Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11171


This item is only available as the following downloads:


Full Text
v- V
i' wi <>3
-*
-T ,

II
ANNO XLUi. NUMERO 14.
PARA A CAPITAL E LltAB* 0\DE SE NA PAA POBTK.
Por tres meies dilatados.,........ Aooo
Por seis ditos dem .............. 12A000
Porualnno.de.. ^ l [ [ [ ] [ ] I 24000
Cada numero ambo .j ...... 7 ,.,.-. ... 7 ..... V 320
QUINTA FEIRA 17 DE JANEIRO DE 1867.
PARA DEVTRO E FORA DA PKOVI>CIA.
Por tres bozos adiandos.......
Por seis ditos ido. ............... .' /, / /
Por ore ditos dem....... .. ........
Por un anuo idem.. fTJ........
-

PERNAMBUCO
60750
13^500
200250
270000
&88KMHHH w mmmmw m vmmwmw m muavn vmwmmn na jama & mm*> aro ga(DgBittAiBa-M>
[EMCARREGAUOS DA SUBSCHIPQAO.
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima;
Natal, o Sr. AntoDie Marineada Silva ;Aracaty ,
oS.\ A.de Leaos liraga^Cear, o Sr. Joaquiro
Jos de liveira ; Para, os Srs. Gerardo Antonio
Alves Futios ; Amazonas,, o Sr. Jeronymo di
Costa; AUgoa.s,-o Sr. Franeino Tavares da Costa;
Bahia, o Sr. Jos Martins Alves: Rio de Janeiro,
o Sr. Jos libiro Gasp'arinho.
PARTIDA DOS ESTAFETA--
Olinda, Cabo, Escala e estagoes da via frrea at
Agua Preta, iodos os das.
Igaarass e Gyaona as segunas e sextas feiras.
Santo Anio, Grvala, Bezerro*, Bonito, Caruar,
AUiBho, Giranhuns, Bniqne, S. liento, Bom Gon-
selho, Aguas Bellas e Tacarat, as lergas-fira?.
Pao d'Alho, Nazarelh, Limoeiro, Breio, Pesquera,
logazeirs, Flores, Villa Bella, Cbrob, Boa-Vis-
ta, Oarieury.Salgueiro e Ex, as guaras feiras
I Sernbaem, Rio Forraoso, Tamandar, Una, Bar-
reiros Agua Preta e I'iraenteras, as quintas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL,
Tribunal do commereio: segnndas 8 quintas.
Relaco: tercas e sbalos s 1) hora?.
Fazenda : quintas as 10 horas.
Jalzo do commereio : segundas as 11 horas.
Dito de orphos : tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civoi: tercas e sextas ao mel
dia.
Segunda vara to civel : qoartas e sabbade* a
1 hora da t3rde.
EPHEMERIDES DO MEZ DE JANEIRO.
o La nova as 9 h., e 38 rnfda t. *
13 Quano cresc. a 1 h., e 42 ro. da I.
20 La cheia as 4 h., ea m. da m.
27 Quarto mBg. as 11 h. e 55 ni. da m.
DAS DA SEMANA.
1*.
lo.
\6.
7.
18.
19.
20.
Segunda. S. Flix deNale m. ;S. Macrina v.
Terca. S; Amaro ab.; S Habscuc prof.
Quarta. Ss. Bcrardo, Accursio e Othon.
Quinta. S. Anto ab. ; S. Eleosipo m.
Sexta. S. Prisca v. m.; S. Leobaldo b.
Sabbado. S. Canuto re; S. Audifaz ro.
Domingo. Ss. Sebastiao eFabio p. mm.
PREAMAR DE HOJE.
I Primeira as 2 horas e 6 ra. da tarde.
Segunda as 2 horas e 30 minutos da mantaa.
PATDA DOS-VAPORES COsTEIROS.
f ara o sut at Aiagoas a 14 a j-, para o norte
. at a Granja a 7 e 22 de cada Dtei; para Fernan-
I do -jos das lides mer.es jineirc, margo, malo
juii", setembro e covambro.
PARTE OFFIGIAL

OVEB.SO I>A PKOVIXTIA
Expediente do dia 3 de dezembro de 1866.
N. 45. jfflio ao provedor da Santa Gasa de Mi-
sericordia.Eui vista de sua ioformacao de 30 de
novembro prximo fifffo, sob n. 4*1, pode V. Exc
conceder a licenca, que llie solicitou no reqoeri-
mento que itcluso devolvo, Josepha Maria Pereira
da Alcntara.
N. 46 Dito ao general commandante das ar-
mas.Commonico V. Exc. que em offlcio de, 22
de novembro prximo Bodo, declaronme o aju-
datile general do exereito, ter-se mandado vir para
esta provincia os soldados dos corpos ns. 11 e 21
de Voluo'.anos da Patria, Jos F^lix Martins de
Mondonga, Prxedes da Silva Slmdes, que devem
si-r addidos a algum dos corpos da guarnigo e
aguardar aqol a sua reforma uu baixa.
N. 47.Dito ao mismo.Sirva-se V. Exc.de
informar sobre o que pede no incluso requenraen-
too priaieirocirurtilo doorpo de aula do exer^
cito, r. Jo-Jo Honorio 8eze ra de Meoezes, que se
arha uo presidio de Fernando.
N. 48.Dito ae mesmo.Sirva-se V. Fxc. de
info-mar sobre o qu* pede no incluso reqoerimen-
lo. -Bita M -ra da Conceigo.
N. 49.Dito ao mesmo.A presento V. Exe.
aflm de Ihe dar o conveniente destino", o recrula
Manoel Fdelis Corro Lima, que roe foi apre'senta-
o pelo lente recrulador de Gamelleira.
N. 50.Dito ao mesmo.Para cumprimento do
aviso da repartigao d* guerra de 13 de novembro
ultimo, constante da copia inclusa, sirva seV. Exc.
de ministrar esclarecimenlos acerca do estado dos
diver-os e.-tabelecimaotos militares desla capital,
Bcaado V. Exc. certo de que ne>ta data officio ao
eng-nhiro cdefe da repanico das obras [.ubiica,
para apres.entar-me o ornamento das despezas a
faier se com a caiaco e piotura, reparos necessa
garios ao? referidos estabelecimentos.
N. 51.Dito ao mesmo Paco apreseutar V.:
Exc afim de que llMs d o convaniente destino de-
poli di inspeccinalo*, os recrutas Martioiano Jos :
Francisco, Isidoro Servo Bezerra e Jos Luiz da I
Triodade, qoe rae foram apresntados pelo recru-!
tador da freguezia de Jaboato. ^,
N. 52.Dito ao mesmo.Faco apresentar V. i
Exc, afim de Ihos dar o rnnveniente destino de- i
pois de inspeccionados, os recrutas JoSo Jos Ne- ]
pornucena, Antonio Germano d> Nascimenlo e Fi-i
apreseotados pelo lente recrutadur da cidade de
diada.
N. 53.Dito ao mesmo.Mande V. Exc. por era;
liberdade o guafda-nacional do baulho n. 9 de'
infaotaria do monicipio de Oli ida, Jos Flix de i
Castro, qoe foi designado pelo respectivo commao-
dante-superior para destacar no presidio de Fer-
Dando.
N. 54-Dito ao Dr. chefe de polica. Recom-I
Tneodaodo V. S. a expediqao de suas ortens,^
para que os mapoas esiatlsiicos que, em vinude do'j
decreto n. 3,572 de 30 de dezembro de 1865, de- i
vera ser ministrados por essa repartico, me PJam '
preseotes a tempo de serem enviados para a corte
ro prazo maralo do art. 24 do mesmodecreti, te- j
nio a dizer-lhe que es se trabalho "eve ser feilo em
duplicata, afim de ser tambero prsenle assem-
i '.-' i legislativa desta provincia, na sua prxima
rounao.
S^iN. 55. Dito ao mesmo.Re'pnndendo ao offl-
cio, que V S. me dirigi sob n. 1696 e dala de 26
de novembro ultimo, tenho a diz-r-lhe, que em
vista da inforruaco por copia u-clu- \ do prove
dor da Santa Casa de Misericordia, uo pode por
ora ser admittido no hospital de alienados o de no-
me Pedro de tal, remetudo a V. S. pelo subdelega-
do do segundo districio da freguezia de lpojuca.
N. 57.Dito ao inspector da thesouraria de fa-
zenda. Rematto V. S., para os devidos efFeilos,'
nao s o aviso por copia junto expedido pela re-
pariica) da marinlia em 13 de novembro prximo
Hado, do qual consta que S. M o Imperador liouve
por bern declarar procedente o recurso interpGSio
pelo procurador fiscal dessa reparlicao da decisao
de oresidencia datada do i.* de outobro ne I86'i.
relativamente ao modo por qoe o bario do Livra-;
ment, empreileiro das '..is da ponte do Recife,'
deve iodemnisar -os servicos prestados pela barca;
de excavaco que obtivera por empresiimo para '
aqoelle efl^ito, mas lambem um exernplar impres-
so do parecer da secco da guerra e marioba do
con N. 58.Dito ao mesmo.Devolvendo V. S. o
requerimato documentado, a que se refere a sua
informacao do 1. do corrente, sob n 785, e no
qual Martinho Lopes dos Reis pede pagamento da
quaolia de 2944O0rs., que se Ihe esia' a dever
proveniente de (rete de.gneros e pasagens dadas
por conta do governo no hiate nacional Sergipano
para o presidio de Fernando, o d'alli para esta ca i
.!>!al. o autoriso a mandar effectuar esse pagamen-'
to, depois de rivalidado o sello da eartidao aooexa
ao mesmo requenmento, conforme indica a coma- i
doria dessa thesoorarta.
N. 59 Dito ao mesm^.Tendosidoapprovadas
pelo crdito publico de soccorros pblicos do ac-
ual eiercicio, como me declarou o Exm. Sr. mi i
nistro do imperio em avis i de 20 de no/embro
ultimo, a despezas pagas sob responsabilidade da
presidencia, de 60t pela gratiQcaQo abonada de
JO de setembro a 10 de oatobro do corrente anno, j
a Jos Pedro do' Santos Neves encarregado da
desinfecto dos navios procediles do< portos
accomraettidos do cholera-morbos e de 250J pela
compra de orna baleeira para occupar nesse ser-
*ieo; assim o fago constar a V. S. para seo conha-
cimento.
N. 60.Dito ao mesrna. A'vista da soa infor-
magao n. 78i do i.* do correte, autoriso V. S. a
mandare tregar ao capito do commaudo superior
de guarda nacional da comarca de Cabrob, Antonio
Pereira de Cirvalno. por Intermedio do procarador
deste, Dr. Manoel Buarqoe de Macelo, a quantia
de 1)35*129 rs. em que, segando o ornamento in-
cluso importan) as despezas com objectos de ex-
pediente para a referida guarda nacional.
N 61.Dito ao mesmo.Commuoico V. S.,
qoe, segundo consta-me de aviso da repartico do
imperio de 39 de novembro prximo lindo, foi ap-
provada, pelo crdito de soccorro- pblicos do ac-
tual exercicio, a despez de 49340 rs. paga sob
responsabilidade da presidencia pela gratiQcaQo
de servico extraordinario nos das 10 a. 12 e 27 a
30 de setembro prximo Oodo, ao patre e rema
dores do escaler da visita de sade do porto.
N. 62.Dito ao mesmo.Remeti por copia 4
V. S. para os devidos effeitos o termo, qae appro-
vei oesia data, celebrado dla direeloria do arsenal
de guerra, com Henrique Jos Vleira da Silva para
ci'Oduccao da plvora destinada ao presidio de Fer-
nando.
;n. 63.Dito ao mesmo.Approvando nesta data
a deliberarlo, qae pretende tomar a Compaohla
Peroambucana de oavegago eosleira, de mandar
amanhia para a liona do norte at o porte de Gran-.,
ja o seu vapor Mamanguape, sendo esta viagero
pertencente ao mez de novembro prximo Qado,
no qual deixon de ser efleetoada ere conseqneocla
da infeliz perda do vapor Periinunga ; assim o
commaoi o A V. S. para sen conhecimento.
N. 64.Dito ao inspector da thescorarla provin-
cial.Tendo approvado nesta dala o cqntralo jnnto
por copia, [ello coro Jos de Queiroz Lima, para
factura do acode de Flores, com a alterado cons-
tante do offlcio do eogenheiro chefe da repartico
das obras publicas a. 441 de 9 de novembro pro.-
xim) Oodo, com referencia ao de 44 de jolho, am-!
bos juntos por copia : assim o communico a V. S.
para sen r.onbecimento.
N. 65. -Dito ao mesmo.Instando o Exm. Sr.
ministro da fazenda era aviso de 9 de novembro
ultimo, pela remjssa dos esclarecimenlos pedidos a
essa repartico por rffleio da presidencia de 14 de
julho ultimo, para cumprimento do avis) circular
expedido por aquelle mioisterio em 25de]unho
antecedente, recoromendo a V. S. qu) me enve
taes esclareciraentos com a necessana brevidade
possrvel
N. 66Dito ao mesmo.Era vista do pret junto
em dnplicata, o nao hiven o incenveoiente, mande
V. S. pagar a Miguel Lacio de Aibnquerque. e
Mello, conforme solicitou o commandante suparor
da comarca de Palmares, em ofnVio de 8 de no-
vembro oltimo, os vencimentis relativos ao mez de
setembro prximo fiado, dos guardas nacionaes
\ destacados na villa de Barroiros.
N. 67.Ditjao mesmo.Approvando nesta dala
i a deliberagao que pretende tomar a companhia
: Pernambui;ana de uavegacao cosfeira, de mandar
! amanhi 'para a lioha do norl at o porto de
' Granja o seu vapor Mamanguape, sendo esta via-
gem oeriencenie ao mez de novembro prox'rao
Ando, no qual deixou de ser effaciuada em conse-
; quencia da infeliz perla do vapor Perstnunga :
'assim o commuoico a V. S. para seu conheci-
mento.
N. 68. Dito ao mesmo.liecommendo a V. S.
qaj mande por em hasta publica a obra de 1,062
metros correles de empedramento na estrada de
Olinda, servindo de bas^a essa arreraatacao as in-
clusas clausulas e orcamentos, na Importancia de
lo:286J600, e que para esse Bm acorapaoharara ao
oflirio do chefe da repartigo das obras publicas
de .10 de novcrobro ultimo, sob n. 473.
N. 69 Dito ao mesmo.Providencie V. S., para
que nao ha endo inconveniente, Bejam entregue ao
thesonreiro da repanico das ebras publicas, con-
firme s ilicitoo o respectiva chefe em Lffl"'i) do 1
do correle, sob n. 474, a qoaatia de 14:900,5000,
coastaote do incluso pedido, afim de que pussa oc-
correr a despeja a fazer se cora as obras por admi-
nistrado a cargo daquella repartico ueste
mez.
N. 70.Dito ao mesroo.Seno houver incon-
veniente, e em vista dos inclusos prets, qne roe re-
roeileu o commandante superior deste muoicipio,
em offlcio do rio rorrente, sob n. 389, mande V.
S. pagar os vencimentos dos destacamentos exis-
tentes no Poco da Panella, Varzea e Capunga, sen-
do os dos d.ms primeiros relativos a segunda quin-
zena do mez de novembro ultimo, e os do outro a
contar de 18 at 30 do citado mez de no-
vembro.
N. 72 Dito ao chefe da repartico das obras
publicas.Pira cumprimento do disposto no aviso
da repartico da guerra de 13 de novemhro allimo,
constante da inclusa copia, faz-se necessarlo, que
V. S. ealeodeodo-se com o brigadeiro commandan-
te das armas, e procedeodo os oecessarios exames,
apresenle-rae com brevidade os orcaraentos da des-
peza a fazer-se com a caucao. piotura e reparos
necessanos aos diversos estabelecimentos militares
desta capital.
W. 73.Diio ao mesmo.Tendo approvado nesta
data o contrato junto por copia, felto com Jos de
Queiroz Lima, para faltara do acu^ da villa de
Flore?, com a alteraeao constante do sea offlcio n.
441 de 9 de novembro prximo lindo,com referen-
cia ao de 2i de julho deste aono : assim o commu-
nico a V. S. para seu conhecirae.olo. .
N. 74. Dito ao c-miTiandante superior do Reci-
fe.Defenndo de conformidade com a sua iofor-
macao do Io do conente, sob n. 393, requer-
ment do lente da 6" companhia do 8o oatalhao
deste municipio, Francisco de Sa' Barreto, autoriso
V. S. a mandar passar-lhe guia de passagem para
o municipio de Agua-Preta, onde fixoa sua resi-
dencia
N. 75. Dito ao mesmo.Deferindo o requeri-
mento do negocame Joo de Siqueira Ferio, so-
bre qua versa a sua informigao n. 391 do 1" do
corrente, autoriso V. S. a mandar dispensar do
servido, at a prxima reuuiao doconselho de qua-
lilicaeo. o guarda do i" baulho de infamara do
municipio do Recife, Delfino de, Azevedo Villarouca,
caixin do supplicante.
N. 76.Diio ao commandante superior de Oiin-
da e IgoarassTendo nesta dala mandado p6r
era liberdade e di pensado de ir servir no destaca-
mento do presidio de Fernando de Noronh?, o
guarda nacional do 9o batalho de infamara do
municipio de Onnda, Jos Flix de Castro : assim
o communico a V. S., afim de que designe outro
para o substituir.
V. S.
os-remeta novamente para de nossas raissivas os boatos qoe ento corriafn, Peana i C.
o qual pelas dim' nsoes que Ihe esto
i com certa insistencia, de planos j destinadas devenir ~ ser o maicrTa prC'a do h"r"
to. Tera 2i0 nalitius de Mmnnnunin ah h/. hr.
portaoto, que
esta capital.
N. 8o. -Dito ao commandante do corpo provi-1 na provincia de Trazos Montes; boatos "que "ouc t
sorio de polica.-Mande Vmc. addir ao corpo de depo.s, se coaJjseeu nao serem 'completamente l^ Se^24deponu col"'. 48 ^-
seucommando o tooeoie Carlos Jos de Siqueira, fundados pelailransferencias do general barao do Fallecei, n sr \unna a, i a o ,
.\: !'~ a_ caPIlao. do porto.Nao podendo para as ilhas do archipelago
se observara com as mesmas circumslancias em
quaiqner outro paiz. Jonathan Faz esqaecer Jobo
Bull.
A terminaco da pasmosa guerra civil e social
dos confederados nao foi, nao poda ser o lira das
provaedes dos rudsimos irabalhos que a pro-
pria victoria impdz aos federaes. Acabada aguer-
em vista das ras3is "ponderadas pelo YnspecYor"da arde, pela syndcan'c'i'aTquo o governo mandn audTeneii'^r^if/'!11'041 da Vilia .*. Re,Ioa' era : "' coraeou a fecon.struccao B*Udos-Uoidos,
,Vm p, nfannlnM. h ,?1x *udlencia SeT\ qae comegon no da H do corren-1 que a todos pareca fonte de desordens e couHic-
thesouraria de fazenda na sua mformagao do Io
do corrente sob o. 791^ junto por copia, ser paga foram presos osargento qu tel-mestre i cavaila- <\ ^^L^^\ Tuoo"po7cop.aV""s"er"paga forTmTres" SS n^tM."^^^^.'!!!.'! 1? *rLn>a*i,A d.e ">. '
K.".,6JilflB,-.,.l.',w.80.? eocaderoagao dos" 3 arma, e o de oumbro de 1865 assassioarem
o e j sempre exallada controversia dos partidos,
veira, aecusados de na noute do di 23 O resallado moral da guerra, a aboligo da es-
vros parip. registro das listas de equipvgem dos destes dous mais'dez 0eiaSnn7ar7n^artMa ZbfZTJr maf 3f assl1Darem1 um ^mem, de cravldo eff.ctuou se consllluconalmente, e, o que
navbs, eaquoalljdeoseu offlcio de 23 de oo- e segundos sargentos) do batalho de catadores n denofinn,, eslrsngulagao, dellando o mais admira, os escravos regenerados em tao avul-
vombro ultimo, sob o 134, devolvo a referida 3, e um sargento do dito batalho, filho do s"-; Accnsava feujA a : tadissimo numero, crearam dilBculdades locaes e
conta, afim de qtio Vmc. proceda acerca do res- gundo dos caoites cima mriir.iooadn T.i. h.Lh.. ". .5" -T.a^ .osteno publico, e; econmicas que o lempo e a experiencia vao dissi-
pectlvo pagamento nos termos do aviso da mari-
nha n. 342 de 25 de julbo de 186-'.
N. 88.-Dito ao mesmo.De eonformidade c
o disposto no aviso circular da repartigao de
nnha de 20 de novembro ultimo, recommendo a
Vmc. que empregue com actividade os meios ne-
cessarios, afim do ohter-se o numero de pragas
para a armada que te.m de dar esta provincia, se-
gundo a designacao de qae traa o decreto n. 3708
de 29 de selembro ultimo.
estas pragas de pret
dia 16 do
Toda defendaos reos o Sr. Dr. Manoel Pinto de Araoio.
chegaram a esta cidade. no O jury deu por provados todos os
da 16 do crreme, esscoitadas por doze soldados Ihe foram apresTnados, la ando en. guida o
Eom de cavallana 6 e qaartou pracas do regiment n. Sr. juiz sentenga, que condamoou oTtretrt\2
roa- 13, e no da segrate raarcharam para Lisboa onde raorte na forca, que devera7 levantar-se na nraca
a a devem responder a conselhn de e-nerra. h .m. H ievauiar se na praga
pondera conselho d guerra.
- A bernardo qae tratvam de por na rna era Ib-
rica, e segundo se diz pa rece qoe se achara com-
promellidos naquellos planos alguus offlciaes su-
periores.
Pelo governo civil do Porto foram nomeadas,
da villa.
Tamb'-m no dia 19 do corrente foram julga-
dos em Braga os individuos que se achavam im-
plicados no roubo de allaias e outros ob eclos per-
lencentes a igreja de ^anla Lucrecia.
N. 95.Dito ao gerente da companhia pernam- as capitaes dos concelbos, coromiss5es com o im
bucana. Respoodendo ao seu offlio do do de auxiliarera o governador civil do districlo em
corrente, tendo a dizer-lhe, que approvo a delibe- tudo que disser respeilo a melhoramentos oa van-
ragao, que pretenda tomar a companhia pernam tagens para os povos das localidades a qae as mes-
bucana de mandar amanba para a linha do norte j mas commiss59s pertencem.
at o porto Granja o sen vapor Mawanjjuap, sea-
do esta viagem perlencente ao mez de novembro
O jury dea por provado,o crime lo someote ao
eo Manoel Antonio de Oliveira, atura I de Villa-
publi-
N. 77.Dito ao commandante superior de Naza-
reth.luforme V. S, se o raajor eommaodante da
secgao de reserva n. 3 desse municipio, Joao An-
tonio Cabral, esta' era exercicio, e no caso negativo
a razio porque.
N. 78.-Dito aocoinmandante superior de Ca-
brobAutonsanio nesta data o iospector da
thesouraria de fazenda, a mandar entregar ao ca-
pillo secretario geral interino, 'Antonio Pereira de
Carvalho, por intermedio do seu procarador Dr.
Manoel Buarqoe deMacedo, a quantia de 135*420,
em que, segundo o ogameato o. 2, a qae allode o
seu offlcio de 25 1e outubro ultimo, importam as
despezas cora objectos de expediente para a guarda
nacional sob seu commando superior, devolvo in-
cluso o de n. 1, que acompanbou o citado offlcio,
por nao estar nos termos de ser admillido, c mo
V. S melhor ver das inforraagd^s daquella repar-
tigao constante da copia jun<.
N. 79.Circular aos coromandantes superiores.
Remello a V. S. exemplares das instrucgS^s por-
toguezas de infamara, ltimamente adoptadas oo
exereito brasileiro. afim de serem distribuidos pelos
corpos da guarda nacional sob sea commando su-
perior, qae pertencerem a aquella arma, como de-
terrainon o Exm. Sr. ministro da jastiga em aviso
de 9 de novembro prximo Ando.
N. 81.Dito ao director do arsenal de gnerra.
Pica approvado o contrato qoe V. S., segando
sea offlcio de 30 de novembro prximo fiado, cele-
bron com o doao do hiate Sergipano, Heoriqoe Jos
Vi eir da Silva, para eonduzr no mesmo hiate a
plvora acondicionada em 34 barris, e 10 libras de
dita sola, destinadas ao presidio de Fernando. O
que Ihe declaro para sea conoeci nenio.
N. 81Dito a enmmisto qne est em Fer-
nando.Receb o effleio de V. S. datado de 24 do
novembro prximo Oodo, e ficaodo sciente de
quauto me communicaram, tenho a declarar-Ibes
em resposla, qae em 22 d'aqaelle met expedi
ordeas para qae o vapor Parahyba era sea re-
gresso dos portos do norte, toqae nesse presldio-
attra de transportar a V. S. e as pragas, seoteaeia,
das, qae estiverem destinadas para esta capital.
N. 83. -Diio ao juiz de direlto de Flores.Res-
poodendo ao offlcio de Vmc. de 22 de setembro
ultimo, acompaobado do termo de contracto, cojo
original devolvo, felto com Jos de Queiroz Lima
para factura do assnde da villa de flores, tenho
a dizer-lhe em resposla, qae approvo o referido
contrato com a alteraeao contante do offlcio do
eogenheiro chefe da repartigao das obras publicas
n. 441 de 9 de novembro prxima Oodo, com re-
ferencia ao de 20 de julho, ambos juntos por co-
pia. #
N. 84, -Dito ao lente coronel Coriolaoo Ve-
loso da Silvelra.Eqa resposta ao offlcio de V. 8.
de 28 de novembro ultimo, tenho a declarar-lbe
qae os gaardas do batalho sob sea commando,
Manoel Cavaicante dos Santos e Joo Maooel dos
Sanios designados para o servigo da guerra, nio
foram apreseotados ao brigadeiro commandante
das armas pela escolta, qae os condozia, compre
prximo fiado, no qaal deixon de ser effeeluada
em consequsncia da infeliz parda do vapor Persi-
minga,
N. 96Dito a cmara municipal da villa de
Pao d'Alho.Mande a cmara municipal da villa
de Pao d'Alho, exirahir do livro competente, e re-
roeita-me c*m brevidade urna copia da acia da
segunda reunido da junta de qualificago dessa
freguezia do correte aono.
N. 97.Poriaria. O presidente da provincia-
atiendendo ao que requeren o teneale da 6" cora,
panbia do 8 batalho do infamara da goarda na-
cional do municipio do Recife, e tendo em vista o
que informou o respectivo commandante superior
em offlcio de 10 do crreme sob o. 393, resolve
conceder passagem para o municipio de Agua
Preta, para onde transferio a sua residencia, e
ordena que se Ihe pase a competente guia.
N. 93.Dita.O presidente da proviocla, con-
forraaddo se com a proposta do Dr. chefe de po-
lica n. 1728 de 30 de novembro prximo fiado,
'esolve nomear o cidado Antonio Marlins Chaves
para o lugar de subdslegado do districlo do Brejo,
Io da freguezia do mesmo n>me.
N. 99.i-Dita.O Sr. gerente da companhia per
nambucana raande dar urna passagem de estado
a r at o Ciara, bavendo vaga no vapor Maman-
guape ao bacharel Joo Ferreira de Almeida Gol-
maraes.-Igual a Daniel Alves de Lima.
Expediente do secretarte do geverno 4o dia 3 de
dezembro de 1866.
re
Verde, o qual foi condemnado a irabalhos
. eos por toda a vida no ultramar.
as Cadas das Taipas comeoeram as esca-
__ Tra,a SB ; vacoes para o desaterro de ons bachos romanos
dada, devendobrevementedar-sa principio a' parte \ m Aveiro, perante o governo civil foi arre-
cuiwS Porl u*&r com a que4e i ^ad por ""* JTSXS^hUR
I 0Dpraz?para a entrega dos productos do dis-! S EHPftS MvKmC ptOH
i trieto do Porto destinados a' exposigao de Pars, foi veira do Balrn b?tarreJa'-Feira> "
prorogado at 31 do corrente em conseauencia de
j assim o ler pedido a Associagao Industrial Portuen-
se, afim de poder coleccionar os que a roesma as-
sociagao linha obdo com aquelle destino.
A arrematago do rendira nio das portagens,
relativo ao anno de i8G7, das pontes do Ave e Lega,
viaducto de Arnoso, na estrada de Braga, a da
posie de Briti, na estrada de Villa-iNova de Fami-
lico a Gnimares e a da ponte da Travaje, na es-
trada d> Porto a Santa Chrislina, produzio.....
10:1154000.
Este rendimento para a {companhia ViacSo
; Portuense que construio as estradas referidas, e
cuja conservago esta' ainda a cargo da dita com-
panhia.
Em todo o reino s na provincia de Minho qne
se pagara portagens. E' um mal a quem viaja,
mas um mal muito somenos a que resultara da
falta de boas-esiradas como sSo as em que esto
esttbelecidas aquellas portagens.
_Parece que vai dar-se principio a'arborisa-
gao da espagosa praga da Cordoaria de raaneira a
torna la, dentro de poneos anuos, n'um bonito par-
que. Se tal acontecer, como faz suppor o voto ap-
N. lOO.-omciu o Dr. otaM uB"pUiic..-6. E. i ?I?!,'i"i" I cmara pnrinpn.e. dado em urna das
o Sr. conselhefro presidente da provincia manda !"8l?u4i *"** pronto offerecrao para
remellar a V. S., Jara ler o conveniente destino o a.1ael,e.0m PelosSro. Saodemans, a praga da Cor-
tlulo de subdelegado do districlo do Brejo, no-
mead > por portara d-sta data e de conformidade
com. a #ropo>la n. 1728 de 30 de novembro pr-
ximo Ando.
N. 101.Dito ao chefe da repartigao das obras
publicas. Nesta dita remelleu se a thes tararla
provincial, p^ra o lira indicado em seu offlcio do
1* do correle sob n. 474, o pedido que em du-
jjlicati veio annexo ao citado offlcio. que fica as-
sim respondido de ordem do Exm. Sr. conselhelro
presidente da pro lacia.
N. 101Dito ao mesmo.O Ezm. Sr. coase-
llieiro presidente da provincia, manda declarar a
V. S em resposta ao sea offlcio de 30 de novem-
bro ultimo, soh n. 473, qae transmillio a thesea-
raria provincial para o "-n idicado no eiado of-
ficio as clausulas e orgameuto as a qae elle se re-
fere.
N. 96. Dilo ao commandante superior da co-
marca e Palmares. u Exm. Sr. conselhelro pre-
sidente da provincia, manda declarar a V S. em
resposta ao seu offli-.lo de 8 de novembro ullimo,
que traosmiltio a ihesouraria provincial, para o
dm indicado no citado offlcio, o pret que em du-
plcala veio a elle annexo.
N. 104.Diti a Herminio Lucio Moolairo da
Franga. Ten to nesta data reraettido a commis-
so da expisigo nacional, para ser tomado na de-
vida considerago, o offlcio que V. s. me derigio
em 28 da novembro prximo liado ; assim Ih 'o
communico para sea conheciraeato em resposta
ao seu cilado offlcio.
N. 105. Dito a commisso da exposigo.
Aprsenlo a V. S. para qae se sirvam de tomar
na devida considerago o inclaso offlcio em ori-
ginal, que me dirigi em 28 d novemtro prximo
findo, o expositor Hirmioio Lncio Mraliro da
Franca.
LiIMWTuIs ARM4S.
Ojiarle! general d commando das armas de Per-
nambuee na eidade do Recife, 16 de Janeiro
de 1867.
ORDEM DO DIA N. 304.
O brigadeiro commandante das armas faz pnblico
para os ns convenientes, o aviso do minislerio da
guerra de 8 deste mez, abaixo transcripto que Ihe
foi reroetlidc por cow com offlcio da presidencia
datado de honiem, roanaando vigorar no corrate
semestre os valores das ragSes de etapa e forragem
do semestre anteri ;r.
Aviso.
2' secgao.Directora central.Rio de Janeiro.
Ministerio dos negocios da guerra, em 8 de Ja-
neiro de 1867.Illm. e Exm. Sr.Com offlcio n.
343 de 26 de novembro lindo, remenea V. Exc.
copias do do inspector da thesouraria de fazenda
de 12 do dito mez, e da tabella de arbitramento,
que na mesma data approvon provisoriamente, da
etape para as pragas do3 corpos do exereito oessa
provincia, do pao para os doenles das enfermaras
militares, e de forragans para a cavalhada do de-
posito especial de in-truccao no semestre a cootar
de Janeiro a jftnho do corrente anno ; e em res
posta declaro a V. Exc. para seu conheeimento e
governo, qae a vista do que declara o commandan-
te das armas em offlcio de 17 do dito mez, qu
igualmeote acompanhou a sen citado offlcio deve
continuar em vigor no corrente "semestre a tabella
do anterior relativamente as raedes de etape e for-
ragem ; e quauto a de pao para as enfermarle mi-
litares nadi ba a resolver, p jrque as adminisira-
gSes das- mencionadas enfermaras compete provi-
denciar acerca dos gneros, para o qoe Ihe sio
entregues em dinbeiro as soramas das etapes per-
tencentes as pragas em trata ment.Deas guarde
a V. ExcJoo Lnslosa da Caoba Paranagaa.
Sr. presidente da provincia de Prnambnco.
(Assienado) Henrique de Beaurepairt Rohan.
E Tamborim, teneote ajadante de ordeos interino e
encarragado do detalhe.,
RIO DE PIP.m viiiiBITCO
PORTO
17 de detenbra de 186.
No tbiado do correte aono coasijoaraos em ama
doaria ficara' sendo excellente sitio de recreio, se
uo o melhor desta parla da cidade.
O regiment de infantaria n. 18 da guarnigao
desla cidade, parti bootem para Braga afim d'alli
fazer o servigo era lugar do regiment n. 8 qae,
segundo se diz, vai substituir "o o. 11 actualmente
no campo de instruego e manobras de Tancus. O
regiment 18 tiuha ha pouco regrossado de Lisboa
onde fei para tomar parta as honras militares fei-
las a' rainha de H^spanha por occasio da sua vi-
sita aquella capital.
Na Boile de 17, representando-se no theatro
de S. Joo a opera Lucia de Lamermoar, deu se
na platea uraascena di_>na d'aqni a registrarme,
apro^iando-oos para Isso da narrativa que della
faz o jornal o Commerno do Porto
Em p.eno terceiro acto da opera o Sr. Jos Mara
de Almeida Garren, praca do batalho de cagado-
res n. 9, ba pouco licenciado, entrou na platea in-
ferior, armado ae um chipote, e dirigindo-so para
o lugar onde estava sema o o Sr. Scnwaibach,
commandante daquella wtalho, descarregou-lhe
sobre a cabeca cioco chicotadas com tai rapidez e
forga, que este seohor nao s as nao pode evitar,
mas Qcou bastante ferido.
Todos os espectadores ficaram indignados ao
presenciar esta revoltanie acgo praticada por um
odividuo que sem considerago pelo lugar oem
pela posigo social dpessoa contra quem attentav^
nao recuou ante a triste resolueo de ir causar um
escndalo onde estava reunida parte da boa socie
dade do Porto.
As pessoas que se achavam roals prximas do
aggressor deixaram-se levar tanto da iudignago
qae senuam, que correram sobre elle aos murros
e aos empiumes fizeram-no ir s recuas, posto que
defeadeado-se como poda, desde o lado leste da
sala at o opposto. Entretanto ouviam-se algumas
vezes de : morra I
Felizmente intervieram logo os Srs. governador
civil, administradores do 1* e 2 bairro, acompa-
nhados de soldados da guarda e de policas, as
qnaes prendendo o Sr. Garren, livraram-o, ainda
que com muito custo, do furor de moitos especta-
dores, qae parecan nao querer delxa-lo sahir com
vida da sala.
Sr. Garre coaduzido do theatro para o qoar-
tel do Carmo aeompanhado de ama boa escolta.
Foi o que Ihe valen porqaa ao passar na Bata-
Iha ainda o quizeram maltratar apezar de ir de-
baixo de priso.
Era tal o furor de qoe lam dominados os qne o
qaeriam accommetter que os soldados precisaram
de defende-lo coro as bayonetas apontadas para os
aggressores.
Na mesma noute fei o Sr. Garren passado para
a cadeia da relaco aonde ainda boje se conserva
a disposicao do general commandante desta divisio
militar, entrando em duvida se o Sr. Garren sera
jalgado militar eo civilmente.
Esta qaesto esta' affecta ao governo, qoe pelo
modo encontra suas dlfflculdades em a resolver.
O crime commetlido pelo Sr. Garreit tera origem-
aos embarag is qne encontrn quaodo em tem-
po quiz obter balxa do servigo, e depois a soa
snbslilnicao no exereito. Bmbaragos qae o Sr. Gar-
ren attriboe ao Sr. Joo Pedro Srhwalback, mas
qne sio devidos as leis militares qne nao podiam
fazer uraaexrepgo a respeilo deile
O Sr. Garren sobrinho, por parte do pal, do
fallecido Sr. visconde de Almeida Garrett.
No dia em qoe os lercelros de S. Francisco
festejavam oa soa igreja a immaculada Conceigo
de ossa Seohora leve logar a distrlbuigo de pre-
mios aos al .mnos da escola nsiituida pela ordem.
Os premios conslaram de medalbas e livros, e meo.-
goes honrosas. Foram 13 meoioas e 18 meninos
contemplados com aquellas distinccoes.
No consulado francez, nesta cidade, abri se
ama sobseripgo a faver dos habitantes do centro
e do leste da Fr oca qoe em coBseqaeocia da ulti-
ma inondago qne all bonve ficaram em tristissi-
mas clrcamstancias. .
Km um dos das da semana linda, morren em
urna caa de dorm a desta cidade, nm mendigo
chamado Manoel Lopes, natural de Vallongo. Ha-
via feilo testamento, no qaal legn seos bens, no
valor de dez cootos de ris, a ama soa sobrinba,
contemplando tambera os seos testameoteiros. Ca-
be aqu bem o dizer-seque o habito nio faz o
moage.
No e8talelro do Ooro asta' em constrnego
um navio, proprledade dos Srs. Manoel Pereira
alrro, Sever, Aveiro, llharo e Vagos.
Ficaram por arrematar os quairo concellios de
Macieira de Cambra, Mealhada, Oliveira de Aze-
rais e Ovar, cuja arrematago toi transferida.
A cmara municipal de Colmbra contribnio
para as aulas da associagao dos artistas da dita ci-
dade com a quantia de 100,5 e com igual impor-
tancia o Sr. Dr Francisco Antonio Diniz, coramis-
sario dos estudos naquelle districlo.
Cambios sobre Londres 53 1|8, 90 d. d. e 53
o|8, 90 d. v.; sobre Pars 545 a vista e 540 d. d.;
sobre Hamburgo 47 i|2 3 m. d. nominal.
Abrir m ter"?o de carga:em II a barca
Adelatde, para o Para ; em 12 o brigoe Trtumpho
para Pernambuco ; em 18 a galera Camponeza,
para o Rio de Janeiro.
Com relago aos portos do Brasil nao entrou
embarcago alguma.
Sahiram :em 23 a barca Humildade, para
Prnambnco, e o patacho Marcial, para o Rio
Grande.
INTERIOR
RIO DE JANEIRO.
Retrospesto palitico II
AMERICA DO NORTE E REPBLICA DO PACIFICO.
(Conttnuacao.)
Do outro lado do atlntico a magnifica filha do
Colombo, nao menos que a Europa,, tal vez mais do
que ella, expenmeotou spera e cruel fortuna em
166. Lavroa o incendio da guerra por campos
variados e vastos; na America do norle e na do
sul uas plagJafXDexicanas e n-s prais do Pacifico
terrivel embata de armas eslrondoa, aunuaeiando
rurmes hecatombes humanas e immensas ruinas.
Fraquissima eonsolagao dizer que nem em todos
esses campos de porfi.das bjialhas, e que antes
smente em um, a lula fui entre irmos, pela pa-
tria, e anda neite o elemento estrangeiro predo-
minante as pelejas tirou a estas a tristsima con
digu d fratricidio nacional; nem por isso o infor-
mlo menor, nem sao menos para lamentar o
sansue a correr a jorros, os ihesouros dos estados
a esgotarera-se, e as geragoes do presente a con-
deuinar as do futuro a urna grande parla do paga-
mento dos seus erros.
Mas nesie vasto theatro da America os aconteci-
mentos, por mais estrondosos e considerareis que
sejam, guardara sera .re um carcter parcial, ex-
clusivo do estado ou dos estados em que se do, e
ouBca assumem a importancia geral que teem as
grandes quesides do mundo europeu. .\o ba na
[America, como se observa na Europa, um cocear-
lo poltico a que todos os goveroos estejam mais
ou menos ligados, em qae todos se inieressem
e que determina essa sltuago.graadiosa que
faz estremecer todas as nagSis ao abalo violento de
nma della-, como se as unisse ama cadeia elc-
trica.
No novo mundo o qnadro poltico menos appa-
ratoso; mas em compensago a vida dos goveroos
americanos menos atribulada, e nao ha o gravis
simo inconveniente da se achar a paz geral sempre
dependente da prudencia de todas as cortes, e ex-
posta umbem sempre a ser perturbada pelo ca-
pricho de um gabinete, pela presnmpgo e vaida-
de de um ministro, pela ambigo de nm conquis-
tador.
Contentmonos, pois, com a especialidade do
theairo poltico americano, e conslderemo lo com
loteresse muito maior, porque toca-nos de mais
perlo o que nelle se passa.
Na America septentrional prospera o Canad':
a Inglaterra, desprendendo-se da velha e viciosa
poltica que fazia dafiobar as colonias, oa qae pelo
meaos retardava o seo desenvolvimento, coin os
[rucios dos seas sabios conselbos no floreseimeoio
daquella soa vasta possesso, onde o commerno
ingles avulia enriquecido; dandoexpaosio aos di-
reiios polticos da sua amiga colonia, preparando
mesmo a sua emaacipago, ganba mais do qne se
fura rudamente egosta, porque se assegura do
amor do Canana', e o liga a si com lagos qae sao
mais fortes, porque oo sao oppressivos; nem de
outro modo Ine serta lo fcil impedir urna anne-
xago a qae a repblica vislnha aspira, e para a
qual a pojanca e as livres insuiuigo js desta pode-
riara aeender explicaveis desejos aos nimos dos
amercanos-canadaenses. Em 1866 a tranquillida-
de do Alto-Uada' foi abalada pela tentativa da
invasio dos fenians, qne sabidos da Confederago
norte-a menean*, atacaram e tomaram am forte, e
mataram subditos ingleses; mas qae, accommetn-
dos em breve pela forga publica, reeolberam-se ao
asylo d'oode tioham vindo, menos alguus que fica-
ram prisieneiros. Os tribunaes do C.oada condem-
naram a morle os pnoci.oaes des feniant que nao
consegu ram escapar, e agora dlz-se qae o governo
de Wasbiogton se repula com direito de eoirar oo
exame da sentenga condemnadora de cidados da
repoblica; licito duvidar de tio exagerada pre-
teogo, se absoluto o prlocipio em qae a aooan-
ciaiu firma la. Sem duvida nobre e generoso pro-
corar arrancar um condemaado ao patbulo, roas
se convinna, em boura da bnmanidade, que outro
castigo se impuzesse aos avectarelros iovasores do
Canad' nao meos cooviria que o governo de Was-
hington se mosirasse menos tolerante com esses
meamos aventuremos que abusara da hespitalidade
americana.
A grande confederaco norte-americana contina
a assombrar o-muodo com a vmiidade ardente do
sen povo : se a exceotricidade pode ser sublime,
all que ella tocou a sublimtdade; o que se obser-
va e se realisa a's vezes naquella repblica-nao
pando; nao produziram, porm, as gravas pertur-
bagdes que quasi todos receiavam.
Outra obra extremamente delicada g restabele-
cimenlo das relag5es entre a Uoio e os Estados
que se rebellaram^-e ah surgi profunda desiotel-
ligencia qu^pdzem lua o partido radical, que nao
quer restiluir os.direitos constitocionaes aquelles
estados, senao depnis de certas pro vas e de algu-
mas garantas que assegurem a conquista moral
dos vencedores na guerra, com o presidente John-
son, que se empeoha pela prompta reintegrago
dos estados que foram rebeldes no pleno coucerto
da Uoio. Foi assim que o partido radical negou
assento no coogresso aos senadores e representan-
tes do sul, e que o presidente Johnson retirou os
governadores provisorios e restabeleeeu a autono-
ma dos estados qae adoptaran) a emenda consti-
tucional que abobo a escravido.
A attitude tomada por Johnson beila pela sua
moderaran depois da victoria : evidentemente
orna necessidade o resiabelecimento da autonoma
dos estados do sul, qoe privados dos escravos nao
podem prosperar sem o concurso dos emigrantes e
do capiaes do norle, e quasi cerlo que os Ame-
rii:.;os do oorte, Habituados aos gozos e a nobreza
da mais lata liberdade poltica, nao levaro nem
seus dragos nem suas riquezas a esiados governa-
dos militarmente e administrados como territorios;
mas tambera os radicaes on republicanos tomaram
urna posigo que tero e nolavel mereciroe.nto de
ser rigorosamente lgica. Custou-lhes muito a
victoria, natural que nao a quelram perder, e
expr-se-hiam a perdd-la sem as garantas que exi-
gera.
A representago dos estados do sul no congresso
era fundada sobre ihjuslificavel base, sendo o nu-
mero dos representantes proporcional a populago,
compreheodidas tres quartas partes da populago
escrava, e assim o sul mantava ao congresso um
numero de votos muito superior aquelle que Ihe
daria a representago exacta dos eleitores livres.
Esta anomala n) pode subsistir. A escr vido
foi abolida; raas os negros nao teem o direito de
suffragio, a portanto contina aquella especie de
privilegio, aquella base iniqaa da representago
do sul, cujos representantes, ligados com os dem-
cratas do norte, tenam raaiorla no coDgresso, e os
resultados da guerra ficariam comprometlidos.
O partido radical ou repoblicaao que le, sus-
leuiuu a suena r .cueca, uno pode derjarar-se
Vencido, e "propfia urna menle justissima: adrailte nf) congresso os repre-
sentantes dos Estados do Sal em numero propor-
cional uovos eleitores, como se observa no norte;
os estados do sul que quizerem ter uo congres-
so taos representantes como tinham, sero
obrigados a dar o direito eleitoral aos negros;
mas esta ultima questo. a do suffiagio dos n gros,
completamente deixada soberanoia dos es-
tados.
Esta disidencia irritante, que por mais de um
anno se tem prolongado, tocou dentro e lora do
congresso, na tribuna, na imprensa, as assem-
blas populares ao mais violento desconcert de
Itnguagero ; injurias e calumnias se arrojaram de
parte a parle ; Jahnson e Seward de um lado,
Thadeus Stevens e Summer do outro, presidirn] a
esse desabrido certamen dos partidos, cajo deseo-
medimentoest no goslo am ricano da UmSo.
Mlstarou-se com a lula, atigou a aioda mais e
emprestoulbe curiosos episodios urna viagem que
o presidente Johnson fez pelos Estados do Dorte e
do oeste pouco aotes da eleicao dos representantes ;
o chefe do Estado viajou como agitador; era cada
cidade falln So povo em assemblas publicas, dis-
cuti e combateu ; porque em toda a parte acliou
adversarios e lidadores radicaes com quera esgri-
mir ; a inleperanga de lingaagem nesses debates
desusados, nos outros paizes aniquilara t d < a for-
ga moral do primeiro magistrado da repblica,
que com audaciosa coragem ora se ufaoava dos
applaasos qae conquistara, ora resista impvido
as valas e s injurias coro que o repelliam ; raas
oa Confederago norte-americana essa excntrica
viagem fez-se, e Jotras ra, jde volta Washington,
nao se sent desprestigiado.
Hornera simples e bem intencionado, Johnson
acredita que Lincoln teve por misso veucer o es-
pirito de separago e abolir a escravido oos Esta-
dos-Uuidos, a que a d'elle reatar completamente
a unio americana? fazeodo admittir no congresso
os representantes dos Estados rebeldes.
Mas nao pensam como Johnson os Americanos
do norle e do oeste, qne no pleito eleitoral acaba-
ram de dar pleno iriumpho aos candidatos republi-
canos eu radicaes. A siioaco, portanto, se escla-
rece : Johnson tem de ceder vontade do povo
soberaneo, que se proooneioo.
Entretanto o ardimeoto destas disidencias nao
prejudica o progresso material da Confederago ;
a industria e o commercio duplicam a altura dos
seus vos : nos Estados do sul, a despeno da si-
luagu aaoraala, desapparecem as immeosas rui-
nas amontoadas pela guerra ; regenerara se as II-
nbas frreas destruidas, surgem de uas cintas as
cidades ioceodiadas, bnlham de novo as plaota-
gdes nos campos resolvldos; renasce a vida do
trabalbo, abrem se as tuntes da riqueza. Em qae
consiste o segredo de Unta vitalidide T no sangue
da raga T mas na Confederago americana quan-
tas ragas fraternisam T... no systema de governo ?
porque ento nao produz o mesmo systema em
outros paizes resallados iguaes t. i na perfeita li-
berdade de industria, na qual a tatella do governo
excluida, e a soberana Individual, e o espirito
de associagao, e da mais liberal escola econmica
fazem tudo ?... difScilimo resolver.
No meia de suas luas polticas a de seas activos
irabalhos os Americanos nao esqnecem os tributos
que devem aos seos benemritos. Em Washing-
ton fot pomposamente celebrada a solemne cere-
monia da commemoracao da morte do presidente
martyr ; as dnas cmaras do congresso, o presi-
dente Johnson, os ministros, os altos dlgnitarios da
jastiga, os generaes e numeroso concurso de cida-
dos renoiram-se na rotunda do capitolio, onde se
effectuou a triste solemnidade : coobe ao Ilustre
historiador americano Baoerolft fazer o elegi fu-
oebre de Lincoln ; tal discurso em tal asserobla,
escrevea am chronista, faria lembrar algum* da-
quellas oragojs fuoebres qoe pronanellvam sobre
os hroes morios os ebefes das antigs repblicas
gregas.
Emqaaolo Linela, o martyr, objeto destas
manifestagSes que" honrara devldameate sua glo-
riosa e esplendida memoria, Davis, o presidente
dos confederados em rebellio, geme oo carcere, a
espera o seu julgamenlo, qae anda indefiuilamen-
te se adia. Ja' era lempo de pronunciarse a gene-
rosidade dos vencedores, qae por torera em Lin-
ela o sea martyr nao devem dar outro aos ven-
cidos.
A eleciricidade lign emfim os dous mandos,
prendeado a Inglaterra aos Estadoi-Uoidos da
America do Norte ; o lelegmpho elctrico transa-

-1

r-r*


i. ?!.....
,-,T.~:
tarto de pci>nabeo -- Quinta ltl*/* 19 de Janeiro de 18t>7.
X
i: *.*-
.----------------------------------------------"--------------'------------------------------'---------"-----<*
tlantico .est eslabelecido, com ivrta "pV?,"tt' f*Ur no* eseriyos.dajiH50- aptps para o servi$o, chavo generoso^melo nico de os arrancar aa e
que uova5 compaoiiias se proiecum novos oatu ulliraamsat libertados, para cuja escolta fez S., presso e do opprofcrlo, esse partido cnanw-*c
submarlnbos se planejara, Venha esta approxiraa- Ete, partir para o Interior da provincia o cuele faccSes e nao prfidos, sao grupo, que nao peg-
$ao Ja America e da Europa estrellar pida v''- j-s^ccio di toesourarla de aienoa Joaquim de nam por ideas, mas que jogam com ai desgrasas
mais os laeos de amisade e as boas relajas dos, Lima Castro, munidos de todos os recursos necea-1 publica, aggravaodo-as pelo roaij estapiJo em-
diversos povos, I sinos. perrajnaalo nos odise nasmalquereaea, le afra-
Felizmentenao ba por ort eomplicac5 que fa-, fnereslna, ja to impartaita cidde, aperar na de todes os espirito aventuraros, e monte
am reeeiar perturbaco da paz dos Estados-Uoi-1 de contar apenas i i anuos, que do nada foi tirada aventino de todas as declamcj5j centra o patri-
dos norte-americaoos pea; a questio dos corsarias confederados sabidos en que nio tamos luar; urna porca Wnnacao
' de azeite, que li ailstia. desappareeeu no V*no do, atentos do bear, e nao arohi
O Sr. Lana freir orda-^
z*Z
armados da Inglaterra, dos prejuizos por elle*,
aus dos ao conimercio americana, termioara' se
duvida por meio de amigavel aoeerdo; a c radera-
naco dos femians no Canad bJo pede offerecer
dfflculdadeS serias o lape na do. Mlico, tiaiu-
ralmeute antipathico a Unlo americana, deix de
ser motivo de disputa diplomtica, e meaos da eon-
-ffiem, desde que a Frauda retira as suas tropas e
abandona o imperador Maximiliano a sens pro-
Sr.-Duarte de Asevedo. O >r.
bou um ensilo de IHanjioajcio a kerosene a pa-
ca da ConatMalcio, iftn de poder calcular a des-
peza com lampadas para toda a cidade, qae pretei-
de propdr a* aseembla provincial, s*g(sado consta
da commonicacao ferta pela presidencia a' adai-
nistracie da fazenda provincial.
E' satisfactorio o estado sanitario da provin-
prios recursos ; e neste assompto prudentemente cia ; mas, conheceudo a presidencia que a varila,
sehouve o governo de Washoctou, porqae seubejas inlermltientes e omras epidemias reapparecem
tuaoter neutralidade, erobora nio tivesse recoobe- invariavelraente era certas pocas do anno, tem to-
cido o novo imperio, e mantivesse Jonto a Jurez o made acertadas providencias; para raelaorar o
sea diptomata ; eta attitude reservada unto servieo da vaccina, pedio ao ministerio do imperio
mals loovavel quanto positivo que a opinlao ge- remessa de puz de boa qualidade, porque em na-
ral dos Americanos da Oniao era decididamente da tem aproveitae aquelle de que pos temos ser-
cantraria a* monarcbia mesicao, e aproveitava vido ; pelo contrario, parece, pelo qne se observa
todos os t-nsejos para palotear o sen senllmento, dos offlcios dos (acoltatlvos publicados n gazeta
de modo anear na fnebre ceremonia da comme oficial, que ha a vaccina desenvolvido as bexigas.
auracao da tnrte d* tinclo, o orador Baocioft,; < Sou informado por pessoa, que tem razo de
referindo-se ao Mxico, exclamon no meio de vivos j saber, que a presidencia" acaba d pedir ao gover-
applausos : Ora estado livre ira mortal como seu -
bvo : a repblica de Mxico vivir' ainda.i
Todava as dispusieSes pacificas do governo de
"Washington nao o levam a.descuidarse da ossi
bilidade de comvlicacoes com poteocias europeas ;
na China e no Japo pode bem em alguma emer
geocia encontrar-se em antagonismo com a Franca
e com a Iogla bandelra comeca a pparecer e a ser oltiada com
respeito : por estas raae^ sem duvida, peis que
qualquer outra etclue a Impossibilidade de sym-'
pathias politices, a^Jolo americana, ou o seu go-
verno, c?da vei mais se eatende amigavelmente
com a Rusta, e anda no aano qne nos deixou, um
navio da re*>obllca e a sua gnarnt^o ferain mera-'
cer no Bltico urna recepcao quasi tnamphal que
a Russia, como que de plano, toroou bem seusvel
e slenlos acs olhos da Europa.
Se ba real e 1oMma aliranca entre os dous colos-
sos, o do oteda Eoropa e Asia, e o do norte da
America, arrejadissima sera' a tarefa des ininigos
que alguoi dta'tivereai de cetabate-la.
Deixemos a Uniao norte-americana deseamos
da altura das fraude.as aos campos asperrimos da
adversidad*.
Continuar se ha)
PEHHANIBUCO
REVISTA Oiftmfl
O InstHuto-Archeotogica-Geograpbico Pernambu-
cano reune-se hoje em sessio ordinaria.
L3vaota-se aoje a bandeira da festividade re
llgiosa de Nossa Sennora da ConceiQo, da capella
de povoado do Barro, comecando em seguida s
norenas.
No dia 13, no lugar denominado Una do Ra-
to, freguezla do Po?o da-Panella, deu-se urna alter-
caco entre Vicente Ferreira e Joao AgostlnfcO ino-
pes, resultando dar este urna facada n'aquelle.
O deliuqnente logrou evadir-se sem ser captu-
rado.
Por Secreto de 2 do correte foi nomeado aju-
dante do eopenheiro-nscal da nossa estrada de fer-
ro, o Sr. Dr. Feiippe de Figueira Faria.
r Obleve demlssorias para ordenarse de pres-
btero, no hispido do Cear, em 3 do correte, o
Sr. Jo Joaquim Fernandes. natural de Maco do
Rio-Grando do Norte.
O professor de maslca Manoel Fernandes
Chaves acaba de compdr e pretende offereaer ao
Eira Sr. vicario capitular um minudte.de mimoso
eagradavel effeito, a" que denominou Capitu-
lar -, louvamos a idea do Sr. Cnaves.
H je sero arrematados, peraute a jaota da
tbesourana provincial : o pedagio Jas barreirai da
Capunga e Manguinho, oreado em i:9b4#uw ; os
reparos da ponte dos Carvalhos, sobre o no Jaboa-
ti-, oreados em 2:530*; e a bomba sobre o riacho
Jalar, orgada em 2:068$.
_ Tendo sahido do Ex, no dia 10 de dezerabro,
urna escolta de 8 praoas conduz ndo nove recrutas,
snh o commando do i-oania rt J^d naorui
Joao Joe 4 Cuu Aora. e constando ao deteg-oo
que se pretenda ataea-la em caminho, seguio com
nais 10 pracas at a povogo do Sacco, do termo
de Cabrob, onde pernoilra do dia 12.
A's 3 horas da madrugada do da 13, quaBdo
apenas estava velando urna sentineha, foi accom-
mettida a priso por Ju-tlno Moreira e Manoel de
Barros, seguidos por ?0 homens armados, ns da
eiotura para cima, os quaes deram urna descarga
que matou um cabo. Comparecendo o delegado e o
teneote Agr, procuraram animar a forga, e investir
contra os aggressores, o que nenhum outro resal-
tado i^ve mais do que flear gravemente ferido o
tenente.
Em vista do Bamero e da resistencia que apre-
sentavam, resolven o delegado desamparar a,pri-
sao e procurar salvar o tenente e os foliaos ; o
que realisado, os asfaltantes arrombaram as portas
da prlsao e soltaram os recrutas.
Ficaram no campo da peleja mortos o cabo e um
dos assaltantes.
De urna .carta de Roma extractamos o se*
guinte relativamente ao fallecim-m > do Exm. Sr.
D. Manoel de Medeirss : -
t O Collegio Latino Americano em Roma deu
mais urna exuberante prova do quanto amava com
extremo ao sen companheiro, disiincto discpulo e
pastor excelleoie. Coberto de crep pela prema-
tura raorte do Exm. Sr. D Immnuel de Medeiros,
dcimo seiirao bispo desta diocese, no da 29 de
novembro do anno prximo passado, estando aiB'a
de ferias na cidade de Albano, quando ebegou a
Infausta noticia, o praier tornou-se em luto e em
toda a parte fluctuava a iiandeira do sentimenlo,
da uor e da saudade, eis a imagen mais expressiva
do corago de todos. A capella do referido collegio
exista enlutada, tendo no centro um ceootapbio de
senliroento, ornado com as armas episcopaes da dio-
cese a' que pertencia o inado bispo, descobrindo-se
tambera a inscripcao mais patbetica e dolorosa na
frente do altar, dando a conheCer aos circumstao-
tes quem era. Emmanueie de iederos, episcopo
pernnmbucano a Ctrbere funere stbi erptor Gote-
gium Latmun Americanum Mceens parentat Con-
lurbenaliet Patrono. P. J. B. As la^Iraa' des-
llsavam se de qaando em quando pelas faces do
director, leDtes, e dos proprios alumnos, a ponto
de ser geral a seosibilidadea no coracao de todos,
at o sanlissimo padre Pio'lX e o cardeal coose
erante lamenuram a perda e orpbandade da grey
pernambucana. -
Cantn a missa ae Rquiem pela alma do fal-
lecido o Rvm. Sr. conego Vlllas-BQas, e foram mi-
nistros no altar os Rvm<. Joo Lobo Freir e Mon-
te, A orajao fonebre foi recitada pelo Rvm. Pe-
linca ; alumnos do mesmo collegio e Albos de tre
provincias do iaapsrio do Brasil. >
Da Piauby nos escrevem em 28 do passado :
t Eacerraram-se os irabalhos da escola normal,
e nena ora s alumno se apreseotou para fazer
exame por esta e outras razos eada vea mais e
confirma a epioiao de qae deve ser extinelo lo
oneroso quanto latil estabelecimento, que mes-
mo em prvincias mullo mais adiantadas nao tem
podido medrar. E' parecer geral, que deve ser
restaurado o antigo lyceu^que em ama quadra de
crise oanceira nos viraos -eonstraogidos a exlin-
fur. .v'eile nao s ostndarao os individuos que
queiram dedicar-se ao magisterio, como se pr'pa-
rario os mocos que se doslinarem para os estudos
superiores, ou mesmo para o fonecionalismo da
provincia.
O Exm. Sr. Doria, moco mnito inteligente e
no imperial, que faca vir para esta provincia nm
engenheiro hidrulico. 'Escudado por certo di
zer-lae, que seas servicos sero de snmma ntili-
dade nesta parle do imperio, em que a navegado
tanto precisa de ser melborada. S. Exc, n'este
intuito, ja conseguio, que a dlrec?io de nossa cora-
panhia de vapores Szesse encommenda de ura no-
vo barco para reboque das barcas de mercaderas
e vagras dos ros em que ha poaca profundidade
na sece.
< Pore flm a estas dando-lnes a seguinle noti-
cia pooco agradavel :
No termo da Independencia acaba de dar-se
ura conflicto entre duas escoltas que aodavam re-
creando ; succedendo qne ama das pracas que
compunbatn ama deltas ficasse ferida.
N'este sentido ja foram tomadas as providea-
oias necessarias, ordenando o Dr. chefe de polica
ae respectivo delegado que, quanto antes, syndi-
casse do facto, e Ihe declarasse o nome do offen-
dido e do offensor; assim como a natureza dole-
rimeato. >
Passageiros do vapor Cruzeiro do Sul, sahi-
para o snl. _
Manoel A. dos Santos e sni senqora, T. B. de
Caotalicio, Francisco J. Gomes sua mulher e i fl-
Iha, Fancisco A. Coelho, Alfredo A. Malheus Edn.
ardo Fales. Joaquim da F. Silva. Wllliam J, Cosme,
Dr. Joaquina Farreir e A. Guimaraes, Antonio
F. Alves, Dr. Simplicio*. Machado, Anstbide P.
Lopes, Luiz V. R. da Silva, D. Alexaodrina R. R.
da Silva, 2 teneale da armada Liberato Lios C.
de Oliveira Mallos, 6 recrutas para marinha, Ge-
nuino Das Ferraz, sentenciado da armada, J. U.
Bernes, vicecnsul Inglez, 26 guardas nacionaes,
18 recrutas, 2 pracas de linba, Camillo C. Ramos
e 2 f sera vos a entregar.
Passageiros do vapor Parahyba sahidos para o
sul. ._.
Loiz Antonio da Fonceca, Aatiocho G. Cardoso,
Antonio Lopes, Maria T. de Jess, Dr. Jos Jorge
S. Jnior, Jos C R. P, Francisco Besse, Francis-
co Jos Rodrigues Rosas e 1 criado.
RBrARTigXo da polica.Extracto da parte
do dia 16 de jaoeiro de 1867,
Foram recolbidos a' casa de deleneo no dia 15
do corrento :
A' ordera do subdelegado do Keclfe, Joao Luiz
dos Santos, a requisicodo cnsul de Portugal. A'
o:dom do de Santo Antonio, Francisco Antonio da
Luz, por briga. O chese.da 21 sec$ao, l. t. de
Mesquita.
Casa db DETBNOAe.Movimente do dia 15 de
janeire de 1867.
Exlstiam 366, eutraram 36, sahiram 3,-existem
399. A saber: nacionaes 302, mulheres II, estran-
geiros 34, muiheres 2, escravos 45, eecntva 5,
total 399.
Alimentados a' cusa dos cofres provincias 222-
Movimento da enfermara do da 14 de Janeiro
de 1867.
Tivuram alta:
Jos Apolinario da Silva.
Francisco Jas Luciano.
de Mesquila.
Joo Jos Dias
Lmitbrio pubuc.Obituario do dia 11 de
Janeiro oe oo/.
Belchior, frica, 30 annos, escravo, Boa-vista ;
congeslao cerebral. -
Antonio de Oliveira Carneiro Piolo,' Portagal,
solteiro, Boa vista ; aneumia.
Bebilioa, Pernambuco, 25 annos, sscrava, Boa-
vista ; pneumona.
Maria do Carmo, Pemambuco, 56 annos, viuva,
S. Jos; sirrbo.
Maria Gemana da Conaelco, Aracaty, 40 an-
nos, viuva. Boa-vista ; menle.
Joanna, Pemambuco, i mez, Boa-vista; es-
pasmo.
Antonio. Pemambuco, 43 annos, escravo, Affo-
gados; poplexia fuiminanie.
Mana, Pemambuco, Boa-vista, morrea ao as-
Cer.
Duarie, Pemambuco, 20 annos, ssolteiro, Boa'
vista, lubtrculos pulmonares.
Meria, Pernaabuce, 8 dias Santo Antonio ; es-
pasmo.
Manoel Joaquim Gomes de Far>as-, Pemambuco,
42 anno% cazado, Sanio Antonio, hydropesia.
Jos, Pemambuco, 4 annos, Boa-vista ; desin-
leria.
gpassnotfjjMBa
Communicados
Partido conservador.
fama nico'in
ujionestos, Ini-
JtM de ruinas.
Part ios Ues alo raerecera ettMorne. Sia sei-
U sebaslianistas, que sonhaaiwn a nurreica-
do imposiireJ. Por fortua, e honra tioss.i nao ere-
mos qQe neoonm dos partidos actaadmente era op-
posicio sena' canas da aniepor o odio a victoria, e
os precontaiios as coavenienoas.
B OM XSCAXDALO 1
Contina o tenebroso systema do mysUrifl nqs
actos da administraco. E' mais urna preregaliva
do governo constitucional, qne se supprime na
pratica I
Ainda ba pouco vimos que estivsram involtas
em rigoroso segredo, por muitos dias, as cincoea-
ta e duas demissdes policiaes, que ja' publicamos.
Agora por cartas que recebemos de Cimbres sa-
bemos; que la' esta o coramandante supenor Can-
dido Btjh) nolican) dia e noite gente da guar-
da nacional, para seguir em numero de ciocosnta
pracas para a freguem de Ingazeira, afim de as-
sislir all as eleicdes 1 ?
Que quer i-so dizer T Quer dizer que se projec-
ta letar a viva forga as elejees do dto seriao, sem
embargo de todos os protestos da administracao,
no tocaste uenhuma intervenci armada no plei-
to eleitural 1
Pois bem, podera as cincoenta pragas de go?rda
naoioaal seguir para a freguezia ds4ogazeira ; po-
de e Sr. Fellnto em deserapeuhe de suas barbas
(pelas quaes protestou vencer os jveroj-'liios) man-
dar as viole e cinco graaadeirss ao delegado de
limbres, coma se diz; pode erafim ordenar ao de-
legado de Villa Bella, qaa.reuaa afores precisa
para vencer a elefco all, eerto de que as coose-
quenclas de todos esses perversos manejos hSo de
pezar sobre sua cabega I
Essas candidaturas impostas vtva forca bem
pode ser que produzam as scenss, qne na o desoja-
mos, nem aconselhamos, mas que as imprudencias
do Sr. Felinto vio tornando inevitaveis I
U que se esta' pratc-ndo 6 nm escndalo,
urna atrocidade I Demissdes ama sobre as outras,
nomeac5es affrontosissimas a moral publica, pri-
soes em massa, a titulo de designados; e para
que os sacrificios pelas candidaturas Impostas pa-
ra o 5 circulo nio parasseni s em demissdes po-
liciaes, acaba o governo de praticar o maior dos
escndalos, nomeaodo commandaote superior de
Boa Vista um rapaz sem o nn-essario prestigio na
guarda nacional, e no municipio, com pretencao
manifesta dos respeitaveis. etdados teneoles-coro-
nes Joao Jos Rodrigues Coelho, e Manoel Nones
de Barros, abastados fazendeiros e de recoohecido
prestigio naqoella comarca ; sendo o ultimo chefe
de estado maior do commaudo superior Estas
iniquidades na pretencao do mrito, e dos servicos
deshooram os govemos, e cbamam sobre elles as
maldicoes da sociedade I
S. LOORBNgO DA MATTA.
E* por lodos bem coonecida a persegoieSo de qne
tem sido victima o partido conservador desta pro-
vincia dur nte o infeliz reinado da progresso: essa
pers"guico porm sobe de ponto na freguezia de
S. Loureoco da Matia.
E com effeito assim devera ser. Ahi o partido
progressista composto apenas do tenenle-coronel,
do delegado e do subdelegado tem grande, necesst*
dade de infundir o terror na populaco para aqdui-
rir proslitos; tem grande necessinadede conservar
e proteger criminosos que se prestara a desa-
bafus.
A occasio propicia. E' preciso recrutar, de-
signar guardas, e tudo isso se faz com a maior
desigualdade, com a grave iojustica, porque pre-
ciso que os recruiHS, que es designados sejam todos
lirados dos eogenbos dos conservadores, a lira de
qae o povo vendo que os moradores dos'eogenhos
do Sr. Luiz Francisco, do Sr. Augusto e do Sr. Fer
raz nada soffrem procurem morar nestes engechos,
e assim inculcarse o partido progressista forte, e
influencia legitima desta fregueiia o Sr. baro de
Villa Bella.
Em 18o3 foram por occasio da eleicao empelli-
dos da igreja os conervadores, iodo todos desar
mados, foram corridos a porta da igreja, na qual
eotravara os progressistas armados de revolv-r,
puuhaes, etc. etc. O partido conservador abando
nou a eleico, protestaado contra as violencias, e o
modo uorune ell ostav effdctuando-
U'abi para ca nao cessaram as perseguicOes, os
desacal s, os escndalos. Criminosos protegidos
pela autoridade vivlam ahi roubaodo e lusollando
o povo. O nome de Antonio Carlos faz prova plena
do que a este respeito temos constante nenie
dito. ,
Os propnetarios da freguezia crearam urna ir-
mandade das almas, na qual admittiram todos que
estavam no caso de o seren, sem differenca polti-
ca, coma devera ser.
Nao obstante, todos sabem quanto isto offendeu
ao Sr. Augusto Leao pelo simples facto de deixar
elle de ser o tltesourevo da dita irmandade; todos
sabem o modo Indecoroso e indigno porque elle se
poi tou, os meios vergonhosos de que elle laocou
mao para obstar a approvaso do compromisso da
dita irmandale.
Perseguidos em todos os sentidos, por todos os
lados, os conservadores recorreram as autoridades
superiores da provincia, recorrern) a impren-
sa. Fizeram patentes os abusos das autoridades;
pediram que se maniasse syndicar a res.eito de
certos fados bem importantes, como fossem o ti-
rar-se pret da tnesoorarl provincial para doze
cornetas, tendo o batalhao da freguezia sement
dous; como fossem ainda o estarem, como ainda
hoje esto dous ou tres meses os gaardasdestacados
em servieo da polieia da freguezia sem receberem
sold algum, ao passo que esse sold todos os
quinze dias pago pela tbesouraria. Queixaram-se
do modo acintoso porque era protegido o criminoso
Antonio Carlos; queixaram-se por raaodarem as
to a preswjca do subdelegado, que, tambem nao D. Libara da Silva Goiraarie.
MOsdids eoos se bonve. D. Silvana Julia Caraelro de Almeida.
Compra notar que esse Ignacio Simio morava D. Mirla Jorge Gobcalves.'
S (raguetk do Llmoeiro donde foi chamado, oomo. D. Secunda de Souza Lobo.
*oo>om sliom quilate para ser inspecDr de qnar-1D. Alejandrina,da Recha Bastos,
leerlo. Tam reput cao da ladrao de cavallos, e foi D, Maria Helena do Reg Barros,
por isso demittido das mesmas fuoccSes qae |a p. Isabel Ferreira Gomes.
exercan ara Pao d'Alho, no umpo da delegacia
do Sr. Cruz Candido.


TOMADAS DB mCRUTAS.
No sitio do Saco, do termo da Cabrob, um tal
Justino. Moreira sabio ao encontr da ascolta, qae
condusi* alguos recratas, e os tomou.
Consta, que deu-se conflicto, no qual morrea o
comraaxulaate da escolta, e um dos aggressores.
G juiz municipal respectivo acha-se com o pro-
motor da comarca no logar, aonda se dora o facto
criramato, e mstaarr pnoeesso, cujp, l^uiadY
nao era anda sabido.
de liluslraco reconhecida, deiiou-se entretanto
fascinar pelos prestigios de ama matitoico que
ainda fio para oes, qne estamos earecendo de
ostros melhoraraentos de mu tomaior urgencia. O
fixm. Sr. Dr. Lnna Freir se nio tem descuidado
tambera da tnslrncco publica, qae tea procurado
concentrar e por debati de suas vistas, ja reno-
vendo as atlas de iostruccao secaadaria, escola
de prlraeiras iettras tiara um roesrao edificio, como
at fazendo nesta funcciooar a secretaria da ios-
troccao publica, qae estava na oasa da respectivo
director, e cojo oseraveate, sendo empregado na
tbesouraria, mandn remover e substituir por
quem possa raelhor cnmarir com os deveras do lu-
crar. Tem removido algans ptofessores poaeo ap-
ios para cadeiras manos imporBtes, de sorte qae
aebam-se era concurso as da capitel e da eidade
da Paruahiba, qae sera duvida serio preeDcbidas
por pessoas mnito bablhudas.
i Gs negoeios da oerra mnito ido f reooenpado
a silencio do Etm. Sr. presidente, qae ha conse-
guido alguma censa : pelo ultimo vapor fez seguir
y.) pracas para a guerra ; outro contingente Igual,
Qaando o governo acceita francamente a Influen-
cia do paiz, e procura modelar os seus actos pelo
senlimeoto popular e as regras da justica e hones-
iidade, os poderes pblicos sentem-se fortes, e uni-
dos. Todo- os negocios se fazem, todas as ques-
ides se resolvem; todo marcha, nada se addia.
Quando ha esta harmona, os actos do governo sao
bem receido*, a sua linguagem escalada, e forte
a sua atinude.
U espectculo a que estamos assistindo sem
exemplo. Temos um governo ineompalivel, em
guerra constante com todas as classes, e em mani-
festa opposico com todo o paic.
G desdem com que por toda a parte sao recei-
dos os aeos do governo assas significativo. E' a
triste ironia do desprezo, um pungente sarcasmo
Quanto mais parece inerte no nosso povo o amor
as inslituicSes livres, tanto mais estrepitosas- de-
vem ser as suas explosoes E' serapre terrlvel o
despertar deste somno apparente.
O partido conservador paciente porqae- forte-
Confia no sea direiio, aos seas meios, no seu po-
der, e nos seus interesses, que sao os -da socieda-
de inteira. Repagas Iba a propaganda da violen-
cia, e todos os actos extremos. E' oeeessario, pu-
rera, nao confundir essa paciencia com a insensi-
oilidade, e um corpo ebeio de vida com nm ca-
dver.
A parte qae pertence ao povo na goveraacao pu
blica, e qae por1 elle foi conquistada com tantos
sacricios, loraa-se completamente nulla, qaando
um dos poderes profunde absorver lodos os ou-
tros.
Para alaibar esse perigo de acintesa absorpcao,
oeeessario qae todo e palz se levante, para re-
clamar a estricta divisao dos poderes, seos limites
fuuccrjes proprias, soguodo a conslltafcao.
E' este um dos casos em que as eolligaedes se
opersm espontaneas, sera o menor esforco, sem ne-
nhum accordo, sem nenhuma quabra de prioci-
pios, a sera o mais leve deslustre das bandeiras.
Para acudir a um grande lateresse, a um peri-
go que esta' immineote, os partidos serios osqae-
cem frequentes veses as bausas qae os extremara,
as opioies qae os dividera, da mesma forma qae
roda do edificio, atacado pelo incendio se grupam
individuos, qne nanea se conbeesram.
E' oeeessario ignorar completamente a historia
contempornea, abdicar a propria razo para' oceurreoela.
pretender que os partidos estejam setupre incom-! Dea-se na Gloria do Goiti, no dia 4 do correte, e
manicaveis, que nio tenbam nem possam ter cou- poitaoio depois da suspensao do reerntameoto, nm
sa alguma de commnm entre si, e que devara uns allantado grase contra um cidado pacifico maior
autoridades cercarcasas alta noute, e era conti
neote vareja-las: em summa foram denunciados
todos os desunios todas as vioUcSes da le, e al
todos os criuies praiieados pelas aotoridades.
O que, porm, s ccedeu foi o ser considerado in-
digno, poltico parcial, iuimigo rancoroso, calum-
niador iodo aquelle que publicava ou queixava-se
de.taes procedimeutos. Neohum processo se los-
taurou contra laes autoridades, a nenhuma oves
tigaco se prucedeu, porque qualquer destas cou-
sas offeodia ao Sr. Augusto, irmo do Sr. Villa
Bella.
Eramos calumniadores quando asseveramos qae
Antonio Carlos estava em S. Lourenco; di na a esse
respeito urna das autoridades superiores que Isso
era mentira dos vermelhos. Antonio Carlos foi
preso no eogenho S. Joo por um horaem flo povo,
e que castigo tiveram os Srs. Augusto e Fer-
raz T Nenhum, foram conservados na polica para
exterminaren) os conservadores.
Qaando, pois, somos parseguidos por essa for-
ma; quando peraute as autoridades superiores
nada valem as nossas qoelxaso nico meio cons-
titucional de que nos resta lancar mao correr-
nos as ornas, e nao recuarmos.
Nsdade consentirmos qae se viole o nosso direi-
lo de votar; resistir a todas as offensas qae Ihe
quizerem fazertal o nosso dever. Cumpramo-I,
e teremos ioevitavelraente o mel de pndermos
estar tranquillos, e livres detsnta perseguico.
As tropelas eleitoraes ja principiara ; a qoallfl-
ago esta horrlvelmente viciada, maito diversa da
lisia afiliada na pona da Igreja, nada disto porm
sera capaz de fazer com que abandonemos a
eleico.
u Exm. Sr. conselbeiro presidente da provincia
ja deve eonhecer bem o protector de Antonio Gar-
los, e esperamos de seos principios que deixar*
correr livre a eleico.
FREGUEZIA DA GLORIA DB GOIT.
A proveiiendo a boa vontade yue mostra a -Bll-
ela, em explicar os fados que dio motivos a recla-
macoes, como fez a respeito do recrutaraenta de
Andr Avelino de Barros e Miguel Jos dos Aojos,
vamos referir o segrate, sobre que nao tememos
oontestaedes, visto que nos foi comraunioado por
pessa mu digna de e tesiemuona ocular da
Tenbo sido "vietlma silenciosa de todas as inju-
rias e diatribes, qae mea irmio o Sr. Joaquim Sal-
vador Pessoa de Siqueira Cavalcaote, por difieren-
tes vezes, no peridico Liberal, me tem cuspido.
Mo ultimo numero deste peridico aggride-me alie
to impamente, com baldoes to atrozes, com ea
lumnias to provocadoras ; que estive por um
momentoresolvido e disposto a chmalo a barra
das tribunaes pelas injurias e calumnias, que te-
nho soffrido, para pdr termo a tanta desenvoltura
de lingaa. A consideraeio, porem, de que um
mea irauo esse, que tanto me maldiz e ultraja,
e o respeito qae devo a meus pas, a qnem isso
ia tambem ferir, e augmentar os seas profundos
desgoslos pelo proced manto que tem lid; o Sr.
Joaquim Salvador e mraigo e com todos os seus
irmos, foram as rasSes qu* me desviaram daquel-
le proposito, conciliando-me a equanimldadee a pa-
ciencia para os insultos de que Ibe deixo a tile
meu irmo a gloria de ra'os haver laucado.
Eu s u o irmo desnaturado, e homem capaz
de commetier fraudes em detrimento de seos ere-
dores ; mas quem isla afflrma o Sr. Joaquim Sal-
vador Pessoa de Siqueira Cavalcante, sendo que,
felizmente para mlm, nao me oceupo seno da ze-
lar o meu crdito, vivando em inteira harmona
com todos os mus irmos, com quem alias o Sr.
Joaquim Salvador est em lucta aberta: elle, a
victima da ambicio de todos nos, que somos todos
ingratos, que somos perversos; que o qae quere-
mos 4 reduzi-lo a Ultima extremidade e a miseria.
E o qne bei de dizer a isto T que fazer s des-
cornara naes provocares do Sr. Joaquim Salvador,
que ostenta tanta justica tanta bonra, e entretanto
recorre no libello difamatorio palos jornaesT
__ Nao foi senio a meu pezar que entrei em ques-
to com o Sr. /oaquira Salvador, ou antes, de mi-
aba parte apenas ioieoti' ama, conscio do bom
dlreilo que me assiste. Dabi origioou-se todo ssa
i inmenso despeito, que otea irmo tem contre
mira desenvolvido ; sendo que elle quem mais
perseguido me ba feito, prevalecendo-se de suas
relacSes para conseguir que revivessem eontra
mi ai acgSes, que esta vara exti'nctts de facto, mas
que por rainha nimia baa fe ainda nio llobara
sido julgaaas promptas. Tudo tenbo soffrido, de-
feodendo-me -rnente das manejos adrede erapre-
gados no determinado intoi'o de se-me-prejodlcar-
Nao tenbo dado nem urna palavra, que cause es.
cndalo contra asea irmo. Mas elle nio qner
absolutamente isto, e creado talvez que quem
mais grita quem mais razio tam, de vez em
quando apparece no Liberal molestando me desa-
bridamente com a imputaco de qaantos defeitos
se lerabra de assacar-ra? era sua ira.
Felizmente, porem, o Sr. Joaqun; Salvador
bastante cpnhecido, aluda que o diga com o mais
profundo pezar. qtretanlo nio posso deixar de
sentir, qae elle esteja constantemente a aggravar
assim as nossas dissidenci^ e que to forte como
se julga as nossas pendencias judiciaes, nao es-
leja tranquillo, confiado na justica dos tribunaes.
Seria muiio raelhor que assim procedesse : .tome
esie couselha, se o quizer; ou, contine a aboca-
nhar-me como tem feito, eerto de que.a tudo
quanto disser, eu Ibe darei o silencio e a resigna-
gao como nica resposta, que Ihe convem, e a
raim .
Recifa 16 de Janeiro da 1867.
Salvador de siqueira Cavalcante.
Dr. Jos Francisco
Publicares a pedido
fazer sempre o contrario do que os ontros fazem.
Um governo qae nao curi nos interesses do
paiz, que nao respeila as frmalas coastitueionaes,
que faz do arbitrio a sua lei, da corrupeo o seo
dogma, e do despader a sua divisa, deve ter con-
tra si todos os partidos constitaconaes e nio eoos-
tituclonaes. E' elle e seus desvara quem torna
iadispensave as ooliigacfies e~as fortalece. E' a
tenso comraum qne se indigna contra o absurdo.
Mas se os partidos, que sa oesputam a direceo
da sociedade, sacrifleam aos odios e preconceitos a
grande cansa nacional, se fazem desses odios e
jci maior, sagoir o> primejr* occasio, sem I preconceitos barrelras ioaccessiTais a todo o con-
de 40 annos e viuvo, por occasio da urna correra
policial apz de recrula. Eslava o homem em
sua casa e veado aproximarse a patrulha eom-
mandada por Ignacio Simio, hoaem conhecido
como turboleato, deitoa a correr, por nao seooosi-
derar garantida de alguma violencia, apesar de
sua idade e estado. Bastou este facto para qae a
patmlba desfechasse sobra elle am tiro qae, res-
valiando-lhe pela cabeca, deitoa-o por terra-ator-
doado oom am leve ferimeoto.
Nao sabemos se se fes corpo de delicio, nem st
bouve procedlmento criminal; sabemos, qae o ho-
mem, apesar de ferido, qaando (orna oa si foi leva-
ELISIC, AO
dos dpvotos e d vnlut que itrio
de festejar a Excelsa Senhora
da Conceico na saa capella da
estrada corrate aano de 1867 a 1868.
Juiz por eleicao.
O lllm. Sr. Manoel Isidoro de Oliveira Lobo.
Juiza por eleicao.
A Exma. Sra. D. Amalia Ferreira de Paula Ramos.
Escrivo por eleicao.
O lllm. S. Dr. Antonio Ayoes Jacome Piras.
Eserivaa por eleico.
A Exma. Sra. D. Francisca Leopoldina Jorge Gon-
calves.
Escrivo por eleicao.
O lllm. Sr. Jos Joaquim Pereira.
Escnvaa por devoco.
A Exma. Sra. D. Rita de Cassia Ferreira da Cruz.
Juizes por devoco.
Os Illms. Srs.:
Padre Lino do Monte Carmello Lana.
Dr. Jos dos^Anjos Vieira de Amorim.
t-'rti Jorge de Santa Anna Locio.
Teoenie Coronel Sebastio Antonio de Reg Bar-
ros.
Dr. Joo Jos Piolo Jnior.
Ludgero Joaquim de Fana Neves.
Majar Francisco Jos Silveira.
Joaquim Monteiro da Cruz.
Jos Alves da Silva Guimares.
Major Antonio Ignacio da Silva.
Juizas por devoco.
As Exraas. Sras.:
D. Maria Barbara Ferreira Lobo.
D. Antonia Candida Ferreira.
I) Maria, esposa do lllm. Sr. Jos Joaquim Ramos
e Silva.
D. Luzia Candida de Moraes Campello.
D. Roza Martios Moreira.
i). Maria Eulalia Ferreira.
D. Elvira Baptista Fragoso.
D. Isabel Tertuliana Ferreira.
D. Anna, esposa do lllm. Sr. Jos Alves da Silva
Guimares.
D. Ra, esposa do lllm. Sr. Marcolino dos Santos
Pinbeiro.
Juizes protectores.
Os Illms. Srs. :
Dr. Joo Jos Ferreira de Aguiar.
Exm. brigadeiro Joaquim Bernardo de Figueiredo.
Dr. Caetano Maria de Faria Neves.
Dr. Joaquim de Souza Res.
Toenenle coronel Antonio Carlos de PiohoBerges.
Vigano Manoel Joaquim Xavier Sobreira.
Major Joaquim Jos de Faria Neves.
Candido Affonso Moreira.
Guacalo Jos Affonso.
Dr. Aotero Jos de Medeiros Fortado.
Jaitas protectoias.
As Exmas. Sras. :
D. Amalia Carolina Passos.
D. Rita Caetana de Faria iNeves.
D. Josepnina de Souza Lpbo.
D. Francisca Fellsmina Ferreira.
D. Emilia, Gitia do lllm. Sr. Tiburco Antunes de
Oliveira.
D. Anna Joaquina Pereira dos Sanios.
D. Amelia Augosla Brandao.
D. Oliodioa Perpetua de Azevedo.
D. Hermina Augusta do Reg Pereira.
D. Francisca Amalia de Asevedo Carneiro.
Mordomos.
Os Illms. Srs. :
Fraoeisco Jos de Araujo.
Claudio Dubeux.
Joaquim francisco da Silva Jnior.
Amonio Manas Seabra Lemos.
Dr. Bernardioo de Sena Dias.
Fellippe Duarte Pereira Piioo.
Joo Baptista Vieira Ribeiro.
Joaquim Jos de Paria Neves Juair.
Serafira de Sena Jorge.
Tenente Tbocaaz Antonia Maciel Monteiro.
Joaquim Eageoio Ferreira.
Francisco Gcraldo da Silva Barroso.
Luii Alfredo de Moraes.
Francisco Belarmino do Santos Freita*.
Francisco Jos de Oliveira Rodrigues.
Jos Jauuario Pinto de Azevedo.
Juveocio Augusto de Atabide.
Manoel Teixaira Bastos.
Joaquim Monteiro de Oliveira Guimares.
Jati Antonio dos Santos Vieira.
Francisco Lucio'Coelho.
Antonio Francisco Martins Miranda.
Mordomas.
As Exm ras.:
D. Jovioa da Silva Antunes.
D. Anna Rosa Ferreira.
D. Anna, esposa do film. Sr.
Correa de Araujo.
r>. Mara Martins Moreira.
D. Francisca, esposa do lllm. Sr. Dr. Miguel de
Figueirda Faria.
D. Francisca Euqueria Jorge Goncalves.
D. Argemira Francisca Lourairo,
D. Francisca Moreira de Oliveira Lobo.
D. Mariaona Emilia Ferreira.
D. Rita Emilia Rodrigues da Almeida.
D. Euphrosina Francisca Ferreira.
D. Anna Martins Moreira.
D. Feliciana do Reg Barros.
D. Isabel, esposa do lllm. Sr. Miguel Arcbanjo de
Figueiredo.
D. Anglica Bernarda Pereira.
Capella de Joiode Barros, 13 de Janeiro de 1807.
O vigano Manoel J aquiol Xavier Sobreira.
Commissio regadora da festividade da Excelia Se-
nhora da Coneeigo na sua capella da estrada de
Joo de Barros, no corrente anno de 1867
1868.
Juiz.
O lllm. Sr. Manoel Igoacio de Oliveira Lobo.
Escrivo.
O lllm. Sr. Antonio Leonardo Rodrigues.
Thesoureiro.
O lllm. Sr. Manoel Antonio Ferreira Gomes.
Procuradores.
O Illms. Srs. :
Jos Francisco de Paula Ramos.
Joo "Francisco Ferreira Jnior. ,
Leoncio Gomes da Fonceca.
Jos Jacinlbo Silveira. >
Custodio Alves da Silva Guimares.
Antonio da Silva Azevedo.
Capella de Joo de Barros, 13 de Janeiro de
1867. .
O vigano, Mano*/ Joaquim Xavier Sobretra.
' '-'
ELEICO
da irmaadade da Virgem Marlyr Santa Cecilia qae
tem de rsger o aono de 1866 a 1867.
Juiz.
Candido Jos Rodrlguos de Lima.
Secretario.
Manoel Antonio da Porciuncula Ferreira.
Procurador geral.
Jos Tavares de Medeiros.
Procuradores.
Amaro Joaquim do Espirito-Santo.
Tranquilino Mathias Pereira Luz.
Definidores
Pedro Eugenio da Silva.
Didimo do Oliveira Barcello*. '
Beojaraira Martmiano dos Anjos.
Joo Ferreira de Mendong*.
Canudo Quintino Rodrigues de Lima.
Hermilino Daraio da Silva.
Caetano da Rocba Pereira.
Manoel Martins Ramos.
Thesoureiro,
Manoel Theophilo da Paixo.
ELEICAO
particular das pessoas que foram escolladas pela
mesa regedora para coadjuvarem e honraren
com as suas presencias a festa da nossa excelsa
padroeiro a Gloriosa Virgem Mari)r Santa Clci-
lia erecta na igreja de Nossa Senhora do Li-
Trameulo desta cidade no corrente anno de
1867.
Jaizes prolectores.
Os Illms. Srs.:
Candido Affonso Moreira.
Joaquim Francisco do Reg
Dr. Pedro de Albayde Lobo Moscoso.
Juizas protectoras.
As Illraas. e Exraas. Sras.:
D. Maria Marques de Amorim, esposa do lllm. Sr.
Manoel Marques de Amorim.
D. Rosa Caadida Neves do Reg, esposa do lllm.
Sr. Jos Fraucisco do Reg.
D. rierentima Oliveira de Barros Almeida, esposa
do lllm. Sr. Dr. Rufino Antonio Almeida.
" Juizes per devoco.
Os Illms. Srs.:
Dr. Bernardo Pereira do-Carmo.
CapilQ Silvino Guilherrae de Barros.
Capito Jos Mariano de Albuquerqae.
Juizes por devoco.
As Illraas. e Exmas. Sras.:
D. Silvana Goncalves Agr, esposa do lllm. Sr.
Manoel Goncalves Agr.
D. Corbiniana' Clara da Nativid.de Baptista, Bine
00 lllm. Sr. Tiburcio Valeriano Baptista.
D. Joaquina Teodora Femandes.-esposa do lllm.
Sr. Jos Alves Fernandes.
Escrivos por devoco.
Os Illms. Srs.:
Antonio Goncalves Brilto.
Antonio Rodrigues Pinto.
Jos Elias de Oliveira.
Jos Coelho d'Araujo.
Marioho Profiro de Souza Lima.
Antonio Duarte Coirabra.
Escrives por devoco.
As Illraas. e Exraas. Sras.:
D. Hermilinda do Carmo Pereira Macedo.
D. Rufina de Oliveira Colas.
D. Jesuina Carolina de Abren.
. Alexaodrina de Souza Lima.
D. Augusta Marques da Silva.
D. Crispioianade Miranda Lima.
Mordomos por devoco
Os Illms. Srs.:
Jos Pinto da Silva Jonho.
Hermilindo Luiz de Carvalbo.
Roque Jacinlbo de Oliveira e Souza.
Antonio Marques da Silva.
Pedro Marques da Silva.
Joo Caetano Farges.
Salvador E>teves de Oliveira.
Mao.el Guilherrae Al es da Silva.
Carlos de Paula Lopes.
Joo Pinbeiro Catle.
Amerlco Ouvidio dos Santos.
Tranquilino Candido da Silva Brasil.
Mordomas.
As Illmas. e Exmas. Sras.:
D. Thomazia Umbelioa de Lima e S.
D. Anna de Souza Lima.
D. Clara Francisca dos Prazeres. .
D. Clotildes Violante de Oliveira Almeida.
D. Candida Maria de Jesas.
D. Isabel Maria do Carmo Lins. Blferdo lllm. Sr.
tenente Pedro Alexandrlno Lins.
D. Maria da Conceico Filgaeira, Alba do lllm. Sr.
Leandro Martins Filgueira.
0. Paula Carolina Saraiva Galvao, ulna do Hita.
Sr. Tranquilino Saraiva de Aranjo Galvao.
D. Graciada Caodida Saraiva dos Saotos, esposa
do lllm. Sr. Ignacio Ferreira dos Santos.
Di Luzia Maria dos Prazeres Prtela.
D.'Candida Brasliana de Ges Telles.
D. Amelia Marcelina Gomes de Oliveira.
D.-Eutervina Deollnda dos Santos.
Recife, 13 de dezerabro de 1866.
O vigano eacommendado, Joao Jos da Costa
Ribeiro.
flovt Rneo de Pernainttnco.
O Novo Banco fax o 17 dividendo de $1 por.
accao.
Rendimento de 1 a WWVnr&t*,,. 4(g-37485li
dem do dia 16................ 34:303*346
452:578*060
MOVIMSSTO DA ALFANDEGA.
Volamos entradas com fazendas..
t < gaera*-----
Volantes sahidos com fazendas...
t c gneros-----
II
-----11
90
04
-----694
Descarregara hoje 17 do corrente.
"*" rieanoleosie A. Wooihousf merca
Hiate a
doria
Brigoe ingLzMennie B Bi -idero.
Patacho inglez-J/ar BWJ-farinha de trigo.
Patache inglez- Barboug Graceiea.
Palhabote portuguer-/za-diversos gneros.
Brigue nacional Marqnez de Santa Cruzdiver-
sos gneros.
Brigoe InglesBelly Marypedra.
Birca portugaezaGrarirfopedra.
Brlgae inglez -Pmercmo. '
Lugar inglezCaledonhdem.
Barca inglesaCharl BW-ldem.
Barca ioglezaGUn Telliem.
Barca ioglezaIsabella iiem.
Barca francesa -Noi !em.
Brigue boliaodezPerseverancerharqna.
Brigue argentino- Volanteidem
Brigue nacionalE^peranQaidem.
Patacho hanovenanu' oncordta idem.
Patacho portuguez Garret ideo.
Escuna hollanezaDe Frfe_Jm.
lixportato.
Brigue partuguez Mananao IV, earregoo para
Lisboa :
3,077 saceos, com 13,383 @ de as&nrar branco,
350 saceos com 1,750 arrobas de dito mascavado.
70 cascos com 12,600 medidas de agurdente. 15
pranx5es de vinhatico, 54 saceos com 2i2 3> de
gomma.
Barca porlogueza Seguranca, carrego para o
Pono :
2,829 saceos com 14.145 arrobas de assncar
branco, 358 ditos com 1,790 $ de dito mascav?do,
jl,50,saccos com 706 e 20 libras de algodo, 594
couros salgados, com 13,176 lib., 83 cascos com
3,088 medidas de mel, 54 praoxoes vinhatico, 6
barrica* cora 24 arrobas de gomma e 1,000 chitos
de boi.
Brigae brasijeiro Principe, earregoo para o Rio
de Janeiro :
,2,334 sacos cora 11,670 arrobas de assucar
b'raoeo, 2,239 melos de sola e 620 coorinbos cur-
tidos.
Patacho brasileiro Bom,.Jesus, carregou par o.
Rio Grande do Sul :
980 barricas^e 350 saceos com 8,619 arrobas de
assucar.
Brigue inglez Ann Polts, carregou para o
Canal :
6,020 saceos com 30,100 arrobas de assncar mas-
cavado.
Brigue-escuna ruso Pinto, carregou para o Rio
da Prata :
1,900 barricas cora 13 937 e 9 libra de assn-
car branco, 350 barricas com 2,763 (p e 2 libras
de dito mascavado.
Barca portugueza Lima /, carregou para o Rio
da Prata :
1,595 barricas cora $ .3S6 e 3 libras de assu-
car branco, 50 ditas cora 429 arrobas 20 libras de
(Ido mascavado.
Barca francesa Avenir, carregou para o Havre :
1,000 saceos com 5,000 (jp assucar mascavado,
1,247 diios 6,378" arrobas e 29 libras de algodo,
358 couros salgados cora 10,555 libras, 3,133 dilos
verdes com 456,585 libras.
Importado.
Vapor nacional Cruzeiro do Snl, entrado dos
portos do norte, mauifestou o seguibte :
Do Para.
14 fardos com 4,776 chapeos do Chile ; a Maury
Romaguera e Filho 4 C.
2 voiumes ditos, com 348 ; a Miguel Jos da S.
Do Maraobo.
1 caixa diversos instrumentos ; a Manoel Joa-
quim Ramos e Silva Genros.
50 saceos arroz a Bernardo Jos de Araujo.
342 saceos mtlho, 100 ditos farinba de mandio-
ca ; ordem.
Do Cear.
200 barricas vasias; ordem.
Patacho inglez Mary Bell, entrado de Terra No-
va, consignado a J Pajar & C, nianifeslou o se-
guirte :
i,--37 barricas 80 meias e 71 caixas bacaibo,
400 barricas farinba de trigo ; acs mesmos.
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS
GERAES.
Rendimeuto de 1 a 15 do corrente 15:1425761
Idem do dia 16................ 1:952,Joa7
17:094*7-.S
"9
MVIMENTO DO PORTO
MMi
ERGIO.
Caixa lilial so banco do Brasil em
Peraanibuco aos 10 de Janeiro de
4867.
Be ordem da directora se faz sciente aos se-
nhores accionistas que o thesoureiro esta' aotori-
sido a pagar o 26 dividendo das acedes desta cai-
xa a razo de 12*.
O guarda-livros
Ignacio aues Crrela.
NOVO MN0 DE PR-
MICO.
O novo banco paga ase-
gundo dividendo de 4,4 iO
da massa fallida de Joaquim
Jos Silveira.
Navios entrados no dia 16.
Parahyba 10 horas, vapor nacional Mol/que de
42 toneladas, commandaote Jos D. de Souza'
em lastro ; ao Barao do Livraraento.
Terra-Nova 27 das, patacho ingles Busy, de
710 toneladas, capito I. Bonden, equlpagem 9,
carga 2585 barricas, 220 meias ditas com beca-
Iho ; a Sauders Brothers i C.
Terna-Nova 30 das, brigue inglez Jura, d* 250
toneladas, capito J. Day, equlpagem 13, carga
2702 barricas com bacalho ; a Jobonston Pa-
ter & C.
Terra-Nova 21 dias, patacho ieglz Queen of Ihe
Fal, de 194 tonelanadas, capito Payoteo, equi-
pagem 9, carga 296Q barricas com bacalho : a
Joston Pater & C.
Navios sahidos no mesmo da.
Rio de Janeiro, e portos Intermedios vapor bra-
sileiro Cruzeiro do Sul, commandante Joaquim
de P. G. Alcoforado.
Penedo e portos intermedios vapor brasileiro
Parahyba, commandante Mello.
Parahyba vapor brasileiro Moleque, coraman-
mandante Jos Duarle de Liverpool vapor inglez Amazon, commandante
Bilis, carga algodo.
Liverpool galera Iogleza Henrimone, capito
Johu Gregory, carga assucar e aigcdo.
New-York lugar americano W. fl. Btebi, capi-
to A. Crawford carra assucar.
Havre Darca francesa Avenir, capito Peoche,
carga algodo e ontros gneros.
New York barca americana Hvzard, capillo G.
A Karsieo, carga assucar.
Lisboa brigue portuguez Novo Progresso, capi-
to Joaquim Jos dos liis, carga assncar e on-
tros gneros.
Obstraacao.
Suspenden do lamaro para o Cear a barca, ia-
gleza Winh of tke Morntng, capito Bradley com o
mesmo lastro que troose da Badia.
EDITiES.
De ord.'ra do Sr. inspector da alfandega so
fas publico qoe, em vrtude da portarla da thesou-
raia ae fazenda n. 5 de 8 do correte, precisa se
eontratar o concert dos dous guindastes da ponte
desta reparlico constantes do qrcaraeoto que ser
presente aos licitantes, os qnaes apreseotaram ao
mesmo seohor inspector as snas propostas em car-
ta,fechada at e dia 18 deste ates.
Alfandega de Pemambuco, 11 de Janeiro d
1867.
O 3 escripturario.
Eiitychw Mondtn Pestaa.
Perante a cmara munisipil desta cidade es-
Uro em praca nos dias 16, 10 e 23 do corrente
para serem arrematadas por quera por menos Ozer,
nao s a obra do calcamento da estrada que condaz
ao matadouro publico, na largara de vlnte e cinco
palmos, cojo calcamento ser feito- de pedras irre-
gulares, se nao.tambem a do maro de encesto do
lado do nascente da mesma estrada ; a primeira
obra oreada em 7:#50tf, a segunda na de...........
4:656960 rs. ; aquelles que pretenderem arrema-
tar taes obras, pero caraparecsr no paco muuisi-
pal nos dias indicados munidos de Dadores que gr-
rantam a arremataco, 'devendo serem presenta-
das as habilitaceVs tres dias antes n respectiva se-
cretaria, para serem examinadas, onde encontraro
os orcamentos das referidas obras para concertar.
Paco da cmara municipal -do Reeife, 9 de ja-
nsiro de 1867.Gustavo Jos do Reg, p. presi-
dente.Francisco Canuto da Boa-vlagam, secra-
tarlo.

V
j
s

L*___
alaW


--*-
Diarto de Perua mimes quiis felra 17 4c Janeiro de m.


.
&
Secretan! 3a overao 15 de Janeiro da 1867.
rea secretan* do g-jverno s coovida o Sr. Cae-
taooBeson-dAssisCimpM, a vir ou mandar
pagar do prato de JO di is contados de hoje, o por-
te do requer.iiprftj nl ,,,, peB a0 g0VerQU a,.
penal a serventa vitalicia do offlcio de'escrivo da
orpaaos do termo le Pao d'Albo, sob peaa de con-
siaerar-se, prejudicada a sua pretendo.
O secretario,
_ Dr, Francisco de Paula Sales.
Deordem do ll!m. Sr. iospeclor se faz pabli-
coqae en virtade da portara da thesooraria de
fazeoda d. It de 12 do cerrante, precisa se coutra
tar o concert do guindaste da segunda ponte dis-
ta repartijo, constante do orcamento que sera'
COMPANBIA PERXAMBUCANA
DE
Navegatiw costeira por vapw.
PARA
Penedo e Aracaju' por escalai.
Sahira no da 16 as S bous da
Urde o vapor Parahyba, com-
Dtandante Me! o. Recebe carga
at o dta 13; passagwiro?, encor
menJHs e dinheiro a frete al as
3 horas do da 16 : escriptorio no Forte do Matos
n. i.
Para o Arnetj
segu oestes dias o paliiabete nacional Emilia :
prevate aos licuantes, os quaes apresentarSo suas para carga trata se coro o onsignatirio Jos de Sa
propostas em carta fechada at o da 18 deste Leltao Jnior, na rna da Madre de Dos.
Alfaadega de Peroambuco lo de Janeiro de 1867
O .> escnpiorarlo,
____ Eulychio Mnodlm Pestaa.
Para o Rio Grande do Sal.
O veleiro patacho Sol, pretende segnlr com mui
ta brevidade, tero parte de sea carregameoto prora
to, para o resto que Ihe falta trata se coro os seas
consignatarios Antonio Luiz de Olveira Azevedo &
C, no sea escriptorio ra da Craz o. 1 oa com o
capito na praga. _________
. Da ordem do tllra, Sr. inspector se faz pu-
blico qne flca transferida para o dia 19 do correo
ta a 1 hora da tuda a arrematarlo da eaixi o. 3
a marca 1 O D, conteni 43a duzlas de cabos de, _
bifre coa Kuaroieao de metal para cachimbos.| Pora ft kiA (tP/LTIIP (1(1 Sil
cigarros e charutos, avallados a 1 a dnzia, po-'J l'
deodo ser arrematado em lotes a vootade do com-
prador.
Alfandega de Pernamcnco 16 de Janeiro de 1867
O 3 escriptarario
Eulychio Mondim Pestaa.
| de 250 toneladas, fjrrado de metal novo, ben
socivilhado e -iregado a pao f-jrru e cobre-, sen-
alo a sua mastreaco e masSame em bom esta-
do e promplo a navegar eslaudo o inventario do
meara em mo do afete aun se .promptiBca a
raostra-lo aos pretenden!'s e o palhabiM acha-se
prompto a ser examinado no ancoradonro da bar-
caca o leao tora' logar oo dia actaia menciona-
do as 12 horas da manha no largo de Carpo San
to jnnto ao caf commercial.
O veleiro e bem coobaeido briguenacional Ame-
lia, pretende segor com maita brevidade, lem
parte do seu carregameoto engajado para o resto
qne Ihe falta trata-se com os seas consignatarios
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, no sea
escriptorio roa da Craz n. 1.
LEIU
urna
Aula de Mngoa Fraaecza
e C3egrapbla c His-
toria.
de iPbllosopbiia.
- de Rkrtorlea e Potica
Jos Soafes d'Azevedo, professor de lia-
goa e liliemura nacional no Gymnasio Pro-
vincial do Recife, tem aberto em sua casa,
ra Bella n 37, um cnro especial de cada
urna das disciplinas aciaw mencionadas. As
pessoas que se desejrem preparar'em s-
milhantes materias para os exumes de Mar-
co, ouasqfl quizare seguir o curso do
anno lectvo, poder dirigir-**} Presidencia
co, e a requertmeoto dos indicada, de tnanhSa al u Sr horas, e de
Srs. Tasso rmSos, vende- tarde a qoajquer hora.
r em leilo a barcaea
Linda Piaba, a qoal acba-
RA
O agente Pontoal, de
ordem do illm. Sr- nr.
julz especial de eommer-
GJMNDE HOTEL CENTRAL
LARGA DO ROSARIO RU4 -ESTRKITA DO ROSARIO
N. 37 N.4A
ENTRADA GERAL ENTRADA PARTICULAR
PROPRIETJRIO.
FRANCISCO GARRIDO.
DGLAB4C0S.
A Illrn.1. juuia administrativa da Santa Casa
de Misericordia do Recite recebe propostas para
arrendamerrto das casas abaixo declaradas, as
qaaes acbando-se arruinadas, ser arrendadas
pelos procos mdicos a qnem se qoizer incombir
de concerta tas :
Estabelecirnentos de caridade.
dua Diretta n. 33.
Ra da Moeda n. 37.
Ra do Pharol o. 72.
Rna dos Ceolhos n. !!i.
Bccco do Abreu a. 2.
Patrimonio des orphos.'
Ra do Burgos n. 19.
Ra da Cacimba n. 19.
Ra do AadHp n. 21.
Os'pretendeotes para melhores esclarecimentos
podero dirigir se secretarla,
Secreuria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cita, 20 de dezombro de 1866.
O escrivo interino
______Pedro Rodrtgv.ei de Souza.
Sania Casi da lisericurdta doRecife.
Teodo de flndar-se em 30 de junho do correte
anno o arreodamento do sitio da ilhi do Nogueira,
oropriedade da Saota (hsa de Misericordia, a
Illma. )unia adrcioisirativa tnauda fazer publico a
quem convier, para que com antecedencia o viw
exa ninar. aQ que s^ro reeUdfts tiesta secretaria, onde se da-
r j todos os esclarecimentos precisos aos interes-
sados.
Secretaria da Santa C*sa de Misericordia do Re-
cife, 11 de Janeiro d- 1867.
O eserivo interino.
_______Pedro Rodrigues de Souza.
Manta Casa da Misericordia do
Recife.
O lllm. Sr. toesoureiro interino da Santa (;a?a
de Misericordia do Recife, capito Vicente dt> Pau-
la Olive a Villas-boas, no dia 22 do correle (tei-
ca-feiraj. ne as 10 horas da maoha, no salo da
casa dosfitpostus, fara' pagamento das mensall-
dades vencidas at d-zembro findo, as amas que
se ores-otareo) com as_ crianzas que Ibes foram
confiadas.
Secretar.a da Santa Casa de Misericordia do
R-.'cifd 15 de Janeiro do 1867.
O escriv, interiuj
Pedro Rodrigues de Souza.
Santa Casa da Misericordia
do Recite,
A tilma, jnnta adminisirativa da Santa Casa dt
Misericordia do Recife manda fazer publico que
no dia 17 do correte pelas k boas da tarde na sala
lesuas sessoes. tero "Se ir s pra^a a-renda das ca-
sas abaixo mencionadas para serem arrematados
p ir alugnel pelo tompo de um a tres sooos.
Os preteodentes deveo apresentar caria de fiao-
ca on serem acompanbalos de seus fiadores on
com cartas dos me.smoes.
tsial)e(ecjn Roa da Cadeia do Recife.
Sibrad) de dous andares n. 57 1:200^000
Ra dos Pescaderos.
Casaterrean.il.......216J000
Roa da Gloria.
Casa terrea n. SU.......144JOO0
Rna do Calabouce.
Casa terrea n. 20......1920000
PatritaAino de orphos.
Rui da Cadeia.
Sobrade d^ dous andares n. 57. 1:2000000
Madre de Deas.
Casa terrea 94.......... 168g000
Roa de Pilar.
Casa terrea B. 91. .....168(1000
Sitio do Porno da Cal n. 5. 150*000
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Recife 11 de Janeiro de 1856.
O escrivo interino,
Pedro Rodrigues de Souza.
ILH i DE S. MIGUEL
Segae com a maior brevidade o omito veleiro
patacho Jorgence para carga que Ihe falla e pas-
sageiros para os qaaes tem bons commodos tra-
ta-se com o sen consignatario Joo do Reg Lima
a roa do Apollo n. 4.
Para o Rio de Janeiro
Pretende seguir com muita brevidade a veleira
e bem conbecida barca Rio de Janeiro, tem parte
de sea earregamento prompl). para o resto que
Ibe falta c escravos a freie para os qua'"* tem ex-
celientes cararaodos trata-se cora os seus consig-
natarios Antouh Luiz de Oliveira Azevedo Au-
no sea escriptorio ra da Cruz o. 1.
Para Lisboa.
Segu em poucos dias o brigue portaguez Com-
ante II, jr ter prorapto qaasl todo seu carrega-
raeot', ptra o resiaote. e passageiros; trata-se com
Oliveira Fio4 C, largo do Corpo Saot) n. 19,
oa com o capito na praea.
se atracada no resi tro o.:
4, sendo qae todos seus pertnces como bem ve-
la?, bolina, embonos e todos mais outros pertea-'
ees achara-se depositados no armazem de tarinba
dosraesmos Srs.TassoIrmios no caes do Apollo,:
oode poderao serem vistos e examinados a qual-
quer hora, caja barcada f,>i arrestada por aquelles
senboresa D. Loiza de franca Zidame e Silva.
O leilo ser etT-ictnado ao meio diaera ponto,
no caes do Forte do Malo junio a agencia do va-
pores.
Sa
H.i qoartose salas
Preparad )8 coro asseio,
Para aquelles que vierem
A Veneza de passeie.
Tem commodos excelentes
Para solteiros casados
A' todos se prodlgallm
O mals sinceros cuidadas.
Encontra-se para lunch
Fiambre a qualquer hora,
Tambera recebe assignantes
De comida para fra.
13 de Janeiro.
AVISOS DIVERSOS
Para Lisboa
Vai sahir com brevidade o brigue ponogoez So-
berano, capito Bugigaoga, recebe arga a frete,
tratase com E. R. Rabello, ra do Traslbe n. 44,
ou com o capito.
Pretende seguir com brevidade para e faiteado
porto o velairo bri^t? encana nacional G/aeiota
capito Silva Ralis; para a poaca carga que Ihe;
falla trata-se com o respestivo consigaiaurio Anto-
nio de Almeida Gomes; a ra da Cruz n. 23, !
andar.
Ilha de 8. Miguel.
aos eoooamH
one t^ren-ftira 22.
Achararse venda na respectiva theson-'
raria, roa do Crespn. 15, os bbetes
meios e rpartos da 31 parte da lotera a
beneficio das familias dos voootarios- da
patria (3a) sendo a extracto no lugar e
hora do costume.
_Ospreaaos(!-3 6:009(JK)00 at..; 106000 m-
iwiiinu -k,!. r. i.- ^ Pa8SftWh<*adepos da .xfracfoat
iDStltntO ArcealaglCO e GeographlCO as 3 horas da tarde, eos t.utros depois da
PeraafflbHcatf.
Bavera* sessSoordlnari qni-su-feira 17 do cor-
rente, pelas 11 hora,da maofm.
ORDEM DO DIA.
Pareceres e mais trabalbos decommissSes.
DiscassSo concerneute a' prxima fesla do aa-
nlversario.
Secretaria do Ioslitato, 14 J. Soares de Azeved-',
___^______|_____Secreiario perpetuo.
Preclsa-se de usa hornero
que cateada deplaatacde* para
tomar coata de aai sitio na el-
dade de Oliuli, prefere-se a
em nSo rtref familia : a tra-
tar nesta typographia.
Mitaoel ios Sanios Ferreira' subdito de S.
|f. Fiderisiroa, retira-se para Po-lugal.
distribui?5o das listas
As encommendas sero guardadas semen-
t at a noite da vespera da extraccao.'
O tbesoureiro,
_ Antonio Jos Rodrigues de Sou*a.
Precisa-se de duas amas idosas, seudo nina
para eozinhar e ouira pira servir em mandados :
na ra as Crnzes n. 36, segundo andar.
wn r SPCT,orf ca8^ francezas mallo finas de cores fixas, matisadas e mludinhas a
v^/n-.i?OV M' W* d,s co'onas roa o Crespo d. 13, de Antonio Crrela de
VdaCOnCOIlOS Q J.
Preeisa-se de ama malher qae eoziohe e enj?om-
me pa;n casa.de homem so leiro : na ra do Ran-
gel n. 3.
m ras
GfDIL.fi.e6f) D II
mmm\k
mw amm.
Wec weisz vro Bar tete den vlost holt ?
Eduardo Meiiler, Suisso, val jttra Mropa.
- Luiz Marg;t, cidado suisso, vai para Eu-
ropa.
Segu com moita brevidade a barca portagaeza
Parary, capito Augusto Borges Cabral : para o "
resio da car^a e passageiros trata se com o seu r
consignatario Joao do Reg Lima a' rna do Apollo
n. 4.
LISBOA
Vai sabir cora brevidade a n*io conhecida e
veleira barca
hara
rnr ter parte do carre-jair^oio engaiado, para o
resto traia-se com os coasignaUrios Carvalho &
N-gueira, na ra do Apollo o. 20
Para Lisboa
Pretende sahir com a paattMi bretidade o logre
nortugaez Julio por Uso e qae tsm qu.isi toda a
carga engajada. Recebe algoraa earga e passa-
geiros para o qn trata-se com os consignatarios
Thotuat d'AquIno Fonceca & C, na ra do Viga-
rio n. 19 Io andar.
Aos amigos do progresso
To. Montaigne ebegado ltimamente das grandes
Antilhas Americanas, anligu administrador e di-
rector dos trabalhos de fazendas de assacar, avisa
aos Se., fazendeirs que tem em seu podr as plan-
tas dos systemas os mais andemos, com boas pro-
porgoe- de apparelhos para ajsnrar e destilagu
continua e peridica para agurdente de canna,
es Todos esses. sy maw efonamieos tanto para vaniagom dos produc
tos como da economa do eomoofenvel.
O tnasmo se eacarrega de mandar fazer esses
trabarfc debalxo de s ia dire^Qao.
Pargratar ra .\jvi 43( dando-se todas as
expliea(5a convettietl s.
Mismas
n.. 61Palacete do ce-* de ^li-1
coileeicidmT^LumI1*!'0 de !Q'. ***& PW a que* p,ssa inieres^r^que transferro to-
internos'semilSST. aVie A^to a^b",irrtf d0 Bw,e'0Bde "** adffl",ir *tmnM
ceza e !^'3r1S l* di1l.',co,,esi, s.lJ a? prtri : mstroceW elementar, tegua latina, fran-
SUSSmdtlmt: P el,ea gegrapt>a 6 ^sloria, gar^iaSpinsonl^ 'deJnh,. mus'.ca vo-
^^raiffW}i!te coja ma,ricuia desde *
O director,
l I'. Ribeiro de Sonza.
Sao convidados todo os reverendos senhor^s sa-
cerdotes qae quizer^ra celebrar na igreja do Corpo
Santo, na manha da sabbaiio 19 do correte, a
receber ahi a estnola de 35 cada um.
A profesora particular Francisca Amalia
Moreira, faz sciente ao respeitavel publico que
abri a sua aula no dia 15 do c frente, e recebe
pensionistas : na ru:t larga do Rosario n. 16.
ESCRaVO.
Precisa-se aligar um escravo para fazer com-
pras mai> servicos de uma casa de familia, pa-
g^ndo-se bom ordenado : na ra da Madre de
Dos n. 36.
Precisarse da um homem forro ou escravo
que se queira gnearregtr de v^ndi^r asna em urna
carrosa : na roa da Imp-ratriz n.39, 8 andar, se
dir.
COiElO GtK\L
i'.olarao das cartas seguras existentes na admiuis-
tracao 'do correio desta cidade para os senhores
abaixe declaradas :
Antonio B-zerra da Rocha Moreira, Antonio Vi-
cente Magno, B;rao de Villa-Bella, Baro da Vera-
Cruz, Claudio Dubeux Jnior, Duarte Estevo de
Oliveira^ Demetrio de Gasmo Goelbo, Dr. Felippe
Menna Hallado da Fondera, Francisco Candido da
Silva, Dr. Jos Antonio de Figueiredo, Jos Barbo-
sa de Andrade (Porto), couselheiro Jos Bento da
Conha Figueiredo, Jo Ferreira Colmbra, Ma-
non! Pereira Lamego, Manoel Jos Monteiro Tor-
res, Man:el Ribeiro dd Carvalho, Pedro Antaues
do Sacramento.
THEATRO
DE
DE
1 rico faqueiro de prata com 1653 oitavas.
1 yaiiteirarfle dito.
1 reloglo d% ouro patente suisso.
1 burra # ferro.
Cerdelro Hines
por conta e riseo de qaem perteocer fara' leilo
ios objectos cima menciooados, ao correr do
ma'lello,
HOJB.
No armazem a roa da Cadeia de Recife n.*29.
LjEILMT
De nm piano de armario, 1 cama franceza de
amareilo, 1 tear de amarello, 3 cadeiras de balas
co de amarillo, 4 bergos de amarello, 1 comrnoda
de amare I io, 1 dita de angico, S marquetas de
amarello, 1 mesa de louro, 1 meta redonda, {
guarda roupa, i guarda louca, 1 cadeira de meni-
no para jaotar, Uzanna de i caos, 1 santuario
de mas3a asado, 1 par de coosolos, 1 candelabro
de p de vidro, 15 frascos oa garrafiohas para es-
plriios, 15 eaadieiros a fas^JB palltelros de por-
celana, 1 oeaio de alcanc, garrafas para vinho,
4 jarros e bacas de pnre-ana, 6 relogios de pare-
pe, 6 appareihos de metal, 7 bales de dito, 33 jar-
ros e badas de folha, 1 pistola, 1 rewolvers de 6
tiros, i sitlo com tolos os arrelos.
No armazem a roa da Cadeia do Recife o. 29,
por Iotervancao do agente Cordflro SimSes._____
LEILO
B 94 barricas ca farmka de trig>.
Sesta-feira 18 de Janeiro.
{ESTAOS S^ifl' SSiSi Te81 iNo ,pmazem d0 For do^los CT^dos
passagees 6 so receDeot oa agencia roa da Crnt I n ., DlvaPore? de reboque.;
ti. I, escriptorio de Antdoio Luiz de Oliveira Aa- "i8*016 Piat0 far* ,e,la'' Pr cuau r,M0 d*
wedo & C. I q?em Perteocer de 94 barricas com Cariaba da
trigo exlsunte*- do armazem do Forte do Matos
/agencia doj vapores de reboque) oode se effec-
EPREM-CrtlMR\.
0 esoectacalo que devia ter lugar hoje qoarta-
feira 16 Sea transferido para quarta fera 53 do
crranle m beneficio do
HOSPITAL PORIUGUEZ
cu] i divartiraento ofTvHCido pelo empresario do
mesmj tbutro Aatino Jos Duarte Coimbra e o
arti-ta Julio dos Santas Pereira.
O procramnia do espectculo sera aonanciado
com antecedencia.
lirisoFii-Btritios
COVrAJInA. BR49ILEIR4
UE
PAQUETES A VAPOR
. Dos portos do sal esperado
-^*^ at o dia 2J do corrate ana dos
vapores da companhia,o qoal de-
pois da demora do costme ae-
___>gijri' para,, os portos do norte.
Desde ja recebeat-se pasaageiros, e engaja-se a
carga qae o vapor poder eoodazir,a qoal de veri ser
ambareada oo dia da sua ebegada; eoeommendase
*Y.Sfc
PKTO
Pretende sahir em poneos das a muito veleira
e nova barca
FELIZ 'XI t
por lev parte do carga promota para a que Ihe fal-
ta trata-se com os consignatarios Carvalho & o-
guei a na ra do Apollo n. 20.
Para o Rio Gr indo do nl.
Segu ees poucos dias o brigue pirtuguez Rio
Vouga, para o resto da carga que Ufe falla trata-se
curu os seas consignatario- Antonio Luiz de Olivei-
ra Azevedo & C, no seo escriptorio ra da Crus
n .1 ou com o capito na praca.
'jmiou.
LHUO
A viuvaefiihosde Porfirii da Conha Moreira
Alves agradeccra cordialmeftl". aos mu distinctos
Srs. facultativo- o grande pmpenho quj em confe-
rencia mostraram em melhorar o penoso estado
em que o mesroo se achava pela gravissima en-
ft>rraiii.ijj de (jne falleceu, com ospeci.iiida^o ao
Illm. Sr. Dr, Pilanga que como m at.- assTStenie
sempre se houve com o nutor cuid do e disvelo,
agradeeem da mesma maneira a todas s pessoas
que se digoaram visitar o dito sc-u esposo e pal e
acompanhar o sea cadver ao ultimo jazigo, e con-
vidara o? prenles e amigos do rnasme a assislir a
minia quA tem de ceiebrar-se amaoha 18 do cor-
rente as 7 horas dq oa, stimo de seu fallecimen-
to na mplr'7 'la Roa Vi.to
53
jfe nina tab raaaa ra Direih
iHdiie
O agente Pestaa legamente aathonsado fara'
leilo por conti e riso Ai quem pertencer da ar-
raagao, gaz, gneros e mais utencilios existentes
oa taberna sita na ra Direila n. 50, propria para
qualquer principiante por ter poucos -fondos e
bem afreguezada a qoal sera' veodida em lotes no
dia cima meocionado as 11 horas da manha na
mesma tabeana, o bataneo ach-se em mo do
agente. .
De urna escrava quiln reir e cesi-
uieii'a.
No armazem a ra da Cadeia do Recife n. 29.
LE LA
Requtes ou Dabadtuiios de eambraia.
A aguia branca acaba do receb-r um bello sor-
limento de nquifes oa babadinlios do eambraia en-
tenados de braoco e de cores, e mui proprios para
vestidos de seuhoras e meninas, e mesroo ouiras
obras a que as sennoras os applicara com acerio e
gosm, as pecinbas sao de 5 rastros e veadem se a
22500 e 3^ cada urna ; oa toja o',.gui branca ra
do Qjeimado o. 8.
Albunspara retfatos.
A aguia branca receben novo sorttatento de bo-
nitos albuns para rernos e continua a Veode-los
como sempre por Dttqos commodos; corqparecam
pois os prelendenles a ra do Qaenuado loja da
aguia branca n. 8.
Novos enfeites para vestidos.
A aguia branca a ra do Queimado recebeu no-
vos enfeites para vesddps notamlo-e entre elles
as cascarnlhas com bico, obra nova e de gosto.
Bonitos chapeosinhos modernas e primoro-
samente eafeitados para senhojras.
A loja de miudezas a raa do (Jatmado n. 16,
reci.beu pelo uliuno vapor esses bositoa chapeosi-
nhos obra de ramio gosto e elegancia e bem ne-
cessarios para as senboras que tem de dar algum
passeio oas estradas de ferro, assisiir as testas dos
aprasiveis arrabaldes, fazer visita eK., ele. A
qaantldade pequea e o pregocoamodo por isso
quem nao se adiantsr arriscado a nao arha-los
mas em dita io|a de miudezas a ra do Qoeima
do n 16.
Carteiras de algibeira com tesoura. pente e
mais necesarios para viagem
Vendem-se na loja de miudezas a toi do Quei
mado n. 16.
D Joauua B^ptbia da Azevedo Vianna, U. Tbe-
reza de Jess Azevedo, D. Mara Angelina de Aze-
vedo Tinoco e Francisco Ignacio Tinoco de Suuza,
convidam os seas prenles e pessoas de sua ami-
zade, para oavirera raissas qae se tem de celebrar
na igreja do Corpo Sanio, das 6 as 8 horas da ma-
nha, pela alma de seu presado mando, genro.
cunbado e socio o Sr. Joo Fernandos Parele
Vianna, no dia 19 do crreme (naboado) anniver-
saria d seo filer.imflnto.
Muiuiui da Silva Gjsmo, compra, vende
e troca escravos, de ambos os sexo: na roa de
padre Fionaoo n. 71. segando andar.
P Por a-' ta acfw con jaaw parte o m
carregameoto engajado, pretende sahir, ax toia a
brevidade, .a veleira e mal conhecida baria porlo-
Gueze Claudtna : para o resto da carga e passa-
geiros, para a quaes ha ricos commodos, trata-as
a roa da Madre da Deas o' 3, oa coai-o capiio
na praca.
toara1. Uliaooo dta-e hora cima ditos.
Xeilio
Do talfcaifti* naei .tal periantoeaio.
Sabbado 19 d corren le.
O agente Pestaa lagaimeoie aotorisado far lei-
lio por conta e riseo de qaem pertencer em am
s lote do palhaboU nacional Perntmbucam,
Fraocisoo de Figueira Faria setentifleo
as pessoas q e a sea pedido assignaram l
prospecto para ser publicado um vulame de
poesas do Sr. Joajuim da Silva Rege J-
nior, nao patruetn a pejsoa atguraa se nao
q uando forem entregues do vola me, e apro-
veita a opc.sio para agradecer as mesmas
pessoas a defereacia que comigo tiveram.
Antonio Francisco Je Moraes e J)>lro Leopol-
do do Reg Villar, declaran* ter dissclvido amiga-
velmenie oo dia 2 do correle a sociedade qae li-
nham sob a Brmade Villar Moraes, con a qoal
Sariam o estabeleci meato de atadme a' raa do
aboga n. t, ficaodo o mesroo estabeleci ment e
ledo o sea activo a passivo a cargo e por conta
someole do socio Aotooio Francisco de Moraes
desde o dia 2 do correle. Recife 16 de Janeiro de
1867.
Aetao Prarjciac* de Moraes.
Joao Leopoldo do Reg Villar.
aiXEIRll
Na padaria da roa Direita o. 81, preciw-se de
nm caixeiro habiliudojr qae d Oidor a soacin-
docta.
Oni
Aos 6:000^000.
IS5slices aranlidos.
A' RA DO CRESPO N. ME CASAS DO COSTUME
O abaixo assignado venden nos seus muito feii-
zes liilrietts garantidos da lotera qae se ncahoo
de extrahir a beoericioda igrej de Nossa Seohora
do Guadalupe de Olinda, os soguintes premios :
N. 1706 bilhele intuir cora a son de 6:000$.
N. 1243 om mera com a sorle de 1:2002.
N. 790 dous quartos com a sorte de S00}.
N. I5tj8 U'ii quafto com a sorte d.i 2005.
E ouiras asaltas sones de 1005, 40 e 205.
Os possuidores podera vir rebeber seus respec-
tivos premios sem o>descontos, das leis oa casa
da Fortuna a' roa -lo Crespo o. 23.
Acham-se a.venda os da 31" pirt; da lotera
das familias dos voluntarios da patria (3') que se
extrahira' na lexca-feira 22 do correte.
fa'eco.
Bilhetes........ 650C0
Meios...........'. 35000
Quartos.......... 15SCO
pesseas que comprareto de 100/3006
para cima.
Bilhetes.......... 5500
Meios............ 257c0
Quartos.......... 1537H
____________Manoel Mariins Fiuza.
Ama.
Na roa estreita do R;sano n. 32, 3o andar, pre-
cisa-se de ama ama.
Deseja-seMIar ao Sr. Libanio Lopes de Car-
valho ou ao Sr. Maoael Jos de Souta Luna : na
ra da Cadeia Recite n. 47, loja, a negocio qne
nao ignoram.


PARA EDUCAgA'O DE MENIN.vS
estabelecido na grande casa antigua
a igreja de Nqssa Senhora
da Sdedade
E DIRIGIDO
PEAS IRMAES DE SANTA DORO HEA
SOB A PB0TECCA0 DO
EXm, E RVM. Sil. DR. VIGAR10 CAPITULAR DA DIOGESE.
Nesie collegio, coja abertura n-ste anno tora' logar a 21 do crreme, recebem-se
2 annos p.ira sjrvm educadas e" instruidas era todas as materias
cessarias a u^na aeobora.
Havera' meninas internas, meio pen-ionistas e exter as.
As internas pagirao 335 mensaes, as meio pensionistas 15,
sendo pobres.
L)go que o coll.-'gio coniirum numero sfflciente de pensionistas, ira
gratuitamente para iuterua3 algumas meninas pobre-i.
Para admlssao de lumnas e para quaesq ler escUreeimentos trata-se
ora no mesmo estabslecimento a qualquer licra do dia.
ne-
e as exlernas 55, nao
admittindo
com a supe-
Para as

W
Para comprar e cosinhar orecisa se na ra da
Cadeia do lfc fe o. 47, luja do balao.
Os abaixo asignados participara no respeita-
vel publico e com especialidade ao resppitavel cor-
po do commercio cae se anha era liquidado do !
do crreme a firma qoe gyrava na razo de Mota
& Ribeiro, (loando os rnesmos respoo-avei; aoenm-
primento do todas a< t aosacQSes t^ndenies a mes-
ma firma. Recife 16 de Janeiro de 1867.
Guilherm Jorge da Mola.
Manoel Luiz Ribeir .
Precisa-se da urna ciad* qae saiba cos-
obar : na roa do Imperador n 73, segaodo andar.
Precisa-se di nm criado fiel para compras e
mais servico de casa : ,na roa do Imperador o.
73, segundo aodar._______________
Precisa-se alogar urna sala anda queseja
com poaco commod para am mogo solteiro: qaem
fiverpara alugar dirjase a esla lypograghla.
Feitor
Precisase de um bom feitor para um sitio de
pessoa estrangeira era Saot'Aooa ; a tratar oa ca-
sa de Adamsoo, Howie di C, ra do Trapiche No-
vo n. 40. >J^E i.
1EH0BIAL PER^l.MBlJCASO
ou
MEMENTO 'DIARIO PaRA
1867
Contend
Urna pagina efB braoco para cada dia do anno.
Kalendarir.Signaes do telegraplio.Casa im-
perial.Corpo consular estrangeiro Associaco
Commercial Beneficate. Regulamento,do sella
Systema met ico.ServiQo -do correio, etc.....
rtecommenda-se o presente memorial por conter
noticias, exclusivamente relativas a Peraaabnco,
e de summa otilidade para os negociantes, advo
gados, ele.
Vende-se pelo dimiooto preco de
2QQ0
em easa dos edietores, raa do Crespo n. 9
JOI lt>AI V
powr 1867.
Agenee d'Abonoements a tous journanx d'Bu-
rope. Distributiun graluite de spcimens el cata-
logues.
RU DE CRESPO N. 9
Llbratrte Fraa^alHe.
para 4867.
Asslgoaturas para lodos os peridicos da Earo-
pa e do Brasil.
Uislribolco graioita dos catlogos respectaros
MA UO CRESPO N. 9
Fraaerza.
FolMnhas em allem&o
PAA f87;
LlTrarla francezu
Raa do Crespo o. 9.
^^
Sociedade portugueza de seguros mutuos sobre ajvidi, fan iada e
admioistrada pelo
* BANCO ALLIANGA DO PORTO.
Todo opai que desojar acautelar o futuro "de seus filhos dev,e quanto antes,
azer inscrever os seus nomes na lista dos socios daPrevidentepor que, com um
pequea quantia que, todos os annos para all fr a aplicando, tirada do fructo das suas
economas, no fim de 21 annos alcangar-lhes-ha urna fortuna, que por nenhum outro
meio e com to pequeo desembolso podera obte-.
Os exemplos praticos de outras sociedades anlogas tem mostrado que:
1OUSU0U pagos aonnalmente pdem produzip.
Por.um menino de 1 dia a 1 anno..
de 1 a 2 annos....
de 2 a 3 .....
de 3a 4 i .....
de 4 a 15 .....
Por urna pessoa de 15 a 20 aonrw ...
de 20 a 30 .....
de 30 a 40 .....
de 40 a 50 .....
Em ii an-
nos.
1:100/1
900,51
"860,5
860.6
8600
860
8605
8605
9005
Em 10
annos.
4:0005
3:0105
2:9005
2:8005
2:7005
2:7005
2:7005
:7005
3:0005
Em 15
annos,
9:<<005
7:5U05
7:005
7:1005
7:0005
7:0005
7:1005
7:2005
7:5005
Em 20 an-
nos.
20:00'5
17:0005
16:0005
15:600f5
15:5005
15:4005
15:6005
16:0005
18:0005
Em 25 an-
nos.
47:0005
37:0000
35:0005
34:0005
33:3005
33:3005
34:0005
-37:0005
50:0005
Quem pretender subscrever para a Providente e desege quaesquer esclarec meo
tos pode dtrigir-se, em Pernambuco aos Srs. Manoel Joaquim Ramos e Silva, roa do Vi-
gario n. lf que daro todos os esclarecimentos qae se desejarem e prospectos gratis, a
quem os pedir.
Fugie do abaiso asslgoaflo na nile'do dia 19 do prximo pass?do do seo sitio deoo-
minade GeoSpapo deste termo, dons escravos de noroe Antonio-e Floren ;io, de IS a 30 anno:
de idade poaco mais oo menos, com os signaes ssgnintes: o prlmelro de cor preta nio muito
retinto, corpulento, de estatura regalar, espadoas largas, barbado, olnos grandes e salientes,
de um aspecto trtste, e para melrtor ser eonhcldo em o dedo indicador de amadas maos
eortado pela junta do ceolro, ( articnlac.ao) e meoosta que sabe ier e escreter, e o segun-
do de cr cabra, alio, magro, cabellos sollos crespos, poaca barba, olhos grandes, tem urna .
cicatriz no qoeixo, e muito tallante, tambera me consta qne Id e escreve.
. Estes escravos nao teera sigoal oeohom de castigo, e sahiram bem vestidos e armados
de espingarda e faeo, montados a estallo, com nomes mudados : o primeko por tfao;el
Jos dos Saqtos e o segaodo por Bento Jos dos Santo*.
Consla-me qae esles escra-vos foram encontrados no da H do correntia distante do
rio de S. Francisco 12 leguas, com destino a povoacao do Juseiro da provipcia di Rahii.
Peco portaoto as antordades policlaes que detUs tivereonhecimeoto de o< modar cptarar
e rete-lo< as prisia* po'blicas, daodo disto parta ao*abaixo asslgaado, ou aofseos interessa-
dos, adverando mais que ae autoridades ou partcnlares que os capturar, genSo qnerem re-
' te-Ios as prlsrjes poblica, deverjio remetter para Caaiasap Sr. Aotunto f'roaades Guim
raes, psra o Hfanha*) aos Srs. Ribeiro & Hoyjr o Jos Ffanc seo Lopes 5 C., e na Tjiereii-
na eapilat do PlaoUr ao Sr. teoente-eoronBl Piraiioo Alves dos Santos. E para aerteja do
qoe rae obrigopor toda a despea que as autoridades oo Drticolares nierein na captura e
remessa dos raesmos escravos, teodp mais de gratiocaco 100JJOOO, nos pootos ja indicados, ,
ou em ontro qaalqaer onde chegoe aoconheclmento do abaixo assigoado, oa dos seus inle- <
restado*.
Geoiptpo, tarmo da cidade d Caxias, 26 de dezembro de 1866.
Antonio Pen-ira Marinbo.
^
'


mmwtm de
Na roa da Cdela a. 5S ha para vener-se ornamentos de Igreja por oseaos preco qae em oa-
tra qaalqaer parle : t+W-
A SARER :
Ornamentos de damasco braoco de 24 a ^*f**>',
encaroado de 2*1 a 3t*000
roxo de 22# a 3<>*0Op
. preo i* 2*8,25
' Verde de 20^ 29*080
de*eMo*>rre*a .26*000
A visu*4trao proeuwqae tem bavido desM* oblectos previoimos ao publico qoe breve che-
gara' de Parla tima aova remessa de ornamento do todas as cores, Inclusive, ornamentos sebastos, ca-
pas de asperges, urabellas etc.
Recebe-se toda eqalqoear encoramenda relativa o eolto.
I

NI
ILEGIVEL
<- *-4%



_
'

--,
HMH
Mari* de >*Hra&*tea



Joaquim Jos Goncalves
Beltro
(4 R4 DO TRINCHE H. 17 Io ANDAR)
Sacca por todos
do Mmho era Braga,
es, em Portugal.
A saber:
Lisboa.
Porto.
Valonea.
Guimares.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Gon^e.
Arcos de Val de Vs.
Vianda do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
- Villa-Nova de Famellcio.
La mego.
Lagos.
Covilhaa.
osi paquetes sobre o Banco
e sobre os seguales luga-
Precisa-se alagar um escravo preferindo-se
qae saiba cosinhar e para o mais servido de casa
de familia: a tratar na roa do Trapiche n. i, de-
gando andar._____________________
Precisa-se de ama ama de meia idade para
casa de poaca familia : na roa da Peona n. 23 i*
andci.
MARTIMOS
CONTRA FOGO.
A companhia Indemnisadora, estabeleci-
da tiesta praca, toma seguros martimos so-
bre navios e seus carregamentos, e contra
fogo em edificios, mercadorias e mobilias:
na ra do Vigario n. 4, pavimento terreo.
Notas de Banco do Brasil.
Trocam-se na ra do Corredor do Bispo ultima
asa do quarleiro novo com portao de grade de
erro.__________________________________
'Na ra do Trapich n 16
acham-se os seauintcs depsitos
De R. lirii 11 uliaiis em Nuils.
Bourgogne.
Viabo Pomrnard tinto,
t Cortn tinto.
> Santo Georges tinto.
. Chamberlin tinto.
Klcbehcorg tinto.
Clos de Vougeottin o.
Chablis branco.
Bel A.Woefein Francfort:
Rbcno.
Geisenbeiroer.
Liebfraamilch.
Marcobrooner.
Em casa de Tteod Christiansen, ra do T-r'a
piche-novo n. 16, nico agente no norte,do Brasil
da Brandenburg frres, Bordeaux, encontra-se as
lectivamente deposito dos artigos seguales:
St.Julien.
St. Pierre.
Larose.
Cbateau Loville.
Cbateau Margaux.
Grand vin Chatean La6t!e 1858.
Chateau Lafitte.
Haut Sauterues.
Chatean Sauternes.
Cbateau Lataur Blanche.
Chatean Yquem.
Cognac em tres qualldades.
Azeite doce. Precos de Bordeaux.
LI0l[|H4(M
Ifadamo Villocheaa Buessard rellraMlo-se para"
a Franca araba com a sua lo]a de nudas da roa
d.t imperatrlz n. i.
.Vi.l.m r.fnlu. hoaojjpn.jn dn Sflhii nil fio) de
fevereiro. convida as sentiras suas freguesas a
aproveliar esses poneos das de MquHaco para
vir comprar o bom e barato, particularmente em
bieos verrtadeiros, rendas, tardados, fitas, traugas,
flores, miudezas, loqoes, pentes, esparhlhos de se-
uhora t^menina-, e mu i ios ariigos de modas.
Precisa se .i urna aun p nina pessoa e pags-se hem : oa ra da Cruz p.
lt, segundo andar. *
J. FERREIRA VILLELA
Photographo da Augusta Casa Imperial do brasil
18, RuadoCabug, 18,
Sobrado, entrada pelo Pateo da Matriz.
Em nenhuma das- photographias desta cidade se fazem retratos mais perfeitos
do que os que se executam nesta oBcioa photographica.
Pede-se a confroctaco e anaiyse entre os nos sos trabalhos e os melbores que
se fazem nesta cidade.
Nao ba photographia algdma desta cidade, que omo este estabelecimento
photographico possua um to vanado, escolhido e abundante sortimento de caixinhas,
quadros, molduras pretas e de oradas e passe-par-touts.
Para serem collocados os retratos chamados cartdes ie visita ha doze difieren-
tes modelos de cartoes mimosamente Iithographados e dourados, em carto bris'ol e em
cartao porcelana, os quaes sem aUeraQ5o de precos, estao a escolha das pessoas que se
retratarem.
Continuadamente se recebe ua Europa remessas de todo quanto diz respeito
photographia, e ainda o mez passado pelo vapor Guenne, e este mez pelob-iguefl/m
receberam-se de Franca quatro grandes caixes com oma bella variedade de artefactos
productos chinacos e material para photographia.
No mesmo estabelecimento vendem-e:
Todos os productos chimicos geralmente usados em photographia e garante-se
o estado de pureza dos mesmes;,
Machinas pbotographicas, cunetas de porcelana de diflerentes tamanhos e vi
dros para tirarem-se retratos;
Urna grande variedade de lindas e interessantes vistas transparentes para
stereocopos, e stereoscopos de madeira envernisada com lentes prismticas que se ven-
dem a 1:20000 cada um com urna duz'a de vistas transparentes.
Tambem vende-se por 50i50lO um apparelho completo para-fazerem-se peque-
as vistas ou retratos. Ao mesmo acempanham as explicaces precisas para ;eu uso.
Qualquer pessoa pode fazer vistas ou retratos com esse apparelho.
A oficina e galera est5o abertas todos os das e a todas as horas.
'
mmm de greja be
N. 2 D N. 2 D<
SPP^ CORACAO HE OUIIO. ^J^|
A loja n. 2 D intitulada Coracao de Ouro ns roa do Cabog, acha-se d'ora em diante ofterecen-
do ao respeitavel publico com especialldade as pessoas que bonram a moda os objectos do ultimo gos-
to (a Paris) pur menos 20 por cenlo do que em outra qualquer parle, garantindo-se a qualidade e a so-
lides da obras. H
O respeitavel publico avaljapdo o desejo que deve ter o propietario de um novo estabelecimen-
to que quer progresso em seu negocio deve chegar Imrredlalamente ao coracao de onro a comprar
aneiscora peifeitos brilhantes, esmeraldas, rubinse perola ; verdadeiras ee. agarras, modernas pek
diminuto pieco de 10$, brincos modernos de ouro e coral para menina pelo prego de 3, maracas de
prata com cabos de marBm e raadreperola obra de moderno gosto (o que o encontrarao no coracao de
onro) volias de ouro com a competente erusloba ricamente enfeilada pelo pequeo preco de 12-3, brin-
cos de um trabalho perfeito por um mdico preco, cassoletas, tranealins, pulceira, alrwetes para re-
tratos e outros modelos todo de alto gosto.aoeis proprios para butar cabello e firma, dito para casa-
mento, no arlieo roseta tera o Coraijao de Ouro um completo e bem variado sortimento de diversos
goslos, butoes para punhos com diamante, rubios e esmeraldas, obra esta importante ja' pelo sen va-
lor ja por gosta ds desenho, brincos a forma da delicada maoslnha de moca com pingent contendo es-
meraldas, rubios, bnlhantes, perolas, o gosto sublime, alfloete para gravata no mesmo gosto, relo-
gios para senhora rravados de pedras preciosas, ditos para hornero, diversas obras de brilhantes de
auno gostff, crusinhas de rubios, esmeraldas, perolas e brilhantes, aneis com letras, escaletas de
irystale ouro descoberla para retrato (a inglesa) brincos de franja, ditos a imperatrze toda e qoal-
querjoia, para secolocar retratos e obras de cabello, e outros muitos objectos que es preteodentes en-
fiootrarao no Coracao de Juro que se conserva com toda a amabilidade aos coocorrentes deixando-
se de aqu mencionar precos de certos objectos porque (desculpem a maneira de fallar) diiendo-se o
preco talvez alguem faga ino jaizo da obra, por ser io diminua quania a vista do seu valor.
Na mesma loja ompra-se, troca-se ouro, prata e pedras preciosas, e tambem recebe se concer-
tos, por menos do que em outra qualquer parte, e do-se obras a amostra com penbor, cooservaodo-se
e Coracao de Onro aberto at a 8 horas da noile.
Qualqner pessoa nota se na sua frente um edraciio pendurado pintado de amarello, alem de outro que se nota em um
rotulo (isto se adverte em cousequeoci de terera ja' algumas pessoas engaado com outra casa.
cercados para animaes. chiquei-
Cercas e gradeamentos de ferro para jardins,
ros, de todas as grossuras e mudaveis.
Porteiras de diflerentes tamanhos para sitios, jardins, cercados, e-c.
J. ISJLUitf
Vestimenteiro e bordador de Paris.
23 RUI 1IO ITOPCRAIIOR 93,
Deftente da igreja de S. Francisco.
Concurrencia impossivel
justificada pela suppressan de iniermediarios, pela compra directa das materias prima?, pela ese
cueo dos trabalhos as ifflcinas da casa e pelo diminuto lucro com que se satisfai.
Animado pelos imoortarites negocios que faz com grande parle do mundo catbolico da Eorcpa
resolveu o annunriante eslalielecer Otiles da casa ae Paris em diversos paites longinqnos que
pfferecem vantagens, e veio inaugurar o primeiro esiabelecimeolo nesia cidade, sem duvida urna
das mais adiatadas e commercian'.e da America do Sul, e que por Isso mesmo cecessita d'um
estabelecimento que nada deixe a desejar, quer em relacao s precisSes materiaes e quer intel-
lectuaes.
Os Srs. sacerdotes e demais pessoas, qne se dignarem visitar o estabelecimento, abi acharan
sempre urna grande variedade de todos os objectos para lereja e para o clero.
URIVESARIA PARA GREJA.
Novos modelos de custodias e de vasos sagrados.
ALPAIAS DA IDADE MEDIA, A' LUIZ 13.
Os precos varam sfgondo o lamanho, o peso e a forma.
TAPECARIAS E ARMACES PARA IGREJA.
la'idade de armacoe
Fnrnece toda
sempre ama pessoi i
fagao da enccmmend
ua':
no estabelecimento para
, por precos mdicos, vontade do
ioiuai as medidas necessarias para
freguez;
completa
l.-ndo
satis-
NuVAS UMBELLAS PRIVILEGIADAS.
Feitor.
Preci di j irdlm : na ra d.t Crur. n. 48.
M?wel dos Sales Refreir Guuaraes scieiT
Vftc :.o respeitavel publico que de ho]e em dianie
n.-txade usar oapr|ld.;Guimareseas-lgnsr-se ha
unicameule.
Manoei dos Santos Perre ra.
Estas umbellas de mls, adoptadas p-r S. S. Pi IX, lem por sua perfeicao, novidade
e riqueza a dupla vanlagem de cobrir interamente o Saniissimo Sacramento e o padre, sem diffl-
cnltar o andar.
E^CULPTRAS EM MAP.FIM E E OSSO.

Tmaeens de Chrlstos, caldeirinhas, erases, quadros e todos os objectos devotos.
Objectos em argila, simples e prateados.
Tojas as inforraacoes sero ministradas gratis, acerca dos ornatos de igreja.
Couceder-se-ha facilidade para os pagamentos.
Eis o eailialogo do que lem afeuda :
smmr
m
<*5i SSMRS
m.
r
Uiiiiii
irande a, mazem de tin-
tas medicamentos etc
Ra do Imperador n, 22.
Productos chimicos e pharma- tt
| ceuticos os mais empregados em m
ij| medicina'
Tintas para todo o genero de pin- !
tura e para tinturara.
Productos industriaos e tintas &
para flores, como botes de flores '
e modelos em* gesso para imitar ?j>
* fructas e passaros com o compe- a
tente desenho.
Productos chimicos e industriaes 81
m para photographia, tinluraria, pin- H
j|( tura, pyrotecnia etc.
9| Montado em grande escala e sup- m
mt piido directamente de Paris, Loo-
? dres, tambnrgo, Anvers e Lisboa !
pode offerecer productos de plena m
im confianca e satisfazer qualqner en- &'
tt coflamerida a gresso trato e a reta- jgg
|^ I ho e por prepo commodo. m,
m%mkwtm-mmm*wmte
Saanel Power Johnston Companhia
Ruada SeacalaNoti. 42.
ASIKSIA BA
Fundidlo deLor Hoer.
Machinas a vapor de i e 6 cavallos.
Moendas e metas tnoendas para engenho
Tus de ferro coado e batido para enge^
oh o.
tCASLA.
Dianas, de veludo, de crina e de
galo lustroso.
De damasco cem cruz de caro e
seda.
De damasco dobrado, com diver
sos bordados em relevo na
cruz.
De tecido de prata ou de curo.
dem cm diversos brdalos em
relevo na cruz,
dem idem muito ricas.
De veludo de seda com cruz de
ouro tino em relevo.
De chamalote de seda bordado.
Golhicas e da idade media.
A c6r da casula nao inOue no
preco.
CAPAS.
De veludo esidfado.
De damasco.
De tecido de prata e de onro.
dem com emblemas em relevo
e ricas franjas na morca.
De veludo de seda.
De tecido de prata e de ouro fino.
DALMTICAS.
O mesmo preco das casulas.
ESTOLAS PASTORAES.
De velndo estofado.
De dito de daas faces.
De damasco.
De dito de duas faces.
De tecido de prata ou de ouro.
idem dem, com emblemas em
relevo, franjas e bordados de
torca!,
dem idem em relevo rouito ri-
cas.
De tecido de onro e de prat Ono.
De chamalote bordado de seda,
com duas faces.
VE'OS DE HOMBROS.
Se tecido de Lyo.
De dito dobrado, de ouro fino.
De damasco, bordado em relevo.
dem dem, mnito rico.
VE'OS PARA EXPOSigAO.
De tecido de Lyao.
De chamalote de prata com em-
blemas em relevo.
De dito uto, muito finos.
VE'OS DE SAIRARIOS
De lodos ns procos.
BAxN'DEIRAS.
Da S;:nia Infancia.
De contrarias de ossa Senhora.
Parochlaes, qualquer qae seja
lovoeacao.
Guioes com emblemas em relevo.
Corporaes de cambraia fina.
Toalhas para commuoho e alta-
res
Guaroir.oes ie rendas para alvas.
D.tas para toalhas de altar, aos
metros.
Toda a qualidade da roupa ga-
rantida e perfeilamenle ejecu-
tada.
A cnilPcao varia de 35*000 a
3:000*000.
PALLIOS.
Em veludo estofado as quatro
ponas e no forro.
De tecido de Lyo, com ou'o
De dito de prata e de curo lus-
troso.
De dito dito, com quatro emble-
mas bordados em relevo.
Muito ricos, intelramenie bor-
dados em relevo rom onro Sao.
PANNOS MORTUARIOS. 379
De laa. 433
De veludo Inglez preto verda-487
deiro* 341
Ue damasco dobrado de brocado.i650
Estes pannos tem dms metros de 812
rsrgura e tres de comprmeme
DIVERSOS OBJECTOS.
Bolsas para tirar esmoUs.
Cordoes finos para alvas.
t para meninos do coro.
Voltas, as dunas.
Cintus e cintordes.
Sacras de altar, em cartao.
Ditas ero quadros.
Marcas para missaes, com seis
pernas, em chamalote.
Flores arlifkiaes, o ramo.
Bstdfos e todos os demais objec-
tos de igreja.
BROiNZES DE IGREJA.
Casticaes para aliares, prateados,
de novos modelos:
325 milmetros (12
(14
< (16
t (18
(20
c (3*
(30
Xarope e pasta de Seiva
DO
Plokiffo martimo
DI
, Preparares muipreccida= peloS sabios mdi-
cos de Paris, com as melbores at hoje discoberlas
para a cura cena de todas as molestias do pello,
brooebites agudos e chronicos, astbma e anda das
afleccaes das vias urinarias.
DBPOSITO ESPECIAL
3-1Ra lerga lio Rosario-34
Pharmacia de BariholomeuAc.
Anuuncio Wt
O Mr. Carolino Francisco de Lima San- *f
^| tos, mud;u se para a ra do Imperador Mtf
m D* 73> *eguodo andar, onde cintiona no S
JR exerclcio de sua profls.-ao d* mfdico. Wft
mmmmwMmmmmmm
Troeam-se
as notas das caxas filiaes do banco do Brasi
praca da Independencia n. 21
Fundido da Aurora
A mais amiga desta provincia e com tedas as
perfeices em sens roachinirmos, tuertee a seus-
numerosos fregueses por razoaveis precos snas
raaonfactoris, bem como qae tem um bom pessoa*
para com rapidez fitr qualquer concert oo tbra
nova.
Calcado'
francs
Ra No-
ra o. 7.
na
Brlnquedo
allemeft
hita Nova
u. W.
Este estabelecimento recebe constantemente pe-
los vapores francez boticas para hemens, seoheras
meninas, lavas de pelicade Jouvn brancas, pre-
las ede oulrasdifferentes cores, brioers de onro
bom e lei cora enfeites de crystal, aluna moda
de Paris, caixinhas de costura com msica, vistas
sellas psra quadros, extractos, banhas, bengalas,
chicotes, espelbos, quadros, molduras, etteriosropu
com grande sortimento das mais pittesescas vistas,
realejos, accordions, lindas- bonecas, carrinhos,
cabriolis para conduzir enancas, cavallinhos de
andar por molas para meninos mentar e outro
muitos ob.ectos frascezes que esto esposlos a vis-
ta dos compradores na loja do vapor ra Nova
n. 7.
Precisase de
forra ou escrava, na
urna ama para eiiRorrimar,
ra do Hospicio n. II.
Antonio Jos dos Reis faz tcieele ao respei-
tavel publico com especialidade ao corpo docem-
mercio, que deu sociedade em sua loja de lazendas-
a seu caixeiro Adolpho Marques dos Santos, tiran-
do a gyrar a firma desde o 4* de Janeiro do cor-
rente anna Antonio Jos des Reis & C.
Urna senhora allema que sabe dirigir o ser-
vico de urna casa em tudo, offerece-se para casa
de familia allema para semelbanie occopacio :
a tratar na ra do Sebo o. 35.
Antonio da Silva Ramos avisa a todas as pes-
soas com qu.m tem relacSes comcerciaes que o
Sr. Antonio Francisco Alves Ferrelra, deixou de
ser_seu caixeiro no da 12 de Janeiro de 1867.
PubliceAo jurdica. *
Preleccdes de Direito Internacional e de
Diplomacia com applicaco e refennciade
seus principios, as eis particulares, con-
venedes, e aos tratados do Brasil at 1866
pelo Dr. Antonio de Vasconcelos Mene-
zes de. Drummond, lente substituto da Fa-
culdade de Direito do Recife etc 2 vol. in
8o broch. por 104.000 pagos entrega do
primeiro volcue, que constituir a primei-
ra dessas obras.
A ultima deltas acompanhar um epilogo
das disposices da legislarlo patria, relati-
vas ao direitos e deveres do eslrangeiro no
Brasil, bem como aos do Brasileiro fora do
Imperio;
Assigna-senas lojas delivros das ras do
Crespo n. 2 e 9; do Imperador n. 13 ; da
Cruz n. 52 na de encadernacao do caes de
21 de Novembrp junto a typographia do-
Jornal do Recife ; nos ecriptorios das ly-
poyraphias do Diario de Pernambuco a ra
das Crazesn. 44, e do Coneio do Recife ;i
ra do Imperador n. 79 e na loja da ra
da (mperatru esquina da ra da Aurora n.
n. 2, toja de lnuoa.
Depoisda pulicacao da primeira obra
nao serlo mais admittidas assignaiuias o
nrbas eilas serao veididas por maior prego.
Preclea-se de 3:60'.' soire hypotheca : a
qnem convier annuocie a sua murada para str
firocurado.
Molequo
Precisase alagar um moleque de 15 anuos de
idade, poui-o mais ou menos : na roa do Queima-
do n. 12, 1 andar,
Para o Sr. Dr. Hinoel Duarli
d-nie oa villa da Escada, existcui
do Apollo o. 4.
de Faria resi-
rarus na- ra
poliegadas).
' )-
)
)
ROUPAS DE ICREJA.
Alvas de panno de doo fino.
de cmbrala fina.
< de panno de hnho, para
meninos do coro.
< guarnecidas de rendas finas.
o de fil, de rices de-
senbos.
Roquetes em panno de tobo sem
mangas.
< < com ditas.
Amictos.
Toalhas e saoguinhos.
Grozes de altar, corresponleutes
Guardas pars ?rvores, plantas e ou'ros objectos da ferro qt:e se ventfem ,
preco mdico, no armazem de Tasso Irmos na praca do Caes de Apollo ao pe da ponte
por
provisoria.
os casticaes, o par.
Thoribulos e navetas plateadas.
Caldeirinbas com bysoppe idem.
Cusiodias ditas e doura-das.
Jlwes ditos ~e correwes fortes
para os niesmos.
Crnr.es para procisso, com ralos
dius.
Varas, alabardas otra oissos e
caddas para portetro.
Estes objectos todos sao em co-
bre e nao em materiaes de
composlcao. .

Ajrews de carro para am e done cevalloo.
Relogios de onro patente inglez/
Arados americanos.
Machina* para descarocar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
s
s
Compaahia bTdelidad'e de segaros
martimos e terrestres
estabelecida ao Rio de Janeiro.
AGENTES EM PKRNAMBDCO
Aitooio Lniz de Oliroira Iniredo t C,
competentemente aotorlsados pela dlrec-
tona da companhia da segoros FldeIMa-W
de.tOBUm seguros de MrjM merfiado-
ras e prodios no sea oscrtotorin m, d* i
Cra: n. 1.
Aviso esseucial para evitar qualquer erro ou maf.
Os Srs. compradores nao devem ignorar que o onro nao pode ser fiado neta
tecido, e qHe por consegulnte os gaSes dos ornamentos chamados de oubo fino sao.de
prata dourat/a, os de ouro mew fino 65o de metal dourado e os de ouro falso sao de
cobre doorado, e como tal confundir os ttulos que se laes den sempre, que s5o mera-
mente cemmerciaes.
Os ornamentos qne o annunciante tem venda sao o de gales de ouro meio
nos, falsos ou de eda, s mandando vir os de ouro fino por enconunenda; e nenhum
bjecto sane de seu estabelecimento sem ser acompanhado d'uma factura por elle firma-
da, especificando a qualidade do objecto, para poupar-se i erplicaces sempre incon-
veaientes ao depois de realisada a venda.
Agua mineral
ferruginosa, acidulada, gaioza o carbnica
os
eut /./.
O aso d'acua de Orezia roui particularmente
recoromendldo pela escola de medicina de Paris,
para todas as affecces do tubo digestivo, ingorgita-
meoto das viceras abdomioes, e geralmente todas
as molestias provenientes de fraqueza orgnica, oo
ipobreza de sangue.
DEPOSITO ESPECIAL
34Ra larga do Rosario34
Pharmacia de Bartholootea MetUoda Catllbo.
Manoei Jos de Far-a Simoes, professjr pan -
calar de instrucc'io elementar pelo raelhod j Ca -
lilbo, ansa aos pas de seus alumnos e a'> respe!
tavel publico que na dia 7 de Janeiro do crreme
anno.-ear sua aula afierl* oa ra da Prala n.
59, segando andar, ass im como recebe pendn i -
tas e meiuc pencionistas, por preco razotvel. Na
dita aula tambero s eosloam as materias segoin-
tu : fraocec, aum, goographia a muiica.
A os. setihores padeiros.
A ma,
Precisa-se de urna arua que saiba counbar para
casajle homem solteiro : na ra da Cideia n, 53.
Offerece-se uma ama capaz para tomar con-
la de uma casa re hornero sotierro; para cosinhar
e;comprur: na ra ra Semala Wina b. -53.
Precisa-te aiaa de a ugar uma moleca para
sorvico interno : ua ra da Coucordia casa sem
uumero junto ao n. 57.
Precisa se de umi ama 90a
b?m e sirva para ir as compras :
peratriz n. 34, primeiro andar.
saioa cosinhar
na ra da Im-
eropre
E' geralmente aeaheeida a utilldade no
go das machinas que irm por lim aperfecor
irabalhocom a economa de bracos. Neste caso,
poiu, eslao as machinas para cortar bolacha, cuja
ulilidade ja couhecida de alguns padeiros jue
deltas fazem uzo por meio de manivella, obtodo
o resuliado mais satisfactorio e perfeito.
Na padaria da ra Uirea o. 81, ha sempre de-
posito destas maehiqas com coriadeiras para todos
os ta anhos de bolachas aqu uzadas, o tambem
para ararutas, e que por virera era direciura e do
propria conta do E preco moito barato, com o fin de se Introduzir lao
reeoshecido melhorameoio.
Alugtia-se
D-se dlntieiro a jaros :
dia n. 5.
na ra da Concor
duas casas terreas, stu na Capunga, ra da Ven-
tara, jnnto ao porto dWtava Lanserre, de os. 3i e
34, lendo cada ama coiinoa fora, cacimba. e5triba-
ria e quintal morado ; a iraiar na ra do Trapiche
n. 3.
Pedido ao commercio
ATTENCiO
quaol.dade de algodSo em caroco e assacar; o inr
teres, ados dirijam-se ao povoado de Trombetas
o largo da fera aa fabrica vapor.
___ Albqqoerqtie Silva.
Preclsa-se
de H.ai mas forras ou captivas,
esertotorio rna da S aal qU ^ab* ^ '""'ente, e outra qae n-
UM V*"*6 Va*\mmv, para casa de peewoa faml-
C ^W3f Wl^ib'S! d : ,mar roa d 'Apo"c B' 24, s*ondo a-
Moleqae
Precisa-se alagar uro moieato de 13 a 15 as-
nos par servico de criado que sola fiel e iolelli
gtoi, o servijo poue: quem o tiver dinja-se a
oa Ifova n. t9, ( andar.
O Dr. Praaclseo onahes de Mtra'es mudoo
sna residencia para* 111 Piptft* af|3|segando
sodar. nde echase prorapto-^am ejercer ana ero-
rfVJj
forra oa
i segundo
OS 1SER4VEIS EM PEft,YtMBlO
fiollfc dt> eeutes viridices
POR
VICTORIANO P.ALHABES.
AsN'gna-se ao escriptorio desta typogripaia a
raa8ode lIOOQoeieir.lar.
Aluga-ge
ASoss Verdes:
a paro da casa o. 92 da ra
tratar na mesma.
das
O abaitoastlgoado temi deixado uro llvro de
reeibos ero urca das casas o mmerciies onde rom-
pra, nao tpndo sido possivel acha-lo, pele enea
recldameote a pessoa que o achou, e lem em seu
poder, se digo* manda-lo a ra larga do Bosario
n. 37, ou aoaffOciar a sna residencia por este
tane, qae o analto asnado, prompto a satis-
fazer qaalquer despesa relativo ao mesmo livro
agradecer' sobre maneira a quem tiver a ion.'
dade de o desc brlr. O livro tem sobre a
um rotulo que indica o perteoce e a
mesmo infra.
Precisase de uma ama para comprar para
pouca familia e tratar de am m-imio ite t annos :
a tratar na ra da Palma n. ;5, junto da coebeirai
de carrocas do Sr. Antonio Urtinador.
Aluga-se ama preta escrata que seja fiel
para o servico de uma casa de familia, e que sai-
ba vender na roa : quem tiver aooapie ou dir-
jase a roa da Cracordia n. 3. -'
Da se bobs de veodageru a lus|oVpat7(;r
na rna Imperial o. 37._______
Se alguerh deseja possuir um retrato o
mais perfeito possivel de sua amante, que a
represente to bella e formosa. como ella
ou se figura imaginario, venha tirar-o em
porcelana, que ha de produzir o mais dese-
jado effeito possivel tanto quanto se pode es-
perar em perfeicao de quafijuer systeroa
actualmente C'nhecido.
O* retratist s americanos ra Nova n.
52,tiram retratos em porcelana por pre-
cos reduzidos para os dias de fasta.
Casa no nontelro
Aioga-se uma casa ua povoaco do Monteiro
coru boas comroodos, aeeiada e bachos aos fu-
dos: a tratar na rea do.Crespo n. &:
Aloga-se o 2 e 3* andar da casa n. i da ra
estreit do Rosario, confronte a ofBclna do Sr. Ozo-
m: a tratar na roa do Quelmado n. I.
capa
morada do
tt\6 te aedlef.
Precisa te de ama boa- nosiaheira.
captiva : na rna do Imneraaor n, W
andar.
ViHa do Cabo, 3-de Janeiro de 1867.
, deverino Jos dos Santos Aguiar.
Aluga-se
^nfeitaria dos an?nazes
Ruadla Crm n. 16.
Ha diariamente presuntos superior, dio
emfiambre.
% Aluga-se o ail ir do sobrado o. 3U da ra
do Imperador e tambera ama rala com &ws qnar- *_ Pree8a-se~m7 i ,' a
AMA
Precisa-se de ama ama qae saiba lavar e en-
goramar: na ra do Trapiche o. 3$, segando
andar.
Existe prra
ltimos efeegados :
ser arrumado am
na ana do itngel
menino do*
n. 9.
Precisa se de um bom
nova de Sania Rita v. SI.
cozinbeiro: na ra
um sitio o casa em Santo Amaro estrada.de Belm
o. 9 : a tratar no roesme sitio casa encarnada en
na roa do Brrm o. 06.
Revista da lias tita to Archeolo-
ic e Cieagraphieo Peraaaa-
bneano,
Sahio Inz o n. 6 e acha-se a venda, asslm co-
mo os nmeros antecedentes, na IfvrrTa Ecooc-
mic*, ao arca de Santo Antonio.
Assigaa-se pr iboo MfWO
Noroeros avalso 1^500
*

2

j



*m

)

i
Ola rio tac teru iubuco Quima eira 19 fe faaefi'O (te it#JL
DR. SEVIAL.
Para o tratamento e cura rpida e completa das molestias syphiliticas, erisype-
Ips, rheumatismo, bobas, gota, debilidade do estomago, inflammacSes irnicas do figado
e baco, dores sciaticas, cephalalgias, nevralgias, ulceras chronicas, hydropesias, pleuri-
siss, gonorrheas chronicas e em ge al to'das as molestias em que se tenha em vista a pu-
rificado do systema sanguneo.
Coiislderaces gcraes
A saude um bem inapreciavel, cuja importancia e valor s est reservado ao en-
fermo o avalia-lo.
incontestavel que o homem neste mundo constantemente, e por todos os lados
atacado por urna infinidade de agentes morbficos que todos tendem, dadas certas e deter-
minadas circumstancias, a alterar o regular exercicio das funccoes orgnicas, resultando
pesse desequilibrio o que se chamamolestia.
A molestia nSo mais do que desvirtuado das forjas vitaes, occasionada, se-
gundo as investigacoes e experiencias dos mais abalisado mestres da sciencia, pela depra-
vado dos humores geraes, consequencia da acco maligna desses mesmos agentes morb-
ficos intreduzdos no organismo pelo acto da respiracSo, pela via digestiva, pelo contacto
immediato etc. etc. eto
A. syphilis infelizmente tem sido a partila da humanidade, e como fra de duvi-
da que esse terrivel Proteo da medicina orna molestia hereditaria, ella tem sido obser-
vada em todas as idades, e debaixo de todas as suas formas tao variadas, enfraquecendo
constituices robustas, produzindo mutilaces, e cortando anda em flor da idade vidas
preciosas.
Eliminar da economa esses principios deleterios. e purificar a raassa geral dos
humores tem sido desde tempo immemorial o fim constante da medicina, e os purgati-
vos figuram em primeiro lugar para prtencher esse desiteratum ou fim.
O Elixir depurativo do Dr. Sevial parece merecer a preferencia sobre todos: os
inmensos successos obtidos pelo use deste salutar agen'e tanto na AUemanha, como em
Franca Italia, o tornam o compaoheiro inscprtravel dequasi todos os doentes.
Sendo as melestias, como cima uisseuios, devidas as alterarles dos humores, o
Elixir depurativo do Dr. Sevial pode serempregado vanlajosamente na syphilis, erisy-
pelas, rbeumatismos, bebas, gota, debilidade do estomago, inQammacoes chronicas do
figado e baco, dores sciaticas, cephalalgias, nevralgias, ulceras chronicas, hydropesias.
pleunsias, gonorrheas chronicas etc. e em geral em todas as molestias em que te tenha
em vista a purificacSo do systema sanguneo; pois que urna pratica constante tem feito
ver que elle indispensavel nos casos gravissimos para minorar os soffrimentos, e pre-
parar o doente para medicacoes superiores ; e as menos graves a cura a conse-
cuencia do seu uso, convenientemente repetido.
As substancias que entram na composicao do Elixir depurativo do Dr. Seviai
pertencem todas exclusivamente ao reino vegetal, e grande calhegoria das substan-
cias depurativas e antisypailiticas; assim, ao passo que este remedio depura o orga-
nismo, eiimioshdo os principios nocivos saude, pelo mecanismo natural das evacu-
ares alvinas, neutralisa ao mesao tempo o virus syphilitic quando este virus j
tem feito erupcao no exterior dtbaixe de suas multiplicadas formas ; e previne tam-
bem os estragos dessa terrivel molestia, quando por ventura se ache ella ainda no
estado .de tncubaco, isto sem se ter manifestado sob formas externas: beneficio
inmenso, tanto mais quanto neste estado os individuos ignoran completamente se es-
tao contaminados por este terrivel inimigo.
O sabor agradavel d'este Elixir convem a todos es estmagos, a sua accSo so-
bre o tsbe intestinal suave e benigna, e de nenhuma forma produz molestias medi-
camentosas, como acontece ao purgante dito Le Roy, que na sua qualidade de drs-
tico forte irrita a mucosa intestinal, e consecutivamente a seroza, resultando d.sle es-
tado, emitas vesos, hydropesias, que quasi sempre terminam pete morte ilo doente.
Assim pois esperamos que o aso deste remedio justifique cabalmente as nos-
sas asseveracpes, porque sendo um medicamento tao simples na sua composico, a
pratfca tem confirmado sua ulilidade.
Caico deposito ena Pernambuco
Na botica e drogara
DE
Bartothorneo Compartida*
3i-ttA'DO OSARIO 5.ARGA3*
Acooselha-ie ao lazareotbJ Timboassa', ao par
vo antigo feilor de obras publica?, que procure
otara pwsda a nuera po *a iliudir dolosa/riente era
negocios le t.-rra, > se deixe de intrigas misera-
v, ir com que procara vilmente acoberlar a bestia-
lidad de saa intelgenna, a uihililade de soa pes-
soa, a ej-heroeridade de sua appaiico meteorica
na al oosphera social.
O engenheiro porque salta eoannari, e nao te-
me os anaihemas, a escja>rounho do cynico sa-
cerdote de Bacho.
Precisa-se de um caixeiro coro pratica de
taberna, de 14 a 16 aonos de Idadt, prefere->epor-
toguez : do pateo do Terco o. lil.
- Precisa-re de urna ama pira cara de poaca
familia : a tratar na ra da Concordia'n. 64, \>\-
daria.
COMPRAS
j PeifOiai'ias novas, Mrite fas ijUbtiijpsU para
-- A antiga loja de mladezas a roa do Queimado VeStldS.
b. 16 receben novo sorliaienio de peifuroaiias \ A Aa, Brani-a, a' na do Queimado n. H, M-e-
PdilTifiiMlTi-^P fiSOriVOS seD,1 "no* exfracl03 e esse(icia concentrad, chei- beo om extraordinario soriiar.eow de eufiites rcv
VAmiJJiaui o\j voviurvo rosagradaveis para lencos, leos sorllne/blii! d irn.-io para sendo galai <
Silvino Guilherrae de Barros, compra, vende e me, e babosa uara rahHlos, baohas e c..smniques teda d dT-rente larguras, cores e d.-.-i.l.os, o
trota erTeclivameaie escravos de amtos os rtxi* tambera ara j- cabellos, poz e de todas as Idades : a'rtia do Imperador n. ".'para denles, upi-ia ingina e (ranceza \n Jilo?, inerte encontrar.
erceiro andar.
Otiro e prata.
Em obras velhas : compra-s na praga da ln
dependencio o. 22. loja de bilhetes^__________
Comt>raffi-sv libras sterliuas: na praga da
ndependencia n. 22.
satiuoetes-em barras (|iiadrada, outros em calzi-, TPitBMH
de bo'las transparentes para man. e .Mj... T^ ,
finos en, ealxi^s de louca par, baULE^E^^'}"**^ -
M0FI\
i
Amigo que cootas si
Por settt lingo s que tens,
Timboassn' te aconselba
Que conles menos vintens.
(rio andar-se de mascara
Nos lempos que vae correndo ;
Larga as i ennas dos pavoes
Mostra teu corpinbo horrendo.
De mais te conbece a gente
D'esta cidade e seu termo,
T os moleqnes) grltam
Qae s vezes tettt estafermo.
Nos campos da honra alheia
Nao-basques acbar migalhas,
Va i vi ver entre tens sneios
Nos valles qae natrem gralhas.
coaselho mol prudente
Que te d Timboassu',
De meteres la na Olinda
O nariz em algum....
TAT'
Criado
Precisa-se de urn criado : na ra do Queimado
n. 12, 1 andar._________________
Precisa-se de irabathadores para pad>ria >
na ra larga do Rosario o. 16.
A abaiso assignada directora do coilegio Santa
rsula, previne aos pas de suas alumnas de que
os trabaihos do coilegio i seu cargo tero princi-
pio no dia 3 de levereiro vlnduro.
rsula Alezandrina de Barros.
Na raa da Cadeia do Recife n. 58, trocam-ie
sedulas das caixas e banco do Brasil com pequone
descont.

I
Retratos americanos em cartoes para albulo.
X. 59 Rna ova M *
Annunciando o tovo systema de retralos americanos m laminas esmalta-
das, e aTilrmandd serem ellos muito dura veis, nao pretendemos iudir os incautos- ou
ignocantes, pois que reconliecemos tta populado desta formosa cidade obom sonso pre-
ciso para se acautolar contra os falsas annuncios e conhecimento safficie.'ite para apre-
ciar devidamenle as provas ptiotographicas qae por ventura vissem em nosso estabele-
cimento, e porque ta;nbem temos, podemo olerecer provas cbim'icase razoes scien-
tificasd.) que tejemos affiinado.
' As laminas, aleta de seren leves, delgadas e flexiveis, sao cocerlas de um
esmiltemacio qoe as toroam inalacaveis pelo ar ou agua, e al pelos fortes dissolventes
chimiciis. Os retractos se eslampados, sobre urna brilhante superficie de finissima
prata adiiernte por meio ds um i pctbeala de collodio, ubbtancra;perfeitamente prova
(Tagua. Por sobre essa superficie 3?nlica-se a verniz de esmalie, o que tao transpa^
rente e>quasi to duro com o vidre." Deste modo, e retracto, fi-j conlendo em si
materia alguma wganica sujiia dcomposico, e n) sendo poroso nem absorvenle, est
inteiramtnte livre de bumidade oue qualquor outra iulhieucia ffenslva da atmosphera.
Assim peis por e ta theoria se v que os relracins offerecem provas de duraclo, o que
tem sido eficazmente marinado pela experiencia.: ellos duram effeclivamento e nada
perdem 4u seu pimor origina I.
N5o nos necessario repetir as suas quadados acti.ticag, pois que rauitas pes-
soas das principaes familias desta provincia, pessoas de lina educaron gosto cultivado,
uos tem-.distinguido con. a sua approvaco o honrado atcora o seu patrocnie ; ouiras
provas seriam superiloas. -iretsntuJembraremos de paesagem une os pintores antigos
nunca se serviram de materia porosa para hs suas mais bellas pinturas, porem sim de
substaocias duras de superficie m^cia, orno a porcellanae o marfim ; e asnossas lami-
nas tem iqual qualidade de superficie dura e maeja.
' Finalmente con damos quelles, que prw qua'quer causa mo tenham conse-
guido bons.e exactos retractos por outros systemas, a virem experimentar o nosso ; em-
jpreg iremos aati') toda a nossa pericia e conuecimento artstico afiffl de Ibes agradar,
qualquer qee seja o numero pedido de retractos.
N. 52, Ra Nova % 52,
Alugase urna casa em Beberibe : a tratar
com J. de M. Reg, ra do Trapiche n. 34.
Preeisa-ss de ama ; ma que saiba cotlnbar : a
a tratar na ra do Amarara o. 12, 2a andar.
---------------------m------------------------------___-----------------------------
Fartaram dn ecgdnho Bom-Fi, freguezia da
Esiada, tres cavaHas, send i um ixjqo, castrado,
bastante gordo e grande, bom andador b-ixo, tem
os dente quebrados e ferrado", ootro nico p*e-
dre com pintas bera grande e um tanto descarnado, nao tem an-
dares, pesada e tem bastantes sa^uas pelas cos-
as ; outro castao.) tirando ama-relio com urna
estrella peqaenaa testa e interro, tem urna lis-
tra preta por cima da anca, os denles inleires,
bom andador batso, e esta' com -ameaca de san-
gue : roga-se, portanto, a qualquer pessoa que os
encontrar apprehende-los e levarera-nos ao re/e-
ndo engenho ou nesta praga a seu correspondente
Jos Joaquina da Silva no largo do Carmo, que f-
ra' recompensada com a quantia de -S0.
Compca-se ouro, prata e pedras preciosas em
obras velhas : na roa da Cadeia do Recife loja
de ourives no arco da CoRcelgaOj____________
uompra-se na ra da Cadeia do Recife n*
58, ouro amoadado de tolas as qualidades.^
KegNnha.
Na padaria da ra Direiia o. 84 se dir' tnem
compra urna negiinha com 5 annos de idaue^
Compra-se garrafas e botijas vazias na ra
das Crozes n. 42. ___________
Compra-se urna escriva de lo' a 20 annos
qae saiba cosiohar e engoratnar que seja sera
vicios e fiel, quem tiver dinja-se a roa da Guia
vidrwhos, pingentes e sem elles. Ditas brancas
na, agua na co ooia ce superiorquaimaae ein irs-1 urf,c ;;,,,,,; .'.uJui^. .......
eos de diversos larn.ohos e pre.c*, agua amigada r^fiffiL.^uiSL!??^ r*
para baobar refrescar o r*t, agua flo-.Oa ( da .""'flS*? ??* Jf^**!^"!!' S
verdadelra) tnico de Kemp, e mni as oulras per- ,e.TnJra '
fumarias que a v!sia da boa qualidade ecommo- ( llas u||uJ e ootrss forc ccm
didade de preros, o comprador nao objectar... % I ore de W(l rt,rf.r(,n,. aoitos novos> UmbeB)
Meia- pretasdelaa edelaM.,*^"'^'**, ,
I Bicos ao seda branros e pretos, largos e eslrei-
los, com vidrilhos e sem elles.
Para padres.
se na loja de miudezas a' ru
la
tara baptisados.
Vendem se na loja de miudezas a' ra do Quei
mado n. 16.
n.
7.
Compram-se osseguintes
livros
Na hvraria eciBeoii a de fenle ar-
ci de Sa t- Autoni-*.
Historia do Brasil, pelo; seguntes auloros: Ga-
briel Soares, Joao de Harm lage, Varnbagem e
Damiao de Goes.Nova Lusitania por Bmo Frei-
r.Memorias aa capitana de S. Vicente por Fre
G. da Madre de Dos.4nnaes da provincia do
Rio Grande do Sal, por Jos F. Pinbeir -Mein >
rias da Bahia, por Ignacio Accioli. ndice enro-
nologico dos tactos mais ntiveis da historia
do Brasil, por Agostinbo P. Malheiros. Historia
da revolucao do Brasil com pecas oOlciaes etc.,
etc., por aro membro da cmara 1831 Memorias
dos successos poltico* pelo vlscoade de Cayr.
VENDAS
Bonitos chapensinhos enfeitados, sapatinhos de
setim efeenn. bordados e enfeitados, rudas de
seda, e Qo dJe-cocia para ditos. Vendem-se na le-
ja de miCdesas a' ra do Queimado n. 16.
Bicos e rendas dasilhas.
A loja de miudesas a' roa do Queimado n. 16,
receben novamente outro sorlimenio daqnelles bons
e bera conhecidos biecs e rendas das ilba*, coja
fortidio, e segaranga de tecido, Ihes da' immrnsa
durarlo e osdiHerenles Bes a que acertadamente
sao applicados fazem a grande prucora, e prompta
exlracc.ao corno constantemente tem acontecido ;
assim pois concorrara os pretendentes, qoe a vista
da commodidade dos prec.es nao objectar,!:- em
comprar.
Graxa econmica.
Gm dita loja os apreciadores tambera enrontrv
rao bello sortimento de fivellas e filas cara cintos,
peales para-coques, e rouilos outros objeclos da
moda.
Enlremeios babaiinlios.
Boa fazenda e delicados bordados, esiaui expos-
los a venda na ra do Queimado, loja de Aguia
Branca n. 8.
A Azuia Branca a roa do Queimado d. 8, tara
bem vende mni boas espartilhos.
Tintar as para cabellos.
A Aguia Branca acaba de rereber novo sorb-
ment"> das bem conherldas tiulurasChromacome,
Marques e II-,tMe, e com quanto os precos de ditas
eslejam um po'aco mais elevados ( por c;usa de ai-
teraj;ao dos direitos), coro lulo nao a pequea
dilfereor;a qae ha de tazer dos roneos velhos; ast-n
i. uiicue'ii es pretendentes a di-igirem-se a ra do
Qutiraado, loja te Aguia Branca n. 8.
Objeclos de Borrachas para luto.
A Aguia Branca a' roa do Queimado n. 8, rece-
ben esses novos cbjertos de borracha tara luto,
Em camnhas, latas e bsrris, a' loja de mindsas MV! i,, k |ec,0F "i i, i Z*
a' roa do Queimado u. 16, reCeieu aovo sertimen- feDf IUnef> ". P.0'"" j"0''de'";
to dessa boa graxa econmica. f > para relogios, assim romo out.o
". ._ igual serlimentn de obras de vidro, u ndu ue tr ais
'9 Senhorioba Germana do Espirito Santo con-
vide as pessoa-que Illa tem comprado ierras de
sea sitia no lugar d'Agua Fra a compareceris
aflea de se pasearemos ttulos respectivos, de.vendo
nes*a occasiao-preenoher o restante do preco estl-
puUJo aquelles que .-. iu-a o nao zeram.
mmmmmmmwmmm
um
M
Atten^ao
TINTUR
AO GRANDE MAURICIO
PARA
F.l
Tluglr,; Jhupar e lustrar a rapar.
29 Kua 7 de setembro 29
Defruate da roa nova de Oavdor (Rio de Janeiro)
Os propietarios deste estabelecimento, o primeiro ao seo genero do Brasil, por
rabalhar com as machinas mais aperfeicoadas para Ungir e lastrar, de que se faz uso na
Europa, eajudados por alguns dos melhores officiaes de Pars e Lyao, podem assegu-
rar seos fregueses urna perfeicao no trabalho, a qaal senSo pode ebegar pelos proces-
sos ordinarios. w
Tingem, javam, mpam e demofm com a mai>r perfeicSo e brevidade qualquer
4ua$4ade de fazendas, tiram nodoas e limpam secco sem moldar as sedas e as vestimen-
tas de senhoraa e de homens.
DE
i*recisa-se de urna am^ que saiba bem g
eo.Mnhar. pouia la- SSL
milia": na raa da Cadeia do Reofe n. 9
:S8, primeiro adar. jH
Precisa se de urna ama de leile : a ifatar na
ra da Praia n. 1t3.
ana oaheira.
Precisa se de ama ama forra ou captiva para
ccziooh- : na loja da ra do Cr*po n. 17.
Na ra do Hospicio n. 48 precisa-se de um
criado.
\
Frsneo;s.ieau, (aa *r ao respeKa^e publico
qu muilo breve vai expor um fitao Itdioranu-vin-
do ha p-iucii tftij)o de Franca, contendo 24 vjstas
e nada lera a de^jar de nielhor pele que recebeu
urna collecc/o de o1 O quadros (da qual alguns
anda vera em diree^o) sendo dos logares mais
uotaveis de diflerentes nacoes, assim como inte-
riores de. ricos templo?, palacios e expelientes
quadros nbisiosos, os quadros de guem, pravas
puWio-'s as mais notareis, e as vistas do inferno
todo isto ao natural, da qaal o mesmo senbor fa
r publicar no Diario o da da abertura, esperan-
do a concurrencia do respeitavel publico apre
ciador. ____________
Precisa-se de urna ama de leite no
Mondego em casa da Sr.1 viuva Luiz Gomes
Ferreira ou a Ponte de /choa casa de
Luiz de Maraes Gomes Ferreira.________
Precisa se de urna ama do leite ; na ra das
Trincbeh-as o, VI.
FWtt
de porta.
Vendem-se no escriptorio deste DIARIO
a 160 rs.: ra das Cruzes n. 4i._______
Vndese urna taberna na ra Imperiil com'
gneros ou a armacao s : quera pretender diri-
ja-se a taberna n. 144._____________________
Fio de algodo da Bahia
Vndese no escriptorio de Amonio Luiz de 011-
veira Azevedo & C, no sea escriptorio ra da Croi
n. 1._________________________________
Vendc-se urna venda em bom local na fre-
gnesla de Santo Antonio, quem pretender dirija se
ao largo do Paraso u. 4, que se dir quem vende.
Vende-se um escravo crioulo de 20 annos, de
idad", sadio e para servico do campo : a tratar
nos Affgados ra do Mclocolomb o. 41^______
~^*Vende selencos e toalhas de labyrlnto pro-
prias para baptisado tudo muito bem acabado, na
ra da Cadeia do Becife n. 10,______________
V*ende-se a taberna n. 93, sita na ra das
Cinco Pomas, muito propria para vender para a
estrada do ferro, tem morada para familia : a tra-
tar na mesma._______________
Vndese um boi manso que tem trabalhado
a tres para quatro annos em carro da aitaodega :
a pessoa que qulzer comprar, dirija-se ao becco
dos Ferreiros, casa do Sr. Bernardino Pinto.
Botoes grandes
peqaeaos, pret s e de outras cores.
A aguia hranca recebeu um bello sortimento de
boloes de diversas qualtdades e gostos os mais
roodernes, a elles boa freguezia da aguia branca,
comparecam a raa do Queimado d. 8.
Vinho du Porte superior (m caia de
umt (iiiziii.
VeBde-se no escriptorio de Antmio Luiz de
Oliveira Azevedo & C, no seu escriptorio ra da
Crin o. 1.
Cal epotassa.
Vendo-se nov3, de boa qualidade e a pregos com-
laodus : na ra do Apollj n. t).
flvellas de mulu bom gosto e cintos, e lodo Isso se
vende por presos rasoavels.
penics p.flor par caques.
Obra de bem gosto, e inteiramente nova, a Agai.
Brarca a' ra do Queimado n. 8, recebeu uns pe-
queos pt-ntes com uina.Oor de n>etal, obra de no-
vidade e muilo gosto, e proprtos para coques.
Oij;cis de gslo.
E novidade, expostas a venda na ra do Que-
mado, loja da Agoia Branca o. 8.
R-nitos e modernos enfeites para bailes e ihea-
tros, rom b'ias e llore;, com coques e sem eile.
Laa para bordar.
A loja de miudesas a' ra do Queimado o. 16,
receben novo sortimento de laa liua de bonitas co-
res, e como sempre vende a baratamente, e o sor-
timento a contento do i-croprador.
Bonitas caixinftas.
De madeira ccm enfeites domados, oulras de
metal para guardar j ias. Vendem-se na ra do
Queimado loja de miudesas n. 16.
Eufeitcn e "i-iualtlas.
Na loja de miudesas a' ra do Queimado n. 16,
acharo os apreciadores do bom, um bello soni-
ment de bonitos enfeites para bailes, theairos e | Pe|r<:Jas pellas brincas de rozas e flor de laran-
casamentes; assim como delicadas grinaldas para i J l'^atoi*, r*xos de flor de laran):. prcprtos
nolvas, eaixs de flores finas para enfeitar os ves-! far:' P6"0'. nombrse barras dos validos de rxl-
tidos de ditas, e rouitcs oulros objeclos, e todo se i vas- .
vende por precos lao rasoaveis que o comprador "Miqiies ni-glIlflO CaDCllO.
experiente, nao se atrave a objectar a respito. Lisos e crespos, siogelos e cumpostos, de gom'S,
BabadinllOS bordados, entremeioS ditos. | canudos e redondos, cebertos coro fiiet simpits e
Todos de Ana cambraia e delicad s bordados.: e vidrinhcs, ornados com flores e Blas, obra nove
Vendem-se na loja do miudesas a' ra do Queitaa-'e de 8/t0-
don. 16. Paia s'hoi-iis e neauas.
PlOBiaS braOCas e de W 6S. Lequ.s finos de nadreperola e osso.todo de. srn-
Vendem-se na loja de miudesas a' ra do Qnei-' Jal0 de san(,al" c' m *<. com DD0S e bcc''lC
adon.16. desenos
Franjas vtir$ de madreperola.
Com borlas e sem ellas, para cortinados, toalhas" Bonito peales de madreperola mui alvo pan
etc. Vendem-se na loja de miudesas a' ra do
Queimado n. 16.
Boas e bonitas fitas.
Lizas e lavradas, larpa e estrellas; vemiem se
na loja do miudesas a' ra do Qoeimado o. 16.
Bonitos enfeites para vestidos.
A loja de miudesas a' roa do Queimado n. 16,
esta' recentemeote provida de ruin bonitos enfeites
para vestido?, sendo bicos de seda tanto branco
como pretos, de diferenles larguras e coro vidri-
Ihos, ou sem elles.
Trancas e saldes de soda dos ultmos gostos, di-
tas com vidrilhos, pretas e brancas e de diBerentes
larguras e gostos. Filas de velludo pret'.s e de
cores, com lista as relas. E a?sitn mollas outras
cousas de moda e novidade, e ludo por pr-ijos to
commodi.s, que o comprador Oca Batisferio e nao
objecta a comprar.
Bollas de bonacha.
toado
de
coques, lindas flvellas de dita dita para cintos, de-
licados alfinetes e brincos, boloes para paulas, o-
bra prima. .
Adereces, pentcs e Bvellss iguaes de dilj, <
brincos. Fivellaa e Blas para cintos, cintos mati
sados,obra novissima e Je i>io
Irisados enfeiteg Bonoitoa >ara
ticahoras
A agola branca tero a satisfacio denotiriara
sua bea freguezia que acaba de receber llncl-sen-
feites Bonoilon obras delicadas, de cenia e ulti-
ma moda, o que ser devidamenie apreciado pelas
excoiientissimas senhoras de bom goslo C.s pre-
cos destes enfeites ;o comroodos e isso venticarA
quem se dirigir a ra do Queimado leja da agola
branca n. 8.
Izamos de flores finas.
Con>o ogeralmerite sabido, a loja Ss aguia brac-
ea o janiim das filias llores arflciaes, e sli'iu do
boni sortimento que sempre se aeha em dita h
De diverses lamanbos para Lrinqnedos. Ven- aguia acaba do receber novas flores as quaec =
dem-se na loja de miudesas a' ra do Queimado rahece o rigor d'arte imitando as flores oaiui i?s.
n. 16.
CarS paia lugar
Aluga-se o tereeiro andar do predio da ra da
Cadeia do Recite n. 29, cora commodo? para gran
de familia, tendo sotSo sobre solao e mirante, e
com magnifica vista : a tratar* com Cordeiro Sl-
moes oo armazem do mesmo predio.
MU
DE
. i. VIGNES.
X. 55. IlUA O IMPERADOR X. 55.
Os pianos dosuawiga fabrica sao boja*>ss*s conhecidos para que seja necessario insistir sobro a
aa soporieriade, vaotogens e garantas qne offerecem aos compradores, qualidades estas incontesta-
veis ano olios teda denitivansflnie conquistado sobre todos os que tem apparecido nesta praca ; dos*
anindo ora teclado e mac,hin*imo qoe obedecem todas as vontades o caprichos das pianistas, sem
Uunea albar, por serum fabricados de proposito, e ter-se feito ultimameoto meikoramentos importan-
vssimos para o clima deste pas ; quanto s vozes, sao moiodioas e Saotadas, o por isso multo agrada-
sais aes ouvidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme ai encommendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Bloodel, de Paris, socio
sorrespoadente ffe I. Vignes, era..cuja napital foram seoipre premiados em todas as eiposicdes.
No mesmo estabeiecimento se achapl sempre nm expandido e variado sortimapto de msicas dos
saibores sotorM da Eiropa, assim como harmnico; pianos harmnicos, jeorjo }gdo vendido or
tf^i'tawndoie rama veis.
DAS
FJalftIIilJLl.
Publieaco illnstrada, recreativa, anistica ele.
Acompanhado e rausieas, modelos para bordados,
rignrinos de modas etc., etc.
Itecebem-seasignatutas na livraria Econmica
defronte do arco de Sanio Antonio.
luga-se o segando andar e soto da
casa d. 35 a ra do Imperador, assim como
ft armazem n. 26 uo caes 22 de Novembro :
a tratar com Luiz de Moraes Gomes Fer-
reira.
Seciedaife das A rusias^ Mechaoices e
Liberis de Pernaubuco.
Je ordem do IIIir. Sr. director se faz publico
qne se acbam abenas as raalrieulas das aulas des
ta sociedad e sio coiivlrtadcs n3o os senhores
socios como tambera toda e qualquer pessoa que
quelra beber as materias que aqu se nsinam,
mxime os menores indigentes que nij se pode-
reas matricular as aulas psblicii; e os que pre-
tenderera dinjara se a raa Direita n. 7.
Secretarla da Socedade dos Artistas 11 de Ja-
neiro de 1887.O secretario Interina
Basilio Barros.
Precisase de urna ama qoe saiba coriabar.
para casa da rapaz so'telrt 91 r!!2 na Cadeia do
HCife D, .),
Jov.iBiente chegadas bolas ru-sianas e percei-
ra* da raelhor qualidade que temos visto : na loja
de vapor ra Njva n. 7.
Veadc-se
ma'hmss americanas de s-rr^tes para descarocar
algodo na raa da .Senz.-.lia Nova a. 42.___
Vende-i-e a casa u. 42 da ra de Joo Fer'
nandos Vieira. na Soledade : a tratar na ra Nova
n.44.
Vende-se urna por-cao de rollas e janellas de
amarello. Indo obra moderna : a tratar no caes de
Cspibarrbe n. 2. r-ffleins de l^roeiro.
~. V-eode-f.! nraa nrtn^o que serve para qual-
quer negocie, leudo a' casa uioradia mdependente :
as Cinco Ponas n. 68.
Pet-iiiflcha ,ari pn hinias.
Na rna das Cruzes o. 25. em Santo Antonio
vende-se palha n. 3, muito em conta.
Xarope do Bosque.
Ctiogou a botica de fot da Cruz Sinios, na roa
Nova n. 51, o verdadei o xarepe do iaiae, este
excedente remedio efficaz na cura das defluxdes,
toces, phusicas, asihmas, hemorrbagias de sangoe,
p (Otadas, dores de pello, palpilacoes, coqoelocbe,
bronchites, dispepsia, molestias do figado e escro-
phulas; preco 5^500 as garrafas e '$& as meias
garrafas.
iii. ----- 4. i
LEGITIMA
't- I
"O
, Na.loja da agola branca a roa do Qoeimauo i. <-
aeharo os apreciadores do btm sdeitcado caixo d-
llores com compridas rama^, .. ss, ele, .. i
melhor gosto e priraeira qualida>...
Sleias pretas para i; tic.
A aguia;bracea a' ra do Queimadv rtc*
beo novo sortlrmnPi daqoellas boas mei* prtia:
de laia qoe continuatn a ser vendias a oiCO o
par.
fisperas e dminos
A agnia l-rama ma do Qudiuadu n. P> rece-
bi-u novo Forttmento de vaporas em caixas de nia-

-'-/ "):>) '"- <'-:.'
C4V4LLO.
Vende-se nm bom cavallo para sella : na roa
do Imperador o. i5.
Vendase emi miilalii.ru boom con II ao-
nos,assim corao ama escravacom habilidades : oa
roa Direiia n. 38.
Vende se a casa lerrea n. 4 da roa dos
Prazeres da freguezia da Boa vista, cora monos
coramodo* i- grande quintal : a tratar na mesma
ra n. 7
(Jarvoct e boi,
Vnle-se ama carree* cora pipa e nm boi man-
so da roe-u, junto u separadamente : na roa da
Imperatnz o. 39, 3o atdar-
Vendem-sc
di-os armazeos na ra de Apollo, e cojos fundos
vo ao caes do mesmo nnm- ns. 38 e 40.
Um sobrado oa raa dos Guararapes o. 36.
Um sitio cora casa de vivenda, 3 viveiros, roui-
los arvoredos, e grande proporco. na estrada de
Belera para Santo Amaro, caahecido pelo siti da
Torre.
Todos e-tes preilns acham-se em bom estado.
Os orelendedtes diri|ara-se a ra da Seozala-nc-
va o. 41, em casa de S P. Johostna 4 C
Vende se um cibr.olel em bom estado : para
ver o* cochei a do Sr E. Ilourgeois, oa roa No-
va, e para tratar, q > caen de Apolla, prensa de
algodo n. 67.___________' ______________
Veude-se urna taberna uo Barro ao subir a
ladeira do Vieira muito afreguezada, com poucos
fondos propria para qualquer principlante : quem
a ptelender diriji-se.a mesma cara tratar.
Vnda-se nma cahrccoS de annos com
habilidades : no pate? do Carmo taberna n.
e-quina da rna de Hurtas
Veo Je-se do molequ de idade 14
bopiu Bcor e sem achsqrjes : a tratar oa
t.tf PREPARADA NCAMENTE POR
LAMAN & KEMP,
NOVA YORK.
Composta de substancias, gozando dsa
proprtedades eminentemente depurativas a
^provada pelas juntase academias de me-
dicina; usada nos principaes bospitaes, ci-
vis militares e a marinha as Antilhas e
no continente americano ; receitada pelos
facultativosos mais distinctos do imperio do
brasil e da America hespanhol
GURA RADICALCENLE
escrophulas, rheumatismo, escorbuto, en-
ermidades venreas e mercuriaes, chaga
ltigas, morphea e todas as molestias pro-
renientesd'um estado vicioso do sangue.
Emquanto existem varias imitaedes t
falsifica5os, preciso a maior cautela par
witar os enganos,
A legitima salsa de Bristol vende-se poi
CAORS BARBOZA
JOAO DA C. BRAVO & C.
JoSo da C. Bravo & C.
Deposito geral em Pernamouco rna da
Irui n.22 om casa de Caros
PENTIFRI IOS LAROZE
GN SE RVADORAS DOS DENTES E GEN-
GIVAS.
fxexir demifuicio, para a alvBra e conser-
vacao des deotes, curando as dores can-
sadas pela caria ou produzidas pelo c n-
tacto do calor ou do fri.
p DENTRincio, com base de raagoezia para
a alvura e conservayao dos dentes, pre-
venindo a descarnadura, provoeando o
tarlarb de que empede a reproduccSo.
opiato feytifbmo, para firticar as gengi-
vas, e a? conservar s3as, prevenir as ne-
vralgias dentarias e as affecedes escorb-
ticas. W.
cusutivo dkntario hygibnico, para ebum-
bar'os deutes doentes, parar a caria e pre-
venir os-tibcesses e as dores que elles
provocan).
Deposito em todas as pharmacias e casas
de drogaras no Brasil.
ExpedicSis em casa ce J. P. Larose, ru
deU/wns-St-Paii, 2 Paris.
Deposita em Pernambuce, pharmaeia de
P.Maurer 4C.. rna Nova n. 18.
| elles a'guns com chapa de metal para cobrir o i.u-
rasro ; *sim como dminos eai caUas d madeira
branc e rnvernistd>.
Rap Paulo Cordeiro,
A loja de iniudezas a' rea do Queimado n. 10.
recebeu nova remessa de rap Paulo Corde.ro,
coniraua a roceb i lo por todos os vapore-, par:^
que os ipieciadoies achera sempre boa pilada.
Collares Iftoyer
ou
Anodinos elctt'-Ji^scos contra as
vuls5es, e para acilar a deotic3
enancas. A aguia-branca na ra do Quei-
mado n. 8-recebe-os por todos esvapo
res francezes.
J e?tao to conhecidos, e tanto so tora espalbadc
a fama desses prodigiosos collares Royer, qu >
torna desnecessario dizer mais algoma consa en
abono de seos bons e e etScazes efTeltos basta t
leslemunho de milhares de pessoas, qne lera vistt
e aproveitado o feliz resoltado desses taoule-
qaao necessarius cellares Royer. A qnotidians .
crescida extraccao, que vo tendo, moslia ain.-'a
qoe ) numero dos prodigio;! se eleva como tod-..
os compradores. A "goia-brancj, p-^rm, r-e-*
ando concorrer para nm 8m de isnto'apr'ovei;--
mento, tem feito os nt-cessaries pedidos, para qoi
por todos os vapores francezes Ihe seja re rr.eu.da
certa qaantidade de ditos.collares, para assim ur-
nar-se infallivel o scrtimenlo delles, na loja o".-
gala-branca, roa do Queimado n. 8.





YBME-SI
vende-se om cabriole; de dnas rodas piolado
forrado de novo : na roa da Coocordia o. 7 oa
ra i cocfieira 1e Qq'Bleiros & Agri.
Vende se urna propnedade de trras no loear
denornlnado Tres L'sdejras regcezia de S. Ijju-
renco de Tejucupape comarca de Goianoa, cuta
proprledade tem urna legua de coroprlmmiu <
meia de largar, divido com o eogeobo Cumbe de
Baixo, eogeno do Meio, Capa Pogo e .o. eon-niu
Itapirema de Cima, tero monos irrre'nos prpriopa-
racanaedoas eicellentes varenles-'que nunca
s-.caB e lem boas prcpor.'Oes para se edificar um
enj^nho d'agua : qaera prelender comprar din-
ja-ss ao engenho Itapirema de Olma cu no Becife
oa ra da Praia n. 37 ao Sr. Jos do Reg Mello.
Papel pintado
O mais completo e variado sortimento de papel
para'forro de'sal e guaruicoes, enconira-se a
venda oa m >
Botica 4e Bartholemea A C.
34-Rua larga do Rosario-34
Vende-se vinho de Bordeaux em quartolo.
barris e caixas: era casa de Tlssel reres, ra jad
Trapiche n. 9.
ILEGIVEL
SU
HM



Diario de Pernambueo Quinta felra 19 de Janeiro de 1867,
O ARMEZAM
53 RA OA CADEIA 53 .
FA&SAMDO O ARCO OA CONCEIClO.
Ac;tba de receber e tein por bartissiraos presos
1RIIAZEM I*E FAZENDAS
E
wmi mm msjbm
DE
BLYMPIO GONQALVES ROSA
Ra do Livramento n 14.
0 propnulario deste estabelapinientfc faz sciente ao respeltavel publico e aos seus amigos
- | iregoezes, que tem augmentado a sua.eUcina fe alfaiate, e dirigida por ura hbil mestre, se encar-
aieni de sen acostimado e muito completo sortinienix)^**.^^
ie gneros os se^uintes abaixo declarados.
Queijos de Minas.
llegados pelo ultimo vapor a 10800 rs.
9ommn de milho branco
americano.
MUSCATEL DE SETBAL
o mu'to excelle 'te vinho moscatel por 200
a caixa de duzia e 20 a garrafa.
CHA
hysson de primeira qualidade a &-00 rs. a
libra, uxim o que ba de oais fino a 34 rs.,
melhorqnehaparapapa, po-do-lo, bolo, a,m destas ha muitag Ulras qaalidades
mgica, creme etc., muilo substancial e, pr0prias para vender a reta|Q0) qae se vende
audavel a 60 rs. cada pacote de 1 libra. de mQQ rs a ^ rg a ,ibra>
SALM E LAGOSTIN
hegado oltimamente em latas de 2
\ 0600 rs. cada urna.
libras
CHOCOLATE
r'ancez a 500 rs. o pacote, dito hespanhol
special, o me'hor que temvindo ao mrca-
lo a !08O rs.
LATAS DE LINGUIQAS
-.ora 6 libras ermetica mente fechada a
i05O;), e de barril a 640 rs. a libra.
VELAS PARA GARRO
pacotes de 8 velas a 900rs.
VINHO DO RHENO
> verdadeiro a 20000 a garrafa.
BORDEAUX
4oj mais acreditadas marcas: S. Julien,
iaut Brion. St. Emilion e St. Estepb a 800
. a garrafa e 8000o a duzia.
O EXCELLENTE E AFAMADO
COLLARES
ngarrafado dabem conhecida casa de De-
aat & C* a 100000 rs a duzia.
PORTO
iiversas qualidades engarrafado, inclusive o
anis fino que ha n'este genero por 800,
^000,10200, 10100 el05O) rs.a gar-
rafa.
OLD CHERRY
) mais supe ior do mercado a 105O rs. a
arrala e 150000 a duzia. '
VINHO BRANCO
xcellenie qualidade, de Lisboa, e proprio
jara inissa 800 rs. a garrafa 8 80000 rs. a
"xa de duzia.
VERMOUTH
uiperior qualidade em caixas de 12 meias
garrafa por 120XM) rs. e cada meia garra-
a 10200 rs.
m
CHA PRETO
o mais especial que tem vindo a este mer-
eado a 20600 rs. a libra.
MACAS
estrellinhasj)ara sopa em caixas sortidas de
8 libras por 40000 rs, palharim, macarrao,
etc., a640 rs. a libra.
PREZNTOS
os verdadeiros de Lomgo a 640 rs. a libra 9
560 inleiro.
JALEIA DE MARMEELO
em latas a 800 rs.
MOLHO INGLEZ
diversas qualidades a 720 rs. o frasco.
MOSTtRDA INGLEZA
muito nova a 800 rs. o frasco.
MOSTARDA FRANGEZA
a 640 reis o frasco.
ARENQUES
em [atas a 600 rs. cada urna.
GARRAFAS
brancas para mesa superiores a 50 rs. e a
60 o par.
. COPOS
diversas qualidades e tamaohos a 30 rs., 40
50 e 60 a duzia.
CAPACHOS
decores e differentes tamaohos a 500s.
6i0 e 8u0 reis.
BALA OS
diversos eitios a para compras desde 500 rs.
at 2^ rs ; ditos grandes proprio para roupa
de 30 a 50.
GAZ
o mm superior giz liquido em latos grandes
com 5 galoespor preco de 100 rs.
i
cimeio por precos mais baratos.
Asslra como tem um completo sortimento de fazeodas finas (as quaes nao sendo costme pro-
corar as lojas do Livramento) espera que sous amigos e freguew* o honram com suas presencas.
wls vende mais barato qae outro qualquer.
BA->(MkSBESEO\ritETL >
A' loja de fazendas de Augusto Porto & 0.
11Ra do Queimado1\
A' loja de Augusto Porto C. chegaram as melhores basquinas de seda
preta que se vendem por anodicos precos.
Vestidos de moin de coras para bailes e partidas.
Ricos vestidos de Blond com manta e capella para noivas.
Costutnes completos de ca*emira para homens, fazeada especial, sendo
as cacase patots.da ultima moda.
Bonets de palca da Italia par*senhoras e chapeos de phanlasia para ho-
mens. t
Enxovaes e vestidos bordados para baptizados de 100000 a 300000.
Camisas inglezas para hoiwm, peito, punhos ecolarinhos de linho supe-
rior.
Ricas arias de liaho bordadas, bales, espartillios, meias fina3, leocos
bordados, camisas, camisinhas, manguitos bordados para senhoras.
Colxas de seda, e de 15a e seda para camas de noivas.
Cort nados bordados para camas e janellas.
Tapetes para sof, cama e piano e pannos para cobrir mesas.
Bramante, Brilhantina Midennes ou cambraias de pafos, frzeoda muito
bella para vestidos, silesias, bretanhas, e cambraias transparentes tapada e
de linho.
Moireantique branco e preto, sedas brancas, de cores e pretas, e gres-
denaple de todas as qualidades.
Brins de linho branco de cores dos melhores.
Neste estabelecrmentp ha sempre so .-tmenlo das melhores e'mais baratas.
Esteiras da India para for ar salas
11 Riia do Qaeimado11
ftltAVlIJE
flBk
23 Largo do Terco 23,
JoaquimSimo dos Santos, dono deste bem sortido estabeleciment de seceos
a molhados, faz se ente ao respeitavel publico, tanto de-ta pr.ici como de fora, que ve-
dara fa/.er suasdepensas a e>te estabelecimento para verem a grande differenc'a que faz
ara menos preco. cso fossem comprados em outra qurquer parie. E todo o feguez
1
i
,/0 pelo prompto pagamento.
:ue comprar do 1-!O0OOO pira ci a ter o descont de
az-se esta grande diliienea porestar-se em liquidaco.
Ga?. americano a 4oo rs. a gararfa, e 90 a lata.
Caf do ho de 1.a e 2.asorte a 2lo e 2oo rs. a libr.i, e a 60 e 70 a arroba.
Queijos de diversos vapores a 204oo, 208oo e 30o ,o cada um.
Pho-plioros do gaz a ?0ioo agrosa, e em porcio se faz abalimento.
Cerveja de diversas marcas, duzia 50, 505oo, 60 e 70.
Arroz da me h or qualidade a 12o 'ello rs'. a libra e a 30'oo e 302oo a arroba.
Pajil de linho marca vhdoa 40ooo a resma, em p irc5o haabtimento.
dem fin i de marca mariello a 505oo e 60 a resma.
Vinho das melhores e mais acreditadas marcas, a 207oo, 30 303oo e 40 a caada e
36o, 4oo. 5oo e 56o rs. a garrafa.
dem .raneo superior qualidade a 40 a caada e a56o a garrafa.
Gh min linho e graudo da melhor qualidade a 20, 202oo, 205ooe 208oo a libra.
Manteiga ingleza fina, a j01oo, 101o e 10oo a libra, em barris ha abatimento.
dem mais baixa a 72 ', 8oo e 9oo rs. a libra, em porcao ha grande abatimento.
Iemfranceza muito nova a H4o rs. a libra, e em barril ha grande differenca.
dem mais baixa a 48o, 52o, 56o e 6oo rs. a libra, em porcao ha abatimento.-
Vinho d > Porto engarrafado e em barril a 64o, e a 10 a garrafa.
Alm destes gneros ha ont^os muitos assim como ioiacb'mhas de soda a 101oo e
;0aiat.a, chouricas e genebra de todas as qualidades, massas para sopa, copos a 50 a
iu;:ia, s no Conservativo largo do Terco n. 23.
VapDres,
Vende-se em casa de Saua-ers Brothers & C,
oo largo > dirpo S*nto n. II, vapores patentes
comtodosos pertpuci's profirios pan (azer mover
tres on quatro opachiuas para dascarocar algodao.
WT4ssum, mm
Vend- se p:itss?a da Ru*. qoalidaJ' a mis i paca o fabrico de
assocar a pre^i rasoavel, no armazem de Jos da
Silva Loyo S C.
Aos agricultores
Saunders Brothers s C afabam de receber de
Liverpool vapores de forga de 3 a 4 caaallos com
lodosos perteuce;,e mu proprios para fazer mo-
ver machinas de descarofar alg'odio, podendo cada
vapor trabalhar ate com 149 serras, tambera ser-
vem para enfardar algodao on para outro qualquer
servici em que usam trahalhar, com animis. Os
musmos tarabnra tem a venda machinas america-
nas de 33 a 0 serra, : os pretenlentes dirijam-
se ao largo do Corpo Santo n. II.
Loja do Gallo Vigilante
RA DO CRESPO N. 7.
Grande e variado sortimento dos numero-
sos objectos de apurado gosto que ultima-
mente acaba de chegar para este bem co-
nhecido estabeleci ment, pois seu corres-
pondente em Pars o mais habilitado pa-
ra a escolha de taes objectos, pois os com-
pradores podero apreciar, como sejam lin-
dissi eos enfeites de cabeca com cok de
cabello, e sem elle.
S no vigilante ra do Crespo n, 7.
Enfeites.
Roques com caixos e de novos penteia-
dos.
Trancas pretas e de cores, e de todas *as
larguras, Gom vidrilho e sem elle, para en-
feite de vestidos.
Bicos de seda com vidrilho e sem elle.
Gravanhas de velludo para senhoras.
Gravatas e mantinhas de seda para ho-
rnera.
Grvalas brancas muito finas.
S no vigilante na do Crespo n. 7.
Voltiuhas para meninas.
Voltinhas para meninas.
Pulseiras para as mesmas.
Correntes -para relojios fingindo cabello.
Riquissimos sintos, fivel'.as e fita; para as
mesmas e de outras muitas qualidades.
Riqusimos pentes de taatarnga.
Fitas de velludo de todas as largaras.
Lindos enfeites para vestidos, chamados l'^^
Chrispianne Margante.
JUftTJBEBA.
A jurubeBfc urna das substancias medi-
camentosas, que pertencem ao reino vege-
tal, e pertence classe dffs tnicos e des-
obstnientes, sendo empregada com vanta-
gem contra as febres intermitientes acom-
panhadas de engorgilamento de ligado e
baco. Ella tem sido applicada com ir?con-
testavel proveito centra a anemia ou chloro-
se e hydropesia, catarrbo da bexiga, e mes-
mo para corabater a menstruacao difcil,
resultado da mesma anemia ou calorse.
Extracto alcoolico de jurubeba.
Emplastro idea.
Oleo dem.
Tintura dem de dem.
Xarpue idem.
Vinho dem de idem.
Pilulas de extracto idem.
Deposito, pharmacia de Pinto, ra larga
do Rosario n. 10.
JUR Debaixo. da denomiDacSo dejurubeba
nascem nos sitios arenosos do Brasil dous
arbustos do mesmo genero, mas n5o do
mesm.o sexo. Ambos crescem com lindas e
frondosas folhas, ambos produzem bagos
gramneos reunidos a' mapeira de cachos de
uvas, pendentes de um pednculo curto. O
primeiro, isto o mach, pouco menor
do qne a femea, apeuas cresce at altura
de um homem, tem folhas men. res, do
maito sinuosas,,mas recortadas, com talos
guarnecidos de ahjuns espinos.
Nasextremidadesdosramosproduz peque-
as flores como que juntas em forma de um-
bella.de crlactea misturada de azul celeste,
as quaes representam exactamente urna es-
trella de cinco ngulos e constam de urna
s corla, modelada e como dividida em
outros tantos tringulos, sabindo docentro
cinco estames, ou filamentos, de maneira
que ao longe tomar-se-bia por urna flor de
borragem.
O segundo, mais alto, mais espinhoso,
tem folhas maiores, cobertas de pello pela
parte inferior, elegantemente guarnecidas
de espinhos, recortadas de um verde -vivo,
tendo a mesma flor que o macho, porm
mais nitida.
Ambos, em virtude do uso quotidiano da
medicina, sao bastante conhecidos as phar-
macias. Em verdade, suas folhas e sueco
sao empregados para mitigar, como tempe-
stes, e curar as fefidas e ulceras, e ooui-
favorecem
LOJA DA FRAGATA AMAZONAS
DE
Monteiro B. 5 Koa do^DimHfJ d,
Os donos deste novo estabe'ecimenlo

M1CHINAS AMEKICVlVAS
Verdadeiras da fabricante X. Caattougii
Moinhos americanos pa noer mil he.
Na ra Nova n. 20 e 22,
* c.
grande deposito
das verdadeiras machinas americanas de todos
os f bricantes; se en contra neste deposito
grande porc5o de machinas, e se vendem por
menos preco do que em outra qualquer parte,
por se receber em direitnra da America; se
fornece todas as explicac&es necessarias ao
comprador para consei'vaco das mesmas;
neste grande estibelecimento se encontra mui-
tos artigos americanos, que muilo deve agra-
dar aos agricultores que usam de taes artigos,
encontra-se lamber todas as colleccoas de de-
senos sobre os quaes se aceita qualqaer urna
encommenda, que i'.orp promptdo ser execu-
tada; neste grande esubelecimento, encon-
tra-se em grnsso e a ret^lho, grande porco
ie ferragens, e mrudezas que se vendem por preco co-nmo^o, pedindo-se a altencSo
ie todos para este estabelecimento que muito lucraro em tazer suas compras: na
ra Nova n. 20 Carneiro Varma.
girprjrJ^r-Jr-Jr^r^nn=I^rJrJrJrJi^
de usar niiiwJfK io .....damain a altenco das Exmas. senhoras que
Mum 1-2^rS5 Para q.U! *! .d""nera vira l)assei a sea establecimen-
io apreciar aiguns Uestes artigos de novi.Jade uttim,oante chseados pelo vanor 'ranee?
e que esperam merecero approvacao do bello sedxo "3g-aos pe, vapor rancu:
A Fragata acaba de receber novo sortimento de sedas de cores relas e hr
Leques de madriperola de 18 a 800000 um
Lques de sndalo novos gestos.
Chapelinhas de seda e palha para cok.
Chapeos de sol de seda para senhora
Ricos cintos bel a Helena (novo gsto)
Cortioad s bordados para cama.
Colchas de seda para cama.
Concede blond para noivas.
Boquines de seda bordados de 13 a 600000
nalos seria Stot"**** ^^ ^^ e outros muitos "*- 9 vneto-
toda. 1,Ptm.S:,rnd0n0S dfte n0VO esl; b,^mento se considerara gratos, para com
^^SSS^SXSSSSl qUVe,r0 fre(ia^d0 sea estabelecimento e cada vez
com suas^^ ******** todos que queiram honrar s,u eslablecimento
Biquissimas flores para vestidos e para' BESE CJ" deIla\ estoquea
r i iolhas e raizes teuham um sabor amarfjo co-
oro-ilD0 a chicorea e a amara, todava difcil-
mente poderiara ser classificadas entre as
drogas quentes. Sobresae principalmente
i vir ; e eficacia, e mais amarga a
lo macho, que
consta de partes mui tenues. Por certo o
wsimento deste faz despedir a ourina retida
e applica-se muita vez com feliz resultado
contra as obstruccos do figado e da prsta-
ta em lu^ar das raizes apperientes.Sua utili-
dade e excellencia sao taes, que n5o s pelo?
doutos, mas tambera pelo povo rustico i
cabeca.
Capellas com caixos flor de laranja,
prLs para noivas.
Meias de seda para senhoras.
Riqusimos ch.peoV.nhos .e louquinhas ^WSlStt* T^.
para meninos e meninas, meinhas e sapati-
nhos de seda para os mesmos.
Lindas sextinhas e bolcinhas para bracos
de meninas.
Meias pretas de laia.
Lindos aderecos e brincos.
urafiS E3SE Tdif- KS*?--rh* -'- os remedio,
ferentes tamanhos p oprios para um deli-
cado mimo.
PREPARACOES FRREAS-MAHGANICAS
APPROVADAS PBU ACADEMIA BE MEDICINA
DE BURIN DU BUISSON
rbaroiaceulico, laureado pela AcaJunia de Medicina de Parii
jm.

3>Q ^ n 2 -
i =<* 5


ii | ? ifff.S.rfa*
W
'3*B "ftznt"
li'lif-rrlll
-k
4HV-


sr?
o *)
5
c
^ifallSfr-Ifj*!
Bf
liintim
wJLSt i)n,VT? CSS0!) TROrasBA1u' n 't"> edifSe de sea Tratad, de Thera-
y^^r\mtlCa' rcconl. ? <* ferruginosos simples sflo mnilas
Kn?MMJ2rnra!i" ni!ci"-S que ^l' ""^ o empatament-
>Sn!^ mtVM dS m*'S d,s'* MrtbBcm esse mi o e-xilo .senda,
osXniros of \don,M.^!'n,', ? m, orno o te reeoohecido
os cfi.rn.cos os mais perito, sempre mutuamente unido com o ferro.
soK kr;Lei,m Ver( adBro *en* aos s'" Mdicos, o chamare sua
soore as pr(!)aracoGs seguintes.
i attencao
2
Pos ferreos maiigaiiicos J
economa as asma* mln-raps 6
dando imimediatamente nma

Bmiees de Iactato de ferro e de mmim
Pitas de carbonato frreo unneaiuco
agua, acidalada,
.economa as .gn.,^ner^^n.'^'i^tt^ ^ Va,tagem
Plalas e Xarpe de rodureto de ferro e de aan^anese iialleraveis
S?S **,Uma cU,C. nl4framos de t*aTei0 de ferro manganieo indicadas
parcularmente qas molestias Tymphacas, escrofulosas, as chamadas cu-
cretias e tubercuipsas.
recebadas especialmente
para a chlorosis, a aaa-
mia, a Jeucorrhea, a ae-
> norrh.ea. A indioaclo de
alternar estas duas preparaces d os meikeres rewludo.
rJLS,d?Ld!LBai*s<>n des^a*> *. ****> oaipleto do pabHM medito a
S^&lenWr5PW*^*' Pr"M Poe^&neato a m
He Ptmtmbuc; a aea aftnle gwat, Maorer O, pharmaeeoticw, m Mm.
^BttfeBlflalalBlaia
Veode-se na Livraria Franceza roa do Crespo n. 9 e qajstka frapc^a ra Non n. 8
IN JECCAO E CAPSULAS
J3SGETAES aoAIAXIGOj
GRIMJKLTCphawmceutigosemPABIS
Novo tratamento preparado com as folhat it
Mutico, arvore do Per, para a cura rpida, en-
fallivel da Gonorrhea sem reccio algum da con-'
traccio do canal ou da inflammacio dos intestinos.
0 celebre doutor Ricord, de Pars, ler renonciado,
desde sua apparicSo, ao emprgo de qualquer
uro tratamento. Emprega-se a InjeHo ne
eemco de fluxo; as capsulas em todos os casos
chronicos e inveterados, qae resistirte s prepe-
nooesd*apaha,otibeba e4einjeco*ecombas
eaetallica.
A venda as pharmaelas de P. Maorer &
G. e A. aors, em Peroaoxboco. ______
Venden ama aorada ae eaaa ierre oea
'aren) para eiMfcar ot&a 001ra, da 55 palmos de
frente, sita na roa do Amparo em Olioda : a tra-
! 5^000
Cal de Lisboa.
Da mais oovj qns ha no r^realo eiegada pela
barca Gratiaao : vendase qj roa do Trapiohe ar-
IPSf.en, n. 8.
Riquissimos livrinhos com capa de tarta-
ruga para missa.
Aderc?os de flores.
Riquissimos aderecos completos, sendo:
voltas, polseiras, brincoi, alflneles, grampo
para cabel|'s; tudo i-to feito de todas as
flores de ultima moda em Paris.
iGravjiiaaas.
Tambem chegaram bonitas gravatinhas
com flores, e com alflneles proprias para
meninas e senhoras.
Rosetas e brincos.
Riquissimos brincos e rosetas inteiramente
novida le e tudo de muito gosto.
Tonquiahas.
Riquissimas touqninhas de liaho e seda,
ponto de corx ricamente enfeitados e de
muito gosto.
Fita.
Riquissimas Qtas de chamalote, sendo: ver-
de e amarello, tecido na mesma fita.
Agnlhas de marflm.
Tambera chegaram as mui desejadas agn-
ihas todas de marfiui, para trabalhar em la a
e sem corx.
Sextinhas.
Tambera chegaram bonitas sextinhas de
pslha fina, proprias para menioas.
S no Vigilante ra do Crespo n. 7. .
Espelhos.
Riquissimos espelhos grandes e bonitas
molduras proprios para salas ou lojas assim
cerno outros de differentes tamanhos.
S no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Para os pais de familia:
Verdadeiros
Collares Royer
Electro llagoelicos Anodinos
Ou Collares Anodinos,j)ara facilitar a den-
tico das enancas contra as convulses
das mesmas, a estes collares nos escazado!
fazer qualquer recommendaco, visto a'
grande utilidade que lera produzido aquetas
pais que os tem applicado em taes circun-
stancias pois nos parece que n5o haverihwn
s pai ou ma"i que por este meio na"o guai-
ra por termo a taes soffnmentos de seus
filhinhos visto ser um mal que tanto os
flagelia, pois a s.tes collares acompanha ura
folbeto qoe enskia como se deve applicar, e
vende-se na loja'do Gallo Vigilante, ra
do Crespo n. 7J pelo pre^o de 4^000, 5$
e 64000.
maravilhosos.
Traduzido do latim de Pisn e Marcarave.o
dmirein os precos
Koarnaem de lazeadas de Santos
CoelH.
Ra doaneiMado n. f
Vt-oae se :
Madapolo enfestado fin > a 9$ a peca com 20
va rn i
Ditos de U, 75300, 8, 9ft ktf e i |f a peca com
20 varas.
Cambraia de lista de duas cores para vestidos
800 rs. a vara.
Baldes de arcos para senhora a 25300, 33 e3*300
Daos de arcos en"arna)os da 32500 e 4
Ditos de murcnlina a 45800.
Ditos de arcos para meninas de 5600 a 25.
Toalhas de linbo alcochoadas a 125 a duzia.
Ditas de fallid (pello) a 135 a duzia.
Aloalhado adamascado de algodao a 25 a vara.
Dito dito de liohc a 33 a vara.
Bramante de linho com 10 palmos de largura a
25300 a vara.
Dito de dito de 9 1(2 dilo a -25400
Dilo dito de 5 dilo a 15200.
Dilo dito de 3 1|2 dito a 800.
Algodao enfeslado com 7 i|2 ditos a 15i00.
Retondes de tilo preto a 7.
Bournus de di o a 105.
Chales de dito a 55.
Cambrala adamascada para cortinado com 20 va-
ras a 135 a pega.
Lencos brancos de cambraia linos de 24. 31
35500 e 45 a duza. *'
LSaiinha com flores muilo flna a 400 o covado
Di la lisa d.ta a 480 o covado.
Cambraia de linho fina de 65500 a 95 a vara
Cambraia lisa muito flna de iL 6. 6*500. 7* .
^ 85 a pe?a.
Colxas de fnstao alcochoadas brancas o de cores a
Cobertas de chita da India de 2*400 e 25800.
Lences de h-mburgo fino de 25400 e 2*600.
Ditos de bratsante de um s panno a 3*200.
Tarlatana de todas as cores a 800 a vara.
Moreantique preto superior a 2*600 o covado.
Grosdenaple de do a 1*800 o covado.
Fianella >e cores a 800 o covado.
Cambraia de salplcos branca com 8 li2 varas o-
ca 4*500.
Fil de linho liso fino a 800 a vara.
Dito dito cora salpicos a 900 a dita.
Guardaoapos de linho para mesa a 3*500 a duna.
Assim como lambpm o encoDtra um completo
sortimento de roupa feita e pormtdida.
PHOSPHATdeFGRRO
LERAS DOUTOR
i-No
o"e.
lar na ru do Amorim
Pimeau.
n. 30, com Joio 8mies
arraa.eni de t'azcndas baratas
Santos Toelbo
Roa do Queimado n. 10.
Veade-se p seiuinte.
PechinchaJ
P.-ca. de cambraia branca lina com um peque-
o defriin de coDlm, pelo baratsimo preco de
t5500, *360,3*500 e 4*000 reis, quera deixar
Ob comprar cambraia por tao diminuto prego.
'anno de algodao da Babia proprio
tara saecas t assaenr e ronpa de
escra?8.
Vende-se do escriptor'io 4* Aatooio LQia de OH-
veira Azevedo k ]&, |a aeu| escripiorio roa da
Gruai.l.
. Nao existe ciedicarncnto ferruginoso tao notavel
como o Phosphato de farro ie Itras; assummi-
dades medcaos de mundo inteiro *dpur*m-ue
com seUicitede sem igual ns aunaes da icienci*.
As cores paUidas, dores de estomago, digestdes
penosas, anemia, cenvaUscencias iiffieeis, idadi
critica tas senhoras, irregularidade no mens-
Iruacio, pobresa do sangue, tymphatismo, sao
curados rpidamente ou modificados por essi
exceltente eomppsto. E' o conservader por excel-
lencia da saude, e declarado superior nos hospi-
laes e pelas academias a todos as ferruginoso!
conhecidos, a iodiVt e ao miroio de ferro,
porque o nico fue eMvem aos estmagos de-
licados, lie Blo pre*Ma cmiaUpa^to, oaico
tambem Qoe no eanegreee a bocea e os dems.
Deposito as pharmaelas de P. Maure
C. e A. Caore. wn Peroambuco.
1)0 ES
Grande sortimento de doees seceos, erystalisa-
dos e em calda, estraogelros e oacionaes : no ar-
maiem da Liga roa Notan. 00.
8J Vende-se um sitio Da ra d Bem flea com
casa para familia, arvoredos altom terreno ;
trata te na roa flo Queimado n. 18' A, com Carra.
Iho di Bastos,
Francisco Jos Germanji
RA NOVA N. 2!,
acaba de receber um lindo e magnifico sor*
tmiento de oculos, onetos, biooculos, do ni*
timo e mais apurado gosto da Europa e o:o
los de alcance para obser?ac5es elparak
martimos.
PASTA XAROPE d IAJ i. AHIJA
BE DELAJVdftKlVHB
.' *?.*! V&*3*>uVm M*o mIm fumnw l
' '^ ^^SimtUtn^h9mmimSmM9<-
phM diiririi, ot qim OMSrt* lUttkW *.
rtWmkn uIm u mm MlimM ow iu i
ti*c,d c.m w aiUM. rirr., iiiUmIm u
RACAHOUT DE8 RABES

nica allntiu
ParU. BHi ri
IU4M,tlWltl>M-.
Mh o BKlktr yuMfTHhr
lJS>1l.
Ciii hw <** otlxlik mmt* ,mU,4 frm htlmtrmtw, m Klctltoa. H,
Puta. (?wc Mrli>utHS em m fcMacacta.)
SmMuiS
MIlMMiUHMU
2&zz?z.:
A venda as pbamaciM de P. Maorar
e C. A. Caors, em Pernambuco.
Doces
Grasde sortimento de doces secas s crystalisa-
ios e em calda estraageirps'e naeloMDs : no ar*
raaiem da Liga roa Nova &. 60.




?*.-^;*&***
amamBl



Diario de Fernainbuco Qulla feira 19 de Jftlaeiro de 18b7.
i
1

J


vania, no*
rtompdios do ftr. .1. C.
da Un versidadp, de Pe
Estad os-1! nidos.
Exiraeto eoMp.iMte de salsa-par
rilUa de Ayer.
Peltorai de eereja.
Remedio para seze*.
Pllulaa cathartleas.
O deposito central para as provincias
Pernambnco, Alagoas, Parahyba e Rio-
Grande do Norte, denles remedios t5o fa-
voravelmente conhecidos e acotbjdos eso
todas as partes da America do Sul e de
Norte, acha-ae em casa de Tfceod Ckria-
tlaiaseit, 16 roa do Traplebe en
Pernambueo.
Os precos de
335 t>or duzia de estrado de salsa-parrllha.
270 por duzia de peitoral de cereja.
270 por duzia de remedio para sez5es.
74 por dona de pilulas catharticas
se entendem diuhclro vista, c a
o descont de 5 por cento em qoantidadei
de 6 a 12 duzias, e de 40 por cento en
quantidades superiores a 12 duzias.
IVAL SEN SEGUNDO
a da laciniado n,. **, foja de
otludezas
DE '
Jos Bigoutnno.
Continua a qeiraar tudo qaanto tem em sen es-
tabeltC|rr.e,n,to.
Pares dcsapato de tipele a lfi'iSO.
Dijs de peonas de ago muito finas a 60 rs.
Caixas de linha do gaj de 30 novel los a 600 rs.
dem de lionas do gai de 40 rs. o noveilo a 700 rs.
Wem de palitos de segoranga a O rs.
LD5''s de ras com barra, a 1(0 rs.
Duzia de facas e garios de cabo prlo a 35600.
Maesa de palitos Hitado pira dente* a 120 e 160 rs.
Pecas d ntremelos muilo Anas a 500, 600, 800 e
1.3 000.
Lutos das raissas abreviadas a 14500.
Garr^f-is de ftgaa Florida verd; dt ira 1,'OO.
Babados do Porto de iod=s as largaras e lodos os
vegas.
Solaparlos eom estampas Rara n.euiaos a 350 rs.
Momento da roupa de lavar a 100 rs.
Rav*8 cartilhas para meamos a 160 rs.
Duzias 'le meias mui(o tinas para senbora a 499Q.
Ditas brancas e croas para bomem a 3 e 3008.
Agulhas francesas a'bati (papel) a 60 rs.
Pares.da sapatos de tranca e tapete a l&oQQ.
Pecas de fitas de lia de todas as c6res a 600 rs.
Grozas da botesde porcelana prateados a 160 rs.
Caua* com alfipeites lqance.iqs a 80 r.s.
Caixas de fOO envelpes multo fios a 600 rs-
Pregns franceies de todes os tamanhos (libra) 340
ris.
Resma de papel de peso branco liso a 2$.]
Frasco cora sopenor tinta a 100 rs.
Grosas de phosphoros de gf.i a 2{000
Pares de boioes de panno multo bonitos 80 rs
Linhss em carto de 200 jardas a 100.
Caisa de superior iinba do gat com 50 uovellos
700 rs.
Caixas de pos de arroz multo fino a 800 r3.
Pul'-eiras de coata para meninas a 320 rs.
Talheres para meninos a 240 rs.
Caixa cora superiores iscas para cnarutosa 20 rs.
Masso'com saperiores grarapos a 30 rs. '
Booets para meninas a 1$.
Peotes cora costa de metal a 400 rs.
apacb3s,compridqs e redondos a 500 rs.|
Canas com superior papel amisade a 600 rs.
Realejjs para meninos a 108 rs.
fi\z m g\z
QiieRou ao antigo deposito de Henry Forster
C, ra do Imperador, um carregaraento de gaz de
primeira quatldade.o qual se vende em partidas e
arealho por menos prego do que em ootr* qual
(jper parte.
Rival sem segundo.
tua do Quelniano n. 4k&.
Qucr acabar com as fazenda abis
mencionadas.
Queitaa rir ver o qae bom e baratissimo.
Toalhas de labynoiho com bico, faieada boa*
35500.
Carrelers de llnha cora 100 jardas a 30 rs.
Grvalas pretas p de coree muito inas a 500 r.
Barataos fraocezes muito linos a 200 e J20 rs.
Caixas de o'jreias de massa muito novas a 40 rs.
EnM lloros para esparnlho de cordao e fita a 6f
ris.
Carreais de linha Alejandre com 400 jardas a 20t
ris.
Resmas de papel alroago muito bom a 2^509.
Frasco de oleo babosa a 320 e 500 rs.
Ditos de dito higlemqae verde i 1,5000.
Ditos dito falso a 800 rs.
Ditos de macacar perolaa 200 rs.
Sabonetes muito finos a 60, 160, 200 e 320 rs.
Ditos de bolla rauito fiaos a 240 e 320 rs.
Caisas para rap com bonitas estampas a 100
Caixas de palitos a balao a 40 rs.
Miadas de linha froxa para bordar a 20 rs.
Varas de cordao para espartilho a 20 rs.
Frascos com tinta roa muito boa a 240 e 320 n
Ditos de dita preta a raelhor que ha a 320 rs.
Duzia de accas para sobre-mesa a 4.
Varas de Iraqja branca larga a 20 rs.
Pentes volteados para regacar cabello da menina
a 320.
Fraseos de macaca' oleo muito fia a, a 120 rs.
Abotoadqras muito linas para cohetes a 500 rs.
Candes de linha bra.nea.e_de.cores a 26 rs.
Libra de a rea preta superior a 100 rs.
Cartas' de al teles fraocezes com 14 peotes
120 rs.
Escovas para tato, fazenda boa, a 500 rs.
VEMIE-SE
Presuntos de fiambre ja' preparados.
Serveja gellada.
vinfo:> gellado.
Manteiga gellada.
Latss com 3 libras de liogo^as, e ligadas era
molbo morcellos, viadas ltimamente- da liba.
G os de batatas a' 700 rs. cora 1 arroba.
I-tn o rr.ais barato que posivel, no armazera
de Guimare? 4 C, ra da fraperatriz n. 6.
Cal d3 Lisboa,
CheK*4a ao oltimo Ba*j, roals barata que em
mra qualquer parle ; no deposito da ra do Apol-
lo a. 8.
ITIItlN
POR IIICUEiL F4\TOI RA
PRIMEIRA SERIE '
R6. 15000.
Llrraria franceza
Rna do Crespo n| 9.
Vendem-se tres escravas sendo ama perita
engoraroadelra, 1 bonito moleque, 1 negro muito
r,busto de moia idade por 6O0# ; na travesea do
Carmo o. 1.
Gire,
VorvJerfe um cofre em perfeito estado
e coro segredo, proprio para, qaalquer es-
ubtLiciment ou casa particular por preco
coramudo : oa roa do Queimado a. 52,
ioja.___________,____________________
Bom negocio
Vend ge ama armario com poaco oso, eBvidra-
^ada, propria para qaalquer negocio, tambem se
veadem todos os ptences de taberna, e oatros
objeotes pettencon'.es ao acamo estibelecimento
todo por modieo prego : no largo do Carmo o. 9
Veniem-se tres carrecas~8 amcarpioho-com
i)ols oa sem elles : na jua do Jasmlm n. 21. ^^
r,
nde- e
Motores americanos para doas cavados, dito dito
para quatro cavados, machinas para desoaroear
algodao de 14,16,18, 20, 80,35 e 40 serras, pren-
cas para enlardar algodio fazendo as saccas com.
seis palmos de comprmfnto, com o p 200 libras, vindas ltimamente da araeric; do
armatem de Heory Fowter & C. oo caz Pedro
n. 2, junto ao gabinete portugaez.
VHTAfiKNS
AO PUBLICO
NA LOJA E ARMAZEM
Ba" da Imperatriz u.60
DE
(Mi & WIL
Os proprietarios dfte grande est>beecia>ento
tendo no anno prximo passado vdndido graude
Baldes baratos
Vende o Pavao.
Chegea um grande sortiroento e bal6es de ar
eos sendo americanos que sao ot, mediares e
dem-se pelo baratissimo praco de 20500, 30 e
30500: na Ioja do Pavo na ra da Imperatrii d.
00, de Gama & Silva.
A 100 rs. para luto, rende o
Pavao.
Vendem-se laazinbas pretas proprias para lato
Yestidinhos para meninas
Vendem se elegantes ve.-ildiiihos para menina.
oe lsinlia nnio bem etfeiadni [elo baratisebD*
I reg de 2 500, dilo> de gurguiii. Oe seda a 30000
ven- oa Ioja e rmateos do Pavpo na rna da Imperairi:
n. 60. de Gama & Si Ha
Coa lea de merino
Vendem se flnissimos chales de marin lisos
diversas cores, lndo as franjas de teda a 40000.
tendo com as franjas de 18 a 30500 rs., ditos es-
tampados muito finos a 5J500, i-^OO" e 75 O), di-
de Gama i, Silva.
Crochs
Para cadeiras
Para sofs
Para camas
Para presentes.
Chegaram os mais ricos pannos bordados a cro-
ch proprios para encostos de epeiras qne s-
e i 'e"d,em,a.,2*500 e ?* Pa. encasto de soa
parte de .uas farexulas como haiam dnaonciado,' S.Sfe ^ WW* Para cobrir almofadas a
tem resolvido contmuar a eoder anda mal ha-i ^ eJdl ?s Pa" cobrir presentes a 20800 e 30:
raioem virtode do abatiraeato que fireram em
pelo baratissimo prego de 100 rs. o covado : na las de crpon rom listas de eda a 80000, dito
Ioja e armazem do Pavo roa da Imperatriz n. 60,, mais ordinarios para acabar a 20000 < 0500 : m
luja e armaiem do Pavlo na roa da Imperatris *
j na Ioja do Pavo ra da IPjpeYatrii n. 60, de Ga
suas faiendas 'por oecaso'do balango a'qT'pro^ !
cederam em 31 de deiembrb ultimo ; porm para
poderem 9atisfaer e presentar ao respettavel pu-
blico os seus numerosos fregueses Unto desta pra-
ga con o do mato um novo e variado sortiroento de
todas as qualidades d faeendas, d sde as mais
modestas mg as.de mais aparado luxo, nao se tem
poupado.na escalha dellas, limitando seus lacros
apeaas no descosto. C;.ntinuam a dar faiendas
amostra, com Rehor, ob manda-l^s por seos cai-
xeiros em casa das Exmas. familias.
Cambralas Usas do Pavo a 30500,
40<*)O e 4,5500.
Vende-se nm grande sortimenio das memores
cambraias transparentes, lendo 8 varas e rais ca-
da pega, pelos baratos preces de 30500, 40000,
1500, 50000, 60090 e 70000 a pega ; ditas de es-
cossla com 9 varas cada pega, tendo mais de vara
de largura a 60000. 70000, 80000 e 100000 : ditas
Victoria a 0000, 70000 e SflOOO ; ditas largas com
8 palmos,d.e largara,a 10000 e 10280 a vara, sea-
do preciso apenas 4 varas para vestidos, atiendan i
a a labora ; ditas para forro muito encorpadas
a 30200 a peca : na Ioja e armarem do Pvo na
raa da Imperatri n. 60, de Gama & Silva.
Para cama de noivas vende o PavSo
cados proprios paragamas e janellas pelos baratos
pregos de 80, 100000. 16, 200000 e 250000 ; su-
perior damasco de la afeitado a imitagao de seda
liroprw. para eolenas a 20500 o covado; ricas col-
chas de croch palo baratsimo prego de 100601 e
120000; isto na l.aja e armazem do Pavao na roa
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
A melpomenes Jo Pavao-a 2500
Vende se superiotes cortes de melpomeoes, seu-
do fazenda transparente e multo bonita, tendo mul-
. tos padr5es risos com 7 varas e meias cada corle
j pelo taratissrmo nijmo.de 20OO islo para acabar
na Ioja e armazem do Pavao na rna da Imperatriz
b. O, de Gama Silva.
Grande pechjnc^a em chapeos a 500 rs.
Veode-se chapeos d palba a imitagao de man-
ha proprtos para bcajenspelq baratusjaro pr^co de
500 rs. ceda um ; isto para acabar na Ioja e arma-
zem do Pavao oa ra da Imperatriz n. 60, de Gama
& Silv.
Pechibcha em jadapolees na Ioja do Pavaq.
Vendem-se
Novos vestidos Poil de Ch-
vre aieOOO.
Ka leja do pavo.
Chegaram pelo vapor do da 15 do correle, os
mais indos cortes de poil re cbvre para vislidos,
sendo fazenda mteiramente nova no mercado, ten- -
do esta fazenda bastante lustre com os mais deli- ma S Silva,
roa da
60, de Gama 4 Silva.
Sedmhas de lisias a 4f-0 rs.
Vndese bonitas sedmhas minia* propria* pan
vestidos com largura de cbiu ingina [efn barat
prego de 400 rs. o covado : na Ioja e ;, n m de
Pavo na ra da laperattim n. GO de Gama V
Silva.
Filos bordados a 800 rs. a vara na leja &<
Pavo.
Vende se filos de linbo branco bordados proprio
para vestidos pelo baratsimo preco 'dt- 800 rs. &
vara : na Ioja e armaiem do Pavao na ra da &-
peratriz n. 60 d* Gama & Silva.
Pannos de linbo.
Vende-se superior paunos de Moho preprio par*
looges, loalhas e se/oulas etc.,. pelos haratlssimoi
uregis de 640, 700 e 800 rs. a va'a :,bramsnte d*
lioho com 10 palmos de largura a 20 00. 20KOO
it.800 a vrajjmgrandesortim*nto de H.mhurgt
ou Cregnellas por baratos pregos : na I- ja e arma-
zem do Pavao na rna da Imperatriz d. 60, Je Ca-
cados gostos i *?; em Ostras como em flores solas
e vendem-se pelo baratissimo pr^o de 163000,
tendo cada eotle 18 covados, islo na Ioja e arma-
zem do pavao na ra da Imperatriz n. 60, de Gama
4 Sjlw.
Para senboras
asaqatahas a 20000
Veud*m-se as mais modernas casaqninbas ou
basqomas de seda preta, muito bem enfeitaua?, as
mais modernas qiie tem vindo ao mercado e pelo
baratissimo prege de 200 cada urna na Ioja e ar-
mazem do Pava rna da Imperatriz o. 60, de Ga-
ma & Silva.
Alpacas llsss
Chegou o -mais lindo sorllrnento de alpaeas de
urna so eftr, i>rcprias para vestidos, e vendem-se
\endem-se rices cortinados bordados b adamas- por pregos em conta : na Ioja e armazem do Pa-
o cavalleiro da
seperiores pegas de madapoiao fino
ctii 24,jardas pelo lidratisimo prego de 120000,
ditas de 80000, ditas de 70000, dtas-605Op, gana- PonbOS e REBlIlhaS a 15
lindse lerem todas 20 varas, sendo muito boa fa-
c,aoda,para os,Diftgos cima mencionados, que-se
oeeeem roais'liaraio que em ontra oualquer partea
ero-so na |o)a e armazem do Pavao na ra da m-
P*rtr|z,-n..ft. de Gaia.& Silva.
Giauue c beta sortido araiazcra de moldados
Kaa \ova u. 60
Sabio ou nlo sahio, am abilsmo freguezes? sahio sim ; e se d^rapramos tanto
em abrir a caixinha do segredo, foi porque gostamos de sorpreza e dascoBjectnras. AbJ
Ab! Ab! como o sahir deu no gto de muita gente de collarinbo empioacto e bigde re-
torcido?! Quanta interpretado dicula e risivel soffrea ooosso pobre ahir ?! Muita
veztivemos frouxo de riso no cantinbo do nosso armazem, quando .viaavas-qi:e alsuem se
encomtLodava com essas seis negras letras, que por alguns das deram um corto ar t
mysterio a urna das columnas deste venerando Diario t E no entanto oada de. oysterie-
so havia, como vedes, no patusco sahir! sim; riamos a bom rir; mas nunca "vjmos rir
a porque
Serio e grave eDcara as cousas
Deste mundo como sSo ;
Verdadciro, fiel vive .
Do commercio a tradieco !
Poisque o sahir se mostrou sual vinde admirar fregueies, como oo armazem wls!nna Para senbora a 4#0 da Liga se opera a mais fina liga do bem e barato. Lede e veris a verd.de vinde pois; i-g^n!^w^$SSF&
cona?mos em que nSo tereis occasiSe de dizer que o vosso dinhero foi mal empregado, do a,o mergado em camiraia ptiobaratissinm prego
nem O VOSSO bom gOStO OffeodidO. ES freguezes e. .^ .. la vai Terso. : *e nWOO : u Ioja e armazem do Pavao na Tua Fariaha de milito rfeJfral^;6- ou gomma de milho branco preparado na America, vende-se S00 rs. a'ufara, e e cida-: ^oiP"bqs para seabor >w, w elOf.
daomipromnrar rlP7hra aaoque comprar QeziiDrasvene.-^e-le-Dd4U. fcraia traosparenle, seado ricamente enfeltades e
BISCOUTOS INGLEZES ; Soda, Mized, Pic-nic, Fraacy Grucfceuel, Qefin, Osborne, Gak, Arrowrote outras muitas 9 *^f0ft' *,os de rosdioapies ^reto, sendo fa-
qualidades a 1^,00 a laU^ 2 e-3 libras Sl^^^XS^^^
Bla&inbaS percates tria n. OO, de Gama & Silva.
em latas de diversas tamaabos 2, 3, 5, 8 abras cada urna e peloe seguintes p*e$aS; 40200, Grande pethiocba em chitas.
2(^400 e 3)O00. Venderse um grande soriiraewe de chitas oscu-
RatinhAB ,nn -unpnilnas ras e a,(,sres franeeias pelcs'baratos pregos de 320,
a >a a a POlIaaos ceut ameadoas 360 e 460 rs., sendo com os padrees ma^ be3lt0s
grande quantidade de car-toes, bocetas, caixas futradas de chumbo, com as mais ncas qua- que tem vindo ao mercado com ustas e flores etc.
lidades de pao-de-l, bolos, .para champanha, bolliaos com amendoas, e outros muitas etc- i garaotmdo-se screm cores ebas.- na ioja e
que se toraam eafadonho mencioaar. afaim Pa*M ^Da da ,mperatriz B- *de
,'. ... a ^fKi**^ -a i u ltmM .-u Silezias para senboras na vloja do Pavo.
manteiga ingleza, primeira qualtdade a I^O a libra, dem iQgleza boa a l(J00ea libra i Vndese esta nova&zenda, eeodo sikzia oodea-
8#0, 600 "O 400. dem francesa a 40 rs. a libra. da, propraa para salas pelo baratissimo prego de
Doces em calda 440 rs. a vara, e comprndose ^ega veade-se a
ra
doces secos o em calda-de todas as quadades, em fraseos, potes, caixas, te etc: .por pro-, ^tar^z"^'*! GamaTsva?
amendoas confeitadas libra a.
eos os mais razoaveis possiveis,
GAF
cafle do Rio sorte i 240 rs a libra, 2a sorte a 200rs a libra,-3* sortea 160 -a libra,
em arroba se far grande abatimenlo.
Vinho
vinhos engarrafados de todas as qualidades, rainha Estephania a 3l000.a garrafa, Portp
maloiiaa i&SOO rs. a garrafa, lagrimas do Douro a 40800 a garrafa, Pedro V, BL Lui?,
Maria Pia, caFcoveilos, bacanaes, boeugi a 10000 rs.. a garrafa, idem cheres verdadciro,
500 a garrafa, idemcherny cordial a lOOO a garrafa, collares o figuira ambos engar-
rafados a 500 rs. a garrafa, idem de Lisboa em pipas, barris, ancocetas e a retalho a 360
e 400 rs. a garrafa, ancoreta com *inho tinto a 20400 a ancoreta.
Bordeaux
vinho Bordeaux de todas as qualidades de 60500 a 250000 rs. a duzia, e en garrafa de
600 rs. a 20000 rs. Wermouth a 10500 rs. a garrafa Kenoch de wasser a 20000 rs. Afa-
symth a 20000 rs. a garrafa.
GAZ
gaz verdadeiro americano a 90200 a lata grande, garantinio-se 2? garrafas, e a 400 rs, a
garrafa.
Cerneja Gelada
cerveja gelada em garrafas e ',* garrafas inglezas-e franecza.
Pineo e lp;sla
painco a 100 rs. a libra, alpista 160 ; painro^ alpista misturad!) 140 rs. a libra: ep
porco se far abatimento.
Cha verde e preo.
10000, 10300, 20000, 20200, 20400, 20600,. 208QO, 30OQO, e 30200; cb vet4e de
todas as qualidades, buxim, perola, aljfar etc.,
CHARUTOS d'hAVANA.
regalla^ttanaica 100 a caixa, londres 4120 a caixa, operas, caixa 100; e outras mui-
tas mareas que se toraam enfadonhas menciona-las.
CHARUTOS DA BAHA.
imperiaes.exposicao, normas londrinos, guanabaras, suspiros, delicias, parisiences, ven-
cedores, guerreiros, lyrieos, quem fumar saber, para os seguiates preco*: 10ooo, 105oo'
20ooo, 205i-o, 30ooo, 305oo, 308oo, 40ooo, 402oo, 405oo, 408oo, 50ooo,*505oo, 60ooo,
605oo, 70ooo, e 80000.
Velas Steariaas.
spermacete 64o rs. o pacte, velas de carnauba de 6 por libra, 36o [rs. de 14 em
libra, 44o rs. em, porco se far abatimento.
GENEBRA ,aoUo ou victoria 72o rs. o frasco.
gexebba de noLLANDA em frascos 56o rs. o frasco.
, CERVEJA--T--E BASS,
cerveja bass e tenente e de todas as qualdiades, as quaes se vendem ornis razoaVei, como
seja 5oo 6oo e Too rs. e em duzia az-se-ha grande abatimento.
Arroz a ludia,
lio rs. cada libra, em porgSo se far grande abatimento.
SABO E SABONETES.
sabo branco com veascor de roza, idem branco com veas azues, sabonetes de urna libra
cada um, sao os sabonetes mais econmicos que tem vindo ao mercado 5oo rs. a libra.
WagH' e ttevailinha.
sag' muito- aovo 24ers. a libra, cevadinha muito nova 16o rs. a libra.
cevada muito nova 12ogs. a libra.
gomma de encommar 120 rs. a libra.
CEBLAS grandes e novas 10ooo o molbo.
Latas com conservas.
latas com ervilhas portuguezas e francezas, latas com carnes preparadas, passarinhos gui.
zados em latas, e salame em latas.
Ddce de golaba.
ba constantemente am grande deposito de doce de goiaba em cautfes de. todos os tamanhos.
Cepos, tolos,
copos crystalisados, ditos lisos, ditos decores, a 40qoo e 405eo \ duzia.
GARRAFAS DE CRYSTAL.
garrafas de crystal de formatos do ultimo gosto.
AMEIXAS.
ameixas em latas, em bocetas e frascos.
Queijos QUeijos.
queijo8 flamengosdo penltimo vapor 20ooo, ditos do ultimo ......
A fe saia do Pavao
Vendem se ricas saias cordadas com 4 pannos
pelos bmtissimos pregos de 60000 e 7^000. assim
como fazenda em pega-eora pregas proprias para o
mesrno fim a lc200 a vara : oa Ioja e armazf m <1o
Pavonarua da Imperatriz n. 60, de'Gama & Siiva.
Lencos de seda
Vendem.se soperiorfs lengos de seda pelor iiara-
tissimo prego de 19000-cada om, ditos-de acento
braocQ, padroes miudinhos fazenda .muito fina a
t^JOO; oa Ioja e araiazem do Pavo ca,roa da, Im-
peratriz n. 60, de Gama 4-Silva.
Atoa lirado
Vende-se-sopeopr a^ajtarfo de algpao trancado
eom 8 palmos de largura a 1,8600 a vara, dito ada-
mascado muito superior a {0800,-diio de linbo mui-
to boa fazenda a 29300 avara, ^.uardauapos econ-
micos por serem de-linbo pardo a 30000 a' duzia,
ditos alvos muito boa fate'nda a 40000 a duzia : na
Ioja e armazem do Pavo na ra da Imperatriz n.
60, de Gama A Silva.
Barages a 400 rs. na Ioja do Pavao
Veude-se bonitas bareaes transparentes eom pal-
minbas, ditas lustrosas, fazenda muito bonia pelo
barato prego de 400 rs., bonitas laiobas de qua
dnnnos o de flores a 400, 320 e 240 rs., tudo' ou-
chlncha aa Ioja e armazem do Pavo na roa da
Imperatr o. 60, de Gama & Silva.
*< das nova*
Na Ioja do Pav5o,
Chegaram as mais modernas sedas eom listras.
para vestidos, sendo com as cores mais moderna;
que tem vindo ao mercado, assim. como grosdets-a-
ples de diCTerestes cores como sjam cor de rosa,
azul, roza, cor de caf, er de lirio etc, etc. t
vendem-se por prego muito em copia na Ioja c
armazem do Pavao na ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
CrinoKnas a 30500, 40000 e 40500.
Cbegaram para a Ioja do Pavo as mais moder-
nas crinolinas ou balSes verdaderamente ameri-
canos, que sio os mais bem armados e maja.Ie.ves
que tem vindo, sendo c^m o frmalo mais m.oder-
no que actualmente se usa efedem-se pelos se-
guintes pregos: sendo com 20 arcos por 30300,
dito? com 98 arcos por 40000, ditos com 35 arcos
a 4,J500: oto na Ioja e armazt=m do Pavlo na
ra da ImparaViz n. 60 de Gama & Sjlva.
Sedas largas na Ioja do Pa'vSo.
Cbegaram as mais bonitas sedas de cores com i
palmos de largura, sendo com as cores e desenbos
mais brilbantes que tem vindo, facilitando fazer-se
um vestido com poneos covados em altengao a lar-
gura, e veude-se pelo barato preg ode 20000 o co-
vado : na Ioja e armazem do Pavo na rna da Im
pertr1x n. 60 de Gama & Silva.
Oschales do pavo a 2ooo e 2$op rs.
Vendem-se chalet de merino estampados' a 20
e 20500 cada nm.
Ditos de merm liso a 30500.
Ditos estampados de crepon a 60, 70. e 80060.
Ditos pretos bordados com franja d seda a 140.
Na Ioja e armazem do Pavio na roa da Impera-
triz n. 0 de Gama & Silva.
vao, roa da Imperatriz n. 60, de Gama 4 Silva.
Os espartilbos do Pavao.
Vendem-se urna gjande e variado sortimento de
espartilbos dos mais bem feitos que tem 'vindo ao
mercado, sendo de todos os tamanbos, vendendo-se
por um prego muito razoavel : islo na Ioja do Pa-
vo ama da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
*>r*a!e peehioeba em toalhas
para mao.
Vendem-se superiores toalbas de linbo proprias
para mi pelo baratissimo prego de 560 rs.. ditas
a 6*0 rs ditas a imitagao das felpudas a 800 rs.,
ditas fe podas a VS ; pecbincha na Ioja e arma-
zem do Pavo na rna da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
Anadine a $
na Ioja do PavSo
Chegeram os mais lindos corte? desta nova fa-
zenda, seBdo transparente, com bonitas palmas, e
vende-se pelo baraiissimo jireco de 80 : na Ioja e
armazem do Pavu, roa da Imperatrii d. 60, de
Gama Silva.
. 10280 e 10600.
Chegaram os mais modernos ponbos com goli-
nbas sendo de esguio de linbo ricamente borda-
dos tanto braacos como de crps e wndem-se pelo?
baratissimos pregos de 1S, 1*280 e 1*600, por ha-
ver grande-porgao. grande pechincba : na loji
armazem do Pavo ra da Imperatriz n. 60, df
Gama Silva.
Para baptizados.
Vende-se elegantes ve-tuarios bordados para
baptisado?, pe. s barati>simos pregos de 15A0O0
20^)00 e 250O0 : na Ioja e armazem do Pavo na
ra da Imperatriz o. 60 de Gama & Silva.
Babados bordados na Ioja do Pav5o
Vendem-se babadinhus bordados com 2 varas
peto barato prego de 15000, entremeios tapados e
transparentes, tendo 3 varas cada pega a 10000: na
Ioja e armazem do Pavao na ra da Imperatriz n.
60, de feaeaa & Silva.
Cambraias de cores
Vende e um bonito sortimento de cambraias de
cores para vestidos pelos barati.-simos pregos de
300 e 300 rs. o covado. citas a voluntarios da pa-
tria a 800 rs. a vara, ditas listadas a 640 e 700 rs.
a vara;^ pechincha ea lo>a e armazem do Pavo
oa ruada Imperatriz n. 60, de Gama dt Silva.
Cassa de urna cor so
Vende-se bonitas cassas de urna cor so,com um
pequeaetoquede mofopelobaratisslmo prego de 240
rs. o-corado ; para acabar na Ioja e armazem do
Pavo aa ra da Imperatriz n. 60, de Gama d
Cambraias brancas de cordSo a 80.* 00.
Cnegaram as mais delicadas can brahs hribca
de cordao com delicadas lisias trsnstareotes
vnpdrm-se pelo baratissimo pngo de 85,00 a pa-
ga na Ioja e armazem do Pavo na ra da Im, -
ratriz n. 60, de Gama & Silva. _____
Na pra^a da Independencia
Luja de Aranaes & I^yra.
Ven iem botinas pretas eom lago para fenbora
a 40 o par.
Ditos para menino a 30.__________________
Livros em branco. de Ham-
burg
V ende se na livraria Enciclopdica de J B. de
Mello : na rna da Cruz n. 52. completo sortimento
e po/ pregns molto cr mmodos._______
XAMOPE
peitoral e dnlctftcante
DE
SIIMT GE0f?6ES
Prepirso par
6RIHAOLT e Ch
phanucauttcos de 8. A. I
o principe Najioleto
Cara rpida de la
molestias seguente* :
tone, citarrhe.', pleu-
resa, cequeluche, an-
ginas, fortes eonstipa-
(Oes, irrta(des fot
bronchas e de peo,
bronckite,phti*ica pul-
monar, astma, pneu-
tnonia,aninat,amyg-
dalites, toisechronica,
rouquido. Os mdicos reconunendo ao niesine
lempo o neo das eacellentes paatilhas peito-
raes com o auoco d'alaca o laureirc-
ocrejo, que ae preparad no naesmo esubele-
nas pharmacias de Manrer e A
A venda
Caors.
Lencos brincos a 20f 00,30000 e 400,00.
Vende-te um bonito sortimento de lengos de cam-
braia branca lisos pelos-baratissimos pregos de 20,
3*000 e 40000 a duzia : na Ioja e armazena do
Pavao oa ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Medina H0OOO
Chegaram os mats ricos cortes de vestidos trans-
parentes d'esia nava fazenda intitolada medina eom
delicadas palmas e botoes de seda, sendo tazenda
propria p-ra vestidos de assistir a baile oa casa-
msptos, tendo cada nm corte 18 covados e vendem-
se por 200000; nicamente na Ioja e armazem do
Pavao oa roa da Imperatriz o. 60 de Gana &
Silva.
Silva.
Chales de renda e retondas
Vende se um grande sortimento de chales de
renda-e retondas, sendo as mais modernas que tem
vindo ao mercado e vendem-se mais barato que
ero ootra qualquer parte : isto na Ioja e armazem
do Pavao na ra da Imperatriz n. 60, de Gama A
Retalhos baratos
Vende-se porgao de retalhos de chita, las, cas-
sas e editas pretas por prego barato : na Ioja e ar-
mazem do Pavo na ra da imperatriz n. 60. de
Gama & Silva.
Cilcas brancas
Vende se om rande sortimento de caigas de
brim branco de |,nh-. traogado pelos baratissimos
pregos de3o00, 4*500 e 5*000, assim coro', um
prande sortimento de palitots de panno preto fino,
sobrecasaeos e saceos forrados de seda, ditos de ca-
simira, sobrecasacos, saceos e fraques, ditos de me
nao e caigas de casimira de cor e de todas as qua-
lidades, assim como um grande sortimento de col-
leites de todas as fazendas vendendo-se tudo or
pregos muito baratos : na Ioja e armazem do Pa-
vo na roa da Imperatriz D. 60, de Gama & Silva.
Alpacas brilhantes a 640 rs.
Cbegaram as mais lindas alpacas enfestadas com
3 e roeio palmos tle largura com os mais delicados
desenhos tanto de OorsiBha como de Itstinhas as
sentadas as mais delicadas cores como sejam ly-
rio, sinsento cor de carne, solferioo e vendem-e
pelo baratissimo prego de 640 rs. o covado ; ti-
camente na Ioja e armazem do Pavo na rna da
Imperatriz n 60, de Gama 4 Silva.
Pechincba para a festa na Ioja do Pav3o.
Vestidos.
Vestidos.'
Vestidos.
A 80000
Vendem-se nm bonito sortimento dos mais lindos
vestidos com barras de seda, trazendo os conipe
lentes enfeites para o corpo, sendo neste artigo o
mais moderno qne tem vindo ao mercado, e ven-
dem se pelo baratissimo prego de 8a000 cada um,
d.itos de cambraia branca curo barras bordadas a
50000 8*000 ; na Ioja e armazem do Pavao na
ra da Imperatriz n. 60, de Gama f Svn.
Cortesa 30000 s o Pavo
Vendem-se os vais lidos cortes de. cassas de
cores com os deseo (ios mais modelaos viudo cada
om em sen papel e garantindose lererp 7 varasf,-
da nm peio baratissimo prego de 3000 ; ra Ioja e
armazem do Pavotla'fba da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Casaquinhos cu vasquipas na Ioja do Pavao
a 250OU.O, 3U0OOO e 350000.
Cbegaram os mais neos ou mqdernos casaqui-
nhos cu vasquloas de grosdmaples preto ricamente
enfeitados, sendo dos feltioj mais modernos e ele-
gantes qne ltimamente rhesahtm e veodem-so le-
los baratos, pregos de 259000, 30*000 e 35*000; na
Ioja e armaiem do Pavo oa ra da Imperatriz n. 60,
de Gama & Silva.
Para .bailes a 350000.
Ma times Austn # 0.
Vendt'm no seta armasen, raa
da Senzala-Veiba u 100.
Latas com gas de primeira qus-bdade.
Barricas com farinba re milf.o rauito
nova.
Saceos grandes com farelo novo a 40.
Barris com pregos americanos.
Para a abertura das aulas
Carus da a B C, t^boaas, catecismo, verdada
nos meninos, grammatica e arithm t:.-a por (Ja*to
Nones, cartilhas, biblia da infancia, eamloho do
co, devoto christao, Sin.ao de Nantua, eeoaomla
da yida humana, manyres pemambucan, s reirrai
mu facis para entender a contbi idade i-m ver-
sos pur Gamboa, jateclsmo das veroades oniliuli-
cas, traslados, pautas, papel de peso e ain.ago de
moitase diversas qualidades, liso e piolado na
ma do Imneradordefronte do convento de S. Fran-
cisco o. 15.
Na roa do Vigsrio n. 19, vende-se i
Vinho Muscate' em aneoretas. '
Vinhos do Porto de diversas qualidades engarrafa'
do e em barris.
Ceta em velas e grome.
Lona em pegas e fardos.
Escravos fgidos
txu*-* ^ iim.111 i y

~ Conlina ausente desde o da 23 de agosto
de 1866 o n idade pouco mai> ou menos, corpo regular, ps
opquenos, cabellos castanhos, dent's alvos e ppr-
fiitos, com o dddo prximo ao pollegar cicatrizado
de sorte que nem Ihe resta a unha : roga se as au-
toridades poliejaes e capites de campo a soa
apprehens'i pelo que rec>-berao paga g> uerosa tm
cjsa de seu senber na roa do Imperador o. 33.
Fogio d- bordo do palhabote Principe, o es-
cravo Bajilio, fjlho desta provincia, de 22 annos
pouco mais ou menos, estatura regular baibado :
qoem o aprehender queira leva-.o a casa do con-
Mgnaiario Juo Francisco da Silva Nuvaes traves-
ta da Madre de Dos n. 8, que sera' gratificado.
Escravo fgido
Fugio no dia 3 do correte um ondeque de no-
me Hilarlo, cor bem preta, rosto redendo, baixo e
encorpado, com caiga e j qoela de recado ?io\
levou um gavallo com cangalha. fereiro, grande,
magro c com a dina e tpele cortados : os prefcn-
denles condnzam o o engenbo Garana, ou a ra
da Imperatriz, casa n. 8c.
Muita attenco.
Fugio no da 37 de dezembro do anno passado,
da engenho Bate da freguezia de Una comarca do
Rio Fermoso, o escravo Angelo, crioulo bem pre-
to, de idade de 30 annos, com os signaes segua-
les : alo. seco, sem barba, tem falla de um Oente"
oa fiente, ns largos, falla grossa, bonito de fei-
goes e amia a passos largos, levou camisa de ma-
dapoiao, ci>|ga de brim pardo e chapeo d baeta
iteto, este escravo natural desta praga e foi com-
prado aofir. Silvino Guilherme de Barros e ba
certeza que ahi esteja por ter Irmaos": p rt,nto ro-
ga-se as aolcridds'policiaes, caiiies de catrpo
ou qualquer pessoa qne o conbecer o aprehendan)
e o leve ao referido engenho on a roa da Mueda n.
3. segundo andar, em casa de Sr. Manuel alves
Perreira.
-i- Fugio do engeuho Gutiuba da comar-
ca de Goyanna no dia 5 de Janeiro crreme,
o escravo Manoel com os signaes segnintes:
crioulo, com 33 nnos de idade pnuc<> mais
ou menos, altura regular, delgado do cor-
po e peritas, ps pequeos e nao mal f-tos
rendido de urna verilha, cara tirada, barba-
C^egaram os mais neos, cotes de vesdos de fli* nri* afllado, denles perfeitos, ubs ta-
brarico primorosamente bordados e enfeitados de ,hos de Chicote as costas, muilo ladino 6
cor, sendo tambem p||rios para pasamentos e geitnso para illudir; 0 seu.senhor Antonio
Tendemos pelos bratdjpregos de 330000 dnlca- Ribeiro Campos, mora no mesmo etiuetiho
pTalriz?St& "JaTt 8,","*0 Da "* da ,m' ^M, onde deFe ser .eotrwue o diio es-
Lencos bordados a f 0000 e 10600 na Ioja do > Wm a*larir S6ri bm recom^n-
Pavo. fiadn-
Vende-se bonitos lenclnbos bordados para xo
pelos baratissimos pregos' de 14000 e 10600 cada
um ; luja e armazem do Pavo na ra da Impera-
triz n 60, de Gama & Silva.
As varees (Jo PavSp.
Veide-se as mtus bonitas va,reges ,cqm listas de
A,inda estt fofida a preta Josepha rrnda o
nome para JentoveVa, erloula, f epre-enu 35 annos,
levoo vestido de ehlta escora eom palmas, rhdes
cArd" rosa,eipcaroado, tero as,,ponas dos dedos
da mao'direiti comidos de urna roda de fazer fa-
arrabal-
capites
riph, ten sido vista nesta cldade e en
" aotoridiaas poMcf es e
seda a,Imitagao d poil de'chvre pel baratissimo; dea ; rog-se as aoton
predtt SOOrs. o'covado i n'leja afmalem do de e>mpo a aprehensio e mande a ra da Cadeia
Pavao na rna da Impentrlz n. 60 d Gama a i Velha no Recife d. 19, qae sera' pago todo o seo
Silva. I rabalbo.


?*..-,

. ..
*: -: .



_ *- -
Diario de -crnaaibneo Quinta lera i de Janeiro de 1867
a~aa"~MZ~BJBBI


. s

IITTMTRA.
A OlU'llA % BE PE RUSA
ro
Ciovanai de Francbis.
-{Concia i)
IV
A lata nao rturou moito.
I'ierazto eSermis, advertidos amito & lempo
para puderem defender-se, t;:hara ao principie
respondido valorosamente aos 'laques dos Suissos;
,i : vendo o nu:n r ve) di'S iaimig'
Jo- surcara de toJo> .-' la los, e recelando nd'assem, linham-s I -lirado pouco a pooco, con-
servando sempre qbi I >go cartcuo t continuo.
Mas os Suissos, ajuUjdos palos (radas de S. Do-
l:'iojs, lomarara ictl toda a resistencia, porque
mlrarara na cidade ptd convento.
Eiilo disperaarara s-j os revoljosos e cada ura
Iratoa de chegar por camiuhos esctsos praga,
cride, apezar da sua interioridad.) numrica, os
habitantes de Perasa coulinuavaiu a resistir aos
v,_l--OS. *
Quando cessou o fugo, Nella levanton-sb e foi
ao ocal onde acabava de verificir-sc o corojoate.
Ooservou eoi inuios sitios largas pojas de san-
i -igual evidenlo de que a lula dzera victimas ;
mas era ura cadver, oem um erido Acara no
campo da batalba.
E' porquienao podiam pertencer seoo aos ven-
tc iiores. *
Isto (raoqxpilisou completamente Nella ; fugio lo
g)ilaqa-ila horroroso espectculo e dirigio-se a
la a pressa para a cidade, cora a esperanza de
larar Pieruiio.
O couveato dos D^mmicanos, que dora passa-
eetu aos Suissos, tiuliu ficado aberto.
Tanta era a eonfusao I
Nella reparou nis-o, e depois de breve hesitar,
entrn nelle proirplamette,- atravessou a cerca e
i ia eatnr na igreja, quando, ao passar por um
l -ijiieao vestbulo, vio ura frade a pnssear era fren
. le da escada, tomado de visivel lnqoetaco.
Por foi luna, imhaeotao as costas voitadas pira
-.ia ; comtado, da eonsiderou-sj perdida, e des-
cowitdo uro armario que estiva direita na pa-
elle, correu a elle e agacbou-se entre eululho que
l e-iava amouioad .
Nio lardou que ouvisse os passos do frade diri-
iado-se para o seo lado. Mas elle j oo eslava s
i: Nella pode ouvir dlstinctaraeote a seguinte con-
versa cao :
Erafim, cbegaste I
ia .,. L Nella, qae, toda tremola, se cnegm mallo para
As arvores que cobrem o> campos oaquelle sitio su tia. P
serviramadmiravelmenie para proteger Pieruuoe; Perins impressio. aquella fomnosura e logo
os seos caraaradas, e so liobara de dar alguna pas- i doas delles corrern para a pobre meoioa grl-
so> para se esconderera completamente dos olbos tando : '
dos seas immigos. j Venha o menos a pequea f ~
uepofs de haverem reconhecido que nio bavia I Venha de l a peqaena I-respondern
mais que tentar, que ja era fmpossivel a resisten-; irft voze?.
ca, resolvern) tomar logo o camloho de Afezto,
-!
OU-
para escaparem
intil.
a urna morte to certa como
E todos qaizeram deiiar as maos a innocente.
Tenbam compano I gritava a tia, esforcau-
do-sepor levantarse para defender Nella com o
tSl^XS^l^l^ eorpo.M.ni. Wonh.d.. fez^ahraop queseo romana.
Em 5 de julfio da 18i, as tropas france-
zas entraram era Roma.
Em 12 de abril de f850tornou o Papa a
entrafr em Roma no meio das acdamacCes e
das lagrimas t seo povo.
Mas n5o tardou que de novo comecassem
as inqn;etag5es do Santo Padre.
Ocongresso de Pars viu hvantar-se pu-
blicamente pela primeira vez do eu seio a
g;u-:tie as raaos e disse lijo com profundo affecto:
Adeus Nella. Se Deus permiuir que eu volte
rainha patria, sers mioba muier A leus I Pede
a Deus -pelo leu Pieruzzo e diz a miuba mal que
estou satvo, porque roe salvaste, e qu-, se trilbo o
caroinbo do exilio, para breve voltar, porque nao
vem longo o da da justlcj.
E la foi com es seus amigos.
Nella cou rauda, turbada cora a impressio de
nm sentiaento novo que era mullo vivo para a sua
Idade.
A alegra, a dr, a esperao;a, o receio, ludo se
confunda em sua alma. Seguio com os olbos Pie-
ruzzo em qoanto ple v lo atravez da ramagem
das arvores.
Ao passo que elle se aft-stava, ella senta qae se
ihe apertavao coraco, e qoaado emflra elle desap-
pareceu de todo as sinuosidades do camioho, nao
pede tois sodrear as lagrimas.
Sini3tro pressentimento Ibe diz que nanea mais
o vena.
Clamores de angustia que se ergoiam da cidade
e novas descargas de fuzilena liraram aa do seu
entorpecmento moral, e eftj peosou em retirarse
para casa, onde sua velha tia devia estar em tran-
ses crueis.
Metiendo por beccos dsenos, chegou sua mo-
rada, qoe cava distaote do centro da cidade, e
achou sua lia em mortal inquieticao.
Nella traaqulllisou-a e contou-lbe ludo o que se
pas.ara naquelle dia.
No camioho soubera que o babitanles, depois
de pordada lula, tinnam suecumbido em toda a
parte, e que os Suissos, depois de terem tomado as
iriocheiras, se espalaran) pela cidade, saqueando
as casas o matando d sapiedadamente toda a gente.
O terror estava no seu auge, e nao se viam se-
nao desgranados de lodas as idades e de ambos os
sexos que fugiam para escaparem aos excessos da
tropa.
Oqiiarto habitado por Nella, e sua tia ficava ao
rez do cbo, em um paleo para onde se sabio por
urna porta armiada.
O interior mostrava limpeza em toda a parte, mas
de-~s.ua sobrinha.

N.oguem se chegue para raim l-gritoa^el- J[Z7iV^^^ ^^
la,levantndose-Era nome da Santa Virgem, nao 5 revulucao, esta offerecea O sea au-
me toquem i xilto^ que fot acceito.
Vamos delambida I grltram aquellos mal- A-5 Roatanias sublevram-se e O Piemon-
vados com cyoica chacota. Nada de momiees com te OCCupou-as.
soldados dos Estados Romanos I
E qulzeram segurar-lbe os bracos. Ma> N>~lla,
Agora diz a infeliz que hade amar urna
existencia que deve aquello innocente.
pital e o trabattio l Livre troca as artes e
as scienc^^H
Tal trnqumidade com loes forcas se-
-.-..----- guro penhor de victoria.
Foi hamado um rEadico a urna povoa-; ,u,u 8overno,qe presencoia tal especta-
co rural para ver um Bino de um proprie- c;Qto.nao Pode d',xar de acceder vonlade
tario. F F j(lW#ovo.
A visita foi longa e miouctesa; o doutor |. IIE,D LDdres- diz o Mario do Havre,
escutou, consultou, investigou todos os por-1 [;,.lla-se.de um -projecto radical qae o Sr.
menores ; depois, concluio o seu exatne it,,SPae submetteu ao conselho dos mtnis-
com um movimeuto rpido, lirou o sabr ao que
estava mais perto e brandio o por cima da cabeca.
Ouvlram-se lugo tres tiros e a desventurada ca-
hio ao lado de sua tia.
Os Suissos tornaran) a carregar as armas conf a
maior iniliH-ranga, e depois de terem outra vez es"--
mineado o que havia no quarto, reliraram-se para
irem a miras partes praticar faganbas idnticas.
Ficou no aposento o silencio da morte.
Comecou-se a Uhr da retirada das tro-
pas francezas, e entretanto o Santo Paire
foi dea^possado da maior parte dos seus
m setembro de 18 4 formn-se
a convenci franco italiana.
Os acoittecimentos que se teem verificado
desde i864 teem assignalado por tal forma
a poltica geral da Franca na Allemanha,
A velha ta, tornando a si do atordoameoto da nos Estados Unios e no Mxico, que as suas
queda e da roronhada procuroa de red della, -!?; c r,- '
chamando em voz baa relaces especiaes com a Santa Se e com a
Nella! mioha fliha, onde estas? Ila,ia air,da est3 de SODeJ recentes para
Cuidavas Id que o negocio era fcil. Aquel-
es excoramungados teem o diabo no corpo, dJ' '*"a le apresenlar o sombro aspecto da
desconfiados, e foi precisa toda a mioba velha ex-
erieucta para os fazer cahir na ratoeira.
Eto temo-Ios segures 1
tteili-os nos dous quartos do primeiro andar,
um trazeiras do convento, d'onde nao podem ver
quera vem. Esto fechados a chave sem o saberem;
e agora que ujain I
Gloria ao Deus dos exercitos, que confundi
os impos I Vamos, fre Antonio, vamos depressa
ebamar os Sussos para oae venham livrar-nos
de-tes sacrilegos. *
Disa.parecrcerara'os dous fra4es, e Nella, sa'
hindo devagarlnbq do armario, poz se a reflectir
-oiire araaoeira corno paieria salvar as desgraga-
da victimas de tao infame iraijo.
Nao havia ura raomento a perder; era preciso
avsalos immediataaicnte, porque os Suissos nao
estavara longe e podan chegar de una instante pa-
ra outro.
Mas como?
Oe e?tavatn ellos ?
O uno havia de ir onde elirs esllvessem ?
.Wlla esnva em sucias e ra-gava-ihe a alma a
ili fie poder ser Pieruzzo nm dos iafelizes.
E-I re alguns segundos tomada da mais doloro
sa angustia \ depois, lembrando-so das paiavras do
frnde :__iV-J piimfiro aniar, as trazeirasdeitou
a correr para fra do convento, dirigio-se parle
posterior, apanhou ppdras e comecon a aliri-las aos
vidros da jaoellas do primeiro ndsr,^Qe nao era
alio.
Este plano surti o mellior resultado ; logo que
( ram quebrados algons vidros, app-receram mu-
as canecas Das jaoellas e entre ellas rahecen
Piernzxo.
Fojam, depressa,-gritou ellapor que esto
trahidos I Os frades foram charanr os Suissos. Fu-
;ani. porque elles nao tardam I
Pieruzao e os seus companheiros, qne eram sete,
enrreram logo as portas mas eslavar.i fechadas e
resistirara a todos o; esforcos.
Furiosos por terem cabido em t5o infame lago,
volurain jaoella, e P.erazzo oavio Nella, que
dizia :
Ahi ests os Suissos 1 alirerase abaixo de-
pressa I
Ene subi jaoella e foi o primeiro que salteo.
0 seus companheiros segniram-lhe logo o exem
p!o em nm abrir e fechar de o:bosest3-"~-i todos
em baixo sem accidente.
J.. era terapo, porque os Suissos, guiados pelos
frades. entravsra no convento exactamente no mo-
in-ralo em que elles sabiara pela jauella.
U desapontaraeoto dos frades foj pelo menos lio
grande como o dos Suisso?, qoe tinham deixado a
matanza, esperando fazerem araa boa execu$o
naqueiles malditos rebeldes, talvez nm anto de f.
Tiveram de conteolar-se com beber o melbor
vioho do convento, que era delicioso, e com carre-
gar de pragas aquelles desastrados fllhos de S. Do-
mingos. "
miseria.
O fundo era occupado.por dous leitos, cojo tris-
te estado era escondido por velas mantas a olhos
indiscretos.
Toda a mobllia consista em algumas cadeiras
de paina, urna das quaes linha as costas mais altas
e servia da poltrona a velba; urna meza, urna cai-
xa velha de nogueira e outra mais pequea de
madelra branea.
Algnns utensilios de cosioha estavara syroetri-
camente dependurados ao lado de ura ampio lar,
e Igumas tigellas e pratos de baf ro enleiravam-
se em urna praieleira pregada na parede.
Entre os dous leitos bavia ura Ubristo e urna
Sania Virgero, dianle da qual arda sempre urna
lampada.
A velba linha ido assenlr-se na sua poltrona, e
Nella, depois de haver fechado a porta assentou-se
ao c della.
(jue borrivel dia, mioba titisa I -disse a lia.
Como eu trem por ti, quando ouvi o fogo I Mas,.
louvado sej Deus, ests ao p dumira. Deus dos
defeoda daquelles malvados !
Nao se assuste, miuba boa tiadisse Ifeltt.
Nao temos nada que temer nesle? bairro; a nossa
fraqueza u a nossa miseria uo couvidim os es-
iraugeuus para esle sido.
Nao importa; nao estou descansada. Reze-
mos, minha blba.
Nella ajoeihuu ao p de sna lia e comc^ou a
rezar.
Nao poda haver uada mais locante neui mais
solemne du que a vista {hqttelus .las crealuias
tracas e desamparadas que, aa hora duperigo, iam
t'oilocar-se, pela oraco, sot> a protecQao Je Deus I
Eram &eta horas e ra-n uUUrde, e sformida-
veis descargas unhara aoccedido tiros destacados,
corn intervallos Irregulares.
. A cada novo estampido treiniam iodos os mem-
bros da pobre velha, que ja os ouvla perto, e ins-
iiuctivamente esieudia a man descarnada sobie a
bella cabuya de Nella.
De repente, ouvio um rumor surdo, tomo o de
urna torrente que trasborda ; esse rumor oi cres-
cendo, apraxiraouse, tornyu-se mais distiocto e
ciraverieu-se depressa em modonho tumulto.
Gritos, gemidos, lamentos, onvem-se logo em lo"
da a ra e at mesmo no paleo.
Sao os Suissos que chegara
Nao poupam nenhom canto da cidade.
Por toda a parte o saque e amorte.
A casa invadida, e arrombada a porta do
qaarle onde estavam Nella e sua tia.
Entraram soldados.
Ellas oao se moveram e continuaran)
em qoanto aquelles hrreos cobertos de
carregados de objectos ronbados afuroavam Indo,
deitando fora e quebrando o qoe nao liona valor
ou nao poda ser levado por elles.
Em pouco lempo esquadrinharam e destruirn)
ludo, e pouco saiisfeiios com o pou^nissimo qne
acharara, iam retirar-se, quando attentaram em
As suas mos encontraran! o cadver de-sos so-
brinba.
Abanou-o d-vagarlnho, e como Bao ouvisse res-
posta, fez um supremo esforco e ebegou a assen-
tar-se.
Vio eolio, a' dbil luz do crepsculo que entra-
va pela porta, Nella estendida no meio de ama po-
ja de sangue que ainda estava sahindo do pelto
crivado de balas.
Ah I Infames' assassinaram-na I
E agarrando-se a's cadeiras, pode levanlar-se,
toi at a porta e gritn por soccorro.
Niogoem Ihe respooden aos gritos de angustia.
A m re estava em toda a parle.
Por fira, passado algum tempo, os visiobos, mo-
vidos pelos gemidos da pobre velha, appareceram
furtivamente.
-Mas todo o soccorro era intil.
No da seguinte foram sepultados juntos os ca-
dveres de Nella e de sua tia*.
FOLHETIM

a rezar,
sanguee
l'M PODCO DE TlllO.
O Mundo, folha poltica de Paris, resu-
me da seguinte raaneira a bisioria da vida
poltica do Summo Pontfice actual :
Em Iti dejunbo de 1846 era eleito-Pa-
pa o cardeal Mastai e toma va o nome de
Pi IX.
iiniit-liaiainenio concedeu urna amnista
a todos os emigrados e presos politioos,
restabeeceu a ordem na fazenda, reformou
os cdigos, dea impulso coustruego das
Lobas frreas, anitaou a industria, pro?e-
geu a instruego publica, reformou as or-
dens religiosas, combateu todos os abusos,
concedeu as mais ampias liberddes polti-
cas, conferiu os mais altos empregos aos
nomens de maior capacidade -r em urna pa-
lavra, indo a m de todas as aspiraces, fe2,
todas as concesses compativeis com a- in-
depende.ieia do seu poder.
Mas Pi IX tinba diaate de si um ioknigo
que sreclamava'a liberdade para chegar
ao abuso da liberdade.
Novas concesaoes nao poiam servir senao
para augmentar exigencias.
Em lo de: novembro de 1848, o primei-
ro ministro Rossi caHa assassinado- s por-
tas do parlamento.
No uta Iti. o cardeal Paluca era morto
oo Quirinal, junta* Po IX.
No da 26, o Papa vio-se obrgado a to-
mar o caminbo do exilio.
Tinba-se establecido a repblica nos se-
guales termos: O Papa est despido do
governo temporal do Estado romana; dar-
se-lhe-bao todas as garantas de indepen-
dencia necessarias par o exercicio do seu
poder espiritual. >
Mazziui, Garibaldi e Avezzano eram no-
meados triumviros.
A tranca aoaluu-se; o general Cavagnac
offereceu ao Papa um asyto.
O principe Luiz Napoleo Bonaparte, en-
tao caudidaio presidencia da repblica, es-
ere vea ao nuncio, em urna carta que viu a
luz publica, estas paiavras : '
A soDerania temporal do veneravel
chele da igreja est completamente ligada
cum o bnlho do catbolicsmo como com a
liberdade e a odepeodeucia da Itilia.
O principe Napoleo fot eleito presidente
da repblica.
J
POR
Jules de Saint-Flix.
SEGUNDA PART.
XIV
(Continoacio)
Depois d'aquelia noite em qne o marquez le
BellKgarde fra jogoele de tantas alternativas e
eommoc5es to diversas, teria de certo razio para
esmorecer, se fra espirito menos rgido. Passoo
terrivelmente a noite, como fcil de imaginar;
mas do meio de violentos accessos de colera, e de-
pois de dorramar algunas lagrimas, qne a cnsto
couti yera diante de testemnnbas, appellon para a
sua suprema energa. Com effefto, era indispen-
savr-.l adoptar nma resoluco definitiva.
Daveria Raymundo desesperar da Justiga da soa
causa T Nao. Em nm pan como a Franca, nun-
ca a joslica falta soa misso. O necessario
tratar de illuclda la ; mas era exactamente esta a
maior difflculdade do marquez. Acensar nio
provar. Era preciso surprebeoder dolidos crimi-
nj-s, e eipo-los em completa nudez i aatondade,
cuj prcteccjto se Invoca va. A basca dada em ca-
sa de Rodrigues pelo comraissario de polica, s
despt-rtara snspettas na verdade graves, mas qae
n5 rflHreciam provas materiaes.
Era preciso, pois, sobrestar, e esperar circoms-
taneias mais significativas, qne demonstrassem
^ne Rodrigues e Bibjlio, sen cmplice, eram fal-
sificadores, ou pelo meuos mu babeis cavalbeiros
de inuusina. Quanio as damas, escaparam a to-
da o genero de investigacdds. Como se podena
proceder cootra ellas, pala razo de receberem de
lempos a lempos presentes enormes, ricas dadivas
e opulentas heraocas f
Nao ba no cdigo nenbam artigo que condemne
as seducedes da graca, do tlenlo e da belleza
nenbama penalidade que castigue a excilacao do
eotbusiasmo, e dos sentimentos do coraco.
Assim pois, dizu para comsigo, e com moi-
ta razo, o marquez de Bellegarde, qae nio tinba
nm sold, preciso qne os apaos com a mo na
massa, como se costnma dizer, e que os faga com-
parecer peraute a jusiica. Se nao consigo perder
lo diablicos adversarios, perderme bao a mim,
e juntamente comino provavel qne percarn Locy
Esu nlt ma reflexao fazia-o tremer.
Tem-se dito sempre, e com sobejos motivos, qoe
o dlobetro o ervo da guerra. Pois era dinhei-
ro o que faitava ao animoso Raymundo. Nao po-
da ja contar com o apolo d'aquelle animal do Pan-
laleio Marcotie, como loe elle chamava, visto que,
contra todas as previsora, se deura enfeitiar pe-
los bellos olbos de Armanda. Nao poda tambera
contar com as snas economas, por qoanto estava
edozido-.ao miseravel ordenado qne ganbava co-
mo empregado na galena de quadros do Sr. Pie-
ter. Qoanto a pedir empresiado aos seus amigos
de onir'or, era cousa impo3sivei; todos Ihe volta-
rlam as costas.
Se en tivesse mloha disppsico seis
francos qne fossero, faria o seguinte : {. ve!
me hia de novo, visto qne o hornera bern (rajado
sempre bem recebido; 1.* escelheria nm bom pro
curador, e um advogado nabil -, 3." demandara a
Sablinvllle; 4.a despendera, emflm, algnm di-
nbeiro para arrestar com o inimigo occulto qoe
pode surgir de repente, e que se cnama impre-
visto.
Ao passo qoe Raymundo assim fallava, para
comsigo, ia pendorando e despenduraodo quadros
na galera de seo patro, para os collocar como
devenam estar. De repeote occorreu-lhe urna
idea singular qne tbe provocou um sorrlso.
E nonoe nao? disse elle; a segunda vez
que me occorre esta idea ettraordioaria. Perse-
ge-me com tal tenacidade, que seria crime nao
atteoder a ella. "Tejamos.
E fallando assim, abriu Riymnodo nma porta
qoe dava para a escada que conduzia ao sollo, su-
bi resolutamente, e achon se no meio de nm ca-
larlo cheio de teas de aranbas e de movis e qua-
dros velhos.
De entre as telas velhas, desprezadas e esqoeci-
das pelo patrio, eseolbeo urna que ja de ontra vez
Ibe attrabira a attenc&o. A edr geral do qoadro
era sombra, mas de algons pontos della sabiats
como qoe ralos -laminosos, Raymundo examinon
outra vez a pintora, qne o tempo pareca dlsposto
a destruir a seo belpraier, o qoe nio conseguir
ainda. Mas em troca, nio podendo despoja-lo do
colorido, sojara-o, eneebara-o, e eobrira-o de nma
especie de bnlor. Sob (lo deosa carnada de mate-
rias estranbas, pareca o pobre quadro coodemna-
do ao esuneciment mais profundo, ao mais bumi-
Ihante defOem.
O marquez, como j distemos, tinba mal desen-
volvido o sentirnento das artes; os seus estodos
de pintara Unham-lhe aroer/eigoado o bom gosto, e
qne seja necessario recorda-las.
m i i i*-
Para conservar as batatas de um modo
econmico, e com a certeza de qae se bao
de conservar frescas e ss, nao ha mais do
que escoluer um sitio que sja secco, mas
ao nivel do terreno, isto que nao qua
elevado.
Estende-se no chao urna carnada de palha
de centeio, um pouco pisada, de dea ceu-
timetros de altura pouco mais ou menos, e
sobre a palha pa-se urna carnada de igual
altura de batatas, dispostas com-cuidado e
nao golpeadas.
Polvilban>se as batatas com gesso de
modo queg:qaem bmeobertas.
Em cima d'ellas p5e-se segunda carnada
depalba como a primeira, sobre a qual se
assenta outra de Dtalas-, igualmente polvt-
Ibada.
Assim se continua at oito ou dez cama-
das, se para tanto chegarem as batatas.
D'este moda onservam-se perfeitamente
frescas, sem apodre;erem e sem entalece-
remr o que urna grande vantagem, por
que-posto que i|uaodo eutalecem costumam
seraproveita|p08 porcos e outrosani-
maes.. nao sao tipas n'esse estado por. terem
perdido, alm do sabor, a maior parte do
elemento nutritivo.
Ahi vai urna historia que e um pouco
para enternecer.
ma creancioba ainda. de berco silvou
ba poucos dias a vida a sua m5i.
Catharina A... da ra dos Patures, no
bairro de Pass/,. em Paris, nao urna es-
posa animada.
lima serie de factos que a tem movido
desesperacao e severos tratamentos^ exerci-
dos contra ella por seu marido, tinham-llie
feito odiar a existencia.
Estnagada pela dr, que caegou a poni
de tirar-lbe o sentimento dos seus deveres
de mi, resolveu por termo aos seu? dias.
Tinha atada urna corda janella, e- ao
mesmo lempo que tomava as suas ultimas e
unebres disposcoes, ia da fatal janella ao
berco de seu Albo, que ri d'aquelles bei-
jos, 'aquellas caricias com que as maes
sabera prolongar suave e indefinidamente as
despedidas. *
Por fim, a infeliz comprimuiu pela ulti-
ma vez debaixo de seus labios a fronte de
seu filho, e repellndo todo o pensameRto
melbor, enforcou-se.
Mas a creanfa, que tinba observado todos
os movimentos damli, vendo-a impallidecer
e manifestar os primeiros e dolorosos effei-
los da estrangulado, deitou-se fra do ber-
Coe correu para ella com gritos pugentis-
simos.
Os visinbos, admirados de lao estranho
gritar, ainda ebegaram a tempo de cortarem
uno fatal.
Voltando vida, Catharina A... acbouse
abracada por seu filbo, para o qual, jul-
gaudo-se peraida, voltara, quando o ouvio
gritar, um olhar de mai arrepoudida e de-
sesperada.
relirou-se.
O.pai, que nao aesvara os olhos do me-
dicodurante a visita, foi acorapaulur o dou-
tor al fora da aldeia.
Ao despeir-se, poz-lhe a mo no braco,
dizeado~:
Com franqueza, doutor, que Ihe pare-
ce o estado demeu filho ?
E' grave.
Ah
O pai estemeceu e levon logo a m5o a
um bulso.
Mas, continuou o medico, eu respon-
do por elle, havemos de salva-lo.
Fez bem em accrescentar que o ha de
salvar, disse o campino, porque -se assim
nao fosse fazia-lhe saltaros milos.
E mostrou urna pistola que l'ro: do
bolso.
O medico n5o sejrritou e sorriu, mas no
seu s-irriso havia tristeza, porque elie tam-
bera havia pardido um filho e compre en-
dia aquella nquietagiao injusta, sevagem,
levada at ao ponto de loucura.
A grande demonstrado reformista das
associacoes de operarios, que ba alguus
dias oceupava tanto a aitenj5o dos iuglezes,
venficou-se com effeito oo dia 3 era Lon-
dres.
_ Parece que n3o teve as gigantes propor-
cj3es que se esperavam.
Tinha-se contado com dozentos mil ho-
mens, e.dizem testemunba* de vista que
nao reuniram innis de quarent mil. Mas,
apezar dos esforgos dr> Times para que nin-
guem sahissff de sua casa, dzendo que os
malfeitores saberiam approveitar a ocoasiio,
e que cada um devij oloar pelo que fosse
seu em-quanto-a polica stivesse oxopada-
em outra parte, urna mult do eu rme en-
cha as ras do West-E >, que so eobriram
de baadeiras e acolheram com entbusiasmo
as compridas columnas dos sectarios da
reforma. Nao se- realison nenhuraa das
siaistras prevsbes divulgadas de proposito
pelos an-reformrfStas.
Os operarios portaram-se dignamente;
reinava certo ar de bom humor em t>d>s
aquel es rostos bronzeados pelo trab-dho ;
o5o houve ruido aera assobios senao quan-
do o cortejo passava pelo Carton-Cluo,
que um club conservador.
Quando passaram ptlo Reform-Clnb as
massas de operaries deram vivas entiusias-
tas.
A reuuiao verificou-se em Beaufort-Hou-
se. na tapada do lord Ranetagb, f em urna
villa a o kilmetros ao occidente de Lan-
dres.
Tinham-se levantado estrados pequeos
que .servirn) para os oradores.e nos quaes
discursaram os priucipaes oradores refor-
mistas.
O Eccning, Star aprecia da raaneira se-
guinte a demonslraco :'.-
Nunca urna mullidao mais leal e mais bem
I ordenada, se juotou oas ras da capital.
A rftior partedas baQdsiras aleadas era
de bom gos.o.
Notou-se que maior parte dos opera-
rios estavam decente elimpamente vestidos.
O cortejo era acompanhado por grande
numero de individuos que se desvelavam
por exprimirem a sua sympathia pela ina-
uifesiaco.
Mdhires de espectadores formavant alas
as ras.
Os individuos que firuravam no prestito
levavam nos chapeos o bilhete da deraons-
traeSo.
Quem o nao tivesse nao podia juntar-se
ao cortejo.
Lord Ranelagb, vestido paisana, nao
cessava de percorrer o Mail a cavallo, para
ver como marenavam os horneas a quem
permittia que ilzessem a sua demoastra-
go em trras suas.
Do Globe coihemos mais as seguales n-
foraiacSes .
Entre as bandeiras que exprimiam a von-
lade dos metnbros da la reformista, no-
tava-se em especial a que tinha estas pa a-
vras : justifa I governo equitativo para to-
dos Soccorro, auxilio aos necessitados I
Os operarios fuoileiros grilavam : Uoiao
e reforma I
Milhares de recrutas reformistas annnun-
ciavam, em filas de aUodo atadas nos
chapeos, que o seu symbolo de f era :
Bright e reforma I
A socieda le dos sapateiros do West-End
porlou-se de urna maneira que Ihe fe/, hon-
ra, tuarchava em boa ordem, e dava ao
cortejo ar de muita digoidade.
Em urna bndeira estavam inscripta.estas
paiavras : Reviva a nossa antiga e santa
liberdade! Justiga e amisade entre o ca-
augmeniado os conhecimentos; nao ea bom pin-
tor ; mas oo mundo artstico passava por eoleo-
dedor.
Dusde que entrara em casa do Sr. Pictor fra
por dnas oo tres vezas ver o solio, qoe estava atu-
Ibado de antigaalbas, e sempre o impressiooara o
tal quadro; maminra-o, pozera-o de parte, lor
nra a eiamioa-lo e a repeili-lo para de novo o
examinar.
Desia ultima vez apoderoo-se resolaumenle dal-
le, e tornou a desear a escada levando em segu
da a tela para a ot&cina que communicra com a
galera. Ahi collocon o quadro n'ura cavalele, at-
(endeudo s devidas coodicoes de luz. A tela te-
ria quatro ps de altura e ouiros tantos de largo ;
eslava cravada grosseirameole, mas com mana
solidez, n'uma moldara com que o camocho j li-
nha entrado um lauto. Pela parte de traz nao ti-
nba a tela a menor avaria.
A piotura, pois, poda sem perigo ser limpa,
Mas Raymaodo era demasiado prudente para se
entregar a semalbaale operacao com nm quadro
de autor incogoiio. Lirapar inteirameote ura qua-
dro amigo, cojo antor se nio coohece, tirar Ihe
talvez grande valor arriseando-lbe o carcter.
Raymundo cootentoo-se, pois, com lava-lo com
agua. A grossa capa de p qae o cobria ceden li-
geiramente, e a pintora apparecea a pooco e poo-
co como ura ci incendido pelos robores da ma-
drugada aps noite escura e cha vosa.
Ao cabo de nma bora de tribalho, jnlgon o mar-
quez ter certeza de que acbira ura a obra prima.
Ao cabo de bora e meia deixoo de o dnvldar; de-
corrldas tres boras provon a si mesmo qae o ala-
dro velbo de^coberto oo desvio, onde estava abaa-
tros.
Diz-se que esse projecto parecen tao ex-
tremo, que o ministro do thesouro nao se
julgou apto para continuar a fazer parte do
gabinete de lord D-rby, e que o Sr. Dis-
raeh declarara que se retirara do gabinete
se as suas vistis nao fossem tomadas em
considerado.
Pode ser qae nada disso seja exato. Mas
j o facto de correrem taes boatos atiesta
que ninguem boje te'lado a., tratar de
lave a manifestaban popular que--'tao m?-
gestosamenie foi levada a cabo.
!
No dia i i do passado tzeram-se de vela
de Nova-York para Cowes (ilha de Wigbt)
os tres yachs americanos Heiirietta, Fk-
iwmge Vesta. O navio que primeiro che-
gar ao porto designado, gaubar a enorme
quana (90:OO uollars 90,00J0OOO).
Os donos d'estestres yacht$ transmittiram
o seguate aviso telegrapiiico a Europa para
que os navios que avistarem os yachts pos-
sam informar o puolico das phases variadas
da regata atrave do .Atlntico :
Na grande regata de yachts, que ha
de ter comeco no Atlntico, no dia 1 de
dezembro de 186(1, a urna bora da tarde, o
Henrietta igar ao ocano urna banieira
azul da dimeusao de 3 por 9.
c O Fleluring ter urna bandeira eacar-
aada e o Vesta urna bandeira branca de
iguaes dimensoes. De noute, o Henrietta
icar ao tope de um mastro urna luz azul, e
d citar ao ar um fugete azul um minuto
depois; o Fktwim) ter urna luz vermelha e
laucar um fugete de cor vermelha um
miouto depo.s; o Vesta ter orna luz bran-
ca edeitar ao ar umtoguete branco.
Eis-a ui a lonelagem dos yachts :
t Henrietta. 20& toneladas;
t Fletwinj. 204-
Vesta.
201
donado bavia pelo menos vate aonos, era um Al-
Lao oo ura Corregi.
Para o dizermos de passagem e sem darmos
obra seoo a importancia que resulta da nossa si-
tuaco, como narradores, diremos qoe o as>ampto
do quadro era araa nyrapha adormecida, e sur-
prehendida palo amor d'uo matagal de verdura e
de Adres. Gomo sibido Corregi nio busoava
muito looge le si os assomptos das suas obras pri-
mas.
Raymaodo cobria o quadro com nm pao ver-
de, e collocou o cavallets em nm canto da offl-
cioa.
O marque: era bomem de muita honra e probi-
dade; por tanto, depois de ter adquirido certeza
de qae descobrira nm primor de arle, fez o se-
guale raciocinio.
O que constitue o estabelecimento commer-
cial desta casa, pertence tndo ao 8r. Pictor, meo
patrio; unto as lelas mediocres ou mas, como os
boas quadros. Consequeotemenie o Sr. Picior
dooo, de facto e de direiio, do Corregi que des-
cobrl. O quadro deile e nio meo, com quanto
se nio fra en o dara o Sr. Pictor por cera sui-
dos, como outras maltas telas, no da em qne se
lembrasse de desoceapar o solio. Sei qae meo
patrio presume tanto dos seus conhecimentos de
pintura, qae mnitas vezes tem r|do ao dizer loe
eu que entre o refugo accomraodado oo sotio, po-
da baver algons quadros medianos. Diste Ibe
fallei en por duas vezes, e de ambos me chamoo
maniaco.
Creio qne at acerescentoo : pois se tanto se
interessa por esse quadro, Ioijh-o para si, e faca
deile o qoe qoizer; teobo certeza de qae Ibe X>o
Eis como o transporte das cartas faz-se no
Japo :
Measageiros trazem sobre os hombro^
no ponto de um basto comprido, urna caxa
cootendo os despachos.
Estes borneas caraintiam uas atraz dos
outros, acompauliados de um' agente postal,
que, chegaodo aos lugares de mudas, eotre-
ga os despachos a nm outro portador promp"
lo para partir.
Por este meio eugeohoso, a partida das
cartas tem lugar sem ioterrupeo durante as
24 horas do dia.
* lima bandeira com as armas do-soberano
est amarrada oa caxa, e serve de sigual pa-
ra divertir os carainuaates de pi-se de la-
do, e deixar o caiuiuho livre aos measagei-
ros.
t Ordinariamente estes horneas trazem
campanhias ou guisos, que annuociam ao
'onge sua aproximado.
A cmara dos communs em Londres, con-
ten em seu seio urna amostra das diversas
enfermidades humanas. Ha ahi um gago,
um Cvxo, um albina e um hornera sem bra-
cos, nem pamas, sendo este ultimo deputado
maudado pela Irlauda.
O Journal de aples, aanuucia que, em
consequeocia das tnformaces dadas pelo che-
fe da polica de aples, Suralt, um dos as-
sassiaos do presideote Linelo, foi preso em.
Alexaodria (Egypto).
O professor Benjamin Pierce, da univer-
sidade de Harvard, que tem adquirido urna
reputago celebre como mathematico, de-
clarou ba poucos dias que o* sol eoutioua a
briloar, ainda pelo espaco de 30,00M)00
de anuos I...
Ainda bem t
vi

>
O celebre almirante austraco Tegathoff
o vencedor da batalba de Lissa. acba-se ac-
tualmente em Londres.
dario seis fraocos por elle. Tamoera sef que ca-
iros nao serian) to escrpulo jos como so e que
se juiganam aulonsados a comprar quadros por
seis francos, para os veodereni depois em lenao,
e em seu proveito.
A SaDflnvye, a Castellao, e os seus viscondes,
por exeraplo, uo se fanam regar moito para b-
terem era tal crajuucmra nm lucro de tnnta^rj
qaarenw mil francos, sem altenlarem nos brados
do Sr. Pietor e da soa iadignaco depois de reali
sado o oegcio.
Mas eo pens e procedo de ootro modo. Rogue-
mos ao Sr. Pietor que soba, e expllqnemo-nos com
elle.
Dez minutos depois deste soliloquio, o vendedor
de quadros, avisado palo marquez achava-se com
elle na offleina.
Eoto qne ba de novo T disse elle chegando
nm tanto Caneado. O meo amigo bem sabe que
nao goslo de aobir estes clncoeaia e tros degraas.
Sinto telo incommodado, respondeu R mando, mas...
Para qae T V/amos de que te irata.
De nm qoadro.
Se para comprar, nao tenho dinbeiro.
Nao 6 Isso.
_ para vender ? Qoero vender caro, porque
estoo sera dioheiro. J v que tanto n'um caso
eom; o'outro temos o mesmo resollado.
Talvez vendamos caro; isso depende de se.
nhor.
De mim I Pois bem, para nlb nos engaa
rera pega o dobro do valor.
fConttmar-se-ha.)
TYP.JDO DIARIORATAS CRUZES N. ."

ILEGIVEL


MHi-Tr-M


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EZ6Z3NDZG_7EFVPS INGEST_TIME 2013-09-04T23:11:55Z PACKAGE AA00011611_11171
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES