Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11187


This item is only available as the following downloads:


Full Text
]
r
>
>
i
ANNO XLIIL NUMERO 30,
PARA A CAPITAL E LUAH.E0 ."VasE SE NAO PAKA POBTEj
Per tres mezes abantados.,............... 64000
Per seis ditos idea................ 424000
Por nu ana idea.................... ,..240000
Cada uaaoro aruUo .................... 320
>m t. i* i,s
, :
%?s
QUARTA FURA 6 DE FEVEREIRO DE 1867.
PAVA DENTRO E FOBA DA PROVINCIA.
Por tres mezas adianlados.. .*....'.......... 6,5750
Per seis ditos idea................................ 13#500
Por noTe ditos idem................ .. ............ 200250
Por am anno idea............................... 270000
**
232Mi\-a2 3H IPXllimiBlKD DD MtflUWVQlND IDi Hl5!D3 MNItllIMA 3)1 M A 2MD3, 8213 'I*! 1)^2311 MU!) 2



r



*

i
'
'
.

few
I*
ENCARKEGAOOS DA SUBSCR1PQAO.
Parahyba, o Sr. Antonio Alexpodrino de Lima;
N-xtal, o Sr. Amonio Marqnes da Silva; Aracaty,
oSr. A. de Leraos Braga; Cear, o Sr. Joaquim
% de )liveira ; Para, os Srs. Gerardo Antonio
Alves & Filhos ; Amazonas, o Sr. Jeronymo da
Cosa; Alagoas.o Sr. FrancinoTavnres da Costa;
Baha, o Sr. Jos Martins Alves: Rio de Janeiro,
o Sr. Jos ^Ibeiro Gasparinho.'
PARTIDA Di S STAKETAS.
Olioda, Cabo, Escada e estafes da via frrea at
Agua Preta, todos os das.
Igoarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Anto, Grvala, Bezerros, Bonito, Caraar,
AltiBho, Garanhnns, Buique, S. Bento, Bom Coo-
selho, Agua? Bellas e Tacarat, as lergas-feiras.
Pao d'Albo, Nazaretb, Limoeiro, Brejo, Pesqaeira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa-Vis-1
ta, Ooricury.Salgueiro e Ez, as qo.arl.is feiras I
Serinhem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Bar-
reirot, Agua Preu e Pimenteiras, as quintas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRJBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commereio: segundas e quintas.
Ralago : tercas e sbados as 10 horas.
Faienda : quintas as f 0 horas.
Jufzo do eommercio : segundas as 1! horas.
Dito de orphos : tercas e sextas as 10 h iras.
Primeira vara do cive: tercas e sextas ao Mi
dia.
Segunda vara do civel : (juanas e sabbades a
1 hora da tarde.
EPHEMERIDES DO MEZ DE FEVEREIRO.
4 Loa nova as 8 h., e 24 m. da t.
ti Quarto cresc. as 10 h., e 48 m. da t.
IS La cbeia as 4 h., e 19 m. da t.
26 Quarto ming. as 8 h. e 40 m. da m.
DAS DA SEMANA
4. Segnnda. S. Andr Corsino b. c.
. Terga. S. gueda v. m.; S. Pedro Baptisla.
6. Quarta. S. Do-othea v. m.; S. Autholiano ra.
7. Quinta. S. Romualdo ab.; S. Ricardo re.
8. Sexta. S. Joo da Mana; S. Corinthia m.
9. Sahbado. S. Apolonia v. ra.; S. Ausberto.
10. Domingo. S. fc-co.astica v.; S. Silvano b.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 5 horas e 18 m. da manbSa.
Segunda as o horas e 42 mininos da tarde.
PARTIDA DOS YAPOFES COVTEIROS.
Para o sul at Alagoas a 14 e 30; para o norte
al a Granja a 7 e 2.de cada max; para Fernau-
do no>as 14 los uiozes Janeiro, margo, maiot
julbo, OmjBibro a novembro.

PARTE OFFICIAL
ro'o. Oxal todos esses sacrificios e essa adral-
ravel dedicago nao fossem de qaando em quaodo,
aqu e alli, esqoecidos pelos agentes locaes e qaei-
xas e gemidos fondados nao interrompessem o
COllMA^IDO !)\S A6NAS hymoo desse grande esforco do patriotismo brasi-
Qiiartel general do eommando das armas 4e Per- Foram libertados e; tiveram praga nos corpos
nambueo na eidade do Reeife. i> de evereire Ia9 m!ibim F o terrno desta to dilatada
de i867 campaoba algans dos escravos pertencentes aos
ORDEM DO DIA N. 311.
O brigadeiro commandante das armas declara,
para os lins congenien,es, que no dia 1 desle mez
desaquartelon o 4* batalbo de Infanlaria da guar-
da nacional do municipio do Reeife, e aquarteloa
o 2* da mesma arma e muuicipio, designado para :
fazer a guarnico desta eidade.
fAssignado) Htnriqui de Beiurepaire Rohan.
Esta* conforme. Emiliano Ernesto de Mello
Tamborim, tenente ajudante de ordens interino e
encarregado do detalhe.
INTERIOR
RIO DE 4ANEIRO.
RetrospeeAo poli tic i>.
BRASIL.
(Concluso.)
A exposicao leve por palacio a primeira vez o
edificio da escola central
dominios da corda e do estado : iodos os qae esta-
vam no caso de prestar o servigo militar que a
cansa do imperio exige com urgencia. Eram bra-
cos qnasi inteiramente ociosos, on qae mais ser-
via a particulares do qae aos estabelecimentos
ruraes a que se acbavam adstrictos.
Esta medida saggerio logo a moitos cidados a
j idea de off-recerem, em vez de donativos e subs-
Iitoig5es pecuniarias novos libertos para a sos-
tenalo da guerra- actual. Os qae conhecero a
historia das colonias inglezas e francezas sabem
qae essas DagSas coroegaram por ah a reforma
| da eonstituigo econmica daquellas possesses
ultramarinas.
Nao pode o Brasil imita-las fielmente, mas ha
de ebegar ao mesmo fira, aind que com mais
vagar, com mais cautela, eroesmo assim vencen-
do maiores difflcoldades. Um syslem que lera
i raizes profundas no solo e nos costuraos pblicos
; nao se pode transformar, e menos destruir, do
dia para a noite. H. molestias chronicas que nao
se curam seoo forga de coragem, de perseve-
ra ca, de largo e continuo tratamentor
Coincidi tambera com a presente quadra cala-
mitosa o eslabelecimento de um telegtapho elec-
ultimamente hospedoo
S olr*1v.m,ge3,0S0 e 5ind* Virge Pal"hi"! t7ico"emrra"7a^ta7X"iro7er"re'airprovinda
de S. Pedro do Rio Grande do Sul (Porto Alegre)
se construir para casa da moeda. Nunca houve
usurpares mais toleraveis, ainda qae nao fossem
passageiras; mas de esperar que a industria na-
cional, que a .exiieucia, a torca e a grandeza
dos estados, nao continu nessa peregrinago e
dependencia, vendo-se sempre obrigada a recorrer
para as suas reunioes peridicas a generosidade
de algum hospede amigo.
Se alguns defeltos se notaram na dispesicio te-
u-; a .i V ^ctu uc uya ocia uauu uuuim
lin?c3n0SMPftd,iT,eXp0S,.i! se S3K 'e I omento do correio' elctrico at a
expo-icao, como a outra multas exhibieres uteis, lnooa| Q
tZESH* iraproviso d0 local e 30.rp^Sad : O Brasil caramba, na obrase de Pelletan, lio
S1 S2t0: P ?Ue preParanJ-Q Urde',PnF em voa. e ha 3 mlohar mais depressa, logo
SI LSS eS.lraQh- C0Vra JZ ,U9 a sua PP testacao algama^ue este, nossos concorsos prece- ^ndola ^^^l^ d9r DOw.tempera a sua
que a Europa coquina oUerecer no sea ac,ivhjae assuroir oieiiFqa( lne COrapete
mas preciso que a coinciden-
Isto do centro nossa extrema meridional.
Explicam e justifleam esta preferencia a vizinhan-
o'-i dos estados do Prata to exoostos tempesta-
des que levam os seos estragos at as nossas
fronteiras, e a falta de comrannica;Ses para o sul
to regulares e frequentes como as que temos
para o norte. Nao decorrer, porm, rouito tem-
po sera que nos seja dado commeraorar o protn-
septen-
raperio.
afogadilho
A questao de bracos a que mais preoccopa e
omharaga a nossa industria ; a questao drada
e um dos mais difflceis problemas das sociedades
novas. No Brasi!, como ba annos na< colonias in-
glezas e francezas, essa necessidad? cresce e com-
plica-so cem a existencia do trabalbo servil, e o
tutaro qae a este espefa. Quiz a sorte qae os
lomporaes da guerra civil dos E-lados Unido trou-
xessem as nossas praias alguns seltltrs orlan los
dossa nafao gigante, qae se propuzeram estabele-
o bem. Com a iniciativa particular vira' o espi-
rito de associaco, e desies elementos combinados
surgir' a expressao da vontade nacional, a ani-
dade e forca da opinio pubi ca, a verdadeira e fe-
cunda hberdade poltica.
as relaco's exteriores estamos em paz com to-
do o mundo, merc de Deus. excepto z repblica
de D. Francisco Solano Lpez, Nao eoasidiHJBOS
como falseas de um grande incendio prximo a es-
Ular, e ?im como assomos passageiros de fmaglna-
edes aqaecidas ao fogo de causas estranhas, as
s^ffistrjs^.t:;*^^^'-
lotelo.
Tudo o que dependa di boa vontade do governo
a po-ro brasilelro.tudo Ihes foi o(I*recido e fran-
quead'). Anda que os facts^Qquem muito quem
das promessas e das esperanzas, a tentativa era
digna de ser animada, e a proviajjl de S. Paulo
coola ja em Iguip- e Can mea algots desses immi-
grantes, que se mostrara .-atisfeitlssimos, e do o
mais lisongeiro testemuoho tanto da hospitahdade
brasileira, como da variada e rara riqueza do nos-
so solo e clima.
Praza a Dus que suas vozes sejam ouvidas e
attraiam sobre nos nma nvaso mais til do que
essa com que o conde Derby, em um dos seus ul-
todavia bem faz o governo eu. nao desprezar
essas apparenclas de ma' vontade e exciiacoas ira-
! prudentes ; comtanto, porm, que a preveojao nao
i va' at ao ponto de converler euj guerra aberta
paraj thesouro e que por ora apenas am desvio
das regras de nentralidade e de boa viziobanga.
Em materia de prevrnc5es, mxime de prevencSes
militares temos tanto asedo dos incrdulos como
dos nimiamente cautelosos.
A convengao consular com a Franga, asslgnada
em 10 de dezembro <^e 1860, que servio de modelo
a diversas outras que pelo mesmo lempo negociou
nesia edite a nossa secretaria de estado dos nego-
cios eslrangeiros, passou por urna lulerpretacao
autbeDtica das duas partes contratantes, que foi
ESSBi.^^ SKseussoes de
ao universal 5 P P !mais de ,riQ,a ao"os a mderam lo8ar os arIigs
t que lhe correspondem no tratado perpetuo; os
iRSKt^^ --de'-"sera "
zonas, Tocaotins e S. Francisco. O decreto de 7
de desembro proiimo passado realisoa emfim a
proraessa ha annos fein ""lo governo imperial, e
para cuja execugao fez < ue, seno tudo, muito do
que esta va ao seu alcance. O qae faltou deve-se
a's oscillag5es da poltica, e a's mutagdes rpidas
de ministerios e de ministros.
Desde o dia 7 de setombro prximo (atoro, tolas
as baodeiras amigas podero navegar aqoee fa-
moso lio al aos limites do Brasil com o Per' ; o
Tocantis, o Madeira e o Rio-Negro
primeiras povoages, Camela, Borba e Maoaos.
A navegago e commereio do To^antms servir
tambora, era seu futuro e necessano desenvolvi-
mento a's provincias do Goyaz e de Matto-Grosso.
O Madeira lem por si e para si a exportago e im-
portago de urna zona da provincia de Matto-Gros-
so e da repblica da Solivia ; mais tarde esten-
der as suas operagoes at as raas meridionaes
do Pero'.
O Rio-Negro canal para as relagSes comraer-
ciaes da provincia do Amazonas com a repoblici
do Venezuela, saa limitropbe. O Eguador e a No-
va-Clumbia ganharo tambera rom a circulago
de todo esse systems de arterias fhviaes, urna vez
qae seus respectivos governos queir*m attender
aos seus toleresses de seguranga e engrandec
ment, abrindo raaos de veinos preconceitos e de
preteocoes exaggeradas as questies pendentes
.m o Brasil.
A occasio nao parece propicia para esse neces-
sano aecrdo entre os nbeirinhos, mas qaem sa-
be ? pode ser que a razao e a voz dos verdadeiros
interesses abram carainho por entre todos ts obs-
tculos e balloenages do momento. O acaso tem>
sido mollas ve'.es um grande general, dizia Frede-
ricoo Grande ; para ns isto significa que na
triumpbos inesperados, quando ha coragem para
lenta los e tiabilidade para alcanga-los, tirando todo
o partido possivel A empresa dve sorrir a todos Rompe se um
silencio de seculos, illumina-se nm novlssirao
mundo, eneeta-se urna obra tambem secular, mas
que pagar com usnra todos os seus operarios,
desde os priraeiros exploradores at aos seas opu-
lentos proprietariof. Se os nossos visinhos nao o
comprebeoderem, e preferirem a separagio e o
abandono, a desconfianza e a Inimazade, que ca
reclerisam a poca actual, o programma do Brasil
est tragado, o em grande parte a saa execugao
nao caree* da vontade nem do concurso estranho.
u rio de 5. Francisco exclusivamente nosso ;
ao trplice ponto de vial: da sua sitoago, gran-
deza e fertilidade, com razio chamado o MissU-
sipi brasilelro. Por ora, a navegago franqueada
ate a eidade do Penedo s apr .veitar a' provincia
das Alagoas e de Sergipe, que seguramente nao
Da de ser esquecida peb governo em seus regula-
memos flseaes. Has essa navegago inferior li-
gar-se-ba com o andar do lempo a' do alto S. Fran-
cisco, era qae sao interessadas nada meaos que
tres provincias : Pernambuco, Baha e Minas-Ge-
raes.
' esse o rio qne mais exploracdes tm merecido
da parte do governo imperial, como provara entre
ootrcf trabamos subsidiarios os dos eogenhelros
Halfeld e LiaU, ambos ja bem coobecldos no Bra-
sil e na Europa. Prende-so a essa via fluvial todo
nosso systeoa de commonlcagSes geraes e infe-
riores.
A perfidia e brotalidade do governo paragaavo
team-nos cansado immenso damno, mas deve-se
cootar como ama compensago essa energa qae a
goerra vai levantando no animo da popuhgao, e
' algamas das medidas qae a necessidas vai sogge-
e procurjrara anles de abrirera os pro-
tocolos conbecer o qae reciprocamente seria accei-
tavel.
O qae se estipalou a titulo de ioterpretago
agradou a ambos os governos vo lempo, porm,
dir' se sao ainda possiveis novas-desiotelligencias,
como recelamos, por causa da administrago cen-
juncta dos cnsules e das vtuvaa brasileirs cabe-
gas de casal, e bem assim por nao se ter firmado
expressameote o principio do domicilio como iodl-
cador da le applicavel s partilhas, que devem ser
fetas pelos juizes lerritoriaes. Isto nao indiffe-
reote nem para nos nem para a Franca, quando
houver herdeiros ou coberdeiros das duas naci-
nv i ida-fe, caso que se dar sempre com os menores
nascidos no Brasil de pas francezes.
Talvez que nossas apprehensSes sejam infunda-
das, mas, se o nao forem e vierem a realisar-se,
de esperar que um novo aecrdo, to fcil como o
actaal, lodo decida amigavelmenle; cootemos,
p is, saais esse facto interaaci mal no limitado nu-
mero oes corapeosag5es de quaira que estamos
repasso para desalojo do presente a ligo do fu-
teno transacto e nma das esperangas da nossa so-
cadade poltica.
Eotre os que suecumbiram no campo da honra
e do dever militar, nao podendo mencionar a lodos
lembraremos aqu doas dos mais memoraveis: os
brgadeiros Antonio de Sampaio e Antonio Manoel
de Mello; o pnmelro era typo do soldado destemi
do, esl'orgado e leal; o segando, militar brioso no
mais bello sentido desta palavra, modelo de verda-
deira modestia, preeminente as sciencias do ge-
neral, do eogenbeiro e do astrnomo.
Todos elles, com excepgo de tres, que hoaveram
fortuna pelos vnculos de familia, morreram pobres
de bens matenaes, posto que ricos de mrito e de
servigos. No Brasil, como em oulros paizes, o
testemunho da raorte lem vingado mais de urna
reputago maculada pela escuma dos odios poli-
ticos.
D. Florentino Castellanos nao era filbo nem ci-
dado desta frra; era oriental de nascimenlo e
votado ao servigo de sua patria natal, mas ama
perda digna de ser commemorada pelo escriptor
brasileiro. Seu no me bruna nos documentos das
nossas relagOes ofikiaes com a repblica do Uru-
guay.
Era urna razao calma, experiente e culta ; espi-
rito superior aos preconceitos do odio e da intole-
rancia ; carcter que se eclipsava nos momentos
do exclosivismo dos partidos, para reapparecer ra-
diante, e orno elemento salvador, do dia em que
a prudencia devia reassumir o sea lagar as alia-
ras do poder. Assim qae elle salvoa mais de ama
vez o seA paiz de graves conflictos, graogeaodo em
taes emergencias o respeito e a considerago dos
seus e dos estranbos.
O Sr. de Safnt George, enviado extraordinario e
ministro plenipotenciario da Franca, finou-se nes-
ta corle em oas do aneo que corre, mas o golpe
da molestia mortal fero-o muilos mezes aoles.
Servir elle eotre nos desde o cargo de addido at
aquello de elevada catbegoria em que a morte o
colheu, fora da compaohia da esposa, nossa com-
patriota por nascimeoto, e dos filhos a quem ama-
va extremosamente. Ninguem dava urna idea mais
dislincta do gentil-horaem francez do que o cava-
Ihelro de Saint Georges; a digoidade pessoal e a
sua afavel cortezla achavam-se nelle natural e
perfeitamente assoclados. A longa misso que des-
empeohou na corte do Rio de Janeiro, sempre sym-
pathico a nossa sociedade, sempre bemquisto do
nosso governo, prova o fino quilate dos seus dotes
No lugar competente damos o regularaento
organisado pelo Sr. Dr. chefe de oolicia, para o
servigo dos trens da via frrea de Apipucos. Para
elle chamamos a atteogo dos leitores.
Em nossa S pagina encelamos hoje a pu-
blicago do bello romance Mauricio de Treutl, do
sympathico escriptor francez Araeda Achard, au-
tor do Belta-Rosa, que tanto agradou entre nos.
Alguem nos pede que recommenderaos a' ai-
tengao do Sr.Dr.director das obras publicas a estra
da publica na entrada dos Aflictos, Em viriude. ld.m d.8 S'mpson Boad & C dem idem de Car
brias no largo quadro do anno qne findou : trar-
oos-ha e de 1867 o balsamo cioatnsador de to do-
loros is feridas ? Esperemo-lo da bondade de Deus,
e fagamos per merec-la. Se superstigao, nos a
lemus e morreremos com esta creuga: o Brasil
" adado para grandes destinos.
(Jornal do Commereio do Rio.) .
toro.
Outro successo de poltica externa, e sem duvi-
da de mor importancia, verifleoo-se no porto da
Baha a 23 de julho prximo passado. O vapor de
guerra Nepsie dos Estados-Unidos foi alli designa-
damente para salvar a bandeira brasileira, em
complemento da satfagao devida ao imperio pelo
desleal e affrontoso apnsionamenlo do vapor Flori-
da, pertencente aos Estados eoi j cootederados, e
que fdra arrancado de dentro daqaelle mesmo por-
to brasileiro pelo vapor Was$uchetlt. Cessou da
parte do Brasil urna causa de justo ressendimen-
to. e com esse procedimento deram os Estados-
Unidos um edificante exemplo a's nagSes fortes.
Nao esta' ainda completo o registro das datas no-
taveis de 1866; falta a sua pagina mais triste que
vamos agora desdobrar com o coragao confrangido
de dor.
O genio exterminador da guerra fez ampia ceifa
djs tile-iras dos nossos heroicos defensores; e,
como se tantas victimas Ilustres nao fossem bas-
tantes para o tributo de to corto espago de lempo,
a fouce da morte veio anda corlar o fio da vida
terrestre, oas regioes de lidar pacifico da humam
dade, a duas das nossas sommfdades polticas, e a
oulros vardes distinctos, entre os qaaes contamos
dous eslrangeiros caros a affeigo e respeito dos
Brasileiros.
O visconde do Uruguay e o maraehal Manoel Fe-
lisardo de Souza o Mello quasi qae ao mesmo lempo
balxaram ao leito eteroo dos finados. Eram dous
grandes vultos na nossa poltica e administrago;
doas lotelllgenelas robustas e vastas, talentos su-
periores, illustragdes ccasaramadas, caracteres de
forte tempera, homens de cooselho e de accao, be
oeraerilo- da sua patria.
Foram no mesmo periodo lambem eliminados da
sociedade dos vivos: o reverendsimo prelado de
Pernambuco D. Manoel de Medeiros, em cujas vtr
ludes apostlicas muito confiava a dlocese que elle
s pudera governar durante sete mezes; o bario
de Quarahim, hornera de convicgSes sinceras, ora-
dor enrgico da tribuna parlamentar, adversario
terrivel, mas franco e leal amigo affavel e dedica-
do, cidadSo honesto, e-poso S pai-extremoso; o vi-
ce-almirante Miguel de Soma Mllo e Alvm, con-
selheiro de estado, Miguel Marques Lisboa, envia-
do extraordinario e ministro plenipotenciario do
Brasil era Pars, aoligos, leaes e prestantes servido-
res do Estado; o csoselheiro Antonio Francisco de
Paula Souza, digno berdelro dos sent mantos nobres
de sea illastfe pai, joven ainda, membro do miois-
PEBNaWBUCO
REVISTA DKfi
Hontem na freguezia de S. Frei Pedro Gon-
galves proseguio o recebimento das chapas, sem
oenhuma oceurrencia notavel.
Na freguezia de Saoto Antonio concluio-se a
segaoda chamada. Hoje deve proceder-se a* ler-
ceira e ultima.
Na da Boa-Vista procedea-se ao exame das ce-
dulas recebidas at antehontem, segundo linba si-
do requerido por um dos mesarios, encontrande-se
tudo conforme. Concluio-se a segn a chamada.
Em Jos a mesa julgou-se coacta, e addiod os
trabalhos para boje.
Em Rio Formoso e Serinhaem houve concor-
data, daodo naquello os conservadores 13 eleito-
res e os progressistas 28 e nesle igoora-se a cifra
de cada ura.
Na Luz a mesa rspreseotoa a' presidencia con-
tra urna forga que se acbava na matriz, declaran-
do-se coacia por sso. A presidencia ordeuou a
retirada prompta da forga.
Na Escada sahiram eleilores, os Srs. :
Baro de Utioga.
Antonio Jus dos Sanios.
Francisco Antonio de Barros e Silva."
Andr Das de Araujo.
Manoel da Rocha Lins.
.Manoel Antonio dos Santos Das.
Belmoo da Silveira Lins.
Jos Pereira de Arajo.
Roqae Ferreira da Costa.
Jos. Sancho Bezerra Cavalcaole. .
Salvador dos Saotos Siqueira Cavalcaole.
Jos Lucio Monteiro da Franja.
Marcionillo da velra Lins.
Davjao dos Santos Pontual.
Francisco Cavaicante de Albaquerqas Lias.
Mainel Rodrigues da Silva Cmara.
Agg) Eduardo Velloso Freir.
Francisco da Rocha Puntual.
Jos Pedro de Olivelra.
Leocadio Alves Pontaal.
Heariqae Marques da Silveira Lias.
Antonio Torquato de Alraeida.
Joo Romarico d'Azevedo Campos.
Joo Francisco Regs.
Florsmundo Marques Lfns.
Joo Flix dos Santos.
Romaneo Antonia de Barros e Silva.
Joo Carlos Cavalcaole de Albuqaerqae.
Jos Hermillo Cavalcaole Lias.
Padre Viceate Pereira de Paria Gnrjio.
Franco Cavalcanle de Albaquerqa.
Antonio G mgalves da Silva Lios.
Joaquim Rodriguen da Silva.
Felippe Jos de Lona.
Aqtooio Alejandrino Cvalcanle.
Amonio Alvos da Silva.
2jferino Aoreliano de Flgueirodo e Mello.
"Manoel Freir Barbiisa da Silva.
Francisco Gordeiro Faloo.
Jesafno Archaojo de AlbUqaexqae Pimental.
Jos Das da Silva Jnnior.
Francisco Sebastio Paes Barreto.
Bento Leite Cavalcante Lins. M
Jos Ignacio de Mello.
Fallecen, ao dia do correte, oo jjpvoado
de Una, o Sr. Francisco SimSes da Suva, era coo-
sequencia de urna coogesto cerebral. O fallecido
era ajudante contador reformado do nosso correio,
onde servio 36 anoos, occopando lodos os cargos
desde fiel do tbesoareiro.
A cmara municipal proceden tontera a' apa
ragio dos votos para um depulado provincial pelo
pnmeiro districto. Dea em resaltado 118 votos ao
Sr. Dr. Jacobina e 114 ao Sr. Dr. Araarot e Mello.
A* vista dos Innmeros pedidos qae nos lem
feto nossos assigaaoles, declaramos, com previa
auiorlsaop, que auior do folbetim que temos pu-
blicado ltimamente o Sr. Dr. Guimaries Jnior.
No dia 2 do correte, uoute o quaodo dor-
ma depois das fadigas da fera de Gamelelra qae
assisfira e nlla negociara, fot assassinado com
varias tacadas, no lugar de Dais Barras, Manoel
Saverno d'E>pindoca Pela manha do dia imme-
diai, reforido o facto ao subdelegado respectivo
pelo inspector do lagar, foi aquella ao rancho pro-
ceder ao competente corpo de delicio e Indagagdes,
uo intuito de descobrir o assassloo qae protegido
pela oouie sem duvida foglra. Al agora aada se
sabe acerca do criminoso, mas a autoridade pro-
segae as pesquizas para esse ftm.
da curva que os trilhos de ferro de Apipucos alli
fazem, flcou de tal sorte estreila a passagem para
os outros vehculos, que cansa verdadeiro atro
pello aos que por alli passam. O remedio que
nos indicam parece-nos com effeto da fcil execu-
gao, coosistindo elle na acquisigo e desapropria-
go de algamas insignificantes casas terreas que
ha all.
As audiencias do juizo especial do commereio
sero nos das de quiolafeira de cada semana, as
II horas, comegando do dia 14 do corronte.
Acha-se no exerclclo da 2 vara municipal o
Sr. Dr. Virgilio de Gasmo Coelho.
. Depois de araaohaa as 11 horas se extrahira'
a 32* parte da lotera, a' beneficio das familias
dos voluntarios da patria (5*), sendo o maior pre-
mio 6:000#000.
Decididamente o Sr. director das obras pu-
blicas nio quer tomar em considerago o que dis-
semos acerca da estrada da Olinda.
Faz do, causa verdadmro do ver arrulnar-se de
dia em dia urna estrada, qne com pouco dinheiro
pode ser concertada, e que nma das melhores
que temos na provincial G)mpenetre-se roque
Ihe dizemos; d v-~.> a'-v^uoda e estamos
canos qo#S. S. .. s v^o ^' j
metui. ^^ ^ ?
Remeitem-nds o segulnle :
c Hantem por voita de ama hora da tarda pre-
senciamos am horrivel facto, no largo da matriz
de S. Jos.
tUm rapanga, por occasio de urna pequea gri-
tara qne entao havia, saccou de um estoque, que
nao media menos de 3 palmos, e, brandindo-o e
fazendo-o brllhar a' luz meridiana, gritnmorre
quem para ca' vier. Um iospector da quarleiro
presente, qae conhecemos como tal por cansa da
respectiva facha, pon lo-lhe a mo ao hombro dase-
Ihe : entre meu amigo, entre alli e guarde isso.
t I$so, Sr. Dr. chefe de polica, era um estoque
de 3 palmos; alli era nma casa que disseram-noa,
ser um club ligueiro I Oh I tmpora, oh I mores I!
< Indague o Sr. Dr. chefe do polica, qual foi
esse Inspector, procure entrar no cooheciraeoto
desse faci; nos o presenciamos, ninguem no-jaj
referi; urna aluvie de homens que la' e-uva
altestalo-hacorao nos. sse inspector nao pode,
nem deve continuar a servir, son pena de se o ao-
torisar a comnuller quaotas malversagSas e cri-
mes qazer, servindo-se para isso do cargo que
oceupa.
Aioda nos reraettem o seguale:
Fomos hontem teslemunhas oceulares de om
verdadelro escndalo,aue recommeadamos atten-
gao do Sr. Dr. chefe de polica. Andavam diver-
sas autoridapes policlaes de Saoto Antonio, com
massos de sedulas publicamenie as maos apre-
Offlcio do Sr. Dr. oiBcial maior datado de hoje,
cemmunicando que por se acbar sotfrendo do figa-
do e bago, via-se forgado a fallar reparilgo.
nttlrado.
Offliio do presmente a secretario da junta d-1
corretores, tambera datado de hoje, apresenlaudo
o boletim commercial da semana prxima Qnda.
Ao archivo.
Foram distribuidos os seguioles llvros:Diario
a copiador de Jos Domiogaes Pareira.llera
oero & Nogueira.
DESPACHO!.
Reqoerimeuto de Jos Gomes Villar, commer-
cante matriculado, pedindo moratoria Junte o
supplicante prova do que allega e documente o
seu bataneo, corao exige o arl. 898 do cdigo com-
mercial.Foi vencido em votos o Sr. depotado
Basto.
Dito de Manoel Jos Gongalves Braga para que
sa mande dar baixa no registro de sua nomeago
de guarda livros de Maia & Espirito Santo.Co-
mo requer.
Com informago do Sr. desembargador fiscal :
Da Manoel Antonio Ribeiro e Joaquina Salvador
Pess de Siqueira Cavalcante, para ser registrado
o seu contrato social.Satisfaga o parecer Sscal.
Nada mais houve, e foi por S. Exc. o Sf. presi-
dente eocerrada a sesso s 11 horas e meia do
da.
SESSAO JUDICIARIA EM 4 DE FEVEREIRO DE
1867.
PRESIDENCIA DO BXM. SB. DBSEMBABGAD01
A. F. PBRBTTI.
No impedimento do secretario, Reg Rangel.
A's onie horas e meia da raanha estando reu-
nidos os Srs. desembargadores Silva Guimaraes e
Accioli, a os Srs. depotados Rosa, Basto, Miranda
Leal e Olivelra, faltando cora causa o Sr. desem-
bargador Res a Silva, o Eira. Sr. presidente de-
ciaron abena a sesso.
Lida, foi approvada a acta da sesso antec-
deme.
O Sr. secretario coraainnicou por offl'.io de ho-
je, nao poder comparecer a repartlgao, por adiar-
se doente, e apresentou um attestado do Dr. Aqui-
no Fonseca, do 1. do corrente.
Foi lido o aviso do ministerio da justlga, de 14
de desembro ultimo, declarando, que as questdes
que fizeram o- objecto da coosalta qae (ora sub-
mettida deeiso do governo imperial, por este
tribunal em o I. de margo do referido auno, e
versara sobre a IrfMligeucla dos arligos 662, 663
e 664 do decreto n. 737 de 2o de novembro de
1850, relativamente offerecimento de documen-
tos nos autos oppostos s sentengas, nao eslo su-
daclsao do poder executivo, como deier-
rjina a aviso circular n. 70 de 7 da fevereiro de
18BC, -mas perieneem a Jurisprudencia dos tribu-
uae, que os deven decidir na applicage da lei
a'f casos oceurreotes.
O oscrivo Albaquerqa esereveu o ultimo pro-
testo de letra no l. do corrente, sob n. 1,367, e o
escrivo Alves de Briio, em 9 de Janeiro, sob n.
1,331.
Julgamentos.Appellante Jos Antonio de Bri-
te Bastos, appellalo o coronel Domingos Affonsc
Nary Ferreira.
Appellaota Mariano Xavier Carneiro da Cunha,
goando que queriam comprar votes; seo Exra. Sr. i appellado Joao p.nto de Lamas Jnior,
presidenta recommendou, em sua circular, a's au- Appellante Ernesto Pinto Oolho. appellado Jos
torldades que se nao envolvessem era eleiedas, corao: Alves de Agular.
o fazem os policias.de nossa freguezia?
t Chamamos a attaogao do Sr. Dr. chefa de poli-
ca para afautoridades de que fallimos; por qu^n
to ninguem nos informou disso, esim nos o pre-
senciamos
De Agua Preta nos escrevem em data de 2 i
do pausado :
i Acha-se entra nos missi mando os Rvds. Bento
Schmbre e Tbomaz Vtale acompanhados do se-
minarista Manoel Mara de Souza Monteiro, desde
o dia 10 do correte.
A coocorraocia do povo a ouvir a palavra elo-
qoentes dos servos de Deus, espantosa I Parece
qae est aeqa oso jlo paslo espiniial.
Da tolas as comarcas visiohas e de lugares
remotos tem viodo um sem ooraero de fa^nlis's
missSes. Os reverendos sacerdotes ja no pulpito
pela madrugada e a tarde, pregando o evangelho,
condemoando os vicios e eiplicand i os inefaveis
effaitos dos sacramentos; ja no confissionario, uou-
te e dia, reservando someaio as poucas horas ne-
cessaras para o descango da noute e alimento;
determinando o servigo material da capella de N.
Sanhora do Rosario, qae se acha em constrocgo,
coadjovados polo semioansla Monteiro, explicando
com assidoidade ao povo a doutnaa e os deveres
do bom christo, teem prestado um ser'igo im-
menso a sociedade I
Quinto bello e magnifico ver-so 3 a 4 mil
pessoas ouviado com religiosa attengo as phnzes
etoqoentes desses levitas do Senhor, incansaveis
nos trabalhos da nossa sania religiao I Ver-se in-
dividuos de ambos os sexos e de diffarentes cathe-
gorias sociaes carregarem cada 'omasua pe ra para
edificar a morada de Deus, tudo cora a maior ve-
oeragio, obediencia a satisfacgol
Qae recompensa do mondo esperara esses bo-
rneas, qae se dedicara com taota aboegago na
regeaerago espiritual dos povos. Nenhum : en-
tretanto, vozes Ingratas se tem levantado, aecusan-
do-os a indasindo a saa proscripgo I Se ura ou
ouiro tem eommetiido algum erro ou iodisengo,
esses effaitos desapparecem vista da tantos bene-
ficios, assim como o leve fumo na amplido do uni-
verso I
c Sirvam estas poucas linhas para dispertar nos
corag5as justos e irnaarciaes, a mesmo nos indiSe-
rentes, os seotimentos de respeito, gratido a lio-
menagem estes verdadeiros apostlos da cari -
dade.
Passageiros do hiate brasileiro Protector,
viudo da Parahyba : Consol ioglez R. Shaidar,
Augusto Labilie e S. Sweneer.
BMABTicXe n.v polica.Extracto das partes
do dia 0 de fevereiro :
Foram reeolhldes a' casa de detengan no dia i do
correte :
A' ordem do subdelegado do Reeife o inglez Tho-
mas Rodrtes, a' requislgo dcunsul ingles a Manoel
Gongalves dos Santos, preso em flagrante, por cri-
en de ferlmentos; A' ordem do do 'Pojo da Pa-
nella, Manoel Frowico dos Anjos*, por ter dado
ama lacada. O chefe da 2a setfin'J'J. G. de Mes-
quita. (. "i < "
Casa dk DbtuiIao. Movimento do da 4
de fevereiro de 1867.
Exlstiam 321, otraram 3, sahiram 5, existem
319. A saber : naclonaes 298, mulheres 11, es-
Ira j^eiroa 27, mulheres 1, escravos 47, escravas 8,
total 319. -> i
Alimentados a' costa dos cofres provincia* 204
CiiRUMlii JlIDIViAKl.
TRIIHf A.L 90 OOniflERCIO
ACTA DA SESSAO ADMINISTRATIVA DE 4 DE
FEVERMRO DE 1867.
PRISIDENCIA DO BXM. SR. DBSESIBARGADOR
ANSBLU0 FRANCISCO PBRBTTI.
s 10 horas da manna, reunidos os Srs. de-
potados Rosa, Basto, Miranda Leal e Olivelra,
o Exm. Sr. presidente abri a sesso.
Lida, fot approvada a acia da sesso antece-
dente.
XPEDDJNTK. .
Embargantes aculados Guimaraes & Oliveira,
embargado exequenle o visconde de Suassuna.
Xa. poderam ser propostos por nao estar pre-
sente ojir. desembargador Res e Silva.
Embargamos os administradores da raassa falli-
da de A. F. Sanios & C, embargdos Cals Irinos.
Nao poda ser proposto por nao ler sido apresen-
lado pelo Sr. M. Leal.
DisTBiBUtcoES.Appellantes o presidente e di-
rectores do Novo Banco de Pernambuco, curado-
res flseaes da m ssa fallida de Podro da Silva Re
go, appellados Maiheus Austin & C.
Ao Sr. desembargador R lis e Si va, para Ihe ser
entregue quando comparecer.
Appellante Thomaz Jefenes como administrador
da mas-;i fallida de Rostron Rouker & C, appellado
Tnomaz Dulton orno liquidatano da casa commer-
cial de Rostros Rooker & C., da praga da Baha,
por seu procurador nesta eidade.
Nada mais havendo a tratar o Exm. Sr. ptesi-
deate encerrou a su-.-au a urna bora da tarde.
TRIBIWI, IH HEL.VIMO.
SESSAO DE 5 DE FEVEREIRO
DE 1867.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. CONSBLHEIBO SOUZA.
As 10 horas da manhaa, presentes os senho-
res desembargadores Santiago, Gitlrana, Guerra
procurador da cor a, Loareago Santiago, Motta,
Assis Domiogaes da Silva, e Ucha Cavacaoti, fal-
tando os Srs. desembargadores Almeida e Alba-
qaerque, abri-se a sesso.
Passados os feitos, deram-se os segaiotes jalga-
meatos :
As appellagdas civeis.Appellante, Salustiano,
escravo ; appellado, Urbano Barbosa da Silva.
Confirmada a senienga.
Appellante, T*espboro Caetano de Abren ; ap-
pellado, Manoel Nuues de Mello.Reformada a
sentenga.
Appellante, Jos de Barros Pimental; appellado,
Joaquim Marinho Falco.Despresados os embar-
gos.
PASSAGENS.
Do Sr. desembargador Santiago ao Sr. desem-
bargador Giliraon:AsappellagSes civeis.Appel-
lante, Joaquim Gongalves Ferreira; appellado, Ma-
noel Joaquim Baptisla.
' Appallaote, Anglica Bernarda de Miranda; ap-
pellado, Manoel Jjs Daatas
Appellante, o visconde de Loires; appellado, Jo-
s Velloso Soares fX Filbo.
' Appellante, Francisco Rodrigues de Almeida;
appellado, Bernarda Mara do Espirito Santo.
Do Sr. desembargador Assis ao Sr. desembarga-
dor Domiogues da Silva.A appellagio civel.
Appellante. D. Joanoa Mara das Dores; appellado,
Antonio Joaquim de Mallo.
Ao meio dia encerrou-se a sesso. *.
--?*-
a*t\fll)miPAL II RECIPE.
SESSAO EXTRAORDINARIA EM 12 DE DEZEM-
BRO DE 1866.
Presidencia do Sr. l'ereira Simoes.
Proseles os Srs. Dr. Miranda, Santos, Dr. Pi-
taoga, Dr. Villas-boas e Dr. Seva, faltando com
causa os mais seohores, abrio-se a sesso, a (oi
lida a approvada a acta da antecdeme.
Leu-se o seguiote
EXPEDIENTE.
Um offlcio do Exm. presidente da provincia, de
7 do correte, em qae declara a cmara, em res-
posta ao qae a mesma Ihe dirigi em 3 do mesmo,
sob o. 81; que nao exislindo na secretaria do go-
verno o offlcio de 3 da outubro ultima, sob n. 99,
com quesubmettt'u a app ovacSo da presidencia o
projecto de posturas, qae alinde, nao pode por
essr razio ser revolvido o qae solicita a dita c-
mara no primeiro dos citados oficios.Que se re-
menease copia daqaelle offlcio de 3 de outubro,
bem como do projecto de posturas, relativo a cons-
trngio de Solean, e de novo se ipedisse a appro-
vaco.
Um abalxo assignado, com despacho. da presi-
dencia, mandando informar, oo qnal diversrs mo-
radores e proprietarios do lagar do povoado do
Campo Grande da freguezia da Boa-Vista, levand0
ao conheciraento da mesma presidencia a existen-
cia def dous pogos naquelle lugar, que Ibes abaste-
cen! d agua polavel, pedem providencias no sentido
de que os citados pogos sejam limpos e inlrjolla-
Jus, e assim abastegam d'agna satisfacloriameote
a todos os moradores do logar.Pedem tam'em a
abertura da ra principal do mesmo povoado, a
qual segu da ponte a estrada de Dkam visto que
na ha planta qae sirva de base as edicagoes.
Qae o engenhelro informe cora urgencia.
Ura offlcio da cmara music pal do Brejo, de 26
de novembro ultimo, aecusaodo a recepg) do
qoe em 3 do mesmo Ihe dirigi a cmara desla
eidade, commooicaodo-lbe qae oaqaella data en-
trara em exercico da adraioistrago desta provin-
cia o Exm. Sr. caoselh iro Francisco de Paula da
Silveira Lobo.Inleirada.
Outro da cmara munieipal do Suiqne, da 23
de novembro passado, aecusaodo tambera o da c-
mara municipal desta eidade de 3 do dito mez, em
que Ihe commuaicara na mesma data baver o
Exm. Sr. conselheiro Francisco de Paula da Sil-
veira Lobo entrado no exercicio da administrago
desta provincia.Inteirada.
Outro do iospector da saude publica, dizendo,
que tendo de apresentar o relatorio do estado sa-
nitario da provincia, pede a cmara qae se digne
remelter-lhe cora urgencia o mappa e.-tuistico da
mortalidade havida oesta capital, com deslgoagao
das molestias, a' contar do 1.* de novembro do
anno passado ao ultimo de novembro deste au-
no. Mandou se ordem ao administrador do cemi-
terio para fornecer.
Outro do subdelegado da fregneza do Pogo da
Panella, Dr. Luiz Carlos de Magalhes Breves,
participando ter entrado no dia 3 do corrente no
exercicio do misino cargo, para o qual foi Hornea-
do pjr portarla de 26 do mesmo mez da novem
br passado.Ioteirada.
Outro do juiz de paz, 2." votado do 1." districto
da freguezia do Pogo da Panella, communicando
ter recebido os livros de que trata o arl 19 do
decreto n. 3069, de 17 de abril de 1863, para que
tenha execugao o registro de nasciraentos e bitos
das pessoas nacionaes ou eslrangeiros que profes-
sarera religilo differenle da do estado e residirem
naquelle districto, cojos livros acompaobarara ao
offlcio da cmara de 21 de novembro ultimo, a os
entregoa ao respectivo escrlvao, da quem exigi
o recibo que remettia.Ioteirada.
Ootro do jaizde paz i. votado do 2. districto
da mesma freguezia do Pogo, communicando es-
tar da posse nao s do offlcio da cmara de 21 de
nov;mbro ultimo, corao dos dous livros que aeom-
panharam, e qoe devem servir para o registro dos
nascimentos e bitos das pessoas nacionaes, ou es-
trangeiras, qua residirem no mesmo districto, e
professarem religio diflereote da do estado.In-
teinda.
Outro do proeirador remeneado o balancete da
receita e despeza da cmara em o mez de novem-
bro prximo passado. -A commisso de polica.
Outro do contador, informando a petlgo junta
de Marcelino Jos Lopes, delara que as tertidoes,
que o mesmo pede, esto ja' passadas a' algum
tempo, sendo qoe viudo-as boscar, priocipiou por
quere-las de graga, resolvendo se aflnal, que as
pagara, e que deviam ser passadas em certos ter-
mos como elle in-licava, o que oo quiz e nao deve
acceitar de pessoa alguma, taes incinuagoes, visto
como respousavel pela veracidade das ceildoes
que passar.A' vista da informago despachou-se
a petlgo, declarando que ja eslao passadas as cer-
tid5as a' que o supplicante se refere.
Outro do enjenheiro cerdeador, informando
contra a pretengo da companhia da Bebaribe, de
cobrlr com um teiheiro o chafariz qae est collo-
cando na ra do Priaeipe, na lar/ura do passelo
que tem dez palmos, por ser asta conslrugo toda
dentro da ru.-Indeferio-se.
Outro do raesrao, dizendo ler ido examinar a es-
trada da Varzea, perlencente a cmara, para orgar
os concertos de que precisava; ebservou que as
desigualdades existentes durante a estagao inver-
nosa baviam desaparecido, estaado ella agora toda
nivellada, excepto somente em poucos lugares, nos
quaes ha Becessidade de aigom tterro, trabalho
que pode ser encarregado ao respectivo li-eal, o
que nao deve cuslar grande prego. Tambera pre-
cisa a mesma estrada de ser limpa, pois qua actual-
mente os mattos cobrem-na quasi na exteegao de
quasi duas torgas parles de sua largara.Iotei-
rada.
Ouiro do mesrao, informando sobre o que no re-
querimenlo, que devolve, expda Francisco de Pi-
ubo Borges, diz qne verdade haver declarado ao
peticionario qae nao Ihe pode dar eoreago para o
maro que a cmara Ihe oacedeu fazer para fe-
char o quintal de sua cass, sita a' ra da Guia
n. 16, visto estar esta cordaago em opposigo a
planta do logar approvada pela mesma cmara,
e pelo governo da provincia, e nJo fiear em poder
delia eogenbeiro nenbnm documento que o salva
da responsabilidade, pois que o despacho da c-
mara exarado oo reqoenmeato do petecionario, ti-
ca era poder do mesmo.
Se a cmara Ibe ordenar por offlcio qae d a
cordaago, como requer o mesmo peticionarlo,
embora seja isto contrario ao qae esta' determina-
do na planta, elle o far pols qae a lodo o tempo
podera justificar-se.Posto em discossSo resolvea-
se que, assignado previamente o termo em qoe o
proprlt-tario declare por si, e seos berdelros no
pedir indemnisago pela deraolligo do muro,
qoando f.r ordenada pela cmara. Da occasio em
que se proceder a sua desspnpnagio da casa.se
offlciasse ao engenoeiro ordenando qoe desse a
cordeagio.
Oatro do raesrao, eomraonicando que tende-se
dirigido a povoago da Varzea para o Ora de mar-
car o lugar que deve ser oceupado cora o cemite-
rio publico que vai ser feto naqnella povoago,
iotendeu-se com a respectivo propietario doador do
mesmo terreoo, e com assistencta delle procedeu a
demarcago, dando ao eslabelecimento 250 palmos,
em quadro, fincando estacas para' este fim no sillo
escomido pela commisso ancarregada deste ser-
vigo.
Compre-lhe, porm, declarar qoe nessa occasio
o dito propnetarlo, doador do terreno, levou o a
ver e examinar oatro lugar, onde declarou qae
preferira fosse feito o cemiterlo projectado por ser
assim menos prejudicial aos sus interesses, e qae
sendo o terreoo tambora de saa propriedade, elle o
cederla do mesmo modo gratuitamente para o mes-
mo Am.
Declara aloda o oogenhetro que a uavo local
tem a capacidade precisa para o astabelecimento
projectado, e at certo ponto mais conveniente qae
o oatro, por nao contar o terreoo tanto buraco,
como ba no primeiro, mas que a distancia, em qua
Oca, dupla da do oatro.
Posto em discassio. resolvea-ee acceitar este
ultimo terreoo e deelarar ao engenbelre que or-
gasse o muro e poni, dando se eoohecimeoto so
proonetario, ao advogado para dar as torgas da
escriptura de doago, e ao procurador para ir an-
dar lavrar a mesma esenptura.
Ouiro do fiscal da frefaezia do Reeife, ioformao-
do o reqoerimenlo em qae Jos A. Fernandas Fradi-
que, pede lireoca para abrir a padaria n. 34 da ra
da Seozalla-Velba, cujo eslabelecimento pertencen
ontr'ora a Domingos Jos Dias de Oliveira, declara
ser verdade ludo quaoto allega, e qae tendo ido
examinar a casa, acha que oftereca ella ?s necesa-
rias accoramodagoes para qus possa o mesmo peti-
cionario continuar com a referida padaria.-A'
com mi.-sao de s:ule.
A commisso de sade ap-esenton om parecer,
que foi approvado, sendo de opinio qae fe nao
i i irnii
MUTILADO
,...


"~~T^
turto d frefoamb co -. Qur-a letra de FeTcrelro 4e 1867.


evia conceder que N'Tciso Aqgusfo Ptrrtra das
Santo coolinoasse ora o estabelecimenio de fer-
reiro na roa da Roda, por quaote mo essa ra
marcada pelas posturas para stabelecimanio desia
ordem.--ldtBerio-se a peligo. .. ...
A coraralsso de polica apresentou lambem un
parecer, qae'foi approvado, mahdande se por em
praca para o da 19 do correte, os objectos ae
que trata a relago dada pelo procarador para os
movis do jury, devendo os concurrentes a arrema-
taei) apreseotarem a sua propostt perante a c-
mara em carta fechada.
Entra em discnsso o rfflcio do advogado, qae
Acara addiado na sesso ulflma, dando o seu pare-
cer acerca da qoesto do traspaso da casa a. 8 da
prag* da Independencia, feto pelo Dr. Maooel de
Figueira Parla, e o Sr. pro presidente aprsenla
a informa gao que se devia dar a presidencia a res-
peito de semelhante qoesto, e sendo lida pelo se-
cretario, Icl posta em discosso.
O Sr. Dr. Piotanga pede a palavra, qae sendolhe Capital.
concedida, diz ,ue v. ta entra porque tendo voiada Valor foroecido
a favor da pretengao de Figuelrda, vota contra a | pela caixa ma-
raformago que Justifica o acto da cmara, a respei-; triz............
to do qoal se opidV, e votou contra elle. Emisso.
O Sr. Or. Miranda pede tambera a palavra, e Pelas segrales ad-
sendo-lhe esta concedida declara que vota contra dieses, cuja tota-
es.-a informara, e foi de opioiao que no offlcio que lidade igual ao
se dirigisse ae Ezm. Sr. presidente da provincia saldo a favor do
antes se pediste liceuga para que como ioforroago Banco do Brasil,
a materia do recurso, qae pende de sua deciso,!
ebegassem ao sea conhectmenlo o pajacer do;
advogado a quem previamente ouvio-selrwse res j
peito, e mais documentos que acom anharam, e Valor era circula-
Krn moeda de cura
estrangeiro, so-
berano* :
606:6801270.
Prata e pequeo
valor em" cobre
Notas do governo.
De 10*:
60:003*000
Be menores valo-
rea :
27:570*000
Notas da caixa :
- Bensde raz...
1,780:150*270
#711
87:573*009
48:130*000
Pxssive.
cora os ttens miogoados recortas ios amigos, eam
os quaes me empeohei oaluta de 1863, protestando
sempre retirar-me logo que descorriste indicios de
qoalqner resollado sanguinario.
O desanimo em nossas flleiras ara espantoso.
Alguos amigos dedicados e influentes em. tnas lo-
calidades, ou estavam segregados da poltica, oa
empeohados na lula contra nos.
Oeste modo amos arraslando dlOBculdades enor-
es, at qae ebegoa o da da eleicio.
A nossa minora era vistvel, eso podamos con
tar com o recurso offlcial ou com a fraude : en-
tretanto urna negociado de paz *e offereceu e foi, _
o Intermediario della o subdelegado do cjislricto Dysentena.
desu fregnezia, o Sr. Dr. Uarnelro Montelro, moco Dor de garganta.
Rwo8 graBde inDaenca eolre 08 amios Dor de barriga.
Aceeitei essa negoeiago, que consista na parli- i Jor D08 rins- .
16,639:7895388 Iha dos eleitores e snpplentes, e aceeitei a como! Dureza no ventre.
1,915:853*981
43:362*460
las continuar em seus negocios, visto
olo preciso resguardo.
Accidenta epilpticos.
Alporcas.
Areias (mal de)
Aslhma.
Clicas.
ConvulsCes.
Debilidade ou exte-
nuado,
2,000:000*000
um raeio de salvar a coaseiencia de nosaa fraqueza, j Dita no figado.
e iivrar a fregnezia de presenciar ainda scenss ra-' Ditas veneraes
mol nanas, das qaaes, como em 1864, resultasse a I FnannPra
morte de algara pai de familia e a prostitaicaa Dxa.qu?ca.
em conta de re-
messa de notas
a saber:
ficassem archivadas as respeciBas copias para que
em todo lempo constasse.
Nao bavendo quera mais pedisse a palavra foi
Bisla a votos, e approvada vetando contra os Srs.
rs. Pitanga e Miranda pelas raides que ja forara
expostas.
Preslou joramento o Qscal supplente norrfeado
na sesso ultima para a fregnezia de S. Jos, lea-
quim Cavalcante de Albuquerque Mello.
Harcou-se a sesso do da 19 do correte, para
qae na mesma se deliberasse acerca da escolha do
terreno para a cooslrurgao do pago municipal, e
qae se coavidasse a lodos os Srs. vereidores em
exercicio para esse flm.
Despaebaram-se as peticSes de Alexandre J ;
Dornellas, Aotonio Emigdio Ribeiro, Antonio Jos
Soares Jnior, Apnglo Jos da Silva, Amorim
Irmos, a junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia, Banholomeo 4 C, Francisco de Pinho
Borges, Flix Jos Kelicio, Francisco Jos Houorato
SerraGrande, Galdino Antonio Soares, Ignacio Go-
mes Porto, Joaquim Francisco Collares, Jos Fran
cisco Ribeiro, Antonio Jos Mauricio, Jos Pereira
de Araujo, Joaquim da Silva Reg Jos timorato
de Medelros, Jote Marques da Fonseca Borges,
Jiaquim Pereira Arantes, Joaquim Frauctseo das
Chacas e Silva, Joaquim dos Santos ulho, Joo
Pacheco Alves, Joo Googalves da Silva, Manoel
Figueira de Faria & Filo, Mara Joaquina da
Cooceico, Manoel da Cruz Martins, Marcelino Jos
Lopes, Narciso Augusto Pere ra dos Santos, Seve-
rina Francisca da Costa, Tkiorcio Valeriano das
Neves, e levantou-se a sesso.
Eu Francisco Canuto da-Boa-viagem, secretario
a subscrevi.
Declaro em lempo que havendo sido lido o pare
cer doSr. Dr Miranda aceraa do cemiteno publico,
foi o mesmo autorisado, para que, entendendo se
com o procurador oa cmara, dispendess o que
fosse preciso para o concert da cobria de urna
das casas, que esto fra des muros do mesmo ce
miterio, e nessa parte foi ecto approvado o dito
seu parecer, sendo que na acta seguate sera trans-
cripto o mesmo parecer.
Boaviagem o d"clare. Reg, pro presidente,
Santos, Dr. Miranda, Silva do Brasil, Dr. Pitanga,
Dr. Vilias-bcas, Dr. Se ve Pinto.
cao.............
dem no cofre de
emisso........
dem em debito da
caixa............
Letras a pagar.
Por saques do Ban-
co do Brasil.....
Depositaderes.
Pelo valor nominal
de tO acg5es do
Banco do Brasil,
depositadas pelos
directores desta
caixa na forma
dos estatutos...
Por outros ttulos
on especies ....
Diversos.
Saldo de varias
cootas.........
I) iv i den'los.
Pelos que nao tem
sido reclamados
Ganlios e perdas.
Lucros sujeitos a*
13,8.7:590*000
534:580*000
48:130*000
Erysipela.
Febre Biliosa.
Febre intermite
Febre de qualquer
especie.
da
Vendem-se as caixas a 1)5000 rs. na bo-
tica do ab'aixo assignado na roa Direita n.
88, e de urna duzia para cima a 800 rs. ca-
da caixa; eontm urna inslroccSo, para ex-
plicar o modo de usar-se destas pilulas, tra-
ctando de cada urna das molestias de per si.
A instrucc3o est assignada por mea pu-
Jos da ocha Parankos.
ECTJ3M:
32:000*000
20:696*037
liqui
Cont
Binheiro
ao.....
forrensVi simples.
recebido
NOVO BANGO DE PERNAMBUCO.
Balancete do Novo Banco de Pernambaco, em 31
de Janeiro de 18C7.
ACTIVO.
Apolicesda divida publica........ 870:800^000
Estrada de ferro da Baha........ 131:074*706
Joins depositadas...... o:73o>280
Ttulos depositados...... 47:64*6*316
Letras depositadas...... 8:127*"50
Letras caucionadas..... 11:030*000
Letras descontadas..... 1,344:928*706
Letras protestadas '. 246:277*031
Banco da Bahia N'/C
Francisco de Figueireilo C, do
Rio de Janeiro................
Aluguei de casa......
Fornecimemo......- .
Juros.............................
Despezas geraes.......
Premios e commissoes..........
Caixa..........................
15:538*074
3:702*642
845*820
5:0003000
93l*ta
3:79s*3i0
1:338*772
212:594*948
Reis.... 2,9,9:388*038
rasuro.
Capital.......... 2,000:000*000
Emisso........................ 54:500*000
Leu as por dmhero recebido a
juros .......................... 31:8785000
Conlas correntes com juros 361:810*497
Contas correntes simple.......... 88:16ls039
Fundo de reserva...... 105:338*919
Titulos em caucho
Knowles & Foster, (de Londres.!
Banco da Bahia S/C .
Massas fallidas cargo do Banco.
Dividendos........
Juros da garanta da emisso.
Premios de saques e remessas...
Descontos........................
61:509*146
15*270
76:267*i26
8:379*817
3:780*350
28:797*200
45*000
88:905*274
O presidente da caixa filial,
Ignacio Joaquim de Soma Leo.
O guarda-hvros da caixa filial,
Ignacio Nunes Correta.
desta.
Esgotel toda a minba fraca Influencia, poderosa-
mente fortalecida nesta occasio pelo meo presti-
moso e digno amigo o Sr. Alexandrino Martins
Correa Barros e oatros, e oada podemos conse-
gair.
Resigoei-rae, e continaei na eleieao oa esperan-! Lotta tne.
5a de que a experiencia dzesse convencer aquel-
los que se antepozeram a pariilba, a acceita-
rt na.
Antes de comecar hoje a priroeira chamada, e
estando eu a conversar na tgreja com o Sr. Mar-
colino Fer.-eira da Costa sobre negocios inleira-
i mente albeios a eleigo, fez-me o Sr. Dr. delegado
sigoal de que pretenda allar-me. Cbeguei-me, e
! este seohor enio dlsse-me que grandes recursos
14,410:000*000! de gente cada vez mais ebegavam aos conservado- nho, para evitar as imitaces.
res, e que era prudente falaar eu aos amigos da
mesa aflm de procederem de modo a nao provocar
300*OOOLC)nQictos edesordem, e qae isio se poderla facli-
. mente conseguir nao reeosando a mesa votante al-
gym pelo simples facto de ama troca de sobreno-
, me ou appellido ; prometti empregar todos os
j meios a meu alcance para isso conseguir, e effddi-
: vamente fallei aos mesarlos.
Pretenda tambera alguma coasa pedir a esse
tespeito ao Sr. Ur. Alvaro cba, represeotante na
igreja do lado opposiciooista, e pedi-lbe urna confe-
rencia ; concedida esta e antes de potter chegar ao
meu fin, o Sr. Ur. propoz outra convenci de ter-
52:696*0371 mioaraos a luta, dando os seos somente oto elei-
tores e a metade dos suiplente.
A mioha misso era todi de paz e ordera, e por
isso aceeitei por mira essa proposta, toda vatajosa
primeira, e empenhei minha palavra de retirar-
me, se por ventura nao a podesse conseguir.
Proposta ella, sustentada convenientemente por
alguos amigos, entre elles o Sr. Aiezandrioo, e o
Sr. Bsojamio Torreao, membro da mesa, foi reca-
sada : declarei retirar-me e effectivamente o O?,
I trazen-lo comigo a conviccao d? baver prestado al-
129:355*076 gura servico a minha freguezia, e guardando inv
balaveis a firmeza de minba* ideas polticas
Eis porianto a razio de minha reiirda da elei-
Cao, que se nao pode todava entender com a pol-
tica que profesas, e na qual coounuarei aprestar
qualquer apolo e servico^que de mim exigir.
Afolados, 3 de fevereiro de 1867.
Jos Marcelino Alves da Fonceca.
Hemorroidas.
Hydropesia.
Ictericia.
Indigestad.
Inflammaroes.
Irregularidades
menstrua r5o.
Lombrigas de toda es-
pecie.
Manchas na cutis.
Obstruccao do ventre
Inflammacao do l>ul-
m5o.
RetenoSo de urinas.
Rheumatismo.
Symptoma secunda-
rio.
Tumores.
Tico doloroso on ne-
uralgia.
Ulcera.
Mal venreo.
qua^frigeraoto. *13H eneefra t SI, por assim
dizer^o condensado respiro e vida das flores
as mais .exrjuesitas e odoriferas do reino
vegetal e sua. fragancia parece iuexuaurivel,
inesgotavel, mesmo depois de ter sido ex-
ftosta urna proloagada e?aporac5o ou dif-
usSo. Neste respeito ella se assemelha
original Agua da Collonia de Faria, e
preferida por toda america do sol e as
Antilbas, n5o obstante o valor e custo do-
brado daquelle outro perfume.
( Reparai bem que os nomes de Mur-
ray e Lanman, se achem iuscriptos sob ca-
da envoltorio, letreiro e at mesmos embu-
gitnento de signaes, que ser executado cora a
maior pontaajjfeaV ata Mateas dos seus trens.
Art 3. A locomotiva, arenar sempre na trente
dos treos, e s oas manooras peder estar colloca-
da em outra posico.
AM. 4. Bra cada loeoesotiva hareri um nuebi-
oisu e nm foguista, e em cada trem ora chefe oa
coaductor, qae ser o responsavet por todo o er-
vico dorante a viagens e coa qaern o.< pa. se devero entender.
Art. 5.* A aiBgaera, com excepcao do machinis-
la, foguista ou pessoa autorlsada pela empreza, -,
permiltido subir a locomotiva.
Art. O machinistas oa aera as suas vezas
inr, nao abandonar a locomotiva ara s ins-
tante.
29:638*175
16:920*000
880*100
16,639:789*388
Conimunicados
Partido conservador.
ato FORHOSO.
Por um telegrarpma hornera a tarde recebido pe-
la estacao de Gamelleira, soubemos que em Rio-
Formoso btuve concordata na eleieao, cabendo a
opposico 13 eleitores e 13 supplentes.
'til
COes
.Jo
HORHIfil
D'IHUA
Molestia Ulcerosa
Curada.
P. Maurer & C.
GOMMERCIO.
Art. 7. Neobnm trem poder! circular a noule
tidos no proprio vidro da garrafa e na falta sera qa6a locomotiva teofta um pharoi decdr, que
Acba-se- venda as pharmacias de A.; Art! 8. Os carros de viajantes sero tetados,
Caors 4 Barbosa, J. da C. Bravo & C. e numerados e (nominados a nonie;
Art. 9.* A empreza nao poder sob protam
{ algom, exceder a respectiva lotacao.
Art. 10. O viajante a quem a empreza distribuir
, ara bilhete depassagem, tem direito a om assenu
: no carro, coja classe estiver designada.
Art 11. A entrada nos trens Interdicta as
pessoas embriagadas, indecentemente vestidas, a
que tenham provocado conflictos ou desorden? as
estacrjts e dependencias da estrada, embira so
achem munidas de bilbetes.
E' igualmente prohibido subir ou descer dos
carros quando os trens esUverem em movi-
mrnto.
Art. 1S. E' prohibido circular ao longo da es-
trada oa permanecer as suas dependencias seot
lirenca da empreza.
Os vehculos ou pedes poderlo apenas atraves-
sa-la em qualquer ponto accesslvel.
Art. 13. Ligo que o macbin qualquer viandante circulando ao tongo da e-r ;.; ,
I dever manobrar ama e mais vetes o apilo da lo-
comotlva, fechando o regulador e cerrando os
I freios se na drstancb de cerca de dez brabas nao
: estiver a linba desembaragada. as corvas de
grande desenvolvioiento, o machinista manobrar
j o apeito durante ledo o lempo era que as percoritr
ou al que.possa descortinar o segoimento da
i linba.
Art. 14. O trem dever parar com a maior ra-
l-idez possivel, logo que os guardas da emp-t
Ozerem 03 sigoaes convencionados para esie fm,
oa descobrir-se qualqaer obstacolo na e.-irada que
PRAfA DO RECIFE 5 DE FEVEREIR9
DE 1867.
As 3 % horas da tarde.
Algodao de Macei refogo 12*500 por arroba
posto a bordo.
Silvelra,
Presidente.
Macedo,
Secretario.
Noy Banco de PemambDCO.
O Novo Banco desconta letras de praso at qu-
tro mezes a 8 0i0 ao anno, e de maior praso a
IOOiO
Plalas purgativas de veame
Este inestirnavei especifico, composto in-
teiramenle da planta do nosso paiz denomi.
nadaveame e seus adjurantes, benigno
mais teora infancia, e a compleicao mais d-
os nossos amigcs, embora em numero mui su-; licada, tgualmente prompto e seguro pa-
perior, juigaram prudente, a bem do socego pubii-! ra desarraigar o mal na corr- pleic 0 mais
co, acceder a idea de accommodacao, nao obstante rnf.nc. ;nil;Pm.,, ;,.. ..,
ser ella menos vanta.osa que seria para desejar. | rot)usta_' C mleiramentri innocente em SU3S
Era Una tratava se tambera de concordata. AJ operacoes e etleilos ; poiS busca e remove
eleieao era presidida por um jair'de paz do lado* asdoengas de qualquer especie e grao, por
opposicionista.
rogo DA PANRLLA.
Urna farca ridicula do Sr. Arislides Padre, (qae
mais antigs e tenazes que sejam.
Mui tas pessoas curadas com estas pilulas,
conecem s virtudes e effeitos dellas; algu-
assumio de proposito a presidencia da mesa|eleito- mas, que estavam s portas da morte, pre-
ral' fm suspenderem-se os trebalhos, que cerriam servando seu USO, conseguiramrecobrar a
T?rSKSS e cora aspecto verdadeira- ^e_l!?I^' deP0S de haver tentado ou-
meute cmico, su>peodeu o Sr. Arislides as fuoc
gdes da me.-a eleitoral ; sendo para notar que de
ante mSo fra lavradra urna acta em avulso, que
narrava o iucideote que havia de acontecer, e que 1,11s Pff,ra7p(. Pfrpiin9",Pta
com o maior descarameolo foi trazida de fra pa- > US emcazes eneilO.
ra ser inscripto id livro competente I Este escan-!lcs recuperarao O
dalo foi presenciado por lodo o auditorio I
Sao to cyoicos, que nem ao menos procuran)
coonestar seus escndalos 1
Us senbores doutores Carneiru da Cuoha e Al-
coforado Jnior, membros da mesa, vierara repre-
sentar presidencia contra as irafkaacias, que se
pro.ecUm naquella eleigo, e nao duvidaram em
pedir ao Ezm. Sr. conselheiro Silveira Lobo, qae
houvesse de mandar urna autoridade de sua coo-
Uanca, para assistir aquella eleieao, cujos resal-
tros remedios.
Os cliefes das familias nao evem entre-
gar-se a desesperado ; facaoi u mensao
s pilula*, e pres-
proveito da saude. Ra-
zoes bem ponderosas exislem, pelas quaes
devem ellas ser preferidas a outras mul-
tas, que s3o expostas a venda.
Primeira por ser da urna planta do lu-
i ds que habitamos, e nao 1 atus effeitos as que nos ve.li de oqtros pai
izes; segunda, porque dcste modo.qua
se acoroca a nossa industria, e estisto vi-
alcancc de todos. Ha bem poneos dias do
mos publicado neste Diario um discursode-
Ris. 2,909:388*038
Estado da caixa.
Em ouro amoedado..... 13:486*H0
Em notas do thesouro de 10*000 8:000000
Em ditas menores de 10*. 47:401*000
Em ditas da caixa filial do Ban-
co do Brasil....... 143:500*000
Ea trata e cobre. 207*838
Res. 212:594*948
bfinonstrariio da emisso.
149 notas do valor de
187
120 > >
S. K. e O.
200*000
100*000
50*000
29:800*000
18:700*000
6:100*000
Ris 54:500*000
O guarda livros
Francisco Joauuim Pereira Pinto.
Caixa filial do Banco do Brasil em Per-
h;i Hibu.ro.
BALANCETE EM 31 DE DuZEMBRU DE 1867.
ACTIVO.
Letras caucionadas.
Por ouro e prata. 9:659*000
Por ttulos com-
merciaes..... 2:831^060
------------------ 12:490*060
Letras a receber.
De varias proce-
dencias ........
Letra* de concordatas.
Valor em cartelra
Tifulos em liquidacSo.
Por letras proies-
tadas.....:..... 644:703*957
Por alcance do ex-
thesoureiro Do-
mingos Francis-
co Tavares..... 546:790*264
" -.1 .
Contai correntes.
Banco do Brasil:
S/c..............13,785:882*512
P/c.............. 1,197:232*064
lados uo podem deixar de ser favoraveis oppo-
sico, cuja maioria all infinitamente superior.
Esperamos que o Exm. Sr. Silveira Lobo nao ilnoi
consentir que um bomem execrado por toda | "lustrado, Sr. Dr. Sa.mento em que nos COV
aquella freguezia leve vantagem popula$ao in-1 monsti ou esta yerdade ; terceira, porque
teira e giada do Poco da Panel la I Seria um escan- lias at q na tro pilulas produz oa mais rop-
daio, ou ponto negrissimo na administrago do [ Dusta natureza, o ffeito urgJUivo semd
offensa e irritaijo das entranhaS e das ou-
tras silo precisas qoalro e seis
Exm. Sr. Silveira Lobo
FREOUEZ A DA LUZ.
Urna carta daqoella freguezia, de data de 4 do
correte, diz o seguinte : Uepois de organisada a
mesa parorhial, lavrada a acta, e correodo o pro-'
cesso el-iti-ral regularmente, a polica com a forra,
que bontem fez invadir a igreja, acaba de prohibir
para esse
effeito, sendo que as caixas contm 36 pi-
lulas e as que veero de fra a maioria teem
24.
Quando digo cima: benigno a mais tenra
o ingresso dos vetantes na mesma igreja; e sao i infancia, porque podem ser applicadas aos
comete com esta arijilrariedsde, esto organisan-; meninos de peito ; e explico como : COrtai
do outfa meta paroc^lal, presidida por umjuiz del.ima ni|ni. pm .1 j .
paz da Gloria. Os nossos amigcs por be je suspen-1 uma Pliaia. \m auas Parles, arreft-nda, que
deram os trabalhos, ecommunicarara estaeccur-l3 massa a istose presta, abr a bocea da
rencia ao governo da provincia, que, a reger-se pe- creanca, (se fr de mezes e dias em 4 par-
Ios principios de moralidade, como de suppr: tes) e botai uraa das duas partes perto da gar-
nao podera deixar de mandar desfazeresteembus--i a.: am .:_ iu 4. j
le, que aqui Bca representando a polica. 8aata, dai em cima uma colber de sopa de
Deas qoeira que a cousa fique nisto, e que al-1 aKua ,r,a simples OU assucarada OU mais se
euma nova imprudencia da autoridade nao venbalfdr preciso, at que a pilula seja engolida,
exacerbar ainda mais a popalago, que tem estdoe dah algumas horas applicai novas co-
admirivei de euiiiusiasmo V iherinhas de agua, sem eslorco porque se
klkic5es de santo antao. houver ele, ser recebida pela creanca
com agrado; e continuai no espaco do da
a esperimentardes se ha sede, para satisfa-
zerdes. Obscrvai avossa creanca, vdese
Todos aqaelles que se achao sujc'itoB i bo-
frer molestias scrofulosas, ulcerosas, ou svpbi-
Uticas, ainda mesmo as reputadas de peior
natureza, apenas necesaitao de lr o seginta
caso maravilkoso, para que se sintao iateira-
mente convencidos que a sua propria eura,
nao s meramente possivel mas sim nbeolu-
lamente certa.
Joao Josfi Fkrekiba Barboza, residente
na Cidade de Maxanhao, tinna todo o sea
corpo coberto de chagas ulcerosas, durante
algunos annos se achava debaixo do tratamente
de mdicos os mais afamados, tendo usado
durante todo este lempo quasi toda a especie
de medecinas que em taca casos i empregada
pela faculdade medica, porem debalde sam
obter o menor beneficio on alivio: achando-se
poLs em taes apuros ella finalmente resolveo-
e, depoia de repetidos e baldados esforcee i
fazer uso da]
Salsaparrilha
DEBRISTOL.
No todo eUe apena* chegou a tomar Ointo
Garrafas de BaUaparrilha a quatro frascos da*
Pilula Vegetacs Assucaradai, e o resultado
foi eHe obter una completa e perfeita cura.
Os Sere. FEllEEntA & Cia., Droguistas de
Maranho, for3o quem supprirao os medica-
mentos, e achao-se perfuitamente ao facto
d'este caso, e w mesmos Senbores, no s ae
achiio promptos i confirmar o mesmo, como
tambem em fornecer o actual adresso da Ser.
Barboza, a toda e qualquer pessoa que pof
rentuxa se desejo informar da verdade.
Recorameuda se mui particularmente aos
Doontes que tenliao o maior cuidado na escolha
desto escellente remedio, nao asando outro i
nao ser a Ganuina Salsaparrilha do Briitol,
a qual exclusivamente preparada por
NOVO BANCO DE PER-
NAMBICO.
0 novo banco paga o se-
gundo dividendo de 4,4 0(0
da massa fallida de Joaquim I "Tt iKiffTL
Tac RTtroim dara as mais proraptas providencias, para que o
OVpm DlIVlld. | tiansitoserestabeleca.
Se do accidente resultar mora ou ferimeotos. a
Cixa hlial do baBCO do Brasil em iempreza dara tramediatamente conheimento oo
n^..mu.. , ^eraambUCO W81 de jaueirO denistrandoaosfendosospriraeirossoceorros.
Art. 16. As i.iaroes tero lazas exteriores desde
1867.
De erdem da directora se faz sciente aos se-
nhores accionistas que o ihesoureiro esta' autori-
sido a pagar o 26 dividendo das accSes desta cai-
xa a ra2o de lz.
O guarda-Iivros
Ignacio Nunes Crrela.
ALFANDEGA.
Rendimento do da i a 4 ......... 83-.333891
IdemdodiaS................. 36:591^661
119:927ooo
MOVIMENTO l)A ALFANDEGA.
Volumes entrados com fazeodas..
gneros....
Velumes sabidos com fazeodas...
te gneros....
234
710
---------J
152
94i
------3S0
Descarregam hoje 6 de fevereiro.
Barca porluguezaJt-S/t-amercadorias.
Vapor ioglezO/Midamercadorlas.
-j Escuna hespanuola Vestal mercadoria.
Pohca hespanholaE/fi/nnctamercaduras.
Patacho iogWiGeorgianaiew.
Barca inglezaImogenemem.
Barca francezaSanio Andridem.
Pataclo portuguezFernaniesidem.
Patacno portuguez Umo-idem.
Barca pcriuguerHumildade idem.
Barca Inglealsabella Harnelt -dem.
Bngue portuguez La /Idem.
Ecunanollandeza-S^cu/me-idem.
Barca InglezSGra/onaCarvo.
Barca ibglezaRayamondidem.
Brigue suecoJohannes dem.
Brigue boliaudczPerteverancechiT<\ae.
Escuna hollandezaDe Vredecharque.
Brigue nacionalErftranca dem.
Patacho portuguez Garret-idem.
Palacho hanoverynu' oncordiaidem.
Brigue argentino Volantedem
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAST
GERAES.
Rendimento do dala 4 -v-..... 1:7225296
dem do dia 4............... 421*771
5:1445067
MOVIMENTO DO PORTO
Tendo o partidu conservador, composto do maior
numero das ptssoas gradas da freguezia seapre-
sentado na frente da igreja matriz com uma massa
de volapis excedendo a 600, enconlrou a crea, .
matriz com as portas lateraes fechadas, e apenas P,lu,a produzo effeito purgativo, paja ?4r
do meio abena; com soldados de baionetas caladas, I se a tarde ou a noite preciso dar segunda,
e a forca do desiacamento postada em uma casa vi continuai com este tratamento, sede perse-
verantes at o completo restabelecimento
Utn facto bem notavel de recente dala me
sioha a matriz. As pessoas preeminentes do part
do conservador reclamaran) sobre a reserva, e
coaccao, com qae a polica pretenda proceder a
eleieao e t depois de orna grande discosso e luc- tem convencido desta verdade. O meu ami-
20:3465037
202:23.45510
1,188:4945221
Saques da caixa matriz e /Uiaes.
Aceitos a dias de
vista...........
Depsitos.
Em aeges do Ban-
co do Brasil, va-
lor nominal.... 32:000500
Em outros ttulos
e especies...... 20;464532O
Diversos.
Saldo de varias
contas......
Cofre de emissg.
Valor em notas
recolhidax e iuuti-
lisadas...........
Caixa.
Em moeda de ouro
nacional:
1,173:4705000
12^88:6505448
3005000
52:4*45320
81:0135351
334:5805000
go o Sr. Jos Lopes Roxa, asss conhecido
nesta cidade foi bastantemente atacado do
nervoso, apontoque o seu medico assisten-
ta cunseniio a oolicM que entrasse 4 dos conserva-
dores. Tratando se da furmatura da mesa, empre-
gpo a polica todas as qna|idades de ameagas con-
venientes para esmorecer os eleitores o supplentes
que esuvsm de accoido com os conservadores; e te mandou-o sabir do Poco da Paoetla, lugar
assim conseguiram os progressistas vencer a me- de uaresilencia, para esta Cidade ver se
sa. Na recepcao das listas dos votantes, conserva- com os banhns salf/adnsnndprianhtprfavrtpa
dores, a mesa invanlava Untas duvidas e tricas, i s V. ^ sa|g3aos poaena ODter lavora-
que ia inuiilisaodo grande parta desta voiaco ; vel resultado asna doenca, vendo que as ba-
procediraento esto que tem indignado e collocado, nbos s por si naodavam resultado satisfato-
os conservadores em circumstancif de, ou usarem rio, visto que de momento momento soffria
da grande torca para obrigarem a mesa a receber; frennflntps inmiK>ur?i rimn/ln a nn nn
suas listas ou abandpnarem as eleicoes, visto que fuentes sqaieacoes, demodo a nao po-
ni querem fazer correr o sangue de seus seme- der abrar, apphquei-lbe pela primeira ?ej
ihantes. flete?*wr>qae o detegado nao quiz reti-' urna pilula purgativa de veame, e a noite
rar a forja da casa visinha da uuirijUpio abede-l uma collier de xjrope ethereo de veame
^'Joffidal;' USSTfcrSS! S*'Md0 m ma Cbica,de nfu2"a0Kde *
os quarteis onde sempre estove. Gomo fazerse iaea ^^ ama elelco pacifica com faeco desta ordem T.. todas as pessoas de sua familia, conhecem
&KEMP,
e !STOVA YORK,
rxris que tujas aa mais ao iaeffieazea d aso
*am prtstitao
O oleo de figado de bacalho ferruginoso
de Chevrier, pharmaceutico em Paris, subs-
titue-se com muita vantagem as pilulas e ao
xarope de iodureto de ferro mais fcil de
lolerar-se para as pessoas delicadas asseme-
Iha-se muito mais bem e nao provoca a cons-
paQ5o.
Deposito em Pernambuco, casa deP. Mau-
rer & C, ra Nova n. 18.
JVaio entrado no da 5.
Hamburgo 87 dias, brigue hambnrgaez Orion,
de 159 toneladas, capito u. J. Huge?, equipa-
gem 8, carga seweja, car vilo e outros gneros;
a Jos Maria Palmeira.
Parabyba10 horas, vapor brasileiro Moleque, de
42 toneladas, capitao Jos Ducrte de Souza,
eqoipagera 4, era lastro; ao baro do Livra-
mento.
Idem-2 dias, hiato brasileiro Protector, de 86 to-
neladas capito Joaquim Lat Goncalves Peona,
equipagem 8, carga vinbo; a' ordem.
Navios saludos no WMH da.
Liverpool Biraa ingleza Kingsiown, capito R
Deshon. carga algodo.
Liverpool pela PSYaliyba Barca ingleza lsabella,
capito David Arkley, em lastro.
o por do sol at ,,ue *e rer-uiba o ultimo trem.
Art. 17. Os conductoras torao odireilo de adver-
tir urbanamente uma e duas vezes s pessoas que
nao se conduzirem conveoienteraenle durante o
trajelo dos trens, fazendo-as descer dos carros un
pnmeiro pootode parada se nao se contiverem. Se
ainda assim n3o foira atiendidos, a empreza dar
scleneia a polica, que proceder eomo ior
lei.
Art. 18. E' expressarnente prohibido transportar
nos trens materias ioffhramaveis.
Art. 19. Todas as pessoas e vehculos que per-
raauecerera as dependencias dos trilhos urbanos,
Ues como estacoes, pateos, offleinas, carros eto ,
etc., flearao sujeias aos reguiaraentos e instruego^s
da empreza.
Art. 2a As presentes instrucgSes policiaes sero
afOxadas no interior de i dos os carroe de passa-
geiros, e as estacoes.
Art. 21. E' prohibido aos viajantes fumar dentro
dos carros e das plantaf rmas.
Art. 22. As infracQdes do prsenle regulamente
sero punidas de conformidade com oregulamen-
to gerai das estradas de ferro, mandado executar
pelo decreto o. 1930 do -26 de abril de 1857.
Secretaria da polica de Pernambuco, 19 de
Janeiro de 1867.
O rhefe de polica,
Feltn'o Henrique de Almetda.
O Dr. Tristo de Alencar Araripe, offlcial da impe-
rial ordem da Rosa, e juiz especial do commer-
cio nesta cidade do Recife de Pernambuco, por
Sua Mgeslade lor-perial e Constitucional, etc.,
ete.
Faco saber aos qae o presente edital vrem c
delle noticia tiverem, que no dia 25 de fevereiro
do anno prximo vindouro se ha de arrematar per
venda a qoem mais dr, em praca publica deste
juizo, as tres (uintas partes do sobrado de tres an-
dares n. 47, da ra da Imperatriz, freguezia da
Boa-Vista, em chaos fretros, com trinta e qualro
palmos de largura e pealo e cinco de fundos, duas
salas e qualro guarios em cada andar, cozinba f-
ra no prirneiro e segundo andar, e tambem no pa-
vimento terreo, com quintal grande e murado, e
divide em mel cora mais um quarto e estribara
em dito luintal e carimba, avahadas ditas parles
por 12:0005080, sendo a avliaco total do mesmo
predio de 20:0005. As quaes foram penheradas
por execuQo de Soulhall Mellors & C. contra Joo
de Siqueira Ferrao. E nao navendo lancador que
cubra o prego da avaliago, a arremata?o ser
feita pelo preco da adjudicado na forma da lei.
E para que chegue ao conhecimenlo de todos,
manilei passar o presente qae ser publicado pela
imprensa e anisado nos lugares do costume.
Recife, 19 de dezembro de 1866. Eu Manoel
Mara Rodrigues do Nascimento, escrivo, o sub-
screvi.
Tristogde Alencar Araripe.
anan
*
EDITAES.
O oleo de figado de bacalho desinfectado
de Chevrier, conserva as qualidades e pro-
priedades recoobecidas ao oleo de figado de
bacalbo ordinario; o seu ebeiro gosto
s5o muito agradaveis, e a digesto faz-se f-
cilmente.
Deposito em Pernambuco, casa de P. Mau-
rer de C, ra Nova n. 18.
S cem otit vi repellilur.
Viva o systema representativo I
Correspondencias
grande melbora que senteed, pois dejesree
nbo tem elle usado pela manha urna pobt
la, e a noite a colber do sarope dissolvi d
na chicara de infuzo de altba com om
j papefinbo de pos refrigerantes.
E' j bem conhecido que em todos os ca-
aquella parte activa e toecessaria, comnativel com
os raeus racos recursos, devo rima juslificacao ao
publico, e aos meus amigos.
Por fados teoho dado provas sufflcientes e ine-
quvocas de miaba fideiidade ao partido liberal, em
cojas flleiras teoho sempre militado desdo 1846
Como simples soldado.
Nao annui a alliaoca, qae a alta directo do
meo partido fez com o partido conservador, embo-
ra feconbeca ser ella transitoria e de occasio,
parque nao vejo qae dessa alliaoca resalte vanta-
gem ao .principio liberal.
YJ mejprtanto na* cirottmauocias de fortalecer
tra as informidades; e em qaalquer delles
necessario faze-las diminuir gt/advaliftenle,
para que o seu affeito d3o cesse de repente,
' conveniente o exercicio moderado e com-
pleta abstinencia no uto de habidas espiri-
tuosa, salvo os que estivrem acostumados.
que podero fater uso de umapeqiiena quan-
Udade de vinbo simples ou com agua.
Assim o5o se perca teoapo em tomar es-
fiuras prodigiosas e admiraveis prtdo-
zidas pelo aso d jurabeba.
Passagem da Magdalena 24 de Janeiro de 1867.
Illa. Sr. Joaquim de Almeida Pinto. Estava
soffrendo de inflammacao no igado a ponto de
privar-me de Ir para minhas obngacQes guando
fui aconselhado que qsasse dn viobo de jurubeq,
e am emplastro, antes de concluir os remedios
acbava-me forte e sem sentir o mais leve mcom-
modo, boje acbo-ma perteitamente sao.
Portanto o viaho do jurubeba um remedio po-
deroso para corabater o mal do figado. De V. S.
atiento venerador e criado
Manoel Alves Pereira.
Agua Florida de Mura y 1 Lan-
man.
Que os poetas embora fallera dos ares
odorferos 4a balsmicaArabia, porm
apesar de tudo pode-se multo bem por em
du-vida, se jamis algum desses florescentes
bosqoes de Cannelletras 011 LaranjSes pro-
dJziro oa derramarlo incens e perfume
mais refrigerante e deleitavel, do que aqoel-
le delicioso e delicado aroma que exbala e
dimana desta aimiravel Essencia, colhida
dos campos virgioaes de Flora. A atmos-
pbera, a qual rouba o diveste a fragancia a'
quasi todas as mais aguas cheirosas, parece
produiir bem pouco effeito sobre a exquisi-
tas pilulas para qualquer das segaintes in- ta raridade deste aroma, a qual perteoce
fermida,dfis. Podendo as que usarem del-'por excelencia estaprepar.ac5o sublime e
O Dr. Tristo de Alencar Araripe, offlcial da impe-
rial ordera da Rosa, joii de-direito especial do
commercio desta cidade do Recife de Pernambu-
co, seu termo, por S. M. Imperial e constitucional
o Sr. D. Pedro II, a quem Deas guarde, etc.
Faco saber aos que o presente edital virein e
delle noticia tiverem que no dia 18 de fevereiro do
aono prximo vmdoura se ha de arrematar por
venda a qoem mais dr, em praca publica deste
juizo o seguinte:
Um terreno a. 26, com 33 palmos de largo, sito
na ra da Cruz do Recife, que do predio incen-
diado na mesma ra comprehendida as meiacSes
dos oldes do referido predio e matenaes existen-
tes qae se podem aproveitar, avaliada era 1:0005
cada ama parte, sendo a pane parleacente a exe-
cutada D. Manuela da CooceiQo Reis Duarte de
4:9115207, da executada D. TriQoa Filomena
Altunasia de Jess Duatte 5:9805807 e da executa-
da D. Rita Mana Francisca de Santa Rita Duarte
da 5:0005 i sendo a avaliacu total das tres partes
perleocentes as ditas executadas de 3:0005, o qual
fdra peohorado por execucao de Jos Antonio Mo-
reira Dias contra as mencionadas ejecutadas.
E nao havendo lancador que cubra o prego da
avliaco a arrematado sera' falta pelo prego da
adjudicacao na forma da lei.
E para que chegue ao conhecimento de todos,
mandei passar o presente edital, qae ser publi-
cado pela imprensa, e afiliado nos lugares do
costume.
Eu Manoel Maria Rodrigues do Nascimeuto, es-
crivo, o subscrevi
Tristo de Alencar Araripe.
De ordem de Illra. Sr. Dr. chefe de polica fago
publicar para conhecimento de qoem interessar
possa, as disposigSes policiaes, que abalxo vo
transcriptas:
Secretaria da polica de Pernambaco, 8'de feve-
reiro de 1867.
O secretario,
Eduardo de Barros Palco de Lacerda.
O Dr. chefe de polica da provincia julgando
conveniente a adopeo de providencias tendentes
a garantir a ordem e seguranza publicas no trafa-
go ae ida e volta dos onnibns dos trilhos urbanos
desta cidade para Apipacos; ordeoam que sejam
observadas as seguimos
DISPOSigOES POLICIAES
Art. 1.a Nnhum trem poder circular sem con-
ter os uteasis e ferraaeous iadispeosavels ao*
pequeos reparos ocurrentes a s providencias
qae reclamar qualquer deseoearriibamento 00
outro accidente.
EECLARA(!0S.
A Illma. junta da Santa Casa de Misericordia
do Recife oa sala de saos >essoes pelas 4 horas da
tarde do dia 7 de fevurtiro futuro, arremata a
qoem mais vantageos affereoor as rendas das se-
suiates casas perteucoules ao patrimonio dos or-
phos :
Ra da Madre de Deas.
Sobrado de dovs yodares e loja n. 1. 8485000
Ra da Cadeia.
Sobrado de am andar, sotaoe loja.. 2:0095000
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife, 25 de Janeiro de 1867.
O escrivo interino,
Pedro Rodrigues de Souza.
Santa Gasa da Misericordia
do Recife,
A Illma. unta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Recife manda fazer publico que
nojdia 7 do correte pelas 4 boas da tarde na sala
desuassessoes. tem de ir praga a renda das ca-
sas abaixo mencionadas para seren arrematados
por aluguei pelo lempo de um a ires annos.
Os prelendentes deveo apresentar carta de flan-
ea oa serem acompanhados de seas fiadores ou
com cartas dos mesmoes.
EslabclecimenU de caridade.
Roa dos Pescadores.
Casatorrean.il.......2165000
Ra da Gloria.
Casa terrea n. 55.......1445000
Roa do Calabouce.
Casa terrea n. 20......1925000
Ba da Imperatriz.
Casa terrea n. 68.......3015000
Ra do Padre Floriano.
Casa terrea n. 17 B.....155500
Caa terrea n. 63 b .. 1450CO
Ra da Lapa.
Sobrado de om andar n. 8.....1205006
Paf.rintAmo de orphos.
Roa da Cadeia do Recife.
Sobradcde dous andares o. 57. 1:2005006
Ra dos Burgos.
Casa terrea n. 19 h.....
Madre de Deas.
Casa terrea 94.........
Roa de Pilar.
Casa terrea n. 94. 6 .
Sitio do Forno da Cal n. 8. 1505060
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Recife 31 de Janeiro de 1836.
O escrivo interino,
Pedro Rodrigues de Soaut
1015000
168J000
168(1000
Tribaoai do cemuereie. '""*
Pela secretaria do tribunal do commercio de
Pernambuco se faz publico qae nesta data fica
registrado o papel de di-trato da socedade de Joa-
quim Ferretea de Araufo Goimaraes, Francisco
Boaventura da Los Loureiro a Joo Paula dos San-
tos Jnior, que gyron nesta praga sob a firma de
Looreiro, Sautos 4 C, em .irtude da aval flcotf o
x-socio Amujo Guimares sent da qtuiquer res-
Arl. 2. A empreza obrerada a maoter am re-jpoosabilidade, tendo sido pago de sa capital
MUTILADO

1 '
*J
.

v


v


fc ^*-

Diarlo de Peraaubiicit Hitara felra 'A
">



<







*


lacros ; flcanlo o activo e passivo a cargo dos ou-
tros dous exvocios.
Secretarla do tribunal do corarnercio de Per-
narabuco 1 da favereiro de 1867.
Hn impedimento do oflkial-raaior,
Reg Raogel.
Pela metaea sestetarU se tu igualmente publi-
co qoa nesta data flca registrado o contrata de so-
ciedade celebrado entre P. C. Voo Sohsteo e Ge- .. Jw *"
raido Abro Brander a Brandls, Hollande.es, da- lo, f '"Vi^6 e?' & C- >'* 3 conso.
Udo e ass.goado om Haya, por este, era 28 da no- S*""21 a? l d'* 0Ml' e cadliras todo
verabro do anoo prximo passado, e pelo socio ? de *parade 0?,. 4 castigaos e
Sesteo nasta cidade em 28 de deiembro do dito ""* imos. liaros eom gravaras, 1 relogio
anuo, devendo dito contr.to darar por espaeo de1" c'"* d,e mesa, escarradeiras, i ocnlo de alean
ara anno, contado do fde Janeiro do corrente, $".* ; MO,l8laor. eandieiros a gai, i mesa
sob a rma de Van Sohsten 4 C, com o capital de SLfiYi aparador, I appareiho de looca para
40:000*1)00, para o qual entra o socio Sobstao com !!?' aiWPp* almoco, copos, faeas e garfos,
l'fSH
mm: *smtm<
m&ix*
rfv
30.000)000 e o socio Braoder a Brandis com
10:000*000 em commauditt.
Secretaria 4 de fevereiro de 1867.
RegO'Rangel,
No imoedlmonto do offlcial malar
Santa Gasa da Misericordia Tendo de fladar-se em 30 de junho do corrente
anno o arreodamento do sitio da liba do Nogueira,
propriedade da Santa Casa de Misericordia, a
filma, janta admioistratira manda fazer publico a
gera convier, para que com antecedencia o vo
examinar, afim de presentaren) soas propostas
fue sero recebidas nesta secretaria, onde se da-
rlo todos os esclarecimentos precisos aos interes-
sados.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife, 17 de Janeiro de 1867.
O eserivao interine,
Pedro Rodr igues de Soma.
AVISOS MARTIMOS
marquetas, cadeiras americanas e ontros objectos
miados.
Sexta-felra S de fevereiro as 19 horas.
O agente Pinto fara' leilo por conta de ama
pessoa que mudoa de residencia, dos movis e
mais objectos cima mencionados existentes do se-
gando andar do sobrado da roa do Imperador n.
69, em frente a llvrarU francesa.
Principiara' as 10 horas.
COMPAMIU mtSULEIkt
ai
Paquetes
S i
a Tapor
Dos portos do sal esperado
at o dia 8 de fevereiro o vapor
Paran, commandante Santa Bar-
bara, o qual dep >is da demora do
costume seguir' para os portos
do norte.
Desde ja' recebem-se passageiros e engaja-se a
earga que o vapor poder conduzir, a qual devo-
ra' ser embarcada no da de saa ehegada; e en-
coramendas e diobeiro a frete at o dia da sabida
as 3 boras : agencia roa da Cruz n. 1, eseripto-
rio de Antonio Laiz de Oliveira Azevedo & C.
para Lisboa
pretende seguir com multa brevidade o patacho
remandes, tem parte de sua carga engajada : pa-
ra o resto que Iba falta, trata-se com os seas con
signatarios Antonio Laiz de Oliveira Azevedo &
C, no sea escrlptorio, raa da Crnz o. 1._______
COHPANHU BlUSILtlIU
DE
PAQUETES A TAPOR
Dos portos do norte esperado
at o dialOdo corrente o vapor.Te-
canhns, commandanteecapitote-
Znente Farias, o qual depois da de-
_ Imora do costme seguir para os
portos do sal.
Recebem-se desde ja passageiros e engaja-se a
earga qaa o vapor poder conduzir a qual devera'
seremiarcada no da de sua ebegada; encom-
mendas e dloheiro a frete al o da da sabida as
1i hors. Previne-se aos Srs. passageiro? qae sus
passagens s sao recebidas nesta agencia ra da
Cruz n. 1, escriptoru de Aaionio Laiz de Oliveira
Atevede & C._________________________
Para Lisboa
O brigue portuguez Lata 1, capito A. F. Yieira
val sabir breve, recebe carga a frete e passagei-
ros trata-se com E. R. Rabello roa do Trapiche n.
44, segunuo andar, on com o capito. ______
AVISOS DIVERSOS.
LOTERA
aos o.ooo ooo
Curre depois d'amanha
Acham-se venda na respectiva thesoa-
raria, i raa do Crespo n. 15, os bilhetes,
meios e quartos da 32a parte da lotera a
beneficio das familias dos voluntarios da
patria (5a) sendo a extrajo no lugar e hora
do costume.
Os premios de 6:0000000 at 100000
sero pagos urna hora depois da extracto
at as 3 oras da tarde, e os outros depois
da distribuido das listas.
As encommendas sero guardadas somen-
te at a noite da vespera da extracc5o.
O ihesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
JO.lLllfifilA
N. 3 .1Ra do Cabug IV. 3 A.
Agostloho Jos dos Santos, proprietario deste
antigo estabelecimento, tendo feito urna reforma
peral no sea negocio, apreseota-se a concurrencia
publica convicto que portera' servir vaotajosamen-
te aos seus freguezes. Esta casa acha-se comple
lamente sortida de obras de ouro, prata e bri-
llantes, cojos precos sao o mais resumido possivel.
Compram-se os mesmos objectos cima declarados
em obras velhas. Iacambe-se de qaalqaer encom-
menda concernente ao sen negocio.
primaria dirigida pelos padres je iiita*.
Os padres Binto Scbemtori eMario Arciooi autorizados palo eonsetbo da instruceto
publica a brirern urna aula de iosiruccSo elementar e outra de grammaticx e lingua la-
tina annanciam ao respeilavel publico qae estas aulas tero eomeco no dia 4 de feverei-
ro de corrate anno. *
Sao admitiidos gratuitamente os meninos cajos pas forem pobres, sello o estada
de pobreza destss provado por ailesiado do parocbo.
Os pais de familia porra que qalzerem pagar a instrnecao de seas flllios podero
coavencionar com os referidos padres.
Haver aula de rnanha e da larde, de manha desde as 9 boras at ao meo dia,
e de tarde desde as 3 al ai 5 boras.
Estas aulas funccionam na ra dos Pires n. 43.

COLLEGIO DA C0NCEI(A0
PARA EDUCADO' DO SEXu MASCOLINO
Estabelecido no bairro do Recife, ra da Madre de
De9S*em o anno de 1860.
-
E DIRIGIDO POR
MANOEL ALVES VIANNA.
Este eolleglo continua a recebar afumos pendonistas, raeio pensionistas e externos
para as aulas seguales: primeiras letras, latim, francez, iogTez, geometra, geographia,
philosophia, rhetorica, oesenho e msica, tendo por professores os senhores : Honorato
Augusto de Miranda, padre Flix Brrelo de Vasaonoelio. Ur. Jurga Dorneiias Ribeiro
Pessoa, Ur. Francisco de Paula Penn, padre Francisca Joo de Azevedo, Dr. Cicero
Odn Peregrino da Silva, Dr. Thomaz Dio?o Leopoldo e Dr.Exeaaicl Fraoco de S.
A escolha destes professores, cuja reputacio magistral j est bem Armada, e a so-
licitado do director em bem desempenhar o cargo que Ihe conforte a Directora (Jerai de
iustruccao publica, e com que o hooraram slguns pas de familia, confiando Ihe os saos
filaos, ceacorrero para o crdito deste novo eslabelecimeoto.
Os estatutos, assim como o franco Ingresso era todas as dependencias do eolleglo es-
lo sempre das 6 horas da manha as 10 da noite, a disposioo dos senhores paes de fa-
milia e de quem mais possa interessar.
CAROBA
PREPARADA A FRI
POR
dk AUCIJNTE 4 AORS
Pbarmacentico pela escola de Pars e successor nesu cidade
mineral.
Aristide Saisset e J. Soum
22.------Roa da Crua------21.
*" nan mi ni
Tratameoto paramente vegetal sem rarcurio, iodor ouro, nem ootro ^mlqaer
Verdadeiro purificador do sangue sera azougue
Especial para a cura de todas as molestias que'tem ana rim na inparez do
sangoe, como sejam as molestias boubaticas, sypbiWcas, escropbalosl, darihrosas oe?
BSUff PVeredlt*'iedade. quer sejam adqueridas pelr7?onlacio com pessoa^-
fecciooadas dos diversos virus que contaminam o sangue os homor.s Pcsauaa 1U
a, d -.A capob* om remfd0 Prodigioso, usado desde remotas eras pelos indios
do Brasil, e passando seu uso de geracao em geracao, hoje ura dos remedios mais co-
nhecidos como prepno para ^ombater as molestias mais hediondas, entrando nesse nume-
ro a morpnea ou e ephantiases, pra cojo curativo os nossos sertaneios considerara a
caroba como remedio especifico.
A muilo ttmpo eotrou a caroba nos formularios como preparacio magistral
sob a forma de eleictuano, arada hoje lembrado as pharmacopas cora o nome de sen
celebre aotor Jo5o Alves Carueiro: nao ella portanto remedio novo nem desconhecido.
O ungento de caroba da mesma sorte preconisado dasde tempos imaemo-
g naes como o mais apropnado para o curat.vo das boubas e ulceras syphiliticas srdidas,
e eapregado com proveito depois de improficua applicacao de muitos oulroa agentes
therapeuticos enrgicos e de uso quotidiano.
Muitos dos nossos mdicos de considerarlo e entre elles o muilo disncto pratico
e observador o Sr. Dr. Pedro d'AlhaydeLobo Hoscoso, tem confirmad por meio de ex-
INTERNATO
DE
BERNARDO
Para Baha
Vai sabir at o dia 8 do corrente o velelro bri-
gue nacional Mara & Alfredo capito Jjaquira
Sabino Goncalves, por ter a maior parte do car-
regamento engajado, recebe ainda aiguma carga
miuda, tratase com o consignatario E. R. Rabello
ra do Trapiche n. 44, segundo andar._________
Para o Rio de Janeiro
O brigue nacional Belizarw, sahe para o Rio de
Janeiro qaarta-feira 6 de fevereiro corrente,somen-
te recebe escravos a frete : a tratar com os coa-
signatarios Marques, Barros & C, ao largo do Cor-
po Santo n. 6, segando andar. _________
Barca Silva
Pretende seguir para Lisboa e Porto cora a
maior brevidade possivel, trata-se com os seus con-
signatarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo &
., no seu escrlptorio ra da Crus n. 1.
~~Para o Para.
A barca brasileira Ro, capito A. M. Costa e
Silva, segu com brevidade para o Par*, por isso
que j tem bordo parte do carregaraento ; o res-
to recebe o frete : e tratar no escrlptorio d'Arao-
rim Irmos, t'roa da Crai n. 3.______________
Para Lisboa segu com brevidade o brigue
portuguez Florinda : falta-lbe menos de um terco
de carga qae recebe a frete : para tratar no es-
eriptario o'Amorim Irmao<, raa da Cruz n. 3,.ou
com o capito Joaquina Augusto de Souza.
i'..iM Lisboa.
Vai sahir cem maita brevidade a vele ra e bem
couhecida barca portugaezi Gratdo por ter
sr.ia-ie parte da saa carga prompta: para o resto
e passageiros trata-se cora liveira, Filho, & C,
largo do Corpo Santo o. 19, ou cem o capito, na
praga.
TRILII41S URBANOS-
DO
RECIFE A APIPCOS.
Do dia 6 do corrate em diante, Qcam suprimi-
das as viagens das 5 boras e meia da manha do
Recife para o Caldeireiro e das 7 e 15 minlos da
tarde do Caldeireiro para o Recife, ficaodo as par-
tidas dos trens reeoladas como da tabella siguile
DU CALDEIREIRO PARA O RECIPE.
Manha. Tarde.
6 h. 30 ni. 4 b. 15 ra.
8 h. 00 o h. 43
9 b. 30 a.
DO RECIFE PARA O CALDEIREIRO.
Manba. Tarde.
7 b. 15 m. 3 b. 30 m. '
8 b. 45 m. 5 b. 00
_________________________6 h. 30 m.
Precisa-se de urna ama : no paleo do Parai-
zo n. 16.
Precisase de ama ama para coziohar : tr-
ta-se na ra da Cadeia ) Recife, sobrado n. 34.
Alaga-se urna escrava cosinha e ensaboa :
na ra Imperial n. 1, spgnndo andar.
Precisa-se de ama ama para cosiohar o dia-
rio de ama casa de pouca familia: no Recife raa
da Cruz n. 29.
A'uga-seo priroeiro andar do sobrado da
roa do Vigario n. 26, s6 para escrlptorio : a tratar
no armazem do raesmo.
Ama.
Precisa-se de um ama para casa de pouca fami-
lia : na roa do Rosarlo n. 171 andar.
Aniouiu uus aauu uo Sigueira Gavalcanli e
Thereza de Siqueira Cavalcanti pedera todos
seos parales e amigos para assistirem as missas
e memento que por alma de saa querida fllha
mandara dizer no dia 8 de fevereiro anniversario
de seu fallecimento, na capaila do cemiterio pu-
blico, as 8 horas da raauha.e desde ja agradecem
a tal s aqaelles que se dignaren assistir a te
iviigi wi ar.tn.
Para Lisboa.
Segu em poneos das o brigue portagusz Con-
eeigSi de Mana, por ter parte de sea carregaraen-
to promplo : para o rstame e passageiros, trata-
se cora Oliveira Filho & C, largo do Corpo Santo
o. l'J, ou com o capito na prac.
Vende-se a polaca nacional Pelotense
de 136 toneladas ou cerca de 7,000 ar-
robas prompta de todo o necessario a um
navio bem equipado, excellente construccao
forrada de cobre e muito velleira. Os pre-
tendentes queiram examina-la no aocoradou-
ro da carne secca e para tratar com Fran-
cisco Ribeiro Pinto Gu Apollo n. 24, V andar.
PAiU'
Pretende seguir com brevidade para o indicado
porto o veleiro brigae escaaa nacional Graciosa,
cay i tio Silva Ratis ; para a pouca earga qaa Ibe
falla trata-se com o respectivo consignatario Anto-
nio de Almeida Gomes a ra da Cruz n. 23, 1*
andar.
LEILOES.
le a
Da taberna da raa da Coacordia n. tS
O agente Martins fara' leilo por despacho do
illm. Sr. Dr Claudiao de Areajo GuidJa'eW cn-
sul portugaez a con sent rancio dos crwlores\ do fi-
nado subdito portogaee Aolooo ht T
armacio,gneros, atHocilios e dividas, nartencen-)
tes ao raesmo fallecido, em um oa mais lotes
vootide dos compradores
Qa*HaU(r4 S "coftoau. <
As 11 horas d da ia mesaa tabana, o bala
.J0g*wwailBiloa|m larga do Ro
LEILAO
Be 47 caiarias da miara.
O agente Martins fara leilo por c e rll
e faem perlaoear de 47 caarles do imparte i
tero vendidos sem limitas.
Qolnta-eira 7 4o firnaaU hltMJI
i ra da [ajoeratrfz hotel Loxltano ai it hora
Precia-se atugar um preto escravo das 8
horas .da manha as 4-da urde : a tratar n raa
da Cruz do Recife n. 46, primeir* andar.
AGENCI* lMVT
de transporte accelerados das
5 Pontas ao Recife
yice-versa.
A agencia Duprat tem a sea servigo ara nume-
ro de carros e carrocas matricaladas na repart-
gao competente perteacendo a numerosos carro-
ceros nacioaaes a estrangeiros, com o concurso
dos quaes manda levar diariamente ai o raeio da
das Cinco Pontas ao Recife era comboi especial,
todo e qaalqaer aamero de saceos de assucar, al-
godo ou outros gneros, cujos*coahecimentos ac-
companhados do importe do frete e conducho Ihe
ferem entregues de vespera, oa at as 7 boras da
manha do raesmo dia nos rmateos da dita esta-
can, onde se aeha todos os dias atis as horas do
expediente, e das 9 as 10 boras da manha na
praca da venda do assucar, ra da Cruz n. 1.
Pudendo estar pes; dos e despejados, os saceos
vasios tero lempo de volcar a estacao no raesmo
da e depois de despachados segnir para a estaco
de sua procedencia.
Recifa de fevereiro de 1867.
____________ _______FJK. Duprat.
Os abaixo assigoados em 19 de Janeiro pr-
ximo passado dissotveram a sociedade qae tioham
na taberna cita na raa da Concordia n. 62, que
girava sob a drma de Houra e Silva, fleando com
o estabelecimento livre e desembarazado o socio
Moura; a extineta firma jolga nada dever at a
data cima e se algaem se julgar credor aprsente
a conta no praso de tres das contados de boje,
tlodo este praso nao se responsabilisa por recia-
macao alguma.
Recife 8 de fevereiro de 1867.
Jos Pernaodes Monra.
___________Manoel de A te ved o Maia e Silva.
Jos Perelra Mendos Goimare?, subdito por
ugaez, val a Europa.
Estabelecido oa cidade da Reeife em 1852
Sob a proteceo do Muiuitio Pontfice Po IX
DIRECTOR0 BACHAREL EM MATHEMATIOAS
Bernardo Pereira do Carino Jnior.
O director do internato de S. Bernardo, Dio tendo evitado esforcos
nem sacrificios para proporcionar aos seus alronos urna perfeita educarlo
pLysica, moral, intellectual e religiosa, < fferecendo-lhes urna habitagao com
bastantes condicas de salnbndade, habis professores que sao solcitos em
prepara-los convenientemente ao fim a que se destinan), medico pratico
que lites faca comprehender os preceitos da hygiene e Ibes cure das doencas
e finalmente um sacerdote jllaslrado e honesto que Ibes explique os princi-
pios da religio chKslaa, espera que assim constituido e em vista do ex-
cellente resultado, que tem apresentado. contando uan crescido numero de
alumnos na Faculdade de Direito, que concloiram alli var taiosamente os es-
tudos preparatorios, n3o deixar o seu estabelecimento de continuar a mere-
cer dos senhores paes de familias o auxilio e confianca com que j muitos o
tem honrado; e lhes roga, bem como a todas as pessoas interessadas, que
se dignem de visitar o mesmo seu estabelecimento, onde sempre encontra-
rlo franao ingresso.
Cadeiras de ensino:Primeiras lettras dividida em duas classes, ten-
do cada urna o seu professor, latim, francez, inglez, arithmetica, algebra e
geometra, geographia, philosophia, desenho e msica.
O collego tem a sua sede nos espacios edificios ns. 32 e 34 a ra
da Aurora.
Nos estatutos do collego, que esto disposicao de quem os quizer
ler, se acharo consignadas as condices de entrada e matricula as diversas
aulas do estabelecimento.
Penencias repetidas o que diz a fama das benficas propriedades da caroba no frat-
senlo das boubas, das diversas formas sob qoe a syphilis se aprsenla e rooilo especial-
mente as que teem sua sede na pelle, e poderiamos relatar algn* casos de daU muito
moderna observados pelo mesmo Sr. Dr. Moteo em qne a caroba produzio admirareis
effeitos, depo.s de imitis e prolongadas applicacoes de salsaparrilha, tnecurio, iodo, ou-
*j ro e seus preparados, etc., etc. '
l&J,! Nao era possivel que urna plaa lao notavel por snas ioappreciaveis virtudes es-
capasse a perspicacia e investigacoes dos mais abalisados.praiicos europeos qoe se aD-
pheam com especialldade ao estudo e tratamento das molestias syphiliticas o herpeticas
, e para prova abi esiao os Srs. Drs. Casenavo, Schurfer, Ricord e outros dande aVmais
lisongeiras oformacoes sobre as propriedades curativas da caroba e pieconisaDifcM como
! S2S2 5?!TSS'm P,-^ trala^ent0 das eraP<&* cutneas, seccas ou supurativas,
Sftar1? 3. *M*ie> ec emas' nlceras de d'Terras naturezas, tumoeVosseos
e oulras muitas molestias de natureza syphi itica ou boubatica.
| Por ter-se generalisade muilo o uso da ensnela da caroba que en nre-
S5L1K ,n,stancias de varios ffiedi>s que desejam continuar em suas observarles,
dehberei-me a ler prompia urna quantidade da mesma essencia, obtida sem a aceao d
frg,;BaPiaoa PrleJud'car as propriedades medicamentosas; e .l'ora em dianteT(con-
ESSENfA mxrIiTrTrn $r?EJ em V^ sufficiente Par todos os pedidos a
r, fciuiT C^CEMRADA De CAROBA, e o ungento da mesma penla para que nao-
ca latiera aos Srs. mdicos que quizerem experimentar to precioso agente medicinal.
Rectfe de Parnambuco. 17 de outubro de 1866.
Ra da Cruz n. 22,
Al'gste Caors.
Sociedade portagoeza de seguros nafaes sobre a>i admioislrada pelo
BANCO ALLIANCA DO PORTO.
Todo o pai que desejar acautelar o futuro de seus GIbos dev.e quanto antes,
azer inscrever os seas noraes na lista dos socios daPrevidentepor que, com urna
pequea quantia que, todos os anoos para alli frapplicando, tirada do fructo das suas
economas, no fim de 23 annos alcancar-lhes-ha urna fortuna, que por neahum outro
meio e com to pequeo desembolse poder obter.
_______Os exemplos praticos de outras sociedades anlogas tem mostrado que:
lOmO pagas aaaualmeate p Por um menino de i
de 1
de 2
de 3
de 4
dia a i anno.
a 2 annes...
a 3 ..,.
a 4 .....
a 15
l
Precsa-se di urna ama qae cosinha e eogorfie,
paradua* paasoas, qaem qoiter dirija-so a roa
larva do Rosario o. 38 1 andar.___________
GOIP4MI4 PEfiNtlBIiaPli
De ordem do coosalbo da direccao sao convida-
dos os seoDores accionistas da ornpaobia peraam-
bucaoa de Davegaco costeira, para reaolrem-se
ara assembla geral no dia 18 de fevprelro cor-
rt-ote, as 12 oras da maoba, oo segando andar
da casa da praca do CjT{M) Saoto n. II, afim de
curoprir-se o dispaeto na artiga ti dos estatutos.
Escriptorio da mpaaBia aernambocana 1 de
" veratro da 1867.
Pato gaiU,
Jtutino los da Soasa Guapot.
Por urna pessoa de 15 a 20 anno*
de 20 a 30 ..
de 30 a 40 ..
de 40 a 50 -
Em 5-an
nos.
1:100$
9005
860$
860$
860$
860$
860$
860$
900$
Em 10
annos.
4:000$
3:000$
2:900$
2:800$
2:700$
2:700$
2:700$
4:700$,
3:000$! 7:500$
Em 15
annos,
9:1-00$
7:5tt0$
7:200$
7:100$
7:000$
7:000$
7:100$
7:iOO$
Em 20 an-
nos.
'20:000$
17:000$
16:000$
15:600$
15:500$
15:400$
15:600$
16:000$
18:000$
Em 25 an-
nos.
47:0005
37:000$
35:000$
34:000$
33:300$
33:300$
34:000$
37:000$
50:000$
a-:s/.p.:itz
Tinta Inalteravel
Para escrever
tle P. MAMER & C.
PERNAMBUCO
Esta tinta recommenda-se pela sua com-
posica e fluidez como a mellior e a mais
segura de todas as tintas at hoje conheci-
das. Na ataca as peanas de ac, d at
tres excellentes copias, mesmo muitos dia.-?
depois de escrever, e preferivel a qual-
quer outras tintas particularmente para
livros de commercio, documentos etc de
que se careca longa conservaca.
INJECTION BROU
uc cura ten oaabua tddiin. Veuen
uw oimucm.) Faito, etu
Hrile Inlallliri r Prcacrvauva, abMhilaBiema uiei u
m priaclpin boUeu do mundo. (Eligir a limrarjuaa da bmV (M a
d. latclat BIOD, koaiatard lU*Ma. Ha." "*' "",- {W"
Deposito em Pernambuco, casa de P. Maurer & C, ra Nova n. 18.
PERFUMERA da casa oger
Boulevart Sebastopol, 56, I*ai~lz.
Dez medalhas, a condecoraco da Legin
d'boBneur e a grande reputacao que tem lbe
dado o publico, taes sao as recompensas que os
servicos prestados a industria merecerao a
esta importante casa desde sua fundacao em
1-804.
R'um sortimento de mais de 500 artigas,
as pessoas elegantes escetherao os seguintes:
ROSEE OU PARAOlA, extracto superfino
para lenco.
pommada CEPHALIQUE contra a cal-
vicia.
AGUA VERBENA para o toucador.
OXIMEL MULTIFLOR.
VINAGRE DE PLANTAS HYQIENICAS.
TINTURA VIRGINALE de lxijoim.
ROSEE DE LYS, verdadein agua de
Jouvencio.
CREME LABIALE de sueco de Rosas.
POMMADA VELOURS para aaacUr a
pelle.
ELIXIR ODONTOPHILE.
SABAO dedicada as damas americaaaa.
SABAO de bouquet de Franca.
i* de flores de alcea rosea.
d* de flores printamiree.
d* de bonquet de outeno.
d* de perfumes exticos.
d* aurora, dedicado aos dedos car 4a
rosa.
i' de Aeres das montanhas.
d* de cheiro de foins Douvaaaz.
d* de bluets ebeiroses.
d* de afthea balsmica.
d* diapr, caixa rica, fa&tesia pari-
sieace.
xa Vm PreteQller s>screver para a Providente e desege quaesquer esclarecimien-
tos pode dingir-se. em Pernambuio aos Srs. ,Manoel Joaquim Ramos e Silva, roa do Vi-
gano n. H que daro todos; os esclarecimentos que se deseiarem e prospectos gratis, a
quera os pedir.
ORNAMENTOS DE IGHEJA
Na raa da Gadeia n. 55 ha para vender-se ornamentos de greja por menos preco qae em ou-
tra qaalqaer parte :
A SABHR : v* '
Ornamentos de damaseo braaco de 245 a 325000
i encamado de tii a 32*000
> > rAxo de 225 a 305000
preto de JOs a 3f''KW
> verde e 305 a 395000
> de veilodo preto a Kjott)
i A vista da boa procara qae tem havide destes objectos prevenimos ao publica qae breve che-
gara de Pars urna aova remessa de ornamento de todas as cores, inclasiive ornamentos, sebastos, ca-
pas de asperges, naberas etc.
Recbese toda e qaalqaer eneommena* relativa ao culto. liiii\ 9I> 1 : --,_________________________________________________________
Novo e grande deposito de superior carv&o de Cardiffna
Bahia.-
Antonio Gomes dos Santos 4 C, raa de Santa Barbara n. 1, estao habilitados a supprir de
oarvao, em condices mais averaveis que em ootro qaalquer deposito, a todos os navios a vapor que
cerrera riaouelle norto. A contratar nesta com Domingos Alves Matheus.,
Aviso

BHanoet da Costa Campos vai a Europa, e deixa
por seos procuradores : i Joo da Costa Campos,
3* seu socio Tnomaz Antonio Colmara.
Precisase de urna ama de meia idade que saiba
coslnhar e encaboar, na roa Imperial n. 315.
- Joaquim Francisco da Cruz, vai a Europa.
O abaixo assigoado faz scieale ao publico e
principalmente s pessoas com quem tem transac-
c5es, que o Sr. LaurenMao Antonio f eixeira nao
mais seo eaiiero dasta data em dianie. Recife 5
de fevereiro de 1887.
m Aatonio ornlogos Pinto.
Precisa-se alugar urna escrava que saiba
nbar bem : na ra do Queimado n. 46, loja.
'.-----------------------
con-
jrOUKlVAUX
ponr 1867.
Agenced'Abonnemenis-tous journaux d'En-
rope. Distribution gratuito de spcimens et cata-
logues.
RU DE CRESPO N. 9
Ubralrle Franfalae,
B O abaixo Asalgaauo oeciara que delxou de
ser caixeiro do Sr. Antonio Domingos Piolo desta
data em diante, e agradece ao mesrao senbor o
bora tratamento que receben no praso de tres an-
nos, Recife 6 de f-v^reiro de 1867.
LaorontiDO Antonio Teixeira.

.i4iit\vi:s
Euro-
para 1867.
' Assigoaturas para todas os peridicos da
pa e do Brasil.
Distribuirlo graieita dos catlogos respectivos
RA t>0 CRESPO f. 9


m*** "> t
MEMORIAL PKRNAMBUCANO PARA 1867
A edic3o desta utilissima poblicajlo, o*U quasi eagotada, alguns axemplares apenas, esto i venda por 2j|W cada ora, na raa do Graspo n. 9.
LIVRARIA
li icHf>niat*|

MUTILADO



i

I
laaVaf^BaMMI


_..--
" ...
Diario de *ernai_k_co ~- Cuarta lelra 6 de leve, elro de 1867.
i


Calcado.
Sari i ment magaifict.
Pelos ps cosiuraam penelrar no corpa a raalo-
ria das molestia?.
Resguarda i-os dirigindo-vos
45.lina Blrelta45.
Borseguios quasi Milli beierro---- 84580
< Inglezes quehra locos..... 65'00
c hespanboes lustre.......... 3,81)00
t brasileiros bezrrro........ 500
t para seuboras eofe-udos
no tora.............i...f 5000
para seohoras............ t t ............ 4*300
mirin...............:'.'. 4000
Sapatos iugleies patente........... 5OfcO
americanos............. 4*500
c francezes de salto para se-
ntioras................... 3*200
Borsegoins para meninas enfeita-
dosaje................. 3*800
Sapatos aveludados para bomens e
senboras................ 1*800
Borsegoins com laco para meninas. 3*300
Sapatos de tranca superiores...... 14600
Botinas francezas para meninas..... 1*3 0
Chineldes do PorU e ura/perfeito sorlimento, de
sola, couros, marroqoim, bezerro francez, .vaqueta
e couro
cado.
- U
> FERREIM V1LLELA
Photographo da Augusta Casa Imperial do Brasil
18, RuadoCabug, 18,
obrado, entrada pelo Pateo da Matriz.
JOIAS
N.2D W. N. 2 D.
|HP^ CORCXO 1>E OlTJRO. ^J^
Annuucio
O Dr. Carolino Francisco de Lima San-
tos, muddu se para a roa do Imperador
D. 73, segnodo andar, onde ontidoa n>
exercicio de sua piitSssaode intdico.
de lustre ; como nioguem tera' no mer-
Xarope e pasta de Seiva
DO
Pinheiro martimo
DI
E. Lagasse
PrparacOes mui preconizadas pelos sabios mdi-
cos de Pars, com as melhores at hoje discobertas
para a cora certa de todas as molestias do peito,
bronchites agudos e chVonicos, astbma e anda das
affeccSes das Vas urinarias.
DBP0SITO ESPECIAL
34 Roa larga do Rosario3-1
Pharmacia de Bartholorneu etc.
Publicado jurdica.
Preleccdes de Direio Internacional e de
Diplomacia com applicaco e refertncia de
seus principios as leis particulares, con-
vencis, e aos tratados do Brasil at 1866
pelo Dr. Antonio de Vasconcellos Mene-
zes de Drummond, lente substituto da Fa-
cilidad de Direitodo Recifeetc, 2 vol. in
8 brech. por iOOOO pagos entrega do
primeiro volunte, que constituir a primei-
ra dessas obras.
A ultima deltas aconipanhar um epilogo
das disposiges da legislaco patria, relati-
vas ao; direitos e deveres-do esirangeiro no
Brasil, bem como aos do Brasileiro fora do
Imperio;
Assigna-senas lujas delivros das ras do
Crespo n. 2 e 9 ; do Imperador n. 13 ; da
. Cruz n. 52 na de encadernaco do caes de
21 de Novembro junto a typographia do
Jornal do Recife ; nos escriplorios das ty-
pographias do Diario de Pernambuco a ra
das Cruzesn. 44, e do Correio do Recife
roa do Imperador n. 79 e na loja da ra
da Imperatriz esquina da ra da Aurora n.
n. 2, loja de Iouca.
Depoisda publicacSo da primeira obra
n3oser5o mais admiltidas assignaluias e
mbas ellas seio vendidas por maior preco.
mmmm mMmmmm mmmm
Compaohia delidade de seguros j
martimos e terrestres
estabelecida no Rio de laueiro.
AGENTES EM PF.NN'AMBUCO
Anlouio Luiz de Oliveira Azevedo k C, gg
competentemente autorisados peladirec- 5
tora da companliia de seguros Fidelida- 8
de,tomara seguros de navios, mercado- __
rias e predios no seo escriptorio ra da
, Croi n. 1.
mmmm*
Joaquim Jos Gon^alves
Beltro
(4 KUA DO TRAPICHE P i7 4 ANDAR)
Saces por todos os paquetes sobre o Banco
do Miolio era Braga, e sobre os seguales lga-
les, era Portugal.
A saber:
Lisboa.
Porto.
Valen?*.
Gui maraes.
Coirabra.
Chaves.
Viseo. .
Villa do Con-ie.
Arcos de Val de V?.
Vianna do Casiello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famellco.
Lamego.
Lagos.
Covilhaa.
A loja n. 2 D intitulada Corac.o de Ouro na ra do Caboga, acba-se d'ora em diante offereceo-
i do ao respeitavel publico com especialldade as pessoas que bonram a moda os objectos do ultimo gos-
' to (a Paris) por meBOs 20 por cenio do que em outra qualquer parle, garanlindose a qualidade e a so-
: lidez da obras.
O respritavl publico avaliando o desejo que deve ter o proprietario de um novo eslabeleciraeu-
to que quer progresso em seu negocio deve chegar iromediatamente ao coracao de onro a comprar
Em neniiuma das photOirapllias desta cidade sefazem retratos mais perfeitOS aoeiscom peifeitos brilhaotes, esmeraldas, rubios e perola; verdadeiras em agarras, modernas pel
do Oue OS aue se executarn nPSta ofricina nhntriffranhira diminuto preco de IOJ>. brincos modernos de ouro e coral para meama pelo preco de 3, maracas de
q e pin! T! f pnotograpnica. prau com cabos de marflm e madreperola obra do moderno gosto (o que o eoconlrario no coracao de
Pede-se a COnfrontacaO e analyse entre OS nOSJOS trabalhOS e OS melhores que 00r0) vollas de ouro com a competente erosiona ricamente eofeiiad pelo pequeo preco de 12*? br.o-
SO fazem nesta cidade. cosdenm trabalho perfeito por um raodwo preco, cassoleas, traneaiins, pulceira?, alftneles para re-
N5o ha PHOTOGRAPHIA alguma desta Cidade^ que como este estabelecimentO tratos ecutros modelos ludo de alto gosm, anejs proprios para butar cabello e Arma, dilo para casa-
photographico possua um t"o vanado, escolhido e abundante sorlimento de caixinbas, ?" Sf,.K^^-^rf.\at1JSr ^^^^.^"^r^^J^-i?-.0 b6Km va.rlado S(;rlimen'? d? d,versos
\.,-.*r\.r. .~ij j j gostos, ouioes para punoos com niamanie, rubias e esmeraldas, obra esta imoortanie ia nelo seu va-
quadros, molduras pretas e douradas e" passe-par-tOUtS. ior ja' por goste ds desenlio, brincos a forma da delicada molona de moca com piDgenteconteodo es-
Para serem COllOCados OS retratos chamados cartdes de visita ha doze difieren- meralda?, rubios, brhantes, perolas, o gosto soblime, alfoete para gravata no mesmo gosto, relo-
tes modelos de cartes mimosamente lithograpltados e dourados, em cartao briS'ol e em' o? Para seobora cravados de pedras preciosas, ditos para hornera, diversas obras de brhantes de
cart5o nnrcelana rliroL1! q aiteragao ae precos, estao a escoma aas pessoas que se trystal e oart, descoberta para retrat0 (a iBRlett) briCog de franja> d(los a Imperatr,5 ^ e ,.
reirdtarem. quer joia, para secol car retratos e obras da cabello, e oatros muilo? objectos qae os preteodentes en
Continuadamente se recebe da Europa remessas de tudo quantO diz respeitO a ronlrarao no Coragao de Uuro que se conserva com toda a amahilidade aos concurrentes deiando-
photographia, e ainda O mez passado pelo vapor Gueme, e este mez pelo brigue Belm 8e de ,aoi mencionar preces de certos objectos porque (desculpem a maneira de fallar) dizendo-se o
receberam-se de Franca-quatro grandes caixoes com urna bella variedade de arteactos 4 prac ,5irLfeLaSt-l -"?i*Jrav5Sr8er.,ao draDuU qu0,ia a vsU do seValor-
nrodnctns rhimirm p nVatprial nara nhntnorartia me,a? '9,a comPra-se' "-oca-se ouro, prata e pedras preciosas, e tambera recebe se concer-
proauctos cnimtcos e material para pnotograpua. /. f: tos, por menos do que em outra qualquer parte, e do-se obras a amostra com peobor, conservando-se
No mesmo estabelecimentO vendem-se : e Coracao de Ooro aberto at as 8 oras da noile.
Todos OS productos Chimicos geralmente usados era photOgraphia e garante-se' Qualquer pessoa que se dirigir ao Ciraco de Ouro no se podera' eogaoar com a casa, pois
0 estado de pureza dos mesmos* i D0,alse/na soa freD,e um coracao tieodurado piolado de amareHo, alera de entro que se nota era um
Machinas pbotographicas, cuvetas de porcelana de diflerentes tamanhos e vi-: rolt"(l5t0 ?e adTerte em ^tMh de ,erem ja' al"ama "*" enaoado com ontra casa-
dros para tirarem-se retratos; i ;------
Urna grande variedade de lindas e interessantes vistas transparentes para Cercas e gradearaentos de ferro para jardins, cercados para animaes. chiquei-
stereocopos, e stereoscopos de madeira nvernisada com lentes prismticas que se ven-, ros, de todas as grossuras e mudaveis.
dem a 121000 cada um com urna duz:a de vistas transparentes Porteiras de diferentes tamanhos para sitios, jardins, cercados, e-c.
Tambera vende-se por SOFOCO um apparelho compl.to para fazerem-se peque-'
as vistas on retratos. Ao mesmo acompanbam as explicaces precisas para seu uso.
Qualquer pessoa pode fazer vistas ou retratos com esse apparelho.
A oficina e galera estao abertas todos os das e a todas as horas.
A'a rita do Trapich n 16.
acham-se os seauintes devositos
De K. Bruniigbaus em Nuits.
Boorgogoe.
Vinbo Poraraajrd tinto.
Corlon tinto.
> Santo Georges Unto.
> Charabertin tinte.
Ricbehourg tinto.
Clos de Vougect lin o.
> Cbablis branco.
De M A. Woef em Francfort: i
Rheoo.
Geisenbeiroer.
Liebfraumilch.
Marcobrunper.__________________
Era casa d Toeod Christiansen.rua do Tr'a
piche-novo n. 16, nico..agente no norte do trasu
de Brandenburg (reres, Bordeaux, encontrase e:
tectivaraenle deposito dos artigos segoictes:
St.Juleo.
St. Pierre.
Larose.
Chatean Loville.
Ghatean Hargaox.
Graod vin Chatean Lafitte (858.
Chatean Lafitte.
Haat Sauteroes.
Chatean Sauternes.
Chatean Lataar Blanche.
Chatean Yqaem.
Cogote em tres qoalldades.
Aieite(toce. Precog de Bordiaui
SEGUROS

ORNAMENTOS DE IGREJA DE
jr. Bikini
Vcstimenteiro e bordador de Paris.
23 RA 10O I PERA EIOR 93,

Defrente da igreja de S. Francisco,
Concurrencia impossivel
justificada pela soppresso de intermediarios, pela compra directa das materias primas, pela exe
cuco dos trabalhos as ufficinas da casa e pelo diminuto lucro com que se salisfaz.
Animado pelos imooriaotes negocios que taz coro grande parle do rouodo catbolico da Eoropa
resolveu o aoouocianle eslabelecer filiaes da casa oe Paris em diversos paites looginqoos qne
offdrecero vantagens, e veio ioaopurar o pricueiro eslabelecimenlo nesla cidade, sera dovida orna
das mais adiantadas e commercian'.e da America do Sul, e que por i-s:> mesmo necessila d'um
estabelecimentO qne nada deixe a desejar, quer em relaco s precisoes materiaes e quer intei-
lectuaes.
Os Srs. sacerdotes e deraais pessoas, qoe se digoarem visitar o estabelecimentO, abi acharao
sempre urna grande variedade de todos os objectos para lereja e para o clero.
ORIVESARIA PARA iGREJA.
Novos modelos de custodias e de vsos sagrados.
ALF.MAS DA IDADE MEDIA, A' LUIZ !3.
Os presos variam segundo o taroanho, o peso e a forma.
TAPEfARIAS E ARMAQE8 PARA IGREJA.
Fornece (oda a qua'idade de armacoes, por pregos mdicos, vontade do fregnez ;
sempre orna pessoa do estabelecimentO para ir tomar as medidas necessarias para completa
fac/io da encommenda.
NOVAS UMBELLAS PRIVILEGIADAS.
Estas umbellas de molas, adoptadas p r S. S. Pi IX, tem por soa perfeieSo, novidade I
e riqueza a dupla vautagem de cobrir inleiramente o Santissimo Sacramento e o padre, sem diffl-1
cuitar o andar.
E5CULPTURAS EM MARFIM E EM OSSO.
Imagens de Christos, caldeirinhac, cruzas, quadros e lodos os objeclos devotos.
Objectos em argila, simples e prat-.ados.
Fundicao da Auivra
A mais anilga desta provincia e com todas as
perfeicoes em seos machinamos, ouVrece a seus
numerosos fregnezes'por raioaveis precos snas
manufacturas, bem como qoe tem um boro pessoal
para com rapidez fazer qoalqocr concert onebra
nova.
Da se bolos de vendagenr a tosiao apalaca
na roa Imperial n. 37.____________________
Maximino da Silva Gosmo, compra, vende
e troca escravos, de ambos os sexos : na ra do
padre Floriano n. 71. segundo aodnr.
Precisa se d* urna arra para eogoraraar : na
ra da Madre de Dos n. 36. ______
Attencao.
Precisa-se de um raenioo qoe queira (aprender
o offlcio de imaginario, mais que d llanca de Ma
conducta : a tratar na ra do 0_tcMo o. 27 das
9 horas da rranha as 3 da tarde ou no becco das
Barreiras n. 10.
Preci>a-se de urna ama qoe cosinhe e com-
pre par- casa do penca familia : na ra Augusta
n. I, primeiro andar.
ESCRAVA.
Na rna da Madre de Dos n. 3, precisa-se slu-
gar urna escrava para servjco interno, paga-sn
bem.
Precisa-se de ama ama para casa de pwi
tamilia : a tratar na ra do Torres n. 14, seguodo
andar.
bospieio de alienados em Olinda, precisa
de urna cozinheira ; quera seachar nestas cirenms
tandas dirjase ao mesmo hospicio para traiar
com o regente on com o respective raoroomo o Sr.
Amonio Jos Gomes do Cerreio.
lendo
satis-
Todas as informacSes sero ministradas gratis, acerca dos ornatos de igreja.
Cocceder-se-ba facilidade para os pagamentos.
EisT cathalogo do que tem a venda :
iCASLAS.
dr
MARTIMOS
CONTRA FOGO.
I*i ras, de velodo, de crina e
yalo lustroso.
De damasco com cruz de ouro e
seda.
De damasco dobrado, com diver-
sos bordados em relevo na
croz.
De tecido de prata on de ouro.
dem com diversos bordados em
relevo na cruz,
dem idem muito ricas.
De veludo de seda com cruz ce
ouro tino em relevo.
Do i hamalote de seda bordado.
Goiliicas e da idade media.
A cor da casla nao influe no
prego.
CAPAS.
De veludo esifado.
De damasco.
De tecido de prata e de ouro.
dem com emblemas era relevo
e ricas franjas na morca.
De veludo de seda.
De tecido de prata e de ouro fioo.
DALMTICAS.
O mesmo preco das caslas.
ESTOLAS PASrORAES.
De velodo estofado.
De dito de doas faces.
De ilamasco.
De dito de duas faces.
De tecido de prata ou de onro.
dem dem, com emblemas em
relevo, franjas e bordados de
torcal.
dem idera em relevo mmto ri-
cas.
De tecido de ouro e de prata Sao.
De chamalots bordado de seda,
com doas faces.
VE'OS DE HOMBROS.
De lecido de Lyao.
Be dito dobrado, de onro Ido.
De damasco, bordado em relevo.
Idm idem, muito rico.
VETOS PARA EXPOSIQO.
De tecido de Lyao.
De chamalote de prata com em-
blemas em relevo. '
De dito dito, muito finos.
VE'OS DE SAGRARIOS
De lodos os precos.
UANDEIRAS.
Da Saola Iofancia.
De coofrarias de Nossa Senhora.
Parochiaes, qualquer que seja a
lovncacao.
Guioes com emblemas em relevo.
A criiecao varia de 354000
>3:000000. .
PALLIOS.
Era veludo estofado as quar
pootas e oo forro.
De lecido de Lyao, com oo^o.
De diio de praia e de onro lus-
troso.
De dito dilo, cora quatro emble-
mas bordados em relevo.
Muito ricos, inieirameme bor-
dados em relevo rom ouro fino.
PANNOS MORTARIOS.
D la.
De veludo inglez pretb verda- 487
deiros 1541
De damasco dobrado de brocado.'650
Corporaes de cambraia fio?.
Toalbas para commonbo e alia-
res
Guarnieres de rendas para alvas.
Ditas para toalbas de altar, aos
mlroa.
Toda a qualidade da ronpa ga-
rantida e perfeitamente execn-
tada.
DIVERSOS OBJECTOS.
Bolsas para tirar esmolas.
Corditas finos para alvas.
' para meninos do coro.
Vollas, s dozas.
Cintos e cinioroes.
Sacras de altar, em cartao.
Ditas era quadros.
'Marcas para missaes, com
pernas, em chamalote.
Flores artificiaes, o ramo.
seis
Rstfos e todos os demais objec-
tos de igreja.
BRONZES DE IGREJA.
Casticaes para altares, prateados,
de novos modelos:
325 milmetros (12 poliegadas
379
433
|as -O Dr. Alejandre de Soza Perelra do
*-* Carmo mudou a sua residencia, para o 1* Jg
|g andar do sobrado n. 12 da roa da Impe- J
ralrz e continua a exercer a sua profls- M
sao de medico. H
*B*S* KHttKtti
Ama.
Precisa-se de orna ama que saiba cozintnr, para
casa de hornera solteiro : na ra da Cadeia do Re-
cife n. 53.
Precisa-se de urna pessoa para caixelro 6e
drogara da ra do Imperador n. 22, que d pra-
vas de sna habilitago : a tratar com o Dr. S Pe-
reira.
Precisa-se de um bomem para cuidar de nm
sitio: trata-se na loja d. 45 esquina ja ra da
Madre de Des.
Aluga-se um escravo, nm molatiobo, una
negrlnha de 9 annos para andar com meninos pi-
ra servlco interno, aquelles servem para criados e
qualquer servido : na roa do Impeador n. 50, ter-
ceiro andar.
Ama,
Precisase de urna ama qoe saiba eosinhar e
comprar para casa de pouca familia : na praja da
Independencia n. 39.
O abaixc assignado acbando-e*lora~*da"rida-
de por motivo de molestia em sua familia, pode-
entrelanlo ser procurado em casa de sua mi o
roa da Alegra n. 4z.
_____ Joao V'cente Silva Cosa.
Aviso.
Preci?a->e de dous caixeiros de botica
oa ra Nova n. 25.
a tratar
Os abaixo aeslgnados participsm ao respeitavel
publico e geralmente ao corpo do corr.mercio, qu
no da 31 de de-embro prximo passado diss'olve-
ram amljjavelroeoleasociedade quo tioham na loja
de calcados na roa do Livrameoio o. 15 sobre a
deoamioaco de Ferreira & C, Ocandoo socio Ihl-
thazar Pinto de Gooveia desligado da iresma, a
coniar desta data, com tod) o direito a' llqaidacu
das dividas da extincta firma. Oulro sim os abai-
xo assigoados julgam nada dever a pessoa algnota,
todava se alguem se julgtr credjr poder aprueu-
tar seus ttulos at 15 do correte mez, ficaodo per
esta forma es abaixo assigoados livres de qual-
quer respnnsabilidade. Recife 4 de feverriro de
1867. Thomaz Ferreira da Cucha. Balihazar
Pinto de Gooveia.
Da-se
dia n. 5.
dinheiro a juros: na ra da Concor
A pharmacia de P. Manrer & C. mu-
dou-se do n. 18 da ra Nova para o n. _9
da mesma ra esquina da camboa do Carmo-
Precisarse de urna ama de meia idade para
> de lapaz solteiro : na ra da Imperan i?.
77.
Aluga-se a casa n. 6 a' rna dos Gthos, fres-
ca e propria psra estudaotes : a tratar a' roa do
Mondego, otaria o. 13.
A pessoa que achou Din chaceo de feltro par-
do, copa redooda, perdido oo Caldeirelro, querendo
resifiol-lo qoeira levar praca da Independencia
ns-7e9, que sera' generosamente recompensaflo.
ff
(14
(16
18
Estes paooos (em dous metros de
largura e (res de comprimento.
ROUPAS K IGREJA.
Alvas de panoo de linho fino.'
c de cambraia fina.
do panno de linho, para
meninos do coro.
< guarnecidas de rendas finas.
de fil, de rices de-
sechos. .
Roquetes em panoo de linho sera
maugas.
< i com ditas.
A raidos.
Toalhas e saoguinbos.
(20




813 < (30
Cruxes de altar, eorrespoudents
aos casticaes, o par.
Tboribulog e navetas prateadas.
Caldeirinhas com bysoppe idem.
Custodias ditas e douradas.
Lustres ditos e correles fortes
para os mesmos.
Cruzes para procssao, com ralos
ditas.
Varas, alabardas para suissos e
cadTpara porteiro>.
Estes objectos todos sao em. co-
bre e oio em materiaes da
cumposico.
Guardas para arvores, plantas e ou'ros objeclos da ferro que se veodem por
preco mdico, no armazem de Tasso trapos na praja do Caes de Apollo ao p da ponte
provisoria.
Aviso esseucial para evitar qualqaer erro ou mf.
Os Srs. compradores nao devem ignorar que o ouro nao pode ser dado nem
tecido, e qne por consegointe os galoes dos ornamentos chamados de ouao raro sao de
prata dourarfa, o* de wao meio fino sao de metal doorado e os de onro falso sao de
cobre doorado, e como tal confundir os ttulos que se Ibes dea sempre, qae s9o mera-
mente commerciaes.
Os ornamentos que o annonciante tem venda sao o de galoes de ouro meio
A companhia Indemoisadora, estabeleci- "P08, fa,s08 oa de eda' mandando vir os de onro fino por encommenda; e neohum
Superiores cassas francezas muito finas de cores flxas, matisadas e mludiohas a
320 rs. o covado : na loja das columnas ra do Crespo o. 13, de Antonio Crrela de
Vascoocellos C
DE
4a nesta praca, toma segaros martimos so-
bre navios e seui carregamettos, e contra
lago em edificios, mercadorias e mobilias.
aa roa do Vigario n. 4, pavimento terreo
AS PRIMAVERAS
pea
CaeeMir* de Afcrca
Acaba de ser publicada a lercelra edlcio desta
tauresMnte obra, Didameote impretsa era nm
roo voujme t oitavo fras, eoulMdo o re-
ir do aolor toda* as toa. wodoecies, poeti-
-B, 4ramatieas e em pro, a saberTa prhww-
ras, CamoN e o Jie. Nena drawatiM. m n.
maoces com um juizo critico : acha-se a tend em
Lisboa na roa Aorea o. 132, pefcr prec' d* 400
res, fatendo-se um ibalimeoto de 11 por rento
aas Sr/. Hvfyj.res do Brasil qmniu'weai empru
forejq,
objecto sahe de sen estabeleci_lento sem ser acompanhado d'uma factura por elle Grilla-
da, especificando a qualidade do objecto, par poupar-se explicaces
venientes ao depois de realisadi a venda.
. DE
J. VIGNES.
N. 55. RA DO IMPERADOR jf. 55.
Os pianos desta aniiga fabrica sao hoje asss conbecidos para qne seja necesaario insistir sobra a
wa superioridade, vantugens e garantas queofferecem aos compradores, qualidadea estas incontesu-
fu que el les tem defioitivameote cooqoistado sobre todos es que lera apparecido nesta praca pos-
Agua mineral
.ferrtjtaasa, acUilada, gauu e arUttt
OMRZX4.
O uso faga reecmraendadtf $M Kcot) e
para tmiuas/~iej5ea do loke
Meto dai aaraTai>a_m__**
as molestias provenientes M Ir
pobreza de *H*.
Mtpouru pwqal
34Raa larf a V
PfctrmeWlaele
Profe8&or de piano.
Coelho de Araujo, continua a leccionar, e pode
ser procurado na Sotelade, rna de Joio Fernin-
des Vieira n. 20, e na rna do Livramento a. Si
terceiro andar- -
_HI
F *-"* aeindo um teclado e machinismo que obedecem todas as vbotades e caprichos das pianistas sem
sempre incon- "** falbar, por serem fabricados de proposito, e ter-se feito ltimamente melhoramentos Impo'rtan-
I 'asimos para o clima deste paii; quanto s vows, sao melodiosas e flautadas, e por isso muito aerada.
seis atsouvidos dos apreciadores. '
Fazem-se eouforme as e_coameudas, tanto nesta fabrica como aa do Sr. Armas! de Pars socio
orraepeodeBte de Vignes, em cuja capital forara sempre premiados em todas as exposiedes. '
No mesmo estabelecimentO se achara sempre nm esplendido e variado sorlimento de mosics dos
alborea autores da Boroi a, assim orno harmnicos pianos harmnicos, sa4c todo v_did
precos commodof e ratos veis.
HSAf
Aloga-se ama asa com tres craartoa, doas salas
.cj>lntai^.4afj>hlBraMtiea.u St*v
dade. oo flo da roa da Cflegoi/ia, coafroole as
^'nat1
Cri-4.
Paaetaa-aa para m moeo solteiro de um criado
oe saiba aesiabar e jralar le nm c*vallo, quer
ssteabvvo oa ttm*t>: vlratar aa roa do Crespo
n. 16 loja, das 7 as II da manha e das 3 as 6 da
urde.
------ i i
Aiuf^e o arixa> to obr*4u o. I da roa
Imperio ; a (rar c ntito aodar.
Trocamwse
as notas das caixas filiaes do banco do Brasil
traca da Iodepeadeaeia n. SI
na
-8ZIWE1B6.
Preclsa-se dvom miinheir
do Recife, araMArm I. 8.
aa roa da-Calata
Fuglo no da 27 do mez prximo pas.-ado o pre-
to da Cesta de nome Jacinlho, com bastantes talbos
na cara, estatura baixa, corpo regular, podo as
pernas finas, leven vestido caifa de brim braoco
com listras e cami't de cba rdxa, palelot de ra-
semlra escura, chapeo do chile, copa comprida fi-
abas largas, com falla de denles, lem andado ne.-ta
cidade e dizem andar era Beherib" : quera o pegar
leve o a' roa da Cadeia do Recife o. 10, que rece-
bera' 201 de gratificarlo
S Hdame Buessaid Mill.chean eMa'liqollan-
disna loja com grande abalimtnio nos presos,
snas Ireguezas devem aproveiiar a occasiao, pois
so liquidara' l o da 12 do orrenle.
Cnerubmo Bandicn, sobdiio ualiairo, retira-
se para Europa.
Alugam se baratas, urnas mel-agas nai "en
irada dos portos da travessa das Barreiras no
balrro da Boa-vista :. a tratar na roa do Cotovelo-
numero 25.
O Sr. Jos Perelra de Magalbaes Bastos por
favur annuncie onde se Ihe podef' fallar, e islo
com brevdade, ero quaolo se aeha aqu na cidade
pessoa do n ato que lera de lelirar-se hreve.
Na ra Bella n. 22 prcisa-se de um moleque
escravo.do 8 a 12 annos/pagase bem e nao du-
vida-?e adiantar atgaot me:es de alugitel.
--i-___ .
4tnco
Precisa-se de, urna ama d leite sem lilho: naP
Cinco Ponas a. 162.
~~V 25
Alaga-se o segundo andar da casa da rna Velha
a, 43, mtfito fresca ; as chaves acham-se em po-
der do morador da loja : a traiar oa rna da Impc-
ratrli n. 39, 3 andar.________ '
Caixeiro
Precisase de no raeyo para caixeiro no hotel
Venen d/o Norte : na roa das Cruzes a. 39.
I Ptwer Jeiitei 4 Ceaieeikb
Ruada SenxalaNova n. 42.
AGIHCU Bi
} FataiillfaW deLew R#r.
Machina a rapor de 4 e 6 cavallos.
Moeadas e meias moendas para engenho.
rain s de ferro coado e batido para enge-
irreios d.; carro pira un e doos eantt.
Relog/ioa de ouro patente inglez.*
irados americanos.
achjEaapara deacarocar algo<5<. *
^es para ditos,
ucbyioas de ew*_f^.

Sm_i
(
ILEGIVELl IMUTILAD

I
<-
-


Bl .-r -
-..-..-
-
osarlo de Peto (tabaco Qnarta fclra 6 tft Fevereiro de lSi7.
>

1
I


I
SEVIAL.
Para o tratamenlo e cura rpida e completa das molestia syphiliticas, erisype-
las, rheumatismo, bobas, gota, debilidade do estomagojnfiaromacoes chronicas do figado
e baco, dores sciaticas. cephalalgias, nevralglas, ulceras chronicas, hydropesias, pleuri-
sias, gooorrheas chronicas e emge al todas as molestias em que setenha em vista a pu-
rificado do systema sanguneo.
Cousidcraces geraes
A saude um teminapreciavel, cuja importancia e valor s est reservado ao en-
fermo o avalia-lo.
incontestavel que o homem nesfe mundo constantemente, e por todos os lados
atacado por nma infinidade de agentes morbficos que todos tunde:!!, dadas certas e deter-
minadas circunstancias, a alterar o regular exercicio das funeces orgnicas, resultando
pesse desequilibrio o que se chamamolestia.
A molestia n5o mais do que a des\ irtuaco das torcas vitaes, occasionada, se-
gundo as investigaces e experiencias dos mas abalisado raetres da sciencia, pela depra-
vado dos humores geraes, consequenca da aeco maligna desses mesmos agentes morb-
ficos introducidos no organismo pelo acto da respiracSo, pela via digestiva, pelo contacto
immediato etc. etc. etc.
A syphilis infelizmente tem sido a partiltia da humanidade, e como fra de duvi-!
da que esse terrivel Proteo da medicina urna molestia hereditaria, ella tem sido obser-
vada em todas as idades, e debaixo de todas as suas formas tao variadas, enfraquecendo i
constituicoes robustas, produzindo mutilaces, e cortando ainda em flor da idade vidas'
preciosas.
Eliminar da economa esses principios deleterios. e purificar amassa geral"dos |
humores tem sido desde tempo immemorial o fim constante da medicina, e os purgati-:
vos flguram em primeiro lugar para preericher esse desiteratum ou fim.
O Elixir depurativo do Dr. Sevial parece merecer a preferencia sobre todos: os
immensos succesjos obtidos pelo uso deste salutar agen e tanto na Allemanha. como em
Franca e Italia, oxornam o companlieirn insrtame! dequasi todos os doentes.
Sendo as melestias, como cima isseuios, devidas s alteraces dos humores, o
Elixir depurativo do Dr. Sevial pode serempregado vantajosamenie na syuhilis, erisy-
pelas, rheumatismos, bobas, gota, debilidade do estomago, inlammaces chronicas do
figado e baco, dores sciaticas, cephalalgias, nevralgias, ulceras chronicas, hydropesias.
pleurisias, gonorrheas chronicas etc. e em geral em todas as molestias em que *e tenha
em vista a purificaejo do systema sanguneo; pois que urna pratica constante tem feito'
ver que elle indispensavel nos casos gravissimos para minorar os offrimentos, e pre-
parar o doente para medicacoes superiores ; e as menos graves a cura a conse-
quenca do seu uso, .convenientemente repetido.
As substancias que entram na composicao do Elixir depurativo do Dr. Seviai I
pertencem todas exclusivamente ao reino, vegetal, e grande cathegoria das substan-1
cias depurativas e antisypbiticas; assim, ao passo que este remedio depura o orga-1
nismo, eliminando os principios nocivos saude, pelo mecanismo natural das evacu- i
acoes alvinas, neutrasa ao mesmo tempo o virus sypbilitice quando este virus ja
tem feito erupcao no exterior debaixo de suas multiplicadas formas; e previne tam-
bera os estragos dessa terrivel molestia, quando por ventura se ache ella anda no;
estado de encubando, isto sem se ter manifestado sob formas exlernas: beneficio
immenso, tanto mais quanto neste estado os individuos igneram completamente se es-
to contaminados por este terrivel nimigo.
O sabor agradavel d'este Elixir convem a todos os estmagos, a sua aegao so-
bre o tubo intestioal suave e benigna, e de nenhuma forma produz molestias me di-
camentosas, como acontece ao purgante dito Le Roy, que na sua qualidade de drs-
tico forte irrita a mucosa intestinal, e consecutivamente a seroza, resultando deste es-
tado, muitas vezes, hydropesias, que quasi sempre terminam pela morle do doente.
Assim pois esperamos que o uso deste remedio justifique cabalmente as nos-
sas asseveracoes, porque sendo um medicamento to simples na sua composicao, a
pratica tem confirmado sua utilidade.
tu ico deposito em Pcrnambuco

i
Na botica e drogada
DE



Bartothomeo Companhia.
34-RUA DO ROSARIO LARGA34
Para educado de meninas,
estabefecido na grande casa contigua
igreja de Soasa Sen hora
da Roledade;
E DIRIGIDO
DE SANTA DOROTHA

PELAS IRMtS
SOB A PROTECCO
DO
EXM E RVM. SR. DR. VICARIO CAPITULAR DA DIOCESE.
Neste eollegio, cuja abcrlura neste auno lera' lugar a 21 do rorrele, receben
meninas de 6 a 12 anuos para serem educadas e instruidas era todas as materia? re ?
sanas a urna seuhora.
Havera' raeniDas internas, meio-pensionislas e externa?.
As internas pagaro 35*000 measaes, as meio-pensionislas I5*0C0, e as exlernas
i>'iJ00i\ nao sendo pobres.
Logo que o eollegio contar um numero sufflciente de pensionistas, ira' admitlindo
gratuitamente parajnternas algunris meninas pebres.
Pin admissao de alumnas e para quaesquer esclarecimentos traa se com a supc-
riora no mesmo tstabelijcicnento a qualquer hora do dia. <
tifa
...lit.tX, f5l&U
m^&

NOVO DEPOSITO
machina;
PARA DESCAROCAR ALGODO
Manoel Bento de Oliveira Braga.
33Ra Dlrelta .53
Neste estabelecimento se encontrado as
verdadeiras machinas americanas chegadas ltima-
mente, as quaes sao feitas pelo mais afamado fa-
bricante da America, por isso avisa a todas as pes-
soas que precisarem -comprar, de se dirigir a este
estabelecimento que comprarSo das mais perfeitas
neste genero, assim como mais barato do que em
oalra qualquer parte, por isso que 3e recebe porj
corita prop"ia, bem come cannos de chumbo e moi-
ntaos para moer milho, e grande sortimento de fer-
ragens e miudezas em grosso e a retalho.
A NACIONAL
Companhia geral hespanhola de seguros sobre
a vida
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 4869
BANQUEIROS DA COMPANHIA DIRBCCAO GERAL
de Hrapaaha Madrid: Raa de Agostioho
Unae* da eompaa!ila en 45 de Jalla* de 1866.
Apolices 19:700 Capital Rs. (7:144,5670 ou moeda brasileira
R; li,7U:47WOOI
A Nacional abrac loaas as coobinacSes do seguro de supervivencia e n'ella pode
fazer-Msub;ripcl > d m jdo que em nenum caso se perca o capital posto nemos la
r.ros correspondentes.
lima afianca depositadajoos cofres do'estado, garante a boa administracao da com
panhia.
Os fundos da compinhia se in ver tem em tHotos do estado c se depositara min-
eo de Hespanna com iaterveacio do delegado do gorerno e do cphselbo adrainWratiyo
A eompanhia estraaha a toda a erapreza w espiculaelo perifpiei, eos tuloa en
que se invertem os fuod'js impostos na ottsraa, n5o corp8nj O 8ioor risc, pois estSe
garaBtldos pelo ^wenn, po1e-s*? Ji/er p>r todia meno.
encalo
O abaiio assignailo lindo comprado a Ktn-,. vis.
aua^ -t Kiossun o le Rui/erii/a de t;iit'>, e tend demarcado dito sl-
3 trido"'fprtivada pela cunara rnuolcipil do
lernio >!. O ii <:> i demarrAc", d' posse le|itima
-> nao cnte.uoa do referido alio que priende
dividir, eoovida a ijuem laocoa lUnder se com o mesino abanto as-lgna-
d,i ra Sol dide a. 34, ou no mesrno si'.io com
o Sr. engenheiro Sea-.
Pedro de. S ma Tenorio.
VERDADEIRO LE ROT
de SIGNORET, Docteur-Mdeciu
Riae de Seine, 51, PARS.
Em cada garrafa, val, entre a rolda e o papel azul
que Irva o mcu sincte, um rotulo impreito em ama-
relln enm o Sello Iiiprial do covbrno fsncez.
A'. B. i rtiieiirmio-sc urna ledra de oOO francos
sobre Pars, aceitavel a 60 diaa de lala, ao malino
gozase do abatimento e do malor descanto.
Deposito principal
lo legitimo Le Roy
em Caza do nosso
onlco agente peto
Brazil a Si Anto-
nio Franc : de La-
cero* na Babia c
nos principis pbar-
maceutcos.
FERRO QUEVENNE
Approvado pe* Academia de Medicina,
AvcUmado per circular especial de Mitmtr.
0 ferro OUEVENNB se usa em todos m tm-
aos para os quaes os ferreos sio preacrtptos^ nto
fas oa denles ficarem pretos; hi a prapara{Ao a
mais activa, a mais agradavel e a mais econ-
mica; muitas vezes um frasco he suffieieate para
curar urna cdlorosis.
. A experiencia me provou aue nenhuma pre-
parario frrea lie supportaaa mais facilaiente
que o FEBRO QUEVENNE, em observando as
limites de doses muito reguladas. >
Bouuaroat, Annuario da llieraptuHca, 1SM.
O Ferro Qcivsmii vende-se ai frascos d.
lOtMtMM. IH
S >
lMfnat*.,! .
Deposito geral em casa de Eaalle Grnrnli,
14, me des Beauz-Arts, em Par*, e em todas u
boticas. Exigir-o Siasto OutKnn e a marco
de Fabrica cima.
A rlectricidade boje umpreguda por todos o*
i mdicos afamados, para o triitamento de nmitai
molestias, mesuiopara as que resislem as oulrai
iiiedieiicnos.
A eleeirid.iile producida pela fricca.i tem una
snperioridade incontestavel, ea vanlugem de nao
dar .dalo, c le poder ser graduada pelo doente.
A causa a mais frequente das molestias a
cstiigiiiicii do Mh ou dos oulros lquidos vt-
ia;-. Iteslahlcccuilo se a ci nismo, curacao-se as molestias.
Quando se cent" al-uma dAr em quelquet
parte docorpo Ioro, eiustiuctivamente, seerfrega
o Ui^ar endotordo com a ma, c isto allivia. Isto
explica o resaltado iicoulcMavcl que deve pro-
duzir um apparelho elctrico. Por bso temos
prazirciii annuiiriarao l'ulilicn queoSnr HiiissOB
de Bivilliers residente, boulevart du Prioc>
Ensene, tS. em Paria, dotou a oiediciiw'Ole um
apparvluo Eioctro-Irft^ifetico, sol a forma de
urna escota, cum o qual os docuies se podera
eurarsem iieliuoia ontra laedicacud. Os mdicos
tque a tcni experimentado, alleslara que a
Escowa tEOTRO-MAonETicA efficaz para
>curar:osHheuniatismos,aX'araly>ia, Guita,
Traqueza dos membros e da Coluoina er-
tebral. debilidade geral, Nevralgiaa, etc.
Estamos certos que breve cada fuiniiia possuirt
esta eicova que prestara grandes servicos.
>A pedido de muitas pessoas, o autor deciditvse
a establecer um deposito de seos apparelbos no
Bio de Janeiro, em cata do Sn Oioua lioin,,
ra nota do Ouvidor, a 88.
TIULIIi DE OGRO. PREMIO DE 16.800 F.'
aINA
ELIXIR Febrfugo e Fortificante
UrilUt 1M TUMI I tumu II QCIIi.
Experimentada com pleno successo nos
hospitaes, a quina Larocbe (oa ztraeto
completo de quina} urna preparacao
excepcional, por ser privada do amargo
da quina. Agrada porconsealtinteaspessoas
as mais intolerantes e aos paladares oa mais
delicad s, pois nem t multo doce nem muho
viscc-sa, sendo de urna limpidez constante.
Emprega-se aom muito proveito nos casos
de gastralgia, djripepcia, nevralgia, mu*-
ana, maraimo, cachciiai, magreza,
faitiocmcauiaai.pareQte,coBaleiceB-
a demoradas, ehlorose e eicrophalaj
B o especiGco das molestias febril.
QUIMA UROCHE FERRUSIUtt
lauil.. Mu ii iriiriciifo i, km i t!M.
EM PARIZ,
15, ru Druuoi.
F. MARER 4 C.
roa Nova n. 18.
Monte Pi Portguez.
A directora provisoria leva ao coobecimeoto
dos Sr. associdus, que oi nomeado empreado
eilerno do Monte Pi o socio Sr. Joao Feroandes
da Silva Oliveira ; e que por elle val mandar pro-
ceder a dlstnhotcaj dos diplomas e cobranca das
meosalidles relativas ao semestre lindo em de-
zembro passado, tendo cadajsocio de dar a quan-
tia de 1SO0O pelo.respectivo diploma, conforme
deteuuioa o do ari. i i dos ealatotor.
Serretaria do Monto Pi Porloguez era Pernam-
boro 28 de Janeiro A* 1867.
Jos da Silva Loyo,
Preldenie.
Joaquim Gerardo de RaMos.
Secretario,
PIJLSEIRA
No dia 2 do corrente mez (fevereiro) perdeo-se
na ma da Unio on em ora dos va*5es qoe segu-
ram para o Caldereiro as 7 horas da manba, uma
pnlseira de caballo com retrato : quera a acbou
pode mandar eotrefar na ra dos Pire n. 56 ea
annnncie, qne sera' gratificado querendo.
Alufa-se a casa ter ea a ra Formoia i.
14 a traur na pr5* do Corp SaaU o. 17, pri-
meiro andar.
Preelsa-se de orna molber ettianfelra e de
boos costamei' para ama de casa de familia : a
pes-oa que i-tiver em taes eondicSes dirija-se a'
ra estrella di Rosario o. II, segundo andar.
Aou.nio Alberto de Soma Aeoiar val a' pro-
vincia do Ceat, sonda o chama o dever de grati-
do tara com um tea prente e am go : daranu
ia* curt ausencia (15 a i 4w) tk* *carref*de
ata |irf,i o.- sen* Uas Hua ftfyp '}" c ia.
C43 OA-'FORTUNA.
Aos. 6:000^000.
Bliheitcs earaiCIdos.
A H A DO CRIiPO N.EC \SA5 DO COSTUMR
O abalxffassiaiadi) veudiHi h-j seos muito f-!i-
zesbilhetes garantidos d.i ludria que le. acabo*,
do extraliir a eutlicio da cuIud.icj polaca, os
segomies premios:
" ?' "'"meij tilheio com a sorte >1e t:2(0
v Jjo h,,0!'le D,fo coma son de 5005.
. imx rtii I-. ouiras moiUs surtes de 1005, 405 e 20.
Os possuidores pndeio vir receber seus respec-
tivos premios sem os descoutos das leis na casa
da Fortuna a' ra do Crespo n. 23.
Acn*m-sea vnnda os da 3. pir'M da lotera
(Y) a beneficio das famiii?s dos vdlitUrlos d.i pa-
tria qoe se eiirahira' seita-feira, 8 de fevereiro
Prest.
B'lhetes........ 6*000
Meios............ 3000
Quarlos.......... 300
Para as pealas ^ne coapnrem de iOO^OO
para cima.
Bilbajtes........., 5*o0
Melos............ 2*750
Qoartos.......... 1*375
Maoel Martin"! Pin?
Jrande himazem de tin-]
tas medicamentos etc.
/Roa Productos chimicos e pharma- |
nidis empregados
em
-auK. ? tar.e de vis'as preparado na muito ron-
mI..,J^'lCi da viova Rufi0 : na ar-!
?" rn,' h' an,ilrella. por naiao do sobrado n.;
i da roa do Imperador. 1
ceticos os
medicina.
Tintas para todoogenero de pin-
tara e para tinturara.
Productos induslriaes e tintas
para flores, como botoes de flores
e modelos em gesso para imitar
fructas e passaros com o compe-
tente desenlio.
Productos chimicos e induslriaes
para photograpbia, tinluraria, pin-
tura, pyrotecnia etc.
Montado em grande escala e sup-
prido directamente de Paris, Lon-
dres, Hamburgo, Anvers e Lisboa
pode offerecer productos de plena
confianza e satisfazer qualquer en-
eommenda a grosso trato e a reta-
lho e por preco commodo.
MU:
Na roa da Praia D.55, segundo andar, precisa-
sede ama ama para cosinhar e eneommar.
Dr. Ignacio Alcibiades Vel-
loso
MEDICO.
Lonlinua a residir na ra da Iraperatriz n. 48,
I andar, onde pode ser procurado. D consullas
dasfj as 8 horas da manha.
Fio de algodo da Baha
Vndese no escripbrio de Antonio Luit de Oli-
veira Azevedo & C, no seuescripiorio ra da Cruz
o. i.
Vende- e
Joao Goilherme Romer, participa ao reinal-
lavel publico que mndousna offleina de ferrador e
pl?tort roa da poD,e Velha Para o cae? de Ca-
pibanbe n. 18 e continua a trabalhar na sua mes-
ma projssao.
Precisa-se de orna a oa
ra do Rangel p. 18, deposito.
para cosinhar : na
Aluga-se
M n Um sitio na Capunga Nova ra das
0 Pernambucanas n. 23, em cojo muro se
acha o chafariz, lendo gradeamento e 2
? porioes de ferro, casa assobradada para
grande familia, eocheira, cacimba, un-
^ que, agua de eocanaraento e arvores
3R fructifeas; a tratar na ra da Impera-
'^ triz d. H, primeiro andar.
Motores americanos para dons cavados, dito drto
para quatro cavados, machinas para descarocsr
algodao de 14, 16,18, 20, 30, 3o e 40 serras, pren-
fas para enfardar algodo fazendo as saccas com
seis palmos de compriraento, com o p'so de 150 e
200 libras, vindas ltimamente da america; no
armazem de Henry Forster C. no caz Pedro
n. 2, junio ao gabinete porluguez.
w
&
-i
o
I
SO
T3
&3
>1
'
Alnga-se a loja do sobrado n 11 da
ra do aldeireiro por i6j>: a tratar a' ra
do Imperador n. 75, escriptorio.
Fesa
do gloriosa Saati) Amaro das Salinas.
A commissao encarregada da (esta do glorioso
hamo Amaro, que se venera em sna capella das
Salinas, avisa aos fiis devotos que do dia 7 do
crreme mer.-as 7 IA horas da noile, lera' lugar o
levantan ,to da bandeira de seu glorioso padroel-
n, ? .p:,i sahira' da cidade nova em seculmeni,,
a "ia-.|*. conduzdaem carro triumpbant;' por urna
". uiua, seguida de grande namero de senhoras e
..euinas, e da banda de msica do 3' balalho de
lofaniana da guarda nacional deste municipio.
Do da 8 em diante coroecarao as novena para
aSw25. a,commssao dSo lem Ponpano erfortS.
No dia 17, as H doras do dia, com toda a nom
? i?- o Evangelho o reverendo Leonardo
Jjao Grego; a noile havera' ladainba. a larde
urna bem osaiada cavalhada, o no dia 18 um rico
ri'g'Mlc artificio..
Precisarse de nm caixerode~12VITano
na ra da Concordia n. 12.
C miuercio
Olferece-se nm moco com pratica
oara caixeiro de trapiche ou memo
de ra : quem quizer Dlilisap-se de
deixe carta fechada com as iniciaos A L
pographia ou na travessa d. Qoelma-Jo u.
de molhadus
para caize.iro
seu pre^imo
nesia ty-
COMPRAS
Compra m-sc escravos
Silvino GuiUioraa de Barro?, compra, vende e
troca effectiVdUienie esclavos de ambos os sexos
e de todas as idade; ; a' ra do Imperador o. 79
terceiro andar.
O aro c prata.
Em obras velbas: cosipra-se na praca
dependencio n. 22. loja de bilhetes.
Compram-s* libras
ndepeudencia u. 22.
da In
Farello a 4^GO aovo.
A' ma do Apollo n. 4.
Vende se
Joao da Silva Faria & Irma*, na ra da Croz n.
66 contmuam ler a' venda vinhos de Bordeaux de
boas qnalidades, sendo branco engarrafado, e tinto
em barri--. qaartolas e engarrafado, assim como
champagne kirsc.
.itlciivo.
Na roa do Qaeimado n. 7 vende-se uma rica ar-
macao propria para qualquer negocio.
Oleo de lialiacaP
Vende-se oleo de linhaca um pooco escuro, pro-
prio para tinta escura, a 1,5280 o galo : na ra
larga do Rosario n. 34.
Cacado barato
Vendem-se na pra;a da Independencia ns. 37 e
Borzegjins de lustro para homem a 5$.
Ditos de beterro para dito a 6.
Ditos de pellica para dito a 6$.
Ditos para senbora a ;i$ e 4.
Ditos para meninos a 2*500.
SapairJes inglezes para homem a 3600.
Ditos ditos para menino a 3.
Ditos de tranca a
slerb'uas : na praca da
Compra-se rnro, prat e podras preciosas em
obras velhas : ca roa da Cadea do Recife luis
aecprives uo arco da Cor-ceitao.
fu-ol
cobre, lato e chombo : no.armazero da bola ama-
reda, por baixo do sobrado n. 29 da roa d) Impe-
rador.
COUPH
Compra-se nm preto
armazem.
na roa da i.mz o. 6,
(Compra-se um escravo ;
mero 6.
na ra da Croz nu
Compra-se
oa aliiga-se nma padaria qoe. se]a em urna ra bem
commercial : a pessoa qoe liver para veoder pode
vir tratar na ra da Concordia n. 64 padaria ou
anoiinciar por este jornal para ser procurado.
Compra-se uma mulata de 18~a"20 aos,
sendo recolhida, de boa conducta, bom geuio, e de
bonita 8gura, e que sjiba engommar e fazer tod(1s
os mais servicos de urna aia ; nao se repara o
precc, pois para se brindar a uma senhora : a
entender-se na ma 'estrella do Rosarlo n. II, se-
g'iodo andar.
Compra-se orna casa terrea que toha com-
mudos para familia, na freguezia de Sanio Antonio
oa S..J : dirila se a ru* Nova n.~.58, das 9 as 5
horas da tarde.
Comprase moeda de ooro; na ra Nova
n. 23, o.__________________
Cuoipra-se uma serava qoe saiba bem cosi-
nhar eBuommar : a tratar na roa do Ctboga' n.
I.lojfc
VENOAS
Vende-se
orna escrava moca molto bonita gora sem defel-
los e nem achaques : a tratar iu Bja-Vlsla com o
Sr. Antonio C*rneiro da Conha.
ni i ii ni i i i
Hbitos
No Corceo de Ourn i D, rba do Cbf i,
v-ndem-se hbitos de Chrjal", aviz e crozelro, por
preces commodos, e joias de ooro e nrat.
AHenco.
Vende se om eseravo de 20 anaos ptr.'aiio rrmi.
nh*iro. na -i do Aleri'? f** "Oe morn o Sr.
P 'joto.
Campos Si Sobrinho, tem para vender em
pi rcao e a varejo : superior cal de Lisboa, por
menos preco do que era outra qualquer parte, v.
nho do AltoDouro, especial para a tsiaeo calmosa
por fer inteirarcente puro, ovas do serio raoito
fre>cas : a' ra do Imperador o. 28, defronte da
relacio.
Manteiga'.ingleza flor por 800 rs. a libra, cba,
rolos delicias apraiiveis ilj a caiiinba de 50 :
na ra da Imperalriz n. 6.
LIVRO 00 POVO
POR
Antonio Marques Rodrigues.
ODra recommendada e approvada pelos Exms.
are. blspos da Babia e bipo do Maranhao, e adop-
lada as escolas primarias do Amazonas, Para*
Haranbao, Piauhy, Gear, Parahiba e Pernambu-
co \ 5* edicco com estampas e ntidamente im-
presso. 1 vol. cartonado. Preco 15
Vende-se^na livraria Econmica defronle do ar-
co da Santo Antonio.
Vende-se om cavallo enfreado. gordo, com
an ares: a tratar na ra da Concordia n. 64, pa-
daria.
Charutos da Bahia.
Superiores.
II .vaneiros a.......45500
Flor de Havana......45000
Delicias......... 35500
I.'.ricos em meias caixas 55000 >
Americanos meias ditas. 55000
Suspiros Qnos meias caixas 35200
Regala-Imperial......350h0 >
Rrasileiros........35000 a
Suspiros superiores .... 15500 o ceolo.
Para acabar : na Liga, ra Nova n. 60.
Matheus Austin & C.
Veodem no seu armazem ra da Senzala Ve-
lha n. 106 :
Latas com gaz de 1' qualidade.
Barricas com farinba de milbo muito nova.
Saceos grandes com farello novo para acabar a
35500.
H.rrls com pregos americanos.
caixa.
a
Taimas
Vendem se taiohas de Alagoas, em barris : na
ra da Praia p. II,
VENM-SE
don, pares de rodas novas e om lelto para carraca,
nm cocho erarios eaxilhos de amarello, alguns
paos de cicopira e om banco de amarello para ea-
rapiua, lado em bom estado e por preco oommo-
du : aa roa Augosu n. 89.______
Vende-se nma negrinha de idade 8 annos>
pinico mais oa menos, mnio bonita escravioha :
na caarxa o Carmo, sobrada novo, 2* andar.
Vende-se oleo de rlciuo em latas de 30 libras
por preco commod : aa roa da Cadeia do Rocife
o. I, Ia andar.
folackinha de lette.
^ ro s">l-elna n. 9C, padaria de Ao-
lonie Jos Pedro Gotscalrai, lem bolachlaha da
leu* fella pelo verdadelro raarlcaale o ar. Guilher-
me Paro; qoe le vende ea arroba e Hora, a Ton-
tada 'loe compradores.
Vala aa o hotel Dow Analtos, sito na roa
estrena ia Rosario a. 10, livre a desembaracado da
guaiquar nefoclo : a Iratar ao ataaaao hotel.
- VaaiMa oamavttjfi d amarello aa* aeis
Iiihm ai enapriuMia, par praao edtiaiaw: do
palmas
Peo da Vareo m. 4k
v-nJaaa bNbdTtSCT par prego coumtdo
M i u* da Praia a. II.
Hequifos ou IjaJjadiiiliGs do cambraia.
A aguia branca acaba de receber tmi bello sor-
ymeoto de nqits cu tabadmljos de cambraia eo-
leitaduj de branco e de cores, e moi proprios para
vestidos de sech ras e mfaioas, e mesmo ooiras
! ot'ras fi que a-. -. nh- ras os ap-iican com scerloe
1 aa*3 "Kcmhas sao de 3 metros e vendem se a
i 2.ooo e 35 cada urna ; na loja o'aguia branca rtia
do Uoelmado n. 8.
Albuns para retratos.
A a guia branca receben novo sorllmento de bo-
| mos albuni para rer; tos e continua a veode-los
como i*mpre por preca? comraodo ; comparfcam
..pois l; pretenderles a ra do Qaeimado lola da
'aguia branca n. 8.. "
Novos etifeites para vestidos.
A aguia braaca a ra du Quejmad j rtc^beu co-
i vos eofeltes para ve? idos u-.taodo-se tnire elles
as cascarrilhas coaj bico, obra ftora, e de gosto.
; Carteiras de algibeira com tesoura. pente e
mais necessarios para viagem.
i Vendem-se na loja de miudeas a ra do Quei
mado n. 16.
Coques fiugin'.'o cabello.
Lisos e crespos, singeios e composlos, de gomrs,
canudos e redondos, caberlos com fllet simples
de vidnnhos, ornados com flores e Otas, obra nova
o de gosto.
Para senhoras e meninas.
Leqoes finos de madreperola e osso, todo de sn-
dalo a de sndalo com seda, coro fleos e bonitos
deseohos.
Otras de madreperola.
Ronitos pentes de madreperela mui Ivo para
coques, lindas livellas de dila dita para cintos, de-
licados alflnetes e brincos, botdes para puohos. o-
bra prima.
Aderecos, penles e flvellas iguaes de dita,
trincos. Fivellas e OUs para cintos, ciotos mati-
sados, obra novsima e de gosto
Ramos de flores finas.
Como geralmenle sabido, a loja da aguia bran-
ca o jardini das tinas flores artlflciaes, e alm do
bom sortimento que sempre se acha em dila loja a
aguia acaba-de receber novas flores as quaes se
eonhece o rigor d'arte imiiandj as flores naluraes.
Ra loja da agoia branca a roa do Qoeimado n. 8
acharao os apreciadores do bom a delicado caixode
flores com compridas rama?, rosas, etc.. ludo do
melbor gosto e prioieira qualidade.
Meias pelas para padres.
A aguia branca a' ra do Qoeimado n. 8 rece-
ben novo sortimenio daquellas boas meias pr tas
de laia que conlinuam a ser vendidas a 55000 o
par.
Visporas e dminos
A agoia branca a" ra do Quehnad n. 8 ri.ee-
beu novo sortimento de visporas em caisas de ma-
deira e papelo com 24 e 36 candes, tendo caire
elles a'guos com chapa de raelal para cobrir o no
mero ; assim como dminos em caias de madeira
branc e envernisada.
Rap Paulo Cordeiro.
A loja de miodezas a' ra do Queimado n. 16,
recebeu nova remessa de rap Paulo Cordeiro, e
continua a recbelo por todos os vapores, para
qoe os apreciadore.- aehem sempre boa pilada.
Botoes grandes
e pequeos, pret s e de. outras cres.
A aguia branca recebeu om bello sortimeulo de
bot<5es do diversas qnalidades e goslos os mais
modernos, a elles boa freguezia da aguia branca,
comparecam a ra do Queimado o. 8.
Mews adrenos dourdos
Na loja de miudezas a ra do Qoeimado n. 10,
vendem-se bonitos melos aderecos d^urado tino
obras mni bem acabadas o de novsimos moldes
goslos agradaveis e pregos lo commodos que ne-
nhum comprador objeclar.
Amostras de obras douradns
A aguia branca a ra d > Qoeimad-' n, 8, rece-
beu uma pequea quactidade de nreos aderecos
dourdos, obras de moldes inteiramente novos e
agradaveis, e acabados com perfeigao e mesmo as-
sim a aguia quer vende-las baratimenie para aca-
ba-las at o liui dista semana, por isso os preten-
de-ntes comparec-m munidos dediohtiro.
Espartilhos.
A aguia branca, na ra .o Quoimado d. 8, rece-
ben nova remessfi daquelles bons espartilhos, e
contina a vende-los baratamente comod'anles.
Argolas de borracha
para atar papis, segurar manga'!.-, etc., etc.: na
loja d'aguia branca, rus Jo Queim; 8
PAStlWS-
VERMFUGAS
DE KEMP,
NOVA YORK.
DE COR CHEIRO E SABOR AGRADAVEIS
Inlinitamente mais elficazes do que todos
os mais remedios perigosos enauseabundos
que existem para a expulsao daslombrigas.
aocausam dores e produzem seu effeito
sem precisar logo depois de purgante ne-
nhura e taoincitantes em apparencia e deli-
ciosas em gosto, que aseriarlas est3o
promptasa tomar mais do que marca a re-
ceita.
Uteis como um exeellente meio de fazer
remover as obstruccoes do ventre, mesmo
no caso de n5o existirem verme algum, a
PASTUHASVEnMIFl'GAS DE KEMPS SO promp-
tas einfalliveis na suaoperaeao e por todos
os respeitos dignas deconfianca e approva-
?5o de todos os paes de familias. Prepa-
radas nicamente por Lanman & d.
Nova York.
Depo.sito geral em Pernambuco rna da
Grox n. 22 em casa de A. Caros, J. da C.
Bravo e P. Maurer A C.
A' precos redusidos.
Vende-se papel mabrado do melnor gosto, che-
gado ltimamente de Paris, o taraaoho 30 reis
a folba e 610 a mi, o 2o a 40 a folha e 800 a
mo, o 3* a 50 a folha e 1,3000 a atoo, o 4* 60 a
folba a 14200 a raso ; dito marroquinado de dif-
erenles cores, muito tncorpado a 100 reis a fulha
e UOOO a mi ; dito aebamatolado a 160 a folha
e 34500 a mo ; dito d'nroa s cor, marca grande,
30 res a folba e 600 a mi ; dito cbagnn, muilo
lindo, a 120 a folba e 2*500 a mi ; dito de peso
tarjado de preto, na lato, a 80 res o qnademo
a 320 a mo de 25 'oiras; dito com belra delira-
da, polo mesmo prego ; na roa do Imperador n,
13 defronle de S. Francisco.
CALCADOS B1NAT0S
Vndese na roa do Imperador a. 32 :
Borzeaolns loglezes de cooro de rupia a 71500.
DKaa.\aB UHas para saoaora enfeilados a s\|.
Dtto.uio.aV*.
Ditos de cores a 3*500.
Dito* para a mesma a 4*.
Ditos de cores a 2*500.
Sapatfea Inglezes a 3*200.
DMos francezes a 4*.
Mas sola dobrada a 5*.
VNDESE
orna aaerau para todo o servio j de casa e roa, boa
lavadaira a foitaadeira: oa roa do Rangal a. 3.

JIegvelL

>?


1 "tt
""?r -

6
Diarlo de rematabas* ... Qaara lelra a de Fevere.ro de 1867.


:!

O ARMEZAM
IO
ARAfAZElf DE FAZE\I*AS
TABA

DE
0LYMP10 GONQALVES ROSA
Ra do Livramento n. 14.
53 RA DA CADEIA 53
JMS&ANDO O ARCO DA COWCKIClO.
Acaba de receber e tem por bartissiraos presos r
allll de Seil aCOStlimadO e militO COmoletO SOrtlEIlto!readef"ercompromptidSo^Qalueren<^menda,daspe3Soas"iQeqaiierem
. r w"mFlv,'v uvimuvuw cimento por precos mais baratos.
de gneros os seguintes abaixo declarados.
Queijos de Minas.
pegados pelo ultimo vapor a 1(5600 rs.
Qomma de milho branco
americano.
melhor que ha para papa, pSo-do-l, bolo,
sangica, creme etc., muito substancial e
uudave l a (HO rs. cada pacote de 1 libra.
SALMAO E LAG0STIN
shegado oltimameate em latas de 2 libras
1)5600 rs. cada ama.
CHOCOLATE
(rK*z a 50O rs. o pacote, dito hespanbol estrellinhas ara sopSTeTcaixas sortidas de
pecial, o meihor que temv.ndo aomerca- JgJ^ Jqggn, palharim *
MUSCATEL DE SETITBAL
o muito excelleite vinho muscatel por 204
a caixa de duzia e U a garrafa.
CHA
hysson de primeira quaiidade a2fJ80 rs.a
libra, uxim o que ha de mais fino a 35 rs.,
alm destas ha muitas outras qualidades
proprias para vender a retalho, que se vende
de l#0O0rs. a 2J rs. a libra.
CHA PRETO
o mais especial que tem vindo a este mer-
cado a 25600 rs. a Ubra.
MAQAS
O proprletario deste estabelecimento faz scieote ao respeitavel publico e aos seus Smigos
freguezes, qae tem augmentado a sua offlcraa de alfaiate, e dirigida por um babil raesire, se encar-
honrar sea estabele-
Assim como tem um completo sortimento de axeodas finas (as qaaes nao sendo cosame pro-
curar as Ij.-is do Livramento) espera qae seas amigos e fregmes o hoorem com suas presentas,
mis vende mais barato qae ootro qualquer.
BASQUINAS DE SEIU PRETi
A' loja de fazendas de Augusto Porto & C.
11Ra do Queimado11
basquinas de seda
o a 1280 rs.
LATAS DE LINGUIQAS
com 6 libras emticamente fechada a
44500, e de barril a 640 rs. a libra.
VELAS PARA CARRO
am paco tes de 8 velas a 900 rs.
VINHO DO RHENO
*cdadeiro a 24000 a garrafa.
BORDEAUX
das mais acreditadas marcas: S. Jalien,
Haut Brion. St. Emilion e St. Esteph a 800
rs. agarrafa e 84000 a duzia.
O EXCELLENTE E AFAMADO
COLLARES
agarrafado da bem conbecida casa de De-
jant & G.a a 104000 rs. a duzia.
PORTO
diversas qualidades eogarrafado, inclusive o
mais oo que ha n'este genero por 800,
14000,14200, 14400 e 105U) rs. a gar-
rafa.
LD CHERRY
o mais superior do mercado a 14500 rs. a
farrafa e 154000 a duzia.
VINHO BRANCO
xcellente quadade, de Lisboa, e proprio
para missa a 800 rs. a garrafa e 85000 rs. a
caixa de duzia.
VERMOUTH
roperior qaalidade em caixas de 12 meias
jarrafis por 124000 rs. e cada meia garra-
fa 14200 rs.
macarrao,
etc., a 040 rs. a libra.
PREZNTOS
os verdadeiros de Lomgo a 640 rs. a libra 9
560 inteiro.
JALEIA DE MARMEELO
em latas a 800 rs.
MOLHO INGLEZ
diversas qualidades a 720 rs. o frasco.
MOST\RDA INGLEZA
muito nova a 800 rs. o frasco.
MOSTARDA FRANGEZA
a 640 res o frasco.
ARENQUES
em [atas a 600 rs. cada urna.
GARRAFAS
brancas para mesa superiores a 54 rs. e a
64 o par.
COPOS
diversas qualidades e taraaohos a 3$ts., 44
o# e 60 a duzia.
CAPACHOS
de cores e differentes tamanfaos a 500 rs.
640 e 800 reis.
BALA'OS
diversos feitios e para compras desdo 500 rs.
at 2$ rs; ditos grandes proprio para roupa
de 35 a 50.
GAZ
ornis superior gaz liquido em latas grandes
com 5 gales por preco de 104 rs.
A' loja de Augusto Porto & C. chegaram as melhores
preta que se veodem por mdicos precos.
Vestidos de moin de cores para bailes e partidas.
Ricos vestidos de Blond cora manta e capella para noivas.
Costamos completos de casemira para horneas, fazenda especial, sendo
as calcas e palitotsda uHima moda.
Bonels de palha da Italia para senhoras e chapeos de phautasia para ho-
rneas.
Enxovaes e vestidos bordados para baptizados de 104000 a 304000.
Camisas inglezas para homem, peito, panhosecolarinhosdlinho supe-
rior.
Ricas saias de linho bordadas, baldes, espartilhos, meias finas, lences
bordados, camisas, camisinhas, manguitos bordados para senhoras.
Colxas de seda, e de laa e seda para camas de noivas.
Cortinados bordados para camas e janellas.
Tapetes para sof, cama e piano e pannos para cobrir mesas.
Bramante, Brilhanlrna. Miciennes ou cambraias de pafos, fazenda muito
bella para vestidos, silesias, bretanhas, e cambraias transparentes tapada e
de linho.
Moireantique branco e preto, sedas brancas, decores e pretas, e gres-
denaple dje todas as qualidades.
Brins de linho branco e de cores dos melhores.
Neste estabelecimento ha sempre sortimento das melhores e mais baratas.
Esteiras da India para for ar salas
11Ra do Queimado11
Vapores.
Vende-se em casa de Saaoders Brothers & C
no largo do Corpo Santo n. 11, vapores patentes
cera todos os per lances proprios para faier mover
tres oo quatru machinas para descaroqar algodao.
F0TASS4 M RUSSIA
Vende-se potassa da Ru?ia moito saperlor e de
qaalidade a mais aproprlada para o fabrico de
assucar a prec > rasoavel, no armatem de Jos da
Silva Loyo 4 C. -
ios agricultores
Saanders Brothers & C. acabara de receber de
Liverpool vapores de forca de 3 a 4 caados com
lodos os perteoces, e mol proprios para fazer mo-
ver machinas de descarocar algodao, podendo cada
Admirem os presos
Ko irmaiem de .aleadas de SaiUs
Ce-elho.
Ra doQaetfllado n. irj
Vende-se:
Madapolao enfestado fino a 9J a peca com JO
varas.
Ditos de 74, 71500,84, 94,104 e 114 a peca coa
20 varas.
Cambraia de lista de doas cores para vestido
800 rs. a vara.
Bales de arcos para senhora a 21500, 31 e-14500
Ditos de arcos encarnados de 34500 e 44.
Ditos de murgulina a 41800.
Ditos de arcos para meninas de 11600 e 21.
Toalhas de linho alcochoadas a 121 dusia.
Ditas de feliro (pello) a 131 a duzia.
\
-ambem. ser-1j^Sffl^f >
vem para enfardar algodao on para ontro qaalqaer gj"?.*g.
servico em qae osam trabalhar com animaos. Os 5?Ate de "nno *>"
mesmos tambem tem a venda machinas america-
nas de 35 a 40 serras : os pretendentes dirijam-
se ao largo do Corpo Santo n. 11.
Loja do Gallo Vigilante
KlA DA G4UEI4-53
QRAIDfi LIQUIDADO
23 Largo do Terco 23.
Joaquina Simio dos Santos, dono deste bm sortido estabelecimento de seceos
3 molhados, faz sciente ao respeitavel publico, tanto desta praca como de fora, que ve-
aham fazer suas de^pensas a^ste estabelecimento para verem a grande differenca que faz
para menos preco, caso fossem comprados em outra qualquer parte. E todo o freguez
jue comprar de 1004000 pira ci na ter o descont de lu% peloprompto pagamento,
faz-se esta grande diffdrenca por estar-se em liquidado.
Ga? americano a 4oo rs. a gararfa, e 94 a lata.
Caf do ko de 1.a e 2.a sorte a 2*o e 2oo rs. a libra, e a 6$ e 74 a arroba.
Queijos de diversos vapores a 244oo, 248oo e 34ooo cada um. .
Phosphoros do gaz a 42oo agros*, e em porco se fazabatimento.
Cerveja de diversas marcas, duzia 54, 545oo, 65 e 74
Arroz da me hor qualidadea 12o e lio rs. a libra e a 34'oo e 342oo a arroba.
Paool de linho marca viidoa 44ooo a resma, em porcao haabtimento.
IdeJ fin) demarca martello a tSJfOD e 64 a resma.
Viuho das melhores e mais acreditadas marcas, a 247oo, 34 335oo e 44 a caada e
36o, 4oo. Seo e 56o rs. a garrafa.
dem r.raneo superior quadade a 44 a caada e a 56o a garrafa.
Cha min linho e graudo da melhor quaiidade a 24, 2#2oo, 245oo e 248oo a libra.
Manteiga ngleza fina, a 14loo, 14lio e l4oo a libra, embarris ha abatimento.
dem mais baixa a 72', 8oo e 9oors. a libra, em porcao ha grande abatimento.
Icmfranceza moito nova a fi4o rs. a Ubra, e em barril ha grande differenca.
dem mais baixa a 48), 52o, 56o e too rs. a libra, em porcao ha abatimento.
Vinho dj Porto engarrafado e em barril a 64o, e a 14 a garrafa.
Alm destes gneros ha out--os maitos assimeomo bolachiohas de soda a 141oo e
34 a lata, chourigas e genebra de todas as qualidades, massas para sopa, copos a 54 a
duzia, s no Conservativo largo do Terco n. 23.
LOJA DA FRAGATA AMAZONAS
DE
Monteiro & Gmmares.
V. Haa do Qoeimado

MACHINAS AMERICANAS
Verdadeiras do fabrleante X. V. Canttongln & C.
americanos para meer milho.
Na ra Nova n. 20 e 22, grande deposito
das verdadeiras machinas americanas de todos
os fabricantes; se eniontra neste deposito
grande porc5o de machinas, e se vendem por
menos preco do que em outra qualquer parte,
por se receber em direitura da America; se
fornece todas as explicacoes necessarias ao
comprador para coosemoao das mesmas;
neste grande estabelecimento se encontra mui-
tos artigos americanos, que muito deve agra-
dar aos agricultores que usam de taes artigos,
encontra-se tambem todas as colleccoes de de-
senos sobre os quaes se aceita qualquer ama
encommenda, que com promptid5o era execu-
tada; neste grande estabelecimento, encon-
tra-se em grosso e a retalho, grande porcSo
de ferragens, e miudezas que se vendem por preco commodo, pedindo-se a attenc5o
da todos para este estabelecimento que muito lucrarao em fazer suas compras: na
ra Nova n. 20 Campirn Vianna.
siam S nT. S;=T est^belecment0 chamam a attenco das Esmas. senhoras que
gosiam de usar objectos de modas, para que se dignem vira nasseio a seu estahlerimpn.
to apreciar a.guns destes artigos de ^^S^^ch^^o^f^
e que esperara merecerlo approvaco do bello sedxo !f-
A Fragata acaba de receber novo sortimento de sedas de cores rela* e hrS
Loques de madriperola de 18 a 8040OO um.
Lques de sandalo-novos goslos.
Chapelinhas de seda e palha para cok.
Chapeos de sol de seda para senhora.
Ricos cintos bella Helena (novo gusto)
Cortmad bordados para cama.
Colchas de seda para cama.
Cortes de blond para noivas.
B squines de seda bordados de 15 a 604000
nalos seria *&""** b" b3rdadS' e oatr9S it03 arli*05 ^ *-
todas mSJfi!!t!!! nV esUbleeiIQen^ se consideram gratos, para com
mvs S-m S 5eseohores, que temfreqaentado seuestbalecimento ecada vez
com suas prSncas **"'" t0dS w <***"* bouu S3U ^tmenlo
Mlllll
PREPARACOES FERREAS-MAN6ANICAS
APPROVADAS nik ACADE1BA BE MEDICINA
DE BURIN D BUISSON
Pharatacelice, limad ptla Academh de ledciu de Para

W
e
<

O
t#a* peutttf jiattm medica, reconhece qne os ferroginosos simptes sSo mnitas
do AZI MLITJA*S m0,Ctias ^ teem Sr causa o^mpobrecS
RSSKJi* f S m"S d,&tinclos "baem ess m o xito k .seoeia,
m fhhZ2'ufe0^lan^ ^e se acha no sangue, como o tem reeonhecido
rSli!" Peritas, empre ntmamaate unfdo com o ferro.
uSSffSS^S^Tscrv,0 aos ^ModlcM' ohmaMe m ****
2
Pos ferreos mausanicos i?*0. imm*te ? w*> acidulada,
Plalas c Xarope de iedurete de ferif e de mmm Mtffff
"S? Mda,nma cinco cendramos de i.ureto de ferro manganico indio "
pwcnlarmente as molestias Tymphaticas, eserofulosM, e as chamada,
ornas e tuberculosas. *
iadioadas
3 Braees de laetate de ferro e de mmm
Pilmas de carbonato frreo mmm
rsceitadas especialmente
para a chlorosis, a aae-
mm, a leucorrhea, a asae-
' norrhea. A indioaclo de
aHtrnar estas doas preparaos d os memores resaltados. ^^
rJLS!1!'^{l,.di.BaMan t****0 *. *wao sompkta do pubMM i
d5P^^SeXePT,^e,, Pf ** ^ wWFtM
M Pemvnbuce, a sen agenta feral, Maorer 0 O, Dhannaeewtiees,
n
Ul
atrntasaenta m
utieas, nu Kov. E
I lilil
Vende-se^najpharmaciajde P. Maurer & C, ra Nova.
-
RA DO CRESPO N. 7.
Grande e variado sortimento dos numero-
sos objectos de apurado gosto que ultima-
mente acaba de chegar para este bem co-
ndecido estabelecimento, pois seu corres-
pondente em Paris o mais habilitado pa-
ra a escolha de taes objectos, pois os com-
pradores poderao apreciar, como sejam iin-
dissiaoos enfeites de cabeca com cok de
cabello, e sem elle.
S no vigilante ra do Crespo n, 7.
E afeites.
Roques com caixos e de novos penteia-
dos.
Trancas pretas e de cores, e de todas as
larguras, com vidrilho e sem elle, para en-
feite de vestidos.
Bicos de seda com vidrilho e sem elle.
Gravalinhas de velludo para senhoras.
Gravatas e mantinhas de seda para ho-
mem.
Grvalas brancas muito finas.
S no vigilante ra do Crespo n. 7.
Voltlahas para Meninas.
Voltinhas para meninas.
Pulseiras para as mesmas.
Correntes para relogios fingindo cabello.
Riquissimos sintos, fivellas e fita* para as
mesmas e de outras muitas qualidades.
Riquissimos pentes de taataruga.
Fitas de velludo de todas as largaras.
Lindos enfeites para vestidos, chamados
Cbrispianne Margante.
Riquissimas flores para vestidos e para
cabeca.
Capellas com canos flor de laranja, pro-
prias para noivas.
Meias de seda para senhoras.
Ditas para meninas.
Riquissimos chapeosinhos e touquinhas
para meninos e meninas, meinhas e sapati-
nhos de seda para os mesmos.
Lindas sextinhas e bolcinbas para bracos
de meninas.
Meias pretas de laia.
Lindos aderecos e brincos.
Aderecos completos preprios para luto.
Lindos porl joias e port relogios de dif-
ferentes tamanbos proprios para um deli-
cado mimo.
Riquissimos livrinhos com capa de tarta-
ruga para missa.
Aderecos de flores.
Riquissimos aderecos completos, sendo:
voltas, polseiras, brincos, alflnetes, grampo
para cabelps; tudo isto feito de todas as
flores de ultima moda em Paris.
Gravatlnhas.
Tambem chegaram bonitas gravatinhas
com flores, e com alfinetes proprias para
meninas e senhoras.
Resetas e brincos.
Riquissimos brincos e rosetas inteiramente
novida le e tudo de moito gosto.
Touquinhas.
Riquissimas touquinhas de linho e seda,
ponto de corx ricamente enfeitados e de
muito goste.
Fita.
Riquissimas fitas de chamalote, sendo: ver-
[de e amare!lo, tecido na raesma fita.
Jkgulhas de marflin.
Tambem chegaram as mui desejadas agu-
Ihas todas de raarlim, para trabalhar em 13a
e sem corx.
Sextiuhas.
Tambem chegaram bonitas sextinhas de
palha fina, proprias para meninas.
S no Vigilante ra do Crespo n. 7.
Espelhos.
Riquissimos espelhos grandes e bonitas
molduras proprios para salas ou lojas assim
como outros dqnlifferen tes tamanbos.
S no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Para os pais de familia:
Verdadeiros
Collares Rover
Electro Magnticos \nodinos
Ou Collares Anodinos, para facilitar a dea-
tic3o das criancas contra as convulses
das mesmas, a estes collares nos escuzado
fazer qualquer recommendacao, visto a
grande utilidade que tem produzido aquellos
pais que os tem applicado em taes circum-
stancias pois nos parece que n5o haver um
s pai ou m5i qae por este meio nSo qaei-
ra por termo a taes soffnmentos de seas
filhinhos visto ser nm mal que tanto os
flagelia, pois a estes collares acompao.a um
folheto que ensina como se deve applicar, e
vende-se na loja do Gallo Vigilante, ra
do Crespo n. 7, pelo preco de 4/JOOO, 50
e 60000.
Algodao enfestado com 7 l| ditos a 1100.
500 a vara. '* ^^
Dito de dito de 9 li2 dilo a 400.
uno dito de S dito a 4*200.
Dito dito de 3 l|2 dito a 800.
M
Retundes de Sl prete a 7}.
Boornos de diio a 10.
Cbales da dito a 5*.
Cambraia adamascada para cortinado com O va-
ras a 13* a peca.
Lencos braocos de cambraia finos de 21, 34.
35O0 e 41 a dozia.
LSatinba com llores mnito fina a 400 o covado.
Di la lisa d.ta a 480 o covado.
Cambraia de linho fina de 61500 a 91 a vara.
Cambraia lisa moito fina de 51, 61, 61500, "1
9t a peca.
Colxas de fustio alcochoadas brancas e da coras a
61000.
Cocerlas de cbila da India de 21400 e 21800.
Lences de h-mburgo fino de 21400 e 21600.
Ditos de bramante de oto s ngatio a 31200.
Tarlatana de todas as ceras inOa vara.
Moreantiqoe preto saperlor a 21660 o covado.
Grosdenaple de dito a 11800 o covado.
Flanella ae cores a 800 o covado.
Cambraia desalpieos branca eom 8 Ii2 varas pa-
ca 41600,
Fil de linbo liso fino a 800 a vara.
Dito dito com salpicos a 900 a dita.
Gaardaoapos de linho para mesa a 31500 a doria.
Assim como tambem se encontr nm completo
soriimento de roopa feita e por medida.
Francisco Jos tferman
(RA NOVA N. 2!,
acaba de receber um lindo e magnifico sor-
timento de oculos, lnnetos, binculos, do ul-
timo e mais apurado gosto da Europa o oca
los de alcance para observacoes e'para o
martimos.
PASTA XAROPE de IAF < A1ABIA
k nKLANenirvnm
pltaw d. Pirii, o qau. ctnAcuf luU lu
riitdt Mkra t.4ei u alr.i plUriH m
McicU lira M t
ISWlln i, 4a Hf|1.
RACAHOUT DES RABES
Unlc alimento .ppr.t.d. aalaieaSaaala < Maaletaa 4a
Part. EUa rattabalaoa u laailaj aua (aran do Bat
amajo a 4ai laiaaaaaaa; fsruUaa u otaaaaa a ai liaalai
aasilluda, alan alase a tlriaaa 4a umawiaaaSa aaa>
aaa>Uea ka a elnor praaarrail. aai rakraa uunm a
UlilHl.
Cada buco a aaak oaljlaai aaaUi paapSMaaal laaaV
wri <*. a naa Ailaaaraalar, na Uakallaa, M,
ata Paria. (Paaar aariilo aiiaatu aaa> as WatSeaclai.)
BBoiHarlaa na Piraaaai.i ; aMaaa) > r '
'MaiHff jiWra-'f
INJECCAOeCAPSIAS
.VEGET AES aoMATICO.
CRlilAULlX:-fHAttll4t;tUll(.-liSEMJt'Attl6
Novo tratamento preataradsi cea as fohat 4
Malico, aore do Per? para a cura rpida e in-
fcllivel da Genorrhea sera reccie algum da oon-
tnecia do canal on da inlammacio dos intestinos.
0clebre doutor Ricorb, de Pars, ter renonciado,
desde sua afparicao, ao emprgo de qualquer
otro tratamento. Emprega-se a hjeteSc ne
eomeco de fiuxo; at capsuUu am todos os asas
ekronioss e Inveterados, que resistrte as prepa-
Mco^doeopaM,*e*efcmjCvtooombatn
aMlaOiea.
A venda as pharmaelas de P. Maurer i
*j. A. Ctors, em Pernambnco.
por 400 rs.; no armatem do Sr. Anoes defronle
da porta da alfandega.
Collares Royer
ec
Anodinos electro-magnticos contra as con
vulsoes, e para focilitar a denticao dai
criancas. A aguia-branca na ra do Qoei-
mado n. 8 recebe-os por todos os vapo-
res francezes.
J esto to coonecidos, e tanto se tem espalhade
a fama desses prodigiosos collares Royer, qoe st
torna desnecessarlo dizor mais algoraa coosa en
abono de sens bons e e efflcazes effeltos; basta t
tesiomimho de milhares de pessoas, qoe tm vistf
e aproveifado o feiic resoltado desses lio oteh
quo necessarios cellares Royer. A qootidiina
crescida sxtraccio, qoe vo tendo, mostra .indi
qoe numero dos prodicin se eleva como todo
os compradores. A agnia-branca, p^rm, dese-
aado concorrer para um fim de tanto aproveiu
ment, um feito os nacessaries podidos, pamsws
poT todo os vapores franeer.es loe seja remettid
certa qrjaatdade de Utos eollars, para assim eor-
nar-so Infallivel o soituneato delles, tu loja; ti-
gma-brinca, roa do Qoeimado a. 8.
PHOSPHATOdeFERRO
[DE LERAS DOUTOR EM SCIENC&.1
INSPECTOR DA ACADEMIA DEPAR!7E';'
NSo existe medicamento ferruginoso tao notavel
come o Phosphato de fem de Lerat; as summi-
dades medicaes de muao inteiro adopuram-ao
cera sotlicitude sen igual nos aanaes da scieneia.
At eortt ptUUdtu, dom de tema, dtqeitoet
peiftut, anemia, cenvaUscsncias dffUeit, Hade
critica mu miherat, irrtpUariiade n mens-
truafie, pobreta do tanque, lymphatismo, io
euradot rpidamente ou modificados por wat
excellente compotto. E' o conservador por excel-
lenoia da saude, e declarado superior nos hospi-
taes e pelas academias a todos os ferruginosos
eoahecidos, a iodoreto e ao curato de ferro,
peron o nieo que ceavem %os estmagos de-
licados, que alo provoca osstipaeio, o nico
tambem que no ennegrece aboeame os destes.
Deposito as pharmaeias de P. Mauro
C. e A. Caors. em Pernambuco.
A venda as pbarmacias de P. Maurer 4
e G. A. Caors, em Pernambuco^_______
"Doces"
Grande sortimento de doces secos e crystalisa-
dos e em calda estrangeiros e nacionass : no ar
mazem da Liea ma Nova n. 60.
ToTir
Novameoie chfgadas botas russianas e perneiras
da melhor quaiidade qae temos visto : na loja do
vapor ra IS'.jva n. 7.___________
Vinho do i'orlo sup"iior om caixa de
iu duzia.
Vende-se no escriptorio de Antonio Lurz de
Oliveira Azevedo & C, no sea escriptorio ra da
Cruz n. 1._____________
rival sem mmm
Ra do Quelmado n. 4, loja de
inlndezas
DE
Jos Bitjouinno,
Continoa a queimar tudo quanto tem em seu es-
tabelecimento.
Pares de sapalo de t pete a 11280.
Duziis de pencas de ac maito finas a 60 rs.
Calas de liaba do gaz de 30 novellos a 600 rs.
dem de linbas do gaz de 46 rs. o novello a 700 rs.
dem de palitos de seguranza a 20 rs.
Lencos de cassa com barra a ItO rs.
Duzia de facas e garfos de cabo preto a 31600.
Masso de palitos llxado para dente* a 120 e 160 rs.
Pegas dn ntremelos muiD finas a 300, 600, 800 e
11000.
Lutos das mlssoes abreviadas a 11500.
Garrafas de agoa Florida verdideira 110(0.
Babados do Porto de todis as larguras e todos os
pregos.
Sylabarlos cora estampas para meninos a 320 rs.
Momento da roopa de lavar a 100 rs.
Novas canilhas para meninos a 160 rs.
Dazias de meias multo finas para senhora a 4$800.
Ditas brancas e cruas para homem a 31 e 31800.
Agulhas francezas a balao (papel) a 60 rs.
Pares de sapatos de tranca e tapete a 11500.
Pegas de fitas de lia de todas as cores a 600 rs.
Grozas de boioes de porcelana prateados a 160 rs.
Caixas com alfioeites franceses a 80 rs.
Caizas de 100 envelopes moito finos a 600 rs-
Pregos francezes de todos os lmannos (libra) 24
ris.
Resma de papel de peso branco liso a Sf.^
Frasco com superior tinta a 100 rs.
Grosas de ptic-gphoros de gaz a 21000
Pares de botoes de puntvo moito bonitos 80 n.
Linhas em eartfio de 200 jardas a 100.
Caixa de superior linba do gaz com 80 novellos
700 rs.
Caixas de pos de arroz moito fino a 800 rs.
Pul.-eiras de conta para meninas 320 rs.
Talhere8 para meninos a 240 rs.
Caixa com superiores iscas para charutos .a 20 rs.
tfasso com superiores gran pos a 30 rs.
Grosas de peonas de ac multo finas a 320 rs.
Booets para mepio.is a 11.
Pentes com costa de metal a 400 rs.
Capachos compndos e redondos a 500 rs.|
Caixas com soperior papo amisade a 600 rs.
Realejos para meninos a 100 rs.
m Es
Grande sortimento de. dooei seceos, cryslalisa-
dos e em calda, estraogMros e naeionaes : oo ar-
mazem da Liga roa Nova n. 60.
Veo&e se om sitio na roa de Bem fica com
asa para faesrlta, arvoreifds e algorn terread ;
tratase u roo doQueleadoit. 18 tem (Jam>
Ibo Bastos.
C.
Papel pintado
O mais oettioleto variado sorttmaolo de papel
para forro de sala e goaroicSes, eoconlra-se a.
venda c a
Botica ile Bartlio.oaveai &
34~Rpa larga do Rosario-34
em s. js
Manteiga ingleza perfeitamonte boa t
50 rs, a libra eemporcS) por meos, no
ex-propbeta Cinco Pontas n. 86 esquina da
non traversa de S. Jlo.
|-se pot preco
omaarroca : oa roa da
mcntoeomoManloV^i
Impetitm n., totcelro
ILEGIVEL

-
V\
i

L
*
i


Diarto de reman!
Miarte feira tt de Fevereir de 867.


<
}

*/

.
<<
*

)
i
I

lemedios de Dr. J. C. Ayer, ex-Ieato
da aivcrsidade de Peosvl valia, un
EsUdtts-linids,
Extracto conposto de salsa-par
rllia de Ayer.
Pcitoral de eereja.
Remedio parasexdes.
Plalas cat bar (feas.
0 deposito ceatral para as provincias
Pemambnco, Alagoas, Parabyba e Rio-
Grande do Norte, des tes remedios t3o fa-
voravelmente conhecidos e acolbidos en.
todas as partes da America do Sal e do
Norte, acba-se em casa de Theod Chrlav
tiausen, 16 na do Trapiche en
Peraanbueo.
Os precos de
330 por duzia de estracto de salsa-parrllba.
7(J por duzia de peitoral de eereja.
270 por duzia de remedio para sez5es.
70 por duzia de pilulas catharticas
se entendem diahelro Ttsta, con
o descont de 5 por cento em qoantidade
de 6 a 12 duzias, e de 10 por cento em
quantidades superiores a 12 duzias.
Perfumaras novas.
A aotiga loja de mludezas a ra do Queima %
B. 16, recebea novo sortimento de perfumaras
sendo fiaos extractes e essencia concentrada, chei-
ros agradaveis para lencos, leos sortine, philoco-
me, e babosa para cabellos, banhas e cosmetiques
tambera para os cabellos, poz de coral e bygienicos
para dentfcs, opiata Ingleza e franceza para ditos,
sabonetes era fearras qaadradas, outros era calxi-
nhas, e oairos de bollas transparentes para mito, e
outros mui .linos en calxinb.s de looca para bar-
ba, agua da colonia n superior qualidade em fras-
cos de diversos (amachos e presos, agua ambreada
para baobar e refrescar o rosto, agua florida ( da
verdadelra} tnico de Kemp, c mui as outras per-
fumarias que a vista da boa qualidade ecommo-
didade de precos, o comprador nao obiectara'.
Meia< pretas de laa e de laia.
Para padres,
Vendem-se na loja de mludezas a' ra do Qael
mado n. 16.
tara baptisados.
Bonitos cbapeusmhos enlejiados, sapatishos do
setira e raerio, bordados e enfeitados, meias de
seda, e 8o d'escooia para ditos. Vendem-se na lo-
ja de miudesas a' ra do Queimado n. 46.
Bicos e rendas das ilhas.
A loja de miudesas a' ra do Queimado n. 16,
recebeu novamente ootro sortimento daquelles bous
e bera conhecidos bicos e rendas das ilhas, cuja
fortido, e seguranza de tecido, Ibes da' imraensa
duracao e os differeotes lias a que acertadamente
sao applicados fazem a grande procura, e prompta
extrac^ao como constantemente tem acontecido ;
assim pois concorram os pretndenles, que a vista
da commodidade dos presos nao objectaraa ein
comprar.
Graxa econmica,
Em caninhas, latas e barris, a' loja de raiudsas
a' ra do Queimado n. 16, recebeu aovo sortimeo-
to dessa boa graxa econmica.
La para bardar.
A Soja de miudesas a' roa do Queimado n. 16,
recebea novo sortimento de lia fina de bonitas co-
res, e como seropre vende a baralaraente, e o sor-
timento a contento do comprador.
Bonitas caixinfoas.
De madeira cora enfeites dourados, e outras de
metal para guardar joias. Veodeiu-se na raa do
Queimado loja de miudesas n. 16.
Eufeitcs e grinatd&s.
Na loja de miudesas a' ra do Queimae n. 16,
acbaro os apreciadores do born, ura bello sorti-
mento de bonitos enfeites para bailes, tbeatros e
casamenlos; assim como delicadas grinaldas para
noivas, eaixos de flores finas para enfeitar os ves-
tidos de dttas, e muitos outros objectos, e todo se
vende por presos tao -rasoareis que o comprador
xperiente, nao se atrave a objectar a respeito.
Babadinos bordados, ntremelos ditos.
Todos de tina cambraia e delicad s bordados.
Vendem-se na loja de miedesas a' ra do Queima-
do n. 16.
Pininas brancas c de fg.
Vendem-se na loja deraiudeas a'ra do Quei-
mado1 n. 16.
Franjas
Com borlas e sera ellos, para cortinados, toaifeas
etc. Vendem-sa na loja de miudesas a' ra do
Qaeimado n. 16.
Boas e bonitas fitas.
Lizas e lavradas, larga: e estrenas; vendem-se
na loja do miudesas a' ra do Queimado n. 16.
Benitos enfeites para vestidos. Q
A Loja de miudesas a' ra do Qaeimado n. 16,
esta' recentemente provida de mui bonitos eufeites
para vestido?, sendo bicos de seda tanto branco
como pretoj, de difiranles larguras e com vidri-
Ibos, ou sem elles.
Trancas e galdes de da dos ultknos gostos, di-
tas com vidrbos, pretas e trancase de differeates
larguras e gostos. Pitas de velludo pretas e de
cores, cora lista as relas. E assim muitas ostras
cousas de moda e novidade, e Indo por presos to
comraodos, que o comprador fica atisfeito e oao
objecta a comprar.
Bollas de borracha.
De diversos umanhos para brinquedo?. Ven-
dem-se na Jeja de miudesas a' roa do Queimado
a. 16. __ _
Vende-se vinho de Bordeaux em quartolos
barris e caixas : em casa de Tlsset reres, ra jad
Trapiche n. 8.
(JtZ G4Z GAZ
Gbegou ao actigo deposito de Henry Forster &
C, roa do Imperador, am carregamento de gaz de
primeira qualidade.o qual e vende em partidas a
a retalbo por meaos preco do que em oatr* qual
qner parte.
AO PUBLICO
NA LOJA. E ARMAZEM
DO
Ra da Imperatriz n, 60
DE
i SILVA.
Balees baratos
Vende o Pavao.
Cbegon om grande sortimento de baldes de ar-
cos sendo americanos que sao os melbnres e vei-
dem-se pelo barassimo prego de 2*500, 3*
3*300: na loja do Pavio na roa da Imperatriz n.
0, de Gama & Silva.
A 160 rs. para lato, vende o
Pato.
Vestidinhos para meninas
Veodem se elegantes vestidinhos para menina,
de lsinba moito bem enfeitados pelo baratissine
preco de 2:500, ditos de gorguiao de seda a 3*000-
na loja e armaiem do Pavao na ra da Imneratrii
n. 00. de Gama & gira
Chales de merino
Vendern se nulsimos chales de merino lisos d
diversas cores, tendo as franjas de seda a 4JOO0.
tendo com as franjas de la a 3*500 rs., ditos es~
Novos vestidos Poil de Ch-
vre a 16#000.
Na loja do pavo.
Chegaram pelo vapor do da 15 do correte, os
*
'
Eival sem segundo.
Roa do ueiinano u. 4L9.
Quer acabar com as fazendas abaix
mencionadas.
fjQueiram tir ver o qne bora e barassimo.
Ibra de gomma de milho a.400 rs.
Toalhas de iabyrrntho com bico, faienda boa i
3*500.
Carreteis de liaba com 100 jardas a 30 rs.
Gravatas pretas e de edree mullo' Unas a 800 rs.
Baralhos franceses multo finos a 200 e 320 rs.
Caixas de oireiag de raassa multo novas a 40 rs.
Enfladores para espartilho de cordao e fita a 01
res.
Carreteis de tlnba Alexandre com 400 jardas a 20*
ris.
Resmas de papel almajo muits bora a 2509.
Frasco de oleo babosa a 320 e 500 rs.
Ditos de dito bigleniqae verdadeiros a 15000.
Ditos dito flse a 800 rs.
Ditos de maeacar perola a 200 rs.
Sabonetes muito finos a 60, 160, 200 e 320 rs.
Ditos de bolla rauito faos a 240 e 320 rs.
Caixas para rap com bonitas estampas a 100
Caixas de palitos a bailo a 40 rs.
Miadas de liaba froxa para bordar a 20 rs.
Varas de cordo para espartilho a 20 rs.
Frascos com unta rxa mallo boa a 216 a 320 rs
Ditos de dita preta a melbor que ha a 320 rs.
Daila de facejs para sobre-mesa a 4|.:
Varas de tranja branca larga a 200 rs.
Pentes volteados para regalar cabello de menina
a 320.
Frascos de macaba' oleo multo fleo, a 120 rs.
Abotoaduras muito Otas para colletes a 500 rs.
Candes de buha branca e de cores a 20 rs.
Llora de arda preta superior a 100 rs.
Cartas de alfloetes franceres com 14 pentes
120 rs.
Escovas para fato, faieuda boa, a 800 rs.
Cal de Lisboa,
Cbegada no ultimo navio, mals barata que em
outra qoalqner parle; no deposito da roa do Apol-
lo a, 8.__________
Cal moT dexisaoa.
" No armaiem da rna do Apollo o. 8, por meos
00 r?. do que em outra qualqaer parle.
IGA
Grauue e bem sortido armazem de molhados
Ra Nova u. 60
Sabio ou nao sanio, am abillistimo freguezes? sanio sim ; e se demoramos tanto
em abrir a caixinba do segredo, foi porque gostamos de sorpreza e dasconjeetnras. Abl
Ah t Ab 1 como o sakir deu no gto do muita gente de collarinho empinado ebigode re-
torcido?! Quanta ioterpretago lidicula e risivel soffreu onosso pobre sakirll Maita
veztivemos frouxo de riso nocanlinho do nosso armazem, quando vamos quealguemse
encomrxiodava com essas seis negras letras, que por alguns dias deram om certo ar de
mysterio a urna das columnas desie venerando Diario 1 E no entanto nada de mysterfo-
so bavia, como vedes, no patusco sahir I sim; riamos a bom rir; mas nunca, vimos rir
o cavaleiro da Liga porque
Serio e grave encara as cousas
L>este mundo como sao;
. Verdadetro, fiel vive
Do commercio a tradiccao 1
Pois que o sahir se mostrou qual vind admirar freguezes, como no armazem
da Liga se opera a mals fina liga do bona o barato. Lede e voreis a verdade vinde pois;
confiamos em que nao tereis occasio de dizer que o vosso dinheiro foi mal ompregado,
nea o vosso bom gesto offendido. Eis freguezes e.....la vai verso.
Parlaba de milito
oh gomma de milho branco preparado na America, vende-se 00 rs. a libra, o cida-
dSoque comprar dez libras vende-se-Hie-ba45Q.
BLSCOUT0S 1NGLEZES
Soda, Mked, Pic-nic, Francy Cruckeuel, Qenn, Osboroe, <5ala, Arrowrote outras muitas
qualidades a 1^1000 a lata com 2 e 4 libras.
Bolaiinhas percales
em latas de diversos tamauhos 2, 3, 5,8 libras cada urna e .pelos seguintes precos: l200,
2^400 3^000.
Bolinhos com ameudoat
grandequantidade de cartoes, bocetas, caixas forradas de chumbo, com asmis ricas qua-
lidades de pao-de-l, bolos, para cbampanka, bollinbos com amendoas, e outros muitas
que se toraam nfadonbo mencionar.
MANTEIGA
maoteiga ingleza, primeira qualidade a 1,5100 a libra, idem ingleza boa a 1000 a libra
800, 00 e408. dem francesa a 640 rs. a libra.
l>oees em calda
doces secos e em calda-de todas as qualidades, em frascos, .potes, caixas,, etcetc: por pre-
(06-OS mais razoaveis possiveis, amendoas coofeitadas libra a.
CAFE
call do Rio 1* sorte 240 rs a libra, 2aoorte a 200 rs a libra, 3a sorte a 160 rs a libra,
em arroba se far grande abatimento.
Vinbo
vinhos engarrafados de todas as qualidades, rainba Estepbania a 30000 a garrafa, Porto
maloiaa 20500 rs. a garrafa, lagrimas do Douro a 10800 a garrafa, Pedro V, D. Loiz
Maria Pia, carcoveilos, bacanaes, boeugi a 10000 rs. a garrafa, idem eberes verdadeiro,
20500 a garrafa, idem eberny cordial a 10000 a garrafa, collares e figuira ambos engar-
rafados a 500 rs. a garrafa, idem de Lisboa em pipas, barris, ancoretas e a retelho a 360
e 400 rs. a garrafa, ancoreta com vinho tinto a 20400 a ancoreta.
Bordeaux
vinho Bordeaux de todas as qualidades de 60500 a 250000 rs. a duzia, e en garrafa do
tiOO rs. a 20000 rs. Wermouth a 10500 rs. a garrafa Kenoch de wasser a 2000 re. Ab-
symth a 20000 rs. a garrafa^
GAZ
gaz verdadetro americano a 90200 a lata graade, garantindo-se 27 garrafas, e a 400 rs,
garrafa.
Geryeja Gelada
cerveja gelada em garrafas e '/a garrafas inglesas e franeeza.
Paineo e Alpista
painco 100 rs. a libra, alpista 160 ; paineo e alpista misturado 140 rs. a libra: om
porcSo se far abatimento.
Cha verde epreto.
10000, 10500, 20000, :202OO, 20400, 20600, 20800, 30000, e 3200; cbi verde de
todas as qualidades, huxim, perola, aljfar etc.,
CHARUTOS D'HAVANA.
regala britannica 100 a caixa, Iqndres 120 a caixa, operas, caixa 100; o outras mui-
tas marcas que se toraam enfadonhas menciona-las.
CHARUTOS DA BAHA,
imperiaes, exposicSo, normas londrinos, guanabaras, suspiros, delicias, prisiences, ven-
cedores, guerreiros, lyricos, quem fumar saJoer, para os seguintes precos: 10ooo, 105oo'
20ooo, 205co, 30ooo, 305oo, 308oo, 40000.402oo, 405oo, 408oo, 50000,805oo, 60oooi
605oo, 70ooo, e 80ooo.
Velas Stearinas.
spermacete 64o rs. o pacte, velas de carnauba de 6 por libra; 360 [rs. de 14 em
libra, 44o rs. em porco se far abatimento.
GENEBRA c^nbo ou victoria 72o rs. o (rasco.
genebra db hollanda em frascos 56o rs. o frasco.
CERVEJI-T-E BISS.
cerveja bass e tenente e de todas as qualdiades, as auaes se veodem o mais razoavel, como
soja ooo 6oo e 7*o rs. e em duzia faz-se-ha grande abatimento.
Arroz i da India.
i lio rs. cada libra, em porco so far grande abatimento.
SABO E SABONETES.
sabao branco com veias cor de roza, idem branco com veias azues, sabonetes de urna libra
cada um, sao os sabonetes mais econmicos qne tem vindo ao mercado 5oo rs. a bora.
Saga' e Sevadlnha.
sag' muito novo a 24o rs. a libra, cevadinba muito nova 16o rs. a libra.
cevaia muito nova 12o rs. a libra.
gomma de encommar 12o rs. a libra.
CEBLAS grandes e novas 10oooonolbo.
Latas com conservas.
latas com ervilhas portoguezas e francezas, latas com carnes preparadas, passarinhos goi.
zados om latas, e salame em latas.
l>oce de golaba.
ba constantemente um grande deposite de doce de goiaba em cauces de todos os Umanhos.
Codos, copos,
copos crystalisados, ditos liso, ditos decores, a 40ooo e 405eo i daiia.
GARRAFAS DE CRYSTAL.
garrafas d crjstal de formatos do nitimo gosto.
AMEIXAS.
ameixas em latas, em bocetas e frascos.
Queijos Queijos.
qneijos flamengosdo penltimo vapor 20ooo, ditos do ultimo ._. ...4.
cados gotns tanto em listras como em flores solas
e vendem-se pelo baratissimo preco de 16,8000,
tendo cada corte 18 covados, isto na loja e arma*
zem do pavao na rna da Imperatriz n. 60, de Gama
A Silva.
pelo baratissimo preco de 100 rs. o covado : na
foja armaiem do Pavo roa da Imperairis d. 60,
de Gama & Silva.
Crochs
Para cadeiras
Para sofs
Os proprieunosdes gracd77sbeTecimento! ^ifi,..-
tendo no anno prximo paasado vendida grande j rh_ .Para Presentes,
parte de mas faiendas como haviam dnnonclado *f<^Ui.m os mus ricos pannos bordados a cro-
tora resolvido continuar a vender ainda mais ba- Prpnos cara encost de cadeiras qne se
iatom virtode ao atutimesto que flreram em Yed.em> 2*3<>0 e 3, ditos para encsto de sof
suas faiendas por occasio do balanco a oue ero- !*Sl d'|os Proprlos para cobrir alroofdas a
cederam em 31 de deiembro ultimo : pom para S*7? Vi?8 ?*ra cobrir PfeseDtes a 2*300 e 3*:
poderem satisfazer e apresentar ao respeitavel pu- Tcd, Pavao ru* da -mperatrii n. 0, de Ga-
blico os seus numerosos freguezes tanto desta pra- & va'
?a cono do mato uro novo e variado sortimento de
todas as qualidades de faiendas, desde as mais
modestas at as de mais apurado luxo, au se tem
pc/upado na escolha.delras, limitando seus Incros
apenas no descoMo. Coetiomra a dar fazeidas
amostra, com peohor, ou manda-las por seus cai-
xeiros em casa das timas, familias.
Grande pechincha
tres tostes.
Lanzinhas a 300 reis.
Lanainhas a 300 rers.
Lanzinhas a 300 reis.
So na loja i Pavo.
Vndese um variado sortimento das mais deli-
cadas lanzintiss, tanto com os mais primorosos
gostos em maiii, como miudinnas de um;r s cor,
sendo est fazenda la pura, e vende-se pelo ba-
ratissHDo preco de 300 reis o covado, por ter feito
graode pecbicha na oampra, se ao sriam para
mui]o mais dinbeiro, isto na loja e armazem do
Pvaona ra da Imperatriz n. 60 de Gama &
As satas do Pavo
pcchiucli a
10000,408O e 10600.
Chegou urna grande porcao de pegas de fazen-
da branca, proprias para saias, sendo de um lado
bordadas, com muitas barras de pregas, tendo a
largura da fazenda a altura precisa para urna
saia, podendo fazer-se com tres e meta vara, e
veede-se pelo barato preco de 1* e i280 a vaca,
sendo s com pregas, e a 1*600 tendo pregas e
bordados, isto s se v<>nde ina loja e armazem do
Pavao, na ra da Imperatriz b. 60 de Gama &
Silva.
A Igodminho a 4|500
Vende-se superiores pecas de algodozinho com
18 jardas, sendo muito boa faienda, pelo barato
preco de 4*300, na loja e atmaiem do Pavo, na
roa da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Novidade
Em canil)raas de cor-.
Chegcu pira a loja do Pavao um grande sorti-
mento das reais*Btodernas cambraias com listras
largas, tanto ao comprido como alravessadas com
tt mitis modernas e meis delicadas cores; assim
como os mais modernos orgaodys de listas largas
eom lindas Sores matizadas pelos centros, que se
vendem.por precos.raeilo rieveis, na loja e ar-
Vendem-se faazinhas pretas proprias para lulo tampados muito finos a 5J50O, 6*000 e 7*000, di-
i
tas de crpon com listas "de sed* a 8*000, dito;
mus ordinarios para acabar a 4*000 e i*300 : na
lili* e ,r"aiem d Pavao na rna da Imt eratria b
60, de Gama & Silva.
Sedinbas de listas a 400 rs.
Vende-se bonitas se dinbas t Dita proprias para
vestidos com largura de chita ingina pelo barato
preco de 400 ts. o covado : na Ivja e armazem do
Pavao na roa da Imperatrim n. 60 de Gama 4
Silva.
Filos bordados a 800 rs. a vara na leja do
Pav5o.
Vndese filos de liuhobranco bardados proprto
para vestidos pelo baraiksimo preco de 800 rs. i
'ara : na loja e armaiem do Pavo na ra da Im-
peratriz n. 60 d Gama & Silva.
Pannos de linho.
Vende-se superior pannos de llnho proprio pan
looces, toalhas e seroolas etc., peles barallssimoi
prej. s de 640, 700 e 800 rs. a vara ; bramante ck
22i0>nConi 10 palmo da largura a *.O0. 2*500
-> i *7r ara omgrandesortiment-, de Hamburg^
mais lindos cortes.de poil de chvre para vlstidos,' on Cregiellas por baratos preces : na loja e arma-
sendo fazenda leteiramente nova no mercado, ten- *em do Pavo na ra da Imneatriz n. 60 d Ga-
do esta faienda bastante lustre com os mais deli-] m* Qil"
maj#m do Pavo na ra a Imperatriz n. 60 de
i Gama & Silva.
Reos venidos ftrancos.
Chegaram os mais moderos cortes de Gnissi-
mas cambraias com as mais lindas barras borda
das, sendo este vestidos muito proprios pura bai
i les e casamenlos, e vendem-se por pregos raioa-
veis na loja e, armaiem do Pavo, na ra da Im-
peratrii n 60 de Gama c Silva.
Cambraias lisas do Pavo a 30500,
40000 e 45500.
Vendo-se um grande sortimenio das melhores
cambraias transpareote?, teodo 8 varas e meia ea-
da peca pelos baratos presos de 3*500, 4*000,
4300, SaOOO, 6*000 e 7*000 a peca ditas de es-
cossja com 0 varas cada pesa, tendo mals de vara
I de largura a 6*000. 7*0G0, 8*000 e 10*000 ; ditas
! Victoria a 6J000, 7*000 e 85000 : ditas largas com
8 palmos de largura a 1*000 e 1*280 a vara, sen-
do preciso apenas 4 varas para vestidos, atienden^
do a largura ; ditas para forro muito encorpadas
a 3*200 a pesa : na loja e armazem do Pavao na
foa da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Para cama de noivas vende o Pavo
Vendem-se ricos cortinados bordados e adamas
cados proprios para camas e janellas pelos baratos
precos de 8*, 10*000, 16*. 20*000 e 25*000 ; su
perior damasco de la enfeitado-a imiasao de seda
proprto para colcnas a 2*300 o covado; ricas col-
chas de croch pelo baratissfmo preco de 10*000 e
i 25000 : isto na Inja e armazem do Pavas na ra
da Imperatriz n. 60, deama & Silva.
- As melpomenes do Pavao a 20500
Vende se superiores corles de melpomeues, sen-
do fazenda transparente e multo bonita, tendo mui-
tos padroes rotos com 7 varas e meias cada corte
pelo baratissimo preso de 2*500 ; isto para acabar
na loja e armazem do Pavao na ra da Imperatriz
n. 60, de Gama 4 Silva.
Graade pecbincba em chapeos a 500 rs.
Vende-se chapos de paitas a imMago de mani-
Ina proprios para bomens pelo baratissimo preco de
500 rs. cada ddi isto para acabar na loja e arma-
zem do Pavo na raa da Imperatriz n. 10, de Gama
& Silva.
Corpinbos para senhpr?. % 50, 80 e 100.
Chegaram os mais d rucados corpinbos de 1 cam-
braia transparente, sendo ricamente enfeitados e
vesdem-se pelos baratsimos presos de 5*000, 8*
e 10*100 ; ditos de grsdinaples preto, sendo fa-
zenda multo superior pelo barato preso de 8*000 ;
isto na loja e armazem do Pavo ua ra da Impe-
triz n. 60, de Gama & Silva.
Grande pecbincba em chitas.
Vende-se om grande sortimento de cbitas escu
ras e alegres francezas peles baratos presos de 320,
360 e 400 rs., sendo com os padroes mais bonitos
qne tem vindo ao mercado com listas e flores etc-
etc. ; garantindo-se serem cores fichas : na loja e
armatem do Pavo na rna da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
As saias do Pavao
Vendem-se ricas saias bordadas com 4 pannos
pelos baratissimos preses de 6*080 e 7*000, assim
como fazenda em pef a eom pregas proprias para o
mesoo fim a 1*200 a rara : na loja e armazem do
Pavo na ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Sedas novas
Chegaram as mais modernas sedas eom listras
para vestidos, sendo com as cores mais moderna!
que tem vindo ao mercado, assim como grosdena-
ples de differeates cores como sejara cor de rosa,
azul, rxa, cor d**al, cor de lirio etc, etc. t1
vendem-se por preco muito em cont na toja t
armazem do Pavao na rui da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Crinolioas a 30300, -40000 e 40O.
Gliegaram para a loja do Pavo as mals moder-
nas crinolinas ou baldes verdadeirameote ameri-
canos, que sao os mais bem armados e mais leves
que tem vindo, sendo cent o formato mais moder-
no que actualmente se usa e vendem-se pelos se-
guintes precos: sendo com 20 reos por 3*500,
altos com 25 arcos por 4*000, ditos coa 35 arcos
a 4*500: isto s na loja e armazem do Pavo na
roa da Imperatriz n. 00 de Gama & Silva.
Sedas largas na loja do Pavo.
Chegaram as mais bonitas sedas de cores com 4
palmos de rgura, sendo com as cores e desenbos
mais brilbantes que tem vindo, facilitando fazer-se
um vestido com poneos covados em attenco a lar-
gura, e vende-se pelo barato pres ode 2*000 o co-
vado : na loja e armazem do Pavo na ra dt Im-
pertriz n. 60 de Gama* Silva.
Oschales do paran a 2om e llm rs.
Vendem-se chalet de merino estampados a 2*
2*500 cada nm.
Ditos de m Ditos estampados de crepon a 6*, 7*. e 8*080.
Ditos pretos bordados com franja > sea a 14*.
Na loja o armazem do Pavo na ra da Impera-
triz n. 60 de Gama & Silva.
Lencos brincos a 20000,30000 e 40000
Vende se am bonito sortimento de lencos de cam-
braia branca lisos pelos baratissimos precos de 2*,
3*000 e 4*000 a doiia : na loja e armazem do
din o na roa da Imperatriz a. 60, de Gama &
l W e
Para senhoras
Casaqulahas a 200000
Vendem-se as mais modernas casaquinhas ou
basquinas de seda preta, muito bem entenadas, as
mais modernas que tem vindo ao mercado e pelo
baratissimo preso de 20* cada urna na loja e ar-
mazem 4o Pavo roa da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
Alpaeas lisas
Chegou o mais lindo sortimento de alpacas de
urna s cor, preprias para vestidos, e vendem-se
por presos em coma : na loja e armazem do Pa-
vao, rna da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os espartilhos do Pavao.
Vendem-se urna grande e variado sortimento de
espartilhos dos mais bem feitos que tem 'viudo ao
mercado, sendo de todos os tamanbos, vendend-se
por pm preso muito razoavel : isto na loja do Pa-
vao na ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Grande peehlneha em toalhas
para mSo.
Vendem-se superiores toalhas de linho proprias
P^a mo pelo baratissimo preso de 560 rs.. ditas
a 640 rs ditas a imitaso das felpudas a 800 rs.,
ditas fe pudas a 1 : pechincha na loja e arma-
tem do Pavo na ra da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
Anadine a 83
a loja do Pavo
Chegeram os mais lindos cortes desta nova fa-
ienda, sendo trancaren, com bonitas palmas, e
vende-se pelo baramsimo pre?o de 85 : na loja e
armazem do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, do
Gama Punnos egoimhas a 10, 10280 e 10600.
Chegaram os mais modernos punnos com goli
nhas sendo de esguifio de linho ricamente borda-
dos tanto brancos como de crps e vendem-se pelo:
baratissimos presos de 1*, 1580 e 1*600, por ba
ver grande porco, grande pechincha : na loj
e armazem do Pavo ra da Imperatriz m 60, d
Gama &. Silva.
Para baptizados.
Vende-se elegantes vestuarios bordados para
baptisados, peta baratissimos preses de 155000
20*000 e 25*000 : na loja e armazem do Pavo na
ra da Imperairii n. 60 de Gama *va.
Babados bordados na loja do Pav5o
Vendem-se babadmhns bordados com 2 varas
pelo barato preso de 1*000, eniremeios tapados
transparentes, tendo 3 varas cada pesa a 15000: na
loja e armazem do Pavo na ra da Imperatriz n.
60, de tama & Silva.
Cambraias de cores
Vende se um bonio sortimento de catoDraias de
cores para vestidos pelos baratissimos presos de
300 e 360 rs. o covado, ditas a voluntarios da pa-
tria a 800 rs. a vara, ditas listadas a 640 e 700 rs.
a vara ; peehincha na loja e armazem do Pavo
na ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Cassa de urna cor s
Vende-se bonitas cassas de orna cor s com um
pequeo toque de mofo pelo baratissimo preso de 240
rs. o covado ; para acabar na loja e armazem do
Pavo na ra da Imperatriz n. 60, de Gama Silva.
Chales de renda e retondas
Vende se um grande sortimento de chales de
renda e retondas, sendo as mais modernas que tem
viudo ao mercado e vendem-se mais barato que
em outra qualquer parte : isto na loja e armazem
do Pavao na ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
ollVil,
Retalhos baratos
Vende-se porso de retalhos de chit, las, cas-
sas e chitas pretas por preso barato : na loja e ar-
maiem do Pavo na ra da Imperatriz n. 60, de
Gama Silva.
Calcas brancas
Vende se om grande sortimento de calsas de
brim braceo de linho transado pelos baratissimos
presos de 3*500, 4*500 e 5*000, assim coras um
grande sortimento de palitots de panno preto fino,
sobrecasacos e saceos forrados de seda, ditos de ca(-
sioiira, sobrecasacos, saceos e fraques, ditos de mq-
ri e caigas de casimira de cor e de todas as qoaf
lidades, assim como um grande sortimento de col-
leites de todas as fazendas vendendose tudo or
presos muito baratos : na loja e armazem do Pa
vao na roa da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Alpacas brilhanles a 640 rs.
Chegaram as mais lindas alpacas enfestadas com
3 e meto palmos de largura com os mais deicados
desenhos Unto de florsiaha como de lislinhas as
sentadas as mals delicadas cores como sejam ly-
rio, sinsenlo cor de carop, solferino e vend pelo baratissimo preso de 640 rs. o covado ; ri-
camente na loja e armazem do Pavo na roa da
Iropei-alrk n. 60, de Gama & Silva.
Pecbincba para a festa na loja do PavSo.
Vestidos.
Vestidos'
Vestidos.
A 8*000
Vendem-se om bonito sortimento dos mais lindos
vestidos eom barras de seda, trazeodo os compe
lentes enfeites para o corpo, sendo ueste artigo o
mais moderno qoe tem vindo ao mercado, e ven-
der-se peto baratissimo preso de 8jKKX cada om,
ditos de cambraia brenca com barras bordadas a
5*000 e ft*000 ; na loja e armaiem do Pavao. na
roa 4 Imperatriz n. 60, de Gama & S11 va.
Cortesa 30000 s o Pavao
Veodem se os mais Modos cortes de cassas de
cores com os dVseonos mat moderaos vindo cada
um em sen papel e garantindo-se ierera 7 varas ca-
da om pelo baratissimo prego de 3*000 ; na loja e
armaze do PavS na rna da Imperatriz d. 60, de
Gama <& Silva.
Casaquinbos cu vasqtrinas na loja do PavSo
a 230000, 3 0(iOO e 350000.
Cbegaram os mais ricos on moderaos casaqui-
nbos cu vasquinas de grosdraapiea preto ricameate
enfeitados, sendo dos feltins mais modernos e- ele-
gantes que ltimamente rhfgaram e vendem-se pe-
los barato* preso de 25O00, 30*000 e 35*000; na
loja e armazem do Pavo na ra dalmperalrkn. 60,
deGamaS 8i|va.
fiara bailes a 350000.
Chegaram os mais ricos corles de vestidos de fil
branco primorosamente bordados a enfeitados de
cor, sendo tambem proprios para casa en tos e
vendem-se.pelos baratos,precos da35*000 onica-
meot: na loja e armazem do Pavao na raa da Im-
-ratrUn.60,deGamaA5va.
neos Bordados a 1*000 el 0600 a loja do
Pavao. *
'Vaojtiu bonitos Ip.oJodo. bordadas para
pelos baratissimos precos d* ftfOOO i*80t
um ; toja e armazem do Pavao na rna da Impera*
trii n. 60, de Gama ft Silva.
As vareges do Pavfo.
Vende-se as mais bonitas vareges com listas da
seda a imitacSo de poil de chvre pelo baratissimo
preco de 800 rs. o covado: aa toja armazem do
Pavao na roa da Imperatriz n..60 de Gama &
Suva.
ma & Silva.
Cambraias brancas de cordSo a 80500.
Cneaaram as mais delicadas cambraias branca
de cordo com delicadas listas tran-rarentes
vendem-se pelo baratissimo prego de 8*500 a pa-
ca na loja e armazem do Pavo na ra da Impa*
ratrizfn. 60, de Gama & Silva.
xaropb"*
peitoral e dulcificante
DI
SAINT GEORGES
Prtptraio pr
6HHIABLT e Cb
pfctraicalices J S. A. L
o priicipe aple!*
Cara rpida de lea
molestias seguentes :
tosse, eatarrhot, pleu-
resa, coqueluehe, an-
ginas, fortes cuvstipa-
fSes, irritaces do$
kronekes e io ptito,
bronchite,phtisicapul-
tnonar, astma, pneu-
monia,angHas,amyg-
dalites, tosse. ckrenica,
rouquid&o. Os mdicos recommeodSo ao mesrae
tempo o nao das eccellenies pastilhas peito-
rave* eom o smooo d'adiac* laurelro-
c-arJo, qo ae praparao na BMamo eatabela-
A venda as pharmacias de Maurer e A.
Caors.
Tinta
nova superior
VeBde-8 em garrafas : no escriptorio de Anto-
nio Luiz de Oliveira Azevedo & C, ra da Cruz
n. 1.
Escravos fgidos
Fogio no da 31 de Janeiro do corrente anno
a escrava Antonia, de idade de 15 annos, com os
signaes seguintes : cabra, cabello de n gro, secca
do corpo, pernas finas e pes compridtis ; tendo
urna grande cicatris proveniente de queimadura
deb ixo do hraro direilo, apanhado o peiio com o
deleito de nao ter bico; nao levanta o br tura que levanta o esquerdo, coohece-se no andar
por ella descer mais o hombio direito que o es-
querdo ; levou vestido de chita cinsenia com urnas
palminhas cor de caf j desbotado, chale de la
encarnado com barra (j velho); joga-se elt es-
tar em alguma casa na fregueua da Boa-Vista ou
S. Jos, e desde j e protest com as penas da lei
contra quem a liver acoitada. Quera a pegar ou
della der noticia a seu senhor na Capunga ra das
Crionlas n. itf, ser gratificado.
Contina ausente desde o dia 23 de agosto
de 1866 o moUtinbo Ravmondo. de 15 anoos de
idade pouco mais ou menos, corpo i>guiar, ps
pequeos, cabellos castaobos, dent-s alvos e per-
feios, como dedo prximo ao poliegar cicatrizado
de sorte que nem Ihe resta a unha : rogase as au-
toridades poliriaes e capites de caoipo a sua
apprehenso pelo que recebero paga gr-uerosa em
cata de sen senher na ra do Imperador n. 32.
Tendo desappare#ido desde 26 do correnta
escrava Domingas, crioula, de 20 a 22 annos;
quem a pegar, podera' leva-la a seu senhor Fran-
cisco M. de Sooza Oliveira, ou a' casa dos Srs. Cu-
nba Irmos, na ra do Torres, quesera* genero-
samente gratificado.________
Acha-se fgido nesla cidade um escravo com
o brago direito cortado, preto, crioulo, de nome
Manoel, de 45 annos de Idade, baixo, com barba e
algumas raebaduras nos ps, e suppde-se esteja
em alguma olana fazendo tijolo : pede-se a quem
oapprehender qn o leve ao Sr. Bernardino de
Sena Pontual. na ra da Senzala nova n. 38, ou
roa Nova o. 67, que sera' generosamente recom-
pensado.
100,000 ris,
Gratiflca-se com 100*000 a quem apprehender o
pseravo Basilio, crioulo desta provincia, Idade de
22 auaos, estatura regular e barbado, mariohelro
do palhabote Piincipe, e perlenreu ao casal do fi-
nado Joo Evangelista, ontta qoe anea na Capun-
ga e Montelro, por ter alii prenles : quem o le-
var a Joo Francisco da Suva Novaes, travessa da
Madre de Dos o. 5, reeeber a qoantia cima.
Fogio no dia 20 do corrente do eogenhcTCa-
lo Escuro freguezla da Errada o escravo prtto de
nome Ruino, i arte 20 a 25 annos, com buco de
barba, seco do corpo, estatura regolar, tem na
defeit am um brago por ter quebrado em peque-
o, cabellos nm ponco solt e est bem rente, este
escravo suppde-se ter sejpjlorpara o R-cife onde
tem ini que veio com aa la-eoco de Pajni de
Plores d'oude elle naiolM Ivtanto ropa-se as
autoridades policlaes desseapPfee dessa praca a
aprehenso de dito escravo que Serao bem gratifi-
cados podendo ser entregue ao Sr. Francisco An-
tonio de Brlto nessa capital ra do Caboga ou no
engeoho cima.
Fugio no da 15 de novembro de 1856, o es-
cravo de nome Luciano, crenlo, com 25 annos de
Idado pooeo mais ou meos, baixo e cheio do cor-
po, soissado, com cfflcio de sapateiro: quem e
prender e levar ao engenbo Papagaio ao abaiie
assigpado on no Recife em casa do Sr. Francisco
Xavier Oliveira, ser recompensado.
^^^^^^^_^_^ Jos C. das Neves.
Acna-se fogido e suppSe-se andar na eidade
do Recife, onde ja foi visto nos das 18 e 21 do
correte mez de Janeiro, o escravo Joaaoiro, per-
tencentea Jos Teixeira da Motta Cavalcaoti, ten-
do os seus signaes os seguintes : cabra, estatura
regular, secco do corpo, 23 a 24 annos i idade
pouco tois.ou menos, rosto comprido, bocea gran-
de, babo. olhos grandes e amortecidos, fallante,
doraalnboco, o tornozelo de um dos ps encbado
proveniente de rbenmatismo, condozio om bah
de flandres conienflo um pa!et<>t de alpaea preto,
nm cullete de* casemira preto, orna calca branca
engom.nada pertencenie ao su dit senbor, e nns
autos de Inventario de Francisca Tberea de Jess
casada qoe foi c m o portuguez Antonio Jos Man-
des : mga-se portento as autoridades policas, aos
capilaes de campo e a qoalqner pessoa pirtirolar
a sua apprehenso a de e levar ao seu dita senbor
na villa de Iguarass. raa da Matriz n. 8, ou no
escriptorio do IIIm. Sr. Dr. Alcoferado, a ra de
Crespo n. 4.
Atten^of
dia-se fnglda a escrava Viot-iflna, crinla, de
idade ponco mais on menos de 30 annos, moito
rlsonba, tem o andar apressado, foi escrava da
Bxaja. sra. D. Mara Candida Salasar da Velga
Pesaos, moradora na roa do Hospicio, esta fgida
"J01 desde fins de abril do anno prximo passado; eons-
la ta estar per Santo Amaro, on Snledade. Deseon-
fia-se qoe esteja como ama forra em algoma casa
onde ponco sala : roga-se a pessoa em coja casa
esteja, ou a qnetn della tiver noticia de se enten-
der com o senhor da mesma escrava Sebasllo Jos
Gomes Penna Jnior na Capunga ra da Ven-
tura on na prisa da Independencia ns. 37 e 39
loja de calcado do Sr. Antonio Angosto dos Santos
Port.
4

aa .....ii -, .


8



LITTERATDRA.
Haurlcfo de Trcull,
Otarlo de Periambueo
4|na/(a elra de FerereJru da ifc67.
AHD.
irte.

POR AMED
Phmeira
i
Sao onza horas da noute. as ras circua-
vuitAaa praca Vintimilh reirn profundo
silencio, que so quebral) pe) rodar pe-
ridico do mnibus, que ao subir ou desccr
a rm Clicbyacouti o pavimento coai sfl
toscas o pecadas roas. N'uma ou a'outr
caa l se ouve riu^er urna porta nos gon
zos; depois, completa mudez. Todo o
bairro dorme tran imIIocjuio setracidade
do provincia.
N'eslemomento parou um mancebo dian-
te i porta da casa que forma o ngulo da
ra de Douai, bateu apiessado, entrou, re-
cebe i das mos do porteiro urna uz e su-
bi ligeiro os ciqco leos de escada, que o
separavam da sua habitaco.
O porteiro segoio o mancebo cota a vista,
murmurando :
Elle nao cantarola, nem diz nada f...
Mo signal..- Pobre rapaz !... Mas tem
um genio to altivo I
Ainda este cario monilogo nao estava
acabado, ej o mancebo baa enejado ao
quiuto andar entrado no seu aposento.
Lancou a capa sobre urna cadeira, accendeu
duas velas, pe>ou n'uma, e, elevando-a ci-
ma da altara da cabeca, collocou-se diante
de um quadro pousado em alto ca valle te e
observou-o longo tempo e cora minuciosa
ulengao. /
Nao est mo,disse por Qm e como
que fallando comsigo mesmomas anda,
nao est bom !
lecuou dous passos, e, fazendo projee-
ar os raios da luz alternativamente sobre
todas as partes da pintura, examinou-a no
todo e nos menores accessorios com o mi-
nucioso cuidado de um perito, quequizesse
fazer o relatorio das bellezas e dos defeitos
de urna obra submeltida ao seu exame.
Sim, sim I cotinuou elle, como se
teniasse completar a sua idea. O zephiro
brinca com a folbajem das arvores : ha mo-
v mentos as aguas; o colorido bom;
mas o que falta a este quadro... ... o que
ha de ser ? E' o estudo I o trabalho !
Patetas Iaccrescentou o mancebo,
encolhendo os hombrosteceram-me cent s
Je elogios; disputavam a qual me daria
mais apertos de raaos! Que louvores me
entoavam todos em coro I... Prognostica-
vam-me gloria e fortuna I
Segundo elles,
l^LT?.1 ?a!?"Se.: "/? ardearguic5o.-No sabia dizer-m'o
'oz bem alta l do fundo da estada ?
para me tornarem o ente mais feliz do uni-
verso, Tive de olhar-me a um espelho para
ver se os louros me engrinaldavam ja a fron-
te !... E tolo esse incens porque ? Por
uns bocaJinhos de destreza de mo, de fa-
cilidade de execucao e de habilidade em
conceberl... Os mais audazes apenas ar-
riscaram tmidas observares. Que cfila
de tolos!... Esta manha parecia-me o
meu quadro soffrivel, mas depois dos in-
sensatos louvores que me prodigalisaram,
do-me fortissmas tentaces de o pulveri-
sar a pontaps I...
E, mudando repentimmente de tom,
olnou risoaho para o quadro, dzendo:
Mas, por lim de conlas, eile est ven-
dido ; quem o pagou que faga d'elle o que
muito bem lhe parecer !
Acabado este monologo, deu com os
FOLHETIM
Historia impossiyel.
(ORIGINAL BRASILEIRO).
(Cooclasao)
A menina abri elegantemente o leqoe, como
fazem as marquetas para descobrirem ama grande
revpllagao poltica.
E se eu descobrir a' V. Exc. o motivo que a
aflige? "
Eu agradecer-lhehei toda a mioha vida,
creia.
O depotado dea o brago & formosa gralha e
ambos percorreram algom (empo o terrago.
Seraphina ama, senrwr.
Ama ? Nada mais natural. E o que faz seo
pal T
Elle tenta descobrir debalde a eaosa da tris-
teza d'ella.
K como sabe V. Exc. T
Seraobioa dise me.
Ab I bem.
E essa pesso... essa psssoa....
%r~ A pessoa a quem ala ama T
or|. Sim... V. Exc. I
4,- O denotado ruidou cahir das nuvens.
E' impossivel, mioba senbora. Ou V. Exc.
gracej-.
Nao son capaz, senhor; volvea a menina
com a seriedade d'um cooselbeiro de estado.
Pedro Gailherme qoi?. approxlmar-se a Se'aphi-
n f n-!he impossivel. Ella fngla como orna som-
bra, r-cr ama sagacidade natural as malberes des-
cobrira qae o deputado liaba eonhecimento de
todo.
^endo-se s com sen pai, Seraphioa abracou-
se-lhe chorando.
Mea pal I Salamos da corte. Depois d'ama-
nha parte o paquete francez. Eu quero ver
Paris I
Mas, mea aojo I retroeou Dionizio com esse
sobre susto dos pas de familia.
- Decididamente, mea paf, se nlo fugirnns
desta maldita trra em qae nascl, eu aiiro-me d'a-
qaelra ianella e morro.
E por qae motivo ama to rpida madanca
apoderoo-se do tea espirito ?
Parque sinto-me infel.z.
Vai le deitar, Serapbln. Amanbaa farel lado
o qae ta' qaizeres.
S-raphlna qaando vio-se s no sea qaarlo tre
meo como se estiresse nVuma amara ardeote. O
eancaco, porm, prostroaa sobre os travesaeiros.
Dormio bem.
a > romper do dia Dionizio foi s pressas nter
romper o bygienico somno do sea amigo, me-
dico.
50Qt7l8tlve miob* fi,h*-
2-ln o "* cn>eu algama coaa ?
Nao Ella qner atirar-se do paqoete francez
se ni fr amanha para a janella... O qae esfoo
dlzendo, mea Deas 1 Ah miaba cabed Eo poa-
co lgalo, doator I Desca pe 1
Botara' apaixooada T gntoa o medico, enlha-
siasmado como se tivesse- deseoberto a qoadratara
do clrcolo.
olhos n'um papel dobrado em forma de car-
ta, que estava no chao, juutp da porta.
O artista levantou-o e leu*: Mauricio de
Treuil.
E' para mim disse comsigo.
Abria-o e achou e3tas palavras:
Meu cliaro visinho. Se nao recolher
milito lar'e, venha lomar urna chavena de
cha comigo, e ento saberei o que com
tanta impaciencia desejo saber. Laura,*
P. S. Muito tarde quer dzer de-
pois da meia noite.
Mauricio puehou rpidamente do relogio.
Onze e tres quartos! ainda nao finiou
o praso... corramos I...
Pegou em um castical, fechou a porta
chave e foi bater afutra situada no mesmo
nivel que a sua, mas em oulro corpo do
edificio.
Um leve ruge-ruge anoanciou que Lau-
ra ainda velava e a porla abro-se quasi no
mesmo instante.
Urna menina, corada de pejo, appareceu
no limiar e apreseotou a mo a Mauricio.
J nao tinha esperanca de o ver hoje,
disse ellamas entre ; minha lia pedi-
me que a desculpasse ; bem sabe que ella
nlo creanca ; nao pode esperar mais, foi
deitar-se.
Muito bemrespondeu Mauricio, se-
guindo Laura a um quarto pequeo e com
urna nica janella, que dava para um ter-
raco.
E^le quarto, que, quando muito, daria
para quarto de toucador de dan, era for-
rado de chita finissima, e o seu maor real-
ce provioha-lhe do terraco, onde se va urna
extraordinaria prot'us5o de flores. Arames
presos do pavimento ao tecto ajudavam as
trepadeiraseervilhas de cheiro a subir at
s lousas do beiral, de modo que aberta a
janella, cava-se eolheado n'um gabinete de
verdura, fresco e perfumado.
Doisou tres assantos rsticos de madei-
ra se achavam collocados movedica sombra
da folhagem : era all o recanto reservado
meditaco e intimidade. O resto do ter-
raco era para passeiar.
Apenas Mauricio entrou na peca, que qua-
si servia de ante-sala ao florido balc5o, vol-
tou-se Laura vivamente paU elle. levaodo-
Ihe a luz de chapa altura do peito. Sigaal
de alflictiva decepeo transparecu no rosto
da donzella.
Ent5o-perguntou ellaainda nada?!
Oh sim I lenho a cruz respondeu
Mauricio cem ar indifferente.
O rosto de Laura tingio-se de viva pur-
pura
E sem m'o dizer Ireplicou ella em
em
E acordar todos os nossos visinhos ?
Que importa va que os acordasse ?
Faziame feliz cinco minutos mais cedo I
Laura, tendo assim repetido em prosa,
sem dar por isso, a famosa exclaraacao do
velbo Horacio, correu sua caita de costu-
ra, abriu-a, cortou um bocadioho de fita
encarnada, e com gesto risonho e engrana-
do prendeu-o casa do casaco do artista.
Os dedos, porm, tremiam-lhe levemente.
Espere dlsse ella, recuando para
melhor gosar do effeito. Gomo lhe fica
bem l
Mauricio prendeu as suas mos as da
donzella.
Pelo que vejo, Laura, j havia pen-
sado...
Oh I n5o era pensar, era urna quasi
Homem, quem sabe? murmuroa Dionizio lo-
maodo a grave atntude da Meditago.
Sr. Porto, entremos ja' ao a;sumpto. Conbe-
ce o Dr. Ernesto Soaresdontor em direito ?
Nao.
Aquelle que lhe aprsente! ba tempos no
Theatro Lyrico.
No Provisorio?
= Sim, no Lyricu Provisorio.
ConheQo, coohego. Morreu esse mogo ?
Nao morreu, nao, mas pode salvar sua
Alba.
E de qae forma, se elle doator.... em di-
reito ?'
O medico eovolvea-se na soa toga para nao des-
prender ama gargaihada homrica.
Casaodo com ella, rephcoa eile.
Oh I que idea, dontor I Ja', ja", tratemos
do qae preciso Ea voa vir am padre...
Perdo, perdso, mais devagar, accrescenioa
o medico desfructaodo o burlesco alvoroco de
Dionizio. Em primeiro lugar i oecessano qae os
ao i vos se conhecam. La' o levarei a' noite.
La nuil porte eonseil, diz o aphorlsmo francez.
Serapbina amaobeceu mais calma.
Pedro Guilherme, fur^a confessar,gastoa
daas horas pensando em Serapblna.
E' ama boa cousa ser ainado. X) distincto repre-
sentante do povo seutio *erdadelro orgalho por
esse amor. No sea eniiiusiasmj comparoa-se a
Wericr e conveoceu-se fcilmente de qae era su-
perior ao de.-miulado beroe allemo.
Ernesto Soares aceiloa o coovite do medico
apezar dos seas anteriores protestos. O medico nao
le fallou em casamento. Disse Ibe apenas qae
Serapbioa apreciava furiosamente o sea espirito.
Vamos, vamos, doutor, proseguio elle,-s
Imaglaacft-s eemo a daquetta manna pdem devi-
menld aquilatar talentos como o sea.
Foram. Serapbina recebea frumento Ernesto
Soares.
Desde a noite em qae eacootrei V. Exc. no
Lyrico nunca mais Uve a ventora de encon-
ira-la.
Creio qae mea pai...
Convidou-me a' sua casa ? De certo, mioha
seohora. Mas teniendo lacommoda-los...
Nao sei porque diz islo I volvea ella, glacial
orno ama estatua.
O bao b a re eooa.
Pedro Guilberme cnegoa-se a' Seraphioa no mo-
mento ero qae ella se achava s, isolada de todo*.
1 dava o slgoal d ama walsa.
Imo I dase elle rind V. Exc. triste, reo-
omento em que devia preparar-so para
rbilhaodi'su walsa?
nh ja' nao gosto de walsar t
- S5K"T
E porque motivo ? retrueno o depntado.
Porque ea siato qoe a miaba alma querfugir
ie tud', de todos eprocura (solarse um eterno
esquMimeoto.
Eira tornara-se exeessivameate paluda. Os seos
olhos repselos d'oro brilbofebril, [refavamse
n'um espelho frooteiro.
. V. Exc. que n>o$a, formosa, fellx, foge dos
rom de ama fetta e quer evitar os prazere?,
os nicos prazere qae a ana idade reclama ?
Se eo nao sinto prazer em nada, cootinnou
ella com a voz timida e suave como a de am passa-
ro ao anoitecer.
Era nada ? Oh I qne mocfdade I eidamou
i certeza. alguma cousa medizia que havia
de ganhar a c uz... Tem tanto talento !
Sim- Pois vej, essa alguma ous,
nadj me dizia a mim. Condecorar-me por
to pouco A munificencia do ministro
chega a ser prodiglidade. Islo nao re-
compensa, urna mana.
Esta resposta, cuja amarga ironia, seme-
Ihante espada de dois guies, tanto feria
a personalidade do ministro como a delle
Mauricio, nao podi escapar observacao
de Laura.
E'injustoreplicou ella com energa,
duas vezes iojusto. Acautele-se-: a ex-
cessiva modestia esconde s vezes excessivo
orgulho.
Pode serreplicou Mauricio.Desde
o alvorecer d'e3te dia, que levar men no-
rae aosquatro ventos da_ publicidade, sin-
to-me como nao sei que fermentacoes, em
que a ira, milhares de saudades e desejos
incriveis oceupam igual; parte na esperanca
que nutro/... Laura, fez bem em me es-
crever ; conversemos, e a sua presenca aca-
bar de accalmar este resto de febre que ain-
da me agita.
, Laura e Mauricio dirjgiram-se para o
terraco. Da extrema altura em que elle es-
tava situadoa ra de Douai urna das
mais elevadas de Paris -dominava o terraco
quasi toda a cidade. Era clara a noite. O
ocano de tectos e de chamins qae do novo
quarleiro, edificado sobre os jardios do
aotigo Tivoli, se estende at o Luxemburgo,
estava como que afogado n'uma nevoa trans-
parente, d'onde surgiam de pontos diver-
sos as torres e os zimborios mal distinctos
de Nossa Senhora, de S. Suplicio e do Pan.
theon, semelhando navios. semi-naufragos
as ondas procellosas.
Se exceptuadnos o ocano, nao ba nada
que mais nos avive o pensamento do infinito,
do que Paris visto de noite de um ponto
ulminanle. A vista vai perder-se n'um no-
risoDte sem limites; myriadas de scentelhas
rompem as trevas como esse p de ouro que
i phosphoro accende entre as vagas. O
rodar das seges ao longe sobre o pavimento
de ras e prajas, faz lembrar o surdo mu-
gir do mar as praias, encuendo o espaco
de murmurios. Os contornos desfazem-se,
e a claridade engaosa, em que a noite se en-
volve de mistura com esses "ruidos confusos
e indistinctos, presta capital da Franca gi-
gantescas proporcoes, gracas mgicas, cuja
mysterioia profunden se apraz interrogar o
pensador melancholico.
Laura e Mauricio, subjugados pela mag-
nificencia de espectculo to sublime e im-
ponente, permaneceram silenciosos alguns
minutos. Encostados a grade do terraco,
.'spalhavam a vista por to encantado pano-
rama. De um bosque de castanheiros se-
culares, que guarneciam um jardim pouco
distanciado da ra de Douai, saiam as ar-
gentinas melodas de um rouxinol; o zephi-
ro fagueiro agitava levemente a folhagem e
esvaecia-se no ar como um suspiro do eslo.
Nunca noite mais bella adormeceu Floreeca
e Veneza.

Um fluxo de novo e vivido sangue se in-
filtrou no coraco de Laura e o fez aspirar
com delicias ar to enebriante. Um suspi-
ro mal suffocado lhe entreabri os labios, e,
vq^ando-se para Mauricio, rompeu assim o
silencio:
Tem aberto o seu futuro; s lhe res-
ta camiohar.
Para onde ? perguntoa Mauricio.
o deputado querendo dar o tom do gracejo a*
pbrase.
Nesse momento o piano emmadeceu.
Pedro Guilherme, qae tiutu es olhos utos em
Seraphioa. tremeu iavoiaatariamente. A menina
de palhda tornra-se lvida e os seus labios estre-
mecan! convulsos e glidos.
Eu sinto, disse ella deixando correr um tre-
mor ideal por toda a sua imagem,ea sinto que
a minha t>licldade depende de urna s palavra, de
um s gesto, de um s movimento....
seraphioa I exclamoa urna bella menina
chamando-a.
Ella continen arrebatada :
Essa palavra a mioha salvacao, esse gesto
vem segurar-mea* beira da sepultura.
O seu talhe alongava-se semelhante s oebulosas
vises de Dante. Os oegros cabellos como as ata*
fatigadas do corvo cobriam-lhe as faces brancas de
marmore.
Tomando as mos a' fras do depntado, pueboa-o
a si por um movimento brusco e cahio de joelhos
a seos iis.
Aproximaran) se (dos, pasmos.
D. Elisa adianioa-se rpida e tentou ergae-la.
Seraphioa cfavando em Pedro Gmlberme, os
olhos cheios de tempestades e promessas :
Amo-o I Eu amo-o de toda a minhi alma t
Dionisio nao sabia o qae fazer. O deputado es-
tava lvido e perplexo. Ernesto Soares procoroo
o chapeo.
Por mais Sel que seja a penna de um chronta
nao podera' descrever os seotimentos qae se apode-
raram dos espiritos, espectadores de tal sceoa. 3 '
O que ceno qae ao dia eguinte Pedro Gai-
Iberme procurou medico, qae apreseotara Ernes-
to Soares.
Doutor, sabe o qae me traz a soa casa?
V. Exc. o dir.
Vou casar-me com a Blha do Sr. Dionisio
Porto.
Pratica ama obra de caridade, Exmo. S o
casamento poder salvar aquella menina.
Mas a aa orgaoisaco excepcional enche-me
de receios, de justos recelos, doator.
Qase-se por miaba eoota e risco.
Qoado o depatado declarou a Dionisio as anas
n >bres iotenoes, o pai de Seraphioa seolio-se ar-
rebatado a ponto de abracar o tribuno, e dar-ihe
um beijo no nariz. Para e Sr. Dionisio o nariz era
a parte mais sentimental do corno humano.
Oh I Exmo I qae felioidade I S o amor p -
deria bumaaisa-la I
Casada com V. Exc. I casada parante as leis do
paU I Molher de um debutado I Eu tambem B-
carei sendo depotado I Ella ser depatado t mi-
aba mulher I M os amigos todos sero depala-
dos I
Assw>, proseguio Pedro Golltoprme, descul-
pando o im, o dosogro, trataremos immediata-
mente d'esse casamente.
Qnaoto ao dote, Exmo I
Nao Ibe pergantel nada a respeito, Sr. Porto I
K' todo o qae V. Etc. quizer I
Daremos am banquete eoorroe...
O deputado estremecen. A idea de am banque-
te s por si dava-lhe calafrios amorosos... ao esto
mago.
Um banquete eaormesoffocava-o.
Um potado I conlinoon Dionisio atravessanda
O gabinete a passos largos. Olhefaca-me um fa-
vor ; qoaodo orar na cmara em vez deO Sr.
Prtfro Gutihtrme ( movimento de atltnt&o ) raaode
Para onde devem ir os quo teem ta-
lento, m)cdade, esperanca e coragem de
trabajar.
E acredita em tudo isso?-----fenRa
conheeido muilos que ho trabalhado e coa
fiado no futuro, e alguna ontros que, alm
di mocidade, possuia'm em si alguma cousa,
que com o lempo poderia desenvolver-se
em talento___ E o que feito dees ? A
morte e o viver desregrado a todos anni^uil-
Ipu.
Causa-rae espmto, Maur'p'/io, e, per-
mitta-me Ih'o diga, meu amigo, afflige me,
redarg o Laura com voz cotnmovida. A
quevemessas amargas lembrancas, no mo-
mento em que acaba dereceber urna honra
que pode considerar-se a confisso e a re-
compensa publica di merecimento ? A pri-
meira vez que nos vimos foi ero lempos
prsperos quando ambos eramos bem no-
vos; depois tornamos a encontrar-nos em
poca de pobreza : ento affrontamos os re-
' vezes da fortuna, cada um conforme a sua
condico; um como homem corajoso, oulro
com a resignaco de mulher: batalhamos
'cada um com as suas proprias forcis e sahi-
| mos vencedores. Um adquiri nome e o
futuro lhe promette anda maiores trium-
phos; eu com a minha humilde profisso
i adquiro o pao quotidiano e os meios de vi-
ver vida obscura e retirada. E quando eu
julgava ve-lo feliz, ebeio de confianca no por-
vir vejo-o triste, sarwstico, qoasi desani-
mado! E porque!... Nao a primeira
vez que lhe noto esta triste disposico, mo-
tivada talvez mais por irritaco moral, do
que por causas reaes que o opprimem, por
queja n'oulras fecasioes a hei observado.
De onde provm a causa ? E' joven ; tra-
tado com sympathia por todos os que o o
nhecem; conserva intacto o bom nome que
herdou ; a sua reputaco va como o vigo-
roso passarinho que abandona para sempre
o ninho ; tem franco o espaco e liberdade:
que o que lhe falta ? Que o que quer ?
Que motivo para to agr e irnica tristeza?
Oh! o seu coraco muito nobre para des-
cer s imposturas e infundadas queixas
contra a sorte, com que costumam masca-
rar-se os artistas mediocres ou sem mrito,
tentando assim rceultar a sua incapacidade.
Bem sabe que o futuro heranca dos ho-
rneas de mrito e de boa vontade. Nao acha
mal cabidos o seu desanimo e fadiga ni o>
casio em que se Ihes patenteiam as riso-
nhas regioes do porvir? Nao tem Deus
abencoado os seus esforgos ? Vamos, falle,
diga porqne est assim triste ?
A commoco, que a donzella debalde ten-
tava dominar, fazia-lhe arfar o peito: com
voz mal segura, pegou na mo do artista,
dizendo-lhe:
Perdoe-me de ter ousado fallar assim,
mas os infortunios, que ambos temos sofri-
do, ligam-nos como se fossemos prenles, e
o affecto, que a si me prende, nada ha no
mundo quem o possa destruir.
. Sim sim l exclamou Mauricio, beoj
o sei; boa e corajosa ; as desg-acas sof-
fridas deram-lhe as qualidades de verdadei-
ra irma de caridade; mas para que eu
podesse responder-lhe sinceramente, mster
rae fra entrar no intimo de mira mesmo e
levantar urna a urna as dobras do veo que
me enluta o coraco, onde referve e ruge
essa amargura que me nota, e que com ef-
feito existe, bem o sei. Mas eu -s conheco
duas pessoas diante das quaes eu ousasse
entrar neste ddalo de angustias ; urna
Laura, a outra...
que o tacnigrapho ponha no jornal : -O Sr Pedro
Gutlkerme e Seraphina ( moowimto de altenqao ;
profundo iteno) oh t faQa isso I Faga isso I E'
lio fac Que ventura para o paiz e pra m ;n I
Dionisio ehorava verdadeiras lagrimas de pra-
zer.
O deputado pedio um momento de attencio a 8a-
raphlna. D. Elisa trouxe a Qlba au gabiaeie. v
raphina vioba formosa como as martyres ebristaas.
Urna suave aureola ooroava-lhe a fronte deslurn
braote.
Quer ser minha mulher, Seraphioa ? raarmu
roa Pedro Guilherme,
Ella dobrou lentamente os joelhos, e sem que P -
dro Gailherme podesse oppor-aj)-!he Seraphioa bel-
jou-lhe os respei lavis ps.
Oh I minha filha I exclamou o escolhido das
ornas erguendo-a e beijando-a oa fronte.
Ella articulou as seguintes palavras, que nunca
foram asquecidas:
O senhor foi o tnico que nao duvidou do men
estado. Perguntei lhe se era natural urna creaiu-
ra como eo na trra; disse-me qus sim. Era quan
to todos blhavam-me como um ahjecto de expsi
cao, am pheoomeno. o senhor c nsMeravx- oe mu
Iher e digoa de ser collonada entre as miuhas se
melHantes no mundo. Amo-o com todo o carinh
de urna noiva e com* foto o respeto de ama 'lh
O deputado vio que duas lagrimas corriam ih-
pelas faces. Era a segunda vez que chorava. A
primeira fof ao momento em qae perdea a eleicjk
oa candidatura anterior.
N'esse da Constanca, a fliha do birlo de To
tecebea algnmas liabas de Seraphina.
a Soa feliz. Estou douda por abracar-te. Ami
e sou amada. Seraphina.
Pedro Guilherme teve urna aova entrevista con
o medico.
Boutor, cnida realmente que o casamento a
salva?
Teoho toda a certeza, Exmo. O aovo estado
em oue essa original creatara vai se achr, ba d.
hnmanisa-la (1) inteiramente e torna-la m ulhei
por todas as formas. -v
.Segaio-se ama dlssertacjko*aaatomca, de qae eu
livro a leitora.
No dia do casamento deram se algumas particu-
laridades, que vieran desgragadameote coaflrmar
no animo do depotado a reputaco nebulosa de qu-
gosava a minha herona.
frotaremos as seguintes :Dous minutos depois
de ornada com os bellos trages nupciaes, Soraphi-
na mal poda susier a cabeca com o peso do v->.
Passeiaodo na sala o vento que soprava pela>
iaoellas fof d'essa vez tao lorte para ella que er-
gueu-a e arremecou-a 00 jardim. Hoave am grito
de horror geral. Caidaram todos que a menina fi-
casse esmagad.
Seraphina cahio de p e naturalmeala como se
pararse de ama pequea digresso pelo jardim.
Como ella est leve boje I exclamoa Dio
nisio.
D. Elisa agradeceu tristemente os cuidados e a
eooaolaces dos qae a eercavam.
Ernesto Soares nao se fatigava em lancar epy
grammas ao depntado :
Deve estar salisfeilol dizia elle. J tem ama
penna I
Gonstaoca nao abandonou lodo o reste do da a
soa formosa e etherea amiga.
* Vas ser feliz, mea aojo (
Mauricio hesitou se acabara a phrase.
PhilippeDuverney, no? porguntou
Laura.
Sim.
Oh I esse tambem o ama I Os sing-
los consolaos que elle lhe d, os escassos
louvores e as admoestacbes desartificiosas
me teem dado a conhecer quanto eile S9U
amigo 1
E' verdade ; adraoestacSes nao ms
poupa elle, mas as suas cbibatadas sao da-
tjiiellas que estimulam bros, assim como os
tnicos fortalecem os estmagos que as be-
bidas adocicadas ho enfraquecdo. Quan-
do lhe soffro as correccoes, conheco que sao
applicadas por mo amiga. E' elle talvez o
nico que adevinha o meu soffrimento, mas
de conhece ainda toda a sua extenso ?
Mas o que ?
Nada e muito. Jistife que tenho ta-
lento ; creio-o, sinto o, eporque nao hei
de ser de todo sincero ?Sinto-o tavez mais
do que eu mesmo imagino; d'ahi que
vem todo o meu supplicio.
Nao o entendo.
Mas vai entender-me. Esse talento,
que todos rae concedem, e cujo germen eu
possuo, o que elle ? Apenas urna faculda-
de feliz, que s pode traduzir-se n'um fado
real e vigoroso, se eu lhe adiar o trabalho, a
observacao, o estudo paciente e demorado.
Louvam-rae por certas qualidades de execu-
go, perfeitas ninharias, que nem valem a
pena de se notarem; e o que s ein mim
existe, o que eu podia fornecer da minha
propriasubstancia, j alguem o vio? E, to-
dava, ah que est a verdadeira forca do
artista, d'ahi que lhe provm a faculdade
de crear, de viver e de sobreviver atravez
dos seculos. Oh t como eu o demonstrara
com evidencia, se tivesse tempo de aperfei-
coar o que apenas esboco f
Porque nao o toma ?
Porque nao posso, porque careco de
viver. Semelho o lavrador imprudente que
ceifa o trigo antes que o sol sazone a espiga.
Emende agora, Laura ? Iro-me contra mim
mesmo ao comparar as obras que faco cora
as que poderia fazer, se me nao aguilhora a
necessidade.
O que chama necessidade, Mauricio,
ser realmente necessidade ?
Laura, quero ser sincero comsigo f...
Se eu dsse costas ao mundo, se me rele-
gase a'uma absoluta solido, se vivease com
os pannos eospinceis, talvez adquirira o
que me falta, mas a custa de quantas priva-
coes?l... Ecomo desfa?er-me das lem-
brancas do passado e do viver na roda do
grande mundo, cujas ideas me vieram com
o primeiro leile, e ainda hoje me sobem ao
cerebro como rajadas de vento em abril, que-
agitando as florestas, as povoam de melodio,
sos cantos?
(Continuar-se-ha.)
Glodion e os seas saccessores da primeira raaa
dos reis francezes eram maito cabellados; mas
qae barbaros I
Entre os povos civilisados, entre os gregos a os
romanos, quem 6 qae osteotava essas superfluida-
des de cabelleiras L
Escbylo, o pai da tragedia, era careta 5 Demof-
Ibeoes, o pai da elocuencia, caroca ; Scrates o
pii da philosopbia, carees.
Escolapio, o deus da medicina, sempre repre-
sentado com urna honrada calva, o que parece In-
dicar que nao ba oaja mais bygienico do qao
perder o cabello.
Deixo este commeutarlo s discusses dos sa-
bios.
Em duas pocas diversas os spartaoos trouxe-
ram cibellos compridos ou as cabecas rapadas.
Tioham cabellos compridos quando os trezentos
raorreram as Theroioprlas, com Lenidas; mas
fossera calvos, quem 3aoe ? talvez nao tivessem
morrido.
Emflm, Cesar cal/o foi autorisad.s para coroar
se de louro.
Porlaoto, se nao me engao, s a calva que
merece o louro dos vencedores, dos poderosos
dos bravos.
E por ultimo argumeolo, os egypcios, que eram
pessoas de muito juizo, tiobam lomado por em-
blema de sabedoria o corvo marinho por ser urna
ave calvo.
Estes exemplos nao terao torga aarfzerem mu-
dar de modo de peusar as pessoas qae usjm *e ca-
belleiras e carrapilos?
Os Aunles de l'ctricit medcale dizem qae*
bouve na Be'gica um augmento consideravel de
alienados dorante o predominio do cholera, por
effeito dos excessos alcooltcos a qoe mudas pessoas
se entregaran!, e pelo terror que inspiren a epi-
demia.
1 Mn--<*< 1 -----------
Os chapeos de senhora acham-se actualmente to
reduzidos, que urna casa de modas de Londres
anuuncia ltimamente que dentro de duat Hora,
apromptar qaalqaer chapeo que se lhe eneom-
mende, por mais singular ou complicado que
aoja.
a 1
Do dia 7 de jaoeiro do anno futuro em dian'a
as malas de Inglaterra e do continente sero en-
viadas a Pariz pelo novo caminbo de ferro, va
Calais e Bolooha.
Economisar-se ha assim pelo menos meia hora
(distancia de 26 milhas) oa transmisso das malas
entre Londres e Pariz.
As malas para a Blgica e e norte da Europa,
sero como ale agora, expedida pela aoliga
via.
m 1 u a 111
As folbas fraoeezas anaunciam a morle de Mr.
Gousset, cardeal arcebispo de Renes, que suc-
cumbio a urna afleccio pulmonar.
Havia oascido eiu 1792.
Foi oomeado arcebispo de Reims en 1840, e
dez annos mais larde recebea o barrete- de car-
deal.
mi l tm.tm
A entrada 00 palacio da exposigao universal de
Paria cuitar um franco, todos os dias sem dis-
lincgo.
Assim o determioou ja a eommisso imperial.
UM POUCO DE TUDO
Nie serei eu que dire mal dos topetes, porque
ba maito boas pessoas que andan da tpele; mas
o topete, dlga-se o que se disser, indica un cra-
oeo que tem vergonha de mosirar-se tal como
ello .
O elogio dos calvos serla urna cousa bem a pro-
posito em urna poca em que os calvos abuodara e
e superabuadavara; o depois, quem nao calvo
hoje ha de ser amanhaa, ha de ser calvo logo
que seja digno de o ser.
Eu, que escrevo estas linhas, ain !a nao o sou,
mas teoho a certeza de qoe o serei um dia, e
sinto profuhda sympathia por os qoe se apresen-
tam calvos antes di mim.
Nem sei como deva agra-
(1) styllo o homem.
Oh I muito feliz I
decer a Deus I
O deputado que se conservara a principio taci-
-11 00 senliu-se alegrar pouco a pouco com a lem
braoga do prximo banqueta.
Xivief de Maistre tem razio : quasi sempre a
besta subjuga o espirito. La bte cras t'esprit.
Segando o estyllo germnico e principalmente
gastronmico, algnmas horas depois da beoco
nupcial,dirigiram-se todos mesa do festim.
As libagdes, s brindes, as iguarias eercavam a
alma de Pedro Guilherme como de ama coroa im-
perial.
No meio do banquete o depulado cbamou parte
o medico :
Se ell' comesse alguma cousa ?
Por ora nao possivel, Exmo; oem otete.
O que provavel e muito provave que mais lar-
de a naturza pbysica desenvolveado-se abundan-
temente obrigue a a atlmenlar-se, e n'esse caso.
Tem raza o, tem razo. Doator, 4 saade de
su 1 familia t
O deputado foi objecto da admirago geral. O
e mteudo dos pratos desapparecia sob a soa pro
t ceo com a velooidade do paquete ioglez. Podia
dizer que elle comia a razo deviole e qua-
tro milhas por hora.
Seraphina, como sempre, apenas molhou a ave!
ludida liogua n'uma gota de licor, que a colori.
D. Elisa beijaodo a na despeflida cobrio-a de hen-
eaos e de tagnmas.
Mea aojo I ta me deixas I
Has eu oio vou morrer, mami I Olba, ama
oh passo o diacomtigo
Dionisio procurava a todo o instante dirigir-se a
'edro Guilherme para chama-lomeu genro.
Era taro".nha a sua emocao, qne depois da ceia
na sala, rgueu a mo fechad* com a elegancia de
um Allemo exclamando:
Heos senhores I Bebo saade de ama das
-olumoas do no-so systema poltico I Daqaelle,
cuja palavra imperiosa rebda por todo o paiz ca-
cheado de illosiracao e de fogo as abobadas da c-
mara temporaria I A ssule de meu genro, o Exro.
sr. deputado Pedro Guilherme I
As boras tem azas : oo tardou o momelo de
retirarem-se lodos.
Dionisio aeompanhoa a fllha encuendo a de hen-
eaos e e.rlcias. As amigas de Seraphioa reparti-
rajB entre si os boiSes de larangeira e Constanca
oardou o veo como reliquia.
Seraphioa era mulher de Pedro Gailherme.
O depatado tres vezes tentara declarar qalqaer
coasa qae o impressionava a Seraphina ; cobroa
animo analmente, e tomandc-lhe as mos dia-
qhanas:
Vas me fazer um favor, meu aojo I
Favor ? Ea nao soa soa mulher? Saaesera-
a ? Nao foi a sua generosidade qae dea vida a
minha alma e esperaoga toda a mioha vida ?
Ella estava Untadora como as enages de Mi-
guel Angelo. Os aojos sustentavam sobre a soa
beca os dous diade as, que coroam todas as noi-
vas febzes:a virgiodade e a belleza.
Quero qoe me fagas islo; olha. O depntado
descobrio um (ormoso prato de crystal ornado da
bollnos e (rocas, qne acondicionara da proposito
sobre o vellador.
Prova ama fraclioha destas.
Nao poaso. Perdoe-me.
Com effeito, Seraphina. Havpr* pedido mais
innocente e mais fcil de ser rnmprido do qae
este?
No caminho de- ferro de Besangon a Dijon (Pran-
ga> bouve um cboqpe eotre am trem de viajantes
e oulro de mercaduras, do qual resu toa morre-
rem 15 pessoas e licarem feridas 30.
As machinas e os wagoes Qcaram lilteralmento
feitos em pedaciobcs.
Em Trieste houve urna deserdom por causa
das exequias de um joven- d'aqoella povoago, vo-
luntario garibaldino, morto oa ultima guerrft eo-
tre Italia e Austria.
Fizeram se algumas prisdes restabeleeeado-se
em seguida a traoquilidade.
O oumero de mancebos que se tem alistado no
corpo de zuavos pontificios n'estes ltimos dous
mezes sobe a ibO.
E;te corpo compSe-se hoje de 2:800 soldados,
a maior parta francezes ou belgas e perteocentes a
familias dislinctas.
E se eu morrer ? volvea ella com a voz gra-
ve e triste.
Pedro Guilherme lembrou-se das palavras ce
medico.
Nao m irreris.
Seraphioa tomoa fotre os dedos alvos o friss
urna fructa crystalisada e deixou-a cahir sobra o
tapete.
Nao posso; articulon ella dolorosaraeaw,
Pois bem, exclamoa o depulado levemeote
possoido pelo alcool, se nao fizeres o qae te pego
teoho certeza de qoe oo me amas l Tenho certe-
za de que mentiste t
' As pupilias della scintillarm na sombra. Lvida
convulsa, sollrega, arremegoa se aoi confeitos e s
frnetas e s pode m rder e eogolir urna. Cabio es-
tendida sobre o pavimento.
Seraphioa I exclamoa o deputado ajoelhan-.
do-se e erguendo-lbe a fronte cadavrica.
Ella estoma se emcalmbras pungentes e terr.i-
veis. Com os dedos crispados arrebatava o vesti-
do e osenfcites.despreudendo gritos sardos s inter-
mlitentes.
Tu me mataste, disse ella com a voa quel ra-
da pela dor. Mas eu abeogoo a mao que- me d>a a
morle, porqas foi ella tambem que ma rgaea do
desespero I Ea vou morrer t nao me abandones.
O depulado arremegou-se a campaioha. O gabi-
nete ench-u se de criadas e escravos. Em quanto
deitavain Seraphioa e proporcionavam-lh 03 me-
dicamentos mo Pvdro Guilherme correa casa
de Dionisio.
Sua lilha est morreado 1 griloa elle com a
voz de um conemnado.
E voaodo casa do medico:
Veoba, doutor, salve-a e ter toda a mioha
fortuna 1
Quaodo D. Elisa aperiou a cabega da filha ao s.'o
Seraphioa agonisava O seas olhoseonablados sao
conheceram mais sua mai e no rosto maclltento
destolhavam-se docemenle as violetas da morle.
O medico desengapoo a.
O qae tem ella, doator ?l
Deas me perdoe l respoadea o medico Esta
menina aprsenla todos os symptomas da fomet
E' que alia comeu alguma coasa t exclamoa
Dionisio demirado.
Ab I doator l replicou Pedro Gailherme. Co-
mo me disse qae mais tarde ella poderia alimen-
tar se, en:..
Mais tarde, >r., referla-me ao correr do lem-
po. D'aqui a alguns mezes, por exemplo I
Seraphioa! solueava D. Eliza : Seraphina,
toa mal quem falla I
Ella loteirlgou vivamente o corpo e ergaeodo-se
a'am paroxisme extremo:
Mami! Ea morro i articulou a pobre meni-
na cahiodo morta nos bracos de soa mi.
Na tarde segaiote dirigi se ao cemiterio publico
o fnebre comboio de mais ama virgem.
Na mesma hora o depatado Pedro Gailherme
embarcoa se para os Estados-U al dos.
Seraphioa morreo no da 26 de marco de 1915,
justamente na poca em qae ia completar dezeseis
anoos de Idade.
O qoe direi mais? Dionisio e Eliza viram o es-
pectro da morte eotrar oa soa alma e a tristeza da
saudade acompanba los como ama sombra maldita
Mea Deust di ta Diooisiode tempos em tem-
pos em tempos.l/Soa lio infeliz qae vos me destes
ama fllha qae 080 coma e essa fllha morre
tome 1 FMLg DI VAHDENBSSB.
"fP.DO MARIO-B.UA DAS CRUZES N M.

.

<*
*
i
:
.
1
ILEGIVEL


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EP6PX64LT_ZUOY6X INGEST_TIME 2013-09-04T23:26:20Z PACKAGE AA00011611_11187
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES