Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11193


This item is only available as the following downloads:


Full Text

"*sm
*m

1
ANNO XLIII. NUMERO 36.
PARA A CAPITAL E L.LUABE* O.XUE SJB IVAO PAftA POBTE.
Por tres nezes adianudoi.,.
Por seis ditos dem..
Por um aoao dem.. ..
Cadinuneri ifulso .] ,.;
60000
ISdOOO
240000
320
QUARTA FEIRA 13 DE FEVEREIRO DE 1867^

PABA O FATUO E FOBA DA PROVINCIA,
Por tres mezw adianUde*......../.....
Por seis ditos idem............................
Por Dote ditos idem.....'.. .. .........,. ........
Por un anuo idem.. .....................
/60730
13^300
205280
27)9000
DIARIO DE PERNAMBUCO.
., it>

^asuma-aa m vwsmmmm nmmwmw vi mss.mm nnunm m ww&'& mmm asura PSKDipiaaaMiMDSQ

ENCARHEGADOS DA SUBSCHIPgAO.
^.rahyba, o Sr. Aiion;o-Aiex?odrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marque*t>da'Silva;Aracaty,
oSr. A. de Leos Braga ;4, o Sr. Joaquina
Jos de Jliveira ; Para, oa 8rs. Gerardo \atonio:
Alves & Filhos ; Amazonas"; o Sr. Jeron/mo da
Costa; Al;'goas,o Sr. Franjo lavares da Costa;
j^taiia, o Sr. Jos Martina Alves: Rio de Janeiro,
' Sr. Jos ^Ibeiro Gasparinho.
PARTIDA Di S k^TAPBTAS. iSerinbem, Rio Formse, Tamaodar, Una, Bar-
Olinda, Cabo, Escada e estafes da vi frrea al j reros, AgaTreta e Pimonteiras, as quintas
/eiras.
AUDIENCIAS DOS
TRIBNAES
DA CAPITAL.
Agua Preta, lodosos dias.
Iguarasstie'Goyaniia as segundas e sextas-felras.
Santo AOtO, Grvala, Bezerros, Boailo, Crtrttr,
Altiabo, Garanbuns, Bra'que, S. Beoto.'BW Goo-
selbo, Aguas Bellas e'Tdcarai, as rercas-feira-'.
Pao d'Albo, Nizareth^Limoeiro, Brejo, Pesquera,
ngazeira, Plores, Vijla"Bel!a, Chreb, Boa-Vis-
. ta, Oarieqry.Salgueiro tffix, as qurtas feirs.l Dito de orphos : tercas e senas s 10 horas.
Tribunal do commercio: segundas e quintas.
Refaci : tercas e sanados as lo horas.
Pazenaa : quintas JO horas.
Julzo do comroereio ; segundas as ti horas.
Pri^eira vara do oval: lergas e sextas ao mei-
dia.
Segunda vara do civei quartas e sabbad*s a
1 hora da tarde.
EPHEMERIDE8 DO MEZ DE FEVERE1RO.
4 Loa nova as fVTi., e 24 n>. da i.
11 Quarto cresc. s l b., e 48 m. da t.
IS La erial as 4 h., e 19 m. da t.
^6 Quarto ring. as 8 h. e 40 id. da ra.
DAS DA SEMANA
11. Segnnda. S. Lzaro b.; S. Cocero b.
12. Terca. S. Marctllo p. m; S. Eulalia v. m. -
13. Quarta. S. Gregorio p ; S. Caiharlna Rica v.
14. Quinta. S. Valentn) m.; S. Atixeocio.
15. Sexta. Ss. F..(i^ttuo e Jovita rr.m,
It. Sahbado. S. Raymnndode Pepafort c.
17. Domingo. 0. l'oiycrooio b.; s Rnmolo ro.
PBEAMARDEHOJE.
I Primeira as 10 horas e 54 ra. da manba.
[segunda as 11 horas e 18 minutos da larde.
RTIOA DtS VAPOPES COsTEtROS.
Para o snl at Alajroas a 14 e 3C; para o nene
ii; a Granja a 7 e 22 i!e rada mea; para Fernan-
do nos dias 14 v? ;n>zes Janeiro, marco, maiof
julho, setembro e novembro.
/
HJj
hi
ufa

COMIAKOO D1S AB4S.
Quartel general du eoaroj||g*>s armas de Per-
Eambuco na eidade do ecifc, 12 de fevereiro
de 1867. |A
ORDEM DO DIA NlJQP
O brigadeiro cotnmaodante dasirm3s faz saber
a rutoic-So para o? lUis convenientes, que a presi
dencia sobre parecer da junta de sade, eoneedeu
por portarla de honlam datada, nos termos dos
arts. e 4* n. 2 do decreto n. 3,879 de 3 de Ja-
neiro do aono passado. eom referencia ao ari. 106
do regulamento de 27 de nntuhro de 1860, tres
mazas de licenga. a contar de t4 deste raez, para
tratar de soa nada nesta provincia, ao Sr. coronel
commandate do batlbao .n. 20 de iatantaria do
xercit, Jos da Silva GuH*aes. eu[i,
Omesmo brigadeiro far ljjnalmentesaber, qoe
luje s guetn no vapor Tocantius) atr> corte, os
Srs. capito do corpo n. Iluto DiuoUrios da,pa-
tria J"o Xavier do Reg Barros, e lferes do 1
balalhao de iofanuria coowttoinoDado lente Jos
Sergio Ferreira, os qoaes' sesarhavara nesla pro-
concedida pelo
vinel' no gozo de licenca concedida pelo go- da redaego do Monileur
Davia ler-se brevemente no senado italiano,
reunido em supremo tnhanal de justica o somrna-
no do processo contra o almirante Persano. O
senado deliberar em visia dos factos sa ha on
uo lugar para se proceder a aecusacao.
Oeasanegado dos negocios da Italia em Vienna
1 d8veannuuciar prximamente a visita dr principe
Humberto a familia Imperial ausiriaca, que se
apresta, segundo diz o memorial diplomtico, para
fazer o mais cordeal acoltil-rento ao seu Ilustre
'prente. O principe Hambprto primo ex-inr,o
:do imperador Francisco Jos, por tr o rei Vctor
Eaimanoel desposado urna archiduqueza d'Aos-
irii.
O Monitew de 20 de Janeiro publicou nm
decreto do i:npera'dor dos Fraocezes, segundo o
qual o discurso da cora ser substituido pelo dl-
reito de interpellacao que se observara' mediante o
assentim-nto de dous membros do senado, ou de
quatre do corpo legislativo. Os ministros terao
delepaces especiaesdo impera'3br para represen-
tar o governo perante as cimbras Urna carta do
Imperador Napoleo ao sen raioi-tro dos negocios
estraogf-iros, annuncia urna le que entrega aos
trihoaes correccionaes es delirio- da imprensa, e
Gira regulando o direlio de reuniao dentro dos li-
mites da seguraDC poltica.
Eis a carta do imperador,
I

veino
(As-igoadn) Henrique de Beaurepaire Rohan.
E-ia' conforme.Emiliano Ernesto de Mello
Taraborim, lenle ajudante de ordeos interino e
uocarregado do detalhe.
DIABIOlJEPERNAMBUCO
das Tuiherias,
o decreto e o artigo
em 19 de Janeiro de
Attrabi porm a attenco ceral o facto das o que a crise originada pela ailitule que tem to-
discosSes sohre a resposta ao discarse da corda mado a Hungra, eputrus .^i^dos com ref-rencl
jendere#'*aua vez maife a desviar-se do qnadro as ultimas medida^decretadas pela Austria,
tragado pelo discurso d thronb. Fallando a base E' prematnYa :i fcticia da prxima nomeagao da
hrecisa e o'assumpto bem determinad", ciTrnm ris-1 nm ministerio hifn^ro resrion-avel. O conde Ju:i >
pr essas'cMscussoes de dtvagarem pela regio vaga Aoorasuy pro^ega/afctlvamente, em nom* do pai- principio
das ihAoriaj e das ideas aHsiractas, oo de se perde-, ndo de Dek, "as aegociacSes com o Sr. Beust e j ti ais.
rem ios ibais Insignificantes pormenores da admi- Belcredi.
nist agaa. Cora taes condlgSes expoem-M> a pro-; No dia 12 de j.nairo toi 'di na enmmissao hun- |lm
loogar-s'e ndpflndamente, t inando-se mais pro- gara o projecto de allocncao ao imperador, redigi-.' conlinar-'nos o seu apoio, e temos mesm tido co
prias p' ra apaixonar os nimos que para elucidar i do pelo Sr. De*k, relatlvn ao ultimo decreto acerca nhftciraento, n'estes nllimos tempos, de que houve
as qae8lijes, e favoreceodo o uso da palavra com
prejui/o dos negocios, qae por este modo Acara
privados de noi lempo precioso.
A sna doragb assnmio proporg5es que nin-
guem poda prever, tfem roesruo fuudando-se na
experiencia do passado e na do* onlros paizes.
Este estado de coasas provocan qneixas que e
governo devia tomar em considerajo.
O decreto tem por evitar estes inconvenientes,
maniendo inlacto a' partielpaco dar cmaras, e
frtiflcando-a ao mesm o lempo que l*rna mals pre-
cisa.
O que em sinceridade e .m utilidade publica
claramos com sedimento; ella marca com sangne ao-se a nossa patria sob o jogo da ignorancia, da
mimares dos uussos compatriota* nos paires qne servi.iiu e di fjme7 *
desoa ; e a soa exiensao torna-se cada vez mais i N^) o pensa a junta revolucianana de Madrid.
VdS Ainda qando homens eminentes nao andassem ba
A (nimizade dos Estados-Unidos contra o niuitji idando na n-lernpcao do paiz"; ;aipda qnim-
monarehico todos os dias se accenla do a jir.ositagao, em que cahiiam os'elements na-
cionas,,no (ornasse bnmanameofe 'lmpossivt-1 o
desta slluacao desastrosa, no ;s
lodosos cididos generosos"Mri
o prximo flra dessa orgia de litorYdos e verdu-
gos que nos offende, que nos mancl.1'que nos in-
fama.
Os membros d jiinla jurarr.m pl5 sna- vida
"' ciyoaes,
3.* Os no5SQsr;alliados declararam que lhe itrlpeno
ipossivel, em ritisequencia d" razSes polticas, I ira'ao d
^semblante
a a jacta
podem gauhar as discussSes sobre urna quesio i militar a uegaco des^e direim:
clrcurascripta levantada e orahecida de anteroio, e
mirando a um ioieresse formal e preciso, i5o evi-
dente qne serla ocioso demonstra-lo. Tal a van-
tagem das interpella^oes.
Fiel ao espirito que o inspirou, o decreto diz
qae no necessaiia a maioria das secefies para
do.recrntamento do eterciio. [ conferencias entre. 6 governo de Franca e o dos
A dlscussao da allcnco fci dsda para ordem do Estados-Unidos, pata, ehegar a um aecrdo, afira
diadasessao "de 15. da por termo a1 goerra civil qae Ha muit tem- accelerar o momento supremo. Aos"bonsTifiadnos
O projecto de ailocugao do.hr. Daak qaena-se po devasta o nosso palz. basta saber que sao amigos es que velam, cbrifjla-
de que u poder absoluto cominoe a seu bel-nrazer Em p^eseaca da ,opiniao da grande raaipna oheiros os qua irabalham : irraaos qu-? dos"*S-
dos llere-ses raaiss-ijrados dos dominios da al-: do povo americano, no se podena, dize'rios,' irmios s exigecn f e v-.lor em troca da saa'Vg
ministra.ao e da legislacao.e de que anda ha p^u- phegar a esae lira, se uo fuudando, palo a|laHuntaria consagraco a'morte. Queremos a'Vx'-
co assim pratlcassa, por m;i> de nm decreto que .daquelas duas potencias, um governo da forma re- pulso definitiva comuleta e perpetua da familia
se esleadi ao fjliifo. O direito de reguhrisar o publicaoa.
sy*teua militar cconltgao vital da consiliario!
hngara, e de qualqter rgimen ctBiitucioDal, |
dneitoa qae o pair nao deve
mente o decreto imperial cer
t Coraquaoto a Providencia tenha alfectado a
fortuna iio nosso lar domestico ; erraquantota nos-
lioorboo ; aspiramos a provocar uma sentenga na-
cional, uma resolugao so.emne do paiz sobre o re-
gimen que ha da substituir o que actualmente nos
renr.neiar. EBfectiya- sa c-ragam e forga tenbara sido rademeute npe- opprime: E propomo-oos a eslftAm com tal deci-
irca da orgamsagao riiuentadas, nao hesitaremos um s justante t*o sao, com regidez' tamauha que, perante Dos e
Palacio
1867.
Sr. ministro.Pergunta-se ba anuos seas autorizar os pedidos de joterpella$ae. E'sufBcieo-
nossas instituig5es chegaram ao limite de aperfei- le a opioio favoravel em duas seccoes", das cincr,
goaraento, ou se cumpre fazer novos melhoramen- que tem o senado, e d quatro das nove do co
tos; disto resulta uma lamentavel incerteza que legislativo para que siga o seu curso. E' uma
importa fazer cessar. i rantia de que a tribuna abrir-se-ha para todas
At aqui leudas lutado com coragera era meu causas verdaderamente dignas de uma discus
excepcional.
A cmara pode formular a sua oplnio de dous
na sua alLcugao que no deve
va nova d- terminago de
o sao nicamente as leis fon-
uicfto, mas tambera as de equi- seibos de onoi-ir
e exigen a cuopera^io do |.aiz.: tantas pruvas de ass-nlimento e fidelidade, aflra de de Bourbo em todas as sms Unhns e ramos, t ie
-----------------------------^-^^^ nomo para repellirdes exigencias inooportunas e
Pelo vapor fraucez Guiennt,; chegaio hontem da para me deixardes,a iniciativa da reformas uteis
Eur pa, rereberno, jninaes deflRdres al 23, de q-.iando cheg da a ora r as raalisar. Hoje julgo
Paris al 24 e de Lisboa ai Jfl do p>ssado. ser possivel dar s in>tiiiiicoe; do imperio todo o
- Eitio quasi termin >dasiLpeg"c; h-o : entre deseov ilvimenio de qua ella sao suscepliveis, e s
i reino de Italia e a Santa S^Kndo brevemen- liberdad.es publicas um no o des^nv.ilvirnento sem
te regressar a Floreoga o Sr. Tuhello, que est ;compr.omeiter o poaer que a naga") me conflou.
.-ncarregado dessa missao. A Siata S > leve,
segundo se affirraa, da acceitar as propostas do en-
viado italiano, visto que o governo liona tomado
como ponto de partida o principio da liberdade da
igreja. Desie modo terminon-se cora o p'acet e
rom o exequtur. O papa ouraear os bispo* qua
Ihe app ouver. Actualmenie, segundo aflrma o
Jornal des Debis, s se esta tratando do facto da
O plano qoe iracei consiste em corrigir as irc-
perfeicoes que o lempo reveloa, e em admittir 08
prograssos compativeis com os nossos costumes,
porque goveroar aproveitar a experiencia do
passado e prever as oeccsiq>des do futo.ro.
t O decreto de 24 de novembro de 1860 leve
modos : pela ordem do dia pura e simples, sa as
iuterpellacoas forem infundadas; pela raneas* ao
governo, se a questo Iba merecer especial atten-
co. :
Por este meio pode o governo eontecer os seo-
tmenlos da cmara, e proceder como o exigen) o
tnteressa publico e sua propna responsabilidad, Madrasso apreseotou utms m gao ;> .r,i ,ua i-caina
i /r mais longe seria expor-se a alterar a har-- >r* adopla-se-.a segaiot declaraco'I
mon:a dos poderes, taes otrao eslo regulados pela.
constitu.gao, e ulirapasear os limites de um simples
decreto. Os casos em que o corpo legislativo e o
Diz o Sr. Da
pas-ar desaDerc?
absolutismo ; p'o}
damentaus de ci
dade e utilidade
Se a situaga
necessaria
sago milita
se resta'buiec
qoe a dieta s po
wiriuda da c u.-'.ili
aceitar encargos p;
sosperisos.
A Huri^ia espert'ii em todos os tempos as trans%|
formages militares nocessarias, mas seinpre por
meio das dietas.
A allcugo terminou pedinlo o reU'.blecimeu-
lo da c nstituig).
. Na sesso do dia 12 dopts da leitura feHa do
projecto de allocago feta pelo Sr. D.-a^ o T.
fazer todos os sacrificios p-la felicidade da patria, a uossa consei-mcia declaramos mmigo publico,
se nao tivessamos o receio de que a nossa pessoa reo de lesa narao e merecedor por itso de que a
fosse um obstculo a* pacilicagao do pair.. \ junta o comb'iti com todas.as suas (orea, qual-
i ra?3.) reuni era torno de nos os con-1 quer que opponha resistencia, restricqoes,' ambtgui-
e de estad, que i nos deram dale at ao projecto de expulsar do pan a familia
exeicer o poder legislativo era
t~igo a nao est autonsnda a
ra um r>aiz cujos
direitos estao
6seolha das pessoas, e parece que o cardeal,, An- discussio da. resposta ao discurso do throno nao
tonelli e o Sr. Tooelio eslo deliberando acefg da leve os resultado-s que delta se podiara esperar ;
escolha dos novos titulares dos bi-pados vagos., j por vezes apaixonon intilmente a opimao, provo-
Ctieiou-se a um accordo na questo da redugo cou debates esteris e fez perder um tempo pre-
das dioceses vagas : o summo poutitice n.i pro- cioso para os negocios; creio qne se pJ.v, sera di-
ver os bispados reeonhecraos iuute e eucarre ..(Oiouir as prerogativas dos poderes deliberativos,
gara o hispo visiobo da admraisitttfao Jas suas. substituir essa discus^ao pelo direito de inierpella-
dioceses. Tal o accordo estabeleeid> quaoto aos cao sabiamente regulado.
pontos essenciaes. Nao se far tratado algara Outra modidcacao rae parecen neeessana as
am de se evitare diliculdades de forma ; apeuas relagSes do governo cora os grandes cornos do es-
se trocaram promessas wbnes. | '?du > PeDse' O govero j pontificio decretoo uma providencia t ao corpo legislativo, em virtude a6Kma rWlega-
qoe excilou natural desconientamenlo na -Infla- o-espMlal p-ra ah l mareo) parte em certas
trra : navia em Roma ha minio lempo duas igre- discussSes, utllisaria melhor as forgas do meu go-
jas escocezas, pertenceudo urna igreja estabele verno sem rae desviar dos termos 1a constltnigo,
por flm associar mais directamente o senado e o i senado podem expressar uro jolze directo e abselu
corpo legislativo na poltica do governo, porm a lo que conatoa. -por ura voto'de approvacao ou de
recusa, esto rigorosamente definidos pelo pacto
fu. dameDtfl. Iboependentemente das leis espe-
cida na Escossia, e a outra igreja livre. O go-
verno pontificio maodou fecha-las ambas. Os pro-
testantes americanos esto igualmente amelgados
de se verem deit'.ro em pouco privados do seus
acto* religiosos, e qoe esto habituado* a assislir
em Roma. (JeleTjravam se e-tes ac;os BOUtro lem-
po na casa oceupaoa pelo ministro dos Estados-
unidos o general Keii, e nao poda por conseguin-
te ser iulordicto ; mas o general lendo aiugado
outra casa o capellu julgou podar reunir os seos
ouvinlas era lucal mais vasto situado parlo da
praga de Hespanba o governo ponldlcio aooun-
cioulogo a tengo de nao deixar o amencauos
mais liberdado do que a qua concede aos esco-
cezes.
O comit nacional dirigi aos romanos una
proclamagao coovidndo-os a gue^ cous.T>e n
socegados.
Os autores desconhecidos, mas canamente po-
derosos, da proclamago citada attribuem a poli-
ota algumas lentaiivas de desordeno que se mani-
festaran) na noute do 6 de Janeiro.
Evideoteoieote, dir -es, os nossos imrni-
gos irabalham por caugar a nossa paciencia,
su'prebender-nos e derrotar-nos separ.l inte.
Continuamos a resistir c->mo homena qua cami-
nhando direitos ao seu U:!i despeara as pro-
vocagoas de que sao alvo.
Os autores da proclamago aponlam nos sus
concidadSes os soldados esl'rangeiros empregados
pelo seu governo. Terminam recommandando qua
ee imite o exornlo de Veoeza, abaodonaudo sys-
" temticamente os theatros, os festejos e os bsseios
pblicos, aflm de se provar co) a unanimidade
desta ab-tenco a unanimidade dos desejos dos ro
mano?. '.
U'i>a correspondencia publicada pelo .1 mal dos
Debates de 8 de Janeiro diz o seguinte a respeito
da supprassao dos conventos:
c Reallsou se ha pouco um facto de grande im-
portancia tanto em aples como em toda a R>iia>
sahirara todos os frades dos/seo c avenios. Se
houve excepgrj-s f.^i em alguns cbnslhos, cojos
qua nao admilte snlidariedade enlr. as ministros e
os faz depender nicamente o chefe do es-
tado.
i Nao parara porm aqui as reformas qne con
vm adoptar ; uma lei sera' proposta para entre-
gar exclusivamente aos trlbunaes coriecciooaes a
apreciagao dos deudos da imprensa e snpprimir
assim o poder dlscncionario do governo. E' tara-
bein necessano rr-gular legislativaraecte o direito
da reuniao, contendo-o nos limites que exige a se-
gurarla publica.
Dis-e no anno prximo findo que o roeu go-
verno quena carninbar por un terreno solido, ca-
paz de Sopportar o poder e a liberdade. Pelas
providencias que deixo indicadas realisam-se as
rainhas palavras; nao abal > o terreno qne quinte
annos de socego e da prosperidade consolidaram;
ion'oiido-o ainda mals tomando mais intimas as
miabas relacoes cora os grandes poderes pblicos,
assegurando pela lei aos cidadaos garantas novas,
completando emfim o edificio levantado pela vonla-
de nacional.
Sr. ministro, Deus vos tenha na sua santa
gusrda.N.ipoteao.
% A cmara espera que n^nh-m filho-da naco
t favorecer direc'la oa iodirectaraente a exedugo
t do ultimo decreto (.'atente) sobre o recrutarneuto
militar, e aquelt qae o fizer apezar disto sefa
t c-n-ilerado como trairl r a patria.
Dizem de Vienoa em 19 qne j bases'de um accordo entre o governo austraco e a
Huugria: Parece q* o g^veroo ac-ilara o mido de
caos, as do contfigenta do exercito, as do crditos
supplementares e o orcamento, fornecem todos os
anuos aos depuiados numerosas occasioes para
exercfreai regularmente a-sua tlseailsago sobr
os negocios pblicos. atafli
A sutwuiuigo das lolerpeltcoes a' resposU
aodrscur!da cora, devia tr por conseqaenciaa
reforma da disposigo que difrespeito aos miois-
iros, v que da' ao soberano'raaior latitode.pa Antes
designar o? orgSos ericarrtgadoS'de falla^tf Ai u J'^tLS
JWrne.-e mais autoridade em tseMos cas#r^*|ftx *. "4
caces dadas. Era preciso porm circuinscreiver- ra o pe
se, nos limites da constitoico, segundo a qoalios I mais ou menos ao numero de non
ministros s dependem do ebefa do estado, nao sao decreto acerca do recrutamento.
responsavais collciivamente, nem podem ser raem-1 Conser^r-se ha unitario o orgamen!i da raon-afv
bros do corpo legislativo.
ver dd
bao eji
mudo os
conimari.
Nao g
cito, e Se:
a dafga
O congresso dos Estados-Unidos decretou defi-
com el a.
nitivameiita a accusacao do presidente por abaso ( O reinado de Isabel revelou ao mundo o
do pader oo exercicio do veto, e as nomeagoes e ajor moral e a ndole poltica dos BoOrbeos. O
gracasebseedidat, e na roncesso de amnistia. O; respailo a si mesroa e mais ainda o respeito devido
ouiro ponto da aecusago a infidehdade na admi- ao rWo a qnem se dirige, impem a' junta o de-
.uisirago os beus pblicos e iotervencao as elei- j ver ua caiar-se (seguem aloumas aecusafies vio-
r>{je*-- lentas contra a vida particular da rainka e as
A raesma cmara conflrmou a lei, que concede]sas relacoes com o governo, que nao julgamos
o suffragto aos negros, a despeito do veto do presi-1 contWHeKfe reproduztry ; n recordaremos o
dente. A este foi tambem retirado o direito de am-1 egosmo deshumano com qu na poca do chilera
Ulslla- abandonaram Madaid a' deslagao e a' morte. Nao
t Dlz-se que o chefe da opposicao, o Sr. Tha-: somos historiadores e poderla objetar qoe es as
deus Stevena, prepara um projecto para a procla-j culpas s recahem sobre os Bourbons actualmente
macan do estado de sitio em todo o sul j reinantes.
N'um meiling de fenianos em Nova-Yoik, de-1 Mas a junta val expr ontra consideragao ma^s
clarou se que o celebre Stepoens, o chefe dos fe- grave e que, no seu entender, torua os Bourbons
nianos, cuja cabega Inglaterra.ponha a prego de radicalmente incapazes para o imperio, em todas
suas liohas e ramos, oo sejam buje reinantes,
sejam seus ascendentes, descendentes, afflns,
ouro, era um charlalo, e foi eleilo para chefe o
general Qleenson.
Nosso correspondente.ide Lisboa nos envia o
seguate resum" dos ultimo." aconleciraentos de
janha :
A junta revolucionaria de Madrid espalhou,
destioaraente e com a maior profusao, nns ma-
Sios ou proclamaces que um jornal porluguez
licon.:
,Tenho a' vista o Diario Pnpalar de 17 de ia-
(,; d'onde ihe Iranscrevo, sem me fazer cargo
O decreto nao faz riera poda
algnma nestas prescripgSas.
Os ministros apreseotar-se-ho a's cmaras
como neiegados do chefe do estado, no caso delle o
determinar, conservando osea papel coostituci-jul
o conselhu do estado.
O que primeiro qua ludo exige o par que a
verdade, a justiga o o mteresse geral saiam tnuin-
phantes das discus>oes publicas.
ab este aspecto, o prsenle decreto sera' con-
siderado como ura nolavel progresso que se rea-
llSilU-.'
E%fc artigo tinba uraa nota ao paragrapho, que
tratada latitude que lomara a discusso da respos-
ta ao discurso da Cura, concebida nos segrate*
termos:
A iscusso das leis nao comegava nunca an-
tes da votacao da resiosta ao ciscorso da cori ;
eis aqu o lempo cousuuiido na redaeco e discos-
sao dessa re.-pjsta desde 1861:
Em 1861 abrio-se a sessao a 4 de fevareiro,
cha. A Huogria tera' parla na amortisaco
fazer alMragao i pagamenm dos juros da divida em p/ooo
ralla-se igualmente na a^oli^o
labaers. As alfana" gis 'oSfiiel
a Napoleao, pela graga de Dens e vontade naci- votou-su a resposla a 22 de marco; lempo consu-
nal, muerador dos Francezes, etc. Quereudo dar mido ura mez e dewlto dias.
sessao a 27 de jaueiro,
s discusses dos grandes eorpos do estado, sobre
a polaina interna e externa do governo, maior uti
lidade e maior preciso ;
a Decretamos e decretamos o seguinte :
Era 1862 abrise a
votuse.* resposta a 20 de marco ; te o oo consu-
mido nm mez o vinte e tres dias. "
Era 1863 abri se a sessao a 12 de Janeiro,
Artigo l. Os membros do senado _e do corpo' votou-se a ra:,posla a i2 ^e favereiro; tempo con-
legisl.ativo podem dirigir interpeliagoes ao go-
verno.
Art. 2o Todos os pedidos de interpellaoao de-
vera ser escrlptos ou assignados por eioco mem-
bros pelo menos. Nesle documento leve explicar-
se em resumo o assumpto da interpellago, e ser
depois entregue ao presidente que o mandar cora-
municar ao ministro de estado e o submetlera' ao
exarae dacoramissoes.
Art. 3." Se duas secgoes do senado ou quatro
do corpo legislativo forera de parecer qne as inter
pellago'S se podem verificar, a cmara marcara'
o
municipios compraram a- propribdade dos conven- dia da discus-ao.
tos pa a nelles conservarera os frades qae no sao
impopulares. A suppresso legal dos conventos
nao faz com que desapparecassero os frades. Pel
coutrario, enconira'm-se mais wie pela rni, e a
todas as horas do dia. Noton-se aqu muito a re-
signacao e al masmo a ialifferenga cora nue ac-
eltaram o seu novo estado ; o que noreru pare-: nunclar-se senao nos termos segurates.
eu ranito significativo foi que o rigor com que' O senado (ou o corpo legislativo) chama a at-
se executou a lei que extingui ae ordens rellglo- tengo do goveruo para o assumpto das interpella-
sas nao causasse a menor alterago as rebgSes'co-s.
ministro de estado
Art. 4. Depois de fioda a discussSo, a cma-
ra vota a ordem do dia pura e simples, on a re-
raessa ao governo.
Art. 5. A ordem jo da pura e simples tem
sempre a pncridade.
Art. 6.* A remessa ao governo uo ple pro-
cordeaes qoe cootinnarn a reinar enlre o governo
e o cardeal arcebispo de aples.
O rei Vctor Emraaooel recebeu no dia 14
de Janeiro a depuiag do par amento qae Ihe le-
vava a reposta ao disch'rsf da cora, no sea di-
curso o re da Italia depois de se felicitar pelos
resultados obtidps pela Italia em !o66, disse que
ainda faltara, resolver duas qu;io oaocas e a de Roma; e que quinto a esta ultima I lei.
era o tempo Qoe a resolverla conforme as* aspira-
mes nacionaes.
Diz a l'resse que a eooaaoga oo tempo que deve
realizar as aspiracoes nacionaes parece se um pou-
co com uma ameaca e observa que, examinando
as cousas sob o ponto de vista internacional, nao
ha exemplo de dous governos que negociara ara-
tos, como o esto Riendo boje as cortas de Roma
e Florenga, e dos qoaes nm nao cassa de se apo-
sentar para com o outro como nm berdeiro inevi-
tavel.
No dia 18 foi presentada na cmara dos depu-
tados italiana urna proposta para se proceder a
inquerito acerca dos aeot.t9cimeBtos da Palermo.
O ministerio apoiou o ioquerito.
Pelo relatorio fioaacelro do mioistrp Scialoja ve
se que existem nos cofres do thesooro 364 milhoes
noe bastam para saldar as diuVreoles dividas pas-
sivas de 1866, e que para cobrlr o dficit de 1867,
as despezas com o mioisierio da guerra p^ra esse
auno sero reduzidas a 140 milbdes ebegando o
dficit total de 1867, a 185 milhoes. O ministro
declarou formalmente ao mesrao t-rapo que nao
tari red .cgdas nos interesaos da divida publica.
Em conseqneneia deste relatorio, o ministro
Scialoja apreseolou diversos projecto3 que devera
AM4n.if fiK milha^c ta ar-nnnmta? Qnlatnia fia.
Neste caso enviado ao
um extracto de deliberago.
t Art. 7." Cada um dos ministros pod por urna
delegago especial do imperador ser encarregado,
de accordo com o ministro de estado, presidentes
e membros o conseibo de estado, de representar o
gverno perante o senado ou corpo legislativo, na
discusso dos negocios ou dos projectos de
. Art. 8. Sao aonollados os arts. e 2o do
novo decreto de 24 de novembro de 186(>, que es-
latuem que o senado e o corpo legislativo votas-
sem todos os annos, quando comegassera a sessao
legislativa, uraa resposta ao nosso discurso.
Art. 9. O novo ministro de estado fica en-
carregado da execugao do presente decreto.
i Dado no palacio das Tuiherias, era 19 de Ja-
neiro de 1867. Napoleao. Pelo imperador, o mi-
nistro de estado, E. llouher.
c Bastaro algumas palavras para explicar o es-
pirito e o alcance do decreto cima publicado.
f O decreto de 24 de novembro de 1860, mtro-
duzmdo as nossas inslituigdes a votaco anoual
da resposta ao discurso da corda, teve por fita as-
sociar mais directamente os grandes eorpos do es-
tado com a poltica do governo. Esta medida, ; o-
lecipando-sa a' opioiao publica, foi acolhida como
novo e solemne testemunbo da iniciativa liberal
do soberano e da sua vontade, de fundar em bases
solidas o governo representativo.
Nao se quera de modo algum amesqoiobar o
produzir 85 mllbeas de economas. Sclaloja de-
monstroa qoe o equilibrio no orcamento se etn-
seguria era 1880. Para prehencher o dficit res-
tante de IliO mhOes promettea apteseotar nm
projecto de contribnicao sobre os bens ecclesias-
tieo.
importante papel commettido as cmaras; do que
se tratava era de torna lo mais pratico e mais ef-
ficat corrigindo-lhe as imperfeigo-s que se pode
rara observar em seis raezes. de experiencia. As
discnss5as da cmara sao induhitavelmeote de na-
toreza tal qne exercena nma legitima e salutar in-
fluencia sobre a marcha dos acontecimentos, quan-
do o seu resultado deve ser elucidar o senUmeoio
publico, a reipeito de um interesse real da actoa-
lidade.
sumido um mez.
c Era 1864 abrio-se a asesa* a 5 de novembro,
votou se a resposta a 29 de Janeiro; tempo consu-
mido dous metes e vinte e qaatro dias.
t lira 18oo abrio-se a 3essao a 13 de fevareiro,
votou-se a res;tosiaa 15 de abril; tempo caosumi-
do dous mezes.
Era 1866 abrio-se a sessb a 22 de Janeiro,
votou-se a resposta a 20 da margo; lmpo consu-
mido um mez e vate e oito dias.
Parece estar definitivamente fixada para o dia
11 da fevereiro a aberrara da sessao legislativa
m Franca. O conseltio da estado acabou ja o exa-
rae dos orgaraentos. No da 10 foram ouvidos
quatro uiioislros pelo couselbo de estado.
Caminha acceleradamente o projecto de reorga-
nisago militar. As secges da guerra e iegisia-
go U'-u.iui no dia 12 ter terminado os seus traba-
dos preparatorios, porque na reuniao do dia 10
tiuham sido approvadas as diUerentes disposigoes,
excepto as que dizem respeito a suhslitulgoes
e trucas.
Houve roodificago ministerial, sahindo os Srs.
Fould, Bhic, Cbassa loop Labaot e Randon, qne
forara substituidos pelos Srs. Forcade de la Roque-
te para as obras publicas, almirante Rlgault de
Genooily para a marraba e marechal Niel para a
guerra e Rouher para a fazenda
O jornal inglez o Globs assagura que os gover-
nos austraco e francez, tencionam propr as po-
tencias ttnropas a reuniao de nm congresso, e
acooselha o seu governo a qae aceite tal proposta.
Esta projecto ja por duas vezes foi apresenlado as
potencias uo lendo (ido bom acolbimento, e nao
parece que seja agora mais bem acceito.
Qusi todos os paizes que formavam havia
alguns mezes a confederago germnica eslo ac-
tualmente oceupados de preparar a eleigo das c-
maras chamadas a regular e rganisar por meio
de leis o novo estado de cousas' resultantes da
goerra. O anligo reino da Pru.-sia, os estados que
aaoexam, e os qae nao formara a nova confedera-
gao da Allemaoba do Norte, vo proceder s elei-
ces dnraote primeira metale do mez de feve-
reiro. Diz a gazeta da Allemanha do Norte, qae
grande a agitago eleiloral nos pequeos esta-
dos, bem como na Prussia; serla de certo para
estranhar que a Prussia se conservasse indifferen-
te eleigao de um parlamento que ba de votar o
orgamento e a constilu.go militar da confede-
raco.
Uma circular de Mr. deBismarkdiz que sao ex-
callantes as relagOas da Prussia com todas as po-
tencias ; porquanto parece segura a paz, e que a
Prussia pode emprehender tranquillamente reor-
ganfsacao d Allemanha.
Diz a Gazfa da Allemanha do Norte que deve-
ro brevemente prestar juramento os funecioea-
rios dos paizes encorporadas, o que prova estar o
governo convencido de que suflciente a actual
disposicao tranquilla dos nimos.
Corre o boato que do ministerio austraco
1 presidido por Belcredi, seria concedida, a demudo,
lo para
Fal
detabaers. As atandegas
caes esiabeleoer-se-h.io sob os me
qae regen) os panes a qnem do Bfeftria.
Na ca. ira dos depilados da BavienFflearam
ad-liados os debates da resposta ao discurso da co-
ros, por causa de orna declaracS do novo presi-
dente do gabinete a princfpe Hoenloh", qne s po-j
de resumir uestes termes !
Indico ajiida hoja como ponto Se honra da po-
ltica'da Raviera ; a nrjidTre de todos os poyos ai-
lemaes, e em quantoseno podef realisar o rrrtior
numero desses povos por meio .la ama coofrHW
gao qoe seja protegida no estrag'elrJ por ora i;-
der central, e no uter r porumacustituigao par'
lamentar com a garant*, e iot-gridude do es'ado
da Bavinra. Reconbecd que se nao pode alcangar
imineJiatnanla e'ta lira..
rtegejto igualmente irnn confederaco dos ?._-
.ladns do sul sob a profci-So da uraa poteucia nao
allamaa ; assim como a nniao eonsfitociOoal dos
e>tados do sul sojta direceo da Austria, e coo:ra
a poltica de Tikmento' da Bav -ra. CraUwa
tambem necessaria a alliauga da Baviera cotn<4
Prussia.
Esta'decidido o casamento do rei da Baviera
com a duqueza sopbia irma da rmperatriz da
Austria.
O governo provisorio da ilha de Creta dirigi
aos representantes das potencias europeas uun
proclamago qa qual os habitantes Jj Epiroe da
Tessali enunciavam os seus motivos de queixa
contra a Turqnia, as cansa* do seu Ijvanlainento
eappellara para todos os Gregus e asseguram aos"
Turcos que podem regressar cora svgaranga aos
seus lares e qae nada tero a recetar seno se de-
clararam insurgentes.
Era quaoto todos os jornaes francezes repetera
aoe Creta esta completamente snbmettiaa, que os
as
u
ou collateraes.
t Os Bourbons, filhos do aotigo rgimen, nnnea
poderam parsuadir-ss de que o uosso direito, a
soberana do povo seja mais qua sediciosa chi-
mara.
Abjectos bstanles para se subra>-tierem a*
uroa.oru/ra de cousas que do fuolod'alma odeiam
quandt o brago popular Ib'a impoe, sao ao mesmo
tarapo prfidos bastante para destru la e afoga-'fa
'o.l0l,a as "P'oies all proclamadas, muitas das jera saogue assim que as circunstancias o per-
(aes nao podem. merecer o assenlime.nlo publico I mlttem. Nao foi outra a causa que lavou i uiz XVI
ieultris. ... ^ a ao radafalso. Por isso morreu dester>do Ca los
tretanto* tal o estado Je exaspagao eos | X. Tal fui a ruina dos Bourbons da Italia. Esse
ppnmidos que pro-uram aquello desabafo, o qual tambara o enme capital de Isabel II e a oa raga.
* Porque succede que o i-ysieraa representativo
nao se consolida nuac.i Y De que provm a ni
cessidade perio fica de um pronoociaraento ? Poi -
que nao ha de sucreder nunca ao poder nm mi- J
erara sem querer declarar qoaes os seus nislro re iruiista e probo, seno quando o povo o
apeznr das l-.grimas da familia, e um : impe a tiros? i
Porque ha de qua'quer innovaco trazer a pos--
sibiiiday de guerra civil?
Porque gozara aqui de vida repousaa to>
o- abusos e todas as ignominias de putros tempo-;
desde a escravido at a intolerancia religija,
hoje condemnados em todos os paizes ? Porque
nto ja custou a vida a mais dous pairiotts
I Blanco e o chefe da imprensa clandestina,
* fcram ha eioco oa seis das justigados tm
as de sua propria. mi. Nenhura quiz
atracar os correligionarios.
t% gowrnj de Narvaez lua com uma organisa*
cao secreta poderoslssima. Ei< a proclaraac i :
A junta revolucionaria de Madrid aos sus.c n-
clda'ios.
Deeorrtr.vjj seis mezes desde o memorave d>a etfim todos os homens do paiz, maniendo-ae -
de juiiho. Sa s poderes publieos possoNsem ento,! ros e liberaos, a esgotara ua opposigo, por ventura
nao dir,nos seiitimeotos de humanidade, mas ) uo desterro e na miseria, era qoaoio mearam to-
mslmcu .ida cobservsge ao menos, instara.na- faci;mnte os intrigantes e malvados?
'iienenteria'm sido esqo cnlo as cooseqaeociaa ua-1 < Porque ?
quebe4ra aziago. Mas, como se aquella demons-! _-___. ,,,.A
fraguo ao raasmo lempo to infeliz e lo generosa,! ^W0 *> P9*0 se *1*** l??!?
s ttwsse acceadldo de.-ejos de salisazer invete-, co.npreenJUol Porque no mais fundo das nosas
rados raneores a r alisar projectos s-creos, os po- Ins"^. Ba propna* enlr.-obas da nossa cr-
deres pblicos ous-para fallar cora exactido, a, S",8,l-:* P'J!',1C. *'.TO ",D B^er sobarbo a Miro-
corte eoraini.le.io, Isaoel e D. Francisco de i 8ad. *lalt, nao s anterior e superior a le,
tambera anterior e superior a propria na-
por.ue existera anda os Beurbous, e os
sanac
Bourbon'os seus ministros corlezos a servidores,.
nao julgarara que devessem acudir com remedies l ,a'', .
efflcazes aos mate, populares, antes forara despo- Bourbo*>3 nao esqaeceram que rema-am
jando o paiz das suas uerradeiras garantas, e pro-
Dflra com a barbara franqueza de con
qui.-taiiores e tyrannos.
E vio-se eoto, i|ue tribunaes ferozes destina-
vara centenares de victimas ao sacrificio, e que
uraa muin-r, urna dama, os considerva impassi-
vel, oa talvez praseiiteiramente, caminhar as du-
nas para o patbulo, E vio-se tambem que urnas
cortes servs vendiara ao poder a seguraoga Indi-
vidual, a liberdade civil e a fortuna publica.
E vio-se igualmente que, imposta borrival
mordaga a' irapreosa, desembaragado o poder al
da tribuna qua elle proorio leva itra, orpho o
paiz das suas d-rradeiras franquas, se entregara
o governo das provincias a mandarras rapazes e
genera >s sanguiuanos, organisavam se era toda a
, parte tribua es de excep.o e de mrito, expel-
phakio aseVo,ara a s arraasf^ue ^nbralul ramse na merosas listas do proscripgo prendiam-
..pna&ioiaa uepo/ei aiu o= ^_____ .. o.H.rtadc ., mi ho.rn< pram anuuadoi ns ricos
embarcou par? a Grecia com os destregos das suba
forcas de voluntarios, e emfim que Musiapichfl'
alcnga victorias sobre victorias; osTnrcos^ao
derrotados em todas as escaramogas pelo mesrao
Zimbrakakl.que se dizia fgido, pelo- Spbaki-.tas
que se submatteram e a Insurreigo tomn taes
proporgSesque a esta hora 11 todos os jornaes gre-
gos sustentara a cessio da C-rana a' G.ecia que
apiada pelos gabinetes de Londres e de S. Pelers-
burgo:
A Porta cbaraou provisoriamente a's armas 15
mil bomeos de reserva.
O governo turco dirigi a' corte de Alhenas nma
nota em que dedaroa formalmente que, se o go-
verno grego nao modiflcasse o seu comportameoto
cora relagao ao seu visioho, seguir-se hiam inevta-
velraenta hoslilldades. Afiauca se que o governo
torco rteseja levautar a's armas 180.mil homens
__ Os Francezes tomaram conta da alfanlega
de Vera-Gruz com 28o:OtO dollars 'pertenceoles
ao ihesouro imperial mexicano. A posse da alfan
dega foi tomada era virtude da coovaugao de se
rembro de 1866. O vapor Engente sahio de Vera-
Crjz com 6 JO mil dollars, Isto 400 mil para o
governo francez e 200 mil para particulares.
O Imperador Maximiliano dirigi ao presidente
do coose,lbo de ministros, o Sr. Lares, a segolole
carta, expondo os motivos qoe levaram S. M. a ap-
pellar para o povo e para o patriotismo dos seus
cooselbeiros, afira de se resolveren) as graves
qaesi(5es de morneoto :
t Meu charo Mr. Lares. A gravidade da sitna-
gao actual do nnsso paiz fez nos chamar para Junto
de nos os cooselbeiros da crt, aflm de qae. auxi-
liados pelos seus conheci meatos, podessemos che-
gar, pelos roeios legaes, a orna solugao da preseote
cris? '
c Um grave dever oos esta imposto actual-
mente v mas temos a iotima conviccao de que o
bera da pairia exige o sea cumprimeoto.
c Depom.de ama reflexo, Hvre de toda a in-
fluencia do e'spfrilo de partido on de palxo, depois
de um exame longo e consciencioso da situagao,
cheeamos a acreditar qae p* da ser do nosso dever
restttf,a' n.gao mexicana o poder qa nos tinha
confilm
eW aqu as razies qae nos eonNrmam n esta
l. A gnerr civil c,ootinda ainda, assim p df
e cidadaos aos rnilhe^ros, eram saqueados os ricos
com tribuios extraordinarios, enviavam-se os po
bres a' morte ra F man o e as Filipinas s b
pretexto desarara vagabuodos ou ociosos, condera-
navam a' morte os esclarecidos, sobstitoiam-se
por raeros decretos s leis votadas em cortes, dila
pidavam os recursos do pa;z era erapresiiraos rui-
nosos e obscuros, volava-se o lar domestico, calca-
aiu-se emfim a ola a hora e por toda a parte, a
virtude, o direito, a propriedade, a familia, o tra
balbo, todos os principios, todas as conveniencias,
todos os deveres, emqnaoto, alm, em Zuraz e at
era Madrid, raedltava a raioha Isabel consptrages
facciosas contra a Dalia, nossa irraa, e contra o
direito publico europeu, nossa lei, em proveilo da
cana romana calaraidade hi tonca da nossa pa-
tria ; ou eoto va com sorriso negligente como os
pachas de Cuba cora as introducedes fraudulentas
de escravos, com as suas violencias e concusses
ultrajavam i raoralidade do aotigo e novo mundo,
e attrahiam sobre nos a inimisade da grande e
gloriosa repblica dos Estados Unido.
< Tudo isto se vio depois do nefasto da 22 de
junho
t Mas qne diremos ? Todo isto se v aioda.
Ainda hoolem era proscripto o filustre Olaza-
ga ; ainda hontem se realisava nm negocio escan-
daloso eom a casa Fould ; ainda hontem se con-
summava o execravel, o espantoso crime de Dai-
mid, comando D. Isabel de Bourbon a par nova
intriga ou novo desvario sobre orna duzia de cada-
veres, rogando com o p e com as galas os crneos
despedagados dos infelizes impedidos para all pelo
latego dos agentes do governo, sera que na sna
alma... pensasse a rainba que era tusto ledicar
a'quelle immenso infortunio, nm minuto o rae-
no:, am minuto s de attengio, consol e am-
paro.
t Toleraremos por mais lempo semelbante esta-
do do coosas ?
Deveremos julgar-ooi absolutamente desgra-
gados T Sera' certo, ai 1 qne somos indignos da
mnima liberdade I
< Seremos perpetuamente incapazes de conviver
com os povos mais Ilustres dessa Europa, acostu-
rbada desde tanto temp> a derrabar e ponir es
reis indgenas de exweer a alta magistratura qoe
os poyos Ihe CQofia. ? Estara' sem-bM asp.tns.i8.i-
tro lempo corro senhores, (dueos), nem deixaram
de considerar foragidns os nossos pais porque ti-
veram o valor de enfreiar o seu poder e de con-
quisiar direitos para nos; porque existera ainda
os Bourbons e os Bourbons nao julgsm qoe baja
direito superior ao seu poder, aos seus caprichos,
nem conhecem, na sua cegueira, a obra universal
dos nossos das, dirigida a subordinar lodos os pe-
ders electivos, ou arada hereditarios, a' soberana
directa e permanente do povo; poique exislem
anda os Bourbons e os Bourbons s nos conside-
rara em summa dignos de receber os seos glidos
sorriso?, da joelho em Ierra e fronte descoberta l
Iosensatos, que se julgara Albos do cea, augustos,
eternos, inviolaveis como Deas, n'este seclo im-
mortal qae vio ao mesrao tempo vagar errantes,
solitarios, desesparados, Albos de res castigados
pelas culpas des sens pas, e elevarse um honrado
e molesto operarlo at a grandea sem rival de
Liocoln I
* Soou a hora de sacudir o jugo d'esta degra-
dago, e arrojemos para longe de nos essa raja
funesta.
Congr.-.'ue-se a naci, livre por liio do jugo
vergonboso, discuta, resolva e coostitua-se livre,
solemne, dedutivaraenle. Para alcangar era bre-
ve este duplo flm nao duvida a juota que ha de
obter o apoio de todos os habitantes de Madrid.
Agentes numerosos e fiis, manidos de signaes
inequvocos que xombern dos grosseiros estra:age-
mas da polica, levaram aos nossos concidados no-
ticias das oecessidades diarias e das providencias
urgentes. Peridicos, redimidos sob as vistas da
junta, faro saber ao publico tudo o que seja ne-
cessano levar ao seu canhecimento. A junta di-
rige se a todos os bous cidadaos que la' mit vezes
desafiaran) as Iras do despotismo. A junta dirge-
se tambera a esse bravo exercito que esiremei-.au
de colera perante a liumilhaco uue Ihe impoem
allococoes ridiculas do mioisierio da guerra e pro-
testos de dedicago mals ridiculos ainda, onda se
ostaropam sentlmeuins qoe nao existen) : a' esses
valeotes militares qu uo ^jkeram ao- ponto de
julgar-se mercenarios de nm ministerio : a esses
cidadaos armados que sao o brago da nago e nao
servos de umtdynasth. Qoera qoer que presea
honra e a liberdade do paiz esta ao lado da jonta :
e, desde o ooerarto at o cleriso1, e desde o clri-
go at o soldado nao na cidado, por hamiMe que
pareca, por desvalido que seja, que "nao possa bem
merecer da patria pela soa f, pelo seu valor. F,
eis precisamente o qoe pedimos a todos os nossos
Irmos; valor, o qoe de todos esperamos. Ma-
drid, abandonada at aqol ao alvedrto dos tyranos,
nao Acara mais om minuto indefensa. Os verdu-
gos vo ser perseguidos nos seus proprios antros,
al chegar o momento da sna expulsao e cas'igo.
Siga-nos o povo, e antes de loztrera mullos se?,
tei eraos remido o paiz ao grito de
c Abaixo os Boorboos I I Viva a soberana oa-
cwoal I l ,.
i A dlscussao livre, succedem ( pela represaao
da irapreosa) as prodamagoes Incendiarias.
c Dii-se qae Loit Blanco era quam capitaneava
a maif r parte dos operarios de Madrid.
t Os esbirros pablicos e secretos do governo,
nio descaocam dia e noite a ver sa descobrem *
junta rvbftfcrr.auria da Madrid; a*s aiag->ra
m

LEGIVEL
Stm **


Mi
*
T"



irft* de Vefftiui? tf y luira fclra 13 de Fc%crero de
1867.
~
rane,
tem-lhes sido ImpJSive! dtttobrlr onJo
ou os nomes das pascas qoe a composm.
t Foi deportado o duque da Munlpenefer. por ter
ido vsltar o Sr. Rio Rosas, ex-presidentc .lo ean-
gresse de depotaues. A raibha qoit opWr-se ao
degredo do sea prenle, as vlose- obri*d a
recuar ante urna proposia, diz se al que mecos
delicada do presidente do conseho da mimslr^
'aquelle malfadado pait.
Sao 17 os jornaes claudestioos qne circulara
em Manrd, incitando o povo a molla.
. Da negociado dos tO roilhSes da Trancos ji
BiKUera se lembra depois das novas ersegalcSe'
<\oe o governo eraprehendeu c mira os povos. Que-
rem diier qoe tendox gabinete perdido as espe-
raneas de alcanzar djpjjpro, contrariado pelo
procedimento da rafald, intenta recusar as
deploraveis scenas de matanca em nome da or-
dem publica, para fazer esquectr a so* derrota
financeira. .
Os jornaes francezes iraiem circumstanciauo!,
pormenores do golpe d'estado, que Ibes noi
na raioha de !3 do eorrente, juntando-ine
ridas refJexoes.
A Patrie diz o seguinte :
t A alteocao publica em Fraoca, es
cora iDleressi os ltimos aconlecimenlos
paoha, que sao um jogo completo
Sos d.ffcrenles partidas A pnsao de P^oD
to importantes como Ros Rosas e marJalSer-
rauo, mostrara claramente qual a altituoe ao
ministerio Narvaer. ........
-, O governo de Madrid dissolvendo as cmaras
e apphcaDdo o art. 26 d. conslituicao hespanhoia
convocou urna nova cmara, para dca} *m.0
mezes se reunir:; masjdmiitindo a legalidade da
dissolueo, nao entendemos que ogoverooNarvaez
tenha direito de prender e deportar os depuiados
e senadores. se foi em virtude de orna le pro-
posta e votada, sob a ufluencia do marecnal
O'donnel, pelos raesmos coDtra que se fez uso aes-
sa mesraa lei T
O art. da constilulcao, prescreve que
dos foxam de 50/ a 22/5 pU.> da Bitva vlho do j
Cear&fi/i dito da Parabyba. 22/ dite.Pfcrnam-
No da seoQiQt^ quando asvlam eoiecar os tra-
bamos ele'^j-aes, dinge-se o juiz 4e ez a, igreji
n*im fA fregueria e as 9 horas do da, Jjfc-.a &rc
qoe o dn0 subdelegado havla destacada pVseo bat -
Ihao, se achava postada em frente da maWH,o por-
bnco> 20/ a 22/, novo 43/; dito do Maranhio, 21/J;
e de Macei O/. Tambera se realisaram dous
farrgaraentos em vragem Ha Parabyba a_/ *
i/9-f -S ditosditos da Babia de 25/ e 22/6 por
quintal I ep,eDaer-se com o capitao Joao Antonio, de quera
t Borracha.*- As entradas- foram i SO toneladas de va -reaeber niosobvro da*:^ctswno a ca.
palo Angusttne ao da t do correte : e as vendas pa aaUwuiica da lista de qaliftea|a^p*r* encetar
cerca de 38'Utas principalmente da una a 1/tf, e ,os trabamos eleitoraes e tambe *utregar-lre um
cabera de negror 1/3. .,_, e''0 do-Dr Juta d> direito da comaroa* Cora tf-
A' isso accrescentamos os telegramraas reeebidos feu, sabend^que o capito sj aehava deotr* em Lisboa : .. matrte, para la se dirige eai sua procun. Neste
t Loodres, Janeiro 28, as 9 horas di rn&nnaa. interkn da-se um coflBieto, e os ci lado votaoles
i Assucar.Mercado calmo mas firme.Gola- forcam a guarda 'da porta da inatrlt entrando
c5es de boje : P>ra "a mesroa. -Restablcido o sucege e pat na
< Prroambucobranco 23 1|2 a 26 l|2, masca- > igreja, devido aus exforc^JSdo Juiz de pz e do ma-
vo 18 l|2 a 23.
hfe-Jt, jMiieiioda eacicamente as iocesban'.S pro- ou de preeacher o numero dos guardas oacfomfls importancia dos recursos el
vecaees e desregramenlos dos seos ;geDtes poli-1 ,Qe cabe provincia, dar, em viFtnde das ordens o '"
ciaes.t Km ootros lempos, tristes scenas teriauws. eecrelos do governo imperial, mas o dnplo Ara de
laslimado I Mas que ho os Peraambucaoos s castigar os opposiciooistas, retiraodo-os d'a.iul pa-
. ae^eixam auaorver o dominar de um s peosa- ra nio comparemrem per occasiio da eleicao e
MM gardas breadas. Ojoiz de paz proror* AaMto v-tabar com a liga, esle moostro da sete! para com ella oflerecar om ediflwnta exemplo-ds.
canecas, que lera devorado a substancia da nago, ottmidaco. inteoto qoe se reveloo a toda a luz
e rebaua4.a4igoidade do patz aos unimos degros: com o procedimeoto posterior do presidenta, por
do avilumento qoanlo erapenhos do chefe do grupo oy-roi-ta
sim, os Fernambucanos de todas os proceden-;
oras, aquel les. qoe anda nao perdern seus brios'
oo las^umt da eorrupgao, nao podem tolerar qoe
contiooein a estragar ai bellas tradiedas desta'
larra essas aves de voar pedestre, qoe ah, cpmo [
agacbadeiras.de arabigao, sorgiram a tona da ao-1
ciedade. semsseivi5os ao pa.z, que nnoca es conbe-j^ feltt> preferirara. os rRores da yida mililar,| Em Vjannae Penara, rod como publico* no-
pro le-
seguiodo
de fles-
ambi(;i5es
urna
Ha olleras de carregam^ntos no mar.
t Algodio.Firme. Vendas desde 23, data da
nossa circular para esle paquete, 2,600 saccas.
ExisteKia 478,000 saccas.
Unimas colacoes :
< Peruambuco mediano lo 1(2 d.
c Maranho lo l|2d.
c Baha 13 d.
* Macei 13 1|4 d.
Havre, Janeiro 28 as 6 b. 35 m. da tarde.
jor Paulo de Araonm Salgado, soobe o juiz de paz
que o subdelegado capito Juo Antonio se havia
retirado da matriz por bccasiao di> conflicto, levan
do comslgo o livro das actas e a lista dos volantes
qualificados na fregoezi.que cooiurme havia dito
o presidente da cmara municipal do Rio Formoso,
deviam ser apresentados ao juiz de paz, oo da e
hora competentes, na igreja matriz, pelo capito
Jou Antonio.
A vista desse acontecimenlo, e nio querendo o
juiz de paz prot lar os trabalhos, na forma da lei o
Algodao.-Mercado activo, bstanles transaegoes: iostrnccOes do governo, juramenta am escrlvo de
e preces firmes.
Pernarabuco, boro ordinariofr.18o.
t Cacao.Mercado fraco. .
De 1,200 saccas postas em leilao venderam-se
metade a fr. 100.
Borracha.Cota^ao nominal a fr. 480.
i Coiros.Procura regular. Precos firmes,
i Pernamboco soigados verdes 46, i>0 a 47.
Salgados seceos 59 a 64.
. Assucar.Precos firmes.
Typo hollandez 12.....de fr. 27 a 28.a
Ficavam a' carga: era Lisboa navios Acaso,
Mariana II, Movimenlo t Contante para Psrnambu-
Liget-
co, Anglica oara u Maranho, e Amazonas,
espece'de" le Mnraoc ge'ral para circumstao- r< e Fettz Ventura para o Para; no Porto navios
cias eiraordinarias seria decretada. Mas esta lei Silencio e Trumpho, para Pernarabuco, Marta pa-
nonca O'donnel em quante esteve no poder fez uso ra 0 Maracbao, e Adelaiie par; o Para.
della e erviQ a Narvaez. que mandou prender o vapor inalez Chrysoltte, da linha de Liver-
" pul. era esperado em Lisoda de 29 a 30 do passa-
aqoeiles mesmos qoe a tinnam volado. Pariere
Ugem quam fecisli. Nunca houve mais bella oc-
callao de applicar lal mxima.
c Devemos notar porm qoe o golpe di estado,
qoe Narvaez acaba de. por era pratica, c prereri-.
vel aos pronunciamentos e revL.luc.fies rninistenaes
pelos regmenua insobordip>dos, de que a historia
de Hdspaoha sob o reinado de Isabel II, est ctiea.
Narvaez, no enlamo appella para os eleilores; a
nago que sera o juiz. Isto ja um ceno avaoco
sobre os precedentes de Vicalvaro 1
Em Portugal coutiuuara a dscosso da res-
posta ao discurso do ihrono, na cmara dos depu-1
tados. Algumas propostas haviam sido Ja apresen- j
tadas pelos ministros.
Devia sahir de Liverpool o Chrysoltte para Per-1
nambuco. Este paquete era esperado em Lisboa a
31 de Janeiro.
De Hespauha as noticias cada vez peiores. Era
grande o estado de agitago. O proprio duque de
Montpeusier, pareule da rainha, traba sido depor-
tado, dous individuos, da junia revolociooaria fo
ram passados pelas armas, sem quererem jamis
recelar os nomes de seus cmplices.
A roprensa fnncezaoceupava-se seriamente do
golpe de estado de 30 de dezerabro, e censurara
tnnito o governo hospanbol.
paz, por haver-se recusado o effectivo ManoelCnry-
sosiouio de Lima, instada a mesa parochial com a
maioria dos eleitores e supplentes e langa a res-
pectiva acia de i osla I laca o em um livro, que o
me5mo juix de paz nuraerou e rubncou para esse
fim, como determina o art. 16 das instrucgSes ao-
nexas ao aviso n. 168 de 28 de juiho de 1849. As-
sien comegados os trabalhos eleitoraes dessa fre-
guezia, correram sem a menor irregolardade e
com luda a ordem e tranqoilidade publica at as 5
horas da tarde do da 3, em qae o juiz de paz deu
por fiodos os trabalhos eleitoraes, dissolvendo o
corpo eleitoral, depois de apuradas as listas dos
votantes que compareceraro a assembla parochial.
Cxavm todava notar que a chamada dos votantes
mandou soltar mullos dos qae se achavam recolhi-
dos ao qaartel por virtoda da referida designarlo
logo que esses, que (orara sollos, i-ypothecaram
I seos votos em favor do mesmo governo I .
Foram eoto remeliidos para o sal soneate os
11 guardas naciooaes opp'osiciooista, qae, juslig Ihes. res da ordem publica.
_ da opposi'so
n'esta oa naquella fregoezia.
Na comarca da Vianua a persegaicao, woflra' os
opposiciooistas deseocadeou se tao saairad, ,qae,
poocos das depois da'pos's'e dos. agentes policiaes
do presidente-, um desordeiro'9enneh>toma]r Ao-
reliaoo Meodes, acorocoado pelo sob delegado te
polica do districto procarava Iota com os irmof
Honorio e Joao Soeiro.e com os. pareles e amigos
de-tes, qa tranquillos se achavaro.no lugar deno-
minado Martinha,pouco jstanle.da culada de
Vianna, lula da qual saturara gravemente (erldos
aliuns epposiclonisias>iflue, pgr cpmoto de escar-
neo, foram presos e processados como pertarbado-
Sue '^d^ScSo^Se3 T Kaffi' Pr q9 e8te obre # ?,0r0tt 8DD UH, "8- 8Itrio a ^^ "^ eleroeo,os e,e"orae''
que o aa amoigao mata torpe, e aa ingraiiuao ,giu,nia nlui ^ in,n>
mais- asquerosa I
**-
PEr NAMBUCO
REVISTA OAn.fl
Em celebragao do trigsimo da do passamento
dJ Sr. Pedro de Alcntara Lsite, pai do Ilustrado
director da Escola Normal de Lisboa, e nosso dis-
tincto collaborador Sr. Luiz Filippe Leile, mandara
rezar hoje as 8 horas da. manha, no convento de
S. Francisco, urna missa pelo eterno repouso da
alma d'aquelle finado os proprietanos desle Diario,
os Srs. Drs. Maooel, Fiiippe e Miguel deFigueiida
Faria.
A compaohia dos trilhos urbanos, por forca
de damoos sobreviados na linha, transfe-io a da-
lar de bontem as partidas ordinarias dos seus treos
nos dias otis, regulando agora as partidas d'aqui
para Apipucos .ela manlia as 8 horas, e a larde
as 3 1|2 e 5 12 ; e daqneiie ponto para esta nida-
da p^la manhaa as 7 e 9 horas, e a larde as 4 l|2.
As horas das part las uos dias santificados a do-
mingos anda nai foram marcadas.
Ni da 15 do correte reune-se a Companhia
Pernambucana ema--embla geral, para compri-
menlo do disposto u:s respectivos estalutos.
Depois d'amanhaa encerram se definitiva-
mente as matriculas do Curso Commercial Per-
aambucano.
Acha-se marcido pelo Sr. Dr. jaiz d direlto
da pnmeira vara Joao Antonio de Araujo Freitas
Heoriques, o da 7 de marco prximo para a pri
meira reuoio da primeira sesso judiciaria do
jury desta capital.
Parante a junta da ihesouraria provincial iro
amanba a' praca : o pedagio da barreira da Ca-
punea e Maogoiuho, avahado anoualroente em
4:0645000; e a conftrucgo da ponte sobre o rio
Serinhem, no logar Porto de Pedras, orgada em
10:527,8000.
Acaba de fallecer, oa Europa, o distinctn es-
criptor e philosopho francez Vctor Cousin com 75
annos de idade.
Acbam-se concluidos os trabalhos eleitoraes
que se celebraran) na matriz de G^yaona, sb a
presid ncia do 1 juiz de paz.
Na freguezia da Boa^Visla proseguio bontem e
apuraco das cdalas recebidas.
Em S. J s correram as eleigSes em roeio de al-
guns disturbios, sem graves consecuencias. Ape-
nas se pdde, a' amito costo, terminar a 2* cha-
mada.
Ni Boa Vista correram regularmonle os traba-
lhos, comegando-se a apuraQo, que deve conti-
noar hoje.
No Pogo, leudo sido increpado por um qudam
de qoe elle poda defraudar a orna, e querendo
evitar cootestacoes, o juiz de paz presidente da
inesa dea parte de doente. Hoje deve comegar a
apnrago.
Amanba tera' logar o levantamento da ban-
deira ue Nossa Senhora da Conceico no povoado
de Gamellelra, para dar principio as novenas. A
feslividade sera' feita com toda a solemnidade e
da maaelra seguinte: no sabbado 23 pelas 7 horas
danoite comecaro as vesperas; no da seguinte
pelas 11 horas entrara' a festa, terminando a nai-
fe pelas sete boras com o Te-Deum, sendo orador
de todos os actos o padre Jos Estoves Vianna. A
msica sera' feita pelo profssnr Hermogeoes.
Os encarregades da feslividade esperam nao s
a concurrencia, como tambera a coadjuvace de
todos os habitantes do povoado.
Depois da manhaa as 11 boras, se extrabira'
a 10a parte da 5' lotera a beneficio da Santa Ca-
sa de Misericordia (&), sendo o maior premio....
<6:000000.
Da circular dos Srs. Piolo Lelte & Irmos,
de Liverpool, em 22 do passado, extratamos o se-
guinte :
Algodao.As transaecoes des.de a nossa ultima
revista no estado aptico do mercado nio podtam
ser meoores. A procura para consumo, que du-
rante alicuns m^zes paseados lioba sido o principal
estado do mercado, rednzio-se a retalbadas propor
c5es : e como a especularlo Inteiramente paraly
son, as transacgfies a notar sao de mu pooea mon-
ta, lando sido as vendas varios das s 4 e 8:000
saocas. Nu amanto a prevaleseente mactividade
do mercado nao e acompanhada de urna correspon-
dente baixa em pree*s.^om orna* procara apenas
nominal os vendedorefeem em algons casos de
azer sacrificios pra effectoar vendas, porm estas
nao demonstram urna verdideira posigo do mer-
cado pois qoe na face da existeole inactmdade ba
positivamente menos disposicao da parte dos pos-
suidores de sacrificar seo algodao de qoe havia
anteriormente; e a nnica explicago qoe se poesa
dar que o prospecto dos supprimontos nao con-
siderado tal que d logar a orna baixa em precos,
mas simplesrnents porque os fapricantes teem mo-
tivos para diminuir soas opersefies.
< Ae traosacgdes no do Brasil desde 8 do cor-
rete foram, a saber :
< 4150 fardoB de Pernarabuco e Parabyba de
i3Vai7.
> 34ii ditos do Maranho da Id'A 18.
2630 ditos da Babia e Macelo de 12 a 18/i
A existencia e em viagem no IU 18 do cr-
reme era 688,320 saccas conira 813,710 dllas, na
mesma data em 866.
a osf,??r_Pin om* ^rtdeicieneia da cerca
iS<5S,-W.^0umellad*8 fcwuear de beterraba, a
SO.OuOdiUs da India oriental, a procura neste mer-
cado lera sido muito activa, e eomo os posauidores
raaniem-se firmes nma sobida de 1/6 a a/ fot obti-
da em todas as classes de assocares. As vendas
do do Brasil loram consideravei e es precos obii-
do, em viageai para o nosso porto.
O Cleator, da mesraa companbia, devia sabir
para o Ceara no da 6 do corrente.
Uommunicados
Partido couservador.
. CMARA MUNICIPAL 00 BECIFK OURANTB 0 PRO
CESSO ELEITORAL.
A cmara municipal de>ia- cidade tem tomado
parte activa as eleigoes por intermedio de stas
agentes.
No Recife fez bichas o Sr. Vinna, fiscal daquel-
la freguezia, na de S. Jos o est fazendo o fiscal
Pacheco, e na Boa-Vista tem figurado, com muita
dislincgo, na mesa o respectivo fiscal. Se na de
8anto Antonio e na do Pogo da Panella n3o figura-
rara os tiscaes, figurn com toda actividade o Sr.
Paula Silva, procurador da cmara; e guardas mu-
nicipaes, que nada lera com eleigSes, tem figurado
em todas as freguezia*.
Assim, pois, a polica e a raonicipalidade nio
tem desmentido sua ongem I Da todos os fiscaes
os Srs. Visona e Pacheco *o os que raais ten bri-
Ibado : sirva isto de recommeoago para recom-
pensas futuras.
A medalha da campaoba da independencia na
provincia da Bahia foi dada quelles militares que
figurarara em urna ordem do da do fraado general
Amero Jo Ferreira de Brito, ento com mandante |
das armas de Pemambuco, e nao iniistincta-
mente. O Sr. Pacheco, que usa dessa medalha,)
estira incluido nessa ordem dodia.j publicada no
Diario de Pemambuco de 1860 1
O Exm. Sr. conselhsiro Silveira Lobo, que as-
ceu na Parahyba, est na administrago de Per-
nambueo, ctlefe de polica desta proviocia o Sr.
Felinto, Parahybano, e Parahybanos sao os Srs. Lo-
pes Machado e fiorges da Fooseca, lio de
Exc.
Nao
nisto.
tora foita pela qualificago de 1864, ultima qualifi
cago legal dessa freguezia, cuja c^pia authentica,
fra remettida ap juix de paz pela secretarla da
presidencia da provincia em data de 2 de setembro
do mesmo anno.
Durante o* dias dos trabalhos eleitoraes, nenhum
faci de perturbago da ordem publica teve lugar,
correndo tudo com a placidez e moderago que
caracterlsam os parochlaoos deisa fregoezia.
Coasta eotretanlo que o Sr. capito Joo Aotonio
Alves da Silva, que tambera 4* juiz de paz, esla-
va por ordem do coronel Lopes, procedendo no en-
gento Ilholas, de que administrador, urna eleigao
_ clandestiaa, sob pretexto fedil de prudencia e hu-
mantdade para assim desculpr-se da fraqueza e
pouco recursos de afluencia da que di-pa era
Una, ende apeuas o Sr. capito Joao Aolooto lO-
irumeoio a palio- s do coronel Lopes, qu- a todo
transe nculca-se ogovernador vitalicio da comarca
do tiro Formoso.
Sao, pois, esses os fados mais importantes qae
se deiam na freguezia de Uaa durante o pleito
eleiloral, e qae o juiz de paz mais volado da fiegue-
zia o Sr, Maaoei Xaxier Paas Brrelo achoo ne-
cessario trazar aocoohecimento do Exm. Sr. cou
selheiro Silveira Lobo.
Eogenho Mamucabas, 6 de feveretro de 1867.
(Assiguado.) Manoel Xavier Paes Ba>reto.
CARARU'.
Escrevem-nos de Caruar em datada 5. As elei-
gSes nesta localidade foram o qne se devia espe
rar desta situago corrompida,e de autoridades sem
moralidad* a sem pudor.
Presos dous dos ebefes da opposigao, o teoente-
coronel Juo Vieira e o capito Fraoelsco Leile de
Azevedo, apezar das garantas a, elles prom- tuda>,
traiaram o desmoralisado delegado e o celebre juiz
muaicipal supplente, instiumeotos cagos da liga,
da cooquista eleitoral.
No da 3 de reven iro, apreseotou-se na cidade
de Caruar, o delegado Miguel Quiotero com um
grupo de paisaoos armados, dizendo que quera nao
volarse oo pai tido do governo oo entrava na ma-
g tnz e havia de ser preo. A briosa populagao de
' Caruar couscia do seu direito, despresou as amea-
somos bairristas ; roas devenid repara. \ 5^4 estpida e desprestigiada aotorldade, e cor-
Conversando se em presenga d. finad.. Dr. ,B?rl!x,jrcer Seu ma's sa8rado &e,l m
ferreira Fiaoca o ter seu lili.o, o cooselhe.ro Er-1 nlI"S J6. Pr mffei,do lBrrur U* consegniam,
nesto Ferreira Fraoga, eutao deput-lo geral por f5*/5,^C.11^t?* ^^bJ'A^JA'.t
esta provincia votado a favor da desmem raco
da villa da Barra, que pertencia a feroambuco,
para a Bahia, allegaodo-se que esse cooselheiro era
deputado por aque la e nao por esta, disse o pal
que se poda amar madrasta, mas que se devia
preferir a mal.
Estas poucas liaras o sao seno aponlaraentos,
qoe servirao quaodo tiverraos de oceupar-oos do
procedimeoto de S. Exc. dorante as eleigoes,*
mostrar qoal foi a missao du primevo liberal do
imperio, indo administrar esta provincia.
Ha paainas na vida dos homens que por vezes
condemnam todo o seu passado e os prejudicam
no futuro. Esta de S. Exc. nao por certo bri-
Ihante : ba erros, que o arrependimento
ahsofve.
igueiru.
. A.
A FREGUEZIA DE S. J0SK.
Corre desde alguns das que o Exm.
Iheiro Silveira L
0 Sr. bario de
t-ietgj a que corra sangue, ou mesmo que se que-
ja invadida pela torga ai raadj, apezar dos protestos
da mesa; e procuravam a furga obrigar o povo a
dettar oa urna a chapa que ihes fosse dada pela
gente iigueira.
Taes violencias e oxlorsOes-exacWbaram os aoi-
mss, e lr#vou-se um conflicto eoiri o povo inerme
e a forea armada,que sem duvida loria lido conse
quencos fuaesias e desastrosa-, se os ebefes da op-
posigao nao tivessem conseguido contar o povo na
sua justa ladi^eago.
No da seguinte, sendo a forga auxiliada por 40
famigerados de Tacaii, capitaneados pelo subdele-
gado de S. Caetaoo digno parele do delegado de
Caruir, loi vedada a entrada na matriz aos mem-
n'j' bros da masa e aos partidario.-..da opposigao, sendo
: apenas pennitido o ingresso ao juiz de paz Manoel
Flix Calumbi e ao bando ligueiru. Em vista de
lal violencia, os membres da mesa offlciaram ao 2*
Sr. conse- UIZ de l'ai 1ua echando sa doente oo pode com-
presidencia, e com a mesa
a acha-se procedendo a
eleigao na igreja de Nossa Senhora da Cooceigo.
I \.e!l?lso que se prVc.ed6 na mMn ,ne.nhuma le
do oa fregoezia de S. Jo.- mostra que se Dio lemei 8a'ldade l-01 W1 feita apenas pelo mu de paz
tanto qaamo se quer fazer crer que corra sannoe.- W* *aa>P ordena do delegado e ju.z de direi-
va os Tactos desmeotem as palavras de S. Exc,. interino, o mtelltgente Sr. Paulino Ferreira da
ou S. Exc, incrdulo como se mostra algumas s,lva. ^iu de ia,pectores de qoarteirao,
tguns das que o Exm. Sr. conse- >"'- u va- !"
.obo tem duo, mesmo a seu amigo, farecer lomando u3'apt
Villa Bella, que prefere- perder a legtimamente constituida
n.ii'iii ni inroin lia \
vezes, nao quer crer no que se Iba diz a este res-
peito e testerauubado por pessoas iosuspeitas.
A ooraeago do Sr. Maximiano Lopes Machado
para subdelegado da freguezia de S. Jos fex ex-
pectago, e so se explicava por ser S. S. filbo da
Parahyba ; porquanio para cargos semelhantes de
vera ser escolhidos cidados de predicados qoe nao
tem o Sr. Lopes Machado. Bastava que S. Exc. se
livesse informado, para saber quanto sabe respei-
lar o lar domestico o Sr. Lopes Machado, e como riam capazes
elle procede quaDde pretende cocegoir algomai
cousa. Nao sao impalagdes de partidos, e, se quer
S. Exc, Ihe raioistraremos factos, quer aqu, quer
na Parahyba.
Dissemos que, s por ser da Parahyba o Sr. Lo-
pee Machado, se poderia explicar sua nomeago,
e ha nisto fundamento. Com effeito desde algum i
tempo os Parahybanos procurara ler grande inge-
rencia na dlrecgo de nossos negocios pblicos, e
vejamos.
nicos votantes que tem liga em Caruar'.
Quo situago misera vel I
Que gente infame I
Entregar a direcgo de urna localldade a' ho-
meus sem prestigio, sem moralidade, sem bro e
sem puor, himens que s a desordem dos lempos
em que vivemos, o cynismo de um narlido e o ia-
teresse ignobil de urna faego, podlam constituir
em autoridades, s os bomens do progresso se-
I
Extracto do o/ficto dirigido do Exm. Sr. conselhet-
to presidente da provincia em data de 6 do cor-
rente mez, pelo juiz de paz mats votado do Io dit-
trido da freguezia de Una.
Tendo o juiz de paz presidente da mesa paro-
chial do districto e fregoezia de Una, offlciado ao
Exm. Sr. presidente da proviaeia, era data de 5
deste mez, dando coota do modo regular e pacif co
porque concluirm-se os trabalhos eleitoraes da-
queda freguez.a, em data de 6 e addilaraento ao
prlmeiro oficio traz ao conbecimenlo de Exm. Sr.
presidente da provincia as raides funda raentaes e
bastante plausiveisde seu procedimento, como juiz
de paz mais volado e presdeme da mesa parochial
da mesma freguezia, por occasio da insiallacao dos
trabalhos eleitoraes.
Havendo o juiz de paz com a antecedencia ne-
cessar.a exigido do presidente da cmara munici-
pal do Rio.Formoso, o corooel Jos Antonio Lopes,
o livrodas actas e a lista dos cidados votaotes da
fregoezia, pela qnai se deveria proeeder a eleigao,
o mesmo corooel Jos Antonio Lopes nao entregou
ao juiz de p*z coasa alguma, declarando, porm,
qae na matn- e s boras qoe marca a lei, o Sr.
juiz de paz, haverfa de eacootrar tudo qoaoto ne-
cessario era para iostallago do processo eleitoral,
visto como o capito Joio Aotonio Alves da Silva,
eslava encarregado dessa missao.
Vendo, porm, a gent* Jo governo qne a oppo
rCMJO DA PANELLA.
As 10 horas da manba cumegaram os trabalhos
da mesa parochial: era admiravel a vigilancia da
parle da opposigao, em razo das noticias que se
haviam hontam derramado de qae os capangas do
pequeo grupo do Sr. Ai is ti des Daarte preten
diam perturbar os: rabalhos e loutilisar a eleigao;
mas oo tendo am s ousado apparecer, espalhoo
se, posto qae iafuodadameale, o boato de que c
Sr. Lmo juix de paz e presidente da mesa preten
da langar sedulas na urna, na occasio de ser esta
abena para se proceder contagem : isto deu lu
gar a qae um hornera do povo que se achara pr-
ximo ao 1* juiz da paz. Iba apalpasse as mangas
do sobreeasaco, com o que o mesmo juiz de pa
altameole se irrilou ; e depois da codtagem das
sedulas declarou-se incommodado, e nao qaiz con-
tinuar.
Encontrarara-se na urna duztntas e tantas se-
dulas, sendo da opposico mais do triplo, como te-
mos ja' dito: o gaoho da opposigao, porianto
fra de loda a duvida.
E' meio dia; estamos a espera do juiz de paz
que deve substituir o sr. Lobo.
Passam de daas boras, e nenhum oulre juiz de
paz comparece; veremos qoem amanba apparece
para coocluir os trabalhos eleitoraes: muito lera
cuslado aos nossos adversarios reqonbeeerem a
sua impoteo ia, a sua nolildade, e reslgnarea-se a
sna triste sorte.
s. JOS.
A lacla na fregoezia de S. Jos prosegue no
mesmo p de intensidad* e violencia. As autori-
dades do Exm. Sr. Silveira Lobo continoam a mos-
trar-se diguas de sua Missao. O Sr. Maximiano
Lopes Machado nao recua diante da considerago
alguma. Alira-se ao hornera do povo para Ihe
arrancar o voto, como gao a bofes I Mas elle tem
da amb.gao mais torpe, e da ingratidaa aViitanle papel da transfoga polticos; e esses bons
-il3ros.a i cidados embarcaram,no meio de escollas de sol
i sido coa estes insirnmenios gastos, com; dad(13 de ^^ guardaaos, e vigiados desda a
bohemios de lodos os mercados, com -estas qaartelal o convez do vapor em que fo-
caras para todas as mascaras polticas, que tem ; J.am j,rremtssados
pretendido conquistar as urnas pernambucanas I I ^ nos dja raediaram PB,re a des-
* 2,1^ VJt:1,'em0i esses louros^ue sao ver- |gM ao arymlraria de' ^oe demos mlk> e 0 em.
dadeiros cyprestes, que Ibas bao de ornar o carro \ al reQrs0 \ eaibora j'st0 e do.
gado I VargOa0S0 t"^0' 3lue S8 tem alcan-1 comen ado, foi desprezado, po que, querendo o pre-
Tem
estes
1 sidente realisar o dever de mandar
a guerra, enmpria sua missao lo
sicao com grande vaotagem se apresentava na elei- j conbecido, qoe a fibra de om Peroambucano, anda
gao, e que difflcil era o triorapbo por parte do go-
veroo; o capito Joio Amonio, accumulaodo as
foneges de commandante interino do batalbo de
artilheria da guara nacional cora as de subdelega-
do do 1* districto da fregoezia,sabe campo e come-
ea a desenvolver o terror pela populagao, por in-
termedio de seus Inspectores e por si, J ameagan
nao degenerado, mais (orle qoe o fio de rame,
de qae fra teclda a grande malha da Achu-
les I Quera qulzesse fazer orna experiencia do
qae a corajem- cvica de om povo, do qae v?ie a
regidez do seu carcter, e a sua presenca de espi-
rito diaole do pango, podia ir a freguezia de S.
Jos dos dias actuaos 1 All, como na Boa-Vista, e
do com reermameoto e j prometiendo designar os > como em tantas outras parles, o tiranre do povo
guardas que oo votassem com o governo. Nao fl-! peroambucano tem sido potto as mais duras pro-
ca nisto, taz destacar, nao se sabe por ordem de' vages. t O Exm. Sr. cooselheiro Silveira Lobo
qoem, trlota pragas da batalho de seu coramaodo poder fazer os seus depntados, podar falsear a
t ao teoeme da guarda naciooal legitima expresso da orna, mas nio podar abaler
de Serinhem Joaqoim Capdldo da Velga Figoeire-
do para lr eommandar a dita forca, e ajuda-lo
na emprexa da volacio do voto livre.
Vendo o jaiz de paz que os nimos exaroerba-
vam se pela presso desenvolvida pela polica, e
que o estado de excltago podia trazer serias e gra-
vas eoaseqnenciM no pleito eleitoral que se ia
proeeder, communica ao jola de direito da comarca
o qae se eslava dando, pediado igualmente provi-
dencias, que estivessem ao seo alcance, afim de
evitar nm conflicto, que directamente abri o sub-
delegado Joio Antonio cora o corpo eleitoral da fre-
guezia.
a cerviz orgolhosa dos Pernambncanos! Ha de
diter na corte trago comigo 13 infantes de L*ra,
laureados por mira no campo da natalba eleitoral,
mas nio trago a consciencla da provincia, nem a
justa expressio de seos seotiraentos.
Esta sera a lingnagem intima do Exm. Sr. Sil-
veira L>bo, que la as suas boras moras hade
ralar-se de remorsos pelas violencias que lera (ello
e consentido prancar I Ha de, ao traospfir as pbn-
tanhas da cidade de Marlanna, recordar se cora
horror dos dias aziagos, em qoe comprimi a gene-
rosa manifeslagio dos iostlnetos deste povo, que
at boje Iba tem dado a mais severa ligo de mora-
Manifest da eummissie eeitral de partida pro-
greesisti.
Os graves acomeciinantos, qae nestes ltimos
lempos eocbem os fastos da historia poltica do
imperio, tem sido de tal natarez* e de lo lgubre
expresso, que, ao contempla-Ios a' luz vivaz do
patriolismo, lodo o cldadae brasileiro uelles encon-
ira urna torva fonle de abalimento e desconfurlo.
A face nova e promeliedora cora que se dese-
nbou aos oihos do paiz a situago poltica de 4863
empanou-se ao bafejo ardenta.de ambiges desre-
gradas, de um individualismo pouco generoso, de
resseotimentos sem justa causa, da falsas aprecia-
ges relativas ao ioleresse social e poltico.
Reduz.da a desejos acachados em sua esphera
de expaoso e esteris para a causa publica nos
resultados, que driles podessem pruvir, a nobre e
elevada aspirago ao poder inteiramente se desvir-
tu u em 180;', dando lugar a que no proprio seio
de um partido receotemanle formado e podero.-o
nos elementos, que o compuuham, a sement infe-
liz da discurdu germiuasse, medraudo violenta e
substitulndo a tranquillidade da coofraternisacao
partidaria pelas apaixooadas laclas, que se levan-
tara eatre os que querem a todo o custo vencer e
quelles que oppdem oaluraes e justos esforgos
para nao ser vencidos.
Estes sceoas, qae sobre si attrabjara pesarosas
as vistas arenlas dos nossos concidado?, nverara
comego e desenvolvimenlj a par de outras qu-, por
mais augustas e solemnes, parece deviam ser cau-
sa occasional do desapareetmento ou nao existen
ca daqaellas.
O imperio, empeobado em urna lucia de hoora
e de cooservago propria, arremessava a's aguas
da Prajta a dos seus confluentes, aos pantanos insa-
lubres daquellas regidrs, pbalaoges e phalaoges de
Bravos, qae, em guerra lo aturada, como ditticil
e rude, cobriam se de glorias, ja' no explendor da
victorias repetidas, ja' nos delyrios heroicos da
morte no campo da batalba ou as aguas lutuleo-
tas dos ros.
Veocedores as lidas parlameolares renhidamen-
te travadas desde os pnmeiros al os das fiaaes
da ultima sesso legislativa, menos por iustiga e
razo do que por motivos, estranbos a preponde-
rancia poltica, qae em si mesmos tivessem, os re-
presentantes do terceiro partido, verdadeira excres-
cencia poltica desle oltimo periodo de existencia
panamemar e adrainisiratfva, encaruaram-se nos
ministerios de 12 de mam e de 3 de agosto e u-va-
rara a effeito no paiz urna conquista deplorave do
poder, auxiliada, em que pese dize-lo, dascircums-
laocfas dilflceis, trasidas pelo estado de guerra ex-
terna em que ujs acbmos.
Obtendo o governo imperial do parlamento a
autorisajio de adi r as eieiges geraes no s inte- diada reun.ao da junta
resse da nobre a justa causa, que mantera osnos-
sos concidadios em presenga do dictador do Para-
guay, encerradas as cmaras legislativas, derramou
procnsules pelas provincias e Ihes deu por mlsso
principal a conquista das urnas contra os direitos
da opposigao, que to brilbantemeate havia cum-
batido o governo no terreno legal.
O que para esta provincia foi remetlido reone
em si todas as qualidades necessarias e possue o
grande mrito da ter despeitos e > dios pessoaes a
saiisfazer e de ser insirameoto de alheia-- p*ixoes.
sera que para isso haja motivo algum, que possa
ser considerado como serio ou procedente.
De paste de seu cargo, o Sr. Dr. Antonio Alves
de Souza Carvalho comegou, a servir se de todos
os meios regulares e irregulares, que a cadeira da
administrador Ihe offerecia.
Chamando para jumo de s. urna faego diminu-
ta de homens dirigidos por um chefe to vilenlo,
como ardeote e raocoroso, o oovo presdeme, rom-
pendo a coherencia poltica e s pondo a mira em
host.lisar os opposicionistas do actual e do penulti
mo gabinete, quando opposlclouistas tambem fo-
ram e com desabriraento e mais tnteresse poltico
os presentes amigos do raesrao presidente, pos
maos na obra da reaego policial, confiando em
varias localidades os cargos pblicos a agentes in-
capazes de qualquer procedimento regular, mas
promptas para o trabalho nefasto do abuso e da
perseguigo, corvos elles raesmos ao pezo de actos
criminosos commettidos em prximas e era afasia-
das pocas. Estas oomeagdas foram acompanha-
das das dos recrutadores, e tanto oos como oulros
rivalisavam em zelos de qoal mais se avanlajaria
as sanbas e na supremaca do arbitrio.
A sama causa nacional, que jamis deve ser in
vocada de falso, por qoem quer qoe seja e aiuda
menos pelos que dirigen] os de-tinos das nagoes,
foi por esses hmeos feita pretexto e capa para a
consecusso de seas fias ignobeis de compr'mirem
o voto. Assim que o servigo da guerra Ibes abri
margara para a compressao e o arbitrio na mais
vasta e; cala.
S d'eotre os opposicionistas que sah ara os
recrutas ; dos iadiffereotes e dos qae corapoem a
faego protegida pelo presidente poucos ou ne-
nbuns foram escolhidos.
Casados ou doeotes ; velhos ou izentos por qnal-
quer um dos ootros motivos legaes, erara igual-
mente capturados e incontinenti assentavam praca,
recebendo os recrutadores listas autorisadas pelo
administrador da provincia, as quaes se cooli-
nbam os nomes dos cidados culpados do s delic-
io de nio perteocerem faego governista.
Como se esta iojustiga oo fosse de si bastante,
uoiu-se-lhe a iramoralidade de serem os recruta-
dos ou os araagados de reerntaraeoto a semelban-
ga das victimas do santo offlcio apresentados aos
vultos mais influentes do grupo governista para o
fim de abjurarem de suas crengas e amisades, con-
fessando-se arrependidos e dispostos a ccocederem
o voto em favor da caua do preslieote, conse-
grando o indulto da praga os qae fraquejavam an-
te a ameaca.
Alm do alteolado crastantem coramellido
contra os individoos isentos por lal, o abuso se
manifestoa em todo o sea excesso nos cercos das
casas em tardas horas da noole, no desrespeito
pessoas da familia, virgeos, casadas oa viavas, no
roubo da propriedade, as prizoes em algemas e
cordas aviltantes e al no emprego de caes para a
caga de recrutas como iofelizmente acontecen em
S. Vicente Ferrer I
Suspenso o reerutameoto em virtude da disposi-1
gio da lei eleitoral e raesrao antes de sua suspen-,
soldados para
smente por
meio dos nossos amigos, eofraqueceodo-oos ja pelo
desfalque que nos causava com esse odioso exclu-
sivismo, ja pelo terror resultante da violenc.a dos
meios empregados para com oi nosssos compar-
tidarios. I
' Est1-na lembranga de todos e muito rcenle
o faci de, em seguida a publicago, qu6 flzemos,
dos uomes daquelles dos nossos amigos, que ti-
nham de compr as commlsses parochia-s para o
trabalho eieitoral ero cada ama das freguezias des-
ta cidade, serem solicitados com promessas de fa-
vores, ameagados depuis da recusa, alguns amigos
nos'sos, demittidos os qae serviam de inspectores
de quarleiro e log> maodados recolher a pnsio e
presos para o servigo de destacamento da guarda
naciooal, sera que nenhum aviso Ibes livesse sido
dado, oenhuraa ordem. iransmitiida, em cujo cum-
pnmeoio houvessem sido retrdanos ou desobe-
dieoles.
Essas prises foram feilas em virtode deistasl
entregues em reserva ao commandante do conlin
gente pelo presidente da provincia, segundo de-
clararlo por aquelle feita e comprebendiam nomes
de volantes e eleitores supplentes opposiciooistas da
freguezia de S Joo Bapiista da capital, apezar de
esta/em quelles eleitores sapplentes devidamente
convocados pelo respectivo juiz de paz, quer para
a formago da junta da qualificago de votaotes,
quer para a forroaco da mesa parochial, um dos
quaes ocidado Jos Honorato de Meoezes, leilor
supplente, jazeu por alguns das na prisa} do quar-
le, lendo por compaohei-o o votante, elector de
senador e empregado publico, Pedro Nolasco da
Cosa Fraga, consegrando o cidado Joaquim Cy-
rillo Gongalves dos Santos, eleitor supplente convo-
cado e oulros votantes e influentes nossos o nao
jerem sido recolhidos priso por se haverem oc-
cultado, tendo sabido a mor parte delles para fora
da capital e do seu municipio I
Visava o presidente o Om de Inutilisar por meio
to reprovado a maioria opposicionisla, existente
na turma da supplentes da freguezia de S. Joo,
cujo juiz de paz, o Dr. J. Joaquim Tavares Bel-
fon, um dos mais distioctos membros da opposi-
gao o aquelle que ua cmara dos Srs. deputados
combateu com a sua palavra eioquente os erros
deploraveis do gabioete de 12 de maio, deixaodo o
presidente dessa arte os direitos da opposigao sem
neobuma garanta no pleito eleitoral da parochia
de S. Juo Bapiista, pois que nisso importara o fac-
i de ler all maioria de mesarlos a faego do ad-
ministrador.
Este pensamento esteodeu os fios de sua rede
por aquellas localidades do i' districto eleitoral,
uas quaes a opposigao cootava para garanta de
seus direitos cora os juizes* de pat, presidentes das
mesas parochiaes e cora urna lurma de eleitores
ou de supplentes, pois que na freguezia do Apost-
lo Matbias de Alcntara acaba de dar-se o facto
de naver sido intimado para recolher-se i priso
de qualificago de vo-
taoles e oo momelo em que se encamiohava
matriz o eleitor supplente Francisco Antonio dos
Santos, por ordem do commandante superior da
guarda nacional do muoicipio, havendo certeza de
que ordem igual eslava expedida em relacen ou-
lros eleitores supplentes, lendo isso dado motivo a
que o Io juiz de paz, o disliucto Dr. Joo Franco
da Sa adiasse os trabalhos da mesraa junta, trazen-
do a oceurrencta ao conhecimento do presidente.
Correndo vezes da que o 1 juiz de paz da paro-
cha de N. S. da Conceigo desta cidade, por se
haver retirado para o interior da provincia, nao
voltaria em tempo de poder dirigir os trabalhos da
aaseiubla parochial em 3 de fevereiro prximo
viodouro, e que era sua auseucia tiolia de servir o
2* Juiz de paz, que o opposicionisla lente coro-
nel Jo. Carlos Pereira de Castro, loraau a cmara
municipal, que nesla occasio reunio-se em sesso
extraordinaria, compoudo-se de vereadores sup-
plentes da faego governista, tomou, d'zemos, a re-
solugo de privar u teoenie coronel Castro du seu
cargo, eliminando-o da lista dos juizes de paz pre-
levio de se haver elle lacompatibilisado pela acei-
lago e exercicio ao posto de tenente-corouel cora-
mandante do 3 batalho da guarda naciooal da
villa do Pago, quando a verdade que semelhanle
incompatibilidad- nao existe, tendo-o assim decla-
rado o proprio governo imperial em aviso da 18 de
fevereiro de 1860, ultimo que rege a materia e re-
vogatono da todos os anteriores e inleirameote
conforme as oisposigoes de leis vigentes, o que tu-
do foi calmete demonstrado pelo mesmo cidado
tenante coronel Jos Carlos Per-ira de Castro no
protesto que apresentou ao presidente contra o al-
lantado da cmara municipal.
Era seguida a este acto, como nao livesse medra-
do o plano da presidencia de conseguir por priso
e pela ausencia forgada de eletores suppleotes op-
posicionistas a maioria, de que tanto precisava, na
freguezia de b. Joo Baptista, em outra sesso ex
traordioaria da cmara municipal, composta anda
esla dos mismos vereadores supplentes da faego
governista, foi o Dr. Jos Joaquim Tavares Belfori
privado do seo cargo de 1 juiz d- paz da referida
freguezia de S. Joo Baptista, sendo niiccinado da
lista dos juizes de paz da mesma freguezia sob o
pretexto de se ter elle incorapatibilisado por ter
servido o cargo de promotor publico da comarca da
capital conjuntamente com o de jut- de piz. quan-
do a verdade que o Dr. J. Joaqnlm Tavares Belfort,
eieito juiz de paz depois de ler sido oomeado pro
motor da comarca da capital, por occasio de ser
convidado a prestar juramento e entrar no exerci-
cio de cargo de juiz de paz, declarou antes ao pre-
sidente da provincia, que era ento o i)r. Ambro-
sio Leitio d* Cunha, que optava pelo cargo de juiz
de paz, pedilo demisso do de promotor pabhco,
que Ihe foi un mediatamente concedida, sam que o
mesmo Dr. Tavares Belfort hoavesse accumuiado
por um momento se quer o exercicio dos dous car-
gos, do que produzio prova plena no protesto por
ella apresentado ao Sr. Dr. Auionio Alves de Sou-
za Carvalbo contra o abuso da muoieipalidade, pro-
testo esse que j se acba impresso.
Releva n lar [que o substituto do Dr. Tavares
Belfort no lista de juizes de paz da parochia de S.
Joo o chefe da faegao govaroisU.
Este sysiema de eliminacio de juizes de paz
tambem sa estendeu algumas freguezias do inte-
rior como a de S. Joo de Cortes.
Alm desias ma.orias de mesas parochiaes. af-
ranjadas adrede e com o prejaizo de direitos, quer
de juizes de paz, quer de membros das turmas,qae
erara e sao opposiciooistas, temos a registrar o
faci digno de loda a censura da approvago de
sao, a desigoagio de guardas oacionaes para o' qualificages, julgadas ja nullas pelo podar corape-
servigo da guerra foi arma lio poderosa quanto tenle e que mereceram de ser agora aitendidas pe-
mmoralmente manejada pelo proprio Roveroo e la presidencia por qne ellas se recommendam por
por seas amigos. As listas de proscnpcSo, com-, favoraveis aos planos da admimstracio, servndo
nreheoslvas s e to smente de nomes pertencen- de exemplo a qualificago de S. Vicente FerrtT.
tes oo que presomlam perteocerem as flleiras da! Nao podemos deixar de registrar tambera o faci
opposigao, sainara das raaos do administrador da de haver ltimamente a cmara municipal, forma
provincia para as dos seas agentes na guarda na- da de sapplentes de vereadores governisias, man
ciooal e por ellas se regolavam elles no servigo da dado eliminar do cargo de vareador, que o era e
dasignagio. havendo antes previo convite para o o commendador Jos J. T. Vieira Belfort, a pretex-
voto era favor do*overoo feito aos qae quizessem to de ter este cidado, logo depois de eleilo, pedido
conseguir o indulto, qae efleriivameate alguns re- mumcipalidade qne o dispansasse do servigo por
ceberam, e immediata ameaga, seguida de promp- motivo de molestia, dispeas esta que Ibe fui offl-
ta execugio contra os que mais dgaos no campn- cialmente recusada, por qne, sendo depois de al
meato do dever do qoe o 'delegado do governo im- guos anoos de i oler vallo eieito agora vereador, era
perial, recosaram com altivez taes propostas a esle o priraeiro quatneooio em qae ia servir e
que nenhum nome decente se pode dar. j como tal era por lei obrigatorio o dito cargo ; leo
E-t na memoria publica o triste facto, que nes- do asa eliminaoao por fim o diminuir o numero
la capital realisou- se em o mei de novembro do dos vereadores opposiciooistas, e abrir espago a que
anno prximo passado.
Sem aviso qualquer qoe elle fosse, sem obser-
vancia da nenboma formahdade legal estatuida
nos proprlos decretos do governo, na tarde de uro
dos dias d'aquelle mez (orara recolbidos a prizo
todos os guardas oacionaes, qae se achavam no
servigo do destacamento, no xadrez do quartel mi-
litar e na manhaa seguinte com assisiencia do pre-
sdante foram escomidos nm a um os proscriptos
da opposigao. Inspeccionados em acto continuo e
conservados na xadrez para serem remeliidos para
o snl na primeira occasio, medida esta qae ti-
nna, nao o fim ostensivo de arranjar com.promp-
Udao e urgencia bomens para o sor Jigo da guerra
cora mais facilidade podesse o presidente conseguir
maioria por meio dos supplentes de vereadores pa-
ra a apurago da sna eleigao.
Como se nao bastassem taes meio para a com-
pressao e falseameoio da maoifestaeo do voto, o
presidente, afim de garantir melbor os desmandos
de suas autoridades policiaes, e proteger as fraudes
de seas agentes eleitoraes, mandou e continua a
mandar destacamentos policiaes para todas as ira
os meios de compressao e vexame, po.-tos em pra-
tica pelo governo, sio taes e tanto, que, a nao ade-
ren) os opposiciooistas, haver* grave alterarn da
ordem pblica n'aqueiias localidades, conforme ja
se propalla.
Todas estas' violencias, aboso?, perseanigoes, ma-
nejos torpes, ajtentados e crimes do idea do mul-
to mais e do rouito peior qoe o governo esla is
poeto a realisar oos dias dos trabalhos eleitoraes e
su parte para que adquiramos a conviegio de que
para a obtengo do sea trtnmpho o presdanle nSc-
poupara violencias por malores que ellas teja*,.
crime por mais ignobil, fraude por mais vergo-
nhosa, que se tornera precisas.
Em taes condieges s a resistencia armada seria
meio efflcaz para repellir lamanhc compresso e-
to graves abusos do poder, qae -desceu a baiaex
de polluir os meios concedidos nicamente sacro-
santa deleza da causa nacional, applcando-os ex-
clusivamente a extorsao borrivtl dos mais earos e
importantes direitos dos cidados ; mas o patria-.ls-
mo dos verdadeirosPragnssislasda provi.icia
repelle semelhanle recurso quando o paiz se cha
envolvido em urna guerra de honra com o estrao-
geiro e que Ihe consom todos os seus capitats ^
ihe leva railhares de vidas preciosas, r- tem absolo-
ta cecessidade poaajaelle cultos motivos.de paz
e ordem, mesmof^eTrazer faca s suas diflfcuta-
des interiores.
A' vista do exposlo, nao podando o partido pro-
gresslsta manifestar livremente seu vol, a ern-
misso central do mesmo partido, abaixo assijfoa-
da, toma a deliberaco de aconselhar aos seas iroi-
gos e correligionarios do pnmeiro d stricto ek?iio-
ral da provincia a mais completa ab-leugo no plei-
to leitoral d 3 de fevereiro prximo viodouro.
As violencias e fraudes do governo nao podemos-
e nao devemos nos responder de oolro modo ;ioe
nao seja desle, que acabamos de acoiiselhar, sem
qne da abstenco no* fique pezar algum, por que,
procedendo o governo, como, procede, a eleigao, tjue
se aproxima, de faelo ama deploravel anda iue
epbemera conquista do poder.
Esta actnalidade eMragBdaca e triste ft nao po-
de deiiar de ser por sna*atureza transitoria ; e
sem os meios proficuos para agora lomar effecJi-
vos os nossos direitos, nao devemos procurar exer-
ee-lis, pois que seriara baldados lodos os nossos es-
forgos e sacrificios.
Fique a adrainistragao com a gloria pouco inre-
javel de baver, estragando os recursos administra-
tivos, postos a sua disposigo para o servigo pol>-
co, era circunstancias to criticis. Inulihsado os
legtimos elemenios.do grande partidoprogresis-
ta da provincia e suflocado a verdadeira vontade da
mesma provincia na escolba dos .-eus repnsecura-
es ; que nos ficamos-aatisfeitos com dar aogosr-
no e aos seus amigos urna alta e significativa li de moralidide publica-atooselhando completa r>$
lengo no pleito eleitorll para nao oppor fraude. *
fraude, violencia violencia no mesmo pleito.
Maranho, 26 de Janeiro de 1867.Joo Pedro
Dias Vieira.Jus Joaqulm TeUeira Vieira B-lforl.
G otil Humera de Almeida Braga.Jos Carlos
Pereira de Castro.Luiz Carlos Pereira de Castro.
relotas.
O Dr. Vicente Jos da Maia, cavalheiro da ordem
de Cbrisio.juiz do commercio, prlmeiro soppua-
te em exercicio desta cidade e seu termo.
Fago saber que tendo Dumtogos Soares Barbosa
vindo com embargos a' sentenga que o julgoo fal-
lido, sub.ndo-me os autos concluso, uelles proferi
a sentenga do theor segnt.: Vistos estes anlcv
recebo os embargos de U. a os julgo provades pe-
los fundamentos jurdicos uelles allegados e prova
aos mesmos dada ; a por qoe o embargado lendo
requerido abertura da fallencia nao susienton per
qualquer modo a' convencer que o embargante t-
vesse cessado seus pagameotos, e se acbasse no
estado de insolvencia, quanto certo que a falta
de pagamento da letra que o embargado exhibi a
fs., ainda mesmo que seu protesto livesse sido ao
embargante lulimado na forma do art. 409 do c-
digo commercial, como nao foi, nao importava ees-
Bacic de pagamentos que se podesse julgar fallido
o embargante que provea com os documentos da
fs. a Is. ter posteriormente ao vencimento daquella
letra sat.sfeilo aos seus comproinissos nos prasos-
esiipulados. *
Por unto reformaudo como reforma a sentenga
do fallencia a fs., mando se ponba tudoem seu n-
tigo estado; ficando ao embargante o direito salvo
para im-our contra o embargado a respectiva ac-
go de perdas e damoos, tudo oa forma do art
8 8 do cdigo do commercio, e pague o embarga-
do as castas em que o condemno. O escrivao em
contiuenle offieie aojuiz de pazdu 2 districto para
que proceda no rompimeuto dos sellos e para que
o depositario dos baos faga delles prompta eulrega
ao embargante.-^-Pellas, 18 de jaoeiro de 1867.
( Assigoado) Virieale Jote da Maia.
E para conhecimento de todos mande, passar o
presente e ur.'is loas de igual theor que serio pu-
blicados pea impreosa e afflxados no logar do
costme. Dado e passado nes-a cidade de Pelotas,
aos 19 de jaoeiro de 1867. Eu Irael hodngo de
Carvalho, esenvo que o escrevi.Viceole Jos ;:
Maia.
(Eslava sellado).
Agua Florida e Murray k Lan-
man.
Em virtude das senhoras serem a pre-
ciosa porcelana do karro humano, por isso
mesmo ellas teem todo o soberano direito
eleifao de toda.a especie de elegantes laxa-
ras, que a arte estimulada pela galantaria
pode inventar.
Entre todas as que perte^ncem ou figuram
no toucador nenboma ba que possa exceder
em aromtica delicadeza e finura, aquella
cima mencionada no alio deste paragrapho.
Possuindo urna mimosa e de icadissima
fragrancia, summaraente til e' agradavef
em varias formas, quer j como aformosea-
dora da compleicjw, excellenle mixturada
com agua como meio agradavel para eoxa-
goar a boca e al vejar os denles, e filialmen-
te como um excelleote e admiravel meio cu-
rativo em todos os casos de nervusidade,
desmaios, vertigens e ataques hystericos,
em si ella merece u dica, assim como em oceupar um lugar in-
detestavel sobre o toucador.
(Afim de se evitar o de*gosto de se com*
prar um genero le inferior qualidade, nada
mais se precisa fazer, do qae perguatar-se
pela Agua Florida de Murray a Lan-
man.
Acba-se venda as pharmacia de A-
Caors <& Barbosa, J. da C. Bravo & C e
P. Mauror 4 G.
COMMERCIO.
PRAfA DO RECIFE 12 Dfl FEVEREIRO
DE 1867.
As 3# horas da tarde.
Cambio sobre Loodres90 d/v 14 4. por 1*.
Dito sobre Hamborgo-90 \v 780 rs. por ro. t.
Cambio sobre Pans-90 div 400 rs. por franco.
Cobros seceos salgados em Maceta- 4200 pea
arroba posto a bordo.
Silveira,
Presidente.
Macedo,
Secretario.
Gaixa filial do banco do Brasil em Pemam-
buco 9 de Janeiro de 1867,
De ordem da directora se fai publico a'quellas
guezias do prlmeiro districto,'a' elcepqio de poucas I pessoas que tem objectos de ouro, prata e diamas-
coao Rosario, Icai e Villa do Poce do Lumiar, em tes depositados sob caucio nesta casa, cojas letras

t
que os opposicionistas lizeram causa commum com
o presidente, graduado o numero de pragas desta-
cadas para este oo aqaelle ponto, segando a forca e
se acbara vencidas, que Oca marcado o praso im-
prorogavel de o te das, a cootar desla data, p*ra.
virem pagar* dita? atras e seus respectivos gis
aa.
ILEGIVEL
(


V


5
*lo de Pernambaicft Qnarte felra 13 de I YvrHrrt de 867.
scb pena fla serem tost em hasta publica os re-
feridos depsitos Sad o o praso marcado.
O gnarda-livros
Ignacio Nones Correia.
"OVO BANCO 6PERVAMHUCO
'O boto binco desconta letras de praso al qoa-
*f es a 9 0|0 ao anno, e de maior praso a
NOVO BTO E PER-
iWHBUCO.
O novo banco paga o se-
gando dividendo de 4,4 0(0
da massa fallida de Joaquim
Jos Silveira.
ALFANDBGA.
Seodimento do da t a 11......... 268:50i*373
idem de dia 12................. 33:247^121
bra, Dr. Leonardo Antones Mena Manriques, Mara
da Cos, alferes Maooel Pereira Guerra.
AVISOS MARTIMOS
301:751^494
MOVIMENTO DA ALPANDEGA,
Volamos entrados com faiendas..
t t gneros....
Volamos sabidos com fazeodas...
gneros....
414
1481
-----1895
113
543
-----646
DescArregaro boje 13 de fevereiro.
Vapor glezQhnia mtreadorlas.
arca ingieraSilver Slreen-r-iem.
arca fraueezaSanto Andrdem.
Patacho portuguez fernanietidem.
Barca iogleza mojene laem.
E-cjoa iogleaMara dem-.
Patacho portoguezlfaiao-Bdras.
Brigae nacional Esperancacharque.
Barca nacionalMalina dem.
fingae nacionalAureltan o id era.
Bngue argentino Volanteidem
Patacho banovarianu' oncordtaidem.
Patacho Holstensiri EiUabetIdem.
Polaca hespanholaFlonstedem.
BECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS
GERAKS.
eniraento do dial a 11......... 8:1315774
fiera do dia 12 .............. 799*408
cQmuH numnau
DE
Nave# a$o costeira por vapor
Parahyba, Natil. Maco, Aracaty e
Ceara'
O vapor" Parahyba, comman-
dante Mello, >ahira' para os por-
tos cima indicados ao dia 15 do
corrente as 5 h jras da tarde. Re-
cebe carga somente at o da 14;
passageiros e dinbelro a frete somente at as 2
horas da tarde do dia da sabida ; escrptorlo no
Forte do Matos n. i.
GOMPANHITPERAMBUCANA
IVavegagdo costeira per vapor.
Tamandare. Bar/a Grande, Porto de Podras,
Camaragipe, Macei, Pene io e Aracaju'
O vapor Matnanguape, cora-
mandante Belroiro, satura' para
os portos cima indicados os dia
14 do torrente as o horas da
. tarde. Recebe carga at o dia
re ; passagei.o-, encoramendas e dinbeiro a frete
somonte at as 2 horas da tarde do dia. da sahida:
escrptorlo no Forte do Matos o. 1.
Gonpanhia americana e brasileira de
vapor
i Brasil.
LE31LAO
D' 201) sacas com algo&y.
Seila-feira 15 de fevareiro as 11 boras em poul? a j
porta da associacao Commercial.
O gente Pinto fara' leilo a reqoeriment dos
curadores fnca>s e depositario da ravsa fallida de ;
Pddro da Silva R^gj e po: maodado d film. Sr.
Dr. joiz especial do commercio, de 200 saccas com
algQiio pertencentea dita masst e existentes no
armazem n. 20 do largo da asserabla, onde pode-
ro desde Ja ospretenlenhsexarainarem dito al
godo, o leilo sera' effectuado as
ponto do dia cima dito a' porta
Commsrciai.
LEILO
Eape es a va par entre os GstarJos-
iese
At o dia 15 do
correte espe-
rado de N>w-
York por S. Tbo-
maz e Para'
vapor americano
OageotePoatnal competentemente antorisado,
rara' leilj por conta e risco da quem pertencer
de 60 saceos com faro,ha de mandioca (do Peoedo;
de^soperlor qualidade tai perteito estado, (sera
vendida em lote3 ou pof placado a vonta le dos se
nbores pretndanles) no armazerc da Companb
Peraambocaoa as 11 boras do dia sexta-feira 15
do corrente.
AVISOS DIVERSOS.
Os Drs Manoel de
TB/LHOS URBANOS-
DO
RECIPE A APIPUCOS.
m coosequencia de alguns dmnos que as cbo-
horas era dM'Bm C?asado na lioha. fl:'1(D as Parlidas los
da A'scciacoSle":8 1113p9'a,b,,,U se*ain,e d hoJa em
NOS DAS TEIS.
Do Caideiro para o Recife.
De manha. De Urde.
7 b. 00 4 b. 30 m,
9 h. 00
Do Becife para o Caldeiro.
De manha. De1 tarde.
8 h. 00 3 b. 30 m.
D 5 b, 30 m.
. :"!* Jmingos e das santos poblicar-se-ha a
tabella em lempo.
I Passageiros para Liverpool.
'I A barca americana Adidie Decker, tem boos
commodos, para passageiros de primeira classe :
quera pretender queira dirigir-se aos consgnala-
rlosHeory, Forsier & G, roa do Trapiche o. 8.
Precisa-se alugar um preto de meia
idade: pesta typographia.___________.
~~ Precisa-se deum eaiieiro que tenha pralica
de taberna e d conhecimento a soa conducta : na
ruadoDrura n. 35.
Aluga-3e a casa terrea n. 94 da ra de~Agoas
Yerdes : a tratar njrna Direita n. 73 loja.
D. Cesara Candida Nobre de Gusmo faz ver
ao publico que tendo proposto accao de prodigali-
dade cootra seu mando, o major Antonio da Silva
Gusraao, deison de fazer chegar ao conhecimento
Faria, Mi- I !??P.U.'5o :p?' Jornal, porque a acgo que ella
o guel de Figueira Faria e Filope d Fi-; PIP' !$ pel-a ,mPeriofa '' do dever o taha, para
North Amrica, o a6ra Faria ^"^^ *' -mi"nl' -- r'a' Cm q"' *
aos seus amigo*: nao com o Bm de in|uria-lo ; mas como seu ma'rl-
pelo descanso | do exigi de seo geuro, Jo? Augusto de Araojo,
8:931*18:
MQYIMEITQ DO PORTO
Navios entrados no da 12.
Bordeaux e portos intermedios17 dias, va-
por francez Guienne, de 1167 tonelalas,
commandante A. de l No, eqaipagem
15l, carga fazeodas e outros gneros;
a Tisset Frere.
Londres33 das, brigae in?lez Para, de
247 toneladas, capitao Grieve, equipa-
gem 10, car>ja dormentes para a estrada
de ferro; a ordea.
Navio sahiSrm mtsmo da.
Hio de J>neiro e portos intermedios va-
por brasileiro Toeantins, commandante
o capit3o tenente Jos Raymundo de
Faria.
Rio de Janeiro e Babia vapor francez
Gutnne, commandante A. de l No.
Ohservacoas.
Suspendeu do lamaro para os portos do
Quite a barca iugleta Camilla, capital W.
flodges com o mesaio lastro qae trouse do
Rio d Janeiro.
qnai depois da: Para assistir a urna
demora do eos-, eterno do Sr Pedro de Alcntara Leite pae 1ue actilasse por ello urna letra, ella ve-se forcada
praSrt^^ ** Diana 0 '
& c, roa do Trapiche n. 8. ISr: Lmz Fll|PPe Leite, fallecido em Lisboa,
--------------------p"ara Llsboa---------------------;hoje s 8 boras da manhSa, ho concento de
Segoe era poucos das o brigue porlogusz Con- s- Francisco, trigesim i de
- "- !- < .OKU, ir.. ..^-.r i |,| iim
por isso a fazer chegar ao conhecimenio do publico
qoe a mais de doos roezeg propoz a accaj.
EECLiRiCO S.
Santa Casa da Mis :ric >r endo de Oodar-se em 30 de junbo do crrente
ann i o arrendameato do ^tropriedade da Saota Cisa de Misericordia, a
lima. junta administrativa manda fazer publico a
-quum convier, para que cora antecedencia o vo
laminar, afira de apresentarem sas propostas
que sero recebidas Dc.-ta secretaria, onde se da-
rao todos os esclareciraentos precisos aos interes-
sados.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife, 17 de Janeiro de 1867.
O escrivao,
Pelro Rodrigues de Souza.
Santa Casa da Misericordia
do Recife,
A lilma. lana administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Recife manda fazer publico que
joi'ia 13 do corrente pelas 4 ho3 da tarde na sala
desuas sessoes. tem de ir a praca a renda das ca-
sas abaixo menciooadas para ssrem arrematados
por aluguei pelo tempo de ura a tres annos. -
Os pretendentes deveao apresentar carta de fian
'y-.-, cartas dos mesmoes.
Eslabeleeimentos de caridade.
Roa dos Pescadores.
Casa terrea n. 11.......216#0C
Ra da Gloria.
Casa terrea n. 55.......144#00(
Roa do Calabouce.
Casa terrea n. 20......192^000
Ra da Iraperatriz.
Casa terrea o. 68.......301*000
Roa do Padre Floriano.
Casa terrea n. 17 J.....15J.500
Roa da Lapa.
Sobrado de ara andar n. 8.....1*0*600
PatriiMAHio de orphos
Roa da Cadeia do Recife.
Sobraiode doos andares o. 57. 1:200*000
Ra dos Burgos.
Casa terrea n. 19 h......101*000
Madre de Deus.
Casa terrea 94.......... I683OOO
Ra de Pilar. ?*
Casa terrea n. 94. .....168(1000
Sitio do Pomo da Cal n. 5. 150*000
Secretaria da Sania (Jasa da Misericordia do
Secife 6 de fevereiro de 1836.
O escrivao,
Pedro Rodrigoes de Souza.
Conselho de compras do arsenal de gaerra 9
de fevereiro de 1867.
O conselbo de compras aioda precisa comprar
OSO tenas de 9 palmos icglezes de comprmeme e
3 de largara, ou 486 ditas de 12 palmos inglezes
4e comprimento e 3 de largara.
(Juera quizer vender dirs telbas apresentem as
soas propostas 00 di 14 do corrente, as 11 horas
da raaobaa.
PraaciMo de Paula Gen;alves da Silva,
____________________Secretario.
COHR&IO GK&Ii
Pela administrado do correio desta cidsde se
faz pobco, qae em virtade da convsogo pastal,
elebrada pelos goveraos' brasileiro e francez, te-
rso expedidas malas para Europa no dia IR pelo
vapor inglez Rhone.
As cartas serio recebidas at 2 horas antes da
ja' for marcada para a sahida do vapor, e ot jor-
naes at 3 horas antes.
Adrainistraeio do correio de Pernambuco 12 de
wereiro de 1867.
O administrador,
Domingos dos Pasaos Miranda.
Wreio'gMl
lelaco das tartas segaras existentes
a ad aiiigiraco 4 corre < desta
cidade iara es seahores abaiio de-
clarad* :
D. Aona Joaquina Perrelra, Andr Avelno Pe
reir da Silva, B-rnardioo Jos Machado (Porle).
Baro da Vera-Croz, Dr. Caroliao Francisco de Li-
ma Santo?, Dr. Garlos Francisco Soares de Brito
Jonfor, Dr. fraBciseo Carlos Brindao, Francisco
Vieira Perdigio, Dr. Gabriel Soares Raposa da
Cmara, Heorijae da Silva Ferreira Rabeilo (Pao
d*A'ho), Joaqwo Cabral de Mello, Jos Rodrigues
de Souza, leneate J0S0 Baptista de Soaza, Dr. Jo$
Bernardo Galvio Alcoforado, Jos Ferreira Coim-
cetcao de Marta, por ter parta-de seu carregamen-
to prompto : para s restante e passageiros, trata-
se cora Oliveira Filbo & C, largo do Corpo Santo
n. 19, ou cora o caoitao na praga.
Para Lisboa
b era conhecido brigae portngaez Relmpago pre-
tende sabir com presteza, para o que tem a maior
parte de soa carga prompta : quera no m 'smo
quizer carregar ou ir de passagera, entenda se
com os consignatarios Thomaz de Aquino Fonseca
t C, na roa do Vigario n. 19.
Para Porto
segu com a possivel" brevidide o brigue porta
guez Vniao por ter a maior parle da carga eoga-
jada : para o resto e pass3geiros trata-?e com os
consignatarios Thomaz de Aquino Fonseca 6t C,
ra do Vigario n 19.
da Silva, o caridoso obsequio de assistirem a missa
que roanda celebrar por alma do rae'mo fallecido,
n dia 13 do correte as 7 boras da manha na
matriz do Corpo Santo pelo que antecipa seus sin
ctrns agrulirmgntn._____
Motta & R'belro, em liquidagiio, pedem a to-
dos os devedres da mesma flrraa, qoe dentro do
seu passamento. i praso de 30 da?, a conlar desta data, venham ou
raandem satisfazer seus dbitos na ra do Impe-
rador n. 83, e Sndo o referido praso os masaos
ao seu procarador
Manoel Francisco Ponte*, ruga us suj aung.is
e aos de sen fillecido primo Maooel Jos Martios entregaro os rVfeVidos dbitos
para serem cobrados
fevflr^iro de 18H7.
jodicialmente. Reci/e 12 de
Perderara se dous bilhetes da luieria 11 coa-
cedida a beneficio da casa de delengao da provin-
cia do Rio de Jaoeiro de n?. 3303 e 3105, assig-
nados no verso por Javencio Augusto de Athayde
e Jos Mendos de Frenas, a qdera pertencem.
Precisa-se de urna ama para o
I lerno do urna casa de pouca familia :
ra da Roda n. 2.
servigo in-
a tratar na
Curre depois d'amauha
A'-ham-se venda na respectiva iheson-
rtHA fi t f SI 1 O ;raria. ma do Crespo n. 15, os bilhetes,
a barca portugoeza Humiidade, nova, e de l* meios e quartos da 10a parte da 5* lotera
ss^i^sissr^^'Zst^, srf.tsstr,de Misrcordja
para os quaes tem excelentes .mraodos : a tra- (6 ) >sendo a extr<.c5o QO lugar e hora do
tar com Mirqoes.-flarros & C, no largo do Corpo COSlUjne.
Santo n. 6, ou com o capttd Carlos Ferreira Soa- Os premios de 6:OO0#OOO at 10^000'
re3:___________________;______________ sero pagos urna hora depois da extraerlo
Barca Silva at as 3 noras da tarde'e os outros depois
Pretende seguir para Lisboa e Porto com a *KSZSJt a *
maior brevidade possivel, trata-se com os seas con- AS. encommenaas serao guardadas somen-
sigoatarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & le at a noite da ves pera da exiraeco.
C, no sea escriptono ra da Cruz b. 1. O thesotireiro,
__ Autopio Jos Rodrigues de Soaza.;
Jos Duarte, ritira-se para Lisboa
Padaria
Precisa-sede um caueiro que enten la de pa-
d r^a : na na de. Sania Cruz n. 3.
Alaga se 3 prreiro anda? ao sobrado Ta
ra dVigano u. 26. srt para escriptorio : a tratar
no armazem do momo.
Ofdciaa de eutiicSro. arinelro
e serrafhelro.
poseerles de bombas de todos os sy-lemas, as-
sira como anmlacoes todos os dias: a' "raa do Ran-
gel n. 17, P. A. Pradines.
Concerlos de rewolvers, pistolas e espingardas,
concerlos de cylindros de padaria.
Ra do ('.ngel n 17,
0 macliiiiista
Para o Para.
A barca brasileira Raio, capitao A. M. Costa e
Silva, segae com brevidade para o Para, por isso publico em cumprimento da le.
que ja tem bordo parte do carregaraento ; o res- Laziaro Pantlim
to recebe o frete : e tratar no escriptorio d'Arao
rim Irmaos. i* ra da Cruz n. 3.
Francisco de Salle Costa
cfTerec.".w para qaalijuer concert de machina:
a vapor: ra do Raogal n. 17.
liano, vai para Europa.
o que faz
Bartholomeo, sobdtlo ita-
Para Lisboa segu cem brevidade o bngue i XA.R.OPK
portuguez Florinda : falta-lhe menos de um tsreo' nu/.ie.rIr7.
de carga que recebe a frete : para tratar no es-: CASCAS Dt LARANJAS AMARGAS
criptario o'Arcorim Irmao', ra da Gfaz n. 3, on [ Earo2!e, pliarniacentico
com o capitao Joaqim Augusto de Souza. em Pars
" j 3a annos de snecessos atte>tam a soa effieaeia,
como:
) brigue portuguez Lua/, capitao A. F. Vieira ; tnico excitante, para ajudar as func-
aassagei ^es do estomago, assim com) dos i mesti-
zara Lisi
Comraereio
Offereca-se um moco para caixeiro de molba-
ii..-, com bastante praiica dos mesmos e di Dador
de soa conduela, e tambora entra cora alguns fon-
dos, haveado queni que.ra dar algum int^resse :
quero precisar denara carta fechada nesta typ .-
grapbla om as iniciaes P C, qae ser procu-
rada. *
---------*---------_---:-------------------
VtfS^
vai sabir breve, receba carga a frete e
ros trata-se cora E. R. Rabello raa do Trapiche o.
44, segunao andar, o i cora o capitao.
Cear
Pretende seguir com brevidade o hiate Dous
Irmaos, tem parte da carga para o restante Ira-
ta-se com Tasso Irmaos.
nos, e curar as doenc-as nervosas, agudas ou
, chronicas.
tnico anti-nervoso, para curar os incom-
modos percu'sores dedoeocas assim evita-
i das, e para facilitar a digesto.
ANTi-PERiODico, contra os calofros, calo-
e pa
Leilo Jniora ra da Madre de Dos.
Para Lisboa.
Vai sabir esm mana brevidade a veleira e bem res, com <>u sem intermittencias, e crue teem
conhecida barca ponuauexa t7ralidao por ter DoreSDecificOSassuristarirta'smUriraa tam
grande parte da sua carga prompta: para o resto t espebiiicob as suoMancias a e passageiros trata-se com oliveira, Fiiho, & c, oem^e-emcaz contra -asgastfttes e as gas-
largo do Corpo Santo n. 19, ou com o capitao, na tralgias.
pra5a-____......._____________1 tnico repasador, para combater a ex-
Para o A racaty. baostaoSo do sangue, dispepsia,- anemia, es-
Segue uestes dias o hiate Sobralence, para carga golamento, inappeteneia, tatTg'rr^tC.
ata-se eom o consigoatario Jos s Deposito era todas as pbarawcias e casas
de'drogarias-no Brasil.
Expedicaes. em casa de J. P. Lazore. rae
des Lioos-St-Pul.-a,-Pars.
Deposito em Peruambu, Pharmacia de
P. Maurer A'-C^-rwrfova-ni-ao.
Antoni) Joaqaim Ferrerra-Porto por sen bastan-
te procarador, e Felippe*Manoel Jorge da Silva,
fazera sciente ao'resoettvel. puWtco e com espe-
cialidade ao corpo do eommercio, qoe nesta data
dissolveram amisavelmente a ociedade qae ti-
nham no estabeleciraeoto d tab-rn.; da roa da
Matriz da Boa vista m1 M, que gjrrava sob a firma
social de Ferreira Porto & Silva, tlcando o socio
Porto na posse do estabelecimenlo come sea pro-
LEILOES.
=
Do deposito da raa do pilar n. 82
_ pED
O agente Pestaa fara' leilo por conta e risco
de quera pertencer da armaco, gaz, gneros e
mais atencilios existentes no deposito cima :
qoarta-feira 13 do corrente as 11 horas da manha 'P. desde o dia do correte em diante, com
no mesmo deposito._______ todo activo e passlvo demonstrado no balango de
1 llquidacao, e retirando se o se co Silva pago e sa-
tt'-to de sea fdndo. Recite 9 da fevereiro de
1867.
LEILO
Andara fgidos os escravos Venceslao, mua"
De ora plano de Jacaranda autor Vigoes, 1 mesa' t0> 6 Simplicio, prelo o 1 escravo de Jos da
elstica e 6 taboas, 1 guarda roupa, 1 cama Silva Possoa, ejem os segoiotes signaos : 16 an-
franceza nova, l dita usada, I saotuario de se- Bns> cor e feicoes regulares, sem offlco ; o 2o de
dro, 1 dito de Jacaranda, 1 piano de mesa, 2 *9 annos de ida e, pooco mais oa menos, de esta-
mesas de louro, 1 lavatorio com pedra. marque- Wra haixa, sem ofilcio, bem fallante, escravo de
zas, cabidos, berros, aparadores, cadeiras, loa
ca, vfdros e outros moitos artigos qae se torna
edfadoaho m-nrionar.
Gordeiro Simes
por conta e risco de qum pertencer (ara leilo
dos obi-rtos cima dito ao correr do marteilo.
Quinta-fera 14 do correle as 11 boras.
No armazem a raa da Cadeia do Recife n. 29
LE AO
SeTla;feira 15 de fevereiro as H horas
Pelo agute Eazebio.
De urna loja com fazeodSs na raa do Caes
do Passeio Publico
Por mandado do Iilm. Sr. Dr. juit do commercio
a reqaerlmento do depositario da massa fallida de
Amaro Gongalves dos Santos, se vender' em lei-
lo a armado e faiendas comidas na loja a 8 na
roa do Caes do Passeio Publico, o inventario se
acba em poder do referido agente, os pretendentes
poderlo antecipar o ezame para oaqaelle da e
hora se effectqar a venda._____________.
DE
Um carro americano de 4 rodas coberto e com
arreos para I cavados.
Um cavallo para careo.
Urna carroca con boi.
Um carro de 4 rodas com dito.
Um cavallo sella o boa andador.
Tres cavallos (quartaot).
Sexta-feira 45 fe fevereiro as 10 ha-
rs en tiato.
Por imtrveDeio d* agfenle Pinto. Ifa praca do
Commercio em frente a igreja do Corpo Santo.
Caouto Jos Pereira de Lacena, morador no Um
baeiro, fregaezia da Barra de Natuba, termo do
Inga', sitio Marcos, na provincia da Paratoyba :
roga-se as autoridades policiaes. a qnem elles pos-
sam ser apresentados, e aos capites de campo qae
os apprebeaoerem os levem aqaelie sitio Marcos,
a entrega los ao dito sunhor qae recompensar'.
Precisa-se de 400#000 a Jaros por oito me"
es, pagando-se tres por cento : quem quizer dar
anuuneie.
Precisa-se de urna pessoa para dis-
tribuidor desta Diario a tratar na typo-
graphia.
Precisa-se de urna ama forra ou escrava pa-
ra cosinhar e comprar, pagando-se com generoii-
dade : a raa da Cadeia do Recife n. 8
20111
Gratiflca-se com 200J000 a qUem apprehender o
escravo Basilio, crioulo desta provincia, de 22 an
nos, estatura regular e barbado, marinbeiro do
palhabote fPrincIpe, e pertenceu o casal do fi-
nado Joo Evangelista, cocina qae anda na Capap-
ga e Montelro, por ter all pareles : quem a le-
var a Jlo Francisco da Silva Novaes, travessa da
Madre de Dos n. S, recebara' a quantia cima.!
AMA
Precisa-se de orna amft para lavar e engommr:
na ru do Trapiche 3, 2 andar.
O cimarada'tirador de e que da loja de ferragens n. 39 da roa Nova levoa
ba das um chapeo de sel, queira ir lvalo quaoto
antes a mesma loja, bascar o sea eangaco. Olhe
que o dono nao coosente na troca e i\ mesmo...
ora.... essa bfia.
Na raa das Laraogeiras n. 14, ld andar,- preci-
sa-se de urna ama para cozrahar e engommar.
para 1867.
Assignataras para^od9s os peridicos da Euro-
pa e do Brasil.
Uistribuco gratuita dos catlogos respectivos
RA DO CRESPO N. 9
______Uvraria F-anceza.
Associacao Conauercial Be.
neflcetite.
A direccao desta associacao faz seleote ao corpo
do commercio desta praja, que em virtude de
considera^Ses por ella apresentadas perante o
Illra. Sr. inspector da alfaodega sobre a influencia
da taxa que se Java as saccas com algodo, o
mesmo Illm. Sr. Inspector por communlcacao teita
em offlelo datado de 7 do corronte mez, concordoa
em que as saccas com o peso al 8 arrobas tenhara
a taxa de 6 libras, e as que forera feUs oas pren-
sas bydraulicas apenadas cora arcos de ferro, de-
verao ter escripta a coropeteote tara no envoltorio
de modo visivel alm oa sua repetigao as res-
pectivas u..tis de despacho em frente a caj vo-
lme afira de se proceder com facllidade a soa
veriOcacao.
Sala das sessoes da Associacao Commercial Be-
neflcecte 8 de fevereiro de 1867.
Pbilipp T. Needbam,
Presidente.
Candido C Gaedes Alcoforado
Secretarlo.
Precifa se de urna ama que compre, cozinbe
e engomme : na ra da Senzala-velha n. 112, 2*
andar. ^___^^_
Monte Pi Popular Peanam-
bucano.
A directora desta sociedade participa aos Srs.
socios que se acham airazados em snas mensalida-
des, que veaham emquanto antes pagar os seas d-
bitos, para o que tem coneedidoo prazo de 30 dias
a conlar desta data, e Hados os quaes sero elimi-
nados na forma da lei.
Secretaria do Monie Pi Popular Pernambucano,
30 de jaoeiro de 1867.
Bernardo Faleo de Soaza
Ia secretario.
""XAROPE DEPUKATIVO
OS CASCA DE LARANJAS AMARGAS
COM IODURETO DE POTASS10
DE
jp. Laroze.
pbarmaceatico em Pars
OiodOretodepotsio nm verdadeiro al-
terante, um deparador de intontestavel effl-
cacia; combinado com o xarope de casca de
laraojas imargas, atorado sem pertobacSo
alguma pelos temperamentos os'mais fracos,
sem alterar as funeces do estomago. As do-
se- mathematicas qae elle con tem per mi tem
aos mdicos de receital-o para todas as c> m-
pleicSes, as affeceoesesefbfalosas, tubercu-
losas, cancerosas e nos accidentes intermit-
ientes e terceiros; alm d'isso, o agente o
mais podei u.'u tuuti a as dueutas'i ueuurallias.
'ecasasde
armacias
D psito em todas as phai
drogaras no-Brasil.
Expedrces, em cawd J, P Laroze, ru
des Lion-St-Paal, 2, Paris.
A' venda na pbarmacia de P. Maurer V.
|t!* na wpw jnro.
18B7T
Agence d'AbonDemeots tous. journaui d'Eu-
rope. Distribotion gratalte de spcimens et cata-
logues.
RU DE CRESPO N. 9
Mhralrle Fraoealae.
Para educado de meninas,
estabelecido fa grande casa contigua
igreja de Nossa Sonhora
da Soledade,
E DIRIGIDO
PELAS IRMES DE SANTA DOROTHA
'v
SOB A PR0TECCO
DO
EXM E RVM. SR. DR. VIGARIO CAPITULAR DA DIOCESE.
mnn nlV^Tf i;e0ia aber'ra Des9 "5 ,er*' ,u?ar a 2I do c^rente, recebem edi
meninas da 6 a 12 annos para serem educadas e instruidas em todas as
sanas a urna senhora.
Ha vera'
s materias n ea s
meninas interna, meio-pensionists e externa
c*n A? 'Dleras P*far30 33*000 measaes, as meio-pensionislas |#000, e as extern
90000. nao sendo pobres. rruas
Logo qoe o collegio contar am namero suficiente de pensionistas, ira' adimiu^
graluitamente para internas algumas meninas pebres. Ulndo
Para admlssao de alumoas e para qnaesquer esclarecimentos trata se com a snix
ribra no mesmo estabelecimento a quilqner hora do dia. ^
mm^-m^m\



.zzzSivm
Tinta Inalteravel
Para escrever
de P. MAURER IV.
PERKAMRITCO
I
Esta tinta recommenda-se pela sua com-
posica e fluidez como a melhor e a mais
segura de todas as tintas at hoje condeci-
das. Nao ataca as peanas de ac, d at
tres excellentes copias, mesmo muitos dias
depois de escrever, e preferivel a qual-
quer outras tintas particularmente para
livros de commercio, documentos eto de
que se carena longa conservaca.
INJECTION BROU
riaSSSSiSKi^ w ress s^ r^. a
Vende-se na ra Nova n. 18, pharmacia franceza de
P. MAURER i C.
PERFUMERA da casa oger
Boulevart Sebastopol, 56, larlz.
Dex medalhas,
. a condecora^fto da Legin
d'hoanear a a grande reputacao que tem lhe
dado o publico, taes sao as recompensas que os
servicoi prestados a industria merecerao a
esta importante casa desde sua fondacao em
1804.
Pi'uiii switiineuto do mU as pessoas elegantes escolherao os seguintes:
ROSEE DU PARADIA, extracto superfino
para lenco.
POMMADA CEPHALIQUE contra a cal-
vicia.
AGUA VERBENA para o toacador.
OXIMEL MULTIFLOR.
VINAGRE DE PLANTAS HYGIENICAS.
TINTURA VIRGINALE de beijoira.
ROSEE DE LYS, verdadeia agua de
Jouvencio.
CREME LABIALE de sueco de Rosas.
pommada VELOURS para anudar a
pallo.
ELIXIR ODONTOPHILE.
SABAO dedicado as damas americaaaa.
SABAO de bouquet de Franca.
d* de Aeres priataniree.
d* de bouquet do outaao.
i* de perfumes exticos.
d* aurora, dedicado aos dedos cer o
rosa,
d* de flores das montanhas.
d* de ebeiro de foins nouveanx.
d* de bluets cheirosos.
d de atthea balsmica,
d* diapr, caira rica, fiutesia pari-
sience.
-Ra do Cabag M. 3 A
Agostinho Jos do. Sanios, propriatario deste antigo estabeecimento,
tendo hito urna reforma geral no sea negocio, apresenta-se a concorreticia'
publica convicto que poder servir vantajosamente aos seus freguezes. Esta
casaacha-secompletamente sortida de obra- de- -uro, pratae bridantes, cu-
jos precos sao o mais resumido possivel. Compram-se os mesmos objeclos
cima declarados em obras velhas. ncumbe-se de qualquer encommanda
concernente ao seu negocio.
Agostinho Jos dos Santos C.
S.
INTERNATO
DE
Estabelecidi na eidade do [\eeife em 1862
Hoh a protec^ie do fHimmo Pontfice Po IX
DIRECTOR0 BACHAREL EM MATHEMATICAS
Bernardo Pereira do Oarmo Jnior.
O director do intrnato de S. Bernardo, nao tendo evitado esforcos
nem sacrificios para proporcionar aos seus alumnos urna prfeita educacSo
pLysica, moral, intellfctual e religiosa, fferecendo-lhes orna habitafo com
bastantes condicUas fle ldbndade, habis professores que sao solcitos em
prepara-los cnvenienlemente aofim a qae se destiaam, medico pratico
qae Ihes frea comprehender os preceitos da hygiene e lhes cure das doencas
e finalmente um Sacerdote jllustradoe honesto que ihes explique os princi-
pios da religtSo chr'.staa, espera que assim constituido e em vista do ex-
celente resultado, que fem apresentado, contando \m crestido numero de
alumnos na Faculdade de Direito, qaetonduiram all vactaiosamente os es-
tudos preparatorios, nlo deixa'r o seu e*tabelemeQto de coRtinuar a mere-
cer dos senhores paes de familias o itrxilio e couftanca eonr-qufl ja mrtitos o
lem honrado; e lhes roga, bem como a todas as pessoai irteressadas, que
se dignem de visitar o mesmo seu efcbelecimento, onde sampre eBContra-
r5o franari iogrsso.
Cadeiras 0ensino-.Primeiraslettrasdvidida'ijmdaasclasses,ten-
do cada urna o seu professor, latim, francez, ioglez, arilbmetica, algebra e
geometriJf>%6lfrapbia, philosophia, desenho e mostea.
0 eoltegio tem a sua sede nos spacosos edificios ns. 32 e 34 3 ra
da Aurora.
Noaestatotos do collegio, que estao a disposicSo de quena os quizer
ler, at achara eorisigmdas ascoodices de entrada e matricula'as diversas
aulas -do estabelecratrto.
-J
t .
1LEGIVEL
.. mU


*

yr~"-

mer*

-
Ditt-to t i'KsaBifc^eo . ?

'!
I .

a
magnifica
Calcado
Soi'iaeuto
Pelos ps eostumam penetrar no carpo a maio-
riadas molestia?.
Resguard-os dirigindo-vos
9,-Hni B*lreiia-15.
L seguios qua.-i Mi.ii Iwterro----- ^--M
t ingieres -qoebr% tCSs..... fl300
* hespaoboe lu.-lre......... .'AGOO
< brasileiro-i Ijfirrro........ 5JG(K)
para senhoras enfeltados
no tom.................. E5000
< para seniora*............ 4809
... ..".......... i*1"0
* W*?.\ *"'.'. 45(100
, P,r,n,>lt'Dte.....:..... 5c0
Sapatos 'americanos............. 45500
t Trancaos de sallo para se-
. aburas................... 3*200
Borseguins para meninas enfeita- .
dos45e................. 3*800
Sapatos avelndados para homens e
' sennora*................ i5500
Borsegulos com lago para meninas. 3'>00
Sapatos de tranca snperieres...... 5600
Botluas trncelas para meninas! i#5 O
Sapatos de borracha para senhoras. .. lttK)
J. FERBEIRA VILLEL
Pliotograpfro dft Augusta Casa Imperial do Brasi

N.2D ^ N. 2 D4
P^ COR4C&0 DE OURs
I
18, kua do Cabuya, 18,
Sobrado, entrada pelo Pateo da Matriz.
coaro
cado.
de lustre
A loja n. 2 D intitularla ("oracao de Oi.ro na roa do Caboga,acba-se d'ora em diante offeracen-
do ao respekavel publico aom especialldade as pessoas qae honram a moda os objectos do ultimo ges-
to (a Pars) por roenjs 20 t>or cento do que em outra qualquer parle, garantindo-se a qualidade e a so-
lidez ilas obras.
O resfi-iuvel pnlilieo avahando o desej que deve ter o proprietario de om novo eslabeleciraao-
to qoe quer progresso em seu negocio deve chegar imrredlatammte ao coraeao de ouro a comprar
Em MCNHIMA daS-tholOP>aplii:is desta Cidade se fazem retratos mais perfeitOS aoeiscom pepitos brilhaotes,esmeraldas, romose perola ; verdadeiras et>, agarras, modernas pele
uunmoLUAMiumu u^u .u .. r diminuto prego de 10. brincos modernos de ouro e coral para menina pelo preco de 35, maracas de
: 00^que OS que se execotam nesta OUiC'na pnotograpntca. prata com Mb0fl a raiirfim e madreperola obra de moderno gosto (o que o encontrarlo no corceo de
Pede-se a confrontado e ana!ysa entre os nossos trabamos e os memores que ooro) volias da ouro cora a competente rusiaua ricamente enfriada pelo pequeo prego de 12$, brra-
1 se fazcm nesta cidade COi deom trabalbo pereito por um mdico preco, cassoletas.. tranealins, pulceira?, alGuetes para re-
Nao ha photocraphia algcma desta Cidade, que como este estabelecimento tratos e cairos modelos tudo de altogostoaneis proprios para butar cabello e firma, dito para casa-
, nau ud inoiuuimrniA UAUCY'' ^ ,. cnrhmmin rto ,,1,5=; ment, no arltgo roseu lera o Coragao de Ouro u:n completo e bern variado sortimento de diversos
ibineloes do Porto e um perfeito sortimento, de photographico possua um tao vanado, escomido e abundante sortimento de caixmDas, gosIOS> bu(Ses pjra piJDhS COffl djaroin[e> mbios esmeraldas> obra est importante ja" pelo sen va-
os, m oquim, bezerro rancez, vaqueta qUaros> molduras prelas e d' UtadaS e passe-pir-touts. j lor ja' por goste ds desenlio, brincos a forma da delicada maoslnha de rocacom piogente contendo es-
como nioguem tera no raer- j para serem alocados os retratos chamados carldes de visita ha doze difieren- meraldas, rubins, brhantes, perolas, o gosto sublime, alrJnete para grvala no mesmo gosto, relo-
jes modelos de cartoes mimosamente lithographados e dourados, em cartO briso! e em gios para senhoracravados de pedras preciosas, d.tos para homem, diversas obras de brilhames de
iiiuiuuuus ue wiww uiiuiumuimjk nmv p ocL\u^ A*e naco,, .. inuiio costo, crnsinbas de rnbins, esmeralias, perolas e Dnlhantes, aneis com letras, cagoletaa ae
cartao porcelana, os quaes sem alterado de pregos, estao a escoma daspesaoas que se rysli,, e imr0 d(SCober[a p,r,.r#llrlil0 (.iagieza) brincos de franja, ditos a imperathi toda 'e quai-
retratatem. 1u'r Jnis. para secoliocar retratos e obras de cabello, e ontrosjnuo* ebjectos que es pretendentes en-
Continuadamente se recebe a Europa remessas de ludo quantO diz respeito a Rontrarao no Coragao de Ouro que se conserva com toda a amabidade aos concurrentes deixando-
DhotoeraDhia e ainda 0 mez passado pelo va, or Guime, e este mez pelo b-icue Belm se de aqui mencionar precos de certos objectos porque (esculpem a maneira de fallar) dizendo-se o
ynviv%iayina, u receberam-se de Franca qualrvo grandes caixoes com orna bella vanedade de artefactos -* Na mePD1!l ,oja ^p,,.'^ lroca.se W(l> prata e podras prec|,osie tambem recebe SlJ concer.
productos chimicos e material para photographia. tos, porteos do que em orara qualqner parte, e dao-se obras a amostra com penbor, conservando-se
No mesmo estabelecimento vendem-e : e Coragao de Onro aberto at as 8 oras da noile.
Todos OS productos Chimicos geralmente usados em photocraphia e garante-se Qualquer pesso que ss dirigir ao Coraclo de Ouro nao se podora' engaar com a casa, pois
a ocioHrt Ao nuroa Vi ib maetni c- fe ua sua ffeDt'5 um ooraCii0 pendarado pintado de amarello, alem de outro que se nota em um
O esuao ae pureza uos meemos, rotulo (isto se adverte em con>equi-nc.i de terem ja' alcumas pessoas engaado com outra casa.
Machinas pholographicas, envetas oejjon.-elana de diflerentes tamanhos e vi-_________________________________-_________ ________
dros para tirarem-se retratps;
Urna grande vanedade de lindas e interessantes vistas transparentes para Cercas e gradeamentos de ferro para jardins, cercados para animaes. .chiquei-
stereoscopos, e .vtereoscopos de madeira envernisada com lentes prismticas que se ven- ros, de todas as grossuiMs o mudaveis.
Xarope e pasta de Seiva
DO
. Piaheiro niariimo
DK
E. Lagasse
Preparages mui presonindas pelos sabios mdi-
cos de Pars, com as melhores at hoje discobertas
para a cura certa de todas as roenestias do peito,
bronebites agudos e cnjronico?, aslbma e aieda das
affecgoes das vias urinarias.
DEPOSITO ESPECIAL
3iRa larga do (osario34
Phai'inacla de Bartfcolomeu dcC.
Fublic^ao jurdica.
PreleccSes de Direito Internacional e de
Diplomacia com applicaco e refer tncia de
dem a ifcdOOOcada um com urna duza de vistas transparentes
Tambem vende-se por 50^0 0 um appareio compl to pira fazerem-se peque-
as vistas ou retratos. Ao mesmo acompanham as explicaces precisas para eu uso.
Porteiras de diC'ereiiles tamanhos para sitios, janlins, cercados, e-c.
mmmmummmm
g Aumincio
O De. Cirolno francisco de Lima San-
US.I. laudiU >e para a ra do Imperador
S5-D. 73/ serum sncVi-, f,a.cnilnna no S
JR exerlcio drt sna pte -edico. WS
Fuudico da Aur-ra
A mais aoiigB esla pr viacia e r>m todas as
perfeigoes em tkoi machnf nmeros.is frepneze-por raeoaveis pregos suas
manufacturas, bam comoij!* t<-m um bom pessoal
para com rapidez fater qualquer concert ou ebra
uova- ____:_____________i---------
Da se bol js de veodagem a- tustuo a pataca
na ra Imperial n. 37.
mmmmmmm wmmm mmv
ye O Dr. Alr^andre de Sonza Pereira do C
^^ Carmo mudou a >u residencia para o i
|K andar do sobrado n. 12 oa ica da Iinpe- gg.
ratriz e continua a excrcer a sua prods- -^
sao de medico.
Precisa-se de urna pessoa para caixdro c<>
drogara da ra do Imperador D. 22, que d pro-
vas de sua babiliugo : a tratar com o Dr. S Pe-
reira.
Aviso.
a tratar
seus principios as leis particulares con- \ Qualquer pessoa 1J(jd fazer vislas 0l, retralos com esse apparelho.
venenes, e aos tratados do Brasil at 1866
pelo Dr. Antonio de Vasconcellos Mene-
zes de Drummond, lente substituto da Fa-
culdade de Diieito do Recie etc 2 vol in
8o brocb. por lOiOUO pagos entrega do
primeiro volcme, que constituir a primei-
ra dessas obras.
A ultima deltas acompanhar um epilogo
das diposicoes da Icgislaco patria, relati-
vas ao direilos e deveres do estrangeiro no
Brasil, bem como aos do Brasileiro fora do
Imperio;
Assigna-senas lojas delivros das ras do
Crespo n. 2 e 9: do Imperador n. 13 ; da
Cruzn. 52 na de encackrnacTio do caes de
^! de Novembio junto a typographia do
Jornal do Recife ; nos escriptorios das ly-
pographias do Diario de ?ernambuco a ra
Jas C'ruzesn. 44, e do Coneio do Recife
ra do Imperador n. 79 e na loja da ra
ja.lmperatriz esquina da ra da Aurora n.
n. 2, loja de louca.
Depoisda publicafao da primeira obra
noserao mais atimiitidas assignatuias e
sobas e las ser5o vendidas por maior prego.
A officina e galera est5o abertas todos os ias e a todas as horas.
msm)

GREJA DE
Vetimeiiti>iru
Pars.
Joaquim Jos Qongaives
Beltro
k RIA DO TK4P1CHE R, 17 4 ANDAR)
Sacca por todos os paquetes sobre o Banco
do Minbo em Braga, e sobre os ssguiptea loga-
zes, em Portugal.
A saber:
Lisboa.
Porto.
Valenca.
Gmmares.
Ccimbra.
Chaves,
\ seo.
ViJIa do Con-e.
Arcos de Val de Vez.
Yjannn Castello.
Ponte o Am.
Villa Rea!.
Villa-Nova de Fatneiioo.
Lamego.
Las^s.
Covtlbaa.
!fa ra do Tro pie h n 16
acham-SG os seauintes depsitos
eR. 8raitigtia&se:u Nafta.
Bourgogne.
ifiaho PoDiroard tinto. Cortn tinto.

> Sauto Georges tinto.
> Ctiambertin tiuto.
P.ichehourg tinto.
> ('los de Vougeotlio o.
ChahS'branco.
UeX A VVoefem FraBcerk:
P.heco.
iheimc-r.
Liebfraumilcn.
Jrcobranner.
2B RA IIO PKAlHOR *
UefroDte da igt'cja de S. Francisco.
Concurrencia impossivel
justificada pela suppresso de inlermeaiarios, pela compra directa das materias prima?, pela exe
cuco dos trabalhos as officinas da casa e pelo diminuto lucro coa) qoe se satisfai.
Aoimado pelos importantes negocios que far.com grande pane do mundo catbolico da Europa
resolveu o annunciante estabelecer filiaes da casa oe Pars em diversos faites looginqoos que
offerecem vantagens, e veio inangorar o prtmeiro estabelerimenlo nes'.a cidade, sem duvida urna
das mais adiantadas e commerciante da America do Sul, e que por ss-> mesmo necessila d'um
estabelecimento que nada deixe tesejar, quer em relacao s precisoes nateriaes e qoer intel-
lectuaes.
Os Srs. sacerdotes e derasis pefsoas, que se dignarem visitar o estabelecimento, abi acbarao
sempre urna grande variedade de todos os objectos para iureja e para o clero.
2RIVESARIA PARA GREJA.
Novos modelos de custodias e de visos sagrados.
ALPAIAS DA IDADE MEDIA, A* LUIZ i3.
Os pregas variara segundo o tamanho, o peso e a forma.
TAPETARAS E ARMACES PARA IGREJA.
Fornece t.,da a qua^djade de arfloagies, por pregos mdicos, vontade do fregus : tendo
fempre urna pessoa no eslabele^imento para ir tomar as medidas ne^essarlas para completa satrs-
acao da eccommetida. ____ _
NuVAS UMBELLAS PRIVILEGIADAS.
V
Estas umbelias de molas, adoptadas p.r S. S. Pi IX, tem por sua perfeilo,
e riqueza a dupla vanla^o de cobrir iiiteiramenle o Santisimo Sacramento e o padre,
collar o andar.
ESCULPTURAS EM MARFIM E EM OSSO.
Imagens de Christos, cala>irinnas, cnues, quaros e todos os objectos devotos.
Objeetoj em argila, simples e prat^adas. #
Dovidade
em di5-
TuJas as inforinaooes seio ministradas gratis, acerca des ornatos de igrej3.
Conceder-se-ha facilidade para os pagamentos.
Eis o cathalogo do que tcm a venda :
ICASLAS.
e df
de
Em casu ) Tneod Cnristiacsen,r:a do Tra
piche-novo a. 16, nico agente no nerte do Brasil
de traudeaburg frres, Bordeaos, anconra-sesa
Jetivameate deposito dos artigo? segatos:
>t. Jolien.
St. Pierre
Larose.
Ctkaleaa Lovtlle.
Onateau Mrgaos.
rand vin Chateau Lafitte 183&.
(.hateao Lafitte.
Haut Sauternes.
Chateau Saoternes.
Chatean Lataur Rlancbe.
Cbateau Yquem.
(Cognac em tres qaalldades.
Ateite doce. Pregos de Bordaaas__________
Alagase a casa tr ea a rna Pormosa n-
14 a tratar na praga do Corpo Santo n. 17, pri-
meiro andar. .' ____________
Precisa-se alogar urna ama que aiba bem
eosinhar e sirva para Ir as compras, prefertndo se
algnma eserava : a rna da Imperalrlz n. 34, pri-
meiro andar.
Alaga-se.
Dianas, de velodo, de crina
gala-, lustroso.
a damasco cera cruz de ouro e
?da.
Le damasco dotrado, com diver
sos bordados em relevo na
ernz.
De tecido de prata ou de ouro.
dem com diversos bordados em
relevo na cruz.
dem idem muiio ricas.
De veludo de seda convertu
ouro tino em relevo.
De cbamalote de seda bordado.
Cmicas e da idade media..
A cor da casula oao infiue no
preco.
CAPAS.
Ds veludo esifado.
De damasco.
De tecido de prata e de curo,
dem com emblemas em relevo
e ricas franjas na murga.
De velodo de s 1a.
De tecido de prata e de ouro Qno.
DALMTICAS.
O mesmo prego das casulas.
ESTOLAS PASrORAES.
De veludo estofado.
De dito de duas faces.
De damatco.
De dito de duas faces.
De tecido de prata ou de onro.
dem dem, com emblemas em
relevo, franjas e bordidos de
lorcal.
dem idem em relevo muito ri-
cas.
De tecido de ooro e de prata fino.
De chamalote bordado de seda,
com doas faces.
VE'OS DE HOMBROS.
Be tecido ds Lyio.
De dito dobrado, de ouro fino.
De damasco, L. rdado em relevo.
dem dem, muito rico.
VE'OS l'ARA EXPOSICAO.
De tecido de Lyo.
De chamalote de prata com em-
blemas em relevo.
De dito dito, o.oito finos.
VE'OS DE SACRARIOS
De tocios os procos.
1JANDEIRAS.
Da S.inta Maneta.
e contrarias de Nossa Senhora.
Parochiaes, quaiquer que seja a
mvicaco.
GuiSes com emblemas em relevo.
A collecao varia de 35^000
3:000*000.
PALLIOS.
Em veludo estofado as oualro
pentas e no forro.
De tecido de Lyo, com ouro.
De dito de prata e de curo lus-
troso.
De dito dito, com quatro emble-
mas bordados em relevo.
Mmto ricos, inteirsmeme bor
dados em relevo com ouro fB0.!32S milimetros
PANNOS MORTARIOS. 379
De la. i33
Corporaes de cambrair. fin?.
Toaibas para commuebo e alia-
res
Guarnicoes de rendas para alvas.
Ditas para toalbas de altar, aos
metros.
Toda a qualidade da rouca e ca-
ramida e perfeitamente eseca-
tada.
De veludo inglez preto verda-,487
deiros 5il
Ue damasco obrado de brocado. 660
Estes pannos tem d us metros de 812
DIVERSOS OBJECTOS.
Bolsas para tirar esmol.s.
Cordoes linos para alvas.
t para meninos do curo.
Volias, s duzas.
Cintos e ciniur5es.
Sacras de altar, em cartao.
Ditas era quadros.
Marcas para miseaes, cem seis
pernas, era chafalote.
Flores arlificiaes, o ramo.
Bstdfos e todos os datis objec-
tos de igreja. ^
BRONZES DE IGREJA.
'Casticaes para altares, prateados,
de novos molos :
1- poilegadas).
(11 J.
(16 ).
(18 .)
(*<> 1.
i ( 1.
(30 ).
'.'!>.SjBKfl
' sai
a. .
. '.
-:. : ::---:
-
Precisa-se de dous caiseiios de botica
na ra Nova n. 25. "
A pharmacia de P. Maurer & C mu-
dou-se do n. 18 da ra Nova para o n. 29
da mesma ra esquina da caraboa do Carmo.
C0MP4i\HI4 PEIIN4HBUCN4"
De ordem do conselho da direcgo sao convida-
dos os senoores accionistas da com^anhia pernam-
bucaoa de navegado costeira, para reuolrem-s?
em assembla geral do da 15 de fewreiro cor-
rele, as 12 oras da manbaa, no segundu andar
da casa da pracado C>rpo Santo d. 11, afira de
cumprir-se o disposto no artigo 19 dos estatutos.
EscripturiJ da compaobia pernambucana Io de
fevereiro de 1867.
Pelo gerente.
Justino Jos de SouzaCampcs.
^ O bacliarel Sihvira, advogado.pode ser
^_ procurado [.ara os misteres de sua pro- ?S
S fisso em seu escriptorio, a' rna do Im- ggt
I perador n. 71, primeiro andar, d>.s 10 H
-gj. horas da manha as I da tarde. Reside a 1
^ ra da Aurora d. 70. I
mmmmmmmmm
Doengenho Lobo na fregoezia de Serinbem
fugiramos segointes escravos : no da 20 de de-
sembr prximo passadn n negro de nome Aoto-
n o, nacao Congo, idade 45 annos pouco mais ou
meno-, baixoe tem o p e mo esquerda f.ivti-
ro; no da 20 d Janeiro i orrente o mulequecrion-
lo de nome Meossen, idade de 17 a *H anuos, al-
to e levu camisa e smola de algodo azul, assim
como chapeo de oalha ; qoem os pegar pode diri-
girse a Albino tt Ferreira da Cunha lareo de
S. Pedro n. 17 on a Jjs Antonio di R cha no re-
ferido enpenho Lobo.
m
Um sitio na Capnoga Nova ra das
Pernarobocanas n. 23, era cujo muro se
achs o rhafariz, tendo gradeamento o 2
porio=s de ferro, casa assobraOada para
grande familia, cocheira, cacimba, un-
que, agua de encanamento arvores
frucliftias; a tratar na ra da lrnpera-
triz n. 12, primeiro andar.
:-

t
mm
\\mi
-^
i


\\...
c
-1
largura e tres de comiirlraento.Crues de altar, forresponlentts
ROPAS DE IGREJA. aos caslicaes, o par.
Alvas de panno de linbo fino. Thuribuios e navetas prateadas.
t de cambraia fina. Caldeinnhas com hysoppe idem.
de panno de linho, paraCustodias ditas e dooradas.
meninos do coro. .Lustres ditos e eorrentes fortes
t guarnecidas de rendas finas.| para os mesmos.
a a de fil, de rices de-ICruzes para prociss5oxcoro ralos
seDhos. dius.
Roquetes em pinno de linbo sera Varas, alabardas para saissos e
mangas. cad^s para porteiros.
c t com ditas. Estes objectos todos sao em c-
A ai icios. bre e nao em materiaes d
Toalbas laqguinbos. composicao.
encao
Q abalso assigoado tendo comprado ao Exro. vis-
conde de Suassuna o sitio denominado Agua-Fri,
de Beberiba de riaiso, e tendo demarcado dito si-
tio sendo ;>ppruvada pela cmara municipal do
termo de O >nda a demarcaco, de posse legitima
e nao contestada do referido sitio que pretende
dividir, convida a quem queira comprar algum
laneoa entenderse com o mesmo abaiso as igoa-
do ra da Soledade n. 34, ou no mesmo sitio com
o Sr. eogenbelro Sette.
Pedro de Souza Tenorio.
Cabranca
Palraeira i Beltrao em liqudacao, fazcm
sciente ao respeilavel publico e especial-
mente ao C"i po -o comniercio que a nica
pessoa hbilitada para proceder a cobranca
do activo de sua casa o sr. Jos Antonio
Alves Bastos, Recifd (i de fevereiro de
1867.
Ensill de mosifi pt>'licutar.
^ Na rna do Imperador o. 73 segundj an-
jg dar, leccon,'SB soifejo e div rsos instru
^ medios de consi-ca, das 5 bora- da tarde
as 10 da noite.
m$mim~mwm

Guardas pars arvores, plantas e oulros objectos da ferro que se vendem por
precq mdico, no armazem de Tasso Irmaos na praca do Caes de Apollo ao p da ponte
provisoria.
k
O es-juil de direito d'j comarca de Flores Joa-
qnim GonClves Lima, actualmente residente nes-
ta cidade, tendo ab rio sen"escripnrio de advogs.-
do, em eoromum com o Dr. Joaqoim Jj; de Cam-
pos, na rna do Imperador n. 23, Io ndar, avisa <
pessoss q'ie qaiierem uiilisar se des seu servicos
a procura lo no dito escriptorio, das 9 horas da
mannaa as 3 da tarde de Mdos os dias inels.
Avisa Igoalaien'.e aos seus amigos do interior
desU e de oulras provincias, que se acha prompte
a prestar-lhes nesta cidade todos Os servicos pro-
prios Ce sua proflsslo.
Precisa-se de nma ama : na ra da^ Cruzes-
o. 38, 2o andar.
o segondo andar do sobrado da roa Velha n. 20,
com mutos bons commodos : a tratar na ra do
Sebo n. 24. ___________________
Dase diobeiro a joros : sa rna da Concor
lia n. 6.______
Precisa-se de urna ama .forra ou captiva que
cosinhe perfetumente, para casa de pequea fa-
milia, agradando pagj-se bem : a tratw rna do
Apollo n.2, segundo andar.
Precisa se de urna preta qqe salba eosinhar ..
d engommar para o diarto de nma casa; na roa cobre doorado. e como tal confundir os ttulos qae se Ibes deu sempre, que sao
eo Aoollo D. 4.
'meDtecommercia.es. v ,.
Os ornamentos que o annunciante tem venda sao o de gales de ouro meio
finos, falsos ou de seda, s mandando vr os de ouro fino por encommenda; e nenhum
Aviso esseucial para evitar qualquer erro ou m f.
Os Srs. compradores nao devem ignorar que o ouro nao pode ser fiado nem
tecido, e que por conseguinte os gales dos ornamentos chamados de ouro fino sao de
prata durda, os de oubo joo fino sao de metal dourado e os de ouro falso sao de
mera-
Superiores cauas irauceas muilo finas de cOres fisas, matisadas e mludinhas a
320 rs. o covado : na loja das columnas roa do Crespo n. 13, de Antonio Crrela de
Vasconcellos & C .
DE
- Urna familia estrangeira que se retira Darn
Europa, precisa de urna pessoa para cuidar o,
m-n.nos etc. dorante a vgem. Qoem estiver oa
cirrnmstancias pode dirigir-se a ra da Ciui o.4
a -',-'- achara com quera tratar.
M MR l
ir.
objecto sahe de seu estabelecimento sem ser aoompanhado d'uma factura por elle Arma-
da, especificando a qualidade do objecto, para poupar-se explicares sempre incon-
venientes ao depois de realisada a venda.
I
Rna d Gadfia 1* andar,
onde pode ser procurado o agente
PONT UAL.
Aloga-se o armazem do sobrada n. 1 da roa
Imperial: a tratar no primeiro andar.
Precisa-se de nma mnlher forra de bons eos-
lomes, que sja diligente e salba coiinhar e fazer
man a gaos servicos de casa ; trabera um rapas
forro ou captivo, de boa conducta, para compras e
recados: a tratar na Soledade, roa da E defronte da oHiroa mangueira. sitio com casi aiW
ralada.
Agua mineral
Jerryginasa, acdulada, faxoia e carboiin
DK
O oso d'agua de Orawa mui particularrfeote
reeommendado pela escola da medicina de Pars,
para todas as affecc8es do tubo dlgwtlvo, ingorgita-
meoto das tricaras aMomio***, geralmente todas
as nwlstia proraaieotes da fra^oeza orgnica, ou
pobreza de saagon.
DEPOelT ESPEDAt.
SIRa larga d Resano34
rv
I froesior de piano.
Coelho de Arauj.i, continua a locoiMr, e pode
ser procurado na Sol iade, roa de Joo Fernan-
des Vieira n. 20, e na ra do LivrameaZo o. 21
; terceiro andar.
DE
J. VIGNES.

9. 55, RIM DO IMPERADOR Xt. 55.
O pianos desta amiga airica sao boje asss conbecldos para que seJa necessario insistir sobra a
iua superioridade, vantugejjs e garantas que offerecem aos compradores, qualidades estas tocontesta-
'eis que elles tem definitivamente conquistado sobre todos os qae tem aparecido nesta praca ; pos-
aoindoam teclaoo e m.tcbinismo que obedecen todas as vontudes e caprichos das pianistas, sem
llanca falhar, por serem fabricados de proposito, e ter-se feite qltimamente melfeoramentos Importan-
rssimos para o clima deste pair ; quanto s vores, sao melodiosas e flautadas, e por isso muito agrada-
is aos ouvldos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Btondel, de Pars socio
wrresoondente de J. Vignes, era cuja capital foram sempre premalos era todas as exposicSes. '
No mesmo estabelecimeute se achara sempre um explandido e variado soriimento msicas dos
Inores autores daKorofa, assim corno harmnicos e piano? hwroouics, sendo tae vendido por
precos commodoae rama veis.
A imnale para o anpo de I
larga do Rosarlo ff. 35.1
1- F. G. Klat e sua fraila vi.- pra a
pa, levando ea ana ayn^ubjp aros' ctad;.
caUeljw
Precisa-se de om caixeiro para taberna, de lia
13 annos, e que leona pratica da mesma, dando
coohcimeoto de sua conducta : a tratar na roa
da Moeda B. !!).
4i*-ftM-i:i ^i;-----------
Eai-! Na rua'da Gadeia do Reiife n. 30, preetsa se
,' de urna aun para eosinhar.
Trocam-se
as dous das caitas filiaes do banco do Brasil; na
praca da independencia o. ti.
CONTRA FOGO.
A comparxhia lndemai6adora, esi.abele.ci~
da nesta praca, toma seguros martimos so-
are navios e seus carregamentos, e contr
fogo em edificios, mercadorias e mobilas:
oa ra do Vigario n. 4, pavimento terreo
mw& mmmm mmmm
Companhia fidelidade ae segaros
martimos e terrestres
estabelecida no Rio de Jaueiro.
ASENTES EM PEH.VAJBL'CO ffc
Antonio luii de Oiirtira Aiered & C, ^
S competentemente aatorisados peladlrec- g
toria da companhia de seguros Fidelida- H?
de,tomara segaros de navios, mercado-|^
B rias e predios no seo escriptorio roa da ^
*irM9*ft WMWi
Samoel Pawer Jahiistea Companhia
Ruada VnzalaNoTa c. 42.
....; AflENCIA DA
Fnadi^io eLow Hoor.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos,
ifoendas e mcias mo'endas para engenbo.
Taixas de ferro coado e batido para enge-
nho,
irreios de carro para om e dous cotilo*
Reiogios de ouro patente inglez."
irados americanos.
Aluga-ser roa casa oa Capuoga-oova, porto
do Jacobina, cora sitio a" margem do rio, leodo 9 j|achinaspan dascaroear 'COdrj..
quartos, tnm,- i od*m, versos ">redo .^ ... ^^> .*u#t..
fruclferos e nina bana a capiro : a tratr o orespw.ailOS.
msrao sito in : ra da Imperatfii a. i. l JMchJB*. e eostur.

t
I
ILEGIVEL


t&tawaiMHBr



latso se iberia. cs'*Keo marta feira f 3 de E'erere^e ic ibt-7.
|ca ubre a praea
de Lis-
Iqucs
J.1, do R"pp"~
Piocisa-se atogar um treto escrava da? 8
i- : a Irair" o* lila
:' n. Vi. primero andar.
Dr. Ignacio Aicibkes Vel-
losa
VERDADEIRO LE ROY
de SIGNORET, Doctear-Hdedn
Ru de Seine, 51, PARS.

-

rm. SfiVIJJU
Para o tralamento e cara rpida e completa das molestias svpliiliticas, erisype-
las, rheuraatismo, bobas, gota, debilidade do estomago, infiammaerjes chronicas do figado
e baco, dores sciaticas, cephalalgias, nevralgias, ulceras ebronicas, hydropesias, pleuri-! MEDIu.
fn^T^LtlllZLTge altodas as moleslias em que seteaha em vista ^a']^^^^Z^^TT^
nacavao uo systema sanguneo. das 6 h h as d* manii*.
Coasidci-acts geracs k,
A saude um bem inapreciavel, cuja importancia e valor s est reservado ao en-;
ferino o avalia-lo.
iticoatestavel que o homem neste mundo constantemente, e por todos os lados
atacado por urna infinidade de agentes morbficos que todos tende n, dadas certas e deter-
minadas circumstancias, a alterar o regular exercicio das funeces orgnicas, resultando
p*se desequilibrio o que se chamamolestia.
A molestia nao mais do que a desvirtuarlo das (breas vilaes, occasioeada, se-1
guudo as investigacoes e experiencias dos mais abalisado mes tres da sciencia, pela depra-
vacuo dos humores geraes, consequencia da aeco maligna desses mesmos agentes morbi-'
fieos intreduzdos no organismo pelo acto da respiracao, pela via digestiva, pelo contacto
immodiato etc. etc. etc.
A syphilis infelizmente tem sido a partilba da humanidade, e como Tora de duvi-;
da que esse terrivel Proteo da medicina urna molestia hereditaria, eila tem sido obser-,
vada em todas as idaJes, e debaixo de todas as suas formas tao variadas, enfraquecendo
constiiu'coes robustas, produzindo mutilaces, e cortando ainda em flor da idade vidas'
preciosas.
Eliminar da economa esses principios deleterios. e purificar a massa geral dos
humores tem sido desde tempo immemorial o fim constante da medicina, e os purgati- j
vos Ggu'ram era primeiro lugar para preencher esse deseratum ou fim.
O Elixir depurativo do Dr. Sevial parece merecer a preferencia sobre todos: os
immensos successos obtidos pelo uso deste salutar agen e tanto''na Allemanha. como em.
Franca e Italia, o tornam c compaohciio insenarevel dequasi todos os doentes.
Sendo as melesiias, como cima disseuios, devidas as alteraces dos humores, o
Elixir depurativo do Dr. Sevial pode serempregado ventajosamente na syphilis, erisy-
pelas, rheumatismos, babas, gota, debilidade do estomago, intlammages ebronicas do
figado e baco, dores sciaticas, cephalalgias, nevnslgias, ulceras chrouicas, hydropesias.
pleunsias, gonorrheas ebronicas etc. e em geral em todas as molestias em que se tnha
ai vista a purificaco do systema sanguneo; pois que urna pratica constante tem feito,
ver que elle inlispensavel nos casos gravissimos para minorar os soffrimentus. e pre- i
parar o diente para medicacoes superiores; e as enos graves a cura conse-j
qaencia do-seu uso, convenientemente repetido.
As substancias que entram na composicao do EHxir depurativo do Dr. Seviai
pertencem todas exclusivamente ao reino vegetal, e grande cathegoria das substan-
cias depurativas e antisypbiliticas; assim, ao passo que este remedio depura o orga-'
nisrno, ehmoando os principios nocivos saude, pelo mecanismo natural das evacu-
ares alvinas, n\itralisa ao mesmo tempo o vk-us sypbilitico quando este virus j
i feihs erupcao no exterior debaixo de suas multiplicadas formas; e previne tam-
os estragos dessa terrivel molestia, quan*to por ventura se a che ella anda no
Em cada garrafa, wi, entre rolha e o papel sriil
qire leva o meu tete, um rotulo impresso em ama-
relio com o Sello Ihprial do cover'mo fkakcz.
If. B. UemelteiKlo-se urna lettra de 500 francos
sobre Paria, aceitavel a 66 din de vista, ao maiimo,
goza-se do aba limento e do malor deacanto.
Deposito principal
lo legitimo Le Roy
em Caza do nosso
nico agente pela
Brazil a Sua Anto-
nio Fmiw : de La-
cerda na Babia e
not principis phar-
maceutcet.
bem
estado de encubafao, isto sem se ter manifestado sob formas exlernas: beneficio
immenso, tanto mais quanto neste estado oa individuos ignoram completamente se es-
tas contaminados por este terrivel inimigo.
O sabor agradave d'esle Elixir convom a todos es estmagos, a sua accao so- \
bre o tubo intesiiual suave e benigna, e de nenhuma forma produz molestias medi-
camentosas, como acontece ao purgante dito Le Roy, que na sua qualidade de dr tico forte irrita a mucosa intestinal, e consecutivameate a seroza, resultando deste es- i
tarto, umitas vezes, hydropesias, que quasi sempre terminam pela morte i!o doenle.
Assim^ois esperamos que o uso deste remedio justifique cabalmente as nos-j
sas asseveracoes, porque sendo um medicamento -tao simples na sua cemposico, a
rtica tem cenfirmado sua ulilidade.
nico deposito cta Feruassabuco
Na botica e drogara
DE
' BaHotkomeo Conipanhia.
34-ilA DO ROSARIO LARGA34




$
wmm
DE
Aos 6:000^000.
Hllfse g&i'atttfiog.
A"RA DO CRESPN. 23EC
O abaixoassiguado venda aos si .
es Dilbetes garantidos Jj luieria que sa acs
de extrahir a tia^eicio das Jacillas dos toiubj-
rijs ds parla,!i> guintes premio:
N. ti9 un meto cjd a surte s'. )59dousqojrioscom a surte d^ l:300fi
N 37('iB dd>-quanos fom a orle te 500.
N. 3190 um iuph! t> ni :-. orta rf 2CO#,
E ouiras inurilas orles de 100^, iO* e i0.
Os possuidores podem vir reeeber sens respet>
iivos premios sem us descutitos das leis ua ca;-a
da Fortuna a' ra do Crespo n. 23.
Aepam-sea venda os da 10' p = rc da b' lote-
ra (o*) a beneficio daS.tnta Casa d; M s-rico; Jia
que seextrabira' sexu-fciia io do eorrente..
ITCOO.
Bilhetes.......... 65000
Meios............. 3eQ0
Qoarlos.......... A500
pescas qe coraprarfitii de iOOrJy-'O
para cima.
Bhetes.......... 5oOO
Melos,........... 27a0
Qaartos.........-. 1#375
Maooel Marlios Fiuza.
rrf iTTlu MK "'"asii M^BKasKaaMaacaK
11 s
Requifes ou babadinhes de csmLraia.
A aguu branca atab dn receber r bello sor-
DmeIo Je fiijuife mbr.n'a en-
los dfi tranco e de torrs. e mui [r pres para
vestidos de seohuras e Oienca, e i eso o i,u(ra
a que as si ol : i ,- ap.dr'ar.'i rooi a^:erlo a
os asLUjCiebas s^de o inpiro.; o renden
250U e 3i cada urna ; na loja d'agula branca ra
do (Jieimado n. 8.
Albuns'para retratos.
A agula branca receben novo forllmento do be-
^ I Ditos albons para refritos e continua a veode-los
_ h, i como *eniLirepor prreos irommodos ; comparcc.am
Productos chmeos e pharma- IB ^^SKV *f^ d Qcima0 loJada
ceticos os m.is empreados em m Novos eafeitas para vestidos.
,n', A aguia branca a roa do O/i.'imsdo recebn no-
vos enfeitas para ves !
Grande hiinazem de tin-l
tas medicamentos etc.. r
Roa i Itnporador n, 22.
fara as
Tintas para todo o genero de pin-
tura e para' tinturara.
Productos industriaes e tintas
para flores, como botes de flores
e modelos em gesso para imitar
* fructas e passaros com o compe-
| tente desenho.
Productos chinacos e industriaes
I para photograpnia, tinturara, pio-
| >M tura, pyrotecnia etc.
M Montado em grande escala e sup-
I a| prido directamente de Paris, Lon-
,ij dres, Hamburgo, Anvers e Lisboa
I jS pode offerecer productos de plena
! 3jj confianca e satisfazer qualquer eri-
eommeoda a grosso trato e a reta-
mo e per prego cunamodo.
f SCIUVA FtifDA
Dosencamlnhoa-88 do poder do abaixo assignado
no dia 10 do correte orna escrava veiba de nae
U'ogo, ce nome Marianna, representa 50 aonos, >
nao mostra cabello branco, ella 6 baixa, cheia do
''ri"ite'8 Uaias cical"Z'S do peito, marca da ter-!
ra della, e do lado direilo do mesmo peiio tem um:.
cicatriz formando urna roda, levou ve.-udo de l.i
boa de qoadro, formando chadrer, urdo eocar- ,..,.. MerioLmia
Dado, chales de merino claro, forma a barra dua. T
iistras encarnadas da largara de dous dedos ; jul-
ga-se que eila teoha andado para o lado da ribei-
ra de S. Jos, aonde sempre qneria tila ir com-
prar : pedese as autorilades policiaes e Ws*cspi-
taes de campo a apprthensSo da dita eserav:. e
leva-la a ra da Imperaim o. 52, que strao re-
compaasados.
FERRO QUEVENNE
Approvado peta Academia de Medicina,
Andomado per circular especial de Minittr:
O Firmo oif-Vexve se usa em todos ca-
aos para es quies es ferreos ato prescripios.; nao
fai os daates Scarem pretos; he a pr*prafio a
mais activa, a mais agradave e mais ecoao-
mica; multas vejes um frasco h sufficieate para
curar urna chlorosis.
A experiencia me provon que nenhuma pre-
paradlo frrea h supportaa mais fcilmente
(ue o FEBRO QUEVENNE, em observando as
limites de doses anule regaladas.
Boccbabdat, Annuario da llttrapeutica, 1S6.
O Feruo Oevesns nde-p em frucoi da
Mrd.di i. e. K0|ratMM, S
Deposito geral en casa de Emite 6emrolx,
14, rae des Beaax-Arts, em Part, em tedas a*
boticas. Exigir-e Sima Quntnne e a asare*.
de Fabrica cima.
T ^ do corrente raei uiio do eDgenho
Jardim do termo de Serinhaem o escravo crioulo
de nome Camillo, cor bem prela, feii5;s gro-sei-
ras, olhos grandes, com falta de dentes na frente,
altura regular nm poaco corcuDda, maos e ps
grandes, carreiro e cargueiro : roga se as auio-
ndades policiaes e capitaes de caxro a appre'licn-
i sao do dito escravo, que podera' ser entregue nes-
ta praca aos Srs. Leal & Irmo, ou no engenho
i acuna referido Mariano Xavier Caroeiro da Cu
! ona, que serao satisfeKas todas as despeaas. e ser
generosameute recompen:ado o apprehensor.
O ataixo assignado perded no bairro de Recife
um titulo de oO palmos de trra era Agua-Fra :
roga-sp, porianto, a qur-ro encontrar, que h'o en-
tregue, e pelo presente declara que negocio ne-
Dhom se podera' faier com o me^mo erreoo, o
qual Ihe perteoee.
____ FeBaodes Schalt?)
Precisa se de urna preia ou um molqoe'de
ia a 13 annos, para vender oa ra : na ra do
Trapicha n. 36, 2o andar.
Fio dealgodo da Baha
Vende-se no esr.-iptorio de Aotoni > Luiz-de Oli-
elra
D. 1.
r*K
'/ KL-j B'
p-
*i
JV'> o
a. _ B o a zn
a o -i 2 *&
B -1 O (A o.' o f ET SO
M i/i t = o. so
i -1 'a 5 o a. B Ce T5
a es "i o TI c p
o a, c -I SO
13 t s o. o ^1 O o < es
en V. es
a o a c
-, XAROPE
peitoral dmlcifloanti
DI
SAINT -GE0R6ES
Preprelo por
IA 6MHA0LT e Cu


PAHA DESCAROCAR ALGODO
Manoel Rento de Oliveira Braga.
53Ra Olreta u.53
Neste estabelecimento se encontrarao as
verdadeiras machinas araeriesnas chegadas ltima-
mente, asquaes saofeKas pelo mais afamado fa-
bricante da America, por isso avisa a todas as pes-
soas que precisarem comprar, de dirigir a ste
.est&eletimerro que' coiapraro das mais perfeitas
nest^ genero, assim come .mais barato do que em
-outra qualquer parte, por isso que se recebe por
corita propn'a, feem como cannos de chambo e ruoi-
'-jwfr ^^a-os Para moermtlho, e frande s.M*timent defei-
L.sHi5l^^^s^^^^^ra?eE6 e miudezas em grosso e a r&talfco.
il' boje empreada por tnrto?



-i. ^ -L

\'
}nipaatia g^ral iiespaniola de
a vida
21
segaros sobre
I
aUTORISADA pelo real HECRETO )E
BANQUBWOS Ba OOVPAfffltt
f Baa-fco de Mespaalis
18S9
DE DEZEMBRO DE
DfRECQO GERAL
Tls.lrid : Roa de M. Agosttnho
n.IO
Fufaf;:> da <<>mt>auhLi em O de julho de 1856.
Apohces 18:700 Capital Rs. 1^7:144*670 ou moeda braileira
Rs i,714:47t)30O0
A Racional abraca toaas as conbinacSes do seguro de supervivencia e n'ea pode
WKT-ses iiHrp|}j) de m)do qae em nenhuiH caso se perca o capital imposto nemos iu
rrros eorrespsndentes.
Urna alianca depositada]oos cofres dojestado, garante a boa administrado da com
ia.
Os fundos da coTipanha se invertem era ttulos do estado e sedepositam no ban-
co de ^espanha mm ntervt:>cao do delegado do governo e do conselho administrativo
A compaahia estrannatodi a eaipreza ou Sspicuacao perigosa,eo6 ttulos em
qae se invertem os fundos imp s na rmesma, Mo-st correr o nwnor risco, pois esto
garantidos pelo governo, podeatoaacao da a tor p.eiaosd
A elfrclriridnilr
mdicos afamados, para o tralamento de maias
molestias, mesmopara as que resisten) asoulras
. liedicaroe*.
A eiectrfatatte prodmiiia pela friecnotera om
isupciioiidadeiocooteatafel, ea tanlagt'mdeaa
idarnbalos, ede podr ser graduada pelo doente.
A cansa a mais frequente das molestias e a
estagnnei do nnKoe ou dos uniros lquidos f-
>taes. Reslatftecendo se a cuculafa no orgt-
:iiv:nc>. curafao-M as molestias.
Guando se seni" aljuma Jflr em quelquer
parte doeorpn lago, eir.-aiacliva mente, seerket
o lujar eudu!nrido com a ma, eisloa'livia. Isto
explica o resallado incontesiatcl que deve pro-
duair um apparclbo elctrico. Por isso temos-'
- praerem aununriarao Publico ; uro Sur liuissob
rie lvillie-rs residente, boulevau du Prince-
EliRne, 18. em Pariz, d.>iou a medicina de um
apparelho ElwiroBtaeeetico, sob a forma de
urna estova, com o qual os doentes se podera
curar sem oebllBM mura medicaca. Os uiedicus
que a tem experimentado, aiteslan que a
Escova LECTBo.MAOMBTica eQica |>ara
curar: os XUieunaatisuios,al?aralysia, Ct.ui,
Fraquexa dos membros e da Columna eer-
tebral drbilidac?e geral, Nevralgiaa, eta,
Estamos ceos q-ie breve cada familia potsuir
eta escova que prestara grandes servicos.
A pedido de muitas pessoas, o autor docidio-se
a establecer um deposito de seos apparelhos o*
Rio de Janeiro, em cata do S Dwiea Rouri,
>rua nova do Ouvidor, n* 8S. >
Uompram-sc escravos
.Strviao GrtiisWffDC de Barro?, compra, vende e
traca erTectivametrie escravos-de ambos os sexos
e de tedas as idades-: a' ra < Imperador n. 79,
teroeiro aDdar.
oro e peaa.
Km obras velbas : comppa-se na praca da ln
depcrjdenejn Bi j^ i0ja e |,jhetes>
Bf?'
iprm libras
tifnciao.22.
tsf liuas : na praga da
ompra-se curo, prata-e pedfas preefoMS em
ciH.s vlhas : na ra da Gadea do Reate loja
de oohves no arco da CoBneiQo.
tw atfBazem dafeoa ama-
29 da roa 4o lmpe-
coi>r, lataa ofcumbo
relia, por balso do sobrad*
rador.
pliamacaaticoa de 8. A. L
prlaolpe NapoUto
Cura rpida de I
molestias seguentes:
to:se, catarrhs, pleu-
resa, coqueluche, an-
ginas, fortes constipa-
cGes, irritaces dos
bronchas e do peito,
brenchite,phtisicapul-
monar, astma, pitea-
monia,anginas,amyg-
dalites, tosse chronica,
rouquidc. Os mdicos recommendSo ao mesm
tempo o uso las ezcelleates pastiihas peito-
T9m oom o saooo d'alfac* e laureiro-
carejo, q K prepario no mesmo esubela-
nas pharmacias de Maurer e A.
A venda
Caors.
Lorapra-sc um prno
rmajera.
ca ra da erne n. 6,
Cumpra-oe um escravo^ na ra da Cfuz ou
rasro 6.
Compra-ys aoeds dv&aro: nli*"ra~Nova
D.-.23, loja.
Compram-e bois tnaeees para -%trro traiar Da leWs o Carioca o. i, caes do Miamos. I
O >r.ii)r*-si Boedas eaaosVc 'tinmea : na ra Mov n. S3,
E0iS
loja.
ssaMMal hhw
if*
Sacietiade porStgeza
segiPs iBataos
adoiiaistrada pele
sobre a;ti(fa, fuo laa e
r*''
BANCO ALL ANCA DO PORTO
Todo o pai que desejar acautelar o futuro de seus filos dev,e quasto antes,
azer oscrever os seus nomas na lista dos socios daPrevidente-por que, com urna
pequea quaatia que, todos osanaos para ah torapplicando, tirada do fructodas snas
ecoaotataf, no fim de 25 aaaos alcancar-Jhes-ha orna fortana, que por neuhum oatro
meio e coat5o pequeo desembolso podar obter..
________Os exemplos praticog de outras sociedades ao.aiogag tem mostrado que:
IF1.LIU DE OD. PREMIO DE 16,600 f:
auiNA
ELDUH rebrifago e FortificMte
upuiu .s tumi i ultra h mu.
Experimentada com pleno suceease nos
hospltaes, a quina Laroche (oo eatraeto
completo de quina) ama preparacao
eieepcional, por ser prirada do amargo
daquina. Adrada por eonseaninte as pessoas
as mais intolerantes e aos paladares os mais
delicad s, pois ten e moho doce nem multo
riscosa, sendo de ama limpidez constante.
niprcga-e om muito proreito dos casos
^gastralgia, dyrpepeia, nerralgia, ue
ma, snaratnxo, cachoxias, magreza
tastio tem aausaaiiparente, convaleicen-
Caf demoradas, cbloroie e eserophnlaa
E especifico das molestias lebris.
0UIM LAROCHE FURUGIOS
(snitii tedas u scsfriadalai de ferr si ttisi.
EMPARIZ,
"15, riie Drauot.
V. MAURER & C.
roa Nova n. 8.
VenrJe-?e
Bata c&Wq* ar ra d;i Pl.-irenr.a
r- 14-.: jjerp Dreiender ta?>a lirfir-sf a"f aella.
casa, pois ue tu,t,.frl. para quero preei.ar, el
todo e.-vidrajado, em ibu'o *ons arrio, Indo i
quasi novo.
VenSe.-se.oleo ?. TUto~vv~J^.3s~d^36Tihnf
D0LI.RAMENT0
Neste novo estabelecimento o respeitavel publico
f-Dcontrara sempre e por precos mdicos os se-
l-'uiotes artigos :
Grande sontmento de calcados nacioaaes de to-
tas as qnalidades.
Grande deposito de aviamentos para os mesmos
tamo naciuMfs como estrangelros.
Calcados fraocez, OKfez, hsrabnr^Bez, porlu-
I fCJ'j. para heoMoa, senhoras. meninos e meninas
'ti liquido em laus e em garrafa;.
'andieiros para o mesmo de difTereut- .s costos
.namiBes, globos, paWosetc, etc.. vulso--
.'erfumari3^ de toda-: as qaalidadeV o dos melho-
es fabricantes da Europa.
Oivr-rsas quiaqullhariay que s coa a vista oa-
ra vitar reltalas. v
N. B. O proprieurio desle novo esabeleciraento
^!>era a coadjuvag.io nao s de seus a-rigos e
f'^mexe? como do publico em geral, paraotindo
> a modlficacao uus pregos e sin^riiade nos
IPi OS.
uu'.r-nd'jve ^ntre olles
as casrarrillias com tito, ou.-a ti.va e d* goslo.
iCarteiras de algibeira com tesoura. pente e
mais necessarios para viagem
i Vendem-se na loja de miudezas a ra do Qaei
j mado o. 16.
Copes fingin'lo cabello.
Lisos e crespos, sngalos e comporto-, de gom i,
I canudos redondos, cebrtos com liiet simples
I de vidrinbos, ornados com. flores e Otas, obra obva
| e de gosto.
Para senhoras e mcBioas.
Laques 8nos de madreperola e osso, todo de san-
dalo e de sndalo c.m sJa, com finos e bonito?
. dest-tihos.
01ips de madreperola.
Bonitos puntes de madreperola mu alvo par
coques, lindas flveilas de dita dita pata cintos, de-
I hcados alnetes e brincos, botdes para pnaos, c-
|bra prima.
Aderecos, pentes e fivellas iguaes de dita, 6
brincos. Fivellas e lilas para cintos, cintos mal-
sados, ohra novissima e de gosto.
Mames de flore fluas.
Como geralrneote sabido, a loj da aguis bran-
ca o jardim d?s fiuas Aires arlifi<:iaes, e aim da
bom sorlimentq qu sempre se acha em dita loja a
aguia acaba de recber novas flores uas qr-aes se
cooliece o rigor d'arte imitando as Dores nawaes.
Na loja da agnia branca a roa do Queimado n. 8
acharao os apreciadores do bom edelicado ca:-. es
flores com corapridas ramaj, rosas, etc., todo do
melbor gosto e pritneira qualidade.
Setas pretas para padres.
A aguia branca a' ra do Queimado u. 8 re;e-
beu novo sortimento daquellas boas meias pr. tas
de laia que continnam a ser vendidas a 5O0J o
par.
Visporas e domines
A aguia branca a' ra do Queimado n. 8 rece-
ben novo sortimento de visporas em eaixas de ma-
deira e papelo Cum 24 e 36 cartoes, tendu caire
elles a'gnos cem cttapa de rh'tal para cobrir o ua-
mero ; assim como dminos em caixas de mad-.ira
branc.' e envernisada.
Kap Paulo Cordeiro.
A loja de miod^:?s a' roa do Q:;tiu;ado n. 5,
recebeu nova remessa de rap Paulo Cordeiro, e
continua a recebe-lo por todos os vapore?, p^ra
que os apreciadores aeb?m sempre boa pilada.
Botoes grandes
e pequeaos, prct s e de outras corts.
A guia branca receben um hnVu sortimenl ie
botes de diversas qoalidades e gostos os rr>a moderos, a elles boa freguezia da aguia branca,
comparegam a ra do Queimado d. I.
Me ios o de re eos dourados
Na loj de miudezas a rn.i do Queimado n. i6,
vendem-se bonitos melos aderecos doorado lino
obra: mni bem acabadas e do novsimos moides
gostos agradaveis e precos tao commovius que ne-
nhom ci-mprador objectara.
Amostras de obras dourad s
A aguia branca a ra d > Queimad-1 n, 8, rece-
ben urna pequea quat-ndade de m?ios adrrecos
dourados, obras de moldes inteiramente novos e
agradaveis, e acabado- com perfeigo e mesmi rs-
sim a aguia qoer vende-las baratamente para aca-
ba-las at o flm desla semana, por is>o os prelen-
dentes comparec m monides de dinheiro.
Espaitilbos.
A aguia branca, na ra do Qnoimado rt. 8, rtce
tieu nova remessa daquelles bons espartiihos, e
contina a vende-los baratamente como d'ar.tes.
Argolas de (^.raeha
para
loja d'agoia^ rQ do q,-
n. 8.
na
por pree>comiDodL
n. i, 2 autltr.
-na ra da C.-.deia do R cife <
I ; i
-------------
1 OtfJIUUU pitis aiiuuaimeule p.'deni pruduzir.
------------*
h
Puf um saio de :iia i i anoo
lelas acns-----
d 2a 3 ...-..
de 3.a i > .....
de i z 13 i .....
'Por ama pessoa de 13 a 20 annw ,..
de 20 a 30 ____,
de30,a40 .....
de 40 a so _____
Em 5 an-
nos.
1:1004
0005
860,4
8604
8604
8604
8604
8604
9004 3:00O4 7:5004
Quesa prteadjr subscrever para a Previdento 6 desege quaegqiwr esciarecimen-
Vi-
Etn OIEm
annos.
4:0004
3K)J04
:9004
4:8004
:7004
2:7004
annos,
9:i/004
7:5004
7:*004
7:1004
7:0004
7:0004
7:1004
20:OOf.'4
17:0004
i6:00(/4
15:6004
^18:5004
15:4004
15:60f-4
16;0j04
18:0005
47:000
. 37:0004
33:0004
34:0004
33:3004
33:3004
34:0004
37:0004
30:0004
0 regulamento do sello
oa o decreto n 271.? de 26 de miembro de 1880,
orgaoisadi-spriafttrfcaroente e aoootado peij se-
gando e?:rr(!r, mcp, Fr?w-*e.-i ^i;2t) traen de Kiij s ordeos pustoiir.?s ,-_-i mesmo
deoreio al i' .'iiuo de (Sl'tj.
E^e trl.lli,i isuelramente (flllerente dos nue
esi9Un,efir%rsot /acilna os meios de se oblar
v.' m rsptdcr. o< coafcecunentOb relativos a qual-
qoer assumfio cinceraente ao in-noeio <)> sello.
Freco da ascign.-.tora 2^.
Assigna-se as lojas: ov fivroa oas fnas do
Crespo o_s_ <> 9. do miierai >r oe. ^i ev79, da
Crui n. o ; rif.e fazenda.s do n. 30, do LivMmAnto n. II; na de romanzas da
roa da Cadea n. 7 na de chapeo di ra Direi-
la n. 32 e na ie ferragns da inesma ra u. 33 e
na typos'raphia Commereial $' roa e>treit2 rio-J>
sario D.-I2
l
^fiu^ctf pr-inarr efiecnn "*" Na instiiut.-i.) de Jeronyrno Pereira Of:
Villar ns ra larga do Rosario n. 2?, nao =
sA so ensimm ? materia*-qoi> con;ti-
tuem e uurso regalar de pnraeiras letras
como asdi-ci.olina--pr-oaratorias para a
f>coIta'fa de rtiren ; cujas aulas estarSo
abenas d>dia 7 do presente Janeiro por
diante, e serao regidas pelos mesmos
[frWE'ii
tima moltlll**Jacaranda' a L.iiz tV, uoja oTta
da aranrelio du.csmo liUio, en4 iit)ra mnito
tuno fsiLa, de' aficrad Iiob ^c*; ; raconl.:(;ii! so-
lieltz. IgarlMenta a veads plha anVreiiiada pa-
ra erupaicar, por aj or precs-40* ^cc outra qual-
quer parte ; na catis do C*rn o. if, loja de
mareeneiro.
Charutos da Bata,
Superiores.
H.vaneiros a.......40fl a caixa.
Mor de Ha vana......45000 ,
Vende se orna *?flrava de muito boas qna||.
dades. de dada d? 30 annat rea r ja da Soldade
n. 33.
Livros em branco deHam-
havg
Vendem- e
na librara si;.'-y:lcpeia dd I. B. d,- Meilo na roa
da ^-uz n. S2, Qmpreto Srtimenlo e por precas
moitn commoios. [
Vende-se a z da pasto da roa."da Lapa~n.
10, livre e desembarazada de qualsjptir ouus
qair.preteaie%'0 a mesma.
i-elicias
LyrJeos em meias caixas .
Americanos meias ditas. .
Suspiros Anos meias canas
!ega!ia-Ia:p(ral
3A500
35(100
5O00
^200
Hrasilefros ...'!..[ 34030
S-jepiros superiores .
Para acabar : na Liga,
ioOO
roa Nova 3.
60.
-
s
cento.
16,
sic-
5, VEi\DE*SE
J.Jtores americanos para dous cavallos.
nao dito para quatro ditos.
i8JlnhlinS^aratnescaroar a|8d0 d9 1*.
i, zu, dv, 3a e 40 serras.
Vencas para enfardar algodao farendo oa
r- n ll3ras' vmd8 o't'mamente da Ame
Pedro li n.2juntoao Gabinete Portnguez.
Tinta nova superior
fefSTfiflS g'rrVM : D0 fiSC"Ptorio de Anto-
Lat de OUve.ra Aievedo &' C, roa da Croz
Car-naval
Grande 9 variado soriimenio de oroMMntos de
rq?ta de todas as coras para bordar iiJtrios; a
ell"s, .Jfla porfso"pequen.), e o cirtva! esta'
i porta : a* ioja jraneeia da ra Nova 4. II.
POR JETADE DE 8E V.aLOfT'
Veudc-se urna rica armaco de amaj-ello eovi-
dracada e prcnria pdra qualqner negocio, e tam-
bem se aloga por auiiio oreco o armaziu dju^ie
jeJia fixig-e U;j i, Cii-m'o :. 9 : a traw na ni
do QaHmado 0. 7:
- Vende se um piano de um dos fabri-
cares mais ajamados: a tratar na roa da
Cruz n. 4.
_ Campos & Sobrinno, tem para vender em
porcao e a varejo : superior cal de Lisboa, or
menos preco do que em oatra qaa'qoer partp.vj.
ono do AltoDouro, especial para a estaco calmosa
por :r inteiramente poro, ovas do serlao moito
frf.-cas : a ra do fmneradnr n 9a iifrni a.
relai.o.
roa do Imperador o. 28, defronte da
OTA YORK.
DE >R CflEIRO E SABOR AGRADAVEIS
Infinitamente mais efficazes do que todos
os mais remedios perigosos enanseabundos
que existem para a eipulsao daslombrigas.
Nao causam dores e prodazem seu effeito
sem precisar logo depois de purgante ne-
nnum e toincilaotes em apparencia e deli-
ciosas em gosto, que astriancas estSo
promptasa tomar mais do que marca a re-
ceita.
Uteis como um excellente meio de fazer
remover as obstruegoes do ventre. mesme
ao caso de nao existirem verme aigum, as
PASTILHASVERMIFGAS DE KEMPS S50 promp-
las einfalliveisnasuaoperacao e por todos
os respeitos dignas deconfianca e approva-
C3o de todos os paes de familias. Prepa-
radas nicamente porLanman 4 d
Nova York.
0po sito geral em Pernamboco rna d
Groz n. em casa de A. Caros, J. da C
Bravo e P. Maurer & C.

Esteiras,pard forro de salas
Veude-e-a ua ra d Cre.-po u. 20 B.
tospie dirigir-se. em Pernamboco jws Srs. Manol JoaqfltrB Kfttm '(3 Silta; na do V
gario n II qu?4l""> tei: ^re^oientos cqp. je deeiarem e prospe-l? ?r3is,
queifi o peir. '
relio a 4tto uoto.
A' roa do Apoo o. .
Boi.
Vende-se um boi minee de carmes par preco
'W'pfesfteesl
- O abaixo assignado faz cente ios crede+s
de fallecido .otoo J .. Te-iieira para apreseota-
rem bs cont* documentadas no prago de 16' dia's,
naBia-vi ta. ruada Imperatrit n 46,h>!rjdo sem
effeito aljama coat oue poss- pparecer desde
"ft' dt em d !./;-Liii da Silva Ftfrreii,
mallo conmodo
indar.
r '!
es ra -s Imperatri n. 39, 3'
a

C peos o chile tinos e de abas targa, pelo
fcaraioUrf-eo aeima pY.f'estrfem com avarta : na,
praja da Independencia, ojas ns. 14 e r6v na de
n'.i_l-_____-------......_______________
Vend se
0olachli^a%em latas yequeaas novas mala bara-
to do que'em tmtr"a joal7uer parte, nara fecha-
meoto e oonta : em casa ;de Seutball Mellor 4 C dv/r
roa do Tom n.-g8. uZi
ftoluchinha de leite.
N ra da Seuzala velba 0. 9fi, padaria de An-
titiu Jos Pedro GoBcalves, tem bnlaeblnba de
leu* felta pelo verdadeiro fabricante o Sr. Guilher-
rae Parcel, qoe se vende em arroba e libra, a von-
la de dos ewnpradores".
Matheus Austln & 0.
Vt adera no seu armtzem roa da
lh n. 106 :
ltas com gaz de i* cpMlidade.
B rrieai com farinba de mllbo multo nova.
mntv com fare" novo p,r*acabar
BirrleoempTeos amerlcano.
r- Vend* w> om ^vriv? de fija tunoa
tradig'l AWmto o> *\\ AiscS.
pur .netos do qoe m outra utaoer parte, papel
slmacewM, untli-o como paott*| ^ priMin MMaJe, tm> oomTpVl aimeeo
<> Hribo erdadeiro : na roa de laffwlli n. I
rmode
na es-1 Serinhaem comarca do Rm> F*rmoso, por muito
do Sr. Imn de seu justo valor : qnem preteader com-
' 1*4',} dirija sea roa do Cresp; o. 19.
C4LC\uos mimos
venae-se a ra do Imperador n. 32
Borzegnins iBgiezes de ceoro de rupia' a 74500.
J)oi9Nntesa74500.
unos para sohora eufeiuoot a 61.
Ditos IIzm a 44.
Cite de coros a 300.
Ditos para a mesma a 4 .
Ditos de cores a #500.
Sapai5es inglezes a 34200.
tltos francezes a 44.
Ditos sola dotu-ada a 64.
Manteigajtngleza flor por 800 rs. a libra, oca,
9ttnala Ve- ru,os dtlicl praziveis a 14 a caizinba de 00 :
na ra da Imperatriz n. 6.______
LIVRO DO POVO
Z*S. POR
tatoolo Harqaea Rodrigues.
Orjrarecarnnsendada e approvada petos Ex ms.
atcetnsjos Jatila e blspo do Mar-nbSo, e adop-
tada nas^scolas primarias do Amazonas, Par-
MaWPb*oWnhy, Cear, Pirablba e Pernambn-
anA edlojlo com estampae e ntidamente Im
Bfesso- i mjsartonado. Preco 14
Venoe-se tVfiivrarta Econettica defroote do ar-
co de Santo A amonio.
?ende-se
nm escrava moca tnolto bonita Bora sem eC-.-
tos a sem achaque* ; a trar na Bca-Vttt di o
Sf. AMMio CarMfTO da Caoba.

t>
ILEGIVEL



JL
'iaamiimnB.-ir
a*


I
i,
larlc de Pcruauboeo uarla feira iS de Fe.erclro de l8t.
%


O ARMEZAM
UNIO MERC
53 RA DA CADEIA 53 -
PA$AWDO O ARCO DA COMCEMltO.
Acaba de receber e tem por bartissiraos precos
\
AItMAZ&$f BE Fi^\S)M
E
mi mm
DE
OLYMPIO GONCALVES ROSA
Ra do Livramento n. 14.
O propietario desta esUbeleeiroento faz sciente ao respeitavel publico e aos seus amigos
, fregueies, qoe tem augmentado a sua olflcina de alfaiate, e dirigida por um hbil mestre, se anear-
vo. de sen acostumado e muito completo sortioiQto reKadef"erMmp?!?^ honrar sea estabeie-
de gneros os se^uintes abaixo declarados.
Queijos de Minas.
'bogados pelo ultimo vapor a i #600 rs.
Gfomma de milho branco
americano.
MUSCATEL DE SETUBAL
o nmito excelle'te vinho muscatel por 204
a caixa de duzia e 2# a garrafa.
CHA
hysson de primeira qnalidade a 20800 rs.a
J" "V ,, libra, uxim o aue ha de maisfioo a 3# rs.,
^yt!?Tfti!ltf!llM alm destas ha muitas outras qualidades
"T*'. oTSi. A> SI SfTSL* I Proprias para vender a retalho, que se vende
oudavel a 6*0 rs. cada pacote de i libra. (K \A(J t* ,ibra
SALMAO E LAGOSTIN |de 1*UU "" a m rS'
thegado ltimamente em latas de.2 libras CHA PRETO
o mais especial que tena vindo a este mer-
cado a 2#500 rs. a libra.
l^tiOO rs. cada urna.
H0CDL1T
MACAS
rancez a 500 rs. o pacote, dito hespanhol Mfr.mnhMnara SOnaem caixas sortidas
STSmS*" qUe temVI amerCa* ^SSSSSS^SS^ rr
LATAS DE LINGUIQAS
com 6 libras ermeticamente fechada a
t50 j, e de barril a 640 rs. a libra.
VELAS PARA CARRO
m pacotes de 8 velas a 900 rs.
VINHO DORHENO
"'Madeiro a 2^1000 a garrafa.
BORDEAUX
las mais acreditadas marcas: S. Jnlien,
fiaut Brion. St. Emilioo e St. Esteph a 800
rt. a garrafa e 8#0fX> a duzia.
O EXCELLENTE E AFAMADO
COLLARES
engarrafado da bem conhecida casa de De-
lant 4C.aa 100000 rs. a duzia.
PORTO
iversas qualidades engarrafado, inclusive o
aais fino que ha n'este geaero por 800,
1,5000,10200, 10iOO e!05oO rs.a gar-
rafa.
OLD CHERRY
o mais superior do mercado a 10500 rs. a
farrafa e 150000 a duzia..
VINHO BRANCO
xeellente qualidade, de Lisboa, e proprio
para missa a 800 rs. a garrafa e 80000 rs. a
caixa de duzia.
VERMOUTH
superior qnalidade em caixas de 12 meias
garrafas por 120'JOO rs. e cada meia garra-
fa 10200 rs.
de
macarrao,
8 libras por40000 rs, palhan
etc., a 640 rs. a libra.
PREZNTOS
os verdadeiros de Lomgo a 640 rs. a libra 9
560 inteiro.
JALEIA DE MARMEELO
em latas a 800 rs.
MOLHO INGLEZ
diversas qualidades a 720 rs. o frasco.
MOSTvRDA INGLEZA
muito nova a 800 rs. o fiasco.
MOSTARDA FRANGEZA
a 640 reis o frasco.
ARENQUES
em [atas a 600 rs^ cada urna.
GARRAFAS
brancas para mesa superiores a 50 rs. e a
60 o par.
COPOS
diversas qualidadese tamanhos a 30 rsi, 40
50 e 64 a duzia.
CAPACHOS
decrese difiere ates tagRhoj .a>500 rs.
640 3 800 reis.
B ALVOS
diversos feitios epar*SMflpra$4esd$500 rs.
at20 rs; ditos grande proprio para roupa
de 30 a 50.
GAZ
ornis superior gaz liquido era latas grandes
com 5 galoespor preco de i 00 re.
cimento por precos mais baratos.
Assim como tem um completo sortimento de fazeodas finas (as rjuaes nao sendo coatome pro-
curar as lojas do Livramento) espera que seus amigos e freguezei e hourem com suas prasencas,
neis vende mais barato que nutro qaalquer.
RA DA CAMA-53
Por menos de 10. e 20, e 30 por -cento.
NO
n
ilffl
r
i
i Joaqun siiues des Santos
23 Largo do Terco 23.
O proprietario deste estabeleciment de seceos e molhados tendo de fazer urna via-
gem, est resolvido a vender por menos de 10 a 30 por cento a dinheiro; para isso tem
um grande a vaatajoso sortimento para os amigos do bom e barato, que a maior pane
deste, vnram pf>r conta, para o que faz nnuncio de alguns gneros, e a vista destes
regularo os outros mais.
dinheiro avista
Gaz americano a 8,800 a lata e a 380 rs. a garrafa.
Tou"nuo de Lisboa a 240 e 320 rs. a libra, e em barril ha grande abalimento.
Caf do Rio a 180 e 20 rs. a libra, eem arroba ha granle abalimento.
Curveja das mais bem acreditadas marcas a 5,ooo e .ooo rs. a duzia.
yinhu Figueira da melhor tmrca a 3,500 a caada, e 480 rs. a garrafa,
dem de Lisna a 2,70 e 2,8uO a caada, e a 360 e 400 rs. a garrafa.
Phosforos do gai a 2,003 rs. a groza, ea 180 rs. o maco.
Manteiga franceza uova, a 560 rs. a Hora, e em barnl a 520 rs. '
Id-jm idem maleza flor a l.ooo rs. e 8O0.rs. a libra.
Arroz pilado de In lia a tOO rs. a libra, e em arroba 3,400 rs. oua sacca.
Saba loassa a 220, 200 e 240 rs. a libra, em caixa > ha abatimeot>.
Papel marca martello a 5,500 rs. a resma e viado 4,ooo rs.
Vinho branco de Lisboa da melhor quaudade a 500 rs. a garrafa.
Banha di norco refinada a 5 0 rs. a lib a, e em purcao lera abalimento.
Alm desies gneros ha outros muitos que enfadonho mencionc-'.os
, O proprietario deste arinazem avisa aos seus freguezes que tem contss e letras ven-
cidas, o favor de as mandar pagar.
DE SEDA META.
. A' loja de tondas de Augusto Portn C.
11Ra do Queimado-r-l
A' loja de Augusto Porto dV C. chegaram as melhores basquinas de seda
pieta que se vendem por mdicos precos.
Vestidos de moia da 5res para bailes e partidas.
Ricos vestidos de Blond com manta e capella para npivas.
Costamos completos de casemira para haraens, zooia especial, sendo
as calcase palitotsda uHima moda.
Bonets depalha da Italia parasenhoras o chapeos da phantasia, para ho-
mens.
Enxovaes e vestidos bordados p^ra baptiaados de 100000 a 500000.
Camisas inglez^s para homem, peito, punhos ecolarinhos de liana supe-
rior.
Ricas saias de linho bordadas, baI5esf.espactilhos,.-meias.finas,lences
bordados, camisas, camisinhas, manguitos bordados, para senhoras.
Colxas de seda, e de 15a e seda para camas de noivas.
Cortinados bordados para camas o jaoellas.
Tapetes para sof, carne e piano e pannos para cobrir mesas.
Bramante, Brhantina Miciennes, ou cambraias i.de pafos, fazenda muito
bella para vestidos, silesias, bretanhas, e cambraias transparentes tapida e
de linho.
Moireantique branco e preto, sedas brancas, de cores e pFetas,. e gres-
denaple o)e todas as qualidades.
Brins de linho branco e de cores dos molbores.
Neste estabelecimento ha sempre so:timento~das melhores e mais baratas.
Esteiras da India j^ra jop araas
i iRna do <|ncIin;ido11
Vapores.
Vende-te em casa da Saaoders Brothers & C
oo largo do Corpo Saoto n. 11, Taporas patentes
com todo os perteBces proprlos para fazer mover
tres ou quatro macbmas para descarocar algodo.
POTASA Di RISSIA
Vende-se poiassa da Russia raoito superior e de
quaJidade .a roa'N firopriada para o fabrico de
assucar a pre? rasuavel, uo armaiem de Jos da
Silva Loyo 4 C.
Admirem os presos
i\o armaiem de lazetdas de Saitoi
Coelho.
Roa de Quemado n. I
Vende-se:
Madapolo enfestado fino a 9Ja pegj com 10
varas.
Ditos de 7J, 7*500, 85, 9, 10* e Uf a peca co
30 vara?.
Camhraia de li.-ta de duas cores para vestidos
800 rs. a vara.
Baloes de arcos para seohora a 25O0, 3 e3*508
Ditos de arcos encarnados de 3*900 e 4*.
Ditos de murgulioa a 4*800.
.1
Aos agricHores
Sannders Brothers & C. acabam de receber de _
Liverpool vapores de forca de 3 a 4 eaaallos com g,l* depreos para meninas de 1*600 e 2*.
lodos os pertftoces.e mol propnos para farer mo-! JS* df IDho, alcochoadas a 12* a duzia.
ver machinas de descaro^r algodao, podendo cada D ta* feliro (pello) a 13* dona,
vapor trabalnar ate com 140 serras, tambem ser-; Aioalhado adamascado de aleodio a 2* a vara.
vem para enfardar algodo on para oulro qnalqoer |""' d,l e M1ohif a 3 ai/v*ra-
LOJA DA FRAGATA -AMASIAS
DE
Monteiro Guimaraes.
_ s- 5 Koa do Queinitd n, S,
eosiam l nr^SfnT Se,ecimenl0 c,anan a aitencSo dasExmas. senhoras que
io apreciar alguna destes artigos de novi-iao ullimmjnte cbae-id pelo vapor 'ranee?
e que esoeram merecerao approvaco do bello sdxo
A Fragata acaba da receber novo sortimento de sedas d* cores Drela? e hran-
Loques de madriperola de 18 a 800000 um.
Lques de sndalo novos gostos.
Chapelinhas de seda e pnlha yara cok.
Chapeos de sol de seda para senhora.
Ricos cintos bel'a Helena (novo gsto)
Cortinad >s bordailos pira cama.
Corchas de seda para cama.
Cortes de blond para noivas.
B squines de seda bordados de 15 a 60^000
nalos seria eofed^.*"^ *""* 'W&> e Utr8S mul0S arli?0i menc'0"
i^-. o,c.',r0 Sim' us donos dLeste 07 eslblecimenl) se consideran graios, para com
?..? Sera ek3eahores- ue te' frecuentado seu estibslepimenio ecada vez
rnm L? nr^n" fi0mdeb8fll "^ a to^ ^ m\m hnnwi saifeM)l0*meato
tuin bas presencas. ,... ,

MACHINAS AMERICANAS
verdadelrasdd fabricante \'. V. Caattaogla & c.
s americanos para meer milho.
Na ra,Nova n. 20 e 22, grande deposito
das verdadeiras machinas americanas de todos
os fabricantes; se en;ontra neste deposito
grande porg5o de machinas, e se vendem por
menos preco do que em outra qualquer parte,
por se receber emdireitura da America; se
fornece todas as explicacSes necessarias ao
comprador para conservado das mesmas;
neste grande estabelecimento se encontra mui-
tos artigos americanos, que muito deve agra-
dar aos agricultores que asam de taes artigos,
encontra-se tambem todas as colleccoas de de-
senos sobre os quaes se.aceila qualquer urna
encommenda^ qu,(jpra pomptido ser ejecu-
tada ; neste grande .estabelecimento, encon-
tra-se em grosso e a retalho, grande porcSo
de erragens, e miudezas que se vendem por prego coajmodo, pedindo-se a altencSo
de todos para este estabelecimento que muito lacraro em fazer soas compras: na
ra Nova n. 20 Carneiro Vianna.

JK'


PREPARACES FERREAS-HAFGAHICAS
APPROVADAS PILA. AABEMIA M HtMCWA *
DE BURIN D/.BUISSON
raanactoib, Inmit pela Aufenia de Itdkiu de Para
BI.-JrJrJ.-JrJ
irPSSJETSIBJllfBTll
* *.5 So o
-
-,. e O)
2 = S'S
imnmi
E5-s.hleS9 -SZ.?
si-' Stf a a- 2. b
#!!f rf!
*fff
8 i?
r-it;r.i|i

0 emuiente professor Troussba, u iHima-dicio de sen Tratait dt Then-
pMim e^MaUr medica, reconhece qe es ferruginosos simples sao moilas
gW^MWiera enrar as molestia, qye teem por causa o empebreanente
t?0Z "U,t?S0,!dlCOSd0Sma,s d,sU'etos rtuem essem oeHtoausencia,
LS2 f ? 6es-'d0 "f0"^ W? s? al no sangtie,eomo o tem rewnbecid*
e chimiow os mais penlos sempre mtwamente unido eom o ferro.
sobre^SaX^^6'^
1
: 2
3
Pos ferreos, mangankos ?^*?!2!55im*5,,ene .?*. *nada,
t>NMi. Z aguaslineraesS^ff^' Sttb9UtUM Watt9
Pililis c Xarope de iodureto ferr tk mtmm mkrmh
Miarte cada una claco centigramostle dureta de ferr mancanico indioadas P
molestias Tyraphacas, escrefu4osas, as chanadas eaa-
Barcidarmeote as
cresa e tuberculosas.
Bracees de laetato de ferro e de ia&gauese \
Plalas de earbosate fem Buiganiw I
kamar eatu 4M.>reNn|M di o. ^ere. L.
*'win dn Bauwea eaejarto ebter a adkeeCo eonpleU do nubHoa mtAit,
raceHadas speaialmeale
ara a toraw, a ane-
Ma, a leucon-bea, a aae>
rnar esus vaa srepanoiea d os maJharea hados.
servico emque osara trabalhar eom aniraaes. Os
mesnios tambem tem a venda raaclnnas america-
nas de 33 a 40 serras : os pretndanles dirjan-
se ao largo do Corpo Santo n. il.
Eoja do Gallo Vigilante
RA DO CRESPO N. 7.
Grande e variado sortimeoto dos numero-
sos objectos de apurado gosto que ultima-
mente acaba de chegar para este bem co-
nhBcido estabelecimento, pois seu corres-
pondente em Pars o mais habilitado pa-
. ra 3 escolha de taes objectos, pois os com-
[pradores poder5o apreciar, como sejam lin-
'dissiaos enfeites de cabeca com cok de
cabello, e sem elle.
S no vigilante ra do Crespo n, 7.
Enfeites.
Roques com caixos e de novos penteia-
dos.
Trancas pretas e de cores, e de todas as
larguras, com vidrho e sem elle, para en-
feite de vestidos.
Bicos de seda com vidrilho e sem elle.
Gravatinhas de velludo para senboras.
Grvalas e mantinbas de seda para ho-
mem.
Grvalas brancas muito finas.
S no vigilante ra do Crespo n. 7.
voli'ilias para meninas.
Voltinhas para meninas.
Pulseiras para as mesmas.
Correntes para relogios fingindo cabello.
Riquissimos sintos, fivellas e fita-* para as
mesmas e de outras muit?s qualidades.
Riq'jissimos pentes de taataruga.
Fitas de velludo de todas as larguras.
Lindos enfeites para vestidos^ chamados
Cbrispianne Margante.
Riquissimas flores para vestidos e para
cabera.
Capellas com caixos flor de laranja, pro-
prias para noivas.
Meias de seda para senhoras.
Ditas para meninas.
Riquissimos chapeosinbos e touquinhas I
para meninos e meninas, meinhas e sapati-
nhos de seda para os mesmos.
Lindas sextinhas e bolcinh3S para bracos |
de meninas.
Meias pretas de laia.
Lindos aderecos o brincos.
Aderecos completos preprios para luto.
Lindos port jolas e port relogios de dif-
ferentes tamanhos proprioS' para um deli-
cado mimo.
Riquissimos livrinhos com capa de tarta-
ruga para missa.
Adereces de ftores.
Riquissimos aderecos completos, sendo:
voltas, polseiras, brincos, alfinetes, grampo
para cabemos; tudo i -to feito de todas as
flores de ultima moda em Paris.
Gravatinhas.
Tambem chegaram bonitas gravatinhas
com flores, e com alfinetes proprias para
meninas e senhoras.
Hesitas e brincos.
Riquissimos brincos e rosetas inteiramente
novidale e tudo de maito gosto.
Touquinhas.
Riquissimas touquinhas de linho e seda,
ponto de corx ricamente enfeitados e de
muito gosto.
Fita.
(Riquissimas fitas de chamalote, sendo: ver-
; de e amarello, tecido na mesma ta.
Agulhas de mai-flm.
Tambem chegaram as mui desejadas agu-
Ibas todas de marfim, para trabalhar em 13a
e sem corx.
Sextinhas.
Tambem chegaram bonitas sextinhas de
palha fina, proprias para meninas.
S no Vigilante ra do Crespo n. 7.
ISspelhos.
Riquissimos espelhos grandes e bonitas
molduras propnos para salas ou lojas assim
cumo outros de differentes tamanhos.
S no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Para os pais de familia:
Verdadeiros
Collares Royer
Electro Hagoelicos Anadinos
Ou Collares Anodinos, para facilitar a den-
tic5o das criangas contra as convulsoes
das mesmas, a estes collares nos escuzado
fazer qualquer recommendaclo, visto a
grande utilidade que lem produzido aquellos
pais que os tem applicado em taes circum-
stancias pois nos parece que n5o haver um
s pai ou mai que por este meio n5o quei-
I ra por termo a taes soffnmentos de seus
filhinhos visto -ser um mal que tanto os
flagelia, pois a estes collares acompanha um
folheto que ensina como se deve applicar, e
vende-se na loja do Gallo Vigilante, ra
do Crespo n. 7, pelo preco de 40OOO, 50^
e 60000.
Bramante de liobo com 10 palmos de largura
SOOavara.
Dito de dito de O l|i dilo a .'8*400.
Uito dito de S dito a i200.
Dito dito de 3 i|S dito a 800.
Algodo enfestado com 7 l|2 ditos a 1*400.
Retundes de fll preto a 7*.
Boornus de diio a 10*.
Chales de dito a 5*.
Cambraia adamascada para cortinado com 80 va-
ras a 13* a peca.
Lencos brancos de cambraia finos de 2*. 3*.
3*500 e 4* a dora.
LSaiinba com llores muito.fina a 400 o covado.
Dita lisa d.la a 480 o covado.
Cambraia de linbo fina de 6*500 a 9* a vara.
Cambraia lisa.mnito fina de 5*. 6*, 6*500. 7* a
8* a peca.
Colxas de fustao alcochoadas brancas e de corea a
Cobertas de chita da India de 3*i00 e 2*800.
Lences de h mburgn fine de 2*400 e 2*600.
Ditos de bramante de um s panno a 3*100.
Tarlatana de todas a cores a,000a vara.
Horeanliqne preto superior a 2*600 o covado.
Grosdenaple de dito a 1*800 o covado.
Fianella >e cores a 800 o covado.
Cambraia de salpicos branca com 8 ii2 varas pa-
ga 4*500.
Fil de linho liso fino a 800 a vara.
Dito dito com salpicos a 990 a dita.
Goardaoapos de linho para mesa a 3*609 a daiia.
Assim como tambem se encontra um completo
sortimento de roopa feiu e porinedida.
Francisco Jos Germann
[RA NOVA N. 21,
acaba de receber um lindo e magnifico or-
timento de oculos, lunetos, binculos, do ul-
timo e mais apurado gosto da Europa e oca
los de alcance para observares e para o
martimos.
PISTA XABOPE da A F ia ARABIi
BE nF,LA*r.HFATP.R
Sto m salea* Mltoraa* trfnnu ptloi praftaiant *
y Fcnlud di Uld a dt Prut*. iprH meUon in Hw-
plu di Pirii, o qwn e*rtlcarl iuu a. inrif
ndd Mkn u4m u atn* fhanm cmm ni ufa
Bcula Min M atuaa, ,<, HiMiilii t u
*! do piw d. im|aiU
RACAHODT DES RABES
Dale* alia a ni uprara* la Acaatata 4* Haaleiu a
ubalaea u aaaalu a,*a aAraa do
Paria. KUa ras
a>aa edei UtacUaM; (ihiIih u'crlincu i u pwlu
dahUluda*, alan alaao aa Tinada da ana proarladada aaa>
laattaa ka o aelkor pnaarralln daa Faaaaa aaaaraBa
trpaMH*.
Cada traaco a cada ealilaka daalaa prtrai;lai taad*
ttmrrt uUt a ir. Balaraatar, na KiekaUaa, M,
m ParU. (Faxar aartaaVa auaaaaa ctm aa falatlcacaaa.)
Bapoiliarlat ia Pwaaataaa: anta Baraara; Bar-
A venda as pbarmacias de P. Maorer *
C. A. Caors, em Pernambuco.
Poces
Grande soriimento de doces secos e erystalisa-
dos e em calda estrangeiros e nacionaes : no ar
maiem da Liea roa Nova n. 60.
NOvamente chegadas botas russianas e poroeira.-
da melhor qnalidade qoe temos visto : na loja do
vapor rna Nova n. 7.
Vende-sejuajpharmaciajde P. Maurer 4 C, ra Nova.

INJECCOe capsulas
LVEGET AES aoMATICO,
GR AT?LT? CiEr!'^Y.ACE 'JTCOC'mPARIS
Novo traUmento preparado com aa fotuu i
Mtuico, aore do Per, para a cura rpida e in-
fcllivel da Gonorrhea sea reccio algum da con-
traccie do canal on da iaflammacao dos intestina.
0 clebre doutor IUcorb, de Paria, ler Mnoneiatle,
desde asa appariclo, ao emprgo de qualquer
otro tratameato. Emprega-se a fnjete* aa
eomco de fluxo; a* capsula* em todos os caaos
chronioes e Inveterados, que resistirao aa prepav-
racoes do copaba, cataba eaiajecciss mmbtm
aaaianiea.
A venda as pharmaelas do P. Maorer &
C. e A. Caors, em ftaroamboco._________;
Batatas banitas
S J^.-'' nrmn do Jr. Ames defronte
da port* da-aWatidega.
olkare* Royer
ou
; Anodinos eiectro-magneticos contra as cot
vulsoes, e para facilitar a dentico da:
I enancas. A aguia-branca na ra do Qnei
mado n. 8 recebe-os por todos os vapo-
res francezes.
J estao tao conbecidos., e tanto sa tem espalbad-
a fama desses prodigiosos collares Royer, qoe se
torna desnecessario dizer mais algoma consa ea
abeno de seas boas e e efficazes ofieitos; basta r
' teslemunho de milhares de pessoas, qne tem viste
' e aproveUado o feliz resaltado desses tao oteb
quao necessarios cellares Royer. A qaotidiaaa
crescida extracgai, qoe vao tendo, ostra aini:
que numero dos prodicin se eleva como todo'
os compradores. A agnia-hjaoca, pytm, des*
ado conoorre> para am flm de tanto aprevaits
manto, tem Jeito os n^cessaries neiides, para qa
por todos os vapore& franeexe iba seja retaettidv
certa qaanlidade de. ai tos collares, para assim lo?
uar-se infallivel o sortimento delles, tH.JoJa Vi
oia-branca, ra do Qaeimado n. 8.
PHOSPHATOdeFERRO
[DE LERAS DOTOR EM!
INS PECTOR ni ACADEMIA DE PH\Z Etc
erraarin
cama o Phetphato de ferro de Leras; as snmmi-
arfee medicaes de maada nteiro adoptrasa-no
eom teOicitaae aesa ifnal nos annae* da scieatia.
As cores paUidas, dores de eetonaeo, dioeeHe*
penosas, anemia, cstwalescencias tUfieeis, idade
critica nos senhoras, irretulariAaie no tnms-
IruafMo, potrosa do sanoue, IvmphaHsmo, toe
curados rpidamente ou moohfioados por tete
exceilente composto. V o conservador por excel-
lencia da sande, e declarado superior vos hospi-
taes e pelas acadamas a todos os ferraginoset
coahecidoe, a iodoreto e ao curato de ferro,
porcrae o anico qne caareiB aoa estmagos de-
licados, qne alo provoca eoBStipaeio, saieo
tambem que Dio ennegreoe a bocea a 00 deataa.
Deposito as pbarmacias deP. Maure
C. e A. Cabrs. en Pernambuco.
Vinho do Porto superior om caixa de
mu i lozia.
Vende-se do escriptorio-de Antonio Luiz de
Oliveira Azevedo & C, no sea escriptono roa da
Cruz o. 1. _________
rival soi mmw
Roa do i|Heiiua!o u. 49, loja de
as.ludezas
DE
Jos Bigoutnno,
Continua a queimar tudo qoanto tem em sea es-
tabelecimento.
Pares desapato de t pete a 1580.
Dazis de peonas de ac mnito finas a 60 rs.
Caixas de lioha do gaz de 30aovellos a 600 rs.
dem de liohas do gaz de 40 rs. o novello a 700 rs.
dem de palitos de seguranca a 30 rs.
Lencos de cassa com barra a ttJO rs.
Daiia de facas e garfos de cabo preto a 3*600.
Masso de palitos llxado para dente a 120 e ISO rs.
Pecas de ntremelos muito finas a 500, 600. 800 e
14000.
Lutos das niissoes abreviadas a 1*300.
Carrafas de agua Florida verdidelra liOLO.
Babados do Porto de tods as larguras e lodos os
presos.
Sylabarlos eom eslampas para meninos a 3*0 rs.
Memento da roupa de lavar a 100 rs.
Novas canilbas para meninos a 160 rs.
Duzias de meias multo finas para senhnra a 4JJ50O.
Ditas brancas e cruas para homem a 3* e 3*800.
Agalhas fraocezas a balao (papel) a 60 rs.
Pares de sapatos de tranca e tapete a 1*300.
Pecas de fitas de la de todas as cores a 600 rs.
Grozas de botoes de porcelana prateados a 160 ra.
Caixas com alfineltes trancezes a 80 rs.
Caixas de 100 envelopes muito finos a 600 rs-
Pregos franeexes de todos os tamanhos (libra) SU
ris.
Resma de papel de peso branco liso a 2*.]
4 Frasco cora superior tinta a 100 rs.
Grosas de pbosphorcs de gaz a 2*000
Pares de botoes de ponlie maito bonitos 80 rs.
Linhas em cartao de 200 jardas a 100.
Caixa de superior linba do gaz com SO novellos
700 rs.
Caixas de pos de arroz maito fino a 800 rs.
Pulreiras de conta para meninas a 320 rs.
Taiheres para meninos a 240 rs.
Caixa com superiores iscas para charutos 'a 90 rs.
Masso com superiores grampos a 30 rs.
Grosas de peanas de ac maito finas a 320 rs.
Bonets para meninos a i*.
Pentes com costa de metal a 400 rs.
Capachos compridos e redondos a 00 rs.|
Caixas com superior papel amisade a 600 rs.
Realejos para meninos a 100 rs.
1)0 ES
Grande sortimento de doces, seceos, crysulisa -
dos e em ealda, estrangeiros e nacionaes : no ar-
masen da Ulga raa Nova n. 00.
Vende-se am sitio na rna
de Bem Oca com
casa para familia, moretee e algosa terreno ;
trata se na rus da Qusiatdo.o. 18 A, rom Car va-
Ibo & Bastos.
Papel pintado
O mais completo e variado sortimento de papel
para forro de sala e guarnieses, encontra-se a
venda na
Botica Ir llartholetneta 6 C
34-Rua larga do Rosario-34
EM S. JOS
Maoteiga ingleza perfeitamonte. boa i
580 rs, a libra e emporcj por menos, 00
ex-propiheta Cinco Poatas n. 86. esquina,da
nova traversa de S. Joao.
Vende se ama negra qoe sabe bem cozmhar
law, multo aadia : a tratar na rna do Ranael
o. 48. ~
V

i
er*H


-

I



triarlo de JPernaOibaco Qttarta tolva fia de Feverelvo de 1867.
f

'
>
>

. '
1
Iws do Dr. J. C. Ayer, ei-lento
da Uaiversidade 4e Ptnsylvania, eos
Estados-luidas.
Exlraeto coaaposto de salsa-par-
rllba de Ayer.
Peltoral de ce reja.
Remedio para sezes.
Plalas cathartlea.
0 deposito central para as provincias
Peraamboco, Alagoas, Parahyba e Rio-
Grande do Norte, das les remedios tSo fa-
voravelmente conbecidos e acolbidos em
todas as partes da America do Sul e do
Norte, acha-seem casa de Theod Chrla-
tlausen, 16 rna do Trapiche en
Pernambueo.
Os precos de
330 por duzia de estracto de salsa-parrliha.
27d por duzia de peitoral de cereja.
273 por duzia de remedio para sezoes.
74 por duzia de pillas catharticas
se entendern din he ir o vista, con
o descont de 5 por cento em quantidadei
de 6 a 12 duzias, e de 10 por cento em
quantidades superiores a 42 duzias.
J0M&*
Perfumaras novas.
A amiga toja de miudezas a ra do Queima i
B. 16, recebeu novo sortimento de perfumaras
sendo finos extractos e essencia concentrada, chei-
rosgradaVeis parlenlos, leos sorne, philoco-
me, e babosa para cabellos, banhas e cosmetiqaes
tambero para os cabellos, poz decoral e bygieoicos
para dentes, opUta ingleza e franceza para altos,
sabonetes em barras qu'adradas, outros em calxi-
nnas, e ootrs de bollas transparentes para mo, e!
outros moi finos em ealxlnhas de tooga para bar-
ba, agna da colonia de superior qualidade em fras-
cos de diversos tamaitos e pregos, agna ambreada
para banbar e refrescar o. ro.to, agua flo-tda ( da
verdadelra) tnico de Ketp, e moi as ontras per-
famarias que a vista da boa qualidade ecoramo-
didade de procos, o comprador nao objectara'.
Meia- pretas de la e de laia.
Para padres.
Vendem-se na toja de mlodezas a' ra do Quei
mado d. 16.
tara baptizados. .
Bonitos cbapeosinbos enfeitados, sapatinhos de
setim e merm, bordados' e enfeitados, meias de
seda, e Bod'escocia para ditos. Vesdeto-se na lo-
ja de miudesas a' ra dq Queimado n. 16.
Bicos e rendas das ilhas.
A loja de miudesas a' ra do Queimado n. 16,
PARA UZO INTERNO
PREPARADOS SiMPLBS,
XaropeMe jurubeba garrafa......... i4ooo
Vmhode l6oo
Pilulas de vidro......... I46oo
Tintura de 64o
Extracto hydralcoolico de jurubeba a," 12#5oo
PREPARADOS C0MP08T0S.
Vinbo de jurubeba ferruginoso garrafa. 20000
Xarope l$6oo
Pilulas vidro... 20ooo
Oleo de jurubeba vidros.... 64o
Pomada de pote...... 6io
Emplastro libra. .... 2$foo
PARA UZO EXTERNO
A JURUBEBA.
WKTAfiEJS
AO PUBLICO
EM
O
Rtfa da Iinperatriz n. 60
DB
4M4 I SILVA,
Os propietarios destarrando estabelecimenlo
tendo no anno prximo passadp venlido graude
parle de ioas fazondas como havira dnnunciado,
tero resolvido. continuar a veBder.ainda mab ba-
rato em virtnde do abatimento u,ue fizeram em
snas fazendas por occasia i do balango a que pro-
cedern! enj.31 de dezembro oJlimo^ porro para
poderem satisfacer e apresentar ao respitavel pu-
blico os seus numerosos freguezes tanto desta pra-
ga corro do malo um novo e variado sorlimenjij de
toda* as onahdades de fazendas, d. sde as mais
modestas at as de mais apurado luxo, nao se tem
ponpatfo na escplba ttoilA, limitando seo locros
apenas no desecnto, Continuara a dar fazendas
amostra, eom penhor, oo manda-las por seos ca-
xeiros em casa das Exmas. familias!.
Grande, peehincha
tres tastdes.
Lanzinhas a 300 reis.
Lanzinhas a 300 res.
Lanzinbas a 300 reis.
8a na loja do Pava.
Vndese um variado sor.timeo%das mais deli-
lanzinhas,,. tanto .coro,os Inafs primorosos
Baldes baratos
Vende o Pav5o.
Chegon um grande sortimento de balees de ar-
cos sendo americanos c.ue sao os tnelhores e ven-
dem-se pelo baratsimo prego de 22500, 34 t
34300; na loja do Pavio na roa da Imperatriz n.
60, de Gama & Silva.
JL 100 rs. para loto, Ten le o
Pavio.
Vestidiabos para meninas
Venden se elegantes vesiidiohos par8 menia
ue lsinba muito bem enfeitados peio baratisetON
prego de 2 800, ditos de gorgu.ao de seda a 34000-
na loja e armaiem do Pavao na ra da Imteratri;
n. 60. de Gaon & Silva
I Chales de merino
I Vendem se finissimos chales de merino lisos d
diversas cores, lendo as franjas de. teda a 4^000,
tendo com as franjas de 13 a 34300 rs., ditos s-
Vendem-ge lazinhas pretas proprias para loto, Umpados mnilo finos a 5J00, (JJOOO e 70iQ. -
pelo baratlssiroo prego de 100 rs. o covado : na, ts de crpon com listas de eda a 820(>0, dito
loja e armaiem do Pavo rna da Imperatrir n. 60, mais ordinarios para acabar a "JOO e 2500 : na
*e Gama & Silva. i 'ola e armaiem do P5o na roa da Imppratric
60, de Gama & Silva. *
cadas
gostos em matiz, como miudiohas de urna s cor,
sendo e>ta fazeoda! (a pura, e vende-se pelo .ba-.
ratissimo prego de 300 res o covado, por ter feuo.
grande pechietla na compra, se nao seriara para
moito mais diohei/io; iso na loja e armazenxdo
P^vao na roa da Imperatriz n. 60 de Gama &
Silva.
As sams do Pavo
peeliiucln a
liJOOO, 10280 e 10600.
Chegou ama grande, porgan de pe^as. de fazen-
da branca, proprias para saias, sendo de um |ado
' bordadas, com mnitas barras de pregas, tendo a
largura da fazenda, a aliara precisa, para urna
jia, podendo fazer-se com tres e meia vara, e
Crochs
Para cadeiras
Para so fas
Para camas
Para presentes.
Chegarara os mais ricos pannos bordados a cro-
ch proprios para encoslos de cadeiras qtie se
vendem a 2S0O e 3&. ditos para encasto de sof
a 65, ditos proprios para cobrir almofadas a
2550O e ditos para cobrir presentes a 2300 e :\$:
na loja do Pavo roa da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
Novos vestidos Poil de Ch-
vre a 16#00Q.
Na loja do pavo.
Cbegaram pelo vapor do dia 15 do corrente, os
a vara na loja de
& Silva.
Sedmhas de listas a 400 rs.
t e bo1nlUsse'J''has ^e lista* un prifgpan
lll^A fiS larRora 'i6"1 '' pelo baVB
Pav?n ni00 rS-, T'd- : '* e "" d'
Silva ra '"P"'''8 60 de Gama &
I Filos bordados a 800 rs.
Pav3o.
Vende se filos de linhobranco bordados proprio
: para vestidos pelo baratissimo prego de 800 rs..
vara : na loja e armazem do Pavao na ra da ir
peratriz n. 60 de Gama & Silva.
Pannos de Iinho.
I Vende-se superior pannos de llnbo proprio par
i longes, toalhas e seronlas etc., peles barallsslmoj
preg. s de 640, 700 e 800 rs. a va; a : bramante d
SSa"" 10 palmos de '"81" *#-00, 2^500 t
2#w a vara; um grande sortimento fe Hambnrgi.
mais tlpdos cortes de po de cbvre para vistidos, 00 Creguella? por baratos pregos : na leja e
sendo fazenda inteiramente nova no mercado, len- xem do Pavo na roa da Imperatriz 11 60 3e G
do esta fazenda bastante lastre com os mais deli- ma & Silva.
cados gostos tanto em Msiras como em flores solasJ Cambraias brancas de cordSo a 85S00
evendem-se pelo baratsimo, prego de 16,5000, Cnegaram as mais delicadas cS.hraiaf hrnW
tendo cada corte 18 covados, Islo na loja e arma- de cordao com delicadas llaMraosw^ntes -
Esta planta^ hoje reconbecida como o mais poderoso tnico, como um excel- Jendo' C..551?^ lV*:
, e a 14600 tendo. pregas e
bordados, isto s se vende na loja h armaiem do
Pavo, na ra da Imperatriz n. 60 de Gama &
Snlva.
lente desobstruente, e como tat applicada nos engotgitanelos do ligado e baco, as
recebeu novamente outrosortimenioade,a"ueiiesDbons ^epatites" propriamente ditas ou ainda complicadas com anawrchas, as inflammacoes
e bem conhecidos-bicos -e reudas das iihas, cuja subseqaentes as febres iniermiteutes ou duretas, nos abeessos internos, nos tumores es- A,
fortido, e seguranga de tecido, ihes da' immensa pecialmente do tero e abdomen, nos tumores glaudulosos, na anazareba, as bydrope- A iQOudOZiflnO a 4j$>500-
erruginosas, ? ainda de granda vantagem vendeja superiores pegas de aigodoztoho com
dorago e os differentes fias a que acertadamente
sao applieados fazera a grande procura, e prompta
zias, erysipellas; e associada a preparagoes ferruginc
extraccao como constantemente tem acontecido; as anemias, chloroses, faltas de menstruac5o, leucorrneias, desarranjos atnicos doesto-
assim pois concorrara os.pretendemos, que a vista mago, debiltdade orgnicas, e pobreza de sangue, etc.
da commodidade dos pregos nao obiectarao em l O que dizeziOS affirmain ai mais di-tiiictns mdicos desta cidade, entre OS quaes
comprar. 'podemos cita: os lllms. Srs, Ors. Silva Ramos, Aquino Fonseca, Sarmeo*ov Seve Pe-
(jraxa eCOnOllC. reiraldoCarmo, Firmo Xavier, Silva etc. Todos elles reconh cem a excellen'.ia d'este po-
Km caixiohas, latas e bsrri?, a' loja de miudsas deroso medicamento sobre os demais at hoje conbecidos para todos os casos sitados,
a' roa do Queimado a. 16, recebeo ovo sortimeu- tanto que todosos dias fazem d'elle applicaco.
to dessa boa graxa econmica. Apresentando aos mdicos e ao publico em geral diversos preparados da junt1-
Laa para bordar. ;beba, tivemos por fim generalisar mais o uso d'este vegetal, fazendo desapparecer a
rebenoTOlonimento i\'a!a dfbitS 11- repugnancia que at boje sentiam os doentes de usar dos preparados empricos d'elle. 0
18 jardas, sendo muito boa fazenda, pelo barato
prego de 4300, na loja e arroazem do Pavo, na
ra da Imoeratriz n. 60 de Gama & Silva.
Novidade
Em cambraias de cr.
. Chegcu para a loja do Pavo um grande sorti-
meuto das maiimoderofts cambraias com li.-tias
largas, |aotoaacomprido como alrave.ssadas com
as mais moderflss e mais delicadas cores; assim
como os-otMS modernos orgaodys de listas largas
com lindas flpres maliaadas pelos centros, que se
reCrcomoVmpVrve"drab7raTa^ qu tintam ainda a desva.jVlgem de Bao ^t'dempQr pregos moito raioaveis, na loja
' ser calculada a dose conveniente a applicar-se, o que torna muitas vezas improficoo um. Ga-ma ^ sy
'em do Pavo na roa fia Imperatriz n. 60 de
timento a contento do comprador.
Bonitas CaixinMs. .medicamento, que poderwproduzir ptimos resultados. Ricas vrstidOT ftrafteos.
De madeira com ofelias detraaos, e ontras de \ s nossos prepados s foram apreseotados depo de bavermos convenientemente I Cnegaram os mais nioderDOS corIe3 de flnjssj
metal tara guardar j-lias. Veodem-se na ra do estudado a jurubeba, fazendo as experiencias precisas para bam conheoer as.propnedades mas cambraias cor%as mais lindas- barras borda
Queimado loja de miudesas n. 16. i medicamentosas d'esta planta era suasraizes, folhas fructas ou bagas, e a dose cenveaien- j da=, sendo estes vestidos moito proprios para bai-
EufeitCs e gi-isaldas. ; ea app ica?ao, tendo almd'isto procurado levar os nossos preparados ao maiorgrode ^senca]o"eP,os' e veD^em-5e.pt PreCOS razoa-
Na loja de miudesas a' ra do Queimao o.*16,! tperfeico possivel, para o que nao poupamos esforcos, nao nos' importando o poueo lu- peratriz nJa60 de^Gaml & Sva' a ra da
mebntroa0deOSboanitrosC eniSs'oa^bailTs rtiaffe"; Cr0 ^ P?SaiBeS tirar a Camferaias IKaa do PavSo a 3^00,
^SSl^&^i^fXS^Sn i Por tanto os-que se dignaren recorrer aos nossos preparados podem ter a certeza] U(m^ MS00.
noivas, eaixos de flores oas para enfeitar os ves- de que elles offerecem a garanta, de que se pode encontrar a prompta e mfalbvel cura | Vende-se um grande sortimenio das melhores
tidos de ditas, e muites outros objectos, e tudo se de qualque dos soffnmentos, que deixamos innumerados, se forem em tempo applieados cambraias transparentes, teodo 8 varas e meia ca-
vende por pregos to rasoayeis que o comprador i teado alm dsso medico ou doente a vantagem de escolber as nossas variadas prepa- tlJffl'z.^Jj^10*-S?s de 3*s?0' ^f000'
vendem-se pelo baralissimo prego de 8500 a p*
ga : na leja e armazem do Pavao na ruada Imr-
ralrizjn. 60, de Gama & Silva.
Paulo r-reto a 2 000
Vende-se superior panno flno pfeto nglez, pro-
prio para caifas, palelots, e colleles, pelo birato
prego de ifi cada covado, dito muito cima a
24400, ditos mnilo superiores a i$, 4Jfl0, 54,
64 e 74, fioissimas casimiras pelas tanto lis-s
como de cordo, ditas enfesiadas .de cores proprias
para calcas, palelots e colletes, que se vendem mais
barato que em ootra qualqner parte : na loja o
armazem do pavo, na ra da Imperatriz o. 60. de
Gama & Silva.
Leacirhos bordados
A SOO, 640, 800 e 1$.
vende se um grande sortimento dos mais lindos
lencinhos bordados para mo, sendo a 500, 640,
80O e 15, e muito ricos a 1*600 cada om. Dunas
de ditos brancos lisos proprios para hornera a 2J,
30 e 40, lodo isto perhincba : na loja e arma-
zem do pavo, na ra da Imperatriz n. 10, de Ga-
ma & Silva.
Todos de fina cambraia e delicad s bordados.
Vendem-se na loja de miudesas a' ra do Queima-
do n. 16.
Plomas brancas e de cates.
Vendem-se na loja de mittdesas a' ra do Qoei- i
mado n.' 16.
Franjas
Com borlas e sem ellas, para cortinados, toalbas'
etc. Vendem-se na loja de miudesas a' ra do |moB preparios>,
Queimado n. 16.
Boas e bonitas fitas.
Lizas e lavradas, larga e estreitas; vendem se
na loja de miudesas a' ra do Queimado n. 16.
Bonitos enfeites para vestidos, y
A loja de miudesas a' ra do Queimado n. 16,
esta' reeenteraeote provida de mu bonitos eufeiies
para vestidos, sendo bicos de seda tanto branco
como preto?, de differentes larguras e com vidri-
Ihos, on sem elles.
Trangas e galoes de seda dos uIt tas coco vid nios, pretas e brancas e de differentes
larguras e gostos. Pitas de velludo pretas e de
cores, com lista as relas. E assim muitas ontras
eousas de moda e novidade, e todo por pregos to
commodos, que o comprador fica satisfeito e nao
objecta a comprar.
Bollas de borracha.
De diversos taraanbos para-brinqoedes. Ven-
dem-se na loja de miudesas a' rna do Queimado
n. 16. ___________
Vende-se vinho de Bordeaos em qnartolo?
barris e caixas: em casa de Tisset reres, roa jad
Trapiche n. 9.
Idas molestias, idade, sexo, ou ainda natureza de cada individuo.
de largura a 60OQ, 7,5090, 8*000 e 104000 ; ditas
As nossas preparares ferruginosas sao feitas de forma que se tornara completa- Victoria a 64000,74000 e 84000; ditas largas com
I mente soluveis nos suecos gstricos, porque procuramos os composto* de ferro que como 1 d0Ppr^c^%nTsUrvaaMlDare v*Td s ^ae 1*
IGS
Deposito geral de todos as preparadas
clica c drogara
34Ra larga do Rozario34
m m gaz
Chegon ao antigo deposito de earf Forster &
C, roa do Imperador, um carregamento de gaz de
primeira qoalidade,o qual se vende em partidas e
a retalbo por meos prego do que era outr qual
qner parte.______________________________
Rival sem segundo.
Roa do Queloiano n. 49.
Qier acabar cem as fazendas abaix
mencionadas.
SlQaeiram vir Ter o que bota e baratisaw.
bra de gomma de milho a 400 rs.
Toalhas de labynntbo com bico, fazenda boa 1
34500.
Carreteis de lioba eom 100 jardas a 30 rs.
Gravatas pretas e de coree muito floas a 500 rs.
Baralbos franceses multo finos a 200 e 320 rs.
Caixas de brelas de massa muito novas a 40 rs.
Eofladores para espartilho de cordo e fita a W
ris.
Carretais de lioba Alejandre com 400 jardas a 201
ris.
Resmas de papel almago muito bora a 24509.
Frasco de oleo babosa a 320 e 500 rs.
Ditos de dito higientqae verdadeiros a 14000.
Ditos dito falso a 800 rs.
Ditos de macagar parola a 200 rs.
Sabonetes multo finos a 00, 160, 200 e 320 rs.
Ditos de bolla muito Unos a 240 e 320 rs".
Caixas para rap eom booitas estampas a 100
Caixas de palitos a balo a 40 rs.
Miadas de lin'ua froxa para bordar a 20 rs.
Varas de cordo para espartilho a 20 rs.
Frascos com tinta rdta moito boa a 240 e 320 rt
Ditos de dita prela a melhor que ba a 320 rs.
Duzia de faccas para sobre-mesa a 44* I
Varas de franja branca larga a 200 rs.
Pentes volteados para resacar cabello de meninir
a 320. v
Frascos de atacaga' oleo muito Sao. a 120 rs.
Abotoadoras moito Haas para colleles a 500 rs.
Candes de liaba branca e de cores a 20 rs.
Libra de ara preta superior a 100 rs.
Cartas de alfloetes franceses com 14 pentes
120 rs.
Escoras par* fato, fazenda boa, a' 500 rs.
Cal de Lisboa,
Chegada no nltimo navio, mais barata que em
outra qaalqaer parte; no deposito da roa de Apol-
lo n. 8.
Cal nova de Llaiaoa.
Ifo armazem da rna de Apollo n. 8, por meaos
400 rs. do que era outra qualqner parte.
Ei
PREPARADA! FRI
estao hoje reconbecidos, I do a largura ; ditas para forro muito encorpadas
Para aquelles que mais minuciosamente queiram conhecer as propriedades da a 34200 a pega : na loja e armazem do Pavao na
jurubeba, e saberem a applicac5o de nossos preparados, destribuimos gratuitamente 1rQa Imperatriz n. 60, de Gama Silva.. _
em nosso deposito um folheto, onde tratamos mais extensamente d'esta planta e dos mes- Para cama de noivas vende o Pavo
Vendem-se ricos cortinados bordados e adamas
cados proprios para camas e jaoellas pelos baratos
pregos de 84, 104000. 16, 20000 234000 ; su
perior damasco de la enfeitado a imitagao de seda
proprio para colenas a 24500 o Corado ; rieas col-
chas de croch pelo baratissimo prego de 104000 e
I24OOO: isto na I ja e armazem do Pavo na ra
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Grande pecbincha em chitas.
Vende se om grande sortimento d? ciiit.i* escu
ras e alegres francezas peles baratos pregos de 320,
360 e 400 rs., sendo eom os padrdes mais bonitos
qne tem viudo ao mercado com listas e flores etc..
etc.; garantindo-se serem cores Ochas : na loja e
armazem do Pavao na ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
As sais do Pavao
Vendem-se ricas satas bordadas eom 4 pannos
; pelos barassjmos pregas de 64000 e 74000. assim
: coao fazenda em pega com pregas proprias para o
i mesmo fim a 1$200 a vara : na loja e armazem do
i Pavo na rna da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Sedas oras
Cbegaram as mais madernas sedas eom listra
para vestidos, sendo com as cores mais moderna;
, qne tem vindo ao mercado, assim como grosdena-
(ies de differentes cores como sejam cOr de rosa.
azni, rxa, cor de caf, cor de lirio etc, etc. t
vendem-se por prego moito em corita na loja
armazem do Pavio na rna da Imperatriz n. 60, dt
Gama & Silva.
Crinolinas a 30500, 40000 e 40500.
Cbegaram para a loja do Pavo as mais moder-
nas crinolinas ou baldes verdaderamente ameri-
canos, qne sao os mais bem armados e mais leves
que tem vindo, sendo com o formato mais moder-
no qne actualmente se nsa e vendem-se pelos ser
guintes pregos: sendo com 20 arcos por 34500,
ditos com 25 arcos por 44000, ditos com 35 reos
a 44500: isto s na loja e armazem do Pavao na
roa da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Sedas largas na toja do Pavao.
Cbegaram as mais bonitas sedas de cores com 4
palmos de largura, sendo com as cores e desenbas
mais brilbantes qoe tem vindo, facilitando fazer-se
nm vestido com poneos covados em attengo a lar-
gura, e vende-se pelo barato preg ode 24000 o co-
vado : na loja e^rmazem do Pavo na roa da Im
pe."triz n. 60 de Gama & Silva.
ao
lad polo
Vendem-se pegas de madapolo moito fino eom
12 jardas a 39*00, 3j>j00 e 44, ditas eom 24 jardas
a 6, 74 e 84, ditas muito superiores a 94, ditas
de 40 jardas,a 560 e 640 rs. a jarda, ditos franee-
zes de lodos os preges e qualidads, pegas de algo-
dozinbo com 18 jardas a 44000, dit. s com 20
jardas e muilo encorpado-a 54500, 64, 63400 e
74- Algodozinho enfestado liso vara a 14, dito
trangado vara 14280, indo isto pechiuctn para
apurar dinbeiro : na loja e armazem do pavo, na
ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
encat.
Vndese nm escravo de 20 ann^s perfeilo
nhelro, na roa do Alecrim casa onde morou
Pcixoto.
cosi-
0 Sr.
Escrayos fgidos
Contina ausente desde odia 23 de agosto
de 1866 o uiulatinbo Raymundo. de 15 annos de
idade pooco mah on menos, corpo regular, ps
pequeos, cabellos castanhos, dent-s alvos e p-
fenos, cora o dedo prximo ao pollegar cicatrizado
de sorte que nem Ihe resta a onha : roga se as au-
toridades policiaes e capites de campo a sua
apprebeGj pelo que recebtrao paga geuercsa em
casa de seo senher na ra do Imperador o. 32.
1001000
POR
AUttlJSTE CAORS
Pharmacentico pela escola de Pars e successor nesta cidade


OE
Aristide Saiss^t e J. Soum
22.-----Ra da Cruz-----22.
Tratamento puramente vegetal sem mercurio, iodo, ouro, nem outro qualqner
mineral.
Verdadeiro puriGcador do sangue sem azougue.
Especial para a cura de todas as molestias que tem sua origem na impureza do
sangue, como sejam as molestias boubaticas, sypbililicas, escropLulosas, darthrosas, quer
venham ellas por bereditariedade, quer sejam adqueridas pelo contacto com pessoas in-
feccionadas dos diversos virus que contaminam o sangue e os humores.
A carota um remedio prodigioso, usado desde remotas eras pelos indios
do Brasil, e passando seu uso de gerago em geraco, hoje um dos remedios mais co-
nbecidos como proprio para combater as molestias mais hediondas, entrando ne;se nume-
ro a morpba ou elephantiases, para cujo curativo os nossos sertanejos consideram a
caroba como remedio especifico.
Amuito U,mpo eotrou a caroba nos formularios como preparado magistral
sob a forma de eleictuario, ainda hoje leoabrado as pharmacopas com o nome de seu
celebre autor Joao Alvos Carueiro: nao ella portanto remedio novo nem desconhecido.
O ungento d,e caroba da mesma sorte preconisado desde tempos mmemo-
riaes como o mais apropriado para o curativo das boubas e ulceras sypbiliticas srdidas,
e eipregado com proveito depois de improficua applicacSo de muitos outros agentes
therapeuticos enrgicos e de uso quotidiano.
Muitos dos nossos mdicos de considerado e entre elles o muito distincto pratico
e observador o Sr. Dr. Pedro d'Atnayde Lobo Moscoso, tem confirmado por meio de ex-
periencias repetidas, o que diz a fama das benficas propriedades da caroba
Oschales do pavao a 2eoo e 25o rs,
Vendem-se cuales de merino estampados 24
a 24500 cada um.
Ditos de merm liso a 34500.
Ditos estampados de crepon a 64, 74. e 84000.
Ditos pretos bordados com franja de seda a 144.
Na loja e armazem do Pavo na roa da Impera-
triz n. 60 de Gama,& Silva.
no trata-
ment das bo'obas, das diversas formas sob que a syphilis se apresenta e muito especial- ^nJ^hrancoTa'SM, 30000 e 40000
mente as que teem sua sede na pelle, e poderiamos relatar alguna casos de data muito 1 vndese um bonitosortiroento.delengos decam-
moderna observados pelo mesmo Sr. Dr. Mscozo em que a caroba produeio admipavois | braia branca lisos pelos baratsimos pregos de 24,
efleitos, depois de inuteis e prolongadas applicaces de salsaparrilha, mecurio, iodo, our. 34000 e 44000 a doa 1 na leja armazem do
ro e seos preparados, etc., etc. in o na m da Imneraim d. 60, de Gama ,A
Nao era possivel qne urna planta tSo notavel por suas inappreciayeis virtudes s-' casaaajnho cu vsquinas na loia do Parao
\ nnrcni/>qiio a ncnclinaPno Ane tnit ohalioadnc nralicAi anrnnOAO fino O on. ... -. .. u*.*
a 230000, 3'0O(JO e 350000.
Chegaram os mais ricos on modernos casaqui-
capasse a perspicacia e investigarles dos mais abalisados praticos europeos,, que se ap-
plicam com especialldade ao estudo e tratamento das molestias syphiliticas e herpeiicas
e para prova abi esli os Srs. Drs. Casenavo, Schurfer, Ricord e outros dando as mais nhos7n""vasqninas"de grosdinapies preto ricamente
lisongeiras informaces sobre as propriedades curativas da caroba e pieconisaodo-i como \ enfeiudos, sendo dos feiios mais modernos e ele-
remedio poderossimo para o tratamento das erupcoes cutneas, seccas ou sapparatifai, ^Z^SSSSl^*3^J^m^
darthros de todas a qualidade, ec emas, nlceras de diverras naturezas, tumores, ossoo8,oja e armazem do Pavo na ra da Imperatriz n.eo,
e ontras muitas molestias de natureza syphi i tica ou boubatica.
Por ter-se generalisado muito o uso da ensnela da earoba que en pro-
paro e pelas instancias de varios mdicos que desejam continuar em suas observacbes,
deliberei-me a ter prompta urna qaantidade da mesma essencia, obtida sem a aecSo do
ogo, para n3o prejudicar as propriedades medicamentosas; e d'ora em diante encoo-
trar-se-ba na minba pharmacia sempre e em porco sufficiente para todos os pedidos a
ESSENCIA CONCENTRADA De CAROBA, e o ungento da mesma plenta para que nun-
ca fallem aos Srs. mdicos que qoizerem esperimentar tSo precioBO agente medicinal.
Reci'fe de Parnaraboco, 17 de outubro de 1866.
Auguste Caohs.
Ra da Cruz n. 22,
de Gama 5 Silva.
Para bailes a 350000.
Cbegaram.os mais ricos cortes do vestidos de fil
branco primorosamente bordados e enfeitados de
cor, sendo tambero, proprios para casSmentos e
vendem-se petos baratos- pregos de 354000 onica-
01601^ ; na leja e armaiem do Pavao na ra da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Alpaca* Usas
Chegon o mais lindo sortimento de alpacas de
nroa s cor, proprias para vestidos, e vendm-se
por pregos m conia : na loja e armazem do Pa-
vo, rna da Imperairii n. 60, de Gama & Silva.
Fogio no dia 20 de Janeiro p. do engenho Can-
to bscuro freguezia da E-cada o escravo prno de
nome Rufino, i.ade 20a 23 annos, com bugo de
barba, seco do corpo, estatura regular, tem um
defeito em om brago por ter quebrado un peque-
no, cabellos om pooco sollo e est bem rente, esle
escravo soppde-se ter seguido para o Rscife onde
tem raai que velo com elle ba pooco de Pajt- de
Flores d'onde elle natural : portanto roga-se as
autoridades policiaes desse lugar e dessa praga a
apreheoso de dito escravo que sero gratificados
com a quaolia cima, podendo ser eutregoe ao Sr.
Francisco Antonio de Brito nessa capital ra do
Cabuga ou no engenho cima.
zem do pavao na ra da Imperatriz n. 60, de Gama
& Silva,.
Para senhoras
Casaquinta* a 20000
Vemlem-se as mais modernas $asaqtiinhas on
basquinas de seda preta, muito bm enfeitadas, as
mais modernas que tem vindo ao mercado e pelo
baratissimo prego de 204 cada urna na loja e ar-
mazem do.Pavao roa da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
Os esparlilhos do PavjQ.
Vendem-se urna grande e variado sortimento de
espartilbos dos mais bem feitos qoe tem 'vindo ao
meroado, sendo de todos os tamanbos, vendendo-se
por nm prego muito razoavel : islo na toja do Pa-
vao najna da Imperatriz t>. 60, de Gama & Silva.
Grande pcchlocha em toalhas
para mSo.
Vendem-se superiores toalhas de Iinho proprias
para mao pelo baratissimo prego de 360 rs.. ditas
a 640 rs ditas a imitagao das felpudas a 800 rs.,
ditas fe pudas a 14 : pecbincba na loja e arma-
sen) do Pavo na rna da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
Cbales de renda e retondas
Vende se um grande sortimento de chales de
renda e retondas, sendo as mais modernas que lera
vindo ?o mercado e vendem-se mais barato qne
em outra qualquer parte ; isto na loja e armazem
do Pavio na rna da fmperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Cortes a 35000 s o Pavao
Vendem-se os n ais lindos cortes de cassas de
cores com os desenbos mais modernos vindo cada
om em seu papel e garanlindose terem 7 varas ca-
da uro peto haratissimo prego de 32000 ; na loja e
armazem do Pavao na ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Lencos bordados a I 000 e 10600 na loja do
Pavo. ,
Vende-se bonitos lencinhos bordados para ao
pelos baratsimos pregos de 14000 e 14600 cada
um ; toja e armazem do Pavo na ra da Impera-
triz n. 60, de Gama & Silva.
Algodaonnbo infestado
Ven'e-se superior algoda^ziobo enfestado, muito
encorpado, pryprio para leoges. por ler 8 palmos
de largara, pelo baratissimo prego de l40O0 a
vara.
Dito eom a mesma largura, sendo trangado e
moito encorpado, a 1280 1 vara, assim como pe-
gas de dito de urna largura s, com 18 jardas, a
44, grande pechincba : na loja e armazem do
pavo, na roa da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Bramantes
Vem'e-se soperior bramante de linbo cora 10
palmos de largura, proprio para lenges, pelos ba-
ratissimis pregos de 24500 e 24800 vara ; su-
perior panBo de linbo com 4 palmos de largor,
sendo proprio para lenges, toalbas c e eroul?s,
pelos baratos pregos de 640,700, 730 e 800 rs. a
vara, e um grande sortimeoto de Hamburgo de to-
dos os pregos e qualidads, qoe se vendem por
pregos tasoaveis : na loja e armazem do pavo,
na ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Chitas pretas
Vendem-se superiores chitas pretas inglezas com
salpicos e (tomabas brancas pelo barato prego de
200 rs. o covado 00 a 74500 a pega, teodo 38 co-
vados ; ditas lisas a 160 rs. o covaao ou a pega por
640OO, teodo 38 covados ; ditas fraocezas larga-
muito boa fazeoda a 310, 360 e 400 rs. o covado ;
cassas pretas mono finas a 360 rs. a vara ; ditas
moito superiores com raroagens a 800 rs. a vara ;
lazrabas pretas lisas de todas as qualidads que -
vendem per pregos razoaveis : na loja e armazem
do pavao, na ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Brioi parda a 720 ris
Vende-se superior brim pardo trangado de Iinho,
sen lelots, pelo barato prego de 720 rs. a vara, assim
como muito soperior para 900, 14 e (4100 a vara ;
dito branco de Iinho trangado a 14200, 14400 e
15600, e muito superior a 24 a vara : na toja e
armazem do pavo, na ra da Imperatriz d. 60, de
Gama & Silva.
Casaquinasa 16$000
Vendem-se os mais modernos casaqalohos on
basquinas de grosdenaple, proprios para senhoras,
sendo ricamente enfeitados, pelos baratos pregos
de 164, 204, 234 e 304, assim eomo ditos de ren-
da ou gnipure, o mais novo que tem vindo ao mer-
cado, pelo barato prego de 204, pecbincba : na
toja e armazem do pavao, na rna da Imperatriz n.
60, de Gama & Silva.
Piinhos com gollinhas a 1$ e 1,s280
Vende-se nma grande qoantidade dos mais mo-
dernos ponbos com gollinbas, sendo bordados e
lisos e de cores, pelo barato prego de' 14 e (4280
sendo esta fazeoda por menos de roeiade do qoe se
vende ero ootra qualquer parte, islo pecbiocba :
na loja e armazem do oavo, na roa da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
Babadiahas
Chegcu para a loja do pavo nm grande sorti-
meoto dos mais delicados babadinbos coro tiras
bordadas, sendo tapados e transparentes, com os
mais delicados desenbos, e vendem-se por pregos
mnito baratos.: na loja e armazem do pavao, na
ra da Imoeratriz p. 60, de Gama & Silva.
Cassasfrancezas
Vendem-s as mais bonitas cassas francezas para
vestidos pelos baratsimos pregos de 240, 280 e
320 rs. o covado, assim como bonito organdy coro
asseoto branco e palmas coro listad de cures, pelo
baratissimo prego de 300 rs. o covado bu a 300 rs.
a vara : n loja e armazem do pavio, na roa da
Imperatriz b. 60, de Gama & Silva.
Cassas granadinas
Cbegaram as mais bonitas cassas francezas com
listas largas tanto ao compndo comp enviasadas.
sendo os padroes mais bonitos qoe tem vindo ao
me'cado. e vendem-se a 800 rs. a vara : na toja e
armazem do p.vo, na rna da Imperatriz o. 60, de
Gama & Silva. .
0rgan4y bravo.
Vende-se o mais fino orgaDdy branco com pa
droes mindinbos proprio para vestidos, pelo barato
prego de 14 a vara, assim como pegas de dito
com 8 i/2 varas a 94, fioisslmas pegas de cam-
braia branca da Escossia coro 9 varas, tenia 5
palmos de largura, a 74, 84, 104 e 124, a??im
como ontras moito mais baratas : n toja e rma-
zem dopmo. na roa, da Imperatriz n. 60, de Ga- ,*" co"S,'Ts oY menos de 30 annos, moito
ma& Silva/.:/ rte0Dn^.tm 0 aDdar apressado. fui escrava da
Alpacas 4* CMS EiZ. Sra. I>- Mara Candida Salasar da Ve.ga
na roa do Hospicio, esta fgida
anoo prximo passado; eons-
Amaro, ou Soledade. Descon-
bem s de broa eOr porm lavradas a 800-rs., di- fl-se a"o"e"steja come.ama forra em algoma casa
tas brbaites com os mais lindos desrabo Wto onde poo.sala: roga-se pessoa em cuja casa
miodosJXMno graudos, a- 400 a,. poit cbvre oo estja, ou a qoem delia ver noticia de se en en-
laaz.nbSansErente coraTsS de ea"endo o der rata o senhor da mesma escrava Sebasttoo Jos
padrip ihSls moerno qrJetem vtodo ai re* a Gomes Peona Jnior na Capnnga a ra da \ ra-
ta na fiovadn armimTjavito, SX'JSSR >J' Gama & Silva. Port'
No dia 25 de Janeiro prximo passado aosentoo-
se da casa de seo senhor o escravo Martinho, de
idade 12 annos, pooco mais ou menos, pardo claro,
lavou camisa dealgodo azul e caiga de estopa.
Este pardiobo a primeira vsz que fjge, por isso
presome-se que ande nesia cidade e seus subur-
bios, mesmo porque orna pessoa que ba dias veto
de Bebenbe, diz te-lo visto no caminho. Fcil-
mente pdde serconhecido porque quando anda
tem o defeito de metter os ps para dentro qusm
o pegar queira leva-lo a' casa de Francisco Antu-
nes Ferreira, em Sanio Amaro, ao a iu taueiio
publico, ou a' loja dos Sr?. Casco & Pootual, na
ra do Cabuga', que se gratificara'.
Fogionanoite.dp dia 30 de Janeiro prximo
passado a escrava Agostioha, crioola, idade 38 a
40 annos, estainra regular, cabeca nm pooco cha-
ta, urna marca, de panno de nm lado, do qneixo,
falla bem e desembargada ; fol escrava do ti-
nado Jacintbo da Sapocaia, e consta ter nma Slna
casada em Paolisla : roga-se a qoem a pegar de
leva-la a seu senhor Francisco Severino da Costa,
primeira casa terrea lepois da doc do Sr. barao
do Livrameoto, em Fora de Portas.
Fukio do engenho Mugambique da freguezia
de S. L .'Urengo da Malta b escravo de nome Do-
mingos com os siRnaes segurles: representa ter
24 annos de idade, cor fnla, bem feilo de ps e
prnas, tem em nm dos bragos nma cicatriz de
urna queimadura qne soffreo em pequeo ; pres-
me se que elle esteja em Garanbuos vi-to ter vin-
do deste lugar qnando aqoi nesta praga foi vendi-
do, e portanto se roga a todas as autoridades poli-
ciaes e capites de campo o prendam e o levem ao
referido engeobo a seo senhor o Sr. Antonio G m-
calves da Suva, oo nesta praga em casa do Sr. Dr.
Pitanga no aterro da Boa-vista, qoe sero genero-
samente recompensados.
Na tarde do do ti do corrente desaparecen da
roa do Queimado o crioolo Caaemiro, de cor fnla,
idade 16 annos; tero nma cicatriz, no roste lado
esqoerdo, bastante eheio d > corno, ar slmplorio e
sempre risonbo, muito amigo de gaohar na rna
pelo que se soppde ler sido sedosKto ; levon visli-
do caiga de brim pardo, camisa de roadapolio,
jaqoelao. de riscadinbo de cuita. Veto do Cariry
perto da villa do Jardim.
Roga se as autoridades e mais pessoas qoe o
possao encontrar, o favor de o mandar entregar
a Antonio Pereira.de Carvalbo Goiroares, na roa
do Queimado n. 18 A, qoe pagara' SOJOOO.
Atten^oir
Acha-se fogida a escrava VrcMrln, crioola, de
mais
I
'
i


Mmbhh
ario de Pervaiubuco Ruarla Telia 13 de Fercrlro de 186

I
I
i

JURISPRUDENCIA
tencia pelos praiiis e canonistas, preeipi polo o Dr. juiz de fora, presidente, vereadores e
conde de ir>K em ,!1S exc-Mieaie obrs de d.reit procurador drsenado da cmara d'este
torna,
D,tmo c
jo:z manicio,
-, dim aatos cu aegao entre a irmaniaJe e
. ... Seubor da Soledade eadu :
di. collegio:
Vistos (sltsauKb, traque a ir manda de d>
templo dos Jesoi
i M'Mtastco segundo volante ; este Juizo nao lem
jurisdfrcao para ferir a parle principal
concelao e duquado de Lafoes, etc.
: portante da noncgao emu'nada, orJeaVaj i in- Fazernos saber que o regiment do offi-
gm d ama para ooira gr ja para o mmo flr, Primeramente levarn por uns sapatos
fn C!' s7en,e Jo hornera ae da* solas com salto ordina-
o poder cclestasMeo cabe so|iBrinleoder ordeoan- ^ U1UIUI1
do ein vista das lela de dreocia e conveniencia '. r^#
reccniraeoJadas deaid oa Por uns sapatos de bezerro oa cordavao
dVqoele modo ljui oa -:n e anda a^st ponto de oito a dez pontos de tres solas, 500 rs.
Apezar da separacao decretada pelos
tribunaes, o d#utor Otr9!o-,];topdJ. o outro
dia com o sen i-ancor e toi visitar a sua
Desderoona, a qual e ic ,)n tete a tete
com um sugeito de sua amis-ade.
Morte e singue gritou o mirido
dfigin lorse ab sugeito que fazi inhia
a sua esposa. Retire-se inmediatamente,
"d'aqui ou quebro-lbe algama cousa.
A dama, apoiaia $ decido dos ti.ibu-
-----,-- ---- -- r----- ------ -.---,----------------------.. wv.111.1, %M\JV13. ui-.uu, [i"UJa (XI UOUI-UJ UU3 H.IUU"
E'IJE "'"'T' Ede uns sapatos dequatro ou cinco pon-^aes que a haviam .cebrado doosso do seu
coin o i-airtraonlo para i:r asjonsdic- tn. ofiA I _. j -
a posse do p!r.,.uBl3,coostamW de folbas^ -i'* OsSO, coovtdou este a retirar-se.
a foilias, requer c,;:m a irmaudiJ? da Soledade wociliam qoaodo seo escede os limites das at- | E de UQS saPatos de menino de uma SOl-
KoiiQjaoao coramiDM .i de desjb e fus-j ribuitOe respectiva?, a saber jnsdieco lempo- 'a at sete aanos, 160 rs.
ponso para entreg; om coutiaunk< de urna ima-Mal Quantu aos beas e capacidade, e pessoa civil! E de uns sapatOS de uma sola S com
Noasa. seuriar da Paz, ai venerada ha c ii--eo espiritual ou eccie- soleta de vacca ou de bezerro com seu sal-
to ordinario, 480 rs.
De uns sapatos de duas solas de vacca,
assento largo at oito ou nove pontos,
470 rs.
por uns sapatos de mulher de oito ou
nove pontos;coa-duas solas ou solletase
solila com seu sallo ordinario e sendo de
cordavao, 400 rs.
E sendo de carneira com uma sola so e
palmilbado seto salto, 2>Q rs.
o tnuu aaous, Uopuls d.'mandada enttegar;sias,,ca> qoaoto ao culto divino, ao qae directa-
o provini-u!, como cou.-ia ds fulbjs j rcente o luterossa e pratica da; virludes christias
-ito, em coDseiuencia da profnacod'aqutlle tem- |como dt 'acw ao culto que directa mente inleres-
plo.
Considerando que se prova lr sido esta iraa-
U jertec'.enle a u:i)a antlga irmaudade dissolvi-
.i i^-pjis da prfanagao d'aquelle tem|>lo, e qnau-
. de em todas as alai.:* e beus de diversa n3tureza,
no ou allifij-. i : lisudonadjs seachavara sob
irmedlata adminlstragao do goveroo civil, ter
sido i-ssa mandada entregar pira flra decente e li-
.' irmaudade emuargaote, sem condi(io oa li-
(3q de tettpo, como objecto nao ap.oveitavel,
: [twsi piO(lrfiictD,<> que assirn L -m e compe-
'-ntemonte ordenad) fot ?6 cora a iufunnagao pr-
i e avenguaco^s n^cessarias do Juizo da prove-
i, por quanto em tal estado, e como objecto en
airado em raeu proprio nacional por conscago,
nao tr-tava de regular materia de culto; ,e sim
...rotte te tratarla de tal d'ulli'em dianle.
t Considerando que foi tambera provado, que
com citato .ppoituna do antigo administrador do
DSiimonio M-n!eiri. {o qtial geria os bens por provisao
iriennal), o julio competente reraoveu pur entiifa
llar de fjlhs nove a admiuistracap d'aquelle
patrimoQifl para a embargante sem aquella llmita-
i de tempo, raas nuicaraente com a coadigao
astlda, e entao aceita a prnstago do culto a
aagiMii em questo ; o assiin considerando, que a
nreseota notificado nao acnao regularmente pro-
posta emjaito civil competente para reiviodicago
agem de uma contra outra irmandad^.discu-
...ido-se por ventur? a guestao de dominio, de qoe
ira ier ella objecto, segando a legislarlo civil
commercial vigente, ordenaco livro 2 mulo 24,
..ivara' de 22 da levereiro de 1779 e regulamen-
io n. 737 de 25 de novembro de 1850 art. 330
1% tanto m:iis quanto c?rto em face da prova dos
nulos, o alkgacdes das partes, que arabas convem
a esse respelto no dominio nao contestado em tem
po algura autes e exclusivamente s d'aquella an-
tiga irmandad.e dissolvida, o nem pod. m as duas
litigantes pretender qualquer direitoin ra l-
talo de rppi'esenlacio, a qualquer outro, e muilo
menos o poderia especialmente a notificante em-
bargada, que nem ao menos teve por si posse civil
ou ns'ural em lempo algum; considerando conse-
{(Uinleinente, que r;qaerendo-se de preferencia ao
jaizo adffiloistralivj da provedoria ja' a entrega da
imagen, ja' a d seu p-triraonio, a embargada no-
tiBcanle nao ple desconhecer qoe ja' boje a sua
prelencafl nao se refere como outr'ora a de era-
oaigante imtiuada..a um ubj-jcto despido actual.
mente da todu carcter do culto religioso, e ern quG
escioslvamante predonunasse a aujriJa;!e civil,
c)mo etiio se den, pin provocar s da competen-
te jurlsdiecio desn a conveniente cessacao do tai
lo ; e consideando antes, que entre os dous
Bbjectos dos reqoerlmentos da embargada, ima-
;em e patriotOBlo, o principal o pnmeiro hoj
r ontr'ora e consegnitemenls embora |a'pa-
reja decidido o segundo, como para determinar a
lio do primeiro, deve-se anies ter em atienco
as ra.oss jurdicas de decidir conforme o carcter
do objecto principal para conciliar o julgamento
;.acto' aquele que deve ser, como de facto seu
acceasorio ; e p'.s aonslderaado em relaja j ao pri
de cataeter nivelo (em these civil como ob
de acqii'Mfao, ou res pro dereheta, confiada a
;idmiuistra(,o civil e religiosa como objecto de ef-
fectivo e actual culto), que do raexrao modo que a
era era questo ji entre.: le pelo governo ci-
nenie, quando pelas circuicsUocias constao-
ijs aatos havia obliterado o carcter sagrado
tela profanadlo bavida e se pretenda sngeita-ia
le novo a e?se r.aract;r, que firmava competencia
J;versa; assim ag^ra, que nao esta' era duvida a
quaJae de cousa sagrada bera distincta nessa
..:ra de cousa religiosa, ousimplesmente ecce-
siastiej temporal, conforme a judiciosa e aecorde
classlnacas feita para diversos tfTeitos de compe-
F9LHETI
sa a transforencia requerida uestes auto; e por
tanto considerando que os fu.od::mentos de nao cum-
primeotoda illegil precauriaafolhas.encontramna
materia dos autos desenvolvanme ampio dos mo-
tivos da opposieo e realtataeaa do direito de jul-
gar s o poder ecclesiastico a materia principal da
notifioaco, coocedendo ou negando a transferencia
da imagem, como se preteute neste juizo.
K quanto a admioistrac) do patrimonio que se
compreheodo na jurisdicfo especial desie juizo,
considerando que sao proprumente bens de Irmau-
dade sogeias ao jalao de capellas, em relacSo
aos qoaes pr vara os autos, que por seutenga les-
te juizu a folhas foram sem limiiagao de lempo
entregues a admiaistracao da embargante para
prestago do culto; coasideraado quo o poder?
competaate nao a exoueruu linda desta prestaco
de lipardulia, e que assim cumpre ao poder tem-
poral aioembaragar a satisfaga; regular desse en-
cargo po; considerando que os autos nao provam
por outra parte alguun contra a capacidade da
pessoa civil da emba. gante, mas ao contrario con-
siderando que ob e subrepticlaraeute fui oblida
cuutra ellaproviso e iiunJesso de poss* da em-
oargada, que alsameate alegoa ser bavida uma
proviso troonnal exmela; entretan.o que seme-
Ihaute modo de desrespeitar-se o julgado de fo-
inas lauto mais estrantio e iaadmisslvel, quanto
os despachos de folbas -nao sao raeio jurdico de
destruir os effeitos daqutlla seoteaca, proferida
sobre regular jusiicacao com citago do primitivo
adminisirador removido, alias quelle lempo legi-
timo representante da antiga irmaudade proprie-
lana da imagem e de seu patrimonio.
Por ludo isso e a mais que dos autos consta,
julgo provados os embargos de folbas para reco-
nhecer a incompetencia deste juizo da provedoria
para o m de ordenar a entrega requerida ; pois
nao o juizo competente e commum, onde se jul-
ga do direito in r em aceao regular, era lio
pouco a transferencia da imagem, pois o objecto do
culto e a designaco do lugar para presta-lo com-
pete ao poder espiritual; e outro sim julgo prova
dos os rnesmos embargos para o Ora de decretar a
improcedencia da notificago, comraina^ao, orde-
nando quanto ao patrimonio, que a' este jaizo in-
cumbe z;lar administrativamente, que em canti-
nele seja removida da sua posse irrita, e admiais-
tracao ob e subrepticia, a' en bargada, revogando
aim os despachos de folhas, e aooulando o man-
dado e aotos de posse era confirmacao e duvido
curapriraento da seotenca de folhas*; pagas as cus-
tas pela embargada.'
Recife, $ de dezetabro d 1866.-"Jacintho Perei
ra do Reg! '' *
M POUCO DE TUfJO.
uo Jornal de Vizeu transcreveraos a se-
guinte noticia :
Enlre muitos outrosJocumentos, que ti-
vemos occasio de analysar e v5o ser juntos
a um processo, deparamos com um assaz
curioso, e que ahaixo vai trasladado.
E'o regiment dos sapateiros, que a c-
mara e senario de Vouzella passou em 18 de
abril de 1818. Por elle se v, que o an-
dar dos tempos deu menos valor ao dinhei-
ro e que por isso os sapateiros de boje
j nao adoptara, nem ao menos como base,-
os procos taxados do dito regiment.
Eis o referido documento :
A- TRAGEDIA DO AMOR.
-:
ORIGINAL BRASILEIRO
POR
Guiniares Jnior
ni
(Continoago.)
Desconhego-t8, Jorge I T, o doce cordeiro
da fbula, a alma loira e delicada, amiga da soli-
do e do silencio, prompla a abandonar pela pri-
mitiva buclica os vehementes delirios da mocida-
de e u estrondo da existencia real ; f finalmente
para qoaui o amor u5o passava de um sonho e o
genero feminioo d'uma chimera, cabires sera lino
aos ps d'uma mplher, que te arrasta ao grande
abysmod'onde nunea te poders erguer I
Erabora. Eo sou om poneo Spartano : mor-
ro alagando a fera que me dilacerar as entra-
ntes.
Poeta 1 As njulheres so esplndidamente
horrorosas I Lembra-te do que is|e om dia o ten
predilecto e brltannlco Shak-peare : sao .perfi
das como a onda. A mulher nm enygma sera de
cifrago, Jorge I
Jorge Mauricio sorria plcidamente a todas as
vilenlas Invectivas dos seos censores.
Eu a ningnem peso oo mundo, volvia elle.
Se todas as miabas illasdes desmoronaren! se nin-
gaem oavlra* o estrondo da sua qaeda. Essa so-
ciedade de que me Mas com tanto enlhusiasmo
ar-se ha estatua adlante da minha dr.
Jorge Mauricio I replicn am dos seus mais
encarnizados amigos, eu serei a tna sombra
Aquella mulher.....A proposito: ella cbama-se... 7
Margarida ; volven Jorge Mauricio com a ha
mildade do mais dcil cordeiro.
Eoreka I exclamoa o mepbistopbellco Des-
ganis bateado palmas victoriosas. Son mais feliz
do qne Archiraeaes, mais enheohoso do que Cop
pernico, Scrates, Platao e todos 08 rabienndos
sabios do terapo primitivo I
JN3o me explicars a orlgom d s toas apos-
tropbes ? interrornpeu J..rg Mauricio, querendo
dar llvre curso aos prfidos gracejos do amigo.
Cbaaa-se Margarida ? Ojaayals te falta,
incommensnravei beroe da *
tembras da absurda criagao de Dumas Gibo ?
grande victoria dramtica da Gabrietla ?
A Dama das Cumelias *
Sim, romntico Jorge I A outra cbamava-se
Margarida Gaulier; esta chama-S9 Margarida...
de tal, (desculpa a minha ignorancia) t, Jorge
Mauricio : para Armando Dnval pouco falta.
bastante trocares os nomes.
Nao me fagas rir por piedade. Delxa-me
Olha, Jorge ; se queros seguir o conseibo
d'um verdadeiro e experimentado amigo, atinde-
me. Foge de-si mulher.;
Iropossivel : amo-a. ,-.
Ah se um dogma 9 leu amor, nao d'dis'
culo decididamente. .' "*
E' melhor. A discussao nesse ponto'foi sem-
pre prejudicial.
Mais uma cansa perdida I E fssa era o mea
padruo de gloria, Jorge Mauricio I
Nada perlurbava o espirito calmo 9 geoeroso de
Jorge Maoricio. Todas essas palavras, todos os mo-
tejos e ironas deque o cerca vara viobam morrer
sordamente aos sens ouvidos como os fnebres
ecbos d'um mundo desconbecido.
O vulto luminoso de Margarida seguia-o como a
magem esperanzosa do futuro, e sua alma, toda
nteira, prostrava-se aos ps daqaella esplendida
E seDdo de.cinco pontos at sete de cor-
davam e com'.uma sola e seu salto, 250 rs.
E de uns sapatos de lacaios ou criados de
servir de:boa-ya^a e de duas soHasepal-
mltia cb'm'sed salto da mesma sola; 450 rs.
E sendo de Carneira ou Cordavao, 240 rs.
E de sapatos de lacaio de boa vacca e de
duas solas e palmilbas com salto da mesma
sola largo, 600 rs.
E os ollkiaes que trabalharem fora de
suas casas dando-lbe de comer levaro a
60 rs.
E Beodo aprendiz sem ser examinado le-
varo 30 rs.
E de botarem uma solas dando o sapa-
.teiro tudo sendo solas das Mulberes com
seusrostos que cubram os sapatos levarao
i80rs.
E sendo de mulher, 100 rs.
E toda a pessoa que vender sola Alquei-
m&da e vender sendo da'melhor alOrs.
,E da mais somenos a 80 rs.
E o que nao vai aqui declarado se conser-
taro os sapateiros cora as partes e ser5o
obrigados a irem trabalhar para aonde os
cbamarem pena de seis mil ris, e debaixo
da mesma pena terSo pregado este- regimen-
ro em utna taboa ua loja donde trabalbarem.
Dado e passado em Vousella em os 18 de
abril de 1818.
lh'o com amis-
Regres ou a Hawai a rairjba Emma que
ltimamente andava em viagem na Ingla-
terra.
Acolberam-na os seus subditos com a
recepcao mais enthusiastica.
No dia seguinte ap da sua chegada, os
habitantes tizeram reviver um antigo uso,
que consiste ern apresentar cada individuo
algum genero alimenticio ao seu soberano.
O resultado desta esta foi ficar terrivel-

mente embreado por alguns dias o paladar
da raitilia lv.u.na e uao se poder andar se
nao difQciLmentd no palacio por meio dos
porcos, dos coelbos, das aves e dos fructos
que ctiegavam de todas as partes.
O barultio de toda esta bichara poz a
cabeca da rainua em peior estado que o'seu.
estomago. (
Finalmente a Cesta foi de tal vuJtoY.pom-
pa, que a soberana esleve tosfi a'saosrer...
de reconaecimento.
O doutorporm, em vez de safar-,' p,*gpu
no chapeo do ind^^i^dventicio ern
de sua mulher,
trgica decis5o.
adventicio porc-n, em vez de peg-ir no
chapeo, pegou no doutor pela cinta eaiiiou
com elle ao fundo daescada.
Snrjitt n5o se deixou ir serenamente.
E' facto que elle baqueou no patamar,
mas o outro icou com ires dentes de rae-
nos na bocea e as ventas feitas n''im bolo.
Othelo n5o se contentou cora isto e no da
seguinte foi, com tres costellis partidas, .pe-
dir desaggravo aos tribunaes.
Estes, enien lendo que ealri os conjuges
divorciados nao ha direilos nem deveres,
recusaram satisfacao aos tempos fracturados
do Othelo.
O medico Smith declarotr aos magistrados
que elles o obrigavam por tal arte a engu-
lir uma pilula mais amirga do *que lodas
quautas elle tinha receitado eta sua vida;-
0 preparador deve estar muito atiento
para que nao se fermem rugas no roslo, e
passa muitas vezes a mo sobre a pede para
prevenir qualquer alteraco as feices.
Este processo requer pouco mais ou me-
nos vinte e quatro horas.
Uetira-se entSi a. cabeca do forno, segu-
ra-se n^t ponta de um pao e expBe-se ao
sol.
Depcis falta apenas pinta-la a varias co-
rj.s o esfrega-la com oleo para Ihe d.r bri-
jlh>-; "
O medico inglez Smith divorciou-sV lti-
mamente em Londres de sua muttier;. >
A mulher desvanecida e-levitrf ; 'o ma-
rido ciumento como um bicho.
Os habitantes da Nova Zelandia teem um
processo-seu para porcm em estado de con-
servacaj verdaderamente admiravel os res-
tos do hornean depois da sua morte : curam-
nos ao fumo.
Nao s o-seu modo de preparacao previ-
ne a decotaposicao com o melhor successo,
mas tambera as feicoes permanecem em
perfeito estado de conservarlo.
ProcedSm do modo seguinte;
Separada a cabeca do corpo, quebra-se a
pane superior do cranoo com uma pedra,
ou com um- pao; extrahem-se completamen-
te os milos e lava-se a cavidade do cr-
neo em muitas aguas at que Oque bera
limpa.
Mette-se entao a cabeca em agna-a ferver
durante alguns minutos-, o que faz desappa-
recer toda a epiderme, havendo o cuidado,
iJflraflte-esa,operacao, de nao tcirAno ca-
bello, porqu oahiria logo.
Depois de ter arrefecido o cabello, Dea
mais agarrado cabeca do que antes da
fervura.
Dos dous lados do nariz sao dispostas"
urnas laborabas que lbe conservara a forma
natural, e outro booadinho de madeira
collocado sobre o mesmo orgo para se im-
pedir que se desforme.
As ventas sao tapadas com bjnecas de
linho.
0 operador arranca os olhos cabeca a
se sao de um chefe, come-os ; se sao de
qualquer farropilha, deita-os fra.
EmQm, a bocea cosida, assim como as
palpeoras para que conservera a sua forma.
Cava-se na trra uraa especie de forno
eheio de pedras que sao postas em brasa.
Esse forno, que fechado por todos os
lados, tem s no alto uma abertura emque
"aju.-a a parte superior da cabeca.
Borrifam-se as pedras com agua.
Resulta uma nuvera de v\ or e de fumo
'$ne penetra no interior da cabeca cuja base
omo fica dito, assenta na bocea do forno.
; Para se con-ervar o calor e o fumo, re-
novam-se com frequeocia as pedras quentesJ
e os borrifos de agua.
? o gf*
mente e novamente agagar-lbe o appetite'do sabo
rosoescaadalo.
Margarida entri-gou-se.ffdalmeote s iras da po-
pularidade e do successo, qae a receboram como
as labarodas o corpo dos couderaoados. Era tem-
po : a cilamnia e a perfidia ja' baviara notado na
limpidez da sua fronte a nodoa indelevel, e o seu
nome fra riscado do seij das familias honestas.
Ella escolbera o theatro para liga da suas prl-
meiras victorias. Era a noite da estra d'um dos
priacipaes artistas dramticos oacioaaes. Repre-
senta va te nao sei que drama da escola realista. O
saguo regorgiiava de povo e os (rens succediam-
se com uma velocidade rara.
Quaooo o seu carro estaciooou a' porta do tbea-
tro e o lacaio, gil como um groom, abri a porii-
nbola, ella desceu, elegaute e nobre, sera dar ou-
vidos ao cresceole rumor que a cercava, como de
urna ovago imperial.
As bellas cambrias do seu vestido laauodaram
as escalaras, e sustentando a'um dos bragos ns a
grande manta de rendas brancas, ella caminbou
por enlre o poro, que abra fileiras na sua pas-
sagem
A orchestra fez ouvir uma estridente envertura-
Ella deixou o sea olbar perderse vacamente por
aquello mundo de figunnos, de mulheres e flo-
res, retrahindo o suave eolio com a doce elegancia
d'uroa dontella adorada.
J ir?" Mauricio sahoreou lioba por liona aquella
Imagem deliciosa. O demooio da razilo, que nunca
o abandonava, ordenou-lhe que fugisse do theatro.
Qmz saHr; debalde I Ella volvia-lhe nsse mo-
raento os olbos, iriados de proraessas e caricias, e
d'aquella deslumbrante bocea, hmida de amor.
Jorge cuidou ouvir a mysteriosa palavra qae vr
nba despertar os tristes segredos de sua alma.
O ruido das palmas, que vicMriavara ama ar-
tista de mrito., acordou-o como d'um sonho orien*
tal. Voltaodo de aovo a vista para o desojado ca-
marote, seatio-se tremer de sbito. O camarote es-
tava vasia,
Jorge Mauricio atravessoa a raolle de rovo, sera
corlezias e sem demora, esmagando ps e desalo-
jando chapos. Era tarde.
Cbegaodj ao saguao do theatro pode ver ainda
a ondulante cambraia, desapparecer como um
soubo na sombra do carro, e os fogosos cavarlos
viso, banhando de lagrimas e de cbimeras a es-
trada por onde ambos tiobam de caminhar um I goiam 0 run,0 dJS binculos.
di*- Ella volvtiu os olbos tmidos para a platea. Es-
Margarida penetna no mando como as divinas lava tormosa e trmula como a garca adiante de
creacoes de Ossian : tentadora e ni
Os elegantes tratarara de biographa-la immedia
tamente. m minuto depois o seu nome voava de | conduzirem, rpidos cuoi o raio, o ambicionado
bocea em bocea, e no momeato era que Margarida thesouro.
fazia destacar a brilbante. figura no fundo illuml- i Adrlaoo, um dos seus mais ntimos amigos, en-
oado d'um camarote, todos os binculos procura- controu-o com os olhos titos anda no grande
vam-na anciosos, e.todos os olbos desarmados se pateo descro.
. Jorge I
Ah s tu? Adeus.
Onde vas, creatura excntrica ?
ystsriosa. De nma tempestado. Nao bavia ao seu porte o menor j ~ v^"7 exclamen Adriano, encheado-se de
sos fronte esbelta fugia um raio de luz I Dos sens atavio da cortezaa impudente e a meiga altivez que Q(D mm eD,nQSiaiIB0. Ell, passou a p da
labios tremlos e rubros pareca cabir nota por a envolva como d'um manto difano, traiia a idea ba *Bdlu a| As rodas d
nou a carinbosa meloda dos anjos qae choran, a divina formosun que a natureza empresta aocorpo'____ ...*
u u. '. ,'.., coipe talsearam n urna calcada, e eu ouvi um grito
Havia no seu olbar esse fundo lumiooso e bnmi- da^martyres e das virgen*. Era intil procarar-se ^ comQ 8 dfl ama ^ do o.nho
in-' com as atas fendas. Descu.pa Vttoi compara-
gao, Jorge Mauricio I O improviso* "o6: d para
mais I
lar a todos os postigos da ierra a beldado correcta priebo, e calcando aos ps vingadores a consciencia Jorge semio no ami0 ao coragio o espinho do
e o dever!
Um casto vestido branco cingla-lhe os amorosos
ccnlornos, os bragos, limpos.de joias e perolas pa- drama. E' de Tbeodoro Barriere.
tenteavam a' cariosa aoalyse a marmrea oadez Pois nao I las de sahir comigo.
d'um busto.de Paxiteles, e os seus negros cabellos,' _- Deixa-me I Estou boje n'am dos raeus raaos
mal seguros pelo doirado gcampo, arrafavam-se na das.
( L-seno Diaria Popular, o seguinte:
Fe/, sensacao eai Paris uma conferencia
do Sr. Riche na Sorbonne acerca da possi-
bilidade de fabricar diamantes artificiaes.
A natuP za, diz Babinet, comprazeu-se
em tazer as pedras mais preciosas com sub-
stancias vulgarsimas.
O diamante carvo. orubim e a saphi
ra sao arga crystalisada, a esmaralda, a glu-
sina calhu; o topaio acido fluirico e
calhau, a opaa um calhau fendido.
Que succeder quando for possi ve I -
<^ar grandes diamantes por uma u.t,.:.ila?
Qu*1 os diamantes celebres peidero todo
o valor.
A historia destas pedras preciosas mui
curiosa.
As joms da cora* de Franca eram em
1791, contando as compradas por Luix XVI
ni nunero do 9:457, entre as quaes se
contavam o Regento, o Diamante azul, o
Sancy, etc.
Tudo foi roubacto em 1792; e quando a
policia procurava os ladres, appareceu
uma carta anonyma declarando que parte
dos objectos roubados: estavam enterrados
n'ura f>sso dos Campos E!yios.
Foram aol gar indicado a acharara gran-
de parle das joias, indurado o Regente.
O roubo dos grandes diamantes nao pode
approveitar aos ladres.
Quera roubasse o Regente, que havia de
fazer d'elle? lodos os ounves e joallieiros
o conhecem, e para o cortar em pedagos e
lapidar, seria necessario recorrer a terceiros
e na' operacao perdera e diamante grande
parle do seu valor. :l
Todos os diamantes que valem mais de
18 a 20 cornos de ris sao coimecidos e leen
nomes particulares. .. -
Citaremos, por exemplo, o diamante da
eora portuguesa, que pesa 1:730 qui-
lates.
O diamante Montanha da Luz, que a com-
panhia das Indias eomproo por 540 contos
de ris e que ha pouco foi reclamado pelo
es-rei n) Hannover carea ingleza.
O diamante Estrella do Sul, descobrto
pey uma oreta no Brasil, e que, segundo o
Sf. aiphan, pesa 354 quilates.
, Os Russos teem a La das Montanhas e
a Estrena Polar, comprada por 100 mil ru-
blos' pal^imperador Paulo le que pertencia
princeia de Yenssinpoff.
A Austria tera o Gran-Duque de Tosca-
na ; o principe de Estherazy traz um dia-
mante de 2.160 contos de ris na sua farda
de coronel hngaro.
O papa possue um esplendido diamante
na sua thiara.fe o Sr. Hope deixou aos seus
herdeiros um magnifico diamante azul de
purissima agua.
Ua pouco comprou o imperador Napoleao
um diamante oval de 51 quilates, que den
o nome de Engenta.
Ha um diamant clebre, cuja historia
notavel.
No tempo de Luiz XIV, um soldado fran-
cez de gtiarnico na India, lendo visto urna
estatua de Seringham, resolveu cegar o
idolo.
Escolhen uma noite tempestuosa... entrpu
no templo e-comecou-a arrancar os olhos
ao gigantesco idolo... porque eram dois ri-
quissiiios diapentes...
Ou por Ihe fartar o tempo, ou por qual-
quer motivo, s aurancou o olho esqaerd>,
e vend j-o em Madrastapor 9 contos de ris
a um capilao inglsz.
30:000(5000 de ris, e o ourives cedeu-o
O capito veodeu-o a um ourives por
imperatriz Catharina I da Russia por 4H0
contos. Chama-se Otlof.
Tambem curiosa a historia do diamante
Sancy, mas todos a conhecem.
apawaBWgg-i.'i.wiw
Maitos dos bebedores de cerveja de Bass
estSo longe de imaginar o qne a casa de
Bass e Gompanhia de Londres.
O Diario dos fabricantes d cerveja d
d'ella as seauintes informaces:
Esta casa conhecida por fazer um com-
mercio annual de mais de um milhao e qui-
nientas mil libras annuaes; paga diariamen-
te 480 librasjao governo por contriboices
e'direilos, e os seus ebefes, Bass pai e filho,
sao raembros do parlamento ha muitos
annos.
Enumerar os hcelares de terreno que oe-
cupam os armazens. e os campes de lpulo
e de cevada, afficinas de construcc5o, salas
para a fermentacSo e para esfriamento, as-
sim como as pyra l ides de pipas cheias e
vazias, seria dilficil se quiz^sso exaclidao.
O que positivo que nao se contam
menos de it iiectares de terreno no valor
de 200:100 libras sem metier em conla as
conslrucges.
Basta dizer que dois dias pouco tempo
para se poder ver alauma cousa, qqe um
caminho de ferio est applicado ao-zServico
da fabrica, e que tres lecomotoras e trinta
wagg s pererrem de continuo o terreno
dessa vasta propriedade.
No ultimo inventario o numero das pipas
vazias ra de 433:000 libras.
Annualraente empre^a-s na fabrica em
cevadas e lpulos um total de 480:000 li-
bras, a que preciso ajuntar as quantias
dispenlidas na factura e crnservaco dos
cascos, assim como o juro das quantiajm-
pregadas em terrenos e em conslrueees.
Pelos alarios de 1:600 operarlos e de
170 empregidos que tm que fazer n'aquel-
le colossal estabetecimento, pode-se azer
idea da sua extraordinaria importancia.
w

Es o numero total das postes telegraphi-
cos de dilerentes paizes em 1 de fevereiro
de 1866 :
Grau-Bretauha 1:523> Franca 4:419,
Prussia 852, Italia 699, Austria 6v5, Ba-
viera 39S, Suisssa 253, Hespanha 223,
Ruissa 167, Badn 157, Wurtemberg 141,
Suecia 113, Hanover 102, Noruega 99.
Deve aotar-se que Portugal nao figura
nesta eslatistica, naturalmente a nao ter.
Das monianhas do paiz de Galles extrab>rara-se
no aono passado 'l kilogrammas e 706 grammas
de mineral aurfero, que prodaziram i0 mi! frau-
cos de owo.
As minas de sal de Nevada sao as mais impor-
tantes dos Estados Unidos. S otra carnada de sal
de grande espessura se esteode na rea de Si mil
ares, l'erfumando-a al 70 metros de prdfundida-
de, rebeota agua salgada e obriga a loierromper
os trabalhos pela sua impetnostdade. Esta agua
evaponda da' sal excdeme.
Em iNuroigpooe (India) descobriram-se minas de
carvo de pedra perto do caminho de ferro Great
(odian, o quo lbe da' grande valor.
Era Aeswig,. sao fabricados diariamente 50
mil lapis, produccao equivalente- a 13 mllboes por
anno.
Consom annualraente esta producto 340 me-
tros cubics de madeira de cedro.
nanna. des Infelizes, que atravessam a sociedad prenden
A sua presenga foi ama revellacao. Veio revel- do s orlas Qoctaante* do vestido a fortuna e o ca
e oda de adornos.;
D'oode viria aquella mulher ? Ningaem sa-
berla dize-lo.
A opiniio, mal desperta ainda, esoeravo-a de
fouce aleada e sentenca imrainante. O miootaorn
social escaocarava as fauces diante d'uma nova
victima.
A velha capital estremecen at es alieerees. O
selvagem ramor de amorosas sedas, a fluctan!"
cauda d'um vestido, o suave contacto d'um pado
ta ? Nio te i rado, am p de Gendrillon, vnba acorda-la nova
ciume.
Aquella morher que tu viste....
Quem ? Margarida?
Sim I Onde oncontraste o carro ?
Na rna da Imperatriz, mas nao me apertes
assim os dedos qoe m? esraaga I
Jorge Mauricio deixoa o braco do amigo e enca-
lnioa se para aborta.
Jorge I Espera : vamos juntos.
So. Al amanhaa.
Diz-me ao menos onde vas ? "'Ht".
Nao sei. Ao infermo.
Erras o camlnbo, e ha falta de guias para
l.
Adriano, os teas gracejos enfadam-me.
Adriano era ama bella alma de vinte e um an-
nos. Lonco at o herosmo, generoso at o excesso,
va o maodo com a impertoAavel iod If-renga
a'aqulles qae imolara ao dolo do acaso todos as
vehementes aspiragSes da sua mocidade. Hou-
vesse sol no cu, mulheres e flores na trra, o
universo poderia desmorooar-se al o ultimo grao
de poeira que elle rirse-hia affagando com os pre-
guicosos dedos o bigode lusidid:B fustigando o ar
com 9 pona de sua chbala flxivel.
Mauricio I Nao sejaa injusto coraigo. Sabes
que eu possuoa eoergia de Bukiogam e a coragsm
de Rolando. A julgar pelo teu olhar obliquo e
pela admiravel serltdade de teu rosto estou a crer
que corres a paseos de gigante para os jardios de
Armida. Eu te acompanho. Meas hombros serao
a tua escada de seda e espantosa coincidencia I tra-
go al no bo'so do coilete o frasqoiobo de crystal
onde encontrars o elixir para os ataques da con-
veniencia elegante.
Adriano, dis.se Jorge Maoricio cojfca voz gra-
ve e triste; eu pdevo, nio te rias. ?,'
Adriano soffreo am?is estopenda metamorpho
se. Despio-se Immediataraente dos seus ares nso-
nhos e qoasi irnicos, dando ao rosto essa expressao
da verdade indiscutivel, que veste a phisiooomia
d'um attralivo incomparavet.
Vem p^ra a minha casa, volveu elle enfiauJo
Adeus, disse elle sombro. Nao percas o o braco no de-Jorge Mauricio. Conversaremos me-
lhor. O typp ^aquello bilbeteiro assusia-me.
Decididamente vieste ao moado para rlr.
E' possivel,. as gargalbadas p'esam menos do
que as lagrimaar .
Eiu tua parase poderia ser assignada p
Scrates. Nunga( dissesle verdade mils Inste e
naca, ondulando em redor da feticeira f como os artsticos toncados gregos. No mais alvo nar. Podes tentar nm suicidio, mea caro I
do seu regaco ergua ;e e abairava se impedido Jorge Mauricio apparentou am sorrlso compU
por um sopro, o raacio frouxel d'um leque qne a cente, e apenando de improviso as tnios de ]" Pouco tempo epois Jorge Mauricio, em casa de.
rr.ezioh^ enlavada mova ttachillmei)te. : Adriano : Adriano, dlzij-lhe:

mais real na tuajstfa.
PlltlOn (Offlp'n A***nln
Em Highgate, na Inglaterra, ha uma ta-
verna intitulada Fox and Crown (a raposa
e a corea) a qual tem por cima do titulo as
anus ih familia real ingleza.
Testa taboleta t-se a"iuscripc5o seguinte :
6 de julho de 1837 Estas armas slo a
recompensa dos servicos prestados a sua
magestade a rainha Yictoria- de Inglaterra.:
Consta que o proprietario da citada ta-
berna segurava na poca indicada os caval-
los da rainha, gue um dia haviam tomado o
freio nos denles na descida era que tica, a
taberna a que nos referimos.
A rainha perguntu ao taberneiro que
recompensa elle desejava, ao que eite res-
pondeu que se contentava com ser-lhe per-
mitido osar as armas da familia reai na sua
taboleta.
Nao acceitou outra pagai
l
rjjka
su?
1**../
Tu s urna ndole generosa, Adriano. N<)
condemnars s peoa's d'uma gargalhada o que.
sent minha alma oeste momento.'
Mas, pelos olhos de todas as. Andaluzas, mea
caro { Fallas serio ou gracejas T
Vas julgar.
Cuidei qoe tivesses aborrecido o novo galn,
ou que o primeiro acto do drama nao offerecesse
om estyib convenieote ao teu paladar. Se |fossea
outro eu lerabrar-me-ia de......de credores por
exemolo. Mas tu I o exemplo dos morigera-
dos I' Palavra de honra! Nao sei a qae att-ibuif
o leu ar mysterioso. Morrea alguem do teu cwi^--
cimento? Quebrou o banco do Brasil? lacen-
dioa-se a academia ?
Viste aquella mulher ha pouco ?
Aquella rapariguinha, Margarida?
Sim.
Porque? Qoeres o sen retrato. Talve. se
encontr a venda.
Adriano I
Mas, mea bom amigo, como rae possivel
adivinhar o que se passa na tua alma? Ests
mais seno do que um tabellio I
Jorge Mauricio orgueuse pailido e trema-
lo. Apertaodo as raaos de Adriano entre as snas
mos geladas:
Amo, disse elle, com a voz surda, amo ha
dous minlos com todo o desespero d'oma vida
amaldigoada. Simo qoe a mioba alma val pros-
trar-se aos ps de uma esperanca Impossivel, e qne
o meu futuro perder se-ba esmagado pelas mais
atrozes aof uslias, que possivel sotfrer-se na
trra.
Adriano c^ntemplavao sem mnrmorar uma
palavra.
Amo aquella mulber qae ta viste I
Estas loocol
Amo, sim I continnoo Jorge dando s pala-
vras o acceoto bamilde eapaixmado de quem cora
d'uma cooBssao.
Todo o seu corpo tremia febril e oscillante.
Jorge (
Elle ergoen para o amigo os olbos hmidos e
ardeoies.
Olba, Adriano. Sinto que as lagrimas me
sobem do coragio e termo desejos de rir-me como
um loucol
(Conlmuar-seha.)
"typdo onhtiura das cribes n. r
ILEGIVEL



*m
_ i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E9AUJNZQ0_RDHPS2 INGEST_TIME 2013-09-05T00:26:24Z PACKAGE AA00011611_11193
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES