Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11185


This item is only available as the following downloads:


Full Text

^
nanean.
ME^*,iM>



J
'
'
I
I
>
-

'

i

Por tres
Por seis ditas idei
Por ata uno Mea..
Cada iiaert arulso
ANNO XLIII. NUMERO 28.
ARA A CAPITAL E JLCtiARES 0\DK SE NAO PAA POWE,
exea adiintedss.,........
60000
14OO0
24OO0
320
Cl?f,rTmTrk nrvrr *
i
MJTJL -r T ......! i -i w,.
PABA DE.\TRO E
Por tres nexos adiaafades......
Por seis ditos idea.............
Porwie tes idea..............
Por m ano idea.. Ti...........
EOBA DA PROVINCIA.
SS3BHi\-S2
DE PERNAMBUCO.
am giiaaAmiBKBD hd s^mpiin) m mantoa MOTmD a juma a maros, sjic iPia(Dipia!iattMa.
S750
43^500
20250
27t90GO

lENCARHEGADOS DA SUBSCH1PCAO. I
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima-
Natal, o Sr. Antonio Marqoes da Silva; Aracaty,'
?-'/\re Lemost>BraKa; Cear, o Sr. Joaqoim
Josa de Jhveira ; Para, os Srs. Gerardo Antonio
Alves 4 F.lhos; Amazonas, o Sr. Jeronyrao da
RhJ ^.80aS'x T- ?ran:!*avaras da Cosa;
\if <8. MArl,ns Alves'' Ri0 de Jeiro
o Sr. Jos Sibetro Gasnarinhn '
PAKTIDA O S RSTAFETAS.
Olinda, Cabo, Bscada e esiagdes da via forrea at
Agua Preta, todos os dias.
Igaarass e Goyaooa as segundas e sextas reir.
Santo Aoto, Gravis, Bezerros, Bonito, Caruar,
AltiBbo, Garanhans, Bulque, S. Bento, Boro Con-
seibo, Agoas Bellas e Tacaral, as lergas-feiras.
Pao d'Alho, Nazaretb, Limoeiro, Brejo, Pesqueira,
Ingazeira, Florea, Villa Bella. Cabrob, Boa-Vis-
la, Onrieory.Salgueiro e Ex, as quarta feiras
Seriubem, Rio Formoso, Tamandar, Una, Bar-
reiros, Agua Preta e Pimeoteiras, as quintas
f airas.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commereio: segundas e quintas.
Relago : tercas e sbados s 10 horas,
razenda : quintas s 10 boras.
./alzo do commereio : segundas as 11 horas.
Diio de orphos : tercas e sextas s 10 boras.
Primeira vara do civel :
da.
Segunda Tara do clvel
1 ho.ru da tarde.
tercas e sextas ao meio
: ananas e sabbades a
EPHEMERIDES DO MEZ DE FEVEMEIRO.
4 Loa nova as 8 b., e 24 ro. da t.
11 Quarto cresc. as 10 b., e 48 m. da t.
IS La ebeia as 4 h., e 19 m. da t.
26 Qu,arto ming. as 8 h. e'40 m. da m.
PARTE OFFICIAL
DAS DA SEMANA
4. Segunda. S. Andr Corsino b. c.
5. Terca. S. gueda v. m.; S. Pedro Baptlsta.
o. Quarta. S. Do-olhea v. n>.; S. Aotholiano m.
7. Quinta. S. Romualdo ab.; S. Ricardo ret.
8. Sexta. S. Joao da Malla ; S. Corlnthia m.
9. Sabbado. S. Apolonia v. ro.; S. Ausberto.
10. Domingo. S. Esco.aslica v.; S. Silvano b.
PREAMAR DE HOJE.
| Primeira as 4 horas e 30 m. da tarde.
Segunda as 4 boras s 54 minutos da manual.
PARTIDA DCS VAPOBES COsTEIROS.
Para o sul at Alagoas a 14 e 30; para o norte
al a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Fernan-
do oos das 14 dos mezes Janeiro, marco, raaied
julho, setembro e novembro.
<-0VLR\O DO RIFADO
SEDE VACANTE.
Expediente do da 19 dejaaeirs de 1867.
Offlclo ao vigarlo da freguezia de S. Joo de Ana-
dia.Concedo a llcenca de duus mezes, que pede
no seu offlcio de 10 do prximo passado, a que
respondo, podendo deixar Da reg-ncia da paroebia
o Rvd. fre Loiz da Divina Pastora, aflm de livre-
mente poder V. Rvm. entrar no concorso, cujo
praso esi correado.
-t
Offlcio ao Eira
Santa Isabel, o concert que o distincto clarinetis-
ta portuguez, o sr. Croner, auxiliado por varios
outros de seos collegas, offereceu ao nosso publico.
Como sempre, o Sr. Croaer mostrou sea trans-
cendente talento ao circulo de diletantes que o fol
' ouvir, arrancando-lhe frenticos applausos.
O Soucenir de Norma foi tocado pelo Sr. Croner
em sua mgica clarloeta com esse gosto apurado
e sentimeDto do bello que o desiiogue. No duelo
concertante para elarlneta e piano sobre motivos
de Lucrecia Borgia, pelos Srs. Croner e Eichbaum
o publico tocn o ph renes y em seas applaasos.
O Sr. Eicbbaum loeou com gosto, vencendo lodas
as dificuldades da comoosigo, a magnifica Pajfo-
rella e Cavagliere Goltabalh Taranletlo, de Toal-
berg.
Nao descostamos da voz do Sr. Jos Coelho Bar-
te de vinte pracas fosse estacionar na
nao a matriz d'alli.
igreja, que
presidente da provincia.Cons-
tando-me por parlleipago offlclal do Rvm. rolssio-1Dasa a cavatina da Norma que cantn, fe-lo cam
narie capuchinho fre Egydio que as autoridades I 0*10 e publico o applaodio. O Sr. Barbosa pode
de Papacaca pretenden fazer as p oximas eleicSes i "'"orar muito a voz e eremos vira' a ser um bom
na Igreja do Bom Conselho pertencenle ao reco-
Ihiroenio do mesmo nome; nao podendo baver
certeza de que reinar ali em todo o processo elei-
toral a Iraoquilidade, calma e harmona que frs
para desejar, e cumprindo me o rigoroso dever de I afoubou-nos
preciso, porm, que estude e eslude
cantor
muito.
A phaotasia para saxo-pbooe sobre motivos da
i Martha, composta e tocada pelo Sr. Croner,
a alna ;
um lindo e felicissimo
vellar por aquelle estabelecimento de edocaodas i Darl d0 tlenlo musical do Sr. Crooer.
e evitar por lodos os malos possiveis que seia in-
tenompida a p remato, recorro a V. Exc. mgaodo-lhe instante-
mente que, altrndeudo aos males que podem re-
sultar aas eleicSes feilas n'aquelle lugar, se digne
ordenar que sejam feilas na igreja matriz como
determina a le. vlsio como ella est desempedi-
vez que infelizmente anda n3o fui entre nos der- Nao podamos perder a occasio de lamentar que
** M. r,. lao uouco coicnrrid, fnu n concert do Sr. Cro-
O Sr. Candido fno tocou bera em sua flaaia,
urna phaotasia sobre motivos da Lucrecia Borgia,
mas tem anda muito a' esludar para se poder
collocar vaotajosamente entre os boas artistas.
Os Srs. Smolti e WVnheimeler acompanharam
Passageiro da barca porlugaaza Pararu,shi-
da para a liba de S. M ral, sua senbora e 1 Qlho menor.
..f.as8ige'ro do b-lgo portoguex Con/on<#
U, sabido para Lisboa: Jas J. Gomes Duarte.
Passageiro do biale braslleiro Dous limaos
vindo do Aracaty :--Pedro A. Dioiz da S(lva.
Passageiros do vapor americano \tnding
Star, sahido para NewYoik e
no dia 31 de Janeiro:
Tbeod re Borotl, Dr. S. Antonio Nones, suase-
nhora e 2 (litios.
Dito de Jcuqalm Jorge
portos iotermedios Ihe ser regUtrala a na noraeacSo
com gosto e baflcieacia os diversos pedaQos mu-
sicaes. que ttcaram seus collegas na mais agrada-
vel das bellas arles.
rogada a disposi$ao da lei que manda que o pro-
cesso eleiloral seja feiio o^s templos.
Dito ao coadjutor pro-parocho de Papacaija.
Nesta data recorro ao Exra. Sr. presidente da pro
vincia, aflm de que n3o tenha logar na igreja do
fecolhimento do Bom Conselhe a eleigo a que se
vai proceder; e sao to obvias as razoes que mi
assistem para fazer este pedido, que nenhuma du-
vida lenho em qoe S. Exc ha de aitend*r-rae.
Devendo pas as eleigoes ser feilas na matriz,
compre qoe V. Rvma. remova d'ali o Sanlissimo
sacramento, e recolha oa sacrista oa em lugar
o pouco coacorrido fosse o
oar; no enlamo o Sr. Croner nao deva tirar dalli
urna coocluso desfavoravel a' si, nao; artista de
mrito e de talento transcender, o nosso publi-
co ja tem corrido em raassa a' ouvi-lo, e, sa agora
e pouco cuidadoso em ir render-lhe homenagem,
o isso devido a" qua a parte de nossa pjpulaco
que ama esse genero-de divertimentos e que o po-
de *w-ar acha-e fora da cidade, entregue aos ora-
zeres campestres.
Amanha proceie a camra municipal
apuragao geral dos votos para um deputado pro
soeiado Geraldo
gislre-se..
Dito de Maia & C., pedindo o registro de seu
contrato de sociedade comroandilaria.Vista ao
Sr. desembargador fiscal. *
; Dito te Agostiobo Jos dos Santos e Lenrnap
t1 reres, estabelecidos a' ra do Oaijij|,-n. 3 A pe-
dindo que fosse admitlldo a' registr%Mu contra
to de soeledade commeraal__Vista aofrAesem
bargadof flsea'
da Fonseca Bastos, para
Dioeacao de caiielro de
Antonio Adusto dos Santos Porto.Regstrese.
Dito do mesmo Joa<|uim Jarge, flBModo por cer-
tidao s* Antonio Augusto dos Santt Porto com-
Riparticao da polica.-Extracto das partes mercianto matriculado.Como requer.
do dia 31 de Janeiro de 1867. ',h de "l?oel Arcaojo de Piguelrdd>, para se
Foram recolhides a casa dedetenconodia3I do 'ne d,r por certido as verbas dos competentes
correle : registras da escrlptora de hyppiheca que Ibe pas-
A ordem do Dr. chefe de polica',' Lonrenco, Ao-,Mra MaBOf' do Amparo Caj, jporao requer.
tomo e Joaquim, escravos de Lonrenco Cavalcante B" ^ Barbosa & Primos, apreseotando a1 re-
da Alboquerque, como criminosos ; a ordem do *'*,ro ?*,e, com Q"' f^i amigavelmeote dis-
subdelegado do Recife, Jos. escravo da viova de jSo|vjda dita Arma, e pontratado-se a raelbor forma
Manoel Gongalvas da Silva, por crlme de norte; ** s* "laidacao.-Vista ao Sr. desembargador
a ordem do de Saolo Antonio, Joaquim Antonio fl,al>
do Paralzo, por embriaguez ; a ordem do da S. I Dlt0 de "c'ao Antonio de .Assis Ges, Joa-
Jos, Jos Vicente Ferreira, para eorrecjao.0 %oira More,ra Guerrido Bastos e Jos Joaqoim
ebefa da 2"secgo, J. G. de esquita. (Gongal ves Bastos, pedindo o registro do contrato
- Casa de DBTBt*gAo.-Movimeato do dia 31 de. 2? "flfT?18 ?sl^brara:D Para continuarem
Janeiro de 1867. itD eslabeleeimento qoe possuem na ra do
Existiam316, eotraram 8, sahiram 4, existem J,QceJ'|n*d0 n" 46l~VlsU Sr- desembargador
Abri Brander a Brandes.-Re- ambiciosos:;Qoe do cumprimento das nromessai .m, "-----'----------------------------'------------
que flaeram quando suoiram ao poder? AondeNso^T?^! V" Elc.aioda n3 leDna *>
esiao as reformas, que
illudiram tantos
sahiram 4,
nacionae> 130, mulheres 11, es-
traogre^ros 28, mulheres 1, escravos 47, escravas 5,
320. A saber
Alimentados a* cusa dos cofres provinciaes 208.
Movimento da enfermara do da 1 de feverelro
de 1867.
Teva baixa:
Silvano Antonio da Rocha.
Cmitbbio publico.Obituario do dia 26 de
Janeiro de 1867.
Sm -22*." ara(,a? "ens"qo8 vncia, e"sbstTu.o 4a. Dr" JosTplmo da
existem na mesma matri'.Pica asslm respondido ; Cmara,
o seu offlcio de 5 do correrte .<
D.lo o coadjutor nrol^h,, rta n.* _p.. I., ".A.*?**!*.e Indmmsaiora rea-
cedo liceoga a V. R^ma.
r pro-parocho de Grvala.Con-
niose em assembla geral, no dia 31 do
usco ^eabr de Andrade Lima para reger essa
mgoesla, emqaanlo V. Rvma. estiver auseote.
t-ica as^im respondido o seu offlcio de l do cor-
rente.
passado,
Sahiram
Dito de J. M. Isaachsen, pedindo certdao do uso
e estylo commercial desta praga que possa ler ap-
plicago ao facto da tecusa do correspondente do
fretador io navio de que elle supplicaote mestre
em nao querer pagar o frele correspondente a 200
arrobas de carne secca que se avaharan) embora
tal avaha se desse qnando dilo navio Ja' eslava em
sobr'estadia.Cerfiflqae a secretaria.
Dito de Jo Fortunato dos Santos Porto, p
Miguel Perelra dos Anjo*. Peroanbaco, 60 anuos. ZSZrSS'JL K CPn,ra' S0,V'al "ne ce-
casado, Boa-Vista ; mijelile. u seu caieiro Beroardino de Azevdc
Paula, Pernrobuco, 4 mezes, Santo Antonio; ca- "J *.*.1~,.M? *. desembargador fiscal.
ometteram
,e flzeram e o que leem
falto ha quatro aonos, que eslo nonjwter T Com-
prometteram gravemaoie o paiz, Sragaram as
uuaogas, escarneceram do commereio dnscarreca-
" JD4 nwnaes no poder judlciahoWLiSje
a nda com a capa da hberdade preparam-SB
c aadestinaroente para corromperem, violarem e
rlolentarem as nrnas (| Qaem os acred.ra
E na poca, que se diz da Hberdade o do
progresso; e oa admloislrago do Exro. Sr. conse-
cro Francisco de Paula da Silvelra Lobo o Im
ral decidido de ouir'ora. o depatuo pamota o
carcter .odependante, que lo aSremeote comba
tau no parlamento as violencias do Sr. SHveira de
rla' qi 8e prepar s ce0" da violencia, da
fraude e da corruDCo das ornas!
E* o Exm. Sr. conselheiro SUveira Lobo, uue
quer trocar umpassado honesto e Independenli
por um presenta e um fuluro......gii^,
s- coma coa o da de boje, u de amanhaa nao loe
pertenee.
E amanhia como se a resentartiExc. seus
proprios amigos polticos de ontr'pravae por acaso
eocoutra-los, em sua tornada iriun$tJe, de
da victoria das nrnas TI.....
Como se ustiflcar S. Exc.'peranle elli
a nagau e perante a sua propia cooscienta *fci
apresentarem o etundarte da Hberdade do vot
que fez tremutar na sua ultima circular, que M
denodadamente defeadeu outr'ora. rolo e e.-pada
solugio e suppSe o
e com qoe querido o
supplicaote que por haver
dito julz de paz prestar ana informacao
alias f por duas vezes exigidas por V. Exc.vem
o supphcante reauerer a V. Exc. sirva-se
promptas providencias no sentido de ler a
dvido cumprimento.
dar
le o
Pede a V. Exc. defenmento.
E R M
Recife, 26 de Janejro de 1867.
1 ------ .-^-.j. w v u.-|i)ua -
Vano, e anda unto de sangue dos seus patricios, |
das seus propries correligionarios de hootero, por
seus soldados'
23-
Offlcio ao Exm. presidente da provincia.Sendo
ae somma conveniencia qoe o servigo coral, que
na cathedral de Olinda tem lugar todos os das de
maobai e a tarde, nao seja perturbado pelo pro-
cesso eleiloral a que se val proceder, rogo a V.
Exc qoe se digna ordenar que as eleig5ss que
tem de fazer se n'aqoeila cathedral sejam tran.sfe-
odas para outro templo, como j se pralicou as
eleigoas que tiveram lugar em 1863, as quaes fo-
ram feilas na igreja do Amparo.
Dito ao juiz de paz do Allinho.-Tomei na devi-
da considerago o que V. S. declara no seo offlclo
de 3 do crreme,
Joao Igoacio do Reg Madeiros, presidente.
Francisco Xavier de Oliveira, vice dilo.
Candido Alfonso Moreira, 1 secretario.
A. G. de Miranda Leal, 2 dito.
Olli>ir.inRTm ...a..j.....:..:. a..a. loto di Silva Regadas, Francisco Joao de Bar-
ros e Heorique Bernardes da Oliveira, directores.
Jos Pereira Vianon e Miguel Jos Alves, sua-
penles v
Jos Joo de Amorim, Luiz Jos da Costa Arao-
nm e Jos/Aotonio de Carvalho, membres da
i ceramissao fiscal. tfjgj j
Aquanellaram, oa sexta-feira, c ba'alhio
de Infantaria, um cootiogante do Io de artilhana e
um outro dos esquadrSes ns. 1 e 2 de cavallaria
da guarda nacional; daixaodo o aquartelamento o
A" batalbao.
.a que respondo, e nesta data _...____
passo a informar-me do Rvd. parocho sobre os fac-! c TZ Kea',80"-*e, no sabbado, a festa de Nossa
tos de que oelle se trata, aflm de dar as necessa-' bt]0Ti ?*.*aule' no Pagoda Panella, com toda a
ras providencias. P!,mpa e brtlhantismo; seodo queimado noite, no
Dito ao vigarlo de..... Tenho vista um offl- larR0 ai, am linio foso-d* artificio. Houve
ci datado de 13 do crreme em qoe o ju.z de paz concurrencia extraordinaria, trabalhando os ireos
desse dislhcto me commonica que V. Rvma de- Jf via ,errea *aasi 1Qe S9m ce3S durante todo o
clarara publicameole a esuco da missa que nao '*%. A .
aceilava peligo alguma para dispensa sera ser fai _Uaaoai> acaoou-se de queimar o fogo, a popla-
la por V. Rvm. e que receberia por cada urna a'"'o wagons que se aehavam na estar-So
quatro mil reis l E diz mais o mesmo juiz de paz L*,,,e,re'r?. P1" 'rma fal qud'^iBBossibilitava
que V. Rvma. assim o tem praticado a que ultima- a v(a8em- ah se conservando apozarse todos os
mente rejeilra urna pellgao por elle proprio falta me,os ?raodos ^niuregados pelo Sr. Dr. delegado ;
gratuitamente a um pobre, a qual sendo rejeitada 9Qe' Dao derenuo empregar outros, fez segolr o
por V. Rvma., foi ubrigado o seu parochiano a pe-
dir esmolla al ob;er os quatro mil res para da-
los a V. Rvma.
qoe
Tanto a peligo qae V. Rvma. rejeitoo, como a
ie fez. me vieram s msos.
primeiro trem depois de urna hora da madrugada
cora a gente que oelle se acbava, regularisando ao
depois os outros.
Deram-se alguos pequeos disturbios
a noit, por causa de. msicas, qua nao
ms consequencias.
dorante
tiveram
_NIo podendo os parodias recusar aquellas pett-
SrSt.fl?.arMh?f8l aPrewlad i devend0 me5ID0 Poram de perfeito Invern os das
narnSr ?,T^ algUm de,e" U err0 de de 2 3 do cerrenta, pois que coveu quasi sem
parentesco que possa haver no requenmento : nao interrupgo '
podendo aim disso os paroches perceber mesmo I n e^; i. a b .
por aqoellas petigSes que ellas propfios fatem or^to1b^rA,!^f!1ilS,*^^PiJP
mais do que dous mil reis, como recebem qnando ; ERS\t. ""** fUa d ImPerador *6. P*
mformam nii/.s^ u #-... -----------;------- > aoaar.
maras de sangue.
Mana, Pernambuco, 5 mezes, Boa-Vista ; con-
volsoes.
Maria, Pernambuco, 3 annos, Boa-Vista; eaterite.
Manoela, frica, 65 aunos, escrava, Boa-Vista ; s-
ate.
27 -
Firmioo, Peroambaco, 4 mezes Santo Antonio;
convulsSes.
28
Joao Manoel Pinto Bastos, Pernambnco, 37 annos,
casado, JaboatSo ; tubrculos pulmonares.
ado, frica, 50 aon s, S. Jos ; aoemia.
Lulza Gonzaga, Pernambuco, S8 autaos, solteira,
S. Jos; congeslio cerebral.
Luzia Carneiro da Silva, Pernambifcp, 55 annos,
viuva, S. Jos; erysipela.
Angela forrara da Cosa, Peroambco, 32 annos,
solteira, S. Jos; tubrculos pnlofonares.
Joanna Mara da Conceigo, Peraambaeo, 6 an-
uos, solteira, Boa-Vista; hydropesia.
Manoel, Pernaroba:o, 2 das, Santo Antonio ; con-
vulsSrs.
Morgot, registro de
Com informago tl-rai
Da Pedro Maurer e Loiz
contrato social.Registre-se.
De AIMJo 4 C, para igual flm.-Jdem.
Do bario do Livrameoio, para se annolar a car-
ta de registro do seu patacho denominado Palma.
satisfaga o parecer fiscal.
De Joaquim Ferreira' de Araojo Gulraaraes,
registro de contrato social.Regstre-se.
Nada mus havndo sido subroettido a' despa-
cho, o Exm. Sr. presidente encerrou a sesso as 11
bcras e raeia do dia.
Communicados
Partido conservador. (*)
S LUNAS I
A mentira, a intriga e a calumnia sao armas de
qaem nd" tem razio; o triste recurso dos que
defendera a injusiiga eo arbitri; dos que querero
manter-se no poder
.. sem o apoio da opioio^ dos
Imo Domingos Gomos, Pernambuco, Qae querem a conquista das uraas por meio da
fraude, da violencia e da corrapgo.
60 annos. casado, Boa-Vista ; apoplexia.
Isabel Eleuteria da Silva Lisboa, Pernambuco, 47
annos, vio va, s. Jos; tubrculos pulmooWes.
- 29 -
Francisco Gongalves do Cabo, Pernambuco, 66 an-
nos, casado, Afogados ; dlarrha chronica.
Domingos Jo^ do Nasclmento, Pernambuco, 47
annos.casado, Boa-Vista ; gastnte ebrenica.
Fique a resposta por conta de S. Exc. '
Med:te aiDda oExm.Sr. conselhe,ro Silvelra Lobo
por um pooco na grande e grave responsaWlldade
que pesa sobre sua oabega Veja qae as ondas sao
eogasadoras, e oj queira que o seu presente e o
seululuro sejam orna conlraiil<-gao manifestado
seu passado I Nao queira perder no da 3 i
vereiro e qtfe gaohou em lautos annos de sua vida
poltica I
As urnas, Pernambucanos I
Querer poder.
Com essa divisa a victoria sera nossa e com ella'
a regeneragao dosyslema representativo.
Abaixo essa actualidade maldita, qoe qaer levar
o paiz a um abysmo insondavel I
Abaixo esses conspiradores secretos da ordem 9
da hberdadei
Abaixo esses demcratas fiogidos, que repeliera
da eleigao o elemaoto popular I
Abaixo finalmente esses iigueir> sem creogas,
umeosresponsaveis pelo sangue de 48 e pslas
maldices de 63.
QCBM SBMBA VENTOS, COLHB TEWPBSTADB9,
6omos informados de qae nesta. ultimas noutes
r k a,guos esPaocamentos pela malla de
ruodabulanos, qae acompaaha o improvisado- tri-
ouno Borges da Fooseea. Entre esses espanca-
meotos o mais serio e grave foi o .que leve logar
na ra Nova em. um individio, que a turba mul-
la suppunha ser portuguez, e que so por milagre
da providencia escapou !
Quebrameotos de vidragas, gritos de morra a
portuguezes, Insultos e alaridos tempestuosos, eis
as amabUtdadet urnaes da falange sagitaria do Sr.
Lamentamos dentro da alma qae as autoridades
da provincia tanto se tenhara deixado acobardar
peto aspecto do terror, que tem assuroido o Sr.
r|SM FtDS8Ca> e d'ahi 'ods as probabillda-
Wps.sinistros nesta capital 1
* em" noae da eivilisagao do nosso
protestamos desde j contra todos os exces-
anarchicos, que vai pratieando e prometa pra-
Borges e a sua phalange, e per todos
as excessos respoosabilisamos aquelles qoe
mam com o seo silencio ou com outros meos
fGEz:A BB S. LOBBJVg DA MVTT*.
jSnxia para o sabbado amanbecea cercada a
f do Sr. J^au Francisco Xavier Paos Brrelo, e
ao reverendo vigarlo Datra, por uma forga de 24
|le cavayarla, commandadas pelo major ajn-
daote ordeus da pr '
E" por isso que os nossjs adversaros polticos,
todos os dias, em seus escriptos montem, intrigam
e calumoam Ds.a'tribtiiDdo-no doutrioas revolu-
cionarias.
Nunca apreaoamos a resisteccia ae rei para
raelbor servir ao rei; porm precisooppr aos
; desmandos de um governo arbitrario e. corruptor,
Vicente Ferreira da Ressnrreir/ao, Pejnambuco, 50 resistencia legal para .salvar o monarchi.e
anaus, solteiro, S. Jos; erysipela.
Antonia Maria da Paz, PernambOCO, 34 aonos, viu-
va, Boa-Vista; tobercolos pulmonares.
a ua
2 aunos, Boa-Vista ; desio-
Comegaram hontem
em toda a provincia. as
cedeu-se a' eleigao das
actas:
os trabalhos eleitoraes
freguezias abaixo pro-
mesas e lavraram-Sj as
a petlgao j feua, por ue n'aquelle caso
torna-se intil tal informago, bastando nicamen-
te a assigoaiura do vigarlo ; cumpre que V. Hvma.
responda sera demora se fez a estago da missa
essa declarago impropria de ora pastor, e se tem
rejeltado os requerimontos qoe Ihe slo apresenta'
dos pelos pobres da sua fregosla:
24
Offlclo ao vjgario de Nossa Seohora das neves
na Parahyba.Sendo rae remedido por V. Rvma.
o requerlmento de U lo Norcet, sem qae vlesse
accompaohado d informago alguma de V. Rvma.,
eu Ih'o devolvo Incluso aflm de que declare se b
supplicanle est sufB ieoteioenie instruido na dou-
trtaa e nes principios da religio catholica; se es-
ta converso sincera, e Qaaimente o que se tem
dado cora V. Rvm. a tal respeito, visto como o sup-
phcante, em logar da pedir para abjurar a sua sei-
ta e ser baptisado, oomga por pedir dispensa de
proclamas e de jasiidoage?, allegando haver ja pe-
dido a V. Rvma. para Ibe couenr o sacrameoto do
baptismo. ***
Dito ao coadjutor pro parocho de Uoa. Km
resposta ao offlio de V. Rvma. de 9 do correte,
concedo a licenga que pede para vir a esta capital
prei.arar-se para se oppdr as freguezias em con-
curso, pod-ndo encarregar a a irainlstrago dessa ,
creguezia ao Rvd. Prei Aotonio do Corage de Ma- r* d 8,',', e JeJooymo Jos Ferreira secretarios,
na, por V. Rvma. indignado em en citado offlcio, Francisco de Paula a Peixoto e Manoel Luiz de
em quaoto durar a sua ausencia. Siquelra escrutadores.
Dito ao vigarlo interino de S. MiguelConcedo I Freautzia da S de Ohnia.
Ann,..1, SJ-I1** que pflde 00 8ea offlC10 d0 251 P'coo es coraposta com os senbores i-hio
deirlr nf reS, h q"e r?spond.s aolor's Ba?!a d Maogolnho presidente, Joaquim
Joan d rnaaSa d rtS. ,re'* Kvd aballo Pessoa de Br.lo e Thomaz Jes das IW
tn n.r fi^pfJin.mam ** v-,R,,na- PrPs- secretarios, Jos Figueira Curado o Fortunato Jos
to para near interinameoie no seu lugar. | de SampaiO eserotadors.
n ^ w .""V, ~", Suscltaado-se davida som
Offlcio ao vigaho de Cabrob.-Apezar de, cerno Ofinda, Thomaz Jos das Neyes, a
V. Rvma. declara, nao ter o folhetinho que acora-! J
paohou o seo offlcio
Freguesta de S. Prei Pedro Goncaives.
A mesa leon assim orgaoisada : Luiz Antonio
Gongalves Peooa presidente, Antonio Theodor
dos Sartos Lima e intonio Teixeira Peixoto secre-
tario, Estevao Jorge Baptista e Augusto Fernan-
dos da Silva Manta escrutadores.
freguezta de Santo Antonio.
Crmp5e-se a mesa dos senhores: Luiz Cesano
do Reg presidente, Jo quira Salvador Pessoa de
Siqueira Gavalcanti e Francisco da Silva Reg se-
cretarios, Flix Antonio Alves Mascarenhas e Jos
Francisco Carneiro escrutadores.
Freguezta de S. Jo$i.
Afibaodo-sa na mesa os senhores : Manoel An-
tonio Ribeiro presidente, Franklin Netto de Aze-
redo Coutinho e Antonio Carlos Pereira de Sargos
Punce de Len secretrios Custodio Manoel Tneo-
dore e Jos Aotonio Candido de Lyra escratadoree.
Fre'guezta da Boa-Vista.
A mesa ficou constituida com os senhores : De-
co de Aqaioo Fonseca residente, Floriano Cor-
Suscltaudo-se davida sobre nao aer morador de
mesa rejeitoo os
! docomeolos comprobatorios, dando lugar a que
ae ii ao prximo passado. a prelestassem os coassrvadores contra esa decisao
n resoondo, nanhum dos litlos que na minba I / d. d a 1 .. aeomo-
primeira admimstMCo oiocea0a'menconei emi s" mJ, T^e, Pedr Martyr- ~
ama circular d-naioa aos rtvd. paroehas confr r,L.T ni^n.8,a C9Da 0i *edf,<"e '- *>
livm. a .x- .1__.^... ...-. .-^ i> h"'.* CardozodeQaeiroz Fenseca presiden!*. Arfelim
na-1 Jos da Costa Carvalho Dr.-Juo
em aprebeo4er e Oragao de Rost Seohora do Monte Serrato aoda-
vam espalhados pelos seus parochiano?.
Com effeito basta ir-sfl 0 prologo para se conhe-
cer qae essa oracio, qae p()r 8, s6 |ITra as todos
os males ene morte repentina etc ete. nao mais
do que a pratica da doutnna protestaate, qae en-
s.na ser bostaote a f, semas saas obras. 1 um moas ellas correram tranqai lamente os
netire v. njm. das mos dos seas prontrfBO trabalhos, bera como oa dos Alonados, apezar da
esses suporsiteloiosque so servem de adormecer o : presenga de am grupo de 300 bemens qae all ao
noraem no pescado, e tranquilisar-lhe a couseten- parecen depois de meto da.
cia com a vaa,prejumpgao de qua a Providencia
Henriqos Ma-
Ira secretarios, Manoel Gomes de Mello e Izidoro
di Silva Mascarenhas escrutadores.
S6 aas fregaetias de S. Fret P^dro Gongalves
esauto Antonio foi que coaecoo a primeira cha-
mada, apenas se lavraodo a acta da eleigio da me-
sa em S. Jo< e Boa Vista.
Um todas ellas
ha de fazer um milagre em favor delle.
PEKNAffBUCO
REVISTA OiniA
Tere logar no dia 31 do passado, no salao do
Freguezta de Afogados.
Toado dado parte de doeuie o 1 juiz de paz e
recusando se o V presidir mesa, abri os
trabalhos O Dr. Jos Robarte de Maraes e Silva,
lendo como secretarios: o capito Jos Bernardino
Pereira de Brito o Paulino Rodrigues de Oliveira ;
e como escrutadores Manoel do Amparo Caj e
Benjamim Praokllo da Caoh> Torreo.
O presidente da mesa temeodo algum disburblo
reqolsitoa o a presidencia conceden qae um piqne-
Mana, Pernambuco,
terla.
3ose, Pernambuco, 3 mazes, B >a-Vista ; ttano:'
Laiza, Pernambuco, 5 mezes, Boa-Vista ; sypniiis.
Victoriano,"Pe nambuco, 7 metes, Boa-Vista ; cn-
valsSes.
c 30
CafoKna Mana da Conceiga, Pernambuco, 23
annos solteira, Santo Antonio ; tubrculo pulmo-
nar.
Francisco, Pernambuco, 8 aonos, Santo Aotonio;
anemia.
Benedicta, Pernambaco, 18 mezes, Boa-vista ;
marasmo.
Joanna, Pernambuco, 8 mezes, Boa-visia ; cama-
ras de sangee.
Braz, Pernambuco, 4 annos, escravo, Boa-vista ;
convulgdes.
- 31
Anna Mara de Oliveira, Pernambuco, 85 annos,
viuva, Boa-vista ; velbice.
Maria Servo da Fonseca, Pernambuco. 26 annos,
casada, Boa-vista; pt*ty>ca pulmonar.
Ciaiidina Maria do Nascimeoto, Pernambaco,
28 aonos, viuva, S. Antonio ; herysipela.
Alberto, Pernambuco, 7 mezes, Santo Antonio
diarrhea.
Therexo, Peraambnco, 6 mezes, Boa-vista ; ana-
sarca.
Gllseno, Pernambuco, 5 annos, Boa-viste; cama-
ras de sangue.
perigo eminente o
CSHMili JLDIiK!X.
flU III AfAL im OOUMEROIO
ACTA DA SESSAO ADMINISTRATIVA DE 31 DE
JANEIRO DE 1867.
PRK81DECIA 00 EXM. SR. DESEMBARGADOR
ANSLHO FRANCISCO PBBBTTI.
As 10 horas da raanna, reunidos os Srs. de-
mtados Rosa, Basto, Miranda Leal e Oliveira,
presente o Sr. deseujbargador fiscal, o Exm. Sr.
presidente abri a sesso.
Lida, foi approvada a acta da sesso antece-
dente.
KXPKDIENTB.
Offliio do secretario do tribunal do commereio
da capital do Imperio, de 4 do expirante, cobrin-
do a relagao dos commerciantos qua all se matri-
cularan) oos doas ltimos mezes o anno prximo
fiado.Que sp accosasse a reoepgjo.
Offlcio do presidente e secretario da junta dos
corretores, datado de 28, remetiendo o boletim
commercial da semana prxima passada.
Foram rubrica os segulotes livros commer-
eiaes ;Diario e copiador de Luiz Doroingues de
Souza Moauptio.Diario do trapiche alfaudegado
Tasso.dem, e copiador de Custodio Jos Alves
Guiroares.-Idem, dem de Aotoolo Augusto dos
Sanios Porto.Diarlo ae Silva Gutmares C.
dem da S. P. Jbnston & CCopiador de
mo da Silva Puntes Gujmares.dem de
Bastos.
O livro de registro de instrumentos'de pr-
de letras cargo do escrivio Albuqaorqoe t
va a mesma numerago e data do ultimo pn,
(1,360. 22 de janeiru), e o do escrivo Alvei o
Brito tem a numerago 1,331 em 29.
DSSPACHC4.
go
E queo nao v que corre
monareba e a nago?
Quera nao v como vao eocamiohados desastro-
samente os nossos negocios publieos
Qaem ja nao v que sa quer boje, tolo transe,
conquistar as urnas por meio da /rude, da violen-
cia e da corrupgSo T
Qpem oio v a uagao opprimida e abatida,
prestes a exbalar o ultimo suspiro?
E ser possivel, que s'eja'mos iodifferentes
tantos males queso nos anlolham ?
Ser possivel, que o dous nicos partidos cons-
titucionaes, que leo ral uo paiz, cruze n os bra-
gos e deixem triumptar a corrupgo e a violen-
cia das urnas, sem p diestarem solemnemente con-
tra semelhaote immoralidade, contra to grande
alternado aos brios da oagao ?
Nao I Napoleo o graodedizia: abragai aos
amigos, perdoai aos inlmigos e persegu aos Indif-
ferentes.
Nao devemos, pois, querer que se oos persiga, e
nao devemos aearrelar com a grave respnsaDUl-
daeda indifferenga.
Nao devemos querer a abstengSo, porque ella
presentemente nos malaria, e nos matara para
sempre I
Quaodo a oago perde os brios e qnando foge-lhe
a opiaio esto por trra as liberdaes publicas; s
fica a escravido que peior que a morte.
E querera Pernambuco perder os brios, deixar
fogir-ihe a opinio e prefeiir a escravido a hber-
dade I *^
Nao I mil vezes nao I
Cinimpem, portanto os dous partaos constimeio-
naes no sen louvavel empenbo, para a consecugao
do nobre e grandioso fira, a regeneragao do sysle-
ma representativo.
L na jo se os dous partidos coostitacionaes, com
verdadelro civismo, contra essa erozada de ambi-
ciosas, que, i todo cuito, querem continuar no
poder, smeote com a mira no mas requintado e
desbragado individualismo.
s urnas Pernambucanos i
S nos pode salvar uma cmara, digna do paiz,
composte dos acasos horneas mais eminentes, dos
verdadeiros patrilas, dos borneas d'aioralidade,
saber a de verdadeira iodependeoeia de c*rae-
ter. Em nm, s nos pode salvar uma verdadeira
representado nacional. Cumpre qoe altebamos,
eoste o que eustar 1
A descreag s sa apodera dos espiritos fra-
cos A esperaaga o ultimo seotimenlo que
morre uo coragao do homem.
Techamos, pois, t nos nossos homeos presumo-
sos, as verdadeiras illustragoes e oos caracteres
nobre dos verdadeiros conservadores e liberaes,
nicos sustentculos da moaarchla e os nicos
escudos da ordem e da Hberdade.
ToManos f aas nossas instuuigdes; tenhamos
f no nosso brioso e heroico povo; tenhamos, final-
mate, f no Imperador, ue nao pede nem dave
ser iDtliff-reole ao futuro da nago.
s urnas, Peraambnoaios dislioclos!
Cumpramjs a nosso dever de cidado, e de
auetra alguma abdiquemos os nossos direitos
, polticos.
i Qoando aos corlarem o brago direito, que com
i >iRarcwa snrtentar a cutitoiao poltica do im
'io nossa loaeparavel compaabeira no pteito
itoral da 3 .de'fev,-rairo, sastentemo-la com o
juerdo; se anda nolo aortarem, agarremos com
para ser registrada a procurago bastante qne fbe
Kassara seu irmo Francisco Augusto de Arajo,
residente em Pars, canslMpdo-o, o bem assim a'
JvS Raymunio da Nativid'ide Saldanba, seas pro-
cura dores.Registre-se.
Dito de Vao Sobsten A C, satisfazendo o des
pacho do tribunal, com a traduego, que juntara,
do rvconbecimento em fraocez da firma de sea as-
.denles, a senMbaada do immorial atbeniense, a
arca >anta'da nssas'flberdades, qoe corre emmen-
Reqoerimento do barao do Llvramento, pedindo ^m *"&&"* ella assun e* en,o pe-
ra ser rainatrada =. nm^nr^n h,c",PX^ jarnos, se a tanto chegar a audacia desse partido
ou antas dessa faegao, orna da perfidia, da traiga
a mais negra, ida ingratidao a mais revoitante e da
ambigo a mais desregrada I
Nao se illudaa, Pernambacanos, com as pro-
mes-as desse falsos e traidores dessps curatos e
() Este artigo deixou de sahlr no aia 1'
ter ebegado (arde oficina.
por
Lm dos maiores oradores deste seculo, dis-
cutindo assumpto eleiloral na assembla nacional
de f ranga, depois da revolugo de fevareiro, pro-
leo, entre ontras bellas cousas, es sesuiates eio-
qrientes periodos, que, por muito aproprlados ao
da de boje, offerecemos ao povo deste capital,
anm de que se compenetre ainda mais da sublimi-
dade do papel que deve represeotar ueste momen-
to. Escutemos o grande orador:
" ..... Ha um dia em que aquelle qae vos
obedece se v vossos seraelbante; em que aquelle
que vos serve se v vosso igual; em que cada ci-
dado, entrando na balaoga universal, sania e ve-
rraca o peso especifico do ulreito de cidado, e em
qae o mais peoueoo faz equilibrio com o maior.
. ........ Ha um da no anuo, em que o mais
imperceptivrl cidado, em que o menor alomo so-
cial participa da vida immensa do paiz inteiro;
em que o mais acanbado peito se dilata no vasto
ambiente dus negocios pblicos; um da em que o
mais fraco sent em si a grandeza da soberana
nacional, e em que o mais humilde sent em si a
al i.a da patria. Que augmento de digoidade para
o individuo, e por consegumte de m .ralldade I
Que satisfagan, e por coosegu ote que apasigaa-
raeolo I Oihai para o obreiro qne val ao escruti-
nio. Elle abi entra com o rosto triste do proleta-
rio, e dabi safte com o olhar de um soberano!
O direito do voto fai parte da enlidade
do cidado. este direito sem o qual nao ha cidado,
este direito qae faz mais que segul-lo, qoe se in
corpora nelle, que corre em suas velas com seo
sangue, que vai, v n e se move com elle, que
com elle livre, e que com elle nasce para nao
morrer se nao cora elle ; este direito iropossivrl
de perder-se, essencial, pessoal, vivo; este direito,
que osOpro, a carne e a alma de am homem.....
_..... No fundo da cooscienda de todo o ci-
dado, tanto do mais humilde quaoto do mafs ele-
vado, no fundo da alma do ultimo do povo. do nl;
timo vagabundo, ha um sentimento sublime, -sa-
grado, mdestructivel e eterno, o direito! E senlimeato, que o elemento da razo dobomem,
e que o granito da consciencia humana, eis o
rochedo sobre o qual vem dar a costa e se quebra,
rem todas as Iniquidades, todas as hypoch>ias-
todos os mos designios dos governos I Eis ah o
obstculo occullo, invisivel, obscarameote perdido
no mais fundo dos espirites, porm iocessantemen-
le pres-nte e em p, cootra o qual topareis sempre,
e nunca o ga-taris, por mais que fagis I Digo-
vos, trabalbo perdido Nao o desarraigareis !
Nao o abalareis! Arrancareis antes o escdibo do
fundo do mar do que o direito do corago do po-
vo!
Este notavel discorso foi de principio a flm fre-
clicamente aplaudido e victoriado pela assembla
nacional.
E praza ao cu que aquelles que boje o lerem
se enrbam do mesmo eoihusiasmo, e corram aos
templos do Senbor fazer efJ-ctivo o seo grande di-
reito poltico, o direito eleiloral.
Slm, corramos todos a depositar os nossos votos
na urna eleiloral. Seo goveroo thoraphar (oque
Deas nao permitir) o seu hyraoo de gloria ser
comtudo na latir do De Profanis. O TeDeum
des-a victoria aera o Dte ira para o p>iz; ser
em fim as ultimas exequias do systeraa represen-
tativo !
Na sexta reir foi eotregne a S. Exc. o Sr. presi-
dente da provincia uma represeotacao dirigida per
crescido numero de proprietarios e habltafites da
fregueziade Munb-ca contra ama chamada qualitl-
cago idegalmente folia no anno passado por juiz de
paz, coja eleigao estava annallada; em lugar in-
competente, sem adiamanto das lisias respectivas,
sem segunda reauio da tal junta quzlificadora,
e sem que por tamo tlvessem lugar os recorsos
legaes.
Documentado como est esta represeotagao de
esperar qne raerega a atteogo de 8. Exc.
Illm. a Exm Sr. conselheiro presidirte da pro-
vincia.-O teoente coroner Pernand Francisco de
Agoiar Montairoyos morador nafreguezia de Muri-
bOcaonde eleitor.oao tendo sido qualificado votante
naquella freguezia e bera assim muttos o'atros ci-
dado* em iguaes circomstaocas, requerea por
si e por elles perante o conseibo de recorso, o ^
qual ordenou que tessera assim o supplicaote como] vosso deveres para com Deas, e o respelto sua
os demais cldados qualifleados, ordem porem que! igreja. aflm de que esse lugar, oade contlaotemeoc,
nao [oi. observada pelo respectivo juiz de paz, te se celebrara os santos mystehos, nao seja profa-
como Ihe cum, ra; em vista disto o supplicaote i nado, aggravando se assim cada vez mais a ra.-
requereu a V. Exc. pediodo que ordenaste ao re- gestada divina, ja, por assim dizer, cansada de
fendo juiz de paz Aeren de Sa e Albuquerque'tantas offensas, com que nos, Albos ingratos e ra-
que dsse observancia a le, incluiodo o nome do baldes Infelizmente the retribuimos os immemora-
~ presidencia,
iram as duas mencionadas casas, a tituio
tomar armamentos e mumgoss que nellas ha-
lara, e s acharara na do Sr. Joao Franciscp Paos
Barrete seis clavlnotes finos carregados com ebum-
no, por serera armas com que provavelmenie ca-
ga va (
Devemos observar que esse cerco leve logar de-
pois qoe vete daquella freguezia o Sr. bario de
uuararapes, que la' fol com sua senhora reduzir
seu condado e irmao a nao tomar parle na eleigao:
o qne nao consegnlram !
Para amanbecer hontem apresentou-se o len-
te coronel Luiz Francisco, e o Dr. Augusto delega-
do, coni 40 pracas de guarda nacional armada, na
povoagao, havendo tomado todas as estradas com
piquetes!
Os eleitores da opposigao representaran) a pre-
sidencia cootra esse escndalo, e consta-nos que S.
Exc. mandara dispersar a forga ; mas nao consta
qu mandasse responsabllisar aquellas duss-aoto-
ridades vioienia e arbitrarias.
Correspondencias
Senhores. Antes de retirarme o'esla freguezia,
julgo de meu dever fallar-vos d'um assumpto de
grande importancia e que ioteressa a' todos vos.
uevais saber que depois de concluida a festa do
glorioso S. Sebastiao tem de e dar coraego a obra
d esta matriz. O estado de decadencia ero que ha
lempos a esta parte se acha esta igreja, alias dig-
na de melhor surte, e que offerece proporg5es para
ser um bello templo, nao pudia passar como uma
causa lodifferente aos vossos olhos. Nao sei por-
que fatalidade, esla freguezia anda nao poude pos-
sulr uica matriz que correspondesse ao grande
numero d>s seus nabit.ntes, e a' sua cathegoria
duraa das melbores cidades d'esta provincia.
D essa falla, senhores, ja' de tenga dala se ressen-
te'o povo, e nao possivel que por mais tempa
continu esse estado de cousas.
Se ha alguma necessidade palpitante em uma lo-
calidade, e que deve quanto antes ser satisfeita
cusa de todo e qualquer sacrificio, a, sem davida.
meus senhores, a existencia d'uma igreja na qua!
a decencia, quando nao o esplendor e a magnlfi-
cencia; esteja em proporgo com lo alto habitan-
te. E' esla uma necessidade, repito, d malor
transcendencia, porque ella concorre para o realce
e magestade do culto calholico, que em todas as
sua formas deve pateolear-se, sempre condigno
com a santidade e grandeza d'Aqoelle qae nao du-
vidoa descerdo seio do Eteroo Pai para viver no
meio de nos. Se bem que seja mais agradavel
Deus aquelle culto que nos Ihe rendemos no altar
de nossos coragSes, todava islo nao im ede, qua
os ebristos reconbecidos a' suprema bondade-
d'iim Deus que assim deseja viver no seio da fr-
gil humanidade, envidem 03 seus esforgos para
preparar-lbe uma morada esplendida e magestosa.
Islo looge de ser um acio de mera ostentago, ao
contrario, ama prova aotheniica do vosso espirito
religioso.
Foi assim que Salomo, tendo de edificar aquel-
la magestoso e magnifico templo, disse qoe nao so
tratava de preparar uma babititago para os ho-
meos, mas sim para Daos opti namque grande
est; nom enim homintbut preparatur habitatio.
sed Deo. "
E, senhores, se os bomens militas vezes habitara
grandes a magnficos palacios, que roaite.que
n> edifiquemos uma morada esplendida para
Aquelle, ante iju-m elles nao sao mais do que p
e craza? Eia, pois, vclorieoses, m os obra!
e Bcai certos de que en concorrerei com todos os
meics ao mea alcance para auxillar-vos n'esta
grande empreza.
Ahi fica a' teste d'esta importante tarefa, como
encirregado dos trabalhos, o honrado e dlgoo Sr.
Betarmino dos Santos Bolco, de enio zelo e activi-
dade ludo devets esperar. Auxiliai-o cam os vqj-
sos coniingentea par essa obra pia, e.a victoria
brevemente contara' em seo seio um bello templo,
onde receberete as'benfaos de Dens, eomo e/t
penbor aeguro de -luthras recompeosas.
Oqtrp sim, moas, senbores, approxima-se o dia
da eleigao, esse dia sempre amargurado pra a
igreja brasilelra, essa dia em que ama massa.de
povo em dilirlo corre agodada para o templo, como
se a Igreja fosse am campo de batalba, ou umi*
gar proprio para eooteodas o pcgilatos eleitoraes.
Sem duvida, o .espir.io que presidio a' essa le das
eleigoes foi prevenir o maior mal polo respelte e
atteogo devidos a morada fo Dens viva; mas,
seanures, vos sois t'ettemoubas oculares tos terri-
veis abu-os que se tem dado, profaoaodo-se os
templos pela effuso do sangue, e pelo troco de
palavras injuriosas, qne s fazem provocar a ira
de Dens, e attrahir sobre nos os ralos de su ins-
tiga por meio de tantos e lio grandes fiagellos com
qae multas vezes nos tem ponido. E este cidade
mesa:a condece por propria experiencia as lerriveis
consequencias d^ste Ioqaaliflcavel abuso. Portaa-
to, raeus senbores, eo vos eomjuro a' que no exer-
cleio dos vossos direitos polticos, nao esqnecais es
supplicanle e dos mais reclamantes na liste sup-
plemntar, provando com doas documentos, o alle-
gado. E porque at o presente a reclama'gao do
supplicaote, a qual agora pela lerceira vea Ira-
veis favores que toSos os dias nos prudigalisa.
Cilade da Victoria, 27 de Janeiro -de 1967.
O vigano encommendado, Sebashao de Andra-k
Fiora.
iMUTLADO
Ilegvel)


:
' -riH*
- ~-^r'&se



... -.
i r r
l*r# e _erfc*o-la.e< Segunda letra 4 dfc Peveretro 4c lBb7.
Ik
Publicares a$eio
W7
ir
0 ofo de figado-de bacaihie ferruginoso
de Gbevrier, pharmaceuico em Pars, subs-
titue se < om murta vantagem as plalas e ao
xarope de iodureto de ferb maisjajjil de
tolerar-se para as pessoas delicadas sseme-
lha-se muito mais beme n5o provoca a cons-
,, pacSo. *'
Deposito em Pernambuco, casa de P. Ma-
rer 4C ra Nova q. (8.
*
O oleo de figado de ba:albo desinfectado
de Chevrier, conserva as qualidades e pro-
pr edades reconbecidas ao oleo de figado de
bacalbo ordinario; o seu ctaeiro gosto
s5o muito agradaveis, e a digestio faz-se fa-
iemtOYenUto gooSr. Jo>0 Lopes Roxa, a,ss8.conbeci.do i Vo|umes Mhidos com fiuenda|,..
nesta cidade fo bastantemente atacado oo gneros
nervoso, apontoque o seu medico assisten-, _
de suaresidencia, paja esta aaaae a ver mj : PaUch, |Dg|ez_Gf0rai(,wa_d;eiD.
o#o*banhossa4adospt)d*riaoWerfavora-.Barca ingitmogene-unv.
vel resultado a sna doenca, vendo que os ba-. Barca ingiezahMia Hamett. tormentes,
nhos s por si nao davam Mudo satisfnto- ^ff^Zl^,!^*"'
rio, visto que de momento momelo soffna i g& inXa^rawranf- CarioT
frequeotPS iuquietacSes, de modo a nao po- Barca Dgfeufi der dormir, appliquei-lhe pela primeira vez Br|oe supco/ofeanni-idem.
urna plala purgativa de veame ^^.^hS^^vSSSSt-
umacolher de xarope etbereo de_ veame 'Brigue nac*ai-*N-raiiffs-idh.
diss'lvido em urna chicara de infuzao de al-: patacho portuguez -Garret -idem.
tha com o que se tem dado muito bem, e Paucho.haua*emnu-'oncofoV--ide*.,.. -
todas as pessftas de sua familia, conhecem" aWKT^'S^dor...
grande melhora que senteed, pois detesrcea i Barca ngieMj_soppAo-farioha de trigo.
nho tem elle usado pela manha urna pobt' Brigue portoiu Vtiao mercadoria.
1 ____ J-___I..: A I-_____k I..., .,,,, C.,,..;.,! Man,
rerdcC, ra Nova n. 48.

f
U'l'JIA
Molestia Ulcerosa
Curada.
-fr
To-ioa iquellea que sa uUo Mtot *>f-
frer molestias scrofulosas, ulcerosas, ou ayphi-
liticas, aind niaaaiQ aa reputadas de peior
natureza, apenas necoSsitSo de lr o egulnt
caso maravilUoao, para que se sintio inteira-
mente convencidos que a sua propria cura,
nao 4 so meramente poasivel mas sini absolu-
tamente certa.
Jao Josa Ferueou. B_bqza, residente
na Cidade de Maranhao, tinha todo o se*
corpo coberto de cliagas ulcerosas, e durante
algunos annos se acliava debaixo do tratainent*
de mdicos os mais afamados, tendo usado
durante todo este lempo quaai tod_ a
de medeeinaa que em taes caso* empregad
pela faculdade medica, porm debalda aem
obter o menor beneficio ou alivio: achando-M
pois em taes apuros ella finalmente resolTeu-
ae, depois de repetidos e baldados esforc* a
fazer uso da]
C DeSsito em Pernambuco, casa de P. Man- Fa" V a Vite" a_oTberr do xarope dissofvi d I E-cWboiiandMa-Spfofe -idem.
na chicara de inf.zo de alinea com um | pKmK dq& pBBgo. dqs gbnbros gojsiTOs 4ffiIIT05
papelinho de pos refrigerantes. M EXPOBtacao. semana de 4 a 9 do hez de
E' j bem conhecido que em todos os ca-: Peterkio de 1867.
sos sao as evacuates um forte remedio con-1 Mercadorias. Unidades. Valores
Decessario faze-las diminuir gradualmente, i Idbmrestiiadaoudoreljlo ... 80o
para que o seu affeito n3o cesse de repente, | Wem Czmil....... ,
-^r --------------------------------------------
|:|BJijeira, k.QOO i .juarla, 1,900 da quiaia, 6,030 (U
.^ 'sbua w HtfO sa.'.co da ultima.
buao. Veuden-se de 11*000 a 12/i o sacco.
DQA.-A iogleza ordinaria vendeu-se coai 34t
^rl premio sobre a (aclara.
,a.Vendea se a ingleza a ,750 rs. a Ii-
do Mediterrneo a 5#0 rs. a dita.
-Venderam-se |J15fllLa caixa.
UNBACA.-Ven|5se*800 o galao.
dem a 4*800 a rsixa.
.-Venderam-se a l*O00 por arroba.
Os Baraengos vwwterain-se a 2#300
r-0 inglez vendea-se a 160 rs. a libra, e
erraneo a 20 rs. a dltt. --
-Vendeu-se o de l>isb*% a 900 a
Vinagre.0 de Portugal vendeu-se de 83*000. a
110* a pipa. ,
* ViNWS.-Ytqdr*r8rse es de Liiboa.d> 180* J
iMJL a pipa, e os de ouiros paizes de 153* a 180*
a dita.
Velas.As de composi^a venderam-se a 00
rs. por pacote de 6 velas.
Descontos.O rebate de letras regaln de 8 a
10 por cento ao anno.
FnETBS. Para Liverpool, pelo algodao Vi d.
por libra 5 % a vapor, V d. 9/1 Por llbra
5 / vela ; Vi por libra 5 /. da prensa hydraa-
lica a vela ; Vs por libra 5 % a vela carrejando
em Macer */ uor libra 5 / a vela, para o Canal,
pelo assucar 35/ por tonelada 5V earregando na
Parahyba 35 por tonelada 5 por cnlo.
E' conveniente o exercicio moderado e com- dem genebra
pleu abstinencia no uso de babtdas esoiri-i dem aleona espirito de agua.
espiri
tuosas7saivo~os que estivetem acostumados. i A1*^,|^m ^^' [ \
que podero fazer usode urna pequea quan- ldem em rama ou em laa
tidade de vinho simples ou com agua.
Assm ofse perca tempo em tomar es-
tas pitlas para qualqaer das seguintes in-
fermlades. Podendo as que usarem ael-
las continuar em seus negocios, visto que
nao preciso resguardo.
arroba
Accidente epilpticos.
Alporcas.
Areias (mal de)
Asihma.
Clicas.
Convulsoes.
Debilitado ou exte-
nuaco,
Dysenteria.
Dor de garganta.
Dor de barriga.
Dor nos rins.
Dureza no lentre.
L'ita no figado.
Ditas veneraes.
e8pe5,^'.jEoxaqueca.
I Erysipela.
'Febre Biliosa.
Febre intermite
Febre de qualquer
especie.

Hemorroidas.
Hydroptsia,
Ictericia.
Indigesto.
Inflammages.
Irregularidades da
menstruago.
Lombrigas de toda es-
pecie.
Manchas Ba cutis.
Obstruccq do ventre
Inflammaca^ do pul-
mao.
Retengo de ourinas.
Rheumatismo.
Symptoma secunda-
rio.
Tumores.
Tico doloroso ou ne-
vralgia.
Ulcera.
Mal venreo.
880
900
3*700
14*800
1*500
2*600
2*300
3*600
4*000
"." -V M"
MOYIMENTD D9 MTO
Sa1 raparrilha
DEBRISTOL.
i
No todo elle apenas chegou a tomar Ointt
Garrafas de SaltaparriBia e qualro frascos daa
Pitulas Vegetan AssucaradoM, e o resultado
foi elle obter una completa e parfeita cura.
Os Sers. FEKMHltA & Cia./Droguistas de
Mantnh.i, forJo qutan supiirirao. oe medica-
mentos, e acbao-ec perfeitamente ao facto
d'este caso, e oa mesmos Senliores, nao so be
acli&u i'rouptos i. confirmar o mesmo, como
tml)tr!i tm foroecer o actual adresso do Ser.
BATtBoZA, i toda c qualquer pecsT>:i que poV
rentrrrs w deeejc inforrar da rcrdnde.
Ricoinmenda.se mu particularmente ao
Doi-iitcs quo tenhao o malar cuidado na cscolht
dcst.: excelk-nte remedio, nao Usando outro i
nao ser a Genuina Salsaparrilha de Bristol,
a qual exclusivamente preparada poi
LAMAN &KEMP,
Uc NOVA YORK,
{.y.* que todas as mais sito inefficuzee e de nao
*um pr->stimo
Plalas purgativas de veame-
Este inestimavel especifico, composto in-
teiramente da planta to nosso paiz denomi.
nadaveame e seus adjuvantes, benigno
mais teora infancia, e a compleifo mais de-
licada, igualmente prompto e seguro pa-
ra desarraigar o mal na con pleic. o mais
robusta; inleiramenie innocente em suas
operaces e effeilos; pois busca e remove
as doencas de qualquef especie e grao, por
mais antigs e tcnaz.es que sejam.
Muitas pessoas coradas com estas pilulas,
conhecem s virtudes e effeitos deltas; algu-
mas, que estavam s portas da morte, pre-
servando seu uso, conseguramrecobrar a
saudee forcas, depois de haver tentado ou-
tros remedios.
Os chefes das familias n3o ("evem entre^
gar-se a desesperado ; facam u mensaio
los eflicazes effeitos destas pilulas, o pres-
tes recuperado o proveito da saude. Ra-
z6es bem ponderosas, exjstem, pelas qua^s
devem ellas sV preteridas a outras. mui-
tas, que sao expostas a venda.
Primeira por ser da urna planta do lo-
ds qne habitamos, e n5o ser inferior os
atus effeitos as que nos vem de outros pai
zes; segunda, porque deste modo qua
se aGoroQa a oossa industria, e est isto vi-
alcance de todos. Ha bem poneos d's,d
os publicado neste Diario um discursode-
illustrado Sr. De. Sarment em que nos cov
m8troo esta verdade; terceira, porque
na at quatro pilulas produz ha mais rop
testa natureza o effeito rgativo se-md
otlensa e irrit&cao das entranbis e das ou-
tras sao precisas quatro e seis para esse
effeito, sendo qne as caixas cootm 36, p-
lalas e as que veem.de.frjr a maiora teem
24.
Quando digo cima: benigno a mais tenra
infancia, porq'ne podem ser applicadas ao
meninos de peito; e explico como : cortaj
ama plala em duas partes, arredondai, que
a massa a isto se presta, abra bocea da
creanga, (se fr de mezes, eUias em A.p^f-
tes)ebotai urna das duas partas perloda garr
gacta, dai em cima urna colhtr de,sopa de
agua fra simples ou assucarada ou mais se
6r preciso, at que, a pHula seja engolida,
e dahi algumas horas applicai novas cp-
Iherinhasda.agua, sem esfrco porque se
honver wde, ger roebida pela' creanca
com agrado; e eonttnuai no espado do dij
a esperimeniar'deg se ha sede, para satis/a-
2erdes. Obiervai a vossa creanca, vede se
pilula produzio elfelo purgativo, para ver
se a tarde ou a noite precis dar segunda,
continut com este tratamento, sede perse-
verantes at o completo restabelecimento
Um facto bem notavel de recente dtame
Lotta tne.
Yendem-se as caixas a 1*000 rs. na bo-
tica do abaixo assignado na ra Direita n.
88. e de urna duzia para cima a 800 rs. ca-
da caixa ; contm urna instrueco, para ex-
plicar o modo de usar-se destas pilulas, tra-
ctaodo de cada urna das molestias de per si.
A nstruccao est assignada por meu pu-
nhe, para evitar as imitaces.
Jos da Rocha Paranhos.
Ao Sr. Dr. Antonio Borges
&i Fonseca
Declaro ao Sr. Dr. Borges. da Fonseca
que nao autorise a S S. nem a pessoa al-
guma a ocluir meu nome em sua chapa
eleitoral publicada no Diario de hije i de
fevereiro, pois que nao parlilbo das suas
opimoes, porlanto oo posso consentir em
que meu nome ah figure. Reafe Io
fevereiro de 1867.
Joo Paulo de Souza,
de
AgiadcciuieBto.
O abaixo asignado, tendo sido nomeado pelo
governo geral, por deerrto de 5 de deietnbro do
anuo prximo passado, para o lugar de porteiro
dos auditorios do termo desta capital, (altara ao
mais sagrado dever se deixasse de recorrer a's co-
lumnas deste jornal, para cordialmente tributar
um voto de reeonhecimeoto aos seas bemfeitores :
agradece a todos os seos muito digoos joizes as
maoeiras urbanas com qne sempre o trataram, na
qualidade de lcial de josuca do foro desta capi-
tal \ offlcio este que o abaixo assigoado exerceu
ao periodo de i annos e alguns mezes; fleando
desta dala em diaote exonerado daquelle ofBcio,
limitando-se scente a exercer o seu emprego,
para o qoal foi ltimamente despachado : aprovei-
ta a opportunidade para pedir a todos os Srs. jui-
res, aos Srs. advocado*, e mais pessoas do Iftro
desta capital pelas faltas commeltias pelo abaixo
assignado, no exercicio dfajaelle offlcio. Sao estes,
Srs. Redactores, os sentimentos de"justiQa do ho-
mem reconhecido.
Recite, 4 de iVvereiro de 1867.
Francisco Manee/ de Almeida,
porteiro dus aaditerios.
^----v4-
jnras prodigiosas e admicaveis prdu-
zida? pele uso > jnrnbeba.
Passagem da Magdalena 24 de Janeiro de 1867.
Iilm. Sr. Joarjnim d Almeida Pinto. Eslava
stiUrendo de uiflaiDmgao ao figado a ponto de
privar-me de Ir para miabas obngacSes quando
fui acooselbado que usasse do vinho de jurubeqa,
e ara emplastro, antes de concluir os remedios
achva-me forte eem sentir o mais leve incom-
modo, tu je acbo-me perreita mente sao.
Port&nto o vinho de jurubeba um remedio p-
dero;opara cmbater o mal do figado. De V. S.
atiento venerador criado
ManoelAlves Pereira.
Arroom casca ......
dem descascado ou pilado >
Assucar maseajado ....
dem braMJPP. ..*...
dem r%finaao F
Azeite de amendoim ou mendo-
bim ...... caaada 2*300
dem de edeo .4fct_. t 1,&890.
dem de mamona .... i ., W*^
Batatas alimenticias.....arroba, 1*500
Bolacha wlinaria, propria para _
enibarque.......
dem ana.........
Caf bom .......
dem escolha ou restolho.
dem torrado .*.... libra
Caibros........um
Cal......,. arroba
dem branca *.
Carne secca (xarque) ....
Carneiros .......um
Carvao vegetal.....arroba
Carvenas de sicupira urna
Cera de carnauba em bruto. libra
idem idem em velas ...
Cha. .-......
Charutos .......cento
Ccvados (porcos).....um
Cocos (seceos) 1 cento
Colla........libra
Couros de boi, salgados. *
dem idem seceos espichados
[dem idem verdes. .... i
dem idem cabra cortidos um
dem idem de onca.....
Doces seceos......libra
dem em gela 'ou massa
dem em calda......
Espanadores grandes ? um
dem pequeos *.
Esteiras para forro de estivas
de navio........ cento 16*000
Estopa nacional.....arroba 2*000
Farinha de de mandioca alqueire 3*000
dem de araruta.....'- arroba 9*000
Feijao de qualquer qudlidade 4*000
Frechaes........um 5*000
Fumo em tolha, bom .... arroba 15*00
dem ordinario ou restolho.
dem em rolo bom..... > 10*000
dem ordinario ou restolho 8*ooO
Gallinbas........urna 1*000
Gomuu.........arroba 3*000
Ipecacuanha (raiz)..... 25*000
Lenha em achas......cento 8*500
Toros......... 12*000
Linhas e esteios......um 6*000
Mel oiimelaco......caada 160
Milho.........arroba 2*500
Papagaios.......um 35000
Pao Brasil........qanal 6*000
dem de jangada......um 3*000
Pedras de amolar.....urna 900
dem de filtrar...... 't 800
dem de reblo...... 1*000
Piassava........molbo 160
Pontas, ou chifres de vaccas ou
novilhos.......cento 3*800
Praichoes de amarello de dous
costados,.......um
Idem de louro......
Rap.........libra
Sabao......... >
Sal.......... alqueire
Salsaparrilha......arroba
Sebo em rama......
dem em velas......
Sola em vaqueta ..... urna
7*000
6*500
440
360
400
580
3*800
43000
14600
3*500
320
300
2*000
3*000
155000
45000
660
160
260
100
380
105000
1*000
360
520
4*000
2*000

OMMERCIO.
Navios mirados no da l\
Rio de. Janeiro 21 dias, brigue inglez Uarilet,
de 237 toneladas, ca^ilo John Me. Dearmid,
equipagem 8, em lastra ; a Saunders Brotbers
4 C. Seuuio para Macei.
Hvrt 39 das, barca fraaceza Saint Andre, de
68 jonuladas, capitao Parrot, eqoipagera 13,
cam#- diffsrenlts mercaderas; a E. A. Burle
&C.
Liverpool por Lisboa, 26 dias do primeiro porto e
16 do segundo-Vapor inglez O/inda, de 516 to-
nelada!, commaudaote B. Becley, equipagem 24,
carga fazendas e outros gneros; a Tnoqm Jet-
feries & t; ....
Iqnique ( 00 Per) 63 dias, barca iogleza Hamp
Ion Cout de 275 toneladas, capitao C. Crauford,
equipat;m /O, carga salitre; a' ordem. yeto
refrescar e seguio par Falmoulb.
Naotos salados no memo da.
Canal-Brigue inglez Hitty Mary, capitao Henry
Davis, carga asacar.
Liverpool Vapor iogiez Ironstds, coramandanle
S. T. S. Locky, carga algodo.
HavreBarca frauceza Veridtana, cepito J. Cba-
lous, carga algoao e outros gneros.
Navios entrados no dia 2
Peoedo-8 dias, hiate brasileiro Sania flfh, de 55
toneladas, capitao Manoel Fraoklin do Amaral,
equipagem 7, carga 194 fardos de algodo e ou-
tros geoeros ; a Tasso Irmos.
Macelo-2 ias, escuba portugueza Audaz, de 156
tooeladas, capitao Aotoaio A. Rodrigues, e;uipa-
gem 8, em lastro ; a ordem. Veio receber pratico
e seguio para o Ass.
Navios sahtdos no mesmo dta.
BarcelonaPatacho hespaqhol Voluntario, capitao
Jos Pages y Marustany, carga algodo.
demPolaca bespaohola Dana, capitao Jaymn
Ferref y Bertrn, carga algod.'.
CanalEscuna beliandeza Jacob Johanna, capitao
Avander Meulen, carga assucar.
liha de MigaelBarca portugaera Parary, ca-
pitao Auusto Borgns Cabral, earga assucar.
Marseille-Barca rranceza No, capitao Pessler,
carga assucar.
Lisboa-Briguc porlugaez Constante 11, capitao
Eugenio Jos da Costa, carga assucar e outros
gneros.
Navio entrado no da 3.
Aracaty7 dias, biate brasileiro Dous /rmaoj.,de
64 tonelladas, eaailao Vicente Ferreira da Costa,
equipagem 8, carga 118 fardos ds algode; a
Tasso Irmos.
Naci sahido no mesmo da.
Rio Grande dq SalBarca brasilelra Amelia, ca-
pitao Jsqalm Antonio do Soccorro, carga as-
sucar.
Sobrado ue ero anear, solae leja.. ftOOOfOOO
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cite, 25 de janeirode 1867.'
O escrivo interino,
: Bedre Rodrigues da Souza.
Santa Gasa da Misericordia
do Recite,
Alltma. junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recite manda fazer publico qne
no|dia 7 do corffcoie pelas 4 boas da tarde na sala
de suas sessoes, tem de Ir a pra^a a renda das ca-
sas abaixo mencionadas para serem arrematados
por aloguel pelo lempo de um a tres annos.
Os prelendentes develo apresentar carta de flan-
ea on serem acompanbados de seas fiadores oo
eom cartas des mesmoes.
E^Ubeleciweatos ic caridade.
Ra dos Pescadores.
Casa terrea n. 11.......216*000
Ra da Gloria.
Casa terrea n. 55.......144*00of
Ra do Calabouce.
Casa terrea n. 20......192*000
PatriUBio de orphos.
Ra da Qadeia do Recite.
Sabradcde dous andares n. 57. 1:200*000
Ra dos Burgos.
Casa terrea n. 19 h ...... 101*000
Madre de Deus.
Casa terrea 94.......... 168gOO0
Ra de Pilar.
Casa terrean. 94. .....IMflOOO
Sitio do Forno da Cal n. 5. 150*0tk
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Recife 31 de Janeiro de 1856.
O escrivo interino,
Pedro Rodrigues de Souza.
SantrGasa"da MisftriCkiiia d> Recife.
endo de fladar-se em 30 de junho do corrente
anuo o arrendamento do sitio da liba do Nogaeira,
propriedade da Santa Cua de Misericordia, a
Illma. junta administrativa manda fazer publico a
quera coovier, para que com antecedencia o vao
examinar, afira de apresentarem su>s propostas
que sero recebidas nesta secretaria, onde se da-
rao todos os esclarecimentos precisos aos interes-
sados. *
Secretaria da Saota Casa de Misericordia do Re-
cife, 17 de Janeiro de 1867.
O escrivo interino,
Pedro Rodrigues de Souza.
LOTBR
Orre sexla-feira 8 de fmrviro.-
Acham-se venda na respectiva thesoa-
rria, ra do Crespo n. 15, os bilhetes,
meios e quartos da 32* parte da lotera a
beneficio das familias dos voluntarios ta
pati a (51) sendo a extracto nd lugar e hora
do costume.
Os premios de 6:0000000 at 100000
ser5o pagos urna hora depois da extraccao
at as 3"horas da tarde, e os outros depois
da distribuido das listas.
As encommendas sero guardadas somen-
te at a noite da vespera da extraccS.
O ihesoureiro,
_____Antonio Jos Rodrigues de Souza.
ATTE\C40
Precisase de una poriuguei dos ltimos
dos para andar com outro cum um boi :
lente guemiro Cinco Pootas n. 91.
ebeps-
no a-
A Itencao
20*000
10*000
1*000
160
400
25*000
5*000
7*000
2*000
140*000
87*000
35000
2*000
6*000
380
104000
8*000
6*400
800
EDITAES.
KjgPia^
Pela adiniulstracao do correio desta cidade se
faz publico para Qns convejientes, que em virtuik
do disposto no arl. 138 do regularaeulo geral da*
correios de 21 de dezerabro de 1814, e art. 9 do
decreto n. 185 de 15 de maio de 1831, se proceder
o consumo das cartas existentes na admioistrago,
pertencentes ao mez de Janeiro do anno passado,
no dia I de fevereiro preximo, as 11 horas da ma-
nba, na portt do mesmo correio, e a respectiva
lista se acha desde j' exwsta aos interessados.
AdministraQoda correio de Pernambuco, 21 de
janeiro de 1867.
Domingos dos Passos Miranda
Administrador.
AVISOS MARTIMOS
fiOHFAMHA BRSULEiKi
DE
Paquetes a vapor
Dos portos do sal esperado
al o dia 8 de fevereiro o vapor
Paran, commandale Santa Bar-
bara, o qual depiis da demora do
JJ costume seguir' para os portos
do norto.
Desde ja' recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder cocduzir, a qual devo-
ra' ser embarcada no da de sua chegada; e en-
commendas e dinheiro a frete al o dia da sabida
as 2 horas: agencia ruada Cruz n. Rescripto-
rio de Antonio Luiz de Oliveira Azi-vedo & C.
Para Lisboa
O brigue portuguez Lata 1, capitao A- F. Vieira,
Precsa-se de urna ama d< leite sem ftlbo : as
Cinco Ponas n. 102. ________________
our *867.
Agence d'Abonnomeals tous jouruaus .."."..-'
rope. Distributiun gratuito de spcuBens etca'.u-
logaes
RU DE CRESPO N. 9
Ubr^lrle Fraa^aisc.
luga-se ai maio urna das melno-res casas
ra Santo Amaro d? JaboatSo : quem pretenW
filie na mesma casa junto a professura pnbl a
ou na alfandega com Antonio Machado Gomes da
Silva. _________ *________
Pecia-e da urna ama para comprar e cv.'i"
uhar na ra da Cruz n. 62, segundo andar.
Voou de urna casa detraz da casa de deten-
qo hontem 31 de jan'jiro umi arara candld min-
io manca e {alia bastante, com ama arg>la de la-
ta o em um dos ps : qoem a pegou querendo res-
tituir a sea dono dirija-se a toja de charutos na
ra larga do Rosario n. 30, sai ser recompen-
sado.
Na loja da ra do Crespo n. 16, so din quem
da' a quantia de 5:0005 a premio com bjrpotheca
em algom sitio perto da cidade sobre as codn,6 *
qae se convencionar;_______
0 abaixo assignada vai ms portos do norte 8
deixa por seu bastant*procurador ao Sr Antonio
J >o Purtado com .1 -nos poderes para tratar de
lodos os seus negocios.
R-:ce 31 de janei o de 1867.
ADtonio AtTonso Moreira.
Caixeiro
Preci>a-se de nm mofo para caixeiro no hotel
Veneza do Norte : na ra das Cmzes n. 39
XaKOPE DEP-IATIVO~
DE TASCA DE LARANMS AMAIKiAS
COM IODURETO DE POTASSIO
DE
I.P. Lar o je.
ph^rmaceutico em Pars
O iodureto de potassio um yerdadeiro al-
terante, um depurador de incontestavel fcffi-
cacia; combinado com o xarope de casca de
laranjas ^margas, aturado sem pertubacao
alguma pelos temperamentos os mais fracos.
sem alterar as funcges'do estomago. As do-
ses mathematicas que elle contem permittem
aos mdicos de receital-o para todas as & m-
pleices, as affeccoesescnfulosas, tubercu-
losas, cancerosas e nos accidentes intermit-
vai sabir breve, recebe carga a frete e passgei teutes 6 terceiros; alm d'isso, 0 agente o
ros irata-se com E. R. Rabeiio ra do Trapiche n.' mais poderoso contra as doencas rheumticas.
PRACA DO RECIFE 1 DE FEVEREIR*
DE 1867.
As 3 )i horas da tarde.
Algodo i* sbrte 13*300, e 15*500 por ar-
roba, .
Descomo de le tras de 4 mezes 8 */. ao anno.
Silveira.
Presdeme,
Macedo^
Secretario.
Bfevo Baoeo ile Pernaubnco.
9 Novo.Bance descoma letras de praeo at qaa-
iro mezes a 8 0|Q ao anno, e de tnaior praso a
100(6
mm m m
0 novo bapco paga, o se-
gundo dividendo de 4,4 OjO
da massa* fallida d^ Joapim
Jos Silveira.
Gia hlial de baiea do Brasil em
Penambaco aos 10 de Janeiro. a>
?86?.
De ordem da directora se faz seiente aos se-
nhores accionistas que o tbesoareiro est' aptori-
ido a pagar o 26 dividendo das accoes desta cai-
xa a razio de 12*.
O gaarda-llvros
-- Ignacio Nones Crrela,
ALFANDEGA.
Rendlownlo do da 1 de fevereiro. 60:626*030
MOVIMENTO DA ALFANDEGA.
Volamos entractoi com fazeodas.. 194
Taboas de amarello ... ., duzia
diversas......'
Tapiocas .......arroba
Tatajuba .......quintal
Travs.........urna
Uubasdeboi......cento
Vassouras de de piassava
Ditas de timb ...... >
Ditas de carnauba.....
Vinagre.........caada
Alfandega de Pernamnco, l.#de fevereiro de
1867
AD1TAMMBENT0.
Cera de carnauba arroba 65400
Cassueiras de Jacaranda. duzia 950000
Enchameis......nm 1(5500
Esteiras de carnauba. urna 160
Ossos........arroba 240
Palha de carnauba molho w00
Peana de ema libra 20UOO
Sapatos de couro branco.- par 800
Era ut supra.
Approvo Afandega de Pernambnco 1.* de fe-
vereiro de 1867.A. Eulalio.
Assignados. Os l.M conftentes, Francuce de
Panla Goncalves da Silva e Jos Rtbetro Guimaraes
Conforme Eutidlio Mondtm Pestaa.
RECEBEDORIA DERENDAS INTERNAS
GERAfcS.
Rendimenlo do dia 1 de fevereiro, 421*038
PRACA DO RECITE
1 DE FEVEREIRO BE 18f.
A'S TRES HORAS DA TARDE.
Revista mmumI.
Ciiuies. Saceou-se sebre Londres a 23 Vi.
24. e 24 Vi d. por 1* ; sobre Paa a 400 rs. per
ir., e sobre Lisboa de. US a liO rs. por cento de
premio ; sendo o valor dos saques effuctuados pe-
lo vaper ioglet de 80,000; e para o Rio de Ja-
neiro a 2 % ae descont.
AlgodaY Vendeu-se o de Pernauboee de Ia
sorle de 16*300 i 15*500 por arroba; de Macei,
posto a bordo, a 15*600 o de fsorte, 14*700 o
de 2a, e a 12*500 o de refago ; e o da Para.
byba, labem pustoa bordo, de 16*00 a 17*000.
AssecAH.Vendeu-se o branee de 3*409 a 4*400
or arraba, e somenoa de 3*100 a 3*200, mas-
cavado porgado de 2*400 a 2*600, e o dito brote
de 2*050 a 2*400 a U. HTe
Af AaosNTg.Vendeo-se de 4*000 a 60*080
a ia.
Coiaos G*. saceos e salgada* venderam-se a
160 rs. per libra.
A nuez. -O pilado da India vendeu.se a 3*000
a.arroba, e e do Maranhao a 3*200.
Azbits eoca.Vendeo-se o de Lisboa a 2*654
e clao.
Bacalho.E atacado vendea-se a 15*500 a
barrica, e a retalbe de 15* a 10*000*;'-
caodo em deposite. 13,500 barricas.
Batatas.Venderam-se a 800 r. a arreba.
Bolachinha.dem a 3*000 a barriqoiaba.
CAFfc-Vendaa-s de 4*8Q0 a ."UN a amiba.
CaL-Utai de l*800.a 2J40O a |*ra.
C8BVMA.-Idm de 5*400 a ?*000 drala d|
Fawnu na Two.-ReUlbon-se de W*000a
25*000 por barrica da de New-Yerk; de 24|000
a 25*000 a de Ph.ladelpbla ; de 23*000 a 24*000
a de Baltimore ; a 23*000 a besDaolfcla; a 15*000
a frauceza ; de 15*000 a KJ*000 a de Trlestt ; e
de 9*000 i 10*000 o sacco da do Cbile; fleando em
deposito 14,400 birriea e 10,000 saceos, seode :
3,000 da primeira, 1,000 da e|jonda, ,00 da
O Dr. Trislo de Alencar Araripe, offlcial da impe-
rial ordem da Rosa, juiz de direilo especial do
coramercio desta cidade do Recite de Pernambu-
co, seu termo, por S. M. Imperial e constitucional
o Sr. D. Peoro II, a quem Deus guarde, etc.
Fago saber aos que o presente edital virem e
delle noticia (iverem que no dia 18 de fevereiro do
anno prximo vindouro se ba de arrematar por
venda a quem mais dr, em praga publica deste
juizo o seguiote:
Um terreno n, 26, com 33 palmos de largo, sito
na ra da Cruz do Recife, qne do predio incen-
diado na mesma roa comprebendida as meiacdss
dos oil5es do referido predio e matenaes existen-
tes qae se podem sproveitar, avallada em 1:000*
cada, urna parte, sendo a parte pertencente a ex.e
colada D. Manoel da Conceiglo Reis Duarte e
4:911*207, da execulada D. TriQna Filomena
Alhanasia de Jess Duarte 5:980*807 e da execula-
da D. Rita Mana Fransisca de Santa Rita Duarte
de 5:000* ; sendo a avahado total das trea. partes
pertencentes as ditas executdas de 3.000*, o qual
fdra peoborado por execugao de Jos Antonia Mo-
reira Dias contra as mencionadas execuladas.
E nao havendo langade-r que cubra o prego da
avaliaco a arremalago sera' fet-a pelo prego da
adjudicaco na forma da le.
E para' que ebegue ao conbecimento d^e todos,
mandei passar .o presente edital, que ser publi-
cado pela imprensa, e adiado nos. lugares do
costume.
Ea Manuel Mara Rodrigues do Nascimento, es-
crivo, o subscrevl
Tristo de Alencar Araripe.
44, seguotw aodar, on com o capiluo.
Para a Bahia
Vai sahir at o dia 8 do corrente o velelro bri-
gue nacional Mana t Alfred capillo Joaquim
Sabino G^ngalves, por ter a maior parte do car-
regamento engajado, receba ainda alguma carga
miuda, tratase com o consignatario E. R. Rabello
ra do Trapiche n. 44, segundo andar.
Para o Rio de Janeiro
O brigue nacional Beltzano, sahe para o Rio de
Janeiro quarta-fel/a 6 de fevereiro corrente^men-
U recebe escravo a frele : a tratar com os con-
signatarios Marques, Barros & C, ao largo do Cor-
po Santo n. 6, segundo andar._________________
O Dr. Tristo de Alencar Araripe, offlcial da impe-
rial ordem da Rosa, e juiz especial do commer-
oio nesta cidade do Recife de Pernambuco, por
Sua Mgesiade la-penal e Constitucional, etc.,
etc.
Fago saber aos que o presente edital virem.e
delle noticia tivrem, que oo dia 25 de fevereiro
do anno prximo vindouro se ha de arrematar por
venda a qoem, mais dr, em praga publica deste
juizo, as tres quintas partes do sobrado de tres su-
dares a. 47, da. roa da Imperairis, fregueaia da
Boa-Vista, em chaos foreiros, com trinta e qoatro
palmos de largara e cento e cinco de fondos, duas
salas e quatro quartos em cada andar, cozioba fu-
ra no primeirQ e segundo andar, e tambem no pa-
vimento terreo com quintal grande e murado, e
divide em mel com mais um quarto e estribara
em dito juintal e cacimba, avalladas ditas partes
por I2:000*oa0, sendo a avliagao M do mesmo
predio de 20:000*. As quaes fora> penheradas
porexecogio d.e.Soalball Mellors & C. coo^a, Joao
de Siqueir Ferrao. E nao navpndo langador qae
cobra o prego da avaliacao, a arrematagao ser
felta pelo prego da adjudjeagao na forma da lei.
E para que ebegue ao conhecimento de todos,
mandei passar o presente qne ser publicado pela
imprensa e affixado nos lugares do cosame.
Recite, 19 d* dezerabro de 1866. Eu Manoel
Maria Rodrigos do Nascimenlo, "escrivo, o snb-
screvi.
Trlstao[de Alencar Araripe,
Barca Silva
EECLARAOiS.
A cmara municipal desta cidade, tendo de
proceder no dia 5 do corrente a apuracao geral
dos votos para um depntado assombla desta
provincia, de cooformidade com o 12 do art. 1*
do decreto n. 042 de 19 da seiembro de 1055, e
art. 25* do decreto n. 2,021 da. 92-de-agosto de
1060, convida aos eleitores dos doos collegios que
comedera o i* districto, a comparecer em o dia
''*' 4o para assUtirem a citada anuraeao.
da- cantara onnieipal do Recife, 30 de ja-
, de 1007.Gasiavo Jos do Reg, pro presi-
ente.Francisco Canato da Boa-viagem, secre^
Uno.
A Illma. junta da Santa Casa de Misericordia
do Reeife na sala de snas sessoes pelas 4 horas da
tarde do Ota, 7 de fevereiro fuiuro, arremata a
qoem mais vanUgens fferecer as rendas daa se-
guales casas pertencentes ao patrimonio des or-
848*000
Pretende seguir para Lisboa e Porto com a
maior brevidade possivel, trata-se com os seas con-
signatarios Amonio Luiz de Oliveira Azevedo &
C, M aeu escriptono raa_da Cruz n. 1.________
' Para o Rio Grande do Sul.
O veleiro patacho Sol, preieude seguir com mul-
ia brevidade, tem parte Ce seu carregaraento
prompto, para o resto que lhe falta trata se com os
seos coosigoatarios Antonio Loiz de Oliveira Aze-
ve)o & C., no sea escriptorio roa da Craz n. 1 ou
com o capitao na praga________________
Para o Para.
A barca brasileira Raio, capitao A. M. Costa e
Silva, segu cora brevidade para o Para, por isso
que j tem bordo parte do carregaraento ; o res-
to recebe o frete : e tratar no escriplorio d'Amo-
rim Irmos, ra da Cruz n. 3.
Para Lisboa segu caro brevidade o brigue
portuguez Florinda : alta-lbe menos de um tergo
de carga que recebe a frete : para tratar no es
criptario d'Aitorim l.rmao', roa da Craz n. 3, oo
com o capitao Joaquim Augusto de S'inza._____
Para Lisboa.
Vai sahir com muita brevidado a vele ra e bem
conhecida barca portugueii Grattdao por ter
grapde parte da sua carga prorapta: P3f o resto
e passageiros trati-se com Oliveira, Filho, 4 C,
largo do Corpo Sanio o. 19, ou com o capilao, na
praga,
Djposito em todas as pharmacias e casas de
drogaras no Brasil.
Expedices, em casa de J. P. Laroze, rue-
des Lions-St-Paul, 2, Pars.
A' venda na pharmacia de P. Maarer &*
C.V roa Nova n. 18.
A LEGITIMA
uiuriMu
__
Para Lisboa.
Segu em, poupo das o brigue porlugusx Con-
cfife de Marta, por ter parle de seu carregaraenr
to prompto : para o reslanie e passageiros, trata-
se com Oliveira. Fjlho, 4,0-, largo dp Corpo Sanio
o. 19, o.cora o capuo na ^raga.____________
Vende-se a polaca nacional Pelotense
de i 36 toneladas ou cerca de 7,000 ar-
robas prompta de todo o oecessario a um
navio bem equipado, excelle,?^ construccao
forrada d& cobre e muito ellera. Os pre-
tendentes queiram eiamina-4a no ancoradou-
ro da cartre secca e para tratar coto Fran-
cisca Ribtiro Pinto Goimaraes: ra do
Apollo n, 24 a? aodar.
-r-.---------r-------
PAilV
Pretende seguir com brevidade para o indicado
porto o veleero brigoe esenaa nacional Graciosa,
capitao Silva Ratis ; para a pooca carga que (be
falta trata-se eom o respectivo consignatario Anto-
nia de.Almeida Gomes. a rna da Craz n. 23, 1>
8dar.
Roa da Madre de Dens.
Sobrado de doos rodares e loja n. 1.
Rna da Cadeia.
MISOS DIVERSOS.
Precisa se de urna pessoa que saiba
lr para distribuidor deste Diario, prefe-
re-se a quem j tenba servido noexercito :
i tratar nesta typograpkia._________
O Sr. Fraocfsco Cornello da Fonseca Wm
ama carta na ra do Queimado n. 40.
Criado.
Precisa se de um criado : na,roa,daa Croles n.
61, hotel.
Alosase a loJa""dTsoDrado di ra das Cxu-
zes n. 9 : a tratar na primairj andar do mesmo
sobrado.
PREPARADA MCAjfiEliTE POR
LAMAN k KEMP,
NOVA YORK
Composta de substancias, gozando d-a
propriedades eminentemente depurativas a?
*pprovada pelas juntase academias de me-
dicina; usada nos principaes bospitaes, ci-
vis militares e da marinha najs} ntilbas e
qo continente americano ; recel' ada pelos
'acultatvosos mais distinctos do imperio do
Brasil e da America bespanhol
CURA RADICALMENLE
escropbulas, rheumatismo, escorbuto, en-
ermidades venreas e mercariaes, chagas
antigs, morpbea e todas as molestias pro-
fenientesd'um estado vicioso do sangne.
Emquanto existem varias imitaces e
'alsificacos. preciso a maior cautela para
evitar os engaos,
A legitima salsa de Bristol vende-s por
CAORS 4 RARBOZA
JOO DA G. BRAVO di C
Joao da G. Bravo dfC-
At]teii0ol!
Acha-se fgida a escrava VicU>rina, crioula d>
idade penco mais on meaos de 30 annos, rooito-
rlsonba, tem o andar apressade, foi escrava da
Exma. ira, D. Maiia C-odida Salasar da Veiga
Pessoa, moradura na-ra do Hospicio, esla fgida
desde Qns de abril doanoo, prximo passado; cons-
ta estar por Santo Amaro, on Soledad, Descos-
fia-se que ataja como ama forra em alguma cas
onde'pouco saia : roga-se a pessoa em coja casa
eslea ou a quem del'a livec noticia de der cm o seshar da memaeserav Sebastlo J*>
Gomes Peona Jnior na, Capunga roa da. Ven-
tura ou na praga da Independencia n. 37 e 30
loja de calgado do Sr, Aalonin Augusto dos Saaios
Porto.
Antonio Alberto de Sonta Agniar vai a' pro-
vincia do Ceari, aonde o chama o dever de grali-
dio para eom oo seu prente e am go : dorante
sua carta ausencia (10 a SO das) fie eocarregado
de lodos os. se.us. n^gatQS.SBU.CjihadA-.Si. Jua-
qoim Felippe da Costa. _________
Precisa-se. de urna ama de meta idade para-
casa de rapaz solteiro : na ra da Iroperalria
o. 77. __________ -
* roa doi Cclhos, fres-

.
-
^
Aluga-se a casa n. 6 a'
ca e propria para esiudantes
Mondego, otaria n. 13.
a tratar a' roa da
.-.- -*
MUTILADQI

\
i i



> lllllll "'
""V
^.*-
-- *i
-_. I atfto .. IM H
I

*


^

Mario de PrnA&rti.c tfgffftAt felr 4 4f Fcverclro Je 186?.
primaria dirigida pelos pudres je uitas.
ca
Os padres B-nto Scbameri eMarlo Areioni auton?ados palo conslh<) de inslracco
publica a abriiem ama aula de instroecSo elementar e outra de grammatiea e liucaa la-
ta anouociain ao respeitavel publico que estas aulas lero comego no da 4 de feverei-
ro do correte anao.
Sao admirados gratuitamente os meninas cujos pais forem pobres, sendo o estado
4e pobreza de*ts provadofor altestado do parocDo.
Os pas de familia por.n quequiierem pagar a instruecao de seus filhos podero
eoovencioar cora os referidos padres.
Havera aola de raenhaa e de urde, da manha desde as 9 horas al ao meio dia
e de tartl-j desde as ale as o horas.
Eslas aulas fuoccionam oa ra dos Pires a. 43.
COLLEGIO DA CONEIC\0
PARA EDUCADO' DO SEXO MASCOLINO
% Estobelecido no bairro do fecife, rua da Madre de
Dem, em o anno de 1866.
E DIRIGIDO POR
MANOEL ALVES VIANNA.
E para as aulas sgolTites : primeiras letras, Jatim, fnncez, inglez, geometra, geograpbia,
pbilosophn; r&eiorlca, flsseoho e msica, lendo por professores os senhores : Honorato
Augusto de Miranda, padre Flix Brrelo de Vassoncellos, Dr. Jorge Dornellas Ribeiro
Pessoa Ur. Francisco de P ula Penoa, padre Francisco Joao de Azevedo, Dr. Cicero
Odn Peregrino da S A escolha de#5.frofssore,cuja reputaclo magistral j esl bem firmada, e a so-
licitado do director en bem deserapeohar o cargo que Iba conferlo a Directora Geral de
lostruccao publica, ecom que o hoorarara ilgons pas de familia, confiando Ihe os seas
nidos, concorrerao para o crdito deste novo eslabelecimento.
O estlalos, assim como o franco irigrasso em todas as dependencias do colleglo es-
lao sempre das 6 horas da manhaa as 10 da Quite, a disposico dos seuhores paes de fa-
milia o de quen mais possa interessar.

^%%^fo
PREPARDA A FHIO
i
-le
V1GNES.
POR
AUCOSTf. CAORS
AOR
Pharmscentico pela escola de Pars e succei Puesta cidade
DF.
Aristide Saisset e J.
22.-ttna da Ctuz-
S.')
O0U1
sam insistir sobre *
tato eslas incontesta-
BO.
:*:

;/"
&


iMtvc
mmm
'a
i ne RESiE\r.iA
., tt'I Alffi! ftIMfl)
61. Palacete do caes de Apolloti 1.
O director do collegio de Sanio Amaro, faz publico a quem possa interessar,
qiH t-ansfTio dito olhgio para o palacete do caes do Apollo n. 61 bairro do Recife,
onie contini a almittir alumnos internos semiternos eexternos.
As aulas creadas em dito collegio sao as seguintes: instruecao elementar,
lingui launa, franca e ingleza, retnorica e potica, geographia e historia, geometria,
phihsophia, desenlio, msica vocal e instrumental, e dansa.
No dia 7 do corrente mez ter logar a abertura da aula elementar, cuja ma-
tricula desde j ac'ia-se aberta e as das deraais aulas de 15 por diante.
O director,
J. F. Ribeiro de Souza.

J&
:
INTERNATO
DE
Tratamento puramente vegetal sem merlino, iodo, ouro, nem outro quali'wer"!
mineral, J1 ^
Verdadeiro pnrificador do sangue sem azougue.
Especial para a ct-ra de todas as molestias que lem sua oriem n*irapu|ez,a do-'
sangue, como sejam as molestias boubaticas, sypbjliticas, escrophulosas, darthrosas, qaer
yenham ellas por bereditariedade, quer sejata adqueridas pelo contacto cora pessoas in-
feccionadas dos diversos virus que contaminan o saBgue e os humores.
A cartfba um remedio prodigioso, usado desde remotas eras pelos indios
do Brasil, e passando seu uso de geracao em geraeao, hoje rn dos remedios mais co-
ndecidos como proprio para combater as molestias mais hediondas, entrando nesse*ome-
r a morpht ou elephantiases, p ra cujo curativo os nossos sertaneios considerain a
caroba como remedio especifico.
A muito tunpo entrnu a earota nos formularios como preparadlo i|;gistral
sol) a forma de eleictuario, aiada hoje le librado as pliarmacopas com o nome de seu
celebre autor Joao Aives Caineiro : nao ella portanto remedio novo nem desconhecido.
O ungento de caroba. da mesma sort,.;preconisad> desde tempos immemo-
naes como o mais apropriado para "o curativo das bonbas ulceras syphiliticas srdidas,
e eapregado com proveito depois de mproficua apphqafo de muitos outros agentes
therapeuticos enrgicos e de uso quotidiwio.
Muitos dos nossos mdicos de cons'ideracao e entre elles o muito distinct pratico
e observador o Sr. Dr. Pedro d'Atnayde Lobo Moscoso, tem confirmad) por ineij de ex-
pene-jcias repetidas, o que diz a fama das benficas prapriedades da caroba no trata-
memo das boubas, (fes diversas formas sob quu a syphiiis, je apresenta e mao especial-
mente as que teem sua sede na pelte, e poderiamos relatar alguns casos de data muito
moderna obs3rvados,pelo mesmo Sr. Dr. Moscozo* em que a caroba produzio admiraveis
efieitos, depois d* imitis e pmlungadas applicacoes de salsaparrilha, mecurio, iodo, ou-
ro e seus preparados, etc., etc.
NSa era possivel que urna planta lo notavel por soas inappreciaveis virtudes es-
capasse a perspicacia e investigares dos mais abalisados praticos europeos, que se ap-
plicam com especialldade ao esmdo etratamento das molestias syphiliticas ehrpeiicas'
e para prova ahi esiao os Srs. Drs. Casanova, Schurfer, Ricord e outros dando as mais1
lisongeiras informages sobre as propriedades curativas da caroba e pieconisando-a como
remedio poderossimo para o tratamento jias ecupcoes cganeas, seccas ou suppurativas,
darthros de todas a qualidade, ec emas, ulceras de divffras naturezas, tumores, osseos
e outras muitas molestias de natureza syphi ilica ou boubatica. s
Por ter-se generalisado muilD o oso da^vseaeia da caroba que eu pre-
paro e pelas instancias de varios mdicos que desejam continuar em suas observares,
dehberei-me a ter prompra urna quantidade da mesma sseocia, obtida sen a accao do
fogo, para nao prejudicar as propriedades medicamentosas; e d'ora em dianle encon-
trar-se-ha na minha pharmacia sempre e em porcao sufficiente para todos os pedidos a
ESSEN JA CONCENTRADA De CAHOBA, e o ungento da mesma penla para que non-
ca fallem a.s Srs. mdicos que quizerera experimentar t,1o preci. so agente medicinal.
Rec/fe de Pornambuco, 17 de outnbro de 18GG.
AusTK Caors.
Ra da Cruz n. 22,
X. 55. RA DO IPP'ERAOOt^
Os pianosdesUtnriga fabrica sao hoje asss ct>nnnmlo.< uara que
ua superioridade, vaniugease garautias queoflreeei^aos com/radci
-res qne elles tem denllivamenle conqt.isdo sobre < os que lea?X!\to 25 nr^"' ^'
atorado att teclado e maebkibm que obodecerr. todas as vonlades a'JaK tat\tS ; ""
innea falhar, por serem fafcricaios'de proposito, e leo* feii, altim4nteP3^fmeB ^'^
t^5"se. cr?r"l8 as 'oommundas, tanta nesi? fabrica ramo na do Sr. Bkmdeft A> Pars u-i
wrrespondenlede J Vip.*s, ecuja capital foram s.^rapro premiados em leda* f^Mo?, '
Ml> mes|no tabeleoi.-necto se achara sempre nm ezplendtdoor variada ormanioUt> mmh a**
PERFUMERA oa casa oger
Bouievart Sebastopol, 56, Farlz.
Dez medalhas, a condecraco da Legioa I CREME labiale de sueco da Rosas
d hoaneur e a grande reputacao que tem lhe pommada VELOURS pan aaaoiar a
dado o publico, taes sao as recompensas que os [falle.
servicot prestados a industria merecerao a
esta importante casa desde sua fundacao em
rao*.
N'um sortimento de mais de 500 artigas;
as pessoas elegantes esGolherao os seguintes:
ROSEE DU parada, extracto soperflno
POMMADA CEPHAUQUE contra a cal-
para lenco.
MMA
ricia.
AGUA VERBENA para o totteador.
OXIMEL MULTIFLOR.
VINAGRE DE PLANTAS HYGIENlCAS.
TINTURA VIRGINALE de hejoim.
ROW DE LVS, verdadeira agua de
Jouenck).
ELIXIR ODONTOPHILE.
Sabao dedicado as dunas ainericaiua.
SABAO de bouquet de Franca.
da de flores de alcea rosea.
d* de flores prntaniireo.
d* de bouquet do outoao.
d de perfumes eioticos.
d* aurora, dedicado aoi dedos car 4a
rosa.
d* de flores das moatann&s.
d de cheiro de feins uouvetm.
d* ile bluets'clieirosos.
d' de attliea balsmica.
d* diapr, caixa rica, faotesia pari-
sieuce.
'
RA DO BR'iM 38

"
Estahelccitle cidade de Reelfe em 18 '2
o!> a protee^o do Wiiiuuo Pontlflee Po IX
DIRECTORO BACHAREL EM MATHEMATICAS
Bernardo Pereira do O armo Jnior.
O director do internato de S. Bernardo, nao tenrlo evitado esforcos
nem sacrifi-ios para proporcionar aos seus alumnos urna perfeita educagao
pbysica, m iral, intellectual e religiosa, i fferecendo-lhes urna habitafao com
bastantes comlicoss de salubridade, habis professores que sao solcitos em
prepralos convenientemente ao fim a que se destinam, medico pratico
que lhes fa.fa c mprehender os preceitos da hygiene e Ins cure das doencas
e finalmente um sacerdote .Ilustrado e honesto que lhes explique os princi-
pios di religii) chrisia, espera que assim constituido e em vista do ex-
eellente rebultado, que tem aposentado, comando um crescido numero de
alumnos na Faculdadede Direito, que concliiram alli va^ taiosamente os es-
tudos preparatorios, nao deix^r o seu e^lablel;imenlo de continuara mere-
cer dos senhores paes de familias o auxilio e confianca com que j muitos o
tem-honrado; e lhes roga, bem como a todas as pessoas interessadas, que
se dignem.de visitar o raesmo seu estabelecimento, onde sempre encontra-
rlo franao ingresa.
Gadeiras de ensin >:Primeiras lettras dividida em tina? classes, ten-
do cada urna o seu professor, latim, francez, inglez, arilhmeiica, algebra e
geometria, geographia, philosophia, desenlio e msica.
O coilegio tem a saa sede nos espacios edificios ns -32 e 31 5 ra
da Aurora.
Nos eslatutos d) collegio, que estao disposico de quem os quizer
ler, se acharo consignadas as coudicjSes aulas do enabe'ecimento.


Saciedade portapeza de seboros mitaes sobre a vida, fan lada e
administrada pelo
B1NC0 ALL ANCA DO PORTO.
Todo o pai que desejar acautelar o futuro de seus filhos dev,e quanto antes,
aier inscrever os seus nomes na listados sidos daPrevidentepor que, com urna
paquea* quantia que, todos os annos para all rorajiplicando, tirada do fructo das suas
economas, no fim de 25 annos alcancar-lhes-ha urna fortuna, que por nenhmn outro
aeio e com tao pequeo desembolso poder obter.
Os exemplos praticos de outras sociedades anlogas tem mostrado que:
lUJiUWO pagos a un na! me ii te p dem prodizir.
Por um menino de
de
de
de
de
Por urna pessoa de lo a 20 annoa
de 20 a 30 ..
de 30 a 40 .,
de 40 a 50 ..
I dia a i anno.
i a 2 annos...
2a 3 ____
3 a 4
4 a 15
>
>
. *..
Em 5 au-
nes.
1:100(5 4:000$ 9:"00^ 20:0000 47:0001
9000 3:0H05 7:5i 00 17:0000 37:0000
8600 2:9000 7:4000 16:0000 35:0000
8600 2:8000 7:1000 15:6000 34:0000
8600 2:7000 7:0000 15:5000 33:3000
8600 2:7000 7:0000 15:4000 33:3000
8600 2:7000 7:1008 15:6O('0 34:0000
8600 :700# 7:Oi0 16jOi)O0 37:0000
9000 3:0000 7:5000 18:0000 500000
Quem preteoier sutecrever para a Providente e desege quaesquer esclarecimen-
tos ple-dirigir-se, em Pernamba^o ao^Srs. Manoel Joaqum Ramos e Silva, roa do Vi-
gario n !1 que darodtodos'osesclarecimentos que se desejarem e prospectos gratis, a
quem os pefnr.
Em 10
annos.
Em 15
annos.
Em 20 an-
nos.
Em 25 an-
nos.
1
Tinta Inalteravel
Para escrever
de P. HAURER & C\
PERNAMlLCO
'I. i .
Esta tinta recommenda-se pela sua com-
posica e fluidez como a ielhor e a mais
segura de todas as tintas ett hoje conheci-
das. Nao ataca as pennas de ac, da at
tres excellentes copias, mesmo znnitos dias
depois de escrever, e prel'erivel a qual-
quer outras timas particularmente para
livros de commercio, documentos etc de
que se caree-a tonga conservaoa.
.
i- i ? Propri^lario desla fabrica le;>t>ra aos pronrt^lrlos de en mfelicidade de perder sea^ aoimaes de roda, ou de Miar azna para a moagem ,
collocar urna maohma de vap. r em dito dias depois da ch^ada das pecas^j ena
trarjaliis da mesma. As pegas podem ser cooduzidas eai oilo carrus. '^
Namesraafundi5aoaehan1.se vapores de lod o lamanin para \gm i e ssaear, rodas
a agua, e todo o objeto da machinismo le que se co-tuma precisar ; lamn
socar, arSIos, grades, Me. el.-.
As o1*is de pftcrMmuda e iMDcertos se fazem eoni proieza e golidez :
pegas e maieriaes que esla fabrica lera hat.ilia-a eHieculiiieDi para estes lio-;.
' Davtd Wtllinm Botaran,
:aso iiverem a
ila' proropio a
10, e a garantir o
1 ss
1 formas para prjr?ir as-
o Brande deposito de


*
*J
INJECTION
m
U>*lrolr iiiUilitcl c PreaerfaUVa, absoluuuicuiu a ui.ir. que cura in. uealHim adiliiifo. VcUtle-M
oai priDcipars boiicaa 4o mniido. (Eligir bMroeeaa i a*>). (M iun da axatUaohu) Paria, a aaN
a* Iaraatar 1011, haolatara HaflaMa. *IS.
Deposito em PernambHco, casa de P. Maurer & C, ra Nova n. 18.
JOS DftCONCEICflO DE0VEI4M E FIGUEiEDO.
OFerece aos seus freguezes as obras se-
pulntes : brincos e rosetas de diferentes osijs, brincos a Imperatrlz, ro.-etas com delicadas mo-
zinhas de brilhanles, esmeraldas, rubios, perolas.e de outras pedras, cagoleas d? crystal (a incleza)
anei> para senhoras p meninas com dinVr-ntes goslos e pedras, delicadas aifloetes (e para retratos)
pulseira-; aderecos com pedras-prexiosas, anei de um apurado gostoxotn letlra, a,eis proprio para*
vicarios com esmera.10 rosto, IrneTiiH, carentes, bolSes para puchos, n.lleles, abertura* e os afa-
mado-. bolSes (pulas de rosca) a l^GOO e 25000, e tioaimente encontrar-o Dtsia esUbelecimento tudo
e de filagran o corlea 1. Garante ao> seos (r^uezes que vende mais barato dique outro qualquer
30 prcenlo. Da obras para amorra* e,-,m pfnhor.cmpra obras veilns, e troca, e fai lambem
obrai e condena com muila presteza e aedo : islo i do arco da Cgnceirao.



B B



DE IGftEiA
- c isaidiny i
'oa n. 53 oa para trnilnnj/iini\fn*n'^ de igreia por renos preco aue em 00-
ti q ulcjaer parle : ^^ """"^ .1^ /
nwl 'b4trlif&|l"r--------------
Ornamentos de damioi: branca de 24 a 3^...
> > encamado <1e 22* a 31600
,* B11M t*O*jKd de 20* a 3 iflO* .* ai.>8f,b*fcoi *h
Jdl^J OUl 0 9b |0 iB<#Ma di SS l %9ttM
A visu fcopa protnra qoe tem bavide dU| objectos prflen1mW Ir) pnMfra (fdt b
iT
Pliotographo da A. mu imperial do Brasil
Bm di Cabuga u. 18, sobrado e'ntrandt'pe'o pafeo da a'riz.
Nes estabelecimeototiram-se retratos por todos os sysiemas photographicos at hoje
conhecidos.
Retratos em vidro, oa ambrotypos, a fumo e coloridos ao natural.
Retratos em vhro que-se- ee*e!os dois ladoSi de um lado a fumo, de outro
colorido.
ileti ato* em talco, oh Hyeoiypos, o otta de melhor, de mais delica-
do e mais permanente em phot''gnpha, e eSpeciaes pawTse collocarem em joias. Po-
dem-se fazer al do tamanho de urna cabeca ile alfinet
fispeclalldade de cartees de \Min Os cartees de visita podem repre-
i sentar todo o corpo de quem se retrata, quer em p, quer assenlado, ou ateos joelhos,
1 ou somente o bugp, ou apenas a cabeca. Os cartoes so perfeilamente douraduse flxados.
Ret alo* em papel de diversos tamanlios para quadros ou molduras.
Existem para esses diversos trabalhos exce'lefites machinas de varios tamanhos e dos
melhores fabricantes de instrumentos pticos, sebdo urna dellas dos celebres Voigtlaoder
A Sonb.
Constantemente recebe-se neste estabelecimento remessas de Franca 0 dos Estados
Unidos de artefactos, para a collocacao dos retrates, c assim existe sempre um sortimen-
to muito variado decaixinhas de diversos tamanhoS de papel, de marfoquim, de bnfalo e
de velodo ; quadros, e molduras pretas e douradas a orofiao, passe-par-touts, atbums etc.
Alete* de ouro de lei lavrados e tamijem com pedras preciozas^esmeraldas,
i'udds, perolas etc.,
Caeoletas de ouro e vidro.
Os precos dos trabalhos deste estabelecimento*sa"o iguaes, guaid tiio forea inferio-
res, aos preco de qualqner ouira photographia desta cidad*.
Desto estabelecimento photograpbico, o m* rtigo^e qBanto* existem em Pernam>
buco, tem vahdo muitos milhares de retratos qt*!nfg JawetfSdos seainre vantajoaa-
mente pelo illustrado puhlico, julga-se por tanto flesltsHwljalzf-s mlli palavra so-
bre aquillo que de todos conbecido.
A oBHW~i ga1er1i'eStlb"!>abenas todos os dias e a todatas tofas. ^
XAROPE FERRUGINOSO
DE CASCAS DE LARANJAS E (JASSIA AMABGA
Com iodureto do ferro Inalttravel
Be V. P. Larvze pharmacenticit
e'. ParH
E sob a forma liquida que mais fcilmente
sftassemellia o f-rro. e isto, sem produzir
perlurbago alguma; n'esla forma, tambera,
p;eferivel s pimas e p.tslilbas era tudos
os casos eu q e sao presenptos f.s ferrufji-
nojos. E o melhor auxiliar do ole ule fi-
gado de babalho, porque conte o xarnpe
de cascas de rirsnjas amarais, lao gera'-'
menle appreciado, para a cura das dores de :
estoma^, oigestoes difficeis, inaijeteacia,'
etc.
Diposilo em todas ss phatmacias e casas
de drogaras no Biasil.
Expelicoes. em casa de J. P. Laroze, ru!
des LionsSl-Paii!. 2, Paris.
Deposito em Pernambueo, pharmacia de
P. Maurer & C. ra Rom n. is.
Precisa-se de urna pessoa par caii^Iro de
drogara da ra do Imperador n.22, qoe d pro-
vas de sua habilitagao : a irat >r com o Dr. S Pe-
reira.
es doente-, parar a c-ina e pre-
essos b as dores qui; tiles
gira* de Parts Offl nova femessa de oraansoU) de (idas as e&Yes, fehWrlvedrialello?, sB
fas de asperges, orobellas etc.
i\ecebe-e toa e qualqaer Novo e grande deposito de^syyrfor callao de Cardiffna
Antonio Goows do Seatos 4 a, roa
oarvlo, em coodicdw mais favoraveis que em
ecarera naooeila porta A contratar
f
Barbara 0.1, estao habilitados a supprir de
ler deposito, a loica os navios a vapor qoe
Domingos Alvs Itofeens.,
NOVA YORK.
DE COR CHEIRO E SABOR AGRADAVEIS
Infinitamente mais efficazes do que todos
os mais remedios perigosos enauseabundos
qu existem para a expulso daslombrigas.
N5o causm dores e produzem seu effeito
sem precisar logo depois de purgante ne-
ntaum e taoincilantes em apparencia e deli-
ciosas em gosto, que ascriancas esto
proniptas a tomar mais do que marca a re-
ceita.
Uteis cono um cxceHente meio de fazer
remover as obstrueces do ventre, mesmo
do oaso de nao existirem verme alguu,, as
PASTauASVBRMircGAs de RKMPS sao promp-
tas einfalliveis na sua operagao e por todos
os respeitos dignas deconiianca e approva-
cSo de todos os paes de familias. Prepa-
radas unieamente por Lanman de d,
Nova York.
te" '**>..----------------
Precisa-se i
H.
-------.,
urna ama que
na} -.WaiMii^
isto'
saiba
cosiohar e
da
comprar para casa de Bouca. JamjiM : na utn
lodependeooia 0. 39.*,**w*"w -j^
^ lili.....I 1 .. ------
O abaixo assitf04d.xluodo^|a> fora da cida
de por motivo de mol
entretanto *r proo
roa da Alegra n. 4
Pr*rlt
oa roa rova u.
A familia, pode
de iu mil aa
Silva Cos
.*3B
Hal.^Qas Verdt,--
DENTFRICOS laroze
CN SERVADORAS DOS DENTES E GEN-
G1VAS.
elkxir dentifricio, para a alvura e conser-
vaco des dente.-, curando as dores cau-
sadas pela caria ou producidas pelo c n-
lacto do calor ou do fri.
p DENTiuncro, com base de magnezia para
a alvura e c>nserva,o dos dentes, pre-
veniodo a descarnadura, provoeando o
trtaro de que empede a reprodaecrv.
oi'iAjo FENTiFiu io, parj^ f< i tilicar as gii^'i-
va-, e as conservar s3as, p'evenir ns ne-
Tralgias dentarias e as affecces eeorbo-
t cas.
euRAtivo DF.NTAiuo iiYGiE.N.co, para chum-
bar esde^si
venir os aSfces
provocara.
Deposito em todas ss pharmacias e casas
de drogaras no Brasil. '
E\pedices em casa i'e J. P. Larose, ru
des Lions-St-Pan, -2 Paris.
Deposito ei^ Pernambueo, pharmacia de
P. Maurer &C, rna Nova n. 18.
A agua Uorida de Murray & Lanmand
alhada como um artigo de perfume, n5o
tem podido ser igualada pelas preparaces
as mais custosas: conserva seu aroma, co-
mo se formasse parte 4a prenda a que ella
se applica-
Sua eficacia tao delicada, como elegn-
tes.gsao seus multiplicados usos, qur seja
mpregada como artigo 8e toucador, qur
ao uso do banho, ou como suavisador da
pel.e, depois que se tenba feito a barba;
j para limpar as gengivas ou aroraatisar o
hlito.
Di^feuavidade, brilbo e elasticidade as
;ompleig5e.s, depois de se baver lavado; al-
ivia a irritaco de irupcoes ordinarias; faz
lesapp^recer o desagradavel aspecto dos
pannos, das sardas, do rosto, rugas e toda a
casta de ebulices, e da vigor e frescura a
parte onde quer* que se applique. Sua efi-
ciencia e elegancia sao igualmente iufalli-
veis nos casos em que seja preciso applica-
la como estinpianie e antisptico, nos con-
cursos e assemblas numerosas, as loca-
lidades infeccionadas, na alcova de um en-
fermo, assim como um antidoto escolen-
te para os desmaios causados pop cansaco
ou suocaelu. Preparada nicamente por
Lanman & Keanp, Nova York, a venda por
Caors & Barbosa.
r^

Jo5o da C. Bravo & C.
-'--------
s-se de Jim huinem-pr cuidar de *
sillo: irata-se na loja u. '10 esquina !h i a da
M-idre de Deu.-.
Ainga-e u,ii escravo, um mnlatlnbp, lima
r(rinlvi de 9 annos par andar coa juenUips pa-
ra servico iaituftt^lte para liados e
qualqner servicij nR rus do Imoerador n. 50, ler-
eeh-o andar.
ESPEClLOiM
Pora bem da nnmaninade.
Cara de tedas snuleslias ds. Ifes.
D. J. Sanl'Agai. raceiirtirif chafado a esta
c^piai na qual ertuaiiece*"'' K *J*fs- d* con-
sultase trtamelo B^jaafcspfeialidt* de todas
as molestia do* olhos sem opsracy, todos es dias
d.* lOhoris da manhSa as 3 da tarde, excepto
oos ^oiuingo?, o tratamento empregflo tem se toc-
oado noiaei por febteye itnportanies resollados
olidos. CDsultjpura aos pobres gratis das S
m ti ora* da mafni. |
O chamado* serio fetto per mtrtpt.
Wel 'ttrsta roa de Trapk*e Htr+a. It-
arf

a parte da casa n. 92 da roa d
*?!**?* at mestna, _ ILEGIVEL
-te.
IIMiaflM I


IMarlo de FenanlMiieo Segunda telra 4 de Feverelro de 4867
Cal(?ad(
a malo-
>
10.
Sermenlo magnifico.
Pelos ps costumam penetrar oo corpo
ria das molestia!:.
Resguardai-os dirigindo-vos
45.Ba Blrelta45.
Borseguins quaii Milli bezerro----- 8J560
c loglezes que.bra tocos..... 6300
t hespaoboes lustre......... 54000
brasileiros bezerro........ 80000
para senhoras enfeiudos
notom.................. 8*000
para senhoras............ 44800
t t ............ 4*600
i preios de..
mi riti.................. 4JQQ0
Sapatos iuglezes patente........... 540P0
americanos............. 4*500
francezes da salto para se-
ntioras................... 34200
Borseguins para meninas enfeita-
dos4*e................. 3*800
Sapatos avelndados para borneas e
senhoras................ 1*800
Borseguins cora lago para meninas. 3*500
Sapatos de tranca superiores...... 4*600
itoiluas francesas para meninas..... i*5c0
CbinfISes do Porto a om perfello sortimento, de
J. FERREIRA VJ.LEU
Photographp da Augusta Casa Imperial do Brasil
18, Ra do Cabug, 18,
Sobrado, entrada pelo Pateo da Matriz.
mu
N. 2 D ^ N. 2 D.
9^k COR ICIO HE OCHO. ^|

A loja n. 2 D intitulada Coracao de Ouro na roa do Gabog, acba-se d'ora em diante offerecen-
!d>aorepeitavel publico com especlalldade as pesaras qoe bonram a moda os objectos do ultimo gos-
I to (a Pars) par menos 20 por cenio do que em ootra qoalqner parte, garaotiodose a qaahdade e a so-
lidez da obras.
i OTsppitavel publico avahando o desejo que deve ter o proprietario de um novo estabelecimen-
' to que quer progresso em seu negocio deve chegar inmediatamente lo coragao de onro a comprar
pm .,..., j. nhniAnrwK'n docta r-irlarlp P fa7Pm retratos mais riftrfrits'""eleom peifeitos brilhantes,esmeraldas, rnbinse perola ; verdadeiras em agarras, modernas pek
Em nenhuma das photographias desta cidade se razem retratos mais penen ||mJMlo ^ de m hrmc(;smodernosdlS ouro e coral pira men.oa pelo prego 4e 3*. maracas de
dO que OS que se executain nesta OffiCUia phOtOgrapntca. p,.ata COm cabos de raarflm e madreperola obra de moderno gosto (o que o encootfarao no corago de
Pede-se a COnfrODtacO e analyse entre OS UOSSOS traballlOS e OS memores que offro) voltas de ouro com a competente cruslnna ricamente enfeitada pelo pequeo prego de I2#, brin-
se fazem nesta cidade Jcos de om trabalho perfeito por um mdico prego, cassoletas.lranealins, polceiras, alftoetes para re-
,,. .___'___.,. ..__.. A~~in n.A-Aa ano rnmn dIa pslahplpo mpntn tratos e outros modelos todo de alto gosto, anois proprioS para butar cabello e Arma, ditopara casa-
Nao ha photographia algdma desta cidade, ^a.eo .^ este esiabei^eci^meDio ^^n mito tw* ten* o Cor&> toban*mom\OQe bem variad0 ,0rtimento Je diversos
sola, couros, marroqu, bezerro fraocez, vaqueta photOgraphlCO possua <1D) t3o vanado, escoltado e aDunaanie SOrumeniO ae camuas, g0gl0S) butSes para punhos com diamante, rubins e esmeraldas, obra esta importante ja' pelo sen va-
e couro de lustre ; como nioguem tera' no mer- qyadros, molduras pretas e douradas e passe-par-tOUtS. I lor ja* por poste ds desenho, brincos a forma da delicada miosloha de moca eom pingeote contendo es-
Para serem collocados os retratos chamados carines de visita ha doze difieren- meraidas, rubins, brilhantes, peroias, o gosto sublime, alfinete para gravata no mesmo gosto, reto-
cado.
Xarope e pasta de Seiva
DO
Plahetro martimo
M
E. Lagasse
Preparagfjes mui preconisada? pelos sabios mdi-
cos de Pars, com as melbores al boje discobertas
para a cora certa de todas as molestias do peito,
broaehites agudos e chronicos, astbma e anda das
affeeeSes das vias orinaras.
DEPOSITO ESPECIAL
31Ra larga do Rosario34
Pharmacia de Bartnolemru dtC.
Publicado jurdica.
Preleccdes de Direito Internacional e de
Diplomacia com applicaco e refertncia de
seus principios as leis particulares, con-
vences, e aos tratados do Brasil al 1866
pelo Dr. Antonio de Vsconcellos Mene-
zes de Drummond, lente substituto da Fa-
coldade de Direito do Recife etc., 2 vol- in
8o broch. por lOOOO pagos entrega do
primeiro veame, que constituir a primei-
ra dessas obras.
A ultima dellas acoropanhar um epilogo
das disposices da legislacfo patria, relati-
vas ao- direitos e deveres do e^rangeiro no
Brasil, bem como aos do Brasileo fora do
Imperio;
Assigna-senas lojas de livros das ras do
Crespo n. 2 e 9 ; do Imperador n. 13 ; da
Cruzn. 52 na de encadernaco do caes de
21 de Novensbro junto a typographia do
Jornal do Recife ; nos escriptorios das ty-
pographias do Diario de Pernambuco a ra
das Crozesn. 44, e do Correio do Recife
ra do Imperador n. 79 e na loja da ra
da imperatriz esquina da ra da Aurora n.
n. 2, loja de louca.
Depoisda publicacio da pTimeira obra
noserao mais admiitidas assignatuias e
mbas ellas sero vendidas por maior prego.
mmmm mmmmmm mm^m
19 Companhia tidelidade de seguros *jj
S martimos e terrestres
estabelecida do Rio de Janeiro: W
AGENTES EM PERNAMBUCO jfj|
$% Antonio Luiz de Olireira Azercdo k C, mi
JK competentemente autorlsados peladirec- 2
^ toria da companhia de seguros Fidelida- sm
| de,tomara seguros de navios, mercado- |
Zg rase predios no sen escriptorio ruada 5
0 Cruz n. i.
wHfimlKiM
Joaquim Jos Goucalves
BelWo
(4 ra 00 Trapiche t \i i andar)
Sicca por todos os paquetes sobre o Banco
do Mioho em Braga, e sobre os segoinles loga-
res, em Portugal.
g Anuuncio I
[ O Dr. Carolino Francisco de Lima San- Wk
jgt tos. mudan se para a roa do Imperador M
5 n. 73, segundo and", ond c ntinoa no !
98 exercicio de sua pi,i'>saoda mfdico.
Fuudiflo da Aurora
A mais amiga desta provincia e com todas as
perfeicoes em sens machinamos, eflerece a seos
numerosos freguezes por razoaveis precos snas
manufacturas, bem como que tem um bom pessoa)
para com rapidfffmr qualquer concert ou obra,
nota. _________
Da se bolas de veodagem a tustao a pataca
narna Imperial n. 37._________ ;___________
Maximino da SiUa Gosmo, compra, vende
e troca escravos, de ambos os sexos : na roa do
padre Floriano n. 71. segundo andar.
Precisa se de urna ana para eogoromar : na
ra da Madre de Dos n. 36.
Precisa se de orna perfeila engommadeira :
na ra do Trapiche p. 44, segondo andar._______
Atteuco.
Precsa-se-de um menino qne iiivira 'aprender
o officio de imaginario, mais que d liaoca de sua
conducta : a tratar na rna do Cotovellon. 27
cm uiiiuwuuo uo ihvi/o i,iinuiuuw v---------------------- fc.ii,,iao a -"-. a tratar na ra do Cotovellon. 27 da
tes modelos de cartoes mimosamente lithocraphados e dourados, em cartao bris'ol e em gios para senhora cravados de pedras preciosas, ditos para homem, diversas obras de bnibantes de 9 horas da aanhaa as 3 da tard d
ieh inouetob ue Ldriues uiiuiusduicuic iiiuujjid^uauuo c ,_. M',.. MOrtlll on noito gosto, crusinhas de rubios, esmeraldas, peroJas e brilhantes, aneis com letras, cacelas e R mn lft
cartao porcelana, os quaes sem alteragao de precos, est5o a escolha das pessoas que se eryslal e ooro descoberIa ptra retral0 (a m]eii) briDC0S de fraDJa> dUo8 a imperatrize toda e qaal- ^ileir
retrataren!. I Qu Continuadamente se recebe a Europa remessas de todo quanto diz respeitO a rontraro no Coracao de uro que se conserva com toda a amabilidade aos concorrentes
Precisa-se de nma ama qoe cosinhe e com-
deixando-! pre para casa ds pooca familia : na ma Augusta
de fallar) diiendo-se o d. i, primeiru andar._____________.__________'
tao diminuta quanlia a vista do seu valor. i"|n ^q co
Na mesma loja compra-se, troca-se ouro, prata e pedras preciosas, e tambera recebe se concer- AlUga"ov.
{tos, por menos do que em onira oualqoer parte, e do-se obras a amostra com penbor, conservando-se 0 segundo andar do sobrado da ra da Matriz o.
1 e Coracao de Ouro aberto at as 8 horas da noile. i 35, lss,m come 0 armazem da ra da Ponte Velha
Qualquer pessoa que se dirigir ao Coracao de Ouro nao se podera' engaar com a casa, pos'n g : a tratar na roa da Senzala Velba n. 4, re-
nota se na sua frente um coracao pendurado piolado de amartillo, atem de entro que "se nota em um j floaco.
! rotulo (islo se adverte era conseqnenria de terero ja' algnmas pessoas engaado com ootra casa.
photographiaVe amda 0 mez passado pelo va.^r G^ e
receberam-se de Franca quatro grandes caix5es com orna bella vanedade de artefactos.F
productos cbimicos e material para photographia.
No mesmo estabelecimento vendem-? e:
Todos os productos chimicos geralmente usados em photographia e garante-se
[o estado de pureza dos mesmos;
Machinas photographicas, cuvetas de porcelana de diflerentes tamanhos e vi-
dros para tirarem-se retratos;
Urna grande variedade de lindas e interessantes vistas transparentes para
stereocopos, e stereoscopos de madeira envernisada com lentes prismticas que se ven-
dem a i2#O0 cada um com urna duzia de vistas transparentes
Tambem vende-se por 500''-0 nm apparelho compl to para fazerem-se peque-
as vistas ou retratos. Ao mesmo acompanham as explicaces precisas para sea uso.
Qualquer pessoa pode fazer vistas ou retratos com esse apparelho.
A officina e galera est5o abertas todos os das e a todas as horas.
Cercas e gradeamentos de ferro para jardins, cercados para animaes, chiquei-
ros, de todas as grossuras e mudaveis.
Porteiras de differentes tamanhos para sitios, jardins, cercados, e-o.
m%
A saber:
Lisboa. Porto.
Valenca.
Guimares.
Coimbra.
Ch&ves.
Vfeo.
Villa do Cun a.
Arcos de Val oe Vez.
Vianna do. Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famellco.
Lamego.
Lagos.
Covilhaa. .
OR^IE^TOS DE GREJV l)E
J BliUIfl
Vstimenteiro e koriador de Pars.
23 RIJA DO I PERAHOR 93,
Defrente da igreja de S. Francisco.
Concurrencia impossivel
justificada pela snppresso de intermediarios, pela compra directa das materias primas, pela exe
cnco dos trabalhos as ufficinas da casa e pelo diminuto lucro com que se satisfaz.
Animado pelos importantes negocios que faz com grande parte do mundo catholico da Europa
resolveu o annnnclante eslabelecer flliaes da rasa ae Pars em diversos paizes longinquos que
offerecem vantagens, e veio inaugurar o primeiro estabelecimento nesta cidade, sem dovida nma
das mais adiantadas e commerciante da America do S'ul, e que por i-so mesmo necessita d'nm
estabelecimento qne nada deixe a desejar, quer em relaco as precis5es materiaes e quer intel-
lectnaes.
Os Srs. sacerdotes e deraais pessoas, que se dignaren) visitar o estabelecimento, ah acharao
sempre nma gband variedade de todos os objectos para iereja e para o clero.
OURIVESARIA PARA IGREJA.
Novos modelos de custodias e de vasos sagrados.
ALFAIAS DA IDADE MEDIA, A' LUIZ 13.
Os precos variara segondo o tamanho, o peso e a forma.
TAPETARAS E ARMACES PARA IGREJA.
Fornece toda a qua'idade de armacSes, por precos mdicos, vontade do
sempre ama pessoa no estabelecimento para ir tomar as medidas necessarias para
facao da encommenda.
NUVAS UMBELLAS PRIVILEGIADAS.
freguez lendo
completa sals -
Estos umbellas de molas, adoptadas por S. S. Pi IX. tem por sna perfeieo, novidade i
e riqueza a dupla vantagem de cobrir nteiramente o Santissimo Sacramento e o padre, sem diffl-
cnllar o andar.
ESCULPTURAS EM MARPTM E EM OSSO.
Imagens de Chrlstos, caldeirinhas, ernzes, quadros e todos os objectos devotos.
Objectos em argila, simples e prateados.
Na ruado Trapich n 16.
acham-se os seauintes depsitos
e H. Bi-uninghaus em Naits.
ourgogne.
Vinbo Pommard noto.
> Cortn tinto.
Santo Georges tinto.
> Cbambertin tinto.
Rtchehourg tinto.
Clos de Vongeot tin o.
Chablis branco.
eM A.Woefeui Francfort:
Rhcno.
Geisenheimer.
Liebfraumilch.
Marcobrunnur.___________________________________
Em casa de Ttieod Christiansen, ra do Tr.'a
piche-novo n. 16, nico agente no norte do Brasil
de Brandenburg freres, Bordeanx, encontra-se ea
ectivauente deposito dos artgos segniotes:
S.Julien.
St. Fierre.
La rose.
Cnateao Loville.
Chatean Margaux.
Grand vin Chateaa Lafitte 1868.
Chatean Lafitte.
Haut Saulernes.
Cbatean Sauternes.
Chateau Lataur Blanche.
Cbatean Yquem.
Cognac em tres qualidades.
Azeite doce. Precos da Bordeanx.
SEGUROS
MARTIMOS
CONTRA FQGO.
A companhia Ithjemnisadora, estabeleci-
da nesta praca, toma\segaros martimos so-
bre navios e seas carregamentos, e contra
fogo em edificios, mercadorias e mobilias.
na ra do Vigario a. 4, pavimento terreo
D-sediohelro a joros: 6* roa d
dia o. 5.
Todas as informacoes sero mini.-tradas gratis, acerca dos ornatos de igreja.
Conceder-se-ha facilidade para os pagamentos.
Eis o calhalogo do que tem a venda :
ICASULAS.
Dianas, de velndo, de crina e de
galo lustroso.
De damasco c seda.
De damasco dobrado, cem diver
sos bordados em relevo na
eras.
De tecido de prata on de ouro.
dem com diversos bordados em
relevo na cruz,
dem dem multo ricas.
De velado de seda com cruz ta-
cur tino em relevo.
De chmalote de seda bordado.
Gothicase da idade media.
A cor da casnla nao iDflue no
prece.
CAPAS.
De veludo estofado. .
De damasco.
De tecido de prata e de ouro.
dem com emblemas em relevo
e ricas franjas na murga.
De velndo de seda.
De tecido de prata e de ooro fino.
DALMTICAS.
Ojnesmo freco das casulas.
ESTOLAS PASrORAES.
De veludo estofado.
De dito de daas faces.
De damasco.
Be dito de duas faces.
De tecido de prata ou de onro.
dem idem, com emblemas em
relevo, franjas e bordados de
torca I.
dem idem em relevo muito ri-
cas.
De tecido de onro e de prata fino.
De cbamalote bordado de seda,
com daas faces.
VE'OS DE HOMBROS.
Do tecido de Lyo.
De dito dobrado, de ouro Bao.
De damasco; bordado em relevo.
dem idem, moito rico.
VEOS PARA EXPOSigAO.
De tecido de Lyao.
De chamalote de prata com em-
blemas em relevo.
De dito dito, mnito finos.
VE'OS DE SACRA ROS
De todos o; precos.
liANDEIRAS.
Da Sauta Infancia.
De contrarias de Nossa Senhora.
Parochiaes, qualquer que seja a
invocaco.
Guides com emblemas em relevo.
A collecao varia de 35^000
3:000*000.
PALLIOS.
Em veludo estofado as qnatro
ponas e no forro.
De tecido de Lyo, com ou'o.
De dito de prata e de ooro lus-
troso.
De dito dito, com -quatro emble-
mas bordados em relevo.
Mnito ricos, inteiramenie bor-
dados em relevo rom ouro Bao.
PANNOS MORTARIOS.
De lia.
De veludo inglez preto verda- 487
deiros ol
De damasco dobrado de brocado. 650
Estes pannos tem doas metros de 812
largura e tres de comprimento.
ROUPAS DE IGREJA.
Alvas de panoo de llano Uno.
< de cambraia fina.
< de panno de Hnho, para
meninas do coro.
< guarnecidas d rendas finas.
alta-
Corporaes de cambraia fin?.
Toalhas para commanbio e
res
Guarnieres de rendas para alvas.
Ditas para toalbas de altar, aos
metros.
Toda a qnalidade da ronoa ga-
rantida e perfeitameote ejecu-
tada.
DIVERSOS OBJECTOS.
Bolsas para tirar esmoUs.
Corditas finos para alvas.
c para meninos do coro.
Voltas, s dnzias.
Cintos e cinturoes.
Sacras-de altar, em cartao.
Ditas em quadros.
Marcas para rmssaes, com seis
percas, em chamalote.
Flores artiOciaes, o ramo.
& tofos e todos os demais objec-
tos de igreja.
BRONZES DE IGREJA.
Casticaes para altares, prateados,
de novos modelos
325 milmetros
379 .
433 <
c

<
c

14
16
18
SO
2i
30
poegadas).
)
Precisa-se de nm escravo moco para o ser-
vlcc domestico : na ra do Imperador n. 38._____
Crido.
Precisa-se para um moco solteiro de um criado
que saiba cosinbar e tratar de um cavado, quer
seja (orro ou escravo : a tratar na ra do Crespo
n. 1G loja, das 7 as 11 da manna e das 3 as 6 da
tarde.
Aluga-se o armazem do sobrado n. 1 da ra
Impeiial : a tratar no primeiro andar.
ESCRAVA.
Na roa Ja Madre de Dos n. 36, precisa-se alu-
gar urna escrava para servjco interno, pagase
bem.
Precisa-se de urna ama para casa de pooca
familia : a tratar na ra do Torres n. 14, segundo
andar.____________ __________ _
O hospicio de alieoados em Olinda, precisa
de urna cozinbeira ; quem se acbar nestas circums-
tancias dirjase ao mesmo hospicio para tratar
com o regente ou com o respectivo raoraomo o Sr.
Antonio Jos Gomes do Csrreio^______________
Precisa-se alegar urna sala anda que seja
com pouco commod < para om moco solteiro: quero
fiverpara alugar dirija-se a esta typgragbfa.
Precisa-se alogar urna escrava oue seja boa
cosinheira : na ra do (joelmado n. 46, loja.
Monte Fio Popular Peanam-
bucano.
A direcloria desta sociedad* participa aos Srs^
socios que se acharo atrazados em suas meusalida-
des, que veoham emquaoto antes pagar os seus d-
bitos, para o que tem coneedidoo prazo de ;0 dias
a contar a>sta data, e lindos os quaes sero elimi-
nados na forma da lei.
Secretaria da Monte Po Popular Pemambacano,
30 de Janeiro de 1867.
Bernardo Falcao de Souza
Io secretario.
mm
Aluga-se urna casa com tres quartos, duis salas,
cosinha fra, quintal morado e cacimba, na Sole-
dade, no lim da ra da Conquista, confronte as
mangueiras : a tratar na ra da Cadeia do Recife
n. 3, ou na ra da Esperaoca n. 85.
Q Dr. Alexandre de Souza Pereira do
Carreo mudou a ua residencia para o !
andar do sobrado n. 12 da ra da Impe-
ratriz e continua a exercer a sua profis-
so de medico.
AMA
Precisa-sede urna ama para casa de pouca fa-
milia gue cosinhe e engomme, prefere-se captiva ;
a tratar iia ra da Imperatriz n. 26. segundo an-
dar, das 6 as 8 da manhaa e das 5 as 7 da noite
Ama.
Precisa-se de urna ama que saiba cozinh&r, para
casa de homem solteiro : na ra da Cadeia do Re-
cife n. 33.
Guardas par arvores, plantas e oulros objectos da ferro qne se vendem por
, i preco mdico, no armazem de Tasso Irm5os na praca do Caes de Apollo ao pe da ponte
j provisoria.
de ril, de rices de-
senos.
Roquetes em panno de linho sem
mangas,
i c com ditas.
Amictos.
Toalhas e sanguinbos.
Cruzes de altar, corresponlentes
aos casticaes, o par.
Tnaribulos e navetas prateadas.
Caldeirinnas com bysoppe idem.
Custodias ditas e douradas.
Lostres ditos e correles iones
para os mesmos.
Cruzes para procissio, com ralos
ditas.
Varas, alabardas mBossos e
cadas para portefW.
Estes objectos todos sa/> co-
bre e nio em materiaes da
compo*5io. ,
tm
Concor
Limptna Broad & C uum sc*ot que nao ae
respoasabll sam sor eonu aleuma eoolrablda pelo
apito d) brlfae inglez Chrutituta Cantil de
hoja em diaote. R-cif^ 31 da jaajito de 1867.
Arrenda-se om grande ulioB-4ufesMi 4a
tirada de Jo de Barros, com nata apaoosa casa
le sobrado e maltn arvored h : qoera ar^i>nder
eirija-se ao rrMirto logar sitio que um parti da
ferro.
Aviso essencial paj-a evitar qualquer erro ou mf.
Os Srs. compradores nao devem ignorar que o ouro nao pode ser fiado aem
tecido, e qoe por consegointe os galoes dos ornamentos chamados de ouro fino sao de
prata dnuratfe, os de ouro ieio fino sao de metal dourado e os de ouro falso sao de
cobre doorado, e como tal confundir os ttulos que se Ihes dea sempre, que s3o mera-
mente commerciaes.
Os ornamentos que o aononciante tem venda sao o de galoes de ouro meio
finos, falsos ou de seda, s mandando vir os de ouro fino por encommenda; e nenhum
objecto sabe de sea estabelecimento sem ser aoompanhado d'uma factura por elle firma-
da, especificando a qualidade do objecto, para poupar-se* explicac5es sempre incon-
venientes ao depois de realisada a venda.
Superiores cansas francezas mailo Anas de cores fijas, matisadas e mludinhas a
jk 320 rs. o covado : na loja das columnas ra do Crespo o. 13, de Antonio Corroa de
i Vsconcellos & C.
GlAMIE HOTEL CENTRAL
RA LARGA DO OSARIO R6A ESTREITi DO
N. 37 N. 4 A
:ntrada ta
PROPRIETARIO.
FRANCISCO GARRIDO.
ENTRADA GERAL
ROSARIO
ENTRADA PARTCULA
Agua mineral
frrrnfiiasa, addalila, faxtu e carkaaka
DK
O oso d'agna da Orezu mai urtiaumtni
recoanendado pala escola 4a medicta* da Pars,
para todas as affeccda do taba digestivo, ioforgita-
Mto da* vkseras abdoauaie*, e geralmeftte todas
as molestias provenientes 4a fraqneza organiea, oo
pobreza de saofoa.
DKM8I.0 BSPECUL
34Ku larft t> lasara34
fharmmcla d<- Bartbolomtn!* cr,
Profesar de piano.
Caalbo de Araujo, eontiaoa a leecionar, e poda
er procurado na Soleade, roa de Jlo Fernn-
des Vieira n. 20, a na roa do Livranwolo t. 51
tercerro andar.
&W3 JA
Precisa-se de ama-ama qua
na rna : na roa das Trinekeiraa n.
a coaapre
Ama.
Precisa m de ana ama pora rosiabar: ni ros
doQtwimadOD I?, primeiro andar.
Ha guarios i> salas
Preparad is eom asseio,
Para aquellas que vieram
A Veneza da passeie.
Tem commodas excellentas
Para solteros e casados,
A' lodos sa arodigalisara ,
Os mais sinceros cuidados.
Kocootra-88 para htnch
Fiambre a qoalqner hora,
Tambem recebe assignantes
De comida para fra.
Saque* obre Unb>a
CMireira Filho* 4 C saeam sobre Lisboa : no
largo do Corpa Santo n. 19, escriptorio.
Atona s nma casa ana Beberibe : a tratar
coa J. de M. Befo, rna to Trapiche 0. 3.______
j A pharjaacMe P. Maurer & C. mu-
don-se do n. 18 da rae Nova para o n. 29
da mesma na esquina da camboa do Carmo.
Trocam-se
u notas das eaxis flliaes do banco do Brasil; na
praca da Independencia n.l
Predsa-sfl da osa motbar 4a meia Idade pa-
ra faxer eoaipaahia a unu seobora a bem assim
todo o mais servica tatemo da casa, lando de bons
costnmes a dando dador poder dirigir se a roa
Direlta loja n. 73, que se dir qaem precisa
Os infrascriptos estabeleridos nesta praca,
dtbaixo da razio social de Antonio Lopes Braga &
C, fazem publico o dislrato da sonedade que ti-
obam com o Sr. Jjs Joaquim da Cta Ferreira,
desde o dia i do correte mez, sahindo exonerad
o dito socio de to a a responsabilidad*', e fcando a
carga dos anoubciante; o activo e passivo da casa,
que contioa gyrando com a mesma firma.
Recife, 30 de Janeiro de 1867.
Antonio Lopes Braga.
_____________. Francisco Jos Gomes."
Na roa do imperador n. 7.fsTgundo andar,
precisa-se de um ciiado fie! para compras e mais
servigo.
Jos Flix Hibeiro de Carvalho perdeu du
zentose trinta e sete mil reis, sendo urna uta de
duzentos mil reis e o mais em miados: a alma
bemfazeja que o achou compadeca-se desse homem
pobre fiqae-se com os trinta e seta de luvas e
entregue os dazeotos, na travessa do Pocinbo n.
28, que Deus a recompensara'.
Crrelo da Europa.
E' ee um novj jornal pubhcdo em Lisbea,
qne, snbstitu ndo c antigo jornal Doze de Agoste,
se torna de muilo maior ioteresse para ns paizes
e.traBgeiros, pela amplido das noticias, commer-
ciaes. polticas, s d'outra qualquer especie, que
aquelte jornal conten.
Aos antigos Srs. assignantes do jomar Doze
de Agosto previue-se, para que, a' chegada dos pa-
quetes da E-jr.'pa'; se sirvam mandar buscar o
Correio da Europa, que substituto a soa asslgna-
tura, nos lugares s/guintes :
No Reelfe praga do Corpo Santo, estabeleci-
mento dos Srs. Belirao, Oveira & C, o. 6. Em
Santo AotonioPraca da Independencia, estabele-
cimento do Sr. Joan das Santos Vieira n. 22.
Em S. Jos-Ra ireita, estabelecimento do Sr.
Joaqoim Antonio Ja Silva, n. 76. Na Boa-Vista-
Praga da Boa-Vista, botica do Sr. Joaquim Ignacio
Ribeiro Jnior.
Nos mesmos logares se recebem asignaturas
dos qae as queiram tomar para o Correio da Bu-
ropa.
Segunda edicto.
Nogdes do systemamtrico decimal e taboas de
nmeros lixo-, pelos quaes por ama simples mull-
pllcagio se coohece o importe da qualquer numero
de arrobas, libras eongas, por Jos Antonio Gomes
Jnior. Esta olHissima publicagao asta' qoasi es-
golada, e os poneos esempia/es que restan, ven-
de m-se, d.is livrarlas Universal, roa do Imperador,
e Econmica, ao arco de Santo Antonio.
Sanael Power Jakastoa 4 Cennaahi
Ruda Senzala Nora n. 43.
AOnNCU A
Famdleio de Low Hoor.
Machinas a vapor te 4 e 6 cavallos.
Motadas e meias moendas para engenho.
Taixaa de ferro coado e batido para enge-
nho.
irreioa de carro para om e doas cavalloe,
Relogios de ouro patente inglez.'
Arados americanos.
"achinas para descarocar algodo.
Motores para ditos.
I achinas de coatara.
a
h,
\


^A'"
*>-
iUrlo de Pcrn.mbue* eguna Cetra -I de Fererciro de I8b7.



.' /

Para o tratamento e cura rpida e completa das molestias syphiliticas, erisype-
tas, rheumatismo, bobas, gota, debilidade do estomago, infiammacSes chronicas do ligado
e ba$o, dores sciaticas, cephalalgias, nevralgias, ulceras chronicas, hydropesias, pleuri-
sias,'gooorrheas chronicas e emge al todas as molestias em que setenha em vista a pu-
rificado do systema sanguneo.
Considera ces geraes
A saude um bem ioapreciavel, cuja importancia e valor so est reservado ao en-
fermo 0 avalia-lo.
incontestavel que o homem nesle mundo constantemente, e or todos os lados
atacado por ama infinidade de agentes morbficos que todos tende.n, dadas certas e deter-
minadas circumstancias, a alterar o regular exercicio das funcces orgnicas, resultando
pesse desequilibrio o que se chamamolestia.
A molestia nao mais do que a desvirtuaco das focas vitaes, occasionada, se-
gundo as investigacoes e experiencias dos mais abalisado mestres da sciencia, pela depra-
vado dos humores geraes, consequencia da acco maligna desses mesmos agentes morb-
ficos intreduzdos no organismo pelo acto da respirado, pela va digestiva, pelo contacto
immediato etc. etc. etc.
A sypliilis infelizmente tem sido a part lia da humanidade, e como fra de da vi-
da que esse terrivel Proteo da medicina urna molestia hereditaria, ella tem sido obser-
vada em todas as idades, e debaixo de todas as suas formas tao variadas, enfraquecendo
constituirles robustas, produzindo mutilaces, e cortando ainda em flor da idade vidas
preciosas.
Eliminar da economa esses principios deleterios. e purificar a massa geral dos
humores tem sido desde tempo immemorial o fim constante da medicina, e os purgati-
vos figuram em primeiro lugar para preencher esse desiteratum ou fim.
O Elixir depurativo do Dr. Sevial parece merecer a preferencia sobre todos: os
inmensos successos obtidos pelo uso deste salutar agen e tanto na Allemanha. como em
Franca e Italia, o tornam o companheiro nsep.iravel dequasi todos os doentes.
Sendo as molestias, como cima tfissemus, devida* s alteraces dos humores, o
Elixir depurativo do Dr. Sevial pode ser empreado vaolajosamente na syphilis, erisy-
pelas, rbeumtismos, bebas, gota, debilidade 4" estomago, inllammacoes chronicas do
figado e baco, dores sciaticas, cephalalgias, nevralgias, ulceras chronicas, hydropesias.
pleunsias, gonorrheas chronicas etc. e em geral em todas as molestias em que se lenha
em vista a purificaco do systema sanguneo; pois que urna pratica constante tem feilo
ver que elle inspensavel nos casos gravissimos para minorar os yoffrimentos, e pre-
parar o doente para medicacoes superiores ; e as menos graves a cura a conse-
quencia do seu uso, convenientemente repetido.
As substancias que entrara na composicao do Elixir depurativo do Dr. Seviai
pertencem todas exclusivamente ao reino vegetal, e grande calhegoria das substan-
cias depurativas e antisypbilitica?; assim, ao passo que este remedio depura o orga-
nismo, eliminando os principios nocivos saude, pelo mecanismo natural das evacu-
ares alvinas, neutral sa ao mesmo tempo o virus sypbilitice quando este virus ja
tem feito erupcao no exterior d.-baixo de suas multiplicadas formas; e previne tam-
bem os estragos dessa terrivel molestia, quando por ventura se ache ella ainda no
estado de encubapo, isto sem se ter manifestado sob formas externas: beneficio i
immenso, tauto mais quanto neste estado os individuos ignc'ram completamente se es-
to contaminados por este terrivel immigo.
O sabor agradavel d'este Elixir convem a todos os estmagos, a sua acg5o so-1
bre o tube intestinal suave e benigna, e de nenhuma forma produz molestias me di- i
camentosas, como acontece ao purgante dito Le Roy, que na sua qualidade de dras-.
tico forte irrita a mucosa intestinal, e consecutivamente a seroza, resultando deste es-
tado, muitas vezes, hydropesias, que quasi sempre terminam pela morte do doente.
Assim pois esperamos que o uso deste remedio justifique cabalmente as nos-
sas asseveracoe8, porque sendo um medicamento to simples na sua composicao, a
pratica tem confirmado sua ulilidade.
nico deposito em I*eruaml>uco,
Na botica e drogara
DE
Bartolhomeo Companhia.
34-RUA DO ROSARIO LARGA34
Para educado de meninas,
estabelecido na grande casa contigua
igreja de Nossa Senhora
da 8<) leda.de,
E DIRIGID
PELAS IRM&ES DE SANTA DOROTHB
SOB A PHOTECCO
Du
EXM E RV.M. SR. DR. VIGARIO CAPITULAR DA DIOCESE.
Neste collegio, cuja aberiora uestejooo lera' lugar a 21 do correle, reeebenvse
meninas de 6 a 1! annos para serena educadas e instruidas era todas as materias neces-
sarias a urna senhora.
Havera' meninas interna, meiopensionistas e externas.
As iolernas pagarao 350000 mensaes, as ra-io-pensionistas I50OQO, e as externas
30000. nao sendo pobres.
Logo (|oe o collegio contar um numero iufflciente de pensionistas, ira' admmindo
gratuitamente par internas algnmas meninas pebre.
Para admisso de alamoes e para quaesquer esclareelmentos trata se eom a supe-
riora no mesmo istabeleciroenio a qualquer hora do dia.
5W s^t NOVO DEPOSITO
DE
MACHINAS
PARA DESCAROCARALGODO
Manoel Bento de Oliveira Braga.
53Rna Dlrelta a.53
Neste estabelecimento se encontrarlo as
v-erdadeiras machinas americanas chegadas ltima-
mente, as quaes sao feitas pelo mais afamado fa-
bricante da America, por isso avisa a todas as pes-
soas que precisarem comprar, de se dirigir a este
estabelecimento que comprarlo das mais perfeitas
neste genero, assim como mais barato do que em
outra qualquer parte, por isso qne 36 recebe por
conta prop'ia, bem como cannosde chombo e moi-
naos para moer milho, e grande sortimento defei-
ragens e miudezas em grosso e a retalho.
Companhia geral espanhola de seguros sobre
a vida
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
I DIRECCO GERAL
Madrid: Rna de S. Agosta!,
BA1QCEIROS DA OMPAISHIA
Banco de Hespaana
.Uaaco da con.paaI.la ent (5 de jalao de 1866.
Apolices 19:700 Capital Rs. i7:144<$670 ou moeda brasileira
^ R< Ii,7l4:476d00e
A Nacional abrac, j totas as conbidacSes do seguro de stipervivencia e n'ella pode
fazer-sesuh.-;;iipcri i J i undo que em nenbum caso se perca o capital imposto nemos la
rros correspoodeotes.
Urna aftanoa depositadatoos cofres do estado, girante a boa administracao da com
paania.
Os fondos da eornpanhia se inrertem em tttoioj do estado e se depositan no ban-
co de Heepanha com iaterve icSo do delegado do goverio e do conselho administrativo
A companhia estranh* a toda a emprez* ou espicuiapo perigoM, eos litlos en
que te invertetn os fondo* tmpdstos na mesan, no correal o menor riieo, poi etSo
garantidos pelo pvwa% portes* direr pV todt a 'icJ .
f%*
IC
O abaUo assignado tendo cmpralo ao Etos. vis-
conJe de Snas-un u >iio if--n minado Agua-Fria,
de Betieribe de baixo, e t^nd i demarcado dito si-
tio sendo spprevada pela i-amara mun
termo le O nda ) deiriarcai;a.), de po
e nao contestada do. referido sitio qne pretende
dividir, convida a quem queira comprar alum
lancoa entender se c do ra da Soledade n. 3i, ou uo mesmo sitio ton
o Sr. engenbelro Selle.
Pedro de Souta Tenorio.
CASA DA FORTUNA. pmiifMH
Aos 6:000,|!000. ItliAf Allll I
Bllhetes euiAutltlos KIIIirJK!/l
A RUADO CRESPO N.S3 E CASAS DO OSTUME X |f||lfl I f| 11 I M
., t0 Sigoado vendeu nos seus muito feli- M MJM.% V V* i M.MM,RL JL
nanleipil io\}Z!?'*"iaM" da lotera que se acabce. J-,,.,^ ^qwatti Aa Un
sse legtima de eVrao" bfaetlcio da colonisao polaca, os 3^1^1106 hiDiaZem Q6 tlll-
n nri>i>.a.i 15e?,0,?2* Premios : m a-----------j________x__ -J.. i
^Lu,n mei0 bllt>eto cora
VERDADEIRO LE ROY
de SIGKORET, Doctenr-Mdecin
Ru do Seine, 51, a PARS.
Em cada garrafa, ral, cutre rolha e papel azul
que leva o meu linete, um rotulo imprtsso em amar
rrllo Com (TSe 1.1.0 IBPBRUL DO COTIXNO FtAHClZ.
-V. i. HemellenUo-se ana Ultra de 500 francos
Abre Paria, accitavel a 60 da* de vbta, ao mximo,
goza-te do abalimrnto e do malor detcoato.
t)r|.nsltfl principal
lo Irgilimo l.e Roy
rm Ca/a do nosto
ii.iico aprnte peto'
liraril a Snr Awto-
Mo
ei
nos
naceutcos.
aril a Snr Auto- f ~~ V
lo Frnc : de La- ^>y
ni na B.ihla e )
m principis phar- ^- | -^^
FERRO QUEVENNE
Apfrotado pela Acadmia de Medicina, .
Auct*ruad$ per circular especial de Mvmtr.
0 FERRO QUEVENNE se usa em todos M r-
aos pa as quies os ferreos ato prescriptas.; nio
fu os dimes carem prelos; he a praparaeia a
mais activa, a mais agradavel e a mais ecoao-
ica; muitas vezes um frasca ha* snfficieate para
corar ama cMorosis.
A experiencia me provoo que nenhuma pre-
paracio frrea he supportada mais fcilmente
que o ferro quevexxe, em ebaervaada aa
bailes de desea muite reciUdaa.
Boucmabuat, Annuario da tKtraptutica, Ittt.
O Piano Qoiveri vande-se aa fraacM dt
ffrmiO- CBNTIG. ^-^g^*.!
Uiii4nUiut. IMfrtaisIta, I a
Deposito geral em caaa de Batallo Generli,
14, raa das teaux-Arts, em Part, a em tedas aa
boticas. Exigir-o Si*4ti Qunennt a a
dt Fabrica cima.
Aelectrjcidade boje empregada por todos oa
mdicos afamados, para o tralamcnto de multas
molestias, mesmo para as que resistem as outras
medicacoes
A electrid.ide prodniida pela friccao tem nraa
superioridade ncoiitetavel, e a vantagem de ua
dar alalos, c de poder ser graduada pelo tioeote.
A causa a mais frecuente das molestias a
estognaca do sangue ou dos oulros lquidos vt-
tacs. K.siablecetiilo se a circul^ca no orga-
nismo, curacao-se as innlestias.
Quando se sentc alguaH ittr em quelquet
parte docorpolng, einstinclivamentp, secrfrega
o lugar endoloridn com a ma, e slo allivia. Isto
explica o i. ...liaiiii ncomestavei que deve pre-
Uiiir um ar-parcllio e'ectrico. Por isso k.tnot
proieremannunciarao PotilcoqueoSnr liuissos
(le Bivillii-rs res dente, boulcvarl du Prince-
F.ugene, tS, em Paria, dotou a medicina de um
apparelbo EI.ictro-Hegiietieo, sob a forma de
ui.,1. escoia, coro o qual os doenies se jiodera
aturar sem uelmuia ouira medica^a. Ot mdicos
que a tem experimentado, aiteslara que a
Escota lbqtro-Maohetica cfCcaipara
curar: es &heumati>mos,al?uraly>ia. Cotia,
Fmqueift do% membroi, e da Columna ver-
tcbral. debilidade geral, KTevralgiaa, esa.
Estamos certos que breve cada familia pouuira
etta estova que prestara grandes servicos.
A pedido de lau i tas pessoas, o autor decidio-sa
a establecer um deposito de seos apparelbas na
tfio de Janeiro, em cata do Sn DiDiaa Uoirr,
raa nova do Ouvidtr, 88.
MED.4LHA CE OCRO. premiode is.boof:
HUII NA
ELIXIR Febrifog e Fortificuu
ii .-irim ist nsaai i uaeni ti tiut.
Experimentada eom pleno snceeaao nos
li.pitaes, a quina Laroche (aa extracto
completg de quina) i ama preparacao
excepcional, por ser privada do amargo
daquina. Agrada porconsea/uinteaspessoat
as ni ais intolerantes e aos paladares os mais
decad s, pois nem e muflo doce ncm muilo
viscosa, sendo de urna limpidex constante.
Km prega se om muito proveito nos caaos
degattrulgia, dytpepcia, nevralgia,
ma, niaramo, eaehniai
fas to sen nota m ppare nt c, conr le ____
!" deraarada, ehloroae e eicrophalaa
E octpecilico das molestias febril.
GUIA UMKHE FERRUGINOSA
cjiiiIi lata i, trttriaiai's ii ftrrt fiiu.
EM PAfZ,
15. ru Dnrmjil.
P. MARER &
ra Nova n. 18
M A
Preclsa-sK de tima ams para lavar e eogommar :
na ra do Trapiche n. 36, 2 andar.
Precisa-s.-i de ua a'nia^para "ciihir para
casa de hoineiu sulieiro : na i ua da Aurora n. 5i.
Jos Lopes Alheiro, tendo de seguir ho]e do
vapar fraace/. para Portotial, a lira de tratar de
negocie di sua familia, e nao tendo lempo para
s despedir de seos amigos pede por em alu In-
voluntaria 4rscuip* e Ihe offerece seu pre*timo
naquelie R-imcomri dur do qn all tem d- demorar-se d-ixa nnata ri.lade
por eos nroruraderes aos Sr*. ManoKi }<(, dae-
d-s de MagaUMee. Franco C jeiho Hrandio e An-
tonio Gnncalves Cosa.
Monte Vio Portguez.
A dlrecloria prnvioria leva ao Conhenmentn
do* Srg. associados, que ( alterno do Monte Pi a socio Sr. Joa j Feraandes
da Silva Oliveira ; e iju* p r e.He vi mandar pro-
ceder a disinboicj djs diplomas r eohrataga das
mensalididea relativas ao aemeatri) find.. em de-
lembro passado, tendo r.adajtoci.. de dar a ejnan-
lu de JOO" pelo res.eciiv diploma, conforme
determina o 11* do wt. il da e.utute.
8ecr>-ura du Huele Po i'orluguez coi Peruaro-
bueo i* i* Janeiro de 1667.
Jos da Silva Lovo,
Presidente.
Joaaoitn Gerardo de Bast*.
Secraurio,
w.u i surte de 1:200
v' i*hq e ,nte,r n. I5cai dou< qi] .i ios cora a sorlu de 200*.
fc ouiras cuitas sortes de 100, 40# e 203.
us possuidores podem vir receber seus respec-
tivos premios sem os descontos das leis Da casa
da Fortuna roa do Crespo n. 23.
.v., "m'8 "la os da 3. parte da lotera
Deaeocio das familis dos voluntarios da pa-
tria qne se extrahira' sext"--feira 8 de revereira
Pre?.
Bilhetes------------ 6.WO0
Meios............ 3jooo
Qaartos.......... i'00
m pawai que eumprarem de
para cima.
Bilhetes.......... 54500
Jf'lo*............ 750
Qoartos.......... 14375
____^_ Manoel Martin; Pina.
Pan
loq^ooo
r-iK. ? r-a de Vl8tas P^oa'ado na m
n,il.Ja/\br.,c* da viuva Roftno = 'use n,. ar-
f^taJ.* smare,la. Pr- baixo do sobrado n.
1 da roa do Imperador.
. trMk
na roa da Praia n. 85, segnodo andar, precisa-
seae nma ama para cosinhar a fngommar.
Dr. Ignacio Alcibiades Vel-
loso
HEBICO.
Contina a residir na roa da fmperatriz n. 48,
i aar,o0?de Pde S,1T procurado. Da consultas
das b as 8 horas da roanba.
'ojo Goilberme Romer, participa ao respei-
tavel publico que mndousna offlcina de ferrador e
Pintor da ra da ponte Velha para o caes de Ca-
pibanne n. 18 e continua a trabalhar na sua mes-
ma profissao.
IP^^AO LiDlflRAMA
, DA __
ILLSAO AO NATURt.
Francois Meno, fax ver ao respeitavel poblieo
que no dia 2 de fevereiro sero mudadas as vis-
tas para se collocarem outras e magoieas, e o que
ba de mais superlaifvo, feitas por Mr. B^rreng e
recouhecido o melhor artista em desenho, seos
quadros de balatha, sao como a realidade e rs ou-
tros pelo mesmo gosto, a debnico destes qoadros
se enconlra-ao sobre a nuroeracao dos oculos na
ra da Imperalrix n. 32, loja, a maneira de um
jardim chlner, s se admiltem pessoas decente-
mente vestidas :
Homens e senhoras 1J000
Meninos ge
Familias as 3 primeiras a 1*000
As que escederem ou meni-
____ nos soo
tas medicamentos etc.
Rea de Imperador n, 22.
Productos chiraicos e pharma-
Wl ceticos os mais empregados em
a| medicina.
Tintas para todo o genero de pin-
tara e para tinturara.
Productos industriaos e tintas
para flores, como botoes de Aeres
e modelos em gesso para imitar
fructas e passaros com o compe-
tente desenho.
Productos chimicos e industriaos
para photographia, tinturara, pin-
tura, pyrotecnia etc.
Montado em grande escala e sup-
prido directamente de Pars, Lon-
dres, Hamburgo, Anvers e Lisboa
pode offerecer productos de plena
confianza e satisfazer qualquer en-
commenda a grosso trato e a reta-
lho e por preco commodo.
Fio dealgodo da Baha
Vndese no escriptoriode Antonio Luk de OH-
velra Arevedo k C., no seu escriptork roa da Croi
n. 1.
Vende- e
Acba-se fgido e supi oese andar na eidade
do Reci'fe, onde j foi visto nos das 18 e 21 do
crrante mer de Janeiro, o escravo Jonqoiro, per-
tenceole a Jos Teixeira ta Mona Cavalcanii, sen-
do os seus signa es os segointes : cabra, estatura
regular, secco do corpo, 23 a 24 ancos di idade
pouco mais on menos, rosto compndo, bocea gran-
de, babao, olbos grandes e amortecidos,, fallante,
doiojinbdco, o toroozelo de um dos ps encbado
provenirrtp de rheumatismo, conduzo ura bah
de ar.di-a contendo om paleto! de alpaca preto,
um r i Lie de casemira preto, urna caiga branra
ft'n /ramada pertenceote ao seo dito senhor, e uns
-.utos de inventario de Francisca Therea de Jess
casada que foi erm oportoguex Antonio Jos Meo-
des : roga-se portanto as autoridades policas, aos
capites de campo e a qoalquer pessea particular
a sua appreheoso e de o levar ao seu do senhor
na villa de Iguarass, roa da Matriz n. 8, ou no
escriptorio do Him. Sr. Dr. Aicoorado, a ra do
Crespo n. 4.
Precisa-se de urna a.Ta
ra do Rangel d. 64, deposito.
para co.-iahar : na
COMPRAS
Oompram-sc eseravos
Silvino Gmihermo de Barros, compra, vendo e
troca effeciivamente eseravos de amos os sexo.-
e de ttOs as idade: : a' ra to Imperador o. 79,
lerceiro andar.
O uro e praa.
Em obras velhas : compra-se na praca da ln
dependencio n. 2, loja de bilhetes.
Compram-se libras
udepftndeiicia o. i"-'.
sterliuas : na praca da
Compra-se ouro, prata e pedras preciosas em
obras velbas : na ra da Cadea do Recife loja
de onrives no arco da Concelcao.
COIHPBlTB
cobre, latan e chumbo : no armazem flu b >la ama-
relia, por balso do sobradu w. 29 tU ra i Impe-
rador.
Compra-se um ^reto
armazr>ra.
a ra da (,'uz n. 6,
Libras
Compram-se a 10 esda urna : no escriptorio de
Antonio Luu de Ollvdra Aievedo & C-, ra da
Croz n. 1.
Compra-se nm escravo j na ru* da Cruz nu
mero 6.
Comprase nma escrava que alba l^m cosl-
nhar e ngommsr: a tratar na ra do Caboa n.
i,loja.
Compra-se
Vi^.
Para cana d- pillea familia : a tratar na roa de
Sanio Amaro n, 48, i/aga e bem.
eu aluga-se urna*padarla qon seja em una ra bem
comroercial : a pessoa que tlver para vender pode
vir tratar na ra da Concordia n. 64 padaria ou
annoocfar pnr este jornal p;ir.i ser procurado.
Compra-se urna molat de 18 a 20 annos,
seodo recolnida, de boa coaduda, boro genio, e de
bonita ligara, e que atiba eogommar e fazer todos
os mais ji pcos de urna aia ; nao se repara o
preco, poli I para se brindar a urna senhora : a
entenders/, na rna rstreita do Rosarlo n. 11, se-
guido amar.
VENDAS
Vende-se
urna escrava moca mallo bonita neura seas defei-
tos ejaem achaques : a tratar na Boa-Vista com o
Sr. Antonio Caroeiro daCuoiu.
Vende-se urna ascrava com !0 annos de ida-
d<*. perfeila eag,amsa*'irn e cnslureira, cosinha e
fax todo servico de urna casa com asseio por ser
rooitofivilisada : ua ra Oireita j. 14, se dir'
qoem vende.
MI
urna acrava para todo o aervica de oasa e nur boa
lavadoira e^mlandeira : ui ra do Ranga' .
Jttathes lusttn A C.
Vendem no sen armatem a roa di Seniafa Ve-
lha n. 106 :
Latas com gaf la 1' qualiitid-.
Barricas com farinha de milho mtiito nova,
Saei-os grandes eom farello novo para acabar a
3*500.
Barrls (v>m pregns am arican os.
Precln-ae de oapa mulher estrangeira e de
naos cosame eara ama de cana de familia : a
P tu qii a.tlvaa* ri9'1M enndiriV* dirij4-se a'
la ILEGIVEL
Motores americanos para dons cavallos, dito dito
para qnatro cavallos, machinas para descarocar ,
a0,0. o',16'18.' ^ ^ 35 e serras' P"B- Sd "a Ifie es e brVncoa
cs para enlardar algodao fazendo as saccas eom
seis palmos de compriratnto, com o piso de 150 e
200 libras, viodas ltimamente da america; no
armatem de Henry Forster & C. no caz Pedro
n. 2, junto ao gabinete portugaez. '
ii.
a.
o
en
T3
ss
So
Farello a 4GOO nevo.
A' rna do Apollo n. 4.
''ende se
Jlo da Silva Faria <5 lrmo, na ra d Croz n.
66 continuara ter a' venda vinhos de Bordeaux de
boas qualidades, sendo branco engarrafado, e tinto
em barri:. qoartolas, e engarrafado, assim como
champagne kirsc.
AttcncSo.
Na ra do Qoelmado n. 7 vende-se urna rica ar-
maco proprla para qualquer negocio.
Oleo de linhaca-
Vende-se oleo de linhaca um puco escuro, pro-
prio para tinta escora, a 1,5280 o galio : na roa
larga do Rosario n. 34.
XAROPE
DE CASCAS DE LARANJAS AMARGAS
ate I. p. Laroze, phar macen fIco
em Pars
35 annos de successos alte.-tam a sua eflleaeia,
como:
tnico excitante, para ajudar as toe-
co s do estomago, assim como dos intesti-
nos, e curar as doencas nervosas, agudas ou
chronicas.
tnico anti-nervoso, para curar os incom-
modos percui sores dedoeocas assim evita-
das, e para facilitar a digesto.
anti-periodico, contra os calafrios, calo-
res, com ou sem intermittencas, e que leem
por especficos as substancias amargas; tam-
bera eflcaz contra as gastrites e as gas-
tralgias. .
tnico reparador, para comba ter a ex-
hnustacao do sangue, dispepsia, anemia, es-
gotamento, inappetencia, langor etc.
Deposito em todas as pharmacias e casas
de drogaras no Brasil.
ExpedigSes, em casa de J. P. Lazoref roe
des Lions-St-Paul. 2, Paris.
Deposito era Pernambuco, pbarmacia de
P. Maurer & C ra Nova n. 18.
Calcado barato
Vendem-se na praca da Independencia ns. 37 o
Burzegins de lustro para homem a 5.
Pitos de beterro para dito a 6*.
Ditos de pellica para dito a 65.
i; tos para senhora a 2& e 4.
Di ios para meninos a 500.
S.patSes inglezes para homem a 3*600.
Hilos ditos para menino a 3*.
unos de tranca a 1*280.
Campos & Sobrinbo, lera para vender em
porcao e a varejo : superior cal de Lisboa, por
menos preco do que em outra qualquer parte, vi-
olio do AlloDouro, especial para a estacao calmosa
por : er inteiraroente pnro, ovas do serto raoito
ir-.-, as : a' ra do imperador n. 28, defronie da
relami.
veade-se
um cabriole! de 4 rodas e urna meia calessa pin-
tado e forrado de novo : no caes do Capibaribe.
Manteiga'ingleza flor por 800 rs. a libra, cha,
rotos delicias apraziveis a 1* a caixinha de 50 :
na ra da Imperatriz n. 6.
Espartilhos.
A agola branca, na roa do Qaoimado b. 8 rece-
ben nova remessa daquelles boos espartilhos e
cuonona a vende-los baratamente como d'ante.
Argolas de borracha
para atar papis, segurar manguitos, etc., etc.: na
loja d aguia branca, roa do Qaemao n. 8.
loitvti;
1867.
i os peridicos da
para
Asiigoaturas para odas os peridicos da Euro-
pa e do Brasil.
iHitribolcIo gratoiu dos catlogos respectivos
RUADO CRESPN. 9 ^"1U0
UTrarla Fraaeeia.
Vende-e orna arraaeo que serve para qual-
qoer McacM, tendo a casa moradia independente:
oas Lineo Ponas o. 68j
lfRO DO POVO
ron
AXntmd aVartiaea Rodrifaet.
tnrartcajBBenada e aaprovada mIos Exros.
aicev.ts#o 4a anta e kispo 4o MaranMo, adop-
tada aa eanias primarlas 4* Aaaauonai, Para*
MaranMx ftaony, Cwk, Parahiba Peraanba-
co; dtaal c aaaauu e nltidaoMato in-
pre* I vi. earUatHk.. Preco t#
Varna-ie aa livraria Eeoaomiea defronie 4o ar-
co de Santo Antn.
- mtt nai *Hf *****>t******
*n' ares: a tranr ata roa a Coocordia i. 64, pa-
d.i(
equifes ou babadihos de cambraia.
A agufa branca acaba de receber ura bello sor-
imecto de nqmhs cu babadmbos de cambraia eo-
fetados de branco e de cores, e mol proprios para
vestidos de senhoras e menina?, a mesmo outras
ooras a que as senhoras os pplicam' com acert e
i^asS.c'Dh"slode5me,ro* vendem .-e a
a#oooe 3# cada urna ; na loja d'aguia branca tua
oo (ueiraado n. 8.
Albttns'para retratos.
nii.,pu,a branc* "ceben novo sortimento de bo-
nitos albuos para retr.ios e conmina a vende-los
i nu ^yr,6 50r pre?0s wmmodos ; coroparecam
Novos enfeites para vestidos.
A a guia branca a ra do Qnelmado receben bo-
tos enfeites para ves idos notando-te entre elles
; as eascarrilhas com bico, obra nova e de gosto.
Bonitos chapeosinhos modernos e pnmoro-
i smenle enfeitados para senhoras.
i A loja de taldelas a ra do Qjeimado n. 16,
[receben pelo ultimo vapor eses bonitos cbapeosi-
nbos obra de muito gesto o elegancia e bem ne-
cessariis para as senhoras quo tem de dar algom
passeio as estradas de tarro, assistir as jeslas nos
ayrasiveis arrabaldes, fazer visita etc., etc. A
quanudade pequea e o preco commodo por Isso
quem nao se adiantar arriscado a nao arna-los
raa s em dita lo|a de miudezas a ra do Queima-
do o 16.
iCarteiras de algibeiracom tesoura. pente e
mais necesarios para viagem.
Vcndem-se na loja de miudezas a ra do Quei
roado n. 16.
foques fioginde cabello.
Lisss e crespos, siogelos e compostos, de gom^s,
canudos e redondos, coberlos com tJiel simales e
de vidrinhos, ornados com flores e fitas, obra nova
e de gosto.
Fara senhoras e leainas.
Loques finos de madreperola e osso, todo de sn-
dalo e de sndalo com seda, com fios e bonitos
deseo bos.
; Obras de luadreaerola.
Bonitos peotes de madreperola mui alvo para
coques, lindas (Ivellas de dita dita para cintos, de-
Ifineles e brincos, botdes para punho, o-
bra prima.
Aderecos, pentes e fivellas iguaes de dita, a
brincos. Fivellas e Otas para cintos, cintos mati-
sados.obra novissima e de posto.
Un ti os enfeites itonoieu para
seohoras
A agola braoca tem a satisfaco de noticiar a
soa boa freguezia que acaba de receber lindos en-
feites Bonoiton obras delicadas, de conta e ulti-
ma moda, o que ser devldamenie apreciado pelas
excellentissimas seohoras de bom po.-to Os pre-
os dsstes enfeites sao commodos e isso verificara
quem se dirigir a ra do Queimado loja da acula
branca n. 8.
Ramos de llores Anas.
Como geralmenle sabido, a loja da aguia bran-
ca o jardira das finas flores artifieiaes, e alm do
bom scriimeoto que sempro se acha em dita loja a
aguia acaba de receber novas flores as qnaes se
eonbece o rigor d'arte imitando as flores oaluraes.
Na loja da aguia branca a ra da Queimado o. 8
acharo os apreciadores do boro e delicado caixode
flores com coropridas ramas, rosas, etc., ludo do
melbor gosto e primeira qualidade.
Meias freas para padres.
A aguia branca a' ra do Queimado n. 8 rece-
beu novo sortimento daquellas boas meias pretas
de lai.t que oniinuam a ser vendidas a o00 o
par.
Yisporas e dminos
A aguia branca a' ra do Queimado n. 8 reca-
beu novo sorhmenlo de visporas em caixas de ma-
deira e papelo com 24 e 36 candes, tendo entre
elles alguos com chapa de metal para abrir o no-
mero ; assim como dminos em caixas de madeira
branc? e envernisada.
ftap Paulo Cordeiro.
A loja de miudezas a' roa do Queimado n. 16,
recebeu nova remesft de rap Paulo Cordeiro, e
continua a recebe-lo por todos os vapores, para
qoe os apreciadores achem sempre boa pilada.
Botte grandes
e pegenos, pret s e de outras cores.
A aguia branca recebeu um bello sortimento de
botdes de diversas qualidades e gostos os mais
moderaos, a elles boa freguezia da agola branca,
comparecam a ra do Queimado v. S.
Meios aderecos domados
Na loja de miudms a ra do Qoei.mdn d. 16,
vendem-se bonitos melos aderecos ouordn fino
obras mni befo acabadas e de novsimos moldes
gostos agradaveis e precos to commodos que ne-
obum comprador objeciara.
Amostras de obras douradas
A aguia branca a ra d i Queimad n, 8, rece-
beu urna pequea quactidade de roaos aderegos
dourados, obras de moldes inteiramente novos e
agradaveis, e acabados cora perfeics e mesmo as-
sim a aguia quer vende-las baratamente para aca-
ba-la^ al o tiii desla semana, por isso os preten-
denies compafec m munidos de dioheiro.
[rrtagao dospulmoer. angi-
nas, tosse, escarros de
sangue, crupo ou garro-
tilho, catarro, ronquido
e tedas as ineumeravei molestias que affec-
lo aos orgos da respira?5o
USlIMMItltlH
ediante a acco da balsmica e irrev
ANACAHUITA
PEITOfUtL de KEMP.
a an ac Imita mexicana que d o nome 6S"
pecial este incomparavel remedio, urna
arvore, cuja madeira por muito tempo se
ha usado no Tam pico para a cora das in-
formidades cima mencionadas. Foi tam-
bern eusaiada e approvada pela academia
medica de Berlim 0 pei toral de Kemp
nm xarope delicioso inteiramente livre de
opio, acido hydrocyanico e outros ingre-
dientes no*ivo.
k' venda ivas drogaras de Caors & Bar-
bota, Bravo & C. e em todos os estabeleci-
mentos pharmaceuticos do imperio.
Deposito geral em Pernamcnco roa da
"j\a n.22 em easa de Caroa
A' presos redusidos.
Vende se papel mabrado do melhor goato, che-
fado nkimamente de Pars, o 1* tanaaoo 30 reJs
a folh e 640 a roo. o i* a 40 a olha e 800 r
nao, o 3* a SO a folha e laWOO a mi, o V 60 a
folha l^SOO a mi ; dito roarroqunado de dif
(renles ores, mallo locorpado a 100 res a folha
* MOOO a mi ; dito icbaoulolado a 160 a folha
30800 a mi ; dito d'aaaa so cor, marca grande,
30 rala a foll 60 a nao ; di|q taagria, muilo
Iluda a UO folha e 20500 a mo ; dito de peso
tarjado da rlV Inio, a 80 res o qnaderno
eltliiidt tSfoihas; dito ota beira donra-
da, Mtb MBdi freco ; na roa de Imperador B.
18 defronie da SVFrancisco.
Folhmfias em aHemJo^
PARA W67.
Llorarla framceza
Raa do Crespo n. 9.
fea
^r
inMia.1
iiaiaajimaHJla


-* 0"^-*ara*^aejej>asja
-w'
---


'
Diarlo de rernambueo -*-. egaada felr 4 de Feverelrd de 1867.
E
53 RA QA CAOEIA 53
PAS^XOtf O AttCO DA COfCBrlO.
Flfffl MSI8MA
DE
Acaba de receber e tem por bartennos presos ,
* ; freguezes, qoe tem augmentado a sua ofBcina da
OLYMPIO GONQALVES ROSA
Ra do Livramento n. 14.
O propietario deste estabelecimento
faz sr.iente ao repeitavel publico e aos seus amigos
alfaiatp, e e dirigida por ura hbil mestre, se eoear-
_ ucfuvio-i h -'" raiiiiiiuuav a aua ULUolUH UB anillan', B e QinglOa por U'U lidllll uiesirn, so eun.ir-
aim 6 Ol C05tUIaO e milltO COlUDletO SOrtlBeillO rega de fazer com proraptjdaq qualquer cncommeoda, das pessoas que quiz-:rem hsnrar seu estabele-
T" "**** r cimento por precos mais baratos.
de gneros os segumtes abaixo declarados.
Queijos de Minas.
aegados pelo titimj vapor a 1,51800 rs.
Gommi de milho branca
americano.
MUSCA.TEL DE SETUBAL
o omito excelle te vinho moscatel por 20#
a caixa de duzia e 2(5 a garrafa. j
CHA
hysson de primeira qualidade a2#SQ0 rs.aj
libra, uxim o que ha de mais fino a 24 rs.,'
Assim como tem um compilara sortimento de fazendas Boas (as qaaes nSo sendo cosame pro-
curar as lojas do Livranp-nta) espAfc- qae seus amigos a frcgueie o aourem cora suas presencas,
mis vende raais barato que ootro qaalquer.
imelnorqrteha para papa, pao-to-l.-bolo, alm' d tM ga muitas ouiras q^^des j
angica, creme etc., mulo substancial e propria. para veadef a rela,Q0) que sev6Dde
i de 1#J00 rs. a H rs. a libra.
CHA PRETO
o mais especial qae tem vindo a este mer-
cado a 2#>0 rs. a libra.
aadavel a 6*0 rs. cada pacote del libra.
SALMO E LAGOSTIN
egdo nltimamente em latas de 2 libras
{00 rs. cada urna.
HOCOLATE
iianeez a 500 rs. o pacote, dito hespanhol
MAtlAS
estrellinhas para sopa era caixas sortidas de
,/peCiaL^IBeh0 q G aomerca- p0r4000rs, palharim, macacr5o,
o a l#80 rs.
LATAS DE LINGUigAS
com 6 libras ermeiicamente fechada a
i#50, e de barril a 640 rs. a libra.
VELA* PARA CARRO
em pacotes de 8 velas a 900 rs.
VINHO DO RHENO
v*dadeiro a 20000 a garrafa.
BORDEAUX
iu mais acreditadas" marcas: S. Jalien,
flaakBrira. St. Emilioa e St. Esteph a 800
rs. a garrafa e 8#00 a duzia.
O EXCELLENTE E AFAMADO
COLLARES
agarrafado da bem conhecida casa de De-
jant C a a 105000 rs a duzia.
PORTO
diversas qualMades engarrafado, inclusive o
mais fino que ha n'este genero por 800,
10000,10200, 1,5.400 ei5u0 rs. a gar-
rafa.
OLD CHERRY
o mais superior do mercado a 10500 rs. a
farrafa e 150000 a duzia.
VINHO BRANCO
aicelleute quadade, de Lisboa, e proprio
para missa a 800 rs. a garrafae 80000 rs. a
caixa de duzia.
VERMOUTH
inperior qualidade em caixas de 12 meias
jarraf:s por 120JOO rs. e cada meia garra-
fa 10200 rs.
etc., a6i0rs. a libra.
PREZUNTOS
os verdadeiros de Lomgo a 640 rs. -alibra9
560 inteiro.
JALEIA DE MARMEELO
em latas a 800 rs.
MOLHO INGLEZ
diversas qualidades a 720 rs. o frasco.
MOST\RDA INGLEZA
maito nova a 800 rs. o frasco.
MOSTARDA FRANGEZA
a 640 reis o frasco. "
ARENQUES
em [alas a 600 rs. cada urna.
Garrafas
brancas para mesa superiores a 50 rs. e a
60 o par.
COPOS
diversas qoalidadese tamaohos a 30rs., 40
50 e 60 a duzia.
CAPACHOS
de cores e differentes tamanhos a 500 rs.
640 e 800 res.
BALA OS
diversos feiti os e para compras desde 500 rs.
at20 rs ; ditos grandes proprio para roupa
de 30 a 50.
GAZ
omais superior gaz liquido em latas grandes
com 5 galoes por prego de 100 rs.
toSQUimit Sift P8ETA,
A' loja de fazendas de Augusto Porto & C.
11Ra do Queimadoii
m D4 C4IWHH3
GRAIOE LIQ(TID&AO
i Ik/J
23 largo do Terco 23.
Joaquim Sirao dos Santos, dono deste bem sortido estabeleciment de seceos
Qiolhados, faz scente ao respeitavel publico, tanto desta praca como de fora, que ve-
2ham fazer suasde-pensas a este estabelectmento para verem a grande iifferenca qae faz
para menos preco, caso fossem comprados em outra quaquer pane. Etodo o freguez
que comprar de 1000000 pira ci >a ter o descont de 1j% peloprompto pagamecto,
faz-se esta gran ie diffurenca por estar-se em liquidaciio.
Gar. americano a 4oo rs. a gararfa,- e 90 a lata.
Caf do hio de 1.a e 2.*sorte a 2o e 2oo rs. a libra, e a 60 e 70 a arroba.
Queijos de diversos vapores a 204oo, 208oo e 30o o cada um.
Pho>phoros do gaz a 202oo a gross, e em porco se faz abatimento.
Ceneja de diversas marcas, duzia 50, 505oo, 60 e 70
Arroz da me h r qualidade a 12o e lio rs. a libra e a 30' Pa,ael de linho marca vi do a 40ooo a resma, em porco-baabmenlo.'
dem fin i demarca martello a 505oo e 60 a resma.
Vdio das melhore.e mais acreditadas marcas, a 207o), 30 305oo e 40 a caada e
J 36j, 4oo. oo e 56o rs. a garrafa.
dem r.ranco superior qualidade a 40 a caada e a 56o a garrafa.
Cha min linho egraudo la melhor quadade a 0, 202oo> 0oooe 208oo a libra.
Manteiga ingleza fina, a I0loo, 1012o e I0ooa libra, embarris ha abatimento.
dem mais baixa a 72, 8oo e 9oo rs. a libra, era porreo ha grande abatimento.
Iemfranceza muito nova a 4o rs. a libra, e em barril ha grande differenoa.
dem mais baixa a 48), 82o, 56o e 6oo rs. a libra, em porgan ha abatimento.
Vinho do Porto engarrafado e em barril a 64o, e a 10 a garrafa.
Alm destes gneros ha out-os miitos assim como bolaohinlias de soda a 101oo e
Calata, clumrigas egenebra de todas as qualidades, raassas para sopa, copos a 50a
uzia, s no Conservativo largo do Tergo n. 23. ^
A' loja de Augusto Porto & C. chegaram as memores basquinas de seda
preta que se vendera por mdicos pregos.
. Vestidas de moiade coces oara bailes e partidas.
Ricos vestidos da Biood i-om anta e capella pora noivis. dB
Costums completos de casemira para-homenvfa^j* ospesial, sendo $]&
as cagase palitotsda ulma moda. fa
Bonets de pallia- da Italia parasenhoras e chapos da phaut*sia para ho
mens. "
Enxovaese vestidos bardados para baptizados de 100000 a 300000.
Camisas in^lezas pa?a horaem, peito, punosecolarhosde-tinho supe-
rior.
Ricas salas de linho bordadas, bales, espwtilhos, meias finas, lenges
bordados, camisas, tamisinhas, manguitos bordadas para senhoras.
Colias de seda, e de. la e seda para camas de noivas.
Corlnados^ bardados para camas e janellas.
Tapetes para sof, cama e piano e pannos para cobrir mesas.
Bramante, "Bfilhantina Miciennes ou cambraias de pafys, fazenda mnito
bella para vestidos, silesias, bretanhas, e cambraias transparentes tapada e
de linho.
Moireantique branco e preto, sedas braheas, de-cores e pretas, e gres-
denaple dje todas as qualidades.
Brins de linho branco e de cores dos melhoresv
Neste estabelecimento ha sempre so.-timento das meThres e mais baratas.
Yapares.
'Vende-seem cta de Saaoder Brothers & C
no largo do d>rj"'Santo n. II, tapores patentes
cem lodos os pert?rices proprio? para fazer moTer
tres oujji.auo qiaiiiinas p^ra dnscaro(r algodo.
P0T4S:U l \ RUS,
Vede-se putass .la Ruseia mrrii superior e de
qualidade a n-.r.i aprannaoa para o fabrico de
assucar a preg ft^soavet, no armawm de Jos da
Silva Loyo & C.
Aos agncflUores
Saunders Brotters & C. arabam de receber de
Liverpool vapores de forca de 3 a 4 caaallos com
todas os pertenece, e mol proprios para faier mo-
ver machinas de descarocar algolo, podendo cada
vapor trabalhar ate com 140 sorras, 'ambem ser-
ven para enfardar atoodo on para outro qualqner .
servio em qoe usanTtrabalhar com animaes. Os Br5!I0.^.,">D Cm Pail,)S
mesmos tambem tum a venda machtaas america-
nas de 35 a 40 serras : os pretndanles dirljam-
se ao largo do Corpo Santo n. 11. ^^______
Loja, do (jallo Vigilante
RA DO CRESPO N. 7.
Grande e variado sortiment dos numero-
sos objectos de apurado gosto que ultima-
mente acaba de chegar para este bem co-
nhecido estabelecimento, pois seu corres-
pondente em Paris o mais habilitado pa-
ra a escolha de taes objectas, pois os com-
(prqdores podero apreciar, como sejam lin-
dissi ios enfeites de cabega com cok de
cabello, e sem elle.
S no vigilante ra do Crespo n, 7.
E afeites.
Roques com caixos e de novos penteia-
Admirem os preces
Vo ama/en de Itizeedas de Sassle*
Coelho.
Roa d Qnein^do n. 19
Vend-se:
MadapoiSo entestado fio > > 9) i pee* com 50
varas.
Ditos de 7, 7/300, 8#, 9*, 10$ e lli a peca coa
20 varas.
Camhraia de lista de duas cores para vestidos
800 rs. a vara.
Baloes de arros para senhora a 25300, 34 e3*K00
Ditos de arcos encanados de 34590 e 4!.
Ditus de tnorculioa a ktHOQ.
Ditos de arcos par meninas de 15600 e lf.
Toalhas de linho alcochoadas a 12 a duzia.
Ditas de feltra (pelld) a 134 a duila.
Aloalhado adamascado de algodo a 94 a vara
Dito dito Oe liBh a 8* a vara.
de largara a
25.SOO a vara.
DI 1 o de dito de 9 l|2 dilo a 24400.
Dito dito de 5 dito a l$iO0.
Dito dito de 3 1|2 dito a 800.
AljjorJ entestado com 7 1|3 ditos a 14100.
Relondes de fil preto a 74.
Bonrnus db dioa 104.
Chales de dito a 54.
Cambraia adamascada pan cortinado coa 90 Ta-
ras a 135 a peca.
Lencfls brancos de cambraia finos de 24, 34.
35500 e 44 a duz.a.
LSarinha com Itares muito Asa a 400 o eoTado.
Dita lisa d.u a 480 o cova4.
Cambraia de linho fina d-- 65500 a 95 a vara.
Cambraia lisa mnito fina de 54, 64, 65500, 74 t
84 a peca.
Colxas de (ustao alcochoadas brancas e de cores a
64000.
Cobertas de chita da India de 25'00 e 24800.
Lences de h mburgo flno'de 254tW e 25600.
Dilos de bramante de od s panno a 35tOO.
Tarlataoa de todas as cores a 800 a vara.
Moreantique preto superior a 24600 o novado.
dos.
Trangas pretas e de cores, e de todas as Grosdenapie de dito a 14800 o covado.
larguras, com vidrilho e sem elle, para en-' Pianeiia ie cores a 800 o covado.
feile de vestidos. I Camhraia de salpicos branca eom 8 lt2 varaa pt-
Bicos de seda com vidrilho e sem elle. Fl S liso fiD0 a m a vara
Gravatinhas de velludo para senhoras. | Dito dito com salpicos a 900 a dita.
, Gravatas e mantinhas de seda para ho- Guardanapos de linho para mesa a 35500 a duzia.
Esteiras da India para for ar salas
11-Ra do Queimadn11

.->,
mem.
Gravatas brancas mnito finas.
S no vigilante ra do Crespo n. 7.
Volt!tilias para mentis.
Voltinhas para meninas.
Pulseiras para as mesmas.
Correntes para relogios fingindo cabello.
Riquissimos shtos, fivel'as e fita; para as
mesmas e de outras muitas qualidades.
Riquissimos pentes de taataruga.
Fitas de velludo de todas as larguras.
Lindos enfeites para vestidos, chamados
Chrispianne Marga rite.
Assim como lambem se encontra um completo
sortimento de roopa feita a per metida.
Francisco Jos Germann
!RUA NOVA N. 21,
I acaba de receber um lindo e ma-gnlfico wr-
Riquissimas flores para vestidos e para | timento de oculos, lunetos, binculos, do ni-
cabega. tiao e mais apurado gosto da Europa e osi
Capellas com canos flor de laranja, pro- los de alcance para observa?5es e pira o
prias para noivas. martimos.
Meias de seda para senhoras.
LOJA DA FRAGATA AMAZONAS
DE

Monteiro a Guimaraes.
K. 3 Raa do Quciiu ',

r.r.^f.ff3 d' reCebM n", sortimento 'ie' sedas de cores, pretas, e bran-
SmmendalT"' ^ q'jaes Pel03SUS ^8** desiihos e boa quild.le se
E\mas. senhoras que
a sea establecimen-
. esperara merecer, a approvagao'do bello s^o."' ^^ ^ m '^^
A r
cas, em cortes
tornara recommer
Lq.ies de madriperola da 18 a 800000 um.
Lques de sndalo novos gostos.
Cbapelialias de "seda e palha para cok.
Cliipos de sol de seda pira senbora.
Ricos cintos bel'a Helena (norogsto)
Cortmad s bordi las pira cama.
Colchas le sedi para cama.
Cortes de bloiul pjra noivas.
Bsauinesdsela bordados/de 15 a 600000
nalos seria %!?**? ^ T" "' ** mil03 **. me"ci-
todasaSv'!; Sjl"n0S d,eS,e no osl^lecinwnt. se on^dana gratos, para com
s^milK ff^^ff. 9 o fraqoeataa) seu sst .b lecifn^.no e cada vez
rmbtLe^perSna4radeb9QSi;,'vir a ^dos qu^qa^ram honrar sau eshbie.iraeato


com suas
MACHINAS AMERICANAS
Terdadeiras do fabricante X. V. Canttongin & c.
Noiabos ameriea ios para moer railha.
Na ra Nova n. 20 e 22, grande deposito
das verdadeiras machinas americanas de todos
os fabricantes; se eo;ontra neste deposito
grande porcSo de machinas, e se vendem por
menos prego do que em outra qualquer parte,
por se receber em direitnra da America; se
fornece todas as expcagoes necessarias ao
comprador para i-oaservaglo das mesmas;
neste grande estabeleciraeiito se encontra mui-
tos artigos americanos, que mnito deve agra-
dar. as agricultores rjrje usara de t3es artigos,
encontra-se lambem tojas as collecgoes de de-
senhos sobre os quaS se aceita qualquer urna
encommenda, que lo promptidao ser esecu-
tada; neste grande esiabalecimeBto, encon-
tra-se em grosso e a retaco, grande porgSo
e ferragens, emiudezas que se vendeni por prego commde, (> (!iid-se a attengao
de todos para este estabelecimento que muito lucraro em fazer suas compras: na
ru Nova n. 20 Carneiro Vianna.
PREPARACOES FERREAS-IAN6ANICAS
APPROVADAS PBtA ACADEMIA DB MBDICINA
d;burin du buisson
Pharaiacculit, laureaJo pela Academia de ledciii de Parii
LllrJnlrJnJrJrJtrJnirJrJrJrJigB

r- "- 3 -2 s S 2
SKI
o-a.
bclIT: a."3-a = = *' a a
- E- = S
ao
3o; b

= i
8s;l|S
flH.a
8 -v t &5 ^. a a a s

t 3
*9 Lo = *
,--3


a. 5- 9 5 '

S 2?sP80|"-

"sretlafi'<*af I9F'



Bi^ailj
wtZ? TJr9fcss>r Toossbad, na ultima edicio de sen Tratado di Thera-
wLt,Sf .", 0' reconl'ec. q os^fcrruginosos simples s3o mullas
Kn?i &pa,,ai:ura,s m.0,<*t,a.s 1ne Pr causa o empobrecmeno
n?e sas^rlS^ "*"** dS m8'S Mos at,ribuem esse m ausencia,
F' ^i ? ma'S p0nlcf' ,s?m|,re ""'emente unido com o ferro.
sonre as preparacoes seguintes.
1 POS feri'CS rriaUa&iCS dand0 irfime*atn'a>te urna agna, acidulada,
L.)l.. aSam-gazoia, agradare!, substituido com TanUgem
e econemia as aguas mmeraes ierruginesas.
Punas e Xarope k ndnrete de ferrte de mmmt Mteraveis
eontendo cada nma cinco centigramos de iedareto de ferro manganico indicadas
?^L?IaTn e ,naS mo]B*i** lymphacas, wofutosas, e as chamadas can-
cresas e tubercolosas.
Insta de kclato de ferr e de wnqm I S!ftdiMS1^
Nulas de carbonato fema angaaieo ) s??2gn;
alternar esUs duas preparacoes d os oemores renltadot.
JL^a w S Baiss J No Pname*, ten agsnte gsnl, Mtntrar O, phafmacenticoe, m Keva.
lilil
1
V
i-
lllllllllllTrTT
i
Ditas para meninas.
Riquissimos chapeosinhos e touquinhas
para meninos e meninas, meinhas e sapati-
nhos de seda para os mesmos.
Lindas sextinhas e bolcinhas para bragos
de meninas.
M :,.as pretas de laia.
Lindos aderegos e brincos.
Aderegos completos preprios para luto.
Lindos porl joias e port relogios de dif-
ferentes tamanhos proprios para um deli-
cado mimo.
Riquissimos livrinhos cora capa de tarta-
ruga para missa.
Adereeos de florea.
Riquissimos aderegos completos, sendo:
voltas, poiseiras, brincos, alfinetes, grampo
para cabel[os; tudo i to hit de todas as
llores de ultima moila em Paris.
GravAtl'ahas.
Tambem chegaram bonitas gra--atinhas
com flores, e com alfinetes proprias para
meninas e senhoras.
Rost-as e brincos,
Riquissimos brincos e rosetas ioieiramente
novida le e tudo de muito gosto.
Touquinhas.
Riqusimas touquinhas de linho e seda,
ponto de corx ricamente enfeitados e de
muito gosta.
Fita.
i Riquissimas fitas de chamalote, sendo: ver-
de eamarello, tecido na mesma fitj.
Agulha de martina
Tambem chegaram as mui desejadas agu-
; Ibas todas de maru, para trabalhar em la
! e sera corx.
Sextinhns.
Tambera chegaram bonitas sexiinhas de
p Un fina, proprias para meninas.
S no Vigilante ra do Crespo n. 7.
Espclhos.
Riquissimos espelnos grandes e bonitas
molduras proprios para salas ou lojas assim
c rao outros de diderentes tamanhos.
S no-Vigiante, ra do Crespo n. 7.
-; Para os pais de fami'ia:
Verdadeiros
Collares Rayer
"Electro Magnticos Anadinos
Ou Collares Anodinos, para facilitar a den-
i tigao das; criangas contra as eonvulses
, das mesmas, a estes collares nos escuzado
fazer qualquer recommendago, visto a
grande utilnlade que tem produzido quelles
pais que os tem applicado em taes circum-
stancias pois nos parece que nao haver um
s pai ou mai que por este meio n5o quei-
ra por termo a taes soffnmentos de seos
filhinhos visto ser um mal" que tanto os
flagel'a, pois a estes collares acomoanha um
folheto que ensina como se deve applicar, e
vende-se na loja do Gallo Vigilante, ra
do Crespo n. "I, pelo prego do 40000, &K
e 60000.
PASTA XAFOPE de WAF da ARABIA
be BBE^uveKisanmR
Sloe
aniCM Mllorae* apprmioi iilui profiMom
lid
Picalui de Medidla da Fraaoa, por M av-dlcoi dea Hoa-
pluaa de Paria, 01 quau carliflcarla uau >.aaa uparla.
rldade obre todo as eolros peluraaa cama a aederoM
eflcacij canlra M Bafluex, arlppa, liiale|lae a u
AHaloSai de pelto a J farfaaU.
RACAHOT DES RABES
De U(..aHJMIf
nico allanenlo appravado pala Academia de Medicina 4a
Parlx. Elle reatabelece aa iiutu ejua anffraai do B>te>-
aaaco a des lateatinoa; ferUlaM aa criancis a as peeaou
dahilltadas, alam alaso lriude Aa sua proerledada ana-
laptioa ha o anelhor preaarrailre das retrae aiaialla a
trpkoM*.
Cada fraseo a o*4a oalilaka deaus preparaces Int
umprt # ttl fnu, Diluir, roa Itlchellsn, 18,
em Parlx. (Faier aariiln aiiaotdc caaa aa salailcactea.)
BeposiUrla no Per*aoa*M : Oasra Barkara Bar-
Msolasa V- U aa y .
A venda n;is pharmacias de P. Maurer
e G. A. Caors, em Pernambuco.
Doces
Grande sortimento de doces secos e crystalisa-
dos e em calda e-trangeiros e nacionaes : no ar
m iz> :n da Liga r a Nova n. 60.
Vendem-sc
doos armazens na ra de Apollo, e cojos fundos
vo ao r^i do mesmo nomn n?. 38 e 40.
Urn sobrado na rna dos Guararapps o. ?6
Uca sitio com casa de vivenda, 3 vviro, mui-
tos arvr.redos, egrande pr.porcao. na pstrada de
BHe.-n para Santo Amaro, coolieeido pelo sitio da
Torre.
Todos enes predios acbam-se em bom estado.
Os oretendedle dirijam-se a ra da Senzala-no-
va 42. era cas de S P. John-ton & C.
A t tfica"
E' encado a taberna em frente a roa do Vigi-
rio a oi.-.-1'jiia ova do serto ijue se vende por
preci rommodo.
Viuho do Porte saa^rior oai Cafe de
ama duzia.
Vende-se do escriptorio de Antonio Lnlz de
Oliveira Azevedo & C, no seu escriptono' ra da
Cruz n. 1.
Vende-seloajpharmacia.de P. Maurer 4 C, ra Nova.
INJECCAOe CAPSULAS
TEGETAES aoMATICO.
GRMAULT&CPH4RMACETIC0SEMP.4RIS
Novo trata ment preparado com as folkat di
Matico, aore do Per, para a cura rpida e i-
tallivel da Gonorrhea sera reccio algum da con-
traccao do canal o da inflaramaco dos ijatestinos.
0 clebre don tor RMOita, de Paxis, terreonciade,
ksde sua apparifllo, ao emprgo de qualqner
Mr iraunenio. Emproga-se a injeieo o*
eomco de fluxo; as capsulas era todos <
1 cbronkse e Inveterados, que resistirte ii
, ra<6e ctp eopan, cohelw e as injeopoos
Callares Rover
ou
Anodinos electro-magnticos con'ra as coii
vulsoes, e para facilitar a dentigao d
criangas. A agnia-branca na ra do Que.
mado n. 8 recebe-os por todos os vapo-
res francezes.
14 esto tao conbecidos, e tanto se tem espalbadc
a fama desses prodigiosos collares Royer, que s*
toroa desnecessario dizer mais algoma consa en
jabono de seos bons e e efflcazes effeitos; basta c
estetmrnbo de milhares de pessoas, qne tm vist-
e aprovelfa'do o feliz resoltado desses tao atis
Iqoo necessarios cellares Royer. A qiotidiana
cresdda extrafet5" q"8 *ao lendo, raostra ains:
A venda as pharmaclas de P. Maurer d ie numero dos prodigios se eleva como todo-
C. e A. Caors, em Pernambuco. eoropradores. A agnla^ranca, p-rm, des
---------------------,______________ ando concorrer para om Bm de tanto aprovelt
KhtltlS burfltrlS fliento.^tem feto os necessarios pedidos, para qat
'i
I
Venden se cairas coa ama arroba de batatas certa qoaniidade de dit
; no armaiera do Sr. Anaes defronte nar-se Infallivel o sol
tata-branca, ra da
da porta da allaodega.
*>r todos os vapores francezes tu^seMeaattid.. y^ti se nm sitio
par* nnanl iIaiIa A* 4;.-,- *^ll.u, ....ara.___a__ .._ v *#w 'u oi*u
3
assim tor-
a loja d'a
>HOSPHATOdeFKRO
[DE LERAS DOUTOR EM SGIMGl&J
INSPECTOR DA ACADEMIA DFP/W7 f?
NSo existe medicamento ferrueinoso to nolave
come o Pkesphnu de (em de Leras; as snmrai-
dades medicacs de maadt inteir,adepraram-no
eom sllicitble sen igual nos annaes da seiencia.
As cores pallida$t- dore de estomago, difestoet
penosas, anemia, canmlescencias dtflteeis, idade
etiea nos senhoras, irrepUaridade n* mens-
Iruaefo, pobreta do sangue, lympkatmo, s3e
curados rpidamente ou modt/icados por esse
excellente compotto. E' o conservador por excel-
encia da saude. e declarado superior nos hospi-
taes pelas academas a Males w ferruginossi
coihecidos, a iedoreto e ao curato de ferro,
P""^"** a*xi*at^srg" cten ajos estomag&s de-
licados, rae So proveraa coMtipaelo, o nnieo
tambera qno nlo ennefreoe a beoea o os deates.
Deposito as pbaraactas de P. Manco
C. e A. Caors. em Pernambaco.
irrrjtr
IrO'fcS

Grande sortimento do doces seceos, cri*Ullsr
dos e em calda, e'tranpetros o dacloaaas : ao ar-
mazem da Liga rna Nova o. 00.
na roa de Bsm dea com
casa para hatuMa, afeonade* algom terreno;
ttata.e oa rMdoQaeliMao n. 18 A, 'om (Jarra-
Iho 4 Bastos.
Vende-se
machinas americanas de serrotes para descarocr
algodo : na rna da Senzalla Nova n. 43.
RIVAL SEN SEiUMrO
Ra do Queimado n. 49, loja de
uiluiiezas
DE
Jos Biyoainno,
Gontinua a queimar tudo qoanto tem em sea es-
.:abeltcimento.
Pares desapato de t pele a 15*60.
Djzs de peonas de sp muito Una-' a 60 rs.
aixa.< d> llnba do ga?. de 30 novellos a 600 rs.
l-lnni de linha do gaz de 40 rs. o novello a 700 rs.
dem de palitos de suguranca a 20 rs.
Cuoci'S de cassa cora barra a lt.0 rs.
Duzia de. faca" e garfos de cabo preto a 3^600.
Miisso de pal.tos llxado para drnte< a 120 < 160 rs.
P.'cas de entremeios muiti flaas a 300, 600, 800 e
1*000.
Lutos das raissoes abreviadas a 1&5Q0.
Garrafas de agua Florida yerd*delra 1,0.0.
Babados do Porto de todis as larguras e todos os
preco?. Z
y la barios com estampas para meninos a 320 rs.
Ueniento da roopa de lavar a 100 rs.
N >vns cartilhas para meninos a 160 rs.
Duzias de meias multo Qoas para seohora a 4jr500.
Ditas brancas e eruas para Domem a 3$ e 3800.
Agulh.-is francezas a balu (papel) a 60 rs.
Pares de sapato de tranca e tapete a 1500.
Pecas de fitas de la de todas as cores a 00 rs.
Grozas de boloesfle porcelana prateados a 166 rs.
Caixas com alfineites trnceles-a 80 rs.
Caixas de 100 envelopes mnito tinos a 600 rs-
Pregos trancezes de todosjpis tamanboj(ilbra) 140
Resma de papel de peso Branco liso i
Fraseo com stujenor tinta a.lOO rtu
Grosas de pbospboros de gaz a 2,1000
Pares de botaos de pontio uito MoJns Mr rs.
Ltnbas em carto de 200 jardas a 100.
Caixa de superior llnha do gaz com 50 novellos
700 rs.
Caixas de pos de arroz muito fino a 800 rs.
Pnlieiras de conta para meninas a 320 Ti.
Talheres para otra* a 240 rs. 1 M
Caixa com superiores seas para charutos a 50 ra.
Masso com superiores-grampos a 30 rs.
Grosas de penoas de afo multo finas a 320 rs.
Bonets- para meninos a 1&
Pentds eom costa de metal a 400 rs.
Gapah'js compndos e redondos a t>00 rs.i
Caixas com soperior papel amisade a 600 rs.
Realejos para meninos a 100 rs'.
Papel pintada
O mais completo e variado sortimento de papo)
para torro de sala- e marni?6as, encontrare a
venda on
BoileaiellarthI.ven & C.
34-Rua larga do Rosario34

ILEGIVEL
i
k
L
t


-*-.
"V*
Diario le a <;, lumbuco Segunda feira 4 ue Fevereii'o de A367.
*
i


s .


?

r
.1
i..
Renrito do Dr. J. C. Ayer, ex-lente
da Hiversidade de feesylvaaia, ae
Kstados-tides,
E&lraeto couiposto de salsa-par
rllUa de Ayer.
Peitoral de eereja.
Remedio para sezes.
Pilulas eathartlcas.
0 deposito ceatral para as provincias
Pernarabaco, Alagoas, Parahyba e Rio-
Grande do Norte, des tes remedios tao la-
voravel mente coobecidos e acolhidns eit
todas as panes da America do Sul e do
Norte, acha-se em casa de Thcod Chrla-
tlanscn, 16 rna do Trapiehe em
Peraambueo.
Os pregos de
330 por duzia de estrado de salsa-parrilha.
270 por duzia de peitoral de eereja.
27 por duzia de remedio para sez5es.
74 por duzia de pilulas catharticas
se enteodem dlohelro vista, c k
o descont de 5 por cento em quaDtidadet
de 6 a 12 duzias, e de 10 por cento en.
quantidades superiores a 12 duzias.
Perfumaras novas.
A amiga loja de mludezas a roa do Queima i
a. 16, recebeu novo sortimento de perfumaras
sendo fios extractos e essencia concentrada, cliei-
ros agradaveis para lengos, oieos surfine, philoco-
me, e babosa para cabellos, baohas e cosmetiques
tambero para os cabellos, poz de coral e hygienicos
para denles, opiata Ingleza e Tranceza par* altos,
sabouetes em barras quadradas, outres era calxi-
nhas, e ouiros de bollas transparentes para nio, e
outros mu finos em calxiohas de louca para bar-
ba, agua da colonia de Superior qualidade em fras-
cos de diversos tamauios e pregas, agua an; breada
para baohar e refrescar o rosto, agua florida ( da
verdadeira) tnico de Kemp, e mu as outras per-
fumarias que a vista da boa quajidade ecomrao-
didade de pregos, o comprador nao objectara'.
Meia- pretas de la e de laia.
Para padres.
Vendem-se na loja de mludezas a' ra do Quei
Diado n. 16.
tara baptisados.
Bonitos cbapeosinhos enfeitados, sapatinhos de
setim e merm, bordados e enfeitados, meias de
seda, e fio d'escocia para ditos. Vendem-se na lo-
ja de miadesis a' rna do Queimado n. 16.
Bicos e rendas dasilnas.
A loja de raiudesas a' roa do Qaeimado n. 16,
recebeu novamente outro sortimento daquelles bons
e bem coohecMos bieos e rendas das ilhas, cuja
forlidao, e seguranea de tecido, Iries da' imraensa
daraco e os differeates fias a que acertadamente
sao applieados fazem a grande procura, e prompta
extraegio como constantemente tem acontecido ;
assim pois concorram os prelendentes, que a vista
da commodidade dos precos nao objectarao em
comprar.
Graxa econmica.
i Em caixinhas, latas e bsrris, a' loja de raiudsas
a' roa do Queimado n. 16, receben aovo sortimen-
to dessa boa graxa econmica.
La para bardar*
A loja de miadesas a' roa do Queimado n. 16,
recebeu novo sortimento de laa fina de bonitas co-
res, e como serapre vende a baratamente, e o sor-
tmenlo a contento do comprador.
Bonitas caixinnas.
De madeira com enfeites dourados, e outras de
metal para guardar jolas. Vendem-se na ra do
Queimado toja de raiudesas n. 16.
Eiifeitca e grioaldas.
Na Joja de miudesas a' ra do QueimaJo n. 16,
acharlo os apreciadores do bom, um bello sorii-
meuto de bonitos enfeites para bailes, theatros e
casamentes; assim como delicadas grinaldas para
noivas, eaixosde flores finas para enfeilar os ves-
tidos de ditas, a mnitos outros objectos, e lodo se
vende por pregos to rasoaveis que o comprador
esprtente, nao se airave a objeciar a respeito.
Bahadinlu* bardados, ntremelo ditos.
Todos de fina cambraia e delicad s bordados.
Vendem-se na loja do raiudesas a' roa do Queima-
do u. 16.
Plataas braDcas e de co es.
Vendem-se na loja de raiudesas a' roa do Quei-
mado n. 16.
Franjas
Com borlas e sem ellas, para cortinados, toalbas
etc. Vendem-se na luja de miudesas a' ra do
Queimado o. 16.
Boas e taitas fitas.
Lizas e lavradas, larga- e estrellas; vendem se
na loja do miudesas a' ra do Queimado n. 16.
Bonitos enfeites para vestidos. Q
A toja de miudesas a1 ra do Qaeimado n. 16,
esta' receniemente provida de mu bonitos enfeites
para vestidos, sendo bicos de seda tanto branco
como pretos, de differeates larguras e com vidri-
lbos, ou sem el les.
Trancas e galoes de seda dos ltimos gostos, di-
tas com vidriibos, pretas e brancas e de differeates
larguras.e gostos. Filas de velludo pretas e de
cores, com lista as relas, E assim mutas outras
cousas de moda e novdade, e lodo por pregas to
commodos, que o comprador tica salisfeito e nao
objecia a comprar.
Bollas de borradla.
De diversos lamaubos para brinquedos. Ven*
dem-se na loja de raiudesas a' ra do Qaeimado
n.16.


nmmm -
AO PUBLICO
NA LOJA E AllMAZEM
BO
'*
(irauue e betu sertitlo aroiazem de moihados
Kua xva n 60
Sahio ou nao sanio, ara abils imo freguezes? sahio sim ; e se demoramos tanto
em abrir a caixinua, do segredo, foi porque gestamos de sorpreza e daaconjecturas. Ah
Ah I Ab I como o sahir deu no gto de milita gente de collarinho empinado ebigode re-
torcido?! Quanta interpretaco dicula e risivel soffreu onosso pobre sahir1\ Muita
voz ti vemos IV. uxo de riso Docantinbo do nosso armazem, quando vamos quealguemse
encomtLodava com essas seis negras letras, qoe por alguns dias deram omcertoar de
mysterio a urna das columnas deste .venerando Diario! E no entanto nada de mysterio-
so luvia, como vedes, no patusco sahir! sim; riamos a bom rir; mas nunca vimos rir
o cavalleiro da Liga porque
Serio e grave encara as cousas
Deste inundo como sao
Verdadeiro, fiel vive
PAVO
Ra da Imperatriz n. 60
DB
o mx SILVA.
Us proprlaarrcs dte graide esLbelecimenlo
lenao no anno prximo passado vtudido graude
parte de uas fazendas como havlam dnnuncido,
tem resolvido continuar a vender anda mais ba-
rato em virnde do abalimento que fizeram em
suas fazendas por occasia i do baaaco a-que pro-
TZT tm. 3.' de de"mbro oltiino ; po?m para
poaerem safisfarer e apreseniar ao respeitavel pu-
blico os seos numerosos fregueses lano desta pra-
ca couo^o mato bw-bovo- e variado sorlimenu de
todas as quahdades de fazendas, d, sde as mais
ttudestas ule as de raais a^nrado luxo, nao se tem
ponpado na escolba Aellas, limitando seos lucros
apenas no desowto. Continuara a ar fazendas
amusita, com peohor, ou manda-las por &eus ca-
re ros em rasa das Exmas. familias.
Grande pechincha
tresteslovs.
Lanzinhas a 300 reis.
Latmnhas a 300 res.
Lanzinhas a 300 reis.
So mrtnjrih) Pavo.
J. i'se a.m varii,d0 sortimento das mais deli-
"da taKirtas, ole orno* mais'primorosos
goMs em matiz, como roiudinbas de urna s cor
sondo esta fazeoda laa pura, e vende-se pelo ba-
ratsimo preco de 300 res o covado, por tr feito
grande pechictia na compra, se nao serian para
muito mais flibeiro, lito na loja e armazem do
Pwon roa da Imperatriz n. 60 de Gama &
ol Va.
As saias de Pavo
pechiochi a
1000,480 e 14600.
Chegou urna grande porgio de pegas de fazen-
da brasca, propnas para saias,; sendo deum lado
bordadas, cora, muias barras de pregas, rendo a
l largura da fazenda a altara precisa para urea
saa, podendo /f r-se com ttes e meia vara, e
vende-se pelo barat prego de \& e 1260 a vara,
' sendo s com prega, e a 1J60 teodo pregas e
bordados, istosde vende oa loja e armatem do
Pavo, na ra da Imperatriz n. 60 de Gama &
' Silva.
Algodaaz-nko a 4$50>
Vender superiores pegas de algodaozmho cem
18 jaidas, seudo muilo boa fazenda, pelo barato
prego de 4^300, na-foja e aamttem do Pavo, na
ra da Imperatriz o. 60 de Gama d Silva.
Novidae
Em caiiii>fiiias decr.
Chegcu p.ra a loja do Pavo ura grande sorll-
menlo das mais modernas cambraias com listias
largas, lauto ao compride ermo atravfssadas com
as ir,is modernfs e mais delicadas core? ; assim
como os mais modernos organdys de lillas largas
com lindas flores malizadas pelos ceiros, qne se
vendem por prf.eos n>.oilo razcaveis, na loja e ar-
Vestidmbos para moninas
Vendem se elegantes vesiJdlohos para menina,
de lisiaba rroito t.em enfeitados pelo naratissinn
prego de 2:5CO, ditos da gorgn-Se de seda a 300f>
oa loja e armazem do Pavo oa ra da Irnoeratr
n. 60. de Gami de Silva
Baldes baratos
Vende o Pavo.
Cbegoo um grande sortimento de bailes de ar-
cos sendo americanos que sao os melhures e vea-
dem-se pelo baratissimo prego de 2J5S00, 3# e
K alma0A ffllT ^ ra ^ ,mpMalfI CMleS de ffleri
* imJL l< Rli. V(,Ddtm se floiMitnos diales de m.rra lisos a.
m. mi r. par uto, tenue o diversas cores, leudras franjas Medra 4J0,
Pavao. (tendo com as franjas de la .'1,8500 t?., ditos ej-
Vendeo-se laazinhas arelas proprias para lulo tan t adus muilo tinos a 6J500, 620G0 e 70c0, di-
pelo baratlsslroo prego de ICO rs. o covado: na Hs de crpon rom lisias de s.riaa 8000, diio^
loja armazem do Pavo roa da Imperalriz n. 60, ordinarios para arabar a ^tiOO e i"M : c
t Gama Ja a arn>szem do Pavo na ra da Ifr>t>eratrli s
Croch
Para cadeiras
Para sofs
Para camas
Para presentes.
Cnegaram os mais ricos pannos borddos a cro-
ch proprlos para encostos de cadeiras qne s =
vesdera a 2,5500 e 3, ditos para encasto tfe sof
a 65, ditos proprlos para cobrir almofdas a
2fS00 e ditos para oobrir presentes a 24500 e 33: |
60, de Gama & Silva.
Sedmbas de n'staa a 400 r?.
Vndese bt-niias sed rabas t riasp>,rj
vestidos rom largura de chita irtla ;p|o barate
prffo de 400 rs. o covado : ta li ja e fcrffiazfn tu
Pavo oa roa da Imperatriro p. 60 de Gaira
Silva.
Filos bordados a -00 rs. a vara na loja di>
Pavao.
Vende se flls de linho branco L rdados propnoi
Tlofa'doPTvioTurda Imnerari n.loTdeGVl i S"? .ve:"Jof pe, Barattafimo pre;o i$ 800 rs. >
'ara : na oja e armazem do Pva na roa da n>
j peratnz b. 60 d^ Gama & Silva.
Pannos de linho.
! Vende-se superior plenos de linho preprio par
: longoes, tr.alhss e seronlas ele, neics Baralis-tmo.-
j preas de 640, 700 e 800 rs. a vara : bramante ,
I !J52Sftcc'ra ,0 Palmos de largura a ?$ 00, ?|f!00
Novos vestidos Poil de Ch-
vre a 16^000.
i\a Idju do pavo.
mSf/LT0" p6l 7por-i^ tiS d0 corrfD!p' os i Wg a ra;'nin gr.'odewi't.ment de"Hamb'7g."
mais lindos corles de poil- drt chevre para vstidqg, \ oo Cregoellas por baratos preces a; lea arm-
sendo fazeoda mteiramente nova no mercado, ten- ten do Pavo na ra da Imieratri? n O '* (it
do esta fazenda bastante luslre com os mais deli- ma & Silva. ^*
cades gwtos tanto em lislras como era flores solas
e vendem-se pelo baratissimo prego de 165000,
tendo cada eorle fl^covados, jslo na loja e arma-
zem do^pavaona ra da Imperalriz n.60, d Gama >ndem?e pelo baraii.s.raoj^go de _8a06"a
Cmbralas brancas de cordSo a 80300.
Cnegaram s mais o"elicfdas c-.n.-biair-s brinca
de cordo cera delieadas listas iransMretites .
p*.
Do ctmmereio a tradiccao J -rnaem do Pavfi'o na ra a Imperalriz n. (
Pois que o sahir se mostrou qual vinde admirar freguezes, como no armazeai
de
flnissl-
borda
Vende-se vinho de-Bordeaox em quartolos
barris e caixas : em casabe Tlsset reres, roa jad
Trapiche n. 9.
Cbegou ao aaligo deposUe de Reory Forster 4
C, ra do Imperaidor, um carregamenlo de gat de
primeira qoalidde,o qual se vende em partidas
a reuni por meaos prego de que ea> oatr qaat
qaer parte.
Rival sem segundo.
Ra do Quetmaa n. 4L9.
Qaer acabar com as fazeadas abaix
^ci. mencionadas.
SQaecapf ver *^ue bom baralissimo,
ibra da g4flM"a de ruilbo a 400 rs.
Toalbas .d;labyrmilio com bico, fazenda boa
3*600.
Caxreieis de i i sha eo 100 jardas a 30 rs.
Gravaus pretas e 4e ceree muilo finas a 500 rs.
Baralaos fraueeies multo Unos a 300 e 340 rs.
Caixas de, obreias e raassa muito novas a 40 rs.
fiofladores para esparnlho de cordo fita a 6f
nMn
Carats de Haba Alexaadre com 400 jardas a 30
rea.
Resmas da pafel alune* multo bom a 2*500.
Fraseo de oleo babosa a 320 e 500 rs.
Ditos de dito fctf lanique verdadeiros a 1*000.
Ditos dato faiseaaOO r.
Ditos de raacagar perola a 200 rs.
Setonete* ma*to>flnoi a 60, 10, 200 e320 n.
Ditos de Iwii&jmoitaaos a 240 e-320 rs.
Caixas pan rap com bonitas estampas a 100
Caitas de palitos a baiao 40 rs.
Mdas arito na, frota para bordar a 20 rs.
Vara* daeordo para esjiarlilbo a 20 r.
Frasco com unta ruta nauitu boa aMO 310 rt
Bitos de dita preta a melhor qne ba a 320 r*.
Duzia da faceas para sobro-mesa a 4*.<
Vanas, da Peales voltalos para reeagar cabello de menioei
a 320. v
frawos-d macaba' oleo maito fian, a 110 rs,
Anotoadn/aj maito ttoas para ooMetesa SOOj.
Cartoes de Iraha branca e de cores a 20 re.
Librada ara preta superior a-100 n.
Cartas de alfloetes francezes com- 14 pentee'
120 rs.
BMowsinjr fato, fazenda. boa, a 500 rs.
da Liga se opera a mais fina liga do bom e barato. Lee e veris a verd.:de vinde pois : rh ,ttB ''^itos crneos,
confiamos em que nao tereis occasiao de dizer que o vosso dinheiro foi mal empregado,; ^mhXT^Tm^tAT^L
nem o vosso bom gosto offendido-. Eis freguezes e.....la vai verso. j das, sendo estes vesiwos muito proprlos pan m
Farlolia le mllho ; 'es e casamenios, e vendem-se por pregos ra;.ia-
ou gomma de milho branco preparado na America, vende-se 500 rs. a libra, e o cida- veis,n? '"jae armazem do Pa^ao, na ra da lu-
dio que comprar dezLibras vende-,e-lhe.ha4o0. HSlSS iu^V' S onn
BISCOUTOS LNGLEZES | ^^ew'10 aUm
Soda Mized Pic-nic, Francy Cruckeuel, Qenn, Osborne, Gala, Arrowrote outras multas; Vend3-s nn grande sortimenr das meihores
qualidade? a 1#000 a lata com 2 e 3 libras. cambraias iranspureoie, tendo 8 varas e meia ea-
Bolaiinlias percales aawf'iaiES'.iSS^SIS,0*de 3*300' 4000,
2)>4UU e 0OO. I de largura a 6*000, 7*000, 8*000 e 10*000 ; ditas
Bofliuhog com anseudoas Victoria a 6000, 7i000e. 83000 ; ditas largas com
grande quantidade de cart5es, booetas, caixas futradas de chumbo, com as mais ricas qua- L^rT^A6 ,argua a ,000 e ,*280 a vara. se-
lidades de pao-de-t, bolos, para champaoha, bollinhos com amendoas, e outros multas S KSS?dfi.SU'iES mni'encrpda^
a 3*200 a pega : na.loja e armazem do Pavao na
roa da Imperatriz ni 60, de Gima & Silva.
Para cama-de noivas vende o favao
Vendem-se ricos coronados bordados e adamas
cads proprlos para es mas e janellas pelos barates
pregos de 6*. 10*000. t6*.20*000 e 23*000 ; su-
perior damasco de la eufeitado a imilago de seda
proprio para colcnae a 2*500 o covado ; ricas coU
que se tornam enfadonho mencionar.
MANTEIGA
maoteiga ingleza, primeira qualidade a l->luu a libra, dem ingleza boa a 1^000 a libra
800, 600 e4O0. dem francesa a 640 r. a libra.
Doces em calda
doces secos e em calda de todas as qualidades, em frascos, potes, caixas, ete etc: por pre-
cos os mais razoaveis possiveis, amendoas confeitadas libra a.
CAF
caff do Rio l1 sorte 20 rs a libra, 2a sorte a 200 rs a libra, 3' sorte a 160 rs a libra,
em arroba se far grande abatimenlo.
Vinho .
vinhos engarrafados de todas as qualidades, rainha Estepbania a 30000 a garrafa, Porto
malo a a #500 rs. a garrafa, lagrimas do Douro a 1)5800 a garrafa, Pedro V, D. Luiz,
Mara Pia, carcovetlos, bacanaes, boeugi a i#000 rs. a garrafa, idem cheres verdadeiro,
2i5500 a garrafa, idem cherny cordial a lOOO a garrafa, collares e figuira ambos engar-
rafados a 500 rs. a garrafa, idem de Lisboa em pipa, barris, anGoretas e a retalbo a 360
e 400 rs. a garrafa, ancoreta com vinho tiato a 2#400 a ancoreta.
ISortlcailX i500 ea(,a nm > ,st0 Pr* acabar na loja e arma-
viobo Bordeaux de todas as qualidades de 60500 a 250000 rs. a duzia, e en garrafa de Js,j,p*vo Da raa da ImPeralriz n- .de Gama
Para senhoras
Casaqnlabas a 200000
Vendem-se as mais modernas casaqulnhas ou
basquinas de seda preta, muito bem enfeitdas, as
mais modernas que tem vmdo ao mercado e prlo
baralissimo prego de 20* cada urna na loja e ar- i
mazem do Pavao roa da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva. .
Alpacas llsss
Chegou o mais lindo sortirntnto de alpacas de
urna s cor, preprias para vestidos, e vendem-se
por precos em cenia : na loja e armaiom do Pa-
vao, rna da Imperalriz n. 60, de Gama & Silva.
Os espartilhos do Pav5o.
Vendem-se urna grande e variado sorlimento de
espartilhos dos mais I>am eitos que tem :viodo ao
mercado, sendo de todos os tamanhos, vendendo-se
por nm prego muito razoavel : islo na loja do Pa-
vao na ra da Imperatrjz n. G0, de Gama & Silva.
-rande peckkMdM em toaihas
para ui5o.
Vendem-se superiores toalbas de Irabo proprias
KL pe, bara,issimo prego de 560 rs.. ditas
a 640 rs ditas a imitago das felpudas a 800 -rs.,
anas fe pudas a 1* : pechincha na loja e arma-
zem do Pavao na ra da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.-
nadrue a 8$
na foja do Pavo
Chegeram os mais lindos corte? desta nova fa-
zenda, sendo transparente com bonitas palmas, e
vende-se pelo baralissimo prego de 8* : na loja e
armazem do Pava;, ra da Imperalriz n. CO, de
Gama & Silva.
Punnos egonnhas a i*, 10280 e 16600.
Chegaram os mais modernos pnnhos com aoli
nhas sendo de esguio de linho ricamente Bo?d
des tanto btancos como de cores e vendem-se pelo;
baraiissmos pregos de 13, 1*280 e 1*600, por ba
ver grande porgao, grande pechincha : na lo;
e armazem do Pavao ra da Imperatriz n. 60, d
Gama & Silva.
Para baptizados.
Vende-se elegantes vestuarios bordados para
bartisados, pelos barati.sinms pregas de 15*000
20,500 e 25^000: najoja e armazem do iavao na
rna da ImperatrU n. 60 de GamaA sWit
Babados bordados na loja do Pav2o
Vendem-se babadinhus bordados com 2 varas
pelo barato prego de 1*000, eniremeios lapados e
transparentes, tendo 3 varas cada pega a 1*000: na
loja e annazem do Pavao na ra da Imperalriz n.
60, de bama & Silva.
Cambraias de cores *
,- Vuuocwonrboimo snnnrrtTito de clfoDraias de
cori's para vestidos pelos baratsimos preoos de
300 e 360 rs. o covado, ditas a voluntarios da pa-
tria a 800 rs. a vara, ditas listadas a 6i0 e 700 rs.
a vara ; pechincha na loja e annazem do Pavao
na ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Cassa de urna cor s
Vende-se bonitas cassas de urna cor s com um
pequeo toque de mofo pelo baralissimo prego de 240
rs. o covado ; para acabar oa loja e armazem do
Pavao na ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Chales de renda e retondas
Vende se um grande sortimento de chales de
ca na loja e armazem do Pavao na ra da Imp*-
ralrizfn. 60, de Gama Silva.
~XABOPB
peiUral e dulcifica!
SA!NT GEORGES
, Praptrito por
SaiMAuXT e Gb
pkirawewiilcos Je f. \. i.
9 priieipe Najioldjo
Cara rpida de ta
molestias seguentes :
tone, catarrhos, pleu-
resa, esqurtuche, ajv-
ginai, fortes constipa-
pes, irritacSes do*
kronekes e do peito,
bronckite.phtisicapu]r
monar, astma, pneu-
monia,an$inas,arnyg-
dtiles, toisechronico,,
rouquid&o. Os mdicos recommedilo ao mesme
tempo o neo das encllenles pastilhas peito-
raes oom o anooo d'alfaoa o laureiro*
enrejo, qu te prefcarao ao meamo estabela-
meata.
A venda as pharmacias de Maurer na
Caors.

,k j i, ,."^:---------------- -----^__ ou um siouuc ciiimeuiu ue nales ae
A* f Pe. bar,,lw,mo Prf?o de JOAOOO i renda e retondas, sendo as raais modernas que tem
12*000 : islo na I ja e armazem do Pavao na ru
da Imperatriz n. 60, de Gama ir Silva.
As melpomenes do Pavao a 20500
Vende se uperiores cotes de melpomenes, sen-
do fazeoda transparente e muilo bonita, tendo mul-
los padrfies rozos cgm 7 varas e meias cada corte
pelo baralissimo prego de 2S00 ; isto para acabar
na loja e armazem rio Pvao na ra da Imperatriz
n. 60, de Gama 4 Silva.
Grande pechincha em chapeos a 500 rs.
Vndese chapeos de palba a imitago de mani-
Iba proprio para homens pelo barat ssimo prego de
Cal da> Lisboa,
Cbegada no nliimo navio, mais barata que em
ontra qnalqnar parle; no deposito da roa do Apol-
lon. 9. ____________
Cal mmn de Uaftoa.
No armazem da rna do Apollo n. 8, por menos
00 r. do que em outra qoalqosr parta.
riOO rs. a 25000 rs. Wermoutb a 10500 rs. a garrafa K.eooch de wasser a 20000 rs. Ah-
symth a 20000 rs. a garrafa.
GAZ
gaz verdadeiro americano a 30200 a lata graade, garantindo-se 27 garrafas, e a 400 rs, a
garrafa.
Cerveja Celada
cerveja gelada em garrafas e 'i garrafas inglesas e franecza.
Piiiici> e AIpista
painQo 100 rs. a libra, alpista 160 ; painco e alpista misturado 140 rs.a libra: em
porfo se far abatimento.
Cha verde e preto.
a 10000,10500, 20000, 20200, 20400, ,20600, 20300, 30000, e 30200; cha verde de
todas as qualidades, liuxim, perola, aljfar etc.,
CHARCTOS D'HMANA.
rega'ia britannica 100 a caixa, loadres 120 a eaixa, operas, caixa 100; e outras mui-
tas marcas que se tornam enfadonhas meaciona-las.
CHABTS DA BAHA.
tmperiaes, exposicao, normas londnnos, guaoabaras, suspires, deucias, pansiences, ven^ pa^oni ma da imperatrt n.
ceores, guerreiros, lyricos, quem fumar saber;' para os seguiotes precos: 10ooo, 105oo'
20000, 205(0, 30ooo, 305oo, 308oo, 40oeo. 4#Soo, 405oo, 408oo, 50ooo, 505oo, 60ooo,
605oo, 70ooo, e 80ooo.
Yola Stearinas.
spermacete 6io rs. o pacle, velas de carnauba de 6 por libra; 36o [rs. de 14 em
libra, 44o rs. em porpo se far abatimento.
GENEBRA -Qbo ou victoria 72o rs. o frasco.
genebba de HOLLAXD em frascos i 56o rs. o frasco.
a CEMWl-T-E MSS.
cerveja oass.e tenente e de todas ag qualdiadea as quaes se vendem o mais razoavel, como
seja 5oo 6ooe 7to rs. e em duzia faz-se-ha grande abatimento.
Arroz da Inaia. .
i to rs. cada libra, emporio se far grande abatimento.
SABO E SABONETES. ,
sabSo branco com veias cor de roza, idem branco com veias azaea, sabonetes de urna libra
cada um, sao os sabonetes mais econmicos que tem vindo ao mercado 5oo rs. a libra.
Saga' e Sevadiaha.
saga' muito novo a 24o rs. a libra, cevadinha maito nova 16o rs. a libra,
cevada muilo nova 12o rs. a libra.
gomma deencommar 12ors. a libra.
CEBGJlS grandes e novas 10oo o nolbo.
Latos eom conservas.
latas com ervilhas portuguezas e francezas. latas com carnes preparadas, passarinhos gni.
zados em latas, e salame em latas.
Bee de golaba.
ha constantemente xaa grande depesito de doce de goiaba em caix5es de todos os tamanbos.
Copes, copos,
copos crystalisados, ditos lisos, ditos de cores,,a 4dooo e 40560 i daa.
garrafas de cbtstal. L
garrafas de crystal de formatos do ultimo gosto.
iUViYit: iw'*i
AfllEIXAS. .,*! _
ameixas em latas, em bocetas e frascos. ui'>(K).iMfl^HH
;affii*n4>.
Qurijos Queijos.
queijos flamengos do penltimo vapor 20000, titos do altivo umj
Corpinhos para senhorr. 3 50, 0 e 100.
Chegaram os mais delicaous corplnbos de cam-
braia transparente, sendo ricamente enfeitados e
vesdem-se pelos baratissimos pregos de 3*000, 8*
e 10*100 ; ditos de grosdinaples preto, sendo fa-
zenda multo superior pelo barato preco de 8*000 ;
isto oa loja e armazem da Pavo ua raa da Impe-
triz n. 60, de Gama & Suva.
Grande pechincha em chitas,
Vene se nm grande sortimemo de chitas esco
ras e alegres francezas peles baratos precos de 320,
360 e 4(0 rs., sendo com os padrdes mais bonitos
qne tem vindo ao mercado com; listas e Dores ete..
ele.; garantindo-se serem cores fichas : na loja e
armazem do Pavo na toa da Imperatrix n. 60, de
Gama & Silva.
As saias do Pa3o
Vendem se ricas saias bordadas com 4 pannos
pelos baratissimos pregas de 6*000 e 7*000, assim
eeao fazenda em pega com pregas proprias para o
mesrao flm a 1*200 a vara : ju loja e armazem do
i), de Gamci Silva.
Sedas novas
Chegaram as mais medernas sedas eom listra
para vestidos, sendo com as cores mais moderna.'
que tem vindo ao mercado, assim como grosdna-
pies de differentes cores como seiara cor de rosa
azul,rxa^ cor de caf, cor de lirio etc, etc. t<
ven*em-se por preg muito em coma na loja
armazem do Pavo na roa da Imperatriz n. 60, de
Gama 4 Silva.
Crinolinas a 30500, 4#000 e 40506.
Chegaram para a loja do Pavao as mais mnder-
Ss crinolinas on balOes verdaderamente ameri-
nos; qne slo os mah bem armados e mal leves
qne tem vindo, sendo cem o -formato mais moder-
no que actualmente se usa e vendem-se Dlos se-
gorntes pregos: sendo com Mareos por 3*500,
ditos com 25 arcos por 45000, ditos eom 3Tareos
a 4*800: isto s na loja e armazem do Pavo na
ra da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Sedas laTgaff na loja do Pavo.
Cnegaram as mais bonitas sedas de cores eom 4
palmes de largura, sendo eom as cores e desenos
mais brilbantes que tem vindo, facilitando fazer-se
bnf vestido com poneos covados ,e.-n atiendo i. lar-
gura, e vende-se pelo barato prec ode 2*000 o co-
vado : oa loja e armazem do Pavo na roa da Im-
pentriz n. 60 de Gama Silva.
OseMe aavaa a 2oo t 25ao n.
Vendem-se cbalee de merino estampados a 2*
e 2*500 cada nm.
Ditos Ditos estampados de crepoo a 6*, 7*. e 8*000.
Ditos pretos bordados com franja de seda a 14*.
Na toja e armazem do PavSo na roa da Impera-
triz n. 60 de Gama & Silva.
Lencos braceos a 20000,30000 e 40000
Vndese um bonito sorlimento de lencos de cam-
braia branca lisos pelos baratissimos preces de 2*,
3*000 e 4*090 a duzia : na loja e armazem do
io na rna da Imperalriz o- 80, de Gama &
ti
vindo po mercado e vendem-se mais baralo n,
em outra qualqner parte ; i.-to na loja e armazem
do Pavao na ra da Imperalriz n. 60, de Gama &
Silva.
Betaltios baratos
Vende-se porgao de retalhos de cbita, las, cas-
sas e ebitas prelas por prego baralo : na loja e ar
mazem do Pavo na ra da Imperatriz n. 60, d
Gama 4 Silva.
Calcas brancas
Vende se nm grande sortimento de caigas di
bnm branco de linhn trancado pelos baralissimos
pregos de 3*500, 4*300 e 5*000, assim coras um
grande surllmenlo de palitois de panno preto fleo,
sebrecasacos e saceos forrados de seda, ditos de ca-
simira, sobrecasacos, saceos e fraques, ditos de me-
rino e caigas de casimira de cor e ae todas as qua-
lidades, assim como nm grande sortimento de col-
leiies de todas as fazendas vendendo se tudo per
pregos muito baratos : ua loja e armazem do Pa
vao na ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Alpacas brilhantes a 640 rs.
Chegaram as mais lindas alpacas enfesladas com
3 e meio palmos de largura con os mais deseado*
desenbos tanto de florsiaha como de listinhas as
sentadas as mais delicadas cores como sejam ly-
rlo, sinsento cor de carno, solferino e vendem-se
pelo BaratissTmo prego de 640 rs. o covado ; ni-
camente na loja e armazem do Pavao na rna da
Imperalriz : 60, de Gama Silva.
Pechincha para a festa na loja do PavSo.
Vestidos.
Vestidos."
Vestido?.
A 86000
Vendem-se nm bonito sorlimento dos mais lindos
vestidos eom barras de seda, trazendo os compe
teutes enfeites para o corno, sendo nesle artigo' o
mais moderno que tem vindo ao mercado, e ven-
dem-se pele baralissimo prego de 8>000 cada um,
ditos de cambraia branca com barras bordadas a
5*000 e 6*000 ; na loja e armazem do Pavao na
ra da imperalriz o. 60, de Gama & Silva.
Cortes a 30000 s o Pavo
Vendem se os mais Mudos cortea de cassas de
eores-com os desenbos avala moderaos viudo cada
um em sen papel e garanliado-se ter*m 7 varas ca-
da um pelo baratsimo prego de 3*000 ; oa loja e
armazem do Pavo na rna da Impetalriz a. 00, de
Gama l Silva.
Casaquinbos cu vasqoinas na loja do Pavao
a 2--0OOO, 3it|i'00 e 350000:
Chegaram os mais 'reos oa modernos' easaqui-
nhos co vasqnlnas de grosdinaples preto riemeate
enfeitados, sendo dos feiiio* mais modernos e ele-
gantes que ltimamente rhearm e vendem-se pe-
los baratos pregos de 250000,30*060 e 36*060; oa
leja e romera do Pavao na roa da Imperatriz n. 60,
de Gana i Silva
Para bailes a 350000.
Cbegarasn os oais ricos corles do vestidos de fli
tranco primorosamente bordados o enfeitados de
Novamente chegadas botas russianas e perneiras
da melhor qualidade que temos vi.-to : na loja do
vapor ra Nova n. 7.
EJI 8. M
Manteiga ingleza perfeilamente boa a
560 rs, a libra e ern porgao por menos, no
ex-proplieta Cinco Pontas n. 86 esquina da
nova lrave?sa de S. Jo5o.
Obarutos da BliT"
Soperlores.
Havaneiros a.......4*00
Flor de Ha vana......4000
Delicias.........3*"00
Lyricos em meias caixas 0
Americanos meias dilas 5000
SuUra* no a\?,~ c,.as J*lO
RgaliH-Imperial......3*0h0
Brasileiros........3O00
Sospiros superiores .... |500 o cento.
Para acabar : na Lipa, ru Nova n. 60.
a cana

>

-

1
LCAIIOS 4R4TOS
Vende-se na ra do Imperador n. 32 :
Borzegnins nglezes de conro de rupia a 75500.
Dos deNanles a 7,3300.
Ditos para senhnra enfeitados a o*.
Ditos lizos a 4*.
Ditos de cores a 3*500.
Ditos para a mesma a 4*.
Ditos de cores a 2*500.
Sapaides inglezes a 3*200.
1 i tos francezes a 4*.
Ditos sola dobrada a 5*
Tinta nova superior
Vende-se em garrafas : no eseriptjrio de Anto-
nio Luiz de Oliveira Aze.edo & C, ra da Cruz
n 1.
Na ra dos Coettus n. 12, vende-se um ca-
vallo bom esquilador e andador debaixo e vende-
se por commodo prego.
seravos gid
18
Contina ausente desde o da 23 de agosto
do 1866 o n olalinho Rayraundo. de 15 annos de
idade ponco maii on menos, corpo regular, ps
pequeos, cabellos castanbos, dentts alvos e per-
ritos, como dedo prozmoao pollegar cicatrizado
du sorte que nem Ihe resta a unha : rogase as ao-
toridades poliriaes e capilies de campo a soa
apprebeaso pelo que receberao paga geuerosa em
casa de seo senber oa roa do Imperador n. 32.
Tendo desapparecldo desde 26 do correte a
e-era va Domlogas, crionla. de 20 a 22 annos;
quem a pegar, podera' levadla a sen senhor Fraa
cisco M. de Sonta Oliveira, oo a' casa dos Srs. Cu
nha Irmi-s, na ra do Torre, quesera' genero-
samente gratificado.
Achare fgido nesta cldade ura escravo com
o braco direito cortado, preto, crioulo, de nome
Manoel, de 45 annos de idade, baixo, cora barba e
algunas radiadoras nos ps, e supp5e-se esleja
am alguraa ojaria fatendo'tijolo : pede-se a quena
o appfilffcder qne o leve ao Sr. Bcroardino de
Snna PnaT. na ma da Senzala nova n. 38, ou
rna Nova n. 67, que sera' generosamente recom-
pensado. .
100,000 ris.
Gralificvse com 100*000 a quem spprtiender o
escravo Basilio, crioulo desta provincia, idade de
2'2 annos, estatura regular e barbado, marioheiro
do palhabole Principe, e pertenceo ao casal do 8-
nndo J>Sa Evaoyelisia, confia qne aoda oa Capnn-
ga e MoDtttroy por ter all par entes : quem o le-
var a Joao Francisco da Shva Nevaos, trvessa da
Madre de Dees o. 5, recebar a quamia cima.
Fogio no da 20 do crreme d engenho'Ca-
to bscuio freguezla da E-rda o esfiravo preto de '
nume Rufino, i ade 20 a 25 annbs, eom bogo de
barba, seco do corpo, estaiota regular, tem um
deleito em nm brago por ter quebrado era peque-
no, cabellos nm pouco solt e esta bem rente, este
escravo suppde-se ter seguido para o R-eife onde
tem rrti que velo Com elle ha penco de Paje de
Flores d'onde elle natural: tJortanto roga-se as
autoridades policiies desse logare dessa pfac.v a
aprehenso de dito escravo que ssrao bem graliO-
cados po>tendb ser entregoe ae Sr. Francisco An-
cor, sendo tambera propiios para casamentos e tolo de Brlto nessa capital ra do Caboga ed no
vendem-se pelos baratos precos de 35*000 nica- engenno cima.
meon_Va Joja e armazeia do Pavo oa riada Im- Fi^lin^i^H'dTio^iirT* IMoVaes-
peralriz n. 60, de Gama & Silva.
'eravo de nomo Laetaoo, erto^o, *ea annos de
Lencos bordados a 10000 e 10SOQm toja ^.^^t^^olM0TcMo^ 'cor-
Pav5o. po, soiss**>, con ctflcio de sapaSeiro : quem o
' Venaa-sa benitos leoiibos bor#a4os par sAo'pKndM etoraraa eageaio Pipegaio ao abaixo
pelos karatiMimes pregos de 1*000 e 1*600 cada aswgmido'eo no*' erncasa o Sr. Franeisco
am;jaaBoindoPavaona roa da Impera- Xavier Oliveira, ser recompen'ado.
triz o. 60, #e Gama a Silva. ^________ Ne?e8>_______
As vareges do Pavf o. Fogle da rna da Prai no dia~ 30 de janelre,
Vende-se as mais bonitas vareges coa listos de nm qnartto alatlo, castrado, com espinhago pe-
ceda a imitacSo de peil dechvre pela baratisslmo < desama, sobre cn|a pilladora levava eoxo-
prco da 86a rs. o covado: na loja armazem do fro : roga-se a quera o tlver pegado que annuncie
PavSo na raa da ImperatrU n. 60 de Gama 4, por e D<""o oa o mande a raa do Apollo n. 8
Silva. qne sera' recompensado.
ILEGIVEL

A ... -




8
filarlo de Peraaubuco -- Segunda felra 4 de lovrrclro de 1867.

LITTERATM.
M POCCO DE TUDO.
O projecto de lei da orgaaisacao do exer-
cito da Austria preceiido de um relatorio
do Sr. Johu, ministro d guerra, cujos pon-
tos principaes sao os seguiotes :
Urna das causas principaes do mo re-
snlti io que leve a Austria na ultima guer-
ra do norte fui, a par do armamento deS-
cient, a frajueza numrica do exercito, e
mais anda organisi.ao itisufficiente das for-
jas defensivas.
As tristes expe ie icias da Austria deter-
minaran j outras potencias europea a
procjderem com extrema actmdade e ener-
ga as reformas das mais importantes ejii
todos os ramos da organisacao militar; com
mais razo temos nos o dever urgente de
abandonarlo caminho seguido durante tan-
tos annos. e que nao era bom, e de modifi-
car syslemas que pelos seus defeitos tive-
ram consequencias tSo desasidas.
A p,.pulac3o e o exercito conbecem que
reformas em graiidti escala e indispeasaveis
devem ser sem demora realizadas; e que,
se o commercio, a industria, a sciencia, a
justica e a boa ad nitiistraco das finangas
devem fundar a prosperidade do imperio,
tambem necessario para a proteger que toda
a forga defeasiva do imperio seja orgaoisa-
da convenientemente e receba todo o de-
senvolvimeoto possivel.
A populagao reconhece que um systema
defensivo, que reuaa todos os elementos
do poro junto das bandeiras, o nico que
corresponde as exigeacias da poca.
Este seolimealo, verificado pelo patrii-
tismo, manifestou-se na ultima guerra por
milhares ae bons exemplos.
Por certoque osrevezes da ultima cam-
panha do norte nao teriam prejudicado a
monarchia em tal grao se a forga defensiva
do povo estivesse organisada, porque os
br I liantes triumphos do Tyrol fazem ver o
que u>n punliado de homensescolbidos pode
fazer de accordo com um recrutamento ani-
mado de verdadeiro patriotismo.
Vio-se sempre e em toda a parte que- a
populagao da Austria est ligada mais forte
c intimamente ao exercito, do que se pensa
vulgarmente, e que basta deseavolver visi-
velvtlmente o espirito do povo para acbar
na populagao urna forga defensiva respei-
tavel.
Guiado por esta conviego considerei co-
mo urna necessidade urgente modificar a
orgauisagSo actual do exercito, j augmen-
tando a forga numrica do exercito intro-
duzindo-lbe as capacidades que agora gosam
de iseagoes legaes.J completando a forga
armada por um recrutamento geral para
defe/.a do npsrio, tornan lo-se assim a
obrigagao geral do servigo urna verdade.
En ;arreguei para este fim urna commis-
sao. composta de humeas experimentados
as questoes de reermamento, de rever as
leis actualmente existentes sobre o assum-
pto.
As propostas formuladas por essa com-
misso foram devidamenle examinadas pela
conferencia militar ; e. segundo o desejo de
vossa magestide, o projecto elaborado por
essa conferencia foi sabmettido ainda, antes rsdigao da grande loja de Inglaterra, aug-
de ser presente ao conselho de ministros, ao mentou coasideravelmante o anno p'assado.
exame especial do conseibo de estado, das Hava 1975, e crearam-se mais 65 ha
tres chancellaras ulicas, dos ministeros por consequeocia actualmente H40.
das finangas, da justiga, do commercio e da 0 Mssn mift lrw1ft(5 n. A l
guerra \ ao passo que toaos os est.dos da Europa
' semostram dispostosa imitar mais oo me-
Lomo a le em quest5o chamar ao ser- nos o systema militar a que se attrihiiom
vico militar tolas as classes da populagao,
wna-se necessario que os soldados, com S(
icenga da linha e da reserva sejam sub-
as
pidonas da Prussia, essa potencia, segundo
e;sa organisaco.
mettidos, quanJo nao estejam em activida-
de de servigo e quando nao forem culpados
de crimes ou delictos militares, quer dizer
por todos os crimes ordinarios e contesta-
goes civis, aos tribunaes civis ordinajios, e
que se lk;s coocedam tambem facilidades
para o casamento.
Como nao era possivel introduzir artigos
sobre este assumpto no projecto de lei,
pego a vossa magestade que me autorise a
adoptar diversas dispaigoes n'esta parte.
Como consequencia ulterior, nao so da
obrigagao geral do servigo militar, mas
tambem dos sent memos de humanidad, e
como raeio de elevar o espirito do soldado,
creio que tambem necessario regular de
novo as providencias disciplinares, e princi-
palmente o emprego de bastonada, que nao
deve ser applicada para o fuiuro seno por
aegoes deshonrosas, e reservo-me para bre-
vemente fazer propostas sobre este assum-
pto a vossa magestade.
Ogoverno de Vctor Emmanuel, apre-
senteu s cmaras o orgamento do estado
contendo um dficit de 187 milhes.
Se o Vneto nao pertencesse Italia, e nao
contribuisse para a sua receita, o defict
seria este anno de 2tO milhoes.
Por aqu se avalia a importancia daspro-
viacias venezianas.
ores, poremquanto d'esta tenebrosa catas-
trophe.
Um dos passados dias urna casa do nos-
so arrondissement, em Pars, foi theatro de
um bem triste acontecimento.
Um espirituoso jornalsta o Sr. Dr. Ambel
recolhera-se na vespera para casa e fecba-
Diz o Sunday Lazzette, que desde ju-
lho de 1862 a julho de 186$, se fornece-
ram aos feridos na ultima guerra dos Esta-
dos-Unidos, 3981 pernas de pao, 2210 Dra-
gos, 9 ps e 35 mos I
A durag3o do servigo ser reduzoa ae ra"se em am quarto, sosiuho, prevenindo
19 a 12 annos, isto a ultima classe da a mulner de que um trabalho urgente, que
landwebr ser completamente supprimida. tmna entre m3os> obrigava a velar toda a
noite.
Ao outro dia de ma h5a a mulher, nao
No da 18 de Janeiro, o senado italiano vendo Surgir marido do seu &abQelefoi
transformado em tribunal de justiga, ser e abri a l orU do seu quart0'
chamado a decidir se o almirante Persano UmPavoroso 1uadro se Ibe apresentou
dever ser mettido em processo. diante dos olb9S: Sr- Dr- Ambel Jazia
morto e havia-se suicidado com a gravata na
-------- "' aldrava da janella.
Sam,, ,, ,. ,* A asphyxia hava dado cabo d'elle.
Segundo assevera Malte, jornal italiano,
foi decididamente abandonada a dea de
mandar para Vienna o general Menabrea, na
qualidade de erabaixador.
L'lialie julga poder armunciar que o ge-
neral Menabrea foi nomeado primeiro aju-
daote de campo do rei ta Italia,
Vai estabelecer-se na California a um pe-
riod co; tanto os compositores como o typo
vao da China; semanal, e escripto na
linguagem de Confuclbs.
Esta infeliz senhor^ acha-se muito me-
Ibor, e tanto que ha dias entregou ao Dr.
Illeck, seu assistente urna descripcao dala
viasem a Roma, escripia em inglez.
Ha todas as esper?ngas de sua magestade
imperial em breve recobrar a saude.
Estimamos.
O celebre ministro dos negocios estran-
geirosdos Estados Unidos, Sewar'd, qaando
acoaipanhou o presdante iu coa v'i^gam a
S. Luiz, fez o segante brinde no banquete
dado pelo mure de S. Luiz. Ao maire
para que elle seja sempre conservador na
administracao dos negocios da cidade, e
radical na bospitalidade aos seus amigos.
FOLHETIffl
Historia impossivel.
(ORIGINAL BRASILEIRO).
I
( Contnuago)
A?lm passavam os dias d'essa incomprehensi.
vel potica existercla.
Na noite era que Seraphlna completou quiote an-
nos b triota e quatro das, ora convite irrecnsavel
cahio como um raiono iterior d'essa lyrica e tran-
quilla familia.
Era um convite para o baile de nupcias da Bina
do lm< de T a ( discretas iniciaes I ) ioteres-
santfl moqi, qu fora colleg de Seraphina aos trez
acnos, poca em qoe todas as meninas querem
sahir do cuilpglo.
Tratavam a essa moga por Constancinba, ele-
same diminutivo qne Ihe assentava as mil maravi-
llas.
O parlan de convite dizia :
i O baro d T a tem a subida honra de
convidar o Hm. Sr. Dionisio dos Prazeres Porto
e sua eicelleBtissima familia para a panida, que
lenciona dar boje em festejo t>niurosa umo de
sua querida Olba com o commenlador J. Suares
Pinto.
Por baixo do bilbete vioha um mimoso posts-
scnpttim :
Consiancmha pode a Stravhininha qne nao
faite. -
Ella I
Ella, quem 1
Serapbina I
b I quero v-la
quero ver esse pbenome-
[g vmwunM i uuium uiu uiuiueuio qno uh
D. Elisa, rni da minba bella her,1&lTio les-' m,a sombra de quaiquer d'essas sennoras !
deohnsamente de0ois da leitura d"esse bilheie.
B' o vigsimo qainio ae recebemos Dioni-
sio I _____HJRf -__!^
lodeferido o roqaflrimento,' volveu Dionisio,
com um momo lodo.. .|udiciarlo.
Perdao, mami I inirrompea Serapbin. A
ewe bailt Iliavemos de ir, l e ln permitas I Vamos,
sito, roen pi T contiouoo ella beiiando \ seotivel
fronte do velbo. h *
Oh I mea anjo I Que prar.er to nos das f
Qoe Tentara 1 Verte alegre, risotea, bella no
meio das outras I E' essa o nosso toaior desejo,
Seraphina I
Urna modesta rhamada s pressas trooxe ao
aouiiecer um capncboso toilette de baile, chelo de
nveos e flores.
A roeoioa pela primeira vez na sua vida part-
Ihou-se adianto do espelho, com a vaidade e o ca
pricho de nuera vai entregar-se a todas as sympho-
nlas de um saiao de deiyrlo.
A cintura dobrava-se graciosa e flexivel como as
serpfotwi e o sen eolio alvo, aprisionado na gase e
D<>s diamantes, ooaolava mystenoso e dorado co-
mo uro segredo que se sorprehende.
Ao entrar no carro ella envoiven-se no longo bur-
nous de seda branca e involuntariamente senta
um peso Inexprimivl na alma. Ora sofficjva a
am bausto abrasado, ora o vento fro da noite pe-
nca va a ioura pennugem dos seas bracos ons.
O- cavados estacaran) porta do festivo palacete.
Seraphina desceu o estribo do carro, ag I como ama
sylphide e soberana como ama prioceza.
Constancinba velo receber a amiga, expondo a a
maior chova de beijos que al Jioje lem gerado la-
bio de moca.
~ An I orno ta s boa, mioha querida I Como
lo s boa e sobre todd como ests bonita I
A ebegada de Seraphina nove nos salos am
ido v unen to geral.
- Quem? Qaemest abiT perguntavm de
todos os angalos da sala.
no
Ella entrn nos saldes paluda, paluda e bella co-
mo Vesper ao desraaiar da tarde. Eatroa de olbos
bixos, trmula taivez de se julgar to formosa.
O negrose lusidios caches parecum chorar em re-
dor de suas brancas faces, onde a luz aveiudava-
se n urna celeste voluptuo3idade. O delicado talhe
arrufava-se dentro do vestido como a abelba no c-
lice das rosas. O sea primeiro olhar foi como o d
E*a sorpreza anie as formosuras do Paraizo.
A orchestra resoou nos brtlhante saloes do baile.
Um elegante, um teto, um dandy, anroximase
a Seraphina com a rapidez de um coriseo.
V. Exc. concede-me esta walsa ?
Seraphina ergueu-se e com o leqae fechado aba-
lea as Dacluantes dobras da escomilba.
Minutos depois, corriam ambos no ritorneilo da
walsa. Ella era menos que ama enanca, era urna
pluma, urna viso I
Aquello mogo walsava com... um pensamento
femioino.
Fatigada, com a palle hamida e febril, ella cabio
sobre o escarlata de am diwao.
A noiva corren a beija-la.
Meu amor 1 como ta dancag < bem t
Eu I proounciou ella vagamente como se ras-
pondesse as estrellas. -
O cavalbelro foi qoestionado ardeniemente no Bm
da walsa.
Ella nao danca, mea caro t
Voa I
E' muito leve, de certo I
Levissima t E' ama navem I
Ea nao dancei com ama mulher : voei n'uma
eonstellacao I Caldei um momento qne dancava
A Russia desarma no mar Negro, porm
trahalha com afinco para se armar no Bal-
tico.
Esta potencia desenvolve urna actvidade
febril as suas construeges oavaes e leva a
forga effectiva da sua esquadra couragada
no mar Bltico a proporgSes gigantescas.
Osjornaes russsos annunciam todos os
mezes o comego nos- estaleiros de nvas
construcgas de navios couragados.
O Monsageiro de Cronstadt annuncia que
foi ltimamente, inaugurada com urna certa
solemnidade a construcpSo de tres fragatas
couragadas : Almirante Tchitchagoff, Al-
mirante Spiridoff e Menine.
-^KMB3*
Participam da America urna grande ca-
lastrophe acontecida na Pensylvania.
Urna dorna do conteudo de 60u barris de
petrleo tomuu fogo no estabelecimento da
companhia con iecida sob a denominago
Denis Kund and New-York Companyque
tem o seu asseato em um estreito valle da
Pensylvania.
O oleo nflammado espalhou-se e corren
como urna torrente.
Alcangou duas outras dornas cheias como
a outra, e n'um momento todo o valle apre-
sentava o espectculo de um lago encandes-
cente.
Urna massa liquida de mais de quatro mil
barris de oleo entrou a rolar e a agitar-se
como um mar de oudas abrazadas, que en-
grossavam e ganhavam em volume ma-
neira que a torrente invada novos depsi-
tos ae oieo.
No meio d'esta conflagragao geral viram-
se os operarios correndo como loucos atra-
vez daschammas.
Clarees sinistros illaminavam os cos
vnte raillias ou mais em redondo.
Nao se sa ia ruis nada, nem ha porme-
0 Courrier d'Isere annuncia um grande
incendio que rebentou um d'estes dias em
Zollay (Franca).
Foram consummidas pelas ch^mmas 52
casas, e mais de 200 pessoas ficaram sem
abrigo.
1850 c 76 c 1022
1851 103 ( 1967
1852 c 102 c 1514
1853 64 ( 1005
1854 100 c 4568
1855 66 c 1276
1856 c 119 c 1770
1857 c 78 ( 1746
1858 t 87 c 1295
1859 c 101 c 2301
1860 ( 137 c 4753
1861 c 116 t 1425
1862 f 131 c 1453
1863 c 131 c 2115
1864 c 70 c 1093
1865 f 100 c 1223
1866 < 103 c 2437
Med io annual em jextenios.
De 18J9 -54 Dias 93 Millm. 1497
1858 -60 c 87 c 1523
1861 -66 [06 c 1509
Medio de 18 annos 96 < 1.09
Os mdicos de Wellington na America,
fixaram em 1 doliar a visita de dia, e o do-
bro de noite" com o augmento de metade
para cada milha de distancia, esperando
d'este modo que os doentes n3o esperaram
a noite para reclamar o seu soccorro.
O prego das consultas varia de 2 a 5
dollars, e o dos partos de 5 a 20, segundo
a durago do trabalbo, e a difficuldade do
caso.
Por urna fractura dos bragos 12 dollars,
8 somente para a da coxa, e 4 para a da
nema.
Para as luxagSes o contrario : 5 para
as dos membros superiores, 8 para as dos
membros superiores, 8 para as das extre-
midades infer res 20 para a da nadega co-
mo para as maioresoperagoes.
A extraegao dos dentes, a vaccinagao,
a sangra, custam meio doliar : o exame
es/ethocopio de um doliar como as con-
sultas de gabinete.
Foi prohibido na America russa o em-
prego de curar pelo processo homeopathi-
co ; a multa de 50 rublos ou dous annos
de prisao.
Nao podiam achar melhor meio de pro-
pagar a homeopathia.
^*>+.
L-se no Cearense:
Durante o anno findo de 1866 chuveu
nesta cidade em 103 dias 2437 mellimetrosImark
cbicos, nos seguintes mezes:
Eosaia-se nos arredores de Vienna a acli-
mag3o do phalangium promeridianum que
a planta vulgar do sabao e que vegeta ei-
pontaneamente na California, sendo :: feri-
da para este uso aos melbores saboes im-
portados.
A planta do sab5o nao se eleva a mais
de um p, e apresenti as suas folhas logo
depois da estagao das chuvas, oulubro ou
novembro.
O bolbo ou cebla que contm esta plan-
ta, pois bolbosa, encerra urna bola de sa-
bao, com cheiro simiibante ao que exhala o
satiao negro.
E' facilimo o modo de servir-se deste sa-
b3o.
Abre-se o bolbo, destaca-se a bola e com
ella se es'rega a roupa, produzindo urna
abundante escuma.
E" conveniente fazer a extracg5o da bola
depois que o bolbo comega a apodrecer,
porque antes nao ensaboaria t5o bem.
Acaba de ser publicada urna correspon-
dencia entre o fallecido principe consorte
de Inglaterra, e o ultimo rei da Prussia
Frederico Guilherme, irmo do actual rei
Guilherme I, tem a data de 1848, e nella
se l que o principe Alberto propoz ao rei
da Prussia um projecto de reforma para a
Allemanha, que nada mais era do que a
realisagao das ambigoes da Prussia, provadas
pela ultima campanha.
Frederico Guilherme, porm, respondeu,
que aquello plano nao se poderia executar
porque a Austria nuaca em tal coosen-
'iria.
Esta correspondencia muito longa e por
iss) nao a traduimos do Weckhy-disputch :
a obra levada a effeiio pelo conde de Bis-
;
de vagar ntreos canteiros, desvoa as ramas e os
galhos Serapniua I Vamos para a sala. Ests-me
-assustando I
Os Ihos de Seraphina brilhavam*orao relmpa-
gos. Nao hava mais #o sea rosio casta e suave
impressao, que era cmoda sua ma-cara d(vina
um sorriso lancinante parta Jhe o rubro dos labios
e a sua cutis, de ordinario paluda, retocava s< de
urna cor liviaa e macilenta, como a fue eovolve o
corpo das virgens moras.
Looca I raurmurou ella.- Espera.
E, relrahindo o eolio, deixoa cahir a cibeca pa-
ra traz. O seus orno ameigaram se como por eo
canto e immediaiarneote fltaram se na cupola es-
trellada do horisonte, fro* e tristes. Dir-se-ia qu-V
um geoio occullo ia pregar-lbe ao dorso duas atas.
vibrantes e con tuzi-la atravez do espaco lllominado.
Seraphina I disse Gonstaca acartonando-).
A menina couservou se impossivel camo urna es-
tatua.
Seraphina I continaoa a noiva sentindo-se
eoregelar de roedo.
Ella tremeu da caneca aos ps, e por um placi-
do raevimento, cahio de joelhos com as mus jnnr
tas como para urna oraco myslenosa.
Nesse momelo am sera vibraote cortou o silen-
cio da noite. Seraphina ergueu-se: fdraom suspiro
que exalara do divino seio, suave como o adejar
de um an|o o j como o murmurio das harpas dnliaz
as tardes do Paraizo terrestre.
Olhai disse ella.
E da sua bocea entreaberta rolaram algunas go-
tas de omino... m.:
Vs I O cea nao despreza nfngaetn. E' este o
meu alimento. Tu nao adoraste o mea *nj T Elle
vera sempre a esta hora, esteja eq onde esttver, e
as aiascartnhosas tras o orvalho com qne borri-
fa rae os labios.
Janeiro Das 4 Millim. 19
Fevereiro c 8 133
Margo < 19 629
Abril 18 t 634
Maio 20 t 660
Junho e 10 260
Julho 4 < 34
Agosto 0 0
setembro a t
Outubro < 8 < 3;
Novembro t 5 14
Dezembro 2 i
2437
Comparado com os annos anteriores.
4849 Dias 112 Millim. 1907

&mmr9~
Simme fofft peosegnio ella aenei&adjp
lalh" encajiia^or. ^
E abrioob faciramente o'leqne :
A bora da cela todos os olbos prtgaram-ae ia
Seraphina.
Ella aeceltoa apenas ama gota, meia gota de
chartrune.
Vla-se o licor passar atravez da pello.
Dionisio sopplicoa ardentemente a Coa-langa,
qne obrigasse Serapbini a acceitar quaiquer coasa,
urna boiacblnha.
Nao posso, Cnnstancioba. Descalpa t
Isto s, toma I
Qoeres verme morta a teas ps T
D. Elisa dizia a Dionisio.
Decididamente lentas fazer mal a Seraphina I
Deixa-a I
Pois sir I Mas qne fastia I
Pinda a ceia, a orcbesira deu o signal de ama
polka.
Se-aphina e a noiva enerstaram-se ao gradil do
terraco e as vozes de ambos uoiram-se e rolaram
como om esttibilho de amor. Dionisio bfdonTo dialogo coafliilfhi espirros
Ksta noite tal ves a mais adorada da toa vi-; melatcilics. rL.
da, CoBsUoca I Coegaodo Casa, Seraphina atjrou-se sobre um
Iham
minea
dlre
leqne:
-T- Vaftns para a sala. Constancinba. J dei esta
polka e a-me esquecendol
A nmva seguio se aotnomaticameate, sem saber
o que cuidar de ludo aqulllo.
Seraphina at o Um ilo baile foi o alvo de todos
os espiritas.
Vbte-lbe o pt E' ama miniatara de Pnirre
Pelit.
Aquilio au un p : ara bast: I
Ab I seea podesse plaota-iosn mioha alma!
exclamou om poeta lyrico, que oiognem onvio.
Aigu'em questionava Dioaisio sobre o excntrico
estado de sua filha.
E o que dizem os mdicos?
r- Nada, senbor. Os mdicos desenganaram-oa...
GoraoT .
-- Afflancjiadofme.qne ella vivera eternamepte.
Pobre meniia I Eiernamenle,
Por que T Nao s moca, bella e querida ? '
Esqueces que ea nao vivo como ta e as ou
tras T
P8o vives T
Nao.
podesse mYrer daosando
Pobre chanca I murtoaron Dionisio ao ouvi-
do da mulher : mal sabe ella que hade ver
sempre I
Seraphina apertou o lenco bocea.
Est te doendo o dente, mea anlo exclamou
a nni.. ?J. 1 enerKlc a VM d Seraphlca que Dionisio alegre por descubrir na uiha am contacto
a noiva contemploa-a admirada e dovidosa. com o genero humano.
nh^ .*LI!l?-n *. GoD5Uncino> I Os mens so- r Nao, meu pai. Estou fallando,
nhos.os meus desejos as miabas ideas sao dlfle- iooisio estremezo.
rentes das qne sent toda a creatora bamana. Sa-
bes o que me alimenta T
Diz I
^rfn'mna rnndnrirt .mi, j- Bsp,tUo de Se"^""^ como d um'vo saodolo'poisiv roppoVtir o^lor"da crel
aeripnioa condono a amiga ao jirdim e depois e orvalh^do ^e Ingrimas.
O sea corpo tornoo-se mais transparente aioda
epor suasmaosdiaphauas urna febre desccnhecidi
razia corrernos de saogue que transpareciam vi-
vamente como vestigios de um mgico e occullo
pincel.
m dos mdicos, que frequeotavara a casa de
ulonisio, disse-lne um dia :
Eu creio que podemos hamaoisar um oouco
sua filha I
E' possivel doptor ? De que forma? Falle I
Quando ella amar.
Quando ella amar ?
Quando ella amar, Sr. Porto. O amor um
instrumento divino formado de todos os sentimen-
Jos, jae abalara a alma humana. O senhor deve
,lernbrar-se de que na forraba comedia de um
poeta.
Machado de Assis.-os deuses da roythologia
por amar tornaram se humanos e prosaicos como
quaiquer de nos.
Prosaicos; tem razo, dootor. Se minha fllha
fl<".asse um pbuco prosaica, seria to... potico I
Para comecar, doutor, voa leva-la hojj ao theatro
lyrico !
Nessa noite a bella cabeca de Ssraphina penda
de am camarote de segunda ordera, e toda a sna
alma sublime pareca aturar-se de harmonas em,
nebendo-se no lloco luminoso que a La Gra for-
mavacom as trmulas notas de sua victoriosa.
tyra I
D'entre todos os binculos que fitavam a miaa;
herona da pial* e dos camarotes, um mais do que
os outro, persista em contemplar trago por trago,
linba por linha o delicioso desenlio dnanella rara
physionomia de qainze annos.
Quera sustentavj esse binculo era om moco de
vinte e cinco annos, robusto como ora zuavo e pa-
rigoso como um revolver.
Um ar de cooquista e de ousadia vestiao Impe-
rioso, e o sorriso que oroava Ihe a bocea era irre-
slstivel como o de Pedro Alvares Cabal em 1800.
No intervallo do segundo ao terceiro acto da Ju-
lieta e Romeu esse moco qu* se chamava ErnMio
Soares de tal, diriglo-se a um dos amigos de Dio-
mtlo:om medico, ja se sabe.
, t-; Dutor, apreseote-me familia de Dionisio
Porto.
Quer conhecer de perto o phenomeno, heim ?
Que phenomeno?
A ilna.
Emenda como quizer. Acha-me capaz de ser
apreseotado familia?
Oh I mea amigo I Essa apresentaco honra-
"W- luilav.
Obnigado.
Dionisio recebeu adoravelmente o recem che-
gado. T
E' medico ? pergunton mmediatameate.
> NSo. senhor" soa baetiarel.
Em todo o caso amigo aqu do dootor, e s
por esse simples fado considero-o amigo velbo de
oossa familia.
Seraphioa reeben Ernesto Soares com ama le-
ve inclinaco de cabeca.
Sei que V. Exc. tem apreciado fervorosamen-
te a La Groa I
Os jornaes italianos comecam a poblicar nume-
rosos extractos do litro verde, qae acaba de ser
apresentado ao parlamento italiano.
Nota-se com admiraco que esta importante col-
lerijo de documentos diplomticos nao encerra um
s despacho relativo a' questo romana.
O ministerio Italiano explica este faci hasean-
do-se em que, depois da coovenco de 15 de se-
tembro, a questo romana passoa a ser um neg
co exclusivamente mwrnor-eujus uocumemos nao
devem figurar n'uma collecco destinada aos ne-
gocios ioternacionaes.
Poriaoto o Litro verde comp5e-se to gmente
de documentos de ura carcter rigorosamente re-
trospectivo, documentos qae se referem a succes-
sos to absolutamente consummados, que d'elles
nenhuma inferencia se pode tirar para o terapo
presente e para o futuro.
Claremos, era primeiro logar, o despacho de II
de Janeiro, assignado pelo general La Marraora,
[em qae se declara que o restabeleelmento de re-
iages regulares com a Austria s se poderia ad-
mittir a titulo de expedanle para a soinco da
questo veneziana.i
Este despacho serve de ponto de partida de (oda
a poltica ulterior relativa Vneta.
Outro despacho d. mesmo general La Marmora,
dirigido ao ministro d'Ilalla em Berlio, datado de
Fioreoca em 9 de marco, indica o alvo da misso
do geopral Govooe, prova que nessa data anda
nao estava concluida definitivamente a alliaoca da
Italia e da Prussia. E' mister lomar nota e regs-
lar esta data.
O ministro italiano em Berlio escreven em 8 de
marfo, e deu coota ao seu governo de um iociden-
te diplomtico, qoa deixava entrever as hestates
* as contr-diedes no meio das quaes naquelie mo-
ment arada flurluava a p- linca austraca.
Tendo a Prossia langado em rosto Aaslria o
seu apoio dado nos ducados poltica e ao partido
revolucionario, es respondeo, qoe a Prussia se
enjuecia de que com o Ara de favorecer nesta
mesma queiao dos ducados a poltica prassiana, a
Austria sacrificara em Gastein a soa alltanca tra-
dicional com os estados secundarios, os qaaes se
vlogaram deste abandono recoohecendo o reino
d Italia. Dest'arte a Austria reconheceo entao as
consequenci3s, to funestas dessa eonvengao de
Gastem, e do abandono em que deixou os seas
alijado, e os principios qae at all havia susten-
tado.
Porm, ja' era larde para reparar o erro com-
medido.
A autorisaco de assignar a allianca com a Prus-
sia foi enviada era 9 de abril ao general Govonc ;
todava em 4 de maio, n'uma nota dirigida ao go-
verno francez,ocommendador Nigra declarava qae
a Italia uao quera tomar a iniciativa das hostili-
dades com a Austria.
Um despacho do ceneral La Marmora, de II de
maio, insista! de novo sobre o carcter defensivo
da medidas, que o governo italiano estava adop-
tando.
O ministro afflrmava que o re nao qoizer li-
gar-so para o futuro, porm acertsrentava que os
aeonlcimenlos tinham provado que o reslabelecl-
mentd da tranquilidade na Europa exiga nma
prsmpta solnco da qopsto veneziana.
O projeclo de nm congresso e as futras nego-
ciages incideptes, qoe immediatamente precede-
ram a guerra, ja' nao offerecem hoje interesse al.
gom ; vamos cesso de Vneta. O Litro verde
nos habilita a flxar, com nm exactido mathema-
tica, a data desle memoravel soccesso. S foi deci-
dido em 5 de julho, a' urna hora adiantada da nm-
te, visto qoe o commendador Nigra d'elle foi infor-
mado ofileialmente no dia seguinte pelo ministro
dos negocios estrangeiros Drooyn de Lhuys.
O imperador Napoleo, assim que recebeu a
adheso da Austria, expedio om telegaamraa ao
re da Prussia, afira de obter om armsticlo.
O Iavio verde reprodozio o telegramma do im-
perador e a resposla do re de Italia, reaposia
dilatoria e calculada, coja oocluso era que muito
imporlava saber a opinio do re da Prossia sobre
esia gravissima proposta.
Seguem-se aleaos esclarecimeotos relativos a'
misso do principe Napoleo ; cgegamos, finalmen-
te, ao da 26 de julho, em que seassignaram os
preliminares da paz em Nickolsburgo.
As oegociacSes que era seguida se entubla ram
antre a Austria e a Italia, dlzem nicamente res-
pailo s t-ntativas desta ultima potencia para fazer
com que o Treotino fosso incluido na cesso de
Veoeza.
O governo francez deelarou estar dspnsto a
apoiar ama rectificacao de frenteiras, porm.Jnada
mais quiz lazer.
Esta questo da rectifleago da frooteira vene-
ziana junto s margens do Izonso e do lago de Gar-
da acha-.-e completa por um longo despacho do (te-
era! Menabrea, datado de Vienna em 2 de ontu-
bro, no qual se relalam os esforgos innleis fetcs
junto a' corte da Austria para se coosegmr a ces-
so do Trenlino at mesmo a prego da eompensa-
ges, cujo principio a Italia admittia plenamente.
De resto, estas negociages conservaram um
elevado rasacter de cortesa e de cordialidade, e o
general Menabrea testemunhoo o bom acolbimento
que Ihe Bz-ram o imperador Francisco Jos e o ar-
chiduque Alberto.
Era inerencia aos successos de Canda, os docu-
mentos do Lirro verde s alcangam at ao mez de
oniubro, e n'eiles nada se contm de significativo.
rahy pequeo. Qomdo quizer descansar nm ro-
nnto .
Agradecido. Dispensar me desse favor seria
volunloriamenle esmagar a felicidade que me po-
cura.
Seraphina voliou-se para Soares.
O Sr. Soares lera ido ao club fluminense t
Sempre, minha senhora. Sou doudo por
bailes I
Eu tambem. Se a walsx dsse o suicidio, eu
qalzera suicidarme.
Dionisio endefluxoo-se.
Ernesto Soares guardn profunda impressao des-
sa noite.
E t vas ao Andarahy? perguutou-lhe um
amigo a porta do Wallerstein.
Dos me livre I para ver phaotasmas bas-
taro-me os cqoIo de Hoflraano. Aquella menina
e um sylpho, ama salamandra, om gnomo I
Esias louco decididamente I
Palavra oje benra I Ella assuslou-me deve-
ras t Sahi daqaelle camarote como'quem sai d'ura
tmulo. Confund me al com am cipresle.
Dionisiu nao esquecera as palavras do medico.
Para ehegar mais rapldament- aos seas ns deter-
minon dar reunles e partidas em sna casi, ei
certos e determioados das da semana.
A essas reuniss afflulam varias e disllncl
rnilias da corte.
Seraphina era sempr a mais respailada e
jadas da moga. Como totllette, como belleza, clac
espirito, a sua pessoa avuliava entre as outras
como a physionomia de mais realce e de mais des-
lumbradora altraceo.
Os mogos, aguilhoados pela enriosidade e pela
vertigem do desconhecido, procaravara ouvi-ia e
approximar-se della, porfiando todos em tenia-la
com a mais irresistlvel phrase e maoeira mais on-
ginaes.
Oe todos, o nico que impressionon o carcter e
a previlegiada ndole de minha herona foi um in-
dividuo, que sena alguma cousa no mundo se nao
fosse deputado.
A estatuara nao ganhar nada copiando os con-
tornos do Exra. Sr. Pedro Guilherme.
Hornera baixo, enrgico, possante como nm torero
raadriieuse.
Cumpre notar todava, qne apezar de commnm
o typo desse individuo era digno de algnm reparo
e atbrago. i
Pedro Guilherm? possuia ama vivacidade ola-
vel de gestos e de palavra. Ra se abundantemen-
te pea menor graga qne (fe The fazla e era mnito
amigo de fazer gragas aos ootro*.
lYoma noite de partida discotiam n'um grupo
dous depuiado, om conselbeiro, ires folhenistas
e doas empreados pblicos. E" fcil snppor
qae ewes senhoies nao se compreOeodiam ab-
solutamente.
Pedro Guilherme fazia parte do grupo.
Seraphina, mollemente recostada ao piano ; ou-
va a orna amiga, que a entreiioha de rendas, mo-
di>ta, the;i|ro, etc.
Um folbetinlsta tomou a palavra :
- O theatro francez annuncia orna comedia de
rVoillel. Octavio Feuillel o grande poela do
amor... Ha as producg5es desse nobre talento a
origloalidade da escola allema e lodo o sentimen-
0 professor Vince encontrado am dos seas ami-
Kos u'uui cauluho do collegio de 3aiui-Jean, em
Cambridge :
Como passa ? Ihe pergontou o amigo. Venta
muito esta maoha.
E' verdade, e al poda dizer que esle vento
mathematico.
Como I mathematico? porque?
Ora I porque ja exlrabio um grande numero
de i aizts.
Meu Deus I murmarou ella. Ella fecha a \ Dionisio accadio a lempo.
" voOe>*a para fallar! .' O Sr. Sores mora mesmo
Desse baile datoa a suave tristeza, qae envolveju Moro em S. Clemente
Ach a-a admlravel, volveu Seraphioa. Esta
Ojera tem trechos magnficos I
O episodio de Shakspeare. E' a historia do' talt'smo da hiteratora "italiana"
eterno amor.
Eterno...? repltcou Seraphina rindo-se. Um
amor e^ie nao snbjuga a morte ? .r
t- a creiura humana immortal, minha se-
nhora ? observen graciosamente Ernesto Soares.
Eu 800. ,
O moco abri tornos como se estire*' adian-
te das pyramides.
Acreditamos I Acreditamos! replicn o con-
seneiro. Mas o qoe certo qoe o theatro e a
n leratora procoram apenas desvirtuar o povo. A
Fraoga principalmente I Cada paqoete francez traz
urna carregagao de plvora para as uossas don-
Ns tambem temos orna cboupaoa po Anda-
Oh I V. Exc. aevero I
Sou justo I Falle-me o seohor na otilidade da
"m -A,,* n, po",,,ca' D0, bota averno d'am paiz constitucional,
mo na corte? Ou fow? ,oo futuro do Imperio realisado pelos grande*prin-
s, Sr. Porto. E-me im- Wpios da poltica iuiparclal, fsseljml
Ka nao creio na poltica l volveu om fblhe-
tinifU qoe se conservava imparcal at ento.
Ora, o Sr. poeta I O* poetas ando sempre
pelas nuvens dialogando com as estrella.
Ser, nao duvido. Porm o que nos lem dado
a poltica?
O conselheiro. rubro de impaciencia, ia replicar
quando um dos deputadosPedro Guilherm, to-
mou a palavra depois de curvarse com a agilidade
felina d'um diplmala austraco.
Perdo, meus senhores, eu crpio que estamos
perdeodo o lempo intilmente. O Sr. conselbeiro
lera e nao tem razo; o mesmo acontece ao senhor.
Ha urna cousa melhor do qoe a poltica: um
bouquet de rosas brancas oa ura par de luvas de
pellica...
Ora I ora I
Ha urna cousa melhor do qae a litteralura,
pelo menos mais all, ___
E'-----diga : V. Exc graceja.
E' om par de luvas de pellica ou am bouquet
de rosas brancas.
O el .queme depotado acompanhou o sen espirito
coi-, a habitual gargalhada.
O folhetinista, picado no amor proprio, mordeu
as guias do bigode.
Mas a tudo isso, retrocooielle com o timbre
acerado do despena, a ludo isae.prefereV. Exc um
succulento banque'er..
Se por acaso, volved Pedro Gailherme -T en
liver a felicidade de encralo ao p de mim.
Convrn notar que o Sr. denotado Pedro Gui-
lherme grangeara a fama d'um Gargantua de nova
especie.
Entre varios episodios qoe a sea respeito cor-
riam, avoltava um de nao vnlgar eotrecho.
Coniavam os adeptos da gastronoma, qoe n'um
lau'o jamar que assistira Pedro Gailherme fez o
deputado prodigios de valor maxilar.
ftepols de ter de-orado com o denodo d'um sol-
dado prussiaoo en rme quantidade de iguarias, o
distracto representante doepovo nM ttoi- dar fin
aos seus combates sem dirigir algottfts Kyperbotos
e raetapboras declamatorias a um pme asssdo,
que estirava-se coberlo de adubos sobre o prato
derradeiro, como o cadver d'um general, anda
orgalboso dentro do esquife reurtuarie.
Os olbos do deputado geral encheram-se d*oaia
saborpsa volupluosidade admirando aquello inoo-
ceole *ltho dos mares, fallecido taivez na prima-
vera da vida. Os leraperut qae ornavam aqnelle
peixe erara tristes como nenias: cada tempero era
urna lagrima.
Quasi todos os convivas linhaa se erguido da
mesa. O deputado continuava modo e com a po-
pula imraovel come um sphmge egypolaeo.
Bello peixe I exclamou elle se poder mais
conter se.
O amphytno, qoe oovira a raenmoante pbrase
tocuu leve e an igavelmente no fceiH>ro do tn-
bano.
Ento, excellentissimol
Ob I meu earo amigo I Varaos par a sala.
Nao. V. Exc. ba d provar daquelle peixe.
Se me fosse possivel I raarmuroa Pedro
Gailnerme.
E pondo a mo tremola sobre o estomago :
Eston incapaz, meu amigo, intetramente In-
capaz
V sempre, ande I
Nao, nio, obngado, replicou o depotado fa-
zendo o gesto da falsa sabida como o Sr. Vasques
do Gymuasio.
Ao menos, acudi o dono da casa retendo-o,
faco-me am f Pois nao I Falle, mea amigo.
Leve aquelle peixe para casa. Ea mando o
moleque acondiciona lo no earro. Sim ?
Ora I Nao4e desfaga dessa iguaria. Agradft-
g>ihe como se accetiasse I
Nao, senhor, na de levar o peixe.
(Continuar-seha.)
TTP. DO DIABIU-RUA DAS CRZES N 44.""

ILEGIVEL

N
I
-------- /


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EP25R488X_VFEH40 INGEST_TIME 2013-09-04T22:04:18Z PACKAGE AA00011611_11185
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES