Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11165


This item is only available as the following downloads:


Full Text


'*-
M

'


I
f *


. \
'\\
i
ANNO XLIIL NUMERO 8.
para a Capital e luabe8 oxde se nIo pasa porte.
Per tres es adiaitados.,.
Por seis ditos dem..
Per u boj Mea..
Cada uwnerOTols
QUINTA FEIRA 10 DE JANEIRO DE 1867.
S PORA DA PROVINCIA.
*itt,J............... j? WJttul iulffi Por tres eiee odiiBUdo..................
................. JfrJJ -Jl Per seis ditos idea................................
/A bF Por noie ditos ideo..................... .........
........... 32 'T^J*""*"^"^ Por um anno idea., rr........................ .......
IARIO DE PERNAMBUCO.
6750
13^500
200250
StyOOO
----------- -i '------------------------,------------
9KHDS, 8313 IPMIPiaillSIIaiKDS*

|ENCABREGADOS DA SUBSCRIPTO.
Parahyba, o Sr. Amonio Alexandnno de Lima;
Nttal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty,
oSr. A. de Lentos Uraga; Cear, o Sr. Joaquim
Jos de Hiveira ; Para, os Srs. Gerardo Antonio
Aires Filbos; Amazonas, o Sr. Jeronymo da
Costa; Alagoas.o Sr. Franeino lavares da Costa;
Bahia, o Sr. Jos Martins Al ves; Rio de Janeiro,
o Sr. Jos ^Itie^ifo Gasparinho.
=5
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escaria e estages da va ferrea.ai
Agua Prela, lodosos das.
Iguarass e Gjyanna as segundas e sextas faira?.
Santo Aman, Grvala, Bezerros, Bonito, Caruar,
AlliBho, Garanhuns, Buique, S. Bento, Bom Con-
selho, Aguas Bellas e Tacaral, as tercas-feiras.
Pao d'Alho, Nstareth. Limoeiro, Brejo, Pesquera,
Ingaieira, Ffcres, Vfa Bella, CabroD, Boa-Vis-
ta, Ouriury.Salgueiro e Ex, as quarta feiras
----------aab--------------------------------------------
Serinbera, Riu Pormoso, Tamaadar, Uua, Bar-
reros, Agua Prela e Pimentiras, as quintas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBNAKS DA CAPITAL.
Tribunal do cmmereio : segundas e quintas.
Relar.o : tercas e sbados si) horas.
Fazenda : quintas s 10 horas.
Julio docomroercio : segundas as II horas.
Dito de orphos : tergas orexias s 10 horas.
Pri^eira vara do ctve:
dia.
Segunda vara do civel
1 hora da tarde.
tercas e sextas ao meio
: quartas e sabbad-s

- EPHEMBJUDES DO MEZ DE JANEIRO.
5 Loa novatas 9 h., e 38 m. da t.
13 Quarto erase a 1 b e 4 rn. da t.
20 La cbeia as 4 h., e 44 m. da m.
27 Quarto ming. as H h. e 35 ni. da m.
m
DIAS DA SEMANA
7. Segunda. S- Luciano presb.; S. Clero diae.
8. Terca. S. Severlnoab.; S. Theopbilo diac.
9. Qoarta. Ss. Juhoe Baslica wi' esposa mm.
[10. Quinta. S. Nicanor diac.; lAAgtho b.
H. Sexta. S. Ilygioo p. m.; S.S*B>eo m.
112. Sabbado. S. Saiyro m.; S. Artadio m.
|13. Domingo. Ss. Hermillo eSlIftraio mm.
PARTE OFFICIAL
GOVEBXO 1A t>KOVI\<9A
Expediente do dia 29 de norembro de 18<>6.
If. 859.Offlcio ao Exra. presidenta das Ala-
Roas.P-*sso a3 mos de. V. Exc, por cuota para
u. lias convenientes a certidaj de bito e auto da
Yisioria-e deotidad,e de pes.-oi, a qoe se procedeu
no sentefwjado desa provincia Aatooio Rodrigues
de Sjui; que fallecen no presidio de Femando no
dia 19 da outobro ultimo.
i>. 860.Dito-ao general comruandante das ar-
mas. -Sirva-se V. Exc. de informar, sobre o que
pede Francisco Pedro Tiburcio no incluso reque-
rmenlo.
N. 861.Dito ao mesmo. -Sirva-se V. Etc. do
mandar inspeccionar pela uuu da sale, o paisa-
uo Daniel Limeira de Franca, que o recralaio Ma-
aoel Lourengo da Silva ol-rene para servir ein seu
luar.
N. 86 i.Dito ao raesrno.Sirva -se V. Ert. de
mandar, pdr em llberdadeguarda do 1* b>talho
da animara do municipio- de Recite, designado
para o servlco da guarna, Jos Fraacisco Pereira,
qua tero iseogo legal.
N. 863.Dilo ao mesmo.Sirva-se V. Exc. de
nairl'.r, por em llberdade por ter isenco legal,
o recruta Zaferino Jos dos Anjos, viodo do dis-
tricto de Gamileira, termo de Seriohem.
N. 864 Dito ao Dr. enere de polica.evolvo I cbjcios
a V. S. a cunta da despeza, na importancia de
09iiO, felta Oom o su>tento dos presos pobres da
cadeia da cidade da Vietoria, doraato os mezes de
juina a setembro deste anno.e a que se refere o
fflr.io le-.-a repartico de 12 do correte, sob
n. lo95, afJm de que seja a mencionada canta
-'lUtheniicada cam o visto do juiz da comarca de
Santa Aotio, conforme solicitou o Inspector da
thesouraria
D. 620.
N. 863. Dito ao mesrao__Tendo por portara
desta data, concedido a exoneracao que em offlcio
de 30 de outubro ultimo, sohcitou 8anedi;lo Al-
ves d-t Carvallio, do cargo do 1 suppiente do sub-
delegado da freguezia da Floresta, na comarca de
IVir,i u, asslm o communlcoa V. S., alim de que
proponha pessoa para o referido cargo.
N. 866.Diio ao io-pector da thesouraria de
fazenda.Tomaodo eiu cousiderago o que expz
no iucIuso raquerlmento, j> juiz municipal e de
orphos do termo do Bonito, bacharel Antonio Co-
lurabano Serfico de Assis Carvalho, resolv consi-
derar abonadas as faltas, que por doente deu o
supplicante, dosde 20 al 24 de setembro ultimo, e
3 a 9 do corrate mez. O que commumeu a V. S.
para seo conhecimento e fins conveniente'. .
N. 867.Dito a j mesmo.Inteirado de quanto,
V. S. expz em sua nforma$o de 27 do crreme
sob n. 771, d cluso devolvo, de Joo Baptista da Malla, recom-
mendo-lbe, que. de conformidade eom o parecer do
procurador .fiscal dessa thesour*ria laucado a mar-
gem do mesmo requerimento, mande pagar ao
supplicante, a qaiolia inlreg*! de 364610, prove-
niente de objeclos, que foroeceu ao cuoselno de
compras de arsenal de guerra, com deslino ao de-
posito de prisioneiros paragaayos; certo de que
nasta data determino ao mesmo coaselbo, qae acerca
dos objeclos que houver de comprar, proceda e
confonnidade com o que poniera V. S., na seguo-
da pane do seu citado offlcio.
N. 868.-Dito ao inspector da thesouraria pro-
vincial. Manda V. S. adiaotar ao ihesoureiro da
repartico d s obras publicas, conforme bllcitou
o resueriivo director etn offlttio de 27 do correte
matriculado nessa capitana Gong il> Flix da Silva,
que serve de h-imo a 7 irmos menores.
N. 880.UitA ao mesmo.Tendo lancado o
cumpra-se no exequtur imperial, confirmando a
noineao de Jos Per-ira Vi mna para vice-consul
da llalla nesta provincia, assim o commuoico a
Vra^. pira seu conhecimento e directa).Igual ao
Dr. chefe de polica.
N. 881.Dito aojalz municipal, da Ia vara.
Transmuta inclusas a Vmc. para osfeos convenien-
tes as eeriidoes de bitos e auio da vistoria e iden-
tidade de pessoa, a que se proceden nos sentencia-
dos de jostica Aotonio Rodrigues da Sou>a e Ma-
noel Mili) 'os dos Anjos Paaanie, que fallecern
no presidio de Femando, segundo participou o
respectivo commao-lante em offlcio de 2 do
correte.
N. 882 Dito ao jaiz municipal do termo do
Flores..Recommendo a Vmc, que promova com
brevidade o andamento d<> processo iostaurade
contra o preso Trajaoo JosNogueira ou Francisco
Trajioo da Silva existente na casa de delencjio,
fi(n de ser elle submatldo a julgamanto.
N. 883.DI*-o ao commlssario vac^inador.Man-
de Vmc. aprese otar ao Dr. Pedro de Alhayde Lobo
Moscoso, corno requisitou o brigadeiro coinroan-
dante das armas em offlcio n. 1310 de 28 do cor-
rele, alguns tubus de pus vaccinieo para ser
transmitido aos recrutas, voluotarios aguardas
naciooaes designados para o servido da guerra.
N. 884.itoao conselho de compras do arsenal
d guerra.Recommendo ao conselho de compras
do arsenal de guerra, que quaodo os precos dos
pedidos orom extraordinarios, uo ffec-
| ra fazer opposigio s igrejas cima referidas, apre- O direto interniciooal europeu eslava relaliva-
sente-se cora seus papis proraptos e correntas na mente aos limites de cada e.-tado e aos dominios
i forma do estylo, para ser admitlido, tazando termo -de cada potencia, instituido nos tratados de Vien-
| de opposigao deotro do prtzo de 60 das, fiodos os j na : b(je.ess cdigo diplomtico 6 insta ruina do
quaes se proceder' ao concurso, no qual responde- pass.do, e 1816 dau de um acomearaento goar-
rao os revereodos opposliores a nove casos de mo- |dido como lomhranca ou li?o, perdido, destraillo,
ral e consciencia, e faro urna expojicao ou homi-! porm, coraojnstituico. Nao s agora, mas des
lia do Evangelho que eu assigoar, para propor a de alguns aonos, os governos em seus raanifeslos
S. M. o Imperalor os que forem julgados mals dig- fallaran ( e lalvez fallem aioda ) cas estipulaf5e.s
nos na forma dos sagrados caones e concilio Tri- desse seu ultimo systema de equilibrio, como ar-
denlino.
Dado nesta cidade do Recife sob o meu signal e
sello capitular aos 7 das do mez de Janeiro de
1867.
E eu o padre Joaqoira da Assumpco, escrivo
da cmara eccleslastica o sobscrevi.
Lugar do^ello. Assumpfo.
Edilal pem qual manda o Exm. e Rvm. Sr. viga-
rio capiular por a concurso as freguezias vagas
desta dioceze.
Deao Dr. Joaquim Francisco de Furia,
Vigario capitular.
gmenlo e raiflo de direito peraole as nagSes; mas
i praticando aksiqj esses g..vernos, riam-se talvez
! unsdos outrol^*' semelnaofa dos antigos augures.
O systema Reoraphc.o-piliuco da Europa nao
tem por taotTaciualraeota fundamento em direto
. algum escripip, estabelecido, aceito pelo coacurso
, das nagoes, uu pelo menos pla sancgoiiuponeote
:das principaes poUncias
O artefacto de 1813 desfez-se ; desabou o mu-
numentu; nao para Ia.nen.tar a.pMda, mas da
deslruigo do que houve a' organisagao do que h-
. vera' corre um espaco sombro, mysteriojjfl. onde
clarando a questad local e secundaria, e dlzoodo
pela bocea da uro dos seos mib'fstros, que oaqael-
la que^to a Franja nao liaba sVnSo um interesse
mnimo, e que para entrar nella arrastaria um
risco mximo.
A Dinamarca nra Utdono foi motilada ; mas a
questo local e secuodaria' do Schleswig Bolstein
loroou-se logo origem de outra de proporeSss des-
communaes que abalou a Europa, e que com cele-
ridade iocalculada, pasmrMa se resolveu em fados,
que para assim dizer, caricterisara o anno de 1866
e nelle sobre todos osotftros predominara.
E* lio antiga qae se pffde chamar tradlccional a
rivalidajfe da Austria e da Prussla no selo da lon-
feJeracao Gennamca : em arabos se mOstroa sem-
olhos se voltaram pira o herdelro da victima de
1814, para Lolz N)poleao, que, franco urna ver.
c-'-npmnra havia alguns aonos os trtsdoi da
1813, e que ousado propuzera a revisad da carta
do mondo europea.
Conhecida a allnnga. offensiva e defensiva da
[talla e da Prussla, nao houve quem jolgasse o Im-
perador dos Francezes absolutamente strinho aos
planos de Bismark; porque ninguem acreditou,
nem acredita que a [(alia se arrojasse a semelban-
te empreza sem previa approvago ou sem a cer.e-
za da tolerancia amiga da Franca, sua protectora
contra a Austria.
-, Lulz Napoleao, certo, proteslou qne o imperio
rrancez manteria nraa attitude de perfaita neutra-
possivel qoe esteja cavado um abiSrfflTque Q,,deburgo, que em dous seculos de latas e de
1DTERI0R
tue a compra sam primeiramante consultar a esta
presidencia, conforma indica o inspector da the-
souroria da fazenda no final de sua informacao de
27 do corrente sob n. 771.
N. 883.Dito a cmara municipal do Recife.
Remeti a cmara municipal desta cidade para
seu conhecimento e dlreceo copia do offlcio, que
I na la dala expego ao enrnrieiro chefe da reparii-
0 que acontece relativamente s instituicSes de
cada nago em partioalar, se observa do mesmo
e lgicamente nesses grandes artefactos di-
modo
provincial, em offlcio de 27 deste mez gio da, obras pUblcas,para'miodar sobrestar a
obra do tanque de nalacao projectado em contoua-
go do edificio do Gy nasio pelo lado do sul.
N. 886.Dito a cama'ro> municipal de Pao do
Alho.Nao sendo de urgente necessid*de o objacto
do artigo da postura, que me remetleu a cmara
municipal da villa de Pao d'Alho em o seu oflkio
de 16 do corrente para ser approvado provisoria-
mente, vai ser sufemeliido a assembla legislativa
provincial na sua prxima reuniao.
N. 887.Dito a cmara municipal do Rio For-
moso.Respondeudo ao offlcio que me dirigi a
cmara municipal da cidade do Rio Formoso em
10 do correte, tenho a diier-lhe, que concedo a
permisso que pede para mandar por novamenie
em praca, com o abata da 3' parte os impostes das
rindas de seu municipio.
N. 88. Portara. O presdeme da provincia,
lendo en vista o re3ultdo do concurso, a que se
procedeu para preeachlmento dos logares vagos
de pratieaotes da repartido das obras publicas,
com o que coocordou o respectivo chefe resolve
nomear a Jos Barbalho Ucha Cavalcante para um
desses logares.
N. 889.Dita.O presidente da provincia resol-
ve conceder a exonerado, que em offlcio de 30 de
outubro ultimo, solicilou Benedicto Alves de Car-
valho do cargo de Io supplente do subdelegado da
freguezia de Floresta, na comarca de Tacarat.
Expediente do secretario do governo do dia 29 de
novembro de 1866.
N. 890 Offlcio ao general oraraaniante da3
armas.O Enn. Sr. conselheiro presidente da pro-
vincia, manda declarar V. Exc. em resposta ao
seu offleio n. 13JJ) de 28 do correnta, que nesla
data offlciou-se sob o. 465, aquantia de t:0l)of para acoulinuagao: rem-iter algum tubas do-puz vaccnico ao Dr.
das dispezas, a f-izer-so com a obra do Gym-| Pedro de Athayde Lobo Mostoso, afirn de ser traos-
oasio. i mundo aos recruta-, volntanos e guardas naci-
N. 869. -Dito ao mesmo.Para a villa do Li-'. **"* des goados para o serrico da guerra,
moeira seguio, coadu'.indo presos de ju-tiga, urna N. 801.Dtono ebefe da repartico das obras
escolla de um 2" sargento e 12 guardas do 6 publicas.Nesta data aulorisou-se a ihesourara
bataino de infamara do municipio do Recife, pronucial, a adiautar ao thasourelro dessa rapar-
paga de seus veocimeotos, a contar de 26 do cor-, tn.' > o 1 :004 > rente mez, al 5 de dezembro proxim vlodouro, de 27 do corrente, sob n. 465, o qual Oca as^m
e para que Ihe nao falte meios de maaler-se du-! respondido de ordem do Exm. Sr. censelbeiro pre-
raote a saa marcha, recommendo a V. S., que d sitente da provincia.
as rov leucia- necesarias no sentido de abonar-se | N. 892.Dito ao commandante superior do Re-
pela cohectoria daquel'i vilh, o sold, etapa, cor-'cifeO Exm. Sr conselbiiro presideoie da pro-
respondentes aos das qua excederem do soccorri- vineia, manda declarar a V. S. em resposta ao seu
nwlOjMWiw se Ihe fez nesta capital. i offlcio n. 386 de 28 do crrante, que recommenlou-
N. 870.Dito ao mesmo.Seno houver incoo.-1 seao inspector da thesouraria provincial expe-
veniente, mande V. s. pagar a empreza da illumi- digo das convenientes ordens, para abonar-se
naco desla capital, como pede no la luso requer- pela collecioria do Limoeiro a escolta que para
manto djcomeotado, a quantia de 6:9556910, all segua conduziodo presos de justic-a, o sold e .
proveniente do gaz consumido com a mesma illu-, etapa correspondente aos das que excederem ao no tratado da Westphalia
minago, dorante p mez de outubro ultimo. adiautaraeto felto as respectivas pragas nesta ca-
N. 871.Dito ao mesmo.-Reaiiuindo a V. S. as' pital.
duas inclusas coplas, que vieram anoexas ao seu j N. 894Dito ao commandante do batalbao n.
offlcio de 27 d.Q.erriBjjte sob o. 621, na imporian- 46 do rauoicipio de Agua Preta.O Exm. Sr. con-
cia de 834, 0 relativas 00 sustento dos presos po- seliieiro presidente da provincia, manda declarar a
bres da cadeia de Po.'AUp,urauie os mezes de ,.V. S., que nasta data mandou por em liberdade,
julho e agosto deste anno, tenho a dizer em respes- como V. S. solicilou era offhio de 26 do corrente,
ta ao citado offlcio, qae, de conformidade com o o guarda do batalho sob seu commaodo Zeferico
parecer da eooladona dessa thesouraria, mande' Jos dos Anjos, que foi recrutado no disirlcto de
pag r, a Jos Rufino de Sooza Ramos, ou ao seu Gamelleira.
11,curador a quantia de 814400, por ter de gl-; N. 89o.Dito ao oommanlante do corpo provi-
zar-se a de 1160J,'|ue figura oa respectiva conta sorio da pdicia.S. Exc. o Sr. co iselheiro presl-
corao dispendida cora o preso Vicente Ferreira do dente da provincia manda devolver a V. S. o in-
cluso pracesso a que foi sbmeiiido o soldado do
corpo sob seu commando Raymondo Jos dos San-
ios, afira de comprir-se a sentenca nelle proferida
pela junta de ultima instancia.
|ItIO DE JANEIBO.
Retrospeeco poltico de 1866.
1
EUROPA.
Era materia de poliuca as instituicoes que raais
perdurara e mais firmes resistem 'accio.do lem-
po, ou aoles s exigencias da civilisago dos po-
vos, qaer em progresslvo deseavolvimento, quer
em resvalar decadeote, as instituicoes que raais
duradoaras so ostentan) sao aquellas que, em vez
da sabedoria dos architeetos, as levantar conforme
os seus clculos mais reflectidos, e as suas corabi-
oacSes mais brilhantes, se deixam sabir como que
espontaneas da ndole, da educacap, das aspira-
COs, das crenjas religiosas e dos 'costumes das
nacSes, a quera devem servir e aprovltar.
O ariiflcio mais apurado de habftlssiraos politi-
cos, qoando*oo respeita aqaellas coodig5es, erea
apenas monumentos epbemefios, repblicas que
degenerara ou se abatem aos priraeros veodavaes
das revolac5es, imperios que se desmorooa'm aos
golpes de resisieocias tenazes, systems de gover-
no que j durara multo, viveodo a vida do Organi-
sador ; combioaeges complicadas, emflm, qae se
baseam no falso dir, ito da forca, e qoe se desfa-
zem porque nao se fundara na forca verdadeira do
direito.
plomaticos que era pocas diversas lera sido vado-
samente erigido, sobra a inodificagaa suceessiva
da carta geographo-politica da Europa.
Em todas essas pocas os diplmalas repartido-
res do mundo europeu. discutiram e regularan as
cousas por crala e maior proveito dos soberanos
vencedores; a victoria estabeleceu o direito ; as
p-ou.s dos mioistroa congrt-gadoj correram pelo
mappa, seguin lo os riscos previamente tragados
polas ponas das espadas victoriosas, que cortando
pela Jusiiga das nacionalidades, repariiraro entre
si os quiohdes, conforme as proporcoes das exi-
gencias do egosmo e da ambicao dos mais fortes.
A essas grandes mas sempre artificiaes combina-
fOOS da diplomacia deu-sa, teima-se em dar om
nome que a historia perpeta : charaou-se, cha-
ma-se systema de equilibrio.
0^ soberanos da trra qulzeram ou simularan)
querer imitar o sempiterno soberano os lais sa-
bllraes do equilibrio que presiden) a ordem, ao
raovioienio, vida dos mundos que gyram no es-
pago ; mas o seu equilibrio poltico tein sido sem-
pre o contrario do que exprimera as leis da crea-
gao universal; tem sido sempre a preponderancia
da po itica, da ioflaeocia da uns sobra outros; a
elevagao verdaderamente desequilibrados de
urnas, e a decadencia ou o abatimento de oulras
potencias.
E' um systema de equilibrio qu nunca asseota
em bases naluraes, que .sao as da justica, um
systema que, sacrificando as nacionalidades ao
egosmo dos estados vencedores, moldado, orga-
nisado pelas iospiragSes da ambigao, e que por Is-
so mesmo, por vezes modificado, mudado, decora-
posto e recomposto, ainda nem urna vez, na histo-
ria dos equilibrios polticos, conseguto resistir
aegao potente de um seculo.
Os cardeaes de Richelieu e Mazarlno organisa-
ram o sen systema de equilibrio, que iriurophou
Nascimeoto, a contar de 24 al 31 do citado mez
de agosto, qaando foi elle sollo no mencionado j
dia 24.
N. 872.Dito ao chefe da reparligao das obras
publicas.Declaro a V. S. para seu conbecimeato
e fins convenientes que, tendo em vista o resollado
do concurso a que se procedeu para preeochiment
dos logares vagos da pratieaotes dessa reparligao, j
e a u se refere o seu offlcio de honiem, sob
u. 4n9. resolv nomear a Jos Barbalho Uubda Ca-
valcante, para um desses lagares.
N. 873.Dito ao "mesmo.A' vista das razSes
allegadas 00 requerimento sobre que versa o sea
cffloio e 12 do correte, por diversos propieta-
rios e moradores oa roa do Seve, e corroborados
OVERSO DO BISPADO.
SEDE JACANTE.
O Dr. Joaquim Francisco de Faria, commendador
da ordem de Cnristo, cooego bonorarto da impe-
rial capella, tente jubilado de ideologa, deo da
sania igrrja calbedral de Olinda e vigario capi-
tular da diocese de Pemambuco, aede vacante.
De conformidade com o al vara das ultimas fa-
procedenteraente pela cmara municipal do Racife culdades de 14 de abril de 1781, concedido relaii-
em sua informago o. 79 de 21 deste mez, recom-; vameote aos concursos a propostas dos beneficios
mendo a V. S., qae mande sobr'eslar a obra ja' vagos, confirmado pela Imperial resolago de 4 de
comegada para o tanque de nolago, projeclado em julho de 1820 e mais leis e ordens imperiaes em
continuago do edificio do Gymo'asio plo lado do 1 vigor, ponno em concurso pelo presente edilal as
sul, v.sto como essa obra alteza a planta da cid*-' seguiotes freguezias vagas deste bispado, a saber:
de, que ao pc)Je s-r teodiocada, seno pela cama- a de S. Pedro Gobcalves, a de Santo Antonio e S.
ra municipal, a quem competo essa attribuigo na Jos, todas da cidade do Recife ; a de Santo Anto
forma das leis em vigor. da cidaJaatfa Victoria, a de Santa Mara do Rio. de
N. 874 Dito ao commandante superior do Re- S. Francisco da Boa-vista, a de Nossa Senbora da
cite.Nasta dala mandei pdr~em liberdade o guar-' Pundcago e S. Googalo de Uaa, a de Nossa Se-
da do 1* batalho dd artilharia oeste municipio, abura da Concelgo de Seriohem, a de S. Loaren-
Jos Francisco Pereira desigoado para o servigo go de Tejucupapo, a de Santo Amaro de Taquari-
da guerra, visto ter isencao legal. O que eommu- lloga, a de S. Jos de logazeira, e a de Santa Anna
nico a V. S, afirn de qae faga apresentar outro de Grvala, nesta provincia : a de Nossa Senbora
gu.rda em substituigo aquelle. das Neves da cidade da Parahyba, a de Nossa Se-
N. 877.Dito ao capito do porto.Deferiodo o nhora da Coneelgo da villa do Conde oa Jacoca, a
requerimento do matriculado Felippe de Santiago, de S. Miguel da Baha da Traigo, a de S. Jos de
sobre que versa a suaJftkirmigao n. 136 de 26 do
corrale, resolv dfsOjKlo do servigdda armada,
para que est desigaoio por essa capitana, visto
ser o arrimo de ffflBnii viuva o deseos irmos
menores. O que declaro a Vmc. para expedigao
das convenientes ordens.
N. 878Dito ao mesmo.-Em vista do requeri-
mento que me.eoderegoa o matricalado nessa ca-
pitana Pedro Alexandnao Goraes de Oliveira, qae,
se ocha designado para o servlco da armada, resol-,
vi dispensa lo desse servigo, por ser o-arrimo de
rauudo europfu enba anda de encher de cadave-
, res e de sangue.
Em um scalo tal como o oosso, diz Remnrsat,
na era das transformac5es multiplicadas e rpidas
o principio da usliga exige que a razo e a hon-
I ra das nagSes sejam cedo ou tarde a regra de
suas instituigdes sociaes e polticas.
O illu.otrado acadmico raacez applica o seu
: juizo a' polit ca interna, a" organisagao social e
poltica de cada nago; poda, porm, applica-lo
com igual Joslesa a's relages internacionaes dos
e?iados, e a' organisagao geograpbico-politico da
Europa.
Todava o que se observa naquella parte do ve-
llio rnuud, .desde alguns anuos a consciencia ge-
ral de orna desorden latente, real, que se tolera
pelo recelo de gravissimos cataciismas, e a que
se empresta Urna falsa apparencia de ordem s
por que existe e se tolera, s por que nao guerra
geral aberta,- embor seja paz armada, cada, dia
mais amaagadora.
Voltai os qtbos para os ltimos doze annos e
veris as provas vivissimas do terremoio poltico
que se encad*,, mas que se faz pronunciar por
estremeciraentos terriveis que passam, e depois
se repetem, preludiando o desabameoto geral.
Pnmelro o occidente qoe se precipita em
auxilio do oriente ameagado e ja' ferido pelo col-
losso do norte; om mnagre .de prudeocia conim
as grandes potencias ceniro-europas, faz recuar
a Russia, e deixa a Fraqga e a Inglaterra velan-
do pela Turqua decadente.
O congresso de Pars fecha as portas do templo
de Juoo; masao fecha-las. acende no propro"slo
do templo da paz novo facho de guerra provocan-
do as quesrdei da Italia.
Logo depois a Austria resentida, evidentemente
ameagaaa em seus dominios Lombardos-Venelos
avanga sobre a Sardenba, encontrando a Fraoga,
que se arroja dos Alpes, vai, recuando, ser batida
em Magenta e, Solferino, e escreve em Villa Fran-
ca a confisso da sua derrota, quando a aguia
franceza refina o v >, pre*enuudo o movimenlo
da Aliamanna, a suspeitos* alliiude da Ioglalerra,
e a con olso europea.
Duas guerras roilossaes, dezenas de roilhares
de vidas sacrificadas, ihesoros immensos do tra-
balbo do homam gastos em matar o homom, e por
flm a Europa estremecendo como dantes sob a
araeaga iraolacavel de um conflicto geral.
A situago to grave, lao profundamente eiva-
da do quo chamaremos descocerlo poltico, que
as qoesldes que paracem que deviam em oulras
circumsiancias escapar do Horizonte complicadis-
simo da poltica geral europea a-sumem logo ca-
rcter que inieressa todas as potencias.
Assim a questo do Scbleswig-H dstein, que
correu porcouta da nobre Dinamarca, da Prussia
e da Austria, que se laogaram rivaes adianto da
Allemanba, a queslo do SchlesWig Holsieia, aban
donada pela Inglaterra, que se vio s, pela Franga
imprevidente, pela Russia indiffarente, preparou
aceulecimenios qae pooriam conflagar a Europa
inleira, e que em 1866 a apresentaram sob urna
face nova, e lo extraordinaria, que impe a gran
des potencias a nacessidade de consideraveis 1 afor-
ra, s na organisagao militar, e de providencia pa-
ra u prorapto levaniamenio de exercilos muito mais
numeroso do que os havia al agora.
O horror, se quizerem, sublirxe de tanto poder
militar da' testeraunho dos receios e da descon-
fianga de todos os govemos; dentro era pouco
lempo cada orna das grandes poteocias coatinen-
taes europeas p..dara' pdr em p de guerra, em
marcha e em carapauba um exercuo lo gigan-
tesco e tremendo como aquelle com que Napoleao
foi perder seno gelos da Russia e 00 fogo de
Moscow.
E* verdade que esses mesmos assombrosos ar-
re Igual o eropenh> fervoroso de predominante in- \ lidade na guerra que la travar-se, couservando a
osncia 1 espada na balaba, emqnanto a marcha dos aconte-
A Austria, orgalhosa do sea poder, dos triam- ciaienlos niu'lha impuiesse a necessidade de sa-
phos da sua diplomacia estuta e de um squito or-hlr a campo; reservando-se ampia llberdade de
dinariameote mis numeroso de estados secunda-
rios da Allemanba, va no entanto com cime e
cuidado robusiecer-se a filha dos cleitores de B'an-
em 1648: era a Fraoga
pujante na Europa abatendo a casa de Habsborgo
ou a Austria, sna rival; sessenta e cinco anajs
depois a Franga de Luiz XIV em decadencia ; a
Fraoga da Maintenon coniemnouse ao systema de
equilibro dos tratados de Uirecht era 1713 : foi o raalflenl<>s sao m quanto nao sa a hora da mais
predominio da poltica ingleza na Europa : sobre-1 b,rrivel Cilam'dade, penbores de paz, conteodo
vm o assombroso cataclisroa de 1789, que levan-1 em Prudei'e reserva ambiges aaeagadoras, e
ta o Lzaro de sua cova, que d Fraoga poder e maQlenao o systema forgado de conteroponsages,
forga para assob-rbar ligas tremendas, e seraear: 2ae pel munos ad,am C0D"lCto ?"' e Da0
victorias pelo ranndo europeo, Napoleao que re-; d*,xaai extinguir de todo a esperanga de conbioa-
talha o mappa de Utrecht, alias ] ferido, e vem i ^6es ('ue dna Europa situago tranquilla, esta-
tuis larda, aos estrondos da queda de Waterloo, I vel seBur 5 naas 1laQt** centenas de mil bragos,
o novo systema de equilibrio dos tratados de Vien- ie que lu>8Qsos cabedaes nao arranca a' agncoi-
na em 1815. tura, aocommercio, a industria a pratica exage
As ligdes do passado, as liges. recentes n5n I radissima desse principio da que to funestamente
aproveitaram aos Meltrnichs' congregados em se Jea> a*>usado; vit pacem, para be /fui 7...
1815; dous annos antes, em 1813, as ideas libe I E Pr ^uaol lemP Possivel tolerar urna atu-
raes, os seniimento3 de naciooalidade dos povos ilude auoruial e dolorosa em que cada governo se
linham ajudado mals qoe multo a|alllanga a impri exl,orce e **** "S30 esota as orcas esterilmen-
ao doWibidor da Fraoga o aelo de Fontainebieaa ; te."
noanno segulote o Prometheo eocadeado nos ro- i LonK9 nnos e conlam ja depois que a Europa
chedos de Santa Helena j nao assustava s seos'fl P0."60 a pouco lanCada dosse estado provisorio,
vencidos em cem batalnas, que vencedores ero-i 1ae ainda nao acn0Q ddSe0,acei dessa era de tran-
fira, e vaidosos, julgando poder tambera encadear I '* 1ue ne"""1 espirito, por mais esclarecido,
as ideas, a civiiisago, o? scalos, repartirn a I prev quando acabara.
Europa, no inventare feito em Venn, estbale--; Gada ano qae de8Pon'a.con)ea por nma espe-
cendo o seu novo systema de equilibrio poltico
em daas bases essenclaes que repuia/am fonda-
Piranhas, a de Nossa Seohora da Las de Pedra
Lavrada, a de Nossa Seniora do Rosarla 'k povoa-
go de -. Jlo do Rio do Peixe, a de Nossa Se-
nhora da Penba de Taguara, e a de Nossa Senhora
das Dores d'Alaga do Monteiro, na provincia da
Parahyba : a de Santa Anna da villa de Upanema,
a de Nossa Senhora das Gragas do Muricy, a de
Nossa Senhora Mi do Povo de Jaragu, a de Nossa
Senhora da Conceigo de Agua-Branca, e a de
Nossa Senhora da Conceigo do Limoeiro de Ala-
goas, oa provincia das Alagoas : a de Santa Anna
sua mil e irmaas. O qoe cmmonico a Vmc. para do Serid, a de S. Joo Baptista de Porta-Alegre, a
seu conheciifeSf e expedigao las convenientes de Nossa Seohora do O' de Papary, a de Nossa Se-
ordens. vjv nhora das Dores do Pala, e a de No*sa Senhora do
N. 879.i^DL ao mesmo.Declaro a Vmc. para O' da Serra-Negra, na provincia do Rio Grande do
os devdos etJfitos, que nesla dau resolv dispensar Norte
do sorvige de-arma a para que estav designado o! Todo o reverendo sacerdote 00 clrigo qae qaei-
mentos indesiructiveis : a compresso vilenla das
aspiragdas liberae, exercida especialmente pelo
que se charaoaSanfa AlUanca, o o castigo da
potencia revolucionario; realizado no isolamento,
oa prostragio e na saspeitosa observago da
Franga.
Os diplmalas de Vienna puzeram-se "nos seos
tratados de p*! e de organisagao europea em guer-
ra aberta eora o seculo que caminha, com as na-
cionalidades que nao morreo, com a Fraoga que
resurge sempre, com o direto que nao se abale,
como a forga material, e eom as ideas qae nao se
apagam no sangue dos patbulos.
Tragado pelo abuso da victoria, pelo raedo das
aspiracSes liberaes dos povos, pela ambigao de
extensos domioios, e pelo reseotimento dos inlmi-
gos da Frang 1, a mappa da Europa sanio do con-
ranga que em breve abandona, e termina por um
desengao qoe deixa em legado ao que ihe ac-
cede.
Vejamos no espolio daqoelle que hontem cahio
nos archivos do passado se ha fundamentos para
esperar do herdeiro que principia boje; fortuna
mais prospera para a Europa com a solocao pa-
cfica e sabia dos seus gravissimos problemas po-
lticos ; apreciemos, valor do sexagsimo sexto
dos cem anneis desta cade < do scalo.
Laiz Napoleao tlnba tocado eom os dedos a pro-
funda chaga da Europa, qaando, ha tres annos,
proponha a revisao da sna carta geographico-poli-
tica em nm eongresso diplomtico das grandes po-
tencias.
E' licito duvidar que boavesse provaval accor-
do entr aspfragoes to diversas e tantos interes-
aos oppostos; era, porm, de digoidade e de honra
o emprego do malor esforg para consegu lo ;
gresso de Vienna condemnado por vicio original e a proposta foi rejeitada ; a Ioglalerra respondea
profundo, preannunciador de revblugoes e de! com aspereza qae esleve a ponto de degenerar, se
guerras qae h viam de despedaga-lo.
Na vida das mgiss nm sano maito menos qae
nma hora, um seculo nm dia da vida dos bo-
raens; raeio seclo apeoas ha corrido, e qae
feito do monumento diplomtico to ufanamente
levantado em 1816 7... qne feito do sysiema de
equilibrio dos Melternicns e dos Talleyrands 7 s5
em destrogos o encontrarais na Europa; ainda es-
lava qua*i no bergo, e a Franga o a Ioglalerra
ajudavam a Grecia, a rasga-lo na Turqua; a Bl-
gica o nltrajou na Hollaoda ; a Franga o fez em
pedagos na Italia ; a Ao>stria e a Prussla o calca-
rara aos ps na Dinamarca ; a Prussla o atirou,
emflm, em pedagos a face da Austria na Allema-
nba, ao mesmo tempo qae aja Java a Italia a sub-
mergi-lo no Adritico.
oo degeneran em sarcasmo.
Pendo ao sao orgalho, o sobrinho de Napoleao
I pouco esperou pelo ensejo da vinganga ; em
1863 desforron-se da Inglaterra no abandono da
Dinamarca : a desforra foi nm erro lamentavel,
qae 186* havia de castigar.
Luiz Napoleie parecen esqnecer qne no- estado
actual da Europa nao ba questo internacional qae
nao possa vir a tocar de perto a todas as poten-
cias : a lata do Schlesarlg-Holsteln, a mntitago
da Dinamarca pela Allemanba, ou, para raelhor di-
zer, pela Prussia e pela Austria, commovla a In-
glaterra, qaealitenada pode a sos no comsente :
o Imperador dosTrincezes vlBgou-se desvindo-
se da rival da Fraoga, e pondo assim em relavo a
sna impoteocia; descalpou-se ante o mando, de
enr-
gico deseavolvimento nanea provoa adversidade de
que nao aproveiias urna victoria que nao Ihe dsse augmento de terri-
torio e de populago.
Pequeo reino creado as barracas de soldados
gigantes, tomado qoasi no bergo por Frederico-o-
Grande, sempre com a espingsrda ao hombro r-
prompta para avnogar, parecendo ter adoptado por
mote a divisa do progresso e da audacia t avante f
a Prussia, sabida das corobinacSes de 1813 com
umaorgaofsago ge^graphiea mais extensa, mas
evidentemente imperfeiia, sentia na riqueza pujan-
te da sua seiva e nos impulsos da sua ambigao des-
commedlda a necessidade de estender os seus Umi-
tas na proporgo das suas forgas : aspirava mar
que nao tinha para vir a ser poteneia martima,
tenaas raais do que liona par arredondar suas
fronteiris, e mais aioda do qae isso, o posto da
vanguarda, a supremaca na familia dos estados da
Allemanba.
Faltava a opportuuidade para a realisago des-
tes planos; um honiem de granda capacidade, de
energa indomavel, ceg para o direiio, surdo a to-
das as coosideragoes que nao f.ssem favoraveis ao
Seu eropenho, decidido e audaz, o conde de Bis-
mark : emfira, o ministro do re Guilherrnejprepa-
rou e aproveitou com felicidade Incnvel a occasio
desejada.
A questo dano-allemaa, a questo do Scbles
wir Holstein no que respeita Dinamarca termi-
nara em 1865.
A Prussia tlnha-se tangado adiante da AJlema-
nha busca da preza, a Austria ciumeott se arro-
jara pelo mesmo caminho para qae a sua rival nao
se achasse sem ella em campo.
'resultado desla guerra, qu* a Europa deixou
correr com inexplicavel ihdilferenga, foi de desll-
luses successivas; dedeslliosao para a Dinamar-
ca, que se vio desmembrada, sem que a Franga e
Inglaterra dssem um passo para valer-lne ; de de-
silluso para os estados secundarlos da Allemauha
qoe levara no sea ex;rcitopj>redilecto prete.oden-
tedasoberaoa dos dujlda, e a altou por teste-
lar a soiucho SlmpTes, mas spera, deda *o
problema por aquellas daas potencias que tomaran)
para s o Schleswig-Holesiein conquistados.
At aqu somante duas desillusdes.
Com effeilo a Prussla e a Austria, reunidas em
Gaetein, esgolam todas as suas sobtilezas diplo-
mticas para resolver em ulliraa algada a grave
questo da pariilha, e acabsm por parecer chtgar
a um accordo, ficando a primeira corao o Schles-
wig, e a segunda com o Hol.-teio.
Entretanto a Al emanha descontente, e em pro-
fundo abalo, aspira mais que nanea reformado
pacto federal ; multipiicara-se os planos, fervem as
corabioagas, uns souham com urna toreara Alie-
manlta, outros com nma confaderago tanto quan-
to possivel moldada pela dos E-tados-Uoidos N>rte-
americanos, cemo estes raais dez projectos se en-
gendrara, e a Prussla, a quem sorri o frvido rao-
vimento das ideas, mais o atiga, propondo com a
certeza da rejeigo um parlamento allemo, eleito
por sulfragio uuiversal.
Era ebegada a hora da desilluso da Austria.
Com o certamen gravissimo da reforma do pac-
to federal ja noha vindo_xomplicar-se a ultima e
talvez inesperada pha>e da questo do Schle-Wig-
Holsiem que porveoura se suppuzera terminada
era Gaetem ; a Austria deixara a Prussia gover-
nar a sua vontade o Schleswig, esta, porm, ven-
do que a corte de Vienna parece conservar a pos-
sesso do Hol-lem provisoriamenle para transrau
accao, fez no amianto sentir qoe o engrandec-
meato territorial de qoalqoer grande potencia,
perturbando o equilibrio europea, poderia levar
a Franga e pedir tambera compensagdes territo-
riaes.
Estas declaragdes nao deviara tranquilisar os es-
piritos: evideniecneote Laiz Napoleao calculava
com as vleissitodes da guerra, cont ndo com im-
poriaote quinho para a Fraoga na finl pariilha
dos despojos; nem a sua pretextada neulralidade
se moslroa perfeita; pelo contrario, a Franga foi
al cerlo ponto alliada iodirecl da Prnssia, por-
que na Italia deixou que Vietor Manoel ameagas-
se, invadisse o Venlo, e obrigase a Austria a fa-
zer operar all om exercito de 200,000 bornees,ne-
lade do qual teria provaveimente decidido o pleito
em seu favor na Allemanba, oa pelo menos com
certeza demorado o trinrapho do rei Giflherrae;
no llbeno to segara se .-entio a Prussia, que nem
se lerabrou de conservar alli om exercito de ob-
servago em lio melindrosas circomstancias, e
qu .-.do o orgo supremo do imperio vj-lnho Ulia-
va ara possiveis compens goes lerritoriaes, o qrje
era naluralmeute urna araeaga adrada a margem
cubigada daqoelle rio. '
Quaesquer que fossem, pols, os intentos, os cl-
calos, as aspiragdes da Luiz Napoleao, inoontesta-
vei que elle cootnbuio indirectamente para que
mals livres se moslrassem os movimeotos audacio-
sos da Prussia, e maior poder de exercilo se lan-
gasse sobre a Aosiria.
A rapidez elctrica da assombrosa campanha
desfez, annullou os occoltos projectos do imperador
dos Francezes, se, orno de.crer, elle os con cebe-
ra e esperava realisar ejiportunaroenie; o grande
e sagaz poltico lamenta hoje talvez um grave erro,
e os resultados da guerra voirhpr a fraoga no-
vos e enormes sacrificio* dispeasaveis a sua glo-
ria militar, a sua segaranga fumr* e-a sua influen-
cia na Europa.
A campanha assorobrou pelas soas proporges
exiraordmarias, pela velocdade'4os commemmen-
lus, e pela grandeza da uta das suas coosequen-
cias: res a frente dos seos exercilos e ostaniando
valor nos campos das batalnas, principes dando a
vida e o saogue pela causa de seas respectivos
paizes, e em menos de om mez, em qoe os comba-
tea batalnas qaasl que se succeaeram da por da
terminada a guerra com a victoria completa da
venturosa Prussia. a quem se falla a justiga, sorri
a fortuna. Eis a historia da campanha da Allerna-
nht em 1866.
A Austria, feliz na Italia, colheu looros em ur-
ra e no mar, e provavelmente nem o valor ind-
mito de Vctor Manoel, nem as operares poste-
rormeole facis do aventuroso Cialdini no Vanelo,
nem as proezas do heroico Ganbaldi no Tyrol po-
denam inomphar alli das suas inexpugoaveis for-
talezas aqu dos seus desfiladelros e das inuralhas
ae urna nalureza asperriraa mas a foriuua adver-
sa na Allemanba obrigou o imperador Francis-
co Jos a ceder a Venecia, entregando-a a Fran-
ga para a nao entregar a Italia, enibora 800-
bes.su que s para a Ralla a poderia querer a
Franga.
Tardo viera o sabio conselho 1 corte de Vienna ;
os guerrelros do Vneto nao ponieran ebegar a tem-
.po de prevenir os resultados do desasir de Sido-
wa, batalha tremenda e mortfera, de qua se apro-
veiloa o re Guilherme vencedor para ameagar a
capital do imperio austraco, privado do sor-corro
dos seus exerciios, cujas marchas eslavan hbil-
mente corladas pelos Prussiaoos.
A Sadowa seguio-se em breve N kolsborg, a
grande derrota os preliminares da pai, e pouco de-
pois o ajuste final; o vencedor imnz as condig5?s,
os vencidos sabmeiteram-se. A Prussla eogran-
li-lo a'ordem de couzas cujo regulamenlo attribua ceu-se, arredoudou suas fronteiras com aonexa-
a dieta germnica, e que oeste propisito julgara Iges Impcrtaotes que ligam snas trras oien-
taes as rheoanas; mais de trila mitnes de alie-
de bom conselho deixar o Holstein gozar das suas
iostituiges, autorisando at a convocago dos es-
tados do ducado conforme a constiioigo qoe o
rei da Dinamarca havia dado ao Holstein em 18o4,
a Prussia, diremos, Irritada por semelhanle pro-
ceder, protesta contra o comportamento do g;ne-
ral de Gablenz, que governa o Holstein em nome
da Austria, e em breve pe a descoberto tedas as
suas prelengdes oosadas.
O conde de Bismark ainda nao o diz em voz al-
ta, mas a Europa comprehende qoe elle quer o
Schleswig-Holstein para dominio exclusivo da Prus-
sia. e na Confaderago Germnica a excluso com-
pleta ou ao menos o abatimeato da Austria.
A corte de Vienn appellaoarao art, 11 do pac
to federal, e eis ah toda a Allemanba envolvida na
luta herclea das duas tremendas rlvaes.
A guerra,-que por algara lempo se acreditara
iraprovavel, rebenton emflm, e chegou enrao a vez
da desillu-o da 1 uropa, que suppozera secuoda-
ria e local a qaeslo do Schleswig-Holstein, e que
em 1866 a vio assamir de sbito proporges mais
colossaes.
A dieta de Francfort, convocada e reunida a'
vez da Austria, condemnou a Prussia, qne por seu
turno fez mais do qoe condemna-la, declarou rola
e dissolvida a Confaderago Germnica.
As duas bellicosas rivaes quasi que nao gasta-
rara lempo em cootemplar-se e roedir-se anies de
mes entrara hoje no quadro de suas iostituiges
milliares.
E islo que muito o menos : a Austria foi ba-
nida do concert germnico; a antiga coufedera-
go desappareceo, e a nova, a Confederago Ger-
mnica do norte a Allemanba prussiana estande os
seus limites at ao Mano : os esta os allemes do
sul ficaro entregues aos mesmos, mas deixaro de
ser saleilites da Austria, e sera duvida o coode de
Bismark calcula, para absorv lo: tambera na con-
federago, de que foi architecto, com as solicita-
goes dos interesses econmicos, eom a iastipctiva
ambigao de fazer parte de um dos mais poderosos
estaos da Europa.
A completa e detalbada organisagao do corpo
federativo da Allemanba do no'ta vai sabir de um
congresso elelo alli pelo soffragio universal; mas
os dous fundamentos oapitaes dessa grande socie-
dade poliuca ja' esto langados; a Prussia repre-
senta t'jii a confederago no exterior, e dirige as
relages diplomticas; commanda o exercito ea
armada, e faz vigorar em todos os estados confede-
rados as snas iostituiges militares; apenas, e
somene a intelligencia que resolve e o braco que
exeeula. O ral da Prnssia sera' om monarcha cer-
cado de principes vassailos.
At agora lodo tem corrido medida dos planas
e desejos do conde Bismark ; com o tnompho, po-

PREAMAR DE HOJE.
! P.-imeira as 8 horas e 30 ra. da manha.
I Segunda as 8 horas e 34 minuto da urde.
MTDA DOS VAPO*ES"C05TEIROS.
*ftra o sul al Alagoas a 14 e 30; para o norte
fa Granja a 7 a S2 de cada roer, para Farnan-
1 ils das 14 dos metes Janeiro, margo, malo,
I Julho, setembro e novembro.
gt^T^
m
f
:

.

entrar em peleja; nos, porm, o podemos fazer \ rm, nasceram novas aifflcoldades e graves traba-
mais commodamenle e com seguros calclos agora.
A Prossia achoa se qaasi a sos na Allemanba;
faltava-lhe a cau-a o direito, e no animo dos ao-
vemos e da populago a conflanga no conde de Bis-
mark; a Allemanba liberal, o ministro do rei
Guilherme nao o ; vio se elle por Isso mal acom-
panbado na patria c immum, e al sem as sympa-
thias do p vo 00 proprio reino.
Todava fra da Allemanba Bismark aebra f-
cilmente alliado poderoso para ajnda-lo contra a
Austria.
No sol da Europa la' eslava a Italia aspirando a
completar-se eom a junego da Venecia, qae ibe
escapara em Villa-Franca.
E, se preciso fosse, ainda aqu avallara ama
prova de qae Infelizmente nao o direito, nao a
justiga qae presidan) a poltica dos govemos: Loii
Idus. No congresso allemo predominara' prova-
velmente o elemento liberal, qae na Allemanha
to fro e paciente, como decidido e Indomavel; os
affagos do rei Guilherme e dos seos ministros, que
na cmara prussiana, pedindo om bil de indemni-
dade, renderam preilo s prerogatlvas parlamenta-
res, nao jungiram ao sea carro triumpbal os libe-
raes que experimentaran) injusligas desabridas to
recentes, poderam ons a ouiros entenderse, har-
mooisar-se na assembla da confederago. Aban-
donara' o conde de Bismark soas ideas erradas do
espirito do anacbronlco feudalismo 7... mais qae
davidoso ; e a lata que fcilmente pAa comegar
no congresso soscepuv -I de produzir ttraofdi-
nanas consequencias.
Por ootro lado, se na Allemanba do sol ha ten-
dencias para a unio com o norte, tambera certo

Napoleao, correnda em soccorro da Italia na penul-; qne nunca ella sympatbison com a Prnssia, e agera
lima guerra, proohetisra a grandeza do reino de tem de mais o reseotimento de nma desastrosa
Vctor Manoel, marcando-lhe por limites ao occi- derrota, e a agr lembranga dos estragos desoe-
dente os Alpes, a leste o Adritico; parou, porm,' cessarios o das crueldades inntels que pratlcaram
em Solferino, arreceiaodo-se, alm do mais, dos as tropas e alguns generaes do re Guilherme; a
raovimenlos hoslis da Prossia, que marchara a
frente da Allemanba, e em 1866, poneos annos de
pnis, essa mesma Pru~sla quem realisa a prophe-
cia de Lu Napoleao, obrigando a Austria a abrir
as garras e a deixar eseapar-lhe o Vneto, qae qaa-
sl completa as aspiragdes mais altivas do sonho
Austria, excluida do corpo germnico, ainda cora-
tudo inconiastavelmenie allema por nma parle
da sua populago ; conserva, pois, lagos de raga
qae as espadas dos guerreiros, os tratados dos mi -
nistros e os decretos dos res nao conseguem ja-
mis desatar; ha, portante, ainda na Austria um
patritico do conde de Cavonr, de Vctor Manoel e I elemento germnico que pode ou voltar ao gremio
de Garibaldi: aItalia una. 1 de urna confederago nica, agora dirgida pela
, Ao soar a hora qoe anounciou o rompimeoto Prnssia, ou, dadas certas circunstancias, tornar-se
da guerra, a Europa estremecen, suppoodo, erafim; centro e ponto da apoiowara os estados do sal.
chegado o synistro dia do conflicto geraf; 'odos os' Alm disto, se se dsse o caso de ara novo con-
V

v
.- -.^^1
mtm
iMM




^%^1'P'
; -

fiarlo d i*t*na<&b c Quinta tci* i O d Jaeir flicto, a Prusianao c otaria roais. tem cojnQ.aja.oJp .Ideado i e/'
indirecto 4a .Franca, que a deixou na mais plena, teuho.
'*
K^Bea1,s#|fttndo aslarorma^Ses qoa
=:

seporang qs margeos do Rheue lancar-se toda (> "^i-'* cornos pravas do 1* aatolfeie de la-
contra a Austria, oem com a -i I Manea ioleressad -*am 1|. de VBioniarios a penetrar noi eolrln-
da Italia, qoe nao tero mais qae ambicionar --^ WraTwehtos ralmigos, de donde s se re'iroo frl-
nexao&e dttfeoecia. Moje a Franca -" Vi1 ^P*111* Pela-desproporcio namerica dolol-
Olhar amigo a crescente' pajar.-"' 5 ** c-omi "S- l batalnio da Infartara, .aln* qua*
I
Italia ha de aproximar-se
depois de odiosa 'r- *
ai-natura .,^m,
-etm, pos a sltoac
>"lao tlrmeraenta resolvi a
trenqnillisar perfeiam.
E qaando mesmo o eitt
mas questdes, urna e
seniora amearadorat
nos e praoccopam todos i
paz lio precaria, que
parece destinad ser
da Prussta, e a j tro compauhias j mencionadas', destacou mais duas
a Austria, qae, para esiaoderem.peia>nrts donaate, Alandal sea
nsnirnantfaate com oatWn dug POrpUfiw bri
Mita. *
"O ll.*cornode
da Alternan! nao
aseantada qae
os fortrnos earoi
outras e patero
io hwmeene, cairas
frelar todns as gover-
rrllo*. ?fo erlente a
fimples rovolta par
Junto achari V. S. a reiaaioda rafea tjoe
HWtar, dte*Jfn4o-se a >i e a guarda nacional des-
iwamitsridasnodiaiedocwatety, TmHi +*m accusacaode io" raspiraraendan
A te^-.-^-'S' "S?"06 Wia eradesueci*M,|.,e
IlaS 5*' k lT,ra ^'"'il*?** '< fc mandante da 3* brigada. -- JoaqaW ^afolai- od atante o qae teve recommeoJacio tf W
Mraa Lima, major commandanta. i >c*aY a'nrtem ene Ibe foi dada, embofi-}t tlvesse
<lm. ar.Desda o alvorecer do da de hentem comeeado o prato da suspeusao do recrntamento.
m tut"? j*t>sji'gl"J" 'RrMl- parMcoovirao servicafMMa.
's.,nas2!2ir"."H1 ?^n*oo o Tamas. or tantoum destaoMMMa qoa atreza
Hrcito aMMo.| *'*<*'* bljP* e ealaoar- a*le.*trlnU e cinco pracas.a qae Mita a " "JUa-iprompio paTa eempotafio regular para formar-se segoado as In-
. atontarles, taade sido pela
Ixm. Sr. general Veterlno mandado penetrar no wir parte auanfi, lando aeArlao s
meto e eTregar ao tmriacheiramaato, Dio o vi ta baaaaardeaateMo aanudao 4a* latera* atai-
aao no tm do eoaftate qoanto se rellron. O 3r. mifo, por ar* t V. S. *b reuaio-aos corpo*
omrDaitaajBtfl Plores deaiaroo-me qoe o Rxm. 8r. de tafaalariaal! de volnntaros das 7
presidente Flora ordeaan qnea Torga rastaoie sab beras daooate, o qae, eomiuadaisoa po^V.
meu comroando avancasse, ser mandante de guia oque execotei, e qaando mar- madas as matas, em cujo servico portando-seos
cial, como a deCrea, p5eem cuidados e sobresalto chavamos a sahtr do rio ao'palo lado das triochei- 5n. offliaes a pravas com potreas ixmmc6b a-
as grandes pofffeeia. -Alli esta' a espada de Da- ras tomadas nesse dia, vimos urna columna inlrat- lhardamente, foram : moito o soldado Anioak
ocles qoa pende de um fio, e, tac curioso, o im- ga que repellia do Interior do mato forcas argenti
perio de Habomet o objeeto da mais esmerada, as e orientaes, essa torca inimiga foi pelas duaa
olicitude dos esudos catbolicos e christSos l companbias do 2 balalbao de infantaria sob o coo>
A flel execucio do tratado de 15 de setembro mando do major Genuino Olympio de Sampaio, e
val delxar o santo padre entregue aos seus pro- pelo 30." corpo de voluntarios sob o comroando do
prios recursos em Roma. A esta hora nao havera tenante eorooel Apolonio Feres Carapello Jacome
mais um soldado do exercita francez era na cida- da Gama, e todos sob miabas ordens, carregada de
de eterna, aem nos estados da igreja. A Frasca Daoco e toreada a recolber se a outros entrinehei-
cumpre religiosamente o dever qae se impo,; a ramelos que tem-denlro do mato guarnecidos com
arulhara, oao fipossivei acs oossos soldadas pe-
netraren) com o inimigo, nao so por nao bavermos
conseguido vencer um espago que bouve sempre
enire-elles. e dos, o qoal Ibe permittM transpor os
fossos e faier-nos logo nos ditos entrinebeiramentos,
como por ser o lugar mallo aperlado, sendo por isso
Italia cumpiira' do mesmo modo o seu, respeitan-
do a independencia e a integridade do territorio do
papa. O bario de Ricasoli, fallando como legitimo
orgo do goveroo do rei Vctor Binmanuel, ja fez
sentir com energa a tloquente preeiso o que a
honra e a lei convencional ieapde aos Italiano?,
isto respeilo nra os direitos do santo padre, e obrlgados os corpes a apresentar grande profandl
segura nonfianca do futuro que espera ; o governo dade, soffrendo assim em pooao lempo grandes per-
de Florenga empregara' todos os raeios, e, se tor. das; jtor essa raio mandei que a pouca gente res-
preciso, a torga, para fazer effeetiva esta poltica, tanta se abricasse junto ao^tato esguerda e fi-
que roais do qae sabia, de gravissimo/Taifirp-. zesse logo sobre o inimigo e fui dar parte do oc-
misso tomado ; aoiretanto, ^revendo conflictos'. corrido ao Exm. Sr. general Guilherme Xavier de
provaveis, e desejoso de completar a uniQcagao da Souza, visto como e Exm. Sr. general Victorino
Italia, pruinpto e empanbado se mostra a entrar \ Jos Carneiro Monteiro toras aoles, havia sido fe-
em negoeiagoes e em accordo com o vigarlo de | rido e perdido o cavado qae montava ; o Exm. Sr.
Cbristo. Sera'possivel o accordo ? ludo iudica que general Guilherme deu-ma ento um corpo o 15.*
nao, e nao o sendo, enche-se de negras duwus o
borisonte do anno de 1867.
Coega ao seu desenlace a questo afnVtiva do
poder temporal do papa. Sem o apolo da guarni-
fao franceza, sem recursos pecuniarios para recru-
Ur um exordio .'ufBcieote, nao podando contar
com a dedtcagSo dos seus subditos, o santo padre
de voluntarios sob o comisando do teaenie coronel
Gabriel de Soaza Guedes, para ver se com elle con
segua penetrar no entriacheirameoto, o que nao se
poqde conseguir, apezar da boa vontade, em Tista
do Yogo que soffriamos.
< O 7.a batalho de infantaria, tendo a sua fren-
te o seu distincto chefe o valente lente coronel
-uo lera' comqne resistir materialmente ao pro- i Herculano Sancho da Silva Pedra, carregou depois,
Buociameolo quasi ceno dos Italianos que gover-| e s logrou chegar contra escarpa do fosso : nes
na, e que preerem ter era Roma a capital da i una.
Que val acontecer?... que extraordinarios sac-
cess s quer a Providencia Divina permitlir qoa se
realisem no seio do catbolicismo ?
O papa nao se dobrara' a' adversidade : a saa
constancia mabalavel, o seu non possumus, que
destru- tudas as esperangas de solugo feliz desse
doloroso problema, difflcultara quaesquer negoeu-
gdes.
Praza ao cea que os hberaes dos estados da igre-
ja comprebendam que a sua mais hbil poltica
consiste ag ra em nao exagerar as dlfficuldades, e
em contemporisar. E' necessario dar a' corte de
Roma o lempo precis para se accommodar a nova
ordem de cousas. E' licito anda esperar que ella
e o governo italiano chagen) a enlender-se, e que
o saDlo padre nao se sqoponha obrigado a sabir de
Roma, pondo em commocao o ealholicismo.
Como tjuer que eja, afflgura se-nos que esta
Jneslio de Roma, esta questo do poder temporal
o papa mal poda ser calculada era todos os seus
resollados possiveis. qae parece mais certo
que o poder temporal dj chefe da igreja catholica
val acabar.
Inquestionavelmente o acontecimento sera' rui-
doso ; a nossa t, porm, nos consola e nos anima.
O mais bello tnurapho do caulicismo ha de pro-
vir do que parece a muitos um desacato e urna
quebra da forca moral do santo padre. O poder
temporal do papa era ponto de abasos reaes, em-
bora nao pariissem da saa vontade.
Desde o seculo de Vollaire que a descrenga cava
abysmos, como acenddra fogneiras e produzira hor-
rores o .oaiisio ; urna escola philosophica enre-
gelada e fatal abri os caminhos do erro a' huma-
nidad?, n nao pouco Ihe serviram as prevaricares
de urna paite do clero, como antes ouiras iguaes
tinham servido a Lulhero a a outros perturbadores
da igreja. Essa ordem da ideas chegou ao su
apog urna conquista qae sera' a ultima, que ser
benfica e til, porque marcara' a era do renasci-
mentu das glorias mais esplendidas da nossa igr- ja,
que completamente desprendida dos cuidados, ma-
triaes do mundo, nicamente oceupadadas cousas
santas do-co, fallara' s e exclusivamente ao co
rago e ao espirito dos bomens.
A questo do poder temporal da papa pois, do-
lorosa e ; filictiva ; mas ha de ser benfica, a Deas
a fara' servir em proveito nosso e da sua igreja,
qae nao pode perecer.
(Coniimiar--ftaJ
PEHNaMBUCO
REVISTA Dini
Hoje ten lugar o concert dado pelo Sr. Croner,
no theatro de Santa Isabel.
Alm da parle instrumental, tem ama ontra de
jogos physicos.
A erapreza dos trilbos urbanos, cujo servigo
foi provisoriamente inaugarado no da 5 do corren
te, tem nos das posteriores continuado aprestarse-
Si-lisfactorlamente as necessidade publicas.
A directora das obras publicas acaba de pu~
bllcar que a distancia entre o actual ponto de par-
tida na ra da Unio, e o Caldelreiro de tres mi'
Ibas, assim cootadas :
Recife ao Manguinbo, em frente estrada dos
AfDictos, urna mi ha ;
Hanguinho ao sitio da Jaqueira, urna milha : e
Do sitio da Jaqueira ao Caldeirelro, urna milha.
O Sr. Dr. Tbom f'ernandes Madaira de Cas-
tro reclama sobre o que hontem disemos com re-
lagao ao rrcrutamenio de Leobmio, na parle do pe-
riodo que diz : desse qwproqno resultou ser Lecbi-
nio recrutado pelo Sr. Dr. Tliom Uadeira ; visto
como nao sendo S. S. recrutauvr, nao o poda fazer.
Efectivamente o que diziamos era, que aquelle
individuo tora recrutado por indicago do iLesmo
doutor, e nao por S. S. m>qoella qu^lidade, urna
vez que nao nos consta acbar-se incumbido de tal
commis.-o.
O medo, pois, pelo qual sabio a 1 jz o referido
trecho com desvirtoagso do sentido do que foi es-
cripto, prende-se a um sallo typograpbico ; o qual
Oca rectificado desta surta com saiisfago a recla-
mago do Sr. Dr. Thom Madeira, que isto mesmo
ja havia declarado em sua carta publicada oeste
Diario no dia 7 do corrente.
Segundo nos informam, no da 17 do cor-
rete mez, levantarse na villa do Gabo a bandeira
da festividade do martyr S. Sebastlo, percorrendo
o prestito composte tarabem de algumas senboras
algumas ras da villa; e nessa occasio subiro
ao ar diversas girndolas de fi^uete?, e algons ba-
ldes, tocando ama das msicas mames desta ci
dade algumas pegas escoiludas do sen repertorio.
No dia da testa ao Sudarse u Te-Deum, qnei
mar-se-ha um lindo e bem preparado fugo de ar-
tificio, intermediado com alguus bftiAes.
As audiennas do Quizado de paz da frguezia
le Santo Antonio, serio as tergas e sextas-feiras
audiencias, durante o correte tono; pastando pa-
ra os das anteriores, quando forem feriados aquel-
lea. V
Araaohaa comeca a thesouraria de fazenda a
nagar as pensoes do Monte Po dos Servidores do
Estado.
Ramos em seguida as partes do commaodan-
ie da 14.* brigada, e dos commaodaotes do i. ba-
'alhio de infantaria, 11. e 30. de volontarloa da
fudria, em referencia ao ataque de Tuynty, em 16
17 e 18dftjulho pssado,as quaess agora foram
...iblicaaas na c6rto :
Illor8r.Em obediencia lembranca do qoar-
!?l genaral em ebefe de hontem, veobo participar
V. S. para os Bus convenientes, que na raanhaa
"is proximidades das trincheiras lomadas no dia
(5 ao Inimigo, recebi do Exm. Sr. general Victori-
no ordem de marchar coma brigada para as tnn-
fteiras ja crtadas, e dalli avangar para o riocao
'" nteiro a ellas, onde me ci nservei, al que recebi
i iva ordem para avangar e f.aer penetrar ama
< >-ga no mato conlinguo ao entrineneiramento ain-
oceupado pelo inimigo, mandei quatro compa-
nas do i. balalbao de io/antaria com o respecti-
> Sscal major ie commlsso Aurelio Joaquim Pm-
,-i ue poca tempo depois, sendo fondo, se reti-
.i cora estas qaatro companbias, padlo-rae para
i. nelrar no dito malo o tenente do 4.* corpo de oa-
.tures a cavallo Placido Ejalho de'.Oliveira Ramos,
siente da reparjfcao fo quarigl-meslre general
i :> a esto eommamo, assenti a esse pedido, por
o teoente Placido um offleial reconhecdo bravo
t calmo, e que desde Paysaaad se distingui com-j
se interim, sendo me dado anda pelo Exm. Sr. ge-
neral Guilherme o 31.* corpo de voluntarios, sob o^
commando do raajor de commissao Affooso Jos de*
Almeida Corte Real, para aiuda tentar com elle a
tomada da pus gao, fui convidado pelo ja menciona-
do tenente cerouel Pedra, para reunidos, lentarmos
este esforgo, e collocando-nos com o commandanle
do 31." corpo i sua frente, avancamos at onde ha
va avangado o 7.* batalho de lmba, e como alera
nao pude-semos ir, por causa da metralha e fuzila-
ria cora a qual ja se nos offendia, fui dar parte do
occorrido ao Exm. Sr. general Guilherme, quando
pouco depois ehegou ordem do Exm. Sr. general
Flores para se effectuar a retirada.
Finalmente apresentando a V. S. as partes dos
commandanles dos corpos e de torgas que opera-
ra saladamente e as relagSas dos mortos, feridos
contusos e extraviados, faltara a um dever de jus-
liga se deixasse de assegurar que o procedira^mto
de todos os senbores coraraandantes dos corpos de
que fago raengao foi digno de louvor, a que o te-
nente do 18.* batalho de infantaria Jos Pedro Do-
mingues do Couto, assistente da reoartigao do aju-
danle general junto a este commando, teve um
procedimeuto cima de todo o elogio, pela sua co-
rageru e aelividade na transmisso das ordens e
pela calma com que se portou todas as vezes que a
meu lado investto os entrincheramentos, animando
e procurando enthuslasmar os soldados.
Deus goarde a V. S Acampamento do com-
mandu da 14.* brigada no Tuyuty, 20 de julho de
1866. IHm. Sr. coronel Joaquim R. drigues Coe-
iho Kelly, coramandante interino da 6." diviso.
Salustiano Jeronymo dos Re, lenle coronel com-
maodante.
IHm. Sr. Tendo j dado a parte a V S. do
que se passou no combate da noile do da 16 com
o balalbao de meu interino commando, passo agora
a mencionar os acnlecimenios occorridos com o
mesmo, no sanguinolento combate que livemos com
o inimigo no dia 18 do crranle.
Marchando este batlno sobre as trincheiras
inimigas com o 21. e30." de voluntarlos, que cons-
lituera a brigada sob o digao commando de V. S.,
que a subdividio em diversos contingentes, afim de
alaciarmos aquellas fornfleaedas em differentes pon-
tos, achei-ma smeule com as 4.* e 5.* companbias
do mesmo 21.* batalho, que combaterara debaixo
de miaras immediatas vistas, nao podendo en por
esta razo apreciar pessoalraente as outras compa-
nbias, que se acbavam distante de mim.
O raajor fiscal Aurelio Joaqaim Pinto portea-
se com a sua recoohecida calma e valor, tendo si-
du eo;re taoto obrigado a retrar-se antes de ter-
mine r o combate, por haver sido gravemente fe-
rido.
E' digno de lodo o elogio o procedimento dos
bravos toldados que couimandei, fazendo-se credor
da maior coosideragioo teoente de commissao An-
tonio Bezerra Cabral, e qual foi incansavel no enm
primelo de seu dever, desenvolvendo sua eos tu-
rnada actividade na manulecgo da boa ordem da
linha, que dlrigia, e sendo levemente contuso no
brago direito.
t O lente Jos da Costa Monleiro, que com-
raandava 1* companhia, conservou se sempre
no seu posto.
Temos a lamentar a perda dos altores An-
tonio Juaquim de Pontos Moreira, Antonio Joa-
quim Coi rea de Morats, que pertenciam as
duas companbias, e Francisco Ju^ de Mello : o
primeiro, sempre bravo e corajoso, cahio morto
por um estilbago de bomfta : o segundo tambera
morto por urna granada, presin relevantes ser-
vigos, e o ultimo, extraviado, presume-se que
morreu oa trinebetra.
Tivemos anda mais um alferes, Joao Barbosa
das Neves, gravemente ferido.
Das partes que incluso remeti, ver V. S. o
procedimento dos offlciaes e pragas das outras
companbias do balalbao.
Devo fazer menso dos alferes Manoel Fer-
relra Prestas, que se me apresentou e servio sob
as tarabas ordem com caima e digoidade. Duas
vezes avaocei sobre a trincheira ale a contra es
carpa, fazeqdo retroceder urna torga que perse-
gua tres batalnes argentinos, que se retiravsm
por falta de munigo, uo-podendo, porem, apo-
derar-ine da dita Irincheira, por ter ebegado lar-
de a torca que me foi de pruteceo, sendo eu
naquella occasio contoso oo braco esquerdo.
Deus. guarde a V. S. Acampamento do 2*
batalho de infantaria do Tuyuty, 19 de julbo de
1866. -lllin. Sr. tenente corunel Salustiano Jere-
ronymo dos Res, digne commandanle da 14* bri-
gada. Jenuino Olympio Sampaio major comman-
danle Interino. >
Illm. Sr.Cumprindo o dever qoe me cabe commonicar a V. S. as occurrencias havidas hon-
tem com o balalbao sob o meu interino comman-
do, passu a expor o qoe se passou.
Recebeodo ordem de V. S. as 8 horas da nou-
te pouco mais ou meaos para marchar para o
flaneo esquerdo do exercito, onde o Inimigo en-
carnadamente disputa va desde o romper do da
a pesse de soas torlificagdes conquistadas pelas
nossas torgas, segu immediatamenta com o mes-
mo batalho, que com o 21 e 30 de voluntarios
tomaram posico na liaba de combale.
< Deixo da entrar em dtalhes minuciosos visto
te-Ios V. S. presenciado.
t Nao posso tambm deixar de declarar a V.
S. que os offlciaes e pragas do meu commando
esmerarara-se no cnmprimento de.seus deveres.
t Deas guarde a V. S. Acampamento do 2*
balalbao de Infantaria as trincharas tomadas
ao inimigo, pa mata que fica esquerda do exer-
cito imperial, f7 de jalho de 1866. llra. Sr. ie.
nsate-corooel Satastiano Jeronymo dos Meis, digno
commandanle da 14* brigada. Genuino Olympio
de Sampaio, major corarbandaote interina
IUm> Sr.Cumpre-me levar >ao coobeolmaoto
da V. S. que achando-me com o carpo de mea
commando de prolecgao a attilharia aa vanguarda,
desde a noute de 13 do crrante, mandei oeste
mesma nauta estender urna liona para cobnr a
esquerda das bitenas, sendo esta, desde meta
bora da raanha at o clarear do da,
pelo inimigo, cora tiroteos coustantas, e das 6
horas da manna u a amanhacer de 48, foi
aquella irloebeira sempre accommotlida pete ini-
migo com bombas, granadas,;fogies a conareve
e fuzlaris.
Antonia
Mendes Barrete feridos tenente Sabino Sldroolo
Aires de Castro, a cabo Andre Ferreira da Silva
e o soldado Antonio Luis Pereira, e contusos o
alteres Jos Mara Corroa Vsques, cadete Jos
Francisco Paes Barreto e soldados Benedicto No-
nes Barbosa a Vicente Marinbo de Soma. O al-
feres Joaquim Luiz dos Santos, que marchou com
o batalho, talve se bonvesse retirado ferido on
contuso, ou extraviado. E' o que me campre le-
var ao coohecimeoto da V. S.
Deus guarde a V. S. Htm. Sr. tenente coro
uel Salustiano Jeronymo dos Reis, commandanle
da 14* brigada.apolonio Pires Campello Jacorao
da Gama, tentte-coronel commandanle.
RBPAHTigXo da polica.Extrato das partes
do dia y de Janeiro de 1867.
Foram recomidos a casa de detenga* no dia 8
do correte:
A ordem do subdelegado do Recito, Joo Luiz
dos Santos, por iosoltos, a Marco Aotonio da Trio-
dade, para correegao ; a ordem do de Saoto Ao
tole, Deodoro Cavalcaote da Cunta, por distur-
bios ; a ordem do de S. Jos, Francisca Maria da
Coocaigo, por disturbios.
O ebefe da 2.* seego
i. 6. i Metqua.
Casa di DrrBKgXo.Moviroento do dia 8 de
Janeiro de 1867.
Exlstiam 377, eotraram 4, sabiram 4, exlstem
377. A saber : naclonae." 276, snlheres 14. es-
traogeiros 33. muiheres 2, escravos 46, escravas
6, total 377.
. Alimentados**' cusa dos cofres provioeiaes 215.
Movimeoto da enfermara do da 9 de Janeiro
de 187.
Tiveram baixa :
Joao Jos Dias, bronchilte.
Constantino Herculano Guedes, anemia.
Manoel Rodrigues Damaceno, sarnas.
Teve alta:
Agostinho, esoravo de Joo de tal.
- Passageiros do vapor Guar sabido para o
norte :
Antonio Jos Cordero Simoes, Joaquim Getrulio
de Azevsdo Souza, Dr. Lycnrgo Jos Heuriques de
Paiva, Manoel Pereira de Araujo Vianna.
Cbmiterio toblico.Obituario do da 3 de
janeirc.
Genoveva Perpetua Pires Rangel, Penumbuco, 30
anuos, casada, Santo Antonio ; pthysica.
Emilia Mara da Coocaigo, Peroambuco, 12 aonos,
Recife, pthysica.
Manuel Muagele, frica, 40 anoos, Recife; pulmo-
na.
Manoel, Peroambuco, 2 horas, Sanio Antonio ; es-
pasmo.
Ricardo, Peroambuco, 9 mezes, Sanio Antonio ;
desenteria.
Maria, Parnambaco, 6 meza", S. Jos ; espasmo.
Luiz, Peroambuco, 1 bora, eecravo, Boa-Vista;
espasmo.
4
J isefiaa Maria da Cooceige, Peroambuco, 40 an-
oos, soltelra, Boa-Vista; pthysica.
Joanna Ricarda Brando, frica, 68 annos, Santo
Aotonio; cancro.
Joaquina Mana da Coocetgo, Peroambuco, 36 a-
inos, casada, Boa-Vista ; pentonite.
Antonio, Parnambaco, 11 mezes, Boa-Vista ; diar-
rhea.
Samuel, Peroambuco, 3 mezes, S. Jos ; con nl-
gdes.
Amelia, Pe-nambuco, 2 mezes, escrava, Saoto An-
tonio ; enterite.
5
Mara do O', Pernambuc-, 92 annos, solteira, Bea-
Vista; apoplexia.
Manoel, Peroambuco, 30 dias, Saoto Antonio;
aoazarca.
Jo.- Martms Feroaodes de Figoeire o, Peroambu-
co, 38 annos, solleiro, S. Jos; tubrculos pul-
monares.
rsula Maria da Jess, Pernambuco, 67 annos,
viuva, S. Jos ; enterite.
Clara, Pernambuco, 5 mezes, S. Jos ;
'dia.
Agapito, Pernambuco, 45 annos, esrravo, S. Jos ;
hepatite.
Mainel, Pernambuco, 3 horas, S. Jos ; convul-
gdes.
Antonio Francisco de Jess, Pernambuco, 46 annos,
solteiro, S. Jos ; pthysica.
fi-
jse, Pernambuco, 1 dia, S. Jos ; coovulges.
Beota Joaquina da Cooceigao, Pernambuco, 28 an-
nos, selleira, Boa-Vista j tubrculos pulmona-
res.
Joanna Jo-tiniana Pereira, Peruamboco, 16 aooos,
casada, Santo Antonio ; pentonite.
Eusebio de Medeiros, Portugal, 35 aonos, solteiro,
Boa Vista ; tubrculos pulmooares.
Silvana da Silvelra Gumares, Pernambuco, 33
annos, solteira, Santo Antonio ; gaslrite.
7
Candido Bezerra de Salles, Pernambuco, 28 annos,
casado, Santo Antonio ; apoplexia
Sebastiana Maria da Coneeigo, Pernambuco, 25
annos, solteira, Boa-Vista ; tuba culos.
Candido, Pernambuco, 15 dias, Recife; espasmo.
Manoel, Peroambuco, 1 dia, Boa-Vista ; cephalo.
Mariana, Pernambuco, 8 dias, Boa-Visia ; espas-
mo. s
Cassimiro, P nnmbuco, 1 anno, Saoto Antonio,
diarrhea.
Thereza, Pernsrobnco. 9 annos, escrava, Ahogados;
asphexia por submergo.
dtaaTaea da polica, alm do*Kros, qe sio atan
ampara outros pontos da mesma comarca.
Paraajue os progressistas da Goyanna devlam
Hcar saMfaitos com esta medida. Trila e cinco
borneo Indicados por ellas, -oa soa confiaoga, j
experMHUudos nos combates eleHoraes, armados
com as armas do goveroo, formam ama torga res-
iHWjval-capan delatara seaquiaia da araa em fe-
vereiro. Mas a sua fraquexa, visionaria v peri-
go's era toda a parte. A opposicao cresce, arregi-
menta-se, poe se em actividade, e necessario es-
maga-la. O Sr. Firmioo sae de Goyanna para esta
capital, dizendo l que vlnba entenderse com o
goveroo e perguatar se quer a eleigio Se quer,
accresceotava elle, ba de dar-me os meies que en
pedir. O qne se passou nao sabemos nos ; mas a
verdade que oo da 5 do correte foi lida em
Goyanna ama carta daqoelle senhor. na qual di-
zla : i Levo pleno* poderes, e ludo que ntcestarto
para vencer a eleigao.
A verdade anda que, sablqdo no mesmo dia,
e vindo entenderse ao da 7 o Dr. Joo Alfredo
com o Exm. Sr. eonselheiro Siivelra Lobo, sonbe
com a maior sorpresa, por Ihe dizer S. Exc, que
tioba mandado retorcer o destacamento com mais
trinta pragas, qoa Ihe toram pedidas para a pri-
sco de criminosos I
Expondo estes factos nio duvidamos da oda f
com que proceden o Sr. presidente da provincia.
Parece-nos aiBda que S. Exc depois de fazer lo
conbecidas as suas opioldes a respailo do modo
porque deve correr a eleigo, proclamando que es-
ta perteoce aos partidos, e nao ao goveroo, nao ba
de fallar aos solemnes compromlssos qoe cootra-
bio paraoie o pas, viado constituirse no goveroo
dasta provincia um sustentador de candidaturas
offlciaes, que carecen de raeios como os que lem
sido pedidos para Goyanna. E nos confirma neste
modo de pensar a certeza que s. Etc. deu ao mes-
mo Sr. Dr. Alfredo, urna e mais vites, de qae
mandara' retirar a torga destacada, redoziodo-a ao
numero rigorosamente preciso para a goarnigoda
cadeia, as proximidades da eleigio.
Nosso fim outro : queremos tirar dos mesmos
factos o argumento a qu se prestara contra o ca-
raeter de oossos adversarios e cootra a torga oa-
lural e legitima, que elles inculcara ter.
Fracos, impopulares, nao podendo pleitear a
eleigo pelos meios ordinarios, oem mesmo tendo
em suas ruaos, como team, lodo o poder da poli-
ca, do qual usara e abusara a seo talante ; nao
podendo talvez oblar do Sr. eonselheiro Silveira
Lobo a satisfago de seus desejos, se tossem deca- j
rados com verdade e franqueza : recorren) a falsos
motivos, que nao resisten alias a' mais ligeira ana-
lyse.
Se qoerlam augmento de torga e gente de con-
fiaoga para o recrotamento, como o pedem quando
este vai ser suspenso, e como conservara a medi-
da solicitada quando tem cessado o motivo com que
pretendern) justifica-la 7
E de mais, a verdade que se o recrotamento
nao tera sido bem toito em Goyanna, a culpa do
Sr. Mi lilao edas autoridades policiaes. Por que con-
vive o primeiro com individuos, que nao tem isen-
gao, e prende os iseotos T Porque protegen) as se-
gundas todo aquello que prefere trabalhar-lbes de
graga a ir prestar os seus servigosao paiz na
guerra ?
O motivo ultimaraAote allegado para se obterem
mais trinta pragas Igualmente falso ; talvez
uraa mentira mais impudente; nm pretexto mais
frivolo.
Sao as mesmas as autoridades de Goyanna ; por-
que ja nao prenderam os criminosos, de que fal-
lara 7
Vieras) esses criminosos de fra 7 Onde eslao 7
Quem sao elles 7
Pois as vesperas da leigao que apparecem
criminosos, de qae antes nao se dava noticia 7
Veja o publico e atienda para isto. A ordem de
seren as pragas do destacameolo desigoadas pela
polica sigoifica qae esta quer o poder de armar os
saos capangas para a eleigo. O augmento do
destacamento exprime a necessidade que os pro-
gressistas team das mesmas bayonetas coro que
venceram em 1863, expellindo da matriz as tur-
mas da eleitores e supplentes e os votantes.
Outro facto lem igual significarlo O Exm. Sr.
eonselbeiro Silveira Lobo havia ordenado qoe o com-
mandanle superior designasse um offleial para com
mandar o destacamento. Foi designado o alferes
Americo de Medeiros e Albuqnerque, escolhido de
proposito como hornera moderado e arredado da
edampe- poltica activa, para nao levantar queixas. Mas em
Goyanna afflrraouse logo que outro seria o com-
mandanle do destacamento, e apontava-se Guilher-
me Francisco da Paula Montenegro. O certo que
acaba de ser ordenado ao commandanle superior
quesubsiituao outro por este offleial !
De qoe meios se serve o Sr. Araujo Barros para
bombardeiar assim os seus adversarios de Goyan
na, oo sabemos; mas elle coosegue o que se an-
nuncia cora muita antecedencia. Sem duvida Ilu-
de a boa f do Exm. Sr. presidente, e ba de ser
t-itii> de um modo coraproraeiledcr darepotago de
S. Exc, se continuar a i ludir-as.. -
Esse novo commandanle do destacamento so-
hrinbo do subdelegado de Cruaogy, contra quem o
Sr. Dr. Joo Alfredo apresentou pessoalmeote ao
Exm. Sr. csnselhoiro Silveira Lobo documentas de
veaalidade e de maitas orevarlcagSes. O odie do do
ha de concorrer para que o sobrrabo desempeoha
fielmente a commissao. Foi escolhido a dedo 1 E
muito se fara' por sua conservagao, se nao for pos-
sivel mandar meibor ca' da capital, como se anda
procuraodo...
Por aqu avalie-se de que meios e de que ageu
tes serve-se o feliz candidato progressista. Era
lempo, depois qae o negocio foi decidido pelo Exm.
Sr. eonselheiro Silveira l.tbo, a cujo conhecimento
foi levado, em 27 de dezembro, se tirar a limpo por
prova documental que noraeou se para o distncto
de Cruaogy um subdelegado coberto de criraes a
vicios, oa taita absoluta de outro, que a liga oao
tem oaquelle districto, e anda assim indo-e bus-
ca-lo em districto e freguezia difirante; pois que
Antonio de Albuquerque Montenegro, o nomeado,
morava e mora em Tirababa, freguezia de Ilarab,
'L* Qoa o Sr. 'director nao aos'fez commooieago
de qoa se conten em .dito, edita! ae nio depois
dalle pabii.c.do.
1* Qae tomou como partida, ponto diverso do
estipulado no contrato, sem preceder accordo nos-
se, on*Jeterming5a> do* gorerne, eomo era-indis-
peosavel.
3* Que nSo dos tmeM qoa o Sr. director das
obras publicas honvease mandado proceder 4 me-
digSo e marcar o termo *e cada amadas muas oa
forma estipulada no eaatralo, dizendo ioetacta-
mente que as tre*mies sa iadara na estacan do
Laldeireiro.
4.* Qae para evitar o ecnMata qoe se praeura
sascitar entre a empresa e o.publico, temos resol-
vido adoptar provisorianHote o arbitrio do Sr. di-
rector das obras publicas, al qae soja resol vha a
reclamafo que vamos levar ao conhecimento do
Eira. Sr. presidente da provincia, acando sempre
salvo o direito da haver as punosos qoe aos sao
devidas e segundo o que tor determinado pelo dito
Exm. Sr. de accordo com o nosso contrato:
Aproveitarnos a occasio para agradecer o com-
portamento exeraplar que lem tldo a popu.a^ao
desde a abertura e sobre todo dos dias 5 e 6 em
que, dindo-se a confuso e atropello, que nao se
poda evitar em semelhanle occasio, feiixmente
nio aconteceu siolstro aigom, em razio do dito
comportameoto: a qoa continuaremos a empregar
todas os estoicos para que se faga a servigo com a
regularidade possivel, estando sempre promptos a
attender s reclamagoes justas e razoaveis que oos
forem dirigidas.
Recife, 9 de Janeiro de 1867.
Os emprelteiros,
J. B. G. Alcofurado.
A. Luiz dos Saotos.
H. Matuneao.
B. do Livramenlo.
Descont de letras de'8 mezes
10 % ao anno..
Macean,
Sew eurio.

CURm
Espnutoza c Admiravel
DE MA UHAOA
GANCROSA E ROEDORA
$ novo baneo paga o se-
gundo toideno de 4,4 0(0
da massa fallida de Joaquim
Jos Silveira,
Caixa filral rio Banco rio Brasil tm
Peraaabac.
Teodo-se desencaminbado o recibo o. 167 de
cincuenta acgdes do Banco do Brasil, loca usadas
nesta cana sob o. 4875 a 4934,, pertencenles ao
Sr. accionista Jos Segundioo de Gumeosoro, do
Rio de Janeiro, a directora faz publico a qaem iu-
teressar possa, qne por intermedie do mesmo Ban-
co, se vai proceder a snbstituigo das acgdes cons-
tantes de dito recibo, pelas novas acgdes qne se es-
lao distribuindo com os accionistas.
Recito, 11 de dezembro de I86.
O guarda tinos,
Ignacio Nones Crrela.
Novo Broce te Pernambuco.
O Novo Banco faz o 17* dividendo de 51 por
aegao.
Rendimeoto de
dem do d*a 9..
ALPANDEGA.
a 8 do eorrente
85:875*946
34:719*38
320:5951335
oo
POLYPO NO NARIZ.
Partido c aserrador.
BOMBA80EIO DE OOTANNA.
Os projrrwsisla, que tanto alardeiam de soa po-
pularidad*, que a si proprios se desrrevera como
o partido da maioria, da lolelitgencu, da moralida-
de e da riqueza, nao podem entrar em combate
leal com os adversarios, a recorrer para vencd-los
oa prxima eleigo a todos os meios.
Disto e de quanto inexacta a descripgao da.co-
marca de Goyaona, feila ha pouco na Situacao, fa-
zem prova os factos, qae vamos expor.
Anda Ba administragao do Sr. Manoel Glemen-
tino o destacamento da guarda nacional, que fazia
oa cidade de y .ana o servigo da cadeia a da po-
lica, eompooha-se de ireze pragas commandadas
por um inferior, e neobama ds autoridades poli-
ciaes reclamava contra a in-ufflciencia da torca, de
qae poda di s por.
Mais urde teve o mesmo destacameolo om aug-
mento de dez pragas e o commando de um alfares.
Se antes ja se fazia o servico que hoje se faz,-cora
esta-alteracao as mesmas autoridades parecan es-
tar satisfeltas. e -disto deram prova, ao se quei-
xando da insufflcieccia da anidadas, nem dizendo
que alies nao mereeiam 4 sea ceoSaaoa, e pelo
contrario asseveraado varbalmente a em offlcies,
qoe existen em poder do-commandanle superior,
qne tudo norria bem, que a guarda nacional fazia
o seu lever, auxiliando a polica com lealdade e
promptidao.
EotreUoto corre o lempo, approxima-se a eleigio
e as coasas modam.
Ao recruiador escolhido de accordo com os o-
leresses eleiloraes de Sr. Araujo Barros, e consig-
nado a sen sogro, de quem foi ser hospede, sao da-
das dote pragas, destinadas especialmente ao re-
crutaraento ; mas qoe, sospanso este, ficam addldas
ao destaearoeoto, elevado assim a trinta e cinco
perseguida pragas.
Desanparece a eonflanga, qoa antes Insp+rava a
guarda nacional. Poucos dias antas da caaaecar o
prasoem que o recrutamenio duvia eessar, o delega-
do represenlou a necessidade de ser substituido o
pessoal do destacamento por anta de coonanea,
'*.Ae*~ ^A^i.1 9 oora8 d* niaoha, ti- qoeelle iodicesse, n assira naaadon o Exm. Sr.
presidente da provincia, ordenando na mesma oc-
Uma creada de servir Vesidente em Peinara
boca e pertencente Ex' Seilr". Viscondessa
Lffl Goianna, foi attacada d'uuia terrivel cha
ga eancrosa e roedora.ou Polypo no Nariz.
A mesma invoh-ia e tomava todo a parte in-
ferior do nariz, ameacano j distruir taato a
parte cartilaginosa como o mesmo oso ; C'ome-
on primeiro por apparecor sob o beico supe-
rier a parta da face, extendendo-se por tal
forma e com tal rapidez, qne em ponco amea
cava transformar todo o rosto n'uma enorme
ehargaviva e asquerosa. Durante todo este
terrivel estado, todos oa recursos medicnaes
que em taca cazo3 so nzito foro abundante-
mente empregados, sem que de leve fizesse
parar a marcha lenta e distrnidara de tSo hor-
riyel enfermidade, e^ todos os "meios e esforcos
forao baldados, e no em tanto o nial creada eis
que por milagrosa fortuna da infelk .altando
m cou?.as aeste ponto, se experimentou pela
vez primeira a
SALSAPARRILHA
DE BRISTOL.
O effeito produzido, quasi que instantneo
por este inestimavel rvmedio foi verda6>4ra-
mente maravilhoso e sea igual este grande
porificador do sangue e dos humores do sys
tema, inmediatamente poz um termo i mar-
cha dieaetroxa a fatal da molestia, derramndo-
se e infiltrndose atrav< delicados do corpo, expellindo ate ultima
propriedado ou vestigio virulouto da molestia,
e'dentro d'nm curto espaco de tempo prodnzio
ama
CURA
Completa e Radical.
Eete feliz quo admiravel resultado foi obti
do apenas com o simples uso
D'uma so nnica Garrafa!
d'este incomparavel e inapreciavel depuratorio,
recommendamos portanto todos os Doentes
que procurem obter com o Maior cuidado a
nica a verdadeira Salsaparrilha da Bristol.
nicamente preparada por
LANMAN & KEMP,
De IVOVA YORK,
na certeza de que, todas as mais preparaoSa*
imitativas nao valem para coma
MOViMENTO DA ALFANDEGA.
340
4*3
Volumes entrados com Tatendas..
gneros.
Volumes sabidos com fazendas...
geoeros....
763
110
371
- 481
A jurubeba
(SOLANUM PAMCULATUM DE LYNE9.)
As preparagoes pharmaceuticas da juru-
beba s5o medicamentos reconhecidamen
excellentes, e devem ser considerados como
as substancias medicnaes, tnicas e desobs-
como attastam os vigarios dessa a da freguezia de ,,
Cruaogy, e como tambera attestara o subdelegado; traenies mais enrgicas Jque se conhecem
a o juiz de paz do rae>mo districto de Timbaba,' e por isto cumpre que sejam empregadas
todos progressistas e losaspeitos. todas as vezes que se tiver de combater fe
BeSSZ com pSlrr"is!6r deSCrpt08 fffSSSS'faumentoscu obs-
' nosso proposito par a verdade a toda a ev-1 truccoe de ngaoo e naco, anemias cbloro-
deucia, para que oo bajara duvidas.
ve ordem para retirar-me ao acampamento; assim
o fateodo, recebi nova ordem, as S horas 4a tarde
deste mesmo da, para seguir com a brigada
ao raaodo de V. S. para o Potreiro, jumo a la-
go* Pires, a guarnecer aquello ponto, d'onde re*
gressou a mesma brigada hontem, s 6 boras da
tarde.
t O corpo do meo colmando portou-se como
verdadeiro voluntario da patria.
casiao qae sa obe iacasse tambem as iodicaedes do
recrutador. 0 pretexto de qae socalo-sao delegado
foi qae isto era necessario para proseguir com ac-
tividade no recrutamento, que alias la suspender-
senota-se bem, e qae effectivamente Scou sus-
penso logo depois de expedida a ordem.
E para qae nao nos escape circurastaocia alguma
nesta exposijo, diremw que o commandanle a-
persejH(.o oi'ganisada.
O Infeliz Bellarmlno Jo- de Olivaira, qoa o Sr.
Milito preodeu em Goyanna para recruta, nao
obstante ser casado, pai de tres filnos menores, e
guarda nacional, tendo sido sollo nesta cid.i'
ordem do Exm. Sr. conselbaro presideute da, i
ca, foi preso em Igoarass. quando regressava ao
salo da familia,e conservado oa cadeia daquella villa
mats de oito das pelo Sr. recrutador Lapa, que o
remelteu para aqu ao da o do correte com ou-
tros recrotas, depois de ter recebido e desattandido
as iaformaeSes, que ihe foram ministradas de
Goyaooa pelo Dr. Joao Alf edo.
E' notavel qoe, antes de chegar a' mesma cidade
de Goyanna a noticia da segunda prisao de Beliar-
mioo de Oliveira, circulava -lli o boato de que elle
nao chegaria a' casa, dizendo o san perseguidor
qne nao dava n para vermelho deular.
E' notavel anda qno ara (guaras a Sr. Lapa
empregasse o mesmo meio, de que servie-sa o Sr.
Milito em Goyaona, alterando o nome do pobre
hornero, para qne assim se aiffl.iulusse a soa sol-
tura...
O qne significa Isto 7 Poda ser que nos enge-
seos ; oaas parece-nos qne isto revela o poder do
Sr. Dr. Firmino. Jurn em Gjyanaa que o diabo
ha de levar a BeUarnnoo ao Paraguay >, e quit
mostrar qoe poda prendar individuos a quem o
presidente poe em liberdade. E' a luta de dous
poderes...
Vamos ver o qoe mais acontece, depois de se-' rer a. r
ganda ordem,-qae o Exm- Sr. coosalheiro Silveira "
Lobo deu premptameote para que seja restituido *""*
sua familia o desgranado, que incorreu nos odios
ao sogro do Sr. Araujo Barros. Qae perigo I
zes, hydropesias, menstruaces deficeis e ir-
regulares, catharro da bexiga.
Aquel les que desejarem fazer uso dessas
preparaces, mdicos e doentes. e no qui-
_ zerem expor-se a serem Iludidos, devero
por dirigir-se a pharmacia 8b abaixo assigoado-
- situada na ra larga do Rosario n. 10.. pro-
rimo ao quartel de polica, nico deposito
que existe nesta provincia ; devenido se ter
em vista que* foi o abaixo assignado o pri-
meiro que submetteu essa planta a prepa-
races pharmaceuticas, e fez guiado por
eonselhtrs mdicos, e sob a approvac5o
destes.
Pharmacia era a ra largado Rosario n.
10, junto ao quartel de poli*.
Jeaquitn A. Pinto.
O oleo de figado de bacalho ferruginoso
de Chevrier, pbarmaceutico em Paris, subs-
btoe-se 'om mutta vantagem as pillas e ao
xarope de iodureto de ferro mais fcil de
tolerar-se para as pessoas delicadas asseme-
Iba-se tnuito mais bem e-nao provoca* fons-
. pac3o.
DeposUo era Pernambuco, casa deP. Mau-
rua Nova n. 18.
TI
PuMieaeSes a pedido
Euipre?a Apipnces.
O edital que boje fez publicar b Sr. director das
obras publicas acerca da medican das disuucias
qae ba at a estacio do Caldeireiro, abarla provi-
soriamente, nes leva a faier as segointes declara-
Sdes :
C0MMEBC10.
PRAGA DO RECIPE, 9 DE JANEIRO
DE 1867.
A's 3 boras e meia da tarde.
Algodao de Macelo 1* sorte 151300 por arroba
posto a bordo.
dem da ditoS* sorte 14100 por arroba posto a
bordo,
dem da Parahyba IStOO por arroba posto a
bordo.
Assucar masca vado pu'gado-2jE300 por arroba.
Cambio sobre Paris 90 d|v 393 rs. por franco
(do banco).
Descarregam hoje 10 do corrente.
BrigtK iogLzienme H la-mercadorias.
Vapor ioglez/ronife dem.
Brigne in*lez Hely laryidem.
Patacho ioglez Lapringidem.
Brigoe ingles-ChruUmna Carmellidem.
Lugar piusslanoA/rrte-farmba de trigo.
Barca portpRnezaGraiidodiversos geoeros.
Brigoe porluguezFforinrfaidem.
Barca inglezaSaphohtwbt de trigo.
Brigue inglez-JVowcrcarreo.
Brigte ioglez We/ite-idero.
Logar iogleiCaledoniaiem.
Barca ingleza Glen Te/Idem.
Barca iogletaIsabtUa idem.
Barca ioglezaChorlu WoodIdem.
Barca francezaNo idem.
Brigae holiandfz Persererance charqne.
Brigoe argeotiooVolanteidem
Polaca prussiana Catharinaidem.
Patacho baoovenaouConcordiaidem.
Escuna hollaDdeie De Vredeiem.
v Fmpf ilaco.
Palaiho caciioal D. Lviz, eotrsdo da Babia
consignado ao espiro do meinW, man festn o se
guinte :
Gentros estrngelros/j despachados para o een-
""ML / sumo.
Sparris da qoaUO, K anos de qolnto vinho, 82
liarris chumbo da muir.-, a caixas brim de licho
tiancade ; a orden?.
10 caixas mermelada, 12 ditas doce em caldas,
4 ditas massa de tcmatrs; a Tbomaiae Aqoloo
Fonseca 1 i asco azeite de palma : a J. J. Goncalves Bel-
UfO..
4 caixas cbiUs ; a Monhsnl & C.
1 dita lencos de esssa ; a Reliar & C.
Gneros naciones.
600 cextos para taf regar earvao de pedra ; a
Wilsons & Hette.
390 canas charutos, SO fardos panno de algo-
dao ; a D. A. Matbeus
1186 raixrahas 59300 charutos ; a'AndrCon-
(jalves T. Castos.
98 molhis piasiava ; a Antonio A. Gomes.
1(0 saceos farinba ; a Idaooel Barboza lii
beiro.
100 sarcos dita, 7 volumes 56.800 charutos; a
Jos Maria Palmeira.
100 saceos dita, 18 caixas 225,800 charutos ; a
J. J. G. Beliro.
300 molhos pia?sava, 60 fardos panno d'algodo,
I narria azeite de peixe. 8 caixas linta de escrever,
139 fardos 730 arrobas de foroo, 102 volomes com
868,125 charutos ; a ordem de diverso?.
Hiale naciooal Vana Amelia, entrado do Ara-
caly, coo9igDado a Paiente Vianna & C, roanl/es-
ton o segrale :
37 saceos com 221 arrobas e 27 libras de algo-
dao, 9 ditos 22 arrobas e-t libras de goroma, 1
dito 160 pares de calcado, 1 barrica chapaos de
palha ; a Parante Vianna & U
24 saceos 100 arrobas e 27 libras de algodao ;
a Vianna & Gumares.
6 saceos 24 arrobas e 24 libras dito ; a L. A.
Slqueira.
280 mei >s de sola, 98 saceos 483 arrobas e 3 li-
bras de algodao, 350 coorinbos curtidos ; a or-
dem. >.
20 saceos gerenta, 121 ditos 489 arrobas 18 li-
bras dajdgedtib ; a Gomes de Manos Irmos,
Hlata nacional Sobralense, entrado do Araraty,
consignado a Jos de Sa Leitao Jnior, maoife>ku
e segrate :
20 saceos 81 arrobas e 18 libras de algodie ; a
L, A. Siqaeira.
30 ditos 144 arrobas e 20 libras de gomma ; a
J. Lapes Davio.
5 caixas vmho de cajr; a Cuaba Irmos f C.
280 sarcos com 1,175 arrobas e 29 libras de al-
godao, H ditos 44 arrobas de rdra de carnauba,
22 molhos 533 courmnos 1,002 meios de sola ; a
ordem.
Do Cear.
25 caixas vlobo da caj'; a ordem.
Hiate nacional Garibaldi, entrado da Babia, con-
signado a Tasso Irmos mamfesteo o segrate :
500 barricas farirjha de trigo ; aos mesmos.
fixporta^So.
Do dia 7.
Barca brasileira Africana, carregou para o Rio
Grande do Sol :
915 barricas e 100 saceos com 6,641 arrobas e
9 libras de assucar branco, 30 barricas 237 arro-
bas e 16 libras de dito mascavado, 60 cascos
10,800 medidas de agurdente.
Patacho scbleswig bolistiraense Oeorgina, carre-
gou para o Rio da Prata :
1,530 barricas com 10,093 arrobas e 17 libras
de assucar branco, 500 ditas com 3,382 arrobas e
20 libras de dito masca*adn.
Da 8.
Escuna hanoveriana Hermann, carregou para o
Canal :
1,880 saceos com 9,00 arrobas de assucar mas-
cavado.
Escuna prassiatra P/fel, corregou para o Canal
1,880 saceos 9,400 arrobas de assucar masca-
vado.
Patacho portuguez Sen Par, carretn para o
Rio da Prala :
100 pipas coro 18,000 medidas de agu ardente
1,200 barricas 8,739 arrobas e 2 libras de assucar
branco, 100 ditas 788 arrobas e SI libras de dito
masca vado.
Baca ingleza Maria Lude, carregou para Li-
verpool :
1,210 saceos 8,457 arrobas 24 libras de algodao
e 2.630 ditos com 13,100 arrobas de assucar mas-
cavado.
Bac-ca ingleza kabeUa Ridley, carregou para
Liverpool :
738 siocos 4 497 arrobas e 11 libras de algodao.
2030 ditos 10,150 arrebas de assucar masca va do.
REGEBEDOHIA DEl^KbAS INTERNAS
Rendimeoto- da 1 a 8 do eorrente. 4:469*827
Uem do dia 9................. 813*270
9:283*097
-
MOVUUUTO DO POETO
Navios entrados no dio 9.
Babia-30 dias, patacho brasileiro D. Luiz, de 133:
toneladas, capito Jos TY,ixeir*k-4e Axevedo
eqalpagero.9, carga differentes ganaros ; ao mes-'
mo capitn,
Aracaty- 11 dias, blate brasileiro*Sobralense, de-
99 toneladas, capito Antonio Gomas Pereixa
1

Ju

*
4
:
\
*
P L-^I__ .-_! -.) fc.,,,,,^,.
TM'"'-


..-
}>-
"^**
Diarlo de Pernnuibuco Quinta felra O de Janeiro de 1887.
'

i



j

/i
quipagem 8, carga algodao e oulros'eeoeros: a
Jos de Si Lailao Jnior.
Alifat~ 12 dias' niale bras,llro Jar'a Amelia,
de 53 tunela-las, capilla Francisco de Asssis,
eqopaeem 5, earga algodj e outros gneros :
a Prente Vlaaoa & C.
Nomos sahtdos no mesmo da.
Liverpool-RaTea iugieza Marta Leick, caolWo Ja-
mes Leirk, carga sacar e algodo.
Rio da Prata -vPalacItsoleswigholsleiiez Grer-
0t*, capitao Bre.-kwotlt, carga assucar.
Rio da Praia Patacho portuguez Sempar, capillo
Jos Antonio Gomes, carga assucar e agur-
dente.
Para e portosintermedios Vapor brasileiro Gua-
r, commiQdant8 tenante Pedro H. D jarle.
Obttrvacott.
Suspenden do la mar o para West indico a gale-
ra iogleza Nortk Vnd. capitao arrier, com o
mesmo lastro qat Irona do Rio de Janeiro.
dem para Wesi-Iodico a galera iogleza J$hn
Motoell, capifio Wiikrason, com o mesmo lastro
qn : Irouze de Surra-L^a.
DECLAR1C0ES.
O eonsalbo de compra do arsenal de gaerra
precisa co-nprar o seguinte :
8 arrobas arroz pilado.
8 arrobas assnear refinado.
8 libras cha da India.
36 arrobas farinha de trigo.
48 garrafas de vinho do Porto.
4 caadas de vinagre.
3 mantas de lia.
4iHi hostias.
Qu-rn quix*r vender ditos anigos aprsenteos
suas propostas com as competentes amostras na
sal. do conseibo as 11 horas da manbaa rio dia
12 do correte.
Sala do cjoaelBo de compras 8 de Janeiro de
Caetan da Silva,
._____________ Vogal.
A Illraa. junta administrativa da santa Gasa
de Misericordia do Recife recebe propostas para
arrendamento das casas aballo declaradas, as
qnaes achando-se arruinadas, sero arrendadas
pelos precos mdicos a quem se quizer incumbir
de concerta las :
Estabelecimentos de caridade.
.la Direlta n. 33.
Jiuco Ponas n. 110.
Ra do Azeite de Peixe n. i.
Ra da Moeda n. 37.
Ra dos Burgos n. 2.'
Raa do Pharol n. 72.
Rna dos Ceelhos n. 94.
Becco do Abreu o. 2. x
Patrimonio dos orphaos.i
Rna do Bargos n. 19.
Rna da Cacimba n. 19.
Ra doiA-nonm n. 2<5.
Os pretndanles para melhores esclarecimeoto
podero dirigir sea secretaria.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife, 20 de dezembro de 1836.
O escrivo interino
Pedro Rodrigues de Souza.
. TERCEIRA PARTE.
Phantasia par clarineto sobre motivo de Bel-
Imi, por R. Cromer.
quarta parte.
Cootiauaco dos trabalbos porfieos palo presti-
digitador, com novas sortes, tlnalisaudo este ponto
pela
KOSEIKA ENCANTADA.
QUINTA E ULTIMA PARTE.
Phantasia para sixo-phone sobre motivos da
opera Ernani, por tUphael Cromar.
E con aescolfla deste diverlimaolo no todo o
mais variado e agradavei que o artista beneficiado
spera poder merecer do (Ilustrado publico per-
nambucaoo sui mu valiosa protecco.
Ao mesmo tempo aproveita fvoravel ensejo
para desde ja agradecer ae sea eollega o Sr.-Julio
dosSaatcs Pereira a coadjuvace que se digo*
prestar Iba visto qas a longo tempo dascaocava
dessa to aftdigada vida artstica e apezar de va
rios embaracos na organisaco de seos trabalhos,
preston-se de boa voniade adra de que podesse le-
var a effeito os seas soires, aceite pois a seu eol-
lega um voto de artista para artista e de irmao pa-
ra irraao.
Principiara' as 8 horas.
O resto dos bilhele podero ser procurados no
escriptorio do tbealro
N. B. En aro dus intervallos o beneflciado ir
comprimentar as pessoas qua.o honraran.
Kio Grande do Su!
Para o referido porto satura' com multa brevi-
dade a barca ponagueza Armla, recebe algo- j
ma carita a frete, para o qae ipode-e tratar com I
David Pe reir Bailar, a roa. do Brum n. 66 ou na |
praca com o capitao do citado av|o.
Para
Pretende segdlr com brevidade para o Indicado
porto o veleiro brizne encuna nacional Graciosa
oapiio Silva R*tis; para a ponea carga que Ibe
falta trata-se com o/espestivo consignatario Anto-
nio de Almefda Gomes; a roa da Crtlz n. 23, !
andar.
Ri de Janeiro.
Com a brevidade que fr posslvei segnlra' para
o Rio de Janeiro o bngae nacional /Misario, re-
cebe carga, escravos a frete : atratar com os con-
signatarios Marques, Barros <& C. largo do Corpo
Santo n. 6-2* sodar.
LISBOA
AVISOS MARTIMOS
CPANHI4
DA8
Hesssgerles Imperiales.
At o dia 14 do
correte n ez es-
pera-se dos por-
tos da Europa o
vapor francez
Navarre, o qnal
dopois da demora
do costume se-
guir' para a
Baha e Rio de Janeiro.
Para condicSas, fretes e passagens trata-se na
agencia rna do Trapiche n. 9.
Vai sahlr com brevidade a mallo
veleira barca
HARA
por ter parte do carregameoto engajado, para
resto trata-se com os consignatarios Carvalho
N-gueira, na rna do Apollo n. 20
conheeida e
PORTO

De ordem do Ilion. Sr. inspector da thesoura-
ria de fazenda d'esta provincia, se faz publico a
quem inleressar, qo-< no dia 11 do corrente mez se
pagarlo na mesma thesouiaria as pensSes do mon-
te-pio ger; I dos servidores do Etado.
Secretaria da thesouraria de fazenda 3 de Janei-
ro de 1867.
Servindo de offlcial-maior
Carlos Joo de Souza Correa.
Santa Casa da Misericordia
do Recife,
A Illma. junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recife manda fazer publico qae
no dia 10 do crrente pelas 4 boas da larde na sala
desuas sessoes. lem de ir praca a renda das ca-
sas abaixo mencionadas para serem arrematados
por aluguel pelo tempo de um a tres annos.
Os pretendemos develo apresentar carta de flan-
ea ou serem acempaobados de seas fiadores oo
com cartas dos mesmoes.
EslabeleciHieutes le caridade.
Raa Direita.
Sobrado de 2 andares n. 8. .1:067*000
Raa dos Pescadores.
Casa terrea n. 11.......216*000
Raa da Gloria.
Casa terrea n. 55.......144*000
Ra do Calabouce.
Casa terrea n. 20......192*000
Patrim*me de orphaos.
Ra do Pilar.
Ra da Cadeia.
Sobrado de dous andares n. 57. 1:200*000
Madre de Deas.
Casa terrea n. 12. ;......762*000
Casa terrea 94 .'......... 168S0U0
Sitio do Pomo da Cal n. 5. 150*000
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Recife 28 de dezembro de 1856.
O escrivo interino,
Pedro Rodrigues de Sooza.
ia americana e brasileira de
pape es a vapor
Al o dta 15
corrente espe-
rado de Nw-
Tfork por 8. Tho-
roaz o Para' um
dos vapores da
com panhi a, o
qnal depois da
demor* do eos
turne seguir' para os portos do snl. Para frates e
passagens trata-se cor os ajete Heory Soe^i-r
A C, ra do Trapich* n. 8 primairo andar.
COtUMHHIIl BRASILEfHA
PAQUETES 4 NPOR
Do portos do sul esperado
at o dia 22 do crreme uro do>
vaporo da CMnpaohia, o qu* de-
pois da demora do costume se-
. gira' para os portos do norte.
Desde ja recebem-se passageiros, e engaja-se a
carga qne o vapor poder conduzr,a qual dever ser
embarcada no dia da sua ebegada; encommendase
dinheiro a frete at o da da. nblU.it, t horas da
taf4e. Prcrvisese aos Srs. passageiros que as
passagens s se receftem na. agencia, ra da Cru
n. 1, escriptorio de Amonio Luiz &b Oliveira Aze-
vedo & C.
Pretende sabir em poneos dias a muito veleira
e nova barca
FELIZ MI4
por ter parte do carga promoia para a qua Ihe fal-
te trata-se com os consignat*rios Carvalho &No-
guei a na roa do Apollo o. 20.
Ilha de S.^MigoeF
Segne com malta brevidade a barca porlugueza
Parary, capitao Angosto Borges Cabral: para o
resto da carga e passageiros trata se com o sea
consignatario Joo do Reg Lima a' ra do Apollo
o. 4.
LEILOSS.
LEILAO
De miuJezas. ferrados, perfumaras, louca,
vitfros e outros tbjectos.
Se va-fe ira H fle j^oeiro
bo arm-izem da ra da Cruz n. (52.
O agento Piolo-fara'leilo a reqaerimeat > dos
oradores flseaes e depositan*da masan fallida de
ftetickerti Birroso, de baralhos de cartas, meias
preus,didaes,escova, boioss. eaporas, paarios, cai-
xas para rap, tieta, lacre, peotei, papel, arela,
occrios, lonetas, colxetes, roseta?, sapatos e toucas
de la, bengalas, bandeijas, eslracto, agua de co-
lonia, sabonetas, b fcs, assadeira*, masanetas, escarradeiras, appare-
Iboade loac, copos, bacas e jarros de erjrstal, di-
tos de poreelana. galhetelros e muitos outros ob-
Jfctos ei'.-tentes no armazem da ra da Cruz nu-
mero 62.
ios 0:0005000
Corre te ca-feira 1 ..
Acham-se yenda* na respectiva thesou-
raria, ra do Crespo n. 15, os bilaetes
meios e quartos da a parU da 6 lotera a
beneficio da ereja ue Nossa Senhora do
Guadalupe de Olinda, (2), sendo a extrac-
cao o lugar e hora do costume.
Os premios da 6:0000000 at 100000 se-
rto pagos urna hora depuia da trcelo at
as 3 horas da tarde, e os nutro depois da
distribuido das llttaa,
Asencommendas ser5o guardadas somen-
te at a uoite.da vespera da extraeco.
O f tbesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Sou^a.
Aula de iJngoa Franceza
de Cieograpkla e His-
toria.
de Pnilosophla.
de ilh< toriea e Potica I
Jos Soare* d'Azevedo, professor de lio-
goae lit.eramra nacional no Gyranasio Pro-'
vincial do Recife, tem aberto em sua casi,!
ra Bella n 37, uta cor^o especial de cada !
urna das disciplinas aciina mencionadas. As
pessoas quo se desejrem preparar em si-
milhantes materias para os exames de Mar-
co, ou as que quizerein seguir o curso do
anno lect vo, podara dirigir-se residencia
indicada, de manh5a at s 9 horas, e de
tarde a qoaltyier pora.
Na ra da Cadeia do Kecite n. 8, veode-se
orna esorava de meia idade qoe sabe cozlnhar, la-
gar e fazer compran.
Transferencia
O leille do esdravo cosinbeiro annunclado para
hoje Bca transe* Ido para irnarta-feira 9 do cor-
rente ao meio dia, no largo do Corpo Sanie ao ca-
f com inercia I.
GUAPE HOTEL CENTBAL
RA. LARGA DO ROSARIO ROA ESTREIT DO ROSARIO
N. 37 N. 4 A *
ENTRADA GERAt EMRADA PARTICULAR
PROPIETARIO.
FRANCISCO GARRIDO.
Ha qnartose salas
Preparad)* com asseio,
Para aqoelles qae virem
A Veneza de oasseio.
Tem comrondos excellentes
Para snlterros e casados,
A' todos se prodigalfsar
Os mal? sinceros cuidados.
Eocontra-se para lunch
Fiambre a qualqaer hora,
Tambera recebe assignantes
De comida para fra.
ITTEIIM&TO
DE
S. BERNARDO
Eslabeleeide na cidade do Recife em 1862
* a prAteecao do Sname PontiQee Po IX.
Director-- baeharcl en mathematfctrs
BERIARDO PEREIRA DO CARMO JNIOR.
O director do
a
i
Pela repartigao das obras publicas, se faz pu-
blico para connecimeuto das pessoas a qnem pos-
sa inleressr, qae o prego dos transportes nos
tnlnos urbanos, de 200 reis por mi Iba, e que
a distancia do actoal ponto de partida era frente
da rna da Uoio at o Caldereiro, ( de tres mi-
Ihas contadas da seguinte forma :
R-cife ao Maofruinho em frente a estrada dos
Afii-tos, ama milba,
MiORuinboas sitio da Jaqieira, urna mllba.
Jaqneira ao Caldereiro. urna railha.
Secretaria da reparti^o das obrs publicas 8 de
jaaeiro de 1867.
Servindo de secretario,
loao Joaquina de S. Varejo
(Jorreio geral
Pela administragao do correio desti cidade se
faz pnbUeo qae em virtis da convenci postal
celebrada pelos goveroos brasileiro e francez se-
ro excedidas malas para (Cumpa qo dia 15 do
correte pelo vapor inglez Oiutia. As cartas se-
ro recebidas at 2 horas antes da qae for marca-
da para a sabida do vapor e os jornaes at 3 horas
antes. AdministracSo do correio de Pernambuco
7 de Janeiro de 1867,
O administrador,
Domingos dos Passos Miranda
THEATRO
. ISABEL.
EUPREZi-COIBRA.
O artista Rtohael Jos Cronur, de paettattam pa-
ra o sal, qaerend i trabalhar nesta cidade, drri-
io-*e ao raui digno mprezario do theatro de San-
ta sabel o Sr. Antonio Jos Duarte Coimbra, e
;| i il com toda a franqueza e boa voetade anauio
ao sea pedido independale de estipendio qualqaer
pelo iae reeebe o mesmo seahor os protestos de
sea recoobeciineato e estima.
Quinta feirn 10 de Janeiro.
Cjncerto de Raphael Jjs" Cromer, clarioetista
solo da cmara deS. K. el-rei U. Lniz 1, eoadia
vado pelo distincto prestidigitador o Sr. Julio dos
Santos Pereira, sacio benemrito da sociedade
Propagadora das Bellas Artes ao Rio de Janeiro e
primeiro mgico brasileiro.
O divertimeoto sera orgauisado pela seguale
maoeira :
PRIHBIRA PARTS.
Logo qae a orchestra flnaiisar ama das melho-
res sympbonias serio abertos o trabalbos pelas
toigmatlcos effeito qoe tem por malo
4 SlLt MRtetMS
OU
Os mystarios do diabo,
Estes trabalhos sefab etncnfartos pele prestidi-
gitador qae para laso tem leito orna variada eseo-
Iha de agraflhveis sor te, fia fundo pelo
FSTAO OE FLORES.
5EGNOA PARTB.
Phaotasia para saro-phome sobre os motivos da
opera Trovador per Raphael Cromer.
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do norte esperado
at o da 16 do corrente o vapor
Santa Cruz, commandante Aleo-
forado, o qual depois da demora
do costume seguir' para os por-
tos do sul.
Desde ja recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder cooduzir a qual dever
ser embarcada no dia de saa chegada; eocoro-
meoias e dinheiro a frete at o dia da sabida as
5 hora : agencia ra da Cruz n. 1, escrlptorio de
Antonio Luiz de Ohveira As-^vedo & C.
Para o Rio tirando do Suf-
Segne em puucos dias o brfgae pirtu^uez flio
Vouga, para o resto da carga que Ihe falta trata-se
com os sess consignatarios Aotonio Luiz de Olivei-
ra Azevedo & C, no seu escriptorio ra da Crus
n. 1 ou com o capitao na iraca.
Para o Rio Grande do Sul.
O vgleiro patacho Sol, pretende seguir com mui-
la brevidade, tem parte de seu carregameoto pron-
to, para o resto que Ihe falta trata se cum os seas
consignatarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo &
C, no seo esoriptorjo ra da Craz n. 1 ou com o
capitao ua praej.
Para o Kio Grande do Sal.
O veleiro e bem conhecido briguenacional Ame-
lia, pretende seguir com niaita brevidade, tem
parte do sea carregaraento engajado para o resto
que Ihe falta trata-se com os seas consignatarios
Antonio Luiz de Oliveira AzeveJo & C, no seu
escriptorio ra da Cruz n. I.
Para Lisboa
Pretendo seguir com muita brevidade o brigoe
p 'rtusu'-z Rio Vonga, tem parte de seu carrega-
meoto prompto, para o resto que Ihe faltt e passa-
geiros, para os quaes tem excellentes oro modos,
trata-se cora os seus coa-igoatanos Antonio Lu/
de Oliveira Azevedo & C, oo sea escriptorio, raa
da Gru; o. 1, ou cora o capitao na praca.
ii ii \ m s. mmi
. Segae com a maior brevidade o muito veleiro
patacho Jorgence para carga qae loe 'alta e pas
sagelros para os quaes tem bons eoranodos tra-
ta-se com o seu consignatario Joo do Reg Lima
a roa do Apollo o. 4. *
Para o Porto
Por ja' se achar cora a maior parte do sen
carregameoto engajado, pretende sabir com toda a
brevidade, a veleira e mal conheeida barba portu-
gueze Claudtna : para o resto da carga e passa
gelros, para os qaaes ha ricos commodos, tratase
a rna da Maare de Deas n. 3, oa com o capitao
na praca.
PARA LSROA.
Segne oestes poneos dias o brigoe portagoez
Nodo Progrtsto, por ter prompto parte do seu car
regamento, para o restante na carga e passageio
ros tratase com Oliveira Pilbos k C, largo d-
goroo Sanio n. 19 oo com o caoitS) na fraga.
Para Rio de Vaaretro
Pretende segoir com maita brevidade a veleira
e bem coahecld* oarca Jtio de Janeiro, tem parle
de sen carregameoto prompto, para o resto qae
ibe falta c escravos a frete para os quaes (em ex-
cellentes omraodos trata-se cena os seas consig-
natarios Amonio Luiz de Oliveira Azevedo Si C.
no sea escriptorio raa da Cruz n. 1.
Para Lisboa.
Segae em poneos dias o brigae purtagaez Cons-
-ante II, por ter prompto qaasi todo seu carrega-
ment -, para o restante, e passageiros; trata-se com
Oliveira Pilbos & C, largo do Corpo Saot o. 19,
oa com o capite na praca. ___________
Para Lisboa
Val sahlr breve o- brigoe pjrtugae; Bella f-
gueirense, capitao Carvalho, recebe carga e passa-
gHiros, trata-se com E. R. Rabello, roa do Trapiche
n 41 oa com o capitao.
1 "
Para
Segu com brevidade para a wle do Para, o
brlgue brasileiro Marques te Santa Cruz, reeebe
carga a fretes commodos.: a tratar com Ttieodoro
Christianseo, ra do Trapich Novo n. 16.
LEILAO
fie 8 fiulsMCom 120 peea* de pa ni
O afete Manas fara' leilo por coou e risco
de qaam perieocer e para fechar onta de 8 far-
dos de pao oo azul com 10 peca*,, proprio para
fardas e cales.
Setta-feira O1 do correte.
Em se#scriptoi0 a ra da Cadeia di) Recife
o. 9, as tf Duras.
LWLA
De mweis usados
Ainnliai as i2 horas.
O agente Martin- fara' leita por cinta d<> urna
pessoa q..o so aclia fera da pfovosiis de diversos
movis saber: I mobilia do jasarand a Lniz
XI,. 1 commodade Jacaranda, 1 dita de auiarelio.
S banquiahas, 2 cadeiras de balango, 1 eslaitc
cora livros, 1 tspeie grande, 2 biadwjas, 1 apnv-
Ihode oorcelaaa.l dito chio-*., i efcarrij.lras, l
berco, 1 candelabro, pares de laaterna, 1 o-ulo
dealcaooe, i fructeiras, 1 aparclho de lavatorio,
cadeiras avalsas, 2 lavatorios, f relozio, e'nfeites
para mesa, caoilieiros a gae, e outros muitos ar-
tiieps de cosinha.
Rna drogan e jai s
Sabbado 12 de jeneiro
as 10 horas ero poato oo armaserq da na
da Cruz n. 62.
O ageote Piala levara' a leilo pela segunda vez
um graade sertimentode drogas e jolas pertencen-
tes a massa fa.lida de D*or g ttarros*e-exis-
trntes no armizem da rna da Cruz o. 61,
Os preteadenies podero desdi ja inventarlo existente em podar do mesroo agente e
na vespera e da do leilo as referida* drogas a
joias no armizem da ra da Cruz n, 8^ onda se
etfectuara' o leilo as 10 horas em nonio.
De nma mohiliade amarelio com i .sfla, 1 mesa
redonda, i canslos, 4 cadoirai do hraou e 12 de
goarnlcao, 2 cabides, t ciodieiro a. fu, 1 mesa de
amarelio, 1 guarda loaca,l armario, 2 cadeiras de
balaoco, 1 marquera, 1 commoda, l laratorio e
outros objectos.
Sabbado 12 de .uiiro.
Por intervengo do .geute Pialo, ea roa da Crnz
armazem o. 62.
Attacao
O juiz por eleicSo da fesa da milagrosa Vrgem
Nosa Senhora da Concpicao erecta na capella
do Monteiro, convida aos illustnssimos senhores |
eleltos da mesma festa para qae se digoem compa-
recer em casa rie sua residencia no mesmo Mon-
teiro, quaru-feira 9 do corrente pelas 6>/, horas
da tarde am de iratar-se da mesma festa.
Precisase de ama ama,para servico inter-
no de uma casa de familia, e cero especialidade
que saiba engoramar e cozinhar : na ra de Sae-
ta Rita d. 83,_
Ama da lee.
Ni roa da Imperatriz o. 17 segundo andar
precisa-se deoma ama de leile.
Precisase alugar uma escrava para todo
servido de casa de familia, para tratar pode qaem
tiver dirigirse a ro do Trapico^ n. 44, segando
andar.
com qoe ja' .?|>,
pessoas mteressadas, qu- se Jm
sempre encontrarlo franco in-
uma o
pililo-
De
avisos diverso:
bespanhol, retrra-se
Felis Maury, sabdito
para o Rio da Prata.
Dom ogos Gomes da Silva, Porlaguez~vai a
Europa tratar' de sua saade.
Troca se um sanitario com qaatro imageos :
ra do Brum n 42.
Prcisa-se de 1:0005000 a juros sobre hy-
potbeca em um praJio : ea raa Moeda n. 19
se dir quem precisa.
.tina de lelte
Quem precisar dirija-se a rna de Santa Tbereza
n. 27.
Precisa-.-e e uma pessja habilitada para
ensinar pr.meiras letras 0m um cas.', particular :
a tratar na raa do Crespo, toja o. 8.
13
(J
ios 6:0000000.
fiSiheCes garantidos.
A' hUA DO CRESPO N. 23 ECASAS DO COSTUME
O abaixo assignado vendeu nos seas muito feli-
ies bilhetes ^arintidos da lotera que se acaboo
de estrahir a bmericio da igrt-ji j0 Divino Espiri-
to SiMti do ili-^'h), os ngjuates premios :
N. 2737 dous quartos o un a Surt de 6:000.
N. 3W9 un meio com a surte de 1:2005.
N 1502 I 'U quirioi cora a .'jrio de 5U04.
N. 1497 bilh-te lot-^iro com a' son de 2005.
E outras rauitas sortes de 1005, 0$ e 205.
Os possuiJores podem vir receber seus respec-
tivos premios sera os descontos das leis na casa
da Fortuna a' ra do Crespo n. 23.
Acham-s- a venia os da i' parte da 6* lotera
a beneficio da i^-.'ja de Nosna Seniiora do G-iada-
lupe de Ooli, !j.n se estrahira' na lerca-leira
lo do corrtnte.
Pre^o.
Bilhetw........ 65000
Meios............ 35000
Quartos.......... 15500
pessoas que comprarem de 100)5000
para cima.
Bilhetes.......... 35500
Meios............ 25750
Quartos....... 537S
Maooel Martios Fiuza.
internato de S Bernardo, nao lendo evitado esfreos nem sacrificios
reneosa, otferec-ndo-lhes uma habneeSo ora bastantes condices de salubridade habis
EEZti TT* em *"?"' 'os e">'""-e ao fim a- que se d. n ra
t aJ ,q "",3 4?* 'Wohender ospreceitos da bygiane e Ihes eure das doan-
nSk S -? ^ sawr SSiS^r efpfir ,aB "I eootitnldo e em vista do excedieotT resultad,,, que t'm
apresentalo, contando um crescido numero de alumnos na Facoldade de Direito que
concluirn) all vaoiajosamenta os suidos preparalorios. nSo deiaara' o sea eabbeleei-
ment de continuar a merecer dos Srs. paes de familias o auxilio e coouaoca
muitos o tem honrado : e Ihes roga, bem como a todas as
dignera de visitar o mesmo sea estabslecimento, onde
gresso.
Cadeiras de enslno :Priraeiras letras dividida era doas classes, tendo cada
seu professor, latim, francez, Inglez, arithmlica, algebra e geomatria, geographia,
sophia, rhetonca, desenhoe msica.
O collegio tero a sua sede nos espacios edificios ps. 32 e 34 a' roa da Aorora
as estatatos do collegio, qneesto a dlsposigao de quem os quizer ler, se achara
consignadas as cond^oes de entrada e matricula Me diversas aulas do esiaelect-

Ra da Madre de Dos n, 36
Amauhaa 8 do coirent, abrir se-ho as aulas de mstnieelo primaria, latim, fran-
inglez, regidas a pnmeira oelo professor Mano-1 Al ves Lima, a segooda pelo Sr
padre Flix Brrelo de Vasc.iue.elios, lerceira pl, Sr. r. Jorge Doroellas R. Pessoa e a
ultima pelo Sr. Dr. Francisco de Paula Peona, sendo as de geurotra, philosophia, W
graphia e rhslarica abenas logo qie esteja matriculado um numero suffle'enie de exu-
dantes.

cez
M1D !\(A D!
ESI
s&ifo im-.
Para as
Rodrigo Machado da Caoba,
lira-.-e para Europa a tratar de saa
portaguez, re-
saade.
Para Lisboa
Val sahlr com brevidade o brigoe portoguez So-
berano, capitao Bugiganga, recebe carga a (rete,
tratase com E. R. Rabello, raa do Trapiche n. 44,
oa com o capitao.
Propraiuma i f ata da evcelsi |e-
nhiH Ai Coaccga. em saa capella
da e.(raia oe Ja de Barras
A festa dt excelsa S^nnora da Conceigo da
estrada de Joo de Barros, teta lagar no dta 13 do
correte omm.
Na ooue do dia 12 lera logar.o levaotamonto da
liaud,-i; a qual sera coodozda da igrejada Sole-
dade para a capella'por un iraiuenso concurso de
sentiuras sendo a mesma bandeiri mui rica, daa-
co que I-7. a Exma. juiza do aono, D. Josephioa
Carolina de Ajeriar.
Ao amanheeer do dia 13 umi salva imperial de
21 Uros aoouuoiara se- devotos qae chegado o
da de fe-tejarmos cora toda a pompa e brilbaotis-
ido devido aquella que coaserva a paz e alegra
nosende uossas familias. A^ 10 l| horas da
uianha principiara' a festa, sendo a orchestra re-
gida pelo hbil professor o Sr. Rosas, no gloria
surtir" ao ar grande numero de girndolas. Ora
no Evaogelho o reverendo padre-raestre pregador
da capaila imperial L no do M -Me CarmelloLuna ;
exacutando antes em obseqalo a comrai sao encar-
regada da fe*t, aiu Hodo sollo di flia'a o hbil
professor o Sr. Satastiano Llbanio Teoone.
Fin la a festa sollar-sn-ha ama salva imperial e
um liado balao aeomoaphado por diversas girn-
dulas de fogo. a tarde tocara' em frente da ca-
pella a bem cooceituada banda de msica do 2*
batalho de infantarta da guarda nacional a qual
assisnra' a todos esses actos, e uesta mesma occa-
siu soltar-se-ha diversos baleos. A noile tera*
lagar a (adataba e em >eguid. o liramento da ban-
delra qae sera' conduzda con m mesmas forma-
lidades para a casa da nova juia na ra de Jaao
Fernaodes Vieira ; dep hs do oni termioara' a
festividade com um grande fogo de arufico feto
na bem acreditada odficina da viuva Ruino.
Farlaram do Carama i Novo, raa das Ny m-
1 phas. oa uoite de $ d-i corrAota, um cavallo com
os slgoaes segaiotes : ruco oombo, com ama man-
cha castanba no Iqgardo arca, o quarto direito
MI
A certQ.pretendidoengenhei-
ro, que qosta de contar por
sette, roga se a apresentago
de seu titulo de engenhetro e
acnselha se que. deixe se de
tnsquinhar na reputo cao
alheia, como fez na do distinc
to engenheiro Dr-Jes Tiburcio
Perra deMagalhdes, a quem
S. Senh-ria nem mesmo agua
para os ps pode dar.
Timbas&.
Publicaba- litteraria
Jess i-hcislo e a criliea mo lerna
PELO
Reverendre pado Flix.
(da Companbia de Jess)
Vertido do francez p*lo Dr. Pedro Autram da
Malta Albuqurqae.
Esla' a' veoda na Livrarla Universal, rna do
Imperador n. 54.
61 Palacete do cae< de p#Ht--6i
O director do collegio de Santo Amaro, faz publico a quera possa interessar, qae transfera dito
collegio para o palacete do caes do Apolo n. 61 bairro do Recife, onde continua admittir alumnos
miemos semi-lnteroos e externos. .
As aulas creadas em dito collegio lio as seguales : iostruieio elementar, lingua latina, fran-
ceza e iogleza. rhetonca e potica, georapnia e historia, geometra, philosophia, deal, msica vo-
cal e instrumenul e dansa. r ~-
No dia 7 do corrente raez lera' lugar a abertura da aula elementar, cuja matricula desde ia*
acba-seaherta e as das demiis aulas de lo por diante.
O director,
J. F. Ribeiro de Souza.
Preciss-se alugar ara eseravo para lodo ser-
vio : na ra Direlta o. 30, deposito.
Aluga-se uma sal, tendo uas camarluhas,
prefere se hornera sol tetro : a tratar na ra da
Moeda n. 19.
OozmUeira,i;
~
Precisa-se de Uta ama qae cosinha perfeita-
mente : a tratar no consulado dos Estados-Unidos
roa do Trapiche n. 8, segando andar.
- 'i' '"i1 ,--i'*ini ti..|i < Mi i i. m ii ,
Ama,
Precis-se atr/gar ama ama qoe saiba cosinhar
bem, prefertafle-se escrava : na toja da rna Nova
n. II.
'III ''!'
Alaga
se cima ooa ca-a sita no P050 da Pa-
nelia, muito fresca, com bons commndes, banbo
perto e por & mmodo prreo : a trat r do pateo
do Carmo n. J, segando andar._____________
Na roa do Lvrameqto n. 11, segundo an
dar, fazem-se espaaadores e por menos pree qae
em outra qaalquer parte ; na mesma casa cima
precisa-se alugar um ovtiaque que seja esperto e
fiel para o servio oaterao da casa. _______
rara Rio de Janeiro.
Val sabir com brevidade o brigue Mara 4 Al- ferrado com a marca R : quem o pegar dirlia-se a os trabalhos do collegio a sen cargo lerao
freio, recebe carga e escravos a frece, trata-se com roa aelma, casa do 8r. Rodolpbo Laurel, qae ra-; nfo no dia 3 de fevereiro vlnlouro.
A abaixo asslfuada direotora do eollegio Santa
rsula, prevloa aos pas de soas ala ranas de qoe
prlnci-
E. R. Rabello raa do Trapiche o. 44.
litara' com genero$>dade.
-
Drsata Alexaadrina de Barros.
Miguel dos Santos Costa, Francisco J isia C is-
la (aaseote), M ia l ahel de Mello Coaj Seoho-
rinha Xavier dos K-is e Costa, Miguel dos Santos
Costa Juuior, P<;dro Francisco da Costa, Joiquim
Ramos da Co-ta, Uiara Xavier da Costa, Mauoel
Tnomaz da Costa, Mara Carolina Justinlana da
Costa e Jo-6 Beaicio di C isla, cordlalmeate agr-
decem a todas as pessoas qoe se digaaram acora-
paobar ao mtim jazigo os restos raortaes de sua
muito presada mi,soira a av rsula Mana de
Jess eCostae noviiu-uti o convidtra para as
sistir a missa o stimo da que sa Tem de celebrar
na Igreja de N issa Smhora o Carmo, no da sex-
ia tetra 11 do correute as 7 horas da manhiia, pelo
que dese ja sa conf ssara soramaraanta gratos.
^aaaaaaaaaaBBBBiaaKsaaaiBBBaaaaaaBaBaar
A JnrnueOa.
Jalgo ser o meu never patentear ao publico o
bem qae tenho recebido do uso do vioho de juru-
beba eemplastro prepralos pelo Sr. Joaquina de
Almeida Pinto ; soffrendo ea uma grande obstru
cao de ligado e naco, a oooto de privar me nos
meas negocios, ten lo esgotado muitos remedios
proenrei a pharmacia do dito Sr. Pinto, e elle
aconselhou-rae o oso dos medicamentos cima, to-
meu apenas tres vidros de inho, appliquel d >us
emplastros e como por milagr- de Daos Bjuei cora
pletaraeote restabelecido, pelo que julgo de meu
rigoroso daver publicar os analtos para o coaneci-
me.M > da haraaotda le soffredora.
Roa daPraia desta cila-is J de dezembro de
1866.
SOCIEDADE
BULL 2IiHl'YI a.
Uoinmgo 13 do cirri-nte ha reuuitn o- ramillas.

Aiujra-se
um sillo e casa em Saoto Amaro estrada de Beln
0. 6 : a tratar uo mesmo sitio casa encarnada ou
na ra do Brum n. 66.
Qaam precisar da um homern easado, che"
gado ltimamente da Ilha para fetor de sitio, e
saa raulier para ama da familia, dirija-se a tra-
vessa ila Midre de Daos n. 15.
Qu-rn precisar de uma pessoa habilitada, e
que da' garanta a seas negocioe, pira sobrar di-
vidas nao s em quaiquir parte desta provincia
com das lmi r phes, enteoia se como Sr. Dr.
Fenpye Nery Coilac) oa ty;i>graph'a d> tC-irreio
do Recife,
.
(J
Na padaria da rut Direita n. 8i prcisa-sa de
um caixeiro habilitado e que d fiador a sua con-
ducta,
Precis i-se de om caixeiro que terjha ortica
de taberna : na raa estreila do Rosario n. 40.
40 PUBLICO
Estao a venda na typographia Republicana Fe-
derativa Universal, rna d.i Imperador u. 33, o 1,
Ladislao Toleetloo Cavalcaotl da Aibaqaerqoe. e "*" oqm-ro do Kossuth, peridico e ---------1--------------------------------------mente republicano untvrsal que tem por divisa
0 r*j ilillUlllO d ^ell i Deus e a ^publica Foderativa A poa ^xlra-
ou o decr.to o. 2713 de 26 da dezembro de 1850,; rdto*n j eoergia e a prudeooia sao os gotas
erganlsado alphabeticameote, e aaoouio pelo 2* i dLSea rl4?' Pyr *9 /".- lobarate. Ama-
escnpturaiio da recebedorla de PeraaotbucJ ?haa e''f? a ^njaol, 2 e 3' numero;, nos
Francisco Augusto de Almeida, com a extracto de ,uares 1 aanunciados.
todas as ordens p.sterlores ao mesm decreto at : ---------------~----:------ -.------
o anno de 1866. | Ao reverendo Sr Geontno Gomes P*r#ira. de
Estetabamo lotelramente dirTereole dos qae Izua'.aisu'.rogt-se queira apparecer nesla type-
exlstem impressos facilita os meios de se obter %TA lhli1,
com rapidez os ooaheciraenios relativos a qual-
qaer assarop o concernente ao imposto do sello,
Preco da asignatura 21:
Assigna-se oas lojas de Ifvros das rufe do Cres-
po os. 2 e 9, lo Im&erador os. S\ e 7J.'. da Cruz
o. Si ; as de lateadas das roas do* QiieMuaao o.
90, doLivr-.mento a. 14; na de mtuoVzs da rna
da Cddeta u. 7, na i-t chapeos da ra Dimita o,
32 6 oa de f Trageos da mesma ra d. 5i.
O Sr. Lyjurgo de Paiva qaeira ir
Matriz n. 64 para receber ama carta.
a ra da

taamm
-Para bem d%- hnmunmato.
v tura de tedas as molestias dss slbes.
D. J. Saal'Agala, NCealemauta chibado a esl
capital na qual permanecer' dous mezes, da' cua-
*uliae tratara-oto ot sua especiaiidade de tolas
as molestias dos olhds sem operago, todos os dias
af 10 horas da maolm as 3 da larde, excapto
nos domingos, o tratamanto mpregado lem se tor-
nado ootavel por f^M MpwtwtfB resaltados
ohtidos. Coosi*| jf cdrifaof pabfeslratis das 8
as 9 horas da mUrfl^ .T ^
0< chamados sero feitos por escrlpto.
HUel d'Eireya ran e Trapiche^eve 12-
m nova galera americana pude qaal
quer pe-soa obter retratos-Mualterav'eis,
;qae h^de conservar o sea priaiiiivo brt-
Ibo e primor, de modo que os fllhoseos
n-tos d'aqui a muitos annos podero certa-
I mente ver nos retractos tirados boje as fei-
$es e o vico actaaes de seus pais e avs.
' '|Na Ra Nova o. 52.
JMoleque
Precisa-se alagar, um rn.iea e de 12 a 13 an-
bos para servigo da cnado, que saja fiel e iatelli-
genfe, o servieo pouco quem e titer Iklja-se a
roa Ni*ra b..19,\I* andar.____________
Precisa se da a
nhar
ima ama para
na raa do Cetovetlo n. S.
comprar e cosi-
Ni rrova galera americana, Roa Nora
D. 52. dar-se-bo aos retratas, por caa
duzia, duas po>ir;.5es dioerente*, sem auj.
ment de preco. Experimeotem e vejara.
Na nova gileria americana, Ra Non
n 52, tiram-86 Jmdos rotratos colorid'
m moldura^ douradas, de todos o tama-
itos, e proprios para sala de visita, por
preco madurado.
*s> '.'
J~- Na aova galena puotograonica ame-
ricam tiram-se retratos era caixas graorleg
p'rio diminuto pre?o do 2*000, oraaisba-
ralo que jamis ?e vio em Prnambuco ; e
liadas caixas do eba- o e de velado para-
retractos, muo baratas n proporcao.
Na Rna Nova n. 52.



w
-
".
':
, -_

Ufarlo de Pera&m^M Quinta felra Mide Janeiro de i8i>7.
Joaquini Jos Goncalves
Beltrao
(4 Rltt D6 TRIPICHB L \7 i" ANDAR) ;
Sacca por lodos os paquetes sobre o Banco '
do linho era Braga, e sobre os seguales luga-
f8, ein Portugal.
A saber:
Lisboa.
Porto.
Valenga.
Guimares.
Cotmbre.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde.
Arcos de Val de Vx.
Vanos do Castello.
Pon le do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famellcio.
Laroego.
Lagos.
____Covilhia.___________________
Precisa-se alugar om escravo preferiodo-se
que saiba eosiohar e para o raais servico de casa
de familia : a tratar na roa do Trapiche n. 44, se-
gando andar. _______
Precisa-se de ama ama de meia idade para
casa de ponea ramilla : na roa da Penha o. 23 i*
andej.
SEGUR
MARTIMOS
CONTRA FOGO.
A companhia Indemnisadora, estabeleci-
da nesta praca, toma segaros martimos so-
bre navios e seas carregamentos, e contra
fogo em edificios, mercadorias e mohilias:
na rna do Vigario n. 4, pavimento terreo.
*fr9ffBfffcHMitU*
* Educado primaria e |
secundaria
5E Na inslitoicao de Jercnymo Pereira i
F Villar, na roa larga do Resano n. 25, 9
2 nao so se ensinam as materias qae coas- Mf
H tiiaem o rurso regalar de primeiras le- 55
E tras como as disciplinas preparatorias ||
para a facuidade de direlto; rajas an a
Slas estarn abenas do dia 7 do presente ~!E
iineiro por diante, e s rao regidas pelos S*'
rnesroos professorer. fla
Maximino da Silva Gasmao, compra, vende
e troco ? sera vos, de ambos es sexos : na ra do
padr* "loriano d. 71.
Atten^ilo.
Precisa-se de nra caixeir > porluguez que tenha
pratica de molhados e boa letra para tomar cunta
de ama iab-rr,a na proviocia do Rio Grande do
Norte, dando para isso fiador do seu proced
ment : na rna estreita do Rosario, loja de Maia &
Landelino.
Precisase de um meoin qne tenba pratlca
de molhados oa d miodezas : os que esllverem
oestes casos dirijam se a loja dos Srs. Maia
Landelino na ra eslreila do Rosario, que acbaro
com quem tratar.
Eefnador
Precisa-se de um bomem que saiba bem reflnar
para tomar conta de urna pequea reQoacao na
provincia do Rio Grande do Norte : quem estiver
nesie caso dirija sea loja dos Srs. Maia & Lande-
lino na ra estreita do Rosario, que acbar com
quem tratar.
O abaixo assignado avisa ao re.'peitavel pu-
blico e ao corpa do comroercio qne nada julga
dever nesta praca ero fora delta, porm se al-
gum se jular seu.credor comparega com os seu*
documentos no prazo de 8 dias a contar d daia
deste. Rcb 5 de jan"lro de I8C7.
Guilherrae Jo dos Santos.
J- FERREIRA VILLELA
Photographo da Augusta Casa Imperial do Brasil
18, Ra do Cabug, 18,
Sobrado, entrada pelo Pateo da Matriz.
Em nenhuma das photoprapbias desta cidade se fazem retratos mais perfeitos
do qae os que se executam nesta offfcna photographica.
Pede-se a confrontaco e analyse entre os dosjos trabalhos e os melbores que
se fazem nesta cidade.
N5o ha photograpiua algdma desta cidade, que como este estabelecimento
photograpbico possua um Ufo variado, escolhido e abundante sortimento de caixinhas,
quadros, molduras pretas e douradas e passe-par-toots.
Para serem col locados os retratos chamados candes de visita ba doze difieren-
tes modelos de cartes mimosamente lithograpliados e dourados, em carto bns'ol e em
carto porcelana, os qnaes sem alteraco de precos, esto a escolha das pessoas que se
retratarem.
Continuadamente se recebe ua Europa remessas de ludo qnanto diz respeito a
pbotographia, e ainda o mez passado pelo vapor Guienne, e este mez pelo b-igue Belm
receberam-se de Franca quatro grandes caixoes com orna bella variedade de artefactos
productos chimicos e material para pbotographia.
No mesmo estabelecimento vejidem-se:
Todos os productos chimicos geralmente usados em photographia e garante-se
o estado de pureza dos mesraos;
Machinas pbotographicas, ctelas de porcelana de diflerentes lmannos e vi-
dros para tirarem-se retratos;
Urna grande variedade de lindas e interessantes vistas transparentes para
stereo.copos, e stereoscopos de madeira envernisada com lenles prismticas que se ven-
dem a 12^1000 cada um com urna duzia de vistas irausparentes
Tambem vende-se por 50^0L0 um apparelho completo para fazerem-se peque-
as vistas ou retratos. Ao mesmo acompanham as explicacoes precisas para seu uso.
Qualquer pessoa pode fazer vistas ou retratos com esse apparelho.
A oficina e galeria esto abertas todos os das e a todas as horas.
PF*
N. 2 D 7" N.2D
coracao me orno. <*4fe
A loja n. 2 D intitulada Coragao de Onro na rna do Cabog, acha-se d'ora em diante offerecen-
do ao respeitavel poulicocom especlalldade as pessoas que hooram a moda os objectos do ultimo-gos-
to (a Pars) por menos 20 por cento do que em ootra qualquer parle, garaniindo-se a qualidade e a so-
lidez da obras.
O respeitavel publico avalizado o desejo qne deve ter o proprletario de um oovo estabelecimen-
to qae quer progreso em sea oeg-icio deve chegr immedialamente ao coragao de onro a comprar
neis com pe fefos brilhaules, esmeraldas, rubios e perola; verdadeiras em agarras, modernas pek
dlmiDuto prego de IOJ, frmeos modernos de ouro e coral para menina pelo prego de 3, maracas de
prata com rabos de marQm e madreperola obra de moderno gosto (o que o encontrarlo no coracao de
onro) volias de oaro com a competente crusinha ricamente e,nfeitada pelo pequeo preco de 125, brin-
cos de om trabalho perfeilo por um mdico preco, cassoletas.lraoealins, pulceira, alfioetes para re-
tratos e cutros aodelos ludo de alto gosto, aoeis proprios para btitar cabello e firma, ditopara casa-
mento, no arligo rsela lera o Coracao de Ouro um completo e bem variado sortimento de diversos
gostoe, butSes para puohos com diamante, rubias e esmeraldas, obra esta importante ja' pelo seu va-
lor ja' por gosto ds desenbo, brincos a forma da delicada mosloba de moca com piogeate contendo es-
meraldas, rubias, hrhaotes, perolas, o gosto sublime, aIGnete para grvala no mesmo gosto, relo-
gios para senhura rravados de pedras preciosas, ditos para homem, diversas obras de brilhantes de
woilo go>tn, crosinhas de rubios, esmeraldas, perolas e brilhantes, aneis com letras, cae/lelas de
trystal ouro desc.beria para retralo (a ingleza) brincos de franja, ditos a imperatrize toda e qual-
quer joia, para seeoljocar.retratos e obras d cabello, e ootros mailos objectos que os preteodeotes eo-
contrarao ao Coracao de Ouro qae se conserva com loda a amabilidade aos coocorrentes deixaodo-
se de aqu mencionar precos de certos objectos porque (desculpem a maneira de fallar) dtiendo-se o
preco talvez alguem faca rao juno da obra, por ser to diminua quaotia a vista do seu valor.
Na mesma loja compra-se, troca-se ouro, prata e pedras preciosas, e lamben) recebe se'concer-
tos, por menos do que em ootra qualquer parte, e dSo-se obras a amostra com peohor, cooservando-se
e Coracao de Ouro anorto at as 8 oras da noile.
Qaalquer pessoa que se dirigir ao Coracio (fe Ouro nao se po-lera* engaar com a casa, pois
nota se ua sua frente um corac.o pemlurado piolado de amarello, alem de ouiro que se ola em um
rotulo (isio se adverte .em eonsequewia de teiem ja* algumas pessoas eogaoado com ootra casa.
Alu#a-se.
Precisa se de alagar una e.scrava pa a se1 vico
de casa de pouca f^niiiia, a latar oa roa da Flo-
rentina o. <0, oo qoem ver snouocie.
Xarope e pasta de Seiva
DO
Plahflro marHloio
E. Ugaase
PreparacSes mu precomsada< p^lus sabios mdi-
cos de Pars, com as melbores at ii.'i* diseobertas
para a cura cena de toda as no'eMM do peito,
bronebites agudos e chronicos, astbma e ainda das
affecces das vas urinarias.
DEPOSITO ESPECIAL
34Roa larga ds Rosaris 34
Pharmacia de Bartbolointa dk C.
CAIXEIR
cercados para animaes. cbiquei-
Cercas e gradeamenlos de ferro para jardio,
ros, de todas as grossuras e mtid^veis.
Porteiras de dilferentes tamanhos para sitios, jai dios, ct-roados. e-c.
wamm m igreja ie
I. BLU^I
Ve.-liiiienteiro e bordador de l'aris.
93 RIJA HO IJflPERAllOjR 93,
Precisa-se de um calxeiro que teuha prattea de
fazendas, dando Sanca a sai condacta, a roa Nova
n. 2o.
Precisa-se de dous pretus para vender pao,
e mau algum servico de cws, oa padaria aliena*
em Santo Amarb.
Preeisa-se de um caiieiro ua padaria da
rna do Rosario da Boa-vista n. 53.
Na ra do Vigario o. 19 andar deseja-se
fallar aos Srs, Maooel Jos da Silva Pilgoeiras,
Manoel Jos de Castro Guimares, Aotooio Luiz
Machado Braodio, e Jos Ribeiro Lopes, a oego-
elo que Ibes diz re-peito.
. ~^Andr Blanco, havendo regr ssado a esta
cidade, da recente vlagem que fez a Europa, de-
clara qoe recebea dos Srs. Malheos Austrem &
U, a carta de orden qae pela qual aoihorlsava
aos referidos Srs. a darem at a quaotia de tres
contos de reis em fannba para a padaria do Pa-
leo do Terco n. 10 de qae gerente Antonio Bao.
bem como que se acba quites com os mesnios
Srs.
%>tencao.
pela
Alagase tima casa em Beberibe : a tratar
cora J. de JJ. Reg, ra do Trapiche o. 34."
Defrente da igreja de S. Francisco.
Concurrencia impossivel
justificada pela suppressao de iotermeiiiarios, pela compra directa das materias prima?,
cugo dos Irahalhos as ifficinas da casa e pelo diminuto lucro com qne se satisfaz.
Animado pelos importantes negocios qoe faz com grande parle do mundo catholico da Europa
resolveu o annuuclanle estabelecer filiaes da rasa oe Paris em diversos paizes longinqoos que
offerecen vantagens, e veio inaugurar o primeiro esiabelecimento nesia cidade, sero duvida urna
is adiantadas e commercianle da America do Sul, e que por ss,> mesmo necessila d'um
que nada deixe a desejar, quer em relacao as precisfjes maleriaes e quer intel-
Gui^eppe Detflno, subdito italiano, retira se
para Europa levando um sua compaohia sua se-
chora.
Sotii do Ifia&c do Brasil.
Tro^am-S ca ra do Corredor do Bispo ultima
casa do quarteirao novo com parti de grade de
ferro.
Ni ra da Cadea do Rerife n. S8, pr<.c sa sa
fallar eom.o Sr. eaprllti Vicente Ferreira Geelho
da Siiva morador em Nossa Ssnhira do O' de
Goiaona.
Precisase alngar um filio sendo no bairro
da Soledade: atratar na roa da Cada do Recife
ti. 40, leja de relojneiro.
esiabelecimento
lectuaes.
Os Srs. sacerdotes e demais pessoas, que se dignarem vi'ur o estabelecimento, abi
sempre urna grande variedade de todos os objectos para fsreja e para o clero.
OURIVESARIA PARA IGREJA.
Novos modelos de custodias e de vasos sagrados.
ALFAIAS DA IDADE MEDIA, A' LUIZ 13*.
Os precos variam Sfgondo o lamaoho, o peso e a forma.
TAPECARIAS E AHMACES PARA IGREJA.
Fornece toda a qua'idade de armagSes, por precos mdicos, voolade do freguez;
sempre urna pessoi oo esiabeleeimeoto para ir tomar as medidas uecessarias para completa
fsco da encommenda.
NOVAS UMBELLAS PRIVILEGIADAS.
acharao
Estas umbellas de molas, adoptadas p*r S. S. Pi IX. tem por sua perfeicao, novidade
e riqueza a dupla vantagem de cobrir irjteiramente o Santi-simo Sacramento e o padre, sem diffi-
cnllar o aDdar.
ECULPTL'RAS EM MARFIM E EM OSSO.
Imajrens de Chrlstos, caldeirinhas, ernzes, quadros e todos os objectos devotos.
Objectos em argila, simples e prateados.
Todas as informacSes sero ministradas gratis, acerca dos ornatos de igreja.
Conceder-se-ha facilidade para os pagamentos.
Eis o cathalogo do que tem a venda :
liXUVJ IJL1JL1 JL
Sjraiidehimazem de tin-
tas medicamentos et.
3g Ra do Imperador n, 22.
^ Joao Pedro das Mevea (fZe-2
rente) tem a venda o
seguate:
31 Productos chimicos e pharma- I
^| ceuticos os m^is empregados em SM
fC medicina.
Tintas para todo o genero de pin- 2
* tara e para tinturara.
Productos indnstriaes e tintas 1
H para (lores, como botSes de flores 5j|
^ e modelos em gesso para imitar *f
at fructas e passiros com o compe- g
3 tente desenho.
Pro'lnctos chimicos e indnstriaes g
Wr para pbotographia, tinlnraria, pin- M
A| tora, pyrotecnia etc.
|K Montado em grande escala e sup- >M
s* prido directamente de Paris, Loo- |
f dres, Hamborgo, Anvers e Lisboa 1
pode offerecer productos de plena *
ronflanca e salisfazer qualquer en- m
| eommeoda a grosso trato e a reta- g|
lho e por preco commodo.
r*
Si'.Bioei Power Johnston Companbia
Ruada SenzalaNova n. 42.
AGENCIA DA
Paadleio deLow Moer.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavallo.
Noendase meias moendas para engenho.
Taixas de ferro coado e batido para eng
nho.
rVrretos dr* carro para um e dona cavalloi.
Reogios de ouro patente inglez."
Arados americanos.
fachinas para descarocar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costara.
Companhia fideldade de segaron
martimos e terrestres
estabelecida no Rio de Jaueiro;
AOSNTH KM PEHHAM8C0
ttsaie L.ii de Oiivin Hurt U, w
competentemente antorisados pela direc- a
toa 4 companhia de segaros Fidelida- m
de,tomara segaros de avios, mercado-M
ras o predios ao seo .escriptorio rita da 5
Crux n. I. H
ICASULAS.
"arias, de velado, de crina e d
galo lustroso.
De damasco cem cruz de onro e
oda.
De damasco dobrado, com diver
sos bordados em relevo na
cruz.
De tecido do prata ou de curo.
dem com diversos bordados em
relevo na cruz,
dem idem mnilo ricas.
De velado de seda com craz de
ouro Uno em relevo.
De chamalote de seda bordado.
Golhiras e da idade media.
A cor da casla nao influe i
preco.
CAPAS.
De veludo estofado.
De damasco.
De tecido de prata e de ouro.
dem com emblemas em relevo
e ricas franjas na murga.
De velado de s la.
De (ecidd de prata e de ouro Goo.
DALMTICAS.
O mesmo preco das casulas.
ESTOLAS PASrORAES.
De-velado estofado.
De dito de duas faces.
De damasco.
De dito de duas faces.
De tecido de prata ou de onro.
dem dem, com emblemas em
relevo, franjas e bordtdos de
torca I.
dem idem em relevo maito ri-
cas.
De tecido d oaro e de prata Ono.
De chamalote bordado de seda,
com duas faces.
VE'OS DE HOMBROS.
De tecido de Lyo.
Be dito dobrado, de onro Sao.
De damasco, bordado em relevo,
dem idem, muito rico.
VE'OS PARA iiXPOSICAO.
De tecido de Lyao.
De chamalote de prata cora em-
blemas em relevo.
De dito d.io, muito Anos.
VE'OS DE SAGRARIOS
De lodos os procos.
BANDEIRAS.
Da Santa Infancia.
De coofrarias de Nossa Senbora.
Parochiaes, qualquer que seja
invocaco.
Goioes com emblemas em relevo.
A eollecao varia de 33^000
3:000*000.
PALLIOS.
Em veludo estofado as quairo
pomas e no fdrro.
De tecido de Lyo, cora onro.
De dito de prata e de oaro lus-
troso.
De dito dito, com quatro emble-
mas bordados em relevo.
Muito ricos, inteiramente bor-
dados em relevo coro ouro ftua. 3-23
PANNOS MORTUARIOS. !379
De la. 433 <
De veludo loglez preto verda-,'487 c
deiros 541
Oe di masco dobrado de brocado.,650
E-les pannos tern di us metros de 812 <
largura e tres "de coroprimeolo.Cruzes da altar,
ROUPAS DE IGREJA.
Alvas de panno de linbo Uno.
Corporaes de cainbraia Boa.
Toathas para commuDbo e
res
Guarnieses de rendas para alvas.
Ditas para toalbas de aliar, aos
metros.
Toda a qualidade da roui>a ga-
rantida e perfeitamente execu-
tada.
DIVERSOS OBJECTOS.
Bolsas para tirar esniul-s.
CordSes finos para alvas.
para meninos do coro.
Vollas, s duzas.
Cintos e culturo-.-.
Sacras de altar, em carto.
Ditas em quadros.
Marcas para missaes, com
pernas, em chamalote.
Plores arlifkiaes, o ramo.
Es tofos e todos os demais objec-
tos de rea.
BRONZES DE IGREJA.
Casticaes para altares, prateados,
de novos modelos:
mi i i metros (13
(14
poegadas).
f
D.Senhjr.nha Germana do Espirito Santo con-
vida as pessoas qoe Ihe leem comprado trras de
seu sitiono iugar de Agua-Fria a comparecerem
alim de se passarem os ututos respectivos : de-
vendo nessa occasio preeneber o restante do ire-
?o estipulado aquelles qae ainda o nlo lizer. m
Gratifica-se
A qoem levar a' rna do Amorlm n. 41, ou a' fa-
brica de sabo no Affogado o escravo Lulz, cabra
estainra regular, rosto pistado de buigas, falla
apressada, uro pequeo gtito no canto do olho di-
rtito ou esqueido, e o cabello algum braceo; o
qual escravo ausentoo-se no dia 17 de dezerobro
prximo passado, vesiindo caiga Bova de brim
pardo, camisa de zuarte azul, e cnajo pardo de
maga, e consta qoe na noe do nitsmo dia on na
segoinle, elle andar no AHogado, tendo alli sido
preso em estado de embriaguez e depois sollo e
mandado para a referida fabrica, aonte todava
nao chegou.
Annuncio'
O Dr.. Carolino Francisco de Lima San- '??$
tos, modn se para a ra do Imperador jelg:
n. 73, segundo andar, onde c ntinna no S
exercicio de sua profis.-o de medico. W*
' ?? SSS? < Sf le JBSi5? c=9f vF- va &'.
Trocam-se
as notas das caixas Oaes do bacco do Brasil
praga da Independencia n. 22.
na
Fundirlo da Aurora
A mais antlga desta provincia e com todas as
perfeigdes em seus machini>mos, oflerece a seus
numerosos fregoezes por razoaveis preges suas
raannfacluras, bem como que tem um boa pessoa I
para com rapidez faztr qualquf r concert ou ebra
nova.
tendo
satis-
Precisa se de orna ama para cosinhar e comprar
tua da Cadi n. 53.
Cateado
f ranee z
Rna
?a a
Xo-
. 7.
Brlnqnedo
alleines
Rna ?iova
n. 9.
(8
(20
(3
(30
correspon lentes
Guardas pars arvores, plantas e outrqs objectos da ferro que se vendem por
j; preco-mdico, no armazem de Tasso Irmos na praca do Caes de Apollo ao p da ponte
\ LHUYloUlItl.
Ete esiabelecimento recebe conslaniemeote pe-
ios vapores francez botinas para horoens, seoharas
" meninas, lavas de pelica de Juuvio biaocas, pre-
tas e do outrasdiffercntes cores, brincis de ouro
bom de Paris, caixinhss Oc costura com msica, vistas
sellas p-ra quadros, extractos, banhas, bengalas,
chicotes, espolbos, quadros, moldura?, esterioscopj
com grande sortimento das mais pitiosescas vistas,
realejos, accordions, lindas boneca?, rarriuhos'
cabriolis para condozir criangas, cavalliubos do
andar por molas para meninos mi mar e outros
moilos obieclos frascezes que esli exposlos a vis-
ta dos compradores; na loja do vapor ra Nuva
o. 7.
a ra do Trapich ~n 1
acham-se os seauintes dcuositos
De R. Bruuiugltaaseiu Mis.
Bourgogne.
Vinho Pommard tinto.
> Cortn tinto.
Santo Georges linio.
Chambertin tiuto.
Rfctiehourg tinto.
Clos de Vougeottin o.
Chablis brauco.
De M. Woef em Pt-ancfort:
Rheno.
Geisenbeimer.
Liebfranmilch.
Harcobranner.
I:
de cambraia floa.
do panno de linho,
meninos do coro.
guarnecidas de rendas finas.
a de l, de ricos de-
sen has.
Roqaetes em p.-nno de linbo sem
mangas.
com ditas.
Amictos.
Toalbas e saoguinbos.
aos castigues, o par.
Tboribuios e navetas prateadas.
Agua mineral
ferruginosa, acidulada, gazoza e carbnica
DE
OREZZ4.
Caldeinobas com bysopue idem. O oso d'agua de Orezza mui particularmente
para; Custodias ditas e douradas. recommendado pela esci-la de medicina de Paris
Lustres ditos e correntes forte*' para todas as aftagoVs do tubo digestivo, ingorgita-
para o* mesmos. | ment das viceras abdomioe*, e geralmenla todas
para procissJo, cam ralos! as molestias proveiiiems de frqueza orgnica, oa
pobreza de t,a$\w..
DRPOSnO BSPRCIAI,
3!Ru> tara do Rosario31
Pharmacia de Bartholomea dk C.
Cruzes
oitas.
Varas, alabardas para suissos e
caJis para poneiros.
Estes objeclos todos sao em ro-
bre e nao em maleriaes de
composicSo.
Aviso essencial para evitar qualquer erro ou ma f.
Os Srs. compradores n5o devem ignorar que o ouro nlo pode ser fiado nem
tcido, e^oe por consegointe os galoVs dos ornamentos chamados de orjfco fino s3o de
prata dourarfa, os de ouro. uno fino sao de metal dourado e os de ouro falso sao de
cobre dourado, e como tal confundir os ttulos que se Ibes deu sempre, que sao mera-
mente commerriaes.
Os ornamentos que o annnnciante tem venda sao o de gales de ouro meio
finos, falso ob d sed! ** mandando vir os de ouro fino por encommeoda; e nenbum
ohjecto sabe de seu estabelecimento sem ser acompanhado d'uma factura por elle firraa-
I da, especificando a qualidade do objecto, para poupar-se explicages sempre incon-
1 venientes ao depois de realisada a venda.
Maiiannoios do Ainaral, sua mulher e nma
lba, subditos poriogaeze?, retirara se para Bu-
ropa.
---------
mimu
O abaixo assignado compra toda e qoalqaer
quantidide de algodioem oarooo e socar; osinr
teres ados rljtm-se ao pnvoado de Trombeus
o largo da felra na fbrlea i vPor.
, Alhoqoorqqe Silva.______
Roga-seio8r. Jote Praodsco da Rorba Fal-
cio. morador ao eagnu o da Serra, janio de Santo
Anfai. qoeira vir eutender-se obre na negocio
qoe oSo ignora, na .ros das Crozes n. 4f, ror
Joo do f>ofo Altes da Sllra, isli> qnanlo aoic.
D-se dioheiro a jiros :
dia o. 5.
aa roa da Concor
Aos senhores padeiros.
E' geralmenn eooh-icida a otilldade no empre-
gq da machinas, qoe tem por flm aperleigoar o
irabalhocoiu a en.norata da. bragos. Veste caso,
pnig, eslao as machinas para corlar bolach, eaja'
utilidade ja oonhecida de alpuos padeiros que
dellas fazem uta por mel de maniveila, otiiendo
o resultado mais satisfactorioe perfeilo.
Ni padaria da nu ireita o. 8i, ha sempre de-
posito desias m.'iclnnas com conadeiras para tadus
os la caobos de bolachas aqui azadas, < tambem
para ararutas, e que por virem em direciura e de
propria conia do E-la tos Unidos, se vendem por
prego minio barato, com o n\n de se Introduzir to
reeonhecidn melhoramepto.
Alixara-se
duas casas terreas, slta^ na Cpug, ra da Veo-
tara, unto ao portj da viova Lnsserre, de os. 32 e
34, tendo cada una cnha fofa, cacimba, eslriba-
ra e quintal murado : a tratar na ra do Trapiche
O* 3.
Uetliodo Castllho.
Manoel Jos de Para Sin oes, p ofess>r parti-
cular de. ipslregii) elementar pe,lo meiltodo Cas
tilho, avisa aos pas d^ seus alumnos a ao reapai
tavel publico que n > dia 7 de. Janeiro do correle
anno, estara su aula aberla na ra da Prala n.
59, segundo andar. as.-im como fe.cebe peocioni -
las e meios pencioni?us, por prego razo.vel. Na
diu aula tambora se nii tes : francez. latim, eograi-hia e mu ..-.. I --- -? ??"..n*A" "? commerciaes oade com-
Pedido ao coraraerei)
O abaixo alienado tendo talado um livro d
Agenri* de pasanortes e purtarias.
ClaaJino do R^o Lima despachant de passa-
portes e p Ttarias. tira-os uara dentro e fora do
imperio, por commodo prego e presteza : oa roa
da Prala n. 47.
Alnga-sea sala eomdons quartos do segun-
do andar o. 75 da r a io Imperador : a tratar no
mesmo at as 9 horas da manta.
Precisa-se de doas mas forras on captivas,
urna que coziohe per/eiameBie. e ootra qoe en-
gorme, ii;aalmeno, para asa de pequea fami-
lia : a traar a' roa do Apollo o. segondo an-
dar.
= Aluea i- a casa da Capuoga a raa las Crioo.
Us n. J jaraiar aa raa da Ctpi n 30* andar
Quinta-lera lo eurrxBM horas d*
nol sera hasteada a bandeira de Nos Seobor*
da Boa-V|agem, sOiinl> a mesma da om da jai-
ra, teado enndazid* pela* seohoras mais gradas
qoe se aehain omsm< arrehabl* acom[anh>da pela
mnslca marcial do bataiho da guarda nsrional
a qnal execoiara' e^colhiilas p^gas, sobrado ao ar
nesta occaslu almenas gyrandolaa diversos ba-
Ses e do da siguile tjra priorjpio as toveoas
Untadas por excelentes vozes.
-Va padaria da raaireiia rTi^precIsa-se
alojar dou* pretas para .i tratkttj & jnesmi. I
embira nJo entirciam -j ssrrt* ,
livro,
quera ti ver a bon-
pra, nao leudo sido possivej acha-k>, pede enea
recidamente a p-ssna que o achou, e lem em sea
poder, se d:gn-i manJa-l-.i a ra larga do Rosario
n. 37, ou aaoflneir o* resMencia por este
iarif. qae o aUixo assianado, prumpto a satis-
fazer qaalquer despeza relativo ao mesa
agradecer' sobre maneira a
dada de o d>*e> bi-ir. o livro tem sobre j
om rotlo qoe indica o perteoee e a morada do
mesmo infra.
Villa do Cabo, 3 de Janeiro de 186?.
_________Severino Jos dos Santos Agaiar.
_ Palmeira 4 Beltrot em liqm lacio, fazem
seente ao respeiiavel publico e com especislida-
de ao coroo do commeroto, qne a onlea pessoa an-
l irisada para pne*der a rnbranga do activo da
referida Arma e .) Sr. Js Anfooio Aives Ra5t>s.
Rtcife 8 dfJiQeiro de 1867.
Precisa se di
do Rosario o. 28.
um criad7! oa ra e-
frjiTs
Em casa de Theod Christiaosen.roa do Tr a
piebe-novo n. 16, nico agente uo uorte do Brasil
do Srandenburg frres, Bordeaux, encontra-Sju*
fectivamentedeposilo dos ariigos segaicies:
St.Juen.
St. Pierre.
Larose.
Cnateau Lolle.
Chateau Uargaax.
Graud vio Chateau LaOtie tiMW.
Chateau LaQite.
Uaat Sauternes.
Chatean Sauternes. aj
Cbatean Lataur Biancbe.
Chateau Tqnem.
Cognac em tres qoalidades.
Azeitedoce. Procos de Bordesox.
0 aba>xo a-signad avi
hlico que deixou de vend-r agurdenle -m sua ta-
berna oos Quatro Cantos d*sd* o dia l- do correo-
e. Olidda 5 de Janeiro de 1867.
i_______Gu.Inerme Jjs dos Sanios.
O abano assiguados fszem scienie ao res"
oeitavel publico e com especia I id de ao errpo do
coftimercio, qu* o socio Maooel dos Santos P-r-
reira Guimares deix de fazer parle da firma
social qoe Desta praga gyra oa razo Ce Ferreira
Guimares 4 C., fleaodo' a cargo exclusivamente
dos dettais socios o activo e pasMvo da mesma
assomlndq o socio cnmmauJllario Joaquim FVr'
reir de Araujo Gnimaraes a responahi||dade d)
solidario. Recife 2 de Janeiro de 1867.
Joaqnim Ferrtr d Ararjjo GuimrSes
Maooel dos Sanios Ferreira Guimares. "
Jos Joaquim de Figaeiredo.
onfeitaria dos ananazes
Raa da Cruz a. 16.
Ha diariamente presuntos superior, dit>
emliambre.
Aluguel" "
No ca commercial no largo de Carpo Sanln
precisare alugar meosiimenle om negro para
servico : quem liver dirjase ao meaum esiab-
Iedmenio, qoe achar' com qn-m tratar.
~ Precisa-se de orna ama para o survico laier-
norte orna casa paga-se bm ; a trat*r 03 ra da
Cadea do R-cife 8, armaiem.
O
*
*\
h
4
\f


-.
-.....


-c>-
s*
Ufarlo de l'trn aiburo quinta eira 16.de fuelro de ltf.
*; +
^
!
4
i
>
*u
'-
COMPRAS
Hit. SJEVIAL.
Para o tratamenlo e cura rpida e completa das molestias syphiliticas, erisype-
s, rheumatismo, bobas, gota, debilidade do estomago, infiammacoes chronicas do figado
ebaco, dores sciaticas, cephalalgias, nevralgias, ulcer.s cbronicas, hydropesias, pleuri-
sii, gonorrheas chroicas e em ge al todas as molestias em que seteHha em vista a pu-
riflcacao do systema sanguneo.
Coaslderaces geraes
A saude um tem inapreciavel, cuja importancia e valor s est reservado ao en-
fermo o avalia-lo.
incootestavel que o homem nesle mundo constantemente, e por todos os lados
atacado por urna infinidade de agentes morbiQcos que todos tende n, dadas certas e deter-
minadas circurastancias, a alterar o regular exercicio das funcces orgnicas, resultando
pesse desequilibrio o que se chamamolestia.
A molestia n3o mais do que a desvirtuado das forcas vitaes, ocasionada, se-
gundo as investigacdes e experiencias dos mais balisado meslres da sciencia, pela depra-
vacSo dos humores geraes, consequencia da acclo maligna desses mesmos agentes morb-
ficos intraduzdos no organismo pelo acto da respirac3o, pela via digestiva, pelo contacto
immediato etc. etc. etc.
A sypliilis infelizmente tem sido a partiltia da humanidade, e como fra de duvi-
da que esse terrivel Proteo da medicina urna molestia hereditaria, ella tem sido obser-
vada em todas as ida les, e debaixo de todis as suas formas to variadas, enfraquecendo
constiluices robustas, produzindo mutilares, e corlando'ainda em flor da idade vidas
preciosas.
Eliminar da economa esses principios deleterios. e purificar a massa geral dos
humores tem sido desde tempo immemorial o fim constante da medicina, e os purgati-
vos flguram em primeiro lugar para preencher esse desiteratum ou fim.
O Elixir depurativo do Dr. Seval parece'merecer a preferencia sobre todos: os
immensos successos obtidos pelo uto deste salutar agen e tanto na Allemanha, como em
Franca e Italia, o tornam o companhcirn insnnaravel dequasi todos os doentes.
Sendo as mele-tias como cima issemos, devidas s alteraces dos humores, o
Elixir depurativo do Dr. Sevial pode ser empreado ventajosamente na syphilis, erisy-
pelas, rheumalismos, bebas, gota, dcbilidade do estomago, infiammacoes chronicas do
figado e baco, dores sciaticas, cephalalgias, nevralgias, ulceras chronicas, hydrpesias.
pleor.sias, gonorrheas chronicas etc. e em geral em todas as molestias em que he tenha
em vista a puriflcacSo do systema sanguneo; pois que urna pratica constante tem feito fanfarronadas dos passados tempos que
ver que elle intispensavel nos casos gravissimos para minorar os soffrmentos, e pre-nada nos do que um laco para apanhar
parar o. doente para medcaces superiores ; e as menos graves a cura a conse- os incautos,
quencia do seu uso, convenientemente repetido. O nosso estabelecimenio de ha mulo
As substancias que ntram na composic5o do Elixir depurativo do Dr. Sevjai conhecido como o primeiro em su s commo-
pertencem todas exclusivamente ao reino vegetal, e grande calhegoria das substan- didades ; como o primeiro cm lodos os seus
cas depurativas e antisyphiliicas; assim, ao passo que este remedio depura o orga- trabalhos ecomo o primeiro enifim, a offe-
nismo, eliminando os principios nocivos saude, pelo mecanismo natural das evacu- j recer todas as vantagens que se pode espe-
acs alvinas, neutral sa ao mesiLO tempo o virus sypbilitico quando esle virus ja; <*ar em Pernambuco da arte photograpbica ;
tem feito erupeo no exterior dtbaixe de suas multiplicadas formas; e previne tam- e quasi que estamos convencidos desia in-
bem os estragos dessa terrivel molestia, quando por ventura se ache ella anda: no contestavel verdade, pela grande concurren-
estado de encubacao, isto sem se ter manifestado sob formas externas: beneficio
immenso, tanto mais quanto neste estado os individuos ignr ram completamente se es-
tilo contaminados por este terrivel inmigo.
O sabor agradave d'este Elixir convem a todos os estmagos, a sua acca"o so-
bre o tubo intestinal suave e benigna, e camentosas, como acontece ao purgante dito Le Roy, que na sua qualidade de drs-
tico forte irrita a mucosa intestinal, e consecutivamente a seroza, resultando deste es-
tado, muitas vezes, hydrpesias, que quasi sempre terminam pela morte do doente.
Assim pois esperamos que o uso deste remedio justifique cabalmente as nos-
PIIOTOORAIHA
ARTISTMA AMERICANA
RA DO IMPERADO N. 38.
O proprietario d'este estabelecimentu,
que foi obrigado a paa'isar os seus trabalhos
desde o primeiro de outubro lo correte,
com o fim de prepara-lo com gosto e aceio,
a poder apresentar em tudo reunido um me-
lboramento digno da concurrencia do illus-
trado publico desta capital tem a honra
scientificar-lhe que o dito estabelecimento
acha-se promplo e reformado em tudo que
concernente a tees mysteres, lendo para
esse fim receido ltimamente da Europa os
productos e mais objectos necessarios a po-
der dar execuco aosseus trabalhos de urna
maneira digna de toda a atieocao.
Nao queremos encher o nosso annuncio
com essa miscellaoea do costume, em que
entram tantos Domes metafnorpheados, me-
taphasticos, empolados e at mesra > mtsti-
forios ; n5o; o publico desta capital, de ha
muito assumio ao elevado grao de civilsa-
ca*o e sabe perfeilamente ronhecer essas
Iflmpi'am-sc eseravos
Silvino Gnilisrrne de Barros, compra, venda ie
troca eectivamenle eaiTavos de ambo* -os sexos
ede tedas at idade* : a' ra do Imperador o. 79,
erceiro andar.
Ouru e praa.
Em obras velbas : compra-se na traca da It
dependencio p. 12, toja de bhetes.
Compram-se titiras Merlinas: na rica d
ndependencia p. H.
Coropra-se euro, prata e pedras preci, sas em
obras velhas : na roa da Cidea do Recife toja
de ourives no arco da Cor.celeao.
Comprase em qualquer e-iado, esiando per-
fejto, os romances Caterna do Inferno e Dens Disp-
jHJrm, por Alexaodre Duina*. I'aga-e bero, na
ra Helia n. 2i.
Comprase om preto de 20 a 35 a unos de
'darte na rna do Cotovello n. 28.
compra-s na ra da Cadela do Recife n.
$8, oaro amoldado de tolas as qualilades.
PerfumariaS novas. **&& bovos e de ijcm gesto para
vestidos.
A Agua ranea, a1 ra do Quein ado n. S, rece-
Wu iioi extraordinario soitio.ento ,fe eofeit n,c-
'roo* b ro.-io jwra
A antiga loja de miodpias a ra do Queimado-
b. 16, recebeu novo oninieoto de perfumaiias
sendo fiuos extractos e esseacia cooceotrada, rhei-
rosagradavtis pan leoc-s, oieo surrine, phoro-
m<', e babosa para ubeHt*, baohas cofmetlies
umbem para o> cabellos, poi decrale bygienicos
para denles, opl.ia Inglea e franela para ditos,
sati.jueies em larras taladradas, oulros em cali i-
nh.s, e ooiros de bo'las liansparertles para id a e
outros mui linos em calxiDhs ds tooc para bar-
ba, agua da cotona de superior qualidade emfi as-
co* de diversos (amantas, e procos, agua amlireada
para baohar e Ttktsit o ro>lo, a^ua fio-Ida ( da
verdadeira) tnico de Kemp, e mui as oolras ptr-
fumarias qae a vbia da ba quMidade e enramo-
didade de prpeos, o comprador nao obieelara'.
Meia- pretas de laa e de aia.
Para padres.
-se na loja de mleas a' rn
i.
tara buptisados.
-- vestid..*, :f|idu galSo &h
seja de dil.-reni.-s J^igoras, cor^s e d^entio- e
que de m* > moderno e Jgrdavt| se pode actu-
nenie eneoctrar.
Vecdem-se na loja de mleas a' rna do Quei
raado o. 16.
VENDAS
Folhinaas ni allemao
PARA 1867.
Llorarla franeexa
Roa-do Crespo d. 9.
medicamento tio simples na sua composc3o. a
sas asse pratica tem confirmado sua ulilidade.
Cuco deposito em Pernamlriico
Na botica e drogara
DE

Bartothomeo Companhia.
34-ItUA DO ROSARIO LARGA-3*
AO GRANDE S. MAURICIO
OB
PARA '
Tiagliy limpar e lastrar a vapor.
mf liua 7 de setembro 29
Dcfrofiteda ra n*va to Ouvidor (Rio de Jaieire)
Os proprietaros deste estabelecimento, o primeiro no seu genero no Brasil, por
trabalhar com as machinas mais aperfeicoadas para ttngir e lustrar, de que se faz uso na
Europa, eajodados poralgunsdos melhores officiaes de Paris e Lyo, podem assegu-
rar seus freguezes urna perfeieSo no trabalho, a qual senio pode chegar pelos proces-
sos ordinarios.
Tingem, lavam, mpam e demolam com a mai :r perfeico e brevidade qualquer
qaalidade de fazendas, tirana nodoas e limpam secco sem molliar as sedas e as vestimen-
tas de senboras e de homens.

Sdciedade portHgUMa de seguros matos sobre a\M;i, fao iada e
administraria pelo
B\NCO ALL ANCA DO PORTO.
Todo o pai que desejar acautelar o futuro de seus filhos dev,e quanto antes,
azer itiscrever os seus nomes na lista dos socios daPrevidentepor que, com urna
pequea quantia que, todos os anuos para all fr aplicando, tirada do 'rudo das suas
economas, no fim de 23 annns alcancar-lhes-ha tima fortuna, que por neahum outro
mel e com to pequeo desembolso podeft obter.
Os ejemplos praticos de outras sociedades anarogas tem mostrado que:
m _
iUOSIMM) paa,os aunuaIntente pdrm pi-oduzir.
Em 5 an- Em lOIEm 15 annos. 1 annos. Em 20 an- Em 25 an-
nos. nos. nos.
Por um menino de 1 (lia a 1 anno.. i:aOO# 4:0005 9:<-005 20:00'5 i7:000
de 1 a 2 annos.... 900# 3:Ot05 7:5''05 17:0005 37:0005
860)5 2:9005 7: 005 16:0005 35:0005
860# 2:8005 7:1005 15:6005 34:0005
8001 2:7005 7:0005 15:5005 33:3005
Por urna pessea de 15 a 20 annns ... 860 :7005 7:0005 15:400)5 33:3000
8605 2:7005 f: 1005 15:6005 34:0005
* 8605 *:7005 7:l0:i5 16:0105 37:0005
90051 3:0005! 7:500*1 18:0005 50:OOQ5
Quem pretender subscrever para a Pre vidente e desege quaesquer esclarecimen
tog pode dirgir-se. em Pernambuco ao Srs. Manoel Joaqun Ramos e Silva, ra do Vi-
gario n 11 que darSo'todos os esclarecimentos que se desejarem e'prospectos gratis, a
quem os pelir.
A NACIONAL -
Goiiipanilia geral hespaatiola de seguros sobre
a vida
ATORISADA PELO REAL DECRETO DE 2 DE DEZEMBRO DE 1859
DIRBCf^lO GERAL
Madrid: Rna de 8. Agostinho
ca que sempre temos lido.
Por tanto annunciando a
Realiei tura da ptiolographia Artista
Americ na
RA DO IMPERADOR N 38
ficar entendido que de hoje avante o esta-
belecimenio estar aberto para o desenvolvi-
mentu de lodos os seus trabalhos.
Nao classificaremos, nem encommodare-
mos o publico, com essa vasta nomenclatura
de tant' s e variados systemas, emque figu-
ra urna enormiiade de nmes esdruxulos
com que os inventores denominara urna u
outra descoberta que. faz em nos nicamen-
te Imitamo-nfs a diier iue trabajando em
todos os gneros de photographia. e pelos
precos convanientes a cada um de per si.
Cerlos como estam s de que o publico,
nao deixar de frequentar o nosso estabele-
cimento, podemos des-de j afiancar que
ser servido, com promptidSo e que ficar
satisfeito do nosso trabalho, encontrando ao
mesmo tempo em todos os seus empregados
a mesma delicadeza, afabili iade e todo o
respeito e coosideraco.
_______Ra do Imperador n. 38.
An'.ooio Cliraaco Moreira Temporal, abau-,
asslgoado faz publico, que sea respellavel e pre-
sado sogro o Sr. Se.basiiao Jos Ounes Peona, sln-
tindo-se pelos cus paie^Wentos pbUicos. como
sabido i|nasi impossbiliiado se por .^i m^smo ^erir
convenientemenie os seos negocios, e nao dese-
ando aggravar o sea estado com os trabalhos
inherentes a toa.dirergao de sua casa, crnstitnio
ao mesmo abmo assign-ndo seu bastante preco-
rador em 29 de detembro prximo passado, sendo
o respectivo mandato concebido us seguintes ter-
mos :
Conced (ao seu procarador) os mais ampios e
illimitado.s poderes para por ella oulhorgante to-
mar coota de todos, os sens negocios quer pbli-
cos oq particulares, receber os lagueres suas
pri'prietades e tomar conhecinro-nlo de fuas traa-
saroes alhe hoje flVcluadas, seodo que de hoje em
diante beLhuma mais se far sem pleno conheci-
menlo e audiencia d" dito seu procurador, fleando
desde logo sea effeilo o que por elle oulhorgante
se li'cr, para e>te llm prvinuvea contra seus
devedores qu;esqa>T aerfies chamndoos a con-
ciliacao, e traosigind uo acio dVlla. e dando do
que receber a quitacao dq estylo.
Em face dos termos de tal procuraban, e dse-
ando o abmo assignado dar-ihe Inleiro cumpri
ment para corresponder a euoOanca u'elle dt-po-
silada, convida a todas as pessoas que l-m Iran-
sacSes com o dito son sogro para no pra^o de 15
das se eott-nderem com o aononcianle am de
serem authcollcados com soa assignatura os res-
ptcilvos ttulos sem a que fleam sogeitos a sua ira-
pugoacao.
Recife 7 de Janeiro de 1867.
Anunio Climacj Moreira Temporal.
Casa a o onlelro
Aiuga-se ama casa na povoac.o do Mooteiro
com bons commodos, aceiada e bantus eos fun-
dp : a tratar na rna do Cregpo n. 23.
Muita aenco.
Fugij n i dia 27 de deiembro do anno passado,
do engentio Dale da freyueiia de Uua comarca do
Rio Porraoso, o escravo Angelo, crioulo beni pre
to, de Cade de 20 annos, com os sigoa&s segua-
le* : ano. seco, seto barba, tem falla de om dente
oa frente, ps largos, falla grossa, bonito de fe!
Q5es e anda a passos largos, levou camisa d* rna-
dapolao, calca de brim pardo e chapeo de baeta
preto, esie escravo natural desta prica e foi com-
prado ao Sr. Sil vino Guilherme de Barros e ha
orrteza qae ahi esteja por ter Irmaos: p o tanto ro-
ga-se as aulcridades policiaes, eapites de caxpo
oa qualquer pessoa que o coohecer o aprehenoaro
e o leVe ao referido engeoho oa a roa da Moeda n.
5, Sfgoodo aodar, em casa do Sr. Manoel Alves
Ferreira.
Precisa sede urna ama forra ou escrava pa-
ra servir em ama casa de familia : a tratar na lu-
ja n. 45 da esquina da ra da Madre de DeuV.
Vende-se a laberna da rna do Nogoeira n.
49, com poneos fundos, a vontade do comiirador :
a tratar na ra do Raoget n. 61.
Vende-se urna armago que serve para qual-
qaer negocio, tendo a casa moradia independenle
as Cinco Ponas n. 68.
Machinas a vapor
de frca de 3 a A cavallos.
MOTORES de 2 cavallos.
MACHINAS
de faco
de serrote
para descarocar o
Algodo
Acham-se venda em casa de
Shaw, Hawkes 4 C.
Importadores de ferrageos.
N. 7.Ra do PelourinhoN. 7.
Recife
Pernambuco.
Velas
de caranba
Vendem se oa travessa d por detrai do arsenal, as arrobas ou em graods
porcoes, sendo de 14 e 6 por libra e nos depositoe
segoinle : roa da Guia n..., ra do Racgel o.
ra do Amorim o. 48,
XAROPEdelAFdalRABU
BE IMBIiANCREIVIER
Slo M nolcii ptlIortM approTidot palos pmtsuorM H
Piculud ds Medid ds Frases, e por t nv-dioaa daa Hoe-
piuaa 4* Parii, oa qssss esnilcaria tasto t. aua suparl-
rdade msra tadoa ai ostro ssitoraaa cerno su peafereea
aneada castra os Sadanras, tas**, toiitaeise a aa
Affeloeea de seite e as carfSaMa.
RACAHOUT DES RABES
te i>mii-K>in
nico alimesta appravado pala Academia da Medicina de
Paris. Ello reataholaco aa seaseas asa witrm do oto
ssaflo a daa Inteatlaoo; ferulee as oiSDcaa t aa paaeSas
del.iliudas, alan aliso eoi lsptioe he o melsor preaor>aTo das retraa sasaralts e
tTsaosaa.
Cada fraseo a cada oalilaba dess B)rssaracsea inM
etmi-- i iclt a jai isa DWaaercaiar, roa Ricnelieu, 26,
t". -.r. (Fuer serillo atisalo casi al falailcactae.)
i-siurlas ao PeiwiSme .- Qae)fs a B safa srs; Bar-
>Is.
A venda as pnarmacias de 1'. Maurer i
e G.A. Gaors, em Pernambuco.
Veode-.se a casa terrea n. 6G da ra Velha ;
alralar na ra do Rosario n.56, em frente a ra
do Aragao.
Vende-se urna por^o ile ealillhos e rotlas
de amarello, tndo obra moi^rm : a Iratar no
caes do Capibanbe n. 2, officina de torpeo.
anno de afgorlo da I'.; hia proptio
para saceos de assueT e roupa de
cscravi-s.
Vende-se no escriptorio de Antonio Luiz de Oli-
veira Azevedo 4 C, no seu escnp'.ono ra da
Cruz n. I.
Papel piafo (Io
O mais completo e variado sorlfmoio de papel
para forro de sala e gnain'co-s, enconlra-se a
venda na
fSotlca 34-Rua larga do Rosario-34
Veode-se a labeiiia rio [aleo de S. Jes o.
SI, cora poocos fondos prouria para quem tiver
familia poner eomapodo a iratar na mesma.
POR Iftlil- lU'OIRi
i-li..MIIIa SEttlB
s. It5000.
sLivrarlii IVauceza
Roa do Cre p > n| 9.
No arn em de fzei SnnlffS t oc ho
Uua do Queimado n. KO.
Veui-^e o seiiiote.
Peeiiinelia!
Pr-cas de cambraia branca lina com um peque-
o defeito de cupim, pelo h&ratissimo preco de
15oi0, 'iUO. 35500 e ',500 reis. qnem deixar
de comprar cambraia por lio diminuto prego.
Ni roa do Trapiche o. 44 3o aodar, vende-
pelo sen ju-to valnr urna escrava prela, moca 'e
de booila figura, coze, cosmba, lava e engomma'
com loda perfeican, e habituada umbem a tratar |
de cranlas e entend-1. de todo o arraojo domes
M
Bonitos cnapeasiohos eofeitidos, sapatinhos do
setim e merm, bordados e enlejiados, meias de
seda, e lio d'escocia para ditos. Vmdem-se.na lo-
ja de miodesas a' ra do Queimado o. 16.
Bicos e rendas das ilhas.
A loja de miudesas a" ra do Queimado n. 16,
recebeu novamente outro sorliraento daquelles bons
e bem conhecldos bicos e rendas das ilhas, cuja
fortidao, e segoranga de teeido, Ihes da' immeosa
doracao e os difTcrentes flus a que acertadamente
sao applieados Tazem a grand prucura, e prompla
exiraegao como cousianlementa tem acontecido;
assim pois conrormm os preieodentes, qae a vina
da cemmodidade dos pregos nao obiectara. em
comprar.
Graxa econmica.
^ Em caixinhas, latas e b=rris, a' loja do miudsas
a* roa do Queimado n. 6, receben aovo sortimen-
to dessa boa graxa econmica.
La para liordar.
A luja de miodesas a' ra do Queimado n. 16,
reeebeu novo sonimento de la fina de bonitas co-
res, e como sempre vende a baratamente, e o sor-
limenlo a contento do a mprador.
Bonitas caixinftas.
De madeira com enfeites dourados, e oolras de
roeial para guardar Jalas. Vendem-se na ra do
Queimado loja de miudesas n. 16.
Eofeite e grioaldas.
Na loja de miodesas a' ra do Qaeitrado n. 16,
acharo os apreciadores do bom, um bello sorli-
menlo de bonitos enfeites para bailes, theairos e
casamentos; assim como delicadas grioaldas para
oolvas, eaixos de flores tinas para eofeitar os ves-
tidos de ditas, e muitos outros objectos, e tudo se
vende por precos lao rasoaveis qu o comprador
experiente, nao se atrave a < bjectar a respeitor
Babadinhos Bordados, eBtperaeios ditos.
Todos de Una cambraia e delicad s bordados.
Veudem-se oa loja de miudesas a' ra do Queima-
do n. 16.
Pinnas brancas e de ca es.
Vendem-se oa loja de miudesas a' roa do Quei-
mado n. 16.
Franjas
Com borlas e sem ellas, para conloados, toalhas
etc. Vendem-se na loja de miudesas a' roa do
Queimado n. 16.
Boas c bonitas fitas.
Lizas e lavrada?, larga-, e estrenas; vendem se
na loja do miudesas a' ra do Queimado n. 16.
Bonitos eufeites para vestidos.
A loja de miodesas a' ra do Queimado o. 16,
esta' recenteroente provida de mu bonitos eufeites
para vestidos sendo bicos de seda lano branco
como pretos, de differentes larguras e com vidri-
Ihos, oo sem elles.
Trancas e gales de seda dos all'mos gostos, di-
tas com vidnlbos, preas e brancas e de differentes
larguras e gostos. Filas de velludo pretas e de
cores, com lista oas relas. E assim militas oolras
cousas de moda e novidade, e ludo por precos lao
commodts, que o comprador (ica satisfeito e nao
objecta a comprar. #
Bollas de borracha.
De diversos tamaubos para brinquedos. Veo-
dem-se na loja de miudesas a' ra do Queimado
n. 16.
Novos brincos da ultima*
moda.
Chegaram novos brincos de onro de iri om pe-
queos progenies de crysial e de corW, diferentes
modplos e oliima moda fraoceza : na Jija do vapor
ra Nova n. 7.
Admiren! os presos
No aran em de Imnihis e Santos
Coelho.
Etna do (fcneiMado n. ifi
Vende se :
Madapolo enfestado/'iij a l a pee,* mu 20
v>ra?.
Ditos de 7, 7oO, 85, 95, 10 e 11 a p*W coa
20 varas.
Cambraia de lista de dnas core? para venidos
800 rs. a vara.
Baloes de arcos para soohora a 2&>ii;>. tdtSQO
Ditos de arcos encamados de 35S03 e 45.
Ditos de n.urculina a 45800.
Diios de arcos parn i enioas d l5t;lK! S5-
Toalhas de hnho alcocioadas a 125 i dol.
Ditas de fe.itro (pello) a 135 a dnzia.
Aioalhado adamascado de algod-i a 25 x vra.
Dito dito de luh a 3a a vara.
Bramanie de linho com 10 palmos de .nreura
25500 a va r.v
Dito de dito de 9 t|2 dito a ''5400.
uno dito de 5 dito a 15200.
Dito dilp de 3 Ir- dito a 890.
Algodo er.fesiado com 7 l|2 ditos a ialiOO.
Retundes de fil preio a 75-
Booioos ii(. di'o a 105.
Chales de dito a 55.
Cambraia adamascada para corna: cqb 20 ra-
ras a 135 3 peca.
LeBC.is brancos de cambraia finos de 11, 35,
33500 e 45 a dozta.
Laazinha com llores moito fioa a 400 o covado.
Dita lisa d.ta a 480 o evado.
Cambraia de lmho fina de 65300 a t a vara.
Cambraia lisa muito floa de 55, 65, 65WO, 75 t
85 a peca.
Colxis de fusto alcochoadas brancas 6 de cores 1
65000.
Tranca 8.
T'anca* ^raor-a^,, pre,j.s Jr.as ft ^Utitit com
vianihos, pigeuiesesem "elles. Duas brancas
de cores, larRas e estrenas fem vdrilhos.
rius maiisids ou de desenfcos dH cores,flrei-
las e mais larga., proprias narateslidos de meo*-
nas e senri ras.
D.tas da velludo, prelas e de outras cores, com
orellas de cores dirT-renies. (o*|os novos, lambem
propnas para infeiur \e.-in!os.
Bicos de >da brancos e prclos, largos e estrei-
tos, com vldrilhos e sem elles.
Em dita loja os apreciadores lambem encontra-
!rao bello omnenlo de flvellas e fitas tara cintos,
pi-ntes para eoques, e moitos oulros objectos d
moda.
Cot emeios c babadinhos.
Boa fazeoda e delicados bordados, e.-um ei( os-
les a venda na ra do Queimado, oja de Aguia
Branca n. 8.
A Agota Branca a rna do Queimado 0:8, tam-
bem vende mui bons esparlllbos.
Tintaras ara cabellos.
A Agiiia Branca acaba de rereber novo sorft-
menlo das h-m con heridas tinturasChromacone.
Ihiques e Il.ilda, e Arn qoaoto o< precos de dilas
eMtj-m um peuro mais elevados ( por causa de al-
lerav dos direifcs); com lodo nao a ti.jueo*
difler*-nca que ha de taaer dos mocos velhos; assim
efiOiioue Queimado, loja de Aguia Branca u. 8.
Objectos de trorracbas para luto.
A Aguia Branca a' ra do Queimado 0. 8, rece-
ben esses novos ibjertos de borracha rara iute,
sendo ildneites, brincos, pu'ceiras, volla- de cr-
renles, coi reoles para relogios, assim remo outro
Igual .eriimeoto de obras de vidro, tudu de nais
firellas de mallo bom gosto e cilos, e todo I-so se
vende por precos rasoaveis.
Pen'es e flor para ceqoes.
Obra de bom gosto, e ioleiraioTtte nova, .1 Agoia
Bratca a' roa do Queimado o. 8, reeebeu uns pe-
qoenos peutes com urna Oor de inetal, obra de ui-
vidade e muito gosto, e proprras para coques.
Oi-jecls de g'sto.
E aovidade, ejjKistas a venda na ra do Qiid-
mado, loja da Agoia Branca o. 8.
Bonitos e mudarnos enfeiles para bailes e n-ea-
Iros, cora litas e flores, com coques e sem e!]es.
Delicadas capellas brancas de rozas e flor de latan-
ja para noivas, cxos de flor de laracja pn-prios
para peitos, hombros e barras dos vestidos de noi-
vas.
Cfies tngindo cabello
Lisos e 1 n-.-pos, siogt-los e compostos, de gi'c; s.
canudos e redondos, oherios com iel simples e
de vidrinhos, ornados com flores e filas, otra nove
e de gesto.
Para senhoras e meninas.
Lt'qots Buos de n.adit-perola e osso,tcdo de sn-
dalo e de sndalo cm seda, com finos e tocito.
desenbos.
Obras de madreperla.
Bonitos pentes de madreperola mui alvo pura
coques. Iludas fivellas de dita dita para cintos, de-
licados a I Dueles e brincos, bcdes para puiics, o-
bra prima. .
Aderccos, penles e fivellas igua'es de dita, o
brincos. Fuellase titas para cilos, cintos i.mh-
sadis,obra novissima v. de gosto
JLR senhoras
A aguia braoca tfin a fatisfacao de noticiar a
sua l'oa freguezia que acaba de reether llndisen-
fntes a Bouoilon obras delicadas, de cenia e ulti-
ma moda, o que sera dtvldamente apreciado pelas
excellenssimas senhi ras de bom gosto. O* pre-
fos destes enfeites fao commodos e isso ventilara
quem se dirigir a ra do Queimado toja da afilia
branca n. 8.
Ramos de flores finas.
Como geralmente afrhf, a loja da aguia brac-
ea 6 jardim das finas llores ariifkiaes, e altn d
bom sotlirneto que sempre se a cha em dita lija a
aguia acaba de receber novas flore? as qoaes se
conhece o rigor d'arte imilsndo as flores naioracs.
Na loja da aguia branca a roa do Queimado n. fc
acharo os apreciadores do bom "delicado caixode
flores cora compridas ramas, i--, ele., ludo do
melbor gesto e pno eir qualidai.
Jleias prelas para pail.es.
A agui.i braoca a' ra do Queimado 1 : reee-
beu aovo sorlfflDrnto daquellas boas meia- pifias
de laii que ciuiinuam a ser vendidas a 5OC0 o
par.
Visporas e dminos
A 8guia branca a' ra do Queimado n. 8 rece-
ben novo sortimeolo dy vlrnoras em caixas de ma-
di ira e papelo com 24 e 36 cario?*, lendo eDtre
elles algoos com -chapa de metal para ccbir o i;u-
mero ; assim como dminos em caixas de madeira
branci e envemisada.
BotOes grandes
e peqnenos, pret s e il outras cores.
A aguia branca reeebeu um bello sortimeulo de
boloes de diversas qnalidades e gostos os mais
modernos, a elles boa frr-Koezia da 'asla branca.
comparecam a roa do Queimado n. 8.
tiro de urna casa do familia.
soperior
e sendo
De superior qaalidade
Na roa do Queimado n. 7, vende-so
fumo de Garanhuu' a 15000 res a libra
em poreo fazer-se-ha aba lmenlo.
Vendase urna bxiieira nova coro 25 ps de
Joio Leile do riPg,,Sao|io, envida aos amigos ^'"."'PriR^ de cobre, ranlio boa de re-
e pareotes do Sr. Dr. Francisco Locas de SoSu !^t?*.' g?"[7 1U'" virah"rt de ',0,ho :
Rangel, para assisiirem a missas recuas no da 9 '*m HTl '"VTv ^ **** b)eC,"S *""*"
do crreme n orderx terceira do Carmo, as 7 ho- a
ras da manhaa, por alma de sua presada esposa
D. Genoveva Perpetua Pires Rangel.
BANQEIP.OS DA COMPANHIA
Banco de Hespanha
SUuaelo da eompanhla em 45 de Julho de 1866.
Apolices 10:700 Capital Rs t7:1444670 ou moeda brasiletra
R- 1 714:4764000
A iNacional abraca louas as conbtnacoes do seguro de supervivencia e n'ella pode
far-sesibv;i-i|)i;li il nudo qae era nenhum caso se perca o capital imposto nemos lu-
cro correspondentes.
Urna afianca depositfldajnos cofres do.'estado, garante a boa administrado da com
panhia. .
Os fundos da companhia se uTertem em ttulos do estado e sedepositam no ban-
co de Hespanha 'om oterve "-"io do delegado do governo e doconselho administrativo.
A eompanhia estranha a toda a ejnpreza ou espicula0o perigosa, e os ttulos em
que se invertem os fundos impostes na mesma, n<> correm o msnor risco, pois esto
garantidos pete goyerno, pode-so di Pruspectos e mais informacSe serio prestados n'esta provincia rui da Cadeia loj
. 51, r,ua da Inpera'trix n.12 Jitiwi ^ranra> de Vidal.
\viso
Para a abertura das aulas
Carlas de A t C, laboa as, caleci>mo, wrdade !
os meninos, urammaliea e arimni-tica por Castro!
Nones, eartUbas, biiin.-i da lufascia, c^mmbo do
co, devotu christo, SiniSo de Nantua, ecoaomla
I da vida hum-na martyres peroambocanos, regras
I mui facei< pira entender a cnuubiii lad-^ em ver-
il ateretan-) da irmaodade de N. S. a Bja- va-' fos Pr Giraboa, sab-clsmo das verdades csinolf-
gem, #reela em sua igreja, oa povoa^o do mesmo cas, traslados, paulas, papel de peso e almaco de
noine, fregue.zia dos ifipados, convida a lodos os I multas e diversas qualida l*>, iisu e piulado na
irmaos da referida irmaodade para reaoiao de me-' roa do Imperador d"tfronte do convento de S. Pren-
sa geral domingo 13 do crreme, as 9 horas 6 Jco o. 15.
mjha, aliin da procder-se a elei;4o dos mem-' "" t 't X
bros da Besa regedora que lera de fuucciour no i rara e'llalCaQilO
correte anno ao de 86*. Espera a mai-or contor i Vende-te ora terreno de JO palmos de frente i
renria para com acert e deusteresse eleger tt e fondos at a terCeira rna airaz do grande Gjm-
irmaueojgnos de oxercer os cargos a bom da OWio ProvinciH ionto ao terrM em espalda do.
igreja.eerraandaee, ___________________^ i CoroD6| lpj| lral r na rl ,u [11)(>);ralrjt B, 3.
Sre*isa-se de duas amas ffasa?, sendo orna
j Cobertas de chita da Iodia de 25400 e 2*800.
LeoQes de h mburgo fino de 25400 e 2*600.
Ditos de bramante d nm s panno a 3!00.
Tarlataoa de todas as cores a 800 a vara.
Mor aniiiiue preto superior a 25600 o a-vado.
Grosdenaple de dito a 15800 o covado.
FtaneiU e cores a 800 o covado.
Cambraia desalpicos branca com !: varas oe
ca 4*500.
Fil de linho liso tino a 800 a vara.
Dilo dito com salpicns a 900 a dita.
Guardaoapos de lioho para mesa a 3550J a doiia.
Assim cora tambemse encontra um completo
soriiiiit nto de roopa feita e por medida.
D.
amas nusa?, ^000 orna < VMde-*e o eo^h.. Quuvitutw sito H tre-
para ottohar e atmwr* servir eo maadad* : >gan\ de Jibata, cm raptas e excellente* ler-
> rrA das Crmesn. 36, egundd andar.______ l rai, ptimas matas : a iraiar com a proprietaf ia
Affjnso Jos de Oiiveira avisa asa pas de 1 na Estancia sitio qui! faz eiri'iina para a rna do
eus alumnos o a ijertrttw Jjoe-de mq prosttrno se i Catalana Novo,________
qnieretauilitar que se acha com a aula aberta -. Veade-w ma (MrajTaJr'eae* tarrea com
desde 7 do corrente, b que aatoimda p-b direc- ,U3t^ Bar, editica. orna .*,a, de Vi palmos de
tana mal da (etrneeao pobaei conUnua a en-j m*; sita na roa do Amparo en Otinda
sinar prtoeiras letrae, latlm, (ranetu, rethorUa e' ur Da rua io Aa,w,m 35 cjm Joa9
geographla. Piment .
SL
"S
i
"O
OC
ec
a Ira-
Simo'3
Aloii-se
Auas Verdea:
a part 4 ca* n. ?
t ir.tar aa amina.
WTi da
vimV-te ea*il 2i da rua j
* tratir na fu -Jj C (l9il o. 8.
Mmd'gj
para 1867.
Asiinaloras para todjs oe peridicos de Boro-
pa edo irasif.
Ulstllbnl i gratoita dos cautosos rjsneatlvos
w\ nOCnESPOX. 9
Mvra-Ia Fi-aee*ai.
DENTIFRIOIOS LAROZE
CONSERVADOhLiS DOS DENTES E GEN-
GIVAS.
elexir dentifricio, para a aiviira e coDsei-
vaco dos (lentes, curando as dores can-
sadas pela caria ou produzidas pelo c u-
tacto do calor ou do fri,
p DENTHiFicio, com base de magr>ezia par?
a alvura e conserva, 3o dos dentes, pro
venindo a descamadora, provoeando o
trtaro de que empede a reproduccao.
opiato fentifbi io, para firtificar ai geu^t-
vas, e a? conservar s5as, prevenir as ne-
vraljiias dentarias e as affecc5es escorb-
ticas.
CURATIVO DENTARIO HVGlENiCO, para Clllilli-
bar os de-tes doentes, parar a caria epie-
venir os abcessss e as dores que elk-s
provocam.
Deposito em todas as pbarmacias e casas
de drogaras no Brasil.
ExpeiiicSes em casa des Lions-Sl-Pan, 2 Paris.
Deposito em Pernambuco, pharmacia m:
P. Maurer &C. rna Nova n. 18.________
Collares Hojer
ou
AnodDi^ electro-magnetieos contra as con-
vulsiMs, e para facilitar a dentic5o da?
criancas. A auia-branca na rua do Otre--
mado n. 8 recebe-os por todos es mapi-
res francezes.
i esto lao conhecidos, e lauto se tem espalbaor
a fama des^s prodigiosos collares Royer, que s
torea desntcessario dizer mais alguma coqsa ea
abono de seus lujos e o effleaxes etleilos t basta c
testeojoub da uiilhares de pesse n<, qoe lm vist
e aprovelfado o feliz resnltaete desses lio uleu.
qoo neeessaries cellares Royer. A quolidiapa
cresclda estraecio, qoe vo tendo, mustia afna
qoe numero dos prodigio* se --lev eemo t-^do*
os compradores. A agniabratcii, p-rem, fu
ando ncorn-r para um Om de tanto proreit-
mento, tf ro feito o necetsark* redictas, para $a*
por lodos os vapores fraoeeies Ihe seja rfmettid'
certa qoasiidade de dilos colkire>, para **sim to*
nar-se iofalli*el o sortimeulo pViie, na loja '*
guis-braoca, rua do Queimado o. 8.
Fio deatRodo da Baha
Vende-se noerrifitii i.> de Aotcni" Leu de HU
veia Arevei i C no seoecriptorio rua da a*
a. i. ___________________
Vende- e
ihores americanos para doos cavallos, a(0 ,-m-i
par- loatro cavallos, machina< eir descroc*r
algod5r> de 14. IC. 18, 10. 30, 35 ,0 serras. j
eas para enfardar alemlar foientln as sacra-
seis palmos de comprlrcenlo,com < p s de ;,
100 libras, vindas ltimamente da anerirs o
armarem de Heorv Forsier A C. r,r ra IV ;, .
i O. J, JDlO iO JitillC'.e [i.-rlbgQ7.

I- -


^rj^j^pMiii ijbiiji




Diario de Pernumbaeo
O ARMEZAM
O
ARMAZ1 DE VAZfSitfDAS
E
(fcWA PIBTfi MI!
DE
OLYMPIO GGNQALVES ROSA
Ra do LiTramento a. 14*
53 RA OS CAOEIA 53 .
FiSlWDO O ARCO 4 COrVCEaWAO.
A na h Aa rPAAViAl A f"Vm nni hirAtisSimOS TVTA*iOS 0 proprielario deste estabelecimento ra sciente ao faapettavel pnblico e aos sens amigos
Oipa UO reOOOr O MJn pul UdiablSOI'UUB pi OV^O fre|aeiegi qaelera angm9Dudo a soa oficina de alaiale, e dirigida por am hbil mestre, se enor-
iim de seu acostumado e muito completo sorti ment ;^tf^^
ie gneros os seguintes abaixo declarados.
Queijos de Minas.
pegados pelo ultimo vapor a 1#600 rs.
Grorama de milho branco
americano.
melhor qae ha para papa, pao-flo-l, bolo,' a|m
angica, creme etc., moito substancial e
audavet a 6*0 n. cada pacota de 1 libra.
SALMO e lagostin
negado ltimamente em latas de 2 libras
iSGOQ rs. cada urna.
MUSCATEL DE SETUBAL
o mulo excelle'te vinho muscatel por 20/1
a caixa de dazia e 25 a garrafa.
CHA
hysson de primeira qualidade a^SOO rs.a
; libra, nxim o qae ha de mais fino a 34 rs.,
destas ha muitas outras qaalidades
proprias para vender a retalho, qae se rende
de 10000 rs. a 24 rs. a libra.
(HOCOLTE
rancez a 500 rs. o pacote, dito hespanhol
CHA PRETO
o mais especial qae tem vindo a este
cado a 241800 rs. a libra.
mer-
MACAS
estrellinhaspara sopaem caixas sortidas de

pedal, n me'hoT qae temvmdoao merca- 8libm por 44000 rs, palharim, macarrJo,
lo a 15280 rs.
LATAS DE LINGUIQAS
,om 6 libras ermeticamente fechada a
4500, e de barril a 640 rs. a libra.
VELAS PARA CARRO
sm pacotes do 8 velas a 900 rs.
VINHO DO RHENO
verdadeiro a 20000 a garrafa.
BORDEAX
da mais acreditadas marcas: S. Julien,
3aut Brion. St. Emilion e St. Esteph a 800
;. a garrafa e 8000o a dazia.
O EXCELLENTE E AFAMADO
COLLARES
agarrafado da bem conhecida casa de De-
unt A C.a a 100000 rs a duzia.
PORTO
iversas qualidades engarrafado, inclusive o
nais fino que ha n'este genero por 800,
10000,10200, 10*00 e145-0 rs.a gar-
ifa.
OLD CHERRY
) mais supe' ior do mercado a 10500 rs. a
jrrala e 150000 a duzia.
VINHO BRANCO
xcellente qualidade, de Lisboa, e proprio
oara missa a 800 rs a garrafa e 80000 rs. a
aixa de duzia.
VERMOUTH
'.aperior qualidade em caixas de 12 meias
arrafjs por 120000 rs. e cada meia garra-
10200 rs.
por prepos
Asslm como tem um completo sortimeolo da f alendas finas (as qnaes Dio sendo costme pro-
curar as tojas do Livramento) espera que seas amigos e fregueze. o honrem com suas preseneas,
nois vende mais barato qae ootro qaalquer.
etc..,a6i0rs. a libra.
PREZNTOS
os verdadeirosdeLomgo a 640rs. alibrae
560 integro.
JALE!A DE MARMEELO
em latas a 800 rs.
MOLHO INGLEZ
diversas qualidades a 720 rs. o frasco.
MOSTMtDA INGLEZA
maito nova a 800 rs. o frasco.
MOSTARDA FRANGEZA
a 640 reis o frasco.
ARENQUES
em [atas a 600 rs. cada ama.
GARRAFAS
brancas para mesa superiores a 50 rs. e a
60 o par.
COPOS
diversas qualidadese tamanhos a 30 rs., 40
50 e 60 a duzia.
CAPACHOS
decores e differentes tamanhos a 500. r*.
610 e 800 reis.
BALA OS
diversos feitios epara compras desda 500 ts.
at 20 rs ; ditos grandes proprio para roupa
de 30 a 50.
GAZ
ornis suparior gaz liquido em latas grandes
com 5 gales por preco de 100 rs.
IASQIJN4S DE SIDA P8ET4.
A' loja de fazendas de Augusto Porto & 0.
11Ra do Queimado*lt
A' loja de Angosto Porto C. chegaram as memores basquinas de seda
preta que se vendem por mdicos precos.
Vestidos de moin decoraj para bailes e partidas.
Ricos vestidos de Blotid com manta e capaila para noivas.
Costumes completos de casemira para hoowns, fazeada especial, sendo
as calcase palitouda ultima moda.
Bonets depalha da Italia parasenhoras e cha eos da phautasia para ho-
rneas.
Enxovaese vestidos bordados para baptizados de 100000 a 300000.
Camisas inglezas para horaem, peito, pannos ecolarinhos de lioho supe-
rior.
Ricas saias de liiho bordadas, baloes, espartilhos, meias finas, lences
bordados, camisas, camisinhas, manguitos bordados para seoboras.
Colxas de seda, e de lia e seda para camas de noivas.
Cortmados bardados para"camas e janellas.
Tapetes para sof, cama e piano e pannos para cobrir mesas.
Bramante, 8rilhantina Miciennes ou cambraias de pefos, fazenda muito
bella para vestidos, silesias, bretanhas, e cambraias transparentes tapada e
de linbo.
Moireantique branco e preto, sedas brancas, de cores e pretas, e gres-
denaple de todas as qaalidades.
Brins de linho branco e de cores dos melhores.
Neste estabelecimento ha sempre sortimento das melhores e mais baratas.
Esteiras da India para for ar salas
11-Ra do Qucimado11
Tasso Irmaos
Vendem m aeo aimazem raa de
kmerim a. 35.
Licor fino Guselo em botijas a meias botija*.
Licores fios iwrtldos em garrafas com rolh i
rldro o em lindos fraseos
ViobosChores.
Sanierne.
ivaiaterUo.
Uerini*e.
Corsonhe.
Ciamp.g*.
Moscatel.
Reino.
Bordeaux.
Cognac.
OM Too.
PAezei latraiol. .
Vapores.
Vende-se em casa de Saouders Brothers & C
no largo do Corpo Santn. II, vapores patentes
com todos os perleoces proprios para faier mover
tres oa qaatro machinas para desearoQar alyodio.
P0T4SS4 M RIJSSH
Vende-se potassa da Russia moito superior e de
qualidade a mais apropriada para o fabrico di
assucar a preea rasoavel, no armatem
Silva Loyo A C.
de Jos da
m DA ft!)ElH3
QSAMIIE LlQUil%^AO
23 Largo do Terco 23.
Joaquim SimSo dos Santos, dono deste bem sortido estabelecimento de seceos
s molhados, faz sciente ao respeitavel publiw), tanto de>ta prac como de fora, que ve-
ham fazer suas de-pensas a este estabelecimento para verem a grande differenca que faz
jara menos preco. caso fossem comprados em outra quaiquer pane. Etodo o freguez
\m comprar de lnO0OOO pira ci a ter o descont de l'j% pelo prompto pagamento,
4z-se esta granleiliff'i'enea por estar-se era liquidaciio.
Gaz americano a 4oo rs. a gararfa, e 90 a lata.
Caf do *io de 1.a e 2.a sorte a 2io e 2oo rs. a libra, e a 60 e 70 a arroba.
Queijos de diversos vapores a 204oo, 208oo e 30o ;o cada mn.
Phosphoros do gaz a ?02oo agrosa, e em porco se faz abatimento.
Cerveja de diversas marcas, duzia 50, 50ooo, 60 e 70.
Arroz da me h Papel de linho marca viadoa 40ooo a resma, em porco haablimento.
dem fin i de marca martello a 505oo e 60 a resma.
Vinho das melhores e mais acreditadas marcas, a 207oo, 30 305oo e 40 a caada e
i 36o, 4oo. B0 e 56o rs. a garrafa.
dem .raneo superior qualidade a 40 a caada e a 56o a garrafa.
Cha minlinho egraudo da melhor qualidade a 20, 20oo, 03ooe 208oo a libra.
Manteiga ingleza fina, a 101oo, 1012o e I02ooa libra, embarris ha abatimento.
dem mais baixa a 72, 8oo e 9oo rs. a libra, em porc3o ha grande abatimento.
Iemfranceza moito nova a 4o rs. a libra, e em barril ha grande differenca.
dem mais baixa a K8o, 52o, 56o e 6oo rs. a libra, em porcao ha abatimento.
Vinho d i Porto engarrafado e em barril a 64o, e a 10 a garrafa.
Alm destes gneros ha out'os moitos assim como bolachinhas de soda a 101oo e
10 a lata, chourigas e genebra de todas as qualidades, raassas para sopa, copos a 50 a
lazia, s no Conservativo laro do'Terco n. 23.
LOJA OA FRAGATA AMAZONAS
*

DE

Monteiro & Guimaraes.


X. 5 Raa do Qaeimado
n, >.
Este importante estbeleciaianto prvido como se acha de tudo quanto object<\
de gosto, por quanto seos propietarios recebara de cinta.propria por iodos os vapore-i
om procedencia da Eur >pa, objectos para graalo toilette, e uso ordinario para todas as
classes, e bem assim adornos proprios para casamientos.
A Fragata rece >e por tolos os vapores lu^as di Joavin, e acaba de receber no-
vo sortimento d 'S objectos seguintes:
C.'tes de blonde para noivas. Resposleiros para cadeira de balaaco.
Esguio de linho fino. Bretanhas de lioho fino.
Bramante.
Chapeos de 61 de seda para Sr8.
Chapelinhs de crpe e fil para dilta.
Chapelinhas de paha da Italia.
Leques de madreperola fiuos.
Leques desndalo raos.
Roton as de seda.
Rotondas de alinda" >.
Basquins de grs brod.
Mias de laya para padre.
Tiras bordadas.
Entremeios ditos.
Vestidos braocos bordados.
Cambraia de linho Sno.
Frnahas de dito.
Lencos_nV2_gito finos.
Cambraia suissa com 10 palmos de largura.
C tes de seda de cores finas.
Cortes de faulard de seda,
Cintos de fantasa, gosto novo.
MACHINAS AMERICANAS
Verdadelra do fabricante V. Caattoagln & V.
americaaos para neer milho.
Na raa Nova n. 2i e 22, grande deposito
das verdadeiras machinas americanas de todos
os fabricantes; se enM)ntra neste deposito
grande porcjfo de machinas, e se vendem por
menos preco do qae em outra quaiquer parte,
por se receber em direitnra da America; se
fornece todas as explicacoes necessarias ao
comprador para conservacSo das mesmas;
neste grande e.stabelecimento se encontra mui-
tos arligos americanos, que moito deve agra-
dar aos agricultores que usam de taes artigas,
encontra-se tambera todas as colleccSes de de-
seuhos sobre os quaes se aceita qualqaer ama
encommenda, que cuq> promptidao ser ejecu-
tada ; : este grann>, pstabelecimeoto, encn-
tra-se em grossn o a retalho, grande porcSo
le ferragens, emiudezas que se vendem por prego co;im..o, pedindo-se a altengo
de todos para este estabelecimento que maito lucrarao em fazer suas compras: oa
ra Nova n. 20 Carnero Vianna.
H
a
9*
m
-
UQUIDACAO
OE
-
Para acabar na ra Nova n. 26, deronte d
botica do Dr. Sabino.
C
g
9

^,-*_.

o
00
9o
5
5
5
5
P
s
5
I
T ^ o.
=
!ilf|tlltli:!r^
" 3.. *s,ff. 5 -o 2 3
S' ~~ s"
$OiH 511.2
-352
t.S -
h,

5
i
s"S *S s 8-"" *t
i:-8ree ^ a 5. = 5,-s

9-- S-

St
il?if
SZ*
un
-, m iiini
X
* -m-m m
PREPARACOES FERREAS-IAfiGAHICAS
APPROVABAS Ptlk ACA[)EM1A PE UBDICIXi
DE BURIN D BUISSON
PhargiMtili, laurtario ftk Academia de fctficiu i Pars
------- ------
0 eminente proiessor Trgcsseatj, na ultima edicSo de sen Tratad* di Then-
pculica e Materia medica, reconhece fue os ferruginosos 6impls lo ranilas
vetes toefficazes para corar ai mblata que terrn por cansa o cmpbreci ment
do sangue. Muiros medicos dos mais distincios aUribuwn esse m O esito aus^nei,
n'essas preparaces, do mangatiese^ que se acha na sangne, como o te reeonhecido
os chimitos os mais peritos, sempre injimamentc unido com o ferro.
E' pois, prestar-fenm vcrdaJ'.iro servico aos S" Medico, sobre as preparaces seguintes.
Io PfK fori'iAc innc dando immediatamente urna agaa, acidulada,
IV5 rcn li laail^illJlt gazoia, agradaTel, substttiiado com vaatagera
e econemia as aguas Boineraes ferruginosas.
2 Plalas e Xarope de iedurete de ferro e de maagasese iialtcraycis
contendo cada urna cinco ocntigraints de iodureto de ferro Bianganieo indicadas
particularmente as molestias Iymphaticts, serofutoos, bu cbaaadu ca-
erosas e tubercnlona.
V Brifes de laetato de ferro i de larcaiese 1 ^t^^S^T
4o Ptalas de carbonato errw iiapnieo | ZtZTSSiSX
alternar esta* duaa preparacSea ii oa maftoraa rawhadoa
O S* Bnrin do Bo'uwon desojando oator a adbeato oonapteu do paaBa aain a
crea do valor de snaa preparaedea, previne ave elle u poe araUiftimeirte a toa
diappafelo, dlrlgendo-ae; *^ *^
If Pemsmbuc*, a ten agente gatal, Mtajt f>, pharaaaweaa, raa Hava.
rsainaiB
HEZ
Aos agncaltorcs
Saonders Brctbers & C. acabara de receber de
' Liverpool vapores de torca de 3 a 4 caaallos com
todos os pertences, e mnl proprios para fazer mo-
ver machinas de desearocar algodao, podando cada
vapor trabalbar ate cora 140 serras, tamben) ser-
ve para enfardar algodao on para outro qitalquer
servico em que osaon trabalhar com animaes. Os
mesmos tambera tem a venda machinas america-
nas de 35 a 40 serras : os preteadentes dirijam-
se ao larga do Carpo Santo n. 11._______^_^_
Loja do Gallo Vigilante
RA DO CRESPO N. 7.
Grande e variado s jrtimento dos numero-
sos objectos de apurado gosto que ultima-
mente acaba de chegar para este bem co-
thecido estabeleei atento, pois seu corres-
pondente em Paris o mais habilitado pa-
ra a escolha da taes objectos, pois os com-
pradores poderlo apreciar, como sejam lin-
dissi'rjos enfeites de cabeca com cok de
cabello, e sem elle.
S no vigilante ra do Crespo n, 7.
E afeites.
Roques com caiios e de novos penteia-
dos.
Trangas pretas e de ceres, e de todas as
larguras, com vidrilbo e sem elle, par a en-
feite de vestidos.
Bicos de Sida com vidrilho e sem elle.
Gravatinhas de velludo para senhoras.
Gravatas e mantinhas de seda para ho-
mem.
Gravatas brancas muito nas.
S no vigilante ra do Crespo n. 7.
VelClahas para meninas.
Volt'mhas para meninas.
Pulseiras para as mesmas.
Cnrrentes para relotios fingindo cabello.
Riquissimos "sintos, fivellas e fita- para as
mesmas e de outras muitas qualidades.
Riquissimos pentes de taataruga,
Pitas de velludo de todas as larguras.
Lindos enfeites para vestidos, chamados
Chrispianne Margante.
Riquissimas llores para vestidos e para
cabeg.
Capellas com canos flor de laranja, pro-
prias para noivas.
Meias de seda para senhoras.
Ditas para meninas.
Riquissimos chapeosinhos e touquinhas
para meninos e meninas, meinhas e sapati-
nhos de seda para os mesmos.
Lindas sexlinhas e bolcinhas para bragos
de meninas.
Meias pretas de laia.
Lindos aderegos e brincos.
Aderegos completos preprios para luto.
Lindos port jotas e port relogios de dif-
ferentes tamanhos proprios para um deli-
cado mimo.
Riquissimos livrinhos com capa de tarta-
ruga para missa.
Adrrecos de flores.
Riquissimos aderegos completos, sendo:
i voltas, poiseiras, brincos, alinetes, grampo
! para cbelas ; tudo ito feito de todas as
flores de ultima moda "em Paris.
Oravatlnhas.
Tambem chegaram bonitas gravatinhas
com flores, e com alfinetes proprias para
meninas e senhoras.
Ros'tts e brincos.
Riquissimos brincos e rosetas inteiramente
novida le e tudo de moito gosto.
Tonqnlnhas.
Riquissimas touquinhas de lioho e seda,
ponto de corx ricamente enfeitados e de
muito gosto. '
Fita
Riquissimas fitas de chamalote, sendo: ver-
de e amarello, tecido na mesma flta.
Agulha de mai Qju
Tambem chegaram as mui desojadas agu-
Ihas todas de marfioa, para trabalhar em 13a
e sem corx.
Sexttuhag.
Tambem chegaram bonitassextinhas de
palha fina, proprias para meninas.
S no Vigilante ra do Crespo n. 7.
Espelhos.
Riquissimos espelhos grandes e bonitas
molduras proprios para salas ou lojas assim
c< mo outros de diferentes tamanhos.
S no vigilante, ra do Crespo n. 7.
Para os pais de famiia:
Verdadeiros
Cellares Royer
Electro Majnelicos 4o4inos
Ou Collares Anodinos, para facilitar a den-
tigSo das criangas contra as convulsoes
das mesmas. aiBstes collares ms ascuudo
fazer quaiquer recommendgSo, visto a
grande utili lade que tem preduzidoquelles
pais que o* tem applic.ido em taes circom-
stancias pois nos parece que nao baver um i
S pai ou ma"i que por este meio nao qaei-
ti por termo a taes soffnmentos de stns
filhinhos visto ser um mal que tanto os
flagela, pois a estes collares acompanha um
A LEGITIMA
SALSAfAMLHA
DE BRISTOL
PREPARADA MCAMEITE POR
LANHAN & KEMP,
NOVA TOBE.
Composta de substancias, gozando dsa
proprtedades eminentemenie depurativas a
approvada pelas juntase academias de me-
dicina; usada nos priocpaes hospilaes, ci-
vis militares e da marinha as Antilhas e
ao continente americano ; receitada pelos
'acultativosos mais distinctos do imperio do
Brasil e da America hespanhol
CURA RADICALCENLE
ascropholas, rheumatismo, escorbuto, en-
ormidades venreas e mercuriaes. chagai
wtigas, morphea e todas as molestias pro-
renientesd'um estado vicioso do sangue.
Emquanto existem varias imilacoes e
(alsificacos. preciso a maior cautela para
evitar os engaos,
A legitima salsa de Bristol vende-se por
CAORS 4 BARBOZA
JOO DA C. BRAVO & C-
Joao da C. Bravo & C.
Deposito geral em Pernamouco rna da
irta BJH em casa de Caros _______
JHUBEBA.
A jurubeba urna das substancias medi-
camentosas, que pertencem ao reino vege-
tal, e pertence classe acs tnicos e des-
obstruentes, sendo empregada com vanta-
gem contra as febres intermitientes acom-
panbadas de engorgilamento de ligado e
bago. Ella tem sido applicada com incon-
testavel proveito contra a anemia oh chloro-
se e hydropesia, catarrho da bexiga, e mes-
mo para combater a mcnstruagSo difficil,
resultado da mesma anemia ou chlorose.,
Extracto alcoolico de jurubeba.
Emplastro idem.
Oleo idem.
Tintura idem de idem.
Xarope idem.
Vinho idem de idem.
Pilulas de extracto idem.
Deposito, pharmacia de Pinto, ra larga
do Rosario n. 10.
JURiERA MACHO E FEMEA.:
Debaixo da denominacSodejurubeba
nascem nos sitios arenosos do Brasil dous
arbustos do mesmo genero, mas n3o do
mesmo sexo. Ambos creseem com lindas e
frondosas folhas, ambos produzem bagos
gramneos reunidos a' maneira de cachos de
uvas, pendentes de um pednculo curto. O
primeiro, isto o macho, pouco menor
do que a femea, apenas cresce at .'llura
de um homem, tem folhas menores, nao
muito sinuosas, mas recortadas, com talos
guarnecidos de alguns espinhos.
Nasextremidadesdosramosproduz peque-
as flores como que juntas era forma de nm-
bella.de cor lctea misturada de azul celeste,
as quaes representam exactamente urna es-
trella de cinco anguios e constam de urna
s corla, modelada e como dividida em
outros tantos tringulos, sahindo do centro
cinco estames, ou filamentos, de maneira
que ao longe tomar-se-hia por urna flor de
borragem.
O segundo, mais alto, mais espinhoso,
tem folhas maieres, cobertas de pello pela
parte inferior, elegantemente guarnecidas
de espinhos, recortadas de um verde vivo,
tendo a mesma flor que o macho, porm
mais ntida.
Ambos, em virtude do uso quotidiano da
medicina, sao bastante conhecidos as phar-
macias. Em verdade, suas folhas e sueco
s3o empregados para mitigar, como tempe-
rantes, e curar as feridas e ulceras, e mui-
to favorecem a cura delias. Posto que as
folhas e raizes tenham um sabor amrco co-
mo a chicorea e a fumaria, todava difficil-
mente poderiam ser ciassificadas >-nire as
drogas quentes. Sohresae principalmente
era virtud e eflicacia, e mais amarga a
raiz, com particularidad^ a de macho, que
consta de partes mni tenues. Por certo o
wsimento deste faz despedir a ourina retida
e applica-se muita vez com feliz resultado
contra as obstrueces do ligado e da prsta-
ta em linar das raizes ap per entes. Sua utili-
dade e exceilencia s3o taes, que n3o s pelot
doutos, mas tambem pelo povo rustico
procurada e contemplada entre os remedies
maravilhosos.
Traduzido do tatim de Pisn e Marcarave.o
Francisco Jos Gfermann
A MQ^N. 21,
er urjpnndo e magnifico sor-
etos, binmlos, do nl
gosto da Eoropa e oca
observacfes e,parado
acaba e r
timen todt
ti to e na
los de alc
martimos.
**B-------
Doces
Grande sortimento de doces secos e crytalisa-
folheto que ensina como se deve applicar, e "Js e em calda estrw(frros e nacionass: no ar-
vende-se na loja do Gallo Vigilante,"'
do Crespo
e 60000.
. S roa
a. 7, pero prgo de 40000, 3
--------*
i.
nois
1 '
ma?pm da Lie ro Nava a. 60.
Na roa do ViKno n. 19, vende-se :
Vinhp Muscate era *oeore*as'ilk '
1 Vinhos d Porto de dlve.rstS'if0a1n1a8es engarrafa-
do e em barril.
Cera em velas e priimp.
Lona em pecas e fardos.
Grande sortimento de doea* seceos, cr;italisa<
dos e em calda, etraneiros a oacionaes : no ar-
mazem da Ut* na Vv* n. 60.

TPJ-2JT-
j Vende-se naLivraria Franceza|rua db Cresj n. 9 e ha Botica Pranceza ra Nova n. 18
Vinho do Porto 5eris om caia de
orna OBBS.
Vende-M no eeriptorio de Antonio Luit de
OliHra Aievedo & C, no seu escrioiono roa da
Grn n. 1.________^^___^_^_^__^_
Vende-se vlaho da Bordean! em quartolos
barris e caita* : om casa di Tlsset reres, rna jad
Trapiche n. 9.

Farello no?o.
V-nde se, na roa do Apollo i. 4am saceos Bran-
des ; a 44600, para acabar
Bolacbinha ingtea.
N[> armaiem do Gnmex confrontH a a'bndeta
vsode se a 2*80 e .'t^OOO reis a barrica, da att|!
rea desembarcada.
i

*
?
Vende-se a cafa tnrrea da
11:- tratar na ra do Ringel o. 61.
rna do
?go"


fmtmm
n raiif
Otarlo de ?ei Bambuco ... alada lelra IO de laueiro de 1807.
fe/v c
<
i
A
*
>
i

>
L
.1
i
i
:
V*

t
\
I
Lv
^
Remedias da Di'. J. C. Ayer, ei-lentr
da Uuvenia'ade de Pensylvtiia,
Estades-UBidw.
Extracto composto de salsa-par
rllba de A^er.
^elterarl de eereja.
Remedio para sezftes.
Plalas ea&srticas.
O deposito central para as provineias
Peraambnco, Alagoas, Parahyba e Rio-
Grande do Norte, destes remedios t3o fe-
?oravel mente eonoecidos e acolhidns era
tod as partes da America do Sul e do
Norte, acha-se em casa de Tlieod Chris-
tlaasea, 16 ra do Trapiche es
Pernambtico.
Os precos.de
*3* por duzia de estrado de salsa-parrllha.
S70 por dazia de peitoral de eereja.
275 por dazia de remedio para sezoes.
70 por duzia de pilulas catharticas
se entendem diabelro vista, cob
o descont de 5 por cento em quantidadei
de 6 a 12 duzias, e de 10 por cento em
qnantidades superiores a 12 duzias.
KIV4L si mm\
Ra do <| ucimudo n 49, lo ja de
- miudezas
DE
Jos Bigoamno,
Continua a queimar ludo qoanto tem em sea es-
tabeiecimento.
Sylaharlos coro estampas para meninos a 320 rs.
Memento da roopa de lavar a 100 rs.
Nv.>s eartilhas para meninos a 160 rs.
Duzias de mias muito finas para senhora a 4af00.
Ditas brancas e eraas para homem a 3* e i*.
Agnlhas fraocezes a oalio (papel) a 60 rs.
Pedras de loosa (pepenas) maito tinas a 160 rs.
Pares de sapatos de tranga e tapete a 1*500.
Pecas de fitas de ia de todas as cores a 600 rs.
Grozas de botSes de porcelana pratedos a 160 rs
Dita* de ditos de Wadreperola multo- Bnos l 600
ris.
Gaixas com aloeites Irancezes a 80 rs.
Caixas de'lOO envelopes muilo finos a 600 rs
Pares ds sapatos de 13a-para meninos a 400 rs.
Presos frabcezes de todos os tamanbos (libra) 2i0
ris.
Resma do papel de.pefo braoco liso a 2*.
Frasco com superior tinta a 100 rs.
Grosas de pbosphoros de gaz a 2*200
Pares de botdes de pantio moito bonitos 120
Linhes em carto de 200 jardas a 100.
Caita de superior liuha do gaz com 80 novellos
700 rs.
Calxas de pos de arrx mnito fino a 800 rs.
Fuli-eiras de rata para meninas a 320 rs.
Talheres para meninos a 210 rs.
Caixa com superiores seas para charutosja 20 rs.
Masso com superiores grarooos a 30 rs.
Grosas de pooas de ago muito flaas a 320 rs.
Bonets para meninas a t*.
Pen tes coro costa de metal a 400 rs.
Capachos compridos e redondos a 500 rs.1
Canas com superior papel amigado a 600 rs.
Realejos para menldOs a 100 rs.
'Milita attenc&o
ABArrJ
NA LJA E ARMAZEM
BO
O
ua da Imperatriz n.60
, DE
GAIA i SILV4.
o grande deposito que existe na sua 2#508 e ditos para cobrlr oreenIe a 22300 ia> Vende se filos de linho branca bordados proprk,
tem, para o qoe eonvfdam o respeitavel na toja do Pavo rna da Imperatriz n 60 de Y pm ve8t*? I**0 baralisswio prego do 800 rs. .
i. seus numerosos fregueles a virem s. na, ti Piiva. a | ,v?fa.:. '>ja e armazem do Pavo na ra da Ir*
Novos vestidos Poil de Ch-
vre a 16$)00.
Releja de pava*.
\l GAZ GAZ
Gbegoo ao antigo deposito de Henry Forster &
C, ra do Imperador, um carregamenlo de gaz de
primeira qualidade.o qual se vende em partidas e
a relalho por menos prego do qae en> onir' qual
qoi-r parte.
Algodao daBahia
Vende M em porcao e a retalho : na roa do
Crespo laja da esquina n. 8.
LUVASOElOUVrr
novamente ebegadas, frescas, e bem sortidas|;.~na
loja do Vapor, roa Nova n. 7.
Kival sftm segundo.
Rna do Quelmauo a. 49.
Qnc- acabar com as fazeadas abaix*
mencionadas.
Qneiiam ?ir rer o que bem e baralissimo.
Toalhas de labynotbo com bico, faienda boa a
34500.
Carreteis de liona com 100 jardas a 30 rs.
Gravatas pretas e de^.ee muito finas a 500 rs.
Baraloos franoezes mullo finos a 200 e 320 rs.
Calxas de o'jreias de massa muito novas a 40 rs.
Enfiadores para espartiltio de cordo e fita a 6
ris.
Carretes de liaba Alexandre com 400 jarda9 a 20t
ris.
Desmas de papel almaco muito bom a 2J5O0.
Dra pilos de dito higieoique verde a 1000.
Ditos dilo Mso a 800 rs.
Citas de raaeacar perola a 200 rs.
Silos de baoha muito fina a 200 rs.'
Ranas com 12 frascos de cheiro a 1J e~ H5O0.
Fabooeles muito fiuus a 60, 160, 200 e 320 rs.
Ditos de bolla muito finos a 2i0 e 320 rs.
Frascos com ebeiros morto Anos a 240 e 500 rs.
Caixas para rap com bonitas estampas a 100
Laa para bordar a melhor do mercado (libra)
75000. '
Caixas de palitos a balo a 40 rs.
Miadas de linha froxa para bordar a 20 rs.
Varas de cordo para espartrtho a 20 rs.
Frascos com tinta rtxa muito toa a 240 e 320 n
Ditos de dita preta a melhor que ha a 320 rs.
Duia Dita de dita de cabo preto cravado a 3$.
Varas de franja branca larga a 20 rs.
Pacotas com I saboaetes maleies de superior an-
lidade a 720 rs.
Lapes de creao a melhor qualidade a 20 rs.
Pentes volteados para regacar eabello de raenioai
& O-O.
Bengallas d? canoa com v >lta a 1JS.
Frascos d* macaca' oleo multo fino, a 120 rs.
Abotoadtiras moito Unas para eolletes a 500 rs.
Caixas de linha do gaz prei e de cOres a 800 tt.
Candes de lioha branca e de eres a 20 rs.
Libra de ?ra preta superior a 100 rs.
Cartas d attoetes irancezes com 14 nenies
120 rs. F
Escovas par ato, faienda boa, a 500 rs.
Boioes de cores p3ra vestidos por todos os precov
Ditos pretos de casaca rMuzia) 20 rs.
VEDS-SE
Presootos de flatnbre ja' preparados.
Servia pellada.
vioho gellado.
MantHga geflada.
'Latas cem 3 libras de llngnicas, e figados em
molho morcello?, vlodaf! nltimaraente da'liba.'-
Giros do batatas a' 700 rs.com 1 arroba.
Isto o mais barato qae possivel do armazem
de Guimare? & C, roa da Imperatriz n. 6.
Gal de Lisboa,
Chegada no ultimo oavio, ais barata que em
outra qualquer parte; no dopoito da roa'do Apol-
lo n. 8.
Veade-se
marhmas americanas de serrotes para descarocar
algo-lo ii i rna da Senzalla Novai. 42.
Vendes* ama -mcMln nova de Jacaranda a
Lniz XV, completa : a tratar na ra da Impera-
triz arin-.iem de marcinelrla n. 25 do Sr. Remigio.
de parta.
vendem-se noescriptorio deste DARIO
160 rs.: ra das Crras n. 44.
VfE
nm cabrjolet de qaatro rodas e quatro acentos, em
bom estado, urna mela calessa mnfto boa, forrada
e pintada de novo, ambos coro arrefo, por preco
mtUto batato : n roa da Ponte Velha b. 8.
VndeseeGManna ama parte do sitio Pas-
>dos Res; a tratar com Joaqnlm Zaferino de
Hollanda Cavalcantl, em
Ferreira n. 41.
Olinda ra da Malblat
(ji-auue u beui sortido roiazcni de molhades
ua Kova a. 60
Sabio_ ou n5o sabio, am abillis.-imo freguezes? sahio sim ; e se demoramos tanto
em abrir a caixinba do segredo, foi porque gostamos de sorpreza e das coojectoras. Ab!
Ah 1 Ah 1 como o sahir deu no gto de muita gente de collarinho empinado ebigode re-
torcido ?! Quanta interpretacao tidicula e rtsivel soffreu o nossu pobre sahir1\ Muita
veztivemos frouxo de riso no cantinho do nosso armazem, quando vamos quealguemse
encommodava com essas seis negras letras, que por alguns dias deram umeerto ar de
mysterio a urna das columnas deste venerando Diario i E no entanto nada de mysterio-
so havia, como vedes, no patusco salar! sim; riamos a bom rir; mas anca vimos rir
o cavalleiro da Liga porque
Serio e grav encara as cousas
Deste mundo como sao ;
Verdadeiro, fiel vive
Do commeicio a tradieco !
Pois que o sahir se mostrou qoal vinde admirar freguees, como no armazem
da Liga se opera a mais 'fina liga do bom e barato. Lede e veris a verd^de vinde pois ;
confiamos^em que n5o tereis occasiSo de dizer que o vosso dinheiro foi mal empregado^
nem o vosso bora gosto offeodido. Eis freguezes e.....la vai verso.
Parlona de iniilao
ou gomma de milho branco preparado na America, vende-se 500 rs. a libra, e o cida-
doque comprar dezlibras vende-se-lbe-ba450.
BIS COUTOS INGLEZES
Soda, Mized, Pic-nic, Francy Cruckeuel, Qenn, Osborne, Gala, Arrowrote outras muitas
qualidades a i,J000 a lata com 2 e 3 libras.
R.laxialios percales
em latas de diversos tamaitos 2, 3, 5,8 .ibras cada urna e pelos seguintes precos: SOO.
2.J400 e 30000. *
Bolinho com ameudoas
grande quantidade de cartes, bocetas, caixas Lrradas de chumbo, com as mais ricas qua-
lidades de p5o-de-l, bolos, para champanha, hollinos com araendoas, e outros murtas
que se tornam enfadonho mencionar.
MANTEIGA
manteiga ingieza, primeira qualidade a l#100 a libra, idem ingleza boa a 10000 a libra
860, 600 e400. idem francesa a 640 rs. a libra.
Doces cm calda
doces secos e em calda de todas as qualidades, em frascos, potes, caixas, etc etc: por pro-
cos os mais razoaveis possiveis, amendoas confeitadas libra a.
CAF
caf do Rio iasorte 240 rs a libra, 21 sortea 200rs a libra, 3a sorte a 160 rs a libra,
em arroba se far grande abatimerito.
vieie
vinhos engarrafados de todas as qualidades, rainha Estephania a 3(5(000 a garrafa, Porto
maloiaa 0500 rs. a garrafa, lagrimas do Douro a 10800a garrafa, Pedro V, D. Luiz,
Maria Pia, carcoveilos, bacanaes, boeugi a 10OIJO rs. a garra'a, idem cheres verdadeiro,
20500 a garrafa, idem cherny cordial a 10000 a garrafa, collares e figoira ambos engar-
rafados a 50U rs. a garrafa, idem de Lisboa em pipas, barns, aocoretas e a retalho a 360
e 400 rs. a garrafa, ancoreta com vinho tinto a 20400 a ancoreta.
Bordeaax
vinho Bordeaux de todas as qualidades de 60500 a 250000 rs. a duzia, e en garrafa de
BOO rs. a 20000 rs. Wermuth a 10500 rs. a garrafa Kenoch de-wasser a 20OUO rs. Ab-
symth a 20000 rs. a garrafa.
GAZ
gaz verdadeiro americano a 90200 a lata grande, garantindo-se 27 garrafas, e a 400 rs, a
garrafa.
Cmcjaelada
cerveja gelada em garrafas e Vi garrafas inglezas e franecza. '
Pioco e Alpiste
paineo 100 rs. a libra, alpista 160 ; pa'iaco e alpista misturad 140 rs. a libra:
porcao se far abatimento.
Cb verde e preto.
10000, 10500, 20000, 20200, 2400, 20600, 20800, 3000, e 30200; cha verde de
todas as qualidades, huxim, perola, aljfar etc.,
CBAIROTOS D'HAVANA.
rega'ia britanaica 100 a caixa, londres 120 a caixa, operas, caixa I0|j; e outras mui-
tas marcas que se tornam enfadonhas menciona-las.
CHARUTOS DA BAHA,
imperiaes, exposic5o, normas londrinos, guanabaras, suspiros, delicias, parisiences, ven-
cedores, guerreiros, lyricos, quem fumar saber, para os seguintes precos: 10ooo, 105oo'
20ooo, 205 o, 30ooo, 305oo, 308oo, 40ofio, 402oo, 405oo, 408oo, 50ooo, 505oo, 60ooo,
605oo, 70ooo, e 80000.
Velas Stearinas.
spermacete 64o rs. o parte, velas de carnauba de 6 por libra, 36o jrs. de 14 em
libra, 44o rs. em porcio se far abatimento.
GENEBRA anhlo ou victoria 72o rs. o frasco.
oenebra de hollanda em frascos 86o rs. o frasco.
CERVEJft-T-E BSS,
cerveja bass e tenehte e de todas as qualdiades, as quaes se vendem mais razoavel, como
seja 5oo 6oo e 7oo rs. e em duzia fez-se-ha grande abatimento.
Arroz da India,
lio rs. cada libra, emporio se far grande abtimnte.
SABO E SABONETES.
sab2o branco com velas cor de rozfc, idem branco com veias zoes, sabonetes de urna Fibra
cada um, sSo os sabonetes mais econmicos que tem vindo ao mercado 5oo rs. a libra.
Saga' e fleradlaba.
sag' muito novo i 24o rs. a Ifbra, cevadlntra multo nova 416o rs. libra.
cevada muito nova 12o rs. a libra.
GOMMA DEENCOMMAR lOrS. a lbUl.
CEBLAS grandes e novas i 10ooo o molbo.
Latas com conservas.
latas com ervilhas portuguezas e fraacezas, latas com carnes preparadas, passarinhos aai.
zados em latas, e salame em latas.
Doce de goiaba.
ha constantemente um grande deposito de doce de goiaba em caixes de todos os Umanhos.
Co(*8, copes,
copos crystalisados, ditos lisos, ditos de cores, a 40ooo e 405w \ doria.
GARRAFAS DE CRYSTAL.
garrafas de crystal de formatos do ultimo gosto.
AMEIXAS.
ameixas em .latas, em bocetas e frascos.
Quevjos Queijos.
queijos flamengos do penltimo vapor 20ooo, ditos do ultimo ......
os aiS a22* qam M Bm "l0 mo "**am
n0 ? ,mPrl!"He esubelecimenlo vender
l,oT, iS m P^^08 molt "*" fruta do
dXKmT C0B, fiD t(nnm *"**" e
lo)a e armazea
publico e os,
como"! t'?*y***' "'"" ProP^M Prk"Tnt
eomo ae prtmelra-Bee^ssidade, e coovidam as pes-
TrUae m*010 em Pequea escala qoe n'esle
SSmL e,slai,el,ec"Deilo encontraro um avoltado
ZlZ? S, mes arma eos mglezes ganhando se apenas o descomo
nm lh"M fa,e,,8t,s a-u nosiras mediante
Ti. 0U manrtam se levar em casadas ex-
do PavoS,maS *"* "Ue ^ p0dereni T a S
Caalbralas Usas do Pavo a 30500,
v 40000 c 40500.
camhnrlf,"Se. Dm KrsDde sorHieBio das melhores
Cambraias Iransjwremes, teodo 8 varas e meia ca-
cS'cf?'mM slm*' pefa ; d,Ms e *
a2 uLl m 9.vLaras cad* W' leut,3 a de vara
rte largara a 6^000. 73000, 8^000 e J0SO00 ; ditas
V.e cria a 6*000, 7*000 e 8*000 ; ditaTlarp's om
8 palmos de largara a 1*000 e 1*280 a vara, sen-
preciso apenas 4 varas para vestidos, atienden
r??ara'; d"as p,ri orro n,0,, eneorpadas
I**? i a pefa : Da ,pJa e armazem do Pavao na
rLImt,eratm n-'eo, de Gama & Silva.
Para cama denoivas vende o Pavao
Vendem-M) ricos conloados bordados e adamas-
cados proprlos para camas e janellas pelos baratos
Krf r ade 84' ,0*000' "* 20*000 e *WM i *
perior damasco de la eofeuado h imitaco de seda
Proprio para colcnas a 2*300 o corado ricas col-
il'tr^ Cr pe, baratisfimo preco de 10*000'e
12*000 : mo n hja e armazem do PavSo na raa
Oa Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
As melpomenes do PavSo a 20500
Vende se superiores corles de melpomenee, sen-
ao zeDda iransprente e muito bonita, tendo mol-
tos padrSes rozos com 7 varase metas caa corte
pelo baratissimo prfeo de 2*500 ; isto para acabar
n 5? j aazeD a P"*o na ra da Imperatriz
n. 60, de Gama Silva.
Grande pechincha em chapeos a 500 rs.
Vende.se chapeos de palba a mitaeao de mani-
ina propno, para bomens pelo barat.ssimo preco de
'/' ^ada um ; lst0 P"a acbar "a loja e arma-
zem do Pavo na ra da Imperatriz n. 10, de Gama
fe Silva. '
Baldes baratos
Vende o Pavlo.
Cbegoo om grande sor ti meato de balees de ar
eos sendo americanos que sao os melhores e vea-
dem-ae polo baratissimo preco de 2*000, 3* e
3*000: aa loja to Pavao tu roa da Imperairit n.
00, de Gama & Silva!
A 100 rs. para lato, vende o
Pavo.
Veodem-se lazinhas arelas proprias para lato
Plo baratissimo
Yestidinhos para meninas
Vendem se elegantes vendinos para menina.
preco de 2:5C0, di, de gorgu.*, de seda a 3*000
Chales de merino
Vendem se Strissimos chales de mrin lisos, di
diversa cores, ledo as franjas de seda a 4*000
tendo com as franjas de la a 3*500 rs, ditose!
tampados moito flnos a 5*500, 6*000 e 7*000 d.
.prego de 100 rs. o covado: na "s de erpon cem listas de sedas 8,5(00, ditc
l* nein do Pavio roa da Imperairiz n. 0, a,*.ord0,ri0i Pa awtbar -a 2*000 e 2*500 : b
roa da Imperatriz
ae Gama A Silva.
Crochs
Para cadeiras
Para sofs -
Para camas
Para presentes.
loja e armazem do Pavao na
60, de Gama 4 Silva.
Sedinbas de lisias a 400 rs.
Vende-se bonitas sedinbas ?e listas proprias pan
vestidos com largar de enfu Migleza rolo barate
preco de 400 rs. o covado : na loja e armazem >
rho ; a,v0 ru da loiperatrim n. 60 de Gama 6
Lhegaram os mais ricos pannos bordados a ero- i Sllva-
veLK'simnt uTs dft cad"iras que ^!Filos bordados a 800 rs. a val na lojad
veacem a 2*500 e 3*, ditos para encasto de sof -
#, ditos proprios para cobrir almofadas
Pavo.
perairiz n. 60 d- Gama & Silva.
Pannos de linho.
i l?de"se OPerior pacoos de linho proprio par;
loucofs, toalhas e seroulas etc., peles baratsimos
preces de 640, 700 a 800 rs. a vara : bramante d.
D!, '*rMDd,J ,nleiratDei"e oo aereado, ten- tem doVavSo na roa di iSairi 60 V* fli
do esta fazenda bastante lustre com os mais deli- ma & Silva. laperairiz n. 60, de G
cados goitos tanto ra listras como em flores solas
e vendem-se pelo baratissimo preco de 16*000
tendo cada corle 18 covados, isto na loja e arma-
zem do pavo na roa da Imperatriz n.60, de Gama
silva.
Para senhoras
Gasaqulabas a 200000
Vendem-se as mais modernas Casaquinhas ou
basqonas de seda preta, muito bem enfeitadas, as
mais modernas qoe tem vindo ao mercado e pelo
baratissimo preco de 20* rada orna na loja e ar- ,v.etUem bolloas Pretas com Jaco para senhora
MIMOi do Pavo roa da Irrperatrz n. 60, de Ga- ru,? par'
ma A Silva. I .D,tos Para menino a
Cambraias brancas de cordlo a 80SOO.
tnegaram as mais delicadas can,braias !,ranca'
de cordo com delicadas listas transweDtes .
^eademse pelo baralissimo preco de 8*300 a r*
! ca na loja e arroaztm do Pavo na ra da Impr
ratnz n.60, Je Gama A Silva.
Na praca da Ier^iiieiicfa
toja de Arantes Lyra.
em
Pechincha cm madapofes na loja do PavSo.
Vendem se superiores pecas de medapolo fino
com 24 jardas pelo baralissimo preco de 12*000,
dittb ue 8*000, .iuas de 7*000, ditas 6*500, garan-
itndo-ge tertm toda> 20 varas, sendo muito boa fa-
caosa para os precos cima mencionados, que se
ceetem mis tralo que m oulra qoalquer parle;
ero-so na l.ja e argrtiem do Pavao na ra 4a Im-
eratriz n. 60, de Gama & Silva.
Camisinhas para senhora a 40000 e 50000.
Vendem-se flnissimas oamisinhas com manguitos,
sendo os mais modernos qoe ueste genero lem vin-
? l0*nrcs60 em can,,,raia Pf lo baratissimo preco
de 5*000 : d;i loja e armazem do Pavao oa ra da
Imperatriz a. 60. de Gama & Silva.
Gorpinfios para senhor a 50, 80 e 100.
Chegaram os mais delicados corpinbos de cam-
braia Iransprente, sendo ricamente t-nfenados e
Veinm^e pelos baraS!simos pregos de 5*000, 8*
e 10*(00; ditos d< grosdinaples prelo, sendo fa-
zeoda moito superior pelo barato prec> de 8*000 ;
isio na loja e armaiem do Pavao na ra da Impe-
triz n. 60, de Gama & Silva.
Grande pechincha em chitas.
Vende-se um grande sorliroento de chitas esco-
qca8 a;^res ffao b e 400 rs., sendo ci m os padroes mais bonitos
que tem vindo ao mercado com listas e flores etc..
etc.; garanhodo-se serem cores fichas : na loja e
armazem do Pavo na roa da Imperatriz n 60, de
Gama & Silva.
Silezias para senhoras na loja do Pavao.
- Vende se esta nova fazenda, sendo silezia ondea-
da propria para saias pelo baratissimo prego de
440 rs. a vara, e comprando se pega vende-se a
400 rs.; isto Da I-ja e armazem do Pavao na ra
da Imperatriz o. 60, de Gama d Silva.
As saias do Pavo
Vendem se.ricas saias bordadas com 4 pannos
pelos baratissimos pregos de 6*000 e 7*000. assim
como fazenda em pega com pregas proprias para o
mesmo fim a la200 a vara : na loja e aruiizein do
Pavona roa da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Lencos de seda
Vendem se superiores lengos de seda pelo bara-
tissimo prego de IjjOOO cada nm, ditos de acento
branco, padrrjes miudinbos fazenda rouilo floa a
IJ>600 ; na loja e armazem do Pavo na roa da Im-
pefairiz n. 60, de Gama & Sirva.
Aloalhado
Vende-se superior aloalhado de algodo trancado
com 8 palmos de largura a 1*600 a vara, dito ada-
mascado mnto superior a 1*800, dito de linho mui-
lo boa fazenda a 298OO a vara, goardanapos econ-
micos por serem de linho pardo a 3*000 a dozia,
ditos alvos muilo boa faienda a 4*000 a duzia : oa
loja e armazem do PavSo na ra da Imperatriz n.
!60, de Gama & Silva.
Barages a 400 rs. na loja do Pavo
Vende-se bonitas bareges transparentes cem pal-
minhas, ditas lustrosas, fazenda muito booi a pelo
barato prego de 400 rs, bonitas lsiahas de qua
dnnbos e de flores a 400, 320 e 240 rs., ludo pe-
chincha na loja e armazem do Pavo na ra da
Imperatriz n. 60, de'Gama & Silva.
Sedas aovas
Na loja do PavSo.
Chegaram as mais medernas sedas com ristras
para vestvos, sendo con as ores mais moderna.
qoe tem vindo ao mercado,assim como grosdeaa-
ples de diflerentes cores como sejam c6r de rosa.
azol, roza, cor de cal, cor de lirio etc, etc.
vendem-se per prego moito em conla na loja *
armawm do Pavo na ra da Imperatriz b. 60, de
Gama & Silva.
Crinolinas a 30600, 40000 e 40500.
Cbegaram para a loja do Pavo as mais moder-
nas crinolinas 00 baldes verdaderamente ameri-
canos, qne sao es mais bem armados e mais leves
qoe tem viado, sendo cem o formato mais moder-
no que actualmenie se usa e vendem-se peles se-
guintes precos: sendo com 20 reos por 3*500,
ditos com 25 arcos por 4*000, dilos com 35 arces
a 4*500: isto s na loja e armazem do Pavao na
rna da imperatrn n. 60 de Gama & Silva.
Sedas largas na loja do Pavao.
Chegaram as mais bonitas sedas de cores com 4
palmos de largura, sendo com as cores e desenbos
mais brillantes que tem vindo, racimando fazer-se
nm vestido com poucos covados em atiengio a lar-
gura, e venae-se pelo barato prec ode 2*000 o co-
vado : na loja e armaiem do Pavao na roa da Im-
pertriz n. 60 de Gama & Silva.
Oscbales do pavo a 2aoo e 25t rs.
Veodem-se chales de merino estampados a 2*
e 2*500 cada am.
Ditos de merm liso a 3*500.
Ditos estampados de crepon a 6*, 7*, e 8*060.
Dito? preass1 bordados com frinja de seda1 a 14*.
Na M e armaiem do Pavio oa rea da Impera-
tn'z n. 60 de Gama & Silva.
Lencos brancos a 20( 00,30000 e 40000.
Vend >e om bonito sortimento de lencos de cam-
brata bfhca'llsbs petos baratfssftnos precosfle !*,
3*000 e 4*080 a Sulla : na loja e armazem do
Pavo oa rotada Knoerairk o. 60, de Gama &
Silva.
Medina 240000
Chegaram os mais ricos corles de vestidos trans-
parentes d'es nota fazenda intltnlada medida com
delicadas patotas e betoefl de seda, sendo fazeoda
propria p. ra vestidos de assiatlr a baile oo casa-
ra en tos, teodo cada um corte 18 cavados e vendem-
se por 20*000; nicamente na loja e armaietn do
Pavio na roa da Imperatriz n. 60 de Gutoa &
Silva.
Alpacas lisas
0U. mais ha0 ?or"mento de alpacas de
urna s cor, preprias para vestidos, e vendem-se
por pregos em conla : na loja e armazem do Pa-
vao, rna da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os espartilho8 do PavSo.
Vendem-se urna grande e variado sortimento de
espartilbos dos mais hem feitos que tem 'viudo ao
mercado, sendo de todos os tamanbos, vendendo-se
por nm prego moito razoavel : isio na loja do Pa-
Jona roa da Imperatriz n. 60. de Gama & Silva.
Grande perfiladla essi toalhas
para nso.
Vendem-se superiores toalhas de llnbo proprias
P"a mao Pelo baratissimo prego de 560 rs.. ditas
a o40 rs ditas a imitagao das felpudas a 800 r$.,
ditas fe pedas a 1* : pecbincha na loja e arma-
zem do Pavao na ra da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
Anadine a 81
aa loja do PavSo
Cbegeram os mais lodos corles desta nova fa-
zenda, sendo transparente com bonitas palmas, e
SI
vende se pelo baratissimo prego de 8* : na loja
armazem do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Ponhos egonnhas a i, 10280 e i60G.
Chegaram os mais modernos pnnbos com goli
nhas sendo de esgui de linho ricamente borde-
aos tanto brancos como de cores e vendem-se pelos
baralissimos pregos de 1*, 1*280 e 1*600, por ba
ver grande porgo, graode pechincha : na loj
e armazem do Pavo ra da Imperatriz n. 60. di
Gama & Silva.
Para bapti-ados.
Vende-se eJeganies vestuarios bordados par.,
m&- .P. baraliS'roos precos de I8*00u
20*000 e SOOO: oa loja e armazem do Pavo na
ra da Imperairiz n. 60 de Gama &^M*I.
Bailados bordados na loja do PavSo
Vendem-se babadinh.js bordados com 2 varas
pelo barato prego de 1*000, entremeios tapados
transparentes, tendo 3 varas cada pega a 1*000:
loia e armazem de Pavao na ra da Imperatri
60, de baroa & Silva.
Cambraias de cores
Vende se um bonilo sortinienlo de camoraias de
S?8 VOS ves,idos Pelos baratissimos pregos de
, e JoO rs. o covado. ditas a voluntarios da pa-
tria a 800 rs. a vara, ditas listadas a 640 e 700 rs.
a vara pechincha na loja e armazem do Pavao
na ra da Imperatriz n. 60, de Gama 4 Silva.
Cassa de urna cor s
Vende-se bonitas oassas de urna cor s cora uro
pequeo toque de mofo pelo baratissimo prego de 240
rs. o covado ; para acabar na loja e armazem do
Pavao na roa da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva. **
Chales de renda e retondas
Vende se nm graode sortimento de chales de
renda e retondas, sendo as mais modernas que lem
vindo ?o mercado e vendem-se mais barato qoe
em oulra qualquer paite : i.to na loja e armazem
oo Pavao na ra da Imporairiz o. 60, de Gama &
Retalhos baratos
Vende-se porgo de retalhos de chita, lias, cas-
sas. e chitas pretas por prego barato : oa loja e ar-
ma zem do Pavao na roa da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Cdcas brancas
Vende se nm grande fortimento de caigas de
brim branco de linho trangado pelos baratissimos
pregos de 3*500, 4*500 e 5*000, assim com-. om
grande sortimento de palitois de panno preto fino,
sobrecasacos e saceos forrados de seda, dilos de ca-
simira, sobrecasacos, saceos e fraques, dilos de me-
rino e caigas de casimira de cor e de todas as qoa-
lidades, assim como um grande sortimento de col-
leites de todas as azendas vendendo-se tudo por
pregos moito baratos : na loja e armazem do Pa-
vo na roa da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Alpacas hrilhantes a 640 rs.
Chegaram as mais lindas alpacas enfestadas com
3 e nido palmos de largura com os mais delicado1
desenbos tanto de Humana eomo de lislinhas as-
seotadas oas mais delicadas cores como sejam ly-
rio, smenlo cor de carop, solferino e vend*m-Fe
pelo baratissimo prego de 640 rs. o covado ; oci-
camente na loja e armazem do Pavo na ra da
Imperatriz o. 60, de Gama & Silva.
Pechincha para a festa na loja do PavSo.
Vestid-os.
Vestidos..'
Vestidos.
A 8000
Vendem-se om bonito sortimento dos mais lindos
vestidos com barras de seda, trazendo os comee
lentes enfeites para o corpo, sendo nesle artigo o
mais moderno qoe lem vindo ao mercado, e ven-
dem se pelo baralissimo preco de 8*000 cada nm,
ditos de cambraia branca com barras bordadas a
5*000 e 6*000 ; na loja e armazem do Pavo aa
roa da Imperatriz o. 60, de Gama & Sllva.
Cortes a 30000 s o PavSo
Vendem se os ieais lindos cortas de cassas de
eores com Os deseubos mais moderaos vledo cala'
um em seo papel e garantindo-se lerem 7 varas ca-
da nm pelo baratissimo progo de 3*000 ; na loja e
armazem do Pavo da rna da Imperatriz n. 60, de
Gama (Silva.
Casaqoinhos en "rasquias oa loja do PavSo
a 2-T^OtiO, 8H0OO0 e 350000.
Cbegaram os mais ricos oo moderaos casaqof-
nbos oo vasqumas de grosdinaples preto ricamente
enfeilados, sendo dos feltiqs mais modernos e ele-
gantes qne ltimamente chegaram e vendem-se pe-
los baratos pregas de 253)000,30*800 O 35*080; aa
loja e arasaaeai do Patio oa roa da Imperatm a. 80,
de Gama Silva.
Para bailes a 350000. ^
Cbegaram os mais ricos corles de vestidos de fil
tranco primorosamente bordados e enfeiadfis de
cor, sendo timbera proprios para casamentes e
vendem-se pelos baratos preces de 35*000
3*.________________
Livros em branco de Ham-
bur#
\ ende-se na livraria Enciclopdica de J B. de
Mello : na roa da Cruz n. 52 completo sortimento
e por pnegos moito commodes.
JOJRMAIIX
poar 1867.
Agence d'Abonorments i tous jonroaux il'Eu-
rope. Distribution gratuito de spcimens c-t cata-
logues.
BUE DE CBESPO N. 9
Libra Irle Francaise.
xauopb"
peitoral e dalcificanU
se
SAINT GEORGES
Prepiraio per
umxAt'i.T e c1"
ph4rcuticos i 8. A. L
e principe Napoleio
Cara rpida de iaa
molestias seguentes:
tone, catarrhos, pleu-
resa, coqueluche, an-
ginas, fortes constipo-
coss, irritacues dot
roncho* e do peito.
bronchite,phH*ica pul-
monar, anima, pncu-
monia,anginas,amy dalites, tossechronica,
rouquulo. Os mdicos recommendao ao'inesmc
lempo o uso das eacellentes pastilhas peito-
raes oom o suooo d'alfaoo o lanredro-
;re}o, qaa ae prepario do mesmo esubele-
HpaBBaa.
A venda as pharmacias' de Maurer e A
Caors.
Mathues Austin & 0.
Vendem do seu armasen, roa
da Senzala-Velba n 106.
Latas com gaz de primeira qual-dade.
Barricas com farinba de milho muito
nova.
Saceos grandes com farelo novo a 40.
Barris com pregos americanos.
Kap Paulo CordeiroT"
A loja de miodezas a' ra do Queimarin n. 16,
reerbeu nova remessa de rap Paulo Cordeiro, e
conliuua a recebe-lo por lodos os vapore, para
que os apreciadores aehem sempre boa pilada.
Vende se ensarnis de lonro a qualidade por
prego commodo : no caes do Bamos d. 24.
Eseravos fgidos
*%*^*g
Muita attenco
Na noite de 23 de selembro prximo passado,
fugio do engenho Bento Velbo em Sanio Antao
escravo Eduardo, crioulo, qoe representa ter ti
a non;, bom offlcial de carploa, bem ladino e fal-
lante, falla brando e insinuante, cor lula, baixo e
espadando, pernas Anas, ps limpos, dedos dos ps
curios o quasi e iguaes, tem falta de um dente oa
fente, sabio de palilot pardo debruadod tita bran-
ca, chapeo de baela sinseola, rede, b&ela e fardo de
mais roupa. lia bem de suppor que como carpina
esteja passando por forro em qualquer parte : ro-
ga se, pois, as autoridades puliciaes desta e das ou-
iras provincias toda vigilancia, e promelte-se t
qaalqoer que o capturar e conduzir ao referida en-
genho gneros recompensa.
-*
Anseoton-se a preta Joanna, da Angola, de Ida-
de de 40 annos ponco mais en menos, no da 19
dedezembro de 1866, levou vestido encarnado e
om chales rozo e branco com flores encarnadas
com franjas, levou um caneco de carregar agua
peqneno branco e esta amassado no meio, j foi
concertado, baia e seca do corpo, tem eoveiras
nos ps ao pe dos dedos nao certifica se sio em
tedos dons, quando falla sarapantada as vezes,
julga-se estar nes arrabaldes desta cidade on den-
tro, protesia-se contra qualquer pessoa que a te-
nha se ibe pasara' o seo trabalbo generosamente ie
largo do Terco o. 83._________^^_
itlenco
Foglo do engenbo Santo; Mendes em a noote de
da 30 de setembro do anno prximo passado, a
escrava Josepba, pertencenie a Laorentino Gomes
da Caoba Perelra Bellrao, a qaal tem os signaes
segointes : alta, corpulenta, car fala, muilo ladina,
erioula, disposta para qualqner servieo, ps gran-
des, teodo de Idade 30 annos; esta escrava velo
do logar denominado Carrapato da comarca de
Limoeiro, para o poder do fiMecido Jos Genveia
LtitP, qoe a venden -ao Sr. Adelino da Costa Vil-
lar, e este ao acloal senhor della. De orna das
fogidas que tem feito, foi presa no Limoeiro. Da-
se I00*OC0 a quem aprehender e levar oo enge-
nbo Santos Mendes, onde aaora seo senhor, on na
praca do ccmmercio, aos Srs. Otiveira Filhos &
C, largo do Corpo Santo n. 19 escripiorlo. Pro-
teta-se responsabilisar a qnem qner qoe a acn-
ment; na loja e armazem do Pavo na roa da Im- -^No da 29 de desembro findo asen-
peratrlz n. 60, de Gama & Silva: tOO-se a preta Bonifacia erioula, de 48 an-
Lncs bordados, al 0000 e 10r5OO na fja do ^ de idade, baixa e d pescoco corto;
_ pav2o- levou vestido de chita escora de qnadrinhos
om ; loja e armaiem do Pavita aa rna da Impera
iriz n. 60, de Gama & Silva.
As varages do'Pavo.
Vende-se as mais bonitas vareges com listas de
seda a imitagao de poil decbvre pele baratissimo
prego de 800 ts. o covado: ba toja artoatm do
Pavio na rna da ImperMriz n. 60 de Gama &
Silva.
*
tem de costume ausentar-se para andar ten-
deudo fructas pelos Afogados, e outras por
Olinda.
Roga-se pois s autoridades policiaes e
capitaes de campo, sua apprehensSo e levem
na Capunga poito do LaCerr, casa de porfito
verde, do lado direito, que ser gratificado.



1


S-

- -^ Nafa* l^tiMIMM
z:
*sse ""'
w
Otario de Jrrn mbnco Quinta felra O de Janeiro de 18b7





LITTERATRA.
LM PODCO DE TCDO.
n > Jornal de Lis'xia ce piamos o seguate :
R-cebemos a earu que abaixo publicamos, do
St. Virisfirao Alvos Pereira, bao con a curiosa e
ssaote descrlpco que a acoaipanh de um
relogio inventado por este eavalhsiro, o qua!
1 .noraiuuu Relogio univertal para indicar a$ ho-
ras os minutos em lodo o mundo.
Chamamos a ailencjio d publico para o ti-
lsimo invento do Sr. Alvo i Pereira cujo talento o
nabihdade em tal g.;,. d 5 trabafpos se aebam ja
< chnberanteraeole deiui.ustrados. E' invento de
Pereira o melhor mala siogeo contador d'a-
gua, que al agora Uto aparecido, e do qual ja
:iqui dmlBVnoticia.
ermitia rae V. $., 3r. redactor, que tomando
\ iherdade de offerecer-lbe a ai'juut pbotografjhia
de um relogio universal de que ba mu pouecs das
uMive privilegio de inveajie em Franga, eu la-
vi urna discrlpco delle pelo sea acreditado jur-
ii i.
< Pela grandeza do meu retrato, era corpo in-
teiro, que se acha junto ao mesmo relogio, poder
V. S. avahar as sa^s dlmooses, que sao de 2" e 28
de altura.
< E' u mesmo relogio montado em urna caixa de
pao preto em forma de pedestal, com duas portas
dos lados cpposlos.
< columna que representa o mundo, forma-
da ;^5 nm plano espberico collado nos 180" de lat-
Iilude, que coinciden] exactamente com os 180 de
iongilnde, cujo dimetro de 34 centmetros.
< Afta de tornar a columba per.;ilameote cy-
hndrica entra ella na sua base (que se supe ser
> ;>lo do sul) em um circulo bem torneade, c no
alto, uu polo do norte em outro circulo numerado
do 10 em 10.
f Dentro de um encaiie do mesmo circulo, mas
sem Ihe locar, move-se borisontalmente, sobre rol-
danas, o mostrador do relogio, do dimetro da co
.:maa, fazeodo o sen gyro em i't horas.
O mostrador dividida em lii partes, ou mi-
nuto?, que lem as 24 horas e que sao indicadas
por caracteres romanes dourados; das 6 horas da
manba as 6 da tarde, e das 6 da tarde as 6 da
raaottaa por caracteres pretos.
< E' raisler remata o relogio dtscripto c;m ele
gaucia e propriedade, e a esta pergunta respondeu-
me o pensamento expresso na photographia, com a
.'.Regona do Tempo (Salur") em urna posic.o flxa,
mas anda com as azas abertas, e como que pousou
ao meridiano do lugar onde o relogio tem de servir
onde i'iica a hora cora o pooteiro que tem na mo
.reiia, e como que advlrlrado-nos que as horas e
05 minutos passam e que o tempo va e por isso
devenios aproveitar nos dalle que, assim como du-
ra e amaJurece, tambem de-tre e aniquilla pelu
aro seu emblemaa fouce, que tem empunbada
na mo esquerda.
O relogio' i-.'od i corda para 8 das, e podendo
bater as horas e as meias horas, ou qaartos em
grande cmpanhia, bastante simples para todos
os eAfelios que produz, nao sendo inferior no rega-
lamento as boas pndulas.
n Cobre o urna mu grande redorna de 136 cen-
tmetros de altura e 35 de dimetro, a qual nao
mister tirar para o acertar, ou dar Ihe corda o que
se pratica abrindo as portas do pedestal e fazeodo
engrenar um carrete com urna roda ligada ao cy-
llndro em que se envolve a corda que eleva o. pe
so al a machina que Qea na altura do mostrador.
E pelo faci de fecharle a porta] se desengrena o
carrete da roda.
i Partindodo metidiauo de Paris para o oriente
entura em mu diferentes lattitudes e n'ura ou
u'outro hemispherio e indo terminar no mesmo me-
ridiano, pelo tecidente.
< Quando era Taris fdr meio da, serao era Ai-
gei mais 3' ou 12 b. e 3'; em Bruxellas 12 b. e 7*;
Marsella 12 h. e 12'; Roma 12 b. e. 37'; Berlim
12 o. e-4i'; S. Paulo de Loaoda e S. Felippe de
lieoguella 12 b. e 45'; Vienna 12 b. e3z'; Cons-
tancia do Cabo da Boa E^peranca i h. e 6' ; Cons-
tantiunpla 1 n. e 43" ; *>. Petersburgo 1 h. e 49' ;
Cairo i i). -' 55': Suez 2 h. Siope e Sofala 2 b. e
21' ; Adeu e canal de Mozambique 3 b.; Golfo
Prsico e Oroiuz 3 n. e 34'; Gaa 4 h. e.26'; Ma-
drasta 5 h. e 13'; Catgut 5 1. e 45' ; Malaca 6 h.
e 40' da tarde ; Maco 7 h. e 23'; Pekn e Alba-
ny na Australia 7 b. e 28'; Melbouzee 9 h. e 27'
Sydney 9 h. e 56'. Os archipelagos das ilhas Ma-
nannas e do Japao, no polo do norle e da Nova
Zelandia no polo do sul das 10 h. a roela nolte ;
cabo oriental da Azia no Estrello de Behring 12 h.
e 35' ; cabo occidental da America rassiaoa, froo-
teiro ao mesmo cabo da Azia 12 h. e 47' ; S. Frao
cisco da California 3 h. e 40'; Isibmo de Paoama,
Richmond, New Yorck e Washington 6 h. e 30' a
6 h. e 35'; Quito 6 b. e 40'; Valparaizo 7 h. e
3' ; cabo d'Horn 7 h. e 20' ; BnenosAyres e Ter-
ra N va, ende se taocou o cabo submarino para
Inglaterra 7 h. e 57' Montevideo 8 h. e T ; Rio
de Jinelro9 h. el'* Peroamouco 9 b. e3 S.
Tbiago de Cabo Verde 10 b. e 10'; ilha da Madel-
ra 16 h. e 45'; Lisboa 11 b. e 13\; Madrid 11 h.
e 43'; Londres 11 h. e 48' ; Pars, d'onde parti
meio dia.
c Sao estes, Sr. redactor, em resumo, os lugares
que em volu do globo, roe parece conveniente men-
cionar, na impossibilidade de poder fart-lo de mi-
niares de outros, indicados no Piano-Espherico, to
curioso, nao s pela historia que contm, de tanta
gloria para os portngaezes, por serem os primeiros
descubridores, tomo pela fda que podemos fazer
do mundo e da eireamnavegaco em volta delle,
FOLHETIM
POR
Jules de Saint-Flix.
SEGUNDA PART.
X
(Contra nado)
O carcter eas ideas do patrio, modificaran)-
se extraordinariamente, prosegu i Marcotte. Hou-
ve -mpo^ue ci vai lonce, em que t-.ria reque-
rido ordem de priso contra quera Ihe devesse
50ft francos. Mas Toltercos i adoravel Luy que
tao grande revolacio prodazio no eerebro do nos-
so banqoeiro.
Replto-lbe que nem de leve me importa a tal
Lncy. Porque lado imagina que nos poderia ser
til essa criaDca? A verdade 6 que fogfo, e
est prov.velmente comendo o dinheiro qae ib
resta em companbla do amante.
Ejgaua-.se, responden Marcotte cora sequl-
do. Nao conbece aquella generosa crianza. Lucy
a nobreta de carcter e a virtude em pessoa.
Afflgura-se me qae esli boje sojeito a visdes,
amigo Marcotte. Ser posslvel qae ara hornera ei-
perlente, como osenhor, desga s pnailldades da
infancia, a ponto de qaerer qae ama rapariga lio
linda como Lncy, se prive de adoradores I
O qne posso afflancar-lhe que a menina
Lncy ama pa-ola, tanto pela belleza como pela
pureza, e qne aquelle qae casar com ella lera um
verdadeiro thesoaro.
e por tanto, qae sendo ara relogio de estnJo ao
mesmo tempo segundo rae parece, urna linda peja
de-ornato, por isso qae se pode combinar o til
com o agradavel.
Estando en ja' tratando da socledade com urna
casa de confianza de Parts, para a explorarlo do
mesmo privilegio, persnado-me que ero breves me-
zes poderei Tazer ver aos taens considadaos alguns
semtdhaotes relogio, execatados com aquelle pri-
mor de que os Francezes sao capazes e cojo pre(o
em Pars, creto nao virera a exceder1 de 650 fran-
cos ou 12000 e pelo que desde ja' poderei en-
carregar-rae de qnalquer eocommenda, podendo o
publico examinar a photographia as relojaarlas
de Mr. Girod cu Plantier, ra do (Juro.Virtsstmo
Alve Pereira.
O Correto dos Estados-Unidos conla noi segain-
tes termos a scena verdadeiramenle americana
provocada pela presenta e pelaa palavras do ge-
neral Bnller, beroe do ultra radicalismo, tomaudo
parte em um meeting eleitoral em Nova-York :
Logo que appareceo o Sr. Batler, rebenloa na
1 mnltidao ama tormenta da berros e assobios*. Ou-
via-se gritar: Tenham cutdado com os bolsos 1
Ladro I Pcnbam-n'o fra da porta I A confusao
| era de tal ordem que a polica teve de operar
. urnas vinte capturas, mas sem abonanzar o turaul-
: to. Por ffm, o general, esforgando a voz, come$ou
n'estos termos ;;
i Coocidadaos, a lucia que vai abrir se... (Gri-
tos : Cuidado com as algibeiras 1 ) Os que tm
procurado pela forca e pela fraude derribar o go-
verno e governar o paiz... ( Rugidos, clamores,
bater de ps.)
t Urna vox : Nao Ihe d cuidado, general ;
nao falla quem tenha o olbo n'elles, e ha de baver
aigumas cabecas quebradas.
t O general Dizia eu que a questo a sxver
era saber se os bomens que tm procurado derri-
bar o goveroo pela forca e pela fraude averigua-
ran) os seis gloriosos deslinos... ( Gritarla norri-
vel. O orador tira um palito do bolso e limpa os
dntfft.) Quando a guerra acabou, quando so ren-
deu o ultimo rebelde do sal... (N'este ponto o ge-
neral recebe orna grande magia n.esico no meio
da barriga. Esfrega o abdomen com ama mo, e
com a outra apanba ama magia e come-a. Espan-
toso rebolifo qne dura pelo menos cinco mnalos.
Berros medonhos quando o general atira o caroco
da magia ao meio da mullido. Vivas ao Sr. Hof-
fman.) Restabelecido am pouco o socego, o gene-
ral contina :
Recordme de quaoto essa gente ora raais so-
cegada em 1864, qaando em lugar de nm traidor
tinha um verdadeiro patriota a presidir ao goveroo
(Rumores. Ladrio de pratas I Viva Hoffmao I ) O
que vocds querem cancar-rae ( Novos berros.
Tumulto indescriptiel. Um desconbecido p5e-se
a discorrer do alto das escadas da casa da cmara
coaita os radicaes, e calorosamente applautido.)
t O general assema-se, e o Sr. Walbridge toma
a palavra. No meu do sea discurso circulam pela
mullido cartazes democrticos, qae alguns levam
i' cara do general. A polica fax mais urna duzie
de prisoej, e o general ata o fio do seu discurso
q je cem ve zes iuteriompido.- As passsgens raai
notavefs sao as segrales :
t Se ba boas argumentos em favor do governo
desptico e contra a'dorainago da maioria, sao as
icenas cima esta. Em ova-York goveroa a de-
vassidao. (Urna voz : O senbor que um tra-
tante, i .V; sao senao ladrdes organisados, rapi
nantes systeiuaticos que teem os bracos mettidos
a; aos coiovelos no thesouro publico. O vosso ho-
rnera Hoffman. (Horroroso tumulto.) Podis ui-
var, borneas dos finco Pontos, sustentculos de lo-
panares, iadioes das sepuliuras, bebados, borra-
cbdes, assassinos I A polica ba de saber que lodos
aqaelles que votara por Hoffmao sao tao bous co-
mo elle. (Tres vivas a Jefferson Davis.) J vi diao-
te de mira bomens que vallara raais do que voces,
e espero ter a fortuna de vos enforcar tambem.
Voces peusam que me mettem medo por chei-
rarem a cebla ? Um hornera que j sentio o chei-
ro da plvora, poda supportar o cheiro do albo.
Vocs ja ebeirara mal, mas aioda hao de cheirar
mais mal quando forem enforcados... (N'este pon
to a polica prende doos homens que se batlam a
murro ao p do estrado.) Voces sao uns manlas
que valem muito menos do que pretos, etc., etc. >
Nao preciso mais para se dar urna idea do es-
tylo oratirio do general Butler.
Um momento depois descarrega-se o segando ca-
nho, e assim cootmoam alternndote e disparan-
do cito tiros por minuto:
Fizeram-se experiencias con doas destas pegas
duiilas, urna para balas de tras libras, outra de
seis. Ao tercelro tiro da de calibre seis a bala
atravesson o alvo qae era urna lamina da ferro a
?:000 pase! de distancia, qaeimande madeira qae
eslava ollocada por detrax.
A aossa esqaadra desarmada, diz o Ex-
press, comp5e-se de sete naos de tres pon-
tos, e de quarenta de dois, n5o contando
Todas as mulheres sao assim. Madame
Emilede Girardin cootava que achando-se
na provincia observara que lodos os bomens
eram ahi completameote domnalos pelas
suas respectivas mulheres.
Escrevem de Scbeveningue, ns Hollandi,
no dia 19 de dezembro :
t Dju-sb boje nossa vista um especta-
as fragatas ou corvetas perfeiamente cons- Cul dS mais dramticos e dolorosos. Nu-
fragou diante da nossa praia um nivio tri-
pulado por dez pessoas, sem que fossepos-
sivel de modo neuhum soccorrer os des-
truidas, mas que a linba de agua toma imi-
tis.
O Times publica urna proposta recom-
mendada alteado do aimiraatado; con-
siste em tirar a estes navios os casteilos da
popa para os substituir por torrinhas.
Custaria esta obra prximamente 400,00 >
libras esterlinas por navio, ao passo que um
navio novo com torrinbas, custaria taivez
250:000.
t Fijaramos com urna excellente nu
qne prestara valiosos servicos, em vez de
urna nu inteiramente intil.
Nao poderiamos de modo nentium em-
pregar activamente a Victoria ao esta o em
que est ; mas emprega-la-hiamos com in-
teira conSanca depois do transformada se-
gundo a citada proposta. Taivez n5o fosse
propria para longas viagfens. Mas se os nos-
sos navios couracados ltimamente feitos se
empregam no ser vico externo, os navios
transformados proteger-nos-hiaaTno interio*.
Admitamos que estes navios prestassem
apenas para o servico do canal, teriam an-
da para nos a importante utilidade dos mo-
nitores americanos; de sorte que nos adia-
ramos assim no mesmo p que os Estados
Unidos.
O canho Dreysse, de que ltimamente tem fal
lado a imprensa, com^de-se de dous canhdes re-
unaos, entre os quaes est collucada a caia de
mnniedes. Atrax de cada canho assenta-se am
i u.aelro. Quando se quer, abre-se a parte poste
nur Uo canho, e o artilheiro pega em ara carlu
cho, que se Ibe aprsenla a" vista, dacaixa de mu-
cicoes, a qual lem um mechaotsmo especial que
faz que o cartucho empregado seja logo substitui-
do por outro. O artilheiro melle o cartucho pela
parte posterior do canbo, que fecha iogo, e dirige
a pootaria, manejando a pega com sumraa fdCili-
dade, porque esta montada de urna maneira que
gira muito suavemente para a direlta e para a es-
querda, para cima e para baixo.
E rpido que consiste em apoiar o hombro em um
grande boto elstico e guarnecido de couro, que
esta a extremidade de urna especie de forquilha,
o tiro disparase sem que o artilheiroteoba de mo-
verse do sea assento, nem soffra o meoor abalo.
Joo de Deus descreve assim a vida
A vida o dia de boje,,
A vida ai que mal sda
A vida sopro que foge,
A vida nuvem que va.
A vida sonho t5o leve
Que se desfaz como a nev,
E como o fomos'esvai.
A vida dura um momento,
Mais leve que o pensamento,
A vida leva-a o vento
A vida follia que cabe.
A vida flor na corrente,
A vida sopro suave,
A vida estrella cadente,
Va mais leve que a ave.
Nuvem que o vento nos ares.
Onda que o vento nos mares
Urna apoz outra lancou ;
A vida penna cahida
Da aza d'ave ferida
De valle em valle impeilida
A vida o venio a levou.
Bem creio eu nisso I replicou Staab, dando
am estallaba cem os dedos em sigaal de alegra.
Nao sei como nao acooselba ao patrio a qae se
case immediaamente com ella.
Assegoro-lbe, Sr. Staub, qae e lana, se nao
me iateressasse vivamente na situago de am mo-
fo, leal e brioso, que sapponbo muito enamorado
della. %
A asta tempo ouvio-se ligeiro ruido por detrax
de ama porta, qae eslava entreaberu, e qne dava
para o qoarto do Sr. Moyses. Os doas interlocuto-
res encararam-se com certa inqaietaco. Passados
poneos instantes, distingairam-se os passos preci-
pados de alguem qae parela entrar no quarto do
dono da casa.
Ora esta I disse em meia voc o Sr. Staab,
jalgava qae tinha sabido.
Maldita seja a vootade qae tive de fallar, ac-
cresceatoa Marcotte. Colloqaet-me em bonita sitaa-
c.io, nao tem davida I O patrio ouvio quaoto disse-
108.
Nao tenha receio, tornoa o guarda llvros. Sei
quaes sao os seotimeotos delle a seo respeito. Se
o senbor Ibe ceosoroa o procedlmeato, fot com la-
teocio de Ihe ser til.
Pois slm... vaja se me convence disto. Bem
sabe qae arrisqaei taivez o ureo lagar.
Ao cabo de duas horas, poaco raais ou menos,
cbamon o patrio ao sea gabinete o Sr. Marcotte.
Este tomara ama resolacio; decidira-se j a des-
pedir-se, para ir servir n'oalra casa onde contava
com amigos Movse*, sentado n'uma grande poltro-
na forrada de marroqaim verde, e collocado na
frente da ama secretaria de sabido valor, parecia
absorto por ama correspondencia qae quera con-
Um peridico francez conta-nos o meio de
estabelecer no menage a soberana 'mari-
tal.
mfldalgo, apaixonado, casou-secom urna
menina de peregrina belleza e subidos en-
cantos, mas de genio terrivel e imperialis-
simo.
No dia seguinle ao do casamento o fidalgo
acompanhou sua esposa a urna cacada ao
veado.
Ao desencolleirar a maiilba um cSo par-
ti sem ser mandado ; o dalgo apontou-
Ihe a espingarda e estendeu-o raorto. Outro
cao flcou atraz, e o implacavel cacador va-
rou-lbe a cabera con a segunda bala da
espingarda.
A esposa assustala perguntou ao mari-
do o que significava semelbante barbarida-
de. O fidalgo respondeu-lbe :
Quando algum ente na trra deixa de
obedecer cegamente s minbas ordens, sigo
este systema: mato-o.
Pouco depois de ter o cacador montado
para seguir a cacada, o cavallo em que ia
empinou-se ; o cavalleiro tirou dos coldres
urna pistola e matou o cavallo.
A esposa comprebendeu o ente com
quem tinha que viver, e consta que foi de
urna subjeigo admirare!... em quaoto du-
rou a estaco da caca.
Hoje em dia o marido n3o caga e a mu-
Iher domina-b completamente.
gragados nufragos, 09 quaes pelo espago
de duas horas, encueram o ar com brados
de afflicgo.
Esta manhSa, s sete horas, soprando
do noroeste vento rijissimo, deu costa um
brigue inglez, e encalhou em um banco de
areia, a distancia demasalo grande para
que os foguetes porta-espias, que da ierra
firme Ihe langaram, conse^uissea alcanga-
lo. Estes fogaetes porta-espias qne servem
como se sabe, para estabelecer communica-
C'O entre a trra e o navio enaloado, sao
feitos de cab s, por meio dos quaes se po -
dem sai var os nufragos.
Eaa quanto infeli/.mente se malogra-
vam os esforgos empregados para tornar os
foguetes proficuos, langaram-se ao mar, por
diversas vezes, barcos salva-vidas ; mas as
vagas, cada vez mais enferecilas, langavam-
nos novamente praia. Assim se extenua-
ran! por duas horas os salvadores ; entre-
tanto conservaram-se os nufragos agrupa-
dos nOs cestos das gavias, gritado e agitan-
do os bragos.
t As nove horas submergio-se o navio
e os mastros sua^rara-se no mar enfureci-
do, arrastando comsigo os tristes nufragos.
< Ao cabo de alguns minutos foram lan-
ados a praia dois marin'neiros que pare-
ciam inanimados. Levaram-nos immedia-
tamente para hospedar a dos banhos, on-
de os Or. Oosthock e Spille Ins prodigali-
saram os cuidados capazes de os chamar
vida, Um dos nufragos comtudo, q-ie
pelo trajo parecia ser o commandante, n3o
poderam elles salvar. O outro, que voltou
quasi milagrosamente vidi. poade a mui-
to custo fallar para dizer que o navio era
o Mary kyle, commandado pelo capito
Richard Tomer.
t Na manha seguinte apenas se acharara
na praia aigumas pranchas.
Pretenderam aigumas academias que os
nossos primeiros pais eram todos gigantes
e qne nos eramos descendentes degenera-
dos d'essas ragas extinctas. Consultando os
testemunhos historeos mais mcontestaveis,
acha-se pelo contrario que os gigantes nao
tem sido, tanto em outras pocas como
heje, seno simples excepges.
Colialh tinha seis covados e um palmo,
aproximadamente 3n,36. Gabarra, con-
temporneo de Plinio, e que viva em Roma
no reinado de Claudio, tinha 0 ps e 9 po-
leadas (3m.15). Nos principios do seculo
passado encontrou-se em Inglaterra um es-
queleto humano de 9 ps 4 polegadas (3
metros). Um guarda de Guilherme I, re
da Prussia, tinha 8 pes e me:o (2m,76). O
gigante exposta em Paris em 1735, bavia
nascido na Filandia e tiuha 6 pes 8 polega-
das. O gigante de Thore>by, inglez tintia
7 ps 5 po egadas. O gigante Ctjanus, 7
ps 8 polegadas. O gigante Geli, de Tren-
to, 8 ps 2 polegadas.
Os esqueletos mumificados, conservados
as catacumbas doEgypto e nos s rcophagos,
eram de estatura media. Vitruvio, fallan-
do da estatura ordinaria do hornero., afJSrma
que n5o passava de 5 ps. E o proprio
Aristteles declara que as cmaras tinha m
de ordinario 6 ps de comprido.
De Sydney a Nova Orleans Todo vai
bem. Folgaremos de saber noticias do sol
de Nova Orleans. Aqu cahe muita chuva.
De Nova Orleans a Sydney Aqu faz
muito calor. Esta larde andavamos em
guerra com os mosquitos.

una ii 1
A Russia meridional enva exposigSo
de Pars grande namero de objectos curio-
sos, taes como marmrea da Crimea de to-
das c'asses e cores; diversas especies de
vinhos do Don ; quejos de Arnabulka, os
mais estimados do mundo ; mel, cera e as-
sucar de Kiew ; urna variada olleccSode
amostras de tabacos; irages da Russ a me-
ridional, especialmente de cossacos do Don,
de cossacos da Asia e dos povos do Cau-
ca so.
>--<--
Segundo o Almanaqne estadstico hespa-
nhol, commettem-se em Hespanha 223 sui-
cidios por aouo, termo medio, istfl n
por 100:000 habitantes. Em Fraoga cor-
responder a 100:000 habitantes 11 suicidas
e na Dinamarca 9. Dos suicidas registra-
dos em Hespanha 71 por certo sao do sexo,
masculino. Os mezes de maior numero de
suicidios sao juali > ejulbo;os de menos
s5o Janeiro e feverviro. Os meios mais
frequentemente empregados pelos suicidas
sao estrangulagao e as armas de fogo en-
tre os horneas, e o veneno entre as mulhe-
res. Entre as causas impulsivas figuram
primeiro lugar a demencia, os padeetmen-
tos continuos e a miseria.
Est em cosirucco em Hespanha um
navio submarinho que se chamar Ictneo.
Consiste o motor em um gerador cujo va-
por alimenta urna machina de seis a oito
cavallos quando est na superficie, e de um
emeio a dous quando submergido. Este
motor j foi experimentado em trra, veri-
licando-se a provacom asmesmascondigoes
em que se encontrar o navio no mar. De-
pois de haver gerado o yapar e de traba Ihar
a machina por meio de coke alimentado
pelo ar atmospherico, como se o navio es-
t.vesse na superficie, fech m-sej hermtica-
mente a fornalhae continuou a vaporisaco
custa de novo combustivel que se ia acon-
dicionando nos tubosv a prova durou per-
tode tres horas, mas quaes sem interrup-
Co trabalhou a machina, podendo continuar
a trabalhar em quanto se dispozesse de
combustivel.
a>a
cloir a horas de poder ser expedid, tanto para
diferentes pontos do paiz, como para fra delle.
Eslava, pois, fechando muitas cartas. Mal terminon
esta operacao, dfsse ao sea empregado:
Metta se n'uma carroagem, leve estas cartas
ao correi j e vote, porqae teabo aigumas coasas
importaous para Ihe comrminftar. Transtoroo-lbe
a hora do seu Jamar; mas espsro qae acceite o
mea.
Pantaleio contentoa-se em faxer ama eorlexia
em sigoal de agradeclmento. Pegou as cartas,
gaardoa-as em um dos seos vastos bolsos, e apres-
soa-se a desempenbar a commlssio de qne o an-
carregaram.
Ab I disse para comsigo Moyses, segoindo-o
eom a vista; devo inevitavelmente saber muitas
coasas.
Nao acompanbaremos o Sr. Marcotte at o cr-
relo, e at nos privaremos do praier de o acompa-
nbar uo sea regresso a casa de Moyses, onde sem
duvida o esperava mal sacalento jamar. Preferi-
mos ir ra de S. Lzaro, onde estamos curios de
acnar em sua casa a menina Irma, sobrinba do an-
tiquario.
Eram cerca das seis horas da tarde. Irma pre-
dispanbi.-se para sabir a casa da sua nova (aqui-
lina, para ajuda-la a preparar o modesto Jaotar.
que Lucy era ainda mcapat de o preparar por si so,
Ab I a pobre menina deplora va todos os dias o lu-
xo em que at ento vivera, sem prever o futuro.
Acompanbaremos 3 sobrinba do Sr. Nolrot at o
qoarto andar, o que nos permiitira penetrar no
casto e sincero retiro, onde vi ra a encantadora
solitaria.
O qaarto andar composto de doas quartos, ti-
Em 6 de noverffbro flcou completamente
estabelecida a linha telegraphica entre Sy-
dney (cabo Bretao) e Nova Orleans. Corre
pbr conseguinte a electricidade de um a
oulro extremo da America do Norle desde
Nova Es .ocia a. ao golfo do Mxico, atravez
dos Estados da Uoio americana. Os pri-
meiros despachos transmitidos pela dita
linLa dizem assim :
Traduzimos os segointes aphorismos so-
bre as mulheres:
Reuni em um todo a cabega de urna pin-
tarrosa, a lingua de urna serpente, os olbos
de um-basilisco, o carcter de nm gato, a
astucia de um macaco, as inclinagoes noc-
turnas da coruja, o esolendor do sol e a des-
igualdade da la, cobri tudo isto com urna
pelle bem alva, ajuntai-lhe pernas, bragos,
etc., e tereis urna mulher perfeita o acalla-
da. Chesier/ield.
A mulher tem naturalmente o instincto
do mysterio : compraz-se em dissimular e
nunca descobre senao meiade de suas gragas
e de seu pensamento; quer ser advinhada,
e nao condecida. Como mi e como virgem
cheia de segredos; foi formada para a
virtude e o mais n.ysterioso sentimento, o
poder e o amor.Chateaubriand.
Eis o carcter das mulheres: Queris
urna cousa ? ellas nao a querem; fing que
j n3o a qnereis, e ellas logo a desejaro.
Terentius.
O' mulher I que sooro divino te deu to
anglicas feigoes, fez desabrochar o teu sor-
riso e poz em teus labios o balsamo que vi-
vfica o veneno que corroe 1Marchangy.
As mulheres de ordinario perdem-se an-
tes por imprudencias do que por faltas
reaes.Ninon de l'Enclos.
Urna corte sem mulheres um anno sem
primavera, e urna primavera sem rosas.-
Francisco 1.
Juramentos da belleza, as azas dos
ventos, sobre a superficie das ondas que
sois gravados.Catnllus.
Realmente, nao ha nada to singular co
mo as mulheres I preferem consumir-se len-
tamente, s para nao dizerem com fran-
queza o que tem n'alma A. Mowinsky.
Y' com urna mulher que se deve aprender
ludo que'pode caber de sublime em urna al-
ma humana.
Quantas mulheres virtuosas nao sao espo-
sas insupportaveis!
As mulheres remam onde reina a decen-
cia, e nada sSo onde domina a libertina-
gem. E pois inteirogai os dois sexos: a li-
bertinagem a tendencia do liorcem ; o res-
peito dos usos e eos turnes, a da mulher.
Gethe
Dos vicios ou'das virtudes das mulheres
dependem as calam dades ou a gloria de suas
respectivas nacoes.Afine. Elise de Vciart.
As mulheres *o a cor e o perlume da
rosa, sd o brilho, a pureza e sfcre-
ludo a fragilidade do cbrisial.Lope de
Vega.
O maior merecimeuto do amor consiste
em elle curar do namoro. As mulheres nao
seriara o que sao, se os homens fossem o
que devem ser.Soret.
Nos outras mulheres nao fomos destinadas
pelo co para governar os homens, mas para
os abrandar, para Ibes agradar, pira dar-
Ihes, n2o preceitos, nao livros, mas dralftle
felicidade, masexemplos de virtude.Fany
de Beauharnais.
As mulheres considerara habitualmenle a
confidencia como, a priuueir necessidade da
amisade, e ntd nao e la mais do que
orna consequencia do amor. Mtne. de
S/ael.
A natureza prova as mulheres pela dr,
as leis pela rigidez e a virtude pelas lulas.
Thomiz.
A mulher mais perfeita V# que mais
filos patria. Napoho I.
E' soltando umail que urna mulher ad-
mira oatraJKmi. de Simiane
As mulheres vio ao espectculo, tanto pa-
ra ver como paraser em vistas.Ocidtus.
Depois que a mulher tornou-seumo jec-
to de luxo, tem cada qual de consultar as
suas posses anies de se dicidir a lomar
urna para si.Len Gezlan.
As mulheres resistero mais fcilmente s
suas paixoes do que sua propenso para o
ga'anteio.Lerochfoucauld
Dos, cujo raio estrepita por sobre nossas
cabecas, creou a mulher para dos soavisar
os dissabores, para compartir os nossos tra-
balbos; e mu tas vezes, dando-nos o mal em
lugar do bem, a mulner muda-se em ori-
gem de dores para os miseros mortaes.
Hesiodo.
Arlijiiim, defensor do bello sexo, esbo-
ga assim o retrato das mulheres: Queris fi-
car aben/do nem o que urna mulher?
Imaginai uro lindo raonstrinho que encanta
os olhos e offeode a razo, que agrada e in-
spira aborrecimento, que anjo por fra
e harpia por deutro.Chrardi. (Theatro
italiano.)
E" s aos homens qne ensinamos a moral,
s das mulheres que exigimos buns cos-
tumes.Detmoutiers.
A mulher nos d a luz, nos acompanha
na vi la e nos fecha os olbos. Santa e sua-
vsima triioria I Mil, esposa, ilha, a mu-
lher sempre o nosso anjo da guarda.
Osear de Poli.
A mulher um ridiculo e aborrecido ani-
mal. Erasmo.
Nao casis com mulher que use de lin-
guagem alambicada; bora que um ma-
rido possa, urna vez por ou:ra, incorrer im-
punemente em um solicismo,Juvenal.
As mulheres sao casquinh s como sio lin-
das, sem em tal peosarem, e quando amam
so a nos, devemos perdoar-lhes a inclinagio
que lm para buscarem agradar a todo o
mundo Dupoty.
As mulheres nos aecusam de imprmos
limites s bre-maneira estreitos ao shu genio;
coi lo que antes as queremos amaveis do
que sabias. Lindas e delicadas como as bor-
boletas, nao consentimos que ella adejem
por sobre as flores. Tudu que pode afa-
diga-las nos inquieta. A metha hysica nos
parece demasiadamente obscura para ellas,
a historia demasiadamente severa, as sei n-
cias demasiad mente ridas, e Voltaire foi
lalvez o udco que nao achou o compasso
improprio das maos de Emilia.A. Ju-
[tien.
nba cm cada am deiles ama saleta, a cuja direlta
bavia urna porta que dava para a cosinba, pouco
maior que a palma da raio, mas ilmpa como se
fra de oaro, e adornada de ama batera loteira-
m -nte nova. A' saleta seguia-se ama sala pouco
maior do qae ella
Consista a mebilia em ama banca, um canap e
seis cadeiras, com assentos de la e seda bordada
d Odres, de colorido bastante vivo. Quanto a al-
cova, era branca e atol celeste; e a cama, cuidado-
samente oceulta por slogelos conloados, linba ao
lado orna secretariasinba, muito elegaote, e que
tinba por visinhas urna eommoda a urna poltrona
assas grande. Esqaecia-nos mencionar nma linda
jardlneira de ferro fundida, sobre a qual se via
am vaso de formosos geraneos. Esta jardinera es-
lava ol locada eotre as doas janellas da sala, das
quaes se este odia a vista para o lado poente pelas
alamedas do jardim do estabelecimento de banbos
thermaes de Tivoll. Sobre o fogio estava am relo-
gio, e aos dados do espelbo viam-se duas miniatu-
ras, provavelmente doas retratos de familia.
Reste qaarto to singelo, to tranquillo, respira-
va-se ar paro e lieeiramente impregnado de per-
fume de violetas de Parma. Era onde vivia, onde
devaneava e irabalbava a maravllhosa joven, qae
causara em Paris e Londres a admiracio da socie-
dade mais elegaote.
Quando Irma entrn em casa de Lucy, achoa a,
como era cosame, bordando ao bastidor, genero
de trabalbo em qae primava, visto qae em peque
na se dera aquella Industria, como de certo os le
tores se nio esqueceram ainda.
Ento quer por forga perder a vista, disse
Irma ao entrar, e deixarse morrer de fomeT Creio
que se eu aqui nao viesse s seis horas, nao
se lembraria sequer de comer. Felizmente ja coi-
dei da sua refeico. Agora tratemos da mesa.
E com a graga que s a ella oerteocia, estendeu
a sobrinha do porleiro a toalha na mesa, e poz
sobre ella um talher.
Aqui esta' prosegolo ella serviado-lhe a co-
mida. Queira neniar se a mesa e comer. Hoje
estoa mais contenta ; nio a ouvi suspirar seno
duas vetes.
E' mallo bondosa para comigo, mpha que-
rida Irma. Todos os dias dou gragas a Deas, pelo
feliz acaso qae me fez achar esta bbitaco.
O acaso I disse Irma. Jalga qae foi acaso T
Foi Deas qaem determiaoa qae viesse morar aqui.
A pessoa qae aadoa procurando casa para a me-
nina, veio direlta aqui, como se fra condaztda
por om aojo bora. Olbe que aquello r. Ray-
mnndo que se pode cbamar om bomem servi-
cal.
Muito techo qu8 ihe agradecer.
O certo qae nao se poderia ter neste man-
do protector raais Sel e delicado I Parece iocrivel
qae desde a chegada da menina a esta casa, aao
e tenba atrevido a sabir para visiu-la, nem
mesmo acompanbado por mira, por temer ioeom-
moda-la. A menina devia permitlir-lhe, ainda
qae fosse s ama vet, que a viesse visitar.
Eipressou-lhe esse desejo T perguntou Lucy
um tanto inquieta.
Isso nao. Vem todos os dias saber noticias
da menioa ; mas nio mostron nanea desejo de
snbir. Comtudo tenio certexa de qu? esse o sen
maior desejo.
Pode ser qae se engae, Irma; o Sr. Ray-
0 Times diz que o Sr. Fras-r vai em-
prehender os irab?lhos necessarios para li.
gar o telegrapho australiano rede telegra-
phica da India. A linha projeclada partir
de Melbourne, atravessar toda a colonia de
Victoria, a Nova-Galles do sul, Queenslapd
e chegar a um ponto da c.sta septentrional
da Au tralia.
D'ali passar a Timor, de Timor ir a Ja-
va, de Java a Singapore e finalmente de Sin-
gapore a Mallaca, onde chega actualmente a
rede indiana.
O Times diz que esles trabalbos vio ser
emprehendidos com a mxima activid.d.
Parece que se inventou um apparelho
simples, porm efficaz, para evtar os des-
carrilamenlos quando se "atravessa algum
animal na via frrea. Consiste este appa-
relho em ama especie de alavanca que col-
locada na frente da machina, pega no ani-
mal e arroja-o fra do caminbo. Posto que,
a recolhe-io e arroja-lo, o animal fique des-
conjuntado, evitar-seJiipnassim os desastres
que infelizmente se repetem frequentemente
as vias frreas.
muodo tem mais que fazar, para qae veaba per-
der lempo a casa de urna pobre creatora como
eu.
Pois sim I dizia para comsigo a sobrinha do
Sr. Norot. Como se eu nao tivesse j advioha-
da... O Sr. Raymoado om- hornera de boa so-
cledade, qae anda esfarcado em operarlo. Bzsta
olhar se-lhe para as maos, e observor as man iras
attenciosas com que me falla.
Que pensa, Irma ?
Eu nada. Pens que se certo baver em
Pars mullos tratantes, e desaforadas, nao menos
corto qae ba tambem multo bons coracoes, e pes-
soas muito estimaveis.
Tem raso, Irma. O Sr. Raymondo lem In-
leiro direito a miuha gralidio.
Alem disso, para operario tem aspecto mai
aristocrtico. A seabora afflrma que nao ama
pessoa muita Boa, e eu deve acredtala....
En ja Ibe disse qae o Sr. Raymjndo leve
muito boa educagao.
E sou eu quem me obistloo em jolga-lo fi-
dalgo T O qae Ibe digo, menina, qne preciso
vigiar um unto o coraco. Nao sai se sere bas-
tante looca para sentir carta laclinacao para o
Sr. Raymundo. Dlgo-loe isto muito claro, porque
son franca. Muito habilidosa seria qaem me obri-
gasse a dissimular alguma cousa. Ha ainda bem
poucos dias qae eu disse ao Sr. Noirot: Nao
falfe ouoca em casar, porque sa me apreseotar
algum noivo qae oio tenba sido escolbldo por mim
mesmo, dar Ihe-hel eom a porta na cara.
Ora essa I disse Lucy rindo. Do \iodo qua
o Sr. Raymando nao Ihe de lodo indiferente T
fConfi'NHiir-M-Aa.
TYP. DO DIARIO-RUA DAS CRZES N. 4i.
J vil
V .
'
' i


\
C
*

t
f*rJ --**
fc.
2.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EZNZSFIFH_QPS73N INGEST_TIME 2013-09-05T02:18:47Z PACKAGE AA00011611_11165
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES