Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11170


This item is only available as the following downloads:


Full Text
-V
I*
-.-.
m
~-
, a

/
'
.
v
'
/
ANNO XLUI. NUMERO 13.
PARA A CAPITAL E L.I CiARi:* O^BE SE NAO FAttA POBTK,
Par tres nejes adianUdes.,............... 6$000
Por seis ditos jde,. *. ..... 120000
Por um anno idea.
Cada ntimtr aruls
24^000
320
QUARTA FEIRA 16 DE JANEIRO DE 1867.
PASA DEM HO E FOKA DA PROVINCIA.
Por (res mezeaadiantados*.............
Por seis ditos idem............................
Por nove ditos dem.......... ......... ........
Por um anuo *.. Ti..........................
6(5(750
(3^500
200250
270OCO
PERNAMBUGO.
sanas^sia mu wiMt&wwb h a>a xaixaa)iBiL giHaWwiaoA a varna imaros sairs jpsd^mismds.
ENGARBERADOS DA SUBSCRIPCAO.
Parahyba, o Sr. Antonio Alexpodnno de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Mar-jues da Silva; Aracaty,
oSr. A.de Lemas Braga; Cear, o Sr. Joaquina
Jos de )liveira ; Para, os Srs. Gerardo Antonio
Alves & Filhos; Amazonas, o Sr. Jeronymo da
Costa; Alagoas.o Sr. Fran.ino Tavares da Costa;
Bahia, o Sr. Jos Mirtina Alves: Rio de Janeiro,
o Sr. Jos Tibeiro Gasparinuo.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Oliod, Cabo, Escada e estagoes da va frrea at
Agua Prea, todos os dias.
Iguarass e Goyaona as segundas e sextas feiras.
Santo Anio, Grvala, Bezerros-, Bonito, Caruar,
Altioho, Garanhuns, Buique, S. Banto, Bom Con-
selho, Aguas Bellas e Tacarat, as tergas-feiras-.
Pao d'Alho, Nazarelh/Limoeiro, Brao, Pesquera,
Ingazeir, Flores, Villa Bulla, Cabrob, Boa-Vis-
ta, Oaricury.Salgueiro e Ex, as quarta* feiras
Sernbem, Rio Formoso, Tamaodar, Una, Bar-
reiros, Agua Preta e I'imeoteiras, as quintas
feiras.
AUDIENCIAS. DOS TRIBUNAES DA CAPITAL
Tribunal do comraercio : segundas e quintas.
Relago : tercas e sbados as 10 horas.
Fazenda : quintas s 10 horas.
Julzo do commercio : segundas as 11 horas.
Dito de orphos : tercas e sextas- s 10 hars.
tercas e sextas ao meto
: qcartas e sabbadcs a
Primeira vara do cive:
dia.
Segunda vara do clvel
i hora da tarde.
EPHEMERIDES DO MEZ DE JANEIRO.
5 La nova as 9 h., e 38 m. da t.
13 Quarto cresc a I h., e 42 m. da t.
30 La cheia as 4 h., e 44 m. da m.
27 Quarto ming. as 11 h. e 55 m. da m.
DAS DA SEMANA.
14. Segunda. S. Flix deNale m.;S. Macrina v.
lo. Terca. S. Amaro ib.; S Habacuc prof.
Ifi. Quarta. S. Berardo, Accursio e Omon.
7. Quinta. S. Anlao ab. ; S. Eleosipo m.
18. Sexta. S. I'ritca v. m.; S. Leobaldo b.
19. Sahbado. S. Canuto rei: S. Audifaz m.
-20. Domingo. Ss. Seba$tio*.Fabio p. mm.
PREAMAR DE HOJE.
! Primeira as i horas e 18 m. da tarde.
| Segunda as 1 horas e 42 minutos da manha.
PARTIDA DOS VAPORES COaTEIROS.
Para o sul at Alagoas a 14 e 30; para o norte
u a Granja a 7 e 22 de cada mex; para Fernan-
do nos das 14 dos mezes Janeiro, margo, malo
julho, setembro e novembro.
PARTE OFFIGIAL
Actos ilt poder e&eculivo.
DKCRKTO N. 3,772 DE 3 DE JANEIRO DE 1867.
Designa a ordem era que devem ser exirahidas as
lote ias no auno de 1867.
Hel por bem, em conformidad- do art. 2o da lei
a. 1,099 de 18 de setembro de 1860, que, a res-
pito das loteras que devem ser extrabJas du-
rante o corrente anno, se observe a ordem marca-
da na tabella qua cora este baixa, assiznada por
Zicarias de Ges e Vascoocelios, do meu eoose-
ino, senador ,do imperio, presidente do cooselho
de mini-tros, ministro e secretario de estado dos
negocios da fazenda e presidente do tribunal no
thesoaro nacional, qoe assira o tenha entendido e
faca executar.
Palacio do Rio de Janeiro em 3 de Janeiro de
1867, 46 da independencia e do imperio.(jora a
rubrica de Sua Magestade o Imperador.Zacaras
de Ges e Vasconcellos.
Tabella das loteras que, na eonformidade do de-
creto desta data, teem de ser exirahidas do-
rante o a uiiii de 1867.
1.* A 1.a a favor da associagao Typngraphica
Fluminense. Decreto u. 908 de 12 de agosto de
1857.
2." A 28' a favor do monte-pio dos servidores
do e>tado. Decreto o. 126 de 22 de agosta de
1864.
3.* A 4* a favor da irop-rial sociedade Auxilia-
dora das artes mechaaicas liberaes e beneficente.
Decreto n. 916 te 26 de agosto de 1857.
4." A 3* para as\obra* das raatnzes d* provio
ia do Piauhy. De/reto n. 956 de 14 de julho de
1858. v-^
5.* A 29" a favor do monte-pio dos servidores
do estado. Decreto n. 1226 de 22 de agosto de
1864.
6.* A 2" para as obras das malrizes da Villa-No-
va, Pacatuba e Porto da Folba, na provincia de
Seroipe. Decreto n. 917 de 26 de agosto de 1837.
7." A 33* pira as obras do novo hospital da San-
la Casa de Misericordia da corte. Decreto n. 1009
de 2o de setembro de 1858.
8.a A 30* a favor do montepo dos servidores
do estado. Decreto n. 1226 le 21 de agosto de
1864.
9 A 88' cojo ben>-fi!o devera' ser repartido
pela Santa Casa de Misericordia, exposto?, roed-
ihimeoto das orphaas, seminario de S. Jas e co-
legio de Pedro II. Decreto de 22 de maio de 182 i
10.* A 50* para o roelnoramento do esta lo sa-
nitario. Decreto o. 398 de 14 de setembro de
1850.
U.* A 31* a favor do monte-pio dos servidores
do estada. Decreto a. 1226 de 22 de agosto de
4864.
i2.a A 64* para as obras da casa de correccao da
corte. Decreto de 29 di oulubro de 1833.
13.* A 8' para as obras da irmaodade do San
tissimo da antiga s. Decreto n. 961 de 4 de agosto
de 1838,
14.* A 32* a favor do monte-pio dos servido-
res do estado. Decreto n. 1226 de 22 de agosto de
1864
13." A 11* para o natrimonio do ho-picio de P'.-
dro [[. Decreta n. 873 de 10 de setembro de 1836.
16.* A o i* para as obra do nuvo ho-pital da
Santa Casa de Misericordia d corle. Dacreto n.
1009 de 25 de setembro de 1838.
17.* A 33* a favor do raonte-pio do servidores
do estado. Dscreto n. 1226 de 22 de agosta de
1864.
18.' A 2' para as obras da raalriz de Ubatuba,
na provincia de S. Paulo. Decreto n. 997 de 22 de
setembro de 1838.
19.a A 31* pira o roelhorameoto
tario.
20.
46.* A 2" para fund.'.go de urna pasa de carida-
de na villa de Curvello. Decreto n. 934 de 7 de ju-
lho de 1858.
47.* A 2' para raslrncgao da igreja matriz de
Santo Antonio da cidade de Diamantina. Decreto
o. 934 de 7 de julho de 1858.
48.* A 4* para as obras da Igreja matriz de Nos-
sa Seahora da Conceigao da cidade do Aracaj.
Decreto o. 993 de 22 de setembro de 1858.
49.a A 13' para patrimonio do hospicio de Pe-
dro Segundo. Decreto n. 873 de 10 de setembro de
1856.
50." A 9* para as obras da irraandade do San-
tissimo Sacramento da antiga s. Decreto n. 964 de
4 de agosto de 1858.
51.* A 3* para eonstrucgaa da igreja matriz de
*anto Antonio da cidale Diamantina. Decreto n.
954 de 7 de julho de 1858.
52. A 4' para as obras das malrizes da provin-
cia do Piauhy. Decreto n. 9o3 de 14 de julho de
1858.
53.* A~2* para as ooras das malrizes de Nossa
Senhora da Gloria e de Santa Tnereza do munici-
pio de Valenca. na provincia do Rio de Janeiro.
Decreto n. 1025 de 27 de julho de 1839.
54." A 3" para as ob^is e outros objectos da que
necessilarem as raa'rizes das parocblas de Montes
Claros, Cinieodas e S. Romo, Januaria, barra do
Rio das Velhas, Grao-Mogol e Curvello, da pro-
vincia de Minas. Decreta o. 1030 de 22 de agosto
de 1839.
35.* A 2* a favor da bibliotheca fluminense. De-
creto n. 988 de 2 de setemsro de 1858.
56.* A 14* para patrimonio da hospicio de Pe-
dro II. Decreto n. 875 de 10 de setembro de 1856.
37.* A 10' para as obras da irmaniade do SS.
Sacramento da antiga s. Decreto n. 964 de 4 de
agosto de 1858.
58* A 2" para as obras da matriz de Nossa Se-
nliora do Livrament; de Binan-ira?, da provincia
da Parahyba. Decreto n. 10:8 de 22 de agosto de
1839.
59.* A 2' para as obras da matriz do Pilar, na
mesma provincia. Decreto n. 1052 de 9 de julho
de 1860.
60.a A 4' a favor do hospital de caridide da ci
dade de Macelo. Decreto o. 9S6 de 22 de setem
bro de 1838.
Rio de Janeiro, 5 de Janeiro de 1867.Zacaras
de Ges e Vasconcellos.

EXTERIOR.
COHRESPOf IEWCI AS 10 IAe
BIO DE PF.niiT4JIBUCO
LONDRES
'2 de dezembro.
Os consolidados ioglezes de 3 por cenlo cara a
90, sendo o avance de utn quarto motivado pela
abundancia de diolieiro q.i- inunda a praga de
Landres.
Os fundos brasileiros de 5 por cento eslo ura
pouco nwlhores, Acanto de 93 a 96 ; os de 4 por
cento (1860) de 63 a 64; dito (1833) de 62 a 63 :
os de 5 p.r cento (1863; a 71; e os vales de 100
a 71.
O algodao de Pernambuco flea de 13 l|i a' 17 d
por libra; o do Maranho de 14 3/4 a' 16 ; o de
Macei e o da Btha de 12 a' 15 1/2 dito.
Na qnlnz^na Anda fez-se extenso negocio desle
artigo no aereado de Liverpool, manteodo-se fir-
mes os preces at aqu, com augmento de 1/4 d
em algunns qualidades.
O relatarlo que acaba de publicar a associacSo
dos corretores d'aquella prac mosira hsver oBra
sil exportado para aqu no que diz respeito desle
do estado sani-i anno, urnas 277:080 sacca', teodo todas sido ja'
Decreto" n. 598 de 14 de setembro de 1850. vendidas a excepcao de 47,430 que fleam nos ar
A 31" a favor do monte-pio dos servido- mazeos, e que em breve serao despachadas.
Decreto n. 1226 de 22 de
Decreto n. 1226 de 22 de agosto
de correcto-
res do estado.
de 1864.
21 i 28* a favor do hospital da "anta Casa de
Misericordia da corte. Decreto de 23 de outub'O
de 1839.
22.* A 17a a favor do hospicio de Pedro II. De-
creta n. 566 de 10 de julho de 1830
23' A 35' a favor do monte po dos servido-
res do estado. Decreto u 1226 de 22 de agoslo
de 1864.
24." A 1* para as obras das malrizes de Nossa
Senhora da Gloria a de Santa Tnereza do munici-
pio de Valenca, da provincia do Rm de Jaoeiro.
Decreto n. 1025 de 22 d- julho de 1859.
23.' A 89" cuj) beneficio devera' ser repartido
pela Santa Casa de Misericordia, Axpost s, recolhi-
raento das orphas, seminario de S. Jos a dlleglo
de Pedro II. Decreto de 22 de maio de 1821.
26.* A 36* a favor da monte-pio. dos servidores
do estado. Decreto n. 1226 de 22 de agoslo de
1864.
27." A 35* para as obras do novo hospital da
Santa Casa de Misericordia da corte. Decreto n.
1009 de 25 de setembro d 1887.
28.* A 1* para as obras di m trii de Nossa Se-
nhora do Livramento de Biaaneiras, na provincia
da Parahyba do norte. Decreto n. 1028 de 22 de
agosto de 1859.
29.' A 37' a favor do monte-pio dos
res do estado,
de 1864.
30." a 65* para as obras da casa
Decreto de 29 de ootubro de 1835.
31.' A 12" para patrimonio do hospicio de Pe-
dro II. Decreto n. 875 de 10 da setembro de 1856.
32.a A 38* a favor do montepia d03 servido-
res do estado. Decreto n. 1226 de 22 de agosto de
1864.
33." A 52* para o melhorameoto do estado sani-
tario. Decreto n. 598 de 14 de setembro de 1850.
34.* A 36* para as obras do novo hospital da
Sam,i Casa d- Misericordia da corte. Decreto n.
1009 de 23 de setembro de 1858.
35." A 39* a favor A) monte po dos servidores
do estado. Da:reto n. 1226 de 22 de agosto de
1861.
36* A 2* par as obras e ootros objectos de qoe
necessilarem as matriz-s das parochias de Montes
Claros, Comeadas e S Remao Januaria, barra dt
rio das Velhas, Grao-Mogol e Curvello, da provin-
cia d Minas Decreto n. 1030 de 22 de agosts de
1859.
37.* A 1* a favor da bibliotheca fluminense. De*
reto n. 988 de 22 de setembro de 1858.
38.a A 1* e nnica para conclusao das obras da
matriz do Espirito Santo do Mar de Hesoanba, na
provincia de Minas. Decreto n. 1052 de 9 de julho
de 1860.
39.' A Ia para as obras da matrix do Pilar, na
Parahyba do norte. Decreto n. 1051 de 9 de Julho
de 1860.
40,* A 1* e nnlea para as obras da matrii da
villa de uiiveira, na provincia de Minas. Decreto
o. 994 de 22 de setembro de 1838.
41.a A Ia e umea para cooclusSo das obras da
matriz da villa Leopoldina, na mesma provincia.
Decreto n. 1092 de 9 de julho de 1860.
41* A 2* para as obras da matriz da Boa-Vista,
na cidade do Recite. Decreto n. 908 de It de agos-
to oe 1837.
45/ A 4a a favor do hospital de misericordia da
cidade de S. Joo de El Rei. Decreto n. 994 de Si
de setembro de 1858.
44.* A 3* a favor do hospital de caridade da ci-
dade de Macei. Decreto o. 986 de 22 de setembro
de 18S8.
45" A 2* a favor do hospital de misericordia da
chade de Jacarehy, na provincia de S. Paulo. De-
creto n. 1015 de 6 de jalho de 1859.
agosto i Se d5 fora
! em Inglaterra
rbas logo que senliram o sopro, e dirigiram-se a
toda a pressa ao caminha principal qoe conduz a
abertura do poco, quiga' na esperanca depoderera
assira salvar-se; mas o subtil gris (hydrogeoio
carbonado) os apanhou em massa e f-los tropecar
e cahir para nunca raais erguerem-se! Na su-
perficie de apenas trinia varas quadradas en-
conlraram-se outros tantos cadveres, a raaior par-
le sera lesio, mostraodo-se em seus semblantes
apraziveis sorrisos dasocegado descanso.
Acharam se ap nhoades no mesrao lugar pas e
Qlhos; -rmaos cihiram em grupos sob a influencia
do lerrivel gris, deverido ler bastado poneos mi-
nutos para mandar a eternidadaquellas 400 al-
Roma, declararao por ura plebiscito se querera
permanecer subditos do Papa oa onir se ao resic
da Italia.
4.a Sera' Roma declarada cid ida religiosa sui
generis, na qoal tera' o Papa absoluta autori-
dade.
Constado o conselho municipal devera' ser elei-
to pelos cidadaos, os quaes exercero os diverso*
cargos administrativos. Alm disso subsliluir-se-
ha o elemento laical no logar do clerical, especial-
mente se durante o curso das nagociacois se ag-
gregar a Roma o seu pequeo territorio.
3.a Licenciar-sa-ho as tropas pontificia?, e des
pedlr-se-hao os saldados estraugeiru?. Ser per-
promessas para
so obrigatorio durante o
mas. Cada pequeo obstculo no cainno, a me-1 mittido aos habitantes alistar-sa no axercilo ita-
nor ladeirinh, ou a mais leve cova era bastante iiano.
para fazer perder o equilibrio aos miseros opera- 6." Este tratado sera'
rios meio snffocados que buscando refugio con.ra : pontificado de Pi IX.
a morte cahiam para nao mais se levantarem. 7." Po IX recouhecer Viclor Eramanuel como
Vinte e seis horas depois havlam se eilrahido 75 rei da Italia, e, em vez de espatriar-se, o Papa ira'
cadveres,e presume se llcar ainda na mina perto,a Floreoga a coroar o re como soberanoo da
de 300, pois depois da primeira explosao tiveram Italia.
lugar varias oulras quo augmentaram o numero 8." Em sua qualldade de potencia ealholica, a
de victimas de 20 horaens que descerara para le- ; Italia contribuir' cora sua quota para a lista civil
va'r soccorro, e dos quaes so om se salvou como [ que assig .em ao Papa os dermis estados calho-
por milagro. Auxilio j na ple descer ao funda lieos.
daquelle ahvsmo. pois que a mina est em chara-) Em vista desle iralado, o jornal semi-offlcial
mas, e ser preciso innunda-ia par* poder extio-, a Opinin, sarcaslicaraente compara a corto de
gui-las ; e, at que isto se verifique, nao possivel | Roma a criaoga a quera se tirou a a na.
fazer novas explorages para retirar os morios,
pois ninguem espera que baja ente vivo naqnella
vasta sepultura, naqoelle barathro espantoso.
A segunda fatal explosao teve lugar em Ta kc
perto deHauley, noStaffardshire, um da depois do
que acabo de referir. At hoje nao paderam resga-
tar-se mais de 84 morios, dos 200 horaens que se
er foram victimas desta segunda catastrophe. Os
exploradores qoando voltarara para fra vlnham
desmaiado-'; tendo-se empregado lodosos melos
para fa?-las cobrar vigor, foram muitos delles in^
sensiveis por mu ti lempo a esses raeios, tendo ou-
tros voltado logo vida achaodo-se prompto3 a
descer da nov para eootinuarem a missao perigo-
sa de trazer superficie os homens vivos ou mor-
ios que encontrassem.
De.-cobrio-se haver sido causa deste accidente
a imprudencia de ferreiro da mina, que se aventu-
roa a ir com a sua lanterna sem resguardo ao
meio das obras onde estavam os mineiros extrahin-
do o carvao. Eacontrou se esta lanterna sem o
topo perto do desditoso que imprudentemente a
levara aonde nao devia, sendo elle o primeiro a
pagar esta imprudencia com sua prnprla vida, tea-
do-lhe a explosao separado a cabega docorpo.
Parece que ha poorc foi assignada a convengo
relativa a divida pontificia. Isio combina lo com o
faci de sahir o Sr Taoeilo da Florenga com mis-
sao para Roma, aprsenla tolas as probabilidades
de queem breve veremos o papa reconciliado com
o re da Italia.
Deve com justiga dizer-se que as ioformagoes
viadas daquella cidade representan} o santo padre
pessoalmeote disposto a um tal estado de cousas,
mas tendo sido at aqui contrariado por coeselhei-
ros hosiis a Italia.
Venficou-sa por fina a evacuacao dos Estados-
Pooullcioslfcto promettlda pelo governo francs.
Em 17 do corrente a baodeira papal foi arvorada
de aovo uo castillo de S. Angelo, onde havia ir
Ao oavir. suas lagrimas, diz aquello orgao,
crer-se-hia que c5o tornarla a comer, e morrena
de fome. Mas, nao ha que temer, a crianga co-
mer de novo, e comer b^m. Seu mau humor
certamente legitimo e merece respeitar-se; jcom-
prehenderam h9m as almas ge.nerosas a necessida-
de desterespeito-
Desde o mez de setembro de 1839 at agora, a
quantia do dinbeiro de S. Pedro olferecida ao papa
por lodos os pavos cathocos sobe a 33 mllhoes
de trances.
O relatorio do ministro da fazeada nos Esta-
dos Qidos appreseota o continuado successo que
tem aquelle ministro em suas operaces tinancei-
ras. Havia em Ora do anno de 1865 um dficit de
617,000,000 a dollares. Seis mezes ma's tarde
flcou no thesouro um saldo de 38 000,000 depois
de pagas todas as despezas, e a divida publica fui
reduzda de 200,n00.000 durante o anuo que vai
liaalisar.
O discurso do presidente da repblica ao parla-
mento exprime o sentiraeoto de haver-se adianta-
do pouco o ajuste das differengas extsteaMs enire
a Graa-Bretantu e os Estados-Uaidos, que aiiri-
bue em parte mudaoca do ministerio aqui. Re-
fere-se mu extensamente invasao do Canad
pelos Feniauos, e descreve as m-.lidas lomad s
pelo goverco em relago aquello acto, a aos cida-
daos americanos presos por tomar parle nelle. Diz-sa
que tal iovaso deveria, em circumMancias ordina-
rias, ser altamente reprovada como infraego^s das
leis de oeutralidade; porm o facto de que o
habeascorpus esta interromjdo na Irlanda, e as
contiuuas queixas que ha contra aquelle ras.'u go
verno, iotende elle dever modificar a opinio que
d'outra sorte expressaria.
Quaato ao Mxico, espera que o governo francez
cumprira sua piDmessa de fazer saimfabi suas
tropas na prxima primavera, com cuja evicuago
de-apparecera todo o motivo' serio de discordia
mulado a frans-za por espago de 17 anno*, embar- entrej) i apeno francez o a grande repubMca.
caodo-se par* a Franga naquelle mesmo da o ulti-
mo regiment protector.
Ao despedir-se de Sua Santidade e expressar o
seotimento de haver por Ora chagado o momento
de partir, o general Monte-Bello disse :
O Imperador relira suas tropas de Roma, mas
uera por isso Ihe tira a protecgo de Franga. Pra-
za a Deus que o ternpo aplaioe as paixoes e sua-
vise os pesares, inspirando era todos os nimos o
espirito de coneilugao que os segu a santa s a
Cora relago a poltica interna, confessa Mr.
J iiin- i'i que o lempo mais e mais a conlirmou era
suas op'Uies quaulo a marcha a seguir se nos es-
tados da sul Em r al Jad.', segando observara as
folhas americanas, nada ple colligir o presidente
das ultimas eleiges. im lado, elle nao t >
cgo que nao veja como a sua poltica tratada
cara desden) pela massa do povo. Este nunca
consentir em deixar-se arrancar os tractos dos
sacrificios que lio completamente coroaram jeus
Independencia 9 estabilidade que necessiti para esforcos na ultima guerra civil, e ter todo o cui-
bem sabido a importancia que tem
este anigo de commercio, oode se
diz que o algodao rei, sufflcieolemeale o prova-
ria a enorme quaniidade que eotra de cootiuuo de
diversas partes do globo. Apezar da escassez que
occasiooou a ullima guerra dos Estados-Unidos,
iraporiarara-se no anno que vai fiad ir urnas......
2,339 2o0 saccas fleando s em deposito urnas
484,320, o que inspira grande recelo pois letne-se
que o abastecimento nao corresponda ao pedido.
Ja' disse em minha aaterior, que o algodao do
Brasil o mais procurado e tneihor pago nos mer-
cados loglezes: seria pois de immeuso beneficio
para os plantadores desse imperio o esiender a
cultura desle i rodado, coma oeslo fazeodo os de
outros paizes muito mais remolos d'aqui do que o
Brasil, os qaaes encontrara lucro sulBcioule em
fornecer a lio grande distdocia o artigo que mais
contribue a prosperidade d> Inglaterra. E pois
que nesta luta pacifica tem Ja' o Brasil sobrepujado
aos Estados-Unidos tanto em pregos eomo aa qua-
lldade, deve agora procurar esforgar-se em vnce-
los na quaotidade, o que Ibe sera' muito mais fcil
de conseguir, vi-to que a bondade do algodao bra-
sileiro esta' perfeilamente estabeleclda nos merca-
dos europeus
iNo o anno que vai terminar um dos menos
calamitosos da presente gerago, cumprindo-se de
servido- n>!'do notavel nma velha prophecia que prediz
grandes desastres no auno que como o presente co
raegaem segunda-feira. Terriveis foram os estra-
bos do cholera-morbas; innmeras as morles re-
pentinas causadas por inopinadas catastrophes, a
a parda de vidas e fazeoda, eff-ilo de furaedes,
morrinhas e outras pestes; nada porm pode com-
parar se as espantosas explosrs que aqui liveram
lugar a semana passada, em daas minas de carvao,
privando sbitamente da vida ha mais de 500 pes-
ss, que deixam a traz da si em lastimosa viuvez
e orpbandade mulberes, filhos e parents incoaso-
laveis.
Nao podem descrever-se com paWvras scenas
to horrorosas. Aconteceu a primeira explosao na
mina chamada das carvalhas (oaks Colllerz), peno
de Barnsley. Eis o resano coadensado dos prin-
cipaes incidentes de tamanhas catastrophes.
Em t2 do corrente, as 5 horas e meia da ma-
drugada, comegou o relevo a descer a mina, bai-
xaado em cada caixa seis homens e rapazes, at
que 330 penetraram as galeras subterrneas.
Perto do meia dia descerara outras partidas, la-
xen lo um total de 380 pessoas. Os que balxaram
na madrugada deviam sabir a's 3 horas da tarde.
| Sobreveio a explosao a urna e meia, e as duas co-
megon-se a explorar a mina.
Primeirameote eovou-se urna caixa vasia fazen-
do-a em vo chamar a atteogo; como ninguem
respoodesse, apreseotoa-se de repente aos nimos
coosieroados a idea assustaddra de haver lodos
provavelmente perecido I Em continente. penetra-
ram na mina algons dos exploradores, e logo en-
contraran) nos poacos de mioeiros no mais deplo-
ravel estado, denegridos, chamoscados, deltando
saogue, e desodorados. Varios delles morreram
logo que foram tirados |do subterrneo. A sceoa
que all apresenlava o planoum declive de pouco
meos de nma milha, a estrada publica, por assim
dizer, que conduz as obras priocipaesera tal, que
ainda os mais experimentados as explosoes de
minas de carvo a descrevem como espaotosa. De
qna renta ca val los que havia no subterrneo nem
nm s se salvou, e em moitos lugaris encootra-
varn se donados juntos no leito de morte o cavado
e sea jovera coaductor. Os rapazas cahiram no
posto do dever sem o menor signal ou momento
de aviso, e sem a mais remota posslbilidade de es-
capar.
Segundo acontece nestas explosdes, aflastaram-
se precipita lamente os mioeiros de suas excava-
conservar sua influencia espiritual no ranada ia
teiro ;laes sao os vivos desejos que ponho aos
psde Vossa Sanlidsde, solicitando a bengo ponti-
fical.
O Snmmo Pontfice dea de improviso a resposta
seguinie :
c Na vespera da vossa partida eis-me aqu,
raeus queridos filhos, a dizer-vos adeus. Sanio de
Franga vossa bandeira com a raisso de sustentar
os direitos da santa s, e hoje retrocede a ella. De-
sejo que seja recebida era Franga com os mesmos
seotimeotos com que d'alli sahio. Consta-meque lo
dado em que outra se nao d.
Nao se occulta ao presidenta a falsa posigo em
que se collocou, alienaodo assira o apoio dos parti
darios com que ans coutava, e derribando os
esteios qua o mantioham ua hnha da poltica que
to imprudentemente incetou; mas era vez de
retroceder a confessar franco e lealmente seu erro,
esforga-se agora por encobri-lo, adoptando para
cora as nacoes estrangeiras ura tora que supoe Da
de .isoogear o orgulho nacional americano.
Sao porm baldados seas esforeos, pois nunca
mais podera receuperar a influencia poltica que
dos os coracSes camdeos esiao consternados ao pen- to absurdamente perdeu por escular aduladores
sar eas difflVuldades que rodeiam o vigario de N. cojos prfidos olalos nao teve agudeza de deseo-
seohar Je tholica. E' preciso oo se illadirera. Djpois vira
a revolugo como se acha proclamado e repetido
multase muitas vezes.
t Disse um personagem italiano da grande ele-
vaco que a Italia eslava constituida, mas nao
completa. Certamente se desfana a Italia se anda
reslasse aqui um caot) do pai< onde reinasse or-
dem, justlca e socego. Querera arvorar sua baodei-
ra no Capitolio, mas vos sabis, como eu, que a
rocha (arpea oo esta longe.
< Ha uos 6 annos qui eu fallava com um repre-
seataote de Fraoga, ao qual eoearreguei de diter
ao imperador que Saalo Agoslioho blspo de
Itippooa (que perteoce agora ao imperio francez)
alterrado cora as calamidades qae previa durante
o sitio da cidade pelos barbaros, havia pedido ao
Seohor que o deixasse morrer antes qne fossa les-
temunha d'ellas. Respoodea-me o representante :
.Nao eniraro aqui os barbaros ; porm elle nao
era propbeta. Disse-me outro personagem qae nao
puderia Roma ser a capital do reino, e que s po-
derla er a raetropole do mundo catholico. Eu po-
rm temo multo a revolugo. Que poderei dizer ?
Que tere de (azer ? Acho me inteiraraente sem
recursos, nao obstante eslou tranquillo, pois que o
maio- potentado, Deas, me da forga
tancia.
Ao dizer estas palavras
A cmara dos represeniantes remnveu do cargo
de presidente de eommisses aos membros qae
susteniaram a poltica de Johoson; isto mostra qne
a perspectiva de recincilisgo entre o presidente
e o coogresso nao mui lisongeiro.
Aunuacia um thelegrama de Nova-York de 15
deste me, qae o coogresso conceder o suflragio
aos pretos do districto de Columbia.
Os joroies de Nova York do como perdido Ma-
ximiliano, e as folhas francecas parecem nao saber
raelbor o seu paradelro. Disse o Momteur que se
acha va elle em Orizaba a 9 de oovembro, e acres-
ceuta que a cooceotrago das tropas fraocezas
cootinaava sem notavel incidente.
Parec que se sabia em Nova-York qae na sema-
na anterior havia Maximiliano envalo sua equipa-
gem Vera-Cruz, mas que elle permaoecia em
Orizaba sem eiercer cargo offlclal. A graadiloqua
linguagem do Momteur acerca da cooceotrago
significa simplasraente que os francezes estao eva
cuando as prov.oclas que haviara oceupado, e se
preparara a sar breve do territorio mexicano.
O jornal La Patrie ve-se obrigado a fazer a
humilhante conflssao de qao a moderacao de
Jurez que davem as tropas francesas o poderem
e cons- i verificar sens movimenlos sem ser molestados.
Cada da correm novos rumores, cada qual mais
commoveu-se o santo | absurdo, sobre a situago real deste pobre imiera-
o marecbal Bazain
padre, panecipando todes de sua comrago. En- dor do Mxico.
lio, pondo a mo sobre o orago, e levantanda os D, marecbal Bazain o tem em
olhos ao co, proseguio dizendo depots de cUrta i costdja Rl qa con9nU f, en,regar certas car-
t"03*- ... tas do irooerador Napoleo, na. quaes esse poDten-
Ide-vos cora a miaba bengao e mea paternal "do discute o prolecio de dividir os Esiados-Uoi-
adeus. Se v.rdes a vosso imperador dize. Ihe que i ^e^Taa3 oago s-do norte e do sol-, e erigir
peca a Deus por elle. Corre qne esta doeote, re- ^ l es,ado separailo. Tem o ira-
ceo per sua sadde. D.z-se que seui esp.ruoinao \*'J g ,-0 demasiaa0 bom s.nso para haver
T\\ SSS ,r0 T SU a,a,a- AZf 'raa'! Ji-nals escr.pto seraelhaates bellezas ao desditoso
ceza chr.staa ; tambera deve ser ^i.^J Comam outros estar o exerc.to aus-
chefe. Com perseverante e confiante oragao podera ; reso|Vdo a depdr Francisco Jos, e a eolio-
uo grande e poderosa nagao obter ludo o que de- Q0 ,hrooo .Anrtria. uto equivale
srjo. Quanto a mira, entrego-rae a misericordia de |
dizer qae Maximiliano teve to bllhantes sac-
cessos no Mxico, que j"4 coosiderado digno de
maior honra qae o desolado Hepsburgo, que oceu-
pa o til roo em Vieona.
O Trmp allega acnar-se as mios do governo
francez a abdlcagio de Maximiliano. Seja como
| for, nio parece haver duvida que o commaadanle
' (rancex oo Ibe permlttir voltar a Europa sem
Nulou se no Monittur certas expressoes oraca-' que faga abdicago formal.
Deus ; e a minha bengao vos acompanhar em
vossa viagem.i
Falla-^e de estar multo irritado o governo fran-
cez contra o Journal de$ Debats por haver publica-
do a passagem que se refere saode do imperador,
e prohibio-se aos joruaes de Paris o reprodu-
zca.
lares a respeito de Roma, e que apparentemaote
significara haver boas razss para erar n'ama re-
conciliago entre o papa e Vctor Errmanuel Pare-
ce qae a Italia ter de contentarse com Florenga
por capital e o Santo Padre adoptar medida de
reforma. Nao ha duvida que um arraojo est a
pooto de verificar-se sobre as segualas bases pro-
postas ao .Papa peto governo de Vctor Emraa-
auel :
I.* 0 governo italiano propsra' s cmaras um
projecto de lei declarando Florenga orno capital
definitiva do reino da Italia.-
2.* Os cardeaes .sero tidos como principes do
reino, pagando-ibes o thesoaro italiano o dobro dos
emolumentos qne agora recebem.
3.* Os habitantes do territorio pontificio, excepto
A ca'usa de j'no estar elle c motivada pela
pequea Indiscrlpgo qae innocentemente cometie-
ra o caplo de fragata austraca Dndolo
Qaaado Maximiliano parti da capital, cria o
general Bazain que era s com o Om de ir a Oriza-
ba como havia ido a Cuoroavasa e outros si
tos. Mas igoorava que a fntengo do Imperador
fosse de embarcar no mesmo instante para a Eu-
ropa como havia anticipadamente .esenpto ao
comraaodante de fragaia. Logo qae este recebeu
a ordem de preparar-se a partir, foi sem demora'
di-pedir-se de Mr. Peyroo, o oomraaadaole fraocez,
iaformando-o do despacho que acabava de receber,
e pedindo Ihe suas ordens para Trieste. Nao par-
deo lempo Mr. Peyron em dar parte disto ao gene
ral Bazain, qae em connnenle_ envin pelo thele
grapho ordeus aos governalores de 9, izaba, dr-
dou e Vera Cruz para no de'xarera escapar Ma-
ximiliano; dirigindo-se elle mesrao ao archiluque
declarando-lhe qae eoabecia sua lotengo de au-
sentarse do Mxico, o que.Ihe nao poda perraittir,
em quanto nao abdicasse formalmente.
A razj desta conducta qae se partlsse Maxi-
miliano sem formalmente ablicar, serla muito
difHcil e redicula a posigo dos Francezes no Mxi-
co, era quaoto que, abdicando em favor desles
ticarism desobrigades de suas
cora elle.
O resultado deste qui pro qu guardar agora
Bazain ao Imperador Sfaximiliaao n'uraa especie
de prisao poltica, bera qoe oo muito honrosa.
Confirraa-se a noticia da occapagao de Matamo-
ras pelas tropas federaes que para este (Ira sahiram
de Texas.
Era 26 de noverubn o goverodor de Bromrao-
villa deiteu um ponto a travs do Rio-Grande
em frente de Maiamoras, ura destacamento com-
maodado pelo corooel Perkras atravessou o rio
por ordera do general Sedywirk o tornou posse da
cidade afira de proteger a fazenda dos cidadns da
Uoio, visto allegar-se que o chefe de goerrilha
Cassoles medilou saquiar Maiaraoras.
A' proposito da proteceo de Sedywick tiveram
enire vista Cassoles, que esl de posse da cidade,
e E-cobedo, chefe rival; mas nao podendo arrao-
jar-se, este comegou a atirar sobre XaUmoras. Se-
guio-se batalha saoguioolenta, onde cahiram mais
de 800 homens eotre morios, fendes a prisioneiros,
nolomando parte no conflicto as tropis dos Es-
lados Unidos. Cassoles ficou, sem embirgo, "de
pisse da cidade, a as tropas dos Estados-Unidos
voliaram para Texas.
O general CheriJan qae cohimanda aquelle de-
partameato depoz da comsnaodo a Sedywick por
mver mandado atravessar o no. Este porem
protesta a que nao impedir que seja este posto
em cooselho de guerra, lazando se assim d'elle
urna victima expiatoria dos pasados da Uoiao.
Acreditamos que o imperador Napoleo accei-
tara esto sacrificio cora mais ou menos sincerida-
i.'e offerecido.
Acha-se por fira oraplela o projecto de reorga-
nisago do exercito fraocez, e o esboco est agora
exposto aos olhos de rauuJj para que cada qual
julgua d'elle como melhor eotenda.
Tera o efectivo do ejercito uns 800,000 homens
forga que se coosidera necessaria disse um jor-
nal francez seral offloial para garantir a defesa,
e preservar a diguidade do imperio. D'este nume-
ro cerca de 420,000 havero de formar o exrcilo
tactivo, conjurando os outros 400;000 a reserva,
que ser organisada por um novo priocipio. A era
o'estas duas grandes divises do eiTeciivo, haver
urna guarda nacional inovel de 300,000 homens,
destinado a defender as fronfeiras, fortalezas e
costas em lempo de guerra. D'aqui se r que
q ando a Fraoga julgar a proprosilo fazer guerra
a outra potencia, ou se acha araeagada de invasa,
ter a sua dispisigo um modesto exercito Ua par-
lo de'1,200,000 homens.
O lempo de servigo militar ser reduzido a seis
auQos, toas isto nao to grande vautagem como
parece ; pois embora fosse o periodo legal de ser-
viga al a jui de seta annos, raramente permane-
ca o soldado sob as armas todo esse terapo.
A reserva sera dividida em duas classes ; a
primeira diviso estar sempre disposigo do
aiinistro da guerra para o suprimeolo das fallas
do activo, e a seguoda ser Cw/avocada s por de-
creto imperial.
Nao impedu esta reorgaoisago do exercito qae
o giverao de Napoleo sa oceupe simultneamen-
te de raelhorar a coadtgao da armada e forllfka-
ges das costas e frooteiras. E' notorio que o mi-
nistro da guerra esta passando em minuciosa ins-
pe< gao todas as pragas fortes do imperio, e mcti-
licando planos para a completa recoostruccao de
seus.anligos meios de defesa.
Sera Mnres a primeira praga que ter a van-
tagem de gosar d'esie espirito de melhorameoto.
Quatro a ivas fortes serio immediaiaraeote cons-
truidos uos seus arredores. A povoago peque-
a, mas o fira qae se lera em vista augmentando
sua importancia militar nao tanto o p-la em
estado de adinitlir raaior guarnigo, quanto o fa-
zer d'ella um campo eoirincheirado onde possa
roncentrar-se um grosso corpo de exercito, e sob
esta base de operagoas manobrar candanga para
um ponto snguro no caso de retirada.
Foi Manares urna das priraeiras pragas invadi-
das pelos alliados era 1815.
O relatorio fioanceiro de Mr. Fould mostra em
grao satisfactorio a prosperidade commercial da
Franga. Ne s o balango do corrente anno sera
igualado pelo augmeoto de renda na quantia de 40
milhSes de francos, mais anda se espera maoter-se
o equilibrio fioanceiro do anuo vindouro, depois de
pagar as despezas occasionadas pela expedigo do
Mxico. Euleode-se isto aaturalmento desde que
a Fraoga nao emprehenda novas eepedigdas he-
roicas oa quixotescas. Sem embargo a reorga
osago do exercito a o melhoraraeoto da maana
imperial e fortificagdas custar alguma coasa, e
oo deixa de haver em Fraoga mullos que creem
oo estar bera loege a guerra.
Dase como ceno que a Iroperatriz Eugenia par-
tir para Roma ao da segulnte do natal. Parece
haver causado esta visita grande discus$5es em
Franga e Italia, achando-se o ministerio francez
dividido sobre a opportunidade de seraeltwole pas
so. Foi a viagem anonadada muitas vezes, e
oulras lautas propostas, e agora nao ha davida
de que por ultimo se realisara.
Na ultima quiozeaa chegaram de diveasos por-
tes do Brasil a Inglaterra os segrales navios :
Do Macei the Polina (8) a Liverpool; do Rio-
Grande, the Rosalind (10) a Liverpool ; da Bahia,
the Aieline e Martanne (10) a Liverpool; da Babia
ihe Harrtet, e the Oswarotd (13) arabos a BnsloJ;
de Peroambuco, the Etbaro (14) a Liverpool; de
Peraembuco, i/e O/inda (14) a Ciyde ; do Para,
the Hallan Mero (i4) a Liverpool; de Peraambaco,
the Abert (14) a Q.iesnstuwn ; de Santos, the Argo
(15) a Faimouth; do Para, the Aracaty (18) a Li-
verpool ; de Rio de Janeiro, the Minslrel, (18) a
Faimouth; da Bahia, the Vulcan (181 a Falmooth;
da Baha, the Mary Stowe (19) a Palmoaih ; do
Rio-Grao 1a, the Fruncs and Richard (YJ) a Li-
verpool, the RosaUe do Rio de Janeiro arribou a
New-Orleaos.
Da Inglaterra seguirn] para o imperio oa se-
grales : de Liverpool (8) the Ironsiics para Per-
aambaco; de Liverpool (10) Ihe Fitama para o
Rio de Jaoeiro; de dito (II) the Mayfield para Per-
nambuco ; de dito (11) the shars'ton e the Mary
Woods ambos para o Rio de Jaoeiro; de dito (13)
the ieromt para o Para; de Graveseod (15) the
Mana para Pernambuco; de Liverpool (15) Ihe
La Place para Babia. 27i Sparkling Waee de
Betle (Fraoga) para o Rio de Janeiro tomou lingua
era 2 de dezembru no estreito de Gibialtr. De
Liverpool (20) the Belene para a Baha ; de Gra-
veseod (21) the Para .para Pernambuco ; de Li-
verpool (21) the Faicon para o Cear ; de dito (2 )
the Antn para o Rio de Janeiro, the Alejandra
de Ni-w-Castle para o Rio de Janeiro tomou lingua
(28) 6 N., 21 O. The Congo de Hamburgo para
Pernambuco passoo (11) por Deal.
mercio, deL'sboa, proposito da guerra que se
debate ao sul do imperio, no qual o exercito adia-
do e especialmente i>Brasil mal considerado; va-
raos dizer duas palavras ao collega daquella cidade.
Fundoo-se a redaego do Jornal do Commercia,
de Lisboa, para apreciar-nos to Injusta mete, em
data de 27 do passado, n'ura paragrapho do Sema-
nario, folba que se publica era Assnmpco, que foi
traoscripto pelo Jornal do Commercio da corte.
Este paragrapho o seguale :
c Neste momento a opinio dos invasores lera
mudado radicalmente, relativamente a um tratado
conciliatorio, e se fazem de prudentes aguardando
a resolugao dos seus respectivos governos; nao
creio que sai ira da altitude de umi estricta de-
fensiva. Folgaria de euganar-rae, porque desle
molo acabara mais depressa a quesio, mas a
grande desmoralisago que deve iofundr-se n'um
exercito derrotado, que tuina alimentado esperan-
gas de paz, e que nao ple deixar de ver o im-
menso e estril sacrificio a que cheles ambiciosos o
arrastara, ha de resentir-se notavelraente, e oa
pode deixar de Influir ao aaimo desses mesmos
chefe?.
O collega do Jornal do Commercio influenciado,
.-era duvida, pelo p que procuram levantar em
varios paizes da Europa os emissarios paraguayos,
nao pesou devidaraente na balangt da equidade as
palavras que lavrou naquelle seu artigo.
A folha paraguaya nao levou seu arrojo alflr-
mar que o exerciCo adiado estava desraoralisado,
conientou se cora charaa-lo derrotado, ante sua
retirada no ataque de Curupaity, dizendo que devia
ter-se infundido nelle a desmoralisago : o collega
do Jornof do Commercio, mais perspicaz ou aoles
mais billioso, acbou dever afllrmar que de facto
havia desmoralisago no exercito adiado.
Si o collega livesse combinado as nolicias de
origera paraguaya cora as de origem brasileira, oo
tirara evidentemente ama conclusao to desfavo-
ravel a' nos.
Que importancia merecem as noticias fornecidas
por um dos contendores relativamente ao outro
quando nao sao ullkiaes T
Si o collega do /orna! do Commercio livesse
prestado atteogo ao modo por que as oulras folhas
europeas disculiam a ultima guerra que su debateu
aa Allemaoha, nao se abalangaria a' fazer conside-
rares de ordem a' poder incutir no espirito pu-
blico em Portugal urna idea erroaea acerca do
oosso exercito. E' este ura dos casos era que o
redactor bem avisado oo deve emillir opiuies se-
no firmadas era bases raui estaveis, nao deve
fazer coosiderages meos boarosas a' um paiz
amigo seno tendo garantas do que avaoga.
O collega diz que ainda que os alliados coosigam
veacer a ladomiia repblica, oo podero ellas
obter compeasagoes para os eoormes sacrificios que
tem feito e esto fazeodo; aprsenla a idea de
urna aaaexago, e, no caso de condonar o Para-
guay a' ser nago iadependente, falla no imposto
de guerra; e diz qoe em qualquer dos casos licare
mos mal.
E' precipitado tal Julzo; o Brasil nao quer e
nem nunca sonhou cora a aunexago do Paraguay,
e ahi esio os tratados de alluuci que assaz o de-
monstrara ; o Brasil teve e lem em vista oesla
guerra obter a maior somraa possivel desatisfago
pelos ultrajes feilos a' sua aaeionalidade pelo fy-
ranoo qae escravisa o Paraguay e seu governo ; o
Brasil tevee ternera vista Iib-rlar esse seu viziuho
das garras desse abutre que o de-ora, e eolrcgvlo
ao progresso da civilisago que sera' a maior ga-
randa da amizade que o Brasil deseja maoter com
lodos os estados seus vizinhos ; s depois que
vem a necessidade do imposto de guerra como con-
secuencia dos sacrificios a' que foi o Brasil levado
para alcaocar sea intento.
O collega do Jornal do Commercio, nao obstante
o mal que de nos pode ter dito, fez-nos um bem ;
sim, um bem, porque apontou ao governo do Brasil
o pensamento do estadista ioglez Fox a' respeito
da Inglaterra : Si quizerdes que a nago ingleza se
aprsente forte, tmida e respeitada aos olhos do
inimigo externo, fortifcala por meio de urna poli-
tica generosa e tolerante, no espirito de umo e
concordia no interior, oo qual os nossos estadistas
eslavara completamente esquecidos.
Dd facto, o qae tem feito o governo no interior
do paz, em qaaoto que no exterior esta' em luta o
oosso exercito?... lera' por ventura seguido o
peasameolo do estadista ioglez T nao, respondemos
penalisados.
Era vez dessa poltica generosa e tolerante acn-
selbada por Fox, adraenta-se e fonidea-se a des-
uoio e a discordia por mel de ama poltica into-
lerante e mesquiaha ; calcam-se aos ps os princi-
pios de justiga e equidade to necessarios ao man-
teoimento da forga e prestigio da nago ; depri-
mem-se os caracteres eminentes, os homens ilus-
trados que se nao a lisiara m na b ande Ira do governo
e que poderlara prestar iunmeros seivigos, si o
egosmo e o exclusivismo nao dominassem as in-
teoges dos borneas qae tem as redeas da adminis-
irago.
Convenga-se, pois, o collega do Jornal do Com-
mercio qoe o Brasil i forte e dispoe de raaios bas-
tantes para vencer o Paraguay ; qoe si estes meios
nao foram devidaraente aproveitados isto devido
a' poltica exclusivista do aciual governo qae, de-
vendo fazer da guerra do Sul ama questo pura-
mente nacional, f-la de preferencia ama guerra de
nma parte do Brasil contra o Paraguay.
Nao ha desmoralisago no exercito; seus ebefes
tem bastante prestigio e forga para azerem-se res-
pe liar de seos soldados e laza-los respailar as Ira-
digdes gloriosas que o eonobrecero, fazendo-os
igualmente amigos da disciplina qne sempre dis-
tingui o exercito brasileiro.
DIARIO SE PEBNAMBUCO
- RBCIFB 15 DE JANEIRO.
Sob a impresso dolorosa que em nos causou a
leltara de- um artigU editorial do Jornal do Com-
O vapor Cruzeiro do Sul troaxe jornaea do Ma-
ranho at 10, do Ceara" at 12, do Rio Grane
at 13 e da Parahyba at 14 do crreme.
Nada sdianta do Para, per ter sabido oeucis ho-
ras depois do americano, que anle-hontem esteve
em nosso porto.
MarahhXo-Fallecer o Sr. Manoel Francisco
de Moraes Reg, com 84 annos de idade.
Foi assassioado, em 26 do passado, era sua
,
RNM aHMaHM
~"V~'. ~- I .-

MM vrar*>M>MNa*'


-^"



~Mfcrt 4c Peronual
:-' -
fnda Santa PktometM, do ter4W> de *4na\ oj
sr. Sargio Antonio Riposo$ sendo presos, paras-
pellas de seren cmplices nocrime, sea sngro J s
Antonio Ptwfciro, am escravo deste csco -iHBOfo Publicador Marankense :
< Publicamos a segrate raformagao que acaba
de ser dada a' presidencia da provincia pe Sr.
tlce-oresidenle Jos CaeWao "Vat uoior.
l.'lm p Exm. Sr.-Kmwspo ao dfflclo qa
V. Exc. digooa-se dirigir*ie era data de 17 de
dezembro prximo flndo.qMUinloAge Inform g5*
acerca dos meios que piMrao srompregados para
tuelborar a cavegagao a'Wpor nos nos Iiapiear,
Mearim e Piodar e esidaHa-la a outras Vios,%db-
CDeilo a V. Exc. a amida hemilde oploio com o
acanaamenio natarat-era quem nao se sent iHibli-
lado para iralar bello importante assumpto.
Alm de melhorar a navegagao a vapor ja es-
belecida parece-roe, antes de lodo, neeessaria a
limpeza aiual dos ros Itapicor, Hearlm e Pin
ibflt'waipw ,Mr ^^ados-ajas desgra;aireote
anda, nao disse nada.
Parece que passoa pelo rlo'Lelhs en vio a ca-
be? de Medaa. Isso o obstante hade? lelto-,
porque manda quera poda e obedece quem
deve.
0 t-rcelro candidato irmio do conselhelro
Paranagu e tanto basta -para ter direito. E' ver- s
datte qne foi a guerra e la' roosiroo algoro(patrio-/
ttsmo, atas se isso fOr litlo sutBolcote Mn ser re-'
presentaote da naci quintos se apreseotario cota
jus ideotico ao raesmo titulo T
*E' qaasi inquestiooavel o triampao qae dev
tero goverto as latas eleiioraes, principalmente
se o presidente portar-se come se vil poriaoOo
com os ooservadores { eorqee estes o de tal mo-
do tolerantes qoe accitam a chapa do$overno *-
gindo apelas qae delxem nos sera opposigSo offlcil
nos seas eollegios, prs tereco quando menos a ga-
ranta de suas mesas decididas.
Em coasequeacia isto provavel qae o coa-
dar, de modo que os vapores e barcas de reboque servadores nao tenbam urna chana seaur nao sal
nao i necnirem depois das ebeias do invern os ca-
nees desses rkis obstrnidos de maderas e aras
que estorvam a live navegaco e arruinam de
pressa os barcos. Isto que n prlmeiro anno seria
trabalho costoso e de cresclde despeza, nos snbse
quemes tomar-se-ia fac e poaco despendioso.
< Se a provincia estivesse em outras circums-
Uncas, e se me nao desanimasse o repelido roallo-
gro de obras superiores aos nossos recursos, alga-
mas das qnaes comecadas com tanto enthnsiasmoe
zelo, jazen) por acabar depois de trem sorvido
enormes son-mas dos cofres provincia**, eu lem-
brana romo essencial para o desenvlvimento da
dara
se obrara bem oa se nal ; mas a qoado nada eer
to qae nao soa dos m.fs habilitados pa-a avantarar
um jalto nesta materia de qoe alias soa poaco
entendedor.
< Tioha mnito mais qne Ibe dfzer, mas leaho
anda raals pressab por isse faco aqui ponto final.
Atiootra vez.i
Ceaiu.Fallecdra o Sr. Josa Antonio da Costa
Silva, pai do poeta ceareose Juvenal Galleno.
. A alfandega renden, no semestre de iulho a
dezembro ultimo :
Importacao.........604:313*106
Despacho martimo....... 1:286*100
Exportago......... 88:35)7*414
11:425*425
1S6*I23
nosa navegacao fluvial a abertnra da Lagem
Grande no rio Meanro, onde parece de reconhecida laierior
vantagem qoe ella se este-oda at a" Barrado Santa Casa de Misericordia '.
Corda, e o aprouodamento do Itapicura nos luga-, RT.nr.rm mn '
res denomioadoS-Secco db Joao Paalo,-do J.n- Ioportacio 8 |. aSSSa"
deahy, Pirapemas, alm de ontros qoe existem en- v inJrZ-
m\**+*!** Maltas por infraccio do ag .
. Seria umbem de conveniencia a men ver, a Imp3sl0 sobre lojas casas de mo-
exuorgao do privilegio da eompanhia de navegacao veis
a vapor do MaranhSo, mediante mesmo qualquer Taxa de seravos.......
compensacSo. .......
V. Exc. melhor do qne eu sane que o privile-1 6O8089127
gio mo em qualquer paize para qualquer indos- Dea-se, no da H, as S horas da tardeT ura
tria, no nosso nocivo por qualquer dos lados que brande disturbio, diz o Pedro 11, dentro da espita1,
! entr urna patrulha de polica e aleaos volunta
da medida da extmecao que ros invlidos, que voltaram do sul : havendo feri-
U033
55*614
1:853*800
600*000
se encare.
< Nao creio qoe
twai'ta lelm \% de Janeiro 4e i8o7.
===
venho de propor, resultasse logo a concurrencia ,
mas a simples possibilidade delia seria parte para
qae a actual compaohia procurasse melhorar osea
material e servico e nao traiasse de alterar as pas-
sagens e fretes como ja' fez gem que so menos
Irouxesse melhoiia as aecoramodaQdes e oatras
vaotagens que apreciam todos aquellos que carre-
gain uu navegara nos nossos rios.
Quanto a navgafao dos rios Grajal, Tocan-
tias, Gurupy, Tury-as- e Monim nao jolgo qoe
por ora convenha tei-.ta-la.
O resollado nao compensara os sacrificios que
se leriam de fazer ; pois os t-rreoos bandados por
esse- nos ou ainda se acham incultos oo tem ama
PD-iuecao muito insignificante por causa da pituca
popnlacio, e em algons luitares como no Muoim,
pe.a ma' qualidade das trras.
Eotendo que )a' mono teremos feito empre-
gando todos es nossos esforcos em melhorar a na-
vegado as tres grandes arterias da nossa vida
agrcola e commercial, o Itapicur, Meanm e
Pjndar,porque os oulros ros embora ricos leva-
rao anda incultos por muttos anuos en qoanto
aqulles offerecerem terreos ubrrimos para os
qoaes neces>ariameote se encaminharo de prefe-
rencia os bracos que emigrarem com destino i
agricultura.
t E' quante me orcorre dizer a V. Exc. qoe sm
duvida relevara' a insufflciencia desle parecer.
Deus gu rde a V. Exc Maraohao, 3 de ja-
nelro de 1867.- Iilm. e Exm. Sr. Dr. Antonio Alves
de Sou;a Carvalhn, O. presidente da provincia.
Jos Caetano Voz Jnior.
Piauht. E' esu a pnmeira missiva de nosso
correspondente, em data de 27 do passado :
t A recepcao desta Ihe provara' qoe nao esqne-
cen-me o que proraetti-lhe.
o estado sanitario da provincia nao paiece
mao. porque, sendo ja invern por aqai, e tendo o
Parshyba eochido, creio, que mals de urna vez, as
sesdes nem por isso apparecem ainda mui fre-
quentes.
Parece que a natureza vencida pela tenacida-
de dos Piauhyenses vai cedendo pouco e pooco e
dando esperanzas deque a anligachapada, coover-
tda boje em capital de provincia, toroe-se de futu-
ro saodavel, oa menos doenlia.
t Deus queira que tal acontec, porque a nova
cidade tem prosperado muito para quera attender
qoe apenas conta 14 annos de existencia e pro-
mette ainda mais a quem reflectir em suas pro
paredes gigantescas para progredir e crescer.
t Collocada sobre a margem de ara no tao cau-
daloso qoanto impineBte parece presidir e mandar
a esse gigante dasagaas que rena todo seu real-
ce a' sua belleza natural e aforrnoseie cada vez
mais as suas ribas Ja de si bem magestosas.
< Eu tioha visto amitos Piaohyeases fanticos
pela toa provincia ; pjrm aitnbuia o seo frenti-
co inthusiasmp, antes a um fanatismo bairrisla,
do que ao mrito real da trra ; roas felizmente
retrato me boje e confesso que elles tmbam razio,
c 1" pena qne tanta riqueza natural nao seja se'
eondad pela actividade dos habitantes, cuja iner-
cia sopioa um contraste palpavel e sensivel cora
s proprleaades do teireno e a vegelago luxurio-
sa do paiz.
t Pela soa constancia cifrase em reagir cootr
as inclemencis do clima e os rigores da esucao.
Dir-se-hia que sao locapazes de sobsistir pelo pro-
prio trabalho ; mas qae qoerem 7 O estimulo do
trabalho a necessidade e esta palavra qoasi nao
tem significaco estricta aos limos do Piauby ;
porque taa a fertilidade do terreno e tamaoha
a sua abundancia qae po'dem se elles limitar a co
Iher o Tracto qae a natureza poc ao alcance da
mo.
Tem as fructas, que variam segundo as esta-
(Ses -, mas nunca faltara ; tem o peixe sempre
muio e muito bom : tem a cac qoanto qniterem
desde que a procurar- m ; tem finalmente at o mel
natural mais delicioso talvez do qae o industrial
ne.tas condi(5es, a sua pregoica ora facto in
nocei.te ou quando muito um enme joslificavel.
c A consequencla qae a gente pobre n tra-
balha ou apenas limitase a plantar ura pouco de
mandioca para farinba ou fazer um bocado de
sal; porque at isso o terrena Ibe offerece vera
grande difflculdade.
c Por outro lado a gente rica qae bastan-
temente activa nao pode facer malta eoosa m
razo das difflcoldades, com qoe lotara para
achar trabalhadores em orna trra ood o po-
bre mais indepndenfe dos ricos do qae ero
qaalqner outro lagar. Adha-se pois adstrlcta aos
br-cos captivos, qoe alm de poheo productivos,
como semure, accresce qoe nao sao multo nume-
rosos e d'ahi vem o qaasi nenhum progresso da
industria agrcola que alias encontra proporcao
para ns maiores dssenvolvlmentos possiveis.
mentes de parte a parte.
Ro Ghandi Nada
menea o.
PARAHm A alfaadega
correte 7:414*935.
occorreo que mereja
renden, de 1 a 12 do
PEKNAMBUCO
REVISTA Dinifl
ADVERTENCIA.
Na totalidade dos doeotes existem 171, sendo 103
aomeos e 68 raolheres.
Foram vlsiudas as enfermaras estes das :
As6 1|2,6 12,6 l|2,6l|4,6l(3, 6 1|4, pelo Dr.
Hamos.
A's 10 1|2, 10 1|3, 11, 10 1|4, 11, 11, pelo Dr.
Sarment.
Fallecern:
Joaqoira Jos de Santa Anua, ttano espontaneo.
Doarte, tubrculos pulmonares.
Mara Ponciaoa da Gonceico, gastro interite.
Manoel de Araujo, bepatite chronica.
Communicados
partido conste rvailur.
i A industria commercial da provincia tambera
sta' um douco atrazada e para isso nao pouca-
rlrcumstancras tem concorrido inMfzmente. As-
sim o poaco desenvolvimiento da agricultura, as
difflculdade* de cominonicaoao, a hita de um por-
to sobre o Ocano, por onde se faca o commercio
directo e final neote a ausencia qaasi ab-oluu de
numerario sao outras lautas cabras do atra/o des-
ee importante ramo da indostrii plaatlvnse. D
cada urna d'ellas tere de occopar me com vagar
e detalbadaraente era outras occ.a.-io-s; par ora
limito me a isso e voa passar a ontros assamptos.
Para nao deixar de dizer algoma coosa sobr
a potinca que i a prdem do dia de todo o Brasil e
O ponto mais agradar! ios litreS era gertl co-
mecare d'ahi e prlWclpMr>l do presidetrte. 'Aloda
nao o l e se o vi nao conheni-o id.
Coo>ta-me que muito despido dessas forma-
lidades, que a conditto >me fu dos gutros presi-
dentes : diZem-me'qo p'ssela irajdocomo part
colar sera ardenSoca, ajodante. de^)rdens;tc. etc.
e isto em oni'moco que principia bom indicio!
Descomi multo dos amitos amigos de brutalida-
des e sos amigo sincero de todo qoanto simples.
Drus permilta que nao mode, porqne com a
franqaeza rom qne elogio o tem rambem -vitupero
o mal. Ai hoja atada w nao proaoootoB em se*.
lino nenhum e afllraiam que nao pretende intervir
tas eleigSes.
E* o rase de dizer eoaso o atetelo Noncreio
nisi videro : mas espero e se cnmvrir esta promas-
sa que tem feito fique certo de que para elle s te-
ral elogios.
Reputei seapre illefsl toda ioterferencia oB-
eial as.eleicdM e-como um cancro este de nossa
ociedad., que se val tornando incuravel aeho
poaco toda o louvor que se der -a uro presidente
que neste Dlzem que a caapa do goveroo compos dos
Srs. Dr. Potydoro, Ufceliio Fjalbo e ttBMrS-wo-
tiel Lusloea.
i o prlmeiro liberal, mas i intelligente e pro-
raetteijor; o segando qaando pedia aos matulos os
.-ea votos dizia que embora ihe faltas um perga-1
tpinho, tioha d so&r* o es|udo de- gabinete que o'
Amanha reune-se o Institoto Archeolgico e
Geographico Peroambucano em sessao ordinaria.
Ksta abena a ioseripeo para os exames pre-
paratorios do Corso Commercial.
Coocloio-se hontem a reviso da lista geral
dos jurados.
Na villa da Escada existen) 39 casas de ne-
gocio a varejo, das quaes 5 de fazeodas, 4 de di-
versos gneros, 19 tabernas, 2 de carne secca, 4
de assucar, 4 padarlas e 1 botica, todas pertencen
tes brasiteiros.
Na freguezia ha cera engenhos e dezasels enge-
nhocas, que fabricara assucar para o conscrao e
exportaco, tendo cada ura dos primeiros cerca de
860 bracas quadradas de rea.
A prodaccao, alm do assucar, compoe-se de al-
godo, caf, fumo, farinba de mandioca milho o
feijo.
Ha cerca de mil cabe,as de gado ovelhum e
1,800 do suino.
Durante o anno passado, fizerara-se, no te-
mo de logazeira, da comarca de Flores, t5 inven-
tarios e la parliihas, no valer de 12o:335*01,
abraogendo57 herdeiros maiores e 71 menores.
Lavr-ram-se 12 termos de tutella e 3 teatamen-
tos, est'S no val.r de 5:088*.
Co.oecarara hontem a fanecionar as aulas do
Gymoasio Provincial, no novo edificio, e as da Es-
cola Normal.
0> vapores fnncez tfnvarre e inglez Onetda,
cooduzram aquelle 155 pas.-ageiros para os portos
do sul do imperio, e este 67 para a Europa, sendo
ero cada umdelle-sfi desta provincia.
Segu h'ije para os portos do sul o vapor
Cruzeiro do Sul, timando a mala no correio as 3
horas da tarde.
O vapor Cruzeiro do Su/ irouxe dos portos do
norte 14:467*061 para a nossa praca, 4:92*000 e
32 para o? ortos do sul a entregar a particula-
res, e 8:517* da thesonraria de fazenda do Para
para o ili-.-uuro nacional.
Acha-se encalhada ao sul do Cabedullo, na
provincia da Parahyba, a barca franceza Marte, da
praga de Marselba, que vmha de Celte para Per-
nambuco, com um carrrgameolo de 300 pipas de
vinho e 100 toneladas de sal. O Sr. commandante
do Cruzeiro do Sul maodou a bordo offerecer seus
servieos, que uao foram acceilos por achar-se tra-
tando do salvamento o vapor Moleque. Segundo
nos informara nao ba probabilidades de salvar o Io ProPr' predominio, e a
uavio. qne se apoum.
A' bordo do Crazetro do Sul vierarn do nor-
te : 70 pracs para o exercito e 4 para a armada,
do Para; 15 para esta e 23 para aquelle, do Ma-
ranho, 61 para o priraeiro, da Para hyba ; e 6 para
a segunda, do Ceara.
Segundo participagao do delegado de Llmoei-
ro, derro-se all as segrales occorrencias :
No Io do mez passado, no logar Frenas, da fre-
guezia de Bom Jardim, Juo Baptista Pereira foi
brbaramente assassinado a' ccete por Manoel da
Malta Ribeiro e am escravo no pai deste, logrando
elles fugirem.
No da 7, no lugar Ribelra do Mel, da freguezia
do Limoeiro, Firramo da Rocha esbordoou a' Luix
Fraucisco de Cistro, cooseguindo futir' autori
dade.
No dia 9, no lugar Poco do Pao, da mesrea fre-
gnezia, Jo Antonio Penosa e Manoel Barbosa da
Silva deram dnas Tacadas era Juao da Rocha, sen-
do presos em flagrante.
No dia 17, no povuado Paltos, da fregnezia do
Bom Jardim, Joac J s Francisca do Nasciroeoto,
conhecldo por Joo Valente, desconheceudo os de-
veres sagrados de fllho, deu nm tiro de bacamarte
em seu pai Manoel Valentim do Espirito Santo, do
qual resoltoa a murle instantnea. O parricida foi
preso e esta' sendo processado.
No da 29, no lugar Pao do Ronco, da mesoia
freguezia, lodo urna patrulha de' guarda nacional
dissolver um ajuntamento, q .e corra all exi-tir,
foi assassinada a praga Pedro Jos da Silva por
Jos Pereira, que tendo se posto a correr, ao avis
lar a Torga, e sendo perseguido por Silva, assim
entendeu livrar-se dlle.
No da 1 do correte, no logar Mendes, da fre-
guezia de Liraoelro, suieldoa-te por estrangulaco
o escravo Luciano, de Francisco Manoel Caval-
Canta.
No dia 9, Mara RosaHna da Coneeico deu orna
facada no soldado de cavallaria, ^.mlnjjos Jos
Antonio, sendo presa em fligraote.
Parordem da delegada supra forara presos -:,
Francisco Antonio deUliveira, conhecldo por Fran-
cisco Slivei.a, como cmplice no assassmato de Jo i
s JoaquMn ac Lima, no lugar Cacbaby ; e a es-
crava Germana, como cmplice oo assassinato do
teoente-corooel Antonio Uathtus Raogel.
Nomeragio dos bilbetesda lotera 31 ofltero-
cido pelo tbesuureiro das loteras.para auxilio das
despezas da guerra.
Bilnetes ns. 2007 a 2011.
Do Sr.'director das ohrss pttblrea reclama-
mos medidas que teoham por flm -melhorar a es-
trada de Opnda. Sao Immeosos os baracoa que or-
nam, para gloria do respectivo conservador, aqaei
A moralidada no governo, e a liberdade as elei-
'.u--s populares sao os dous pelos sobre qae se mo-
ve toda a machioa constitucional.
Quando este principio se infrinje, o governo cons-
titucional degenera n'um so; hisroa, n'urna irona,
e o'uma irrun em quanto forma, e n'um mal
desfargado despotismo em quanto ao fondo.
E-.'ire nos a forma conserva anda vislumbres do
systema representativo. Na esencia, porro, a
dictadura do desfagamenlo, e o consulado vitalicio
do escndalo.
O ministerio actual
e seus agentes as provin-
cias j nao estudam pretextos, que corem a viola-
gao da le fundamental. Argnmentam com o qae
so tero pratirado ha tres annos no imperio.
Podemos dizer que no paiz nao existem hoje on-
tros conspiradores, que fagam tremer os clmentos
da raonarchia constitucional, se nao aqaelles qoe
eslo revolucionando sombra do manto imperial,
ajoelhados hypocntamente diante de throno, tra-
hmdo cora vilesa as ioteng5"S e vistas do impera-
dor, que nao pode em boa consencia qaerer o que
se esta fazendo I
Em vat de o glorificarem cora as boas praticas
do dogmapolitico, que o sagrou chefe supremo da
nago, esto Ihe vestindo a parpara irrisoria, e poo-
do Ihe as mos a canoa affrontosa da mageslade
irnica I Em vez de o resalvarem da odiosidade
de lantas injusligas e arbitrios, montera aos deveres
sacrosantos de ceoselbeiros leaes e responsaveis, e
desbaratan nos festias das ambigOes iodividuaes o
peculio de amor, de veoerago e de prestigio, que a
uagao esteve ajuotando tantos annos em redor do
tDrooo I
Faz pena ver esfolhar assim todas as esperangas
de ura paiz, que marchava lao prosperado no ca-
minho do adiaolamento e da civilisagao I
l)csen?anem se todos ; o, que perverte e arruina
as instituigSes nao s3o os combales, que Ihes dao
os seus mimigos ostensivos ; nao sao os clamores
phaoaiicos e frenticos, qae se levantara na praga
uublica ; sao os que as vio minando cora a ceguei-
ra dos Pohgnacs e como filtro, que avvenla os
Wolpoles. A ceeueira e a eorrupgao maiara os ins-
tinctos nobres de um paiz, e as suas mais robustas
instituices.
Cegos e corrompidos sao os horneas, qne, pro-
claraando todos os das o seo amor exclusivo as II-
berdades publicas, ahi esto a dar o mais triste
exemplo de am principio violado, de urna liberda
de offeudida, de ara direito sophismado, sempre
que preciso ageilar o decoro poltico as conve-
niencias da occasiao, e assegurar por lodos os meios
afluencia do grupo em
E' assim que, pelo descrdito trazido as instilui-
g5es pdos proprios poderes pblicos, as mesroas
iu-iiiuieods sd debilitam, a moral publica se cor-
rompe, a desconflaga saltea todos os espiritos, e o
e.vobmo poltico lavra, como poderosa t-pidemia,
desde as raals alias regidos da sociedade at con-
taminar as ultimas carnadas do povo I
Governar assim passar pjr cima de todos os
principios vener. ndos, arrastar o paiz s vora-
gens de um ocano de incertezas e agilacojs... Sao
os governos seios, que teroam serias as nag5es ;
eso es governos hypocritameote progressistas,
que fazem malor damoo que os poderes francamen-
te reaccionarlos ; por que desraoralisam em norae
das leja, tyraonisam em norae da liberdade, anar-
cliisam era nome da autoridade, e oppriraem os
subditos do mooarch t era nome deste, e por soa
urdem e vontade I
Eis-aqui o qaadro resumido, mas fiel, da presan-
te situagii do imperio I Eis-aqui o que nos tem
resultado do roa espirito reaccionario, que entrn
pelo bafejo da apostasia e da vaidade no corpo de
um dos amigos ebefes conservadores,e se nnoculou
em seguida n'algumas vocagdes avaoturosas do
partido liberal; sendo qae aesse collectivo trans-
viamento de todas as regras da honettidade e da
justiga se tem comraettido tao quanto basta para
dissolver e queb/ar todos os vincules da sociedade
brasileira I
*tttf|k>aVlMu*as do.Kogo. Entrn em exercico,V
MMtfa. -ao* a eloigao se ba de fazer como em
k to se consenlindo qoe enirem verraelhos
B* (nktaii,
, 8tp%Mpanholadas do Sancho, escudlro do Qol-
' *el*Ti Mas o caso qoe nio sabemos como oSr. Arau-
i'tkwsta de dividir o pio-tle-lo da estrada de
** to Fogo, que tem oroaieMi-io dezeaa de
preteninies. Como o hornero esta' podrosle se-
foh*r a %rra, tullo fara',.
A atBMa dos progressistas teroarea-se etira-
detrot: este o el dorado para onde eorrem os
aveniuwfros.
E' admiravel o modo convencido e seguro porqne
o Sr. Pirmino ch-gou a Gayas na assegurando que
a presidente dar' forca para t eleigo. Assegura
tambera que o Motenegro nao sera' demitudo.
proposito que ha oeste sentido, diz elle, revelarse
na demora qae val havendo.
E chega a urna demonstrago lgica irrespon li
vel. Lgico elle... lio profundo como era o
cholera- de 1853, segnndo dlzia em offlcios, qae
tanto diverliram o presidente Antonio Marcelino e
o sen secretario Chaves.
Se fosse possivel.a pablicagio desses offlcios, em
qae o Sr. Firmino, ora descobrindo a lgica do
cholera que cbamava profunda, ora descreveodo os
seus planos estratgicos, a tctica militar, as goar
das avangadas, os tiroteios etc. etc., todos so coo-
veaeeriam de que esse bomem nao e bem gente,
nao visionario, maniaco.
Mas como roosirou-se entendido nagyna militar,
f-lo a liga lenenle-corooel da guarda nacional,
postura em qae os attesiados dao boa safra...
Em sea terror de ento chegoa a ver urna ma-
nada de porcos, todos no perodo lgido, cholencos
em regra I E Isto publico u se.
Nessa quadra, elle e o Bioi, fizaram fallada. Este
correndo adiante do cholera, e acuelle vendo o cno-
lera manobrando lgica e militarmente contra os
porcos de calog I
Do Exm. Sr. Silveira Lobo, diz o Sr. Firmiao :
exceilf-nte I Da'-me ludo quanto pego.
O delegado Dr. Barros (nao entrou anda em ex
erciclo) fez soa rennio. Convidou todo o rauudo.
o qae dea em resaltado, ao todo, 8 pessas I Toda-
va diz-se era Nossa Senhora do O', que, havendo
polica, nao faz falla o povo. A eleigo ha de ser
da polica, to certo como 2 e 2 sao 4, se nao fo-
rera 22.
Dizia, antes de vr a esta eidade, o sr. Firramo
qoe por seu gosto o governo exterminara a oppo
sicao. Elle nio eotende de meias medidas. Se ihe
dessem medidas inleiras mostrara qae nada vjhe
a canalha de Goyanna.
Ora, Firroino chamando canalha ao povo que to
generosamente o acolbeu 11
Elle mesmo assim. Bem razo tem o experi-
mentado e astuto Dr. Flonpes ( a melhor cabega
da liga era Goyanna) quando diz: se eu nao esti-
vesse a dar sofreadas oo Firmioo, a cooie-lo na re-
dea, oas vetes que dispara, ja' estara todo perdi-
do; ura architecto de minas.
O hornera nao sabe seno dizer inconveniencia e
arrogar-se nm poder odioso, que ningoera sup-
porta.
Agora anda elle de paletot pardo, em cima de
nm cavallo magro, a correr todos os pontos da co-
marca. O radefeclivel chapo-jaca nao dispensa.
fc-is como eorrem as coasas em Goyanna. O no-
me do presidente esta' posto em circulago, como
amansador e auxiliador dos manejos e proraessas
He violencias.
Abusara sera duvida do norae do Exm. Sr. con-
selboiro Siveira Lobo. Veremos se os tactos viro
de accirdo cora este nosso juizo, ou em confirma-
gao do que diz o Sr. Firmino.
_ -. __--------------- pl ,,,,,,
r9ja\p0 ?' "*** cT*'r* Positiva essa decs- Barca Inglesahabella-dem
7m m i cp, d* oonyo. porqaa a' t Barca fransum*-Noi4m.
.!.J_f Pr_0,esU,D()J loe forgaremos ao mais Brjgae hoimodezPtritoeewai-
r- Bn,
Ja
silenc0> os "autow'toiu" abec'a cor"- Bnie a'r"gentln^t,Fa^'!2em <*a,,ue-
'nos servindo para isso senaorinue nacional -Kiv.rn-idero.
respoddencia; nao nos' servindo para leso sead
publico01**10* "offloiae8',lU8'se achara- no dorami
Toyaty, 29 de oovearo de t866.
rigue nacional-.'{
ache potingues
ucho hanovenanu' oacorttadem,
cena hollaodea-0< fredb iilmu.
^ozto prusslaoaCotJorflic-.ideB>.
aciowd-Jiwewx I Sontet Crur-dver-
_ eros.
Mt^jDglezWCAnsMeeja GtrmeU-ferro.
lffiCEBEl10IA!g REDAS INTERNAS
GERAiS.
rtenimento de 4 a 14 do correte 14:181*151
dem do dia 15...... ..... 961*610
15:142*761
Asna Fluida 4 Murray k Lao-
man.
As seohoras que eslo acostamadas
nsar pos rosto, fecbanJo os poros da peU-, privando
a evaporado da superOcie; obrariam com
juizo em por inteirameote de parte seme-
lhante ingrediente, substituindo em sea lu- Navios entrados no da 15.
g este puro Cosmtico floral; o qoal nio Por,os io norte-7 das e 4 horas e do ultimo por-
s perfuma a pile com urna fragrancia to!
fresca e t5o deleitavel como o respiro e
MOVIMEm DO PORTO
cheiro das flores meias abertas: mas sm;
tambem faz remover todas as maculas que'
desfeiara formosura das feicdes, dando aos
vasos superflciaes um aspecto saudavel e vi-
goroso, restitumdo s feic^s a primitiva cor!
robicunda e macia, dando-Ibes urna pura e'
linda transparencia e elasticidade. Tolas i
essas aguas adstringentes, pos e poma-'
das, etc., do dia, p5o fazem mais
lo 12 horas, vapor nacional Cruzeiro o Sui, de
1:117 toneladas, commandante Joaqoim de Pau-
la Guedes Alcoforado, eqoipagem 65, carga dif-
rereates gneros; a Antonio L. de O. Azevedo
o C
Ri0. de Janeiro-22 das, galera brasileira Vindelo:
de 591 toneladas, csplio Joaqoim Duane de
4zevedo, eqoipagem 15, carga 700 barricas e
6U0 sacros com farinha de trigo e oolros gene-
v rosJ Joaoai,r> Jo> Gongalves BeHro.
7 .'ro -33 d'as hialp io,M Woodhowse,
de lo toneladas, capno Eddy, eqoipagem 6,
carga dinVrentes mercadorlas: a Johnston Pater
a C
etc., do dia, p5o fazem mais do que!
arruinar a pelie e estragar a formosura con- Navios sahtdos no memo da.
laminando mais tarde ou mais cedo a pro- > 52-LZL t. 5S2S2 'orM Am,,ia> caPiIao
t j i vrancisco i. de Assis. em la-im
pna saude: emquanto que a tendencia des- Baha Pataeho
ta agua saudavel e aromtica, tnteiramen-
te opposta.
Quando mixturada em urna pouca d'agua
torna-se um excellente esquisito meio de la-
vagem, para os den tes e gengivas, dando
boca e ao paladar um delicioso gosto aro-
mtico.
(Em conseqtiencia das muitas imitacoes
nglez Lipuing, capitao Crmor,
carga parte de que trooxe de NewYoik.
EDITAES.
De ordem do Illm. Sr. iospector se faz pu-
blico qoe no da 16 do corrente ao mel dia, se-
ha de arrematar era hasta publica a porta desta
ir ai Axi que por am exisiem, recommenaamos as oaixa o 35 da marca JGD.com 432 duzas de ca-
pess>as que COiuprarem esta excelle .te agua, bos de chifre para caxirabos, viadas do Havre no
tenbam o cuidado de vvr e examinar que Dav, ^ancez Amelie, no valor de i* por duzia, e
os nomes de Murray e Lanman se acbem i?!Sdoa*da a0! gar.
COMARCA DO BREJO.
Temos noticias ditssa comarca, que referem o
estado de corapresso em que foi posta.
Alm das pessimas nomeagSes policiaes, que
para all forara Pitas, o recrutamento e agora a
vexago na design nacional e reraes-a de destacamentos para outras
comarcas, tem causado o maior susto pouula-
go.
O del gado Rogero acaba de recrutar um fi-
ltro de Eslevo de tal, o mesmo que deu queixa
do ex subdelegado garrafo, occasioaando-lhe a de
raisso por peita I Esia vinganga por de mals
torpe.
Assim nao ha vera' mais cidado qae se atreva a
denunciar venalidades de autoridade alguma.
Em Cimbres a designago na guarda nacin -1
tem sido um escndalo. Pragas, j' dispensadas de
ootra vez, pragas que dorara outras por si, foram
de novo designadas 1
Alm disto, 50 pragas da guarda nacional aca-
bao de ser tiradas oara Irera destacar em Inga-
zeira oa no Moxot. alais oulra forg de 25 pragas
est a' disposigo da po icia, para trazer presos
para esta cidal o que de proposito se tem dmo-
rado para as vesperas da eleigo, afim de nao vo!-
urera a teropo de volar I
Certas as autoridades da sua impopularidade,
das flleiras dos adversarios teem tirado todas essas
pragas de que tratamos.
Como se isto fosse pouco, o Sr. chefe de polica
acaba de por a' disposigo do delegsdo de Cimbres
2o araias de fogo, para assim poder elle armar os
seas cap ingas no dia da eleigo I
Tambera para Roolto foram mandadas 19 armas
a Mini.
A' visu destes fictos, chamamos a atteogio do
Exm. Sr. conselheiro Sdveira Libo para a cooiarca
ao Brejo. Com taes meios e preparativos nao pos-
sivel haver era sombra de liberdade elelteral na
provineia.
devidamerite inscriptos ^ob ca'1a envoltorio,
letrero, e at mesmo gravado no vi.dro das
proprias garrafas, e na fdlta dos mesmos,
claro e-it que toda a mais falsa e para
nada serve.
- A-.ha-se venda as pharmacias da A.
Caors e J. da C. Bravo 4 C.
A bera da moralldade comm-rcial desta eidade,
e adra de ver se por este meio a senbora policia
toma alguroa pr. videncia, rogamos a Vv. Ss. se
dignera de publicar o qae abano segu, do que se
hcar agradecido.
Franqueza commercial pelo melhodo Caslilho.
No da 12 do andante mez, pelas 4 horas da lar-
de, traositou livremeote pelas ras publicas desta
eidade dous carros puxados a bois, coodazindo
viote cinco graodes saccas di estopa larga,
cora o comprimento de 10 palmos, pouco mais ou
menos, cada um, cheios de algodo, e sabidos de
urna celebre lasca que existe no largo da assem-
blea, cora o nuui -s, de 4 vezes 4, coja apparencia
de negocio dar de comer a quera talvez nao tero
fome, e sim tao somente para haver occasio ooor-
tuoa para agenciaren) melhormente seus negocio-,
na qoal tem residencia, alera de outros, ara certo
subdito de S. H. C. que tem ura nome bera conhe-
cido de Sil..., o qual basUnte esperto e sabe
bem dos caoae; competentes para obter com faci-
lidide, e por mais ou nada, e sem maior escrpulo
a competente fazenda, para eocher os respectivos
saceos, principalmente teodo a certeza de os poder
transportar para um certo armazera dos que exis-
tem era certo lugar desta cidide, que tem um
caes, cujo nome tem parentesco immediato com
palma, e que perteneendo a ura certo senhor, cuj >
nome nao bom publicarse por ser de grande
fama era todo univ-rso, em razo das priraeiras
letras com que principia.
COMMERCIO.
la estrada; algomas das bombas nella existentes,
teem otxtradorso i descebarlo, estaUd'assrm et-'
postas a serm deterioradas pela passagem doii-
ouada de vhicolos ; em diversos lufeates os'talo-
des ostentara ara laxo de vegetagio, realmente tro-
pical, que nos faz suppdr que o conservador pre-
tende crear rapozas na mata qde nerta ati tomar
incremento, era oo'ras partes os mesmos'la ludes
apresentam desojoronaraentos qoe aftetam clara-
mente a Taifa de cordados na soa sondiflcagao
que snppomos esta Satti9t na eoosWfvago ; os
NOTICIAS DR tOTANFA.
Voltou o recruiaoor M mao. Est ameagador,
de ordaoaoga a porta, semore acompanhado por
ella na roa, e revolwer no cinto.
Embora suspenso o recrotameoto, coalinua o re-
cruudor em Goyanna I Da casa en que assiste
para a cadea ba movimento constante de presos :
sao recrotas do Montenegro, subdelegado de Croan,
gy, qoe ainda os faz, bomens casados e sen-
ios por ontros motivos.
Ete moviineuto osientaeio de poder.
A lioguagem do recroiador esta :
Vira observar qaem vota contra o governo, pa-
ra ajotar coritas depois da eleigo.
O Sr. Firmino procara guardas costas. Est de
mielligencia com o faccioora Jos Rufino do sequi-
lo de Silvio ', subdelegado de Goyaoninha. J duas
vezes foi a casa do mesmo Sr. Firramo com publi-
Cidade.
As caatellas desseSr. Firmrao exprimen) o terror
qne elle qaer incutir, cercando-se da malvados,
Nao que'elte seja valent&o, por qae em casos aper-
lados, flea da solapara a esinka..., como acohte-
ceo qoaodo, cbe'gdo bavia pooco das Ala^oas,
nospedado em casa do finado Maooel Paalmo, tes-
temuonou a pnsao do tetnrate-coronl Maranbio,
em Vesperas da eleigo.
O raoviraenio quenouve na roa, o toque de cor-
neta, o estrepito do arrastaote espadago de am
certo alfares Piro, flzeram no tremer, e mais al-
guma cousa..., gritando do fundo de ara qoarto
COII ABC A DO LIMOEIHO.
Nao erara sera fodameniu os receios qoe nos
irapressionavara, de que o apparato recrutador e
de tarca, i|ue se fazia na comarca do Limoeiro, ha-
via de degenerar era perseguigdes polticas e raeio
eletoral. Pactos recentes vierarn provar que nao
fomos visionarios.
O Sr. uiajor Brito Galvo, que diz, de boca cheia,
ter carta branca para fazer ludo quanto Ihe aprou-
vr, sem raais era meaos, acaba de recolber a' ca-
dea o cidado Vicente da Rocha Oveira, a pre-
texto de lomada de presos do poder da justiga,
prevaleceodo-se do facto de terem sido lomados
pelo povo alguns recrutas no lugarPedra-Ta-
pada.
No dia era qoe este facto se deu, Oliveira nao
sahio de sua casa, e at eslava doente, como pu-
blico e notorio.
Mas Oliveira conservador, e babil cabalista, o
que consume crime na actualidad.;, e por isto d-.ve
ver correr a eleigo da cadea I
Posto Oliveira a' disposigo do jniz municipal, ba I
mais de 15 das, at hoje nao se ihe insiaurou pro-
cesso, nem se Ibe den nota da colpa I
No dia 8 do corrente, qaando ja eslava suspenso
o reerntamento, foi preso para recruta Francisco
Pereira da Silva, nao obstaute ser casado I A soa
qualidade de votante conservador recommeodouo
a esta violencia dos recrotadores 1
O qne significara alternados desta ordem, seno
o plano de aterrar a popuiago e afugentar das ur-
nas os adversarios do goveroo T
Pedimos, pois, a attenco do Exm. Sr. c "ibeiro
Silveira Lobo para a comarca du Limoeiiv. A eres-
sao sob que se acna nao deve contrauar, se hones-
tas e Imparciaes sao as vistas da admlnistragaoem
relago a' eleico.
PRAgA DO RECIPE 15 DE JANEIRO
DE 1867.
As 3% horas da tarde.
(Hontem.)
Algodo do Rio Graude do Norte17* por arro-
ba posto a bordo.
(H>.)
Algodo.! sorte 13*300 15*300 por arroba.
Dito de Macei 2" sorte 15* por arroba posto a
boido.
Dito de ditorefugo 125500 por arroba poste a
bordo.
Descont de letras de 4 mazas 8 % o anno.
CambioSobre Londres 90 d/v 24 1|2 d. por 1*
Macedo,
Secretario.
Gia hlial do banco do Brasil em
"oraanibaco as l de Janeiro d
186'.
De ordem da directora se faz sciente aos se-
nhores accijnistas que o thesoureir esta' auton-
sido a pagar o 26 dividendo das aecSat desta ca-
xa a razo de 12*.
O guardallvros
Ignacio Nuoe> Crrela.
Alfandega de Pernambncn 14 de janeire de 1867
O 3* esoripturario,
Eutyclio Moodin Pestaea.
De ordm do Sr. inspector da alfandeg* se
faz publico qae, era viriude da portara da thesou-
raia ae fazenda n. 5 de 8 do corrente, precisa se
eonlr^tar o concert dos deas guindastes da ponte
desta repartigao constantes do orgamenlo qne sera
presente aos licitantes, os qoaes apreseotaram ao
mesmo senhor iospector as suas propostas em car-
ta fechada at e dia 18 deste mez.
Alfandega de Peroamboco, H de Janeiro de
1867.
O 3* escriptorario.
________________Eujychio ilondm Pestaa.
Perante a cmara municpiT desta cidadeTs-
tarao era praga nos das 16, 19 e 23 do correle
para seren arrematadas por quera por menos fizer,
nao s a obra do calgamento da estrada que condoz'
ao roatadouro publico, na largara de vinte e cinco
palmos, cujo calgamenlo ser feito de pedras irre-
gulares, se nao tambera a do muro de encost do
lado do na-cente da mesma estrada ; a primeira
obra oreada em 7:950*, e a secunda na de...........
4:656*960 rs. ; aquelles que pretenderen) arrema-
tar taes obras, pdem eeroparecr no pago munici-
pal nos das indicados munidos de fiadores que ga-
rantan) a rrematago, devendo seren apre-enia-
das as babilitagi-g tres diasanles n respectiva se-
cretaria, para sorem examinadas, onde enconiraro
os orgamotos das referidas obras para concertar.
Pago da cmara munio I do Recifo, 9 de Ja-
neiro de 1867.Gustavo .Ue do Rago, p. presi-
dente.Francisco Canuto da Boa-viagem, secre-
tarlo.
Secretaria do goveroo 15 de Janeiro de 1867.
Pela secretaria do governo se convida o Sr. Cae-
taoo Bessone de Assis Campos, a vir ou mandar
pagar no prazo de 10 das coolados de hoje, o por-
te do requerimeoto em qae pede ao govepno im-
perial a serventa vitalicia do offlcio de esorivo de
orphnos do termo te Pao d'Albo, sob pena de con-
siderarse, prejudicada a sua pretenco.
O secretario,
Dr, Francisco de Paula Sales.
DECLAR4C0ES.
Correspondencias
Srs. Redactores. Tenhara a boodade da dar pu-
bliodadeao protesto danobre ofBcialidade do bro
so batalbao 12* de infamara, que junto Ihes re-
mello ; e, prestando nm servieo ao ment, tambem I
muito obsequiarao ao seo revotado amigo e assir
oaote.
S.A.P.
mU BJTO DE PER-
N4HBUG0.
0 novo banco paga o se-
gundo dividendo de 4,4 0[0
da massa fallida de Joaquim
Jos Silveira.
Gaixa lial do Banco do Brasil en
Pernanbnco.
Tendo-se desencaminhado o recibo o, 167 de
cincoenla acg5s do Banco oo Brasil, localizada
nesta caita sob n. 4875 a 4924,, pertenceotes a
Sr. accionista Jos Seguodioo de Gomensoro, do
Rio de Janeiro, a directora faz publico a quem lo
teressar possa. que por intermedio do mesuro Ban-
co, se vai proceder a substiiuigo das acgftes cons-
tantes de dito recibo, pelas nova- aegoes que se es-
to distribmodo com os accionistas.
Recife, 11 de dexembro de 1866.
O guaroa Uvros, *
Ignacio Nuoas Corris.
Novo Bruce ne Pernam tinco.
O Novo Banco'faz o 17* dividendo de 5*
accao.
por
Ai, Sr. Paulino, assim coraegon a revorogo das1
Alagoas I Mande soltar o hornero, Sr. Paulino ,'
que'provocar^ o mesmo Han el Paulino dizer :
Nunca vi diabo'tio frodio...
Agora esta' tnbando perigos, e por isto, oj por
. na msBT^o ; o. ffcffem oVdadeie?S,o0ril '^^ *"'
nSdSd?Tlm SKuM idea,t,M ^'^einumo do S.lvino, f-lmandado por-se d
n.T^Lrr %. Enireanto as autoridades pediram forca para
Hn7rT?YBr0.iu?OL^lV~S:x,raolos d* Parte prender criminosos I
%r Mrnih $*Z?%}*2'.* | No di 12 declarou o delegado Bento RabeIJo que
Foi recolh.db i data S> ttetetflo! no dia 14 do la mandar bu,car ente eofororf. tl et do sequi
cotraute I In il Im,
* orden do subdelegado do Becife, Antonio
ALFANDEGA.
Rendimento de 1 a 14 do correte
Idezn do da 15.................
MOVfMENTO DA
ALFANDEGA.
48
412
Velamos
sabidos com uzeadas...
t gneros....
Joaquim da Silva, por desobediencia.
O chefe da Ia secgo
i. G. de Uesquta.
to de Luil David,
O subdelegado Manoel Gongalves qae dizianio
sea mafs poltico, boje s servir! ao governo, se
me pagar adiantado > ja' prometi fazer e aconte-
cer, por que Ihe esu' promelllda a factura da ea-
0 42' batalhe de ufaotaria do xer-
cito en caspa'hi mi paragu-y.
T-ndo ehegaio at nos o contexto de ama cor-
respondencia, publicada em um do peridicos das
Alagdas, e transcripta no Diario de Pernambuco YoldBes entrados com fazndas..
cootra o batalbao 12* de lofantrla a qoe afaaamo-] t t gneros___
nos de perteaeer; em satisfagan to somente ao paiz
e nao pelo desej i de entreter polmicas com en ad-
tores dessa injuriosa corresp ndencia cujo principal
flm tisuar a reputacao e gloria de que este bala
Iho tem sabido cobr r- e, e fater reverter a som-
bra de'sa gloria e looros a favor de outro que__
por suas enfermtdades ou alguma oulra cousa.....
no corresponda cotn a sua bravura ao renlo
que alguem delle formava no combate de ti de se-
sembr por dignidade propria e cora eon cien-
cia plena de qae os offlciaes e pragas deste bata-
inao procuram sempre cnmprlr sea duplo dever
de soldado e brasileiro; desaBaraos alto e bom
SOB a qrjem qaer qae seja aator oa autores I Barca poriugetaGra/irfopedras.
dessa desprezlvel ealamoiaa publicar era qual-[Brlgae Inglez-PmTc.rvo.
qaer dos Jornaes da corte os noraes dos offlciaes do Logar inglezCatedoniadem,
batalhao 12 de infamara, que fugiram do campo Barca inglezaCharl Wooddem,
da batalba, oa mostraran! modo e cobarda. Barca inglesaGlen Telliem.
382:4$?Jft88
35:8214626
418:174*514
460
173
465
------638
Descarregaro hoje 16 do corrate.
Rrigae InglezHHty Maru mercadorias.
Brigae ingLzMennu H H idero.
Hiate americano leosie A Woodhouuitm
Patachi inglerElectrahacalhso.
Paiacno inglez-ffarftoiig GracebacaIbao.
Patacho InglezMary Belldem.
Palhabote portogaez-t7/a -diversos
Brlgae portaguez-fTonnrfa-idem.
gneros.
A lllma. junta administrativa da Santa Casa
de Misericordia do Recife recebe propostas para
arrendarnento das casas abalxd declaradas, as
qoaes achando-se arruinadas, sero arrendadas
pelos pregos mdicos a quem se quizer incumbir
de concertadas :
Estabeleciraentos de caridade.
.la Di relia n. 33.
Ra da Moeda n. 37.
Ra do Pharol n. 72.
Ra dos Cealbos n. 91.
Becco do Abreu n. 2.
Patrimonio dos orphos.'
Ra do Burgos n. 19.
Ra da Cacimba n. 19.
Ra do A-norim n. 2^.
Os pretendentes para melhores esclareciroeotos
poderlo dirigir se secretaria.
Secretaria da Saota Casa de Misericordia do Re-
cife, 20 de dezembro de 1866.
O escrivo interino
_____________Pedro Rodrigues de Souza.
Sania Casa da Misericordia d Recife.
Tendo de Qndar-se em 30 de junho do correle
anno o arrendarnento do sitio da ilha do Nogueira,
propriedade da Saota Casa de Misericordia, a
lllma. junta administrativa manda fazer pnblioo a
quem convier, para que com antecedencia ovio
exarainar. aflm de apresentarem suas propostas
qae sers recebldas nesta secretaria, onde s da-
rao todos os esclarecimentos precisos aos interes-
sados.
Secretaria da Santa Vas de Misericordia do Re-
cite, II de Janeiro de 1867.
O eserivo interino.
_____________Pedro Rodrgaos de Sonza.
Saata casa la MIsertcordla alo
Rrcife.
O Illm. Sr. tbesoureiro interino da Santa Casa
de Misericordia do Recife, capttao Vicente de Pau-
la Oliveira Villas-boas, no dia 22 do corrente (ter-
ga-feiraj. Pe'as 10 horas da maoha, no salo da
casa do- Ezpostos, fara' paramento das roeosaii-
dades vencidas tt dezembro Bodo, as amas aue
se apresentarem com as criangas qae Ibes foram
confiadas.
Secretaria da Santa Cas, de
Recife 15 de Janeiro de 1867.
O escriv) iolerino
_____________Pedro-Rodrigues de Souza.
Santa Casa da Misericordia
do Recife.
A lllma. jauta administrativa da Santa Casa
Misericordia do Recife manda fazer publico qoe
ao da 17 do crrante pelas 4 boas da tarde na sala
lesaas sesudos, tero e ir a praga a renda das ca-
sas aaaixo mencionadas para serem arrematados
por aluguel pelo lempo de am a tres annos.
Os pretendentes deveio apreseolar carta de Ban-
ca ou serem acompannados de seus fiadores ao
com cartas dos mesones.
fislabeleeinentt* <4e caridade.
Ra da Cadea do Becife.
Sobrade de dous andares n. 57 ,
Roa dos Pescadores.
Lasa terrea a. 11......
Ra da Gloria.'
Usa terrea n. 55......
aadoCalaboee.'' '
Um terrea a. 20 f .
Patrinunie de t
fijara a R*0Gadfi.
i>aDraao de doas andares o. 67.
Madre de Dena.
Gasa terrea 94........
., Raa de Pitar.
Casa tarrea n. 9*. .
SWodo Foraoda Cala. .
Secretaria da Saota Jasa da Miserieerdta
Recife 11 de Janeiro de 18S6.
O escrivo iolerino,
* Pedro Rodrigues de Soma.
v ,
Misericordia do
1:200*000
216*000
144*000
192*000
P
1:100*000
168fOOQ
16811000
150*000
O
-v '
m
I
'(



'
*- <.-., 1...- -.
__


' -
Diarlo de Pe

<



- turca felra fe de *aoelro V fStJT.
Correio geral
ailagao das cartas seguras violas da norte pelo
vapor Crawl o do Sul. paca os senhores abal-
lo declarados
Antonio Manoel de Soma Oliveira, BarSo da
,^a ,*Q'ck) BQt0 rt* Ly'' Df. /os An-
J*2 '!{UlMr*1, J*4 Birbosa de Aodrade Por-
a. Mala & Laodf lino. Manoel Peretra Laroego.
Oorreio gerai.
Pela admii>iraci5> do correio dasta oldade se
Taz publico qae hoje (18) as 3 boras da tarde fe-
cbar-se-hao as malas que o vapor (Cruzeiro tan
de cm luzir para os portis do snl.
As eartas serio admetiidas a seguro al as 1
ooras, a os joraaes serio recebidos al mel da.
Para o Ra Cr.in.do o Snl.
Sepile eco poneos das o brigue p>rtugoez Rio
Vouga, para resto da carca que Irte fon* trata-s*
cora os sess eonsigaaUrlo< Antonio Luu de Otiv*-
ra Aievedoi C, oo seu esenptorio ra da ra*
n .1 ou com o capito na praca.
LSOSS.
IKIf,A*>
TUE4TR0
DE
S. ISABEL
EMPIlE^-CftlMBRA.
O espectculo que de va ier lugar hoje qoarta-
feira 16 Qc transferido para quarU letra 33 do
crrante em h-ro-ficio do
HOSPITAL PORTUGZ
cujo divertlmentj oferecido pelo emprezario do
mesmo Iheairo Antonio Jos Duarle Coimbra e o
artista Julio dosSaoto Pereira.
O procrarama do espectculo sera anunciado
com antecedencia.
AVISOS MARTIMOS
Anla ir, Mogn Vranceza
de Geograpbta c His-
toria.
de PtalloaoidMa:
de Rhotorieae roe tica
Jos Soares d'Azevedo, professor de lin-
goae lit eraiora nacional no Gjmaasio Pro-
vincial do Recite, tem aberto em sua casi,
roaBellan 37, um curo especial de cada
j urna das disciplinas acidia mencionadas. As
! pessoas que se desejarem preparar em si-
i milhaotes materias paca os. exames de Mar-
[co, ou as que" quizereon seguir o curso do
anno lect yo poder diri|iir-se residencia
9 horas, de
tarde a qualqoer ora.
?
O ageote Marlios fara leilo a reqoerimeoto do indicada, de manhaa at s
administradores da massa lallida de Joaqun da
Silva Boa-vista e por mandado do Illm. Sr. t)r.
juiz do commereio das dividas activas de dita mas-
sa na importancia de 5:85l!f33.
HOJE.
No armazem da ra do Imperador o. 18, as 11
roras, onde podem os preteadentes examinar a re-
lagao das dividas.
Leilo
De drogas e joias.
Qurta-feira 16 de Janeiro a I da tarde em
ponto.
O agente Pinto levara a leilo pela terceira vai
jis joias e drogas perlencentes a massa fallida de
Denrker cY Barroso, e existentes no armazem da
CO.VPAXIII.l BRASILEIRA
DE
PAQUETES AVAPOR
Dos porios di snl esperado
al o di* 22 do crreme um do;
vapores da compaohia, o qual de-
pois da demora do coslume se-
_ gira' para os porios do norte.
Desde ja reeebera-se passageiros, e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir,a qual dever ser
embarcada no dia da sua chegada; encommendase
dinheiro a frete at o dia da sabida as 2 horas da
tarde. Previne se aos Srs. passageiros qoe as
passageas s se receben, na agencia rna a Cruz
n. i, escriptori de Antonio Luiz de Oliveira Are-
vedo A C.
MAME HOTEL CENTRAL
8UA tllfil DO K0S.4HI0 IITI ISTMEIT4 DO ROSARIO
N. 37 N. 4 A
ENTRADA GERAL ENTRADA PARTICULAR
PROPIETARIO,
FRANCISCO GARRIDO.
M0M4.
Ha qnartose salas
Prepjrad is com asseio,
Para aquellas que vierem
A Veneza de passeie.
Tem comrnodos excellentes
Para solteiros e casados,
A' todos se prodigallsar
Os mais sinceros cuidados.
Eecontra-se para lunch
Fiambre a qnalqner hora,
Tamben recebe asignantes
De comida para fra.
Aeooselha.se aa taaraatho Timhoasso', ao par
Sil? dB1,er;iUem P0;" ""dir "'ila em
rTfZ deIer". se dexe de intrigas misera-
UduS TT?" 'amtat Robrtr a bestia-
na > ..V l *"". nfhilldada de sua pes-
soa, a epheuicndade de suj
na ai osphera social.
O engenheiro porque sabe
appariQao meteoriea
rJ\ *,h1?,Bti -aiBmoaSr do*
ccrdoia de Bacho.
Precisa-seda
e nao le-
cynico sa-
nm
aos esooo^ooo
Crre t-rcn-feira 22.
Acham-se tenda'na respectiva thesou-
raria, ra do Crespn. 15, os bilhetes
meios e quartos da 31* parte da lotera a
beneficio das familias dos voluntarios da
patria (3a) sendo a extracc5e no lugar e
bora do eos tu me.
Os premios da 6:000,5000 at 10,5000 se-
. calxeiro com pratica d
n!P, : 1 !* '5 'i"05 de , mguez : no pateo do Terco n. 141.
-Preeisa.se de nma aro para ca de ponea
d^Tia *'ar D* r* da Cricordla n- P"
mm\.
roa da Cruz n^6, servm-:o de base os precosob
tidos no segundo leil.io, a l bora da tarde do da rao pagos urna hora depois da extraccao at
cima dito no referido armuera onde haver an-' as 3 horas da tarde, e OS outros depois da
terlermeote leilo de miudezas, louca e oatros ob-
jetos.
LTOo
Sa eoatlauaco
De mindeas, ietfuaras, baca
vidras*
SOJE
Quarta-feira 16 de Janeiro as 10 horas,
na ra da Cruz n. 62. ,
O ageajt Pinto continuar*'as 10 horas do dia
acuna dito o> leilo da^ mercad iras perlencentes a
massa fallida e Deokjr & Birr so, e exisieates
no armateiB da rn* da Crur n. 2, isW a reque
rimeoto dos coradorea tscaes e depositario da di-
la massa e por mandado do Dr. juiz especial do
commereio.
COMPANHIA PERXAMBGANA
DE
Navegaca* cosleira par vapar,
PARA
Penedo e Aracaju* por escalas.
S-iliin nodia 16 as $ horas da
tarde o vapor Parahyba, cora-
mandante Mel o. Recebe carga
at o dia 15 ; passageiros, encom
meodas e dinheiro a frete at a,s
3 horas do da 16 : eseriptorto oo Pone do Matos
n. I.
De
i i; ao
dtias escravas.
Para o ir teaty
segue uestes dias o palbabote nacional Emilia :
pira carga trata se coro o c >nsigntlrio Jos de Sa
Leilo Jnior, na roa da Madre de Dos.
CMPlMiA BR4SILEIT
DE
PAQUETES A VAPOR,
Dos portos do norte esperada
at o dia 16 do corrente o vapor
Cruzeiro do Sul, commandante
Aicoforado, o qual depois da de-
morado costume seguir' para os
portos do sul.
Dsde ja reeebem-se passagniros a engaja-se a
arga que o vaoer poder coodozir a qu ti devora
ser embarcada no diado sua cbAgada; eicom-
meadas e dinheiro a frete at o dia da sabida as
2 hiras: agencia roa rfa Cruz n. 1, escrlptorio de
Antonio Lalz de Oliveira Aze.vedo 4 fi-
Para o Ri~Grade do Su!.
O veleiro palaeh) Sol, pretende seaulr coro roui-
ta revidade, tem parte de seu carregameoto prom-
lo, para o resto que Iba falla trata se cora os seu*
consignatarios Amonio Luis de Oliveira Azevedo $
C, no seo escriptorio ra da Cruz n. 1 ou cora o
capilo na pra^a.
Para o Rio Grande do Sul.
O veleiro e bem cooh*eido briguenacional Ame-
ha, pretende seguir coro rauita brevidade, tem
parte dj seu carregani-rau engajado para o resto
que Ihe fall trata-se coro os seus consignatarios
Antonio Luiz de Oitvaira A'.evedo & G., no seu
escriptorio ra da Cruz n. 1.
PVdsTgJ7
Srgue com a malor brevidade o muito veleiio
patacho Jorgence para carea qoe Ibe falta e pas-
sageiros para os quaes tem bons comrnodos tra-
ta-se cora o seu cun-ignatano Joo do Reg Lima
a ra do Apollo o. 4.
Para a forM
Por ja' se acbar cora a rnaior parte do seo
carregamento engajado, pretende sahir com toda a
brevidade, a veleirae mu conhecid* barba porto-
gueze Claudma : para o resto da carga e passa-
geiros, para osjjuaes ha ricos comrnodos, tratase
a roa da Madre de Deas o 3, ou com o capito
oa praca.
Para o Itli de Janeiro
Pretenda segor c >m rauita brevidade a veleira
e bero coahecilt barca Rio de Janeiro, tem parte
de seu earregam roto prora.it i, para o resto qoe
Ihe falta oeseravos a friie para os quai tem ex-
cellentes cimroodos trata-se cora os seus eoosig-
oatarios Aotoni i Luiz de Oliveira Azevedo & C.
oo seu escriptorio ra da Craz o. 1.
^^ra>jraE]
Q.arta-feir.i ao lueiu dia.
O agente Pinto levara' novrnoste a reifito a re-
qnerlmento do tutor do ro-narPVaocisco, fllho da
finada Josepfca Tertiihast la AnoaociaM At-
meida, e por despacha dt> fiim Sr. Dr. juiz de or-
phis, as duas e eravas de nornes Vicencia e Pru-
dencia, perlencentes aa ue>uw orphao, ao raeki dia
do da 16 do co/rente no arroazem da roa da Cruz
n. 62.
distribuigo das listas
As encommendas seo guardadas smen-
te at a noite da vespera da extracto.
O tbesoureiro,
____Antonio Jos Rodrigues de Sou^.
Publicado juridicaT"
Prelecpdes de Direito Internacional e de
Diplomacia com applicacao e refermeia de
seus principios as leis particulares, con-
vengdes, e aos tratados do Brasil efe 1866
pelo Dr. Antonie de Vasconcelos Mene-
COIjLEGIO 114 COtEHl6
. Ra da Madre de Dos n. 36
cez s ii7Dh,Sa a d0 eo,.reB'> abrir ** a' alas de instrnc5o primaria, lalim, ia%.
ESSSfoE^M*&^lmmllm* *******Ua% asegunda pelo Sr.
nht,,f, Urrl0^e Vasconcellos, a terceira pe. Sr. Dr Jorge l)c
Jorge Dornellas R. Pessoa, e a
-..seo i Panli Penoa, senda as de geometra, ohilosephia, geo-
rhetorica abrtas logo que esleja raalrieulaJo um numero suf&Venle '
nHirua palo Sr. Dr. Franci
\ e rheh-
dantes.
de estu-
IWUD ii\(A DE RESIDENCIA
ftiUggfiD 01 Sffifrj) WiM.
Amigo qtie contas i/
Por sette lingo s qoe tens,
T'.mboassu' te acons>-Iba
Que conles meos viotens.
E tVio andar-s de mascara
N-is i.-mp.-.s que vio correndb ;
Larga as peonas dos pavSes
Mostra teu e^rpinho horrendo.
De mais te cotibeee a gente
DVsta cidade e sen termo,
T os mol'qnes ja griiara
Qoe s vezes selte estafermo.
Sos campos da honra alheia
Nao busques adiar migalbis,
Vai viver entre tens socios
Nos valles que nulrero gralhas.
K cooselho mut piudeM
Que le da Timboassu',
De meleres la na Olinda
O nariz em aJguui....
.

TAT'
61-Palacete da cc de Apollo-6 >
director do colegio de Santo Amaro faz publico a
quera pissa loieressar, que transferio tito
a admiltir alumnos-
iAnSc|alaSrhCr,e:,aiS em dil" CdUeii) s0 as "*' : iartraedo elementar, lingua lat
nstr .meni.ii! ,'.'!.! POe"Ca' dd*raP,li* e ***>*, geometra, phllosophla, desenlio, n
ina, fran-
musica vo-
KILAO
^^ 1AVW ^\^V^
*a ,3Sut,tri',r^ *" francezat muito aas de cores flxas, matisadas e miodinhas a
VaseoBceosT "' *** co^<*os ra do Crespo n. 13, de Antonio Crrela de
lite ama taa raaa* ma Direil i u. i ,
Quinta-feira 17 do ctOWite.
O agente Pestaa le>liueut- aiuborisado fara'
leiiao por cout e risco d- (| i " maco, gaz, geueios a man WenciWos existentes
na taberna sit* aa rna Dteeit* e. 30, .propria para
qualquer prlaclpiante por ter poneos fundos e
bem afreguezada a qual sera' veodha em lotes no
da acuna mencionado as II horas da mauha na
mesma ta&eana, o balauco ach-se em rao do
agente.
De ana escrava qnitu teira e casi-
ohi'.ii'a.
Amaahaa J7do corrente as II horas.
No armazem a ra da Cadea du Recife n. 29.
Para Lisboa.
Segu em poucos dias o brigue portoguez Co*s-
-ante II, por ter prompto quasi todo seu carrega-
m..rot., para o reblante, e passageiros; trata-se com
Oliveira Pilhos & C, largo do Corpo Santi n. 19,
ou com o capito na praca.
Para Lisboa
LE I SLA*
DE
1 rico aqoeiro de prata com 1653 oitavas.
1 paliteiro de diio.
1 reloglo de ouro patente suisso.
1 burra de ferro.
Cerdelro iines
por conta e risco de quero pert-rocer fara' leilo
dos objectos cima mencionados, ao correr do
ma-tello,
Amanha 17 do cirrenteas II horas.
No armazera ayua da Cileia dj Recie n. 29.
LBILUr
De um piano de armario, I cama franceza de
amareilo, 1 tear de aroarello. 3 c-adeiras de balaa
co de amarillo, 4 bercos de amarillo. 1 eoomoda
de amarelio. 1 dita de angico, 2 marqoe/.as d
amareilo, 1 mesa de louro, 1 unta r-oronda, 1
guarda roupa, 1 guarda louga, 1 cadeira de meni-
no para jantar, laurina de i caos, I santuario
de massa osado, 1 par de CooOlos, I candelabro
de p de vidro, lo francos ou garraohas para es-
pintos, lo caadi-iros a gaZ, 4u paliteiros de por-
celana, l oeoio de alcaoc-, 4 garrafas para vinho
4jarro> e bacas de p>rc lana, 6 relogios de pare-
pe, 6 apparelhos de metal, 7 bules de dito, 33 jar-
ros e badas de f ilha, 1 pistola, 1 rewjlvers de 6
tiros, 1 silbao um todos os arrelos.
A'^aha 17 do c^rw.ie as 1 hars.
No armazera a ra da Cadej do Recife
por Int-rvenco lo agente Cora-lro Sim8-s.
COldade de DireitO do Re&fo etO 2 VOl in lnIerDs se.miioteroos e externos.
8o brocb. por lOiOOO pagos entrega docette
pnmejri vakuae, que COOstituir a primei- cal e instrumental e dansa.
a ftSU^* w ., cha Jaf!?,7 d, arre4nta ?81 tera' lugar a aberlara da aala elementar, cuja matricula desde ja'
A oltma dellas acompanhar um epilogo acha"seaber,a e as das demais aulas de 15 por diante. muu uuo *
das disposioes da legislacjh patria relati- # o director,
vas ao direitos e deveres do estrangeiro no J-F- Ribeiro d Souza.
Brasil, bem como aos do Brasileiro fora do
Imperio;
Assigna-se as lojas de livros das ras do I
Crespo n. i e 9; do imperador n. 13 ; da
Cruzn. 52 na de encadsrnaco do caes de'
-21 de Novembro juoto a typographia do'
Jornal do Recife ; nos escrioJorios das ty-j
pngraphias du Diario 4e Pernambuco a ra
das Cruzasn. 44, e do Correio do Recife
roa di Imperador n. 79 e oa Ioja da ra
da Imperatriz csqnioa da ra da Aurora n.
n. 2, Ioja du lonja.
Dauisd* publicaclo da primeira obra
nsetto mais aAniltidas assignatuias e
mbas eil^s serH>vendidas por mnor preco.
Steie%lA d Ar'iAlas Rer-hainces e
Lil^ra-s de HaraaBiiiac).
De ordeai do lilai. Sr. direcio* se faz publico
que se acharo abenas as matrwHlas das aulas des
ta sociedad-, a sao convidados ao s os seohores
socios como tarabea toda e qualaoe.- pessoa que
qn-lra beber as materias ana aqu se ensinam,
mxime os mcuorusadJHuLLii tfMe'naj se pode-
remraatrtenlar nasaujis pahficas} e os que pre-
tenderena dinjaro se a roa Dfreta n. 7
Secretarla da Siciedade dos Artistas 12 de Ja-
neiro de 1867.O secretarlo interno
__________ BaitUa limos.
Autuni. Jj.> *>s Ki:t U>. scKs-cie ao rsspe
tavel putico com espeeiAltUade aa corpo do com-
mereio, que deu soetedade em sua Ioja de lazendas
a seu caaeiro Adoiphn Manrues dos Santos, lieau-
do a gyrar a (Irma desde o f te Janeiro do cor-;
rente ange Antonio Jos das ReN & (',.
Precisase de-nova ama quealrta eozinbar,
para casa de rapaz solMiro : na rea a Ca^fia do '
Recife n. B.
Uma >enhora llma que sabe dirliTosr-:
vifo de urna casa era ludo, offerece-se para casa '
PARA EDUCACA'O DE MENINaS
estabeleeido na grande casa contigua
a igreja de JVossa Senhora
da Sdedade
l DIRIGIDO
PELAS IBMAHS DE SANTA DORO HE
SOB A PROTECCO DO
EXm, E RVM. SR. DR. VIGARI9 CAPITULAR DA DIOCESE.
CUSA DA FRTMA.
Aos 6:0900000.
A RLA DO CRESPO N. 23BCASAS ?!., rUME
Oabalzo.issignadovi'ndeo nos seus muito feli-
es bUbetes garantidos da lotera que se acabou
de eitrahir a bmelicioda igrej de Nossa Senhora
aVn.:,'1a,uPe a. 1706 bilhele Ioteiro cora a surte de 6:000$.
N. 1243 ura meio cora a sorie de i:20ftj.
v fVJoas 'luarlll coai a sorte de 8u0*.
n. 10S8 ura quarto com a sorte de 2G0.S.
E ouiras moilas sortes de 100,8, 40A e 30J>.
Os possuidores podem vir receber seus respec-
tivos premios sera os descontos das leis oa casa
O Fortuna a' roa do Crespo n. 23.
Acharo-se a venda os da 31' parte da lotera
oas rairtlias dos voluntario* da patria (3) qoe se
extrahira' na lercafetri 22 do corr-roie.
Preco.
B'lhetes........ 6,5000
Meros............ 3*000
Quartos.......... IA500
pessoas que comprareis de MWjJOOe
para cima.
Mieles.......... 53300
Meios. .......... 27so
Quartos.......... t#37S
____ Manoel Mariins Fiuza.
Para
as
Criado
Precsa-se de um cri.do :
n. 12, I* andar.
na roa do Qu-imado
l'
ltH*
Franco s Mem, az ver ao respeitavel pokllco
qu muito breve vai expor om-rir-o lidiorama fin-
do ha p-neo lempo de Franca, contendo 24 vistas
e nada lera a desejar de melhor pele que recebeu
una colleccab de 5 o qoadros (da qual alguns
inda v^m em direcgo) sendo dos lugares mais
notavtis de diQerentdS nag5-s, assim como inte-
rioras de ricos templos, palacios e excellentes
quairosrtlieos, os qna iros de guerra, pracas
publicas as mais aotaveK e as v^ias do inferno
ludo isio ao natural, da qual o mesmo senhor fa-
ra publicar no haiia o da da abertura, esperan-
do a coocurrencia do respeilaM publico
ciador.
apre-
Precisa-se de '-abalhalores para padiria
na ra larga do Rosario n. 16.
dt- familia allema para semelhanie
a tratar na ra do Sebo n. 35.
oceupagao
mm
Antonio da Silva Ramos avisa a todas as pes-
soas com quem tem relaedes oorataereiats que o
Sr. Antooio Francisco Alves Ferreira-, djeizou de
ser seu caixeiro no dia 12 de Janeiro d> IB67.
Precisa se de un bi* eotinheir*. fofra ou
captiva : oa rna du Imperador n. 19, 'segundo
andar.
Nesle collegio, coja abertura naste anno tera' logar a
meoinas de 6 a 12 aooos p^ra ser.m educadas e instruidas
cessarias a u^ia senhora.
Havora' meninas internas, meio pensionistas e exter as.
As internas pagarlo 333 raensaes, as meio pensiouistas 154
sendo pobres. w'
Logo que o collegio contir uro numero TOcieOte de pensionistas, ira
gratuitamente para iuternas algumas meninas, pobres.
Para admisso de < lumnas e para quae*qner esclareciraentos Irata-s1
ora no mesmo estabelecimento a qualquer hora do dia.
21 do corrente, recebem-se
em todas as materias ne-
0 as externas 54, nao
adraittindo
com a supe
Precisa-se alugar um escravo para todo ser-
vico : oa ra Direlia o. 30, deposito.
i
n. 29,
Vai sahir com brevidade o brigoe portogaez So-
erano, capito Bugigaoga, recebe carga a frete,
trata se com E. R. Ribello, ra do Trapiche n. 44,
OU cora O capila 1.
Tara
Pretende seguir cora brevidade para Indicado
pon 1 o Vildir-i nn^u' n-c-iua nacional Graciosa
cada o Silva Ralis; para a pooca carga qae Ibe
falta trata-se cora o respeslivo consignatario Anto-
nio de Almeida Gomes; a roa da Craz n. 23, !
aodar.
Leilo
Oa palhafcot- nac .nal Pftraanboeaaa.
Sabbado 19 de correle.
O agente Pestaua legalmeaie auionsado far lei-
lo por conia e risco de quem periencw em nm
s lote do palhabote nacional Pernambucano,
de 250 toneladas, forado de metal novo, bem
eoc^vilhado e oregado a pao ferro e cobre, seo-
do a oa mastreago e masme ero boro esta-
do e prompto a navegir estando o inventario do
mesmo em mac do agenta qoe se promptinYa a
mostra-loaospreteodeot-s e o palnabote acna-se
prompto a ser examioado no ancoradonro da bar-
caca o leilo lera' lu^ar 00 dia act.na menciooa-
do as 12 horas da maoha 00 largo do Corpo San-
to Jnnto ao caf con,mercial.
Precisa-se de 3:000 soare hypotheca : a
quero convier annuncie a sua mc-Rrd para ser
procurado.
afeicqiie
Precisa se alugar ou raoleqite de tft 'annos de
idade, pouno mais ou meaos : oa coa dbiQueima-
don. 12. Io aodar.
Para o Sr. Dr. Manuel fhiarte du Paria resi-
deote oa villa da Escada, existem caru na rna
do Apollo n. 4.
Ama,
~
at Fugiodo abaixo asslgnado na noite do dia 19 donroxi-no pass do do su sitio deno-
J^aa Gen")aP rtesl9 ,erino. *a escravosde norae Antonio e Floren no. de 28 a 30 annos
C|J3 de idade pouco mais ou menos, cm os sienaes segaintes: o priraelro de c- preta nao muito
relilo, corpolento, de estatura regular, espadoas largas, barbado, olhos grandes e salientes,
e ae nm aspecto inste, e para raelnor ser conhecldo tem o dedo indicador de urna das maros
cortado pela junta do centro, (f articulado) e me consta que sabe ler e escrever, e o segn
do de cor cabra, ajto, magro, cabellos solios crespos, pao** baria, olhos grandes, tem ama
cicatriz no qoeixo, e muito fallante, urobem me consta que l e escreve.
Estes escravos nao teern signal nenhum de castigo, e sahinro b^ro vestidos e armados
fde espingarda e racao, monlidos a cavallo, coro nmes mudad js : o primero por Manoel
Jos dos Santos e o segando por Beoto Jos dos Santos
r^
Consta-me que estes escravos foram encontrado no da
o prim-tro
12 do corrente, distante do^
J
A abaixo assigoada directora do collegio Santa
rsula, previne aos pas de suas alumnas de que
os trabalhos do collegio a seu cargo tero princi-
pio 00 dia 3 de fevereiro vin.louro.
rsula Alexaodrina de Barros.
Na roa da Cadeia da Hecife n. 58, trocirn- e
sedulas das caixas e ba'ico do Brasil cura pequone
descont >.
- Aluga se urna casa em Beberibe : a tratar
com J. de M. Reg, ra do Trapiche o. 34.
mmm
Na padilla da ra Direia n. 8i prcisa-se de
um caixeiro habilitado e que d dador a suaco n-
ducta,
AVISOS DIVERSOS
Ilha de S. Miguel.
Segu com rauita brevidade a barca portogaeza
Pararg, capillo Aogasto Borges Gabral: para o
resto da carga e passageiros trata se com o sen
coosiguaO.no Joao do Reg Lima a' roa do Apollo
o. 4.
Vai sabir com brevidade a u,uiio conhecida e
veleira barca
MARA
por ter parte do carregannuiro engajada, pan e
resto trata-se com os consignatarios Carvalho &
Wgaeira, na riu do Apollo a. 2&__________
Fara Lisboa
Pretende sahir oom a possive brevidade logre
portuguez Julio por isso. e que tesa qu,isi toda a
arga eogajada. R-cebe alguma carga e pansa
geiros para o qus traia-se cora os consignatarios
Thooiai. d-Aqalao Puneeea (C,ttrm lo Viga-
lo n. 19 andar. ,
nm
Pretende sahir ea poucos dias a muito veleira
-e aova barca
VB4UX CJNIA6
por ter parte da carga prompia para a que Ihe fil-
ia traia-sa com os conigoatarios Carvalho 4 No-
f el a sa roa do Apollo a. 20.
Instituto ArcheaUgica e Geagraahica
Permmbticaa Havera' sessSo ordinaria qumu-feira 17 do cor-
rete, pelas 11 horas da ronihaa.
OKDEM DU DIA.
Pareceres e mais trbalo.js de commissSes.
Disca^slo concernentd a' prxima, fesia do aa-
nlversano.
Secretana do Instituto, 14 de Janeiro de 1867.
J. Soares de Axeved ,
Secretario perp-tao.
Precls-1-se de uaa ha toen
que cate ni 1 de pl4 3t*pev para
tomar coala de oa sitia ai el-
dade de Olioli. p^efere-s a
queoa aio> tlrer f iiialiu : a tra-
tar aestta typo^rapbia.
Revista do latltoto Areaeolo-
Ico e i.eogrpulco Peraaaa*
haeaoo.
Sa-o a loz o a. 6 e acha se a venda, assim co-
mo os nunwos aotecedeales, oa livrarla Ecooo
mica, ao arco de Santo Antonio.
A Nmeros avulso 1*500
Precisa-se de urna ama qoe saiba cononar s*ra
casa de bom-m solleiro : na ra da Cadeia u, 53.
Offerece-se orna ama capaz para Jomar con
ta de ama casa de hornera solleiro, para cosiobar
e;coroprar: na roa da Senzala Velha n. 63.
Precisare aioda de a ugar ama ateteoa para
servigo iBterno : oa ra da Concordia casa sem
numero junto ao n. 57.
Precisa se de urna ama qae~salba~cosnhar
bm e sirva para ir as compras : oa ra da Im-
peratrlz o. 34, prim*in. andar.
Precisa-se
de urna ama para comprar para
pouca familia e tratar de um ramno de 2 annos :
a tratar oa rna da Palma n. .5, junto da eocheira
de carrogas do Sr. Antonia Kyllnador.
rio de S. Francisco t legoas, coro dastioo a povjacao, do Juaseiro da provincia da Baha.
V. Pego portaoto as autoridades policiaes que delles tiver conheclmento de os raindar captura
.-fe rete-los as prisi^s publicas, dando disto parte a> abaixo assiguado, oa aos seos ioteressa-
-r os, advertiodo mais que as autoridades eu particulares que os capturar, senao quiierem re
I te-Ios as prisffes publicas, deverSo remetter para Cixias ao Sr. Antonio Fernandos Guima
m raes, para o Maranhao aos Sr<. Ribeiro & H .yer e Jos Franc seo Lopes & d, e na Therezl- %.
w na capital do Piauhy ao Sr. teoenle coronel Pirmlno Alvos dos Santos. E para certeza do \
auqne, me obngopor toda a despera que as autoridades ou particulares fherem na captura e 5
Jgjremessa dos mesmos escravos, tendo mais de gratideagao I0)*00i), nos pontos |a Indicados, i
on em otro qualquer onde chegue ao connecimento do abiixo assignado, on dos sens inte- '
ressado.
Genipapo, lerroo da cidade de Caxias, 26 de dezembro de 1866. J
Antonio Per-ira Marinbo. '
m
Sacca-se sobre Lisboa. Porto e ilba de
S. Miguel: na ra do pollo n. 20.
Aluga-se nma preta escrava que seja fiel
para oservigo de urna nasa de familia, e que sai
quem liver auouucie ou din-
/tifenco.
Deposito de pilo e cestas
Ra larga do Rosario n. 36.
Fructuoso Manas Gomes nao noereodo faltar
ao compromiso de apr sentar o seo e.itabeleci-1
meoto seropre sonido com as mais modernas obras Nao escapara os coqneiros de Igaarass. o Sr.
[ de palha de vine fsitas na Europa, acaba de re- ieneule Lapa recruloa um soldad de polica qne
ceber um novo soriuneoto de bercoi para crian- 'ervia de seu cantarada crlme borreodo mon-
eas, barcinhos para borneas, balaios de meninos.lir Dn cavada do Sr. Lapa sera o seu previo con-
1 aprender a aodar, dito grossos para costuras, di- sentimento.
n a instan a pataca :! tos para facas e jiarfus, ja ros de depositar papel' commandante do coro nao teve sriencia, e
^gado nos escrlptorios, balaros grandes de depo- 1' o soldado remeltidoao Exro. Sr. presideote da
Precisa-sa de ama sma que saiba cozinhar : a
a tratar naruado Amorira n. 12, 2* andar.
Precisa-se de am ama paral todo o ser vico
de ama casa de pooca familia : oa ra do Hospi-
cio n. 62.
ba vend-r na roa
ja se a roa da C rocordia n. 3.

na rna Imperial n. 37.
Se alguem deseja possuir um retrato O *'ur r80pa,>ja. aaafatesooBdecs redundas, ees-
mais perfeit. possive de sua atnant aue a ia*para comJ>ras e 0aja diversas obras de re-
rianrArniA ,3n hoiia a r,.. qI T nafcs as**ore era vendidas por om terca
represte .30 bella e formosa como ella menos que em ou.ra qualquer parte Oh no*eos
ou se ugura a imaginato, venha tirata em freguexe* de Macelo a deootrqs logarajso roga-
Manoel do* S.oos Ferreira subdito de S.
M_. FHlelHgaa, retira-ye para Pq tngal.
Wer weisz wo Bartet den dost hoT?
Casa para alagar
Aluga-se o terceiro andar do predio da ruad
Cadeia do Recife n. 29, com comrnodos para gran-
de familia, tendo soto sobre sotao a mirante, o
com magnifica vista : a tratar com Cordeiro Sl-
m5es ao armazem do mesmo predio.
poro-lana, que ha de produzir o mais dese-
jado effrtito possive tanto qiianto se pode es-
perar em perfeicio de qualquer systema
actu dmente c nhecklo.
Os retratjst .s americanos ra Nova n
B2\Uram retratos em oorcelan por pre*
fos redurdos para os dias de testa.
Palineira & Be'tr2o, em liqiiafSo. fa-
zem sciente aa resp-itavel publico e com es-
pecialidad* ao corpo do eotatuercio, que a
onica pessoa aut risada para proceder a
coDranca do activo da referida firma o Sr.
Jos Antonio Alvos Bastos. Recife 8 de Ja-
neiro de 1867.
^______________Palnwra A Beltrgo.
Caaa ao Hoaitelro '
Aloea-sa ama casa na povoaco do afonteiro
com bous commodoa, aeeiada e banhoa, nos, (na-
dos : a tratar aa roa do Crespo a. 33.
, Alo*M t* s > andar da cata a. da rna
estrena do Rosario, confronte a offlciaa do Sr. Ota-
rio : a tratar oa roa do Queimado a I.
dos a eoviar-nos suas ordeas para em lempo po-
derem ser bem servidos aos sortimentos que qui-
xerem.
Contina ausente desd o dia 23 de agosto
de 1866 o mulatinho Raymando, de 15 annos de
idade poneo mal 00 meaos, corpo regular, ps
paqueaos, cabellos castaoboa, dent-a alvo6 e oer-
fetos, com o dedo prximo ao pollegar cicatrizado
de sorte que nem Ibe resta a unha : roga se as au-
toridades policiaes e capites da campo a sua
appreheasle peio-ajae- recebrrSo paga generosa em
easa de seo senher na roa do Imperador o. 32.
Pogio de bordo>d pal*ai*e Principe, o es-
cravo Baziiiv, fiio desta provincia, da tii annos
pouco mais oa meaos, estatura regular e barbado :
qnem o aprehender que ira leva-,o a casa do con-
signatario Joj Francisco da Silva Novaes traves-
,sa da Madre de Daos o. 5, que sera' gratificado.
Precisa-sa da ama ama de leite oo
Mondego en asa: da Sr.* viuva Luiz Gomes
Ferreira oa a Poate de C/choa casa de
Loiz de Morsas Gotaes Ferreira
provincia, nao impon : quaro, posso e mando
sou Lapa e basta.
O Admirador.
Festa de
Amaro das
% Hend .
>.
Furtarara do engenho Bom-Fim, freguezia da
Essad', tres cavail ts. senl 1 oro ruco, castrado,
bastaute gordo e grande, bom andador Mo, tem
os denles quebrados e ferrado; outro ruco pe-
drez rom piolas vt-rnavlnas, tambera c-irado,
bem grande e um tanto descamado, nao tem an-
dares, po-ado e tero bailantes sarnas pelas cos-
tas ; outro caslanho tirando amareilo com uros
estrella peqoen* na test* e intwiro, tm nma iis-
;tra preta por cima da anca, os dentes inteiros,
bom andador baixt, e e.-ta' com ameaga de saa-
gue : rogase, portanto, a qualquer pessoa que os
encontrar apprehende-los e levarera-nos ao refe-
rido engeoho ou ne-ta praga a feu correspondente
J i> J laqulin da Suva a> largo do Ca mu, que se-
ra' recompensada com a quantia de 50.
HaJinas.
Precisa- aa de soa aaa do itin : na roa das
Trioslulraa 0.17.
A commtsso eocarregada da fest de into
Amaro qoe se venera na capella das Salinas avisa
aos deis desolos do milagreso Srato que aa di 7
de fevereiro prosima futuro se levanta a haodeira.
do seu padroeiro e era sagslmento as ooveuas uo
da 17 a fusta do mesmo Santo Padre o program
ma opportanamente se aoounciarl.
JMML
DAS
^ I AMILilS.
Publiesco llustrada, recreativa, artstica ele.
Acoropaohado de msicas, modelos para bordados,
8gnnaos de modas etc., ele.
Recebem-se asslgnatura na IIvraria Econmica
defroote do arco de Sao'o Astenia.
Ataga-se o segundo andar sotio da
casa d. 35 a ra do imperador, assim como
o armazem o. 26 ao caes ti de Novembro :
a tratar com Luiz de Moraes Gomes Fer-
reira.
IHeiicao
D Senhorinha Germana do Esoirito Santo con-
vida as pescas que Ihe tem comprado ierras ds
seo sitio oo lugar d'Agua Fria a comparecer*
aflat de se passrem o'Mulo* respectivos, deveodo
nessa occasiao preeneber o restante do prego esti-
pulad" aguedles qoe anda o nao Ozerara.
s
Atteucjlo
Precisase d> lima ara> que saiha bem
i. cOMObar e fa;er compras para pouca fa
Emilia : na ra di Cadeia- do Recife n.
38, primeirs andar.
jasT-W '"MR 3RflfcjB( Jwj^ w 'M &
Precisa se de nma ama de leite : a tratar as
ra da Praia a. 43.
ama r? i he ira.
' Precisa se de urna ama forra ou captiva para
cozinhar : na Ioja da roa do Crespo a. 17.


Na roa do Hospicio a. 48' precisa-se de um
criado.___________________I
O ZIMEIHO
Alaga-se nm preto cv.loheiro :
larga do Rvario o. 3i, 1 andar.
a tratar oa roa
'asaaBasBBBBBSBi
^


"U*""-*--
M|MM --'----:
M.ti* He 5*-.raa_ae loara Teta-a 1* *s*Mtelr* de I8t7.


Joaquim Jos Goncalves
Beltrao
(4 RA DO TRiriGHE M. 17 i ASfliR)
Sacca por todos os paquetes sobre o Janeo
do Mioho em Braga, a sobre os seguida* -Soga-
es, em Portugal.
A saber:
Lisboa.
Porto.
Valenga.
Gui roa raes.
Coioibra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde.
Arcos de Val de Vez.
Viaaaa do Caslello.
Poote do Lima.
ViUa Real. .
Villa-Nova de Famellcao.
Lamego.
Lagos.
___ Covllbia.________________________
Precisa-se alugar ara eserav ireferindo-se
de familia : a tratar oa roa do Trapiche a. 44, se-
gando andar____________________________
Precisa-se de urna ama de meia idade para
casa de poaea familia : na ra da Peo-a n. 23 i*
andej.
SEGUROS
MARTIMOS
CONTRA FOGO.
A companhia Indemnisadora, estableci-
da nesta praca, toma segaros martimos so-
ore navios e seas carregamentos, e contra
fogo em edificios, mercadorias e mobilias:
na ra do Vigario n. 4, pavimento terreo.
Notas de Banco do Brasil.
Trocam-se na ra do Corredor do Bispo ultima
cas do qoarleiro novo, com portao de grade de
ierro.

Ato ra do Trapich n 16.
acharase os seauintes depsitos
De K. Bruuiughauseiu Naits.
Boorgogoe.
Viubo Pommard tinto.
Cortn tinto.
> Santo Georges tinto.
Chambertin tinto.
Rlchebonrgtintu.
> Clos de Vougeottin o.
Chablis branco.
De S. A. Woef em Fraaefort:
Rbono.
Geisenbeimer.
Lkbfraomilch.
Marcobruouer. ____________________
Em casa de Tbeod Christiansen, ra do Tra
piche-novo n. 16, nico agente no norte do Brasil
de lirandenburg frres, Bordeaux, encontra-se ea
lectivamente deposito dos artigos seguiutes:
.S(. JalieD.
St. Pierre.
Lira*.
Cbateau Loville.
Chateau Marga ux.
Grand vin Chateau Lafitte 1858.
Chateau Latine.
Haut Santernes.
Chatean Santernes. :.-5J
Cbateau Lataur Manche.
Cbateau Yquem.
Cognac em tres qualldades.
Azeitedoce. Presos de Bordeaux.
J. FERREIR VILLELA
Phragrapho da Augusta Casa Imperial do Brasil
18, Ra do Cabugt 1 8,
Sobrado, entrada pelo Pateo* la Matriz.
Em nenhuma das photograph'ras desta cidade se fazem retratos mais perfeitos
do que s que se executam nesta oficina pbotograpbica.
Pede-se a confrontaco e analyse entre os nossos trabamos e os melhores que
se fazem nesta cidade.
Nao ha photographia algcma desta cidade, qoe como este eslabelecimento
pbotographico possua um tao vanado, escolbido e abundante sortimento de caixinbas,
quadros, molduras pretas e deliradas e passe-par-touts.
Para serem collocados os retratos chamados cardes de visita ha doze difieren-
tes modelos de cartoes mimosamente hthographados e dourados, em carto bris'ol e em
cartao porcelana, os quaes sem alter;5o de precos, eslo a escolha das pessoas qae se
retratarem.
Continuadamente se recebe ca Europa remessas de ludo quanto diz respeito a
photographia/e ainda o mez passado pelo vapor Guienne. e este mez pelo b-igue Belm
receberam-se de Franca quatro grandes caixoes com orna bella variedade de artefactos
productos chimicos e material para photographia.
No mesmo estabelecimento vendem-? e:
Todos os productos chimicos geralmente usados em photographia e garante-se
o estado de pureza dos mesmes;
Machioas pbotographicas, envetas de porcelana de diflerentes tamanhos e vi
dros para tirarem-se retratos;
Urna grande variedade de lindas e interessantes vistas transparentes para
stereocopos, e stereoscopos de madeira envernisada com lentes prismticas que se ven-
dem a 12;>OU0 cada um com urna duzia de vistas transparentes
Tambera vende-se por 5050.0 um apparelho compl.to para fazerem-se peque-
as vistas ou retratos. *Ao mesmo acompanham as explicaces precisas para seu uso.
Qualquer pessoa pode fazer vistas ou retratos com esse apparelho.
A officina e galera estao abertas todos os das e a todas as horas.

FABRIC
ou
ORNAMENTOS DE IGREJA DE




J. BliUlff
Vestimenteire e bordador de Paris.
23 RA DO IMPERADOR 93


L!0UIUj\O
Mdame illocheao Buessard retiraodo-se para
a Fianza araba com a sua luja de midas da ra
da Imperairiz n. 1._______
Madame Millocheau irado de sahir nu (im de
{vereiro convida s senhoras snas freguezas a
api v,. lar i'-.-f> poneos, das de liquidag para
vir comprar o bom e haraio, particularmente em
bicos verdadeiros. renda?, bordados, fitas, trancas,
floras, mitide7a. laques, pent^s, espartilhos de se-
uh >ra > menina-', e munos arligos de modas.
Precisa-se de urna ,araa para o servico de
orna so pessoa e pagase bem : na ra da Cruz n.
16, segundo andar.
Na roa do Bom Jezus das Grkralas d. 23, la-
va-so e eogomma-se com perfeigao e por prego
Commodo.
Quero precisar de urna ama paa cosinbar e
eiigommar, dinja-se a ra da Lapa n. i.
Defreote da igreja de S. Francisco,
Concurrencia impossivel
justificada pela suppresso de intermediarios, pela compra directa das materias primas, pela exe
cugo dos tr; t sitios as i fficinas da casa e pelo diminoto lucro com que se satisfaz.
Animado pelos importantes negocios qoe faz com grande parle do mundo catnolico da Earcpa
resolveu o annunciante eslahelerer filiaes da casa oe Paris em diversos paizes longinquos que
offerecem vaotagens, e veio inaugurar o primelro estabelecimento nesta cidade, sem din-ida urna
das mais adiantadas e comroerciane da America do Sul, e que por isso mesmo necesslta d'um
estabelecimento qae nada deize a desojar, qoer em relago as precisSes maferiaes e quer intel-
lectuaes.
Os Srs. sacerdotes e demis pessoas, que se dignaren) visitar o estabelecimento, abi acbario
sempre urna grande variedade de todos os objectos para lereja e para o clero.
OURIVESARIA PARA IGREJA.
Novos modelos de custodias e de vasos sagrados.
ALFAIAS DA IDADE MEDIA, A' LUJZ 13.
Os precos variam segundo o tamanho, o peso e a forma.
TAPEARIAS E ARMACES PARA IGREJA.
Fornece toda a qua!idade de armacoes, por pregos mdicos, vontade do freguez ; tendo
sempre nma pessoa no eslabelecimeoto para Ir tomar as medidas necessarias para completa satis-
fagan da encommenda.
NUVAS UMBELLAS PRIVILEGIADAS.
Estas umbellas de molas, adoptadas per S. S. Pi IX. tera por sua perfeicao, novidade
e riqueza a dupla vantagem de cbrir iuteiramente o Santissimo Sacramento e o padre, sem diffl-
cnltir o andar.
ECULPTURAS EM MARFIM E EM OSSO.
Imagens de Chrlstos, caldeirinhas, cruzes, quadros e todos os objectos devotos.
Objectos em argila, simples e prateados.

Feitor.
Precisarte de um fetlor para sitio que emenda
de j irdim : na ra da Cruz n. i8.
\MA
P
Prerisa-se de urna ama que saiba Isvar e en-
gomraar: na ra do Trapiche n. 36, segundo
andar.
Existe para ser arrumado um menino dos
ltimos chegados : na ana do Rangel n. 49.
Precisa se de um bom cozinbeiro: na roa
nova de Sania Rita n. SI.
1
Grande hiznazem de tin-
tas medieamentos etc.
do Imperador n. 22.
m
s
i Productos cbimicos e pharma-
SS ceuticos os mais empregados em
Mt medicina.
Tintas para todo o genero de pin-
I tora e para tinturaria.
Productos indostriaes e tintas
91 para flores, como botoes de flores
ffi e modelos ea gesso para imitar
ajf fructas e passaros com o compe-
| tente desenho.
Productos chimicos mdustriaes
Wt ipara photograptua, liulararia, pin-
JK t*ra, pyrotecnia etc.
21 Montado em graode escaia e sup-
m\ prido directamente de Parts, Lon-
; dres, Hamburgo, Aovers e Lisboa
[ pode offerecer productos de plena
i confiase^ e satisfazer qualquer en-
^ commeoda a grosso trato e a reta-
albo e por preep commodo.
mmm mwm-mmmm^mm
Sa.e! Power Johnston Cespu-ia
Ra da SeozalaNova n. 42.
Aaumcik da
Fandl^itf d Lew Moer.
Machinas a vapor de 4 e 6 cava los.
Moendas e meias moda para engeaho.
Taias de ferro coado oatidopara enge-
nfco.
Todas as informa^des sero mioistradas gratis, acerca dos ornatos de igreja.
Cocceder-se-ha facilidade para os pagamentos.
Eis o cMhalogo do que tem a venda :
De damasco, bordado em relevo. Corporaes de cambraia fina.
dem idem, muito rico.
VE'OS PARA'EXPOSICAO.
De tecldo de Lyao.
De chamalote'de prata com em-
blemas em relevo.
De dilo itito. muito linos.
VEOS DE SAGRARIOS
De lodos os pregos.
BANDE1RAS.
Da Saola Tufaiicia.
De contrarias de Nossa Senbor.
Parochlaes, qualquer que seja a
mvcacao.
Guioes com emblemas em relevo.
A collecao varia de 35J000
3:000$000.
PALLIOS.
Em vi'ludo e.-ttad as quatro
ponas e no forro.
De tecidd de Lyo, com oo'o
De dito de prala e de ouro lus-
troso.
De dito dito, com quatro emble-
mas bordados em relevo.
Muito ricos, inleiramen'e bor
dados em relevo rom coro Gao.
PANNOS MORTUARIOS. 379
De la. 433
De veludo ioglez preto verda- 487
deiro jSil
De damasco dobrado de brocado. fioO
Estes pannos tem di us metros de 812
ICASLAS.
Diarias, de veludo, de crina e d
i-'al,. lustroso.
De damasco cem cruz de ouro e
leda,
De damasco dobrado, cem diver
sos bordados em relevo na
cruz.
De tecido de praia ou de curo,
dem com diversos bordados em
relevo na cruz,
dem idem multo ricas.
De veludo de seda com cruz de
ouro uno em relevo.
De cbamalote de seda bordado.
Golhicas e da idade media.
A cor da casula nao inQue no
preco.
CAPAS.
De veludo estofado.
De damasco.
De tecido de prata e de ouro.
dem com emblemas em relevo
e ricas franjas na murga.
De veludo da seda.
De tecido de prata e de ouro Gno.
DALMTICAS.
O mesmo prego das casulis.
ESTOLAS PASrORAES.
De velndo estofado.
De dito de deas faces.
De damasco.
De dito de duas faces.
De tecido de prala ou de onro.
Idem dem, con emblemas em
relevo, franjas e bordados de
torcal.
dem idem em Tetero moito ri-
cas.
De tecido de onro e de prata fioo.
De bamalote bordado de seda,
com doas faces.
VE'OS DE HOMBROS.
Se teeido de Lyo.
De dito dobrado, de ouro fino.
Toalbas para communho e alta-
res
Guarnieres de rendas para alvas.
Ditas para toalbas de altar, aos
metros.
Toda a qnalidade da rouia ga-
rantida e perfeitamenle ejecu-
tada.
DIVERSOS -OBJECTOS.
Bolsas para tirar esrcol. s.
Cordoes unos para alvas.
c para meninos do coro.
Voltas, s'dnzias.
Cinius e cioluroes.
Sacras de altar, em carlao.
Ditas em quadros.
Marcas para miseaes, com seis
pernas, em cbamalote.
Flores arliGuaes, o ramo.
Rstfos e todos os demais objec-
tos de igrma.
BRONZES DE IGREJA.
Caslicaes para altares, prateados,
de novos modelos :
325 milmetros (12 pollegadas).
(14 ).
(16
(18
(0
t

c
c
largura e tres de comprlmeoto.
BOUPAS DE IGREJA.
Alvas de panno de linbo fino.
< de cambraia fina.
i de panno de linho, para
meamos do coro.
guarnecidas de reodas toas.
de bl, de rices de-
sen hos.
Roquetes en panno de linbo sem
mangas.
com ditas.
Amiclos.
Toalbas e saoguinhos.
(24
(30
JOIAS
N,2D W N. 2 R *
PF** CORACAO DE OURO. ^fe
A lojnn. 2 D intitulada Coracao de Ouro na rna do Cabng,acba-se d'o'ra em diante offerecen-
do ao respeitavel publico com especialldade as pessoas que bonram a moda os objectos do ultimo gos-
to (a Paris) p-r meaos SO por cento do qne em ootra qualquer parte, garanlindo-se a qualidade e a so-
lidez das obras.
O respeitavel publico avahando o desojo que deve ter o propietario de um novo estabelecimen-
to qne qoer progresso em sen negocio deve chegar imrrediaiamente ao coracao de onro a comprar
aoeis com peifeitos (aniantes, esmeraldas, rubins e perola ; verdadeiras et? agarras, modernas pek
diminoto preco de 104, brincos moderaos de ouro e coral para menina pelo prego de 3,5, maracas de
prata com cabos onro) voltas de ouro com a competente crusinha ricamente e'nfeilada pelo pequeo prego de I2JL brin
eos de um trabalho perfeito por um mdico prego, cassoletas, tranealins, polceiras, alnetes para re
tratos e outros modelos iodo de alio goste, aneis proprios para butar cabello e firma, dito para casa
ment, no rtico roseta tem o Coragao de Ouro um completo e bem variado sortimento de diversos
gostos, buides para punhos com diamante, rubins e esmeraldas, obra esta importante ja' pelo sea va-
lor ja' por goslo ds desenho, brincos a forma da delicada maoslnha de moga com piogente conteudo es-
meraldas, rubins, brilbantes, perolas, o gosto -sublime, a lmete para grvala no mesmo gosto, relo-
gios para senhora rrvados de pedras preciosas, ditos para hornero, diversas obras de brllhantes de
aiuito gosto, erosionas de rubins, esmeraldas, perolas e brilbantes, aneis com letras, cacoletas de
crystal e ouro descoberta para retrato (a ingleza) brincos de franja, ditos a imperatrize toda e qual-
quer joia, para secolocar retratos e obras de cabello, e outros muito-; objectos que os prelendentes en-
contrarao no CoragSo depuro que se conserva com toda a amabilidade aos concurrentes delzando-
se de aqnl mencionar precos de cortos objectos porque (desculpem a maneira de fallar) dizendo-se o
prego talvez alguem faca mo juno da obra, por ser to diminua quaolia a vista do sea valor.
Na mesma loja compra-se, troca-se ouro, prata e pedras preciosas, e tambem recebe se concer
tos, por menos do que em outra qualquer parte, e dao-se obras a amostra com penbor, conservando-se
e Coracao de Ouro aberto al as 8 horas i noile.
Qualquer pessoa que se dirigir ao Coragao de Ouro nao se podera' engaar com a casa, pois
nota se ua sua frente oro coragSo pendnrado pintado de amarello, alem de oulro que se nota em um
rotulo (isto se adverte em consequeocia de terem ja' algumas pessoas engaado com outra casa.
Cercas e gradeamentos de ferro para jardins, cercados para animaes, chiquei-
ros, de todas as grossuras e mudaveis.
Porteiras de difTerentes lamanhos para sitios, jardins, cercados, e-c.
Hi :'; wt n
vy,v.O1r::3:V
Xarope e pasta de Seiva
DO
Piuhelro ui?t'l(3io
DI
E. Li-^sse
PreparagSes mu preconisadas pelos cabios mdi-
cos de Pars, com as melhores al hoje diseobertas
para a cura certa de todas as molestias do peito,
bronchites agudos e enrmeos, asthma e ainda das
afleccoes das vias urinaria.".
DEPOSITO E*SPKCIAL
34Ra lirfa da Rosario34
Pharmacia de Hartholoineu dt C.
Anouncio
: O Dr. Carolino Francisco de Lima Sao- _|
m tos. modoo se para a rna do Imperador Wt
mt 0. 73, segando andar, onde c nlinua so 5
WS exercicio de sua profissao de mfdico. flf
hbm m x mmmmmm
Trocam-se
as notas das caias filiaes do basco do Brasif; na
praga da Independencia n. 82._______________
Fundido da Aurora
A mais antlga desta provincia e com tedas as
perfeigdes em seos machinismos, cerece a seus
numerosos fregoezes por razoaveis pregos suas
manufacturas, bem como qoe tem nm bom pessoai
para com rapidez fazer qoalqner concert ou ebra
nova.
Calcado
Iranees
Roa Nt>
7.
?a
sfe^
Brlaqnedo
alleaiies
Una Nova
o. 9.
Este estabelecimento recebe constantemente pe-
os vapores fraBcez boticas para homens, senderas
o meninas, lovas de pelica de Jonvn brancas, pre-
tas e de outrasdifferentes cores, briners de ouro
bom de iei com tnfeites de crystal, ni Un. a moda
de Pars, caizinhas de costura com msica, vistas
sellas p:ra quadros, eitractos, banbas, bengala.%
chicotes, espelhos, qnadros, molduras, esleriotcopo
com graode sortimento das mais pittosescas vistas,
realejos, accordions, lindas bonecas, rarrinhos'.
cabriolis para condozir criangas, cavallinhos de
andar por molas para meninos mentar e ootros
mullos ob eclos fraeeezes que esto ezpostos a vis-
ta dos compradores; na loja do vapor rna Nova
n. 7.
Oonfeitaria dos ananazes
Raada Crnz ib. 16.
Ha diariamente presuntos superior, dito
emfiambre.__________'
AJoga-se o 2 andar do sobrado p. 38 da ra
do Imperador e tambera nma sala cen dous quar-
tos no primeiro andar, propria para escriptorio : a
tratar no mesmo sobrado.
Manoel dos Santos Ferrelra Guiroares scien-
lifica ao respeitavel poblico que de hoje em dlante-
deua de usar o apellido Goimarese as.-dgmr-se ba
nicamente.
___________Manoel dos Santos Ferreira.
, Precisa-se de urna ama para engommar ?
forra ou eserav, na rna do Hospicio n. II.
COMPRAS
Uompi'am-sc escravos
Silvino Gnilherme de Barros, compra, vende >
troca eflectivamenie escravos de ambos os sezos
ede todas as idades : a' ra do Imperador n. 79,.
erceiro andar.
Ouro e prata
Km obra? velbas : compra-se na praga da Id
d pendencio n. 22. loja de bilbetes.
Compram-se libras sterliuas: na praga da
ndependencia n. 22.
Cruzes de altar, correspondentes
aos castigaes, o par.
Thnribulos e navetas prateadas.
Caldeirinhas com bysoppe idem.
Custodias ditas e douradas.
Lastres ditos e correles fortes
para os mesos.
Cruzes para proeissao, cora ralos
dius.
Varas, alabardas para suissos
eadas para porteirot.
Estes objectos todos sao em co-
bre e nao em outeriaes de
composrfcao.
Guardas pars arvores, plantas e ou'ros objectos da ferro que se vendem por
preco mdico, no armazem de Tasso Irma^s na praca do Caes de Apollo ao pe da ponte
provisoria.
Compra-se ouro, prata e pedras preciosas ero
obras vi-inas : na rna da Cadea do Recife loja
de ourives no arco da Concelgo.
Lompra-se na ra da Cadeia do Recife n-
38, ouro amoadado de todas as qualidades.
Negrinba.
Na pad3ria da ra Direiia n. 84 se dir' quero
compra urna negrinha com 5 annos de idaoe.
Na padaria da roa Direitai. 8V8e dFa"
quem compr.i urna escrava preta ou muala, reco
Ihida, que saiba engommar e coser com perfeigao..
Comprase garrafas e botijas vazias nTiua
das Cruzes n. 42.
A oommisso administrativa das obras da
igreja matriz o S.-J .s, comp a 100 c.aibros de
qualidade de 40 palmos de comprimento e de
grossura reforgad?.
C'ropra-se urna escrava de 13 al; aono*
qoe saiba cosiohar e engommar que seja sem
victos e fiel, qoem ttver dtrija-se a roa da Guia
n. 7. _________________
Co upram-se os seguiutes
livros
Xa livraria eciDemi ad^froule d ar-
c- de Sa t AnloRi.
Historia, do Brasil, pelo' seguiutes autores: Ga-
briel Soares, Joid de Harm tigp, Varnhag m e
Damio de Goes.Niva Lusitania por Orto Frei-
re.Memorias aa eapiaoa di S: Vicente por Fre
G. da Madre de Dos.Anoaes da provincia do
Rio Graode do Sol, por Jjs P. Pintieir -M. mo-
rtal da Bahia, por Igoacio Accioli. ndice cUr -
nolouico dos fados mais notaveis da historia
do Brasil, pjr Agostioh) P. Malheiro*. Historia
da revolngao dj Brasil com pegas officiaes etc,
etc., por uro membro da cmara 1831 Memorias
dos successos polticos pelo vlsoohde de Oayi.
VENDAS
.
Aviso essencial para evitar qualquer erro ou mf.
Os Srs. compradores nao devem ignorar que o ouro nao pode ser fiado neot
tecido, e que por conseguinte os gales dos ornamentos chamados de ouro fino sao de
prata douratn, os d uro eio fino sao de metal dourado eos de euro falso sao de
cobredoorado, e como tal confundiros ttulos que se mes dea sempre, que sao mera- S?" u? pehQC,ooisUs',por w?o razoavei. Na
____, .___^_: f t -" -" dita aula tambera se enstnam as maierias seguin
mente commerciaes.
Agua mineral
ferrifiaosa, acidulada, gazoza e carbnica
DE
OHK//1
O aso d'agua de Oreza raui particularmente
recommendado peta escola de medicina de Paris,
para todas as afiVcges do tobo digestivo, iogorgita-
mento das vlceras abdominae<, e geralmente todas
as molestias provenientes de fraqaeza orgnica, ou
pobreza de saugue.
DEPOSITO ESPECIAL
34Ra larga do Rosario'i
Pharmacia de Bartholoatea dk C.
Hctkodo Castllbo.
Manoel Jds de Far a SimSes, prof-^sir pan '
colar de iBstruegio elemeotar. pelo melhodo Ca -
tilbo, avisa aos pas de seus alumnos e ao respe i
tavel publico que na dia 7 de Janeiro dp crreme
anno, estar sus aula aberla na ra da Prala n.
59, segundo andar, assim como recebe pencloni'-
Aos senkores padeiros.
B'geralmente. conhacida a utilldade no empre-
go das machioas, que tem por m aperfeigoar o
trabalho com a economa de bragos. Neste caso,
pois, esto as machinas para corlar bolacha, cuja
otilidade ja conhecida de alguns padeiros que
deltas fazem uzojior meio de maoivella, obtendo
o resollado mais satisfactorio e perfeilu.
Na padaria da ra Uireita n. 84, ha sempre de-
posito destas machioas com coriadeiras para todos
os (ananhos de bolachas aqui uzadas, e tambem
para aramias, e que por irem em directora e de
propria conta dos Estados Unidos, se vendem por
prego muito barato, cora o B.n de se iotrodozir tao
reconhecido melhoramento.
Os ornamentos que o annunciante tem i venda sao o de gales de ouro meio
linos, falsos ou de seda, s mandando vir oe de ouro fino por encommenda; e neohum
objecto ahede sea estabelecimento sem ser a^mpanhado d'uma factura ptor elle firma-
da, especificando a qnalidade do objecto, para poupar-se expUcacoes sempre incon-
venientes ao depois de realWada a venda.

Arreio de carro para om % don* cavallo,
Relogio* de ouro patente inglez,'
Arados americanos.
Hachinas para dacarocar algodo.
Motores para ditos.
Hacbinas di costura.
-
4TTEI\CS0
O abaizo assignada eorabra toda e qaalqaer
qaandade de algodioem caroco e assoear os inr
teres^adog dirijam-se ao povoaio de Trombetas
ao largo 4a feira na fabrica i vapor.
__________Aibncjoerque Silva.
- Precisa-s* de d"*s amas forras ou captivas,
nata qoe cozjnbe p, riciUnwnte,, a ouira a.ue en-
goBffie igualmente, para can de pemena fami-
lia : a tr-tar a'fM^ApdHo n, a'i.eeioo-loxn-
/dar.
Moleque
Precisa-se alagar um molea. e de II a tt an-
nr par* nervige n Criado que seja fiel e intelli -
gente, u ervieo ponco : quem tiver dirlja-se a
na Nova ii 19, 1' aodar.
Precisa sede ama a/na forra oa .escratraja-
ra servir era orna casa lie familia r a tratar na lo-
ja p. Vi da eiqoioa da roa ii MMM de Dos. -
tes : francez, lauro, geograpba e msica.
Dase dioheiro a joros : na ra da Coacor
das. S.
OS ISEI.4VEIS EN PEIMHBiro
11-cao de etilos viridicos
POR
VICTORIANO PALHARES.
Asfieaa-xe no eseriptono uesia typograpbia a
razo de laoOO o ezemplar.
___^______.________-______. j_____.____.________________________.*
Alua-se a parla da casa a. 9 da ra das
Auas Verdes : a tratar oa mesma. ,
O abaizo assignaao pede geralmente tos
seus davedores, taoto de coritas como da letras ja
vencidas qne veahara at o nra do mee saldarem
ceas dbitos, sofi p* de serem azecutadoe.
Tnomar de Pigueiredo.
O Dr. Francisco G inca l ves de Mora es modoo
na rostdencla para a raa Oireita ni 93, segando
Precisase de duas aoai"fosaS. se,udo ama -
para ozinbar e outra ptra serrfr' tn mMffiio : {andar, feacbne proapte par xarctf toa'pro
fia rjuSu Cruzes a.30,seguooVaadar. !Bssa#eacts.
Alugara-se
duas casas terreas, silas na Capunga, ra da Ven-
tara, junto ao porto da viuva Lasserre, de ns. 32 e
34, tendo cada urna cozioha tora, cacimba, estriba-
rla e quintal murado : a tratar na ra do Trapiche
n. 3.
Pedido ao commercio
0 abaizo asslgoado leudo deizado um livro de
recibos em urna das casas commerciaes onde com-
pra, nao tendo sido possivel acha-lo, pede enea
recldamente a pessoa que o acbou, e lem em se*
poder," se digne mndalo a ra larea do Rosario
a. .37, ou annuaciar a sua residencia por este
Otarte, que o abaizo assipnado, prorapto a satis-
fazer qualquer despeza relativo ao mesmo livro,
agradecer' sobre maneira a quem tiver a boo-
dadfl de o desetbrir. O livro tem sobre a capa
nm rotulo que indica o perieoce e a morada do
mesmo iofra.
Villa do Cabo, 3 da Janeiro de 1867.
Severtno Jos dos Santos Aguiar.
Aluga-se
um sitio e eMa em Santo Amaro estrada de Belm
n. o : a tratar ao mesmo sitio casa encarnada ou
na rna do Bmm n. 46.
Precisa-fe do om caiieiro para a tabeina da
ponte do Monteiro, de |S a 18 annos, com pralica:
quem pretender djrija.se a mum*.
Vendem-se no escriptorio deste DIARIO
160 rs.: ra das Cruzes n. 41.
Vende-se urna taberna na roa lmp-rir~eom
gneros ou a armagao s : quem pretender diri-
ja-so a taberna n. I4i.
Fio de algodo da Bahia
Vende-se no escriptjrio de Aotonbi Luiz de Oli-
veira Azevedo & C, no seo escriptorio ra da Cru*
n. 1.__________________
Vende-se urna venda em bom local na fre-
uesia de Santo Antonio, quera pretender dirija
ao largo ao Paraso u. i, que se dlrj quem ven le.
Vende-se nm escravj crioulo da~J0 annos de-
idad", sali e para servigo do campo : a tratar
nos Alfjgados ruadoMoiocoiorab a. i|.
Vende se lencos e toalhas de libynnto pro-
prias para bapttsado tudo muito nem acabido, na
ra da Cadeia do Recife n. 10.
Vende-se a taberna n. 93, sita na ra da
Cinco Pomas, moito prourM para vender para a
estrada de ferro, lem morada para familia : a tra-
tar na mesma.
Vende se nm hoi manso que tem trabalhadn
a tres para quatro annos em carro da aliaud-ga :
a pessoa que qnizer comprar, dirlja-se n buceo
dos Ferreiros, casa do sr. Bernardioo Pinto.
~MUnQho
Veode-sr nma cama francaza de amarello tola,
com moiii ponco oso, por commodo flrego : na roa'
da Iroperatrlz n 8i, primeiro andar.
~~I 'POR
Antonio Marajaes Redrlgnes
Obra reoommendada e approvada pelos Ezm.
arce bispo da Bahia e bispo do lrtnhao, e adopta-
da as escolas primarias do Amazonas, Par*, ||a-
ranbao, Piaohy, C-ar, Parahiba e Pernanbaeo;
5- ediegao com estampas e uitidaavaie impresso.
1 vol. carlonado. Prego IJL
Veade-se aa llvraria E-?oaomica de'fronle do ar-
co de Santo Antonu.
s
1



~~~



Diario d iem m meo pitara feira itt de fatielrO de
c io-i.



s

<
H
demedias do DrvJ. C. Ayer, ex-lenU
da liiversidad' de Pensylvania, noH
Estados-1 nidos.
Extracto coni|>os(o de salsa-par
Hltaa le Ayer.
Peitoral de eereja.
Remclio paraaezdea.
mala* catl.ar.lcas.
0 deposito ceatral para as provincias
Pernambaco, Alagoas, Parahyba e Rio.
Grande do Norte, des tes remedios tSo fa-
voravelmente conhecidos e acolhidns em
todas as partes da America do Sul e do
Norte, acha-seem casa de Theod ebria
tlaasen, 46 roa do Trapiche eat
Pernambuco.
Os precos de
335. por duzia de estrado de salsa-parrllba.
7<> por duzia de peitoral de eereja.
270 por duzia de remedio para sezoes.
16 por duzia de plalas catharticas
se entendem a dlnlieiro vista, coa.
o desconio de 5 por cento em qoantidadet
de 6 a .2 duzias, e. de ,0 por cento en.
quantidades superiores a i2 duzias.
RIVAL SE1 SEGUNDO
Ra do luelmado n. 4,1 o ja de
mludezas
DE
Jos Bigotiinno.
Continua a queiroar lado qaanto- tem em seo es-
labeleci ment.
Pares decpalo de tipete a 1*380.
Duzs de peonas de ago moito Anas a 60 rs.
Calas de linha do gai de 30 novellos a Oi rs.
Hem de lionas do gaz de 40 rs. o oovello a 700 rs.
dem de palitos de seguraoga a SO rs.
L-nc- s de cassa com>barra a ICO rs.
Duzia de facas e garitas de cabo preto a 3600.
M-isso de palitos lirado para dente-i a 120 e 160 rs.
Peas de ntremelos muilo Boas a 500, 600, 800 e
000.
Lutos das mlssas abreviadas a 1*500.
tirrrafHs de agua Florida verdudelra lO.'O.
Sanados do Porto de todis as largaras e lodos os
procos.
-Sylabarlos eom estampas para meninos a 320 rs.
"Memento da roapa de lavar a 100 rs.
Nov..s.cartithas para meninos a 160 rs.
Duzias de metas rauito Boas para senhora a 4*900.
Ditas braveas e croas para bomem a 3* e 308.
Agulhas rancezas a balo (papel) a 60 rs.
Pares de sapates de tranca e pete a 1500.
Pecas de fitas de la de todas as cores a 600 rs.
Grozas de bolees de porcelana prateados a 160 rs.
Caitas com alf neites trancezes a 80 rs.
Caixas de TOO envelopes rauito Onos a 600 rs.
Pregs Trancezes de todos os tamanhos (libra) 240
rete.
Resma de papel de peso branco liso a ti.
Fresco con superior tinta a 100 rs.
Grosas de phosphoros de gaz a 20000
Pares de botoes de ponlio multo bonitos 80 ra
Hnhas em cartao de 200 jardas a 100.
Gaisa d superior itnba do gaz com 50 novellos
700 rs.
Caitas de pos de arroz mmto fino a 800 rs.
Purcerras ds eotx* para meninas a 320 rs.
Talheres para* atentaos a 240 rs.
Caria com superiores seas para cbacotosaS0rs.
Masse com superiores grampos a 3 rs.
Boocts para meninas l*.
Pestes com cesta de metal a 408 rs.
Capachos compndos e redondos a 800-rs.i
Caizas com superior papel amisade a 600 ts.
Calejos para meninos a OO rs.
Chegon aotigo deposito de'Henry Foreter &
C, ra do imperador, um carregamento de -gaz de
pr m ira i retalho ear menos erego do que em unir* qoal
qoer parte.
Mval/sem segundo.
Roa do <|neiiuau< n 4,
Qner acabar cen as faeodas ufeaix*
mencionadas.
QiisroMt virver-aj-jie tan baralissmo.
'Toalhas <:<; labynatbo com bioo, fazeod* boa
35500.
Carreteis-de liona om 100 jardas a 30 rs.
GravaUs ipretas e de-coree muito Moas a 560 rs.
Uaralftes-raocezes mano tinos 00 e 320 rs.
Cillas de obreias de raassa muito novas a 40 rs.
Eniiadere para espartilbo de cordao e u a 6r
ris.
'Car retis^ linha Alejandre com 400 jardas a 300
ris.
'II es mas le papel almajo muito bom a 24500.
Frasco te oleo babosa a 320 e 508 rs.
CDiios de xo higieniqHe verde a 14000.
"Ditos (liwilso a 800 rs.
{Dito* de rcacacar perola a 200 rs.
Sabonetas nuito finos a 60, ISO, 200 e 8
Ditos de bella muito fiaos a 240 e 320 rs.
Caigas para rap com .bonitas estampas a
Caixas de palitos a bale a 40 rs.
Miadas de (ah froxa para bordar a 20 rs.
Yacas de cedo para eiipartilho a 20 r*
Frascos com tinta rSza muito boa a 40 e 320 ra.,
Ditos de diu preu a melfaor que ha a.32 tb.
DbU de faiteas para sobr-e-roesa a 40.
V Pesies voltalos para regacar canello de meiiBi
a 230. ^^
Frascos de ratcaga" oleo oko fino, a 128 rs.
Aha-taduras .Kiuito finas para colleles a 500 rs.
Cartfc-'s deliiha branca e de ad'e* a 20=.
Linra^e arfei preta superior a 100 rs.
Carta*', da aiiiuetes raueezo com 14 sent
128^.
Escovk para fat, fazenda boa, a 500 rs.
LIGA
Grauuc c bem soitido rniazeo Je uio I liados
Roa \ova a. 60
Sabio ou nao sabio, am abiliis.-irno freguezes? sahio sim ; e se demoramos tanto
M abrir a caixinba do segredo, lo i porque gostamos de sorpresa e das comedoras Ab1
A4 ( Ah como o sakir dea no goto de muita gente de collarinho empinado bigode re-
'torcido ?l Qiianta interpretacSo lidenla e risivel soCfreu ooosso pobre sahirdll Muita
veztivemos frouxo de riso no cantinbo do nosso armazem, juando vamos que algoem se.
encommodava com essas seisegras retras, que por alg*ns dias deram uta cerno mysterw -a ma das oolomnas deste venerando Diario 1 ti no entanto natfci de nysterio-
so bavia, eomo vedes, no patusco safur 1 sim; rjamos a bom rir; mas aunca vinos rir
o cavatfcsro da Liga porque
Serio e grave -encara as cousas
Deste mundaeomo sao ;
Verdadeiro, iel vive
Do -commevow a tradiefao 1
VNTAGENS
i AO PUBLICO
NA LOJA E ARMAZEM
DO
PAYAD
Ra da Iinperatriz n. 60
DE .
G4,fl\ k SILVA.
Os propriwirios drsts graLde estabelecimento
lendo no anno prximo passadj vtnlido araude
Baloes baratos
Vende o Pav3o.
Cfeegoa um grande sortirneuto de balees de r-
eos sendo americanos qne sao os meltwres e vee-
dem-se pelo baratissimo preco de 24500, 34 t
345OO : na loj> do Pava o na ra da liiipertriz n.
60, de Gama & Sil va.
A 100 rs. para luto, vende o
Pafo.
Vendem-se laziohas pretas proprias para luto
pelo baratissimo proco de 100 rs. o covado : na
toja e armazem do l'avSo roa da Imperairiz b. 00,
*e Gama Silva.
Crochet
Para cadeiras
Para sofs
. Para camas
Para presentes.
Chegaram os mais ricos panno bordados a cro-
ch proprios para encoslos de cadeiras que se
veBdein a 24500 e 34, ditos para enc;sto de sof
64, ditos proprios Para cobrir alroofadas a
a mais b
rato em virlnde do abalimtnlo que firerau em
suas tazendas por occasiaD do balance a que pro-
cederam em 31 de dezembro u't.rxo ; porm para
poderem satisfazer e apresenlar ao resoeilavel pu-
blico os seas numerosos freguezes lano desia pra-
ca cono do malo om novo e variado sortimentj de
todas as qoalidades de fazendss, d- sde as mais
modestas at as de mais apurado luxo, nao ge tem
poupado na escolba dellas, limitando seus lucros
apenas no desconio. C^tiouam a dar fazendas
amostra, com penbor, oo manda-las por eos oi-
leiros em casa .das Exraas. familias.
Cambralas lisas do Pavo a 3<|500,
45000 e 45500.
Vende-se um grande sortimenio das meihores
eambraias transparentes, teodo 8 varas e mela ra-
da peca, pelos baratos precos de 34500, 44000,
44500, 5*000, 84000 e 74000 a peca ; ditas de es-
cossia com 9 varas cada peca, teodo mais de vara
de largura a 64000. 74000, 84000 e 104000 f ditas
Victoria a 64000, 74000 e 84000 ; ditas largas com
8 pemos de largura a 14000 e 14280 a vara, sen-
do preciso apenas 4 varas para vestidos, aitenden-
do a largara ; ditas para rorro mallo encorpadas
a 342OO a peca : na toja e armazem do Pavao na
roa da Inperalnz n. 60, de Gima A Silva.
Para cama de noivas vende o Pavo
Vendem-se ricos cortinados bordados e adamas-
cados proprios para camas e jaoellas pelos baratos
precos de 84, 104000. 16, 204000 e 254000 ; sn
perior damasco de la enrollado a imitac/o de seda
proprio para eoicnas a 245OO o covado ; ricas col-
chas de croch pelo baratissimo preco de 103000 e
124000 : isto na bja e armazem do Pavo na roa
da Imperatriz n. 60, de Gama* Silva.
As wdpomenesdo Pavao a 2<5500
Vende se superiores corles de meipomenes, sen-
do Tazvnda transparente e muito bonita, tendo mal-
los padrees roaos com 7 varas e meias cada corte
pelo baratissimo preco de 24500; islo para acabar
na loja e armazem do Pavao na roa da Imperatriz
n. 00, e Gama A Silva.
Grande pechincha m chapeos a 500 rs.
Vende-se chapeos de palha a imitarSo de mani-
Iha proprios para bomeos pelo barat.ssimo preco de
500 rs. cada om^ isto para acabar oa Inja e arma-
zem do Pavo na rea da Imperatriz n. 60, de Gama
& Silva.
-Pedhincba em madapoioes a loja do Pavlo.
Vendem se superiores pecas de madapolao fino
coro 24 jardas peto baratissimo preco de 124000,
ditas de 400*, dKas de 74000, ditas 64500, garan-
tido se lertm todas 20 varas, sendo muito boa a-
caoda para os precos cima mencionados, que se
oeeeem mais bar-ato que em ootra quakjuer parte;
-ero-s na loja e armazem do Pavo na ra da Im-
peratriz n. #0, de "Gama & Silva.
Poisque e -*ahir 3 mostroa qual vinde adwrar fregoezes.^mo no-wmazem ^Sl? f^ 8eflhoral .\40 e 5^-
da Liga se opera a mais bna bga do bom e barato. Lede e vaSs. vertida-riade pois ;" J2t "^^.'^.'^""fftt
confioos em qaenao tereis occa3o de diier que o vosso dinbeiro fot mal entregado, ** mercado em cambraia pelo baratissimo-preco
nem o vosso bom gosto offeodido. Eis freguezes e.....la *'*i veres. \^e 54000 : na loja e armazem do Pevo na ra da
Farinha^lemilbo ^Pfratrnn. 60,-de Gama &:Silva.
ou gomma de mho branco preparado na America, vMde-se 4 00 rs. a libra, -e o cida-! rSl!!!!,0Spara lerlbor ? 5*'-T V0**
daoque compra dezUbrasvende-se-lhe-ha^O. tr^f^^l^^^T^'u^l
BlSCOTOS INGLEZES '< ve--.i-e.pelosbaratissiroos.precos de 54000,84
SoSa. Mized, Pic-nic, Francy Grckeuel, enn, Osbocne, Gala, Arrowroteoutws quklades a *)00 a I*, com 2 o 3 libras. ISiSMgSfi SS E*S5
BolaxiftliaS percates ris n. SO, de Gama & Silva.
em atas de diversos taaanhos 2, 3, 5,8 itras cada ama e pols seguales presos: 1 OO, JCrande pechincba ^m chitas.
2#00 e 3(?O0O. Vender om .grande sortimenio de chius esca-
Rnllnlin x'nm 3ni..iw..^ Ias e a,-(*Pr5 franeezas peles bsralos precos de 320,
_. ,- OllllliOaCO^I MNHilt. 360 e 43 rs., sendo cor, os padres mais bonitos
g"ae quantidade e cartoes, boceas, carcas turradas de chuatbo, com as Mai6ricas qua-
Mades de pSo-de-l, 'bolos, para cbampanlia, boiliabos com-amendoas, e oulros muitas
qoe se toraam enfadono mencionar.
MAS'TEIGA
moateiga ingteza, primeira quaiidade a ,!(ou a libra, Jain-.ngleza'b 800, 600 a-K. dem francesa; 640 rs. a tibra.
Doeeo em calda
does secos-e em ulds.de todas as qualidaSes, em fiascos, pok, cakas, etctite/por.prs-
oae os mais-fazoaveisifiossiveis, amendoas. confeitada* libra a.
JAF
irs-
10
Presuma; de fiambre ja' preparados.
Serv.-ja filada.
Vinho getfado.
Manteiga filada.
,Ltis eooa 3 libra* de linguica?, e Sgados em
unJno moreaUos, indas altimameote da liba,
,6 gos a-, batatas a"' JSO rs. com 1 arroba,
lisio o mais tiarato yue possivel. no araiazem
6t guimaraef i C, ra -dafmjeratrizo. 6,______
Cal dts Lisboa,
Oit^ada no ulumo sawvio. mais barata que em
outra tjaalquer parte; 00 deposito da ra do Apol-
lo o. ________________________
De superior qwilidade
Na ra 4o Queimado n. 7, vndese superior
fumo de Saranhuos a 14000 rea a libra e sendo
*ro porcio axer-se-ha abalimeolo,______________
Vendase ama balieira nova e.om 25 ps -de
qilha, toda pregada de cobre, muilo boa de re-
mos e de vela, igualmente um virador de iioho :
4juem pretender qwlqur desles objecin dirija-so
jir.ua do Brum m. 44.
SiTYK-lSl
FOB JlICil EL UiVIOIHt
PR'MKIRa serie
Rs. (1000.
Livrarla francesa
Roa do Crespo nj 9.
Veodem-se tres seras< sendo nma perita
engomroadeira, 1 boolu noieque, 1 negro multo
r ibuslo de meia idade por 5004 ; Ha travessa do
Carmo n. 1. ________ _._______
" Ofre,
Vende-se um cofre em perfeito estado
e com enredo, proprio para qualquer e-
tabeleciraento ou casa partfcalar por preco
commodo: na roa do Queimado n. 52,
loja._____^___^_
Bom negocio
Vetde se orna armaei > com pooco oso, envidra*
C(U, propria para qualquer negocio, tambem se
vendem lodos as perlences de taberna, e oulros
objeeiot perieaceMM. ao masmo esttbeiecimelo
todo por mjdieo prefj : an largo do Carao o. 9
Venlem-se tres carrocas e um earrlnho com
t>oii ou sem eiiei oa roa d> Ji-mim o, 21,
cafi do Rio lasorte. 240 rs aJibra, 2*-erti;a 200-k a libra,-3* sortea 160 rs a libra,
eu arroba se far gre^de abattmento.
Vinlia
vinbos engarrafados de todas as qualidades., rjinha tEetphania a 3^000 a garrafa. Porto
maloiia a i5S00 rs. a garrafa, lagrimas do Douro a 4-4800 a garrafa, Pedro V, ft. Lui?,
Mam Pia, cancoveilos. bacanaee.boeugi a 1-5000 rs. a garrafa, .idem oberes verdatleiro,
)iv30 a garrafa, ideni'Cberny cordial a 1O00 a garrafa, collares* figuiraambos agar-
rafados a SOOffs. a -garrafa, ideru de Lisboa om pipas, barns, ancoretas e a retalbo a 360
e 408 rs. a garrafa, au xireta cora vinho tinto a 2 Bordea ui
vinho SordeavHc de todas as qualidades de 6#5U0 a 25j>60d rs. a (tocia, e en garrafa de
600 r. a 2 symtha 2^000 xs. a-garrafa.
GAZ
gas verdadeiro americano a 9^200 adata grande, garanliindo*e 27 garrafas, e a AOOrs.a
ganrafa. #
Orveja alelada
cerveja gelada em garrafas e J/ garrafas inglezas e franeeza,
Pai-acu e Alista
paineo 100 rs. a libra, alpista 160 ; punco e alcista misturao 140 rs. a libra: m
porcao se far abatimento.
Cha verde e preto.
10000. ifiaOO, 25000,12^200, 20400, 2600, 20800, 30000, 30200; cb verde de
todas as qoalidades, huxim. perola, aljfar le.,
JHAnOTO d'havak.
regaba brilanniea 100 a caixa, ondre lt& a caixa, operas, caixa 100; eoatras mui-
tas marcas que se tornara enfadonbas raeociooa-las.
CHAUTS DA BAHA,
itoperiaes, exposicrio. normas Joodrinos, gnanabaras, suspiros, delicias, parisiences. ven-
cedores, guerreiros, lyricos, quem fumar saber, para os seguintes precos; 10oso, 105oo'
20000, 205 o, 30o.\ 30500, 308oo, 40oao. 402oo. 405oo. A8oo, 50ooo, 5#5oo, 60ooo,
605oo, 70ooo, e 80oao,
telas Slearinas.
spermacete 64o rs. o pacte, velas de carnauba de 6 por irbra. 36o frs. de 14 m
libra, 44o *s. em porcio se far abatimento.
GENEBRA ianbo ou victoria 72o rs. o frasco. _
genebba de hocxanda em frascos 56o rs. o frasco. 'w
CEBVEja-T-E BASS, rTTIl 1 I M 1
cerveja bass e tenente e de todas as qoaldiades, as qtraes se vendem o mais razoavel, como
seja 5oo 600 e 7oo rs. e em duzia faz-se-ha grande abatimento.
Arrtz da ludia,
lio rs. cada libra, emporco se far grande abatimento.
SABIO e sabonetes.
sabio branco com veas cor de roza, idem branco com veas azues, sabonetes de urna libra
cada um, sao os sabonetes mais econmicos que tem vindo ao mercado 5oo rs, a libra.
Saga' e evadlaha.
saga' muito novo 24ors; a libra, cevadinba maiio nova 16o rs. a libra.
cevada muito nova 12o rs. a libra.
GOMMA DE ENGOMMAR 1 2o lS. a libia.
CEBLAS grandes e novas 10ooo o momo.
Latas com conservas
latas com ervilbas portuguezas e franeezas. latas com carnes preparadas, passarinhos gui.
tados em latas, e salame em lats.
Doce de golaba.
ba constantemente om grande deposito de doce de goiaba em caues de todos os Uraanbos.
Cofies, copos.
copos crystalisados, ditos lisos, ditos decores, a 40ooo e 405co > duzia;
GARRAFAS DE CBTSTAt.
garrafas de crystal de formatos do ultimo gasto.
AMEIXAS.
ameixas em tatas, em bocetas e frascos.
Queijos Queijns,
queijos flaraengos do penltimo vapor 20ooo, ditos do ultimo ......
qne tem indo ao-mercado com listas e flores etc..
-etc.;Kara*undo-se serem cores fichas- na loja e
rmate di).Pavo na ra da ltiperatru n.-fift, de
fiama* 8Kva.
Sileii*6parainhoras.na loja do Pavo.
Vende se esta nova fazenda, *endo silezia ondea-
da propria par* saia* pelo oaratissiroo preeo de
440 rs. a vara, e comprndose peca ^ende-se a
40ti rs..; ieto na loja e armatem rio Pavao na iua
da Imper*tr n. 60, de Gama & Silva.
As satas do"Pas3o
Vendem e ricas stias horrlarlas com 4 pannos
elos liar.it*- ao faz-ode em pee* eom pregf.s proprias para o
mesrno fim a O200 a *ra : na toja armazem do
avona ru* a Imperatriz u. fio, *e Cama <& 8Uva.
Lencos de seda
Vendera-se-eapenores lencos de eda pelo bara-
tissimo pr branco, padriec miudiokos izeuda muito fioa a
HWrJO ; na i<.a-t armazesi do J'avau -na ra da Im-
peratriz n. ,e Aloalisado
Veode-se snper.ior aioainario da aljwdao traacado
cocn palmos de^ar^ura a ACOO a vara, dito ada-
mascado muilo superior a-1*300, dito de Mono mili-
to boa fazenda a $0O a va, uardanapos econ-
micos por serem de liqbo.D^rdo a .tCO0 a duzia,
ditos ateos multii toa hienda a 4500'' a duzia : na
loja e armazem do r'*oii:i ra da Iiuperairiz m.'
.60, de.Carra g Silva.
Barages a if$ s. aa |n)a do Pavao
Vende-ee bonitas barbes tr insparente^ com pal-
ninhas, detas lustri>sasJ'fazeJv niito bom a pela
barato preco de 403 rs, fcooius lHnhas de qua-
drmbos^ de flores a 448, 320 e 248 rs., lado pe-
obUioha na itoja e armazem do l'av.io na roa da
imperatriz n. 0, de Gama & Silva.
Sedas novas
fli loja do Pavao.
GbeaaraiDasmis maderaas cedas esm listras
{tara vestidos, sendo com as coree mais moderna!
qne em viodo ao mercado, as sim romo gTosdeBa-
les de differenles cores turou eejam cor de rosa,
azal, tia, cordef, cor de lirio etc, etc. e
vendem-se por preco muito em Ajota na loja*
armazem do Pavo na roa da Imperatriz a. 40, d
Gama Silva.
' Craormai 30600, 40000 e 40*00,
Chegaram para a loja d<> Pavo as mai* moder-
nas crinolinas ou baldes verda4eiraineD(e ameri-
canos, qo c6o oe mais bem armados e ioa> lves
-que tem viodo, eeado rcn o fot mato mais moder-
ad qne actualmente se osa e vendem-se pelos se-
paimes precos: sendo com 20 arcos por 3*500,
ditas com 25 arcos por (O0D, di^s com 85 arcos
a 4&5O0 : i>(o s na loja e armazem do Pavio na
roa, da tmperairia u. 60 do Gama & Silva.'
Sedas largas na loja da PavSo.
Chegaram as mais bonitas sedas de cores cora 4
pilaos o> largara, sendo eom ns corea e desenos
mU brilbaotes que iem vindo, facilitando fazer-se
um vestido com poucos .-.ovados em aiienco a lar-
gura, e vende-te pelo iartto pre^ ode 2000 o eo-
vado r a loja e armazem o Pavo na ra da Irn-
pe'triz fl. I!0 de Gama & Silva.
Oschales do pavo a 2ooo e 25oo rs.
Vendem-se r-balec de merino estampados a 2*
e 2*500 cada am.
Ditos de merino liso a 3*300.
Ditos astainpados de crepon a 6*, 70, e 80060,
Ditos pretos bordados com franja de seda a 14*.
a loja e armazem do Pavao oa mi da Impera-
iri'z o. 60 de Gama & Silva.
Lencos brancos a 20<"OO, 30000 e 40000.
Vende se om bonili soimeniA de lencos de cam-
braia branca lisos pelos Laratlssimos precos de 20,
30000 e 40000 a duzia : na loja e armaiem do
P?vio na roa da fmoeratriz n. 60. de Gama A
Silva.
Medina J40OOO
Cbegaram os mais rica* cor tes de vestidla trans-
parentes dVsta nova, fazenda iu'itoiada medio com
delicadas palmas e botoes de seda, sendo fazenda
propria p ra vestidos de asistir baile oo casa-
mento, tendo cada om corte 18 .-ovados e vendem-
se por 100000; nicamente n bja e armazem do
Pavao n roa di Imperatrlr n. 60 d G?W &
fcw. Wh,
oa loja do Pavo roa da Imperatriz o. 60, de Ga-
ma & Silva.
Novos vestidos Poil de Ch-
vre a 16*000.
Ka loja do pa\o.
Cbeparam pelo vapor do da lo do crreme, os
mais lindos corles de poil de cbvre para vistidos,
sendo fazenda inteiramente nova no mercado, ten-
do esta fazenda bstanle lastre com os mais deli-
cados gestos tanto em iislras como em flores solas
e vendem-se -pelo baratissimo preco de 16*000,
lendo cada corle 18 covados, isto na loja e arma-
zem do pavo na roa da Imperatriz n.60, de Gama
& Silva.
Para senhoras
Gasaqnlabas a 200000
Veodem-se as mais modernas rasaqulnhas ou
basquinas de seda preta, multo bem eoleiudas, as
mais modernas que tem vindo ao mercado e pelo
baratissimo preco de 20* cada urna i na loja e ar-
mazem do Pavo roa da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
Alpacas lisas
Chepoo o mais lindo sortlmento de alpacas de
orna s cor, preprias para vestidos, e vendem-se
por precos em conta : na loja e armazem do Pa-
vio, roa da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os espartilhos do Pavao.
Veodem-se ama grande e variado sortimenio de
espartilhos dos mais bem feitos qoe tem 7vindo ao
mercado, sendo de todos os tamanhos, vendendo-se
por om preco rooito razoavel : isto na loja do Pa-
vo ni roa da Imperatriz o. 60, e Gama & Silva.
Grande peehlncha em toalhas
para mi.
Vendem-se soperiores toalhas de linho proprias
para mao pelo baratissimo prego de 560 rs.. ditas
a 640 rs ditas a imitaco das felpudas a 800 rs.,
ditas fe pndas 10 : pechincha na loja e arma-
zem do Pavao na ra da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
Anadine a 8
a loja do Pavo
Chegeram os mais lindos corles desta nova fa-
zenda, sendo transparent, cora bonitas palmas, e
vende-se pelo baratissimo prego de 8$ : na loja e
armazem do Pavo, roa da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Punhos egonnhas a 10, 10280 e 10600.
Chegaram os mais niod.mos punhos com goll-
oras sendo de esguio de Iioho ricamente horda-
dos taoto brancos romo de cores e veodem-se pelos
baratsimos precos de 1, 1280 e 15600, por ba-
ver grande ponjo, grande pechincha : na loj
e armazem do Pavao ra da Imperairlz n. 60, t
Gama & Silva.
Para baptisados.
Vende-se elegantes vestuarios bordados para
baptisados, peles barati.simos precos de 150O0
200000 e 25*000 : na loja e armazem do Pavo na
ra da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Babados bordados na loja do Pav3o
Vendem-se babadinhos bordados com 2 varas
pelo barato preco de 1*000, ntremelos tapados e
iransparentes, tendo 3 varas cada pega a 1000: na
loja e armazem do Pavo na ra da Imperatriz n.
60, de Gama & Silva.
Cambraias de cores
Vende se nm bonito sortimenio de camnraias de
cores para vestidos pelos baratsimos precos de
300 e 360 rs. o covado, ditas a voluntarios da pa-
tria a 800 rs. a vara, ditas listadas a 640 e 700 rs.
a vara ; pechincha na loja e armazem do Pavo
na ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Cassa de urna cor s
Vende-se bonitas cassas de urna cor s com om
pequeo toque da mofo pelo baratissimo prego de 240
rs. o covado ; para acabar na loja e armazem do
Pavao na roa da Imperatriz n. 60, de Gama A
Silva.
Cijales de renda e retondas
Vende se um grande sortimento de chales de
renda e retondas, seodo as mais modernas que tero
vindo ;o cercado e vendem-se mais barato que
em ouira qualquer parte : Uto na loja e armazem
do Pavao na ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Retallios baratos
Vende-se porcao de realhos de chita, laas, cas-
sas e chitas pretas por prego barato : na loja e ar-
mazem do l'avo na ra da Imperatrit o. 60, d
Gama & Silva.
Calcas brancas
Vende se um grande sortimenio de caigas de
bnm braoco de linho traogado pelos baratsimos
pregos de 30500, 45500 e 5,1000, assim coim um
grande sortimenio de paliiots de panno preto fino,
sobrecasacos e saceos forrados de seda, dos de ca-
simira, sobrecasaeos, saceos e fraques, ditos de me-
rino e calcas de casimira de cor e de todas as qua-
lidades, assim como um grande sortimenio de col-
leiles de todas as fazendas vendeodo-se ludo por
pregos muilo baratos : oa loja e armazem do Pa-
vao na ra da Imperatriz D. CO, de Gama & Silva.
Alpacas brilhantes a 640 rs.
Chegaram as mais lindas alpacas enfesiadas com
3 e rtieio palmos de largura com os mais delicados
desenos tanto de florsieha como de listinhas as
sentadas as mais delicadas cores como sejam ly-
rio, siBsento cor de carne, solferino e vendem-=e
pete baratissimo prego de 640 rs. o covado ; ni-
camente na loja e armazem do Pavo na roa da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Pecliinclia para a fesla na toja do Pav5o.
VestHos.
Vestidos,'
Vestidos.
A 85000 i
Vendem-se nm bonito sortimento dos mais lindos I
vestidos com barras de seda, trazendo os compe
lentes enfeites para o corpo, seodo nesie. arligo o
mais moderno que tem vindo ao mercado, e ven-
dem-se pelo baratissimo prego de 8j000 cada uro.
ditosde cambraia branca com barras bordadas a
50000 60000 ; oa loja e armazem do Pavo na
ra da Imperatriz o. 60, de Gama & Silva.
Cortes a 30000 s o Pavo
Veodem se os mais lidos cortes de cassas de
cores om os deseohos mais modernos viodo cada
um em sen papel e garanliodo-se terem 7 varas ca-
da om pel baratissimo prego de 3*000 ; na loja e
armazem do Pavo oa roa da Imperatriz o. 60, de
Gama & SUv,
Casaqtiinhos co vasqninas na loja do PavSo
a 250000, 3U0OOO e 350000.
Chegaram os mais ricos oo modernos casaqui-
nta ao vasquinas de grosdinaples preto ricamente
enfeitado, seodo dos feltios mais modernos e e|e-
paotes que ltimamente chegaram e vendem-se pe-
los baratos pregos de SaOOO, 30*000 e 380000; na
loja e armazem do Pavao na roa da Imperatriz n. 60
de Gama i- Silva. '
Para bailes a 350000.
Vcslidinnos para meninas
Veodem se elegantes vestidiohos para menina,
ce li.-in'a mnito bem nit-iiados pelo baraiisiau
prego de 2 lO4llOa de *>iguio de seda a 3+0U-
na loja e armazem do l'avo na-rva da mpeatn;
o 60. de Gaiii 4 Silva
diales de merino
Vicdrm :e finissime* i tales de rmrln lises a
div. rss ctrts, lendo as franjas de seda a 4*000
triido ctm as franjas de la a 3J500 rs, dito; si-
tan ados muilo fins a 50500, 6,8000 e 7000, ol-
las de crpoo rom lisias de seda a 80000, diuu
mate crdinrrios paia trabar a 20000 e 20500 : ni
luja e armaiem do Pa\;o na ra da Imperatriz a
CO, f<- Gama Silva.
Sedinr 3S de lisias a 400 rs.
Vt-nde-se bonitas seditibas :e. linas proprias par:
venidos rom largura ib- i Ma irgleza peto barai:
prego de 400 rs. o c< vado : la toja e armazem Qc
Pavo na ma da Imperatrim o. 60 de Gaiu
Silva.
Filos bordados a 600 rs. a vara na loja Or
PavJo.
Vende se filos de linho branco bordados proprio
para vestidos pelo baratissimo prego de 800 rs. <
vara-: na loja e armazem do Pavo na ra da Im-
peratriz n. 60 d- Gama Silva.
Pannos de linho.
Vende-se superior pannos de Iioho proprio pan
longes, loalbas e seroulas etc., pelos baratlssimci
pieg s de 640, 700 e 8C0 rs; a vaia : bramante o
Ifohu com 10 palmos de largura a 2 00. 2*500
28oO a ou Creguelia- poi baratos pregos : ca loja e arma-
zem do Pavao ua ra da Imperatriz n. 60, de Ga
m dt Silva.
Cambraias brancas de cordao a 80500.
Cnegarim as mais deliradas cambraias branei-
de cordao coro delicadas liMas transparentes
vendem e pelo baratissimo prego de 850O a p-
ga na loja $ armazem do Pavao na ra da Impa-
ralriz n. 60, de Gama & Silva.
Na praca da Independencia
Loja de Arantes a i.yra.
Ven'jeui botinas pretas com lago para senhera
alio par. *
Ditos para menino a 30.
Livros em branco deHam-
bur
\ ende se na livraria Enciclopdica de J B. de
Mello : na ra da Cruz n. 52. com l-t > sorlimtnio
e por pregos milito commodos.
XIROI'E
peitoral e dulciflcaat
DI
SAINT -GEORGES
Prepralo por
GRIMtLT e C1'
pharaaceiitic-M i S. i. '.
friteipe Napoltto
Cura rpida re las
molestias seguenles :
loue, catarrhos, pleu-
resa, coqueluche, an-
ginas, fortes constipa-
edes, irritaeves dot
bronchas e de peito,
brenchite,phtica pul-
monar, astma, pneu-
monia,anginas,amxq-
dtiles, tosse enroma.
rouquido. Os mdicos recommeodo ao mesmo
tempo o oso das encllenles pastilhas peito-
raes oom o suoco d'alace o laureiro-
oro]o, que ae prepario no aesmo esubeie-
dmenta.
A venda as pharma'ias deMaurer eA-
Caors
Mathues Austin & C.~~
Vendem no seu armasen!, ra
da Senzala-Vclha n. 406.
Latas com gaz de primeira quaiidade.
Barricas com farinba de milbo {muilo
nova.
Saces graodes com farelo novo a 40.
Barris com pregos americanos.
Para a abertura .das aulas
Cartas de A B C, taboa^as, catecismo, verdad
ios meninos, granimMica e arilr-m .Vanes, cmilhas, biblia da inf. ;'>. eininh-i .
i'o, devoto clirit,io, SimSo de.X\u,:-.r..i, ero:.ui i-
da vida humana, manyres pernamli:..nos regifs
mui hcels para entender rontabiidide un v-i-
*os por Giml-oa, iaieei-m) das verdade.- ctholi-
cas, traslados', pautas, papel de peso e aln.ago de
munas e diversas qualidades, liso e pau'ado ai
ra do Imperador drironie do convento da S. Fran-
cisco n. 15.
Novameme chegadas bolas rossianas e
ras da rfidr.or rjuabdade qne temos visto :
do vapor ra N PASTA
peroei
na loja

eXROPEdelMFaABlfiii
JOB BKLAIVeREftTim
,-p'!I!'.c55n'?",.f*llorfM*"'r",,,,0*p*l,,,Proi""of
J tacallad de Medicina da franca, e porta nv-dica dot Hoi-
P" d Part, oiqnaai cartiScarlo Ualo a aaa Mparl.
ridada obre lodoa oa oulros pelioraea como aua padaron
errsela contra os Daflaaoa, rlppa, Irrita*., a as
n-.ioo.a do palto e da lartaota.
RACAHODT DES RABES
. DC HHAV..BHIH
Onicoallaiento appr.vadopriaAcadaiaia de Medicina a
harls. Elle reelabelece as pessoal ane f.'rea do ato-
maejo a des Intestino. forisleae aa criancas a as peuoai
debilitadas, alam alsso asi tinada da aaa propriedade n
l.ptloa he o nelbor praaarTaTO dit rearas anaralU a
tjpkold..
Cada Irasco .a ced calilaha daalaa prapaTafSaa 1 more tellc frmm D.lnfrnw, roa Rlchelim, K,
em Parii. (Paiar serillo allnelo cesa aa faleiacacoes I
Bepoaiurioa aa PantasaeM..- Oaara lulwi ar-
ttolieawa r- U kua y a.
A venda as pbarmacias de P. Manrer
e G. A Caors, em Pernambuco.
Perhiocht f.ara t-s pa hinhas.
Na ra das Cruies n. 55, em S?nio Antooid
eode-se palha n. 3, muito em coola.
Chegaram os mais ricos cortes de vestidos de fil
, iI'l^SDOlTOR em sciencj
Nao existe cicilic.irnemo ferruriiioso i!o aoutr*^'"
:c-=io o Phosf.kcto i( fern t leras, as snm:r-
dale roHIcacs .le iaun-!-BieM ii^pur.a. o,.
virv) soHiciude em igual nos annaes da scic- i*.
ts corti patudas, dora- de estomago, digauta
Mnottu, anemia, convalscenimt di)'icis :'.f-,
critica as senhoras, irregularidule ne'ment-
iruaefo, pobres*, do sangre, lumpkatismo ,dc
arados rpidamente ou modificados p0r esit
axellentc cotnppslb. E' o conservador por rel-
lnela ca saae, e declarado superior nos' h-..ri-
l^e peas- academias a todos es ferrueiro-a
coKaeeidoe, ifsrelo e ao sitratt de f^rro,
porque e nica tjsic caavem aos estomst -^ e-
:IC*9'-<'*e f'1 grovoca constipacio, o unia
-:n Sesn qsc noT^negrcc-a a bocea e o der.:;.
Deposito traspbarmacias deP. Maur
Ce A. Caors. em Pernambuco.
Ven.de se iim sitio oa roa do em tira com
casa para famili, arvoredos e aigom terreno
irala se na ru floQuaimado o. 18 A, can Uarva-
hr>& Bastos, s
precx de 35*000 w^y^i^/^ei^^hlxf^M^-i^r^ "'
da Im-:----------------. ;-----------,-----------------
branco primorosamente bordados e enreitadna r)! ''.-,.''
cor, sendo tambem proprios para casamemL l' T v^e o cabnolei de duas roflaa-Pioiado
veodem-se pelos baratos pregoS di^35W00 ---- : e-'jrrado ** 00V : t> dl C"ncordi D-- 7 8n
meot;; ca loja e armazem do Pavao oa roa
Derauli n. W, de Gama & Silva.
Lencos bordados a , PavJo.
vend#-se bonitos lenelnbos bordados par nao
palos baratissiroos precos de 1*000 e 1*600 cada
uro ; loja e armazem do Paveo aa roa da Impera-
trit D 60, de Gana & Silva.
As vareges do PavSo.
Gal e potassa.
i, de boa qoalidadi
do pnll > n. 4"-
Vende- e
Vt'Oda se oov, de boa quaiidade e a pregos com-
niodjs : na ra de poll o. 40.-
Motores americanos para doot cllos, dito dito
;sra guatro cavarlos, machinas para desoarogar
: algodlo de 14. 16,18, 20, 30, 3o e 40 serras, preo-
Vende-se as mais bonitas vareges eom lisias de gas tiara enfardar algodlo faiendo as ateca* rom
seda a iaitacio do poil de ehvre pe? baratissimo seis palmos de comprim'nto, eom o p so de, ISO e
praji dVftOOrs. e eovado : na loja armaiem do S00 libras, vindas ltimamente da araenca ; oo
Pa p. t, jooio ao fibimte pnriogaer;


ILEGIVEL

5?3BHSIv


< > ** 1"'

6
I
.
-

-



Diario de PernMi>aeo Quarta felra i de Jaaelro de 18&7.
O ARMEZAM
NIO MERCANTIL
AHMUEM DE FAXEVIIAS
E
mm
DE
OLYMPIO GONQALVES ROSA
Kua do Livrameato n 14.
- -J5LRM DA CWEIA 53 .
B?.t&A*TDO O ARCO DA COffCEM/AO.
Acaba de receber e tem por bartissiraos precos .
,liM J,. -~ nn^ J .f i.i. *_ j. frW*. <&i6ni de seii acostumado e muito completo sortimento ***de f"er wm ppm*o q0aiqu*r eocommend, d passo que
3 r ar mi
-te gneros os seguintes abaixo declarados.
Queijos de Minas.
pegados pelo ultimo vapor a 10600 rs.

8omma de milho branco
americano.
aelaor qae ha para papa, pa*o-do-l, bolo,
-;agica, reme etc., muito substancial e
caodavel a 6*0 rs. cada pacote de i libra.
SALMAO E LAG0STIN
regido 'lliuiameate era latas de 2 libras
idfOtf n. cada urna.
(IICOLiTE
rancez a 510 rs. o pacote, dito hespanhol
'special, o rae'hor que temrindo ao merca-
re a t80 rs.
LATAS DE LINGUigAS
jora 6 libras erradica mente fechada a
40500, e de barril a 640 rs. a libra.
VELAS PARA CARRO
cm pacotes de 8 velas a 900 rs.
VINHO DO RHENO
! verdadeiro a 25000 a garrafa.
BORDEAUX
das mais acreditadas marcas: S. Julieo,
gaut Brion. St. Emilioo e St. Esteph a 800
rs. agarrafa e 80001) a duzia.
O EXGELLENTE E AFAMADO
COLLARES
engarrafado dabem couhecida casa deDe-
ant 4 C. a 10(5000 rs a duzia.
PORTO
iversas qualidades engarrafado, inclusive o
aais fino que ha n'este genero por 800,
iOO, 10200, 10400 e 145i/0 rs. a gar-
ifa.
OLD CHERRY
! mais supe ior do mercado a 10500 rs. a
;arrafa e 130000 a duzia.
VINHO BRANCO
?scelleole qualidade, de Lisboa, e proprio
jara uussa a 800 rs. a garrafa e 80000 rs. a
.aixa de duzia.
VERMOUTH
tuperior qualidade em caixas de 12 meias
arraf.s por 120JOO rs. e cada meia garra-
a 10200 rs.
MSCATEL DE SETUBAL
o moto xcelle'ite vinho muscatel por 200
a caixa de duzia e 20 a garrafa.
CHA
hysson de primeira qualidade a20800 rs.a
libra, uxim o que ha de mais fino a 30 rs.,
alm destas ha muitas outras qualidades
proprias para vender a retalho, que se vende
de 10000 rs. a 20 rs. a libra.
CHA PRETO
o mais especial que tem vindo a este mer-
cado a 20600 rs. a libra.
MAQAS
estrellinhaspara sopaem caixas sortidas de
8 libras por 40000 rs, palharim, macarrao,
etc.., a 640 rs. a libra.
PREZNTOS
os verdadeiros de Lomgo a 640rs. a libra e
560 inteiro.
JALEIA DE MARMEELO
em latas a 800 rs.
MOLHO INGLEZ
diversas qualidades a 720 rs. o frasco.
MOSTvRDA INGLEZA
maito nova a 800 rs. o frasco.
MOSTARDA FRANCEZA
a 640 reis o frasco.
ARENQUES
em [atas a 600 rs. cada urna.
GARRAFAS
brancas para mesa superiores a 50 rs. e a
0 o par.
COPOS
diversas qualidades e tamaobpsa 30 w., 40.
50 e 60 a duzia.
CAPACHOS
decores e differentes tamanhos a 500rs.
640 e 8u0 reis.
BALA OS
diversos feitios e para compras desd 500 rs.
at20 rs ; ditos grandes proprio para roupa
de 30 a 50.
GAZ
o mais superior gu liquido em latas grandes
com 5 gales por preco de 100 rs.
U proprielarin desta estabelecimento faz scienle- ao respeiisvel publico e aos seos amigos
por ara hbil mestre, se. eacar
e quizerem honrar seo esiabele-
clmento por precos mais baratos.
Assim como (em ura completo sormenlo da fazendas Boas (as qaacs n3o sendo cosame pro-
curar oas lojas do Livraroento) espera qae seas amigo* e freguezei o honrem com toas presencas,
nois venda mais barato que ootro qaalquer.
m DA CNIEU-33
eStANOE LIQITIiaAfpAO
ira
BASQU1\4S DE SEM PRETi.
A1 loja de fazendas de Augusto Porto & 0.
11Ra do Queimadoii
A' loja de Augusto Porto & C. chegaram as melhores basquinas de seda
prela que se veodem por mdicos precos.
Vestidos de moine de cores para bailes e partidas.
Ricos vestidos de Blond oom manta e capella para noivas,
Costumes completos de caseraira para horneas, fazeada .gupsiiial, sendo
as caifas e palitoUda ultima moda.
Bonets de palha da Italia prasenhoras e chapeos da phantasia para ho-
rneas.
Enxovaese vestidos bordados para baptizados do 10,1000 a 300000.
Camisas inglezas para homem, peito, punttos ecolarinhos de linho supo-
ner.
Ricas saias de lioho bordadas, bales, espartilhos, meias nas, lences
bordados, camisas, camisinhas, manguitos bordad >s para-senhoras.
Colxa3 de seda, e de 13a e seda para camas de noivas.
Cort nados bardados para camas e janellas.
Tapetes para sof, cama e piano e pannos para cobrir mesas.
Bramante, Brilhantina Miciennes ou cambraias de pafos, fazenda multo
bella para vestidos, silesias, bretanhas, e cambraias transparentes tapada e
de linho.
. Moireantique branco e preto, sedas brancas, de cores e pretas, e gres-
denaple de todas as qualidades.
Brins de linho branco e de cores dos melhores.
Neste estabelecimento ha sempre sortimento das melhores e mais baratas.
Esteiras da India para for ar salas
. 11R a a do laelmado H
Vapores.
Vende-seera casa de Ssaoders Brothers & C,
no largo do Corpo Santo n. 11, vapores patentes
cotooso^ertenc*s proprio? pra fazer moTer
crea oa quatro machinas para descarocar algodao.
P0T4SS4 lh RUSSI.4
Veoae-.e potissa^-da Russia nuito snperlor e da
qnadade a mais a^ro^riada para o fabrico de
assucar a prec-> rasoa^l, oo armazem de Jos da
Silva Loyo di C.
Aos agrifiujtftncs
Saanders Brothers & C. acaban da receber da
Liverpool vaporas de forca de 3 a 4caaallos com
todos os perteoce8e mu proprios para fazer mo-
ver machinas de descarocar algodao, podAado'cada
vapor trabalhar ata com 140 erras, tambem ser* |
vem para eofardar algodo oa para outro qualquer
servico em qae usara trabalhar com animie?. Os '
tnefinos tamben tem a venda machinas amerie
as de 35 a (O serras : os preteadentes dirljam
se ao largo do Gqron Santo d. 1t.
AGUA FLORIDA
Z>S3
MRRAY & LANMAN
A agua florida de Murray dr Lanmand
: dihada como om artigo de perfume, nao
tem podido ser igualada petos preparac5es
as mais custosas: conserva seu aroma, co-
mo se formasse parte da prenda a que ella
se applica.
Sua eficacia tao delicada, como elegan-
Loja do Gallo Vigilante
RA DO CRESPO N. 7.
Grande e variado sjrtimento do numero-
sos objectos de apurado gosto qae ultima- t* s8o seus multiplicados usos, qur seja
mente acaba de chegar para este bem co-.BQ-pregada como artigo detoucador, qor
nhecido estabelecimento, pois seu corres-
pondente em Pars o mais habilitado pa-
ra a escolha de taes objectos, pois os com-
Ipradores podero apreciar, como sejam lin-
dissi r:Oi enfeites de cabera com cok de
cabello, e sem elle.
So no vigilante ra do Crespo n, 7.
Enfeites
Koques com caixos e de novos penteia-
dos.
Trancas pretas e de ceres, e de todas as
ao uso do banio, ou como suavisador da
pelle, depois que se tenba feito a barba;
j para limpar as gengtvas ou aromatisar o
uto,
D suavidade, brilho e elasticidade as
compJeicSes, depois dse baver lavado; al-
livia a irritacSo de erupces ordinarias; far
desapprecer o desagradavel aspecto dos
pannos, das sardas, do rosto, rugas e toda a
casta de ebulices, e d vigor e frescura a
parte onde quer que se appliqoe. Sua effi-
larguras, com vidrilho e sem elle, par a en-! ciencia e elegancia s3o igualmente infalli-
| veis nos casos em que sja preciso applica-
I la como estimulante e antisptico, nos con-
| cursos e assemblas numerosas, as loca-
lidades infeccionadas, na alcova de um en-
frreo, assim como um antidoto excellen-
te para os desmaios causados por cansaco
| ou suffocaco. Preparada nicamente por
Lanman 4 Kemp, Nova York, e a venda por
Caors & Barbosa.
JoSo da C. Bravo & C.
Deposito geral em Pernamouco ra da
ruz n.*2 em casa de Caros
23 Largado Tere 23.
Joaquina SimSo dos Santos, dono deste bmsortido estabelecimento de seceos
i molhadns, faz sciente ao respeitavel publico, tanto desta praca como de fora, que ve-
ham fazer suasde-pensas a esta estabelecimento para ver un a grande differenca que faz
oara menos prego, caso fossem comprados em outra qualquer pane. Etodo o freguez
me comprar de i'iOiJOOO pira ci na ter'o descont de lu% peloprompto pagamento,
z-se esta gran te diffdienca por estar-se em liquidado.
Gaz americano a loo rs. a gararfa. e 9# a lata.
Caf do io de 1.a e 2.* sorte a 2to e 2oo rs. a libra, e a 6$ e 7$ a arroba.
Queijos de diversos vapores a 2(j4oo,-2(58oo e 300^0 cada um.
Pho-plioros do gaz a ^oo agros, e em porco se fazabatimento.
Cerveja de diversas marcas, duzia 5, K|5oo, 6l e 7#.
Arroz da me hnr qualidade a 12o e 1 lo rs. a libra e a 30OO e 3#2oo a arroba.
Paoel de linho marca vi^doa 4(Jooo a resma, em porcSo haablimento.
Me.n fin i de marca martello a 5<95oo e (i-j a resma.
Vinho das melhores e mais acreditadas marcas, a 2??7oo, 3^ 3#5oo e 4^ a caada e
\ 369, 4oo. 5m e 88o rs. a garrafa.
dem raneo superior qualidade a 4# a caada e a 56o a garrafa.
Cha min linho e graudo da melhor qualidade a 2, 2iJ2oo, '$5oo-e 2(8oo a libra.
Manteiga ingleza flna, a lf?loo, Hlio e l^oo a libra, embarris ha abatimento.
dem mais baixa a 72 >, 8oo e 9oors. a libra, em poroto ha granJe abatimento.
Ierafranceza muito nova a 4o rs. a libra, e em barril ha grande differenca.
dem mais baixa a 48), 52o, 56o e 6oo rs. a libra, em porcSe ha abatimento.
Vinho dPorto engarrafado e em barril a 6io, e a 1 5 a garrafa.
Alm de a lata, chourifas e genebra de todas as qn3lidades, massas para sopa, copos a5^a
uzia, s no Conservativo largo do Terco n. 23.
LOJA DA FRAGATA AMAZONAS
ME
Monteiro & Guimaraes.
N. 5 Kua do Qactmado n.

Este importante estabelecimento prvido como se ach de tudo manto object*
de gosto, por quanto seus propnetarios recebara de corita propria por iodos os vapores
om procedencia da Europa, objecto* para graiio toilette, e uso ordinario para todas a*
classes, e bem assim adornos proprios para casamenlos.
A Fragata rece >e por todos os vapores lu^a* d Jouvin, e acaba de receber no-
vo sortimento d >s objectos seguintes:
Cortea de Monde para noivas. Resposleiros para cadeira de balaaro.
EsguiSo de linho fino. Bretanhas de linho fino.
Bramante.
Chapeos de fl de seda para Sr\ Tiras bordadas.
Chapelinhas de crpe e fil para ditta. Entremeios ditos.
Venidos brancos borvlados.
Cambraia de linho fino.
Fronhas de dito.
Lencos dito maito finos.
Cambraia suissa com 10 palmos de largura.
C tes de seda de cores finas.
Cortes de faulard de seda,
Chapelinhas de pal na da Italia.
Leques de madreperola fiuos.
Lejiies desndalo linos.
Botn as de seda.
Rotondas de alenda >.
Basquins de grs brod.
Mias de laya para padre.
Cintos de fantasa, gosto novo.
MiCHLNAS AMERICANAS
Verdadeiras da fabricante X. Y. Canttoagin & .
Moinhos americanos para meer milho.
Na ra Nova n. 20 e 22, grande deposito
das verdadeiras machinas americanas de todos
os f bricantes; se emontra neste deposito
grande porcSo de machinas, e se veodem por
menos preco do que em outra qualquer parte,
por se receber em direitnra da America; se
fornece todas as explicares necessarias ao
comprador para conservado das mesmas;
neste grande estabelecimento se encontra mui-
tos artigos americanos, qae muito deve agra-
dar aos agricultores que usam de taes artigos,
encontra-se tambem todas as collecgoes de de-
senos sobre os quaes se aceita qualquer urna
encommenda, que com pr'omptid5 ser ejecu-
tada; neste grande estabelecimento, encon-
tra-se em grosso e a retino, grande porfi
le ferragens, e miudezas que se vendem por preco coa-modo, pedindo-se a attencio
le todos para este estabelecimento que muito lucraro em fazer suas compras: na
roa Nova n. 20 Caroeiro Vianna.
M|rJrJrJrJrJrJrJrJrJrJrJrJrJrJrJrM
9
S
00
iflfiiigffs
3 Z
ES 2!
1 S?
nnt
nm
3t-*
c 3 3
= =

mi
Kfiliiii'!ii:i
F kS
a 5 Va s
II
n UiUiih

.......
PREPARACOES FRREAS-MANGANICA!
APPROVADAS PBIA ACADEMIA DE MEniCIA
DE BURIN DU BUISSON
Phrmacuilic, laureado ptla Academia de ledlcna it Pars
0 eminente professor Troussba, na ultima edi?ao de seu Tratad* i* Thtra-
peutiea e Materia medica, reconhece qae os ferruginosos simples sSo rotulas
veies inefficazes para curar as molestias que tcem por causa o empobreeimento
do sangue. Muiros mdicos dos mais distinctos altribucm esse ra o txito a ausencia,
n essas preparacScs, do vumganese, que se adra no sangue, como o tem reconhecido
os chimicos os mais peritos, sempre intimamente unido com o ferro.
E pois, prcslar-se um verdad'.-ir o servico aos Sr" Mdicos, o chamar-se sua aUenclo
sobre as preparacScs seguintes.
1 POS fcrrfS Rlflllr/lllim dand0 '"mel'alamente urna agua, acidulada,
i 100 inicua ffidllgdllltua azozai agradare!, subslituindo com tantegem
t economa as aguas mineraes ferruginosas.
Pilulas e Xarope k iodurete de ferro e de maBganese inalieraveis
eontendo cada urna cinco centigramos de iedureto de ferro manganico iadicadas
pareularmente as molestias Tymphaticas, escrofulosas, e as chanadas can-
crosas e tuberculosas. ,
2
30
4o
Drages de lactato de ferro e de manpnese
Pitlas de earboiato frreo anganico
alternar estas duas preparacoes d oa roefterea renhados.'
reeeitadas espacialmente
ara a chlorosis, a aao-
mtfl, a Ieucorrhet, a aao-
nerrhea. A indioacio dt
O P Burin du Buisson desojando oater a adbesio compku do puboo
cerca do valor de suas preparaedas, prrrias qae elle u p6e grituitamente a su
dpasielo, dirigendo-ae;
No Pemmmbuco, a sen agsnte garal, Maorer O, pharmaeenteaa, raa Nava,
ni 111111111111111
feite de vestidos.
Bicos de srida com vidrilho e sem elle.
Gravatinhas de velludo para senhoras.
Gravatas e mantinhas de seda para ho-
mem.
Gravatas brancas muito finas.
S no vigilante ra do Crespo n. 7.
Volt.aha para naeainas.
Voltinhas para meninas.
Pulseiras para as mesmas.
Gorreotes para relo^tos fingindo cabello.
Riquissimos sintos, fivetias e fita- para as
mesmas e de outras muitas qualidades.
Riquissimos pentes de taataruga.
Fitas de velludo de todas as largaras.
Lindos enfeites para vestidos, chamados
Chrispianne Margante.
Riquissimas flores para vestidos e para
cabeca.
Capellas com canos flor de laranja,
prias para noivas.
Meias de seda para senhoras.
Ditas para meninas.
Riquissimos chapeosinbos e touquinhas
para meninos e meninas, meinhas e sapati-
nhos de seda para os mestnos.
Lindas sextinbas e boteinhas para bracos
de meninas.
Meias pretas de laia.
Lindos aderecos e brincos.
Aderecos completos preprios para luto.
Lindos port joias e port relogios de dif-
ferentes tamanhos poprios para um deli-
cado mimo.
Riquissimos livrinhos com capa de tarta-
ruga para missa.
Aerecos de llores.
Riquissimos aderecos completos, sendo:
voltas, polse para cabemos ; tudo i lo feito de todas as
flores de ultima moda em Paris.
Gravad abas;
Tambem chegaram bonitas gravatinhas
cota flores, e com alfinetes proprias para
meninas e s*nhoras.
Restis e brloco.
Riquissimos brincos e rosetas ineirameote
novida le e tudo de mnito gosto.
Taaqulahas.
Riquissimas touquinhas de linho e seda,
ponto de corx ricamente enfeitados e de
muito gosto.
Fita.
Riquissimas fitas de chamalote, sendo: ver-
! de e amarello, tecido na mesma- fita.
Agulha de narttm
Tambem chegaram as mu desejadas agu-
Ihas todas de marfiai, para trabalhar em laa
e sem corx.
Sextlnhas.
Tambem chegaram bonitas sextinhas de
palha fina, proprias para meninas.
S no Vigilante ra do Crespo n. 7.
Espelbos.
Riquissimos espelhos grandes e bonitas
molduras proprios para salas ou lojas assim
cerno outros de differentes tamanhos.
S no Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Para os pas de fami ia:
Verdadeiros
Collares Rover
Electro Magnticos Anodinos
Ou Collares Anodinos, para facilitar a den-
tica" das criancas contra as convulses
das mesmas, a estes collares nos escuzado
fazer qualquer recommendacao, visto a
JUHOBEB
A jurubeba urna das substancias medi-
camentosas, que pertencem ao reino vege-
tal, e perlenee classe dos tnicos e des-
obstruentes, sendo empregada com vanta-
gem contra as febres intermitientes acom-
panhadas de engorgilamento de figado e
baco. Ella tem sido applicada com incon-
tesiavel proveito contra a anemia ou chloro-
se e bydrnpesia, catarrho da bexiga, e mes-
mo para combater a menstruaco difficil,
resultado da ine^ma anemia ou chlorose.
Extracto alcoolico de jurubeba.
Emplastro idea.
Oleo idem.
Tintura idem de idem.
Xarope idem.
Vinho idem de idem.
Pilulas de extracto idem.
Deposito, pharmacia de Pinto, ra larga
do Rosario n. 40.
JURUHEBA MACHO E FEMEA.1
Debaixo da denomioacSo de jurubeba
nascem nos sitios arenosos do Brasil dous
arbustos do mesmo genero, mas nao do
mesmo sexo. Ambos crescem com lindas e
frondosas folhas, ambos produzem Lagos
gramneos reunidos a' maneira de cachos de
uvas, pendentes de um pednculo enro. 0
primeiro, isto o macha, pouco menor
do que a femea, apenas cresce- at altura
de um homem, tem folhas meni.res, nao
muito sinuosas, mas recortadas, com talos
guarnecidos de alguns espinhes.
Nasextremidadesdos ramos produz peque-
as flores como que juntas em forma de um-
bella, de cor lctea misturada de azul celeste,
as quaes representam exactamente urna es-
trella de cinco anguios e constam de urna
s corla, modelaba e como dividida em
outpos tantos tringulos, sahindo do centro
cinco estames, ou filamentos, de maneira
que ao lon^e tomar-se-bia por urna flor de
borragem.
O segundo, mais alto, mais espinhoso,
tem folhas maiores, cobertas de pello pela
parte inferior, elegantemente guarnecidas
de espinos, recortadas de um verde vivo,
tendo a mesma flor que o macho, porm
mais ntida.
Arabos, em virtude do uso quotidiano da
medicina, sao bastante conhecdos as pbar-
macias. Em verdade, suas folhas e sueco
s3o empregados para mitigar, como tempe-
rantes, e curar as feridas e ulceras, e mui-
to favorecem a cora deltas. Posto que as
folhas e raizes tenham um sabor amargo co-
mo a chcorea e a fumaria, todava diflicil-
mente poderiam er ciassificadas fntre as
drogas quemes. Sobresae principalmente
era virtude e eficacia, e mais amarga a
raiz, com particularidade a do macho, que
consta de partes mu tenues. Por certu o
-osimento deste faz despedir a ourina retida
e applica-se muita vez com feliz resultado
grande"utili'lade que tem produzido quelles contra as obstrueves do figado e da presta-
pas que os tem applicado em taes circum- la em lu/ar das raizas apperientes.Sua utili-
stancias pois nos parece que n5o baver um dade e excellencia sSo taes, que n3o s pelo?
s pai ou m3i que por este meio o5o quei- doutos, mas tarahem pelo povo rustico
ra por termo a taes soffnmentos de seus procurada e contemplada entre os remedios
filhinhos visto ser um mal que tanto os maravillosos.
Traduzido do latim de Pisn e Martarave.o
flagelo, pois a estes collares acompanha um
folheto que ensina como se deve applicar, e
vende-se na loja do Gallo Vigilante, ra
do Crespo n. 7, pelo preco de 400O, 51
e 60000.
Veode-se na Livraria Franceza roa do Crespo n. 9 e na Botica Franceza ra Nova n. 8
Veode-se orna porco de calxllhos e rolla
de amarello, todo obra moderna : a tratar ao
eses do Capibaribe n. 2, officiua de tornero.
VMMem-5e os escravos segninte : "ua bo-
nita escra! da idade ti sanos, coro boa* habili-
dades, eom tres lindos Albos de idade de 7, 4 an-
uos, e um c 4 raezea, un bonito moleque de 14
a II Mos que s*re para pasen : di ros da
Saau Tnereja o. 28, ou ua travesa do Carao nu-
mera I.
50000
Cal de Lisboa.
Da mais nova qa 1 ha no rorrea lo plagada pela
barca GraUn&a: vndese oa raa do Trapiche ar-
maren, o. 5.
110 IS
Grande sortimento de doce* saccos, crystalisa-
dos e em calda, asmnp-irose nacionaes : no ar-
mazem da Ug* raa Nova 0. 60.
Vinho do Porta suprior om cain de
uini duzia.
Vende-se no escrlptorio de Antonio Loii de timo emais apuradogOStO da Europa 9 OH
Francisco Jos Gennann
RA NOVA N. 21,
acaba de receber om lindo e magnifico sor*
tiiuento de oculos, lunetos, binculos, do til
Oliveira Aievedo A C, no seu
Gru n. 1.
escrlptorio ra da
No
de
Veode-se
machinas americanas de serrotes para descarocar
algodio: na ra da Semana Nova n. 41______
Vende-se a casa u. 42 da ra de Joio 'Per'
oaodee Vieira, oa Soledade : a tratar oa ra Non
0.44.
Vende-?e urna porco de rotulas e janellas de
amarello, todo ebra moderna : a tratar 00 caes de
Capibaribe n. 2, offleina de torneiro.
Vende-fe orna armacio que serva para qual-
quer negocio, tendo a casa moradia Independente:
as Cinco Ponas n. 68.
armazem de fazemlas baratas
Santos Coe'ho
Ra do Queimado o. 10.
Vende-se o seguinte.
Pechincha I
Proas de cambraia branca fina com um peque-
o dffeiio decopim, pelo baratissimo prego de
1*500, 2#00, 34300 e 4500 res, quera delxar
de comprar cambraia par to diminuto preco.
faoBo de algodio da Babia proude
para saceos de assacsr e roupa de
escravos.
Vende-se no escriptorio de Antonio Luiz de Oli-
veira Azevedo & JC, .no seoj escriptorio raa da
Cruz o.1.
Veode-se vioh) da Bjrdeaut em quartolos
barris a caias: em casa da Tlssat reres, ra jad
Trapiche n. 9.
los de alcance
martimos.
para observares e, para o
Doces
Grande sortimento dn doces secos e crystalisa-
dos e em caba e-traniriH e nacionaes : no ar-
- Vende-se o ongeobo Q.mombo sito na fre-1 niazem da Liga ru Nova 0.
gueu de Jaoja.tio, com muius aexcelleotes tor-
ras e ptimas matas : a tratur com a proonelaria
oa Estancia sitio qae faz esquina para a ra do
Caminoo Novo.
Na roa do Trapiche o. 44 3 andar, vende-
pelo seo joto valor urna escrava preta, moca e
de booita flgnra. eoze, wmba, lava e eogomma
com toda perfelgao, e dabltaada tambem a tratar
de cranlas e emende de todo o amol domes-
tico de orna casa de familia.
Na roa do Viga rio n. 19) veode-se :
Vinho Mscate em aneorelas.
Vmhos do Porto de diversas qualidades engarrafa-
do e em barris.
Ceta em vetas e grama.
Lena em pecas e fardos.
Vndese urna morada de cas terrea com
teareno paraVdiflsar ua outra, de 25 palmos de
frente, sita na roa do Amparo em Olioda ': a tra-
tar na roa do Amorim 0. 36, coa Joio Simlss
Pimenti.
O
O mais completo. arlado sorlimnato de papel
para forro do sala e goaroiedes, encontraba a
venda na
RetlM 4e atfcel c.
34-Rut larga do Rosario-34
K^
<
^
71

-



.mms&xxt
tvi
^USBSflDMflul


\
l
{
I
Diarlo de ffer Bambuco Qna. U elra de lajaeifo de 18b7.
dr. *i:\ jai
' Perfumaras aovas.
! A amiga loja ifi raindeas a roa do Qaejojado
' a. 16. receben novo sortimeoto de perfumaras
seodo fiaos eilraetos e essencia ctMbotrada, ebet-
ros agradaveia para lencos, ojeos sarfioe, pbiloco-
i me, e babosa para cabellos, bannas e cosmetiques
' tambem para os candi >s, poz da coral e hyitsaico*
para denles, opUta inglua e fraocexa para ditos,
?3ra o trtamelo e cara rpida e completa das mol**., svsticas, erisype- $$%. ff^J^i^S^SX^
las, rneumatismo, bobas, gota, debilidade do estomago, tmammacBes c&ronicis do figado outros moi Anos e caixicii. de louca para bar-
e baco, dores sciaticas, cephalalgias, nevragias, ulceras chronicas, hydropesias, pleuri- iba. aguad colonia de superior qualdade em Tras-
tas, gonorrhew chronicas e en ge al todas as molestias em que se tenba em vista a pa- /Liba? lu^^Zr^^aTtl
nflcaelo do systoma sanguneo.
toaslderaces geraes
A saude um bem inapreciavel,' cuja importancia e valor so est reservado ao en-
fermo o avalia-lo.
incontestavel qne o homem nesle mando constantemente, e por todos os lados
atacado por ama nfinidade de agentes morbficos que todos tender, dadas certas e deter-
minadas circumstanciaSj a alterar o regular exercicio das funccdes orgnicas, resultando
pesse desequilibrio o qne se chamamolestia.
A molestia nao mais do qae a desvirtuac5o das forcas vitaes, occasionada, so-
fondo as investigaces e experiencias dos mais abalisado mesires da sciencia, pela depra-
?acSo dos humares geraes, consequencia da acc5o maligna desses mesmos agentes morb-
ficos introducidos no organismo pelo acto da respiracSo, pela via digestiva, pelo contacto
immediato etc. etc. etc.
A sypliilis intelizmente tem sido a partiiha da humanidade, a como fra de duvi-
da que esse terrivel Proteo da medicina urna molestia hereditaria, ella tem sido obser-
vada em (odas as i-la Jos, e debaixo de todas as suas formas tiio variadas, enfraquecendo
constituyes robustas, produzindo mutolac^es, e cortando anda em flor da idade vidas
preciosas.
Eliminar da economa esses principios deteterios. e purificar a massa geral dos
humores tem sido desde tempo immemorial o fim constante da medicina, e os purgati-
vos figuran em prinetro lagar para preencher esse iesiteratum ou fim,
O Elixir depurativo do Dr. Se vial parece merecer a preferencia sobre lodos: os
(inmensos successos obtidos pelo aso deste salutar agen e tanto na AHemanha. como em
Franca e talia, o tornam o eorapanbeiro inseparavel de quasi todos os doentes.
Sendo as nelesiias, como cima dissemos, de vidas s alteracSes dos humores, o
Elixir depurativo do Dr. Sevial pode serpregado vantajosamenle na syphilis, erisy-
petae, rheomatismos, bebas, gota, 'iebtlidade do estomago, inflammagoes chronicas do
figado e baco, dores sciaticas cephalalgias, nevralgias, ulceras chronicas, bydropesias.
pteunsias, gonorrheas chronicas ote. eem geral em todas as molestias em que se tenha
em wstt a purificacao do systema sanguneo; pois que urna pratica constante tem feito
verane elle inlispensavanos casos gravissimos para minorar os soffrimentos,o pre-,
parar o dotte para medicacoes superiores ; e as menos graves a cura a conse-
qaencia do seu uso, convenientemente repelido.
As substancias qae entram m composiQodo Elixir depurativo do Dr. Sevtai,
pertencem tedas exclusivamente ao reino vegetal, e grande cataogoria das substan- w06"0*40 loja de miodesas n. 16^
idas depurativas e awis^^iliticas; assim, ao passo que este remedio depura o orga-j Ereite ft ^nnarflas.
cismo, eliminando os principios uocim saude, pelo mecanismo natural ^ra^Uf^S&t4^^SZ
acoes alvinas, neutral sa ao mesmo tempo o virus syphilrtico qoando este virus ja mamo de bonitos enfeites para bailes, th'eatres *
tem feito erupeo no -exterior debaixo de sitas multiplicadas formas ; o previne tam- i casaroentos; assim come deseadas grinaMas para
bem os estragos dessa-terrivel molestia, quando por ventura se ache ella a toda no j aoivas, eaixos de flores .tinas paraeufeitar os ves-
estado eencubago, isto sem se ter manifestado sob formas extornas: beneficio ii0! de d,ttVDl2fOlros ?hiectos-e S5"
immenso, tanto mais quanto nesle estado os individuos ignoram completamente se es- de por ^?6s
tao contaminados por este terrivel inimigo.
9 sabor agradave d'este Elixir convern a todos os estmagos, a sua acefo so-
bre o tabo intestinal- snave ecenigna, e de henhuma forma produz molestias medi-
camentosas, como acontece ao purgante dito Le Roy, que na sua qualdade de dras-;don. 16.
tico forte irrita a mucosa intestinal, e consecutivamente a seroza, resultando deste es-! Hoas brancas ft de C'S,
tado, murtas vezes, hydropesias, qae quasi sempre terminam pela morte verdadelra) tnico de K'emp, e moi as ootras per-
fumarlas que a vista da boa jualidade e oommo-
ddade de presos, o comprador nlo obieclara'.
Meia- pretas de Ifta 4e laia.
Para padres.
Veodem-se na loja de miudezas a* roa do Qoei
mado o. 16.
tara baptisados.
Bonitos chapeusinhos enfeitados, sapatinbos de
setm e merm, bordados- e enfeitados, meia< de
seda, e So d'escocia para ditos. Vendem-se oa to-
ja de miodesas a' ra do Queimado n. 16.
Bicos e rendas dasilhas.
A loja de miodesas a' roa do Queimado o. 16,
recebeu nevameBte outro sortimeoto daquelles boas
e bem conbecidos bicos e rendas das ilbas, cuja
fortdSo, e seguranza de tecido, Ibes da' immensa
duracio e os dilTerentes 8as a que acertadamente
sao appiieados fazem a grande prucora, e prompta
exirac^jo como constaut^meote lm acontecido ;
assim pois coocorram os pretendemos, qoe a vista
da commodidade dos pteos ufo objeetarlo em
comprar.
Graxa* econmica.
Em caixiohas, taVas e barris, a' toja de miosas
a' rita do Queimado n. 16, recebeu nova sortime-
to essa boa graxa econmica.
La para btrdar
A loja de miodesas a* roa do Queimado n. 16,
receben novo soriimeato de la Boa de bcrartas eo-
ves, e como sempre vende-a baratamente, t sor-
ttmento a eontento do comprador.
Bonitas caixintas.
De roadeira cora enfeites dourados, metal para guardar j->ias. Vt5odemse m ra do
aperiente, nao se atreve a bjectar a re&potto.
abadinhos bordados, eutreueios ditos.
Todos de fina cambraia e dlicad s bordados.
"Vendem-se oa loja de raindesasa' roa do Assim pois esperamos que o so deste "remedio justifique cabalmente asnos-!1
sas asseveracSes; porque sendo um medicamento tao simples" na sua composicSo, a'
pratica tem confirmado sua utrHdade.
Volco deposite -em Peraambuce
Na botica e drogara
e
SarMkomeo Companhia.
34-RA DO ROSARIO LARfcA-^*
umm
ou
Wa ra da Cadata n. 85 ha para vender-se ornamentos 4e Igreja por menos preco qe
tra'qoalflUer parte: _
AftAER :
Ornamentos-do damasco (raneo de 24* a 35S" encanado de -2*& a .toeo
reto de 2 a 3''*000
prelo de 804 a 3% 08
verde de 2 a 294000
de velledo preto a 264000
A-vista da hoa pracura que tem bavido destes objectos previnimos ao publico que breve he-
gua' da Parfs urna nova reraessa de ornamento de todas as edres, inclusive oroameotes sebastos, ca
pas de asperges, umbeites etc. '
Recebe-se tola eqalqueur aocommenda relativa ao cuKo.
Novo grande deposito de superior carvo de Cardiffaa
Coa borlas eem ellas, pava rortinaaos, toalhas
etc. Vendem-se na loja de raiudesas fu w>
Queimado o. 16.
Boas e bonitas tas.
Litas e lavrada?, larga o estrenas; vendem-se
na loja do mludesas a' ruado Queimado n. 16.
Sonitos -enfeitett para vestidos.
A loja de aaindesas a'raa do Qwimado n. 16,
est' recenteosenie provida de mu bonitos enfeites
para vestidos, sendo bicos de sed tanto bronco
come preto*, 4e differefltm larguras e rom vKln-
Ibos, ou sem eMes.
Trancas e galdes de seda dos ltimos gostos, di-
tas com vidnlfcos, pretas e braocas- de iffereotes
larguras e gosts. Fitas de velludo pretas -e de
cores, com lista as relas. arsa murtas dras
censas de oda e>novMaOe, e tone por preces tao
commodi.s, que o comprador Sca-saiisfeilo e nao
objsota a capturar.
Bellas de borradla.
Be diversos tamauhos para feriaguedo?. Ven-
Eifciles oavfls de bou gasta para
vestida*.
A Agola Branca, a' roa do Qoei mado n. $, rece-
ben oa aatraordlnKio sortimeoto da enfeites aso-
tlD0$ B os,u P*1"4 veslMos. 6e"do gallo d
seda de diferentes larguras, cores e desenos, o
Be tfama ente encontrar.
Tranras.
Trancas brancas e pretas, largas oslreita,s com
vidrilbos, pingeitesa sem lies. Ditas branca
de cores, largas e estrenas sem vidrbos.
Fitas maiisdas oa de desenhos de cores, estrei
taa e mais largas, proprias para testldos da mew-
nas e sentaoras.
Uitas de velludo, pretas e de outras cores, com
oreljas de cores differeotei, gostos novoa, tambem
proprias para luTeilar vestidos.
Bieos de seda braoeos e pretos, largos e estrei-
los, com vidrilhos e sem eltes.
Era dita loja os apreciadores tambem encentra
rao bello sortimeoto de Bvellas e fitas para cintos,
peules para coanes, e muitos, outros objectos d
moda.
Entremeios e babadinhos.
Boa fazenda e delicados bordados, estam expos-
tosa venda na mado Queimado, loja de Abuj.
Branca n. 8.
A A?uia Branca a ra do Queimado n. 8, tam
bem vende moi boas espar til tos.
Tiotwap para cabelles.
A Aguia Branca acaba de recebe,!' dovjd sort
meotn das bem conhecldas tinturast^iromacome.
Virques e Hoildf, e com qnaoto os preces de dita*
enejan um pouco mais elevados ( por causa de al-
<*"*{> dos dreltos), coro indo nao a pequea
diaereoca qae ba de tajar-dos mecos velbos; assim
ontinuem os mtgfitm*K di'igirem-se a roa.d
Qoeimado, loja e^guTa^Branca o. 8.
Objectos de ftarraclras par lata-.
A Agoia Branca a' roa do Queimado d. 8t.rece-
beu esses oovos objectos de borracha para loto,
sendo alUoetes, brinco, pu'tceiras, voltas de eor
remes, correntes para reogios, assim romQioujri-
Igual sertimeirto de obras de vidro, tendo de o ais
flvellas de mRo bom gosto e cintos, e todo fisso se
vende por preces rasoaveis.
Peales e flor para ceques.
Obra de bom gosto, e ioteirameote nova, a Agota
Bracea a* roa o Queimado o. 8, recebeu una pe-
quenas peo tes com uita flor de metal, obra de.no-
vidade multo gosto, e proprkts para coques.
6bjeetosd8Uh
E novidade, ejposas a venda na ra do, Qoei-
mado, loja da Agoia Branca o. 8.
mos e modernos -enfeites para bailes e the
tros, com flus, e; floras, con, ojones e sem tiles.
elrcadas capellas brancas de roas e flor de larao
ja para nolvas, caisos de ior de laranja proprias
para peit06, hurotirose barras dos vesdoa de.no-
^as.
Coques fit|iado cabello.
Lisos e crespos, singeJos e composios, Oe gpmrs,
canudos e redondos, coberios com fltet simples t
de vidrinbos, ornados com Aeres e Alas, obra nova
e de gosto.
Para seohoras e oHioas.
Loques Anos de madreperola e osso, todo de san-
dlo e de sndalo cem seda, coa finos e boniter
deseo bos,
Obras de madreperola.
Bonitos pentes de madreperola moi alvo pan >
coques, lindas fivell.-.s de dita dita para oalos, d.
licados/aflneies o brincos,. bolSes para^aoljos, c-
bra prima.
Aderecos, pentes-e fivellas iguaas de dita, *
Lriucos. Fivellas e fitas para tolos, ciatos mal
sados, obra novj-ssima e de gesto.
lilaila enfeites Boaoit>n para
scaboras
A agola branca tem a satisfacao de noticiar a
sua bea treguetra que acaba de receber lindos en-
feites a fionoiton obras delicadas, de oonta e ulti
ma moda, o qpe seta devidameoie apreciado pelas
excelteoilsiroas-enboras de bom gosto. Os pre
eos (testes enfeites sao comroodos e isso venfleara.
quem se dirigir a ra do-Queimado loja da auia
branca n. 8. *
Ranas de Horea atoas.
Geavo' geraimeote sabido, a loja da aguia bran-
ca o jardiro des finas flores anificiaes, e alem do
bom-sortimeuto^ue sempre se acha om ditaloja a
aguia acaba de receber novas flores as quaes se.
Botos grandes
e peqaenosvpret s e de ostras cares.
A aguia branca receben um bello sortimeoto de
bolftes de diversas qoetidades e gostos os mais
moderos, a elles boa fregutia da agota branca.
comparecam a roa do Qaeimadn a. 8.
Admirem os preeos
Wa arraaem de I uzeadas de Saato;
Coelho.
Rtia da QoeiMado n. I
Vtnde se :
Madapolio entestado fino a 94 a peca com 10
n. as.
mmfm
denvse na loja de miusesas a' raa do Quie^lo cuobece o rigur d'arte imflaDd.i as flores oatoraes.
Anteoio Gomes dos Santos g C, roa de Santa Barbara o. 1, estio habiliUdoe a sopprir oarvao, em coadigoes mais -favoraveis que em outro qaalquer deposito, a todos os navio* a vapor qae
eeaeem oaoueHe porto. A eoutratar nesta com Domingos Alvos aathens.,
Vende se urna propuedadede trras no 'logar
denominado Tres Ladeiras fregoetfa de S. um-
re.i5- de Tejooapape comarca de Goianna, cuja
proprledade tem orna legua de cumplimento o
mela de largara, dividecom o engenbo Cumbo de
Baisc, engenbo do Meio, Caga Fo^o e o engeabo
Itapirema de Cima, tem wuiios terrenos proprlopa-
ra casa e duas encllenles varenles qoe oenea
stcametem boas proporoes pra se edificar um
engsobo d'agua:: qoem pretender -comprar dwi-
ja-se ao engenbo itapirema de Cima -ou no Rene
oa ruada Praia*. 37 ao Sr. Jos de Reg Meils.' brancas enveraisada.
Na loja da agwa branca a raa do Queimado o. 6
acuario os apreciadores do i ooa e delicado caiso-de
llores com comprid?s rama-, rosas, 4c, lodo do
meiow gosto e jinmer qualdade.
Heiars pretas para paws.
A agoia branca a' ra -do Queimado a. 8 rece
bou evo sortimeoto daqociias boas meias pretas
de Uta que continuara a -ser vendidas-a 54000 e
par.
Yisporas e Cominos.
A agoia branca a' roa do Queimado 6 rece-
beu novo sortimeoto de visporas em calas de ma-
deira e. papelo com 24 e 86 car loes, tendo entre
elles alguns com chapa de metal para cobrir o ou-
mero ; assim como dminos am caixas demadeira
varas.
Ditos de 74, 74506, 84, 94,104 e 11* a peca cou
20 varas.
Cambraia de lista de doas cores para vestidos
800 rs. a vara.
Balos de arcos para senbora a 24500, 34 e34501'
Ditos de arcos encarnados de 34500 e 44.
Ditos de morculina a 44800.
Ditos de arcos para o enioas de 14600 e 24.
Toalbas de linbo alcocboadas a 124 a dula.
Ditas de feltro (pello) a 134 a duzia.
Atoalhado adamascado de aisodo a 24 a vara-
Dito dito de linbo a 3a a vara.
Bramante de linbo com 10 palmos de largura a
24500 a vara.
Dito da dito de 9 1,2 dilo a 24400.
Dito dito de 5 dito a 14200.
Dito dito de 3 l|2 dito a 800.
Algodlo enfesiao cora 7 1|2 ditos a 14100.
Retondes de filo preto a 74.
Bournus de do a 104.
Chales de dito 1 54.
Cambraia adamascada para cortinado com 20 va-
ras a 134 a peca-
Lencos brancos de cambraia finos de 24, 34. i
340 e 44 a duna.
Laiioha com flores muilo fina a 400 o covado.
Dita lisa d.la a 480 o covado.
Cambraia de linho tina de 64500 a 94 a vara.
Cambraia lisa muilo fina de 54, 64, 64500, 74
84 a eca.
Colxas de fustao alcocboadas brancas e de cores a
64000.-
Cobertas de chita da India de 24400 e 24800.
Lences de h mborgo fino de 24400 e 24600.
Ditos de bramante de um so paooo a 34:00.
Tarlatana de tods as cores a 800 a vara.
Horeaotiqoe preto superior a 24600 o covado.
Grosdeoaple de dito a 14800 o covado.
F'aoeHa -ie cores a 800 o covado.
Cambraia de salpicos branca com 8 lt2 varas pe
ea 44500.
Fil de linho liso fino a 800 a vara.
Dito dito com salpicos a 900 a dita.
Guardanapos de linho para mesa a 34500 a dnaia
Assim como tambem se eneontra om complete
sortimento de roopa feita e por medida.
XAROPE
DE CASCAS DE LARANJAS AMARGAS
iie f. P. Izaros?, pbkriuaeentlco
ca Parla
Vi ubm de aiiccmi aitftUat a sua citada,
caaM:
tnico excitante, para ajudar as <"aac-
g5es do e tora^o, assim com) dos intesti-
D08, e curar as doencas nervosas, agudas oa
chronicas.
tnico anti-nervoso, para car; r 1 s i na. ra-
mo dos percal sores de doencas assim evita-
das, e para facilitar a digesUo.
anti-periodico, contra oa cala fros, calo-
res, com t.u sem intermittenc as, e que leem
por especieos as substancias amargas; tam-
bem efficaz centra* asgastrites e as gas-
tralgias.
tnico reparador, para combater a ex*
haustaco do sangue, dispepsia, anemia, es-
gotamt nto, inappetencia, lang. r ele.
Deposito em todas as pbarmacias e casas
de drogaras no Brasil.
Expedic&es. em casa de J. P. Lazore. rue-
des Lions-St-Psul. 2, Paris.
Deposito em Pernambmo, pharmacia de
P. Maurer & C roa Nova n. 48.
iNJECCAOECAPSrAS
F A**T
1
J-\
p-
3
a. BS B QD
2 0. 3-B 0 -1 ao a T3
i> -j O *" CB
' g c 0 0 3
CA s -- -0. p
s H 00 03
0 0. 9 B 3. p ?C5
a 0 0 0 0 13 0.
w 0.
X) 0. O 0 0 1 < c > C5 w
V. D 1
rs m s a. 09
Nevo iratamenlo preparado com as folhtu t
tantico, arvore do Per, para a cura rpida e in-
faliivel da GoBorrhca sem recejo al^um da con-
iraccSo do canal ou da inflammacao dos imestinoa.
0 celebre douior Ricorh, de f ans. terrennnciado,
desde sua apparicSo, ao emprgo de (ualijuer
muro iratamento. Emprega-e o InjcccSo no
meco de fluxo; as copudas em lodos os casos
chronioes e inveterados, que resisiirae s prepav-
ravocs do copaho, cobba e is Djeccdes com base
nelaTlica.
A venda as pbarmacias de P. Maurer d
C. e A. Caors, em Pernambcco.
Escravos fgidos
Coliares Mojcr
O
Anodinos electro-magnticos contra as co
vulses, e para facilitar a dentigao dat
criancas. A aguia-branca na ra do Quei
mado *. 8 recebe-os por todos os vapo-
res fraocezes.
J estao tao coahecidos, e tanto se tem espalhadi
a fama desses prodigiosos collares Royer, qoe s-
torna desnecessario dizer mais algoma consa en
abono de seus bons e e efScazes effeltos; basta 1
testeraunho de milhares de pessoas, qne tm vist-
-e aproveiado o feliz resultado desses tao Qteis
ooo necessarios cellares Royer. A quotidiaoa >
crescida estraccao, qoe vo tendo, mostra aind;
qoe 3 numero dos prodigios se eleva como todo
os compradores. A asoia-hranca, pTm, dse
ando concorrer para om fim de tanto aproveif
melo, trm feito os necessarios pedidos, para qo<
por todos os vapores fraocezps Ihe seja remettid
certa qoantidade de ditas collares, para assim tor
oar-se iofaHivel o snrtimpoto delles, oa loja d'a
fuia-branca, roa do Queimado o. 8.
Bap Paulo Cordeiro.
A loja de miodezas a' roa do Queimado n. 16,
receben novaremessa de rap Paulo Cordeiro, e
continua a recbelo por todos os vapores, para
qoe s apreciadores aebem sempre boa pitada.
Escravo fgido
Foalo do dia 3 do correte om mult-oue de no-
rae Hilario, cor bem preta, roslo redondo, bailo e
encurpado, com calca e j qneta de riscado azul,
leyou om cavallo com eanftalba, foreiro, itraode,
maicre c com a dina e topete curiado- : os preten-
derles condozam a ao eogeoho Carauna, on a raa
da Impera ir iz, casa o. 8;.
Murta attengo.
Foglu no da 27 de dezembro dn anno passado,
de eneenho Bata da freguezia de Una ci marca da
Rio Formse, o escravo Angelo, erioulo bem pre-
lo, de Cade de 20 auoos, com os sigoaes seguic-
les : a 1.1. seco, sem barba, tem (alta de um deate
ua frente, ps largos, falla grossa, bonito de fel-
ro s e anda a passos largos, levoo camisa de ma-
dapolao, calca de brim pardo e chapeo da baela
preto, este escravo natnral desla pr*ca e fui com-
prado ao Sr. Silvino Guilherme de Barros e ba
cetteza qoe ahi esteja por ler Irmos : p r -ntor-
ga-se as autoridades polic ae.% ca it.ies do carao
ou qualquer pessoa que o coobecer o aprehendaos
e o leve ao referido eogenho ou a roa da Mueda n.
, segundo andar, em casa do Sr. Mantel Alves
Ferreira.
Fugio do engenbo Gutioha da comar-
ca de Goyanna no dia 5 de Janeiro corrente,
o escravo Manoel com os signaes seguintes:
erioulo, com 35 unos de idarie 1ucn nais
ou menos, altura regular, delgado ilo aor-
po e pernas, ps pequeas e nao mal fcHos
rendido de urna verilba, cara tiraba, barba-
do, aarii afilado, dectes perfe'U>s, uos ta-
Ihos de chicote as costas, muito ladino e
peitoso para illudir; o seu senhor Antonio
Rib^iro Campos, mora no mesmo engenho
Gutiub, onde deve ser entregue o dito s-
cravo, quem o capturar ser bem recompen-
sado.
Anda est fgida a preta Jnsei ha mnda o
nome para Jenoveva, criouia. repre-ent^ 25 annos,
levoo vestido de chita escora com palmas, rhilfs
c5r de rosa eorcarnado, tem as pontas dos dedos
da mo direita comidos de urna roda de faxer fa-
noha.tem sido vista nesta cjdade e seos arrabal-
des ; roga-se as autoridades polici es e capiaes
de campo a aprehensio e mande a ra da Cadeia
Velha no Recife n. 19, qoe sera' pago todo o sen
trabalbo.



2. PARTE DA V.
GERAL
2
DOS PREMIOS DA M. PARTE DA W. LOTERA CONCEDIDA POR LBI PROVINCIAL N 103, A BENFICO DA 1GREIA DS NOSSA 8ENH0RA DO-GUADALUPE DE OLINDA, EXTRAHIDA EM 5 DE JANEIRO DE 1867.
iiS. PREM. JS. PREM5. NS. prems. xNS
1 20* 164 6* 355 6 590
2 6* 68 04 95
11 70 _ 67 601
lo 74 _ 75 10J* 4
19 10* 76 77 6* 5
33 6* 78 10 84 12
2* -8 .6* 90 19
K 98 93 24
27 '. 205 95 98
30 8 97 ao
34 14 401 33
37 _ 14 10* 12 _ 36
n > 25 * 16 8
41 _ 26 __ 19 47
53 29 21 48
57 31 27 . 51
59 t 34 33 T 54
67 36 40* 42 55
68 50 10* *P , 58
69 ' 51 6* 52 63
73 10* 54 53 65
7* 6* 55 57 67
79 101 58 ~~' 61 74
82 20* 58 66 77
83 ** 66 79 81
85 69 M- 81 _ 84
88 aaaa 74 _ 82 _ 85
89 75 ... 83 _ 94
96 _ 77 --- 85 1 95
102 81 Tr 95 707
n ~ 90 500 -r 8
7 99 100* 4 10
40 303 6* ,7 H
A* 8 1* m 21
16 9 - u T 24
25 10 * --- 25
U 10* 12 26 6
4* 1 15 29 , 28
30 11 .| 2 -T 41
31 10* sa 48 45
3J 6* 16 -- 49 46
43 26 60 T 47
44 JO -- 64 _ 52
48 *t J3 - 66 -T 56
49 T~ ar m 11 57
0 m- 43 6* 77 - 60
51 _ 48 78 --- 71
53 _ 50 79 72
55 ---! 51 83 --- 74
M _ 53 88 76
NS PREMS. XS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. IS. PREMS. NS. PREMS. NS.
6
10*
6*
m
6*
777
80
83
90
97
802
4
7
8
13
26
28
29
34
36
41
44
46
54
S&
62
66
71
71
74
80
81
82
84
85
92
95
.97
99
901
3
10
17
25
29
30
31
32
34
38
39
44
48
51
63
6*
oOO*
6*
10*
6*
20*
6*
10*
6* 01
10*
M
o*
6*
20*
6*
20*
6*
964
68
73
76
77
79
82
90
95
96
99
10O6
7
11
16
34
39
40
41
46
47
48
50
60
72
75
80
83
85
95
99
1104
7
8
12
13
14
20
-i v
28
29
32
33
34
38
40
^
46
6
to*]
6*
40*
I
10*
6*
20*
6*
100*
-
io*
20*
1148
52
60
61
65
76
77
78
2
87
90
91
93
95
1260
1
3
13
16
19
25
30
34
37-
43
44
46
49
54
58
61
64
67
69
73
75
84
93
98
8
20
26
27
29
40
42
07
58
61
6*1366 6*
20*
10*
6*
6*
L200*
6*
*0#
6*
-.
74
39
85
86
93
9T
1400
1
2
6
14
15
18
25
32
33
40
41
43
51
51
07
61
63
68
75
80
87
90
92
94
97
99
1500
1
2
6
14
15
19
"<'J
24
25
i
39
46
50
53
10*
6*
10*
6*
1

1554
59
67
68
75
77
78
80
83
86
87
93
94
99
1600
6
13
22
26
35
38
40
51
55
.59
60
71
75
78
79
87
93
1701
9
14
32
33
45
46
I
06
s
20*1 80
6*
40*
200*
6*
**
*
-.
1781
84
86
88
95
97
1811
16
25
30
06
38
40
49
52
54
58
61
65
66
267
68
69
71
74
77
83
84
88
93
V
8
1905
6
8
10
14
17
1
6*

U
23
35
26
29
33
34
42
-] 80
-] 57
20*
6*
10*
6*
T8
TI
60
10*
H
10*
A
1960
61
62
68
71
76
87
88
89
91
92
95
96
2003
4
11
12
13
14
15
20
22
30
31
41

44
00
60
64
76
83
8i
90
93
2102
8
7
8
li

PREMS.
6*
38
48
-1 57
20*
6*
31
32
37
38
47
51
84
-J 07
58
66
6!
70
78
84
91
92
- W
2300
3
7

25
26
29
33
39
42
46
20
6*
4"*
10*
6*
NS. RPEMS.
2160 6*
61
71
84
93
94
99
3200
i
2
>
9
16
19
20
21
24
27
20*
1
10*
6*
NS.
2351
67
66
71
73
78
80
83
84
85
86
88
9
2405
11
13
19
35
36
37
39
40
43
PREMS.
6*
4
55
61
64
70
76
92
93
94
9.6
l
8
19
s
a*
35
38
46
05
57
09
60
NSr
2571
72
73
80
61P
19
28
29
83
-35
86
39
:{i
48
5i
S2
53
54
-i 09
PREMS.
6*
10*
* -
1O0*
6*
20*,
6*
20*
6*
m
iM
1H
IP.
6i
64
67
78
81
85
86
90
91
9*
26
9%
.30
%
57
09

4
6
.
408
6*
PREMS.
2770
73
88
90
91
93
94
880
2
7
8
11
19
82
23
24
28
NS.lNS. PREMS. NS. PREMS. ,NS. PREMS. NS. PREMS. \'S. PREMS.
6*
-> 8
37
51
63
w
9
i90|
3
i
0
7
42
a
-i **
-I- 48.
U
18
20
213
-t
- tr
n.
44
00
00
10*
o*
408
6*
2958
60
71
73
74
78
80
85
6*
94
3005
6
7
8
AO*) 3
6* 14
15
16
22

27
30
3,1
34
30
37
43
45
- 47
49
61
69
74
M
77
3
.94
20*
10*
30*
6*
80*
0*
i 3104
18
88
80
88
34
3
0
60
62
70
76
78
10*
6*
10*
6*
10*
6*
40*.
6*
J
10*
3182
91
95
99
3203
11
12
14
15
17
18
19
20
24
.87
35
36
40
43
m
59
65
68
70
70
78
80
89
80
91
93
95
97
3301
14
17
19
26
36
38
46
84
t
70

74
76
78
79
10*
6*
10*
6*
3383
98
3400
8
10
11
18
20
21
24
25
29
35
38
(i
46
47
2
64
66
44
77
79
81
84
88
.9*
95
97
98
3503
4
7
I
i
3P
31
i
40
42
43
-i 40
_
I
201
6*
10*
6* 3546
48
54
58
2
64
66
'68
70
71
74
78
80
89
95
94
99
3601
18
10
25
28
80
33
44
64
61
63
68
7.1
7*
83
92
94
3702
49
28
44
32
-4 37
4^T
40
43
46
,03
70
78
79
89
{O*
6*
108
6}
10*
6*
400
6*
40*
8*
<79
95
98
3801
6
13
14
18
22
26
32
38
40
47
48
66
69
60
71
78
74
82
88
92
3901
9
16
17
21
22
.34
38

48
9
52
69
0
67
i
7*
7*
7?
87
93
9*
98-
99
*0*
8*


ii > UP i m^rm



ata

Diarlo de 'ern&mbaeo Quaria lelra ltt de Janeiro de

I8b7
LIHERATRA.



A OIIIV1A DE PE RUSA
POR
Glevanui de Franeais.
i
\i liaba qualorie aoous.
Linda 3 rinhe da escola bysantioa, mostrsva Bob~
gr.tnles i'lhos pretos o fogo da inielligencia B a in-
la le da alma. 0 man do sol e os suITrimen
tas da miseria tioham-lhe dsdo-j, fdlrSds faPwtii
uaia expresfio de ii\' -n 'fu parecii pelo monos;
nono prematura na ..i iiiad>.
i'rajava o simples v tuario das roulheres do po-
vj uas Roroanas, e .izf-se nctave-! pela Itmpeza
dos teus vestidos prssefros e. estragados. Uro
b ceado triangular Je panno preto, acoromodado
redor do pesclo como um lenco, mostrava que
eslava de luto e juti,:ava o litulo da orplm que
s lhe dava em Perusj, sua patria.
C>m elfeit}, tiuha p'-rddo seus pas por ura mo-
rj < multo trgico e acharase sq no mundo quando
era .'inda cieaoga.
Seu pai, honrado e labori'.-so operario, tiuha ads
f] uride certa abistaoQa pelo trabalho e, pela ra
:. uvidade e pericia, lera a ser um dos sapateiro-
a.ais afreguezados de Perusa.
Qu^ndo rcbeDtou a revolucao de 1848, mostreo-
te, comu todos os seus concidadaos, sincero parti-
dario das ref rmas quo Qzeram que o seu pan dai-
xasse de perlencer aos estados romano?. Nao to-
moa parle, porra, nos aconiecimentos dessa po-
ca, e quando a liberdade da sua patria cahiu ou-
ira vez dsbalio das baioneas estrangulas, dio-
i '.i lh em silencio a sortf.
Era grande o enthnsiasmo.
Todos se abracavara as ra?, e, cheio de con-
flanca nos seus direitos, o povo de Perasa e-per: -
va um futuro de liberdade e ventoras.
Nella tambem eslava alegre.
Vira os matadores de seu pai fugir ante as r. ji-
das populares, e a eommuna, asando de ]us(ifa
reparadora, tinha manifestado a intengio de adop-
la-la e de tomar sobre si a sua sorte e a de sua
velha tia.
Mas passados dous das comogarara a correr na
cidade obtros boatos e breve se adquiri a eer-
jteza de que os Saisos do ejercito pontificio roar-
" chavam sobre Perusa.
Esta noticia poz- a todos de-aulaia, e muitos
campinos, acudiodo das jwvoagoes ruraes dos ar-
dores, foram jantar-se aos habitante* da cidade.
Rpartiramse as armas e ludo se preparava pa-
ra enrgica resistencia.
No meio da agilacao que em tola a pars lavra-
va n'aquelle momento supremo, Nella mostrava-se
iucansavel, e a iodos os pontos acadia cora armas,
jBunicfjes e agaardenle aos emblenles
1 gado no tribunal de la Vienne (Franca) e
.ErnestoSureauLamirande, calxeiro da casa
G do ailibaoco de Franca, es'abelecida em
Poitiers, aecusado de falsiffcacSo de contas
e documentos; pois tenJo desencamihado
em prejnizo do banco 701:000 francos
(l20:7O)JOOO pouco mais ou menos) em
raoeda metallica e em notas, subtraindo dif-
ferente's somtms da^asa forte, da caix dia
Mas n&o tardn que a reaeco o envolvesse as
numerosas proscilncfes que am.irguraram aquel-
!es povos, e em 183 foi preso, e, mesrao sem ser
r i*rr gaJo, foi condenanJo pela junta de e.-tado
a rien annes de gales.
A miseria tiuha eolio entrado era sua casa, on-
de fez todos os seus estrago?.
Entretanto, sua mnlher Sazaona, longe de de-
animar-se cora a desgraca, ?e pozera briosamente
a trabalhar, e, bebeuJo ?empre nov* energa no
seu amor de esposa e de. mil, ch'gara nao so a
satisfazer as neeessidades da sua familia, mas at
senara meio de (azar etraomias para ir de lempos
a lempos ver sea marido e levar-le algam soe-
coi ro.
Quando assim estavam juntos durante algn
instantes no vestbulo da prisao, eram felizes, e to-
da o mando a Imirava a heroica dediesgao d'aquel-
la desditosa muiher.
Foi o pai de Nella transferido com os outros
presos para o forte Paliano, onde, vivendo solita-
rio, apartado da immensa turba de presos que all
'"lavara amonloados, tratava, oor assidao traba-
uto, de ganhar algaraa pequea quanlia com que
podesse concorrer para os meios de subsistencia
da sua familia.
Um Jia perdsram a paciencia os presos do forte
Paliano, que, como os"de outras primas dos esta-
dos romanos, estavam expostos a todos os mus
tratamentos. Sublevarara-se, pedindo a brados que
se Ihes fizesse justica e que se pozesse leruio as
loriaras com que os esraagavnni.
Fechados em um pateo interior do castello sem
armas, debilitados pelas pnvacSes, no podlara
teotar nenhum comraetiimento, e por isso limita-
vam-se a chamar assim a attencao das autoridades
para os seus offiimenlos. Kas a guarda acudiu a
loda a pressa ao tmulo, frz fogo sobre aqaelles
desventurados e niatoa muuos de lie?.
O pai de Nella, que nao linha lomado parle u'a-
quellas dem^nsitagoes e que at se esforzara por
impedir a revoita, foi ata dos primeiros que caru-
ra, crivadode balas.
li
A sua morte fui um terrivel golpe para Suzan-
na, que breve saecumbiu sua dr, denando
Neia em tenros aonos sem mais amparo do que o
de urna tia de seu pai, pobre velha quasi cega,
que eom muito custo ganhava a ar o pao de eada
da, mas que com a melhor vontade acolheu soa
sobrinha. que breve veio a ser o arrimo e a ale-
grU da sua velbico.
Xeila, sempre desvelada e carinhosa, fazia com
as suas pequeninas maos o tnbalho de urna mu
Iher, e ganhava o preciso paf.i suavisar o peso da
veihice de sua tia e affaslar de casa a miseria.
Amada por lodos, em loda a parle encontrava
syropaihia e benevolencia ; todos lhe davain que
fazor e lodos se esforcavara p;r lhe serem uteis.
Mullas lamillas ricas de Perasa, tiobam querido
toma-la ao seu servico, mas Nella nao consentir
nuuua em desamparar ;u<* ta, e no momento em
que c.omeca a nossa narrajao, era Nella conside'
rada mais como urna rapariga do que como urna
creaoija.
Era pelo amado do mez de junho de 1859, e
tendo iavrado por todos os povos da Italia o sent-
ment da nacionalidade, acabava a cidade de Pe-
rusa de lomar parte tambera no grande mo vi men-
t italiano.
O goveroo romano foi orgado a deixar Perusa
livre.
O'estandarte da independencia foi logo arvora-
do, e o povo, tranquillo e sereno, correa ao tem-
plo a agradecer a Deus o seu livramento.
Depois, proclamada a soberana do principe
glorioso qae combata heroicamente pela indepen-
dencia da sua patria, tomoa as redeas do seu go-
verno & preparoo se com admiravel ordem para
auxiliar cem todos os seas osforgos a guerra na-
cional.
se obtivesse so pelo crime de falsificacSo, se O presidente offereceu ao jardlm de
submettessem ao jury todos os tres crimes. aclimataco de'Pariz, um gallo e urna gal-
0 tribunal resolven que o jury s tiuha linha gigantescos, e semelhantes aos qae
a tomT contecimento do crime de falsifl- apparecern ras mgicas.
cacSo de e'slriptos de commercio e de O traje nacionald'estes illustres aiirjftr-
baaeOi renses compoe-se de um chapeo tricornio,
O aecusado confessou nos inlerrogatorios vestes talares com bot5es azues, e oxcitam
ter subtraido 485:01)0 francos (87:3O0i>OO) muito a curiosidade publica.
Ao lado das portas da entrada, e em daas
galeras construidas de proposito, ser5o esta-
blecidos bazares, onde es,tar3o patentes
todas as maravilhas da industria.
No andar principal esto situadas as salas
de conferercias, as de leitura, e urna sala
dejantar de proporcoes verdaderamente
grandiosas.
com intengSo de os restituir; que depois t Esta recepto dos representantes de pj0 ngulo do norueste do Campo de Marte
ria, e da caisa auxiliar, iVlava estas quantias'se viu obrigado a despender grande parte urna repblica, que apenas conta 18,000 ha-^-se urna elegante copstruccSo. E' a pho-
como existentes nos balancos por elle feitos. d'esta somma ; queentregou 191:000 fran- hitantes, foi o successo mais fallado daqul-
0 aecusado tinha a sen car o a caixa dia- eos (31:3800000) aos advogadoi de-New- le dia. i -%
ria, eassistia na casa forte com um director York, ftLfluaes somonte lhe restituiram' U'<> correspondente accrescenta que os
aos depsitos e remesas de fundos ; como 25:00(jBfc (4:5005000) ; que foi vic- representantes da repblica do Valle de
tinha a chave da caixa, tirava algumas moe- tima de tjrt^lnacjio, mas que guardara Andorra viro a Lisboa, e parece que trazem
das dos saceos depois de pesados e, antes sobre isso seg 10, e prefera ser condem-! utn bando de perus e de peruas, tambem
Ligeira, desembarazada, eslava onde quer qae a
charaavam, e entoando com a sua voz melodiosa o
hymno da patria, que mil vozes repellara era coro,
mova o enthusiasmo em todas as alma?. Por Isso
olhavam na todos com ce rio sentimento de admira-
cao e todo o mando se admirava de achar tanta
energa em rapariga d'aqaella idade.
Mas Nella nao dava ares de attentar as provas
de syrapalhia qae lhe davam.
A sua attencao fizava se exclusivamente em um
bando de mancebos que, capitaneados por Pieruz-
zo, rapaz de dezoiio aonos, sahiara da praca para
irem eraboscar-se no cemiterio fra da cidade.
III
Pieruzto era til to de ara rico burguez d Pe-
rusa.
Sua mal flzera-se protectora de tfella, e esta con
cebera por ella a mais terna ffeicio e amava Pie-
rutto como se tora seu irato. Por isso nao poda
ver sem viva luquratacao os per gos a que elle ia
oipdr-se, e desda enio todos os seus peosamentis
untura am pomo liso : proteger a vida de Pie-
ruuo
Entreunto, am avanetndo os Suissos.
Quando !,\ osuv.un parto, um traidor revelou o
.-egredj dos nabitaotes, as saas posicoes, os seus
meios de dolosa, e tornou assim impossivel a re-
sistencia.
Os assa untes dividiram-se em daas coiumoas
e era quanto urna marchava directamente sobre a
cidaia para prender a attencao dos rebeldes, a ou-
ira, fazendo ura rodeio, arremessoa-se de Impro-
viso no meio dos defensores, colbendo-os pela re-
sguarda.
Nella tambem liaba visto chegar immigo ;
sentir confranger-se-lhe o coracao e cortera logo
p3ra onde eslava Pieruzzo. Mas as trincbeiras le-
vantadas as ras, a inevitavel cenfuso que la-
vrava na cidade, detiuiiam-na a cada passo, em
quanio que o esirondear dos uros lhe annunciava
que coaecara o combate.
Ealo, relrocedendo, seguio urna pequea ra
solitaria, entrou aos campos e decidio-se a tornear
as casa, para chegar ao sitio onde eslava Pieruzzo
com os seus camaradas.
Caminhou com coragem, e ja, depois de moilo
correr, estara apenas a' distancia de cem metro?,,
quando ouvio de repeale ura rumor de passadas
que, aproximando se sempre, logo lhe revelou a
preseoea de numerosa mullidlo que avancava si-
lenciosa e com muila precauco.
Nella enio parou, muito emDaracada, atraz da
sebe que orlava o caminbo, pe.guntaodo a si mes-
ma quem seriara aqaelles homeds que assim mar-
chavam fuilivamente sobre a cidade.
Nao podiam ser seno amigos, lalve os volunta-
rlos que acodiam aos seus irmaos.
Alentada com essa idea, correu a urna pequea
elavago que lhe eslava fronieira e d'onde poda
ver os que passaaram sem ser visla.
imagine-se o sea terrivel assoaibro, quando vio
o uniforme dos Suisso?, eos vio avaocsrera promp-
los para fazerem fogo para o lado do sillo guarda-
do por Pieruzzo.
Era evidente qae este ia ser sorprendido e assas-
sioados cora todos os seus companheiros.
O perigo era ramineute e a Jesdilosa Nella via
a impossibilidade de ^reveni-lo, porque os Suissos,
oceupando exactamente o centro do eamiaho, ti-
nharn cortado todos as communicajes.
Um instante mal? e o posto ia ser cercado.
Nella, que esiava agachada atraz de ramageus,
erguea se de repente, e com voz desesperada gri-
tou com toda a forca da sua alma :
Traico I traico I
Parti logo urna descarga geral das fileiras dos
Soisso?, respondeu-lbe tmmediatamenle oulra des-
carga, espesso fumo envoiveu o lugar do combate.
X la nao vio mais nada, nem onvio mais do
que gritos confusos e Imprecares.
Por estar dirigida a attencao dos asaltantes pa-
ra o lado onde se achavam os revoltosos, Nella nao
fra notada, e o seu grito de rebate, laucado cora
orna voz viril, fra auribuido a alguraa seotlnella
que os sublevados lionam em observaco.
Em quaoto dorava o combate, a pobre menina,
ajoelhada ao p de orna arvore, tomada das mais
crueis angnstias e cora as mos erguidas para o
co diriga a Dos fervente prece per Pieruzzo e
pela sua patria.
(Continuara! ha.J
de se depositaren na casa forte e nos car- nado a coraprometter outras pessoas.
tachos, substitua, o miro por prata edaj. Mr< Lachaud apresentoa na audiencia
ca.xa subtra.u por.Dlttmo as ndUs, que en- 110.20fJ fraaoos (19,836^000)-wmo res-
No lia 12 de marpo de 1866 H. Ba.lly,, uma maior tmm a guardar a a, qnfl
director da casa filial de Po.t.ers, previniuj tambem hava sdo roobado e 0 9eu
Lamirande para que remettesse immedia- clienlelhe dsseraque anle3 qUeria morrer
lamente a casa filial de Angouleme um mi- ^ dec|arar 0 nome do depostari0i m
Iho de francos em ouro, e que no da se-1 director ^ banC0f ^ n0 !ribuDaL)
^contooodinhei.oeaeceitou-o.
Aindtr n'este jaldamente se apresentou
um oufro incidente notavel. Mr. Lachaud
apresentoa uma declaracjA assigaada pelo
reo em que se obrgava, no caso de absol-
vq5o do crime de falsificacjo," a responder
pe'os crimes de descaminho e forte, offere-
cendo-se- voluntariamente a priso, ao se
aproveitaodo do beneficio d&- tratado de ex-
tradicao com Inglaterra, em wrtude j quai
s oodia ser julgado' pela faisiGcacao.
S-istentaram a accuico Mr.. Bonrbeau,
advogado de- banco de Franca,, e o procu-
rador geral Me. Gast. Os advogados Mr.
Lachaud e Lepetit oraram por parte da
defeza.
O jury dea-por provada o crime de fatei-
fieac3o com eircumstancias atterttiantes.
O tribunal, condemnou o aecusado em
de* annos de- pris5o.
Lamirande, quando ouvio a seatenca nao
poude conter as lagrimasj ficando' comple*
lamente sossobrado.
Tia y '
OH POUCO DE TODO.
Nos das 3, 4, e 5 de dezembro,
foi jul-
500:000 francos em u j. A remessa de
uma tao grande quaB l^yia necssaria-
menle descobrir o descaminho, porque era
preciso refiorrer aos saceos desfalcados, que
Lamirande tinha o cuidado de por em re-
serva.
No dia 12 a noute, Lamirande desappa-
receu, e no dia 13 oe empregadosdo banco
verificaran os desfalques nos saceos e nos
cartuchos.
Lamirande foi empregado pelo- banco de-
Franca, dezoilo mezes antes de se fundar a
casa filial de Poitiers, a qual comecou em
1858 ; pertencia a uma familia respeita-ve
e gozava da maior con6anca dos directores
do estabelecimento ; as despezas excessivas,
que fazia com daas concubinas e as perdas
ao jogo levaramno ao crime.
Lamirande fugro para Inglaterra e d'hi
embarcou para Nova York-
Logo que o goveroo francez teve cooheci-
mento do refugio do culpado reclamou a
extrad:c5o, mandando America1 o inspec-
tor da polica de Paris, Mbrin, O banco de
Franca como parte offendida raandoa um
advogado,
Lamirande foi preso- em Nova York e
eonstituio advogados para' impagnarera o
pedido da extradic^o, pecorreodo a toda a
especie desoposawe trida, com o fiar de
prolongar muito o processo
Lamirande consegutu Iludir a vigHancia
dos guardan, que o escoltavam e evadiu-se
da prisSo,. refugiando-se no- Canad. A po-
lica americana descobriu o seu escondrijo
em Montreal
Melin inspector da: policta franceza e Mr
Pomainv'r,. advogado do banco de Franca,
pediram a e\traili;ao as. autoridades- mg'e-
zis e Lamirande foi prezo- O ju'n de paz
e magistrado de polica Brehaut profera,
senterica, concediendo a extradic5f> e o go-
vernador geral das provincias britannic
passou immediata mente ordem para Rearo-
aecusado dispos'.cao da polica franceza.
Lamirande foi logo conduzido a Queb c
pelo eamiaho de ferro e no dia. 24 de agos-
to embarcou para a Europa.
Os advogados do aecusade appeilaram
da decisau do juiz de paz para o juiz Drum-
mond, do banco da Rainlia, e este por sen-
tenga de 28 de agosto julgou que nao era
caso de exlradico.
No processo da extradicJo em Nova York
Mr. Spilihora, advogado de Lamirande,
subtraiu dos aatos, o despacho original do
juiz de Poitiers, que declama culpado La-
mirande. O fim d'esta subtraeco era fazer
com que n5o fosse concedida a extradii,ao
em Montreal, faltando am documento es-
O advogado foi mettido era processo e
leve de fugir para o Canad.
Na audiencia do julgamento em Franca
Mr. Lachaud, advogado de Lamirande, sus-
citen o incidente da nulldade da extradicSo,
apresentando aexcepcSo da incompetencia
com este fundamento. O tribunal rejeitou
a excepc3o, julgando valida a extradicSo.
Mr. Lachaud anda suscitou outro inci-
dente. Sendo b reo aecusado d descami-
nho, furto qualifl ado, e falsificacao dedo-
comentos, pediu que, embora a extradicSo
gigantescos, para distribuirem aos funeco-
narios qan intervierem por qualqner modo
aos actos da sua visita, pois qu;e a repblica
nao tem condecorages, nem ordeus milita
res para mostrarem a sua considerag5o s
pe9$oas com quem tratarem, ou que forem
distinctas pelos seus mritos.
Em Pittsburgo, na America, ,foi ltima-
mente fundido um canlio qoe pode, at
que apparega outro maior, ser chamado o
Leviatban da artilheria.
Tea na )a menos do que seis metros de
comprimento, um metro e setenta centme-
tros de dimetro, e uma espessura de pa-
redes de emeoeota e oito centmetros-.
O peso- de 48r823 kilogrammas, c com
uma carga de 45 kilogrammas de plvora
projecta balas de 492 kilos.
tographii modelo do Sr. Pedro Petit, a
quem a commissaj imperial concedeu a
reprodcelo exclusiva das vistas geraes do
palacio e do parque.
Distingue-se este estabelecimento por
tima innovagao engenhosa, tima sotea gira-
toria, que se move para lodos os lados, e
que faz espargir torrentes de luz em torno
da pessoa que se colloca em posigo para
se tratar.
m**m -'
Querem saber como- trata a Russia os-
seus vencidos?"
Leiam o seguinte extracto o Diario
Offcialdi Varsoviai de 8 do corrate :
O'general director tlapolicia do reino da
Polonia, majer general do squito de soa
magestade o imperador, f6z^saber familia
e aos prenles do condemnado poltico
Fuancisco Muaurkitwiez, que foi pharmafieu-
tico em Lablin, qne mandoa para o cofre
do hospicio aos filhos dos soldados rossos
emVarsoviaa quantia de 50 rublos man-
dada, ao dito coDdemnado po sua familia.
llavera alguma cousa mais odiosa do que
esta brutal confiscacao de um soccorro
mandado por seus- prente a am pobre
desterrado, do que^ essa viBganga que per-
segue o condemnado mesaio no tugar do
seu exilio ?' .
Cma flha italiana- publica a seguinte
carta de Garibald :
Lord John Russer vem visitar a Italia.
c Lembro aos meus- compatriotas que o
Ilustre estadista langouem 1860'na balara-
gados destinos- do nosso paiz ar poderosa
voz da Inglaterra contra- aquellos que que-
ran} intervir e isolar na Sicilia o Enovimento
emancipador.
'Esse pensamento to generoso- facilitou
o livramento do contineni napelitano, e
veio a ser possi-vel o abraco de todos os-
merabros da familia italiana, boje lio feliz-
mente reconstituida.
* Por tanto, a esse nobre personagem
uma expressib de bem. merecida gratidSo^
Caprera 4 de dezembro de 1866.
Dous cidadaos de Bamberg (Baviera) tt-
veram ha dias uma acalorada questao, e um
d'elles querendo insultar (?) o seu adversa^
rto chamourlhe Bismark.
O que assim foi chamado necorreu aos
tribunaes- por ultraje sua honra,, e o jaiz
perplexo na sua decis3o absolveu o aecu-
sado e aviou das cusas o aecusador por
nao se atrever a decidir se o appeido
BismaKk constitue uma injuria punida por
leu
E' uma folha do vsinho reino que d
esta noticia.
ASPIM^DESATaN42
POR
Jules de Saint-Flix.
SEGUNDA PART.
Xtll
(Continnicao)
A casa do Sr. Moy-es, disse Marcotte, com
certa importancia cmica : uma somma redonda
de irezeotos e cincuenta mil francos, em notas do
baueo, lirada de um milno de trancos, que o hon-
rado guarda livros, Sr. Miguel Suob, e en tinha-
mos Ido reeeber em nome do nosso patri.
Perfeitamente, disse sem hesitar Armanda,
qne acabava de recobar o saogae fro. E soppSe,
Sr. Pautaleso. arelo qae este o sea nome...
__Sir, miaba senbora, cnam-me PautaleSo. S.
Paolaleo asiste no calendario. O dia da sua (esta
e o des meas anuos em. 20 de juobo, dia em qae
too sempre jaatar ao campo.
Ne=secaso, disse Armanda, lancaodo a Pan-
laleao olbos de amisads e benevolocl, preciso
qae vi este anno Festejar o santo do sea nome na
miona ermida de Beaachamp ... O Sr. Moyses
sabe o caminbo; ao obstante ba ires metes qae
(age de mim. O sen patrio um ingrato ; pego lhe
qae Ih'o diga. Quanto ao senbor, posto decidido:
ha de ir a Bsanchamp ; e, apetar do mal qae aqm
se diga de mim, tafvez tenba de ser indulgente pa-
ra com a dona d palacio de Beachamp.
Ouve-a T dis?e Irm? em voz baixa ao mar-
O jornal Vrogrs de Oirt conta a se-
guinte :
A pequea repblica de Andorra, si-
toada como se sabe, entre a Franga e a
Hespanha, e escondida em um recanto dos
Pyreneos leve na terca teira, a honra, na
possoa de seus representantes, de ser rebe-
bida na palacio deCompigne.
As dez horas da manha, as carruagens
da corte dirigiram-se ao caminbo de ferro,
e trouxeram a palacio o baro Senaller,
syndico procurador geral, presidente da
repblica do Valle de Andorra ; o conse-
Ineiro de estado da repblica, Baro de Boig
o cnsul Haas e a sua comitiva.
c Estes representantes dos andorrenses
foram recebidos pelo imperador e pela tm-
peratriz mui graciosamente, e tiveram a
honra de almogar cora SS. MM.
c O presidente sentou-se esqnerda da
impera triz.
Quando sahiram do palacio, disse se
que o presidente da repblica consultara o
imperador acerca da escolha de uma ban-
deira para a repblica, e qae se accordara
que a bandeira seria tricolor azul pela
Franca ; enearnado pela Hespanha, e ama-
relio, cor nacional.
qnez, passando para traz delle ; ba de sedazi-lo
Estoo cena disto. Trata de o (asclnar.
Mioha seonora, responden Marcotte, qne prin-
cipiaba a sentlr-se eufeiiieado pela serea, nao me-
rego lamanhas attengdes. Soa am simples empre-
gado, costamado a vi ver como vivo, moilo modes-
tamente. O sen palacio centro de reunlo da so-
ciedad e elegante; e no meio delta achar-me ni a
deslocado.
Nao tanto como Ibe parece, observou Arman-
da, com am sorriso deveras seductor; alm dlsso
tenho tambem os meas momentos de tristeza, co
rao succede a todos; e doa-me por feliz, quando
nessas occasioes alguem ?digna (ater-rae com-
panhia. E* atcerto ponto obra de candada. Com
qae eolio Acarnos em que ba de vir visitar-rae a
Bsanchamp, nao verdade, Sr. Marcotte ? Con-
[ versaremos a respeilo do seu patrio, (aliaremos
dos seas deleito*, e tambem das suas boas qaali-
dades, porque as tem de sobra.
Tem multas, miaba sennora. poda estar cer-
ta disso, retorqoio Marcene, a quem singularmente
desnorteavam eertas oibadellas que l'-e nio era
posslvel evitar. E at devo acrescntar, contlnuou
o imprudente Pantaleo, qae prolessa por V. Ezc.
urna admiracao bem mereeida... uma admi
raco que... qne toda a gente.. .
Sei-o perfeitamente, replicn Armanda, e
agr^deco-lbe a lelo recordado! Eu tambem estimo
muito as pesseas de bom coraoo ; e o senbor
desse numero.
Nao v como o esta sedoiindo T disse Irma
em voz baiza ao marqu-r. E;t perdido 1 Nao Ur-
da qae tome o partido della 1
Ja conclua, disse o marques a Armanda, o
qae tenho de diier ao Sr. Marcotte T
Diz uma folha estrangeira que nao pos-
sivel visH-r o campo de Marte, sem se ma-
ravilhar da aspecto que apresenta de dia
para dia.
O palacio inteiramente concluido j foi
entregue aos expositores, que d comego aos trabalbos da nstallago.
Procede-se plantagao das arvores que
tem de formar o parque o qual deve ficar
arruado.
Elevam-se por toda a parte, no meio dos
bosques, elegantes construeges, cujas di-
versas formas arehitectonicas se adaptam as
diferentes nacionalidades a que pertencem.
Entre estes numerosos edificios, o mais
magestoso e importante de todos, o cir-
cu'o internacional, onde ser3o exhibidos
juntos os productos de todos os pai es do
mundo.
No andar inferior do palacio ha um
grande salSo designado com o nome dos
Passos Perdidos, onde os negociantes e in-
dustriaos podero reunir-se para tratar dos
seas uegocios.
D'este modo se converter aquello lugar
em ama das maiores Bolsas do Universo.
Em 1793,- no lempo do Terror, joande*
Mara Antoniella foi presa, o ctstello de Men-
don fui pilbado. Os objectos roubado foram
transportados em um cofre, principio
Paris, e depois Qoreta de Boody. Os la-
dr5es eram nove e o pai de uma raulher,
que depois cbamon-se Mme, Bobm, era um
delles.
Este roubo tendo sido descebarte, a maior
parte dos ladres, foi am presos e condem-
irados.
O pai de Mme. Bobm, belga de origem,
fogio e foi condemnado por contumacia.
Poroi alguns annos depois, appareeeu-lhe
a nestalgia de Paris. Quiz por ferea tornar
a ver a grande cidade, e aproveivar da cir-
cumstancia para conduzir sua filha na flores-
la de Bondy.
Cbegaudo ao- p de um carvalbo,- pai
parou-:
O que ha ? pergunta-lbe sua filba,
Foi aqui, respoode-lbe o pai, que foi en-
terrado o cofre do castello de Mendon. pelo
qual fui condemnado.
Oh 1 estis bem certo d'islo?
O mais que fpossivel, e era esta idea, que
me impedia de viver em paa na-Belgka.
Os valores que conim este cofre valer
a pena que vos vos exponbais-a ser agarrado
.de novo pela justifa?
Eu assim o creio t A somma das joias,
diamantes, e outros valores que elle conim,
eleva-se a mais de vinte milboes de francos.
Vinte milhesl isto vale com effeito a pe-
na de procurar-se.
O condemnado morreo sem revelar ou-
tras pessoas o lugar em que jaaia o thesouro.
Sua filha casou-se com um tal Bobm, como
j disse-se cima, e o que parece inconcebi-
vel e que este nunca tentasse apoderar>se
do famoso cofre, e que morresse sem Bada
dizer fespeito deste seeredo dos deuses.
Este silencio extraordinario acaba de ser
violado pelo neto deum dos enterradores-.
Mr. Miguel Bobm, al fe ia te em Paris, ra
do Vir-Bots> o. t$ e seu prente Groanelle
(Valery), caixero morador > faubmrg
Sain-Shrtin-, n. 2-2, fallar5o afinal.
Solicitaram e ebliveram do ministeo das
finangas- a autorisag5o para fazer ex&mces
no lugar designado da floresta, de Bondy, e
desde quinia-feira passada,. acompaabados
do verificador dos dominios do estado, tendo
sob suas orden & guardas das florestas, qoa-
tro terraplenadores, os dous gendarmas Biehy
e Cbamberlansi, que lhe prestarlo forga
se for necessario, estes dois archi milliona-
rios, em esperangas, assislem s e*cavagoe
e sondagensqu%faz-se na floresta de Bondy,
no caminho chamado dos carvalhos, debaixo
de uma arvore plantada a duzentos metros.
do caminbo imperial n. &
|Talvez. Qu^ Ibe importa?
E' que o Sr. Marcotte teve a boodade de vir
aqoi, chamado pela menina Lucy, para que Ibe dis-
sesse algans pormenores a respailo de trotelos e
cineoenta mil (raneas pedidos em sea nome ao Sr.
Moyses.
Sim, pedidos por mim, replicn Armanda,
pedidos, sob mioha palavra, e destioados a (azer
nma ezcellente acqnisico para assegurar o (atoro
de Loe;, a quem amava como a ama irrua, e a
quem quero niui ternamente. Qae ha Disto de odio-
so ou de arriscado I Vejamos.
Ha, disse entao o marqaez com aatorldade,
ba nm erro gravisslmo em tudo que afflrma. Esse
empreslimo de (nndos perdidos, fez se como outros
muitos, sob nm pretexto com appireneia mni no-
bre, mas qoe a nada condaz, sen&o a enriqnece-la
a senhora. O palacio e suas dependencias nio se
compraram para serem dote da menina Lucy, e
es irezeotos e cineoenta mil trancos nio sabiram
das suas mos. Appeilo para o testemnnho do Sr.
Marcotte.
Verdade qoe os fundos nao foram empregados,
disse Marcme, mas nio posso dizer...
- O, sea patrio diz a qaem o qaer ouvir, tor-
noa com vtvacldad o marqaez qae foi explorado
de umroodj indigno ; qae lhe deram esperancas
seductoras, promettendo-tne a mi de orna jovet
de qaem eslava sommameote enamorado ; e que,
emflm, Ibe eztorqalram para os preparativos da
'boda um'milhio intelro, visto qae eslava promplo
a entrega lo, quando tudo se desfez. A joven qae
nao sabia absolutamente nada do infame papel qae
lhe (aziam representar appellou para a faga, mal
' condecen qual era a sna sitoacio. Quaoto a dzmi
qmecondazia o Bo da intriga, nao restituio o di-
nheiro qae Ibe baviam adlantado. Eis o qoe diz o
Sr. Moyses a todo o mondo, e o que todo o mundo
repele. E* ou nio verdade, Sr. Marcotte? Vamos,
(alie claramente.
Por qnem Sr. Marcotte, disse Lucy, peco-
Ihe qoe diga o qae sabe a tal respeilo.
Mas, miaba senhora, respoodeo o detditoso
Panialeao, fascinado pelos mais embriagadores sor-
risos, e pelas olhadellas mais irresislivels, qae Ibes
bei de ea dizer ?
O qae sabe... nicamente o qoe sabe.
O qae sel qae a Sra. de Castellao, qne de-
va estar presente, ibe dedicara o mais terno afec-
to, por isso qae...
Sr. Marcotte, torneo o marquez interrumpen-
do-o, determinemos os (actos com exaclidSo. Nio
certo qae vio o Sr. Moyses dar i Sra. de Castel-
lao, em sua casa, no seu gabinete, "uma somma de
tresentos e cineoenta mil franco, em filas do
banco, para as entregar a esta menina, por conta
do sen dol ?
E' verdtde qoe vi, disse emflm Paotaleao, um
tanto liberto da aeco do Buido que se destacara
dos olbos de Armanda.
Ora gracas a Deas! Nio oavio senhora,
qoe aqoi e-la presente, dizer ao Sr. Moyses, ao re-
eeber o masso de notas : Lucy ha de ser moito
feliz : agora ja.podera comprar o palacio qoe tanto
desoja possar; iio verdade qae ouvio perfeita-
mente ests palavras ? Diligencie recordar-se.
Vamos a ver, disse.Pantaieio, que principia-
ra a sentir ie am tanto desorientado; vamos a
ver se posso reccrdar-me...\Fol no gabinete de
men patrio... onde eslava nma ?enbora ama
senbora moito (ormosa.. .vestida mni Inzaosa-
mente... Pareee-me que vi enlao a tal senhora es-
tender para meo patrio a mao mu alva...
Para reeeber as notas do banco... E depois?
Depois, sorrio-se para o Sr. Moyses, que lhe
diiia : A menina Lucy ha de ser muito feliz. En-
trege-1 De este dinheiro. Quero...
Nio isso, meo presado Marcotte. Era pelo
contrario a dama qaem (allava da menina Lucy...
Forceje por se recordar. Bem v qoe estavam fal-
lando do gabioei de sea patrio... a seis passos
de distancia...
Ah I slm... prosegaio o pobre homem, a
qaem om poder Occulto, terrivel, tornava a domi-
nar ; agora me lembro... parece-me qae a estou
vendo... com a soa grao e belleza... depois...
Pois bem, qoe fez depois...
Tornou o braco do patrio, qoe a acompaohou
at a carroagem que a espera va no pateo. A car-
roagem parlio e ea permanec por mallo lempo
extasiado. Poi isto o qoe se passou : Sr. Moyses
qua5i obrigou esta senhora a qoe acceltasce o di-
nheiro.
Obrigado, men querido Sr. Marcotte, disse
entio a Sra. de Castellao, estendendo lhe a mi.
Pre*ton inteira homenagem verdade ; sea patrio
(oi qaem absolutamente qoiz entregar-me essa som-
ma, e o qoe elle desejava era levar ao cabo um ca-
samento em que ea nunca pensei, e qne depois
se me anearon tio impossirel, que nem qoiz (aliar
I delle-a Lucy. Obrigada, Sr. Marcotte, um bomem
deveras leal; ja o conhego perellaraente, e d'aqol
. em diante coota-lo-Tiei no numero Jas pessoas qne
me sio mais affeicoadas.
Em seguida, velwodo-se para Lucy, pegou lhe
O interesse do estado, neslas (xcavag5es
palpitantes, e graves, porque elle ter. a
metade do thesoaro, se depois dos 63 annos
de descango as entranhas da trra o ctre
mgico apparecer emflm aos olhos dos. qoe
o esperam.
Desde estes tres quartos de secuto* so-
mante capitalisando os juros desies 20 mi-
Ihoes, que prodigiosa somma se poderia ter
lucrado 1
i 11
Em 1865, entraram em circulagSo 979-
milhoes de ouro:
' Milhoes.
Australia e Nova Zelandia. 234
Estados-Un dos e California. 231
Thibeto, China e Mongolia. 84
Mxico............ 203
Russia............. 135
Colonias ingleza....... 47
frica.................. 29
Brasil. .......... 16
Nestes diversos paues a produccao da pra-
ta* dous tercos menor. Este metal, tornan-
do-se cada dia mais raro, talvez baja lempo
em que a randade da prata triplicando' o
seu valor, as pegas francezas de 20 francos
sejam de prata.
as maos, e dirigio-se-Ihs em tom alegre (aliando
da enorme aeeusa(So (eita contra ella, e das tesie-
manbas qne deviam confundi-la.
Ah I mea Orias I juleuei qae era o ultimo
dia da mlnha vida I
Quanu ao pobre Paotaleio, permanecer prega-
do na cadeira, em am cauto da sala, em verdadsi-
ru estado de xtasi. Ebrio, admirado, permaneca
Immovel, com as mos sobre os j .eihos, os olhos
baixos, mas sempre Qtos as pregas do vestido de
seda de Armanda, que eslava (aliando com Lucy.
Raymundo, ceg de colera, satura da sal), e cha-
mando Irma a parte, dizialbe com os pnnbos cer-
rados.
Qae abominavel (arca I Mas tranqailllse-se,
Irma; he de vlogar-me deste imbcil qae acaba de
atraicoar-rae, arrastado por ama fascioac,io inau-
dita ; e beide vingar-me principalmente desta
muiher diablica, mais perigosa, s por si, qae to-
dos os tratantes de Paris.
E retira-se, retorqoio Irma, olhe, ji se est
despedrado da menina... li abeija na fronte... e
o Sr. Paotaleao levanla-se para acompanha-la.....
Perden o jnno... enfeitiearam-no I
A Sra. de CaMrllao atravessoa a saleta eom as-
pecto sobarbo, laucando ao marquez e a Irma olhos
de descarada irona. Uirlgio-se em seguida para a
escada, onde acbou o desgracado caiitlro, o qnal
lhe ooVeeeu o braco cano qae macohialmenle, e
tedendo a nm poder resistivo!.
naymnndo nao lardoa em despedirse de Lucy,
prometiendo rollar no dia segal nte.
f'Coifinar-*-*.)
l\
|l
II
v-.
!
/ I
V
-


i

^
*rV
i
TYP..D0 DtARlO-RlA DAS CRUZfiS N. 44.
____


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EIDRSE4AY_IKGP0A INGEST_TIME 2013-09-05T04:08:52Z PACKAGE AA00011611_11170
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES