Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11178


This item is only available as the following downloads:


Full Text
.<
A





>
I!


i
.
I -

-

I n

ANNO XLL. NUMERO 21.
')* >* 4-i.'>J**V
ARA A CAPITAL. E LltilBKS OXDE SE MO PACA PORTE,
Per tres mexes adiaiades.,.............." 6*000
Per Mis ditos idea................... 12*016
Per anas idea.. ...:........i...... 24480
Cada limera ardse .]............... 320
>
: n*< EXTA FEIRA 25 DE JANEIRO DE 1867.

PABA DENTRO E FOKA DA PBOVIXCIA.
Par tres mezes adiaitades..................
Per m ditos idea................................
* ''* IllOB IMS... .. .. .. ^..................
rer u uh ifH ^j # t. (. ,, ,, ,, .,
6^750
1*500
20*250
27*060
DE PERNAMBUCO.
a89nmi am piiaAmiBKBQ m Mmmmm m mmib vwmm& m vwul wwm^ roa wmmwm*
|ENCARREGADOS DA SUBSCR1PQAO.
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima;
Natal, o Sr. Amonio Marques da Silva ;Aracaty,
oSr. A. de Leaos Braga Cear, o Sr. Joaqoim
Jos de liveira; Para, os Srs. Gerardo Antonio
Aires 4 Pilhos; Amazonas, o 8r. Jeronymo da
Costa; Alagoas,o Sr. Francino lavares da Costa;
Baha, o Sr. Jos Marlin3 Alyas; Rio de Janeiro,
o Sr. Jos Ubeiro Gaspariaae.
PARTIDA D S 8STAFOTAS.'
Olinda, Cabo, Eseada e estag5es da va frrea al
Agua Preta, todos os dias.
Igaarassd e Goyanna as segnndas e sextas reirs.
Santo Aio, Grvala, Bezerros, Bonito, Carnar,
Altiaho, Garannons, Buique, S. Bento, Bom Con-
seibo, Aguas Bellas e Tacaral, as tergas-feiras.
Pao d'Alho, Nazaretb, Limoeiro, Brejo, PesqneiTa,
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa-Vis-
ta, Ourieury.Salgueiro e Ex, as guaras feiras
Serinhiero, Rio Pormoso, Tamandar, Una, Rar-
rvros, Agda Preta e Pimenteiras, as quintos
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES OA CAPITAL.
Tribunal do comraercio : segundas e quintas.
Relago : tercas e sbados as 10 horas.
Fazenda : quintas s 10 horas.
Jdlzo do commercio : segundas as 11 horas.
Dito de orpbos : tercas e senas s 10 horas.
torgas e sextas ao meio I
: qnartas e sabbades a
l Pri*>eira tara do eivel :
Segunda Tara do el vel
i hora da urde.
BPHBMERIDES DO MEZ DE JANEIRO.
S Loa no.va as 9 h., e 38 ro. da t.
13 Qoarto cresc. a 1 b., e 4 m. da t.
20 La ehia as 4 h.. e 14 m. da m.
I 27 Quarto ming. as U h. e 55 m. da m.
DAS DA SEMANA
21. Segunda. S. Ignez v.m.; S. Pairoeolo m.
22. Terga. Ss. Vicente e Anastacio mm.
23. Quarta. S. Ildefonso are; S. Emerencia v. m.
24. Quinta. S. Thlmolbeo b.; S. Hetllo m.
25. Sexta. S. Ananias ; S. Juventino.
26. Salibado. S. Pollcarpo m.; S. Theogines m.
27. Domingo. S. Joo Cbrisostomo b. dr. da igreja
PREAMAR DE BOJE.
I Primeira as 8 horas e 30 m. da manba.
| Segunda as 8 horas a 54 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COsTEIROS.
Para o sal at Alagoas a 14 e 30; para o norte
at a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Feman-
do nos dias 14 dos metes Janeiro, marco, maioj
julho, setembro a novembro.
PARTE OFFICIAl
govebno a i>novivm
Espediente do dia 10 de dezembro de 1866.
N. 348.Offlcio ao general comm.-mdanle das
armas.Fajo apresentar a V. Esc., aflra de Ibes
dar o convenienie destino, depois de inspecciona-
dos os reerutas, Antonio das Dores, Antonio Bento
Pacheco e Sergio, os quaes ne foram apresenlados
pelo recratador de Garoeleira.
N. 349.Dito ao mesmo.Fago apresentar a V.
Exc, arjm dalhes dar o conveniente destino, depois
de inspeccionados os reerutas, Thomaz Caetano,
Manoel Antonio, Cypriano Jos Martins e Antonio
Lourenco da Silva, os quaes me foram remanidos
pelo tenente reerotador da cidade de Olinda.
N. 350.Dito ao mesmo.Visto que, segundo os
sens offlclos de 7 do eerrente sob ns. 1380 e 1381,
sao incapases para o servigo da gnerra, os guardas
naciooaes do 1* bataiho de lofaotaria deste moni",
cipio, Felippe Jos Roberto e Gamillo Francisco do
Carino, do 1 ls de Iguarass, Af-mso Velloso de
Souza, do 14* de Goyanna, Harcolino Jos Joaqaim,
do 39 do Cabo, Joan Baptisla da Silva, sirva-se V.
Exc. de manda-Ios por em likerde.
N. 351.Dito an mesmo.Srvase V. Exc. de
expedir as suas ordeos, aflm de que nao siga para
a corte, at ulterior deliberago desta presidencia o
recruta, Antonio Loorenco da Silva. **
N. 352. -Dito ao mesmo.Pago apresentar a V.
Exc. os reerutas Joaqoim Jos de Sant'Anna, e
Silvino Antonio dos Sanios, que me foram remeti-
dos pelo tenente recratador de Olinda.
N. 355.Dito ao Inspector da thesourarla de fa-
zenda.De eonformfdade com o que solieitou o
chefe de polica em offlcio de 7 do corrente sob
n. 1807, recommendo a V. S., qae, se nao houver
inconveniente, mande pagar a Jos Joaqoim Perei-
ra de Mendonca, a qaanlia de 515000 despendida
com o forneci ment feito aos 6 reerutas, e aoa 6
menores constantes da relago junta em duplcala,
os quaes vieram da comarca de Garanhnns, sendo
que os reerutas foram destinados ao servigo do
exercito, e os menores postos em liberdade, com
excepgio do da nome Jos, qae remetteu-se para
a companbia de aprendices marinbelros, segundo
consta do predito offlcio.
N. 356.Dito ao mesmo.Expega V. S. as suas
ordens, para que, seno houver inconveniente, seja
paga a qoaotia de 1535600, despendida dorante o
mez de novembro altimo.com o foroecimento de luz
e agaa para a torga do 1* bataiho de iofantarla
deste municipio, -acuartelado na fortaleza das
Cioco-Pootas, como se v das coatas jomas em
duplcala, qae, para esse fim vieram anoexas ao
offlcio do respectivo commandante superior, datado
de heje e sob n. 407.
N. 357.Dito ao mesmo.Previdencia V. S.
para que, nao bavendo Inconveniente, e em vista
das folbas e prets juntos em duplcala, qoe me re-
menea o commandante superior deste mu.
com offlcio de hoje sob n. 404, sejam pagos os v
eimentos dos offlciaes e pregas aquartelados oas
fortalezas do Brum e Baraco, sendo os daquelles
correspoadeotes ao mez de novembro ultimo, e os
destas a 2* quinzena do mesmo mez.
N. 358.Dito ao mesmo.Annuindo ao que
solieitou o Exm. presidente do Rio-Grande do
Norte em offlcio de 27 de novembro ultimo, reeom-
meodo a V. S. a expedico das convenientes ordens,
para qoe em visla da melosa coala, e nao bavendo
inconveniente, seja indemnisada a thesouraria de
reodas daquella provincia da quantla de 11*520,
proveniente de diarias abonadas a li sentenciados
de juslica, que segutram desta capital para u pre-
sidio de Femando, no vapor Mamanguape, que
ambn a mesma proviocla.
N. 359.Dito ao mesmo.Tomando em consi-
derago o que expd: o juiz de di eito Jalio Barbosa
de Vasconcellos, no offlcio jonto por copia, datado
de 7 do corrente, recommendo a V. S., que, em
vista dos inclusos documentos, mande relevar
aquello magistrado da responsabilidade. em que
se acha pela quaotla de um cont de res, que re-
eebeu em margo de 1862, para na qualidade de juiz
de direito da comarca do Bonito, soccorrer aos
indigentes accommettid-s aMJ do cholera-morous ;
visto acbar-se elle impossibllitado de exhibir, como
se v do predito offlcio os documentos correspon-
dentes a quantia de 1405700.
N. 362.Dito ao inspector da tbesoararia pro-
vincial.Sena > houver inconvenieole, e esta 'do
em termos a folha e pret juntos em duplcala,
mande V. S. pagar aos negociantes desta praga,
Alfredo Garca & rmo, conforme solieitou o com-
mandante superior da comarca do Rio-Formoso em
offlcio de 6 do corrente, os vencimentos relativ
ao mez de novembro ultimo, do destacamento de
guardas nacionaes existente naquella cidade.
N. 364.Dito ao mesmo.Recommendo V. S.,
que, em vista da fulba e pret juntos em duplcala,
qae me remellen o commandaote superior da co-
marca de Pao d'Alho com < fflcios do 1* io corrente,
mande pagar, seoao houver inconveniente, os ven-
cimentos relativos ao mez de novembro ultimo, ao
destacamento existente naque la villa.
N. 365.Dito ao mesmo. -Autoriso V. S., em
vista de sua informago de 24 de novembro ultimo,
sob n. 61.', a mandar que indepeodentemente da
apreseniago do respectivo recelluario, que acom-
panbou ao offlcio do mea antecessor de 11 de
agosto ultimo, e nao se encentra aessa thesouraria
seja processado para ser pago qaando a assembla
legislativa provincial marcar o necessario credit ,
visto pertencer essa divida ao exercicio ja encerra-
do de 1865 a 1866, a quantia de 60*560. que se
esta a dever ao pharmaceu'ico Leocadio Jos de
FlgoelrJo, proveoiente do fornecimento de medi-
camentos para os presos pobres da cadeja da cida-
de e Goyanna, durante o semestre de Janeiro a*
jonoo deste anno, como se v da couta junta em
duplcala.
N. 386.Dito ao mesmo.Mande V. S., seno
houver inconveniente, pag.r os vencimentos, cor-
respondentes a 2* quinten^ do mez de novembre
ultimo, dos guardas nacionaes destacados as po-
voagdes de Affogados, Peres, Passagem da Magda-
lena e S. Loorengo da Matla, como se v dos in-
clusos prets, que me remetteu o commanpante
superior deste municipio com offlcios de hoje sob
ns. 405 e 406.
N. 367.Dito ao mesmo.estando em termos
a inclusa coDta, e nao bavendo inconveniente,
mande V. S. pagar a Aodr Avelino do Espirito
Santo, conforme solieitou o chefe de polica em
offlcio de 6 do correte sob n. 1789, a qaanlia de
25J600, despendida durante o trimestre de setem-
bro a novembro deste anno, com o sustento dos
presos oobres da cadeia da v lia do Caho.
N. 358-4)110 ao mesmo.Com a portarla junta
por copia, pela qnal n.'.-oui, abrir um crdito sup-
pleraeotar, na Importancia d* 674*721 para eonti-
nuago no corrente exercicio, da dispeza que deve
ser levada no g d > art. 7 da lei do orgameoto
vigente, respondu ao offleio, que V. S. me dirigi
em 7 do correte sob n. 636.
N. 369.Din ao chefe da repartigSo das obras
publicas.D V. S. com orgeocia as providencias
necessarias, para qoe seja examioado e concertado
o cbafaris da fortaleza do Brom, que desde 8 do
corrente, nao da agua, segaodo comrouoicou me o
commandante ds armas em offlcio desta data.
N. 370Dito ao mesmo.Emita V. S. en
parecer acerca da planta junta em duplcala da
poote qae tera de ser construida sobre o rio Capl-
baribe no lugar denominado Torre.
N. 371. Dito ao commandante superior de
GoiaBna.-Em offleJode 19 de novembro, declarou-
L0.1HI.OD0 DAS ARIAS.
Qnarlel general de eeamaido das armas de Per-
nambueo u cidade de Reeife, 23 de uneiro
de 1867,
ORDEM DO DA N. 307.
4) brigadeiro commandante das armas faz saber
a guarnigao, para os fias convenientes, qoe a pre-
sidencia nos termos do avise elrcnlar do ministe-
rio da cuerra, de 7 de desembro ultimo, exonerou
por portara de 19 deste mez o Sr. bacbarel Joao
Baptista Pioheiro Corte Rial, do posto de capilo
em commissao do corpo n. 21 de voluntarios da
patria, qoe acbanlose com licenea nesta pr vio-
cia, flnda ella, deixoo de recolber-se ao seu corpo
Faz igualmente saber, que nesta data se Ibe a-
presentou vindo da corte com 3 mezes de llcenga
com o venclmeoto de sold e etapa para tratar de
soa saude nesta provincia, a contar do da 14 do
corrente, o Sr. coronel do corpo do oslado maior
da 2* ciasse Antonio Gomes Lial.
O mesmo brigadeiro^etermioa qae seja desliga-
do do deposijo dos reerntas, desde o da 4 deste
mez, em que embarcot para a corte com destino
de recolber-lbe ao sen bataiho, 11 de infamara do
exercito, o Sr. caoitao Manoel Joaquim Bello.
(Assignado) Henriqur de Beaurepaire Rohan.
Esta' conforme. Emiliano Ernesto de Mello
Tamborim, tenente ajudante de ordens interino e
eocarregado do detalbe.
EXTERIOR.
me o Exm. presidente da Parahyba, bavar expedi-
do ordem para ser posto em linerdade, o guarda
do batalbio n. 12 de Infamarla desse municipio,
Pedro Delgado Borba, que foi recrutado no dislric-
to de Pedras de Fogo. O que commnnico a V. S.
para seo conbecimento.
N. 372.Dito ao mesmo.Sendo incapaz para o
servigo da guerra em iospeego de saude, o guar-
da n>cfonal do bataiho n. 14 desse municipio Mar-
colino Jos Joaqoim, a que allude o offlcio de V.
S. de S do correte, maodel-o pdr em liberdade ;
o qae declaro a V. S., aflm de que o faca substi-
tuir por oulro.
N. 373. Dito ao commaodaote do preidlo de
Fernando.Declarando o Dr. chefe de polica, em
offlcio n. 1765 de 5 deste mez, qae hoave engao
na reqoisigio do sentenciado de justiga da Parahy
ba, Maooel Marlobo Falcio, (ka de nenbum effeito,
o que havla determinado em o meo offlcio de 15 de
novembro prximamente Ando, acerca do mesmo
seotenciado.
N. 374.Dito ao director do arsenal de guerra.
Em vista da sua informaglo de 6 do corrente,
sob n. 781, dada sobre o reqoerimeoto de Josepba
Maria de Jesos, mande V. S. admlttlr na compa-
nbia de aprendizes menores desse arsenal, o Bino
da snpphcante do nome Miguel, se for jolgado sa-
dio em inspecgo de saude.
N. 376. -Dito ao Dr. Ernesto Feliciano da Silva
Tavares, encarregado da repartigo da vaccioa.
Para satisfazer a requislgao do Exm. Sr. presiden-
te do Rio Grande do Norte, couda em offlcio de
29 de novembro prximo findo, remetta me Vmc
aignmas laminas ou tubos em puz vaccinieo de
boa qoalidade.
N. 377.Dito ao juiz municipal em exercicio no
termo de Floresta.Ioteirado pelo seu offlcio de 27
de setembro ultimo, de ter sido capturado o crimi-
noso de morte Marcellino Rodrigues da Silva, te-
nho a dizer-lbe em resposta ao tioal do seu citado
offlcio, qoe em 24 de ouiubr > autorisou-se o juiz de
direito dessa comarca, a cootratar a factura de um
edificio, que sirva de cadeia nessa villa.
N. 378.Dito ao capilo do porto.Mande Vmc.
pdr em liherdade o recruta, Manoel da Crnz Corte,
que se acha a bordo do brigue barca Itamarae.
N. 379.-Dito ao mesmo. Remetta-me Vmc.
com urgencia o termo de iospeego de saude, a
qae maadei proceder no recruta Manoel Vicente
de Moraes.
N. 380.Dito ao mesmo.O matriculado nessa
capitana Jeronymo Francisco de Abren, qoe est
designado para o servigo da guerra, segundo Vmc.
declaroa em sea 1 fflcio de 22 de novembro nltimo,
foi despedido da barca de visita da atfandega, co-
mo delaron-me o respectivo inspector, por ter ter-
minado o sen contrato. O qne coremooieo a Vmc.
para seu conbecimento.
N 381.Dito ao juiz ne pax mais votado da fre-
gaezia de fpnjnea__Nao teodo sido enviada at o
prsenle, a secretaria do goveroo, a copia da acta
da segunda reoaio da juna de qoaliHcago dessa
fregoezia no correte anno, compre qne vmc. me
aosslve brevidade Igual eom-
munic.icio aos jaizes de paz das fregaezias de Nos-
sa Senhnra do Rosario de G lanrn. de Santa Ma-
ra da Roa-Vista, Altlnh.
N. 382.Dito ao juiz de paz mais votado da fre-
gaezia de Tacarai.Podeodo fi'ar promoto deo-
tro do prazo da lei a nova qualiflcagi dessa fre-
guena, a que se mandau proced r 00 dia 8 do cor-
rete, deve ser feita por lia a eleica \ a que ah se
tem de fazer na terceira dominsa de fevereiro vin-
douro, se nao houver reclamago dos irabalbos da
junta na segonda reaoiao, embora nao se possa
reunir o cnnsHho de recurso, como declara o aviso
n. 337 de 15 de outobro de 1856, se houver porm
reclamago. oeste caso dever servir a qualiflcago
anterin*. que estiver completa.
N. 383.Dito ao gerente da companhia Pernam-
bocaoa.Recommeodo a Vmc, que faga seguir
qu-nto antes para o presidie de Fernando o vapor
Parahyba, aflm de trazer dalll a comaisso, qae
cooduzio o Mamanguape, e bem asslra os seoteu-
ciados, pracas e nnis objectos, qae hoaverem com
destino a esta capital.
N. 384.Portara.O presidente da provincia,
tomando em considerago e que expoz o inspec
tr da thesooraria provincial, em offlcio de 7 do
corrente, sob n. 636, resolve abrir um crdito sup-
plnmentar, na importancia de 6745721 res, para a
cootinnagao no corrente exercicio, da despeza que
deve ser levada ao | 2.* do artigo 7 da le do or-
gameoto vigente, visto achar se qoasi extincto o cr-
dito votado para esse fim, como se v da demons-
trarn qae vejo annexa ao citado offlcio.
N. 385 Dita. O presidente da provincia, con
formando-s com a proposta do Dr. chefe de polica
n t808 de 7 do corrente, resolve nomear o clda-
dSo Antonio Lolz Pereira da Cunha, para subdele-
gado do terceiro dislricto da fregueila de Tracu-
nhem.
Expediente do secretarle de governe do dia 10 de
deienbro de 1866.
N. 387.Offlcio ao Exm. genera! commandante
das armas.O Exm. Sr conseiheiro presidente da
provincia, manda declarar a v. Exc. em resposta
ao sea offlcio o. (351 desta data, que offlciou-se ao
engenbeiro chefe da repartigo dits obras publicas
para mandar com urgencia examinar e concertar
o chafara da fortaleza do Brum.
N. 38S.Dito ao Dr. chefe de polica.-S. Exc. o
Sr. con-elheiro presidente da provincia manda de-
clarar a V. S., ero resposia ac seu offlcio de 7 do
corrente, sob a. 1807, que acaba de reeommendar
a' thesouraria de fazeoda, que pague a Jos Joa-
quim Pereira de Mendonca a quantia de 545uO0,
coonstante do citado offlcio.
N. 389. Dito ao mesmo. De ordem de S. Exc.
o S'. conseiheiro presidente da provincia, remello
a V. S o Ululo do subdelegado para o 3* distrlcto
da freguezia de Traeuohera, nomeado por porta-
rla de hn-, e de coaformtdade com a proposia n.
1808 d 7 deste mez.
N. 390. Dito ao mesmo. O Exm. Sr. conse-
iheiro presidente da provincia maoda declarar a
V. S., em resposta ao seu offlcio de 6 do eorreote,
sob n. 1789, qae acaba de aniorisar a thesouraria
provincial a pagar a qaanlia da 255600, constante
de sea citada 1 fflcio.
N. 391.-Dito ao mesmo. S. Exc. o Sr. conse-
iheiro presidente da provincia, determinando nesta
dala que fique de nenhum eff oto a requisico do
sentencindo de justiga da Paranyba. Manoel Mari-
nho Falco, assim o manda co "ViPa?*1* rl 8e tffl 0 D"i758 de 5 def,e wm> I 'Z80'1* *" Bara~do Paraguass (Bah).
N. 392. --Diic1 aocommaodaote superior a co-1 de ejUr eip08l0 ao ar> a- poelra a0 g0, egS8
marca de Pao d Alho. D- ordem do Exm. Sr. perfmente secco, levemente defumado, cooser-
canselhairo pre-idente da provincia,decaro a V.S., ,aodo sua forma natural, exhaiaodo apenas um
em resposta aos sen, offlcios do do correle, qoe fraco cnelro empyreumatico qae nada tioha de re-
transmiitio-se a thesouraria provincial, para os
Sos conveniente, a folha e pret qae vieram anne
RIO DE JANEIRO.
Eiposico nacional.
ANIMABS DOMSTICOS. SBUS PRODUCTOS.
XII
Uepois dos animaes domsticos seguem se nalo-
ralmente os seus productos, e Oestes productos, um
dos mais essenciaes a carne. Todo o mondo sa-
be que a produego da carne o magno problema
da ecooomia rur*l na Europa. Pode-se dizer que
a agricultura ingieza subordina a esta produego
todas as ont.-as; e pois tem ella creado ragas para
o eorte, bois e caroeiros, qae as demais nages
Ihe invejam e sentom-se sempre tonudas a iolro-
duzi-las ujs seus respectivos paizes, como se para
isto apenas basiasse cmpralas e traosporia-las
para os seus territorios.
A Franca, que por muito lempo tudo sacriflcou
a' produego do trigo, reconhece boje quo errada
aadoo, e traa de adoptar o systema lugiez. Mas
nenhuma nago europea cooseguio aloda produzr
ama sufflcieme quanndade de carne. A Iaglaterra
nao cessa de importar gado, arrtscaodo-se a im-
portar tambern o lypno, como Ihe acoaleceu ha
doas anaos; a Allemacba v-se reduzida-a consu-
mir enormes quaatidades do carne de porco, car-
ne de ordinario nociva a' saude, e que, se sao bou
ver muito cuidado, pode ionocular no homem a
lenta ou, o que anda mais borrivei, o trlcbno ;
os camponezes franceses nem coegam a comer
carne dez vezes no anno.
Eotretanto as nossas provincias do sol, onde ba
dilatadsimas campias, possue.-a inualculaveis
manadas de bois. cuja carne poiiena ser objecto do
mais vaoujoso e lucrativo comojercio entre os dous
couiiueuies. Mas como tranapoi lar essa carne pa-
ra a E ropa ? Taoto o xarque como o lassajo nao
tiveram la' aceiugo. Estes dous modos ae pre-
parago tem coutra si, em Inglaterra, em Franca e
na Allenanha, preconceilos tnvenciveis. Sena
myster luveuur-se outro methodo de preparago,
mas nioguem al o preseute se pode ganar de o
haver luveotado : por quanlo o extractum carnis,
preparado segundo a formula de Lieoig, nao uao
pode ser a soiugo do prooiema.
O que se quer a prupria carue. O meio de a
tornar incorruptivel ba de descubrir se um da, isto
nao padece auvida, e at ja' tem sido feus oeste
inluilo iouvaveis leotavas] mas em qnanlo nao se
cnega a' descoberta deQuitivamente atisfacioria,
temos de nos limitar a considerar com inieresse
urna industria que, sem eliminar de maneira ue-
ubuina a difflcuidade, aproveita, uao ooatanie, de
alguma forma essa carue, que, se nao (Ora ella, se
desperdigan j.
A mannba, os viajantes e at mesmo os habi-
tantes das granues cidades, fazem um consumo
consideravel de conservas alimeuticus, por qumo,
cousa extraordinaria I uu Kiu de Janeiro al se
vnude lene em conserva. Estes productos v.u do
exterior, da Frauga e da Aiiemauna, pela maior
parte. Um industrioso couceOeu a idea de euipr -
gar, 00 mesmo intuito, os productos oaturaes do
paiz. Condado n'uma experiencia uue dzera em
Moutevido, e na qual, por cunta de urna casa des-
sa cidade, preparara 35,000 latas destinadas au
exeruitu e a' mannha, tnuoiou no Rio Graude do
Sul um estabeleumenio para a preparagiu o con-
servago de carne e legumes.
Diversas amoatras destas conservas brasileiras,
preparadas pelo Sr. Haillot, segundo Appert, figo-
ravam na exposigao, unde lambem Oavia um grau-
de numero de substancias da mesma categora,
vinaas das provincias do Amazoaas, Babia, Panoa
e Riu Grande do Sul. Aberus as latas ao Sr. Hail-
lot, acoou-se o Conieudo em perfeu j estado de cuu-
servago e ioteiraineule comparavel a's conservas
que o cuinmercio nnpuru da Europa; e com a'
vista da lista dos pregus, os producios desse faon-
cante offerecem urna vamagem coosideravei em
relagao aus dus que sao tmperudus, uao duvida-
mus que us seus esfurgus cootenham u germen de
uina industria importante, digna de prender a at-
tengau du jury.
As conservas do Sr. Caslaguier sao de outro ge-
nero. Dedica-se elle de preferencia ao fabrico e a'
cootervago das iguanas nacionaes. Seu bom xi-
to, na ver Jad-, 0 completo; poucas sao as Dessoas
que, au partir para a Europa, nao bajam sentido
tenugao de levar comsigo alguns dus manjares pe
cubares do paz, e nao se teubam cunveucidu, por
experiencia oropria, de que os producios desta
casa ncutium damno absolutamente soffrem com a
viagem.
Mas nma consa que, na categora das substancias
alimenticias, apresenuva, na exposigo, um inte-
resse verdaderamente excepcional, era o peixe
preparado pelo Sr. Francisco Jos da Rocha, da
pugnante, e antes era agradavel, censervou-se, por
espaco de dous mezes, sem se corromper, oas pra-
xo* a.citados offlcios. MwiS oa expos.go. B nao oblante, s Dos
.. a o~ l!.,t0 con9mi>n'e superior da co- m0H q010tt8 mios YBao 0 tocaram I Se o processo
mtu*?-?,0 i0"60" 7T"S,'JU|0M ,bar?- 3'- F. J. da Rocha appllcavel ecooora.cameote
rana provincial, para o flm indicado em sen offlcio ein graaa esca4,ie, sobretudo.se pode ser empre-
---'y- a ^t eiLet queem dnplieau gado na pre arago dos paizes grandes, o proble-
vieram annexoa ao citado offleto, qoe tica assim n,a <,a co.iservagio deste genero al.menlic.o acha-
respondido de ordem do Exm. Sr. conseiheiro pre- S9 reSoivido, e pode-se predner aos pescadores
vas, bem las e bem moldadas. Menos bellas sao
as do Sr. Domingos Maooel Teixeira da Costa. As
do Sr. Domingos Manoel de Araujo umbem sao
dignas de mencao ; este mesmo expositor tem ve
las de sebo e carnauba muito bem feitas. Mas tu-
do isto flea i perder de visu da importaotissima
exposigo de velas stearinas, feita pela Companbia
Luz Stearca.
Nao so os productos sao bellissimos, como at
os pregos indicados nos pareceram mu razoaveis,
e a nica causa qoe se pede desejar que esse
grande eslabelerimento nao cesse de achar-se em
estado de oos dar productos lio perfeltos e ba-
ratos.
Oque dizemos das veUsdaCompanhia Luz Stea-
rica, pode-se tambern dizer do seu sabo de ole-
na, que tem magnifica appareocia. E ja que fal-
lamos em sabo, mencionemos aloda, para sermos
justos, o do Sr. Joaquim Martins Correa, de Petro
polis, que parece querer exercitar-se em todas as
industrias ; o do Sr. Jos Alves Esperanga (da Ba-
ha), que om-bellisslmo producto ; o do Sr. Joo
Ferreira de Carvalho (do Rio de Janeiro), qoe
esta' no mesmo casa, e Analmente os sabonetes
perfumados dos Srs. Leo & Alves (do Porto-
Alegre.)
A exposigo leve tambern bellissimas amostras
de icbhyocolla (colla de peixe), de que a provin-
cia dj Para'faz algum commercio, e o Sr. Loureo
go Soares de Pinho (da Babia) roindou urna colla
feita de aparas de couro que, qoanto a prego e
sidente da provincia.
' N. 394. Dito ao joiz de direito Julio Bar-
boza de Vascoocelles. 8. Exc. o Sr. cooselh-lro
presidente da provincia manda devolver o effl-
ci, qoe veio anaexo ao qae V. S. Ihe dirigi em 7
do corrate, ass^guranda ao mesmo lempo que aca-
ba de reeommendar a' thesouraria de fazeoda, que
expega suas ordeos no sentido de ser V. S. dispen-
sado da responsabilidade do cont de ri?, de qoe
trata t citado cilicio.
erasileiros um futuro dos mais prsperos. Tudo
que di>semos seria pouc para exprimir quanlo
importa ser esta qussto examinada pelo jury es-
pecial com todo o desvelo qae ella merece; tanto
mais qae uo nos parece absolutamente Impossivel
que este processo, t eficaz para a cooservago
do pene, sirva igualmente para a da caree.
Depois da carne, o sebo. E' principalmente sob
o feltlo de velas qae o vemos. As expostas pelo
Sr. Jaio Ferreira de Carvalho nos pareceram ter
urna no'.avel supenondade. Sao peritamente al-
qoalidade pode concorrer com os melhors pro-
ductos da Europ? nesle genero
Deve-se tambern citar como expositor de cera
o Sr. J. M. dos Santos Carneiro. Todava fura
para desejar qoe os seus productos (ivessem mais
alvora, e um desenlio mais correcto, quaoto t>
forma.
A' excepolo de algumas pelles vihdas do Cea-
ra', e sobretodo de Pernambuco, em vo procura
mos os producios de urna industria das mais iote-
ressantes, a do corturoe. Consultai os horneas em
cuja profisso se emprega o couro, e ellas vos di-
rao que no Brasil oo se sabe cortir, que outr'ora
em sanios fabricava-se bem boa sola, mas que ho-
je e-te producto da industria saotisU tem desme-
recido extraordinariamente ; que os couros de
Pernambuco e do Ceara' estao abaixo da sua re-
putago ; qoe nao ha logar onde o preparem palor
do que no Rui de Janeiro.
Esta opioiio, evidentemente, n&o pode ser a dos
cortldores. Quem tem razio, quem nao a tem ?...
Nao podemos decidir. Em lodo o caso, como que
orna industria de primeira necessidade, que ali-
menta vinte prouss5es das mais otis, e tem a mao
a materia prima, nio ba feito notavel progresso T
E' certo que nio temos aqui casca de carvalho,
mas a lista das substancias propnas para cortidu-
ra qae aprsenla a Flora Brasileira hoguissima,
e anda que se abandooasse a folha de mangue,
cujas vaougens, ao que parece, bem looge esto
de compensar os inconvenientes, eremos que se
achariam recursos superabundantes.
E' mais qae provave! que no que se oppoe ao
progresso da todustria do cortidor eotrem por mul-
to, seno exclusivamente, algamas dessas razfies
occullas cuja inirincada meada to difflcil de des-
lindar, sendo quasi impossivel revela-las quando
cooseguimos descobri las.
No Rio de Janeiro, pelo menos, Isto nio parece
duvidoso. Pois nao bouve um magistrado, da mais
elevada categora, que disse, a proposito dos cou-
ros, que o Brasil oo careca de industria, e que
por conseguale nenhumi razio havia para se co-
hibirem os conluios que tomain to difflcil para o
cortidor a acqulsigflo de couros frescos ? I
E'-nos, pois, forgoso oo profundar o esta*) des-
ta quesio, e esperaremos como todo o mundo,
que algum Hercules veuha flualraeute limpar as
cavallarigas de Augias.
A fabrica do Sr. Joo Lulz Pedroso & C. fez urna
belllssima exposigo de couros enveruizados, mar-
roqoins e oleados.
O estabelecimenlo de S. Cbristovio, que per len-
ca a essa Arma social, dirigido com zelo habili-
dade, nm dos mais interesantes que os curiosos
possam visitar. Um grande numero de productos
Jesta fabrica rivalisam com os da Europa. Tanto
juanto possivel emprega ella no fabrico dos cou-
ros envernizados e dos marroquins as pelles do
paiz, qoe senam ssmpre preferidas as importadas
da Europa.
Infelizmente susctase contra esta preferencia
um primeiro obstculo, a grande difflcuidade de
se obterem os couros. Em consecuencia de cir-
cumstaticias aio explicadas, os diguos fabricantes
de que fallamos oo podem obter, nem mesmo pa-
ganio-as mu caro, as pelles de carneiro de que
carecem, e que corliriam com sumagre ou com
casca de angico, de baroatimio, etc. Por outre la-
do, as pelles do paiz sao tiradas mal e delegada-
mente, numerosos golpes de faca, devidos aotes a
incuria do que a inhabilidade dos horneas eocar-
regidos de estolar os animaes, inutilisatn essas
peiles, a ponto (9 em duzentos nao se acnarem s
veze3 quioze em bom estado. E' singular que urna
tal negligencia possa continuar a ter lugar, a des-
pello das uuine'osas qupixas que suscita. Emlim,
segundo nos disseram os fabricantes, as pelles cor-
tidas no Brasil levam muito tempo dentro da cal,
e assim perdem as soas qualidades.
Os marroquins de bella contextura e de linda
edr expostos pela fabrica dos Srs. Pedroso & C,
sao coloridos com materias liolureiras, entre as
quaes flguram as que a chimicaulllinamente descu-
bri no ale tro uxtrahido do carvo de pedra.
Estas materias, pouco earas, nao caste no Rio de
Janeiro muito mais do qoe em Pars, e por conse-
guiule a iodu-ina de que tratamos pode lutar com
alguma vanugera. Ji nao ella to bsm favore-
cida no tocante aos grndes couros envernisa-
dos, empregados peles correeiros, ou pelos segei-
ros para cuberturas de earros, e dos quaes a
mesma fabrica expoz alguma amostras mui per-
fellas.
Alm do que poderiamos repetir acerca da diffl-
cuidade que ha, conforme diziamos ha pouco, de
se obterem couros, as substancias, altas simples,
que mirara na confeceo d vermz pagam dlreitos
elevadissimos e seria conveniente reduz-los, se ba
vontade de favorecer esta industria. Ora, o fabri-
co de que fallamos, serviodo-se de materias pri-
mas abundantes no Brasil e prodozmdo objectos
de primeira neeessldade, por certo digno de ia-
teresse Assim umbem quaoto aos encerados que
a casa Pedroso & C fabrica de um modo moito sa-
tisfactorio, como da certo o recooheceram todos os
visitantes da exposigo, seria iodispcnsavel reduzir
os di re i tos pagos pelas lonas e pelos estofas de al-
godao mu largas que Ibes servem de bases, em-
quanlo os oossos fabricantes de teeidos, que sem
duvlda podt-rum ministra los a est industria
nao reeunbeeem a vanugem que disso Ibes resol-
tara.
As numerosas calas de vidro eontendo calcado,
principalmente as que ss achavam na grande sala
do primeiro andar, ait-alavam a importancia que a
sapataru tomn e vai tomando cada vez mais. E
oo obstante, tal vez sej temendade afirmar qoe a
produego nacional, mesmo apeiar do grande nu-
mero de offlciaes que traoalnam por sua coala, em
cas, equivale a importago. Esta, como se sabe,
feita em coosideravel escala. E' impossivel ava-
har, alada mesmo approximadameutp, a sua impor-
tancia, e s por meio de um ioquerilo minucioso, a
que se prestassem todos os fabrcaoles, se poderla
faze-ida do desenvdlvlmento, alias consideravel,
qoe tem tido esta til e modesta profisso.
Alguns tactos, porm, parecem incooteitaveis, e
siu os segoiotes: 6 fabricante nacional pode exi-
gir pelo sea calcado o mesmo prego que se paga
pelo ealgado estr ngeiro de igual qualidade. En-
tretanto o sapateiro no Rio de Janeiro, acba-se para
com o negociante importador em grande inferiono-
rioridade; com effeito, elle paga, tanto sobre a
materia prima, como sobre os diversos avlamentos
da sua obra, direitos de al f indaga mais a vu I lados
do que os exigidos do Importador, de maneira que
um par de botinas feitas no Rio de Janeiro e ven-
didas pelo mesmo prego de um par feito em Pars,
delxa oas mios do Asco mais dinneiros do qae este
ultimo.
Por outro lado acontece moitas vezes que o ne-
gociante que veode a retalho ealgado eslraogero,
o da por um prego qae nao pode convir ao fabri-
cante aceitar pelo seu. A nica explicago possi-
vel deste facto se acba oas disposigSes viciosas do
processo das falieocias e as abenas que elle d,
como ninguem ignora, aos Individuos de m f.
Emflm, o fabricante tem nm competidor temivel no
offlcial qoe trabalha em casa, a qual. nio lendo de
custear um estabelecimenlo, oo se achando res-
ponsavel por cousa alguma e vivendo aos das, pe-
de contentar-se com o mais insignificante lucro, e
desi'arte faz balxar o prego. Se ha remedios facis
para os dous primeiros inconvenientes, para o ter-
ceiro nenhum ba.
Assegura -e qae no Rio do Janeiro se fez mais
ealgado para mulberes e criangas do que para ho-
mens. Um grande nomero de offlciaes sao escra-
vos, o que oo parece ser orna vanlagem para o
fabricante, porqaanio se o salario menor, tambera
o producto menos bom : o offlcial escravo s
apto para o fabrico coramum e o nivel da profisso
resenle-se disto. Esta observarlo applica se em.
geral a todas as industrias, e nos lvemos occasiio'
de reconhecer que em toda a parte se prefera o
trabalbo do homem livre.
Na coofecgo do ealgado Qooempregam-se quasi
exclusivamente materias primas estrangeiras ;
s para os productos commaas que os couros do
paiz sao utilisados. Isto prova anda mais a neces-
cidade de favorecer por todos os meios possiveis a
ioduslria do cortume. Por mais fantico que se
seja da llvre permuta, anda a>sru nao se pode de
certo desejar que desapparega ludo quanto nao
exclusivamente agrcola e achar bom que as mate-
rias primas produzdas no paiz vio todas, sem ex-
cepeo e em honra do principio, para as mauufac
turas estrangeiras de onde voltario ao mercado,
depois de lerem deixado no exterior o lacro da mi
d'obra. Coacluindo esta rpida revista da sapata-
ria, resta nos mencionar os priocipaes expositores,
entre os quaes o Sr. Campas se distingue, sobre-
todo pela elegancia dos seus productos, e o Sr
Roesch pela boa confeceo. O ealgado do Sr. Gof-
Iherme faz mais effeitos do que o do Sr. Roesch,
ragas escolba dos estofos e dos eofeites ; todava
os eniendidos preferem o deste ultimo fabricaote.
Citramos anda o ealgado de malher do Sr. J. M.
da Cunha C, e o exposto pelo Sr. Morame.
O Sr. Jos Caetano Carreira expot bom ealgado,
exceileote como artigo c mmum para quem nao
considera o laxo como coodigo ttne qua non. Ai-
signalam-se, emflm, as botas da fabrica do $r. J.
Moreira de Queiroz; quanto a exibigao feita pelo
sr. J. M. da S Iva Pigarilho (do Para), d ella na
verdade urna encllente idea do trabaino desse fa-
bricaote, mas mostra ao mesmo tempo que os cou-
ros do|paiz nada tem de bom.
As formas sao um accesorio importante da sapa-
larja. Os Srs, Ai sudes Leterre e Adolpho Leter-
re expuzeram ueste geaero objectos entre os qaaes
nao nos convm esiabelecer comparagao. Os do
segundo fabn ante sao feitos mo, e os que per-
teocem ao primeiro sao feitos por urna machina-
sioba, movida a vapor, e cojo irabalbo sobrema-
oeira curioso.
A arte do selleiro acha-se desta vez muitu me-
nos bem representada do que em 1861 e nao ha-
vera seno censuras que fazer. Entre outras a
sella de cavaliana denota completa ignorancia da
construego do cavalio e do servigo a que ddsti-
oado o jaez de guerra.
Os Srs. Robe di Irrnos expozeram uns arreios
de carruagem de luxo, modelo de bom gusto e
boa execugo. Fol tambera muito admirada urna
carruagem dos mesmos fabrcaoles, nica que ap
pareceu na exposigo. A elegancia e sobretodo a
solidez, a perfeigo do trabalbo oas obras de me-
tal, o bom gosio da piotura e o bem acabado das
guamiles e ornatos provara que a arte do se-
geiro ja allingio entre nos um grao de perfeigo
muito satisfactorio.
Nao fazemos seno justiga, reconhecendo que
os Srs. Robe & Irmos nao tem construido pouco
para este resultado. A sua importante fabrica,
onde se faz tudo quaoto concerne respectiva
arte, inclusive a casqulnha das pegas de metal,
tem, para assim dizer, revolucionado em poucos
anuos todo o -ysteraa de vehculos usado no Rio
de Janeiro. Para nao mencionar sendo um dos
serngos prestados por aqueiles habis fabricantes
ao publicu fluminense, bast dizer que obra del-
les a traosformacio das gaadolas e mnibus, e que
o publico loes deve, pelo que toca a carruagens,
o notavel raeihorament que oestes ulnmos lem-
pos se tem feito no servigo dos transportes. A
reputagio desia casa esta feita e bem Arma-
da. Fabrica ella poaco mais ou meos a
quarta pane dos 180 ou 200 vehculos ( diligen-
cias, carros da praga e de luxo) que se fa em ac-
tualmente ao Rio de Jaoeiro e sustentara urna da-
zia de offlemas. A industria do segeiro d que
fazer a 400 ou 500 operarios e acha se empregadu
oella um capital de cerca de 1,000.0004- Erapn-
ga madeiras do paiz, como o cedro, o guarab, o
ip, o Upioboa, a guarapiapunba, o jacaraada, o
vinnatico, mas arada tributario do eslrangeiro
para obter o freixo e a faia, que poieria comiudu
substituir facilmeote se o comraercio de madeiras
offerecessH mais rica escolba
E lambem o estraBgeiro qoe Ihe foroece o fer-
ro, de qoe nem sempre se encontra a qualidade
mais propna, e as molas de ac, sobre as qaaes
pesam avahados direitos de alfaadega. Todas a-
pegas de Ierro, como facilmeoie ver quem visi-
tar as oficinas dos Srs. Roh -. & Irmos sao for-
jadas aqu, inelusiveis os eixos. nao se impor-
tando deotre estes senio os chamados de patente
e qae em ultimo caso umbem aqui mesmo se fa-
bricariara.
Furuece o paiz igualmente os couros emprega
dos oos arreios, viodo de fura ltimamente as o-
vellas e chapas, pois at a easquinha feita no
Rio de Janeiro. Cumtudo os coaros para as cabe-
gas e os marroquins sao de importago eitraogei-
ra. E' smente as oficinas qae trabadura es
ppcialmente em coacenos sem fazerem obra nova
que se empregam couros e pelles preparadas pe
tos nossos fabricantes. Vem tambern de fora os
acce-sonos peqaeoos.
Apezar de lado, eonsegoe se por pregos ignaes ou
quasi igual fazer carruagens Inferioress vetes em
elegancia, mais sempre superiores em solidez e boa
eoostrugo aos vehculos importados da Pranca e
da Inglaterra e da AHemanha. Os que se deixara
tentar pela fantasa de possoirem urna carruagem
de Parts ou de Londres nio tardam a arrepeoder-
se desengandose que aquellos vehculos nao sao
nem para o nosso clima, nem para os nossos hbi-
tos, levando- Ihes por isso asslgoalada vantagem
o fabrico nacional.
Apezar disto faz-se anda a impertagio em
consideravel escala e ella qae alimento as
pequeas oficinas de concert. Ha, pois, toda a
razio para acorogoar a industria do segeiro, con-
sidera la como cousa serla e importante e inves-
tigar os meis de facilitar Ihe o progresso e desen-
volvimiento. O jury de carie se oo descuida
disto.
(Do Jornal do Connuraoj
DIABIO DE PEBMMBUCO
Pomos obsequiados pelos Srs. Heory Forster &
C, cum alguns jornaes de New-Ymk dos quaes foi
portador o vapor americano A. J. IngersoL
A ultima data da mencionada gazeu 29 de
dezembro, adiantando 7 dias s noticias que nos
trouxe o paquete americano porm nada de im-
portante encontramos em relagao aos negocios In-
ternos da Uoiio.
Segundo escreve nm correspondente do iVVte-
Yorfc Journal of Commerce, o in.perador Maximi-
liano resolveu voltar a capital do Mxico e reasu-
mir as redeas do goveroo. Esta resolugo foi to-
mada em Orizaba.onde o Imperador se acha anda,
depois de prolongadas consoltas com o cooselbo de
estado. Hoave grande regosijo na capital quando
tal noticia foi conbecida.
Em urna proclamagio datada do 1* de dezembro,
Maximiliano declarou que consideragoas mui gra
ves em relagao ao bem da patria, e mais poderosas
de que os Infortunios domsticos, o tiobam con-
vencido de qae devia conservarse no tbrono, e
qae resolver reunir nm coogfesso debalxo das lo-
zes mais ampias e libraos, o qual teria de decidir
se o imperio deve continuar a ser a forma de go-
verno mexicano.
Urna correspondencia da Havana diz o segointe :
c Curreram por aqu boatos de que Maximiliano
esta' mais Arme no throno do qoe nanea: e que o
propno Jurez esta' eansado da luts, e brevemente
se sobmettera' ao Imperador ; mas realmente nao
ba fundamento para taes noticias.
O marechal Razaine perguntou pelo telegrapbo
aos enviados americanos Sberman e Campbell se
elles tinham intengSes no sentido de ser facilitada
a coovengo franceza.
F i-lhe respondido qoe visto os Fraocezes te-
rem-se collocado em urna posigo to difflcil, d'ella
devlam sahir como podessem, e qoe os enviados
da Uoiio rccosavfm ser medianeiroj entre os
Francezes e os Mexicanos.
PERHAIWBUCO
REVISTA Diurna
Pela competente repartigo foram organisadas
as listas das cartas pertenceotes ao mez de Janeiro
do anno prximo passado, cojo consumo deve ter
lugar a 5 de fevereiro vindouro, na conformidade
do regolamento dos correios.
Os agentes da companbia das Messageries Im-
periales, conforme a convengan estipulada entre a
mesma e a adrain strago docorreio de Franca, re-
ceben) quaesquer quanlias de dioheiros a entre-
gar.
Taes quannas serio satisfeitas pelos correios de
todas as cidades de Fraoga, Italia, Suissa e Blgi-
ca a qaem deva receb las, facilitando esta medida
a transmissao de fundos com real seguranga.
Chegou a o te-non lera de il'ew York, com 31
dias de viagem, o vapor americano A. J. Ingersol,
de 850 toneladas, qoe se destina a navegago entre
a China e o Japo. E' era tudo igual ao Varuna,
qo< passou era maio cu juoho uit mos com o mes-
mo destino. Tem boas aecomodagdas para carga e
passagelros.
Pelo vapor Mamanguape apenas rocebemos
jornaes do Rio Grande do Norte at 18 do corren-
te, dos qaaes colhemos o segointe ;
Continuavam a apresentar so ao Exm. presiden-
te da provincia voluntarios para o corpo que or-
ganisava o Dr. Amaro.
A cmara municipal de Mossor envin ao pre-
sidente da provincia, urna felicilagio, pelos serv-
gos prestados provincia.
O H m. arcipreste ordenou aos vigarios da pro-
vincia que retirassem as imagens das respectivas
raatnzes duranie as eleigdes prximas.
O capilo Porfirio Antonio do Amara! dra 5005
para as despezas da guerra, o raajor Miguel Ribei-
ro Dantas alforrloa am seu escravo. para seguir
como voluntario, e o raajor Manoel Ferreira Nobre
Jnior offereceu-se para servir como simples vo-
luntario.
Furam comeados : o Dr. Jefferson Mirabeau de
Azevedo Soares, director da insiruccao publica, e
o Dr. Francisco Jo- Alves de Aiboquerque Filho
promotor de Mossor.
Durante o anuo de 1866 fallecern) na capital
187 pessoas.
Els a proclamagio que o Sr. Dr. Amaro Bazerra
dirigi aos Rio-Grandenses :
Rio Granden-es do Norte I -Ha 18 annos qne
vivo entre vs.commaagaodo com vosco sofin nen-
tos, e lucias polticas.
t Era todo esse longo periodo teoho-vos provado
coasiaalemeole dedicago e lealdade, e de vos tenbo
sempre recebido provas iocoucussas de estima e
conflanga, que mu to me bouram.
t Devores imperiosos resuliam desse* lagos,
qae tem formado com a saocgao do tempo a
mais perfeita reciprocidade de sedimentos e
affelgdes.
c Tenbo f em vos de qae nio qaerereis boje
desmenti-los, quando ama causa santa me arrasia
a pedir-vos urna prova suprema ; assim como, es -
pero-o, tereis f em mim, de qoe o fago de animo
pnro, lendo em vista nicamente o comprimeo-
to de grandes dveres, e o eograndecimento do
vossu ame.
< Nussa patria e mi coramum tem ssfl'rido
affr utas graves de um estrangeire audaz, e luta,
na dous annos, para vinga-ias como deve, nos
campos da batalha.
Essa demora nos desdonra ja' parante o
mando ; a viogaoga s nobre, qaando promp-
ta ; preciso coasamma-la por um golpe deci-
sivo, como o exige enrgicamente a sua e nossa
honra.
Nesse empeoho sacrosanto de que a gloria
a corea, compre nao flear atraz, e ir disputa-la
na vanguarda, na razio do maior esforgo.
t C >oeito-ves a dar esse grande passo, offere-
cendo-me para oondazir vos ou acompaohar-vos; e
por minha honra serei fiel a este cumpromisso,
comoriiihaodo i vossa frente, ou a vosso lado pe-
rigos e sofirimentos.
t O dever mede-se por si mesmo, nio se
extingue para ninguem emqnanto subsiste para
todos.
Tendee feito mnito, deveis porm fazer moito
mais, at que seja salva a vossa patria, e soas
ifT-nsas desaggravadas.
c Em quanto este dever nio estiver plenamente
enmpndo, o nome de brasileiro um pe-o immen-
so que devenios sustentar com honra. Dos oos
livre de que elle se converta em ama vergooha
no futuro I
c Curramos, portento, nnidos ao comate para
defender os bros do nosso paiz, e salvar Ihe os fil-
iaros deslios, evitando assm legarmos aos nossos
vindeuros ama heraaca de deshonra.
Ha na escala dos esforcos humanos am grao
anda superior ae dever, que se coaraa m*gnani-
midade oo herosmo pelo qnal engrandecen) os
individuos oa as coramunh5es.
t Mostrai-vos, pois, grandes por esse esferco su-
premo e a'sira conquistareis, com as bengios de
iodo o paiz, honra e gloria para esta provincia, qoe
nos eumpre elevar em considerago e valor no
dpDceito da nago.
E" de meo dever indicar o vosso, dirigindo-
vos o espirito e confortando vos na gnerra, como
teahjs9|if.lfa.io o merecido de vos a honra de re-
presentar os nossos direitos oa paz.
i m .


MI



sjpi
*.'!! k. I *'> ii. nW,
- *"'-' T"
.I
"'
* xm m osiam m ss um /r/3fr.~i. ***


iuavos
para* vamos.
ADMUmiis viril da geraeio aejual, .qae dls-
ponto, cJieta. de ( e de cobres aspiragOes, cumpre
dar am gi ande passo qua a elev abs oraos do par
A ella renoTo o apoello qoe ja* Ibe dirig sea
seguimos termosMoc *
eocetai a carrelra das
valor suppre o tlenlo,
za pessoal. Por ser ella
tambera a mals glori
casiao de conquistar gl
possaes dar a ler ao fui
de vossa vida.
< E' este o voto Uncero de aera voa deseja de
coraoo felizes e grandes destinos.
Nao o posso provar melnor do qoe offerecen-
do-me para conduiir-vos a' gloria como vosso com-
pacbeiro no perigo.
* Viva S. M. o Imperador.
Viva a religiio do estado.
< Viva a oacao brasileir*.
t Vivara os bravos da patria.
t Vivam os briosos vola otarios Ri-Grandenses
do Norte.
Teve tnte hornera effectivamente lagar o le-
vantamento da bandeir de N. S. da Sade do Po-
ge eom a pompa briraanlitmo que sempre sdem
empregar os ferteiros da excelsa Senbora da Sai-
de. Um luzido e numeroso acompanhamento de
lindas joveas daqoellas paragens, acompaohou a
bandeir, que foi aHeada em (rente da bella igre-
ginba 4o Poco, tos sons de orna excelleote
sica, fegaetes e acc la migos de enorme raassa
povo.
Gfaude numero, da passoas do Recie foram
sistir asa ferta de renome, tomando lugar
diversos trens Jos trllhos urbanos de Apipncos.
Na volla de pus d'esses trens, depois da ban-
deir,'a niela nl, fomos testemunhas de scenas
bem desoladoras qoe fizeram altamente condem-
tur a ausencia de orna polica n'aqaelle lagar,
na oceasiao do embarque dos passageiros. Todos
queriam entrar nos wagons ao mesmo tempo, d'a-
tai nasceu urna confuso, um grande fumulto que
mais augmeotou aos gritos e talla de polldex de
um empregado da empreza.
E' de palpitante necessldade que o Sr. Dr. cbefe
de polica trate da cria gao de urna polica espe-
cial oas estagSes e pontos de parada dos trens
d'essa empreza, de modo a evitar quaiquer con-
flicto e reprimir o arrojo de algnns de seus era-
pregados oo modo de tratar os pas-ageiros.
E' tambero de grande necessldade qoe a em-
preza dos trllhos urbanos estabelega mais ordem,
mais regularidad?, mais preclsao, na venda dos
slbeles, no ngresso dado aos passageiros nos
carros, as horas e partida e cbegada ; e final-
mente mais circumspecgao na escolba de empre-
gadps, que nflo cimenten) mal quererlas entre si
e o publico.
Novaraeolo recommendamos ao Sr. director
das obras publicas a estrada de Olinda ; na ver-
dade lament.vel que se deite arruinar completa-
mente essa estrada Sao innmeros os camaleoes
que se encontrara, all, faz pena ver os taludes des-
moronados apresentando suas chagas a compaixo
publica. Ilavemos de apoutar ao Sr. director essa
pobre e adoentada arteria do corpo deaossa pro-
vincia at que S. S. tome na devida conslderago
nossos reclamos.
A manelra porque se comportan) certas pes-
soas, que costumam viajar sobre o lejadilhe dos
wagons da lirma frrea de Apipneos, exige qoe se
tomem medidas no sentido de cessar a gritara e
assuada que fazera dorante a viagem.
Por [iorUm da presiiencia toi approvada
ama nova postura municipal, acerca de sotas;
chamamos a attenco para o aoouocio da cmara
municipal, qtje val em ontre'parte3 pablicado.
Passageiros da barca portogueza Silva, vinda
de Lisboa :
Joaquim Selestino Peixoto, padre Antonio d'AI-
meida Coelho, Joao V. Ventora, Recio Bangone,
Georaohi Rosso, Bragio CIolea.
Passageiros da polaca hespanhola Elegancia,
vinda de Barcelona :
Francisco da Silva Ferreira e sua senbora.
Refarticao da polica.Extracto das parles
do da 24 de Janeiro de 1867.
Foram recolbdos a' casa de detenco no dia 23
do crreme :
A' ordem do Dr. delegado da capital, Jos An-
tonio do Carmo, para correego. A' ordem do
subdelegado da Boa-Vista, Marcelina, escrava de
Francisco Carneiro. por ferimentos. A* ordem do
de Poco, Theodoro, africano livre, por suspelto de
ser escravo fgido. O chefe da 2* secgo, J. G.
de Mesquita.
Casadb DrrENCAO.-Movimenie do da 23 de
janeire de 1867.
Exl-tiam 371, entraran) 3. sahiram 7, existen)
367. A saber : nacionaet 271, mulberes 13, es-
trangeiros 31, mulberes 2, eseravos 45, escravas 5,
total 367.
Alimentados a' custa dos cofres proviuciaes 225.
Moviraento da enfermara do da 24 de janeire
de 1867.
Tiveram baixa:
Maneel Ignacio da Silva.
Antonio da Slveira Sa Brrelo.
w
^, vos exh >rto para qus*vWs, ciWft "voi fr aaftot, casWa, Pog da Whlto ; febre nter-.
miteult. ... ... 'asaetsequeacias sociaes no
Rodqlphp, Pernamboco, 8 mezes, Santo Antoara ; Desde que esse principio
A eleigo o principio
t^Kn-W*1--

a.


f! Vi
. r .

__
tudo o'tnatg
rn,
Cietaoa.-Perhamboco', 10 metas Buf-Vm ; con- quhdo a tole se perturba.
voledw, t AVWercSes feiUs sob o prederrSBT'WfrlaVl..
Manoel, Pernamboco, 4 metes, Santo Antonio; he- ram deturpadas pela violencia governativa : e
Oullnerlna, Pernamboco, 8 metas, Recrfc ; cjo fRcipitoa-se a n; Jo.
vulcea. To rurJMu eierplo aWve
Cbrispim, Pernambuco, Vi metes, escravo, Bsa-fVtado qii tesMaMs a
Vista ; dentrclc. qu as eleteSos tejsi a
e Brijigah, Peroambdeo, 18 metes, escravo, Boa-VV
1> ; hbre pernlcios.
Roflua, Pernamboco, 17 aotiot, eacrava, Boa-Vla-
ta ; alacia.
aMARi MUNICIPAL DO RECIPE.
6-. sesso Quinaria em 5 de dezebro
DE 1866.
Presidencia do Sr. Pereira Simoet. ..
Presentes os Srs. r. Miranda, Santos, i)r. Pl-
tanga, Dr. Villas-boas e Dr. 9eve, faltando com
causa os mais senhores, abrio-se a sessao, e fot
lida approvada a acta da antecedente.
Leo-se o seguate
EXPBDIENt.
Um offlclo do Julx de paz primeiro votado do Io
districto da fregoezia do P050 da Prnella, Arlstlds
Duarte Carneiro da Conha Gama, communicandtj
ter em data de 4 do crrente lefio a convocacib
prli
e clegSes
vernos,; ea-
autela. pBJde
ora dai von-
atiiSa a tralca
0 SealldadeB*o
til vm.
vi la vel entre a for^a, que opprime, representada no
Os ministros, que entrenes concorrem para o
viciamento das eleic.oes, irapedlndo por tramas e
violencias a livre mauifesta{o da vnude popular,
sSo trabidores ao paz, e ao mooarcha, cujos inte-
resses compromallem era prejulzo geral.
Diz um publicista, que seropre falla magistral-
mente em assumpios de governo represeolativo,
que HAeriade vite pelos dirtitos, os quatt certa-
mente nada valem, se nao sao poderes, e poderes
fortmente constituidos e chelos di vida, porque
pondo-se d urna parte o direito, e da oulra o po-
der, nao s constltue governo livre. mas antes sa
esiabelece a tyranoia, ora sob o nome de despotls*
M
M
'ji'
3
>
>
o
>
tu
o
1 al t. 1 o i 1 o |p | | CJ! Masculino. 9 > o
II o 'i 1 1 tal Fminino. > H
t t II' 1 > 1 1 1 kO Masculino, i i <* Z O H i
A i 1 -1.1 - Feminino.
ta lili N 1 Masculino. a 1 > | 1 u 1 M CA O
h 1 i I Feminino. 0 O en
Masculino.
Feminino.
a
5
i
o
o
!'!

Masculino.
t
3
s
Feminino.
. I TOTAL.
ADVERTENCIA.
Na toulidade dos doentes existen. 168, sendo 100
nomens e 68 muthers.
Foram visitadas as enfermaras estes das :
As6 1|,,6 1|2,B,7,7, 6, pelo Dr. Ramos.
As H, jo*|, li 1,2, o 1,1, |0 I,*, 10, 6, pelo
tr. sarment.
Falleceram:
Joaqoim Jos de Saata Anna, febre tyJJbotde.
Roberto Peretra a SHva, lobercolos polmonares.
Jos Francisco Gteto, hypertrophla do coracao
fcabela Mara da GoncercSo, tobercolos polnVonare?.
Mana Francisca do Rosario, nsotUeiencia das vl-
vulas da dorta.
Joao Bapti-ta, ao2arca.
Manoel Martins Sooza, hydropesia.
Ckmitbrio publico.Obituario
Janeiro de 1867.
Manoel Rodrigues .Noguera Lia,
42 annos, casado, B. Jos
ares.
Varia, Pernamboco,
rite.
Joaquim, Pernambuco,
intetite.
Manoel, Peniamboeo, 9 mezes, Boa-Vista
tarta.
Rita, Pernamb&eo, 10metes, Santo Antonio; con-
vaiSea.
Imeteri, Peniambtreo, 'ihnos, eWnva, Boa-
VtatarwfmratiMgw.
Aroma, Pernamboco, M smwm, eacnva, Boa-Vis-
ta ; desentena.
-
Cm parvoto eoceaa*o saorto, Sanio Antonio ;
parto prematuro.
Um prvulo encontrado mono, Santo Aotosfo
parto prematuro. ^^
- 21 -
Joao de S Leitio, Pernamboco, 38 anoos, casado
Affogados; vmica.
Auna Eufrotlna S;breira de Mello, Pernambuco,
do dia 19 de
Pernamboco,
tubrculos palmo-
7 mezes, Bw-Vttu j lnte-
3 me: es, Santo Antcafo ;
"doaen-
Iht foi recommndado pela cmara em btfleio de 8
de oovembro ultimo.fotelrads.
Oatro do ad vagado, dizendo qoe nao conbece dls-
posl{o de l;I com declso do governo qoe Isente o
vereador de ser jurado, e o servido deste coincide
com *ssess8es da cmara, io resta outro meio
qoe nio seja pedirse por tal motivo dispensa como
te pede acerca dos empregados qoe sera Incove-
niente seeo podem dtstrahir do exercicio de suas
tunccSes.loteirada.
Outro do Dr. Antonio Vicente do Nascimento
Feitoza Filbo, offerecendo a cmara o projecto de
um paco pari os trabalhus da mesma, e bem assirn
urna memoria em que explica resumidamente cada
urna das einco eslampas, era qoe estio desenhdas
as partes do edificio, declara que pode nao-ser ufe
trsbMbo perfeilo mas fimo do desejo qoe tem de
contribuir, com o sea acaudado e pobre peculio
para o raelhoramento do municipio.Foi recebido
com agrado o projecto, e resolveu-se acensar, d-
clarando-se qoe a cmara agradece a offerta, e
sguarda-separaemlttir o seujuizo acerca de seatr
lliante irabalbo na sessao especial anteriormente
convocada para tratar da edlOcagio do paco muni-
cipal, e da sua iocaldade.
Outro do advogado, dando o sea parecer acerca
da questo do traspasso da casa n. 8 que fez o Dr-
Maooel de Figueirda'Fana, diz qoe nao tendo sido
i escindido o contrato de arrendamenlo, nio se p.
de estabelecer condiQ^es mais onerosas do que as
estipuladas no referido contrato, e oestes termos
oa Ihe devia ter concedida a liceoQa que pedio pi-
ra fater a sublocacao, como Ja o fez de outra vez'
ou Ihe ser pura e siraplesroente negada, sem que a
posse regalar acfferia de terceiro embora mais
vantajosa, per que importara isto alleracio no
contrato anterior, e que ainda subsiste, e a isto li-
mitara o sea parecer em relaeo ao recurso sobre
o qoe foi mandada ouvir a cmara ; se posterior-
mente Ihe nao fossem remettidos os documentos
que acompanbaram o offlciode 4 do crrente. Des-
tes docamentos se v que de feito se fez a sublo-
cago sem previa licenca, e qae por tanto se da' o
caso previsto no art. 2 do contrato, em virtude do
qual tem a cmara o direito de rescindir o arreo-
damento.Addlado sob prop?sta do r. p^-presi-
dente.
Outro do solicitador, untando a conta das des-
pezas jadlciaHas feitas de 21 de novembro passado
at hoje, com um saldo a sea favor de (99,5000,
pede para o pagamento do dito saldo e despeza que
tem a fazer, a quaniia 3O05.Qae se ordenasse a
entrega do dlnheiro pedido, e se remeltess" a con
ta a comralssio de polica.
Outro do fngeoheirecordeador, informando con-
tra a pretengo de Jos Jacome Tasso, de fechar
com muro e por to o tfo junto ao sea sobrado a'
roa doca'es do'Apollo o. 39 que se acba ja tapado
com Rjolos sollos.lndefeno-*e,e maDdou-se ordem
ao fiscal do Recite, para" fazer com quo o mesmo
Tas*o abra o nferido vio.
Uutro do mesmo, informando sobre o que era seu
requerimento expoe. Maria Jos da IuCarnaco
Velloso, diz que verdado estar mareada na plan-
I ta da freguezla do Poco urna praca no logar em
I i)ue a peticionaria pretende edificar urna casa na
estrada do Monieiro, sendo certo que esta tdifica-
c.io tem de rtcuar da mesma estrada para dentro
mais de cera palmos, e nao smente vnte e qua-
tro, que foram desapropriados pela companhla dos
trilhos de f rro.
A praga projectada apresaota urna ligara sin-
gular, e na tpinio delle engenheiro,nao lera neo-
huma uiilidade, poja que logo mais adianto encen-
tra se o largo do Monieiro.Posto en dtscussao, o
Sr. Dr. Pitaoga requer o addiamenlo di deciso ;
e foi approvado.
Outro do mesmo, informando sobre o que pede
Joaquim Francisco Collares, diz qoe nada ha que
oppr a coostruego da sotea que elle pretende fa
zer no sobrado de dous andares sito a ra do Brum
n. 66, urna vez que sejara guardadas as posturas
efe vigor.Concedeu-se.
Outro do mesmo, informando sobre o que pede
no requerimento que devolve Alexandre Jos Dor-
nellas, declara nada haver q le se opponba a pre-
tendo do peticionario de levantar muro no fundo
a da casa sita a' roa de S. Bom Jess das Crioolas,
o. 8, orna vez que o faca guardando o alinbam'?nto
dos muros que Ihe Qcam vjzinbos na roa denomi-
nada dos Patos, para onde a dita casa bota os fon-
dos.Concedeu-se guardadas as posturas.
Outro do mesmo, toformando sobre o que pede
Albino Jos Ferreira da Cunta, no requerimento
qoe Junto devolve, diz qoe o sobrado de proprieda-
de do peticionarlo, sito i roa de Hurtas n. 15, no
qual pretende elle fazer soten, mede no pavimento
terreo 19 palmos de altura e 18 e algumas polle-
gadas no Io andar.lndeferio-se.
Outro do mesmo, informando sobre o que pede
no nquerlmento, qoe junto devolve, Isabel Maria
Passos, propnetaria da casa terrea sita a ra da
Camboa do Carmo n. 17, diz qae nada ba qoe op-
por a que a peticionarla rasgue em porta orna ja-
nella da frente da mesma casa, nern que coostraa
solea na frente posterior da mesma casa.Adiado
a requerimebto do Sr. Dr. Seve.
Outro da mesmo. informando sobre o que no re-
qoeriraeoto que janto devolve, pede a mesa rege-
dora da irmandade do S. Sacramento de S. Fr. Pe-
dro Goncalves do bairro do Recife, declara que-o
gradeamento de ferro qoe a peticionaria pretende
collocar em frente do neceo tapado, jooto da igreja
do Corpo Santo, para evitar as indecencias qoe
eipoe em seo requerimento, em nada prejadiea ao
transito publico.Coaeedeu-se a licenca.
Outro de mesmo, informando sobre o qae pede
Domingos Jos da Caoba Lages ao requerimento,
que jooto devolve, diz que nada ha que oppor aos
aelhoramentos que o peticionario pretende fazer
oa casa de soa propriedade, sita ra da Senzala
Nova o. 28, sendo estes meihoramentos rasgar em
porta orna jaoella, assentar ama sbleira na porta
existente, fazer canija e cano deesgoto.Cnce-
deu-se a licenca.
Oatro do fiscal da fregoezia dos Afogados, peda-
do a cmara Ibe mandasse pagar a qcaot a de 4,
importancia da despeza que flzera com o enterra-
ment de om-oavallo que encontrara morto no dia
11 de ootubro passado, oo lagar do Bu.-Qae se
passasse mandado.
Foi approvado am parecer da cpmmisso de po-
lica no sentido de se informar a presidencia con-
tra o qae a mesma reqaereu Joaquim Cavalcanii
de Albuquerque Mello, relativamente a levar-se
novasaento a praca os tallaos do acougue publico
da ribeira da freguezia de S Jos, ns. 9 do lado do
norte, 7 e 16 do lado do sul.
Sob proposta do Sr. pro presidente foi noraeado
fiscal supplente da freguezia de S. Jos o cidado
Joaquim, Cavalcaoti de Alboqaerqae Mello.
Despacharara-se as paticoes de Antonio tmgdio
Wbeiro, Albino Jos Ferreira da Cunha, Domingos
Jos da Caoba Lages, Francisco Borges das Cha-.
gas, Jos Jacome Tasso, Jos Goncalves de 8, D.
Mara do Lorelo Barros Campello,. e levantou-se a
sessao.
En Francisco Canato da Boa-vJagem, secretarlo'
a sobscrevi. Pereira Sim5es, pro-presidente.
Santos.Dr. Villas-t>oas.-Dr.Piianga.Dr. Sv.
-Dr. Miranda.

I.C
o
povo,
dei-
direito
Pratlca se isso entre nsi O governo actual est
dispdsto a tolerar o voto, e reconhecer a expresso
da vontade nacional T
Os actos preparatorios do governo nos faiem re-
cejar pela effectividade dos direilos do cidadSo ;'e
asslm vendo que o poder executivo eocarrega-se
de proclamar o direito do voto, por isso mesmo re-
cetamos os seus ardls, e sinistras lntenc,oes.
Quaodo a Aostria oa sua sobrinceria e despeito
quiz em Campo-formio declarar em solemne trata-
do a existencia da repblica fraoceza, nao o coo-
sentio o andaz e feliz primeiro cnsul, e dizendo
que a repblica era como o sol no horisffnte, ju
todos viam, impot sem mais preambtos a lei de
vencedor.
Assim devoramos nos cidados, quando o gover-
no proclama, que o voto livre, desdenhar a Im-
portuna garrulice, e mostrar no esplendor do
trlompbo a supremaca da vontade nacional.
0_governo, apregoaodo liberdade, obsta a reali-
sa{5o da livre maoifestacao do espirito publico : e
deste faci resulta, qo'a forma rpreseotativa oo
existe oo paz, aoode apenas apparece o triste si-
mulacro do rgimen constitucional.
A represeniago, que vai cmara, nao exprime
o voto nacional : feitura dos ministros. Por Isso
os pseudos-represeotaotes sanecioriam quanto os
ministros qoerem e propSem ; nada iniciam, nada
impugnara.
D'ahi resulta essa esterilldade legislativa, que
vimos na ultima legislatura, e essa subserviencia,
qae degrada a representacao nacional ante os ace-
nos do poder.
O mal j bastante assustador. Temos por ora
o despotismo atada mascarado com as formulas
cooslilucionaes ; e a anarchia ja nos mina surda-
meole.
O dosso systema eleitoral necessita de reparo.
Estabelecido em bases mu'lo geras, o governo as-
sumio urna tutela pealgosa ; e assim o direito do
voto nenhuma garanta de effectividade tem, senSo
a benvola aquiescencia desse mesmo go-
verno.
E' preciso firmar o direito eleitoral, eercando-o
de garantas poderosas.
Os comicios eleitoraes reuoemse ; e votando sob
os auspicies do poder, dissolvem-se sem que o go
veruo receie do leitordo cousa algoma ; porque
a sua accSo limlta-se a ama funeco phemera.
Tal ordem de cousas esSencialmeve defmiuosa.
Convm, que o eleitorado tenha certa effleacla e
valor anda posteriormente ao acto daelei5a0.de
raaueira que o goveroo directa ou indirectamente
necesslte do.seu concurso, ou receie a sua resis-
tencia.
Do Contrario perpetuar-se-ba esse misrrimo es-
tado, em que nos vemos.
O segredo de urna boa legislacao constitucional
consiste em enlacar todos os dlreltos, de foro-.a qae
se nao offenda a ura sem se abalar os oiros.
Bem pelo contrario as cousas pasiam-se entre
nos: e assim que nulliflea-se oo destr-se o
poder eleitoral para dar pujanza desmedida ao po-
der executivo.
Tal tem sido o desvirtuamento d03 principios do
nosso pacto fundamental I
No entretanto em quaoto melhores lempos e
cooselbos mais sabios cao chegam, tentemos es-
forgos para vencer o arbitrio e prepotencia do go-
veroo, e apresentar urna elelcloque possa dixer-se
a expresso real da maioria da nagao.
eom criminosos de todo o geutro,
do roez de Oezembro pretrito.
Ba o Exm. Sr. conselbeiro presl
Idenctae energics, tendentes a
fWesootos dos iofelizes Exenses,
tWI a consequencia natural
abuso.__
primeira vet
as prevarica^
legados 'do govero
eseota o cidado
desmandos da ao
o silencio, ai
oda vencer a eleic
ainda urna vet ao
obo, para qu
Granito, onde
mete de seus direilos; e v-se
ridades arbitrarias e
desde o dia 2T Vtote m'tdOS 08 S'eS perodos. A aCa- ffrljae no*Hlodei-/Jii'|(.{jrai,c<_char
demia medica de Bern teve- maita razio gf-'"''gJg-,n" dam.
em considerar o-sueco desta barsamtca arvo- Suebo^onognez -SStllJ!*"
re, como um especifico absoluto para as ir- patacho hoovenano'oneordwi-ide
ritacSes e inflaaracoes da gargaota, to vasos, Braun ainemino-yiwwift im>
de tanta tropela o
termo
mos a vo, -i-
I8r.
, a reiposla do
que o eandtdmk
i Idllro transa.
Sr. conselbelfo
s vfstas para o
no'gsa livre-
merc de auto- i
Illra. e Exm. Seohor. Parante Y. Exc. qneixa
se Francisco Cordeiro do Nascimento, morador
n'este termo, contra o commandante superior desta
comarca o coronel Boque Carlos d'Aleocar Peixo-
to, pelo tacto qoe passa a expor, esperando qae
V. Exc, Ilustrado e justiceiro como o tomar
na devida considerado. Teado o referido com-
mandante superior, no dia 21 do dezembro do ao-
no prximo fiado, prendido arbitrara e desptica-
mente, e conservado na priso por espaco de 13
das, um ganro do qnelxoso, de nom Antonio Jo- p ~M~a,mr
s de Carvalbo, o queixoso deu perante um dos
anfoessores de V. Exc. orna queixa contra o refe-
rtdo;^nirm3naarjv^np-erior, na qual reiatoa, oo
s o facto da priso do referido seu genro, como
muitos fictos de concassao eommettidas pelo mes-
mo oa qualidade de commandante superior, e ten-
do o referido antecessor de V. Bic. mandado ou-
vi-lo acerca' de tat aecusagdes, looge de ae defen-
der das mesmas, e de- chamar o queixoso i' res-
ponsabilidad!), como era do sen derr, se nio os
havia commettldo, proveitou-se da ascendencia
que tem sobre o substituto
broncliios.
Nenhum caso fle PouquidSo, asthma, ca-
tharro, dor t gargata oa bronebites, pode
resistir s so prifiriedidis contra-irritan-
tes. Restitie '-e rWbeMe a voz, -qtUndo
por affecQoei ek tmifea oa larjrox se fce.ga
a perder ou debilitar; f-parar a epecto-
racao sang.ime, 'Apode a ssj$ >rJsWca~ de muco8idadlg'iW^tuboy#i rdSp*acSi,jue!
I conduzem aos pulm5es.
.. hfe^aamile fcu. dtffrtrte i eoes peito-
raes compostos principalmente de fractas
acres e adstringentes, etc., finalmente na
sua delicada e elaborada composico n5o
ntra neDhum acido prussico, nem o pon-
I portado.
Snmaca ndonal Pemm ir, entrada do Blo Gran-
da ao Sol, coasifaaik **#.*ibeiro G- maoifes-
Mwafegoio:
arroHWde aaarqua, S ditas de sebo era
ditas a d*r#m MUsm, 57 ditas de graia
as ; a crdaaa.
nacMHl ltmngWtft, entrado do Graoja,
o o aajuidte :
co ingrediente algum de especie ou caracUr j mao.
20 MWos atUbo e^nmfcijo ; a Barros &
Silva.
2 caixas ovas, 29 micos cooros miados; a Lino
de Farla 4 C.
1,477 meios de sola ; a ordem.
6 ditos, 77 saceos mtlbo, 3 ditos gomma, 4 di-
tos algodao e 1 dito faltaba ; a Loiz Goncalves da
Silva A C.
258 meios de sola ; a J. J. de C. Moraes 4 Ir-
venenoso.
Acha-se venda as pharmacias de A.
Caors & Barbosa, J. da C. Bravo 4 C. e
A C.
1 sa i' -*-
irw.'Sr, Jaaqiiw dc^tffli!^ PitrU,
Tomei o vlnbo de jarubeba que por V. S. me foi
ministrado, e tenho o prazer de communicar-lbe
que estot completamente restabelecdo dos meus
scflnmeotos oo flgado e bago ; teodo do referido
vi obo tomado apenas o contldo em nm irasco e
friCciouado urnas seis vezes, se tanto, com o oleo
tambera por V. S. extrahido da jnrabeba, e o qual
V. S. igualmente me bavia fornecido.
Escusado dter-lhe
que estou peoboradisiirao
do juiz municipal daste
termo, eapifao Antonio Pereira de Carvalbo. e deu Dp|n ennrm oroinn nn*'v ~~l~*'7.
M Ks sa? asas trn? <"r Wf sss .1
remaes, queita qoe proaa- nrlucinio. w me WmBntav a* m>n. ,tm.
por crime de Injorrs'vertaes.
zio o effeito deseja'do, visto como, apezar de estar
o queixoso ausente, foi processado e condemoado a
tres metes de priso, sm a menor formalidade ; e
para consumar a sua vingaoga, bo da em que Ibe
foi intimada a referida sentenga (a 51 do Torrente
mez, documento n. !), mandou prender o quei-
xoso (document) n. 2), quando expresso nos arls.
37 da lei de 3 de dezembro de 1841, e-299 do re-
glamento n. 120 de 31 de jaoeiro de I8i2, que
nos taes rimes os reos se livram sollos: ver-
dade que, para nao tomar muito calor o seu despo-
tismo e arbitaariedade, dfelarou na ordem de pri-
so que o fazia comoguarda nacional por lojortas
irrogadas a elle como ebefe da mesma, querendo
assim dar o caracter'de prisSo militar, adra de qae!
o naeixosc- n5o poderse ser solt por urna ordem
de' habeas-corpus, como de facto nao o pfide ser
(documento n. 3); mks ainda asimnio pOd ter
visos de legalidade urna semelhaote priso, por-
quanto, alera do que expresso no art. 97 Ha lei .
u. 002 d0 13 duUmbro de 18'. que o guarda I
nacional s jle ser nreso por ajaras irrogadas a
seos superiores estado m servlgo, o que nao se
da no caso verienle, 'visto como o queixoso Do es-
ta va em servigo, e ante* eslava no exercicio-do
cargo de juiz da pat do 2o districto desta freguezia
principio, ja me atorroeotava de manelra assom
brosa. O meo recoohecimento por V. S. mis-
turado da admiracao que lodos sentimos pelos ho-
-fds que eomo V. S. s3o dolados de um geofo la-
borioso, de urna actividade iocaosavel, de um ardor
Inexcedivel na propagago de quaesquer conheci-
meotos de recoohecida utilidade social.
V, porlaoto, esta carta reunirse ao numero dos
muitos e honrosos docomentos .que V. S. ha rece-
do, era cada um dos quaes brilha um raio dos as-
sigoalados beneficios que das suas preparares
tem tirado urna boa parte da populagao desta pro-
vincia.
Pedindo-lhe quo aceile coao fllhas d'alma as ex-
press5es que abi deito, tenho a honra de asslg-
nar-me de V. S. admirador e serve obrlgadis-
simo
Recife, 22 de Janeiro de 1867.
A. do Souza Pinto.
oo
os
~4
E TEMOS LIBERDADE EV0T0 I
Em Paod'Alho oo esta' aiada su.penso o re-
cratamento. O Sr. Maximlaoo Duarte maadoa
preoder oa Gloria do Golta* a Manoel de Jess, fl-
Iho nico maior de urna mulher viuva, que tem
qaatro orphaos a's costas. Foi preso no dia 11 do
correte, nao como recrula, mas como guarda na-
cional designado, o que vale o mesmo. Entretan-
to, o referido Manoel de Jess nao guarda nacio-
nal ; mas convioba a soa priso, porque verme-
Iho, e oo leva a chapa que ihe dr o inspector do
seu qoarteiro.
a fregoezia de Pao d'Alho, tendo sido avisado
o guarda nacional Gervazio Antonio Corren para
destacar, e pediodo dispensa, apresentando attes-
tados, qoe o relevavam de prestar servlgo, todava
oo foi attendido. Com todo o desplante o Sr. te-
nente-coronel Christovo Ce Hollanda, qne o cora-
maodaote do corpo, Ihe declarou, que nao o dis-
peasava, sean sob condigo de votar com elle. O
guarda nacional respondeu-lbe, qne, sem faltar ao
respeito que devia ao sen commandante, nao podia
acceder a semelhaote proposta, rato porque segla
poltica diversa.
Nos termos em que falln o distincto guarda, tao
placido, to respeitoso. tao firme na sua dgoidade,
era para desarmar a qoalqoer, qoe Ibe fosse fazer
urna imposigo desta ordem ; a um adversario bo>
uesto e geoeroso, quando a fizesse, immediatamen-
te recuana diaote de ama tao Viosa recusa, at
loovaodo a. Mas, outro foi o proeedimeftto dd Sr.
Christovo, bem propno d'elle, pois de ootro
modo nao seria elle So T: mandoa qae o guarda
se recolhesse a priso por orlo dias.
E o que nos diz a isto o Exm. Sr. conselbeiro
Slveira Lobo? Que coota nos da' de suas-promes-
sas7 Os fados vao te suceedendo todos os da8
aqu e all eom o maior desrespeito a's vistas da &
Etc.; de modo que, era nosso peosar 6. Exc. lera
toda a razio para andar ja' am tanto enfiado, ex-
poodo-se-lbe tanta bandabeira de seos agentes, e
dizendo-se sempreno Bmque o Exm. Sr. con-
selbeiro contioa da boa f.
Era am dos joraaes que circulara nesta cidade
pnblicou-se, que esse Sr. Christovo coaglo um
pobre homem a jurar falso em om processo, de
que era lestemuobs, ameacaodo-o qoe o bavia de
designar para a guerra como gaarda, se o homem
fosse depr em juizoa verdada do qoe sabia contra
os eseravos de seu pai. Este facto foi publicado,
dizendo-se qae coustava do processo; e qae assim
como o perjuro fdra preso para ser punido, tam-
bera devia soffrer por igual aquelle, que o cons-
trangera a corametter e crime ; e quaes foram as
deste termo ainda nao esta orgaoisada, da sorte
que nao se saoe'a'qut quem e-goartia nacional.
MasnSdflea oqoi.Exm.Sr., a perseguigaoe o mas-
sacre do queixoso ; elle vai multo adiante; assim,
teodo o queixoso sido preso porito das, segundo de-
clarou o referido commandante superior na ordem
de priso, e tendo silo o queixoso preso no dia 31
do mez ultimo, anda boje se conserva preso, e sem
a menor esperaga de ser relaxado deiia lo cedo
(documento o. 5); alera disto, sendo a priso mili-
tar, como pretende o referido commaodr ote supe-
rior, tem estado o queixoso ora no corpo da gaarda
('a cadeia, ora na eoxovia junto com os criminosos,
segundo o humor em que est -elle ( documento
n. ).
Finalmente, Exm. Sr., requerendo o queixoso ao
referido commandante superior, logo que coraple-
tou os 8 das de prisio, a sua soltura, este indt-fe-
ri verbalmeote a sua petigo, dizendo ao portador
do mesmo que soldado nao tlnha que requerer
( documento n. 7).
N'estas cireumstanelas, poli, o queixoso julga do
seu dever levar todo isto ao coohecimento de
V. Exc, como primeira autoridade da provincia,
para providenciar como fr de Jus ti ga pelo que
espera receber merc
Cadeia da Villa do Granito, 6 de Janeiro de 1867.
Francisco Cordeiro do Nascimento.
oanta.
A comarca de Olinda, como parte do 2." distric-
to eleitoral, vai sendo victima da presso ol'iieui.
que o Sr. Araujo Barros pde em raovimento para
a sua eleigo e do seu espttial Sauza Carvalho.
Nao ba muito que ali foram presos uns pobres
horneas, a pretexto de tomada de recrutas, quando
oulro crime nao teem alm de serem votantes con-
servadores I
Recolbdos a cadeia a ordem do subdelegado,
nio poderam ser sollos por habeas-corpus, por toa-
ver essa autoridade declarado esiarem presos a
ordem da presidencia I E o caso que os pobres
horaeos esto presos ba muitos dias, e neuhura
geto teem achado para consegalrem a sua liber-
dade. A que lempos temos chegado 1
Em Iguarassu' a eousa corre pouco mais ou
meos. O recrotamento foi all feito como arma
poltica, e agora qoerem o destacamento para a
elelgio.
ouve ordem da presidencia para ser dissolvido
o destacamento, mas o Sr. Epamioondas recusou-
se a eamprir a ordem, alegaodo ser o destacamen-
to creado para o servico da polica e nao para o
recrutamento.
Entretanto que era ali o destacamento de 12
praca?, commandadas por ora sargento, o qual por
causa do servico do recrutamento fui augmentado,
passando a ser commandado por um offkial. Mas
o Sr. Epamioondas que quer soldados para a eJeicao,
nega Isto, e j esereveu ao Sr. Araujo Barros.
Esta cartinaa ha de produzir effeito, sendo manti-
do o destacamento e at augmentado I
O Sr. Araujo Barros obra na actaalidade. Boa
esta Ierra.
(docameoto n. 4), sectesce'^de' a guarda nacional hem pratlca sensVonhecimntos"flzesse da joVobeba
Sr. Joaquim de AlmeMa pinto.
O raeliodroso estado desade em que me achava
pelas szSes, iflaramagissdetlgadoe bago, vend-
me iochado einteiramente prostrado, me desaol-
moa, e de todo tlha perdido a espernga de cura,
quando a Providencia fez com qae V. S. pondo
medicamentos apropriados cora de taes enferm
dades ; nto reaofmei-me e coraecei a usar de
suas preparag5es do jurobeba, e (ragas a Provi-
dencia rae acho bom, sendo pois V. S. o autor im-
mediato de meu restabelecimento pelos seas medi-
camentos, venbo agradecer-!he o ter V. S. minis-
trado a humanldade um ailivio a seus sotlriraentos
e offereeer os meos pequeos servigos.
Recife, 12 de Janeiro de 1867.
De V. 8. amigo e criado
Jos ElesbSo Borges Ucboa.
O oleo de flgado de bacalho ferruginoso
de Chevrier, pharmaceutico em Paris, subs-
Utue se com multa vantagem as pilulas e ao
tarop de iodureto de ferro mais fcil de
tolrar-se para as pessoas delicadas asseme-
Iha-se muito mais bem e n5o provoca a cons-
. pac5o.
Deposito em Pernambuco, casa de P. Maa-
rer 4 C, ra Nova n. 18.
563 ditos dito ; a Antonio Alves de Moraes.
1 mago altanados, 5,785 raelos de sota,4 barri-
cas gomma, 11 ecas algodio, 218 magos eoun-
nhos, 200 couros salgados ; a Jos de Sa' Lei-
kae
10 saceos algode, 580 meios de sola, 406 ror-
ros salgados e 14 macos conrlnbos; a Antonio G.
/Ja A Tpu\An
sao ritt'vtrWi
Do G aoja.
824 meios de sola, 1 maco coorinaos: a Luiz G.
da Silva A C.
75 meios de sola ;- J. Bossea.
455 ditos dito ; a viuva de Manoel Goncalves da
Sirva. *^ .
fftaUscao,
4 saccas de algodo ; a Jos Joaquim de Scua
18 ditos caroauba ; a ordem.
Barca ingiera Jura, entrada de Terra-Nova, ma-
nifeslou o segolnte:
700 barricas farioha de trigo, 2,702 ditas, 28
meios e 2 caixas badlho ; a ordeto.
Brigue sueco Johmnes, entrado de Cardiff, con-
signado a Sauoders Brothers & C.maoifestou o se-
g i ote :
314 toneladas de carvSo de pedra, 3 ditas de di-
to qaeimado; abs mesmo?.
Exportar*.
Patacho prussiano Calhanna, carregou para o
Canal:
3,000 saceos com 15',C0 arrobas de assucar mas-
eavado.
Patacho brasleiro Dous Amigos, carregou para o
Rio Grande do Sul :
1,600 barricas com 11,243 arrobase 24 libras de
assucar branco.
Patacho bollandet Tasmama, carregou para o
Canal :
3,500 saceos com 17,500 arrobas de assucar mas-
cavado.
Logar portoguei Julto, c rregou para Lisboa :
3,250 saceos eom 16,250 arrobas de assocar
braoco, 900 ditos com 4,500 ditas de dito mascava-
do e 60 ditos cora 300 arrobas de caf.
RECEBEDOR1A DEPRENDAS INTERNAS
GERAES.
Rendimento de 1 a 23 do (torrente 2*:3'il57i
dem do dia 24............... 397/31 :J




23:7595037
MOYIMEiVTO DO PORTO
0 oleo de flgado de ba:alho desinfectado
de Cbevrier, conserva as qualidades e pro-
priedades reconhecidas ao oleo de ligado de
bacalho ordinario; o seu cheiro gosto
sao muito agradaveis, e a digesto faz-se f-
cilmente.
Deposito em Pernambuco, casa de P. Mau-
rer de C, ra Nova o. 18.
COMMERCIO.
PRACA DO RECIFE 24 DE JANEIRO
DE 1867.
As 3^ horas da tarde,
(flontem.)
Algodao da Parahyba 1* sorte 16/800 por arro-
ba posto a bordo.
Assucar. mascavdo Canal-25050 por arroba.
Assucar.Mascavadj americano 2/200 por ar-
roba.
Frete de algodo
libra.
Cambio Sobre Londres 90
por 1/.
Cambiosobre Paris 39o rs. por franco.
Descanto de letras de 3 e i mezes 10 % aaio.
(Hoje.)
para Liverpoollj2
d/v 24
e 5 0(0 pr
e 24 1|2 d.
Naoto saludo no dia 23.
Caual pela Parahyba-Brfgoe iagiez WiUu, api-
lad Wood, em lastro.
iVasios entrados no dia 24.
Barcelona49 das, polaca hespanhola Elegancia,
de 175 toneladas, capitia Manoel Pages, equipa-
gera 11, carga vinho e outros gneros : a Tisst
Frere.
Cardiff-56 dias, briaue saeeo Johannes, de 207
toneladas, capilo W. Torogren, e<|uipagem ,
carga carvao de pedra; a Saanders Brothers
cV C
Li.-boa36 dias, barca portogrftza Silva, de 301 to-
neladas, eaplto Jos Feruaodes Coelho, equipa-
gem 13, carga vioho e ootros gneros; a Amo-
nio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
Rio Grande do Sul-32 dias, sumaca brasileira
PeMente, de 136 Ifloeladas, capitao Jeronyoio
Jjt Talles, equipagera 9, carga o,50i) arrobas
de caree ; a Fraociseo Pinto Ribtiro Guima-
raes.
Barcelona-36 dias, sumaca hespanhola Nueva
Carlota, de 120 toneladas, capitao Jayme Maris-
lony, equlpagem 12, carga vinho: a Pereira
Carneiro & C
Liverpool-57 dias, patacho ioelez Georgiana, do
143 toneladis,- capilo o piloto John LebreOD
quipagem 6, carga 360 barris cora plvora e*
oulros gneros ; a Saonder* Brothers & C.
Navios saludos no mesmo dta.
Canal-Patacho boItMdei Tasmama, capilo A
owes, carga assucar.
Lisboa-Lugar pertuguez iulto, capilo Joo dt
Barros, carga assucar.
Arav,aiy_H;aie braaHe.ro Emtlia, capitao Trajaoo
Aotuoes da Costa, em lastro.
EDITAES.
Arreo a dos.
Consta-nos qoe o r. Paes do Andrade, est acti-
vo oa caballa, e ameagador. Aquelles que neo
se prestara a segui-lo, diz elle pois nao vd a
ileico iut toma pau I
ti sao os conservadores qoe ameagam, e promo
vem desordsns I
Grande respoosabllidade ha de flear ao Etm. Sr.
conselbeiro Silvelra Lobo do resultado desta eleigo.
A cmara mnoicipal desta cidade faz publicc
para conheclmento de quero Interessar possa o
acto pelo qual se dignou o Exm. presdeme 'da
provincia approvar os artigos de postara baixo
transcriptos, relalivamente a construego de sotea
Pago da cmara municipal do Recife em sessao de
Algodao de de Macei-1- sorte 15/400 por arroba I 23 de Janeiro de 1867.- Gustavo Jos do Reg
provdeacias ? que responsabilidad teve o Sr.
Christovo por isto T Nenhuma.
Eoiao, pensa elle, e peosa mni bem, 'qoe, se po-
de impunemente ameagar i Ustemoohas, tambera
pode arneacar votantes. E oque justamente elle
esta' fazeodo.
Mas, sao t possivel, qne sendo isto posto a's cla-
ras, o Bisa. Sr. oootelheiro Slveira Lobo oo va'
as rodos do Sr. Christovo para qae se comeaba.
No futuro estes tactos, assim, seto correctivo,
bao de dar mnito que peosar.
aovas THOMLTAS.
Abaizo publicamos urna represeotago, ornato
Etm. Sr. eoBselheiro Sitveira-Lobo dirtee o 9 jufz nome e-de sua antoridade para intimidar os Igoo
de paz do tormo do Granito/ Fraociseo Cordeiro do
CHEOADA IHOPINADA.
Consta qne acaba de chegar a esta capital, a pe-
dir armas e soldados, o Sr. RogerioMergulho, de-
legado do termo do Brejo. Ja' tiohamos tido noti-
cias, qae um dos candidatos do quinto circulo a.o-
nunciava a vinda do dito Sr. Rogerio, a quem qua-
liflcava de fraco, por suas continuad ezigencias
de forca para fater as eleigdes ; eslai. o toda a po-
lica em mos dos progressitas I
Pois bem, resta que ao Sr. Rogerio se proporcio-
nen! os mesmos petrechos bellicos, que foram mi-
nistrados ao delegado de Cimbres ; resta emflm
qae se converla a villa do Brejo n'ama praga d'ar-
mas, como estove ba pouco convertido a Villa Bel-
la, por occaslo da posse do delegado Epamiooodas
de Barros, que apresentou-se cora cem facinoro-
sos armados, segundo as cartas que acabamos de
receber daquella villa I
DEM AIS I
O subdelegado do districto do Peres esta' ttnea-
gando a qnaotos moradores do seu districto falla a
respeito da eleigo. diz que ba de recrular e pro-
cesar a todo aquelle que oo volar oa chapa do
governo. E o qoe mais ameaca, dizendo qoe
tem para isso ordem do Exm. Sr cooselbeiroSlIveira
Lobo, qae ihe-dea verbalmeote, qoando de passa-
gem para o engeobo Santo Andr descaosou em sua
feas*.
Nao acreditamos qoe S. Exc. aconseihassa ao
Sr. sabdetegado do Peres a assim proceder ; mas
bota qoe seiba eomd%e esta' abusando do seu
.Nascimento, queixando-se das irupetias e novas que se fazem na igreja do Barro
Commimioados
ParthU eositerrador.
BLKtgAO.
A nossa organlsago poltica tem a eleigo popa-
lar por base de suas combinagdes.
rantes e fracos. Tedoa qae teem
ido s neveaas
tom presenciado
o' facto qae registramos.
E' necessario qoe S. Exc. faca eonter esse sub-
delegado, qae esta eompromettendo-o to escan-
dosamenie, e descobrindo mtongdes, qae por ora,
taato nos repogoa acreditar.
m
-'.
violencias do commandante snperlor Roque Carlos.
O Sr. Cordeiro, ba p.uco lempo, esteve entre
nos, iodo quetzar-se a pedir providenolas ao
Exm. Sr. presldeot, adra de melaorar de sorte,
visto eomo o commandante Roque Cartee, cora o
sapotate do fuiz municipal do Granito, Ant alo
Pereira da Carvalbo, macbraavam a nMo de dar
com o Sr. Cordeiro na cadete.
lafe'iinieate, depois de Ilsongeiras promessas
per parte do Sr Dr. Manoel Ciemeotiao, ealo vice-
presldeate da aravlaeta, daofir. Cordelro nio
sofrena violencia algoma, sarao o mesmo snhor
para sua torra, a l o eomoandanto Roqae, a t-
ralo do desobediencia ao superior, preode o Sr. E" iazendo pasmar todos OS n0SS0J
Cordeiro, e o langa na cadeia inmunda, de mistara mdicos pela grande rapidez cora qoe cura
posto a beido.
Dito de dito2j sorte 148400 p>r arroba posto a
bordo.
Dito de ditorefugo 12/500 por arroba poste a
bordo.
Silvelra,
Presidente.
Macedo,
Secretario.
NOVO BANGO DE PER-
MUCO.
0 novo banco paga o se-
gundo dividendo de 4,4 0(0
da massa fallida de Joaquim
Jos Slveira.
Caixa lilial do bale do Brasil em
Ptraambuco aos 10 de jaoeiro d*
1867.
De ordem da directora se faz sciente aos se-
nhores accionistas que o thesoureiro esta' autori-
sido a pagar o 26 dividendo das aegees desta cai-
xa a razo de 12/.
O guarda-llvros
Ignacio Nones Crrela.
Noy Baico de Pernamtmco.
O Novo Baoeo descoma letras de preso at qaa-
tro metes a 8 O|0 ao anno, e de maior praso a
10 -|0
da Boa-viagem,
Pernamboco,
ALFANDEGA.
Rendimento de 1 a 23 do corrate..
dem do da 14.................
671:374/260
20:817/105
700:191/365
MOVIMBNTO DA ALFANDEGA.
187
704
Publicaces a pedido
Anacahaita peitorai de Kemp.
Volumes entrados com azeodaa..
aeros....
Voiumes sabidos com fazeodas... 93
< > tetros.... Mi
r. _. ^?wrregamboje 25 4o correateT"
Galera fraocezaAitle -mercadorte.
Prigae prassiaooFarnodem.
Barca portuguezaBumiidadedem.
PUeho ioglezAmanda Jeandem.
Barca Inglesaftaojmoraem.
Brigue poriugoez-Fformtfl -pedras.
Brigue toglez-aforif-bacalho.
rlgue ioglezPoMrc^rvio.
Barca Ingleza Grasttng idem.
Barca ingleza-itasamondem.
891'
314
pro-presidente, Francisco Canuto
secretario.
4* secgSo.Palacio do governo 'de
em 17 de Janeiro de 1867.
O presidente da provincia tendo em vista o aue
ponderou a cmara municipal do Recife em of-
cos de 12 de de-embro prximo Ando e 9 do
crreme, sob ns. 85 el; resorve approvar pre-
visoriamente os artigos de posturas abaixo trans-
criptos :
Artigo Io. Nos sobrados qoe estivefero edifica-
dos, ou forera construidos, segundo as postura*
em vigor, podero baver jotea?, as qoaes lerao l->
palmos de altura do assoalho ao'frecbal: as ia-
nellas, 5 palmos de altura; 5 de largara e
peitoris 4 palmos. '
Artigo V. Nos existentes, qne tiverem sido edifi-
cados antes das posturas em vlgor.roas que liveren
no pavimeato terreo pelo menos vinte palmos de
altura, sera, applicavel a' disposigo do artizo
antecedente. *
Artigo 3". Nos de tres ou quatro andares exis-
tentes, sera' prohibida a construcgSo das soleas
Artigo 4. as easas terreas, que se acharem, "ou
forera construidas, conforme as posturas em \laai
lambem podero haver sotas, como determina c
artigo 1.
Artigo 5*. as existentes qoe tiverem
os
menos
de vlnte e dous palmos de altura, ou forera de oi-
l5?s4siogellos, embora edificados no3 locares ner-
miltidos nao havero sotas.
Artigo As soleas que forem construa das nos
sobrados ou casas terreas, sero guarnecidas de
cornijas na parte ioferior e saperior.
Artigo 7 Os propietarios coofr-aventores das
disooslgoes de qoalqoer dos artigos aotecedeote*
pagarao a mulla de trila mil reis, o a obra sera'
demolida a sua Costa; o mesrre ateto de Datar a
mulla igual de trila mil re?, sonYera' olio dias-
de prisio.
Artigo 8 Fleam revogadas as spoleSes do
artigo 10 do titnto 7 das postores da 30 de junh
de 1849, c a postura addHnoal de 18 de fe ve-
retro de 1861.-Francisco de PatH^ d Slveira
Lobo.
Conforme.^Antooio Leito de Wnao.
De ordem do lllra. Sr. Inspector se faz panu-
co qae acbaodo-se as mercadorias comidas nos vo-
lomes abaixo mencionados no caso de serem arre-
madas para consumo, nos termos do cap. 6* do tu.
3* do regulamemo de 19 de setombro de 1860, os
seus dooos oa consignatarios deverao despacha-las
no praso de 30 das sob pana de ftndo elle, serer
vendidas por sua conta sem qne tees fique compe-
tido allegar contra os effeitos desta venda.
Armazem a. 6.
100 barris de maoteiga, marca diamante V L A.
ns. 101 a 200, viudos do Havre na barca fraoceza
Aielle, entrada em 24 de fevereiro de 1868, a- coa-
signagao de Tasso.
50 meios ditos dita, marea diamanto V Tt A sero
amero, viudos do Havre ni barca francesa itea-
sel, entrada em 17 de mato de 1866, a Tasso & Ir-
mios.
Armuem n. 10.
1 cala com chocolate, marea D & M- 69 vit.-
I
\
V
?

-' *~-~4B


4*--
blarlotte Pe
.. -.
fe* aeU 1c4m t 4c *mm4^ ii tt.


da de Hambargo ao patacho dinamarqus fortnn,
entrado em 4 le agoal de 1815, a Denk;r & Bif
*oso.
41 ciilHmwlM^ o, m. nv, 5, 126, 127,
'*. 11* 112. mar*a D 4 B viodaa da HUmbur-
o oo pataeho Bmna, entrado em oolubro de 1865,
* Denker & B.
S caiiM onj ioo Qktol*', marca diamante P P,
viodas de Naw-York no bngae hamburgus Nava
e, entrado em 1 da Janeiro de 1868, a J. Pater
& C.
18 garrafdss com ganebra, sem numero e sen)
aiarca, nodos de Hambofgo na escuna austraca
domo, entrada em 21 de maio d '1866, a D. M
Jtatbens.
Armazem n. 11.
dtflffan. 1, marea diamante H, com ,119 1/1 *""*
grozas de bito" ts d setla e velludo, viuda na Li- j
verpool no brlgua ingles Wlswater, entrado em 22
de margo da 1866, a A. Dumont.
1 gafla para ratos,, vina da Lisboa no brigne
portuguez Constante II, entrado em 1 de maio de
8166 (consta do accraicimo). I
1 barrica cora caslanha pilada, marca S, viuda I
do porto na barca poriuguea Arminia, entrada
m 23 de maio da 1868, a Alvio de Souza a
Sliva. ,
I garrafao com vinho, marca diamanta S & F,
viado do Porto na barca portagueza Claudina, en-,
irada em 11 da junbo de 1856, a Luiz Franqoien
A. da Silva.
45 barris com vinho, marea diamante C, vindos
da Porto ai barca portuguesa Esperanca, entrada
jm 21 de jalho de 1866, a Cirvaibo & Nogueira.
36 barr com violto, marca diamante C B, vin
dos do PSrto na barca portogueza Esperanza, en-
trada em 21 da jultw de 1886, a Jos Mana Pal-
malra.
21 barris com vinagre, marca APS, viudas do
Porto no brigua oertoguaz Unido, eolrado em 16
de agosto de 1866, a Ttnmaz de Ajumo Pon-
seca.
Alfandega de Parmmbnco, 22 de Janeiro de
1867.
O 3* escripturario,
Euiyclio Ifondlm* Pestai
Ilha de S. Miguel _^
Sague coro muila brevidade a barra portnauea
Pdfdrg, capito Augusto Borges Gabrafi
resto da Cartazo passageiros trata se emom
consignatario Jalo di Reg Lima / ra i Apotlt
n. 4.
Leilo
Vende-* o plhabole porlagei Elim, ei-
trado ha pouco da Lisboa, da lote de 73 toneladas,
navio aovo completamente aparalhado, construi-
do da eieellestes raadeiras eforrado da metal es-
U.viagem : qnem pretender dirija-* ao sea con-
signatario E. R. Riballo. roa do Trapiche a. 44,
' segnndftandar, ou com o capiaa Manoel Lopes
, Pinto a tordo do mesmo.
rica armicu envrima :a
rBrt
Trca-lteira 29
Oifente Pesian tegalmeo#j.. iafor&cTo fara,
eilaodearmicaoanveikiisada fWfirft da gaz'
registro etc., ertstente's na casa n. 9 W" largo do
Cana, esta armajio acba-sa perfaita e 6 propria
para qualqier negocio, o pretaodenles podam
examina-la e o leilo tara' tugar no dia
II boras da manha na mesma casa
AIa de
DftLARACOES.
n i
Conseibo de compras navaes
O conseibo promove no da 26 do correte mez,
sob as condicdes do estylo e avista de propostas
recehidas em cartas fechadas at as 11 horas da
maohira, a compra des objeelos do material ai ar-
mada seguiotes: 4 arrobas de agua-ra, 72 palmos
da cantara preparada em balaustres, 6 arrobas de
fio de vela, 50 flmulas de escaler, 200 leles de
brim, 4 arrobas de secante, 50 garrafas de tinta
de escrever, 1:400 libras de ti na verde, V arro-
bas de pregos de cobre de batel, 4 arrobas de
preg-as ripares de* cobr* 128 palmos de pedra
marmore de 26 pollag-adas da largura e 1 a 1 1|2
de proswira, 209 lijlos inglezes e 100 vardas de
4|8 de ferro iaglez.
Sala das seccdes do conseibo da compras navaes
23.de Janeiro de 1867.
O secretario.
Alexaodre Rodrigues dos Aojos.
Rio erando do Sal.
Segoe em psaoos das o bngae p>rlngaes Rt-
Veufa, para resto da carga que Ibe falta trata-s
com os seas consignatarios Antonio Lata de Olvelo
ra Ate ved o & C, no seo eseriptorio roa da Crns
a .1 oa com o capito na praca.__
Par Arseaty
segae nestes das o palbabote nacional Emit*:
para carga tratase com o c msignaUrio Jos de Sa
Lelto Jnior, na roa da Madre de Daos.
Para o Rio Grande do Su!.
O veleiro patacho Sol,preteode seguir com mui-
la brevidade, lem parte de sea carregamento prom-
to, para o resto que ihe falta tratase com os seos
consignatarios Antonio Luiz de Oliveira Asevedo &
C, no sea escriptorio roa da Gru n. 1 ou com o
capillo na praca. ___________________________
Para o Jio Grande do Sal
O veleiro e bem conhaeido brigaenaeioaal Ame-
lia, preteode segoir com raoita brevidade, ton
parte do sen earregamentj engajado para o retso
que Iba falta trata-se com os seas consignatarios
Antonio Luiz da Oliveira Atevedo 4 C, no sea
escriptorio raa da Crnt p. 1.________________
Roaplxoi jT~b r asile ir a
UE
PAQUETES A VAPOR
E* esperado dos portos do nor-
te at o da 27 do correte o va-
por Guar, commaodaate Pedro
Hyppoiito Duarte, o qnal depols
da d mora do costnme seguir'
para os portos do sal.
Desde jjagcebem-se passageiros, e engaja-se a
carga qua o vapor poder couduzir,a qual dever ser
embarcada a da da sua ebegada; encommendasa
diobeiro a froto at o- dfc <* oaHid a> % ao da
tar-ie. Prevnose a Scs. passageiros qoe as
passageas s sa recebara tm agencia roa da Crm
n. 1, escriptorio do Aatoao La do fanMM Ato-
vedo 4 C
J Leilao
de na casa lerrea assobradadT.
Seganda-feira 28 de Janeiro as ri horas
em pomo.
O agente Pinto legalmente antorieado fara' lei-
lao da casa terreada roa de Aria) bairro do Recl-
fe, n. 18, com 20palmo da [reate e 87 de fundo,
no da e hora cima ditoem sea escriptorio raa
da Cruz n. 38.
SMB
de Ungo.i Franeeza
de eographla e His-
toria.
- de rmioaodia.
de Rfa-torleae Potica
Jos Soares d'Azevedo, professor de lia-
goa e lit'.eratura nacional no Gymnasio Pro-
vincial doRecife, tetn aberto em ua cas,
roa Bella n 37, um curso especial de cada
cima as urna das disciplinas aqfm menciorladas. As
pessoas quo se desejrem preparar em si-
milbantes matenias para os exames de Mar-
co, oa i* qoe quizereaa segair o corso do
anno lectivo, pdem dirigir-se residencia
indicada,de manbaa al s 9 horas, de
tarde a qoalqaer hora.

mmi i s,
t
X
AVISOS DIVERSOS
Saala ;Casa da *ericPdia Recife*
Tendo de flndar-se em 38 de junbo do corrente
anno o anco lamento do sitio da ilha do Negueira,
propriedade da Santa Cisa de Misericordia, a
tilma, junta administrativa manda fazer publico a
quem convier, para que com antecedencia o vo
sxi ninar. aflm de apresentarem suas propostas
que sero recebldas oesla secretaria, onde se da-
rao todos os esciareclmentos precisos aos interes-
sados.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife, 17 de Janeiro de 1867.
O eserlvao ioterioo.
____________E^ro Rodrigues de Souza.
Conselha de compras d > aisem.l de
guerra de Peraambaco, 21 de Ja-
neiro del S67.
Oeooselbode compras precisa comprar o se-
guite :
00 resmas de papel almaco pautado.
60 arrobas de plvora grpssa.
1 mastro para baodeira.
Ojera qaizer vender ditos artigas apresentem
suas propostas na sala do conselho as 11 horas da
manha do da 26 do corrente. _______________
(T-Q'ftftEIQ GEftiL.
Pela admiuistraQn do correio desla cidade, se
faz publico para os convenientes, que em virtude
do disposto oo art. 138 do regulamento geral dos
crrelos de 21 de dezembro da 1 Si, e art. 9 do
decreto o. 185 de 15 da maio da 18o I, se procade-
ra' o consumo das cartas eiistenles na administra-
cao, perlenceoies ao maz de Janeiro do anno pa<
sado, no dia 5 de favereiro prximo, as 11b tras da
maaha, na porta do mesmo correio, e a respectiva
lisia se acha desde ja exposta aos ioteressados.
Admioistraco do correio de Pernambuco 21 de
Janeiro de 1867.
a-l Domingos dos Passos Miranda.
Administrador.
Correio geral
Pala admioistraco do correio desta cidade se
faz publico qua em virtade da coavencao postal,
celebrada pelos goverais brasileiro e fraocez, sa-
rao expedidas malas para Europa no dia 30 de
correte pelo vapor fraocez Exlremaiure.
As cartas sero receidas at 2 horas antes da
qua for marcada para a sabida do vapor, e os jor-
a- al 3 horas antes.
A Imioistracio do correio de Parnambeo 21 de
Janeiro de 1867.
Domingos dos Passos Miranda.
administrador
PAQUETES A VAPOR*
Dis portos do sol eaperaje
al o da 8 de fvorairo e vapor
/'ran.comrnaaiaate Saeta Bar-
bara, a qmtiwon da deaaaaa do
cosiaa* aegnlra' para os portos
do norte.
Desde j recibem B.aswfiwe eBgaa-se a
carga que o vapar poder conduzir a qual dever
ser embarcad* ao diada sua ebegada; encom-
roendas e dinhelro a frete at o dia da sabida as
5 horas : agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de
Antonio Luiz de Oliveira Az*vedo &C.
Para o Aracaty.
Segne nestes quatro dias o hiate Dous Amigos,
aioa recebe alguma carga, trata se com os seas
consignatarios Antonio Luiz Oliveira Azevedo &
C-, no seo escriptorio raa da Croz o. 1.
Para o Aracaja' cora escala por Macei, se-
gne oestes seis das o 'veleiro patacho Gloria, quem
no mesmo quizer carregar a frete commodo, pode
eotender-se com o consignatario Joaquim Jos
Goncalves Beltro, rna do Trapiche n. 17.______
Para Lisboa
Vai sahir com brevidade o brigue portugus So-
berano, capitao Bugigaoga, receba carga a frete,
tratase com E. R. Rabello, raa do Trapiche n. 44,
ou com o capito.
LEUDES.
LEILAO
Oe 120 caixis cjm batatas de ama
arroba.
E3*affl
O agente Pestaa fara' leils por conta e risco
de qnem perlencer de 120 ca xas com batatas de
nma arroba vindas de L ta -fera 15 do crreme pelas 11 horas da manbaa
oo arrnazem do Aones.
LEILAO
Correio geral.
Ralaco das cartas seguras existiles na admiois-
traco d > corno das.a cidade, para os senbores
abnxo declarados:
Dr. Antonio J)- Roirstruss das Cotias, baro de
Vil'a Billa, bario da Vera Cruz, Dr. Fillppe Man-
na Callada d Poneeca, Francisco de Assi Campos
Cordes Joo Si I veno de Souza, Jj- Birbos d'An-
dra'le (Porto), Jos Ferreira Coimbra, Luiz de Ama-
r\l Doboarq Janior, Manoel Joaquim de Miranda e
Sjui i. Uonoef Jos Mmleiro Torres.
Da ordem do film. Sr. inspector se faz pn-
blico que, em virtnde da portarla da thesooraria de
lazan la n. 15 de 22 do correte, prec sa de con-
tratar o concert da oberta do trapiche desta re-
partico constante do orcamanlo qna sera' presen-
ta aos licuantes, os quaes evero apresentar suas
propostas em carta ferbada ao referido Sr. inspec-
tor al o da 28 do correte.
Aifaodega de Pernambuco, 24 de Janeiro de
1867.
O eserlvao,
J. de A. Pereira Rodrigues.
Do palhabole nacional pereambacano.
Sabbado 26 do correle.
O agente Pestaa vender' em leilo por conta
e risco de quem partancer do palhabote nacional
Pernambucano, da 250 toneladas, forrado de novo
e prorapto a viagera, 2 encllenles mastros bem en-
cavilhado a pao, cobre e ferro, tal qual se acha oo
porto da? canoas, sera' vendido sabbado 28 do
corrente pelas 12 horas da manbaa no largo do
Corpo Saoto jumo ao caf eommerclal : o inven-
tario acha-se em mo do agente onde pode ser exa-
minado.
LOTERA
AOS 6000000
Corre qaarta-feira 50"
Acham-se venda na respectiva thesoo-
raria, raa do Crespn. 15, os bilhetes
meios e quartos da 4a parto da i* lotera
a beoeficio da colouIsacSo polaca (4a) sendo
a extracto oo lugar e bora do costume.
Os premios de 6:0005000 at 10000 se-
ro pagos orna hora depois da extracto at
as 3 horas da tarde, e os ootros depois da
di.stribuicao das listas
As eocommeodas serSo guardadas somea-
te at a noite da vespera da extraegao.
O thesoureirn.
_____Antonio Jos Rodrigues dj JSousa.
O abaixo assigoad > itiffcra ao pa)lico qoe dei-
mu da_sflr caisalro n-Sr Aatooio Casimiro Gou-
vd o'aata dala, B ** oocasUo pasa agr-
d er ao roeiao Sr. Gouvi, a' sua f*rail^ e com
specialidadfl ao Sr. Mitbias Liftas da Costa Maia,
na qaalrdade de carador do rae-mo Sr- Goova, os
boas imliMilaa qm.daMibm. duraote o es-
paco de dous annos que ofi sen caixso.
Recife, 23 de Janeiro'de 1867.
MmmuU 9mmML Berreira.
ESTRADA DE FERRO
no
Recife a Sao Francisco.
FEST4 DO 14B0.
Domingo %1 de Janeiro.
Alm dos trens ordinarios bavera' os seguintes:
Tieas esped-es.
IDA.
Manbaa.
Cinco Ponas (partida.)
Afogados.
Boa Vagem.
Prazeres.
Hha.
Cabo (ebegada)
Tarde.
10 b. Ih. '
10 b. 9 m. 1 b. 9 m.
10h.22m. 1 h.22 m.
10 h. 31 m. 1 b. 31 m.
10 b.56 m. 1 h. 56 m.
11 b. 15 m. 2 h. 15 m.
VOLTA.
Ncite.
Cabo (partida) 8 h. 11 h. 30 ra.
Hba, 8h 19 m. 11 h. 49 m.
Prazeres. 8 h. 44 m. 12 h. 14 m.
Boa-Viagem. 8 h. 53 m. 12 h. 23 m.
Afogados. 3 b. 6 m. 12 t. 36 m.
Cinco Pontas (chegada) 9 n. 15 m. 12 h. 4) m.
Escriptorio da superintendencia, villa do Cabo
23 de Janeiro de 1867. *
6.0. Maon,
__^___________________Soperintendente.
Multa attengo
Na nolte de 23 de setembro prximo passado,
fogio do engenho Benlo-Velho em Santo Antao, o
escravo Eduardo, eroulo, qoa representa ter 44
annos, bom official de carp na, bem ladino e fal
tante, falla branda e insinuante, cor fula, baixo e
espadado, peraas finas, ps limpos, dedos dos ps
cortos e qaasi igaaes, tem falta de um dente oa
frente, sabio de paletat parda debraalo de 'fita
branca, cbapo de bata cimento, rdie, bita e
fardo de mais roupa. E' bom da suppor qjie come
carpioa esteja passaodo por turto am-qualqoer
pan : rogase, pois, s autoridades pol.cia ? desta
e das uutrai provincias toda viglatea. % promet-
iese a qualquer quao capturar e conduzir ao re
fendo engenbo geoerosa recoape8a.
-*
""
AVISOS MARTIMOS
C0IP4MU
DA8
eMigerlcs Imperiales.
Sganlo na coatraifii<] aoire a administra-
fSo do correio fraoeai e a eo upanua daa Meesa-
aries I nperialxs, os agentes desta esta* aul risa-
dos a recebar qualquer qqantia de dinbe ro qae
sera re^mboicad pelos corretos de todas as elda-
dat da PraacZ lulia, Suissa Blgica.
Para coalicd^ e raaU mformacSas trata-se na
agencia raa do Trapiche n. 9.
Pretende segnir com brevidade para o indicado
porto o.vatetrwbrl^a* e capito Silva Ratis; para a poaca carga qoe lae
falta trata-sa om o respastiv oasigaaUrio Anto-
nio de Atmelta Gomes; a raUa Crai o. 13, !
Usboa.
Seitaa q m_
-ante ir, porler pro
o s>dca puringadz C*ns-
. e qaasi todo seu carrega-
meut par o restante, e passageiros: trata-se com
Oliveira F.lboe 4 a, largo do Corpo
ou com o capitao na praca.
Corpo 8ant) n. 1,
LEILAO
De um carro e.um boi.
Sabbado 26 do corrente.
O agente Pestaoa fara' leilo por conta e risco
da quem pertencer de um carro e um boi dos
mais adestrados em servicj: no di acuna men-
cionado as 11 horas da manha no largo da al-
fandegt.______________________________
LEILAd
O agente Ponina) fara' leilo de nm eabriolet
americano de quatro rodas com os pertenees, um
excedente cavado para carro e um o otro rauilo
bom andador, com ao selim iagiei novo, cabe-
cadas etc.
Sabbado 26 do correte.
Em frente do armazam a. 16, a roa do Impe-
rador.
LEILV
De 240 caias com saoi iaglez.
Segunda-feira 28 do correte.
O agente Pestaoa fara' leiio por eoita e risco
de qoem pertencer de 240 caixas com sabo marca
d amante M, vmdas de Liverpool no navio loglez
Aelpkoi, serio vendidas no da cima indicado as
11 horas da manbaa no 1 .ro da alfandega.
LEILIF
De dos eseravas.
Segunda-feira 38 de Janeiro as 10 1[1 ho-
ras em ponto.
O agente Pinto levara' novtra-mte o pela ultima
vos a leao m seravas Prudencia e Veoaocia.
perieocentes ao menor Francisco fllho da fioada
D. Joseptia t. da Annanciacle Almeida, isla a re-
querrnoste de sen tutor a por despach a I Um.
Sr. Dr. juii de orphos.as 10 1|2 horas 4o dia ci-
ma dito no escriptorio do mesma agente roa da
Cruxn. 38
'
-----------------
Para Rlr e aaaelro
Pretenda seauir einanaaita brevtdade a veleira _
e bem conheclf oarea Bu de laneyo, la parte Dous bois mansos,
da sen eirrejpwHtlo pr3mt, para o resto qae TarM f t"H A
!he falta o escravos a frete para m e/naaslem ex-
alleotas c imste'o'* trais-se coa os tas ssetlt
natarios Aotonl > Lnit da Olivis Azevedo & C-
e sea escriptorio ra da Crac n. 1.
LKILAO
Ce am carro americano da 4 rodas, cobarto,'com
acentos para 4 passoas s arreioa para am c.
-Um cavado para o mesma.
Um boa eavallo de sella.
Doos cavados (qoarlaes)
Urna carroca com bol.
Um carro para bol.
jairift as 1# he-
rs tm iit.
Por intervencio do agente Puto. Na prana i*
commereio ata frente ao Cor po Saoto.

Aviso
Francisco Velloso daSiliuica. ptevioa a toda e
qnalquer pessoa para que BiogoeqY beja negocio
algum com los Candido de Lia, sfbfn J compra,
hypotbeca, ou empeufio de urna negflnb* com ida-
de de cinco annos, de nome Aona, cuja negrlnba
pertence ao annunciante e tima da urna sua e<-
era va.
Os abaixo assigoados partieips|n so commer-
co qae dissolveram em 29 de dezemaro prximo
passado, a sociedade que gyra?a s ;b a firma
Corroa 4 C. e jalgam oada de>e,^Tc*ando
com o estabeleemeoto o ex-socio Fernando Jos
Crrela.
Joo Silverio de Souza.
Fernando Jos Correia.
Aiogvse nma casa com tres quartos, dnas salas,
cozioba fra, quintal murado e cacimba, na Sole-
dade, no Om da raa da Conquista, confronte as
maoguelras : a tratar na raa da Cadeia do Recife
n. 3, oa na ra da Esp^raoea n. 83.
M Manoel Ignacio de Oliveira Carvalho seas fi-
laos, feridos do mais d>loroso sentimento convi-
dan a todos os saos pareles e amigos plr4 as_
sistirero a missa do stimo dia qae devara' lar tu-
gar na igrea do Espirito Santo as 6 (,2 hora
manha do dia seganda feira 28 do correte
alma de son mu presada esposa e mi D. F,
cisca Macftado Lona Freir Carvalho, e apro
tam a oceisio para agradecer aquellas
qae se d'goaram acompanhar o corpo ao
Tto i : ni -
InslilutoAri'httfWifNii t
Peraambacan.
Teodo o Instituto Areheolof ico e Geogra-
phiico Perarobucano de relebrav o quinto
aoniTersario de m fonrtacao no die 27 do
corrente Janeiro, pela urna hora da tarde,
do salo de Bibotee Publica Provincias,
no corweote dv> Ptossa Sen hora do Carao,
s3o convidados para similhaote efteito em
a8S retn or> Recili esfecliros-, hooorerioa e
correspendentesv
Nao conheceado o Instituto a sede das
diiereotea a6ioew#e8 luteranas-, seieeiK
cas, atristase de beneficencia que existem
Desta oidaAe, tero a honra de cwvbr pelo
presente edital a cada urna de taes associa-
ces a assistir solemnidade co dia 27 oa
a fazer-se ah representar.
E para conheciroento das corporales ou
pessoas que twerew de ornar a sessSo com
a sua palavr- aatho.isada, aqu se trans-
creve a oltriw earte do art. 28 do regi-
rnerrto rlod*sti'.i>to:
Se oa sala existem socios oo pessoas
outras que desejam lr algumas memorias \
iateressaotes, participarji-no ao secretario;
perpetuo, para este prevenir o presidente,
o qual d a palavra aos autores das memo-1
rias; a leiturade cada urna das quaes nao i
pode estender-se alm de meia hora. Po- [
rm nenhuma memoria ou trabalho pode
sor apresentado e lido em sess3o publica,
sem que autes seja subrasttido a urna com- j
missao de ex une para isso nomeada, a
qual tem voto decisivo sobra a convenien-1
cia 0:1 inconveniencia da leiturj.
Secretaria do Instituio, 18 de Janeiro de
1867.
J. Soares d'Azevedo.
____________Secretario perpetuo.
PARA EDUCAgA'O DE METWNaS
ebtabelecido na grande casa contigua
a igrtja de Nossa Senhora
da Soledade
t DIRIGIDO
PEAS IRMAES DE SANTA DOROTHEA
SOB A PROTlCCi-O DO
EXm, E RVM. SH. DR. VIGARIO CAPITULAR DA DIOCESE.
Neste collegro, coja abertara naste anno tera" logar a
meninas do 6 a i2 sanos para sen.cn edacadas e iustruidas
cesearias a ama senhora.
Ha vera' meninas internas, raeio pensionistas e externas.
As internas pagarao 355 mensaes, as mel pensianistas 15A, e as
sendo pobres.
Logo qn8 o coHegio contsr um numero sufflelente de pensionistas,
gratuitamente para internas algumas meninas pobres.
Para admlssio de alomnas e para qoaesquer eselareciraentos trata-se com a sane
riora no mesmo estabelecimento a qualquer hora do dia.
21 do corrente, recebem-se
ees todas as materias ne-
externas 5, nao*
ira' admittindo
Aluga-se oarmazem do sobrado o. 1 da ru
Imperial: arralar no primeiro andar.
Joa* SteiSes PImHOla vai a'
te tratar de seos negocios.
Parahyba do Ifor-
Rurino Antonio d- Mallo, subdito brasileiro:
retira-se para a Eoropa.
100#00
Gratifica sa com 1001a quem aprehender o
cravo Biz>lio, crioulo desta pro/incia, idade 22
aonos, estatura recular e barbado, marinheiro do
pa habote Principe, e pertenceu ao casal do finado
Joo Evangelista, coa"ta tjue anda na Capuoga e
M -::- i por lar all prenles: quem o levar a
Joao Krancisco da Silva Novaes travessa da Ma-
dre de Dos o. 5, recebera' a quanlia cima.
Emr-m^^m>mmm fogio tro abatxo asslgnaao na noita do dia 19 do prximo passido" do seo sitio deno-i
minado Genipapo desta tormo, dons escravos de nome Antonio e Florencio, de 28 a 30 annos5
oe load ponto mais ou menos, com ossigoaas seguintes: o primslro de cor preta nio rouito
relimo, corpulento, de estatura regnjar, eapadoas largas, barbdof olbos grandes e salientes,
e de um aspecto triste, e para melhor ser coohecldo tem o dedo indicador de nma das ios
cortado pela junta do centro, (2* articolacao) e roa consta qae sabe ler o escrevw, o segon- i
oo oe cor cabra, alto, magro, cabellos sollos crespos, poaca barba, olbos grande*; lem orna ,
eicalni no qoeixo, e muito fallante, tambera me consta qoe Id e esereve. |
Estes escravos nao team sigoal nenhum de castigo, e sabiram bem vestidos e armados-
fae espingarda e facao, montados a cavallo, com noraas mudados: o primeiro por Manoel
Jos dos Santos e o segando por Beato Jos dos Santo.
CoBsta-nw que estes esoravos roram encontrados no da 12 do corrate, distante do\
rio de S. Francisco 12 leguas, com deslio j a povoacio do Juaseiro da proTincia da ffahia.
Jgj.Peco portento as autoridades policiaes qua dilles liverconhecimenlo de os mandar capturar j
ge ret#-los as prisdas publicas, daodo disto parla ao abaixo assignado, oa aos saus interessa-[
]fZa09' advertindo mais que as autoridades ou particulares que os capturar, senao quuerem re-
OB tolos naa prisoes publicas, deverSo rem-tt-r para Caxias ao Sr. Antonio Fernandos Quima-
{Wjraps, para o Miranho aos Sr<. Ribeiro Si H ifer e Jos Franc seo Lopes & C, e na Thereji-'
v na capital do Piauby ao Sr. tenenle coronel Ormino Alves dos Sanios. E para certeza do
-^.que, me abrigo por toda a despeja que as autoridades ou particulares tlzerem na captura a
f^gjramessa dos mesmos escravos, tendo mais de gratirlcacao lOOJOOO, nos pontos Ja indieaJos,
oa em ontro qualquer onde chegue ao eonheclmenlo do abaixo assignado, oo dos* seos iote-
ressados.
Genipapo, termo da cidade de Caxias, 26 de dezembro de 1866.
Antonio Per-ira Mariobo.
IIIUD i\(\ DE RESIDENCIA
Mm\ o a-e mm um.
J0ALIIEBI4
3 A Rui do Ctbugi 3 A
Agostinho Jos dos Santos, proprietario
deste anligo e acreditado estabelecimento
de ouriver.saria, tendo feito urna reforma ge-
ral no seu negocio e achaodo-se sonido de
artigos ri mus apurado gosto, apresenta-|
se a competen ia publica, convicto de que ''
poder servir VANTOJOSAMENTE as pes-
soas que o procurar.
Troca-se objectos no vos por usados, com-
pra-se ouro, prata e pedras preciosas i
faz-se toJos os concertos pertencentes a es-
ta arteAgostinho Jos dos Santos & C.
3 A-Bn;jdo Cabiig i A
HOTEL Dl TORRES
NO
Poqo da Pauella,
0 proprietario desse hotel n5o tem pou-
pado despezascom o aceio e mais arraojos
aesse til eslabelecimentoaflmde obsequiar
os seus freguezes.
De amanna em diante estar' a disposi-
cao do respeitavel publico quartos para
dormida com as competentes commodida-
des, por preco mdico, excellentes vinhos
ecerveja das mais acreditadas marcas, fiam-
bre, sorvetesetc.,etc.
Procura-se para alui?ar um sitio per-
lo diResife para urna familia estrangeira :
a tratar no Corpo Sauto n. 13.__________
XRILHOS URBANOS
DO
RECIFE A APIPAOS
Emqoanlo se. nao publica integralmente o regu-
lamento approvado pelo lilao. Sr. Dr. chefe de po-
lica, se faz publico par conheeimeolo dos Srs.
passageiros, que do mesmo reglamento constara
os artigos seguintes-desde ia' em vigor.
Art. XI.
A entrada nos trens interdicta s pessoas em-
briagadas, indecentemente vestidas, oa qoe leobam
provocado cmOicios ou desordena as estaedas,
dependencias da estrada, embara se acbem muni-
dos de blibetas. E' igualmente prohibido subir oa
descer dos carros quando os treps esliverem em
movimeoto.
Art. SIL
E' prohibido circular ao longo da estrada, oa
permanecer as suas depeuiencias sem lieenca da
empreza.
Os vehculos on poes podarao apenas atravessa-
la em qualquer ponto ace^ivel.
Art XVII
Os conductores lerao o uirelto de advertir urba-
namente naa e dnas vases as pessoas qua nio se
condunrem convenientemente durante o trajacte
dos irens, faiendo-as descerdos carros no primeiro
ponfo de parada se oo se contiverem. Se anda
assim n|o tureca aUasdidj, a empreza dar sete-n-
cla a' polica, que proceder' como fr de lei.
. 'A Art. XXI
S' psobiWdo aea vtaj*uts (amar dentro dos
6Palacete do cae* de 4pIio--6!
O dlreetor do callegio de Santo Amaro, faz publico a quaii possa inioressar, que transferio dito
es- collegio para o palacete do caes do Apo lo o. 61 bairro do Recife, onde contlntii a admittir alumnos
Internos semi-lnteroos e externos.
As anlas creadas em dito collegio sao as seguintes : instroccao elementar, Iingua latina, fran-
eeza e ingleza, rhetoriea e potica, georapfi?a e hi.to.ts, gaomatria, pailosoptila, desenho, msica vo-
cal e instrumental e dan-a.
No da 7 do corrente mez lera' lugar a abertura da aula elementar, cuja matricula desde ja*
acha-se aborta e as das demais aulas de 15 por dianle.
O director,
J. F. Ribeiro de Sovza.
IlTERifATO
DE
NARDO.
Estabelecido na ti lailr de Recife em 1S62
Sab a protec^o do *uui:u > Poncc Pi IX.
Drect BERNARDO PEREIRA DO CARMO JNIOR.
O director do ioternato de S. Bernardo, nao tendo evitado estorbos nem sacrificios
para proporcionar aos seus alumnos urna parfaita educacao pbysica, nural, intellectuat e
religiosa, offereceado Ibes umi HAitaeio com bastantes condiges de salubridade, habis
profassore< que sao solcitos em prepara-los convenientemente ao i n a qua se dastinam,
medico pratico que Ins fac coroprehender os precmtos da hygiene e Ihes cure das doen-
gas, e finalmente um sacerdote illu-trado e honesto que Ihes explique os Drincipios da re-
ligiochrista, espara que assimeoustiioido e em vista do eicelleaie resultado, que lem
apreseitado, contando um crescldo namero de alumnos na Faculdaae de Direilo, que
concluirn) all vaotajosaraente os estud s preparatorios, oo daisara' o seu estabeleci-
mento de continuar a merecer dos Srs. paes de familias o auxilio e confianza com que ja'
muitos o tem noorado; e Ihes roga, bam orno a todas as pessoas loterassadas, que se
dignera de visitar o mesmo sea estabelecimento, onde sempre encontraro franco iu-
gresso.
Cadeiras de easioo :Primeiras letras dividida em dnas classes, tendo cada ama o
SU professor, latim, fraocez, inglez, anthmetiea, algebra e geometra, eeographia, piulo
sopbia, t :;.-t inca, desenbo e msica.
O collegio lem a sua sede aos espa$osos edificios os. 32 e 34 a' ra da Aurora.
Nos estatutos do collegio, que e de quem os quizar ler, se acham
consignadas as condicdes de entrada e matricula as diversas aalas do estabeleci-
mento.
As tofraecSes do prasepu regulamento serio
punidas de cooform-dade eom o regnlamento geral
danrHra4f> de hrrt, msodado excoUr por de-
creto n. LOSOda 16 de.abril de 1837.
Faglo do engsabo Hiunuou a fregueziaua
Sacada, oa aelta de St da corrente. deas esc avos
com os sgnaos seguintes : o escravo Ignacio, por
presa, cabellos carapinhos, alto, seso, tsfctln,
levou vestido calca a camisa de rlsc do azul, cba-
po de baeta ja usado ; o outro de ame Trajano,
mualo, cabellos earaplobos, alto, ctelo do corpo,
sem defettos, nm tanto desfacads, levoa vestida
camisa e calca de riscado atol jaqaeu parda dioses trmaos develus,'para ompnreeerem no
chapeo de palia prato-, cotos escravos fortes com- prados ao Sr. capitao Sil vino GuHtiermo de Barros obaa em wtm eoBotetorto, aflnt de proceder-se a
ao anno. passado: roga sa porumo di autoridades maait de is|iss ae toa dJonutonr ne tan*
policiaes e capites de campo a apprenenolo os de 1867 a
mesmoi o leva-Ios ao referido engenho oa na casa'
do Sr. capillo Sil.mo GoJre de Barres, qae
sera' generosamef{p noeppHtsUo.
Dew^ i e Msa Senfoora
da Sa le 6r6Cta na por-
toim'fl Mstfrtftto de 8.
Aatonio deta cidade,
Por ordem da snea* Mfeddra o envidados a
HOTEL
VE\^Zi DO NORTE
Ra dasCruzes n. 39.
Os abaixo assigoados, tendo comprado e>te esta-
belecimento, tem a honra de narteeipar o respei-
tavel publico, e com especiaiidade aos amantes dos
bons pilaos, que todos os sabbados a' noite encon-
traro encllente mo de vaeca e diariamente p-
timo caf.
Nao se poapam os propietarios deste estabe'e-
eimeaio a coaserrar o matar a^seio e promptidao
em todo o servico, obngaode-se a fornecerem co-
mida para qoalqaer casa pa-ticnlar, is boras mar-
cadas, e pelo prego mais commodo possi vel.
Fiados na proteceo da bella rapaziada, espera-
mas progredir para mus. tarde satisfatermos os
ossos projectos.
_______Jos Procopio de Sooza Mendonca & C.
~Cavalo
Vende se nm cavaiu gordo rotfaio, andador bat-
i desobrigado, muilo manso, propno para, senho-
ra: quam o psalaudtr dirija/se a segtfoda eochei-
ra n ru do Sal cqnfrQnte ao. portq jas candas.
Portaram da engenQa Refrpsea da regaazia
da Bscada, dous cavallos ambos eatrados, .,m i
rosilbo foveiro de bom tamanbo, carregador baixo,
nao feo, esta' gordo e tam ama marea no lombo
a qae cnaoum mal de bostas: o outro mellado
escaro, grande, de cauda a cliaas prelas, carrega-
dor baixo, nm pouco seee.q, tam qm ca,sco do p
branco, est' carnudo, e tem ons poucos de ferros
as pomas bem salientes. A nbos tirados na noi-
te de II para ti do correte, a o abaixo assignado
pede todas as autoridades oa a oualquer o#fa
o especial favor de os encontrando os apprehender
e remettr o dito ogenbo, que se pagara' todas
as despeas e Ibes Acara' mnito agradecido.
qnal pertence ao Sr. Francisc o Mendos de Al-
meida. .'
Qaem precisar de tim eaIro estrangalro
- ajWWtede_gnarda U-
Pronas iu de- nammiro qm tentn pratlca
de taberna e que aflltoes a sua eonaacta : n roa
dasLaraagairasB.16
ra
'"' es^aaivio.__________
Precasn-se de on Miar a' ponte de tebda si-
Ito^e Lolt M G. Ferreira.
com prauca de fauodas
&lB.
Bonifacio Graciano A a, parHeap ao
tavel publico qoe mostar aeer atabelecimenlo
Sra a roa 4* FUNliMI h qoe Uodie ricos
Tiljni s pmni rmUijrt i tur' frrr aabaamr Vende se na livrna Economic defronte do ar
DO
Irmandade de S- Francisco
de Pauh &> Caxtnga,
De ordem do nqssp irmo primeiro definidor e
jaiz interino desta irmandade, 'eoQvuta a todos os
eossos irmos para no domingo 17 do corrente,
proceder-se a eleico da nova mesa regadora da
mesma irmandade.
J. C Ribeiro,
______________________Escrivio.___________
Attencao
Na roa do Imperador, antiga raa do Col-
legio o. 73 2" andar: precisa-se de nma
coznheira.
Saques
Ctrvalno dr Rogneira na ra do Apollo n. 20:
saccam sobre Lisboa e Porta.
O abaixo assignado faz sciente ao publico em
geral e com especiaiidade ao corpn do commereio,
que desde o da 8 de Janeiro de-te anno, fra des-
pedido o seo caixeiro Galano Trielesphoro Pinbei-
ro, assim.oav> tambatn, faz sciente a todos os seos
devedores que sa rae acham devendo seus dbitos,
dividas contratada por elle, qae qfleiram vir pa-
gar soas eontas, dentro do prazo de 30 dias, a con-
tar da data deste, da coelrario serio declarados
por esle jornal sens nomei.
Recife, 13 de Janeiro do 1867.
Jos Anmnes Guimares.
AgeiRi de Bassap^rtes e|rtar as
Ciaoaiio do Re Lima, daspachanie pela re-
parii(.*o da polica, tira paswporta e portaras
para dentro e fon do Imperio, por commodo pre-
co presteza: na raa da Pr*' ^ *aJ*r a- *'
Arreada sa om sino no Jicar estrada d'Agua
Fria, muito graode oora todo o genere de trocas,
boa larra e casa de podra e cal aovamente cons-
truida : a fallar como,solicitador Rarto30 na rna
da Concordia n..
IU RO DO PDVO
POtl
4 atoa > Har|sies Rodrlf e
Ovra recommendada e approvada pelos Exms.
arcfbupo da Babia e hispo ao Maranbo, e adopta-
da as escolas primarias do Amazonas, Para, Ma-
raad, Piaohy, oar, Pavshiba e Pernambuco;
5* ediccao com estampas e ntidamente impresso.
i vol. cartonado. PrecoJf.

1
co la Santo Antonio.
T
UMBRM
i mi i
.?.


UrU ate rMMief fle*t* Mr 4 Melr* d 67.
v
*










-i
.-
Joaquim Jos Gongalves
Beltrito
(A RUI DO TliPlQUE N. 17 4o ANDAR)
Sacca por todos os paquetes sobre o Banco
4o Hioho era Braga, a sobre os seguiolea loga-
res, em Portugal' '
A saber: '
Lisboa.
Porto.
Valeoca.
Gui maraes.
Cotmbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Coo*e.
Arcos de Val de Vs.
Viaoaa do Castello.
ro He do Lima.
\ i a Real.
Villa-Nova de Famellcao.
Lamego.
Lagos.
Covllbia.________________.
Precisase de uma ana de meia idade para
casa de pooea familia : na roa da Peora d. 23 1*
andes.
Na ra do Trapich n 16.
acham-se os seauintes devositos
De R. Briiaingliaus em Nuits.
* Boargogne.
Vinho Pommard tinto.
Cortn tinto.
Santo Georges Unto.
Chambertin tinto.
Klcheboorg tinto.
Clos de Vongeot to o.
ublis branco.
Del A.Woefem Francfort:
Rbeno.
Geiseobeimer.
Liebfraomilch.
Marcobrunnr.
Ei cm as Tneod Cbristiansen, ra do Tra
piche-novo n. 16, nico agente no norte do Brasil
MBrandenborgf reres, Bordeaos, encontra-se ei
lectivamente deposito dos artigos seguales:
Si. Joiien.
St Pierre.
Jurse.
Chateaa Loville.
Chateau Margan!.
Grand vin Chateau Lafltte iSM.
Chatean Lafitte.
Hant Sauterues.
Chatean Santernes.
Chateau Lataur Blanche.
Chateau Yquerc.
Cognac em tres cualidades.
Ar.eite doce. Precos de Bordeiuv
J. FERRIRA VILLELA
Fhotographo da Augusta Casa Imperial do Brasil
18, RuadoCabug, 18,
Sobrado, entrado peto rateo da Matriz.
Em nenhuma das photograpnias desta cidade se fazem retratos mais perfeitos
do que os que se eiecutam oesta offiona photographica.
Pede-se a confrontaco e analyse eotre os dosios trabalhos e os melhores que
. se fazem nesia cidade.
Nao ha photographia alcuma desta cidade, que como este eslabelecimento
pliotograpliico possua um to vanado, escoltado e abundante sortimento de caiiinhas,
quadros, molduras pretas e dcuradas e passe-par-touts.
Para serem col locados os retratos chamados carines de visita ha doze difieren-
tes modelos de cartoes mimosamente lithographados edonrados, em carto brisol em
___.____. .. n___ .__ i..s Honrnw,, ocUn i ntfftlhi iIm rumiuo __ co'noMo cosi, crufiohas de rubios, esmerabas, perolas e brilhantes, aneis cora letras, escoletas de
canso porcelana, os quaes sem alteracao de precos, esto a escoina das pessoas que se ( ,,,% >,, dejtcoberl p*, retr4l(, (a ^hi;t) Driucos de franjj;djlos ,foPerjr|S toda qoai-
retratarem. quer jola, para secolocar retalos e obras de cabello, e ootros multo* ebjeetos que os pretendentes en-
Continuadamente se recebe aa Europa remessas de tudo quinto dix respeito a rontrario no Coraco de i*ro que so conserva com toda a amabiiidade aos eoocorrentes deixando-
se de aqu mencionar precos de cortos ebjeetos porque (desculpem a maneira de fallar) dizeodo-se o
preco talvez algoem faca mo juno da obra, por ser to diminua qoantia a vista do seo valor.
Na mesma Iota eompra-se, iroca-se onro, prata e pedras preciosas, e tambera recebe se concer-
tes, por menos do que em onira oualqoer parte, e dao-se obras a amostra cora penbor, conservando-se
Coraco de Onro aberre at as 8 horas da noile.
Qualqoer pessoa que se dirigir ao Coraco de Ouro nao se podara' engaar com 4 casa, pois
ota se oa sua frente um coraco prodnrad pintado de amarello, alera de outro qoe se nota em um
retolo (isto se adverte em coosqotnci de terem ja' aigumas pessoas engaado cora ootra casa.
N. 2 D T N. 2 D.
PF^ C0RAC40 IIE OUKO. otJS
A loja n. 1 D tntitelada Coraco de Ouro na rna do Cabogi, aesia-se d'ora em diante offerecen-
do ao respeltavel publico cora especlalldade as pessoas qoe bonrasn a moda oe objectos do alnaio gos-
to (a Pars) psr meaos SO por' ceuto do que em ootra qoalqoer parle, girinlino-se a qoalidada e a so-
lidez da obras. ui 1
O respeitavef publico avahando o desejo qoe deve ter o proprietario de om novo eslabelecimeo-
to qoe qoer pregresso em sen negocio deve chegar imrr.edia(amtnle ao coraco de ouro a comprar
aneis com perfeitos brilhantes, esmeraldas, rnbins e perola ; verdadeiras em agarras,, modernas pele
diminuto preco de iOf. brincos modernos de ouro e coral para menina pelo preco da 3j, maracas de
prata com cabos de marnm e madreperola obra de moderno gosto'(o que o encontrarao 00 coraco de
onro) voltas de oorocom a competente erosiona ricamente enfriada pelo pequeo preco de I2>, brin-
cos de om trabalbo perfeito por ora mdico preco, cassoletas, tranearlos, pulceira?, almetes para re-.
tratos e cuiros modelos ludo de alto gosto, aneis proprios para botar cabello e Arma, dito para casa-
mento, no rtico roseta lem o Coraco de Ouro um completo e bem variado sortimento de diversos
gostos, butes para punbos cora diaqiaote, cabios e esmeraldas, obra esta importante ja' pelo sea va-
lor ja' por goslo ds desenlio, brincos a forma da delicada moslnha de moca com piogente contendo es-
meraldas, rubins, brilhantes, perolas^o gos soblime, alfinete para grvala no mesmo gosto, relo-
gies para seulwra rravados le pedras preciosas, ditos para hornem, diversas obras de brilhantes de
ailo gosto, crusiohas de rubios, esmeraldas.
pholograpbia, e ainda o mez passado pelo vapor Gueme, e este mez pelo b-igue Belm
recebei am-se de Franca qualro grandes caixoes com orna bella variedade de artefactos
productos cbimicos e material para photographia.
No mesmo estabelecimento vendem-se:
Todos os productos cbimicos geralmeote usados em photographia e garante-se
o estado de pureza dos mesmo s;
Machinas pbotographicas, envetas oe porcelana de diflerentes tamanhos e vi-
dros para tirarem-se retratos;
Uma grande variedade de lindas e interessantes vistas transparentes para
stereoscopos, e stereoscopos de madeira envernisada com lentes prismticas que se ven-
dem a 12(5000 cada um com uma duzia de vistas transparentes
Tambem vende-se por 5000.0 um apparelho compl to para fazerem-se peque*
as vistas ou retratos. Ao mesmo acompanbam as explicaeftes precisas para seu uso.
Qualquer pessoa pode fazer vistas ou retratos com esse apparelho.
A officina e galera estao abertas todos os das e a todas as horas.
'
Cercas e gradamelos de ferro para jardins, cercados para animaes. chiquei-
ros, de todas as grossuras e mudaveis.
Porteiras de dilTerentes lamanbos para sitios, jardins, cercados, e-c.
Calcado,
otDJmekU igtigco.
Pelos pi cosluraam penetrar no corpo a mlo-
ria das molestias.
Resguardai-os dirii-indo-vos
45. Ra iIrelta45.
Borsegoios quasi Milli bezerro---- 8S60
c logleies qoetra tocos..... CiSOO
nespanboes lustre......... WOO
brasiietros betrrro........ 5*000
para senhoras enfeilidos
no tom___.............. 5*1000
< para senhoras............ 480O
, ............ 4#5O0
< < prelo> de..
mirin.................. 4JO0O
Sapatos iugleies patente........... 5*0b0
americanos............. 4*500
franceses de salto para se-
_ nhoras................... 3*200
Borsegoins. para meninas enfeita-
. dostle................. 3J800
apatos avelodados par horaeos e
senhoras................ |,|500
Borsegnlns cora Ucqs para meninas. 3*500
Sapatos de trancas snperleres...... 1*600
Botinas francesas para menina?..... JJocO
Lhlneioes do Porto e om perfeit.. sortimento, de
wia, couros, marroquim, beierro francei, vaqueta
e CourO da lustro mm ...... .___.--
eado.
-w---------------|v..w, UbKIIU ir.iUH, lljUCUt
de lastro ; eomo ninguem tera' no raer-
I Annuncio*
; O Dr. Carolino Francisco de Lima San-
i tos, mudan se para a ra do Imperador MK
8 n. 73, secundo andar, onde c mtinna no !
JR exerrlcio de soa proQssao de medico. OJ
******
lrocam-se
na
S0C1EDADE
BILLi HAKMO\Ii.
A partida do corrate mez tem lagar na noite
do dia 26.
Escrava \mv alagar
Precisa-se aluzar uma escrava que saiba bera
coziohar, para casa de pouca familia : na ra do
Queimado n. 46, luja.
Bora negocio
O dono da fabrica a vapor de chocolate, gelo, L
roarcineiria desejava acbar um socio com um pe-
queno capital para dar mais sabidas as grandes
eocommendas que tem a dita fabrica : a qnera
conier appareca para ver e julgar dos lucros na
ra do Uondego n. 99.
ORNAMENTOS DE IGREJA DE
J. BIiDl?I
Veslimenteiro c bordador de Paris.
93 RIJA 1IO IMPftlRAUOR 3,
Precisa-se de uma ama de leite no
Mondego em casa da Sr.* vinva Luiz Gomes
Ferreira ou a Ponte de f7choa casa de
Luiz de Moraes Gomes Ferreira.
Feitor
Precisase de um bom feitor para um sitio de
pessoa estraogelra em Sant'Anna ; a tratar na ca-
sa de Adamsoo, Howie 4 C, ra do Trapiche Na-
vo n. 40.
Precisa se de daas amas idosas, seodo orna
para coziohar e outra p; ra servir em mandados :
na ra das Cruzes n. 3o, segundo andar.
~"Vl\ 1)0 CABO
Domingo 27 do correte rendo esta fforescente
villa de receber ufaoosa milhares de romeiros que
v#m cumorir suas religiosas offertss ao milagroso
S. Sebasiiai, to i nthusiasiicamenie festejado todos
os anuos na igreja matriz da mesma villa, pre-
vloo o abaizo assisoado que teodo sortido seu es-
tabelecimento de molbados, o primeiro depeis da
e.-taco ferro carril, de t.dos os refrigerios euro-
peas, com i sejam : cerveja dos mais acreditados
autores, gazozae, exceli^nie vinho ver. e, cognac,
champagne, e outras xquesitas bebidas da vega ;
como tambem t:d. a qoalidada de gneros ali-
mei.tiebs, os mais recentes e bons. A affabiiida-
de do proprietario do mencionado estabelecimento,
como dos empregados, ao ervico de seos eximios
freuuezes, sobre maneira mohecida : j do povo
de.-ia villa, e j dos Mostrados concurrentes do
Rtcife, e portante, espera o abaixo assignado que
os dignos romeiros de S. Sebastiao se dign.- m visi-
tar o seu modesto, sira, mais agrod?vel e bem sor
lido eslabelecimento.
S'.m querer importunar o respeitavel corpo
commercial, ainda nao pode o abaixo assignado
eximir se de rogar a quem tem.no seu poder o li-
vro de recibo* que a pooco snonnciou por este
[harto, se digne manda-lo la larga do Rosario
o. 37; ou annuncia-l) por este jornal, que se In-
dtmoisar de qualquer despeza.
Villa do Cabo, 22 de Janeiro de 1867.
_________Severino Jos dos Santos Agniar.
o dia 23 do correlo ser basteada a ban-
deira de S. Goncalo, que se venera na igreja do
Pilar, em Fra de Portas, sendo condnzida por me-
ninas. A festa tera logar no dia 27, orando ao
Evaugelho o Rvm. padre Antonio Maooei da As-
sompeo, e ao Te-Deum o Rvm. padre Melle eAI-
buqueraoe.
Defronte da igreja de S. Francisco.
Concurrencia impossivel
justificada pela soppresso de intermediarios, pela compra directa das materias primas, pala exe
coci dos trabalhos oas ufflcinas da casa e pelo diminuto lucro com qoe se satisfaz.
Animado pelos importantes negocios qoe faz com grande parle do mundo catholico da Europa
resolveo o aonunciaota eslabelecer filiaes da casa oe Paris em diversos pases loogioqoos qoe
offerecem vantagens, e veio inaugurar o primeiro eslabelecimento oesta cidade, sem dnv4da orna
das mais adiaotadas e commerciante da America do Sul, e que por isso mesmo necesslta d'ura
estabelecimento qoe nada deixe a desejar, quer em relaco s precisdes materiaes e qoer intel-
lectoaes.
Os Srs. sacerdotes e demais pessoas, qoe se digoarem visitar o estabelecimento, abi achario
seropre orna gbande variedade de todos os objectos para igreja e para o clero.
OURIVESARIA PARA GREJA.
Novos modelos de custodias e de vasos sagrados.
ALFAIAS DA IDADE MEDIA, A' LUIZ 13*.
Os precos variam segando o lamanho, o peso e a forma.
TAPECARIAS E ARMAC&ES PARA IGREJA.
Fornece toda a qua'idade de armagoes, por precos mdicos, vontade do fregaet ;
senipre orna pessoa oo eslabelecimento para ir turnar as medidas oecessarias para completa
facao da encommenda.
NUVAS UMBELLAS PRIVILEGIADAS.
tendo
sals -
Estas ombellas de molas, adoptadas pr S. S. Pi IX, tem por soa
e riqoeza a dupla vantagera de cobrir inteiramente o Sanli.-simo Sacramento
cnltar o andar.
ESCULPTURAS EM MARFIM E EM OSSO.
perfeico, novidade;
o padre, sem diffi-
Imagens de Chrlstos, caldeirinhas, erases, quadros e todos os objectos devotos.
Objectos em argila, simples e prateados.
Todas as ioformacSes sero ministradas gratis, acerca dos ornatos de igreja.
Concederse-ha faciiidade para os pagamentos.
Eis o cathalogo do qoe tem a viuda :
F"go do ar e de vistas preparado na moito con-
reituada fabrica da viuva Rufino : trata-se no ar-
wazem da bola amarella, por baixo do sobrado n.
29 da roa do Imperador.
ICASULAS.
Diarias, de velado, de crina e de
(alo lustroso.
Do damasco cera cruz de ooro e
>da.
De damasco dobrado, com direr
sos bordados em relevo na
cruz.
De tecido de prata oo de ooro.
dem com diversos bordados em
relevo na cruz,
dem dem moito ricas.
De veludo de seda com cruz de
ouro Uno em relevo.
De hamalote de seda bordado.
Geihicas e da idade media.
A cor da casla oo i&Oue no
preco.
CAPAS.
De veiudo estofado.
De damasco.
De tecido de prata e de ouro.
dem com emblemas em relevo
e ricas franjas na marea.
De velodo de sJa.
De tecido de prata e de ouro fino.
DALMTICAS.
O mesmo preco das caslas.
Aluga-se nma casa oa ilha do Retiro, Passa-
gem da Magdalena : a tratar no largo do Corpo
Saoton. 19, escrlptorio.
--------
SEGUROS
MARTIMOS
CONTRA FOGO.
A companhia Indemnisadora, estabeleci-
da oesta praca, toma segaros martimos so-
bre navios e seu carregamentos, e contri
fogo em edificios, mercadorias e mobilias:
na roa do Vigarjo n. 4* pavimento terreo.
tlenco
ESTOLAS PASrORAES.
De velado estofado.
De dito de daas faces.
De damasco.
De dito de duas faces.
De tecido de prata ou de ooro.
dem dem, com emblemas em
relevo, franjas e bordados- de
tOfOkl.
dem idem era relevo moito ri-
cas.
De tecido de ooro e de prata fino.
De cbaroalote bordado de seda,
em daas faces.
VE'OS DE HOMBROS.
De tecido de Lyo.
De dito debrado, de ooro fino.
De damasco, bordado em relevo,
dem dem, muilo rico.
VEOS PARA EXPOSICO.
De tecido de Lyo.
De chamalole a.- prata com em
bit mas em relt-vo.
De dito dito, muito Anos.
VE'OS DE SAGRARIOS
De todos os precos.
BANDEIRAS.
Da Saota Iofancia.
De contrarias do Nossa Senhora.
Parociiiaes, qualquer que seja a
mvecaco.
Guioes com emblemas em relevo.
A cnliecao varia de 354000
3:000000.
. PALLIOS.
Em veludo estelado as qualro
ponas e no forro.
De tecido de Lyao, com oaro
De dilo de prata e de curo (as-
troso.
De dito dito, cora qualro emble-
mas bordados em relevo.
Moito ricos, intelramenie bor-
dados em relevo com ooro flao.
pannos mortuorios.
De laa.
De veludo loglez preto verda-
deros
De damasco dobrado de brocado.680
Estes pannos tem dcos metros de 812
largura fes de comprlmeoto.
HOUPAS I) t IGREJA.
Alvas de panno de linbo fino.
de cambraia Ina.
t de panno de linho, para
meninos do coro.
t guarnecidas de rendas finas,
c a de ril,- de rices t-
sennos.
Roquetes em panno de linho sem
mangas,
f c com ditas.
Amictos.
Toalhas e sangoinhos.
alta-
Corporaes de cambraia fina.
Toalhas para communbo e
res
Guarnieres de rendas para alva.
Ditas para toalbas de altar, aos
metros.
Toda a qoalidade da roopa ga-
rantida e perfeitamente execo-
tada.
DIVERSOS OBJECTOS.
Bolsas para tirar esmoUs.
Cordoes finos para alvas.
c para meninos do coro.
Voltas, s duzas.
Cintos e cintorSes.
Sacras de llar, em carto.
Ditas.em quadros.
Marcas para miseaes, com seis
pernas, em chamalote.
Flores artiliciaes, o ramo.
BstOfos e todos os demais objec
tos de greta.
BRONZES DE IGREJA.
Casticaes para altares, prateados,;
de novos modelos :
3-26 milmetros
379
433 4
487
541

c
12
14
16
18
SO
5*
(30
poiiegadas).
f
as notas das calzas filiaes do banco do Brasil
praca da Independencia n. 11
Fundido da Aurora
A mais antiga desta provincia e com todas as
perfeicSes em sens machinamos, eflerece a seas
numerosos fregoezes por razoaveis precos soa*
manofactoras, bem como qoe tem om bom pessoal
para com rapidez fazer qoalqoer concert oa ebra
nova.
Aluga-se ama preta. escrava que seja fiel
para o ser vico de urna casa de familia, e que sai-
ba vender na roa : quem tiver annoncie oo diri-
ja s^arM^^jncordian;^;______
Da se bolos de vendsgem a lustao a pataca
na roa Imperial n. 37.
Casa no ontclro
Aioga-se uma casa na povoaco do Mooleiro
com bons commodos, aceiada e b:nbos nos fun*
dos: a tratar na roa do;Crespo n. 23,
Altf|ta-se o 2 e 3 andar da"cala n. S daToa
estreita do Rosario, confronte a officina do Sr. Ozo-
no : 'a tratar na rna do Queimado o. I.
Precisa-se do nm calxeiro para i taberna da
ponte do Monteiro, de *2 a 18 amos, com pralica:
quem pretender dlrija-se a mesma.
Na ra do Apollo n. 4 4eseja-se saber noti-
cias dos Srs.: Francisco do Reg Lima, natural da
ilba de S. Miguel e Joaqora da Silva Migeos, na-
tural da Figueira; o que se gratificara.
Aos senhores padeiros
E' geralmeote conhecida a utilidade no em pre-
go das machinas, que lem por iim apetleicoar o
trabalbo com a economa de bracos, {leste caso,
pois, estao as machinas para cortar bolacha, cuja
utilidade ja conhecida de alguos padeiros que
deltas fazem uzo por meio de mantvella, ohleodo
o resoltado mais satisfactorio e perfeito.
Na padaria da ra Dirtila o. 84, ha serapre de-
posito destas machinas com conadelras para todos
os taxanbos de bolachas aqui azadas, e tambera
para araruias, e que por virem era direciura e de
propria coota dos Estados Unidos, se vendem por
prego moito barato, com o fim de se iotrodoiir to
recoohecido melhoramento.
Saques sobre "irisboa
Oliveira Filhos 4 C sacara sobre Lisboa
largo do Corpo Santo n. 19, escriptorlo.
Criado
Precisa-se de um criado
o. 12, i andar.
no
na roa do Queimado
Aluga se uma casa em Beberibe : a tratar
com J. de M. Reg, ra do Trapiche n. 34.
Aiuga-se nm grande ssbrado em O.ioda no
flm da ladeira do Varadonro, cora maitos commo-
dos e mallo fresca : quem p*eteoder dirija se a
roa da Crui n. 6, das 9 al as 4 da tarde.
Eu abaixo assignado declaro que modei o
meo estabelecimento que linda oa villa do Cabo,
roa do Rosarlo, para o engenho Algodoats o qua
esta" entregue a* gerencia do Sr. Jos Joaquim da
Fonte Guioares podando' o mesmo snbor fazer
todas as transacoes concernectes ao ine-ino es-
tahelecimtnto, isto d. Iiaizo da micha awsgoaiura.
Recife 21 de Janeiro (?> 1867.
_________ Juaijuim SlraSodos Sant:s.
Miguel Foatoura, convida os amigos de Mtritz
Meta, a asslstirem a missa de Rquiem, que lera
lugar oo cemilerio publico as 8 horas da raioda
do dia_27 do corrate, stimo de seu Mleelm^mo.
Manoel Jos Machado commer imt- .-ia
praca estabeleciJo com \o'* de fazend^s na ra
do Crespo n. II, participa aj respenavel corpo de
coramercio que desde o 1* do Brrente deu sacie-
dade no dilo eslabelecmienio a seu iru.ao Joo Aa-
lonio Macbadu e a seu caixeiio Manoel Severino
uarte que gyrava sob a firma de Machado, Irmo
& C.
ALLGUEL
Guardas pars arvores, plantas e outros objectos da ferro que se vendem por
{ preco mdico, no armazem de Tasso IruiaDs ni praca do Caes de Apollo ao p da ponte
.) provisoria.

-
Cruzes de altar, correspou lentes
aos casticaes, o par.
Tboribulos e navetas prateadas. |
Caldeirinhas com hysoppe dem. |
Costodias ditas e douradas.
Lostres ditos e crrenles fortes
para os mesmos.
Cruzes para procisso, ce ratbs
dius.
Vara, alabardas para soissos e
cad^s para porteiro.
Bsteti objectos lodoe sio em co-
bro e nao em materias* de
composico.
NOVO DEPOSITO
DE
M
Alaga-se ama casa terrea Da rus do Mondego n.
22,erra sotao, 4 salas, 2 qnsitos edantha lora, ca-
cimba, cera qoinial murado : quem prrtruuer alu-
gsr, procure o dono na ro das Cruzes n. 36,1*
andar.
- Precisa-se de om menino poriuguez de rdade
de 12 aooos pooco mais ou menos, que tenha pra-
lica de tabem, e que fiador a roa.^pojldt: na
ra das Nimphas o. 1, oo na ra da Cjiniuista
n. 10.
Escrava
Na ra da Madre de Dos o. 36, precisa-se alu-
gar nma escrava para se. vico interno : paga-se
hem._____________________
ifliiigpr
Qnem tiver ora raoleqne de estimscao, de 14 oa
T-Loos.' roats oo menos, e precisar vende-lo,
qoTPOdo dar-toe bom senbor, falle na loja o. 17
roa Nova que se dir quem compra.
Cavallo fgido
Fagio da ino 4o poriador a cavallo grande,
castanha f .ro.Sim r^ias tapeta cortados e
com caaL'alha.e foi para as bandas do Chora me-
nino : os appr^a^4>ajM4qa-lej:a.|(i apajio
Cravelro, eis) Boeribe de baixo, qoe serio grati-
ficados. .....__ i___________
- Na tbesooiaria^as latera* aliste ama carta
vinda da Macer para o Sr. Joai fioncalvas Gui-
-inares._________________________
Alagase oro canoa fe earrelri: a tratar
U ra do Jasmira n. S!.
Aviso essenciaJpai'a evitar qualquer erro ou m^if,
^s SrS. compradores n3o dvem ignorar que o ouro tilo pode ser fiado nem
tecido, e qrje por consegotnte os galoes dos ornamentos chamados de oa tm sio de
p"rata drturatfa, os de ouro meio fino'sao de metal dourado eos de ooro falso sao de
cobre dourado, e como tal confundir os ttulos que se Ihes deu sempre, que sio mera-
mente commerciaes.
Os ornamentos que o annonciante tem venda sao o de galoes de ouro meio
finos, falsos ou de seda, s mandando Vir os de ouro fino por encommetida; e neobum
objecto sahe de seu estabelecimento sem ser acompaohado d'oma factura jtor elle firma- j
da, especificando a qaabdade do obiecto; para poupar-se explicacoes sempre iDta-
venientes aodepois de realisada a venda. .
----------------------------------.-----------------------._....... .1 juiX
Agua miiittal
feriUfigosa, acidulada, aazeu e earaaniea
DE
HEZZi.
O oso d'ftoa,f Oreita roui particoUrmente
reeommeodado pela escola d medicina de Pars
par todas a< affeeefles do tobo digestivo, fogorgita-
mento das vieeru abaaatiaies, e geralrneaie todas
s molestias proveaieates de fraqaeza orgnica, oh
pobreza de saagoa.
Dcroai.u nraciAL
34R larfi as) *aark-34
. Hciodi. CMtUkm.
1 Manoel Jos' de ar la Simes, atofeMbr' pai
colar de iosuaccio elesseoWr pelo' meladoCas-
tilbo, avisa aos pas d deas afnizMes e ae'HBpei-
tavel publico que oe dia 7 e jasMira da eorraote
nn<\ estar soa ansa abarla m raa da Prata a.
59, at|f(indfl andar, assim ooata recesa' (Mchate-
las a <*eh* peacioaiaiaf, por prega raaoaval. Na
diu aui*.ja,aMi aaaaetoaa aa spaMias segoia-
fraoeez, ltiro, geographia e ratate.
PARA DESCAROCAR ALGODO
Manoel Bento de Oliveira Braga.
: v 53Una Dlrelta n__53
Neste estabelecimento se encontrarSo s
verdadeiras machinas americanas onegadas ltima-
mente, asquaet sao fettas pelo maisafamaoV) fa-
bricante da Aniefica; por isso avisa a tada as pes-
soas qoe precisarem comprart, de se dirigir a este
^estabelecimento que comprarSo das mais perfeitas
neste genero, assim como mais barato do que em
outra gualquer parte, por isso que se recebe por
coota propria, bem como cannos de chumbo e moi-
abos para moer milho, e grande sortimento defei-
e miudeas em roaso e a, netolbo.
Pzceisa-se atogar om mo1eqU7de 12 a 13 aonos
para servico de criado, a.ue seja fkl e iiitellinen-
- ; o servico podco: quem a ver diiijase a
ru Nova n.
i
tes
dia n.
_Ul
oegn-
qne
A pessoa que anoaocioo vender uou
aba de da 6 aonos de Idade : achara' coa
tratar na padaria da ra Direiu o. 84.
Precisa-se alocar um escravo pramVtaaVM
qoe *aiba co.iolur e oara o mais seivicu de casa
de familia : a tratar oa roa do Tpicha m 4*, ke-
f nado andar. s
..-- -i i n>
Prectsa-se aMgar ama sala
, rom jnm cnmraotr~WU'trjn
atada
Ph.r.,rU 4e I* ^h* lo en C. Wr^n^T^TtJ^
4TTE!\C40
O abaixo assignado compra toda- e qnalqae.r
qaamidade de aisodSo era caroca e assocar; os inr
teres ados dirijam se ao povotdo de Trorabetas
ao largo da feira na fabrica i vapor.
H Albuquerque Silva.
BSfJRAVO.'

P/ecl*a-*e de una ihm pra o servico ampitM*
>flpiica /-Biiu ;. oa raa das Crue o.
f.ff^
Predsa-se alagar
oras e mais servii-<
K-ttn-f bom umeuado
Qeos n. 36.
e.cravo para fszer com-
a casa de familia, pa-
na ra\ da Maire de
19 1 andar.
Maximino da Silva Gusroao, aompra, veode
e troca escravos, de ambos m sexos : oa ra do
padre Suriano n. 71, segundo andar.
f fWTHHRJ9MR &&MS
Companhia hdelidade de seguros w
marititno&e terrestres
estabelecida no Rio de Jaueiro;
A01MTES ESf lBRKAIBCCO
Antonio Loiz de Oliveira Izeredo k C,
competentemente aulorisados pea direc-
tora da companhia dsegaros Pidelida-
de.tomam seguros de navios, mercado-
rias e predios no seu escriptorio roa da
Mm*m*m+m* mmmm
Samoel Pwer Jthuston Companhia
Rna da -SenzalaNova h, 42.
AOINCTA OA
Faadlfi le L,9vr Ma>or.
.tfachinas a vapor de 4 e 6 cavallos.
ioendas meias moendas par engenbo.
Taixas de ferro coado e batido para enge-
nho,
irreios do carro gara una e doos cavalloi.
,Reloks de onrapatenie inglax.'
4rados americanos.
tachmaspara descarocar algOdW.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
X







i






MH'tf*iMMArf *-m*ttiiimmti' .*.*
UZO INTERNO:
PREPARADOS C0MP0ST0S.
Vinho jurubeba ferruginoso.

PARA
PREPARADOS SIMPLES,
Xarope de jurubeba
Vinho de Xarope
Pilulas de > Pilulas
Tintura de >
Extracto biydralcoolico de jurubeba.
PARA UZO EXTERNO
Oleo de jurubeba
Pomada de
Emplastro
A JCKIJBEBJu
Esta planea hoje reconbecida como o ra.iis poderoso tnico, como um excel-
ente desobstruente, e como tal applicadi nos engorg itamentos do ligado a baco, as
bipalites propiamente ditas, ou inda complicadas coni anaxarchas, as inflammaces
subsequentes as febres intermitentes ou durezas, nos abcessos internos, dos tumores es-
pecialmente do tero e abdomen, os tumores glandulosos, na anazarcha, as bydrope-
zias, erysipellas; e associada as preparaces ferruginosas anda de grandes vantagem
as anemias, chloroses, faltas de menslruacao, leucorrfteias, desarranjos atnicos do es-
tomago, debilidade orgnicas, e pobreza de sangue etc.
O que dizemos affirmam os mais'dbtinctos mdicos desta cidade, entre os quaes
podemos citaros lllms. Srs, Drs. Silva Ramos, Aqoino Fonseca, Sarment. Seve, Pereira
do Carmo, Firmo Xavier, Silva etc. etc. Todos elles reconh cem a excelleneia d'este po-
deroso medicamento sobre os demais at hoje condecidos para todos os casos citados,
tanto que todos os das fazem <'elle apnlicaco.
Apresentando aos mdicos e ao publico em geral diversos preparados da jara-
beba, ti vemos por flm generalisar mais o uso d'este vegetal, fazendo desapparecer a
repugnancia que at hoje sentiam os doentesde usar dos preparados empricos d'elle, o
mais das vezesrepugnantes a tragarctn-se, e que linbam anda a desva tagem de nao ser
calculada a dose conveninnte a applicar-se, o que torna muilas vezes. imp-oficuo um me-
dicamento, qae poderia-produzir ptimos resultados.
Os nossos prepados s foram apresentados depon de havermos convenientemente
estudado a jurubeba, fazendo as experiencias precisas para bem conhecer as proprida-
des medicamentosas d'esta planta em soas raizes, folhas frutas ou bagas, e a dose con-
veniente a app'icacjo, tendoalm d'isto procurado levar os nossos preparados ao maior
grao ds perfeico possivel, para o que nao poupamos esforcos, nao nos importando o
ponco lucro que possames tirar
Por tanto os que se dignaren! recorrer aos nossos preparados podem ter a certeza
de que elles offerecem a garanta, de que se pode encontrar a prompta einfallivel cura
de qualquer dos soffrimentos, que deixamos innumerados, se forem em tempo applicados,
tendo alm d'isso, medico ou doente a vantagem de escolher as nossas variadas prepa
ces, aquella que melhor Ibe pode convir, j pela fcil applicar;3o, e ji pela complicar
das molestias, id-ide, sexo, ou anda natureza de cada individuo.
As nossas preparaces ferruginosas sao feitas do forma que se tornam comple-
mente soluveis nos suchos gstrico*, porque procuramos os compostos de ferro que com'
taes esiao hoje reconhecidos.
Para aquelles que mais minuciosamente queiram conhecer as propriedades da
urubeba, e saberem a appcaco de nossos prep indos, destrbuimos gratuitamente em
nosso deposito um folheto, onde traamos mais extensamente d'esta planta e dos mes-
mos preparados.
Deposite geral de todo- os preparados
Botica c drogara
34Ra larga do Uzario34
,________________________________......._________________________._____ _____
i O abaixo as ignsdo, medico clnico ha treae
iodos nao o pruviueia da Baha, mas tambera
nesU e jiado Amazonas, e que apresuntou seu di-
ploma a'iuspaciuriadrt ia-la pubhcagdesia capila
no l*rmarcode 1862, urna honra -e offerecer
os servaos da sua prtnssao aos apa por veotura
' rtvefmdVIla prectean :-tenio a tabalta do- hano-
; qaro* remunerativos de seu (rabalho a seguiote, al
qoi i despida iQieiraintito de carcter imponente!
nao deixarari*s vezes servir de uorle-'aoa quase,
eueiram d riglr ao anuotoctante.
TABKLLA ^
I'.ua ireiu o. 88. lerceiro andar.
Visitas de dia, deuiro da capital, cada urna 2*000.
dem a' noiie, dem dem 40OU.
dem de da, lora da capital, por eaea legua em
carro ou va frrea 5J0UO.
dem de ooile. Iddin i Jera 10*000.
dem de da a cavallo, 10*000.
dem a' aoile, dem 20*000.
Consullas verbaet-, cada urna 1*000.
Uera por escripia 5*000.
Conferencias deolro da capital, cada ama 5*u0.
dem ra sera' oa raio das leguas, como cima,
dem de doeotes entregu.-s a seus cuidados
gratis.
Atiesta lo 3*000.
dem de doeotes sob seas cuidado?, gratis.
Vigilia a' cabeceira do doeole, por cada dia inteiro
dem dem dem a' no te, 40*600.
Parios a operacoes, sera' segundo sua naloreza e
categora.
Sangras e, ventosas em doentes sob seus cuidados.
gratis.
Consultas, visitas etc. aos pobres ideo.
A condueco para os chamados de (ara Acara' a
cargo dos doentes, eo aonuociaute iacnmbir se ha
de levar comsigo algnos medicamentos, e bem" as-
sim saogeesugas ele,, para evitar demoras em co-
mee? r o trataoiento, demoras sempre mallo preju-
diciaes as molestias agudas.
Os curativos serio (ellos allopathica tu horneo-
paihicaroeote, segundo a maior somma de proba-
bilidades para bom resultado, offerecidas por
aquella ou esta doctrina.
Dr. Francisco de Paula Soares.
CASA OA FORTUNA.
Requifes oa babadiubos dexarnbraia.
A agula branca acaba da recebar um bello sor-
Aa& ({'OOOAfQHi tmenlo de riquifes ou babadranos de cambraia en-
*W! UiWUpvw^ faltados de branco e de cave., e mal propros para
Bllhoieg taraaUldos. vestidos de senhoras e meninas, e raesmo ootras
A RA POCRESPN. 13ECA5A$Dt)tOSTBME obr* oe as sentidras "os apolicatn eom acerte
O abalxo as'sijoadovendeu nos seos mnio feli- S08*Plpecohas sao de K melros e veodem se a
es bilhetes garantidos da lotera que s acabou 2eW0 e 3* cada urna ; la loja d'aguia branca ra
de eatrahin NMBeit das familias dos vntMlario*' ^ Qaelmado n. 8.
vfloia f "Nints premios: Albuos para retalos.
v auar,d* com a son de 0:0.1flg. A agua branca recebeu novo sorllmenlo da bo-
a ~>H t,)a* 1"ir' como sempre por presos commodos ; coroparecam
luja as,pfetendeDtas "a ra do Queimado lola da
agola branca o. 8.
N. 3937 un quarto com a sorle de SOS*.
t Otftra's mnitas sortea de 100*, >0* e 20*.
spvjssoidores podem vr receber seos respec-
tivos premios sem o desconlos das leis na casa
da Portooa a1 roa do Crespo n. 23.
/.i1 m'se* vda os da i' prte da t" i Hera
(* ; a beoeBcio da colonfsacao polaca, hu
tralnra qoarla-feira 39 do corrale.
.que se ei-
Cart as
Bilhetes........ 6*000
Meios............ 3*000
Quartos...-----'... 1*S00
Maoa ^f ewprarem de lOOjttOti
para cima. ,
Biihita*.......... 5*500
Meios............ 2*750
Qwrtos.......... 1*375
Maaoel Martios Plaza.
nniE
#rur Aleandre de Souia Prreira do m
i^armo madou a soa residencia para o *<
m aD,dar d0 sbrdo n. 12 da ra da Impe- m
a rairu e coatinaa a axercer a soa profls- I
msaoje med.co. 0
* Biie


PREPARADA A FRO
POR
AUGUSTG AOR8
Pharm'ceatico pela escola de Paris e. successor nesta cidade
DE

risflde Saisset e J. Soum
Si.------Roa da crux------2?.
Tratamento puramente vegetal sera mercurio, iodo, ouro, nem outro qualquer
Diineral.
Verdadeiro puiicador do sangue sem azotigue.
Especial para a cura de todas as molestias que tem sua orUem na impureza do
sangue, como sejam as molestias boubuticas, sypbiliticas, escrophulosas, darthrosas, quer
venham ellas por nereditariedade, quer sejam adqueridas pelo contacto com pessoas in-
fecc onadas dos diversos virus que contaminara o sangue e os humores.
A caroba um remedio prodigioso, usado desde remotas eras pelos indios
do Brasil, e passando seu uso de geracSo em geraco, hoje um dos remedios mais co-
nhecdos como propno para<*ombater as molestias mais hedion las, entrando nesse nume-
ro* morpha ou elephanliases, pa cojo curativo os nossos sertanejos considerara a
cawba como remedio especifico.
A limito tirapo eutrou a caroba nos formularios como preparadlo magistral
sel* a forma de eteictuario, aiada hoje letibrado as pharmacopas com o nome de sea
celebre autor Julo .-Vives Carnero: nao ella porianto remedio novo oem desconhecdo.
O ungento de caroba da mesma sorle pregonisado desde tem pos uuraemo-
riaes como o miis apropriado para o curativo das boubas e ulceras sypbiliticas srdidas,
e eupregado edm prveto depbis de improficua applicacao de muitos outros agentes
therapeuticos enrgicos e denso quotidiano.
Muitos dos nossos mdicos de cousideracau e entre elles q rauito disocto pratico
e observador o Sr. Dr. Pedro d'Atbayde Lobo Moscaso, tem conflrmad por meio dee;-
perle.icias repetidas, o que diz a fama das benficas propriedades da caroba no trata-
meato das boubas, das diversas formas sob que a syphilis se aprsenla e dito especial-
mente as (jueteena sua sede na pelle, e poderiaaws relatar algo4 cases de data muito
moderna observadas peto mesrao Sr. Dr. Moscozo en que a caroba produxio admiraveis
ellaitos, depois de puteis e prolongadas applcac5es de salsaparrha, mecurio, iodo, ou-
ro e seus /preparados, etc., etc.
Mp era possivel que urna planta 13o notavet por suas ioappreoiaris virtudes es-
capasse a perspicacia e iDvoetigacoos .los mais abalisados praticos europeos, qne se ap-
arcara com espeohdldade ao estudo e trltamento das molestias sjrpuilitkas e herpejicas
e para prova atdtjJo os Srs. Drs. Casanova, Schurfer, Ricord e outros dando as mafe
i&ongeiras iuformace^ sobre as propiiedades curativw da caroba e piecontsando-i como
remedio pederosujimo pam o u-atameutojdas eaipcoes cutneas, seccas'ou sapparativas,
artbros de todas a quafidade,, ecenws, ailceras de diverm naturezas, tumofes, osseos
ootras fauitas molestias de natdreza'syphi'ica ou boubatica.
Por ter-se generalisado muil'i o uso da seaela da earmfoa que eu pre-
paro e telas Mstancra de Vatios'med'eos qae'desejam cootinuat "em suas observacoes,
djfiberei-me a ter promp a urna qoantidade da mesma essencia, oblida sema acc3o do
foge. para alo prejudiear as propiiedades medicamentosas; e d'ora em dianie e*icon-
trar-e-lra aa raioba ptfrtiacia sempre e em porfo suficiente para todos os pedidos a
ESSEN JA CWfaKTRaDHafe CAKBA, e o ungaeuto da mesma pietla para qae nuo- oe(W
*^k!!*?r-lc". ***** experimentar 15o preoi^o ageote awdioinal. .!^J^S^SS!^i^S^vS- Xen^
Nao se tendo reunido numero suficiente de
ccnsenbores da propriedade Aplpocos, deixon de
liaver reanio geral no dia 13 do corrente, a qual
ua caDformidade do arl. 17 dos estatutos devia ter
Ingar do domingo siguite : mas considerando o
administrador interino qae nesse dia muitos dos
CDBsenhores nio poderiara comparecer por lerem
le fazer parte da junta de quaficaco de diver-
sas reguezias, transferio a para domingo S7 do
correnie, pelas 10 turas da raaobaa, na capella da
mesma propriedade-
Nesu reanlio se fara* a rehar do relatorio an-
uual, leitora, dscussao, approvacan, e assigoatura
da acta da sesso anterior.
O mesmo administrador interino convoca para a
dita reuniao a todos os consenhores dr proprieda-
de. A reuniao geral lera' lugar com o numero de
votos presentes.
Apipucos 18 de Janeiro de 1867.
Jos Cezario de Mello
Administrador interino.
Alugam-se
duas casas terreas, sitas na Capunga, ra da Ven-
tura, junto ao porto da viova Lasserre, de ns. 32 e
34, lendo cada unja cozinba fura, cacimba, estriba-
ra e quintal murado : a tratar na roa do Trapiche
n. 3. _
F. A Poolual Jnior, agente de eilSes desta
[iraca, onVrece ao re-peitavel publico os seus ser-
vicos no desemneoho de seu cargo, podando para
islu ser procurado a ra das Crazes primelro an-
dar n. 30 e a.roa do Cahoga u. .
Alaga-se ama sala com doas qaarlos do se-
gundo andar do obrado da roa do Imperador n.
75 : a tralar n> mesmo at as 9 horas da manba.
AMA
Precisa-se de orna ama para casa de pooea fa-
milia, qae eogornme, coslnbe e faca as compras
ratri'i*l78.naCeSS*r'aS : ,"Ur na roa dl 'mp'"
PrecUa-sa de nm caixeiro com pratica de U-
berna, com u a 16 amos de idade : no pateo do
Terc-)n. 141. vV
Precisa-se de urna ama que compre e ci*i-
nne para urna casa de pooca familia : na roa No-
va de Santa Riu n. 33.
Furtaram do siti do Cafaui duas cabras
sendo ama araarella e a outra preta com malDas
oraneas : qoem as aprehender leve-as ao mesmo
sitio na estrada de Joao de Barros, que sera' gra-
Da^e 2:000| a Jaros sobre hypotheca em
: qaem pretender dirija-se a pr*ca da
Boa Vista n. 15. laberna para tratar.
Precisase de 73 criado para compras e re
cados : no collegio da Concelcao na roa dos Coe-
Ihos n. 15.
Precisa so de nm escravo para vender na ra
fazendas e miudezas: a tratar na ra do Livra-
mento n. 19.
Xarope e pasta de Seiva
DO
aPlaheiro marltiano
DR
E. Lagasse
Preparaces mni preconisadas pelos sabios mdi-
cos de Paris, com as melhores at hoje discoberlas
para a cora certa de (odas as molestias do peito,
bronchites agudos e chronicos, asthma e anda das
affecces das vas armarlas.
DEPOSITO ESPECIAL
34Roa larga do Rosario34
Pharmacia de Bartholomeu ate.
Saques
Joo do Reg Lima saca sobre Lisboa" e Ilha de
S. Miguel roa do Apollo n. 4.
COMPRAS
Anastacla Mara de Sooza Lima, Maooel Rodri-
gues Nopoeir- Lima, Agripino Rodrijo.! Nopuei-
ra Lima, HeDedino Rodrigues Noguera Lima,agrr-;
decem cordialmeote as pessoas que se dignara;
assisiir asexequias de seu rauito presado esposo,
pai e Irmao Maooel Rodrigues Nogueira Lima que
teve lugar.uo dia 19 do corrente mez na igreja de
Santa Rita, e e.-peram que se dignem asistir a
missadj stimo da que lera' lugar sexta-feira 25
do corrente as 6 horas da manha pelo descanco
de Ma alma.
Prtcisa-se de um crudo : na rna estreila do
Rosario o. 3z, terceiro andar.
TBILHOS URBANOS
R8CIFE AAPIPilCOS.
R*iedeeniaraiacOj 17 de ootobro de 1866
Ba da Cruz n. 22,
Ajxstk Xaors.
'* ^
Novoe deposito de superior ear?o 4e Cariffna
Baiiia.

- ADt0D.0, (tmM ,d0! Santw c. < Santa Barbara n. 1, wtao habiltanos i aaHUBaall
rvao, m codlco>s mala favorvels q v. m mitro qnai juer deposito, a todo oa MVJos a "aiwr qu*
Jcara-u U0W>'-! oona. A ooulratar aosta cm ominjfu? AlvM Miih^js,
A /
Para evilar os r-ipetido* abus s que se tem dado
no pagamento das passagens e regular qnanto for
possivel o servico dos ireas faz se publico para
coiiherimento-dos passageiros :
Io Qae exoressamente prohibida a aglomera-
;5o de passageiros as plataformas dos wagons as-
si m como a passagem por cima das cobertas de
um para oulru wagoo.
2o Qae igual mete prohibido a entrada de
passageiros nos wagoos sem que esiejain manidos
<1e l.ilhetes e os passageiros qu. nao so actiarcm
urstasco.iicoes, sero obng>dos a sahir para dar
\a"T aos que os tiverem. '
3 Xio sera' admiltldo maior numero de passa-
geiros do que os da lotacao e oeni s^ra' permito-
do o ingresso aos que quizerem tubir dqpois de
chele* os wagons, assim como nao se podera'
sabir depois que liver partido o irem anda que
va vagaro-amenta, o que indispeosavel para
prevenir soislros que se nao podem deixar de
dar se nao fdr attendida est.t justa recoromenda
ao e pelos qaaes a eroprea nao pode responder.
4 Qae naestaeSo.do Caldeireiro e no escripto-
rio provisorio da ra Forrassa, estaro exposlos a
veDdao* bilneles desde as 5 horas da manda* at
a partida do ultimo ifeme das 2 horas da larde
em di.nte, e smnte'se veadero os .bilhetes cor-
respondentes aos passageiros quepossamconduzir
os treus.
o Qoe a prrtir de quuta-reira 23 dj corrate,
haverao alm dos,irens comrauns mais dous ex-'
traordoari s a'tard-, al ao dia 3 de fevereiro
sendo as priida reguladits e!s shunte tabella-
DO RECIPE PARA O CALDEIREIRO.
De manhii. De tarde
' '5 h. 30 m. 3 ti. .10 m.
' 5 ;i 00
8 45 i 15 .
6 > 45 >
DCALDEnreiRtJfAR O RBc'pe.
De un u lia a. D tarde.
6 h. 31 aa. 4 h. la m.
"' 00 r> 4o .
9 30 6 60 ,- ,.
9 '30
'_______ 40 00
_ Joao GuiljieriTie Romeri pariicl|i
la ve l publico qae inadon siia affl^iua di
Oompram-sc escravos
Silvino Gullherme de Barros, compra, vende e
troca effecuvamente escravos de ambos os sexos
e de tedas as idades : a' ra do Imperador n. 79,
terceiro andar.
Ouro e prata.
Km obras velhas : compra-se na praca da In
dependencio n. 22. loja de bilhetes.
Compram-sa libras
udependencia n. 22.
sterliuas: na praca da
Comprase ouro, prata e pedras preciosas em
obras velhas : na ra da Cadei do Recife loja
de ourives no arco da CoBcelco.
Kfigriiia,
Na padaria da ra Direila n. 84 se dir' quem
compra urna negrioha com 5 aunos de idaae.
COMPBS"
cobre, laio e chumbo : no armazem da bola ama-
relia, por balxo do sobrado n. 29 da roa dj Impe-
rador.
Novos enfeites para vestidos.
A agnia branca a roa do Queimado reeebeu no-
vos enfeites para ves idos aoiando-ie enire elles
m ca8carrilhas com tico, obra uova e de Rosto.
lionitos cbapeosinbos modernos e primoro-
samente eufeitados para senhoras.
A loja de mutdezas a roa do Queimado o. 16,
receben pelo nllituo vapor esses oouitos chapeosi-
unos obra de muito gesto e elegancia e bom ne-
fessarlos para as senhoras que tem de dar algura
L'asseio as estradas de ferro, assisiir as lestas nos
aprasiveis arrabaldes, faxer visita etc., etc. A
'juanudade pequea e o preco commodo por Isso
i qoem nao se adiantar 6 arriscado a nio aeha-los
nws em dita loja de miudezas a roa do Queima-
| do n 16.
Carteiras de algibeira com tesoura. pente e
mais neceisarios para viagem.
Veodem-se na loja de miudezas a ra do Qaei
ruado n. 16.
i loques fiogiodo cabello.
Lisos e crespos, singelos e compostos, de gom-s.
csMdoo e redondo, cobertos com fllot simples
de vidrinbos, ornados com flores o Blas, obra nova
e de gocto.
Para senlioras e Meninas.
Loques finos de madreperola e osso, todo de sn-
dalo e de sndalo com seda, com fios e bonitos
desenbos.
Obras de niadreterola.
Bonitos peotes de madreperola mui alvo par*
coaoes, lindas fivellas de diu dila para cintos, de-
licados alneles e brincos, botdes para paobos, c-
bra prima.
Aderecos, peales e fivellas igoaes de dita, t
brincos. Fivellas e Otas para cintos, cintos mati-
sados.obra novsima e de posto.
JLlatdos enfeites Bonolton para
senhoras
A agola branca tem a satisfacao de netieiar a
sua boa freguezia que acaba de receber lindos en-
feites i Bonoiton obras delicadas, de conla e ulti-
ma moda, o que ser devldamente apreciado pelas
excellentissimas senhoras de bom gosto. Os pro-
cos destes enfeites sao commodos e isso verificar
qoem se dirigir a roa do Qaeimado loja da agola
branca n. &
Ilaaios de flores finas.
Como geralmente sabido, a loja da aguia bran-
ca o jardim das fioas flores anificiaes, e alm do
bom sortimento qne sempre se acba em dita loja a
agnia acaba de receber novas flores as quaes se
conbece o rigor d'arte imitando as flores naturaes.
Na loja da aguia branca a roa do Queimado n. 8
acharo os apreciadores do bom e delicado caixode
flores com compridas rama?, resis, etc., tudo do
melhor gosto e primeira qoalidade.
Meias preas para padres.
A aguia branca a' ra do Queimado o. 8 rece-
ben novo sortimento daqaellas boas meias pretas
de laia qae cooiiouam a ser vendidas a 5000 e
par.
Yisporas e dminos.
A agnia branca a' ra do Queimado n. 8 rece-
beo novo sortimento de visporas em caixas de ma-
deira e papeio com 24 e 36 candes, tendo entre
elles algons com chapa de metal para cobrir o nu-
mero ; assim como dminos em caixas de madeira
branca e envernisada.
Rap Paulo Cordeiro.
A loja de miudezas a' ra do Queimado o. 16,
receben nova remessa de rap Paulo Cordeiro, o
continua a recebe-lo por todos os vapores, para
qae os apreciadores aehem sempre boa pilada.
Botte grandes
e peqoenos, pret s e de. unirs cores.
A aguia branca receben um bello sortimealo de
I loes de diversas qnalidades e gostos os mais
modernos, a elles boa freguezia da agola branca,
comparejam a ra do Queimado n. 8.
Meios aderegos dourados
Na loja de miudezas a ra do Queimado n. 16,
vondem-se bonitos meios aderecos dourado fino
".ras mni bem acabadas e de novissimos moldes
gostos agradaveis e precos to commodos que ne-
iKium comprador objectara.
Amostras de obras dauradas
A aguia branca a ra d) Queimadj n, 8, rece-
beu urna pequea quactidade de meios aderecos
doursdos, obras de moldes ioteiramente novos e
agradaveis, e acabado^ com perfeicaj e mesrao as-
sim a aguia quer vende-las baratamenie para aca-
ba-las at o lii desta semana, por isso os preten-
dales comparec m munidos de dioheiro.
Comnra se
na padaria da ra Dreta n 8i ama escrava mo-
ca, prela ou mulata, boa eugumadeira e cos-
nhelra.
na roa da cruz n. G,
Compra-se nm preto
armazem.
Compra-se um moleqae de idade 14 a 19 an-
nos para pagera : a tralar na loja da ra do Quei-
mado n. 18.
!! I lili ......I
VENDAS
de porta.
Vendem-se no escriptorio deste DIARIO
a 160 rs.: roa das Cruzas n. U. _____
Aos Srs. cecheiros e eerrieirss
E' chegado a fabrica de selif, aa iba targ do
Rosario, as mni lo aflamadas vaquetas franeezas Ia
sorte, por preco commodo, a e(| aoles que fe ac.-t-
bem.
________________________________^_______________________________________
Urna estante
J> ao respei-
OfBcipade ferradore
ploior d* ra da ponte \eiha para o caes deCa-
pibarjbeu.-tSe coqUmi a trablbar ka sroes-
ffla proliss.-Hi.
Precisarse de urna a
ra casa de pouca fimilla
4'* (>> *etio n. 54
maoaUi
i'a ou faata pa-
na ra na Soledade n.
wiAej''
O abane asstgoadu declara ao reapeiu'
baicc e em -parlklir ao corpo do commercli) que
dW*on de ser eaiHro da leja de looc e cobran-
cardos Srs. JoaqfHm A. Perira 4 Sobnnbo ao
)ura*t- o lempo que esteve na
S ae Janeiro da 67.
* asa. Recife
Ga,ldino Pinto llarttns.
.\ntas do Baneo do Brasil.
Tru<-am.*d na ra do Corredor do Bipo ultima
loxro.
Ualxwfo
Na ra da lmperalriz u. 51, terceiro and*r, v^o-
de-se por qualquer preco una excedente pedante
mogao com tidtaca. f
i" i. .na ial'i
Preeka se de um pequeo pard calxeifo nVefe-
rliMlo- dn< ltimos befados de idade d li a
.11 .cao aa iraresi 4Mttrt d* Dj n. i,
EMS.40S
Mantelga rrgfeta peffeitamente boa a
560 rs, a libra e t|M'cj per menos, im
ex-ptopheta Cujeo PooUs n. M esquina da
nova travessa de S. Jo5o.
Veade-se a taberna sita na ra Imperial es-
quina do becco do Lima n. 43 : a tratar na
meas*, ^ii^pwafg- araa 11 i .
p y, ---------j;------ -y ------!
azmte? baratas
Una do Qnelntado na ero Itt
CanJiraia de edr muito fina a 60 rs. o corada.
Dafre da Itaaam -dan**, w'waaraa a 700 re. a vaw.
Cambraia branoa tw* 800 a.poca.-.
Ditas nnaa a 55,0*5*0,6*. 6*500, 7*. 8* e 91
a pone.
CoOas francoaas l*rg** a 300, 3ft, 34S, Wd,
380, 400oiMdVad.
P*crto ma4uola> catniseiro a 6*.
D*W ai*400. t*80d, U. m e Carte* de camtor.ia uBiwdis *> ons faaeiria
mulaa iaa eto O varas a 0.<
Loos 4 amOfla 4*aao .Mito loue a
\ 4*500 a dutia. mw
Baldes de arcos a 2*5JO cada um.
Chita* f*noeua miedhaba a 180 novado
Retoodud^flldsraMAft*.
Qialaa da aaertn wea uerdadot eom franja de
seda petbrefe *?** famt qae b outra parta
CbIUS adoiMc4,s mfjaas argas a 609
rs. o eovaoV.
Bramante de lioho muito Uno a 2330) a vara.
C'WipMifii trtiiiqt-> d r-irin f-t na^'ona'.
R4 D Ql'EIM.VO H, W.
pGrande hiinazejn de tin-
tas medicamentos etc.
Roa do Imperador n. 22.
gjS Productos chimicos e pharma-
|f ceticos os mais empregados em
y medicina.
Tintas para todo o genero de pin-
*& tara e para tinturara.
r) Productos industriaes e tintas
% para flores, como botoes de Reres
: e modelos em gesso para imitar
.'" fructas e passaros com o compe-
S tente desenho.
Productos chimicos e industriaes
para pbotograpbia, tinturara, pin-
tura, pyrotecnia etc.
Montado em grande escala e sup-
prido directamente de Paris, Lon-
dres, Hamburgo, Anvers e Lisboa
J pode offerecer productos d plena
( conanca e satisfazer qualquer en-
j$ commenda a grosso trato e a reta-
&k lbo e por preco commodo.
veade-se
um oabrielet de 4 rodas e orna mela calessa pin-
tad e terrado de novo : no caes do Cipibaribe.
d-rande peehlaeha
Na loja do Arantes d'Lyra praca da Inde-
pendencia ns. 13 e 16
Vrndese :
Bvtins infieles para hnmm a 1*000.
Dues para snb ira a 4*000.
Ditos aranceles para dita a 4*000.
nianteifa loftaxa a 400
da Lia.
RIVAL SEM SEfilMIO
Ilua do laelmado n. 49, (oja de
aatadezas
DE
Jos DijOainno,
Continua a queiaar lodo qoanlo tem em sea es-
labeleeiaento.
Pares de sapai de i pele a 1*!60.
Duius de peonas de ac muuo Unas a 60 rs.
Caixas de liaba do gai de 30 novellos a 600 rs.
dem de lmhas de gas de 40 rs. o novello a 700 rs.
dem de palitos da seguraoca a SO rs.
Leoc/s de cassa eom barra alto rs.
Dazia de facas e garios de cabo preto a" 3*600.
Masso de pal.los llzado para denle-i a 120 < 160 rs.
Pecas de ntremelos niuiloflns. 5G0, 600, 800 e
1*000.
Livros das missoes abreviadas a 1*500.
Uarrafas de agaa Florida verdideira 140 0.
Babados do Porto de lod.s as largaras e todos os
precos.
Sylabarlos eom estampas para meninos a 320 rs.
Memento da roopa de lavar a 100 rs.
Novas eartilhas para meninos a 160 rs.
Ouzlas de meias mnito Unas para sehora a 4*500.
Ditas brancas e croas para nomem a 3* e 3*800.
Asninas rrancezas a balo (papel) a 60 rs.
Pares de sapatos de tranca e pete a 1*500.
Pecas de Otas de lia de todas as cores a 600 rs.
Grozas de bolees ae porcelana praieades a 160 rs.
Caixas com alfloeites trnceles a 80 rs.
Caixas de 100 eovelopes moli tnos a 600 rs.
Pregos francezes de lodos os tamaohos (libra) 210
ris.
Resma do papel de peso branco lbo a 2*.
Frasco com superior lala a 100 rs.
Grosas de phosphoros de gaz a 2*000
Pares de botoes de ponbo multo bonitos 80 rs.
Lmhas em cario de 200 jardas a 100.
Caixa de superior liona do gaz com 50 novellos
700 rs.
Caixas de pos de arroz muito fino a 800 rs.
Pukeiras de conta para meninas a 320 rs.
Talberes para meninos a 240 rs.
Caixa com superiores iscas para charatosa 20 rs.
Masso com superiores grampos a 30 rs.
Grosas de peonas de ac mallo finas a 320 rs.
Boneis para meninos a I*.
Pentes com costa de metal a 400 rs.
Capachos compridos e redondos a 500 rs.1
Caixas com superior papel amisade a 600 rs.
Realejos para meninos a 100 rs.
E3
3'
= r> -"
s
O
a.
'
Q
&
B
&
-s
a s
00 % g
** V g
I B
u> m
a ^
5 bT TS
o -1 -s 5
& Od
1 a &
3 s 1 5 2. SO
D 2
a. Z-
3 5
Papel pintado
O mais completo e variado sorlimento de papel
para forro de sala e Buarni$5s, encenlra-se a
venda na
Botica de BarIholemen & C.
3i-Rua larga do Rosario-34
AlEGITIMA
SAISAFAHIIIIM
PREPARADA NICAMENTE POR
LAMAN & REMP,
NOVA YORK.
Composta de substancias, gozando d;a
propriedades eminentemente depurativas a
approvada pelas juntase academias de me-
dicina; usada nos principaes bospilaes, ci-
vis militares e da marinha as Antilhas e
no continente americano ; receitada pelos
facultativosos mais distinctos do imperio do
Brasil e da America bespanhol
CURA RADICALMENLE
escropholas, rheumatismo, escorbuto, eo-
ermidades venreas emercuriaes. chagae
antigs, morphea e todas as molestias pro-
renientesd'um estado vicioso do sangue.
Emquanto existem varias imitncoes e
(alsificaf os, preciso a maior cautela par*
ivitar os engaos,
A legitima salsa de Bristol vende-se por
CAORS 4 BARBOZA
JOO DA C. BRAVO 4 C.
Jo2o da G. Bravo ft C.
Deposito geral em Pernainnuco ra di
Cruz n.22 em casa de Caros
BOTAS
Novamente chegadas bolas rn>sianas e perneiras
da melhor qoalidade qae temos vi.-to : na loja de
vapor roa Nova n. 7.
MaDteigaJiDgleza flor por 800 rs. a libra, cha,
rotos delicias apraiiveh a 1* a eaixiDba de 50 :
na rna da Imperatrix n. 6.
Vende-se urna preta cosinheira e lavadeira
sem vicio nem achaque algnm e quem a qoizer
eomprar dirija-,e a ra de Rangel sobrado n. 43
esqalna do becco do Carcerelro.
Vende-se urna prela crioula, moca, bem pa
reeida. saudavel, stbe colniPj 4avar de sato e
varrella, propri para algom eogeoho : a tratar
na roa da Cadeia do Recia o. i, i" andar, a qual
quer hora.
\m\\m
Velase um tmno cavadlo : quam o pr*eoder
dirt}-M eocteira do Sr. Paulino, oa a roa Nova
o. DO.
Urna propriedade na fregoezia d (Tejocopapo,
distante da cidade de Goyaona: 3 lenuas denomi-
nado Serap'd de deitro, coja lof d < finado Bau-
deira, comprehendondo 300 bracas da frente o
meia legua de fando, eoberta parte das vaneas
de maltas virgeos que nanea foi Irakaitiado e gran-
de exlencoes de mangues que val dar ao rio para
desembarque de qoalqaer banc.iga. as altos sao'
de aila producao lamo de canoa como de ressa,
corlado de riachos permanente de agua den-e pro-
Ipriopara nm etceMente eogeohjx ou sola de ga-
I dea,. e com ama grande casa do vivenda e avia-
mentvs d? faer farinha, qnem ffeteder dirija
i ra do Imperador o. 44, > Mar que se f*z
iodo o negocio avista da precisao em que se acba
o propietario.
'li. qaal esta' bem afregoezada para a Ierra
uat.i aa Boa-vista, roa da lmperalriz n. 46.
saceo :
ton. 14.
Farello a 4.$S0O
na armazem da lsirella largo do Parai -
Vende-se o deposite da ra do Pilar n. 82,
oroprio para qualquer principiante por ttr puncos
fondos, todo negoci.i seo dono faz por querer re-
tirarle para tora desla provincia.







rr^rr-
Mas*.
--"
*
Diarlo de
SemU lelra lidc aoelro de
;1U

O ARMEZAM
CANTIL
4WTO"D18 AZBMDAS
53 RA DA CADEIA 53 ,
i vlVOO O ARCO DA COJ% CEU lO.
Acaba de receber e tem por bartissimos presos
alm de sea acostumado e muito completo sortimento
de gneros os serrantes abaixo declarados.
Queijos de Minas.
pegados pelo ultimo vapor a 4i>60e rs.
Gomma de milho brane*
americano.
melhor qoc ba para papa, plo-do-l, bolo,
cangica, reme etc., maito substancial e
suda ve l a 6*0 rs. cada paco te de 1 libra.
SALMO EIAGOSTIN
enejado allimameote em latas de 2 libras
iiH)Q rs. cada ama.
SOCLATE
MUSCATEL DE SETUBA-L-
o maito escolente vinho muscatl por 20*
a caixa de dzia e 2j a garrafa.
CHA
hysson de primeira qualidade a^OO rs.a
libra, Bltm o crae ha de mais fino a 3* rs.,
alm destas ha muitas outras qualidades
proprias para veader a retalho, que se rende
de 10000 rs. a 2* rs. a libra.
CHA PRETO
o mais especial que tem viudo a este mer-
cado a 2#600 rs. a libra.
MACAS
r "
trancez a 500 rs. o pcete, dito hespanbol estrechas para sopa em caixas sortidas de
apecial, o melhor que temvmdo ao merca-, g 1brag pOr40ooors> palharim, macarra,
4o a 10280 rs.
LATAS DE LINGUICAS
com 6 libras ermeiicamente fechada a
4*500, e de barril a 640 rs. a libra.
VELAS PARA CARRO
m acotes ite 8 velas a 900 rs.
VNHO DO RHENO
<> verdadeiro a 20000 a garrafa.
BORDEAUX
as mais acreditadas marcas: S. Jalien,
Baot Brioo. St. Emilion e St. Esteph a 800
ra. agarrafa e 8(5000 a dazia.
O EXCELLENTE E AFAMADO
COLLARES
agarrafado da bem coohecida casa de De-
ant 4 C.a a 100000 rs. a duzia.
PORTO
versas qualidades engarrafado, inclusive o
mais fino que ha n'este genero por 800,
15000, 10200, 10400 ei05oO r3. a gar-
rafa.
6LD CHERRY
n maissupe-ior do mercado a 10500 rs. a
garrafa e 150000 a duzia.
VINHO BRANCO
aicellente qualidade, de Lisboa, e proprio
para missa a 800 rs. a garrafa e 80000 rs. a
caixa de duzia.
VERMOUTH
superior qualidade em caixas de 12 meias
garrafis por 120000 rs. e cada meia garr-
is 10200 rs.
.

por 40000 rs, palhari
etc., a40 rs. a libra.
PREZUNTOS
os verdadeiros de Lomgo a 640 rs. ahbrare
560 inteiro.
JALE1A DE MARMEELO
em latas a 800 rs.
MOLHO INGLEZ
diversas qualidades a 720 rs. o fraseo.
MOST\RDA INGLEZA
muito nova a 800 rs. o frasco.
MOSTARDA FRANGEZA
a #40 reis o frasco.
ARENQUES
em [alas a 600 rs. cada urna.
GARRAFAS
brancas para mesa superiores a 50 rs. e a
60 o par.
COPOS
diversas qualidadese taannos a 30 rs., 40
50 e 60 a duzia.
CAPACHOS
de cores e differentes tamaitos a 500 rs.
640 e 800 reis.
BALAIOS
diversos feitios epara compras deSArSOV r'.
at 20 rs; ditos grandes proprio para roupa
de 30 a 50.
GAZ
ornis superior gaz liquido em latas grandes
com 5 galoes por preco de 100 rs.
M DA G.tEI4-S3
QRAIOFi I.IIJIJI P%A
23 largo do Terco 23.
Joaquim Simo dos Santos, dono deste bem sortido estabeleciment de seceos
molhados, faz sciente ao respeitavel publico, tanto desta prac como de fora, que ve-
bam fazersuasde para menos preco, caso fossem comprados em ontra qualqaer pane. Etodo o freguez
fue comprar de 1000000 pira ci na ter o descont de tu % pelo prompto pagamento,
;sz-se esta grande diffdrenca por estar-se em liquidaco.
Gaz americano a loo rs. a gararfa, e 90 a lata.
Caf do o de 1.a e 2.a sorte a 2io e 2oo rs. a libra, e a 60 e 70 a arroba.
Queijos de diversos vapores a 204oo, 208oo e 30ooo cada uin.
Pho>phoros do gaz a 02oo a gros, e em porcjto se faz abatimento.
Cerveja de diversas marcas, duzia 50, 505oo, 60 e 70
Arroz da me hor qualidade a 12o e lio rs. a libra e a 35'too e 302oo a arroba.
Paad de linho marca viadoa 40ooo a resma, em porcSo haabtiraento.
dem fin > de marca martello a 505oo e 60 a resma.
Viubo das melhores e mais acreditadas marcas, a 207oo, 30 303oo e 40 a caada e
a 36o, 4oo. 5eo e 56o rs. a garrafa.
Mem bronco superior qualidade a 40 a caada e a 56o a garrafa.
Cha min linho egraudo da melhor qualidade a 20, 202oo, 205ooe 208ooalibra.
Maaleiga ingleza fina, a 101oo, 1012o e I02oo a libra, embarris ha abatimento.
Ide o mais baixa a 72>), 8oo e 9oo rs. a libra, em porejo ha grande abatimento.
Iem franceza muito nova a H4o rs. a libra, e em barril ha grande differenca.
dem mais baixa a 48i, 52o, 56o e 6oo rs. a libra, em porcao ha abatimento.
Vinho d) Porto engarrafado e em barril a 64o, e a 10 a garrafa.
Alm destes gneros ha outros miitos assim como bolachinbas de soda a 101oo e
:;0alata, chnuricas e genebra de todas a6 qualidades, massas para sopa, copos a 50 a
uzia, s no Conservativo largo do Terco n. 23.

roa N





t


i
:
i
w
a
S
>' 2! o
o
. B
MACHINAS AMERICANAS
Verdadelra* do fabricante X. Y. Canttongln & C.
Moinhos americanos para moer milho.
Na ra Nova n. 20 e 22, grande deposito
das verdadeiras machinas americanas de todos
os f br cantes; se en ontra neste deposito
grande porcao de machinas, e se vender por
menos preco do que em outra qualquer parte,
por se receber em direitura da America; se
fornece todas as explicacoes necessarias ao
comprador para cooservaeSo das mesmas;
neste grande estabelecimento se encentra mui-
tos arligos americanos, que muito deve agra-
dar aos agricultores que usam de taes artigos,
enconlra-se tambem toda. as collecc5es de de-
senhos sobre os quaes se aceita qualquer urna
encommenda, que com promptido sera execu-
tada; neste grande estabelecimento, encon-
lra-se em grosso e a retalbo, grande porclo
ie ferrageos, e miudezas que se vendem por preco commodo, pedindo-se a attencSo
de todos para este estabelecimento que maito lacrarlo em azer suas compras: na
roa Nova n. 20 Carneiro Vianna. .. ni ,
i?j^rH.r?J^J^raj^j^LTE_r^r5jur-H-r^
|S

?:??l.&SiB|a.r
SS-lsl^aSs-l
^=E.e|s^Sp* = SI
3aoIsa 'c3a S
-8-~,a J-s-f -S.I

R
OLTMPIO GONQALVES ROSA
Ra do Livramento n. 14.
O propriettrio desle estabeleci meato faz sciente i repeitavel piAlico e aos seos amigo*
fregoezes, qae um augmentado a saa offieina le alfaiate, ee**rlgWa por om hbil tnestre, se enenr-
rega de fajar com promptido qualquer encommenda, das pesoas que qntzerem honrar seo estabele-
cimento por presos mais baratos.
Assim como lem ao complete sortimento de fazendas Boas (as quaes nao sendo cosame pro-
corar as lojas do Livramento) espera qae seas amigos e fregueze; o honrem com saar presentas,
oois vende mais barato qae ootro qaalquer.
B4SPX4S DE SEI)V PBETA.
A* loja-de fazendas de Augusto Porto & G.
11Ra do Queimado11
A' loja do Augusto Hirt* A C. chegaram as melhores basquinas de seda
preta que se tendera por* mdicos oreos.
Vestidos de moin do'cores para bailes e partidas.
Ricos vestidos do Blond om manta e capella para noivas.
Costumes completos do casemirt para homeiw, fazeoda especial, sendo
as calcas e palitotsda oHima moda.
Bonets de palha da Italia para senhoras e chajios de phaotasia para ho-
meos.
Enxoviese feltidoi bordados para baptizados de 4O0OOr>a 3rW000.
Camisas inglfezW pata nomm, peito, punhos 6 colarlnnos da ho supe-
rior.
Ricas saias de lioho bordarlas, M5es, espartilhos, meia finas, lenees
bordados, camisas, caroisinhas, manguitos bordados para senhoras.'
Cohas de seda, do'lia e seda para camas de noivas.
Cortinados bordados para camas e janellas.
Tapetes para sof, cama e piano e pannos para cobrir mesas.
BrmarJte, Brilhantina, Sficiennes ou cambraias de pafos, fazonda muito
bella para vestidos, silesias, bretanhas, e cambraias transparentes tapada e
de linho.
Moireantique branco e preto, sedas brancas, de cores o pretas, e gres-
denaple d)e todas as qualidades.
Brins de linbo branco e de cores dos melhores.
Neste estabeledmeiMo ha sempro sortimento das melhores o mais baratas.
Esteiras da ludia para for ar salas
41 Riifi do Qnelmadofl
Vapores. __.
Vende-seem casa de Sanodrs JJrWbjrs &C.,
so larjto do Corpo Santo n. II, vaporf pitones
comtodusus perieoces {Toarlos |4kr4 fatr nroter
tres ou qualru uiactiinas daj^desBolfecar algodo.
POMMH MMk
Vende-se potAS?a da Rns qualidade a mais apr (rfada para t fabrio* de
assucar a prec. > rasuave.^ M xtmtS 4i Jos O
Silva Loyo i C.
___________.__________im------* fc'V
Ao trieolfors
Saanders BrotAsTj f'f*MnJ*M'
Liverpool vaporeie^f J *capraU(
todos os perteoPeBV* proprws ara r
ver machinas dadiscafocar algoao.g&di
vapor irabalh;.r **8 BfHOserrae,
vera para enfardar rff^So M paTa <^7Jgwfoar
servido em qae UM mnmtf CWB aotaww. ^u
mesmos tarabenf te yeoa "?*.. *%
as de 3o a 40 swrrwjj fetttwOwt twp^^
se so largo do Carprt StOW*1. ti-______ .... -
Admirem os presos
IU amaten de lazeadas de SanUf
0*lhp.
Roa doanHNado n. 19
Teavje-it:
Hadapollo enfestado H a 9^ a pe^a com SO
varas. f/zr
Ditos de 7J, 7#80O, %fi, 9#, lOf e Uf a peca oom
90vrs. _
CoMWata de Hst* de 800 rs. a tan,
loes de arcos para en\o% 21500, 34 e31800
fW de icos B".%n%>dat)A500 e 4|.
oma a
Loja do e^to Tigft
RA D9 (Sfeftm V: 1
Grande e varia* aortiriDA wnuUvero-
sos objectos de apAido gdato qao |*'*f
LOJA DA FRAGATA AMAZONAS
r.
DE
Monteiro Guimaraes.
JS. 5 Hua do Qoeim^do n, g.
Os dunos deste novo estabelecimento chamara a attanco das Exmas. senhoras que
gostam de usar objectos de modas, para que se dignem vira passeio a sea establecimien-
to apreciar alguns destes artigos de ovidade ultiminuntecliagados pelo vapor 'rancez,
e-que esperara merecero approvaco do bello sedxo.
A Fragata acaba de receber novo sortimento de sedas de cores, pretas, e bran-
cas, em cortes eem pecas, as quaes pelos sus elegantes desenlias e boa qualidade se
tornara recommendadas.
Lqaes de madriperola de 18 a 800000 um.
Lques de sndalo novos gostos.
Chapelinhas de seda e palha para cok.
.Chapeos de sol de seda para senhora.
Ricos cintos befa Helena (novo gsto)
Cortinada bordados para cama.
Colchas de seda para cama.
Cortes de blond para noivas.
Bisquines de seda bordados de 15 a 600000.
Cortes de cambraia branca bordados, e outros muitos artigos que menci-
nalos seria enfadonho.
0 tro sim, os donos deste no7o esablecimento se considerara gratos, para com
todas as Exmas. senhoras e senhores, que ten frequanudo seu estabalecimento e cada vez
mas se esraeram a fim de bem servir a todos que queiram honrar ssu eslableeimento
com suas presencas.
; PREPARACOES FRREAS-MAHGAHICAS
APrROVADAS PILA ACADEMIA DE MEDICINA
DE BURIN DU BUISSON
Piamaceulic, laureada pela Academia de Hedkina de Pars
TT
sa
LLU
i a
i
O eminente professor Trossea, na ultima ediclo de sen Tratad de Tkera-
peutua ellaUna medica, reconhece qae os ferruginosos simples ste raofta*
Tetes mefcazes ara corar as molestias que tcem por causa o empeferecimenta
de sangne. Mnttos mdicos dos mais distinctos attribuem esse m o xito usencia
n essas preparacocs, do.mttnganese, que se acl no sangne, eomo o tem reconhecido
os chimieos os mais peritas, sempre intimamente unido com o ferro.
E pois, prestr-se um verdadviro servico aos S" Mdicos, o chamar-se sua attence
sobre as preparacocs seguinles.
Io Pos ferreos aaoganicos
dando immediatamente orna agua, acidulada,
gazoza, agradavei, snbstumdo com tantagem
economa as aguas mineraes ferruginosas. .
Pililts e Xarope de iedurete de ferro e ie mmm inaltemeis
eontendo cada urna cinco centigramos de iedureto de ferro mangasico indiosdas
Tymphaticas, escrofulosas, o as kUHlIft opa-
}0
t
partkalarmente as molestias
cresas e tuberculosas.
rteeiiadas espeoialmente
para a cUoras, ane-
mia, a leucorraea, ame-
DorrbM. A imUratto da
alternar estas doas prparaoM d oa metoores reMltados.
0 P Bwin da Baiseon eeojaaao oater a aaaeaio eompWa Jo pubKeo maao a
T* A!^i^!f^y*i*n>t8e'' previm qae elle u po> grtinitameate a su
NoPriiaaiitc#,amafrtefil,Manre*aCSta,pharmacetic^
Brases de kcttto de ferro e de iiMiaese i
Pilmas de carboiato ferre sugaiuei

Voodo-sejna pharmaciaAde P. Manror A C, ra Nova.
TTTT
l
INJECCOeGAPSIAS
CRIMATILTCLfPHAnMACtuTicostmPAHIS
Novo tmamento preparado com as folkoi $
Watito, ornare o Ptru, para a cura rpido e ia-
fsllTel da Gonorrhea sera reecie atgam da coo-
trs*eloacn*lofldatafkmina^aainest.
0 clebre dontor Ricorb, de Para, tor Muonciodo,
desdo saa apertelo, ao emprfo de qalaatr
airo tratamenlo. Essprafa-se a njaeoto m
easneo de fluxo; as oafuiu em todos oa eaaos
ahroaioM o inveterados, aae roatrto is prapa-
rocoosojo ooaaaa, oaboaa o s toioesaes eon basa
ssataMoa.
A vouda oaa pnarmacias d P. Mauxer i
C. e A. Cara, em Peramfauco.
-^oBJeae norW ^as Vroa "
teareno para edificar orna ootra, e t paio
frente, sita, o roa 4* Ajana e. Qtind
ur na roa fio Amorto tiTji, com Jlo
Plmenl.
VE\DEMSE
a presos reduzidos os
segmntes livros:
A lef do sello pelo cantador Emilio, 1 volme
em portagaez, bastaste grande, a 1 jOOO; os
,-Martyres Parnambac^no-, 1 velme idem, a liDOO;
ObservaeSesi ale jos rem do cdigo do oroces-
so pelo Dr. Hende<, a 14000 ; ditas ao cdigo pe-
nal, pelo raesmo, a 1*000 ; Procuraos* eatra-ju
diciaes, pojo Dr. Tnodade, a 500 rs.; Lls sobro
terrenos de manaba, pela mesrao, a 500 rs; Dic-
cionario do Alto Amazonas, a tV)00 ; Simio de
Santua, abra maniota, muito bem eneadernala, a
640 ; Lyriea 4e H'caeir tradoyaa em verso pur-
tuguei por sTt*tno Oavtewx., t volomes bem im-
prmsofi o brootarados, a 2*000 ; Economa da
coa Vida Bumans, a MO ; Catheetsoo fias vfrdades
aimos d oathoilcas -, --artas de ABC o taboadas a 40 rs.;
"- natneeinos a tiuatnna cbrlstla s 80 rs. -, na offl-
jflua typographica da raa db Impvador o. 18, de-
ronto de S. Francisco.
I* d dPCs pfA IdBs dV 1*600 e 2*.
Tftaltas dtrtflbo *rod)ndas a ft* a duzia.
^DUar arbv>(psi>a<9f a datia.
Braasaate de lis*o com 10 palmos de largura a
SflnOO a vara.
Dito de dito e 9 tit dito a 1*400.
Orto di de 8 (tito a ***.
DUB m de" J f|t d*0 s 800.
AlpoiHo entestado wm 7 i i* altos a 1*100.
Rotoodes de ONr preto a 7*.
BooriMJs 6 dito a 10*.
Chales d dito a 8*.
Cambraia adamascada para cortinado com 20 va-
ras a 13* a pega.
Lencos brancos de cambraia finos de 2*, 3*.
3*500 e 4* a dux.
Laatinba com Horas muito fina a 400 o covado.
Dita lisa d.ta a ftO o covado.
Cambraia de linho Oua de 6*500 a 9* a vara.
Cambraia lisa muito fina de 5*, 6*, 6*500, 7* s
8* a peca.
Colxas de fusto alcochoadas brancas e de cores a
6*000.
Cobertas de ebita da India de 2*400 e 2*800.
Lences de h .mhurgo fino de 2*400 e 2*000.
Ditos de bramante de nro s panno a 3*200.
Ta ra tana de todas as cores a 800 a vara.
Moreantiqoe preto superior a 29)600 o covado.
Grosdenapie de dito a 1*800 o covado.
Plandla te cores a 800 o covado.
Cambraia de salpicos branca com 8 ii2 varas po-
ca 4*800.
Pil de linbo liso fino a 800 a vara.
Dito dito com salpicos a 900 a dita. /
Guardaoapos de linho para mesa a 3*800 a dazia.
Assim cerno tasobem se encooira um completo
Hortimento de roapa feita e por medida.
Francisco Jos Sermann
PASTA XAROPE de lAlf a AtAHA
BK BELAKRE!TER
,' Si o oa uIcm MltrM( *f pt4o fl* pwfiiHTM Sm
1 Ptcilud d H4Mm t Frip?., por M mrictt <
plUM dt Ptri, o qiiM oartMearfataM* *u lawit
rldide Mkr* UdM otlra* ptlunu oa* ftimm
fScacl etntra o* BaSoxM, rlyM. HiNi|ln M
ASMSm do plt di |rsMl.
RACAHOUT DES RABES
ne DsmsjtemsBnsK
nico tllmenlo ipproTido U AcsdtamS* IMIcIm 4t
Pariz. EUa rcswkelec u yeuScJ qn uArim de *-
bus e di Mullm; lorultw t rtWM I ti pwrtM
deliiliud, JtiB aluo a TlrMi* i* iu mfrititi a
i.ptiM h o Belhor prMtmTs iu rbrM imiriita
tjvhoM*.
Cada frasco ctdi caliliaa ilti yrnnoaol 10
niri t tctU m Sraia Otlmfmimr, rna RlchiUtn, SS,
m Pariz. (Faiar Kdza> aiiuft* c as falcice.)
Bepojiurlai do Pwwlw.i ;
A venda as pharmacias de P. Manror V
e C. A. Caors, em Pernambuco.
mente acaba de cheg *sjr osw bem co-
nhecido estabeleci uento, foi sett corres-
pondente em Pars o mais habilitado pa-
,ra a escolha de taes objectos, pmoacom-
(pradores podero apreciar, como sejam lio-
idissimos enfeites de cabeca com cok de
cabello, e sem olio.
S no vigilante roa do Crespo n> 7.
i;n ilrs
Roques com caixos e de novos penteia-
dos.
Trancas pretas e de ceres, e de todas as
larguras, com vidrilho e sem elle, para en-
feite de vestidos.
Bicos de seda com vidrilho e sem elle.
Gravatinhas de velludo para senhoras.
Gravatas e mantinhas de seda para ho-
Inem.
Gravatas brancas maito finas.
S no.vigilante ra do Crespo n. 7.
Voltiohas para meulaas.
Voltinhas para meninas.
Pulseiras para as mesmas.
Correntes para relogios fingindo cabello.
Riquissimos sintos, fivel'as efita- para as
mesmas e de outras muitas qualidades.
Riquissimos pentes de taataruga.
Filas de velludo de todas as larguras.
Lindos enfeites para vestidos, chamados [RA NOVA N. 21,
Chrispianne Margante. j acaba de receber nm lindo e magnifico aor-
Riquissimas flores para vestidos e para tiiaento de oculos, lnnetos, binculos, do ni"
cabeca. j timo e mais apurado gosto da Europa o osa
Capellas com canos flor de laranja, pro- los de alcance para observacSes e;para ;o
prias para noivas. martimos.
Meias de seda para senhoras.
Ditas para meninas.
Riquissimos chape'osinbos e touquinhas
para meninos e meninas, meinhas e sapati-
nhos do seda para os mesmos.
Lindas sextinhas e boleinhas para bracos
de meninas.
Meias pretas de laia.
Lindos aderecos e brincos.
Aderecos completos preprios para luto.
Lindos port joias e port relogios de dif-
ferentes tamaitos pioprtos para um deli-
cado mimo.
Riquissimos livrinhos com capa de tarta-
ruga para missa.
Aderemos de flores.
Riquissimos aderecos completos, sendo:
voltas, polseiras, brincos, nlfinetes, grampo
para cabelps; tudo i-to feito de todas as
flores de ultima moda em Paris.
Gravad ahas.
Tambem chegaram bonitas gravatinhas
com flores, e com allinetes proprias para
meninas e senhoras.
Ros t s* e brincos,
Riquissimos brincos e rosetas inteiramente
novida le e tudo de mnito gosto.
Touquinhas.
Riquissimas touquinhas de lioho e seda,
ponto de corx ricamente enfeitados e de
muito gosto.
Fita.
Riquissimas fitas de chamalote, sendo: ver-
de e ama re lo, tecido na mesma fita.
Agulhas de marflm.
Tambem chegaram as mui desojadas agu-
Ibas todas de marfiai, para trabalhar em 13a
e sem corx.
Sextinhas.
Tambem chegaram bonitas sextinhas de
palha Gna, proprias para meninas.
S no Vigilante ra do Crespo n. 7.
Espelhos.
Riquissimos espelhos grandes e bonitas
molduras propnos para salas ou lojas assim
cumo outros de differentes tamauhos.
S no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
>Para os pais de fami'ia:
Verdadeiros
Cellares Rover
Electro Magnticos Anodinos
Ou Collares Anodinos, para facilitar a den-
tic5o das criancas contra as convulsSes
das mesmas, a estes collares nos escuzado
fazer qualquer recommendacio, visto a
grande utilidade que tena produzido aquellos
pais que os tem applicado em taes circum-
stancias pois nos parece que nao haver um
s pai ou m3i que por este meio n8o quei-
ra por termo a taes soffnmentos de seus
filhinhos visto ser nm mal que tanto os
flagelia, pois a estes collares acompanha nm
folheto que ensina como se deve applicar, e
vende-se na loja do Gallo Vigilante, ra
do Crespo n. 7, pelo preco de 45000, sft
e 6^000.
Doces
Grande sortimento de doces secos e crjrstalisa-
dos e em calda eslrangeiros e nacionaas : no ar
tnazem da Liga roa Nova n. 60.____________
Para a abertura das aulas
Cartas de A B C, taboadas, catecismo, verdade
aos meninos, grammatiea e arithra-tlca por Castro
Nones, cartllhas, biblia da infancia, .caminbo do
co, devoto ebristo, SimSo de Nanlna, ecoaomla
da vida namana. raartyres pemarabocaoos, regras
nm i facnU para entender a cnatabiiidado em ver-
sos por Giroboa, :ateclsmo das verdades catholf-
cas, traslados, pautas, papel de peso e almago de
mnltas e diversas qnalidades, liso e pantado na
ra do Imperador defronte do convento de S. Fran-
cisco ni 15.
Vendem-sc
fundos
PHOSPHATOdeFERRO
LDE LEBAS DOUTQR EM SCIBNGMa]
NSPtOTOa ACADEMIA DE PARIZ ttc
Na existe edieamoa (oirncinosa tio nouvel
como o Phosphaio de ferro ia loras; as ssmmi-
dades medicaes de mando inteiro dopuram-ao
com soMieitade sem igual aos annaes da sciencia.
As oerao paUiias, ioret de attomaae, diautbat
penouu, anemia, cmvoloteomao* diffieo, Hado
critica na* toaherat, irroaalaridada na mam-
truacie, pobreta do tanque, lymphatitmc, tMe
curados rpidamente ou medicadat por m
excellente eompotto. E' o conservador por oxoel-
lencia da sande, o declarado soperief aos hospi-
taes e pelas academias a todos os fermfinosos
coahecidoe, a ioaeretfi e ao curato de ferro,
porqno o anieo ime coavem aos eitomafss de-
licado, fs oslo provooo ceMtipteio, o aaieo
Urabsm sjat nlo ennegrece a bocea o pa desasa.
dons armazens na roa de Apollo, e cojos
vo ao rars do mesmo nom ns. 38 e 40.
Um sobrado na rna dos Guararapes n. 26.
Um sitio com casa de viveoda, 3 vivtiros, mui-
tos arvoredos, e grandd proporgo. na estrada de
B'ie.-n para Santo Amaro, conheeldo pelo sitio da
Torre.
Todos e;tes predios acham-se era bom estado.
Os pretendedtes dirljam-se a ra da Seniala-no-
va n. 41, em casa de S P. John?ton & C.
Mathues Austin &- 0.
Vendem no seu arenasen, rna
da Nenzala-Vclha n. 106.
Latas com gaz de primeira qualidade.
Barricas com farinha de milho muito
nova.
Saceos grandes com farelo novo a 40.
Barris com pregos americanos.
V'iuho diTPoTto superior on mu it
Dmn dazia.
Vende-se no escriptorio de Antonio Luiz de
Oiiveira Aievedo & C, no seu escriptorio ra da
Crin d. 1.
Vende-se
marbinas americanas de serrotes para descarocar
algodo na roa da Senialla Nova a. 45.
Charutos da Baha.
Superiores.
Havaoeiros a.......44500
Flor de Havana......45000
Delicias......v. 3*500
Lyricos em meias caixas 5 Americanos malas ditas. 54000
Suspiros dnos meias canas 3*400
Regala-Imperial......30t>0
Brasileiros ....... 3*000
Suspiros superiores .... 1*8(0 o cent.
Para acabar : na Liga, ni Nova n. 60.
"Xarope do Bosque.
Cpegou a botica do Jos da Croa Saatoa, aa raa
Nova o. 51, o verdadeiro xarope do losqu, esta
eicelleote remedio efileai na cara das deOuiOes,
toces, phtisicas, asthmas, bemorrhagits de saagod,
paitadas, dore do peito, palpiia(5es, coqoeiacbe,
bronchltes, dispepsia, molestias do Qgado e escro-
pbulas; prego 5*600 as garrafas e 3* as meias
garrafas.____________________
Fio de algodo da Kaaia
wde-se no acriptorja de Aolso|<> Luii
veira Aievedo A C, no seo escriptorio roa
n. i.
Deposito as pharmacias de P. Mauro
C. e A. Caore. em Peroamboco.
llOlfcS

Grande sortimento de doces soeces, crystallsa-
dos o esa salda, estrangeiros e aaeionaes : no ar-
maiem da Liga raa Neva n. 60.
-xYiaoWsittfsJ A e'Bem caloaa,'
casa para familia, arvoredos a algnm terreno,}
trata se na roa doQueimado.n. 18 A, com Carvi-
Ibo* Bostas.
Urna mobilia
Veadom so i eoasotos, i safa, 1 eadetras Ao ba-
lanco. I mesa redonda, 1 esta fraotssa, l lavato-
rio, 6 cadeira. todo em perfeito estado e da gosto
moderno : quem taes objectos pretender dirij-se
a rna das Crutes a. i, segando andar, que achara
com qaem tratar.
7
Farello a 410O boto.
O* roa do Apollo a. i___________
Veode-se ama machina de costara do oa-
rbor abr cante : em casa do P. Joven 4 C, roa
da Imperatrli n. 17.
1
calu.


M,

>
nMBotta


"r*m
*"'-~

<*
tfc fc ** tana --- -mi< de f cMumbuco r- serta Iclra ti deJaaeko 4c 1867.


i
V
i
p
\





'
"

Remedies e J)r. J. C Ayer, M-toato
da Cnivcrsidade de PeDsylvania,
Eslados-Unidos.
Extracto coutpoito de al*a-par-
rllaa de Ayer.
Peltoral de cereja.
Reaaedlo paraaezdeg.
Plalas catatar tica*.
0 deposito central para as provincias
Pernambuco, Alagoas, Parahyba e Rio-
Grande do Norte, destes remedies tSo fa-
voravelmente conhecidos e acolhidns en
todVs as partes da America de Sul e do
Norte, adba-se em casa de Theod Chria-
ttMKi, 16 roa-A Trapiche en
Pernambuco.
Os precos de
330 por duzia de estrado de salsa-parrllha.,
270 por dazia dapeitOTal decereja.
275 por duzia de remedio para sezes.
70 por duzia de pilulas catbarticas
se entender dinkelro vista, oa
o descont de 5 por cento em quantidadei
de 6 a 12 duzias, e de 10 por cento en
quaotidades superiores 1 duzias.
Perfumaras novas,
A antiga loja de mlodezas a roa do Queima j
b. 16, recebeu novo sortimento de perfumaras
sendo fios extractos e esseccia concentrada, chei-
ros agradaveis para lencos, leos surne, pniloco-
me, e babosa para cabellos, bauhas e eosroetiqoes
tambera para os eaDeltos, poz de coral e hygieuicos
para denles, opiata iogleza e franceza para ditos,
sabonetes em barras qaadradas, ootros em eatxi-
nhas, e ouiros de bollas transparentes para mo.'e
entres rnui finos em ealxiotv.s de lotiza para bar-
ba, agoa da coloniaje superior qualidade ero fras-
cos de dfvrsfls rmarihos e prego?, agua ambreada
para baofaar e refrescar o rosto, agua, florida (da
verdadeira) tnico de Kemp, e muas outras per-
fumarias qde a vista da boa qualidade e corarao-
didade de precos, o comprador nao oojectara'.
lea? pretas de la e de-Ma.
Para padres.
Veodem-se na loja de raiudezas a' roa do Qnel
mado o. 16.
tara baptisado&.
Bonitos- napebM) enfeitados, sapatahosde*
setim e merm, bordados e enfeitados, meias de
seda, e fio treseucla Jiffa"fliTUs. Veodem-se na le-
ja de miudesas a' ra do Queimado n. 16.
Bicos e rendas das ilhas. $
A leja de miudesas a' ra do Qaeimado n. 16,
receben ndvatedfe outro sortimento daquelles bons
e bera conhecidos bicos 'e 'rendas das HhSs.'eoja
forlido, e segranos de lecido, tries da' immensa
doraco e os differeoles bs a que acertadamente
sao epplieados fazem a grande procura, e prompta
extraego como constantemente tem acontecido ;
assim pois cencorram os pretendeotes, qne a vista
da commoddade dos precos nao objeetarao em
comprar.
flraxa econmica.
Em eaixinbas, latas e barr*, a' toja de mndsas
a' roa do-(iknado 16, recebea aovo sortimeo-
lo dessa boa graxa econmica.
Lia, para bardar
A toja de miodesas a' ra do Qoeimado n. 16,
receben novo sortimento de la Qna de bonitas co-
res, escemo setal pfo vettdo-a baratamente, e o sor-
timoto a conten do comprador.
Bonitas caixinMs.
De madelra cora afeites dourados, e outras de
metal part gerdiir jWas. Vendea>se na ra fio
Qoeimado leja de rmudesas n. 16.
fiftite e ftrioaldas.
Na loja de mlndesas a' roa do Qaeimado n. 16,
acuario os apreciadores do bom, om bello sorti-
mento de bonitos enfeites para bailes, theatros e
casameotos; assim como delicadas grinaldas para
noivas, nalxoBOVlfcref finas para enfeltar os ves-
tidos de ditas, e mu tos outros objectos, e todo se
vende por precos to rasoaveis que o comprador
experiente, nao se atrave a objectar a respeito.
Babadinhos tardados, tMilremcios ditos.
Todos de fina cambraia e delicad s bordados.
Vendem-se na loja do miudesas a' ra do Quema-
do n. 16.
Plumas brancas t d ca s.
Vendem-se na loja de miudesas a' roa do Qoei-
mado B. 16.
'Franjas
Com borlas e sem ellas, para cortinados, toalbas
etc. Vendem-se na loja de miudesas a' ra do
Quelmad n. 16.
Boas e "Ditas fitas.
Lizas e lavradas, larga- e estrenas; vendem *e
na loja do miudesas a' ra do Qaeimado n. 16.
Bonitos enfeites para vestidos, y
A loja de miudesas a' ra do Qaeimado n. 16,
esta' recntemeos provida de mu bonitos eufeiles
para vestidos, seado bicos de seda tanto braoco
como pretos, de diereutes larguras e com vidn-
Ibos, ou sem ellos.
Trancas e gares de seda dos ltimos gostos, di-
tas com vidrilbos, pretas e brancas e de differeetes
larguras e gortos. Fitas oe velludo pretas e de
cores, com lista as relas. E assim multas outras
cousas de moda e novldatle, e tudo por pregos fio
commodos, que o comprador tica satisfeito e nao
objecta a comprar.
Bollas de borracha.
Bediversos tamanhos para brinqedos. Ven-
dem-se na loja de miodesas a' roa do Queimado
b. 16.___________________________
Vende-se vinho de Bordeaux em quartotos
barris e caixas : em casa de Tisset reres, ra jad
Trapiche ,'8.______________________^___
i..
----------1-----
Hf-



Grauue e
de

VlITAGENS
AO PUBLICO
NA LOJA E ARMAZEM
DO
Baldes barato*
Vende o Pa?5or
Chegou nm grande sortimento de balees de ar-
cos sendo americanos que sao os memores e veB-
dam-se peto baratissimo prego de 25500, 3J e
31600: na loja do Pavao na roa da Imperatrii n.
0, de Gama & Silva.
A iOO rs.
Ra da Imperatriz n. 60
OB
para hito, rende
Pari.
Vendem-se laziohas pretas proprias para luto
pelo baratissimo preco de 100 rs. o eovado : na
loja e rmatelo do Pavo roa da Imperatriz o. 60,
de Gama d Silva.
Qroehea
Para cdeiras
Para so fas
Para camas
Para presentes.
^rtrZSStT^S^^' Parr^ofTcadSf^qoV'se
suas fazendas po> occasia. dotalaVo tZTpZ h J?*l? SttSK^.!
cederam em *tdrtreWlirbTO Olt,mo ; porm para!
m\ i silva.
Os propietarios (hite grande estabelecimento '.
tendo po anao prximo passnde ventlie gTaudej
PoderemLni_lanr eaprsenla? ^M^^Jf^*"1'0 roa da ImPet" n. 60, de Qa-
blico os seus numerosos fregnexes laoto desta pra-
5a ooaodo mato um.novo e variado sortimento de
todas as qualidades de faxendas, desde as mats
modestas ar as fle mais apurado luxo, nio se tem
pe upado na esoolha della, limitando seus lucros
apenas no descome. Continuara a dar (axendas
amostra, com penher,0Q manda-las .por seus cai-
xe:ros em casa das Exmas. familias.
Grande pechincha
tres test-s.
Lmintias a 800-reis.
iMnfnbasaflOO res.
Lanzinhas a 300 res.
So na loja de Pavao.
Vende se nm variado sortimento das mais deli-
cadas lanzinhas, tanto -com os mais primorosos
g sendoe>te'fjzeiKia 'lia pora, e venderse pelo ba-
ratissimo preco.de JO.res o covade, por ler felto
grande pechieba na compra, se nao seriara para
maito mais dnberro, isto na leja e armazem do
Pavao na rna da Imperatriz n. 60 de Gama &
Silva.
As "saias
d Pavao
pecfaiacln a
iAOQO, iiSO e 1(9600.
Chegou urna grande porjo de pegas de fazen-
da branesr, pteprias para salas, sendo de om lado
bordadas, com moitas barras de pregas, tendo a
largara da Uzeada a altara precisa para urna
sala.- podendo fazer-se com tres e meia vara, e
veide-se pelo barato preco de i e 14280 a vara,'
sendo s com pregas, e a l60 tendo pregas e
bordados, isto-so se vende da leja e armazem do
Pavao, na roa da Imperatriz n. 60 de Gama &
Silva.
Novos vestidos Poil de Ch-
vre a 16000.
Ka loja do pavao.

\Aigoda9z4nho a 4^500'
bem sortido aroiazem
Ra i\ova n 60
Sahio ou n5o sahio, am abillissimo freguezes? sahio sim ; e se demoramos tanto vende-se sopeTtares Pe?a;
em abrir a caixintra do segredo.'foi porque gostamos de sorpreza e das comedoras. Ah j is jardas.seodo aaaawMan azenda, palo barato
Ah! Ah! como osahir deu no goto de rauita gente de coUarinho empinado ebigode fe- preco.de4*500,,na Jojae armazem do r
torcido?! QuaDto'to*erpreta?IoiidicutaerisiveIsoffrean()ssor^bre olla '
veztivemos frouxo de riso nocantinho do nosso armazem, quando vamos quealgueaise
encommodava com essas seis negras letras, que por alguns das deram ai muerto, arde
misterio a urna das columnas deste venerando Diario! E no entaoto nada de mysterio-
sim; riamos a bom rir; mas nunca vimos rir
so havia, como vedes, no patusco sakir
o cavalleiro da Liga porque
Serio e gravoaaicara as cousas
Deste mundo como sao ;
Verdadeiro, 'fll vive
Do commercio a'tradicc5o I
Peis que o sakir se mostrea qual vinde admirar freguezes, como no armazem [
da Liga se opera a mais fina liga do bom e barato. Lede veris a tetd^de vindeprjiB;
.1
na
Nowdade
canil) ni i as de cr.
Em
ChegcD p>ra a loja do Pavao nm grande sorti-
mento das mais modernas cambraias com llstras
largas, watt *o comprido como atravessadas com
as Biais mederois e mais delicadas cores; assim
como os mais modernos orgaodys de listas largas
com lindaslors matizadas pelos centros, qae se
vendem por precos muito razoaveis, na loja e ar-
maiem do Paviai na roa da Imperatriz n. 0 de
(Gasa ,&. SU va.
Rices t filalos ci aucas.
Giicgaram os mais modernos corles de flnissi-
confiamos em que nao terets occasiao de dtzer que ovosso dtnhetro foi'mal empregdo, mas Cambraias com as mais lindas barras borda
nem o vosso bom gosto offendido. 'Eis freguezes e.....la vai ve*so.
Farinha de uilho
ou gomma de milho braneo preparado na America, vende-se 500 rs. a libra, e o cida-,
daoque comprar dez libras vende-se-Haeaa450.
BISCX)DTOS INGLEZES
Soda, Mized, Pic-nic, Francy Cruckeuel, Qenn, Osborne, Gala, Arrowrote outras multas
qualidades a i#000 a lata com 2 e 3 libras.
Bolaxhtlias percales

das, sendo estes vestidos moito proprios para bai-
les e casameotos, e vendem-se por precos razoa-
veis na loja e armazem do Pavo, na ra da Im-
peratriz n "60 de Gama 4 Silva.
Cambraias lisas do Pavo a 3#500,
4(5000 e 45500.
Vende-se um gran3e sortimenio das melhores
cambraias transparentes, tendo 8 varas e meia ca-
da peca, pelos taratos pregos de 3j|300, 4JO0O,
aArt 435W, 5*000,^ 6^0'JO e 71000 a pega ; ditas de es-
em latas de diversos tamanhos 2, 3, 5,8 nbras cada urna e pelos segutntes precos: l#200, c^m com 9 varas Cii w?Sf l(.Ddo mais de vm
2400 e 3000. I<'" 6*000, 7*080, 8*000 e 14*000 ; ditas
Bollabas-com amendoas Victoria a 6*000, 7*000 e SOOO ditas largas com
grande quandade de carloes, bocetas, caixas forradas de ebumbo, com asmis ricas qna- l!^^SSSmS! Sos, 1
lidades de p5o-de4, bolos, para champanha, bollinbos com amendoas, 'e outrosmoitas do a iarEura ; aas para forro moito encobadas
que se tornam enfadonho mencionar. a 3*!00 a peca : na )pja e armazem do Pavao na
MANTEIGA irua da Imperatriz n. 60, de Gama & Sdva.
manteiga iogleza, primeira qualidade a 1*100 a libra, dem ingleza boa a 1000 a Ubra y^^^^So^iS^^
800, 600 e 400. Wem francesa a 640 rs. a libra. I cades .-.-.[.rios para mmas e fanllas >olo9 baratos
Doces em calda precede a*, I00U0, I6a,.20*000 e 25*000 ; su
doces secos e em calda de todas as qualidades; em frascos, potes, caixas, etc etc: porpre- perior damasco de la enreitado a imitagao de seda
__> f0it,Hi hra d pToprro para cociias a 2*500 o cevado ; rieas eni-
cos os mais razoaveis possiveis, amendoas confeitadas kbra a. J^g ^ ^roch ^ ^Sm preco de io,-;ooo e
CAFE ; {2*000 : isto na I ja e armazem do Pavo na roa
caff do Rio Ia sorte 240 rs a libra, 21 sorte a 200 rs a libra, 3a sorte a 160 rs a Ubra,
em arroba se far grande abatimento.
Vinho
vinhos engarrafados de todas as qualidades, rainha Estephania a 3,5000 a garrafa, Pollo
da ImpeTatriz n. W, d Gama & Silva.
As melpomenes do Pavo a 2500
Vende se superiores cortes de UKnitm-H, sen-
do fazenda transparente e muito bonita, tendo mui-
tos padrSes rxos com 7 varas e meias cada orte
f^Z G.4Z GAZ
Chegou ao antigo deposito de Reory Forster &
C, rna do Imperador, nm carregamento de caz de
primeira quaiidade.o qual se vende em partidas e
a retalho porTWWoS frre do que ero outr' qual
qner parte. .. ......'
Rival sem segundo.
Rua do Qaelmaaoo. 49.
Qner acabar ctm as faieBdas abaix
mencionadas.
Qaeiran vir ver o fue bom e baratiaia*.
Libra de gomma de milho a 400 rs.
Toalbas de labynatbo com bico, fazenda boa >
3*500.
Carreteis de liaba com iOO jardas a 30 rs.
Grvalas pretas e de edree moito finas a 500 rs.
Barataos franceses malte tinos a 200 e 320 rs.
Caixas de brelas de aassa muito novas a 40 rs.
EoBadores para espartilbo de cordo e fita lW
ris.
Carreteis de Haba Alejandre om 400 jarda a 90t
reto.
Resmas de papel almago muito bom a 2*509.
fraseo de oleo babosa a 320 e 500 rs.
Ditos de dito biglenique verdadeiros a 1*000.
Ditos dito (ais a 800 rs.
Ditos de macacar parola a 200 ra.
Sabonetes muito finos a 60, 160, 200 e 320 rs.
Ditos de bolla moito finos a 240 e 320 rs.
Caitas para rap com bonitas estampas a 100
calas de palitos a balad a 40 rs.
Muas de liona frox para bardar a 20 rs.
Varas de cordo para espartilbo a 20 rs.
Frasee* con tinta r6xa moito boa a 240 e 320 h
Dtawte dita preta a tnelhor jae ba a 320 rs.
Duda deheca para sobremesa a 4*.)
Varas de Iranja branca, larga a 200 ra,
Pentes volteados para regacar cabello de meninai
a'320.
Frasees d macaga" oteo moito frao, a 120 rs.
AbaawairisMww aaaatpara'oeMelee a*00 rs.
Cartdes de linha branca e de core a 20. rs.
Libra de ara- preta superior a 109 n.
Carias de alfloetes francezes com 14 pentea
tlOf.
Eseows par* (ale, fazenda boa, a 500 rs.
(
Cal ae Lisboa,
Coegadano ultimo navio, mats.barata que em
ontra qualqoer parte; no deposito da roa do Apol-
lo n. 8.
"~ Cal aova de Lisboa.
Me aromwn a rna do AeoHo n. 8, por menos
00 rs. do qae em outra qualqoer parte.
malozia a 25500 rs. a garrafa, lagrimas-do Douro a 1^800 a garrafa, Pedro V, D. Luiz, pddiaiv.tissrmo prega de 2*300 ^waea|w
, *r"~v 5 o____ lemiA ^ a -.rmfo iam rharaa Ar/lidoirfi i oa. oa e armazeai do Pavao na rua da Imperatriz
Mana Pa, carcoveilos, bacanaes, boeugt a 1*000 rs. a garata, dem eneres veroaaeiro, q ^ flg (Jvnx ^ 8jfva
2,5500 a garrafa, dem cherny cordial a U000 a garrafa, collares e figutra ambos engar- G^aDde chincha em cbapos a 500 rs.
rafadosa 500 rs. a garrafa, idem de Lisboa em pipas, barris, ancoretas e a retalho a dbO
e 400 rs. a garrafa, ancoreta com vinho tinto a 20400 a ancoreta.
Bordeaux
vinho Bordeaux de todas as quadades de 6,5500 a 25#000 rs. 1 daa, en farrafa'de
600 rs. a20000 rs. Wermonth a 10500 rs. a garrafa K-enoch de-wasser a20000 rs. Ab-
symth a 20000 rs. a garrafa.
GAZ
gaz verdadeiro americano a 90200 a tata grande,, garantindo-se 27 garrafas, e a 400 rs, a
garrafa.
Cerveja Gelarla
oerveja gelada em garrafas e */ garrafas ioglezas e frtnecza.
Paiaco e AI pista
painco 100 rs. a libra, alpiste 160 ; pa'ioco e alpiste misturado 440 rs. a libra:- era
porco se far abatimento.
Cha verde e prelo.
10000, 10500, 20000/20200,^0400, 23600, 20800, 30000, e 30200; cha verde de
todas as qualidades, Hnxim, perola, aljfar etc.,
CHARUTOS D'HAVANA.
regala britennica 100 a caixa, londres 120 a caixa, operas, caixa 100; e outras mui-
tas marcas que se tornam enfadonhas meociona-las.
CHARUTOS DA BAHA,
imperiaes, exposico, normas londrinos, guanabaras, suspiros, delicias, parisiences, ven-
cedores, guerreiros,lyricos, qoem fumar saber, para os seguintes precos: 10ooo, 105oo'
20ooo, 205oo, 30000, 305oo, 308oo, 40oo, 402oo, 405oo, 4oo, 50000, 505oo, 60ooo,
605oo, 70ooo, e 80ooo.
Telas Stearinas.
spermacete 64o rs. o pacte, velas de carnauba de e^ror libra; 36o {rs. de 14 em
libra^ a 44o rs. en porco se far abatimento.
GENEBRAanbo ou victoria 78o.:rs. o frasco.
GENBHA DE HOLLAJTDA m fraSCOS 60 TB. O fraSCO.
CERfJ-T--E BASS. A
cerveja bass e tenante-e de todas as qualdiades, as quaes se vendem o mals.razoavel, como
seja too eo'e 7eo rs. e em duna faz--ha grande abatimento.
iinw da India,
lio rs, cada libra, m porco e far grande abatimento.
SABO E SABONETES.
sabao braneo com veiai er de roza, idem braoco com veas azues, sabonetes de tima libra
cada um, so os sabonetes mais econmicos que tem viudo ao mercado 5oo rs. a fibra.
- Maga' e evadlaha.
sag' muito novo i 24o rs. a libra, cevadinha maito nova 16o rs. a libra.
cevada muito nova lio rs. a libra.
gomma de encommr 12o rs. a Fibra. ^.^^i v ravf
CEBLAS grandes e novas i0ooo o naolho.
Latas com conservas.
latas oom ervilaas portuguesas e francezas, lates com carnes preparadas, passarinhos goi.
zados em lates, e salame em lates.
Ddce de gOIaba.
ha constantemente om granee deposito de doce de goiaba em caixbes de todos os tamanhos.
Capes, coya. ( .
copos crystalisados, ditos liso, ditos-de cores, a 40ooo e 405oo i duzia.
GARRAFAS de cristal.
garrafas de crystel de formato do ultimo gosto.
amellas em lates, em bocetas e frascos.
Queijos Queijot.
queijos flamengos do penltimo yapor 20000, ditos do ultimo a
Vende-se thapos de palha a imitagao de man
Iba proprios para bomens pelo baratissimo prego de
500 rs. cada om ;isto para aeabar na Iota e arma-
zem da Pavao na ruada Imperatriz n. (J, de Gama
& Silva.
CorpinhoB para aenhoir. a 50, 80 e 100.
Chegaram 'os mais delicados oorpjnbos de cam-
bala transparente, sendo ricamente entenados e
vesdem-se pelos baratlssimos pregos de 35000,8*
e 10*1,00 ; ditos de grosdioaples preto, sendo .fa-
zenda multo superior pelo barato preco de 8000 ;
isto na loja e armazem do Pavao na rua da Irape-
triz ni 80, de Gama & Silva.
Grande pechincha em chites.
Vende se um grande sortimenio de chitas escu
ras e alegres francezas peles taralos precos'd 30,
360 e 400 rs., sendo com os padrdes mais boratos
que tem vindo ao mercado com listas e flores c-
ete. ; gjrrantindo-se serem cores Bebas : na loja e
armaieai do Pavao na rua da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
As saias do ratio
Vendem se rieas satas bordadas com 4 pannos
pelos baratissimos pregos de 6000 e 75000,assim
cono fazenda en peca com pregas proprias para o
mesmo 6m a I** a vara : na loja e arma2em do
Pavo na rua da Imperatriz n. 60, de Gama & Suva.
Sedas novas
Cbegaram as mais modernas sedas eom ristra!
para vestidos, sendo oom as ores mais moderna?
qne tem vindo ao mercado, assim como grosdeua-
pies de differentes ores como sejam cor de rosa.
azul roa, cor de cat, cOr de lirio etc, etc e
vend'em-se por pre$o mnlto em coma na toja
armnwwdo Pava na da imparatm n.^O,d
Gama & Silva. i
Crmofihas a 30500, 40OOO e 4#WO.
Cheg/am para a loja do Pavfio as'TOais-moder-
nes o malinas enbaldea .erdadeirnmenle. amerl-
que tem vindo, sendo coro o formato mais moder-
no que actualmente se nsa e vendem-se P*ta****
aulntes precos sendo oom JO aros norA*oOB,
ditos cem 28 .arcos por 030, ditos com 35 arcos
a UoOO: Isto s na loja e armazem do Pavio na
rua da Imperatriz n. 0 Sedas largas na fop'do Pav5.
Cbegaram as mais bonitas sedas de eew9'nn>i
amMideitavaaaoaonv4e aows e dasentos
mai brittate*.aB.tm vjnio,JacUan*n faaer-se
um vestido cora poneos covados em a,*2P* a 'ar"
gnra, e vende-se pelo barato pre$ ode'^OOO oico-
vado : na loja e armaiem do Pavte n nnvdt la-
perlri n. 60 de GamnifcSika.
0Werf*^ltvrH# -1*m rs.
Vmmm*** de ata> staaaados a 2*
e 800 cada nnv
ltos de merm liso iWOO.
Ditos estampados de crepon 6#,7#, e 8*060.
Ditos pretos bordados com franja de seda a 145.
N^*raa>em4!*o na roa da fatdra-
trit n. O deflam*drMva.
LenfOf branoos-a 2*000,30000 e 40000.
Vende se ora JjoaitoJOfmento dalenoos decam-
Lraia branca lisos pelos baratinsimos precos de
35000 e 1500O a dozla : na loja e armaiem
Pavio na roa da Imperatrb n. 0, de Gama
Silva.
Cbegaram pelo vapor do dia 15 do correte, os
mais lindos corles de poil fle cbvre para vistdos,
sendo fazenda inteirameote nova no mercado, ten-
do esta fazenda bastante lustre com os mais deli-
cados ge fa vendem-se pelo baratsimo preco de 165000,
tendo cada corte 18 covados, isto na loja e arma-
zem do pavao na rua da Imperatriz n. 60, de Gama
A Silva.
Para senhoras
Casan,tiiahas a 200000
Vendem-se as mais modernas casaqnlnhas ou
basquinas de seda preta, muito bem enfeitidas, as
mais modernas que tem vindo ao mercado e pelo
baratissimo prego de 205 cada nma i na loja e ar-
mazem do Pavao roa da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
Alpacas lisas
Chegoo o mais lindo sortimento de alpacas de
urna s cor, preprias para vestidos, e veDdem.se
por precos em conta : na loja e armazem do Pa-
vo, roa da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os espartilhos do Pav3o.
Vendem-se ama grande e variado sortimento de
espartilbos dos mais bem feitos qne tem ;vindo ao
mercado, sendo de todos os lmannos, vendendo-se
por om preco moito razoavel; isto oa loja do Pa-
vio na rua da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Grande pechincha em tealhas
para mi.
Vendem-se superiores toalbas de linho proprias
para mao pelo baratissimo preco de 560 rs.. ditas
a 640 rs ditas a imitagao das felpudas a 800 rs.,
ditas fe pudas a 15 : pecbincba oa loja e arma-
zem do Pavo oa rua da Imperatriz o. 60, de Ga-
ma & Silva.
Anarline a 8$
na loja do Pavo
Ghegeram os mais lindos corte? desta nova fa-
zenda, sendo transparente, com bonitas palmas, e
vende-se pelo baratissimo preco de 85 : na loja e
armazem do Pavo, rua da imperatriz o. 60, de
Gama & Silva.
Punbos egoitnhas a 10, 10280 e 10600.
Cbegaram os mais modernos ponhos com goli
Dhas sendo de esguio de liobo ricamente borda-
dos tanto brancos como de cores e vendem-se pelo;
baratissimos precos de 15,15280 e 15600, por ha-
ver grande porcao, grande pechincha : na loji
e armazem do Pavo rua da Imperatriz o. 60, de
Gama & Silva.
Para baptisados.
Vende-se elegantes vestuarios bordados para
baptisados, pelos baratissimos precos de ioO0
205000 e 255000 : na loja e armazem do Pavo Da
rua da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Babados bordados na loja do PavSo
Vendem-se babadinhus bordados com 2 varas
pelo barato prego de. 15000, entremeios tapados e
transparentes, tendo 3 varas cada pega a l5O00: na
loja e armazem de Pavo na rua da Imperatriz n.
60, de bama & Silva.
Cambraias de cores
Vende se om bonito sortimento de camnraias de
cores para vestidos pelos baratissimos precos de
300 e 360 rs. o eovado, ditas a voluntarios da pa
tria a 800 rs. a vara, ditas lisiadas a 640 e 700 rs.
a vara ; pechincha Ba loja e armazem do Pavao
oa rua da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Cassa de urna cor s
Vende-se bonitas cassas de nma cor s com um
pequeo toque de mofo pelo baratissimo prego de 240
rs. o eovado ; para acabar na loja e armazem do
Pavo na rua da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Chales de renda e retenidas
Vende se om grande sortimento de chales de
renda e retondas, sendo as mais modernas que tem
vindo ?o mercado e vendem-se mais barato que
em outra qualquer parte ; isto na loja e armaiem
do Pavo oa rua da Imperatriz o. 60, de Gama &
Silva.
Retalhos baratos
Vende-se porco de retalhos de chita, las, cas-
sas e chitas pretas por prego barato : na loja e ar-
mazem do Pavo na rua da Imperatriz 0.4)0, de
Gama & Silva.
Calcas brancas
Vende se nm grande sortimento de caigas de
brim braneo de linho trangado pelos baratissimos
pregos de 35500, 45500 e 55000, assim com; um
grande sortimento de palilots de panno preto Uno,
sobrecasaeos e saceos forrados de seda,-ditos de ca-
simira, sobrecasacos, saceos e fraques, ditos de me-
rino e caigas de casimira de cor e de todas as qua-
lidades, assim como um grande sortimento de col-
leites de todas as fazendas vendendo-se tudo por
precos muito baratos : na loja e armazem do Pa-
vo na roa da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Alpacas brilbantes a 640 rs.
Cbegaram as mais lindas alpacas entestadas com
3 e meio palmos de largura com os mais delicados
desenbos taoto de florsiBha como de lislinbas as
sentadas as mais delicadas cores como sejara ly-
rlo, sinsento cor de carnp, solferino e vendem-se
pelo baratissimo prego de 640 rs. o eovado ; ni-
camente oa loja e armazem do Pavo oa rua da
Imperatriz o. 60, de Gama & Silva.
Pechincha para a festa na loja do Pavo.
Vestidos,
vestidos.
Vestidos.
A850D0
Vendem-se nm bonito sortimento dos mais liados
vestidos com barras de seda, trazeodo' os corope
lentes enfeites para o eorpo, sendo oeste artigo o
mais Moderno qne tem vindo ao mercado, e ven-
dem-se pelo baratissimo.prego de 8jO00 cada um,
ditos de.cambraia branca com barras bordadas a
55000 e 65000 ; na loja e armazem do Pavo na
rua da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Cortes a- 30000 s o Pav3o
Vender-seos mais Indos cortes de eassas de
cores con os desenbos mais modernos indo cada
um em sen papel e garantindo-se lerem 7 varas ca-
da om pelo baratissimo prego de 35O0C ; oa leja e
urroszMB do Pavao na rna da Iropuratriz a. '00, de
Ga*ikva.
Casaquinta* cu vasquinas na loja do Pavao
.a,350OOO,-au06OOe 350000.
Cbegaram os mais ricos oa moderaos casaqoi-
ohos co vasquinas de grosdinaples preto ricamente
enfeitados, sendo dos feltios mais modernos e ele-
gantes oe OKvoimente negaram e vendem-se pe-
los baratos pregos de 25O00,-305000 e 355000; oa
loja e armazem do Pavao nar.ua da Imperatriz n. 60,
deGama'A^SHv.
Para bailes a 330000.
Yestidiobos para meninas
Venflem se elegantes vestidiohos para meima.
de lisinba modo bem enfeitados pelo baratissian
prego de 2:800, dito de gorgurno de seda a 35000-
na loja e armaiem do Pavo na rua da Imperad;
n. 60. de Gama A Silva
Chales de merm
Vendeat se fioissimes diales de merino lisos a
diversas cores, tendo as franjas de seda a (5000.
tendo com as franjas de H a 35600 rs., ditos es-
tampados moito Anos a 55300, 65000 < 75O0O, di-
tas de crepon com listas de sed* 5000, dilor
mais ordinarios para aeabar a 25000 e 25500 : ni
loja e armazem do Pavo oa rua da Imperatriz n
60, de Gama & Silva.
Sedinhas de listas a 100 rs.
Vende-se bonitas sedinhas :e listas proprias par
vestidos oom largora de eolia iogleza pelo barato
prego de 400 rs. o eovado: na loja e armazem de
Pavo na roa da Imperatrim o. 60 de Gama fr
Silva.
Filos bordados a 800 rs. a vara Da loja do
Pav3o.
Veode-se filos de liobo braoco bordados proprio*
para vestidos pelo baratissimo prego de 800 rs. a
vara : oa loja earmazem do Pavo na roa da Im-
peratriz n. 60 de Gama & Silva.
Pannos de linho.
Vende-se superior paooos de linho proprio para
looges, toalbas e stroolas ele, pelos baraiissimoi
preces de 640, 700 e 800 rs. a var : bramante d
linho com 10 palmos de largora a 25 00. 25600
25800 a vara; om grande sortimento de Hamborgc
oa Cregoellas por baratos precos : na loja e arma-
zem do Pavo oa rua da Imperatriz n. 60, de fia-
ma & Silva.
Cambraias brancas de cordo a 80500.
Coegaram as mais delicadas cambraias branca;
de cordo eom delicadas listas transparentes <
vendem-se pelo baratissimo prego de 85500 a pe-
ga : na loja e armazem do Pavo na roa da Imoe-
ratrizfn. 60. de Gama & Silva.
XAROPE
peitoral edulciftcaato
SAINT -GEORGES
Fwpmr4o por
ORMAUI.T e C"
phtratcvattcos d S. 1. L
principe Napolto
Cura rpida de 'as
molestias seguentes:
tost, eatarrhst, pleu-
resa, coqueluche, an-
ginas, fortes eonslifar
edes, irritacSes do*
hronehos e de peilo,
br enchile, phlica v*i-
ytonar, astma, pne%-
monia,angn*s,amyg-
dalites, tossechrona,
rouquido. Os mdicos recomraenriSo ao mesrot
lempo o nao das eccelleates pastilhas peito-
raes oom o auoco d'aUace o laureiro-
cerejo, que m preparad no Mamo estabelt-
nas pharmacias deMaurer aa
A venda
Caors.
50000
Cal de Lisboa.
Da mais nova que ba oo mercado chegada pela
barca Graiiao : vende se oa roa do Trapiche ar-
mazem o. S.
Vende- e
Motores americanos para dous cavados, dito dito
para quatro cavados, machinas para di-scarogar
algodao de 14,16,18, 20, 30, 35 e 40 serras, pren-
gas para enlardar algodao fazendo s saccas com
seis palmos de coroprimento, com o p s> de ISO e
200 libras, vindas ltimamente da a merina; no
armazem de Heory Forster & C. no caz Pedro ,
n.2, junto ao gabinete portuguez^___________
Hotel Dous Amigos,
Vende-se o hotel Dous Amigos sito na rua es-
trena do Rosario o. 10, livre e desemoaragado de
qualquer negocio : a tratar oo mesmo hotel.
Coliarea Royer
oo
Anodinos electro-magnticos contra as con-
vulsSes, e para facilitar a dentic3o da
criancas. A aguia-branca na rua do Quei-
mado n. 8 recebe-os por todos os vapo-
res francezes.
J esto to conhecidos, e taoto se tem espalbado
a fama desses prodigiosos collares Royer, que s*
torna desnecessario dizer mais alguma cousa em
abono de seos bons e e effieazes efleitos; basta o
testemuobo de milhares de pessoas, qne tm visto
e aproveiado o feliz resoltado desses to utei:
quio necessarios cellares Royer. A quotidiana
crescida extraegao, que vo tendo, mosti a anda
que ? numero dos prodigios se eleva como iodo
os compradores. A aguia-branca, pTm, dese-
ando coccorrcr para um fin de taoto aproveita-
mento, tem feito os necessarios pedidos, para qoa
por todos os vapores francezes Ibe seja remetlida
certa quandade de ditos collares, para assim tor-
nar-se infallivel o sortimento delles, oa loja d'a-
guia-braoca, rua do Qoeimado n. 8.
Escravos fgidos
Cbegaram os mais ricos cortea de vestidos de fil
braoco primorosamente bordados e enfeitados de
eorv'MtMD Hwbem -propHog para casamentes, e
vendem-se pelos baratos precos de 350060 nica-
mente -, na loja armtrem do Paveo oaTtr da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Lencos bordados a 10000 e i06OOinilojado
Pavao.
" Vende-se bonitos lencinbos bordados para rio
pelos baratissimos precos de 15000 e l|0O0 onda
a ; le) frarroewae de tavi na roa da -trapera-
trit o. 60, de Gama Sitea.
As vareges do Pavao.
Vende-se as mais booitas vareges com Mitas de
Ceotina ausente desde o dia 33 de agosto
de 1866 o mulatinho Rayrooodo, de 15 anoos de
idade pouco mais ou menos, eorpo regular, ps
pequeos, cabellos eastanhos, dent-s alvos e per-
feitos, como ddo-proximo ao pollegar cicatrizado
de sorte que nem Ihe resta a uan : roga se as au-
toridades poliriaes e capites ds campo a sua
apprehenso pelo que recebero paga generosa em
casa de sen senner na rua do Imperador o. 32.
Aoba-se fgido desde o dia 4 de ootobro do an-
co prximo passado o escravo Domingo*, repre-
senta ter 24 anoos de idade, cor fula, estatura re-
gular, tem em om dos brsgos nma cicatriz de urna
queimadura que soffrea em pequeo, presume-se
que elle fosse se a coitar emlGaranhoos por se
lugar, e portento se roga a todas as autoridades
policiaes e capites de campo pega-lo e leva lo
no engeBho Mogamblqoe ou no aterro da Boa-
Visia em casa do Sr. Dr. Pitaoga.____________
Hontem 23 pelas 2 horas da tarde desappa-
receo boma negrraha de nome Maria, levando ves-
tido de chita elara, camisa de algodao; muito
esperta, tem orna pequea cicatriz na tsta, ps
e mos pequea rogase todas as pessoas que
a vtrem oo d'ella noii. ia tiverem que a levem em
casa de sen seobor no Recite, roa da Cruz o.
29, que sero recompensado.
tenco
Acba-se fgida a ecrava Victorioa, crioola, de
idade, pooco mais oo meos, de 30 anoos, moito
risonlia, lera o nadar apressado, ei escrava da
Exm* Sr* D. liara Caod'da Salazar da Veiga Pes-
soa, moradora oa roa do Hospicio, esta' fgida des-
de flns de abril do amo prximo paseado ; eonsta
estar por Santo Amaro a Sotedode, desoonda-se
qae esteja como ama forra em alguma casa aoode
pooco sai a : roga-sa a pessoa, em coja casa esteja,
oo a qoem delta tlver noticia, de se entender com
o seobor da mesma eser*v Sebartio Jo>e Gimes
Pena Jnior, na Gapuoga, roa da -Veoiora. ou na
pragada Independencia os. 37 e39, l do do Sr. Aotooio Aogosto dos Santos Porto.
Attencao.
Foaio no di 2 do corrnots met, escrava crios-
la coonecida por Joaooa laeei, de idade 17 pa-
ta i8 anoos, eom os slgflaes segantes: rsto com-
prido arrees* tantogrossos,tem sigoaI de um
ialbo no bate anpertor, falladeaeancada, >lia,seca,
seio.em pe, leven vestido eocaroadodesbatado com
jm rasgao em roda, camisa de madapolio o ves-
Mo sujo de barro por ter carrejado tijollo, ctale
desbotado, conato qae anda modsndo de traje,
tem sido eatootrada com calca,.paletot e chapeo,
por laso pade-se as autoridades pollclaes e cipitaes
de campo a ipreheosio da mesma e teva-la a roa
das Aguas-Verdes o- 0, qoe sera' generosamente
recompensado.


_-.------------


*
8
Diario de rernassabne Sexta ffelra 15 de Janeiro de 1867.
LITTERATRA.






UM POflCO DE TDDf.
L se no Diario do Reo Grande do Suf, o se-
guiole:
c A nlindega desU ridade rsndeu dorante o
aono Qq !o de 1869,a quamia de res 1,972:5335151,
a saber :
Janeiro....... 130:396*401
Kevereiro...... t8:93i>5696
Marco......... i93:SM78
Abril.....*..... 2O4:560Ji98
Malo.......... 51t:2lS*814
Juuho......'.. 83-16041'9
Jolho......... H9:6I3#W
Agusio........ 213:722*791
Seterobro..... 93:215*154
Ootnbro. ..... 184:030*4*8
Novembro..... 123:519*585
Detembro..... 2b9:973*800
1,972:581*151
A exportadlo effectuada pela referida Mfandega,
para diversos porios estraogeiros, durante o pe-
riodo cima mucioaade, foi de 338.644*738,
que se acba englobado no- rendimento total. O
seu valor (da praca ) atiioge a' cifra de....
4,837:781*971 :
Janeiro....... 26:873*240
Fevereiro..... 40:725*759
Marco....... 43.029*624
Abril......... 34:026*481
Halo......... 36:056*186
JonhD......... 53:0174033
. Jtfho..........31:9424421
Agosto....... 27:339*955
Seterobro..... 17:7304484
Outnbro....... 13:543*096
Novembro..... 22:032*933
Deiembro..... 22:228*515
338:644*738
A mesa de rendas provioelaes desta cidade,
rendeu no aono ndo a quantia de 436:142*253
a saber:
Janeiro........ 31:091*486*
Fevereiro..... 39:703*170
Marco........ 40:319*398
-Atril......... 40:3944126
Maio......... 36:172*640
Juoho........ 48:327*084
Jolbo......... 37 441*293
Ag si......... 42:866*298
Seterobro...... 33:8034*563
Oulubro....... 20:0834289
Novembro____ 21:206*113
Uezembro..... 41:731*304
435:I4!*255
BsUUsdea mortuaria desta cidade do 1. de Ja-
neiro ao ultimo de dexembro de 1866 :
Fdilrceram 341 pessoas; sendo 4Q2 livres, 139
escravas 370 masculinas, 171 femioioas 524
ca.h I=c s e 17 pretestanies,
Para consumo publico desta cidade matararri-se
dorante o anuo que hontem Qodou 10,720 re:es,
sendo.
Janeiro.............. 866
Fe/ereiro............. 721
Margo............... 764
Abril................. 8i)3
Maio................. 841
Junho................ 884
Julho................ 1,028
Agosto.............. 1,088
Seterobro............. 914
Oulubro............... 969
N'veinbro............ 853
Uezembro............ 928*
10,720
Otiscquiararn-oos cora a segointe conosa estatis-
lie* de*U cidade :
> A nlade do Rio Grande conta actualmente
14,0Kj tima?, e compe se de 1,854 casas ter-
reas. 32 ditas em coastruc$ao, 115 sobrados, 2 di.
tos -o cons rueco, 5 ditos de dous andares, I
dito d* l'% andares, 1 theatro, 3 igrejas, 3 capel-
las, 1 asylo de orphaas desvalidas, 1 hospital de
beneficencia poriogoeza com capeila, 1 dito da ve-
n^rav.-i ordena terceira do Carmo, 1 dito de earl-
dadn publica, I dito militar, 1 espacoso qnartel, 1
hospital de caridade em construido, com capeila,
1 pr*ca con-iiurc*", 33 roas, 4 beccos, 7 pracas largas, 1
edifico para ses.des da cmara municipal, 1 para
alf trie*), i dito para a capitana, um deposito de
Irt-tn de querr, cada civil, o 140 lampeoes a gaz
illu'iiinam a cidade.
acolhimento. Nao lardn porra a dar a Inz ou-
tros trabalbos, e entre elle os celebres Mamertos
fUdolpko tem igual.
Toda a gente eotao tomn gosto pela leitora das
aventaras extraordinarias, toda a gente qniz ter
medo, toda a gente disputan a posse dai folhas
anda hmidas d'aqnella litteratora loteiramente
nova e estranha, toda gente repeta o oome de
Auna 11 idchffe.
Oespresando os triamphos e envolvida na mais
desprettfnciosa modestia, viven mistress' Radeliffe
urna vida tran juiHa e solitaria, rreqoentava poneo
a sociedade, e aos tnnta annos reiirou-s da cida-
de subtraiodo-se as ovac5es repetidas que Ibe tri-
butara aro publico Idolatra.
Dea este isolamento cansa a boatos os mais ab-
surdos posslveis : fallouse na sua morte ; depois
que havia enlonqaecido, e qae a sua loucura con-
sista em conversar com os espectros e com os es
piritos iofernaes.
Aooa Radcliffe foi Indifferente a esses boatos
e nem se quer cuidou em dar-lhes o mais leve des-
meotimeoto.
A 7 de fevereiro de 1823, na idade de 59 annos,
falleceu deixando publicadas as seguales obras
The casttes Athlm and Dunbtayne, The Forest,
The cicihan, The Mysteries o( Udolph, A Journey
suade intummers e The Italtan.
Estas obras traduzldas em varios Idiomas, Azo-
rara as delicias dos ltimos annos do dcimo oita-
vo secuto; e nao se pode contestar qne a celebre
romancista operou ama completa revolucao na I li-
teratura, iotrodaziodo como elementos constituti-
vos dos seas dramas, o terror, o sobre-aataral e o
pbaalaslico.
Quero deixar de tremer ao oavir meia noite
hora dos crimes I -tendo lido as romnticas pro-
dueces de Anna Radcliffe ?
Quero deixar de tremer e sentir calafrios ao
ouvir o lgubre som do sino ao dar doze badala-
das, lerabrandose dos phantasraas de mistress
Radcliffe, vendo a la reOectir seu paludo disco
no cypreste do cemiterio, e oovindo o agoureiro
piar do mocho repereurtir-se dos bosqaes t
Evoque-se ama s pagina da autora dos Mytte
riot de (dolpho e n'um delirante pesadello, vere-
mos morios sabiodo das campa*, espectros arras-
Uode pesadas correales, seremos transportados de
subterrneos em subterrneos, de precipicios em
precipicios; em cada parede viremos ama porta
falsa dando passagem s mais aterradoras appa-
rlcSes; as cadelras, as mesas, que estiverem ao
p de as, tomarao formas estraohas; os qaadros
animar-se-hao ; ebegaremos ao ponto de os oavir
rallar t
Todo, as obras de mistress Radcliffe, se fonda
no medo e no terror ; e, se bem que o vicio e a
vina le estejam muilas vezes era luta, e qae ama
severa fo de moral se tire d'aquellas scenas hor
riveis, connece-se que o Ora principal da escripto-
ra amedrontar o leitor. Por isso o oome de An-
na Radcliffe chegou a geraco actual conduzido
as azas dos raorcegos, que ella tantas vetes evo
cou, e s ouvi-lo faz geiar o sangue as veias.
E por lim, quera era Aona Radcliffe ?
Urna mulher bondosa em extremo, amavel e
terna, e a quera i vida correa pacifica no seio da
felieidade domestica, e longo das agitacSes tumul-
tuosas descriptas nos seus romances.
.......rae* T.fiara a tstar em voga os romances de Anna
Radcliffe.
P ui-as sao u pessoas que nao tem lido amurca
ds 'ibfM de-ta celebre escriptora ; aos que ja fo-
ra'ii impresionados pelas vises horripilantes con-
l'das nos seus escriptos, offerecemos ura esbogo
bingraphieo.
N'-'^-u Anna Warra em Londres, a 9 de julho
de 1764.
Ao.- viote e trs annos casou erra W. Radcliff-',
prnpr tle.
Pinico lempo depois de casada, pnblicou o sea
prlni ir > romaoee Te Forett, o qual leve modesto
FOLHETIM
A rKSMASIISATANiZ
POR
Jules de Saint-Flix.
SEGUNDA PARTC.
XVII
(Continua cao)
- S> parar-me disto I ditia ella para comsip'.
E' um consa cruel, e ama imprudencia ; alm
d.< a ij tem bei de coofla-lo ? Por ootro lado
r>n o r.--inoir ao maldito banqneiro qoe me per-
% sw i-.-m o *m odio e reelamaedes..... muito
p'ii.-o... T-tiho febrel Etoa certa deque
re**-; i no rqniti os pensamenlos que me atormen-
tar n 4i\"t i-He r-iir acrasagio... Pois sim; mas se
a -ni aceusicao carece de provas, mloha a car-
teira
A n itiM, qien poder* nnoca descobrir ente
* n >' j.\ Un a Imiravelmente oecoito na paredeT
Nii rriv. i|-w ,, f_,t (0j nnJ logiez, que tronxe de Lon-
rt"- i.," ni..rreu ba cinco annos. Nao ma sepa-
ra' o.nneiro, que por flm me foieolregoe
, ""'Ul'a,,M,oto Wlo proprio Myse, e qo talvet
v-oda or,, i,a ser ornen nico recurso. E dpols,
*. h..... procorem no.,. Estoa certt de
q r(,., ,-nrootrario. pde i-|0 roobado a Sa-
busviiie.... ira unw ootres.... p peto decidi-
do ... o dmoeiro dessppareceu. O Ul Rodrigues
era um iraiaote de tal ordem, qoe pode ter muito
O Buetim da sociedade protectora dos aoimaes
offerece-nos os seguinies curiosos pormenores a
respeito da hippophagia :
(juando em 724 da nossa era, Biaifacio, bispo
no lempo dos papas Gregorio II e III empreheodeu
a cooversao dos antigos germanos, na grande fes-
ta que se verificou em honra da saa deusa favori-
ta Freya (berdade) onde o cavallo era sacrifica-
do, nao se coraeu all seaao cama de3te animal.
E* al mesmo ptovav*l que foi depois desta fes-
ta, abolida acto cootinti) a coaverso dos gerroa
nos ao cnnsiianisrao, no lerapo do papa Zacoarias,
que Booifacio orohibio o uso da citoe do cavallo,
confirmando se nisto com o t-xto de Moyses qae
defenda o eoosammo das carnes sacrificadas.
Mas o qae mol va va a prohib gao nesses tempes
nao a motiva ja hoje.
Era Berln desde 1844 at 1865 abateram-se e
consurarairara-se dez mil cavallos.
O domicilio do magarefe era Lan isbargerstrasse
n. 15, visitado por ura mlico vetinnirlo aflm
de que neohum aniraai doente possa ser vendido
on abatido e alera disso muito recommendado
aos proprietarios o dsfazerem-se do< aniroaes ero
coovenieute estado, sera os deixarem saccambir
aos maus traiaraeotos. Lucra-se com isto ama
boa quaaiidade de apropmdo alimento sem con-
tar com a gordura e as demais substancias alis.
O denles servem pira pulir e lusi-ar pequeas
obras : a gordura para untar cabedaes; a pelle
para obra de seleiro; os ervos e os teodoes para
os orgus e outros instrumentos de msica ; a cri-
na para ass-rotos e colchos; das extremidades
ubiem-se bella colla; dos cascos o azul da Prussia
e dos ossos mludos o prelo animal.
Os cavados remata o notician>ia, podem ser ios-
tantaneameuu abatidos por meio de aro tiro aa
cabega ou de urna puohalada ao corago.
O magarefe e os seus ajudantes devem tomar as
suas medidas a este respeito, porque as pistolas
gerdlmeote usadas em ldenburgo nao sao boas
para este flm.
Urna novidade nos chega do Cbo da Boa Espe-
ranga : dizem desta colunia ingleza que na frica
eir, que eu tencionava res ti
bem roubado a
tnir...
E assim mil ideas extravagantes, mil razdes, a
qual aellas mais desastrada, se agitavam iocessaa-
tes no cerebro dbil da infelit muiher, perturban
do-a a ponto de a fazerem perder o seotimeoto da
piopna Mtuacao.
A paixao pelo diuheiro domioava Armanda, co-
mo douiiua buje todas a muitieres nabituadas a
lua aeeufreado, e aos g> so uiuoiados de ama
sociedade em que a riqueza e urna le, um dogma,
um callo. Armanda de Castellao vivera nessa so-
ciedade lerrivel, e (.adecera as vertigosa qae ella
produz mais do que Btmba m* oatra.
Volva j o ultimo oioar para a carteira e asse-
gurava-se de que a somma esU7a, coro effelto, in-
tacta, qaando uuvio urna voz que da casa prxima
a cbamava. A carteira foi laocada para a sua se-
pultura, a porta do escondrijo tornoo a feebar-se
por si mesroa, com promptido que nada deixana
adeviobar pessoa que la eulran.
Era a Sra. uorotbea, que ia aooaociar a saa ama,
qae a procuravam.
yuern T pergoatoa Armanda, ligeirameote
tremau.
E' ama visita bem inesperada, mioba se-
nhora...
Mas qnem t -
E* ama pessoa caja presenca Ibe dari gran-
de alegra.
Fazes-me morrer de impaciencia.... Nio dj-
ras por ama vez quera T
E' a menina Lucy, qae est la em baixo Ba
tala.
Al meo Deas I exclamoa Armanda cerrendo
como louca para a escada.
Meridional exlstem algamu variedades de paisa-
ros qae dntroem os gafanbotos.
Destes nlllissimos pasaras 4 perora o mais inte-
rs sanie um qae bem parece ama especie de tor-
do, qae perasgae em bandos raro numero os gran-
des gafndolos qae coostuem qoasl o seu exclu-
sivo sustento.
Como a acgo destruidera do passaro exerclda
qoasi aempre no ar, tegne-se d'ani que os deetro-
cos qu resulUm da looga residencia e pouslo dos
gafanhetos pelas searfts e campos, nao sao muito
para temer.
Pelas experiencias adquiridas na colonia do Ca-
bo, torna-se qoasi de ura dever a acclimagao do
passaro dos gafanholos em todas as colonias ou
paites onde esta praga tero exercido e coniina a
exercer por vetas os seas terriveis males.
Seria bom aue se olnasse para esta ave com
mais alguma alinelo e se eu.dasse em a aeclmar
na Europa.
Cibera, e o pesclo todo torcido e disforme.
Transportarara-n'o de novo ao cadafalso,
deram-lhe ama pouca d'agua fresca a beber
pira recobrar os seatidos o ter mais pleaa
conscieocia de si mesmo, no momento em
que o iam despechar na eteroidade.
O criminoso inconsci d cousa alguma,
n3o tugio nem mugi ; apenas re'anceou de
rpido o carrasco e os seus ajudanlM.
Momentos depois tornou ainda a olear
para elles, e exclamou resignado:
Gentlemen, n5o repets a operario ?
E estendeu a cabeca ao carrasco.
D'esta vez a corda nao parti.
Temos aeompanbado e i ido, dit o Apolllo da
cene, os arligos do distincto pbilosopbo o Sr. Ale-
xandre Rerculaoo, transcriptos no Jornal do Com-
mercio desta corte sobre o casamento civil, e de-
claramos nao ser licito a dos catbollcos discutir i
respeito d'aquillo qae a Igreja catholiea apostlica
romana tero dito e eslabelecido sobre o casamento
civil: e deixando de allegar as innmeras leis
coro que a Igreja tem endo e reprovado o casa-
mento civil, basta-nos dar como resposia ao exi-
mio pbilosopno, quaolo em 29 de outooro disse
em consistorio secreto o sanlissimo padre Pi IX
ao governo italiano.
Esse mesmo governo, desprezando as censaras
eceieslasticas, e sem se importar "oom as nossas
justas reclamacoes, nem coro as dos aossos veue-
raveis irmaos os bispos da Italia, approvou leis de
todo o ponto cootranas igreja catholiea, a sua
doutrna, aos seus direitos, e por nos reprovadas,
e nao besilou em promulgar urna lei respeito do
casamento civil, lei nao s contraria a dootrina
catbolica, mas ainda ao bem estar da sociedade
civil.
Essa lei calca aos pos a dignfdade e santidade
do casamento, destre a institaigo dalle e anima
o concubioato vergooboso.
Effectivamente entre os Oeis nSo pode haver
matrimonio sera qae ao mesmo tempo naja Sacra-
mento.
E", pois, ao poder da igreja qae pertence exclu-
sivamente decretar todo que diga respeito ao Sa*
cramento do matrimonio.
Al aqui o saotissimo padre Pi IX juiz supre-
mo, tribunal legitimo e competente da doctrina
que dit respeito aos santos Sacramentos. Sentido
pois, fleis, por quaololatet anguis tu kerba.
Os habitantes de Pekin estio muito preocupa-
dos com a edifleagao da catbedral golhica qae os
missionarios latarisUs elevam no interior mesmo
da cidade Amarella, e coja massa imponente en-
sombra as conslracgSes mesqaiabas do palacio
imperial.
Em coosequeecia disso, os dous gobernadores
de Pekin julgaram dever faxer algumas observa-
gdes por cansa da desmesurada altara do monu-
mento, qoe pareca exceder a elevacao concedida,
8 icnangs (80 ps).
Depois de urna vestona, recouheceo-se que a
altura total era de 7 tebangs nicamente, e os go-
vernadores reliraram a sua reclamacao.
Nunca lemos pormenores mais horripilan-
tes do que esses qae nos offarecem os jor-
naes americanos a proposito de urna execu-
co capital que ltimamente houve em New-
Port, no Kentncky, cidade fronteira d'est'-
outra chamada a grande cidade de Cincin-
nati.
O criminoso Gygleston matn nm homem
com um tiro de revolwer no acto da fuga
de dentro de urna casa que este saqueava.
Cygieston fot logo posto a ferros, e este-
va tanto lempo preso com as correntes to
largas ou to aperladas, que at nem poude
subir a escada do cadafalso.
Fot preciso transportarem-n'o para o l-
gubre estrado.
Corre-se o ale i pao, a corda quebra e o
condemnado arremedado a trra de 40 ps
de altura.
Os jornaes at dizem que o baqoe se de-
via ter ouvido a grande distancia.
Esta scena de horror espantou os proprios
espectadores, que eram mais de 15:000
entre bnmens e mulheres.
Houve depois um murmurio abafado ca-
sualmente entrecortado de suffocados gri-
tos.
Todos os rostos, paludos, offegantes, fize-
ram um m ivimento pira a frente, como
urna onda immensa, a Ter o que ia succe-
der.
Os ajudantes do carrasco levantaran) mui
sncega.damente o corpo do condemoado,
todo coberto de sangue desde os pos at a
Quando chegou a sala acbou, com efleito a for-
mo joven sentada no canap, e qae volva para
um e outro lado oibos em que transparecia o
interesse, por se recordar, sem duvida enternecida,
dos dias to felixes qae paseara naquella habitagio
su ra pinosa.
E' a miaba querida Locy I exclamoa a Sra.
de Ca-tellan, corrende de bracos abarlos para
aquella qoeentio olbava como seaan|osalvador.
Lucy levaoton-se e estendeu a mo a Armanda,
cuja pallidet Ibe desaflava eompatxao.
Que afortunada visita I ex-lamou Armanda...
Mas d iga-me em pr i raeiro logar o qoe foi qne a tron-
xe. .. Ab t Lucy I Diga se volta para a minba com-
panbia... Palle... E' orna fellcidade on orna des-
ventara o qoe vera annunciar-roe T...
Mmba senhors, responden a joven, diligencie
prlmelro qoe ludo iranquillsar-se. Senie-se e ou-
ca-me. Venho talvex restitoir-lhe a paz, a sereni-
dade...
Deas a abettgfle, minha filha I tornon Arman-
da. NSo fax Idea de como son desventurada.
Esuerava ama visita terrvel, nio verdade,
mmbasenhoraT
Abl slm, terrvel I
Pois descance qoe nio lera essa visita.
Nao T I E quem foi qoe coosegolo Uso T
-Eo. j
Tu, Locy I Qae anjo I
Eo, sim, mioba senbora ; ioleressava-me em
provar-lbe qoe nio era lio ingrata como me suppu-
oha. Eu Ihe exponhs efado; agora toca-lbe se-
nbora concluir a obra principiada. O perigo
grande atada; mas pode eonjara lo.
-- Parle, falle, mioba fllha..... Ji Ibe afflrmo
que estar! por todo.
Na noute de 21 do mez passado, um ter-
rvel acontecimento veio langar a consterna-
Clo no meio do burgo de Torralba, diz o
Alto kragon.
Quando os habitantes estavam todos no
mais profundo somno, um medonho ruido
poz toda a gente a p.
Era orna casa qae se desmorona va.
Habitava n'elia urna familia inteira das
mais ricas do paiz.
As ruinas sepnltaram o dono da casa e
sua mi, ama crianza que eslava deitada
com a criada no mesmo quarto, e mais sete
ou oito pessoas.
A dona da casa ainda pode escapnlir-se
antes da queda total do edificio, e o mesmo
tambem succeden a urna criada e mais al-
guns criados.
Todos os esforcos foram baldados para
salvar as outras victimas do enorme mon-
tao de ruinas.
Quando as tiraram j eram cadveres.
Que horrivel sinistro I
O Progreiso de Lyao conta o seguinte
engranado caso :
Em urna d'essas rigorosas tardes que aca-
bam de passar por nos, parou diante de
amaloja de- perfu manas, na ra da Impe
ratriz, um joven bem trajado.
Aceodeu um pbosphoro de cera e come-
coa a olhar pelo chao com muita brevi-
dadel
Minutos depois entrou o dono da loja, e
vendo isto perguniou ao joven o que pro-
curava.
Urna moeda de 20 francos, Ihe res-
pondeu.
E logo levado por um sentimento de ex-
trema bondade, o nosso perfumista tornou
ama lanterna, e nio obstante o vento rijo e
fri que eslava, comecou tambem a procu-
rar pelo eno a moeda.
Aggregaram-se urna, duas, tres pessoas
mais, todas munidas de velas e phosphoros.
Afinal o perfumista j estava meio enre-
gelado de fri e disse ao queixoso :
Homem, em que sitio a deixou cahir ?
'sto assim nao pode ser, j ba tanto tempo
n'isto I
Mas olhe, senhor, Ihe respondeu o
joven, eu nao deixei cahir nada ; o que an-
do a procura de urna moeda de 20 fran-
cos, de que tenho mui la preciso.
E dito isto, deitou a correr, deixando a
scismar sobre o caso o bom do perfumista
com a sua lanterna na mo e tolos os ou-
tros que como elle baviam gelado as maos
e o nariz cahindoji'esla engrasada esparrel-
la, em que qualquer tambem fcilmente po-
deria vir a cahir.
Schamyl declarava-se, na citada carta,
nio menos vencido pelas bondades do impe-
rador do que pelas suas armas, e pedia para
ser admiuido com os seus filaos ainda vivos
a prestar juramento de fidelidade aAlexan-
drell.
O czar annnio inmediatamente ao.pedid
do velho Schamyl, qae com seus filhos,
prestou juramento de fidelidade a Alexan-
dre II e ao grl duque, em Kalouga.
Depois desta ceremonia, o representante
da nobreza desta provincia, dirigind-ss ao
glorioso desterrado, expressou-se oestes
termos:
e Vivei em paz, valeroso gutrreiro, nes-
ta cidade onde o vosso nobre carcter 6
apreciado por todos e aonde a vossa attita
de tranquilla e modesta merece os maiores
elogios.
i a a"
O correspondente de um jornal inglez,
ao noticiar que eslavam a carregar guano
nasilhas Chinchas 90 navios, deduzio d'esse
faci o exnaurimento total e prov ral da-
qaelle precioso eslrume, e affirrnou que no
espaco de dous ou tres annos ficariam sem
guano as mencionadas ilbas.
A agencia financeira do Per, estabeleci-
da em Londres, apressou-se a dar explica-
ces, afim de restabelecer a verdade adul-
terada, e mandn publicar o seguinte :
* No anno de 1853, tendo sahido a lume
urna publicacSo em Lima, a qual, a exem-
plo da que boje chama a attencao.dava urna
breve duraco ao guano das ilbas Chinchas,
o governoperuviano ordenou que urna com-
missllo composta de engenheiros nacionaes
e europeos, procedesse a urna medico-
< Esta commisso, apoz um longo Iraba-
Iho scientifico, avaliou o deposito de guano
em 12,500:000 toneladas.
Recorrendo a esta antecedente indispen-
savel, e observando que nos ltimos 12
annos decorridos foram extrahidas 400:0u0
toneladas annualmente, que prefazem a to-
talidade de toneladas 4,800:000, ainda deve
haver um deposito de 7,200:000 toneladas
que nao poderia ser extrahido n'um espaco
menor de 18 a 20 annos.
Suppondo mesmo que assim nao suc-
cedesse, sabendo-se que o Per possue,
alm dos depsitos de guano das menciona-
das ilhas, os depsitos do sul, da Baha da
Independencia, de Sania, de Guadelupe,
de Malabrigo, e os vastissimos jazigos de
guano das ilbas de Lobos, sem fazer men-
cao de outros que anda- nao sao bem co-
nhecidosestes vastissimos depsitos, dos
quaes ainda nao foi extraaida urna s tone-
lada de guano, pode se asseverar que ga-
rantem de sobejo o futaro fioanceiro do
Per, sem qae a extirjcco mais ou menos
afastada do guano das ilhas Chinchas, baja
de incutir medo aos possuidures de fundos
pblicos peruvianos.
que as diversas classes de papis concorre-
ramdomodo segointe, qaanto aos entra-
dos :
Oficios 24:078
Cartas segaras 2,018
Ditas francas 204:734
Ditas de porte 4,688
Jornaes francos (macos) 91:435
Ditos de porle (idem) 1,778
E quaoto aos sabidos:
Offlcios 27:312
Cartas seguras 1,919
Ditas francas 177:608
Ditas de porle 1,993
Jornaes francos (macos) 215:259
Ditos de porte 617
A receita no anno fioanceiro de l65 a
1866 foi de 42,7430828, coocorrendo as
diversas verbas que a constitoem do segoin-
te modo :
Producto de sellos 37^8I440B
Premio dos seguros 2,5080000
Cartas e jornaes de porte 1,850988
Ass:gnaturas 7O70OtO
M"Has 800000
Extraordinaria 120100
Comparada com a do exercicio anterior
que foi de 37,6250205 d um excesso de
5,1180623.
A muitos annos qae a administraco de
S. Paulo excede em rendimente e movimen-
to de papis a todas as outras administra-
ces do imperio, exceptuando-se a do Rio
de Janeiro, hoje directora geral dos cor-
reios.
O rendimento das adminislracoes da Ba-
bia e Pernambuco orcam, segundo dados
officiaes que temos vista, por tres quintos
da de S. Paulo. Apexar disso tem um pes-
soal maior e mais bem retribuido-
Um jornal de Constantinopla fornece-nos
as seguintes noticias de Schamyl, celebre
chefe circassiano, internado desd6 1859,
com a sua familia, em Kalonga :
Segundo parece, elle esperava ser tratado
com mais rigor pelos seus vencedores ; suc-
cedeu, porm, o contrario ; e Schamyl foi
varias vezes objecto dos favores imperiaes.
Foi posta soa disposico urna habitado
espacosa, recebe um subsidio mais do qoe
suficiente para as suas necessidades.
Tendo morrido, ha pouco, urna das suas
filhas, foi-lhe expedido do Caucaso um cor-
reio portador do cadver dessa filha que-
rida.
O ancio profundamente commovido, di-
rigi ao czar ama carta autngrapha, qae foi
reproauzida pelos jornaes russos.
Nesse caso ludo ir bem, proseguio Lucy.
Venbo de visitar o juiz do proeesso. E' intil refe-
rir-lhe agora lodos os pormenores da conversagao
qu* tire com elle.O resollado foi o segointe: Moy-
ses apresentou contra a seohora urna aecusagao de
extorso de urna somma consideravel; mas retira-
r a aecusagao, por qoe pode fat-lo aleda, se a se-
ohora Ibe restituir os fundos qae elle suppde em
sea poder.
Eu I Lucy I exclamou Armanda.
Stm, minba senbora.
Acredita isso, mioba fllha ?
Acredito ao perigo qae a senbora corra, re-
plicou a nobre menina. '
Has esse Moyrs um... Nao acho pbrases
com que possa qoaliOcar o sen procedimeoto.
Mas elle achias terriveis para qaalificar.o
qne atlriboe i senbora. Crea que est tas maos
aelle. Lembre se das senteogas que alada booUm
infamaran) as pessoas das suas antigs relaefies :
Condemoadosl Hootoml exclamoa Armaada
deveras aterrada.
Olhe, disse Locy trago-1 he aqui nm peridico;
lela os promenores da cansa, lea a sentenga pro-
nunciada pelos jurados. Ah 1 minb seohora'; me-
dite na ana situagao. 1
Armanda pegou ao periodio, desdobrou-o, tre-'
meado de modo que iospirava compaixio, per-'
correa as Habas qae Ibe Indicava. A sentenga do
tribunal conderanava Rodrigues, como falsificador,
e como convencido da tentativa de assassiojo, a
vlnle annos de trabalhos forjado ; a Biboliu, por
cumplicidade, na falsificacao de docomentos es-
criptos, a des annos de priso; e por flm a Sra. de
Sabllnville, como cmplice de borla e falsiBcac&o
em pro ve i to proprio a det annos de {frislb. O sop-
A tolalidade dos donativos em dinheiro
votados pelo parlamento prussiano ser re-
partida da forma segointe : Bismark, Roon
e Moltke recebero 300:000 thalers cada
um ; Herwarth de Bittenfeld e Vogel de
Falkenstein 200:000 thalers cada um.
Um jornal inglez publica urna noticia mui
curiosa : segundo urna carta recebida de
Kansas, um comboio composto de muitos
wagons fui obrigado a suspender a saa
marcha por... ama nuvem de gafanho-
los I...
L-se no Cor reio Paulistano o segointe :
Alm da administrado central conta hoje
a provincia de S. Paulo 73 eslagSes postaos
disseminadas no permetro de seu territo-
rio.
Nem urna povoaco de ceita importancia
est privada dos beneficios do correio. Para
a maior parte dellas se expedem. malas de
cince em cinco dias e o gyro dos correios
se faz com a possivel regularidade. O mo-
v ment da entrada e sabida de papis na
administraco central durante o anno findo
foi de 751:419, sendo porentrada 326:711
e por sabida 424:708.
Decompondo-se estas cifras se verifica
Um amador de estatistica que, segundo
parece, nada lem em que se occupe.culculou
que o purgatorio deve estar desoecupado
ha mais de um secuto.
Eisaqui como elle proceden no sea cal-
culo.
O mundo encerra, em conta redondo,
150 milh5es de calholicos, do quaes morrem
segundo a estatistica, 10,135 homens por
dia.
D'este 10,125, mais de tres qoartas par-
tes vo parar ao inferno, porque sao mui-
tos os chamados e poucos os eleitos. Mas,
afim de eviiarmos a discusso neste ponto,
faeamos de conta, provisoriamente, que to-
dos cahem as chammas do purgatorio.
Se hoje um milneiro de catbulicos vivos
ganba urna indulgencia plenaria em cada dia,
os 150 milb5es salvao todos os dias 150
mil almas; e ainda quando houvesse se-
ment nma indulge neta plenaria para de7, mil
caihelicos, salvar-se-hiam diariameniel5,000
almas, isto quasi um terco mais do qoe
de almas recebe o purgatorio.
Porm os algarismos que precedem nao
d5o idea alguma da quantidade fabulosa de
almas que cada dia? seriam tiradas do pur-
gatorio, se por ventura al I i jazessem.
O seguinte exemplo vai demonstra-lo.
Em 16 de abril de 1856, pi IX concedeu
todas as indulgencias da Terra Santa, das
sete baslicas de Roma, da Porciuncuia e de
S. Thiago de Compostella, a todo o fiel ca-
thohco portador de um certo escapulario
azul, todas as vezes que rezasse seis Padre
Nossos, seis Ave Maras, e seis Glorias, fi-
cando dispensado da confissao e da commu-
ohao.
Ora, as indulgencias de que se trata s3o
prodigiosas : S5u Liguori. na sua obra in-
t tulada La Gloria di Maria, tomo II, diz
que as indulgencias plenarias se elevam ao
algarismo de 533, e que as parciaes s5o in-
nmeras.
Desi'arte, dez bons e fevorosos calholicos
repetindo o mencionado exercicio dez vezes
por dia, salvao 53,300 almas no espaco de
24 h ras, isto 43,175 mais do que calho-
licos morrem.
Este calculo deve ser exacto.
O papa vai crear quatro novas ss epis-
copaes us Estados-Unidos, o que elevar a
2 numero dos bispos nesta repblica.
Ha cincoenta annos n5o havia nos Esta-
dos-Unidos senas um, o de Baltimore.

As ultimas noticias do Oriento dizem que
corto numero de bispos do rito grego estio
dispostos a entrar no seio da igreja roma-
na, o que ser um golpe sensivel na in-
fluencia russa no Oriente.
posto visconde, o snpposto principe italiano, deslg
nados pelos seas verdadeiros nomes, e reconheci-
dos como agentes de Rodrigues, tinham sido con-
demuados a seis annos de priso. Os tres primei-
ros tinham sidocoademnados pur contornada, por-
quaoio baviam traosposto a fronteira, evadindo-se
para um paiz estrangeiro.
Ao coocluir esta'ieiiura, deixou a Sra. de Cas-
Ulan cao ir das maos o peridico edesmaiou. Foi
preciso reanima-la eom ses enrgicos, dos qoies
liobam sempre reservado um frasqaiobo. Quando
lornou a si, succedea ao desmaio copioso prauto,
que a salvou pruvavelroeou de urna crise nervosa
qae poda ter seos perlgos.
E' bom sigol, pensara Locy. A Iranqullida-
de e a mo p Ao cabo de aro quarto de hora de silencio,
dorante o qual dea livre corso a aaa commogio,
dirigi a Sra. de Castellaa a' joven a seguate per-
guata :
Falle com fraoqu?ia..... Qae exigern de
miro ?
Um* restitoicio ImraadUts, responden Lucy
Mas se eu nao ti ver esse dinheiro ?
Restam Ihe avaitados bens de fertnna.
Moito menos do qae rappSe, Lney.
Anda qae deva sacrificar todo, preciso
qae restii* a Moyss a somma de qoe se traa.
. Cessara' eato as suas persegoigSes ?
Retirara' a aecntacio.
Qae hornero f nio tem entranbas I
Mas quer o seu dinheiro.
O dinheiro qae me obn'goa 3 aceitar 1.
Igooro-o, miaba seohora, disse Locy com
desdem.
As ultimas noticias do Japo dizem que
os ministros linbam eleito para novo tai-
coum ou so eraao temporal, Flotbarhi.
Mas en estou certa do que manda. E* homem de coosnmmada ma f...
O que Ibe pego, por quera miaba senbora
disselhe eotao Lucy, que se decida. Nio tem
um momento a perder. Cada minuto qae decorre
mais um perigo para a sua iiberdade. Mande
chamar o Sr. Moyses e resiita-lne o dmhe.ro. O
Sr. Moyss dar ine-ha um recibo *om o qual irei
eu desarmar a justca.
Nao acabara alada Lucy de fallar, qaando se
ouvi rodar urna carruagem. Armanda esireme-
ceu ; em seguida entrou nm criado e aooccciou a
Moyss.
A Sra. de Castellao quix retirar se.
Lucy deieve-a eom eoergia, levaotaodo-se tam-
bera, e indo at a porta da sala.
Moy>s assomiu a' poru com eeru segara dea
qoe (loba um Uoto ou quanto de dureza, mas ao
ver Locy detevese estupefacto e como qoe deslum-
hrado, e fex-lbe mui respeitoso comprmanlo.
Queira enlrar, duse-lbe a joveo, Vem 4o pa-
lacio da jusiica, nao verdade T Bu ja* o linda
precedida.
Venho, slm, minba senbora, respoodeu o
banqueiro, com o chapeo na mae e os olbos bal-
ios. Eslava ooilo looge de soppor que tornara a
eocenira-la nesta casa.
Vjltei aqui, para levar a effelto um acto de
reeoncilia^o. Queira senur-se, Sr Muy.-s. A
Sra. de Castellao agradece-lhe a sna visita, e dse-
ja que trag* esp.rito de pas qae ti6 raro boje
em assompus de interesses. Be certo Ja' preparoa
o do. amento de qae sem duvida Ihe falloa o Sr.
jais do proeesso ?
e-------: ____, Cntinvar te hi)
1TF. DO OIARIO-RLA DAS CRZE^ N. 4i
'1

.
'
4 i



A
m
^m


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EHXBXF7YL_MO643M INGEST_TIME 2013-09-04T23:17:35Z PACKAGE AA00011611_11178
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES