Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11175


This item is only available as the following downloads:


Full Text
1
ANNO XLIIL NUMERO 18.
PARA A CAPITAL B IiUttABE* 0*DE SE NAO PAA PORTE,
Par tres aezes*adiantades.,............... 64000
Per aeis ditos idea ............... 124000
Por uno idea.............. .... 24^000
Cada nuaero tuIso ...... 7 .............;. 320
TER^A. Fr IRA 22 DE JANEIRO DE 1867.
FAHl DEXTBO E FOBA BA PROVINCIA.
Por tres mete* adiintados..............
I 8r SC1S UilvS lf Hl
Por MTe ditos idea...........................
Por na auno idea.. ,T.................,..........
6f5750
434500
204250
270OCO

'









1
A
*
k
/
I
m
a\83jjp1tB\ft3 21 IPIBftnamiU'SBD WD SOSMlPVDKtD 0)1 lMI!iD3Ia 93&92aia(D ID! 9A13 & 93211)3 81893 IPMMB&MDa
iencarregauos a subscripto.
Patahyba, o Sr. AutoiioXl6.\?ndrno de Lina;
N i al, o Sr. Am mu. Marques da Silva; Aracaty,
oSf. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. Joaqaim
Jos de Dliveira ; Para, os Srs. Gerardo Autonio
Alves & Filaos; Amazonas, o Sr. Jeronyino da
Costa; Alagoas.o Sr.Fraodno lavaros da Costa;
Bahia, o Sr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro,
o Sr. Jos libeiro Gasparioho.
paktiDa 1>i S kstapktA<.
OliDda, Cabo, Escala e estagoes da va frrea al
Agua Preta, lodos os das.
Iguarass oyaona as segundas e,sextas feiras.
Santo Aoto, Gravat?, Bezerros-, Booito, Caruar,
Aliiaho, Garantaos, Baique, S. Beato, Bom Con-
selho, Aguas Bellas eTacaral, as tergas-Jeiras.
Pao d'Alho, Nazarttb, Limoeiro, Brejo, l'esqoei-ra,
Jogazeira, Flore, Villa Bella. Cabrob, Boa-Vis-
ta, Oaricury.Salgueiro e Ex, as quarla> feiras
I Seriobaem, Rio Pormoso, Tamaodar, Una, Bar-
reros, Agi Preta e Piraenleiras, na? quiotas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do comaBfccio : segundas e quintas.
Relago: tercas e Jaba ios as 1) horas.
Fazenda : quintanas 10 horas.
Juizo do commerafo : segundas as 11 horas.
Dito de orphaosaptercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civm: tercas e sextas ao mei o
dia.
Segunda vara do civel : qoartas e sabbades a
1 hora da tarde.
EPHEMEiUDES DO MEZ DE JANEIRO.
K Loa nova as 9 h., e 3S m. da t.
13 Qnarto cresc. a 1 h., e 42 m. da t.
20 La cheia as 4 h., e 44 m. da w.
27 Quarto ming. as 11 h. e 55 ni. da m.
DAS DA SEMANA
21. Segonda. S. Igoez v.ro.; S. Patroeolo m.
22. Tprca. Ss. Virenti e Anastaclo mm.
23. Quarta. S. lldef -nso are ; S. Emereoca v. m.
24. Quinta. S. Thlmoiheo b.; S. Metllo ni.
25. Sexta. S. Aaaotas; S. Juveniino.
26. Sabbado. S. Pollcarpo ni.; S. Tneogioes m.
27. Domingo. S. Jio Cnrisostomo b. dr. da igreja
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 6 horas e 6 ra. da manhaa.
Segunda as 6 horas e 30 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COsTEIROS.
Para o sol at Alagoas alie 30; para o norte
al a Granja a 7 o 22 de cada me?.; para Fernan-
do nos dias 14 dos mezes Janeiro, marco, maioj
jalho, selembro e novembro.
PARTE OFFKM
GOVERXQ HA PROVINCIA
Expedate do dia 7 de dezembro de 1866.
N. 288. Offi .lo ao general commandante das
armas.Sirva-se V. Exc. de mandar dispensar dn
servigo da guerra para que fra designado, o guar-
da du batalhao n. 10 de Iguarass, Locio Manoel
Antonio, visto ser o arr mo de seus pas velbos.
tN. 287. Dito ao raesmo. A' V. Exe. serio
absentados o* guarda^ designados parado servigo! 9 'obseu cominadosiiprior, e"a qu se7efere"
scu officio de 29 de outubro ultimo; aflm de que
V. S. mande organlsar eom as declarares exigi-
das pela le, dando se os motivos das vagas, cujo
preenchimento, e indicando-se nesta oceasio os
liberdade o guarda do 6o batalbo de.-io municipio
J s de S JU'a o Espirito Santo, satisfago ao qae
solieltou V. S. em sea officio de 4 do correte, sob
n. 397. a qoe respondo.
N. 311 Dito ao commandanle soperior de Olin-
da.-Sendo incapaz do ser?igo da guerra o solda-
do do 9* batalhao sob seu commando superior,
Gildio 1 Ferreira Gomes, mandei o por em liber-
dade, e reo 'minelo a V. S. expedieao de suas
ordens, afim da que seja elle substituido por ou-
tro.
N. 312.Dito ao commandanle superior do Bre-
jo. DbvoIvo a proposla da seccio de reserva n.
da guerra, Jou i.aocio Mendes Hierra e Joo Bap-
lista da Silva, f.-is do batailio39 do Cabo, e aque-
ie do de 0. 23 de Siuto Aoto.
N. 288Dito aomestno.DeconformiJaoe com
o que soliciioo o cornaandante superior deste mu-
nicipio em officio de 4 do rorrente sob n 397,
mande V. fixo. dar baixa ao reernta Jos de Soa-
za do Espirito Santo.
N. 289.Dito ao mesmo Visto que, segundo o
tormo de inspeccSo aonex ao sen officio de hou-
tem datado sob n. 1338, foi considerado incapaz do
servico da guerra, o guarda do 9 batalhio d
'Jlinua, Gandin Ferreira Gimes, pode V. Exc.
mand"-!o pOr em liberdade.
N. 290. -Dito an mermo.Faco apresectar a V.
Exc. pira o servico da guerra, os guardas nacio-
uaes, Lucio Manoel Antonio, Joaqoim Jos de Santa
Anua, Simplicio Bezerra de Figoeirdo, Antonio
Perelra da Silva e Affjnso Vellrzo de Sooza, os 2
do 10, e rs de mais dr lt batalhao da guarda na-
cional, ambos do municipio de Iguarass.
IS. 291.Dito ao raesico.Mande V. Exc. por
em liberdade orecruta Francisco LoureoQO Gome*,
que Ihe foi apr. sentado pelo Dr. che.fe de polica
em 26 de novembro nllimo, com o nome de Ldu
renco Gomes de Mello, visto que provou isengo
legal.
N. 292.-Dito ao mesmo.Mande V. Ere. por
em liberdade os-45 recrutas, que vieram de Santo
Aoto, e qne foram considerado; incapazes do ser-
vico d 1 exercito, como constan, dos dous termos de
)ti;;>tcao, que vjeram'anoexos ao sen officio de 6
lo crrente, sph n. 1319.
N. 293,-Ulto ao mesmo.Mande V. Exc. por
un liberdade o guarda nacional do 6* batalhao de
infamara deste municipio, designado para o ?er-
vico da guerra Jos Ferreira do Valle, visto que
trabalhador da estrada de ferro do Recita a S. Fran
cisco.
N 294.Dito ao mesmo.Sirva-se V. Exc de
mandar inspeccionar o guarda dotiatalhon 11
de infamarla, Affooso Velloso de Souza e o recru
ta Francisco Nones de Assts, apresentamio-me o
resultado da laspeccao para resolver definitiva-
mente sobre o de.-tino que devem ler.
N. 295.Dito ao mesmo.Sirva -se V. Exc. de
mandar por em liberdaoe os recrot.s Izidero Se-
vero Bezerra e Jos Luiz da Triodade, vliq terem
-iJo juigados incapitzes do servido do exercito em
inspecgo de sade, como se v do termo aanexo
ao seu officio de bontem datado ,ob 11. 1340.
N. 296.Dito ao mesmo.Em vista do que ir.e
represeotou V. Exc verbalmente, rec nimeudo
Ihe que faca substituir por guardas nacionaes
designado? para o servido a a gaena, os recrutas
que ba pouco foram v-ccinados, e nao podem ser
transferidos para bordo do brigue barca llama
rac.
N. 298.Dito ao Dr. chtfe de polica. Com a
copia da ioforruac59 ministrada em 5 deste mez
sob n. 634, respondo ao olficto do antecessor de V.
S. n. 1471 de 23 de ootnbro ultimo, sobre o paga-
mento das praija: da guarda nacional destacadas
em Goyaona.
N. 300.Diloao inspector ;a thesooraria de fa-
zenda. Restituindo a V S. as coota> a que se re-
ci 111 as >uas iof .:m.'.i;o-s de 17 Ce novembro ul-
timo e 3 do crrente sob o?. 745 e 793, relativas
as despe?a feias com os 2:000*000, que entreguu
essa'lbesouraria ao thesoureiro da reparlicSo das
obras publicas para as estradas praphicas. de que
foram eucarregados os engmheiros Chrysolito
Ferreira de Castro Chaves, Jorga Hermano Augo?-
to Ebrharot e Arniaod Massey, reroinintodo a V.
S., alienta as raides apresenladaB pelo chefe da-
quella repartigao em offie<>-s de 1 s e 27 do citado
mez de novembro, ns. ite4C7 que acceite as
mencionadas coutas e considere o predito Biosou-
1 tiro exonerado da respuosabilidade da quaolia de
que se tr*ta; cerlo de que dessa quantia a de....
425A820 foi despendida no exercicio de 1865 a
1866, e o restante no actual, seguudo consta do ul-
timo de laes offlcios.
N. 303. Dito ao inspetor da thesooraria pro-
vincial.Constando do officio junto por copia, que
me derigio o chefe da reparlicao das obras publi-
cas em data de bontem, e sob n. 47;!, baver o em-
preteiro do calamento desu cidade execulado,
durante o mez de novembro ultimo, serviQu cor-
respondente a 32:69 5730 res, recummendo a V.
S., que, em vista do competente certificado, mande
pagar essa qnantia.
N 304.-Dito ao mesmo.Manle V. S. pagar a
M'guel Lucio de Albuquerque e Mello, se nao ti a-
ver incoavenieate, e em vista do pret juolo em
duplcala, que me remeiteu o commandanle supe-
rior da comarca de Palmares c un officio do 1" do
crreme, og veocimeotos relativos ao mez de no-
vembro ultimo, dos guardas naclooaes destacados
na villa de Barreiros.
N. 395. Dito ao mesmo.Tomando em consi-
derado, o que expoz o chefe da reoarli$o das
obras publicas no ofBv.io junto por copia, datado
de 5 do correle e sob o. 478, acabo d4 autonsa-
lo a recebar a obra da ponte d > eog-olu do M-io,
sobro o rio Araripe no camiuh > de Tres Lid-iras,
deveado porem .1 nter no respectivo certiUcado a
quantia de 6U0 res, em que foi pelo mesmo
chefe avahada a differeoaa, que se nota entre a
obra projecuda e executada. O )u-> declaro a V.
S. para a u couhecioieolo e devido effeito.
. 306.= Dito ao m^smo.Auionso V. S., nos
termo? de su 1 inforraacio de 5 do correte, sob
n. 63, a mandar relevar os tutelados de Floren-
cio Doioiogues da Silva, rJih > do fallecido Antonio
Francisco de Mtfaula, da multa em que erfeorre-
ram, por nao baver si do registrado apportuoa-
meiite no consolado provincial a eneriptora de
permuta, que fazem entre si os mencionados tute-
lados, representados por seo tutor o mencionado
Florencio e D. Anglica de Miranda de partes de
obrados das ras da Lapa n. 12 e Guia o. 37.
N. 307.Dito ao chefe da reparlicao das obras
publicas.Mande V. S. examinar a barra, de qne
trata os inclusos offlcios da cam ra municipal da
villa de Barreiros, de 25 d > outubro ultimo, e do
capilo do porto de 29 de novembro prximo Ando
procedendo os estados necessarios, para as obras
que mais conveoba facer-se, e me aprsenle o res
pectivo nrcameoto.
N. 308.Dito ao rae- mo. Mande V. S. fazer
coa urgencia os concert? dos bicos de gaz da
lllominaco do q (artel do Ho?picio, qoo estao ar-
ruinados, como solicitou me o geoeral commao-
danie das armas em offlcicio desta data sob 0.
1346.
N. 309.Dito ao mesmo. Tomando em con-
eideraco o qoe expdi V. S. em seu officio de 5
do correte, sob n. 478, o anin ?o a receber a
obrada piata do eogeono di M-o, sobre o rio
Araripe oocaminho de Tres Ladeiras, deveolo po-
rem abater 00 competente certiQcado, a quantia
nemes dos officiaes, que ltimamente oceupavam
as referidas vagas, e os poslos que ja servem os
propost'S.
N. 318.-Dito aojuiz de direlto de Goianoa.
Nao teodo sido anda temetlido por esse juizo um
dos mappas, que ihes compre ministrar para a es-
taiistica judiciaria, o correspondente ao modello o.
1313, eos que Cabem aojuiz municipal e de or-
phaos, delegados e subdelegados de policia desse
termo, como foi recommendado por esta presiden-
cia, em circular de 19 de abril ultimo, haja Vmc.
de remelle los sem per'a de lempo.
N. 319.Dito ao jui de direito da Nazaretb.
Transmiti a Vmc. para seu eonhecimento, e aflm
de que deQra juramento aos nomeados que para
isso se apresentarem, no prazo de 15 das contados
de boje, e nao o tiverem prestado pernote o prest
d:-nte da respectiva cmara municipal, copia da
portarla desta data, pela que preencbl a lista do
su. 'i. me; do juiz municipal desse termo. A este
reraetto os respectivos titulas, e a Vmc. recommen-
do qne me commaoiqae a dala e Quines dos jura-
mentados.
N. 320.Dito ao lente coronel Epaminondas
Vi-ira da Cimba, commandanle do 10. batalhe de
lguaras-.Dispensando nesta data do servico da
gaerra, visto ser o arrimo de
27 de novembro ultimo, sob ns. 444 e 467, acaba
de recommendor a' thesouraria de fazenda, que
exonere o thesoureiro dessa reparlicao da respon-
sabllidade dos 2:0005, qne recebeu em 3 de maio
deste anno n'aqnella thesooraria para oceorrer a's
despezas com os trabalbos graphicos, de que fo-
ram eucarregados os eogeoheiro'i Crysolito Fer-
reira de Castro Chaves, Jorge Heraupo Augusto
Ehrharat Armana Massy. O que declaro a V- S.,
de ordem do mesui Exm. Sr., e panados fins con-
venientes.
N. 317. Dito ao commandanle superior da co-
marca de Palmares. O Exm. Sr. conselheiro pre-
sidente da provincia, respondendo ao officio de
V. S. do Io do correte, inania declarar que nesta
data autorisoo-se a thesouraria provincial a pagar
a Miguel Lucio de Albuquerqne Mello os veoci-
meolos cooslantes do pret que em duplicata velo
anoex 1 ao citado ofll .0.
INTERIOR
RIO DE JANEIRO.
F.\|)f)S'cai nacin \.
XI
ANIMARS DOMSTICOS.
O espado "reservado na eiposiQo nacional para
os animaos domsticos era bem limitado ; nao obs-
tante, vio-se que fura grande de mais. Tardio 9
provavelmenle mal compreheodido, o convite feito
ao? criadores e dooos do aoimaes apenas multo in-
' completamente proJuzio o esperado resultado. Urna
exposicao de aoimaes domsticos (e tal era com
effeito a idea dos homeosque della tomaram a ini-
ciativa) devera' reuoir debaixo do mesmo taeto
todos os animaes que o homem cultiva para delles
tirar producto sob urna forma qualquer, desde, a
sanguisuga, o bicho de seda e a abelha al ao cao.
Infelizmente, tres bols, alguos cavallos, om reba-
obozinho de carneiros, eis ludo que foi apreseotado.
seus pas velhos, o Mesroo nmando-se a eslas tres
8" vi,,,aLrn*1 m'0 MhDOk Amonio o qoe alia- ^ deJX3va rauil0 dwfj 0pm,^ J]mil
tLl7mTS?a0te,de bTem dVa' aSsimio precioso, tao til, all'nao appareeiV, assim
% ?m n S6U Th?0'Tni;nn nr.vi \com arabem n "P areciam as vaccas de leile,
N. 32l.-D.to ao ciPmandanle do corpo prov- ( ,0 |d d [
Z^S^r*,01* VmC- Z&'liSZEZA SSaSaeMbi corraes. Qoan.o aos carneiros,
strv.fo do corpo son seu cernondo. o paisano Jos lodos e|| er siodosdo eJ\er,or.
Joaquim de Albuquerqne, que, segundo o attestado
junto ae seu officio n. 275 desia data foi julgado
para isso apto.
f. 323.Dito ao juiz municipal de Nazaretb.
TransmUto a Vmc. para seu couheciraeoto, e aflm
de que sirvam de titulo aos supplentes desse juizo,
copias da portarla desta data, pela qua! preeochl a
lista dos mesmos suppleoles, deveodo estes prestar
juramento perauto o juiz de di eito ou presidente
da respectiva cmara municipal.
N. 329.Uno ao presidente da cmara munici-
pal de Nizareth.Transmiti a Vmc. para seu co-
uhecimeoto, eaflm de qne deflra juramento aos no
meados, que para isso se apresentarem no prazo I
de 15 das coalados de hojo, copla da portara es-
ta data, pela qual preenchi a lista los supplentes
do juiz muaicipal desse termo, a qoam remetto os 1
respectivos ttulos: e recommeodo-lhe que me com-
muniqne a data e nome os juramentados.
N. 330.Dito a cmara municipal do Recite.
Declaro a cmara municipal do Recife em resposta
ao seu officio de 3 do correte", sob n. 81, qoe nao
exisliodo oa secretaria do gobern o seu officio de
Pois bem, mesmo assim rediizida, a expsito
de animaes domsticos oem por isso deixou de ser
Interessaotissima e de redoodar em ensioo prnvei-
toso. Os membros da commissao que se esforca-
ram por leva-la ao cabo podem congratuiar-se
visla do resultado por ella produzido. Sua primei-
ra teotaiiva foi to hem succedida quao til.
Dezeuove cavallos, se nio nos engaamos, figu-
raran) surcessivameote as balas da cavallariga
annexa. Dous desses animaes eram ponei/s Ingle-
zes, e, por ronseguinte, nao furmavam parte do'
concurso S bavia, pois, dezesete animaes do
paiz. Provlohamelles do cruzamento de ragas in-
dgenas com garanti^ do Cano da Boa-Esperanga,
inglezes de tiro de grande esf , barbo3 e rae-
klemburguezes.
Pde-se assim reconhecer que, fosse qual fosse
a raga estraogeira de que prvinha o pai, o pro-
ducto conservara em todas as circumstancias os
defeitos mais salientes da raga materna, e que, ao
passo que a parte anterior do corpo, isto a cabe-
ga, o peseoco, a espadua, apresentava as formas
: caractersticas do pai, a parte posterior, isto os
a anca, a cxa, e al muilas ve-
espiuhago e a cruz, reoresentavam fielmente
3 de outnbr 1 ultimo, n. 69, em que submetteu a 1 ioaiDOS a arui]
approvagao desta presidencia o projecto de postura- ZPS 0 eJpifjhac> 8
a que ailude, nao pode por essa razo ser resolv, a o.onfo'rmaco materna. Embira se tncorresse em
do, o oue solicita a mesma cmara no pnmeiro dos. a|gurna gJJ^,^ Dm sc pod(.na illtf qQe
., v,, esse-i cavallos pareciam formados de dous pedagos
l!,ia- distmcios.
citados nffleios.
N. 331.Dito a cmara municipal da B
Para eu puder fa'er a desigoagao dos eleilores,
que devem dar a fregoezia de Santa Maria da Boa-
Vista e a da Igreja Nova pertenceote a esse muni-
cipio, na eleigo da primeira domiDga de fevereiro
do anuo viudouro. cumpre que a cmara municipal
da villa da Boa Vista, rae remella com a njeessa-
r.a possivel brevldade urna r^iagao dos votantes, sa)|eDe8 da c? m -
por quarteire?, que em virtude das leis n. 530 de OB,4 5 ,^...ii._,.. A_________> v 7 de juoho de 1862 e 601 de 13 de maio de 1864,
Verdade seja que o maior numero dos animaes
expostos resultavam de um primeiro e coico cru-
zamento, e bem pode ser que se espere que, com
o andar do tempo^AS defeitos (excessivo compri-
ment da columnalombar e do? flancos, exiguida-
de e ma ioclloago da anca e da garepa, falta de
pprtenciaro a frcguezias de outros rauolclpios e
hoje ficarem pertencendo as desse.
N. 332.Portara. -0 prudente di proviocia,
attendendo ao que requeren Jos Peres Campello
de Almeida, esenvao de apaellsgoes e aggravos da
relago, resolve conceder-lhe 6 m-zes de lcenga,
pata dYlla gos^r dentro uu fora da provincia.
N- 333.Dita.O presidente da provincia, atlen-
dendo ao qoe expoz o arr-matante da obra do re-
baixameoto da I delra do Livramenlo, no reqoeri-
meoto sobre que informou o ebefe da reparligao
das obras publicas, em officio do 1.a do correte, o.
genas vao gradualmente des^ppareceodo. Todava
: o Sr. cemmeodador Mariaoo Procopio Ferreira La-
ge expoz um lote de animaes, Minos e netos de um
1 garanho ioglez de tiro meio leve, teodo por coose-
guinle o qae se chama tres quartos de sangue, oos
quaes esses mesmos defeitos de conformagao eram
notavelraeoto maoifestos.
E' que os defeitos qae aponamos o.io sao so-
menle defeitos de raga ; sao o resultado de Dessos
proprios habito?, do modo de crlacao adoptado e
al mesmo dos servlcos qoe exigimos dos oossos
cavallos. K" impossivel que um cvalo criado no
pasto, alimentado com capira, nao tenha a barriga
enorme, os intestinos volrnosos, o pello a:aohado,
S rf o|ve.co?cef L"f T m" rPM5.m os "anC05 '". lombo comprido' conformag
para a.cooclusao daaoe la obra a cantar do da em 1Dev,iavel r. soltado diroinuir-lhe a for-
que se Bu Jar a que ltimamente obteve o meneo- e a Jra[)jde2 d(J ,f Q ^^ aQ
nad^o arremtame para esse 6m. lempo as proporgoes das pules do corpo, isto .
N. 334.-D.ta.- O pres.deuti da proyincw. ten- afeiando e eDfra^ecendo 0"cm,|0.
v.sta o que requeren o flel do lhesoure.ro E. jmpo;sivel Hqae Q(D cava||o roarcft(J(iorj ,8t0 ,
o que deve galopar com as peruas de detraz ao
passo que trota com as de diaote, nao tenha a ar
do em
da thesouraria proviacial Thom Joaquim do Reg
Barros, e bem assim o qae a esse respeilo iofor-
. j .. _.is- ._ ro. J O t r F*.v juo nula buiu 03 uo ui.uic, ua\j i-r.nu. ai
mou o chfr daqoella repai neao em offlej. de 3 do ,icula5ao do. rns 'deslocada por as
correte, sob o. 631, re.o ve 1mroaar por.doussim drzer,as peroas trazeiras Luidas para baixo
metra com veoc.mentos na forma ta le a llcenca, do dobrados, as ancas mui obli-
que lh-. Ihe foi concedida para tratar de u ode.; u> Q ff da f
N. 33o. D.ta.f- O pres.deo-.e da provincia lo ^r 0 cava|,0 se de3envo|v*e por m*0 d40 movi.
eonsideraceo o que expoz o arrema- ^eDl0 dS membros po.lerloref e para que as
imitar rapidez do trote em
ssario
sa
oa. E' pelo melhoramento das culturas, e s por
meio e lal melborameoto, que oo Brasil se poder
conseguir o aperfelgoameoto das ragas.
O Sr. Liurindo de Almeida, fazendeiro do Bana-
nal (S. Paulo), expdz um lindo garanho, de meio
sangue, meklemburguez ; o peseoco e.-pesso e arre-
dondado, a cabega ossoda e forte, os msculos
enormes, faziam deste eavallo um bom typo de
cayallo de t[ro pesado, typo que nao possuimos, e
cuja prodocgo seria um importante servigo pres
tadu. Um s cavado faz na Europa ou nos Esta-
dos-Unidos o qu\ em rauitos osos, s se faz aqu
com qu tro molas; mas, circunstancia que nao
deitaremos de ponderar de passagem, o eavallo
deve comer na proporcao d 1 trabalho, e no estado
actual, setpossuissemos urna raga de cavallos deste
genero, nao teriamos com que >ustenta-los.
Dou? cavallos, viudos igualmente daquelle muni-
cipio de S Paulo, um roztao, o outro pompa, ex
postos pelo Sr. commeodador Valia), eram menos
corpulentos e mais maoejaveis do que o do Sr.Lau-
rindo de Almeida. 0 rozlho sobretodo era um
typo bem soffrivel de cavalb do salla para a caval-
1.3na. Seu poi le e andaduras francas devem te-lo
de certe recommendado a attengao do jury.
O Sr. Mariano Procopio Ferreira Lage mandou
um lote de ooze cavallos. Uus provioham do ero
zamenlo de urna egua de meio sangue com um ga-
ranho rabe, os outros de urna egua, igualmente
de meio sangue, com um garanho de raga
inglesa.
Notava-se sobreludo entre os prlmeiros rabes o
eavallo prata, cuja conformag approximava se
muito da do pai, e qae foi vendido em leilo por
1:2504; e urna linda ezua ruc* queimada, impro-
priamente cbamuda Sidi (que significa enhorj, a
qual, vendida por 400J, nao fji do certo paga
pelo seu justo valor. Ella noha com effeito muita
raga.
Eotre os descendentes de ioglezes ou, para nos
conformamos com a designago dos letreiros. de
normandos (porqoanto o pai- desses cavallos, bem
que ioglez, 'desigoado como normando), a atlen-
gao dos amadores foi captivada por duas eyuas
moui at, bem lidas, que foram vendidas por
1:5504, apesar de sarem muito inferiores ao caval
lo Julin-Bull, robusto garanho, de pernas m?gnifi
cas, o qual, no leilo, apenas pode alcangar o prego
de 560.
O lote de animaes expostos pelo Sr. M. P. Fer-
reira Lage foi oolavel a todos os respeitos, ludica-
va elle tentativas de melhoramento numerosas e
reiteradas e doze annos pelo menos, de esforc,
de perseveraoga a do sacrificios fotos em gran-
de escala para o aperfeigoameoto da ioteressante
raga de cavallos mineiros, que, apesar de pequeua,
indubilavelmente a mais apta para os diversos
servigos. Multo nos admiraiiamos se o jury uo
tomasse em sena eonsiderago, nao diremos o valor
dos animaes expostos pelo Sr. Lage, mas o merec-
ment do productor e o zelo iocessaulo de que elie
tem dado provas por espago de lautos anuos.
O que certo qoe o publico ja fez justiga aos
esforgos do Sr. Lage, sem esperar pela deciso do
jury. Os cavallos que sahem da sua fazenda sao
procurados pelos amadores ealuns gozam ds urna
repntago legitima entre os spormen fluminen-
ses. Em Mm, ultima prova pes.r da copiosa
chuva que cabio justamente hura em que liuha
lugar o leilo dos ooze cavallos expostos, crescido
foi o concorso de amadores e o producto total da
venda elevou so a 7:0004, dando um lerme medio
de 6304 por cabega, prego ja suffleienteraente re-
muoerador, nos o esperamos pe o mcuos, e qne,
em circumstancias menos desfavoraveis do que as
arluaes, houver sido sem dnvida mais alto. Isto
animador para os cnaduies.
Quanlo ao gado bovino, s havia na exposigao
tres cabegas, mandadas pelo Sr. major Tnompson,
director da casa de correego. Como esses bols
pertenciam a um esiahsleamealo do est do, aclia-
vam-se naturalmente fra do concurso. Seu esta-
do deneJiez attestava que as ragas do oaiz (cojo
nico defeito consiste 00 excessivo volume dos
ossos, defeito que alias se pode corrigir por meio
da alimentagao) seriam sem difflcjldade engorda-
das, se esta industria fosse pralicada eotre nos. Eis
mais urna prova de qae, seo R o de Janeiro a
nica cidade do mundo oode se come carne tao
ruim, nao c a inculcada degeoeragao das rugas que
coniribue para isso. E' as condigos econmicas,
e smente nellas, que se acharo os obstculos ao
aperfeigoameoto das ragas bovinas.
A este respeito, a liberdade real e nao /icltcia,
nao oltra-regulamenlada, disciplinada, aperreada
(a pretexto de imitar os systemas franceses anti-li-
beraes) do commerclo dos animaes e do matadour.
seria mais efflcaz do que todos os cruzamenlos do
mundo, Nioguem ignora de auantos abusos de
toda a natoreza foco o estabeltcimento de quar-
rissage, impropriamente chamado matadouro. Gra-
gas aosystema ea maoeira observados na mafanca
comemos bois magros, as vetes tsicos, al mesmo
s vetes (facto este que j se vio) com os intersti-
cios musculares infiltrados por lquidos anormaes,
e cuja carne est sempre cheia de um saogue ne-
gro, meio corrompido; ou seno vaccas prefines,
exhaustas de forgas, porcos er vados de cysticer-
cos (pipoca) nao microscpicos, mas, nao raro, do
tamanho de um grao deervilhas, e carneiros estra-
gados pelo? parsitas ou pelas molestias.
Ha om bom meio de acabar com este syste-
raa. Determine se rigorosamente as condige? de
mandado a exposigao pelo administrador da impe-
rial, fazenda de Sania Cruz e por um expositor do
Paran.
O feno de Santa Crnz grosso e comprldo, tendo
mais cyperaceas do que gramineas, s poderla con-
vir ao gado vsecum. O do Paran apenas nos pa
receu conter urna nica planta (do genoro paspa-
lumf...) a que S8 attribuem qualrdaes alimeuti-
cias mui notaveis.
E' realmente extraordinario que a produegao do
feno, produegao emin-ntemente econmica e na
qual machinas simplessimas, de prego suraraamen-
te mdico, subsiiluem hije o brago do homem, nao
se tenha at ao prseme estabelecido no Brasil.
Suppondo que ha 00 Rio de Janeiro cerca de 75000
cavallos ou burro, que nao por cerlo exaggerado,
imagine se qoe pessoal exeessivo exige todos os
dias a alimentagao de tao crescido naaiero de ani-
maes, quer para corlar o caplm, quer para o trans-
portar e dislribui-lo pelas casas que dlle eare-
cem I B isto em um paiz onde ha falla de bragos I
Ntese mais que a forragem verde incontesla-
velment6 menos aliile do que a forragem secca,
conforme se acba demonstrado por experiencias
directas; que 100 de peso em forragem verde nao
equivalem a 25 de peso em forragem secca, de ma-
neira que para transportar o capira preciso para
o sustento de 25 cavallos tem-se de empregaf o
mesmo pessoal e o mesmo material qne transporta-
ran) o feno necessario para sosten o de 100 ca-
vallos, e o que mais, o eavallo, no primeiro caso,
gasta, para consumir a rago, pelo menos o dobro
do lempo preciso no segundo. Nao extraordina-
rio qae urna tal economa oio leona at boje tenta-
do pessoa algnma? Cremos que incumbira ao Sr.
ministro da guerra tornar a iniciativa desta refor
ma. O ihesouro e a agricultura muito ganhanain
com ella. Quanlo aos particulares, nao >eria bem
para desejar que o digno Sr. major Suckow, a
queni ja se devera tantos melhoramentos, tomasse
a precaago de operar mais este e dsse o bom
exemplo a todos os chefes de estabeleclmeotos do
geoero do seu ? Seria realmente um novo servigo
prestado por S. S. ao paiz. No dia em que os ho-
raens que se empregam na cultura do capim tive-
rem certeza d9 dar ex-traego aos seus productos,
entraro necessaramente a fazer feoo, opengo
esta qae logo reconhecero ser-lhes iacomparavel-
meute mais lucrativa.
PEHHAMBUCO
Fonseca e Silva, cora
Oliveira, com Justina
...-----. -.,. w-_-..-,-v-.. ., r-r -. %.- melo dos memor
taole da estrada da Boa-Viagem, Antonio Lopes Pe-; wSos S8 possam |
reir de Carvalho, no requerimenio sobre que ver- ] gUan(0 05 p,ss ga|00.
sa a informagao do chefe da reparligao das obras f jd e0KeDdradas por ests se perca
publica,, datada de S}8 de novembro oltimo, e sob !q v gfi t ^ | k Pq ^ v- .
REVISTA DiAit
Segundo partecipago do subdelegado do 2
districio do Recife (Jaboaio) corra all baver
um projecto de insnrrelcap entre escravos do? en-
genhos Cavaco, Gurja, Maltas, Cajabuss e Ta-
pugy. O delegado procurava averiguar o fado.
No dia 2 do correte, procurando o preto
Qaerino, de menor idade, escravo do proprietario
do eogenho Sipucaia, da freguezia de Serinhem,
atravessar a eavallo o agude, eacootroa difflenlda
des que nao po le vencer, sendo victima de sua
imprudencia, pois que raorreu asphyxiado por
submerto.
Miuoel Bezerra de Mallo, morador oa villa
do Bji j ie, foi assassioado em 22 do passado, por
seu lio Eloy Gomrs da Silva, com urna facads. O
assassino logrou evadir-se.
Aigumas pessoas reclamam de quem possa
competir providencia, qoe se lape ao meos cum
alguma laboa provisoriamente, urna abertura d-1-
xada no cano da esguto, que se coustrue na ra
to? Pires, ust prozimidaoes da residencia do Sr.
Dr. Jos dos Aujos; pois assim como esta', pode
dar-se algura desastre, que cumpre evitar.
Falleceu antehootera o Sr. Jola de S Liito
thesoureiro do consulado provincial.
No domingo teve lugar a fest:vidade religio
sa de Nosaa Seuhora d> Muute, eraOlinda, com
grande concurrencia de liis, e o bnlbaotismo que
costuma ter lal suleranidade, gragas aos esfurcos
du Sr. commendador Manoel Luiz Vires, qoe as-
sim conserva em sua integridade essa heraoga de
seus maiores.
O templo acbava-se decorado com decencia, nao
obstante o seu estado de desarraojo material, que
ameaga at um desabamenlo.
Sena para desejar, pois, que o Exm. Sr. D Ab-
bade com a sua recuohccida piedade curasse des-
de ja' da reedicago desse templo, para evitar
que tal acool>-ca. e assim veoha elle a aesappa-
recer. Com isto mais um direito conquistara a'
gratido publica, e uessa obra meritoria nao seria
5. Exc. desajudado, e ao coutrario acompanha-lo-
hiam os suffragios desia populago eminentemen-
te catbolica.
Escrevem-nos da Escada em data de 17 do cor-
rete :
infelizmente nao exacto o final do qne se l
na sua Resista Diaria da honlem com relago aos
esiabelecimentos coraraereiaes desta villa, por quao-
lo exislem 8 estabelocimenlos pertenceoles a por-
tuguezes, sendo 4 tabornas, 2 armazens de carne
secc 1 dito de assucar e 1 padaria.
Aproveito a occasio para iransmittir-lbe duas
noticias de interesses; a primeira que ja esli em
os trabalbos da ponte sobre o rio Ipo-
i 3.* denonciagao.
Jos Lopes de Oliveira, com Mariana Xavier de
Oliveira Lona.
Manoel Alexandrlno.Giogalves des Santos, com
Francisca de Assis Rabello da Laz.
Jos Estevo dos Santos, com Francisca Umbeli-
na das Dores
Candido Jos Luiz, com Laita Joaquina Mariana
da Silva.
' Francisco Angosto da
Candida Amelia Machado.
Lourenco Campello de
Marcolina de Alcntara.
Claadino do Espirito Santo Bezerra, com Joanoa
Francisca da Cruz Couto.
Casa dk Detenqm).Movimento. do dia 2"> de
janeire de 1867.
Exlstiam 360, eotraram 3, existem 363. A saber :
nacionae; 271, muiheres 13, estraogeiros 29, mu-
Iberes 2, escravos 44, escravas 4, total 363.
Alimentados a' custa dos cofres provinciaes 226.
Movimento da enfermara do da 21 de Janeiro
de 1867.
Tiveram balxa :
Jos Francisco des Santos.
Francisco Antonio da Silva.
Marcelino Bezerra de Araujo.
Jos, escravo de Francisco Xavier de Menezes.
Tiveram alia :
Gertrudes Maria da Conceigo.
Josepha, escrava de Francisco Xavier de Me-
nezes.
RepARTigAO oa polica.Extracto das partes
dos dias 20 e2i de Janeiro de 1867.
Foram recolhidos a' casa de detengo no dia 19
do corrente :
A' ordem do subdelegado de Sanio Antonio,
Jos MarcelliOK dos Santos, para correego ; a' or-
deio do de S. Jos, Cypriaoo Francisco Marlins
dos Santos, por fennientos.
No dia 20 do raesmo met :
A' ordem do subdelegado de Sanio Antonio, An-
tonio Manoel Jos de Sam'Ann), por disturbios ; a
ordem do de S. Jos, Candido Fioriano do Nasci-
meato, por tentativa de homicidio; e Mana Rita,
por disturbios. O ebefe da 2" secgo, J. t. de
Mesquita.
Passageiras do hiate nacional Dous Amigos,
viudas do Aracaty : Luiza Marcolina Fonseca
Fereira e Ignacia L. da Fonseca Pereira.
Passageiros da barca portogueza Humildaae.
vm los do Porto :-Jos Antonio da Silva e Maria
Emilia Ferreira e 2 Unos menores.
CAMARi MUNICIPAL DO RECIFE.
n. 470, resolve conceder ao. mencionado arrema-
tante mais 60 dias ue prorogacao para a conclusa
das obr-s do sen contrato, a .cootar da data em
qoe se Sudar, a que ltimamente obteve para esse
Mm.
N. 336. Dita. .0 presidente da provincia, al-
teodendo a que o 2', 4o, 5* e 6* sopplenies do jais j
muoicpal, nomeados para o termo de Naswetb,
nao prestaram o devjo juramento, resolvea pre-
eocber a respectiva lisia de conformldade com o
disposlo no 3* d<> rt. 7 do decreto n. 2012 de 4
de oovembre de 1857, pelo modo segulnte :
!.Bichare! Joaquim Francisco de Mello Ca-
valcaol*.
2.Jos Jeronymo Pacheco d'Alboqaerqae Ma-
panfilo.
3.Dr Esmiro Cesar Contloho.
4.Manoel Barata de Oliveira Melro.
5.Capitao Francisco de Paula Brrelo Conti-
nho.
6* Tenenle-coron'el Joaquim Goncalves Guerra.
Espediente do secretario do gorerM do dia 7
1 dezembro de 1866.
N. 341. Offiiio ao general commandanle das
arma?. De.ordem .de S. Exc. o Sr. ccoseihelro
presidente da proviocia, declaro a V. Exc, em
resposta ao su cfflo desta data, sob n. 1346. que
ficara excedidas as convenieotes ordens, aflm de
serem concertado? os bicos de taz da uuininagio
do qoartei do Iwspiclo, que esto arromados.
N. 345 D'to ao chefe da reparligao das obras
publica?. O Exm. Sr. conselheiro presidente da
proviocia, respondendo. ao officio de v. S. datado
de bontem, e sob n. 479, manda declarar qoe nes-
ta data reeomraeodou ao inspector da thesooraria
proviacial, qne, em v.it_fln competente certiBeado,
de 601)00 res, era qae avallada a diff"renga, pague a quantia de 32:o9)7i0, a que tem direito
que se nota entre a obra pro|ectada, ea que foi o empreiteiro do olgamento desta cidade, segundo
execntada.0 que declaro a V. S. para sen co- consta do ciado officio.
nhecim-nto e em resposta ao citado officio. N. 348. -- Dito ao mesmo. O Exm. Sr. consj
N. 310.Dilo ao commandaote soperior do Re- Iheiro presidente da provincia, tomando em coi
cife.Determinando n&sla dala, qae seja posto em derago o que V. S. expoz em seus offlcios de
que sople ter lagar por meio da .deslucigao
dos rlns e da inelinago das ancas para tras e para
baixo.
Ja se v porque razio todas as tentativas de cru-
zamento estao condemnad>s a nao sortir effeito; O
que pode dar o cruzamento ? as formas do pal e
: sua emerga. M>s estas formas nao sao compati-
veis com o modo de eriago, nem com o modo de
alimentagao, nem com o modo do servigo ; e, pois,
impossivel que o producto do cruzamento as con-
serve, por quanto todo nelle cootribue para des-
trai-las. Quanto a' energa, para qoe ella se des-
envolva, ha coodig5 maleriaes a prcocher. Urna
destas condigdes qne a conformagao do animal
Ib'o permita, e nos acabamos de ver o qae ella ;
a ouira que a alimentagao seja sofficieotemente
restaurativa. Nada se pode obter sem se despen-
der alguma cousa.
O eavallo o mais rpbu3to, o mais bem fello, deve
achar no sea sustento a materia necessana pro-
duegao do trabalho que elle tem de fazer. Impor-
ta ter bem em vista que, exacta, rigorosamente fal
lando, o avallo como urna loe motiva, cajo tra-
balho depende em primeiro logar das suas dimeo-
soe e boa conformagao,. e em segando lagar da
quanlidade e qualidade de carvo que Ibe deitara
dentro. Isto nao orna simples comparago. O
eavallo qaeima effectlvameote nos seus pulmdes
orna certa quanlidade de carvo e de gaz hydroge
neo, malhematicameole proporcional a quaiidade
de forca que elle da' ou de velocidade qae desen-
volve.
E' necessario qae todo isto se acbe oos seas ali-
mentos, e com effeito se acha sem ore, mas em pro
porgo malor oa menor e ob combloagdes qoe se
presiam mais ou menos fcilmente digestao
absorpgo. Eis o motivo por qae todos os alimen-
tos nao sao igualmente bons. Ora, as forrageos de
qoe dispSem os nossos criadores e que prodnz a
oossa agricultura, longe, bem longo estao de ser
lores. E' isto o que importa qoe elles re-
Para nos servirmos anda de comp-
seu carvo pesslma e Omraga a mncbl-
hygiene e de polica que o matadero e a malanga fHfjg: ,
devera satisfazer, e deite-se a industria privada 0|2 mjlta 1
cuidada de construir e de servlr-se, sob a vigllao-
cia das autoridades competentes deste genero de
eslabelecimento, sobre o qual se podara langar ao
raesmo tempo um imposto qualquer. Ueste modo,
e com ara regulamento de hygie'oe e de polica que
prohiba aos cortadores a posse e a venda de carne
corrupta, aos marchantes a venda de aoimaes ata
eados de doeng-s contagiosas, ler-se-ha feno ludo
quanto incumbe a autoridade fazer, e a llvre ini-
ciativa dos particulares contribuir mais eficaz-
mente para o melhoramento do gado e a boa quali-
dade das carnes verdes, do que todos os regala-
roemos e intervengoes officiaes; mas....
Um bellissirao lote de carneiros perteoeentes s
eleigo mixta
breve.
desta freguezia ser ultimado em
Hoje as 11 horas de extrahira' a 31* parle
da lotera 'beneficio das familias dos voluntarlos
da patria (3*), sendo o maior premio 6:0004000.
Foram lldos no da 20 do corrente na matriz
da fregoezia de Santo Antonio, os seguales pro-
clamas :
1.* denonciagao.
Joo de Sooza Raogel Filno, com Francisca
Cavalcaole Paes Brrelo.
Joo Antele Francisco da Luz, com Maria Fran-
cisca dos Santos.
Maonel Raymoodo da Cmara Pimentel, viavn
tres ragas Negrete, Rambouillet. Mauchampt, tres e Anna Francisca da Cmara Pimentel, com Maria
graos secessivos do merm, uno. aissimo, ul-
tra-fino, foi exposto pele Sr. mjr Guilberme
Suckow. Eesles animaes, importados do exterior,
nao sem cooslderavel despeza, eram realmente
notaveis. Os Mauchampt e os Rambouillet s Mgu-
ravara a titulo de excepgao e de cunosidade, por
do Patrocinio Alves Pimentel.
Sil veno da Silva Cod.bo, com Agolda Maria da
Conceigo.
Bacharel Ignacio Tivares da Silva, quer se
mostrar livre e desempedido.
Joaquim Lopes Machado, com Julia Hirmioa da
assim duer. Etceptoados qaatro de-ses animaes,
todos os ontros eram de raga Negrete. O Sr. maj ir
Suckow com effeito, rooilo iitelligente, e reco-
nhece per fe llmenle as condigdes do pait para re-
commendar aos nossos criadores ootro lypo qoe
nao o da raga bepanhola de Negrete .
A lia destea cameiros curta, menos fina e las
Irosa do qne a dos de Rambouillet e Manchamps,
mas o ritoal, por ser mais rustico, aclimatase f-
cilmente, pouco exigente qoanto ao i-saiento, e
de mais consntne um producto menos artificial e
por cooseguinl mais estavel do que as duas ou-
tras racas de qae foi sacce gumas amostras de lia (bellas, posto qae mal pre-
paradas, vindas da provincia do Paran, e cojo ex-
positor nao sabemos quem seja, poruue 00 catalo-
go nominativo foi omittida a provincia do Paran);
algumas bellas amostras, dfzemos, de lia Nenrete C'>aceca->.
qoe se achavam na esoosigio, tendera a provar Jo- Octavio Vieira, com Joanna Pereira da
com effeito qae a raga prospera no nosso clima, oo-; Costa,
de poder dar excedentes producios. Antonio Jos Ribeiro da Costa, com Alexandrina
Ja dlssemos de quanta importancia o sustento Soares de Brillo,
para a conformacio e, para os servlgos prestados Tertaiiaoo Jos Rodrigues de Abren Contrers,
pelos aoimaes; e pois, nao se estranhara' que vluvo de Francisca Maria da Conceleo, coa Buze-
emittamos aqu a oossa oplniao a respeilo do feoo bia Maris dos Prazeres.
Cosa.
Lauriano Jos Joaqatm de Sani'Anaa, com Leo-
poldina Julia de Si.
Domingos Soares de Campos, com Joanna Mana
Paim.
Melquades Pessoa Mendes, quer se mostrar
llvre e desempedido.
Carlos Adolfo de A velar AI ch orne, com Maria
Candida Lopes de Miraoda.
2.* denunciaco.
Pelismlodo Marques da Suva, com Bernardina
Badioa de Sioa.
Jos de Reg Mello, com Josefa Rosa d'Araojo
Haetooo.
Goilherme Ridrigo Brenkfield, com Areemira
Gmlherioina do Naseimento Feitosa.
Jo- Maria da Conceigo, com Isabel Mara da
4-. SESSAO ORDINARIA EM 4 DE DEZEMBRO
DE 1866.
Presidencia do Sr. Pereira Simoes.
Presentes os Srs.: Dr. Miranda, Santos, Dr.
Pitaoga, Dr. Seve, e Dr. Villas-Boas faltando com
causa os mais senhores, abrio-se a sesso e foi li-
da e approvada a acta da antecedente.
Leu-se o seguiuie
EXPEDIENTE.
Urna petigo do arrematante do imposto de affe-
rigi de pesos e medidas deste muDGipio Luiz Go-
mes Bezerra, viuda da presidencia para a cmara,
info mar. im qual o mesmo arrematante declaran-
do a S. Exc. que no acto da arremalago desse im-
posto solicitara que fosse semelbante arremalago
por espago de tres annos, e pela mesma quanlia de
i9:00i000 por que havia arrematado, concordou
nisso a cmara pelo que pedio o necessario conden-
so e S. Exc. raaodou qae. ouvido o peticionario,
fosse dito nn|iosio a praga pelo lempo meuciooado,
e tendo acontecido que ua sesso quando devia a
cmara resolver sobre a materia, o mesme peliona-
rio nao se a-nava nesta cidade: razo porque nao
foi consultado.
Allega anda que nunca lendo chegado o irapo-|
to de que se trata ao prego em que hoje se acha-
requer a S. Exc. que se digne mandar por nova-
mente em praga pelos dous aonos o referido im-
posto.
Posto em dlscusso, resolveu-se informar a S.
Exc. que lendo sido a arremago por um ?nno, em-
bora se annuisse por mais dous, de maoeira que
formasse tres, bavia S. Exc. determinado que se
levasse novameote a praga todos os tres annos;
pelas razos que expoz em sea officio de 21 de no-
vembro passado, resoiveu a cmara pedir smente
a approvago do aoao qae efectivamente foi arre-
matado, mas querendo hoje o arrematante que se
i/.ese nova praga sobre os dous annos, parece a
mesma cmara, emoora reconbega de conveniencia
para o seu cofre, nao poder ler lugar a arremala-
go dos dous annos em vista do que dispde o an.
27 da le provincial n. 120 de 8 de margo de 1843,
que manda arrematar por um ou tres annos, salvo
se S. Exc. entender o cootrario.
Oulra de Joaquim Cavalcaole de Aibuquerque
Mello, com despacho tarabem da presidencia, man-
dando informar, na qaal o peticionario recorre a
S. Exc. offerecendo mais a quinta parle do prego
por que foram arrematados os talbos de agongue
ns. 9 do lado do norte, 7 e 16 do lado do sal da
ribeira da fregoezia de S. Jos, e pede qoe mande
por novameote em praga ditos talbos.A commis-
sao de polica para dar sen parecer.
Oulra do fiscal da freguezia de Santo Antonio,
informando nao haver inconveniente em qoe Nar-
ciso Augusto Peretra dos Saotos continu cora a
ferrara existeote na casa n. 56 da ma 4a Hoia,
que ontr'uia pertencer a Jos Simn* de Maga-
Ihes, visto que a mencionada casa olferece as ne-
cessarias proporgdes para tal misler por ser bas-
tante espagosa.A commissao de saude.
Oulra do raesmo informando ser exacto o qoe
allega Dionisio das (Juagas Pires em sen requ-n-
mento de tero sea eslabelecimento na casa n. 71 A
da roa direila.Qae o contador informaste.
Ouira do fiscal da fregoezia de S. Jo-. derla-
raodo que tendo se dirigido a casa n. 175 da roa
Imperial, aflm de informar sobre o pede na sua
peiigo Jos D as dos Santos para estabelecer na
mesma casa um deposito para vender plvora, e
lugos artificiis, observou nao ser elle morador na
dita casa.lod/rlo-se.
A comissio d polica aprsenlos o sea parecer,
daodo por exacta a conta das despezas jndiciaes
feitas pelo solicitador, e qne se, Ihe poda mandar
dar a qnantia de 1000O0 que fora por elle pe-
dida.
Posto em discussao foi approvado.
Despacharam se as peligdes de Jos Dias dos Pan-
tos, Lmt Jos da Costa Amorim (2), Manoel Pedro
de Oliveira, Mariano Luiz Gonzaga, Sontbal Millor
& C, e levantoo-se a sesso.
Eu Francisco Canuto da Boa-viagem, secretario
a snbscrevl. Pereira Simes, pro presidente.
Santos t)r. Villas boas.-Dr. Pitang.Dr. Seve.
Dr. Miranda.
(Wmunicados
Partid* conservador.
CIRCULAR PRESIDENCIAL.
Acabamos de ler no xcediente do governo da
provincia a circular do Esm. Sr. conselheiro Sil-
veira Lobo com data de 18 do carrate mes, n
qoal recorometida as auteridades judicuriai e po-
liciAes a abstencio as eleieSes de 3 de fevereiro
vlndonro.
As palanas da circular sio na verdade consola-
doras, excilaudo a verdadeira deotriaa constitucio-












a!, e OTer"
mentJ ^*o
alarlo d Peruau.br
os
-** re.
lbS BSlisb'Uw-*M *WP":L %* IflSoajoatiga peseu sobre
ti OW.'mpefioso dever resalvoo os conservadores.
a OWWS^, qaerendo -tao somenle a execoco \ Mis admrtta-se que os conservadores foram
liberaos, e fia nomesao eogeoho Herir auis dow4i
nados que vieram de Narareth.
01, B este. e o hornera que ^ve assigaano okios
tere* rt7.
^pf< ? ~ eaMaJl ^ ^nc^Vtle'l0''-al 0lt-d0?' abi o Sr. teneotecoronel Jos faltos por ootro, era que se derriSH
SdVers ros era rgoaldade de orcorastaocUs, e nao | Affro, p-gaejro boje e da grei da Sil***, Para' ib ha entra os adversarios. frST $ff<
o passado, molesuqdo, assim ^oja* como elle mesmo sabe era consol por
, Aabsieocao de lntervogioda autoridade era ~"'Agoi^se"'a iove.rsp. qoe aos liljerae* cabe
jnimigos armados pelo aboso da autoridade publi-' que fui ella escavar
a-, T Iga de ler a circular presidencial. aquello amigo T
* A >b?ieocao de Interveogao da aotoridade era AdmiUa-se ao lavers
Uo importante assuropto (diz aoireular), eos-eeos respoisaBIMade e abi est o Sr. VillaJSelia, que
conselnos de prodencia e moderacio, a ac impar-j se entenda e corresponda con elles. Rara que
cialidade e }ust;ga, lnBui*do.poderosamente para'rewjlveu cimas j fras,deilando poelra oo casaco
que o p ovo nao se sparlejamais d) 'terreno legal' do seo honaam !
sas meios segaros de conjorar tumultos, e confite- A Situagi imprudente
*s* Tambera nao tenba a Situado recato de dnpll-
Ma; eis a verdade.eisoqne sinceramente a op cates fei tas pela opposieao. Nao reeweri a tai
posicw deseja ver em feaWade. } expediente, arder na urna legitima. Olla
E-cerUmenIea.lad*blti-lmerveneo da aotorl-fque ns'de ser rpelllida. **"*
dado,^ue soseita o conflictos,' o promove os lo- j Nio ventura as duplcalas do lado do governo :
muitos, ed-sordens, metxaveis scenas, que ho constituido a eleicao nra onde nio poder vencer ; nao sajara, mesas de sor
manejo de fraudes, ou um campo de violencias preia, como a de Ipojuca, em 1863, e as dupli-
Nao bastara, porm, boas palavras e excelente catas nio enredarn a eleigo da provincia,
^lootrina. Muiio promelterarn as circulares do Sr. Nao provoquem os arnieos do enverno scenas loe
marque* de Oltada era 1865 ; mas mo.to diverso tosas, nio sejam os solado do 'goveTno* TemeS-
resultado essas promessas prodoziram. A violen to da perturbado; que a ordem publica nao sof-
la sobrepojon a tudo qnanto at eotao baviamos frer abalo, nos o assegurarao*
visto We as recomojeodagdes minislenaes foram ja dissemos e repetimos : O Ef m. Sr. consolhei-
^^t^alavras eordensesteris: compre ^S^S^SS'^X^X
Joo.tiTeaAL, t**m$Xo aitbs.
<>Sr AraajoBarrosmaodaidizer.para Goyanaa,
.de.ha um grupo progresla que spei^ o Sr.
ffi!i"l0.a5ll,r^; we estoser*' olereeiro
i candidato dQ"4 dutncto ; para Naubeth, onde os
boMios progr ao Sr. Joaqotm Francisco de Mello Cavalcante, e
eaaserjfcor .olereeiro candidato.
QualVtos doos sera' sacricado-^ orador di
Goyama, ou o influente de Naxareth T
Estamos qoasi a crer que sendo eleitos os Srs.
Mrvalbo o ftarro, do terccro.' nao se lafa' qies-
Boa gente f
1Jlgi*o oflerece as nossas doresa resigoaclo '
fotrema voniade de Daos, qoe boje corda necea
<|oeUa qoe fot virtuosa na trra.
Receba, poi, o (lira. Sr. capitao Wanderley e ana
Ksraa. familia os a eos sioceros psames.
' W-de jaeiro.
P. B. V.
-**:-------
., 6 para
iODlerem mais soldados o mais armamento e tnuni-
enoao: enmpre, que ello seja o pnmre Afc-jjfc,. Se S. Exc. aeder a "rnfo raandaHus-
Do'coBtrario a circular sera" nnis nm. -tafg,** TtUfTZn^" !ff?j'ta,a pr0Vl-
para a opros.cio.que sincera e chela de f coocor- propios desejos.^^ "^ apeD" ""
T-
a garrafa, "Rogo ao mesmo pu&fico que Esteiras decarnanba ? nm
quando foren asam eDgaoados, toroem tes- rjssos: roba
temanhas; me remettam os rotlos falsifica- paiha de carnauba' mono
dos e me parHcipem para fazer effectivo o penna de ema ". jj,,*
PublicacSes a pedido
re a's urnas para realisar o exereicio do Importan-
tissimo dlreito de volar.
As eleic5es devem dar em resultado aeepressio
leal da vontale popular; mas como asaim na.de
succeder, se os esbirros policiaes, os recratadores,
as desigoacSes, e os processos criminaes por toda
a parte intimidara o cidadio, e coostitnem ama
ameaca permanente ao livre exereicio de direito de
volar ?!
Arrede o Exu.. Sr. con^elbeiro Silveira eises
Instrumentos de intimidacao, e caraprira' o seo
dever.
Mas Uso so o fara' por fados, e nao por pala-
tras. Pactos e someote factos darao realidade aos
desejos da circular, qoe, seja dito em conclosao,
veio larde; pois uo ha tempo de ctoegar ella a to-
dos o lugares-do alto senao, onde parece qne te
qner que as eleigSes stjam feitas sob a pressio da
violencia e do bacamarte 1
a siTCirjo.
Alto la' I Nem tanto I Bradou a Situag* I
E porque este brado? Porque capacitou-se ter
mais om eosejo de por es pobres conservadores no
desagrado da corda i Fax questo de ser o re s
dos progressislas I
Urnas veies, desee as mais extravagantes de-
monstracSes de que o partido conservador esta' le-
prosamente gasto erarefeito.impossibililado de" go-
vernar; i oros, maneja todas as lalrlgas para
crear Ihe q desngrado da coral
Deduasumaou o partido conservador esta'
aniqailado, e oeste caso nao ha raedo de que go-
verne, sendo em pura perda o recrndescimento no
exterminio-ou existe forte pela opioiao e pelas
ideas, e ha de, mais tarde oa mais cedo, ser irre-
missivelmente governo, nao iofluiodo contra is.o
intrigas vis a detestaveis.
E', pois, foreoo que cada partido se colloque oa
soa posifo de inlependencia e dignidad".
O maior mal do paiz provm da aberraejio com
que os partidos esquwm o legitimo apoio da na-
ci, a vida estavel que Ibes vera da opinio, para
se agarrarem ao manto regio.
A cao ser Uto, nao veramos ser o governo om
impertinente obreiro de partidos.
Cooveocam-se os partidos da sua essencia, ro-
bnstecam-se na opinio, nobilitem-se as ideas;
que o paiz entrara' oas verdadeiras vias coosliiu
clonaos, o a cor restaurara' todo o sea explendor
e prestigio.
A vida oscilante des partidos, o que lera cres-
tado o systema.e de alguma forma empaledecido o
bruno du ihrouo.
A cora o sagrado peohor da nacao, a fonte
do bem. O embate das paix5es partidarias nao a
deve rogar, nem ao menos de leve, para qua a
sua aeco graudlosa seja benfica e providencial a'
sociedade.
E' sempre qoe os partidos lirarem ua torca da
opinio, sua vida da nago, a cora se conserva-
ra' abrigada e nunca exposta.
Mas desde que as teudencias do governo se ma-
nifestara ao inverso; desde que o governo sbrele
va-se a' oagAu; desde que o governo exerce o arbi-
trio e constiiue a dictadura ; a ralla de correctivo
trat ao relevo a reiptnsabilidade moral.
E dever dos verdadeiros constitucionaes era-
penhar exforcos pelo restabelecimemo das prati-
cas do systema. Nao foraraos coostitucionaes, se
naofa'/asser a Imauagem da verdade.
Com o mesmo aireue com que o sr. marquez
de Olmda proclaraou a resistencia ao re para me
Ihor servi lo, poderemos nos oppor de que des-
envolvimonlo do absolutismo em bem da corfia,
que oos parece correr a sorte do um iogo arris-
cado.
Veoria a execucao ieal e restricta do systema,
qoe a cora se achara acercada de todo o amor e
veneraco do paiz, o perfeitamente isenla de sns-
peila que de governos traidores Ihe tem.
lie1 te p os bossos exforcos, teremos dado ci-
roa moito maior prova de dedicacao do que aquel-
es que s curam de compromelte-la.
A 8ITUAgA0 BBSATIMA.
Causa-Bos espanto a linguagem desabrida, qae
vai tendo a Sttuarao.
O que que tanto a irrila ? Desespero de cau-
sa ? Nao ba de ser isto.
Partido forte, immenso, popalarlssimo, duvidar
de tea trjoropho ? Nao pode ser.
Al)i ba cousa.
Mas estraoho o injostificavel tanto pavor, e
a gana qoe mostra de querellas pessoaes, as qoaes,
seja dito de passagero, nao podar sahlr-se bem
A aprensa de uragoverno forte e c rasciencioso,
tem o dever de dar o exemplo da moderacio e
conu'nencia de linguagem. Proceder contrario,
significa desvario ou fraqneza.
Nos oppocionistas, comprimidos, como nos acha-
raos, encontrando a cada passo om acto do gover-
no em contrario ao direito pleno, que tem os par-
tidos de manifestar-so as uroas, e a lodo o pro-
posito hosiilisadoi nasnnais jostas aspiragoes ; es-
tamos dando imprensa do governo o exemplo
que ella nos deveria dar I
Os amigos polticos do governo desairados nos
meius, desenvoltos na linguagem da imprenea
tomam a attitude que s por parte de orna oppo
sigao, como nos esraagada, poderia ser jaslifi-
cada I
Estamos por ora sera este receio : nao costnma-
mos duvidar da palavra de cavalleiros, antes de
termos provas de que ella via.
S. Exc. solemnemente deelarou em seo palacio,
qoe nao dava om soldado para eleicao, o qoe se
saogue corresse, nio o tiaviade salpicar.
Eslamos nisto.
0 ESTACAMBMT0S.
Continoam as noiidcages de guardas nacionaes
na comarca de Pao d'Albo, para forraarem novo
destacamento destinado a comarca do Limoeiro, on-
de ja existem 19 pragas de Afogados e 30 de Pao
d Albo !
Correo aqoi o boato de que orderu tioha sido ex-
pedida para a retirada dessas pragas, mas o que
ceno qae ellas l esto no Limoeiro, e outro re-
forgo se est preparando.
A comarca do Limoeiro ha de ser conquistada,
coste o qae costar I
A le letlra morta. Se fosse viva, oera, com
offensa della, continuara a polica a designar as
pragas dos destacamentos, nem destacamentos sa-
hiriam de um municipio para oatro; e muilo me-
nos haveria jornal serio e consciencioso que jnsii-
ncasse e applaadisse taes actos, dando como razio
ser commaodaote superior de Goyaona o Sr. com-
mendador Joao Joaqoim, que desse careo se demit-
tio desde 1837 1
Mas o mundo esta' virado. Nao ha mais era
quem se crea, nem cousa de qoe se duvide.
A lombranga dos destacamentos de um para ou-
tros municipios, ama dessas medidas de matar
com um cajadt douscoelhos. Serve para diminuir
os fotantes de orna freguezia e conquistar a eleicao
de outra I
De Pao d'Albo nos escrevera : A notificagao
das pragas que teem de ir para o Limoeiro, esia'
convertida em poderosa arma de caballa. O vo-
tante conservador, onerado de familia, recebe noli
ficagao para o destacamento ; roas, se queixa-se de
injusiiga e allega impossibilidade de abandonar a
sua familia, a resposta estavote na chipa do go-
verno, e sera' dispensado ; nao vota, destaca 1 i
Euo outro lempo perguoiariamos se islo era ou
nao cousa estupenda e repagaante ; mas hoje, que
nos soppomos n'um paiz barbarisado, nada dire-
mos. Apenas pedimos a aiteogao do Exm. Sr.
presidente sobre o que se esta' pastando na
provincia.
Ou abnsam torpemente da boa f de S. Exc. ou
a iraparcialidade eleiioral vai fogindo da admlnis-
trago. A primeira hypothe-e qaadra-nos mais
desde que nao queremos fazer injusiiga ao carcter
do Exra. Sr. conselheiro Silveira Lobo.
do
Ihe
c
c
c
I
A Siluacao em o seo n. 9 de 10 do correte
nei, oceupando se anda umi vez, em um estira-
artigo, da minha humilde pessoa, declara, qae
consta, r que os vermelhos na freguezia de
twm-Jardim, insuflados por mim, se preparara,
para levarem os adversarios a bacamarte, ar-
rancando da mesa por violencia o juu de paz,
que lem de presidir a' prxima eleigo; e ac-
crescenta, que eu em mioba viagera i aquella
freguezia la soltamente pregando contra o go-
veroo actual pelos povoados do 4* districto, por
onde pa*sava, e que muito seadrairava, que eu
nao roostrasse o menor reconhecmento a um
goveruo, que me bavia recondazido oo lagar,
que exergo, e me agraciado com o habito de
Consto.
A' taes aecusacoes, embora frivolas, voa respon-
aer smente por que a illastre redaegio daquelle
jornal concluio rtigo, a' qoe aliado, feriado a"
amigos, a quem preso e respeito; pois.se houves-
te se limitado a minha pohre jod.vidaalidade, en
por ooica resposta teria continuado a' guardar o
silencio, que bei naniido, appellando desse juixo,
todo iojusio, para as pessoas qae me conbecem e
me honrara cora a sua amisade.
Comego por declar, que em Bom-Jardim, onde
ltimamente estive, promov nm grande reuoo
ae liberaos e conservadores, e que all ac nselhet
aos meus amigos de arabos os partidos, qae piel-
teassem a eleigao com todo o esforgo e tenaeldade;
que se collocassem na altara do 'drieito pelo qual
hiam pugnar; que nao se deixassem alterrar pelos
Doaios, quei circulavam drdde propalados, que
o accesso a's ornas seria pelo governo impedido a'
opposigo; que urna numerosa torga viria as ves-
peras da i-leigo destacar na povoagao ; que F. de
tai, conbecido como hornera violento e capaz de
praticar as maiores mucuras, lena de ser Hornea-
do subdelegado do distncio; que o sangue teria
de correr a' jorros, e que finalmente, a eieigao
tena do ser do governo, por que o governo assim
o quera: fh anda ver ios meus correligionarios
e alllados, que o Exm. presidente da provincia era
um cidado, que bavia se elevado aos pnmeiros
ugares da admioistrago publica por si propno,
artigo 467 docodigo criminal do Brasih
Jos da. ocha Paranhos.
O oleo de figado de bacalho ferruginoso
de Chevrier, pbarmaeotico em Pars, subs-
titue se com murta vantagem as pimas e ao
xarope de iodureto de ferro mais fcil de
toleraY-se para as pessoas delicadas asseme-
lba-se muito mais bem e nio provoca a cons-
>paci.
Deposito em Pernambuco, casadeP.Maa-
160
24f>
^OV
2,51000
800
COMMERCIO.
Pesaae*.
A leitura do Cearente de 8 do correle enlutou-
nos o espirito, e nos arraocou om ai profundo e
d liettemoscora-ijrande.pesar a ialautla cocia +w&T~Tm NmaTT*
do fallecimento de nos estimadissim amigo, o ***J" rua lwva n-">
capitao Jos Aotonio da Costa Silva II
Era om esposo virtuoso, om pal desvelado, ora
prente e amigo dedicado, um cidadio pacifico, la-
borioso e intelligeote : era a hospltalidade perso-
nificada, o o amor do prximo o distngala pela
pratca mals constante e uniforme desse pre;eito
sublime do Evangelho : era o venturoso progeni-
tor de nosse insigne cangonista, e bem conbecido
poeta-Juveoal Gal-no t
Sirvam, ao menos, essas apreeiavels e meritorias
qualidades do Ilustre finado de lenitivo a' jasta
afflicgao de soa digna familia II...
E de joethos oremos ao Eterno por sua alma,
supplicaodo-ihe a mansito dos bemaventutados
para aquelle, qua to honesto, beneficente e chrls-
lo soube viver oeste valle de lagrimas. Os jostos,
morreodo. vo pedir a Dos a recompensa do seo
amor. Sao filhos, que andaram de viagem e vol-
tam para seu pal,
Cposolem-se os oossos amigos, Exmas. viuva, fi-
lhas, georos e fllho daquelle, cuja perda lamenta-
mos, o i vontade de Deus, e aceitem essas sentidas
palavras, como o mais solemne lettemuoho de nos-
sos psames, a sincera manifestagao da amitide
que ibes tributamos, e da gralidao que Ibes de-
vemos.
Recite, 21 de Janeiro de 1867.
Antonio Joaquim Buarque de Nazarrtk.
^^ Arma Ursulina B. de Nazareth.
O oleo de ligado de ba;alhao desinfectado
de Chevrier, conserva as qualidades e pro-
priedadts recoobecidas ao oleo de ligado de
bacalbo ordinario; o seu ebeiro gosto
s5o muito agradaveis, e a digesto faz-se f-
cilmente.
Deposito em Pernambuco, casa de P. Maa-
rer C, roa Nova n. 18.
Brasil em
Janeiro V
Erislpella.
O medicamento que com mais influencia
e energa tem combatido essa terrivel en
fermidade, tem sido o xarope alcohlico de
veame.
Urna escrava da m5i do Sr. Francisco Fir-
mino Monteiro, pessoa bem conhecida nesta
peio sea merecimento pessoa'e no'pelo ptrona- Cidade, achando-se de cama, e com as per-
rl^ V um llberal de i,riQdP'0S. om sectarhjnas basUnte indiadas, e clieia de tumores,
^ doulr.oas constitucionaes, um amigo | lomaQd() Q xarope de velame> acha.se hoje
Guia hlial o buco do
Pernambuco aos 10 de
186^.
De ordem da directora se fax sciento aos se-
nhores accionistas que o tbesonreiro esta' auion-
sido a pagar o 26 dividendo das acedes desta ca-
xa a razio de 12*.
O guarda-llvros
Ignacio Nones Crrela.
NOVO JAMO OE PER-
NAMBUCO.
O novo banco paga o se-
gundo dividendo de 4,4 0^0
da massa fallida de Joaquim
Jos Silveira.-
Novo Braco de Pemamboce.
O Novo Banco fax o 17 dividendo de 51 oer
aego.
Sapa tos de cobro br anco, par
Era ut stipra.
Approvo -Afaadega de Bernambnco 19 de a-
neiro de 1867.-A. Enlato. Ji
Assignados.Oe i cocfecectes, Florencio Do-
minpus da Silva e Manoel Peregrino di Silva.
Conforme.Basilio B. Furiado.
Hxprtaei
Hlate braslleiro Lindo Paquete, carregou para o
Para' :
i,3S5 barricas com 6,117 arrobas e 22 libras de
assocar braceo, 35 ditas com 189 arrobas e 28 li-
bras de dito mascavado, 7 casco com 1,260 medi-
das de agurdente, 197 sacceg com 985 arrobas de
caf.
Brigoe banoverlano FawJrw, earregon para o
Canal : i
3,200 saceos com 16,000 arrobas de assucar
mascavado.
Brigoe inglez Neta, earregon para Liverpool :
800 saceos com 4,000 arrobas de assucar mas-
cavado, 1,154 ditos com 5,978 arrobas e 9 libras de
algodo.
Brigue ioglez Florense, carregou para Liver-
pool :
2,000 saceos com 10,000 arrobas de assocar
raasc*vado, 784 dilos com 4 499 arrobas e 27 li-
bras de algodo.
RECEBEDORIA DEjRENDAS LNTERNAS
GEHAKS.
Rendimeolo de 1 a 19 do correle
dem do dia 21................
18:2032649
5:761*613
23:9<>5J262
"'
MOVIMENTG SO PORTO
ALFANDEGA.
Kendimento de 1 a 19 do correte..
dem do Oa 21.................
578:623*279
33:83953
612:462*S3't
MOVIMENTO DA ALFANDEGA.
Volumes entrados com farendas..
t gneros....
Volumes sabidos com fazendas...
gneros....
191
269
------460
IMPORTA SABER.
A Situacao n. 10 refere se a escriptores, cojos
fetos andararj) pelos cartorios dos inbuoaes da jas
liga criminal, sera que sainamos a proposito, nem
cora que Ora trouxe islo a' bailla.
Por esta razao Ihe pergunlaremos, o que quiz di-
zer T A quem se refere 7
Volle a carga cora franqueza, digrqoaes os fei
Ds, e quem os individuos que os comroetleram. Ha
cousas que devem ser esclarecidas. As allusoe*
vagas nao bastara em eerlos casos.
Ninguem est livre de cahir nos cartorios cri-
rainae.,.o que se pode evitar l ir com motivo
plausivel.
Muilas vezes ura individuo que soffreu judicial-
mente aeriguajoes de algura tacto seule-se to
sobraoceiro a maledicencia como nunca o podera'
estar, por exemplo, um juiz a quem geralmenie
irgrram de venal, e que, por infelicidade, lonha
prostituido aaa misso, e humtlhado o seu carcter,
estendendo a mi para receber o ouro por qoe
vender a justica.
Por tanto, baja franqueza por parte da Situafao.
BRAVATAS.
L-se na Situacao :
Se pensis que nao vos adevinhamos o pen-
sameoto.se julgais que vossos capangas nos ho de
intimidar, breva vos desengaareis.
Aqu vai sem davida urna ameaca, que ainda
nao a Iremos aos oossos adversarios; e entretan-
to dizem elles que somos nos os que querem e pro-
movem desordens na eleigo I
Em qae se liara o* progressislas para azerem
aos seus adversarios ameagas como esta, o que
nao sabemos. Se cora os seus capangas, ou cora
os soldados do governo que nos ha de dar o des-
eogaoo, o que s depois da festa saoer-se-ha.
O que nao resta duvida que os homens esto
de cosas quentes ; e que basta isto, para que nao
bajara iro elias nem violencias que nao commet
lam durante a eleigo.
ardeule das
devolado das iustlluicSes livres, e
tante d*s fraudes e violencias por elle mais de iboa.' prestando serviCO?.
urna vez estygnoaiisadas no parlamento com sua
palavra eloquenie e autonsada, e qae nao era de
esperar, que ara administrador oestas condicSes e
com taes predicados, desmenlisse a' eipeciativa
publica, imerviodo violentamente no pleito eleiio-
ral era prejuizo da bella reputarlo, que ba con-
quistado pelo seu talento, costumes rgidos e seve-
ros, e relevantes servicos prestados emlodas as
epochas a causa, que desde a iofaocia esposoo.
rol isio, e islo smeole o que disse naquella so-
lemne reunio; o mais que se me empresta e aos
meus amigos, nao passa de urna trica, para que o
A mana do Sr. Jos Francisco Pinto, mo-
rador na rua Direita n. 51, tendo sido
accommettida do mestno mal, acha-se tam-
bem boa.
A Sra. D. Senhorinha Umbelina dos
Santos, moradora na rua das Calcadas n.
38, achando-se atacada de erysipella as c-
xas, com quatro tumores bastante volumo-
sos, no estado indolente, que a privava de
pr-se de p ba muito tempo, com o uso
jSwT ^rvir certaraenleT^ | ^^ ^ic^velam^e piilas pu^
garantir a ordem publica, que a opposigo nao
pretenda perturbar, mas smeole, para atlerar
cada vez mais os nimos dos votantes, ja' grande-
mente attemorisados cora o recrutaraenio, que em
grande escala se tem all feiio.
Este raeu procedimeoto, todo legimo e natural,
nada tem censuravel e por principio alsom deve
ser quaiilicado, como guerra ao goveroo; pois, as-
tim fallando, obro como cidado intcressado m>s
negocios do meu paiz, a' que nao posso ser indiffe-
reute, e nao como autoridade, por qae all nenhuraa
jurisdiegao exergo. Nao sou para a illnstre redac-
gao da Situagao pessoa descoubecida; ella sabe
perfeitamente e o reconhece em consciencia, que
eu, como autoridade nao costumo me euvolver era
eleigoes. e que disto teabo dado exuberantes pro-
vas, quer nesla comarca, quer era ouiras, onde le-
gativas do mesmo, acha-se restablecida, e
no uso dos medicamentos os tumores ter-
minaram pela suppuracSo.
A Sra. D. Rita, moradora na rua de Santa
Rila n. 13, primeiro andar, soffrendo ao
mesmo mal ha muitos annos, pois que a ery-
sipella atacava amiudadamente, depois que
52" tem tomado esse remedio nunca mais Ihe
deu.
Outros muitos factos desta ordem deixo
de menciouar aqui para n3o me tornar pro-
lixo e enfadonho.
Sendo a erysipella urna mol stia que sem
duvida effeito de materia gerada no corpo
Detcarregam hoje 22 do correte.
Galera frocezaAdfe-mercadorias.
Hiate americanoJesste A. Woodhouse merca-
dorias.
Patacho inglezAmanda leandem.
Brigue ioglez-0u Brigue inglez-Zura-tarinha de trigo.
Brigue ioglez -Peonarc&rvo.
Barca inglezaChart Wooddem.
Barca inglezaIsabella- dem.
.Barca rancezaNoi lera.
Lugar inglez Caferfoniaidera.
Brigue hMaueiPerstverancecharque.
E_idem.
Brigue argentino -Volanteidem
Brigue nacional E>perangaidem.
Patacho portugdez Garret -idem.
Patacho hanoverianoConcordiaidem.
V
PAUTA DOS PREQOS DOS GNEROS SIEITOS A DIRB1T05
DE EXPORTACAO.SEMANA DE 21 A 26 DO MEZ DE
JANEIRO DE 1867.
Mercaduras. Unidades. Valores.
Navios entrados no da JO.
Parahyba 8 horas, vapor brasilelro Moleque,
de 42 toneladas, commaodante Jos Duarte de
Souza, em lastro ; ao bario do Livrameoto.
Havre30 dias, galera franceza Adele, de 372 to-
neladas, capitao Ribes, equipagem 16, carga
differeoles mercadorias ; a Tisset Frere.
Aracaty-7dias, hia:e nacional Dovs Amigos, de
68 tonetadar, capitao Francisco Eustaquio Ro-
drigues, eqoipagem 6, carga 300 fardos de algo-
do e ootros gneros; a Aotonio L. de Ollveira
Azevedo 4 C.
Dia 21.
PJto-*17-dias, barca portogoeza Humildade, de
J07 toneladas, capo Carlos Ferreira Stares,
equipagem 17, carga varios gneros ; a Marques
Barros & C.
Swaosca-34 dias barca Ingleza Garstang, de 290
toneladas, capitao Griffliles, equipacem H. car-
ga carvo a Wilsoo V Hett.
Observage.
Nao bouveram sahidas.
EDITAES.
raes"K^. po"ciaes em pochas eieito- como expoem alguns escnptores de medici-
con.-ciencia. j na peile, onde produz nfUmmago, e que
Quanto a' censura que me faz, de guerrear a um militas pessoas, por no se terem COnve-
fm^iV^tT recod,"io u? '"" uue occaP. nienlemente tratado, suecumbem com o
WOSaai^'SLS^ asno ^
veroo, e sira a ura partido, que nao podo ser ja'- vem usar de remedio algum, 0 que faz-se
i confundido com aqueiie, que uma entida-, estender o mal por nao se ter a principio
nobre misso consiste em proteger combatido ; por isso, pois, conveniente
de mora
osdireiiu's de lodos os partidos; aloro de que o
pode ser contestado, que a recondugo e cootleco-
rago, com que me distingui o goveroo imperial,
que, logo que alguem se sentir atacado de
tal mal, deve provocar a transpirado toman-
VEJAM l
de Goyaona, Beolo Jos
no seu engeoho Merer,
O que quer dizer isto ?
O partido grande, iraraenso, popolarissimo, que
tem magistratura, guaida nacional, polica exclu-
siva, e mesas parochiaes, faz tanta bulla, empre-
ga lano alelve e mentiras para arrancar bayone-
tas ao governo I
Confia ouao na sua torga 7 Se confia, para
que em tao boas condigdes quer soldados T
Desde que as mesa* parochiaes esto no accor-
do de procederem de modo a excluir toda a tus-
pella de fraude e violencia. o receio de deserdem
e chiroerico. Para que soldados f
Querem ? Logo est entendido que o proposito
e a violencia, meiu nico que poder oecasionar
conrJicios desordens.
K isto o que preieodem os senhores da trra.
o remaoso da paz, elles necessanamente nau-
ragarao : a violencia e a desordem o sea ganho
de causa.
Nunca o partido conservador de Pernambuco
dea exemplos de desordena. E como se ba de
acreditar, em boa f. que pessoas importa otes des-
se partido andera por toda a parte a prometter
violencias e pertorbacio do socego publico T
Ainda que itto assim foste, o governo devera
esperar pelos factos.
.Mas fol a Stuacao, que sabe por. experiencia ai
tramas sanguinolentas le os conservadores sao
capazes de urdir em segredo.
velaos conservado-
res, possjvel que de ai iirem elles a experi-
encia.
Nao vale, porlanlo, a penna discutir esle pon-
to, e muito meos a eaotileo dos 14 aonos, em
que esses ex-eooetu vdors lana gosaram e ae
encheram, ou qne tanta responsabilidade e influ-
encia tireram. Falando -Oos conservadores fal-
lara de si p/pauos.
Mas sobre as scenat de Aguas-Bellas, descrip-
tas com cores tio norroroaas, bom qoe se taiba
o segrate:
Em 1861 all pleitaMM* eleicao, da ama par-
te conservadores, dirigidos pelo teoente coronel
Jos Affro; de outro, llberaes, que nao se n-
leodiam com os conservadores, nem delles erara
coohecidos, e qoe apenas se correspondala cora o
'Uto Sr. Dr. Domingos de Souza, e boje Villa-
Bella. Contra a mesa conservadora raagiram os
uberaes, e o cooflicra Mogojooleaio appareceu.
VE JA M I
O delegado suppleote
Ferreira Rabello, tioba
para ajudar os seus escravos velhose cansados de
sua rabrlca, Joo Bento e Jos Severino de Lima
conhecido agora por Jos Antonio de Souza. O pri-
meiro solteiro, fllho de om individuo de igual
nome, que tambera guarda nacional, e que tem
mais quairo filhos, todos solteiros e qualificades no
batalhao n. 12. O segando fllbo de mulher via-
va, mas nio onico, porque tem mais dous irmaos,
e estes, e nao elle, que tem a seu cargo a subsis-
tencia da mi; sendo ceno que elle viva ausente
da casa materna, e publicamente concubinado.
Designados ambos para o coatingente do batalbo
a. 12, procuraran! a protecgo do dito Sr. Beuto
Rabello, e desde ento trabalharam era seu en-
geoho.
Presos depois por ordem do commaodaote do ba-
talbo, o delegado, protector delles, altestou que
Joo Bento era Albo nico e arrimo de um pai se-
xagenario (lera alia's cincoeola annos, do servi-
go activo anda); eque o outro Jos Severino era
lilho noico de mulber vluva.
Escripia esla falsa atiesjago, foi elle era pessoa
pedir ao jmz de direito e ao digno vigario de
Goyaona, que afflrraassem o mesmo. Ambos o fl-
zerara, refertndo-se a ioformago de pessoas fide-
digna ; suppozeram como tal o delegado, O re-
sollado foi que S. Exc. c Sr. conselheiro presiden-
te da provincia, maodoo voltar os homeos, qoe nao
lem isengto verdadelra.
me foram dadas como reraunerago de servigos re i do ao principio uma COlherinha de cha du
mem!^' ,iBne^ presl? ao. ,nea paiI' nao como wrope alcohlico de veame dissolvido em
sopis cidado par,,do "ol"^ mas s,m comonma chicara de infusao de flor de sabu-
Coucluindo, cumpre-me significar a'illustre re- ^ue'0 Quente, adocaddo-a com mais assu-
daegao da Sifuocao, que os meus amigos, cojos car, continuando nos tres dias nesse trata-
HTt^T^V no c,ad0 arl,0 aqDe resPcna.' tamenio, no fim dos quaes usara' do xaro-
^CSt.rr^rr^.i sr bsa^w1 do recei-
veis capangas eleitoraes, que s sabem quebrar tuari ^ndo todo 0 cuidado de se abafar,
5 e ensanguentar e profanar os templos; e i afina de soar converjentemente, alem de
que faga Jusdga inteira aos seus
que bom ser
adversarios.
Goyaona, 16 de de Janeiro de 1867.
H. P. de Lucena.
memoria da Ema. Sra. .
Felippa Morelra Plato Wan-
derley, trigsimo da do seu
fallecfmcnto.
Pobre bumaoidade......a que triste condiccao
estaes sujeila I----- r
Todos os das, e a cada instante presenciamos
conservar o ventre corrente, que conseguir
tomando uma ou duas pilulas purgativas do
mesmo veame.
Todos quantos suecumbem desta moles-
tia se diz :falleceu de erysipella recomi-
da ; ao contrario, alguns expositores pre-
sumem ser o desenvolvimenio da putrefac-
Co no san.ne, tanto que o lugar inflamma-
do que. ento a sua cor era encarnada, se
troca em lvida ou negra, e termina era gan-
grena, e por essa razo que conveniente
Abanos......... cento
Agurdente de cana .... caada
.'dem restilada ou do reino i
dem caxaca.......
dem genebra ... a
(dem aleool ou espirito de agua- >
ardente....... >
Algodao em carogo .... arroba
Idem em rama ou era la >
Arroz com casca..... >
Idem descascado ou pilado >
Assucar mascavado .... >
dem branco....... >
dem refinado...... ,
Azeite de amendoim ou mendo-
biin ........caada
Idem de coco...... >
dem de mamona .... .
Batatas alimenticias .... arroba
Bolacha ordinaria, propria para
embarque....... >
Idem fina........ >
Caf bom........
Idem escolha oo restolho. >
Idem torrado......libra
Caibros........om
Cal..........arroba
Idem braoca ....
Carne secca (xarque) ... t
Carneiros .......um
Carvo vegetal .....arroba
Carvenas de sicupira uma
Cera de carnauba em fruto. libra
Idem idem em velas ...
Cha..........
Charutos .......cento
Cevados (porcos).....um
25500
900
800
360
880
900
34700
tVI*00
15500
Peranle a cmara manicipM desta cidade es-
tao em praga nos dias 16, 19 e 23 do corrente
para setem arrematadas por quem por menos izer,
nao s a obra do calgamento da estrada qoe conduz
ao matadouro publico, na largura de vinle e cinco
palmos, cujo calgamento ser feto de pedras irre-
gulares, se nao tambera a do man de encost do
lado do nascente da mesma estrada : a primeira
obra oreada em 7:9504, e a segooda na de...........
4:6565960 rs.; aquelles que pretenderem arrema-
tar taes obras, pdem comparecer no pago munici-
pal nos dias radicados munidos de fiadores que ga-
rantam a arrematago, devendo serem aposenta-
das as habilitagestres diasantes n respectiva se-
cretaria, para serem examinadas, onde eocoolraro
os orgamentos das referidas obras para concertar.
Pago da cmara moniciMl do Recife, 9 de Ja-
neiro de 1867.Gustavo J;.se do Reg, p. presi-
dente.Francisco Canuto da Boa-viagem, secre-
tario.
24200
35600
4500O
25500
15800
15100
15300
35000
75000
75000
65500
410
360
400
580
35800
45000
15600
35300
320
500
25000
35000
155000
45OOO
660
160
260
100
380
105000
15000
360
520
45000
25000
Ue ordem do Iilm. Sr. inspector da alfande-
ga se faz publico que Oca transferida para o dia 23
do corrente, a 1 hora da tarde, a arrematago da
caixa n. 35, da marca I C D, cociendo eabos de
chifre com guarnido de metal para cachimbos,
cigarros e charutos, annunciada para hoje, vi,-ti>
nao ter comparecido licitante.
Alfandega de Pernambuco 19 de Janeiro de 1867.
O 3 escripturario"
Eutychio Moodira Pestaa.
-- A camra municipal desta cidade tenlo dfi
mandar dtmolir por utilidade pubica a cata n. 1
da rua dos Pires, desapropiada ltimamente para
esse flro, pelo presente p5 em praga nos dias 19,
21 e 23 do corrente para serem arrematados por
qnera maior prego oQerecer, nao s os materiaes
que resullarem da demoligo qoe sera* feita pelo
arrematante, se nao tambero a pequea rorgo de
terreno perteocente a mesma casa e que rica reco-
mida da rua, quelles que preteoderem arrematar
urna e outra cusa, comparegam no pago munici-
pal em os mencionados das.
Pagoda caraira municipal do Becife em sossao
de 16 de Janeiro de I67.Gustavo Jos d Reg,
pro presidente.Francisco Canuto da Boa-viagem'
secreiario,
Sor de sabugo, para se conseguir resolver a
nflammaco, ou pelo menos terminar pela
mped opal, supcSoporaiassim a gangrena.
Os effeitos do xarope alcohlico de veame
appbcado na flor de sabugo ao do.. le, nao
Accresee qoe o segondo ja' nSo podia ser dis-
pensado ; por que, tendo sido designado pelo con-
selho que primeiro faoecionou, desertor I
Assim vio as coosas desta trra, e dizem qoe os
conservadores qoe Impedem o levantamento de
tropa para a guerra I ..
Outra especulago do mesmo delegado, qne pro-
mette^veoeer a eleigo a Ierro e fogo, oonsiste em
Como oo grande partido progresaiila esio alit- ll,fl'se autorisago de formar o destaca
tados os mais exagerados dos velos conservado- ?,iSri7 V *? m chanca para obter tra-
bajadores. Faz assim : designado nm guarda pa-
ra o destacamento, diz elle : t quer voc livrar-se
do servigo para vir trabalbar-rae T .
Sim senhor responde o guarda.
Pois leve esta ordem ao eommandante do
destacamento.A ordem cerno a segrate pas-
uda em favor de nm seu corlador de canoas :
Tendo o commaodaote da 7* companhia detig-
nado ao menino Jos do Chruu (Gru) Moreita
para fazer parle do destacamento
dessa cidade, j seas eoteados, e, com desvelo e carinbo, distribua
sou a dizer a Vmc que dispenso desse servigo,! com elles oseaMados de ama mi. Tsmeotea Deo
visto qoe dito menino nao merece a conOanea
1 desu delegada.
Eogenho Merer, 8 de Janeiro de 1807.
t ieoto Jos Ferreira Rabello, delegado
em exereicio.
c Sr. eommandante do destacamento da cidade
de Goyaona. 1
Andar assim que bom andar.
Em quaato venta, agua aa vela.
facios; que nos vem mostrar que a nossa vida, I o xarope alcohlico de veame na infusan p
neste muodo nao mais que uma triste e corta
peregrraagao, qae fazemos com os olhos na felici-
dade, mais sempre iuundo eom degostos, al que
tropegamos em uma lage fra, e cabimos oas trevas
do sepulchro......
E' por isso que D. Felippa Moreira Pinto Wan-
derley, que.aioda hontera fatia a felidade daquelle .i" An .,
que corapartilhava de sua vida, conservava a ale-1 S0 .e ae vantagem por sua qualtdade diafo-
gna ao lar domestico, e representa va o honroso retica, como pela anti-septica para imDedi
rT\.m r^fI / 'i?.1,1":dorme boJe no le,t0 ,aDe-1a P^efacc3o as molestias.
reo, em roda do qual chorara seu esposo, e todos I Na ftrveinolt-j non Haa r___
aquelles que a conheceram. O sopro fri e lerrl- 7S,P e enfermo nos ^ff,-
vel da morie, qae arrea-a da face da trra, roob^o meiros Ves das usar de comidas e bebi-
a sociedade ama virtuosa muiher; ao seo esposo o das que possam esquentar e inflammar o
objecto de seus cuidados, o thesooro de suas affel- i sangue.
ces, e a sua mais doce eoosotagio neste mundo e ; enmia ^ni ,___ .
aqaelles a quem ella servia de ai, rooboo o anjo ; A ""d darant esse tempo deve ser do
qoe Deas Ihe deu em recompensa do qae cbamava ; reino v6getal, Como sag, farinha do Mara-
Par,a sl- 1 nbSo, p5o torrado, bolachaJ etc.
to h,! fnqror;.ri0n nfir* Y*"** **' i AQda nao vi expositor de medicina que
mL-sITeK;^ S^tlTsTpZrl*? aconse,ba^ V* Prnoiro. tres dias'de
.triste reeordaco do passado..... -accommettimeotos do mal, nao se usasse de
Nasceo p. Felippa a 4 de agosto de 1839; era medicamentos; o que elles repellem sao os
M^ira0pil,?:/n-.A,D,onio,osp,Di0, e D-Lai. ungentos, unturas que obstruem mais a
E acrSo ^nnalT^mais SI "Pf do ^ Proravem a evacuado da
cagao. parte; o que convem trazer o lugar ata-
Cason-se a 25 de jnnbo de 1808 com o nim. ca i cado e bem agasalhado para aiudar a trans-
iv!':rzbx>Tz*ta'Uasi a,,ec6 i p^n featT o ^
Dorante este curio espaco.de tempo, D. Felippa,! Y Wdadeiro xarope de veame vende-se
comprehendendo os-deveres da esposa cbiistaa, fez Da botica da rua Direita n. 88, do Jos da
sempre a felicidade de seu honrado marido: acoto- Rocha Paranhos.
panhando o nos momentos de feheidade e desven- Tenbo recebido cartas de algumas pes-
K,eZnfldL^acrp^ar8. sofeHci8 wa8 d oj" P-J^eia. que me commu-
dae; mas p. Felipp* adoptoa em seu coragao os mcam ter oesta cidade sido remettido o meu
xarope falsificado, que tem dado resultado
jo descrdito de minha preparado, cujo co-
t hecimento se tem verificado depois dos ef-
eitos que taes remedios apresentava ; as-
sim, pois, tenbo a declarar ao publico qoe
no letreiro qoe vai pregado na garrafa do
Cocos (seceos)..... cento
Colla ........libra
Couros de boi, salgados.,. e
dem idem seceos espichados 1
dem idem verdes.....
Idem idem cabra cortidos um
dem dem de onga..... 1
Doces seceos......libra
dem em gela 'ou massa
Idem em calda...... 1
Espantadores grandes ... ura
dem pequeos..... ,
Esteiras para forro de estivas
de navio........cento
Estopa nacional.....arroba
Farinha de de mandioca alqoeire
dem de araruta......arroba
Feijao de qnalqoer qudlidade
Frechaes........nm
Fumo em tolha, bom .... arroba
dem ordinario ou restolho. 1
dem em rolo bom......
Idem ordinario ou restolho 1
Gallinhas........ama
Gomma.........arroba
Ipecacuanha (raz)..... >
Lenha em achas......cento
Toros......... 1
Linhas e esteios......nm
Mel ou melago......caada
Milho.........arroba
Papagaios......* um
Pao Brasil........qnnal
dem de jangada......um
Pedras de amolar.....ama
dem de filtrar...... <
dem de rebolo...... 1
Piassava........molho
Pontas, ou chifres de vaccas ou
novilhos.......
Pranchoes de amarello de dous
costados,.......
dem de louro......
Rap .......
Sabo........ .
Salsa pnrrilh .'.!*.'.! roba 264000
eboemrama ...... 55OOO
dem em velas...... 74OO
Sola em vaqueta......ama 24000
DECLLaGOES.
164000
25000
35000
S4000
45000
55000
155000
85000
105000
85000
14000
35000
255000
24500
124000
64000
160
2J300
35000
65000
35000
900
800
15000
160
cento 34800
nm
libra
*
alqueire
205000
105000
I5OOO
160
400
ella camprio os preceitos da religio, at qoe a
sombra da morte, erapanando-lbe os olbos, px
termo a sua feliz e santa existencia.
Testemooha da paz e da felicidade que gosava
o lilas. Sr. capitao Waaderley, a quem triboto a
2M!S%Tr^ xarope sempre foi assignado por meu pu-
sua virtaosa esposa, derramar com elle ama lagri- e ^U1 em diaDle' a'ein "est* assig-J
ma de saudade; e lembrar-lba balsamo qae a Datura o farei tambem no papel
Taboas de amarello
c diversas
Tapiocas
Tatajoba
duzia
1
arroba
quintal
Travs.........uma
cento

1
1404000
874000
84600
24000
65000
380
104000
84000
64400
800
Unhas de boi
Vassouras de de piassava
Ditas de timb....
Ditas de carnauba .....
Vinagre......... caada
Alfandega de Pernamoco, 19 de Janeiro de 1867
ADlTAMMIW(TO.
Cera de carnauba arroba 65400
assig-jCKBiieiras de Jacaranda, duzia 95)9000
que cobre Efichameis......nm i 500
A Rima, junta administrativa da Santa Casa
de Misericerdia do Recife recebe propostas para
irrendamento das casas abaixo declaradas, as-
qaaes achando-se arruinadas, serae arrendadas
pelos pregos mdicos a quem se quizer incumbir
de conceria-las :
Estabalflcimentos de caridade.
.la Direita n. 33.
Ba da Moeda n. 37.
Rua do Pharol o. 72.
Itua dos Ceelhos n. 94.
Becco do Abreu n. 2.
Patrimonio dos orphos.
Rua do Burgos o. 19.
Rua da Cacimba n. 19.
Rua do A.-norira o. 26.
Os pietendentes para malhores esclareeimonto
podero dirigir sea secretaria.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife, 20 de dezerabro de 1866.
O escrivo interino
_____________Pedro Rodrigues de Souza.
Santa Casa da Misericordia di. Recife-
Tendo de Oodar-se em 30 de junbo do corrente
auno o arrendamento do sitio da ilba do Nogoeira
propriedade da Santa Casa de Misericordia, a
Illma. junta administrativa manda fazer poblic'o a
quem convier, para que com antecedencia 0 vao
examinar, aflm de apresentarem toas proposta&
qoe sero reeebldas nesta secretaria, onde se da-
rSo todos os esclareclmenlos precisos aos nteres-
sados.
. Secretaria da Saola Casa de-Misericordia do IU-
ciTe, 17 de Janeiro de 1867.
O escrivo interino.
Pedro Rodrigoes de Sooza.
Santa Casa da Misericordia
do Recife,
A Illma. junta administrativa da Sania Casad
Misericordia do Recife maoda fazer publico que-
nojdia 24 do corrente pelas 4 boas da tarde na sal
desuassessoes. tem de Ir praga a renda das ea-
sas abaixo mencionadas para serem arrematado
por aloguel pelo tempo de um a tres annos.
Os pretendemos deveo presentar carta de Ban-
ca on serem acompanhados de seus fiadores oe
com cartas dos mesmoes.
EsUbelecineiiU de eariiade.
Roa dos Pescadores.
Casa terrea n. 11......
Ra da Gloria.
Casa terrea n. W......
Roa do Calabacee.
Casa terrea o. S#-.....
Patrinunio de erphes.
Sobradcde dous andares n. 67. *:205O0O
Roa do Burgos.j
Ca terrea n. 19 h......W14000
Madre de Deas.
Cas terrea 94.......... iSgpm
Roa dePilir.
?." lar.8a n*94' .....8U00>
Sio do Forno da Cal n. 8. ., 1304000
Secretaria da Santa Usa da Misericordia do-
Recife 18 de Janeiro de 18S6.
O escrivo interino,
Pedro Rodrigues de Soaaa.
116400
14440*
1924000

"i
'


/
r
L

i
1
^MHB


ntiriitTiiiiii^


.

Diario de Pernawfm* -- *erci ffeara fl< Janeiro de I867\
3
.^-.,-l.^j^,,
Sania Casa da Misericordia do
Reelfe.
0 Illm.-Sr. thesourairo mermo da Sinuosa
de Miserlctr lia do llecie, capitao Vicenta da Pau-
ta Oiivei -a Villas-boas, oudia Si do crranle (ter-
ea-feiraj, netas 10 horas da maoha, oo salo da
asa dos xpostos, lara' pagamento das mensaii-
dades vencidas al dezembro fiado, as amas que
se apresentarem cora as crianzas que Ibes foram
confiadas.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recite 15 de Janeiro de 1867.
O escrivi) interino
dro Rodrigues de Soura.
Para Lisboa.
I Iodm, aparemos de rectal, 1 paliteiro da prala, 1
. faqueiro de pran, I grande santuario rom eolalhe
Segu era poneos dias o brigoe portujeaz f os- eiMiieas multo* ariigos.
ante II, por ler prompu qnasi todo sea earrega-
ment para o restante, e patsagelros; trata-se core
Oliveira Filbos & C, largo do Corpo Santi
on com o caattao aa praca.
Iffaa-de
n.19,
.migael.
Segae core rauita brevidade a barca portuguesa
Parary, capito Augu*to" Borges Gabral: para o
resio da carga e passageiros trata-se com o seti
consignatario Joio do Reg Lima a' roa do Apollo
n. 4.
Vende-se o palhatx.te portognez EHzta, en-
tradora p'ooco de Lisboa, de lote de 73 toneladas,
CE
Do cerca de 1,500 chapeos do Cblll
.{fciinta-feira 24 de Janeiro as 10 ho-
Pela admioistraco do correio desta cidade, se \ *Vi0 novo completamente aparelhado, eoostrui-
fax publico para Bns convenientes, que em virlude d0 re B**Heotes raadeiras eforrado de metal es-
do disposto no art. 138 do regularaeoto geral dos u v,a8em quem pretender dirija-se ao seu con-
correios de 2! da dazembro de 18M, e art. 9 do s,ltrio E. R. Rabello rna do Trapiche n. 4,
decreto n. 185 de 15 de raaio de 1851, se procede- segusdo andar, ou cora o capitao Manoel Lopes
ra' o consumo das cartas existentes na administra- "''o a bordq do mesmo.__________________
(ao, pertenceotes ao mei da jan Jiro do anno pas
sado, no da 5 de f.averelro prximo, as Unirs da
manhaa, na porta do raesrao correio, e a respectiva
lista se acha desde ja exposta aos interessados.
Admioistraco do correio de Pernambuco 21 de
Janeiro de 1867.
Domingos dos Passos Miranda.
Administrador.
Parao Rio de Janeiro
Pretende segurr com moita brevidade a velelra
e bera eonneerda barca Rio de Janeiro, tem parte
de sen carregameoto prorapto, para o resto que
Ihe falta c escravos a freie para os qaae* tem ex-
cellentes omroodo* tratase eom os seas consig-
natarios Antooh Luiz de Oliveira Azevedo C
no seu escriptorio rna da Croz n. 1.
Quana-feira 23 do crrante m 1 Choras.
N armazem roa da Cadeia do Recite n. 29
T
ras em ponto.
Schaffter & C. faro leilo por inierveoQao do
ai: la
de Llugoa Fraoeeza
c Ceographla c- His-
toria.
de FMIosophla.
de Rh -tre; e Poetffa
Jos Soare* d'Azeveda, prot-ssor de lia"
goa e literatura nacional no Gymnasio Pro-
vincial do Recfe,.tem aberto em sua cas1?,
ra Bella n 37, una oaro. especial de cada
ama das disciplinas anota mencioaadas. As
agt ?LT e< T' le ,SCa draErm.f/reh Pes'03S 1uo se desejrem preparar em si-
cer de carca de 1/N chapea do r.hyli, 10ho-lm:,hantftJ_atM M ^T,T e ,,.,,._
ras do da 24 do correte em seu eserlptorio rna
do Trapiche n. 3, jante a associacao eommeecia
uun... '. m !-!......______J- >V'>
VISOS DIVERSOS
Crrelo geral
Pela adrainistraco do crrelo desta cidade se
faz publico qua em virtade da convenci postal,
celebrada pelos govemas brasileiro e francez, se-
rio expedidas malas Dar Europa no dia 30 do veleira barca
corrente pelo vapor francez Exlremadure.
As cartas serio reeebida* al 2 horas ames da
que for marcada para a sabida do vapor, e os Jor-
naes at 3 horas antes.
Administracao do crrelo de Perambco 21 de
janeifo de 1867.
Domingos dos Passos Miranda.
O administrador
LISBOA
Pala sabdelegaeia da fregoeila de Sanio An-
tonio do Recite foram mandados' depositar dons ca-
vallos, sendo um de cor ruco ndado, encontrado
no dia 6 do corrente sem condotor, e outro de cor
alasao, que tambara foi encratrado na tarde de 18
da correte sem conductor : quem for seus donos
provando Ihes sero enlregoes.
O subdelegado
Manoel Antonio de Jess Jnior.
i ii i -x.'u.L'L awBwb
Va i sahlr com brevidade a n.uito conhecida e
TI II II
por tr oarte do carragaoHoto engajado, para o
resto traa-se com os consignatarios Carvalbo &
N-gaeira, na rna do Apollo n. 28.
Para Lisboa
THE4TR0
DE
EMPHEW-COIHM.U
Quarta feira $&dfe janro
Divertimento cjncedido pelo Sr. Antonio Jos
Buarle Coimbrae o artista Julio dos Santos Pe-
relra.
EM BENEFICIO DO
HOSPKALPOftTITGUJEZ.
Vivo f\traordia:ri'i e variado divertimento de
apparentes jugos phjscns, pecas mecnicas t
verdadeira prestid jiacio.
jp-'is da urna esc iihida ouverturj, serao aber-
tos os trabalhos pelos enigmticos e inexplicaveis
i-ff-.-iios que lem por tiiolo
SALA DOS SEGREOOS
O
Os mysteri s do diabo.
PR1MBTRA P^RTE.
A garrafa diablica oa as cartas obedientes
eraoalmagSas e passajjeos visiveis ou a luva en-
cantada.A gaicla mgica ou a desapparigio ad-
miravelo escripta incorabastivel__EfTelios pro-
digiosos ou a laraoeeira do [faraizo.
SEGUNDA PARTE.
Esta parte sera' preeneh da pelo mallo admtra-
vel joven artificial, primeiro nasle genero
ou
o nmm do ib.
Esie joven por dpmais extraordinario eca seus
trabalhos, lara' diffleeis exercicios sobre a corda
bamoa. a combin^Qao de um lio bello segredo
torna-se bastante admiravel. Varaba tem traba-
Ihadoem quasl todo o Brasil, ranitas vezesem Pa-
rs, onde f,.i sempre applaudiJe e admirado. Dei-
x^mos que seja visto peio publico desta lugar e
este que Ihe dd o davido raerecimeuto 1
Esta parte sera' nreeochida pelas adrairaveis e
sublimes corabinacoes qua apparentemente, como
as vistas dissolutivas t^m p >r d^nominaco.
TEttCEIRA PARTE.
Esta parte sera' ureenchida pelas adrairaveis e
sublimes corabinacoes, que, apparentemente, ca-
ra) as vistas Os effeitos do meg asco pi
egypcio
Patente qua seja ao> especiadJresO anjo das
vistas pitlorescaslera' lugar a appariQo 4as se-
quiotes :
Uioa alela nos arrabal Jes de Pars.
O molote d'agui no castillo de Lilla em Flan-
dres.
O mole.rno edificio do encanaraento das aguas
m Londres.
O palacio de Margarita de Borgoaha.
O palacio de grao-duque de Ferrara.
U mesmo no momelo de seu incendio.
A pinta de suspiros era Veneza.
Ajcapetla de *. Aoilr na Hisnauha.
A nao Prineeza era trente do porto de Marseiha.
A bella latada do jardira de iples.
O magnifico corredor da palacio de Constanti-
nopla.
Urna cidade da Suissa vista no vero.
A mesma em mudanca para o invern.
Fraili-aado palo qoalro
crard, o afamido eacador de
ledes.
E n seguida, volver' por effeitos da cireolaco
elctrica
OS FOGOS DIAMANTINOS
Fmalisando o aivertimenio logo que seja an-
aunciado pelt anjo da nona
HOtl SOIR
O resto dos bilhetes acbampa a dUposicao do
publico no escriptorio do theitro no dia do espec-
tculo.
AVISOS MARTIMOS
Pretende sahir com a possivei brevidade o logre
portngoaz Julio por isso e que tem quasi toda a
carga engajada. Recebe algoma carga e passa-
geiros para o que trata-se cora os consignatarios
Tboniaz d'AquIno Foaceca & C., na ra do Vlga-
rlo b. 19 1 andar.________________________
PORTO
Pretende sahir em poucos dias a milito veleira
: nova barca
FtfLlZ I YI1
por ler parte dd carga proaua para a que 4he fal-
ta trata-se com os consifrnatjrio Crvafho" & So-
guei a na ruado Apollo u. 20.
Para o Rio ai doakVT
Segu- em poucos rtns o brizna p Ttuguez Ri-
Vouga, para resto da earjta qe liftirtU trata-se<
com os seas eansignatarlos Antonio \svz de Oliv-m
ra Azevedodf C, no seu escriptorio ra da Grus
n .1 ou eom o capitao"na pragn.
Para o Araeaty
segu oestes dias o palnabote nacional i Emita :
para carga tratase com o c ni.ii?n>t i: i -, Jos de Sa
Leito Jnior, na ra da Madre de Daos.
" ParaTRio Orande do Sul.
O veleira patacho Sol, pretende se*uir cora raui-
ta i revtdide, tencparta-d9*eu carret*mao*o<+r>ai*
to, para o reslo-que Iba falta tralt se com os seus
consignatarios Antonio Luiz da Oliveira Azevedo &
C, no seu escriptorio ra da Cruz n. 1 ou cora o
capitao na praca.
Para o Kio Grande do Su,
O veleiro e bera conbecido briguanaciooal Ame-
lla, pretende seguir com roujta brevidade, tem
parta do seu earregamento engajado para o retso
que Iha falta trata-se cura os seus consignatarios
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo i C, no seu
escriptorio roa da Cruz c. 1.
Precisa-se fallar ao Sr. Antooio Eioy
Je ne vi des que foi oa official de Justina,
afira de vir receber urna carta, no esenp-
torio deste Diario na roa das Cruzes n. 44.
Insliluto Archeolgci e fleograpliieo
PeiMtubai'aii.
Teado o Instituto Archeologico e Geogra-
phico PerHambucaoo de celebrar o quinto
anniversario da sua fondacao no dia 27 do
correte Janeiro, pela urna hora da tarde,
no sali da Biblioteca Publica Provincial,
no coavento de Nossa Senhora do Carmo,
s5o convidados para similhante effeito em
assembla geral todos os socios que .se acba-
rem no Recife effecttvos, honorarios e
correspondentes.
N5o conhecendo o Instituto a sede das
differentes associaces litterarias, scientifl-
cas, artistas e de beneficencia que existern
nesta cidade, tem a honra de convidar pelo
presente edital a cada urna de taes associa-
ces a assistir solemnidade > o oia 27 ou
a fazer-se ah representar.
E para conhecimento das corporaces ou
pessoasqaetiverem de ornar a sesso com
a sua paiavr' autbo isada, aquiete trans-
creve a ultima parte rio art. 28' do regi-
ment do IuaUiUto :
< Se na sala existea^ socios ou pessoas
butras que desejam lr a!gumas memorias
interesantes, pacticipam^no ao secretario
^perpetuo, para este prevenir o presidente,
t qua I da a palavra aos autores das memo-
rias; a ieilurade cada umi das quaes nao
pode esterider-seam de meia hora, fo-
rera nenhuma memoria ou trabaIho pode
ser apresentado e lido em sesto publica,
sem que autesseja submettidoa urna com-
misso de exame para sm nomeada, a
qual tem voto decisivo sobr a convenien-
cia ou inconveniencia da leitura.
Secretaria do Instituto, 18 de Janeiro de
1867.
J, Soares d'Azevedo.
Secretario.perpetuo.
milhantes materias para os exames de Mar-
co, ouns-que quizerem seguir o curso do
anno leclvo, pdem dirigir-se residencia
idicada, de manhaa al s 9 horas, e de
tarde a qualqoer hora.
RA
ii
ROSAKIO
dUBE HOTEL CEIW1AI
LARGA DO ROSARIO ROA ESTRFfTA DO
N. 37 N. 4 A
ENTRADA GERAL ENTRADA PARTICULAR
' PROPRIETARIO.
FRANCISCO GARRIDO.
Ha guarise salas
Preparados eom asseio,
Para aryelles que vierem
A Veneza de paselo.
Tem commodos excellentes
Para solteiros casarlos,
A' todos se prodigaHsar
Os mais sinceros cuidad-s.
wy.n..>i-i .inTi.*
III1.9S.
IiEILAO
Databeraa sita na roa Direita
numero 5>.
* t-ari3:
Nao se tendo podidu effectuar a venda da ta-
berna cima Oca transferida para o dia 22 do cor-
rente as 11 horas da maohoa, sem limites, e por
conla e risco de quem pertencer.
De urna taberna bem surtida e afreguezada
na ra da Conquista n. 10, freguezia da
Boa-Vista.
Terca-feira 9 9 de Janeiro as II
heras eui ponto.
Joao dos Sautos, tendo do (zar urna viagera,
fara' leilao da sua taberna siu na ra da Con-
quista n. 10, a qoal se torna recommendada ja
por se achar bem sortida e afregoezada, como por
ser em bom local, onde se esta' abriailo ama nova
ra ; os pretendemos poderlo examinar o halango
oa ra da Cruz n. 38 ou oa referida taberna no
dia do leilo, terga-feira 22 do corrente._______
LEIlAO
%i do corrente.
COHP1XHI1
it:t \sii.i:iiii
i>E
ETESVVAPOR
Dos portas do sal esperado
at o dia 22 do corrate um dos
vapores da compaobia,o qaal de-
poisda demora do cosame se-
guir' para os porlos do norte.
Desia ja recen .n-se passageiros, e engaja-ae a
carga qne o vapor podar condoztr,a qual deveri ser
ambareada oo dia da sua ebegada; encommendase
dinbeiro a freta at o da da sabida as 2 horas da
tard*. Prevma se aos Srs. passageiros que as
^mxagess s se rereoam nt agencia raa 4a Crnz
o. 1, escriptorio de Antonio Luiz da Oliveira Ate-
llll S. MIGUEL
Segu eom a maior brevidade o muito veleiro
patacho Jorgenee para carga que Ihe falla b pas-
sageiros para os quaes tem bons commodos tra-
ta-se com o sea consignatario Joao do Reg Lima
a ra do Apolle o. 4.
Para Lisboa
Vai sahir com brevidade o brigue portugoei So-
berano, eapitao Bogiganga, recebe carga a freta,
trata se eom E. R.'Rabello, ra do Trapiche n. 44,
on com o capitn.
Para
Pretende seguir cora brevidade para Indicado
porto o veleiro B/Uae e.cijoa nacional Graciola
capitao Silva Ralis; para a pouca carga qne Ibe
falta trata-se coa o respestivo consignatario abio-
icio da Alaaeida Gomes; a rna da Cruz n. 23 1*
andar.
Da espacosa casa com sitio em chaos proprios.
ra do Moodego n. 34, dafronta do porlo de
entrada para a maguirka residencia da familia do
finado commeodador Luiz Gomes Ferreira.
O agente Oliveira competentemente autorisado.
fara leilo da indicada propriedade, tendo a casa
o janellas de frente e grande fundo, 2 salas de vi-
sitas e para jaotar, saleta, S quartos e corredores,
um extenso copiar coberto e grande cosinha ao
lado, e o sitio nao sendo grande, o snfflciente
para intero recreio sem dispendio oneroso, e tem
boas arvore* fructferas, caimba d'agua excellen-
te com bomba, e mals dependencias Indispensa-
veis, tornando-se de mais apreciavel esta proprie-
dade por estar collocada oa ra a mais alegre e
de maior transito a'sabida da cidade, em que se
goza de ares puros, a par do agradavel cuno pas-
seio para quem t nha do cuidar diariamente em
seus negocios na praca.
Os pretendentes *o convidados a fazer o exa-
me previo da casa e sitio Indicados, cujo leilo
sera'
Qaarta-feira 23 do corrente
ao meio da em ponto, no escriptorio do dito agen-
te, ra da Cadela o. 4, primeiro andar, por cima
do armazem de fazendas do Sr. Barroca.
\$
TRILHOS URBANOS
DO
RECIFE 4 APiP
D
CjonMtri dos ammazes
Htm da Cruz n. 16.
Ha diariamente presuntos superior, dito
emfiambre.
', ............ ii ii i ii........
Alugam-se
daas casas'terreao, sitas na C&puoga,< roa da Ven-
tora, jualaao potto da^viova Lasserre, de ns. 32 e
34, tendo cada urra cozinba fora, cacimba, estriba-
ra e quintal mufado : a tratar na roa do Trapiche :
n. 3.
F. A Pontaal Juoinr7Iete~der|eil3e7 desta !
praca, offateeeiao respeltavel publico os seus ser-
vaos no oe-!Miipeubo de sep cargo, podeado para
isto ser f rocurado a ra das Grmes primeiro an-
dar n. 30 e :s ra do Cabug, n. 2.
Preciia-se par casa de pouca familia de orna
amaquesaiba engommar, cozmbar e comprar :
a tratar oa praca da independencia n. 39. loia de
calcado.
Poqo da PanellaT"
Festa da milagrosa Seohoi-a da Sad>>.
Para conhecimento do publico e especialmente i
daquelles que desejrem prestar mals urna vez1
culto extica ini-dfl Dea?, medianeira a quem
ainda nentium enfcrmo recorreu debaIJe, abaixo
se publica o programla, dos festejos cora que tom
de ser st-lemnisado o dia pela igrpja consagrado a
memoria da piinficaco.
A nonio da 23 do Correte lera lugar y lavauu-
ment da baodeira. O prestito, composto de um
coro ds aojos e da granla numero de seutaoras,
sahir da casa do jniz na povoaco da Casa Forte
e seguir com uirecco a igreja,- sendo acorapa-
nhaa pela banda do msica do l" batalho da
guarda nacional. Logo que se tenha Bocado o
sacro estandarte subir" ao neos um lindo balo
como aunuucio a toaos de que desde ento carrera
momentos esuecialmaute consagrados a solmnisa-
ao da purifle^go da virgeab.
No da seguinla comecarao as novenas, e por
oceasio destas cantar-se-ho versos, cuja mtaiea
composigao do distincto profassor Colas.
No da 2 de fevereiro prximo, a hora do cos-
tme, te; a* logar a fesia, por cuja occasio can-
tar-seha a niiss., uiuiuada ogma da Cone<-.co,
hrlhniis.iKi itiriposigao do nieucionadn maestro,
Pregara' ao evacgelbo a Rvd. Antanio Manoel da
Assompco um do? ornaraent >s ca nossa tribuna
sagrada e o ii n da f^i, asMm como o das no-
venas sera' anunnciad por baioesj signaes de re-
gosijo usados em tada a parle quaodo algum gran-
de aconlecimeoto os tiomens desejam levar bem
Eacontra-se para lunch
Fiambre a qoalqner hora,
Tambera recebe assignanles
De comida para f- ra.
PARA EDUCAgA'O DE MENINaS .
estabelecido na grande casa mngua
a igreja de Nossa Senhora
da S'tledade
E IHItloIDO
PEAS 1RIHAES DE SANTA fJBRFHEA
SOB K PROTECOAO DO
EXm, E RVM. SK. DR. VIGAR10 CAPITULAR DA 0IOCESE.
Nasle collegio, coja abertura naste ;moo lera' lugar a
meninas de 6 a 12 aooos para serem educadas e insiroidas
cessarlas a orna senhora.
Havera' meninas internas, meio pensionistas e exleras.
As internas pagarlo 35 raensaes, as meio pensionistas 13^, e a
sendo pobres.
Logo que o collegio contar um numero suffl>!ente de pensionistas,
gratuitamente para internas algumas meninas pobres.
Pan admisso de ;lumnas e para qaaequr esclarecimentos trata-se
riora no mesmo estabelecimento a qualquer hora do dia.
21 do correnip. recebem-se
em toda as materias ne-
externas 5J, nao
admittindo
ira'
com a supe-
Sociedadc portagueza de sejturos mataos sobre a vida, fanladac
administrada pelo
BANCO ALLIANCA DO PORTO.
Todo o pai que deseiar acautelar o futuro de seus filtiosdev.e quantoantes,
|azer inscrever os seus nomes na listados socios daPrevidentepor que, com orna
todos os annos para alli for appltcando, tirada do fructo das suas
25 annos alcancar-lhes-ha urna fortuna, que por nentium outro
Corre qoarta-fei<-a 30'
Acham-se venda-na respectiva thesou-
raria, roa do Crespo n. 15, os bilhetes
meios e quartos da-4a partida Ia lotera
a beneficio da colonisaeo polaca (4a) sendo
a extractar? no higar e nnra-iia costumo.
Os premios dd6f0O0,jK)0t at lO^OUOse- querque Msilo'oem'a eioq'uencia "quelhe"i reco-
rao pagos urna hora depuis da extraegao at
as 3 horas da tarde, e os lauros depois da
distribai^o das listas
As encommendas serao guardadas semen-
t at a noite da vespera da extraego.
O ttresoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Sou-a.
Os exemplos praticos de nutras sociedades anlogas tem mostrado que:
100$OO pagos annialmente pndem proiinzir.
alto sVo appiaasos e louvores. .pequea quanlia que
A Ig.vja conservase abena lado o dia, pois a I economas, no fim de
lardea imagera da Virgem estara' exposia a' ve'meio e com to pequeo desembolso poder obter.
neracao dos iais. cuja concurren.-ia costuma ser (U AtAmnlna nr.iticas ,U nnir-.c an*i*A
cada vez mais numero?, mesmo porque todos os
dias multiplicam-se as granas que a Miie de Deas
dorrama sobre os moriaes, rom C|Uaeto estes do
sua parle bem pouco procurem naoslrar-se digoos
de taes 'luns.
A' noite caotar-se-ha o TeDeum com a solem-
nidade do costume, depois de terem sido os Qeis !
chamados a contemplar sobre o aconieaiineoio que j
a igreja celebra nisse dia pelo discurso qua sera'
desenvolvido pelo Rvd. padre Antooio de Albu-
Por um menino de i
de I
de 2
de 3
dia a I anno.
a 2 annos...
a 3 ____
a 4 .....
a 15
uhenda.
Depois do TeDeum flolir-se-bo os festejos de 4
rom um lindo fugo de.'artifleio, ol.ra dos Sr?. Jos Por uma pessoa de 15 a 20 annos
PranciiCg Alves lionteiroe Tito Fra uro de Mello de 20 a 30 .
EspeiA-e,, pois, hoja quando para aquella fre- Ha *<0 a Afl
gueiia lito fcil o transporte, que nentium devoto *u '
de Maria Santissima deixara' de ir turnar parte em "e
taes festejos, nao s para maior brilbantisrao dos
me
cu
Em S au- Em 10
rrjs.
1:100$
9005
860
8605
8605
8605
8605
8605
9005
annos.
4:0005
3:0:>05
2:9005
2:8'.'05
2:700,0
2:7005
2:7005
^7005
3:0005
Em 15
annos.
9:i'00
7:5005
7:005
7:1004
7:0005
7:0005
7:1005
7:2005
7:5005
Em 20 an-
nos.
20:0005
17:0005
16:0005
15:6005
45:5005
15:4005
15:6005
16:0 0t
18:0.005
Em 25 an-
nos.
7:0005
37:0005
35:0005
34:0005
33:3005
33:3005
34:0005
37:0005
50:0005
Quem pretender subscrever para a Presidente e desege qtiaesquer esclarecimen-
ssmos. como para le entre nos ma.s so aferr o; tos pode dirigir-se. e^n Pernambu;o aos Srs. Manoel Joaquim Ramos e Silva, ra do Vi-
lio qu* toilo.s devemos a Mando Rede n.tor. ,.;,, n _. j._-_ i. i .'
__~ ~~,..-,~~.~..m.-.............................. gai io n. n que dirao todos os esclarecimentos que se desejrem e prospectos gratis, a
quem os pedir.
LEILO
De SOO saceos cona algodo.
Quarta-feira 23 de Janeiro as ti horas em
ponto,
O agente Pinta fara' leilo a raqnerimeote dos
caradores Bscaes depositario da massa fallida de
Pedro da Silva Ragoe por mandado do lllm Sr.
Or. |Dlz especial do comm^rcio de '200 saccas cora
algodo pertemvntes a dita massa e existentes no
armazem n. 20 do largo da Assembla, onde se
effectuar*' o leilo as lt horas em poeto da dia
23 do corrente.
LC2ILA
De 40 saceos com arroi.
Quarta-feira 23 do corrente as 10 oras
em ponto.
O agente Pinto fara' leil > por conta e risco de
quem pertencer de 40 saceos com arroz avanados
a bordo do brigne ioglez Chruttana Carmall, as
10 horas do dia 3 do corr ote no armazem do
Annesem frente alfandega.
De
LEILO
uma escrava.
Cordeiro SimSes
aotorisado por nma passoa que ?e retira fara' lei-
lo de ama escrava de mala idade, boa cosinhei-
ra, Uvadelra, propria Rara servico de casa da fa-
milia.
Aminha 23 do corrente as I i horas.
No armazem a roa da Cadela do R-rife n. 29.
LE1JLA40
De nweia, Itica, eaatiWrts, pnta,
aparelhos de metal etc.
Corrlclro laaSes
per coala e risco de qoem pertencer fara' leilo
de diversos movis osados e botos, caodielros,
A
Para evitar os repetido? abus s que se tii dado!
no pagamento das passagens e regular qnaoto for I
possivei o servico dos treos fax-BB publico para i
conh?fimento dos passageiros :
Io Q-i expressaraeote prohibid i i aglomera-
580 de passageiros as plataformas dos wngoos as-
sim como a passagem por cima das cobertas de
um para outro wagn.
2 Que igualmeote prohibido a eotrada de
passageiros nos waoas sera qua a.-lejana munido?
de bilhetes eos passageiros qu: nao ?e acnarem
n-stas condeses, serio ongdos a sahir para dar
lu_ .r aos qne os ttverem.
3o ,No sera' admittido maior numera tde passa
geiro? do que os da lotacao a neai sera'- permit'-
do o iogresso aos qa-; quizerem ;0bir depois de
cheios os wagons, assim como nao se podara'
subir depois que tiver partido o iran aiuda que
va' vagarosamente, o que indrlpeoSaval para
prevenir sinistros que se nao podem doixar da
dar se nao fr atlendida esta justa recommenda
^o e pelos quaes a erapreza no poda responder.
4* 0,uj naestaco do Caldeirairo e no escripto-
rio provisorio da ra Form?sa, esuro expostos a
vendaos bilhaiesdesle aso hjra di manhaa at
a partida do ultimo trem e das 2 hora? da tarda
em diante, e somonte se veodero os bilhetes cor-
respondentes aos passageiros que possam conduzir
os trens.
5" Qne a partir de quirta-feira 23 do corrente,
havero alm dos treos comraoos mais dous ex
traordioarLs a' tarde, at ao dia 3 de fevereiro
sendo as partidas reguladas pela seguiote tabella:
DO RECFE PARA O CALDEIREIR.
Da manhaa. De tarde.
5 -h. 30 m. 3 h. 30 m.
7 1 15 5 00
8 t 45 8 > 15
0 43
7 15
j. DO CALDEIREIRO PARA O RECIFE.
De manhaa. De tarde.
6 h. 3 m. 4 b. 15 m.
8 00 5 45
9 30 6 00
9 30
_________10 00__________
Nao se teodo reun.lo numero sofflcienle de
c nsenbores da propriedade Apipucos, deixeu de
baver reumao geral no dia 13 do corrente, a qual
na conformidade do art. 17 dos estatuios devia ter
lug.ir 00 domingo seguiote : mas considerando o
administrador interino que nesse dia mu i tos dos
coBsenbores nao pooeriam comparecer por terem
de fazerparte da junta de qualidcacao de diver-
sas fregaezias, iransferio a para domlogo 27 do
corrente, pelas 10 h ras da manhaa, na capella da
mesma propriedade.
Nesta reuoio se fara' a leitura do relatorio an-
nual, leitura, discasso, approvacn, e assignatura
da acta da sesso anterior.
O mesmo administrador interino convoca para a
dita reuoio a todos os coosenhores da proprieda-
de. A reonio geral tera' lugar com o numero de
votos presentes.
Apipucos 18 de Janeiro de 1867.
Jos Cezario de Mello
Administrador interino.
IMfls;
_. fjg| }gl}lg;
Os liheraes da freguezia de S.
Fr. Pedro Goncalves do Recifa ao
n-gados a reunirem-se quarta-i'eia
23 do crreme s 6 i| horas da
tarde, no primeiro andar da casa da
ra do Brum n. 72, atim de or#a-
nisarem a chapa de eleitores da fre-
guezia, na eleicSo de 3 de fevereiro
prximo futuro.
Recife, 21 de Janeiro de 1837.
A pessoa i|ue te'ii anounciado vendar ouera
peohar uma e-cravmha eom o annos da idade, po-
de dirig -se a ra Bella n. 22, das 6 as 9 horas
da manhaa, ou das 3 as Ii horas da tard
contrara' com quem tratar.
que en-
ifli
Pede-se a' lllm cmara munie.ipal que preste
:oda allenc, mandando examinar por quem com-
petir o sobrado de dons aniares sito ua ra do
Ran^el n.... por sa achar com um dos oitSes ra-
diado, e assim causando serios recelos aos mora-
dores coliguos ao mesmo.
Um dos assombrados.
l'r.:Ci>a sa -do lora ama
numero 18.
na ra da Praia
Alujase uma sala com dsas quartos do se-
gundo andar do sobrado da ra do Imperador n.
75 : a tratar no mesmo al as 9 horas da maoha.
Precisa-se d' um amassatlor : na padaria de
Santo Amara, de Maternos I.eoz.
precia-se de urna ama de l te : na ra es-
ireita do Rosario n 47, se dir' ijaam precisa.
- Precisa se da um caixairn pira taberna de
14 a l auuos augue tenha pratica da mesma : a
Halar 110 pateoWCarmo n. 5.
- J.
ropa.
M. Leroux, subdito francez, vai a Eu-

ir
Na roa da ^adeia 0. 50 precisa-se de ama ama
para cotiobar-
.........
Ainga-se um sugaado andar sotao oa raa
da Penhan. 19 : a tratar na ra da Qneimado Da-
mero 63.
Aiuga-se. o armazem do sobrado n. 1 da ra
Imperial: a tratar no primeiro andar.
-Precisa-se da um cralo pira cjnipras e re-
cados : no collegio da Cooceicao na ra dos Coe-
lhos n.^2;__________________
Precisase de dons canoeirosforros oa escra-
vos para traoalhar cm lijlo dos Remedios para o
Recife : a traa- oa ra dos Quarteis da polica
o. 16________
Precisa-sH de 1004 at 200$ a joros pelo
tempa de 6 mezas, dando-ss por seguranca um
garanle'sfibeierid > ne-i 1 traca : a pessoa que
quizer faiar este negocio annoucie por este Diario
a saa morada para ser procurado.
Na nova gileria americana, Ra Nova
n 52, tiram-se lindos retratos coloridos
em molduras douradas, de todos os taa-
nnos, e proprios pora sala de visita, por
prego moderado.
Livros em Ir nc -
Jogos de livros diario e razo, livros de eaixa,
vltros auxiliarlos de todos os tamanbos e quali-
dades. dil**
Ra do Crespo a. 9
___Uvrarla caacegai
JOURMUX
pour 1867.
Agenca d'Abonoiiments teos journan d'Ea-
rope. Distribatioo gratuito da spcimens et cata-
logues.
RB DE CRESPO N.
I.IKralrlr Francaise.
Folhiahas em aUemfto
PARA 1867.
I.lTrarla franceza
ji^ Fuglo do abaixo assignado na noite do dia 19 do prximo passido do seo sitio deno-1
^ minado Genipapo deste termo, dous escravos da nome Antonio e Florencio, de 28 a 3Q annosc
de idade poaco mais nu menos, eom ossi!?na*s sflgaintes: o primeiro de cor preta nao muitos
retinto, corpulento, de estatari regular, espadoas largas, barbado, olhos grandes e saliente?,
e de um aspecto triste, e para melhor ser conhecido tam o dedo indicador da uma das mos
corlado peh junta do centro. (2* articolaco) e ma conta que sabe |pr h eserever, e o segun-
do da cor cabra, alto, magro, cabellos sollos crespos, poaca barba, olhos grandes, tem uma ,
cicatriz ne qneixo, e muito fallante, tarabem roo consta que l e escreve. (
Estas escravos nao team signal nenhum da castigo, e sahiram bem vestidos e armados
de espingarda e fanao, raootados a cavalio, cora nomes mudad is: o prim-dro por Man:el
Jos dos Santos o o segando por Bento Jos dos Santo.
Contta-me qoa ests escravos firam encontrados no da 12 do correnle, distante do^
rio de S. Francisco (2 l?nas, com dastino a povoaco do Juaseiro da proviocia da Baha.
Paco portanto as aotoridades polieiaes qua dells tivar conhecimento de os mmdar captorar^D
,^3e rete-losnas pristes publicas, dando disto parta ao abaixo assignado, ou aos seos ioteressa--sW$
lio d)a) advertindo mais qua as autoridades on particulares que os capturar, s>-nSo qaizarem re- "^^
yfi talos as prisoes publicas, deverao remntter para Caxias ao Sr. Antonio Fernandas Galana r ,
3ras, para o Maranhao aos Srs. Ribeiro & Hofer e Jos Franc seo topas & C e na Therezi- \
j na capital do Pianhy aoSr. tenente coronel Firmloo Alves dos Santos. E para certeza do
l^que, ma obrigo por toda a despaja qae as autoridades on particnlares flzerem na captura e
" remesa dos mesmos escravos, tendo mais de grati8cacio I00J0QD, nos pontos |a indicados.
ou em outro qualquer onde chegue ao conhecimento do abaixo assignado, ou dos seus lote-
^^.ressado.
Genipapo, terme da cidade de Caxias, 26 de dezembro de 1866.
Antonio Perora Marinho.
^--
f
A NACIN
Oompanhia geral hespaniola de seguros sobre
a vida
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
BANQE1ROS DA COMPANHIA DIRECCO GERAL
O Banco de Heapanha Madrid: Rna de 9. Agosilnho
I n.IO
sinic da campnula em 15 de jnlbo de 1863.
Apolices 19:700 Capital Rs. 127:1445670 ou moeda brasileira
R. 12,714:4765000
A Nacional abraca tonas as conbinacSes do segaro de supervivencia e n'ella pode
fazer-sesi'isoripc) de ando que em nenautn caso se perca ocapita! imposto nemos lu-
cros correspondentes.
Uma aflan?a depositada]nos cofres do'estado, garante a boa administraco da com
panhia
Os fundos da companhia se invertem em ttulos do estado e se depositam no ban-
co de Hespanha com interve'icjio do delegado do governo e do conselho administrativo.
A companhia estranhaa toda a enaprezt ou espiculacio perigosa.eos ttulos em
qoe se invertem os fuudos impostos na mesmi, nao correm o m-^nor risco, pois estSo
garaBtidos pelo governo, pode-se di/.er por toda a naco.
Prospectos e mais informacoes sero prestados n'esta provincia rut da Cadeia loj
. 52, ra da Imperatriz n.12 erua do Imperador n. 32, drimeiro andar, pelo S. 9.
Nnarcis francisco de Vidal.
Madama Bert, modista, tendo chagado ltimamente de Pars, tem a houra
S de participar ao respeitavel publico desta cidida aue de boje em dlante-ella es|a
S prompta para fuer vestidos, basquinas e ludo qaanto perlence a esta arte por pre-
^ {os razoaveis.
*" Ella tambera se eacariega de faxer, lavar e enfeitar todas as qnalidades de
chapees pelo ultimo gosto.
39 Ahra'nm lindo sorlimento de eneilss para vestidos, lores e planas de
^Z mallo bom gnsto.
^q Recebe-se o melhor jerual que appareue pira estar seapre om da comas
e modas.
I
sm
m
9f

.i
IStor ii i -i



1 '!.' ------------"-"
4


Joaquim Jos Gonces
Beltro
(A RA DO TfUflCHS 47 Io ANDAR)
Saeca por todo os paquetes sobre o Banco
do Minti era Braga, sobre os seguintea tga-
les, era Portugal.
A saber:
Lisboa.
Porto.
Valenca.
Gui maraes.
Coirubra.
Chave?.
Viseo.
Villa do Con Arcos de Val de Vs.
Vianoa do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
V.Ha-Nova de Famlica*.
Lamego.
Lagoe.
GoTilhia.__________________________
Precisa-se alagar un escrave welerindo-se
qoe saiba cosinhar e para o mais servio de casa
de familia: a tratar na ra do Trapiche n. 44, ve-
fondo andar__________
Precisa-se de urna ama de tneia idade Dar
casa de ooc familia : na ra da Peuha o. S3 1*
aadci._________________^^^
SEGUROS
MARTIMOS
CONTRA FOGO.
A companhia Indemoisadora, estabeleci-
4a Besta praca, toma segaros martimos so-
ore navios e seua.carregamentos, e contra
fogo em edificios, mercadorias e mobias:
sa ra do Vigario n. 4, pavimento terreo.
Notas do llAneo do Brasil.
Trucam-se na ra do Corredor do Bispo ultima
a sa do quarleirao novo com portio de grade de
r ro.
EUrto j^^humatm- 1^ Mf m+>***r**re tt*a
Na ra do Trapich n 16.
acham-se os seauintes depsitos
De R. BruoiHghaas em .\ui ts.
Bourgogoe.
Vinho Pocamard tinto.
> Cortn tinto.
Santo Georges tinto.
Ctiamberiiu tinto.
Rlcbebourg tinto.
Clos de Vougeot tin o.
> Cbablis branco.
De M A. Woef em Francfort:
Rbeno.
Geiseoheiraer. ,
Liebrraumilch.
Marcobrunner.
Em casa de Theod Christiansen, ra do fFa
piche-novo n. 16, nico agente no norte do Brasil
de Brandenburg freres, Bordeaux, eucontra-se ea
lectivamente deposito dos artigos seguales:
St.Julieu.
St. Pierre.
Larose.
Cbateau Loville.
Cbateau Margaux;'
Grand vin Cbateau Latte 1868.
Chatean Latine.
Haut Sauternes.
Chatean Sauternes.
Cbateau Lataur Blancbe. *
Chateau Yquem.
Cognac em tres qualldades.
Azeite doce. Precos de Bordeaux______^^
LIODIDACiO--
Madamc Vfillocheau Buessard relirando-se para
a Franca acaba rom a sua loja de modas da ra
da Imperatriz n. f.
Madame Miitocheau tendo de sahir no flm de
feverriro convida s senhoras suas freguezas a
aproveitar ejses poucos das de liqaida^io para
vir comprar o hora t barato, particularmente em
bicos verdadeiros, rendas, bordados, fitas, tranca?,
flures, miuderas, jeques, pentes, espartilhos de se-
nhora e menina", a milito* arligos de modas.
Precisa se de urna ama para o servico de
urna s pessoa e pagase bera : na ra da Cruz n.
J- FERREIRA VILLELA flH
Photographo da Augusta Casa Imperial do Brasil
18, Ra do Cabug, 18,
Sobrado, entrada pc| Pateo da Matriz.
Em nenhuma das photopjraphias desta cidade se fazem retratos mais perfeitos
do que os que se executam nesta oflic na photographica.
Pede-se a confrontac3o e aoaiyse entre os nostos trabamos e os melbores que
se fazem nesta cidade. .
Nao ha photographia algosa desta cidade, que como este eslabelecimento
photographico possoa um tao variado, escolhido e abundante sortimeoto de caiiinhas,
quadros, molduras pretas e deliradas e passe-par-touts.
Para serem collocados os retratos chamados cartdes de visita ha doze differen-
tes modelos de cartdes mimosamente thograpbados e dourados, em cartao bris'ol e em
cartao porcelana, os quaes sem a Itera tao de precos, esto a escolha das pessoas que se
retrataren).
Continuadamente se recebe na Europa remessas de todo qnanto diz respeito a
photographia, e anda o mez passado pelo vapor Guietme, e este mez pelo b'igue Belm
receberam-se de Franca quatro grandes caixes com urna bella variedade de artefactos
productos ch i mieos e material para photographia.
No mesmo estabelecimento vendem-se:
Todos os productos cbimicos geralmente usados em photographia e garante-se
o estado de pureza dos mesmes;
Machinas pbotographicas, cuvetas ue porcelana de diflerentes tamanhos e vi-
dros para tirarem-se retratos;
Urna grande variedade de lindas e interessantes vistas transparentes para
stereoicopos, e stereoscopos de madeira envernisada com lentes prismticas que se ven-
dem a lioOOO cada um com urna duza de vistas transparentes
Tambem vende-se por 50OiO um apparelho computo para fazerem-se peque-
as vistas on retratos. Ao mesmo acompanham as explicaces precisas para seu oso.
Qualquer pessoa pode fazer vistas ou retratos com esse apparelho.
A oflic i na e galera estSo abertas todos os ias e a todas as horas.
N. 2D
SPF* < OK4CVO HE OIIHO. ^ ^
o rt^L^LT, l a CoraK?/? 0oro M ro* d0 <*!*. >d-se d'ora em diante oflerecen-
to f Pw S m w" espfc,*"*"'1e """ 1 honrara a moda os objectos do nltimo gos-
Ufes da' obra, W d" qUB "" 00lra (,u,l<'Der p,r,e lranundo-f a qualidade e a so-
to une mS^K ">" o fe"lo <|b4wfo ter o propalarlo de um novo esubeleeibMO.
aoets^irf,^ de ro a comprar
flmiooTo precdeiO hZS fn' r",,"'s seroja; verdadeiras e agarras, modernas Pek
uimiouio pie<,0 aa tinocos modernos te curu e cora Dar menina neln nrer-n ih 11 mraois a,
fritos Tn ir^id^n.,^21 ?a,odeo '^"M.tr.DeaHiMi, pulce.ra?, almetes 7ara re-
tratos e cutros modelos todo de.alto gosto, aneu proprios para botar cabello e firma dito nara casa-
si s2 M^nn!!:? i?;:cio.d,' 0urKiura compiete bem 2* Sti HS
fnr ^'^ .P I PnhO e?m d3m*De' mys e esmeraldas, obra esta importante ja' pelo seu va-
tor ja por gOM ds desenlio, brincos a forma da delicada mosloha de moca cora pingrte conteodolt
?t .rU h""* hr,!h,ntesJ ',ero'as- B0810 foblia,e. '<*> Pra ravau no mismo gosto, relt
gios para sen hora rra vados de ped ras prec.osas, ditos para homem, diversas obras de brilhantes de
nono gosto, crusiohas de rubios, esmeraldas, perolas e brilhantes, aneis com letras, eac< lelas de
trystal e ouro descoberta para retrato (a ingleza) brincos de franja, ditos a imperatrli toda e quat-
quer joia, t-ara secolocar retratos e obras de cabello, e ootros muilos ebjeclos que es pretenderes en
ftonirarao na Corceo de Uuro que se conserva com toda a amabilidad aos concurrentes delxando-
se de aqu mencionar precos de certos objectos porque (desculpem a maneira de fallar) dlrendo-se o
preco taive algoem faga mo juuo da obra, por ser Mo diminua quanlia a visla do seu Valor.
Na mcMiia loja compra-se, troca-se ouro, prala e pedras preciosas, e tambem recebe se concer-
tos, por menos do que em outra qualquer parte, e daose obras a amostra comnienbor, conservaodo-se
e Loracao de Ogro aborte at as 8 bora# da noile.
Qualquer pessoa que se dirigir aoCorado de Ouro nao se podera" engaar eom a casa, nois
nota se ua soa frente um corCau p.ndurado pfotado de amarello, alem de outro que se nota em um
rotulo (isto se adverte em consequenria de torera ja* alguroas pessoas engaado com outra caa.
Xarope o pasta de Seiva
DO
Plahtlro aiarltiaio
DI
PreparajCes mu precouiida> pf|us sabios mdi-
cos de Pars, comas melhores ai* beje discobertas-
para a cora certa de todas as molestias do peito
bronebites agudos e chronicos, asthma e anda das*
affec(des das vas orinaras.
DEPOSITO ESPECIAL
3-1Ra laraa d Rosario34
Pharmacia de Uartholoaacu dt C.
Annuncio
i O Dr. Carolioo Francisco de Lima San- JK
fa| tos, mudcu te para a rna do Imperador WL
< 0. 73, segundo andar, onde c linua no 2
exerclcio de soa profls.io de mrdico.
cercados para animaes. chiquei-
Cercas e gradeamentos de (erro para jardins,
ros, de todas as grossuras e mudaveis.
Porteiras de diflerentes tamanhos para sitios, jardins, cercados, e-c.



FABHIC4
OR
m mm de

ai- BliUIfl
Vesliuenieiro e bordador de Pars.

16, segundu andar.
SCIEDADE
KElifi i HARIOIIA.
A partida do crreme mez tem lugar na noite
do dia 26. _____
*- "SCRVJ
Prec4sa-se alogar um escravo para faxer com-
pras e mais servicos de orna casa de familia, pa-
p-ndo-se hom ordenado : na ra da Madre de
Dos n. 36.
23 RA DO IMPERADOR 93,
Defraiite da igreja de S. Francisco.
Concurrencia impossivel
justificada pela suppressao de intermediarios, pela compra directa das materias primas, pela exe
cu^o dos trabalbos as ifflcinas da casa e pelo diminuto lucro com que se satisfaz.
Animado pelos importantes negocios qoe faz com grande parle do mundo calbolico da Europa
resolveu o annnnclanle estabelecer filiaes da rasa de Pars em diversos paites longinqoos que
offerecem vantagens, e veio inaogorar o primeiro esiabelenmenlo nesia cidade, sem dnvida nma
das mais adianiadas e commerciante da America do Sol, e que por i>so mesmo necessita d'om
estabelecimento que nada deixe a desejar, quer em relacao s precisoes maleriaes e quer iotel-
lectnaes. -
Os Srs. sacerdotes e demais pessoas, que se digoarem visitar o estabelecimento, abi acbaro
seropre urna grande variedade de todos os objectos para Isreja e para o clero.
ORIVESARIA PARA IGREJA.
Novos modelos de custodias e de.vasos sagrados.
ALFAIAS DA IDADE MEDIA, A' LIZ 13.
Os precos variam segundo o tamanho, o peso e a frma.
TAPETARAS E ARMACES PARA IGREJA.
Fyrnece toda a qua'dade de armacoes, por pregos mdicos, vontade do freguez; lendo
sempre orna pessoa no eslabelerimeoto para ir (ornar as medidas oecessarias para completa salis-
fi-cao da encommenda.
NOVAS UMBELLAS PRIVILEGIADAS.
Estas umbellas de molas, adoptadas per S. S. Po IX, tem por sua perfei?ao, novidade i
o padre, sem diffl-'
^.i.^ """ o iiiuina, aw|itanaa pir o. o. riu ia, iem por su
e riqueza a dupla vantagem de cubrir inteiramente o Santissimo Sacramento e
cnltar o andar.
ESCULPTURAS EM MARFIM E EM OSSO.
Imagens de Chrlstos, caldeirinha?, cruzes, quadros e todos os objectos devotos.
Objectos em argila, sunp'es e pral-ados.
--------- i nn m -----------
Todas as oforma$5es sero ministradas gralis, acerca dos ornatos de igreja.
Cocceder-se-ha facilidad? para os pagamentos.
Eis_o cathalogo do que tem a venda :

Grande htinazem de tin
tas medicamentos etc.
Ra do Imperador n, 22.
Productos chimicos e pharma-
ceuticos os mais empregados em
medicina.
Tintas para todo o genero de pin-
g tora e para tinturara.
? Productos industriaos e tintas
Sf para flores, como botes de flores
H| e modelos em gesso para imitar
* iradas e passaros com o compe-
tente desenho.
Productos chimicos e industriaes
J& para photographia, tinlnraria, pin-
jK tura, pyrotecnia etc.
Sfft' Montado em grande escala e sup-
j prido directamente de Paris, Lon-
[ dres, Hamborgo, Anvers e Lisboa
* pode offerecer productos de plena !
St conflanca e satisfazer qualquer en- j
jf% commenda a grosso trato e a reta- j
c Iho e por preco commodo.
1CASLAS.
ianas, de velodo, de crina e
galo lustroso.
Da damasco cem cruz de ouro e
seda.
De damasco dobrado, cero diver
sos bordados em relevo na
cruz.
De tecido de prala oo de ouro.
dem com diversos bordados em
relevo na cruz,
dem idem muito ricas.
De veludo de seda cora cruz de
ouro tino em relevo.
De chamalote de spda bordado.
Golhicas e da idade media.
A cor da casla nao infiue ne
preco.
CAPAS.
De veludo estofado.
De damasco.
De Ifcido de prala e de ouro.
dem com emblemas era relevo
e ricas franjas na murga.
De veludo de seda.
De tecido de prala e de ouro fino.
DALMTICAS.
O mesmo prego das caslas.
Samuel Power Johoston k Compartira
Ruada SenzalaNova n. 42.
AGENCIA DA
Pnndlt&o deLow Hoer.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavados.
Mbendase meias moendas para engenho.
Taixas de ferro coado e batido para enge-
nho,
Arreius de carro para om e doas cavallas.
Relogios de ouro patente inglez."
Arados americanos.
fachinas para descarocar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
mmmmmmmmm mmmm
Compauhia fldehdade de seguros ^i
M martimos e terrestres
g Ubelecida no Rio de Jaueiro;
9KS AGENTES KM PIRKAMBUCO
9f JuUad Li it> Olireira iunio 4 C, J
SWt cora peten te'C^Oie aatorisadoa peladlrec- J
m loria da compan. <* foros Pldelida- m
de.tomam segaros de a**i01. mercado- mt
rias e predio no en esc'<,*M'^, d C
mmm'swm a'^aa
ESTOLAS PASrORAES.
De velodo eMTado.
De dito de duas faces.
De damasco.
De dito de duas faces.
De tecido de prala ou de ouro.
dem dem, com emblemas em
relevo, franjas e bordados de
lorcal.
dem idem em relevo moito ri-
cas.
De leo ido de ooro e de prata fino.
De chamalote bordado de seda,
coro doas faces.
VE'OS DE HOMBROS.
Be tecido de Lyo.
De dito dobrado, de onro fino.
De damasco, bordado em relevo.
Idem dem, muito rico.'
VE'OS PARA EXPOSICAO.
De tecido de Lyo.
De chamalote de prata com em^
blemas em relevo.
De dito dito, muito finos.
VE'OS DE SAC.RARIOS
De todos os precos.
BANDEIRAS.
Da Santa Iofancia.
De coofranas de Nossa Senhora.
Parochlaes, qualquer que seja a
invoraco.
Guies com emblemas em relevo.
A enlteMfl varia de 351000
3.000O0O.
PALLIOS.
Em veludo estofado as quatro
puntas e no fdrro.
De lecido de Lyo, com ou'o.
De dito de prata e de ouro lus-
troso.
De dito dto, com qoalro emble-
mas bordados em relevo.
Muito ricos, inteirameme bor
Corporaes de cambraia fioa.
Toalbas para commoobio e alta-
res
Guarniodes de rendas para alvas.
Ditas para toalbas de altar, aos
metros.
Toda a qualidade da roopa ga-
rantida e perfeitamente execu-
tada.
DIVERSOS OBJECTOS.
Bolsas para tirar esmolas.
Cordoes finos para alvas.
< para meninos do coro.
Voltas, s duzas.
Cintos e cin tardes.
Sacras de altar, em cartao.
Ditas em quadros.
Marcas para miseaes, com seis
dados em releva rnmouro fino. 3o milmetros
PANNOS MORTARIOS. 379
De laa. 433
De veludo Inglez prelo verda-;487 c
deiros Sil
De di masco dobrado de brocado.' 680 c
Esles pannos tem dms metros de 812 t
largura e tres de comprimento.
ROUPAS DE IGREJA.
Alvas de panno de linho fino.
f de cambraia fina.
< de panno de linho, para
meninos do coro.
< guarnecidas de rendas finas.
de ril, de rleta de-
senhos.
Roquetes em panno de linbo sem
mangas.
< c com ditas.
A melos.
Toalbas e saogoinhos.
pernas, em chamalote.
Flores artificiaes, o ramo.
Rstdfos e todos os demais objec-
tos de igreja.
BRONZES DE IGREJA.
Casticaes para altares, praieados,
de novos modelos
Trocam-se
na
a notas das caixas filiaes do banco do Brasil
praca da Independencia n.. .
Fundidlo da Aurora
A mais antlga desta provincia e edin tedas as-
perfeicSes era sens macblnlsmos, oflerece a seos
numerosos freguezes por razoaveis preros snas
manufaetnras, bem como qoe tero om bom pessoa
para com rapidez fazer qoalqutr concert oo ebr
nova.
Calcado
Irancez
Rna No
?a n. 7.
Brinquedos
alicMiea
Ra Nora
a. f.
Este estabelecimento recebe constantemente pe-
los vapores franeez boticas para hemens, senheras
e meninas, lavas de pelfcade Jooviu brancas, pre-
tas e de outras diflerentes corea, brioers de onro
bom e tei com nfeites de crystal, ultima moda
de Paris, eaixinbas de costura com msica, vistas
sellas para quadros, extractos, banhas, bengalas,
chicotes, espelhos, quadros, molduras, eslerioscop^
com grande sortimeoto das mais pittosescaa vistas,
realejos, accordions, lindas bonecas, carrinhos,
cabriolis para condozir crlancag, cavalliobos de
andar por molas para meninos mentar e oolros
mullos ob;ectos fraEcezes que eslaoeipostos avis-
ta dos compradores; na loja do vapor roa Nova
o. 7.
Publicado jurdica.
PrelecfSesde Direit Internacional e de
Diplomacia com applicafdo e refermeia de
seus prtncipws as leis particulares, con-
venedes, e aos tratados do Brasil at 1866
pelo Dr. Antonio de Vasconcelos Mene-
zes de Drummond, lente substituto da Fa-
culdade de Direitodo Recife etc., 2 vol. i
8o brocb. por 10,5000 pagos entrega do
primeiro vleme, qne conttituir a primei-
ra dessas obras.
A ultima deltas acompanhar um epilogo
das disposicOes da legislaco patria, relati-
vas ao< direitos e deveres do estrangeiro eo
Brasil, bem como aos do Brasileiro fora do
Imperio;
Assigna-senas lojas delivros das ras do
Crespo d. 2 e 9 ; do Imperador n. 13 ; da
Cruz n. 52 na de encadernar;5o do caes de
21 de Novembro juDto a typographia do
Jornal do Recife ; nos ef criplorios das ty-
pographias do Diario de Pemambuco a ra
das Cruzes n. 44, e do Coneio do Recife
ra do Imperador n. 79 e na loja da ra
da Imperatriz esquina da roa da Aurora n.
n. 2, loja de loufa.,
Depois da publieacSo da primeira obra
n5oserao mais admittidas assignaluias e
mbas ellas serSo vendidas por maior preco.
Ama,
Precisa-se de ama ama que saiba corinhar para
casa de hornera solteiro : na ra da Cadeia n, 53.
Precisa-se de cma ama que saiba cosinhar
bem e *irva para ir as compras : na ra da Im-
perairiz n. 34, primeiro andar.
Aluga-se urna preta escrav qne seja Del
para o servico de urna casa de farailla,,e que sai-
ba vender na ra : quera ti ver annuncie ou diri-
ja sejj^ia^aCmccT0Man^3.
. Da se bolos de veodagem a lusioYpauca
na roa Imperial o. 37.
Se alguem deseja po mais perfeito possivel de sua amante, que a
represente ao bella e formosa como ella
on se figura imagiDagao, venba liral-o em
porcelana, que ha Je produzir o mais dese-
jado effeito possivel tanto qtianto se pode es-
perar em perfeicao de qualquer systema
actualmente conhecido.
Os retratistas americanos ra Nova n.
52,tiram retratos em porcelana por pre-
cos reduzidos para os dias de festa.
Casa no Montelro
Auga-se urna casa na povoaco do Sfooteiro-
com bons commodos. aceiada e banh s nos fun-
dos: a tratar na ra do Crespo 0. 23.
Aioga-se o 2 e 3o andar da "nasa nT da rna,
eslreita do Rosario, confronte a ofllcina do Sr Ozo-
no: a tratar na rna do Queimado n. 1.
AMA
pollegadas).
Cruzes de aliar, corresponlentes
aos casticaes, o par.
Tburibulos e navetas prattadas.
Caldeirinbas eom hysopoe idem. l
Custodias ditas e douradas.
Lustres ditos e correles fortes
^ para os mesmos.
Cruzes para procissio, com ralos
dius.
Varas, alabardas para suissos e
cadas para porteiro.
Estes objectos todos sao em co-
bre e oio em materiaea da
composlcio.
, m G,J:'rflaS Par? arT^ pUfJtas e oulros obJect"s ^ b"<' Jt-e s u
]- DToSm n MieiB de Tasso Irmaos na PraCa &0 Caes de Apollo ao p
)-i
qi-e so \ei..lem por
la ponte
NOVO DEPOSITO
DE
Precisa-se de urna ama que ralba l
anda"r: "* ra d Tra,,',che 36 f*&***
Precisa-se do um calieiro (,.ra a tateina da
ponte do Monteiro, de 1J a 18 anuos, rom pratca-
tiuprn pretender dlrija-se a mesma.
Precisase de um bomem forru ou escravo
que se qoelra eocarregar de vender agua em urna
carroca : na roa da Imperatriz o. 39. 3 andar se
dir. '
Precisa-se de urna ama para cosinhar
e comprar: na ra larga d Rosario n. 50,
taberna.
Aviso essencial para evitar qualquer erro ou-m f.
Os Srs. compradores n5o devem ignorar que o ooro n5o pode ser fiado nem
tecido, e que por consegointe os galoes dos ornamentos chamados de ooro fino s3o de
prata dnurarfa, os de ouro meio fino sao de metal dourado e os de ouro falso sao de
cobre dourado, e como tal confundiros ttulos que se Ibes deo sempre, que sao mera-
mente commerciaes.
Os ornamentos que o annunciante tem venda s5o o de galoes de ouro meio
finos, falsos ou de seda, s mandando vir os de ouro fino por encommenda; e nenhum
objecto sabe de seu eslabelecimento sem ser aoompanhado d'uma factura por elle firma-
da, especificando a qualidade do objecto, para poupar-se explicares sempre incon-!
venientes ao depois de realzada a venda.
Agua mineral
ferruaiMsa, acidulada, gazoza e carbnica
M
OREXX4.
O uso d'agaa do Orexia raui particularmente
recommendado pela egcola de medicina de Paris
para todas a= afteccSes do tubo digestivo, IngorgUa-
mento das viceras abdorain3e, e geralmente todas
ai molestias provenientes de fraqneza orgnica, oo
pobreza de sangue.
OttOSiiO ESPECIAL
*lRoa rtrf d RmH.11
tlchodo Castlbo.
Manoel Jes de Parla Sinsdes, professor pai
colar de instruccio elementar ueio melhodo Cas-
lilho, avisa aos pas de seas alumnos e ao respel-
i Uvel publico que ne.dia 7 de Janeiro do crreme
1 anuo, estar sua anta aberta na rna da Prala n.
59, "goudo andar, agfim como recebe peoclonh-
las e mema pendonista;, por preeo razoavel. Na
dita aula tambem se eosinam as materias seguin-
i te8_^_lfjncez, latm, geographla e msica.
Da-so dlnhifo a joroa : na ra Ja Concor
, da n. .".
PARA DESCAROCAR ALGODAO
Manoel Rento de Oliveira Braga.
53-Rna DlrelU .53
Neste estabelecimento se encontrado as
verdadeiras machinas americanas chegadas ultima-
mente, as quaes sao feitas pelo mais afamado fa-
bricante da America, por- isso avisa a todas as pes-
soas que precisarem comprar, de se dirigir a este
estabelecimento que comprado das mais perfeitas
neste genero, assim como mais barato do qoe em
outra qualquer parte, por isso que 3e recebe por
^conta propia, bem como cannosde chumbo e moi-
|nhos para moer m.lho, e grande sortimento de fe-
;fagens e mmdezas em grosso e a retalho.
-- Deseja-ae saber onde reside o Sr. Prdrn J~<
Alvns, vmdo ltimamente da fcurot no paquete
Nava, re. ^
Precisa se de urna criada para
cosinhar para casa de pouca familia
ra do Sebo o. 2t.
engommar e
; a tratar m
tavmmmm*******
I na ra , Fonseea Arruda, precisa-se de urna S
tm ama para comprar e cosinhar.
wmmummmwmwmn
Precisa so de urna boa coiiol.tira, forra ou
capliva : na rna do Vnperador n. 79 segundo
andar.
riiiniiaeia4iMrMWe**c/KI'"',,'w,rTHM ?f |l8
Maque tii
Oliveira.Kilho* A. G
rgy do Gorpo $ io( 1.
4rnandadedoS.s da Soledad
*if>A. p.rndo lflr la" nos dias 13 e 15 a elei-
aortld" mes rfegedora da irmasdade de N.
.? f01"1*? Bm.*isUi por folla de numero
,n-,i lmaof> de novo sio convidados todos
aquetles que> te interessam pela irmaadade, aflin
deque no dia S do correte, pelas 4 horas da
"rae, comparecam no consistorio para dito ol-
AMA
Precisa-se de orna ama para todo o servico de
casa de urna pessoa i : na ra da Croz v. 13,
1* andar.
T/u11"^6 ou vende-se o canoa que carre-
ga mm a 900 lijlos, malto propria para capii :
quera a pretender dinja-se as Cinco Pomas n. 8i.
Aluga se ama casa na ilha do Retiro, Passa-
gera da Magdaleoa : a tratar no largo do Corpo
Santo n. 19, e3crlpiono._________________
Na"nova galera photograohica ame
ricana tiram-se retratos em caixas grandes
pelo diminuto preco de fllOOO, ornis ba-
rato que jamis se vio em PeroambuCo ; e
lindas caixas de bano o de veludo para
retractos, muito baratas em proporco__
Na Ra Nova n. 52. _________
Aos senhores padeiros
Precisa-se alogar ama sala aiada que se|a
cora pouco comraod para om moco solteiro: qoem
fiverpara alogir dirjase a esta tyoogngbJa.
E' ^ramente conhacida a utiiidade no eronre-
go dai machinas que tem por ,flm aperleicoar o
trabalho com a economa % bracos. Neste cao
pola, csiao as machinas para coi ubolacha mi*
oiilidHde I, conheclda de algUQ8 p.Sa Z
dellas fazem azo por mel de maaivelU, oweodo
o resallado mais satisfactorio* perfeito
Na padaria da roa Direila o. 84, ba sempre de-
posit destas machinas com coriadeiras ra lod..*
os lanaohos de bolachas aqu otadas, o tamben,
para aramias, e que por vrrera em directora e de
pwpra cont dos Estados unidos, se vendero por
pXco muito barato, eom o Sm de re Introduiir to
recennendu melh iramenlo. "

V
V

. ^_j_;rj?ri
^!^i;i
_^^^^^^^^^r


"V>'-m .;*
T
V
Ufarlo de Fern mbuco r?r

)*
l
Ht. SEVIAL.
Para o tralamento e cura rpida e completa das molestias syphiliticas, erisype-
tas, rheumatismo, bobas, gota, debidade do estomago, infiamma$es ebronicas do flgade
e baco, dores sciaticas, eepbalalgias, nevralgias, ulceras chronicas, hydropesias, pleuri-
sias, gonorrheas ebronicas e em ge al todas as molestias em que se tenha em vista a pu-
riflcacJo do systema sanguneo.
Conslderaces geraes
A saude um bem inapreciavel, cuja importancia e valor s est reservado ao en-
fermo O avalia-lo.
incontestavel que o homem neste mundo constantemente, e por todos os lados
atacado por urna inimidade de agentes morbficos que todos tendem, dadas certas e deter-
minadas circunstancias, a alterar o regular exercicio das funecoes orgnicas, resultando
pesse desequilibrio o que se cbamamolestia.
A molestia nao mais do que a desvirtuacao das forjas vitaes, occasionada, se-
gundo as investigacSes e experiencias dos mais abalisado mesires da sciencia, pela depra-
vacao dos humores geraes, consequencia da acc3o maligna desses mesmos agentes morb-
ficos intreduzdos no organismo pelo acto da respirarlo, pela via digestiva, pelo contacto
immediato etc. etc. etc.
A sypliilis infelizmente tem sido a partilba da bumanidade, e como fra de duvi-
da que esse terrivel Proteo da medicina urna molestia hereditaria, e!la tem sido obser-
vada em todas as ida Jes, e debaixo de todas as suas formas to variadas, enfraquecendo
constituicoes robustas, produzindo mutilacoes, e cortando anda em flor da idade vidas
preciosas.
Eliminar da economa esses principios deleterios, e purificar a massa geral dos
humores tem sido desde tempo immemorial o flm constante da medicina, e os purgati-
vos flguram em primeiro lugar para preencher esse desileratum ou fim.
O Elixir depurativo do Dr. Sevial parece merecer a preferencia sobre todos: os
immensos successos obtidos pelo uso deste salutar agen e tanto na Allemanha. como em
Franca e Italia, o tornam o compaoheirn nsenarsvel de quasi todos os doentes.
Sendo as roelestias, como cima uissuuios, devidas s alteracoes dos humores, o
Elixir depurativo do Dr. Sevial pode ser enpregado vantajosamenle na sypbilis, erisy-
pelas, rbeumatismos, b&bas, gota, debilidade do estomago, iaflammaces chronicas do
ligado e baco, dores sciaticas, eepbalalgias, nevralgias, ulceras ebronicas, hydropesias.
pleonsias, gonorrheas chronicas etc. e em geral em todas as molestias em que te tenha
em vista a purificacao do systema sanguneo; pois que urna pratica "constante tem feito
ver que elle indispensavel nos casos gravissimos para minorar os soffrimentos, e pre-
parar o doente para medicaces superiores ; e as menos graves a cura a conse-
quencia do seu uso, convenientemente repetido.
As substancias que entram na composcSo do Elixir depurativo do Dr. Seviai
pertencem todas exclusivamente ao reino vegetal, e grande calhegoria das substan-
cias depurativas e antisypbiliticas; assim, ao passo que este remedio depara o orga-
nismo, eliminando os principios nocivos saude, pelo mecanismo natural das evacu-
arlas alvinas, neutralisa ao mesmo tempo o virus syphilitico quando este virus j
tem feito erupeo no exterior dtbaix de suas multiplicadas formas; e previne tam-
bera os estragos dessa terrivel molestia, quando por ventura se ache ella ainda no
estado de encubaco, isto sem se ter manifestado sob formas exlernas: beneficio
immenso, tanto mais quanto neste estado os individuos ignoram completamente se es-
tao contaminados por este terrivel immigo.
O sabor agradavel d'este Elixir convem a todos os estmagos, a sua accSo so-
bre o tuba intestinal suave e benigna, e de nenhuma forma produz molestias medi-
camentosas, como acontece ao purgante dito Le Roy, que na sua qualidade de drs-
tico forte irrita a mucosa intestinal, e consecutivamente a seroza, resultando deste es-
tado, muitas vezes, hydropesias, que quasi sempre trra mam pela morte -'o doente.
Assim pois, esperamos que o uso deste remedio justifique cabalmente as nos-
sas asseveracoes, porque sendo um medicamento to simples na sua composico, a
pratica tem confirmado sua utilidade.
nico deposito em Pernambiico
Na botica e drogara
Calcado,
Se i- meato magaiic.
Pelos ps coslomam peactfar no <\>rpo a rajlo-
a das molestias.
Resguardai-os dirigindo-vos
45.Hila Blr'eiU45.
Bor^gaios quasi Milit bezerro---- 81360'
Inglezes quebra tocos..... 61500
3*000
ofOO
Bom negocio ;
O dono da fabric? a vapor de chocolate, gelj,
Perfumaras novas.
5*000
41800
44500
liespanboes lustre.........
i brasileiros beierw........
para senhoras enfdudos
no toj.................
c para senuoras..........i,
............
< preios de..
m'i'u.................. 41000
Sapatos iuglezes patente........... SJOro
americanos............. 4*500
t trnceles de salto parase- i
nltoras................... 3*100
Borseguins para meninas eufeita-
dos4#e................. 3*800
Sapatos aveludados para homeus e
senuoras................ 1*300
Borsegolns eom heos para meninas. 31500
Sapatos de trancas superiares...... llfiui
utius fraocezs para meniuas..... lAo-0
ChinelSes do Porto e um pereito sorlimento, de ; mesma.
sola, rooros, marroqoim, bezerro francez, vaqueta
o couro de lastro ; como niogaem lera' ao mer-
cado.

marcineiria desejava adiar qoi socio cora um pa-
quen capital para dar mais sahidas nss granas
eaeoromeodis que t-m a dita fabrica : a qoem
con'i'rapparec*. para ver e j'i!gM-do? lucros na
roa du Mondego o. 99
Esta justa e contratada a veoila do mea
hottl intitulado Vneta do Norte- sito a' ra
das Gruzes o. 39. .i Sr. foaqutm de Garvilho, por
Isso, se algnem se jalgar meu rrednr; aprsente-se
uo prazo de tres das no ra-*rno nolel, para ser pa-
so, e o nao lizenlc, ficara em direilo a' reclama-
eaa aitiama, isto no prazo de tres dias a contar da
data deste. Recite, i9 de Janeiro de I87.
Francisco Loiz Goncalves Ferreira.
Declaro qae esta Josto o contrato do hotel in-
titulado Veoeza do Norte silo a" ra das Crozes
n. 39- 8< alguem sr jolgar com rtireito a alguma
redamacio, appresente-se na ra da lloeda t. 33,
isto no prazo de 3-tas a contar da data deste, e
nao o fazendo tirara kem direito qua quer reda-
macio. Beelfe, 18 de |aoiro de 1867.
Joaqoini Carv?lho.
Reqifei ou bbadiulios de cambr:ia.
Aantiga foja de miadezas a rna do Qoeima >' ,,lnAe*lR1 bt"Z\*!'??.f\ri'Vb'* "!H b'u? cp-
n. 16. recebeu novo sorlimento de peifuraatias Ztt t; ^'>'' de .-.in.bralaen-
ic lauoj[ae DttH.o Je cae.-, u mu propuoi para
16. recebeu novo sorlimento de
sendo liaos extractos e esseccia concentrada, rhei-
rosagrifaveis para lene'?, ojeo snriinn, pnilueu-
me, e b:iriosa para raliHiias, lianhas e cofflet^oes
lanibom paia os caelios, poz decrale nygienicos
para denlas, opUta ingleza o franceza para olio,
fabneles em arras qoadradas, outrosm caixi-
nfus a ouiros o,; bollas transparentes para tea ', t
i ouiros mai' xr-
1 ha, agua da colonia de superior qoalldade em fras-
cos de diversos tam^.nhos e pr^c j-, ajua amhreada
para baohar e refrescar o lo.-tn, a^ua flo-ida ( da
ver(iadelra) tnico de Kemp, p mu as oolras per-
fumarias qae a vista da boa qualidade e enramo-
, didadee precos, o comprador nao objectara".
Meia^ pretas de l?la e de laia.
Ma padarla a roa Dlreita o. Ii9 prrtisa-se
alugar um prelo 011 rela, escravo, que qneira ven-
der pao das 6 a' 7 horas da maohaa : a tratar ua
na roa do Qneimado
Criad*
Precisa-se de um criado :
n. 12,1* andar.
a ra da Cadeia do Recite n. 58, Trocara- e
sedulas das caixas e banco do Brasil cora pequooe
descont.
Aluga-se urna casa em Beberibe : a tratar
com J. de M. Bego, roa do Trapiche n. 34.
Precisa-se de urna ama de leibT'no
Mondego em casa da Sr.* viuva Luiz Gomes
Ferreira ou a Ponte de tfchoa casa de
Luiz de Moraes Gomes Ferreira.
Na rna do Apollo n. 4 4eseja-se saber noti-
cias dos Srs.: Fraocisco do Reg Lima, natural da
ilba de S. Miguel e Joaqaim da Silva Migeos, na-
tural da Figueira j o que se gratificara.
GAV-.LLO
MWL
DAS
J AVtllalAS.
Pablieacio illustrada, recreativa, artstica ele.
Acompanhado de mosicat, modelos para bordados,
Igunnos de modas etc., etc.
Becebem-se assignaturas na livraria Econmica
defronte do arco de Sao'.o Antonio.
luga-se o segundo andar e soto da
casa n. 35 a ra do Imperador, assim como
o armazem n. 26 co caes 22 de Novembro :
a tratar com Luiz de Moraes Gomes Fer-
reira.
Feitor


DE
Bartolhomeo Companhia.
31-RA DO BOSARIO LABGA34
I0VOH
Retratos americanos em cartoes para alfmns.
gf. & Ra s o va X. *.
Annunciando o novo systema de rectratos americanos em laminas esmalta-
das, e aflirraando serem elles muito duraveis, nao pretendemos Iludir os incautos ou
ignorantes, pois que reconhecemos na populacho desta formosa cidade obomsenso pre-
ciso para se acautelar contra os falsos annuncios e conhecimento suficiente para apre-
ciar devidamente as provas photographicas que por ventura vissem em nosso estabele-
cimento, e porque tambera temos, e podemos offerecer provas chimicas e razoes scien-
tificas do que bavemos alrmado.
As laminas, alm de serem leves, delgadas e flexiveis, sao coberlas de um
esnulte macio que as tornam inatacaveis pelo ar ou agua, e at pelos fortes dissolvenles
cbimieos. Os retractos s5o estampados, sobre urna brilhante superficie de inissima
prata adeerente por raeio de umi pelbcuU de eolio lio, substancia perfeitamente prova
d'agua. Porsobre essa superficie apnlica-se o veroiz de esmalte, o que tao" transpa-
rente e quasi to duro como o vidro. ueste modo, o retracto, nao contando em si
materia alguma orgnica stijeita decomposico, e nao sendo poroso nem absorvenle, est
inteiraraente livre de humidade ou de qualquer outra influencia offensiva da atraospbera.
Assim pois por e ta tbeoria se v que os retractos offerecem provas de dura^ao, o que
tem sido eficazmente confirmado pela experiencia : elles duram effectivamente e nada
perdem do seu primor original.
N5o nos necessario repetir as suas qualidades artiticas, pois que muitas pes-
soas das principaes familias dtsta provincia, pessoas de lina educado e gosto cultivado,
n#s tem distinguido com a sua approvacao e honndo at com o seu patrocinio ; oraras
provas seriam superfinas. Eatretanto lembraremos de passagem que os pintores antigos
uunca seserviram de ma'erii porosa para ss suas mais bellas pintura?,, porem sim de
substancias duras de superficie nuca, como a porcellana e o marfim ; e as nossas lami-
nas tem iqual qualidade le superficie dura e reacia.
Finalmente con damos quelles, que por qualquer causa nao tenbam conse-
guido bons e exactos retractos por outros systemas, a virem experimentar o nosso ; em-
prearemos eotao toda a nossa pericia e conbecimento artstico afim de Ibes agradar,
qualquer que seja o numero pedido de retractos.
ttoodrlh A. Hoiigb.
N. 52, Ra Nova N, 52,
Precisa se de uro bom feitor para um sitio de
pessoa estraogeira em Saot'Anna ; a tratar na ca-
sa de Adamsoo, Howie 4 C, ra do Trapiche Na-
vo n. 40.
Precisase de duas amas idosas, seudo ama
para cozinhar e outra pita servir em mandados :
na roa das Gruzes n. 36, segundo andar.
MsorFRTor
Aos 6:000#000.
KPIhetes garantidos.
A' RA DO CRESPO N. 23ECASAS DO GOSTUME
O abafso assfgnado vendeu nos sens moito feli-
zes bilhetes garantidos da lotera que se acaboa
de extrabir a benelicioda igreja de Nossa Senbora
do Guadalupe de Olinda, os regoiotes premios :
N. 1706 bilhete Inteiro com a son de 6:000$.
N. 1243 um meio com a sorte de l:260.
N. 790 dous quartos com a serte de 500.
N. 1568 um quarto com a sorte de 2004.
E outras muitas sortes de 1004, 404 e 204-
. Os possuidores podem vir receber seas respec-
tivos premios sem os descontos das leis na casa
da Fortuna a' roa do Crespo n. 23.
Acham-se a venda os da 31* parte da lotera
das familias dos voluntarios da patria (3") qae se
extrabira' na terca-feira 22 do correte.
Pre^o.
Bilhetes........ 64000
Meios............ 34000
Quartos.......... 14500
Para as pessoas que comprarem de i60000
para cima.
Bilhetes.......... 54500
Meios........... 24750
Quartos........ 14375
Manoel Vamos Fiuza.
Maximino da Silva Gasmo, compra, vende
e troca esrravos, de ambos os sexos : na ra do
padre Flonaao o 71. segundo aodar.
O abaixo asign-do, medico dioicobrrese
annos nao o. provioeia da Bthia, mas tambero
oesia e na do Amazonas, e que precetttoa seu di-
ploma a' mspecloria de saude publica desia capital
no 1 .le margo de 1862, t m a hoora de offerecer
os servicos de sna ^irofi-sao ao< qae por ventura
tiverem d'ella preciso : >endo a tabella du- huoo-
rarios remanerativos de seu trabalho a seguate, a
un I despida inteiramente de carcter imponente,
nao deixara' de as vetes servir de norte aos que se
queiram dirigir ao annunciaDte.
TABELLA
Ra Direlta n. 88. terceiro andar.
Desapparsc*o da porta da bja dos Srs. Sonza
Andrade (VC,no dia 18 do corrente, am cavallo
alaso caboclo, p direito calcado, a calda do topr-
te aparada, as dinas voltam a esquerda, tem orna
pequea estrella Da testa, anda baixo at meio
moito em cima : a pessoa que o achar queira fa-
zer o favor de o mandar oo eogeoho da Torre, e
entregar a' Si* D. Mara, que pagara' qualquer
despeza do mesan cavallo.
No Correbor do Bispo n. 10 deseja-se fallar
ao Sr. Rodolph Lau usen.
Paulino Francisco Bastos e mais herdelros
da propriedde denominada Frifregueza de
Agoa Preta, fazem saber ao poblico qae Maooel
Lopes da Silva ediQcou orna engenhoca na mesma
propriedade, qoal dea o oome de-Boa Sorte-;
e para que pessoa alguma nao faca negocio com a
dita eogenhoca, pois se aeha o dito Lopes uo gozo
dessa terreno, sem legalidade algama, e per isso
protestan) contra todo e qualquer negocio tendea-
te a' mesma eogenhoca ; e para constar fazem o
prsenle annuncio.
COMPRAS
Oompram-sc escravos
Silvino Gmlberme de Barros, compra, vende e
troca effectivamente escravos de ambos os sexos
e de todas as idades : a' ra do imperador a. 79,
terceiro andar. -,
Ouro e prata.
Em obras velhas : compra-sena praca da ln
dependencio n. 22. toja de bilbetes.
Para, padres.
Veiidemse na luja de mluiezas a' ra do Qut
raado n. 16.
tara brisados.
Bonitos cbapeusiohos eufeitados, sapalinhos de
j setim e merm, bordados e enlejiados, mejas de
seda, e Bo d'escocia para ditos. Vendem-se na lo-
ja d mlodesas a' roa do Queimado n. 16.
Bicos e rendas dasilhas.
A leja de miudesas a' ma do Queimado n. 16,
receben novamente outro sorlimento daqoellesfeons
e bein conheeldos bicos e rendas das illias, ruja
forlido, e segnranea de tecido, Ihes da* mraeosa
doracao e os differentes Has a qoe acerladameote
sao aplicados fizem a grande procura, e prompta
exlracco como constantemente tem acontecido;
assim pois coocbrram os preteodeotes, qne a vista
da commodidade dos prtrjos nao objectara iem
comprar.
Graxa econmica.
_ Ero caixinhas, latas e barris, a' loja de mladias
a' roa do Queimado o. 16, recebeu novo sorlimen-
to dessa boa graxa econmica.
La para btrdar.
A loja de miudesas a* ra do Queimado n. 10,
recebeu novo sorlimento de laa lina de bonitas co-
res, e como sempre vende a baratamente, e o sor-
tmenlo a contento do comprador.
Bonitas caixinnas.
De madeira cora enfeiles dourados, e outras de
metal para guardar j as. Vendem-se na roa do
Queimado loja de miudesas o. 16.
Eofeite e grioaldas.
Na toja de miudesas a' ra do Queimado n. 16,
aebaro os apreciadores do boro, um bello sorli-
mento de bonitos enfeiles para bailes, theatros e
casameotos; assim como delicadas grinaldas para
nolvas, eaixos de flores finas para enfilar os ves-
tidos de ditas, e muitos outros objertos, e k k- se
vende por precos lao rasoaveis que o com rador
experiente, nao se atrave a ibjectar a respeiio.
Babadinlios bor Todos de fina cambraia e delcad s bordados.
Vendenr-se na loja do miudesas a' ra do Queima-
do n.16.
Pionas brancas e de ca fs.
wttldos de -enfloras e menisa", e
otras a qi a, seuiura- m apMieam co'.-i acnio e
va8-ju\*'S|;'i''l"hi,1>'0,jH;',""f,M e v-"''emfe a
oy e J4 cad.. orna ; na i< ja o'agola biatca tua
oo Q leim.idu n. 8.
Compram-se libras
ndependeocia n. 22.
sterlioas: na praca da
Coropra-se ouro, prata e pedras preciosas era
obras velhas : na roa da Cadeia do Becife loja
de ourives no arco da Coecelco.
t,ompra-se na ra da Cadeia do Becife n.
58, ouro amoadado de tolas as qualidades.
IVegrinha.
Na padaria da ra Direiia o. 84 se dir' quera
compra urna negiinha com 5 annos de idaoe.
Coropra-se nroa negra qoe saiba coziohar e
engoromar : a tratar na ra do Cabuga' n. 1, loja.
Cmpra-se
cobre, litio e chambo : no armazem da bola ama-
relia pi- baixo do sobrado n. 29 da ra do Im-
psr'i!...
Compra-se urna porclo de formas de velas
ijadas ; na ra Direiia n. 35, se dir' quem pre
clsa.
Albians para retratos.
A awia.branca recebeu novo sorlimento ie bo-
nitos aiouus para retr.-ios e coatioua a vende -los
como sempre por precos eommodo* : comparfc^m
pejs os prelendomes a a <] Queimado lola da
aguia branca n. 8.
Novos enfeiles para vestidos.
A aguia branca a roa do Queimado rectbeu no-
vos enfeiles para ves i4s notando- e entre elles
as easearrilhas eom bio, obra aova e de p..Mo.
Bonitos chapeosiufios modernos e pnmoro-
samenieenfeitadospara senhoras.
A loja de miudezas a ra do Queimado n. 16,
recebeu polo ultimo vapor es.-es bonitos ebapeosi-
iihos obra de moito goslo n eleganria e btro ne-
cessari s para as senboras que tem de dar albura
passeio as estradas de ferro, aS'Slir a., kesl^s nts
aprasiveU arrabaldes, fazer visita etc., tic. A
quaoudade 6 pequea e o pieco commodo pi r isso
quem nao se adianur arriscado a nao ai ha los
ma s em dita loia de miudezas a ra do Quwma-
llu a 16.
Carteiras de algibera com tesoura. pente e
mais necesarios para viagem.
Vendem-se na loja de miudezas a rut do Quei
mado n. 16.
toques (ingindo cabello.
Lisos e crespos, singelos e eompostos, de gfms.
canudos e redondos, cobertos com iet simples e
de vidrinos, ornados com flores e filas, ebra aova
e de gosto.
Para senhoras e nfuiia*.
Loques finos de madreperola e osso, todo de sn-
dalo e de sndalo c, m da, rom Unes e bonitos
desenhos.
OLps de madreperola.
Bonitos pentes de madreperola mu alvo para
coqurs, lindas fivellas de dita dita para cintos, de-
licadas alfinetes e brincos, bues para punhos, o-
bra pnma.
A de: ecos, pentes e Qvrllas iguaes de dita,
brincos. Fivellas e filas para cintos, cintos rati-
sados, obra novsima e de Gslo
,5u3s eafeftes Bonoitoapura
schoran
A agul branca tem a atisfacio de netiriar a
soa boa freguezia que acal a de receber lindos en-
feiles a liout ti n obias delicadas, de coma e ulti-
ma moda, o que ser devidamente apreciado pelas
excellenti.-imas Mofean! de bom gosto Os pre-
eos uestes eofeites io commodos e isso Verificara
quem se dirigir a tua do Queimado loja da agoia
branca n. 8.
5.;:saos de flores fina:*.
Cou.u feralmente sabido, a leja da aguia bran-
ca o jardiin das finas flores aniiciaee, e alera do
bom soilroento qoe sc-mpre se atha em dita loja a
aguia acaba de receber novas flores as qoaes se
coohece o rigor d'arte imitando as flores uaturaes.
Na luja da aguia branca a ra do Quiiinao'o n. 8
Vendem-se na loja de miudesas a' roa do Qrjei-'acr;ro os apreciadores do boro e delicado caixode
mado n. 16.
Franjas
Cora borlas e sem ellas, para cortinados, toalhas
etc. Vendem-se na loja de miudesas a' roa do
Queimado n. 16.
Boas c Ii '!)i!;h ilas.
Lizas e lavradas, larga e estrenas; vendem se
na lo|a do miudesas a' ra do Queimado n. 16.
Bonitos eufeiles para vestidos.
A loja de miudesas a' ra do Queimado n. 16,
flores com compiidas rama, rosas, etc., tudo do
melbor gosto e prioieira qualidade.
.leia pretas para padres.
A aguia branca a' ra du Queimado o. 8 rece-
beu novo sortimeulo daquellas boas mtias o ras
de laia que contiuuain a ser vendidas a 5C00 o
par.
Y/isporas e domin*
A aguia bran'a a' ra do Qoelmado n. 8 rece-
beu novo sorlimento de visporas em caixas de ma-
deira e papelo com 24 e 36 eartSes, tendo entre
VENDAS
ni u SU
de porta.
Vendem-se do escriptorio deste DIARIO
a 160 rs.: ra das Gruzes n. 4i.
Largo do Oarmo d. 9
Ven le se urna armsrio com pouco uso, envidra-
ijadaleprcmriaparaqujiiqu^^ ___
V'aodetu :e Jui- casas tjrre.s sjo-Jo u.1,.1 dd
pedj e f*1 e outra de talpa rra Agua Preta povoa-
eo dos Minias no paleo da feira, por nreco esm-
mode : qu--m pretender diriji-se ao Afogauo ra
de Milccolomb n. i9, que achara' cora quem
tratar.__________________________________
Na casa amarella dfronte da matriz
da Boa-Vista n. 88, continua-se a vender
Visitas de'diardeatro"dTapaa"i7cad7oma 2ooo. doces secos e de calda de superior cajti* e
dem a* noite, dem idem 44000. mais qualidades, por precomais barato do
Tatnbem
preparam-se bocetas com d /ees secos rica-
mente enfeitadas acontento.
"cmoon'^iaBrr soo1' ** caea legua em quTem ^outra" quVquer' parte.
dem de ooiie, dem idem 10JO0O.
dem de da a cavallo. 10000.
dem a' ooite, idem 20*000.
Coosullas verbaes, cada urna 1,5060.
dem por escripia 54000. Vende se o hot-I Veneza do N.rie, sito a
Conferencias dentro da capital, cada urna SJfrO. i das Cruzes 39 ,ivre H d.Sem.aracado de todo
dem fra sera na razao das leguas, como cima. \ e quq04>r wm0 ,A iraUr Capnoga com
Francisco Luiz Gome- Ferreiraou cora seu procu
rador Francisco Gomes Ferreira uo mesmo hotel
6 annos de
Hotel veneza' do anorte
Vndese o hot-l
DE
DE
J. VIGNES. .
X. 55. IlUA UO IHPI5HAUOR M. 55.
Os pianos desla aotiga fabrica sao hoje asss conhecidos para quo seja necessario insistir sobra a
ua superioridade, vantugense garanas que offerecem aos compradores, qualidades estas incontesta-
veis que elles tem definitivamente conquistado sobre todos os que tem apparecido nesta praca ; pos-
ooiudo uro teclado e roachinismo que obedecen) todas as vontades e caprichos das pianistas, sem
tivaca taihar, por serem fabricados de proposito, e ter-se feito ltimamente melkoramentos Importan-
vssioos para o clima deste paiz ; quanto s vozes, sao melodiosas e flautadas, e por isso moito agrada-
Mis aas onvidosdos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommendas, unto aesia fabrica como na do Sr. Blondel, de Pars, socio
correspondente de J. Vignes, em cuja capital foraro sempre premiados em todas as exposicSes.
No mesmo estabelecimento se achara sempre um expleadido e variada sorlimento de msicas dos
albores autores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo todo vendido or
oreos commodos e raioavets.
Snperiores a 320 rs. e cavado : na loja das columnas roa do Crespo n. 13, de Antonio Crrela de
Vasconeellos C.
HD\^A DE RESIDENCIA
fM,lJ.D 8)1 UWW iQ.
6\-Palacete do cae* de Apollo6t
O director do eollegio de Santo Amaro, faz publico a quem possa raieressar, que transferio dito
colegio para o palacete do caes do Apolo o. 61 bairro do Recito, onde continua a admittir alumnos
Interno? semi-internns e externos.
A las creadas em diu> cultegij sao as segointet : UM.trac5)) elementar, lingua latina, Tran-
caz* iDfleza. rhetorca e potica, geograpaia e historia, geemetria, phliossphla, deseab), msica vo-
cti a ttratrumenul e daos a.
fodta 7 du corrate mez tera'lugar a aasrtora da aula elementar, enja matricula desde ja'
adwa'ibtria e ai das femis ulas de 15 por diaale.
* O director,
i- i\ Utbeiro de S^oza.
dem de doentes entregues a seus cuidados,
gratis.
Atiesta o.3000.
dem de doentes sob seus cuidados, gratis.
Vigilia a' cabeceira do doente, por cada dia inteiro
20,1000,
dem idem idem a' no te, 40^000.
Partos e operacoes, sera' seguodo sua natareza e
calegoria.
Sangras e ventosas em doentes sob seas cuidados.
gratis.
Coosullas, visitas etc. aos pobres idem.
A couducg para os chamados de fra licara' a
cargo dos doentes, eo aonhocianle incumbir se ha
de levar cernsimo alguos mtlicaineni'is, e bem as-
sim saoguesugas ele,, para eyjtar demoras em co-
me^ar o irataraeoto, d-irimras- sempre mnito prejn-
diciaes as rao-estias agudas.
Os curativos gerao fettos aH' pathicamente, segoodo-a maior somma de proba-
bilidades para bom resollado, offerecidas por
aquella ou esta dontrlna.
____ Dr. Francisco de Paula Soares.
Jos homaz de Campos Quaresma,
mudou sua residencia da ra da .Matriz
para a ra da Impera triz casa amarella n,
88, terceiro andar, confronte a matriz da
Boa-Vista^_________________
a nova galera americana pode qual
qner pe soa obter letratos inalteraveis,
que liSo de conservar o seo primitivo bri-
II10 e primor, de modo que os filhos e os
n.-tos d'aqui a muitos annos poderlo certa-
mente ver nos retractos tirados hoje as fer-
ges e o vico actuaes de seus pas e avos.
Na Ba Nova n. 52.
esta' receulemeote provida de mu bonitos eofeites elle., atgoos rom chapa de metal para'cr brir o co-
para vestidos, sendo bicos de seda tanto branco mero ; a>.-im como derains em caixas de madeira
como pretos, de differentes larguras e com vidri- branca e tnvernisada.
Ihos, ou sem elles. 1 L) X T) I n 1 '
Trancas e galoes de seda dos ltimos gostos, di-1 laDO JTaUO l/Or(leiTOB
tas com vidrilhos, pretas e trancas e de differentes j A loja de miudezas a' ra do Qneimado n. 16,
larguras e gostos. Fitas oe velludo pretas e de recebeu nova remessa de rap Paulo Corde ro, e
core?, com lista as odas. E assim raudas outras continua a recbelo por todes os vapores, p;,ra
coasas de moda e novidade, e ludo por precos tao; qQfl 0s apreciadores aehero sempre boa pilada,
commodos, que o coaiprador tica satisleito e nao ------- a"-" _> '----------------
objeeta a comprar.
Bollas de borracha.
De diversos tamanhos para brinquedos. Veo-
dem-se na loja de roiudesas a' roa do Queimado
n. 16. *
rUfpel pintado
O mais completo e vanado s rtimento de papel
pata forro de sala e gaarnioias, bucoatra-so a
venda na
Ilotlcu de BarthulaucH C.
34--Rua larga do I\osario--34
__ Vende-se urna negrinba de 5 a
idade ou se toma 209 a jaros sob a mesma :
quem quizer annancie por este Diario
Na rna do Vigsrio n. 19, veode-se :
Vinho Museaiei ero aneoretas.
Vinhos do Porto de diversas qualidades engarrafa
do e em barris.
Cera ero velas e grume.
Looa em pecas e fardos.
Cal nova de Lisboa.
No armazem da ra do Apollo n. 8, por menos
.500 rs. do que em outra qualquer parte.
. I-S
a precos reHuzidos os
seguines Iwros:
A le do sello pelo cantador Emilio, 1 volme
em 4* portuguez, bastante grande, a t000; os
Marlyres Ptinarabucaoos, 1 volme idem, a i{000;
Observacoes algons -rtigos do cdigo Jo proces-
so pelo Dr. Mende-, a 15000 ; dita* ao cdigo pe-
oal, pelo mesmo. a f jO'X); ProcomcS's extra-ja-
(liciae?, pelo Dr. Triodade, a 500 r=. ; Lela sobre
tprrenos d raarioha, pdo mesmo, a 500 rs ; Dic-
cionario do Alto Amazonas, a 1000 ; Simo de
N-intua, obra comnleta, mnito bem enoadernaia, a
6i0 ; Lyrica de Uoracij, tradozda em verso por-
[ tugues por Elpiao Duvieos*. 2 voluntes bem im-
pressos e broenurados, a 2UOJ
XAROPE
DE CASCAS DE I.AIIANJAS AMARGAS
ae f. P. Laroze, pbartuaceiitlco
em Parla
3S annos de successos alte-tara a sua efficacia,
coma:
tnico excitante, para ajudar as func-
c-'S do e-torneo, assim comidos intesti-
nos, e corar as doencas nervosa*, agudas ou
cbroDicas.
tnico anti-nervoso, para cur?rrs incom-
modos percu' sores dedoeness assim evita-
das, e para facilitar a digestSo.
ANTi-PBtuoDico, contra os calofros, calo-
res, com tu sem intermittenc as, e qne teera
por especficos as substancias amargas; tam-
ben) ellicaz contra as gastrites e as gas-
tralgias.
tnico reparador, para combater a ex-
haustacao do sangue, dispepsia, anemia, es-
golanwnt", inappetencia, langur etc.
Deposito em todas as pharmacias e casas
de drogarias no Brasil.
Expedicoes. em casa de J. P. Lazore. roe
des Lions-St-Paul, 2, Paris.
Deposito em Pernambu o, pbarmacia de
P Maurer & C. ra Nova n. 18.
C4IXEIR0
Na padaria da ra Direiia n. 8'*, precisa-.' e de
um caiiro habilitado e que d fiador a suaetn-
ducla.
^
O abano assignado compra toda e qnalqaer
qaaotidade de algoWo em caroco e assocar; os ior
ter* ados dirijan) er. ao pnvoido de Trombetas
ao largo da feirx na Mrica a vapor.
Aliiuquerijut Silva.
Fscrav tara alonar*
Precisa-se liiv'ftr urna escrava qne siica bem
cu/inha'. nr ra iepJUC /aunlu ; IM ra Jo
Qvw.i i a. 43, I ja.
Eiouomia da ;
Vida Human, a 240 ; Cathecisa o das verdades '
calholicas; arlas de A K C e taboadas a 40 rs.; |
ratliecismos da dootnna ebrtttfa a 80 rs.; na ofll-
cma typKgraphica da ua do imperador n. 15, de-
ronte d S. Francisco. i
Manflg^finglea fl ir i>or 800 rs. a hra, cha, '
rulo delicia* av'-fazivfi!. a 1} a eaixinha de 5.0:
a ra da Imperatnz o 6.____________________
Vendem-.s* 14 tuddiras d- Jacaranda' de gos-1
lo antgo, muito ddiiradas, e alguuus pecas de pra-1
u, como eja, urna li.cu e jarro >alva grande,,
colberes para sopa o cha, facas e garlos, e urna
escnva;uiia compliia, tudo prata contratada :
na ra da Senzala, defronte do becco do Garapello
o. 114. aviar.
..^, 11 i
Vendes urna tto^ osa leirea em ptima lo.
ealidadu : a tratar na ua Aova, loja o. 56.
Vende-sen iapjW d tm <1o Pilar n. 82,
proprio para quii jni-r prtaijHa*)t4 por t^r pjoco*
f m !<-, l>i 11 ni',' -i i se) d m-i dt, ,' ir querer re-
i tt-r >e fim r.i do ta pi jv.a-.u.
Vendem-se (res escravas sendo urna perita
engoromadeira, 1 bonito moleqae, t negro muito
r ibusto de meia idade par 500 ; na iravessa do
Carino o. I._________________________________
Vende se a casa terrea o. i\ i mu aos
Prazeres da freguezia da Boa-visia, com muitos
coramodo* e granile quiutai : a tratar na mesma
rna n. 7
Coliares Rojer
ou
Anodinos electro-magnticos contra as con-
vulses, e para faedtar a denticSo das
crianzas. A aguia-branca na ra do Qcei-
mado n. 8 recebe-os por todos os vapo-
res francezes.
J e.-to to conhecdos, e tanto .-. : >r espalhadc.
a fama'desses prodigiosos collares ii.ytr, que;
torna desnecessario dizer mais alpunu ::::-a ect
abono de seas bons e e efBcazes ctleiios basta o
testwnonho de milhares de pessoas, qne tero visto
e aprovei/ado o feliz resollado desses tan utfci
qoao necessarios cellares Royer. A qnobdlana
erescida eUraccjo, quo vo tendo, most' ain.-is
qoa numero dos prodi^-inj se eleva como ti-d.-i
os compradores. A aguia-(:ranea, p-rm. licu-
ando concorrer para um lim de tanto aproveits-
ment, ain feito os necessarias pedidos, pra qu
por lodos os vapores francezt-s Ibe saja remettti
certa quantidade de ditos collares, para assim '.:
nar-se infailivel o sorlimento delles, na loj* 'i
guia-branca, ra do Queimado n. 8.
~t KR-t^
Carvoca e bois
Vncese unta carrosa cora pipa e nm hoi man-
so da me-m.-i, molo oo separadamente : na rna dt
Imperaniz o. 39, 3* aular.
Veode-se orna escrava de 30 annos, de bot ion-
docia, engorama, cosioha e cosa com perfeico, as-
sim como ura escravo de 30 aunos, proprio para
lodo t qualquer servico ; oa ra do Alecrn, casa
em que morn o Sr. Peiaoto._________ -
Vende-se ara quirto bem possaqte e gordo
com andares : na ra di Cincordia n. 64, padaria.
Vende-se urna preta" cosinbeira e lavadeira
sem vido nem aclpque algura e qoera. a utiw
comprar dirija-? e a ro dj R>ngel sobrado n. 43
e qdtua do beti-> do Cu^rci;,-.
DE KEMP,
NOTA YORK.
DE COR CIIEIRO L SABOR AGRADA VES
Infinitamente mais etficazes do que todos
os ma'is remedios perigo&os enauseabundos
que existem para a expulso daslombrigas.
N5o causam dores e produzemseu effe U
sem precisar logodepoisde put gante ne^
nbum e taoincilantes emapparencia e deli-
ciosas em gosto, que as criancas estn
promptasa lomar mais do que marca a re*
ceita.
Uteis como um excellenle meio de fazer
remover as obstruecces do ventre, mesmo
no caso de nao existirem verme alguai, as
PASTU.HASVERMIFUGAS DE KEMPS SO promp-
tas einfalliveis na sua operacao e por todos
os respeitos dignas deconfianca e approva-
cio de todos os paes de familias. Prepa-
radas nicamente por Lanman & d,
Nova York.
Deposito geral em Pernambuco roa da
froz D.22 em casa de Caros_________
BOTAS
Novanwie iTiegdas dotas ru-siat^^e peroeira*
da .nelbc-r ooaddad qoe temos visto : na loja do
apor ru lf >v* Q^T^_________________________
' _"Yeo^e-e vjnhi de Bordeaux* em qnarlolas
"oarris e caixas : era casa de Tlsset reres, ra jad
Trapiche 0*9.
, r,_?"^^r
CItiocha para espaJiinhas.
Ha ruadas Dzes o. -3, un Santo Aolomo
venie-a-paiha.n.3, muito em cotila.
Voftealgoii da Rabia
Vende-se no escripia i .le Aloui' Luii de 0!i-
veira Atevedo A C. no caescrip'oric ra da Ciuz
n. I.




**
---------------------~-----------------------------------,_*
Diario 4e Pcraambue. ... Kr




t
O ARMEZAM
RCINTIL
AftOIAZEM HE VAZJGtfDAS
E
wa ra?fii
DE
0LYMPIO GONQALVES ROSA
Ra do Livramento n 14.
53 RA DA CAEIA 53
P^SSAtf DO O ARCO 1)1 COIXEHO.
Acaba de receber e tem por bartissiraos presos ,
i* i i i j i a re*,ieMJ 1Qe le,n angmenUdo a sua offlcioa de atraate, e dirigida por
alm de SeU aCOStUIIadO e mUltO COUipletO SOrtlmentO W A* t-^reom pomelo w^reacomiMato, das pessoas que qoi
, T.'-lll f Dr#ims mala haralnc
?le gneros os segumtes abaixo declarados.
os de Minas. moscatel de setubal
negados pelo ultimo vapor a 10600 rs. o muito excellente vinno muscatel por 2W
n j MLn u-rt. a caixa de duzia e 2 a garrafa.
fomma de milno branca cha
hysson de primeira qualidade a 2^800 rs.a
libra, uxim o que ba de mais fino a 3$ rs.,
alm destas ba militas outras qualidades
proprias para vender a relalho, que se vende
de .0000rs.a U n. a libra.
americano.
amelhor qae ha para papa, po-do-l, bolo.
sangtca, crerae etc., muito substancial e
audavel a 6*0 rs. cada pacote de 1 libra.
SALMO E LAGOSTIN
segado altimamente em latas de 2 libras
4#J00 rs. cada nma.
CHOCOLATE
rancez a 500 rs. o pacote, dito hespanhol
jspecial, o me'hor qae temvindo ao merca-
do a 1^280 rs.
LATAS DE LINGUigAS
com 6 libras er rae ticamente fechada a
i500, e de barril a 640 rs, a libra.
VELAS PARA GARRO
tm pacotes de 8 velas a 900 rs.
VISITO DO RHENO
) verdadeiro a 20000 a garrafa.
BORDEAUX
as mais acreditadas marcas: S. Jalien,
flaat Brion, St. Emiliou e St. Estepb a 800
rs. a garrafa e 80OOu a duzia.
O EXGELLENTE E AFAMADO
COLLARES
agarrafado da bem conbecida casa de De-
ml 4Caa 100000 rs. a duzia.
PORTO
Tersas qualidades engarrafado, inclusive o
tais no que ha n'este genero por 800,
0OOO, 102UO, 10400 e!05uO rs.a gar-
ifa.
OLD CHERRY
? mais supeior do mercado a 10500 rs. a
ifarrafa e 150000 a duzia.
VINHO BRANCO
cellente qualidade, de Lisboa, e proprio
para missa a 800 rs. a garrafa e 80000 rs. a
aixa de duzia.
VERMOUTH
japerior qualidade em caixas de 12 meias
arrafes por 120000 rs. e cada meia garra-
s 10200 rs.
U4 D4
CHA PRETO
o mais especial qae tem vindo a este mer-
cado a 20600 rs. a libra.
MACAS -
estrellinhas para sopa em caixas sortidas de
8 libras por 40000 rs, palhafim, macarrao,
etc.., afiiOrs. a libra.
PREZNTOS
os verdadeiros de Lomgo a 640 rs. a libra a
560 nteir.
JALEIA DE MARMELO
em latas a 800 rs.
MOLHO INGLEZ
diversas qualidades a 720 rs. o frasco.
MOSTvRDA INGLEZA
maito nova a 800 rs. o frasco.
MOSTARDA FRANGEZA
a 640 reis o frasco.
ARENQUES
em (atas a 600 rs. cada urna.
GARRAFAS
brancas para mesa superiores a 50 rs. ea
60 o par.
COPOS
diversas qualidades e tamauhos a 30 rs.,- 40
50 e 60 a duzia.
CAPACHOS
decores e differentes tamanhos a 500 rs.
64G e 800 reis.
BALAOS
diversos feitios epara compras desde 500 rs.
at20 rs ; ditos grandes proprio para roopa
de 30 a 50.
GAZ
o mais superior giz liquido em latas grandes
com 5 gales por preco de 100 rs.
2BH4-S3
) proprielario deste estabeleciroent') faz sciente ao respeitavel publico e aos seus amigos
inn hbil mestre, se encar-
._ quizerem bonrar sea esiabele-
cimento por precos mais baratos.
Assim como tem um completo sortiraento de fazendas finas (as qoaes n3o sendo costume pro-
curar as lojas do Uvramento) espera que seus amigos efregaeze; o honren) com das presencas,
oos vende mais barato qae oalro qualquer.
BASQTOSDE SG1I1 PRETi.
A* loja'de fazendas de Augusto Porto & 0.
ilftua do Qucimadoi\
basquinas de seda
A' loja de Augusto Porto d- C. chegaram as melhores
preta que se vendem por mdicos precos.
Vestidos de mam de cores para bailes e-partidas.
Ricos vestidos defilond om manta e capella para noivas.
Costames completos- de casemira para homens, fazenla especial, sendo
as calcas e palitotsda ultima moda.
Bonets depalha da Italia para senboras -e-duros-de pbae*asia para he- ':
mens.
Enxovaese vestidos bordados para baptizados de 100000 a 300000.
Camisas inglezas para horneo, peito, punhos e colarinhos de linlio supe- '
Ricas saias- de linho bordadas, bales, esparlilhos, meias finas, lences \
bordados, camisas, camisinhas, manguitos bordados para senhoras.
Colxas de seda, e d la e seda para camas de noivas.
Coronados bordados para camas e jaoellas.
Tapetes para sof, cama e piano e pannos para cobrir mesas.
Bramante, Brilhantina Mitiennes ou cambraias de pafos, fizenda amito
bella para vestidos, silesias, bretanhas, e cambraias transparentes tapada e
de linho. *
Moireantique branco e preto, sedas brancas, de cores e prelas, e gres-
denaple qe todas as qualidades.
Brins de linbo branco e de cores dos melhores.
Neste estabelecimento ha sempre sortimento das meibores e mais baratas,
Esteiras da India para for.ar salas
- 11 Raa do Qneloiado11
Yapares.
Vertde-se nkeaaa de Saunders Brothars dt C-,
no largo do Corpo Santo a. II, vapores patentes
cc.m todos os perienees proprio para razar mover
tresouquatro machinas para descarogar algodao.
POTASA Di ",m
Vende-se potassa da Russia rouito superior e de
qualidade a mais apropriMb para o fabrico de
assocar a pree rasoavel, do arrimen da Jos da
Silva Loyo 4 C.
Aos agricultores
Saunders Brothers C. aeabam de receber de
Liverpool vapores de forc,a de 3 a 4 caballos com
todos os pertenece," mu proprio para azer mo-
Admirem os presos
N armaen-de lawadas de Sautts
CoHhp.
Ra do Quemado n. If>
Vende-se:
HadapolSo enfestado fino a 9 a peca com SO
varas.
Ditos de 11, 7J5O0, 8#, 9*. 10 e H a peca coa
20 vara?.
Cambraia de lista de dnas cores para vestidos
800 rs. a vara. .
Bales de arcos para senhora a 21500, SI e3*300
Ditos de reos en -amados de 3*300 o 4*.
Ditos de mnrcollaa a 4*800.
Dites-de.arcos para meninas de 1*600 e 2*.
Tualhas de linho alcochoadas a 12* a duzia.
Ditas de feltro (pello) a 13* a dazla.
ser-! Aloa|hdo adamascado de algodao a 2* a vart.
' Dito dito de lint* a 3 a vara. -
ver machinas dedescarocar algodao, lodendo cada
vapor trabalnar ate com 140 serras, umbem ser-
vem oara enfardar algodao oo para outro qaalqner ",''"a.e ?*'
servico em qae asara trabalhar com aniroaes. Os BrJm"ie<|e l'nbo cum 10 palmos
meamos tamnsm tem a venda machinas america-
nas de 35 a 40 serras : os preteadentes dirijam-
se ao largo do Corpo Santo n. It.
Loja do Sallo Vigilante
RA DO CRESPO N. 7.
Grande e variado sjrtimento dos numero-
sos objectos de apurado gosto que ultima-
mente acaba de chegar para este bem co- Lencos braocos
----- de largura a
2*500 a vara.
Dito de dito de 9 i|2 dito a 2*400.
Dito ditode 8 dito a 1*200.
Dito dito de 3 IfJ dv> a 800.
Algodao eofestado com 7 1|2 ditos a 1*100.
Retondes de Al prMo a 7*.
Bournos de diio a 10*.
Chales d dito a 5*.
Cambraia adamascada para cortinado coa Ova-
ras a 13* a peca.
de cambraia finos de 2*, 3*.
nbecido estabeleciment," pois seu corres-1. .^f.^P e 4* *duz a- .
pendente em Pars o mais habilitado ^^gSS!SrSS "^^
ra a escolha de taes objectos, pois os com
\ pradores poder5o apreciar, como sejam lin-
dissiroos enfeites de cabeca com cok de
cabello, e sem elle.
So oo vigilante ra do Crespo n, 7.
Enfeites.
Cambraia de linho lina de 6*300 a 9* a vara.
Cambraia lisa muito fina de 5*, 6*, 6*500 7* <
8* a peca.
Colxas de fastio alcochoadas brancas e de coret
6*000.
Cobertas de cbila da India de 2*400 e 2*800.
Lences de h-mburgo 6no de 2*400 e 2*600.
Koques COm caixos e de novOS penteia- Di^ de bramante de ums pa^nto a 3*00.
i Tarlatana de todas as cores-a 800a vara.
Moreantiqae preto superior a 2*600 o covado.
Grosdenaple de dito a 1*800 o covado.
FianelTa --e cores a 800 o covado.
Cambraia desalpicos branca com 8 Ii2 varas p*-
1 ca 4*600.
Fil de linbo liso fino a 800 a vara.
Dito dito com salpicos a 900 a dita.
Guardanapos de linho para mesa a 350J a doaia.
Assim como tambem se encontra um completo
sortimento de roopa feita e por medida.
CltAYHE LIQVID^AO
1 "
I1X XAWLMKJil
23 Largo do Terco 23.
Joaquim Simo dos Santos, dono deste bm sortido estabelecimento de seceos
i molhados, faz sciente ao respeitavel publico, tanto desta prac? como de fora, que ve*
aham fazer suas despensas a este estabelecimento para verem a grande differenca que faz
para menos preco, caso fossem comprados em outra qua:quer pane. Etodo o freguez
.az-seesta graniedifferenca por estar-se em liquidarlo.
Gaz americano a 4oo rs. a gararfa, e 90 a lata.
Caf do rfio de 1.a e 2.asorte a i'to e 2oo rs. a libra, e a 6 e T# a arroba.
Queijos de diversos vapores a 204oo, 2800 e 3ooo cada um.
Phosphoros do gaz a $2oo a grosa, e em porcao se faz abalimento. *
Cerveja de diversas marcas, duzia U, 5(55oo, 65 e 7|
Arroz da me hor qualidade a 12o e lio rs. a libra e a 34oo e 30oo a arroba.
Papel de linho marca vwdoa 40ooo a resma, em poreSo haabtimento.
dem fin de marca martello a 55oo e 6 a resma.
Viiibo das melhores e mais acreditadas marcas, a 07oo, 3^ U$oo e id a caada e
i 36o, 4oo. ooo e 56o rs. a garrafa.
dem, oranco superior qualidade a 40 a caada e a 56o a garrafa.
Cha mindinho egraudo da melnor qualidade a U, 2#2oo, 2#Sooe 2,$8oo a libra.
Manteiga ingleza fina, a lloo, l(5l2o e'liJoo a libra, embarris ha abatimento.
dem mais baixa a 72n, 8oo e 9oo rs. a libra, em porco ha grande abatimento.
Iemfranceza muito nova a 4o rs. a libra, e em barril ha grande differenca.
dem mais baixa a 48o, 52o, 56o e 6oo rs. a libra, em porcao ha abatimento.
Vinho do Porto engarrafado e em barril a 64o, e a 15 a garrafa.
Alm destes gneros ha outros maitos assim como boiachinhasdesoda a Itfioo e
%& a lata, cbouricas e genebra de todas as qualidades, massas para sopa, copos a 5,5 a
uzia, s no Conservativo largo do Terco n. 23.





LOJA DA FRAGATA AMAZONAS
DE
dos.
Trangas pretas e de ceres, e de todas as
larguras, com vidrilbo e sem elle, para en-
feite de vestidos.
Jucos de seda com vidrilho e sem elle.
Gravatinhas de velludo para senhoras.
Gravatas e mantinbas de seda para ho-
rneo).
Gravatas brancas maito finas.
S no vigilante ra do Crespo n. 7.
Voltl abas para meninas.
Voltinhas para meninas.
Polseiras para as mesmas.
Correntes para relogios fingindo cabello.
Riquissimos sintos, fiveas e fita' para as
mesmas e de outras muitas qualidades.
Riquissimos pentes de taataruga.
Fitas de velludo de todas as larguras. rranClSCO JOS aOmianil
Lindos enfeites para vestidos, chamados! [RA NOVA N. 21,
Chrispianne Margante. acaba de receber um lindo e ma-gnifico Mr-
Riquissimas flores para vestidos e para timento de oculos, lunetos, binculos, do ni
cabeCa- I timo e mais apurado gosto da Europa e ojo
Capellas enm cauo3 flor de laranja, pro- los de alcance para observares e'pan o-
pria8 para noivas. martimos.
Meias de seda para senhoras.
Os donos deste novo estabelecimpnio i


Monteiro & Suimaraes.
N. 5 Kaa do Qtiaa n, 5.
ecimpntoc'jatmm a attenco dasExmas. senhoras aue
gostam ce usar objectos de modas, pura que .se d gnem vira oawuo a seu e to aprecar alguns destes artigos de novidade oBnKeffiUtowSlS
e que esperara merecer., approvaco do bello sddxo 8,a's pel vap01 ranC8z'
A Fragata acaba de receber novo sortimento de sedas de cores m-eta, p hr
Loques de madriperola de 18 a 800000 um
Leques de sndalo novos gostos.
Chapelinhas de seda e p.ilha para cok.
Chapeos de sol de seda para senhora
Ricos cintos be!!a Helena (novo gosto)
Cortmad s bordados para cama.
Colchas de seda para cama.
Cortes de blond para noivas.
Boquines de seda bordados de 15 a 60,5000
natos sera etSnt^* ^ ***** e outros rauil03 *" i- mencio-
todas as0ExmaSS^rnrd,0ano0Ld.eSle nV' esl'bleeimento se considerara gratos, para com
S?4*SS1jS!SSSS qa*JT f,'^uenl3do ^u estibelecimento e cada vez
pSnCas 'ra tods 1a qaeiram honrar sau eslabl


com suas
ez
;i ment
MACHINAS AMERICANAS
Verdadeiras do fabricante X. Y. Canttongln & c.
Moiohos americanos para moer milho.
Na ra Nova n. 20 e 22, grande deposito
das-verdadeiras machinas americanas de todos
os fabricantes; se encontra neste deposito
grande porc3o de machinas, e se vendem por
menos preco do que em outra qualquer parte,
por se receber em direitnra da America; se
fornece todas as explicacoes necessarias ao
comprador para conservaco das mesnras;
neste grande estabelecimento se encontra mui-
tos artigos americanos, que muito deve agra-
dar aos agricultores que usam de taes artigos,
encontra-se tambera todas as colleccoes de de-
senhos sobre os quaes se aceita qualquer urna
encommenda, que crtflp promptidao ser execu-
tada; neste grande estabelecimento, encon-
tra-se em grosso e a rehlho, grnde porcSo
de ferragens, e miudezas que se vendem por preco eosBtoodoj pedindo-se a attencao
le todos para este estabelecimento que muito lucrarSo em fazer suas compras: na
ra No?a n. 20 Csrneiro Vianna.
-j&
PREPARACOES FERREAS-MAHGABICAS
APPROVADAS PELA ACADEMIA BE MEDICUtA
DE BURIN DU BUISSON
PoirDiaceolice, lanrtao pela Acadtnria de NeJiciu de Pars
mSTSk S TRGL1SSEAI' n ""ma edicao de seu Tratad, de Thera-
S5Tnen5rS^,p?J ^>',cce qe os ferruginosos simples sSo m0i,aS
n?Zw,W,M S ma'S d,stl!lcIOS attribuem esse m o exim ausencia,
VZ LLl UnP nl8?- ,SL:,n!'re '.nlamen nfdo com o ferro.
i6 POS BrreS nflllSfllliCOS dand0 mmc,Iiataniente urna agaa, acidalada,
^tom^^^ninrM^B^^t'ln^ *" VaBtaem
2 PBias e Xarope de iedurete k ferro e de nuuanese Meme
musa3ssSir ^^^ ******; zz+zsz r
3 Bnges de lactato de ferro e de Batnese) rceiudai ?**"
4 ralas de carioBato frreo mifuieo I SSarrsteiS'T
temer esta. preper.^ M M JES ES" A "^ *
JLTXtfl?* eeejano obter a adneeto eompleu 4o publie* me** a
d^p^^L3o^Tpara?des'prwiBe "Wi ? ii "i S
Ne Ptmambu, a ten agente g.ral, Maurer O, pharmaeentic^ m era.
Ditas para meninas.
Riquissimos chapeosinhos e touquinhas
para meninos e meninas, meinhas e sapati-
nhos de seda para os mesmos.
Lindas sextinhas e bolcinhas para bracos
de meninas.
Meias pretas de laia.
Lindos aderecos e brincos.
Aderecos completos preprios para luto.
Lindos port jotas e port relogios de dif-
ferentes tamanhos pioprios para um deli-
cado mimo.
Riquissimos livrinhos com capa de tarta-
ruga para missa.
Aderecos de flores.
Riquissimos aderecos completos, sendo:
voltas, polseiras, brincos, alfinete?, grarapo |
para cbelas; tudo i-to feito de todas as
llores de ultima moda em Paris.
ttravatialias.
Tambem chegaram bonitas gravatinhas
con flores, e com alunetes proprias para
meninas e senboras.
Rosetas e brincos.
Riquissimos brincos e rosetas inteiramente
novida le e tudo de maito gosto.
Touquinhas.
Riqusimas touquinhas de linho e seda,
ponto de corx ricamente enfeitados e de
muito gosto.
Fita.
Riquissimas Gtas de chamalote, sendo: ver-
de e amarello, tecido na mesma fita.
Agulnas de marfltn.
Tambem chegaram as mui desejadas agu-
Ihas todas de marfim, para trabalhar em la
e sem corx.
Sextlnhns.
Tambem chegaram bonitas sextinhas de
palha fina, proprias para meninas.
S no Vigilante ra do Crespo n. 7.
Espelhos.
Riquissimos espelhos grandes e bonitas
molduras propnos para salas ou lojas assim
como outros de differentes tamanhos.
S no vigilante, ra do Crespo n. 7.
Para os pais de familia:
Verdadeiros
Collares Rover
Electro Magnticos Anadinos
Ou Collares Anodinos, para facilitar a den-
tico das criancas contra as convulses
das mesmas, a estes collares nos escuzado
fazer qualquer recommenda?ao, visto a
grande utihdade que tem produzido quelles
pais que os tem applicado em taes circum-
PASTA e XABOPE de ffift da ARABIA
ME DRIASGRIYIER
A. ^f "? "I|Im arTae sale? prafaaaoraa Aa
Facullad de Hedida da Franca, a por M nvdica tn Haa-
pJUea da Paria, os qum eartlicarla laalo (na aupari*-
rldada tebra ladea as oulroi paiurtai cae loa padarsa*
efflcacia eaalra os SaBosM, rippa, IrrlU4aa a u
Atfadtjoaa do palto a da caruata.
RACAHOUT DES RABES
Be DBLAjajaamKNIam
nico alimento appravado pala Academia de Hedidas da
Parlz. Ella restabelece as atsoal aje* at-flram do
maco e dos Intaatlnoa; ferulaaa asriaccas e as pesadas
dehililedas; alen aisio ib Tinada 4a saa proprledada aas-
leptloa he o meltior praasrralhra tyraoMa.
Cada frasco s cada cafxlaaa atalas arepsreeses n*>
naare iiaUta nea tulnfnmtlr, ra Rlchelleo, M,
em Pars. (Fizar aer-lilo ltesele t*st> as filaScacei.)
Beposllarlos no >nlw : Oawre Bea-bora: ar-
A venda as pharmacias de P. Maurer 6
o G. A. Caors, em Pernambuco.
Doces"
Grande sortimento de doces secos e crystalisa-
j dos e em calda c?tranp;eiros e naclonaaa : no ar
j amero da Liga ra Nova n. 60.
Para a abertura das aulas
Cartas de A B C, taboadas, catecismo, verdade
aos meninos, graromatiea e arithmetica por Oslru
Nemes, carlilhas, biblia da infancia, caminho do
co, devoto cbhsto, SimSo de Nantua, economa
da vida hamma marlyres pernambncanos, regras
mni facis para entender contabi idade em ver-
sos por Gamboa, iateclsrao das verdades catholi-
cas, traslados, pautas, papel de peso e almajo de
muitas e diversas qualidades, liso e paulado na
ra do Imperador defronle do convento de S. Fran-
cisco n. 15.
Vendeiu-sc
; doas armaiens na ra do Apollo, e cojos fundos
j vo ao cafa do mesmo non? n?. 38 e 40.
Um sobrado na rna dos Guararapes n. 26.
i Um sitio com casa de vjveoda, 3 vveiros, trili-
tos arvoredos, e grande proporgao. na estrada de
Bejem para Santo Amaro, conheeido pelo sitio da
Torre.
Todos etes predio's acham-se em bom estado.
Os pretendedtes dirijam-se a ra da Senzala-no-
va n. 43, ero casa de S P. JohnMcn & C.
Mathues ustin & 0.
Vendem no seu aruiasem, roa
da Seazala-Velha n. 106.
Latas com gaz de primeira qualidade.
Barricas com farinha de milho muito
nova.
Saceos grandes com farelo novo a 40.
Barris com pregos americanos.
Botte
graudes
e pegenos, pret s e de outras cores.
A agaia hranca recebes um bello sortimento de
.botSes de diversas qualidades e costos os maK
Stanctas pois nos parece que nao haver um modernos, a elles boa fregueiia da agula branca
s pai ou mi que por este ineio o5o qiiei- co^paffcam a rna do Queimado d. 8.
ra por 4ertn a taes soffnmentos de seus: Vioho do Port supwior om caixT
filhinhos visto ser um mal que tanto os' nm, rnwi. ^,i'"c
?nrla?raeSteSCOllare!,aC,,,npanhaUin V.-Me no eSp Jo ?. Antonio Lnta da
folhetO que ensina como se deve applicar, e Ol.veira Acevedo A U, no seu escritorio roa da
vende-se na loja do Gallo Vigilante, ra C" -1-_________
do Crespo n. 1, pelo preco de 40000, 50
e 60000.
Vende-se na Livraria Franceza ra do Crespo n. 9 e na Batica Franceza
ru. $<) va n. 8
XNJECCAOe CAPSULAS
PaDGETAES aoMATICHT
GRIMAULT&GL'Pf-ARMACEUTicosEMPARTvS
Nevo traumento preparado com as folhat dt
Matic, arvore do Pru, para a cura rpida e m-
fallivel da Geaorrhea sem reccio algum da con-
traccSo do canal ou da inflanimaco dos in lesliaos.
O clebre doutor Ricord, de Pars, ler renonciado,
desde sua apparico, ao emprgo de qualquer
ostro tratamiento. Emprega-se a Injeccio no
cemco de fluxo; as capsulas em todos os casos
ehronioos e inveterados, que resistir as prepa-
raedes do copaba, cubeba e as injeccoes com
BaaWanici,
50000
Cal de Lisboa.
Dj mais nova qus na no mercado etiegada pela
vende-se na roa do Trapicbe ar-
i barca Gratiuo
\ maierjj n. S.
A venda as pharmaclas de P. Maurer
i C. e A. Caors; em Pernambuco.
^TELTESBTSJ^SaJtF:
\ende-se uma morada de casa terrea.coa
I teareno pra edificar nma outra, de S$ palmos de
rreDie, sita na rna do Amparo em Oiinda : a tra-
tar na rna do Amorim n. 36, con Joio
Plment.
No atui em de fazeaias naraias de
Santos floelho
Ra do Queimado n. 10.
Vendr-sel) seguinte.
Pecainchal
Pecas de cambraia branca lioa com um peque-
o defeiio de cupim, pelo heratissimo preco de
leWOO, 2#3rJO, 35500 e 4#500 reis. qaem deiwr
de comprar cambraia por to 'anno de algodao da Baha proprio
para saceos de assucar e rotipa de
escravus.
Vende-se no escriptoriu de Antonio Laiz de Oli-
Sitn5es .veira Azevedo & C, |tio MU eseriptorw ra da
Cruz n. 1.
PHOSPHATObeFERRO
[DE LERAS DOUTOR EM SCIENClfe^
INSPECTOR DA ACADEMIA rPAUtZ t
Na existe medicamento ferruginoso Uto notave!
coae o Pfmphuo de ferro de leras; as snmmi-
dades medicaes de mondo intetr adopuraai-no
cora soiliciiude sem igual nos aanaes da scieaca
As cores paidat, dores de estomago, digett&ei
penosas, anemia, cenvalesceneias dtffueis, idade
crxtxca nos senhoras, irregularidade ne m**s-
intacto, fobrtsa do sangue, lympkatmo, to
curados rpidamente 9% modificados por etst
encllente compoeto. E' o conservador por excel-
encia da sande, e declarado soperior nos hosoi-
taes e pelas academias a todos os ferrofinoso
coohecdos, a xederete e ao curato de ferro
porone o meo que oaivem aos estmagos de-
cados, qae bo provoca oaospaeo, o unicc
tambem que no ennegrece a boccaVos dtS
Deposito naspharmacias de P. Maure
C. e A. Caors. em Pernambuco.
Vende-se
I marhinas americanas do serrotes para desearocar
' a|6"do : na rna da Senzaila Nova b. 42.
i Vende-se a casa n. 42 da roa de Joio Per
uaodes Vieira, na Soledade : a tratar na ra Nova
n. 4&.
Vende-e nma porgao de rotulas e janeas de
amarello, tudo obra moderna : a tralar no caes de
Capibaribe n. 2vofflcina de torneiro.
Charutos da BhiaT
Superiores.
Havaneiros a.......4A5O0 a caixa.
Flor de Batana......4*000
Dalicias ........3J500
Lyricos em meias caixas 5JQ00 >
Americanos meias ditas. 52000 a
Suspiros finos meias cixa? 3*100 a
Ricaiia-Iiriperial......3f0n0 a
Brasileiros........3*000 a
Suspiros superiores .... 1*500 o cento.
Para acabar : na Liga, ras Nova n. 60.
IMHKS
Grande sortimento de doces seceos, cfystalisa-
aos e em calda, eslrangeirose nielonaes : no ar-
matetn- da Liga rna Nova n. 60.
Vende-se um sitio na rna de Bm ea com
casa pira familia, arvoredos e algum terreno ;
trata sena ra do Quelmado.n. 18 A, com arva-
Iho & Bastos.
Xarope do Bosque.
Ctiegoo a botica de Jos da Croa Santos, na rna
Nova n. 51, o verdadeiro xarope do 4esqoe. este
excellente remedio efflcaz na cora das defloxdes,
teces, pbbsicas, astbmas, bemorrbagias de saogoe,
pmtadw, dores de pello, palpitacdes, coqoelocbe,
bronchites, dispepsia, molestias do fijado eosero-
ponas; preco 5*500 as garrafas e 3* as malas
garrafas.
la roa de S- Fraucisc i>. 7fl~
vedde*se azeite de peixe a 4* a caada e 500 rs. a
garrafa, sebo em bexigas, velas para carro fia me-
lnor marea, saecas com milho e farelo de Lisboa.
*
i
aaseei.^ieiww


'
Mf>

Otarlo de eraaoibaco Terca telra 99 de Janeiro de


-*V-
:
.
"


/



IWdies do Pr. J. C. Ayer, ei-lUe
Estadas-tinjdos.
Extracto compoato de afea-par.
rilha de Ayer. *
PeKoral de ce reja.
Remedio paraaeatfes.
Fllutaa cachar ticas.
0 deposito central para as provincias
Pernaraboco, Alagoas, Parabyba e Rio-
Grande do No*te, destes remedios tao fa-
voravelmente condecidos e acolhidos en
'.odas as pa da America-do Sul e do
Norte, acha-se em casa de Tbeod Curia
Nauseo, 16 roa do Trapiche em
Peruaiubueo.
Os preces de
335 ,)or duzia de tracto de saisa-rarrllha.
270 por duaia de peitoral de cereja
274 por duzia de remedio para sezes
74 por dazia de pilulas catharticas
se enteodem dinheiro vista, coa
o descontle 5. por cento em qoantidadei
de 6 a dunas, e de 10 por conloen
quantidades superiores a 12 duzias.
u IVAL SU SEGUNDO
Ra do nludezas
DE
Jos Bigoumno,
Continua a quelmar todo qoanto tom em sea es-
labelecin.ento.
Pares desapato de ttpete a 028O.
Dutis de peonas de aeo moilo fitas a 60 rs.
tanas de lioha do gaz de 30 novellos a 600 rs.
dem de lionas do gaz de 40 rs. o novello a 700 rs.
dem, de palitos de seguraoga a 20 rs.
Lenc Duzia de facas e garios de cabo preto a 30600.
Masso de paluos lixado para dente*, a 120 e 160 rs.
Pe5*s d" entremeios moito finas a 500, 600, 800 e
liOOO.
Uint das missoes- abreviadas a 10500.
Garrafis de agoa Florida verd.delra U0C0.
Babados do Porto de tod.s as largaras e lodoS'OS
pregos.
Syiaharlos coro estampas para meninos a 320 rs.
Memento da roopa de lavar a 100 rs. .
Novas cartilbas para.meninos a 460 rs.
Duzias.de meias muflo finas para senhora a 4&300.
Ditas brancas e eruas para borneo a 30 e 3*800.
Agolhas fraocezasa balo (papel) a.00 rs.
Pares de sapatos de tranca e tapete a 10500.
Pecas de fitas de laa de todas as cores a 600 rs.
Grozas de boloesjdo; porcelana prateados a 160 rs.
Caias com alflneites trancezes a 8Q rs.
Gaitas de 100 envelopes rauilo finos a 600 rs.
Pregos trnceles de todos os tamaohos (libra) 240
ris. v *
Resma de papel da peso braoco liso a 20.1
Frasco cora superior tinta a 100 rs.
Grosas de phosptioros de g.iz a 2*000
Pares de botiJes de puulm rauilo bonitos 80 rs.
Lianas em carto de 200 jardas a 100.
Uixa de superior inda do gaz com 50 novellos
DO rs.
Caisas de pos de arroz muito fino a 800 rs.
Ftil.-eiras de conla para meninas a 320 rs.
Talieres para mecios a 240 rs.
Caixa cora superiores seas para charutos ?a 20 rs.
Masso-cotn superiores grampos a 30 rs.
rosas de peonas de ac muito finas a 320 rs.
Bonets para meninos a I*.
Peotes com costa de metal a 400 rs.
Lapachos compridos c redondos? 500 rs.!
Canas cara superior papel amisade a 600 rs.
Realejos para meninos a 100 rs.
i 8b 7.
TiHTlCERS
AO PUBLICO
NA LOJA E ARMAZEM
00
O
Ra da Imperatriz n. 60
DE
1 SILVA.
Baldes baratos
Vende o Pavao.
Cnegoo om grande sortimeoto de baldes de ar-
cos sendo americanos que sao os melhoree e \au-
dem-se pelo baralissimo prego de 2*500 31 e
3*500: na loja do Pavio oa roa da Imperlrz a.
O, de Gama & Silva.
A 100 rs. para lato, vende o
Pavao.
Vestidinbos para meninas
Vendem se elegantes veMidiohos para meaaat,
ae lsinha moiio bem enfeilados pelo bara"tissto*
prego de 2:500, ditos de gorgojo de seda a 30006-
na loja e armatera do Pavo na roa da Imueran:
n. 60. de Gama & Silva
Chales de merino
Vendem se riaissimos ebales de merm lisos d*
"*"*i!^fes' ,eB.0 fri>s de seda a 40OOG,
60,
IGA
loja. armazem do Pavo roa da Imperatrix n.
ae Gama & Silva.
Croch*
Para cadeiras
Para sofs
Para camas
Para presentes.
i Chegaram os mais ricos pannos bordados a cro-
ch proprios para encostos de cadeiras qoe se
vendern a 20500 e 30, ditos para encost de sol
& dlos PrPrios *a cobrir almofadas a
2*508 e ditos para cobrir presentes a 2*300 e 3*
na loja do Pavo roa da Imperatriz d. 60, de Ga-
ma & Silva.
Novos vestidos Poil de Gh-
vre a 16^000.
Va loja do pavo,
Chegaram pelo vapor do dia 15 do crreme, os
mais lindos cortes de poil de cbvre para vlstidV
sendo Marta inteirameute nova no mercado ten-
doesta fazenda bastante lustre com os mais deli-
cados gestos tanto em listras como em flores solas
e vendem-se pelo baratissimo prego de 180000.
tendo cada corte 18 covados, isto na loja e arma-
na* do pavo na ra da Imperatriz n. 60, deGama
Para senboras
Casaquiahas a 204000
Vendem-se as mais modernas casaqoinhas oa
basquinas de seda preta, muito bem entenada* as
mais modernas que tem vmdo ao mercado e nelo
baralissimo prego de 20* cada urna na loja e ar-
maiem do Pavo roa da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma S Sirva.
Alpacas Haas
Cliegou o mais lindo sorlimento de alpacas de
Satas m PaVO ^a so Cr- MWm Para vestidos, e vendem-se
L n-l(n,:bA, Por pregos em coma : na loja e armazem do Pa-
c pecilHCQl a 'ao, roa da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva
_. '**)00,'1480 e 14600. Os espartilhos do Pavio.
daSS Drmrnfi1a0nda *r-i 'ae p.elf8? **'* Vendem-se nma grande e variado sorlimento de
SrS'aK^^^?^* Tlt** feitosquetem S
largura da iazeuda
Vendom-se lazinh-asVreVs-proprias para .ato uSSf &XS a'oo'Sw'e 7jSi ]
No baratsimo .prego de i00 rs. o ovado : na J*^ e^i.T^STiK'te
Os prop'ieunos desie gratde estabelociroenlo
lenao no-anuo prximo. paasado vendido grande
parte de snas faiendas como haviam dnoonciado,
teoa resolvido continuar a vender ainda mais ba-
rato-em Yirtade ao abatimento que fizeram em
suas laiedas poroccasin do balarjeo a qoe "wo-
cederam em 3t de dezembro ultimo ; porm para
pedercm satisfater e apresenUr ao respeitavtl pu-
blico os seos numerosos freguezes tanto desta jjra-
eaeou o do-mato om novo e variado sortimenu de
todas as qnalidades de fawo*s, d.sde as mais
modestas at as.de mais aparado luso, nao-se tem
poupado na escolha dellas, limitando seus locros
apenas no descont. Cuntinuam a darhzendas
amostra, com penhor, oo manda-las por seus cai-
eiro em casroas Exnras. famlrs.
Grande pechinclia
tre testoes.
Lanzinhas a 300 reis.
LanziDhas a 300 res.
Lanzinhas a '300 reis.
So na loja do Pavo.
r,;d''!e ora variKdo sortimeoto das mais-deli-
HJn. lao,IDhas. Unto cora os mais primorosos
eosios era matiz, como raiudinhas de nma s edr
sendoetafaieoda'la pora, e vende-se -pelo be-
grande pechlcha na compra, se nao seriam para
Palio HTUm ,S' ',a ',0J e d"
j4vao na ra da Imperatriz n. 60 de Gama As
M, com moitas barras de F mercado, sendo de todos"os umaVbos7vend'edo.
loh! s0/^0,"'01 5,ra ,r,br a ^OOO e 2*00 : a
StLI!Sit0.v5,l0M,Mdito,,erit*
v-nd. 5e.din.lM de listas a 400 rs.
TeSdn /LbiDltM Md'Db,' Je H*iw Pronriasnar;
;d 3 VKAfh,,a '?,ela ^ SE
Pavo na M,art,?Vad0: ? '" a e rmazemo:.
Silva Imperairim n. 60
a vara na loja o
de Gama*
Filos bordados a 800 rs.
Pav3o.
Daraevt?den"Ii?eifllhobraiK:o bordidos W<*n*
52.^212 Pel ^"'^bo prego de800rs.i
reatHr n ^^r?,aiem dn ** Da ru* im-
peratriz n. 60 de Gama & Silva.
Pannos de linho.
loncese;?ieaihLPer,0r pa.DDM de ,,Dh0 ^Pf P1
nriff^l0^5^"0^8 elc-. P^'os baraussime
vara : bramante sv
i U 00. 2*500
precia de 640, 700 e 800 rs. a
linho com 10 palmos de largnra .
onTwnlfi?* omeraDde*>rtn.Dto de Hamburfe
m h '2 ""s por baratos preos : Da ll,ja e ann-
mSS*u rQa "" Im,,e,,,riz D- w, d cT
Cambraias brancas 4e cordao a 84500.
Lnegaram as mais delicadas eambraias branca,
itnl foro lelicadas lisias transparentes .
| vendem se pelo baratissimo prego de 8*300 a o*-
a praga da Independencia
toja de Arantes & Lyra.
Vendem bolinas pretas com lago para senhora
a i o par.
Pilos para menino a 3*.
Livros
em braneo de-Ham-
burg .
\ ende se na livraria Eneielopedica de ] B. de
Mello : na roa da Cruz n. 82, completo sorlimento
e por pregos moito ccmraodos.
m gaz m
Ches ao aotigo deposito de Henry Forster &
1, roa do Imperador, ora carrenameoto de gaz de
priratira qualidade.o qual se vende era partidas e
a retalho por nwnos prego do que erp oulr' aual
qaer parte.
Kival sem segundo.
Rna do 4|uelusano n. 49.
Qner acatar mm as fazeodas abaix
raeticionadas.
Queiram vir ver o que bora t> baralissimo.
Libra de gomma de mllho a 400 rs.
Toalhas de labynntho com bk. fazenda'boa
3500.
Garreteis de lioba con 100 jardas a 30 rs.
Grvalas pretas e de coree muito finas a 500 rs.
Barataos fraocezes muito rios a 200 e 320 rs.
Gaixas de brelas de ra=>ssa murto novas a 40 rs.
Enfiadores para espartilho de cordao e flta a 6>
ris.
Carreteis de lioha Alexandre som 400 jardas a 20(
ris.
Resmas de papel alraago rauilo bom a 2*508.
Frasco de oleo babjsa a 320 e 500 rs.
pitos de dito bigieoique verdadeiros a 13000.
Hitos dito fUso a 800 rs.
Ditos de macagar perola a 200 rs.
Sabonetas muito finos a 60, 160, 200 e 320 r*. i
Ditos Caisas para rap cora bonitas estampas a 100
Gaixas de palitos a balo a 40 rs.
Miadas de lioha froxa para borar a 20 rs.
Varas de cordao para esparlifho a 20 rs.
Frasco; cora tinta rota muito boa a 240 e 320 n
Oitos de dita preta a melhor que ha a 320 rs.
Duzia de laceas para sobre-mesa a 4*.
Varas de Iraoja branca larca a 200 rs.
Peotes voltalos para regagar cabello de meoinai
Frascos de raaeaga' oleo muito Bao, a 120 rs.
Abotoaduras maiio tinas para colleles a 500 rs.
Canoes de iinha br.ioca e decoras a 20 rs.
Liura de ar* preta superior a 100 rs.
Cartas de aiUBetes franceses cora 14 peotes
iu rs.
Escovas para tato, faienda boa, a 500 rs.
Cal de Lisboa,
Ghegada no ultimo navio, maJs barata que em
oui,:. qualquer pane ; no deposito da ra do Apol-
lo n. 8.________________________________
JPOH MICCEL FoVTOURa
PRIM1SHU SER4E
Hs. lOOO.
Livraria raaceza
Ra do Crespo n| 9.
Vene-fe urna cabrocha de li aonos com
babiKdades : no paleo do Carmo taberna n. 2 na
squma da ra de Hurlas.
XAROPB~
peitoral dnleiftcant*

SAINT-GEO.RGES
Pnpanio por
GIVIMAOLT e Cu
pbtraacmUcos d 8. A. L
o prlcip NapoUo
Cara rpida de las
molestias seguentes :
1 loue, catarrhes, pleu-
resa, expubuhe, an-
gina, fortes conittpa-
fott, irritafoes do:
bronchas e de jteiio,
br | mtnar, asttna, pnm-
monia,a*einai,amyg-
< daiiti, tost$chronic4>,
rouquidao. Os mdicos recomaModSo ao mesun*
tempo o uso das exeellentes paatilliaa pelto-
rmtm oora o unooo d'Ofac laureiro-
rO, fM M pMptrtO B0 MHBO ttlMto-
tirauue c beui sorlido aroiazem de molhados
Rna Nova n. 60
Sahio ou n5o sahio, amabillisimo freguezes? sahio sjm ; e se demoramos tanto
em abrir a caixinba do segredo, foi porque gostamos.de sorpreza e dasconjecturas. Ah
Ah I Ah 1 como o sahir deu no gt de muita gente de collarinbo empinado ebigode re-
torcido?! Quanta ioterpretacao dicula e risivel soffren onosso pobre sahirll Muita
veztivemos frouxo de riso nocantinho do nosso armazem, quando viamos que alguem se
encomoiodava com essas seis negras letras, que por alguns dias deram nmcertoar de
mysterio a urna das columnas deste venerando Diario I E no entanto nada de mysterio-
so bavia, como vedes, no patusco satura! sim; riamos a bom rir ;-mas nunca vimos rir
o cavalleiro da-Liga porque
Serio e grave encara as cousas
Deste mundo como sao ;
Verdadeiro, fiel vive
Do commercio a tradicco I
Pois que o sahir se mostrou qual vinde admirar freguezes, como no armazem
da Liga se opera a mais fina liga do bom e barato. Lede e veris a verd.rde vinde pois;
confiamos em que nao tereis occasiSo de dizer que o vosso dinheiro fot mal empregado'
nem o vosso bom gosto offendido. Eis freguezes e.....la vai verso.
Farinha de milho
a altura precisa para urna
i sala, podeodo fazer-se com tres e meia varar e
; veide-se pelo barato prego de t* e 1*280 a var.
sendo so com pregas, e a 1*600 tendo pregas
bordados, isto so se vende na 1oja e armaiem do
Favao, na ro da imperatriz -b. 60 de Gama &
Silva. *
A Igodaa.
Vndese superiores pegas de algodaozinho c
18 jardas sendo muito boa fazenda, pelo barato
prego de'4*{00, na loja e armazem do Pavo, na
ra da Imperatriz n. 60 de Gama 4 Silva.
inho a 4|5(M
Novidade
En cambraias de cr.
Chegcu pt.ra a loja do Pavo ora grande sortl-
memo das mais modernas cambraias cora listras
largas, tanto ao comprido como atravessadas com
as mais modernas e mais delicadas cores; assim
como os'matc modernos organdys de lista largas
com lindas-lores matizadas pelos centros, que se
vendem por pregos muilo razoavels, na loja e ar-
raa7em do Pavo na roa-da Imperatriz n. 60 de
Gama 4 Silva.
Ricos vestidos ttranco3.
Chegaram os nmis modernos corles de fiois*i-
mas cambraias com as mais lindas barras borda
i das, sendo estes vestidos muilo proprios para bai-
les e casamentos, e vendem-se
peratriz n. 60 de Gama & Silva.
Cambraias Usas do PavSo a 30500
4^000 e 46500.
Vende-se um grande sortimenio das roelhores
cambraias transparentes, tendo 8 varas e meia ca-
da pee, pelos baratos pregos de 3*300, 4^000,
uvuuuvs t-wui dEuiuuua victoria a 0*1)00, 7,&0
grande quantidade de cartes, bocetas, caixas erradas de chumbo, com as mais ricas qoa- 8 p31"10' de ^reor a
lidades de po-de-l, bolos, para champanha, bollinhos com amendoas, e outros muitas f, KSSfftef vai
ou gomma de milbo braneo preparado na America, vende-se 500 rs. a libra, e o cida- *eis n*'l0J*' arra'ienV'do'Kvo, na ra da im-
daoque comprar dezlibras vende-se-lbe-ba450. "
BISCOUTOS NGLEZF.S
Soda, Mized, Pic-nic, Francy Cruckeuel, Qenn, Osborne, Gala, Arrowrote outras muitas
qualidades a 1^000 a lata com 2 e 3 libras.
Bolaxiuhas percales
em latas de diversos tambos 2, 3, 5,8 bras cada urna e pelos seguintes preeos: 1h320O fiS?" Si0($' 91000 e 7*000 a PeC* > u"'as "e es-
400 e 35000. 2?'* com 9,varas C,da pe5a-leDdo mais de v"
iam m e i*reati a OO. 7*O8O,'8*)O0 e 10*000 ; duas
Bollnhos coua aiueudoaa Victoria a 6*000, 7*000 e 85000 dliaslargas com
1*000 e 1*280 a yara, sen-
varas para vestidos, atlenden-
que se tornam eofadonho mencionar. ?i*nng!rn0Ld'.laip1ara forro mait'\ encorpadas
MVTPTr a *. pe5a : Da l0Ja e aem do Pavao na
MAN1 hUxA ra da Imperalriz n. 60, de Gama & Silva.
manteiga ingiera, priraeira qualidade a l#luo a libra, idem ingleza boa a 1(5000 a libra! Para C3a^a de noivas vende o Pavo
800, 600 e 400. dem francesa a 640 T. a libra. | Vendem-se ricos cortinados bordados e adamas
OOCCS esu calda Pat'PeS Para CD,i,S e laDe,las Pelos baratos
doces secos e em calda de todas as qualidades, em irascos, potes, caiws, etc etc: por pre-'? mm e 2300; sa
eos os mais razoaveis possiveis, amendoas confeitadas libra a.
CAF
caff do Rio 1* sorte 240 rs a libra, 2* sorte a 200 rs a libra, 3* sorte a 160 rs a libra,
em arroba se far grande abatimento.
Vi nli o
vinhos engarrafados de todas as qualidades, rainha Estephania a 3#O00 a garrafa, Porto
perior damasco de la enfeitado a imilaeao de seda
proprio para colchas a 2*500 o covado ; ricas col-
chas de croch pelo baralissimo prego de 105000 e
12*000 : isto na hja e armazem do Pavo na ra
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
As melpomenes do Pavao a 2.5500
Vende se .superiores cortes de melpomene.-, :>eo-
do fazetida transparente e muito bonita, tendo mui-
tos padrees rxos com 7 varas e meias cada corte
rafadosa 50urs. a garrafa, idem de Lisboa em pipas, barns, ancoretas e a retalho a 360
e 400 rs. a garrafa, ancoreta com vinho tinto a 2,5400 a ancoreta.
Bordeatix
vinho Bordeaux. de todas as qualidades de 6,5500 a. 25,5000 rs. a duiia, e-ea garrafa de
000 rs. a 25000 rs. Wermouth a 1^(500 rs. a garrafa Kenoch de wasaer a-2ij000 rs. Ab-
symth a 2^1000 rs. a garrafa.
GAZ
gaz verdadeiro americano a 90200 a lata grande, garantindo-se 27 garrafas, e a 400 rs, a! vendem-se pelturrtsetmi^precos de"5*00X8*
Grande pechincha em chapeos a 500 rs.
Vende-se chapeos de palba a imitago de mani-
J* proprios para horaens pelo baratissimo pregode
500 rs. cada aro ; telo para acabar na loja e arma-
zem do Pavo na roa da Imperatriz n. 60, de Gama
& Silva.
Corpinbo*para senhorr. a 50, 80 e 100.
Chegaram os mais delicados corpinhos de cam-
braia transparente, sendo ricamente enfeilados e
A venda
Caors.
as uharmacias de fanrer
Vmde-
e
Motores americanos para do cavallos, dito dito
para qoatro eavallo*. machinas para descarocar
aluodo de 14,16,18, 20, 30,35 e 40 serras, oren-
as para enlardar algodio fazendo as saccas eom
seis palmos de comprimilo, eom o p-s.i de 150 e
200 libras, viudas nltimaraente da america: no
armaiem de Henry Porster 4 G. no caz Pedro
o. 2, junto ao gabinete portugnez.
Farelio a 4900 uevo!
rna do Apollo n. t.
garrafa.
Cerveja Gelada
cerveja gelada em garrafas e */j garrafas inglezas e franecza.
Painco eAlpista
pamco 100 rs. a .libra, alpista 160 ; pa"in?o e alpista misturado i 140 rs. a libra: em
porgau se far abatimento.
Cha verde e preto.
10000, 10300, 20000, 20200, 20400, 20600, 20800, 30000, e 30200; cha verde de
todas as qualidades, huxim, perola, aljfar etc.,
CHARUTOS D'HAVANA.
regala britarmica 400 a caixa, londres '120 a caixa, operas, caixa 100; e outras mui-
tas marcas que se tornam enfadonhas meaciona-las.
CHARUTOS DA BAHA,
imperiaes, exposi?5o, normas londrinos, guanabaras, suspiros, delicias, parisiences, ven-
cedores, guerreiros, lyricos, quem fnmar saber, para os seguinte pregos: 10ooo, 105oo'
20000, 205co, 30ooo, 305oo, 308oo, 40oo, 402oo, 405oo, 408oo, 50000, 505oo, 60ooo,
605oo, 70ooo, e 80ooo.
Velas Stearinas.
spermacete 64o rs. o pacte, velas de carnauba de 6 por libra, a 36o \r%. de 14 em
libra, 44o rs. em porgo se far abatimento.
GENEBBA oanLao ou victoria 72o rs. o frasco.
genebra de hollanda emfrascos 56o rs. o frasco. ,
CERVEJA -T-E BASS,
cerveja bass e tenente e de todas- as qualdiades, as qaaes se vendem o mais razoavel, como
seja 5oo 600 e 7oo rs. e em duzia faz-se-ha grande abatimento.
Arroz da Indi*,
lio rs. cada libra, emporgao se far grande abatimento.
SABO E SABONETES.
sabao braneo com veiastr de roza, idem braneo com veias azues, sabonetes de ama libra
cada um, isSo os sabonetes mais econmicos que tem vindp ao mercado 5oo rs. a libra.
Saga' e Sevadlaha.
sag' muito novo 24o rs. a libra, cevadinha maito nova 16o rs. a libra.
cevaba muito nova 12o rs. a libra.
oomma deencombar 12*rs. a libra.
CEBLAS grandes e novas 10ooo o molho.
Latas ctn conservas.
latas com ervilhas portugoezas e francezas. tetas com carnea preparadas, passarinhos goi.
zados em latas, e salame em latas.
' Ddce de golaba.
bj constantemente Om grande deposito de doce de goiaba em canoes de todos os tamanhos.
Cepos, cepos,
copos crystalisados, ditos lisoa, ditos de cores, a 40ooo e 405co i duzia.
GARRAPAS DE CRISTAL.
garrafas de crystal de formatos do ultimo gesto.
AMEIXAS.
ameixas em latas, em bocetas e frascos.
Quevjos Queijos.
queijos flamengosdu penltimo vapor 20ooo, ditos do ultimo ...\...
e lOUM); dilos de grosdinaples preto, sendo fa-
zeuda moito superior pelo barato prejj de 8#000 ;
isto na loja e armazem do Pavo na ra da Impe-
triz n. 60, de Gama & Silva.
Grande pechincha em chitas.
Vende se nm grande sortrmento de ohitas escu
ras e alegres francezas peles baratos preeos de 320,
360 e 400 rs., sendo eom os padrSes mais bonitos
qoe tem viodoao mercado com listas o Dores etc..
etc.; garant ndo-se serem cores fichas : na loia e
armazem do Pavo na roa da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
As saias do Pavao
Vendem se ricas saias cordadas coro 4 pannos
pelos baratissimos preeos de 60000 e 7j5000, assim
cono fazenda em pega com pregas proprias para o
ateslo flm a U200 a vara : na loja e armazem do
Pavona ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Sedas novas
Chegaram as mais madernas sedas eom listras
para vestidos, sendo com as cores mais moderna?
que tem vindoao mercado, assim como grosdesa-
ples de differentes cores como sejam cor de rosa,
azul, roxa, cor de caf, cor de lirio etc, etc. e
vendem-se por prego moito em conta na loja
armazem do Pavio na roa da Imperatriz o. 60, de
Gama & Silva.
Crinolinas a 30500, 40000 e 40500.
Chegaram para a loja do Pavo as-mais moder-
nas crinolinas on baldes verdaderamente ameri-
canos, que sao os mais bem armados e mais leves
que tem vmdo, sendo com o formato mais moder-
no qoe actualmente se usa e vendem-se pelos se-
grales preeos: sendo eom 20 arcos por 30500,
ditos com 25 reos por 40000, ditos com 35 aros
a 40500 : isto .s na loja e armazem do Pavo na
roa da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Sedas largas oa loja do Pav5o.
Chegaram as mais bonitas sedas de cores com 4
palmos de largara, sendo com as cores e desechos
mais brilbantes que tem vmdo, facilitando fazer-se
nm vestido com poocos covados em alinelo a lar-
gura, e vende-se pelo barato preg ode 20000 o co-
vado : Da toja e armazem do Pavo na rna da Im-
perMriz n. 60 de Gama & Silva.
Oschales do pavao a 2eoo e 25#o rs.
Vendem-se cnalet de merino estampados a 20
e 20500 cada nm.
Ditos de merm liso a 30509.
Ditos estampados de creQpn a 60, 70, e 80060.
Ditos pretos bordados com franja de seda a 140.
Na loja e armaiem do Pavo na roa da Impera-
triz n. 60 de Gama ^ Silva.
Lencos braocos a 20COO, 30000 e 40000.
Yldete nm bonito sorlimento de lencos de um-
brala branca lisos pelos baratissimos preeos de SI
30000 a -40000 a duzia : na loja e armazem do
Pavio na roa da Imperatriz n. 60, do Gama &
Silva.
por om preco moito razoavel : isto na loja do Pa-
vao na ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Orande pechiacba em toalbas
para mi.
Vendem-se superiores toalbas de linho proprias
panmao pel bara'ssimo prego de 560 rs.. ditas
a 640 rs ditas a imitago das felpudas a 800 rs.,
ditas fe pudas a 10 : pechincha na loja e arma-
zem do Pavao na roa da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma i Silva.
Anadino, a 8-s'
na loja do Pavo
Chegeram os mais lindos cortes desta nova fa-
zenda, sendo transparem-, coro bonitas palmas, e
vende-se peloibaraiissimo- prego de 80 : na loja e
armazem do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Pannos e gonnhas a 10, 10280 e 10600.
Chegaram os mais modernos ponbos com goli-
nhas sendo de esguio de rirJho ricamente borda-
dos tanto brancos como de ores o vendem-se pelo:
baratissimos pregos de 10,10280 e 10600, por ha
ver grande porgo, grande pechincha : na Iota
e armazem do Pavo ra da Imperatriz n. 60, tit
Gama & Silva.
Para bapti-ados.
Vende-se elegantes vestuarios bordados r-ara
annnndS B&S baralis'rD0S prCCOS de 150dOO
20*000 e 255000 : na loja e armazem do Pavao na
roa da Imperalriz n. 60 de Gama & Silva.
'Babados bordados na loja do Pav3o
Veudem-se babadinhos bordados com 2 varas
pelo barato prego de 10000, entremeios tapados e
transparentes, lendo 3 varas cada pega a 0OOO: na
loja e armazem de Pavo na ra da Imperatriz n.
60, de bama & Silva.
Cambraias de cores
Vende se um bonito sorlimento de camoraias de
rps P"a vestidos pelos baratissimos pregos de
300 e 360 rs. o covado. ditas a voluntarios da pa-
tria a 800 rs. a vara, ditas listadas-a 640 e 700 rs.
a vara ; pechincha Ba loja e armazem do Pavo
na ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Cassa de urna cor s
Vende-se bonitas cassas de orna cor s cora um
pequeo loque de mofo pelo baratissimo prego de 240
rs. o covado 5 para acabar na loja e armazem do
Pavo na ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Chales de renda e retondas
Vndese um grande sorlimento de chales de
reoiia e retondas, sendo as mais modernas que tem
vmdo ?o mercado e vendem-se mais barato que
em outra qualquer parte ; isto na loja e armazem
do Pavo na ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Suva.
Retalhos baratos
Vende-se porgo de retalhos de chita, las, cas-
sas e chitas pretas por prego barato : na loja e ar-
mazem do Pavo na ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Calcas brancas
Vende se nm grande sorlimento de caigas de
brim braneo de linho trangado pelos baratissimos
pregos de 30500, 40500 e 50000, assim come, om
grande sorlimento de palitols de panno preto fino;
sobrecasacos e saceos forrados de seda, ditos de ca-
simira, sobrecasacos, saceos e fraques, ditos de me-
rino e calcas de casimira de cor e de todas as qua-
lidades, assim como um grande sortiraento de col-
leites de todas as fazendas veodendo-se todo or
pregos muito baratos : na loja e armazem do Pa-
vo na ra da Imperatriz o. 60, de Gama & Silva.
Alpacas brilhantes a 640 rs.
Chegaram as mais lindas alpacas enfestadas com
3 e meio palmos de largnra com os mais delicados
desenhos tanto de florsiBha como de listinbas as
sentadas as mais delicadas cores como sejam ly-
rio, sinsento cor de carne, solferino e vendem-se
pelo baratissimo prego de 640 rs. o covado ; ni-
camente oa loja e armazem do Pavio na raa da
Inrperairiz n. 60, de Gama & Silva.
Pecincua para a festa na loja do Pavao.
Vestidos.
Vestidos..'
Vestidos.
A 80000
Vendem-se om bonito sorlimento dos mais nodos
vestidos com barras de seda, trazendo os compe
tentes enfeites para o corpo, sendo nesle artigo o
mais moderno qoe tem vindo ao mercado, e ven-
dem se pelo baralissimo prego de 8j000 cada om,
dilos de camhraia branca com barras bordadas a
50000 e 60000 ; na loja e armazem do Pavo na
roa da Imperatriz o. 60, de Gama & Silva.
Cortesa 30000 s o Pavao
Vendem se 09 mais lindos cortes de cassas de
cores com os deseahos mais modernos vindo cada
om em seo papel e garantindo-se terern 7 varas ca-
da om pelo baratissimo prego de 30000 ; na leja e
armazem do PavSo na roa da Imperalriz n. 60, de
Gama & Silva.
Casaquinbos cu vasqninas na loja do PavSo
l *250OOO, 300000 e 350000.
Chegaram os mais reos ou modernos casaqoi-
nbos cu vasqoinas de grosdinaples preto ricaroeite
enleitados, sendo dos feltios mais modernos e ele-
gantes qoe Diurnamente chegaram e vendem-se pe-
los baratos preeos de 23&000, 300000 e 350000; na
loja armazem do Pavo na roa da Imperatriz n 60
de Gama d- Silva. '
Para bailes a 350000.
Escravos fgidos
p
Continua ausente desde u da 23 de agosto
I de 1866 o aulatinbo Raymundo, de 15 anuos de
idade ponco mais on menos, corpo regular, ps
[iFqnenos, cabellos easlanhos, dent'S alvos e per-
fetos,como dddoprozmoao pollegar cicatrizado
de sorte qoe era Ihe resta a nnha : rogase as au-
toridades policiaes e capites de campo a sua
apprehenso pelo qoe recebero paga generosa em
casa de s^o senber na raa do Imperador n. 31
Fogio de bordo do palbabote Principe, o es-
cravo Batuta, filho desta provincia, de 22 aonos
pouco mais ou meos, estatura regular e barbado:
qoem o aprehender queira leva-.o a casa do con-
>gnatario loio Francisco da Silva Novaes traves-
sa da Madre de Dos n. 5, que sera' gratificado.
Muita attengo.
Fogio no dia 27 de dezembro do anno passado,
dw encobo Bate da freguezia de Una comarca do
Kio Formoso, o escravo Angelo, crionlo bem pre-
to, de itiade de 20 anuos, cora os signaes segoin-
tes : aito. seco, sem barba, tem (alia de um denle
na frente, ps largos, falla grossa, bonito de fei-
coes e anda a passos largos, levou camisa de ma-
dapolo, caiga de brim pardo o cha peo de baela
preto, esle escravo natural desta prc.ga e foi com-
prado ao Sr. Silvino Guilherme de Barros e ha
certeza que ah esteja por ter tafos : periantoro-
ga-se as aolcridades policiaes, capites de campo
ou qoalquer pessoa que o conbecer a aprehendan
e o leve ao referido engenho ou a ra da Moeda 0.
5, segundo andar, em casa de Sr. Manoel Alves
Ferreira.
%f lenca*
Acha-se fgida a escrava Victorina, crioola, de
idade, pouco mais ou menos, de 30 anuos, muito
risooha, tem o andar apressado, foi escrava da
Ezm* Sr* D. Maria Candda Salazar da Veiga Pes-
soa, moradora na ra do Hospicio, esta* fgida des-
de fios de abril do anno prximo passado consta
estar por Santo Amaro ou Soledade, desconfla-se
que esteja como ama forra em alguraa casa aonde
pouco sala : roga-se a pessoa, em cuja casa esteja,
oo a quem della tiver noticia, de se entender com
a senhor da mesma escrava Sebastiao Jos "Gomes
Pena Jnior, na Capunga, roa da Ventura, ou na
praga da Independencia ns. 37 e 39, loja de caiga-
do do Sr. Aotonio Angosto dos Santos Porto.
Fugio do eogenbo Araripe de cima', do abai
10 assignado, sna e-crava Florinda, crioula, idade
de 30 a 35 anno.', baixa, secca do corpo, tem falla
de dentes oa frente, cara multo redonda,, ps mui-
to pequeos, esta' grvida, e conduzio um seo fi-
lho pardo, de idade de 18 a 20 mezes, foi encon-
trada em direcgo a esta praga, dizendo ser es*
crava do major Nasclmento : roga se as autorida-
des policiaes a fagam capturar, e a qualquer indi-
viduo qoe a levar ao seo senhor se gratifleara'
bem.Epaminondas Viera da Cunta.
Fugio do sitio Facho, comarca do (.abo, a es-
crava crioola, de 20 anuos da dad pouco mais oo
menos, cor preta, altara regular, cheia do corpo,
rosta redondo, tem urna cicatriz na p esauerda,
muito desemharagada ; quem a apprebender e le-
var a loja n. 20 B na ra do Crespo, sera' bem re-
compensado.
(fi Fogio no dia 26 do correle, da casa de sen
senhor U'bano Joaquim de Olivelr- a escrava pre-
ta crioula, de nome Hurculana, qoe representa ter
26 annos de idade, secca-do corpo, levoo vestido
encarnado, chale de la cor de caf : qoem a ap-
prehenoer leve a' rna de S. Jos o. 25, ou a roa
do Imperador n. 43, secundo audar, que sera' re-
compensado.
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------L._ ._
t-

Fugio no dia 2 do correte mez, a escrava crioo-
la conhecida por Joanna Hacei, de Idade 17 pa-
ra 18 annos, cora os signaes seguinles: rosto com-
prido, beigos om tanto grossos, lem sigoal de um
talho no beico superior, falladegeangada, alta,seca,
seio em p, levou vestido encarnado desbotado com
nm rasgo em roda, camisa de madapolo o ves-
tido sujo de barro por ler carregado tijollo, chale
desbotad:), consta qoe aoda modaodo de traje
tem sido encontrada com caiga, palelot e chapeo,'
por isso pede-se as aotondades policiaes e capites
de campo a aprehensioda mesma e leva-la a roa
das Aguas Verdes 0. 80, que sera" geoerosamente
recompensado.
Gratificacao.
Ansentoo-se da casa de sea senhor boje" nma
mulata de nome Arcbanja, de idade 23 anoos, ca-
bellos carapinhos, ps e mos pequeos, estalara
baixa e seca do corpo, por tanto rogase as aoto-
ndades policiaes qoe no caso de a captorar pode-
r leva-la aa Passagem da Magdalena casa de re-
sidencia de Manoel Jos Gougaives Braga, 00 na
ra do Tn piche n. i.
Fogio de bordo do patacho brasileiro Deu?
Amigos o moleque crloulo, de nome Pedro, na
toral da Babi-, com os signaes seutes : idade
1! a 16 annos, estatura menos qoe regalar, rosto
comprido e folo, nariz grosso, leven vestido caiga
do brim braneo e camisa branca de madapolo.
Recommeoda-se a' polica e aos capites de campo
a sna captara, e sendo entregue na casi n. 10 da
rtia'da'-Grnz desta cldade se gratificara' generosa-
mente. Ha lopposiooes de que fosse sedozido, e
por isso contra quem o liver escondido oo desen-
ea miaado se proceder' com o rigor'da le.
Chegaram os mais ricos corles de vestidos do fil
tranco primorosamente bordados e enfeilados de
cor, sendo tambera proprios para casamentes e
vendem-se pelos baratos pregos de 3!>0OOO oniea-
meot; na loja e armazem do Pavio na ra da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Lencos bordados a 10000 e 10600 na loja do
Pav5o.
Vender bonitos lenclnbos bordados para mi "7" jn-se do uro [CT~ n- Kfir PT8p.dt lSO0 6 TV Cada OllndaASe o"a 9 do" IV otcfavTuo-
irizn.w* ewmaotbirva. f (raaos : estatura regular, grosso e fornido do eor-
as vareges do Pavao. po, pes grossos e chatos, gagoeja moito quando
Vende-se as mais bonitas vareges oto hites de- falla, mtodo a engrasado, bastante espmba ao
seda a iroiiago de poil de cbvre pelo baratissimo ro-io, andar de marojo : qoem o appreheoder le-
preco de 800 rs. o covado: na loja armazem do \ ve ao mostelro de S. Bento, ou ao Sr. Zacaras de
Pavao na roa da Imperatriz n. 60 deGama & Santa Isabel, na rna dos Tanoelres n. I, quesera'
Silva. I generosamente recompensado.

3fc



Diarlo de ^eraambaco Ter^a clra t* de Janeiro de 1867.
LITTERATOM.





UM POICO 01 Tl'DO.
Ne dia 18 de dazrmhro, no felHssroo auno de
lOi, ero uro sabbado, fui segada vez jurado e ac-
clamaiorei de Portugal o Sr. Joao IV.
Jjuti varandi inferior do palacio real da Ri-
i ra, se levantoo, no andar da roesma Viraada,
uiii mage^tos > thi'jtro, c itulle aro estrado de qua-
ifo riegros, e ero cima ootro de dous,-ludo euber-
lo ;ie nquisssimas alcatifas, e corpo da Ibeatro.
se omuu de panno da leu e veludo earm'zim;- do
uiais alto dos degrac pM urna cadeira, cubera
Ge UM panno de broir* -o, debati do rico docel
bordado de ouro e i .la.
Bixou o noTO re d,s guarios superiores, vesti-
do de risso pardo bordado de ouro, com abolladu-
ra de pedraria, oppa va brocado rogagaote, ao pes-
clo un colar dr graude valor, de que petinia o
bat'o U rdem de Christo, em uui circu'o de dia-
niaules, espada dtmrada, e maogas de tela braaca,
lavrada de ramos de ouro, e da roesma era o forro
da oppa, a IVaida da qual ibes (razia Juao Rodrigues
de Sa, camareiro-mr.
Vmba dianle D. Francisco de Mello, marquez de
P-rreira, cora o estoque desembainhada, fazendo o
oflfio de condesiavel ; (razia a baudeira reil eo- j
rolada ; FernioTolles de Menezes, que servio de
aift-rus-mor, e logo D. Henrique da Silva, mar juez i
Goavea, emordoroo-mr coro a Insignia do seu ,'
offl.'io, e todos os prelados, ttulos, G-lalgos e mi- j
r.-ir.is que se achavam na corle, lodos ero u e
descebarlos ; taoto que el-rei ebegou ao estrado
saperior, ihe descobno a cadeira o reposleiro-mr
Bji uardira de Tavora, e asseotando-se, recebeu
logo o teeptro da mo do caroareiro-mr, e feta
urna discreta pralica, multo proporciouada ao acto
e ao lempo, fe el-rei o cosluroado juraraeoio, e o
i .-, >ni a el-rei todos os que estavam prsenles,
acauado o quai deseorolouo a feres mor a baodei-
r*, e disse em altas vozts: real, real, real ,elo
marta alio e rouito poderoso re l). Joao IV, ujsso
se atior; repetiudo tres vezes as roe;roas paiavras
ero tres diversos lugares, as quaes erara receidas
do povj com influilos vivas, que muiios acompa-
uhdvaro com lagrimas de verdadeira e cor-leal ale-
grij, por verem lj feliz principio da liberdade,
. irada em lo largo decurso de annos.
Acabado o juramento uesceu el-rei ao Terreiro
d,i Pago, e danda-lhe o estribo da parte esquerda
Luiz de Miranda, sea estribeiro-mr, so poi a ca-
vado, do qual leava a redea D. Pedro Fernandes
de Castro, (azeodo offiuio de alcaide-nir de Lis-
b'M, debati de ncopaliio, precedeado deseober^
e a p lodos os titulares e fldalgos, ebegou a entra-
da da praca do Pe:ourinho veltio, onde se Iba le:
oulru pralica, e acabada ella, Ihe eulregou o conde
deCaotaabade, D Podro de Menezes, presidt-ute
da cmara, as cbaves da cidaie, e el-re as recd-
beu e logo as loruou a dar ao mesmo conde, e pro-
segurado u mesma tana que al ali,' fui reader
ss drvidas grayas ao re das res na egreja eatha-
drai, onde o esp-rava o arcebispo t). Rodrigo da
Cuana, que o recebeu cora as cererauuus cosiu-
maJas aro semelbautes runcodet, e do mesmo coin
que viera, vollou para palacio.
Uro dos dias pasalos, pelas 6 horas e meta da
tardo, diz a Opinin Njtionale, uraa uuulher joven
mostrando ser pe.-soa distiucta, eotrou para uro
bote ao p da puote de Austerlitz, ajdelhou e f-z
urna curta orayo.
Lvaniouise logo muilo depressa ella em acto de
se precipitar a agua quaodo d de cara cora uraa
criaaea baoita, loara, que a eslava observando.
lira ora rapar.il] de cia~o anoos, chamado Jac
i|U's que tendo vind) dormir para bordo do barco,
acabava de acordar.
A senhora den uro grito de sorpreza e estacou
Humoral por um momento. Anal approiiuiou se
da crianza, torooua nos br-cos, abracou-a e ai-er-
lou-a com ternaur, derramando abuodatit-s lagri-
mas.
Porque quera fazer mal a si T baibucicu o
rapaziuho cora aquella sua grga propria da tdade.
Entao querase deilar a agua?
Nao, raeu fliho, esla's engalo,] Ihe redar
giio a descouhacida... Nao, ...:cresceotou depoi-
d- breve pausa, ao contemplar a cria aya que es
Uva mal vestida e tiritava cooj fro, nao quer--
morrer aiuda... Se eu posso aiuda fazer alguna
bt o.
E dito so comecou a fazer perguotas a Jacqars;
O pai, pobre operario, morrera-IUe o auoo de alu-
de desgraga, e a mal suci-arabira roezes aotes a
cholera. Fdra acolhido por aro tio marraheiro, que
nesta ucca- marcante.
Anal, guiada pelo peqarao Jacqaes, a .-n'nr.
com quem toda essa s eontrar-se coro o raariotieiro, a quem declarou qu
fleava tomando coala dopeqaeoobarqueir Iicqne
e desie modo o It-vou para casa desmgima i-si-
da leuiativa de suicidio que appareuiemeaie esla
va resoivida a tffuctuar.
Como agora se v, o tmulo estava oviijio em gos que imprime, ou de apreciar o seu ca-
uro vo ua parede do corpo da igreja do lado do racter crina noso ;
Evaogelho, e qaando se f-z aquella resiauragaoj ,Que eUa sat>a perfeilameOle, que O jor-
tapararo o vo, e como o tuxuio asseniava si-Dre nal devia ser publicado ;
oos ledas que fleavam salientes, para corferem a ( Que pois com COnhecimeoto do faci,
parede qQebrarara-Ine as cabegas ; e o tmulo as-1 ajudou 6 assisti. 30 aactor do delicio, DOS
sim veio a ficar entaipado. fados que esie preparou, facilitou e CODSU-
As obras que se Capera agora na igreja dejeobri- mou :
rara esia aoiijiuatha. c Attetidendo que os tactos assim conside-
Fezmrtuia ao sepjihj xvil houve qaem tivesse a! rados, constituem a respeito de Olliviy, o
Miz lembranc* de manlar collocar orna lapide no delitUO previsto e punido petos artigos l' 6
Acerca da doscobarta de nm Inmuto antigra na
igreja deS Tni"2n, m Aimda, tne a bondade o
Sr. a'cnll^ct'i P-issldoob) da Silva de n-> comrnu-
nuwr a segaimte oolicia, escreve o Jornal do Com
mtrcio Lisboa :
a nao oa igreja de S. Tniago, de A ra ida, e as pare
.des iram revestidas de azolejos de lindo pxdro.
FOLHETIM
POR
Jules de Saint-Flix.
BEGDNOA PARTE.
XVI
(Continuacao)
A enfermara estava mu aceada e era mal con-
Vfnn'nt-m'-ntP ar?|s4. Uro Irma hospiuieira
esuva enrarreeada esppcialmeotx d'aquella enfor-
ma>ia; era joven anda, eoohecia-se qne fdra for-
0i"S*, e conerava a serenidade inalteravel qoe
na* religiosas de voeacao profunda sigral ev|-
dent" d;i beileza da sua alma, destinada a alean-
car o co.
Chama vam Ib* ir ma S. Jos.
H*vi dnys das qae o roarqaei se arhava no
hnspi'i, o seo estado, com qnaoto moi grave
anda, nao insidrava j o menor receio. Na ma-
oriaa do tereeirn da, dlsse a irma S Jo-, d-
pol da visita do cirargiao, ao oosso offrmn, qne
no da anterior tinham ido ao hospital daae pessoas
para sani-r noiiclas del le ; qu estas doas pessoas
eram duas jovens. das quaes ama pareca muilo
fina, e que tinham querido fallar propria sope-
riira das irmas, e ao director da seceo a qae
perteela aquella eofermaria. Tioham pedido com
in>t?oeia qae Ibes permlttissom ver Raymaado,
Ioko qae para Iss > tivessem licenca, aonoaelaodo
alero disso qae voltariam diariameote.-
fundo do vio, que sena luvida servia de retbala,
aoj.nlgo, < na plra .lO-.-rara ura epfta;hio, pelo
qual se v que all estavam os o;sos de Manuel IV-
basede .-ua mulher Z-ibel ( iosliluiraro missas par sua alma, deviQdi dizer se
aove no dia de Todos os Santos.
Pela esculptura da rea turnular, a pelo arco
ogival dentro do qual se aeha, moira ser obra do
seculoX II ou XIII.
Na face anterior lem dous braz'Ses em cada ex-
tr.midade : o braxao consta ne duis crazas de
Aviz, e entre ellas dez besantes, o quj parece In-
dicar que o cavalleiro all sepultado (era a Terra
Santa.
O inlervallo dos escalos tem ubs ornatos enlre-
lagados com Qor5;s nos crculos que elles for-
mam.
Acaropa abihulada, cora tres faces, coma era
uso nos scalosJCII r XIII, e esta' quebrada pelo
meio, iodicando que o tmulo foi devassado quao-
do o en'alparatu.
As sttt dusensofs sao estas : Comprimenlo
1-.691altura, 0-.26largura, 0-75- A allura
do arco ogival de 3",3, e a sua largura corres-
pondo ao coroprtmeoto do lmalo.
Por fortuna tiveram a lembranga de cllocar no
vo a lapide oom os nonios das pessoas que alli fo-
rana encerradas ; posto que nao declararam a era
em que passaram, corso deveria d-zer o primitivo
epiapbio.
gComtcdo, ejn lempos modernos, acont- ceu um
caso siogularJ
Fez-.e o tuuaulo de marmore psra encerraros
restos morlae^ da Sra. raiuha U. Maria I; mas co-
mo o caixao nao coube oa rea turo dar, metle-
ram-no na patede cor d^-tra-. do mesmo tmulo.
De maneira que o epitaphlo declara que abi es-
to os restos moraos da rainha; mas ss abrlrem o
tmulo achanvno vasio, e n-> enconlraro nenhu-
raa lapide ou declaracu que diga ou ie existem.
Sao coasas nossas.
Cnroo a irpprensa e.-lrangeira se lem cc-
cupado tanljo do prucesso do jornal Memo-
rial Diplumftiqw, processo, no qual eram
inieressadas' a Prus-ia e a Austria, vamos
tradu/.ir da Independencia Helga, a senton-
es profunda pelo juta que o juigou no tribunal de Paris, depois
larem s nina peijtieiia synop>e do que osjor-
na--s estrangeiros di.-seidiu a esse respeito.
*0 tribunalAtiendendo que no n. de 9
de setembro de 1M(>6, do jornal Memorial
Diplomntique, Ollivy, gerente responsavel,
publicou em Paris um artigo comecaniio
por atas palavra-: Vara altennar a culpa-
bilulade das concussdes, e acabando por es-
tas: dos barbaros no cometo da idade me-
aja.
Que neste artigo se liam estas phrases :
Fados deque garantimos a exactidSo O
principe Lobkowitz posstie as suas trras
iin Bobemiai muitos wrneiros-merinos, rafa
p ira, e que boje em razan da sua novidade,
sao deato valor; o re da Prussia ficou lao
maravilhadu da tua belleza, apenas os vio,
que irainediatamente os cvnfiscou, envian-
do-os para os seus regi-is carnes, sem mes-
mo se 'gtiar offerecvr so seu proprietario
a menor indemnis.cao.
Alten.lepdo que a imputado desle fado
assim afirmado, e directamente attribuido a
el-rei da Prussia, constilue nina grave offen-
sa, contra a pessoa de sua magestade, e ex-
cede os limites nos fados da guerra, ou dos actos do go-
verno;
Atiendendo. que a intenelo reservada
de offender, da parte dos reos, conhece se,
uao s pelo lodo da re lai(;ao do artigo, mas
pelas allirmacoes e mais i^rmos empregados
que Jilinem claiament um fado de roubo e
nao um acto permita* lo aus> vencedores pelos
usos da guerra: coniiece-se tambem pela
chumada do artigo inc immado no numero
do me>mo joiaal publcalo a 17 domesm'
uiez, pos segumtes termos: Ha 8 dins
citamos dois fados que provam que o exem-
plo parimdo de alto, o ninbuio at certo
ponto, para que a s -Idadesca uao refrescas-
se a sua sede de piiliage.ia e desregramen-
to;
Alten iendo que Bantet, secretario da re-
daci;3o, reconecido como o audor do ar-
tigo incriminado;
E que asstBi aprecien o seu sentido en-,
minoso, maiodan !o-o pira a imprenta, afim
de ser publicado no jornal;
Que p is, coubecendo perfeitamente a
causa, ajudou e asisti o auwor do artigo,
nos fados que elle preparou, facilitn e con-
sumou.
Attendendo que Dtibuisson, confes?ou
ter invresso o numero do jornal Memorial
Diplomatique, no quai &e acta i o artigo in-
cnmmao ;
cQue elld tinha olangura i de 1er os arti-
A islo ac(-rexceniou .-orriudo a iroiaa, com um
sorriso encantador:
E>ie tuteresse lo l- roo d--ve contribuir moi-
la para o seu resiabeiec meato, e dar lbe-ha ven-
tura.
Baymuodo, a qu^m a exirema fraqaeza impeda
de fallar, respond* a sua caruuva enfermelra
com o uirios e com o gasto. O ronvaleseente, cu-
3 eama estava coliuc< fermana, pareca occopar-se larabem com cena
sollicitude do pobre fendo, que ilie linham dado
por Compaubeiro de quariu.
A's yetes diriga perfumas irma S. Jos, roas
com ama reserva de. tiom goslo, o em voz baixa.
Este enfermo nao eslava ja ourgado a conservar-
se d cama ; t poda ja descer por punco lempo
ao jardtm, se acaso se pd* chamar jardim ao re-
cinto arbonsado, comprcnHudido entre os edificios
do Hotel Dieu e a grd- que rod-ia o pequeo lar-
go de Nossa SHohora. Quaurio o cunvalescente se
reculhia a enfermarla, sentava-se n'uma poltrona,
jcollocada-ao lado da sua rama, e ain se entregava
' por horas iotetras ora a le lura, ora a medllacao.
Como usav 0 trajo d-.-iinado aos enfermos,
quer dizer, umi e-t-ecie de ronpJo eseuro, era
difflcil determinar a qu* clase Da sociedade devia
perieuo-r. ^ao ohswoie. uouva-se certo primor
as maneiras, e certa fioura oa pny-ionomia. Pa-
reca ter irima e dou* a nauta e quatrn annos.
No rosiu notava-se-ihe ao n>e>ino lempo docili-
dade e animaco. Tiuha fe>cds delicadas, um
tanto regulares, bocea desdenhosa, mas bem for-
mada ; nariz recto, o olhos de orna vivacidade qoe
elle proprio diligenciara dissimular. O conjoocto
12 -da lei de 17 de maio de 1819, e a res-t
peito deBoutet e Dubuisson, o delicio de
cumplicidade por ajuda e assistencia, pre-
visto e punido pelos ariigos 1. e 12. ja
citados, e pelos artigos 59 e 60. do C-
digo Penal;
Fazendo applicaco destes artigos, con-
demna Ollivry a ura mez de prisSo e 100
francos de mulla ; Boutet a um mez de pri-
sao e 100 francos de malta; Dubuisson a
400 francos de multa.
Ordena a publicaclo desta sentenca, no
numero mais prximo do Memorial Diplo-
matique e no Moniteur Universelle, custa
dos reos, sendo tambem cond"mnados as
cusas e mais despezas.
Corre o boato de urna prxima viagem-
que o conde de Bismark ir fazer at Paris,
0 conde de Bismark, aconselbado pelo
seu facultativo, vai passar algam tempo em
Paris.
Que o primeiro ministro do rei Botiher-
me se demore poocas boras em Paris, isto
possivel, e al mesmo provavel; mas que
um homem de estado, o qual desempeahou
um t5o grande papel na Europa, nao se oc-
cupe um ponco de poltica durante a sua
curta demora na capital da Franca, ninguem
poder fazer urna tal supposigao.
De resto ha um negocio urgente que, se-
gundo escrevem de Paris Independencia
Belga, requer a intervengo pessoal de Bis-
mark junto do ministro dos negocios estran-
geiros em Franca.
Trata-se da questo do Oriente.
Diz-se que a Franca, a Inglaterra, a Prus-
sia e a Italia devem formar urna especie de
quadrupla allianca, tendo especialmente em
vista os negocios do Levante, e baseada so-
bre a reconbecida necessidade de se manler
a todo o custo, a si tu a gao actual, de obstar,
n'uma palavra, a urna soluejo qualquer flo-
tes do fim do anno de 1867; islo al que
a trela de reorganisaejio e consolidacSo que
se esta ejecutando por toda a parte, na Eu-
ropa, esteja tao adianlada, que permita aos
governos alliados discutirem na plena pos-
se das suas forcas e dos seus meios de
aeco.
Estas forcas acbam-se divididas pela se-
guirte forma:
Io exercilo.
Infantera, 70:375; cavallaria, 12:752 ;
artilberia, 10:744; caladores, 3,060.
Total, 96:937.
V exercito.
Infantera, 9i:852 ; cavallaria, 12:120 ;
artilberia, 13:050; caladores, 5,10o.
Total, 125:122.
Exerctito do Elba
Iufanteria, 57:470 : cavallaria, 7,734 ;
arlilberia, 4,862 ; cacadores, 1,020.To-
tal, 71.086.
Exercilo do Oueste (Meno).
Infantera, 58:868 ; cavallaria, 6:49o;
artilberia, 3,580; caladores, 1,020. To-
tal; 69:964.
Segundo as doze relaces que conheco :
eis o astado das perdas :
Mortos 2,910 homens; feridos 15:554 ;
contusos 3,022. *
O que quer dizer que,- calculando-se so-
bre umeffedivo de 1,000. encontra-se :
Mortos 8,01 por 1,000; feridos 42,83
por 1,000 ; contusos 8,32 por 1,000.
As perdas dos officiaes mortos sao mais
do triplo das dos soldados, e feridos mais
do dobro.
N5o se acham comprehendidos nestes al-
garismos os fallecidos de cholera e outras
enfermidades, porm sim os que suecum-
biram das suas feridas nos hospilaes.
Na aeco de Koeniggraetz no dia 3 de
julbo o exercilo contiva :
Officiaes mortos 75, feridos 249; con-
tusos 8.
Soldados morios 1.G97 ; feridos 6,155 ;
contusos i,817.
Aforaos soldados cima indicados, a Prus-
sia tinha anda nos depsitos, as fortalezas
em reserva 230:000 homens prximamente.
As forjas prussiauas subiam pois a
600:000 homens.
Os diversos peridicos de Londres cal-
culara da seguintc forma o numero de pes-
soas que lomaram parte na manifestado do
dia 3 :
O Times menos de 25:000; o Stan-
dard nao mais que 25:000 a 30:000; o Dai-
ly-News de 25:000 a 30:000; o Moming-
Adwrtiser de 30:01)0 a 40:000 ; Moming-
Fost que nao excedeu a 25:000; e o Mor-
ning-Slar 20:000.
lomaram parte na manifesiacjo, in-
durado os espectadores, 200:000 pessOas.
Proclamaram-se tres resolocOes as di-
versas plataformas, cujo resumo o se-
guinle :
Ia Recusa das accusacs de embria-
guez, venalidade e corrupcao contra as cla-
ses operaras; protesto contra as reconven-
ces de indifferenca em maleria de refor-
ma parlamentar, reclamac5o do^&ffragio
universal e do voto secreto.
2* Votos de agradecimento ao Sr. Gla-
d defeza que fizeram do povo que nSo estiva
alli represeniado.
3a Votos de agradecimento a lord Ba-
nelagh por ter cedido o seu terreno, e tam-
bem aos promotores da demonstrado.
Eis, segundo urna correspondencia de
Berln, os algarismos que indicam o estado
do exercito prnssiano, e as suas perdas du-
rante a campanha nda :
O exercito em campanha, em junho de
1866, contava 363:109 homens, compre-
hendendo 281:565 infantes, 39:108 caval-
leiros, 32:23t artilheiros e sapadores,
10:200 cacadores e afiradores, sob o com-
mando de 7,091 officiaes.
da sua pbysionomia tinba muita analoga com os
rostos ascticos, descordas, babitualmente palli-
dos, que os pintores altribuem aos anacoretas, da
antiguidade, e aos missionarios christaos que se
dedlcam converso dos gentos.
A irmaa S. Jos psrecia nao coidar muilo deste
enfermo, porque sem duvida o seo estado nao exi-
ga ja cuidados de importancia. Em geral, se as
irmas se dedicam aos enfermos qae se acham em
estado grave, moderam o zelo mal vem qae os
que priocipiam a recobrar a sade prolongara de-
masiadamente a sua permanencia np hospital.
Cremos qae procedem na verdade como devem.
Qual a saa verdadeira misso ? Salvar a forca
de cuidados, e at com risco da propria vida, o
pobre enfermo moribundo, ou tornar-se agradavel
companbeira du convalescente qae leve a fortuna
de se resiabelecer ? Teriam demasiaJo qoe fazer
se acceilassem este ultimo papel; e nao faltara
qoem abusasse do tempo precioso e da bondade
das religiosas dedicadas 20 servico dos hospitaes.
Assim, pois, a irma S. Jos, esquivava-se a
fallar com o companbeiro de quarto do ferido. Le-
va va Ibe regularmente o que o medico ibe recolta-
va, collocava Ihe todo sobre a baoquinha que li-
aba ao lado d poltrona, cuidava de qoe nada Ibe
faltasse, mas guardava para com elle reserva mais
digna, e qoasi fra, nio sendo nanea a primeira a
dingir-lbe a palavra, e nio Ibe respondeodo senos
com phrases breves e concisas.
Pelo contrario, revelava pelo recemchegado zelo
e entboslasmo qoasi exagerados, s porque o via
em pengo de vida.
O caritativo interesse qae Raymundo Inspirara
Do Glob$ de Londres tradazimos o se-
grate a respetollo reino de Hespanha :
Est eminente urna revolucio em Hes-
panha, e ao qoe parece, exige mudanca de
dynaslia.
O O'Jto. contra o governo e contra o
throno, toma espattbsai proporces; as
prtsoes polticas e as depjrtacas s3o a or-
dem do dia.
c Madrid esl em um estado de terroris-
mo terrivel,sobasprovideacias repressivas
do governo.
Todos os esforcos de recouctliacao en-
tre o llirono e a nacao, parecem ser aban-
donados imitis.
< O estado da nacjSo est perfeitamente
descripto as paiavras que se attribuem
rainba, na sua ultima entrevista com a du-
quea de Montpensier.
A revolucao declarou-me guerra de
morte,pois bem, eu pela minha parte Ibe
declaro tambem urna guerra de morie. Ve-
remos qual de nos triumphar.
Urna grande agitaco pre\ V uas
mais batxas classes da populadlo de Madrid
esmagadas pela altiva classe media e arislo-
cratica da capital.
O aspecto do paz e terrivel, a revolu-
to emineate, e se triumpba, o tbrono de
Isabel II desapparecer.
tos a outros esbirros. Mal tinha elle che-
gado aos arredores de Liverpool, quapdo
fol preso pela Urceira vez.
Acaba de ser novamente posto em liber-
dade, e d'esla vez juigou dever pedir um
pasaporte s autoridades britaonicas para
sahir da Inglaterra.
Se derraos crdito a urna corresponden-
cia do Egypto, publicada por um jornal
belga, a commissao que se bavia constitui-
do em Alexandria, sob o titulo^>hilautropi-
co de Associacao internacional de benefi-
cencia, n5o mais do que urna agensia
destinada a excitar o odio e o rancor entre
as populacoes cbristSs do Oriente.
Suppe-se que o consolamerfeano da Ca-
nea, u qual se raostra abertaroente favora-
vel aos revoltosos candiotas, nao estranho
organisaejio e aos manejos da mencionada
commissSo.
Corre como certo que este mesmo cn-
sul foi escolhido pelo governo dos Estados-
Untaos para inaugurar a legaco americana
na Grecia, que o presidente Johnson, na
sua mensagem, anncuina querer estabelecer.
o
Durante jo aono de 1866 foram remelti-
dos pelo governo imperial s 740,00) para
Londres, no valor de 7,308:025^525, sen-
do 570,000 pelo theaouro nacional e
S 170,000 pelas thesourarias.
Nesse mesmo tempo entraram no dique
imperial atim de i'azerem reparos 53 navios,
sendo 40 nacionaes e 13 estran ,'eiros, dos
nactonaes sao : 1 corveta de vela, 3 bri-
gues de guerra, 3 corvetas de vapor, 1 fra-
gata, 1 brigueescuna de guerra, 4 trans-
portes de vapor, 6 encausados, 2 navios
da alfandega, I canhoneira de vapor, 1 ga-
leota, 12 paquetes de vapor e 6 vapores
mercantes. Dos estrangeiros sao : 1 ca-
nhoneira de vapor franceza, 1 dita dit-
portugueza, 2 ditas ditas inglezas, i encoue
racado peruano, 1 corveta de vapor lurca-
1 dita dita itali ma, 1 paquete de vapor ra-
glez, 1 dito dito francez, 1 galera franceza
e 3 vapores mercantes tnglezes.
A provincia de Pernambuco recebeu,
durante o periodo cima, do Rio de Janeiro
l,652:3iii5k>00 em papel raoeda, mais do
que o anno anterior 617:7860000.
A grande empreza da costrucgo do
tnel que atravdssa 6Ste monte, j realisou
raetade do seu projecto; o resto que sao
aproximadamente seis kilmetros e cento e
dez metros, esperam que estar concluido
em tres annos.
O monte Cenis tormaa janego dos Alpes
Coltianos e Alpes Gregos; urna das passa-
gens dos Alpes mais frequentadas. Ate
18u2 essa passagem s era accossivel a ca-
valgaduras, mas Napoleao mandou alli cons
truir um soberba estrada, que conduz de
Sans-le-Bourg a Suza.
Tambem augmeotou consideravelmenle
o hospicio do monte Ces, fundado outr'ora
porLuiz, o beoeficii.
E' tradieco que este monte estere ami-
gamente coberto de florestas, e que, senda
estas incendiadas todas ao mesmo tempo,
grande quantidade de cinza', cobrio logo
os flancos do monte Cenis, que por isso se
chamou Cinecitu mon>, ou rapte de cra-
zas.
Em 1864 ixistiam em Inglaterra 864,730
desgranados, que eram soccorridos'pela so-
ciedade publica ; em 1865, desceu este nu-
mero a 835,005, e no anno actual subi a
842,860, diz o Daily Ttlegraph.
Estes itrfelizes sao soccorridos .pelas as-
sociaces de carida-le e estabelecimentos de
beneficencia ; antigamente o estrangeiro que
chegava a Londres, ou a outra qualquer
grande cidade da Inglaterra, via-se comple-
tamente rodeado de milhares de mendigos
de ambos os sexos, que quasi o nao deixa-
vam caminhar; hoje mudou completamente
de face esta anparencia de miseria, ea po-
lica tem ordem de prender logo, qmlquer
homem ou mnlher que estender a m3oao
viandante.
Ha bons asylos de mendicdade qne tem
hoje grandes rendimentos, e que sustentan)
os desgranados que nao podem trabalhar.
------------ m 1 1 irji r" -
A imperairiz des francezes renunciou de-
finitivamente ao seu projecto d viagem a
Roma.
Attribue-se eta rcsolocjo repentina as
informacOes autenticas fornecidas pelo ge-
neral Montebello, o qual acabava de regres-
sar de Roma.
Dizia-se que, no dia 19, tinham sido pro-
feridos em Roma alguns gritos sediciosos ;
porm esta noticia foi desmentida.
Reina.a tranquillidade em Roma, e a or-
dem nao ser alterada, gracas influencia
exercida sobre os romanos pelos italianos,
os quaes qnerem prevar que levara at
vigilanciamais atienta o respeito escrupu-
loso pela convenco de 15 de setembro.
O theatro de Novidades, de Paris, acaba
de ser destruido por um incendio ocasio-
nado por uraa extravasado de gaz. mo-
mentos aotes de comecar o espectculo.
jNa America uza-se lia algum tempj de
um processo eugenhoso com o quil se d
as maeiras communs a apparencia das di-
versas especies de madeiras empregadas nos
movis e demisobjecios de luxo.
Este processo coniste en extrahir o ar
dos poros da madeira por meio de um bom-
ba pneumtica e injectar-lbe em seguida al-
guma das cores da anilina.
O resultado parece ser muilo satisfactoria
As madeiras iojectadas deste modo imi-
tam as mais eslimadas a ponto de poderem
confundir-se com ellas.
a bondosa irrua, seria acaso dilado pelo ten ze-
lo das duas jovens que o-tinnam ido visitar ?
Como quer que seja, velava a irmaa S. Jos pe-
lo enfermo, como se Ibe houvera conSado.0 amor
maternal, ama esposa, ou urna irmaa. ..
Tinham decorrido cinco dias depois que o mar-
que.: se recolhera no hospital; e, como era de
suppor, nao permanecer ociosa a juslica na pre-
senta de nm crime perpetrado com audacia to
inaudita, no centro de nm bairfo populoso, e a
dora em que o Palals Roy.il e>ia atulbado'de eoa-
eorrentas. Um magistrado, eocarregado de ins-
taurar o processo, foi visitar o ferido, e oblev
delle informales mu exactas do oecorrido, e dos
tactos qae tinham iigacao com o crime. Por.effei-
lo de um sen omento de delicadeza, qae o ieiior de
certo comprebeode, Rayaiaodo, o passo que se
expressoa francamente a respeito de Rodrigues e
da Sra. de sabliavilie, absieve-se caidadosaineote
de acensar a Sr. de Castellaa. AtBigi.ia Lacy ;
e o marqoez nem por tudo o oaro deste mundo
qaerena causar Ihe o menor dissabor.
Depois do psso dado pelo magistrado (raor ootro
lado melhorava a olhos visto o e>tado do enfermo),
nio bavia razo para qae permitnssem ao mir
quez qae recebesse as suas visitas, as horas" iadi
cadas pelo rrgulameoto do hospital.
Assim, pois, n'am da formoirsiroo de malo,
anounciou a irmaa S. Jos ao sen d ente a chga-
da das duas jovens, que laolo se Interessavam por
elle. Havia doas das que Raymoodo nio ilnha
febre. A ferid cieairi-ava-se-lhe sem Ponseqiien-
cias enfadonbas, e Rayreondo principiara al a
recobrar as forjas, sentindo ao mesmo tempo des-
J dissemo que a Gazeta de Gand conta
dous seculos de existencia.
Hoje accrescentamos que para celebrar o
anniversario ceiilo:tario d'e director vai preseniear todos o? assignantes
com um fac-simile do primeiro numero que
tem a data de 6 de setembro de 1667.
Estefic-simile est admiravelmente feilo
por meio da photographia.
Um cirurgio pertencente marioha ita-
liana foi pre*o, ha p oteas semanas, pela pri-
meira vez na Irlanda, por ser suspeito de
fenianismo. Foi posto emliberdade depois
de se reconhecer a sua innocencia; porm,
ao sabir da priso, resolreu evitar tudo
quanto podesse parecer suspeito, e fez-se
notar pela timidez das suas maneiras.
Os agentes da polica, desconfiando d'es-
te desconhecido, que vina retirado, nao o
perderam mais de vista, e, tomando-o por
nm conspirador que se occultava, prende-
rn) pela segunda vez o desditoso cirurgio.
As autoridades soltara m-no pouco depois
e elle apressou-se em sahir da Irlanda ; po-
rm os seus preparativos de viagem, feitos
com muita precipitaco, pareceram suspei-
periarem-se-lhe todas as recordares. Apesar dis-
so nao se loe haviam excitado as inquietacfcs. .
Foi Irma Noirot quem primeiro inB appar6ceu.
Poucos passos distante acompanhava-a Lucy.
Raymuado mal as vio estendeu-lbes a mo. Acer-
caram se-lhe ambas, mui tmidas, mal commovi-
das, com os olhos arrasados de lagrimas, mas com
o sorriso nos labios.
As seoboras aqi I disse-lbes o enfermo. Os
aojos, prosegulu elle, Cosiamam, com effeilo, ap-
parecer a cabeceira dos enfermos. Falta saner-se
se son digno da visita.
Sr. marquei, respondeu Irma, nao deve fal-
lar ; sabemo-lo e rogamos-lbe que nao se afadi-
gue. Quaoto meuioa tambern Ibe -Impossivel
dizer-lbe o qae seate oeste momelo ; bem v co-
mo esta commovida. Serei eu, pois, pela minha
qualidade de talladora, quem falle por tres.
A bondosa irma fdra buscar tres cadeiras. Ac-
to continuo genlaraffi-se junio oa cama de Ray-
mundo, que qulz primeiro que todo beijar a mo
daLucy, a qual le aponloo o cruciQxo pendara-
do oa parede.
Qae vista de olbdfe.tio meiga, terna e soppilcan-
ie dingiu a joven para a Imagem do divino conso-
lador, ferido de morte, eile, o justo por excellen-
cia, pela sal vacio de todos os homens f
Sun, prusegalo Irma, temos rogado, e moito
obtvemos, visto qae o vemos salvo. Primeiro qne
tudo, saina, Sr. murqapz, qae livemos noticias do
terrivel acootecimeoto, na tarde do da que se Ihe
seguro, pelos peridicos. E' desnecessario rene-
tlr-lbe o que ja sabe pela Irmfia 8. Jos. O affec-
to qbe Ibe dedicamos trazia-nos todos os dias ao
O general Heury, ajudante de campo de
Napoleao III, j concluto 'a sua missao na
Italia, e d'z-se que esl mui satisfeito pelos
resoltados da sua viagem.
O caso que emquanto Drouyo de Lhuis
foi ministro dos negocios estrangeiros, em
vao solicitara este gabinete italiano urna
resposta catbegorica a este pergunta :
Que farieis vos, dado o caso qie, de-
pois da evacuac5o de Roma pelas nossas
tropas, a populacho dos estados da igreja
appellasse paraba vossa iotervenco ?
Ora, boje o discurso do rei Vctor Em-
manuelcontem a resposta, que em vo ti-
nha sido solicitada, e suppe-se em Paris,
que a acejo do general Fleury exerceu
urna certa inluena no conteudo do dis-
curso que Vidor Emmanuel leu na aber-
tura do parlamento italiano.
O ajudante do imperador Napoleao expe-
dio a S. M. I. um despacho em que se ex-
prime assim:
0 governo italiano abracoa com firme-
za urna poltica conservadora, leal e monar-
chica.
i 1 i1.....
No dia 6 de dezembro escrevem ao Jor-
nal de TonloHse, foi conduzido ao patbulo
Fernando Balagu, que tinha sido condem-
nado nostrbunies de Ariege, pelo crime
de as asisnio na pessoa de sua irma, e por
tentativa de born --.dio contra um polica e
um guarda campestre.
As sete boras e um quarto, precisas, Ba-
lagu sabia da prsio, precedido pelo exe-
cutor de Toulouse, velbo de cabellos bran-
cos, acompanhado por dous ajudaotes exe-
cutoivs que o amparavam.
Sua attitu le recordara Latour ; a mesma
insolencia, o mesmo cynismo de intencSes.
Recusou os servicos do capello q'ue ha
49annos tinha acompanhado ao caafalso
27 condemnados a morte ; esse digno padre
nao pode comer as lagrimas em vista do
enfurec men lo de Balagu
Durante otrajecto da priso aosnpplcio,
o condemnado proferia as mais grosseiras
injurias contra a familia imperial
A multido silenciosa ao principio, vi-
vamente impressionada pelo apparato do
supplicio, ouvinlo aquelle desgranado blas-
phemar e proferir rozes de vinganfa, fez
ouvir alguns murmurios de indignado, que
bradeprssa foram reprimidos.
Como Latour, Balagu nao cesson de vo-
ciferar, seno quando deixou de viver.
Ajustifa segura seu livre curso.
hospital. Has o qne sem duvida ignora a de-
sapparicio da Sra. de Sablnvlle, a qual, ao saber
do assastino fagiu apressadamente de Paris. At
se diz que foi para Inglaterra. Aposto que nao
adlvinba por qoem soobemos Isto T Foi pelo des-
venturado Paotaleao Marcoite, cujes remorsos o
levaram nossa casa, onde se desdisse de quanio
declaira. Confessou humildemente as suas col-
pas, e dis^e que fdra victima de ama fascin cao
irresistivel.
Quaoto Sra. de Castellao, sabendo como nos
o que succedera ao Sr. marqoez correa atterrada
nossa casa, jurando por Ocas, e por lodos os
santos, que estava affliciissima, que nao tioba re-
lacSes de amisade nem de ioteresse cora o misera-
vel qoe o ferio, e qne repellia Indignada todas as
relaces com a mulber indigna, que o mondo jul-
gava sua amiga, e coja perversidade igoorira at
ento. A Sr. de Castellaa mostroa-se muilo elo-
quente, segundo o sea cosiume, e lio Cummovida,
qae a menina Lacy Ihe apertou a mi cerno sig-
nl de pat. At eu chorei. Passadas algoraas ho-
ras foi ootro persooagem, nio a nossa casa, por-
que Ibe teamos fechado a porta, mas a casa de
sea patrio Pietor. Redro me ao baoqueiro Moy-
ts. Tambem o soubemos pelo Sr. Pantaleio Mar-
coite, o homem arrependido, e ja detfascinado. O
Sr. Moyss foi procurar o negociante de quadres,
e leve com elle mu larg conferencia a respeito
de Sr. marquez.
i'Con


TYP. DO DIARIO-RUA DAS CRUZE3!r.44.

*to
ai
Mi
1


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EYN20Z1J7_2C1UNH INGEST_TIME 2013-09-05T01:14:17Z PACKAGE AA00011611_11175
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES