Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11200


This item is only available as the following downloads:


Full Text

ANNO XLIII. NUMERO 4&
jr
PAHA A CAPITAL E H(,U1!,S O.YIIK SE NAO* PAi-A PORTE,
Por tres aezes adiailados.,. .............. 6)5000
Por seis ditos idem................... 12,5000
Por naaooo idea.. .i .......... 24^0
lili aamero aniso .] .._............. t 320
QUINTA FEIRA 21 DE FEVEREIRO DE 1867.
PARA 1>EVrilO E PORA DA PROVINCIA.
Por tres mwes aduaUdog..............
Por seis di los idem. ..... 1.
Por note ditos idem.........
Por um auno idem.
,.
6^750
13,5500
20,5250
270000
Aasa^BA^aia m mmmmm m wmm*m m wimm vmmm M muta & mmabo, sais ipmmto!iiin,3*
lEi\dARKEAD8 DA SUBSCRIPTA'.
Parahyba, o Sr. Amonio Alejandrino de Lira*;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty ,
JSr. A. de Lemos Braga;*Cear, o*Sr. Joaquim
Jos de )liveira ; Para, os Srs. Gerardo Antonio
Alves & Fhos; Amazonas, o Sr. Jeronvmo da
costo; AJagoa.s.o Sr. Fraocioo Tabres da Cos.'.?;
Baha, o Sr. Jos Martina Alves: Rio de Janeiro,
o >r. Jos Sibefro Gasparinho.' t
part* 01 s Olinda, Cabo, Encada e estages da via frrea al
Agoa Preta, lodos os das.
lgaarass e Goyauna as segundas e sextas felra*
Santo Anio, Gravaij, Bezerros, Bonito, Garuad,
Altinho, Garauhuns, Buique, S. Bento, Bom Coo-
selho, Aguas Bellas e Tcaral, as icrgas-eiras.
Pao d'Alho, Nazaretb, Limoeiro, Brejo, Pesqaeira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabron, Boa-Vis-
la, Ourieury.Salgueiro e E, as quarla feiras
SerinbSem, Rio Foraioso, Tamandar, Una, Bar-
reros, Agua Preta e Pimenteiras, as quimas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do comraercio : segundas e quintas.
Ralaco: tercas e sbados as 10 horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Juizo do comraerc/o : segundas as 11 horas.
Dito de orphos : tercas e senas s 10 horas.
Primeira vara do
dia.
Segunda vara do civel
1 hora da tarde.
cive: tercas e sextas ao mev
qnartas e sabbadss <
EPHEMERIDES DO MEZ DE FEVEREIRO.
4 La ora as 8 h., e 24 m. da t.
II Quarto crese. as 10 h., e 48 m. da t.
IS Loa eheia as 4 h., e 19 m. da t.
26 Quarto ming. as 8 h. e 40 m. da m.
DAS DA SEMANA
v.
|1
Aos nossos assignantes, que ainda nao
pagaram o presente trimestre, rogamos o
queiram fazer ao nosso cobrador, aim de
evitarem que Ibes seja suspensa a remessa.

PARTE OFFICIAL

*
GOVERNO DO BISPADO.
SEDE VACANTE
Secretaria episcopal.
O Esm. e Rvid. Sr. vigario capitular desta dio-
cese, reconheceodo que o*istem as raesmas causas,
pelas quaes se tem coocedido o uso da comida de
carne uo tempo quaresmal, ero virtude das facul-
dales apostlicas de que goza, conceda a mesraa
dispensa pira a prxima quaresma, pudendo os
fiis servirse do alimento de carne urna vez por
dia, exceptuando a quarta-feira de cinza, quarta
fera de tmporas (13 de marco), todas as sextas e
sabbados, e toda a semana santa, bos quaes dias se
deve Observar o preceit, da abstinencia, sendo to-
dava permallido o uso dos lacticinios.
Sf nttr que nao se tivesse podido faier urna expe-
riencia srir*.
Entre as industrias qoe se exercem 00 Rio de Ja-
neiro, compre co! locar em primeiro lugar a de que
tratamos, urna vez que se tenha em vista os verda-
: deiros interesses do paiz. No Brasil, mals do qoe
. em quaiquer parte, a iotroducgo das machinas, a
geoeralisaco dos proce-sos mchameos < I cessidade imperiosa. Quer se queira qner nao, a
I apriculiura, brasileira ha de vir forzosamente a
.adopta-lo*. Hoje, apenas ella tema entrar somonte
: nesia via de progresso, tem de lutar com diffleul-
j dades sem cont, entre as quaes a menor nao a
; falta de trabalnadores capaes de se servirem das
machinas, e a carencia anda maior da operarios
habilitados para as concertar.
Grandes e louvaveis esforgos ho sido envidaos
para a generalisago, entre os nossos cultivadores,
I do uso da charra, o primeiro dos io-truraeotos
. agrcolas. Mas onde so acbaria, em caso de oeces-
; sidade, um operario capaz se quer de forjar urai
rellia ou mesmo simpli-sments de llie aceirar a pon-
ta? Esta obra simplississima que o mis bjimilde
ferreiro, na Euro a, sabe fazer, obrigar o fazen-
, deiro a comprar ootra charra nova. Todo so
, conspira contra elle. Se .je trata do embrego de
18. Segunda. S. Semeao b. ro.; S. Predicna
19. 1 trca. S. Conrado f.; g. Gabino m.
W. Quarta. b>. Eiecieiio ro. e Nilo bb.
21. Quinta. S?. Maximian*^ FoMunato bb.
it Sexta. S. Margarida de Ccriona f.
2.1. Sabbade. Ss. Lararo Severio e Primiiivo mm.
24. Domingo. S. Maihias ap.;.'8.,Pretxtalo b.
------*^__^__^_^
PltlCAMARDEHOJE..
Pilmeira as S horas e 13 ni. da tarde.
Segunda as 5 heras e 42 minutos da rjoanbi).
PAP.TIDA DCS
VAPORES COsTEIROS.
Para o sal at Alagoas a 14 o 30; par o norte
?,! a Granja a 7 e 22 de cada nez; para Fernan-
do nos dias 14'.'os mozes Janeiro, margo, maiol
jalho, setembro e noverabro.

tres nicas profisSes liberaes que existem no Bra- Antonio Henrique da Cuoha.
sil: advocaciafc medicina e engenharia. Manoel do Carmo Ribeiro.
Em urna sociedade constituida como a nossa, Joaquim de Medsiro Raposo,
as condigdes especiaos em qoe se acba a nossi i Panlino Antonio Ramo--.
aKricoitura, o ensioo theorico, scientiHco, deve I Marcnlino Ferr*ira da Lur
preferir o enfino pratico. Supponhase que de urna ': Jos'Xavier Faostlno Ramu--
Antonio Goncalves Pereira Lima.
Jo.- de Mello Trindade.
Pergentiso de Miranda Pimentel.
Valdevino Ribeiro da Silvji:
fazenda modelo saia hoje um bom contra-mestre
rural, um bom administrador; alm delle nao po-
der fazer seno o que houvesse visto e aprendido
na fazenda- modelo, teria de estar em luta couti-
nua com o sen pairao. A ignorancia desde e o sa-1 Leopoldino Ferreira da Silva
ber meramente pratico daquelle s poderlam dar Jos Bernardo de Camino '
em resaltado urna teima e urna desinlelligencia Juviniano Jos de Albuauen
mullas.
Deseja-se
- 16 -
Antonio, Pernambuco, 8 das,Santo Antonio; con-
volgoes.
Aooa, Pernambuco, 3 annos, Recife ; desenterla.
Francisca, Pernambuco, 1 amo, Recife; desen-
teria.
Michaella, Pernambuco, 12 mezes, tscrava, Santo
Antonio ; escrofolas.
tambem que o governo seja trenos
parcimonioso as suas encouimeodas, e que man-
no paiz ludo que qui se pode fazer -
--querque.
Joao Francisco d Silva Braga
Luiz Gonzaga de Meaeze?
Tranquillioo Agnelo i>essoa Dutra
Manoel Ferreira dos Sanios.
deseja-se a suppresso completa dos direitos de al- Alexandrino Thora de Aq'uino Coelho.
.- o _.
Dispensado assfm b uso do peixo no tempo qua- ama B,e*W a vapor, peior ainda. Nao insistamos
resmal, permanece em lodo o vigor o preceiio do

jrtjom era todos os diae da quaresma, excepto nos
domingos.
Os reverendos paroenos faro notoria aos seos
parochianos esta dispensa, explicando as eircums-
ancias que a acompanham ; e a publicaro em
tres domingos consecutivos a' eslacao da missa
conventual.
Recife 16 de fevereiro de 1867. Conego Joa.
quim Ferreira dos Saotos, secretario do bispado.
INTERIOR
RIO DE JANEIRO
Exposico- nacional.
XIV
ACHiNASINDUSTRIA M&TALLUW3CA.
Nao se pode desconhecer que em ludo qo'anto
diz respeito lodijstria jiietallorgica a exposicao
de 186b fui multo mfericr a' de 1861. Nao > nhn
concurrencia era menor, mas at mesmo os objec- i "5? o0 "ralbe.rps que fazem grades, fo-
tos expostos tinham menos Imponaccia. Exclu-! f^n&inStl?.Tnos qae am cap,tal de tr1C
oos, hem entendido, desta apreelacao todo nato fSS2,'2S Se ****&* neMes estabele-
i nisto.
Felizmente os fabricantes que cora tanto esforto
j se empregara no genero de produegao que examl-
I namos, prestam ao paiz um servigo iraporiantissi-
mo, nao s dando-lhes productos, mas lambem for-
: mando operarios e aprendizes.
Constilue isto o seu primeiro titulo de roboro lopiDio de bda f, post
: mendago. Os obstculos que no Rio de Jaoeiro se "
|oppSeoi ao progresso da industria melallurgicasao
numerosos e de roais de um genero ; tratamos de
obier informagoes a este respeito, e os leitores de
cetlo levarao a bero ocoosigoannos a .jai, resumi-
do-os, as observardes e os juizos que nos forara
commuoicados por pessoas do ofOcio e aos quaes
nada accresceniamos.
Segundo nos disseram, ha no Rio de Janeiro 80
a 100 estabelecimenlos metallurgicos ( bem de
ver que damos a maior elasiicidade a esta expres-
io) que se sobdividem cm officioas de consWuc
gao, menos de urna dezena ;fondigoes 7 ou 8, a
maio,- parte anoexas as offleinas de construcgSo ;
caideirana de ferro 3, ja comprebendldas oas duas
classes precedeotes caldeirana de cobre 2 ;25
ou 30 pequeas ofBcmss; 10 ou 12 forjas de mari-
fandega sobre as materias primas e o carvo;-a
decreiajao de direitos elevados sobre as machinas
de origem eslraneeira, ponjuanto di?-se: esla ul-
tima medida, se bem que parega altamente preju-
dicial aos cultivadores, seria um meio provisorio
para dar um Impulso vigorosl a produegao nacio-
nal, pondo a em estado de poder, dentro em pooco Jos francisco Trovo.
L> *UleIDlar a concurrencia, como acontece Joaquim Brasibano de Slqaeira.
Gustavo Camello de Siqueira.
T<\f l'rindi.n.i n-----*-
Freguezia de Alagoa de Bwxo
Joao Alves de siqueira.
Rayraundo Ferreira Portiga!.
Luiz de Siqueira Barbosa.
AgoStlobo Ferreira de Brito.
Antonio de Sa' Civilcanie.
nos Estados-Unidos.
E' quasi escusado repetir que nos limitamos so-
mente a consignar aqu as observares que nos
foram communicadas, e esta' bem visto q..e, sobre-
ludo uo que diz respailo aos dous ltimos pontos,
faieraos nossas resalvas e nos eximimos de toda a
solidariedade. Mas tratava-se de manifestar urna

Jos Francisco Cavalcanti.
Manoel Nunes da Silva.
Florencio Barbosa da Silva.
Antonio Ferreira de Brito.
Antonio Alexandre de Va.-concello?.
Antonio de Siqueira Barbosa.

provinha doarsen>lde marinha que, sob a direc-
C.10 techoica dos Srs. Level e Braconnof, se torna
cada da mais e mais Imprtame, o a respeito do
qual s fallariarnos eonvemonioments consagran
uo-lhe um artigo especial. -
Deixaodo, pois, de parte o arsenal da marraba,
recommenda-se, em primeiro lugar, a" nossa al
tengao, nraa machina a vapor horisontai, de modelo
mu simples sahida das offleinas dos Srs. J. May-
lor d C, evidentemente desuada s fazendas e
aos engenhos, mas qae, nao obstante, parece ser
de dlfflcii transporte. Alm desta machina, bem
concebida, bem ejecutada, os mesmos fabricantes
expuzeram, cerno objecto de fundigao. um cyliudro |
que d excdeme Idea da peifeigiio com qae elles i
irabalham. Demai?, o seu estabelecimento ja' goza
de lao merecida reputagao, que os nossos elogios i
nao coat;iboiro de certo para a augmentar
Quanto a' fundigo, deve-se citar em primeiro
logar a casa Miguel Couto dos Santo?, cujo mere-;
cimeolo franca e unanimerneote recoohecido por i
todos os homens do offlcio. O Sr. Miguel Couto!
dos SaDtos fez parllcularmeote da fundigSi de'
bjecios de ornato a sua especlalidaie. Logrou
ser bem succediJo em tal proposito, como allesiam >
numerosos trabalhos rio valor realmento ariistico,'
executados as snas offleinas e que ornam nossos
monumentos e pragas. Bssiar-nos-ha citar o gi a-
dil que cerca a estatua equestre de D. Pedro I, o
gradil, o porto da mesma casa da moeda, sem
failarmos nos modehs e as pegas que estiveram
exposias as salas desse edificio.
cimentos, entre os qnaes, compre declara-lo desde
ja, contamos o da Punta da Aia, cecupando todos
elles nos 603 operarios e mais de 7*0 serventes e
aprendizeat
O termo medio dos salarios oas offleinas de coos-
irucgo, fundigo e calderaria da ferro de cerca
de Desee a 2j>o00 na caldeiraria de cobre. O
mais importante dosestabslecimemos desta catego-
ra erapi egando por si s, segundo as informagoes
que nos foram ministrada, 70 operarios on ser-
ventes, coma no sea pessoal dous tercos de os-
era vos.
Estes, salvas as raras excepge*. s podem ser
erapregados como servantes ; uu|;.ssivel incur
bi-los de irabalhos que reclamem intelligeocia
iniciativa da parte do operario. Sao meras machi
as. Se as offleinas de construegao livessem tama-
nha importancia que viessera a crear especialida-
des, como acontece na Europa e nos Estados Uui-
dos, os escravos poderiam ser melhormeme apro-
veiiaos; roas isto anda nao se d entre nos, e
nem se dar to cedo.
A mxima vautagem do escravo parece, sobr-"-
tado, consistir em oio poder elle abandonar a offl
cia. De ordinario o*ar.rendizes, assim que se tor-
nara peritos, deixam a ollciiia qnando comegam a
produzir. e o operario estrangeiro bem longe est
de ser estavel. Entre os operarios do Rio de Janei-
ro, conta se uro certo numero de homens de cor
que seriaro-excellenies offl:iaes se livessem algu-
mas noges de desenho ; mas a sua ignorancia ra-
dical desta lingoa da sua proflsso faz que elles s
que evidentemente inte-.' Jos de Siqueira Barbosa,
resseira, e acbamos justo nao lhe negar a publci- Jeronymo de Carvalho Lima,
dade.
O sr. Miguel Cmodos Santos fabrica tambem i ?'aramfre8ados em armr essas macli.uas que
instrumentos agrcolas, como fouces, machados, TO!?*!!! 2.?.'Me1S.2r50? Bl^tS,lra
etc.. nnfl. nnanin f.. .. ....j.V, ^., ao A excepcao desias duas cathezonas de traba-
etc., que, quanto a" forma o
reeerara altamente reeomiiicudaveis. E' para oese
jar que este genero de produegao tenha entre nos
deseuvolviniento consideravcl e possa luiar
pgao
diminulissiina minora,
l- qualidade, r pa-, |D,doreS) os Brasi|eiros acharase t
um

e pois, as oQloinas de
! construegao, onde se fazem grandes obras de me-
vantaiosamente cora a impomg'ao:' TraVaThosdea- ES""*i" de-es,ar Pr T'10 temp0 na
ta ordem deve sempre ser acoragoados. Taranera deRe! ?, ZT'0.* X8,??g,r"8' ,.
n.lo devemos umiliir urna sene do pesos fundidos ':" ftl,}*' qUe lud' 'od08tri "M"
sob-raoliiplos do kilogramma, mencionado ao raes-: J'dM fo.ra de Perseveranga e de trabalho, a in-
mo tempo o valor equivalente das antqjas medida?.;
Adoptados geralmeote pelo commercio, estes pesos'
contribulriam, mais do qoe todos os compendios,,
para a vo'gansagao do novo systema. I JSfcffSW ^ ?'^ d8 e'l0" i?"
Das offleinas da vluva Hargreaves, vimos oro- cessJd.ades f> .. a vista dessas necessidades,
No principio deste artigo manifestamos o pesar
de nao poderraos consagrar ao arsenal de mairaha
um estudo especial. Todava, nos impissivel re-
sistir ao desojo de dizer ao menos algumas pala-
vras respeiio desse til eamaelecimento. Desde
lbbO tem se elle transform ,dU
Novas cooslrueges a convenientes disposigSes
internas dos edificios deram aos desennadores o ar
a a luz que Ibes faltiva ; o servigo interno das
ofllcinas foi reorganisado ; gran les e espagosos
armazens foram construidos para deposito do ma-
terial as ifflcioas, alm das obras feitas para as
tornar raaiorfs, ainda foram posteriormente aug-
mentadas; fez-se acquislgo do que ha de mals
completo e de raelhor em ferramentas e machinas,
afn as obras de*nslr|icgao naval s existia era
1860 am nico estalelro conveniente de pedra e
cal e coberto da ferroo em qae foi construida a
Nuherohy, e onde se esta' coostroindo a Guana-
vara.
O Sr. Level fez concertar outro estaleiro de pe-
ara e cal, no qaal forara con-truidos o cter da
alfandega a Carioca, oLeeet,o Taquary e o Barroeo.
Edicou se um terceiro estaleiro na ilha das Co-
bras, e d'elle sahiram o Tamandar e o Rao de Ja-
neiro, Lma serrara a vapor, prvida do material
o mais moderno e aperfeigoado, estabelecida em
18o2 na ilha das Cobras, e augmentada pouco a
pouco, segunds as exigeocta do servigo, prepara
Joao Castao do Amaral.
Hoje o agente Euzibio levara" a leilo a ar-
raaco e fazeodas comidas na toja de fazendas de
massa fallida de Amorim Gongalves dos Santos, na
loja 0. 8, sita a' roa do caes do Passeio Publico,
hoje s 11 horas era poni.
Depois da manha as II horas, se extrahira-
a 33" parte da lolern a beneficio das familias dos
voluntarios da patria (7M, sendo o maior premio
6;000O00.
Passaaelros do vapor Ipojuca, vindo de Ac-
raed:
Joao Francisco Lo es, Virgilio Bellim, Angosto
Grugel, H. Araripe Farias, Francisco Perdigo de
Oliveira, Jorge Porroz, Antonio A. Souza Aguiar,
Dr. Francisco Aramias C. Barros, i escravo do
Dr. Jos G. Silva Brrelo, Antonia Gomes de Sa,
Virginio Fideles Hamos, Palmeira A. Soares, Basi-
liano da Silva Caldas, Manoel Gomes da Silva,
Raymando NontoFreilas, Joo Preire d'Oliveira,
Goncalo D. Paiva, Joo Thomaz Pinto, Narciso Jo<
da Jlendonga, Manoel Gongalves Torres, Jos Ale-
xandre Souza Reg, Manoel R. Paiva,' Joo Igna-
cio da Trmdade.Tlaria de Jess, e I sobrioha me-
nor, Jos Miguel Amaral Silva, sui senhora e 1
fllha, vigario Jos A. Gomes de Mello e I escravo,
Francisco Tneopailo R. Bezerra- 1 criado, Fran-
cisco Tavares P. Araujo, Francisco F. Duarte, Je-
sumo Adolpho da Silva, Manoel Modesto Pereira
Revisa* do jury do Recife
jaoeiro de 1867.
! n Freguezia do Rtcie.
ah tTJ0S SiD,108 de S'Qceira Cavalcsnte.
, Anitnio de Moraes Gomes Ferreira.
; Antonio Henrique de Miranda. *,
Antouio Jos Silva do Brasil.
Amonio Gomes de Miranda Leal.
Amonio Jos Teixeia Bastos.
Antonio Gofealves Ferreira Gasco.
Amonio RuBoo de Andrade Luna.
Antonio Machado Pereira Vianna.
Amonio Jos de Castro.
Antonio Jo Cordeiro Sin.oes.
Amonio Jos de Vasconcellos.
Antonio Gonsalves Torres.
Alexandre Rodrigues dos Aojes.
Andr de Abreo Porto.
Arramio Pessoa de Albuqoerque.
Augusto Ribeiro de Lima Chalaga.
Augusto Cesar Conceiro de Mallo?.
Fregnezia de Sanio Antonio.
Anlonlo Camello Pessoa do Laceria.
Dr. Antonio Rangel de Torres Bandeira.
! tir. Antonio Jos Alves Ferreira.
Ur. Antonio Annes Jacome Pires.
Amonio Bernardo Qoloieiro.
Antonio Martms Seabra Lemos.
|>r. Antonio Jos da Costa R.beiro.
Dr. Antonio d'Assorapgao Cabral.
Dr. Antonio Joaquim Ayres do Nasciraento.
Antonio de Moura Rolim.
Dr. Antonio WHruvio Pinto Bmdeirae Accioly de
Vasconcellos.
Or. Antonio Vicenle do Nasciraento Feitosa Jnior.
Dr. Antonia Barges da Fcnseca.
Dr. AjOlonio Borges da Fonseca Jnior.
Adriano Augusto de Almeida Jordao.
Adriano Xavier Pereira de Brito.
Dr. Americo Netto de Meodonga.
Dr. Alexandre de Souza Pereira do Carmo.
Dr. Angelo Heorique da Silva.
Dr. Augusto Carneiro Monteiro da Silva Santos.
AfLn Jos de Oliveira.
Andr Ferreira d'Almeid.
Anjonio Euialio Monteiro.
Fregu>zia de S. Jos.
Antonio Gonsalves Pereira Lima.
Antonio Joaquim d'Oliveira Badoem.
Angelo Custodio Rodrigues Franca.
Augusto Colho Lelte.
Freguezia da Boa-vista.
Christovo Santiago de Oliveira.
Candido de Souza Miranda Couto.
Dr. Candido Jos Casado Lima.
Dr. Caetano Mana de Farla iNeves.
Dr. Cyprlano Feoelcn Guedes Alcoforado.
Gamillo Pinto de Leracs.
Dr. Celso Tertuliano Fornandes Qainiella.
n

com rapidez e sob todas as formas as raadoiras da Ll8P 1 sobnnha menor, Jos Z. Silva de Mello,
construegao, as quaes sao quasi exclusivamente do Joaquim Ignacio Pereira Janior, Joao Ignacio P.
I paiz e se actaru depositadas nos espagosos arma- T'.a'Jo. Augusto Joaquim Carvalho, Salustiano G.
zeas do1 lado do no;ta da iWa das Cobras, onae os da Sil> Tavianofijmes Oliveira, padre Sebasiiao
mafwiaes resnliaoies'rjfas excaVag5es Teias na rff-^ Tnob,;,< Oliveira Luna, Looreaco ntnio de Aze-
cha para a construegao do segn lo dique ajuda-1 Tedo Francisco AJ* V. Netto, Dr. Jos Marques
ram a-gaohar-se o espago necflssario sobre o '
mar. .
Algam temps depois doas no os estaleiros fo
ram estabelecidos entre a serrana e o dloue, e re-
ceberam as du^s bo-nbardeiras concrai.hs em
qualro mezes- Aciualraente dous ouiros estaloiros
permitiera que esioam siraultaoiraeola em cons-
irucga i, e j|J bern adiamadas, cinco canhon-jira,
devendo substiiuir a primeira que cahir, uwa sex-
ta, cu;a ossada ja se acha prorapta nos respectivos
armazens.
E pois reioam no arsenal de raarinha um movi-
raento e aetividade nanea vistos, e s no servigo
das construegoes esto erapregados mais de 700
operarios. Ninguera ignora quanto zlo, scienca,
energa e aetividade ho sido erapregados pelos
Srs. Level e Broconnot, cida orn no servigo de
que se acha incumbido. Demais,n3o a visia dos
modelos ou machinas, exhibidos na exposigo que
se devem julgar os servigos p estados por e>es
dous senhores, mas sira pelos navios da esquadra,
qut sahiram das suas mos. por assim dizer, e se
bao mostrado, era mais da urna occasio, superio-
res aos navios comprados na Europa.
O servigo das machinas soffreu urna transforma-
gao nao menos radical do aue o das coosfrucc.oes.
m
forara assignalados-
Os constructores
vimos po
jectis bem fundidos^ execuudos.
Um moinho fabricado pelo Sr. Berker (do Rio
raodican ou aperfeigoam machios?, nao lera a
menor garanta para as suas modilicagoes, paraos
seus aperfeigoamemos. O; suppostos privilegios
Grande do Sul), recommendava-se pela perfeigo | '
da mo de obra e das boas disposigoes. SSlSS/!! f ******** to 0I" temP
O Sr. Ramos, na caldeiraria era cobre, sustenta H'*; ffJ2S".f* goverr.o, mediante o
a boa repmago de sua casa. O lamWe que |SSSSm A",liado^ oada araD,em
expoz nao novo, mas recomienda se pela excel-''
lencia do trabalho. A mesma oficina exhibi um
ariete hydraulico, a aae o fabricante devra
am

a qae o fabricante
modelo ou um desenho explica-
ter ajamado
tivo.
O Sr. Rgis Conteville, fabricante
ex; oz ama serie destes insirun
de differemes dimengoes, solidos,
licientemenle senslvels e exactos;
urna engeohosissima balanga romana,
pezar separadameote cada orna das seis rodas de
urna locomotiva, reunindo todas as bacas de um
de balangas,
s, de mola e
feito?, snf-
a raaneira iraperfellissima por que a sociedade Au-
xiliadora comprehende a idea de brevet ou privi-
legio.
Essa sociedade entrega-se, nos casos deste ge-
nero, a pesquizas conseienciosissiroas para saber
i mndelrT de:se f r'vlle8'o tero ou nao lugar, se ha ou nao in-
da'tinada a i veDa.se a cusa 00 nao nova, etc. O moti-
vo disto sem duvda, o cuidado de evitar as de-
mandas que poderiam resollar de privilegios con-
do aos trionnaes. Todo o pedido de privilegio de-
vera' ser concedido sob aresponsabilidadedequem
o faz e sem o governo garantir cousa algoraa con-
cedendo-o.
osiria vina a crea-la se nao tivesse de lutr cora afia i^Mw~e^KaIda?augOim^(^ralf
ST^Sufi?*los- fcii os Priocipaesqae nos e das offleinas da serralhana, preparagao para o
assenlamento de martellos enormes, erapregados
na fabncago das chapas de ferro destinadas as
courags, e que: podem serpjstosem moviinen-
ln por meio de apparelhos montruosos; reforma
completa dos instrumentos das offleinas de caldei-
raria de ferro e de cobre; a offlcina de tornelro
augmentada, completada por meio de machinas de
fabricar balas e de acopilbar os projeciis raiadoa;
a fundago duplamente augmentada e melborada,
e podendo desta raaneira fundir todas as pegas das
machinas novas, duas pegas de artilharia por se-
mana, 1000 balas por dia... eis (e a nossa ana-
raerago bem longe esta' de ser completa) os me-
Ihoraraentos e as acquisigoes novas de um servigo
que oceupa cerca de 600 apranos, eis o qae se
pode 'r no arsenal de raarinha, o que podem re-
conhecer todas as pessdas qae, teado visitado esse
estabelecimenio ha cinco annos, o visitam hoje, e
o que lora urna injustiga da nossa parle deixar de
assigoalar.
ser
difflcillirao obi-los,
alm do imracnso tempo que sa tem de perder pa-
ra chegar-se a un tal resultado, ha queixas contra
torna simples e rpida a operago de lezar e equi-
ponderar a carga sobre cad ama das rodas ue
to enorme machina. Esta fabrica ama ds que
com jostigaie deve recommeodar ao publico.
Quanto a' machinas agrcolas, a nossa exposigo
foi bem pobre. S urna casa ingleza accedeu ao
convite feito pela commisso aos fabricantes es-
trangeiroi. E,sa casa, a de Ransomes & Siras, de
Se os tribunaes nao sao competentes para julgar
os pleitos que se sascitarem por tal motivo, nada
seria mais simples do qae instituir, a imltago do
1.
Londres, mandn ana rica collecgao de charras I que existe em outros paizes, urna jarisdiego in
e instramenios anlogos, es qnaes s peccavam dustriai especial, nra tribunal de peritos, nomeado
por serem mu perfellos e, por assim dizer, nimia- por meio de eleigo pelos fabricantes operarios, o
mente delicados e fragels para serem erapregados
pelas mos brutaes do* negros. Igual defeito nao
qaal seria, outrosim, incumbido de julgar summa
riamente as contestagdes entre pairees e operarios.
se poderla notar nos engenhos da mesma categora, Esta instituigao, anloga a jarisdiego commercial,
expostos pela fazenda normal. Se elles pecca- '
vara por alguma cousa nao eja de certo pela taita
depeso.
Entre as machinas agrcolas expostas pelos nos-
sos proprios fabricantes, apenas temos de citar as
construidas as offleinas dos Srs. Hallier & Man-
nbo. Houve renhlda dlseussio a proposite do seu
lorrador de (arinha. Nao bos incumbe examinar
a queslo suscitada a este re devemos fazer recoiheeer a boa execogo da ma-
china e a feliz concepgao do modelo. Ha quera
attribua a este torrador o defeito de distribuir
mu desigualmente e aalor e de dar urna farinha
poenla.
Os Srs. Palmer k Lenoir expuzeram, fra de
concurso, nos tres ou qua tro dias que proceder ra
o encerramenlo da exposigo, am (orno, essencial-
monte do mesmo modelo, mas com um apergoa-
manto qae consiste em se poder mudar de logar o
eixo em redor do qaal se movem os mexedorea, e
em baver urna pasinba que descreve um circulo e
langa a faiinba ao ar aOm de nao a deixar qoeimar-
se. Qnando se trata de machinas agrcolas, de- lo de quaiquer machina, e saberia faz-la funecio-
vem evitar-se complicagoes excessivas; em todo nar, mas lambem a agricultura nSo seria urna pro-
o caso, s vista dos producios ge poderia jul- ; Qsso desdenhada, e lo se verla toda a raocidade
gar do valor deste? foroos de mandioca. E' para do paiz abragar em lio desmedida proporgo as
teria tambem a va na ge m de contribuir para por
meio de disposigSes especiaes, obrigar o operario
contratado a camprir ttrictamenle o seu contra-
to, que elle, na realidade e no estado de soa-
sas actual, sempre pode illudir com a maior facili-
dade.
Eis, segundo se afflrma, o nico meio de chegar-
se a diviso do trabalho e a especlalisago.
Ha tambem nma necessidade que cumpria fosse
solcitamente satisfeita, e vero a ser a da creago
de escolas de desenho industrial, as quaes os ope-
rarios aprendessero, nao a copiar desenhos e a fa-
zer imagens. mas a comprebenaer um plano e a
delinear, sendo preciso, orna pega quaiquer.
Emflm, foi-qos assigoalada, e nao receiamos in-
sistir nislo por nossa propria conta, a necessidade
de crear-se um ensino agrcola scientiQco que fl-
zesse dos nossos agricultores homens instruidos,
familiarlsados pelo menos com as noges usuaes
das sciencias de que procede a agricultura. Se
existlsse tal ensino, nao s o agricultor eompre-
henderia o porque das suas operagfies, o movlmen-
Camiho, Dr. JoqaTFh d.i Silva Coelho, e 1 escra-
vo, Anna FrandlCa das Neves, Jos Fnrlunalo de
Souza Jorge, Amonio Joaquim *)* Santos A., Joa
qoira Pedro de Araujo, Florencio A. de A. Vasco,
Jos de Azevedo Mais, [naci J. de Mello Mena,
3 presos de jusuga e 1 escravo, 7 pracas que o es-
coltam.
Passageiro da galera francez Adele, sahidj
para Parahyba : Carlos Klein.
Passaijeircs do vapor inglez Qltnla, sabido
para Liverpool : I. F. G.' Kiod sua familia e urna
criada.
RbpabtiqJo da policaExtrac'o da parle
do dia 20 de fevereiro :
No dia 19 do correte forarr. recolbidos casa
de detengo os segrales Individuos:
A' ordem do Illra. Sr. Dr. chefe, de polica, Al-
berto Jos de Araujo, Narcizo Cona de MelIyAo-
tooio Gomes dos Santos e Manoel, escravo de Ma-
noel Francisco de Carvalho, viodos da Parahyba
como suspeiios de serem criminosos. A' ordem do
Dr. juiz aos feitos da fazenda, Zacaras dos Santos
Barros, por faltar com os deveres de Be! deposita-
rio. \' orJem dp Dr. delegado da capital, Manoel
Rodrigues de Carvalho e Bernardo Martins de Sou-
za, para correego. A' ordem do subdelegado do
Recife, Basilio, escravo de Jos Francisco de Cas-
tro, a reqoerimeclo do ccrresponiente desle. A'
ordem do de S. Jos. Antonio Manoel do Nasciroen
lo, por araeacas.-O chafe da z" secgo. J. G. de
PERNAMBUCO
REVISTA DiAnifl
Hoje s 4 horas da larde, na mattriz da Boa-
Vista, ha lagar a solemuidade religiosa da bengo
da imana do'Senbor Bom Jess do BomQm, cuja
festlvidade celebra-se ao dia 21.
De hoje em dame pode ser paga, na Rece-
bedoria de Rendas, a matricula da faculdade de
Direito.
Por despacio de 19 do corrente, decidi o Sr.
cooseiheiro presidente da provincia qae os collegios
eleitoraes devera reunir-se para os actos prepara-
torios uo dia 4 de margo prximo vindoaro, e no
dia segrate (i) para proceder a eleigo dos de-
putados, em vista do que dispde o ari. 68 da lei de
19 de agosto de 1846, e explicara os avisos n. 185
de SI de julho de 1849 1.*, e n. 321 de 30 de
setemoro de 18S6, e n. 663 de 13 de dezembro de
1860.
Temos o resultado eleltorat das seguales lo-
calidades :
Freguezia de S. Jos.
Jos Prancisco de Souza Lima.
Apngio Jos da Silva.
Joao Pacheco Alves.
Maximiano Lopes Machado.
Augusto Coelho Leite.
Amaro Jos dos' Prazeres.
Fraotisco Antonio das hagas.
Jos Francisco Menezes Amorim. ;
Hermenegildo Coelho da Silva. *
Joaquim Coelho da Costa.
Maooel Izidoro de Oliveira Lobo.
Antonio Juvmo de Torres Bandeira.
Jos Francisco Brando.
Custodio Manoel TtieoJoro.
Msqwta.
S I
a I
>
pp-
>
O
o
>
s1

Masculino.
el s
Feminino.
2
>
3
9
>
.Wasciiino.
Feminino.
E4
CA
-i
i 2
en Z
a
m
Masculino.
Feminino.
%
o
Masculino.
Feminino.
8 2
>
s
Jfascufino.
A,
Feminino.

i
TOTAL.
00
OS
ADVERTENCIA.
Na totalidade dos doentes existem 176, sendo 101
homens e 75 mnlberes.
Foram visitadas as enfermaras estes dias :
Aa 6 *!*, 7, 6.1|, 6 lii, 6 1|J, 7, 7, pelo Dr.- Ra-
moa.
A's 10, 9, 10, 9 1|S, 9 I!, 10 l|J, pelo Dr. Sar-
ment.
Fallecern!:
Cemiterio publico.Obituario do dia 15 de
fevereiro :
Alexandripa Mara da Puriflcaglo, Pernambuco,
45 annos, viuva, Recife ; plhysica pulmonar.
Joaquina, Pernambuco, 4 mezes, Boa-Vista ; inte-
nte.
Amella, Pernambuco, 5" mezes, S. Jos ; onval-
g5es.
freguezia da Boa-Vista.
Antonio Pires Ferreira.
Antonio Igoacio do R'go Medelros.
Dr. Amonio Sabola de S Leito.
Dr. Amonio Francisco Corroa de Araujo.
Dr. Amonio Manoel de Siqueira Cavalcaot.
Amonio Cardoso de Queiroz Fonseca.
Antonio Cilios rjy Pioln Borges.
pilan Ao'JftmVJjs de Souza Conceiro.
Antonio Luciano de Moraes Mesquila Pimenlel.
Aulonio Luiz do Amaral e Silva.
Dr. Antonio de Vasconcellos Menezes de Drura-
raond.
Antonio Maria de Miranda Sevc
Amonio Ferreira da Amnnciagao.
Amonio Jos Leal Reis.
Dr. Antonio Ferreira Marlios Ribeiro.
Amonio Carlos de Lemos Duarie.
Auiinio Jos Rodrigues de S-.uza."
Antonio Feliciano Rodrigues Selle.___
Antonio Augusto da Cmara Rodrigues Setle.
Dr Antonio Maria de Faria Neves.
Antonio Machado Gffmes da Silva.
Amonio Carneiro Machado Rios.
Anivilo Jo.- Ribeiro de Moraes.
Dr. Amonio da Silva Amones.
Alfredo de Albuquerque Martins Pereira.
Dr. Augusto Frederlco de Oliveira.
Alfonso do Reto Barros.
Dr. Aprigio Jutioiano da Silva Gaimarae.
Dr. Amaro Joaquim Fonseca d'Albuqaerque.
Alexandre Americo de Caldas Brando.
Augusto Genuino de Fieueirdo.
Dr. Aotro Manoel de Medeiros Furiado.
Fregu ra da Affogados*
Antonio Caldas da Silva.
Antonio Gonsalves de Moraes.
Dr. Amonio Justino de Soaza.
Antonio Valeuliru da Silva Barroca.
Antonio Lopes Rodrigues.
Dr. Alvaro ucha Cavalcante.
Anacleto Antonio de Mraes.
Freguezia do Pego.
Antonio Luiz dos Santos.
Dr. Antonio Joaquim de Moraes e Silva.
Amaro Gonsalves dos Sanios.
Anslides Duart Carneiro da Cunha Gama.
Freguezia da Varzea.
Anloolo Pedro Cavalcanle de Alboquerque.
Freguezia de S. Lourengo.
Antonio Jos Duarie.
Antonio Gonsalves dos Santos.
Antonio Pinto da Motta Nones.
Freguezia de Muribeca.
Antonio de Sa Albuquerque.
Freguezia de Jaboatao.
Antonio dos Saotos Soaza Leo.
Adiooio Fraocisco Paes de Mello Barreto.
Coronel Antonio Pedro de Ki Barreto.
Antonio de Carvalho Soares Brande.
Augusto de Sa Albuquerque.
Freguezia de Santo Antonio.
Dr. Bartholomeu Torqoato de Soaza e Silva.
Dr. Bento Borges da Fonseca.
Bernardlno de Sena Pomuai.
Fregnezia da Boa-Vista.
Dr. Bernardo Pereira do Carmo.
Bernardo Carneiro Monteiro da Silva Santos.
Bernardo da Cdoha Teixeira.
Dr. Brs Florentino Heorlques de Souza.
Bsroardo Jos Mariins Pereira.
Bernardlno de Vasconcellos.
Bemardino de Sena da Suva Gulmares.
Dr. Bento Jos da Costa.
freguezia de Affogados.
Baro do Livrameoto.
Belarmino do Reg Barros.
Fregnezia da Varzea.
Baro de Muribeca.
Kr- guara de S. Lourengo.
Bemardino Zefenno de Miranda Albuquerque.
Freguezia do Recife.
Dr. Cosme de Sa Pereira.
Cosme Jos dos Santos Gallado.
Candido Casemiro Guedes Alcoforado.
Caetano Cyrlaco da Costa Moreira. ,
Fregnezia de Santo Antonio.
Carlos Joao de Sonza Corroa.
Caetano -llveira do Amaral.
Caetano Silveira da Silva.
Caetano Quinlioo Galhardo.
Caetano Jos Mondes.
r. Cicero Odn Peregrino da Silva.
Claudino Benicio Machado.
Dr. Carollno Francisco de Lima Santos.
Cosme das Trevas Teixeira.
Candido Aplran da Malta Albuquerque.
Candido A Sonso Moreira.
Freguezia de S. Jos.
Cielo da Cosa Campello.
Frrgoeziado Pogo.
pm i A Aa Dr. Carlos Joslioiano Rodrigues
eui tioe 1 Freguezia do Recife.
i Domingos Alves Matheus. p
I Sanio Antonio.
; Domingos Aff.nso lerj Ferreira.
Dr. Deodoro Ulpiaoo Coelho Cataobo.
< Freguezia da Boa-vista.
Domiogos dos Passos Miranda.
Domingos das Neves Teixeira Bastos.
Demetrio de Gusmo Coelho.
Decio de Aqumo Fonseca.
Freguczra de Jaboatao.
Dr. Deraosthenes da Silveiri Lobo.
Fregnezia do Recite.
Capilo Ernesto Ignacio C^rdim.
Freguezia de Santo Antonio
Elias Francisco Miodello.
Dr.. Esievao Cavalcaoli de Alboquerque.
Dr. Ezequiel Franco de S.
Freguezia da Boa-vista.
Dr. Eduardo de Barros- Falco de Lcenla.
Eduardo Firmino da Silva.
Fregnezia de S. Jos.
Eduardo Frederico Bank?.
Freguezia de Afogados.
Evaristo Mende? da Cunha Azevedo Jan or.
Freguezia de Muribeca.
Estevao Jos Paes Barreto.
Freguezia do Recife.
Francisco de Salles de Andrade Lona. -**"*
Francisco Ignaro Pinto.
Feiisberto Ignacio de Oliveira.
Fregnezia oe Santo Antonio.
Dr. Francisco Teixeira de Sa.
Francisco Geraldo Moreira Temporal.
Francisco Antonio de Brito.
Francisco Jos Cyrillo Leal.
Francisco da Cosa Ribeiro.
Francisco Borges Leal.
Francisco Lucio de Castro.
Francisco Jos Raposo.
Dr. Francisco Lucas de Souza Rangel.
Dr. Francisco Pires Machado Portella.
Dr. Francisco Leopoldino de Gusmo Lobo.
Francisco Belarmino dos Santos Freitas.
Dr. Felippe Nery Collago.
Firmioo Jos de Oliveira.
Flix Francisco de Sooza Magalhaes.
Florencio Domingues da Silva.
Freguezia de S. Jos.
Fraocisco Antonio das Chagas.
Francisco da Silva Reg.
Francisco Canuto da Boa vlagem.
Franeisco de Oliveira Mello e Silva.
Francisco Xavier Carneiro da Cunha Campello.
Francisco de Paula Silva Lios.
Flix Paes da Silva Pereira.
Freguezia da Boa-vista.
Francisco 7os de Oliveira.
Francisco de Lemos Duarte.
Conselheiro Francisco de Paula Baptista.
Francisco de Paula e Silva.
Francisco Jo de Moraes e Silva.
Dr. Francisco Pinto Pessoa.
Dr. Francisco Gongalves de Moraes.
Francisco Antonio Ponloal Jnior.
Francisco de Barros Falcao de Lacerda Cavalcami
de Albuquerque.
Dr. Francisco Ferreira Martins Ribeiro.
Francisco de Paula Gongalves da Silva.
Francisco dr Miranda Leal Seve.
Francisco Sergio de Mallos.
Francisco Augusto de Araujo.
Fraocisco Antonio da Silva Cavalcantl.
Fraocisco Accin de Gooveia Lins."
Dr. Francisco Amymhas de Carvalho Moura.
Dr. Francisco Augsio da Costa.
Francisco de Carvalho de Aodrade Brando.
Francisco de Paola Pires.
Frederico Aogoslo de Lemos..
Firmioo Hercolano Baplista Ribeiro.
Kraocelino Augusto de Hollanda Chacn.
Faustino Jos dos Santos.
Dr. Francisco Cordeiro da Rocha Campello.
Freguezia de Afogado.
Francisco Carneiro Machado Rius Jnior.
Fernando Fraocisco de Aguiar Montarrovos.
Francisco de Paula do Reg Barros.
Francisco Jos da Silva.
Fraocisco Antonio Pontuil.
Freguezia da Varzea.
Dr. Francisco do Reg Barros de Lacerda.
Fraocisco Xavier Caroeiro Lios.
Francisco da Silva Miranda.
Firmino dos Santos Vieira.
Freguezia de J>boatao.
Dr. Francisco do Reg Barros Barreto.
Francisco Antonio Pereira da Silva.
Francisco Cavalcami de Sonza Leo.
Francelmo Carneiro de Lacerda.
Felippe Benicio Cavalcami de Alboquerque.
Feliciano Rodrigues da Silva.
Freguezia do Recife.
Gedeo Forjas de Lacerda.
Gongalo Jos Alfonso.
Freguezia de Santo Antonio.
Genuino Jos Tavares.
Freguezia de S. Jos.
Dr Galdin"> Ferreira Gomes^
Godofredo Henrique de Miranda.
Fnguezla da Boa-vista.
Gustavo Jos do Reg.
Geminiano Joaqmm de Miranda.
Dr. Gervasio Rodrigues Campello.
Dr. Gabriel Soares Raposo da Cmara.
Dr. Gabriel Alcides Raposo da Cmara.
Dr. Graciliano da Paula Baptista.
Freguezia do Recife.
Caplao de mar e guerra Hermenegildo Antonio
Barbosa de Almeida.
Freguezia de Santo Antonio.
Hyppolito Jos Roberto.
Herminio Ferreira da Silva.
Hellodoro Fe'nandes da Cruz.
Dr. Hermillo Doperron.
Henrique Jos Alves Perreira.
(Con/inuar-s-A(7.)




-



Comniiinicados

Partido onserrador.
Estao satisfeitos os dse jo, e flos do Exm. Sr.
conselheiro Silveira Lobo. Desviando o Dr. Jos
Augusto Chaves da pcsslbilldade de vlr presidir
esta provincia, o Exm. Sr. eooselheiro Sllvtira
Lobo lomeo ipso fado o tremendo compromisse de
supplaotar aqoi toda a aegio e vida dos partidos
em opposicao. A tarefa era ardua e capai de
fazer recoar o espirito mais aguerrido, ama vez
qae nao tivesse alienado todos os vislumbres de
pudor e honestidade.
'Nraguem poderla pensar, que um bomem, qoe
alardlava com tanto diapatSo as mals gloriosas
tradiges liberaes, se resolvesse a vir afogar n'uma
saturnal medonha o seo passado, e o seo futu-
ro I Malta gente, que pensava e cria que no depu-
tado SilteiraLobohavh urna muralha iropenelravel,
ou urna estatua de granito, a cajos pos se quebra-
ra ui p-'das as ondas da corrupgo, djzia: Bra Per-

1

"NMfj,
in.""


mi-tlm de Peraanuh o i|uiuia felm tlde Fevereiro de 18tt7.
I
f





nambuco desta vez ha do hawer libertada d e respeito por lodos os direiioa. As xciu>d*.
absolutas vio ter un termo, e as grandes con
na Torca, deyja dar assalto seoroas eieitoraes ; e
se todo* houvessem considerado atteatamenie nos
manejos do Eira. Sr. SilveirarLobo, sena dar peso
inv tivel hbei itde e cicilisai;ao -a oalros adgni-
dada sallsfeita.
Que mago fleos resanados obtidos con mei
pressa eieitoraes nao terao logar sob os anspi-js suas palavras, que tera tanto peso qoanto sea II- dntia df contos de reis, e meia duii de palavras
cios 00 parlamentar aggre>sio e vloleoto contra j hr'altmo e patriotismo, signos se nao teriam dei- sonoras II ^
as pequeas lyranoias provinciaes. I xado illodir. \fem ao meaos S. Exc mostrava fl
Era estelo juizo qne feralmente se fazia do ca- DUra ; bastava a experiencia, paraqne_se visse que
racier do Exm. Sr. eooselneiro Siveira Lodo-, roas
infelizmente una successao espantosa de (actos e
de escndalos, de violencias e arbitrios veio dissi-
par todas as duvidas, e varrer todas as illu-es!
A maneira atrocisimo porque acabaa de ser
feitss as deludes nesta provincia ; o corfjo de
seu3 protestos de nao Intervlr oas eleiedes nao eram
lloros, e qae essa circular, que fez espalhar pela
provincia, oo passava de om ridiculo ai cumeuto,
que provava que o Exm. Sr. Silvelra L')bo se pre-
parava para rejreseotar urna farca groseira duran-.
te o pelo eleiioral, mostrando por osle modo qne
Ecifit o progresso II
Estara poroto tud-i acabado T O corpo eleitoral.
esse no tera' r.onsciencia, nao tera pundonor
bastante para elevar-se, enxotar aos mercadores
para fra do templ T
Nao sao lodos Peroambucauos briosos ?
Nao estremeeerio de indignaco, quaodo vejam
que se faz d'elles meros instrumentos, e que se os
coaeces- e violaces, que se desenroli o por todos' tlnha sido amaniato pelo Sr. marquez de Oiiada, quer a laia dos caroeiros de Panurgio ?
os municipios; a intervencao desabrida, estanca-' segundo a phrase do Sr. Luiz Pelippe de Sooza Nao attenta So a historia desses puucos annos do
rada e impudente las autoridades no processo Leo. dominio di urna poltica, que precipitou o pan em
eleoral; a Ideotiflcacao ostentosa e desembocada, Nao teodo S. Exc. encontrado os nimos to dis- ama guerra externa, arrancando gola a gota o san-
io presidente da provincia com oeropregode todos postos h suhmissos, quanto elle esperava e lhe ha- *%ile e o suor dos brcslleiroslevando a agriem-
os manejos desagrados e Immoraes dos seus agen- viam dito, par* que podesse fazer eleger os treze tora a maior penuria, e maltratando as enancas 1
tes; o desemparo em flm em que se acdou a oppo- deputados progressistas,-cojos oomes terum de ser-' Attentaro, por certo, para elevar-eas-se a' altu-
slco, em materia de razo e ju-ii por parte do ine indicados pelo Sr. marquez de Ollnda, que velo ra do sea, mandato.
goveroo, que tudo lhe negoo, tolheu e defraudou, a esla provincia encarregado pelo ministerio dessa : Attentaro, por certo, para insp rarera-se na pra-
sSo docameotos.eloqueotissimos da impavidez com misso, foi permittiodo da maneira roais escanda- tica do mais elevado direito do cidado qual o de
qaeoExm. Sr. conselheiro Siveira Lobo arreaegou: losa, aciolosa e provocadora a ioterveoco da poli- escolher os representantes do palz.
-ALFANDEGA.
iMdmentodo da i a 19.........
Mondo da 10.................
BW: 303*204
43:930*723
~62i:2332f
O Illm. Sr. Dr. ebefe de polica manda faieriflllda pe,a |e para a SQa edueacio roram ^
publico, para con+ieeimento de qaem intoressar mm3 jaDta mandados entregar a
MOVIMSrTO DA ALFANDEGA.
Volamos entrados com fazeodas..
f gneros....
Volamos sabidos com fazeodas...
c i gneros....
329
463
----- 792
174
639
-----813
da sua Idolatra para com zs Ideas livres, e do
sea nao menos apregoado catonismol
Quem de toa f podera acreditar, que os doos
partidos em opposicao, unidos e colligados no plei-
to eleitoral, poderiam perder as eleices em Per-
nambuco, a cao se ter dalo a mais inaudita e
escandalosa eompres:>ao governativa T
Quem perfeitameute souber que a faeco pro-
gressista nesta provincia acha-se reduzida a um
cia.e, nao sendo .-io sufficieote, por queem todaaa
provincia a opposlco se preparava para a lata, e
eslava dispo.-ta a resistir, empregou a forca ar-
mada.
osquelrto de ossada ptrida sem nenhuma vliall- guezia do Recife Individuos qualiflcaos em ato
dado e solidariedade cora os grandes gremios de
populaco, podera dlzer que o seu trinrapho Albo
de ootra cousa, seoo da mais descoramunal com-
pres o?
Nao I O escndalo to grande, a exelusao
to clamorosa, queopaiz inteiro. aover os infantes
de Lara, cojos noraes o Exm. *r. conselheiro Lobo
fez Snirar escudadas de bayonetas, no cisto em que
IClou a cabega dY liberdade, ha de dizer : Ha no
imperio urna provincia em estado verdaderamente
normal, ou fra detod*s as coodicoes do rgimen
represeotativo 1 Es-e .estado anmalo, critico e
Tioleoto 6 sem replica e evidentemente compro-
vado pela exelusao completa dos dous partidos
constiiucionaes, um, que se escuda no ampio apa-
- nagio da grande propriedade, oulro que se basea
as afteides populares; participando cada um dos
recursos comrauus de ambos, conforme as circuns-
tancias dos lugares: quem, pois, nao bradar que
estes dous grandes partidos foram irucidados na
orna, e que o seu afierro a rdea e a consciencia de
sua forca os cootiveram de empregar as mesmas
armas de vandlica conquista?
Ser este o grito unnime de lodos os pontos do
imperio. Aps esse grito se levantar a grande
voz d9 conderaoaco contra o hamem, que to
cynicameoie se deixou rolar pelo terreno escorre-
gadio do arbitrio, da corrupeo e da violencia;
contra o homem que um da t-ra urna estatua
erguida sobre as ciozas da liberdade, e em cuja
.fronte ler-se-ha esta fatdica in*crpc :Aome-
tralhador da iberdade em 1867 negros cyprestes
lbe ornaai a fronte.*
Attentaro, por rerto, para pOr em paradeiro a
sene de desmandos do goveroo actual, e retempe-
rar pela opinio do pan a verdade do goveroo re-
presentativo.
Nesta cidade o subdelegado do primeiro distric-1 Atteotaro, por certo, vendo o estado melindroso
to policial da freguezia da Boa-Vista, e juiz de paz ; do paiz, que quer essa verdade na sua mais chara
presidente da mesa eleitoral, oo s empregou to-! Iibc-rdade ; a liberdade eleitoral.
dos os artificios, era que perito, para illudir osj Attentaro, Analmente, que o governo, que quer
seus adversarios, se nao fez votar all e na jg-. formar urna cmara, qae represente s a sua opi-
; oio, e oo a do panpode sem goveroar com
' esta cmara, mas que assim excitara' de dia a' da
e cada vez mais o Uesconteotameoto publicoaca-
bando forzosamente por lopetar-se com a revo-
luco.
Pois que II oo sera' oeste paiz ouaca a opinio
remetiendo os para isto a um dos agentes eieitoraes
progressista, do que temos biihetes comprobatorios,
escnpios em papel cor de rosa e assigoados pelo
referido subdelegado e juiz de paz : na do Reolfe o
Sr. inspector do arsenal de marinha, progressista
por coaveuiencia, fez votar all arregimentados os que forme o governo 7 sera' anda e seimpre o go-
seus subordinados ouempregodps, qae depois foram jvern que forme urna opinio artificial, rachilica
destribaidos pelas freguezias da Boa-Vista e S. enfesada e s meramente offlcial 7
Jos, e nesias votaram : na de S. Jos o Sr. Lopes | Sera' sempre o golpe de estado, e a vontade do
Machado, com seus noventa e cinco inspectores de mooarcha qae facam a pomica, e o governo a sua
quartemao, ouuraietleu as mais resoltantes violen-1 feico ? .
ra-, |a repeiliudo votaale3 da opposlco, e ja im-j Nao se ergaera' om da o paiz, gigante com o
poodo forca as chapas do goveroo e rasgando as cdigo de suas liberdades" na mo defeodendo-o
dos adversarios : na dos Afogados, o ex-subdelega-: impvido, com a vontade Arme, com o sentimeoto
do Jos Roberio, com promessas do lugar de lhe- do dever, com o amor da patria, na attitude do po
soureiro do consulado provincial, e.teodo em sea vo livre T
favor a raesa nim puchado de capaogas, procedea I Sim : duvida-lo seria duvidar da Providencia
por tal modo qae, mesmo depois do protesto qae o que esla' cima dos governos irritas e corruptos,
lente corond Uanoel Joaqulm do Reg c Idu- j Eia. pois, eleltpr'es da provincia de Pernambuco,
querqoe, a frente de mais de quatro ceios votan- exercei livremente o vosso direito, despresai.a
ameaca, punflcai-vos no amor da patria, e sem
atleugo ao quer que seja.salvai o vosso paiz da
aoarchia e do de^goveroo, que nos atrofia.
Eia, pois, eleitores, tudo oo esU' perdidoes-
colhei os bomeos pocos e dignos* gue de eirtfe
presentar-vos, escolherTis reflectidos, corajosos,Tn-
dependentes, ;.mauies de seo paiz, e lereis feito
feio bqa poltica.
Delxai o goveroo a' sua missoexercei vos a
vossacomoo poder mais elevado oo exerclcio do
tes, veio ttzer pessoalmente 4 presidencia, os mem
bros da opposigo se viram forjados a retirar-se,
para que oo corresse sangue : na do Poco da Pa-
oella o Sr. Anstides Gama, ccohecido pela denomi-
nagj de padre, que tera sido o indicador alma
de todos os subdelegados que ho sido comeados
depois da orgaoisacao da liga, pralicou actos, que
se poderia dizer que a mesa eleitoral estava presi-
dida por urna meretriz da roais baixa extraceo :
as de Olioda, oo teodo votaotes os progressistas,
foram vi dadas as ornas e abarrotadas de chapas do mais sagrado dos seus nimios. Salval o paiz.
governo, e, par que isio se flzesse fcilmente, S. j _
Exc. demitio o Sr. Jpaqnim de S, subdelegado em alagoa be baixo.
O EXM. SR. CONSELHElR) SILVEIRA LOBO E AS KLEI-
- QOES PRIMARIAS.
Genipipetro nao d toronjas, dizia o fioado e
muiu nourado visconue d'Albuquerque, exprimi-
o-se, ha annjs, a respeito de um hornea que, na
corte do Imperio, veio a ser urna das grandes figu-
ras da liga ; e os fados tem mostrada que se nao
enganava em sua preciaco o illu;lre pernarobu-
oano, que era um de nossos veneraveis nudalhoct.
Consignamos isio no principio deste artigo, para
que possa ter auplicago.
Por toda parle, d'onde nos vao chegaodo noticias,
as -h-lcs lera sido fetas do mesiru modo ; e, se
em algumas freguezias conseguio venciraento a op
posi<;ao, qne sem contesUcao constilue a iramensa
msioria deta provincia, isto nao foi deyldo seoao
on a terem por si as roe-sas eleiloraes que nao re-
' pellio os votantes, ou a' energa desesperada com
que disputou o triampho.
Quem cohecia o estado de exaltagao, em qde
se arhava a populago contra a aelualidade, que
s conta em seu favor alguos atilhaios, ou fijccio-
nanos pblicos que oo >e pdem exprimir com
fraoqueza ; quem va o eothosiasmo, cora que em
todas as localidades os partidos cooservador e li-
beral se preparavam para as eleices, que o Exm.
Sr. Silveira Lobo dizia que haviam de ser feilas fi
tremente, esperava que os progressistas fthsem
completamente derrotados, porque, nao cootando
com o numero, nao dispunhara de syrapithias;
mas os meios empregados pelo governa.com cynis
mo tal que espantou, conseguiroque S. Exc. pro-
vavelinenle fara' ir a' cmara temporaria s treze
individuos, cojos Domes lhe for.-.m indicados pelo
ministerio, e se realisara' o que o Sr. S e Albu
querqoe aisse ltimamente em casa do genipapeo-o,
de que fallamos em principio, i*io que o Exm
Sr. Siveira Lobo levara ireze deputados progres
sisias; o que prova que o Sr. Catoche sabe que
fiho de gato gatinho, como diz um antigo rifo.
Aocbegar a' esta provincia o Exm. Sr. Siveira
Lob pronanciava-se ora termos taes que pareca
que S. Exc. qoeria ter om desengao, e que por
isto dizia que, se seu pailido oo livesse aqu for-
ca para vencer, elle se resignara. Mullos acredi-
taran! na sinceridade das palavras da Exm. Sr.
Siveira Lobo, principalmente alguns que o ouvi
rara fallar contra medathors, e s indicar, como re-
commendaco, o merecuneoto Individual ; mas
era todos se deixarara illudir porque erara da
opmio, do viscoode d'Albuquerque, a cujo mida-
Iho o pi de S. Exc. di-veu o lugar que nesta pro-
vincia oceupou e em que suecumbio e, se ao
principio pareca que quem se pronunciava por
tal modo devia ao menos guardar cenas apparen
cias de honestidade, e 4jr.0ce.ler decentemente, to-
dava serapre consideramos como firca diplom-
tica a que represeotava S. Exc, e nao nos engaa
mos, nomo os factos viera m provar.
Ja' estavamos habituados a ver escndalos eiei-
toraes. O Sr. Siveira de Souza, em sua malfadada
adminislrsco, tudo fez para atlrahir odios, e ac-
bou por tira e.beitj de despreso ; mas, conside
raodo-se que na orgaoisacao da liga, da qual elle
foi o executor. o partido, ",ue se dmominou pro-
soppba ter 'libertado o paiz, subjugado por ty-
rannos, se ha de recoohecer que o ageole do fina
do conselheiro Paes Barreo vio-se por vezes obri-
gado a deixar-se arrastrar, e alguns de sua inti-
midado foram teslemuohas das raivas que tioha
algumas vezes o antecessor do Sr. Sa e Alboquer-
qoe na cmara \iialicia por cansa das besitacdts
do Sr. Siveira deSoaza, que nao queria prestar-
se a'mandar fornecer dinheiro dos cafr s pblicos,
como se fez agora, para qae se consegaisse o
triumpbo eleitoral em ilguroas localidades, sendo
por isio empregada a forga e a frale.
Nao de b >je qae nao temos cooQacga no Exm
Sr. Siveira Lobo ; e nao a perdemos em conse-
quencia dos resultados eieitoraes, que iam sendo
conbecidos. Se emquanto S. Exc. fez opposigao
nao represeatou papel muilo disuado por sua ios-
trocgo o recursos oratorios, pareca qae sea co-
rago ardia em fogo de sincero pairl itisrao, e que
era esse sanio fogo que lbe escaldara o cerebro e
o levava a explosoes parlamentara ; mas seus ac-
tos.como mioistro.deatruiram a opinio qae de seu
patriotismo se iloha. Se, para ser-saum bom mints
tr, oo basta ter-se pairiolismo, todaia(maitos
esperavam qoe S. Exc, eocarregado, como'td^ si-
do ootros, de ama pasta, se mostrara eoergtr.o e.
desijteressaoo, continuando a ser o pnmeiro tibe
ral Ao imperi ; mas nao lardao qae esses, que de
b. Exc. esperavam alguma cousa, se convencessero
que raros sao os homens qoe, chegaodo a' certa
altara, nao perdem a cabfga. Fo| o que soccedeo
ao Sr. Siveira Lobo : a posigo lbe fez esquecer-se
o qae d eile se tioha direito fe exigir em vista de
sea passado, entrelaoto que S. Exc. se oo esque-
ceu de qae tinha amigas e irmos a afranjar.
Reoorlaado-oos do qae se tioha passado .em
1837, na cmara temporaria, entre o Exm. Sr. Sil-
Veira Lote e o Srt. Sa e Albaquerqmr e nwBaT-
reto, em consecuencia da deuils^o de nm dos ir-
mos de S. Etc., e vendo o prtmmro liberal do im-
perio Horneado presidite desia provincia, espera-
vamos ao menos que S. Exc nao vtria servir de
instrumento a'ce/la gente; mas seus printeiros ac-
tos na admio'siraco dos flzerara pasear por novas
deeepgdes, e nao tardou que nos coaveaeessemoa
de que o Exm. Sr. Siveira Lobo, nao obstante sua
ftce, u nao s fazendn o qn* lbe diziara o Sr. Villa
Belh, Arauj.. Barros e ouiros, sa oo prntaodo-s
ao qoe delie exiga sao ioseparavel e iotimo amigo,
-eserivio Al ves de Brilo..
Um dos primeiros actos de Exm. Sr. Siveira
Lobo foi a oomeaco do Sr. Lope Machado para
sobdeiegado de polica da freguetia d S. Jos,
a nomwacfto caosoa exp^eacio. Todos coohe-
ciam q httttnaitr da rwoUa praeira na Parahyba,
ninguem poda applaudir e*se oto : mas dito se
qpiz tornar respo-,ave| oSr. Felioio, que compro-
vinciano e aongo do Sr. Lope Maooado, e S. Exc.
deixou de ser eeasorado, como devia. A' medi-
da qoa se foi approximaodo o dia das eleigoes pri-
marias, se foi vendo partir da presidencia demis-
5es e oomaacSes, qae eram prova de qae 8. Exc.
la preparaodo o terreno, em qae a polica, apoiada
exercicio, por que ste oo coovinha em escanda
los, e o fez 00 mesmo dia, em que leve lugar a vio-
lceo das uruas : emra por toda a parte foram
postas em acgo a corrupgo, as promessas, as
ameagas, as fraudes, e ai pedio-se o auxilio do Sr.
Aolooiii Borges da Fonceca, tio de S. Exc, e do
Sr. Toom Madeira, amigo iotimo e de infaocia do
Eira. Sr. Siveira Lobo, e ura dos frequeotadores
do palacio da presidencia.
Depois de ter Intervindo da maneira mais directa,
violenta e cynica as e eiedea, S. Ec. procura jus
ti Bear s:u procodimento com moviraedos de tropa;
e, nao tendo'a de Iloha, emprega a guarda nacional,
sera considerar que despende sem netessidade o
diobeiro dos cofres pblicos e distrae homens*de
seus iraballios habituaos. Nao tendo qoe allegar, o
Exm. Sr. Siveira Lobo se propoe a fazer crer ao
goveroo que urna graode revuluco eslava prepa-
rada pela opposigao, e que fot elle qu*, com esse
apparato bellico, ooosegulo embaragar-lbe o rompi-
mento, sendo por isto que tem posto em movimen-
lo essa forga arraida ; e nao do vida w s que tsto
fosse suggeridu ao Exm. Sr. Siveira Lobo pelo in-i
ventivo Sr. Araujo Barros, e qae o governo jmr
rial lhe mande algum titulo ou coodecoragao era'
recompeosa de to assigoalado e relevante servico;
apezar de qae S. Exc. desyreza essas cousas, e nao
quer fazer parte dos medalhoes, denominago que
elle emprega para designar certas pessoas presti-
mos ^ e ja vauujosameotc conhecidas no imperio,
e que repele com voz estridente sea intimo amigo.
o esenvo Al ves de Brilo, principalmente depois de
ja otar.
E dizara os admiradores do Exm. Sr. SiWelra
Lobo que este venceu as eleigoes I Venceu, nao :
elfe as raandou fazer, erapregindo para isto lodos
os meios reprovados. meios que repelle todo o ho-
rnera que se esiiraa procura cooservar sem min-
cha sai repulaco.
Pobre pruvioia I A que teas sido redazida I
qualquer-ente sem importancia vamaeorrag-.r te, e
tu o soffres com paciencia Qae feito de teus
brios ? Opprobio sobre ti, qjje deixas qae ras-
gera ou ojdoera as paginas gloriosas de tua his-
toria. Xa cmara temporaria cada urna de toas ir-
mas tera quem as defeoda o faga patete seus sof-
frimeotos, eotretanto que lo, que podias, se o qoi-
zesses, repellir ou cooter esses aveoiureiros que te
fazem suffrer; s all ters filhos degeoerados,
que exaltaro o precedmeoto daqublle que bumi
lboa-le I ,
SALVAl o PAIZ.
O ultimo baluarte da opposigao, a freguezia de
S. Jos cabio houtem aos golpes da s nba do go-
veroo.
Ahi a lula foi renhida, o cidadao mostrou-se na
altura da sua diguidade, e ostentou-se na attilude
severa do bom direito contra a compresso gover-
oameotal.
A opposigao perdeu, o goveroo trlumphou, mas,
essa derrota e e.-se triumpho esio ca razo in-
versa,a derrota o inumpbo, e o triampho a
derrota.
a freguezia de S. Jos cahio assoberbada pela
forga, pela pulida, pea corrupgo, mas cahio dig-
namente envolla na sua bandeira.
A derrota eonobreceu-a : a paz publica nao foi
alterada, o o pleito orreu enrgico, aturado, alto,
vigoroso, sem que o sangue fosse derramado.
Honra a' opposigao.
O vencido esta' satisfeito. O povo qae bootem
resista a bayoneta dos soldados de Ipojuca, dorrae
hoje mais iraoquillo do que o vencedor ; este ven-
cendo perdeu em bro, em boora, em digniiade,
muito mais do qae gaohoa.
mesiico, e as soas pacificas occopages o votante'
rude de S. Jj^ esta' mais tranquillo em sua coos-
ciencia do qae o vencedor, arrojando na balanga a
espada de Brenno.
Temos noticia dessa freguezia, na qual os con-
servadores venceram as eleigoes.
No dia 3 foi organisada a mesa parochial pelo
l-jui?. de paz; mas no dia 4, nem elle, Dera ne-
nbum dos mesarios voltio a* matriz, aasentaodose
todos da povoago, onde deixaram dito ter o Exra;
Sr. presidente da provincia adiado a eleigo. A'
vista deste abandono", fot charaado ura juiz de paz
do di-t icio vi-inho, e reorganisada a raesa, prose
guio a eleigo com toda a regularidade.
Passaios dez das, dizia-se em Pesqueira >jue al
se achara ura Carlos de tal, em casa do professor
Valeriano, fazendo actas de urna eleigo falsa.
Nao stbemos que fundamento tem este boato
roas o qoe ceno que a mesa parochin nao ap-
parecea mais na povoacio, oem am lugar algum,
ngindo proceder a' oulra eleig.
FUEGUEXIA DE CIMBRBS.
O partido conservador abaodonou a eleigo
Contra urna mesa unnime e urna: polica deseo-
freiada, a' qual dra o Exm. Sr. presidente da pro
va mil cartuxos e 25 armas a Mem, era diffl,ci
veocer pelos meios pacifico?, se cootasse a opposi-
gao com araa qualificago regular, quaolo roais
oo teodo n'ella nem ao meoo. 50 cidados alis-'
lados I -
Maioria recooherida na freguesa, o partido eco
servador achou-se em condiges de nio poder plei-
tear a eleigo, pelo defeito da ,'ialilicag.io, que es-
tiva muito diversa da que foi publicada na igreja.
Aim disto, a polica empregava esforgos Inauditos
para reunir e armar eapangas.
Uina lula funesta de era ser o resoltado de tal
eleigo, e, portaoto* fiis aos principios de ordem.
eoteoderam os conservadores absler se do pleito;
[!>;>', quando isto lioham resolvido, appareceu roe-
diago de paz, tanto era o receto da polica, per-
feitameole assombrada com o pronunciamento da
populago. Para quem quena a paz, e ja bavja
resolvido o abandono, toda a proposla era gaoho, e
assim foram dados aos conservadores os supplen
tes e um eleitor.
N|p obuaote este aecrdo, t gente da polica es-
teva assostada durarte todo o primeiro da da elei-
clo, suppondo surgir-lhe a cada caoto o capilo
Bud, com os seus volantes. Era tal o susto, que
a um rebate falso aodou todo a's carreiras, inclu-
sive o coramandaote superior Brilo, qae chegou a
errar a casa de sua asistencia, entrando em uulra*
00 Je se trancou at 6 horas da tarde.
^l-Wai > *!!>!
Publicares a pedido
Candidato a assembla geral.
Amigos do Sr Ur. sabino O egario Ladgero Pi-
nho propoera-se a solicitar do corpo eleitoral d'este
primeiro distrido a honra de eieva-lo acamara dos
seohores deputados.
Fazemos votos para qae tal eleig) se verifique,
pois que, apreciadores do ment do ovsllncto candi
dato, oo temos a menor duvida de ser elle am dos
mais estrenuos defensores dos direito e loteresses
da provincia.

A promessa qae fez o governo de abstngaoslo
pleito eleitoralde deixar maoifeslar-se li remente
a opioio leve um digno interprete oa polica d'a-
quella freguezia.
A djuirioa da liberdade do voto recebeu saoc-
gao legitima, oo'modo por que se comporton o go-
veroo maoieodo-a com sevendade.
O goveroo tera' os deputados da sua opinio,
pela mamfestacao Irvre da opinio da provincia ;
e esse triumpho o mais bello de todos nos gover-
nos representativos.
E' assim que se exprimir' certameole o presi-
dente quaodo sentada em sua poltrona de deputa-
do eleito por Minas livor a' seu lado ou em friste
a si o Sr. Saldaoba Mariano eleito deputado por
esla proviocia oo dominio do Exm. Sr. Siveira
Loboao passo que esta o. sera' por aquella no
dominio do Sr. Saida,uaa Mariobo.
E al de quem enxergar Disto braganha, porque
to legitima, a iuflueocia e to prestigioso o come
do Sr. Saldaoaa ne^te primeiro di>trrcto, cotau e o
do Exm. Sr. Siveira Lobo no de Minas.
Que culpa tero disto esses dis.inctos cidado,
qoe apostlos da liberdade do voto, anda em pre
juizo das suas respectivas candidaturas manliveram
rgidos tac sa doatrioa liberal T
Honny soit fui mal y pense.
Esla' vencido o primeiro dislricto e nao coope-
ren oouCo para isio o engodo cora qoe por amor da
verdade do systema representativo se promeltea
ampia liberdade de volar.
E*ta' vencido o primeiro distrido, e-ni) coope-
roo poaeo para, isla a aingelexa e ingeooidade
cora que fc oppo.igo acrediloa na fallaz pro-
messa. *
Esta' vencido o primeiro distrido e nao coope*
rou pouco para Isto a mentira impudente a par da
araeaga bruUI do recruUmento, e da deaignacSo
para os contingentes de guerra.
E lodos terao aorta iovejaveluns rerotreadoi
em suas cadeiras de deputado, visando a farda mi-
nisterial ; oalros contentes com a ebuva de ouro
qae lbe cabio das verbas recruiamonto e volun-
tarios -e ouiroa finalmente oanos por terem sos-
ten lado os seus emprego, oa alean jad o 03 qae
desejavam.
Aos da opposigao tambera cabera' largo qui-
nho ; a uns a gloria de defenderem o sea paiz nos I
Esteros do Paraguay, levando qaelle povo a nossa
O oleo d> ligado de bacalho ferruginoso
de Cbevrier, pharmaceutico em Pars, subs-
titue se 1 om muita vantagem as pillas e ao
xarope de iodureto de ferro mais fcil de
holerar-se para as pessoas delicadas asseme-
Voindo ao lar do-^ Jba-se muito mais bem e no provoca a cons
. par;5o.
Deposito em Pernambuco, casa deP.Ma-
rer C, ra Nova n. 18.
O oleo de ligado de ba :alhio desinfectado
de Cnevrier, conserva as qualidades e pro-
prir-dadt s recoQhecidas ao oleo de figado de
bacalho ordinario; o seu ebeiro gosto
sao muito agrada veis, e a digestSo faz-se f-
cilmente.
Deposito em Pernambuco, casa de P. Mau-
rer A C, roa Nova 0. 18.
m
COMMERCIO.
PRAGA DO REG1FE 20 OS FEVEREIRO
DE 1867.
& As 3X"buras da tarde.
(Houterri)
Algodo 1* sorteliiliOO por arroba.
Descont de leltras de $ mezes 9*/, ao amo.
Cambio sobre- Londres 90 div z e 2*X d. por
l#00.
Siveira*
Presidente,
Macado,
Secretarle.
NOVO BANCO DE PERVAM UCO
O novo banco descoma letras de praso ate qua-
tro mezes a 10 OjO ae auno, e de maior praso at
seis mezes ISOfO
IMOYO B4\C B PER-
N4HBUG0.
0 novo banco paga ose-
gundo dividendo de 4^4 OjO
da massa fallida deJoaqnim
Jos Siveira.
Descarregam hoje 20 de fevereiro.
Brigue nglez4/ai//5efdmercaduras.
Barca ingleza-/l(i/p/ioimera.
Brigue logiezSelina laeidem.
Lugar logiez-Brilhant-idera.
Barca oamburgueaRicardo farioha de trigo.
Brigue Idglez- Hugk Block farinha de trigo.
Brigue nglezJames PaUcho ioglezCornucopia -bacalho.
Brigue laglezA/bWwidera.
Brigue nacional Infeliz -mercadonas.
Bngne bespinbolNuevo Fi'jilane-Vinbos.
Brigue ioglezPora -doi mentes.
Brigue ioglezCaufoo-caro
Barca itglezaWi/famdem.
B rea ioglezaDoom idem.
Barca sueca Avekearvao.
Brigue bollandezOrion -i do m.
Briyue nacionalE>peranca charque.
Barca nacionalHo/ma -dem.
Brigue nacionalAurelianodem.
Patacho holstenseMana EUzabelh ilera.
Polaca he-panholaWorMi idera.
Escuna hollandzaDe Vredecharque.
Escuna austracaSuperbedem.
Escuna austrlaca-fWfn-idam.
Importa^o.
Brigue hespanhol Stuvo Vigilante, entrado de
Barcelona, consigoido ao capile, o.aoifest' u o se-
goiote :
320 pipas, 260 barris de quinto e 280 ditos de
dcimo viuho noto, 15 quarloltas dito braoco, 300
canas de passas cora 16 libras cada urna e 600
com ditas de 8 libra* cada urna ; ao mesmo.
Vapor nacional Ipojuca, entrado des portos do
norte ; maoifestou o segrate:
Do Aracaty.
230 saceos eom 1,114 arrobas o 18 libras de
algodo ; a Prente Vianoa & C.
44 Jilos, 198 lilas e 26 ditas de algodo ; a Vi-
anna & Guiraaraes.
47 ditos, 219 ditas e 19 ditas de algodo; a Jos
Lopes Davin.
13 ditas, 71 ditas e 12 ditas de algodo ; a Go-
mes de Mallos & Iniiao.'
24 ditosj 97 di os e 3 libras de algodo ; a Jos
de Sa Leliao.
8 ditos, 24 ditas e 9 ditas, de algodo ; a. L. A.
Siqaeira.
43 molbos 450 esleirs de palba ; a Antonio
Jos Dantas.
34 ditos, 680 ditas de palha ; a Lioo de Faria
&G.
Do Geara*.
I pacjle e 1 caiza cora cjrtes de cambraa de
la e algodo, 1 dita chapos de sol, 2 ditas agoa
de colonia, 15 teroos barricas abatidas e 5 feises
arcos para as mesmas ; a ordem.
Do Acarac.
6,404 meios de sola; a ordem.
2,36 J aitos ditos; a Marques Barros Si C-
340 ditos ditos; a l. A- Siqueira.
1,628 ditos ditos ; a Joo Jos de CarvalhO Mo-
raes & Irmo.
280 ditos dito; a Antouio GooQalves de Aze-
vedo.
790 ditos dito ; a Luiz Gooi}alves da Silva
A C.
.? 1,830 ditos dito, 49 magos ouros miodos, 13
ltluidos e 36 saccas algooao ; a Jos da Sa' Lei-
lo Jnior.
De Macaa.
73 saccas, 326 arrobas e 2 libras de algodo ; a
A. Amorim & C.
60 ditos, 287 ditas e 14 ditas de dito ; a Jos A.
da Siva Braga.
32 ditos 137 ditas e 14 ditas de dito, 16 ditos
de cera de carnauba, 33 molhos com 330 coun
possa, os artigo das posturas municipaes de 12 de
fevereiro de 1863 que prohiben) o enirudo,
Art. 1. Pica prohibido oeste municipio o bro-
queda de enirudo coaa agua; por qualqm-r maneira
que m empregue ; os infractores pagarao a molla
de 154 e oiio das de prisio.
Ari. 2. Fica prohibida a venda de limas de ebei-
ro ; os iofraclores, alera de as perderem, pagarao
4# de mulla. Igualmente manda o mesmo Sr. Dr.
chele de polica, publicar as seguiotes divposicoes
do regulameolo policial de 2 de fevereiro de 1855,
com relacao aos iotretenimeotos do carnaval:
Os mascaras nao pjdera osar de carcter allusl
vos a religio ou pessoas designada?.
Os escravos, oo podem nsr de mascaras.
As armas dos mascaras, sero de papelo oo de
madeira frgil.
Os mascars por occasiao do caroaval s podem
traositar pelas roas at 8 horas da uoite.
Nao se permilte fazer perguntas ou travar con-
versales com os raa-c>ras qoe nao sejam decen-
tes.; assim como procurar descubrir o segredo do
maaeara.
Sero ponidos os mascaras que praticarem actos
indeiahies, oo provocarem rixas.
Secretaria da polica de Pernambuco, 18 de fe-
vereiro de 1867.Eduardo de Barros Falcao de
Lacerda.
nhos ; a Tasso Irmos.
12 ditos 40 dias de carnauba ; a Belmiro B. de
Souza.
30 ditos. 179 ditas e 22 ditas de algodo ; a M.
Riblro de Pai va.
120 ditos 564 ditas e 18 ditas de algodo ; a or-
dem.
Hiate nacional dara Amelia eatrado do Araca-
ty consignado-; a Parele vianna & C maoifestou
o seguate :
103 saccas, 47 arrobas e 20 libras de algodo,
a Ojtnes de Mallos Irmos.
4 ditas, 17 ditas e 4 ditas de dito ; a Jos dos
Santos Neves.
91 meios de sola, 19 molhos, 380 pelles dg ca-_
bra, 172 saceos, 725 arrobas e 20 libras de algo-
do ; a Pareot Viaona & C
4 ditos 17 ditas e 4 ditas de dito ; a ordem.
xpartactf.
Do di i 16.
Barca argntica Presidente Mitre, carregoa para
Valparalzo :
4,600 saccas, 23,000 arrobas de assncar brao-
co.
Sumaca brasileira Pelotence, carregoa para o
Rio-Grande do Sol:
630 Barricas 270 saceos, 5,696 arrobas e 29
libras de assncar braacor 50 ditas 440 arrobas e
27 libras de dito mascavado.
18
Barca hollandeza-^wietOTance carregou para o
Rio da Prala:
920 barricas, 6,541 arrobas, 19 libras assucar
mascavado, 240 ditas 1,994 dlus, 16 ditas de as-
sucar mascavado, 230 chscos, 26,800 medidas de
aguarden!, 8 cascos 3,720 medidas de mel, 71
voluraes e 376 arrobas de gomma.
REGEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS
GERAKS.
Rendimento do dia la 19......... 15:1704681
dem do dia 20............... 3684784
16:0394463
MOVIMEiVTO DO PORTO
JVacio entrado no dta 20.
Rio Grande do Sal29 das, estuna prussl na
mmanuel, de 102 toneladas, capilo F. Mar
pao, eqoipagem 6, carga 8140 (S de carne; a
'fk Espirito-Sauto.
iVawo sahtdo no mrsmo da.
ParahybaGalera fiaoceza Adete, capilo Ribes,
carga lastro de a'ssucar e a'godo.
Liverp ol Vapor ioglez ulinda, capilo Balley,
carga algodo.
Rio da PrataPatacho hollandez Kenderich Huir-
man, capito K. P. Rafearan, carga assucar.
Observaces.
Sabio e uodeou oo lamaro n ra acabar de
carregar a galera brasileira Mtndello.
Sospendea do lamaro para Macei o patacho
oglez Spray, capito M-iuh Melhuish, com a mes-
ma carga que tronxe de Terra Nova.
-lu m
EDITAES.
Faculdxde de direito
De ordem do Etm Sr. director faco publico qae
esto abenas as aulas do corso preparatorio, sen-
do este servico regulado pela forma segrate : la
tira das 8 as 10 ; francez das II as 12; ioglez das
9 as 10; philosophia das 8a 9 : rbetorica das9
as 10: geometra das 8 as y; e geograpbla das 9
as 10. As matriculas de scleoslas estaro abortas
at o da 1* de abril, e os que as pretenderen de-
voran requerer ao Etm. Sr. director, juntando do-
cumento em qoe provem ter aprendido lalirae
francez, se a nJaincola for de philosophia oa rhe-
laTica, e francs somente se a matncola for de
geograpbia. As matriculas de lioguas podem fr
logar independeote da requenmeuto al o da 36
de julbo.
Secretaria da ficuldade de direito do Recife 31
de fevereiro de 1867..
Jos Honorio Bezerra de Menezes
.______Secretarla. '________
^De ordem do Illm. Sr. Inspector se fas pu-
blico que, fie a transferida para o dia 21 do Corren-
te a ama bra da tarde, a venda em hasta publica
da caixa n. 276 da marca I A S', comeado cxolvntes
ordinarios com cabo de pao, avahados a 14000 a
dutia, e abandonados aos dtreltos por Domingos A.
Matbens, coja venda nao se effeciuou boje por falta
de licitantes.
Alfandega de Pernambuco 19 de fevereiro
1867.
O terceiro e-cripturario
Eotycbio MoDdin Pestaa.
O Dr. Tristo de Aleocar Araripe, offlcial ca mpe
rial ordem da Rosa e Juiz esoecial do commercie,
n'esta cidade do Recifi de Pernambuco por sua
magestade imperial, etc.
Faco saber aos que o prsenle edita! virera e
d'elle onticia tiverem, que por parte de Domingo-
Jos da Silva me foi dirigida a petico do.theor se
guite :
Illm. Sr. Dr. juiz do coraraercio.-Domingos Jos
da Silva sendo lhe devndcr Benedicto Marques da
Silva da quaotia de 4584180 reis, e (uros prove-
nieote de orna letra aceita pelo supplicado, e oo
paga oo veocimeoto, quer cita-lo para na primeira
deste jui'.o ver pn pir-se-lhe a competente acgo
deceodial, para no decendio pagar, ou allegar o
que tlver em sea favor, e como o supplieado esteja
ansente em lugar nao sabido, re-juer a V. S sirva
se admiiti-lo a justificar a ausencia attm de ser pa-
ra tal fim citado por editos : assim pede a V. S.
slrva-se marcar dia e hora para t aflra de proceder-se depois ciaco para o Ora re-
querido e mais termos da aeco at Qoal execucao
e recebera oien AIvogado, Vianna.
Na qoal dei o despacho do theor segniote :
Sim.josiiflqaeamanhi- a- 11 h. ra do da.-Re
cife 11 de feveasiro de 1867.Aleocar Araripe-
Era virtud-' rro qual fra mesma petigo destri-
buida ao eserivo deste jnizo Mauoel Mara Rodri-
gues do Nascjraenlo.
E teodo b supplicaote prouzido suas leslemu-
nhas, sellados e preparados os autos subiram a mi-
nha concluso e nelles dei a seoleoca do Iheor se-
gointe:
Hei por provada a auseocia do supplieado qoe
mando s-ja citado por edilos de 30 dias para o tim
requerido, pagas as cusas ex-caosa.
Recite 13 de fsvereiro de 1867.Tristo de Aleo-
car Araripe
Por forca da qual o escrivo fez passar o preseole
ediial pelo qual chamo cito e hei por intimado o di-
to supplieado para qoo compareca oeste juizo den-
tro do dito prazo, aSm de allegar o que for do us-
tica.
i', para qai cheque ao conhecimente de lodos
maodei passar o preseote que sera publicado pela
imprensa e afixado no logar, do costume,
Recife 18 d fevereiro de 1867.
Eu Secnndiuo Elioloro da Cuoba, escrevente ju-
ramentado o escrevi.
Eu Manoel Mana Rodrigues do Nascimeolo, es-
crivo o subscrevi.
Tristo de Aleoear Araripe.
O Dr. Trtiod AleocarAranpe, offlcial da impe-
rial ordem da Ros, juiz de direito especial do
commercio desta cidade do Recife de Pernsm-
buco e seo lerrao, por S. M. imperial e consti-
tucional o Sr. D. Pedro U, a quem Deus guarde,
etc.
Faco saber peio prseme, qne D. Josepha Justina
de Jess Goncalves, por seu procurador, nn dirigi
a i etica j segrate" :
Illm. Sr. Dr. Juiz do commercio. Diz *D. Jose-
pha Justina de Jess Goncaives, viuva de Manoel
Antonio Goncalves, e administradora do seo casal,
que sendo a' esle devedor da quantia 4034682 re.,
Procopio Epaminondas de Oliveira Brederodes, im-
portancia de urna-letra tnercmlil saccada em 14
de dezerabro de 1861, ao praso de 2 mezes; e por
que o supplicaole oo leona pago at aoje dita le-
tra e esteja a acabar-se o termo fatal para a pres
cnpco, quer a supplicaole para resalvo do seu
dirgito, aOra de que fique inlerrotipida a presenp-
'cao, .interpOr o respectivo pruiesio, eintima-lo ao
supplieado para sua sciencla, requer a V. S. se dig-
ne mandar tomar po.- termo o seu protesto; e por
qae o supplieado ausente, e estoja em lugar iu
certo e que se nao sabe, quer a supplicanle justi-
ficar a sua ausencia para julga-lo por senienca se
faca por carta ediial a inlimaco requerida na for-
ma dj exposio.
Pede a V. S. diferimento, espera receber merc.
O procurador Antonio Pinto de Barros.
E nesta petico dei o despacbi seguinie : Siro,
justificando no da 12 do correute mez, as 11 horas
da raanna. Recife 8 de fevereiro de 1847.-Alen-
car Araripe.
E sendo feta a destribuicao ao escrivo deste
juizo Manoel de Garvilho Paes de Andrade, este
em vlrtude de dito despacho, lavrou o termo de
protesto si-guiote :
Protesto, aos 8 de fevereiro de 1867, em meo
cartoro compareceu a supplicaole por seu procu-
rador o solicitador Antonio Pinto de Barros, que
peraole mim e as tecterauulias iofra assignadas,
disse, que nos termos de soa petico retro, aue ri-
ca sendo parte do presente protesiava por todo o
seuconteudo; e de como assim disse e protestou,
Qz este termo oo qual se assignou eom as teslemu-
ohas. Ej Manoel Silvioo de Barros Falcao, es-
criv interino o escreviAntonio Pinto de Barros,
Viceute Ferreira da Silva, Jos Jacintho da Silva.
- Depois do que, produsindo a suppiicante as suas
testeiiiunhas que depuzerara convenientemente a-
cerca da ausencia do supplieado, o respectivo es-
crivo fazeodo sellar e preparar os autos me os
fez conclusos, e nos quaes del a seoienga do lheor
seguinte :_ Hei per justificada a ausencia, e man-
do, que a ciaco se fjga nos termos requeridos a
folhas duas, pagas as ru-ias ex causa. Recife 14
de fevereiro de 1867. Tristo de Aleocar Araripe.
E por forga de dita seuteoca o respectivo escrivo,
que este subscrevera Qz passar o presente ediial
cum o praso de 30 das, pelo qual e seu iheor cha-
mo, cito e hei por citado ao referido :upplicado
para que dentro do dito praso, comparega aute este
juizo por si on seu procurador, aegando e pro-
vando o que for a bem do sea oireifo e justica, sob
pena de revelia. E para que o supplkadu nao fi-
que indefeso, toda 6 qualquer pessoa parete, ami-
go, ou coobecido, que do presente iiver noticia,
poder-lbe-ba fazer sciente de todo o expendido.
E para que cli-gue ao coohecimento de todos.
raaodel fazer o preseole ediial, que sera' aullado
oos lagares do co.iume e publicados pela ira-
prensa.
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
nambuco, aos 18 de fevereiro de 1867 Eu Manoel
de Garvalbo Paes de Andrade, escrivo o subs-
crevi.
Tristo de Aleocar Araripe.
F.;cii'dad de Dimt-J
De crdem do Eira. Sr. director faco publico qoe
podera' ser effcluado o pa-
sea pa Telina :
Pedro Carlos de Alcntara, otu -de BeraaiUo de
tal, em pregado oo cemHerto publ(*> j
Maximiliano de L'ma Ribero, aQlludo do ur. os
Qniotloo de Castro LeSo;
Francisco Severmo Barreto;
Vctor Constantino de Mello, fllho de Eulalia Fraa-
cisca Ferreira, moradora a' roa da Seazatla-
oova.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife, 14 de fevereiro de 1867.
eserivo,
Pedro Rodrigues de Sbuza.
Santa Casa da Misericordia
do Recife,
A Illma. ionla administrativa da San Casa Misericordia do Recife mana fazer puheo tpa*
no dia 13 do crreme pelas 4 hoas da tarde na ^*^a
desuas sessoes. tem de ir a praca,a renda das ca-
sas abaixo mencionadas para serem arretaalaet;
por alague! pelo lempo de uro a.tres annos.
Os preiendentes deveo apresentar carta d Bas
ca oa serem acqjnpanhados de seus fiadores ec
com cartas dos mesmoes.
Eslaueleeimetito te earidade.
Roa dos Pescadores.
Gasa terrea a. 11.......2I6*W
Roa da Gloria.
Casa terrea n. 55.......l*44*0
Ra da Imperalriz.
Casa terrea o. 68 ....... 301
Ra do Padre Floriano.
Casa terrea o. 17 j.....154500
Ra da Lapa.
Sobrado de um andar n. 8.....12OJH00
iV.triinMito de rphao*.
Ra da Cadeia do Recife.
Sobrado n. 63........2:1=004000
Ra dos Burgos.
Casa terrea n. 19 h.......14000
Ra de Pilar.
Casa terrea n.94. .....16MWO
Sitio do FornodaCal o. 5. 1804030
Secretaria da Saota Casa da Misericordia de
Recife 6 de fevereiro de 1836.
O escrivo,
Pedro Rodrigues de Soma-

Santa Casa de Misericordia do Recife.
Pela secretarla da Saota Casa de Misericordia
do Recife se convida as .pessoas abano dectorarta
para que venham requerer a retirada do ceUegi
das orphas, das educandas tambera adiaste neo-
cionadas, as quaes mosirardo pouco dse jo de coo-
linuar oo collegio, a Illma. junta administrativa,
deliberou que fossero entregues a seus parele
oo pessoas que por ellas se ioteress.m, sa eoafor-
midade do art. 48 3o, e do art. 50o\>rrgts-
mento daqoelle estabeleclmeoto :
AlexaodrlDa das Virgeos, lba de Aooa Joaquina
Soares de Meodouca, moradora na CapoBaa ;
Niomisia de Lona Ci.ta, irma de Manoel- d Loca
Costa, morador a' rna da Crin.
Emilia Pereira, Riba de Mara Henrlquera Preira
dos Santos Castro, moradora na Soledade ;
Samaritana, Alba de Rosa Clandma ;
Leocadia Mara da Craceico, filna de Kara Leo-
cadia, ja fallecida ;
Josepha de Araorim, lillia de Mauoel de Aroof:;a
e de Mara Rosa da Conceigo, ja fallecido;
Idalioa Magallies, liilia de Mara Magalaaes, j
fallecida;
Francisca Izidra ;
Quiteria dos Prazeres;
Isabel da Luz ;
Carolina de Brito, sobriuha de Pauiu Raaeite
Soares.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife, li de fevereiro de 1867.
O escrivo,
_________Pedro Kodrgaes de Sooza.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria de 2a-
zenda da proviucia de Pernambuco manda gaier
publico que a veuda das apolices do Ihesoore >:
que esl encam-gada a thesouraria contra a a fa-
zer-se a noventa por cento.
Secretaria da thesour. a de Pernambaco 1% de
fevereiro de 1867.
Serviodo de offlcial maior
Maooel Jos Piolo.
cokfio mu
Retaceo iia cartas seguras eiisienlcs
na r-d>ins'.r;!cao do correii de&ta
cidade para us seahores a bailo de-
c'aratios:
Aotouio Don^rogos Marques Ramos & d, ltx>
de Vera-Cruz, ij.hr el Soares Raposo da Cmara
Joo Baptista Ramos, teoente J-.au Baplista de Soc-
za, Dr. Jos Beoto da Cuoba Figueiredo Juoi...
Jos Ferreira Colmara, Dr. Luiz Emigdio Rodriga .-
Vi. una, Maiia da Costa Ayres, Manoel Pe rer a
Guerra, Umbelino & Irmo.
AVISOS MARTIMOS

desta data em diaaie
gamento da laxa correspendenle a matricula da
abonara.
Secretarla da Faculdade de Direito do Recle,
20 de fevereiro de 1867.
O secretario,
Jos Honorio B. de Meoezes.
B
W*
EECUBACOIS.
Santa Gasa da Hisme-iNia d Keeife.
Tendo de fledar-se em 30 de junbo do correte
anno o arreoda.mento do sitio da lina do Nogaeira,
propriedade da Saota Casa de Misericordia, a
Illma. junta administrativa manda fazer publico a
qaem convier, para que com antecedencia o vo
examinar, afim de apresentarem soas propostas
que serlo receidas nesta secretaria, onde se da
rao todos os esclarecimentos precisos aos interes-
sados.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife, 17 de Janeiro da 1867.
O escrivib,
' _______Pedro Rort- igues de Souza.
Saata Casa de Misericordia do Recife.
Pela secretaria da Santa Casa de Misericordia
de' do Recife se convida as pessoas abaixo declaradas
! para qoe veaham requerer a retirada do collegio
, des orphaos, dos edacaodos constantes da relagao
' abaixo publicada, os qaaes, tendo attiogldo a Idade
Real corupanhia de puf veles io&feies-
a vapor.,
A Real companhia de Paquetos inglezes a Vaat-r,.
tendo era vista cfferecer superiores comaMdtte o
crescido aum ro de pa>sageiros que affiuiroa vi-
sitar a exposico internacional de Pars, prntrnOt-
expedir de Southarauton, para tal flm, o seo xaac-
ii'iic vapor Shannon, de 3472 toneladas e furp r-
800 cavados, em lugar de alguos dos vapor**.
usuaes.
O Shannon, chegar a este peno, viodo da Ear~
pa, al o dta '28 do correte, e de volta do ssl at
o da 17 do mez prximo. ,
Este bello vapor comporta am avallado aaaaerc-
de passageiros, aos quaes, quer por suas vastas
dimeosSes, quer pela sua loelagem, foreja ele.
proporciona o mais desejavel bem estar e a4an
segnraoea.
s pessoas que nelle pretenderem segnir eeamtfa.
a companhia a inscreverem seus nomes na agra-
cia, roa do Trapiche Novo n. 40; sendo que serao
servidas na ordem em qae o lizerem. Por ser Ot
anal go nteres-e, faz el la constar que a compaatna.
Real de Caminbos de ferro de Portugal esia prests
a ultimar orna pjawencao. com as compaobas O
vas frreas eotHKisboa e Pars, mediaote a qosl,
por mdicos presos, baver treos dreeto de ink.
a outra capital.
N. B. Os passageiros dos vapores da Rea.
companhia sero Isentos dequarentena.
iba de Femando.
Segoe por estes diias o bate Sergtpano, qoa s-r
eba forrado de cobre novo e concertado eoaa se-
guranza : quem anizer carregar tirando portari
da presidencia, eo:enda-se com o mestre a ferdo
oo cora Joo Fraoclseo de Souza, na roa da Gas;
n. 9. venda.
tmSm bhasileuu
DE
PAQUETES A VAPOR
Dos portos do sul esperado-
al o dia 22 do correle o vasar
Cruzeiro do Sul, commaodaate-
Aicoforado, o qual depois da de-
mora du costume seguir' par e
portos do norte.
Recebem-sa desde j passageiros o eogaja-e
carga qae o vapor poder cooduzr a qual devara'
ser em jareada oo da de sua ebegada; eacaas
mendas e dinheiro a frete al o da da sabida as-
2|boriS. Prvine-se aos Srs. passageiros qo* sajas-
passageas s sao recebidas nesta agencia ra* da>
Cruz n. 1, escriptono de Aatooio Luiz de Olirtdr,
Azevedo & C._____________________
Passageiros para LiverKXff.
A barca americana Aiidie Decker, tea b**
oommodos, para passageiros de primeira elaasa _
quem pretender queira dirigir-e aos consignata-
rios Henry, Forster & C-, roa do Trapiche a. &.
_ Para Liaba
obem coobecido brigue porloguez Mtunptg afa-
tande sabir com presioza, para o que teta a> eaaaar
parte de ana carga propa u qaem no m imt-
qoirer carregar oa ir de passagem, eoteadaa>
envj os consigoauros Tbomax de Aquioo rrmnmi
dt|c., na roa do Vicario a. 19.

i

'
1
J
a
ra
*.
- -.

a


**~*
"V
MpaMm^
Diarlo de Pernafu!>uc<> Quinfa felra tf de Fererefro de 1667.



COMPiMIU BIUSILEilU
Paquetes a vapor
Dos porto do nono esperado
al o dia 27 de fevereiro o vapor
Paran, commaodame Santa Bar
tara, o qual depiis da iJenura do
costurae seguir' para os portos
Ni
Desde ja' recbense passageiros e eogaja-se a
arga que o vapor poder co?duzir, a qual devo-
ra* ser embarcada no da de su chegada; e en-
eewaeadis e dinheiro a frete at o dia da sabida
as S horas: agencia roa da Crui o. I.escripio-
Tiode Antonio Loi* de Oliveira Aievedo & C.
C0MPA?H1A PERNAMBLANA "*""
DE
. I*veg*$i cosleira
Fernn o de Noronha.
No da 7 de margo as i i horas
da manha seguir' para o pre-
sidio de Fernando am dos vapo-
res da companbla. Recebe carga
al o da 6. Eacoramendas, pas-
agetros e dioneiro a frete al as 10 horas da ma-
neas 4o dia da sahida: escriptorio no Forte do
Matos a. t. -
por vapor.
S porta? grandes (10 l|2f>aimo? da largura ca-
da uma.}
1 dita pequea pintada de verde.
1 diu maior com irade.
i dita larga de branco com grade.
1 dita meo33 larga de branvo com grale.
1 dita menos larga de braaco cora grade.
i grade para porta.
i grande porta de correr cora 4 bandas que ca-
da urna d mu portao.
1 grade de roadeira envidracada.
2 caizilhos granJes de geiosia cora bandeiras
('era oso.)
9 ditos menores de geiosia com ban'airas (sem
uso.)
69 tijolos de marmore j servidos.
1 Porfi de pedra de cantarla e oatros mais ob-
jectos que ceaveoha venderacn -se.
C ."" s
so meio dia em ponto, na referida casa a&Iargo
' da roa do Trapiche.
PARA 0 ARAOATY
Segu a seguate semana o palhabote Emiha ;
para carga e passageiros : trata-** com Jos S
Leiio Jamor, a ra da Madred* Deas.
COIPIMIII, PRNAMBUCANA
DE
Savega$o castira por vapor.
PASA
Parahyba, Natal, Maco, Aracaty, Cear e
Acaracu'
No da 26 do correte as 5
horas da tarde, seguir' para os
portos cima Indicados o vapor
Ipojuca, commaodante Martins.
Recebe carga at o dia 23. En-
Humeadas, passageiros e dmheiro a frete at as
3 horas da tarde do dia da sabida : escriptorio no
Fort do Hatos o. I.
mi
Qa na-IVira 21 de fevereiro as i\
horas. -
Pelo agente Euzebio.
De biu loj i com fizea las na roa do
Caes do Passeio 'oblico n. 8.
Por maodado do litio. Sr. Dr joiz especial do
commercio a roquenmeoto do depositario da mas-
sa fallida de Amaro Goocalves dos Santos se vea-
der em leilo a armado e faiendas, grande por-
co de roupa feita coudas na ioja n. 8 na roa do
Caes do Passeio Publico, o Inventario se acha em
poder do referido agente, os preiendeote podem
laotecipar o exame. e assim effectuara venda.e em
seguida ir a casa terrea o. 40 da ruada Concelco
fregaecia da Boa Vi: l <, tem urna port e doas ja-
nellas, 4 quartos. costoha fora, quintal bastante
grande, com arvoredos e poco com boa agua.
Corre depois d'araanha
Acliam-se venda na respectiva ibeson-
raria, ra do Crespo- n. 15, os bilbetes,
meios e quartos da 33a parte da lotera a
beneficio das familias dos voluntarios da
patria (7a) sendo a extracto no lagar e ho-
ra do costurae.
Os premios de 6:0000000 at 10$ XX)
serio pagos urna hora depois da extraccSo
at as 3 horas da tard, e os outros depois
da distribuicao das listas.
As encommendas sero guardadas somen-
te at a noite da vesjiera da exiraccjo.
O ihesDtireiro,
________Antonio Jos Rodrigues de Souza.
Na tA Coocord
no armatem pintado
forra on captiva, que
pouca familia.
AMA
no sobrado o. 34, qae lora
sol, precisa de ma ama
saiba coxinbar para muilo
D'UIA
Molestia Ulcerosa
Curada.
Para Lisboa.
S*-gue em poucos das o brigue porlugusx Con-
to prompto : para o restante e passageiros, trata-
seconi OtiveiraTilho 6 C,'argo do Corpo Santo
W, oe> coa o eapito na yfacar
COMPANH1A PERNAMBCAtA
DE
Savegiaa cosleira por vapar.
Mcei e escalas.
N-j dia 28 do correte as 5
boras da (arde, seguir' para os
portos do sol o vapor Mamin-
guape, commandaote Belmiro.
Recebe carga at o dia 27. Ea-
eommeadas, passageiros e dinheiroa frete at as
3 fe iras da tarde do dii da sahida : escriptorio no
Farta do Matos b. I. ________^^
Cear
Pretende seguir com brevidade o biate Dous
rmtut, tem parte da carga para o restante tra-
ta-se com Tarso Irmao?.
rito de Janeiro
Pretende sabir para o indicado parlo com muila
brevidade o veleiro e bem conhecido brigue Ade
Uiie ir ter a maior p-'-r!' di sea carregameoto
tratao ; e para o resto q">e ihe falta e esrravos a
ref, trata-se com o coosigualario Joaquim Jos
Cinc-alvos Beltrao, roa do Trapiche o. 17.
Para o Porto
Aljarca portugueza HumildaJe, nova
ede prmeiraviagem, pretend sabir pa>-a
o Porto com a mtior brevidade possivel.
Recebe carg e passageiros para os quaes
teta escollantes commodos: a tratar com
Marques, Barros & C.,. no largo do Corpo
Santo n. 6 ou com o eapito Garlos Ferra-
ra Soares.
LE ao
De ora par de jarros de alabastro, I eofre de
ferro, 2 consolos da amarello, 1 rerogio de cima
de mesa com redoma, I mesa de- amarello para
jaotar, t dita de jaoaraoda. 1 banqalnha de ama-
rello, 6 cadeiras de amarello, 1 ^dita de bataneo,
2 marqoezas largas de amarello, t cama de jaca-
raod, 1 quadro graode com estampa de vidro, i
toucador de amarello, 1 par de castigaos de vidro,
i goarda louca di amarello, 1 cabida de amarel-
lo, i lavatorio de araarelb, t cabide ^e looro, 2
bacas e 1 jarro, t fago de dxciaoari i JriBcei e
portugoei de R>qaet, literatura fraoceza por
Charlos Aoir, o medico do direito, metbodo de
franjer, graramatica franceza de M)Ote Verdee
manual dos negociantes, 1 re.ogio de prala cem
corrente de ooro, bolSes, aoels. alflnetes, bolsinba
de prata.
(ordeiro Simees
a requerlmeuto dos depositario* da massa (atilda
de Joaquim Jos Gamas de Sjuta e mandado do
Illm. Sr. Dr. juiz de direito especial do commer-
cio, fara' leilo dos objectos cima mencionados, os
quaes sao pertence-ates a referida massa, isto
Sexta feira 22 do corrente
as 11 hiras oo primeiro andar do sobrado da ra
do Imperador n. 26.
Para Lisboa
Preeae seguir cara muita brevidade o patacho
F -j retj que Ihe Talla trata-se cora os seus consig
natahos Antonio Laz de O.iveira Aievedo & C,
ao seu escriptorio roa da Cruz n. 1.
o porto.
Pretende sahir o mais breve possivel a galera
partogaeza Nova Fama II, de primeira mar
cha, p ir ja' ter parte do seo carregameoto engata-
do: para o resto e passageiros, aos quaes offerece
reos commodos, trata se a ra da Madre de Deus
a. 3, ao eora o eapito a bardo.
Para o Pajrl
segu com a possivel brevidade o brigue portu-
suez finteo por ter a maior parte da carga enga-
jada : oara o resto e passageiros trata-se com os
coasigoatarios Thomaz de Aquino Fonseca & C,
roa de Vigario n. 19.
Para Lisb
O brigue portoguez La l, eapito A. F. Vieira
arai sahir breve, recebe carga a frete e passgei
rMCrafa-se com E. R. Rabello roa do Trapiche o.
Sfc, sguoao andar, o com o eapito.
Barca Silva
freieode segoir para Lisboa e Porto com a
naior brevidade possivel, trata-se com os seos coo-
siRoatarios Aotooio Luiz de Oiieira Azevedo &
C-, ao sea escriptorio roa da Cruz n. 1.
Para Lisboa.
Vai sahir com maita brevidade a veleira e bem
jraale parle da sua carga prompta: para o resto
passageiros trata-s8 com llveira, Filho, & C,
fzrgo do Corpo Santo n. 19, ou cam o eapito, na
pra Para o .%racaty.
S^ne nestes dias o raate Sobralence, para carga
4 passageiros trata-se eom o consignatario Jos S
L-KJJ Juoior a ra da Madre de Dos.
LEILOES.
IEILAII
40 barris eom toacinho de Lis-
HOJE.
O ag-nte Pestaa fara' leilo por conta e risco
de quera pertencer de 40 barris com toncinho de
4 arrodas cada nra ebegado de Lisboa nltimamen-
4e e ser veoado em am oa mals lotes no dia
rima meociooado qaiota-eira 21 do corrente as
di turas da manha no arraszem do Annes de-
fraate da alfaodega.
LBI7%~
DE
HOv)E
AmricoJF. S. fara' leilo em eu armazem a
tua do Imperador n. 16, dos seguales objectos: 1
arai franceza de jacanod, 1 mobilia de ama-
rello a Luiz XV, l santuario, i cama fraaee*a, 1
berro, I candelabro p de vidro, 1 marqueza, 4
piaao, t me.sapara fawndas, 1 cabide, 1 Jommo-
ata, l guarda loaca velbo, 1 apparelbo para almo-
<, 1 r-lozii eom redoma, :l venezianas, 2 mar-
quezas, 1 lavatorio eom pedra, 12 cadeiras para
sala de jantar, 1 earteira, 1 sof, 3 eadeiras de
bataneo de Jacaranda e oatros muitos objectos
lii sero vendidos pelo maior preco por inter-
^en^o do agente Martins.
LKIL0
A 21 do corrate.
0 agente Oliveira fara' ieiio por ordem da il-
lastre commissio eocarregada das ebras da gran-
diesaeisa da Assoclacio Commercial Benefleente,
de
consist ndo no segal nte :
1 varanda grande de ferro para tres portas.
grades de ferro para janella.
3 janellas grandes de amarello.
4 porias-jjrade* e alisar*'.
LEILO
De miuilezas, MM arnico em)vi'is
a saber;"
Bicos.traogis, creps, gal5s, botoes, franjas,
flores, Atas, leques, peales, fiveilas, pelerinas ro-
meiras, golas, quinquilharlas douradas e muitos^
obj-clos para enfe.ltes de modistas.
U.na arm-iCio de amarello cora eaxilbos.
Urna mobilia de Jacaranda,! burra de ferro (coj
fre) com segredos, 2andieiros a gaz, 2 jarros ver-
des para fbres, 1 cos ireira, comandas, marque-
tas, camas de ferro, cadeiras, 1 guarda vestido de
mogno cot espelh', 2 espelhos douradas grandes,
1 cama franceza, 1 secretaria, lavatorios, 2 arma-
rio?, aparelbos para cha, clices, eopos e amitos
outros objctn* pertenceotes a easa de familia.
Sexta-feira 22 ile fevereiro a ra da Impe-
rad'./, liria a, l^s 10 horas em ponto.
Buessard Millocheau, leudj ,de retirarse para
Europa,fara' leilo por iniervencao do agente!
Pinto, d* tolos os objectos cima mo"iooados,
pertenceotes nao s a sua Ioja de modas como |
lamben a sua caa de residencia na roa dalm-!
peratriz n. 1, onde se effectuara' o leilo aslO:
horas do dia cima dito.
A O
De 3 casinhas terreas de pe-
dra e cal sitas na povoigo
de \fugados- ra do Moto
colomb
Cordelo Simes
a' requerimento dos depositarios da massa fallida
de Joaqaim Jos Gomes de Souza e maodado do
film. Sr. Dr. jaiz de direito especial do commercio
tara leilo das tres casinhas terreas cima des-
cripts, as quaes fazera parte da referida masaa e
pode-se desde ja' seren examinadas por qualquer
pretendente, cojo leilo tera' logar no dia
Sexta-fe ra 22 do corrente
oo primeiro andar do sobrado a' roa do Impera-
dor n. 26, as II horas.
u
C3
l
A 23 do c rrente.
Da bella alterosa e bem construida casa com si-
tio em chaos proprios, roa do Moodego o. 36,
conjuncta a de n. 34 recentemente arrematada e
defrate da grandiosa residencia da familia do
finado commendador Luiz Gomes Perreira
O agente Oliveira fara' leilo da indidarta pro-
priedade, por ordem do lllm. Sr. conego Francis-
co Jos Tavares da Gama, teodo a casa S janella
em 42 palmos de freate e 92 de funda, com 1 sa-
la de visitas e 1 gabinete ao lado; 6 qoarios es-
paciosos, 1 sala de jantar e 1 gabinete e cosioba
fora, e o sitio com 85 palmos de frente (inclusive
a casa) cerca de 57 l|2 ao fundo e 477 de cora-
primento, com ama cacimba larga d'agaa a mais
crysialioa, pura o saudavel, e por estes motivas
apetecida pela visinhaaca que della flzera nso at
m diapie pagamento.
OjIoso seria tornar a eocarecer ? S'taaco desta
propriedade, apetecivel pela salubridade dos ares,
como pela comraodidade que oflerece a todas as
pessoas empregadas do commercio e qae diaria-
mente podem gozar de am cario e ameno passeio
sem dispendio.
Sao, pois, convidados os preteodentes ao previo
examo da casa e sitio indicados, cajo leilo tera'
lagar
Sabbado 23 de corrente
ao mel da era ponto, no escriptorio do dito agen
te roa da Cadeia n. 4, primeiro andar, por cima
do armazem de fazendas do Sr. Barroca.
LEILO.
Da deposito sito na ras do lar 82
Sabbado 23 do corrente as 11 horas.
No da e hora cima mencionado o agente Pes-
taa fa-a' definitivamente leilo dos gneros, ar-
macao e gaz existentes no ja citado deposite a Uro
de marielio.
AVISOS DIVERSOS.
Todos aquellee que se achio eajitoe i eof.
fnsr moleaUas gcrofolosas, ulcerosas, ou sypht-
Uticas, abada raesmo as reputadas de palor '
natureza, apenas neeessttao de lr o segninte
easo naravhoBO, para que se sinto imteira-
mente conrencidoe que a sua propria cura,
nao s meramente possivel mas sim absolu-
tamente certa.
Joao Josu Foouieika Baoiboza, rettdents
oa Cidade de Maranhao, tinha todo o sen
r/irpo coberto de cliagas ulcerosas, durante
algunos annos se achava debalxo do trataments
ie mdicos ce mais afamados, tendo usado
iurante todo este teinpo quasi toda a especia
de niedecinas que em taes casos empregada
pela faculdade medica, porm debalde sem
obter o menor beneficio on alivio: achando-se
pols em taes apuros elle finalmente resolreu-
se, dopols de repetidos e baldados esforcwi
fnzer uso da]
Salsaparrilha
DE BRISTOL
No todo elle apenas chegou a tomar Oin4
Garrafas de Saiaaparrilha -. qualro frascos das
Pulat Vegetaes Aisucarada, e o resultado
foi elle obter una completa o perfeit* cura.
Os Sers. EMBOA & Cia., Droguistas de
Maraslao, foro quena suppzlrltO os medica-
mentos, e achao-ee perfi.-itan.cn te ao facto
'oste case, e os msanos Beatona, nito s se
achilo promptos & confirmar o mesmo, como
taaabom em fomecer o actual adresso do Ser.
Barboza, toda e qualquer pessoa que po'
ventura se deeej informar da verdade.
IU-co-aituendase mu particularmente aoa
Doentcs que tenliSo o maior cuidado na escolha
destu exoellente remedio, nao usando outro i
nao sor a Genuina Salsaparrilha de Brstol,
a qual exclusivamente preparada poi
LANMAN & KEMP,
De NOVA YORK,
pois qae todas as mais sao inefficazes e de aea
haia or'istimo
Saques
Joo do Reg Lima saca sobre a praca de Lis
boa ; a rna do Apollo n. 4. -
Lava se -e eagorama-se roapa cora prompti-
o: na ra das Trincheiras n. 14.
Calxelro.
Precisa se de um caix^iro fle 12 a li innos dos
ltimos anegados : na ra 4o Co&oxa n. i
Precisa-se alagar amaxokqa-o .oo um mula-
tinho, para criado : na roa Formosa -a. 2.
O bacharel Wjocsco Lniz Cojfa de Ao"
drade, tendo de retirar se para o Hio de Janeiro,
vende sui mobilia dejacacand; nova, sendo 1 baaca oval e 2 canslos com pedra,
1 sof* 4 cadeiras de brajos e 18 de.guarntco, 1
relogio da mesa, 1 par de jarros, 1 caodieiro de
gaz, 1 cafeide e 1 estante para lav os; a bem assim
sua livram de mais de 200 volamas atas aelhores
obras de direito, historia, philosophia, e li(Bfatura
dos autores mais octavis, como sejam Merlio,
Cbauveaii, Berryer, Paressus, Uangin, Pgs Bel-
lime, Ahrens, Wealoa, Foucar, Culombel, Story,
Helio, Sinismundi, Toqaeville, Uoqueliajpastiat,
Bassi, Kdrr.-, Lis Teixeira, B irges Cafaitjko. Lo-
bo, Autran e Braz, Caotu, B uillet.^pj *.dui-
phe, Abreu e Lima, Vultaire, RoasseaoTiebbes,
Helvetias, M. de Slael, Lameaaais, Gousio e Joa-
ffreyr Uatter, Cbateauoriaud, Umboldt, Vctor
Hugo e Lamartine. Tudo em muilo bom estado e
por menos do teu valor : trata-se- no segando an-
dar ilo sohralo n. 6i ii.a ra da Guia.
No ees de Ipollun 53.
Precisa de comprar se on mesmo se alugar ama
escrava que lenha boa conducta e seja boa cosi-
nheira ; paga-se bem agradando. ____fc
Precisa-se alugar urna escrava boa qaitandei-
ra : na rna Augusta n. 9.-.
Aluga-se um mulatinho de I anoos muito
fiel, proprto para criado : quera pretender dirja-
se a ra da Imperatriz o. 2.
Poco di Panella
Festa da vigein da soleilade.
No da 23 do correte mes ao meio da anonn-
clara' o fislejo com gyraodolas de fogo, as 7 ho-
ras da noli* lera lugar o levanta ment da bandei-
ra acomp-rahads de meaioas, mocas e msica do
4* batalfcio, depois do que subir- ara liado balo.
No dia 24 se caoiara' a missa sendo o pregador o
padre mestre Lino do Monte Carmello, e a noile
te> lagar o Te-Denm stilemoisado tambera com
sermao do mesmo padre mestre, e depois seguir
as mmioas e mogas acomsanhadas da respectiva
msica para tirar a bandeira e a entrega-la a oova
Jaita, fin lando todo o festejo com baldes e mo-
stea.
CLUB PERNAMBUC\NO.
A primeira partida deste anno tera' la-
gar na noite do dia 4 de nur$o prximo
futuro.
Adraitte-se mascaras sendo reconhecidos
por orna commisslo da directora.
Aluga-se ura preto cosinheiro : na raa larga
do Rosario n. 10.____________________^___
O Brasileiro
Sabio a luz o primeiro numero do peridico O
Brasilero : vende-se na typograpbia a' roa do Eogorama-se a lava-se eom
Rosarlo estreita, o. 12, a 40 n. tratar na ra da Florentina n. 14.
Amaba as 7 h .ras ilu Jm, i:eieiai-ie-ha Oa
matriz da Boa-Vista urna missa pela alma da
Etm.' Sr f). Mana Celina d Suiuelra. '
Al(nno Baptista da Rocha, rB|o-
joeiro e donrador na praca da la-
dependencia o. 12, tem sempre um
sorlimento de relogios de algibeira
de ooro a prata dourados e bran-
-os, cobertos e descobertos, cadeias
le onro de diversos gostos, assim
como tambern faz qaalquer concert pertencente a
sua arte e comprase obras de onro asadas e
prata.
Fetor de sitio.
A pessoa que precisar da am bom feitor para
siuo, chegado ha pouco das Ilhas, e que d dador a
soa conducta, dirjase roa do Apollo 4.
T Pr,,c'a se e um menino para eaixeiro.Tle
i idade de t2 a 13 annos, preferindo-se portoguez:
no largo do Pilar o. 15. 3
Precisa se de urna ama dt leite : quem se
quizer prestar a esto servico, dirija se a ra do
Sol, n. 31, no segundo andar, que achara com
quem tratar.
Fugio em lias de nov^nabro do anu oassado
do engenbo S. Franciscp, da IreguezU da Varzea, o
preto Ri berlo, crioolo, tle qarenta a ciocoenta
annos, estatura regular, secco, pernas raoito fioas
e cabelludas, barbad, ja ptotaodo e eem falla de
am dme n frente, no qoeixo de baixo, ps milito
P'0.Upnos- E doajnt- ala bexiga, ourina com rnuila
dimcoldide e anda sempre com a roupa molhada.
A semana passada fol encontrado aqai bo Recife:
a entregar d j mesmo engenbo oo ao Sr. Francisco
de Assis Unto, na ra do Apollo n 3.
n: S aRa
CahugW.
m toque de copim chitas,
Vende-se chitas francezas escaras muito encor-
padas alguma coosa avarladasdo copim, pelo bara-
to preco de.7)4 a peca, u-odo 36 covados oo a 200
rs, o covsdo : na Ioja e armazem do Pavo, na roa
da lmperajriz n. 6lge Gama & Silva.
Dminos do PavSo para o carnaval a 4(?OO0,
8^000 e10*000.
Vende-se am elegante sorlimento dos mais boni
tos dGDiir. para o carnaval, sendo difierotes fa-
zeodas pelos baratos preces de 45, 8$ e t0 para
acabar : o Ioja e armazem do Pavo, ra da Im-
peratriz r/ 60, de Gama 4 Silva.
Grande peciinlia em ma Japolo com mofo a
80000 s o Pavao.
Veode-se flnissimas pecas de madapoln largo,
lendo 24 jardas, pelo baratissiroo preco de 84 a pe-
ca por ler um peqoeoo loque de mofo, que logo
qae se lave sola, e a nao ser assim seria para
muilo uns dinbeiro, pechincha : na Ioja e arma-
em do Pavo, roa da Iojceratrlz n. 60, de Gama &
Boleas para 80000 e 4O000.
Veode se raaneiras boleas de tapete com cana
de conro, proprias para roupa eagommada e mui-
to proprias para qnem viaja em caminho de forro,
pelo barato pr>>co de 84 e lOf, n\m como ditas
sem caixa para barato prego : oa Ioja e armazem
do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Agoslioho Jos dos Santos, proprielario deste antigo etabeecimento,
tendo feito urna reforma geral no seu i;eg ci, apresenta-se a concorrencia
publica convicto que poder servir vantajosainente aos seus freguezes. Esti
casa acha-se completamente sortida de obra- de uro, prata e brillantes, cu-
jds precos s3o o mais resumido possivel. Comprm-se os me.-mos objectos
cima declarados em obras velbas. Incumbe-se de quajquer encommenda
concernente ao seu negocio.
Agostinho Josiios Santos $, C**
INTERNATO
DE
S. BERNARDO

M-noel da Costa Teixeira declara ao publico
que comproa i taberna sita na praca da Boa-vista
n. 15, ao Sr. Antonio Avelino Leite Braga, livre e
desembaracad- de (juaiqjoer oous.
encao.
Aloga-si> o secundo audar do predio da ra do
Crespo u. 7, od j^nellus para a ra do Impera-
dor, porm lo Jo f irradj e piolado de novo com
bastante cummi-d- para familia : i tratar na Io-
ja do mesuro pre.iio n. 7. Iia do Vivanle.
A pessoa por i orne U. Sarmeuui lem no es-
raco de oura o, 2 D, {rua do Cabog urna carta
para lhe si r eolregue enr mo propria.
Estabelecide ua cidade do \{n\k em 1842
Sol a protec$o do Siiiumo Pontfice Pi IX
DIRECTOR 0 BACHAREL EM -MA1HEMATICAS
Bernardo Pereira do Oariao Junpr,
O director do internato de S. Bernardo, nao tendo evitado estufos
nem sacrificios para oroporcionar aos seus alumnos orna perfeita educatao
pLysica, moral, intellectual e religiosa, < fferecendo-lhes .utpa babitaco com
bastantes condicjs do salubridade, Inbeis professores que sao solcitos em
prepralos convenieniemente ao firn a que se destioam, medico pratico
que llies faga compreliender os preceitos da hygiene e Ibes cure das doencas
e finalmeote um sacerdote Ilustrado e b -nesio que Ibes explique os princi-
pios da religi) chrstaa, espera que assim constituido e em vista do.ex-
cellente resultado, que tem aposentado, comando um crescido numero de
alumnos na Facul'iade de Direito, .que conl.iiram all va' ta;osamente os es-
tudos preparatorios, nSo deixar o seu estabelecimente de continuar a mere-
cer dos senhores paes de familias o auxilio e confianca com que j muitos o
tena honrado; e Ibes roga, bem como a todas as pessoas interessadas, que
se dignem de visitar o mesmo seu estabelecimento, onde sempre encontra-
rao franao ingresso.
Cadeiras de ensino:Primeiras lettras dividida em dua? classes, ten-
do cada urna o seu profesor, latim, francez, inglez, arilbmetica, algebra e
geometra, geographia, rhetorici, philosophia, desenho e msica.
O collegio tem a sua sede nos espacosos edificios ns 32 e 3i 3 rua
oa Aurora.
Nos estatutos do collegio, que esto i dsposgao Je quem os quizer
ler, se acham consignadas as coudicoes de entrada e matricula as diversas
aulas do estabelecimento.
Precisase de
quena familia :
mazem.
cm. antipara umi casa de pe-
na rua do Trapiche n. lo, ar-
' Precisa-se alugar algumas pretas para ven-
derem dar ua rua : quttn quizer procure na rua
do Bom Jess das Crioolas o. 26.
Ama e mais ama
Na Baixa-Verde (C-punga) rai n. *2, precisa-
se de amas para desmamar changas, e paga-se
bem.
Atltnc
Precisa-se de urna pessoa para um sitio perto da
praca, prefere se escravo : na rua do Trapiche n.
18, armazem.
Prerisa-se de urna ama forra ou esrravj, pa
g3-se bem : na rua das Crozes n. 38, segando
an kga i -
G9tr

CALCADO
Francez novamente
chegado.
QuinquiUia Has finas
e brinquedos
Caixeiro,
Precisa-se de um ca'ieiro : na rna da Penha n
33, taberojlf
I'r-'C>,i-.-e de um caixeiro que teoha pratica
de tabrrna na rua Imperial o. 37.
Precisa-se de um caixeiro com pratica de
motilados : a tratar no pateo do Terco n. li1. pre
fere-se portuguez.
MARTIMOS
CONTRA FOGO.
A companhia Inderanisadora, estabelecv
ia nesta praca, toma seguros martimos so-
ore navios e seus carregamentos, e contra
fogo em edificios, mercadorias e raobilias:
aa rua do Vigario n. 4, pavimento terreo
RUA NOVA N. %
.Srta estabelecimento recebe sempre pelos vapores francezes excellentes boticas fricas para
nomens, senhoras e enancas, lavas de pellica de Jouvlo brancas, pretas e de outras moi bellas e dif-
nie, cores da moda, briDcos oe ouro bom de M a ultima moda presentemente em Pars, extractos
naohas, esprihos, chicotes, b-ngalas, quadros, molduras, eslampas de ricas paisagens, bolea*
Nagetp, realejos pequeo-, accordioos de todos os tamanhos, esterioscopo com as mais piltores-
. tas, lindas bonecas de Iouca de cera e de massa, cestlnha%p*ra meninas, carrinhos e cabrio-
la coaduzr enancas, caval.iohos de andar por rao'as para meninos montar e outros muit*
Hfcancezes que se acham expostos a vista dos compradores : no armazem do vapor na rua
la
par
eu
ets
obj
Noy
Novo e grande deposito de superior carvo de Cardiffna
Baha.
Antonio Gomes dos Santos & C, raa de Santa Barbara n. I, estao habilitados a supprir de
oarvo, em condicoes mais favoraveis qne em ootro qualquer deposito, a todos os navios a vapor >ine
cerrem nanuelle roorto. A contratar nesta com Domingos Alves Maiheus..
l\
69
ao ^n
perfefeio: a
O Sr. Jos Gomes dos Santos faz scienie
biioo que deixoo de ser caixei o do Sr. Luiz An
tono dos Santos Parara desde o dia 15 de feve
relro do correte anno; e agradece ao tuesrao se-.|
nhor o bom tralameato que lhe deu durante o
lempo que esleve era sua casa : quem ti ver al-
guno OHgocio com o r. Sanios dirija-se a rua do
Livrameoto n. 10.
Prectsa-se de urna ama para comprar e co-
sinhar para duas pessoas: na roa da Penha n.
23, primeiro andar.
X*HOPE DEPUKATIVO
DE CASCA DE LABANJAS AMARGAS
COM IODURETO DE POTASSIO
DE
j P. JLaroze.
pharmaceuticoem Pars
Oioduretodepotassio um verdadeiro al-
terante, um depurador de incontestavel efi-
cacia; combinado com o xarope de casca de
laranjas >margas, aturado sem penubaco
alguma pelos temperamentos os mais fracos,
sem alterar as funeces do estomago. As do-
ses malbematicas qne elle contem permittem
aos mdicos de receital-o para todas as o m-
pleices, as affeccesescrofulosas, tubercu-
losas, cancerosas e nos accidentes intermit-
ientes e tereeiros; alm d'isso, o agente o
maispod ro-o contra as doencas rbeumaticas.
D -psito em todas as pharmacias e casas de
drogaras no Brasil.
Expedices, em casa de J. P. Laroze, ru
des Lions-St-PauU 2, Paris.
A' Teoda na phrmacia de P. Maurer A.
C.*,rua Nova* -2.
JORVAI^
para 1867.
Assigoataras para tods os peridicos da Euro-
pa e do Brasil.
Uistrtboleo graiaUa dos cataloga respectivos
RAOCR83PON. 9
Ialrrarla Franceza.
N-i rua da Cadeia n. 58 ha para vender-so ornamentos de igreja*or menos preco que em on-
tra qualquer parte :
A SABER :
* Ornamentos de damaseo branco de 24 a 325000
> > encarnado de 22 a 32000
> rdxo de 22$ a 30*000
i > preto de 20 a 3 JOCO
verde de 20* a 29*000
r de veiludo preto a 26*000
vista da boa procura que tem havide destes objectos prevenimos ao publico que breve ehe-de
aredj A Paris una ova remessa de ornamento de todas as cores, inclusiive ornamentos, sebastos, ca-
dd, o aasaerges, ombellas etc.
Recebe se toda e qaalquer encommend? relativa ao culto.
C0LLE6I0 DA ElfjiO
PARA EDUCAgAO' DO SEXu MASCOLINO
Estabelecido no bairro do Recife, rua da Madre de
Dees, em o anno de 1866.
E DIRIGIDO POR
MANOEL ALVES VIANNA.
E-te collegio contina a receber alumnos pensionistas, meio pensionistas e externos
para as aulas primarias e preparatorios.
O director tendo condado a regencia das respectivas cadeiras a profesores moralisa-
dos e de reconbecido ment magistral, "prepralo convenientemente o edificio em que se
acba eslabelecido, e continuando a empregar toda a solicitada nodesera3enh0.de sen arduo
cargo; espera poder, nestas circurastancias, proporcionar aos seus collegiaes orna edueacao
instructiva, moral e civil, toraando-se desta forma mais digno da honra, cora que alguns
paes de familia ja' o distinguirn), oontlando-lbe bondosamente os seus Albos.
S

Jvi
tao sempre
ressar.
Os estatutos, assim como o franco ingresso em todas as dependencias do collegio es- U*A
mpre a disposicio dos senhores paes de familia e de quem mais possa inte- sa*S
Mm
PERFUMERA da casa oger
Boulevart Sebastopol, 56, rarla:.
CREME LABIALE de meco de Rosaa.
pomab* welours para amour a
na,
ELIXIR OOONTOPHILE.
Dea medalhu, a ctwdecoracao da Legio
ThoMeur e a grande reputacao que tem lhe
dado o publico, taea sao as recompensas que os
servico* prestados a edustria merecerao a
eta imponente casa desde sua fundacao em
*804.
N'um sortimeeto de mis de 500 artigee,
as pessoas elegaies eecetherao oe seguate:
OU PAR
PARADu\ extracte superfiao
ROSEE
para lenco.
POMMADA CEPHALIQUE centra a cal-
vicia.
AGUA VERBENA para o toucader.
OXIMEL MULTIFLOR.
VINAGRE OE PLANTAS HYGIENICAS.
TINTURA viRGINALE de beijoun.
ROSEE OE LYS, verdadera agua de
JiWvencto.
Sabao dedicad* as dunas americamaa.
Sabao de bou^uei de Franca.
f de flores de alcea rosea,
d de Seres priitaniree.
d de boniraet do outono.
> de perfumes exticos.
d* aurera, dedicado aoa dedos eer
d*
*

i'
d*
de teres das aaontanbas.
de chelrb de foins nouveaux.
de bluets cheirosos.
de athea balsmica,
diapr, caixa rica, fanteeta ptri-
neace.
\
** i


-****
"II.....>
DI irla -
H
I
.1
s
I

-







I
Xarope pasta de Seiva
DO
Plohelro martimo
DR
E. LagH8se
Preparac<5es mui precunifda- pelos sabios medi
eos de Pars, coro as melbores at hO|e diseobert,
para a cura cena de (odas as molestias do peit
fcroochites agudos e ctjonicos, aihma e ainda das
ffecgdes das vas urinarias.
DEPOSITO ESPECIAL
34Roa larga do Rosario34
Pharmacia de iiu-tholaincu de.

ii-
w
Publicado jurdica.
PrelecfOes de Direito Internacional e de '
Diplomacia cotn appltcacao e refertncia de j
teus principios as leis' particulares, con-
v en cues, e oes tratados do Brasil at 1866
pelo Dr. Antonio de Vasconcellos Mene-
tes de Drummond, lente substituto da Fa-1
coldade de Direito do Rrcife etc 2 vol in
8o broca, por 105000 pagos entrega do
primeiro volme, que constituir a primei-
ra dessas obras.
A ultima deltas acompanhar um epilogo photographico possua um to vanado.
> FERREIM VILLELA
Photographo da Augusta Casa Imperial do Brasil
18, iua do Cabug, 18,
N. 2 D 1 N.2D,.
P^ COR i CAO 1112 OITRO. w|||
1 A lojan. 2 D intitulada Cnraco do Ouro na roa do Cabog, acha-se d'ora em diante offereceD-
do ao respeitavel puhlico codi esnecialldade as pessoas qae honram a moda os objectos do ultimo gos-
to (a Pars) por men-is 20 por ceato dy qae emootra qoalquer parte, garautindo-se a qualidade e a so-
! lidez da obras.
O respeitavel publico avahando o dselo que devwter o proprietario de um novo estabalecimen-
to qoe quer progresso era seu negocio deve ehegar mrr.ediaiameute ao corceo de ouro a comprar
Em NENHUMA das "photOPraphias desta Cidade sefazem retratos mais perfeitOS aneiscora per felosbnlnantes, esmeraldas, rubios e perola; verdadeiras etn agarras, modernas pele
iip ns niiP

os que se eiecuUui oteta omena pnowgrapnica. i pra|a com M|(0S ae marfim e madri>|,/ro,a ,, d9 moijeruo gosto (o qne o ocootraro no coraco de
Pede-se a confrontacao e anaiysi entre os nosjos trabamos e os memores que aro) voitas de ouro com a competente erosiona ricamente eofeitada pelo pequeo prego de 12*. bnn-
S6 fazem nesta cidade. cos de ora trabalbo perfeito por um mdico prego, cassoleas, tranealins, pulceiras, aleles para re-
N50 ha PH0T0GRAPHIA ALGUMA desta Cidade, que como este estabelecimentO ,ratos neutros rxndelos trido de alto gosto, aoeb proprios para butar cabello e Brma, dito para cas9-
oemlhiHn p ahiindantp snrtimpntn ri ramnha<; niento, no artigo roseta tero o Coracao de Ouro um completo e bem variado sorlimento do diversos
as' goslos, buroes para punhos com diamante, rubios e esmeraldas, obra esta importante ja' pelo seu va-
Sobrado, entrada pelo Pateo da Matriz.
das photopraphias desta cidade se fazem retratos mais perfeitos 'aneiscom pefriioa brilnabtes, esmeraldas, rubios e perol
.. "- i, #. ,-innifii,- diminuto preco de I0; b'inr.os modernos de ouro e coral
tan nesta officna photographtca. rala com,,cafms ae Z;rm e madr,./rola lira d9 raller
Aimuucio
! O Dr. ttaroiiDo Kraocisro de .ima San-
ktt tos, inndii se para a ra do Imperador
jg, o. 73, sepondo an^-r Cll],. c ,mnua no
JK exerririo le ga i>ii.t:>sao i nudico.
Fundido da ur ra
A mais amiga desta prevnola e com todas as
perfeicSes em seus roacblnif mos, onVreco & seus
nroerosris fregoeies por ra?oaveis pre<;os soas
manufacturas, bem como que tem um boto pessoal
para com rapidez faztr qualqatr concert ouebra
nova.
Da se bolos de vetpdageni a lusiao a pataca
na rna Imperial n. 37.
das disposices da legislacSo patria, relati- quadros, molduras pretas e d'uradas e passe-p^r-tOUtS. ... lor ja" por gosto ds desenlK', brincos forma da delicada miosiha de moca com piogente contendoes
vas ao > direitos e deveres do estranseiro no Para serem collocados os retratos chamados carios de visita ha dote difieren- meraida?, rabias, briihantes, parolas, o gosto 6 sublime, aiaoete para grvala no mesmo gosto, reic-
Brasil, bem como aos do Brasileo ora do tes modelos de cartoes mimosamente Jiihograpliadps. e dourados, em carto bnsol eem < Par *""> cavadosdepedras preciosas, Atos para homem, diversas obras de briihantes de
imperio; W d tel, te" ajcarao porcelkoa. c o^ sem alie:* U
Assigna-senas lojas de livrOS das ras do retratarem. I quer jola, para secul car retratos o obras de cabello, e oolros moito< objectos que os prelendentes en-
Crespn 2 e 9 do Imperador n 13- da1 Continuadamente se recebe na Europa remessas de ludo^uanto diz respeito a ixmtrarao na Coragaode uuro que se conserva com toda a amabiiidade aos concurrentes deixando-.
Cruz n 52 na d encadernacao do caes de photographia, e ainda o mez passado pelo xa.-ior Guienne, e este mez pelo b-igue Belim ^ de aqu mencionar preces de cortos objectos porque (deseulpem a mancira de rallar) dizendo-se o
*.x \t u e?ul"er"d^dU uu 7 ^ ropohoram eo Ao Vrwx anatvn orarXe <>aips pnm nma hplla variorlarip Ao aripfartns ^^ lVM a|Boem fa )o juio da obra, por ser lo dlramuta qoaotia a vista do seu valor.
21 de Novembro junto a typograpbia do rece&eram-se de franca quatio grandes cauoes com urna nena vaneaaae ae arteactos Na mfiSma ,ja compra.se> Iroca.?e our0/ praIa e pedras ^o^^ lambem reCPbe se concer.
Jornal do Recife ; nos escriptorios das ty- j productos chimicos e material para pnotograpbia. tos, por menos do que em outra ooalqner parte, e dao-se obras a amostra cora penbor, conservando-se
m
O r. Alexandre de Souta Pereira do
Carmo muden a >na resirtencia para o i* '
^ andar do obrado o. 12v,;i iua da Impe- S
ratrii e continua a eitrcer a sua profls- ,
sao de medico.
P/ecisa-se de urna pessoa | ara caixefro ce
drogria.da ra do Imperador u. 2i. qoe d pro-
vas de sua balililacao : a tratar cwu o Dr. S Pe-
reira.
Aviso.
a tratar
pographias do Diario de fernambuco a ra
das Cruzesn. 44, e do Corneto do Recife
ra do Imperador n. 79 e na loja da^ ra
da Imperatriz esquina da ra da Aurora n.
n. 2, loja de leuca.
De; ois da publicacao da primeira obra
No mesmo estabeleeimento vendem-?e
Ttlos os productos chimicos geralmente usados em photographia e garante-se
o estado de pureza dos mesmos;
Machinas pbotograpbicas, cuvetas de porcelana de dilerentestemanhos e vi-
dros para tirarem-se retratos;
Urna grande variedade de -lindas e interessantes vistas transparentes para
e Coraeo de Ooro aberto al as 8 oras da noiie.
Qoalquer pessoa qne se dirigir ao Oraco de Ooro nao se podera' engaar com a casa, pois
nota se ua sua frente om coracao r-endnrado pintado de amarello, alem de mitro qae se nota em um
rotulo (islo se adveite em eonseqoeocia de terem ja' algomas pessoas engaado cora outra casa.
n5oserSo mais admiltidas assignatm as e ;stereo:copos, e .^ereoscopos do madeira envernisada com lentes prismticas que se ven-
mbas ellas ser3o vendidas por maior preco. dem a 12,5000 cada um com urna duzia de vistas transparentes
Tambem vende-se por 5050 0 urn apparelho compl to. para fazerein-se peque-
as vistas ou retratos. Ao mesmo acompanbam as explicacoes precisas para seu uso.
Qualquer pessoa pode fazer-vistas ou retratos com esse apparelho.
A officina e galera est5o abertas todos os das e a todas as horas.


Joaquim Jos (jon^alves
Beltro
(A RA DO TRAPICHE N. 17 Io ASDAR)
Sacca por todos os paquetes sobre o Banco
do Minho em Braga, e sobre os seguiotes tga-
les, em Portugal.
A saber:
Lisboa.
Porto.
Valenga.
Guimares.
Coirubra.
'haves.
Viseo.
Villa do Con*e.
Arcos de Val de Vez.
Vianm do Castelio.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famelleo.
Lamego.
Lagos.
Covilhaa.
Cercas e gradeamentos de rtrro para jardins,. cerca los para animaes. chiquei-
ros, de todas as grossuras e mudaveis.
Porteiras de diTereptes tamanhos para sitios, jjftlins, cercados, e-c.
m





Na ruado Trapich n 16
Acharase os seauintes depsitos
De R. Bruninghassem Rail.
Boargogne.
Vinbo Pommard unto.
Cortn tinto.
Santo Georges tinto.
Chambertin tinto.
Ricbebourg tinto.
Clos de Vougeottin o.
i Cbablis branco.
lie H A.Woefem Franefert:
Rheno.
Geisenbeimer.
Liebfraumilch.
Marcobronn^r. ___________________
Em casa di- fneo.1 C'iri-;t;anseE,ru3 do Tr'a
piche-novo n. 16, anico agente no norte do Brasil
de Brandenburg freres, Bordeaux, eaceutra-qe ei
lectivamente deposito dos arligos segaites:
Sl.Julien.
St. Pierre.
Larose.
Cbateao Loville.
Ibaieaa Uarganx.
Graud vinChaleaa Lafiue ts3s
Caateaa Lafiue.
H .:-t SautTORS.
Quteaft'Santerias.
Cftate.an LataurBlancbe.
Chatoap Yquora,
*>troac era tres .tiiiades.
Azettedooe. Precosde Bordeaux
Alaga se a casa tsr ea a ra Form^sa n
14 a iraiar na prag do Cjrpo Santo n. 47, pri


OBVIEMOS DE IGRGJA BE
f. BIVIH i4}
Vestimcnteiro e bordador de Paria.
23 RA IH> I PERA MIOR 93,
Defiente da igreja de S. Francisco.
Concurrencia impossivel
justificada pela suppressao de intermediarios, pela compra directa das materias primas, pela exe
cuc'm dos trabalhos as ufficinas da casa e pelo diminuto locrb enm qne se satisfaz.
Animado pelos imoortantes negocios que faz com grande parte do mundo catbolico da Europa
resolveu anDunriante estshelecer filiaes da casa ne Paris em diversos paizes longinquos que
offerecera vantagens, e veio inaugurar o primeiro estabeleeimento nesia cidade, seto das mais adiantadas e ccmmerciaue da America do Sul, e que por i-s mesmo necesslla d'ura
estabeleeimento qne nada deixe a desejar, quer era relacaa as precisocs materiaes e quer intel-
lectuaes.
Os Srs. sacerdotes e deroais pess ias, que se dignarera visitar o estabeleeimento, abi acharao
sempre urna grande variedade de toaos os objectos para igreja e para o clero.
ORIVESARIA PARA IGREJA.
Novos modelos de custodias e de vasos sagrados.
ALFAIAS DA IDADE MEDIA, A' LUIZ 13*.
Os precos variam segundo o tamanho, o peso e a forma.
TAPETARAS E ARMAC5ES PARA IGREJA.
-

m"ir.! andar.
Forr.r-ce toda a qua'idade de armacoes, por pregos mdicos, vontade do freguez ;
sempre urna pessoa no estabeleeimento para ir tomar as medidas necessarias para completa
faco da encommenda.
XUVAS MBELLAS PRIVILEGIADAS..
leudo |
satis- i
Estas urobeas dd molas, adoptadas p*t S. S. Po IX. tem por sua
e riqueza a dopla vantagem de cobrir ioteirsia-nte o Santissimo Sacramento e
epltar o andar. .
E'CLP'n'RAS EM MARFIM E EM OSSO.
perfeicao, nqvidade i
o padre, sem diffi-
Imagens de Christ>., cald'-irinhav cO:zes, quadros e todos os objectos devotos.
Objectos em argila, simp'es e prateadas.
--------I mor... i -------
Todas as nformac,oes sero ministradas gratis, ac-rca dos ornatos de igreja.
Conceder-se-ha facilidade para os pagamentos.
Eis o cathalopo do que t^ni a venda :
/
i-se dinheiro
Ca n o.
a jiros: na roa da Ccncor

Es era vos
Aiogam-se aUuns escravos debalso de coberta,
paga se 303 meosaes: na roa do Brum d. I, fa-
brica df sabio. i
Aiuga se o primeiro^ndar do sobrado a
roa do Vigarioa. 26, s>5 para escriptorio : a tratar
n> armarem do me^m).
^biiicaco piiiiaria e secnnd^ria0
1L Na insiituii;ao de Jeronymo Pereira
5? VillY na ra larga do Rosario n. 22, nao !L
s se ensinam as materias qoe consii- gg
& tuem o enrso regular de pnmlras letras ,
^; como as disciplinas preparatorias para a J
9r facoldade de direito; cojas aulas estaro *
^. abenas dodia_7 do presente Janeiro por
djante, e sero regidas pelos mesmos
prnfessoresl
latnritar. m
Na tua do Imperador n. 7o segundo an- ^
dar, lecciona-se soif-jo e diversos inslru ^
meotos de msica, das 5 boras da tarde ^
as id da noite. ^
Preclsa-se de cem travs de iouro de 40 pal-
mos de comp. ido e 8 e 1)2 pollegadas de grosura
quera as qoizer vender'entenda-se com o teaent
coronel Manoel Jcaquim do Reg Albuquerque.
O padre Flix Birreto de Vasconcellos, pre-
cisa de nma casa terrea ou de um s andar pa>a
sua residencia no bairro de Santo Antonio : quem
a tiver equizer alogar. Me ao annuncianle na
roa do Imnerador n. 35 2* andar.
ofciaa de catllelro. arnelro
e serralhelro.
(oncenos de bombas de todos os systemas, as-
sim como amolacSes todos os dias : ra do Ran-
gel o. 17, P. A. Pradines.
Caacertos de rewolvers, pistolas e espingardas.
coacertes de cviindros de padaria.
Roa do Rangel n 17,
aura '
Na ra da Imperairlz n. i 1 andar, vende-se
una preta criooU muito moca, bonita figura : sa-
l perfeltaraente er, eogommar e cosiohar
alera di< saber do inteiru arranjo de urna casa de
iratamento.
ICASLAS.
Bwfias, de veludo, de crina e de
galio lustroso.
Ub damasco cem cruz de ouro e
da.
De damasco dobradr, com diver
sos bordados em relevo na
cruz.
De kcido de prata on de onro.
dem com diversos bordados em
rtlevo na cruz,
dem dem muito ricas.
De velado de seda com cruz de
ouro tino em relevo.
De hamalote de seda bordado.
Golhicas e da idade media.
A cor da casula nao inQue no
preco.
CAPAS.
De veludo esifado.
De damasco.
De tecido de prata e-de ouro.
dem com emblemas era relevo
c ricas franjas na murga.
De veludo d<* s la.
De tecidode prata e de ouro fino.
DALMTICAS.
O mesmo preco das caslas.
ESTOLAS PASrORAES.
De veludo estofado.
De dito de deas faces.
De damasco.
De dito de duas Nces.
De tecido de prata ou de ouro.
dem dem, com emblemas em
i De damasco, bordado em relevo.
I dem dem, rnuito rico.
VffOS PARA EXPOSICO.
De tecido d- Lyao.
De charaaLte de prata com em-
blemas em relevo.
De Jilo dito, muito Anos.
VE'OS DE SAGRARIOS
De lodos os prpgos.
AXDEIRAS.
Da lauta lubrica.
Oe confranas de Nossa Senbora.
Parochiaes, qualquer que seja a
invucacao.
Gaioes cora emblemas em
A collecao varia de 354000 a
3:000000.
PALLIOS.
Em veludo estofado as quatro
pomas e-no forro.
De tecido de Lyo, cora on'o.
De dito de prata e de ouro lus-
tro.o.
Da dito dito, com quatro emble-
mas jordadosMi relevo.
Muito ricos. Jbiramenie bor-
relevo.
dados eirtfftHiwr-o.riooro Gne.i323 milmetros
Corporaes de cambraia floa.
Toaihas para communhio e alia-
res
Guarnigoss de rendas para alvas.
Ditas para toaihas de altar, aos
metros.
Tuda a qualidade da roui a ga-
rantida e perfeitamente execu-
tada.
DIVERSOS OBJECTOS.
Bolsas para tirar esraoUs.
CordSes Anos para alvas.
t para meninos do coro.
Voitas, s duzas.
Cintos e cinlnrdes.
Sacras de altar, em cariaj.
Ditas em quadros.
Mar cas para missaes, com seis
pernas, em cbamalote.
Flores artifkiaes, o ramo.
Estfos e todos os demais objec-'f
tos de igreja.
BRONZES DE.IGREJA.
Casticaes para altares, prateados,
de novos modelos :
.Precisa-se de dous caixeiros de botica
na ra Nova n. 25.
A"pharmacia de P. "Maurr~& C mu-
dou-se do n. 18 da rna Nova para o n. 29
da mesma ra esquina da camboa do Carmo.
jmmmmmmmm
U hacbarel Silveira, advogado, pode ser fi
procurado para os mlsleres de soa pro- K
Bsso em sen escriptorio, a' rna do Im- Jg|
perador n. 71, primeiro andar, dss 10 mr
horas da manbSa as da Urde. Reside a
| ra da Aurora o. 70. K
Escravo nalinliriio.
Qoem pretender um boru eseravo mannbeiro
dirn>se a Antonio de Almeida Gomes, ra da Croz
" primeiro andar.
Precisase alogar doas escravas, nina eosi-
nheira e outra eng immadeira : qoem as liver oa
anouocle oo dirjase a rna Formosa o. 29, para
tratar do ajuste.
luga-se
Um sitio na Capooga Nova rna das
Pernambucanas n. 23, em cujo muro se
acba o chamariz, tendo gradeamento e 2
poriSes de ferro, casa assobradada para
grande fsmilia, cocheira, cacimba, tan-
que, agua de encanenlo e arvores
fructferas; a tratar na ra da Impera-
triz n. 12, primeiro andar.
mira


mm
O bacbarel Silvioo Cavalcaoti de Aitu- tss
querque tem aberto o teu escriptorio -d.
advocada na roa estreifa do Rosario u. g?
10, onfe pode ser procurado a toda
hora do da.
K5.
Aloga-se o armaze'm do sobrade n. I da ra
Imperial : a tratar ni primeiro andar. I
0 machinista
Francisco de Salles Costa
de machina;
offerece-se para qualquer conceit
a vapor : ra do Rangel n. 17.
a

^l
Im&r

w
II ..: "-'
V
relevo, fiaojas e bordados d
torcal. '
dem idem em relevo muito ri-
cas.
De tecido de ooro e de prata fino.
De chmalo^ bordado de seda,
coro dnas faces.
VE'OS DE HOMBROS.
De tecido de Lyo.
De dito dobrado, de onro fi..
PANNOS' M0RTAR10S. 1379
He ISa. 1433
De veludo iuglez preto verda-,487
deiros !3
i)e damasco dobrado de brocado. 630
E Jargura e'tres de comprimeotoJCrmes de alur, 'correspondentes
ROl'AS DE IGREJA. aos castices, o par.
Alvas de panno de linho Bao. Tboriboios e navetas praieadas.
de cambraia fina. jCaldeirinhas com hysoppe idem.
(12
li
(16
18
(20
2
30
pollegadas).
)

l

1












^



llr ir>

PF | _j
Guardas par arvores, plantas e oqros objectos da ferro que se vendem por
j)rec mdico, no armazem de Tasso Irmos a praca do Caes de Apollo ao p da pon'e
provisoria.
< de panno de linho, para
meninos do coro.
f guarnecidas de rendas oas.
a de bl, de a.i de-
sehos.
Roquetes em p-nno de linbo sem
mangas,
t t cora ditas.
Amielos.
Toaihas e saoguinhos.
Custodias ditas e duuradas.
Losires ditos e correles fortes
para os mesmos.
Croze8 para procisso, com ralos
ditas.
Varas, alabardas para soissos e
cadispara porteiro>.
Estes objectos todos sao era co-
bre e nao em materiaes de
coroposico.
Na roa das Laraogeiras o. li, ld andar, precl-
sa-.vj de urna ama para cozmhr c engommar.
Prec,isa-se de urna ama forra ou cap-
tiva que cosinhe pe teitamenle, psra cas3
de pequea familia, agradando paga-se
bem: a Datar na ra do Apollo n. 24, se
gando andar.
A JIKUBEM
Emplastro, oleo, tintura, pi-
lulas xarope e vinho.
preparados per J. d almeida 'iuto.
nico deposito em Pernambuco,
_____5_ ua do loario n tO,
rr. grasnma da fet da aeahor
isous sesu* do Uom-l'ui da
miei*4z da B^a-Vista.
Os ericarrecados dos festejos ao S'nhor Bora Je-
ss do Rjiu-Fim, avisam aos Oeis devotos de quh
uo da 21 pelas 4 horas da lardear lugnr a beo-
gao de lo milagroso santo, e de ootras imagens d
altar do mesmo Senh.ir.destnbuinil^so oessa cc-
casiao resitos, era seguida e RvrJ. Prei FioVIis fara
u:na locucao em refereocia ao acto, ti,;ara* exp.is-
tas as mesma; imagens a doraca dos hVia al as
J ttjus d4-nj;!t, a -nasica Jo 3. b.aliao tocara-
lindas pe^as. A ai;.anhecer do dn 4 urai salva
de 21 tiros noticiara' aos devot>s que (besado
o da de festejamos rom toda a pompa e brilhao-
tismodevidaao seu padroeiro, do qoe os encarre-
gadosnao tem poopajo esforcos. M U horas da
(nanita principiara- a fe dirigida pe; Sr. Ctiagas, a qual sera' comet d^
ricos e variados solos ; no gloria subiro a,j ar va-
nas girndolas de fono ; ora no EvaiigeHio o pIo-
queuir prebido diimesii^o o livio. l. coneco J ,a-
quim Pinto de C-.i|.n.', ,.ue de bora grao o se i,<.
lou a datar a paliara sagraJa Iluda a f.-la sol-
tar-se-ha urna nov s.,!va ,e 21 uros; a no.te a> 7
neim, rrandTtnfvm. Sr.
dre Leonardo Joo Grego, l;uli.hnij o acto
varias girndolas de figo.
kwu, .
Precisa-se de orna ama para cas?, de pouca fa.
milia, sendo para iodo servico -. a tratar na roa
Dir;*! n. 94, andar.
pa-
com

Precisa se de ama ama que coliche e engorame
*,r* '!-* Pf?*oa3 : na roa nova de Santa Bita na-
nvro 17.
SOCIEDDR
Aviso essencial para evitar qualquer erro ou in f.
Os Srs. compradores n5o devem ignorar que o ouro nao pode ser fiado nem
tecido, e que por conseguate os galSes dos ornamentos chamados de orno fino sao.de
prata dnurada, os de oro .meio fin sao de metal doorado e os de ouro falso sao de
cobre doorado, e como tal confundir os ttulos que se Ihes dea sempre, que s3o mera-
mente commerciaes.
Os ornamentos que o annunciante tem venda sao o de gales de ouro meio
finos, falsos ou de ?eda, s mandando vir os de ouro fino por eocommenda; e nenoum
ohjecto sabe de seu estabeleeimento. sem ser aeompantwdo d'uma faetnra por elle firma-
da, especificando a qualidade do objecto, para poupar-se explicacoes empre moon-
venentes ao depos de realisada a venda.
Superiores ca-sas franceat muito finas de
s. o rovado : i
Vascooccilos & C.
cores axas, matisadas e miudinhas a
JdQ rs. o rovado: na loja das columnas roa do Crespo n. 13, .de Antonio Correia de
VaSCofM-.P.flis A- 11. *
Precisa-se di nnia ama para o serviej rte nma
casa de pouea familia a l;aiar\ia tua'da Cruz do
Recife n. 37, aodir.
^^Wl*
__
A partida ao eorrente mez tero loaar na n .lie
o da 23._________________
AlBga-se orna negrlnha -.ora' prirljn-jg" lfl-j
oozinha : oo pateo do Tr;o n. i.
Aviso
Os abaiso assignados participan) 4oe desta data
en diante deixoo de ser emdrpgado de sea casa
cornmerclal o Sr. Jiaqoira Bernardo Meodes.
Recife, 19 de fevereiro de 1867.
Luii Goncalvcs da Silva A C.
iVeeisa-se de om Cornelro na padaria aemaa,
em Santo Amar,',
Affua mineral
tferruglncss, acidulada, gazoza e earbaaica
N
RBZZ.l. \
O oso d'agna de Orezt. mui panicolarmente
reeommendado pela escola de medicina de Paris
prS tdfls i ffeccfJM do Inbo digestivo, ingorgita-
menio das viceras abdqmipaes, e geralmente todas Qoem t*rd, 7nTcr
pobreza de **^ ^^ pode pro^r roa ^Horw n. i6.
34Ra larea o Rosario-r-H *~ ^"V f? V,Vm* rw* "Jo *P'vi- ***
DE
J. VIGNES.
J*. 55. RIJA DO IMPERADOR g. 55
Os pianosdertaantiga fabrica sao hoje asss coohecidos para que seia'necessario Ihua^
im nperioridade, vaotugens e garantas que offereoem aos napraSore m ^rt/s ,?* 15 *
res qae efles tem de0oitivamente\inqai5tado sobre todos os qMtam'n~?i\,ty? ll"ntesta-
aaindoam teclado e machinismo que obedecem todas aavoMaffi f2^f8U-prf5a; P08'
anca fabar, por serem fabricados de proposito, e ter-so kitoiS^^Zib^^*0^$m
slmos para o clima deste paiz ; quanto fe vozel, sao melodiosas e fSS, e StSt
tais a6t. iMwidos dos apreetadores. uut-s, e por sao muito agrada-
Fazen-e* conforme asenecroraendas, tanto nesu abrica como n*4oRr ri^^i a^o.
omspoodeM! de J. V.gnes, em cuja capiul foram sempre preados em"?oSli T^Sfi"8' "^
No mesmo estabeleeimento se achara setniwe um explebdtdo eTvarUdo ^LJZT*5**-- ,
awlbores aatow da Koro^a, atfov fmo iur'aonloos e pianos harowokJ^^m^ ? i^ lr
araaos fammorlnh rarnave* v armnicos, sendo tudo vendwo nCT
Da-se dinheiro
o h.
a premio ; na ra Augusta
Atencao.
"Preeisa-ae de om eaiieiro para hotequiai ce
pralica oo sem ella : a iratar das G as f Jwras dw
manhaa das 3 h)ra da tarde por diastf no Va-
lente Gaeoreiro na Cisca Postas n. IOS.
_ ._,______'____,___________H_______
QaemDcljar de ama sreu raern ^ara
erra, paofl > W| fsr avtt, procuw 99 ra
Trocam-se
**s notas das eaixas Gliaes do baoee *s firasi
praea da Independencia n. SI
Ama.
Pi"ecia-e de etii *ou qae Riba eotiotiar par
m df nosaeic sgj:eir,i.: < jratar oa roa da C
J?5i J>.
i'OR METADE DE SEU VALOR.--------
Vende-se urna liea armaco de amarello' envi-
dracada e proprla para qualquer negocin, e tam-
bem se aloga por mdico preco o armazrn donde
ella existe largo do Crmo n.' 9 : a tratar oa ra
do Queitri3do u. 7:
SacE?l Power Jaiiuston i. Cdaipanbia
Rna da SenzalaNova n. 42.
"3 AC-ENCIA DA
Pnndrfl^fto deLow. Hcor.
fachinas a vapor de 4 e 6'cavaHos,
\oeadase meias moeudas para engenho.
Tareas de ferro coado e batido para enge-
nho,
irreios d-' carro para nm e dons cavalloa,
Relogios de onro patate inglez.'
Arados americans.
lactinas para d escarcear algodo.
Motores para ditos.
Wacnicas de costura.
/
Companbia idelidade de segaroT'g
DMritimos e terrestres \
estabelecidt po Rio de Jaaeiro. m
AiTCSTES $H I^HRAMBCO |
Intoaie Lnii de Olireir Axevede A C, S
competentementeaatoriuu&a peladircc- **
toria da compaphla de segur Fldelida- pP
de,tomara segaros de navios, Bser-aric- Mf
ras e predios 4j ^en aaeaiptorV raa da 2
^L<- m i '





%
osario de iern Bblico Quinta letra *i de rever:re de ib
\
I
Dtt. SEVIAL.
Para o tratamenlo e cura rpida e completa das molestias sypbiliticas, erisyps-
tas, rheumatismo, bobas, gota, debilidade do estomago, infiammacBes chronicas do ligado
e baco, dores sciaticas, cephalalgias, nevralgias, ulceras cbronicas, hydropesias, pleuri-
sias, gonorrneas chronicas e em ge al todas as molestias em que seteuha em vista apu-
rificaco do systema sanguneo.
Conslderaees ge raes
A saude um bem inapreciavel, cuja importancia e valor so est reservado ao en-
fermo o avalia-lo.
incontestavel que o homem neste mundo constantemente, e por todos os lados
atacado portima infmidade de agentes morbficos que todos tenden, dadas certas edeter-
minadas circumstdncias, a alterar o regular exercicio das funcces orgaoicas, resultando
pesse desequilibrio o que se chamamolestia.
A molestia na"o mais do que a desvirluaco das forjas vitaos, occasionada, se-
gundo as investigaces e experiencias dos mais abalisado raestres da sciencia, pela depra-
vado dos humores geraes, consequencia da accao maligna desses mesmos agentes morb-
ficos intraduzdos no organismo pelo acto da respiragSo, pela via digestiva, pelo contacto
immediato etc. etc. etc.
A sypliilis infelizmente lem sido a partillia da humanidade, ecomo fra deduvi-
da que esse terrivel Proteo da medicina urna molestia hereditaria, ella tem sido obser-
vada em todas as idades, e debaixo de todas as suas formas t5o variadas, enfraquecendo
constituicoes robustas, produzindo mutilaces, e cortando ainda em flor da idade vidas
preciosas.
Eliminar da economa esses principios delelerios. e purificar a massa geral dos
humores tem sido desde tempo immemorial ofim constante da medicina, e*os purgati-
vos flguram em primeiro lugar para preencher esse desiteratum ou fim.
O Elixir depurativo do Dr. Sevial parece merecer a preferencia sobre todos: os
immeosos successos obtides pelo use deste salutar agen e tanto na Allemanha, como em
Franca e Italia, o tornam o companheiro insenararel dequasi todos os doentes.
Sendo as melestias, como cima issemus, devida* s alteracoes dos humores, o
Elixir depurativo do Dr. Sevial pode ser empregado vantajosamenle na syphilis, erisy-
pelas, rbeumitismos, bebas, gota, debilidade do estomag, inflammaces cbronicas do
figado e baco, dores sciaticas, cephalalgias, nevralgias, ulceras chronicas, hydropesias.
pleuresas, gonorrheas chronicas etc. e em geral em tc-das as molestias juta que se tenha
em vista a purificac5o do systema sanguneo; pois que uma^ratica constante tem feito
ver que elle inlispensavel nos casos gravissimos para minorar os soffrimentos, e pre-
parar o doente para medicacoes superiores ; e as menos graves a cura a conse-
quencia do seu uso, convenientemente repetido.
As substancias que entram na composicao do Elixir depurativo do Dr. Seviai
pertencem todas exclusivamente ao reino vegetal, e grande cathegoria das substan-
cias depurativas e aniisyphiliticas; assim, ao passo que este remedio depura o orga-
nismo, eliminando os principios nocivos saude, pelo mecanismo natural das evacu-
ares alvinas, neutral sa ao mesnio tempo o virus sypbilitico quando este virus ja
tem feito erupclo ho exterior debaixo de suas multiplicadas formas; e previne tam-1
bem os estragos dessa terrivel molestia, quando por ventura se ache ella ainda no
estado de encubaco, isto sem se ter manifestado sob formas exlernas: beneficio
immenso, tatito mais quanto neste estado os individuos ignrram completamente se es-
t5o contaminados por este terrivel inimigo.
O sabor agradavel d'esle Elixir convem a todos os estmagos, a sua accSo so-
bre o tubo intestinal suave e benigna, e de nenhuma forma produz molestias medi-
camentosas, como acontece ao purgante dito Le Roy, que na sua quadade de drs-
tico forte irrita a mucosa intestinal, e consecutivamente a seroza, resultando d*ste es-
tado, muitas yezes, hydropesias, que quas sempre terminam pela morle Assimpois esperamos que o uso deste remedio justifique cabalmente as nos-
sas asseveracoes, porque sendo um medicamento to simples na sua composicao, a
pratica tem confirmado sua ulidade.
laico deposito em l*eruanibnco
Na botica e drogara *
>*** DE
\i\
VKfilE-SE.
CASA DA FORTUNA,
Aos 6:000#000.
lio assignad venden dos seos muito feli- j DaDtl p*,f0 d0 Lrmo-_ ....
Stvina
Urna machina nova i)a mis moderna para !-
var h eogonn..ar Aupa, rnalw eo.-imotn p; r a
oa
ama m; Iiilia de )tjil* a La'.i XV, nua '.u
de amarello d rusroo feit.>, stnJo. obra moilo
bem f.'i!-!. .-to e reejnru'cid > j-
IgnMhiPnte wvi-iiiIh i mha app'ri H"da p--
ld-i.
ra ewpalhar, por ra-r*r |iru:-i 'ne em ouira qual-
quer parte; na camni doGarmo n. 19/tota di;
marreoeiro

Barohomeo .Companhia.
34-RA DO ROSARIO LARGA34



NOVO DEPOSITO

DE
MACHINAS
PARA DESCAROCAR ALGODO
Manoel Rento de OliveiiH Braga.
53 Ra Dlreita u.53
Noste estabelecimento se encontrado as
verdadeiras machinas americanas chegadas ltima-
mente, as quaes sao feilas pelo mais afamado fa-
bricante da America, por isso avisa a todas as pes-
soas que precisaren comprar, de se dirigir a este
kestabelscimenlo que compraro das mais perfeitas
jjy ueste genero, assim 'como mais barato do que em
oi.ilra qualquer parte, por isso que se recebe por
conta propi, bem como cancos de chumbo e mo-
nhos para moer raiiho, e grande sjrtiasento defoi-
l agens e miudezas em grosso e a retalho.
./.
Compaa geral iiespaakola de seguros sobre
a vida
ATORISADA PELO REAL DEGRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 859
AiNQUElriOS DA OMFANHIA D1REGCA0 GERAL
O Banco de espanha Madrid: Roa de S. Agostlnho
I n10
SHuaeao da coinpanhla em 4 5 de julho de 1866.
Apobces -iy:7O0 Capital Rs. 127:1445670 ou moeda brasileira
Ri 42,714:476(5000
A Nacional abra>;i toaas as conbinacoes do seguro de supervivencia e n'ella pode
fozer--.se nr.rii>;l > d m)do que em nenum caso se perca o capital imposto nemos lu-
cros correspondentes.
Urna afiaoca depositada^oos cofres dojestado, garante a boa administragao da com
panhia.
Os fuios da compaabia se invertem em itulos do estado e se depositan) no ban-
co de Hespanha cm ntreacSo do delegado do governo e doconselho admin>trativo
A companliia estranbatodj aeaipreza ou ispiculacao perigosi,eos ttulos em
que se invertem os fundos itnp s na rmesma, iia->-se correm o m^nor risco, pois esto
garantidos pelo governo, podeatonacao da a tor p.eizosd
KJ
Socieade portagaeza de secaros mutuos sobre a>Ma,fauIadae
admiuistra'la pelo
BANCO^pLLLlANCiLDO PORTO.
Todo o pai que descjar^cautelar o futuro de seos filhos dev,e quanto antes,
azer inscrever os seus noraes na listados socios daPievidenle por que, com urna
pequea quantia que, todos os annos para all frapplicando, tirada do ructo das suas
economas, no fim de 2-5 annos a!oarijr-Ihes-ha urna fortuna, que por enbum outre
meio e com to pequeo desambolso poder obte..
Os exemplos praticos de ojtras sociedades anlogas tem mostrado que:
10\SOOU PSUS ainiualmt'iite p'idr.m prodozir.
Por utm meDioo da 1 ia al anno
* de 1 a annos..
d* a 3 ...
de 3a 4 ...
de i a 15 ...
.Por urna pessoa de 15 a 20 anww .
de 20 30 ...
t .. de-3o a 40 b ...
a da *0 a 50
Eui 5 au-
nos.
.IriOoi
900(3
$6-?
8605
8605
800(5-1
8605
860*
9005
Eiu 10
annos.
4:0005
3:0905
Em 15
annos,
9.0005
7:505
2:9005 7:005
2:8')05t 7:1005
2:7005 7:R005
2:7005 7:0005
2:70>5
^:7005
3:0005
7:1005
7:015
7:5005
Em 20 an-
nos.
20:00^5
47:0005
16:0005
15:6005
15:5005
*15:4005
15:6005
16:0.05
18:0005
Em 25 an-
nos.
Vi?'
m
m\
rar
Ha' Ut)s (e \ i-ude-se Ciirnpoil/is d^i frrtuu< Hosa,
Chri-io, A> f Gni-tin.: tm Gira^u ile
"ar,) u. g r. d I^tucp.
*w Arfco.^ para .menina a t ts
VuDde-e a der-gus cudsUi:!- d j,ot-
stira, rocela?, liflnelt-s de our.' cur
de bello gosio para menina : no Ojra'fSo 'M
de Ouro d. 2 D ra do Cabog.
.< i5
A'miA
O abai
zes r.ilnetes garantidos da lotera que se acaten
e extrahir a beoedeto da Saoia Casa de Miseri-
cordia, ps seguales prenRv : *
N. Ii68 um rueio cora a sorle de 6.000.
N. 1820 dous nielo com a sorle de l:iOOJ
N. 816 um meio com a sorte de I00#, "
E oatras maitas sortes de 1005, 40 e 20.
Os possnidores podera vir reeeber seus respec-
tivos premios sem os descontos das lels Da casa
da Fortuna a' ra do Crespo d. 23.
Acbam-se a venda os da 33" pirte da (7*) lo-
tera a beneficio das fimilias dos voluntarios da
patria, que se extrabira' sabbado 23 do corrate.
Preco.
Bilhetes........ 6000
- Meios............ 3t'00
Ooartos...-....... IJoOO
Para as peswas que compraren de 1005000
para cima.
Bilhetes.......... 53300
Meos............ 2J750
Quartos.....v 1#375.
. ________Manoel Martios Fiuta.
Dr. Ignacio Alcibiades fi-
loso
MEDICO.
Continua a residir na roa da Imperatrix n. 48,1
2 andar, onde pode ser procurado. Di consultas [
das 6 8 horas da manliaa.
Crrelo da Europa.
E' e,-te um dovj jornal publicado em Lisbea,
que, substltu ndo c aotigo jornal Doze de Agoste,
se loroa de muito maior nteresse para os paizes
e.traBgeiros, pela amplido das Dolidas, commer- U
claes. polticas, a d'outra qualquer especie, que j ^^
aquelte jornal cootm.
Aos amigos Srs. asignantes do jornal Doze
de Agoslo previoe-se, par que, a' chegada dos pa-
quetes da Europa[; se sirvam mandar, buscar o
Correio da Europa, que substituto a sos asigna-
tura, dos lugares seguinles :
No Recife praca do Corpo Santo, estabel^ci-1
ment dos Srs. Beliro, Olivelra & ft',- d. 6. Em !
Santo AntonioPraga da Independencia, estabele-;
cimenio do Sr. Joao dos Sanios Vj^ra n. ti. Vende se cera de carnauba oiuito
Em S. Jos-Rus Direila, estabelecimento do Sr.' ra d* Moda n. 4o.
Joaqoim Antonio da Silva, n. 76. Na Boa-Vista
Praga da Boa-Vista, botica do Sr. Jo^quim Ignacio ;
Ribeiro Jonior.
Nos mesmos logares se recebem asignatur^s
dos quo as queiram tomar para o Correio da Eu-
ropa.
brande a*3iazem de ti
tas inedicaineutos etc.
Ra do Imperador o. 22.
p'narma
Veode se um escravo de 20 annos perfeilo) cos-
nhelro, na ra do Alecrim casa oule morou o Sr.
PcIXOtO.
ES
5 Productos c'imicos e
| ceuticos os m >m medicina.
Tintas para todo o genero de pin-
* tura e para tinturara.
Productos industriaos e tintas
para flores, como botoes de flores |^
*i^ ^ e modelos em gesso para imitar tf^
- fructas e passiros com o compe- ^
tente desenho.
Prolnctoschimicos eindustriaes
para photograpma, tinuraria, pin- M
tura, pyrotecnia etc. gjg
Montado em grande escala e snp- yj
prido directamente de Paris, Lon- i
dres, Hamburgo, Anvers e Lisboa W
,rv|

i pode offerecer productos de plena
9 confianza e satisfazer qualquer en-
m commenda a grosso trato e a reta-
y* lho e por pre?o commodo.
Ni'gocia.de milita varlageB
Venderse lodo o appareho pitra (wr
colla em grande por^o oiigando-SA
S quem vende a dar tolo o processo da
5 lacricacao: quem pre nder di:ija-se ao
R pateo do Carn.u rasa de tiatib ;.-
misBSK-iMii un
Farello a 4^(iOO novo.
A' roa do Apollo n. k.
t'ei'a de carnauba
uperior
m
m
Fio de algodo da Baha
Vndese no es.cnpt.irio de Amonio Luiz de Oli-
velra Aievedo & C, no seo escrlptorio ra da Cruz
n. 1.
rdi nad i espantoso attecct) ffi
Offerecese 800i a senhora que esteja g
habilitada a enstnar. francez, msica e ""
piano a 3 meninas em um engenbo fiel lo j8g '
da estago da Sscada : quem estiver HE
nestas circumsiaocias pode procurar o gg
lentnte-coronel Sales morador as Cinco m
Ponas no segundo andar do sobrado Pro- -~
pheia. Vj
Aiuga-se o segundo aDdar do sobrado do cae ,
do Ramos n. 32 : a tratar na ma do Crespo n. 8 B
Aluga se un i-ilio na Capunga, ru-- das Per' i
Dambuc.DS,junio ao sitio do Sr. Domingos: a
iratar no im-ao.
COMPRAS
Compram-sc escravos -
Silvino Guilberme de Barros, compra, vende e
troca efleclivamente escravos de an.bos os sexos
e de todas as idadet : a' ra do Imperador n. 79,
terceiro aDdar.
M|
YERDADEIRO LE RO
de SIGNORET, Doctear-Mdecin
Ru de Seine, 51, PARS.
Ouro e prata.
Em obras velhas : compra-sena praca
dependencio ti. 22. loja de bilhetes.
da Id
Compram-se libras slerliuas : na praca
ndependencia n. 22. ____________ ~
Compra'seTuroTpra13 e ladras preeicsas em
obras velhas: na roa da. Cadea do Recite- loja
de ounves no arco da CoEcelcao.
En cada garrafa, val, entre i rolli e o papel azul
que leva o mea linete, um rotulo impreuo em ama-
rello com o Sillo Ibi'ul do coverno fbancbs.
-Y. B. Remettendo-e urna lettra de 500 francot
-ol Sari, acfilarel a 60 dial de vista, ao mximo,
?!---, do batimentoe do maior detconto.
, -silo principal
i IcgiUmo Le Roy
ni Caza do domo
unico agente pelo
Braril a Sua Arto-
rio Fk*M : d La-
cbrda na Baha
not priBtlp* phar-
aaceuUcoi.
CftMPRi-SE
cobre, lalo e chumbo : DO srrazpm da bola ama-
relia, por balxo do sobrado n. 29 da ra d> Impe-
rador.
Compra-se um preio : na ra da cruz n. 6,
armatem.
Compra-se uu estiavo; na
mero 6.
ua da Cruz nu
47:0004
37:0004
35:0005
34:0O0(J
33:300*
33:300
34:0000
37:0000
50:0000
Compram-se bois man tratar na travessa do Carioca D. 2, caes do Ramo?.
_ Compra-se moedas de nnro, rata-5 s raaxi- t
cauos e IVancezes : na ra Nava n. 23, loji.____ '
Moedas de ouro.
Narionaes e eslraogeiras assim como libras
esterlinas : campram-se na roa do Crespo n. 16,
primeiro andar.
I*rilhantts e diamantes
Coaipra-se toda e qualquer .obra que
contenha trilhntes e diamantes oa mesmo
pedras solus : no corac > de ooro n. .2 D
ra do Cabug.
Compram-se
FERRO QUEVENNE
Approtado pila Academia de Medicina,
Auctoritado per circular especial de Mintre.
0 ferro QCEVEXXE se uia em todos < ca-
aos para os quaes os ferreos sao presmptos.; nao
fax oa denles ficarem pretos; he a preparxfio a
mais activa, a mais agradavel e a mais econ-
mica; muitas vezes um frasco h suficiente para
curar urna chloresis.
A experiencia me provou que nenhuma pre-
parado frrea h supportaaa mais fcilmente
< que o ferro QUEVe.we, em observando u
t Imites de deses muito reguladas.
BucaARUAT, Annuario da teraputica, 1868.
O Fiaao Qcnanss T Itti
Mee de i.
Deposito geral em casa da Bulle Genevali,
14, rae dea Beux-ArU, esa Pone, e em todas as
botica. Exigir-o Smis Quttnne t a marca
de fabrica cima.
noedas de ouro, hacicnaes e Stranfieiras, assim
como libras slerlinas na ra da Cadeia n. 22. *
Compra-je orea casa terrea de pequeo va-
lor, mas que lenba quintal, pref-re-se no bairro
de Santo Antonio : quem Uro anuuncie ou diri-
ja se a Fura de Ponas travessa do chafariz u. 9.
Compr?.-?e urna earava rjue. nao ienha vi-
cios : a tratar na roa do Sebo u. 3i, taberna. ,
mm
VENDAS
Vende-se o ngenho Queimadag, silo na l're-1
Koezia de Barreiros, nsoente e crrenle, e cora rp-
limas trras ; a tratar u? rui as Cruzea a. il, 1,
tjodar,-a na ra Dir^ita n. ,21" i" andar.
Liquidadlo
das fiueoj b 7 A-
evtas fazendas se veniero pof preQos baratissiinos !
para acabar, em \iiiu-le das ubras que su est fa-
zendo ca Dtejroa oja, sarao vendidas no primeiro i
andar da mesm.
Ao puolieo
Vende-se a taberna d{ roa da Carvalha d. 1, cura :
alguns fundos, o ra>a para familia, nao seuio praa-
de, mnito proptia para pnnnpianlf, bem afreguesa- '
da para trra e lamhem para o malo ; o vende se nao por seo estado melindroso de sauie : I
quem pretender dirija-se a tnesma taberna que
achara com quem ti alar.
Acha ye a veoda na livrsria proximi ao arco .
deSuto Antonio, um pequeo fulheto em que a'
doutrina protestte cabalmente anuiquilUda pe-
los benitos e solidos argumentos da nossa, e nica
rellgiao. Sua compreheoso est ao alcance de ti-':
d8 >s idades, devendo por isso os pas de familia
e directores de collegbs pressarem-ss a compra-;
lo, mesmo por que a ediccao foi muito limH ds.
Em Portugal, sua leitura tornouso obligatoria'
nrs est. pr.-cnBOO'rs.
Ael'.-clricidaHe hoje etnpreKada por indjH "
mdicos af miados, para o Iralaim-ntu di* nmil>
molestias, mesmo para as que resistensMilras
ineilic;icnes.
A eli-cliiiiade prodiuida pela friccaoteniuaia
lUfeftorMladjsi incoutcsiuvel, e a vanijgok de tu.-.
dar alalos, e de poder ser graduada pela ocote.
>A causa a mais ficquente das molestias t
cstagnacao ilo san^ue ou dos ouiros iiquilos -
tacs. Restablcccndo se a ciicul. iiismo, curacao-se as molestias.
Quando se aoal algonia dr em ^uelquet
parte do corpo logo, e iiisliiictivamciiti, se crO-ega
o lurar cndolorido com a ma6, e isto allia. Isto
eipiica o resultado incontestavel que deve pro-
duzir um appareho c\c'.iico. l-'.ir isso temo;
praiiTemamiunciarau Public que o Sur Buisson
de Birilirs residciile,_liouli;vnri du Princr-
Eupnc, 18, ero Pariz, dolou a u edicina de un
apparelko Electro Wagnctica, sob a fu. oa de
suma ese-ova, coro o qual os doentes ss |-oderao
atorar scia neliuma outra metlicarao. 0> medir.::!
qae a tem eip-rimrntoiln, oltestarc qae a
scova Electro IttAGKimc t rllic 'zpara
acarar: MBbaumalismoa, a Paralyia, Golu.
. I raqueas dos mrmbros, d* Coluinoa er-
tebral. debilidade geral, Wevralgiau, eto.
Estamos certos que brete cada familia p->ssuir*
ota eieova que prestara grandes seriia*.
* A pedid* de muitas pessoas, o autor decidio-se
a establecer un deposito de seos apparelhas na
/tio de Janeiro, em eaea do Sn Diuiu Honra,
ra no do Ouvier, S8.
Quem preteaitir sulscrerer para a Prevideote e cksege qaaesqner esciarecimen-
ple dlrigii'-rs. en Pdrrimrjujo iioiSrs. iinoe! Joaquim Ramos e Silva, roa do Vi-
lo o. (1 qij-? tos
gario
qoeni o* \* lr.
mwM
Venese cevada nova, e iingas m sa'o)ur.'
I na ra do Trapiche n. 18, armaiem.
Vitiho maduro do ouro \
Vmde-se em pipas e barias, proprio paia. rueu,'
por barallrimo preco, garanie-se nao ter com.ia-
sitio al(iurna alcouliea, a q-tal muitas veze> preja-!
dica o oosao organismo physco \. qo''m des-jar di-
rin se a ra iJ'.").'rrameD;o c. ?0, ?r r hit
UiAlll:!.
IEDALH1 DE OMO. pruhodeimoof.
auiNA
ELIXIR Fek-riiigo e FirliicuU
KFtiiei mi tum i uisni h mu.
Experimentada com pleno successe not
hosaltaes, a quina Laroth.e (oa extraou
computo de qaioa) ama preparacao
excepcional, por ter privada do amargo
da quina. Agrada por consrftiinteaspes Joai
-as mata Intolerantes e os paladares os mais
delicad s. pois nem muito doce nem mnito
Tiseoaa, sendo de urna mpida constante.
Emprega-se_om muito proveito not'casos
de gaita-algia, dripepeia, nerratgia, ane-
mia, marasmo, eaakcxai, magma,
Caita>emaai>paratr,covTale:cD-
rl demorada, Morse e iniiina>ajlai
a especifico das molestias ebris.
QUI.U UROCHE FERRU6HWJA
Canil*! tatas ti ytf:\Uiia i ftm t a ttiu.
EM PABIZ,
15, rtte ITrrael.
P. MAUREK &
JUJ'N.vjn. 18.
C.

a.
1

-1 p *
es
o c.
B o.
c a. CA t 6J
B a>
c c
c o.
-* c
tu i
^t i c
ce
?^
1
so
2.
c S S
XIR05E
peitoral e dmloiAcaato
DI
SAINT GEORGES
Prepralo por
OKIMAL'LT e Cte
paarmactutlcat de 8. A. L
0 principe Napolelo
Cora rpida de las
molestias seguentsa:
tosse, calarrhes, pleu-
resa, coqueluche, an-
ginas, fortes eonslipa-
coes, irritaedet des
bronchas e de peilc,
bronchite,phtica pul-
monar, aslma, pneu-
monia,aninas,amyg-
dtiles, tosse chronica,
rtuquidao. Os mdicos recommendSo ao mesmo
tempo o uso das encellemos pastlias peito-
rstwi oom e nooo d'alaco o laurtsiro-
crJo, ctm ae prtptrto a* mejmo asubek-
A venda as pharmacias de Maurer e A.
i Caors.
Carutos da Baliia.
Superiores.
llavaneiros a.......4,8500 a caixa.
Flor de Ha vana......45000 a
Delicias.........3300
Lyricos em roeias caixas 5000
Americanos meias ditas. 52000 >
Suspiros finos meias carias 32300
Itegalia-Imperal......350h0
Rrasileiros....... 32000
Suspiros superiores .... 12500 o cento.
Para acabar : na Liga, ra Nova o. 60.______
Matheus Austin & C.
Venrtem no seu armzem ra di SenziU Ve-
ha n. 106 :
Latas com ga: de 1" r/ualidade.
Barricas com farioba de raiiho nurio dots.
Saceos grandes com farello novo para acabar a
32300.
liarrls com pregos americanos.
XAROPE FERRUGINOSO
DR CASCAS DE LARANJAS E CASSIA AMARGA
Com iodureto de ferro inalteravcl
te I. E*. aLar>ze pEiarmaceiitico
, o; I*ar8^
E sob a forma liquida que mais fcilmente
se assemelha o f.-rro, eislo, sem produzir
perturbaco alguma; n'esla forma, tambem,
pieferivel s pi'ulas e pistlias em todos
os casos em q -e siio presenptos os ferrugi-
nosos. E o melhor auxiliar do oleo de fi-
gado debabalbo, porque conleai o xarope
de cascas de laranjas amargas, lo geral-
ment apprec|0o, para a cura das dores de
estomago, diges'fSes difficeis, inappetencia,
etc.
Deposito em todas ss pharmacias o casas
dd 'rogaras no Prasil.
Expedigoes, em casa de J. P. Laroze, ru
des Lions-8t-Paul. 2, Paris.
Deposito em Pernambueo, pbarmacia de
P. Maorer A C. ra jjuva n. 49.
(iolchin/ta de leite.
."'. ra da Seozalavelba n. 96, padaria de An-
tonij los Pecr.i Goocalves, t-m bolai-hlotia de
leu- Mta pelo verdadeiro fabricante o Sr. Gullber-
n l'jrcel, qae se vende em arroba e libra, a von-
lade dos compradores.__________________
LIVRO DO POVO
POR
Antonio Xarqnefl Rodrigues.
ii ra rernram'-ndada e approvada pelos Exms.
arcebispos da Babia e bi>po do Mar^nhao, e adop-
tada as escolas primarias do Amatonaj, Para'
Marapho, Piauhy, Ceara, Parah'ba o Fernamba-
r ',' edict;3o com estampas e ntidamente im
;ir o. i v.il. eartonado. Prego 12
\Vnde-se na livraria Ecooormea defronta do ar-
co de Sanio Antonio.
~~ Gaz a 802UO.
Em latas de 5 galSes, sendo de pnmeira quili-
dade. nara acabar : vens-se por este prego, s na
ra Nota n. 28.
CAL m LISBOA
da inai.i nova qae ha ni mercado : vende-se do
afn<*..aai di David Ferreira Bailar, ra do Brum
n, 6G ; barris de 4 arrobas, toda em pedra, por 52,
lita- b 2 dilas, hermticamente fechadas por
2*.>,.
VENDE-SE
i
I liares americanos para dous ca valles.
>' i dito para qnatro ditos.
?! Unas nara descarncar algodo de 14, 16,
. 30, 35 e 40 ierras.
IV iieas para enfardar algodio fazeodo os ye-
m sen palmos de compiimento, cora o poso
d- fiO c-SOO libras, vindas nitimasoente da Ae
rica : do armiiemde H^nry Forster & C, no caes
n. ajiplo ao Gibioele P.iriogoes.
- "ftftk-Vo urna dnzia de cdeiras, nm par de
aim sof: a tratar na roa do Sebo n.
:ot.
Ktquifus ou labadii.ijus de cambra.
A aguia tranca acaba da re- bit tfb bitlu sor-
timet-to di riquifee oa baladmhos de eambral tn-
fcitados de braoco e ce cor.?, e mui pbprios para
vestidos de seataoras e mc-.ia., e i. e-tuo entras
obras a que as roboras o* applfcam r .v acerte
SSgias {ectnaas sao jle S mutefi e vende se a
z#500 t> J2 cad ama ; na loja d'-toia ff anca roa
uo Qoeimado n. 8.
Albuns para rebatos.
..I^m1* braLca Tecc-*>ea Covo soi tmenlo de bo-
nitos albuns para retr; los e continua a vndelos
como sempre por precos commodos ; compar-tj.m
pois os Lretendentas a ra do Qocimado rotada
aguia branca n. 8.
Novos eafeites para vestidos.
A agnia branca a roa do Qu-imado receben co-
vos enfeltes pitra ves idos AtaoO> e vnire elles
as casearrflhas com bieo, obra nova e de gnsto.
Carteiras de algibeira com tesoura. pente e
mais necesarios para viagem
Vendem-e na lo^i de rpiodeas a ru do Qaei
mado o. 16.
Coques fingiodo ralsello.
Lisas e crespos, sioeelos e compo.-los, de gom-a,
canudos e redondos, cobrtos com .et simples
de vidrinhos, ornados com flores e Atas, obra nova
e de gosto.
Para seohoras c nctoinas.
L>qaes fios de madreperola e osso, todo de sn-
dalo e de sndalo c.m seda, com fios e bonitos
desonbos.
Obrvs de raadreperala.
Bunitos penles. de madreperola moi alvo para
coques, Un las fivellas de dita dita para cintos, de-
licados alfinetes e brincos, botoes para pannos, c-
ln.i prima.
Aderemos, pentes e fivellas iguaes de dita,
brincos. Fivellas e fitas para cintos, cintos mati-
sados, obra novissima e de gosto
liamos de flores finas.
Como geralmcote sabido, a loja da aguia bran-
ca o jardim das Boas flores artii-iae*, e alm do
botn sortimento que sempre se ara em dita leja a
aguia acaba de reeeber novas flores as quae* se
coohece o rigor d'arte imitando as Ares naioraes.
Na luja oa aguia bracea a roa do Qiiejroado n. 8
acharo os apreciadores do botn e delicado oejjod
flores cora compridas ramas, rosas, etc., trOo do
melbor gostn e prlu.etra qualidade.
IReias pretas para padres.
A aguia i-.ranra a' roa do Queirnadu o. 8 rece-
ben Duvo sortimenlo daquelUs boas meias rr-las
de lai.i que conlmuam a ter veudidas a 5200I o
par.
Visaras e damins
A apoia branca a' rna do Queimado n. 8 rece-
beu novo sortimento de vispr-ras em canas de ma-
deira e. papelo com .24 e 36 cariScs, tendo entra
elle? a'uns cen chapa de metal para cebrir o ta-
mero ; assim como dminos em caias de madtira
branev e envernisada.
Kap Paulo Oordeiro.
A leja de miudt?.as a' la do Qneimado o. 16,
rece beu nova remesa de rap Paulo Cordeird.e
continua a n-cebe-lo por lodosos vapore, p;'ra
que os apreciadores achetn sempre boa pilada.
Botes grandes
c pequenos, pret s e de. outas edres.
A agui branca recebeu um bello sorlimelfl e
botoes de diversas qoabdades e gosios os mais
modernos, a elles boa frcpnezia da aguia branca,
comparecam a ra do Queimado n. S.
Matos aderecos dourados
Na loj* de miudezas a ru.t do Queimado n. ;6,
vendem-se bonitos meius aderecos d..nrjdo liuo
obras mni bem acabadas c de novsimos moldes
gostos agudaveis e precos to tommodos qae ae-
nbnm comprador objectara.
Amostras d$ obras dauradns
A aguia branca a ra do Queimad n, 8, reoe-
beu orna peqnena quattidade do radios adirieos
dourados, obras de' moldes inteiramente novo e
agrada veis, e acabado? com perf-ico e mesmn as-
sim a agoia qner vende-las baratamente para aca-
ba-las at o fim desta semana, por iso os preten-
denies comparec m munidos dedioheiro.
Espartilhos.
A aguia branca, na ra do Queimado n. 8, rece-
ben nova remessa daqnelles bons espartilhos, e
contina a vende-los baratamente comodantes.
Arbolas de borracha
para atar papis, segurar mangn t >s. etc., et:.: na
loja d'aguia branca, roa do Qaeiir.i'.-) n. 8.
A LEGITIMA
PREPARADA WCAMENTE P0
LAMAN & KEMP.
NOVA YORK.
Composta de substancias, gozando da
propriedades eminentemente depurativas a
approvada pelas juntase academia e me-
iicina; usa.da nos principaes hospitaes, ci-
is militares e da raarinha as P ntilhaa e
qo continente americano ; recei ada pelos
'acultativosos mais distinctos do imperio do
Brasil e da America hespanhol
CURA RADICALMENLE
scrqphulas, rheamatismo, escorhuto, eo-
ermidades venreas e mercuriaes cnagas
ntigas, morphea e todas as molestias pro-
enientesd'um estado vicioso do sangue.
Emquanto existem varias imitacoes e
falsificacoos, preciso a maior cautela para
ivitar os engasos,
A legitima salsa de Bristol vende-se por
CAORS & BARBOZA
JOAO DA C. BRAVO & C.
Jo3o da C. Bravo & C
Depo sito geral em PernamDaco roa d
Cror n. i' em casa de A. Carn, J. da C.
Bravo e P. Maorer d C.
Vende-se um ca vali edr mellado cachito,
alada esta igualando a ultima muda, sem arba-
qaesalgam, andador baix),cpm arreios, por pie-
50 coromodo : na coebeira da rna dd Sol ns. lie
15 a entenderse com o dono da mesma oa na roa
Nova n. 69, segppdo andar
Novidades de Paris
Chegadas pelo ultimo vapor.
Peutes enfeilados para coques.
Ricas fivelas de diversos gostos para cinto*.
Brincos de dejados gostos para orelbas.
Eofeiws, volUs.elc., etc., e muU.-s oulros orjee-
tos de gesto, qae soco a vstase pndem apto-
eiarT a roa Nova n. 28, estabelecimento de
Sjora Soares & Itmo_____________________"
AMAHEIA
Vende-se em pranchoes os melhores que C m
vindo ao mercado : a ver no caes do Ramos oade
se aeham acorrentados, e a tratar na ra da Giuz
n. 30, escriptorlo de Antonio C.Tmpor>:.
Tesouras para encrespar bar-
bados
Vendera se tesonras de dos, tres o cinco r"-
Djde todas asgrossoras para encrespar babada:
u iu d-j Quelmdo, loja de Aievedc A Irmao.


ii


-
MMH
-*--
-***
Diarlo 4c Pernaaibnco enlata telra 11 de Fe rere Ir o de 1867.
3


O ARMEZAM
Altlf AZE11 I*E VAZISXDAS
E
bwa fi-ira mumfn
53 RA DA CADEIA 53 m
P \y ta\MO O AKCO DA iOVCEHlO.
Acaba de receber e tem por bartissiraos precos
DE
OLYMPIO GONQALVES ROSA
Ra do Livramento n. 14.
O proprlelario deste estabelecimento faz scieote ao respeitavel publico e aos seus amigos
freguezes, qae tem aogmeotado a soa offlcina de alfaiale, e dirigida por ara tubil mestre, se ene. r-
allU de Seil aOpSfclimaClO e milltO COmpletO SOrtimentX) regidefaiereoopTOmplidSoqoWuereneoinenda,da8pessoa$qaeqolarea hnwsen ebele-
~9 m t cirntnio por presos mais Dralos-
de gneros os seuintes abixo declarados.
"v 1 TI T ~ -, .
. Queijos de Minas.
^bogados pelo ultimo vapor a 1(5600 rs.
Gtommi de milho branco
americano.
MUSCATEL DE SETUBAL
o mirto excelle >te vinho muscatel por 205
a caija de duzia e 25 a garrafa.
CHA
hysson de primeira qualidade a 20800 rs.a
libra, uxim o que ha de mais fino a 35 rs.,
e melhor qae ha para papa, Po-do-lo,boo a,fQ. destas ga muUas oulra3 qualidades
creme etc. raailo *W^*,|^^^vwBr4t1^fto,fWJ#eode
ra* de 15000 rs. a 25 rs. a libra.
oadavel a 6*0 rs. cada pacnte de 1
SALMEO E LAGOSTIN
negado oltimameate em latas de 2 libras
15600 rs. cada urna.
H0C0L4TE
Mtfjez a 5 X) rs. o pacote. dito hespanhol
Mpeciali o me'hor que tem viudo ao merca
CHA PRETO
o mais especial que tem vin io a este mer-
cado a 256UO rs. a libra.
4o a 15280 rs.
LATAS DE LINGUIQAS
eom 6 libras ermeticamente fechada a
450J, e de barril a 640 rs. a libra.
VELAS PARA CARRO
US pacotes de 8 velas a 900 rs.
VINHO DO RHEN0
^dadeiro a 25000 a garrafa.
BORDEAUX
ai mais acreditadas marcas: S. Jalien,
Saut Brion. St. Emilioa e St. Esteph a 8U0
n. a garrafa e 8500U a duzia.
O EXCELLENTE E AFAMADO
COLLARES
agarrafado da bem conhecida casa de De-
jaat & C. a 105000 rs a duzia.
PORTO
ir?rsas qualidades engarrafado, inclusive o
ais nao que ha n'este genero por 800,
i500, 15200, 15*00 el05\,O rs.a gar-
rafa.
OLD CHERRY
a mais supe ior do mercado a 15500 rs. a
garrafa e 155000 a duzia.
VINHO BRANCO
scellente quilidade, de Lisboa, e proprio
para missa a 800 rs. a garrafa e 85000 rs. a
eaixa de duzia.
VERMOUTH
superior qualidade em caixas de 12 meias
garrafis por 125 XK) rs. e cada meia garra-
fa 15200 rs.
MAQAS
estrellinhaspara sopaem caixas sortidas de
" 8 libras por 45000 rs, palharim, macarrSo,
etc., a640 rs. a libra.
Assira como tem uro completo sortimento de fazeodas unas (as qaaes oio sendo costume pro'
corar as lojas do Livramento) espera qae seus amigos e fregaezei o.hoorero com sua? presengas,
oois vende mais barato qae oalro qaaiquer.
PREZUNTOS
os verdadeiros de Lomgo a 640 rs. alibrae
560 inteiro.
JALEIA DE MARMEELO
em latas a 800 rs.
MOLHO INGLEZ
diversas qualidades a 720 rs. o frasco.
MOST\RDA INGLEZA
muito nova a 800 rs. o frasco.
MOSTARDA FRANGEZA
a 640 reis o frasco.
ARENQUES
em [atas a 600 rs. cada urna.
GARRAFAS
brancas para mesa superiores a 55 rs. e a
65 o par.
COPOS
diversas qualidades e tamanhos a 35 rs., 4
5# e 65 a duzia.
CAPACHOS
de cores e differentes tamaitos a?8D0 rs.
640 e 800 reis.
BALA OS
diversos feitios e para compras desde 900 rs.
at25 es; ditos gran les proprio para roupa
de 35 a 55-
GAZ
ornis superior giz liquido em latas grandes
com 5 galoes por preco de 105 rs.
Mil DA C1DEIH3
Por menos de 10. e 20, e 30 por cento,
NO
Joaquina Simos ds fthni-
23 Largo do Terco 23.
0 proprietario deste estabelecimento de seceos e nvdhados t<>ndo de fazer urna via-
gem. est resolv Jo a vendar por menos de 10 a 30 por cento a dinheiro; para isso tem
um graode a vantajoio sortimento para os amigos do bom e barato, que a maior pane
deste, vnnm p ir conta, para o que faz nnuncio de algans gneros, e a vista destes
regularSo os outros mais.
dinheiro avista
Giz americano a 8,800 a lata e a 380 rs. a garrafa.
Tou -inflo -le L'sba a 2i0 e 320 rs. a libra, e em barril ha grande abatimento.
Caf do Rio a 180 e 220 rs. a libra, een arroba ha gran le abatimento.
Cerveja das mais. bdtn acredita las miroa* a 5,ooo e 6 030 rs. a duzia.
Vino.; Figueira da mj,lh >r rairoaa 3,5')()a canada: e 4S0 rs. a -arrufa.
Hem le Lisna a 2,70 e 2,8 JO a caada, e a 360 e 400 rs. a garrafa.
Pliosforos do gai a 2,003 rs. a groza, ea 180 rs. maco.
Manteiga franceza nova, a 560 rs.va liora, e em barr a 520 rs.
Id-m i'lem inJeza flor a l.ooo rs. e 800 rs. a libra.
Arro pia lo de In lia a 110 rs. a libra, e em arroba 3,400 rs. un a sacca.
Sabii m-issa a 220, 200 e 210 rs. a libra, em caixa > ha abitiment,.
P.ipel marca martello a 5,50u rs. a resma e viad<> 4,ooo rs.
Vinho Itranco de Lisboa da melhor qualidade a 500 rs a garrafa.
Btnha d-i imrco refinada a 5 O rs. a lib a, e em porcSo lera abatimento.
Al n desies gneros haouiros mudos que enfadonlio mencin--'.os
0 p: iprielario deste annazem avisa aos seus freguezes que tem contss e letras ven-
cidas, o favor de as mandar pagar.
BASQUINAS DE SEIH PRET4.
A' loja de fazendas de Augusto Porto & 0.
11Ra do Queimndoii
A' lofa de Augusto Porto & C. chegaram as melhores basquinas de seda
preta que se vender por mdicos precos.
Vestidos de moin de cores para bailes e partidas.
Ricos vestidos de Blond com manta e capelta para noivas.
Costumes completos de casomira para homens, fazenla espacial, sendo
as calcase palitotsda ultima moda.
Bonets de palha da Italia para senhoras e cha;>os de phantasia para ho-
mens.
Enxovaes e vestidos bordados para baptizados de 105000 a 305000.
Camisas nglezas para nomem, peito, punhos ecolarinhos de linho supe-
rior.
Ricas saias de linho bordadas, bales, espartilhos, meias finas, lences
bordados, camisas, camisinhas, manguitos bordados para senhoras.
Colxas de seda, e de lia e seda para camas de noivas.
Cortnados bordudos para camas e jaoellas.
Tapetes para sof, cama e piano e pannos para cobrir mesas.
Bramante, Brilhantioa Miciennes ou cambraias de pafos, fazeoda muito
bella para vestidos, silesias, bretanhas, e cambraias transparentes tapada e
de linho.
Moireantique branco e preto, sedas brancas, de cores e pretas, e gres-
denaple a> todas as qualidades.
Brins de linho branco e de cores dos melhores.
Neste estabelecimento ha sempre so.timento das melhores e mais baratas.
Esteiras da India para for ar salas
11Ra do UueimadoI i
Vapores.
Vende-seero casa de Saanders Brothers & C,
no largo dp Corpo Santo o. 1 r, rapores patentes
eom todos os pcrieDces proprios para tazer mover
tresouqualty machinas para dnscaroc>r algodan.
POTAS^iDiRSSlA
Vende-se potam da r...>iA mr.iio superior e de
qnaHdade a mais apropriaa iiara o fabrico de
assucar a prec-' rasoav.i,
Silva Loyo di C.
uo armazem de Jos da
ios agricultores
Sannders Brothers & C. acabam de receber de
Admirem os precos
t\t) armaicu de lateadas de SaoUi
Goelhu.
Ra de QuclBado n. ie
Vf nde se:
Madapolao enfestado Buj a 9 a pega eom SO
varas.
Ditrs de 11, 7#o00, 8,5, 9*. 10 e 11* a pec^ co
20 varas.
Camhraia de lista de daas cores para vestidos
800 rs. a vara.
Baloes de arcos para seohora a 24900, 31 3*600
Ditos de arcos encarnados de 3*500 e 4*.
Ditos de n.urguliua a 1*800.
k naaiins rom i Dilos de arcos Par* meninas de 1*600 e 2*.
Liverpool vapores de; to_r,a_e.3_a_ ^cuaHos e^!Tot,-nas ,j9 |DOu a|rochoaaas a !2* a duzia.
mo-
'^^SSVS^T^o^K cr i
ver _.
vapor trabalhar ate com 140 serras, 'ambem ser-
vem uara enfardar algoo oo para outro qualqner
serco em que osam trabalhar com aniraae?. Os
roesmos tambem tem a venda machinas america-
nas de 35 a 40 serras : os pretendemos dirijam-
se ao largo do Corpw Santo n. 11.
Loja do Gallo Vigilante
RA DO CRESPO N. 7.
Grande e variado sjrtimento dos numero-
sos objectos de apurado gosto que ultima-
mente acaba de chegar para este bem co-
ohecido estabelecimento, pois seu corres-
pondente em Paris o mais habilitado pa-
ra a esxolha de taes objectos, pois os com-
[pradores podero apreciar, como sejam lin-
'dissii-di enfeites de cabeca com cok de
cabello, e sem elle.
S no vigilante ra do Crespo n, 7.
Enfeites.
Roques com caixos e de novos penteia-
dos.
Trancas pretas e de ceres, e de todas as
larguras, com vidrilho e sem elle, para en-
feite de vestidos.
Bicos de seda com vidrilho e sem elle.
Gravatinhas de velludo para senhoras.
Gravatas e mantinhas de seda para ho-
rnera.
Gravatas brancas muito finas.
S no vigilante ra do Crespo n. 7.
Vol. i alias para meninas.
Voltinhas para meninas.
Pulseiras para as mesmas. |
Corrents para relogios fingindo cabello, j
Riquissimos sintos, fivellas e fita; para as
mesmas e de oulras miiitvs qualidades.
Riquissimos peotes de taataruga.
Fitas de velludo de todas as larguras.
Lindos enfeites para vestidos, chamados I [RA NOVA N. 21,
Chrispianne Margarite. \ acaba de receber um lindo e magnifico tor*
' Riquissimas flores para vestidos e para tmente de oculos, Innetos, binocnlos, do id*
cabera. timo e mais apurado gosto da Europa a oca
Capellas com caitos flor de laranja, pro- los de alcanGe para observacoes e para o
prias para noivas. martimos.
Amainado nriamascadu de alpodao a 2* a Tara.
Dito dito a liotn a 39 a vara.
Bramante de linho com 10 palmos de largan a
2*500 a vara.
Dito de dito de 9 t|2 dito a 2*400.
Dito dito de 5 dito a 1*200.
Dito dito de 3 1|2 dito a 800.
Algndo enfestado com 7 1|2 ditos a 1*100.
Retundes de fil preto a 7*.
Boarnus n> diio a 10*.
Chales de dito a 5*.
Cambrala adamascada para cortinado com SO va-
ras a 13* a pega.
Longos brancos de cambrala finos de 2*. 3*.
3*500 e 4* a dui.a.
Laazinha eom Hores muilo-nca a 400 o covado.
Dita lisa d.ta a 480 o covado.
Cambraia de linho fina de 6*500 a 9* a vara.
Cambrala lisa muito Ba de 3*, 6*, 6*500, 7*
8* a peca.-
Colxas de fustao alcochoadas brancas e de coras a
6*000.
Coberias de chita da Iodia de 2*400 e 2*800.
Lences (te h mbnrgo fino de 2*400 e 2*600.
Ditos de bramante de um s panno a 3**200.
Tarlatana de todas as cores a 800 a vara.
Horeantiqoe preto superior a 2*600 o covado.
Grosdenaple de dito a 1*800 o covado.
Fanilla ie cores a 800 o covado.
Cambraia desalplcos branca com 8 ii2 varas pe-
ga 4*500.
Fil de linho liso fioo a 800 a vara.
Dito dito com salpicos a 990 a dita.
Guardanapos de linho para mesa a 3*500 a duria.
Assirn como tambem se enroolra do complete
sortimento de roupa feita e por medida.
Francisco Jos Germann
LOJA DA FRAGATA AMAZONAS
DE
Monteiro Guimaraes.
. K- S Kna do Quc.imado n, S.
a<**m 2 SrSKSS? S?ed,nenlp C!,arnam a men^ das Exmas.'senhoras que
r^?TKirJ^Le'?0da84 Pan qUe.se dv^e!a vira P8S' a sei1 establecimeu-
to apreciar algn, desteari.gos de nov.iad altaiim)ntechagad)S pelo vapor 'rancez,
e que esperam merecer?,) approvago do bello sadxo. ^
A-Fragata acaba de receber m sortimento de'sedas do erres relas e bran-
LqqM de madripgrota de 18 a 804(000 um.
. Lques de saaalo rtovos gosios.
Cliapeliahas de seda e palha para cok.
Chpeos de'sl de seda para senbora.
Ricos cintos bol'a fklena (novo gsto)
Cortiaad s bodaioi pira, cama.
Colchas,tle seda para cams.
- Cortes de blond para noivas.
B .squines de seda bordados de lo a G0#000
natos seria SEBZ*** h* ^^ T"? '*" 3rL=0S M raenC10"
todas JOkIZSf;uhL01S d,eSte n' eSl ,blein5nl" se con5deram gratos, para com
m t i hZAnrSZ,1 : e "V1 fr^,,tnl^ >sau ** ibato&iato e cada vez
^ S JrSni 8 m,S8rVirJ t0dS ua qUefa,n hoarar Sa esl^'^im->lo
M1CH1NAS AMERICANAS
Verddclrt do fat>rleaaCe 2f. V. Caattoagio C.
floinhos amerieaaos pira mder milho. "
Na ra Nova n. 2J e"2'2, grande deposito
das verdadeiras machinas americanas de todos
os fabricantes; se ea;ontra neste deposito
grande por^o de machinas, $ se vendem por
meos preco do que em outra qualquer parte,
por se receber em direitnra da America; se
fornece todas as esplicaces necessarias ao
comprador para cor>erva;ao das mesmas;
neste grande estabelecimeal se encontra mui-
tos artigos americanos, que muitw deve agra-
dar aos agricultores que usam de taes artigos,
encontra-se tambem tolas as colleccSes de de-
senhos sobre os quaes se aceita qoalqner urna
encommenda, que com promptido ser ejecu-
tada ; neste grande estabelecimento, encon-
tra-se em grosso e a retalho, grande por?3o
de ferragens, e miudezas que se vendem por preco conflmodo, pedindo-se a attenca>
i-;, todos para este estabelecimento que muito lucrarSo em azer suas compras: na
rea Nova n. 20 Carnei'-o Vianna.
IJIrJrJrJrJrJrJrJr^JrrJrJrJrJr-JrJ^LJ

TT
mn
PREPARACOES FERR AS-MANGANICAS
APPR0VADA8 HLK ACABEKIA DE MBDICUM
DE BRXN DU BUISSON
narMctitfee, fanreadi t4a Academia de letciu de Para
S 16
: m
39
c->
i e
- ? c a. o
I-SSJ2?
LC!:iiriff;iti
fffa
- s Z o 3 s
3oj 6..
cSi*l
^^IS'Se
i 2*
rJI
i
i i.
o-
L3 r

Ffjt?
tftJ$E
iliillH
li
2Sui* ""*"*' reconhec Ie 8 ferruginosos simples sao mollas
yatotfhMM iW.Wir as molestias qne tcem por cauu o empobrecmenE
SE2Z m!dlC0S dos mais di5linctos attribuem esse m o i S31
L ftf J"paI?c5es-'i0 2T**. *>? se acha no sangne, como o tem reconhecd
M chimicos os mais peritos, sempre-inlknamente unfdo cora o ferro. ---------
B pois, prestar-se um verdadwro servlco aos S'" Hedicos. o cbamar-se na atteocie
sobre as preparacSas secu mes. vuou*^c 8Btt mshiw
i*
i preparacSes seguinles.
Ps (errees maiiganicos da"f imm^ai?,niente wm. cidaiada,
. -L. BM,U6*^"/TO gazoza, ajradavel, subslituino com vantagera
t economa as aguas mineraes forrne-inosim. ^
i aguas mineraes Tcrruginosas
e Xaropede iodareto de ferro e de nanganese inillemeis
SSf Ma.Uma dn<> 2aHranMW 4e Wawta de ferro manganico isdicadas
partieuUrmeate as molestias Tymphacas, eaerofulosas, e as chamadas oaa-
crosas e tuberculosas.
Irtfes de lclate de ferr e de Baijanese
i Plalas de carbonato frrea mmm
rtcetadu especialmente
para a chlorosi, a aoe-
mia, a leucorrhea, a ame
W eau. doaa pr^^eia. d .'en, rmlv^!^ i**0** **
een.Td?SMS^ desejaao ebitr a adbeslo tompku do pnbHeo rnaM a
Re Paraama^, t ara gente ger.l, Maurer a O*, mam*** m KaTa.
Meias de seda para senhoras.
Dita* para meninas.
Riquissimos chapeosinhos e touquinhas
para meninos e meninas, meinhas e sapati-
nhos de seda para os mesmos.
I Lindas sextinhas e bolcinhas para bracos
de meninas.
Meias pretas de laia.
Lindos aderecos e brincos.
' Aderecos completos preprios para luto.
Lindos port jotas e port relogios de dif-1
ferentes tamanhos poprios para um deli-
cado mimo.
Riquissimos livrinhos cora capa de tarta-,
ruga para missa.
Aderemos de flores.
Riquissimos aderecos completos, sendo: i
voltas, po'seiras, brincoi, alfinetes, grampo |
para cabe I [os ; tudo i to feito de todas as
flores de ultima moda em Paris.
Cravati:aha.
Tambem chegaram bonitas gra:atinhas
con flores, e com alnetes proprias para
meninas e ssnhoras.
Ros "tas e brincos..
Riquissimos brincos e rosetas inteiramente
novida le e tudo de muito gosto.
Touquinhas.
Riquissimas touquinhas de linho e seda,
ponto de corx ricamente enfeitados e de
muito gosto.
Fita.
j Riquissimas Atas de chamalote, sendo: ver-
de eamarello, tecido na mesma fita.
Agulhas de marflm.
Tambem chegaram as mui desejadas agu-
| Ibas todas de marfim, para trabalhar em 15a
e sem corx.
Sextinhas.
Tambem chegaram bonitas sextinhas de
palha lina, proprias para meninas.
S no Vigilante ra do Crespo n. 7.
Espelhos.
Riquissimos espelhos grandes e bonitas
molduras propnos parasalas ou lojas assim
Como outros de differentes tamanhos.
S no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Para os pas de familia:
Verdadeiros
Collares Royer
Electro Magoelicos Anodinos
Ou Collares Anodinos, para facilitar a den-
iticao das criancas contra as convulsoes
das mesmas, a estes collares nos escuzado
farer qualquer recommendaglo, visto a
| grande utilidade que tem produzido aquellos
pais que os tem applicado em taes circura-
stanci& pois nos parece que nao haver um
|s pai ou mai que por este meio n5o quei-
| ra por termo a taes soffnmentos de seus
Ifilhinhos visto ser um mal que tanto os
flagella, pois a estes collares acompanha um
j folheto que ensina como se deve applicar,
j vende-se na loja do Gallo Vigilante, ra
do Crespo n. 7, pelo preco de 4)51000, 50
6 60000.
PASTA. XABOPE de HAF a IRABIl
B BFI.A*GF.MKR
8lo M arilMjMH*Ml tftmtn >Im prehMatM <
HWMaa d. Prmift, i r M vlic.i u Bm-
ypcaiiddt
luu d< Pul, m a
lie
rita HbW t aaa aaaarta-
rUadnafcn liin aa aalna aattaraaaaaaM na aihrm
aMcacli caalra ea aflaaaa, aalapa, iWa|lai a u
AaWlaa 4a *M* a 4a |i>|aaa.
RACAHOT DES RABES
bm BMaVAMi mamaos
Onlca aanento aapxvade aala Acadaaila4adlclnt 4a
Part. Ella raaubalaca aa aaaieal ^aa aaflraa do
a dea llaatlaai | fartalaaa aa crlaata u paaatM
Sakilludaa, alem alaao aa Tlnoda 4a na prearle4ade aaa.
laaMea ka a Babor praaarratl*a aj raam aaaanlla a
affMlt,
ttmprt 9 i//. a Arma Hmlmmfrtmtwr9 ma
Vepaaltarlea aa f
Cada truco a caa eajxlaha aailaa
em Parla. (Fuer eerlite attaaata eaai M falnlcataa.)
prea*r>;iai I
ii McBeNea,
a;
A venda as pnarmacias de P. Maurer *
C. A. Caors, em Pernambuco.
Doces
Grande sortimento de doces secos e crystalisa-
dos e em calda e.-lrangeirs e nacionaes : no ar
mazem da Liga na Nova n. 60. _^^__
BOTAS
Novamente chpgadas botas rnssianas e peroeiras
da melhor qoalidade que temos visto : na loja do
vapor ra N iva n. 7.
Vi olio do Porto superior en caia de
Dol duzia.
Vende-se do escriptorio de Antonio Laiz de
Oliveira Azevedo & C, no sea escriptorio ra da
Cruz n. i.
I.IYAL SOI SEGUNDO
tiua do Queiiraado n. 49, loja de
miudezas
DE
V
Vrindesejwjphariiiaciade P. Maurer a C, ra Nova.
rMrMwJraraFSE
2S
Ii\JCCAO CAPSULAS
JEGETAES aoMAUCO:
GRIMAULTaCpharmaceuticosemPARIS1
Povo tratamento preparado com as foikm i*
Jtoo, arvore io Per, para a cura rpida a iat-
fiUvel da Gonorrhea sem raed* ajean da m-
traccSo do canal ou da inflammaclo dos intestkos.
0 clebre doutor Ricord, de Pars, ler renonciado,
desde asa apparcao, ao emprego de qualquer
emro tratamento. Empreea-se a Injecdo na
comco de fluxo; as capsula* em todos as ojeos
enrmeos e inveterados, qne reaiatirio As prtea-
racoes do-eopahu, eobeba e fa injeccoea eoea base
etania.
A venda as pbarmaclas de P. Maurer &
Ce A., laaors, em Pernambocii.
Tlata nova superior
Vende s ero garrafas : no escriptorio deAnto-
nio lol de Oliveira Axeedo &' C, ra da'Crax
Coliare* Royer
. ou
i Anodinos electro-magnticos contra as con
vulses, e para facilitar a dentico da:
criancas. A aguia-branca na ra do Qoei
mado n. 8 recebe-os por todos os vapo-
res francezes.
Ja estao tao coobecidos, e tanto so tem espalbad(
a (ama dsses prodigiosos collares Royer, qae se
torna dosaecessario dizer mais alucni cousa es
abono de sans bons e e effleazes effeltos; basta c
testemiinho de milhares de pessoas, qae tm viste
e aprovei/ado o feliz resultado desses tao uteii
quo necessarios collares Royer. A quolidana <
cresclda qae numero dos prodigios se eleva como todo-
os compradores. A aguia-branca, p-^rm, de;
Grande sortimento de doces seceos, erystallsa-
ando eoocorrer para um flm de tanto aproveit ^os e em calda estrangelros e naeioaaes: oo ar-
menio, tem feito os nec^^arijs pedidos, para qm
por lodos os -vapor** francezes Iba seja remettid
certa qoantidade de ios collares, para assim tor-
nar-se infalilvel o sortimento delles, na loja d*
goia-branca, raa do Qaeinndo n. 8.
PHOSPHATOdeFERRO
[de leras doutor em scenclIsj
INSPECTOR DA ACADEMIA DtPARIZ
Nao existe medicamento ferruginoso to notavel
come o Pfwsphito ie farro de Leras; as surr.mi-
ddes medicaes de mondo inteire adepuram-ao
com solliojtuc sem igual nos annaes da scieaeia.
As cora paUiiat, ores de estomago, digestios
penosas, anemi, convalescencias dif ficis, idai
critica nos senhoras, irregularida.de 'n# mons-
IruacSo, pobresa io sangue, lymphatismo, tic
curados rapidemenu ou modt/icados por out "
excellente composto. E' o conservador por excel-
lencia da sande, e declarado superior nos hospi-
taes e pelas academias a todos es ferruginosos
cc-nheerdos, a iodoreto e ao citrato de ferro,
porone o anteo qne eeavem aos estomagas de-
licados, qne So provoca eonstipaclo, o anieo
tambem qne nlo ennegrece a bocea e os denta
Deposito as pharmacias de P. Maure
C. e A. Caors. em Pernambuco.
Jos Bigounino,
Continua a queiraar tudo qoanto tem em sea as-
a belecimento.
Pares desapato de t pele a 13580.
Duzis de peonas d a;o mano floas a 60 rs.
Caitas de lioba do gaz de 30 novellos a 600 rs.
Mhiii de liabas do gaz de 40 rs. o novello a 700 rs.
dem de palitos de seguraoca a 20 rs.
Laneos de cas?a com brra a 1(0 rs.
Duzia de faca> e garfos de cabo preto a 33600.
M*so de pal.lo lixad p.ira dente a 120 e 160 rs.
Pegs .U enlremeios muit Qaas a 800, 600, 800 e
"14000.
Livrcs d.is missoes abreviadas a 11800.
Garrafas de agua Florida verddelra liO^O.
Sbados do Porto de tod.s as larguras e todos os
precns.
Sylabarlos rom estampas para meninos a 320 rs.
Hornelo da roupa de lavar a 100 rs.
N )v.-,s cariilhas para meninos a 100 rs.
Duzlas de meias mullo linas para seohora a 48500.
.Ditas brancas e cruas para borneen a 33 e 33809.
Agulhas francezas a balo (papel) a 60 rs.
Pares de sapatos de traoga e pete a 13500.
Pegas de filas de la de todas as cores a 600 rs.
.Srozas de botdesde porcelana praieados a 160 rs.
Caitas com alflneites trnceles a 80 rs.
Caixas rfe 100 envelopps muito Onos a 600 rs-
Pregos francezes de todos os tamanhos (libra) 2*0
reis.
Resma de papel de peso branco liso a 2JL]
frasco com superior tif,;a a 100 rs.
Sro?as de pho?phoros de gaz a 23000
Pares de boloes de punlto muito bonitos 80 ra.
Linhas em earto de 200 jardas a 100.
Caita de superior linha do gaz eom 60 novellos
700 rs.
Caitas de pos de arroz muito fino a 800 rs.
Huk-eiras cbaconta para meninas a 320 rs.
Talleres pawneninos a 240 rs.
Caixa com snftenores isoas para charotos^aJOn.
Masso rm superiores grampos a 30 rs. *
Srosas de pennas de ac multo finas a 320 rs.
Bonets para meninos a 13.
Pentes com costa de metal a 400 rs.
Capachos compridns e redondos a SOO rs.|
Caitas com soperior papel amisade a 600 rs.
Realejos para meninos a 100 rs.
iio;ts
mazeni da Liga .raa \ovan. 60.
Vende-se eengenho Santo Elias n o tero de
Serinhem comarca do Rio Firmse, por multo
menos de .seo justo valor : qaem pretender c/im-
pra-lo djrija se a roa do Crespo o. 19.
Papel pintado
O mais completo e variado sortimento de papal
para forro de sala e guarnigSes, eoconlra-ta a
venda na
iKotfcn Ir Bartholenea & C.
3 iIiua larga do Rosario-34
EM S. JOS
Manteiga ingleza perfeitamente boa a
560 rs, a libra e emporc) por menos, no
ex-propheta Cinco Pontas n. 86 esquina da
nova traversa de S. Jo5o.
Esteraspara forro desalas
Vende-se na raa de Crespo a. 20 B.
I
_

xM

sL


lili rio de feruanbuco -Qutala fclra ti de Feverelro de 1867.
r
r
V



Kemedies do Dr. J. C. Ayer, ex-lente
da aiversidadft de peosylvania, do
Estados-inidos.
Exlraeto coxnposio de salsa-par
rllha de Ayer.
Peltoral de crreja.
Remedio para sezies.
Plalas cachar tica*.
0 deposito ceatral para as provincias
Pernambnco, Alagoas, Parahyba e Rio-
Grande do Norte, des tes remedios Ufo fe-
voravlmente conbecidos e acoihidr,s en
'.odas as partes da America do Sul e do
Norte, acba-se em casa de Theud Chris-
tiansea, 16 roa do Trapiche eav
Peraainbueo.
Os pregos de
335 por duza de estrado de salsa-parrllha.
274 por duzia de peitoral de cereja.
275 por duzia de remedio para sezes.
70 por duzia de piluias catharticas
se entender dlnhelro vista, con
o descont de 5 por cento em quantidadet
de 6 a 12 duzias, e de 10 por cento em
quantidades superiores a 12 duzias.
^OLOMT^
Perfumaras novas.
A aotiga luja de miudezas a roa do Qaeima i
B. 16 recebeu ovo sorlimento de perfumarlas
seDdo fios extractos e esseocia concentrada, chel-
ros.agradawtis para lencos, oieos surfine, philoco-
me, e babosa para cabellos, hachas e cosmetiques
tambero para os cabellos, poz de coral e hygieuicos
para denles, opiata Ingleza e franceza para ditos,
sabooetes em barras quadradas, outros em calxi-
nhis, e oumus de bollas transparentes para mo, e i
outros mui fios em caixiohas de louga para bar- !
ba, agua da colonia de superior qualidade em fras- i
ees de diverses tamanhos e pregos, agua ambreada'
para banhar e refrescar o rosto, aitua fia-Ida ( da
verdadeira) tnico de Kemp, e mui as oolras per-
fumaras que a vista da boa qualidade e comrao-
didade de pregos, o comprador nao objectara'.
Meia> pretas de la e de laia.
Para padres.
Vendem-se na loja de mtodezas a' roa do Quei
mado o. 16.
tara baptisados.
Bonitos chapeusinhos eofeitsdos, sapatinhos de
setim e menod, bordados e enfeitados, meias de
seda, e flo d'escocia para ditos. Vendem-se ua lo-
ja de mlodesas a' ra do Queimado o. 16.
Bicos e readas dasilhas.

PARA UZO INTERNO
VATAGSWS
A PUBLICO
NA LOJA E ARMAZEM
BO
O
Ra da Imperatri n. 60
DE
GAMA k SILVA.
Os prop-ietarics dfte grazde estabelecimcnto
leudo no anuo prximo passado vendido grande
parte de ;uas fazendas como haviam dnuunciado,
tem resolvido cont nuar a vender anda mais ba-
rato em viriude do abatimento que flzeram em
suas fazendas noroocasta > do balanco a que pro-
Baldes baratos
Vende o Pavao.
Cnegou um grande- sorlimento de bal5es de ar-
cos sendo americanos que sao os melhores e ven-
dem-se pelo baratissimo prego de 24500, 34
34500: na loja do Pavo na roa da Imperatriz n.
60, de Gama & Silva.'
A 100 rs. para lulo, ve me o
Vestidinbos para meninas
Vendem se elegantes vc-tidiohos para medita,
de lsinha mono bem enfeitados pelo baratissii*
prego de 2 500, ditos de gorgu'o de seda a 34000-
oa loja e armatera do Pavo na ra da Imperito:
n. 60. de Gami & Silva
Chales de merino
Vendtm se ficissimus chales de nurin ii^os 4*
diversas cores, tendo as franjas de seda a 44000.

Pafio. *tendo comas franjas de la a"34500 rs, dito e-
Vendem-se lazinhas pretas proprias para luto tascados muito finos a 54500, 64000 e 74000. im-
pelo baratissimo prego de 100 rs. o covado: na .oecrpon rom listas de =e?a a 84UO0, dito*
loja e armazem do Pavo roa da Imperatriz n. 00, Uiais-ordinarios para acabar a JAOOO e #500 : o
e Gama A Silva. -. | H e armazem do Pavo na roa da Imperatri i
Crochs w' e Gama Sllva-
Para cadeiras Sedmbas de lisias a 400 rs.
Para Bftfl* Vndese bonitas sedmbas. t liia> urwtflaspiri
fara soras Tefti(Jos rom ,ar(;ora dp rbila -
Para camas prego de 400 rs. o covado : na l. ja armazemZ
Para presentes. Pavo narua da Imperanim n. SO dtGam,*
Chegaram os mais ricos pannos bordados a ero- Silva. ^
cb proprios para encostos de cadeiras qne se Filos bordados a 800 rs. a vara na lfcja do
vendem a 24500 e 34, ditos para encasto de sof i Pav30
K^STn^irr^vos vestidos Poil dej^!'^, V2SIL .
xrv.rt 1 ,f\f\\ ^^ vende-se superior pannos de linli > propno par
Vie a 10#UUU, Jonges, toalhas o semillas etc., pelis baratissimo
\a It.i-i <1a itit. pre?'s de 64.' 70 e ^0 rs. a vara : bramante t
iwjd no |>d>(U. imho com 10 palmos de largura a-23.00. 2#5G0
Chegaram pelo vapor do da 15 do crreme, os 2*800 a vara; um grande sortiment de HamburE*
mais liados cortes de poil de chvre para visdos, 00 Cregnelias por baratos precos : na lija e aro-i-
sendo fazenda inteirameote nova no mercado, ten- zem do Pavo na ra da Imperatriz n. 60, de fc-
do esta fazenda bastante lustre com os mais deli-, n.a & Silva
cados gobios tanto em listras como em flores solas
e vendem-se pelo baratissimo prego de 164000,
tendo cada corte 18 covados, isto na loja e arma-
zem do pavo na ra da Imperatriz o. 60, de Gama
& Silva.
Vn^m?0Sn^Part18 d Pa,V50' s branc05 llsos Probos para horneo, a i9l
SSS21S atD*.*r>:0<1*,e. varla 1 zem dn pave, ca ra da Imperan ii o. tO, rodestas al as de mais apurado luxo, nao se tem
poupado na escolba deas, limitando seus lucros
apenas ne descont. C- otinuam a dar fazendas
amostra, com penhor, ou manda-las por seus cai-
xetros em casa das Exmas. familias.
Grande pechincha
tres testo rs.
Lanzinhas a 300 reis.
Lanzinhas a 300 res.
Lanzinhas a 300 reis.
So na loja do Pafo.
Veodese am variado sorlimento das mais deli-
cadas laozwhas, tanto com os mais primorosos esPartilhos dos mais bem feitos que tem
gostos em matiz, como miudiDhas de urna s cor, 1 mercado, sendo de todos os tamanhos, vendendo-se ma 4 Silva
seodo esta fazeoda la pura, e vende-so pelo ba- Pr Dm PTe<'} moito razoavel : isto na loja do Pa-
ratissimo prego de 300 res o covado. por ter feilo vao Da rua *> Imperatriz n. 60, e Gama & Silva.
Chales de renda e retondas
Vende se um grande sortimento de chales
de
TREPARAD0S SIMPLES,
Xaropo de jaruheba garrafa........ ^000
Vmhode I 600
Plalas de vidro......... l^Ooo
Tintura de 64o
Extracto hydrdlcorJFico de jtirubebas, t2?3oo
PREPARADOS COMPOSTOS.
Vinho de jorubeba ferruginoso garrafa. 3#0so
Xarope > I600
Plalas vidro... 2'5ooo
Oleo de jorubeba vidros.... 64o
Pomada de pote...... 64o
Emplastro libra..... 2(?5oo
PARA UZO EXTERNO
A JURUBEBJU
u-. 1. l i-i *ende-se pelo barato preco de 14 e 1A280 a va'ra Gama & Silva,
yjta planta.e hoje reconbecida como o raais poderoso tomco,_ como nm excel- sendo s com pregas e a 14600 tendo pregas e' Lencos bordados a IdOOO e 1,5600 na loja do
Leoci los bordados
A $00, 640*, 800 e 14.
Vndese nm grande sorlimento dos mais linio
lencinhos bordados para mao, si ndo a 5C0, 6iii,
800 e 14, e muito ricos a I56OO cada am. Punas

As
grande pecMcha na compre, se nao seriara para
muito mais diobeiro, isto ua loja e armazem do
PaviO ua rua da Imperatriz n. 60 de Gama &,
vindo ?o mercado e vrmie.rii.se mais narato que
; em ootra qualquer parte : isto na loja e armazem
i do Pavao na rua da Imperatriz n. 60, de Gama &
1 Silva.
i 4000", 10280 e 10600. Cortes a 3*000 s o Pavo
Chegou orna graode porgo de pegas de fazen-' Vndenseos mais lidos cortes de cassas de
da branca, proprias para saias, seodo de um lado cores com os desenhos mais modernos vindo cada
bordadas, com murtas barras de pregas, tendo a om em sen papel e garaolindo se terem 7 varas ca-
largura da fazenda a altura precisa para urna i da am Pel baratissimo prego de 34000 ; na loja e
sala, podendo fazer-se com tres e meia vara, e armazem do Pavo na roa da Imperatriz n. 60, de
feude-se
urna escrava moga muito bonita figura sem dtfe-
saias do Pavo
pcchiucln a
lente desobstruente, e como tal applicada nos engo gitamentos do figado e baco, as bordados, isto soje.vende ~na7oja"e"armazem" do
te ditas, ou binda complicadas com anazarchas, as inflammaces g*Z\
e bem coaUecidos bicos e rendas das unas, coja subsequentes a< febres inierm'teutes ou durezas, nos abeessos internos, nos tumores es-
recebeu novmentetoutrosoTtimentodagaeiiesbons' ^epatites propriamente ditas, ou anda complicadas com anazarchas, as inflammaces ?f,!ao' M raa d* Imperatriz b. 60 de Gama &
prego de. 44500, na leja e armazem do Pavo, na
rua da imperatriz a. 60 de Gama & Sllva. *
ft'ovidade
Em cambraias ffe cr.
Chegcu p^ra a loja do Pavao om grande sortl-
mais modernas cambraias com listras
de largura, pelo baratissimo prego de 14^00 a
vara.
Dito com a mesma largura, sendo trangado e
muilo encorpado, a I)t80 vara, assim como pe-
cas de dito de urna largura s, rom 18 jardas, a
-1 *, 6 grande pechincha : na loja e armazem do
M nile mdern-^ m k XJ^Tada\com pavo, na roa da Imperttfll n. 60, de Gama 4
^sjiiais rooaern-s e maia delicadas cores; "issim silva.
ment das
como os mais modernos organdys de listas largas
com lindas Sores matizadas pelos centros, que se
vendem por pregos muito raroaveis, ca loja e,ar-
n. 60 de
Asnossas preparaces ferruginosas sao feitas de forma que se tornara completa- Vtaoriiia-64000, 74000R4000: ditas larcas com lazioiias pretas'lisas de tod-s as quai.dades que s,
mente soluveis nos suecos gstricos, porqae procuramos os COmposto de ferro que como JSZ^STL e ? a va"' fD' veDIern P0r Drpcs xuaveis: na loja e armazem
taes esto hnje reconbecidos, / P P T % ^T^nt SRBS S^e/eSpS ds?lvpv5- na rua "a lm^ d G"aa &
Para aquel le s quemis minuciosamente queiram conbecer as propnedades da a 34200 a pega : na loja e armazem do Pavao na n ,,A
jurubeba, e saberem a applicaco de nossos preparados, destribuimos gratuitamente raa da imperatriz n. 60, de G^ma Silva. BrlB pardo a 72U res
Para Cama de no i vas vende O Pavao Vende-se superior brim pardo trancado de linho,
Vendem-se ricos cortinados bordados e adamas
em nosse deposito um folueto, onde traamos mais extensamente d'esta pima e dos mes-
mos preparados.
Deposito geral de todos os preparados
Botica e drogara
34Rua larga do Rozario34
) daqoelles
das ilbaB, COja v^uvuit., a-> n-uioo iiucuu-icmca uu auiciii?, UU3 duucsaus iuiciiu, uua iuiuui es es- 1 j *. ,/\*\
dinrSA o^ff53 d9fitecid0'lhes d>' imraepsa Penalmente do tero e abdomen, nos tumores glanduiosos, na anazareba, as hydrepe- 'A IQOaQOZnnO a 4J!.')00
sao aplicados zrmaS8?aflnde Z!e'pfoSS Z13S' W*}^** > SSOCiada preparages ferruginosas, ainda de'grande vantagem Vende-se superiores pegas de algodozinho com
extraccio como constantemente tem acontecido; nas anemias, Chloroses, faltas de menstruagao; leucorrtieias, desarranjosateniCOS do esto- 18 jai das, sendo muito boa fazenda, pelo barato
assim pois coueorram os preteodentes, que a vista mag i, debilidade orgnicas, e pobreza de sangue, etc.
comnrDrmoddade dos precs Da ob,eetarao em 1ue dizemus alrmam os mais di-tinctos mdicos destaidade, entre os quaes
1 n Podem os cita- os lllms. Srs, Drs. Silva.Ramos, Aquino Fonseca, Sarment. Seve.Pe-
UraXa eCOllOlIllCa. reiraJdoCarmo, Firmo Xavier, Silva etc. Todos elles reconh cem aexcellenda d'este po-
^ Em caninhas, latas e birri?, a" toja de miudsas deroso medicamento sobre os demais at hoje conbecidos para todos os casos citados,
to tes botera0 i6' 'ecebtQ flovo s0"60-, tanto que todos os dias fazem d'elle pplicaco.
oa graxa e"D"mica- Apresentando aos mdicos e ao publico em geral diversos preparados da jorn-
A loja de miudessa' roa do Oueimado n 16 ****' Uvem's Por flm eneralisar mais o uso d'este vegetal, fazendo de'sapparecer a
receben novo sorlimento de la ena de booitas co- rePu2nancia Que at hoje sentiam os doentes de'tisar dos preparados empricos d'elle, o
res, e como seropre vende a baratamente, e o sor- ma's ^as vezes repugnantes a tragatvm-se, e que tinnam ainda a desva tagem de nlo
timento a miento do comprador. ser calculada a dose conveniente a applicar-se, o que torna muitas vezes improficuo um ,
BOnitaS CaXn?)aS. (med.camento, que podena produzir ptimos resultados. Ricos v.stides Crneos
De madeira com enfeites opraos, e outras de ,S n.osso1s Papados s foram apresenlados depOlS de -havermos convenientemente' Cbegarara os mais modernos cortes de fioiss-
metai para guardar jas. Vendem-se oa rua do estoaado a jurubeba, fazendo as experiencias precisas para bem conhecfir.is praprkdades mas cambraias coi as mais lindas barras borda
Queimado loja de miudesas n. 16. medicamentosas d'esta planta era suas raizes, folhas fiuctas ou bagas, e a dose conveaien- da'>ftndo &^es ve?ndos mono proprios para ba-
Eufeite e griaaldas. ea app icacSo, tendo alm disto piocurado levar os nossns preparados ao maior grao de 'esi(.e ca*a.m, vendem-se por pregos razoa-
Na loja de miudesas rua do Que.ma.io n. 16, tperfeicao possivel, para o que nao poupamos esforcos, nao nos importando o pouco la- l,LDriS\l^Tr.l'Z w* na raa da ,m"
acbarao os aprecial.Tes do hora, ora bello sorti- cro me rwKsamM tirar ^ ae ?*m ,f-l|va- u nn
ment de bonitos enfeites para baHes, theatros e qDP,m > Cambraias HWM do Pavo a 3^500,
ca>ameotos; assim como delicadas grinaidas para F.or tAU) os noivas, eaixos de Sores finas nara enfeiiar es ves- de que elles offerecem a garanta, de que se pode encontrar a prompta e infalbvel cura Vende-se om grande sortiroenio das melhores
tidos de ditas, e moitos outros objectos, e tudo se de qualque dos soffrimentos, que dmamos innumerados, se forem em tempo applicados cambraias transparentes, tendo 8 varas e meia ca-
Babadinlios bordados. I, tremeios ditos. S mnSti Tlmf'r ^ ^ CT'p \th ?C- a p,Ifacao' e ja pela comPIlcacao Sf 'WJa^'H IJSiSfStS,
Todos de fina cambraia e delicad s bordados.,d3S m0,f?l,_ah-,.d., Vendem-se na loja da miudesas a' rua do Qaeima-
do n. 16.
Flamas brancas e de co es.
Vendem se na loja de miudesas a' roa do Qoei-
mado n. 16.
Franjas
Cora borlas e sem ellas, para cortinados, toalbas
etc. Vendem-se na loja de miudesas a' rua do
Qneimado n. 16.
Boas e b<>uitas fitas.
Lizas e lavrada?, larga e estrenas; vendem se
na loja de miudesas a' rua do Queimado o. 16.
Bonitos enfeites para vestidos.
A toja de miudesas a' rua do Qneimado n. 16,
esta' reeeotemeote prvida de mu bonitos enfeites
para vestidos, sendo bicos de seda tanto braoco
como pretos, de diUerentes larguras e com vidri-
lhos, oa sem elles.
Trangas e galoes de sdda dos olt'mos gostos, di-
tas com vidnlbos, prelase oraoras e de diferentes
larguras e gostos. Fitas' de velludo pretas e de
cores, com lista nas relas. E assim multas outras
cousas de moda e novldade, e tudo por pregos tio
commodos, que o comprador tica satisfeito e nao
objecla a comprar.
Bollas de borracha.
Be diversos tamanhos para brinquedos. Vea-
vdero-se na loja de miudesas a' rua do Queimado
a. 16. ___
Vende-se vinho de Bordeaux era qaartolos
barris e caixas: em casa de Tlsset reres, roa jad
Trapiche n. 9. a_________
m GAZ IAZ
Cbegou ao.aotigo deposito de Heory For&ler &
C, rua do Imperador, um carregamento de gaz de
primeira qualidade,o qual se vende em partidas e
a retal lio por menos prego do que em. oatr" qual
qner parte.______'
Rival sem segundo.
Raa do 4|ueiinano n. 49.
Qner acabar com as fazendas abaiu
mencionadas.
QQaeiran vir ver e que bom e baratissimo.
Libra de gomma de milbo a 400 rs.
Toalbas de labyrinibo com bico, fazenda boa 1
34^00.
Car retis de linba com 100 jardas a 30 rs.
Grvalas pretas e de coree muito finas a 500 rs.
Barataos francezes muito doos a 200 e 380 rs.
Caixas de o'jreias de massa muito oovas a iO rs.
Enfladores para espartilo de cordao e fita a W
ris.
Carreteis de linba Alexandre com 400 jardas a SOI
ris.
Resmas de papel almaco muito bom a 24500.
Frasco de oleo babosa a 320 e 500 rs.
Ditos de dito higtenique verdadeiroa 14000.
Bros dito f jIso a 000 rs.
Ditos de macagar perola a 200 rs.
Sabonetes muito fiaos a 60, 160, 200 e 320 rs.
Ditos de bolla multo fios a 240 e 320 rs.
Caixas para rap com booitas estampas a 100
Calas de palitos a balio a 40 rs. ^.
Miadas de lioba fresa para bordar a 20 rs.
Varas de cordao para espartilo a 20 rs.
Frascos com tinta rdxa muito boa a 246 e 320 rs.
Ditos de dita reta a melhor que ha a 320 rs.
Duzia de far.cas nara sobre-mesa a 44.1
Varas de franja branca larga a GO rs.
Pentes volteados para regacar cabello de meniosi
a 320.
Frascos de roa-.aca' oleo muito Obo, a 120 rs.
Abotoadora- iijaito finas para colletes a SQ0-ra>
Candes de Uuha branca e de cores a 20 rs.
Llora de ara preta snpenor a 100 rs.
Cartas de alneles francezes eom 14 peale*
120 rs.
Escovas par falo, fazenda boa, a 500 rs.
GAL04WS BiRATOS
Vende-se na rua do Imperador n. 32 :
Borzegoins loglezes de couro de rupia a 74S0O.
Dos de Nantes a 74500.
Ditos para senhora enfeitados a 54.
Ditos lizrs a 44.
Dites de cores a 34500.
Ditos para a mesma a 44.
Ditos de cores a 2450O.
Sapaiofs nglezes a 34200.
I 'Hos francezes a 44.
Ditos sola dobrada a :>&.
Pavo.
Vende-se bonitos lenclnbos bordados para xo
pelos bar3tissimos pregos de 14000 e 14600 cada
om ; loja e armazem do Pavo na rua da Impera-
triz o. 60. de Gama & Silva.
AlgO'loiiih' mfestat
.
vende se ranos vidrados e por vidrar de 1 alOpot-
Ven'e-se superior lgida .zinho enfesiado, muito legadas, fditas no Barbalho do Cabo, assim como
eocorpado, proprio para leoges. por ter 8 palmos um grande sorlimento de loogas para agua e ro-
80
no_unico deposito no pateo do Tergo o. 11
Bramantes
Ven^e-se superior bran ante de linbo er.m 10
palmos de largura, proprio para lengas, pelos ba-
ratasimoa pregos de 24100 e 24800 t vara ; su-
perior panBo de linbo com 4 palmos de largura,
sendo proprio para lengps, toalhas c e enjutes,
pelos baratos pregos de 640, TOO, 750 e 800 r. a
vara, e om graode sortirnento de Hamborg de to-
dos os pregos e qualidades, que se vendem por
pregos iasoaveis : na loja e na rua da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Chi as ntas
Vendem-se superiores chitas pretas ingl<-zas c. m
salpicos e ftorziabas brancas pelo barato prego de
200 's. o covado ou a 74300 a pega, tendo 38 co-
vados ; ditas lisas a IfiO rs. o covaoo ou a pega por
64000, tendo 38 covados ; ditas rancezas larga-
muito boa fazenda a 3i0, 360 e 400 rs. o covado ;
cassas pretas muito fio>s a 560 rs. a vara ; dita*
muilo superiores cura raroag^ns a 800 rs. a vara ;
PBEPARaDAA FEO
POR
AUCaJSTE CAORS
Pharmaceatico pela escola i!e Paris e successor nesta cidade
0E
Aristide Saisset e J. Soum
22.------Roa da Cruz------2.
Tratamento puramente vegetal sem mercurio, iodo, ouro, nem outro qualqoer
mineral.
Vei'dadeiro purificador do sangue sem azougue.
Especial para a cera de todas as^molestias que tem sua oriizem na impureza do
sangae, como sejam as molestias boubaticas, sy^hiliticas, escrophulosas, darthrosas, quer
venbam ellas por bereditariedade, quer sejam adquiridas pelo contacto com pessoas in-
feccionadas dos diversos virus que c-ntaminam-o sangue os hnmorfs.
A caroba um remedio prodigioso, usado desde remotas eras pelos indios
do Brasil, e passando seu uso de geragao em gen cae, boje um dos remedios mais co-
nbecidos como proprio para corabaler as molestias' mais hediondas, entrando nesse nume-
ro a morphea ou elepbantiases, pa cujo curativo os nossos sertanejos consideram a
caroba como remedio especifico.
A muilo ttmpo eotrou a caroba nos formularios como preparaco magistral
sob.a forma de eleictuario, anda hoje leiibrado nas pharmacopas com o nome de seu
celebre autor J0S0 Aives Carueiro: n5o ella portanto remedio novo nemdesconhecido.
O ungento de caroba da mesma sorte preconizado desde tempos mmemo-
riaes como o mais apropriado para o curativo das boubas e ulceras syphiliticas srdidas,
e e 1 pregado com proveito depois de improficua applicaco de muitos outros agentes
therapeuticos enrgicos e de uso quotidiano.
Muitos des nossos mdicos de considerado e entre elles o muito distincto pratico
e observador o Sr. Dr. Pedro d'Atnayde Lobo Moscoso, tem confirmad> por meio de es-
perieocias repetidas, o que diz a fama das benficas propriedades da caroba no trata-
mento das boubas, das diversas formas sob que a sypbi.lis se aprsenla e muito especial-
mente as que teem sua sede na pello, e poderiamo.s relatar algups casos de data muito Lencos brancos a 25< (10,3|$000 e 45000
modero* observados pelo mesmoBr. Dr. Moscozo em que a caroba prodazio admipaveis Vende e om bonito spriimeoto deiescos decam-
efleitos, depois de imitis e prolongadas applicac5es de salsaparrilha, mecurio, iodo, o-, b"t;pabarnailsfOja0Se SrSIe do
ro e seos preparados, etc., etc. lD 0 na raa 3 ioperairh u. 0, de Gama &
N5o era possivel ^ue urna plaa lo notavel por suas inappreciayeis virtudes es- da e
Alpacas llaaa
o mais lindo sorlimento de alpaeas de
rados proprios para camas e jaaellas pelos baratos
pregos de 84, 104000. I6& 204000 e 354000 ; so
perinr damasco de la enfeitado a imitagao de seda
( proprio para colenas a 20300 o covado; ricas col-
chas de croch pelo baratissimo prego de 104000 e
1240OO : isto na I 'ja e armazem do Pavao na roa
, da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Grande pechincha em chitas.
Vende se nm grande sortirnento de chitas escn
1 ras e alegres francezas peles baratos pregos de 320,
i 360 e 4#0 rs., sendo com os padres mais bonitos
j que tem vindo ao mercado com listas e Dores etc..
; etc.; garantmdo-se serem cores fichas : na loja e
armazem do Pavo na ma da Imperatriz n. 60, de
Gama di Silva.
A% saias do Pav5o
Vendem se ricas saias oordadas com 4 pannos
: pelos baratissimos pregos de 64000 e 740C0, assim
I cono fazenda em peca com pregas proprias para o
mesmo Moa a 18200 a vara : na loja e armazem do
j Pavao na rua da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
sedas novas
Chegaram as mais madamas sedas com listras
para vestidos, sendo com as cores mais moderna;
que tem vindo ao mercado, assim como grosdena-
ples de differentes cores como sejam cor de rosa
azul, rxa, cor de caf, cor de lirio etc, etc. t
vendem-se por prego muito em conta na loja
armazem do Pavo na roa da Imperatriz n. 60, da
Gama Silva.
Crinolinas a 341500, 4)5900 e 40300.
Chegaram para a foja do Pavo as mais moder-
nas crinolinas ou baldes verdaderamente ameri-
canos, que sao os mais bem armados e mais levee
qne tem vindo, sendo c* m o formato mais moder-
no que actualmente se osa e vendem-se pelos se-
guirnos pregos: sendo com 20 arcos por 34300,
ditos com 25 arcos por 44000, ditos com 3o arcos
a 44500: Uto s na loja e armazem do Pavo na
rua da Imperatriz n. 60 de Gama Si Silva.
Sedas largas na loja do Pavo.
Chegaram as mais bonitas sedas de cores com 4
palmos de largura, seodo com as cores e desenhos
mais brhantes gne tem vindo, facilitando fazer-se
nm vestido com poneos covados em attengo a lar-
gura, e vende-se pelo barato preg ode 24000 o co-
vado : oa loja e armazem do Pavo oa rua da Im
pertrie n. 60 de Gama i Silva.
Osebales da pave a 2ooo e 2ooe rs.
Vendem-se chales de merino eslampados a 24
e 24300 cada um.
Ditos de merino liso a .34500,
Dito estampados de crepon a 64, 74, e 84000.
Ditos pretos bordados com franja de seda a 144.
Na loja e armazem do Pavo na na da Impera-
triz o. 60 de Gama & Silva.
capasse a perspicacia e inv
pkcam com espeejalidade ao
estigacoes dos mais abaltsados prafieps europeos, qne se ap
10 esiudo e atamento das molestias syphiliticas e herpeiica:
syphiliticas e herpeficas | Chegou
Cal de Lisboa,
Cbegada no ultimo navio, mais barata que em
ootra qnalqaer parle; do deposito da raa de Apol-
lo O. 8.
""""" Gal nova de LlaftoT
No armazem da roa do Apoyo o, 8, por menos
00 rs. do qas em ouira qaalqaer parte.
e para prova aui esio os Srs. Drs. Ca&enaye, Schurfer, Ricord e outros dandp # mais Dma f0 "*" JJ m M^Swmtm'ibiZ
lisongeiras informaces sobre as propedades curativas da caroba e pieconisando-3 cojnp Ta^Praa4aiiiirD. eo,de Gama & iiv.
remedio poderossimo para o tratamento das erupges.cutneas, seccas ou suppuratiya6, pBiia8 r(.n liahas a1 i$ t 1280
darthros de todas a qualidade, ec emas, nlceras de diverras naturezas, tumores, osseos veade-se a agrande qoantidada dos mais mo-
0 outras muidas molestias de patureza sypbi tica ou boubatica. demos punhos com goiiiohas, sendo bordad.* e
paro
delibere!
ogo. .
trar-se-ha na minba pharmacia sempre e em porc3o suffictente para todos os pedidos a
ESSEN :IA COClNTRADA De CAROBA, e o ungento da mesma plenta para qne nun
ca fallera aos Srs. mdicos que quizerem esperimentsr t5o precioso agente medicinal.
Recife de Parnambuco, \1 de outubro de 1863.
Agcste Caors.
Roa da Craz n. 22,
sendo escuro e alegre, pr iprio para caigas e pa-
letots, pelo barato prego de 720 rs. a vara, assim
como muito superior para 900, 14e 14?00 a vara;
dito branco de linho trangado a 14200, 14400 e
14600, e muito superior a 24 a vara : na loja e
armazem do pavao, na rua da Imperatriz n. 60, de
Gama 4 Silva. .
Casuquinhos a 16$0i
Vendem-se os mais modernos casaqulnhos ou
basquinas de grosdenaple, proprios para senhora?,
sendo riramtnte. enfunados, pelos baratos pregos
de 1(>4, 204, 254 e 304, a>sim como ditos de ren-
da on guipure, o mais novo que tem vindo ao mer-
cado, pelo barato prego de :04, pe bincha : na
loja e armazem do pavo, na roa da Imperatriz o.
60, de Gama & Silva.
Cassas Trancezas
Vendem-se as mais bonitas cassas francezas para
vestidos pelos baratissimos pregos de 240, 280 e
320 rs. o covado, assim como bonito orgaody cna
assento branco e palmas com listas de cores,.pelo
biratissiuio prego de 300 rs. o covado oa a 300 rs.
a vara : na loi e armazem do pavo, na rua da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Cassas graoadioas
Cbegaram a* mais bonitas cassas francezas com
listas largas tanto ao comprido como envasadas,
seodo os padrdes mais bonitos que lera vind au
mercado, e veudem-^e & 800 rs. a vara : na loja e
armazem do pavo, oa roa da Imperatriz n 60, de
Gama & Silva.
Orgaady^rjico
Vende-se o mais tino orgindy branco cora pa-
drdes miudinhos proprio para vestidos, pelo barato
prego de 14 a vara, assim como pegas de dito
com 8 1/2 varas a 04, fiuissimas pegas de cam-
braia branca da Escossia ero 9 varas, tendo 5
palmos de largura, a 74, 84,104 e 124, assim
como outras muito mais baratas : oa loja e arma-
zem do pivo, oa rua da Imperatriz o. 60, de Ga-
ma & Silva.
alpacas de eares
Chegoo um grande sortirnento das mais-lindas
alpaeas de orna s cor, tendo entre ellas as cores
mais lindas que tem vindo, a 640 rs., ditas taro-
bem s de urna cor porm lavradas a 800 rs., di-
tas brhantes com os mafs lindos desenhos tanto
mundos como graodos a 600 rs.. poit chvre ou
iazinba transparente com lisias de seda, sendo o
padro'mais moderno que tem vindo ao mercado a
19 cada covado, grande pechincha : oa loia e
irmazem -do pavo, oa ma da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Madapoln
Hadapala
Vendem-se pegas de madapolo muito no eom
12 jardas a 30200, 3MX) e 64, ditas com 24 jardas
a 69. 74 e 84, ditas muito superiores a 94, ditas
de 40 jardas a 560 e 640 rs. a jarda, ditos france-
zes de todos os pregos e qnalidades, pegas de algo-
dozinho co 18 jardas a 44000, ditos c-m 20
jardas e muito eocorpado a 54500, 64. 64400 e
74- Algodozior.0 infestado Tlso vara a 14, dito
trangado vara 14280, tndo isto peebinch > para
apurar diobeiro : na luja e armazem do pavao, na
roa da Imperatriz o. 60, de Gama & Silva.
faoio preta a % OU
Vende-se superior panno floo preto inglez, pro-
prio para caigas, paletots e colletes, pelo Wfrato
prego de 24 cada covado, dito muito aeima a
24400, ditos amito superiores a 44. 44500,54,
Grande exposiQ3o de domin* e vestuarios.
nas lojas da arara, rua da Imperatriz
ns. 5d e 72.
O proprielario desles estabeleciraentos roga as
pessoas que >e quizerem divertir nos tres dia> do
carnaval, custando isto pouco dlkbeirc, ap^areija
nas suas lojas, que se vtodem dminos de alpaca
e laa de cores e b'ancos a 34,44, l>3> e f>4, ditos
muito ricos de velbulmas de cores a 64 8, 104 e
12, Vr?tuarios de cores a 6j e 84, a elles, antes
que se ac bem : na rua da Imperatriz, loja da
araia us. 56 e 72.
Telhados de frro gnlvanisa-
dos,
Vende-se na rua do Queimado, leja de Azevedo
& Irmo.
Escravos fgidos
Fugio a 16 de fevereiro de 1867 o escravo
Van .el, idade 2o annos, cor bem pela, pouca al-
tura, sacco do corpo, hombros levantados, hr,.g.-s
e peruss finas e acambetad^s por lb sabir crav.>$
nos peis, rosto comprido, e secco por beber agur-
dente, levou camisa e ceronla de ;.!fco.15o nzol,
chapeo de palha, urna Japona de h ta preta e urra
trouxa em um panno de estopa : quem o pegar ie-
ve-o a Innocencio da Cunba Goiauna Jnior, em
Beberibe de haixo, no sitio Foodo. 00 a Francis-
co de Mello Cavaleanii de Albuquerque, junto ao
gzometr., 2' casa da esquina ; oa cidade do Re-
cife, em S. Jo-e, que sera' recompensado.
'5I00O:
Joo Cesario, preto, idade de 45 annos, afto, set-
co do corpo, cabega pequea com falta de cabello,
rosto ovai, olbos ptquenos, nariz regular, bocea
pequea, bons denles, soma barba, ps pequeos.
Veio do Aracaly, tem orificio de sapatelro e cozl-
nheiro : qoero o apprehender recebea a gralifica-
go cima, levand.10 a' Ponte d'Ucr.a, sitio da
Loiz de Moraes Gomes Ferrelra.
100^000
Fugio no dia 20 de Janeiro p. do engeahfl Can-
to hscuro freguezia da E-cada o escravo prtio de
nome Rufino, rade 20 a 25 annos, coro buco de
barba, seco do corp,, estatura regular, tem um
deleito em um brago por ter quebrado em peque-
no, cabellos um pouco solt e est ber rente, este
e.-cravo juppoe-se ter seguido pa. ,Zi
tem rei que veio com elle ba pou< o do Pajt de
Flores d'onde elle natural: portanto roga-se as
autoridades policiaes desse lugar e dessa praga a
aprehenso de dito escravo que sero gratificados
com a quautia cima, podendo ser entregue ao Sr.
Francisco Antonio de Brito nessa capital roa do
Cabuga ou no engenho cima.
Na Dotte de 31 de laoeiro prximo pa fugio da casa de sua seobora, a escrava Laa,
cojos sigoaes sao : molala, com 24 annos de iuade
pouco mais 00 menos -, bailante teta, tem nanos
oscuros na face, e rs cabellos carapinhos. Roga-se
a's autoridades policiaes e capiles de carpo qoe
a preendam dita escrava, e fago entregar a saa
senhora D. Josepha Jastioa de Jess Grog?Ivs,
viuva de Manoel Alves Gongalves, a' rua do Cabu-
ga' loja o. 3, oo a' roa do Destino o. 7.
Iosooo
De gratifirago pela aprebengo do escravo Ma-
noel, do Sr. M arcin i lio da Silveira L'ns, cujo es-
cravo tem o braco direito cortado jooto ao coto-
vello, de 45 annos de idade, baixo, gmssura re-.
guiar, pouca barba, tendo algomas Tachadoras dos
ps: jolga se andar por algoma olaria fazendo ti-
julio por ser esse seo officio, qaem o pegar leve o
ao engenho Maganass oa a roa da Seniala Nova
o. 38, qoe recbela gratitlcago cima.
mi
BabadiahoS Gama & Silva.
Cbegco para a loja do pavo om grande sorti- Cambraias brancas de cord5o a 80500.
ment dos mais delicados babadiohos com liras Cnegaram as mais delicadas cambraias branc
bordadas, sendo tapados e transparentes, com os de corda om delicadas lisias transparentes i
mais delicados desenos, e vendem-se por pregos vendem-se pelo baratissimo prego de 845"
muito baratos: na loja e armazem do pavao, "oa ca oa loja'j^rroazem So Pavo na rua da Irop
ma da Imperatriz o. 60, de Gama & Silva.
1 ratrlz o.
aqpfei
ma & Silva.
Gratificase com 20040OO a qoem apprehender 0
e.-crav.i Basilio, crionl desta provincia, de St sa-
nos, estatura regalar e barbado, mannbeiro d
palhahote Principe, e pertenceu o casal do fj-
obdo Joo Evangelista, o uta qoe anda oa Capoo-
ga e Mooteiro, por ter all prenles : quem o le-
var a Joo Francisco da Silva Novaes, travessa M
Madre de Dos n- 5, recebera' a quantia cima.
Pngio do poder do aballo assitroado o seo es-
cravo crii.ulo de nome Eugenio de idade 40 anaos,
levou caiga preto e jaqoeta dita com goda de vi-.
ludo, sapatos amaxellos ; tem algomas marcas ds
betigis oo rosto, no centro da cabega tem ama
calva, tom toda barba, tem costme foglr para os
lados de Jabeato, rogi-sas pessoas que e pga-
rem leva-Jo ao hotel do oaiverso roa do Trapiche
'o. i qqe sero geoerosameote recompensados.
__________Mederie Arnanlt.
_ Pnglo do engenho S. Joo de Itamaraci o e-
cravo Simio, de idade 30 annos, po'ico mais on
menos, baixo, pouca barba e rapad.), orhos om
taato apenados, tem em om dos qua tos om ci-
j c^irlx de qoeiroadara, e levon camisa e remla de
algodozinho branco e om chape de ba'a velho;
snpp5e-se ter egaldo para o Redfe : qaem o ap-
| prehender sera' gratifl;ado, levando o a roa da
| Imperatriz o. 42, ou ao mesmo engenho a seu ic-
nbor.

*
i
*^****I,|B'WBB
mm
O'*
.. nirnainir.Mii
ni i.
.. ma.!iw


^^^B^MM


I
Osario de Pernambuco Quinta felra ti de Feverelro de 1667.
UTTEMIM
LU l'OCO* Di TUDD.
Lo se no Morning I'ost f-.-lha Je Lon-
dres
O fri tomou nos ulri-nos das una in-
teosidade extraordinaria.
i)jnino'0 passado patinaran!
3,0 O pessoas era Regent's P.irk.
cercaJK
U-tivam presente jjore o lo todo.? os
membros do Club cbi .patiodores,
como algumas senil > a e muitos ara
di Udlior sociel'..' e Londres.
lencia generosa em una atmosphera era,- [ elas suas manufacturas, a qual nao poden-
pestaa, do figurar na exp.jsicao os seus productos
Assiai c'e-tmedrou e empallideceu no vi- actuaos, nos remette amostras das suas an-
cio e na orgia. ligas fabricas, isto urna cullecc5o que
fisqoewa a lioguagem do co, aprenleu formara a historia do que foram e do que
a linguagem du mua to, e era vez dos per- podem ain4a vir a ^er no futuro as arles .e
fumes eiliercos Drincipiou adir-nos as ema- a industria no seio da antiga e bella rainba
nacoc do bairro.
poetas e dos artistas.
Vender o que ?
10 Ponen importa foso ; venda-se e venda-se
tiiro, sej o que for. ^
Venda-se a virtuda e o vicio, a belleza e
aiforesP moR9TUOS^&dd,a inspiragao e o calculo,' mundo, enviar a Paris quatro baialhoes,
sa amizade ea indillereiici, o amor e o'ou cerca de dois mil horneas duranie '
'odio.
benaf
do Acnatico.
Os affeicoados a espectculos militares
Oca rao igualmente salisfeitos. O novo mi-
nistro dos Estados-Unidos e'm Paris, o ge-
neral Dox, parlicpou j ao governo impe-
que se intitula The Licliet o{ daveman, era tra-
ducen) (le um drama francez latltulado Lonard, o
escripto pelos Srs. Brisebarae e us.
as Miaas de Inglaterra huave ero 43 anuo', co-
udos do periodo decorrido desde 1893 a 1866, cen-
to e vate dnas explosdes, que causaran: a morte de
3740 pessdas. ,
e que
Nos mezes de noverabro e dezembro
ola maior nomero de explosoes.
Os annos em que morreram mais pes;4as por
rial que a guara nacional de Nova York, a causa das explores foram: 183724, 1880 -238,
qual traja o mais luxuoso uniforme de lodo 1866-444.
Lid repente ouvw-se no lago um grato
o amor e ojou cerca
poca da exposigao.
VenJa-se ludo com o mesmo escrpulo, i Falla-se tambem em organisar urna fesla
teniv-sf* U,n sugeito a:abava de dcsaapn- com a mesma ra.'dda, com a mesma frieza. martima, em ;ue tomaram parteas esqua-
io;er em u na grande fonda repentinamente E venha feira quem qmze- qu3 teraos rdras franceza e norte anaricana, a qual re-
iWaiu lonrifii r.ristalisida da a-'tia lepara lodos os gostns; para todas as ida-'contar a que se veriootw .em 165 em
_ desbastlas as gerarchias. da devassido Wborgo entre a manaba franceza e a da
(ira Bretanha.
j c pSra lodo;
des, para tolas as gerarchias da devassido
Tudos os [.aulladores correr.m un :ver- L, ,ie vicio !
tidaraeota pira o huar era que se dera o Aojiomem h< orado que se indignar res-
desastro. O resultado foi queorar-se culo P^niMkWc^m esta plinse hypcritd : Enlao
o gelo em varios Iugar.es.
Virrte e cinc pessoas cahiram :ia agua
sendo felizmente salvas no meio do maior
esaUo e c nfragimenlo da rnultidao que
assisiia esta scena.
O Sun conta que em outeo lago de Re.
gentf l'ark succedera dias depois do caso
retando um oatro de mais graves conss-
qn raci s.
O la;o estava quasi lilteralmente cober-
to d^ patinadores, entre os qijaes. se conta-
vam muitas senhoras esplndidamente ves-
tidas, quaa lo o gelo estalou repenlirramen-
te baq.iejndo na agua cerc de 200 pes-
soas.
Apezar da promptidao dos soccorros qne
chegaram de to h a parle, falleceram trinta
pessoas, cujos cadveres nao appareceram
anda.
O peridico a que nos referimos accres-
centa a isio as seguintes linhas:
E' ger*l e extraordinaria a consternado.
O Idgue t cercado por grande numeio de
pessuas que choram a perda de um pai,
de ii.u linio, de um irmo, de um prente
ou de um a-.nigo querido. Este quadro
entristece e coraove.
nao haverios Je ganliar a nossa vida ?
Sim, a vida deve-se j?anbar de algum mo-
do, mas possivel ganha-la sem matar a
arte e sem envenenar os cosluaes puolicos.
Ganhir a vida por lal forma talar e des-
truir o campo da consciencia e da honra de
toda a gente, entregar a huraamdade pela
quantia dt triotadinbeiros tos seus verdugos
ao vicio, abjeccao, ao aniqdilanenlo.
O artista de qoaiqaer natureza que seja
que sacrifica a inspirago divina depra-
vaco do gostod plebe serve omercatilis-
mo e vende o talento ao negocio por effeito
de umaveniaga to deshonrosa como se ven-
desse a amante ao vicio enriquecido.
-------------^_---------%
Cartas viudas de Roma assegdfam que o
imperidor Napoleao insiste cora o governo
romano, para que se esiabelega unio de
correios e esiabelecimentos banca/ios enlre
Roma e as prracipaescidades d'talia.
------- I ii ai >
O mercintilismo a tendencia que vai
opresputan o a sjciedade para estabelecer
a venda como fim nico do trabalho.
Tal a deinigo geral desse singular
buso e d"te-tavel doutrina.
O mercantilismo 6 um d >s vicios capitaes
'a nossa poca.
Apparece por toda a parle e em tolas a^
formas d? traoaiho desde a> produeces
mais importantes da ioielligencia e do co-
ra(5o. al as raini aas produc^es simples-
mente manuaes.
O luercaniilismo sempre na sua esseo-
cia omesm-i, serapre illegiumo e pernicio-
so quajjudrque seja avariedade das suas
appiicacSes.
O mercantilismo nao novo.
O seu nascimento contemporneo de
todos os vicios. Mas nos nossos lias, dila-
lou-se, estendeu-se, alargou se, organisou-
:& aDertamenie, e-em vez de se ocultar, co-
mo em pocas menos impdicas, as dobras
m-iis ignora las da consciencia, slenla hoje
a sua verijonha e honra-se com os seus
i^nobeis iriumphos.
aminba de fronte alta e sorriso nos la-
Los, fazendo tilintar o dinbeiro nos bolsos;
jiilga-se moa grande cousa apenas se dig-
na favorecer o hornera honesto que sacrifica
todos os poderes da sua vida ao bello e ao
bom, cora um oltur de zombaria ou de
piedade.
Tambera porque nao ha de viver conten-
te o mercan ilismo?
Admira-se a si mesmo, e admiram-no os
OUtros I
Corrompe com o dinheiro o escriptor e
o aitista !
Corrompe a moltido com o exemplo de
urna riqueza insolente e fcil.
Orgoisando-s escancaradamente no meio
do todas ys artes consiiiuio a venda inde-
pen Itnt- da coopera?3o da verdadeira arle.
P.ir urna consequeupia l-gica e fatal poz
assira a arte fra do mercado, onde domi-
na va nicamente o lucro.
A poe.da, essa victima graciosa e virginal,
vio-se desyej ido da sua aiva coroa e du seu
taaotu sacrosanto.
Aliraram-n'a como escrava para a feira
das outras escravas.
EntreKaram-n'a como mulher perdida a
impiuicicH nascentee ao vicio envelhecido
que a compra com dinheiro.
A poesia nao poda viver assim urna exis-
FOLHETIM
A TRAGEDIA DO AMOR
ORIGINAL BRASILEIRO
POR
Guimanes Jnior
IV
(Comiaaacio.)
Jorge Mauricio cuidou nesse momeato ouvir a
onebre seoteng da saa morte; Aquella oz grave
e pauda parecia ser o cbo da olllma fibra que
se esulava ao seu pello. A mo espavorida del-
oD-o s no mlo do seu immenso amor. Com os
olnos turvos, os labios palpitantes, e a alma sos-
peosa da drcisao extrema :
Perdoa-me I exclamou elle soffecando as pa
*vras o na por ama, como se temesse despertar
de oovo a cooscieocia abalada. Perdoa-me e es-
qoeee, M^ryanda I Amo-te I Amo-te e nao trem
em confessa-io a lodas as sociedades e* a todos os
borneo?, embora as michas palavras sejam recebi
das como os gritos desvairados de um louco e a
miuha memoria arrastada e cospida como a memo-
ria dos condemnados. Ea a fugir desta casa I
disse-t'o ba poaco. Mo o creia I NIo o deviag
Acreditar 1 Laoca-me fra dess portas, frga os
teua criados a tratarem-me como a um covarde, nt
ct, por miha salvagao le foro I en vollarf i de no-
vo e o m*u amor, humilde como ama soppliea,
ajoelhar-se-ba chorando a teas pos, purificados pelas
lagrimas de miaha vida iotelra. -
Marganda ergoea a fronle lllumloada. Os olhos
fulgidos scintillayamom om fulgor extranbo. O
sangae impetuoso colora a eplderme snbiodo do
corajfio em ondas Intermutentes. Recalcando tai-
vez um pensamento doloroso, partiodo n'am esfor-
Diz um correspondente de Paris a urna
fe loa bespanfiola o se.uinie :
O aspecto exterior do palacio da exposi-
fo pouco agradavel, pois representa ape-
nas um circu colossal, mas o interior offere-
ce um ponto de vis a sorprehendente.
Os productos, perfeitamente.dassifkados,
estavara dt^ddos em salas dispostas como
bazares immensos, de modo que cada ob-
jectose acha no suio mais adqoado e rece-
bendo a luz mais favoravel ao seu effeito.
Receio no entanto que nao seja fcil a
circulacSo, porque as passagens sao estrei-
tas e ter mooaveotantea a-extrema affluen-
cia de visitantes em certos dias.
Em compensado porm destes defeitos,
que gran lioso nao sor o espectculo e
quautos attrativos nao offerecero as particu-
laridades dessa giande festa!
Nada se pode imaginar mais magestoso,
por exemplo, que as galeras das machinas
com os seus vinte e cinco metros de eleva-
Cao sobre trinta e cin:o de largo, em cujo
ceoiro se elevar um tablado oceupado pelos
operadores do trabalho manual e em volta
do cujas paredes correr urna galera col-
locada a certa altura, de modo que sirva de
passeio no publico a fim de ver funecionar
todas as machinas sen o menor perigo.
Ser tambera grandemente curioso o gran-
de ve tioulo geolgico, o qual apresemar
urna completa Insoria da trra por meio de
amostras de todas as idades, e ser summa-
mente interessante a galena archeologica
que caracteriza com asna assombrosas.ie
de producto:, as diversas poeas,da historia
du trebaiuu.
Que direi da galera exterior, que v o
parque e na qual estarlo os restaurantes,
os cals e as cor vejaras de to los os paizes
do inundo, offereceudo aos curiosos cansa-
dos ou rendidos pelo appette ou pela
sede o descanso, bebidas ou alimentos pre-
parados egiindi) o gosio de cada um, ao
modo de cada paiz e ao alcance de todas as
posses f
Ser igualmente muito pittoresca a ex-
hibido dos trages populares das diversas
dtvisVs do globo, desde o graudioso vesti-
do andaluz at s samabas do ultimo sel-
vadera.
menos curiosa ser a coilecgo de
riscos ou modelos de casas de operarios cons-
truidas segundo as melhores condicoes de
helena, de eiegan.ua e de b raleza.
Enne os expositores desta especie de
consiruccoes figurara o imperador Napole5o,
a sociedade das ramas de Glany, a socie-
dade industrial de Muluouse e varias socie-
dades suis^as e ngieas.
Era quauto se espera a poca da abertu-
ra d'esta festa monumental, annuucia-se
cada da ao pablico um espectculo novo.
Urnas vezes a Russia qu-. manda mode-
los dos seus Hamos e fortalezas com coura-
cas. Outras Vene*a, to celebre outr'ora
A arma a que na idade media se deu o norae de
mosquete, de origen) moscovita, e foi inlroduzrda
em Franca no anno de 1827.
Muito antes desta poca ja' ella luvia sido miro-
duzida em H-spanba.
3s primelros mrfsqaetes erara to pesados, que
apenas serviam para dfezas de pracas e baluar-
tes.
Com o lempo foram-se aperleicoamlo pouco e
pouco al se lornarem muito mais portateis, sendo
Regent's Pdrk, ou Parque do Regente, esta' *1- 'ento adoptados para uso da ilutara,
luado na pane noroeste de Londres, e posto que a A guarda cread em FranciPla^ucu de 1600,
sua ongera seja receute, oceupa o quarto lugar en- por o re Uenrique IV, foi designada com o oome
(re os passeios pblicos da capital briannica. Alo-! de mosqaeteiros do rei.
da assim, ha mais de um cockney, ou bargnez de _
Londres, que o prtfjre a Hyde a Saint-James ou a |
Green Parles. E' certo, porra, que sob o ponto de
vbta da superficie, Regent's Park leva a primaria
sobre os outros passeios. Nao contera menos de
450 geiras de terreno (urna gelra equivale a 40
ares)
Cbamavam-lhe outr'ora Marylebone Park, nome
do bairro de Landres em que esta' simado.
O que sobretudo distingue o Parque do Regente
dos outros passeios da metropole iogieza, a cir-
cunstancia de se baver permiltdo a aristocracia
de Londres de ah comprar terrenos para edificar
palacios, villas romanas, cottages Inglezes ou cha-
lets suissos.
A mais bella de lodas estas construcgSes i o
cootestaveimente, a magnifica villa perteocente ao
marquez de HerKord, esclarecido amador de bellas-
artes e possuidor de urna das mais afamadas gale-
ras de quadros da Europa.
O risco de Regent's Park, devido ao architeeto
Nash, foi posto em execuc a direccao do arcbltecto Moreao.
Teado Jarge IV, que nesse lempo s era regente
do reino, manifestado a intenco de mandar cons-
truir ama residencia para si nesse passelo, deram
ao parque o nome do principe, e cbamaram-ibe
parque ao Regente. Todava s o aberto em 1838
ao publico, o qual aura ni jo nao s pela belleza
das avenidas, mas tambera pelo de. esiabelecimentos qae all se acbam, taes como os
jardios zoolgico e botnico, o Coiyseo, etc.
Mocambique um? vasta e frtil porgSo do con-
tinente africano, pertencente a Portugal, e que se
estende enlre 10 e 25' de latitude meridional, e 26*
e 38' de iongitnde este.
fera um cumprimento melio de 600 kilmetros
e 560 de largura.
Foi descocerla pelo grande navegador V3sco da
Gama.
A capital da provincia tem o nomo de Mogambi-
que, e a populaco da provincia era calculada l-
timamente em 300:000 almas.
mi
Forera o que mais qne ludo eonstitue a belleza
de Regent's Park, o canal que banba toda a par-
te meridioual do passeio, a que foi theatro da ca-
tastrophe era 15 do correle.
De vero, oeste caoai que os amadores se en-
tregis as delicias da nalacao, muitas vezes apezar
dacppisico dos policemeu, to impotentes ueste
jardim como o sao conira os banhistas do rio Ser-
pentine em Hyde Park.
Durante o invern, patina-se e resvala-se com
mais furor sobre as aguas geladas de Regent's Park
do que em Hyde Park, por baver alii maior espaco,
e tarabem porque as numerosas altractions, afor-
moseamento de Regent's attrahem mais o nnblico
aqueile passeio.
Infelizmente, os patinadores nao reflecten) bas-
tante sobre as causas que tornam o glo de Regen-
t's Park muito mais traigoelro do que o de um rio
ordinario.
De feilo o lago de Regent's Park, no logar da
sua malar largura, entre as duas priocipaes pontes
pensis, que se chamara Suspensin bridges, esta' su-
jeito a todas as evolucSes da mar.
O lago do Regente commumea por meio de um
canil com o Tamisa.
Este canal desemboca no rio no ultimo ngulo
que este forma para banhar os alicerces do edifi-
cio do parlamento, e onde a forca da mar anda
nao esta' quebrada por esse me.-mo ngulo.
N'esta aiiur.i, o canal e la', portanto, sujeito a
todas ;,- influencias da mar.
A cada Quxo e refluxo o seu nivel baixa ou ele-
va-se consideravelmeote.
Nao ha duvida que esta inflaencia tem sobejo
lempo para diminuir de r.ir nuosidades que o canal vai descreyendo era torno
da parle noroeste de Landres, antes de ebegar a
Regent's Park. Porm essa inflaencia anda as
saz forte neste ponto, para impedir a consolidado
completa-do glo, e para se ignorar a prcfundlda-
de que as aguas do parque podem ler a cada mo-
mento.
Cooheceo-se isto mesmo em demasia no dia 15
do correte, o qual contara' como um dos dias ne-
fastos de Londres.
O dramaturso inglez Tona Taylor acaba de rece-
ber em L radres urna indemnisaco pecuniaria que
reclamou dos tribunaes, em consequencia de Ihe
haverera representado sem sua expressa aulorisa-
cio urna pega de sua lavra.
Sabidas as cousas mais tarde, a peca ingleza,
Agoslinho Iturbilde, fallecido em Nova-York, nao
era,como tinbam assegurado os peridicos francezes
o principe adoptado pelo imperador Maximiliano
mas lio deste e fllho do imperador Iturbide.
Viveu qoasi sempre retirado de vida politica tao
pouco satisfactoria no Mxico.
A academia de medicina de Pars recebeu varias
commuaicacoes de facultativos, daodo-lhe eoota de
difJerenies casos de 'envenamento pelo cheiro das
flores, occorridos em pessoas qae tinbam excessiva
affeico a ellas.
m
Em Toltenbam-Court-road, diz o Times, segurado
pelo lado direito em direcgo a Eusioo-road, acha-
se urna espagosa e magoifica pu/ic-Aous, com' urna
taboleta por cima da porta, era que se leem estas
palavras com lettras collossaes:
BURTON XXXX.
Entrando no 6ar-room, v-se n'um quadro orna-
do de ama moldura elegante, urna tonga lista dos
lquidos desde o macio gm shng at ao rijo od
tom.
No fim desta lista l-se a seguinte advertencia :
< N. B. As pessoas que beberem mais de qua-
tro copos seguidos de Burln XXXX sero condo-
zidos gratuitamente e com todo o cuidado aos seus
domiciliosn'um carrinbo de mo.
Que solicitada tao lerna I
Apresentamos aos nossos taberneiros esta lumi-
nosa idea do seu collega de Londres, para que a
aproveitem se entenderem que d'ab Ihes podem re-
saltar maiores lucres.
Urna segunda edigo de um diccionario japonez
e inglez acaba de ser publicada em Hong-kong por
um cavaibeiro japonez.
Toda x edigo de mil exemplares foi vendida
dentro de poneos dias depois da sua publica-
gao.
inm ---------
Corre em Madrid que o fecundo maestro Verdi
ir all brevemente para dirigir os ensaios da sua
operaD. Carlos.
O publico do theatro Ristorl, de Verona, presen-
ciou ura funesto e horrivel espectculo.
Um dos irmos Cottrely, acrbatas da compa-
nhia Ciniselli, cabio de urna altura de trinta ps,
ficando tao mal tratado que no dia seguale deixou
de existir.
go supremo a sua naiureza indmita e irresistivel,
ella correu as iuios fras pelos cabellos hnmldos
de um suor enrgelado :
AhI eu nao po-ierei uuaca humllharme
adiante do meu desuno miseravel I replicou ella
com um sbito tremor na voz, qut* nsnrdecia.
Jorge Mauricio apertou ibe urna das mos silen-
ciosamente.
Eu sinto que a mlnba presenca nm crime,
qae as minbas palavras nao valm ama blasphe-
mia, qne o meu nome agooisa sobre os tapetes em
que as donzellas passeiam victoriosas I
Jorge Mauricio, por am gesto, tentoa tranquil-
sa la. Ella prcsegulo como se fra presa de am
espasmo irresistivel :
A' mmha vista, a sociedade, essa* nobre so-
ciedade a qne o senhor pertenre, recua como se
temesse as garras de ama fera. O ar qae ea res-
piro envenena-se sahindo novameote do mea selo I Corteza .
Todo o qne mea, todo o qae me procara oo se guern alraressou at boje I
aproxima de meo corpo, toma-se condemnadoej O esforco porm qne flzera, enrgico e rod,
maldito pelo mando inteiro meo balito vene.! prosirona iasensivelmente.
d0olCeTimLPr,e TT Pe8a e/,raa meD09 Pa,lid- os *>V WW. bocea tre-
MachZ hCt T^ ***' mo1* e mnd. "eseabio poneo a pouco n'am sbito
Macbm-imente, el, n'" o eio as dnas rolos! desmaio.
palpitantes. "
M Jorge Mauricio corren a ampara-la.
i rd0a*n,8e,8cnl*1 roormDroa Blla Inclinoa-se sobre o divn e es seas negros
dr,f lTm0l C0B0 se esllves9 em f<=e Mbellos 'ram profosamente do hombros
na deliciosa verligem, que coroava a fronte da-
qaella encantadora martyr.
Oenihusiasmo impellia-a com a aspereza da vaga;
a palavra sibillante mal aeempanhava o pensamen-
to feriilo; os labios tmidos moviam-se como por
magia e a phrase voava ardente e insensivei:
Ffqne, e ouvira' mais om romance qne a
desgraga bafejou desde a primelra pbase. Urna
corteza I Ea sei, eu sei o juizo qne pesa sobre as
nossas eabegas. A historia dessas mnlheres
sempre a mesma, diz o mando arremessando sobre
nos todas as soas coleras e lodos os seas sarcas-
mos 1 O mando I
E ensatando algnns passos para a porta do sen
toncador, onde om p e;tranho nao oasra' pene-
trar ainda, ella volton-sa em cheio e cobrindo a fi-
gura de Jorge Mauricio com o sea oinar lime do e
sciiitillante:
liraiar desta porta ola
de orna virgem.
- Qoem Ihe pee agora qne flqne son ea I vol-
tea ella rpidamente. E'preciso qae en duna a
mlnba alma da idea sombra qae o mondo em-
presta a todas as mnlheres perdidas I Hei
trar-lbe o intimo de meo selo e o senbor tornar- volt08-
se-ba compassivo talvez
O governo de Italia pedio ao celebre tenor Mario
qae coa-iota em enviar a exposigo de Paris parte
dos preciosos objectos que possue no palacio Sal-
vlali, de Florenga.
A grande tempestade que eahio no dia 9 do cor-
rente sobra Pars derrubou um pavlho de quatro
andares situado no campo de Marte e destinado
a exposigo dos productos dos Paizes-Baixos.
Creia na minha araizade.H. Cogmard.
Um membro de parlamento inglez prop5e o se-
guinte enygrai :
Que difTerenga ha enlre am accidente e urna des- i m
graga?
Ao mesmo lempo, por nao ser corriligionario po- j emprmenlo total dos"'"caminhos de ferro no
utico de Lowe, ajanta' ao enygma a seguale so-i am do aan0 da 1863, ni ,9',e*"a. era de 13.289
lago :
milbas (cerca de 4,500 legoas) cuja consiracgo ba-
via absorvido um capital de 50 mhes de libra.
Foram percorndas 139,527:117 milhas (pertode
45milh6es de legua*) por 5,556:707 trens, on urna
6 raeia vez a distancia da trra ao sol.
O material erapregado consista em 7,414 locc-
i motoras, 17,997 carros de viajantes e 233,200 wa
Calcola-se que ba hoje na trra 350 milhSes de g0' de mercadorlas-
S Lowe cahisse em nm pogo, seria nm acciden-
te ; sealguem apparecesse e c-rasse do pogo, se.
se ria ama desgraga.
Est explicada a differeaga.
matrimonio?.
Permuta Deus que se conservero sempre na rae-
Ibor paz.
Existem tambem 61 roundes de mailheres era es-
tado de cjisar o s 50 milhtes de homens.
E' pouco mais ou menos urna proporgo de 6 mn-
lheres para 5 homens.
As ultimas noticias de Miramar dizera que urna
consulta de mdicos confirmou a cura radical da
imperatriz do Mxico.
S. M. I. prepara-se para brevemente fazer uras
viagera de convalescenga.
&e><~
A miseria vaije tornando exces.iva em Londres.
O grande numero das [alinelas trouxe coinsigo a
suspeaso de muitos trablhos: os carpintearos,
que.ultiraaraente tmham r jeitido urna proposta
por escripto, era que se Ibes ofTerecia 6 saldos e 6
dlnheiros por dia (z$900), nao quizerara trabaihar
mais ; -fro obsta ao trabalho de multas indus-
trias, 4^ em quasl todas as freguezis, v-se com
receio approximar-se a fome a passos largos.
O vigario de Greenwicb teme a caresta e os mo-
tins no seu districto.
Em Popl?r, os boletins da semana passada indi-
cara que 8.319 indigentes receberam soccorros.
Este algarisrao denota um augmento de 5:400
Indigentes sobre os 'do anne paseado. Alm disso,
mais de 16:000 operarios esto n'este momento
sem trabalho.
O blspo de Londres recorreu a's subscripgoas
em vasta escala; ignora-se por em quanto se o go-
verno nao se ver brigada a prestar um soccorro
temporario, em vista da miseria que ameaga pas
sar alm dos limites aoade pdealcaaaar a can-
dado dos particulares.
O Times sugiere o pensameato de se organisar
a commisjo central de soccorros, como na poca
da caresta do Lancashire.
A situago actual da capital da Gr-Bretauha p-
de-se resumir nos seguinlps termos :
A nev, de urna abundada nunca vista ; o fri,
de um rigor e da ama persistencia excepciones;
a interrupgao das communicacoes sobre todas as
liubas do interior; a suppresso por espaco de 48
horas das correspondencias do coaiiueaie; as ruaa
e pragas da grande metropole ingleza atulbadas por
myriadas de desgragados psalmeando em todas os
tons estes gritos afflictios e eommoventes : We
are frozen out! starvation I slarvation I Horre-
mos a' fome I morremos de fro I); a sioistra no-
ticia da que a malla das Indias-uccidentaes aca-
bava de ebegar a Soutnaraploa com a ebre ama
relia a bordo, e que esta terrivel doeaga tioha fcito
perecer vinte e cinco passageiros; finalmente, o
accidente occorrido sobre o lago de Regent's Park,
que custou a vida a urnas cincoenta pessoas, e a
suspe^o forgada do trabalbo de muitas fabricas.
Esta longa serie de calamidades publicas e par
pealares ilIIuo desfavoravelmente sobre a marcha
das iransaegoes commerciaes.
A CUy de Londres nunca apresentoa urna pbi-
slonomla mais sombra do que n'estes ltimos dis.
at o eolio. En a copia fiel da Magdalena de Cor-
regio.
Margarida I
Sinto me melbor I Estoo boa, disse ella, raei-
gament?, stm afeciago affaslaod os cabellos re-
peranga, Margarida: a santa e doce esperanga da
alma I '
A esperanga I Qae ea lbe d a esperanga ?
volveu ella.
Esperanga para o meu amor I replicou#rge
Mauricio com o bello enthusiasmo dos* vlnie
annos.
Ella ergueu-se e toda a sua figura assumio o ar
casto e nobre de orna sacerdotisa inspirada :
Nao pronuncie mais essa palavra. Ooga-me
primeiro e se reiar-ltie ainda coragem o que deve
ser impossivel, ame-me I
E ta o permutes ? pergantca Jorge sentindo
ergaerem-se na saa alma as illases qae baviam-
n'o qaasl abandonado.
Calma e silenciosa ella dirigi se i janella. Jor-
ge Mauricio acbmpanboa-a.
Qae triste ooite '
Jorge pensoa ouvir as sandosas Botas de nma
harmona nocturna. Os ltimos clares da loa,
ama loa de Londres sem chammas e sem ralos,
atravessavam a almospbera dlaphaoa e silenciosa.
O vento, flbil cerno as auras, trazia a iolervallos
nm aroma acre e penetrante como o perfume das
ondas a' meia ooite. As estrellas amedrootadas
rorapiam as bromas fras, qaai se temessem Ilu-
minar om tomlo.
S. Paulo como Olinda : orna sepultara que
falla. -
Ha pelas ooites longas e vaporosas daqnelle tor-
reo tradicional, orna voz, orna sombra, ama idea,
qae enviara recordagoes, que dispertam os sent-
meatos mais incomprebenslveisda alma e as lagri-
mas mais occoltas do corago myterioso.
Byron Tez saltar da palheta divina os nebulosos
contornos da immensa e fnebre Babylonia, qae
palavra a lbe servio de bergo. Alvares de Azevedo o'oma
neo sei o das cartas admlraveis, qae ornam o frontespicio
Publicamos ha dous dias a interessante e orlgi-
nalissma carta dirigida ao redactor do Fgaro pela
actriz parisiense Mil." Silly em aggravo da sua col-
lega Mil.' Schnelder.
Esta pela saa parte vingou-se da injuriosa ralssi-
va da sua figadal mimiga, escrevendo ao director
do seu theatro, o escriplor Hypolite Cogoisrd, a
carta eguinte :
Meu caro director. Son injustamente ata-
cada e cruelmente ferida; S posso recorrer a si
para ler reparago e justiga.
Que hei de fazer ? Acoaselhe me.
Saa muito dedicada.Sclmetder.
O Sr. Cogmard respondeu.com a mais galante
delicadeza :
Mmha querida artista.Depois das indagagoes
a que proced no theatro, reconhego que foi eflec.
tlvameote provocada de um modo insopportaval,
na scena que se deu em urna das noites passadas.
a Lamento que urna artista das Variedades des-
se puDlicidade a ue fado que devia ficar ignorado
do publico. Censuro cora loas as rainhas forcas
a substancia e os termos da carta que poblicoo o
Fgaro.
Pedo-roe agora reparagao. Que quer que fa-
ga ? multar a actriz que a aggra.von ? Toda a gen
te dira que eu sacfificava assim os pequeos aos
grandes talentos.
t Assegoio Ihe no entanlo que nao tornara' a str
provocada. Dei para isso as Jevidas providencias.
Diz-me que a aconselbe. Eis o meu conselbo.
.Nao responda.
As diflerentes coropanhas pagaram 333,533 li-
bras deinJemnisacao s familias de 221 pesoas
morta-nas-linha?, e a 1:132 que foram victimas
de accidentas mais ou menos graves.
O numero de viajantes sabia a 251,862:715.
O rouseu do Luvre acaba do comprar por 50 mi-
francos seis quadrus de Luini, celebre pintor ilal
llano.
Estes quadros exitliara era ura palacio de Milo-
^-na-
O re da Prussia acaba de inslitoir urna oova
ordera chamada A ordem de Luiz, destinada a
recompensar os servicos prestados monarchia ou
ao estado pelas senhoras.
qo.odo ailvinhar as an- Herde ras; preseguio dando
goxias e as feridas, qae m dilacerara hora por amiga vbracSo tmilk e saudosa. Eo .
bora,ra,nuto por minuto seto podare ailiviar me que Use : iou:oras talvezl Seja bem eemo do sea-formoso padrSo Iliterario, copia tracopor
matndole de urna vez f ^ !sfmpre, trago o pbaoUstico perfil da velba cldade academi-
Jorge Mauricio ouvia a sory0be\>?ndosc Eisme novameue a leus pos. Di-ma a es- ca, 4 semelbanca dos amigos bardos scaudioavos
deseohando o amoroso basto das teoiadoras
walkyria?.
As noits de S. Paulo-, possuem esse colorido in-
termitiente e indisivel das frgidas regioes do nor-
te. A la, anche de urna luz viva e Jbuudante a
grande varzea do Carao, doura as torres silencio-
sas e negras, e como se a distancia a enfraques&-
dminue docemente, pouco a pouco, a longos io-
lervallos, iodo perder-se na inlerminavel solido
daquelles campos, onde o olhar para extasiado. E"
qoeo cu nao permlite-lhe o ciarlo constante e lm-
pido. Ha sempre ama nevoa qae embacia-lhe a
fronte e essa nuvera grava a saudade eterna em
todo aqueile qae ssboreia a triste voiaptaosidade
daquellas noites melanclicas.
Oave-se no ar adormecido nm grato e sonoro
rnmor como o do bater de am nrao fogaz as
agoas de Sorrento, c normarlo da agua despena
pela cariobosa proa das gndolas veoesianas. O
royterio esc.onae-se, como o vallo de am assassi-
oo, a' sombra das ennegrecidas igrejas e a todo
o momento o oavido curioso, jalga colher no vo
fugitivo do echo nma palavra de amor, om segre-
do mal balbociaao qae termina no balbuciar de
am beijo.
As serenatas affluem de todos os lados. O esto-
dante de S. Panto, mais do qae todos os cairos
propenso a's poticas delicias de ama serenata.
Em quanto sobre a macla alcatifa das varzeas
ans dedos iodlscrelos vibram as ominadas cor-
das do violio qae geme, alm do Udo opposto
ama voz fMsca e vlgosa enva a* nene peregrina
as letras de urna caogo de Junqueira ou de ama
barcarolla de tossini.
Paris vive a* luz dos lastres e dogaz,-dftem S.
Paulo corre na esleir da grande capital europea.
Quaodo a nolte ca e o fogo mortigo dos lampeoes
aclara vagamente as roas, ha como qae am raido
sordo qae crasce e augmenta cora a nolte. Dir-
se a que o sepulchre abre-se e os adorados phan-
Acaba de fallecer em Franga, em conseqatncia
dase haver precipitado de urna janella era am ae-
cessode feDre a baroneza Deslande?.
Aonuncia se a morte de Pierre BeDjamin Lafaye,
deca> da faculdade das ledras C'Aix.
Fallecen tambera o escriplor Trances Galoppe
d'Ouquaire conbecido por eslimavels trablhos Ili-
terarios.
Morreu em Pars o visconde de Hdouville.
Fall ceu em Praga o principe Egmont de Triara
e Taxis.
Falleceu igualmente cm.Nice, Noel Desvergers,
autor de una Vida de Marco Aurelio,! de urna
Historia da Arabia e de urna Historia da Etru-
ria-
Deixou de existir em stultgard a condessa Ma-
ra de Tauqenheira, antiga condessa de Warlem-
berg e prima do rei.
L-se n'uma foiba bespaohoia:
Chamamos a attenQo dos leitores para o
seguinte problema que, fructo de profundo
estudo sobr a materia de que trata, nos
foi remettido de Orense pelo nosso aprecia-
vel amigo, o laborioso e modesto D. Anto-
nio Valcarcel:
A navegado aeria ser do dominio do
homem, logo que se resolva o seguinte
problema :
Io Governar no sentido da normal (de
baixo para cima).
2o Governar no sentido da vertical (de
cima para baixo).
3o Govarnar no sentido da horisontal,
(de c para l).
Normal. O ar rarefeilo,, o carbrelo
hidrico, e o gaz hydrogeaio, sao perigosos
como brincos ascencionaes, dispendiosos e
epbemercs.
Acha-se na igreja o germen de grandiosos
descobrimentos.
O jesuta fr. Jos Frar cisco Lada, em
1670, accendeu por meio de quatro globos
de cobre vasios de ar.
Tem, pois, decorrido seculos desde que
se conbece urna forca exequivel e persisten-
te para governar, segudo a normal.
Vertical.- O ar pesa, e alm dis&o ex-
tremamente comprehensivel.
Se, por exemplo, *e introduz n'uma jcapa-
cidade de um metro cubico, concebe-ee fa-
zer- lbe conter lo metros cbicos de mais,
o quevem a ser mais de lOu vezes o pre-
go primitivo.
Eis aqui o agente prodigalisado para go-
vernar segundo a vertical.
Horisontal.O ar, sahindo comprimido
de urna capacidade, sabe-se que produz
urna for^a contraria sabida.
O recuar dos canboes, a trajectoria dos
foguetes incendiarios, os mesmos foguetes
communs, demonstram-no a cada pairo.
Segundo apparelho para injectar o ar,
cuja entrada e sabida opostas, se achem em
linha horisontal, revelara, nao urna forca,
mas duas que se reforgam, urna dellas nao
suspeitada ainda, a da absorpcSo, e outra
a de immers3o.
Das experiencias deve-se deduzir a in-
tensidade de ambas.
Tal parece o meio de governar segundo
a horisontal.
Tbeoricamenle o maior effeito da nave-'"
gac5o aeria, o menos contingente, a um
centimetro da ierra.
Reserve-se para exploracoes scientificas o
ganhar grandes altaras.
E.te ysiema cora a maior evidencia ate-
nuante da gravidade, resgata instantnea-
mente a homanidade do emprego da forca
viva, na locomocSo commum.
tasraas do passado conquistando de nove as soas
perdidas almas, arremecam-se delirantes ao tur.
bilho di vida, sequiosos de febre, de tempestades
e de amor t
Na mais silenciosa e deserta ra ouve-se o ti-
mido ruido de um postigo que se entreabre ; duas
vozes mais tmidas se encontrara e embebem se
como n'um beijo ideal a's vezes a branda corda
do violo ferida lamenta-se tristemente e o silen-
cio prolector Invade a roa dos felizes traidores.
Como em Madrid os sereno podem gritar as
horas nesse momento assegurando aos genios da
noite_a tranquiilidade das familias e todos os dl-
reitos do cidado.
Noites de S. Paulo I Vs sois a imagem viva e
perfeira dos mais tentadores romances dos vtote
annos I ^ ja
Margarita voltoa-se meigamenle para Jorge Mau-
rico :
* Sabe o qae fai azer ba poaco, qaando o dei-
xel s no sallo ? Fui beijar o retrato de rolaba
aJ. Os meus labios purilicarara se nesse beijo
A mdade sabira' da mlnba boca, pora como as
bencaos daquella santa que ea perd para sempre I
Veoba.
Seotoo-se no divn depois da mostrar com o
gesto elegante orna poltrona a Jorge Mauricio.
Como prloclpiarei minha historia ? pergon-
tou e la com esse gracioso momo das mulheres de
espirito. O senbor deseolpara' lodos os erros qae
ea commetter ?
Todos, vclvea Jorge Mauricio com ama serie-
dade que ella agradecea sorriodo 'um arroabo
infantil.
Pois bem I Ones.


'(Gmitmar-se-h i
TYP DO DIARIO-RA DAS CRZESTm
2

ILEGIVEL
=C


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ENPAG7F3U_6ANW40 INGEST_TIME 2013-09-05T04:03:57Z PACKAGE AA00011611_11200
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES