisterio da declarar a V. S. qoe transmittio a Ibesouraria
dos negocios da agricultura, commercio e obras I de fazenda, para o fim indicado era sea offlcio de
publicas, em 18 de Janeiro de 1867.Illm. e Exm. < 14 do correle, as folbas e preis, que em duplcala
que posso ter andamento os trabamos vieram anoexos aos citados offlcios.
3.' secglo.
N. 1344Offlcio ao iospector da tbesourarla de
fazeodaO Dr. Aolonio Colnmbano Serapbico de
Sr.Para
da rednego dos pesos e medidas do systema usual
do imperio, nos que Ibes corresponden! no systema
mtrico francez e vice-versa, oonvem que V. Exc
exija das cmaras muntcpaes dessa provincia e Assis Camino juiz municipal e de'orpbos do ter-
remetia ao ministerio a meu cargo, com a raaior mo do Bonito, renunciando o resto da licenga de
brevidade, copias auihenlicaa dos autos verificad)-' 30 das, que obteve reassumlo em 23 de dezembro
res e as dimensoes das medidas usadas nos ras
pectlvos municipios.Dos guarde a V. Exc
Maooel Piolo de Souza DantasSr. presidente da
provincia de Pernambuco.
N. 1327.Dito acamara municipal de Goian-
oa.Transmuto, por copia, i cmara municipal
de Gjidnna para sen coohecimeoto o acto desta
data pelo qaal resolvi approvar provisoriamente
os artigos de posturas a que se refere a mesma
cmara em sen offlcio de 26 do corrente.
N. 1328.Circular as cmaras municipaes do
Cabo, Agua Preta, Rio Formoao, Barreiros, Seri-
Qhaem, Goianoa, Nazarelb e Ignarassd.Para dar
cnmprimenlo ao aviso da agricultura, commercio
e obras publicas, de 16 do corrente, recommeodj
acamara municipal da E-cada, que me remeta'
com a maior brevidade amostras das trras, em
qoe sao cultivadas as canoas de asstcar, qoer se-
jo de qualidade superior, qoer das queja pare-
cen) nao remunerar o trabaino do lavrador.Di-
rectora centralN. 11.* secgoRio de Janeiro
Ministerio dos negocios da agricultura, commer-
cio e obras publicas, em 16 de Janeiro de 1867__
Illm e Exm Sr.Para que se possa proceder, na
prxima futura exposieo internacional de Paris,
analyse cbimica das trras productoras da canna
de assucar e verificar quaes as mais proprias pa-
ra esta cultora, e quaes os adubos que.coovlra
apphcar s qne ja' se nao presto bem a' e;ta pro-
duego, cumpre que V. Exc. remeta com urgen-
cia a' esta secretaria de estado amostras das tr-
ras, em que sao nessa provincia cultivadas aquel-
las pUntas, qoer de qualidade superior, quer das
qoe ja'parecem'nao remunerar o irabalbo do la-
vrador.Dos guarde a V. ExcMaooel Pinlo
de Sooza DantasSr. presidente da provincia de
Pernambuco.
N. 1329.Dilo ao juiz de paz mais votado da
fraguezia oe Agua-Preta.Em resposU ao seu offl-
cio de 28 do correte, em qoe deelara-me que
acbaodo-s em concert a Igreja de Nossa Seobora,
'do Rosario, que serve de matrz dessa freguezia
1 fkaffj. ra-* (.. i|uv fMi uiat.'ij u .8B.UIUIV1- r ^-
tendendo ao qoe ponderou o Dr. chele de polica; chial tenba lugar no pago da cmara municipal;
em offlcio a. 715 de 28 do correte resolve corr- i cabe-me dizer-lbe, que tendo sido convocados os
gir o eogaoo que se den na portara de nomeago eleitores para agella matriz all se deve no dia 3
do dis-
ra
embar-
de 2 supplente do subdelegado de polica
iricto de Pedras de Fogo, declarando que o nomea-
do Jos Heorique d Mendonga, e nao Jos Fe-
lippe de Meadooga, e determina qae nesle sentido
sepas-e novo Ululo.
3' secgo.
N. 1315.Offlcio o inspector da ibesouraria de
fazenda.Remello por copia a V. S. para seu co-
nheciraeoio e direego o aviso expedido pelo mi-
nisterio da agricultura, commercio e obras publi-
cas em 17 do correte, acerca do pagameut) das
cootas apreseoladas pela companbia da estrada de
ferro do Recife a S Francisco.
N. 1316.-Dito ao mesmo.-Recommendo a V.
S. que em vista das folhas e prets jantos em dupl-
cala, e nao bavendo inconveniente, mande pagar a
Joaqun* Silveira de Souza, conforme solicilou o
commandante do Rio Formoso em offlcios de 14 do
correte, os veocimeolos do offlcial e pragas desta-
cadas na povoago de Gameletra a disposigSo do
respectivo recrutador, sendo os a'aqurlie a contar
de 9 de dezembro ultimo at 10 do cadente mez e
os destas desde o 1* do citado mez de dezembro at
o predito dia 10.
N. 1317.Dito ao mesmo.Communicando-me
o general commandante das armas em offlcio desta
data, qoe designou em 19 do corrente o sargento
sjudante do 1* batalho de arlilharia da guarda
nacional do municipio do Recife, Gabino Jos Bap-
tista, para o emprego de amanuense da respectiva
secretarla em substitigo do Io cadete Maooel
Jos de Oliveira, qae leve baixa para a eofermana
militar; assim o fago coostar a V. S. para os fins
convenientes.
N. 1318.Dito ao inspector da ihesouraria pro-
vincial.Respondendo ao offlcio de 25 do orrenle
sob n. 41, com que V. S. impagoou o pagamento
durante o semestre de julbo a dezembro do aooo
prximo passado, com o foroeclmeato de luz e
agua para o quartel do destacamento existente na
povoago do Peres, e bem assim com o aluguel da
casa que serve de quartel ao mesmo destacamento
como se v da coma qae iaoluso devolvo, tenho a
dizer Ihe qae dessa despeza mande pagar soraente
a quaolia que fr devida, seguado o parecer da
conudorla dessa ibesouraria.
N. 1319.Portara.O presidente da provincia,
resolve de conformidade com a infortnago do che-
fe da reparltgao das obras publicas de 17 do cr-
reme e sob n. 13, conceder ao arremtame das
obras da estrada do Campo Grande, Feliciano Mar-
ques Vianna, um mez de prorogago para a con
cluso de taes obras, contar da data em qne se
lindar o praso para isso marcado.
N. 1320.Dita.O presidente da provincia, ten-
do em vista o qoe requeren o arrematante do ulti-
mo langa da estrada de Nazaretb, Jos Augusto de
Araujo, e bem assim o que a esse respeito ufor-
mou o cb"fe da repartigo das obras publicas em
offlcio de 24 do corrente sob o. 21, resolve conce-
der ao snpplicanle mais vinte das de prorogago
para a concluso das obras do seo cootrato, a coo-
tar da data em qae se Qadar a que ltimamente
obteve para esse fim.
4.' secgo.
N. 1324.Offlcio ao offlcial maior da secretaria
da cmara dos depotados.Acenso recebido com
offlcio de V. S., de 12 do correte, a collecgo dos
aooaes da cmara dos Srs. denotados oas sessSss
de 1865 a 15 de setembro de 1866.
S. 1325.Dito ao eogeoheiro fiscal da estrada
de ferro.Remelto por copla a Vmc. para seu co-
nhecimento e direego o aviso expedido pelo mi-
nisterio da agricultura, commercio e obras publi-
cas em 17 do crrante, acerca do pagamento das
coolas apresentadas pela compaobia da estrada de
ferro do Reelfe a S. Francisco.
N. 5.Directora das obras publicas e navega-
cao. 2." secgoRio de Janeiro Ministerio dos ne-
gocio da agricullora,.commercio e obras publicas
em 17 de Janeiro de 1867Illm. e Exm. Sr.Ac-
de V. Exc. datado
m N han Ditb ao tebenle-cbronel Commandante ; coso o recebimeoto do offltfio.
do"batbo 14 de infamara da goarda nacional, de 28 de dezembro ultimo, que acompaobou o d.
do municipio de Goianoa J>s de Sa de Aloqner- iospecloi da thesoorana de fazenda, acercado
nn Mrtii,, AadelhaFaca V. S. substituir com ur- pigamecto das comas apreseatadas pela compa-
2encia a ?2tf5racas do destacamento desja cidade nh,a da estrada de ferro do Recle.e era resposta
bor ontras dottbfc sob sen commando e da con- declaro a V. Exc, que, estando ja encerrado o
amo Ine reoomm'endoo o com- exercicio de 1865-1866. a quanlia neile despen-
guarda nacional 4esse mu- dida jw valor de 3:516#475 dev* ser processada
me o dia em que camprlr | convenientemente, afim de ser paga pela verba
fiaaga do delega
mandante superior
nicipo, e communij
esta ordem.
I. 1305-Dito
aoicbBtaanaaaie de corpo pro-
respectiva.
Qaanto a sjmma de 918#206, visto achar-se no
de fevereiro viodouro, proceder a eleigo, com-
priodo que Vmc. tome as devidas cautelas, era vista
do estado em que se acha aqaelle templo.
N. 1330.Dito ao juiz de paz mais votado do
primeiro disihcto da freguezia de S. Lourenco da
Malta.Informe Vmc. com urgeocia e ouviodo os
raerabros que compuzeram a junta de qualificago
de votaoies dessa freguezia sobre a materia da in-
clusa representagao, que me sera devolvida decla-
rando : 1.a se ha differenga de nomes entre a lista
de votantes junta a mesma representagao e a copia
da que'foi remedida a secretaria da presidencia :
2. se ha emendas, raspaduras ou qualquer outro
vicio no livro respectivo : e 3.'qual a razao de tan-
tas differengas que se notam entre as sobreditas
listas.
N. 1331.Dito ao juiz de paz do primeiro dis-
iricto da fregaezia de Muribeca.Tendo deferido
o requenmento do teneote-corooel Feroaodo Frao
cuco de Aguiar Moolarroyis, sobre que Informoo
Vmc, em 16 do crreme, recommeodo-lhe que,
lendo sido a^ua reclamago bem como a de outros
cidados a que elle se refere, alludlda pelo eonse-
Ihc de recurso, chame os referidos cidados e os
admita a votar, como Ibe cumpre na lorma da lei.
N. 1332.Dilo ao juiz de paz presidente da'jun-
ta de qaalidcago da freguezia de S. Lourengo da
Malta.Informe Vmc com toda a urgencia se a
inclusa certido extrabida da copia da quu-lifica
gao dessa freguezia no auno passado, remettida
secretaria do governo, ei conforme com o livro
donde fui copiada aquella lisia como determina a
lei.
N. 1333.Dito ao gerente da companbia Per-
nambucana.Pode Vmc. fazer seguir para os por-
tos do norte o vapor Ipojuca, amanna a hora 10
dicada, em seu offlcio de 29 do corrente-
N. 1334 Portara.O presideote da proviocia
teodo em vista o qoe representen a cmara ,
cipal da cidade de Goianna, em offlcio de 26 do
corrente, resolve approvar provisoriamente os arti-
gos de posturas abaixo traoscriptos.
Art. 1. Fica marcada d'ora em diante a ra ui-
reila da cidade de Goianoa para a compra de la
qae vier ao mercado da mesma
Art 2. Todo e qualquer negociaote que com-
prar la naquella cidade tora do lugar designado no
anigo aolecadeote, sem licenca expressa da mesma
cmara, sera multado em 3O#000 e cinco das de
prlso, na relacld9ncia softrer o dobro dessas pe-
nas.
Art. 3.* Ficam revogadas as dlsposigSes em con-
trario.
N. 1335Dita.O Sr. gerente da companbia
Pernarabucana, mande dar urna passagem de esta-
do a r at o Maranho no vapor Ipojuca, ao teen
le Maooel Pedro de Alcntara e sua malber.
N. 1336.Ditao Sr. gerente da companbia
Peroambacaoa, mande dar traosporte al o Rio
Grande do Norte no vapor ipojuca, em logares de
r destinados a passageiros de estado a Francisco
de Paola Aibuquerque Maranho e a sua mulner.
N. 1337.Dita0 Sr. gerente da companhia
Pernamoucana, mande dar urna passagem de est-
do a r al o Acarac no vapor ipojuca, a Miguel
Leopoldo de Lima.
Expediente do secretario do governo da dia 30 del
jaaeirt de 1867.
1.a secgo.
N. 1338.Offlcio ao general commandante das
armas.O Exm. Sr. presdeme da provincia, man-
dar remetter a V. Exc a indos ordem par Ser
recebido no hospicio dos alienados o primeiro ca-
dete Maooel Jos de Oliveira.
N. 1339.Dito ao mesmo.Ao director do ar-
seoal de guerra se offlcioa oeste dala para man-
dar condozr com urgencia para o deposito os oleo-
cilios de que V. Exc, trata, em seu offlcio'n. 141.
O que communieo a V. Exc. de ordem do Exm.
Sr. conselhelro presidente da provincia para sea
cooheclmento.
2.* secgo.
N. 1340.-Offlcio ao Dr. ebefe de policia,-Sua
Exc. o Sr. coQseiheiro presidente da provincia,
manda, remetter'a V. S. o ltalo do segaado sup-
pleote do subdelegado Oo dlstriclo de Pedras de
Fogo, que veio junto ao sea offlcio o. 715, d 28 do
correte, para corrigir-se.
N. 1341 Dilo ao mesmo. -Commuoico a V. S.
de ordem de S. Etc. o Sr,- cooselbeiro presidente
da provincia, que offlciou-se ao commandante so
perior para mandar apreseotar sem demora na casa
prximo irado, o exercicio do cargo de joiz de direi-
lo interino da comarca do mesmo neme, o qae
V. S. commaoico de ordem de S. Exc. o Sr. coa-
selheiro presidente da provincia.
N. 1345.Dito ao memo.-0 Dr. Paolioo Ker-
reira da Silva'parlicipou qae era 24 de dezembro
prximo lindo, deixou o exercicio do cargo de juiz
de direilo ioterlno da comarca do Bonito, e reassu-
mi o de juiz mumatsal e de orpbos do termo de
Caruar, o que a Vi ff eommumeo de ordem de S.
Exc. o Sr. conselneiro presidente da provincia.
N. 1346.Dito aanfiesmo.Participando Armio
Jos Lopes Contrallo ter no dia 18 de dezembro
provimo fiado e oa qualidade de 1* suppleote assu-
mido o exercicio do cargo de juiz mnoicipal e de
orpbos do Limoeiro, por ler o respectivo propie-
tario assomido as uneco ;s de jais de direilo da
comarca do mesmo nome: assim o manda S. Exc.
commuolcar a V. S. para sen conhecimenlo.
N. 1347/.Dito ao mesmo.O Dr. Antonio Baar-
que de Nazaretb-deixoa em 18 de dezembro ultimo
o exercicio do cargo de juiz de dirollo da comarca
do Limoeiro, por ter sido nomeado ebefe de polica
da Parahyba, o qae a V. S. commaoico de ordem
de V. Exc o Sr. conselhelro presideote da pro-
vincia.
N. 1348.Dito ao mesmo.O Dr.Miguel Bernar-
do Vieira Je Amorim juiz mnoicipal e de orpbos
do termo de Serinhem entrn em 39 do corrente,
no goso da licenga de 30 das que obteve, o que
commuoico a V. S. de ordem de S. Exc o Sr. con-,
selheiro presidente da provincia.
N. 1349 Dito ao mesmo.O juiz municipal do
termo do Limoeiro, Dr. Emigdio Marques Saotiago
assamio em 18 de dezembro prximo Hado o exer-
cicio do cargo de jaz de direito da comarca do
msalo nome, delxado pelo Dr. Antonio Puarqne
d Nazaretb chefe de polica nomeado pira a pro-
vincia da Parabyba: o que coramuaico de ordt>m
de S. Exc o Sr. conselheiro presideote da pro-
vincia.
mez, qae bavendo se tlndaou no dia antecedente a
licenga de 4 mezes, qne ibe fera concedida para
tratar de sua sde, eotrara oaqaelle mesmo dia
oo goso de mais 30 das qoe Ibe foram concedi-
dos pelo Exm. coa-olheiropresideote da relago, o
qae a V. S. commuaico ordem de S. Exc. o Sr.
cooselbeiro presidente d: provincia.
N. 1381.-Dito ao mesno.O Dr. Lourengo Fer-
nando de Almeida Catadlo participoo que por mo-
lestia passon era 22 d> corrente o exercicio do
cargo de juiz de direito da comarca do Brejo ao 1
suppleote do juiz rauticipal do termo de mesmo
nome : o que a V. S.communieo de ordem de S.
Etc. o Sr. conselkeiro presidente da pro-
vincia.
Europa e Asia, serrrare corando do engrandec-
ment de seosestabeleoimeotos da America edos
melbora.mentps que em soa mete forjava, para
alliviar unto quanto Ihe fosse possivel asjzjMjta*
da classe pobre e dessa em mel da qufMpeera.
Alara dessa idea umaoatra occopavalhjincas
sanie o espiritoa vinganga que a' soa saota me
prometiera lomar contra sea pae, na hora que Ibe
dissera o ultimo adeos. "J.
Com essa idea foi elle a' Portugal, e, ali che-
gando, freqaeotou os doas grandes tbeatros do
mundoos saldes arisiocraticos e os templos da
miseria, sempre em procara de seu pae e d sua
familia. t .
Seodo apresentado ao viscode de S. Silvestre,
|em ooite de baile dos seos sales, na jressmi
ment, dispertado pela vaga semelbanga-qoe d*s
cobrio entre o retrato de sea pe aos triota aooos
e o viscoode, coraecoo a. persegui-lo, e juroo
saber aorigem do Sr. de S. Silvestre
Em Lisboa travou Frederico relagSes com urna
barooeza, elegaote, de espirito rivolo, mas de
bom corago, embora om pouco estragada pelos
caprichos da poca.
Frederico agradou-seda baroceza, que tambem
de seu lado agradou-s9 delle.
Bavia em Lisboa om amigo operario que viva
com saa me e urna Blba, e a' quem o viscoode
dava urna miseravel penso, que servia para ali-
mentar a embriaguez consume de Maooel Fortu-
nato, assim se cbamava elle. Frederico vio nisso
mysterlo, e, procurando penetra-lo, veio ao co-
nbeciraento de sua familia. Maooel Fortunato era
seu to, era o iruiio mais mogo do viscoode, que
noba sido desprezado por este, bem como saa
me e sobrioba I
Feila esta descebarla, em urna taberna Immoo-
da, oode o Maooel Fortunato constumava ir em-
briagarse, Frederico tem occaso de soccorrer
seus prenles, e, unido ao Dr. Apjaricio dlstincto
medico porluguez, traasporta para a casa deste a
seu to, por cima de cojo corpo passam as rodas
do carro do viscoode. em oceaslao qoe elle Ihe pe-
de diobeiro para socorrer 00 leiio de dores soa
velba me.
Na taberoa
lo aos nossot leitores.
Na lista da mortalklade, bootem publicada,
onde se l Francolina Leopoldina Fontes, deve ler-
f* Prancelina Leopoldina Pontea de Paria.
1, Relagao das pessoas da comarca do Cabo,
qae mandaran) suas offertas ao respectivo jale de
direito Dr. Maooel Clemeotioo Camelro da Conba,
para serem transmitidas a' commissio enearrega
da de promover nesta provincia a ubserlpgo,
para a eonstrnco d'nm asylo de invlidos da pa-
tria oa corte :
Aotooio de Slqoeira Cavalcante. 50*000
Dr. Manoel Clementino Camelro da Co-
no...........50*000
Francisco Cameiro Rodrigues Campello. 1 '*000
Tbeotooio da Silva Vieira. ." ... 2*000
Pedro Joaqaim Gome3. ". 20*000
Felippe de S e Albnqaerqae. 'r 20*000
Permmio Francisco de Paola Mosquita. 2 *000
Fraocisco Aotooio d'Oliveira. 20*003
Maooel Cyrlllo Waoderley Llns. 10*000
Antonio Peregrino Cavalcante de Alba-
qaerque......... 10*000
Lourengo Bezerra Alves da Silva
Bernardo d'Allerao Cisneiro ,
Paulo Marlos d'Almeida. .
D. Aooa Deltina Paes Barrete .
1V*000
10*000
10*000
10*000
28 *000
PERNAMBUCO
REVISTA Diflmfl
lias, esta a mais
neto dramaturgo, ou
Ja aos nossos olhos,
MUTILADO]-
Teve erTeciivarnecte lugar abbado a noite,
em o oosso Santa Isabel, a primeir 1 represeotago
do drama do Sr. Ceiar de Lacerda Misterios so-
ciaes, qne foi bastante applandido pelo nosso pu-
blico.
t/jim disscmis, ha alguns
bella perola da corda do disli
pelo metros a qae mais bril
das que temos visto e eoohece
A represeutago do draraai longe de fazer de-
clinar o ccnceito qoe delle taamos formado ao
l-lo, corroborou anda mais, yagmeoiaodo-lhe o
valor; e a satisfago qae temos em dize-lo tati-
to mais legitima quanto expootaoeo foi o acoibi-
ment qae o nosso publico Ihe fez.
Cheio de lances altamente dramticos, escripto
em um estylo correcto e elegante, e nessa liogua-
gem que falla alma, ungido pelo balsamo do sen-
lmeolo qae faz vibrar at as mais tenues cordas
do corago bumaoo, e repassado de bellissimos
pensamentos, o drama do Sr. Cesar de Lacerda
digno de ser visto por todos qoaotos tem ama al-
ma, por todos quaatos sabem Chorar quaodo veem
ama lagrima dedor e de amor rebeolar oos olhos,
vioda do corago.
O enredo do drama Interessante ; embara nao
seja totalmente novo, o colorido que Ibe deu o ta-
lento do Sr. Lacerda, que mais o faz sobresabir.
Justiniano da Silva um porluguez de classe
nfima, que emigrando para os Eslados-UaMos, l
adquiri fortuna e crdito, do qual afinal abusn
sabtrabindo seas amigos mais de duzeotos cootos
fortes, qoe, unidos sua fortuna, constitu.- he
urna somma importante com a qaal regressou
patria.
Chegaodo Lisboa eovolvea-se em altas ques-
tdes polticas, chegou graodes digoidades e obte-
ve o ltalo de viscoode de S. Silvestre, do qaal
mais de ama vez se servio para seus fias com-
merciaes.
Aps a fgida da Ameriea do Norte, foram os
bens de Justiniaoo da Silva praga para paga-
mento do roobo que flzera outros negociantes.
Entre ssses bens haviam alguns homens dessa in-
feliz classe a qae a sociedado charaa escravos, e
entre esses urna linda creatara e sea fllho de 5 "ao
nos, qoe a voz publica dizia ser Albo de Jusliniano
da Silva.
Urna dessas almas generosas e felizes que para
bem da seeiedade anda existe, o Dr. Apparielo,
-viajava entio na America, e, assistiodo venda
publica daquees escravos, condoeo se da infeliz
creaoga, liberten-a, mas nao iWe fazer o mesmo
a' sua me. Ao deixar a America, no dia imme-
diato, o Dr. Apparicio emregou a' um seu amigo
nma sonda para a educago dtfFrederioo, o li-
berto.
Foi a" Frederioo que esteva rjerada a gloria
de com.o i eu irabalbo e mor libertar do captivei-
ro Sua me, que no da seguiuie aq. de sua babt-
litago aote a socledad, juecumbio nos bragos de
seu qnendo fllho.
SVidarieo outlnuou a trabalbar. Dotado de al-
ma generosa e raa.nanima, e de espirito nimia-
mente emp.fehendedor, elle cotuprebendeu a ne-
cessidade do estabeleeimenlo d grandes centros
mannfactoreiros e agrcolas oos srt5es de sua pa-
ira, e todo votado a' essa ida, priacipiou a exe-
cuu-la.em pequeo pontej o com lalsoceesso qoe
seus capitaes mukuplicaram "se e em breve foi elle
um nqoissimo agrienttor.
Predarici, saado chamado a' dtplo-naca de sea
paiz, satiitoi aos ere4,oies.-torgados de sea pae, e

Frederico descobre om maocebo,
um pobre operario, sem iostraego, mas de um co-
rago de perola e que ama sua prima Mara, fiha
de Manoel Fortnalo.
Como meio para chegar a seos flns viogativos,
Frederico bnsca associar o visconde a' sua empre
za na America, prevendo sem davida a recusa des
19 que protesta nao poder realisar a somma de
irezenlos cornos, antes d trala das, para sabir
dos apuros em que o pozeram o convite feito em
occasiao que seus capitaes, acabavam de soffrer
grandes abalos com a'quebra de orna casa de Lon-
dres.
Antes de ter essa explicago com o visconde,
Frederico pozera a' prova os senimentos da baro-
oeza, e, viudo a coohecer a belleza de saa alma,
oao obstaote os dicterios do muodto e especlalmen-
IJeWloa elogios pelos iortaw if-^' r*"'
mas libras; viodo, poc, diziamos dos, a coohecer
sen bom corago, pedio-lhe e obteve sua mo, ten-
do antes tratado levar comsigo para America Jos
Caroxa, o operario de qae aeima fallamos e a'
quem prometiera unir saa prieta em matrimonio.
A explicago eolre o pai e o tilho, ou antes eotre
o visconde e Frederico, teve lugar em preseoga da
barooeza, do Dr. Apparacio, amigo iotimo e inse-
paravel de Frederico, da viscoodessa de S. Silves-
tre, e dos pareles do viscoode, qae a ouviam de
iraz de nraieposteiro em casa de Frederico.
Cbegado a' recusa formal do viscoode, Frederi-
co lodigoa-se, reala a' sociedade as miserias e cri-
mes daquelle e coota-lhes a sua propria historia,
terminando por exigir do visconde que asslgne
urna letra pagavel a' trinta das, em troca dos re-
cibos da quaolia superior a' duzeotos conlos fortes,
que por elle pagara oa America. O viscoode as-
sigua a letra, e, Frederico, correado o reposleiro,
faz (otrar seus prenles e eatrega a' sua av a
letra de visconde, isto da-ine ama grande for-
tuna e a felieidade.
Saa av, porm, levada por esse sentimento su-
blime que se chama amor materoal, rasga essa le-
tra, aoiquilla essa sua fortuna, pieferindo abengoar
e perdoar sea fllho, que se ajoelba e beija-lbe a
mo arrepeodldo.
E' s depois dessa scena, qae o Dr. Apparicio,
condozodo seu amigo pela mo, entrega-o a' seu
pai, a cujos ps elle ajoelba e em cujos bragos se
laoga com e3sa mudez sublime, com esse arreba-
tamento delirante que caractensam o verdadeiro
amor filial, qae demooslram a Intima satisfago
e o eothusiasmo qae percorre todas as fibras da
alma do hornera, no momento mais bello da vida,
qaal o em que se abraga um pai de qaera se viva
sequestrado.
O'drama tem todo quanto pode atr.ab.lr, urna
composigo de mestre.
O que dizer da compaohia"?.. que foi bem r
pouco.
O Sr. Lacerda, o protogooista, nao podia ir me-
Ihor, por que melbor do qae elle fez, impossivel
representar o Frederioo de Ldceoa.
A Sra. Falco abri o cofre de seus talentos e pa-
tenteon-os todos rsonhos e bellos ao oosso publico;
decididameote artista de mrito; deu-nos ama
magnifica baroneza.
A Sr. Eugenia Cmara esteve na altara de sea
iocootestavel tafeoto 5 deu-oos ama ptima raeaioa
de 15 aopos, com todasas suas gragas Iofaatis e
simplicldade, e prpvoa mais urna vez que sabe de-
sempeobar cabalmente qualquer papel qae Ibe
confiado.
OSr. Tbomaz.o Dr Apparicio, fot moito bem
00 papel do medico philosopho; do verdadeiro typot
d i homem sincero e honrado. S temos elogios a'
fazer-lhe.
Coofessamos siacerameote que gostamos multo
do Sr. Lisboa oo desempobo do papel de Aprigio
das Neves. Nunca tiohamos visto at ento o *r.
Lisboa sabir-se lo bem; parece-nos qae aqaelle
papel fora escripto para elle, e at notamos que ja'
raodificon em seu beneficio, certos gestos e ma-
neira de rallar declamando que na verdade encom-
modavam.
Toda a mais companhia represeoloa bem.
E', leado a' scena dramas como este, e destri-
buiodo com jastiga e criterio os diversos typos
que o formara, pondo cada pagjl as raaos do ar:
tlsta qneestiver na sua altura, qae o Sr. Coimbra
ebtera', como tem sempre obtido, os favores do nos-
so publico; parabeos, pols, Iba damos, pata noite
de sabbado.
No domingo a' noute ebegaramearta de 300
pragas dos balalboes de Rio Formoso sennhadm,
ao mando do Sr. coronel Jos Antonio Lapes.
Seglo hootem para a comarca de Pao d'Albo
o Sr Ot. Ernesto Feliciaoo da Silva Tavares, coo-
tralado pela presidencia para medico dos batalhoes
all estacionadas.
Inforraam-oos qae foi designado para servir
de secretario da repartigo das obras publicas, o
Sr. coaductor Feliciaoo Rodrigues da Silva.
Tendo os edictotes da Smaiia Illuttfaia feilo
ama bella edicao do retrato de S. M. o Imperador,
em tamanho til qae pode servir nio s para sallas
particalares, como para as de repariigies publicas,
acabaos de enviar siguas pencoa exemplares para
o seu agente oesla cidade, o Sr. J. Falque, 1 roa
do Crespo u. 4, para serem veadidos 8*000 cada
um.
E' am irabalbo de perfeigo e nitidez loa a
prova, que se Tecommsada sobre todo pela Qdeli-
No collegio dos orphos existiam, no prin-
cipio do mez passado, 116 educandos, entrn
1 e sabiram 3 no correr do mez, e existem actual-
mente 114.
Na casa dos eipostos existiam 88, vieram da
casa das orphaas 6 e existem 94. Alm desees
existiam em creago fra do estabeieeimento 36
meninos e 42 meninas, entraram 3 de cada om,
aorreram 1 menino e 2 meninas, e existem 38
meninos e 43 meninas.
Pedem-nos.chamemos a allengo do Sr. fiscal
de S. Jos para os auravessadores de farioba, no
mercado, com grande prejoizo dos compradores.
Hontem o trem da via. frrea do sal qoe
vottava do interior, ao passar em nma corva entre
Cayamboca e Gamelleira, encontrn deilado do
lelto da estrada, mas fra da via e tendo a extre-
midade do chapeo sobre urna das linbas de trilbos, -*
um individuo de cor parda. O trem passoa-lbe
sobre o chapeo; qoiz porm a Providencia qae es-
se pobre individuo embriscado, nio tlves-e a ca-
beca sobre os trilhos no momelo da passagem
d'elle. Parado o trem, aps a passagem, foi appre-
heodido o homem, cajo estado de periarbaco era
manifest; foi trazido esta cidade e remedido ao
Dr. delegado de polica.
-r Ka nossa oitava pagina damos boje om iraba-
lbo aatallsUco do Sr. Dr. Antonio de Vasconcellos
Meoexes de Drammoad, acerca oo; goveroadores
n--dcDts que tem tido esta provincia.___;
m?u*>? (
i
c Ao entrar da 1* Dandi a (iw o vaton) at
aos quatro cantos, onde termina a illumioago pu-
blica, aceodem logo ao aooitecer 01 Iampe5es; mas
pelas 8 horas apagam-se os mesmos oo amortecem-
se, a ponto de atolar-se a gente em qualquer lama-
gal, 00 ficar exposta a algum raaWetor.
1 Anda mais.Em principio do aono nodo col-
locaram-se columnas para iilamiuago na ra das
Pernambucaoas, porm al boje nada mais se fez
quanto a canallsago, sob pretexto de nao bivar
canos. E sera' Isto real, quando v-se que os h:u-
ve para serem postes do Maoguinbo a poote de
cba ?
Que remedio havera' para tes irregularida-
des f
No dia 3 do crreme encerron-se a 1" sesso
jndiciaria dstjury do tormo da Escada, sendo oella
submeilido a ulgamenlo um reo, pronunciado em
crirae de morte.
Esse anico reo foi condemoado a 7 aoaos de pri-
so.
Hoja effectoa o agente Pinto o leilo de vmhe
e cojoac : no armazem do Sr. Annes em frente da
alfandega.
Amanha (10) veadera" o mesmo agente de-
ferentes predios, conforme se acha annaociado, a
roa da Cruz o. 38.
Hontem, s 11 horas de da, toraava banbo
nos Afogados um fllho de Marcolioo Ferreira da
Cosa, quaodo levado pela correte ia-se afogaodo;
sea pai, que isso presenciava, atirou-se a' agua
para salva-Io, mas infelizmente nao o consegnio,
vndo a perecer Junio com a infeliz crianga.
__ Ante-hontem, as proximidades do eogenhe
Utinga, de propriedade do Sr. Cisneiro Gnlmaraes,
as cercanas de Ipojuca, fot obrigado o trem da
via frrea, que segua pela manha para o inte-
rior, a parar, pjr observar o macbinista que nao
aitendiaaos aDitos repetidos de aviso um homem
que eslava estendido sobre os. trilhos. Parado o
trem e indo-se a levantar o homem, reconhecea-se
que era Ja' cadver, e que bavia n'elle na regiao
do corago nma Tacada, que sem dnvida foi o qae
prodozio a morte do infeliz.
U amor desse assasslnatp duplamente crimi-
noso, porque nao s o pelo crime em si mesmo,
ma3 tambera porque, estendendo o-,cadver da
vicliraa sobre os trilhos, qaiz criminar um dos
macbinistas da companbia daquella via fertea,
fazeodo o esroagar para cobrir o sea crime.
A' policia recommeodamos essa (era.
Martioiaoo Barbosa do Carmo, morador no
eogeoho Bocea ia Malta, casado e cora familia,
tentn deflorar, s 8 boras da noite de 31 do pas-
sado, a' ama menor de 6 annos, Blba de Joo
Francisco do Sacramento e de Rosa Mara da Con?
ceigo, qaando estes aobavam-se fra de casa.
Felizmente aos gritos da victima, acodiram a mi
da mesma e om* visioba, fugindo o criminoso, qne
ao depois foi preso, i esforgos do delegado de Se-
riDhem.
Escrevem-nos de Nazaretb, no do cor-
rete :
t^Escerrou-se no dia 28 do passado a primeira
sesso do tribunal do jury desta' comarca, tendo
apenas foocciooado. 5 dias.
Dos 5 processos qae foram submeltidos a joi-
gameolo, somante om merecea a indigoajao do
jury, sendo o roo condemoado 00 mximo do art.
269 do cod. penal. _"_
. H)ove Jastiga ne'sa condemnagio, assim eomo
oa abiolvigo dos outros. .
c Bita cidade, depois do desastroso acooteci-
mentode Pao d'Albo, tem esttdoem completo al r-
ma. Com oa sem motivo (nio entramos na apre-
ciago disso), lodos os das sao esperados os auto-
res daquelle alternado, para aqu repetirem a mes-
ma scena de sangue.
t Em rnseqaeocia di*so a respectiva antorida-
de policial fex marchar os^presos para essa cidade,
Bisando aoicimeote os qae foram abeolvidos pelo
jory, li qoe floahse o praso qoe a lei concede
para o recurso de appellagn, e mais doos qae de-
vem responder a julgaraeoto parante o Juiz de di-
reito da comarca; um pelo erlme de resistencia a
ordem de priso emanada do juiz raaotcipal e o
ootro jelo orime de furto de eavallos!
l.lt>ARTig'o da polica. Extracto das partes
dos dias 7 e 8 do corrale.
Potad) eeolhi dos a casa de deteogo oo da b
do coi rente .,
A rdem do Dr. delegado da capital, Baroab,
escraro, de Amonio da SUva Gosmao, a requeri-

hLEGIVEjJ


Alarlo o<
^Hi ~. t et'c aktt
10 daste
----------------
lo* 8. J' itiBBBBBBBBBBBBBBfl
Amonio Jos ftra j
*
a* *!*?*,
A arden o Mk*%j *^
,odeBera*tdlm>aaS; Piola, a
des te; a ordem do de S. Jo-e, ^M
Teira, por tarto,'* **i
por oflensa a moral pifil \> **e,<
'lo, J. 6. d MMflwi. '
Passageiros da (MM porttiue ^'"jf&i
-Jacioto aposo.FraljE dtllm Ramifteie
sua mutber e i^lbornlNMf**' _,
- Casa db wnM.--llMtaNto do da 7 do
ftSSm 328, ntraram 3, existe, m A ja-
sar: n.cionaes 235, malheres 15, estrferos 19,
molber 1, escravos 63, escravas 4-Total 218.
Alimentados a casta dos cofres provlaoiaas
2!Movimeoto da enfermarla do da 8 do crreme,
Tiveram alta :
Amonto Ignacio aConceieia.
Luii Joto de Sopo. _
GBH6MG4 jUDIGUIIt
TKIKOAM -A\ ,BIAC*0.
SESSAO DE6 Dl ABRIL DE 1867.
Basimwcu: do rar. sa. coirsKLHBimo wu.
As 10 hora, da raanMa, presentas o. Srs. desea,
bargadores Santiago, Giilrana, floerrt *".r.
^Vo^lfeo,. u*Mr eff.loiea '
"SSaTo Pjn.coBS.-Aggr.vanto. Franca
Canid de Alfiaguerqoe; ggravado. OrUojo
Heqwlino de Almeida; addiado na sessio de 2 do
correote.-De am se provlmemo. ininnim
habas coiu>us.-Ooocedeu-se ordem t Joaqun
Frente de Agrade, para a wssio do 13 o co'*
"S^blacoes cBltiKS.-Appellaote o Jni? WP8*'
Jo Joaqu.oi Paulo da Fonseca; ^ProCd.e"la: ?*&.
pellaoto, Jos Lopes'da Silva; awellada a ju^ti
d Anulo; appellado, Francisco o*erto (fcrrta,.
desdados os embrgoS.-AppellWteoao Gom
Ferreira-, amellada, Lucinda Marai da Cont, cao
f S.Ha, confirmad, a ^oleoca.-AppeHaote, Dar
soilno Sevenaoo d Souia; appellado, Jos remira
de Mello.Reformada a sentenca. tnnnm
EMBARGOS REMETIDOS. -KljW|WW, lojqnira
Jorga de Mello; embargado, Joio Gomes da Los
ta.Despresaram-ss os. embargos. .ntal
Ass.goou se dia para jnlgameoto dos seguintes
f-Ac5ES CR.M^-APpellame ManogF|r-
mino dos Santos Lima; appellado, yoe'Ca-'?
de Lima; appellante o lio; appetl do Ignacio
Perelra Pinto; appellante, Antonio Lopes dabrt
appellada a jostra ;PP?|,_nte JUII PP^
loa-1
ogra, cBOhados rmioe, aflicta todo
asso por ti oo por nwvan
^Hsta puto tost;
Win Domavfe 8c
iarraim, e- ^SSia" i!8' ***
0. rima*, ad vanarlo* seo taas qaaam KMpeitta elaioao deH
UM8 fromento, de Jragoas obrlgatorlM I B
trfiui coocoito fallara tto i propio', le pardesse
oeduo da aaU ntir arSiccao ao ate,..
Slo urobem dlvoma k-tfohereoola, que aspanta.
ra para ai
pma tnjitn a notos acriu
Bcm tordo osdominadoMs, ni
ruan-M d MrfUr/
i generaes distlnetos i
par tsio, continulo
randa o ow*fleio eonlr
genero*.
.*0 5
* de ret
^iErquTiea! taJJ.re**nwcea o 8IS.W-. Barca
eLooTWoM ane* fo
recrotamanto, como diz esenptor pfojrrsuita
iovertendo o sentido da nossa pr .posicao. A r-
Olacto, de que me oceupo. coincidi com a se- dade refere-se ao inodo lerQ
solte deelaraoio. toitt nesto cidade palo Sr. Dr. nado a bbmeo Tioiafito* e q
Antonio" PeTelMBTrfosr de Monee, delegado de do ,rlstlssimo que estamos lamentando.
Gofanoa ^m ama Ma, peraato o Hlm. 8r. Dr.; O panUt tomlnaWa, que dli coaatitnir a
SsHnr"aes e ontmpeaioui dlsse aqnello \rand, maima da provincia, nio devu tWMnr-M
enhor de motu proprio, sem que* se iba pergun, o apprehensiro contra. teX^ffSi"
tasse aoe o Sr. cabtiet Joio Joaqolm estata acal- mna ora rljdo amervaiw ora uta fiuvxi
mano a Inqu^iTe contendo as impaciencias; KmtJL Nio de,!, estar lodoso. diM aoltar
qae b.via e ha na comarca.
Ora, de meo tanao para mea sogro existe a fe-
lico de .obrinbo, qoe Ihe presta obediencia nuai,
e mantm o mala perfeito accordo
d&o se com-
prZode, polsi queo pnmeiro comnn.sse os do- diosamente da im com cmslosordinartos e seo.
SX'dqoa.egoPndo ?2SiJ2!flBSJL* '"'"'P"*
Recife, 8 de abril 4b 18*7.
Dr. J. ifn torrea di Qtimra.
lamentos pela (alta do concurso por parte das pros-
cripto.
Estes qo.ndo lata varo com Rosas, e como gover-
no iogiri na qoesfio do Iraflco, sahiraoj^a TJcUi-
va
OTICUS M OTAWHA. .
O sabdelegado Stivioo Moretra de Monee eet*
praticando as maiores tloteocla distrleto oe
Goyaooinba. B" tastromomo sem oenscieotia do
a.na (aae prompto sempre para pftr em execocao
o. c.prlebos da geote, que domina a comarca.
Ja' aio haveado boraeni do pero, a* quem nao
tenbi psrsegaido, volu-se para as pessoas mais
consideradas do logar, e ontra ella, exerce o seo
Ma'ooel B.zern da Assompcio, ex-jui de pac,
bomem de man de elocoenia aooos, pai de familia,
negociante e proprletarlo, vio-se (oreado a deixar a
ana casa na povoaeo de Goyanniona e modarse
para um sitio, onde est mais longe das provoeacoes
desse miseravel, a qoem a liga conslitalo aotorida-
de policial, xio sendo mais qoe ara reo de polica.
m ootro negociante e propietario, mawr ae
sesseota aanos, a qaem conbeceroos pelo nome d6
Figueira,foi prew sem justa causa, e o aelo foi lao
escandaloso, qoe o irmao do proprio subdelegado,
da nome Maarloo, indigooa-se e soltoa a vieuma
do Sr. Silvioo. '
Sabino de Goova Beierra de Meneies, Albo do
estimavel Sr. capillo Maooel Beterra de Meneze?,
propietario do eegenho Seteportat, octogenario
geralmente respailado no logar, foi tambera prebo,
sem justa cau^a ; e ia para o tronco, quando o Kvd.
padre Francisco Goncalves Ferreira SimSes inter-
velo para qae se suspendesse a ordem j e gracas
a' soa jotervenco nao-passou aquelle moco hones-
to, paciieo e bem educado, pelo desacato de ser
tratado como grande crimiooso, oa anles como mi-
sero escravo.
Estes faetos indicara bem o estado era que se
acba a comarca de Goyanna, onde, sob o dominio
do Sr. Flrmino, ludo esta' na maior anarchia.
A autorrdade que Ibe adherente n5o reconhece
cao dos adversarios internos.
Racjfe.idllAJ7.
Jote Bento da Cunha Figutiredo Jnior.
* jabidoe com fexandas..
. gaaero^.. ^
escarragam boJede abrtt
francex- BI/r -roareador ii.
t ilu. Gronde.*M*m.
A-IHmota-itm-
iCefione.lbo.
j-Helenafarinha U Ulg*.
logoez-Jhi-diver*o gevjfM
M-O/iwtra-DanrJas tapias.
mConfanf I** as.
Zebra- vinhos.
,1-Sowa Mam^.? abarque.
____^ne*aS|/mp Sumaca hespanbola-Prop ne.aph9ia-p-
178 .tO09l'a(M> apiuo MurDoy, -equip!
L**: es Affiu.NrM ISSfil Countep oWw
Vty; de-157 toneladas, elpltib Cilrk, eqolpi-
gem-II,cara* dormentes part a estrada da rar-
rtr; a ordem. __^_m_ ____
Ponos do Z&&I!Tctm**Z>.
commandanla4oaqa|gfc floeaaa Al*ejj||i3.
Suspenden ^*n>8iP^a,n/!'t|S**6 a
galera americaj -frew *m
a mesma carga e tNMle (f^tftblca. ;
dem para be5res,>lera topeta DtUan^ftjcr,
cap to Bruce, eejra oana'Blta ana ireaw de
Melboorne.
_____ausinacaSwperoeWem.
Pataebo nolstenseJofcaiwaida.
Britaa nacional ~F#to-Aoi-aiw-*em.
Vapor inglerCoiiiiMcaa-vao.
PAUTA POS O* DOS OBWS SDJUTOS ADMITO.
DI IXPOBTACAO. BXttliltA DI 8 A M DO MU DI
"mISotu. Unidades. VaJore^
800
HllUHlHI'.HiJJJl
Publicares a pedido
Tendo en |do elelto pelo primeiro-districlo elei-
toral legislativa do trapera eimr a toipha **periaii-
visto como nio solieitei umanha bourn, pan mim
um dever Imperioso agradecer ao rspeitavet eorpo
eleltoral do priojeiro distrlcto os suffragios que se
dgoou dar-me ; suffragios, qoe tendo sido espon-
taneQs me honrara unto, quantd loroam profunda | ^^^ aUmaollfiM
Abanos.........
Aguardeotode cana
dem restilada ou do reino .
dem caxaca.......
Idom alcool ou espirito de W-
ardente.....
Algodo em caroco
dem em rama oo em jaa
Arroz com casca
dem descascado ou pilado .
Assucar mascavado ....
dem branco ...
dem reouaaw .. -, -
Aieite de amendoim oo mando-
bim ..
dem da coco ......
dem de mamona a>
cento
cartf^a
*

a
a
arroba

S^torttW de AUelnto C uta. _..
SaiUi Cm t lUMtea^fc MU-
sacra
bato
i, das
..Jl*4oa*i
Boeoflafio;
qae toivem enlreg'
mt ellas se itaressaoa.
ia Misericordia i
,o declaradas pai a
do eoHegtodaa
adianto Beneioaa-
de eoatiooar
ativa deliberoo
entes on pessoas
conformidade do
t
fin-mi
O Dr. Paarioo Rodrigues Fernandes Chaves,
joiz municipal da primeira vara, oesta (i-
dade do Recife de Pernambuco, por Sim
Magestade Imperial e Costiiutiouai o Sf.
D. redro II, a quem Deu* guarde le.
Fapo saber aos que a presente carta de
edites vi reta e della Dolicia tiverem que por
este juiao a junta adraioistratira da irmaa-
^ dade a Santa Casa de Misericordia do Recife
900 "
128O0
M600
3*600
4*000
lado, Joaqnim Piolo da Fooseca.
APPELtAgdas civEis.-Appellame,cj Amonm ^ ^^--yj "geVarb.lrl. i
Amonio da
Sr. desem
- &$


aoim de Sequeira; appsllado, .,
da Paz J apellante, Jos No da Silva Burgos; a
peliado JooBaptsta da Silva; appllameDr-
Pedro Perira bezerra de Araujo Batirlo,; appelU-
dos, os tjerdeiros de Christovao "":
appailaolas, Maooel t Souza Silva Serodio e ou-
tros, appellados, Francisco Pereira a oulros, ap^ei
tonVe, Mara Amelia Candida.Corre. PP* ^
Jos Candido de Barros; appeilanle, Bernardo Jos
Pereira dos Santos; appellado, Manoe
Rosa Junipr.
PASSAGBNS.
^ Do Sr. desembargador Santiago ao
bargador Gilirana : .
Appellaf3es crimes.-Appellante, a Joizo; appel-
ladoi Jos Antonio Paz da Porciuncula appellanta,
o julzo; appellados, Jos Joaquim d%Cmaino e
outros; appellante, o jalao; appellado, JosMarlins
^Do'sr. desembargador Guerra ao Sr. desembar-
gador Lourenco Santiago : __ |
Appellacoes civeis.-Appellaute, Mana^naua
do Carmo; appellado, Mariano Joaquim da Silva,
>Qpellant da Silva Teixeira; appellado, Antonio Pert.;- -v
Fana; pPoil*uic, uacdiel lympio Marques da
jilva; appellado, D. L^oner Felicia Waoder-
ley.
Ao Sr. desembargador Almeida Albuqoerqoe:
AppelU co-s civeis.Appellante, Antonio Bau
appellado, Jo? Joaquim Ribeiro; appellante, Ma-
nuel Francisco de Amorrm; appellado, Auur
Ferreira da Silva.
Do Sr. desembargador Lourenco Santiago ao Sr.
desembargador Almeida Albuqueruue:
AppellacSes crlroes.Appeilanle", ojaizo; appel-
lado Tboinaz Jos dos Santo;; appellante, o jaizu;
appellado, Bernardo, Jos Pereira Pacheco; appei-
lanle, o juizo; appellado, Jos Mara de Oliveira.
Do Sr. desembargador Almeida Albuquerque ao
Sr. desembargador Molla :
Appellacao crime. Appeilanle, Maooel Jos de
S; appellado, o juizo.
Appellacoes c:veis.Appellante, Manoel Tuouiaz
da Silva Cabrinba; appellado, Antonio Ji> de
Britto Rosado; appellante, Jos Pz de Lyra; ap-
pellada, Caslna, escrava.
Do Sr. desembargador Assis ao Sr. desembarga-
dor Domiogues da Silva :
Appellacao civel.Appeilanle, Vasco Marinho
da Gama Mello; appellado, padre Jos Gomes dos
Res.
' Ao Sr. desembargador Uchoa Cavalcanli:
Appellacao civel.Appellante, Telespboro Caeta-
no de Aoruu; appellado, ktaoel .Nunca de
Mdlo.
Do Sr. desembargador Domlngoes da Silva ao
Sr. desembargador Ucha Cavalcanli:
Appellacoes civeis.Appellante, Maooel Tnomaz
de Albaquerquo Maraoso; appellado, Dr.Siophrn-
nloCezar C uiinbo; appellante, Joio Jos da Coeta
Ligo; appellada, D. Aooa Ignaeia d'Araujo.
A l'/a horas encerrou-se a sessio.
Conimunicados
Partido Conservador.
TOBADA DB RECRL'TAS EM GOTANNA.
CoDsta-nos que a columna progresslata do Jornal
do Recife fallou da tomada de recrutas em Goyan-
na, impotando a a meu irmo Leodegarlo Corroa
de Oliveira Andrade e a um prenle afflm.
Nao li a noticia, mas nos termes em qoe me d -
zem ler sido dada, nao c-jmo antes correr nesta
cidade, e fra ouvida ao Sr. Dr. promotor publico
pelo raen collega e amigo Dr. Teixelra de S' e por
outras pessoas.
O que pnmeirameote se disse, e repeli o Sr.
Dr. Armioio Tavares, fol qoe o faeto era iropoiado
tambero a seu to o Sr. Manoel Tarares de Mello
Brrelo, de ajaera me bonro de ser primo eonsagoi-
aeo e nao afflm.
Esiuo certo d que o filustre Sr. Dr. Arminio
disse simplesrocnte o que oovlo, sem dar crdito
impatacao calumniosa (ella a sen to e a meq Ir-
mao; e s menciono tal ircnmstaDcia para dar o
motivo da defeza, qoe me jolga obrigado a Ca.tr a
ambos os calumniados, ambn nao techa sido de-
clarado o ooma de um d'elies, na publieacao a qae
me retiro.
Nao querem os progressislas recoobecer que a
paciencia do povo esla' aagotoda, a qoe elle reaae
por si so, sera eooseiho nem dlrecco, comra a
violencias que sofTre
Em rao d'Albo, onde a perseguico exeedao lo
das as descripcdes- qoe sa ero feilo, o acto da
desespero, qae eosaogoentoa aquella illa, foi logo
impuiado ao Sr. taoeate-coroaal Luit Maranbao,
por fOeito di combmacao entre o ekefe* conserva-
dores. Em Guyanna, fado meos grava, proce-
dente de cansa idetica, tambera aatriuido a
meo irmio e ao Sr. Manoel Tavares, para que eo
a o m u primo V amigo Br. Jeaqoim Tavares de
Mello Brrelo, co-raos da ppostoio que sa fat
n aquella comarca a' ara*dos idoloiHa poca, pos*
*amof figurar como conselbelros de naasoa irraaos,
a responder 0 argaido.
fciu2T';,oe**lc,i' "oa primeira versao
tajlada e oa segunda esenma, falta oo qoe eoo-
oem a Sr. H, niTTI"
ooalqaer pare
recrutas. Sa es -,.-.=,
tten
do n
Mi bbbbbbbbbbI
muoicipal 9e promovem todas as consplracoes e se
levantara calumnias as mais impudentes, porque
essa autoridade," conscia de seus deveres, nio se
sobmeiie a' tutella dos improvisados e sujos
mand5et do partido progressisia na briosa eomarca
de Goyaooa, digna de melbor sorle.
O Sr. Silvioo s pode ser subdelegado onde e
quando o mo lfaiate Joio' Prudencio da Cruz,
conhecido por ivnu Mestre, eirorgiao da cma-
ra mnoicipal, por inflaeocla e incrss ptioal do
mais sujo dos ditos mandSes.
As columnas progressistas do Jornal do Rectfe
leera-se oceupado comigo oestes ltimos ajas.
Dlrei por ora doas palavras sndente sobre o
artigo edictorial, cojo autor se aprsenla com lu-
vas de pellica, observando as regras da decencia
propna de cavalhelros.
Afirmando que eu jnstiflquei e altenoe os at-
teniados de Pao d'Albo e S. Lourenco, o llusire
articulista coolradn-se e por seu turno ju-tibca-
me citando as propilas palavras com que declare.
que ninguem apprdvara' o recurso extremo de
movimenlo armado que tantas calamidades produz.
t*~4. mais; o arliculistaasseverarr-Bie agrada
fe? 12 SS^TS r,Sr obliftS,ilraWfn%a
meara j sentimenlo.
O que mais quera o illnslre articulista para
traoquillidade de seu animo ordeiroe patritico?
Onde pode fundar a sua admiraco por eu dizer
que o partido conservador nao era cumplice nos
acontecimemos de Pao d'Alho e B. Lourenco ? De
que base tira a illacaode que eu proctiret empe-
nhadamente motivos para criminar as autoridades
innocentando os seus aggressores 'l
Nao fiz maisdoqueassignalar as cansas da irrita-
gao dos espiritos. Arhei-as na intolerancia, na re-
aeco, Das tropelas eleitoraes e nos abusos que se
leera praticado ltimamente.
Nestas circunstancias, e reconbecida a ndole
ardeote dos peroambucaoos, nada mais natural do
que ver mulla gente (at de cabellos brancos) m
raviihar-se por nao lerem apparecido scenas uiuilo
mais lutuosas.
Pois assergo coniesiavelque se a opposicao
quizesse reagir ffflcaimente ce ntra urna siloatio
desesperadora, como estas le lo-hia feilo e ha mais
tempo, vantajosamente, quando era tres annos se
lera apurado tanto a paceocia publica 1
A raisso do escriptor nao se ilmita a ir procu-
rar no cdigo a classiBcac,ao rigorosa dos succes-
sos. Elle deve atilngir as eausas prximas ou re-
motas, e precia-las como esclarecimento on con-
seibo.
E se nos estamos convencidos dessas causas qae
temos assigoalado, e reconhecemos que nem todos
podem ler a reaignaco extrema desses chefes con
servadores ; se vemos o governo ostentar urna for
ca esmagadora contra os que elle considera crimv
nosos ; se aules de um inquerflo iraparcial e pru
denle por prte da autoridade publica, a* se pro-
cara de anteraao condemnar um grande partido
pelo crime de cumplieidade, s porque uao poz-se
a declamar cootra'uuia porcio de bomens forcadoa
a nm acto de desespero e amoscados com a clava
do governo ; se ludo isto verdade, a que propo-
sito generoso vinam as blasphemias contra aquel
les coja sorle ninguem sabe anal sera' em presen
ca da apregoada energa governativaqoe nao ca
rece nem pede a influencia dos chefes conservadores
na mprensa f
Pela minha parte tenbo anda urna razio espe
cial para nao querer praguejar contra os afilelos
e contra os fracos \ e essa razio a mesma pela
qual na discusso poltica sobre os males da actua-
lidade, poupo qoanto possivel os nomes de ad-
versarlos, meas comprovincianos, preferlndo sem-
pre indicar as erigens e successos mais altos...
Allegamos, mas nao provamos as violencias da
autoridade, diz o orgio prqgressisla. Pois possi-
ve 1 levar a'maior evidencia os desvos da gente
governi.-ta ? Nao se publicara abi todos os das do-
cumentas que conslituem pr ova exhuberante ?
K o que revela a segregaba dos beraes que
haviamadherido a' liga no principio? Oque ig-
offica o afastamento e desgesto de tantos progres-
sistas qaalifkadus, "e procedencia conservadora ?
Sera' innocente o governo aoe Dom, e conserva
agentes arbitrarios e violentos o'uma quadra coma
esta ? que provoca e alimenta a intolerancia, drs
irahindo e inutilizando torcas e dinheiros qoe de*
viara convergir pan a salva'cao do pal. T
Depois de ludo Isto vem nos dizer o orgio pro
gressista que os conservadores de Pernambuco, tto
lando se nmo dos dermis conservadores do impe
a raioha gratidio.
Aceitando lio honroso mandato, fare quanto em
mira couber para corresponder copOaocal que
pela segunda vez em mira depositara ns meus cora-
provicianos.
Recife, 6 de abril de 1867.
Dr. Joaquim Francisco de Foria.
ios il ttstrissimos mtom pa.es
de familia.
Ilira. Sr.-O director do cojlegio da Conceicao,
tendo mudado o sea estabelecimeoto para a ra
de S. Francisco, palacete o. 71, oligoo a atacao
ceniral do camiobo de ferro dos Apipa***!*
boora de participar a V. S. que acaba de abrir aU
urna aula de insiruoQao primaria sob a regenciai de
dous profassores mui pralieos^os senhores major
Salvador Henrique de AIU*|iafu Aqrei.ano
de Piuho Borges, seodo cada otn destes senhores
encarregado de regar orna aajieira, cojaov..
abaixo veri:
C.deira do grao.
Professor.Aureoaoo de Pinno Bqrge..
Materias da ensino,
iasiroccio moral e religiosa.
Leitura e escripia. .
Principios de graramalica nacional.
Principios elementares de arilhmetica e suas
operacoes fundamentis ero nuroe.ros mtrico.
u,n,.;i.,.- ni Ha svsiema mtrico decimal.
?

i
cento
um
cento
libra
c
>

am
*
libra
*
am
Principios genes de systema mtrico
Cadeira do f grao
Professor.-MajorSalvadorHenriqQedAibaqoerqua
Materias de ensino.
Desenvol vlmeoto de arilhmetica tneorlea e pratica
sobre fraeces ordinarias e deeimaes, complexos e
proporcoes. .. ..
Aoalyse gramraatical e lgica, e orlhographia.
Leitura dos evaogelhos e noticia de H. b.
Elementos de geograp-ia e historia geni.
Geomeiria elementar e agrimensura.
Deseoho linear.
Cora esta partieipaco circular, o director nao
tem era vista senio dar simplemente pub icidade
a esta aga, que acaba de abnr em seu collegio,
afira de que possa ella ser ocnhecida e frequen-
tada.
Urna lagrima seniimeual venho depr nestas
celumnas pelo sentido pasamento do Sr. Seraphim
de SeDna Jorge : compiti christao, esposo, pai,
amigo dedicado e honrara ganhador do pao para
sua familia. ,
Rendeu sua alma ao Cadoi desda o dia o a s
8 horas da noile I Quem d ra,' qoe lio bea cria-
tura que ha pouco vimos nt prazer de sua familia,
e boje debaixo da lousa sepulchral reduzido ao p,
ao nada II....
Sua chara esposa, D, Miltma dos Santos Jorge,
conserva urna s lagrima, lenla o terrivel nome
de viuva, seus cinco fllhos ?m tenra idade sem a
meeor educacio, lendo o nais velho 7 annos de
naseido. K' terrivel o destin\
Sua morte foi a mor te d'ua justo: ao approxi-
mar-se a terrivel e ultima hora, nm seu amigo
apresentou-lbe a Imagem do Cbristo crociflcado,
elle abracou-a.'beijou-a e a deteve em seus bracos
ja Sera forga e expirou.
Os bons nao sao deste mundo.
Chorimos e lamentamos a jerda de tioperfeita
creMura.
Curvamos nossas cabegas peante Dees, pedindo
o repouso celeste de >u alma.
Recife, 7 de abril de 1867.
~K pesaa que, pelo jornal tanto se tem interes-
sado pela prisao do atferes... AM... sera' esse
irmio desnaturado III Oh I bj ha duvlda que o
seja, pois qaem .tamo Irabaihou, e envldon todos os
useos a seu alcance para qae seu irmio fosse coa-
demnado, a ponto de jurar contra elle oesse cele-
be'rrimo processo a qae respondo, e J arar falso,
porque inverien toda a verdade dos faetos, com o
proposito de Ibe fazer carga, e amparar aquelle
mesmo que o iDjunou publicamente, e a na vista
sem duvlda algama tambera capaz de instar para
qae elle seja recolhido a prisao 1 Qaem fex o mais
faz o menos. Nio pode ser oulro senio esse ho-
rnera fenmeno, que.lendo conseguido seas nefan
dos desejos, qaer vd'-los coroados de todo com essa
pri.-o, para durante ella, oo interior de sua fami-
lia, banquetear-se com esse mesmo que o injuriou
em nm de seus membros, sem a menor considera-
cao a nenbum delles, nem mesmo a esse octagena-
rlo que foi teslemanha oceular da injuria feita a
seu lbo I .
Um indignado por tal facto.
Bolacha ordinaria, propru para
embarque.......
dem loa........
Caf boa .;.*
dem escolha oo restolno. .
dem torrado ......
Caibros ........
Cal.....'.....
dem branca
Carne secca (xarque) .
Garneiros .......
Carvao vegetal
Carvenas de sicupira .
Cera de camauba em bruto. .
dem idem em velas .
Cha..........
Charutos .......
Cevados (porces)
Cocos (seoce*) .
Colla .......
Coaros de boi, salgadosi. .
dem idem seceos espichados
dem idem verdes. <
Idem idem cabra cortidos -
dem idem de onca. J
Doces seceos.....
dem em gela 'ou massa .
dem em calda.....:
Espanadores grandes .\
dem pequeos.....
Esleirs para forro de estivas
de navio. ..... J cento
Estopa nacional J arroba
Farinha de de mandioca alqneire
dem de ararata.....- arroba
Feijao de qualquer qudlidade
Frechaes........um
Fumo em tolha, bom .... arroba
dem ordinario ou restolho. |
dem em rolo bom. .
dem ordinario ou restolho .
Gallinhas .......
Gomma. ........ arroba
Ipecacuanha (raiz).....
Lenha em achas.....|. cento
Toros .....
Linhas e esteios.
Mel ou melaco .
Milho ....
Papagaios .
Pedras de amolar
dem de filtrar .
Idem de rebolo.....
Piassava ....... J
Pontas, ou chifres de vaccas ou
novuhos......
Pranches de amarello de dou:
costados,.....
dem de louro ....
Rap.......
Sabio .......
Sal........
Salsa parriiha ....
Sebo em rama ....
dem em velas ....
Sola em vaqueta .
Taboas de amarello .
c diversas ....
Tapiocas .....
Tatajuba .....
Travs.......
Unbas de boi ....
Vassouras de de piassava
Ditas de timb ....
Ditas de carnauba .
Vinagre.......
Alfandega de Peroamuco, 6dt abril del867.
ADITAMMEENTO.
Cera de carnauba arroba
Cassueiras de Jacaranda, dupa
Echamers...... un
Esleirs de carnauba. urna
Ossos.......\ arrpba
Falla de carnauba mobo
Fenrja de ema .... libia
Sapalos de couro branco. par
Era ut supra.
Approvo Afandega de Pernambnco 6 de abril
go de 1867.A. Euialio.
Asslgaados. Os 1 ." conferenUs, Jos Miguel
di Lyra e Antonio Carlos de Ptnho Hrges.
Conforme.0 3.# escnplurario, Eitfycffo Mondin
Psstana.
RECEBEDOR1A DE RENDAS INTERNAS
GEHAKS.
urna
um
caada
arroba,
um
rrunal
um
urna
c
1
molho
4
*00
580
3*800
4*000
1*600
3*500
320
300
2*000
3*000
15*000
4*000
660
160
260
too
380
10*000
1*000
360
520
4*000
2*000
16*000
2*000
3*000
5*000
4*000
5*000
15*000
8*000
10*001)
8*000
1*000
3*000
28*01)0
2*500
12*000
6*000
160
6*000
(KHW
900
800
1*000
160
cento 3*800
um
>
libra
i
alqueire
arroba
ama
duzia
i .
arroba
quintal
urna
ceoto
>

caada
i ni >
Errataa.
Nos requerimientos do Sr. Dr: 8Wra Cost, hon-
tem publicado, liob.s 36 onde se l governo T de-
ve ler se aowrno.; linhas 79 exbulhado lel.-se
esbulhaao ; linhas *5 de mandar lease de o man-
dar.

COMliEBCIO.
PRACA DO RKC1FE 8 DE ABRIL
^ DE 186?
As 3^ horas da tarde.
Algadao f serte 13*800 e 13*800 por arroba.
no, tem sido hottis ao governo. na.aci<.Cao dos cmt)i() ^b,, Londras-90 d/v S* 1/4.4.por l0OO-
minos de desellar a guerra I Siivelra,
A que partida pertencem os Srs. coronel Lobo e
tenente-corooel Maranao, que orgaoisar.ra corpos
da voluntarios ?
A qoe partido pertencem oulros cldadios dislinc-
los que moslraram tio boa vontade e flzeram al
diligencias, encontrando porra embaracos nago-
verno e oas ioflueoctas vaidosas da aero.lldade,
30* q perla o empalmar todas as glorias e proveilos
o patriotismo! Quantos conservadores nao man-
daran! seos tibos para o sul f E dessa massa de
soldados que ia esta, a maiorja por ventara perten-
ceri i $rei popular que nos dea o triste xemplo
do. voluoUnos amavrais T
Pela mipqp parte sempre eouodi qoe de vamos
toda* q. Brasileiras dar auxilios para;, guerra. Mas
agadamenle fe-se della urna queslao de.par-
ocurso d,i* adversarios. A
ragdi, i
ratina-
Pr*idanta.
aUcaao,
Sacr*url*.
NOVO BASTOP'DB FER-
NAMBGCO
0 novo banco paga o dcimo
dendo da 6A3KC eiapor actjia.
Hiao baocoale m
O ovo Baoeo deuaaaa letras
ao tnoa, conforme es prasos.
AL^NDEGA.
Rend melo do da 1 a 6 de abril,
dem do dia 8. ........
oitavo divi-
de la 1*0/0j
127:243*252
I3:34*407
Reodimento do dia
dem do dia 8 ..
1 a 6 de abril..
MOVIMENTO DO
encaminba execugSo de sentenca do superior
tribunal da relagao contri Felippe Mena Cal-
lada da toa seca & outros, e que me dirigi
por escripto a petico do tbeer seguinie:
Illm. Sr. Dr. juiz municipal da 1* vara.
Diz a junta administrativa da irmandade da
Santa Casa da Misericordia do Recife, cojo
cargo se acham os coliegios dos orpbos e
seus patrunouioa, am vifiade do compro-
mito della supplicante, appiovado pelo ar-
tigo quinto da ici prpvinaal numero qui-
ohenios e triata e um de nove de juorio de
mil oitocentos e sessenta e dois que tendo
de fazer exeeular a sentenca, que a eitincta
administrado daquelles coliegios e patrimo-
nio, alcancou no superior tribunal da relajo
do.destrtcto contra Felippe Mena Callado da
Fonseca, seus fimos e netos, sobre o s.tio
denominadoCruz dos Alraas-.mattinbn e
seus pertences, que a supplicante quer taa-
vr por for;a da mesma sentenca, e achan-
do-se na Europa, em lugar iocerto e p5o sa-
bido, nem dos reos Felippe* filho do falleci-
do Manoel Joaquim Flix da Costa, casiido
que foi com D. Emilia Fausta da Fonseca
Mana Costa; quer por isso justificar a au-
sencia e incerteza do lugar em que so acba
o dito feo Fellippe. O qae feitoe provado
quanto baste, se digne V. s. mandar passar
carta de editos com o prazo de sesseinta
dias, afim de ser o supplicante citado, para
ver execotar-se a referida sentenca como
nella se cootm, pena de revelia.
Nestes termos: Pede a V. S. Ibe denra.
Escrivo Baptista.Espera recgber meirc.
Como procurador Jos Theodoro Gomes.
Na forma requerida.Rec fe 11 demar-
co de 1867.Paulino Chaves. r
Nada mais se continua em dita petizo;
depois do-que produzindo a supplicante
suas testemunhas, provaodo a ausencia do
supplicado Felippe, e stibiudo os autos
minha concluso nelles dei a senienca
tbeor seguinte:
Estando provado pelo depoimento das
testemunhas de folha a flhas que o exen-
tado Felippe, neto de Fellippe Mena Callado
da Fonseca se acba ausente em parte inceria
mando que se passe carta de editos por ses-
senta dias para ser citado, segundo foi re-
no querido, e pague a justificante as custis.
3*000 ecife 14 de marco de ls67.~Paulino Re-
" drigues Ferandes.Chaves.
Nada mais se continna eiu dita mmba neo-
tenca, em enmprimento da qual o escrvo
que esta subscreveu, fez passar a preseute
carta de editos com o prasa.de sessenta dias,
pelo tbeor da qual chamo cito e hei por ci-
tado o executado ausente Felippe, filho do
fallecido Manoel Joaquim Flix da Costa, e
neto do primeiro executado Felippe Mena
Callado da Fonseca por todo comalo na
peiic5o snpra4ranscripta, para que dentro
do referido pfazo compareca perante este
juizo a allegar o que ti ver a bem de gep di-
reiio sob pena de se poceder nos ulteriores
termos da execucao, a sua revelia.Pelo
que tuda e qualquer pessoa, parentes, umi-
g,s e conhectdos do executado ausente Fe-
lippe, filho do fallecido Maioel Joaquim F-
lix da Cosa e neto do primeiro executado
Felippe Mena Callado da Fonseca, Ibe pode-
ro fazer sciente do que cima fica exposto,
e o porteiro do juizo publicar e aJHxar a
presente no lugar do cosime, mais publico,
depois de baver transitado pela chancellara,
Dada e passada nesta cidade do Recife de
Pernambuco aos 20 de marco de i8r7.
Eu Manoel Joaquim Baptista escrivo que
a subscrevi.
Paulino Rodrigues Fernandes Chave?.
Vai pagar os direitos de chancellara.Re-
cife 4 de marco de 1867.Baptista.
Numero mil e vinte tres.Rs. 540. Pa-
gou quinbenlos e quarenta ris de direitos
de chancellara.Recife 1 de abril de 1867.
Chaves.Soriano. -Armas imperiaes.j
Numero trinta e quatro.800 ris. P?goo
oitocentos ris..
Recife 1 de abril de 1867.Chaves.^
Franca. Eslava o sello da chancellara.
Firmino Antonio de Souza, presidente.
Transitou pela chancellara. Recife 2 de
abril de 1867.0 escrivSo Francisco dos
Reis Nunes Campello Jnior.Lancado
folhas"cento e vinte seis, verso do competen-
te livro numero treze.
Recife 2 de abril de 1867.Campello.
'attli-l 3" e io art. I 4* gnlamento daoaeBe
tabelenimente :
Alejandrina das Virgens, filba de Anua Joaquina
' Soares de Menaonca, moradora a* Caponga i
Niomisla de Luna Costa, irma da Mantel da Lona
Cosa, mondar a' ra da Croa.
Samaritana, filba de Rosa Clandlna i
Leocadia Mara da Conceigao, Oiha de Maria Leoca-
dia ,ia fallecida; '* -
ldalina. Magalhes, fllha de. Mara Magalkae, ja
fallecida ;
Francisca Iildra;
gaitera dos Praiare.;
abel da Luz;
Secreurla da Santa Casa de Misericordia do He-
cife, 28 de marco da 1867. .
_____________Pedw Radrlf nes da Sean.
Pela snbdelegacia do i.'dlalricto^a Irego"
lia dos Atojados foram apnrebeadldoa e racalbidos
a deposito nm cavalio rosso, urna vacca de leiie e .
nm g.irrole : quera for sea djno compareca, qua
proando sen dominio |he sero eniregues.
Sotidelegaeia da freguerla dos Afogados, 8 le-
abril de 1867.
Subdelegado
Ut Augusto Carneiro Moqieiro da Silva Santos.
~ De ordem da illm. r. iaspeeior H laesoor-
rla de faienda Mesu pro viada, se f. publico a
quem inieressar possa aoe no dia 134a correla
me. comecario na rferida jesoararia os paga-
roeotDs las panadas do mete pi geral dos ervi-
dures da estado vencidas ate o mamo u mareo-
prximo fiado. .
Secretaria da ibesourara de fataada de Per-
namlmee, 8 da abril de 1867.
Serviodo da offlclalHaior
_____________Manoel ^a* Ptm___'
Santa Casa da liscicoria do Recife.
O Illm. Sr. tbesooreiro interina da Santa Casa
da Misericordia dq Recifa capio Yicenie Oo Pau-
la Oliveira Villas B.as maada fuer publico que
oo da 23 do correal* pelas 10 oras da (panna
oo salo da easa dos expo-los faz pagamento das
meosalidades vencidas de jaoeiro marco findo>s
amas que se apreseotarem condaslnde as enanca*
qoe Ihes forara copQadas.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife, 8 de abril de 1867.
O escrivo
Pedro Rodrigues de Soma.
20*000
10*000
1*000
160
400
25*000
5*000
7*000
2*000
140*000
87*000
3*000
2*00C
6*000
380
10*000
8*000
6*400
800
65400
950000
1*500
160
240
800
20DOO
800
8:327*003
2:458*815
10:775*815
Navios entrados n dia v
liba de S. Miguel30 da ecuna pertugneza OU-
teira.de 208 toneladas, capitio Marfoel C. Pacha
oo, equipagem 7. em lastro ; a Jipo do Reg
Lima. ^T
Havre4* dia, lagar francez fli'o-Gramk, de 204
toneladas, eapltao Lemiere, equipagpm, 11, carga
difieren tes ge eros.
Montevideo46 dias, escuna bollndola Wlhtimi-
na Magdalena, d 150 toneladas, ci pilao Janseo,
equipagem 6, carga 3473 quinlaes i.|espanbes da
carne; a Pereira Carneiro.
Navio tahidt no mesmo i
Lisboa barca portugueza, Maria*
ALFA
capitn
Antonio Vicente' Ferreira," carga assacar e on
tros gneros.
Liverpool patacho ioglez hMet, c*pilio Elias
Aspnet, carga .sacar t .Igodio.
Navio entrado no ita 7
Liverpool -? Barc mglexa Mimosa, de 409 tonela-
da., capilao PepperSl, eqipagem 16, carga- fa-
tendas a ootros generes ; a Johosto>a Pater & C.
Afanos entrados ao da 8l
Ilha da Ascencin 14 dia, galera, logleza Fa-
Wr, de 664 tonelada, eapltao Roacb^ equipagem
17, em lastro; a Johnston Pater & C
Liverpool 53 das, barca iogleza Anne-Kfty,'dt
209 tonelada, eapltao Robert Sewill, equipagem
U, carga fa.endas a outros ganaros;. a Patn
Havre60 d'.., tarea fraocaia Mara, de 255 tone-
ladas, capito Mottin, equipagem 12, carga mer.
cadorias; a Flix Soav
Im 66 illas, barca franceta Jean faptitta, de
358.101. an, eqoipagem 15,
carg^
0.588*659 Liverpool 79, da, --:-. .n <-.- :-.',.
A. gen. a lateadas *-
113 be Sebmettn C
EECLAR1Q0JES.
Saata Casa da Misericordia
do Recite.
A Illm*. jonta da Santa Casa da Misericordia du
Recife, recebe propostas para arrendamento das
casas abaixo declaradas, qoe achando-se arruina-
das sero arrendadas por qualquer prego, a |uem
se incumbir de as concertar:
Esuielecimentos de caridade.
ua Dlreita n. 33.
ua da Moeda n. 37.
Ra do Burgos o. 1
RuadoPbaroi 0. 72.
Ra dos Coelbos n. 94.
Beccfi de Abren n. 1
Patrimonio des orphlos.
Roa da Cacimba o. .19.
Roa do Amorim n. 26.
Os pretendeules para melhores esularecimiinlos
poderlo dirigirse a esta secretaria.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do Be-
cife, 28 de marco de 1867.
O escrivo,
Pedro Rqdrlgoes dB Soma. __
~ 6ltt*L
o sal pelo
Cnselho de compras do ar-
senal de guerra.
Nao se lendo podido efectuar a compra das
mercaderas abaixo declarad, no dia do Bar-
relo, para quando se navia aonanciade ; de na.as
por nao ler comparecido propooeales, deoolras-
pelos seus altos preoos em relagao as suas qaalMa-
des, o eooseiho resolvea.se a recebar novaraeni
propostas no da 12 s 10 horas da manhia, para
qaando traosferio a sesso, a saber : 81 eol'eecoes
de oorraa para escripias de os. I a 12, 6 eaixa
com peooas d'aco, 1 eaolvete fino de aparar peonas
para a aula de primelras lettras dos aprendtte* me-
nores do arsenal, urna caima da 6 remos om
vela, toldo e mus pertences, ama machina de des-
bulhar milho, 3 folhinba com alraanak, 3 caive-
tes de aparar peonas, 12 boide. com lima roa
para escrever, nm diccion.rto de Fonseca, 12 eal-
deirSflS de ferro eslaunado, sendo 6 de 16 galoes e-
6 de 8 ditos par o presidio de Fernando, 52 len-
cos de algodo com 5 e meia polegadas de cora-
orinienU e 18 de largara, sendo de quadrmbos
vertnelhos e brancos e 52 pare, de meias brancas
de algodo para hornera, para a companbia de ope- ,
ranos militares ; 2 pas de Ierro 2 eoxadas para
0 forte de Itamaraca'; OnMmaata 540 arrobas da
carvao de pedra para proviraento do almoiari-
fado.
Aneaal de gaerra de Pernambuco, 4 de abril de
1867.Maooel Al-'X.odrine d'Albaqnerqoe PMU
capiiao director interino e presideme.Pranciseo-
de Pau a Ooncalves da Silva, secretario.
Sat^rCasa da Misericordia
do Hecife,
A Iil ma. junta administrativa da Sania Casa da
Misericordia do Recife manda fazer pnbhco ma
na sala de suassessSes, no dia 11 do crreme pe-
las 4 horas da tarde tem de ser arrematadas a
quem raais vaotageus offerecer as reodas dos pre-
dios em seguida declarados : ^
BsUbeiecimeiitos 4e caridade.
Ra do Padre Floriano.
Casa terrea n. 49.......1*2*800
dem idem n. 45....... 156*000'
Ueua dem n. 17.......186*t,(K>
Becco da Camina.
Casa terrea n. 5.......155*000
Ra do Fagunde.
Casa terrea n. 34.......146*060
Ra de s. Jos.
Casa terrea o. 5. 1?0*000
Idera idem n. 7.......187*000
Ra dos Pescadores.
Casuterrean.il.......216*0*.
Ra das Calcadas.
Casaterwa n. 30...... 175*000
dem dem n. 32....... 129*000
dem idem n. 34........150*000
Ra de Santa Tberex.
Casa terrea n. 7. 199*000
dem idem n. o........169*000
Ra larga do Rosario. ,
Sobrado de 3 andares n. 24 {% andar)
dem idem idem (3 andar) .
Ideca idem n. 26 (i* andar) ...
1 jeta dem dem (2 e 3* andares). <
Loj?. n. 1 A da roa do Cabnga'. .
Dita n. 1 B dita dita- .'.... 812*000-
Dita n. ICdita dita -. 808*600
Dita n. 1 D dita dita......479*000
Travessa do CaUbouco.
Cas tarrea n. 2.......180*000
Roa do CaUbouco.
Casa terrea n. 18,...... 188*000
Roa Nova.
Casa terrean. 27.......567*000
Becco do Quiabo.
Casa terrean. 8.......144*000
; Roa da Gloria.
Casa tarrean. 5...... 144*000
Ra do Encantamento.
t}as terrea n. 3.......401*000-
Ra da Cadoia do Recife.
Sobrado do I anJar n. 13. 88J*flO
Roa d Amoro.
Sobrado da > andares o. 24. 160*00
Roa do Nogueir.
Casa terrea n. 17.......241*080;
Patrimni# de wpkw.
MB Praca de Pedro H.
Souirado o. 33 publico (2* lo)a). .
dem idem (1* sala)......
Idera dem (2* andar).....
Roa do Imperador.
Sobrado de dous andares n. 81. .'
Pateo do Panizo.
Sobrado de i andares n. 29. .
Roa das Larangeiras.
Casan. 17. ........
Ra Yejaa,
Casi n. 3J........
Roa de S. Goncalo.
Casi n. 22.........
dem n. 24......
Roa do Rosarlo da Boa-vista.
Casnp.58.........169*000
c? m Madred* Daga,
Cas n. 9 pqbllco. .
Idora n. 26........
Ideirj o. 24.........:
dem n. 10........
dem n. 8.
Beeeo bbbbbbbbbbS
3OIJ00O
300*000
353*060
664*000
418*660
390*000
221*000
483*000
Casi o. 14.
o. W.
vaicanti c
ffl* Bf'9 "i
I. L
MlliT.ll Ann
II CiQIVFI


w
" ..
"
mm--------------
tarto efe reraeeaaaea Terf *> Afcrll ale 1667.
*
Cu* a. 18.
CMilli
Mea i. 16.
CiiM.!7.
ftu do Aieiie de Peixe.
Roa i Santala Velba.
Ba da Guia.
Roa da Gru
Sbrate de J andares o. 11 .
Ra* do Mar.
755000
1:006*000
554*000
lOOJOOO
127*000
781*003
011000
ttitaio
1*0*000
7a#000
101*000
01*000
;gSBBJ
CM. iol
Mata tu 09.
leaaa.ft.
Hmi
Mm a. lO.
f leas. 94
asaa na.........100*000
Sitie a. 5 io Porno da Gal. 1*0*000
Rut do Vigario,
Sobrada de laolaras (i* andar). 193*000
Lija........... 3011000
Roa de Bseautarnento.
Sonradodedousaodaresn.lt. 901*000
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
paquetes i nm
Dos porto* do norte esperado
at e da decorrfote ovaparX-
canlins, eomtiandaale oca pltio te-
nenie Faria?, o qual depois da de-
_ 'mora do costume seguir para es
portos do al.
Desde ja recebem-se passagelros' e engaja-se a
carga que e vapor poder coadatir, a qual devera
ser abarcada do da de sua cbegada, eneon
mssdas a drafteiro a frete at odia di sabida as
1 lloras. Previoa-se aos Srs. passagelros que saas
passagens s se reoeOwn neau ageooia ra da
Gru o. i, escr-iplori de Aetoal Lus de liveira
Al?40 C._______________________ .
COMPANHIA PERNAM6UCANA
M
-i u venc* cetfeira par Tapar.
A arreaatacoj sarao /Has pelo teapo de um .--^u. %:t;a uarn irarilv >ara' fl
tres asaos, deludo os licitantes virem aeeo- Varaoyoa, ata!, Macao, Aracaiy, ueara e
saetadas de seos iadOres os manidos de cartas
alosase.
Secretaria da Saeta Casa da Misericordia do
Recite ft de abril aei857.
O escrivo,
_______ Pedro Rodrigues de Sonta.
<30MPANHU PERN&MB0C1
A gerencia desta compsela fai publico para eo-
Wico para eoubeciroanto dos nteressados, que as
sabidaa dos seas vaporas para os portos do norte,
(aria lagar d*ra em Oante nos das 18 e 30 de ca-
da aee, per ter essa andaoca merecido a appi-o-
vacie de 8. Etc. o Sr. coosetneiro presidenta da
provincia em eonseqoencta de naver a covpannia
ale lio alterado as sabidas dos seus paquetes. -
Desta serte serio.es nossos vapores portadores
a) s das malas, que da Europa se vencera no
masAo posto dos das 14 28, como da qae dos
surtos de sal ees veem pelos vapores transatlnti-
co, e se feocem nos dias 15 e 80.
Acaraco1
O vapor Ptrapama, segu pa-
ra os portos cima no da 15 do
carrente pelas 5 horas da tarde.
Recebe carga soaente at o dia
13 ; encommendas, passagelros e
dioheiro a frete al as 3 boras da Urde do dia da
sabida : eseriplorio no Forte do Matos n. 1.
~Wrt7~f*r I-I tosa
Sahir imprelerivelmeote oe dia 13 a galera
Nova Fama ti, a qaal anda recebe alguna passa-
geires : a tratar eom Caoba Irmos & C, a ra
da Madre de Deas n. *, oa eom o capiteo na pra-
ce, aqaelles que ja pagana a pas*agem pede-se
' para embarcarem suts bagageos no dia 12.
lata Osa t Misericordia
cife-
Pela secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recita se Convida as pessoas abalxo declaradas para
qae veabam reauarer a ret rada do eollegio des or
Faial
At o dia 10 de corrate satura o patacho por-
togaei Via, para passagelros tratase eom o sea
________ I consignatario JoSo do Reg Lima, a raa do Apol-
4o He-:ioo.4.

S. Miguel
Escuna portuguea Oliveira, sabira' cot a maior
brevidade pos>ivel, para carga e passageiros tra-
ta se eom o sea consignatario Joao do Reg Lima
phios, dos educandos consumes da relaeao abano, r(la do Ap0||0 4
^,.a,.s#Jl- GOMPANHUPERNlMBUCaNt
a idade Otada
pela lei para a sua edue>ei*, feram pela Illma. jun-
ta mandados entregar a seus parales :
MactmiHeefj de Lima Rib-iro, attlBado do Dr. Jos
Qumtiuo de Castro Leso 5 >.
Francisco Sevenno Barreto;
Serreta na da Santa Cesa de Misericordia do Re
eif,28jde marco de 187.
O eseriva,
Pedro Rodrigues de Soma.
COMPANHIA PERNAMBUANA
Da ordem do concibo de direceo paga-se o 1*
dividendo desta companhia a rat&o de 10*000 por
accao do da 28 do correte em diante, no seu es-
nptorio do Forte do Mattos, largo da assembla,
<*anta Casa da Misericordia lo
Recite.
A filma, junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia d Racifa n sala de snas sesses pe-
las 4 horas da Urde do dia 18 do sorrenle arr-n-
^a a quera mus vantaem off irecer, o sitio da liba
do toguelra eom grand- numere da coi|ueiros, vi-
testa, casa de morada etc.
A arrematacao sera feila pelo lempo de 1 a 3 an-
nos, devdndooslieitiotes comparecera) acompa-
obidos de seas fiadores oa monidos de cartas
lestes.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cite 5 de abril de 1867.O escrivo interino, Pe-
dro Rodrigues de Souia.________________.
_ Oe ordtm do film. Sr. inspector da thesoura-
ru de lateada desta provincia, sao chimadas as
pzssoas que compraran) apolices da divida publica
de que se deram cautelas de ns. 1 a 3,para que
comp-tregam na tbesouraria eom as referidas cau-
telas, aflra de rescataren) as suas apolices as quaes
ja' r acbam na mesa a.
Secretarla da thesooraria defaienda de Pernam-
buco 4 de abril de 1867.
Serviodu de offlcial maior.
_________Manoel Jos Pinti.
__ De oroem do Illm. Sr. rejiedor interino do
Gymoasio, declaro que se acha de novo abef ta a
(i-cn(.,;o por 30 dias para tirovimento dos luga
res de repetidores do raesmo Gyinnasio.
Os pretndanles de vero presentar na secretaiia
leste estabelecimento os seus requerlmeBtos, a)uo-
Cando : prova de idade maior de 18 annos ; aties-
tado de moralidade ; consentimento de seus pais
a de quem os repr^enla, se nao tein anda atiln
gidoa nuioridade ; e docomentos que aboneraia
ena a; li.lao litterurla, em cooformidade do an. 30
2e regiment interno do Gymnaslo de 23 de
julnodel835.
Socretaria do Gymnasio, 3 de abril de 1867-
Antonio d'Assompgo Cabrai
Secretario.
G>mard municipal.
Pf-1* contadoria aanletpal dest4 cidada se fai
publico que anda se conlini a recebar bocea
do cifre at o fim de abril oroxiroo, sera mulla, o
Iromsto municloal sobre csas de negocio, por
<*eiitrer.-.cao da film.* cmara, em sessao de 27 do
correte, sob representaco desti cdntadoria, e a-
jsellea entao que nao pagarem neste lempo, incor-
rem oa< penas e disposicS'S do art. 32 j regula-
ui -'.o n. 351 de 15 de jooho da 18iV.
Cmudoria muaicipai do Recife, 29 de marco
de 1867.
O cantador,
Ceetano Silverio da Silva.
fvam 1 1 1 ti--------1 aaBataaaai
THEATRO
DE
BE
Navegagdo costeira per vapor,
FERNANDO DR NOBONHA.
O vapur Parah\jba, comman-
daote Meo, segu p^ra o presi
dio de Fernando no da i! do
correte pelas 12 horas de dia.
Rocebe carga gmente at o dia
11 ; pasgeiros, encomraeadas e dioheiro a frele
at as 10 boras da raanba do dia da sabida : es-
criptorlo no Forte do Matos n. 1.
Para,
Para aqoelle porto segu em poneos das a bar-
ea portuguea Despique I, por ter dous tercos do
sea carregameoto eoga|ado e para o resto qae Ihe
falta trata-se eom Ferreira & Loareiro na travessa
da Madre da Dos n. 10 011 eom o capilo Paasii-
no Joo de Carvalbn na praea. .
GttJlPA'tH-IJL
DA 6
Messageries Imperiales
At o dia la
do correte mez
espera se da Eu-
ropa o vapor
franeez Navarre,
o qnat depois da
demora do cos-
tme seguir pa-
ra a Babia e Rio
de Janeiro. Para condicc5*s frates e passagens
tratase na agencia ra do Trapiche n. 9.
Segundo um contrato feito entre a administra-
cao do correio fran ;ei e a companbia das messa-
geries imperiales os agentes desta esto autorisa-
dosa receber qaalqaer <|uiotia de dioheiro, que
ser reembolsada pelo5 correo* de toda3 as clda-
des da Franca, Italia, Suissa e B-lgica.
Para condicc5*s roais informaijes trata se na
agencia ra do Trapiche n. 9.
Para Lisboa.
LIiMO
DE
roanptfc|a Jo PJeberlbe. [todo caso que as dimeosOas dos cama ni
5o convidados os Srs. Accionistas deft* sejJo inferior* s do* ac>aaes.
O agaate Pootail leeira*
gsiaaw:! moteqaeda 12 adbs, _
sbetru, Sngomnadeiras e laval^kw, I aefrlphas
de II asnos, mal lindas, 1 excellente eseravo (ca
bra sroprio para dalle faier-se nm boa soldado) e
tersos escravse, Isto
HIIJE
No eseriplorio de mesme a ra da Crat *, M,
1* andar, ao aeio a.
A SABER :
Um sobrado de S andares edificado em chaos
proprios na roa do Amorlm n. *.
Um dito de 3 andares era ebios proprfos na roa
do Araorim a. 17.
Urna easa terrea m chaos proprios, na rna do
Burgos n. 23.
Um sobrade de nm andar e sotao da rna da
Grn (Recife) a. 61. em chaos proprios.
Um sobrado de 3 andares e solio da raa da Crat
a. 27, era ebios proprios.
Um sobrado de deas asieres e solio da ra Q1-
reita o. 54, em cbies propries.
Um sobrado de 3 ndanos e sota") da ra do En-
cantamento n. 14, era chaos proprios.
um sobrado de nm andar e solio no pat-o de S.
Pedro n. 3, em chios foreiros.
Um sobrado de ora andar e solio no largo do
Tergo n. 18. era ebios proprios.
Quarla feira 10 d abril.
O agente Pinto legalmente autorisado fara' lei-
lo dos predios cima mencionados os qnaes se
tprnam recommendados Ja por serem edificados
om boas roas e ja' por serem qaasi lodos era chaos
eroprios, o lertie sera' effecloado se 10 hars do
dia 10 de abril em o escriptorio do referido ageste
a' ra di Crat n. 38, onde poderlo obtor os pre*
tendentes qaalquer informacio a re-peno dos mes-
mos predios.
De
^4#
14 barns cu'fl viuki veril se ai
liioites
Quarta-feira 10 do crrante.
O agente Pestaa fara leilo de 14 b*rris de 4'
cora vinho verde para fechar factura e ser veo
dido pelo maior preco : qnarta-feira iO do corren
te peas 11 horas da manbia no trapiche do bario
de Livrameoto Forte do Matos.
IJSIIiAf
Vai sahir cora brevidade o brigue partoguei
Constante, por ter parte da sea carregameoto
prorapto; para o reato, e passagelros trata-se cora
Oliveira Filnos & C, largo do Corno Sanio n. 19,
00 cora o capilo na praga do Coraraercio______
HarahSo.
O patacho brasileiro Votante, capite Travassos,
segoe brevemente para o indicado p rto e pode
amda receber aiguma carga; tra a se eom o res-
pectivo consignatario Antonio de Almeda Gomes,
ra da Crui o. 23, l." andar. _____________
Para Lisboa
Pretende seguir cora raoiia brevidade o patacho
Fernandez, lem parle de saa carga engajada, para
o re-.to que Ihe falla irata-se cora os seus coasig-
natanes Antonio Lun de 0:iveira Aievedo A C,
no sea escriptorlo raa da Crui a. 1.
Lisboa.
Pretende seguir eom brevidade para o indicado
porto, e recebe car a a frete o brigue porluguez
Mwimento, eapito B anco ; a tratar eom o con-
signatario Antonio de Almeida Gomas, a' raa da
Gru o. 23,1. andar. ______________
Ua casa tarrea da roa de Santt Cecilia n. 7, eom
2 salas, 2 quartos, cosioha fora, quintal e ca-
cimba.
Urna dita terrea na ra do Moodego n, 67, em
ebios proprios, eom quintal e cacimba. -
Quarta-feira 10 de abril.
Por Inlervenco do agente Pinto, a roa da Crut
d. 38________________________ _______________
LEILAO
OE CU.O PAG VE
O aiiKnte Ponlua vender em leilo II gigos
eom champagne.
Quarla-felra 10 do correle.
No seo escriptorio a roa da Cruz n. 62, 1* aa-
dar, as II horas.____________________________
IiEILAO
Oapa'ara da raa Imperial n 47,
111 o*- is e un terreno Ha Boa-Yia-
gem.
O agente Martlos fara' leilo a reqoeriraenlo dos
curadores fiscaes da raassa fallida de Joao Alvos
de Moura e por mandado do Illm. Sr. De jnit es-
pecial do coramercio dapadaria da roa Imperial e
seus uleBCilios, diversos moeeis e nm terreno na
ooviiacio da Boa Viagem (fereiro) o qaal oerten
ceu a Toe doro Francisco de Paula, coui 278 pal-
mos vj frente, todo pertencente a me'sma massa.
Setta-feira 12 do corrente'.
U leilo lera' lugar na mesma padaria a ra
Imperial n. 47, as lf hora, os pretenleates po-
dem enteo 1er se eom o m mo agau e para qual
iju-r infi>. m ico0.
1 caita eom 39 pares de botios ingle:es.
1 dua eom raediciaas unlversaes.
2 ditas oom sal Ingiez purgativ <.
1 dita eom 12 dunas de escovas pira limpar vi
dros do gaz.
21 ditas eom tipio? pira liraoar ftcis.
S'\a f.-ii-a 12 do corrate.
O agenta Pestaa fira' leilo por canta e risco
de qoem oertencer d is objecto* acmi ooiadoi em
diversos loten no dia seita-feira 12 do crrente
pelas H horas da raanhia no armaera do Anots
defronte da alfandega.
Companhia aso reunir no da 12 do crMPaaV
0 mez ao rneio dia no eseriplorio #U
mpanhii ruado Gabug gu 16. para a
connuacio dos trabalhos*Wptaios na sas-
3o da assembli geral etraordinriii que
convoca la para o dia ti tteme plW-
mo (Indo, segundo e dis ** nt Uioia par-
te do artigo 26 dos estatuto*. -Para maior
esclarecimento dos mesaio* Aciot* di'
rectora da Companhia radala #ubear atoa-
j xo do presente o parecer jW)fce fct apro-
sentado pela commiss5o rtflaofili na pre-
di la sessao de 21 d Bscriptorio da Comparfhi* o> a^NrtO*,
8 de abril de 1867.
O sacf e.tario
Dr. Joao Jos Pinto Junior.
PA&EfiR.
A comrnissSo incumbida le dar 0 saa pa-
recer sobre os toaios de conseguir-se todo
necessario abastecnwnio d'agua potavel,
vem hoje dv conla do resultado do seu tra-
balho; e compre Sntes de tudo o agradavel
derer de eonfessar que os dados colligidos
pelo ?elo da a>iminisira?5u, e de um dos
dignos consocios desta Companhia, eom o
auxilio.valioso de.dous distinctos engerrtiei-
Fos, acilitam muito a soluto final de um
problema fl n5o no$ interesa menos que
popui.acQ era geral.
Sao daus os pontos que se teem offerecldo
apreciaglo da assembla geral dos Aceto
nistas. O primeiro saber quaes os me-
Ihoramentos indispensaveis para o maior
abastecimento. 0 segundo consiste nos-
meis de realiza-bs.
A experiencia oos mostra que des'e cer-
to lempo se teera dado faltas sensiveis no
forneciment') d'agua durante o ver5o. Ora,
nSo haverido e;cassez no acude, ncm de-
feito averiguado no encanameato, posto que
ama ligeira observado, a que aude o Sf.
commendador Julo Goncalves da Silva, pos-
sa ndu -ir a suspetto de alguma dimintucS t,
emborapouco sesivel, no dimetro dos
canos p-la accm.laco de m sterias que aelles
?5o alberindo int-irna'nente, deve-se con-
cluir que do augmento de c insumo pelo
crescimento da populagSo e pela concesso
de ramaes a esiabeleciment s pblicos e a
muitos individuos, que podem abusar, se
originam as fainas que notamos, eque teem
pn.gredido n'um periodo nao longo.
Ainda em 1864, n'uma informaco an-
nexa ao rea torio apresentado pela directo-
ra naquelle anoo, o illastre consocio a que
o commissao tein alluiida* julizava possivel
a adiamito de obras de tuaior vulto, e con-
tentava-seem propor a elevacao (que se rea*
lizou) daspireles do acude coto mais qua-
iro palmos, abaixanlo-se dous palmos, as
bicas dos cbafarites. Mas agora em apon-
tamentos manuscriptos que a commisso
consultou, o mesmo consocio se mostra con-
vencido da necesst lade de mats importante
providencia, actuando em seu espirito as
causas que elle aponta, posto que entenda
poler soffrer aioda algum a liamento o re-
medio heroico de una segunda linha de en-
canamento, em quant a Gomuanhia nopu-
der eStua-la aem extraordinario sacri-
ficio.
Entretanto j est verificado que os pe-
queos melburam -nios cogitados sao palia-
tivos que se tornarao inefli:aze, n'um futu-
ro nao remoto, em que a Cimpanhia se ver
embaragada em satisfacer seus compromis-
S's1re.slrftgind) alm disto os lucros que
po leriaovresiiliar da concessao de peonas
d'agua, pregressivamen e recl.madas.
Ocorrea todos, como um^ rae lila inde*-
cnavol a construeco da nova linha de en-
canamento, eom a qual ce.-sar o perigo da
fa'ta absoluta d'agrfa, por qualqqer desastre
que nao possa ser logo reparado ua nica
Imh i ora existente. Sem essa medida os
depsitos por si sos nos deixarSo aindex-'
postos, posto que em menor t^staajPts
mesmos inconvnienies ponderados, ccres-
cendo que sao oras mu dispendiosas qu-i
ao menos perora parecem disueasaveis eom
as duas li.ihas de encanamento, epazesde
alitnenlarem mu regularmente s cliafdr/.es,
pennas d'aua e o actual deposito da Boa-
Vista.
e um <
efeTjnao
enge
;oav(i|
Que companhia contrete
ro mediante orna remunera
para iapecai nar as obras, prefennao- e 1)
sfsteeu das arremilac9s 00 erapreitadas, .3
lndo-ra ew considerago o minucioso or-
canelo aV accionista commendador Jo3o
Gaoaalaes dtVilva, que mosta ter feito es-
tud-j* coojs/ativos e conscienciosos sobre a
Ue par Intermedio de preposlos deve a
f*a*p*n&Aartender-se eom os poderes eom-
p**8ftte* p*r* obier alguma vantagem que
aa^llie #<0mpensac5) de urna despeza a-
iHada em a nova obra.
^oe'fjara occorrer aos gastos eom esta so
eppliqum os saldos existentes, eom tanto
que fijue sempre ama quantia indispensave
para os dispendios cerios e vetuaes eom
outros o jecto da empreea.
Para preancher-se o orcameuto total da
projectada coaStruccSo a directora contrahi-
r um emprestimo, se o puder' conseguir
eom favoraveis candieTies, nSo excedendo a
8 (/i a laxa do juro ; ou emiUir apolices
de 80)!l000rqiie serSo de preferencia conce-
didas aos actuaes accionistas.
Bis o que a commiss > julga conveniente
suSraetter ao esclarecido criterio da assem-
bla ger..l, pedindo desaMpa se o desejo de
satisfaxer a soffreguidSo de todos n'um pra-
so inferior ao que foi marcado, nao Jhe per-
m'rttio fazer om exame mais prAialo e
obter informacoes mais completas.
Recife 2i de marco de 1867.
Jos Bento da Junfia Figueiredo Junior.
J060 Ignacio de Medriros Rejo.
Manuel Fonseca de Mederos.
Precisa se da om arlado forro os escraw: asan
u lotgiir as condteedes dir*Ja-se a' ra da lape-
ratriz sobrado n 1. _______________
Pree.'a-ee de um amastador qae Mrte tiaal
xa perleilameBte; na padaria oa ra g-treit do
Rosario n. 13.
" Na roa Forraosa n. i, precisa-se de urna
aro que salb eegoromar e coser eom prt*ic>> e
qj d flaiiT, timhem se preels de nm Criado
preferiodo-se eseravo.
Esia justa por compra *b -roa n. 5 da ira-
v :s-a da roa Augo-na, livre e deseosiaraeada de
qualquer onus, porm ae algue:u se jul/ar eom di
reito qu 'ira aresentar se dentro do praio de 3
dia* a con tu de hoje, sob ena de nao ser atten
dl*a rechmtfSo depois de>se prao,
Uriado.
A pessoa que aononci u querer ama escra-
va de S asnos, dirija se a raa da fmperatrla d.
oQ, que achara cora quem tratar. _
Precisa-se de nroa ama de leito embora eom
Albo; a tratar, na ra do Imperador o. 65, aegoodo
andar.
Joaqaira lo$ de Castro Medetros, oalorai *o
Rio Grande Norte, val a Europa.
FOBSBlli.
Precisase de ora forneiro que entenda perfeita-
menle do trabalbo de padaria ; sa roa dos Pires
n. 41.
Em Tigipi,
Aitenco
Precisase, para caix-iro de nma taberna, de
nm meniuo de 10 a 13 anoo-, preferese d>s ulu-
mos chezado : oa ra do Giz casa confronte ao
estabelecimento do gaz.
Luzituo I.
Ni ra das Cruzes n. 41, hotel Lotllano I, re-
cebe se assigoantes do comdorias para fora man-
danlo-se levr as ci ptza e asseio seod ic^mo do casa particular e por
barato preco menos que em oulra qualquer part*.
Precisa-se de ama ara cjm bim e abundante
eit-, paga-se bem : ua ra Nova o: 5, seguadi
aadar. ^
ram> ..reta p*r tilo o ser
Precisa-se aiuga
vigo de urna casa de familia
n. 3 A toja.
na ra d> Cabug
enea
v*
Est ja-ta B contratad para se conpra- a casa
sita na rnad) J^inin n. I, potencate a Jo.io
Antonio Martins Braga, por isso se aigumi p*a*oa
se achir om dire't) a dita easa qujira dirigir-se
no prazo de 3 dias om sen* dO"am:.nto* para ser
verifkado-, na rus da Imprairiz n. 56, loja da
Arara.
Precisa-se de um caixeiro de i2 a 14 aunos
qae timba pratica de venia, e urna ama para ser-
vio de porta] a dentro, com tambera de nma
quanti lade de barricas Vzias que fosseui de la-
aba do reino hera acoulicionadis : tado is'.o oa
ra Direita d. 99, venda.
Alnga-se ama easa eom bastantes cmodos e
agua no fundo para banhd ; a tratar na ra lape
rial n. 39.
Nesta typographia se precisa fallar
eom urgencia ao Sr. Jistmo da Silva Car-
doso, a negoeio.
Ao Sr. Jalo Casemiro da Silva Ma~
chado roga-se qoeira apparecer nesta typo-
grapbua oegocio qae n3 o ignora.
Na roa da Uaio n. 40 precisa se de" urna boa
criada que coiiabe e engomse para urna pequea
faml.Ja.
Aluga-se
O pariiBcnti terreo rt' sobrade a. 80 na rna
da Aurora, mallo fresco e coa comraodidades : a
tratar no metae. ________
I^ra'adaSiiitaCruK
Por ordem da mesa resedera Oa contraria do
S-'-obor Hora J- us da Via-Sacia, to coflviAados
todos os nossi-s ebarwsiaos coofrades, a comsare-
cerrm na da 12 do corrate mez pelas 3 Vi oras
da tarde, pura encorporados aeompanharem a pro-
cissio da sagrada iiuageai d<> S-nhur Bom Jess
dos Passos e sua Sanlissirua Mi.
t escrivo,
....... Luiz Jos da Silveira.
Precisase fallar coro o Sr. Kr*neHioo Car-
aeiro de Lac -rda ; na ra da Praia n. 10, a nego-
eio de seu Interesse.__________________________
Ama.
Precisa-se de orna a na de leile ; a tratar na mi
do Imperador n. 65. i" andar. ___________
Alugii-se
o sitio da travessa do Arraial, prtntimo ao Montei-
ro, teodo casa eom bons coronamos ; a tratar eom
Zefenoo Fernaodes da Silva Manta, na roa das
barrocas, freguezia de S. Jo- o. 28.
Dasappareceu da ra do Apollo a. ti no dia
6 do correte, o eseravo mulato de nome Luiz, de
15 aonos pouco mais oa meaos, bastaale claro, ca-
bello corrido, cortado aescoviehJ, lem orna cica-
triz na cabecil, seceo do corpo, lem algmis sigsaes
as cos i s por ter wdo sorrado, levou calca de
ganga de quadrinbos, bastante curta das persas,
camisa dealgod branco; ruga-se a quem o pren-
der rjueira leva lo a ra^iicioaaJa rna qua sera ge-
nerosamente gratificado.
R)ga-se a pessoa qae em o da 8 de correte
levon por engao um chap) de sol de seda verde
anda novo, deixando em lugar deste om ostro de
alparca cOr de caf, da porta em que se aeha pos-
tada a seniioella da inesouraita geral, que pode
restituir o mesmo chapeo, e reober o seu : na
luja do corarlo d'oor, a* roa do Crboga o. 2 D.
Precisa se do um mogo de 14 a 16 annos oa
do o 11 bornees !; 30 a 40 annos que saiba ler :
na ra da Concordia n. 34.
Aiuga-se a casa terrea, confronte a porta la
leral da fabrica do gaz, pelo preco de 12U0J por
uiez : a tratar no mesan lugar. .______________
1 Os eredres do Sr. Francisco Jo< de Campos
Pamplona, sao convidados para comparecerem, na
ras do Vigario n. 2, as 11 boras do da 4.* feira
10 do correte, pira trataren) dos pagamentos das
saldos de seus crdito?.

AOS M. ASAD IICOS.
Por seu dono se retirar para fora da provincia, vendem-se os seguintes Btroa de
direilo e jurisprudencia, a maior parte dos quaes cora pouco uso, encadernados eom
oeto
Para.
ifraii-coiiMA.
Qnarta feira 1 o de abril
Segunda representaco do raaito applaadido dra-
ma em 4 actos
ATERIOS SOCHES.
Gamo serla incorsmodo para o respeltavel pn-
i-ovutjo tamanho do drama, representar-se
cmela, a Sr.* D. Falco cantara* n'am dos nter-
?ailos a cavatina do t acto da opera
ikrbeiro de Sevilha.
A empreza previne ao publico qne nos dias 20 e
21 do corrale ha baile de naeearae.
Os senhores qae qslzerem camarotes podem
desde ja fuer snas encommendas.
AVISOS MARTIMOS
MF.9U.lt PSHUMIJfiiVt
Yaiar.
DE
avegafl* cosleira por
Aracaju' e escalas,
O vapor MamangHape, eom-
Seguir cora, a fessivel brevidade para o indi-
cado pusto o be'ra conbeido biate Lindo Paquete,
capilo Birros; para a carga que'lhe falta trata-se
eom o seu consizuatano Antonio de Almeida Go-
mes, a rui da Cruz n. 23, 1* andar.
Barca Silva
Pretende seguir para Lisboa e Porto eom a
maior brevidade possivrl, trata-se cora os seas coa-
signatarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo &
C, no seo escriptono raa da Cruz B. 1.
AVISOS DHESS3S.
__ Preciza se de nina ama de le te forra ou es
crava.: na ra de S. Francisco o. 50.
LEIL6.ES.
Leilo de boi
As 11 horas do da terca-fetra-9 do corrate ef-
fectoara'o ageote Pestaa o leilo de ara eicel-
lente bol manso de carrosa moli novo e do pasto.
Nolarge da alfandega defroste do armazea do
Sr. Anoes.
rorrete pelas
____ Recebe carga someute at o da
tt I oas-ageiros, encommendas e dioheire afrete
at as 3 horas da tarde do da 4a sasida :
Serio ao Forte do Matos n. 1.
muan
De 20 caixas eom cognac marca PCB.
(9 ditas eom dito dito TJ.
0 ditas dito eom vinh Cherez.
HO*ie
as 40
mandante Virginio, segu para Jerca-feira 9 OC abril
ns portos do sal no da 13 do *^ .i*
correte pelas 5 boras da larde. em P
horas
escrlp-
liTcrpiol Brasil and River Pate Sleaa
SkipCoaa^y.
O vapor CaaSHII pitao rkidacs partir' -para
Uvorp'Mol ao ata 14 da eeirsnte tecaado em flreet
{Franca) para a wveniuncia de passageiros para
sGstioeote.caaoapprca numero sulicleata, io-
ra ea Lisboa caso naja passagelros.
aocomoadacSea sao as melbores possivels.
Passagera 1* classe 15.
Os preteadestes dinjaa-ae so escriotorio de
aaiasri Bretnsrs C. pra;a o Corpo Matosa-
aasrstl.
Thomai Jefferies A C. faro leilo por Inlerveo-
eao do agen!- Pinto e por coma e risco de quera
ssrteocer das eslas de vmho e cogoae aelm*
aencioaados, as 10 boras do da 9 do oerreate, no
azem do Sr. Annes em freote a alfaadega.
OTiRIA
AO^ 6.^0O?O00
Corre sexta feira 12.
Atham-se venda na respectiva tesoa
raria, ru do Crespo o. lo, os bilheies,
meios e qaarios da 36* parte da lotera a
beneficio das familias dos voluntarios da
patria (ti1) sendo a exir hora do costume.
Os premios de 6:0004000 al 10*000
serlo pagos ama bora depois da exiraccao
at as 3 oras da tarde, e os outros depois
da distribaicao das listas.
As encommendas sarao guardadas somen-
te at a noite da vespera da extracc5o.
O thesooreiro,
Antonio Jos Rodrigaes de Soaza.
Aotooio 6iasales de M iraes vae a Europa, dei-
xando como seas procuradores aos s^us irmaos.
liBILtO
Pe 8 harria ce prcsiat a em cala.
Quinta-felra 11 do corrale.
O ageoie Pestaa fara' letlso por eoota e risco
de qoem perteoeer de 0 barricas eom eicefteetes
presuntos em calda em sa oa mais lotes oo dia
actma mencionado u 11 boras da manbia no lar-
go da alfandega parto do araatoa do Annes.
Joaquina Carueiro Pufjrie, profaadamoate
agradeeendo a todas as pesetas ose Qteram o ca-
rldoso obsequio do acorapaabar os 'restos mortaes
deseo presado mirido ilanoel Rtyrauode Pesa
forte ao camileno publico, de novo as convida pa-
ra assisurem a missa do stimo da, qae lera' lu-
gar qnarta feira 10 do cerrante na hjreja de IV. S.
do Livrameoto <6li >ras da maoha.
'^aaasaaaaaaaawaaa^aamsaaaiaaa^
Coafrarla de }. sVos d \*ala
Era vlrtnde do convite qae nos fez a coofarja
do Senbor Boa Josas da Va Sacra da Santa Om,
convido a todos os nossns Irmos a compareesrem
era nosso coasislorie ao dia 12 d) corrale as 3
boras da tarda, aOa de ssorparasOa aeompanbar-
mos a proeisslo do S-nhor 6 >m Jess dos Passos,
qae a mesma contraria lem de. expor a vista dos
3 ais.
Secretaria da ooafraria de-S. fos
de aoril de 1867.
OieoretjNo,
Asoslo Alta Ubre.
LKIL40
Be piaaaiatfe de 3 c ras.
Quinta-feira 11 do corrate.
O agesta Posiana rara* lelo por casta e risco
d.qoeajdsi^^a**o<> ** V* J*
acreditado adtBOrs>ra* vendido no da e bora aei^
aa ateseasade so armarem do: Srs. Jobaslon Pa
mk &,aiTaaasTiaatlo.
Masoot Asttoie Carneire de Almeida,
gaez, vai a Earosa.____________ ^^
Ao boa e barato.
Na travea d*atril d Saste ftstesie aaa n.
16, faz se todas as q osada des de comidas para fa
ra cora mallo asseioa Mrfacio, sendo alraoco a
jamar para n na pessoa pelo baratissimo preso i*
800 rs.; na mesma casa tambe- se lata %-en-
fsarai-w.
O novo encanamento importar em rs.
2)0:'i i 00, segundo um calculo, e em
rs. 130:0 #0 O, segundo outro. E' j um
grande sacrificio de que provavelmente se
nao" cogilou na concessao do privilegio.
Dentre os tres meios de occorrer a essa des-
peza, deve-se excluir o alvitre da suspen-
sao de dividendos. Saria inconveniente pri-
var de una renda calculada os accionistas
existentes, em pro'tito dos vindouros.
Resiain dous recuiso%afcemissu de apo-
lices, e um empaBti'uo fljfro, nunca exce-
dente de 8 [_pfe qoa^ oorres|)oniie ao
lucro de caila\cco por semestre, tendo el-
la o tentado "n'esia praca. No caso da emisso
deviam se- convidados e preferidos os ac-
cionMas actuaes qne quizessem tomar no-
vas aeces.
Como quer que seja, n3o convero, desfi
car demasa lamen'.e^os saldos em cai
quando de vem os contar eom despezas de
Tejaros, e oatras permamenles.
Se aos saldos ora exi testes, addicionar1-
mos os de tres seuieftres. prazo calculado
pafa a construc.So do eucaaamento. iode-
remos contar eom urna somma nunca infe-
riora rs. 80: OjJOJO, deduzida a cifra pro
vavel para outras aoplicacoes necessari
Para preeacher o computo do nova obra, se o lxaimos em f W'.Ofi,
levantaremos oemwestimo, ou emiltifemos
apolices nos termos j indicados. E a com-
tnissSo proporia desde logo o primeiro re-
curso, se por ventura Ihe n3o parecesse
mais oaveni nte confiar no prudente arbi-
trio da direcc9o, qtie assim poder obier
coBdifiOes mais vantajoas para o empresti-
mo, -deadw que saberse que ella nSo se
aeha adatricta a ua s recurso eipressa-
_ determinado pela empaBWa.
Eta rertna a-commissSo tem a honra de
grosor o seguinto :
Que se trate logo do abaixamento das tor-
neirjs dos chafarais, fazendo-se a despeza
necesaaria.
Que se cootiae a s mr*estar na emwessio
d'Agonia 9 -de penaas.d'agu aoa partcalares esjajum-
to a Directora reconhecer que i>so preju-
ialia a ragul'ndade do foroecimeolo po-
palacio; convinde oatw sio que se pro-
videncie do morirte conveliente a evitar
abusos que aa ftssaa 4r da parte dos con-
cesai arios de |w peona d'agua.
Que desde o acode do Prata at a depo-
arte fa roa do Pires ae coaatma a segunda
linha de eeage de ferra- a de vitlro, se este
aaasxja aoy impo-tar augmento
eapoii; emprindo em
Diccionario geral de legislarlo, doutrina e jurisprudeocia, por Dalloz,
14 vol. em grande folio..............
Diccionario do contencioso commercial, por Mass, 1 vol. em folio .
Jurisprudencia das succssoes, por Confiaos, I vol...... -
Elementos de direito romano, por C. Ma.;nz, 1 vol........
Espirito do direito, por Fritot, i vol.........
Direito pnbrteo, por Foucart, 1 vol...........
Tratado sobre fallen'ias, por Geoffroy, 1 vol. ......
Cdigo predial portu uez, por Silva Ferrjo, 1 vol .
Legislagio d > thesouro em miteria conteJleiosa, por Dume^uil, 1 vol.
Espirito das le-, p >r Montesquieu, 1 yol. .......
Economa poltica, por Forjaz de Sampaio, 1 vol. ......
Contrairite par c-rps, por Duverdy, 1 vol.........
Desapropriacjjo por causa de utilidade publica, por Soln, 1 vol. .
Quem se quizer "muir de bons livros, por precos comraodos, aprove.tar a
casio na ra do Crespo n.-4 fabrica de chapeos de sel. _______
soroo
55;'00
55000
54000
41000
3-5100
U 00
wm
35000
3 ooa
35000
35)00
25'>00
oc-
AS MODAS
%&
Mm.a Bsrt modista teodo chegado ltimamente de Paris, tem a honra
de participar ao respeitavel publico d'esti cidade que de fioje em diante ella
eata prompta pira fazer vestidos casequinas e fado quanto pertenoe aesla
afte por precos esoaveis.
Ella tambem se encarrega de fazer, levare tofeitar todas as qualidade>
de chapeos pelo ultimo gosto.
Achar-se-ha um lindo sortimento de enfeite para vestidos, flores, e plu-
mas de muito boro gosto. I
Reeebe-se o melbor jornai que apjarece para estar eemp w eom
as modas.
a pro-,
tartailf
ito da
4 PREYIDETE
Sociedade portigoeza de seguros mitaos sobre *yU, fon ladi e
admiaistrada pela
BNCO ALLI/1NC4 DO PORTO.
Todo o pai que desojar cautelar o futuro de seus fildev,e quanto otes,
aier inscrever os seus oomes na lista dos socios daProvidentepor que, eom urna
pequea quantia que, todos os annos para alUJOrapplicmdo, tirada do fructo das suat
economas, noflmde 21 annos alcancar-lhes-ha urna fortuna, que por neohom outeo
meio'e eom Ufo pequeo desetbofeo poder obte .
Os etemptos praticos de outras sociedades anlogas tem mostrado que:
lOtJpttU pajas aasMiaterto fitm ffm.
Em 5 an-
nos.
porto-
'.*
Por nm menino da 1 dia a 4 asmo,
t de 1 a 2 aunes...
, de 2 a 3 ....
> de 3 a 4 > ....
> de 4 a 15 ...
Por urna pessoa de 15 a 20 ano** -
a de 20 a 30 ------
de 30 a 40 .-
> > 4a*4a40
ItlOOd
9005
Em Tfi
annos.
4:0005
3:0)05
Em l'S'
annos.
9:"OQ5
7:5i05
8805
05
8605
8805
05
a Pr vidente e
*8O05
i:7*0|
2:7605
<:700|
3:0005
7:10U#
7:0005
7^)005
2:7-Ni# ,?:16#
Ouem.pretender su^iscrever para
tos pode 4rigir-s..afli Pernambujo aot Sra/Suvool Joaqom
gario n. H que dirSo t-dos" ;os esclardCLOent
quem os poiir.
7:tO5
desea
W 2Uan
nos.
20:OOr5
17:0005
16:600|
15:8005
15:5005
15:4005
45:6005
16:0)05
18:0
Em 25 an-
nos.
47:0005
37:0005
35rf


M*rf# 4 r*iiatalaee -- Ter** tetra de Abril de 18t>7.
..,

niiBiiniiiii
O Dr. Ignacio Aleibiades Velloso I
Medico
Madoa a sua residencia para a roa ]
da Imperatrii o. 80, 1* andar, aonde po-
1 de ser procurado. Da' consulta das 0 g_
as 8 da mauha.
Precisa-ae de ara copelro : na tu do Brnai
*Jl. ._______________
Um rapaz portoguez com bastante pratlca de
molbados deseja sociar ou raesmo comprar orna
taberna que seja em boa localidade : qoem este
negocio qutier fazer annnncie neste Diarlo.
Os devedores do fallecido Domingos Jo.-e
Ferrelra Guimares queiram dirigir-se a' ra do
Qaeimado n. 31, e entender-se com Antonio de
Moura Rolim, que esta' aotorisado para promover
a cobranca desses dbitos como procurador da
vtava.
nal
*
r
Escriptorio de ad v cacia
Bacbarel F. L. de Gusmao Lobo
41=Raa ealteita do Rosario ii
MOLESTIAS 1)0 PE1T0
Aviso importante.
Os nnicos verdadeiros tarops de hypopho=phl-
tos de soda, de cal e de ferro do Dr. Cunrchill tra-
xem a firma quatro vezes repetida deste sabio me-
dico sobre o subscripto e a marca de fabrica da
pharmscia Swann, 12, ra Castiglione, Pars.
Aeha-se a venda era frascos qnadrados com o no-
me do Dr. Courehill no vidro. Pree-) 4 francos em
Paris : Com instrurcao
Vende-se em casa de P. Maorer a C
~~^~0 aballo asslgnado delxoo de ser caixelro
dos Srs. Guimares & C. desde o da 16 de feve-
reiro prximo passado, e agradece aos mesmos
robores o bom tratamen/o que delles recebeu e
com especia I ida de ao Sr. Miguel Gomes da Silva,
a quem asss muito grato.
Recife 24 de margo de 1867.
Joaquim Gomes Cardoso.
Precisa-se de om caixeiro pequeo : na ra
das Cruzes n. 41.
jous
N. 2 D ^^ 2 D4 I
CORACtO DE Ollttl. ^fc0
A loja d.!D intitulada Coraco de Ooro na ra do Cabngi, acba-se d'ora em diante offerecen-'
Joaquim Anto de Sena, medico da fa-
cilidad.' do Rio de Janeiro, reside a* rna
Nova o. 38,1 andar, onde pode ser pro-
corado para os mysteres de sua profls-
sao, em cojo exccici j coala ruis de 20
annos.
Photographo. da A. casa imperial do Brasil
Roa do Cabuga b. 18, sobrado, entrada pelo paleo da Matriz.
Acabamos de receber de Franca pelo vapor Estremadure urna linda collec-
c5o de
ALFILETES DE 0R0 PARA RETRATOS. ,
Ha alfineles. simplesinente de ouro, porm de bonitos feitios, e ha alfinetes
com pedras preciosas engastadas, perolas, rubios, esmeraldas etc. 03 precos dos alfi-
netes com os retratos das pessoas que os comprarem, variam de i80 a 4O0UOO.
Tambem ba alfinetes de ouro para collocarem-se retratos e especies para gra-
vatas ou mantas ltimamente em uso para bomens. Estes alfinetes com o retrato cuslam
de 14 a 18/9000.
RETRATOS POR TODOS OS SYSTEM AS PH0T0GRAPHICOS.
Retratos em ambrotypo, para caixinbas ou quadros.
Retratos em porcelana.
Retratos em papel para diversos tamaitos.
Retratos em candes de visita.
Vendem-se passe-par-touts .e molduras pretas e douradas de todos os tamanbos,
assim como vende-se tudo quanto preciso para trabalbar em photograpbia ou am-
brotypo.
Ha urna bella variedade de vistas stereoscopicas representando paisagens, edi-
I (icios e monumentos de diversos paizes da Europa, frica e America. Tambem existe
quanlidade de academias coloridas e transparentes para stereoscopo, e tudo se vende
por barato preco. Stereoscopos de acaj, paliissandre e mogno de 45 a 150000.
Albuns de diversos formatos gustos para 20, 30, 36, 40, 50, 00 e i 20 re-
tratos, de U a 180000.
A galera e oflicina acham-se aberlas todos os dias e a todas as boras.
A ra da Aurora n. 26, arrenda-se a pro-
piedad)Barra de SeriQhem-sita no littoral da
fregoeiia do mesmo nome,com multas foros a re-
ceber annualmenle e grande numero de coquei-
ros a desfructar.
iM mmmm mmmmw*
M ADVOCADO i
Sur. Antonio de Vasconcei; ag
los llene/es de Drmn-
iiioori.
S Domicilio rna da Aurora n. 26.
K Escriptorio ra do Imperador n.
M 43, 1 andar.
Em urna" casa de familia, se fornece comida
para fra, com lodo o aceio e promptido; ha ven
do a vantagem de se mandar levor as casas que
quizerem, pelos portadores da familia na mesma
casa fazem-se flores dn toda a qualidade com muito
gosto e perfelcao. Tratase na rna estrena do Ro-
sario n. 19 primeiro andar, por cima de loj. de
funileire, que Oca confronte a typograpbia Com-
mercial.
Aluga-se o sobrado n. 36 da ra da Ma-
dre de Dos, com bastantes commodos :
ltimamente pintado e forrado de papel
trata-se na mesma casa das 9 boras a o
meio da.
FABRICA
Saquns sobre Lisboa
Oliveira Filhos & C, largo do Corpo Santn
9, saccam s..bre praca de Lisboa.
Saques.
Cinha Irmos & C, sacca sobre o Porto.
Precisa se de um criado : na rna das Cruzes
n.4l._______________
Precisase alugar nm e>cravo para conduzlr
fazendas : trata se na ra das Cinco Pontas n. 136.
" No da sabbsil 30 de margo, furtaram do
ecgeoho Utioga de Cima tres cavailos, tendo es se-
guales sigoaes: umeastanho ecuro, algma coosa
macru, e com os qaadris reiados pelo muito que
scffre de sadeue ; ouUo alazo de /reota atierta,
com o ferro U u'um quarto, e floaimeote o tercei-
ro guasi pret> e pequeo.; o primeiro castrado
e os dous ltimos ioteiros, senda todos de sella :
Quem os apprehender podera levar ao dito engsnho
a Jo> da Silva Cysneiro Guimares, que receber
orna razoavel paga pelo seu Irabalho.
Quem tiver um bom
de idade de 15 a 20 annos e quelra venl
c;e, que pagase bem.
OR
ORNAMENTOS DE IfiREJA DE
J'. BliUM
Vesliinenleiro e bordador de Paris.
23 Bill DO IMPERADOR 93,
Defi onte da igreja de S. Francisco,
Concurrencia impossivel
justificada pela suppressao de intermediarios, pela compra directa das materias primas, pela exe-
cucao dos trabalbos Das ufflcinas da casa e pelo diminuto lucro com que se satisfaz.
Animado pelos importantes negocios que faz com grande parle do mundo catbolico da Europa
resolven o annnnciante estabelecer filiaes da casa ae Paris em diversos paizes longinquos que
offerecem vantagens, e veio inaugurar o primeiro estabelecimento nesta cidade, sem dovida nma
das mais adiantadas e commerciante da America do Sol, e que por isso mesmo necesslta d'um
estabelecimento qne nada deiie a desejar, quer em relaeo s precisoes materiaes e quer intel-
lectuaes.
Os Srs. sacerdotes e dem&is pessoas, qne se dignarem visitar o estabelecimento, abi acbarao i
sempre urna grande variedade de todos os objectos para iereja e para o clero.
RIVESARIA PARA IGREJA.
Novos modelos de custodias e de vasos sagrados.
ALFAIAS DA IDADE MEDIA, A' LUIZ 13.
Os precos variam segundo o tamanho, o peso e a forma.
TAPECARIAS E ARMACOES PARA IGREJA.
Fornece toda a qoa'idade ile armacoes,* por precos mdicos, vontade do fregnez ; tendo
sempre urna pessoa no estabelecimento para ir tomar as medidas necessarias para completa satis-
fago da encommenda.
NOVAS UMBELLAS PRIVILEGIADAS.
Precisa-se de orna ama para eogommar : na roa
do Trapiche n. 36, Ngsdo aedar.
de commiss&o_ de escravos
Na casa de commtato de escravos, rna do Impe-
rador n. 45 terceiro andar, recebem se escravos-
tanto do mallo, como'da praca para serem vendi-
dos. O abaixo assigoado aanca o bom tratameot
e seguranca. Nesta casa ba sempre para vender
escravos de ambos os sexos.
Antonio Jos Vtetra de Snma.
do ao respeitavel publico com especialidad^ a"s pe"soas"qe hora'm "moda os^oVectos'do'ummoTos- SfljBff tttt lUIIIII
to (a Paris) por menos 20 por cenio do que em ootra qualquer parte, garantindo-se a qoalidade e a so-
lidez da obras.
O respeitavel
Entino de msica par
ticular
m
publico avallando o desejo que deve ter o proprietarlo de nm novo estabelecimen-
to que quer progresso ero sen negocio deve nhegar inmediatamente ao coraco de ooro a comprar
aneis com perfitos brilhantes, esmeraldas, rubinse perola; verdadeiras em agarras, modernas pek
diminuto preco de 10J, brincos modernos de ouro e coral para menina pelo prego de 3, maracas de
prata com cabos de marfim e madreperola obra de moderno gosto (o que o encontrarlo no coraco de
ooro) volus de onro com a competente crusioia ricamente eofeitada pelo pequeo preco de 12, bnn^
coa de om trabalho perfeito por um mdico preco, cassoletas, tranealins, pnleeira?, alfinetes para re-
tratos e outros modelos ludo de alto gosto, aneis proprios para botar cabello e Arma, dito para casa-
mento, no rtico roseta tero o Coraco de Ouro um completo e bem variado sortimento de diversos
gostos, butbes para pubos com diamante, rubins e esmeraldas, obra esta Importante ja' pelo sen va-
lor ja' por gosto ds deseoho, brincos a forma da delicada moslnba de moca com piogente contendo es-
meraldas, rubins, brilhantes, perolas, o gsto sublime, alflnete para grvala no mesmo gosto, relo-
gios para sen hora cravados de pedras preciosas, ditos para bomem, diversas obras de brilhantes.de
uuito gosto, crosinhas de rubins, esmeraldas, perolas e brilhantes, aneis coro letras, escoletas de
trystal e ouro descoberta para retrato(a ingiera) brincos de franja, ditos a imperatrize toda e qual-
quer jola, para secolocar retratos e obras de cabello, e ootros muitos objectos que os pretendeotes en-, muaon a sua residei
nontraro no Coraco de Ouro que se conserva com toda a amabilidade aos concurrentes delxando- das Crioolas n. 15, e conserva o seo eseriotorio t
se de aqol mencionar precos de certos objectos porqoe (desculpem a maneira de fallar) dizendo-se o rus estreUa do Rosarlo n. 34 onde pode ser oro
preco talvez algoem faca mo joizo da obra, por se/ lio diminuta qoanlia a vista do seo valor. corado para os mysteres do 'sua proQsso das 10
Na mesma loja compra-se, troca-so ouro, prata e pedras preciosas, e tambem recebe se coneer- dodia, as 3 boras da tarde.
Na ra do Imperador n. 75 segun-
do andar, lecciona-se solfjo e diver-
sos instrumentos de msica, e tam-
bem daris licoes em suas proprias
casas dss 5 horas da tarde as 10 da
noite.
O advogado
Affouse de AlinqaerqaeMella
mudon a soa residencia para
Retirado completamente a vida civil para mais
nunca se oceupar de poltica desta trra, offerece-
tos, por menos do que em outra qualquer parte, e do-se obras a amostra com penbor, conservando-se
e Coraco de Ooro aborto at as 8 boras da noile.
Qoalquer pessoa que se dirigir ao Coraco de Ouro nao se podera'engaar com a casa, pois a seos clientes'lotelra'garanta de zeo e
nota se na sua frente um coraco pendorado pintado de aroareilo, alero de ootro qoa se nota em um de em sens trabalbos. E os aceita tambem para
o Cabo, Ipojoca eEscada onde tem procuradores
probos e diligentes e at para logares mais longi-
rotulo (islo se adverte em conseqnencia de.terero ja' algomas pessoas eoganado com oolra casa.
C0LLEG10 DE SANTO AMARO
BAIRRO DO RECIFE
N. 61-Caes do Apollo-l. 61
DIRIGIDO POR
JOS FRANCISCO RIBEIRO DE OL'XA.
Este collegio fundado em Santo Amaro das Salina no anoo de 1863, acba-se de
presente funecionando no bairro do Recife, caes do Aopllo n. 61, onde contina a receber
alumnos tanto pensionistas, como meio pensionistas e externos para as aulas primarias e
secundarias ou preparatorias.
. A aula de inslrurcao elementar acha-se melhoicamenle dividida em tres secedes
cada orna com o seo professor.
O director deste collegio julgou conveniente abrir duus corsos ooctarnos, os qoses
sao de recoobecida vantscem nao so para o commerclo como tambem para qualquer oo-
tro ramo da vida : o 1 de jnglez e fram.ez e o 2o de grammatica da liogoa nacional,
aritbmetica, calligraphla etc., como se v abaixo :
* na de Instruc^o primarla.
Professor Jos Francisco Ribeiro "de Suuza.
> Mancel da Costa Pereira, alumno do 2 anno da escola normal.
> Rvm. padre mestre Antonio Manoel da Assumpco.
Instrucco secundaria.
- Lingua latina professor Jos Faustino Marinho Falre.
franceza e iBRleza Fortunato Raphael dos Samo?, acadmico do 3* anno.
Rbetorica e potica, geograpbia e histaria Dr. Antonio Rangel de Torres Randeira.
Geomelria Rvm padre mestre Francisco Joo de Azevedo.
Philosophla Tobas Rarreto de Menezes, acadmico do 3* anno.
Instrucco recreativa.
Desenbo Eduardo Clandioo Correia Cabral.
MaMca vocal e instrumental Trajaoo Fllippe Nery de BarcelUs.
Daosa Manoel Baptista de Sooza.
Curso nocturno das as 9 horas da nolte. d
! inglez e fraoce^, ler, escrever, contar e fallar correctamente. g[
2* grammatica da lingua nacional, analyse e orthjgraphia, contabilidade om- v
prehendendo systema metrolcgco decimal, calligraphia etc., etc.
ORDBM DO DI
E' IOII 4 A( AO
cor-
escravo, preto a* c
ernnun,
4LUASE.
o terceiro andar com grande soto e bons commo-
das para familia ra do Amonm n. 37 : a tra-
tar no armazem do mesmo.
AVISO AO COMMERCIO
Henrique Oettli, socio gerente da casa
commercial de A. Schaffier A C. avisa ao
corpo do commercto, que, tendo de faze;
urna viagem Europa, deu procurarlo
bastante para a gerencia da dita casa em
primeiro lugar ao Sr. Hermann Niemeyer e
em segundo lugar ao Sr. Dr. Joaquim Jos
da Fonseca. *
SEGUROS
MARTIMOS
CONTRA FOGO.
A companhia IndemnisarJora, estabeleci-
4a nesta praca, toma seguros martimos so-
bre navios e seus carregamentos, e contra
fogo em edificios, mercadorias e mobilias:
na ra do Vigario n. 4, pavimento terreo
Samuel Power Johnstiin Cempanhia
Ruada SenzalaNota n. 4.
ASBRCIA DA
Fundlclo de Low Hoer.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavallss.
Moendas e meias moendas para engenhe.
Taixas de ferro coado e batido para enge-'
nho.
EsUs umbellas de molas-, adoptadas p r S. S. Pi IX, tem por sua
e riqneza a dupla vantagem de cobrir inteiramente o Saotissimo Sacramento e
cnllar o andar.
E5CULPTURAS EM MARFIM E EM OSSO.
perfeico. oovidade
o padre, sem diffl-
Imlfeens de Christos, caldeirinhas, cruzes, quadros e todos os objectos devotos.
Objectos em argila, simples e prateados.
Todas as informiQdes sero ministradas gratis, acerca dos ornatos de igreja.
Conceder-se-ha facilidade para os pagamentos.
Eis o catbalogo do que tem a venda :
CASULAS.
de
Arreios de carro para um e dons cavalles
Relogios de ouro patente inglez.*
Arados americanos.
da'-hinas para descarocar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costara. Maafi
Companhia fidelidade de segaros A
martimos e terrestres
esUbelecida no Rio de Janeiro;
AG1NTIS III PERMAMfOCO
lateis Luii U OHveira izertd. & C,
I competeatenseiite aotorisados peladlrec-
torta d companbia de seguros Pldelida-
de.toeaamiegnrosde salios, mereado-
ias e predios tur sen escrMorfo roa sS
>.t.
IMI
Dianas, de velado, de crina e
galo lostroso.
De damasco com croz de ooro e
seda.
Be damasco dobrado,.com diver
sos bordados em relevo na
croz.
De tecido de prata ou de ooro.
dem com diversos bordados em
relevo na cruz,
dem dem muito ricas.
De velado de seda coro croz de
ouro uno em relevo.
De cbamalote de seda bordado.
Gelhicas e da idade media.
A cor da casla nao influe no
preco.
CAPAS.
De veludo estofado.
De damasco
De tecido'de prata e de ooro.
dem com emblemas em relevo
e ricas franjas na murca.
De velndo de soda.
De tecido de prata e de ooro fino.
DALMTICAS.
O mesmo preco das caslas.
ESTOLAS PAS rORAES.
De veludo estofado.
De dito de doas faces.
De damasco.
De dito de doas faces.
De tecido de prata ou de ooro.
dem dem; com emblemas em
relevo, franjas e bordados de
torcal.
dem idem em relevo muito ri-
cas.
De tecido de onro e de prata fino.
De chamalote bordado de seda,
com doas faces. i
VE'OS DE HOMBROS..
De tecido de Lyo. -
De dito dobrado, de ooro tino.
De damasco, bordado Jem relevo.
dem dem, muito rico.
VE'OS PARA EXPOSICAOJ
De tecido d* Lyo.
De chamalote de prata com em-
blemas ero relevo.
De dito dito, muito Anos.
VE'OS DE SAGRARIOS
De todos os precos.
BAxNDEIRAS.
Da Santa Infancia.
De contrarias de Nossa Senhcra.
Parochiaes, qoalqoer qae seja a
nvcaco.
Gnioes com emblemas em relevo.
A collecao varia de 35*000
3:000*000.
PALLIOS.
Em veludo estofado as quatro
pontas e do forro.
De tecido de Lyao, com ooro.
De dito de prata e de ooro las-
trse
De dito dito, com quatro emble-
mas bordados em relevo.
Muito ricos," nieiramenie bor-
dados em relevo com ouro floo.
PANNOS MORTARIOS.
De la.
De veludo Inglez preto verda-
deiros
De damasco dobrado de brocado.650
Estes pannos tem dons metros de 812 t
largora e tres de comprlmeoto. Cruzes de altar,
ROUPAS DE IGREJA.
Alvas de panno de linbo Uno.
de cambraia fina.
c de panno de liohaj^para
meninos do coro.
< guarnecidas de rendas finas,
a c de fil, de rices de-
senbos.
Roquetes em panno de linbo sem
mangas,
c com ditas.
Amictos.
Toalbas e sangninbos.
Curco raes de cambraia fin?.
Toalbas para communbo e sita-
res
Guarnieses de rendas para alvas.
Ditas para toalbas de aliar, aos
metros.
Toda a qoalidade da roopa ga-
rantida e perfeitamente execo-
tada.
DIVERSOS OBJECTOS.
Bolsas para tirar esmoU?.
Cordoes finos para alvas.
< para meninos do coro.
Voltas, s duzas.
Cintos e cimsrSes.
Sacras de altar, em cartao.
Ditas em quadros.
Marcas para miss'aes, eom seis
peroas, em chamalote.
Flores artificiaes, o ramo.
?tfos e todos os demais objec-
tos de igreja.
. BRONZES DE IGREJA.
Casticaes para aliares, prateados,
" de novos modelos
325 milmetros
379
433 t
487
541
c
12
14
16
18
SO
24
30
pollegadas).
.
correspondentes
aos castices, o par.
Tburibulos e navetas prateadas.
Caldeinobas com bysoppe idem.
Custodias ditas e douradas.
Lostres ditos e correles fortes
para os mesmos.
Cruzes para procissio, coa ralos
ditas.
Varas, alabardas para suissos e
cadas para porteiro?.
Estes objectos todos, sao em co-
bre e nao em malerites de
composico. '
DE
FAZENDAS MUITO BOAS E MUITO BARTINHASI
FHEGUEZES AKll DO CRESPO M. 17 I O JA.
LIQUIDADO
De fazeadas todas de primeiras qualidades e por todo preco a dinheiro a vista.
Chitas francezas muito superiores o covado a 320 e 360.
Cassas de eres bellsimos padioes a 300, 400 e 500 reis o covado.
Madapolo.es e algodoes para todos os precos.
Murcelinas brancas e de cores, aloalhados para mesas, panos Anos pretos e azues de
diversas qualidades, gros preto?, diversos bramantes, bretanhas, vestidos de sedas pretos
e de cores, eolios de sedas e outras muitas fazendas bellissimas e que se vendem por
presos admiraveis.
. A ellas antes que se acabem, vero con grande admiracSo os precos baixos das re-
feridas fazendas.
Ra do Crespo o. 19.
INTERNATO
DE
Aviso essencial para evitar qualquer erro oi mf.
Os Srs. compradores nao devem ignorar que o ouro nao pode ser fiado nem
tecido, e qne por consegointe os galoes dos ornamentos chamados de ocho pino sao de
prata dourarfa, os de ouro meio fino sao de metal donrado e os de onro falso sao de
cobre dooradr, e como tal confundir os litlos qne se Ibes deu sempre, que s3o mera-
mente commerciaes.
Os ornamentes qne o annunciante tem venda sao o de galoes de ouro meio
noos, falsos on de seda, s mandando vir os de ouro fino por encommenda; e nenbnm
objecto sabe de sen estabelecimento sem ser acompanhado d'oma factura por elle firma-
da, especificando a qualidade do objecto, para poupar-se explicares sempre incon-
venientes ao depois de realisada a venda.
Darse QOWOO
A qoem sebsr e levar a escrava Aguida, de 10
sqoos do idade, pooco mais on n)eoo, vsga, par-
da e barrigoda, qoe est fugid ba dz meies': a
na senoora a baronesa da Victoria.
Ama
Precisa se da, ama ama qae saiba colindar, para
ota de hornero olteiro : na roa ds Cadeia n. 93.
%m
9
Precisase de orna molber de meia idade, livre
oo eacrava qae compre e coswbe para doas pei-
oas : na rna das TriartlHs fc. 40.
Trocam-se
a? noUsdobanoodo.BraaU e das caixaf tllaes,
S. BERNARDO.
Estabelecide n* cidade de Rieife em 18->2
Sob a proteceo do 8nnlm Ponilflee Po IX
DIRECTORO BACHAREL EM MATHEMATICAS
Bernardo Pereira do Carao Jnior.
O director do internato de S. Bernardo, nao tendo evitado esforcos
nem sacrificios para proporcionar aos seus alumnos urna perfeita educarlo
pbysica, moral, intellectual e religiosa, t fferecenoVlbes orna habitac5o com
bastantes condicSes de salubrtdade, habis professores que s3o solcitos em
prpara-los convenientemente ao fim a que se destinam, medico pratico
que Ibes faca comprehender os preceitos da hygiene e Ibes cure das doencas
e finalmente um sacerdote Ilustrado e honesto que Ihes explique os princi-
pios da religiao chr!st5a,, espera que assim constituido e em vista doex-
cellente resultado, que tem apresentado, contando um crescido numero de
alumnos na Faculdade de Direito, que concluirn) all vantaiosamente os es-
tados preparatorios, nao deixar o seu estabelecimento de continuar a mere-
cer dos senhores paes de familias o auxilio e confianca com qoe j muitos o
tem honrado; e Ihes roga, bem como a todas as pessoas interessadas, que
se dignem de visitar o mesmo seu estabelecimento, onde sempre encontra-
rlo franao ingresso.
Cadeiras de ensino:!Primeiras lettras dividida em deas classes, ten-
do cada urna o seu professor, latim, francez, inglez, arilhmetica, algebra e
geometra, geograpbia, rbetorica, pbilosophia, desenho e msica.
O collegio tem a sua sede nos espagosos edificios ns. 32 e 34 5. rna
da Aurora.
Nos estatutos do collegio, que esto disposicSo de quem os.quizer
ler, se acham consignadas as condices de entrada e matricula as diversas
aulas do estabelecimento.
qoos onde pode Ir pessoalmente, sem grande re-
muneracao, nao sendo excesslva demora : pelas
appellages e por ontros trabalbos porm, que pa-
ra aqu ihe flzerem a honra de remetter de fra
i se contenta com modieo honorario.
I Alm do civil e commercial trabalha tambem no
loro ecclesiastico e no jury;
AttenQo.
S. 2)-RBa do Livrameitr-N. 25
Deposito de lamancos e calcado nacionaes da fa-
brica da ra do Jardim n. 19, de Jos Vicente Go-
dinho, tanto no deposito como na fabrica se
apromptam todas as porc5es de calcado o mais ba-
rato possivel, esta fabrica tero todas as machinas
proprias para os calcados ja' bem acreditados pelo
grande numero de freguezes que daqol se for-
oecem.
Na ra do Trapich n 16.--
acham-se os seauirites devositos
DeR.BroninghansemNnits.
Boorgogoe.
Vinbo Pommard tinto.
Cortn tinto.
> Santo Georges tinto,
i Chambertin tinto.
Rlcbeboorg tinto.
Clos de Voogeottin o.
Chablis branco.
DeM A.Woefem FraDcfert:
Bbono.
Geiseobeimer.
Liebfraomilch.
Marcobrunner.
Era casa de Tbeod Christiansen.roa do Trfa
piche-novo n. 16, nico agente no norte do Brasil
de Brandenburg frres, Bordeaux, encontra-se ea
lectivamente deposito dos artigos segoiates:
St. Julien.
St. Pierre.
Larose.
Cbateao Loville.
Cbateau Margaox.
Grand vin Cbtean Lafitte (838.
Chateao LaStte.
Haut Sauternes.
Cbatean Saoteroes.
Cbateao Lataor Blancbe.
Cbateao Yquem.
Cognac em tres qualidades.
Azeite doce. Precos de Bordeaoi.
Joaquim Jos Gfoncalves
Beltrao
RA DO TBiPIcHE N. 17 Io ANDAR)
Sacca por todos os paqoetes sobre o Banco
io Miobo em Braga, e sobre osn gaintes Inga-
. em Portugal.
aber:
Lisboa.
Porto.
Valenga.
Guimares.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Con^e.
Arcos de Val de Vs.
Vianna do Casteilo.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famelico.
Lamego.
Lagos.
CoTilhSa.
Garvalbo
Lisboa e Porto
4 Nogueira sacam sobre
na ra do Apollo n.'20.
Attengo.
RESTAURANTE
O dono deste estabeleetmento participa, que ten-
do o aberto ao respeitavel poblico com todo o as-
seio e promptioo, fornece comidas para fra por
preco razoavel, assim como se offerece para
apromptar jamares de ceremonia, e mandar
apromptar fra. Tambem se encootraro formida-
vel lunch, como seja sopa italiana, raviolio, taita
deiIi, coneti, e mais variacSes, com promptido e
asseio : na ra estreita do Rosario n. II.
Sala para escriptorio
Na roa do Livramento se aloga orna boa sala a
quartos : a fallar na roa do Rosarlo Estreita n. II.
Na praca da Independencia n. 33, loja de
oonves, compra se onro, prata e pedras preciosas,
e tambem se faz qualquer obra de encommenda e
todo e qualquer concert.___________
MHODEJURBEBA
Superior a todos ns tnicos conhecidos
contra a anemia, chlorose, hydropezia, obs-
irucco do abdomen. E tambem emprega-
do nos casos da m eostruacSo diflicil; nos
catarrhos da bexiga, C.
Piolo Pharm cetico
RA LARGA DO ROZARIO N. 10
________ tPcraMMbnco
Henrique Alves de Moura, subdito portogoes,
tetira-se para a Europa. _
AMA
Precisa se de orna ama portuguesa oo nacional
(roe saiba cosinhar, para casa de pooea familia: a
Iratar na ros da Croa armazera n. 54.
Precisa-se de urna ama forra on
ra casa de posea familia : oa roa da
Recife n, t7. 'andar.
captiva pa-
Cadefa do
Aluga-se
Um esceileote sitio na croz das
Almas em Bebdribe aosde faz enern-
zllhada com o Arraial, Afuetee e
Ponte d (Jobos, (a easa tem S salas,
S quartos, cosios fora, sodio, coxei-
rs, estribara e banneiro, com 2excellenles cacim-
bas, grande bslxa qoa pode dar de K 30 arro-
bas de csptm da i lamente todo anno ; i tratar com
Tasso no seo sillo ou no Recife em sen escriptorio.
" i iM
AH4.
Na roa do Trapiche o. W, segando odJr, pre-
cisase de nma ama livre ou escray* qae cj'infte
e eogomrae.
arda saaelosial
Esta' exposto a venda oa roa do Livramento o.
3i, primeiro aodar o Manual da Guarda Nacional,
oo collecco de todas as lels regoL meatos, orde
e avisos conceroeolea a mesma guarda, e aogmen-
tado de novos avisos o orden, expedidas depois da
publlcacao do primeiro volme.
Precisase de om amassador qoe corte per-
feitamente bolacha : no padaria da roa estreita do
Rosarlo o. 13. ______ ^
KMK DE LEITE
Preclsa-se de orea ama qae tenha bom leite pa-
ra amamen -emoascMa ; a tratar oa roa
Dlmta o. 89, I* aodar
Manoel Magalbies, subdito braslleiro, retira-
se para a Europa, levaodo em soa companbia seo
primo meqor AHredo Wva..
Precisase de urna ama para, easa de pouca
fumllia : na roa da Peona o 3, primeiro andar.
* Precisa-se de om menino de idade de il an-
nos com alguma pratica de moldado; as roa do
Rangel o. 7, veoda.
- Aluga-se urna malatinba recolbids, propria
pira casa de familia; atraUr oa roa do Alaenm
o. Ii. segaoda casa de porteo e farro freatf.
" Deteia-te ama pessoa habilitada para e<
th' ansa earroea cora cavallo e tratar di
Oliva ter occopado idetico logar a dar t,
omcias da soa condacta: a tratar oa
rslor o. 31, escriptorio da
* Qoem precisar
ccsionelrs e en
d< loaea da roa do I


V*
>
r
)
^
18b7.
OH. SEVIAL.
Para o tratamento e cura rpida e completa das molestias syphiliticas, erisipe-
las, rheumatismo, bobas, gota, debidade do estomago, infiammacBes chronicas do figado
e baco, dores sciaticas, cephalalgias, nevralgias, ulceras chronicas, hydropesias, pleuri-
sias, gonorreas chronicas e em ge al todas as molestias em que se tenha em vista a pu-
riflcacao do systema sanguneo.
Consideraces ge raes
A saude um bem inapreciavel, cuja importancia e valor s est reservado ao en-
fermo o avalia-lo.
incontestavel que o homem nesle mundo constantemente, e por todos os lados
atacado por urna infinidade de agentes morbiQcos que todos tenden, dadas certas e deter-
minadas circunstancias, a alterar o regular exercicio das funccOes orgnicas, resultando
pesse desequilibrio o que se chamamolestia.
A molestia n5o mais do que a desvirtuado das forcas vitaes occasionada, se-
gundo as investigaces e experiencias dos mais abalisado mestres da sciencia, pela depra-
vado dos humores geraes, consequencia da acgao maligna desses mesmos agentes morb-
ficos intreduzdos no organismo pelo acto da respirado, pela via digestiva, pelo contacto
immediato etc. etc. etc.
A syphilis infelizmente tem sido a partilha da humanidade, e como fra de duvi-
da que esse terrivel Proteo da medicina urna molestia hereditaria, ella tem sido obser-
vada em todas as idades, e debaixo de todas as suas formas tao variadas, enfraquecendo
constiluices robustas, produzindo mutilacoes, e cortando ainda em flor da idade vidas
preciosas.
Eliminar da economa esses principios deleterios. e purificar a massa geral dos
humores tem sido desde tempo immemorial o fim constante da medicina, e os purgati-
vos figuram em primeiro lagar para preencher esse desiteratum ou fim.
O Elixir depurativo do Dr. Sevial parece merecer a preferencia sobre todos: os
immensos successos obtidos pelo uso destesalutar geme tanto na Allemanha, como em
Franca e Italia, o-tornam o companbeiro inseparavel de quasi todos os doentes.
Sendo as melestias, como cima dissernos, devidas s alteracoes dos humores, o
Elixir depurativo do Dr. Sevial pode ser etnpregado vaoljosamente na syphilis, erisy-
pelas, rneumatismos, bobas, gota, debilidade do estomago, inflammagoes chronicas do
figado e bago, dores sciaticas, cephalalgias, nevralgias, ulceras chronicas, hydropesias.
pleunsias, gonorrheas chronicas etc. e em geral em todas as molestias em que se tenha
em vista a purificacSo do systema sanguneo; pois que orna pratica constante tem feito
ver que elle indispensavel nos casos gravissimos para minorar os foffrimentos, e pre-
parar o doente para medicacoes superiores ; e as menos graves a cura a conse-
quencia do seu uso, convenientemente repetido.
As substancias que entram na composico do Elixir depurativo do Dr. Sevia-
pertencem todas exclusivamente ao reino vegetal, e grande calhegoria das substan-
cias depurativas e antisyphiliticas; assim, ao passo que este remedio depora o orga-
nismo, eliminando os principios nocivos saude, pelo mecanismo nataral das eva u\
aces alvinas, neutralisa ao mesmo tempo o virus syphilitico quando este virjcm
tem feito erupcao no exterior debaixo de suas multiplicadas formas; e previne tau
bem os estragos dessa terrivel molestia, quando por ventura se ache ella ainda no
estado de encubacae, isto sem se ter manifestado sob formas externas: beneficio
immenso, tanto mais quanto tiesto estado os individuos ignoram completamente se es-
tilo contaminados por este terrivel inimigo.
O sabor agradavel d'este Elixir convem a todos os estmagos, a sua acc5o so-
bre o tubo intestinal suave e benigna, e de nenhuma forma produz molestias medi-
camentosas, como acontece ao purgante dito Le Roy, que na sua qualidade de drs-
tico forte irrita a mucosa intestinal, e consecutivamente a seroza, resaltando dste es-
tado, muitas vezes, hydropesias, que quasi sempre terminam pela morte do doente.
Assim pois esperamos que o uso deste remedio justifique cabalmente as nos-
sas asseveraces, porque sendo um medicamento tao simples na sua composico. a
pratica tem confirmado sua ulilidade.
CASA DA FORTUNA.
-Aos 6:000#000.
IUIhates garantidos
A RA DO CRW) N. 23 EC.4SAS DO COSTUME
O abalxo assignado venden nos seus mullo feli-
tes bilhetes garantidos da lotera que se acaboo
de extrahir a beoelleio di Igreja de Sanio Amaro
das Salinas, <* MpiBles premios :
N. 1400 dons cuartos com a sorte de 6:000$.
N. 2734, dom quark'S com a sorle de 3003.
N. 2501 djus quartos com a sorte de 200.
E outras muitas sortes de 1005, 40* e 20*.
Os possuidores podara vir recebar sens respec-
tivos premios sem os descontos das lei?, na casa
da Fortuna a" ra do Crespo d. 23.
Acham-se a venda os da 36' parte da lotera
a beoelki das familias dos voluntarios da patria
que se eitrahira' sexta-feira 42 do correnle.
Pre?.
Bilistes......... 000
Meios............ 340OO
Quartos.......... 4*500
Para as prssoai que coraprarem de 100#000
para cima.
Bilbetes.......... 54500
Meios............ 2*780
Quartos.......... 44375
r ___________Manoel Martins Finia.
Na ra esirefta do~Bosri'on".~2fT0 andar
tem um grande sortimento de palmas para enfeites
de sepuleftro e para ramos, moito bonitas e mais
barato do qne em entra qualqaer parte, grioaldas
para anjos e para enfeites de andores. ti res d^
campo e solas. Na mesma casa faz-se c pellas ri-
cas para nolvas, vestidos por flgnrinos modernos e
de muito gosto, roopas proprias para baptizados de
crianzas e toueas do melhor gost i e por barato pre-
50 : apromptam-se encommendas de flores com bre
vidade tanto para a cidade como para fora, mais
barato qoe em oatra qualqaer parte ; vndese
grosas de folbas de rosas e dhalias e de oulra qnal-
quer flor 44000 a grosa ; apromptam-se ricas
bandejas para casamentos, bailes e baplisads com
bollos finos de differentes gostos e de pastis de na-
ta ; faz-se pao de-l e pndim para presentes, toda a
qualidade de doces, de semedo, de ovos e outras
qoalidades indo com asseio ; faz se ricos bouquets
com fitas bordadas a ouro e a lentijonlas com le
treiro?, com perfeicaoe presteza ; enfeito se ricas
velas com flores de cera para baptizados ; faz se
arcos e capellas para santos com flores Anas de
papel seda e de panno.
IPNME PARS.
40 horag dt manha em jante.
A agot branca vendendo bencaes.
A Aguia branca recebea nm Befio e variado sor-
Vende-se a casa deb.bares denomioad7Caf 'SI? J? t0*!'* endo, *no.T e W"1,''
de Paris ?U a ra da Imperatw ns. <$ e 71, cuQ. D"'S,e '. wid8 e nao vestidas, com rosto
tendo a.mesma 3 buhares de (acarada do me- ?"" Prcenan*e massa, olhos Oos, e mov
Ihor fabricante.de Par?, cora tooi os seus gHv ,0is Pr conse^u-nle caras e baratas.
tencM.aOraesascomt.mpode pedra marmore 2 .*raquaa'oaos precos o comprador n8o lenb;i coi-
grandes flteiros eovernisados e envidrarad.*, ca- i ft por"Ja? nao' auerera dar mais do qne te Ibe
deiras; mesas, raoebos e todos os mais peUencs ?'"e *SSI Pode dirigir se com disposlcno de
de caf e sorvele achaodo-se a caa bastante arre-''r7np ls b0Dec*' uezada e em multo boa Ipcalldade tendo bastante ?. danraa do Que,m,1<> u- 8-
espaco para poder-se fazer um bbm caf cantante. Lollares Royer magnticos, medalhas 6 pul-
s pretenderes podera dinglf-s. a mesma ca-a seiras magnticas.
m o enearegad., da mesma das A Ag'oia branca receben nova remessa dos pro-
(v.'itososos collares Royer magoelicos.j sommamen-
I le conhecidos para preservar as convulcSes e faci-
; litar a denticao das oriaofs, com esses nteis col
II ires elctricos magnticos vieram tambem nao
I pequeas qoantidades de medalhas e pnheiras
elctricas magnticas, coja utilidade tem sido apro-
v. Hada por quera soffre de nervoso bypocrontilco,
tremores as raaos, etc. etc. Assim como os col-
lares Roy r -iao geralme te conhecidos e acred-
talos [1 iicases effeitos, bons resoltados qoe
i-m c i -i.,, as pessoas que delles tem asado;
- un un \#m chegaram a ganhar to alta repata-
voo essa apreclaveis medalhas e pulseiras nig-
rjetlcas, urna vez que o oso d'ellas fr se eslenden-
do a todos qne deltas necessitem. A Aguia bran-
ca continua a receber por todcs os valores fran-
eles urna determinada qoaatldade desses sempre
precisos e estimados collares Royer magnetices, e
por isso fique na lerabranga de todos que os acua-
rio constantemente em dita loja d'Agua branca,
ra do Quetmado 0. 8.
faaos de crochet
IN JECCO e CAPSULAS
JEGEJTAES aoMATICO
CKIMAULTC'pharmaceuticosemPAKIS
Revo tratamento preparado com aa fouu i
tt aore do Per, para a dan rpida e fa>
fclavel da fonorrhea sem reccio tlgum da con-
traccle do canal 011 da nflammacJo dos intestinos.
0 clebre dontor Ricord, de Pansjier renonciado,
desde sna apparicio, ao empreo de qnalqmer
1ro tratamento. Emprega-se k InjtccSo'
meco de fluxo; as capsulas em todos os casos
enrmeos e Inveterados, qne res tirio s prepa-
noOes do copahn, esbeba s inj cobes ees be*e
A venda na pbarmacla
C, em Pernambuco.
deGaF
Cnegou a ra do Queimado n.
dar, vindo do Rosario.
Fumo
d > P. Manrer d
n mas
1 i, segundo o-
Vende-se nma casa terrea
de Olinda: na estrada de Joan de
IXAROPE FERRU
DE CASCAS DE LAH ANJ AS E CAS
it
nico deposito em Pernambuco
Na botica e drogara
N. 7

<
DE
Bartolhomeo Companhia.
34-RUA DO ROSARIO LARGA-34.
a
3
o'
I O. CB O. CE 53 CE
1 a. 5 B O era
a 0 O- 0
15 ce ce cb ce 1 1
i H O T3 os 1 0 a O. CE nn
O 0 3 CD CD 0 "O -1 os Sd L:J
0 ce O ce -i 3 O CD os r-N
0 a n CE c CE 0 >
C ca es
3 0 OCJ OS B Os # os a. os O X
0 0 ce o. O
_ ce a> CE
OS CB
ce ' O. CE 3 CE O r-H
en O O e 3 ce as > ww
-2 a 0' B O. CE cd ^w^
a> s
Di ce 09 O ce O as s . * 0 >
c "O 0 . v i^""1*
CE O Q. ^
1 - -1 c a> * a 11
0 0<9 3 ^ :--
ce os a =C O O Os 0
a 0 S 8 O O nBBBMl
O ^ 0 O "O ^^^
w B os
a.


C6

"i 0
c* "w
*CS -i
O a -4
S4. ec |
O
s -* C6
e- C^N
i O
~ Co s*.
O
0
y. Si 6* y.
c*
ci
0 Cfe
C>9 "1
a
- a.
C6 =&
2. Cfc'
0 c
a S
s G
S5 a
= >a
c% 2
C6
A luga-se o sitio que fica logo de pois do sitio
da Cascata ; na estrada de Joo de Barros : a tra-
tar na raadas Flores n. 29.
Precisa-se de nma ama para comprar e co-
zinhar pan pequea familia ; na ra dasCrozes
n. 24, i* andar.
Preci.a-se le urna pessoa competentemente
habilitada para se encarregar da escripturacao por
partidas dobradas, de urna casa commercial d'esta
praca : qaem se julgar apto para este fim, deixe
soa morada em carta feiehada nesta typograpbia
com as iniciaes a. A.
tu,1 pun mumm
ADVOGADO
Haeliare Manoel Juaqmni Silveira-
ARna do CrespoN. 7 A &
Io andar.
mmmmmm mmm-mmmmm
Jos Pereira Guimaries Jnior declara pelo
presente que deixou uesla data de ser caixeiro da
companhia Pernambucana, e que. por semelhnte
razio nao esta' mais a seu cargo a cobran;* de
quaesquer contas da referida companhia.
Agua mineral
ferruginosa, acidulada, gazoxa e carbnica
DE
ORBXXi
O uso d'agua de Orezza rani particularmente
recommendado pela escola de medicina de Paris,
para todas as affecees do tubo digestivo, ingorgita-
ment das viceras abdominies, e geralmente todas
as molestias provenientes de frqueza orgnica, on
pobreza de sangue.
DEPOSITO ESPECIAL
34Rna larga do Rosario34
Pharmacia de Ha r lio lomen AC.
IOOjSOOO por "cada um.
No primeiro do correte mez fugiram do enge
olio Satuin, na comarca de Naz&reth da provin
cia de Pernambuco, dous eseravos, de Domes Es
tevao e Ludgeno com os signaes seguintes : Este-
vio, mulato rr de canella, de 24 annos de idade,
eabellbs pretor, enroscados e grossos, cheio do cor-
to, bem espadando, baixo, sem barba, apeuas
tendo um pequeo sigoal de buco, ps muito xa-
tus e curtos, felgfles regnures e bem parecidas,
olhos de uinauho regular: levuu um surro de
Cnur.o de ovelha, carniza e cerou'a de azullio, e
mais carnizas e cenulas brancas j usadas e urna
rede velba e suja : fji motilado em cangalha em
nm cavallo pedre? grande e ioteiro de 7 a 9 an-
nos corlarte ni's peiius de peitoraes e passeiro, cora
e.-te ferro Y-l na pern? direita. Ludgerio, cabra,
d 36 annos de iJade, sem barba, cabellos pega-
dos, secco do corpu, altara regular, olbos peque-
nos e o beiro de cima mais saliente do que o de-
baixo, lev..ndo tambem alguma roupa entre ella
urna caija de bnm pardo ja servida, foi montado
tambem em caogalha em um cavallo alazao caxilo
pequeo, eslradeiro baixo e castrado, e*quando
amia entorta a cauda para um lado. Descoofia-se
terem tiles fgido para os seitdes do norte, prin-
cipalmente para a cidade do Assii cu sens subur-
bios, porque o Estevo tem ali prenles, e a 3
mezes que veio preso da cidade do Crato aoode
tambem tem prenles, estando quando fugio com
um gancbo no pescoco, que prtvavel tenha lira-
do para melhor evadir-se. Quem pegar estes es-
eravos pdeos trazer ao seu senhor no engenho
Sa-.uin on eolio entrega los ao Sr. Dr. Antonio
da Silva Antunes, promotor da cidade do Ass,
pu no Recifo aos Srs. Manoel Ignacio de Oliveira
& Filhos.
Saguio, 5 de abril de 1867.
Jos Hygino Gongalves Guerra.
Precisa se de urna ama para servir a ama s
pessoa : na ra Relia n. 14, 2. andar.
Com iodureto de ferro
De I. P. Laroze. pnar^naceutico
em Parla
E sob a forma liquida que njais fcilmente
se assemelha o ferro, e isto, sem produzir
perturba?ao alguma; n'esta forma, tambem,
preferivel s pimas e pastillas em todas
para sof, cadeiras,
jarros ele.
A agnia branca a ra do Qoeimado n. 8 receben
bonitos panos de crochet de diversos moldei e la-
- manbos, tendo nelles alguns cuja superioridad* se
o cenhece por mltarem perfeitamente o labynntho
cheio. Tnto os de algodo como os de lia a aguia
vende-os por precos commodos.
H cas de seahoras e meninas.
A aguia branca a rna do Qoeimado n. 8 rece-
beu mu modernos e bonitos enfeites para roupas
brancas de senhoras. e meninas, sendo elles de
moldes novos, de dentis, por um e ambos os la-
dos, e outros que a forma de ziguezagne fUem
tarros n. 4.
iidsb
IA AMARGA
alteravel
os casos em que sao prescript
nosos. E o melhor auxiliar
s os ferrugi-
do olea de fi-
gado de babalbo, porque con em o xarope
das dores de j raad?J D-
inappetencia, S9rv,d0s-
mente appreciado, para a cura
estomago, digestoes difficeis,
etc.
Deposito em todas ss pha rn}acias e casas
de drogaras no Brasil.
Expedicoes, em casa de J. P. Laroze, rae
des Lions-Sl-Paul. 2, Paris.
Deposito em Pernambuco, | harmacia de
P. Maurer & C. ra mow n. 28
O oleo de figado de ba :alho desinfectado
de Cbevrier, conserva as qualidades e pro-
priedades reconhecidas ao oleo de figado de
bacalbo ordinario; o seu cteiro gosto
sao muito agradaveis, e a digetlo faz-se f-
cilmente.
Deposito em Pernambuco, ca a de P. Mau- m genero.
rer dcC, roa Nova n. 48.
i Vendem-se duas lindas mucanbas idade 13
a 14 annos, duas escravas
travessa do Carmo n. 1.
com b
E' de graca
Cortes de caiga de casemira suissi por 2i>00,
fazenda escura propria para o inver io, apparecam
antes qne se acabe : na ra do Que
43 e 45.
*
e
a
DE
AZEEDO Je FLORES
RADACADBAN. 47
Roupa feita em porcSo e
avaaar a realidad*.
A dlnhelro
rela'ho por preco muito barato,
Fazendas
qoe a vista podero
Liados baloes demussena, rr5o sao baratos; bales de arcos estes sua, s5o ba?
ratos, lindas chitas escuras, cambraia modernas.cim lista aotaeio, cazemras am cortes,
lindos desenhos, collarinbosaCavour.reondasr end^das chales rendados, ebalede merino
pretos, loas chitas largas para coberta, superiores meias inglezas, sao caras e boas, su-
periores camisas de flanella branca, para evitar consti,ac5es, bom brim branco para cai-
gas; ha muitas outras fazendas e roupa feitas, que toJas se vende omito barato a dmuetro
atrista dam-se amostras e mmdam-se levar as casas.
COMPRAS
Compram-sc eseravos
Silvioo Gullberme de Barros, compra, vende e
troca efectivamente eseravos de ambos os sexos
e de todas as idades : a' roa do Imperador n. 79,
erceiro andar.
Ouro e prata.
Em obras velbas : compra-se na praca da lo
dependencio n. 22 loja de bilbetes.
Moedas de ouro]
Naeionaes e estrangeiras assic como libras
esterlinas: camprara-se na roa do Crespo n. 16,
primeiro andar.
Compra-se onro, prata e pedras preciosas em
obras velhas : na roa da Cadea do Recife loja
de onrives no arco da Concelco.
oo armazem n. 19
Compra-se viote travtas,
na Ribelra do peixe.
Comprara-se libras
odependencia o. 22.
sterliuas : na praca da
Compra se ama casa- terrea que seja boa e
tenha commodos para familia, no bairro de Santo
Antonio on Boa-Visia : que tlver dinja-se ao
caes do Ramos o. 24, para tratar.
' Vende-se a taberna sita no Va
dade i!-, uiinda, muito afreguezada
mal >, tendo a mesma grande surlim
\v* e fazendas, a qual vendida por
reairar se para a Europa a tratar i
quem a pretender dirija-se a mesro
Ant< nio da Cruz Ledo.
Vende-se duas carrocas com < us eieellen
les hois por precos rasoavel: oa
( Saoto Amoro) junto a padaria do
y
uta bell entremeio, cujos moldes tem geralmente
agradado por soa novidade e galantera. As amos-
tras serao dadas com penher.
Aibans de 20 200 retratos.
A aguia branca recebea novo sortlmento de ai-
baos de differentes goslos e diversos tamanbos pa-
ra admittirem de 20 at 200 retratos, us que eos-
de cascas de laranjas amargas, t5o gera!-l'ara qe comprar o bom dirijam-se roa doQuel-
8 loja da aguia branca que serobem
Para ba plisa dos.
A agnia branca ra do Qoeimado n. 8 receben
novamente camisinbas de cambraia, bordadas e
enfeiladas, cbapeuzinnps de setim, moldes novos
de benitos sapatinbos de setim e merm, tocios
bordados e enfeitados e meias de seda e de lio da
eseossia.
loteressa a todos saberem o qoe de no-
vo a aguia branca receben, por isso
facam o fa*or de ler o qae se segne,':
Traugas de vidrilbos, pretas e brancas, largas e
estrenas, com pingentes e sem elles, moldes novos
e bonitos.
Roldes pretos e de cores, com pingentes e sem
elles, o que de melhor goslo se pode encontrar
bilidades : na
ecbinc
Rolinas francezas phanlasia para s
par; isto s no baz^r do Livramento
Bazar do Livra mente
Recebeu um grande sortimento d
borracha, capas, casa* os e pi-rnen
vende por menos do que em qualquei
Cintos pretos com denles fundos, enfeitados com
vidrilhos, o que Ha de mais moderno.
Guarnicoes de lilas largas para as barras e es-
Ireitas para os corpos dos vestidos.
CordSes grossos, pretos e de cores enfeitados
com vidrilhos e sem elles.
Rosas de vidro para enfeites de vestidos.
Gsparlilhos de sultana, muito baa fazenda e
bem enfeitados, para senboras e meninas
mado numero: beques de madreperola e sndalo, ditos de eba-
i no com seda preta para luto, ditos pequeos de
art > rt saodal0 P" meninas, ditos baratos a 1W00 prc-
" prios para casa.
Pentes prateados com Blas cabida?, obra moder-
na e de gosto.
Pentes de tartaruga modernos para senhoras,
ditos dito para meninas, ditos dito de desemba-
rcar.
Ligas de seda para senboras.
Ricos e rendas de guipure.
Fitas para sombras de ditos.
Meios adereces de flores.
Ramos de flores Anas para coques e chapeos.
Delicadas toesouras com aros de madreperoh
para costuras.
13ontas cajxinhas com agulhas e alflnetes bran-
cos, pretos e dourados.
Relroz fraocez era miadas e carreteis para ma-
chinas e ditos de torgal.
Agulhas parisienses e fundo dourado, ditas pa-,
ra trabalhar-sa em la e ditas e iiobas para ero- \
na Ierra e no
oto de moa-
ler -o dono de
e sua saude;
a tratar cora
ua do Lima
r. Antoni:.
No bazar do Llvrameolo n. 19
psito um rico sortimen'o de cajd
ultimo gosto, a-Miii como lodos os
avnlsos para os mesmos, por pn-co:
dicos.
n. 19
sapatis de
as as qoaes
ootra parle
existe a ex-
leirus a eaz
iais objeetcs
muito mo-
VTeiide se
nma boa taberna sita o > pateo d i S. Pedro de
Olinda o. 73, tendo bons commodos
e perto dos banhos do mar, com po
a tratar com JuoSimes Pimeola, re
o. 36, ou no mesmo armazem.
para familia,
jets fundos :
a do Amorim
Novidade para o bel os xo!
a 240 rs. o covado.
Linzinbas escuras, fazenda inteiramejnle n
propria parj a presente e tacac
mais
Cadeia d'u Recifl n. 66, funto ao "ar
gao. Do-se amostras, deixando pent
gaz
Noticia ao publico
Coke on (tevao do
Vende-se agora na fabrica de gas d'esta
cidade, coke, ou carv5o do gaz, t e primeira
aonde fr
como se-
de vapor,
destilaras, etc. Recebem-se otdensnoes-
ua do Im-
z.
qualidade, proprio para ludo,
necessario um bom e regular cale
jam eosinhas, padaras, caldeiras
criptorio da empreza do gaz, na
perador n. 31 ou na fabrica do g
Vende-se cisco e-cr..vos, send t pretos de
40 annos, 2 ditos de 30 e 1 molatinba de 17, pes-
sa.com todas as habilidades; a trattr oa roa do
Fogo o. 9..
i essa, um negro de 30 nnos bom ca reiro e cos
nba,para venderse.
h
ahora a 49 o
. 19.
No.armazem de frzendas de
Sant sCoelho,rua do Quei-
mado n 19.
Vende-se
Madaporio fjpo de 70, 80, H, M, W
e 12^a pessa.
Balos de arcos de 20500, 30. 30300.
Dito de arcos encarnados de 30500.
Dilos de mnrsulina a 50.
AlgodSo en.fesiado com 7 1/2 palmos de
largura a 101 OU a vara.
Cambraia branca Qna de, 40,50, 60, 70 e
80 a pessa.
Dita para forro a 30 a pessa..,.
Dita com sapics br?nc a '40500 com 10
varas a pessa.
Dita para cortinado com 20 Taras a pessa
120.
Retondes de 6l preto a 60500.
Chales de fil preto a 500. #.
Grosdenaple preto superior .de 10800,
20. 20300 e 30 o covado.
Morantiqoe preto superior a 20800 o co-
vado.
Flanella de todas as cores a 800 o covado.
Cobertas de chitas da India a 20600,
Lences de hamburgo fino a 20400.
Ditos de bramante uperior a 30200.
Bramante de linho com 10 palmos de lar-
gura a 20500 a vara.
Dito de linho com 5 palmos a 10200 a
vara.
Dito de linho com 3 1/2 palmos a 800 a
vara.
Lencos de cambraia branca finos a 10800,
20, 20500, 30500 e 40 a duzia.
Fil de linho liso a 800 a vara; e com
salpicos a 900 a vara.
Atualhado trancado com 7 1/2 palmos de
largura a 10600 a vara.
Dito adamascado com 7.1/2 palmos a 20.
Dito de linho adamascado a 30.
Panos de la adamascados para cobrir me-
sa a 40500.
Toalhasalcochoadas de linho a 120 a duzia.
Toalhas de pello de 130 e 140 a dzia.
Guardanapos de linho adamascados a...
30500.a duzia.
Cambraia de inho superior de 60 e 90 a
vara.
Chitas francezas finas, escuras e claras a
320 e 360 o covado.
Assim como outras muitas fazendas que
se tornara enfadonho mencionar que se ven-
de por baratissimos precos.
Collares Royer
ou
Anodinos electro-magnticos contra as coc-
vulsoes, e para facilitar a denti{5o das
criancas. A aguia-branca na ra do Quei-
mado n. 8 recebe-os por todos os vapo-
res francezes.
Ja esto tao conhecidos, e tanto se tem espalbado
a fama desses prodigiosos collares Royer, que se
torna desnecessario dizer mais alguma consa en
abono de seus bons e e effleazes effeitos; basta o
testemunbo de milhares de pessoas, qne tm visto
e aproveifado o feliz resoltado desses tao uteis,
qoo necessarios cellares Reyer. A qoolidiana
cresclda extraccao, qne vo tendo, mostta ainda
que numero dos prodigios se eleva como todos
os compradores. A aguia-branca, prm, dese-
ando concorrer para nm fin de tanto aproveite-
mento, tem feito 03 necessarios pedidos, para qne
por todos os vapores francezes Ihe seja remetti'
certa quantidade de ditos collares, para assim lo
nar-se iofallivel o sortimento delles, na loia d'a
guia-branca, ra do Queimado n. 8
: na ra da
o da Concei-
or.
PECHINCL
Vende se pecas de algodozinho con qnatro pal-
mos de largura com nm loqneno de rrofo, pelo ba
rato preco e &t ehitas largas fraoce sas de todas
as cores a 260 rs. o covado, no passel > publico n.
6, por balio do sobrado nova
Pechiacha
VENDAS
Jurubeb,
A jurubeba ama das sub.-iaucias medicamen-
tosas, que perteocem ao reino vegetal, e pertence
a classe dos Inicos e desobstroeoie?, tendo em-
p/egada com vaolagem contra as febres Intermi-
tentes acompanhadas de engorgiamenlo de figado
e baco. Ella tem sido applicada com Incontesta-
vel proveito contra a anemia oa chlorose, e hydro-
pesia, catanho da beiiga, e mesmo para combate
a menstroacio difflcil, resaltante da mesma ane
ma oa cblorose.
Extracto tlcio'lcode jurubtba.
Emplastro ideo.
Oleo dem.
Tratara dem de dem.
Xsrope Ideo.
Vinho ideo de dem.
Piiul de eit dem
Puto-Ra larga do Rosario o. 10.
Vende-se ama machias para costura
aso e eooraodo preco
31, 2* andar.
oa roa do Li rraueoto n.
Vende se
ora cabrlolet ameriesno de 4 rodas coi erto e
asseotos para duas pessoas, muito fort
feito estado de ser vico, assim como am
estallo moito novo propria para o me
ver oa coeheira do Sr. Silga'o oo flre
Saoto Amaro, e para tratar oa ra do
fabrica de chapeos de sol de J. Falque
Antonio Jos de Catiro vende 6 fazendas de
gado sitas no termo do Serld deuori inada Boa-
vista, S de Seaa Mu un errle, loado Novo
e Inga, todas moito boas de criar pelas proporedes
(j..e leo eo si : ss pessoas que ss qoi er cemprar
p-deo diriclr-se a rna do Vigario o. 21,1* andar,
e; Notorio do auoancianie._______
kttenfSo
Vende-se a taberna do pit?o do Carrr o o. S, tea
H>oaeo fondos e commodos para peqoeha familia
para tratar oa mesma qae se fiz qua
com pouco
cora
e em per-
excedente
rmo : para
da roa de
prespo n. 4
juer neg-
chet.
. HOWlS osjectos
\iu !os para a guia Branca ra do
Qneimado n. 8
Bonitas Bvellas iCnspiniultimo gosto para
cintos.
Fitas escossezas e outras com differentes carac-
tere_s, gostos apreciaveis.
Novsimas gollinhas de cryslal e aljfar com fi-
tas oas extremidades para dar la$o e flearem pen -
denles, obras essas de muito gosto e inteirament;
novidade em Paris, e aqu as primeiras que appa-
rerem.
Mollas com trancelins e mais arraojos para a>
senhoras suspenderem os vestidos do lado e na al-
tura que quizerem, o que se torna de muita utili-
dade, e principalmente agora que os vestidos com-
pridos correra o risco de serera pisados e rotos, nos
apertos qoe sempre ha por occasio de visitar a.i
igrijas e outros actos.
Malos aderemos de aljofares miudos, imitando pe-
rolas.
Bonitos cabases ou bolsas proprias para as se-
nhoras e meninas trazerem nos bracos.
A Agnia Branca deixade mencionar aqni alguns
objetos qae recebea para lato, isso para nao con-
fundir os de alegra com os de tristeza, mas se a!-
guem tiver a infelicidade de precisar comprar :
Manguitos e gollinha, pretas bordadas.
Voltas e brincos de borracha e benoitre.
Ditas de vidro cem bonitos e noves moldes e li-
tas as extremidades.
Ditas as mesmas cireamstancias, para cabecu.
Cenes pretos com fitas e sem ellas.
Fiveias, fitas e coota pretas.
Alfinetes e brincos de vidro, e borracha etc., pa-
ra pregar.
Eufeltes ae la para vestidos pretos.
Cadeas de borracha e vidro para relogto.
Fumos para chapeos, etc.
Nesse easo pode dirigir se a dita loja da Agnia
Branca, a rna do Queiirado n. 8.
**** ft* mmm **w
DBOGM1
jGrande hi mazem de tin4
tas medicamentos etc.
Roa di Imperador i. 22.
Productos chimicos e pharma-
ceuticos os mais empregados em
medicina.
Tintas para todo o genero de pin-
tura e para tinturara.
Productos industriaos e tintas
para flores, como botos de fieros
e modelos em gesso para imitar
fructas e passaros com o compe-
tente desenho. -
Productos chimicos e Hd,ustriaes
para photograpbw, tinloraria, pin-,
tora, pyrotecnia etc.
Montado em grande escala e sup-
prido directamente de Paris, Lon-
dres, Hambqrgo, Anvers e Lisboa
pode offerecer productos de plena
confianca e satisfaur qualquer en-
commendas groe trato e a reta-
(bo e por preco commodo.
DE KEMP,
NOVA YORK.
DE COR CI1EIRO E SABOR AGRADAVEIS
Infinitamente mais ellicazes do que todos
os mais remedios perigosos enauseabundos
que existem para a expuls5o daslombrigas.
NSo causam dores e produzem seu effetto
sem precisar logo depois de purgante ne-'
nhum e toincitantes em apparencia e deli-
ciosas em gosto, que as criancas estSo
promptas a tomar mais do que marca a re
ceita.
Uteis como um excellente meio de fazer
removers obstruccoes do ventre, mesmo
no caso o> nlo exrstirem verme algiim, as
PASTU.HASVERMIFDGAS DE KEMPS S50 p'romp-
tas einfalliveis na sua operaco e por todos
os respeitos dignas decoflfianfa e approva-
co de todos os paes de familias. Prepa-
radas nicamente por Lanmn & .
Nova York.
A' venda as drogaras de A. Caors, Bra-
vo & C. e P. Maurer di C, e em todos os
estabelecimentospharmaceuticos do imperio
Grande sortimento de sedas
pretas e morentiques
Paredes Porto.
Acaba de receber nm magnifico sortimento de
grosdenaple preto qae vende pelo baratissimo pre-
co de i t00, 11600 e 2J seda preta do melhor
gosto fazenda superior qoe vende a 11600 o cova-
do s para acabar, morentiques de ricos desenhos
e multas outras fazendas pretas para a qnaresma
e lado mais barato do qae em oatra qnalqoer
parte : s Ba ra da Imperatriz n. 52 armazem da
porta larga junto a padaria franceza.
Xarope e pasta de Seiva
Plahelr* mmrllmo
M
E. Laga8se
Prepiracdes mol preconifadas pelos sabios mdi-
cos de Pars, comas roelhores at boje diseobertas
ra cora certa de todas as molestias do paito,
tes agudo e ctooaieot, astoma e ainda das
s das vias urinarias.
DBPOSITO WCIAL
34-fna larga *|ilHarie-24 -
Phtiae4a e aTOtlew kt
Urna offlcM de ourei
4ons bancos coa todo* os seus perteoc
plsinas e ostras Vf^^^^^^^^M^
bom sudo; al^m d
otras principiadas, m
dem ser aprove
t*k>e*l!
artlsla qoe y, -r-se ,.
vanugsm, e vndese iodo por bar
rigir-sij a' praca do Paraizo o. U, a ql
iodia.

bm


larlo de r eraa_afe>uco ... Tere* letra 9 do Abril de
O ARMEZAM>
UN10 MERCANTIL
53 RA DA CADEIA 53 \
PASSAtf DO O ARCO DA OWCEIO&O.
Acaba da resaber pelos ltimos vapore Amason Extrettidare osjegoWt do-
tos gneros.
OUEIJOS DO ALANTEJO
en latas de diversos tamamhos.
, A J.i*GUlCI$ k, \
muitos superiores em latas de dez libra ermetieameQte fechadas.
Pescada
excelente peixe em salmonra.
rerxE
de todas as qnalida eedsm latas. .
Prezuntos
para fiambre, inglezes, os melhores que vem ao mercado.
lingista x
preparadas em pequeas latas de urna libra. .
QEIJOS \
pratos e flamengos.
Novos figos
tu latas e caixiohas. s
Marmelada e gela de marmello
Latas com frutas
pera, pecego, rainha Claudia, alpe ce ele
Estes e outros muitos argos desuperior qualidade s vendem por precs os mais
coamodos.
fazenda mu mu a wjaksia
A' loj de fazendas de Augusto Porto & C.
11Ra do Queimado11
Augusto Porto 6'tC receberam peto iritiiBO-'pofl-oto 8 m*'8 saporiH8
.vestidos pretos ricamente bordados a agula.
Lin ios corte* de moreautique preto pjra wstidos.
Basquinas a potowai^w44eda preu eafwtados oom o temor gosto.
Sedas, pretas ao-IbBmifcuperiores, moireantiqueproto e grosdeni
pie prst d mu sj-dnlai em > icos p recua.
&QtQBdee-iiltoiiHg)xJltfedi sedt e de algodSo.
Paaaes e oaseanra pasta 4 4iTersas qualidtdes.
Ricos vestidos de btoad com maata e capell* para noiva.
Enxovaes s fosudos bjraadc para baptisid C il.ita^ 4n sed) *> sosoa para camas de noivas.
Cri's .to seda lliofetitVgw^d cores para vestidos superiores.
Moireanlique brisco, seflas "brincas e grosdeaapoles branco e de cons
para venidos.
Chapeosda castor brancas e do-seda.pretos para hornern, seoiiora .mu-
nios.
BilOdS^^partChos^xamliQUas com manjurtos bordados e lindos chapees
de sol para senhora.
Malas para Waj[em.j5s rapores, rollles e saceos de viagem e um belb
sortiment) de
Alcatifas; para fbrar salas
URa do anelmado11
Vapores.
Veade-se d casa 4* Banadera Brotheri no Itrgo doCoipoitMo. II, vaporea patanes
coca lodos os perteeees proprios par tasar mover
tres oo qualro machia para doscarocar algodo
Aos agricultores
Saunders Brothers & C. acabam de recebar da
Liverpool vapores da orija de 3 a 4 caaalloa com
lodo* a pertoBces,* tul prepfio* para faxer mo-
ver machinas de desca/ocar algodao, podendo cada
vapor trabalbar ate com 1*0 erras, tamben ser-
vem para eoardar alodio oe para ootro foalqaer
servieo em que asam trabatkar eom azumaos. Os
mesmos umbem lem a venda macbtaas america-
nas de 35 a 40 serras: o preteadentes djrljem-
se ao largo do Corpa Santo o. 11.
VNDESE
ama mobilia de jacaraada' a Laiz XV, orna dita
de amarel o do mesmo eitto, senda obra mallo
bem feta, de aporado bom gosto e reconbecida so-
I idez. Igc aimr nle ae vende palba jpparerhada pa-
ra empalbir, por menor preco qoe em ostra qoat-
qner parte; na camba do Carao a. 19, loja do
loarceneiro _. _
Por meaos de 10, 20, e 30 por cento.
NO
DE
Joaqnim slines dos Santot
23 Largo do Terco 23.
0 proprietario deste estabelecimento de seceos e molhados tendo d fte tona via-
^m, est resolvido a vender por menos de 10 a 30 por cento a dinbeiro; para isse tem
Ctn grande a vaotajoso sortimento para os amigos do bom o barato, que a -jmtior fnrte
deste, vieram p >r conta, para o que faz annuucio de alguns gneros, e a vista destes
regularo os outros mais.
A dinheiro avista
Gaz americano a 8,800 a lata e a 380 rs. a garrafa.
Toucinbo de Lisboa a 240 e 320 rs. a libra, e em barril ha grande abatimento.
Gaf do Rio a 180 e 220 rs. a libra, eem arroba ha gran le abatimento.
^arveja das mais bem acreditadas marcas a 5,ooo e G.ooo rs. a duzia.
YnliL. Figueira da melhor rmrca a 3,500 a caada, e 480 rs. a garrafa. -
dem de Lisboa a 2,70 > e 2,8u0 a caada, e a360 e 400 rs. a garrafa.
BJiosferos do gat a 2,000 rs. a groza, ea 180 rs. o maco.
Manteip i fraoceza nova, a 560 rs. a liDra, e em barr.l a 520 rs.
dem idem inuleza flor a 1 .ooo rs. e 800 rs. a libra.
Arroz pilado de Iniia a 110 rs. a libra, e em arroba 3,400 rs. ou a sacca.
Saba> massa a 220, 200 e 240 rs. a libra, em caixa i ha abatimento.
Papel marca martello a 5,500 rs. a resma e viado 4,con rs.
Vinho branco de Lisboa da melhor qualidade a 500 rs. a garrafa.
Banha d^ porco refinada a 500 rs. a lib a, e em porcao ter abatimento.
Alm destes gneros ha outros muitos que eufadonho menciona-los.
O proprietario deste armazem avisa aos seus freguezes que tem contas e letras ven-
cidas, o favor de as mandar pagar.
BE
Monteiro Guimar&es.
N. 5 Boa do QuHm^o n, S.
A loja da fiagaa ta caba de roceber de Pari> um bonito sortimento de fzendis pre-
tas de muito gosto, como sejo lindos cortea de moireantiqae de mu (indos padroes e que
vendem por precos baratissimos, gorguro de sedi preto com listas assetinadas (fazenda
esta, inteiramente nova nese mercaio) grosdenaples pretos e de c tres de differentes lar-
guras e qualidades, por mu mdico preco, criaones americanas para bilo, grande
sortimento de poi! de chevre Cm lislra de seda para vestidos e outros muitos objetos
de gosto, como sejam:
Cbapelinha de seda, crep, e palha para coque.
Basquioes de seda preta ricamente bordadas.
Leques de sndalo muito moderos
Ditos de malreperola muito (nos.
Lindos cintos a Clotilde novos gostos.
Rotondas de seda, e algodo.
Cortes de Monde para casmerrtos.
Cortes de seda de cores Anos.
Cortes de fular de seda.
Cambraia branca com 9 palmos de largura.
Espartilbos sultane.
Camisas bordadas para senlioras.
Entremeios e babadinhos bordados.
Veos de fil de seda pretos para'a semana santa, e outros muitos objetos que
menciona-los seria enfadonho, v
de ferragens,
re todos para
aaa Nova n.
MACHINAS AMERICANAS
lcrdadelra do fabrleaate X. V. CaaMoagia & C.
americanos para moer milho.
Na ra Nova n. 20 e 22, grande deposito
das verdadeiras machinas americanas de todos
os fabricantes; se eoxmtra neste deposito
grande porc5o de machinas, e se veodem por
meaos preco do qae em outra qualquer parte,
por se recetar em direitura da America; se
fornece todas as explicacSes necessarias ao
comprador para conservado das mesmas;
neste grande estabelecimento se encostra mui-
tos arligos americanos, que muito de ve agra-
dar aos agricultores que usara de taes artigns,
encontra-s tambem todas as collecces de de-
senhos sobre os quaes se aceita ^aalquer urna
encommenda, que com promptida'o sera ejecu-
tada ; ueste fraude estabelecimento, encon-
trare em grosso e a retalho, grande porc3o
e miudezas que se vendem por preco commodo, pedindo-se a attenco
este estabelecimento que muito lucraro em fazer suas compras: na
20 Carneiio Vianna.
BOM SORTIMENTO
DE
33
ni m
va'do.
Groslenaples preto a ISm 1$S0>, i$, 22J0 o covado.
Dito dito muito largo a 20400, 25^!), 2J800, U e 3|500 o novado.
Gorguro preto a 31500 e 44 o corado.
Ditos adamascados largos a 2050J, 3#, 35509 e 40 o covado.
Moir preto a 20200,2*503,20300. 2*830 e 30 o covado.
Dito dito superior qailidade, assetioado com lima a fbrej 350), 40 a 5| oco-
Superiores cortes de gorgurSo preto bordados.
Bora setim preto maco.
Pao preto de 20 120 o covado.
Caziroira preta de 1)9603 50 o covado.
E oulras moitas fazondas.
Na roa do Crespo jo. 13, loja dasj collumnas' de Antonio Correia de
i C-
'
SIHT-SE0UB
naunr o** .
^MMaMMUi
Cera .rpida da ha
neleatias uamm :
leste, c*tsrrht, pt-
ra*, eipubel*, m-
0m, writtffn m
bronthn e 4 pato,
btnchiU.fhiUfld-
"#W#T| #MISMIt w^^^&
tta^itm th'rtmS,
ao meamt
A venda na pbarmacia de P. Maurer 4C
ancisco
(RA TIOYA N. 21,
acaba de receber um lindo e magnifico sor*
lamento de ocuios, lunetos, binocnlos, do oi-
timo e mais apurado gosto da Europa o o&a
los de alcance para observacSe e para o
inaritimos .
LOJA Bl IHAGATA AMAZONAS
Vndese urna laberoa com-poacos fundos
in Saato Aaaro de Jabol4.). para qoalqoer grin-
cipl-ntt: qa^m pretender dirija-se a roa do Uto-
gel n. 4, que achara qaem <*e tatowe.
Verdadeiros
Collares Rojer
Electro Mogneticos Aaodiaos
Ou'Collares Anodinos, para facilitar a dan-
ticlo das enancas contra as convolsoes
das mesmas, a estes collares nos escuzado
fazer qualquer recommendacao, visto a
grande utilidade que lem produzido aquellos
pas que os tem applicado ea taes arcum-
stancias j)ois nos parece que to haver um
s pai ou mal que por este meio n5o quei-
ra por termo a taes soffrimentos de seos
flhinhos visto ser um mal que tasto os
flagelta, pois a estes collares acompanha um
felheto que ensina como se deve applicar, e
vende-se na loja do Gallo Vigilante, i ra
de Crespo n. 7, pelo proco de 44000, H
e 65000.
PH0SPHATOBr.FERR
[de LERAS DOCTOR EM SGffiWlXsJ
INSPfCTO? DAACAOEMiA DEPARIZ E<
HU e*i*e am^caaa cene o Photphiuo i ftm i* larai; u satnm-
ades nedicaM e mait imiev* 4fUraaa-a\0
cera aofficitade ae* ifoal anaea da saeaeta.
As e&ru pnlliiu, 4*rt -t**H, **"?"
penosos, enem, tmmtacmc xMetu, tdod
critica nos unturas, irrefutriiaie *au-
iruofie, pobres* de sane*, hmpkaUsmo, sao
curados rpidamente *% miilteUts per este
excellente composto. V eowmador par ei*-
IcMia da aaade, e iedanri ajeriar ios tapa
taes e petas aeaamias a dos as errufinosai
coshecidoa, a iederef ao ctrato de trro,
porqne o nieo que ceavem aos estomafos de-
licados, que alo proTOca ooastipaol,' o nnieo
tamben qnt oto enegra ******
Deposito na pbarmacia de P. Maurer e
C. em Pernambuco.__________________
i \ mos mm.
De seda da ultima moda e de muito boi qualida-
de proprios para a qaaresma, a 8^000, na ra da
Iiperatriz loja d. 70. _________________
Loja do Gallo Vigilante
DE
GaiHnres& Freitas
RA DO CRESPO N. 7.
Os donos deste bem conhecido estabeleci-
mento, tendo em vista sempre o melhor
meio de bem ser ir a seus numerosos fre-
mmm a iflnnpriram pm Pars nm "ftrrpsnnn- ^rass d Ba de Colonia moilo superior a 500 rs.
guezes a lequenram em t-ans um .orrespon Frascos de 0 eo muil0 no a 600 rg
dente, o qual nada temdeixado adesejir na
e colha de suas encomm-ndas, p >r isso boje
mais que nunca se aoham habditao'os a bem
pasta mn UTtH illiU
DE
* SimnkwHlutaan
IMMM4rrai
i* F.rt, Mf
.X'HwCwtal
r\ttlHkr< ~HiHrM f*r%m mhu
MI W
RACAHOT SU A1ABSI
bm mmsuktsmmitmsmm
Dilc iJI-.u >w*TSHa*.....- **!**l
fui*. Bk muilm mpesm n mOVm sm.
safa t ii UIiiMii i hrtUw itmiumf i MM
iMntit; 1 nnm4 -, wurtt-il >
n-H-raMi-i
u mmm pssmsmstm
A venda na pbarmacia de P. Maurer
e C, em Pernaiobuco.
IShAL o
tftia do Qnclmado n. 4, loja de
mlndczas)
DE
Jos Bigouvnno
Carriteis de reteot'de todas as cores a 80 rs.
servir seus freguez-s, tanto nae-colha dos
objectoscomoem precos, como sejam:
Lindas trancas pintas e de cftres c m ve-
dnlbo e sera -lie, proprias paraeafetlar bas-
quines, assim como botes para os mesmos.
Biralbos franceses mnilo Onos a 160 rs.
I'^gas de tranca tirsm-a de caracol a 60 rs.
Duzla de tesoaias p-qaeoas a 480 rs.
Frases d'agua para hmp r deotes a 500 rs.
Canas com colxptes fraocezes a 40 rs.
Redes pretas lisas para spgnrar cabello a 3i0 rs.
Cootinna a quelmar tudo qoanto tem em seu es-
tibelecm.ento.
Pares de sapaio de t pete a iT00.
Duziis de pennas de ac maito finas a 60 rs.
Ltndos Cintos pelos e de COreS, fazenda Caixasde lioba do gaz de 30 novellos a 600 rs.
PREPAR&DAA FRI
POR
AUCUSTE CAORS
Pharmaceutico pela escola de Paris e successor nesta cidade
DE
Aristide Saisset e J. Soum
22.------Rna da Cruz-----2i.
Vasconsellos
NOVO DEPOSITO
ar C^ t^AJWfr_ ALGOOAO
Manoel Btoto d^SOliveira Braga.
353-
e estabelecimento se encontrarJo as
wrotdelros maenmas americanas chegadas nltima-
mente, al qnaes slo feitas pelo mais afamado fa-
bricante #i America, por Isso avisa a todas as peo-
soas quOf recisarem comprar, de se dirigir a este
estabeleelmnto que com'prarSo das mais perfeos
OMae-geaero, asfm como mais barato do que em
outra qOfqTjer parte, por isso que se recebe por
so-te>petna, bem como cannos de chumbo e moi-
ebos pare moer milho, e grande sortimento defst-
rageos sgmitvfezas em grosso e a retalho.
^Hna, proprias para reflnaco,
- Bamm vlflm nara milho.
Tratamento puramente vegetal sem mercurio, iodo, oaro, nem ontro qualquer
mineral.
Verdadeiro purifleador do sanguesem azougue.
Especial para a cura de todas as molestias que tem sua oruem na impure a do
sangue, como sejam as molestias boubaticas.syjhiliticas, escropliulosas, darthrosas, qaer
venbam ellas por nereditariedade, quer sejam adqueridas pelo contacto com pessoas in-
feccionadas dos diversos virus que contaminara o sangue e os humor s.
A caroba un remedi prodigioso, usado desde remotas eras pelos indios
do Brasil, e pissande seu uso de geracao em geraco, e boje um dos remedios mais co-
nhecidos como proprio para combater as molestias mais hediondas, entrando ne-se nume-
ro morpha ou elepbantiases, p-ra cujo curativo os nossos sertanejos consideram a
caroba como remedio especifico.
A moilo U-mpo eniruu a caroba nos formularios como preparado magistral
sob a forma de eleictuarm, aiuda boje le nbrado as pharmacopeas com o nome de seu
celebre autor Joao Alves Carueiro: nao ella portanto.remedio novo nem desconhecklo.
O ungento de caroba da mesma sorte preconisado desde tempos mmemo-
riaes como o mais aproprtado para o curativo das boubas e ulceras syphiliticas srdidas,
e enpregado com pro ve i to depois de improQcua applicaco de muitos outros agentes
tberapeuticos enrgicos e de oso quotidiano.
Muitos dos nossos medreos de coosideracao e entre alies o muito distincto pratico
e observador o Sr. Dr. Pedro d'Atbayde Lobo Moscoso, tem cohfirmadi por meio de ex-
perie jcias repetidas, o que diz a fama das benficas propriedades da caroba no trata-
mento das bnubas, das diversas formas sob que a syphilis se aprsenla e muito especial-
mente as que teem sua sede na pella, e poderiamos relatar alguns casos debata muito
moderna observados pelo mesmo Sr. Dr. Moscozo era que a caroba produzio admirareis
eQeitos, depois da inuteis e prolongadas applicaces de salsaparrilha, mecurio, iodo, ou-
ro e seus preparados, etc., etc.
NSo era possivel que urna plasta tao-notavel por suas inappreciaveis virtudes es-
capasse a perspicacia e invesiigacoes dos mais abalisados praiicos europeos, que se ap-
plicam com especialtdade ao estado e tratamento das molestias syphiliticas e herpeiicas
e para prova abi esjao os Srs. Drs. Casenave, Schurfer, Rcord e outros dando as mais
lisongeiras informaees sobre as propriedades curativas da caroba epieconisando-i como
remedio poderossimo para o tratamento das erupebes cutneas, seecas ou suppurativas,
dartnros de tedas a qualidade, ec ornas, ulceras de diverras eaturezas, tumores, osseot
e outras muitas molestias de natareza yp-j <*'"? ~ h",,h-'ii'iiliiilii i i i i .....
Por ter-se generalrudo muito o uso da aseada da are#a que eu pre-
paro e pelas instancias de arios mdicos que desejam codoaar avalas observacoes,
deliberei-me a ter prompia urna quaalidade da mesma essencia, obtida sem a accSo do
ogo, para n5o prejudicar as propriedades medicamentosas; e d'ora o diante encon-
trar-se-ba na mioba pbarmacia sempre e em porc3o sqffleiehte para todos os pedidos a
ESSEN ;IA CONCENTRADA De CAROBA, e o ungento da mesma penla para que nun-
ca fallera ais Srs. mdicos que quizerem experimentar tSo precioso ageateraedtcinal.
Recife de Paroambuco, 17 de outnbro de 186*3.
Atjgste Caobs.
enteiramente nova em gosto <.
Luvas de pe.ica s da, fio da escocia, e tor-
cal, pretas. brancas e de cores.
Meias de laa para padre.
Dita de tod.s asqualiJades para homem
senhoras e meninas.
Agnlhas proprias para crochet.
Lindas capellas para noiv is.
Superior papel alaiaco fino liso e pauta-
do com 33 litabas, assim como de pe.-o pe-
queo, amitade e tarjado
Lindastiupjinhas e sapatinhos ricamen-
to enteitados para baptisados assim
mias de seda para o mesmo fin.
Lindis vasos deporselana e metal para
pos de arroz.
Pacotes com superior pos de arroz aro-
mtico.
Ricas caixas com msica para costura,
ricamente infeitaidS e todis marehetadas de
madreperola.
Lindos livrinhos com capa de
proprios p ira rnissa.
Lindos port-bouquet com cabo de madre-
parola proprios para casament03 e bailes
etc., etc.
Grande "sortimento de pentes de tarta-
ruga para cock, alisare rezagar os cabellos,
assim como de marfim, massas e borracha.
Grande sortimento de sabonetes de todas
as qudades.
Superior banha em latas de diversos ta-
maitos e presos.
Superior lioha para crochet.
Grande sortimento ae perfumaras dos
melhores autores at boje condecidos
Grande sortimento de b<>tes tanto para
ponhos, como para colletes.
Finas tbesouras para costura, unhas e ca-
belleireiros.
Grande sortimento de escovas para rou -
pa, cabellos, deutes e unhas, as>imcom > para
limpar ouro, e muitos outros objectos que
menciona-los seria enfadoaho.-
S ao Vigilante, ra-do Crespo n. 7.
Novo e grande deposito de superior carv&o de Oar^tffna
Brf>ia.
Antonio fiemes toa Santos 4 C, roa i Santa Barbara o. I, estao habilitados a supprir de
oarvio, em condlcoes mais fajareis qae em oab j qaalqaer deposito, a todo* os navios a vapor ffM
cercen naqueiie, porto. A contratar aesta com Domingos Alves Matheas.,
Idera de liabas do gaz da 40 rs. o ooveHo a 700 rs.
dem de palitos de seguranza a SO rs.
Leocus de cassa com barra a U-0 rs.
D'ia de facas e garfos de cabo preto a 36O0.
Haeso de pal tos litado para dente* a 120 <. 160 rs.
Pecas de eoiremeios moito finas a 500, 600, 800 e
UOOO.
Garrafas de agua Florida verdidelra l.;0(0.
Bailados do Porto e tod,s as larguras e lodos os
pregos.
Sylabarlos com estampas para meninos a 320 rs.
Memento da roupa de lavar a 100 rs.
Njvas carlilhas para meninos a 160 rs.
Duzias de meias multo Boas para senhora a 4$500.
i Agulhas fiaocezas a balo (papel) a 60 rs.
como Pares de sapatos de tranca e tapete a 15300.
i Pegas de Otas de la de todas as cores a 600 rs.
' Srozas de botoesde porcelana prateados a 16r.
Caixas com alBoeiles trnceles a 80 rs.
Caixas de 100 envelopes muito Bnos a 60 rs.
Pregos trnceles de todos os tamanbos (libra) 2*0
ris.
Resma de papel de peso branco liso a 2.
Frasco com superior Unta a 100 rs.
Grosas de pbosphoros de gaz a 2,1.000
Pares de baldes de^pnrlio mnit bonitos 80
tartaruga Linhas era cario" de 200 jardas a 100.
Caixa de superior linba do gaz com 60 novelloa
700 rs.
Fuli-eiras de conta para meninas a 320 rs.
Talberes para meDlnos a 240 rs.
Caixa com superiores iscas para charotos a 20 rt>
Masso com superiores grampos a 30/8.
Grosas de peonas de ac muito finas a 320 rs.
Booets para meninos a i>.
Peotes com costa de metal a 400 rs.
Capachos compridos e redondos a 500 rs.|
Realejos par meninos a 100 rs.
CULOS
PomadaGlopeaupara a extraccio e cara r-
pida e completa dos eaHos duros.sem a menor dar,
venda ae a
fftarmacia e drogara
DK
Bartholemea & Ciaapanhla.
S4 -Otra larga do bosabio -34
Uoico deposito.
Vende- e
ama taberna no pateo da Peona o. ti, prppria pi-
ra priocipiante i a tratar aa mesma.
,VENDE-SE
Motores americanos para dous cavallos.
Dito dite para qnairo dltcs.
Machinas para descarriar algodo de 14, 16,
18, 20, 30, 35 e 40 cerras.
Prendas para eefardar algodSo fazendo^a sac-
eos com seis palmos de comprimento, coaM peso
de 150 e 200 libras, vindas ltimamente da Ame-
rica : no armazem de Heory Forster & ti, no caes
Pedro II a. 1 janto ao Gabinete Poriogoex.
~ClL E LISB04
4a mais nova qoe ha ni rorreado : vende-se no
armazem de David Ferreira Bailar, raa do Brum
a, 66; barris de 4 arrobas, toda ea peora, par 5A,
latas de 2 ditas, bermeticameott fechadas por
Farinha a $$.
Vende-se saceos eem farioha
roa da Madre de Deoe a. 5.
Viuao do Porto superior fMP '
ana dazia.
Vende-se no escriptorio de Antonio Lat da
Ohveira Azevedo k G., no seu escriptorio raa da
Groi a. 1.
Nevissimo Mez de Mara.
Acba-se a' veada na roa do Imperador a. 10,
dafroot* S. Francisco, o Novtsstmo Mix aVJfc-
na, da 2* edicao, ornada com muitisslmas grava-
ras, confirme a 2* eoicio de Coimbra, correla,
augmentada coa nm segando exemolo da edieSa
aoxoso, ooJori sos e gloriosos, e com nm appeodica
eontendo a mlssa, e oracSes para qoalqoer ebristia
desde o amanheoer at ao anoitecer, seodo a misas
arOadr com liadas e fioisslma estampas, aeoa-
.yaada-aapalhaOacaraaaaaaai 51o",?_* _,i,,v "0."BD|
imeiro corle em oeaueeis e Brandes norcfus a **"*
, Doce de goiaba.
O melhor qae pode haver em doce da casca des-
sa frneta, qa^.prapasaJoaaiB a Oais iLvwuu-
car fino propore.ooa f9aMalifu_b saMa
dadiva qae ao amigo dedicado qaer mesmo o ape-
tite afectado do fastio. Uoatm 4 libras* oadi lat-
nha do referido doce qae se vende continuamente
na.raa d* Cadeia a. 47,1* andar.
primeiro corte em pequeas e grandes porct
568 o molho, a aquello preco no desembarque,
quaoda no armazem a 700 rs.
rio a. 13. _________ _^___
Veoawse, raTda Aurora n. 0, eOfeiM
S.easpir.aUeaaiVHaaexia de Ser.otiiem, coa
eicelie-tea partidos de vanesa de aaftt ft Masar
[. mal prximos d moendn embaraa
oangn" pra ait
tmeo do mesmo eageano.
- Veade-se vlaho de BoVMi 'a''qaartW.
aa raa do Viga-{barris aaixas : em casa de Tisset reres, raa jai
Trapiche a. 9.
Yll-i
Soperiores vlnhc
M da Cade

mF
<

l.



i
1

V
r
*
i
d6iiverAie Ae feuylvaiit, eet
latadbjfaia.
&ftf
5iedlo para aezea.
*l*tm/ Cachar ttcaa.
Ofi^attocealMl par provintaa
Pernambaco, Aiasoaa, Parabyaa ta-
Graode do Na**, 4*4 reaaaio Ho fa-
voravenente coahacidos a acolbid/a em
todas as partes a America 4o Sol e do
.forte, acha-se em casa de Theotl chrla
fiamara, < rita de Trapiche
Oa prados de
33 por duzia da estrado da salsa-tarj-llaa.
274 por dalia de peitoral de cereja.
27! por dnzia de remedio para sezoes.
79 por torta de pihilas catharticas
se aataadwat* 4habelra> riada, com
o descont da 5 par ento em quaotidadei
de 6 a 12 duzias, e de 10 por canto am
quantidades superiores a 12 duzias.
lunsm
Perfumaras oovas.
Azeite de espe maceta propria para machi-
nas.
Vapores de torca de 3 a 4 cavallos.
a ntig loja de miudeiw a w do (joara*. ferras avolsas para machinas.
ros- agrada veis para tongos-, teos surfim, pltoeo-1 mesmas
me, e babosa, para cabelles baobas cosmetiques Carros de mo para aterro.
tambera pira os cabellos, pot de coral e bygienicos Cylindro para padarias,
para, antes, api* laftetai francesa par M*, Debulhadores para mribo.
sabonetas tm barra* quadradas, outros em caite- 4J,'rJl!i^!lt
ta*, e atros de bollas transparentes para mo, e i*nims zmerscanar.
ootrosiMl flneeem 8aiitoiM.i deln para bar-^arrmhos propnos para armazen?
ba, agaa da colonia de superior qual idade em iras-. Moinhos para refinaelo.
eos- de diversos umanfws e pregas, agaa ambreada' Mam nnra milhn
pmbuMr erefreso*- rosto, agaa ftVMa ( da <'' 30'
verdadeira) tnico de Cerno, e mu as outras per.
fumarias qoe a vista da boa qualidade e comrao-
didada do procos, comprador nao objectara'.
Alm do grande sortimento das melbores machinas, americanas para descarrocar
algodo, de 10, ti, H, tfl, 18, 20, 22, 25, 30, 35, 40 e 50, neste estaBrecrroento se
encontrar mais o seguinte:
Meia pretas de la e de laia.
Para padres.
Escadas de maderra americanas.
Caixas com vidro saridafl.
de todas as qualidadas.
Bombas de japyz. #
Ideas amerieaoae.
Ferro para engommar a vapor.
Vassouras americanas.
Baldes americanos para compras.
Tinas de madeira.
Bailaios e cestas da -verguiiha.
Guarda comidas.
Peneiras a'arame para padarias o refinaser
Correles para almanjarra.
Machados e facoes americanos.
Barricas com ailho branco americano.
Vendem-se na loja de mfadezas a' ra do Quel
mado o. 16.
tara baptisados.
Bonitos ebapensiahes ofertado?, sapatinbes de
setim e merm, boxdadps e enfeitados, meias de ,
seda, e So d'escocia para ditos. Yendem-se na lo-
ja de miudesas a' roa do Queimado b. 16.
Bicos e rendas dasilhas.
A loja ai miudesas a' roa do Qoeimado 1.16,
receben oovameuie oulro sortimento daquellesbons
e bem eonbecidos bicos e rendas das ilhas, coja
forlidove seg ranea de teeido, Ins da' imroensa
doracao e os differentes fias a qne acertadamente
sao appiieados fateos a grande prutara, e prompta
extraeco como constantemente tem acontecido ;
assim pols concerram os preteodentes, qne a vista
da commodidade dos precos nao objectarao em
comprar.
Graxa eeonoinie&
Em camnhas, latas e barrfe, a* loja de miadsas
a' roa do Queimado n. 16, recebes aovo sortimen-
to dessa boa graxa econmica.
Lia para bardar.
A loja de miadesa* a' roa do Queimado ,a. 16,
reeebeu novo sortimento da la fina de bonitas eo-
res, e como sempre vende a baratamente, e o sor-
timento a contento do comprador.
Bonitas eftixin?>&&
De madeira com enfeites dourados, e outras de
metal para auardar joias. Vendeni-se na ra do
Queimada loja de mindesas n. 16.
Eafeites c |rina idas.
Na loja de miadesas a' ra do Queimado o. 16,
acharo os apreciadores do bom, ura bello sorti-
mento de bonitos eufeites para bailes, theatros e
casamento*; aastoscomo delicadas grinaldas para
lo: vas, eaixos de flores Unas para enfeitar os ves-
tidos de ditas, e maitos outros objectos, e lado se
vende por precos tao rasoaveis que o comprador
eiperiote, nao se atrave a ubjectar a respeito.
Biibadioios bordadas, etilreiaeios ditas.
Todos de Oua cambraia e delicad s bordados.
Yendem-se na loja de raiudesasa' ra do Qoeima-
do o. 16.
Plumas brancas e de ca es.
Yendem se na loja de miud3>as a' ra do Qoei-
mado n. 16.
Franjas
Com borlas & sem ellas, para cortinados, toalhas
etc. Vendem-se Ba loja de miudesas a' ra do
Qoeimado o. 16.
Bisas e bonitas fitas.
Lizas e lavradas, larga- e estrellas; vendem se
na hi do miadesas a' ra do Queimado n. 16.
Bonitos enfeites para vestidas.
A loja de miudesas a' ra do Queimado o. 16,
esta* recentemenle provida de moi bonitos enfeites
para vesiiJos, sendo bicos de soda tanto branco
como pretos, de differentes larguras e com vidri-
Ihos, oo som elles.
Traoeas e galoes de seda dos ltimos gostos, di-
tas com vidrilbos, pretas e brancas e de differentes
larguras e gostos. Filas de velludo pretas e de
cores, com iista as relas. E assioi muitas outras
cousas de moda e novldade, e todo por precos tao
comnwdos, que o comprador fica satisfelto e nao
objecta a comprar.
Bollas de ba. racha.
De diversos lmannos para briaqaedos. Yen-
dem-se na loja de miudesas a' roa do Queimado
a..__________________________________
m m (\z
Che^o ao amigo deposito de Henry Forster &
C., ra do Imperador, urn carregamento de gaz de
primeara qaalidade.o qaal se vende em partidas e
a retalbo por meos prego do que em utjtr* qoal
gaer parte._______________^__________
Rival sem 8^gundo.
Kua do Quelmano n. 4,9.
Qaer acabar com as fazendas aban
mencionadas.
Qui-iratn fir ver a que bom e baratissimo.
Libra de gomma de milbo a 400 rs.
Toabas de labynnlbo com bico, fazenda boa a
34500.
Carreteis de lioba com 100 jardas a 30 rs.
Grvalas pretas e de coree muito finas a 600 rs.
Coilas de o jreias de massa muito novas a 40 rs.
Bufiadores para es-partilho de cordo e tita a 6
ris.
Carreteis de liaba Alexandre com 400 jardas a SOI
ris
Resmas de papel almaco muito bom a 2509.
Frasco de oleo babosa a 320 e 500 rs.
Ditos de dito bigieoiqoe verdadeiros a 14000.
Dito dilo falso a 800 rs.
Ditos da maeacar perola a 200 rs.
Sabonetas mallo fiaos a 60, 160, 200 e 320 rs.
Ditos de bolla muito fiaos a 240 e 320 rs.
Caixas para rap com bonitas estampas a 100
aixas de palitos a bailo a 40 rs.
Miadas de liaba ro*a para bordar a 20 rs.
Varas de cordi para espartilno a 26 rs.
Francos com bata toxa maito boa a 240 e 320 n
Pectes volteados para regacar cabello de menina
a 32a mmt
Frascos da macaga' oleo muite fino; a 12a n.
Abotoadoras muito Unas para colletes a 508 rs.
Candes de lioha branca e de cores a 20 rs.
. Libra de ara preta superior a I0# rs.
Cartas de alfinetes {rancezes com 14 pestes
120 rs.
Escovas par falo, fazenda boa, a 806 rs.
RuadoCre Custodio Jos Alves Guimares, proprietario deste aovo estabelecimeoto,.participa ao
respeitaval publico que alii sempre encootraro um variadissimo sorttmenta de fondas
finas e de todas as quaidades, assim como objectos de grande novidade proprimente
^ para as Exmas senboras, para o qne nao se tem poapado na escoma de taea artiRO, aeaas-
do-se assim babeliudissimo para bem servir aos sea fregueses, de qaem espora toda pro-
teccSo, principiando por virem visitar seu elegante, esiabelecimeuto para assim. melbor po
derem apreciar o seguinte :
Requissimos cortes de sedas de cores com listas.
Sedas pretas de todas as quaidades.
Barquino de seda prela enfeitados com gosto.
Rotondes de seda e de algudaoe lioho.
Camisinhas para senbora.
Espartilhos *' ultimo gosto novidades.
Mantas pretas de blond,
Cintos pretos bordado de aljofares novidades1,
Requissimos enfeites com cok'novidades.
Lidas fvellas para cintjnovidades.
Orgaody inteiramenle- novidades.
Cambraia chineza novidades.
Punho3 e golnhas para senhora,
Chapellmas de seda < <
Ricas saias bordadas..
Metas de laas para bomem e senbora.
Lavas de pellica.
Riquissimos pentes de tartaruga.
13 11 iiantinas, chitas de todas as quaidades, panno, casemiras, bri nse muitos outros
artigos que seria enfadonbo menciona los.
0 dono deste estabelecimento est resolvido a'lucrar nicamente o descont, e por
isso os precos de aun. faaenas serio razoaveis, encontrando sempre o respetta-vel publico
nos empreados deste elabelecimento agrado e sinceridade.
para !(, reade
rawM*
Veadem-se liaxfnba preus proprfas para lato
iito ratsst preeo dt 100 rs. covado: m
fcp^armaz(k)Paad*,IpatriiB. 00,
3 aaaa i, Mva.
Cfh
Paracadeiraa
Paraaotta
Paraaaipat
Para presentas.
' dragaran) os mais ricos pannos bordados a ero-
ipnprWs para, encestos de eadeiras qnfl se
vendem a 24500 e 34, ditos para encasto de sof
* W. ditos propriot para cobrir almoftdas a
*#! ditos paraeobrir presentes a 24*e 3*:
na. laja da Pavo roa da Impera ti ii a. 60, de Ga-
Ospropcleurios deste graxde esUbeleclaiMIa *asl,T1* 4 '
wE^iV^lS&JSfg!^. !? loyos vesddS Po deCSl-
Rua da Imperatriz b. 60
DE
fiJUt I SJIVL
tea resolvido continoar a vende* inda mal pa-
rato em virtofle do aba ti ment qne flzeram em
soas fa rendas por aecatiio dw bataneo a ^on pr-
vre a 16W00.
Xa laja da "avia.
Chegaram pelo vapor do dia Id do crreme, os
faienda hiteirameole nova no mercado, leu-
do asta faienda bastante lastre com os mais deli-
cados gastos tanto em listras como em flores soTtas
a veadem-se pelo baratitetma preco ds I6*W0,
tendo cada corte 18 covadas, i.-to na loja e arma-
zem do pavo Ba roa da Imperatriz a. 60, de Gama
4 Sirva.
Os .espartilhos do Pavao.
Veadem-ie nasa grande e variado sortimento de
esparttlbo dos mais bem feitos que tem 'viodo ao
mercado, sendo de todos os lmannos, vendendo-se
por um preee maito ratoavef: isto na loja do Pa-
LenQos bordados a f 000 e 1600 na toja do Portado ; pede fe a captara do
Pavo. trooxer a* Beeife, ras da Croe
tff.fri.* ^e0*"-* o)n>> PW*e>na#a
k?. .iS li e aPre.sentar ao respeiiavepo-, mais lindos cortes de poli de chvre para vfslidos,
buco os sena numerosas Jopantes Uoto> d-M pra- :
ca coco do mato om novo e variado sortimento de
todas a*qaaltidfs |e fmrjdas, d^sde a* mar
modestas ate as de mais acorado laxa, aao sa lea
poopado na escolta dejla., linuiando seos loaros
apeaas v descont. CoatlDttam a dar rateadas
amostra, o> peaaor, 00 aataaa-to por teascai.
xeiros em casa das Exmas. familias.
Camfrralaa iUns do FarSo a 3,5500,
44000* >'4)Wtt
Vende-sa om grande sor timen io das melbores
cambalas transparentes, tendo 8 varas e meia ca-
da peca, pelos baratos amos de 34000. 44000.
44500,34000. 64OJ0 e 74000a pajTTdua daes-
*^ *Weada Pee, tendo mais de tara
Vieterta a 4000, 74069 a 84000; ditas largas coa
8 palmos de largura a J40O0 e 14280 a vara, sen-
do preciso apenas 4 vare para vestido*, aiteoden
do a largara ; ditas para forro maito encornadas
a 34200 a pega : na. toja e amaten) do Pavao na
rna da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Para cama de noivas vende o ftvSo
Vendaa-sn rices cortinados bordados e adamas
cados proprlos para camas e ianellas pelos baratos
precos de 84, 104000. 16$, 2O4O00 e 254000 ; su-
perior damasco de la entelado a imftacao de seda
proprio para colcnas a 24500 o cu vado; ricas col-
chde croch pelo baratissimo preco de 104J ti e
240OQ 3 rto aa I ija e armarem do Pavio na rna
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Oeckales 4a pavio a 2ooo e 25a.f8.
Vendem-se chales de merino estampados a 24
e 24860 cada um.
Ditas de merm uso a. 34500.
Ditos estampados de crepon a 64, 74, e 84000.
Ditos pretos bordados com franja de seda a 144-
N* "f e lra>"ni do Pavo na roa da Impera-
trn n. 60 de Gama di Silva.
Tendeo-se !r7 travs de slcupir qne se aenam
na estaca das Cloee Pomas; a tratar na rea Dh
reaaa.1.__________________^___
- Vende-se a eserava parda, benita Agora, eooi
as habilidades segointes : eogommadeira, cozl-
ntretr, compra aa roa, lava roopa e far ledo o
mais servteo de ama casa de familia, uto eom le-
da a perfelgio e presteza ; prefere se para embar-
ae oa engento : a tratar na e-trada de Joo de
Barres, no sillo defroote da Cscala qaem entra
no Olbo do Boi a' direita.
Escravos fgidos
60^000 reis.
De gratiOcacie, qnem pegar o eseravo Manoei,
preto, de 40 aooos de idade, baixo, grossora rega-
lar, pernss araneadas para fera, a com o braco ee-
qoerdo cortado jonto ao eotovelo.
Este eseravo ja' foi preso oo Remedio onde se sa-
pde qne esteja.rxT algoma ciara faieodo tigrito per
ser esse o seo i fflcio. Roga-se pois as aolborida-
des policiaes e caprtes de campo, a soa aportben-
Sin, aodeado ser entregue no Recite so Sr Bernar-
loo de Sena Pontnal, oa no engenbo Magauass
ao abaixo asstgnado.
MarcloniUo da Silveira Los.
Aviso.
Est fngIdo desde 20 de marco o eseravo Draz,
de cor parda, idade de vinte anuos, magro, .tem
ponca barba, e de estatura regalar, e qaal me fora
sa* rna da Imperatriz n. 60, de GamaAKiIrt. vendido pelo Sr. Dr. Antero Maooel de Medeiros
mesan, e quem o
L 3, no a resid
PRET4S
Lourenco Pereira Meudes Guimaraes.
Proprietario das lojas e armazens da Arara,
ra da Imperatriz ns. 56 e 1%
tendo reeebido pelo ultimo vapor da Europa diver-
sas (aclaras de fazendas, como seja : grosdena-
po preto, sedas pretas e de cores, moriantique
preto para vestido de senborrs, paouos finos, ca-
se-miras pretas e de cores brim de cores, panno
de linbo, chilas de muitas quaidades, m dapolSes,
algoddes e outras muitas fazendas que avista dos
compradores se dir, para ver a qualidade e prec,o
como se vende, so as tojas e armazens da Arara
ra da Imperatriz ns. 56 e 72.
Veode-se algodo a 35 a peca.
Vende-se pega de algodo a 34. 44, 54, 64 a
74 : na raa da Imperatriz armazens da Arara ns.
56 e 72.
Chitas a 16o ocovado.
Vndese chilas em retalhos a 160 o cavado, di-
tas de cores fixas a 200, ditas francezes finas a
280, 320, 360 e 400 rs. o covado : oas lujas da
Arara, ra Ca Imperatriz ns. 56 e 72.
Compendio doloroso
Veode-se esta obrlnha, propria para o mez dolo-
roso; na ra do Imperador n. 15 defronte de S.
rjanciseo.
Pa no preto para a quaresnia a i,6>0 o
covado.
Vende-se panno preto para caigas e paletots a
14600,14800, 24, 24500, 34, e 44, o covado : na
roa da Imperatriz, tojas da Arara n?. 56 e 72.
Lazinbas para vestidos a 240 o covado.
Veode-se lazinbas para vestidos de senbora a
320 e 400 vndese ditas de listas trans-
parentes a 320 o covado : na ra da Imperatriz,
dos armazens da Arara ns. 56 e 72.
Grosdenaple preto a i ,606.
Vende-se grosdenaple preto para vestidos, a
14600, 14800, 24, 24500 e 3a o cavado ; morian-
tique preto para vestidos a 24500, 24800 o cova.
do : as tojas e armazens da Arara, roa da Im-
peratriz os. 56 e 72.
Cortes de casimira preta a 3,000.
Veode-se corles de casimira preta para ealc.a a
34, 34800, e 44.; corte de brim para ca>ca de
bomem a 14, 142tf) e I56i 0 : na roa da Impera-
triz, lujas da Araran*. 56 e 72.
Bareje com listas para vestidos a 32o o
covsdo.
Vende se bareie transparente para vestido de
seohera a 3(0 e 360 o covado, uziaba para ves-
tidos a 320 e 360 o covado : na roa da Imperar
trit ns. 56 e 72.
Arara vende os baloes a 2,000.
Vnde-se balee para senbora a 2O0O, 24500,
39500 e 44 ', as lojas da Arara, ra da Impe-
ratriz o*. 56 e 7.
Meias para meninos a 5oo o par.
i Vndese meias cruas para menino a 500 o par,
' ditas para hornero a 4300, 4$, 54 o 64, ailas 1*-
ra senbora a 34. 44, 54 a 64 as lojas e arma-
zens da Arara, ra aa Ituperairiz os. 56 e 72.
Mocambique a 4oo.
Vende se nma nova fazeuda por nome musum-
bique, dito com palmas de serla para senhora a
400 rs. o covado : na rna da Imperatriz*, lojas e
&rmazens do Arara, ns. 56 e 72.
Madapolo entestado a 3f$$oo.
Vende-se peca de madapoio enfestado a 34500
e 44, ditos de 24 jardas 45, 54, 6$, 73, 84 e
104 ; na ra da Imperatrlr, lojas da Arara ns.
56 a 72.
Lencos braceos a 2#ooo o de corea a
1,606.
Veode-se lencos de cseas com barras de cores
a 146t 0, ditos tolos bancos a 24, 24500 e 34000.
ditos de linho a 54 e 64: na ra- Imperatriz, lo,as
e armazens da Arara ns. 56 e 72.
Sedas novas e bonitos gostos a 10400.
Vende-se sedas de novo gosto a 14*00, 14600 e
24 o covado : oas lojas do Arara, roa da Impe-
ratriz ns. 56 e 72.
i Goliobas a 2oo.
Vende-se golmhas paca senboras e meninas a
200 e 320, manguito e gola de linbo a 19 e 14600,
corpinhos para meninas a 14, ntremelos bordados
a 14 a pega ; ra da Imperatriz ns. 56 e 72.
Bramaate para lences a 2,406 a vara.
Vende-se bramante com 10 palmos de largura,
propno para lences a 24400, 24600 e 24800 rs.
a var.; panno de lioba a 640 e 720 rs. a vara :
as lojas da Arara o. 56 e 72.
Roupa foita nacional.
Vende-se paletots de panno preto para hornero
a 34 64000 74, 84 e 104 ; calcas de casimira
preta a de cores a 540-0, 6# e 84 ; cullet-s de
casimira prt-tos a de cores a 34000, 3a500 ; po-
ietots de brim a 24000, 34 e 34500, palitols de
alpaca-pretos a 34 345(0 e 44, chambres de chi-
para andar por casa, a 54.
Ra da Imperatriz ns. 56 072.
Para a qaa esaia
IVa loja do Pavo
v Grosdenaples pretos
a 14800, 14G0O, 24500 e 3*000.
Ven#e-fe saperlor grosdenaple preto muito-ea-
corpaao pelos bar tos pncos de 14800, 34000,
2450>, muflo encorpado e largo a 34000, 34500 e
400. nwiriaiiqae preto a 24800 e a 34000,
sedas pretas lavradas maito boa fazenda a 24000
o covado, de todas estas qnalldades, do-se as
amor-tras com penhor ou mandam se levar em casa
das Exmas. familias para eseolher, Isto na loja e
armazem do Pavo, tua da Imne/atrlt o. 60, de
Gama & Silva.
Pannos pretos.
Pannos pretos.
Pannos pretos.
Na loja do Pav5o.
de 24000, 2 500, 34000 e 44000.
Vende-se nm grande sortimente dos mais finos
pannos pretjs, tendo de todos os precos a quaida-
des pelos preces seguales: 24000. 24500,34000,
34500 e 44OOO, ditrs muito superiores prova de
hoio a' 54' 00, 64000, 74000 e 84000, todos es-
tes pannos garante-se a moita duragao, assim
como a conservadlo das cores, na loja e armazem
do Pavo, roa da imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
C3verairas pretas a 6AV 75 e 70500.
Vendecr-se flnissimas casemiras para caigas pe-
los barato precos de 64, 74, 74500 o corte, ditas
muito finas a 24, 24500 e 34 o covado, grande
pechincha : na luja e armazem do Pavo ra da
Im eratrlt n. 60. de Cama di Silva.
Alpacas e princezas na loja do Pav3o a
560, 640 e 720.
Vende se alpaca preta lisa muilo boa fazenda a
560, 640 e 720 rs., ditas de cordo muilo superior
a 800 rs. o covado, princeza preta encorpada a
720, 800, 900 e 14, assim como om grande sorti-
mento de bombazinas e eanlo preto que se ven
dc-m mais pralos do que em ooira qualqoer par-
te : na toja e armazem de Pavao roa da Impera-
triz n. 60, de Gama & Silva.
Para luto.
Vende se superior merm com 6 palmos de lar-
gura proprio para vestidas e ontras obras por ser
muito leve a 24 o covado, superiores bombazinas
e ca;.os sendo fazenda tao propria para vestidos
eocao para rouoa para homens, lazinbas pretas
lisas, cassas francezas pretas tanto de listras como
com palmas a 560, 640 e 800 rs. a vara, chitas
pretas tanto largas como estreitas que se vendem
por precos baratos : na loja e armazem do pavao
ra da Imperatriz n. 60. de Gama dt Silva.
Meias casemiras a 20 o corte.
Vendem-se superiores cortes de meia casemiras
escor.-s com mselas de seda e sem ella pelo bara
tissimo prego de 24 o corle ou a 600 rs. o covado,
seodo fazenda propria para calcas, paletots e col-
letes, peeuncba na toja e armazem do Pavo
ra da Imperatriz o. 60, de Gama & Silva.
Madapoio
VERSOS
para o mez Mariano, em folbetos, para os das do
mez de malo, a 160 rs. cada volme, e em collecco
de tete tOO rs.; na roa do Imperador n. 15 defroote
de S. Praaelseo. _______
- i'a relio novo, saceos grandes a 44500, na roa
do Apollo 11. 4.
2t: 3 a-Hbi do tabag-X. 3 A
Ago6tinho Jos dot Santos, proprietario deste antigo estabeiecimento,
tendo feito ama reforma geral na sea negocie, apresenta-se a ooncorreacia
publica convicto que poder servir vantajosamente aos seua freguezas. Esta
casi acha-seompletamente sortida de obra* de ouro, pratae brhantes,. cu-
ios p*re?os sao o mais resamido possivel. Compram-aeos mesmos objeelos
cima declarados em obras velhas. Incumbe-se de qoalquer encommenda
concernente ao seu negocio.
Vendem-se pecas de madapoln muito fino com
12 jardas a 30200, 3)500 e 44, ditas eom 24 jardas
a 69, 74 e 84, ditas muito superiores a 94, ditas
de 40 Jardas a 560 e 640 rs. a jarda, ditos france-
zes de todos os preces e quaidades, pegas de algo-
dozinho com 18 jardas a 44000,. ditos com 20
jardas e muito encorpado a 54500, 64, 64400 e
"4. Algedoziooo entestado liso vara a 14, dito
trancado vara 14280, todo isto pecbrncha para
apurar dinbelro : na loja e armazem do pavo, oa
ra da Imperatriz o. 60, de Gama & Silva.
Vestidinbos para meninas
Vendem se elegantes vestidinbos para mean,
ae lisinba maito bem enfeitados pelo baratissici
prega de 2:500, ditos de gorgnro de seda a 34001
na leja e armazem do Pavo na roa da Imparatr >
o. 60. de Gama & Silva
Cbales de merino
Vendem se flnissimos cbales de merino lisos- d*
dieersas cores, tendo as franjas de seda a 144001,
tendo com as franjas de 18 a 34500 rs., ditos es-
tampados maito finos a S4500, 64000 e 74000, di-
tas de crpon com listas de seda a 84001, dltoi
mais ordinarios para acabar a 24000-e- *#W": t
toja e armazem do Pavo na raa da Imperatrit a
60, de Gama & Silva.
Poil de chaire a 640 rs., na loja do Pavo.
Vende se esta nowa faienda maito lastre eom
elegantes listras astetinadas propria para ttosdos
endo com as cores e padrSes mais modorpos que
tem vlndo ao mercado, vendem-se pelos baratos
r precoe de 640,800, 14 1*200 o evado, do se
tambern as amostras : na loja e armatem do Panao
na rna da Imperatriz o. 0, de Gama & Silva.
Laninha bonitas na loja do Pav50.
Cheioa para este estabelecimento om grande
sortimento das mais bonitas lasinhas lastradas
com difleretles cores-ana se vendem pelo barato
preco de 800 rs. o covado, ditas de orna s cor
malscoro aalpiqomhos maito proprias para roo-
pa de meninos a 480 o covado, assim como nm
grande sonimenie de alpacss Hits e brabantes
que se vendem a 640 : na loja e armazem do Pa-
veo ro da. Impecatrli n. 60, de Gama dt Silva.
Alpacas para hito na loja do PavJn.
1 Vende-sa um bonito sortimento de alpacas pre-
tas com listras brancas propria para Into a 14 o
covado: na loja a armatem do Pavo roa da Im-
peratrii o. W, de Gama & Silva.
Agostinho Jos dos Santos $ C
Vende-se bonitos lenclnbos bordados para alo
pales barassimos precos de 14000 e 14600 cada
om ; loja e armazem do Pavo na roa da Impera-
triz n. 60, de Gama & Sirva.
Asgtrdoiialio eofestado
Vea'e-se superior algodaoziato entestado, mnito
encorpado, proprio para lences, por ter 8 palmos
de largara, pelo baratissimo preco de 15100 a
vara.
Dito eom a mesma largara, sendo trancado e
ailo encorpado, a 14280- a vara, aseia como pe-
gas de dito de urna largura s, rom 18 Jardas, a
44, grande pechincha : na loja e armazem do
pao, na ra da Imperatriz a. 60, de Gama &
Silva,
[Ossas francezas
Vendem-se as mais bonitas cassas francezas para
vestidos pelos baralissmos preces de 240, 280 e
320 rs. o covado, assim como bonito organdy com
astete branco e palmas eom listas da cores, pelo
hratissiuio prego de 300 rs. o covado oo a 500 rs.
a vara : na loja e armazem do pari, na roa da
toeperitriz n. 10, de Gama & Silva.
Cassas graiadias
Chegaram as mais bonitas cassas francezas com
listas largas tanto ao comprido como enviasadas,
sendo os padroes mais bonitos qn* teas vind<> ao
mercado, e vendem se a 800 rs. a vara : na loja e
armarem do pavfr, na rna da imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Organdy branco
Vende-se o mais Sno orgaody branco com pa-
drees miudinhos proprio para vestidos, pelo barato
prego de 14 a vara, assim como pegas de dito
com 8 1/2 varas a 94, fiuissimas pegas de cam-
braia branca da Escossia ce 9 varas, tendo 5
palmos de largura, a 74, 84,104 e 124, assim
como outras muito mais baratas : na loja e arma-
zem do p vio, na roa da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma 4 Silva.
Boleas para 8,5000 e 105000.
Vende-se maoeiras bolgas de tapete com cana
de cooro, proprias para roupa engommada e mui-
to proprias para qaem viaja em camiobo de ferro
peto barato prego de 84 e 104, assim como ditas
sem eaia para batato prego : na loja e armazem
do Pavo, roa da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Pe*hincha a 30500.
Cortes de casemira.
Vendem-se superiores cortes de verdadeira ca-
semira toda de la padi5es escures proprios para o
invern pelo baratissimo prego de 34500 cada cur-
ie de caiga oa a meso a fazenda a 24 cada covado
tendo 6 palmos de largura e muito propria para-|
caigas, paletots e colletes seria fazenda para maito
mais dinhelroa nao ter-se feito ama grande pe-
cbincba na compra desta fazenda a vendem se
nicamente por este prego na loja e armazem do
Pavo roa da Imperatriz o. 60, de Gama & Silva.
Col i ns barates
fiordes de calca a 800 rs.
Vndese cotlos escores moito eocorpados a
240 o covado cu a 800 rs. o corte, grande pe-
eaincba principalmente para quem faz roop? para
vender e qaem comprar em pega lera' o abatimeo
to de 20 rs. em covado : na oja e armazem do
Pavo roa da Imperatriz n. 60 de Gama dt Silva.
Leuci los bardados
A 500, 640, 800 e 14.
Vndese om grande sortimento dos mais lindos
lenclnbos bordados para mo, seodo a 500, 640,
800 e 14, e mnito ricos a 13*600 cada am. Du ias
de ditos braocos lisos proprios para bomem a 2p.
39 e 4a, todo isto perbineba ; na leja e arma
zem do pavo, ca ra da Imperatriz n. CO, de Ga-
ma & Silva.
Organdy a 40*000 s o PavSo.
Vendem-se pegas de cambraia orgaody de listas
brancas tendo 8 e meia varas pelo barato prego de
4400 a peca oo coi te de vestido, isto na toja e
armazem do Pavo : roa da Imperatriz o. 60, de
Gama & Silva.
Pechincha a 4$000 e SiW.
Meias da Escocia
Meias da Escocia
Meias da Escocia
Ch?goo para a toja do Pavo ama grande por-
go de meias da Escocia, sendo de cor escara e
maito elsticas proprias para -borneo qne se ven
dam pelo barato prego de 44000 e ditas da mesn?
cor, sendo maito mais encorpadas a 54000 e Mi-
riam para maito mais dinbelro a nao ser ama pe
cbiocba ; na loja e armazem do Pavo : roa da im-
peratriz o. 60, de Gama & Silva.
Pannos de linho.
Vende-se superior pannos de linbo propria par;
longes, toalbas e seroulas etc., pelos baratissimo
preg s de 640,700 e 800 rs. a vara : bramante d
linho com 10 palmos de largara a 24-00, 24500 1
24SOO a vara; nm grande sortimento de Hamburr
oo Gregoellas por baratos precos : na loja a arm>*
tem do Pavo na roa da Imperatriz o. 60, de Ga-
ma & Silva.
Grande pechincha em chitas fraacezas
A 240 rs.
Chitas a 240 rs.
Chitas a 240 rs.
Chitas a 240 rs.
Vende-se om grande sortimento de chitas fran-
eeza escaras proprias para vestidos de andar em
casa afflangando-seserem de edres fixas pele ba-
raU6mo prego de 240 rs. o covado : oa loja e ar-
mazem do Pavo roa da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
Chapeos de sol de ariaca.
Vendem-se os melbores e mais bem armades
chapos de sol de alpaca com 12 hasteas, sendo os
melboTee qae lem viodo ao mercado, assim como
om bonito sortimento de chapeos de sol de sida
qoe se vendem por prego muito em conta : na loja
e armazem do Pavo roa da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
C rtes de chitas
de 10, 11 e 12 covados a 240, 280 e 320 rs.
Vendem-se superiores cortes de chitas de 10,11
e W covados ow se fas a eonta pelo barato prega
de 240, 280 e 320 rs., sendo chitas qae costaran)
muito mais dinheiro e faz-se a conta por estes di-
minutos precos para acabar : na toja e armatem
do Pavio ra da Imperatrit a. 60, de Gama di
f ara vestidos de luto
Com 6 palmos de largura.
Veode-se finissiroo setim da China de cardaos!
nbo com. 6 palmos de largora qoo facilita fazer-se
um venlido at com 6 covados e advertlni
qne orna nova fazeoda sem lastre peto
prego de 24 cada covadt
Pavio roa da Imperatriz 0.60,
ria da Magdalena recebar omplela graiiSeaco-
Aos capites de campo
5fl000 de gratificaeo
No di 13 darforr^nte a nolle,* fogw da casa
do abaixo assignado, na Caponga, o eseravo de
nome Vctor, eom os sigoaes segointes : cor
fula, cabellos caraplnbos, obos pequeos, nariz
chato, bocea grande, rosto nm taolo redondo, sem
barba, qoe repres*nra ter 17 aonos de idade, alta-
ra e corpo regalar, leaeo vestido, canusa de algo-
do braoco, e caiga de brim; quem o aprebeoder
le ve-o i casa de Lehmann Pitres, na rna do Cres-
po a. 16, oo aa roa do Imperador o. 43, 2.* andar,
qoe ser generosamente recompensado.
Recite 14 de margo de 1867.
___________Lebamann Freres.
Eseravo fgido.
Fngio aa manr-a do tira 6 de abril o preto An-
tonio, eom os signaes segointes oihas grandes,
nariz chato beicos grossos, com alguns signaes de
beiigas uo resto, ps algum unto cambados,
moita coobecido n'esta cldade pelas continuadas
fgidas qae tem feito e maitos tartos commettidos.
Levoa desla vez um relogio descoberto com a
compleme cadeia, a qnal tem om passador de
pedras, orna encarnada e ootra verde, eocastaadas
em onro. Rogase, portanto, a qnem este relogio
fr tfferecido qae o apprebenda; protestando-so
todo o procedimeoto legal contra a pessoa qoe o
comprar; e aos Srs. eapHaes de campo ou a' oo-
ira qualqoer pessoa a prlso do dito eseravo e
leva-lo ae largo de Hospicio, casa do proprietario
Elias Baplisla, com (rente para a poote.
150,? de gratificado,
Contina a estar fgido desde 23 de junbo do
aooo prximo passado o eseravo Jos, crioalo, de
idade 30 annos, pouco mais 00 menos, enlatara re-
gular, um pouco cbeio do corpo, barbado, tem os
ps mal feitos e om mais grosso qae ootro, e os
dedos am pouco levantado-, por causa dos blcbos
qae tem tido, bastante beba o e muilo regri-ta,
intitola-se de forro, tem alguns signaes de castigo
as costas; este e.-cravo Albo do Bonito, porm
toi vendido em peqoeoo para o engenbo Quelma-
das de Santo Antao, aonde esteve por espago de
20 anuos, edabi foi vendido para esta cidade,. aon-
de tem tido diversas senhores, e do poder de todos
tem fgido, ba desconfianza qae elle estria servia-
do como forro em alguma casa estrangeira nos
arrabaldes desla cidade : qaem e pegar lev -o a
roa da Concordia n. 8, refioago, qoe recebera' a
gratificagao cima.
Desaparecen no dia 3 de margo do eogiA-o
Cacicato, o eseravo Luiz, tendo os signaes se&'uio-
tes: negro oa cabra, obello earapmbo, idade 22
aonos, sem barba, altura mediana, eheie do corpo
e bem proporcionado, gosta de ardar limpo, olbee
eocapellados, e finge bem rer pouco, falla om tan-
to grossa a descansada, atormente guando intenta
deffeader-se de alguma accosagd. Desconfia-se
qae assente praga para o Paraguay; roga-se as
autoridades a' aprebenso do dito eseravo, a' ser
entregue no mesmo engenbo oa 00 Recite, no caes
do Apollo o. 59 a' Henrique Saralva, e me capites de campo a qaem s-e recompensara*.
Fugio do engeobo Cacenle no dia 13 de
margo, o eseravo Jos Cneira, com os signaos se-
guimos : cor preiak cabellos carapinnos, sem bar-
ba, a pelle do rosto parece ter s< rTrido'bixiga, alta-
ra regalar, secco do corpo, idade 19 aooos: veto
assentar praca, por lano roga-se a3 autoridades a
spprebensio do dito eseram, assim como aos capi-
tes de campo a quem se recompensar no enge-
nbo Cacente, ou no Reclfe oo caes do Apollo n.
59, por Henriqne Saraiva de Araojo Mello.
rltieocao
0
Fugio oa maoha do dia 23 de dtxembre pr-
ximo passado, do lugar da Casa Forte da treguetia
do Pogo da Paoella, o mulato Loit, esefavo de 18
aonos pouco mais oa menos, claro, de corpo e alta-
ra regular, rosto rede -> ; ba^Uo"^ -"o, ae
uiuiiof. los que leve ; lem em am uo bi^jos as
seguimos iniciaes.: L. J. M. escripias com tinta
as al entranbada na cotis; denles alvos e largos aa
frente, tem genio dcil e humilde, entende sofri*
vel mente de cosi o ha.
Descoofia-se ter bido em algum comboio para o
centro da provincia, por serem esses os -eos inten-
tos talvet para Grvala' donde Bino e lem paren-
tes. Velo para esta cidade com idade de 6 annos
para pagamento do fallecido Jcio Jos Gomes Pl-
nbeIfo, que o compren em Taqnaretinga a Antonio
de Ca'lro Pereira e Antonio Jos do Nascimeoto,
=eiido"vendido ao aooonciante por aqoelle Pobet-
ro de qoem o hoove. Levoo apenas a re opa do
coroo caiga de casemira cinzenta clara, de listras,
e cam'lsa de algodaosinho, costoma algumas vezes
emhebedar-se, nos primeires das de soa fogida foi
encontrado no bairro do Reclfe desta cidade por
pessoas qae igooravam esta cirenmstancia. Coas-
ta que se louiuia forro com diobeiro que tima na
I teria, e bastante ladino e asiucioso. Reccm-
meuda-se as autoridades policiaes e capites de
campo a sna captura e entrega a sea senhor o
abaixo asslgnarto na Casa-Forte, ou na ra do Qoei-
mado nesla cidade, as tojas da Boa Fama, Agola
Branca, oa na de Guimares di J3astns. na mesma
ra, qoe sera recompeosado com IO04OOO.
Reclfe, 19 de ft-vereiro de 1867.-
Francisco Jos Alves Guimares.
100$ de gratificago
F jgto na otile-de domingo 17 de margo, o esera-
vo Joio, idade 24 annos, alto, magro, edr fula,
olbos grandes, rosto comprido, com marca de nm
pequeo taino aa mtgaa do rosto do ledo direito,
usa de tara e bigode, tem am taino 00 dedo ia
aiao dlretta por eftVito de am paoanco : e oen
fallante, se bem qoe muito nervoso. *'eeeB"?:
tar issastado a ponto de ^.^"Xn^m
corroa andar cafeado e entituhw
offlcio de sapateiro e emeni
aleoma cnosa de
omcio ae P"" "^ eUqetabransas
aiale : quando '"'"^rh^e ibas largas.
rmliiral de Goiaaoa^ ^ ^ de ame fiontk^
., n pSia Pacheco da Silvia |o^a o annea-
Sra v.viou__ 1 1 1 1 aai ir Tur r~" *
bara'o
Malla
">. Dioaizi r"
un oomprna em. abril
d7e desconfiase estar mes
se, pols. a qoemj
prel
prxima passa-
iG-iarmaf Rog*--
ndo em Goiaa-
vd r"a loia" "t iraa do ^ onde sal LLgtd: !
SI a". 60, de Gama dt Silva. | ^Tto Sr. JmoI ardoso d M. <***
..V nesu eidade aoi
, 00 rs C1B**3*- mii.bo,ld7Aadrade, morador a' ruad
e armazem do Pavio;ra da Imperairiz n. 60, de zem do Pavio toa da Imperaini wo>
GimaaSMva. & Silva.


Diarlo de Peroaaabnco Terca felra de Afcrll de 1867.
. ... ... i > ii < '


LITTERATRi.
\
vembro de 1814, tomou possea 13 de de
zembro do mesmo anno.
Coronel Rraduado Felician > Jos Nune3
RebtliiM D..Mte i ar. i aproada Qon ^^ d dft 3i d
de PernmBnco ac.utar de atura Lmi do, ____
Rtgo Brrelo, ale 31 de agosto de 1866.
Marechl de campo Luizdo Reg Brrelo,
tomou posseno 1" de julbo de 1817.
dem Luiz Antonio Salazar Moscoso, to-
mou posse em 27 de outubro de 1S21, in
maio dei847, tomou posse a |i de junho
do mesmo anno.
Tenente-coronel Maooel Ignacio de Car-
valho Mendonca, (Pernarabucaoo) nomeado
por decrelo de 20 de setembro de 1847,
terinamente substituido ao capito general to*ou Posse a9 do outtlbro do mesmo aQn0-
Coronel Joaquim Jos Luiz de Sooza,
Luiz do Reg Brrelo.
Brigadeiro'Jos Miria de Moura, nomea-
do a 23 de oatubro de. 1821, tomo pos-
se em -7 de dezembro do mesmo anno.
liem Jos Correia de Mello, tomou posse
em 19 de fevereiro d91822.
Coronel Jos Camello Pessoa de Mello,
(Pernambucano) tomou posse em 2 de maio
de 1823.
dem Joaquim Jos de Almeida, tomou
posse em 2 de julbo de 1823.
dem Jos de Barros Fa!c3o de Luerda,
(Pernambucano) nomeado por decrelo de 12
de outubro de 4823, tomou posse a 13 de
dezembro do mesnro anno.
Brigadeiro Francisco de Lima e Silva, to-
mou posse a 13 de setembro de 1824.
Coronel Aotero Jos Ferreira de Brito,
tomou posse a 25 de maio de 1825.
dem Bento Jos LamenhaLins, (Pernam-
bucano) tomou posse a 5 de maio de 1830.
dem de 2* lioha Francisco Jacintho Pe-
reira, (Pernambucano) tomou posse em 3
de novembro de 1831 por deliberado da
presidencia emconselho, subsliiuio interina-
mente ao coronel Lamenha Lins.
Tenente-coronel graduado Joaquim Jos
da SilvaSanliago, (Pernambucano) nomeado
por decreto de 13 de Janeiro de 1832. to-
iou posse em 9 de marco do mesmo anno.
Coronel de 2" liaba Francisco Jacinibo
Pereira, (Pernambucaoo) tomou posse a 16
de novembro do i833.
Tenente-coronel Jos Joaquim Coelho, no.
meado por decrelo de 9 de outubro de 1833
tomou posse a 6 de dezembro do mesmo
anno.
Coronel de 2a lioha Francisco Jacintho
Pereira, (Pernambucano) tomou posse a 23
de Janeiro de 1835.
Tenente-coronel Jos Joaquim Coelho, to-
mn posse a 3 de fevereiro de 1835.
Major Jos da Costa Rabello Reg Mon-
teiro, (Pernambucano) oomeado por decreto
de 7 de maio de 1835, tomou posse a 4 de
junho do mesmo anno.
Tenente-coronel Ignacio Correa de Vas-
concellos, nomeado por decreto de 28 de
jalao de 1836, tomou posse a 7 de dezem-
bro do mesmo anno.
Coronel Aleixo Jos de- Oliveira, (interino)
tomou posse a 9 de dezembro de 1837.
Mijor Antonio Pedro de S Barrelto,
(Pernambucano) nomeado por portara da
presidencia de 17 de novembro e aulorisa-
Cao do governo imperial, tomou posse a 13
de dezembro de 1837
Coronel Henrique Marques d'-diveira Lis-
boa, nomeal i por decreto do Io de agoslo de
1814, tomou posse a 7 de setembro do mes-
mo anuo.
Brigadeiro Antonio Correa Seara, (Pernam-
bucano) Borneado por decreto de 16 de no-
Brigideiro Joaquim Jostfa Coste Ptmen-| Ieteotei levar tao looge qamte me tos-
tel, nomeado por deerc* i de julbo -de se p Jo, Bz'as esforcos que
857, tomou possea 4de agoslo do nusmojde mim depeadiam, mas pva%oissimo alcan-
cen E' qu nem todas as floras existentes
trazem com os nomes soientifleosoa nomes
(Pernambucano) tomou posse a 19 de abril
de 1848, interino pela ausencia do lente
coroBel Carvalho Mendonca, que tomou as-
sent na cmara dos diputados.
Tenente-coronel Solidonio Jos Antonio
Pereira do Lago, nomeado por decreto de 11
de abril de 1848, tomou posse a 28 do mes-
mo mez e anno.
Coronel reformado Bento Jos Lemenha
Lins, (Pernambucano) nomeado por decreto
de 24 de maio de 1848, tomou posse a 18 de
junho do mesmo anno.
Coronel Francisco Jos amasceno Rosa-
do, tomou posse a 28 de setembro de 1848.
Brigadeiro Jos Joaquim Coelho. tomou
possea 23 de novembro de 1848. Por de-
liberado da presidencia, approvada pelo
governo imperial, commandava as armas na
provincia da Babia. *
Brigadeiro Antonio Correa Seara, (Per-
nambuco) nomeado por decreto de 31 de
dezembro de 1849. tomou posse a 14 de
fevereiro de 1850.
Coronel Jos Vicente d'Amorim Bezerra,
nomeado por decreto de 12 de outubro de
1850, tomou posse a 16 de novembro do
mesmo anno.
Marechal de campo Antonio Correa Seara,
(Pernambucano) nomeado por decreto de 11
de agosto de 1851, tomou posse a 26 de
setembro do mesmo anno.
Coronel Manoel Muniz Tavares, (Pernam-
bucano) tomou posse a 14 de abril de 1853,
interinamente em substituico ao brigadeiro
Falcao, que fallecer 19 de junho.
Brigadeiro Feliciano Antonio Falc3o, no-
meado por decreto de 5 de abril de 1853'
tomou posse em 10 de maio do mesmo
anno.
Coronel Manoel Muniz Tavares, (pernam-
bucano) tomou posse em 19 de junho do
1853, interinamente em substituido ao ma-
rechal Fernandos, que foi exonerada por
aviso de 27 de maio.
Marechal de campo Jos Fernandos dos
Santos Pereira, nemeado por decreto de 21
de julbo de 1853, toraoa posse a 27 de se-
tembro do mesmo anno.
Coronel Manoel Muniz Tavares, (Pernam-
bucano) tomou posse a 26 de julbo de 1854.
Marechal de campo Jos Jcaquim Coelho,
nomeado pir decreto de 3 de fevereiro de
1855. tomou posse a 5 de marco do mesmo
anno.
Coronel Liz Jos Ferreira, tomou
posse a 10 de julho de 1857, interinamente
em substituico ao marechal Coelho, que
por doente seguio para Europa.
Marechal de campo Francisco Sergio de
Oliveira, noaaeado por decrelo de 12 de
maio de 1857, tomou posse a 13 de julho
do mesme anno.
anno.
Marechal do rapo Francisco Sergio de
Oliveira, nomeado por decreto de 30 de
ebril de 1858, tomou poase a 4 de maio do
mesmo anno.
Teneote general Jos Joaquim Coelho, no-
meado por decreto de 25 o*e outubro de
1858, tomou posse a 15 de novembro do
mesmo anno.
Coronel Antonio Gomes Leal, (Pernambu-
cano) tomou posse a 18 de julho de 1860,
interinamente por ter fallecido o teoente-ge-
neral Coelbo a 18 de julbo.
dem Jos Antonio da Fonseca GalvSo, no-
meado por decreto de 31 de julho do 1860,
tomou posse a 14 de agosto do mesmo anno.
dem Luiz Jos Ferreira, tomou posse
em 29 de novembro de 1861, interinamente
em sobstituicaO ao coronel Galvao.
Brigadeiro Solidonio Jos Antonio Perei-
ra do Lago, nomeado por decreto de 30 de
outubro de 1861, tomou posse a 13 de de
zembro do mesmo anno.
Coronel Luiz Jos Ferreira, tomou posse
a 6 de julbo de 1864, interinamente em
subustiluico ao brigadeiro Solidonio.
dem Joaquim Jos Goncalves |Fontes, no-
meado por decreto de 15"de julho de 1864.
tomou posse no Io de outubro do mesmo
anno.
dem Jos Maria Ildefonso Jacome da
Veiga Pessoa, tomou posse a 16 de feve-
reiro de 1865, interinamente em substitu-
cao ao coronel Fon tes.
Brigadeiro Francisco Jos Damaseeno
Rosado, nomeado por decreto de 10 deju"
lho de 1865. tomou posse a 21 de julho do
mesmo anno.
Marechal de campo Francisco Sergio de
Oliveira, nomeado por decreto de 21 de
Janeiro de 1865, tomou posse a 10 de agosto
do mesmo anno.
Tenente-coronel Francisco Camello Pes-
soa de Lacerda, (Pernambucano) tomou
posse a 22 de maio de 1866, interinamente
em substituico ao marechal Sergio, que deu
parte de doente a 22 de maio, e falleceu a
27 do mesmo mez.
dem Jos Lucas Soares Raposo da Cma-
ra, tomou posse a 4 de julho, interinamente.
dem Francisco Camello Pessoa de La-
cerda, (Pernambucano) tomou posse a 13
de julho de 1866, interinamente em subs-
tituido ao tenente-coronel Raposo da (
mar.
Brigadeiro Henrique de Beaurepaire
Rohan, nomeado por decreto de 15 de ju-
lho de 1866, tomou posse a 31 de agosto
do mesmo anno.
vulgares de nossas plantas; que ha inco-
herSr. Pe grande, confaso"fcjstes nomes
As variedades provenientes da cultura a sement da canoa, diz elle, mui
s3o como se sabe um preservativo contra a
degenerado a enfraqaecinleoto da especio.
Mas a ste recurso que nos foi concebido
pela natureza vem reunir-se urna proprieda-
de na) menos importante : a regenr-
elo do individuo e a reorganisacSo pbysio-
vulga'res quando elles existen, e que,.lgica de seus elementos'fundaraenlaes cada
nao bouve anda emum um trabalho que se
pequea, ova!, pontuda as duas extremida-
des e envolvida por uma corolla persistente.
< Todo o maisque se tem comido sobre
este assumpto vago e tendente a fazei crer
que a canna perdeu a faculdade de se re-
produzir pela sement, e quasi foi neste
sentido que expuz tambera algumas ideias
vez que Ihe damos urna nova habitacio, urna n0 Jardim das Plantas de Pars," quando all
imitasse apenas discusso > determina-
dlo da nomenclatura vulgar destes vegetaes;
c Pormcima de j tao fortes obstculos,
a ultima exposicao apresentou imque por
si bastou para nos desalentar no desempenho
de nossa missSo: foi o n5o acompanhar cada
urna das amostras de madeira n ;m urna fo-
lba, urna flor'ou fructo se quer que nos
guiasse no meio das incertezas ;m que nos
achamos.
c Q trabalho foi pois incompleto e por vn-
tura mal baseado, como o ser sempre que
tivermos de e*por estes productos sem que
previamente se tenha feilo alguna estudo es-
pecial e minucioso sobre elle?.
I A vegetado florestal do Brasil, segundo
a opiniao do Dr. Martina e'de Augusto de
St. Hilaire, convem ser esludada, com vagar
e com grande sommade observares locaes;
o que nao fez nem far jamis o viajante es -
trangeiro, abrigado ordinariamente a per-
correr mu vastas extensoes em empo por
demais limitado.
c A base esseocial e o lado )orventura
mais importante deste estudo estatistica das mdeiras de 'con trcelo, a
pial se far a principio limitando-a ao exa-
me preciso do que produz cada provincia,
ou antes cada estaco caracterstica de per
si, depois estendendo-a ao paiz i iteiro.
c De um trabalho minucioso eito deste
modo poder-se-ha cdher as mais olidas in-
formaces sobre esta sorte de pr< iductos, e
estacao diversa daquella em que at ento
viva.
c. A varicela Je e a mudanca de local dd
so aperfeicoam-o ao grado da cultor, como
ser vem at e sobretudo para livra-lo dos
animaes e vegataes nocivos, que tanto dam-
no tm causado batata ingleza, ao caf,
canna,aviaba, ao trigo, etc.
t Estou disposto a dizer sem receio da
cabir em grande erro, que em todas as
plantas qne o bomem sujeituu s suas obser-
vagos, adaptando-as aos seus caprichos, ba
como que um vicio latente, prestes sempre
a vir a lume, a dominar todo o individuo, a
invadir toda a cultura, se n3o combatido
pelo cruzamento continuo da planta com ou-
tras de diferentes variedades, ou pela mi-
danca do terreno relativamente s diversas
variedades. E' um mal enraisado, um caso
pathologico coherente com o vegetal cultiva-
do, e ao qual bem se pode applicar o que
disse o fabulista acerca de urna molestia que
persegue a bumanidade:
< Goutte oten tracasse.
< Esl, dit-on, a demi panse. >
E preciso que o agricultor nao cesse de
me consultaran) a este respeito.
Mas, em ccnsciencia, reflicto eu hoe,
poderemos afirmar, ex-abrupto, ama tal
supposigao ? Eu nao o creio, e apezar do
que diz em contrario o Sr. Madinier no sen
Jornal de TAgriculture des Pays-efcud,
citando at o meu parecer, exposto ^lis
com grande reserva, me parece que se boa-
ver seria attencSo para este interessaote
problema de cultura muito provavel que
os agricultores da Reuniao e da Mauricia pos-
sam ver um dia realisados os seus soohos de
boje.. ..
Taes sao em resumo as minhas ideias
sobre o trabalho que deve ter era vista o
botnico brasileiro.
< Gomo as sciencias pbysicas e naturaes,
a botnica purameote especulativa tem cer-
tamente muitissimo que ver e que fazer nes-
te vasto imperio, onde nadase fez secompa-
rarmos o pouco que existe explorado com o
campo immenso que se nao descobrio anda.
A anatoma e a physiologia.vegetal quasi que
n3o foram anda ensaiadas entre nos senao
por um s Brasileiro (), verdadeiro apos-
tlo da scieocia, boje cansado j dos annos
cogitar nos meios mais enrgicos e mais pro- e das ?iiUa8'. mas em 1uem tenho admira-
ra POICO DE TODO.
O Sr. Dr. Ladislao Netto leu, em sesso
da sociedade Auxiliadora da Industria Na-
cional, a seguinle memoria:
Tendo sido encarregalo por ayiso do
ministerio da agricultura de estuiar a col -
leccao de mdeiras da ultima exposicao na
ciooal tiveoccasio de notar, duraete este
trabalho, a falla de informales que ha so-
bre estes importantes productos naturaes do
paiz.
FOLHETia
O ARfflEiRO DE MILftO.
POR
PONSON DU TERRAIL
Prologo
A SALA li!'. ESGRIMA
I
O que era um armeiro no XVI seculo.
(Contmuacao)
II ivia muito que Raphael aecusava assim
o destino, quando porta da sala d'esgri-
ma reiiou urna cao$ao gahofeirae risonha,
qoe anancou o maacebo sua negra preoc-
cupacao.
Era Giuseppe, o gordo napolitano que en-
trava.
Bem Idisse elle, avistando Raphael
bem sjbia que o encontrara aqu, pen-
sativo e melanclico, meditndonos errosda
vida, emquantoaboa cidade de Milo M-
ga e se diverte como se livesse, bebido vi-
nho de Franca.
Ah! s tu, Giuseppedisse Raphael,
erguendo a cabera.
PerBaccof meu joven amigo, julga
pois que eu pojso esquecer-me de si um dia
inteiro ? Desde esta manhaa que me faz fal-
ta e venho busca-lo.
A mim?
Sem duvida. Descobri um pequeo
parai/.o terrestre por detraz da Scala, urna
adoravel tiberna, onde se vende o melhor
vinbo de Borgonha que tendo bebido na mi-
nha vida.
Ah I disse Raphael, sempre pensa-
tivo.
Essa tabernaproseguio Giuseppe
acha-se exactamente na estrada que o du -
que Lo arenco e sua bina b de seguir, ao
anout cer. para irem do palacio dos varea-
dores para odogr3o-duque,e ahi os veremos
passar nossa vontade. .
Sejalmurmurou o mancebomas
para que?
Giuseppe ia sem duvida replicar e fazer
valer ao seu joven amigo as razes que ti-
nha para o arrastar para fra de casa, quin-
ao duas pancadas dadas na porta, que Giu-
seppe tioha fechado, attrahiram a attencao
do mancebo.
Entredi ?se# Raphael.
A porta abrio-se'edeu passagem a um fl-
dalgo embocado u'um manto de edr escura,
tal como os que usavam os senhores da cor-
te de Franca.
Era um mancebo de cerca de vinte e dous
annos, p llido e louro, d'apparencia delica-
da, ('uma belleza femenil.ejije parecera ef-
femiaB.ta se tao fosse adfcpanhada d'ura
olharalt'vo, enrgico e brilhante, que clara-
mente dizia que o coradlo de um bomem
bata debaixo do seu fraco peito.
Deus os salve, meus senhores Idisse
elle em mau italiano que pronunciava fran-
cezanaa aqu a sala de esgrima do pro-
f'essor Guasta-Carne?
Sim, meu fidalgoresp.ondeu Raphael
em francez, linguagem que fallava maravi-
Ibosamente.
Poderei ve-lo?
Ah I nao senhor, meu mestre sabio e
s entrar muito tarde, mas amaoliaa ..
A'manbia, j nao seria lempo. Po-
rm ao menos juigo que terei a felicidade
de encontrar um de seus discpulos, o Sr.
Raphael...
Sou eu, senhor.
O fidalgo o Raphael saudaram-se cortez-
mente.
Em que lhe posso ser agradavel ?
p rguntou este uliimo.
uesejo 'tomar urna lic3o de esgrima.
Isso impossive1, sennorrespondeu
Raphael,porque boje domingo e todo o
trabalho prohibido no dia do Senhor. Meu
honrado mestre, o Sr. Guasta-Carue, nao
quereria, por nada d'este mundo, que se
usse urna lico era sua casa n'um dia de
festa.
Perdaointerrompeu o fidalgo, to-
marei a hber'dade de lhe fazer observar que
a ligo que lhe peco me absolutamente
necesaria. Esbofeteei com a minba lava
um senhor florentino; bato-me com elle
amanhaa ao amanhecer, e sou pouco ver-
sado n'essa nobre sciencia, que os italianos
coohecem melhor do qoe nos os francezes.
Isso differente respondeu Raphael
com gravidade.
E levautando-&e, foi buscar duas espadas
que eUavam suspensas na parede.
Raphael liahaexaminalo n'um rpido olhar
o joven senhor e a sua attitude, o seu ges-
to, e, o'uma palavra. toda a sua pessoa, eram
de natureza a agradar, a um bomem que,
tal como o armeiro, era ambicioso e altivo.
O fidalgo era, como se diz, de muito boa
rdca para nSoseduzir Raphael, que tinba f
na casta e desesperava por n3o conhecer a
sua familia:
Alm d'isso, era franzmo e delicado, toda
a sua forca viril pareca concentra la no olhar,
e Raphael, que tioba msculos d'aco, nio
po lia deixar de sympatisar com esse man-
cebo quelbe vinba pedir o segredo de ma-
tar um bomem
PerJio, senhor disse-lbe elle, vol-
tandicom as espadas na maoposso fater-
lhe algumas perguntas, relativas so seu ad-
versario e ao motivo"lo combale?
Mas...lisse o mancebo com hesita-
cao e ornando atentamente para Raphael.
Ligua is'0 urna certa importancia. Em
principio, porque segundo a estatura, a des-
treza, a feabiudade do adversario, posso en
sinar-lhe este ou aquella- bote, conforme as
cireumstancias o exigirem Em segando lu-
gar, se o motivo do combale ligeiro...
E' muito graverespondeu o fidalgo
francez.
O napolitano, como se tivesse presentido
que o j .ven senhor se sentira mais vunta-
de a sos com Raphael, tinba sahido da sala.
"Senhordisse o francezpreciso ma-
tar o meu adversario.
Eotao offendeu-o cruelmente ?
To cruelmentemurmurou elle que
nunca ter na* veas sangue sufficiente para
lavar essa injuria.
Oihedise Raphael sente-se,senhor,
daremos logo lico, e peco-lhe que me con-
fie primeiro o segredo d'essa contenda. Te-
nho um vago presentimento de que lhe po-
derei ser muito mil n'ssa occorrencia.
O rosto franco e nobre de Raphael, a sua
voz affabil e meiga como a de urna mulher,
e esse misterioso poder attrahentede que era
dotado, subjugaram o fidalgo e ganharam a
sua confianza.
Sentou-se ao p do armeiro e disse-lhe:
Para lhe fjzer comprehender a gravi-
dade do insulto quereobi, preciso contar-
lhe urna parte da minha historia. Sou fidal-
go francez, ao servido do rei e acorapaobei a
Florenca o marechal de Aunebaud, que vem
buscar a noiva do Delphim, a Sra. D. Catha-
ria de Mdicis. A Sra. D. Catharina, que
muito formosa, tem urna dama de honor,
talvez anda mais formosa do que ella e qu
se chami D. Mara di Polve. A signorina
di Polve Operou em mim. primeira vez que
a vi, urna impressao til, que fiquei comple-
tamente apaixonado por el'a e resMvi pedir
a sua m3o. Chamo-me o marquez de San-
to Andr; sou rico; a minba nobreza an-
terior s cruzadas, e pos v, s mais nobres allianfs.
Raphael, atteoto, inclii.ou-se.
A signorinacontinuou o marquez
n3o foi iosen>ivel ao meu amor: animou-me
com' um sorriso e acolbeu a minha decla-
(racao corando. Procurei seu pai, o conde
di Polve, e pedi-lhe a mao de Mara. O con-
de recebeu-me co > agrado, deu-me a en-
tender que a mima allianca lisoogeava moilo
'o seu orxolho e pedio-me simplesmenteal-
guns das para desempenhar a sua palavra
que tinha quasi compromettida,seis aezes
antes, a um fidalgo da corte dos Mediis, o
marebe.-e de la Scalla.
Rapbael, a esse nome, fez um movimento
j repentino.
Conhece-o?perguntouo marquez.
1 E' discpulo de esgrima do Sr. Guas-
ta-Carne.
! Ab fdisse o marquez com indiffe-
renca. Pois bem I com elle qoe me bato.
A fronte de Raphael annuveou-se.
O marq ezdisse elle um raisera-
vel, cujas infamias a Italia isteira conhece.
Tem einpregado em mudas circumstancias a
astucia ou a forga, a bypocrisia e a mentira
para chegar aos tenebrosos fins que linba fi-
jado.
o que mais conhecer mais tarde
hoje, qual a provincia onde a deslr licao das
se nao j
algumas
isa lo em
remedio
grande
arbores-
vegetacao
de edeve
botnica.
natureza
matas e o desapparecimento de
plantas mais notaveis tem-se rea
maior escala, donde se pode achar
immediatamente a este mal, nao ta
para a cultura e para a riqueza do i aiz quan-
lo o para a hygiene e para a ore em natu
ral dos phenomenos climatricos.
< Ora quem estuda a vegetado
cenle estuda simultneamente a
arbustiva, e examinando ambas pe
levar suas vistas at a geographia
at a comparacao da flora com
geolgica do terreno, cota, a atiiti de do lu-
gar, etc.
E' sobre estas observaces qule se deve
basear a agricultura raethodica di um paiz
de vastas dimenses; no Brasil, e itretanto,
nao se fez anda este trabalho, as
governo n3o se dirigiro, que eu
para este lado, que realmente
partida dequalquer exploraco agri
paiz rico e novo como o nosso, <
em tal se pense nao creio qoe
chegar tao cedo a um bom resui
(vistas do
o saiba,
poato de
bola n'um
som que
possamos
Itad? O
caf, a canna, o fumo, o cacao, > algodao,
estes sustentculos de nossa pro; peridade,
nao deveriam ser submettidos de continuo
a observacao e a experiencia em
provincias do imperio onde oclim;
reno Ihes fossem favoraveis ?
E' o alma damnada do duque Lourenco,
ou antes o seu mo genio; porquj todas as
crueldades, todas as iojuslicas qus se com
raetlem em Florenca sao por elle i i Bem seidisse o marquez
Ora, tambem deve saberIcontinuoo
Raphael que elle dotado de forc i herclea
e de inaudita brutalidade.
Antes de se bater como fidalgoinlrega-se
a^violeBcias de facchino, isto de carrejso.
Tambem o sei, e essa e* ictamenie
a minha historia com elle.
Ah
De Ja Scalla, furioso por vek- despre-
'3r a sua allianca, jurou a mi ni a morte.
Durante alguns das soube disimular e
constranger-se; porm, esperava ima occa-
sio favoravel e nao tardou er .;ontra-la.
Ha oitodias, por vottada meianotte, quan-
do me recelhia para casa, encontn i-me cara
a cara cora elle, n'uma ra deserta e escura.
Atirou-se a mim e aferou-me iom tanta
promptidao que me foi impossivi I deem-
bainhar a espada. Comecou ent3a a esor-
necer-me,dizrndo-me: iAtreveu-;e,meu jo-
ven insolente, a cacar as minhas erras, vai
ver como eu castigo os que me 'oubam a
caga. E bateu-me, esbofeteou-me, espan-
cou-me, deixando me por morto n > meio da
ra, depois de me ter escarrado no rosto.
A ronda da noute encontrou-se ne $se estado
ar curado
ocurei o
sfacao de
artido de
a Milo e
e levou-me a casa. Depois de e>
e em estado de poder andar, p
meu nimigo para lbe pedir sati
sua brutalidade. A corte tinha [
Florenca para Milao, -Entao vim
dirigi-nn ao palacio grao-ducal, ohde o du-
qne Lourenco se achava com os set s ofciaes
e fidalgos; fui direito ao marquez
lbe a mmha luva ao rosto. Depo
ra vir aqui, antes mesmo de pensar em pro-
corar pad inho.
Senhordisse o armeiro
Raphael, os outroe nomes que ten
conheco; porm sou de raca nobrb, jura-lo-
|ia, porque na camisa de linho que tinha
te tida na .noute em que Guasta-Carne me
encontrou debaixo do prtico de urna igreja,
estala .bordado um brazao. Ha
que me era desconbecido, pornj j sinto
pelo Sr. marquez urna secreta s -mpatuia.
(juer-me acceitar por padrinho ?
De boa vontaderespondeu o joven
francez com um impulso de reconheci-
mento.
Pos|bemdisse Raphaelonte com-
migo. Se, o que Deus nao permita, suc-
cumbir, a f de armeiro que o vigarei...
Agora, vamos lic5oaccrescentuu elle.
A licao durou urna hora.
BO joven fidalgo jogava medioc emente a
e spada, porm era gil e Brmava-sn bem nos
ps ; compreindia em alguns segundos, a
parada mais difficil, e Rapbael, asmstado a
principio, ao pensar qoe o joven francez te-
ria por adversario o terrivel mrchese de la
va veis de combater este inimigo multiforme;
esta by Ira de Lerna, que o ba de atormen-
tar cinstantemente como um suplicio eterno:
Observacao e experiencia, eis a sua divisa;
eis tambem a divisa do naturalista.
Cada producto agrcola tem a sua vez
na escala do mal que a todos elles vai alter-
nadamente perseguindo, ora na forma de
planetas cryptogamicas de diffrentes espe-
cies, ora na de insectos cuja variedade
extraordinaria. De alguns annos para c
tem sido a vez do caf e ltimamente da
canna. O mil destagramnea temassolalo
em grande escala as plantaces da Reuniao e
da Mauricia e all se tem conservado at o
presente.
Os agricultores dostes paizes empre-
garam toda a "energa que delles dependa
para destruir o flagello, mas em vo o i-
zeram.
c ltimamente imaginaram al que da
planlagao por sement devia-lhes vir pro-
vavelmente o exterminio, ou pelo menos a
dimnuico do mal, porm como eluciiar
estaquestaj? A canna uma planta cujas
propriedades fructificalivas se tem ani.quia-
de lenta, mas progressivaraente, a esforcos
mesmo do agricultor. As informales acerca
destas propriedades nao pdem deixar de
ser muito vagas, porque pouquissimos sao
os individuos que chegam a dar flor, por isso
que rara "e a planta que a necessidade do
homem nao destrua muito antes desta phase
de vegetacao.
Entre as raras noticias que se conbecem
todas aa sobre as sementes da canna a mais explcita
e o ter- talvez a que Tussac expoe na sua Flora
das Antiihas. >
:hamo-me
10 nao os
Scalla, sentio-se m\is socegado no fim da
licao.
Acabara de ensioar ao marquez um bote
terrivel que ninguem no mundo, a nao ser
Guasta Carne e elle, Raahael, conhecia, e
cujo segredo a ninguem tinba ensinado. A
sympaihia que oaltrahia para o marqu z era
irresistivel.
A qoe horas se bateperguntou-lhe.
Ao nascer o dia.
Em que sitio ?
Debaixo das muralhas, porta de Ta-
rim.
Ahi eslareidisse Raphael.
Mas.con'inuou o marquezj que
se poe minha disposicao de urna maneira
tao cortez, abusarei da suabondade. Pre-
ciso queme preste um servico,. maior tal-
vez, aos meus olbos, de que o de me ajudar
amanhaa.
Falle, estou s suas ordens.
Nao quero apparecer diante da corte e
portante, apresentar-me diante do duque
Lourenco e de sua filha, antes de rae ter
vingado da injuria que recebi. Ora, a sig-
norina di Pulve accompanha a Sra. D. Ca-
tharina como se.fra a sua sombra.
E' isso bam simples, e sua dama de
honor...
E,comldo,eudesejavaque ella tivesse
noticias minhas, se a nao poder ver urna ul-
tima vez. i*
Que fazer, entao ?
Desejava encarrega-lo de orna men-
sagem.
Raphael estremeceu.
Nada lhe posso recusardisse elle
e, comludo, tenbo um vago presentimento
de que o passo que vou dar ter fatal in-
fluencia na minba vida.
O marquez olbou para elle com admi-
rac3o.
Perdoe-me murmurou Raphael
talvez eu seja louco e supersticioso... porm,
lenho sempre presente a eslranha figura de
urna bohemia, que me leu urna noute, du-
rante a mnha infancia, a buena-dicha, e pa-
rece-me, a esta hora, ouvir a sua voz aguda,
sentir, aperlada, pelos seus dedos nodoses,
a minha mao, cujas linhas ella estudavacom
o seu olhar lgubre e sem raios.
Meu Deus I que lhe disse ella ?
Isto : E's de raca Ilustre, bem que
ignores o segredo do teu nascimento. Tal-
vez saibas um dia esse fatal segredo, e ar-
reaendor-te-has entao amargamente de niio
teres nascido n'uma classe inferior. Ora,
no dia em que fores encarregado de alguma
mensagem amorosa, ser aquello em que
comecars a descobrir esse mystajk).
E' estranho murmurou onpKjuez,
e, bem que eu tenha pouca confianca ue.s
bohemias, nao quero...
Nao, nao Jinterrompeu Raphael, com
vivacidadeacontega o que tiver de acon-
tecer 1.45 alm dissocontinuou elle com
do apezar disto, esses visos luminosos de
urna robusta inlellgencia, de urna grande
illuslragao.
No entanto que de brilhantes thesouros
scientificos nao oceultam nossas sombras e
vastissimas florestas ? Cada tronco, cada de
rammo, cada folha ou flor encerra na soa
organisaco intima, nos seus elementos his-
tolgicos pbeqomenos de um subido valor
talvez n3o s para a botnica como prova-
velmente paraos dous reinos orgnicos I
Sao paginas em brance do grande li-
vro da sciencia brasileira'I...
A botnica especulativa, repito, tem
muito que fazer no Brasil; mas ser3o cohe-
rentes com a ndole do paiz, e com o nosso
etado actual os traba'hos desta ordem
< Dar-se-ha espontneamente aqui o d -
vido aprf co s pesquizas transcendentes da
sciencia e comprehender-se-ha geraimente
o al anee d seus importantes e otis des-
cobrimentos ? Eu nao o creio e com bem
pezar o confesso.
O pai anda novo, embora ebeio de
intelligencia ede imagmacao, quer ver em
tudo um fi a rendoso, palpavel, que lhe sal-
te aos olhos, que lhe d urna certa garan-
ta e que falle directamente ao ioteresse ma-
terial.
t A sciencia pois, toreada a ataviar-se
com a roupagem da industria e dos interesses
commerciaes, para, no meio deste ambiente,
continuar sua nobre e devina misso.
Por em pratica o que aqui deixo expos-
to servir o paiz e comprehender urna de
suas primeiras necessidades.
(*) O conselheiro Freir Allemao.
(Continuarse-ha.)
um sorriso de orgulbose devo um dia co-
nhecer a minha ongem, mais vale que seja
breve... Nao viver o ser armeiro e pro-
fessor de esgrima, quando se sent bater
no peito um coracao de leo como o meu.
O joven marquez de Santo Andr olhava
para Rapbael com admiracao, e assim como
este se tinba ha pouco sentido inclinado
para elle, o francez experimentava, pela sua
vez, os poderoMs effeitos dessa mysteriosa
seduccao, cujdWegredo o armeiro possuia,
talvez sem o saber... Estendeu-lhe espon-
tneamente a mao.
Tem um nobre coracaodisse-lhe elle
e supplico-lhe que aceite a offeria da mi-
nha amisade que lhe juro ser eterna.
Obrigadorespondeu Raphael aper-
tando a mo que lhe era offerecidae de
ora avante encontrar-nos-hemos sempre, em
vida e na morte. Falle, que devo kzer ?
onde preciso, que v ?
Procure entrar esta noute, pelas-dez
horas, no palacio grao-ducal, durante o
baile que o governador de M15o offerece a
sua alteza o duque Lourenco de Mdicis,
falle com a signorina Maria e diga-lbe:
O marquez de Santo Andr bale-se
amanhaa com o seu rival, o marquez de la
Scalla ; talvez suecumba na lula e desejava.
ve-la urna ultima vez... Pde-lbe conceder
urna entrevista esta noute ?
- Ireidisse Raphael.E deaois onde
o hei de encontrar ?
No hotel da Coi-nucopia, minba ba-
Mac3o desde hontem. Vou para l j e nao
tornaTei a sabir. .
Os dous jovens despediram-se e separa-
ram-se pona da sala de esgrima.
Neste momento. Giuseppe appareceu de
novo.
Entao -disse a Raphaelvamos pro-
var o vinho borgoohez de que te failei ?
. Naorespondeu Raphaeltenbo ou-
tra cousa que fazer
Giuseppe baixou a caneca como conven a
um tornero habituado a mostrar-se indul-
gente pelos caprictios de um amigo.
Picars aqui esta noute. Giuseppe
accrescentou Rapnael.
E para qoe ?perguntoa o napoli-
tano. *; ;
__Para gaardar a casa.
Entao sae ?
Sim, responden Rapbael com desem-
barace nio estoa convidado, juntamente
com o mestre Guasta-Carne, para o baile
desta noute?
E* justo ; mas en julgava...
Pois fizeste mal... Quero divertir-me
hoje.. eu, o taciturno / urna vez nao cos-
tme.
(Vontinuar-se-ha.)
TYP DO DIAnlORA DA
.
T-

:



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EWHR89M6T_Z5P30F INGEST_TIME 2013-09-05T03:19:21Z PACKAGE AA00011611_11239
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES