Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11181


This item is only available as the following downloads:


Full Text

I

-V
'

-,
y
i\

>J
r
<
ANNO XLIII. NUMERO 24.'.
PARA A CAPITAL E LltiBES OXRE SE NA PARA PORTE.
Por tres omidianUdes.,......... *nnn
Por seis ditos iden ........ 00000
ui mi mifs itera ............. J9AMV1
Por um annt den ...... JWW
""*..................::: u*m
TER(TA FfcIRA 29 DE JANEIRO DE 1867.
PARA IM VI HO PORA RA PROVINCIA.
Por tres raezes idimtados......,
Por seis ditos idea. *. .................' / f *
Por .oto ditos den,...................' ......* ;"
Por molde..................... .. ]'. V ,
750
13/1500
zomo
270000
ESCARREAOOS DA SUBSGKlPgAO.
Parabyba, o Sr. Antonio Alexamlrino de Lima-
Nital, oSr. Antonio Marques da Silva ;Aracatv '
Or. A.de Lemos Braga; Cear, o Sr. Joaqun?
EL*-.MJS? ; fara' os Srs- Gerardo Antonio
Alves 4 Filos: Amazonas, o Sr. Jeronymo da
,;g0?S'25r- *<> *Wes da Costa;
'iSi'S.W Mor,,n3 Alves? de Janeiro
o Sr. Jos libeiro Gasparinho.
aooommi am wwa-m Rtumm ai iwru ra MM4 4 mm 8OTS MWMMttWfc
^AftTIhA l S KSTAKKTAS.
Olinda, Cabo, Bscada e eslages da v frrea at
Agua Preta, todos os das.
Igoarass e Goyaona as segundas e sextas futras.
Santo Anio, Gravati, Bezerros, Bonito, Caroar,
Altiaho, Garanhons, Buique, S. Bento, Bom Con-
selho, Aguas Bellas e Tacarai, as tergas-feiras.
Pao d'Alho, Nazaretb, Limoeiro, Brejo, Pesqaeira,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa-Vis-
ta, Oarieury, Salgueiro e Ex, as qoarlas feiras
Senobaem, Rio Formosa, Tamandar,
reros, Agua Preta e
feiras..
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio : segundas e quintas.
Helaeao :. tercas e sbados as 10 horas,
raienda ; quintas as. 10 Horas.
Jazo do commercio : segundas as t hora.
Dito de orpnos : iercas e sextas as 10 hjras.
qnartas e sabbades a
PARTE OFFIGIAL
COMANDO DAS RlAS.
Segunda vara do clvei :
i hora da tarde.
EPBEMERIDES DO MEZ DE'JANEIRO.
R Lga nova as 9 h., e 38 m. da t.
'3 0 20 La cheia as 4 h., e i4 m. da ro.
2/ Quarto mlng. arll b. e W m. da rn.
Jesus-Chrislo da parte de-Satanaz : Omnia Ubi da-
bostcadens adoraveris me. Mas, a exemplo de
nosso Divino Mesire, devanaos saber responder cora
energa : Vade retro Satanaz.
Espero que a tempestado de que a barca de
Qnartel oraml n -___- esla' amea5da se nao tornara' mais violen-
oi le general do enromando das armas le Per- ta mas, seja como for, devemos estar promptos a
dade do Recife, 28 de Janeiro ^ar as maiores proras de condanca, em
DAS DA SEMANA
18. Segunda. S. Gongalo de Amaranto domioicano
40. uarta. S. Adelelmo ab.; S. Marimba v. m,
31. uinta. S. Pedro Nolasco; S. Gyro m.
9 ^a ^on,o Pr~B.; tfrem diac. ro.
2. Sabbado. ,e A Purlflcaco de Maria Sanl
i. Domingo. S. Braz b., advogado da garganta .
PREAMAR DE HOJE.
'Primeira as II horas e 42 m. da manna.'
Segunda as 12 horas e 6 minutos da tarde.
PARTIDA DCS VAPOPES CttTEIROS.
Para o sul at Alagoas aUeJU; para o norte
al a Granja a 7 e 22 do cada r_.ez; para Fernan-
do nos das 15 '.tos mezes Janeiro, marfo, maio!
julho, setembro e novembro.
..-..,..,>, u nuauc uu necue, 2 ae Janeiro uo' "'-"fres provas as conuaoca, em presenta
de 1867. ds soccurros que Deu nos concede.
ORDEM DO DA N 309 -' Ss 8e nos fazera ^reclnenlos de cencicilia-
O brlgadniro co.nmaodante das armas determina -,1, *! SS reseDlam a 0"vejra da P. D^. *
quenamanhia do dia !. de ftvereiro nrrximo ,sde,l)az> representantes daquelle que tem a
vindouro se pase revista d^ mo^tra ero u "rea. Ia Pr priDCIPal "ributo, nao hesitare-
pectivos quarteis, a comoanhia de operarios do j IT^^'tT0!.8 V deVeraos fazer. mas sera-
arsenal de guerra, e aos depsitos abaixo mencio- i 5 -^?I.,.?,.nlao.de (,ae os nossos dlreilos Sfl ba
nados oela ordem seguate :
^^fnh0r' seDado dSo Pode d^ixar de prestar na Toessalla, qur no Eoin a Inrliur ^JT,.
n011'0 T*** P"cipio proclamado IbO-hl. padecer as tSZEE&fi^JSL
por V. M.-Tjjaa a soncitude do re e do seu go-' cbegassero a um extremf tal nliV fn .L?,; ."
poten
em Creta mas
turco se mani-
A's
6 horas a companhia de operarios; |s 6 1/2
) deposito espacial de in-truccio ; s 7 ai de
guerra Paraguayos e s 7 1/2 ao
de
prezinn*iros
de recrutas.
(Assignado)-//nr/gu de Beaurepnire fohan.
E-la conforme. Emiliano Ernesto de Mello
Tambonm, tenente ajuJante de ordens
encarregado do detalhe.
interino e
de resalvar e ficar intactos ; que se nao ha de fa-
izernenhum ataque constiluico divina da Igreia
e da grande s.
I Alero disso, depositemos toda a nos=a conflan-
Qa ero Deus; porque de Deus que devemos espe-
' rar o soccorro e a forga em todas as circomstan-
|clas, certos de qae elle ba de poder sempre dictar-
los a nossaregra de conducta, as nossas palavra
e as nossas respo-tas.
da Italia estanam longe de ser fufflcientes, se nao cas.
S taSSfJfecundada pela m"iiie e iDi-! Times reconhec9 iQe o
" / ,D,;lviaui; em todas as provincias do imperio
a oterveocao do governo nestes erapregos festamintencdis de Iota
econmicos, til em certos casos, mas- a maior O desojo da (oglaterra' Vflr adiadas nn ahr5
par e das vezes prejud.ci,1. A agricultura, a in- das essas lutas ; mas se conm rhea?m ,"
Z:le comrTr offerecera lwW i W ** crner n "a Jnorr" de mo teS 1
geos de prosper.dade ao trabalho iudividu.l, iotel- cruz e o creseent?, nunca a Inalaterra se e,n, Pne
licenie e perseverante, ao trabalbo collect.vo das ria de que os loglies "u mafi chrtl~ :
so^dade, particnlares, munidas decapltaes suffl- Mussuimaaos e ai 'orei" o 2 Tumi qflt
cenes, e dos conhecimentos necessarios. que con-ideram a expE do iZJ, ^ i ,r,n 1
e consultar
senado. Al
DIABIO DE PEBiVAMBCO ^Si7SASS!'1 Domin"pro,ec,or
O Internacional As datas da Europa, de que foi portador o vapor ; S*1 Si0 ? comitfact dirigido ao povo roma-
no, e arnzadoem todas as esquo s de Roma :
Romanos I A bandeira franceza desaparecen;
o exercito francez abaodonou a Italia. O escudo
qne durante 17 annos protegeu^ nosso governo
brbaro e tyrannlco, ja serelirou.
Es.ses mercenarios, esses.estrangeiros vis, nao
podem deter o povo que rep.-llio dos seos muros
o exercito d'Oudinot era 30 de abril de 1849. To-
i dos os verdadeiros liberaos seotero a necessioade
de juntar essas forjas para uro eiforco supremo
r e unnime.
Nos espreitamos o momento opportooo para
i nos sublevarmos, e preparamos os eleraeotos da
victoria. At a hora solemne, acautelai vos con-
tra todas as agitacoes desconhecidas, evitai qoal-
i fluer tumulto ou desordem, para nao cahir ero
alguma cllada preparada pelos nossos niraigos.
Comtudopreparaivos cora socego e resolnco
para a batalha;-quando cbegar a-hora do livra-
mento,nos vos chamaremos
inglez Rhone, aicaocam deHimburgo a 5, de Pa-
rs a 7, de Londres a 8 e de Lisboa a 14 do cor-
rente.
O Surarao Poofl -e na sua allococao de 29
de outubro, acerca das nouas da Polonia aouun-
cou que havia de expor o estado das suas rea-
idos cora o imperaior da Russia. Publicou-se ac-
tualmente em Roma este ducumeoto, inmolado :
Etposico daciiroentada dos e-forco* constantes do
buinmo PontifJee Po IX plo allivro dos soffriraen-
(os da igreia catholica na Russia e na Polonia.
E' um livro de 300 paginas qie abraoge todas
as relaedos da Santa S com a Ru-*a oo decurso
dos ltimos vinte aono<, desde a conferencia do im
per.idor Nicolao como papa Gregorio XVI em 1845
at a audiencia, -em que o Papa Po IX pedio ao
embajador, baro de Meyeodrff qne sahissa do
sen gabinete.
A hist ra deste ultimo fado que se deu em 27
de dezerobro do anuo ultimo, conrma e completa
e especialmente oos conhecimentos technicos, re-; Na .Iba de CandiaconinuaTin'srri'c^a com
clama os cuidados do governo, e toda aileoC5o do bater iocaro.cadamente m^urreicao a coro-
so se leniaram experiencias ,M*^5|i>loopla que dos olio mil no-
snsteotam a lula, so tres
, establecida ero mY- '^Y^l^SSS ao^ecfte
, Toluniarios oa ultima guerra contra a Austria, tres
persuadido de que a mil sao Connota*, Gregos ou Maiteies
l-dade que SObro-5i-oR J VPPySTT* ""0 *&~ &*?" "' DSUrr"?') 'DCQra
saber usar da liberdaae sera d'elU
< Pru i njiv n. i.j .*____ ;;, ",v '*,na muiaraiu experiencias uizem ae oosiantiaonla
er em todas as occas oes : Dommus protector urna oreanisacan nAniti .,k2im._____. ^.. a "...... ,enses-
Ihores bases.
Senhor o senado est
Italia sent profuodameote
o governo,
vistas, pela
. as armas: viva,
o que Ja' so dissera. O embaixador comparecer na i' v,va.Koraa llvre. capital da Italia I
audiencia do Satal, e o Papa queixara se-lbe dos L^ff8.,?! **se 1,,eo8enfra' f'enry obtivera do
, governo italiano promessa formal de urna nova al-
liaoga entre a Franja e a Italia em vista de certas
, eventualidades.
ou a fraqoeza das forcas otiomanas.
Aonunc.a-se ter rebaniado um leraalamento na
tnessalta. Reuniram se algumas centenas de indi-
viduos armados para proclamarem a reunio do
seu paz ao reino da Grecia.
O governador da provincia poblicou uraa pro-
clamado ch-A de brllhantes promoitimsntos, con-
vidando a popolico chnst a conservar se tran-
quilla e M ao gove-oo. Formou se em Alhenas,
stas do governo grego um convite presi-
cora
mus tratos que padeca o clero catholico na Polo-
nia, accrescentaudo que os attnboia, nao ao impe
rador de cojas di masaquelles que desconheciam as benvolas in
teneos do seu soberaDO. *
O ministro rosso, em resposta eontradtsse os
tactos notorios pre^eolados por Su Santidade,
semeando o seo discurso de observaces inconve- nM
lentes, e chega.ido a dizer que nada disso tera !
Afflrma.se que o governo francez sacrificar em
parte a questo romana em proveito desta nova al-
llaoeo.
As negociacSos entre o governo ilaliaoo e o go-
verno romano, e de que foi encarregado o Sr. To-
por parte do governo italiano entraram ero
accedido se os catbolicss tivessem procedido como i f i "'asf ^Qe Perm'lte e.perar urna feliz soluco:
os prolestautes, e se tivessem seguido a baodotra fnns* H pe, 0Vernj Pooliflcio como
do governo, em logar de se terem collocado do la S 12? de ara accrdo com a Italia foram re-
do da losurreic.'. eoonecjdas como accenaveis pelo governo de Fio
naci ba
. abusar; que
pela sabedorla e madoreza das suas
esiabilidade dos seus designioa, pelo
..Za*, 2meS ^e emprega, ha de adquirir a
autondade de que carece para bero administrar,
e que tanto para os administradores como para os
adirmisirad-.s, 0 imperio da lei ha de ser com-
pleto, evidente, absoluto e perpetuo.
h d'a de feyereiro o designado para a
ooca"ZE2SZF* franCM- DeVfl Para 6SU I d P? prifltte,r" ^Mtorifl da igreia rega
do Lmto D0V0 PrJeCt0 da reforma 0"tndeaPiarse''>U'-reicaoTnessal.a.
O tflsenran .... Cretenses segu^m agora urna nova tctica de
Dorador XzLiV* Ir**aD Proni'nc,ado Pel im- erra ; espreitara os mov.menios dos Turcos e s
So 5Eff PLdull em Londr" vi'a im" acc,la.m crba,e 1uaDd se lhfts aPren.a com
SffVKi5hS S JrQ'esda^9,laca- PWbabilidalea de botn xito. No caso contrario,
da oz A p8 S COm Um ma,fB>t0 fcW fuBm dian,e d<'ih"migo dirigiodo-se s mootanhas
!uer4%mna2fp8?-S',ein eraPreheDdlir a ; onde encootrara asylo seguro. Foi o que aconle-
fes sao 5R D" seD,, "e o seus inters- csu em K.ssamo segundo se diz, e em Inui.as cir-
d? defei lmni?,L?"5C* "***> .#> cumstaoc.s anlogas ; d'onde se conelue que os
offerecera n?P2K. dd?e /s?er'r q Je se nao insureD'es loerem resistir a todo o custo at a pri-
U 'raoerador ao r^Chasia de '""<* R.aerra- ; ^.^ j0Ca em 1ue a "*"rreitjo cretense se
9*SS2X?ESS?" deputados d.sse-.hes ponera eorab.oar com algura movlroenlo no Epiro
acamara" PJ?d",contar cora apo, i0*0"110 e Da Thessa'. onde se diz estar tudo preparado
t\nr? e noloa-se "miranda inJifI-)renca,Pa um levaotameoo.
nae nue semnrf &?JSFt Cm ? Sl" de T8** ?nLr" ,aD, ,ele8raPha,n grande opposico ao f'Hato alcaogado completa submissad deSeUno o
aquelles pai^s, primeiro, sobre as
v.>Thrl MMer a HxJDgrLa' e dePis> Para os ou
i ., coocesses offerecidas pela Hungra.
n..2 !ncar"ter, a opoosigo dos centralistas
Su n ,S yfem D6s,a reso|usao do governo, que
elle pretende voltar aos principios da constltuca-o
de fovere.ro ; mas de cerlo nao podera ser o go-
S cfBsarad0 de se w ornado inflel aos prin-
% a Seu maD,t's|o de selembro, pela convo-
pl um seu":",aote corpo representativo.
Bate acto do goveroo nao encontrar de eerto op-
posicao sena nos d.ffereotes palies. P
nPMdr,'i?(fc VTm Pu,'|lC "na carta do Im-
uSfSi a''prJvaud", Pf** da organisag rol-
litar aprsenla -lo pelo ministorio austraco, dei-
xanao salva a discu*so connincional. O impe-
acceltou ao mesmo lempo algumas modifica-
exercito :
nos no exercito
, .res na primeira
mha e tres na segunda Nao se permute isenco
do servlco. Nao se determinou ainda o regula-
ment definitivo do servico.
.,TUGu,?e5a,D Ja a i>ahifestar-se as dlfflculdades
que nao de empecer ainda por algum lempo a re-
gulansacao dos negocios da Allemaaha do norte.
i\as conferencias dos ministros, os enviados da
baxooia-Oldemburgo e Mecklemburgo pedirn) a
maoutencao especial dos correios. A Prussia sos-
tena a uecessidade da fuso do servico pastal em
,nn?,Je!im',rl0 da coo'-deraco. Neate ponto,
como nos demals ser difflcll chegar-se a um ac-
corno.
que sempre tem feito
projeeto de reforma de exercito.
i Ki-samos.
Nao contente cora isto, o ministro russo teve r,?L,\ D0Bl0lem iscussao dizem uoicamente
insolencia de accrescentar que nao era para adroi- ''U9sloes religiosas, seud i os principaes
raroprocedimeniodos catholicos. porquecatholi-leproM qUe'leVl,'D preslar os m,imbros
cismo e revolucaoenm syoonimos.
O Santo Padre, justamente, e sentindo no intimo
o asalto feito a commnnho dos fiis, de que
chee, despedio icmediataraente o ministro da sua
presenca, dizeodo-lne que eslimava o imperador,
ooas que niio poda dizer outro taniode -eu minis-
tro, que contrariamente como de crer, a's inten-
coes do seu magaaoimo soberano, vinh* a iosaltar
o Pjpa oo seu proprio gabinete.
Asslra exposta esta scena, que, seguida a'
gal. u governo russo, em lugar de dar as repara-
<;oes pedidas, duplircu as perseguic5es contra o
clero i-atholico da Polonia.
Desde a sabida de Roma das tropas fraoeezas
pao tem sido alterada a ordem devida a" allitude
tomada pelo povo romano dos defensores do go-1 n^Zn^T"
in nin lom ^h .o n.n~..7;. T i parlamento dl.-s
verno poolificio nao lera cessado as provaco;s re
pendas e arnganie, e as vaxacSes da parte da
polica. Al agora os actos de bostilidade da popo-
la cao tem-se limitado a sahir dos botequin?, quan-
lo n eiles entra algom offl -ial de zuavos.
A allitude _da legio d, Antibeas diversa da dos
); o exequtur real; a oomeagao das ss
i vagas; e redueco do oumero das dioceses.O ponto,
cuja resolucao mostra mais dlfflculdades, este ul
timo; o governo Italiano de 208 dioceses s quer
cooservar 6o.
A primeira conferencia teve logar na note de 18
de dezerobro; o Sr. Tonello foi recebido orna nica
vez pelo papa ; a ultima conferencia que teve com
o cardeal Aotooelli foi oo dia ti de dezerobro, an-
nuuciando-ihe o cardeal Antonelll queso depois do
primeiro de Janeiro poda haver novas conferencias
era eonsequencia das festas do Natal; o Sr. Tonel-
. le pedio liceoca ao seu governo para aproveitar es-
lo niervallo para ir a Floreaga recebeodo a com-
petente liceoga.
Victor Eramanuel ao receber a depulacao do
se o seguinie
uurante o periodo fie paz em que acabamos de en-
trar nao cessaremo; de prestar lodosos nossos cui-
dados ao exercito porque elle a salvaguarda ne-
cessana da independencia, e um meio solido de se-
guranca Interna para a unficaQo e civilisaco
euavos os fraucezes, que fazem"paria "d'eHV s'o! t' BBJU1,. A,
socegados, e apopulacio nao repara o'elles !. a,resposla ao discurso da cora italiana, vo-
0 discurso pronunciado pelo Santo Padre no dia ', ^lJ S,enad2 emB28 do Pa*sa"o :
27 oedezembro na recepcao dos offlelaes do exer- seDnor:-Sacrificios extremos, magnnimos e
cito pontificio nao tem imporiancla do especie al- f."1?*08 des'njl'!)8. Wm I136 so Podia(n inspirar
sguma. O ministro das armas aposentandoI as suas consuenc,a do direito. e a firme vontade de o fa-
nomenagens ao Papa era Dome de todo disse que *f Preva1lece,> guiaram a Italia no comprimenlo
offlciaes e soldados mostravam a maior d-dicaco e",ri0S. dos seus destinos, o que se cooseguio, gra-
ao santo Padre, e que jamis fallarlam ao seu iu-1 Sas a i obres e Poderosas alliancas, e p..r meio
ramelo de delida'de.' i"*" a S6Q JU
O Papa respondeu querecopheciatoexcelleotes
sennmentos, expressados em nomB das iropas e
que esperava que ninguem havia de faltar ao seu
dev-r ;-recordou em seguida fados que se oo
ciaes: Disse que lera na vpera ero um jornal in-
titulado o mo da Ltberdade que Roma havia de
canir, oao pela violencia, mas a pouco e pouco, e
ragas as disseosss que se mafestavam no
exerciio Pooi'flcio, composto de t diversos ele-
meuios e que este exercito acabarla por vlr 's
maos com o povo
sabedoria humana poda
diversos daqaeiles que
prever.
A Italia rende em primeiro lugar accSes de
grabas Providencia, e depois ao rei que a condu
ziogloriosament-, no exercito de trra e do mar, a
ao voluntarios intrpidos que derramaram o seu
saogue pela patria, cooperario de duas grandes
nages, ao apoio moral e s sympathias testemu
nhatla- pelos demais.
c Augmentada pea conclosio da paz, com ilus-
tres provnncias que tanto tmha desejado, a formi-
daveis defezas, a Italia corre em voita do vosso
.-, que lato ora pma aalamnia. \?^2!**!^^ ****> ? a igrejao
porque o P),0 romaoo siocera.nflnte aBaieoad "?... -que Y-M/a"ou, e que o voto e a es-
a Santa S; mas tambero necessano demostrar tBr"DC ,ao so dos "ali!""": mM H- -
com fados a eoormidade das calumnias ;qae
poneos das ames havia sido preso um bomem
audaz, couhecido pelas suas Ideas revolucio-
narias, que se havia nlroduzido
litlcio ; que se Ibe encontrara
E'tionsBiiiii'r" i"" "*" ""'' i"''""""s duas PosicOes fortificadas que os insur-
inortme ,JE\ tM.mt, seKu,Btes de,,reto qae potes Cretenses oceupavam; que os iosnrgentes
a nd..,. .2. a 'onelagem, a que se estende foram completamente derrotados com perda de do-
ranpia- L iS a l,Ue Dao maale,n f'reitos dille- "ntos homens e fugiram desordenadamente para o
i A, i |5 fi? ; A ^'i e">arcando a maior parte d'ellos e abando-
cxl ,a direllos de tonelagera estabaleci- naodo a liba.
do do tratado JniS de ,cemPen3acar.' em 'fro-, O Correio do Oriente, afflrroa que os Insurgentes
oe^ao tratado ecooven.os leiios pela Fraoca cora Rio oceupavaro K.ssano, que este oequeoo forte
repblica de S. omiogos, Porlogal, nao sendo defendido por ninguem, "os in.-urgentes
a Dinamarca.
lara ser superflua tal commu-
grego, que
Bremn S,!.",6 fifi" bansea,'cas de b"la,n deaa'ojado algumas familias i
i a5 ?Z, nf 6 Hubark Ucam "PriHios. chavara estabelecidas, e arrasararo em seguida o
nhao de L^^SW e ,0*leiPS qae ve" fr,e- Quaodo as ,rPa' ,arcas de'^ P*' os
mI'I'"*r di Gram Brettnha ou de suas insurgentesfugiraroderTendendo.se, depois de re-
linDerio Pran. I0pa para um dos portos d0 dZ,re^ fdrw ura o* de ruinas.
oXem Z"2 i,,, ? "P?* >> d're'to de lo- Dizem de Berln que as potencias occidentaes
rtraudol^a a^d,Ts:sd0 ar,, 1* Pedem em vinude do tratado de Varis, que o acto
o Go rio d J \Mnt d l86- n ,0Vft!"dura conferida pela Pna ao pr.ocipe da
assitn^d7snn?*,M8,"mp,0-toda-8MbMda,ra8 S"h,eDZlorQ seJa commuoicada a conferencia de
fran. 1 P r aelos ctnveoeionaes a bandeira Pars. A Russia decl
iran,,eza e oue como taes devia-o, qoando che- uicagio.
od&ito al SSS br,lan!Clls a Pranga, salisfazer : Foi noraeado ura novo ministerio
.Ir 'onelagem a ima mencionado. flea presidido por commodro^.
dos da.1121? goverD' dos ^tados-Uni- A Polonia denou de existir desde o dia 31
"os uite?SL!5Prff*> ^m0 *? C0m re|a5ao de dMeo)bro de 1866 I A Russia qo.z tambera ris
Por tonHada TSJJ*1 dire,l de 9* cearaos car uraa naao da carta geograpbica ao fiudar des
Kc?2d0^^*.bW! navi0s aQCeZBS l"B9e oiPara algunspa.zes como um se-
VtSTZ?J%T? ** mlZ *mw,aa''m ** gU0d0 dlluvi0- Baslou u,n ukase d0 imperador
e ao chegarem a ura porto para a pagar as tradigoes de nm povo, aoniquiliar
seu idioma,
ntos a o oes.
navegan na FaTi uoLiraiaao de comaoercio e "s barbaros passaram pela Polonia, e s
VIr? i n ire Ja.0b2 de ,821 i r-m qae podia saciar a sua avldez de doinina-
mrin. n n '. pJe$ealB decreto ter execuco em gao.
deraaMbTa?io1l8>PB!!1 e da Argelia do dia 11 uklse ** 1ue fallaraos determinou a fuso com-
Nir enl* 2*. dlaDle- p!ela a Pn|00,a com a Rui8 .-;!.!p?;,0 dos d'Plomata* do dia 2 de Janeiro Mlda e n doze goveroos. O general B^rg sera"
O re da Baviera acceilou floalmente a deraissao
do seu presidente do cooselbo de minstros Mr.
SmIal' e.,w*a ie aae SBr substituido pelo prin-
cipe Huhenluhe.
Logo depou de sua volta a- corle publicou este
soberano a seguinie proclaroago :
rtVn?^e.xcnrsao UUri fiz receuleroeole, dirig to-
nnni, *{t**S*0 para as provioclas da Fran
con a as quaes, polos foffriraentos que teera sup-
mnfi0," pe'i4 sacnBcios Qe teem feito, bem co-
mo pela ioquebraouvel Adeudado que teem conser-
2J2J!q "! os Pr'meiros direltos a" minha
paternal solicitule.
O fim a que roe propuzera n'essa viagem con-
seguio-o. Pude observar de parlo ; e nos proprios
lugares, a iiiuagao dessas paizes, abrir os ouvidos
e o coracao a s queixas a aos desejos, ioformar-me
aos estragos causados pela guerra, e dos roeios
:.os.reparar> reconhecer os mereclraenlos, syra
r
pathisar coro o infortunio, se Dos o quizer, firma
ae novo e de um modo duradouro os lagos reci-
bos entre o principe e o povo, qoe urna catas-
trophe
)pne imponente pareca ter coropromettido.
Ao ver com salisfagao estes resallados, conse
guiaos com a ajuda de Ueos, necessito, primeiro
TI .2' rtsPOni,er a todas essas ternas maoifes-
agoes de amor e fidelidade que me teem vmdo de
icaa a parte, das cidades e dos campos, com a ex
pressno completa da raioha mais iotirai e ardeote
granaao. Vejo a'bto um uovo e poderoso movel
para curar no bem-eslar do meu povo o objecto
ae toaos os raeos esforgos, e procurar no seu amor
a minba maior recompensa sobre a trra.
Hohenschwaogao, 17 de dezembro de 1866,
O re do Hanover decidio-se emfim acerca do
roto dos offlciaes do exercito hanoveriano,
dn imnarm r.---------' ""Haicn a uiu pono !"'< pagaras iraugofts ae um povo,
de TtflnoJ ,l co,n',nnarao sugeiios ao direito as suas gloria, fazer desapparecer os
nn^ritai ?'i?)r ,0,?e,?da- de aesordo coro as dis-1 langar ao vento os seus sacrificios de la-.
!r..rBS;ao.' s" dd tratado de coromercio a Os barbaros passaram pela Polonia, s Iba Helia-
ud^dodTh^le8SOU,osseU3V?tn8peli estabi-lsimplesmenie ov.rnador da
esperanga de
-,- -w que se la coraegar
urna era de paz, e de qae a exposlgo universal
contribuirla rou.to para acalmar as patxoes apro-
ximando os inieresses.
Da lugar a muitos commenlarios o regresso a
Pars do pr.ocipe de Metteroich embaixador d'Aos-
tna, assim como a volta a Vienoa de Mr. de Beus
no territorio poo-
uma caita de ura
peranga nao s dos Italianos, mas de todo o ani-
velo caiblico, e que deve realisar-se de maoeira
que a igreja, verdadeirameote livre a iodependen-
te na sua espnera sublime, nao opponba nenhum
embarago ao estado no exercicio dos seus direitos
ranos, e no desenvolvimentodas suas legitimas
dos seus amigos, que o acn elhava a nao se com- ntPn?C6e8A Ser'a e3S8 se"- da noS3a randeza, e
prometler e a ser prudente e ter paciencia, porque
n pouco terapo correriam valentes Datriolas a li-
benar liorna da tyrannia clerical e a lorna-la se-
ohoradas seos destinos, o Santo Padre reforindo
ses tactos quena indicar aos offlciaes os ioimigss
No dia de Natal, ap5s a mista de meia noile, o
Saolissimo Padre recebeu, como de costume o sa-
ro collegio. O cardeal vigarlo, em substituigo ao
principio de orna restauragio do sentimenlo reli
gioso, se por ventora elle uvesse podido, era eon-
sequencia do ardor das lutas passadas, enftaqoe-
cer-se de algum modo.
V. M com a sua costumada sabedoria, procla-
mou com razao, que a Italia estando feta lempo
de aonraoisar definitivamente prevendo.as coodi-
goes internas, militares econmicas a administrati-
vas. Oseoalo est completamente deaccoMo coro-
decano, manifesiou a' Sua Santidade os enimen- vosco no Pensamenlo de constituir as torgas milita
tus daquelle corpo; ao que elle respondeu :
No meio da tompestade que actualmente agRa
* igreja, lemos por rauto agradvns os votos que
nestas circumstancias solemnes, oos offnrt.ee o sa-
cro collegio ; e os seoiiuientos d so* dedlcago e
do sen respeito sao para os urna torga e um all
vio para supporur a prova qae a Providencia nos
impe.
Nos, ministros de Deus, nos que lemos a for-
tuna de nos sustentar todos os das com o pao dos
res, de maoeira, que, sem maior despeza, a Italia
possa conservar o lugar que Ibe convm entre as
grandes naeoes.
Mas espera que reformando as instituigSes mi-
litares, se ha de resolver o problema de urna ma-
oeira definitiva, porque as modificag5es frt-queotes
nesta materia, sao uro mal para as Hoaogas.
Eccoomias de grandes economas sao indispen-
saveis para restabelecer a situagSo do thesooro pu
- blico. O senado espera qoe o goveroo de V. M. que
aa forcas tomanT^.08 04.d,f TeUar" as nT !Ja elr0Q nes'e camioho, fca de prn.eguir, na sua
rnchamtico nos h.'"!"'0 *L'l*i*lall ,J>/f.fa..c.ora0!,ameIi,.e- U("" modifleago qoe nio
digo
o* pongo, nao devemos
va
do Seobor.
en. nao devemos recelar ple ter escapado sua perspicacia e urna
a""mw sImVomhUas !ar S?8 C0(0 ^1' > rigem de econonaia8. dina de attengio se ha de
o Vunhw comba,er ca -oubemos nltm,m.t | cessantes rooug5es no passoal dos fuoccionarios
em Coree deram?^Dt8.,,Qe m?l,M Padres, provincianos, qoe, na ordem administrativa, a na
EeSnolo r^"i,;da Pr 99US Chr,s,- iotereesse das provincias, tero conseqoencias mais
fortlleca-MS mZ i J"d0 ,por T0S "'., lomeolavels anda do que oo ioteresse econmico.
IV1i excila-D0! a 9,r em todas as oc- O amor da pnlria faz sopportar os imoostos
es ou ai ,Tos ffln^'f" em D0S8a Tida ao' aioda "ae ^Si0S; m,s *"KX
.QE- SrtSe n* teTer I,era a 0)aDelra Tejtaloria da cobranga.
nnn.,7Aa!Irar Jn* ? e J*0*0""** estamos a desigual reparligSo, e a incerteza das
ponto de soErer o martyno de Core
qne
a sna
parles que
ib requen'es e dispen-
sPd,JT" n? 6mbm**>as hypocri "i> TimVii.m .Ji n"' m itl.dos "'bolleos O senado onvlo com alegra da v0ssa augusta
$l?rS?^r\TlaiW'eom- bca, a promessa de Preparadoras a resueno
Mp[niiJ*4in nara AilZ l"Km 1 Veraes tod,S* rlnf JV,pn!B,88!f' raadareza de e,p,ri,, ^ V" e a "a"a ,9n5 d'-
vemes tod;s o das renovar se a teolajao de que reito a esperar delle.
idadi io u,^^":"","" ouuo "'." vc"' ">ui-:?""*"">u'uio itoveruauor aa clrcuroscripgo de
122L e pela prosperidad dos povos, Varsovia, os pesos e medidas o k.lendario a as
fastas religiosas da Russia imposto a' Polonia. O
idioma russo adoptado em todas as cousas offl-
ciaes.
Nao sao tranquilizadoras, segundo parece as
noticias da Irlanda. Desembarcam naquella ilha
constantemente regimentos iuglezes para vigiar o
st, interior.
rleceia-se urna invaso feniana, a jolga-se que o
mystenos.) personagem que ha tempo dirige os re-
beldes.conseguira Iludir a vigilancia dos seus car-
cereiros, e esta oa Irlanda di frente, apenas se disparem os prlmeiros tiros. Diz-
sa qne as autondade- descobnram depsitos de ar-
mas em differentes partes.
Diz o Times qae no dia li de dezirobro a poli-
hela apprebeodra em Dublln, no West-Road,
Nasih Low, om certo numero de armas e moni-
ges. Cabiram em pod^r das autoridades carabi
s e chumbo, cartucho, balieiras, etc. Na raes-
s
em
que se achatar na Hungra, a que se propuoha pa
Drasda DaUl com a sua f6ra,lla e'
O appareclmeoto repentino destes don homens
0 estado um em Pariz a o ouiro era Vienna con-
siaera-se um caso Importante e attribuido ne-
eessidade de dar andamento as negociages anta-
boladas entre a Austria e a Pranga para estabele
cer um accordo acerca dos negocios do Orieoie.
Afflrma-se qoe entre os gabloetes de Paris e de
L .ndrta se entabolaram negociagSes anlogas. Af
firma-se que a Inglaterra e a Frauga j ebegaram
a um accordo, que consiste em empregar toda a
Influencia para com a Porta Ottoroana afira de ob- m pr0T,DCI ,o1 apresentada a" estagao de polHa
ter coosessSes a favor dos chnstos, nao animar LaPed-Slreet lord L-tngford de summur-Hill,
estes, nem directa ero indirectamente uas suas coade de Mea,b> Por '"o seren encontradas urna
tentativas de insurreigo. Toda a iropreosa iuliza eiPIQ8?rda de doos caoos a varias muolgfies, sem
que se se chgasse a estabelecer uro accordo com r a antor,saSSo necessaria. Foi-lhe acceita a
aquella base entre a loglaterra. a Austria a Fran. ?a' mas a espingarda tem-se conservado at
muio contribuira para a
ga, a Prussia e a Italia
conservago da paz.
A loglaterra nao est dispesta a entervir, ao
menos offlc.almente na questo da ilha de Creta
Tendo-o seo reoresenianie em Alhenas Mr. Eva-'
bins lestemunbado por certos actos de sympatbla
muito proounciada pelos gregos que quenam ir
tomar parta na luda, lord Stan ey transralttio Ihe
ordem formal de se abster no futuro de qualquer
maoi'estagao idntica.
agora ms maos da. polica.
O imperador o'Ausiria receben no dia Si de
dezembro a deputago da dieta hngara, encarre
gada de Ibe apresentar a allocagao ltimamente
votada por esta assembla. Parece que o impera
dor nao tomou n'essa occasiio compromisso algum,
pois se Iiohou a responder que tomara em sena
consideragao o coolhedo da allocugo, a que a
aieta sena ioformada directamente das suas deci-
sfoes ulteriores.
n Sr ria Mina.i, mn., N d,a S deJaefro publicou se a patente impe-
Jree jSpS2i XSSS d0S neg9C'8 eS,ra-' S?A m 1e se dl1 <*a *ao as"aco enta-
5J ;,rr ? n0 occulla as S(las sympathias bolara oegoeiag3es com os representantes dos pal-
Afflrma nn. n ,h a ,u "s da cordl Bu0ara. e qoe para se chegar mais
ifc.*?*?. t,l 8al>ineta das Tulhenas aconce- promptamente a orna solugo sru e equitativa
e o gabinete ottomaoo a satisfa- sob os pontos de vista desta imprtame questo, o
e a dar satbfagio aos imperador resolver appeliar para a cooperagao
dos representantes dos demifs paizes. O Impera-
zer os pedidos da Servia
seos subditos slavos.
O goveroo britnico nlo asomio a responsabi-
11 dade das avies aocapitao Pymque que transportoo
para Pyreu innmeras ramilias cretenses. O lord
alrairaota ta fez rendar naqo-lla estagao o vapor Assurance
pela caohoneira Wizaod.
A Gazeta de Vienna confirma a noticia das .
presentages dirigidas pela Porta ao governo grego
acerca do apoio prestado por elle aos iosoigeotes
de Creta e da concenirago de tropas na fronte! ra
helleeica.
Segundo di; urna correspondencia de Londres A
agencia Havas, a Turqua teocionaxdeclarar a guer-
ra a Grecia, o que serla o mel mais seguro de tor.
nar auxiliar effectivo o apoio desfargado qoe o go-
verno tem prestado at hoje insurreigo de Canda.
Nao parece provavel qoe a Turqua se achasse
dor
Francisco Jos con>idera como primeiro, e
mais sagrado dos seos deveres manter como fim
invariavel a existencia da monarchia; as circums-
tancias aclnaes e a sitoago do imperio exigen
que as deliberagdes acerca da questo constitucio-
nal sejam terminaJas no mais bre-ne praio. Tra-
re- tar-se-bao tlepois, n'uma assembla commum, de
divers s pontos de dtroi'o publico e as differentes
prlenc3es dos paizes a' cora qae nao razem par-
te da Hungra. '
O imperador julgoo do ver convocar em assem
bla extraordinaria do Reicbsrath os representles
dos paizes nao hngaros, estendendo esta convoca
cao a' eamara dos seobores, e crdeaoo a dissolugo
das diotas nao ungaras por terminar em breve o
periodo de seis annos do seu mandato
A eleigo das novas dietas e a sna convocarlo
com forgas de fazer frente toda a Grecia, qoando j para o da 11 de feverelro. Estas dietas ter por
so os candiotas Iba lera dado tanto que laxer. i fim exclusivo nomear os membros do Reicbsrath
u times depois de recordar que a loglaterra extraordinario, que se ha"de reunir em Vienna no
conservoa sempre a neutralidad?, accrescnta que dia 5 de fevereiro, e qoe tra por fim nico as
s* o re Jorge da Grecia tivesse desejos de romper I deliberarles acerca da .questo constiuclonal
urna langa contra os Torco?, quer em Creta, qoer i Diz o Valeriana de Vienna que o m da governo
como se v do seguinie decreto
irl i k^'j rei ,jr*9 dir'go ao tenente general
*reotschildl o escrlpto seguinie acerca de lodos
quaotos perlenceram ao amigo exercito hanove-
rtano :
t .-deno pelas presentes, que lodos os raeus offl-
ciaes, enipregados miluires, fflp.ues inferiores,
msicos e soldados, que desejarem ter a sua baixa
ro cooseqoeacia dos ltimos acoutecimentos que
a recebara. Quero por eonsequencia que fagos sa
oer da maoeira mal.- conveniente :
1."Que todo o offlclal a empregado militar,
que tiver formulado c seu pedido de baixa defini-
tiva, receba de vos essa baixa expedida em meu
nome.
i 2.*Qu? aos offleiaes inferiores, cabos, m-
sicos e soldados, que desejam ter a su baixa, po-
dis tambero couced-la em raen oome. Deixo a"
vussa disposigao a maneira de a conceder:
Sou, meu caro teneote-gensral, vosso ben-
volo
. Jorge, re.
Ai eleiges para o parlamenta do norte, iam rea
usarse em pooco para que o parlamento sa reu-
nise com a maior brevidade.
No dia_21 assigoou-se um decreto relativo en-
corporagao dos ducados do Elba.
Falta saber a poca em que os habitantes sero
consultados acerca desta incorporago, era vista da
promessa feia pelo Sr. de Blsmark, promessa que
conforme dudaron o ministro prusslano, era so-
mente ura acto de cortezia para com a Pranga.
Dijera de Vera-Cruz quo a deputago que se
dirigir a Onzaba para conferenciar cora o impe-
rador Maximiliano, era composta dos mioistros, de
2o membros do conseibo de estado perteocentes s
diversas opinies polticas, e de muitas pessoas
notaveis da cidade do Mxico.
Foi com estes personagens que o imperador dis-
cuti a nova sitoago que alies crearam os diver-
sos acontec mentos.
Parece que o imperador resolveu conservar o
seu posto j esta noticia foi recebida era Vera-Cruz
com graodes deraon.-tragoes de alegra.
Publicou.se oa cidade do Mxico urna proclama-
gao do imperador Maximiliano.
Orzaba 1 de dezembro.
M xicanos ICircumstancias de grande im
portancia e que tem ligago intima cora o bem-
estar do paiz produziram no nosso espirito a con-
vipgo de que devemos sobmetter a novo exame o
poder q ie nos foi confiado. O nosso conselho de
ministros por nos convocado, foi de epinie de que
o bem estar do Mxico continua a exigir a nossa
presenga a freote dos negocios ejulgaraos do nosso
dever annoir aoseu pedido aonunciando ao mesmo
lempo a nossa ntengo de convocarmo* om con-
gresso nacional sob as bases mais ampias e libe-
raes, coogresso de que podero formar parle todos
os partidos polticos.
Este coogresso devera' dechlr se o imperio
deve continuar a exi-tir de futuro, e decretando
afflrraativamente lera' de contribuir para a forma-,
gio.de leis fundamentaos tendentes a consolidar as'
losiituigdes publicas do paz.
Aflm de conseguir esle resultado oceupoo-se
actualmente os nossos conselhairos em prover aos
raeios necesarios e em combinar as coasas de
modo que todos os partidos possam cooperar para
um accordo sob a base Indicada.
a Entretanto, Mexicanos, contando eom todos,
sem excluso de nenbuma cor poltica, prosegui-
remos na obra de regenerago corajosos e cooslan
les em vista da misso qae rocebi de reger os vos-
sos concldados.
Maximiliano.
Logo era seguida esta foi publicada a segointe
prociamagao do prefeilo poltico de Vera-Cruz :
Vera-Cruz, de dezembro. .
Viva o iroperi 11 Viva o imperador I
Cidados da Vera-Cruz Acaoa de se prodo-
z.r urn dos acontecmeotos mais agrada veis para os
oons Mexicanos. S. H. o Imperador, que tantos
sacrificios tem feito pelo bem-estar e felicidade da
oossa patria, acaba de dar a ultima prova do iote-
resse que Ihe liga. Quando por om momento se
julgoo que o imperador, movido pelos sentfmentos
naturaes que latavam e lotam'ainda na sna alma,
em consnqnencia da enfermidade de sua angosta e
nobre esposa, oossa cara soberana, abandonara
temporariamente o paz para se volar ao dever sa-
grado de preslar a sua digna consorte os cuidados
de que ella carece oa situago delicada em qae se
acba, sacrifica se anda por nos, subordina os seus
deveres de hornera aos de soberano, e nesies rao-
mentes de crise que o paz atravessa, declara so-
lemnemente, qoo se couservara' a sua frente, e lu-
Ura' sem descanso at ultima gota daseu saogue
para defender a nagao.
Gidados de Vera Cruz, felicitemo-nos I Ren-
damos gragas Providencia por haver sal rado a
integridade do nosso territorio, e nesta effuso de
nossos corages saudemos o dia da resurreigo da
oossa oaclonalidade, que eslava a ponto de detappa-
recer.O prefeilo poltico, D. Burean.
A onio de Sherman e de Campbell prejudcou
a causa de Jurez era vez de auxiliar, e estes esta-
distas voliararo a Nova Orleans, certos do mo
eir-ito produzido oo Mxico pelo boato de urna ia-
tervenco mexicana.
O ministerio madrileo dirigi rainha a se-
guinie exposigo, pedindo a dissoluco das cmaras
bespanboias :
Senhora :Os ministros responsaveis de V.
M-, depois de discutirem com a devida. attengo,
sobre a conveniencia de dissolver o actual coo-
gresso dos deputados, e de convocar novas eleiges,
julgam ebegado o momento de fazer uso legitimo e
proveitoso das faculdades que a V. M. competem
segundo o art. 26 da consntuigo da monarchia,
assim como o de cumprir com a obrigagao que no
mesmo se im(.oe.
Nao costume em occasiSes como a presente
dar coma dos millvos em que se runda este acto
do poder real; em geral, a explicago das razes
que o justificara to notoria, que o governo se
Juiga dispensado de dever allega la. No momento
actual, os ministros de V. M. considerara indispen-
savel expor, anda que era termos breves, algumas
refl \Ses, que sao de sumraa opporluoidade a da
maior importancia.
O actual congresso dos deputados formou-se
n urna poca fatal, e cujo carcter poltico dtiioa
de ler a influencia que ento se Ihe allribula ; rol
noraeado era circumstancias, a que pozeram termo
successos dolorosos, que nao podem n>-m dovem
dar-se levianamente ao esqueclmtoto. D'aqui de-
duz-se com toda a certeza, que o espirito prepon-
derante eolo naopiniSo dos povos nao pode deixar
de passar por mu grandes mudangas. E' por coa-
seguinle ju?to, que essa opio o seja de novo cou-
suliada, do que se infere, nao s cooveniencia e
a razao, mas tambem a necessidade da dissologo
que temos a honra de aconseinar a V. M., assim
como a da convocatoria, que no cumprimeoto do
arugo constitucional ja citado, deve acompanha la.
o governo de V. M. responde com este conselho 8
com esta attitude as maliciosas suggeMins que a
esle respeito se fuera propagar, e cuja origem s
se pode encontrar na niengo aJversa dos inimi-
gosdapaz publica.
E' preciso, senhora, dssolver a aetaal cmara
dos deputados, e que o reino eleja novos represen-
tantes ; mas tambem preciso que publicando-se
a nova convocatoria, saiba anagoque o momento
em que esla se Ibe dirige, nao dos que podem
ser yistos como comrouns, mas pelo contrario, da-
quelles, bem perigosos pur cerlo, que ninguem po-
de deixar de considerar como uraa excepgo, mui-
lo critica, no movimeuio vital das nagSes.
Os fundamentos essenciaes da sociedade pol-
tica a que pertencemos, teem sido cruamenie e com
audacia sera igual atacados. 0> conselheiros res-
ponsaveis de V. M-, ch-mados defeza daqaeiles
fundamentos, nao vacillaram em tomar sobre si o
peso de gravsimas responsabilidades, no acto de
enmprir coro as severas obrizaces que a digoida-
de de\. M. Ihes imponha. E' verdade que n'al-
guns casos nao se ligam ao que a lei prescreve ;
mas nzerara enrgicos e salutares sacrificios e es-
forgos para restabelecer a ordem e restaurar paz
publica. Conseguiram-no ero grande parte, e es-
perara consolidar a sua obra de maneira que quan-
do as corles chegarem a dedicar-se s tarefas que
ihe sao proprias, ningoem tenba na sua mo o po-
der de alear com xito o fogo das paixoes polticas,
nem de promover impunemente, a favor de mal
enteudidas tolerancias, novas rebellies
As cortes do reino devero primeiro que tudo
pronunciar a sua opinio sobre o coojoncto dessa
procedimento. Acreditamos em consciencia ter
procedido de accordo com a quas toUlidade do po-
vo bespanhoi, e nutrimos confiadamente a esperan-
ga de que os deputados da nagao nao tardaro em
nos absolver, e em por o sello da mais robusta le-
galidade a nossa obra.
Mas, o alcance desla conceotra-se em limites,
que na opimao do governo de V. M., deviam ser
com prudente circumspecgo respeliados. Nao
quizemos alargar a nossa acgoalm das mais con-
venientes urgencias. A's cortes perteoce resolver
sobre o demals que parecer remedio proporcionado
aos males pblicos, o qoe no nosso ente der
muito, e de nao pequea importancia.
A experiencia de repetidos easaios e
durante o prazo, nada curto, de trinta
annos ddcrois vcissitudes e revoltee
revela-nos, jm meio das
previstas caRstr
a ninguem dado descoohecer. A consiitnco
interna e real d'esta amiga nagao nao est com-
pletamente de accordo cora a interprelage que
om muito casos se tem dado as leis pulit cas,
feilas e promulgadas durante as suas varias, e
mais ou meos permanentes dominagoes, p-los
difiranles partidos, qae nos dividem e destroem.
Os conselheiros responsaveis de vossa ma-
gestade julgira, que esta urna das ocrsiSes mais
proprias que se poJe dar para estabelecer a in-
dispensavel relago, a necessaria harmona entre
os elemeotos constitutivos da nagao e o recto des-
eovolviraento da le fuadameotal do estado, cuja
integridade e permanencia nos proporaos conservar
e>crupulosameote.
A iniciativa para realisar este pensaraento
corresponde a' instiinigo qoe em vossa raages-
tade se personifica, mstituigao cuja forga e cojas
raizes no sentlraento e na vontade dos povo-, tem
sobrevivido a todas as convulgSes, e dominado to-
das as ameagas. E' de esperar, atteudendo ao
verdadeiro espirito das povoages, que o novo cor-
po legislador corresponda vigorosamente aquella
mlciaiiva correglndo e emendando no modo por
que em alguna casos se tem entendido e applicado
a consntuigo, todo, quanto so oppouha ao conse-
guiraento do nosso proposito.
E' ja' ebegado o monelo dos bespanboes
serem governados segundo o espirito da sna his-
toria e a ndole dos sentlmenios qae eoosiitoem
o seo carcter ; tempo de restituir a sna forga,
a sua acgo iodependente, o seu devido alcance
i a sua responsabilidade as prorogativas do go-
provas
e tres
ioefflcazrs,
mais estraohas e im-
trophes, um fado primordial que
i/
verno ; principal memo preciso qoe as coniro
versas parlamentares se encerrem nos limites das
faculdades de qoe as cortes devem estar dotadas,
o qoe em nenhum caso possam olirapassar, como
em moius occasides por desgraca tem snccedido,
os limites da ju-iiga, ero as exigencias da urna-
nidade e do deeor>.
< A experiencia qne temos, invocado ere nosso
auxilio ba de canamente dar loz, tanto ao governo
como as cortes, sobre os raeios mais adequaios
para alcaogar esies-fins. Consalte-se o verdadeiro
seoiimenio d* le. fundamental; examloe-se com
sa razio a verdade rigorosa dos fados polticos,
e nao a apparencia nem a artificiosa veatidora com
qae o intresse dos partidarios os reveste disfar-
gaodo-os, e eleve-se varonilmente, a lodo o custo,
eom sincerldade conscierfeiosa, essa verdade ao
desenvolvimento e a" applicago ds mstlloigas
p?llttcas. 7
Que.a Htfpanba seja o qae e ningoem ae-

'-';
MIHPM-r:


ViaI* *e P^ruabse*
T*Qk telra de Janeiro 4c 18t>7.




c.
... -.....-NJiam
-
OH
i
blico.
t Usando das autoriac5e concedidas pela caria
de lei de 27 de julho de 1855 e 19 de junho de
1866, rhamoa o governo ao servido effectlvo a re-
serva do exercilo, e abri dous crditos eitraordi-
narios no ministerio da f a renda, para a compra de
armamento, equipamento e material de guerra, na
importancia de ris 600.0001000. A reserva foi
novameote licenciada pelo decreto de 21 de noveno-
bro do anoo prximo Indo. O mea governo vos
dar coala do aso que fec das referidas autorisa-
fa: Um povo catholico a manaltOte 0Nece0'4 br.i* hnaomatet ae- fredafets em vista dos
te a' grande ramilla europea. Que o governo
Ufare e (aoeciooe como a primeira torga pol-
tica do palx e governe administre coa energa e
potente SoMia.
Qae as cjrtes representen com Bdeildaile os
povo, que legislen, que jalguem dos actos do
poder, e de todo qaanto seja da sua natural com
patencia n'oma monarebla, pela (orea mora! do es
pinto que domina na malor parte dos seas membros,
tjo pela das opposleoes, qoe, secundo a ndole dos
actaaes regolamentos ce orna e ontra cmara, pre-
valece hoje.
c Qae a forga armada, afastaolose das con-
tendas polticas guarde o deposito do poder qae
toe cenia a patria com a franca leaUade e austera
virtude, qae n'algans lances e conflictos tdetn ao-
brecido o nome de nossos vafeles soldados de mar
-Que a anteridade e a lei, emflm, remera
sobre ludo, e sejam respeitadas e obeaeciaas
por todo, em exeepee de pessoa nem de ge-
""onando, pela poatoa4 e bem entendida exe-
cocao da lei fundaoseotai do reino se estabelecer
oro rgimen dotado o"9ts condic,5es iogenuas e
vigorosas, chegara' o momento em qae possa *flf
considerada cerno verdadeir mente coastltaclonal e
representativa.
i Emancipados do espirito revolucionario, ini-
aigo matul de todo o adiamntenlo e de todo o
melhormento, gosar o ento os nossos povos da
ordem moral e material, assim como dos progres-
sos compativeis om as aptiddes do paix e com a
frgil condicat da nalareza humana.
t Os ministros de vossa mage'tade aspiram
resolutamente ao consegu memo de to elevado
fin. Juigam que, s6 por este mel, e pratican-
do esta poltica, pode a Hespanha satvar-se dos te-
Olivis impulsos de orna revoloc&o, cujas conse-
qoencias Drogqea pode calcular, nem mesmo
aquelles, qae ceges pela pailo e pelo despeito, a
promovem.
As nsarpacSes, e violentos impetos dos agru
pamentos revelucienarlos, ha a oppor, ja' n'dutras
occasiCas o temos dito, a forQa locootestavel da
grande rnaloria do pavo hespaohol, e para esse
fim ralster, qoe as tradiedes, a historia, o es-
pirito, e geni) e os sentimeotos d'essa grande
malcra se ridictara no movimento das nossas ios-
titoicfos, sem perder de vista a necessidade da
poca em que vivemos, nem a civilisacio a qae
pertenecios.
c Se o veto dos [ovos responder, como espera-
mos, a' esponlaoeidade e franqueza com que
Ibes expomos estes gravisslmos pensameptos, da-
remos por bem empregadas as nossas. vigilias e os
nossos sacrificios ; se, como conrequeocta de tudo
isto. chegarem a brllhar para a Hespanha dias
de maior socego e de verdadelra prosperidade, o
nosso galardo consistir* em poder direr que to-
mamos alguma parte na grande empresa de de-
fender e consolidar a doracio d'esta antiga e" glo-
riosa monarebia.
Por todas estas mes, temos a honra de sub-
metter a' approvaco de vossa magestade o se-
gainte jirojecto de de .'reto.
Madrid, 30 de deiembro de 1866. Senhora :
A. L. R. P. de V. M. O presidente do conselho e
ministro da guerra.Duque de Valencia.
(Seguem-se as assignaturas dos deraais membros
o gabinete.)
Em consequencia disso foi publicado este de-
creto :
c Arl. 1*. Pica dissolvido o congresso dos depu-
lados.
t Art. 2. Prcceder-se-ha a's eleicoes no da li
segaintes do mez de marco do anno prximo fu-
toro, na cooformidade da lei eleitoral vigeute.
c Art- 3*. As corles do reioo se reuoiro na ca-
pital da monarchia, do dia 30 do mesmo mez de
margo.
Na bertora do parlamento portoguez pronon-
ciou o re o decurso "qae segae :
t Venbo abrir o novo periodo dos vossos traba-
Ihcs parlamentares.
tjlrato vivo prazer sempre qne me encontr no
meio de vj, vindo cumprir os preceitos das instl-
tuicfos polticas, qae felizmente regem o paiz A
ellas deve a nago a prosperidade que a natural al-
lianga dos principios de progresso, de liberdade e
de ordem, produz nos povos qoe os sabem adoptar
com segoraoca, e generalisar cora lareueza.
Como representantes do paiz, sois chamados a
Telar pela guarda e pelo cumprimentoda cooslitul-
cio, e a lomar na organisagSo-das leis a parte qoe
vos incumbe, como um dos grandes poderes do
estado.
t Ides desempeohar ests difflcil e importante
* Do coromercio nada ha de i ti porta Me; iflar-
documentos que voe'serao presente; cha fularmente embora aigom < gneros desta
t Dlfflculdades de exeengio que preeedem sem- provincia tenhara descido de prego os mercados
pre a aova orgaoisago de servlgos pubitcos, mor- w awpa,
mente.n'um ramo que exige o ooocarao *e nome-, O r. Dr. Mereira consol portMaet nesta oro
roso pessoal, tem impedido a in&Jailacao. definitiva| *w que se dizia segolr para aW fles*-<**,
das conservatorias do registro bypothecario. Espe- consU-me qae se demera anda p< r algara tempo
r'a, porm, o meu governo qae em mai pooco tem- sem que sato o motivo da seoielhaate transieren
po o paiz rosara' dos -beneflcios da providente lei cia.
do 1* de iolho de 1863. este paquete t Pelo ministerio respectivo, serio sabmeltidos rearlas qoe aqai se achavam para o exereit.
ao vosso exame o projecto do cdigo penal, propos- j No prlocipio da presente semana chegon do
Us para a reforma do systema das pristo?, orga-' ol o brigue de guerra Maranhao, e segundo corre
nisago do mlototerio pablico, dotagio do culto e para fazer parte da-esquadrllba de canbonhelras e
clero, e outros assumptos de igual Intereue pn-! a encouragados, qoe se esperan para esta esla-
gio naval.
< Qoe se abra o Amaonas, qae appsreea nave
gago mercante a vapor, qoe venba ama esquadri-
Iba eje organise orna boa forga militar oe trra,
o qae desejamos; porque assim e ero pouco lempo
o Para hade prosperar, tornndose om des pontos
mals importantes do imperio.
a Os navios no porto na data de boje sao os se-
grales :
A descarga.
Emprezabarca ingleza.
caes, e tereis occar.ao de apreciar os fundamentos s M,z_Darca fraceza.
das providencias, que adoptoa. | Porio flco-barea franceza.
Chamo, porm, a vossa attengao para a orga- ,jira_oarca ponugueu.
nliagao do exercto, que esta' carecando de refor- (jmaobaica portoeueza
ma. Preparar os elementos da sua melhor com-
posigio, tornar possivei o desenvolvimeato da sua
/org, e conciliar todo com a raals severa econo-
ma, a com os Interesses geraes da populagao, far
objecto de propost-s especiaos, qoe vos sero apo-
sentadas pelo ministerio competente. O cdigo pe-
nal militar, o cdigo disciplinar, e as leis de pro->/or rIcrea"porlugoeza.
cesso e competencia, faro Igualmente objecto de jrois frere-brigna francez.
outras propostas, qoe tomareis na consideragao \ Eugenia-bngae brasilelro.
que merecem assumptos de tao grande impor-1 F/orw UDC,a- j IzabellaBatacho inglez.
< Hootem (17) sanio para Liverpool com escalla
Progreso brigue inglez.
dapatacho bollandex.
William Nasck patacho inglez.
E. G. Kuiyht h\td americano.
A carga.
Persiabarca ingleza.
missao, apreciando os actos do meu governo, e oc-
cupando-vos das reformas e melhoramentos, que o
bem publico instantemente exige.
t A guerr?, que se tornara imrainente ao encer-
rar da ultima sessSo legislativa, rebentoo pouco
depols entre a llalla e a Prussia de um lado, e do
outro a Au tria e diversos estados da All manha.
Manteve Portugal a rigorosa nentralidade aconse-
jada pelos interesses naclonaes, conservando cora
todas as potencias, durante a guerra, como conser-
va hoje, feita a paz, relaces de boa e inalteravel
saltaos.
c Ha poucos das Uve a satisrago de receber
nesta capital a visita de soa magestade a rainha de
Hespanha, acompanhada por sua magestade o re,
seu augusto esposo, por sua alteza real o principe
das Asturias, e por sua alteza a infanta D. Isabel.
Altamente grata ao meu corago foi a presenga dos
angdstos hospedes. as reciprocas raanifestagSes
trocadas por tao fausto motivo, apraz-rae ver otrs-
temunho da cordeal estima, que felizmente subsis-
te entre as duas coroas, e d tendencia, que apro-
ximando dous povos irmios pelas origens histri-
cas e pela gloria das tradlgS-'s, respeita as nacio-
nalidades consolidadas pelos seculos, e favorece o
desenvolvimenlo dos largos recorsos, com qoe a
Providencia doton a peninsura.
Pelo mea ministro dds negocios estrangelres
vos sera' presente a soluco de dous assuroplos n-
teres; antes, que se achavam pendentes entre Por
tugal e a santa s. Reflro-m'e a' prorogago da
jorisdlcgao extraordinaria conferida ao arcebispo
de Goa, em virlude da concordata sobre os direitos
do meu real paflroada no Oriente, e a' queslo re-
lativa a missao recentemente enviada ao Congo.
O resultado salisfatorio destas oegoei&gdes da' mo-
tivo a esperar qae, no mesmo espirito conciliador,
se acharo os meios de aplanar cutras difflculda-
des, recebendo o exercicio deloitivo e completo do
padroado as regi5es da Asiae da frica que delle
depender.
c Um importante tratado de commercio e nave-
gagao fci celebrado entro o ron goserno eoik
soa magestade o imperador des franwe?, inaugu-
rando a poltica commercial que nos compre se-
guir, no sentido da dlsereti e progressiva liberda-
de, abrlndo mais largo mercado aos nossos produc-
to?, ao mesmo tempo qoe se facilita a importagio
ao ccmmercio estrangeiro.
Nutro a esperanga de que alm deste tratado,
cairos de igual natureza podero ipda ser-vps
sabmeltidos na presente sessao. Copvengdas com
a Franga sobre allriboIcSes e prerogitivas dos cn-
sules, e com a Fraoga e Blgica para garanta re-
ciproca da propriedade Iliteraria e artstica, sero
Igualmente sojeitas ao exame parlamentar.
Poram ratificados os tratados de limitas e de
transito entre Portugal a Hespanha, a bem assim
os anoexos ao primeiro, eatabeleceodo regras con
venirntes para a execugo de alf urnas das suas
prescnpgSes. Tambem foram ratificados outros
tratados approvadas na anterior sessao legislativa.
c Opportunamente vos sero apreseotados os
prejeotos neeessarios para melborar o ser.vigo ex-
terno nos diversos ramos, e o relatono dos actos
mais ia portantes allinentes a's relaroes inlerna-
ciooaes.
t O estado da fazenda publica exige a mais se
ra atteogae, e recommeoda-se vossa solicitude-
Pelo mea ministro da fazenda vos sera apresenta-
do o orgameoto da receita e despeza geral do esta-
do. Sero igualmente submetlidas vossa delibe-
raga varias propostas de lei, no intuito de susten-
tar o crdito publico, continuar os melf meraes e materiaes do paiz, e oeeorrer a lodos os
encargos do ihesonro. Espero que examinareis
osles graves negocios lux do vosso esclarecido
patriotismo, e confio inteiramente no Ilustrado
concurso do corpo legislativo para levar a effeito
as reformas de que se carece oeste importante ra-
mo da administraco do estado.
< Medidas importantes (orara decretadas em re-
lago ao ultramar, em virtude dos po'-eres faculta
dos ao governo pelo acto addlcional carta. So-
bre ellas tereis occasio de exeroer o vosso escla-
recido exame.
A quesiao do trabalho livre nos dominios por-
toguezes da frica oceupa a solicitude do mea go-
verno.; com ella est ligado era grande parte o
desenvolvimenlo moral, commercial e econmico
dVquellas possessdes, qoe espero viro a ser urna
das mais importantes foutes de riqueza publiea.
a Pelo meu governo vos sero apreseotadas pro-
postas tendentes a melhorar as condigSes das co-
I nias e da marirrha.
Generalisar rpidamente a rede das estradas,
subordinando-as a um sy-tema geral que facilite
por toda a parte as coodigdes convenientes da va-
gao ordinaria ;
c Proseguir no desenvolvimento da viago acce-
ierada, no lotuito de completar a rede geral de
caminos de ferro do paiz ;
Formular em lei os principios geraes da cons-
tituido das sociedades anooymas e dos bancos;
t Desenvolver o crdito as localidades, crean-
do fcil representarlo a todos os valores, por meio
de apropriadas instituigoes banrarlas, qae coraple-
tem o p ti.ment econmico da le de 22 de ju-
nho de 1866;
Orgaoisar o systema de caixas econmicas, e
de esubeleciraeotos de crdito popular;
t Dar a industria rural o impulso que depende
da admioistrago;
< Crear recorsos para o esgto dos pantanos,
e aproveiameoto de ricos terrenos hoje inutels
para a agricultura ;
E' o systema geral das proposlas que vos se-
ro 'presentadas pelo ministerio das obras pu
blicas.
t No estado poltico da nagao era qne a tr30-
quillidade interna nao perturbad), e as liberda-
des publicas constituem a base do Roverno, o
aperf"iceamei>to da admlni.-trago e o til apro-
veitament dos larges recursos da paiz, o proble-
ma em cuja solugo mais rnteressa a communi-
dade.
a Eolrego-o vossa devogo pelo bem da patria.
i Iniciativa (Ilustrada do governo, energa e
largueza no* seus commeltiraenlos, efficaz cohear-
so dos representantes do paiz, sao as condigSes
para ser realisada com feliz xito a missao supe-
rior que incumbe aos estados na poca de movi-
mento e de progresso aue atravessaraos.
A' ultima hora diz nos nosso correspondente
do Porto :
O tempo corre mu. Nao admira por que es
tamos no invern. Na costa as tempestades sao
ineessantes.
A gale a Maria, que vinha era viagem do Ma-
ranho para o Poito, naufragou na eoseada de
Bayonua (Galliza), 5 leguas distaote de Vigo, oa
madrugada do da 6 do correte. O casco per
deu-se completamente, porm salvon-se a tripula-
gSo. Da carga recolheo-se a que o mar arr jou a
praia.
Este navio ra propriedade do Sr. Clemente
Jos da Silva Nuues, cornmerciante deta praga.
Pertenceu era lempo aos Srs. Peona &C. *
as relacoes internas, a segaraog* e a
panuca foraa' conservadas sem aheragao, eorise
queocia feliz da creoga dos povos as vntagens
qoe resultara dt traoquilidade geral, e da influen-
cia que o espirito publico cada ves mals eieree no
progresso e na vida da nagao-
A admioistrago civil e a tostruegao publica
nos povo livres sao variadas nos seos diferentes
ramos.; mas hgam-se e onem-se so systema geral
qoe as deve dominaro espirito de liberdade, a
eeoperacio directadaaaee-para se desanvolver e
administrar, a a cultura da indiligencia -em ledae
na saas apMOes.
< A refirm geral, qoe sobw estes awompM
*m-sera'aprefenta*'pe'o la overna,*brangen
do os div rsos ramos que compSem a administra
*o vtl s a taslrpcQao poMie, e OMeiadt se
fnodo aquella peasaceoto.
Poram removidos o oMaaolos qoe se oppa-
oaai a* imaoe4iat cumprimeilo da le de de
jolho de 1864, e o reraltado ofctde tem eerpeepoO-
dido a' expectativa do foverno e aos intereeses qae
a lei procarca faveraaer.
< A vietta a lodeee dlitrictos administrativos
do reino ordenada aos govertwdores oivg.
t A inspefgjo e oqaerito a's escolas de ioslrac-
eio primarla,
A eoopragao espootaoea da oaeao para todo
qnauto geaerallsa a ostrucgso do povo, e auxilia
O desenvolvimenU) da beoeficencia publiea, sio
O vapor Guar trooxe y rnr.es do Amazonas at
9, do Pai at 18, du Maranno al 19, do Piauby
at 5 e do Cear at 14 do correte. Nada adiaa-
tou do Rio Grande e Parahyba, por ler s*hnio des-
ses porlos poucas horas depois do Ipojuca, que
anle-hontem ebegou ao nosso porto.
Am\zonai. -\o dia i.' do crrante iuaoguroa-
se, na capital, a scena dramtica.
Fallecer, d'uma congesto cerebral, o Sr.
Boavenlura Ferrelra Pinheiro.
Para. Fallecer o chefe de secgo da alfaude-
ga Jos Joaqutm Rodrigues Martius.
A presidencia resolveu : suspender do exer-
cicio o leneote-coronel commandante do batalho
de Breves, Ignacio Egydio Gongalves dos Santos,
por nao haver fornecido urna s praga do sea ba-
talho para o contingente de guerra ; e nomear
ao Sr. Manoel Jos Pereira Javares de Mello e Al
buquerque para demarcar e medir 60 leguas de
Ierra em Santarm, para o estabelecimento dos
colonos americanos.
Nosso correspondente diz-nos o segunte:
t Tendo Ihe participado na mibha ultima de Sd>
corrente, que-o presidente desta provincia Dr. Le8o
Velloso, tinha emprehendido ama viagem ao rio
Tocantins; efectivamente 8. Exc. parlira no v.-
por Souve da respectiva carreira a 10, e haveado-
se demorado em Camela' seguio at a villa de Ba-
ro,-visitara 03 differentes porras destes lugares, e
rrcoiheu-sea mesma cldade onde receben um bai-
le no domingo 13, regrassando afioal a esta capital
no ra-por hirupeten a 15, passoo da mesma sorte
em Igarapmiry, em cajo lagar foi igoatmente bem
recebido.
< O ornal do Amazona eleva todos estes acto-,
todas estas viagens a negocios polticos a a mane-
jos" eleitoraes; quer pela afflrmativa, oa pela nega-
tiva, o qoe sel qoe hornera pardo urna forga para
aquella ultimo districto, onde o respectivo cera-
mandante superior da guarda nacional, o coronel
Pedro Honorato Coreia de Miranda, em opposigio
ao governo da provincia, ja' se acna suspenso de
pac! taes fuenciJes, visto nib haver apreseotado, segn-
17 para o nosso porto, 9 para a Baha, 50 para i
Re de Janeiro e 31 para o Rio da Prata.
O vapor Guaro' coadax para as prevmclas
u sol 2:539*000 para particulares t.....
441:2811923 das thesourarias da fazenda dPra
e aCear' para o tbesonro nacional.
O mesmo trooxe das provincias da norte
4:120# para a nossapraga.
Secopro a' bordo do mesmo para a corte, 7
reerutaaf Para', 17 do Maranhlo, 4 da Natal,
e 165 auapJ&s oacionaes do Ceari*.
Hontero, pela madrugada, houve oa igre.a
do Espirito Santo nma missa pelo anohersano do
passamento do Dr. Bstevo Benedicto Franca.
Sabio de Lisboa para o nosso porto, poucas
horas depois do vapor inglez Rtomt, o vapor ingiez
Ohnia, da (loba de Liverpool.
Devem passar para o Rio de Janeiro, no va-
por ftancez, os Sj. consol ,g*l-- hanoalle/. e?
Portugal, ltimamente nomeados.
Os fondos pblicos eram assim colados na
Europa :
Portuguesa3 f.........*6 1|4
Inglexe848ksolidados3*r>......90 1|8
.: 8S
. 3i, 10
. 31,25
. 95 a 97
. Ma65
. 64a65
. 70 a 71
as seguate*
pelo Maranno. Ceara' a Lisboa, o vapor inglez Je-
rontu; hoja a noita parle o Guar >
Mara.niio. Dorante o auno passado sahiram
desta praga, pelos vapores da corapanbia brasilera
as segrales sommas :
Para o Para'........ 153:3834350
t o Cear...... 141279*.36
Pernambuco.. 786:810*473
t Macelo........ 230*000
. Babia......... 32:631*403
o Rio......... 995-289J1252
A alfandega reodeu, de 1 a 16 do corrente,
117:261*373 rs.
Lemos no Publicndor :
P^r participagj de 13 do corrente do subde-
legado de polica da Miriba, consta que perto do
pharol de Sant'Aoaa esta.vam apparecendo taboas
e outros objectos, qoe indicavam ser destrogos da
aigum navio naufragado, os quaes sendo por elle
arrecadados, acaba o -r. Dr. chefe de polica de
ordenar-lhe, que os entregue aojuiz municipal do
termo, a quem competa a i>rrecadago dos objec-
tos salvados a i venda dos mesmos era basta pu-
blica na forma da respectiva legslagdo. >
PtAHT. Nada occorreu, que aeraba roengo.
Nao recebemos carta da nosso correspondente.
Ckab.Seguir no dia 19, para o Maranguape
o Exm. presidenta la provincia, a' passeo.
Pela presidencia da provincia foram suspen-
sos os vareadores da cmara municipal da Marao
guape Vicente Talles, Jos de Moura Cavalcanti,
Faustino da Aibupuerque e Rozendo Sicupira.
Fallecer, em S. Joao do Pincipe, o Ubellio
Antonio Francisco de Souza Molla.
O Ezra. bispo diocesano tra para o Ara-
caiy.
Lemos no Pedro II:
Ao protesto que fkerara os agentes da corapa-
obia peroambucana, contra a le provincial que
resciudlo o contrato feito cora a provincia, deca
rou a presidencia que a lei provincial a qae allu-
dem apenas faculta a presidencia a rescendir o
referido contrato, mas nao o determina imperati-
vamente : pelo que, nenhuma, razo justificativa
|-poderia ter dito protesto, urna vez qqe nenhum
passo arada (ora dado qoe autorisassa a sospei-
peita da meoospresar, o legitimo dtreito que ibe
satele.
No districlo do Parasiobo, Francisco Venancio
Noguera, assassinon no dia 19 do mez passado a
Antonio Alves da Costa, descarregando-lhe sele la-
cadas ; felizmente foi logo preso o assassino.
Foi suspenso d'ordens pelo prelado diocesano
o Sr. padre Joo Francisco Dias da Costa Nogue-
ra, e man lando processar pela falsicago de urna
despensa, negocio de que se tem oceuaade os cor-
respondentes de Sact'Anna. >
PERNAMBUCO
REVISTA Oflm
do o Jornal O/ficialt nenhuma prega por osota do
contingente que devia fbrneeer para' o servigo da
guerra, nao obstante as recomrnendagoes ia oresi-
denca e ordens do goveraj imperial;
< Em 10 dias depois d. sabida do ultimo paqoe-
te penco pede ter havido de maiores oov dades;
entretanto a presente qulnzena que vai decorrer,
deve ser frtil em acootecimeotos pelas' leigdes
que estao a atar a porta.
Os Jornaes e 03 polticos da trra nao tratara
de ontra consa, as cabegas aodam de talmanelra,
qae s cuidara em votos, eleitores, chapas, listas,
ca u Hitatos e, eto.
< Os negocios oommanditaros da sociedade
Mam, Mac GregorS C, tem tomado neeles nliimos
dias vulto nesta pjaga cora a traosorlpgo de uos
arligos d'um Artot- a o Jornal do Gommtrao do
Rie do Janeiro; afioal appareeed, um nova-Argos
d'aqul fazenda vareas pergunta* a consideragao
Bamco Mau 4 C, e al chamando a aiteageo da
presidencia para os salaos qae lea) nesta casa, per-
toncentes ao ihesoaro prviocial ao valor de....
3Oa00*wMI
O Sr. Manoel Antonio Pi menta Bueno cabio
en responder ao aovo Argos desta praga, e de tal
sorte qne este neje volta a carga de urna forma,
qoe o negocio podara' tomar serias prupergdes, nao
obstante as defezai do Jornal dt Par e Amazo-
nas.
Entra os diversos aconlecimentos occorfidos oo
decurso da qulnzena, e de coja noticia' foi o hone
portador, tocou nos mui de perto com dolorosa ira-
presso o fallecimento do distincto cavalbeiro por-
tugoez o Sr. Pedro de Alcntara Leite, pai do digoo
Iliterato portuguez oSr. Lulz Fellppe Leite, a quem
aos preodem os lagos da confraternidade jornalis-
tica.por ama collaborago Ilustrada e coostaote de
13 aonos, cora qae ha hnralo a esf Diario.
Habituados a ter por ntimos os cooperadores
d'esta empreza, havemos coido proprias as dores
qae os opprimem ; e todo qaanto Ihes o cupa o co-
ragao e o espirito, nao nos coma indifferetHe, nio
nos causa a que nos nao associemos oo com ama
felcitago cordial, oa com a expressio do cosso
siocero sentimenio.
Assim, pois, aslinhas que segoem, traduzem um
preito memoria d,-> anejan veneravel que se foi a'
mansSo celeste ; e representara ao" mesmo tempo
orna lagrima vertida d*l mistura com as que ora
(Mtiem dos olbos d'aquees que ficarara n'este valle
de provagdes, p-.ra honrarem aquella mesma me-
mona, tao cheia de hoarosas trsdlgSes.
O Sr. Pedro de Alcntara Leite, era offlclal re-
formado do exercilo de Portugal. Avergado pelo
iofortuoto que o pf rseguio desde verdes anuos, logo
ao desabrocharera-lhe as primeiras esperangas de
brioso militar, segno na llha Tereeira a sorte da
seus afeli7.es cantaradas; a all, victima dos resul-
tados da mais crua das guerras civis, d'aquelle rei-
no Irmo, anlecipou com padeoiroentos um, velhice
que to cedo terminou I
Dedicado ao magisterio desde 1835, aprenderam
com elle seus honrados filhos a pedir ao trabalho
intelectual os recursos de modesta, ms laboriosa
independencia.
A pequea fuol?co da um collegio qne na ca-
pital do reino flzera'em 1838, trasladoa-a elle em
malor.escala para a ilba de S. Miguel em 1843,
com a denominagao de Lyceu Aqoriano, onde flo-
resceu at 1832, sendo ento o mais completo ins-
tituto de educagao que se encootrava em todo a-
quelle Importante archipelago.
Desde 1852, em que regressou Lisboa, abi vi
via retirada, sombra de ama vida n jbilitada por
precedentes honrosas. Era, e deve-se ufaoar de
dize-lo quera se enn brece cornos mesmos titulo
hereditari s, um hornera de bem em toda a exten-
sao da palavra.
Coherente com os seos principios, via com tole-
rante salisfago que o animo de seas filhos, des-
envol -ido luz das novas doutrinas, acompanbava
as ideas da actualidade, sem que, urna vej s, pre-
lendesse exigir-Ibes o sacrificio da suas'ereogas.
Morreu pobre, mas aem dividas. Contava so-
mente 58 annos de idade, ao deixar este mundo a.
13 do correte mez.
Urna forga militar da cagadores n. a, ama depu-
lago da asstciago dos embregados do estado, to-
da a corporagao da escola normal de Lisboa, al-
gans amigos ntimos que liveram a dedieagao de
ftzer-lhes as ultimas honres n mais tempestuosa
tarde de invern,..,... nisto se resumi a humil-
de, mas bem significativa pompa do seu funeral.
Os nossos psames d'aqal enviamos A desolada
familia, a quem a religio saber dar resignaco
para supportar lo duro golpe, coja profndela
avallamos por nos mesmos, orphaos da um pai que-
rido e de sna amisade sincera e extrema, qae nao
tem ieoal na ordem dos sentimentes.
Francezes3
4 1|2 V.....
Hespanhoes consolidados 3 (. .
i differidoa ....
Brasileirosamigos 5 (, .
4 1|2 [. 1852 58 60 .
> 4 l|2 (. 1843 .
5 > 1865 .
Ataxa do descont regulava
Banco de Portugal5 |. >
Banco de Inglaterra3 1|2 [.
Baoeo de Franga3 V
Banco de Hespanhao *u'
Banco de Francfort i|2 *l
Praga de Hamborgo3 ,|.
Praga de Bremen4 (,
Da Lisboa sanio, all, para o Para' a barca
Nova Palrntira ; e do Porlo, a 29 do passado. Pra
Pernambaco, o briga9 Infeliz.
Ficava a partir, no Havre para o nosso porlo,
de 15 a 20 do correte,a barca franceza Jean Bas-
tiste.
Acabamos de ver orna carta do Sr. Joaqnim
Jos da Silva Porto, proprietario da barca porta-
guexi Suca, consignando ao* Srs. Antonio Luiz de
Oliveira Axevedo & C. esse navio. Sirva isto de
rectifleago ao que hootem dissemos, por mal in-
formados.
Tira a mala hoje, 4s 3 horas da tarde no
crrelo, para os porlos do sol, o vapor nacional
Suari.
Remettem-oos o seguint, pedindo sna pobli-
cacao :
Teve logar oa ooote de sexta-feira da semana
passada o levantamento da bandeira do glorioso S.
Gongalo d'Amarantes, erecta na igreja de N. S. do
Pilar em Fora de Portas.
t Prlncipioa esse acto com amito esplendor,
sendo carreg.da a bandeira depois de rocebida
da Exma. juna por grande numero del meninas
t rajando todas de branco ao som da ma vio-a mu-
sica da goarda nacional da Boa-vista.
c Na vespera da resta amanheceu o adro da re-
ferida igreja mui bem embaoderado, reinando
tanto n >-se dia como no da festa muita ordem e
harmona entre o povo dessa focalidade.
Na madrugada fiada a missa do romper d'al-
va foi esta saudada cora urna salva de 21 tiros ;
as doz horas da raanhia dea gnarda de honra o
1* batalho da guarda nacional do Recite com
sua boa msica a frente (rajando toda a distincta
offlcalidade dessa guarda e os seas subordinados
cora muito laxo e aparato.
> Ao Sr. commandante dessa guarda pelas suas
manelras Ihanas a pelo fino trato qae nos reveloa
devemos em parte o pnanto concorreu para o bri-
Ihantlsmo da mesma fasta a qual esleve muito boa
pregando oelia o Rvm Manoel d'Assompgo.
A' noute pregn o Rvm. fre Lino e tudo es-
teve bnlbante divisando-se grande alegra oaquel-
las pessoas qae concorreram a ella.
< Alera da mnsca que tocou toda a tarde des-e
da temos a elogiar quem fez os baldes que esti-
veram muito bem feitos, primorosos e admirados
pela sua grandeza e enfeites que o adornavam.
t Sao dignos de louvor os: juiz, tbesoureiro,
procurador geral e encarregados dessa festa que
excedeu em entonsiasmo a rauitas feitas ultima-
mente feita nessa localidad.
i Foda a festa foi a bandeira levada casa da
Exma. joixa aconpanbada tambera por grande
nnmero de meninas ricamente vestidas sendo pela
mesma julza mu obsequiadas estas e a coramis-
so que fez entrega da respectiva bandeira.
Amanha a. 11 horas, sa extrabra' a 4'
parte da l* lotera a beneficio da colonisaeo po-
laca (4a) sendo o maior premio 6:000*000.
Passageiros entrados dos pjrtos do norle no
vapor Guar.
Jos E. G. da Silva, Candido V. da S. Freir,
Augusto Christiaoseo, coronel Francisco de Paula
Souza Leo e 2 criados, Lourengo F. da Silva, Dr.
Joo R. Chaves e 2 ciados, padre Joaquim G d e
Araojo, Jos de A. i iraa, padre Leooardo A. Me-
ra Henrlques, e l escravo, Dr. Francisco de A. C.
Lima, Dr. W. Marlineau.
Repartiqao da roLiciA.Extracto das partes
dos dias 27 e 28 de Janeiro de 1867.
Poram recolhidos a' casa de deteogo no dia 26
do correte :
A ordem do subdelegado de Santo Antonio, Joa-
quim Antonio do Paraso, ppr embriaguez; a or-
dem do de 8. JoV, DioDizio Benedicto, por sus-
peito de ser criminoso, Mirtinbo Candido Jos Ma-
chado, por ser pronunciado em crlme de ferimen-
tos e Manoel, escravo de Arminlo Correa de Castro,
por crime de furto.
-27 -
A ordem do subdelegado de S. Jos, Francisca
Umbelina das Dores, por suspeila de erime de
furto.O chefe da 2'secgSo, J.G. de Mesquita.
brvrem dunte da realeza dos caudilhos dafao-
gao qoe domina I -
E' para este fim qne o elemento democrtico,,
que oas mooarchias representativas apenas inter-
vra los negocios pblicos pel dire lo eleitoral,
esta' sendo "de todo supprantldo no Brasil I
E* para este fim qne na slloago mais difflcil
a que ebegou o paix sio chamados aos conselbos
da cora os bomens menos proprios para lio gra-
ve magistratura : na pasta da faxenda fui posta a
arrogancia ; na do Imperio a denuncia; oa da
Uliga a gastronoma ; nade estrangeiros a imbe-
cilidade ; na da guerra a Impericia ; na da mar -
nba a inexperiencia, e na das obras publicas a
vaidade I
Palla em todos os membros do actual ministerio
o prestigio, que s um complexo de predicados sa-
be dar, e nao a vontade de quem qaer qne seja I
E' para este fim.- e.para que dlzer lado ?
E um paix, que presse a 9W dlgoltde, que
respeitasse os seas foros, que se interessasse por
seu (atoro, poderla prosencar impaseivel este cor- ]
tejo de devaslagio, este almoedar da honra da na-
gao, e esta abdicago moral de todos os brias de um
povo T
Pela nossa parte estamos com a consciencla
tranquilla Aponamos o caminho, que nos pareca
melhor, a bem do paiz. Cada am seja o qae mais
Ihe agradar. Aqoelle que se precipita oo aby-mo
por soa espontanea vontade, oa coasente qae para
IV e arrojen), s de i pode queixar-se.
E se depois do loogo marlyno de mais de 3 an-
nos, acharaos que e melhor beijar a mo dos nos
sos algores, do qae Ihes resistir com todo o vigor
do mais justo resentimento, i preciso que digamos
cora franqueza :Nos nao somos om povo livre e
de altos lostiocts; somos urna nage de botoca-
dos indignos das instiiuigSes, que nos derara t
22:000*000.
Esta quantia acaba de ser consignada para rs
Ieig5es desta capital ; 6 ja* destinou-se 12:0005
para a fregnexia de S. Jos : sera' verdade T As-
sim o dizem.
E* com esse dnhiro, qae compram-se foiuetes
para applaadir a bandeira do comrHercio retalho,
as parvoices, com que os visiveis friounoj procu-
rara incitar as paixSes mas.
Para isso qae o povo paga imposto TI
ELKIQAOD PRES D1NTB.
Diz por toda a parta o Sr. ur. Baarque de Ma-
Cbdo, qoe a eleigao da fregaezia da Santo Antonio
do presidente. Accresceota el e, que o presidenta da
provincia mora nessa freguezia, e serla desairoso
o governo perder a eleigo na propna fregaezia
aonde resid.
Qaanto progresso I Outr'ora nos tempos de non
radez a probidade pelilica vergonhoso era o go-
verno intervir as efeigfcs para gaoha-las pela
violencia. Hoje o governo s se envergonha de
cumprir o sen doler, e tem amigos para assoa-
Ihar com ostentago o intento fjrraal de vio
lar as leis.

VATICINIO VERIFICADO.
Ha pouco um offictoso fez publicar a noticia de
ter sido preso o criminoso Job de Oliveira, por
zelo a deligencias do delegado do Granito.
Mostroa-se a inexactido da noticia, fazendo se
ver qae a polica do Granito jamis diligeociou a
prlso do criminoso o qual cora om tiro ferlra
morfalmeote Justraiano Lourengo da Costa ; e
que autes era o dito criminoso descaradamente
protegido pelo delegado.
Foi preciso, que o criminoso fosse a' Barbalha
oo Ceara', para all sar preso por instancias da
pane offendida.
Viudo o preso para o Graoito, disse-sa logo, qoe
elle breve se evadira sob a prolecgj do delega-
do Jos da Costa Agr. Pois bem : isto acaba de
acontecer, e Job de Oliveira em dia claro sahio
sem ceremonia alguma pelo mel das ras da villa,
e baleu a linda 'plumagem.
A parte offeodida de balde clama contra esse
escndalo, a Sea em tscd de ser novaraeote
acommettida em alguma emboscada palo sea feroz
aggressor.
ABUSO.
Um novo vexame para a populagao surdio agora
no termo do Granito.
O commandante superior Roque Culos compron
os impostos d'aquelle termo ao arrematante dos
mesmos da comarca.
Apenas isso fez, esaalhou gente a apanhar gi-
dos aibeios, e os fax arrematar como bens do
evento, e fica com o prodotto.
A arreraatago ama flego; apenas lavra-se
ara termo informe, aue era consta dos cartorids,
e oera se sabe quanlo se fazera as prisoes; e se
pur aesso osdonjs sabem e acodem, sao obriga
dos a justificar a propriedade das rezea reclama-
das.
A justificagao dada peranle o proprio cora-
maodante superior, que recebe para as defezas da
justiBcago 6* e 8* res.
E' um clamor, a um escndalo insupportavel !
U regulamento provincial, que estatu o modo
de arrecadar os bens d evento diz positivamente o
seguinte :
O gado, que tiver ferro, marca on. sigual nao
bem do evento.
8 FALSO.
Os nosso adversarios eupalhara por ahi qoe nos
mandamos desiriboir pelas comarcas do centro
proclamaces incendiarias, concitando o povo a*
amas. Mentira, infamia, descaramento I
Desses meios langaram mo, em 63, esses mes-
mos qua hoje, para raelhor conseguirem forga do
presidente, calumniara as nossas ioteogSes. Nao
queremos nem podemos querer a deiorde;. Quem
provoca a desordem sao os actos de compressao e
violencia que se vo praticando por teda a parte.
Queremos vence/ as eleigoes; havemos de empe-
nhar tno para vence-las, mas nuaca teremos a
iniciativa na desordoro. Oulros sao os que a esto
provocando pela mais atroz perseguigo.
Jos Camello do Reg Barros,
Dr. Jos TiboreWPeTeltt llVigilnIcV.
Antonio Alvaro Ferrelra:da-8liv.
Dr. Joaquim Antonio. Car eiro da Guaba Miranda*.
'Procaradoras
as Ex mas. Srafe. :
D. Gertrades Galvio Alfonso, raolher do Illro. Sr.
Gongalo Jos Aflonso.
D. Lydfa Isabel Ferreira da Silva, Dlha d> Iilm.
Sr. Jesulno Ferreira da Silva.
D. Mariano, Alba do Ilion. Sr. coronel Joo Baptis-
la Pereira Lobo.
D. Pranceliaa da Costa Hibelro, Dlha do Ilion. Sr.
Dr. Antonio Jos da Costa Ribelro.
Mordomos e mordoroas
Todos os devotos e devotat-do Senbor Bom Jess
dos Pasaos.
Fregaezia do Pogo da Panella, 4 de fevereiro
de 1866 O coadjuctor pr'-parocboPadre Tho-
me Narciso Pereira Almeida Coulinko.
O oleo de flgado de bacalho ferruginoso
de Chevrier, pharmaceatico em Paris, subs-
trae se i ora muiia vantagem as plalas e ao
fcarope de iodureto de ferro mais fcil de
tolerar-se para as pessoas delicadas asseme-
lha-se muito mais bem e n3o provoca a cons-
. paci.
Deposito em Pernambuco, casa deP. Ma-
rer AC, ra Nova n- 18.
O oleo de flgado de ba :a!Wo desinfectado
de Chevrier, conserva as qualidades e pro-
priedades recoohecidas ao oleo de flgado de
bacalho ordinario; o seo cheiro gosto
sao muito agradaveis, e a digesto faz-se f-
cilmente.
Deposito em Pernambuco, casa do p. Man-
rer A C, ra Nova n. 18.
Oommunicados
Partido conscrTador.
a violencia rom
que vive fra dos
de sua desnorteada
para susteotar-se, e
Indefinida ; procura
de toda a parte o
Damos hoja na oitava pagina o relatorio do
Sr. secretario perpetoo da Instituto Arcbeologieo
Geogfptvico Pi-rSmbueao, lido m sda xessao
magoa de z7 do correte.
A sda teitara recoramenda-se ao patriotismo da
todo o peroambncano, que' ama sua trra natal,
caracterstico qae aha-se impresso fias de mals
peces all recitadas, cuja pobllcagio iremos fixendo
de espago n'aqaelta pagina reTrwa.
A companhia de seguros marilimos e terres-
tres ndemnisadora reooe-sa depois d'i manba, para
apreciaco das coatas do anno fiada, a eleigo da
sna direcgo no novo blenoio.
Alm disto, nessa sesso tralar-se-ha tambero da
definitiva approvago do regulamento interno e das
eoudigdes geraes dos seguros terrestres.
Da Europa vierm 117 passageiros, sendo :
Temos chegado aos ltimos extremos a que os
governbs impopulares e ob-tinados eos tu mam ar-
raslar as nagdes i quera flagellam. N desesperan
ga de victoria regolar, empregam-se todos os mel
que a razo condemna; mas qu a lgica da ambi-
gio"Cohonesta e jnstifics.
Qbando urna situago em desespero toma como
proposito firme e deliberado o maoter a sua con-
servago a-todo o custo, o abysrao de hoje invoca o
abysroo d'araanha, e o arbitrio e
pera todos os diqoes.
Um governo periclitante,
principios, qae alijoa no mar
roteago, nao esoolhe eios
Infeadar em si a domoagao
por toda a parte os esteios, que
desamparara.
Se ha consclencias, qne se nao resignara a vir
a' praga publica, ou ao mercado govnrtivo, para
serem laxadas pelos almotacs da p i ia, o pro-
cnsul, enviado pela metropole para sopplantar
os brios proviofaes, destribae trabucos a urna
borda de sicarios, e os manda fazer alas no cortejo
fnebre da liberdade eleitoral I
O governo nao qner a urna popular que, a' raa
neira da carta matrona romana, arme seus filhos
para morrerem pelos foros e diraltos da patria ;
qaer a nroa dos belleguias pretonanos que, a' se-
meihanga da impndica corteza, infiere de looros
enlaaiiDbados a fronte de seos raudas, para se
apresenlarera ebrios dos festros da corropgo, no
congresso geral da nage I
B' para este fim qoe se arranea da mi do ma-
uistradoa vara da jnstiga, para substitu-la pela
arma curta do cabalista cynico I
E' para este fim qae o recrutameoto se tem tor-
nado om sophisn a, ama baria e om escndalo,
p;ra sentar a uns do Imposto do servigo militar,
e nota oppressao Intolenval para onerar a outros
ou incutir-ihes o terror, se nao volaren com a pa-
ternal situago I
' pora ate fim que, os doheiros pblicos, tu -
tas-do suor do povo, saem das reas do thesooro
para labsidiarem osqaadrilbeiros eleiloraes.a qaam
4 este' incumbida a reWeigao dos capacheiros de lo-
dos os ministerios I
E' para este fim qae r >s de crimes, que iio-
raeos tldos por faccinorosos, temveis pelo terror
de seos nomes, e pela tradigao de seas feitos, fo-
ram cbaandos do bosque para serem o brago di-
reito do governo na carapacha eleitoral I
E' para este fim-que ae assalariam vozesqae as-
ras e pragas se convertam em goilholioes das
repotage, em arautos do terror e iostromentoj
da aoarchia I
E' para este fim que o governo, qual oulra M-
da, arma irmaos cootr* irraos, e patrocina os qoe
mals se destioguem nos explosoes dos odios fra-
trioidae I
E* para este fim qoe os qae sao mandados como
delegados do Imperador para as provincias, des-
pera as vestes de procuradores reglo, para se
Publicares a pedido
III i. Sp. Joaquim de 4lroid< PM,
Tomei o vloho de jurubeba que por V. S. rae foi
ministrado, e lenho o prazer de commonicar-lhe
qae estou completamente reslabelecido dos meas
soffriroeotos no flgado a bago ; tendo do referido
vinho tomado apenas o contido era um frasco e
friccionado amas seis vetes, se tanto, com o oleo
tambem por V. S. exlrahido da Jarobeba, e o qual
V. S. igoalmenta me bavia fornecido.
Escasado dizer-lhe que estou penhoradissimo
pelo enorme servigo que V. S. acaba de fazer me,
livr'aod-rae de nm padegimeoto qne, anda em
principio, j me atorraenlava do maneira assom-
brosa. Orneo reconhecimento por V. S. mis-
lurado da admirago que todos sentimos pelos bo-
geos que como V. S. *o dolados de um genio la-
borioso, de orna actividade iacaosavel, de um ardor
inexcedivol na propagago de qoaesquer conheci-
meotos de reconhecida ulilidade social.
Va, porlaolo, esta carta reunir se ao numero dos
maitos e honrosos documentos que V. S. ha rece-
do, ero cada oro dos qoaes brilha nm raio dos as
slgoalados beneficios qoe das soas preparagfles
tem tirado urna boa parte da populagao desta pro-
vincia.
Pedlodo-lhe que aceite como Albas d'alma as ex-
pressoes qoe abi deixo, teoho a honra drassig-
nar-me de V. S. admirador e serve obrigadis-
?imo
Racfe, m de Janeiro de 1867.
A. deSoata Piolo.
Elei^o
dos levlos <|ie hit de festejar e glo
tma Seahor Bom Jess ti s Passos
erecta oa matriz da fregaezia d<>
P co da anea so ao do de 1867.
Provedor por eleigo
Ulllm. Sr. Jesuino Ferreira da Silva.
Provedor a por eleigao
A Exma. Sra. D. Leopoldina Carolina da Silva,
mulher dolllm. Se Francisco de Paula e Silva.
Provedor por devogao
3 Illm. Sr. Aolonio de Paula e Mello.
Provedora pordavoco
A Exma. Sra. D.Mora Magdalena Farreira-da Sliva
raulher do Illm. Sr. Olympo Ferreira da Silva.
Secretario
0 Illm. Sr. joaquim ntooio Caroeiro.
Secretaria
A Exma. Sra. D. Hortcncia Glorega Barrillo Ser-
fico, malber do Illm. Sr. Dr-Fraocisoo SeraDoe
da Assi Carvalbo.
Thesooreiro
O Illm. Sr. Jos Domingoes Codeoeira.
Precurador-geral
O Illm. Sr. Antonio Machado Gomes da Silva.
Procura lores
Os Ilims. Srs. :
Remedio cont'-a a embriaguez
A sade depende do estado dos solidos, o
dos fluidos, que os conserva idneos para e>
mais perfeita execuc5e das funecoes vitaes; a
emquanto estas se fazera com regualridarte
nosacliaeoos saos e robustos; porm de qual-
quer maneira que se perturbem, inivitavel
o-allewr-se a>s*0de, e a-inteperD?a nunca
deixa de desordenar ada a economa animal,r
impedindo a digesta tore laxando os ervos,
fazendo irregularo, ess secreces, viciando
os humores e produzindo infinitas enfermi-
dades.
O mais- aUo gro da prudencia humana
consiste em regrar os nossas appetites o
paixes, de maneiwt que se evilem os ex-
tremos.
Com quanta celeridade arruina a melhor
conslituigao o abuso dos licores, que embe-
bedam I Pelo que vemos om tanta frequen-
cia os devotados a embriaguez carregados de
males, correndo com passos largos para u
sepultura, e por bem commum proverbio,
que todos os ebrisodaberem hydropicos.
Tudo que emsoisro poe a natureza em
estado de excitar febre, para desembaracar-se
da pessobha que tragara: e, quando se re pe-
te quasi todos os dias este"veneno, fcil
prever-se as cooseqnencias, qae resultam
delle. As febres da bebedice nem sempre
tenniiain em um dia ; acabam ardinaramen-
t n'uma inflammafo do peito, do flgado, ou
do baco e produzem faiaes effeitos.
A bebedice de especies alcolicas quandr r>
se usam com excesso, debilita as entranhas.
impede a digest5o, de^troe a fortja dos er-
vos, e causa enfermidades paralyticas, e con-
vulsivas. Do mesmo modo esquenta e in-
flamma o sangue, destroe sua qualidade bal-
smica, e o torna inotil para a circalaco e
para nutrir o corpo. Dabi procedem a&
instruces. magreiras, hydropesias e li-ieas.
Estes sao os caminaos ordinarios, com quo
os bebados fazem sua carreira, e enfermida-
des desta casta, quando se produzem em um
forte bebedor, rara vez admitem cura.
Alguns arruinam sua sade bebendo mui-
to, anda que rara vez (pelo costume) se em-
bebedem, posto que nao produzaefletosUo
viokntos, nao sao menos perniciosos.
Rundoos va sos se conservam constante-
mente cheios e dilatados nao se podem fazer
bem as dige&tes, nem preparar-se devldc-
mente os humores Por isso a maior parte
destas pessoas padecem, gota, pedras, areias,.
chagas as pernas, abatimento de espirito,
desordens hypoeoodriacas e,outros sympto-
mas de indigesto.
A bebedice nao s destruidora da sa-
de, mas das faculdades da alma, o costume-
de embebedar-se faz idiota os genios.
Assim, pois, aos chefes das familias con-
vm salvar aos seus fmulos, que arraigados
ao vicio da embriaguez nao os podem Iivrar
pelos meios suassorios, applcando-lbe o re-
medio, que faz inteiramente enjoar as bebi-
das que se vendem: na botica ou laborato-
rio pharmaceutico, na ra Direita n. 88, de-
Jos da Rocha Prannos.
SHS
COMMERCIO.
PRAGA DO RECIPE 28 DE JANEIRO
DE 1867.
As Ztfr horas da tarde.
Cambio sobre Londres90 ujv 21 d. por \.
Cambio sobre Pars90 d|v 00 rs. por franco.
Silvelra,
Presidente.
Macado,
Secretario.
novo um m pkr-
\\t1BU0.
0 novo banco paga ose-
gnndo dividendo de 4,4 0[0
da massa fallida de Joaquim
Jos Silveira
Gixa hlial do baoen do Brasil en
Pernambuco acs tO de jan eiro d&
186".
De ordem da directora safar seieote^aos ge-
nitores accionistas qne o tbesoureiro esta antorl-
do a pagar o 26 dividendo das acces desta ca-
xa a rateo de 12JL
O guarda-livros
Ignacio Nones Crrela.
Novo Banco* do Pernanbnco.
O Novo Banco descoma letras de praso ti gao-
tro metes a 8 OjO *o anno, e de malor pra*o a>
10 0(0

ALFANDEGA.
Rendimento de i a 26 do corrale..
dem do d 88.................
MOVIMENTO DA ALFANDEGA.
608
Volumes entrados com fazeodas..
c i gneros...
Volamos sabidos com fazeodas...
< < < gneros....
Descarregam boje 29 do correte.
Galera frnceaAdele mercaderha.
Barca portugueuS/eamercadoria_
Patacho portogoex--Priiad>ideau
-------89*
199
183
- as*
W-
'<
^i
^
7S8d537!i75 ^
24:619310>
783:05-^58$
f


I

\




i


h
Dirf* m *+*mmmhm<* mtr<* Mt* t+* **m*lem
ljarca inglea//Mo^iu-laero.
Barca portugueta- UumUUtde-iem.
Patacho portuguet/iiae-idem.
Prigue prussiano-forluna-iiem.
Birca nacional Hito-dem."
Patacho inglezGeorgiana dem.
Escuna bollan leaSpeulaaiidem.
Patacho americanoJoAan/i-farinha de trigo.
Barca lngleia-Qiit-nacalbo.
Brigue ioglez-Marty-bacalhao.
Brigue inglez -Peonecrcirvo.
Barca logleza Graslangdem.
Barca togleza fiajamoaidem.
Brigae suecoJohann-s idem."
Escona hollandezaDe FV<_-cbarqu!.
Brigoe hoWiatiPersevcranccharque.
Brigue nacional E^peranfadem.
Patacho porlogoez -Garret -idam.
Patacho baojvenanu 'oncordta \ietu.
Bngue argentino Volanteea
Bita ogietahabellu Hamett -dormentas.
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS
GERAiSS.
Rendimeoto de 1 a 26 do corrate 26:4**5677
idem do da 48............... o:400*iii
Adn Ini-iracao do crrelo de Pernambnco, SI de
Janeiro de 1S67.
Domingo. dos Passos M*flfiV
__________ AdjmlptyadoT^
fionselh de compras d rse .
|aerra26iejaoe4re de 1867
0 conselho de compras precisa comprar o *e-
guinte
1 mastro para bandeira.
SO mantas de lia.
65 (albas de lioco oa--Jarro galvanizado com 9
palmos de comprimeoto e 3 de largara.
Quera quizer vendar ditos anigos apreseotem
suas propostas na aja do cseibo, aa 11 horas lo
da 31 do correle.
COMPANHIA PERNAMBCANA
Dg
ffilMfaco cosleira per vapor.
PARA T
Parj>HM/NaU!, Maco, A^caty, para e
Acaracu'
Segu no dia 31 do corrate um dos vapores da
companbia para os portos cima indicio*.-.
KajBafce eirga at o dia 30 Encomienda?, di-
nheiro e passagens al 3 horas da (arda do dia da
sabida : escriptorio no Furia do Matosa. 1.
Vende-se a polaca nacional Pelotgnse
de 136 toneladas ou cerca de 7,000 ar-
robas prompta de todo o necesstik a um
navio bem equipado, excedente construcc5o
forrada de cobre e rauito velteira. Os pre-
mmtm stui"
Pela admioistracao do correiu desia cidade se tendentes queiram examina-la no aucoraaou-
fai publico que boje (29) as 3 horas da tarde fe- ro da carne secca e para tratar coa am-
Sff^StSSStSS^^ U"*.?S?lAIIber G**: *." *
As carias adraeltidas a segaro serito recebidas AP0U0 Dy **. andar.
31:883*1 i I
MOYIMENTO DO PORTO
Continuado dos navios entrados no da 7.
Para e pcrtos nter e-Jios -8 dias e 12 boras e do
oltiiBO porto 12 horas vapor nacional Guar, de
999 tonel das, commaadaote o 1*. lente P. H.
Duarte, equlpagera 54, carga difidentes gne-
ros : a Antonio Laiz de O Azevedo & C.
Southampton e portos intermedios18 alas, vapor
inglez Rhone, de 1866 toneladas, commaodan-
le P. Woolward, equioagem 130, carga varios
gneros; a Alamsan H -wrejj C,
Navios entrados no dia 88.
Trieste 10 das, brigae anslriaeo Bruder, de
300 toneladas, capito Antonio Podicb, eqnipa-
sem 11, carga 1825 barricas com farinha de
irigo; a Johnston Paler & C
Maranhao 21 dias, raatacho brasileiro Volante.
de 175 toneladas capitio Antonio Travasso da
Rosa, equ-pasem 10, carga 2600 saceos com
inilho e outros gneros; a Antonio de Almeida
Gomes.
Lisboa -39 dias, patacho portuguez Fernandes, de
191 toneladas, capito Jiaqoim da Silva Reina,
equipagaai II, carga violto, e antros gneros;
a Antonio Lnlz de 0. Azevedo 4 C.
Babia17 dia*, barca logleza Taramaki,. do 563
toneladas, eapitao I. WregDet, eqolpagem 16, em
lastro; a Johnston Pater A C.
Navios sahidos no mesmo dta.
Rio de JaneiroVapor inglez Rhone, eommandan-
te P. Woolward.
PortoBarca portugaeza Amelia, cipito Jos Joa-
qun) Btsilio, earga assocar e outros generas.
Canal Patacho hanoveriano Alexander, capitn
C H. E. Maris, earga assacar.
Iiiii ihii Tii.ui'i'ii 7" f "" 7"
segaro _
at 2 horas, e os jornae at o meto dia.
Correio de Pernambuco 28 de Janeiro de 18)7.
O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
Correio geral
Relaco das cartas segaras viadas do norte peto
vapor Guara'* para os seohores abaixo decla-
rado- :
Antonio Joaqun de Vasconcellos, Cario? Emilio
de Andrade Pessoa, Francisco Ignacio Pinto, Ge-
rainiano Gonces Pereira. Jos Rodrigues de Souza,
PAHA' ^
Pretende seguir com brevidade para o indicado
porto o veleiro brigae escuna nacional Graciosa,
capito Silva Ralis; para a poooa earga que ibe
falta traU-se com o respectivo consignatario Anto-
nio de Almeida Gimes a roa da Cruz n. 23, 1
andar.
Para Lisbi
Segu em poneos dias o brigue portogoez Cons-
., tan'e II, por ler prompio qoasi todo seu carrega-
Maria Carolina Borges Lea (Ol.ada), Mana Igna- ment, para o restante e passageiros: trata-selcom
Cl* TdxctHf, Manoel Joaquim Ramos e Silva. j Oiiveira Filbos C, largo do CornoSanto D. 29 ou
. com o capito na prafa.
SALAO 110 THE4T80
DE
ISABEL.
Ihe falta trata-se com os seos consignatarios Anto-
nio Laiz de Oiiveira Azevedo & C, no seu escrip
torio ra da Cruz n. 1.
Para o Rio Grande do Sul.
O veleiro e bem contiendo brigue nacional Ame-
fia, pretende seguir com ron>u brevidade. lem par- o
te do sea earregamento engajado, para o resto que iao^ Qs.COacerto$ pertencentes a esta
OTBRIA
AOH tt.OOO OttO
Crre amanhaa.
Acbam-se venda na respecliva theson-
raria, i roa do Crespo n. 15, os bilhetes,
meios j qaartos da 4* parte da i locera a
beneficio da coIonisagSj polaca, (i1) sendo a
extracto Jo^ar e hora do costo me.
Os premios de 6:0000000 al i 00000
ero pagos urna hora depojs da extraccao
at as 3 Horas da tarde, e os outros depois
da distribu ic3o das list.
As encommendas serSo guardadas somen-
le ai a noite da vespera da extrac<;5o.
O (hesonreiro,
. Antonio Jos Rodrigues de Soaza*
Joilheria
3 4,Rus do Cabe|--54
Agostinho Jos dos Santos, proprietario
dest ani^g9 e acreditado estabetecimeoto
de ounversaria, tmdo feito urna reforma
gerai no sed negocio e achando-se sortido
de artigos do -mais apurado gosto, apteseo-
la-se a competencia publica, convicto de que
podar servir VAfJtA JOS AMENT & pes-
soas que o procurar.
Troca-se objectos novos por usados, com-
pra-se ouro, prata e pedras preciosasfaz-
!
X.> Para educa^o de mem'nag,
estabelcido na grande casa contigua
igreja de Nossa Senkora
da Svleade,
E DIRIGIDO
PELAS 1RMES DE SANTA BOROTUA
90 A PBOTECCO
- Do
Vende-se o j.alhabote portnguez Elnia, en-
trado ha pouco de Lisbfia, de lote de 73 toneladas,
navio n ivo completamente apptrelhado,coostral-
do de excedentes madeiras Jorrado de metal, ela
viagem : qaem pretender dirija-so ao seu consigna-
tario E. R Rabel lo, rna do Trapiche n. 44, segan-
do andar, ou com o capito Manoel Lopes Pinto a
bordo do mesmo.
EEGLIRACOiS.
Santa Gasa da Misericordia
do Recife,
A Tilma, junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Recite manda fazer publico qae
oojilia 31 do crreme pelas 4 boa; da tarde na sala
desuas sessoes. tero de Ir a praca a renda das ca-
sas abaixo mencionadas para serena arremtate
por aluguel pelo lempo de um a tres annos.
Os prelendentes deveo apresentar carta de Bas-
ca ou serem acompanhaios de seas fiadores on
eom cartas dos mesmoes.
EsUbeleeiaenUs de caridade.
Ra dos Pescadores.
Casa terrea n. 11.......216JO00
Raa da Gloria.
Casa terrea n. 55.......144JO00
Rna do Calabooce.
Casa terrea n. SO......192*000
PatriaUM de orphaos.
Roa da Cadeia do Recife.
Sobradcde doos andares n. 57. i:200000
Rna dos Burgos.
Casa terrea n. 19 h......101*000
Madre de Deus.
Casa terrea 94.......... 168SO00
Ra de Pilar.
Casa terrea n. 94. .....168(1000
Sitio do Forno da Cal a. 5. 130*00..
Secretaria da Santa Uasa da Misericordia do
Recife 24 de Janeiro do 1856.
O escrivo interino,
Pedro Rodrgaos de Soaza.
*^~A HlmaTjunta administrativa da Santa Casa
de Misericordia do Recife recebe proposlas para
arreadamente das casas abaixo declaradas, as
qoaes achando-se armiadas, ero arrendadas
pelos procos mdicos a quem se quizer incumbir
de concena las :
Bstabeiecimeatos de caridade.
.!'m Diretu n. 33.
lu.i da Moeda n. 37.
Rna d Pharol n. 72.
Kua dos Gealhos n. 94.
Jjecco do Abren n. 2.
Patrimonio dos orphos.l
Ra do Burgos n. 19.
!iM da Cacimba n. 19.
Ra do A.norm n. 26.
Os prelendentes para meihores.esclarecimento!
polerao dirigir sea secretaria-
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Rs
cif-j, 20 de dezembro de 1866.
O escrivo interino
Pedro Rodrigues de Souza.
"~A lllraa. jaou da Santa Casa de Misericordia
.'I Recife na sala de soas sessSes pelas 4 horas da
tar.ii' do dia 7 de fevereiro futnro, arremata a
quem mais vantagens offerecer as rendas das se-
gniotes casas pertencentes ao patrimonio des or-
pdiio- :
Ra da Madre de Dos.
Sobrado de dous radares e luja n. 1. 848*000
Ra da Cadeia.
Sobrado de um andar, sotao e loja.. 2.009*000
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
ile, 25 de Janeiro de 1867.
O escrivo interino,
Pedro Rodrigues de Soma.
Santa Casa da lisericurdia d > Recife.
eodo de flddar-se em 30 de junbo do corrate
anno o arreadameato do sitio da ti lia do Nogueira,
{iropriedade da Santa Ct-a de Misericordia, a
itlma. junta administrativa manda fazer publico a
(ju-rn convier, para que com antecelencia o vo
examinar, aflm de apreseotarem saas propostis
que sero recebidas nesta secretaria, onde se da-
rao todos os eselarecimentos precisos acs inters-
sadns.
Sr-.-reiaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife, 17 de Janeiro de 1867.
O escrivo interino,
_ PeJro Rod- igues de Souia.
Pela secretara da cmara municipal desta
cida-le se taz publico que continuara' anda em
praca no dia 30 do corrate para ser arrematada
0r qu*m por menos flser a obra do muro de eo-
costo ao lado do norte da estrada do matadooro
pntuteo da Cabanga, visto nao ter sido arrematada
oua obra no da 23 do crreme, coms foi ajinan-
ciado.
Secretaria da cmara municipal do Recite 24de
jan'lr de 1847.O secretorio,
Francisco Canato da Boaviagem.
~wmmmfi~
Pela admioistracao do crrelo desta ci.dade se
faz [Kihiieo para tas cante jieotes, qne em vfrtnde
do dbp-r> no art 138 do regulmealo geral dos
correios de 21 dedeiembro de I8t4, e art. do
decreto n. 185 de 15 de mato de 1851, se proceder
o consumo dan artas existentes na administracao,
pertencepie ao ex de Janeiro do auno pa-sado,
oo dia 5 de fevereiro prximo, as 11 horas da ma-
iihaa, ni porta do mesmo correio,e a. tesoecliva
li>ta se cha desde J' ex:nsia aos interessados.
Admioelrnfiodo correio de Pernamboco, 21 de
janelro de 1M7.
DoBiagordAc Pasaos Miraada
Administrador.
Ultimo eon(ert0 do clarinetista portognei
RAPHAELCROMER
Quinta f ira 31 de Janeiro.
PRIMEIRA PARTE.
1." Pbanlasia para clarinelo por R Croner sobre
os motivos da opera Rigoleto, acompanhado a pia-
no pelo Illm. Sr. Inooeeocio Smoltz P. Capao-
nelll.
2/ Grande aria da opera Martiros pelo Illm. Sr. S s,ef cajre8iiento prompto, para #o resto que
Jos Coelho Barbosa, acompanhado a piano pelo L.?,!..'1.8 escr**os a frele Para os qQaes tem ex-
Wertheimer.Donizelti.
Para o Rio de Jaoeiro
Pretende seguir aom muita brevidade a veleira
e bem conhecida barca Rio 4e Janeiro, tem parte
Illm. Sr. Gustavo
3.' Phantasia para sax^-phone por R. Croner so-
bre os motivos da opera Marta, aeompanhado a
piano pelo Illm. Sr. Smoltz.Croner.
4.' Phaotasia para flama pelo Illm. Sr. Candido
Kilbo aeompanhado a piano pelo Illm. Sr. Smoltz
4." Souvoroir de Norma. Phantasia para clari-
nelo por R. Croner aeompanhado a piano pelo Illm.
Sr. Gustavo Wertheroer.ruesto Cavailini.
SEGUNDA PARTE.
6." Pbantasia para saxn-phone por R. Croner so-
bre os motivos da opera Sonmbula aeompanbada
a piano ptjlolilm. Sr. Smoltz.Croner.
7."
cellentes commodos: trala-se com os seas consig-
natarios Antonio Luiz de Oiiveira Azevedo &C,
no seu esenptorio ra da Cruz n. 1.
Para o Rio Grande do Sal
Segu em poneos dias o brigue portuguez Jl-
Vouga, para o resto da carga que |he falta trata-se
com os seus consignatarios Aotonio Luiz de Oiivei-
ra Azevedo & C, no sea escri torio ra da Cruz
n. 1 oo com o capito na pra$a.
Para o Rio Grande do Sul.
O veleiro patacho Sol, pretende seguir com mu'-
ia brevidade, tem parte de seu earregamento
Pasiorella e Cavagiiere Gottabalh Tarante!-' Prompt), para o resto que Ihe falla trata se com os
la, executado a piano pelo Illm. Sr. Rodolph Elch- seos consignatarios Amono Luiz de Oli'eira Aze-
bann. -Thaerg. velo 8/Cavatina da norma pelo Illm. Sr. Rarbosa, com o eapitao na praca
aeompanhado a piano peta Iliai. Sr. j-tavo.
Bellial.
9.* Daeto concertante para elarineto e piano sa-
br os motivos de Lucrecia Bjrgla pop R. Croner e
o Illm. Sr. Rudolph EichiuBB.
O artista R. Crner aproveita a oecasiao para
publicameole agradecer aos Ilustres cavalheiros
que generosamente se prestaram a fazer parte no
presente concert.
Principiara' as 8 1|2 horas.
Os bilhetes podem ser procurados a ra Nova
o. 10 loja de msicas do Sr. azevedo e ra da Ca-
deia do Recife n. 15, loja do Sr Boargard.
AVISOS MARTIMOS
IlhadeS. Miguel
Segu eom muita brevidade a barca porlugueza
Parary, eapitao Augusto Borges Cabral: para o
resto da ea*ga e passageiros trata-se com o sen
consignatario Joao do Reg Lima a' ra do Apollo
n. 4.
LEILOES.
C0MPAMI4
DAS
Messageries Imperiales
Segando um contrato feito enie a admioistracao
do correio francez e a companbia das Messageries
Imperiales, os agentes desl esto autorizados a
receber qualquer quaotia de dinheiro que sera'
reembolsado pelos correos de todas as cidades da
Franca, Italia, Suissa e Blgica.
Para condi^des e mais informacSes trata-se na
agtncja ra do Trapiche n. 1>.
COSP.tMIU lll\SII,llh\
DE
Paquetes a vapor
Dos pono" do sol esperado
at o dia 8 de fevereiro o vapor
Paran, commaodame Sania Bar-
I bara, o qnal dep lis da demora do
W costume seguir' tara os portos
do norte.
Desde ja' recebem-se passageiros e engaja-se a
earga que o vapor poder cor;dazir, a qual deve-
ra' ser embarcada no da de sua chegada; e en-
commendas e dinheiro a frete al o dia da sabida
as 2 horas : agencia ra da Cruz n. 1, escripto-
rio de Antonio Luiz de Oiiveira Azevedo & C.
CUIJI PAli III1
DAS
Messageries Imperiales
Al o da 30
do crreme mez
espe ra-se dos
portos do sul o
vapor francez
Navatre, com
mandante Mas-
senei, o qual de
pois da demora
do costme seguir' para Brdeos tocando em
Dakar (Gore) e Lisboa.
Para condiedes, fretes e passagens, trata-se na
agencia ra do Trapiche n. 9.
COMPANHU PERNaMBCaNA
DE
i\av6gacao cesteira por vapor.
Macei e esc .las.
Segoe no dia 30 do correle oto dos vapores da
companbia paraos portn cima Indicados.
Recebe carga al o dia 29. Encommendas, pas-
sageiros e dintieiro a frot at as 3 horas da tarde
do dia da sabida ; escriptorio no Forte do Mato
o. 1.
(ompaQhia americaaa e brasileira de
aqae es a vapor entre os Estados
lides e o Brasil.
Espera-se dos
portos do sal. at
o dia Ir de feve-
reiro o vapor
americano Gui-
ding Star, 6 qual
depois da demora
do castome se-
guir' para New-
York tocando no Para' e S..Tnomaz, Ipara fretes e
LE ao
De um carro americano de 4 rodas, ceberto, com
assentos para 4 pessoas e arreos para um ca-
va I lo.
Um cavallo para o mesmo.
Um bom cavallo de sella.
Dons cavados (juarta.s).
Urna earroca com boi.
Um carro para boi.
Dous bois mansos.
HME
Terea-feira 29 de Janeiro as 10 ho-
ras em ponto.
Por intervenga) do ageute Pinto. Na praca do
commercio em frente ao Corpo Santo.
UE2I1,*0
de una ric i armaeo envera sada e
enviilracaila.
mu
O agente Pestaa legatmenle auloxtsad.) fara'
leilo de armaeo envecnisada o tandi^ya de gaz,
registros ele, exigentes na caa o. 9 do itwg j do
Carmo, esta armajio aeha-se perfeia tprrpria
para qi.lqoer negocio, .o pretendemos podem
examina la e o lejrao lera' lunar nu dia cima as
11 boras da manha na mesm e*sa.
& C rna do Trapiche n. 8.
_^^
>rsler_
..f
passagens trata-se com os agentes Henry Forste
J Trapich
Para o Amcaty ,
Segae nestes quatro dias o Mate DaiH' Amtgos
ainda recebe alguma cara : trata-se com .os seos
consignatahes Amonio Lum de Oiiveira Azevedo &
C, no sen escriptorio ra da Craz n. 1.
1
Correio geral.
Pela adQMislrafao do correio desta cidade se
faz piblicj, qae em vire iJe da eonvencaj postal,
celbrada petas tfrtafA brasileiro e francez, se-
rio expedidas salas para a Europa no da 30 de
torrente pelo vajaar fraocet Exlrenadure.
As cartas serio recebidas at i, horas autos da
4oe for mareada para sabida do vapjr, e os jornaes
at 3 horas ales.
De 600 jardas de eiastieo, jjjtfvw^jvidros.
Cordelro tttuaes
por coala e risco de quem portoneur -{aga' leilo
de movis e outros at>tie-e-t*mles ^WO jardas
de elstico para borzegains. al*"
Jerga -ira 29 do cerrente fto armazem a ra da Cadeia iro Iteetfa o. 29.
LEILO
De 2 carros e dous Uois.
Quarta-feira 30 do corren te.
O agente Pestaa fara' leilo por conta e risco
de qaem perteocer de 2 carros da cargusjar e .2
bois afamados em servlco ; quarla-feira 31 do cor-
rente pelas 11 horas da manhaa no largo da al
fandega.
Para o Aracaj cottr escala por Macelo, segu
nestes seis dias o veleiro patacho Stotia, qaem oo
mesmo qnizer carregar a frete cotnmodo, pode en-
tender-se eum o consl/oalario Joaquim Jo? flon-
galves Beltrao, rna do Trapiche n. 17.
Para Lisboa-
Vai sabir com brevidade o brigae portugaez 8o
verano, capito B'jgjwoga, recebe carga a frete .
trala-se com E. R. Rabello, ra do Trapiche n. 44,
ou com o capliio. ; ^ _,
AVISOS DIVERSOS.
Pre'isa se de "urna pessoa que saiba
lr para distribuidor desie Diario, prefe-
re-se a quem j tenba servido noexercito :
a tratar tiesta typo.rraph.ia.
A viuv oe Aiiioui B^idlo da Silva, seas nihos
e genro, agradecem cordialmeme as pessoas que
se dignaran) asslstir as exequias feitas pela alma
de sua presada alba, irma e cuntala Maria Leo-
poldina Cor rea da Silva, bem como aos Rvmds.
srs. previneial e prefeito dos cjnveotos do Carmo
e Peohi, e a coaiiouqidade d'aqu -lie e aos demais
sacerdotes qne nao s e preslaram no otBcio co-
mo acompanharam o corpo ao eemilerlo e mnito
especialmente ao Rvm. Sr. padre Ernesto Ferreira
da Cuaba e ao Illm.Sr. Joaqnim Canuto di Santa
Anna, e de novo convidare para a missa que man-
dai elebrar no mesmo convento do Carmo no
Ldla 31 do correte as 4 horas da manhaa.
^BjsjBBBjBjjsjFMvnPaasn bbvsbvmsjmbbshbibsv
atonte Pao Popalar Peruambo-
cano.
A directo do Momo Po convida aos Sr;-. socios
para no dia 30 do crreme comparecerem na sala
das sessoes da mesma soeied.d-, aflm de reun los
em a-serobla geral tratar-se de negocos argen-
tes. S'cretaria do Monte Po Popular Pernamta-
cano 28 de jaoeiro de 1867.
Bernardo Falco de Soaza,
1* secretario.
arte.Agostiobo Jos dos Santos c.
___3 A-RyA DO_GABUGA'-3 ^
Aula de I i ligua franeeza
de s-eograplila e histo-
ria
de pliilospiia
de reiliorica e poetlea.
Jos Sjares de Azevedo, iirofessor de lia-
gua e litteratura nacional nogyoanasw pro-
vincial do Reeie, tem. aberto em sua casa,
ra Bella n. 37, um curso especial de cada
ama das disciplinas arima mencionadas. As
pessoas que se desejarem preparar em se-
mejantes materias para os exames de mar-
co, ou as que quizerem seguir o enrso do
anno lectivo, pdem dirigir-se residencia
indicada, de man'ia at s 9 boras, e de
tarde a qualquer hora.
Criado?"
PreCisa-se para um moco solteiro de um criado
que salha cosinhar e tratar da um cav*||o, qoer
seja forro ou eseravo: a traiar na roa do Crespo
o. 16, loj, das 7 as II da manhaa e das 3 as 6 da
larde.
#;omiaj*iiia
Imdannisadora
O* Srs. accionisjs da companhia de seguros
martimos e terrestreslodemniaadorasao con-
vidados a reunlrem-se em assembla geral, no
escriptorio da misma companhia ao meto dia de
31 do eorrente, am de serem apreciadas as con-
tas do periodo fio so em 31 de dezembro ultimo,
proeder-se a eleigo dos funecionarios qoe teem
de servir oo actual hiencio e tratarse da definitiva
ap3rovarao do regolamento interno e das condl-
efies geraes dos seguros torrestres.
. Recife 26 de aneiro de 1867.
Os directores,
Francisco Joo de Barros.
Mieuel Josa Alves.
________________Joao da Silva Regadas.
A ttenco
0 i
Na e.traila de Joao de Barros, sitio frooteiro a
capelioha respectiva ha sempre grande quantida I
de-de doce de caj', secco e em calda, do melhor
que ha na provincia, alvn, lenro e que pode ser,
como ja tem sido muuuieras vezes, exportado para
qualquer paz sem que se damnifique : os Srs.
negociantes, pois, ou oulra qn'aesquer pessoas que
a pedido oo por conta propria liverem do fazer I
qualquer remansa, p dera dirlgir-se ao logar lo-1
dicado, qoe ahi acharan a porcia de qae carece-
rem, que sera arrumada em vasilhas enfeiladas e;
de lmannos contento do comprador, e por me-1
nos vinte por cento do que ara qualquer confei-
lats. I
EXM E RVM. SR. DR. VICARIO CAPEAR DA DIOfiE^,
NeMe collegio, cuja abertura oeste anno lera* lugar a 24 do-rotatM..' w.k.. ^
Havera' meninas internas, meio-pensionistas e externa
WHol^!^"*"0 me8Sae?'" e,H*iil.,iu 1W)00, e as terna,
.h.0,flae Q?".eR0 col*r Qm DamtT0 ente de pensionjstas, ira' adaHiInoV
gralahamente para internas algomas meninas pobres aomminafr
ri,a ^a^.*^rISS.5td,e alom?as e P"a qae*qur esclareelmentos trata se eom sope^
noca no roe uno tatabelecimento a qjjalqoer hora do dia.
N DE IG
tra ca?' rQS di,uaileia B' H ha P*'4 'eIli:|er-se ornamentos-de igreja por im,
preco que emes-
.
A SABER :
Ornameot-is de damasco brane-j de l'*& a 32,8000
i encarnado de 22* a 32*000
r&xo de 22* a 30*000
prelo de 20* a 3 *000
verde de 20* a 29*000
.de vellodo prelo 26*000
ff.ra' re w nam, ^ocur* qae^,em havide des,es obiec,os P^veninjos ao publico qae bte/et ehe-
tffd. ..p^XEi'm .!'* ornamen,de ,odas as c6re9-iBe,U5iive """ 3K?C
Recebe-se toda e qualquer encommend? relativa ao callo.

INTERNATO
DE


S. BEENAEDO
Atiendo
O baixo assign Una, pi-rdeu urna letra aceita na colonia militar i
Leopoldina p -lo Sr. eogenneiro Manoel Candido
Kocha de Andrade, da quantia de tresenlos e se-
testa e doos mil reis 372*000) em favor do Sr.
Antonio Lipes do Livrameoto Palhony, em 17 de i
oulubro do correte anno a dous mezjs; portanto,
roga se a qujm a adiar que a hija de entregar ao j
abaixo assigoado nesta novoacSo ; pois que o ac-
celtante se acha prevenido de nao pagar, seno a
seu legitimo dono
Una 22 de novembro de 1866.
Joaquim Jis da Silva.
Establecido na cidade de Reeife em 48 M
Sob a proteet}o do Muuhiio Pontfice Po IX
DIRECTORO BACHAREL EM MATHEMAT1CAS
Bernardo Pereira do Oarmo Jnior.
O director do internato de S. Bernardo. n5o tendo evitado esforcos
nem sacrificios para proporcionar aog seus alumnos urna perfeita educac5o
pLysica, moral, intellectual e religiosa, < fferecendo-lhes urna habitaco com
bastantes condices de salubridade, Inbeis professores que sao solcitos em
prepralos convenientemen.j ao fim a que se destioam, medico pratico
que Ilies faca caprehender os preceitos da liygiene e hes cure das doencas
e nalmeote um sacerdote illastrado e honesto qun Ibes exp.ique os princi-
pios da religio chrislSa, espera que assim constituido e em vista do ex-
cellente resultado, que tem apresentado, contando um crescido numero de
alumnos na Faculdade de Direito, que concloiram all vadosamente os es-
tados preparatorios, nlo deix^r o seu estabeledmenio de continuar a mere-
cer dos senhores paes de familias o auxilio e confianca com que j mu i tos o
tem honrado; e Ibes roga, bem como a todas as pessoas interessadas, que
se dignem de visitar o mesmo seu estabelecim^nto, onde sempre encontra-
rao franao ingresso.
Cadeiras de ensino:Primeiras lettras dividida em duss classes, ten-
do cada urna o sea professor, latino, francez, inglez, arithmelica, algebra e
geometra, geographia, philosophia, desenho e msica.
O collegio tem a sua sede nos espacosos edificios ns. 32 e 3i ra
da Aurora.
Nos estatutos do collegio, que estao disposicao de quem os quizer
ler seacham consignadas asoudices de entrada e matricula as diversas
aulas do estabelecimento.
Aluga seo sobrado com commodos para fa-
milia, sito no largj do Panizo n. 16 : a tratar na
tiberoa.
de
MUt
Precisa-se ae ama ama que saiba ceainhar e en-
gommarparacasa.de ama senbora estraogira,
paga-se bem : a rpa d S^uiaila Velha o. 22, pri-
meiro andar.
Offerece-se um bom copeiro : a tratar na roa
da Peona n. 29, segundo andar
Alnga-se am segundo andar e solo na ra
da IV o tu n. 19 : a tratar na ra do Queimado
n. 63.
Professor de piano.
Coelho de Araujo, continua a leccionar. e pode
ser proriirada jn Sole>ade, roa de Joo Fernn-
de Vi-ira o. 20, e na ru do Livramento n. 21,
terceiro andar-
O hospicio de alienados em Olinda, precisa
de urna coziuheira ; quem seachar nestasclrcums-
tanfias dirija-se ao mesmo hospicio para tratar
cora o regente o.com o re>p"ectivo mordomo o Sr.
Amonio Jos Gomes do frrelo.
Saques
Carvalho 4 Nogueira na roa do A jqIIo n. 20 :
saecaoi sobre Lisboa e Porto.
Precisa-se de um (eitor casado que saiba
tratar d? festfrirvbs ede sin, prefere-se portuguei
e paga se bem agradando : na ra da Cadeia n.
36, armazem.
Barca Sifta
. Pfotesito seguir para Lisboa e Porto eom
qlaior brevidade possivej, trata.-se com os sens con-i
signatarios Antonio Luiz de Oiiveira Azevedo &
C, no seo escritorio raa da Crar .'f.' **
Joaqalm Pereira Araotes vai a Europa.
Joaqnim Carvalho, subdito hespanhol reti-
>se para.MaSM. : -*
rase pa
- ds abano asigoads te'do djssolviqV ami-
gavelmente a saa sociedade, declarara pelo pre-
sente qoe teno saldado U|dits,as comas com esta
praca oeoiuma letra de saa firma existe por pa
ir. Recite 28 de jaelro de 1867.
_______________Sellas, Aievedo & C
Pfecisa-se alagar ana serava que srfalboa
coslahelra : ni roa do (jaMmatle a. 46, loja.
Attencao.
Na ra do Imperador, anttga. ra do Col-
legio n. 73 2o andar : precisa-se de tima co-
sinhejra.
frecsa-sn de um caixelro que tenba .p'r'atica
de taberna e que afflanc a sa conducta : na roa
das Larangeiras o. 16.
Arrenda se um sitio notJacar estrada d'Agua
frtaymmti grande coiw-todo o -genero de fruetag,
boalerra.p caa de pdf*.e cal novamenle cons-
truida : a fallar com o solicitador Barroso na rna,
da Concordia o. 3*.
......:________________'"'.....- '" '
Joaquim Moreir Garrido de boje em diante
se asignara' por Joaquim Moreira Garrido Bastos
' ,..: fiiJCrUAM.
Na ra a Ma^re de Beos-n. 36, precisa-se alo-
sar orna 8crava para .servjgo loterno, pagase.
M- ^____________
Ht fu-oo:*iiriji' a. 3 prwelsa-ae ti ofi-
ciaos e obaraielro.
Pre-la-3o'eu'aia ama :'na ra da Aurora
DDipero 54. '..-:...
Participo Sr. Ep!... A. F-, qae visto re-
tirar* fr*fneir*,WMlnha em sea estabeleciroen-
to na travessa do Poclaho o. 7, hija de pagar-lhe o
que ihe devedor. _______
-^Precisa sede rna meoioo de 12 a 16 aes
eo ora bornea de 30 a 40 annos que saiba ler e
escrever: ii ral 4a Ceucoria 90.
MU);MA DE RESIDENCIA
60LL-GIO M SAITO? AffiAM.
61.Palacete do caes de Apollo-61.
O director do collegio de Sanio Amaro, faz publico a quem possa interessar,
que transfeno dito collegio para o palacete do caes do Apollo n. 61 bairro do Recife,
onde contini a admittir alumnos internos semiternos e externos.
As aulas creadas em dito collegio s3o as seguintes: instruccao elementar,
nagua latina, franeeza e iogleza, rethorica e potica, geographia e historia, geometra,
pbiljsopbia, desenho, msica vocal e instrumental, e daasa.
No dia 7 do corrente mez ter logar a abertura da aula elementar, cuja ma-
tricula desde ja ac'ia-se aberta e as das demais aulas de 15 por diante.
O direetor,
J. F. Ribeiro de Souza.
Pugio do abaixo assignado oa noite do dia 19 do proxlmo'passado do sea sitio deno-
minado Genipapo dete lerrao, doos escravos de nome Amonio e Florencio, de 28 a 30 an-
nos d idade pouco maisou menos, cora os signaes seguinliS : o primeiro de cor prea
nao muito retinto, corpaleoto.de estatura regular, espad ias largas, barbado, olhos grandes
e salientes,ede um aspecto triste,e para melhor ser conhecido tem o dedo maleado* de
urna das maos corlado pela junta da centro (2* art:colaca> Hwcoa-la que sao iwaw
orever, e o segundo do cor cabra, alto, magrq, caballos sollos crespos, pouca barba, olhos
grandes, tem urna cieairiz no queiro, e rauito fllame^ taiDoem meconslaque l e esereve.
Estes escravos nao teem signal nenbam de castigo, esahiram bem vestidos e arma-
dos de espingarda e lacio, montados a cavallq, com noasas mudados: o primeiro .,por Ma-
noel Js dos Santos e o segundo por Bento Jos dos Sanios.
Consta me que estes escravos firam encontrado-, no da 12 do crrante, distante do 5t
rio de S. Francisco 12 leguas, eom destinos povoaeao do Juaseiro da yrovlocia da Babia. 5
Peco portaWo as aworidades policiaes que deljes liver coabecimento de os mandar captu-
rar e rete-tos as primes publicas, dando disl parteao ah.iixo assignado, ou aos seus in-
teressados, adverlindo mais qoe as autoridad- ou particulares qoe os capturar, enao qui-
zerem rete-los as pnsfies publicas, deverae-rerneUtr para Casias ao Sr. Amonto Fernan-
des Goimaraes, par- oMaraohao aos Srs. Kibeiro & Hoyer e Jos Francisco Lipes & d,
e na Tnerezioa qapitil do Pianhy 90 Sr. unsote-corouel Firtuiuo Alves dos Sntos. E
para certeza do qu, me obrjgo par toda a despeza que as auloridados ou particulares
flzerem oa captura e remessa dos mesmos escaros, ten.le mais de gratificasa) 10;J, nos
pontos j Inoicado', on em outro qnalqaeroode cliegoe ao conheciraanio do abaixo asig-
nado, oo dos seos interessados.
Geoipapo, lermo da cidade de Caxias-, 26 de dezembro d* 1866.
Antonio Pereira Marioko.

^SMfiSSl ^SM^tt^kWSti'3M tt QSftfiSSf^SSf^SV
Jote tuucivo^ Ferreira Otnu, \tm
4.catas para aioar na ra da Fuodico,
j4V.com commodos para grande familia,
| quintal murado com cacim >a e porlo
para sahla e sao assobradadas ; a fallar
com o raMOi-nM*- iur
mwmmsmm
Fugio no dia 15 de novembro de 1866, o es-
eravo de nome LuetaoOrarioolOj cora 2o annos de
Idado pouco mais on menos, bano^e tbeio do .car-
pe, soissado, 00a offloto de sapateiro: quea -0
prender e levar ao eogenho Papagirfo ao abaixo
assignado ou no Recife emeasa do Sr. Francisco
Xavier Oiiveira, mi resostpaa^ado.
Jos C. darffews.
Jos Jeaqaim da Co'sta Ferreira subdito de S.
M. F, cara a Baropa levando em so,a.j.
Monte Pi Portuguez.
A directora provisoria leva ao coobecimento
; tos Srs. associadus, que H nomead ampregado
I eUerno.do Monto.Po o s>cio Sr. Joao Feraaades
: da Silva O iveira; a ijoe p.r elle vai mandar pro
I eader a distribuigi dos diplomas e cobraba das
1 mensa!i(i!es relativas a semestre Bo4'> em de-
1 zeiiil.ro oassado, leodocada socio de dar a quan-
I ta de IfiOOii pelo resperiivu diploma, conforme
determina o j I' do ari. II dos astutos.
Secreijria dn Monte Po Parlaguex em Pernam-
buco *8 dJ JBro de 187.
Jos da Silva Loyo,
Presidenta.
Joaqaim Gerardo de Baos.
SjecMurton
ltett&ko.
com#MVMtfmtt**
Precisa ae de'ama ama de leiie sem Qlhi
I Cinco Pintas n. 101.
<**


'mm

HhMtf
Marte i yimakef *era lelra 4e fa.eiYe d 4*7.
-
Vllfl
\.
Publicado jurdica.
Prelecces da Direito Internacional e de
Diplomacia com applicaco e refertnciade
ttus principios as leis particulares, con-
vences, e aos tratados do Bratsil at 1866 j
pelo Dr. Antonio de Vascoficellos Mene- i
zes de Drummond, lente substituto da Fa-
coldade de Direito do Rcile etc 2 vol- in
8o brocb. por lOOOO pagos entrega do |
primeiro volcrae, que constituir a prjmei-
ra dessas obras.
A ultima deltas acompanliar um epilogo
das disposicoes da legislaclo patria, relati-
vas ao- direitos e deveres do estrangeiro no
Brasil, bera como aos do Brasileiro fora do
Imperio;
Assigna-senas lojas delivros das roas do-
Crespo n. 2 e 9; do Imperador n. i3 ; da
Cruzn. 52 na de encadernacao do cies de
21 de Novembro junto a typographia do
Jornal do Iiecife ; nos escriptorios das ty-
pographias do Diario de Vernambuco a ra se fazem n "c\
das Crtuesn. 44.. e do Coi'eio do Rcctfe a
ra do Imperador n. 79 e na loja da ra
da Imperatriz esquina da ra da Aurora n.
n. 2, loja de louea.
Depoisda publicaco da primeira obra
nao serao mais admiitidas assignatuias e
mbas ellas serao vendidas por maior prego.
J FERREIRA
Photographo da Augusta Casa Imperial do Brasil
N.2D ^ N.2D,
^P^ CORlClO HE OURO. ^fc
18, Ra do Cabug, i 8,
Sobrado, entrada pelo Pateo da
latriz.
Joaquim Jos Gon$alves
Beltr&ft
(A RA DO TftPICHE N. 17 Io ANDAR)
S'Jcca por todos os paquetes sobre o Baoco
4o Minho era Braga, e sobre os segointes luga-
res, em Porlug.il.
A saber:
Lisboa.
Porto.
Valetta. -
Gui maraes.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde. .
Arcos de Val de Vs.
Vianm do Castello.
Poate do Lima.
Villa Beal.
Villa-Nova de Famellcao.
Lamego. .
Lagos. .
Covilhia.
Precisa-se de urna ama de meia idade Dar
casa de pouea familia : oa ra da IVnlu n. 23 i*
andej. _________' ______________
JSa ra do Trapich n 16.
acham-se os seauintes deoositos
De |{. Bruniughaasem Naits.
Hourgogne.
Vinho Pommard tioto.
> CortoD tin '.o.
> Santo Georges tinto,
i Chambertin tinto.
* RIcbehourg tinto,
i Clos do Voogeottin o.
i- Chablis branco.
De A A.Woefein Francfort:
Rhono.
Geisenheimer.
Liebfraumilch.
Marcobrunuer.
A loja d. 3 O intitulada Coragao de Ouro na ra do Cabuga,achase d'ora em diante offerecen-
i do ao respeitavel publico com especlalldade as pessoas que honra m a moda os objectos do ultimo gos-
| to(a Pars) per megos 20 por eenio do qoe em outra qualquer parla, garantiodo*se a qualidade e a so-
I lidez da obras.
O respeitavel publico avahando o desejo que deve ter o proprietario de nm novo eslabelecimen-
! to que quer progresso era seu negocio deve ehegar irorr.ediatamente ao coracio tle ouro a comprar
Fm OTNin-MA das nhoton-nnliias desta cidade se fazem retratos mais perfeitOS aaeiscaij|eifeitos brilhantes, esmeraldas, rubios e perola; verdadeiras em agarras, modernas ek
cm nemrma aas pnoiOP'.ipuidb utsid uuub oe i do que OS que se eiecutain nesta officna pbotograpnica. i prm ^n, cahos de marflm e madreperola obra de moderno gosto (oque o eacoBtrarao do coragao de
" Pede-se a COnfronta^ao e analySd entre OS nossos trabamos e OS melhores que oaro) volus de ouro com a competente crusin&a ricamente eofeitada pelo pequenprego de 12,5, brin-
cos de um trabalho perfeito por uro uiodico prego, cassoleas, traoealins, pule-oira?, al&oetes para re-
pslihplpcimpnln tratos e outros modelos tudo do alto gosto, aoois proprios para bntar cabeilo e firma, dito para casa-
Nao ha photographia alguma desta cidade,, que como este^ esuMiecimenio meDt ar|KI} rSeU le(D 0 co^^o de Ouro um completo e bem variado sortimento de diversos
photographico possua um t5o vanado, escolbido e abundante SorttmeotO e cainnoas, tostog> bules pm punnos ,, diamante, rubins e esmeraldas, obra esta importante ja' pelo seu va-
quadros, molduras pretas e duradas e passe-par-touts. ior ja" por gostc ds desenlio, brincos a forma da delicada mosloha de moga com piogente contendo es-
Para serem COllocados OS retratos chamados carldes ie visita ha doze difieren- roeralda?. rubios, brbautes, perolas, o gosto sublime, alQnete para grvala no mesmo gosto, reto-
tes modelos de cartes mimosamente lithographados do^ado^m grW1 e em S*^^^ J
cartao porcelana, OS quaes sem alterac50 de prejOS, estao a esCOla das peSSOaS que Se trysta,% oaro >scoberta para retrato (a inglesa) brincos de franja, ditos a imperatriie toda e qoal-
retratarem. quer jola, para secol/ocar retratos e obras de cabello, e outros muitos objectos que os preteodentes eu
Continuadamente se recebe (la Europa remessas de tudo quinto diz respeito a contraro no Coracode Duro que se conserva com toda a amabilidade aos concorrentes deixando
u-.. .:j___________^.,1____i ...5. A..-UM a Ptn mat noln h-ionp feUm se de aqu mencionar preeos de oertos objectos poTque (desculpem a maneira de fallar) dizendo-se o
prego lalvez algoem faga mo juno da obra, por ser tao diminuta quanlia a vista do seu valor. .
Na mesma loja compra-se, troca-se ouro, prata e podras preciosas, e tambem recebe se concer-
t, por menos do que em ootra qualquer parte, e do-se obras a amostra com peonar, conservando-se
e Coragao de Ouro aborto al as 8 horas da noiie.
photographia, e ainda o mez passado peto vapor Guienne, e este mez pelo b-igue Belm
receberam-se de Franca quatro grandes caixes com orna bella variedade de artefactos
productos cbimicos e material para photographia.
No mesmo estabelecimento vendem-re:
Todos os productos cbimicos geralmente usados era photographia e garante-se
o estado de pureza dos mesmos; i
Machinas pbolographicas, cuvetas oe porcelana de diflerentes tamanhos e vi-
dros para tirarem-.se retratos;
Urna grande variedade de lindas e interessantes vistas transparentes para
stereoscopos, e stereoscopos de madeira envernisada com lentes prismticas que se ven-,ros
dem a i 20000 cada um com urna duzia de vistas transparente;*
Tambem vende-se por 5050 O nm apparelho compl to para fazerem-se peque-
as vistas ou retratos. Ao mesmo acompanham as explicaces precisas para seu uso.
Qualquer pessoa pode fazer vistas ou retratos com esse apparelho.
A officina e galera estSo abertas todos os das e a todas as horas.
Qualquer pessoa que se dirigir ao Coragao de Ouro nao se podera* engaar com a casa, po9
ola se ua sua frente um coragao pendurado pintado de araarello, alem de ontro que se nota em um
rotulo (isto se adverte em consecuencia de terem ja' algumas pessoas engaado com outra casa.
---------
Cercas e gradeamentos.de ferro para jardins, cercados para animaes, chiquei-
de todas as grossuras e mudaveis.
Porteiras de dilTeretites tamanhos para sitios, jardins, cercados, e-c.





Em casa de Tneod Christiansen.rua do Tria
piche-novo n. 16, nico agente no norte do Brasil
deBrandenburg frres, Bordeaux, encontra-sees
lectivamente deposito dos aitigos seguales:
.St.Julien.
St. Pierre
Larose.
Chateau Loville.
Chateau argaux.
Graod vin Chateau Lafilte (85S.
Chateau La6tte.
Haut Sauternes.
Chateau Sauternes.
Chateau Lataur Blaocb.
Chateau Yquera.
Cognac ora tres qualldades.
Azeita doce. Pregas de Bordeaux


Bom negocio
O dono da fabrir? a vapor de chocolate, ge lo,
marcineiria dse ja va arhar nm socio com um pe-
qiifU'i cajHiiil para dar u;ai>! fahdiis as grandes
eucommends que t con ierapparrga para ver e julgar dos lucros na
roa do Mendigo
Precisa se d'
para coziohar e
U
99.
lucros
duas amas idosas, seuoo tima
ou'ra p;ra servir em mandados :
ra das Cruzo u. 36, segundo andar.
Fogo do ar e de vislas preparado na muito con-
ceituada fabrica da viuva Bufino : trala-se no ar-
n>a/.tm da bola amarells, por baixo do sobrado n.
2 da roa do Imperador.
J:i!ius Spnnogel e Prederic Borg, sobdiUs
riamburguezes, retiram-se para Eiropa.
MARTIMOS
FAB1IC4
OR
0H\\E\TOS DE IGREJA DE
f. BliUIfl
Vcslimenteiro e bordador de Paria.
93 lili DO I PURA 1IOR 93

Defreote da igreja de S. Francisco.
Concurrencia impossivel
jusliGcada pela suppressao de Intermediarios, pela compra directa das materias primas,
engao dos trabalhos as i-fficmas da casa e pelo diminuto lucro com que se satisfaz.
Aimado pelos importantes negocios que faz com grande parle do mundo catbolico da Europa
resolveu o annunclante estabeleer Bines da casa ne Paris em diversos paites longmquos que
offerecem vantagens, e velo inaugurar o primeiro estabelecimento nesta cidade, sem Movida urna
das mais adiantadas e corrfmercian'.e da America do Sul, e que por isso mesmo necessita d'um
estabelecimento que nada deixe a desejar, quer em relagao s precisoes materiaes e quer intel-
lectuaes.
Os Srs. sacerdotes e demais pessoas, que se dignaren) visitar o estabelecimento, abi acharao
sempre urna grande variedade de todos os objectos para lareja e para o clero.
OBIVESABIA PABA GBEJA.
-
Novos modelos de custodias e de vasos sagrados.

ALFAIAS DA IDADE MEDIA, A' LUIZ !3\
Os pregos variam segundo o tamanho, o peso e a ftma.
TAPETARAS E ARMACES PARA IGREJA.

Fornece toda a qua'idade de armacoes, por pregos mdicos, vontade do freguez
sempre urna pessoa no estabelecimento para ir tomar as medidas necessarias para completa
fagao da encommenda.
NuVAS MBELLAS PRIVILEGIADAS.
Estas umbellas de molas, adoptadas p r S. S. Pi IX, tem por sua perfeigao, novidade
e riqueza a dupla vantagem de cobrir ioteiramente o Santisimo Sacramento e padre, sem diffl-
cnltar o andar.
E3CULPTURAS EM MARFIM E EM OSSO.
Imagens de Chrlstos, caldeirinhas, cruzes, quadres e todos os'objectos devotos.
Objectos em argila, simp'es e prateados.
Todas as informagSes serao ministradas gratis, acerca dos ornatos de igreja.
.fruceder-se-ha facilidade para os pagamentos.
Eis o cathalogo do quo tem a venda :
CONTRA FOGO.
A companhia loderanisadora, estabeleci-
da nesta praca, toma seguros maritimos so-
bre navios e seus carregameitos, e contra
fogo em edificios, mercadorias e mobilias:
na roa do Vigario n. 4, pavimento terreo.
E ser (i va
Na roa da Madre de Dos n. 38. precisa-se alo-
gar ama escrava para servloo interno : paga-se
bem.____________________________
vmezadoWt.
Ra das C'rnzes a. 3.
Os abalxo assignados, tendo comprado este esta-
belecimento, teem a honra de participar ao respei-
tavel publico, e com e?pcialidade aos amantes dos
bons pitaos, que t< dos as S3bbados a' no te encon-
trarlo exeellente mao de vacea, e diariamente p-
timo caf.
Nao se poupam os propietarios deste estabeleci-
mento a conservar o malor asse o e promptido
em todo o servieo, obrigado se a fornecer comida
para qualquer casa particular, a's oras marcadas,
e pelo prego mais commodo possivel.
Fiados na proteco da bella rapaziada, espera-
mos proredir, para mais Urde satisfaiermos es
domos prnjec:os.
Jos Proeopio de Sooza Mendonga k C.
t ti enea o
9
O a baixo asslgnado lendo comprado ao Exm. vis-
conde de Snassuna o sitio denominado Agoa Fra,
de Bberlbe de bailo, e tendo demarcado dito si-
tio sendo apprevada pela cmara moolciosl do
termo de O >ada a deinarcaco, de posse leaitima
nao contestada do referido sitio que pretende
dividir, convida a quem qaeira comprar algn
tanga eui>-oder-se om o mesmo abaixo as Igna-
do raa da Soiedade u. 34, ou no mesmo itie eom
c St. eogeabeiro Seite.
Pedro de Sonta Tenorio.
ICASLAS.
Dunas, de veludo, de crina e d
galo lustroso.
Ua damasco cem cruz de ooro e
Ada.
De de masco dobrado, cm diver
sos bordados em relevo na
cruz.
De tecido de prata ou de uro.
dem c.ni diversos boidados em
relevo na cruz,
dem idem multo ricas.
e veludo de seda com cruz de
ou.ro tino em relevo.
De Miamalote de seda bardado.
fisiliicas e da idade media.
A cor da casula nao influe ne
prego.
CAPA?.
De veludo estofada.
De damasco.
De tecido de prata e de uro.
dem com emblemas em relevo
e ricas franjas na murga.
De veludo de soda.
De tecido de prata.e de ouro Goo.
DALMTICAS.
O mesmo prego das casulas.
ESTOLAS PASrORAES.
De veludo estofado.
De dito de daas faces.
De damasco.
De dito de duas faces.
De tecido de prata ou de ouro.
dem dem, com emblemas em
relevo, franjas e bordados de
lorgal.
dem idem em relevo muito ri-
cas.
De tecido de ouro o de prata fioo.
De chamalote bordado de seda,
com duas faces.
VE'OS DE HOMBROS.
De tecido de Lyo.
9e dito dobrado, de ouro fioo.
De damasco, bordado em relevo.
dem ide.ro, muito rico.
' VE'OS l'AIA EXPOSigiO.
De tecido de Lyo.
De chamalote de prata com em-
blemas em relevo.
De dito dito, ii.uno unos.
VE'OS DE SAIRAR10S
Oe lodos os pregos.
I1ANDE1RAS.
Da Santa Iufanaia.
De confranas de Nossa Senhora.
Parociiiaes, qualquer que seja a
invocagao.
Goides com emblemas era relevo.
A cllegao varia de 35#O0O
3:000^000.
PALLI06.
cas guaira
Em velado estofado
postas e no forro.
De tecido de Lyo, com ou'o
De dito de prata e de aura lus-
troso.
De dito dito, com quatro emble-
mas bordados em relevo.
Muito ricos, iateiramente bor-
dados em relevo com ouro Abo.
PANNOS MORTARIOS.
De la.
De veludo loglez areto verda-
diro ,
e d masca sobrado de brocado.1650
Estes pannos tem d< us metras tic 812
Corporaes de cambraia Moa.
Toalhas para comraunbao e
res
Guaroigoes de rendas para alvas.
Ditas para toalhas de altar, aos
metros..
Toda a qualidade da rou rantida e perfeitameule exteu-
lada.
DIVERSOS OBJECTOS.
Bolsas para tirar esmul,?.
Cordoes finos para alvas.
i para meninos da coro.
Vollas, as luzas.
Cintos e cinturdes.
Sacras de altar, era cartao.
Ditas em quadros.
Marcas para mi>ae, coa
persas, em chamala'e.
Flores artificiaes, e ramo,
fislfos e todos os demais ebjec- (
tos d re*.
BRONZES DE IGREJA.
Castigaes para altares, prateados,
de novos modelos :
325 milmetros (12
379
433
487
,541
<



i *
(46
(18
SO
2
30
Calcado,
Sarlimciito ma^ailico.
Pelos ps costumarn penetrar no corpo a raalo-
ria das molestia?.
Resguarda i-os diripindo-vos
45.Ra arfreia43.
Borseguins qua^i Millf kaiarro__ 850O
c Inglezes quehra tucos..... 6430O
t hespaohoes lustre......... 54000
brasilelros bewrro........ 6000
para sanhoras enfeittdos
no tom...;___..........
< para enhoras............
t < ..............
t pteio- de..
mirin..................
Sapatos iuglezes patenta........... 5*0rO
< americanos............. 4JUt>
francezes de salto para se*
nhoras................... 3*200
Borseguins para menina" 'fufeita-
dose................. 3*800
Sapatos aveludados para bomens 6
senhoras................ 1*500
Borsegoios com lagos para meninas. 3*500
Sapatos de trangas superiores...... 4*600
Botinas francezas para meninas..... 1*5.0
Cbioeloesdo Porta e um perfeito sortimento, de
sola, coures, marroqoim, bezerro francei, vaqueta
a couro de lustro ; como ninsuem ter*' no mer-
cado.
5*000
4*S00
4*500
4*000
Anuvmcio
O Dr. Carolino Francisco de Lima San- K
tos, mudciu se para a ra do Imperador |
mt D- 73, segundo andar, onde onliooa uo \
jJJ exerdeio de sua profissu de medico. 91
****** *+m*K*m
Fundido da Aurora
A mais antiga desla provincia e com todas as
perfeigdes em seos macbinismos, oOerece a seus
numerosos fregoezes por razoaveis pregos snas
manufacturas, bem como qoe tem um bom pessoa)
para com rapidez fazer qualquer concert ou ebra
nova. ~___________________________
Aluga-se urna preta esciara que seja Gel
para oservigode urna casa de familia, e qoe sai-
la vender na ra : quem ver annuocie ou dir-
jase a ra da Concordia u. 3.
Da se bolos de vendgem
na ra Imperial n. 37.
a tustao a pataca
Casa no Hodtetro .
Aluga-se urna casa na povoago do Mouteirc-
com bons commodos, aceiada e banbos nos fun-
dos : a tratar na ra do.Crespn. 23.
Aloga-se o 2o e 3 andar da casa n. 2 daTua
estreita do Rosario, confronte a officina do Sr. Ozo-
no : a ira t r oa ra do Queimado n. 1.
Precisa-se do um caixeiro para a taberna da
ponte do Monteiro, de 12 a 18 annos, com pralica:
quem pretender dirija-se a mesma,
Na ra do Apollo n. 4 deseja-se saber noti-
cias dos Srs.: Francisco do Reg Lima, natural da
ilba de S. Miguel e Joaquim da Silva Migeos, na-
tural da Figueira ; o que se gratiGcara.
A os senhores padeiros
E' geralmeole conbecida a utilidade no empre-
go das machinas, que tem por fim aperfeigoar o
trabalho com a economa de bragos. este caso,
pois, eslo as machinas para cortar bolacha, cuja
tilidade ja eonhecida de alguns -padeiros que
ellas fazem uzo por meio de manivella, obiendo
o resultado mais satisfactorio e perfeito.
Na padaria da ra Direita n. 84, ha sempre de-
posito deslas machinas com conadeiras para lodos
os tananhos do bolachas aqui oradas, e tambem
para araruias, e que por viren em direciura e de
propria conta dos Estados Unidos, se vendem por
prego muito barato, com o tim de se inlroduzir tao
reconhecido melhoramenlo.
mmu
0 abaixo assignado compra toda e qoalquer
quaotidade de aigodSo era carogo e assucar; os iof
teres ados dinjarase ao povoado de Trombelas
ao largo da feira na fibrica vapor.
Albuquerque Silva.
D-se 2:000* a juros sobre hypoiheca em
predios : quem pretender dirija-se a praga da
Boa Vista n. 15. taberna para tratar.
Pzicisa-sealugar um moleque de 12 a 15 annos
p?ra servigo de criado, que seja tel e intelligen-
te ; o servigo prtuco: quem o tiver dirija se a
ra Nuva d. 19 Io amlar.
Precisase u urna ama que ci mpre e d zi-
nhe para urna casa de pouca familia : ua ra Nu-
va de Santa Rila n. 33.
k
pollegadas).
)
Guardas pan arvores, plantas e outros objectos da ferro que se vendem por
preco mdico, o armazem de Tasso Irmaos na praga do Caes de Apollo ao p'da ponte
provisoria.
ROUPAS DE IGREJA.
Alvas de panno de linbo lino.
i de cambraia fina.
de panno de linho, para
meninos do coro.
c goaroecidas de rendas finas,
a de falo, de rices de-
senhos.
Roquetes em p.-.nno de linbo sem
mangas.
i com ditas.
Amictos.
Toalhas e saoguinhos.
largura etrs de comprimes. Cruzes de altar, correspondentes
aos castigaes, o par.
Tbnribulos e navetas prateadas.
Caldeirinhas com hysoppe dem.
Cnsiodias ditas e douradas.
Lustres ditos e correles fortes
para ot mesmos.
Cruzes para procissao, com ralos
ditas. !
Varas, alabardas para snissos e
cadas para porteiras.
Estes objectos todos sao em co-
bre e nao em materiaes da
composigio.
- Aluga ae ama casa na ilba do Retiro,
tem da Magdalena; a tratar ao largo do
Santo n. 19, eicrlptorio.
Passai
Corpo
Aviso esseucial para evitar qualquer erro ou mf.
Os Srs. compradores lo devem ignorar que o ouro uSo pode ser fiado nem
tecido, e que por conseguinte os gales dos ornamentos chamados de ouro fino sao de
prata doorarfa, o de odb meio fino s3ot de metal dourado eos de ouro falso sao de
cobre doorado, e como tal confundir os ttulos que se Ihes deu sempre. que s5o mera-
mente commerciaes.
Os ornamentos que o annunciante tem venda sao o de gales de ouro meto
finos, falsos ou de seda, s mandando vir os de ouro fino por encommenda; e nenhum
objecto sabe de seu estabelecimento sem ser acompaohado dSiaia factura per elle firma-
da, especificando a qualidade do objecto, para poupar-se explicaces sempre incon-
venientes ao depois de realisada a venda.
Superiores cassas francezas muito linas de cores fixas, matisadas e mludinhas-a '
320 rs. o ro'-'idu : na loja das columnas ra do Crespo n. 13, de Antonio Crrela da
Vasconcelos & C. t
mm HOTEL CENTRAL
RIJA L4R&4 O KO.SAKI RA ESTREITA 1)0 ROSARIO
N. 37 N.4 A
ENTRADA PARTICULAR
Alujja se orna casa tenea ua ra do Mondego n.
22, c m soto,-4 salas, 2 qusitos, cozmha fra. ca-
cimba, com quintal murado : quem pretender alu-
gar, procure o dono na ra das Cruzes o. 36, 1
andar.
Xarope e pasa de Seiva
DO
Piahflro niarlliuo
E. i..i-:..sc
PreparagSesmui preconis^da* pelos sabios mdi-
cos de Paris, cora as melbores al lio|e discoberlas
para a cura cei la de lodas as moettia* da pello,
broochites agudos e enrmeos, aslhma e anda das
affecgoea das vias urinaria?.
DEPOSITO ESPECIA!.
31Ra larja d Rosario3i
Pkarmacla de isariiioioint-u & c.
>aabbbsi wii i
Cavallo fgido
Fugio da mao do portador um cavallo grande,
castanho loveiro, com as etioas e topete cortados
Ci m c.nlha,e ji pira as bandas rio Chora-me-
nino-: os apprehendsdores podem leva-lo ao sitio
Craveiro, em Beberibe de baixo, que serio grali-
licados.
Saques
ENTRADA GERAL
PROPRIETARIO.
FRANCISCO GARRIDO.
:---
_---------
M*8^o5&
Ka ra da Cdeia do Becife a. SO, pracina u de
urna ama para cosinhar.
Agua mineral
frraflM, aeidalada, 9aioia e earbesiea
K
ORBZZt.
O uso d'iaai 4e Orena e moi nariieolarmenie
reeomroendado pela escola de medicina de Paris,
para toda as anVccdes do tno digestivo, isgorgiu-
meato das vicera abdominie*, e geralmente todas
as molestias provenanlas da fraqtieza orfaotea, ou
pobreza de saogoe.
postro MPflCiAt
31Ra liria di RmriaU
PkarMacla de B*rtflamea A C.
i Methodo Caatllhm.
- Manoel Jos de Parta Sioes, piofessor part-
colar de iostruegao elementa'- pelo methodo Cas-
lilho, avi^a aos pas de seus alumnos a ao respei-
tavel publico que ne dia 7 d Janeiro do correte
anno, estar sua aula aberta na roa da Prala a.
59, segando andar, as,im coso recebe pencloni-
tas e meios pendonistas, per pfeeo ratoavel. Na
dita aula tambem se ensinam as materias sigui-
les : francs, latn, geograpriil-e t>itca.
Da se dioheiro""juros: na roa da Concor
da n. 5.
Precisa-se a lugar uva sata a da qoe seja
cam pou*o commodW para uto bjoco seUek: oe*
frerpv* alogar dirija-se a tsta iipgrjgMa.
Ha qnartose salas
Preparad) com asseio.
Para aquellea que vierem
A Veoeta de passsle.
Tem commodos excelentes
Para solteiros e casados,
A' todos se prodlgalisari
Os mais sinceros cuidados.
Eocootra-se para lunch
Fiambre a qoalquer bera,
Tambem recebe assigaanies
Oe corada para fra.
!
1


______
Saques sobre Lisboa
veira Puos or C sacam sobre Lisboa
largo de Corpo Santo n. 19, escriptoxio.
no
Criada
Preeisa.se de um criado :
n. 12, I* andar.
na ra do Queimado
Ats*te orna casa
com J. de M. Ji>g<>, ra 4o Trapiche p.
eo Beberibe : a Iratar
Trocam-se
as notas das cairas Alises do banco do Brasil
praca da Independencia n. SI
na
Precisa-se de urna ama de leite do
Mondego en) casa da Sr.* riova Luir Gomes
Fereira ou a Ponte de C/choa casa -de
L'jz de Moraes 6*mes Ferrera.
Jo do Reg Lima saca sobre Li&oa e Ilba de
S. Miguela ra do Apolla a. 4.
Maximino da Silva Gosmo, eompra, vende
e troca escravos, de ambos os sexos : na ra do
padre Pioriano n. 71. segundo andar.
Agencia de passaportes e portaras.
Claudioo do Rrge Lima, despachante pela repar-
tigao da poticia, tira pissapories e portaras para
dentro e fra flo imuerio, por commodo prego e
preste : ua ra da Praia l* andar n. 47.
Precisa te de cma ama paia casa de pouca
familia oara eosinbar e eegoanaar : ni ra de
Aguas Verdes o. 26.
mmmm mxmmmm mmmm
Gompanhia delidade de seguros 2
maritimos e terrestres
stabelecida so Rio de Jaueiro.
AOBNTKS III paSNAilUCO
Antonia Lsii dr Olireira Aiereda k C,
"" corapeientementc antorisados peladrec- J
^ torta da companhia de seguros Pfelida- Bf
m de,tomam seguros de navios, mercado- MU
fras e predios uj sen escriptorie roa da g
Gru a. i. E?
Sanael Power Johnston 4 Coapsuhia
Rnada SeozaiaNova n. 4t.
AGBNCIA DA
FtindlcSo de Lotr Moer.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos,
Moendas e meias moendaa para engenho.
Taixas de ferro coado e batido para eav.
abo,
Arreios de carro para om e don8 cavilloiv
Relogios de Ouro patente ingle*."
Arados americanos.
achina pira dwcarocar algodio.
Hotores para hos.
Machinas de costura.



. 'W

i
i
Diarlo de Pero, ai buco ffer^a fetra 9 de landre de 1&7.

*"'

v^OL0M^


PARA UZO INTERNO:
PREPARADOS SIMPLES, PBEPARADOS COMPOSTOS.
Xaropo de jurubeba Vinho jurubeba ferrugionoso.
Vinho de Xarope >
Pilulas de Pilulas
.Tintura de >
Extracto hiydralcoolico de jurubeba.
PARA UZO EXTERNO
Oleo de jurubeba
Pomada de t
Emplastro >
A .11 SU Zk!J{\.
Esta planta hoje reconbecida como o raais poderoso tnico, como nm excel-
ente desobstruente, e como tal applicadi nos engorgitamentos do figado e baco, as
bipatrtes propriamente ditas, ou ainda complicadas com annzarchas. as ioflammac5es
subsequentes as febres imermitenles ou durezas, nos abcessos interdos, dos tumores es-
pecialmente do tero e abdomen, nos tumores glandulosos, na anazarcha, as hydrope-
zias, erysipellas ; e associada a? preparacoes ferruginosas ainda de grandes vaotagem
aas aoemias, chloroses, faltas de menslruciio, leucorrneias, desarranjos atnicos do es-
tomago, debilidade orgnicas, e pobreza de sangue etc.
O que dizemos affirmam os mnisvdUtnctos mdicos desta cidade, entre os quaes
podemos cita- os ll'.ms. Srs, Drs. Silva Ramos, Aquino Fonseca, Sarment. Seve, Pereira
do Carmo, Firmo Xavier, Silva etc. etc. Todos elles reconh cem aexcellencia d'estepo-
O nliixo as ijn-.do, medico clinieo ha trese
aoaos nao t oa provincia da Bahia, mas tambera
nesia e na do Amazonas, e que iprescntoa seo di-
ploma a'inspectora delude publica dasta capiia
do 1 de margo da 1892, uro-a honra de oflerecer
os servieos de soa arcl^o ao- qoe por ventara
! rivermri'ella preeisaiv: senJo a tabella dos heno
qaros remunerativos de seu iraballio a segrale, al
qu I despida inteiranente de carcter iraponeatei
nao deixara de s vezes srvir de norte acs que se,
eueiram dirigir ao annunciante.
TABtL'.A
Ra Direlta i. 88. lereeiro andar.
Visitas de da, dentro da capital, cada ama 20X).
dem a noite, dem idm 4fi000.
dem de d*a, lora da capital, por caea legua em
carro oo via-ferrea SAOO.
dem de ooite, dem Me) I0J0OO.
dem de da a cavallo, 104000.
dem a' noite, idem 204000.
Coosultas verb?es, cada urna 1*000.
dem por escripia 6*JdW0.
Conferencias detro da eapital, da orna SAOiO.
dem fra sera' na razSo das lego?, como cima,
dem de doentes entregues a seos cuidado.
gratis.
Atiesta o 34000.
dem de iloentes sob seas cuidado--, gratis.
5n'a a' cabeceira do doeote, por cada da inteiro
204000,
dem idem dem a' no te, 404000.
Partos e opera5699,-aera' segando soa natureza e
- categora.
Sangras e ventosas em doentes sob seus cuidados.
gratis.
Consaltas, visitas etc. aos pobres dem.
A condcelo para os chamados de fra Acara' a
cargo dos doentes, eo annaociante incumbir >e ha
de levar comsigo algaos medicamentos, e bera as-
sim sangoesogas etc,. para evitar demoras em co-
mecar o tratamento, deraoras*sempre multo preiu-
diciaes as molestias agudas.
Os corativos sero (ellos allopaihica cu horneo-
pathlcamente, segando a maior somma de proba-
bilidades para bom resultado, offerecidas por
aquella ou esta dootrlna.
______~_____Dr. Francisco de Paula Soares.
Alugam-se
duas casas terreas, sitas na Capunga, ra da Ven-
tora, ]anto ao porto da viova Lasgerre, de ns. 3 e
M, teodo cada urna cozinha fora, cacimba, estriba-
ra e quintal morado : a tratar na roa do Trapiche
n. 3. K
fiKA HA PllRTHMA Reqaifesou babadiolios decambriia.
VH*M1 UH UnlUIIM. A aguia branca acaba d* receber um bello sor-
Arafl fi'OOOiVWi UmeHo de nqulfes ou babadlohosde cambraia eo-
ca.W3 U.uuveuw! feados de braoco a de core?, e mu proprios para
Bl I he tes garantidos.- rv vestidos de seuhoras e meninas, e mesmo outras
A'RA DO CRESPO N. 83 ECASAS DOCOSTUME obm a Ia6 M St,noras 8 applicam com aceno e
Oabaixoassig'nadoveodeu nos seo* mulo fcli- ~os,' M lM,cH*i,s fS de 5 raelro? o vendem se a
es bilbetes garantidos da lotera que i'e aeabou !388 3* p-*>]* "0>a > na taja d'lgoia branca roa
de eitrahir a beneticio da; /amibas dos volonlvr'o- d0 QueiIado o. 8.
m oa f ?e*,iales premios: Albuns para retratos.
* *;* dus quartps cotn a sorle de 6:000. ., A aguia braoca recebeu novo sortimento de bo-
k oit WTWS cora a sorte da 1:2004. nitos albuns para reimos e continua a vende-toi
. jJ7 ara quarto cora a sorte de S00*. Mmo seujpre por preeos eomraodos ; comrHrec*m
^ outras muitas sorles de 1000, 404 e 204. ,,ois 8 Prndenles a roa do Queimado loja da
us possuidores podem vlr rebeber seus rcspec- anla branca n. I.
!X?!,.,!?."???ie,0!,,0SAM leis na S Novos enfeites para vestidos.
A aguia branca a ra do Qoeimado receben oo-
deroso medicamento sobre os demais at hoje conhecidos para todos os casos citados
tanto que todos os das fazem rt'elle applicacjio.
Apresentando aos mdicos e ao publico em geral diversos preparados da juru-
beba, tivem<>s por fim generalisar mais o uso d'este vegetal, fazendo desapparecer a
repugnancia que at hoje senliam os doentes deusar dos preparados empricos d'elle, o
maisdas vezes repugnantes a tragarem-se, e que tinham ainda a desva .tagem de nao ser
cairelada a dose conveninnte a applicar-se, o que torna militas vezes improficuo um me-
dicamento, quepodena produzir ptimos resultados.
Os nossos prepados s fonm apresentados depok de havermos convenientemente
estudadoa jurubeba, fazendo as experiencias precisas p i a bem conhecer as proprifda-
des medicamentosas d'esta planta em "as raizes. folhas frutas ou bagas, e a dose con-
veniente a app'icafo,tendoalm d'isto procurado levaros nossos preparados ao maior
grao ds perfeicao possivel, para o que nao poupamos esforcos, nio nos importando o
pouco lucro que possames tirar
Por tanto os que se dignarem recorrer aes nossos preparados podem ter a certeza
de que elles offerecem a garanta, de que se pode encontrar a prompta einfalhvel cura]
de qualquer dos soffrimentos, que deixamos innumerados, se forem em tempo applicados,
tendo alm d'iss>, medico ou dnente a vantagem de escolher as nossas variadas prepa-
res, aquella que melh r Ihe pode convir, j pela fcil applicaco, e ji pela complicacao
das molestias, idide, sexo, ou ainda natureza de cada individuo.
As nossas preparacoes ferruginosas sao feitas de forma que se tornara comple-
ment solaveis nos suecos gstricos, porqac procuramos os compostos de ferro que como
taes eso hoje reconbecidos.
Para aquell.s que mais minuciosamente queiram conbecer as propriedades da
urubeba, esaberem a applicacode nossos prep irados, destribuimos gratuitamente em
nosso deposito um folheto, onde tratamos mais extensamente d'esta planta e dos mes-
mos preparados,
Deposito geral Botica e drogara
3iRa larga do Rozario3i
Ka. Pontoal Jnior, agenta de leilSes desta
praca, offerece ao, respeltavel publico os seus ser-
vicos no deseropenho de sea cargo, podeodo para
isto ser procurado a ra das Cruzes nrimeirn n.
dar n. 30 e a ra do Cabog n. 8
primelro an<
da Fortuna a" ra do Crespo n. 53.
l.i k"sV ,enda os di 4" P,rte da l* la^r'
\V) a beneficio da eolonisaco polaca, qae se ex-
trahira quartafeira 30 do corrate.
Prec.
B,1hetes........ 64000
r, He.os............ 34000
Qoartos.......... 14500
Para ai pasaos 4oe eomprarem de i OO^dOO
para cima.
Bilbetes.......... 54300
"eios............ 24750
Qaartos.......... 14375
S......... Maooel Marlins Finia.
> m Rntaa
u ur. Alejandre de Souza Pereira do m
Larmo mndou a sua resideocia para o { ~
m ,Ddardo sobrado n. l da roa d> Imp- Ggg
rairlz e continua a exercer a sua profis- 5
sao de medico. K
, T. I'''ecisafe 'ugar ara escravo preferindo-se
que saiba cosiohar e para o mais servico de casa
gundo Md.r? >faUr "a raa d0 TraPicto n- 44> 'e-
Precisa sede um escravo~p-a veDder~a'ro
raiendas e miodezas : a traur na ra do Ltvrz-
menlo n. 19.


PREPR4DA A FRO
TRILHOS UKBANOS
DO
RECIPE A APIPUCOS.
Para evitar os repetidos abus s que se lera dado
no pagamento das passsgens e regular quapto lor
possivel o servigo dos treos faz se publico- para
cooherimento dos pasageiros.:
Io Qie expressamente prohibida a aglomera-
gao de passageiros as plataformas dos wagons as-
sim como a pa-sagem por tima das coberUs de
om para outro wagoD.
2 Que igualneu prohibido a entrada de
passageiros ous wagoos sera qoe estejam munidos
de bilbetes e os pas.-ageiros qu? nio se acharcm
ti stas coodicoes.serao obngrtos a sabir para dar
IU2r aos que os tiverem.
3 iN'o sera' admittido maior numero de passa-
geiros do que o* da Uacaj ,- nem serV permitti-
do o ingresso aos que qoiterem sabir depols de
chems os wagoos, assiin como nao se podera'
subir depoisque ver partido o trem ainda-qae
va vagarosamente, o que 6 indispensavel para
prevenir sinistros que se nao podem deixar de
dar se nao fr atteodida esta justa recommeoda
cao e pelos quaes a empreza nao pode responder
4" (un naestagao do Caldeireiro e no escrlpto-
rio provisorio da ra Formssa, eslaro expastos *
vendaos bilheiesdesde as5 horas d'manii ate
apartida do oltimo trem e-das 2 horas da tarde
em diante, e somante se veodero os bilhetes cor-
respondentes aos passageiros quepossaraconduzir
os trens.
5 Qoe a psrtir de quirta-feira 23 do correnle
havero alm dos treos commuos mais doos ex-
traordmari s a' tarde, at ao dia 3 de fevereiro
seodo as partidas regulada* pela seprate tabella-
DO REC1.-E PARA CALDEIKEIH.
Joao Qoirino de Afrailar & C. faiem publico qoe
se leudo desencaminhado ^ma carta vinda de Ma-
ceid contendo tres letras aceitas pelo Sr. Aatooio
iSunSES SllV* Bra,?a' na "0 total de
iu;/3t*.o, a vencerem-se em 3, 7 e Jl de iooho
docorreoteanno.asqnaesacham.se de pendura
elleilo porterera sido substituidas por outras.
Ama de lele "
Precisase de urna ama de le le que seja sadia.
a qual paga-se bem : a tratar na ra Nova n. 3
ou na Torre, casa de Libanio Candido Rioeiro.
Frocisa-se de ama ama para casa de pouca fa-
milia que cosinhe e engomara, prefere-fe captiva ;
a tratar na roa da Iraperatriz o. 26, segundo an-
dar, das 6 as 8 da raannan a das 5 as 7 da noite.
Precisa-se de ama ama forra ou captiva para
o servlco ioteroo de urna casa de familia : a tra-
tar na raa do Rosario da Boa-Vis/a n. 23.
Jos Peixoto de AbrerfeLma faTscienttTao
respeltave publico que nao deve a pessoa algarna
e se ra o preseote aonuncio porque perdeu dous
papis somente com assigoalura de Jos Peixoio
de Lima.
Participamos qae a casa commercial que exista
oesta praca-sobre a firma de Simpson & C. foi
dissclvida 00 dia 31 de dezembroproximo passa-
do, retirando se os socios D. C Simpson e C. C
Simpson, ficaodo a liquidago da mesma casa a
cargo da nova Hrraa de Simpson -Brood A C.
Ama.
Precisa-se de urna ama que saiba coziohar, para
casa de hornera solteiro : na ra da Cadea do Re-
cite n .",.(.



POR
AUOUST'J AORS
Pliarmiceutico pela escola i!e Pars e successor nesla cidade

DE
Aristide Saisset e J. Souin
22.-----I&M2 da Cruz------2.



Tratamento puramente vegetal sem mercurio, iodo, ourq, nem outro qualquer
mineral.
-Verdadeiro puriQcador do sangue sem azougue. 9r
Especial para a cura de todas as molestias que tfcm sea oriem na impreza do
sangue, como sjam as molesiias btubalacaa, syphilHicas, escropbulosas, darthrosas, quer
venham ellas por neredituiedade, quer sejam adqueiidas pele comacto com pessoas in-
fecc aadas dos diversos virus que eonlaoxinam o sangue e os hurtorcg.
A caroba um remedio prodigioso, usado desde remotas eras pelos indios
do Brasil, e pasando seu uso de geraco em geracjio, hoje um dos remedios mais co-
nhecidos como propno para rombater as molestias nais hediondos, entrando nesse nume-
ro a morplia ou elephantiases, p ra cujo curativo os nossos sertaoejos consideram a
caroba como remedio especfico.
A muito ttmpo entrn a caroba nos formularios coxi preparado magistral
so'j a forma de ehicluario, aiuda hoje le librado as pharmaco'pas com o norae de seu
celebre autor J o Al ves Ganieiro: niio ella portanto remedio novo nem desconhecido.
O ungento de caroba da mesma sorie preconisadq desde tempos immemo-
riaes como o mais apropriado para o curativo das boubas e ulceras syphifiticas srdidas,
e oprgado com proveito depois de mproficua applicaco de muitos oulros agentes
tberapeuticos enrgicos e de uso quotidiaoo.
Muitoi dos nossos mdicos de coasideracSo e entre elles o muito distincto pratico
e observador o.Sr. Dr. Pednijd'AtiaydeLobo Moscoso, tem confirmado por meio de ex-
peniejcias repetidas, o que diz a fama das benecas propriedades da caroba no trat-
meat das boubas, das diversas formas sob que a sypbilis se apnweota e muito especial-
mente as que teem sua sede na pelle, e poderiamos relatar algn s casos de data muito
moderna obsrvados pelo mesmo Sr. Dr. Moscozo em que a caroba produzio admiraveis
eleitos. depois d iouteis e prolongadas applicacoes de sabaparrilha, mecurio, iodo, ou-
ro e eu* preparados, etc., etc.
Nao era possivel que urna planta lo nolavel por suas inappreciaveis virtudes es-
capaste a perspicacia e investigares dos maii abalisados praticos europeos, qoe se ap-
plieatB eoa espeeialldade ao esiudo e tratamento das molestias syphiliticas e berpeiicas
e para prow ah esio es Srs. Drs. Casanova, Schurfer, Ricord c oulros dando as mai*
iisongeiras nfurmaces sobre as propriedades curativas da cjroba e pteconisando-a como
remedio poderoaissimo para o tratamento darihros de todas a qualidade, ec ema, ulceras de diverras naturezas, tumores, osseos
b outras muitas molestias de natureza syphi itica ou boubtica.
Por ter-se generalisado muito o uso da esseoeia da caraba que eu pre-
pare e pelas instancias 8e varios mdicos que desejam continuar em suas observagoes,
deliberei-me a ter promp.a urna, qoantidade di mesma essencia, obtida sem a acgao do
foj{0,_ para n5o prejudiear as propriedades medicamentosas; e d'ora em dianle encon-
trar-seba na miaba pliarmacia sempre e em porcSo sufctente para todos os pedidos a
ESSBN -IA CONCENTRADA De CAROBA, e o ungenta da mesma penla para que nun-
ca tallera a. > Srs. mdicos quequizarem e.peri.neniar tSo precie so agente medicinal.
Recite de Pdrnambuco, 17 dooutubro de 1860..
kVGVHF. GaOPS.
Ra da Cruz a. 12,
De manhi. Oe larde.
5 h. 30 m. 3 h. 30 -m.
7 13 , 8 00
8 45 1 S > 15 .
0 45
7 13 >
DO C&LDEIRBIRO PARA 0 HEC'FE
l)e nimlia. De tarde.
'' ii. 3 1 ni. 4 h. la m.
8 / 00 45
9 30 f. 00
':>:.*,
10 00
Ama,
Precisa-sejie urna ama : na ra Nova n. 5.
Precisa-se de urna ama para cozmhar
do Qoeimado n. 28, 1 andar.

na roa
AM
. J i,io GuMhermtWluiner, participa ao respei-
tavtl publico que mudousua offlcioa de ferrador e
plotor da ra da ponie Velha para o caes de-Ca-
nhbarihe o. 18 e continua a trabalhar na ua mes-
ma pruiisso.
Mota de Banco do Brasil.
Troam-sa na ra do Corredor do Bisao ultima
oasa do uartelro novo cm periao re grade de
Ierro.
Oaixcirf

Prectan se de. Ura peqaeao para caixelro arefg-
r.ido-s, ti nltiBos hrgados de dada de l a
14 anios j_na traversa da Madre de Deoa a
...na .'
Alaga se Rma casa eora tres partos, dais ala*
cosmha (ora, qoiotal murado e cacimba na Sole-
ade, no (im da roa da Conquista, confronte as
mangueiras : a tratar na rna da Cadeia do Recife
n. eu na raa da Esperanza r. 85.
Precisa-^ de orna ama.para lavar e encomt
na roa do Trapicha o 36, 2" aodar.
O professor pabl.co de latim da freguezij de
5. Jos desta cidade, abaixo asslgnado, fai cente
ao publico qoe se acha abena a matricula de ua
aula e que o exercicio di iiiesraa lera' eomeco no
da 4 de fevereiro prximo vindouro: queiu se
quizer matricular dinja-se ao sobrado sito no lar-
go da Ribeira n. 5.
_______Mauoel Francisco Coelho.
Precisase J ama ani pira "
casa de poucs fimilia : a tratar iu
bato o. 3,: obrado.
coMalnr pira
ueeco do Lo-
OSIPBK
vos enfeites para ves ido* ooiando-e entre elles
as cascarrilhas com bico, obra nova e de gasto.
Bonitos chapeosiohos modernos e primoro-
samente enfeitados para senlioras.
A foja de miudezas a ra do Qoeimado n. 16,
: recebeu pelo oltimo vapor esses booitos chapeosi-
ohos obra de muito gosto o elegancia e bm ne-
essarics para as senboras qae tem de dar alguro
passeio as eitradas de ferro, assistir as testas nos
aprasiveis arrabaldes, faier visita ele!, etc. A
Muanttdade pequea e o prego commodo por isso
oem nao se adiaour arriscado a nao aeha-los
ma-a em dita loja de miudezas a roa do Queiraa-
do n 16.
Carteiras de algibeiracom tesoura. pente e
mais necessarios para viagem.
Veodem-se na loja de miodezas a raa do Qaei
mado o. 16.
t Coqnes fiaginiio cabello. .
Lisos e crespos, singelos e compostos, de gomr-gi
eanodos e redondos, cobertos com iet simples e
de vidrinhos, ornados com flores e fitas, obra nov
e de gosto.
Para seoharas e cnioas.
Leqoes Anos de madreperola e osso, todo de sn-
dalo e de sndalo com seda, com floos e bonitos
desenhos."
Obras de madreperola.
Bonitos pentes de madreperola mai alvo par
coques, lindas Ovellas de dita dito para cintos, de-
licados alflnetas e brincos, botes para punhos,o-
bra prima.
Aderejos, pentes e flvellas igaaes de dita, *
brincos. Fivellas e flus para cintos, cintos raati-
sados.obra nevhssima e de gosto.
Liados enfeites a BonoUoai para
senlioras
A agnia branca tem a satisfagao de noticiar a
sua boa fregoezia qoe acaba de receber lindos en-
feites Bonoiton obras delicadas, de conta e ulti-
ma moda, o qoe ser devldameote apreciado pelas
eacellentlssimas senboras de bom gosto. Os pro-
cos destes enfeites sao commodos e isso verificar
quem se dirigir a rna do Qoeimado loja da agola
branca n. 8.
Ramos de flores finas.
Como geralmente sabido, a loja da agoia bran-
ca o jardim das floas flores arliflciaes, e alm do
bom sortlmeoto qae sempre se acha em dita loja a
agaia acaba de receber novas flores as quaes se
ronbeee o rigor d'arte imitando as flores natoraes.
Na loja da agoia branca a roa do Qoeimado n. 8
acharo os apreciadores do bom e delicado caixode
flores com compridas ramas, rosas, etc., todo do
raelbor gosto e primeira qaalidade.
Meias prelas para padres.
A aguia branca a' iaa do Queiraado n. 8 rece-
beu novo sortimento daqnellas boas meias pretas
de laia qne continuam a ser veodidas a 5000 o
par.
Visporas c dminos.
A agoia branca a' roa do Qoeimado n. 8 rece-
ben novo sortimento de visporas em.caixas de ma-
d'-ira e papelo com 24 e 36 cands, tendo entre
elles alguns com chapa de metal para cobrlr o nu-
mero ; assim como dminos em caitas de madeira
tirano e envernisada.
Rap Paulo Cordeiro.
A loja de miodezas a' roa do Queimado n. 16,
receben nova remessa de rap Paulo Cordeiro, e
continua a recebe-lo por todos os vapores, para
que os apreciadores aehem sempre boa pitada.
Botto grandes
e pequeos, pret s e de. oulras cores.
A aguia branca recebeu um bello sortimeuto de
hotSes de diversas qoalidades e gosto os mais
modernos, a elles boa fregoezia da agoia branca,
comparecam a ra do Queimado n. 8.
Metos aderegos apurados
Na loja de miodezas a ra do Queimado n. 16,
veodem-se bonitos melos aderecos dourado tino
obras mni bem acabadas e de novissimos moldes
go*los agradaveis e precos to commodos qae ne-
nh-im comprador objectara.
Amostras de obras douradas
A agola branca a raa do Qoeimadj n, 8, rece-
beu urna pequen quartidade de melos aderecos
dourado?, obras de moldes inleiramente novos e
an'adaveis, e acabado* com perfeicj e mesmo as-
sim a aguia qoer veode-las baratamente para aca-
balas al o Din desta semana, por isso os pretn-
danles comjarec, m muoidos de dinheiro.
. WV4L SU SEGUNDO
Roa do Queimado n. 4, leja de
-%-- miudezas
9 DE
Jos Bigoiiinno,
CooUooa a queixnar ludo quanto tem em-ieaes-
labelecin.ento. ^^
Pares desjpaio de t pete a 1!80.
Uujus de peanas de ac mono tinas a 60 rs.
Laixas.de lioha do g de 30 nof3ilos a m rs.
aem se linas do (taz de 40 rs. o novello a 700 rs.
dem de palitos de seguranca a 20 rs.
L-Hlcus de cassa com barra a to rs.
Puna Be facas e garfos de cabo preto a 360O.
Masso^e pal.los lijado paTa denle* a 120 e 160 rs.
Pecas deentreraeios moilo finas a SUU, 600, 800 e
1#00.
Livros das raissoes abreviadas a 14500.
Garrafas de agoa Florida verdadeira l#0 0.
Babados do Porto de lod.s as larguras e lodos os
preg.is.
Syiabarlos com estampas para meninos a 320 re.
Momelo da roupa de lavar a 100 rs.
\jv.,s eartilbas para meninos a 160 rs.
Duzlas de meias multo floas para seohora a 4o00.
Ditas brancas e eruas para homem a 3 e 34800.
Agulhas fraocezas a balo (papel) a 60 rs.
Pares de sapatos de traoga e pete a 1300.
Pegas de Stas de la de todas as cores a 600 rs.
Grozas de bolSes de porcelana prateades a i.60 rs.
Caias com alfloeites Irancezea a 80 rs.
Caixas de 100 envelopes moito Ooos a 600 rs.
Pregos francezes de todos os lmannos (libra) SiO
ris.
Resma de papel de pe$o branco liso a 2$.'
Frasco com superior tinta a 100 rs.
Grosas de pbosphoros de gaz a 2J000
Pares de botSes de pooho multo bonitos 80 rs.
Linhas em eartao de 200 jardas a 100.
Caixa de superior linba do gaz coca 80 novellos
700 >rq.
Caixas de pos de arroz rutilo Bao a 800 rs.
Fulreiras de conta para meninas a 320 rs.
ralberes para meninos a 240 rs.
Caixa com soperiores iscas para chamtos'a 50 ra.
Masso com superiores grampos a 30 rs.
Grosas de peonas de ac muito Anas a 320 rs.
Bonets para meninos a 1.
Pentes com costa de metal a 400 rs.
Capachos corapridos e redondos a 500 rs.|
Caixas com soperior papel amisade a 600 rs.
Realejos para meninos a 100 rs.

JraE W B
# _\

p-
<-s
5 0
0. - 0 0 0 QO
i I 0 i 00 2 *3
? 3 0 0 jp> -er > 0. 5
B H te
-1 O l 3 1 5' 1=3
a w 0 ^ -^ " 0. ta t>
d 0 *i v fi! fts ai -^ c t3 U 1 fia "1 e i
m O. O e V. 1 a c "1 89
o ra C a. rt>
93 a 0 B
PASTILHAS
Oompi'iim-sc eseravos
Silvino Guilharme 4 Barros, cormjr
troca elfeclivaraeote escravs'de ambos
e de Jodas as idades : a' ra do Imperador
tercei.ro aodar.
vende e
os sexos
o. 79,
Reabertura da Traviala
B*te| volante.
tres boceas, najpovoaclo do Mon-
tas
teiro.
Oaro c prata.
Era obras velhas : compra-sena praca da Ib
dependenejo b. 22. loja de ailhetes.
- Comprara-se libras slerliuas : na" prac *
ndependencia n. 22.
Comprase our, prata e pedras pVrciogas ere
obras velhas : na roa da Cadeia do Refe loja
de ounves no arco da CoBcelgo.
COlrME
cobre, lalao e chumbo : ao armazem d b)la ama-
relia, por balxo do sobrado 0. 29 da ra dj Impe-
rador.
Novo e grande deposito de superior carvo de Gardiffna
Baha.
Antonio Gomes dos Santos & C, ra de Santa Barbara n. I, esto habilitados wpprir de.
parvao, em condiefies mai* favoriveia qut* em oi'lro qaal |oer deposito, a lodo os navios a vapoi one
ecare-n am^f porta. A ooira.v B.ta wm Oooiiof'} Alv$ Jfaiti-as^
THILIIOS IIRIlnlS-
DO
RECIFE A APIPUCOS.
fim quaoto s.e t.ao ponlrc* integralmente o reeu-
lamept approdo peto lllm. Sr. D?. diere ca, so faz publico, para conhecimeoto dos Srs pa-
sageiros, que do intimo regulamenio cosiam s
anigos seguales desde ja em vigor.
AM. XI.
A entrada aos trens mierdicu a's pessoas em-
brugada?, ladecentemeDte vestidas, ou que te-
nham provocado conflictos ou desordens aas esta-
c5es, dependencias da estrada, embora se achem
Booidos de bilhetes. E" igualmente prohibido sa-
bir oa descr dos carros, <|uaodu os treos eslive-
rem em indumento.
Art. XII.
E prohibido
VENDAS
circalar ae longo da estrada, oh
permanecer as suas depeadeoeias sem liceoea da
empreza.
O vehculos oo pedes poderlo apenas airaves-
sa las em qualquer pooto Accessivel.
Art XVII.
Os conductores terio o dlreilo de advertir arba-
namente ama e duas vezes a's pessoai que nao se
condozrem convenientemente dorante o trajecto
dos tren, fazendo-as deseer dos oarros no primeiro
ponto de parada, se nao se colivrrem Se anda
assim nao forem aitendidos, a empreza dar scien-
cia a' polica, que proerdsri como fr de lei
Art. XXI.
K' prohibido aos viajantes fumar dentro dos cir-
ros e as. plataforma?.
Art. xxn.
As iufraccSes do presente reiulamenlo ser na- .,
odas de conforroidade com o regolameatoVral' 2f ^V ^7? *,0,kr,da Pel Primeiro beeco a
das estradas de Ierro, modado Jff"Ifljr 1 ____________________
creto 0. 1,930 de26 de abril de 1857. Vende-so oran na sertio mallo frescas
Com ra se
su padana da roa Direita n ,84 urna escraia mo-
ga, preta 00 mulata, boa eogommadeira e eoi-
nheira.
Compra-se om preto
armazem.'
na ra da cruz o. 6,
Compra-se umrooleque de idade 14 a 19 an-
nos para pagem : a tratar na loja da ra* de Qiiei
mado n. 18.

Libras

CjmB/aowe a fflj e-arf* tima : no escriptorli de
Antonia Luiz de Olivara Azevedo & C. raa- da
Cruz n. 1.______
Comprase 010 escravo; na ra da Cruz nu-
mero 6.
Compra-se moedas de ouro : na ra
Nova o. 3, esquina da camboa do Carmo
-* C->mpra se ama escrava que saiba bem cos-
rjhar engommar : a tratar na ra de Cabog n.
I, loj.
Iprande h.iaazem de tin-]
P tas medicamentos etc.
Rna do Imperador n, 22.
j0 i*rouctos chimicas e pharma-
| eentlcos os mais empregados em
TVntas para todo o genero de pin-
tara e para tintoraria.
Productos industriaes e tintas
gf pasa flores, como botoes de flores
gg e modelos en gesso para imitar
>&. fructas e passaros com e corape-
si tente desenho.
Productos cbimicos e indnstriaes
Wt para photographia, in'uraria, pin- jf
tt tura, pyrotecnia etc.
^ Montado em grande escala e sup- w
i prido directamente de Paris, Loo- i
S dres, Hamburgo, Anvers e Lisboa \
[ pode offerecer productos de plena M
M confianza e satisfazer qualquer en- j|
|| commenda a grosso trato e a reta- jtt
gibo e por prefo commodo.
Vndete
um cabriole! de 4 rodas e ama mea calessa pin-
tado e forrado de novo : no caes do Capibaribe.
Grande peehlaeha
N loja do Arantes & Lyra praca da Inde-
pendencia ns. i3 e 15
Vendase :
Btiiis inglezes para homem a 6^000.
Ditos para senh ira a 4J008.
Ditos francezes para dita a 44000.
EM S. JOS
Manteiga ingleza perfeitamente boa a
560 rs, a libra eemporc por menos, no
ex-propheta Cinco Ponas n. 86 esquina da
nova travessa de S. Joao.
-
Vende-se nm holdJ pasto para carraca mul-
to manso e motiudo :'no suifl cafund na estrada
Grande qoantidade de manteiga ingleza a 400
' "bra: aa roa Nova o. 60. armazem da Liga.
Recife. 84 de Janeiro de 1857.
- Alagare i, rmazem do kurt^t o. 1 ta ra
tope I-': a r*atir n prlrseirc 'a'pJw. *
rna das Lmngeiras a. 16.
na
Farello a 40 A raa v Apollo r 4
Vende-se un boatto cavallo : quem o pretender
dirtia-st a eocneira da Sr. Paulino, oa a roa Nova
a. 0.
MaauifaTiDgleu flor por 800 rs. a libra, cha,
rotos delicias apraziveis ilj > caixloba de 30 :
na raa da lasaaratriz a.. "
Veadaea-ae alias eoai orna arroba de batatas
! aar 400 rs.; nearmaiem do Sr. Aanes defronlt
' da pcr\ da atifodega.
]OVA YORK.
DE COR CIJEIRO E SABOR AGRADAVEIS
Infinitamente mais efficazes do que todos
os mais remedios perigosos enauseabundos
que existem para a expulsao daslombrigas.
ocausam dores e produzem seu effeito
sem precisar loga depois de purgante ne-
ahum o toincilantes em apparencia e deli-
ciosas em gosto, que as crianzas esto
promptasa lomar mais do que marca a re-
ceita.
Uteis como um excellente meio de fazer
remover as obstruccoes do ventre, mesmo
oo caso" de nao existirem verme algum, as
PAST1LHASVERMIFUGAS DE KEMPS Sao prOmp-
tas einfalliveis.riasuaoperaco e por todos
os respeitos dignas decon&anr;a e approva-
co de todos os paes de familias. Prepa-
rada* nicamente por Lanman 4 d,
Nava York.
Deposito geral em Peraamonco rna da
Zrxu a.22 em casa de Caros
Cal da Llsltoa.
Da mai* nova que ha no mercado chegada pela
barca GnU&fto : veode se na raa do Trapiehe ar-
mazem D. ii.
Hotel Dous Amigos,
Veode-se o hotel Doos Amigos sito na rna es-
trena do Rosario o. 10, livre e desembarazado de
qoatquer negocio : a tratar ao mesmo hotel.
XAROPE FERRUGINOSO
DE CASCAS DE LARANJAS E CASSIA AMARGA
Com iodureto de forro inalUravel
De V. P. kLaroze pbarmacealleo
e Parla
E sob a forma liquida que mais fcilmente
se asseraelha o f.-rro, eisto, sem produzir
perturbaco alguma; n'esta forma, tambera,
preferivel s piulas e pastil has em todos
os casos eai q :e sao proscriptos os ferrugi-
nosos. E o melhor auxiliar do olea de fi-
gado de babalbo, porque contem o xarope
de cascas de laranjas amargas, 13o gera!-
mente appreciado, para a cora das dores de
estomago, digestes difficeis, inappetencia,
etc..
Deposito em todas ss pha:niacias e casas
de drogaras no Brasil.
Expedies, em casa de J. P. Laroze, ru
des Lions-Sl-Paul. 2, Parh.
Deposito em Pernambuoo, pbarmacia de
P. Maurer & C. ra jjova n. 18._________
VENDE-SE
om moleque de idade de 13 auno-, sem vicios,
nem modestias, com principios do cozinha e copel
ro : oa roa da Aurora, casa o. f, perto da ponte
de ferro._________^^^__
Farello a 4
o sacco : oe armatem da t^lrel
aoiuU.
500
Ha largo do
largo do Parai-
VEMIK-SE
5a roa da Sanzala Nova n. 38, Bina excellente
MTava de 18 anuos de idade, com bonita Agora e
qox aagomma perMtamenle.eose e coslnha.
Vende-se orna racca moito bja de leite pa-
rida de novo ': ao sitio do frOsarinho defroote da
cs|>ella a qualquer hora do da.
Veode se nma arm cao propria para taber-
na com todos os alMcilios, faz se negocio a von-
tade do comprador ; aa raa Direiu n 00.
ILEGIVEL



-f v~-






Diario de reman neo rerca felra tS de auelro de 1807.
O ARMEZAM
UNIO MERCANTIL
53 RA DA CAOEIA 53
F.IlS^AWDO AlICO DA COMCEItfAO.
Acaba de receber e tem por baratsimos presos\tnVM
im de seu acostumado e muito completo sorti ment ggj/
gneros os seguintes abaixo declarados,
os de Minas.
ARMAZEH BE FAZEftDAS
E
mu
Vapores.
i
OLYMPIO GDNQALVES ROSA
Ra do LrVramento n 14.
Queij<
Rasgados pelo ultimo vapor a 10800 re.
Somma de milho branc*
americano.
morque ha para papa, pflo-do-l, bolo,
Bgica, creme etc., muito substaacial e
odavtil a 6i0 rs. cada paco te de i libra.
SALM E LaGOSTIN
fby.lft oltimameote em latas de 2 libras
*fWQ rs. cada ama.
CHOCOLATE
MUSCATEL DE SETBAL
o maito excelle ite vioho muscatel per 200
a caixa de duzia e 20 a garrafa.
CHA
hysson de pri meira qualidade a 2*WQ0 rs. a
libra, u>jim o que ba de mais fine a 3* re.,
alm destas ba moitas* outras qualidades
proprias para vender a retalho, que se rende
de i^JOOrs.a 20 w. a libra.
CHA BRETO
o mais especial qae tem viudo a este mer-
cado a 20600 rs. a libra
meas
propietario deste eslabelecimunto fox scienle ao respeitavel publico e aos mus amigos
qae tem augmentado a sua officiua de alfeiate, a dirigida por ora babil meatre, se e<>c.r-
fazer com proraptido qualquer eacommeoda, das pessoas qae quixerem honrar sea estabele-
cimento por preeos mals baratos.
Assim como tem uro completo orlimeoto de fazeodas Boas (as quaea nio sendo costurn pro-
corar as lojas do Livraroento) espera qae mqs amigos e fregaexe o honrera com soas presencas,
ots veode mals barato que outro qualquer. .
noceza 5)0 rs. o pacote, dito hespanhol wtrriiiabas para sopa ern caixas sortidas,-de
aspecial, o me'hor que temvindoao merca
fea 1,5280 rs.
LATAS DE UNGIGAS
cara 6 libras ermelicamente fechada a
O500, e de barril a 640 rs. a libra.
VELAS PARA CARRO
n pacotes de 8 velas a 900 rs.
VINHO DO RHENO
'f'iadeiro a 20000 a garrafa.
RORDEAUX
a* mais acreditadas marcas: S. J alien,
feot Brion St. Emilioa e St. Esteph a 800
a agarrafa e 80000 a duzia.
O EXCELLBNTE E AFAMADO
COLURES
agarrafado dabem conhecida casa de De-
jad & C.a a 100000 rs. a duzia.
PORTO
wersas qualidades engarrafado, inclusive o
acs uo que ha n'este genero por 800,
tfOOG, 10200, 00O el05O) rs. a gar-
taf.
0LD CHERRY
9 mais supe or do mercado a 10500 rs. a
.eanrafa e 150000 a duzia.
VINHO BRANCO
Hullente qutlidade, de Lisboa, e proprio
. para missa a 800 rs. a garrafa e 80000 rs. a
tixa de duzia.
VERMOTH
avperior qualidade em caixas de 12 meias
rrafiS por 120000 rs. e cada meia garra-
t 10200 rs.
macarrao,
8 libras por 40000 rs, palharim
etc., a640rs. a libra.
PREZNTOS
os verdadeiros de Lomgo a 640 rs. aajrao
560 Inteiro.
JALEIA DE MARMEELO
em latas a 800 rs.
MOLHO INGLEZ
diversas qualidades a 720 rs. e frasco.
MQSTiRDA INGLEZA
maito nova a 800 rs. o frasco.
MOSTARDA FRANGEZA
a 640 reis o frasco.
ARENQUES
em [atas a 600 rs.- cada urna.
GARRAFAS
brancas para mesa superiores a 50 rs. e a
60 o par.
COPOS
diversas qualidadese tamaohaij|krs., *
50 e 60 a duzia.
CAPACHOS
decores e differentes tamanhos a 500.rs
640 e 800 res.
BALA'OS
diversos fei ti os epara compras desde SW'f.
at 25 rs; ditos grandes proprio para roupa
de 30 a 50.
GAZ
ornis superior g iz liquido em lats grandes
com 5 galoespor preco de 100 rs.
HU4 D4 C4EI4-S3
GRAIDE LIQLTIOA^AO
23 Largo do Tere 23.
Joaquim Simao dos Santos, dono deste bem sortidoestabelecimento de seceos
molhados, faz sciente ao respeitavel publico, tanto desta praca como de fora, que ve-
gham fazer suasde;pensas a este estabelecimento para verem a grande difirenos qoe faz
para menos preco, caso fossem comprados em outra quaiqaer pane. Etodo o freguez
{jae comprar de 1000000 pira ci na ter o descont de li% peloprompto pagamento,'
Saz-se esta granie diffdrenca por estar-se em liquidado.
Gaz americano a 4oo rs. a gararfa, e 90 a lata.
Caf do Hio de 1.a e 2.asorte a 2io e 2oo rs. a libra, e a 60 e 70 a arroba.
Queijos de diversos vapores a 204oo, 208oo e 30ooo cada um.
Pho Cervcja de diversas marcas, duzia 50, 505oo, 60 e 70
Arroz da me hor qtnii la le a 12o e lio rs. a libra e a 30'ioo e 30oo a arroba.
Pajel de linho marca viido a 40ooo a resma, em porcao haabtimento.
dem fino demarca martello a 505oo e 60 a resma.
Vinbo das melborese mais acreditadas marcas, a 207oo, 30 305oo e 40 a caada e
: 36o, 4oo. 5oo e 56o rs. a garrafa.
dem tiranco superior qualidade a 40 a caada e a 56o a garrafa.
Cha rain linho e graudo da raelhor qualidade a 20, 202oo, 20boo e 208oo a libra.
Manteiga ingleza fina, a I -3loo, 1012o e 102oo a libra, embarris ha abatimento.
Idea mais baixa a 72 >, 8oo e 9oors. a libra, em porco ha grande abatimento.
Iemfranceza moito nova a H4o rs. a libra, e em barril ha grande differenca.
dem mais baixa a 48), 52o, 56o e 6oo rs. a libra, em porcao ha abatimento.
Vinho dJ Porto engarrafado e em barril a 64o, e a 10 a garrafa.
Alm destes gneros ha outros maitos assim como bolachinhas de soda a 101oo e
8a lata, cliouii^as e genebra de todas as qaalidades, massas para sopa, copos a 50 a
.azia, s no Conservativo largo do Terco n. 23.
i
t
BASQIIWS DE SED\ PftETi.
A' loja do fazendas de Augusto Porto & 0.
11 Ra do Quemado11
A' loja de Augusto Porto C. chegaram as melhores basqoiaas de seda
preta que se veodem por mdicos precos.
estidos da moin de cores para bailes e partidas,
icos vestidos de Blond om manta e capella para noivas.
Costumes jjompletqs de casamira para horneas, fazeada especial, sendo
as calcas e palitots da uKima moda.
Bonets de palha da ItaKa piraseohoras e chacos de phantasia para ho-
rneas.
Enxovaes e vestidos borda&s^para baptizados de 100000 a 300000.
Camisas inglezas para hornera, peito, punhos e colarinhos de linho supe-
rior.
Ricas slias de linho bordadas, baldes, espartilhos, meias finas, lenices
bordados, camisas, camisinhas, manguitos bordad para senhoras.
Colias de seda, e de lia e seda para camas de noivas.
Cort nados bordados para camas e janellas.
Tapetes para sof, cama e.piaqo e pannos para cobrir mesas.
Bramante, Brirhantina. Miennes ou cambraias depafos, fazenda muito
bella para vestidos, silesias, bretanhas, e canabraias transparentes tapada e
de linho.
Moireantique branco e preto, sedas branas, decores e pretas, e gres-
denaple dje todas as qaalidades.
Brins da linho branco e de cores dos melhores.
Neste estabelecimento ha seinpre so.timento das melhores e mais baratas.
Esteiras da India para for ar salas
IIRa do iQuelinado11
LOJA DA FRAGATA AMAZONAS
DE


MACHINAS AMERICANAS
Terdadelras da fabricante X. Canttongla & C.
americanos pira maer milh*.
N^a ra Nova n. 20 e 22, grande deposito
das verdadeiras machinas americanas de lodos
es f bricautes; se enxratra neste depsito
grande porcao de machinas, e se vendem por
menos preco do que em outra qualquer parte,
por se receber em direitura da America; se
forneoe todas as explicaces necessarias ao
comprador para oonservacio das mesmas;
neste grande estabelecimento se encontra nui-
les artigo americanos, que muito deve agra-
dar aos agricultores que usam de taes artigos,
eucontra-se tarnbem todas as colleocoes de de-
senhos sobre os quaes se aceita quaiqaer urna
encommenda, que oa- promptidio ser ejecu-
tada ; neste raade estahelecitaeoto, encon-
lra-se em grosso e a retalliu, grande porgSo
aa ferragons, emiudezas que se vendem por prego cojuoo, pedindo-se a altencSo
b todos para este estabelecimento qoe maito lucraro em fazer siias compras: na
n Noa b. 20 Carneiro Vianna.
w
c
oo
lilil

PREPARARES FERREAS-HARGAHICAS
APPROVADAS PILA ACADBMIA BE MEDICINA
DE BRIN D BUISSON
Phamijceuco, laureado atla Academia de Mciat le Part
O eminente professor Troi^sbau, na ultima edi?5o de sen Trtate de Thera-
peutua e Materia medica, reconhece que es ferruginosos simples sSo mallas
vezes melncazes para curar as molestias que tcem por causa o empobrec menta
do sangue. Muitos mdicos dos mais distincios attribuem esse m o xito ausencia,
n cssas preparacScs, do manganese, que se acba no sangue, como o tem reeoobecido
os chimicos os mais peritos, sciipre nimiamente unido com o ferro
fc pois, prestar-seum vcrdadfiro sengo aos Sr" Jlcdicos, o chamar-se
sobre as preparaf5cs seguintes.
1 Pos ferreos rawaiifltt ^??. iramct!iala.mene ^ .*&**
t
', sua atten?3o
res icrreos m^mm gaZ0M, ^^^-^ WBtagera
economa as aguas mineraes ferruginesas.
Plalas e Xarepe de iodureto de ferro e de manganese inalteraveis
eontendo cada urna cinco centigramos de iodureto de ferro maaganieo indioadas
particularmente as molestias Tymphaticas, escrofulosas, e as chamadas can-
crosas e tuberculosas.
Immk laetelo de ferro e de maipse ^'MS'fS!
Fihk de carboiiato fcrre manganico ^^Z
tltorsmr estas duas preparactes d os memores ren tados.
S*.Barin du Buisson desbando obter a adbesio oompkta do pubeo medieo a
cerca do vate de mt prepaneoes, prevme qae elle as poe gratuitamente a sua
dwpeaioto, dirgaada-ae; *^ "
Ha JVnamfawa, a ara agente geral, Haarer t>, phamacenticas, na Kara.

un

SVende-se^naJpharmacia^de P. Maurer 4 C., ra Nova.
___,

"J

INJECCAOe CAPSULAS
[VEGET AES aoMATICT
GRIMAULT&G'JpharmaceijticosewPARIS
Hoto tratamento preparado com as fotht di
Kaico, aore do Per, para a cura rpida e in-
fallivel da Gonorrhea sera recri algum da con-
traccao-do canal ou da inftammaeso dos intestinos.
O clebre douior Ricoai, de Paris, lar rononciado,
desde sua apaaricao, ao emprg* da qualquer
otra traumanto. Emprega-se InjcecOo na
comoo de fluo; as capsulas em todos.ot caso*
enronioas e inveteradas, qae resistirta as prepa-
raeftes do eopahu, cubeba a s injeccoes eom baae
t A venda oas pharawclas de P. Maurer &
|C. e A. Caorg, em Pernamtmco. tgatm
r -- \eadti-se na morada -da
VE^DEMSE
a precos reduzidos 05
seguintes lloros \
Vende-se em easa de Saunders Brothers l C,
uo largo do Corpo Santo b. II, vaporas patales
com todos os pertonces prgorios -pala aaer mover
tres ou quatru macliluasrgaa daaarocar algodo.
Vende-se potassa^da Hus>ij cnuin superior a de
qualidade a mais sprqgruda ^ra o fabrico do
assucar a pre^ ra-ave, #0 arm^iem de Josa a
Silva Loyo 4C %
ir aw mmw
loFca^e;;1^^' eo
bu proofios pa/a^a
A
Saunders Broj|pr#
Liverpool vaporas de
todos os perten|jMijtir proptio^ py
ver machinas de $mwPW *ty<*l*0, lfI0
vapor trabalhaaaa s|^A0af,. 4MlMa4<.v
vem para enfar* H*r
servido em qua 0am t*afaal|f e*mmM*- > i
mefinos tambatp tam a vend macboas apenca- -
as de 35 a 4Qms ; os pretndante i*f\ft!*>
se ao largo do Qarpo iQlo-p- U-
Admirem os presos
\ itrmaiem de lateadas de Saltas
Caclht.
Kna do Hacinado n. i*
Vende-se:
Madipolao en.festado Sao X 9J a peca com M
varis.
Ditos de 7*. 71800,8i, <*,V* H# > peca txm
WWW.
,ra de lista de dua> cores para vestidos
rs. a im
l d w Piraos
da arp.os^omrn
tos ile murulipa a
D to ,d e ar cus pa r a pi w*s d* 600 e J#.
Sr nS'I^fesdaJjBh^lr^haafgpii* a duzia.
3o aada ftltM delafir (pello) a 13 a i\im.
-^^AaaMWdo de algodl a 2# a vara.
e Iwbe cum 40 palmos de largara a
a 2*500, 3* e 3*500
3*500 e 4.
e
Monteiro i Guimares.
N. 5 lina do Qaeinado n, }>.
Os donos deste novo estabelecimento c^amam a attencao dasExmas. senhoras qu
gosiam de usar objectos de modas, pira que se di^nem vira passeio a seu establecimen-
io apreciar alguns destes artigos de novilade ultianm>ntecli3gad)s pelo vapor 'rancez,
e que esperam jnerecerSt) approvac3o do bello sidxo.
A Fragata acaba de receber novo sortimenio de seda^j de cores, preta*. e bran-
cas, em cortes e em pecas, as quaes pelossjus elegantes desenh)s e boa quilidtie se
tornam recommendadas.
Loques de mtdriperola de 18 a 80)5000 um.
Loques de sndalo novos gostos
Cbapelinhas de seda e palha para cok.
Chpeos de sol de seda para senhora.
Ricos cintos bel'a Helena (novo gsto)
Cortioad s bordados pira cami.
Colchas de sedt para cama.
Cortes de blond para noivas.
Bisquinesdeseda bordados de 15 a 60(000.
Cortes de cambraia branca bjrdadjo, e outros muitos artigos que menci-
nalos sena enfadonho.
O i sm, ps donos deste no/o sl.blecimah se consideram gratos, para com
todas as Exma*. senhoras e sealiores, quMe nfre\\xjnt.dj seu astibilecimaato ecada vez
ma:sse esmeram a fimdebem servir a todos qu q>ieiram honrar so esliblecimeoto
com suas presencas.
Dito de dito de 9 lil dilo a S1400.
8sssi:!
Loja de
RA WHJR^W) M. ?.
Grande e rariae^ortimento 4* JWPftW*' f Quebris damascada para cortinado
sos objectos de apmsido,gaste que ltima-
mente acaba de chegaj para esto bam to-
nhecido estabelecimento, pondente em Paris o mais habilitado pa-
ra a escolha de taes objectos, pois os com-
I pradores podero apreciar, como sejam lin-
dissiaos enfeites de cabeca com cok de
cabello, e sera elle.
So no vigilante ra do Crespo n, 7.
12 afeites.
Koques com caitos e de novos peutoia-
dos.
Trancas pretas e de cores, e de todas as
larguras, com vidrilbo e sem elle, para en-
feite d vestidos.
Bcqs de seda com vidrilbo e sem elle.
Gravalinhas de velludo para senhoras.
Gravatas e mantinhas de seda para ho-
rneo!.
Grvalas brancas maito finas.
S ao vigilante ra do Crespo n. 7.
Volti aha para mela as,
Voltiahas para meninas.
Pulseiras para as mesmas.
Correntes para relogios fingindo cabello.
Riuissimos sintos, Qvellas e fita- para as
mesmas e de outras muitas qualidades.
Riqaissiraos pentes de taataruga.
Fitas de velludo de todas as largaras.
Lindos enfeites para vestidos, chamados
Cbrisptanne Margante.
84ri4aaa9.
Algodao eofastala com 7 lil ditos a 1*100.
Retundes de fil preto a 7*.
Boornus dt dito a 10*.
Chalas de dito a 5*.
" brala damascada para cortinado com 30 va-
ras a 13* a peca.
Upops braoets de cambraia finos de U, 3*.
JIMOetfadW. ** **
Laiinba eom Sores muito Una a 400 o covado.
Dita lisa d.ta a 480 o covado.
Cambraia de linho Boa de 6*500 a 9* a vara.
Cambraia lisa maito fina de 5*, 6*, 6*500, 7*
.8* a peca.
CuIxjs de fustao alcochoadas brancas e de cores a
6*000.
Co be ras de chita da ladia dq 2*400 e 2*800.
Lences de h mbargo Sao de 2*480 e 4*600.
Ditos de bramante de om s panno a 3*400.
Tarlatana de todas as cores a 900 vara.
Moreantique preto superior a 2*600 o aovado.
Grosdenaple de dilo a 1*800 o covado.
Flaoella le cores a 800 o covado.
Cambraia de salpicos branca com 8 iiS varas pe
ca 4*500.
Pil de linho liso fluo a 800 a vara.
Dito dito com salpicos a 900 a dita.
Guardaoapos de linho para mesa a 3*500 a dozia.
Assim com (ambem se eocontra um completo
soriimento de roupa feila e por medida.
Francisco Jos Gennann
STAeXAROPEo
BE BKLAM.Klv\IK
i So m snlcu stlurui >ryrTt4M ftle fi lllWif *
t Paltat < M*oMm U Fro*. t*t ae meitttm lt
film dt Puii, otquM C4rtllurl* luu >>ai iiparl*-
ridd tekrt tcdoi w oalroi p!loriM
fScult mn M Mnn, H
iJW|lll do ftte t d. |ir|uU
RACAHOUT DES
m
RABES
Unic altaeils npinli fl>ActdnBkdtM*ilcbim4f
Ptrlx. EIU rnubltct u puitm |m laSriH do *-
m*f des lntMtta**; IkrltlaM u rtum u p*M*u
hiliud, iltn atenta Tlrt4. i* >o>riirtiiaii aaa-
uUm he o albor ratarraUV au film faBia
tnhaau.
Cada fraaco aada aabdaka laataa araaarataaa l
am "
Bepoiluriaa M ?i
V
imn MU* Srmm 0*taafM* am Part. (Paiar aariato aliaatia a ai filticaCiat,)
!> Um aaaaan; Bar
[RA NOVA N. 41,
acaba de receber om lindo e magnifico tor
Riquissimas flores para vestidos e para timento de oculos, lanetos, binculos, do d-
cabera. timo e mais apurado gosto da Europa e oca
Capellas com canos flor de laranja, pro- los de alcance para observacoes e,'para.o
pri.is para noivas. martimos.
Meias de seda para senhoras.
Ditas para meninas.
Riquissimos" chapeosinhos e toaquinhas
para meninos e meninas, meinhas e sapati-
nhos de seda para os mesmos.
Lindas sextinhas e bolcinhas para bracos
de meninas.
Meias pretas de laia.
Lindos aderecos e brincos.
Aderecos completos preprios para luto.
Linios port joias e port relogios de dif-
ferentes tamaitos p-oprios para um deli-
cado mimo.
Riquissimos livrinhos com capa de tartas-
ruga para missa.
Aderecos de llores.
Riquissimos aderecos completos, sendo:
voltas, polseiras, brincos, alfinetes, grampo
para cabellos; tudo ito feito de todas as
flores de ultima moda em Paris.
Grava ti abas.
Tambsm chegaram bonitas gravatinhas
com flores, e com alfioetes proprias para
meninas e senhoras.
Rosetas e briucos.
Riquissimos brincos e rosetas inteiramente
novida le e tudo de muito gosto.
Touqnlahas.
Riquissimas toaquinhas de linho e seda,
ponto de corx ricamente enfeitados e de
muito gosto.
Fita.
Riquissimas fitas de chamalote, sendo: ver-
de e amarello, tecido na mesma fita.
Agulhas de marfloa.
Tambem chegaram as mui desejadas go-
mas todas de marfim, para trabalhar em 15a
e sem corx.
Sextiahas.
Tambem chegaram bonitas sextinhas de
palha fina, proprias para meninas.
S no Vigilante ra do Crespo n. 7.
Esptalos.
Riquissimos espelhos grandes e bonitas
molduras propnos para salas ou lojas assim
como outros de differentes tamauhos.
S- no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
g, Para os pais de fami'ia:
Verdadeiros
Callares Reyer
Electro Magnetices Aaadiaos
Ou Collares Anodinos, para facilitar a den-
tican das criancas contra as convulsoes
das mesmas, a estes collares dos escuzado
fazer qualquer recommendaclo, visto a
grande utilidade que tem produzido quelles
I pais que os tem applicado em taes circum-
s tae i is pois nos parece que nao ha ver um
s pai ou ml que por este meio nao quai-
ra por termo a taes soffrimentos de seus
iihinlios visto ser nm mal que tanto os
Qagelia, pois a estes collares acompanha um
folheto que ensina como se deve applicar, e
vende-se na loja do Gallo Vigilante, ra
do Crespo n. 7, pelo preco de 40OOO, 5
e 60000.
A venda as pbarmacias de P. Maurer *
e G. A. Caors, em Pemamboco.________
Doces
Grande sortimento de doces seeos e crystalisa-
dos e em calda estrangeiros e naclooass : no ar
mazem da Liga rga Nova a. 60.
Para a abertura das aulas
Cartas de A B C, taboaJas, catecismo, verdade
aos meninos, grammatiea e arithmetica por Castro
Nunes, carlilhas.-biblia da infancia, caminho do
co, devoto ebristo, Simao de Nantoa, economa
da vida humana martyres peroambucanos, regras
mui facis para entender a cootabi idade em ver-
sos por Gamboa, catecismo das verdades citboll-
cas, traslados, pautas, papel de peso e almajo de
moilas e diversas qualidades, liso e pautado aa
ra do Imperador defronie do convento de S. Fran-
cisco o. lo.
Vendem-sc
fundos
caaa terrea eom
ptearenj para ediOear orna outra, de 35 palmos da
, frente, sita na rtja do Amparo emOlinda : a t
lama roano Ami
'PlmenK
B .O
Dorlm n. J36, com Joao Simdes
PHOSPHATOdeFERRO
INSPECTOR DA ACADEMIA DE PARIZ Etc
rnigir
cama o Pkesphato de ferro de Laras; as samn-
dades medcaos de mundo inteiro adapuram-no
core sollicitude sem .'goal nos aanaes da scieoeia.
s cort* palliias, dores de estomago, igtstou
peneuu, anemi, cenvaUscenciiu dtfleis, idad*
critica ttaj senhoras, irrequleridade no mens-
truacio, pobres* do sangue, lympkatmo, sic
curados rpidamente eu modificados per esse
ezcellente composto. E' o conservador por exeel-
lencia da sande, e declarado snperior nos bospi-
taes e palas academias a tados as ferruginoso
eoBBecidps, a>. iedorete e ao curato de (erro,
porqne o anieo que coa vem aos estomagas, de-
licados, me bJo provoca constipacSo, o nnito,
tambem qae nio ennegrece a bocea e os denias.
Deposito nas-pharmaCias de P. Maure
A lei do sello pelo contador Emilio, 1 volme
em 4o portuguez, bastante grande, a laJOOO; ot
Murtyres Pernambucano?, I vjlnme idem, a WOO;
Obserwaces alijaos 'riigos do cdigo do proces-
so pelo Dr. Meode, a IfiOOO ; ditas ao cdigo pe-
nal, pelo mesro'o, a IOjM) ; Procoraco; extra->u
diciaes", pelo Dr. Triodade, a 500 rs.; Lels sobre l<. e Caors. rtm Pernambuco
terrenos de onarioha, pelo raesmo, a 500 r9; Dic-
cionario do Alto Amazonas, a 1,1000 ; Simao de
Noiui, abra completa, muito bem encadernaJa, a
640 ; Lyrica de Horacio, tra'duzda em verso.pv'r-r
loguez por Eipino Duwea^. i volumes bem m- brande sortimento.de doce, seceos, crystallsa-
>pressos e brochurados. a 25Q00 ; Economia da dos 8 em CW. estrangeiros e naeionaes : no ar-
Vida Horeaoa, a 240 ; Cathacj o das verdades em 4a Mga ro> Waf^n. fiQ.
calhoilcas; -artas de A B C o tibjadas a 40 rs. '
cathecinios da Uouirina cbfisl a 80. rs. ; ru.offl
doos rmaseos na ra de Apollo, e cojos
vao ao caes do mesroo noae ns. 38 e 40.
In sobrado na roa dos Goararapes n. 26
Um sitio com casa de viveoda, 3 viveiros, mui-
tos arroredos, e grande proporgao. na estrada de
Belem para Santo Amaro, conheeido pelo sitio da
Torre.
Todos artes predios acham-se em born estado.
Os pretendadles dirijam-se a ra da Senzala-no-
va o. 42, em casa de S P. Johnston & C.
Matues Austiu & C.
Venden no seu armasen, roa
da Nenzala-Vellu n. 406.
Latas com gaz de primeira qualidade.
Barricas com farinba de milho muito
nova.
Saceos grandes com farelo novo a 4$.
Barris com pregos americanos.
Viuho do Porto superior om Caixa de
um i dozia.
Vende-se no escriptorio de Antonio Lnii de
Oliven a Azevedo & C, no seu escriptorio roa da
Cruz n. 1.
__
1)0 ES
Vende-s um siti na ru de Bem fica com
casa para familia, arvoredos e algum terreno;!
cia typographica da ra do Imparador n 18, de- trata se na ra doQuelraado n. 18 A, -^ra Carn'jMo.a desojada o
roataa S./.-L. -o. I lho& Bastos. H'preco commodo.
Vende-se
machinas americanas de serrotes para descarocar
algodo : na roa da Senzalla Nova n. 42.
Charutos da Baha.
Superiores.
Havaoeiros a.......45O0 a caixa.
Flor de Havana......4*000 .
Delicias.........3*500
Lyricos em meias caixas bi'OQ *
Americaaos meias ditas. 5000
Suspiros finos meias caixas 32200 a
Regala-Imperial......30M)
Brasileiros .-.....3J0O0 a
Suspiros superiores .... 1&500 o cesto.
Para acabar: na Liga ru^ Nova n. 60.
Fio dp algodo da B;*hia
Vende-se oo escriptorio de Antonia Luiz aOl-
veira Azevedo k C, no sen escriptorio roa da Groa
hh_____a_________________I-------
Vende- e
Motores americanos para doo cavailos, dito dito
para qoatro cavaltos, machinas para d-scarocar
alaodao de 14, 16,18, JO 30,35 e 40 serraa, prep-
gas para enlardar algodo fazenflo as sacras com
seis palmos de compri<'nto, com o p'*o de 130 o
500 libras, viodas nltimamente da amerfcaf bo
armazem de HeWy Poisler & C. no caz Peftru ,
D. t. ionio ao gabinele portugoez. ,
Tinta nova superior,
Vende s em garrafas : no escriptorio de Ajio-
oio Luiz de Oliveira Azevedo & C, roa da Crut
il.________________________________
Vende-se a dlnbeiro tena, lijlo de al vena-
ra batida a 36* o mlltieiro, aseto comutijolo da
tapameoto largo e estrello por prego commodo :
na ra estreita do Rosarlo o. 18.
ET chegado a taberna em frente a rm do Vigi-
ova do serto qae se vende por
1


^
a
:


-
*

lf
DUrlt de reraanbnco Tere* Cetra 99 de Janeiro de I8t7.
femiits <) fc. i. C. Ayer, ex-tente
Extracto cemposto de alsa-par-
rtlhdAyer.
Peltoral de ereja.
Remedio para sezfies.
rilula* eathartlcas.
O deposito ceatral para as provincias
Pernambuco, Alagoas, Parahjba e Rio*
Grande do Norte, destes remedios t5o fa-
voravelmente conhecidos e acolhidf/S em
todas as partes da America do Sul e do
Norte, acha-se em casa de Theod Chrla-
tlansen, 16 ra de Trapiche em
Permauabnco.
Os precos de
335 por duzia de estracto de saisa-parriiha.
275 por duzia de peitoral de cereja.
27$ por duzia de remedio para sezoes.
75 por dozia d pillas catharticas
se entender diuheiro k vista, con
o descont de 5 por cerlt em q'oantidadei
de 6 a 12 duzias, e de 10 por cento en
quantidades superiores a 12 duzias.
Vendem-se na
roado ot 16.
Perfumaras novas,
A artiga toja de miodezas a roa de Queima
B. 16, recebeu novo sortimento de perfumaras
sendo Anos extractos e essencia concentrada, ehei-
ros agradaveis para lencos, leos sorfine, philoco-
me, e babosa para cabellos, banbas e cosmetiqnes
tambero para os cabellos, poz de coral e bygienicos
para denles, ophta lagleza e franceza para dito?,
sabonetas em barras quadradas, ontros ero caizi-
nhas, e antros de boMs transparentes para mo, 6
outros, mui Unos ero eafxirjhis de loooa para bar-
ba, agoa da colonia de superior qualidade ero fras-
cos de diversos tamanhos e prego?, agua arobreada
para banbar e refrescar o ro?to, agua florida ( da
verdadeira) tnico de Kemp, e molas outras per-
fumarlas que a vista da boa qualidade e coturno-
didade de precos, o comprador nao objectara'.
pcetas de la e de laia.
Para padres.
loja de asludezas a' roa do Quei
tara baptisados.
Bonitos cnapeesrahos afeitados, sapatinhos e
setien e merino, bordados e enfeitados, meias de
seda, e fio d'escocia para ditos. Vendem-se na lo-
ja de miudesas a' roa do Queimado n. 16.
Bicos e rendas dasilhas.
A loja de atadens a' roa do Queimado a. 16,
recebes novaraeule nutro sortimeoto daqoelles bons
e bern conhecidos bicos e rendas das ilbas, coja
fortido, e segrrratrea de teeido, Ibes da' immensa
duraco e os dffereotes Bbs a qoe acertadamente
sao appticados fa-zem a fraude prucara, e protnpta
extraeco como cousiaoUmente tero acontecido ;
assim pois concorrana os pretendentes, que a vista
da commodidade dos presos nao objeclarSo em
comprar.
Grax econmica.
Em caixiohas, latas e bsrri?, a* loja de raiudsas
a* r6a do Queimado n. 16, recebeu novo sortiroen-
to dessa boa graxa econmica.
Laa para bardar,
A loja de miudesas a' ra do Queimado o. 16,
receben novo sortimento de laa fina de bonitas co-
re?, e como sempre vende a baratamente, e o sor-
timento a contento do comprador.
Bonitas caixinnas.
De maJeira coro enfeites dourados, e oulras de
metal para guardar j as. Veodem-se na ra do
Queimado loja de miudesas n. 16.
pfeitea e griaaldas.
Na loja de miudesas a' ra do Queimado n. 16,
acharo os apreciadores do boro, oro bello sorti-
meoto de bonitos enfeites para bailes, theatros e
casaroeotos; assim como delicadas grinaidas para
noiva?, eaixos de flores finas para enfeitar os ves-
tidos de ditas, e muitos outros objectos, e ludo se
vende por pregas lio rasoaveis que o comprador
experiente, nao se atrave a objectar a respeito.
Rabadiihos bardados, Mitremeios ditos.
Todos de fina cambraia e delicad s bordados.
Vendem-se na loja de miudesas a' ra do Queima-
do n. 16.
Pininas brancas e de eres.
Vendem se na loja de .miudesas a' roa do Quei-
mado n. 16.
Franjas
Con borlas e sem ellas, para cortinados, toalhas
etc. Veadera-se na loja de. miudesas a' ra do
Queimado n. 16.
Boas e talas fitas.
Lizas e lavrada?, larga: e estrenas; vendem se
na loja do miudesas a' ra do Queimado n. 16.
Besitos enfeites para vestidos, y
A loja de miudesas a* ra do Qosimado n. 16,
sta' recenlemetrte previda de ai bonitos eufettes
para vestido?, sendo bicos de seda tanto branco
como preto?, de diffarentes larguras e oom vidri-
Ihos, ou sem elles.
Trancas gales de seda dos ult>roos goslos, di-
tas com vidrbos, pretas e trancas e de differentes
larguras e goslos. Fitas de velludo pretas e de
cores, com lista as relas. E a->ira :nuitas outras
cousas de moda e novldade, e todo por presos to
commodos, que o comprador lira satisfeito e nao
objecla a comprar.
Bollas de borracha.
De diversos tamanhos para brinqoedas. Veo-
dem-se aa loja de miudesas a' roa do Queimado
n. 16.
Vende-se vinho de Bordeaux em quartolos
harria e eaixas : em casa de Tisset reres, rna jad
Trapiche n. 9._______________________________
m m gaz
Ghegoa ao amigo deposito de Henry Forster &
C, ra do Imperador, um carregamento de gaz de
primeira qnalidade.o qual se vende ero partidas e
a retalho por meaos prego do que ea> outr' qual
qner parte.
jmmm
A PUBLICO
NA LOJA E ARMAZEM
A O
Ra 4a Iiaperatriz n.6
DE
0 64HA I SILVA.
Os prop-ietahos dsteeraide est-.b/elecimento
[6n"ono anno prximo passdo v;n1Ido g'r'aude
pane de -as (atondas con bavtam dnafifefado;
tem reselvido conlrnoar a vender ainda mala ba-
rato ero virtode do abati'mento que fizeraa em
suas fazenrfas por occaslao do b'alnco a due pro-
cederam ero 31 de dezembr ntmo ; pSm para
poderem satisfazer e apresentar ao respeitavel po-
blico os seos numerosos fregoexes tanto desta pra-
ca cono do mato um novo e variadp sortimento de
toda? as qoahdades d fzhdas, d..sde as mais
modestas at as de mus aperado ro'io, nSo se'tem
pcopado na escoHia dellas, limitando seos Inferes
apenas no descont. Continuara a dar uzeadas
amostra, com penhor, on manda-las por seus cai-
xe!ro em casa dasExmas. familias.
Grande pechincha
tres test?.
Lanzfahas a 300 reis.
Lanzinhas a 300 rei,
Lanzinhas a 300 reis.
Baldes baratos
' Vende o Pav3o.
Cbegen um grande sortimento de balees de ar-
cos sendo americanos qoe sao os melhores e ven-
Vestidinbos para menkias
Vendem se elegantes vestidiohos para
ce l.-inha moito hem enfeitados pelo baratisfia
preco de S.5C0, dito* de gorgueo de seda a &**
n^se pelo baratissimo prec* de i**, 3# | ?&u %?&!"* roa l*-*
WSfifSS.2fl,"n" d,,,Dpera,rU "'i Cbales de merm
A i00 re nara luto, retie o a- en,,m fe noissimos cba^ de nrrin llsot
M, ilU M. para IUIO, *ene o diversas cores, tendo as franjas de seda a i**
m*0- I o coa a( franjas de l a 3*500 rs., ditas m-
vendein-se ISazinhas arelas propnas para loto lampados muito fiaos a &VIO0 64000 c 7OU0l#-
pdlo baratissimo pre?o de 100 rs. o eovado: na, l>8 de crpon coro listas de seda a. 85008, ,
jt armaiem do PavJo rna da Imperatriz n. 60, i ordinarios para acabar a 000 e i&X: m
e Gama A Silva W e armatem do Paao aa roa da troperairtiai
I
Crocks
Paracadeiras
Para sofs
Para camas
Para prsenles.
de Gama & Silva.
Sedinhas de listas a 400 re.
Vndese bonitas sedinhas ce lisias ir.priasBa
vestidos rom largura de chita inglej P| twraar
pre?o de 400 rs. o eovado : na lt-]a e armau4
Pavlo na rna da lperatrim n. f o de Gara a
Cbegaram os mais ricos pannos bordados a ero-; Silva.
che proprios para encostos de cadeiras qne ?e Filos bordados a 800 rs. a vara na loja Y?
vendem a ?300 e 35, dlfos para encasto de sof
W, ditos proprios para cobrir alroofadas a
5608 e ditos para cobrir presentes a 25300 e 35:
na loja do Pavo roa da Imperatriz o. 60, de Ga-
ma 4 Silva.
Grauue e
o t>akja do Pavo.
Veode-se qm variado sortimento das mais deli-
cadas lanzinhas, tanto com os mais primorosos
gostoSTDj htatiz, orno raiudinhas de urna so edr,
sendo esta fweoda lia pora, e vende-se -pelo ba-
ratissimo preco de 300 reis o eovado, por ter feito
grande pechicha na compra, se d5o seriam >para
muiuj mais dinbeiro, isto na loja e armazem do
Pavaona roa da Imperatriz n. 60 de Gama A
Silva. *"
As saias 4# Pavo
pechiueln a
4000,*280efjj60.
Chegoo urna grande porfo de pe^as de fazen-
da bsanca, proprias para saia, sendo de oro lado
bordadas, com moitas barras de pregas, teodo a
largura da faxenda a altura precisa para ama
saia, podendo fazer-se com tres e meia vara, e
; vende-se pelo barato preco de 15 e 15280 a vara,
sendo s cofli pregas, e a 15600 tendo pregas e
bordados, Isto s se vende na loja e armazem do
Pavo, na roa da Imperatriz n. 60 de Gama &
Silva.
Novos vestidos Poil de Ch-
vre a 16W00.
Ka leja do pavo.
Pav3o.
Vende se filos de liobo branco bordados proprias
para vestidos pelo baratissimo preco de 800 ra. a
vara : na loja e armazem do Pavo na roa aa i
peratriz d. 60 d* Gama A Silva.
Pannos de linho.
Vende-se superior pannos de Moho proprio pata
lonces, toalhas seronlas etc., peks baralisiaBaf
prec linho com 10 palmos de largara a 5-00. 25360
Lhegaram pelo vapor do dia 15 do correte, os, 25800 a vara; om grande aoitinento de tturimgt
mais lindos cortes de poil de chvre para vistidos,: on Cregoellas por baratos preces : na lija e araw-
sendo fazonda inleiramente nova no mercado, ten-, "m do Pavo na roa da Imperatriz o. 60, ie Ca
do esta fazenda bastaste lustre com os mais del- ma & Silva,
cados gestos tantp em listras como em flores solas Cambraias branca de COrdSo a 85300.
SSJ,,!?! .*rnil*fm- ,pre5 ,d- l%fm' Cn,,8a'n mais delicadas can.braiaTbriawi
tendo cada corte 18 covados, isto na loja e arma-' de cordo com delicadas listas tr&r^raren^T
tm do pavo na roa da Imperatriz n. 60, de Gama rendemse peto biraaSo t "eco de 5MotV
ca : oa loja e armazem do Pavao na ra da haaV
ratrizfn. 60, de Gama & Silva.
ou
bein soitido armazem de melhados
Ra \ova u 60
Sahio ou no sahio, am abiIlis.imo freguezes? sahio sim ; e se demoramos tanto
em abrir a caixinha do segredo; foi porque gostamos de sorpreza e dasconjeetnras. Ah!
Ah! Ah! como o sahir deu no gto de muita gente de collarinho empinado ebigode re-
torcido ?! Quanta interpretaco i idcula e risivel soffreu o nosso pobre sahir ?! Muita
veztivemos frouxo de riso nocantinho do nosso armazem, quaodo viamos qtiealgoemse
encommodava com essas seis negras letras, que por alguns dias deram umeerto ar de
mysterio a urna das columnas deste venerando Diario f E no entanto nada de mysterio-
so havia, como vedes, no patusco sahtr! sim; riamos a bom rir; mas nunca vimos rir
o cavalleiro da Liga porque
Serio e grave encara as eousas
Deste mundcorao s3o ;
Verdadeiro, fiel vive
Do commercio a tradiccSo I
Pois que o sahir se mostrou qual vinde admirar fregueses, como no armazem
da Liga se opera a mais fina liga do bom e barato. Lede e veris a verd ;de 'Vinde pois;
confiamos em que n5o tereis occasio'de dizer que o vosso dinheiro foi mal empregado,
nem o vosso bom gosto offendido. Eis freguezes e.....la vai verso.
Farlnha de mi I lio
ou gomma de milho branco preparado na America, vende-se 300 rs. a libra, e o cida-
doque comprar dez libras vendt-ie-lhe-ha450.
BISCOUTOS INGLEZES
Soda, Mized, Pic-nic, Francy Crnckeuel. Qenn, Osborne, Gala, Arrowrote outras omitas Vende-se u
qualidade s a 1 BelaiiohsS percales da peca, pelos baratos pregos de 35300, 45000,
em latas de diversos tamanhos 2, 3, 5,-8 ibras cada urna e pelos seguintes precos: 11200, S'cWvaSdVfeS USaSV
2(5400 e 3)100O. de largura a 65000, 750G0, 85000 e 105000 ; ditas
BolnliO* Cm ameudoas Victoria a 65000, 750OO e S&OOO ditas largas com
grande quantidade de cartn, bocetas, eaixas erradas de chumbo, com as mais ricas qua- So^So^Sr^r^ra %fi "m&
hdades de pao-de-lo, bolos, para champanha, bollinhos com amendoas, e outros moitas do a largura j ditas para forro moito encorpadas
que se tornam enfadonho mencionar. a 352OO a peca : na loja e armazem do Pavao -oa
MANTEIGA raa da 'oiperalriz o. 60, de Gama & Silva.
X'ein?!r\f f" qualiSa "I?a libra' [im **"*"a imo' Kb"i 800, 600 e 400. dem francesa a b40 r*. a libra. Cados proprios para camas e janellas pelos baratos
Doces cm calda pregos de 85, IO5OOO, 16), 20000 e 255000 ; su
doces secos e em calda de todas as quad&des, em frascos, potes, eaixas, etc ele: por pre- E^S?!^L1?le2552S 1 ^i!?5.1-.-?.6. s!?,a
eos os mais razoaveis possivets, amendoas confeitadas libra a.
Algodao2inho a 4$50O
Vende-se superiores pegas de algodozinbo coro
18 jardas, sendo muito boa faieoda, peto barato
preco de 42500, na loja e armazem do Pavo, na
ra da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Novidadt
Em cambraias Chegco p.ra a loja do Pavao um grande sorti-
mento dar mais modernas cambraias cera listras
larg88,itaalo ao comprido como alravessadas com
as Brs modernfs e mais delicadas c-dres; assim
como os mais modernos organdys de listas largas
rom lindas lores matizadas pelos ceiros, que se
vendem por prpgos muito rzoaveis, na loja e ar-
ma*em do Pa*o na ra da Imperatriz n. 60 de
Gama & Silva.
Uicos Vtslidos Llantos.
iCbegaram os om6 modernos eorles.de finissi-
mas cambraias com as mais lindas barras borda
da=, sendo estes vestidos muito proprios para bai
les e casamentos, e vendem-se por pregos razoa-
veis na Uja e armazem do Pavo, na roa da Im-
peratriz n 60 de Gama & Silva.
Cambraias I leas do Pavo a 30500,
4000 e 46500.
proprio para colcnas a 25300 o eovado ; ricas col-
, chas de croch pelo baratissimo prego de 105'JCO e
125OOO : isto na 1 ja e armazem do Pavo na ra
da Imperatriz n. 60, de Gama& Silva.
As melpomenes do PavSo a 26500
Vende se superiores cortes de Melpooiedtte, sen-
do fazenda transparente e muito bonita, tendo mni-
tos padrdes rozos com 7 varas e meias cada corte
CAFE
caff do Rio Ia sorte 20 rs a libra, 2a sorte a 200 rs a libra, 3a sorte a 160 rs a libra,
em arroba se far grande abatimento.
Vinho
vinhos engarrafados de todas as qnalidades, rainha Estephania a 3(5000 a garrafa, Porte
malo da a 500 rs. a garrafa, lagrimas do Douro a t#800 a garrafa, Pedro V, D. Late,! Pel baratissimo prego de 25500; isto para acabar
Maria Pa, carcoveilos, bacanaes,boeugi a i0000 rs. a garrafa, dem cheres verdadeiro.."^fiE"! gvi0 na raa da Impera,rir
20500 a garrafa, idem cherny cordial a 1000 a garrafa, collares e frguira ambos engar-
rafados a 500 rs. a garrafa, idem de Lisboa em pipas, barns, aneoretas e a reulho a -3G0
e 400 rs. a garrafa, an;oreta com vinho tinto a 25400 a ancoreta.
Bordeaux
vinho Bordeaux de todas as qualidades de 65500 a 255000 rs. a dtwia, e eo garrafa de
bGO rs. a 25000 rs. Wermouth a 10500 rs. a garraa itenoca de wa&ser a 250D0 rs. Ab*
symtb a 20000 rs. a garrafa.
GAZ
gaz verdadeiro americano a 90200 a lata grande, garantindo-se 27 garrafas, e a
garrafa.
Rival sem segundo.
Ra do Quelmaao 11. 49.
Quer acabar com as lazeodas abaii*
mencionadas.
Qieiram rir ver a que bam e baratissimo.
Libra de gomma de milho a 400 rs.
Toalhas de labynnlho com bico, lateada boa
35500.
Cairelis de Haba com 100 jardas a 30 rs.
Grvalas pretas a de coree muito Saas a 500 rs.
Barataos franceses multo lios.a 200 e 320 rs.
Caizas de.o freas de raassa moito novas a 40 rs.
Eofladores para espartilbo de cordio e flta a 61
res.
Car retis de liona Ale landre coro 400 jardas a zOt
ris. *<*?
R-smas de papel almago rooito boro a 25509.
Fraseo de oleo babosa a 320 e 500 rs.
Ditos de dito higlemque verdadeiros a 15000.
Ditos dito, falso a 800 rs.
Ditos de maeacar perola a 200 rs.
S.i-.iietes moito fiaos a 60, 160, 200 e 320 rs.
Oit Cauas para rap coa bauus esUapa a HM
Ornas de palitos a balo a 40 rs.
m.hkis deliDba froxa-para bordar a 20 rs.
Vira* de cordo #ara espartilho a SO rs.
Frascos com tinta ruta mnlto boa a 240 e 320 n
tHtds de dHa BTeta a melbor re'ha % 330 rs.
Duzia de laceas para sobre-mesa a 45*1
Varas de franja bratoea la*g a 2b0 rs.
Pesies volteados para resacar cabello de raeaini
a 320.
Frascos de mlaga* oleo TOdlto fino, a f20 rs.
Abotoaarts- irtiit loas para conetes-alOO n.
Garlees de hnha braaea e de cores a 20 rs.
Liara de ara preta superior a 100 rs.
Cartas de aJQnetes francezes com 14 pentes
120 rs.
Eseovas atea (ato, rateada boa, a 800 rs.
Cal de Iisboa,
Cheiada 00 oltimo navio, mais barata que em
ontra qoaliyier parte; no deposito da roa do Apol-
lo n. 8.
c*i de Uooa. ""
No armaiem da roa do Apollo n. 8, por meos
500 rs, do qoe em outra quaiquar parte.
Cerveja Gelada
cerveja gelada em garrafas e '/> garrafas inglezas e franecza.
Pdco eA'pista
paingo 100 rs. a libra, alpista 160 ; pa'inco e alpista misturad) 140 rs. a libra: em
porco se far abatimento.
Cha verde e pi-co.
a 10000, 14500, 25000, 25200, 25400, 21600, 25800, S0OOO, e 30200; cha verde de
todas as qualidades, huxim, perola, aljfar etc.,
CHARUTOS D'HAVANA.
rega'ra britanaica 105 a caixa, londres 125 a caixa, operas, caixa 105; e outras mui-
tas marcas que se tornam enfadonhas menciona-las.
CHARUTOS DA BAHA.
imperiaes, exposicao, normas londrrnos, guanabaras, suspiros, delicias, parisiences, ven-
cedores, guerreiros, lyricos, quera fumar saber, para os seguintes precos: 15ooo, 155oo'
25ooo, 255ro, 35000, 355oo, 358oo, 45oeo. 452oo, 455oo, 458oo, 55ooo, 555oo, 65ooo,
655oo, 75ooo, e 85ooo.
# Velas Steariaai.
spermacete 64o rs. o pacte, velas de carnauba de 8 por libra, 38o [re. de 14 em
libra, 44o rs. em porpSo se far abatimento.
GENEBRA nb5o bu victoria 72o rs. o frasco.
genebra de hollanda em frascos 56o rs. o frasco.
CERVEJA-T-E BftSS,
cerveja bass e tenente e de todas as qualdiades, as quaes se vendem o mais razoavel, como
seja 5oo 600 e 7oo rs. e em duzi faz-se-ha grande abatimento.
Arroz da India,
lio rs. cada libra, emporio se far grande abatimento.
SABO E SABONETES.
sabao branco com veas cor de roza, idem branco com veias azues, sabonetes de urna libra
cada um, sSo os sabonetes mais econmicos que tem vindo ao mercado 5oo rs a libra.
Skign' e Sevadtaha.
saga' muito novo a 24o rs. a libra, cevadrnha muito nova 16o rs. a libra.
cevada muito nova 12o rs. a libra.
gomma DEErTcoMMAR 12o rs. alfbra.
CEBLAS grandes e nova' 15ooo o nolho.
Latas com conservas.
latas com ervilhas portuguesas e francezas. latas com carnes preparadas, passarinhos gui.
zados em. latas, e salame em latas.
Doce de golaba.
ha constantemente um grande deposito de doce de goiaba em caixoes de todos os tamanhos.
Cobo, capo*,
copos crystalisados, ditos lisos, ditos de cores, a 45ooo e 455co \ duzia.
GARRAFAS DE CBTSTAL.
garrafas de crystal de formatos do ultimo gosto.
AME1XAS. 0
ameixas em latas, em bocetas e frascos.
Queijos Queijos,
queijos flamengos do penltimo vapor 25ooo, ditos do oltimo .....j
Grande pechincha em chapeos a 500 rs.
Vende se chapos de palba a iaiilacao de man.
Iha propriof para homens pelo barat ssirao prego de
500 rs. cada um ; i.-to para acabar na loja e arma-
zem do Pavao na roa da Imperatriz n. 60, de Gama
& Silva.
Corpinhos para senhor: a 55,85 e 105.
Chrgaram os mais delicados corpinbos de cam-
braia transparente, sendo ricamente eafeitados e
400 rs jh-ve/dem-se peles bralissimos pw^os de 55000, 85
e iOJSlOO ; ditos de grosdinaples pretq, sendo fa-
zenda muito superior pelo barato prego de 85000 ;
isto na loja e armazem do Pavc na roa da Impe-
triz n. 60, de Gama & Silva.
Grande pechincha em chitas.
Venda se om grande sortimento de chitas escu
ras e alegres francezas peles baratos pregos de 320,
360 e 400 rs., sendo com os padroes mais bonitos
qoe tem vindo ao mercado com listas e flores etc.
etc.; gjrantiodo-se seretn cores fichas : na leja e
armazem do Pava;, na i ua da Imperatriz n. 00, de
Gama & Silva.
As saias do Pavo
Vendem se ricas saias bordadas com 4 pannos
pelos.bralissimos pregos de 65000 e 75000, assim
amo fazenda em poca com pregas proprias para o
mesroo fim a 1200 a vara : na loja e armaiem de
Pavao na roa da Imperatriz o. 60, de Gama & Silva.
Sedas novas
Cbegaram as mais modernas sedas com listra;
para vestidos, sendo eera as cores mais moderna
qoe tem vindo ao mercado, assim como grosden-
pies de diflerentes cores como sejam cor de rosa
azul, rdxa, cOr de caf, cor de lirio etc, etc t
veodem-se por prego muito em conta oa loja <
armazem do Pavo na roa da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Crrnolinas a 35800, 45000 e 45500.
Cbegaram para a loja do Pavao as mais moder-
nas crinolinas oa balSes verdadeiramente-aineri-
canos, que sao es mais bem armados e mais leves
qoe lem viedo, sendo cem o formato mais moder-
no que actualmente se nsa e vendem-se pelos se-
guiotes precos: sendo com 20 arcas por 35800,
ditos eoaa 20 arcos por 45000, ditos coro 3S .reos
a 45500 : isto s na loja e armazem do Pavo na
ra da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Sedas largas na loja do Pavao.
Chegaram as mais bonitas sedas da cores com 4
palmos de largar, sndo com as eores e desenfeos
mais brilliaBtes que tea vindo,facilitando faaer-se
um vestido com poucos covados em attengo a lar-
gura, e vende-se pelo barato preg ode 250000 Co-
vade : na-loja e armatem do Pavo na roa di Im
pernriz n. 60 de Gama & Silva.
Ottkata- fe !* a 2oee 25ee rs.
VeeetB-se chale* de merino estampados a 5
* 25*0c*ia oak
Ditos de merm liso a 35500.
Ditos estampados de crepon a 65, 75. e 85000.
Ditos pretos bordados com franja de seda a 145.
Na loja e armatem do Pavo aa roa da Impera-
trn n. 60 de Gama 4 Iva.
Lencos braocos a. 25000,35000 a 45000
Vndese um bonito sortimeolo djeteos de cam-
braia branca lisos pelos bralissimos precos de 25,
35000 e 5000- a duzia : na loja e armazem do
Pavao aa ra da rmperatriz a. 00, de Gama &
Silva.
XAROPB
peitoral do'.ciflcM
DX
SAINT-GEORGES
Pnptritt por
GIHMAl-LT e tf*
pfitraactncoi Je 8. L
principe Ntipol*.
Cara rpida de tm
molestias seguestea:
tost, catarrhes, plem-
resia, eequeluche, am-
giruu, (orles ecnjtpa-
(oes, irritocSes tt
bronekos e ie fc,
brnckite,phtisicapitt-
monar, astma, pnew-
monia,angin4U.amf-
dalites, tossechronit,
rouquidio. Os mdicos recomraeiwlio ao mesa
tempo o uso daa escellentes pastilhas paitav
rs oom o amooo d'alfaco e laureirav
or]o, qua aa prepara* no meamo estbala
Mam
A venda as pharmacias de Manrer aa
Caors.
Collares Roycr
ou
Anodinos electro-magnticos contra as coa-
vuls5es, e para facilitar a denti?3o dat
criancas. A aguia-branca na ra do QoeJ-
mado n. 8 recebe-os por todos os vapo-
res francezes.
Ja esto tao conhecidos, e tanto se tem espalhaie
a fama desses prodigiosos collares Rfyer, qts te
torna desnecessario dizer mais alporoa cousaet*
abono de seus boos e e eflleazes effeilos -. basta m
testemunho de milhares de pessoas, qne tm vuaa
e aproveitado o feliz resoltado desses tao ateh,
qoao necepsarios cellares Royer. A qooti<1iaoa
crescida extraegao, qoe vo tendo, mnstia aiaa
que numero dos prodigios se eleva como toto
os compradores. A agoia-branca, p-rm, dese-
ando concorrer para om fim de tanto aproveit-
mento, tero feito os necessaries pedidos, para mt
por todos os vapores francezes Ibe seja remetida
certa quantidade de ditos collares, para ass nar-pe iofallivel o sortimento delles, na leja guia-branca, ra do Queimado n. 8.
I
I
Promptuario eleitoraj 5^000
Livrar-ia fetmia
9.- Ra do Crespo 9.
Novamente chegadas botas rassieaas e peroeira
da melbor qualidade que temos visto : na lija
vapor ra N-jva a. 7.
& Silva.
Para senhoras
Gasaquiahas a 205000
Vendem-se as mais modernas casaqoinbas .
basquinas de seda preta, muito bem entenadas, as
mais modernas que tem vindo o mercado e pelo
baratissimo prego de 205 cada orna da loja e ar-
mazem do Pavao roa da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma Si Silva.
Alpacas Haas
Chegoa o mais lindo sortimento de alpacas de
urna s cor, preprias para vestidos, e vendem-se '
por precos em conta : na loja e armaiora do Pa-
vao, roa da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os espartilhos do Pavao.
Vendem-se orna grande e variado sortimento de
espartilhos dos mais bem feitos qoe tem vindo ao
mercado, sendo de todos os lmannos, vendendo-se
por nm.prego muito razoavel : isto na loja do Pa-
vao na roa da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
brande pechincha em toalhas
para mSo.
Vendem-se superiores loalhas de linho proprias
para mao pelo baratissimo prego de 560 rs.. ditas
a 640 rs- ditas a iroitago das felpudas a 800 rs.,
ditas fe podas a 15 ; pechincha na loja e arma-
zem do Pavo na ra da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma 4 Silva.
Auadine a 8$
a loja do Pavo
Cbeftram os mais lindos corles desta nova fa-
jeada, sendo transparente, com bonitas palmas, e
vndese pelo baratissimo prego de 85 : na loja e
armazem do Pavo, roa da Imperatriz n. 60, de
Gao Silva.
Punnos e gonnbas a 15, 15280 e i600.
Chegaram os mais oieraai puabos com gol
nhas sendo de esguiao de linbo ricamente borda
dos tanto brancos como de cores e vendem se pelo>
bralissimos pregos de 15,15280 e 15600, por ha-
ver grande porgo, grande pechincha : na loj;
e armazem do Pavo ra da Imperatriz n. 60, di
Gama & Silva.
Para baptizados.
Vende-se elegantes vestuarios bordados para
baptisados, pelos bralissimos pregos de 15J.OO0
205000 e 255OOO: na loja e armazem do Pavo na
ra da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Babados bordados na loja do Pav3o
Vendem-se babadihus bordados com 2 varas
pelo barato prego de 15000, entremeios tapados e
transparentes, leudo 3 varas cada pega a 15000: na
loja e armazem de Pavo na ra da Imperatriz n.
60, de bama & Silva.
Cambraias de cores
Vende se um bonito sortimento de camDraias de
cores para vestidos pelos bsratissimos pregos de
300 e 360 rs. o eovado, ditas a voluntarios da pa-
tria a 800 rs. a vara, ditas listadas a 640 e 700 rs.
a vara ; pechincha na loja e armazem do Pavo
na roa da Imperatriz o. 60, de Gama & Silva.
Cassa de urna cor s
Vende-se bonitas cassas de urna cor .' com um
pequeo toque de mofo pelo baratissimo prego de 240
rs. o eovado ; para acabar na loja e arn azero do
Pavo na ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Chales de renda e retondas
Vende se um grande sortimento de chales de
renda e retondas, sendo as mais modernas que tem
vindo ?o mercado e veodem-se mais barato qoe
em ootra quakjuer parle ; isto na loja e armazem
do Pavo oa ra da Imperatriz n. 60, de Gama <&
Silva.
Retalhos baratos
Vende-se porgo de retalhos de chita, las, cas-
sas e chitas prelas por prego barato : na loja e ar
matero dpPavao na ra da Imperatriz n. 0, de
Gama & Silva.
Caifas brancas
Vende se um grande sortimento de caigas de
brim branco de linhr. traagado pelos baratsimos
pregos de 35300, 45500 e 55000, assim cora uro
graode sortimento de palilots de panno preto fino,
sobrecasacos e saceos forrados de seda, ditos de ca-
simira, sobrecasacos, saceos e fraqoes, ditos de me
ri e calcas de casimira de core de todas as qua-
lidades, assim como um grande sortimeoto de col-
leites de todas as fazendas vendendo-fe ludo Dor
presos moito baratos : na loja e armazem do Pa-
vo na roa da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Alpacas brilhantes a 640 rs.
Cbegaram as mais lindas alpacas entestadas ggui
3 e o eio palmos de largura com os mais de icado*.
desenos tanto de florsieha como de listinhae as
sentadas oas mais delicadas cores como sejarn ly-
rio, stnsento cor de carne, solferino e vendem-se
pelo baratissimo prego de 640 rs. o eovado ; ti-
camente na loja e armazem do Pavo na roa da
Imperatriz D. 60, de Gama & Silva.
Pechincha para a fesla na loja do Pavo.
Vestidos.
Vestidos..'
Vestidos.
A 80O0
Vendem-se om bonito sortimeoto dos mais lindos
vestidos com barras de seda, trazendo os corope
tentes enfeites para o corpo, sendo nesle anigo o
mais moderno qoe tem vindo ao mercado, e ven-
dem se 'pelo baratissimo preco de 8)000 cada um,
ditos de cambraia branca coa barras bordadas a
55000 e 65000 ; na loja e armazem do Pavo na
roa da Imperatriz o. 60, de Gama & Silva.
Cortes a 35C00 s o PavSo
Vendem seos o?ais lindos cortes de cassas de
oros com m desenos mais modreos vindo cada
um em seo papel e garaoiindo-se terem 7 vjras ca-
da om pelo baratissimo preco de 35000 ; na loja e
armazem do Pavo na roa da Imperatriz n. 60, de
Gama di Silva.
Casaqninhos cu rasquias na loja do Pavao
a 265000, 305COOe 385000. :
Cbegaram os mais ricos oa moderaos easaqui-
nbos ca vasqqinas de grosdinaples preto ricamente
enfeitados, sendo dos feltios mais modernos e ele-
gantes qoe oltimamente chegaram e vendem-se pe-
los baratos pregos de 258000, 805008 e 355000; na
loj* ar maaam do Pavu na ra da Imperatriz n. 60,
de Gama i Silva.
Para bailes a 3550OO.
Chegaram os mais ricos cortes de venidos de 810
branco primorosamenje bordados e. enfeitados de
cor, sendo tamben) proprios para casamentos e
vendemse pelos baratos precos de 355000 onica-
ment; na loja e armazem do Pavo na raa da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Uacos.bordados a 15000 e 15600 aa loja do
Pavo. !
Ventfe-se bonitos Jenclnbos horcados para, nio
pelos baratissmes presos de 15000 e 15600 cada
um ; loja e armazem do PavSo na roa da impera'
trac. D 60, da Gana & Silva.
As vareges do Pavlo. ,
.Saiaaal^^
pSoaa?^. SS?SVrSLS do Pni onicr, na Capan*., raa *J*aianA ?
*avi# naTna da Imperatriz d. 0 de Gama &
Silva,

Escravos fu#idf>s
Contina ausente desde o da 23 de agosta
de 1866 o v uhiinho Rayrouodo, de 15 annos *>
idade pouco roah oo menos, corpo regular, pea
peqoeoos, cabellos caslaohos, denl s alvos e per-
feitos, com o dedo prximo ao pollegar cicatrizada
de sorte qoe nem Ihe resta a uoha : roga se as ao
toridades pollriaes e capites de campo a sea
;.pprth- n- pelo qup rectb rao paga gi-uerosa efli
cafa de seo senber na ra do Imperadur o. 31
Pugio do engeobo Harmona da fregoezia Bscada, oa no>te de 21 do correte, dons e?craM
com os signaes seguales : o escravo Ignacio, <4r
preta, cabellos carapinhos, alto, secco, sem debito,
levoo vestido caiga e camisa de ri.-ca.io azul e*a-
po de bata ja usado ; o cute de nome Trajaoo,
mulato, eabellos carapinhos, alto, cheio do corpa,
sera defeitos, um tanto desfarcado levoovestido ca-
misa e caiga de nscado azul e jaqoela parda, csa-
po de palba preto, cojos escravos forana compra-
dos ao Sr. capiio Siivino Guilberme de Barros ao
anno passado : roga-se por tanto.as autoitdades
policlaes e capites de campo a appreheugo dos
mesmos e levvios ao referido engenho ou na casa
do Sr. capilo Siivino Guilberme de Barros, qaa
ser generosamente r< compensado.
100,000 ris.
Gratitica-se com 1005000 a quem apprehcnder
escraVo Basilio, crioulo desta provincia, idade de
22 annos, estatura regular e barbado, mariubeira
do palhabote Principe, e perteoceu ao ca^al do fi-
nado Joo Evangelista, com>ta qne anda na Ca(o-
ga e Mooteiro, por ter all prenles : quem o le-
var a Joo Francisco da Silva Novaes, iravessa da
Ma 're de Dos o. 5, receber a qoanlia cima.
Muita attengo
Na noile de 23 de setembro prximo passala
fugio do engenho Bento-Velbo em Santo Anto, a
escravo Eduardo, crioulo, qne representa ter 44
annos, bom offlcial de canina, bam ladino e fal-
latite, falla branda e insinuante, cor fula, baizoa
espadado, pernas finas, ps llmpos, dedos dos pea
curtos e quasi iguaes, tem falla de om dente aa
frente, sateio de paletot parda debiuado o> fl a
branca, ch;i-o de b.ta cimento, rede, b;.ta a
fardo de mais roopa. E' bem de sut por qu coro
-arpia esteja passando por torro em qualqoer par-
te : roga se, pois, s aatorldades poltciaes desta
das outras provincias toda vigilancia e prometiese
a qualquer que o capturar e conduzir ao referala
ecgenbo generosa recompensa.
Attenco.
Acba-se fuaida aesera Vlelorlaa, criaala, aa
Mhde, poueo mais aa meaos, s 80 anuos, ruite
risoaAa, lem o aadar apressatlo, foi escrava da
Em* St* D- Mara Cand'da Saiatar da Veiga Pea-
soa morad'ra na ra do Hospicio, esta' rugida des-
do flns de abril do anno prximo passado ; eoaeta
estar por Santo Amaro oa SoldaaV, descoafla-sa
otie esteja cuoio ana forra em algama casa aoada
pcoco saia : roga-se a pessoa, em cuj-i casa esteja,
on a quem della tiver ootici, de.se eotendr eoaa
praga da Independencia ns. 37 e 3, lo) de calca-
de do Sr. Antonio Angosto dos Santos Porto.

jBjT
m>r
*-





LITTERATRA.
Relatorio de secretario perpet o it Institu Ar.
cbeolvgico e Geogrphi:o PcroambueaB, lido
na 8e?su solemne de 27 de Janeiro de 18(57.
Mens senhores.-A disposic> do art. 28 dos es-
.alutos de-la cas oanga o sficrl*MQ perpetuo, no
da delioje, a ie**tar assemblea preste os ptiB
Mases fados que em njsso gremio se passaran
donato o circulo qua ur* se techa, para qoe elle.-
Ajuera coosigoados ern oossos registros u'uma es-
pecia de syolhese. Venh.i, pois, obedecer este
agradavel preceito.
A actual mesa administrativa foi eieit* em de
fevereiro prximo pas>ado, assim como o (oraa os
digis raembros que rompa as difireme.- cod-
missSes em que se acham divididas os trabalhos
organices e os de historia, geograpliia e archeolo-
yia dj instituto. Todos esses onccionaMos toma
ram posse em 5'de abril dos lugares para que f >
raiu eleitos, e os trabalhos succederam s com o
cosiumado ilo e regularidad*.
Pelo mioisterio da guerra, e a instancias nossas,
f.j Bom elliiio coocedido ao Iostituto que nraa das
pecas de artilhana.pertenceotes aoexercib bollan
dez do tempo da invaso, e que se aehavam no ar-
senal de guerra, fleasse na provincia, como orna
memorh, e nao partisse para o mmeu da corte,
como o respectivo ministro havia ordenado.
man fcil de investigar, colleceionar e orgioisar
os materlaes da historia. E' om escripto breve
mas de largas vistas pbiloiophcas, ciar i sai mo de
melbodo, ahondante em preciosos coasemos-, e de
um valor inesiiraavel para as coiporaces Ilitera-
rias que teem a cargo, domo o Iostitato, escrever
a historia de um povo ou de alguns indivi :uo, e
deserimloar por entre a cbxonica, os moaameolos,
e a tradicao o que ha de ser dado posteridade
como exacto, ou regeitado pela critica como Inve-
rosmil.
O empeuho em que o Io'titoto se acha p.ra a
ereccao das estatuas dos quatro restauradores de
Pernambuco eo;utra-se no mesmo p em que o
deixamos o anuo passado. O maior obsiacnlo para
a incarnagao desta Idea, a insuIHencia de fun-
dos que por ora temos. As qoitro estatuas, para
que cada ama dellas corresponda i magnitude do
sujeito e replaco da provincia, nao podero
importar em menos de 25 a 30 cootos de ris, pos-
tas co Pernambnco : um dispendio para que a
vesa caixa nao esta'de presente habilitada. Em
todj o caso, iro viudo as estatuas urna a urna, ao
passo que fr possWei, e recorreremos para isso ao
:>atriotiswo de ocasos socios e ao da provincia, o-
lelra, por mjo de comm;ss5es, qu? rao ser nornea-
das em cada freguezia da cidade e as difluentes
comarcas do interior, associ-.ndo assim o nome de
tidos os Pernambucanos a estes gloriosos monu-
mentos de gralido provincial.
O hbil pincel do vosso socio correspondente o
Sr. And Feneira d'Almeida, que o anuo passado
pxpz nssle salo o primoroso retrato de JoSo Fer-
nandes Vieira, terminou este auno com a malor fe
lic dadj a larefa de que se incumbi, apreseutan-
do os tres vultos que restavam, e que ora se acham
a vista.
Na excavago a qoe se proceden nos alicorees
do autigo arco doSenbor Bom Jess das Porta?, nao
so encohtrou medalha nem taboa alguma de pedra
que indicasse a sua fundaco e os pormenores qae
a deviam ler acorapanhadu; mas a commisso eo-
carregada desle trabalho, a forca de diligencias,
p-ie verificar o lugar preciso em que o arco se
achara levantado, e muitas noticias importantes so-
bre a sua edifieaco e a do sanctuano que Ihe era
superoslo. All, no froulespicio ao sobrado que
serve de resideucia aos inspectores do arsenal de
manaba, c no meio de uiu grande coacursu de 61-
daaos nolaveis, no centro do urna grande testa, se
collocou afiaal urna lapide quadraogular, que boje
rememora proviucia de Pernambuco esta amiga
e cjriosa fabrica, como o Iastituto o bavia ordena-
do. Fol^o de mencionar anda urna vez o auxilio
espontaneo e bous servigos que em semelhantes ac-
ius costuma sempre prestar o Sr. capito de mar e
Ruerra Hermenegildo Antonio Barbosa d'Almeida,
oosso Socio correspondente.
Para se proceder ao exame scientiQco sobre os
ossos encontrados uo sepulcro em que ha toda a
probabilidade de haver sido encerraao o cadver
de Jjo Feraaodes Vieira, oram esses ossos trans-
portados de uiiuJa com toda a decencia para a sa-
cbristia da Igreja de Nossi Senhora do Paraizo do
Recita; e ahi se procedeu ao exame ordeoado pelo
lustituto. O resultado fol a commisso mdica de-
clarar que nao era possivel eonhecer e destiuguir
entre as seis ossadas que se encontraran] no car-
neiro qual a mala amiga, e depositada em primeiro
lugar, visto nao ter havido a precaucao necessana
uo acto da exhumaco e acharem-se esses ossos a
lesfaztr-.:e em p. Mas o lu-iilulo proegoe em
suas investi;agoes a respeito, e, de vestigio em
vestigio, espera encontrar a solugodo que preten-
de saber.
i--' aqu occasiao de agradecer solemnemente aos
Srs. Drs. Alexandre de Souza Pereira do Carino e
Francisco Pires Machado Porieila, nossos socios
eorrespoodeates, a benevolencia cOm que se pres-
laram ao trabalho de semelhaute exame, e a solici-
lude com que o desempenbaram, de acord com a
honrada commisso do Instillo
Ao Sr. major Antonio Bernardo Quintero, nosso
socio correspondente, deve o Instituto reconheci-
ment igual, pelo offerecimento que fez, e Ibe foi
accelto, do seu mals rico carro fnebre, em que
foram trazidos de Olinda para o Recite os presumi-
dos restos morlaes do here de Guararapes.
Solicitou-se de S. Exc. o Sr. cooselbeiro presi-
dente da provincia a expedico de suas ordens pa-
ra que a lapide denegrida que se acha na frente
do antigo eslabonen do Recite seja llmpa e aviva ; d'Almeida, nosso socio effectlvo, sobre o proeesso
dos os seus earacteres, aflm de que o Instituto pos-
sa continuar os seus estudos sobre os monumentos
e (radicdes detta provincia.
Duas commissdes reunidas adhoe, urna nossea-
da pela Ulna, cmara municipal do Recite e ootra
pelo Iustituto Archeologic e Geographico, oceupa-
ram-se effctivameote da subsiltaicao de alguns
oomes das principaes ras desta cidade por outros,
jue devera recordar nos e a nossos Albos, os beres
- Mos meraoraveis da hisioria patria, de confor
midade com o que o nno passado vos communl-
quei O projecto ds sabstituiyo Toi organlsado
de acord em junho, porm at hoje nao ha sido
dbcutido em caipara, segundo me consta.
Nem o empeolto em que o Iastitulo se acha de
alcancar da assemblea geral legislativa a decreta*
cao de ser o dia ti de Janeiro de testa nacional
para Pernambuco, nem o de obter do mesmo po-
der do estado urna ou mals loteras no Rio de Ja-
neiro em favor dota til associago foram anda
satisfeitos.
A ordem nominal que a assemblea legislativa
de Pernambuco estabeleceu para as loteras qne
teem de correr na provincia, nao denara' qae lo
breve chfgue a vex de se exirabirem as partes que
faltam a que se acha concedida ao lustiluto. Em
compensaco receben em tempo a vossa caixa a
subveocao votada pela ruesma assemblea em sua
ultirai sesso1:200*01)0-, com que se tem (eito
tace a's despezas mais urgeates. E' de esperar
que o generoso subsidio que os nossos dignos re-
piementantes destinara vida moral do Instituto
Arcbeoiogico seja augmentado todos os annos,
Nao sabendo porventora respon*er *m perdn- Ta, qoe envias de leoge a sombra fatigada
la, recolhermo-oos nesse ponto ao silencio, notando plra gaiar-me a vida e os passos hora a hora
apenas o tacto que nos suscitou a inte rogado. M5t0 idea| Mjragera se(juCtora
t Urea inveocio modernlssima dos cabelluireiros ___ .- .t,i,a, .
de Paria eU sendo cusa de grandes molejoe, e d* Onde en ponto chorando a fronte exlasiada ,
se faxer mnito espirito. l \j, ,.m ,..a. Li*,. j. c.a,aa
Os janotas, quaolo passam junto de alguma Na nolte mals profunda e triste da saudade
criadinha gentil e acatiuda, cujo riso desejam pro Vem rasgar da minh'alma os lutuleotos veos,
mover, ou sondar ae e-quiva e arisca, ou melga yem cobrlr de oracSes i louca moeidade,
e doroesticavel, pergaolaflHbe s vai buscar o ra-
bo de vacea da senhora (qHte de veche it' mada- jjas azIS 0 (a beijo Irei voaodo aos cos,
ne.) I
c A cousa parece naverdade exquisita, mas ex
plica-se faeilmenfp.
Os cabelleireire?, qaerendo, por sua'Lem re-
E levarel, oh mi I tea nome elernidade
Como um grito de amor que valperder-se emDeusl
ment 4e nm t gentleroao com orna linda joven
da tribu Ais ehofaw*, miss Katb-!eno-be', fllha da
Novem Negra, un dos chefes caddos,
O citado jornal accrescen'ta qae a nolva da ra-
ga geouioa dos caddos, teod mals de seis ps de
altura, sendo mni bella no seu genero ; e apruma-
mada como om dos primeiros dos desertos do oeste
No dia da3 nnpeiaa traiia ella, no perneado orna.'
los de prata qae pesavam quasi meio arroba.
A vossa eommissa) de fondos e orcamentos ter cmheciJa conveniencia, sustentar a moda d >s pen-
de apresentarvos era assemblea geral de 15 de leados complcailos e as enormes cuas, ouwndo
fevereiro prximo, o orcamento da recolta e despe- ,odo diM 1ue.,xas d;iS '?. m*ui,\>a
f V, vu,Vau,cu.u U. icuo o uo Hv pe xa do anoo social de 867I858, o qoal sera devi- a ponlo ,je aearem nervosas e com mo parecer, No da em que deixaste o nosso ledo amigo
a'quella OL'E artio.
Era busca de mais bello e mais vistoso encanto,
Eu traguei em silencio as ondas do raeu prauto,
damente disentido no 1 de abril, como prescrevem lembraram se de faxer nnaa especie de cobra, agei
os arts. 19 e 27 dos esUtutos. lando para isso urna porgo de crep, que dio o
Tae. sao os tactos de que tinba de Informar-vos, f^ *^?^bi?to$!- Em^ncm^^a" "cruTd'o meu^^go.
e tal e o movimenio qne se dea no estadio acade- le fregoe.a. a tal cobra reveste se com cabello I .
mico que acabamos de percorrer. Um puohado natural,e enr^llaodo-aem espiral, forma urna cnla Onde ira escocder-nie, achar um novo abrigo
de intelligencias mjdesla?, mas de'vontade robus- magnifica, isto 6, deTm aspecto pheoomiuai, mas Doce, pnro, isolaflo, encantador e santo,
l? lancaram os orimeiros fundamentos desta era- mil.,Bfe' e do acii ep,cucao;-reunindo \ apre- QUe fechasse minh'alma e ludo, Indo quaote
l?, lancaram os primeiros luoaaraenios aesta gra c|jve| V10gem d em (D01l0S casos> iorQar 10le,
ve assoclacao batoje cinco annos; e a sna marcha raa,enle despensaveis os cabellos posticos. Ka Poaesse sa,var ao u,umo Den*
e o sen progresso esto patentes a todos. A cons- Aorigem.pois.de se ridicalarisar ama 'a- percorri a alameda exteosa iriste e oaa
tancia e o irabalh^ Uem at boje vencido mu.tas. -JJ* Zm^ZTutcotr^ IZ?-' Onde oulr'ora tea passo uni se ao pasf0 men,
d,fflcuUades, e desmentido ass.m os espirites timi- ^af a cjoada de S ehamarem "ueue de va La onde tanta vez minha alma unio-se ua :
dos que Ihe agouravam urna vida epbemera. cje e maiame.
A tarflfa nu imnfliL o In.titnin n n fcilmente se deprebende, que quanto maio- E quando murmurei baixinho o nome leu
A tarefa que se impz o Iost.tn.to, como o seu res ferem Js dllBen8ai dos oenleados, menores Ja|gnei te ver aioda moma loz da la
propno titulo o indiea, colligir e verificar os bao de ser os laucados ; os qoaes teem diminuido
subsidios que esta e as provincias visinbas Ihe em tamanho, mas augmentado em lindeza. As-im,
possam mioi^trar par* a historia do paiz aooli-! I"0116 crap6rse um toacadinho, cora urna fita de
* r rf naln^.t t..i^ 1 .1 .. ,i., ...Hw- f r- ii.o ii i i /lilOil limo
cando principalmente esses testemunbos chrono
como o forem permitiindo os recursos da provin-
cia.
No enianto, a actividade inexcedivl do vosso
diguo toesoureiro loierino e o seu amor pronun-
ciado pelo reuome desta casa, lera-no feito adian-
ur os uJoj necessanos para as despezas qae ba
sido iiister taxer, cada vez que em caixa nao ba
capital sulBcienle ; e ao seu rauto zlo se deve o
acew, ornato e mob'lia da sala em que esta' coito-
cada a vossa secretaria. A elle e ao multo reve-
reudo padre proviuuial deste convento de Nossa
Senhora do Carmo, que nos coocedeu o oso fruc-
to de tal sala, esta' o Iuslituio em grandissima
obrlgaco.
Por odtro lado eslao satisfeitos os votos que o
anno passado vos raanifestei de ver a secretaria
disposia no pe em que derla estar. PJe effecti
vamente nomearse um bom empregaio com o
Ululo de amanuense,*?, sob as mrabas ordens, tem
a seu cargo velar nos archivos, curar da bibliote-
ca, e fazer a escripluraco necessaria dsta casa,
segundo a lettra do art. ta de no-sos estatutos. De-
vemos, porm, babilidade, paciencia e ao reco
ubecidj espirito de ordem do vosso digno 2* secre-
tario a perfeigo systematica com que se achara
formulados todos os nossos registros, e a completa
classificaco de-todos os objecios que perlencem
ao Instituto.
No correr do anno acadmico que hoje termina
tivemos de deplorar a morle de ires de nossos mals
conspicuos socios: o Dr. Estevo Bjnedicto
Franca, o commeadador Maooel Figueiroa de Fa-
ria, e o muito reverendo bispo de=ta diocese D.
Emmacuelde Medeiros. as associacops Iliterarias
a vida de cada membro de ceno modo immate-
rial ; e as nossas nicas asplracdas gloria sao as
do trabalho ou as da auperioridade do eoge-
nho. Fre a morte algum de nos.....recolhe a
consciencla publica o que houve de grando on de
proveitoso na vida do qu: se fiaou: elabora-lhe l
ra o capricho o sea triumph); calumnia-o no
"meio das pracas o interesse privado; o seu nome
um som qje nada significa para a indifferen-
5a :nao importa: aqu dentro, era plena tran-
quillidade de espirito, looge das paixdes tamul
tuosas, formase-lhe o proeesso de seus actos, con-
templa-so o que elle fez, pesa-se o que era capaz
de fazer e nao poie, discutem-se todas as vicissi-
tudes de sua vida; e depois, nestt dia solemne,
oeste da em que todos "os espiritos se ar.bam
absortos em magnificas ideas, abrera-se de par em
par as portas deste tribunal-democrtico, e aqu se
Ihe lavra a seotenca: aqui se resolve afina! se os
nomes dos que se foram devem passar com effelto
memoria perenne dos horneas, ou se taes aomes
devtra esquecer-se para sempre, com o derradeiro
som da lousa que Ibes cobrira a estancia. E' isso
o que vai dizer-vos o vosso Ilustre e eloquenle
orador, com aquella t viva, com aquella uoe(o
religiosa, que o-formiso carcter de todos os
seus discursos.
0 quadro actual dos raembros do Iostituto 0
seguinte :
40
17
Socios correspondentes.. 43
Total...... 100
logia, a geograpbia, litleratnra, e p-iocipalmeote
a historia dePernambnco. O seu flm ensinara mul-
tido pelos grandes exemplos da historia patria;
crear em nossos conterrneos o amor ao trabalho
pela fascioacao dos commodos sociaes; mais
qae lado preparar a actual geracao para os glo-
riosos deslios que a esperam u'uma poca pr-
ximas.
Quando o povo estiver sofflcentemente instruido
em sa* historia; quando conbecer que a inereia
o sea maior ioiraigo; quando por nossos esforcos
elle poder apalpar as prodigiosas vantagens da
aclividade ; quando conhecer a quanto u obngara
os seus direitos e deveres; qaando, n'ama pala-
vra, elle se .considerar em termos de reunir-se,
sem oscilar, communho Ilustrada e aciiva das
mais adiantadas nacoes do globo, nao baja m<-do
que os deiietos se multipliquem, ou qae a pregui-
ca vegete n'ara incrivel desperdicio de torcas. E'
o deseovolvimento desta importante Ihese que o
(astilulo tem a paito cora a pubiicacao do seu
orgao perjudico, persuadido como est de que o
povo mais forte ser sempre aquello que mais es-
clarecido fr, e que o poder da intelligencia ha de
vir a ser por Om o nico poder dominador de toda
a trra.
Porm nao basta a boa vontade de instruir o
povo; necessario da parte de quem oquer ins-
truir multa sinceridad*, muila independencia e
muilo estudo. O espirito de observaco e a com-
paraco picienle do estado das nossas cousas com
as das nagoes que queremos imitar, sero em todos
os lempos o barmetro sopremo para qaem preten-
der doutrinar ospovos. E com ludo, emos muila
fe nos caracteres que se acham a frene da actual
redaeco da Revista, para nao e.-perarmos delles o
cabal deseraneubo da santa mlssao qae teem aos
hombros,. de accorde com o programma do Ins-
tillo.
As-i ni se orna esta importante colm* de lio
mens dedicados um dos mais fortes auxiliares do
governo, no patritico empenbo em que elle se
acha de regenerar opal:, e assim se justifica o
generoso dora aonual da assemblea legislativa da
provincia ao los tuto, como am precioso estimulo
aos seus esforcos, e a mais honrosa das adhesdes
aos seus trabalhos.
Assim que nascem, crescem, chegam i altara
a que se propS^m f. do tractos de bencao as asso-
ciacSes patriticas dos povos modernis, qaando
fundadas no Interesse coramom, e aradas pelo tra-
balho de todos os seus raembros; porque, a asso
ciacao doi espirilos pela lotelligencia e pela acti-
vldade a palavra mgica do actual scalo, que
Da feito brotar em jorros as adrairavels creaedes da
arte, da industria e do commerclo em ambos os
mundos, com os quaes se eoche de orgulho o ho
mera, que hoje vive, e que descobre no futuro,
c rao o Iostituto Archeologico hoje descobre, os
largos bonsoiites da humanidade,o passamento e
a grandeza moral das geraedes por vir.
Sala das sessdes do Instituto Archeologico
e Geographico Pernambucano, 27 de jane.ro de
1867.
J. Soares de Azevedo,
Secretario perpetuo.
Beber todo o meu pr.nto e murmurarsou eu I
Nos Estados-Didos podem calcular-se as fler-
pezas rJe insirurcao primaria em qusl 6 francos
por habitante.
Assim o Massachosetts com 1,131:064 habitantes,
consagra a' irretrueco primaria, sem contar a cons-
trueca e couservaco dos edificios 7,600:000 fran'
eos.
Ncw-Yoik, rom 3,8S0:000 habitantes, 21,500:000
francos oa 6 francos e 80 cntimos por pessoa.
Ohlo, com 2,333:502 almas, 13,700:006 francos
Michigan, 749:113 almas, 11,000:000 francos.
Illinois, com 1.711.931 almas, 11,000:000 fran-
cos.
California, com 379:W)i habitantes, dos quaes sio
chins 31:117, 2,300:600 francos.
Qaando se cmsideram as cfdades slidamente-
os resaltados sao anda mais dignos de attencao, e
de admiracSo.
Alm da sesso especial de eleicSes em assem-
blea geral, de que ba pouco vos falle!, celebroo o
loslltuto no correle anno acadmico 19 sessdes
ordinaria, as qoaes foram tratados e resolvidos
diversos assumptos, uos de ordem, e outros de
interesse publico para a provincia.
Urna importante memoria foi lida na sesso de
26 de julbo pelo Sr. Dr. Francisco Maooel Raposo
veludo bordada de contas, formando quasi urna
elypse, e vindo at testa, por cima dos nands
vai atar-se por baixo da coia, prolongando-se pe-
las cosas at ao iionlo que se queira. C>mpleta-se
este eofeite com ama fila de velludo igual a nutra,
presa pelas extremidades ao cabello, cuna das ore
Ibas para formar collar.* A parle da 61* que vera
ter testa guarnecida com piogeales braceos ou
pretos, ou roxos, oa vermelho, ou c6r de amoar,
eic. como se desi-j*.-
Tambera mallo bonito nm toncado 1 que
chamara bnyaire, Urna lita de setira de 12 cent-
metros de largura e com riscos de cores vivas e
um veo de tulle de seda bastara para o compr.
t Com rame cobsrlo se d a forma, que ar-
redondada, menos na parte que deve flcar para a
testa, onde pooteaguda. Eovolve se cem urna ti-
ra de veludo cortada ao viez, a qual tem Iriula e
dous cenirimetros de compnmento e doos de lar-
gara. Toma-se um metro e sessenta centmetros de
fita de riscos : e se dobra pelo meio o'um opaco
de cincoenia centmetros; Iranze-se e cezo-se ao
rame. Do mesmo modo se faz 11:11 circulo com
quarenla centmetros de fila, dobrada como a pre-
cedente, o qual se melle por baixo da cuta, pren-
dendo 1I0,"iis ao 011 tro.
O ve de tulle de s-la pode ter cincoenta e
cinco ceotiraetros de extenso; guaroece-se com
renda de sola ; fraBze-se por modo gracioso, prn-
de-se ao aro no ponto que tica sobre a testa. A fita
deve s-r guarnecida as extremidades cora urna
renda igual a do vu.
1 As toilettes de baile sao cada vez mais deslum-
brantes. A phanlasia desenvolve loaos os seus re-
cursos. Os decotes sao exageradissimos ; as man-
curabas doscorpetes desappareceram quas; estes
suspendem-se purum remate teoulssimo- de modo
que sem hvberbolese pode dizer :
Que o corpo crystalmo deixa ver-se ;
t Qu lauto bem no para esconder se.t
Eis algnmas descripc5js dos bellos toilettes.
Saia d* setim branco, guarnecida com grosso cor-
do por baixo, tendo em cada um dos pannos tres
fofos de talle atravessadns por fita cor de laran a,
formando grupos perpendiculares. U vestido de
cima de velado cor de laraoja, todo enfeltado de
edr i', laranja, e forrado de setim branco.
Por dlante e pelo lado posterior liso.e aber-
lo aos lados, reanindo os pannos que assim flcara
soltos, ama borla apenase sao talhados de ma-
neira que venbara a formar duas grandes pregas
aos lados. O cornete, decotado era excesso, conti-
na a sala e acorapaohado por oolro de rousseli-
na branca em preguinhas, pa3sando pelos braco*
urnas nomhreirinhas. As mangas sao largas, aber-
tas inlelr .menK e compleadaspor urna borla. Por
eofeile de cabera, cadeias de ouro nnlcamenie.
Note-se qu o vestido de veludo rauto mais cur
to, qae a saia de setim, bastante nesgada e descre-
vendo cauda.
Vestido oa saia de baixo de glac branco, com
urna grega feita de duas ordens de contas de crys-
tal verde gaio : toda a parle visivel e salpicada de
contas irmis ds da grega. Saia de cima de gaze
de seda verde gaio, toda ero franzidos no sentido
bonsontal, cada um dos quaes nao ter mais de
seis centmetros de largura ; como os vestidos
de baile, muilo mai- curto adiante que aos lados e
atraz: tanto a saia como o eos se guarnecem com
pingentes de crysf.l verde. Um corpinho de glar
branco bordado com urna grega e pingentes tam-
bera verdes. Camiseta bem decotada de musselma
branca franxida. Do hombro direito parte urna gri-
oalda de narcisos que seprtlonga at o flm da sala
de cima.
Vestido de setim cor de palha, com dous fofos
de crep da raesraa edr de palha, fazendo barra.
Camiseta franzida de musselma, bem decotada
tambera, gaarnecida com fofos e rea da* mais
superiores. Capa (sorlie de balj de veludo violeta,
com bordados e tranjas de ouro. No cabello, ca-
mafeus de coral, engastados em ouro ; brincos de
bnllianie, <
Fernando Lesseps, o iofaligaf el promotor do ca-
nal de Suez, acaba de asseverar em Marselba, que
; a sua grandiosa ubra estar* concluida no espaco
de trinla mezes, e que o canal de um at ao 001ro
mar ter na poca fixada urna largura de lio ni-
tros em lugar dos 60 primitivamente prometi-
dos.
A JndVpendVlcia Belga recebeu do sea corres-
pondente de Paris urna carta em que se l o se-
guinte trecho relativamente siluacao da Hespa-
nba :
a As noticias de Ilespanha nao sao das melbo-
res.
Nioguem er na possibilidade do mantcnimen'
to do estado actual das cousas.
c O marechal O'Doonell, segundo se diz, tent. o
persuadir o imperador Napoleo de que o meio mals
seguro de evitar orna revoluyo, seria o de se fazer
nomear, a elle O'Doonell, regente de Hespanha dir
rante a menoridade do principe das Asturias, fa"
zendo com que a rainha abdcasse a favor de seo
atoe.
Creio que esta solucao nao agradou aqui, e
anda menos agradara rainha Isrbel.
Em 21 do correnle foi publicada, em Londres, a
estatistica meosal do pauperismo.
No passado mez de ootubro, o numero dos pobres
ua Inglaterra adroitiidos a reeeberem siccorros era
de 853,768 ( nao comprehendidos os vagabundos e
os alienados.)
No anno precedente e durante mesma poca'
este numero nao passava de 812:706.
Suicidou-se, ba pouco, na Peosylvania, um ho-
rnero, e dentro do cano de nroa das suas botas fui
eocoolrad o seguinte escripto, o qual prova al
certo ponto a razu que o levou a recorrer ao sui-
cidio :
t Casei com urna viuva, a qual tinha ja' urna 3-
Iha aulia das suas pnmiiras nupcias ; ora, succe.
deu que meu pai, o qual viuba visitar-me a mludo,
cabio nos amorosos lagos da minha enteada, e despo-
sou a ; mea pai velo ser por laoto meu genro e mi-
nha enteada era mina mal, por isso que era rou-
Iher de meu pai I
t Pouco lempo depois, minha esposa deu a' luz
um menino, que foi eunhado de meu pai e ao mes-
mo lempo meu to, por ser elle irmo de minha
madrasta.
A esposa de meu psi ( minha enteada ), tanr
bem deu a' luz um guapo menino o qual veio a ser
meu irmao e eu neto, por que era hlho de minha
ib*.
< Mioha mulher passava a ser minha avo, por
Isso que era a mai de rainha mi ; era eu marido
de Oiinha mulher e ao mesmo tempo seu neto :
e como o mando da av de urna pessoa vem a
ser av d'esta, vira a ser, por tanto, av de miro
mesmo.
Quem n"trj tem oavido fallar do vinagre
dos quatro ladrOes, sem peder explicar a
origem dessa denominaco extravagante?
Eis- pois o que a respeito corita a le-
genda.
Em 1720, na maior intensdade da pesie
em Marselha, faziam-e particularmente no-
tar por sua dedicado e coragem quatro ho-
mens, que pareciam querer lutar em heros-
mo com o veneravel bispo daquella cidade,
nvnsenhor de Belgunce, de 15o caridosa me-
moria : apenas havia a differenca de que,
quando o santo prelado chegara invariavei-
mente casa doentes com as algibeiras
cheias e vollava com filas vasias, os seus
quatro mulos pelo contrario entravam com
as suas vasias e as levavam cheias na reti-
rada.
D'onde proceda essa differenca
Nao preciso grande esforco de imagine-
cSo para advinhar-lhe causa.
Eram ladroes.
Instaun u-se-lbes o proeesso ; e, cojio as
circunstancia atbenuantes n5o eram, infeliz-
menle paraell-s, conhecidas nessestempos
primitivos, foram conemnados a forca sem
misericordia.
D'elles j tres tnham soffrido a pena, e
o quarto ia a seu turno soffre la, quando
se Ihe coocedeu urna snspens3o a seu pedi-
do e sob a promessa de fazer urna retelaco
imprtame.
Declarou, pois, que se podera affronlar
impnnimente o contagio, fora devido isto
um certo preservativo, qoe fazia conhecer
com a conflicto de ser perdoado.
Aceita a condicao, indicou el e a receita
desse vinagre, que ainda hoje se denomina
vinagre dos quatro lodrBet, em lembranca
dos quatro honrados industriaes aos quaes
devida a respectiva invenco.
UM POUCO DE TL'DO.
Eis a descripcao das nliimas modas de Paris, que
transcrevemos do Jornal do Commerci, de Lisboa:
t Porque sera que a irona e o epigramma esto
sempre afiaados, para mortificar os espiritos juve
os (e os qoe o nao sio j) quando preoecupados
com as duas sensaces que mais fcilmente os eo
thusiasma e sensibilisa : as innovaos no trajar,
nos eofeite?, nos aderecoseas loclinacdes suaves,
maviosas, ' 1!

FOLHETIM
ASr"BIM4SHfiS\TAMZ
pon
Jules de Saint-Flix.
SEGUNDA PAHTE.
XVJH
(Conclnso.)
Em a noile do mesmo dia, pelas olto horas, tor-
nou-se o calor excessivo e o bonsonte carregon se
de'nnvens negras, qne se lam agrupando como
p"miasmas no meio das irradiasSes do sol poente.
No mei das ciMas elegantes e dos chalets de
architectura caprichosa qoe rodela a avenida da
iraperatnz, ootava-se ama casa de magnifica appa
rencia, nica qae pareca desamparada pelos seos
habitantes. As persianas, tanto do lado do jardim
como do lado da avenida, estavam cerradas.
Bsta casa era a vla Castellaa. Comindo eslava
habitada anda por Armanda e pelos criados. So-
mente advertiremos qae os criados eram meos
umerosos que entre ellos lora conservada a ia
Dorothea. O proprlo porteiro fra substituido;
mas por qaem 1 por am hornera rgido, por om ma-
rinbeiro velbo que o Sr. Castellaa conbecera as
suas prolongadas viagens.
Eram cerca de oito e meia, e j Intelrameote'noi-
- te. Um s caodieiro alnmiava a salas do pavimen-
to baixo, onde se achava Armanda, a qual junta da
ardineira tratava de por em ordem algos objectos
em orna peqoeolna mala de viagem.
De repaste abrio-se a porta da sala, e Dorolhea,
aia de Armanda, qae nao estar nanea malte Ion
ge de sua ama, annuaciou a menina Lncy Du-
bois.
Aos olhos.de Armanda, foi como qae am rato de
loz qae entrn-na sala. Corren para Lacr, abra
coa-a sem poder anicular ama s palavra, roas
sem cessar de beljar os cabellos da formosa meni-
na qne ia visita-la, quando pareca' qne todo o man
do a desampara*?.
Venho visita-la, dlsse Lucy, porque nao
me devo esquecer do passado, que tanto a ac-
cusa...
Creia, Lucy, disse Armanda ioterrompendo-a
que Ibe quero anda mals do que a vida.
Creio ; e por Isso aqui me tem. Venbo di-
zer-lhe que fecha espranos. Urna ventura nnnea
Sao do Sr. Goimares Jnior estes sonetos :
MVTBR.
Et tu m'conteras, pensive el sans ren dre,
Mais jixant sur moi tes grandes yeux,
Avectout ce qu'on peut mettredans un sourire
D'amour pur et religieux.
Fraocois Coppe.
Tu qae soffres talvez... Mdlher idolatrada,
Bella estiella de amor, viso deslumbradora,
Tu em cujo regaco a castidade mora,
Mi I mil vezes feliz I mil vezes adorada I
eos, que aquella louca da Sablinviile condn ao se .
joalheiro, e que este leve a cobarda de ir deoun-
ciar. Venba contigo, acompanhe-me ; sei qaal a
sua posifo. Ha urna bora que roabei ao joalheiro
os diamaales ; depois Ihe direi como. Trago-os
aqu, neste scco de viagem. Has nao lenbo nem
um sold, e preciso de dinheiro para Ir para os
vem s ; o Sr. de B-lleearde, qoe me faz a hoora Estados Un dos. A senhora tem trezentos e ci-
de pedir a minha mo, esta cano desde esta ma- coenta mil francos em notas do banco... V bas-
nbaa de recobrar a rlqneza que sea lio Ibe desti-'ca-las e rujamos.... Teoho lodos os papis neces-
nava, e qne Ihe baviaro roobado por meio de om sanos, e na devida forma. Amanba estaremos
testamento falso. Por outro lado (bem vqaeeno- 00 Havre, e depois d>manha a bordo. Ha am
ro as soas desventaras) espero obter do Sr. de Cas- navio que esta a sabir para a America, e cojo ca-
'ellan que Ibe deixe alguns recursos. pitao meu amigo... Veaha, Armanda... Bem
T Lucy I Acaso taras isso, minha fllha7 v que Ihe trago'liberdade e riqueza... Venba,
Consente que beije as mos, e qae ajoelhe a leas, amanba ja sera tarde.
ps, para te agradecer o teres-te recordado da mi-l A Sra. de Castellao, palllda, immovel, lancava
nba ternora, e esquecido os desvarios da minha olhos desvairados aquello hornera, trajado como os
vida. Bem sabes, Lucy, qae antes de te conhecer, mogos de fretes, e que fatlava linguagem lio ex-
vivia era muilo m sociedade... iraordioarta. Reconhecera Rodrigue-, o coodem.
Nao fallemos nislo, minha senhora, retorqoio nado a vinte annos de gales. Suppunha-se sob o
Lucy. Poobamos de parle esse triste assompto, e imperio de espantoso pesadello.
tratemos do qoe Ibe diz respeito, da sua poslcio Emito 1 lorooa o bandido, nao me oave ?
actual, e do sea futoro. Disse-lhe j, que nao des- Nao se moveT... Venho salva-la I Pegenos seu
espero da bondade do Sr. de Castellao. Como j tresentos e cincoenta mil francos, as snas notas
(be disse tarabem, o Sr. de Bellegarde acaba de re- do banco, e acompanbeme...
cobrar os quinbentos mil francos qae Ibe bavfam As minbas notas do banco? Os meas irezen-
roubado..-. ios e cocoeoia mil francos ? disse ento Armanda,
A este tempo velo Dorothea dlzer a soa ama, qae passando a meo pela fronte gelada, e com os olhos
esta va la fora om criado qoe irazia nm sacco de filos e a vot alterada,
viagem, e qae qaeria fillar-lbe em particular. i Sim, accrescentoa Rodrigues, acaso enlou-
Lucy levantou-se e passon para a llvraria, cuja qneceu T
poru dava para a sala! Mas, lornoo emo a pobre molner, qoe Jul-
Em seguida eotrou o criado, e adianton-se res- g?a estar sonbando, ja restitu esse dinbeiro.
penosamente at a poltrona em que se achara a A qaem T Com lodos os-raiosl A qaem os peta roa de Comartio, prximo da Igreja deS.
Sra. de Castellaa, prxima da mesa em qae eslava restitoioT Loiz, pelo mel dia, verla varias carraagons para-
0 caodieiro. Enlo, aesegarando-se de qoe a ala A Moyss, aquemellepertencia. das no largo, e entre ellas urna, cujo coebeiro ti
se retirara, disse a mela voz a Armanda : o bandido solioa am grito eaiva, equii cor- nha om ramo de flores no reboco da farda aga-
Nao se asauste, soa ea. Tenho estado es rer para a porta ; mas de repente vio.qne nraa jo- 'oada. A porta principal da igreja eslava aberta
coodido em Pars. A Sablinvie foi para a Ame- vtn Ibe corfava o passo. Lucy ouvira as ultimas de par em par ; o ruido do orgo ebegava al
nea do norte com ELbolin. Os ootros esto ore- palavas da Sra. de Castellao, suppuzera ameacada, a mnllido de cariosos que eacbi a escuda.
sos. Qoiz tcar para salvar das garras da josticj e ia siecorrela. Acabava de se celebrar em S. Luiznra casa-
varios diamantes qae valem seisceotoe mil /rao- A sebora aqu I exclamoa Rodrigues ;e ment. Dltia-se qae a noiva era formoSinslma, qoe
onvlo.... Ah I accrescentoa, logo, preciso que
morra 1
Ento lancon-se Armanda entre o assassino e
a joven fazendo com o corpo-unta muralba entre
Rodrigues e Lucy, e araeacou o rosto daquelie
com a pona de um psnhal que lioba sempre com-
sigo.
Comiu Jo, estavam as duas mulheres perdidas,
por que o bandido ia armado; mas de repente ou-
vio-se tocar violentamente a eampanhia da portado
jardlm. Rodrigues permanecen immovel, procu-
rando a resoluco qae deveria adoptar. A porta da
sala abrio-se eom estrepito, e logo dous bomens
acompanhados de muoicipaes correrara para o as-
sino, apoderam-se delle, arrancaran]-Ihe o sacco de
viagem, que' elle segurava cora mo de ferro e
amarraram Ihe os bracos com cordas.
Rodrigues cabio no pavimento, veneido, mas
lancando aos qae o rodeavam ama garglbada de
feroz irona, garglbada de Satans ferido pelo
rio.
Tiraram-noem seguida dalli, e levaram-no para
a cadeia, que havia muito tempo o esperara.
Os personaeens qae lio afortunadamente uham
acudido, eram o roarqoez de Bellegarde e o Sr. de
Castellao. Tinbaoi sabido do roubo das jolas, e
guiados por ama dessas iospirages a que nao se
resiste, tinham-se apressado a auxiliar a polica,
dingindo-se immediaiamente a villa do Bosque de
Bolonba.
EPILOGO.
Tres mezes depois das acontecimentos que aca-
bamos de referir, n'ama formosa manhaa de se-
i lembro, se aigum dos leitores hoavesie passado
L-se no Times, que no tribunal correccional de
Liverpool, Thomaz Righy, foi ha dias aecusado de
ser mando de quatro mulheres, sendo todas vi-
vas.
Fol sua segunda mulher qne apresentoa provas
contra elle.
Foi mettido na cadeia a Qm de dar tempo a que
apparecam mais provas.
. oa-----------
Um jornal americano noticiou o recente csa-
la vestida com aprimorado bom gusto, qne era
muilo nova, pertencente a' classe media, que mo-
rava perto d'alli, na ra de S. Lzaro, e qae ca-
sara com um cavaileiro que liaba o ttulo de mar-
ques.
O orgo annuociara o flm da ceremonia ; e logo
em segu la sabio da igrej o afortunado roarqoez,
dando o braco a' joven encantadora, que dali em
diante usara o seu nome.
Como supporam os leitores, recobrara Raymun-
do, integralmente, a heraaca a qoe tinba legitimo
direito. Liberto de todos os entadonbos assamp-
los de inieresses, s tratoa de se estabelecer ero
Paris, escolhendo para Lucy urna casa nMissima,
que mobilou com apurada elegancia, sem comtudo
exceder os limites aa sua recente riqueza.
Foi para ali que se dirigirn os convidados.
Eram poucos os amigos do marquez; mas Ray-
mundo qulzera por teslemunhas da boda, aquellos
que para elle sigaifleavam as melhores recorda-
edes.
Eotre os oomes aristocrticos, havia nm qae re-
presenlava a aristocracia monetaria, e que at-
trahia mnito a attencao dos circunstantes; era o
nome de Moyss. O sensivel baaqueiro, n'ura
accesso de herosmo, acceitara o convite da mir-
qnez, e fra dar os parabens aos nolvos.
Mas chegou a hora de se separaren!. Moyss,
que fra dos ltimos que Qcara na sala, cbamon
Raymando a' parte, e disse-lbe em voz baixa ;
Perd contra o seobor ama partida magnifi-
ca; nao tostante bem v qae quero continuar a
ser sea amigo. Precisei de muilo valor para asis-
tir ao sen casamento. Agora, antes de nos sepa-
rarmos, tenho amaperganla afazer-lbe : Sappon-
do qae eu tivesse casado com Lucy, qae ter i a o
Sr. feito?
Mata-lo-hia n'um desafio, na vespera da
boda, responden Raymando com o maior san-
gae fri.
Moyss asertoa a mo do marq".!, despediose
de Lucy, e reHrea-se commenc? p*xir, depois des'
la explicacao.
A pesca da sardinha foi abundante no au-
no prximo passado, dando grandes lucros
aos pescadores.
Em Douarnenez e em Concarneau, que
s3o os principaes centros d'essa p'esca, 884
Datis empregaram-se nella.
Durante o mez de julho apanharam 110
milhes de sardinhas, cuja venda produzio
707,648 f ancos; e no fim do mesmo mez
era tal a abundancia, que vendia-se o mi-
lheiro a 2 francos, cousa que se nao va ha
dez annos.
Um individuo apresentou-se a urna esta-
clo policial do 3o districto, e solicitou ao
respectivo chefe, qoe o prendesse.
Porque hei de.prende-lo? pergun-
tou-lhe este. O que fez ?
Nao fiz nada.
EntSo nao posso prende-lo.
Eu sou doido.
0 seu proceder confirmara por certo este
dito.
Conduzido perante o commissario de po-
lica, reconheceuse ser o jardineiro J. L..'
e tinha consigo mais de dous mil francos.
Restava o Sr. de Castean. Assegurou a Lucy
que, por efleilo dos seus .rogos, nao exigir de Ar
roauda que renunclasse ao dote que Ihe estabelece-
ra quando casara com ella. Luey agradeceu-lhe
com toda a sincendade do coraco. Em seguida
separaram-se. O Sr. de Castellan devla sabir de
Pars dali a poucos das, para ir para o UeiBnado,
prximo dos Alpes, onde leuctonava estabelecer-se
na estrada do valle de Gresivaudao, era Veroppe,
aldeia perdida no meio dos bosques, prximo da
Grande Lartuxa.
A ultima visita de despedida foi a de Irma. Lu-
cy correu para ella e abracou-a, como abracara
sua irma mais velha.
Nos, disse Ihe ella, nao estamos destinadas a
viver separadas. Tornaremos a ver-nos no pr-
ximo invern, minha querida Irma. Permitta-rae
qae Ibe deixe como recordacao, a*ndesta mobilia
da mioha casa de solteira. De boje em diaole
seu talo aquillo, Irma; e am dia hei-de ir ve-la
aquello iogelo retiro, onde me protegeu lo admi-
ravelraeote.
Ah I Sra. marqueta I disse Irma.
M I exclamoa Lacy. Parece que nao j
amiga da esposa de Raymnndo.
Na urde do mesmo dia, foram e marquez e a
marqueta de Bellegarde para a Provenga, aflm du
visilarem o solar aonde os cbamavam lo queridas
recordaces. coNCLSAO
Raymnodo fez pois boa e gloriosa eampaoha
eontra as Prima di Sataniz, qne sio, na verdade,
as potencias mas.peigosas da nossa poca ; reco-
brou urna heranca d quinhentos mil francos, qae
lodo'o mando jalgara perdida para elle; e, princi-
palmente, conquistou a posse de Lacy, e soabe
tambera o qoe ventora, e qae o dinbeiro se gasta
e perde mals fcilmente do qae se gnha.
A avaliar-se pelo seu procediraento desde que se
casuu, seube Raymanda gosar-se da ventura qae
alcancou, e aproveiur as lindes que Ibe havia dado
a mais dura experene a. ____
TYP. DO D1AB10RA DAS CRUZES N. 44

,


x

^


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E247LBHLG_Z9FE7D INGEST_TIME 2013-09-05T04:07:13Z PACKAGE AA00011611_11181
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES