Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11163


This item is only available as the following downloads:


Full Text
-r_
>
\
M
i
I


'
f
I
.
*
i

ANNO XLIII. NUMERO 6.

PABA A CANTAL E
Per tres metes adiurtadee.,.
Par seis litas idea..
Per aiM idea..
Cada iumn aTiln .
LVMS *E SE 1*J A PAA POBTE,
6,5000
12*000
24*000
320
TERA FEIRA 8 DE JANEIRO DE 1867.
PIBA l>K\ mO E POMA DA PROVINCIA.
' Por tres bmm adiaitades...........
->'* Par Mis ditas Idea......................
Par nev ditos idea.................... .,
Par na aaia idea.. 'Ti.....I .. ............,, .. ., ,,



W750
13*500
20*250
27*060
&m&b&8b m gaiaBAmiBi(B(D m immptoiiio w mabiai mtmmt un jama romos, saus ip^kiaaiaim
.ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO.
Parahyba, o Sr. Antonio Alexndrino de Lima;
Natal, o 9r. Auionie Marques da Stlva; Aracaty,
o ir. A..da Leraos Braga; Cear, o Sr. Joaquim
iom de "Miveira ; Para, os Srs. Gerardo Antonio
Alves & Ftlhos; Amazonas, o Sr. Jeronymo da
Costa; Alajoas.o Sr. Francino lavares da Cosa;
Baha, o Sr. Jos Marlins Alves; Rio de Janeiro,
o Sr. Jos Ribelro Gasparinho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS. .
Olinda, Cabo, Escaria e estafes da va frrea al
Agua Preta, lodos os das.
Igaarasni e GoyanDa as segundas e sextas feiras.
Santo Anio, Grvala, Bezerros, Bonito, Caruar,
Altmho, Garanhons, Bulqoe, S. Benio, Bom Con-
selho, Aguas Bellas e Tacarai, as tercas-feiras.
Pao d'Alho, Nazareth. Limoeiro, Brejo, Pesqaei-ra,
Ingazeira, Flores, Villa Bella. Cabrob, Boa Vis-
ta, Oarieary.Salgueiro e Ej, as quarias reirs
I Serinhaero, Rio Formoso, Tamandar, Una, Bar-
reros, Agua Prela e Pimenteras, as quintas
feras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNABS DA CAPITAL.
Tribunal do eommereio: segundas e quintas.
Relacao : tercas e sbados s 10 horas.
Faienda : quimas s 10 boras.
Julzo do/oommercio : segundas as 11 horas.
Dito de orphos : tercas e sextas s 10 Juras.
Primeira vara do nivel: tercas e sextas ao mel
Segunda vara do elvej : guanas e sabbad.s a
4 hora da urde.
EPHEMBfllDES DO MEE DE JANEIRO.
M rtua nova aS 9 h., e 38 m. da f.
J Quarto cresc a t b., 42 m. da t.
20 La cbeia as 4 h.. e 4 ni. da m.
27 Qnarto mlng. as 11 b. e 55 ro. da m.
DAS DA
PARTE OFFICIAL
ovek.yo ha pnovniv
Expediente do dia 28 de novembro de 1866.
N. 818.Officio ao conselbeiro presidente da re-
lago.Quelra V. Exc. interpr o een parecer so-
bre a materia dos inclusos offlcios, em original do
joiz municipal do termo de Caruar de 2 de julho
e do Bonito de 4 de agosto ltimos.
N. 819.Dito ao provedor da Santa Casa de Mi-
sericordia. Com a ioformaco inclusa por copia
ministrada pelo tbesoureiro das loteras desia pro-
vincia ero 27 do correle, respondo ao Alelo que
V- Exc. me dirigi em 16 deste mez, sob n. 414.
N. 820.Dito ao commandante das armas.A
V. Esc. sera' apresentada para ter o conveniente
destino, o recrota Jacintho da Souza apurado no
termo ie Olinda.
N. 821.Dito ao mesmo.Mande V. Exc. por
em liberdade, visto que, segando os seas officios
ns. 1,306 e 1,307 de 7 do corrente, foram consi-
derados incapazes do servico o recruta Antonio
TDenorio do Nascimeoto, e os guardas do 1 bata-
Ibo de infantina Salvino Luiz Vieira e o do 7* da
mesma arma Joaquim Aurelio Pereira da Silva,
N. 821Dito ao mesmo.Fago a presentar a V.
Exc. para o servico da guerra, os guardas nacio-
naes de 10 batalho de Iguarass, Flix Jos Mo-
reira e Trajano Joaquim de Saol'Anna.
N. 823.Dito ao mesmo.Faco apresentar a V.
Exc, aQm de terem o conveniente deslino,os guar-
das do batalbo o. 11 ae infamara do municipio
de Iguarass, Joo Jos Silvestre,Cosme Miguel de
Oliveira, Jos Victnte de Lima e Jeronymo Fran-
cisco Ferreira, designados para o servico da
guerra.
N. 826.Dito ao Inspector da th souraria de
fazenda.No dia 1" de dezembro prximo vindou-
ro as 8 horas da manba, mande V. S. passar re-
vista de moslra ao 1* batalho de infamara do mu-
nicipio do Recite, que tem de ser substituido no
3'ju iteiameoio, pelo 4* da mesma arma naque 1-
le dia. -*&- '
N. 827 Dito ao mosmo.Transmiti a V. S.
para os fias convenientes, as inclusas comas docu-
mentadas e o respectivo parecer da junta de sau-
de, relativos a receita e despeza da enfermara mi-
litar no mez de oulubro ultimo.
N. 828.Dito ao mesmo.Respondeodo ao offl-
cio que V. S. me dirigi boje, sob n. 773, tenho a
dizer, que o autoriso a mandar efTectuar sob micha
responsabilidades nos termos do decrbto n. 2,884
do 1 de fevereiro de 1862. i abono da quaolia de
1 :oOO*. a que tem direilo o juiz de direlto Julio
Barbota de Vasconcellos, como ajoda de rn-to por
ter sido removido da comarca do Born o uara a do
Brejo na provmcii do Maranbo, visto nao haver
crdito para esse flm, segundo consta do citado of-
ficio.
N. 829.Dito ao mesmo.Communico a V. S.
para seu coohecimento, que em otllcio de 21 do
crreme, declarou-roe o Exm. presidente da pro-
viecia do Rio Grande do Norte, que por ter arriba-
do aqaella provincia por torca maior, o vapor Un-
manguape da companhia Pernambucana, mandou
entregar ao commandante do vapor Paran, aflm
de serem por elle condnzidos ao presidio de Fer-
nando, o aioht-iro, malas do correio e papis, que
o Io dos referidos vapores transportava para o
mesm > presidio.
N. 830.Dito ao mesmo.-Pela verba destinada
ao correte exercicio para o palacio da presiden-
cia, mande V. 8. pagar a Joaquim Francisco de
Mllo Cal ai|iianlia de 8H#450 e a Francisco Maia
Corles a de 18*, proveoitntes de objectos compra-
dos para uso do mesmo palacio.
N. 831.Dito ao inspector da thesouraria pro-
vincial. Em vista do inc'uso pret, a que se refere
o ofDcio do commandante superior deste munici-
pio, datado de honlem, e sob n. 38, uande V. S.
pagar, se nao bouver inconveniente, os vencimen-
tos relativos a 1* quinzena deste mez, dos guardas
naciooaes destacados na povoajao de S. Loureoco
da Matla.
N. 832.lloao mesmo.Estando em termos o
pret junto em duplcala, e nao bvendo inconve
Diente, mande V. S. pagar ao sargento Olympio
Ferreira da Silva, Motor me sociiou o comman-
dante superior da comarca de Palmares, em offi-
cio de 25 do correte, os vencimeutos a contar de
25 de oulubro ultimo, al 24 deste mez, dos guar-
das oaciooaes destacados na villa d'Agua Preta.
N. 833.ilo ao commandante do presidio de
Feruando.Ssclente pelo seu officio de 25 do cor-
rete, do motivo porque deixou V. S. de fazer re-
gressar para esta capital no vapor Maminguape,
a escolla que ltimamente Ipara ah seguio com
sentenciados, tenho a dizer era resposta, que deve
V. S. remelter para aqui do biate Sergtpnno ou no
vapor Parahyba, que em seu regresso dos portos
do no'te, tem de tunar nesse presidio, nao so a re-
ferida escolla, mas lamb m a carga que dulxou de
vjr no Mamanguape.
N. 834Dito ao com maullante superior do Recl-
fe.Mande V.S. postarem frente da mairu desta
regutrzi, no da 30 dd^orrente as 8 horas da ma-
ahaa urna guarda de honra lirada de um dos cor-
pos da uuarda nacional esta capia', aflm de as-
istir ao funeral, que sIem de fazer ao finado ca-
'Uau do 11 corpo de voluntarios da patria Her-
onllo Peregrino David Jfjieira. '
N. 835.D lo ao mSSo.Expela V. S. as suas
ordens, para que os corpos da guarda nacional
desta capital marchsm para o Campo das Pnnce-
zas. sob a direeco do offlcial a quem por le com-
oetir o commaado no dia 2 de dezembro prximo
vindouro, anniversario natalicio de Soa Magestade
o Imperador, aQm de assistirem ao cortejo, que se
tem de fazer a effigle domesmo augnslo seonor.
A guaroicao da praca naqoelle da deve ser feita
por pracas dos corpos que no marcharen).
N. 836.Dito ao mesmo.Recommeodo a V. S.
qoe faca presentar sera demora ao Dr. ebefe de
paiicia.ai pracas da guarda nacional que por offi-
cio de 21 do crreme, mandei prescribe para es
collarn criminosos at o termo ae Ipojuca.
. 837.-Dito ao mesmo.Ple V. S., como
propoz em seu officio o. 380 de 26 do correte,
mandar aquartelar oesta cspiial em o 1* de dezem-
b:o prximo vindouro, o baial 5o n. 4 de infama-
ra da guarda nacional sob seu comroando supe-
rior, em sobstiluco ao 1* da mesma arma, fican.
do certo de que, officiei ao inspector da thesoura-
ria de fateoda, para mandar passar revista de
mostra ao refeiido 1' batalho, a hora indicada no
citado officio.
N. 834 Dito ao mesmo. Antorls&ndo nesta
dala o brigadeiro command me das armas, a man-
dar por em liberdade, visto qne foram julgados in-
capazes do servico em inspec(o de saode, os suar-
das Salvino Luiz Vieira do 1* batalho de infanta-
fia de Silva do 7* da mesma arma, assim o coaomunlco a
V. S., aflm de que faca apreseotar oulros guardas
om sob"titoico aquellos.
N. 840.Circular. Aos commandanl/s sope^
ores.Declare me sem demora, o numero de
guardas que pela distribuido feita por V. S. Con-
be dar a cada um dos batalhoes sob sen comman-
do superior, para o servido da guerra, devendo re-
metter-me urna relacio nominal, dos guardas de-
signados pelas respectivas cornacas, com as deela-
races exigidas na circular de 25 de ouiobro ni
timo.
N. 841.Dito ao oiz de direilo de Palmares.
Devolvendo os mappas, remetiidos pelos delegados
de polici dos termos dessa comarca, para qne vol-
teo) depois de organizados pelos modelos que vamente aos concursos e propostas dos beneficios
acompanbaram o decreto n. 3,572 de 30 de dezem- vago-, confirmado pela imperial resoluto de 4 de
bro do aono prximo passado, incluso na circular i julho de 1820 e roais lefs e ordens imperiaes em
desta presidencia de 19 de abril do corrente aono, vigor, ponno em concurso pelo presente ediul as
recommendo Tmc, nao s que remella o mappa | seguintes freguezias vagas deste bispado, a saber :
de appellacoes julgadas pela relaco, que a esse a de S. Pedro Goocalves, a de Santo Antonio e S.
julzo falta ministrar para a formacao da estalistiea Jos, todas da cidade do Recito ; a de Santo Anto
judiciaria,art. 11 2.* do citado decreto, como da cidade da Victoria, a de Santa Mara do Rio de
lambem, que active as autoridades abuelas ter- S. Francisco da Boa-vista, a de Nossa Senbura da
7.
8.
9.
10.
li.
12.
13.
4c-
K
r< S. Clero diac.
r
Segunda. S. Luciano presb.,.,. u
Terca. S. Severino ab.i S. Theoptilo diac.
Quarla. Ss.Jalllo e Baslica sua esposa mm.
(iuinia. S. Nicanor diac; S. Agalbo b.
Sexta. S. Hygino p. m.; S. Severo m.
Sabbado. S. Saiyro ro.; S. Arcadio m.
Domingo. Ss. Hermillo eSt aconio mm.
PREAMAR DE HOJE.
Prlmeira as 6 horas e 54 m. da manhaa.
Segunda as 7 horas e 18 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPOP.ES CObfHROS.
Para o sol at Alagoas a 14 e 30; para o norte
t a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Fernn
docosdias 14 408 mezes Janeiro, marco, mato,
julho', sele'mbro e novembro.
mos para que, sem perda de lempo remella por
intermedio desse julzo, os que Ihes cumpre'tfiinis-
irar.
N. 842.Dito ao procurador Oseal da thesoura-
ria provincial.Transmuto a Vmc. a Inclusa copia
do officio, que me dirigi o chefe da repartice
das obras publicas com data de hontem, e sob n.
Punficago e S. Goncalo de Dna, a de Nossa Se-
ubora da Cooceico de Serinhiem, a de S. Lonren-
(o de Tejucupapo, a de Sanio Amaro de Taquari-
lioga, a de S. Jos de Iogazeira, e a de Santa Anna
de Grvala, nesta provincia : a de Nossa Senhora
das Neves da cidade da Parahyba, a de Nossa Se-
nhora da Conceico da villa do Conde ou Jacoca, a
466, aQm de que, (toando inteirado do seu conte- de S. Miguel da Bahia da Traicio, a de S. Jos de
do, emenda se com Antonio Ramos acerca da in- \ Piranha.', a de Nossa Senbora da Luz de Pedra
demmsaco, a que se julga com dlreito, pelo pre-1 Lavrada, a de Nossa Senhora do Rosarlo da povoa
joizo qne vem a soflrer no terreno, que possue na
construcc.io do muro do Gymnasio Provincial.
N. 843.Dito a commisso que est em Fernan-
do.Nesta data expeco ordena ao gerente da Com-
panhia Pernambucana, para que o vapor Parahy-
ba que amanbaa segoe para os nonos do norte, to-
que nesse presidio, quando voliar Vara sia capi-
tal, alim de condnzir a Vracs., caso nao se tennam
Cao de s Joio do Rio do Peixe, a de Nossa Se-
nhora da Penha de T^quara, e a de Nossa Senhora
das Dores d'Alagda do Monteiro, na provincia da
Parahyba : a de Sama Anna da villa de Upaoema,
a de Nossa Senhora das tiracas do Muricy, a de
Nossa Senhora Mai do Poyo de Jarago, a de Nossa
Senhora da Conceico de Agua-Branca, e a de
Nossa Senhora da Conceico do Limoeiro de Ala-
approveitadi do byate Sergipano, que segu ama- goas, Da provincia das Alagoas : a de Santa Auna
nha para ah. do Serid, a de S. Joo Baplista de Porta-Alegre, a
N. 841__Dito ao commandante do corpo provi- de Nossa Senbora do O' de Papary, a de Nossa Se-
sorio de polica.Eipeca Vmc. suas ordens, aflm nbora das Dores do Paiu, e a de Nossa Senbora do
de que, a contar do dia 29 em diante, se apresen.- i O' da Sorra-Negra, na provincia do Rio-Grande do
le no tribunal do jury, a disposicio do respectivo Norte
presidente, a guarda,do costume.
N. 845.Dito ao mesmo.Mande Vmc. dar bal-
Todo o reverendo sacerdote ou clrigo qne qoei
ra (azer opposico ? igrejas cima referidas, apre-
xa ao soldado do corpo sob seo commando, Lnix ; senle-se com seos papis promptos e correntes na
Pereira Lagos, visto que, segundo a sua informa-1 forma do eslyl, para ser admittido, fazeodo termo
cao n. 361 desta data, j fioaiizou u seu engaja- de opposicao dentro de prtzo de 60 das, flodos os
ment, e nio quer continuar no servico. i quaes se proceder' ao concurso, no qual respoode-
N. 846.Dilo ao mesmo.Pode Vmc. mandar rao os reverendos opposltores a nove casos de nao-
alistar no corpo ron seu commando, o paizano! ral e conscieocia, e farao urna exposicao ou homi-
Joo dos Santos Medeiros, que foi considerad') ap- j lia do Evaogelho que en assigoar, para propor a
to para o servico em inspeccao de sade, segundo S. M. o Impera tor os que forem julgados mais dig-
con-ia iio seo officio n. 1,520 desta data. ; nos na forma dos sagrados caones e concilio Tri-
N. 817.Dilo aj capio do porto.Altendeodo'deDlino.
ao que expdz em seo requerimeoto, Antonio Joo
Pires residente em Iiamarac. tenho resolvido dis-
pensar do servico da armada, para que eslava de-
sigoado, seu fiho Jos. Antonio Pires, que serve
e arrimo a seus pas velhos.
N. 848.Bito ao juiz municipal do Granito.
Tendo nesta dala expedido as convenientes ordens
a cmara municipal do qnadrienio fiodo da villa
do Granito, pa-a dar quaolo ames posse aos ve-
reaBores da nova cmara, recommendo a Vmc,
que convoque de conformldade com a le, o conse-
Ido municipal de recurso desse termo, i o faca
reunir no dia 7 de Janeiro prximo vmdouro. ri-
ca assjm respondido o seo officio de 5 do corrente.
N. 849.Dito ao presidente eleiio da cmara
municipal do Granito.Coara inclusa copia do of-
ficio que nesta dala dirijo a cmara municipal do
qnadrienio lindo tossa villa, respondo ao que
Vmc. me enderecou sem data, solicitando as ne-
cesarias ordens, afim de que aqaella cmara d
juramentoposee a cmara etolia pela eleico da
N. 850.Dito ao gerente da Coropanhia Per-
nambucana.Declarando Vmc, que s teremos
vapor para Fernando no dia 14 de aneiro prximo
vmdouro, recommendo-lhe, que providencie para
qae o vapor Parahyba, que hoje segu para o nor-
te, passe por > quelle presidio em sua volta para
esta capital, aflm de receber all a commisso, que
seguto uo Mamanguape, e ainda la se acha, bem
como as pracas e sentenciados qae houverem com
destino a esta capital.
N. 851.Dito a cmara municipal de Goyaaaa.
- Deelaro a cmara municipal da cidade de Goyan-
na, em resposta ao seu officio de 18 do corrente,
que approvo a arremataco dos impostes mencio-
nados no seu citado cilicio.
N. 852 Dito a cmara municipal do Granito
do quadnenio fiodo.Acensando recebidos com o
officio da cmara muoicioal do qnadrienio findo,
da viiia do Graoito de 27 de oulubro ultimo, as
copias das actas da aporaco da eleico de juizes
de paz e vareadores dessa villa, approvada pelo
goveroo imperial por aviso de 21 de agosto ulti-
mo, recommendo a mesma cmara, qae d quanto
antes posse aos novos vereadores, juramentando a
todos, comprebendendo os 3 cidados de que traa
essa cmara municipal, visto como baveodo s
mente incompatibilidades na accumula;o do exer-
Dado nesta cidade do Recito sob o meo signal e
sello capitular aos 7 das do mei de Janeiro de
1867.
E eu o padre Joaquim da Assumpco, escrivo
da cmara ecctoslastica o subscrevi.
Lugar do sello.AssumpgSo.
Edital pelo qoal manda o Exm. e Rvm. Sr. viga-
rio capitular por a concurso as freguezias vagas
desla dioceze.
Deo Dr. Joaquim Francisco de Faria,
Vigario capitular.
ni miii > m i ._
Faco publico aos aspirantes ao sacerdocio e a
quem convier que Sua Santidade o Papa Po IX,
acaba de auiorisar o Exm. e Rvm. Sr. deo Dr. Joa-
quim Francisco de Parias, para naqoalidade de vi-
gario capitular deste bispado, conceder deraissorias
dentro do aono de luto aos alomos da diocese que
booverem completado os seos estudos e se acha-
ren) habilitados para ascender ao estado sacer-
dotal, limo nos naturalmente tentados a pO-los no numero
Recito, 2 de jjoeiro de 1867. ~~""" dee corpos que a'chimica designa- com oe mmu
Conego Joaqutm Ferreira dos Santo,
Secretario do bispado.
INTERIOR
RIO DE JANEIRO.
ico nacional.
* IX
PLANTAS MEDICINAES, RESINAS, BORRACHA.
Depois da categora das madeiras a ciasse dos
producios chimicos e pharmaceuticos a mais rica de
todas. Coma moito mais de mil objectos. As plan
tas medicinaes nao pouco contrbnem para elevar
este numero, sendo mencionada cada urna dellas
individualmente no catalogo. A maior parle des-
las plantas apparecem, do norte ao sol, em todas
as provincias, e urna analyse rigorosa redoziria de
ceno a urna pequea quaotidade de especies a to-
lalidade dos exemplares que desde o Amazonas at
ao Paran foram miniados a exposicao.
E' duvido-o que entre tantas especies possam os
nossos mdicos fazer novas acquisicSes, e a maior
parle das plantas expos:as pareceram-nos plantas
pareceram-nos
eco descargos de vereadores .* que foram ^'"?2fi*2,i?'S*ia"E
eleitos e de delegados e subdelegados oe polica,
que exercem, como esclarecen) os avisos de 16 de
abril e 16 de junho de 1849, nao ba razao para
que a mesma cmara deixe de dar posse quelle*
cidados, convindo parm, qae chame os imroe-
diatos em votos para os substituir, era quanto se
acharem elles no exercicio dos cargos poticiaes,
como determina os citados avisos.Quanto a ulli-
Ca<>, por exemplo, no diccionario do Dr. Nicolao
Moreira. Iodepeodenlemenle do valor therapeuti-
co, estas plantas, apresentadas em urna exposicao
dos productos da Industria devem offencer um ra-
1 teresse commercial. E' debalxo do ponto do vista
da sua boa conservaco, do valor qoe possam ter
para o negociante de drogas, que enmpre julga-las.
: A este repello, a verdade ebriga a recoohecer que
na parte do offlalo, a que 'respondo, cahe-me di- \ LJJ Par,e da? colleesSes sao era extremo me-
zer ainda a esa cmara, qae deve juramentar os
4 juizes de paz eleitos, emtira j se lenham pas-
sado 2 aoaos do quadrieoio, por isso qoe deve ha-
ver setnpre 4 juizes juramentados, como determi-
na o art. 6.* das lusiror-cSis de 13 de dezembro
de 1832.
N. 853.Portoria. O presidente da provincia,
attendoodo ao que requeren o promotor publico da
comarca do Limoeiro, bichare! Maooel Galdino da
Cruz, resolve prorogar por 30 dias, ms sem veo-
clmeotos, a iiceoca. que loe fot concedida 14 de
agosto do correle anuo
Expediente do secretario do governo do dia 28
de no vera bro de (866.
-V. 854.Officio ao juiz de direilo presidente do
tribunal do jury. Manda S. Etc. o Sr. conselbei-
ro presidente da provincia, communicar a V. S.,
que nesla data expedio as convenientes ordens,
aflm da que se aprseme nesse tribunal, a guarda
do costume, como requisilou V. S. em seu officio
datado de hoje.
N. 855Dito ao commandante soperior de Pal-
mares.O Exm. Sr. conselhelro presidente da
provincia, manda declarar a V. S. em resposta ao
seo offlcio de 24 do carente, qae acabo de auio-
risar a tnesourarla provincial, a pagar ao sargen-
to Olympio Ferreira da Silva, os vencmentos
constantes do pret que em ouplicata velo annexo
ao citado officio.
N. 856.Dito ao commandante do batalbo n.
11 de Iguarass. -De ordem de S. Exc. o Sr. con-
selhelro presidente da provincia, communico a V.
S., que ebegaram a esta capital e tiveram o con-
veniente destino, os guardas do batalho sob seu
commando, Jos Joo Silvestre, Jos Vicente de
Lima,'Cosme Miguel de Oliveira e Jeronymo Fran-
cisco Ferreira, designados para o servico da
guerra.
N. 857.Dito ao tenente-eoronel commandante
do 10.* batalho de Iguarass. O Exm. Sr. conse-
lbeiro presidente da provincia, dando o convenien-
te destino aos guardas oaciooaes, Flix Jos Mo-
reira e Trajano Joaqoim de Saot'Anna, assim o
maoda declarar a V. S. em resposta ae sen officio
de 27 do corrente.
<;ovi:ii\o do bispado.
SEDE VACANTE.
O Dr. Joaqoim Francisco de Parla, coramendador
da ordem de Cnristo, eonego honorario da impe-
rial eapella, 'tote jubilado de theologia, deo da
saota igreja cathedral de Olinda e vigario capi-
tular da dtocese de Pernambueo; sede vacante.
De conformidade com o alvar das oltimas fa-
cnldades de 14 de abril*Je 1781, concedido reiaii-
diocres.
Colhllas provavelmenle em estac* impropria,
deseccadas sem cuidado, a maior parte dentre ellas
antes parecem molhos de" hervas seccas, do que
plantas medicinaes. Um digno medico de Pernam-
bueo, o Sr. Dr. Joo Ferreira da -ilva, tentou con-
servar as soas amostras dentro de frascos, mas
experiencia nao sortio effeito. A provincia do Pa-
ran, qae verdadelramente urna das que flzeram
a soa expsito com mor cuidado e desvelo, fol a
unc que mandou plantas em um estado de prepa-
racao e de conservarlo, nao perfeito, mas pelo me-
nos soffrivel.
Com effeito, pdese ver oeste grupo om bello
exemplar de casca de sessafraz, algumas amostras
I nao todas) de ipecacuacanha mu notaveis, raizes
de jalapa, lo bellas como s do Mxico ( mas im-
portava saber-se a qnantidade de producto til qae
ellas podero dar), o carapi, qoe se acha em per
tollo estado de cooservacao do mesmo modo que a
sa/t?o e a batata de purga ; genyibre e a acnca ro-
ram igtialmaate be u preparadas; a fumaria (o co-
linda e deseccada Com desvelo. Ha nesta exhibi-
co cinco oo seis quahdades dequtna, branca, ama-
relia, roxa, do campo, qne attrabem necessaria-
menle a aitenco. Essas quinas sero guini'na, oa
serio pseodo-quinas, como as que A. Salnt-Hnaire
assigoalou ha mullos ann >s e foram analysadas por
Vauquelin ? Nao deixaremos tambem de mencio-
nar o alcaguz e a herva doce, coja cnltnra devera
ser tormentada, por quanto tmportam-se da Euro-
pa qoantidades bstanle coosideravels desles dous
prodoclos, e a provincia do Paran parece poder
fcilmente fornece-los aos nossos pbarmacenti-
eos e disiilladores.
Urna das mais preciosas plantas do Brasil, de-
balxo de ponto de vista commercial, a salsaporrilha
[.acoa se mediocremente representada. O Sr. major
Coutioho autor i>e urna nota interessamissima so
bre a coltura da salsaparnlha, nota que foi publi-
cada no relalono do ministerio da agricultura
( 1865 ). Nao ser ocioso extrahir desta nota o
trecho seguate, tor quanto as coasas boas nada
perlem por serem repetidas :
A colbelta dos productos silvestres, sejamquaes
forem as circumstanclas, altamente prejudicial ao
trabalhador e emprebendedor.
c A' prlmeira vista parece lucrativa a apropria-
c*o pura e simples das riquezas nalnraes.
t Esta dea despertada por ootra, a da proprie-
dade gratuita, que tem grande influencia, mesmo
entre a classe niustrada. Colher um producto va-
lioso' sem ter empregado capilaes, oque se repu-
la bom negocio, apezar da experiencia diaria pro-'
varo contrario....
c Para obter 200 arrobas, muitos fabricantes
gastara cinco e seis mezes, contando com o teropo
empregado as margeos.
O preco da salsa regola a 10*000 a arroba na
iolerior,> 5*000 nos povoados, no mercado de Be-
lm a 22*000, presentemente. E com 3:000 (ad-
mittindo o mximo ) compensa o fabricante a des-
pea com trabajadores, o lempo consumido, os in-
commodos por que pa&sou no deserio, sujeilo a mil
contrariedades, a perder a vida a cada insume T
Por certo que qin.
E o trabaiho, que sssim esperdifado, prodo-
ziria grandes amageos applicado ao cultivo da sal-
sa. Um terreno de 500 bracas de frente e oulras
tantas de fundo, oo 250,000 bracas quadradas. po-
de accoramodar 15,376 pes de-salsa, guardando en-
tre si a distancia de qaairo bracas.
< Calculando-se que cada planta d 8 libras de
raizes, o que ooocas veaes acontece, sendo o termo
medio de doze a dezeseis, principalmente bavendo
cultura, v se qoe a produeco de 38:440*000,
em prlmeira raao, no lugar da colheita, dando-se o
preco minimo de 10*000.
t Porm este resultado nao se obtem a,nnualmen-
te; a salsa s pode ser colhlda com intervalio de
seis annos.
t Por isso precio em cada anno fazer-se a
plantaca oa sexta parte do terreno, de maneira
que, quando a ultima tor preenebida, esteja a prl-
meira no estado de ser aproveilada.
t Comeca eotao a colheita, e o rendimento an-
noal pdp.de 6:406*666, que corresponde pro*-
ximameuie a 691 arrobas. Ora, esta quanlidade
de salsa pfide ser c Ihida por cinco pessoas- em
dous mezes s mullo commodamente, por que o ser-
vico perto de casa e a plamacao cerrada.
< E Qote-se que as plantas nao exlgem cuidado
se nao na occasio da colheita, como veremos mais
J736 fizertra a descripco sciemlflea desta pre-
ciosa substancia.
Extrahe-se a borracha por meio de IncisSes
oo irooco da arvore, dando-se um corte transver-
sal muito profundo, p-ucos palmos actraa da raz,
e chegaodo a' parte 'enhosa. Para qae a seiva
corra com mais aboudancia, faz-se ama ootra ioci-
sao a eomecar do alto do tronco vertical at en-
cootrar a primeira lransver-al,"fazeodo-se alera
disso, de distancia era distancia, incls5es obllqoas
a' vertical.
Muil s
Ifmpea, 6 % ....... .
< Limpeza, preparacio de gom-
osa, confeceo dos otijectos, volca-
nisajo, despezas ge raes, preco me-
dio .........
Somma. .
t AjoDtamento 0 */ de perdas
depols da vulcanisacao, pecas fa-
Ihadas, aparas, cortes etc. .
36
50
86
U
30
f
venda
Resta.
15 /-
8
1
10
40
90
90
vezes avadara essa operacio arrochan- Somma.
do-se a arvore com cordas ou cipo?, o qae nao ra- < Deduzindo 5 / de enxcfre
rasjrezes causa-lhes a raorte.' Em pouras boras a ajumado para a vnlcaoisacao, me-
seiva qne corre enche as vasilhas, seraelhantes a nos o valor do eoxofre, ou cerca de
bacas, reitas de folhas largas e daargila plasliea,!
e adaptadas a" parte inferior da arvore; depois
passa-se para oulras mais apropriadas : mroa-se t Lucro da
espessa pouco la-mpo depols, e solidificase pela I
evaporacao da parte liquida, e costnraam rai-la 10 20
seccar compleftmGte submetlendo-a a um ligeiro I O termo medio do preco dos objeelos de bor-
calor, para o que saspeodem a sobre um braseiro racha pura, sem mistura, de cerca de 10 fr. o
de certas plantas, cuja cbamma alimentada por kilogramma; pode elevar-se a 16 e 18 fr. praos
carocos de'ouncury, de forma qne receba a fuma- pequeos objectos cuja confeceo requer urna mi
ca, que a torna ennegrecida, cor que geraljiente de obra complicada e dispendiosa,
adquir e com qoe se aprsenla no mercado, Em- O k.logramma de borrada
quante a borracha esta liquida, d-se-lbe por meio' de Java cusa cerca de
do formas as configurares que mais agradara ao
gosto e appropriadas ao fim a que se deslioaro.
O frocto da arvore pequeo, e conlm
urna ameodo branca, de gosto agradavel, da qual
se extrae um oleo tlxo, rxo claro, assemelhando-
se a' cor do viobo velho do Porto ; o pro e-so da
extraeco igual ao empregado geraJmenl* para
exlrahir o oleo da mamona. Serve este oleo para I
< O termo medio da perda com
lavagem de 18 /,.....
i Despeza como cima. .
5 fr. e.
90
i 50
t 5 /. de falbas ele.
adiaote, e foij* a plantaco todo est completo, o substituir o de linhaca, mas nao to dissecativo ; Dedncco para o eoxofre.
ni'lfn ftQA AntiAQ rtK-l<\iknln anlAe II>a A fivniirii'.il *!..... .1_________ .... L
mato nao oppoe obstculo, aoles I he favoravel.
O lucro avalla ainda mais se reflecilrmos que nao
se perdem don* e tres mezes em vlagens arrlsca-
das,|culiivando-e a salsa nos sillos ptrto dos po-
voados....
< O valor dos gneros exportados da provincia
attingio aa mximo em 1860, chegaodo a........
702:1205910. Em 1861, apezar de ser maior a
exportacao, os valores em troca nao torim alera de
667:434*866.
Um terreno'tle duas legis de frente e outras
tantas de fundos plantado de salsa, di maneira por
que indicamos, B 551,750 arrobas; calculaodo-se a
oito libras cadafp, o que, como Vimos, 6 moito
firme, e veodeddo-se a 10*030 a arroba, o pro
duelo sobe a 5,617.300*000. Toraanoo a sexta
parle, que o fue se pode obter annualmeole, le
remos 936:150*000, valor superior ao de toda a
produeco da provincia.
E oote-se que o Irabalbo empregado em colher
essa porcao de salsa pode ser ejecutado por 500
homens em tres raeze*... >
Permillam-nos qoe depols das plantas niedicisaes
consideremos como cathegorias immedialameote
prximas as das sewns, dos leiles, breus e resinas,
que a principio atirahlram a aiteugao das jiopnia-
coes nicamente em razo das suas propriaddes
medicinaes verdaderas ou sopposias. Umaniassi-
ficacao racional dest-s productos impossivel. Sen-
de gommas, resinas, i/ominas resinas ; mas pro-
vavel que o principio de classificaco, segundo a
chimica que propoz Ricardo Oweo, para os pro-
ducios desta nalureza, muilas vexes falbasse. Com
tfcilo, parece que as analyses chimicas que ho
sido tollas pelo laborioso Sr. Petkolt, de Gautagallo,
sobre algumas deslas substancias demonstraran), a
sua granue complexidade. Pode se dizer qoe at
ao prsenle subsiste grande incerteza a respeito da
maior parte desles productos e que em neohoma
oulra classe a anaiy-e scinnlilica se poderia eOec
luar com ror proveito para lodos. Lembrados
a oda de vem eslar os nossos leilores de qoe o con
traste entre tantas riquezas e a completa ignoran-
cia do seu verdadeiro valor foi urna das cousas
que o Sr. Aga*Slz roais estranhou quando percor-
reu o Amazonas, e em que mais insisti as adiar-
se de volta oa nossa capital.
Em om reatorio sobre os productos desle gene-
ro exhibidos na exposicao universal de Londres de
1862, oSr. Barral comecava por dizerque diver-
sas collecdes apresenuvam aos visitantes amostras
magnificas, tanto dos mais communs como dos mais
raros desles productos naturaes, a qne o liomem
nao tem ainda consagrado esforcos no intuito de
augmentar ou mesmo de aperfeicoar a sua co-
lheita.
Apezar desta asserco, bem exigua a lista das
substancias assigoaiadas pelo relator; a nossa ex-
posico otlerece a esle res jeito mais riqueza e va
riedade, e isto mesmo urna prova do imeresse
com que a industria e o eommereio europeos exa-
minarn os productos novos e desconhecidos que o
Brasil, por assim dlzer, Ihes revelar.
Com effeito, nao sera' somente a medicina que
lera' de oceupar-se com os leiles oo selvas de ana-
ny, jacareuba, sorva. muiratinga, ele, ele. Estes
productos loteressam igualmente o eommereio e a
industria, que tambem nao vero com indifferenca
as resinoi de cajneiro, de que o Sr. Fra nclsco Pe
reir de Va .-con ce Nos (Bahia) expoz, sob n. 4,882,
urna bellisslma amo-tra, e que um excelleoie
succedaoee da gomroa arbica, a raz da almacega
n. 4,880 e a raz de angico a. 4,881, do mesmo ex-
positor, sem fallarmos de outras amostras magnifi-
cas, vizinhas deslas e que nao leem designaco al-
guma ; a raz de jutaicica, oo copal orasileiro, de
que os Srs. major J. M. Taveira Pao Brasil, J. Ro-
drigues Soares, H. T. Fleory da Silva e V. M. de
Lima (Amazonas) mandaram nolaveis amostras ; o
bren de anany, o. 4,884. exposto pelo Sr. major
Coutioho (Para) e o o. kfliT, exposto pelaeomrais-
so provincial do Para; a resina de massaranduba,
o. 4,856 (Para), do Sr. M, da Conha Penatber; a
de beijoim, que ja' conslilue, diz o cainalogo, um
ramo de eommereio importante na provincia do
Rio-Grande do Norte, e bem assim a resina de al-
mecega (eiemy)... mas seria um nunca acabar e
quizessemos assignalar Indo.
Mas entre todos estes suecos naturaes havera'
porventora algam qae possa vir a ter a extraordi-
naria importancia de qoe goza na industria moder
na a borracha ? A provincia do Para, cuja maior
rqneza consiste provisoriamente nesta exsadaco
plstica, empregou bastante desvelo nesta parte da
sna exbibico. A simplicldade, e al mesmo se
poderia dizer a oroteta dos objectos expostos, tes-
temnnba por si s a simplicidade dos trabamos
neste genero de industria. Todava esta exhtbico
nao deixa de offerecer muito Interesse. Com effei-
to, os prodoclos expostos foram coagulados por
meio de meibodos diversos, alguns dos qu es se-
cretos, e cujos resoltados e valor se prestam sem
dovida a orna curio-a coraparaejio. Todos os sa-
bemos como se obtem a borracha. O catalogo, mol
minucioso nesta parte, recorta as priocipaes pba-
ses desta cultura em orna nota suecinia que trans-
erevemos para quem nao a ti ver lido, e as pessoas
imeressadas poderam acbar oo relalono do minis-
terio da agricultura de 1865 urna excellente me-
moria o Sr. major Coutlnho obre este mesmo as-
sumpto.
Eis o trecho do catalogo:
f A resina qne riea em snspensio na seiva ex-
irabida da arvore siyhonea elstica (familia das
euphorbiaceas) entre nos cnam ida borracha, se-
rioga e gomma elstica, e em Franca mais geni-
mente coobecida por ciohcohc, corrupeo de
cahuchu dos indgena*.
A seiva da seringaefra conlm cerca de 30 */
desla resina, debalxo da forma globulosa, eom ap-
pareocla e consistencia de leite, resoltado verifica-
do pelos Srs. Bougner e La Oodaraloe, que em
8 40 40
8 i 86 40
c Lucro de 15 */
8
1
40
26
66
misturado com a gomma copal e terebenlma forma
bom verniz, e pode tambem ser empregado com i
vantagera no fabrico dos sabdes duros, da tinta ly-
pographica, e lalvez da fytbographica.
Por moito tempo foi a gomma elstica expor-;
tada em estado solido, pouco endurecida, conser-
vando a sua elasticidade, at qae o fallecido Sr.
Heorique Antonio Strauss conseguio conserva-la
sera ait-racao em estado liquido, e sera ser preciso
preserva-la ioleiranente do ar atmospberlco, con-,
servando a hermticamente fechada.
O amoniaco hoje geralmente usado na pro- que ella se pode prestar,
vincia para conservar a borracha era estado li- > As gommas de Carlbagena, muito empregadas
quido. : em Inglaterra, sao de preco um tanto soperior s
O processo do Sr. Sirauss para solidificar a de Java, 5 fr. 50 c.; mas oa realidade, como con
borracha, sem Ui la passar pela defuma, lm poucas impurezas, nao sabem mais caras ao
hoje do dominio do publico e consiste no emprego. fabrcame.
da pedra-bume. > I As borrachas commoos (osernamby ?...) que
Urna vantagem coosideravei do raethodo do fina chegam a cooter 50 y, de materias heterogneas,
auss a de nao arruinar a saode do traba- \ conforme j dissemos, sao vendidas por precos re-
Somma........ 9
Sendo, pois, a borracha do Para vendida a 10
fr. 20 c. e a de Java a 9 fr. 66 c, v-se que ha en-
tre os productos oblidos urna dlfferenca de 50 e.,
tendo o fabricante 'em ambos es casos o mesmo
lucro. Tal o motivo por que se procura de pre-
ferencia a gomma das ludias para todos os osos a
Ihador, que no aelp da defumacSo flcava exposto
a' absorpeo de vapores acres e irritantes. Este
processo eslimolou os que se do a' industria da
preparaco da borracha, e com effeito dous exposi-
tores, os Srs. Dr. Jos de Aranjo Roso Daoim e Hil-
debrando Nunes Lisboa inventaran) cada um o
seo uithodo differeote, mas ainda secreto, para se
conseguir a coagolaco rpida e perfeita da seiva.
E' na realidade mu nolavel o de-envolimento
rpido do eommereio da borracha, desenvolv-
mente de qoe se pode fazer idea a' vista dos se-
giotes algarismos, que representara as totalidades i
dos cinco quinquenmos decorridos desde 1839 al [
1864, segundo o mappa qae acompanha a memo-
rll do Sr. major Coutinho. Eis aqui os algaris-
lativamente baixos, mas esta fabricaco da as ve-
zes de facto mais lucro ao vendedor do qoe a da
borracha pora, vendida mais cara.
< Eis-aqui um exemplo :
ICO kilog. da do Para prepa-
rada conforme deixamos
dito cima, a 8 fr. 90 c. 890 fr. c.
50 kilog. de glz a 5 c 2 50
< 150 kilog. por......
Temos pois 5 fr. 90 c. por ki
logramma.......
15 /. de lucro......
691
50
90
88
mos
1839-1844
18*4-1849
1849-1854
1854-1839
1859-1864
115.323 ($
214.148 >
534 352 >
632.371
917,924
100
165
463
548
795
< Somma. 6 78
Estas borachas, vendidas a 7 fr. parecere ce-
menos caras ao comprador do qoe a do Para a 10
fr. e id c. ; mas oo obstante daro ao vendedor
um lucro de perto de 25 "/., em vez de 15.
< Desns pormenores resulta evidentemente que
o desvelo e a inteligencia do fabrcame podem, de
urna maneira notavel, diminuir as despezas da pro-
No relatono em que ja fallamos cima, e qoe
carioso por mais de ^ra titulo, o Sr. Barral calcula dueco. Esta observado corrobora a asserco qoe
que o Para e a liria de Java tornecem os 8/9 da precedentemente flzemos a respeilo da inflamen
borracha e da gutia-percha qoe se consomem no consideravel qoe tero, sobre a prospendade da in-
mundo, e declara que era 1861 produjo totjl dustria da borracha, os agemes encarregados das
podia ser avallada era quatro milhSes de kilogram-1 operacSos praticas.
mas, provenientes dos paites segoiutes
Java.......2,000,000 kilog.
Para.......1,200,000
Guatemala, Venezuela 750,000
Nova Granada (Americ Cen-
tral, frica Jfc. 50.0C0
V-se de qne importancia sao os modos de ex-
| traeco, e que oo ba expressoes com qoe se loove
lo goveino provincial do Para por haver comprado,
i por um preco relativamente mdico, o segredo do
! methodo inventado peto fallecido Strauss, aflm de
o vulgarisar e eairega-lo ao dominio publico. Esta
O Consumo, diz anda o Sr. Barral, repartio-se do mesma consideraco augmentara o imeresse que
modo seguate :
Estados-Uoidos da America
luglaterra......
Franca ......
Allemaoba e diversos paites
1,200,000 kilog.
1,100,000 i
900,000
8U0.0U0
Total 4,000,000
offerecem as amostras dos dous expositores, cujos
nomes ja cima declaramos. Estas amostras, po-
rm, devero ser assfgnaladas de urea maneira
particular attenco dos fabricantes, estudadas
com o maior cuidado.
A iadusina da borracha coma apenas triota an-
nos de existencia, e Ja se manitestam recelos de
E-te calculo inexacto. Com effeiio, pelos map-' que as arvores productoras ventura a tornar-se es-
pas estatisticos das nossas alfandegas, v se que do
exercicio de 1860 a 1861 houve urna sabida de mais
i 2,400,000 kilogrammas, o dobro do queapparece
n'aquella primeira indicaco. A produeco da pro-
vincia do Para passou, no ultimo exercicio de 1864
cassas. Cora eftoiio, o consumo augmenta qocti-
dianamente, e a gomma elstica urna scbsiancia
sera a qual quasi se nao podara passar E', pois,
com vivo prazer que se nolam, na exposicao, pro-
\ duelos anlogos provenientes de oulros vegetaes, a
a 1865, de 3,300,OtiO kilogrammas (227,251 arro- selva de mangabeira, arvore que, ao que parece,
ba*). Fra aioda mis consideravel no anno ante- ja se vai tornando rara ; a de mangabeira ou araa-
rior (1863 a 1864). Mas se podemos demonstrar ro da silva, que, entre oniras v^niagens, oftorece a
a loexactido do calculo cima transcripto, nao nos! de darse bem tra terrenos seceos, e da qual o Sr.
acharaos em estado de discutir o valor da compa-1 Dr. Jos de Araojo Roso Daoim expde orna amos-
raco eslabelecida pelo mesmo seohor entre a oos-; tra; a de sorvelra, que se assemelha a guita-pecha
sa borracha e as suas rlvaes, debaixo do simples e da qual se deve um exemplar .o Sr. M. J. Perei-
ponto de visla do cusi de produeco e da pureza.
Julgamos prestar ora servico aos productores
traoscreveodo as seguintes palavrai do Sr. Barral,
que recoraraendamos mu particularmente a' sua
atlencao :
< as gommas elsticas mais estimadas sao as do
Para, comidas oas margeos do Amazonas; sao so-
bretudo empregadas para tubos de gomma pura
para corddes, molas, e em geral para lodos os ob-
jectos submettidos a esforcos constantes e repet
dos; seu preco, porm, om tanto elevado; de
maneira que as gommas elsticas <*a Am-rica Cen-
tral, isio de Cartagena, Guatemala, Gu ou as da A.-ia, isio das Indias oo de Singapura,
de Java ou de Batavia, collocadas em segundo lu-
gar pelo seu preco, sao as mais commummeme
empregadas. Em Franca, para as obras de borra-
cha endurecida, s se faz uso da gomma de Java,
Qitavel sobretudo por suas propri edad es nn-vosas.
As gommas colindas as cosas de frica, as flo-
restas de Gab.n, apezar da .-ua abundancia, ainda
nao foram adoptadas pela industria. Acbam-lhes
o deleito de serem mui pegajosas, e sobretodo,
de cuoierem moitas materias heierogenas, o que
provm dos raeios barbaros etnpregados para co-
ih las. Os eallivdores e os oegoclaotes da nos-
sa colonia do Seoegal devem tratar do aperfeicpa-
memo dos metbudoj de colheita. Por outro lado,
os fabricaotes de borracha devem cuidar de me-
Inorar aa machinas qoe servem para limpa-la, ma-
chinas qoe, na verdade, lm eito, ba alguns an-
uos, notaveis progressos.
i Assim, a borracha de Java nio valia, por cau-
sa das impurezas que cootm, mais do que a quar-
ta parte do preco das gommas poras (1 fr. 50 c.
contra 0 fr.), quando a casa Albert & Gerard subs-
tituto silba de papis ootr'ora empregada, e que
s mol impertoitameote operava a limpeza, a soa
machina de retamar. Desde ento o prego da gom-
ma de Java tera-se conservado, quan lo moito 20 \
abaixo do da gomma do Para. Tratando-se de me-
morar a gomma do Gabon, cooseguir-se-ha augmen-
tar de ama maneira nntavei o consumo das gom
mas africaoas, que at ao presente s ho sido em-
pregadi s para objectos grosseiros, como o prepa-
ro de lonas e para untaduras.
Recordados estes toctos, vamos estabelecer o
preco do kilogramma de borracha fabricada :
A do Para vale agora, (1862); cerca de 6 fr.
o ktlogramma....... 6 fr c.
a Termo medio da perda com a
ra Guimares ; a de. massaramduba, de que vie-
ran) do Para numerosas amostras (o c anlogo d
a respeito deste producto e da arvore de que o ti-
rara intormacSes mol satisfactorias) e Analmente
a de mapara uba.
A' vista, de tamanbas riquezas, as provincias do
Amazonas podem estar segaras de nao perderera a
imporlanc tica. O guverne ja fez o que era soffloiente para
esclarecer os productores. E-tes1 sabem agora
quaes sao os detoitos que Ihes importa corrigir. O
f atoro s del les depende. ConflaaKS que a medida
libwral, por meio da qaal o goveroo geral acaba de
abrir ao corara-rcio de todrs as oacas do globo o
mais bello, raagesloso e opulento rio da America,
estimulando as suas margeos a aetivldade e o
Irabalho, dar a esta industria ja tio florescente
um impulso mais rpido e effieaz.
P. S.Tendo o Sr. Jos Julio de Albuquerque
Barros, era um artigo publicado no Jornal de 14
do correte, procurado contestar o julzo por nosso
informante emlllido sobre os cafs expostos pela
provincia do Cear, de novo convidamos dnas pes-
soas de recoohecida competencia, as quaes, depois
de acarado exame nea referidos cafs, declararan)
ser da mesma opiniao do nosso primeiro informan -
te, Isto qae de lodos os cafs expostos sao os do
Ceara contados entre aquellos que menos merec-
ment tem. >
PRODuerres PHaniiAcnrricos s chimicos.
Depois das resinas, os leos mioistraram a' ex-
posicao copiosas amostras. Seria mais qoe leme-
rldade proferir um joizo sobre prodoclos dos quaes
somante alguns sao eonbecidos e a cojo respeito,
por ootra parte, s se poderiam prooanciar as
pessoas que dalles bao feito o objecto de um estudo
especial e profundo.
Desses olios, uns sio poramente medicinaes como
os de copahyba, de andirooa, de tamaquar ( este
oltimo mandado pela primeira vez do Amazonas, e
ao qaal se attribnem maravilbosas proprie ladee
anti-herpeticas, servir', segando se diz. de objecla^
a ama memoria circunstanciada, qne lera' de ser
apresentada a' academia de medecioa); o oleo de
rlcioo, de qoe ba numerosas amostras, entre as
qnaes nao possivel delxar de assignalar de ma-
neira especial os dos Srs. Leao e Alves, de Porto-
Alegre. O oleo de ricino, bem preparado, poderia
tornar-se om ramo de eommereio importante com

H
-


MMDMI
mmmm
WMM
ja-
i
a Europa e os Estados unidos; t$$ih' fe^ejS-
que a eenOlbrico venina sr regular no.Brasll.
Os miro leos esposaos tem seu valor iodasirlal
on rawaw alimeniat. botre o? pnmeir'os eiur'emos
o de amendafa, do qaald Sf.ergio AnlonUrViei-
ri, do- Marwmio, expoz-uma amostra. A fabrica.
cao desteoleo ara dos ramos importantes do com -
raercio marselhe;., que vilaj*aaf. o gr*| ~
m oh taz ^aar n,r.. *
Sal oq ao Gabo
o pelos saboelros, per
Sera' impossivel que o
riqaeeer Marselha e qo
cilidade, properciooe a
tria T Compro nos me
cattankat, de que o Sr.
Para', os Srs. Martn) e
vincia, e o Sr. J. I fixem
. o oleo a Mwfeim
areeu
rttattars]
cora tan
aova i
be* o ole de
ado (hoto, o
ra Belforl, do Ha

experiencia dos mdicos, lomara' o seu aqtor ios-, Sebastiana Marta da CooceicojstaOeaealDl
laaieoie celebre. ... aar*s. L
Emf|m mencionemos,jinda aa. admira* pe- casa de obtknqao.Mov
qnizis fetas sobre a qaaoUdade de cafis contlda Janeiro da 1867. Existan
em certo noro E.*e estado ja' por bamrii-pafa rdCTmmen fnHR 178 j roulheres 13 ; estraogel
dar o Sr. Peckolt a' lteoslo de qaaolos se preoc- res 3 tscravos 45 ; escravas fi.Total 37\
felta 8 de Janeiro de 18o7.

SKdW.^

ranbao exposeram netaveis amostras; serve elle reclnenlo de quem a formoa com taototTablho a
para udos os usos, al me?mo para adoba colioa- paciencia.
_ae*Me**l.
A ojee de (ajar <*<*ie #r uau aea*7a dos'aa a*67 I
taaaelbon wbmeaMMSAiurf gato saMoaQode> Tweram hatta:
Uj atanaaiMtim de (^atagallo. Qs vidrioaos d* ** Ma^yM^' t wn,h
*, f^m ** a*omn.adoe de a amor* JoafOm HHo rUlgeS!|
al exiMn, eaja iftpnssa fot OeeMaia peta Aom*> AiveaOe Uatu; eoie.
iory. Tata o anafe aadera' e3Q oNcer-s*
da importancia daata eolleccao e do singular roe
i da (jama Uuarle.
loto.
eira de Mello.
Tartio*.
kotonio Alves Mascarenhas.
Mordemos e mordomas.
Qfcf
rio. Temos depois o oleo de coco,entrecojas amos-
tras citam se as expostas pelos Srs. Candido Prado
Pinto rl D.,.'.I ...__._ ... j. n ... ,__._
(Jornal do Commercto do Rio.)
PEBIMMBUCO
REVISTA K*ntl
Pinto, da.Para';Leoneio Armando do Espirito-Santo,
da proviocia de Sergipe, onde este fabrico tem lido
certo desenvolvlmento. e JoJo Pinto da Lor, do
Sama Ca iba ria.
Os olaos alimenUcios acham-se representados
em grande qaantidade. Citam-*e, em prlmeira li-
ona, o oleo de dend on de oaiauh, a respeito do
O "uSrio fe't^rT e^ffS a^eSo c ****> "^odo de 9. Exc, nada soffre o
nbecerTvat1^ r?rodnc?os e ?oM K'S'dTe'^nS: ^ S& "" ^ S'
qoe se oppdem a* esavol.unento de am fabneo, Elc- P"* ass.gnados.
cajo aagmeate nao se pode deixar de desojar com Ti vemos o resultado da eleicao para am
o roaior ardor, na* so por qoe nos eximira do pe- membro da assembla provincial no coliegio de
sado trbulo qoe pagamos ao estraogeiro, con Pao d'Alho; o qual o seguale :
tambera por qae podfria offerecer provavelmente Dr. JoSo Baptista do Arnaiai e Mello.. M votos
ao asesmo estraogeiro prodttctas mu superiores Df- Jo&e Eo^laquio Perraira Jacobina.. 11
ao que elle empsega para sabstitoir o atete doee. Reunidos estes votos aos obtidos pelos dous ca-
Ao lado destes prodoctos per mi ta oa-sos que col- didatos no coliegio desta capital, o seguinie o
loque-nos, apesar da falta do analoga, o guaran, resoltado defloivn da eleicao :
de que a provincia do Para' fez tao bella e comple- Dr. Jacobina........ 115
ta exposicio. Publicaaroato* aleuns mezes a res- Br. Aroaral e MHo,. lii
peito deste producto ama ooMcia miouciosa, e as- Amigo e apreciador do Sr. Dr. Jacobina, cum-
siro julgamo-nos dispensados de lasislir sobre a sua primeataraolo pela ua honrosa eleicao; a qual
oatareza a modo de preparacao. Cunslituia elle U>e deve ser por ccr.lo muio lisongeira.
oatr'ora ura objecto de permuta de priraeira ordem Cbegaram bootem do Igaarass 6 individuos
entre as provincias do Para' e Mato Grosso, mas a all rocralados para o exercito.
ggy? ,em ,ornado a ** exporjacao para esta ni- Sea\fTt nos agradavel registrar nestas pa-
tima provea extremamente difflcil. gM5 0 eonceilo qae se ssa fe de s, m C0JR.
iS, i,lto .* a eus ann?s Da Europa' 9m P'a"nc.aoo nosso, ero quem reeonhecemos raeri-
?2 ?ve '. .tn,ao acceitacao, que o seu pre- ,0 e sa,lsfaItndo esle itDpulso,^frrecemos a
co subi coosideravetroente, e a offerla cessou de |eltara pub||ca 0 ,reebo M (D|e unft Mr,a w.
cwrebponder a procura. Isto era tanto mais van- crlptt da carapaDba cotn BrefereBcia a am nosso
Ujoso qaanto os europeos, menos coobecedores ou ;oveB patrici0 qa9 a pnriA dea 0 ue mais nvres de precooeeitos. so mostravam tambera CI0S0 mtt3 0 M0 saDBUt Taronil>
meos exigentes tpe os Mato-Groseases, cooiao- EHe ja no V1V. mas Qm feoJo a SQ memo.
d "u"1 ? Com a 1ual,*ades P" esles r8lu; ria, tanto mais imperioso quanto sera nma dorida
Krii n U ***** q?e rool,' ,0S9*' ** coosotaco seas velos pas; qae nessa apneia-
22Llf au*ran J > 'era hoe a mesma cao tero a certeza de nao baver degenerado o ra-
?S J pe!d0 d0 g8I?flro D1U,USS"B.0 ,D,e- mo do tronco, que o escamara.
,0. hE ,)rovave, 'J?9 i?PO*'ao ooi Tenho o desprazer de annunciar-lhe que am
dm Z,*Vacbamar eocw publica sobre esta Cadel8 seQ recorameodado, de nome Joaqaim Ma-
m^L.^fn ^HUera a8DSl a "BPruulcU com- rlano de Albuqnerqoe, morreo gloriosamente no
n t ,?m.e g-a Pr '?:QtJ ,,la,?.- \ coa,,>4 de de setembro. Era ora bravo I .
u ptiarmaceutico nao se acha oa coodieaode ora ^ ..
bbricaaie que goza de toda a sua iodepeodeacta. ~ De I'amaraca nos escrevem em data de 3 o
A luicialiva pessoal na invenco e no aperfeicoa- !fui?,e :
ment dos seas productos limitada pelo respecti- F-Iaepte, raen amigo, estamos livres do le-
vo repolameoto de proflssao e pelas formas d j Go- eal8 Lfp*-e da or5a qQe sob suas ordens ",0U
dox; deoode se segu que i bem difflcil, apresen- Pr a^ul recruiando.
tarem os proluctos de doas prarauceutieos gran Naocatiiaps maior soraraa de tropelas serem
de aifTerenca. Totav.a algons t.veram o cap-lcho ltas por oecaslao de recrutamento; nao se pou-
de subraetter a' apreciaco do publu:o o seu nwre- voa f ln5ad* at para rectru,ar ,she-
cimento Individual na preparacao dos madieamen n A'Wa WOtem um pobre velho sexagenario Jos
tos, e ai apresentam Smn novas. Ja' se a"ardo da a.lva, fo. victiou da gente do Sr. le-
v que a maior reserva nos imposta era.ambosi De"le ^aPa fargoto QUe commandava o dena-
os casos, e que neohuma aprecucao nos licito I amt". encontrando esse pobre velho a fiar oa
azer sobre o valor destas exOibiceV, que escapara i [a, ntou-lbe que se arredasse, raas sendo o ve-
necessariameoie ao exame dos visiianies. e cojos lDo um PJUCu ufdo.oao se roecbeu vislo como no
o ouvira ; o sargento eotao reit-rou a ordem com
pancadas sendo ajudado por um gaarda. lodo a'|
presenta do Sr. lente Lapa o offendido, nao se
dignou este sephor syodicar do facto a tomar .".<
IVt^alta, s
Caetaaa Marta 4a Oaoceieia.
Poram reeottrtdos a can de deteneio no Ara 5
do correte:
A' ordota o IHra. Sr. Dr. chefe de polica, Joo
Lopes Damasceno e Antonio dos Santos, como crv-
mtnosos ; Antonio Aidr Alves da Pooceca, pian
recruu, viudos do termo de Ploras ; Isael Tei-
xeira de Carvalho, para recruu, viudo da Gr-
vala. A' ordem do Dr. juiz municipal da prmeira
vara, Francisco do Azevedo Aodrade, como todi-
ciado oas penas do art. 5*1 f 4* do cdigo crimi-
nal. A' ordem do Dr delegado da capital, Maooel
Francisco Soarw, para eorreccio. a" ordeta do
subdelegado do Recif., Pata* Bofae. amertcane, i
requisic.io do respectivo consol; Rakchan, iaglez,
por disturbios; e Antonia Marta de Lira, para
forrenlo. A' ordteo do do Poco, Joao Campello
Baodeira, por tomada de preso.
No da 6 do correte :
A' or<*m do Ulna. "Sr. Dr. ebefe do pohfla.
Con (aolioo Herculano Goedes, viudo do trmo de
Iguar^ss, como seoteociado A' ordem do sabdt-
legado de S. Jos, Maooel Teixeira a Silva e Oiym-
pio Jnjuim de Saot'Aooa por brtga; e Lroz oa
Joaquim, escravo de Jos Beato, por offensas feitas
a om menor.O chefe da 1* seceo, J.G.dt Sin
quita.
Passageiros do vapor lpojuca, sabido para os
portos do oorte :
Lanieiin) Dlisses P. Bocba, Paul Doais Rayoa,
Franci.-co Aff.mso do R. Mello, D. Antonia J. de
Amonm e 1 Bina, Bernardiao Jos de Souza, Jos
Luiz Goocalves Ferreira, Jos Joaqaim Peroaodes,
Jos Candido de Souza, Jos- Joaqaim da Silva Go-
mes Sobnoho, Aotonio M. Seabra Lemos, Jos
Pereira do Lago Braga, Maooel Lopes Bodrlgoes
Giuiares.
objecios se achara de raats a mais protegidos coa
tra os curiosos por om daplicado maro de vidro.
Fazemos, pols, o nosso dever, aosleodo-os.
A roesma abstenco nos imposta a respeilo
dos productos chnateos, isto das substaacias
preparadas on fabricadas a > Brasil, era maior ou
menor escala, e para um &m puramente commer-
cial ou industrial. Sempra se achoa impossivel
qae e;te fabrico possa,oo Brasil, dar lucro a quem
nelle trabalha, e sustentar a concurrencia com o
estraogeiro. Esta industria cbogou na Europa a
tal grau de diviso e perfeicao, que pode subrepu-
jar a propria pbarmaoia na preparacao de grande
numero de medicameotos. Gragas ao a perfelcoa-
memo dos mdbodos e a Inlroducco las machina-s.
tem se de tal maneira reduzdo os precos, e ao mes-
mo lempo augmeutado a pareza dos productos,
que nos pareca impossivel lolar-se, no Rio de Ja-
neiro por exemplo, cora ara productor da Inglater-
ra, da Franca ou da AHemanba. No obsianie, o
fabrico de productos cbimicos existe, at certo
ponto, no Rio de Janeiro, onde, segundo a declara-
co de diversas pessoas, presta incooleslaveis ser
vicos, sobretudo, a' pholographia e tambera um
peuce a pharraacia.
Como isto se pode fazer, e porque razo tal pro-
flssao lucrativa, eis o que consume para nos am
problema econmico, que em vo temos buscado
resolver, e para cojo esclareclmeoto nos faltara
absolutamente as aecessarias ioformacoes. u ju-
ry, que tem o direilo de as pedir, e meio de as
obter, satisfar' sera duvila a este respeilo a ca-
riosidade publica. Tambera no deixara' por cer-
to de indicar as medidas capazes de favorecer o^
productores e de anmalos a prosegairem oaseoda
em que, repelimo-lo, nos asseguram estarera elles
prestando quotidiano auxilio a certas prcfis.'des.
Ao lado dos productos chimicos, pde-se coiiocar
sem rouiio eslorco a oerlumaria. As exhibicdes
dos Srs. Lelo & Altea, de Porlo-Alegre, e do Si
Jos Nota, de Nitheroby, lenderiam a provar que
podem multo bem ser Mus aqu todas essas pro
par. (dea de nomes extravagantes, em cuja com-
posigo entrara de ordinario materias summamen-
te nocivas a" saude, e qae ama boahygiene devra
mais severamente recovar. Esias exnibicoes (ou
pelo menos ama deltas) provam da maneira mais
peremptoria que todo merecimeotj da perfuma-
ra consiste aos olho* des coosomidores e das coa-
sumidoras no luxo do rtulos e oa forma os
vidros, pois a no ser assim nao appareceria,m
productos com os roalos da casa Piveau, da de
Alompelas, de Rimmel, o celebre perfuim.-ta de
Londres, e da soaedade hygitnica de Parit: desta
ultima, al se v a assigoatara, o que nos iodazi-
ria a crer que as pieparacoes exhibidas com taes
rtulos sao producios estrangeiros, a admirar-
rao-n,s por cooseguiole de v las adraillidas a ex-
pOSICp NACIONAL.
Todo o inieresse da exposico, na classe qae
agora examinamos, consiste, no nosso entender,
na exhibicao do Sr. Tbeodoro PetkoU, de Canla-
gailo No se achara all, certo, productos in-
dnstnaes, mas observa-sa o resuludo de um tra-
balho coosideravel, de uma prrseveraoca inven
civel, de um saber real e consetencioso; nada
mais fazemos, pois, do que o nosso dever, incli-
nando-nos ante o mrito locontesiavel e procla-
mando os servigos prestados pelo hbil cbimico.
Ja'era 1861 a aitenco publica f6ra moi vivamen
te attrabida pela exbibigu feia pelo Sr. Peckolt
dos productos do sea laboratorio. Este aono a ex-
posico deste chiraico aprsenla anda maior
riedade, maior qaaoUdade, e importancia mi
maior.
A.-siui o Sr. Peckoit eibibe os resultados das
analyses completas de qnarenta e cinco variedades
de puntas, nm estudo.comparado dq tres leos de
copahyba, ama ana'yse minuciosa de grande na
mero de leos, umo extractivos, como es6ooiaee,
ama numerosa colleccao de cidos orgaoicos, mu-
tos dos quaes erara desconocidos antea dos ira-
balbos do autor, algnns alcaloides oovos, diversos
principios ira medalos que, como a tunboma, a chi-
nopotdma, a manthotma, a jncutupina, a wAtAyoc-
toniM (principio activo das fuibas do Imb de pe
xe.) ^u verdadeiras dascoberia.
O Sr. Peckolt assisoala o oleo vertnMho, madei-
ra coja casca oa' o balsamo do Per, ao passo que
a propria arvore fornece om balsamo difireme i
chama a aitenco para a congonha mansa, arvore
dos arredores de Nova-Fnburgo, qoe da am mate
excelb-nt; para a carabina, da- caroba miuda,
que mioUtra. am perfeito sucedneo d salsapar-
riha ; para as sementes de massanbar.lque, sao
suscepnvels de servi/em.da alimento ; para o pije
ncu ou pntenla, do serlao, prefunvel a' puocota,
da Jamaica ; para a magia, do malo, qae poderla
substituir na pbarmacia. o loaro cewjo. Avena
elle a idea de se apnveitar o pergamtnho do caf
qae forma es peso 25 / da bago secco e cootm
0,17 por i,QW d caoin*,
Extractos, resmas, gommaa tamben), > pparecem,
e de modo mu noUvel, nacolIflCco doSr, Peckolt.
Assif nal eu* a*, gpauoa d carvalho vertntlko a
de i'ndod, como podeado substilflir vanUKMMMn#n-
ie a gomina batnrtna e a gomma de cedro ver-
laelho, como saccedanea da gomma arbica.
Dous alcaloide, a agontadtna, extracto da ago-
nada ( plumera lunotfiita >. e a angeUna, Urada
ta resina de angeUna ptdra, achara se indicado*
orno susceptiveis de substituirem a quinina. O
vnmeiro se empregaria em do-es tgaaes, e nlo I
oslarla mais caro. Esta descoberta por si s, se,
tumo todo nos faz esperar, fr confirmada pela I
oecessanas providencias. Consta-me que unto o
sargento como o guarda sao do batalbao de Igaa-
rassu*. _/
< Muitas pobres familias foram victimas dessa
cagada de gente a'que denominara recralameato.
O furjr dos eucarregados delle chegoa ao ponto de
arrombarem elles as portas e penetrando ne mais
intimo das nabiiagSes, abrlrem os babs e arma-
rios particulares das familias em busca de recru-
tandos. Repito! ">eu amigo, qae nanea se vio dis-
to nesta nossa boa trra.
Crcio qae se se demorasse mais aqui o tal Sr.
lente Lapa recrutava ateos nossos coqaeiros,
tal era sua gana em reerntar. >
A' proposito do que dissemos nesta Revista
sobre vragous nos crnzamenlos da estacan da villa
do Cabo, de nossa estrada de ferro do sol, escre-
vd aos o Sr. engenheiro fiscal o seguinie, que nos
appressaraos em registrar :
< Srs. redactores do Diarto de Pernambuco.
Tomando couhecimeoto da reclaraago inserida
por VV.SS. e s-u Uiano de sabbado, verifiquei
que no exislem wagoos irapedindo a circulago
de viandantes nos cruza meot s da estago da villa
do Cabo, e que apenas all perraanec-m as machi-
uas ou tiens por algaos minutos e durante as evo-
C45I.4U \ MUMOIPAL U REGFE.
3'. SESSAO ORDINARIA,EH 30 DE NOVEMBRO
DE 1866.
Presidencia do Sr. Pereira Simo*.
Presentes os Srs.: Dr. Miranda, Santos, Dr.
Villas-boas, Dr. Pitanaa, faltando concausa os
mais seobores, abno-sr asesso e fot lida e appro-
vad acta da aolecedeole.
Lea se o seguate
EXPBPUWTB.
ra offlcio do Eira, presidente da provincia, de
hontem datado, remetiendo a cmara municipal
para seu coobeciraeoto e direcgo, copia do inicia
que na raesma data expedir ao eogeobsiro chefe
da repartigo das obras publicas para mandar
sobr'estar a obra do taqae de nolago pro-
jectada em continuagao do edificio do Gymoasio
pelo lado do sul.Ioteirada. '
Outro do eogeBbeiro cordeador, informando so
bre o que pede Bernardloo Jos Montelro no reque-
rimento que devolve, diz qae verdade o qae o
peticionario allega acerca da frente' de casa cons-
truida ba lempos por eile em sea terreno a ra do
Sebo, no burro da Boa-Vista, com viole palmos de
altura, oomo tem as casas visiobas, conforme as
posturas eoto existentes, pelo qoe, a ser obrigado
a eleva-la a altura de 19 palmos, como marcara as
posturas actuaes licara a mesma casa em desacor-
do com as ootras.
Posto era dlscusso, e fallando sobre* conceder-se
ou no a hceaga requerida, diverso senhorea ve-
readores, dessidio-se por fim no conceder a licen-
ga pedida, volando o Sr. Dr. Miranda a favor da
ediQcago da casa, cuja frente esta va apenas em
maro, por ser anterior as postaras, que boje vfgo-
ram, menos para qae levaotasse solea por nSo
ter viole loas palos.
Sr. Dr. Pitanga pede a palavra e seado-lbe
concedida, aprsenla o segaiote requer ment:
Rqaeiro que se pergonle ao eugeobeiro cor-
deador porque razo no se tem dado a eordeaeo
para o cemlterio da Varzea, aflra de se lavrar o
termo de doagio do terreno, e se proceder a factu-
ra to necessaria daquelle ceraiterlo, e caso i o o
lenha laNO, que o faga com urgencia.
c Pago da cmara municipal, 30 de novembro
de 18o6.-Dr. P.laoga.
Despacharan] se as petigoes de Albino Jos fer-
reira da Cuuna, Bernardino Jos Montelro, Fran-
cisoo de Miranda Leal Seve, Jos G .>mes Leal e
oatros abaixo asstgoados, proprieiarios e morado-
res a roa do Seve, Jos Antonio Fernandos Fradi-
que; e levaotoa-se a sesso.
Eu Francisco Canuto da Boaviagem secretario
Todo^oamoradores e rrefttaaB||4g(es do iiodoA
gaalBHPMont'lro.
qMft de figado de bacalho ferruginoao
*t^aHer, pliarmaceuti atn Par, sabs-
titrwa om muita vantagen aa pilulas e o
xaropjpl iodureto de ferro 4 na* fcil de
tolerar-a para as pessoM delkdas aaseme-
lha-se nroito mais bem o no provoca a coo-
.*>acao.
Deuosito em Peroambuco^ casa de P. Kan-'
rer d C, roa Nova n. 18.
O oleo de flgado de ba.alhlo desinfectado
de Chevrier, conserva as qualidades e pro-
priedades recochecidas ao oleo de flgado de
bacalho ordinario; o sea ebeiro gosto
sSo rauilo agradaveis, e a digestao faz-se f-
cilmente.
Deposito ea Pernambuco, casa P. Maa-
rerdC; roa Neva b. 48.
A jurubeba
(SOLANUM PAMCULATCM DE LYNE0.)
As preparacoes pfaarmaceuticas da juru-
teressar possa, qoe por intermedio do roesmo Ban-
co' se tai proceder a sobstiibicad dad accSes eons-
taotes de dito recibo; pelas novas aegoes que se e
todislrbuindo>com.os accionistas.
Becife.114ailezembrpde.l866. ,
O guarda llvres,
Ignacio Nuoes Correia,
- l'IIHll ,,.,, *
*' i.,!? Pa",.5Q It6\ o-casee, BaetUaf^^i^,, ip!JtrlB M1J.
Ir agio, velame^amarras e ancoras do vapor /pr>
}*<*** comP"** P*amaana de aavegaci
cortara, achoa lados aaaasaeeios ta estada >
podar vapor aaf egar,
n T SE?- IMrt,fc de Pernamboc
7 *M>ro de it67.
al I. JaaitjMa_de_Almeid.
7, arde* o Illa. Sr. haaector da"tkeeara-
m.imtm*' fj^ay fMm? a> Pmaliiat ao ciuo M>o>
fi*.qiQ,iflAfi'presente o Srs. Simplicio de Soaza Lina e teaacio-
1 *w*-;"g*wo j Wery da Pooceca Jnior, fiadores do feltecMe ex
M0V1MENT0 DA ALPANnRr/ i col lector do Bio Fonnoso Florlaoo Jos de CarTi-
! rbo, para no praso de tnota das qae lies leaac
i marcado a contar da>u dala, allegarem por eeeriq-
10431l0 Ia9 'or Dera de sea direito, prodazirem dc-
!Vove Brico 4% Penaateco.
O Novo Bae* fax o .IT drataando a 8$
aego.
ALFaEGA.
Rendimeoto de i a 5 a cerraaaa
dem do da 7...............
por
I:1MUS9
Volumes entrados com fazendas..
t i gneros
3J4
718
Volamos sabidos com Cateadas...
gneros....
160
7uS
-----H8
Descarreeam boje 8 do corrate.
Barca fraoceza-J/aunci/a-raereadorias.
Brigue oglez Ckruttmna, Carmell dem.
Brigae in^lezt//y Harydem.
Patacho ingles Lapri*g-\*m.
Vapor iaglezIronside id>m.
Bngae iagLx-jfeim H H oercadoria.
Barca ioglezaSapAo-fanu** de trigo.
Barca portotiaesaGra/Woodiversos gneros.
Bngne portuguezFlortna -dem,
Brigne nacioaiMarqutz de Santa Cruz idem.
Brigue iaglez Peonarckrvo.
beba sao medicamentos rec^becito^
encllenles, edevem ser considerados como Barca iogieza-Gten re/j_idem.
as substancias medicinaos, tnicas edesobs- Barca aagiezaisabeiiu idem.
truentes mais enrgicas 'qne se conhecem 5ar:a wnceza-AW-i tem.
e por isto cumpre que sejam empregadaa l^S^p&tgZ^
todas as veies que se ti ver de corabater fe Brvjue argeotino-Fo/aiue-idHm
bres intermittentes.engnrgitamentos cu obs-
trucc5es de flgado e baco^ anemias chloro-
zes, hydropesias, meostruacSes deficeis e ir-
regulares, calbarro da beiiga.
Aquellos que desejarenvlazer uso dessas
preparares, mdicos e doentes. en5o qui-
zerem expor-se a serem illudidos, dey.er5o
dirigir-se a pharmacia do abaixo assigoado-
situada na ra larga do Rosario ir. 10. pr-
ximo ao quartel de polica, nico deposito
que existe nesta provincia; devndo se ter
em vista que foi o abaixo assignado 9 pri-
meiro que submetteo essa planta a prepa-
racoes pharmaceuticas, e fez guiado por
CMselhos mdicos, e sob a approvacao
destes.
Pharmacia em a ra larga do Rosario n.
iO, junto ae qoartel de polica.
Jeaquhn A. Pinto.
lut6es,tempo dorate o qoal interdicta a pas- |Hsnl iCreJ'--Pe',eira llimdes.-Prn presidente.
sagera
t >e a reclamaco a que alludo refere-se a outro
qualqoer ponto que no aos cruzaraentos, arada
raenos fundada porquaoio s nestes permitti-
da a passagem atravs da estrada de ferro.
< Ignoro qoe se tenham dado successos, que
VV. SS. desejam que se evitem, com a colloeago
do wagoos as linhas de desvos daquella estago
e que sao logares oronrtos para semelhaniefim.
Sou, etc. M. Buarque de Atacedo.
No dia 22 do correte vo concurso, pe-
ranie a directora geral da instraegao publica, as
segaintes cdeiras de instruego primaria para o
sexo feminlno : S. Loureogo, Munbeca, Agua-
Pria, Gloria do Goil, Pona de Pedras, O' de
Goianna, Brtjo, Garanhuos, Grvala, S. Beato, Pe,
dra Tapada, Correles, Buique, Flores, Granito
Tacaral, B-zerros, Cimbres, Altinho, Iogazeira,
Boa-visia, Villa-Bella, Baixa verde, Uuncurv e Sal-
gaeire.
pantos.Dr. Vilias-boas.Dr.
e Dr. Miranda.
Pitaoga.-Dr. Seve
Deve ter logar, no dia 10 de feverelro pr-
ximo viodoaro, a fesu do Seobor do Bom-Fim,
qae se venera na matriz da Boa-vista ; a qual fj
transferida do dia Io, por no eslarem promptas as
Iraageos.
Hoje as II horas se extrabira' a 5* parte da
1* lotera, a benecio da igreja do Espirito Santo
do Coliegio (I'), sendo o maior premio 6:000,2.
H
3 o -i "i Q n os V3 sr w =1
5
. _
. '
M I
f
3 i
pi
Publicares a pedido
o
co
>
O
Masculino.

Feminino.
>
n
s
!
H
I m I Masculino.
i* I H
W
3
O
Feminino.
so
Jf ascifino.
I Feminino.
B
o
Masculino.
.1.1
Feminino.
gs
' 3

A
3
Masculino.
s
[.
s
M f Feminino.
TOTAL.
ADVERTENCIA.
i

9
=
JO
i
OS
s
3
S"
s
9
ELEICAO
dos devotos qae lio de festejar a milagrosa Vir-
gen Senhora da CoDceicio nacapella de Menteiro
uo prsenle aune de 1867.
Juiia por eleigo.
A Illma. e Ezraa. Sra. D. Juila Carolina de Souza
e Silva ciins.jrte do Iilra. Sr. Bariholomeu Tor-
quato de Souza e Silva.
Juiz por eleigo.
O llim. Sr. capllo Anlooio Jos Rodrigues de
Souza.
Juiza por devoeo.
A Illma. e Exraa. Sra. D. Olympia Lins Ribeiro
esposa do Ilira. Sr. Jos Ribeiro Gaimaries.
Joiz por devogo.
O Illm Sr. Googalo Jos Alfonso.
Juizas protectoras.
As Illraas. e Exmas. Sras.:
D. Francisca Marinbo Passos consorte do lllm. Sr.
Ceciliaoo Rodrigues Passos.
D. Joaquina Baptuta de Soaza.
D. Mara Burle consone do Illm. Sr. Jos Burle
Jnior.
D. Joaquina Baptista de Moraes Ferreira consorte
do Ilira. Sr. Agoslioho Ferreira Jnior.
D. Candida Dantas Villar consorte do Illm. Sr. Jos
Gomes Villar.
D. Hermina consorts do Illm. Sr. Joaqaim Martinho
da Craz Correa.
D. Lucinda Bapusta Peona consorte do lllm. Sr.
Gomes Peona.
D. Aooa consorte do Illm. Sr. Maooel Jos Car-
neiro.
D. Mana Emilia Ferreira Lopes filha do Illm. Sr.
J 'rRe Vctor Ferreira Lopes.
D. Francolina Guimaraes Hibeiro consorte de illm.
ir. Dr. Aotonio Jos da Costa Ribeiro.
D To reza Mooleiro fliha do Iiim. Sr. Aatooio
Euialio Montelro.
D. Adelaida consorte do Illm. Sr. Joaqaim Antonio
Pereira.
Jaizes protectores.
Os Illros. Srs.:
Manoel Ribeiro de Carvalho.
Manoel Mantos Fiuxa.
Albino Ju.- da Silva.
J.is Joaqulm Pereira.
Jorge Jacomo Tasso.
Jos Osario de Mello.
Maooel Antuoes Villaga.
Jos Rodngaes de Soaza.
Joo Carlos Augusto da Silva.
Jos dus Santos Nrves.
ur. Joaaoim Jos de Miranda.
Teneote-coronel Antonio Jos Pire.
Ecnvi por eleigi).
A Illma. e Exraa. Sra. D. Emita fliha
sr. Joao Carlos Augusto da Silva.
Escrivo por eleigo.
O lllm. Sr. Jos Ribeiro Gaimaries.
Escriva por devogie.
A Illma. e Eiraa. Sra. D. Mana consorte da Illm.
Sr. Dr. Jacraibo Pereira do Reg.
EscRivao por detocan.
Remedio oeetia a embriagaez
A sade depende do estado dos solidos, e
dos fluidos, que os conserva idneos pera e
mais perfeita execucao das funeces vitaes; a
emquanto estas se fazem com regualridade
nosacbamos s5os e robustos; porm de qual-
quer maneira que se perturbem, iniviiavel
o alterar-se a sade, e a inteperanca nunea
deixa de desordenar ada a economa animal,r
impedindo a dgest5 tore laxando os ervos,
fazendo irregular.), ess secrecoes, viciando
es humores e produzindo infioitas enfermi-
dades.
O mais alto grao da prudencia humana
consiste em regrar os nosst s appetites e
paixoes, de maneira que se evitem os ex-
tremos.
Com quanta celeridade arruina a melhor
constituicao o abuso dos licores, que embe-
bedam I Pelo que vemos com tanta frequeo-
cia os devotados a embriaguez carregados de
males, correndo com passos largos para a
sepultura, e por iso commum proverbio,
que todos os ebrios morrein bydropicos.
Tudo que embebeda poe a natureza em
esta-io-de excitar febre, para desembaracar-se
da pessoiiha que tragara: e, quando se repe-
te quasi todos os ili.is este veneno, fcil
prever-se as coosequencias, que resultam
delle. As febres da bebedice nem sempre
terminara emumdia ; acabam ordinariamen-
te n'uma inflamuaco do peito, do figado, ou
do bago e produzem fataes etfeitos.
A bebedice de especies alcolicas quandro
se usam com excesso, debilita as entranhas,
impede a digest5o, destroe a forca dos er-
vos, e causa enfermidadesparalyticas, e con-
vulsivas. Do mesmo modo esquenta e in-
flamma o sangue, deslroe sua qualidade bal-
smica, e o torna intil para a circulaco e
para nutrir o corpo. Dahi procedem as
instrucoes. magreiras, hydropes>as eti ieas.
Estes sao os caminbos ordinaiios, com que
es bebadosfazem sua carreira, e enfermida-
des desta casta, quando -e produzem em um
forte bebedor, rara vez adaiitem cura.
Atguos arruinam sua sade bebendo mili-
to, anda que rara vez (pelo costume) se em-
bebedem, posto que no produzaeffeitostio
viob ntos, nao sao raenos perniciosos.
Quandoos va sos se conservam constante-
mente ebeios e dilatados no se podem fazer
bem as digestoes, nem preparar-se devida-
mente os humores Por isso a maior parte
destas pessoas padecem gota, pedras, areias,
cbagas naspernas, abatimento de espirito,
desordens hypoi ondriacas e outros sympto-
mas de indigesto.
A bebedice no s destruidora da sa-
de, mas das (acuidades da alma, o costume
de embebedar-se faz idiota os genios.
Assim, pois, aos chefes das familias con-
vm salvar aos seus fmulos, que arraigados
ao vicio da embriaguez no os podem livrar
pelos meios suassorios, applicandolhe o re-
medio, que faz inteiramente enjoar as bebi-
das que se vendem: na botica ou la orato-
rio pbarmaceutico, na ra Direita u. 88, de
Jos da Rocha Paranbos.
Patacho baaovenaou oncordia idem.
Polaca prusstaoaCa/fcarmo-dem.
Escuna hollandeza-D Probidem.
Inportav'o.
Bngue poriogaei Ftomia, viado de Lisboa,
raaoesiou o seguate:
60 Lipas e lo barris de vioho, S caixas bola-
cha, 50 meias barricas sardmnas ; a Tnomaz de
Aqnino Fooseca 5 pipas e 35 barris vinagre: a Mendes & Coc-
ino.
18 volumes drogas, ervas medicieaes e diver-
sos r-bjectos; a Joo da Silva Faria A Irrao.
100 canas cebollas, 100 meias altas batatas ; ao
capito.
i erizas agua iogleza e 1 lardo Bu de liobo ; a
Bariholomeu & C.
26 caixas cb, 3 pipas e 10 barris vinagre ; a
Andr Marta Pioheiro.
15 pioas e 15 barris vioho-, a Joaqulm Jos Gon-
galves BeltrSo.
7 barricas earvo animal ; a Jos da Silva Loyo
4 C.
1 volme diversos : a Antonio Doarte Carneiro
Vianna.
4 barricas cera em grnaae ; a Domingos Alves
Malbrus.
23 pipas e 15 barris vinho.. 20 ditos azeite, 28
touemho, 20 ditos ditos oal em pedra, e 5; saccas
feljo ; a E. R. Rabello,
1 caixa conservas ; a Pin'.o & Barbosa 4 C
5 barris vinho; a Amorim Irmos.
40 barricas sardinbas, 150 saccas farello; a
Laz Jos da Cosa 4morim di C
1 caixa mercurio doce, 2 cestos (roela; a Cbris
tovo Guilhfi-me Breikeofcld.
7 caixas e 2 barris drogas e vidros ; a Moura
4 C.
100 saccas farello; a Augusto Mus Ma
c Ha
2o0 varas lagedo ; a Domingos Ribeiro da Cu-
aba Oliveira.
50 meias barricas sardinbas ; a Maooel Fernan-
dos da Cisia & C.
2 barris vinagre, 2 volamos drogas ; a Augusto
Caors.
7 barricas cera en grurae a Oliveira Fillios
4 C.
30 barricas sardiohas ; a Joo do Rgo Lima.
1 volume diversos ; a Caadido AlToaso Mo
reifa.
9 volumes drogas a diversos objectos; a Manoel
Alves Barbosa.
60 saceos feijo e 87 de milho ; a Aolooio Jos
Fui lado.
50 saccas feijo ; a M. J. Raraos Silva 4 Georo.
8 pipas e 10 barris vinagre, 200 sacco farelo,
120 meias caixas e 300 quartos batatas. 62 meias
barricas sardinbas, 70 caixas, 130 meias e 260
quartos passas; a Juaqaim Angosto de Souza.
RECEBEDORIA UE HENDASINTEKNAS
GERAaS.
Rendimeolo de 1 a 5 do correle. 3:2334739
dem do dia 7................. 707*824
comentos etc. a respeilo do alcauee de sea
cad; da qaaotla de 9651035 ra, a qae aa tem *a>
addcioear os joros vencidos.
Secretaria da Ibasooraria de fazeoda de Peraam
boco 39 de dezembro de 1886. Servindo t cft-
cial maior.Maooel Jos Pinto.
Santa (Jasa da MteriCoda
do Recife,
A Illma. janta. administran va da Santa Casa
Misericordia do Recife manda (azar pofeheo qa
ao.dia 10 do correlo pelas 4 boas da tarde na sal
desaas sessoes, tem de ir a praca a reaa das ca-
sas abaixo mencionadas para serem arrematados
por aluguel pelo tempo de om a tres aaaof.
Os preteadentes deveo aprsenla* carta de Bas-
ca oo serem acempanbados de seas fiadores oo
com caitas dos mesmoes.
Eslabelecimenta Roa Direita.
Sobrado de 8 andares o. 8. I.087JMMK
Roa dos Pescadores.
Casaterreao.il.......216*004'
Roa da Gloria. *
Casa terrea o. 55.......144*06i>
Roa do Calaboace.
Casa terrea o. 30......i j0Od
Patrimtiue de orpkaos.
Roa do Pilar.
Roa da Cadeia.
Sobrade de doas andares n. 57. f:2fie|e
Madre de Deas.
Casa terrea n. 12. 2......TMjet
Casa terrea 94.......... *6&ff*X
Sitio do Foroo da Cal o. K. 150*06&
Secretaria da Santa Casa da Misericordia de
Recife 8 de dezembro de 1856.
O escrivo interino>
Pedro Rodrigues de Sobs.-
Correio gerl
Relaco das cartas seguras existentes na admrav^-
tracao do crrelo desta cidaae, para os senaoras-
abaixo declarados:
Baro de Villa Bella, Firmino Ttjeolouio da C-
mara Santiago, Praocisco Antonio de AlboqBerqas
Mello, Jos Antonio de Bitancoort, Jos) Vtittitb
Coirabra, Dr. Jos Wobre de Almeida. ^^^
Correio geral
Pela admiaistraco do correia desi eidade s
faz publico que era vrlode da convenci posta
celebrada pelos goveroos brasiteiro e fraoeea se-
rio expedidas malas para Europa oo dia 15 o
rorrete pelo vapor ioglez Onetia. As 'tartas se-
rio recebidas at 2 horas aoies da qae for marea-
da para a sabida do vapor e os joroaes at i horas
aotes. Administraco do correio He Pernambac-
7 de Janeiro de 1867.
O administrador,
Domingos dos Passos i$iran&.
avisos martimos
COIPAWIA
DAS
nessageries Imprrialew.
Al o dia 13 :
corrate mea es-
perase dos par-
Ios da Europa rs
vapor (ranee;
Navarre, o qBa
dapois da de te o/^
do costume se-
guir' para a.

Babia e Rio de Janeiro.
Para condiQoes, (retes
agencia ra do Trapiche o. 9
e passageos tratase as-.
3:941*o63
M0VIMNT0 DO PORTO
Navios sahidos no da 6.
Rio Grande do sul Barca brasileira Pombinha,
capito Joaqom B. de Souza, carga assucar e
agurdente.
Rio da PrataEscuna bollandeza Industria, capi-
to Muidea, carga assucar.
ParahybaVapor brasileiro Moleque, comraandan-
le Jos D. de Souza ; em lastro.
Navios entrados no da 7.
Rio de Janeiro14 dtas, galera ingieza North Vina,
de 1,147 toneladas, capito Dareol Curree, equi-
pagem 19, em lastro ; a ordem.
>erra Leoe- 17 das, galera Iogleza JoAn Mowell,
de 724 toneladas, eapiiao W-ikinson, equipagera
24, em lastro ; a Sauuder- Br..tbers 4 C.
Rio de Janeiro 15 das, barca porlugueza Ame-
ka, de 383 toneladas, caoiio Jo.se Joaquim Ba-
silio, equlpagem 15, carga alguos geoeros o
lastro ; a Bailar & Oliveira.
Aracatyil das, hiate brasilrin. Nuolo 1, de 75
toneladas, capito Raymuado Jos do Rosarlo,
equipagem 7, carga algodo e sola ; a Prenle
Vianna & C.
Navios sabidos no mesmo dia.
Rio Granae do SulBarca brasileira Africana, ca-
pito Jos Maooel de Souza, carga assucar e
agurdente.
CanalEscuna ingieza Florence, capito J. Herry,
carga assucar.
Porlos do Norte Vapor brasileiro lpojuca, com
maodaolo J. J. Marlins.
DECLAlkCGES.
COMMERCIO.
4o iiim.
Na touiidadedo* doentes exislem 168, sendo 98 O Illm. Sr. Joo Maruobo de Albuquerque Mello.
borneas o 70 mulberes.
Foram visitadas as enfermaras astea dias :
As 6 1|3, 7, 6 1|3, 6 |8, 1|S,6 1|3, pelo Dr. Ra-
mos.
A> W, 10, 10- 1A i i, 8 i|3, pelo Dr. Sar-
Fallecaram:
Maria Mathildes da Coaceicao, ttano.
Marta do O', apoplexia.
Beoia Joaquina da Uooceicio, tubrculos palmwa-
res.
Tbeaonrairo,
O Illm. Sr. capito Jos Camello do Reg.Barro*.
Proco ador. eral.
0 lllm. Sr. Nicolao Machado Freir.
Procaradora. "
Os Vas. Sr*:
Maooel Jos AffdOSO.
Vctor Leotbier.
Francisco de Paala e Silva.
Victorino Travasso.
Manoel Piolo de Barros.
RACA DO RECIFE. 7 DE JANEIRO
DE 1867.
A's 3 boras e meia da tarde.
Hontem.
Assucar mascavado araericaoo2*100 por arroba.
Cambio sobre Loorres 90 d/v 24 1/4 d.
Cambiosobre Pars 38o rs., e do baoco 395 rs.
por franco.
Macado,
Secretario.
novo mm de m-
N4HMJC0.
. 0 novo feaaco paga o se-
gundo dividendo de 4,4 0[0
dama3saMida deJoaqtnm
Jos Silveira.
Ciit filial do Baoco do Brasil ea
Per Bambuco.
Tando-se deaeocaminhado o recibo o. 167 da
cincoenta acedes do Banco oo Brasil, localisadas
nesla caixa sob o. 4875 a 4924,, perieoceotes ao
Sr. aceiooisu Jos Segundino de Gomensoro, do
Rio de Janeiro, a directora faz publico a qaem la-
A Illma. jaoia administrativa da Sania Casa
de Misericordia do Recife recebe propostas para
arrendamento das casas abaixo declaradas, as
quaes acbando-se arromadas, sere arrendadas
pelos precos mdicos a quera se auizer incumbir
de conceria las:
Esiabelecimeutos de caridade.
Aua Direita n. 33.
Ziar.o Ponas a. UO.
fina do Azeite de Peixe n. I.
Ra da Moeda n. 37.
Ra dos Burgos o. 3.
Ra do P&arol n. 71
Roa dos Ceeihos n. 94.
Buceo do Aareu o. 3.
Patrimonio dos orpboa.'
Roa do Burgos o. 19.
Roa da Cacimba o. 19.
Ra do A oonm n. 2>>.
Os preieodeotes para melhores esclarecimeulo
poderlo dirigir sea secretaria.
Secretaria da Santa Casa a> Misericordia.do Re-
cite, 20 de dezembro de 1866.
O escrivo interino
___________Pedr Rodnguet da Smuk
De ordem do Ulm. Sr. inspector da tbesoora-
rla de fazeoda d'esta provincia, se faz publico a
qoem intereeser, qon no da 11 de eorreote met se
pagaro aa mesma thesooraru as pensos do mon-
te-plo ger I des servidores do Estado.
Secretarla da loesourara de fazeoda 5 de jane!
ro de 1807.
Para o Kio Grande do SaL
O veleiro e bera coohecido brigueoaeiooal Anu~
ha, pretende seguir com ranila brevidade, tete-
parte do seu carregameolo engajado para r> resto
que Ihe falla Irata-se com os seus coosigaatario
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C no s*e
escrititorio roa da Croz n. I.
PAKA LISBOA.
Segoe oestes poneos dias o brigue portugac:
Sovo Progrvsso, por ter prompto parle do seo car-
reKaraento, para o restante da carga e passagaio
ros trau-se com Oliveira Filhos 4 C, largo -
Joroo Santo n. 19 ou cora o capitgo na praca.
Para o rgrto
Seguir' at o dia 10 do correle, a barca por-
tuguesa Seguranca por ja* ter o sea carregara? ore-
prompto : para passageiros, aos quaes offcrees
bons coramodos ; trata-e a roa da Madre d*
Driis n. 3, ou com o capito.
ilhIe s. mmi
Segu com a roaior brevidade o mallo veresre-
patacho Jorgence para carga que Ihe falla e pas-
sageiros para os quaes lem bons commodos ir-
ta-se com o seo consignatario Joo do Reg Liiau
a roa do Apollo o. 4.
Para o Porto
Por ja' se acbar com a maior parte do ser
carregamenlo engajado, pretende sabir com toda &
brevidade, a veleira e moljpahecida barba porta-
gaeze Claudma : para o ftaio da earga e passa-
geiros, para nS qnses ha -neos commodos, tratasc-
a ra da Madre de Deus: 3, ou com o eapii*o
oa praca.
COMPWlIll llpiAMlLJBIRA
uE
PAQUETES A VAPOR
at o dia 7 do corrale om ds&
vapores da entupaobia, o qoa de-
poisda demora do costme se-
guir' para os porlos do norte.
Desde ja recebem-se passageiroe, e eogaja-s .
carga qo o vapor poder coodnzr,a qoal deveri ser
embarcada no dta da sua chegada; eneommeadaee
dioheiro a frete al e dia da sabida as 2 horas da-,
tarde. Previne se ao* Srs. passageiros qoe a
passageos s se reeebera aa agencia roa a Cray
o. 1, escriptorio de Aatooio Laiz de Ohveira Ai*.
evdo 4 C.
Para Lisboa
*ervindo de- oflMal-mainr
________mol Mo d ajtat correa.
O Vio. Sr. UupeQtor da tbesoorarl de f*-
zeoda desia provincia auada fazer publico qae
acha-se tambera aolorsado a vender apolices de
Si01 cada orna veocendo o mesmo jaro de 6 por
ceato, conforme e aoouocios anteriormente pu-
blicados.
Secetariada tbesoararia de fazeoda de Per-
Dzmbaco 4 de Janeiro de 1867.
Servindo de offjcial maior,
Culos Joo de Soasa Correa.
Pretende seguir com moita brevidade o brrgoi
portuguez Jto Vouga, lem parte de sea earrega-
mento prompto, para o resto qoe Ibe falta e passa-
geiros, para os quaes lem exeelieotes commodos,
tratase com os seus con-igulanos Aatooio Loi*
de Oliveira Azevedo & C, no sea e-enptono, ra
da Cruz o. 1, ou oom o capito na praca.
Para o Rio de laadro
Pretende seguir com rauta brevidade a. veleira
e bem.conbecida carca Rio de Janeiro, lem patu-
do sea carregamenlo proiu.to, para o resto qoe-
Ibe falta o escvus a frea para os quaes tem ea-
ceiieoies cazmodos tratase com oa- seos eoasia
naurios Aotoob Luizde Oliveira Azevedo 4 fX-
oo sea escriptorio roa da Cruz o. 1.
Para Iisboa.
Segoe em poneos das o bngaw portagoea Cana-
-ante H, por ter prompto qoasi todo sea carrega-
nwoia, para o rastaote. a passageiros; irau-se eom>
Oliveira Filhos & C, larga do Corno Saot) a. 19-
oa coas a capilar na praca.
Para LisM>a
Val sabir breva o brigae porlugoez Bella F-
guetrense, capito Carvalho, recebe carga e passa-
geiros, irata-se com E. R. Rabello, roa do Traalcaa
n. 44 oa com o capillo. -a
I
-
<
1
a
PAGINAQAO INCORRETA

aioo.


B ""IM^VMMiMbMariaMMj
^M~~n
-a-
**
>
Otarlo de Pernaniboco Terca felra 8 de Janeiro de 1867.
_____________________________________________________________________________________________________________________________________________;______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
I

i
_|
i
OaPANItA PCTXAMBCANA
Kavegacia costeira aer vapor.
-A1U
rwajoa, Nafad, Maca., Aracatr, Cear e
Ataracu.
O rapar lpoj*Ba, c.nmtaaaate Martjos, segas
edil 7 de Janeiro pregn), as 5 tur da larde
52 Pfs Indicada*. WeeeW carga al o dia
--- .fa-"M* P#R0l^'NMro a frete
at X tura* tarde*) dia da sabidls escriptorlo
romJalat.e_.i-
farti" -----
Anla de Ungoa Fraaceza
de eograpttla e His-
toria.
- de F*!lMhla.
, *elHed*rl#aer^e*liMi
Jos Soares .'Aiafredo. profesa* lie lia-
goae lit!#aiuif nadonil no X^mnaMO Pro-,
vincialdoReciMe* aerto'em sua-a~i,
ra Bella n 37, am cur.o especial de c_d_
^a1
ladeparao da do Para p
rigae esMlteiro .* mez de Uta Cruz. recebe
carga a fr#i couiaW : a tratar com Toeodore
Oristiaasen, ro* do Traplch Novo o. 16.
Papa ;LMfct
Vai sahir com brevidade o brigue portoguez So-
berano, eapito Bogiganga, recebe rarra a trete,
fratase com E, R. Riballo, roa daTrpfcn B. 44,
a coa o capitio.
Rie firande it Sal
Para referido porio sabira' com mutta brevi-
ose carca a treta, para o que .pode-se tratar com
Oarid Fe-reira Saltar, a roa 4o Brum n. 66 oa M
praca coa o capitio do citado avio.
Publicarlo jurdica.
PreleccOes de Direito Internacional e da
Diplomacia com applicaco e^refertnciade
tem prmcipm os Ims *a,
ven&es, e ao$ tratad i
oelo Or. Antonio de
zei Ue DruaHiWMl, litetf.
.2Tae.'le Dr.et?n "eelc".
ama das disciplinas acia* mecioBadas. As4 M W ,e0 pnmeiro vwgovp, que-constituirt a primei-
ra dessas obras.
A ultima deltas acompanha
das disposicSes da legislado
pessoas quo se desejrm 'preparar em si-
miiaomes materias para os exames de Mar-
, as ciue qaiiere sefair o corto do
HMMScTto, pdem dirigir-se residencia
radicada, de uaobSa at s 9 aeras, e de
tarde a.qualqoer hora.
Aloga-se a parta da casa o. W da ra das
A_ua* Verdes : a tratar na mesma.
Par*

Pretende seguir com brevidade para o ladicado
9rtu o teleir') bridan e capitio Silva Ralis; para a pones carga que ibe
(alta trata-se coa o retpestiws consignatario oto-
ia de AUneida Gomes; a roa da Crot u. 23, 1*
andar._______________
Rio de Janeiro.
Com a brevidade que fr possl vel sgalr a' para
o to de Janeiro o brigne nacional /Wu-rto, re-
*_ carga, escravos a frete : atr.itar com os con-
_gaatrios Marques, Barros 4 C. largo do Corpo
Santo o. 61* andar.
Na raa da Cideta do Heeite d. 8, vende-se
ma eserava de meia idada que sabe cotlabar, la-
ar a hier compras.________^_______
O aba'io asignado avisa ao respeitave pa"
blico que deiioa de vender agurdente sna ta-
berna nos Quatro Cantos desda o da 1* do corren-
e. 01 inda 5 de Janeiro de 1867.
Guilherme Jos dos Santos.
res, con-
al 1866
los~Mt;ne-
p da Fa-
2 vol in
Publicaga litteraria
JesBs Christo e criliea iHleria
PELO
Rererendre pado'Flix.
(da Compaahia de Juan)
Verde do fraocez aflo Dr. Pedro Aulram da
Malla Albuquerqiu..
Esla' a' ven.la na Livraru IJoivefsal. roa do
Imperador o. 51.

ma
Precisase de orna anta moca, sadia e de boas
costamea ,Mra.jpha casa akfni, corapasta da 3
prssoas, qtir salm eo^rabar kenl t tratar de orna
vas ao ireitos e deveres do estrangeiro DO' "eaoca; ra do Hospicio, defronte do passadico
Brasil, bem como aos do Brasileit ra do eBtra as dua* "o*1**-
Imperio;
IV
ROSAKIO
fiBAlM HfTEL CENTRAL
L4RGA DO ROSARIO 1UA ISTRTA 00
N. 37 N.4A
ENTRADA GERAL ENTRADA PARTICULAR
PROPRIETARIO.
FRANCISCO GARRIDO.
X
LISBOA
Tai sabir com brevidade a n.uilo conbeeida e
Teteira barca
HARA
OM-ter parte do carreg:tuinaio engajada, para o
resto trata-se com os consignatarios Carvalbo &
S'fueira, na raa do Apollo o. 20
PORTO
Pretende sabir em poueos dias a ramio velaira
aova barca
FELIZ MlO
ta trata-se com os consignat.rio- Carvalbo & ^o-
f9e a na ra do Apo'lo o. 30.
Para o Rio de #aaelro7~
Vai sabir con brvidade o bngue Afana dr Al-
fredo, recebe carg e cravos a frete. trata-se com
E. H. Rabillo ruaJo Trapiche o. 4a.
Ilha de S. Miguel.
"Segas com muita brevidade a barca pnrtogueza
Parary, capilo Augusto Borges Cabraf: para o
resto da carga e passageims traa se com o seu
.viu-igoatano Joo do Kego Lrua a' roa do Apollo
o. 4.
LEILOES.
Leilo
Bt 300 barricas c n boliclii has
ame iianas'
Ter(ja-:eira 8 dj janeirj as 10 horas em
poni.
No aromen do Anues em fenle a alfan lega
TnsoJoro Uhrisuan-eu fara* leilo por Int-rv^-u-
4^n^t^oc-r dn 3 n fu ricas com bolacnohas, vin-
ilas le N'W Y i k ao brigae brasilero Mrquez de
Santa Cruz, e nsi-tanus no armaz-m dj Aun.-.-
Ojfi'to se efTectuara* o leilo as 10 ora em ponto
Ai coaseq lencia da ter o mesma agente um uutro
eiia as 11 horas.
Assigna-senas lojas de lifroe das raw do
Crespo n. 2 e 9; do Imperador n. 13 ;,, ida
Cruzn. 52 na de encadernac3o do ces de
21 de Novembro juoto a typograpbia do
Jornal do Recife; no escripiorios d ly-
pographias do Oario de Pernambuco a ru
das Cruzesn. 44, e do Cor-eio do Recife
ra do Imperador n. 79 e na loja da ra
da Imperairiz esquirla da ra da Aurora n.
n. 2, loja de louca.
Deooisda publicaclo da primeira obra
nuserao mais admittidas assignaluias, e
mbas ellas ser3o vendidas pnr maior preco.
Criado.
Precisa-se alugar onrrool^que de 12 a 13 an-
* -js para criado, qoe seja fjfl e inte
ACnam-sea venda na respectiva thesou- Dem M compra se agradar qurtdo o senbor
AOS GS0OO1OOO
Orre te c<-feira
rana, amado Crespn. 15, os bilbetes
meios e quarios da 2' parte da 6 lotera a
beneficio da iurja ae Nossa Senhora do
Guadalupe de Olala, (2*), sendo a extrac-
to no lugar e dora do coslume.
Os premios de 6:0000000 at lOflX'Ose-
ro pagos urna hora depois da extraec5o at
as 3 horas da urde, e 01 otitros depois da
distribuigao das listas
As encomavipdas sero guardadas somen-
te at a noit da vespera da extraccio.
0 tbesoureiro,
____Antonio ^os Rodrig-*es de Sou*a.
Antonio Chmaoo Mreira Temporal, abaito
asslgnado fat poblmo, qw sho raspeKavel e pre-
sado sogro o Sr. Sotwvnan Jo-e G .mes fton, sia-
liodose pt-los soms paneio^-nfas ahncos como
sabido qoasi impoatmiluao $ par si mesma gorlr
convenientemaVe us eeu oatoclos, e alo dase-
lindo aggramr o en estado cora as trabamos
inherentes a boa dttarcao de sna aa, eonstitcio
ao mesmo abano asignado seu bastante procu-!
rador ero 29 de detambro prximo passado, sendo
nos para criado, qoe seja fld e iotelligente ; lam*
bem se -
vndelo : na roa Nava o. 19, primelo andar.
Jeito-"
Na travessa do Carmo n. 1, vendet-se 4 es-
cravas, sendo orna
nila rnoleque Je
ensigne togammadeira.
' a> tftnnm.
i bo-
Preci.-a-se de urna ama de
Trincharas i>. J7.
i^m^
a roa das
---------
Precfca-se de urna mulber livre ou eserava toe
saja de bons coslumes para coinhsr e comprar ;
na caa nova da rea da Saudade larga da Hospi-
cio, comn porlao no mnro do quintal.
Da-se comida, casa e orna pequea gratifica-
rlo a um humero de idade ijue queira servir de
porteiro : tratar na loja de louca da roa da Ca-
deta o. 23.
Kb
Precisa-se d urna ama para o servico loter-
aw de um cosa, papa-fe bm : a tratar o a ra da
Cadeia do Recife o. 8, armazem.
Ato* senkores padeiros
E' geralraenie eoohecida a uulidade oo empre-
go das micftinas, qoe tem por flm aperfelepar o
trabatoo oora a ewoomia da bfefos. lNstecaso,
pois, esto as machinas para cortar bolacha, cuja
otllidade ja ocaltacida de alguns padeiros que
deltas faiem uzo por meia de manivella, obtendo
o resoltado nuis s'arrsfactorl.) e perWio.
a parld*m IMreita o. 84, ha serapre de-
posito destas machinas com conadeiras para lodos
os taoaohos da bolachas aqui osadas, e tombem
para ara/ijtas, e que por vire.m em directura e de
proprla coma dos E precomollo barato, mu o (rm de ae tntredoitr tao
reconhecido melhoraroento.
Pedido ao commerci)
O abaixo assigoado len.to deixado um Mvro de
recibos em urna das casas cnrnmerciaes onde com-
pra, ntu leudo sido pesi'vel acha-lo, pede enea
recidamente a pessoa que o achoo, e lem em seu
3odr, se digna manda-lo a ra larga do Rosario
n. 39, ou aoouociar a sua residencia por este
Diario, qoe o abaiso asignado, prorapto a satis-
fater qa^lquer despera relativo ao mesma livro,
airradecera' sobre maneira a quem ti ver a boo-
dad" de a desc.brir. O livro tem sobre a capa
um rotulo que indica o perleoce e a morada do
mesmo iofra. '
Villa do Gabe, 3 de jMpiro oe 1607.
___________Severino Jas dos Santos Aguiar.
Ama de leite.
Na ra da Imperatriz n. 17 segundo andar
precisa-se de urna ama de leite.
Agencia de passapurlese portaras.
Claudino do Rano Lima despachaot de passa-
portes e p Ttarias, tira-os cara dentro e fora do
imperio, por coramodo prefo e prstela : oa ra
da Praia n. 47. ___________^_
Precisa-se aiogar um preto uu maleque flel
e capaz e sabeodo cosinh r melhor ; a ra do Ca-
buga' n. 7, primeiro andar, entrada pela ra dis
Larangehas.
Na ra da Cadma do Hecife n. 58, trocara-'e
sedulMdaaeaiss e bioco do Brasil com pequeo
descont.
Ha quartosa salas
Preparadas com asseio,
Para aquellos qoe virem
A Veoeu de passeio.
Tem commodos exeellentes
Para solteiros e casados,
A' todos se prodbjaMsar
Os mals sinceros cuidados.
Encootra-se para lunrk
Fiambre a qnalqoer hora,
Tambera recebe assigoaotes
De comida para fra.
Porteiras de differentes tamaDhos para sitios, jardins, cercados, e-c.
LEILO
B'l-caia^c u rm de biscui-os.
HOalE.
O agente Pestaa l*nt leilie de 15 caixai com
tatas de bb Jeitos sonidos em um ou mais lote, 3*
tfeira 8 da corrent*, pelas 11 horas da maoha, no
armazem do Aooes.
LE 1j A *i
Oa casa de campo com graad- sitio, no corredor
d Bi-no n. 6.
RIME
O agente Pinto legiim-uiH antoriaado fara' lei-
io da casa e 1110 acuna roeacmnaJo, propriedarie
do Sr. Jolm Gats. as 11 hara^ do dia 8 ao cor-
rete na referida cata.
Objer-t'S de
urna v.ici-.-i
n.6
LEILA i
)a movis, lo ca, vdros e muitos
ca
em cria.
Quarh-r-ira 9 m janelri
S? ca-,-Ur I Bs casa
O igeate Pinto.
^ O agenta p.nt-i f r' laWM c aa aulorisaeao do
Sr. J mn Gui< J um pi io> f ir, m iveis e mais
uhjtti'.tos exitnt-s na caa qu'e servio de re-i-
deucia, 00 corredor do Bisuo n. 6 deveado c.me-
Cir dito leilj as 10 h >ras em ponto.
Lftito
Be n:a escrar de 18 aoaos,
o lulteire.
O agente Pestaa f.ra un rntMrivlrajo'e lHo
, h.im copeiro h ilneiru ;
t?m 18 anois da idad-, sadm ten h ia coodoc-
tt : t>>m lugar lila > quirta f-ira 9dicr>rreute
peU. 12 horas da maoha, no largo do Corpo San-
io jumo ao caf eoniTh -Trini.
LEILO
De orna victoria em irreips para 2 cavallo<, |
eaoriolpt, daas radas e arreos para um, i bur-
ro manso e gordo.
Qmrta-fer 9 de aneiro.
Por InterveoCM da ageuli Piolo, oo corredor do
tJisjio casa n. 6.
LEHAft'
Oe m.esc a* i- mea id de.
Quaru-feira 9 > correte
O ag-ni^ Psuii, 11 ., 1 ,|, ,;,,,H de quero
arl-ncer Oh ama e-e.rava da ti.un, -xt-r-U-tn- la-
adetra e quiUniiKa : mari.-ieiri 9 .lo crrenle
felas 11 hansda intuhia oa largo dolaorpe Sula.
Na ra doLivrameota o. 4, preclsi se de orna
ama nacional ou estrangWra, que saiba cosinaar
pe rfe 1 lamen le, para ca da' homem solteiro, nao
se olba a pagarse mais, comanlo que lenha as
qoaiidades exigidas..
iletiiodo CJastilho
Manoel Jas de Par a SirtoVs, o ofesstr part-
o respectivo maodato concebido nos' seguiniesTer-' ca'*r ds io'trncgSooleaaaartar.oelo methodo Cas-
mos : 1 tilho, avisa aos pas de seos alomos e ao respe
Concedi (ao seu procurador) os mais ampios e !tavel l>Bhiico que na dia 7 de jineiro do corrate
illimitados poderos para por elle oumorgate t-' nno' esl8r> sus aula abena o roa da PraK n.
mar cunta de todos os seus negocios qoer pnbl- ^9, segundo andar, assim como recebe penclonfs-
cos ou partieulares, receber os alugoeres .as ,as 8 roel0 pencionlstas, por preco razoavel. Na
propriedades e temar eonhecimento de roas trao- d',a BU** "mbem se eosroam as materias srguin-
saedes alhe hoje iffecioadas. s-odo qoe de boje em ,es 'rncez, latim, geograpliia e muica.
diante oebboma ma-s se ara sem pleno conneci---------------------------------------------------------------------
ment e sudienciado dito seu procurador, ficando' Cercas e gradeamentos de ferro para jardins, cercados tiara animaes, chique'
ltSnLf^ /f*'-? *,e ^ e"? '^w** ros, de todas as grossuns e mudaveis.
se n-er, e para e-te mn promover cootra seus. S*w* a a:t^^, .^
devedotes qasesquer acedes chamndoos a con-
ciliaco, e trans-gindo no acto d'ella. e dando do
que recener a qultaco do esiylo.
Em face dos trn.os de tal procuraco, e deso-
jando o abaito asslgnado dar-me inteiro cumpri-:
meuto para corresponder a conflanca n'elle depo-
sitaba, convida a todas as pessoas que tem trau-'
sacoes cora o dito seu sogro para" 00 prao de 13
das se eote-nderem com o annunitiante afim de
ser ib auiheoticados c>m sua asignatura os res-'
peciivos mulos em a que fleam sugeitos a sua im-
pognavo.
Recife 7 de Janeiro de I67.
________ Antonio Chinaco Moreira Temporal.
Casa no Monteiro
Aiuga-se uma sasa ua povoapo do Monteiro
com boas commodos, aceada e banh -s nos fon-
dos : a tratar na roa di C"e Muita attertco.
Fogia no da 27 de qpi-moro Un anno passado,
do eoironho Bale da fregu^zia da Uaa comarca do
Rio Forraoso, o -rravo Angelo, crloulo bem pre-
la, de i-jada de 20 ocios, com os signaes segua-
te : a to. -hco, >eiB oarha, lena falta de um deute
na f.eoie, pesiarlos, falla gressa, bonito de fei-
c5es e anda a pannos, largos, levou camisa de ma-
dap ilao, calca de bro pardo e chapea de baeta
preto,aslri escravu natural d-Ma praga e foi com-
prado ao Sr. Silvmo Guilherme de Barros e ha
certera qae aoi e.-teja por ler irmios: p rtauto 10-
ga-.-e as aulcridades poliches, caiites^de ca.x.po
ou qualquer pessua que o coohecer o aprehendam
e o lev- ao referido eogeulia ou a ra da Moeda n.
5. seg indo audar, em casa do Sr. Manuel Alves
Ferreira.
Precisa-se de uma ama forra ou eserava pa-
ra serv.r em uma ca-a le familia : a tratar na lo-
ja n. 45 da esquina da rm da Madre dr. De.is.
J.>oL-iiH ao .rjri s, upaio, coiviiia aos ainiiios
e parentrs do Sr. Dr. Francisco Lucas de Soou
Rangel, para assistiram a mis-as re-adas no d>a 9
la carrenie im orden terceira do Carino, as 7 ho-
ras oa mantisa, por alma de sua pre.-ada esposa
D. G n,v-va P-rp-lna Pires R,i,|el.
IVIIHVIO
DE
S. BERNARDO
SalaftekcMs oa eiade d Retire ea 1862
Sob a protec^ao do Mimiuo Pontlflce Pi IX.
fitrector-0 baehnrel aalbeaticts
BERNARDO PER EIRA DO CARMO JNIOR.
O direcuir do intrnalo de S Bernardo, n5o tendo evitado esf jrcos nem sacrificios
para proporeioasr aos seus alumnos uoiaperfeiia edacacau-physica, aoral, BleHectual o
reiwiosa, oir^raceodo-lhas uma habiuco com bastantes r.radtoes de salabriade, habis
praressores que sao so.icitas em preoara los conveoieolemeote ao fia a que se destinam.
medico pratieo que Ihe faca comprrhaoder os preceilos da hygiane e Ibes core das doen-
Cas._ .anualmente um sanprdote Ilustrado e honesto que Ihes explique" os principios da re
ligiao christaa. espera qoa asstm coniituido e em visia do excelleme resultado, qoe 4em
presentado, cootaodo um crescido numero de alomos na Faculdade de Ihreitu, que
concluiram all vamajosamenta os estudos preparatorios, nao deixara' o seu estabeleci-
mento de coatinar a merecer dos Srs. paes de familias o auxilio e conflanca com que ta*
muitos o lem honrada ; e Ihes roga, bam como a tudas as pessoas interessadas, qus ae
digoem de visitar o masmo seu estabaleclmeoto, onde sempre encoatraro franca n-
gresso.
Cadelras de ensloo:Primeiras letras dividida em duas classes, tendo cada uma o
sen professor, lanm, france?, Inglez, ariihmelica, algebra e geometra, eographia, pltilo-
sopbia, rhetonca, desenhoe msica.
O collegio tem a sua sede nos espacios edificios ns. 32 e 34 ra da Aurora.
Nis estfalos do collegio, queestoadlspesico de quem os qui;.er ler, se acham
I' i /t.i.- ni -. .- J __ _a __... .
consigoadas
menlo.
as candiles de entrada e matricula as diversas aulas do flahalnn
' VISO
AVISOS DIVERSOS
fi\Mai.GIKV
O secretario da nmandad- de N. S. da Boa-vla-
geui, -recta em ma igreja, na povoacao do mesmo
nome, fre(ue/ia dos fundos, convida. a lodos os
irmaos da referida irrnaiida I- para reunan d rae-
sa gnral .ioiiing'i.13 do correle, as 9 horas da
aiautia, a ti n d procder-e a eieicSo do- mem-
bio- da ui-sa regidora fas* tom da funccio-ar oo
correte annoao de I86s. E-p-ra a maoi comor
renda pua com acert e desinier-sse teg-r se
irmaos dinos di -x-rcer os cargos a bem da
igreja e iruianiane.
Prensa-s de duas amas i losas, sendo uma
para Bstanse e uu ra pera servir em mandado- :
na roa das Cruzes u 3a, seguulo andar.
Aff)iisn Jo- de Olivvira avisa aos pas de
sen- alumnos e a a lu-iie. iiue d- -eu presumo >e
qui7.er.-m mil -ar. que se afta ro o a aula ab-rta
de-de 7 do Brrente, e i|Ue aulnrisado pelj direc-
loria eral da in-troi-go potinca .oiilma a en-
-mar prim-iras Ki as, lallm, Iraucez, reinnriia e
geunraphia.
O- ahaixo as-lunados fatem scienie ao re--
peit .v^i ^ui hco e rom esp-ciallda !o a> e.rpo do
commereio, qu o son Mwioei dos Sanios Fer-
reira Gilojaraes de n,iu le. f .-r parle .la tir.na
Social |ue nesia pr^ca gyra ua raio de Ferreira
Guimares & C, Ur.aii.io a carjio exclusiv oanle
do- d-'t ais snCI is u aclivi)! e pi--ivo da mesma;
a--iitiiiii.l.) o -oi'io e, oiniHnO'lario Joaqnim F-r
reir de Araujo Gura-.rae- a re-p m-.oilidaje do
Solidario. K-i'if' i do|aoeiMiO" tHf>7
J iai|iinn Fe-r-ira dj A/aujo Gmmares.
M'ii i-I dosSiiluis Feneira Gil loirii.-s.
J.. Joaquioi de Fu-ueiieda.
atteuoa<).
Precisa se de oui eaiter purtugORz que lenha
praiica de molhados e lu letra pra ii-mar cunta
CBELLEIMiPO
Tem exposlo a vend em sen etabelecimento, ra da Imperatriz n. 18, pri-
meiro andar, um grande e variado sortimento de coques de cabellos os mais modernos
viudo pelo ultimo vapor.
COAiLBC-I.' fl.l rOVCI^AO
Rui da Midre de Dos n 36
Amanbia 8 do coirent', abrir s-han as aulas de rastroraia primaria, ltiro, fran-
cez 3 inglez, r-gi lis a nnmeira pelo professor Mano-I Alves Lima, a egouda pela Sr.
padre Fpiix Bar-eto de Va-concellos, a lerceira pe| Sr. Dr JorgeDornellas B. Pessoa, e a
ultima plo Sr D-. Francisco de Paula Penna, sendo as de geometiia, DhRosqpbia, g.-o-
gra!hia e rhi-lonua ahertas loga qiee.-lrja mitriculalo ura numero suffl-.'euia de estu-
d.ules.
Para
Dar ni iui Nvi n. 26, detroate da
botica do IM NaDiuo.
Guardas pars arvores, pl.ntas e ou'ros objectps da ferro que se vendem por
a sif.pn .i" rxiifi ip i n-Miifio ." u'u* Ub-r" ua pr.vin.ia do H.o G'an.te .lo preco mnuteo, no aFmazem de Tasto IroiSos na praca do Caes de Apollo ao p- da punte
Ptl u,l PUUJO l p'liUitrid. Non-, dando para is-u gadur do eu proced- provisoria.
Oa dia 7 de jnei.o m diaiii" .o hi-se a berta a meuto. i _________-_________ -. z____________________: -'}___________
pavoado-
-ii.a ouniiea i insirai^cij
deGimelleira.
;} Oom ogos Gomes da Silva, l'oifcsgue, val a ne-u-s c,-os dinjaio-e a l>.ja 4#
primaria do
JL
- Precisa-se de umnienio que i. ni,a pratlca ;
de mulla 1.1- uu d- riiiuile;as "
u-
Europa tratar >ie sua sau le.
Trocase um sanitario com quatro imageos
ata ra do Brum o 42.
qua
. Sr-
K-Hverein
Mata
tt
Chegoo no aaoor americano SoHth Amerien onia
VOr^ao deoaoanos verdideiros ,ia Kuro.ia mnto
*a- eeidos ja' ne-ta imperiii, os qu es se acham a'
v-,tda a.fespeitave puoliw z,a ma da iaipm-
rlt n. 3
- Aiaga-a* ama stU, tend '
eeda a. 19.
L.nieiioo na ra estieila do Itosario, qoeacOarao
com quem traur.
_______^_
Sfnadur
Precisa se oe mn hou-m que alba b-ra reflnar
para tomar rnou de uma p quima refloacao na
provincia d i H.o Gran la do N (-ie (|e/n ei -r
ne-le ca-o mnja-.ea lo|. do- Srs. Mua ^ Lawde-
llno na roa e-lreita do Rosario, qua achara cora
qoem iratar.
HN iMElTOS DE IGISE
coas camarlnlias,
tratar oa raa da
Ama,
/Prnisa-e de uma ama que casino*
mate .- a tretar no ere-ulad.i dos 8-4os
ra do Trapiche o. 8, segn lo andar.
' Na ra da Cadeia n. 55 ba para vender-se ornamentos de igreja por manos preco que em ou
tra qualquer parte :
A SAfiER :
Urnamonlos de damasco branca de 24S a 32i>nr)
> epearoado de tti a 3001
> > roto detis a 3 *0"-i
> preto d^ 204 3'3 W
------------| verde de 201 s _*W*0
'le vellado preto a JfOOO
A vista da hoa procura que tem havido destas objectos previnimos ao pob/ino que breve che-
perf-da- g.ra'd- pars ami n-iv rem.!ss d ornameato de todas as cores. loeiMTH-tirnamentos sebastos, ca-
ji'Uuiihj* pasde aprgfls, umbullas etc.
Recebe-se toda eqalquear eoeommenda relativa ao culto.
Att'nco
o-. I-sia la milagrosa V ig-m
joiUieicao -reda lia Ca,.el|a
O juiz por eleic
Noa Senhora da
oo Mouteir.., convida ao- tliu-t'iirnos senhores
lell iS lia me-llla fe-|B*pira (J i- -el ll jll-lll compa-
recer em casa oh su- re-i I-una oo me-m > l!.i-
leiro, qu"t fera 9 do correle pe.- 6'/i horas
da larde ahoi 'le ira(ar--e da meSiUi f--la.
, __ .
Gul-eppti D.-l"ll ', SBlidilo lliMano, r-lira se
para Europa levando um sua compaiibia su se
idtWa.
iVa padana da na Uireita n. i't precisa-s*.
alugar dous yreos. para o trabadlo da indina.
Cttz-beira.
Precisa-se alagar omama qoe saiba casinhar
bem, or-ferlndo-se eserava : na luja da ra Nova
n. 11.
embura na eiitenti* do servig ,,
('oafitiHa dos aiiuiazes
siia da Crnz 16.
Ha diaria neaie presunta superior, dito
eniQuibre.
' Precisa-se de urna ama para 0 Serv c) ioter-
n> de umt eaj de familia, n enm e-peciali lade
Pr clsa-se de 1:0004000 a |uras sobre hy- ,,, >aia -ngommar e ca/i-ihar: na ra de San-
poineca em um predi : ea ra Oa iloeda u. 19
se dlra quem prer, -.
Koga-se 0 S--. J Francisco da Rn-ha Fal-
ca, i moiadar BOepgriMlO da Sefr., junto de Suilo
Anfa q.i'iri vir euiender-se ohr- um negocio
qoe itAo iguora, na ru< da< Cruzes n. 41, con
Joadu Coulo Alv-- d So va, islo quauto ames.
Anta de leite
Quero precisar dirdi-se a ra de Santa Toereza
n. 27.
la RiU Q. 83,
Prerisa-se de um p-ssja habilitad < para
ensinar pr m iras i-ira- era uma C*8j particular :
a iratar na roa do Crespo, loja i. 8.
Anda viso ti &r. Fradrlco Ch.ves Jonior,
que o seu afflaocado IIW esl d-veodo alugeis de
rouiha casa o. 15 a' ro oo Mmiago, e quero ser
pago. ..
__ ,M-acelioo Jo- L>prs.
Mariano i Jac(i do Amarai, sua rrtutr^r orna;
fllha, sabanas portugnetes, retiram-se p'
ropa.
Novo traiainenio preparado rom -es folkas de
-Matiro, arvtire do Per, para a cura rnpida e in-
fallivel da limiorrhca sem reacio alguna da con-
amecan dneaaal o la iiillaiumail_n dos iutcsiiuos.
Orl'hre doolor Kicorti, de Pars, icr renunciado,
desrl s-ia Aepancfio. ar. -mprgo de qualquer
Oiurt, traiaiiieiUD. Emprega-sc u lniecco na
eerarfo tluxo; as cu^uius em todos os casos
ctironicos c inveterados, que resistirfle s prepa-
raci- do copahu. cuheba e s injccc&cs com bata
meuTliea. -
A venda as phanaactas de P. Maurer A
C. e A. (,aors, em Pernambuco.
PAGINACAQ INCQRRETA
m


3=
Joaquim Jos GonQalves
Beltoto
(4 MI DOTR\PICU 17 V ANDAR)
Sacca por lodos o* patinetes sobre o Baoco
do Minti era Braga, e sobre os segoiotes laga-
res, era Portugal.
A saber:
un.
Porto.
Valeoea.
Gaimares.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Con Arcos de Val de Vea.
Viano* do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famelleio.
Lamego.
Lagos.
Covllhaa. __________
Precisa-sesingar are escravo preerndo-se
qaesaiba eosinhar e para o mais servido de casa
de familia: a tratar na roa do Trapiche n. 44, te-
gando andar.
i Je

P

^

Precisase de ama ama de niela idade para
casa de poaea familia : na roa da Penha n. 53 i*
andm. _________
Alaga se por 1{|pr owx o segunde indar
da casa da roa Veltu o. 43, as chaves acbam-se
em poder do morador da loja do mesmo obrado
para qaem qoizer ver os commodos qoe tem e
para tratar oa ra da lmperatriz D. 39, terceiro
andar. _^______
SEGUROS
MARTIMOS
CONTRA FOGO.
A companhia Indemnisadora, estabeleci-
da nesta praca, toma seguros mar limos so-
bre navios e seus carregamentos, e contra
fogo em edificios, mercaduras e mobilias:
na raa do Vigario n. 4, pavimento terroo.
w.wmmmmmmmmmmmM
W Educado primaria e i
5,' secundaria 5
'*- Na inslituicao de Jermymo Pereira s
Villar, na roa larga do Rosario n. 2i, *t
nao so se ensinam as materias qoa con--
liiaem o rurso regular de primeiras le- gj_
tras como as disciplinas preparatorias gR
para a facuidade de direito; cojas aa .*
las estarlo abenas do dia 7 do presente ^2
Janeiro por diante, e siro regidas pelos 8
BOMBOS professores. 22
Maximino da Silva Gosmao, compra, vende
e trocjfscravos, d ambos es sexos: na roa do
padr ?lorlanu n 71.
_-T"Rrender a Braniis & C, participan) ao com
mercio desta praca que em coaseqoencia de nova
contrato de sociedade madam a firma da 'oa casa
para > de voo Sobsten & C, substituindo esta no
va firma a ntiga, a principiar do i* de Janeiro oe
1867 e fifando enesrregada da soa liqoidaeo o
socio G. A. Brender a Brandis' continua come
corom-nditario e o socio P. C. voo Sohsteo como
gerente da nova firma. Pernamboco 31 de dezem
bro de 1866.____________________________
Precisa-se alugar om f to sendo do bairro
da Soledade: atratar na roa da Cada do Recife
n. 40, loja de relojoeiro._______________
"^"loga su a casa da Capunga a ra das Criou.
las n. 18 ; atratar na ra da Crui n. 301 andar
"^Aloga se urna casa em Beberiba : a tratar
com J. de M. Reg, ra do Trapiche n. 34.'
Precisare alugar urna escrava pa^a todo
ervici de casa da familia, para tratar pode quera
tiver dirigirse a ra dj Trapiche o. 44, segundo
aodar.______________________________
Xat.au do B.1BCO do Brasil.
Tro^am-s-> na ra do Corredor do Bispo ultima
rasa do quarteiro oovo cora porto re grade de
ferro.
Preeisa-se contratar tima pessoa habilitada
cm pedagoga para adjuoto em urca aula d- pri-
raeiras letras : quem etlver estas circunstancias
deixara* o seu.m me. idade e residencia, oa ra da
Cadria do liedle n. 45, para ser procurado
Ni ra da Cadea do Recife n. 58 proe sa se
fallar com o Sr. capi'8'i Vicenta Ferreira Copino
da Siiva morador cm Nossa Seclura do O' de
Golanna.
REMOMI J- FERREIM V,LLW
Photographo da Augusta Casa Imperial &> Brasil
18, Ra do Cabug, 18,
obrado, entrada pelo Pateo da Matriz.
Em nenhuma das photographias desta cidade se fazem retratos mais perfeitos
do que os qoe se eiecuiam nesta oflicna photograpbica.
Pede-se a confrontaeao e analysa entre os nosios trabalbos e oa elboree que
se fazem nesta cidade.
Nao ba photographia ALGO-A desta cidade, que como este eslabelecimento
photographico possua um to vanado, escolbido e abundante sortimento de caixinbas,
quadros, moldaras pretas e douradas e passe-par-tots."
Para serem col locados os retratos chamados carines de visita ha doze di-eren-
tes modelos de cartes mimosamente iitbograpitados e dourdos, em carlo bris'ol e em
carlo porcelana, os quaes sem alterado de presos, esto a escolba das pessoas que se
retrataren.
Continuadamente se recebe ua Europa remessas de todo quanto diz respeito a
photographia, e ainda o mez passado pelo vaj;or Gueme, e este mez pelo b-igue Belm
receberam-se de Franca quatro grandes caixoes com orna bella variedade de artefactos
productos cbimicos e matejial para photographia.
No mesmo cstabelecimento vendem-se:
Todos os productos cbimicos geralmente usados em photographia e garaote-se
o estado de pureza dos mesmos;
Machinas pbotogrphicls, euvetas de porcelana de dierentes tamanhos e vi-
dros para tirarem-se retratos;
Urna grande variedade de lidas e interesantes vistas transparentes para
stereofcopos, e stereoscopos de madeira envernisada cora lentes prismticas que se ven-
den! a 120000 cada um com tima duzia de vistas transparentes. .
Tambem vende-se por 5O0OO um apparellto completo para fazerem-se peque-
as vistas ou retratos. Ao mesmo acompanham as explicaces precisas para ten uso.
Qualquer pessoa pode azer vistas ou retratos com esse apparelho. ,
A oficina e galera estS abertas todos os das e a todas as horas.
___--------------------------.--------------------------------
'

tDullr-i
OR (
ORNAHEMOS M IGREJA l)E
jr. BS-Ufi
ViUmenteiro c bordador de Paris.
23 RIJA 1IO IMPERADOR 93,
DefroDte da igreja de S. Francisco.
Concurrencia impossivel
jostifleada pela soppressao de ioterrnediarios, pela compra directa das materias prima,, pela exe
cuco dos trsbalhos as ufflcinas da casa e pelo diminuto lucro com que se satisfaz.
Animado pelos importantes negocios qoe faz com grande parle do mondo catbolico da Earopa
resolveo o anouoclante eslabelecer fliiaes da rasa oe Pars em diversos paites loogioquos que
cfferecem vaotagens, e veio inaugurar o priiueiro estabeleeimento ue.-ia cidade, sem duvida orna
das mais adiaotadas e commerciane da America do Sul, e que por i so mesrcd necessta d'ura
eslabelecimento que nada deixe a desejar, quer em relaco s precisos materiaes e qaer ialel-
lectoaes.
Os Srs. sacerdotes e demais pessoas, qoe se dignarem visitar o estabeleci ment, abi acbarao
sempre urna grande variedade de lodos os objectos para iereja e para o clero.
ORIVESARIA PARA IGREJA.
Novos modelos de custodias e de vasos sagrados.
ALFAIAS DA IDADE MEDIA, A' LIZ 13.
Qs presos variam segundo o taraaono, o peso e a forma.
TAPETARAS E ARMACE5 PARA IGREJA.
Fornece toda a qua'idade de armn^Sas, por precos mdicos, vonlade do fregnez ; tendo
, sempre ama pessoa no eslabelecimento para ir tomar as medidas necessarias para completa sat.is-
; faco da encommenda.
NOVAS UMBELLAS PRIVILEGIADAS.
Estas nmbellas de molas, adoptada* pr S. S. Pi IX. tem por sua perfeicao, novidade
e riqaeza a dopla vaotagem de eobrlr loteiramente o Saotissimo Sacrameqto e o padre, sera diffl-
cnliar o andar.
E^CULPTURAS EM MARFIM E EM OSSO.
Imatrens de Christos, caldeiriohas, ernzes, qoadros e todos os objectos devotos,
Objectos em argila, simples e prateados.
N. 2 D ^ N. 2 D
IPP** CORACAO DE OURO. ajfeA
A loja d. 2 D intitulada Coraco de Ouro na roa do Cabuga, acha-se d'ora tm diaale offerecen-
do ao respeitavet publico com especialldade as pessoas qoe honram a moda os objectos do ultimo gos-
lo (a Paris) por meaos 20 por ceoio do qoe u oatra qualquer parte, garamindo-se a qualidada e a so-
lides da obras.
O respeitivrl potlico avahando o desejo qoe deve ter o proprietarlo de um oovo eslabelecimen-
to qoe qoer progresso em sea negocio deve chegar imir.edialamvnle *o coracao de ouro a comprar
aneis com peifeitos brilhanles,esmeraldas, roldse perola ; verdadeiras eo. agarras, modernas pek
diminoto preco de 10, brincos modernos de ouro e coral para menina pelo preco de 3, maracas de
prata com cabos de marfim e madreperoia obra de moderno goslo (o que o eocontraro do coraco de
ouro) voltas de ouro com a competente erosiona ricamente eofeitada pelo pequeoo preco de 124, briu*
cefc de om trabalho perfeito por um mdico preco, cassoletas, tranealios, polceirs, alfoetes para re-
tratos e outros n odelos lodo de alto gosto, anei. proprlos para butar cabello e firma, dito para casa*
ment, no artieo roseta tem o Coracio de Ouro um completo e bem variado sortimento de diversos
goslos, buties para puahos com diamante, rubios e esmeraldas, obra esta importante ja' pelo seo va-
lor ja' por gosto ds dosenho, brincos a forma da delicada mosloha de moca com piogeote cootendo es-
meraldas, rubios, hrilhaotes, pendas, o gosto sublime, alfluete para grvala na mesmo Rosto, relo-
gios para senhora cravados d>i pedras preciosas, ditos para hornero, diversas obras de brilhanles de
noito gosto, crosinhas de rubios, esmeraldas, perolas e brilhantes, aneis com letras, escoletas de
crystal e ouro descoherta para retrato (a iogleza) brincos de franja, ditos a imperatrize toda e qual-
quer jola, para secoliocar retrato-; e obras de cabello, e outros muito; objectos que os preteodentes eo-
contraro no Coracao de Ouro qoe se conserva com toda a amabilidad* ao encorreles deixando-
se de aqu mencionar precos de certos objectos porque (deseuipem a maneira de fallar) diiendo-se o
preco talvez algoem faca mo joizo da obra, por ser to diminuta quaulia a vista do seo valor.
Na mesma loja compra-se, troca-se ouro, prata e pedras precisas, e tambem recebe se concer-
tos, por menos do que em ooira qualquer parte, e dao-se obras a amostra com peobor, conservando-se
e Coracao de Ouro aberto at as 8 oras da noile.
Qualquer pessoa qoe se dirigir ao Coraco de Ouro no se podera* engaar com a casa, pois
nota se na soa frente nm coraefio i^ndorado |>ima rotulo (isto se adverte em cousequeucia de ter. m ja' algumas pessois engaado com outra casa.
a^OLO Nl0
PARA
PREPARADOS SIMPLES,
Xarope de jurubeba
Vinho de
Pillas de
Tintura de
Extracto hiydralcoolico de jurubeba.
PARA UZO EXTERNO
Oleo de jurubeba
UZO INTERNO:
PHEPARADOS COMPOSTOS.
Vinho jurubeba ferrugionoso.'
Xarope
Pilotas

Pomada de
Emplastro

um excel-
bago, as
Cartas lcasulas.
Os Srs. Dr. Jos Leandro Martios Soares o Fe- n
lix Brmvindo de Ouveira, tem cartas no escripto- :?s> ?" velQdo, de c
no do Forte do Matos n. i.
Todas as ioformacSas sero mmistradas gratis, ac?rca dos ornatos de greja.
Cocceder-se-ha facilidade para os pagamentos.
Eis o catbalogo do que tem a venda :
D;?apparecen desde o da 4 do corrent, nm
-caxorro grande da Turqnia, com cauda bstanle
eoro-cada e t do elle cabelludo, feicoes de urjo,
g'iititica-se generosamente aqualqoer. pessoa que
o acbar e leva-loa ra do Padre Floriano n. 15,
casa terrea.
O abaixo a-siyuado faz publico que. o Sr. An-
tonio Lopes Pereira de Carvalhodeixyu de ser seu
calxeiro desde o dia 5 do correte.
Jos Augusto de Araojo.
Precisa se de um caixeiro que t-nba pralica
de veBda : (de 12 a 14 annos) na ra da Santa-
Crio n. 7.
Precisa-su de duas amas forras ou captivas'
urna que cozinhe pe feitamenle, e outra que en-
gorante igualmente, para casa de pequea fami-
lia : a tratar a' ra do Apollo o. 2i, segundo an-
dar.
O abaixo asignado declara ao poblico e c especialidade ao corpo do commercio, qoe conj-
prou a taberoa sita no pateo do Terco c. 21 ao Sr.
Jj> Das da Costa Cirdeal, livre e desembarga-
da de qoalqoer debito at e.-ta data ; e, se alcuem
se acbar com direito, appareca no prazo de tres
dia. Recife, 7 de Janeiro de 1867.
Jos do Cculo Gaimares.
"ti
e di
jalan lustroso.
De damasco cem cruz de ouro e
.'da.
De damasco dobrado, com diver
sos bordados em relevo na
croz.
De tecido de prata ou de ouro.
dem com diversos bordados em
relevo na cruz,
dem idem moito ricas.
De veludo de seda cora croz de
ouro lioo em relevo.
De < hamalote de seda bordado.
Gothicas e da idade media.
A cor da casla nao influe do
preco.
CAPAS.
De veludo estofado.
De damasco
De tecido de prata e de ouro.
dem coro emblemas em relevo
e ricas fraojas na morca.
De veludo de s la.
Da lecidode prata e de ouro Ano.
DALMTICAS.
O rnesmo preco das casulas.
^Grande umazem de tin-r
g tas medicamentos etc.
m Ra do Imperador n, 22.
ra rente) teta a venda o
seguate: flf
Productos cbimicos e pharma- |
tgy ceuticos os mais empregados em M
Ss medicina.
Tintas para todo o genero de pin- !
tura e para tinturara.
Productos industriaos e tintas 1
3k para flores, como botoes de flores fft
^ e modelos cm gesso para imitar T
,| fructas e passaros com o compe- ^
x tente desenho.
Productos cbimicos e industriaos *
Wj para photographia, tinluraria. pin- M
K tura, pyrotecnia etc. j(
yjfc Montado em grande escala e sup- *
| prido directamente de Paris, Loo-
gx ares, Hamborgo, Anvers e Lisboa !
g pode offerecer prodactos de plena J
i confianca e satisfazer qualquer en- 1
fd commenda a grosso trato e a reta-
H Iho e por preco commodo.
Precisa.se 4 o-na ama, na Irav^?a da roa
as Crozes o. li, (.* andar.
ESTOLAS PASrORAES.
De velado estofado.
De dito de duas faces.
De damasco.
De dito de duas faces.
De tecido de prata ou de ouro.
dem idem, com emblemas em
relevo, fraojas e bord.dos de
torcal.
dem idem em relevo moito ri-
cas.
De-tecido de ouro e de prata fino.
De cbamalote bordado de seda,
com duas faces.
VE'OS DE HOMBROS.
De tecido de LySo.
De dito dobrado, de ouro fino.
De damasco, bordado em relevo.
Idem idem, muil* rico.
VE'OS PARA EXPOSigAO.
De tecido d^ Lyo.
De charaalote, Je prata com em
bl.-mas em relevo.
De dito dito, milito Onos.
VE'OS DE SACRARDS
De todos n< precos.
BANDEIRAS.
Da Santa Infancia.
De confrarias de Nossa Senhora.
Parochiaes, qualquer qae seja
invocagao.
Goioes com emblemas em relevo.
A collecao varia de 350OO
3:0002000.
PALLIOS.
Em veludo estofado as quatro
ponas e no forro.
De tecido de Lyo, com ouro
De diio de prta e da ouro lus-
troso.
De dito dito, com quatro emble-
mas bordados em relevo.
Muito ricos, ialeiramenie bor-
dados em relavo rom ouro fiao. 3o milmetros (13
pannos mop.tarios 379
De laa. 433
De veludo inglez preto verda-!487 a (18
deiroj .541 I SO
De damasco dobrado de brocado.'630 ( 2i
Estes pannos tem d- us metros rte 812 ( 30
largura e tres de comprmeme Cruzes de altar, corresponlentes
ROUPAS DE IGREJA. aos casticies, o par.
Alvas de.panno de linbo lino. Thuribuios e navetas prateadas.
Corporaes de cambraia fina.
Toslhas para communho e alta-
res
Guarnieses de rendas para alvas.
Ditas para toalhas de altar, aos
metros.
Toda a qoalidade da rouca ga-
rantida e perfeitarcenb} execo-
tada.
DIVERSOS OBJECTOS.
Bolsas para tirar esmoUs.
Corddes toos para alvas.
f para meninos do coro.
Volias, s duzas.
Cintos e cintordes.
Sacras de altar, em carlo.
Ditas em quadros.
Marcas para missaes, cora
pernas, em chamalote.
Flores artifkiaes, o ramo.
Elidios e todos os demais objec-
tos de igrea.
BRONZES DE IGREJA.
Casticaes para altares, prateados,
de novos modelos :
seis
(14
pollegadas).
)
)
)
)
)
)
Esta planta hoje reconbecida como o mais poderoso tnico, como
lente desobstruente, e como tal applicadt nos engogitaraentos do igado e
bipalites propiamente ditas, ou ainda complicadas com anazarchas, nas inflammaces
subsequentes as febres iniermitentes ou durezas, nos abeessos internos, nos tumores es-
pecialmente do tero e abdomen, nos tumores glanduiosos, na anazarcha, nas hydrope-
zias, erysipellas; e associada a> preparares ferruginosas ainda de grandes vantagem
nas anemias, chloroses, faltas de menslruaco, leucorrtei.ts, desarnnjos atnicos do es-
tomago, debilidade orgnicas, e pobreza de sangue etc.
O que dizemos affirmam os mais ditinctos mdicos desta cidade, entre os quaes
podemos citar os lllms. Srs, rs. Silva Ramos, Aquino Fonseca, Sarment. Se ve, Pereira
do Carmo, Firmo Xavier, Silva etc. etc. Todos elles reconh cem aexcellen a d'este po-
deroso medicamento sobre os demais at hoje condecidos para todos os casos citados
tanto que todos os dias fazem d'elle applicaco.
Apresentando aos mdicos e ao publico em geral diversos preparados da juru-
beba, Uvero- s por fim generalisar mais o uso d'este vegetal, fazendo desapparecer a
repugnancia que at boje sentiam os doentesde usardo> preparados empricos d'elle, o .
mais aas-\ezes repugnantes a tragar pobreza de s;io;iie.
DEPOSUO ESPECIA!.
3Bu larga do Rosario--3-
IPhai'fnaci ce Eartholo^ea -A C
PH0I0GRAHI4
IRTISTIU AMERICANA
RA DO IMPERADOR N. 38.
O proprietario d'este eslabelecimento,
que foi obrigado a pam'isar os seus trabalbos
desde o primeiro de ootnbro do crtente,
com o fim de prepara-lo com gosto e aceio,
a poder apresentar em tudo reunido um mc-
lboramento digno da concurrencia do Ilus-
trado publico desta. capital tem a honra
scientificar-lbe que o dito esta be le cimento
acha-se prompto e reformado em tudo que
concernente a taes mysteres, tendo para
esse fim recebido ltimamente da Europa os
productos e mais-objectos necessariosa po-
der dar execuc5o aos seus trabalbos de urna
maneira digna de toda a atiendo.
JNao queremos encher o nosso annuncio
com essa miscellaoea do coslume, em que
entram tantos nomes metamorpheados, me~
taphasticos, empolados e at mesm > mts-
forios; nao; o publico desta capital, de ha
muito assumio ao elevado grao de civilisa-
c5o e sabe perfetamene conhecer essas
fanfarronadas dos passados tempos que
nada nos do que um laco para apanhar
os incautos.
O nosso estabelecimenio de ha mu lo
conbecido como o primeiro em su s commo-
didadesreomo o primeiro em lodos os seus
trabalhos ecomo o primeiro emfim, a offe-
recer todas as vantagens que se pode espe-
rar em Pernambuco da arte pbotographica ;
e quasi que estamos convencidos desta in-
contestavel verdaae, pela grande concurren-
cia que sempre temos lido.*
Por tanto annunciando a
Reabertura da pitotographia Artista
Americana
RA DO IMPERADOR N 38
ficar entendido que de boje avante o esla-
belecimento estar aberto paraodesenvolvi-
mento de todos os seus trabalbos.
N5o classificaremo.s, nem encommodare-
mos o publico, com essa vasta nomenclatura
de tant- s e variados systemas, emque figu-
ra urna enormiJade de nomes csdruxulos
com que os inventores denominara una eu
outra descoberta que faz em nos nicamen-
te limilamo-nrs a dizer que irabaibatidoem
todos os gneros de pbotograpbia. e pelos
precos convenientes a cada um de per si.
Certos como eslam s de que o publico,
nao deixar de frequentar o nosso estabele-
cimenio, podemos desde j afiancar que
ser servido com promptid'o e que ficar
salisfeito do nosso trabalho, encontrando ao
mesmo tempo em todos os seus empregados
mesma delicadeza, afabiliiade e todo o
respeito e considerarlo.
Ra do Imperador n. 38.______
Xarope e pasta de Seiva
DO
Piahelro martimo
ba
E. Lagnsse
Prepararles mui preconissda- petos sabios mdi-
cos de Pars, comas melliores at boie diseobenas
para a cura certa de todas as molestias do peit",
brom:biles agudos e enrmeos, asihma e ainda das
affeccSes das vas urioarias.
DEPOSITO ESPECIAL
31Ra larga do Itosaiio31
B'karmacla de SSaribcl cae si k. i'.
Agua mineral
ferruginosa, acidulada, gazuza c curbouici
IIE
OKBSX.t.
O uso d'agna de On-zza rrini particolarmente
recoranieilado pela escola de meriieioa da Pari,
Pra todas a iff-ccOes do tu!JO digestivo, iugorgitu-
mento das viceras abdorainaes, e geralmeute Indas
de cambraia flna.
de panno de linho, para
meninas do coro,
goaroccidas de rendas finas.
de tilo, de ricos de-
seohos.
Caldeiriohas com hysoppe dem.
Custodias ditas e douradas.
Lustres ditos e correles fortes
para os mesmos.
Cruzes para procissao, com ralos
ditas.
calculada a dose convenionte a applicar-se, oque torna militas vezes imp:oficuo um me-
dicamento, que podena prodnzir ptimos resultados.
Os nossos prepados s foram apresentados depois le havermos convenientemente
estudado a jurubeba, fazeno ns experiencias precisas pura bem conhecer as propritda-
des medicamentosas d'esla planta em soas raizes. folbas frutas ou bagas, e a dose con-
veniente a app:ica grao ds perfeicao possivel, para o que nao ponpamos esforgos, nao nos importando o
potiCO lucro que po?sames tirar*
Por tanto os que se dignarem recorrer aos nossos preparados podem ter a certeza
de que elles offerecem a garanta, de que se pode encontrar a prompta e infalltvel cura
de qualquer dos soffnmentos, que dmamos innumerados, se forem em tempo applicados,
tendo alnwl'iss?, medico ou docnte a vanUgem de escolher nas uossas variadas prepa-
res, aquella quemelbf.r Ibepode convir, j pela fcil applicaco, e j pela complicscio
das molestias, idade, sexo, ou ainda natureza de cada individuo.
As nossas preparaces ferruginosas sao feitas de forma que se tornam comple-
mente soluveis nos suecos gstricos, porque procuramos os compostos de ferro qae como
taes esio hoje recoobecidos.
Para aquellts que mais minuciosamente queiram conhecer as propiedades da
urubeba, e saberem a applicago de nossos prep irados, destribuimos gratuitamente em
nosso deposito um folheto, onde traamos mais extensamente d'esta planta e dos mes-
mos preparados,
Depositi) geral de todo- os preparados
Botica e drogara
34Ra larga do Rozado34
Roquetes em pnno de linho sem1 Varas, alabardas para snissos e
maogss. cadas para porteiro.
f i com ditas.
Amictos.
Toalhas e saoguiobos.
Estes objectos todos sao em co-
bre e nao em materiaes de
composicao.
Aviso esseiicial para evitar qualquer erro ou m f.
Os Srs. compradores nao devem ignorar que o ouro nao pode ser fiado nem
tecido, e que por conseguinte os gales dos ornamentos chamados de ouro fino sao de
prata dnura cobre doorado, e como tal confundir os ttulos que se Ihes den sempre, que s5o mera-
mente commerciaes.
Os ornamentos que o aonunciante tem venda sao o de gales de ouro meio
finos, falsos ou de seda, s mancando vir os de ouro fino por encommenda; e nenbum
objecto sahe de seu eslabelecimento sem ser acompanhado d'uma factura por elle firma-
da, especificando a qualidade do objecto, para poupar-se explicaces sempre incon-
venientes ao depois de realzada a venda.
aito$o
O abano assigoado compra lod< e qualquer
qnaotidade de algodSo em caroco e assocar; os iof
tereg'ados dirijam-se so povoado de Trombetas
ao largo da feira na fabrica apcr.
Alboqoerque Silva. ^^^
Na roa If jva o. 37, preeisa-se de ama ama pi-
ra engomnsar e cosinbar.para nasa de muito poa-
ea familia, sendo eiptiva prpr^re-se.
Na praca da Independencia n. 33, loja da
oorlves, compra-se oaro, prata, e pedras preciosas,
a tambem se faz qoalqoer obra de encommenda,
i'"to e uoalquer concert.
Dsedinheiro a joros: na roa da Concor
dia n. 5.
mu
Sociedade portigueza de seguros mataos sabr a>ila, fun !ada e
administrada pelo
BANCO ALLIANCA DO PORTO.
Todo o pai que desejar acautelar o futuro de seus futios dev,e quanto antes
azer inscrever os seus nomes na lista dos socios daPrevidenlepor que, com urna
pequea quantia que, todos osannps para alli frapplicando, tirada do fructo das suas
economias, no fim de 23 annos alcangar-lhes-ba urna fortuna, que por nenhum outro
meio e com to pequeo desembolso peder obter.
Os exemplos praticos de outras sociedades anlogas tem mostrado que:
100$U pagos aoaualmcDte pdem nroduzir.
Por um menino de
de
de
de
de
Por urna pessoa de 15 a 20 annos
de 20 a 30 ..
> > de 30 a 40 ..
> de 40 a 50 ..
dia a 1 anno.
a 2 aunes..'.
a 3 ....
a 4 ____
ai5 ...,,
Em 5 ao-
n)s.
I:i00
900
8600
8600
8600
8600
8600
8600
Em 10
anuos.
4:0000
3:0000
2:9000
2:8000
2:7000
2:7000
2:7000
:7OO0
Em 15
annos,
900013:0000
9:000,5
7:5000
7:2000
7:1000
7:6000
7:0000
7:1000
7:2000
7:5000
Cm 20 an-
nos.
20:0000
17:0000
lr>:OOO0
15:6000
15:5000
15:4000
15:6000
16:0000
18.0000
Em 25 an-
nos.
47:0005
37:0000
35:0000
34:0000
33:3000
33:3000
34:0000
37:0000
50:000tf
Alugara-se
duas casas terreas, silas na Capunga, ra da Ven-
tura, junto ao porto da viuva Las.-e-re, de ns. 32 n
34, lendo cada urna cizinha fwa, raetmba, ectfttia-
ria e quintal murado : a tratar m roa duTrapicho
n.3.
Virgqtino Jj.- de Almeida pstt'jelan 'o rom
taberna na cidide d:i Viciorta hi puMi o que
Xesde o da 1 do crrente me: era diante n n
vende ma s agurdente nem em rrtalho e nem em
carga^_____________________
Precisa se d ucaa ama pasa comprar e co-
inhar : a' ra do Impendo: n. 57.
Ama.
Preeisa-se de urna ama forra ou captiva para
coropr r, engommar e coaint)rpa*a urna pequea
familia estrangeira : na i oa Nova n. 50, loja.
Aluga se a casa tarrea n. 10 c n primeiro
andar do sub-ado n. 12 da ra do Aragn : a ira-
tir no segood > a'nd-r do mesmo Sobrado dss ho-
ras do dii as 2 horas da urde, de.t?s h iras em
da.te na estrada Rea' do Mangoinho n. 7..
Aloga-se a sala com duus qu-ros"do srgui-
do andar n. 73 da r .a o Imperador : a tratar no
mesmo at as 9 horas da manha.
Transferencia
O leilo do esdravo cusinheiro aTinur.ciado para
hoje flea transfei Ido para qnarta-feira 9 do cr-
reme ao meio dia, no largo do Corpo Santo ao c -
f commercial.
mm^mmm mrntm
gg Companhia bdeltdade de seguros w
martimos e terrestres
estabelecida no Rio de Jaueiro; m
AGENTES EM PKRNAUBtfcO H
Aalonio Loii de Oiiveira Aievedo L C. jk
competentemente autorlsados pela direc- J
toria da companhia de seguros Fidelida- 9W
de,tornam seguros de navios, mercado- JR?
rase predios no sen escriptorio raa da S
- Crai d. i. m
wmmmmmmmmm wmmvt
Samael Power, Johnstou k Companhia
Ra da Senzala Nova n, 4.
AGENCIA na
FandlcSo de Low Moer.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos.
Vloendase meias moendas para engenbo.
raixas de ferro coado e batido para engl-
obo.
Precisa se de urna ama para casa de harnero
si lieiro : ni roa do CoJcroit ni 8.
Quem pretender sunscrever para a Providente e desege quaesqur esclarec mri-
tos pode dingtr-se, em Pernambuco aos Srs. Manoel Joaqum Ramos e Silva, roa do Vi-
gano n. H que darlo todos os esciardcimetoa fin ssn ftWiarAm nrnsnpAtm irrat a
quem os (terjir.
)s esciardcimetos qae se desejaretn e prospectos gratis, a
\rreios d-1 carro para nm e dons cavallui.
Rologio8 de o oro patente inglet.'
Arados americanos.
dacbinas para descarocar algodr.
Motores para ditos.
Mchias de costura.
/


4

---"
..._____

!.


*-
tarto oe ven^taro W\*Teltf" 8' te alandro d> fa
7
Vei*
H
OilNAS AMERICANAS
I fabricante X. Y. Canttongln c.
americanos para mecr milhe.
Na ra Noft o. 20 e 22, grtnde deposito
das verdadeiras machinas americanas de todos
os f tincantes; se en;ontra nesle deposito
gran le porcSo de machinas, e se vendem por
menos preco do que em outra qualquer parte,
por se receber em direitora da America; se
fornece todas as eiplicacoes necessarias ao
comprador para conservado das mesmas;
neste grande estabelecimenlo se encontra mui-
tos artigos americanos, qae muito deve agra-
dar aos agricultores que usam de taes artigos,'
encontra-se tambera todas as colleccoes de de-
senbos sobre os quaes se aceita JJualquer urna
encomraeoda, que com promptido ser execu-
tada; ueste grande estabelecimento, encon-
tra-se em groseo e a retalho, grinde porcSo
de ferragens, e miudezas que se vendem por preco commodo, pedindo-se a attencSo
de todos para este estabelecimento que muito lucraro em fazer suas compras: na
ra Nora n. 20 Carnero Vianna.
Na ra do Tr
acham-se os seau
De tt. Bruning
Bourgogne.
Vinbo Pommard tinto.
Cortn tinto.
Santo Georges timo.
Ctiariibertin linio.
Hlchthourgtinto. > ,s
Cas de Vougeol tn o.
> Chablis branco.
OeH.A.Woefem FneSefert:
Kheno.
Geisenheimer. .
Liebfraamilch. "r
Marcobranoor.____________________ umas ae upne alcochoadas a 124 a doia
' Em casa de Toeod Ctaristiaosen.rua do TrYI u^j2jl%l!?tl$ aJ tt^*l
piche-novo n. 16, onieo agente no nort%^j^^?"*^"c*,ly,8|Klao 2* a vara.
tfei% os presos
de eszesihs de Santo
Cfelao.
Rna de hacinado a. IO
Vende se :
polio oiattado fio o i O; > pera com 10
varas. v
I Ditos de 7*. 7*800,8*. 9#, 10* e If a peca co
f#_ vara?.
J^MI* d9 M,a de ia*9 cores Pr vestidos
00 rs. | ara.
BaJoe,d*arcos para senhora a JOO. 34 e 31501-
Ditos de arcos encarnados de 3JS00 42
Ditos de murculina a B00.
! Dita le arcos para meninas do 14600 e 24
Toalnas de lipbe alcochoadas a 124
Perfumaras novas.
fcaieilcs oros e de Le ai gasto p&:a
estres.
Queimado o. 8, rere-
de' rtenes mi-
, pendo galao d
Ii0<, r
eMe pode acta;-
NOVO DEPOSITO
DE
MACHINAS
PARA DESCAROCAR ALGODiO
Manoel Bento de Oliveira Braga.
53Ra lre!a n.53
Neste estabelecimento se encontrarlo as
verdadeiras machinas americanas chegadas ultima-
mente, as quaes sao feilas pelo mais .afamado fa-
bricante da America, por isso avisa a todas as pes-
soas que precisarem comprar, de se dirigir a este
estabelecimenlo que comprarSo das mais perfeitas
neste genero, assim como mais barato do que em
outra qualquer parte, por isso que ,& recebe por
conta prop' ia, bem como cancos ae chumbo e moi-
nhos para moer railho, e grande sortitaento de fer-
ragens e miudezas em grqsso e a retalho.
lectivamente deposito dos artigos seguidles:
St.Julieo.
St. Pierre.
Larose. "*'
Cnateau Loville.
Chateaa Hargaox.
Graod vin.Chatean Lafltte 1858.
Chatean Lafilte.
Haut Sauternes.
Chatean Santerues.-*
Chatean Lataur Glanche.
Chateau Yquem.
Cognac em tres qaalldades.
Azeitedoce. Precos de Bordaau.
Fundido da Aurora
A mais antlga desta provincia e com todas as
perfeices em seos machinamos, oUerece a seus
numerosos fregoeres por raroaveis pre$os suas
manufacturas, bem eomo qae tem om bom pessoal
para com rapidez fazer qaalqner concert oq ebra
nova. --..
AMA
i .

DE
J.
X. 55. RA DO Hli>E.iDOR X. 55.
Os pianos desta amiga fabrica sao hoje asss couhecidos para que seja necessario Insistir sobra a
roa superioridade, vaotugense garantas qneofferecera aos compradores, qaalldades estas contesta-
vois qae elles tem deflDitivamenie conquistado sobro todos os que tem apparecido nesta praca ; pos-
oaindo nm teclado e machinismo que obedecen) todas as vontades e caprichos das pianistas, sem
tianca falhar, por serem fabricados de proposito, e ter-se feiio ltimamente mel&orameBtos Importan-
vssimos para o clima deste paiz ; quanto &s vozes, sao melodiosas e flautadas, e por isso muito agrada-
leis aes ouvidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommendas, Unto nesta fabrica como na do Sr. Blondel, de Paris, socio
correspondente de J. Vignes, em cuja capital forara sempre premiados em todas as exposicoes.
No mesmo estabelecimento se achara sempre em expleodido e variado sortimento de mscas dos
elhores autores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo todo vendido per
oreos commodos e razoavels.

mmga DE RESIDENCIA
61 Placelcdo ce-i de ipol!o-6'
O director do dtllegio de Ssnto Anaro, faz publico a queai possa mieressar, que transferio dito
collegio para o palacete do caes do Apo lo n. 61 bairro do Recite, onde contina a admittir alumnos
internos sem-internos e externos.
As aulas creadas em dito collegi.) sao as segainte! : iustme{a) elementar, lingua latina, fran-
ceza e ingleza. rhetorira e potica, gwgraptiia e historia, geometra, phllosophia, dssenho, tiiusici vo-
cal e instrumental a ilan*a.
Nidia 7 do corrento mez tra' logar a abertnra da aula elementar, cuja matricula desde ja'
acha-se abena e as das deiu3is auias de lo por diante.
O dirqctor,
J. I'. Ribeiro de Sjza.
Precisase de urna ama para cosinhar e comprar
na toa da Cadet n. 53.
CASA DA FORTUNA."
Aos 6:000#000.
Illhcc sarauftdos.
A' RA DO CRESPO N. 23 ECASAS DO COSTUME
O abaixo assignado venden nos seas muito feli-
tesbilbetes garantidos da lotera que se acabou
de extrahir a beneficio das familias dos volunta-
rios da patria, os segoirites premios :
N. 2378 dous quartos com a serte de 6:000$.
N. 462 ara nielo com a sorte de SOO.
N. 472 um mel com a sorte de 200$.
E outras mollas ortes de 100$, 40$ e 20$.
Os possuidores podera vir receber seus respec-
tivos premios sem os descontos das leis na casa
da Fortuna a' roa do Crespo n. 23.
Acham-se a venda os da 5* pjrte da i* lotera
a bineOioda igreja do Divino Espirito Santo do
Collegio ([), qae se extrahira' a 8 do crreme.
Prcfo.
Bilhetes------------- 65000
Meios............ 3000
Quartos........... i500
Pira as pessoas que coraprarem de 100^000
para cima.
Bilhetes.......... 5$o00
Meios............ 275o
Quartos.......... 1,5373
Manoel Martins Fiuza.
v_d*o com 10 palmos de largara >
Dito de dito de 9 1.2 diio a 21400.
i Vilo |Mo deff dito a i$200.
Dito alto de 3 l|2 dito a 800.
; AlgodSo enfeslado com 7 Ii2 ditos a iliOO.
Retoode* de fil pr*to a 7$.
1 Boornos de dito a 10$.
Chales de dito a 5$.
jCambrala adamascada para cortinado com 20 va-
tas a 13$ a peca.
^S^,br,?08 de mbrala finos de 2$, U
3*500 e 4$ 1 duza.
IJaznha com llores mnito fina a 400 o covado.
Dita lisa d.ta a 480 o covado.
Cambraia de iioho fina de 61500 a 9$ a vara.
CMnMa-lisa mnito fina de 3$, 6$, 6$500, 7$
- o* a peca.
1Sm USt ,lcochoadas braocs da cora >
Cobertas de chita da India da 2$400 e 2$800
Leneoes de hamburgo fino de 2$400 e 2$60o!
Ditos de bramante de nm so panno a 3$i00
Tarlatana de todas as cores a 800 a vara.
Moreantiqae preto superior a 2$600 o covado.
(rfosdenaple de dito a l$800 o covado.
Fl mella de cores a 800 o covado.
x^on6 "p,cos branca cra 8 t'2 "ras p-
Fil de lino liso fino a 800 a vara.
Diio dito com salpicos a 900 a dita.
Guwdaoapos de iioho para mesa a ;l$50d a dozia.
Assim como tambem se encontra um completo
sorllmento de roopa felte e por medida.
Vende-se orna porco"de caixilhos e
de amarello, tndo obra moderna
A antiga loja de alinderas aturdo Qneimado
8.16, recdwu novo soniaienio de perfumarlas' A Agaia Branca, a'n
sendo finos extractos"* esseacia coocenirada. c*ei-! bao om exlraord,
rosagradaveis pw Iny,*, &;& sariiu--, 1 t.iluc dwno e de go>
hatwta larrabi-iinji, baoha cometit< de diff-re
tambem para 01 eabelt'is, poz"decrale hvjieuicoh le te ma m
paia dente*, opita Inglexa e fraoct-u para ditos, ei/i encontrar,
abuoetes m barras qnadradas/ontres em catxi- ^Valifie
nh ootrus mu finns eto calxinMs de loiica rara lar-- -,.'. flBtMgt>laii. '""as e estrenas com
ba, agua da tt.louia.de superior quallfade em fu*.' ^ZTC^S!**' em e"?- D,las branca:i
eos de twms Kranaos (r*#w,irua aftrAlaf %$3ft 'T,KaV*Mr*,a ?1'^'ihos.
m baohar e uftwr* tptuj a^ua ftp-ida ( df Jr',!,? B p ',,,feDho* de cores.eslrei-
vWadelra) tnico .le K*+, e mu as ootras p-r-' Ifnhnr^ proprias "ra niUot e mtD''
bimarias que a vttJUIha ,,Ualidade ecommo-i ufi. J^.v
didade de prefos, o Arifa ifaooblertara'. ..IR *'.'?%%""" -*,001"" cor- >*
Mnn ./.* *, ir J i ore" ? ae corfs dirTTent^s. o>tos aovos, tambem
iu.eia> preta de iaa e de uua.>;*tti"/" ,",eiUr v^,d*-
-. Blros de ^Ja Lraucos prtto.-, larg; e estrei-
t*ara padres, !,mt.w**ei****-
Vecdem-fe na loja de 'mloezas a' roa do Qael
toado o. 16.
tara b&ptisados.
Banitos chapenstnho enfeitdos, sapatinhos de
setim e merm, bordados e eafeitados, melas de
seda, e o d'escocia para ditos. Veadero-se na to-
ja de mindtsas a* roa do Qneimado n. 16.
Bicos e rendas dasilhas.
A loja oe miodesas a' roa do Qneimado n. 16,
recebeu jiovamente outro sortimento daquellf s hons
e bem eochecldos hiecs e reudas' das ilhas, coja
fortidao, e seguranca de tecido, Ihes da' immensa
doracan e os dilTerenies lius a que acertadamente
sao ai.plieados azem a grande prncura, p prompta
extraejao como consuntemenle tem acontecido
_m d;ta loja os atirt-ciadores tamtiem encontra-
rao bello sortun^nto de flvellas e fitas tar ciatos,
pintes para coques, e muitos antros objectus d
modi. jj|
Entremetas < babudinfaos.
Boa fazenda'e delicados bardados, t.-tam extes-
tos a venda na ra do Queioado, laja de Aguta
Branca n. 8.
A Aitaia Brahca a roa do tfjffm'ado d. 8, tam-
bem vende moi bons 9spartilhos.
Tintaras para etltellos.
A Agola Branca acaba de receber novo sorti-
ment das hrm conhecldae Unturas Cliromacome.
Maiques e ILlIde, e cun quanto os preces de'ditas
eitt-j-m nm pooeo mais elevado? (por causa de ai-
teracao dos drreitoe),
. com indo nao a pequea
, difrreoea qae ba de tazer dos mocos velhos; assim
rtf Im JS?J?.. '. Preten,te!t. 1e a &' 1 oBiinown oa pretendeolea a di-igirem-se a roa de
LSfr *,M'de dW pr*"C0S Di 0bj'?flart'ta> 0cinado, loja do Agola Branca o. 8.
Ar^tiAmi/ui ObjeeUrsdetorraihaspara lato.
UlMLLlCd. A Aguia Branca a' rna do Queimado 0. 8, rece-
beu esses novos r.bjectos de borracha para late,
comprar.
Graxa
^ Em camohas, latas .e barris, a' loja de niiudss
1 roa do (jiiein.ado n 16, reci
to dessa boa graxa econmica.
para bordar.
roa do Queimado n. IC,
a' roa do Qiifin.ado n 16, recebeu ovo gorirme- 'FeDdo ,,eBei',>,1 brincos, poteelras, voltas de n>r-
""."eeisa se de urna ama para casa de poaca
familia eslraneira e que saiba ci nsinhar e engom-
mar com perfelcao ; na ra da Imperatriz n. 40
Io andar.
rotulas
caesdo Caplbarlbe ni 2,offleinadejorneiro."
Vende-se om boi mamoeoma carroca com
orna pipa, junto ou separado : 1 tratar na ra da
Imperatriz n. 39, tercelro andar.
lrul
Vende- e
Molores americanos para dous cavallos, dito dito
para qoatro cavallos, machinas para descarocar
algodao de 14, 16,18, 20, 30,33 e 40 serras, preo-
cas para enlardar algodao fazendo as saccas com
Iaa P,a'mos de comprimento, com o p so de 150 e
200 libras, viudas oltimamente da america: n
armazem de Henry Porster & C. no caz Pedro
n. 2, junto ao gabinete portugaez.
Papel pintado
O mais completo e variado sortimento de papel
para forro de sala a guarnieses, encenira-se a
venda na
Botica de Bartholomen 4 C.
_____34--Rua larga do Rosario--34
51^
A NACIN A
Gonipanhia geral hespanhola de seguros
a vida
AUTORIS/iDA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
UANQUE1ROS DA COHPAXHIA D1RECCAO GERAL
O Basteo de R'espaiFaa SSadrid: Risa de 9. Agasfaho
b. IO
Mii;^-iio da compauhSa em 5 de julho de 180--;.
Apolices 19:700 Capital Rs. 127:1445070 ou moeda bra>ileira
Ri 12,714:476 A Nacional abraca tocas" as conbinaces do seguro de supervivencia e n'ella pode
fazer-seuW-riiKa) d mxio que em nenlium caso se perca o capital imposto nemos lu-
cros correspondentes.
Urna aflaaga depositadaaos cofres do]estado, garante a boa administraco da com
panhia.
Os fundos da companhia se invettem em ttulos do estado e sedepositam no ban-
co de Hespanha c>m interveicao do delegado do governee doconselho administrativo.
A companhia estranltaa toda a empreza ou espiculacao perigosa.eos ttulos em
que se invertem os fundos impostos na mesma, nao correm o mj,nor risco, pois estSo
garantidos pelo poverno, pode-se dizer por toda a naca.
Prospeclos e mais informacoes sero prstalos n'esta provincia rui da Cadeia lo i
. 52, ra da Imperatriz n. 12 erua do Imperador n. 32, primeiro andar,1 pelo S. D.
NnarcU francisco de Vidal,
Collegio da Conceic&o
mRa da Madre de Beos a 36
Esta' abena a matricula deste collegio
M para as aulas segulotes : pnmeiras le- I
w tras, latim, franrez, ioglez, geometra, i
3gj geographla, thetonca e nhllosophia, re-
M Sidas por professores praticos e ja' bem ,
BS coDhenidos nesta cidade.
h mam
ap Paulo (Jordeiro.
A loja de mlodezas a" roa do Qoeimado n. 16,
recebeu nova remessa de rap Paulo Cordetro, e
continua a recebe-lo por lodos os vapores, para
qoe os apreciadores aehem sempre boa pitada.
Tainhas de Alagoas.
Vende-se tainhas de Alagoas cm brris
por preco commodo : na ra da Praia
n. 61.
V
.uuil
caleado
f raiteez
Rna .\'o-
va u. 7. '
Bi-inqacdos
:.l emes
Ra Aova
a. 9.
I
Este estabelecimento recebe constantemente pe-
los vapores fraoeez boticas para homens, seoheras
a meninas, luvas depelicade Jouvn brancas, pre-
tas e do outras differtmtes cores, brincos de ouro
bom e lei com -nfeiles de crystal, ultinra moda
de Paris, caixinhas de costara com msica, vistas
scltas pira quair.is, pxtractos, baohas, bengalas,
chicotes, espelbos, gusdros, moldura?, esterioscopu
com grande sortimento das mais pitiosescas vistas,
realejw, aecordions, lindas nonecas, rarrjnhos,
cabriole!? para conduzir crianc.^s, cavallinhos d
andar por molas para meninos mentar e ootros
miitos obectos fratcezes qne esto expostos a vis-
ta dos compradoras ; na loja do vapor roa Nova
mmmmm m ,
g Annuncio
la O Dr. Carolino Francisro de Lima San-
jK tos, mudau se para a ra do Imperador
^. n. 73, segondo andar, onde onliona no
Sr exerricio de sua profisso de medico.
Trocani-se
as notas das caitas filiaes do banco do Brasil
praca da ludepeodencia n. 21
m
? a
Gratificarse
A qupm levar a' ra do Amorim n. 41, ou a* fa-
brica de sabio no Affogado o escravo B-jiz, cabra,
estilara regular, rosto plotido de bexigas, falla
apressada. um pequeo geito no canto do olho di-
reito cu f>q!)eido, e o cabello algum branco; o
qual esciavu ausentoa-se no da 17dedezembro
prximo passado, vestindo calca nova de^briiu
pardo, camisa de zuarte azul, e chapj pardo de
maca, e cousta que ua oo:te do mesmo da oa na
seguinte, elle andar ao Affogado, tendo all sido
preso em estado de embriaguez e depois solt e
mandado para a referida fabrica, aoode todava
nao chegou.
Precisa se de am criadj : na ra estrsita
do Rosario o. 28.

Retratos
americanos em cartoes para albuns.
M. 59 Raa Kova X ft*.
Anaunciando o novo syslema de reciratos americanos em laminas esmalta-
das, e afirmando serem elles muito duraveis, nio pretendemos illudir os incautos ou
ignorantes, pois que recohhecemos na populacho desta formosa cidade obomsenso pre-
ciso para se acautelar contra os falsQs annuncios e conhecimeato sufficic.te para apre-
ciar devidatnente as provas photographicas que por ventura vissem em nosso estabele-
cimento, e porque tambem temos, e podemos oflerecer provas chimicas e razoes scien-
tiicas do qae haveraos affirmado.
As laminas, alm de serem leves, delgadas e Hexiveis, san cobertas de um
esmalte macio que as tornam ioatacaveispelo ar ou agua, e at pelos fortes disolventes
chimicos. Os retractos sao estampados, sobre urna brilnante superficie de nissima
prata adherente por meio de urna pelcula de eolio-lio, substancia perfeitamente prova
d'agua Por sobre essa supericie ap^lica-se o verniz de esmalte, o que tSo transpa
rente e quasi t3o duro como o vidro. Deste modo, o retracto, nao conlendo em si
materia alguma orgnica sujeita deenmposicia, e-nao sendo poroso nem absorvenle, est
mtetramente livre de bumidade ou de qualquer outra influencia ofensiva da atmosphera.
Assim pois por e ta tbeoria se ve que os retractos offerecem provas de duraco, o que
tem sido eficazmente confirmado pela experiencia : elles duram efectivamente e nada
perdem do seu primor original.
Nao nos necessario repetir as suas qualidades arti-ticas, pois que muitas pes-
soas das principaes familias drsta provincia, pessoas de lina edocacio e gosto cultivado,
nos tem distinguido co-n a sua approva?o e honrado al com o seu patrocinio ; outras
prova scriam superljas. Eatreunto l^mbrareraos de passagem que os pintores antigos
nunca se serviram ele miteri'i porosa para as suas mais bellas pinturas, porem sim de
substancias duras de supericie mca, como a porcellana e o marflm ; e as nossas lami-
nas tem iqual qoalidade de superficie dura e macia.
Finalmente con idamos que'les, que por qnaquer causa nao tenham conse-
guido bons e exactos retractos por outros systemas, a virem experimentar o nosso; em-
pregaremos entilo to ln a nossa pericia e condecimenlo artstico aflm de Ihes agradar,
qualquer que seja o numero pedido de retractos.
oodrlhA Hongh.
N. 52, Ra Nova N. 52,
COMPRAS
Gompi* Silvino Gmiternii ds Barro, Cornura, vende e
troca elTctivainemo escravos de amos os sexos
e de todas as idde : a' roa do Imperador n. 79,
erceiro andar.
Ouro e prata.
Em obras velhas : compra-se na praca da La
depeudencio n. 22, loja de bilhetes.
Comprara-s libras sterliuas: ua praca da
^dependencia n. 22.
Compra-se ouro, prata e padres prnclosas era
obras v^nas : oa rna da C\deia do Iteeife .loja
de onrives no arco da Conceico.
Compra-se em qualquer estado, estando per-
feito. os romances Cateinn do Inferno e Deas Disp-
pdtm, por Alexandre Damas. Pagare bem, na
ra Helia o. 22.___________________
Comprase om preto de 20 a 3o anuos de
Idade na roa do Colovello n. 23.
(jompra-.se na ra da Cadeia do Recife n.
38, ouro amoldado detoias as qualidades.
UORIAL irasMBl'CSNO
MEMENTO MARIO PaRA
1867
Contendo
Urna pagina em branco para cada di.t do anco>-
Kalendario.Sigoaes do telegraplio.Casa im-
perial.Corpo consular eslrangeiro.Associaco
Lommercial Beneficente. Regulamento do sello.
. Syslema mtrico.Servigo do correio, etc.....
tiecommenda-se o presente memorial por comer
noticias, exclusivamente relativas a Pernambuco,
e de somma utilidade para os negociantes, advo
gados, etc.
Vende-se pelo diminuto preco de
2$00
am easa dos edictores, ra do Crespo n. 9
Vinlio do Porto siipHor om tiitoit
od i dozia.
Wnde-se no escrlptorio de Antonio Laiz de
Oliveira Azeveda & C, no seu escnptorio ra da
Crui o. 1.
Machinas a vapor
de forca de 3 al cavallos.
.MOTORES de 2 cavallos.
MACHNAS
La
A loja de raludess a roa ao yue:
reeetieo novo sortimento de lita fina de bonitas co-
res, e como sempre vende a baratamenie, e o sor-
liniento^a contento do ct morador.
Bonitas caixinoas.
,De madeira com enfeites dourados, e outras de
metal para guardar j.ias. Veodem-se na ruado
Queimado loja de miudesas n. 16.
Eofeite e nnaldas. litf
Na loja de miudesas a' na do Queimado n. 16,
acharo os apreciadores do boro, um bello sorti-
mento de bonitos enfeites para bailes, theatros e
casamentes; assim como delicadas gtinaldas para
nolvas, eaixos de flores finas para eofeitar os ves-.
tidos de ditas, e rooitos outros ohjectos, e todo se vas
vende por precos too rasoaveis que o comirador
experiente, nao sa airavn a objectar a respeito.
Babadinlios bordados, pntreraeios tlilos.
Todos de fina cambraia e delicad s bordados,
Vendem-se na loja da miudesas a" ra do Queima-
do n. 16.
Planas brancas e de c* es.
Vendem-se na loja de miudeias a' rna do Quei-
mado n. 16.
Franjas
Com borlas e sem ollas, para cortinados, toalnas
etc. Vendem-se na leja de miudesas a* ra do
Queimado n. 16.
Boasc (Minias fitas.
Ufas e lavrada?, larga; e estrenas; vendem se
na loja domludesas a' ra do Queimado.n. 16.
Bonitos enfeites para vestidos.
A laja de miudesas a' ra do Qoeimado n. 16,
esta' recntenteme provida de mu bonitos eufeites
para vestidos, sendo bicos de s>Ja tanto brauco
como pretos, de differeotes larguras e com vidri-
lltos, ou sem elles.
Trancas e galdes d sJa dos ltimos gostos, di-
tas com vidrilhos, prelas e tranras e de diferentes
larguras e gostos. Pitad de velludo pret.,s e de
cores, com lista as relas. E assim maitas oalras
coasas de moda e novidade, e todo por precos l a o
commod-s, que o comprador fica satisfeilo e nao
objecla a oumprar.
Bollas de borracha.
De diversos tamanhos para brionnedo. Ven-
dem-se na loja de miudesas a' ra do Qneimado
n. 16.
renles, coi rentes para rrlogios, assim como outro
Igual seilmenla de obras de vidro, ttndo de cais
firellas de moH^twm go.-to o cales, e ludo l?so se
vende pur prefos rasoavefs.
pentes e flor para coques.
Obra de biun gostn, e iDtnrsmenie nova, a Atina
Brat-ca a' rna do Qutiroado n. 8, receben uns i
qnenos pentes com urna flor de metal, obra de uc-
vldade e muito gosto, o proprms para coques.
Objetos de gsto.
E novfdade, expestas a venda na ra do Quei-
mado, loja da Agula Branca c. 8.
Bonitos e modernos enfeites para bailes e \\m-
tros, com Gtas e flores, com cuques e sem < lies.
Delicadas capellas brancas de roas e flor de laran-
ja para noivas, raixos de flor de larinja prr.prios
para peilos, hombros e barras dos vestidos de nut-
de facao
de serrote
para descarocar o
Novos brincos da ultima
moda.
Chegaram novos brineos de ouro da lei com pe-
queos plngeotes de crystal e de corI, dilfereaes
modelos e ultima moda franceza: na loja do vapor
ra Nova n. 7.
PAST1 e XAROPE de-HAF a ARAMA
BE DELAIVGREATER
' Sft es nicos peitoraes >p^iroTft4o3 pelea profeuorc di
f KacuiiJde Uedictnide Frange por M mdicot 4u lio
pitai dt Pariz, o* quaes certificarloUlo lsui supere-
ridade sobre tooa es outros pt I toreos cono sua poarroM
efflcacia centra os Dolluxes, Ctippe, irriUofie e u
AtmlgoB do pello r da farsanta.
RACAHOUT DES RABES
nico alenlo inpravailo ptla Aodtmii dt Uedlcic it
Parlz. Ella restabaleca as pessoal qye a^Trara do Bat*-
bu|o e dus Sctttatlooa; fertalaaa aa criaocaa aa paesu
eliilidas, alna aiass em tirtud i* ana propriedade aoa-
UpUca ba o melbor preaarratlTO daa rakraa aaaralla
tjptWId*.
Cada fraaco cada calilha deilaa prepirracoei IttSt
mprt 0 itl'.o m /Irma Dilongrenitr, ra rtichelifl, 26-
em'l'arii. (Faier atrillo alinelo com ai falaincacoei.)
Depoatlarlee no femmmkuec : aaara Barbera; Bar-
mHmm T" da kaaaa y OU.
Algodao
Acham-se venda cm casa de
Shaw, Hawkes A C
Importadores de ferrageos.
N. 7.-Rua do PelourialioN. 7.
Recife
____________Pernambuco.
Velas de caranba
Vendem-se na Iravessa dos GoaTarapes n. 7s
por detraz do arsenal, as arrobas ou em grands
oorcSes, sendo de 14 e 6 por libra e nos depositoe
seguiotes: roa da Gula n..., ra do Racgel n.
roa do Amorim n. 48. t
Vende se urna tabern oa ra do Sjcego no
Campo Verde o. 49, com poucos fondo!, propria
para princlpiaot-i, quero qoixer dinja-se a mesma.
VENDAS
Vende-se a casa i?rrea da raa do Fogo o.
21 : a tratar na rna do Raagel n. 61
Foiuinaas em sllemo'
PARA 1867.
I^lvrarla francesa
Ra do Crespo o. 9.
Vende-se a taberna da roa do
49 enm pytMH fui I m. a vmtald do
! lrlar u i ua du Riu- J o. 61.
c a o a
B* a sr O
a. c* a 'S.
Df i " w
c es o = ST
n e fC -f
"t d n
o p> o o
39 a -i T3 0> Q. as
i c ce o 1
m % -a as a n>
0 a. o en ?.. <
CO
B
pe
3.
A venda as pharmacias de P. Maure i
e G.A. Caors, em Pernambuco.
X*ROPr)EPATIVO
m TASCA DE I.ABANJAS AMARGAS
C.M IODRET DE POTASSI
LE
I I*. Laroze.
pharmaceutico ira Paria
Oiodurelodepotassio um verdadeiro al-
terante, um depurador de incontestavel eflfi-
cacia; combinado com o xarope de casca de
laranJHs margas, aturado sem perttibacSo
alguma pelos temperamentos os osis fracos,
sem alterar as funeces do estomago. As do-
ses mailiemalicas que elle contem permitiera,
aos mdicos de receital-o para todas a< c ra-
pleices, as afleccesescnfulosas,tubercu-
losas, cancerosas e nos accidentes intermit-
j lentes e terceiros; alm d'isso, o agente o
mais poderoso contra as doencas rbeumaticas.
D psito em todas as pharmacias e casas de
drogaras no Brasil.
Expedices, em casa de J. P. Laroze, ru
des Lions-St-Paul, 2, Paris.
A' venda na pharmacia de P. Maurer .
C.a, ra Nova n. 18
Pfl05FHATOEFRRul
o. 2.
Vende-se urna pret para todo sarvico tanto
para rna como para cusa, lava, cosiohi'e engom-
ina, a dooa vende a ponjua s retira para fora :
a tratar na Boa-Vista ruj da Conquista taberna
n. 10.
LERAS]
fliroeira .
cj-npralor :
- Vende-se nm preto de 18 annos, oosiaheiro,
e para todo o servan, urna preta de 40 annos, co-
ginheira ; tritar ni rna d> Fugo o. 9.
Vende-se orna armago que serve para qual-
qoer negocio, tendo a casa moradia independente :
as Cinco P. nts n. 68.
POR MICLEL FOVIOlIlt
PRMKIRASER1E
-fis. i-SOOO.
Urrarln frnacrzi
Uua dj Cre pj n i.
NSo existe medicamento lerruginoso to notare)
come o Pkospkt-to de ferro ie L*rtt$; as snmmi-
dades medicacs de mnnde inieiro depuram-ac
com sollicilHd'; sem ignal nos acnaes da scieueia.
Ai core pallidat, dores de eslomnao, digetu
pernotas, anemia, ctnvalescencias difficis, iads
critica nos Mn/toraj, irregular Hade no mens-
iruaeio, pobreta do sastgue, lymphatismo, tit
curados rpidamente ou modificados por este
excellente composto. E' o conservador por exeel-
lencia da saude, e declarado superior nos hospi-
laea e pelas academias a tados a ferniginoaoi
couhecidos, a ioiorelo e ao curato de ferro,
porque o nico que eaavem aos estomagas de-
licados, que alo provoca conspacio, o msico
tambem que nSo ennegreoe a bocea e os denlas.
Deposito as pbarmacias de P. .Maore
C. e^. Caors. em Pernambuco.
Fie tfTa!gedae^"Baia~~
Vende-se no oscrlptirio de Antonio Luit de Oli-
veira Aievedo c C, no seoeicriptorio ra da Croa
n. 1. ___________________________
Vrode se eoxaraels de ionio e qualidade por
pre;j cjQjmjdj; dq.c?cs d Hamos d. 14,
Coques fingiiido ralieilo.
Lisos e crespos, siogeins e cmposio?, de g>.nr s
canudos e redondos, cohertos com Biet simples e
de vidrinhos, ornados coro flores e titas, obra nova
e de gosto.
Para se a lio ras e Ki-ninas.
Leques riaos de madreporola e osfo, lodo de sd-
dalo e de sndalo cem da, com finos e bonitus
desenhos.
0Ir;:s de madreperala.
Bonitos pentes de madreperola mui alvo par;,
coques, lindas Bvellas de dita dita para cintos, de-
licados alflneles e brinrus, bolSes para paohos, c-
br prima.
Adereco., penles e fivrllas iguae? de d is, f-
brincos. Fivellas e fitas.para cintos, cintos mt>
sades, obra novissima e de jinglo.
IilRtlos esfeifes i Boncio&!a;a
seuboras
A agula branca tem a satisfacao de noticiar a
sua boa fregnzia que r.caba de receber lindos en-
feites Boooiton obras delicadas, de cunta e ulti-
ma moda, o que ser devidamenie apreciado pelas
excellenlissimas senhoras de bem gosto. 0> pre-
fos destes enfeites -ao commodos- e isso verificara
quera se dirigir a roa do Qaeiroado loja da acula
branca n. 8.
Ramos de flores finas.
Como ger?lmenle sabido, a loja da aguia i. ar-
ca o jardim das linas flores ariific.iaes, e altm do
bom sortimento que sempre se arha em dita It ja a
agoia acaba de receber novas flores oas quae- se
condece o rigor d'arte imitando sflores oatnraf
Na loja na 3gula branca a roa do Qoeimado i. f
acharo os apreciadores do bom edelicado caixou-
llores cora compridas rama?, '?, etc.. t;.J.i t
melhor gosto e prio^eira qualidao .
Seias pelas para pfe.! es."
A aguia branca a' ma doQuelmad, i- ?. rere-
beu novo sortimenlo daquellas boas mei..- i.r.iis
de laia que conlinuarn a ser vendidas a 5(aK u
par..
V'isioras e damins
A r.guia branca a' rna do Qoeimado n. 8 rece-
ben novo sti.-timeuto de taporas tm caixas ip ma-
deira e papeian coro S4 e 36 rarides.lendo entre
elles a'gans cem cimpa do mrial para cobrir ti ca-
an ; a branca e enve'rnisada.
BotOes grandes '
e peqaenas, pret s ed outras cores.
A aguia branca recebeu um bell-J sortimento de
botdes de dtvprsas qaalldades e gostos os u
modernos, a elles boa freguezia da agula branca.
i mpan-carii a ra do Queimado n. S.
Colkares ItoyeL"
ou "
Anodinos eleclro-magneticos contra as y.r-
vulsoes, e para facilitar a denticSu cm
criancas. A aguia-branca na ra do Q.-
mado n. 8 recebe-os por todos os vapo-
res fraocezes.
J esto tao conliecidos, e tanto se trm espalfcaof-
a fama desses prodigiosos collares Royer, qot
torna desnecessario dizer mais alguma cousa en:
abono de seus bons e e cfScazes effeitos; basta
tesiemonho de militares do pessoas, qne lm v
e aprovei/ado o feliz resultado desses to D!
qaao necessarios cellares Royer. A qoolid!au>. *
crescida extraecao, que vo tendo, mostta ains
que ; nomero dos prodisioe se eleva como li
os compradores. A aguia-hranca, p-^rm, d. :-
ando concorrtr para om flm de tanto aprnvciu
ment, tf m feto os Decessaries pedidos, pr.ra c,w
por todos os vajiores fiancezes Ihe seja rftro'U:.":
certa quantidade de Sitos collares, para asslto >i>>-
nar-se infallivel o sortimento delles, na oa t
guia-braDca, ra do Qoeimado n. 8.
anuo de. algodao da Ht-liia eropri
para saceos de assnc^r e raupa de
escravos.
Vende-se no escriploro de Antooio Luiz de O'--
veira Azevedo & C, no seu esenptorio ra ua
Cruz n. 1. ^^^^^ _______
Mafhues Austin & C.~
Vendem no seu armasen, rna
da Senzala-Velha n. 106.
Latas com gaz de primeira qualidade.
Barricas com farinba de milbo muito
o^a.
Saceos grandes com farelo novo a 4S.
Barris com pregos americanos.
Vende-se um escravo de boa idade rost
nheiro e proprlo para andar embarcado do qae .
tem maita pratica : na rna da Caleta l-.-ja nume-
ro 41
1
Para descarocar algoda
Vende-se machina?' perbaaibovaafts paja d^sra-'
r r;ar algodao, conlendo US serras cada emi, pein
prego d der rol! rf cada erra, a' ra do Sol
o. 7, so Porto do Cpim.
\mm\
nm cabriolel de qatro.rcdas e qaalro acentos, em
bem eslado, um; meia calessa mallo boa, fu rada
e piolada de novo, ambos com etvrioa, por preco
muito barato : na ra da Pvnte-Veilia a. S.
Farello novo.
V.nde se, na roa do Apollo o. 4 em sacco? grat-
is ; a 4#600, para acabar


T
V"
vwn^i
iv
6
Diarlo 4c rernasssstc -. rere feir 8 de laaelro de 1867.

O ARMEZAM
ONIAO
SS-MMAk MDEM.53 _^
XMSSAWDO O ARCO Di COWCEIC5AO.
Acaba de receber e tem por bartennos presos
alm de seu acostumado e muito completo sortimento
de gneros os se^uintes abaixo declarados.
Queijos de Minas.
/pegados pelo ultimo vapor a 1)5800 rs.
Gfomma de milho braneo
americano.
3 raelhor qne ha pafa papa, pIo-do-16, bolo,
angica, creo etc., mailo substancial e
taadavel a 6*0 rs. cada pacote le 1 libra.
SALM.0 E LAGOSTTN
(legado ltimamente em latas de 2 libras
i^ltjOO rs. cada ama.
'HOCOLITE
MUSCATEL DE SETIAL
o mu to excelle -te vinho muscatel por 200
a caixa de dozia e 20 a garrafa.
CHA
hysson de primeira qualidade a 20800 rs.a
libra, u.tira o que ba de maisfioo a 3 rs.,
alm destas ha muitas oatras qaalidades
proprias para vender a retalbo, qae setende
de 10000 rs. a 25 n. a libra.
CHA PRETO
o mais especial qae tem viado a este mer-
cado a 21600 rs. a libra.
MACAS
mmk immimmn
DE
SOUZ A SOARES L 1RM0.
Ra Nova n. 28.
0 seguate:
tJUlaao geste.
Ricas flvelu para cilos, eoqoes.de retro flngindo cabello, especial sortimenlo de briocos para
orelhas, aboluaduras Anas para ponhos e coletas, afeites, voltas, aderecos, etc., etc., raajlos outros
objectos de oslo Diurnamente cnegads da Europa.
Perfumarlas
Dos noelbore? e mais afamados fabricante?, existe oeste genero, ara variado sortimento de
baohas, leos, extractos, agaa de colonia, agua deotiflca, pos de arroz, etc., ele.; afflauca-se a quali-
dade.
Be porcelana
Existe ama grande variedade de vasos, com ricas Ogaras sobre a tarapa, sendo de amitos ta-
manbos e diversos prego?, port reoslos, port charutos, conxas para jolas, etc., etc. jarros grandes para
flores, com gravoras muito Anas, e raodellos muito elegantes.
Ditos de alabaster brancoi, o qae pode baver de mais delicado neste genero, sendo Ipara o
baratissimo preco de 4 a 15? o par.
De vldro
Copoteiras lapidadas para doces, ditas moldadas, copos, escarradeiras de cores, garrafas lapi-
dadas, casticaes, manteigoeiras, ele, etc. lodo por procos baratos para acabar.
Bulles e eafetelras
De metal principe, goslos inteiramente novos e modellos mnito elegantes, sendo para oito chi-
caras.
Tasso rmeos
Venden ns sea innaiea ra 4t
Amorimn. So.
Uaor fino Coraco m botijas e m/ias botija.
Licores linos sonidos em garrafas eom rolb? i
vldro em 1 indo? frascos
Vnoos(Aeres.
Santernes.
Cfcambertin.
ermirape.
Borgimhe.
Champagne.
Moscatel.
Reino.
Bordeaux.
Cognac.
OldTon.
PAesM larmiel. ______________
_
PASTILHAS
VERMFUGAS
Vapores.
Vonde-se era easa de Saonders Brotbers & C,
o largo do Corpo Santo n. II, vapores patentes
com todos os perteoces proprios par nKJw
tres on quatro machinas para deacarocar algodao.
POTASSiOUDSSH
Vende-se potassa da Russia moito snpertor e de
qoaiidade a mais aproprlada pa** hbneo de
assucar a preco rasoavel, no armasen d Jos da
Silva Loyo & C.
los agi'iculttres
Saonders Brotbers A C. acaba* de receber de
Liverpool vapores de for$a de 3 a 4caaallos eom
tancez a 5 V) rs. o pacote, dito hespanhol estrellinhaspara sopa em caixas sortidas de Mgicas, om divertioiento de morta curwsidade, sendo muito proprio para renniSes de la- todos os perteoces, e mal" proprios para fater mo-
pecial,omeborqaetemvmdoaomerca- 8 fibras por WOOOrs, palharim, macarrao, -^ *!.^^_______ ^ __ ^ ; ^^^^J^fS^'S.
vera para enfardar algodo on uara outro qaalqaer
servico em qae osara Irabalbar com aoimaas. Os
tnesmos tambem tem a venda machinas america-
nas de 3o a iO serras : os pretendemos dirijam-
i ao largo do Corpo Santo o. ti.
Loja do Gallo Vigilante
RA DO CRESPO N. 7.
Grande e variado sjrtimento dos numero-
sos objectos de apurado gosto qae ultima-
mente acaba de chegar para este bem co-
nhecido estabeleci nento, pois seu corres-
pondente em Pars o mais habilitado pa-
ra a escoma de taes objectos, pois os com-
pradores podero apreciar, como sejam lin-
dissi'uos enfeites de cabeca com cok de
cabello, e sem elle.
So do vigilante ra do Crespo n, 7.
Eafeltes
Roques com caixos e de novos penteia- J
do*.
Trancas pretas e de cores, e de todas as
do a tfS&O rs.
LATAS DE LINGUICAS
jom 6 libras ermeticamente fechada a
U300, e de barril a 640 rs. a fibra.
VELAS PARA CARRO
tm pacotes de 8 velas a 9 rs.
VINHO DO RHEN0
i verdadeiro a 20000 a garrafa.
BORDEAUX
as mais acreditadas marcas: S. Julien,
gaut irion St. Emilion e St. Estepb a 80
rs. a garrafa e 80000 a duzia.
O EXCELLENTE E AFAMADO
COLLARES
agarrafado da bem conhecida casa de De-
ant & C .' a 100000 rs a duzia.
PORTO
diversas qualidades engarrafado, inclusive o
aais fino que ha n'este genero por 800,
11000,10200, 10OO e !05uO rs. a gar-
rafa.
OLD CHERRY
;> mais supe ior do mercado a 10500 rs. a
farrafa e 150000 a duzia.
VINHO BRANCO
acetenle quilidade, de Lisbfta, e proprio
para missa a 800 rs. a garrafa e 80000 rs. a
aixa de duzia.
VERMOUTH
wperior qualidade em caixas de 12 meias
/arraf.s por 120000 rs. e cada meia garra-
a 10200 rs.
etc., aRiOrs. a libra.
PREZUfTOS
o<5 verdadeiros de Lomgo a 640 re. a libra 9
560 nteTO.
JALEIA DE MARMEELO
em latas a 800 rs.
MULHO INGLEZ
diversas qualidades a 720 rs. o frasco.
MOST.RDA INGLEZA
muito nova a 800 rs. o frasco.
MOSTARDA FRANCEZA
a 640 res o frasco.
ARENQUES
em [alas a 6<)0 rs. cada urna.
GARRAFAS
brancas para mesa superiores a 50 rs. e a
60 o par.
COPOS
diversas qualidades e tamaohos a 30 rs., 40
50 e 60 a duzia.
CAPACHOS
de cores e differentes tamanbos a 500 rs.
64C e 8o0 res.
BALA OS
diversos feitios epara compras desde 500 rs.
at 20 rs ; ditos grandes proprio para roupa
de 30 a 50.
GAZ
o mais superior gz liquido em latas grandes
com 5 gales por preco de 400 rs.
Ditas em cartSes, ba orna grande variedade de oos retratos para Alboos, quadros, etc.
vende-se por 3* a dozia.
Borzegulns
De bexerro francex roano frescos para homem.
Ditos enfeitados para senboras, fazeola muito boa e precos mOitos commodbs.
Haehlraas
Para pesar moscas, sendo de grande orestimo, e torna se divertida pela forma de qae sao
pegadas e degradadas as pobres moscas ; vende-se pelo comraodo preco de 1JJ.
Caodleiros a gaz
Pelo ultima navio viode da Americ, recebamos do melhor fabricante, om rico sortimento,
sendo de formas muito elegantes e gosto* mallos bonitos,cores rauit) apropriadas, etc., seo lo para ci
made mesa e peodorar, lastros de 1,4, 3 e4 laxes. Em virtud* de termos ama grande porcao, veo-
demos por precos admiraveis, e para que se encontr smiTidade, existe cada ora marcado com o seo
dimiooto preco ; qnaltdade dos mesmos afflancamos o ser de macbioMroo moito sollido e bem feito,
aflm de dar ama brilbante luz, e nao fazer exolosao como muitos saccedem.
Chamlas
Para eaodieires a px, a 180,320 e 409 rs., em porc< faz-se grande differeoca.
Baz
O melbor existente no mercado, recebemos directamente de Nova-York, om carregamento, e
vendemos por menos qoe em outra parte, afflanca-se a qualidade.
Bacas
Grandes de ferro estaohado, proprias para banhos, vende-se por 123-
Continuadamente existe um bora sortimento de quadros pira retratos, alboos, cosmoramas
com vistas, enfeite, sapatinbos. gravatas, collerinhos, eolheres, facas caixas preparadas com ferros pa-
ra engommar, etc., etc., etc., e tuda quanto seja tendente ao sortimento d t mi ilesas, quinquilbarias,
entilaras e ferragens. Roa Nova o. 28.Garntese a commodidade dos precos.
KU4 D4 Gilll\-S3
QRAIUE LIQUIil%^AO
23 Lars d Terco 23.
Joaquim Sim5o dos Santos, dono deste bem sorti-lo estabeleci ment de seceos
a molhados, faz sciente ao respeitavel publico, tanto de-ta praQ< como de fora, que ve-
aham fa/.er suasdepensas a este estabelecimento para verem a grande <)ifferenca que faz
;ara menos preco, c*a<> fossom compra.io& om outra qu^iquer par>e. E todo o freguez
jue comprar de 1<00000 pira ci a ter o descont de 1j% pelo prompto pagameto,
:az-se esta gran lediff-i'enca por estar-se ora liquidaco.
Ga^. americano a 4oo rs a gararfa. e 90 a lata.
Caf do nio de 1/ e i.'sorte a i%o e 2oo rs. a libra, e a 60 e 70 a arroba.
Queijos de diversos vapores a 204tm, 208oo e 30o o cada ora.
Pho-phoros do gaz a >0oo a rosa, e em porco se faz abatimenlo.
Cerveja de diversas mtreas, duzia 50, 505oo, 60 e 70.
Arroz da me hor qualidade a 12o e lio rs. a libra e a 304oo e 30oo a arroba.
Pa )^l Oe linho mana vi do a 40ooo a resma, em porco haabtimento.
Ide.n fin demarca man ello a 505on e 60 a resma.
Vintio das melhorese mais acreditadas marcas, a 207oo, 30 305oo e 40 a caada e
i 36o, 4oo oo e ;6o rs. a garrafa.
dem 'raneo superior qualidade a 40 a caada e a 56o a garrafa.
Cha min tinho egraudo da melhor qualidade a 20, 202oo, 205oo e 208oo a libra.
Manleig ingleza fina, a I01ito, <0to e I0noa libra, embarris ha abatimento.
dem 'nais baixa a 72 ', 8oo e 9no rs. a libra, em porco ha grande abatimento.
lem franceza muito nova a ^4o rs. a libra, e em barril ba grande differenca.
dem mais baixa a 48 52 >, 56o e Hoo rs. a linra, em porco ha abatimento.
Vinho d i Porto n ,-arrafado e em oarril a 64o, e a 10 a garrafa.
Alm destes gen-iros ha nnt os m otos assim como hoiachi'ihasdesoda a 101oo e
20 a lata, chouricas e genebra de todas as qualidades, massas para sopa, copos a 50 a
luzia s no Conservativo laruo do Terco n. 23.
ARMiZEII HE FAZEDJLS
E
mmwm ...
znsnnonni
FREFRAGOES FERREAS-BAIGAHICAS
APPROVADAS PBI* ACADEMIA OB MEDICINA
DE BURIN DU BUISSON
rharaiaculico, laureado pfla leaam de Medicina de Para
I
9 /miinente professor Troussea, na ultima cdic3o de sen Tratado de Thera-
peutiea e Valeria medica, reconhere qe os ferruginosos simples sSo mnJias
vetes itteffira/cs para curar as molestias que tecm |>or oausa o empotorecimente
do tangue. Uuitos medios dos mais distoetos attrilwon cssp m o exito ausmeia,
n'osae preparagoes, do mangunese, que se aebo 1:0 sanii;.:, como o tem reeonhecido
os chimiios os mais peritos, snnprf imimarr.entc mudo com o ferro.
E' pois, f>restar-8cum vcrdadtiro stT\ico aos Sr" Mdicos, ocl'.amar-sesua attenco
sobre as preparaces scgumtes.
P/l fpPPPAC mnilfronipoc dando imme'atamente urna agaa, acidulada,
Ito .CIIW Id.l^d.lTO (jotoj. afiadavel, subdita indo com vantagem
e economa as aguas mineraes fernigino-as.
Plalas c Xarope k Mmb k km e de mwjttm inalieraveis
contendo cada urna cin-'O centigramos de iodureto de ferro manganico indicad is
|)8' ticulaniiciite as molestias lymphatica, escrofulosas, e uas chamadas oan-
crosas e tuberculosas.
receitadas especialmente
para a chlorosis, a aoe-
Pillas de carbonato frreo ninganico Zi^T^%
alternar estas duas preparaefies d os melhores resultados.
0 ST liurin du Buisson desejando ebler a adhesSo completa do publico medico a
cerca do valor de saas preparacoes, previne qae elle as pde gratuitamente a sus
dsposiefio, dirigendo-se;
era.
o Brages de lclalo de ferro e de marese
No Pernambuce, a sen agente geni, Manrer o O, pharmaeeuticos,
llllllliiniiiiiiiii irrrr
wm& mu mmmi
DE
0LYMP10 60NQALVES ROSA
Ra do Livramento n 14.
> propietario deste estabeleclmento faz scieote ao respeitavel publico e aos seos amibos
fregnezes, que tem augmentado a sna offlcina de atraate, e dirigida por om babil mestre, se mear
rega de fazer com promptido qoalquer encommenda, das pessoas qae quizerem honrar sea estabele-
clmento por precos mais baratos.
Assim como tem um completo sortimento de fazeodas Moas (as qaaes nao sendo costme pro-
corar as lojas do Livramento) espera que seus amigos e fregaeze* o honrem com saas presencas,
onis vende mais barato que ontro qualquer.
I "8A^]I\TsDE SEII\ PHETl.
m A' loja de fazendas de Augusto Porto & C.
3 11Ra do Queimadol^
A' loja de Augusto Porto 4 C. chegaram as melbores basquinas de seda
preta que se vendem por mdicos precos.
fVestdos de moin de cores para bailes e partidas.
Ricos vestidos de Blond <-om manta e cpela para noivas.
Costumes completos de casemira para homens, faeada especial, sendo
tas cacase palilotsda ultima moda.
Bonets depalha da Italia para senhoras e cha. eos de phantasia para ho-
#mens.
Ensovaese vestidos b>rd;-.dos para baptizados de 100000 a 3^0000.
Camisas inglezas para homem, peito, pnaos e colrmeos de linho swpe-
rior.
Ricas saias de lioho bordadas, bales, espartilhos, meias finas, lences
bordidos, camisas, caraisinhas, manguitos bordad is para senhoras.
|fi Colxas de seda, e de iaa.e seda para camas de no;vas.
Cort nados b >r lados pira camas e janellas.
t Tapetes para sof, C3ma e piano e pannos para cobrir mesas.
Bramante, Brilhantina Miciennes ou cambraias de pafos. fzenda muito
f bella para vestidos, silesias., bretanhas, e cambraias transparentes tapida e
de linho.
Moireantique brando e preto, sedas brancas, de cores e pretas, e gres-
tdenaple de todas as qualidades. f
Brins de linho braneo e de cores dos melhores.
Neste estabelecimentoha sempre so.timento das melhores e mais baratas.
*jg Esteiras da ludia para for ar salas
I i i-Ra do Quelusiido11
larguras, com vidrilho e sem elle, pata en-
feite de vestidos.
Bicos de seda com vidrilho e sem elle.
Gravatinhas de velludo para senboras.
Gravatas e mantinhas de seda para ho-
mem.
Gravatas brancas moito finas.
S no vigilante ra do Crespo n. 7.
Volt abas para meninas.
Voltinhas para meninas.
Pulseiras para as mesetas.
Correntes para reloaios ringindo cabello.
Riquissimos sintos, fivel'as e fita- para as
mesmas e de outras muitas qualidades.
Riqusimos pentes de tartaruga.
Fitas de velludo de todas as larguras.
Lindos enfeites para vestidos, chamados
Jirispiann* Margante.
Riquissimas llores para vestidos e para
cabera.
Capillas c >m canos flor de laranja, pro-
prias para nofvas.
Metas de seda Dar senhoras.
DE KEMP,
NOVA VOBK.
DE COR CHEIRO E SABOR AGRADAVEIS
InfiDitamente mais eficazes do que todos
os mais remedios perigosos enauseabundos
que existem para a expulslo daslombrigas.
N3ocausam dores e produzem seu effeito,
em precisar logodepoisde purgante ne-
nhum e taoincitantes enapparencia e deli-
ciosas em gesto, que ascriancas estao
sromptas a tomar mais do que marca a re-
ceita
Uteis como um expeliente meio de fazer
remover as obstruccoes do ventre, mesmo
no caso de nao existirem verme algum, as
PASTU.HASVERSUFUGAS DE KEMPS S20 prOmp-
tas einfalliveis na sua operaco e por todos
os respeitos dignas deconfianca e approva-
c5o de todos os paes de familias. Prepa-
radas nicamente por Lanman & d.
Nova York.
Deposito geral em Pernamnaco roa da
ra 0.22 em casa de Caros
JU&UBEBA
A jurubeba 6 ama das substancias medi-
camentosas, qae perteocem ao reino vege-
tal, e pertence a classe dos tnicos e des-
obslruentes, sendo empregada com vanta-
gem contra as febres intermitientes acom-
panhadas de engorgitamento de ligado e
baco. Ella tem sido applicada com incon-
testavel proveito contra a anemia ou chloro-
se e hydropesia, catarrho da bexiga, e mes-
mo para combater a menstrnaco difficil,
resultado da mesma anemia on colorse..
Extracto alcoolico de jurubeba.
Emplastro idem.
Oleo idem.
Tintura idem de idem.
Xarope idem.
Vinho idem de idem.
Pilulas de extracto idem.
Deposito, pharmacia de Pinto, ra larga
do R sario n. 10.
JURrtEBA MACHO E FEMEA.'
Debaixo da denominac3o dejurubeba
nascem nos sitias arenosos do Brasil dous
arbustos do mesmo genero, mas n5o do
mesmo sexo. Ambos creseem com lindas e
frondosas folhas, ambos produzem bagos
gramneos reunidos a' maneira de cachos de
uvas, pendentes deum pednculo curto. 0
prime.iro, isto o macho, pouco menor
ido que a femea, apenas cresce at altura
de um homem, tem folhas menores, n5o
muito sinuosas, mas recortadas, com talos
guarnecidos de alguns espinhos.
as extremidad es dos ramos produz peque-
Ditas para meninas.
Riquissimos chape >sinhos e touquinhas I
para meninos e meninas, m4tM-9mgM-\^^^^^^^^'^^
nos- I bella, de cor lctea misturada de azul celeste,
para Dracos as qQaes representam exactamente urna es-
Lindas sextmhas e bolcinrus
de meninas.
IfHas pretas de laia.
Lindos aderemos e brincos.
Aderecos completos pr prios para luto.
Liados port jotas e port relog.os de d.f- ao |on tomar.se.bJa por uma flo
trella de cinco angu'os e constam de uma
s corla, modlala e como dividida em
outros tantos tringulos, sahindo do centro
cinco estames, ou n lamen tos, de maneira
r de
fe rentes lmannos p opnos para um deli- |)rraf?em
cado mimo. O segundo, mais alto, mais espinhoso.
Riquissimos tivrmaos com capa de tarta-|tem fo|aas m,0>e8> Cobertas de pello peJc
ruga para missa. parte inferior, elegantemente guarnecidas
Aderemos de llores. de espinhos, reo-nadas de um verde vivo,
Riquissimos ade ecos completos, sendo: teildo a mesma flor que o macho, porm
voltas. po'serras, Dtibom, Ifloetes, grampo mas ntj^a
para cabemos; tudo i to feto de todas as Kfnho>i em virlnde Ao oso qnotiriano da
flores de ultima moda em Pans. medicina, sao bastante conhec-dos as phar-
CiraviildnaN. macias. Em verdade, suas folhas e sueco
Tambera chegaram bonitas gravatinhas gjoempregidos para mitigar, como temoe-
co-n flores, e com alunles proprias para rantes> e CUTar as feridas e ulceras> e mui.
meninas e senboras. |t0 faVorecem a cura deltas. Posto que as
Ros -t e Drlneos. folhas e raizes tenham um sabor amare, co-
Riqmssimos brincos ero>etas inteiramente mo ,hicorea e, f(imaria> todaviil dificil.
novtda .e e tu lo de muitoi gosto. mente p0(ieriara ser c,assificadas ^ntre as
Taiiqtilnaa. drogas quemes. Sobresae principalmente
Riqusimas tooqumhas de liuho o seda, em vrtudn e Hfficariaj e mais amarga a
poiito de-corx ricamente enfeitados e de
muito gosto.
Fita.
Riquissimas fitas de chamalote, sendo: ver-
de e aanrello. tecido na mesma Htt.
Agu has de su-.i Ou
raiz, com particularidade a do macho, que
consta de partes m'd teuues Por certo o
*,osimento deste faz despedir a ourina retida
e applica-se muita vez com feliz resu-tado
contra as obstruccoes do flgado e da prsta-
ta em lujar das raizes apperientes.Sua utili-
Tambem chegaram as mui -'eHadas agii- dade e exceiiencia s3(, la e n5o g. ,
Ihas todas de marfi u, pa a trabalhar em laa
e sem corx.
LOJA DA FRAGATA AMAZONAS
nii.io im piidiiU'Cia te e. .via.irer C, ra N-iva.
PERFUMERA da casa oger
BouleVart Sebastopol, 56, Fiarlas.
Des medalbas, a eonriecoracao da Legioa
l'hdHnf ur e a trillad reputa^ao qae teni Ihe
dado o puhliro.taessioasrecciHfMtnsasuuftos
sfrrico prestados a industria merecen a
esta importajita casa desde sua fuodacao em
N'iim sortimeato de mais de 500 artiges,
as pessoas elegantes asceiherao es seguiates:
ROSEE oo PfcRAOtA, estracio superno
para tenco.
POMMAOA ce#HALK>4 Tia.
*GU* VERBENA Mtra o toocador.
oximel ij^^^^^n
vinagre oe Hartas hyqienicas.
tintura vtogtm\.t de heiioim.
ROSEE DE CVS, verdadeira agua de
Jouvencie.
CREME LABIALE de sueco de Rosas.
POMMAOA VELOURS para MBMaf S
pee.
ELIXIR OOONTOPHILE.
SABAO dedicad* as damas imsrlrsan
SABAO de botxpiet de Fraeca. *
d* de flores de alcea rosea,
d* de flores prietaairea.
d* de bouqunt do sus*.
d de perfumes exticos.
i aurora, dedicado aes dedos ar 4a
rosa.
4* de flores das montan has.
4* de oSeiro de foius aoureauz.
d* de bluets cheirose*.
4' de afthea balsmica.
d* dkpr, caixa rica, faatesia pari-
sience.
DE
Monteiro & Guimaraes.
N. 5 Roa do Qdviiu- .:? u, 5.
Eite importante estabeleci nento prvido como se acha de tudo quanto object i
le gosto, porq;tanto seos proprietarios recebara de costa propria oor mdus os valore-
om prucedencia da Guripa, objectos ptra gratn toihite, e usj ordinario para tudas as
cla&ses, e bem assim adornos proprios para casa nenlos.
A Fragata rece >e por lodos os vapores lu^as di Jiuvin, e acaba de receber no-
vo sortimento d >s objectos seguiotes:
C'ies de bl >nde ptra uoivas. Resposleiros para cadera de bataneo.
EsguiSo de linho fino. Bretanhas de linho fino.
Bramante.
Chapeos de -61 de seda para Sr*. Tiras bordadas.
Chapelinbas de er pe e fil para dilta. ntremelos ditos.
Vendos brancos borlados.
Cambraia de linho fino.
Fronhas ce dito.
Lencos di' moito finos.
Cambraia suissa com lo palmos de largura.
C les de seda de cores finas.
Cortes de faulard de seda,
JBe*flati's.
TamUem chegaram taftas sexnhas de
lha liti, prop iis para meninas.
S no Vigi.an'e ra do lrespo n. 7.
l-NliPUo.s.
Riquissimos espelhos grandes e benitas
molduras proprios para salas mi Injas assim
c mo nutr de lTrreiiie- taraauhos.
S no fiante, ra do Crespo n. 7.
Para us pas de fami ia:
Verdadeiros
i ollares Ro)er
Eh'i|i- Ou trillares Anodinos, para facilitar a den-
doutos. mas tambem pelo povo rustico
procurada r contemplada entre os remedios
mariivilhosos.
Traduzido do latim de, Pisn e Marcarave.o
Francisco Jos Germaun
RA NOVA N. 2i,
acaba de receber uui lindo e ma-giifico uf
tiiaento de oculos, lunetos, binculos, do ni
martimos.
Cbapelinhas de pal a da Italia.
Loques de madre.peruU fiaos.
Loques de sando anos.
ftoton as de seda,
totondas de aleod >.
Basquina de grs brod.
Mias de laya 'para padre.
Cintos de fantasa, gosto novo.
tica, das criancas contra as eonvuises timo e mais apurado osto da Europa e oca
das mesma.-. a estes collares us escurri 1:S^.e_a,caDC8 Para "bservaces e,para;o
fa/er qualquer recnmmendacan. visto a
grande utili iade quo tem prodiizidu qurlles
liis que, os lem applic do em taes ci'Ctim-
stanciS pois nos parece que nao ha ver um
s pni ou m*i q'ie p >r este meio n5o quei-
ra por termo a taes solfr mentos d- s-ms
fihinhos visto ser i.m mal que tanto os
tiaj;el a, pois a estes coll res acmpanha um
folheto que ensina .tomo se de ve applicar, e
v^tide-se na loja do Gallo Vigilaron, ra
do Crespo n. 1, pelo preco de 4O0O, f^I
e 60OUO.
110 rS
Gran1 sortminio i-d ir*n SMOw, cry^tlfa-
dns i em calda, fltrnir-irii nHi'nnj : na r-
maze'ii da i/w rn V v. n. fin.
-.i 11 I
V'ndc-ac
Joaquim J s Goucalves Bet>o
E >uii r veodn a procos rommo las pota-sa e vioho
doPorto era caixas e Larris. ________________
Vende-se vinho dBirdeaux em qaartolrt?
birris h csixas
Trapiche d. 9.
em casa de Tlsset rrrts. ra ja" <1p rt&>s dest>nhns
1 di esquina n. 8.
Doces
Graneo sortimento >1o doces seco< e rrystalisa-
dos e em ralla e;trangirus naelooaos : do ar-
rnaiem rt Lina roa Nuva b. 60.
Na ra di VigiirM n. 19, veode-se :
Vmhn Musratc em aornretas.
Vmhos rto Porto de diversas qualidades engarrafa-
do e em furris.
f>>a fm velas grome.
Looa em pecas e fardos.
Vende-se a casa terrea n. 66 da roa Vplh ;
atratar na ra do Rosario n.55, em frente a ra
do Araeio.
para 4867.
AsisDatara para tod->s os peridicos da Euro-
pa d" Bra-n.
UiStr burra g-amira do- catlogos respectivos
BAJA no CRRSPO N. 9
^^__ Llvrarls Fraacess.
Lencos de btbyrmtho
Chegaram do Ceara lindos lpeos de hhyrinlha
a venda na roa do Crespo loja
-


n aw mimm

mm**m
JR-*
Mari* le rerniMboeo Terca felra 8 fe Janeiro de 18b7.
r
.-
'5.
f


*.

4 '

i



lemedios do Dj\ J...C Ajer, ei-leat
MSW < de salsa-par-
rllha de Ayer.
Pe!toral de eereja.
Remedio para esees.
Flalas cachar tica.
0 deposito ceRtral para as provincias
Pernambnc, Alagoas, Parahyba e Rio*
Grande do Norte, destes remedios tao fa-
voravelmeote conbecidos e acoihioY* en
tods as partes da America do Sul e d
Norte, acha-se em casa de Theod c liria
tlaasea, 16 roa do Trapiche en
Perassastiee.
Os precos de
330 por duzia de estrado de salsa-parrilha.
27<) por duzia de peitoral de eereja.
27$ por duzia de remedio para sezes.
7)5 por duzia de plalas catbarticas
se enteodem dinhelro vista, con
o descont de 5 por cento em quantidades
de 6 a 12 duzias, e de 10 por cento en
quantidades superiores a 12 duzias.
UVAL m SKONDd
Roa do Quelnado n. 1, lo ja de
mludezas
DB
Jos Bigoinno,
Continua a queimar tudo qaanto tem em sea es-
tabeleeimento.
Sylabartos rom estampas para meninos a 330 rs.
Memento da roopa de lavar a 100 rs.
Novas car tilhas para manaos a 160 rs.
Duzias de meias multo Anas para senhora a fj'OO.
Ditas brancas e croas para hornero s ;ij c 40.
Aguthas fraocezas a aalo (papel) a 60 rs.
Pedras de lonsa (pequeas) muito Unas a 168 rs.
Paras de sapatos de tranca e tapete a 10500.
Pegas de Sus de ia de todas as cores a 600 rs.
Grozas de bolSes de porcelana praleados a 160 rs
Ditas de ditos de madreperola muito finos < 600
ris. ?
Caixas cont aiflaeites trincezes a 80 rs.
Caixas de 100 envelopel mullo finos a 600 rs-
Pares de sapatos de ISa para meninos a 400 rs.
Pregos francezes de todos os tamanhos (libra) 240
ris.
Resma de papel de peso branco Uso a 20.'
Frasco cora superior tinta a 100 rs.
Grosas de phosphoros de gaz a 20200
Pares de bot5es de punho mnlto bonitos 120
Linhas em carta de 900- jardas a 100.
Caixa de superior linba do saz com SO novellos
700 rs.
Caixas de pos de arroz maito fino a 800 rs.
fulceiras de conta para meninas a 320 rs.
Talheres para meninos a 246 rs.
Caixa com superiores iseas para charutosla 20 rs.
Sfasso com superiores graropos a 30 rs.
Grosas de pepoas da ac muito finas a 320 rs.
Bonats para meninas a 15.
Pautes com costa de nidal a 400 rs.
Capachos compndos e redrndos a 500 rs.t
Cairas com superior papel amisade a 600 rs.
Realejos para meuinos a 100 rs.
Milita atten^ao
ASFAZEJVUAS
NfcMNS ARMAZEM
O
f





m GAZ GAZ
Cliegoo, a.amigo deposito de Henry Forster &
C, ra do Imperador, uui carregameoto de gaz de
primeira qnalidade.o qual se vende em partidas e
a retalho por menos prego do qoe en ootr' qual
uer parte.

AlgodSo daBahia
VeriJe se em porgo e a retalho
Crespo loja da esquiaa n. 8.
na roa de
LUVAS DE JOUVIN
novaraente chegadas, frescas, e bem sorlidasl.-^na
loja do Vapor, roa Nova o. 7.
Rival sem segundo.
Ra do Qnelmaso a. 4.
Qucr acabar cent as fazendas abis
mencionadas.
Queiram vir ver o que bom e baratissimo.
Toalhas de labynnibo com bico, fazenda boa >
34500.
Carreteis de linha com 100 jardas a 30 rs.
Gravaos pretas e de coree muito finas a 800 rs.
Barataos francezes mudo finos a 200 e 320 rs.
Clxas de obreias de massa muito novas a 40 rs.
Eofladores para espartilbo da cordo e tita a 6t
ris.
Carreteis de linha Alexandre com 400 jardas a 20<
ris.
Desmas de papel almaco muito bom a 20509.
Drasco de oieo babosa a 320 e 500 rs.
Dos lie dito higlenique verde a 15000.
Ditos dito Mo a 800 rs.
Ciloa de macacar perola a 200 rs.
Sitos de baoha muito fina a 200 rs.
Raixas com 12 frascos de cheiro a 10 e 10500.
Fabooetes mnito finos a 60, 160, 200 e 320 rs.
Ditos de bolla muito fiaos a 2*0 e 320 rs.
Frascos com cheiros muito IJnos a 240 e 500 rs.
Caixas para rap com bonitas estampas a 100
Laa para bordar a melhor do mercado (libra)
700.
Caixas de palitos a balao a 40 rs.
Miadas de linha froxa para bordar a 20 rs.
Varas de cordo para espartilho a 20 rs
Frascos com tinta rdxa raoito boa a 2*0 e 320 n
itos de dita preta a melhor qoe ha a 320 rs.
Duzia de faccas para sobre-mesa a 40.
Dita de dita de cabo preto cravado a 34.
Varas de franja branca larga a 2b0 rs.
Pacotns com 3 sabonetes inglezes de superior qo
lidade a 720 rs.
Lapes de creio a melhor qualidade a 20 rs.
Pentes voltalos para regacar cabello de menina
a 320. ~
Bengallas de canoa com v Ita a 10.
Frascos de macaba' oieo muito fia, a 120 rs.
Abotoaduras muito unas para cohetes a 500 rs.
Caixas de linha do gaz preta e de cores a 800 rs.
Candes de liona branca e de cores a 20 rs.
Liora de ?ra preta superior a 100 rs.
Cartas de aldnetes francezes com 14 pentes
120 rs.
Escuvas para (ato, fazenda boa, a 500 rs.
BotSes de cores para vestidos por todos os prego.
Ditos pretos de casaca /'duzia) 120 rs. '
'" cOeTisboT"
Da mais nova que ha no mercado che-
gada pe o ultimo navio, vende-se ra do
Brum n. 66, armazem de David Ferreir
Bailar, barris de 4 arrobas toda em pedra
por 50, latas de 2 ditas hermticamente fe-
chadas por 20500.
VENIIE-SE
Presontos de fiambre ja' preparados.
Servf ja gellada.
vinli-i geilado.
Maoteiga gellada.
Lius com 3 libras de lioguicas, e figados em
roolho morceUos, indas ltimamente da liba.
G u >- e batatas a' 700 r. com 1 arroba.
I>io o mais barato que possivel. no armazem
de Guiroare? & C, roa da Imperatriz o. 6.
Cal de Lisboa,
Cbegada 00 ulumo navio, sal barata que em
ouira qoalqoer parte ; no deposito da roa do Apol-
lo n.8._______________r___
Tende-se
marhinas americanas de serrotes para descaroca
al|odo : na rea Sentalla Nova a. 41________
" Vende se orna mcbil o* de jacaraed a
Laiz XV, completa : a, tratar na roa d> Impera-
triz armazem de marcioelria n. 25 doSr. Remigio.
(FiDiLfaa sai a
de porta.
Vendem-se do escriptorio desta DIARIO
4f 160 rs.: roa das Cruzes n. 44.

Grande
Itj A
bem sorlido armazem de Ihades
Hua xova n. 60
\0
Ba da Imperatriz n. 60
DE
fiAMA < SILVA.
,pfJt'nws.,Iaa8'D0 ma no resofteram
daooa deste importante esUbeleciroento vender
snas razendas por prefios multo mais baratos de
ewtumam, com o f>m de aporarem dmbelro e
MOftaBo grande deposito que existe na sua
iilw^,D*"m par* ^ae W* o respeiuvel
poDiwoe os seos nnmerosos fregnezes a vlrem s
sorHr je b as fazendas, taato proprias para texo
wmo de primeira necetsidade, e convidam as pes-
soas-qae netociam em peruetra escala que n'este
graaae esubeleclmeoto eneontrarao om avahado
wttjmeito de fazendas de le e pbaolazla qae se
*"- petos mesmr.s precos qne se compram nw
afaf*os "leM ganbando se apenas descont
e ae tedas as fazendas do-se amostras mediante
um penbor, ou maadam se levar em easa das er.-
Vo PaSt fatn"ias W Di9 Poderem vir a loja
Canibralas U*m do Pavio a .JB0O,
45000 e 44500.
Vende-se um grande sortimenio das melbores
camnraias transparentes, teodo 8 varas e meia c*
KJ5ft.JE8!P!M(* we^osde 34300, 44000,
4*500, 54000, 64000 e 74O00 a peca ; ditas dVes-
cossia com 9 varas cada peca, tendo mais de vara
de largura a 64000. 75080, 84000 e 104000 ; ditas
Vretort a 64000, 74O00 e 84000 ; ditas largad com
8 palmos de largura a 14000 e 4280 a vara, seo-
ao preciso apenas 4 viras para vestidos, alteoden
.-jJ?Pai,'; d,,M P* fe oo encornadas
j. *" pe?a Ba lia e vnuieiD do Pavo na
rna da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Para camade noiva vendo o Pavlo
Vendem-se ricos cortinados bardados e adamas-
cados proprlos para camas e janellas pelos baratos
precos de 84, 104000. 16, 205000 e 254000; sd-
perior damasco de la enfeitado a imitaco de seda
proprio para cakas a 240O acovado; ricas col-
i9j^ CT peio baraI'sslmo prego de 104000 e
iz^ooo : isto na l-jia e armazem .do Pavao na ra
da Imperatriz n. 60, de Gama* Silva.
As melpemenes do Pavo a 2500
Vende se supermres cortea de melpomeues, sen-
do razenda transparente e mnito bonita, tendo mul-
los paroes rOxos eom 7 varas e meias cada corte
pelo barassimo pregado 24500 ; isto para acabar
na loja e armazem do Pavao na ra da Imperatriz
n. 60, de Gama Sflva.
Grande pechincba em chapeos a 500 rs.
Vende-se chapeos de palha a imitagao de mani-
ma propnos para bomens pelo baratsssimo preco de
aou rs. cada omj uto para acabar na loja e-arma-
zem do Pavo na ra da Imperatriz r% 60, de Gama
a Silva.
Vestidinhos para meninas
VendflB se elegaues vestidinhos para menina
ee larinba muito bem nMtados |ieio batatissimc
preco de 2 500, dlfo de 0il%\e i,ra"iemci0 Pa,0 Da roa da Imperatri:
a 60.de Gam4Sirva
Baldes baratos
Vende o Pavio.
Caegau um grande sonsmeni de baftes de ar
eos sendo americanos qoe sao os melhores e veB-
dem-se pelo barassimo preco de 24500 31 t
34800: aa lela do Pavao m raa a ImpertriT n
60, de Gama & Silva. ^ ; Chales de merm
A 160 rs. Dar Infn M. iw r. par'> vemde O diversas cores, tendo as franjas d* seda a 4400u.
w a .. ^*T"* en<,<> ">ni as franjas de li a 34500 rs., dins es-
Vendem-se laazmhas pretas proprias para loto Pdos mnito finos a 84500, 64000 74000 di-
pelo baratissimo prego de 100 rs. o eovado: na d crpon ron lisias de seda a 84000, dito
iqjat armazem do Pavao roa da Imperatriz n. 60, m*,s ordinarios para acabar a 24000 < 24500 : n
& Gama A Silva
Croch
Para cadeiras
Para softs
Para camas
toja e arroazem do Pavlo na rea da imperatriz a
60, de Gama A Silva.
Sodmbas de lisias a 400 rs.
.im b01DW,SSf,|nha' e listas proi-rias pan
n7. S ,ar*Ura "e Cbi,a ,D,e relo barate
Parta n^n?,? T"0 : ^ "** dl
Pavo na rna da Imperatrlm n. 60
Silva.
ma
Para presentes. na imperatrlmn. 60 de Gama 6
Uegaram os mais ricos pannos bordados a ero- e.'.V*- .
cb proprios para eneostos de cadeiras qne s Filos bordados a 800 rs. a vara na Ira rlr
Teatral a 24800 e 34, ditos para encasto de sof pavj0 J
I peratriz n. 60 d- Gama & Silva.
Pannos de iioho.
Vende-se superior pannos de finbo proprio par
longoes, toalhas e seronlas etc., pplos barailsslmos
IV 1 da ana f^'C"* JO. 700 e TOO rs. a var; bramante di
i" *, "1* SLV" ,0 p*JoM* ,arBra a #-0ft 24500
mainEKfl Hapor 1 a t}S *comTAe' os Ji70 a '"i ota"otesorttmento de Hamburfc
maisllndoseorlesdepoil de bvre para vlstidos, "o Crepoellas por baratos precos : na Ha e arma-
sendo razenda inteiramente nova no mercado, ten- d" PavSo aa raa da Imperatrir 0. 60 de G
do esu fezenda bastante lostre eom os mais deli- 4 Silva.
cados gestos tanto em listras como em flores solas Cambraiag brancas de COrdSo a 8/fOO.
Cnegaram as mais delicadas can.brai*s bntctt
lovos vestidos Poil de Ch-
vre a 16^000.


bem sortido armazem
Raa Mora n. 60
Sabio oa nao sabio, am .ibiis irao freguezes? sabio sim ; e se demoramos tanto
em abrir a caixinba do segredo, Coi porque gustamos de sorpreza e dasconjectoras. Ab|
Ah 1 Ab 1 como o safar deu no goto de muita gente de collarinho empinado ebigode re-
torcido ?1 Quanta iuterpretacao lidicula e risivel soffrea o nosso pobre salar V. Muita
vez ti vemos fruuxo de riso no cantinbo do nosso armazem, quando viamos q;e alguem se
eeomojodava com essas seis negras letras, que por alguns diasderam nmcertoar de
ojysterio a urna das columnas desie venerando Diario l E no entanto nada de mysterio-
so havia, como vedes, no patosco safar 1 sim; riamos a bom rir; mas nunca vimos rir
o cavalieiro da Liga porque
Serio e grave encara as causas
Deste mundo como sarT; .
Verdadeiro, fiel vive
Do commercio a tradicfao I
Poisque o safar se mostrou qual vinde admirar freguezes, corno no armazem! Camisinhas para senhora a 4fj000 e 5^000.
da Liga se opera a mais fina liga do bom e barato. Lede e veris a verdade vinde pois; Vendem-se flnissimas camisinbas com manguitos,
confiamos era uue nao tereis occasiao de dizer que o vosso dinheiro foi mal emprecado, 5SD? "s ali m0{,eros que neste genero tem vin-
nem o vosso bom gosto offend.do. Eis freguezes e..... la vai verso. 2 *S^~"^TgS?S?ffi
Farlnha de niilho Imperatriz o. 60. de Gama & Silva.
ou gomma de milno branco preparado na America, vende-se 500 rs. a libra, e o cida- Gorpinbos para senbor i 5. 8-S e 104.
daoque comprar dez libras veude-;e-lhe-ha,450. Cbegaram os mais delicados corpinhos de caav
UKfnllTlS 1N1I F7FS braia transparente, sendo riearaente enfeiudos e
anAn n. P i a n T n i ... Twdem-se pelos baratissimos precos de 54000,84
Soda, Mized, Pic-nic, Francy Cruckeuel, Qenn, Osborne, Gala, Arrowrote outras multas e lOitOO; ditos de grosdinapes preto, sendo fa-
qualidades a iiJOOO a lata COm 2 e 3 libras. fenda multo superior pelo barato preg de 84000 ;
Bolaiinlias percales

Pechincba em madapoKfes na loja do Pavao.
S?eJH* "Perfores pegas de madapolo fino
coro 24 jardas pelo barassimo prego de 124000,
ditas ae 84000, ditas de 74000, ditas 64500, goran-
nudo se terca toda 20 varas, sendo muiio boa /a-
caoda para os pregos cima mencionados, que se
oeefem mais barato qne em Mira qualquer parte;
ero-so na loja e armazem do Pavao na roa da Im-
peratriz n. 60. de Gama 4 Silva.
'



em latas de diversos tamanhos 2, 3, 5,8 ibras cada urna e pelos seguintes precos: I $200,
20400 e 3^000.
Bolinhoa com amendoas
grande quantidade de cartes, hcelas, caixas forradas de chumbo, com as mais ricas qua-
lidades de p3o-de-!, bolos, para champanba, boliinhos com amendoas, e outros muitas
que se tornam enfadonho mencionar.
MANTEIGA
manteiga ingleza, primeira qualidade a 1-jMu a libra, idem ingieza boa a 10000 a libra
800, 600 e400. dem francesa a 640 rs. a libra.
Doces em calda
doces secos e em calda de todas as qualidades, em frascos, potes, caixas, etc etc: por.pfe-
cos os mais razoaveis possivets, amendoas coofeitadas libra a.
CAFJ
caff do Rio Ia sorte 240 rs a libra, 2a sortea 200 rs a libra, 3a sorte a 160 rs a libra,
em arroba se far grande abatimento.
Viaho
vinhos engarrafados de todas as qualidades, rainha Estephaoia a 30000 a garrafa, Porto
maioiiaa 40500 rs. a garrafa, lagrimas do Douro a 10800 a garrafa, Pedro V, D. Lua,
Maria Pa, carcoveilos, bacanaes,boeugi a 10000 rs. a garra'a, idem cheres verdadeiro,
20500 a garrafa, idem cherny cordial a lOOO a garrafa, collares e ftguira ambos engar-
rafados a 50rs. a garrafe, idem de Lisboa em pipas,,barris, ancoretas e a retalho a 360
e 400 rs. a garrafa, anooreta com vinho tiuto a 20400 a ancoreta.
Bordeaux
vinho Bordeaux de todas as qualidades de 605UO a 250000 rs. a duaia, e en garrafa de
600 rs. a 20000 rs. Wermouth a 10500 rs. a garrafa Kenoch de wasser a 20000. rs. Ab-
symth a 20000 rs. a garrafa.
GAZ
gaz verdadeiro americano a 90200 a lata grande, garautindo-se 27 garrafas, e a 400 rs, a
garrafa.
Corveja fielada
cerveja gelada em garrafas e l/ garrafas inglezas e franecza.
Piiiic.n e jlpisla
painco 100 rs. a libra, alpista 160 ; pinr;o e alpista misturado 140 rs.a libia: en
porco se far abatimento.
c:lia verde e preto.
10000. 10500, 20000, 20200, 20400, 20600, 20800, 30000, o 30200; cha verde de
todas as qualidades, huxim, perola, aljfar etc.,
CHARUTOS D'HAVANA.
rega'ia britaniica 100 a carea, lon^1re< 120 a caixa, operas, caixa 100; e outras mui-
tas marcas que se tornam enfadonbas menciona-las.
CHARUTOS DA BAHA,
imperiaes,exposicSo, normas londrin.s, guanabaras. suspiros, delicias,parisiences, ven-
cedores, guerreiros, lyricns, quem fumar saber, para os seguintes precos: 10ooo, 105oo'
20000, 205 o, 30oon, 305oo, 308oo, 40ofto, 40200, 405oo, 408oo, 50OQO, 505oo, 60ooo,
605oo, 70000, e 80ooo.
Velas Stearinas.
spermcete 64o rs. o pacte, velas de carnauba de 6 por libra; $ 36b rs. de 14 em
libra, 44o rs. em porcao se far abatimento.
GENEBRA iQt-30 ou victoria 72o rs. o frasco.
genebra de hollanda em frascos a 56o rs. o frasco.
GERVtJA--T-E BISSv
cerveja bass e teneate e de todas as quaidiades, as auaes se vendem o mais razoavel, como
seja 5oo 6ooe 7oo rs. e em duzia faz-se-ha grande abatimento.
Arroz da India,
lio rs. cada libra, em poroso se far grande abatimento. ,
SABO E SABONETES.
sabo branco com veas cor de roza, idem branco com veas azues, sabonetes de uva libra
cada um, sao os sabonetes mais econmicos que tem vin Jo ao mercado 5oo rs. a libra.
Saga' e Sevadlnha.
saga* muito novo a 24o rs. a libra, cevadiuha muito nova 16o rs. a libra.
cevada muito nova 12o rs. a libra.
gomma dbjbncommar 12o/s. a libra.
CEBLAS grandes e novas 10ooo o molbo. ,
Latas com conserva.
latas com ervilhas portuguezas e fraacezas, latas com carnes preparadas, passarinhos gui.
zados em latas, e salame em latas.
Ooce de gelaba.
ha constantemente am grande deposita de doce de goiaba em catiSes de todos os tamanhos.
Caaos, copas,
copos crystalisados, ditos lisos; ditos decores, a 40ooo e 405oo i dona.
GARRAFAS M CRTSTAL.
garrafas de crystal de formatos do ultimo gosto.
AME1XAS.
amoixas em latas, em bocetas (rseos.
Queijos Queijos.
qneijos flameogos do penltimo vapor a 20ooo, ditos do ultimo a ......
isto na loja e armazem do Pavo na roa da Impe-
Uix. n. 60,. da Gama 4 Silva.
Grande pechincba em chitas.
Vndese om grande wrlimemo de chitas esco-
r legres fraacezas peles baratos precos de 320,
360 e 400 rs., sendo com os padroes mais bonitos
qae tem vlndo ao mercado com listas e flores etc..
etc.; garantindo-se serem cores fichas : na k>]a e
armazem do Pavo na rna da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Silezias para senhoras na loja do Pavo.
Vende se e.-ta nova fazenda, sendo silesia ondea-
da propria para saias pelo baratissimo preco de
440 rs. a vara, e comprando se peca vende-se a
400 rs.; isto na I' ja e armazem do Pavao na ra
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
As saias do Pavo
Vendem se ricas saias bordadas com 4 pannos
pelos baratissimos pre?os de 6^000 o 7000, assim
como fazenda em peca com pregas proprias para o
rnestno Sm a lj200 a vara : na loja e aiipaMR du
Pavo na ra da Imperatriz n. 60, de Gama i Silva.
Lencos de seda
Veodem-se superiores lencos de seda pelo bara-
tissimo preco de 19000 cada um, ditos de acento
braoeo, padrfies mlodiohos fazenda muito fina a
iyfiOO ; na loja e arrriazem de Pavo na ra da Ia>
perairiz n. 60, de Gama & Silva.
Aloalbado
Vende-se supenur atoalbado d algodo trancado
com 8 palmos de lanrur a tC(0 a vara, dito ada-
mascado muito superior a i800, dito de Iioho mui-
to boa fazeada a 29800 a vara, gnardanapos econ-
micos por serem de liobo pardo a 3C00 a duzia,
ditos alvos muito boa fazenda a 40000 a duzia : na
loja e armazem do Pavo na ra da Imperatriz o,
60, de Gama & Silva.
Barages a 400 rs. na loja do Pavo
Vende-se bonitas bareges transparentes com pal-
minhas, ditas lustrosas, fazenda muito bom a pele
barato preco de 400 rs., bonitas lsinbas de qua
dnnbos e de flores a 400, 320 e 240 rs., tudo pe-
chincha na loja e armazem do Pavo na ra da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Sedas nova*
Na loja do Parvio.
Chegararo a mais modernas sedas eom listras
para vestidos, sendo com as cores mais moderna:-
que tem vindoao mercado, assim como grosdens-
pies de differentts cores como sejam cor de rosa,
azul, rxa, edr de caf, cor de lirio etc, etc. e
vendem-se por preco muito em conta na loja e
armazem do Pavo na ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Crinolinas a 30500, 40000 e 40500.
Cbegaram para a loja do Pavo as mais moder-
nas crinolinas ou baldes verdaoeiramente ameri-
canos, qae sao os mais bem armados e mais leves
que tem viudo, sendo ci m o formato mais moder-
no qne actualmente se usa e vendem-se pelos se-
guintes precos: ^ando enm 20 arcos por 3$500,
ditos- com 2 arcos .por 44000, ditos eom 33 arcos
a 4o00 : irlo s na loja e armazem do Pavo na
roa da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Sedas largas na loja do Pavo.
Cbegaram as mais bonilas sedas de cores coro 4
palmos de largura, sendo com-as cores e destnbos
mais briibantes que tem viudo, facilitando fazer-sa
um vestido com poneos covados em attenco a lar-
gura, e vende-be pelo barato prec. ode 2000 o eo-
vado : na loja e armazem do Pavo na roa da Im-
pe'iriz n. 60 de Gama k Silva.
Osehales do pavo a 2ooo e 2Soo rs.
Vendem-se chalet de merino estampados a li
0 USOO cada um.
itos de merino liso a 0*500.
Ditos estampados de crepon a 60, 70, e 80000.
Ditos pretos bordados com franja de seda a 140.
Na loja e armazem do Pavo na roa da impera-
ir n. 60 de Gama & Silva.
Lencos brancos a 20t 00,30000 e 40000.
1 Vende-se om bonita sortimenio de lencos de cam-
hrala branca lisos pelos baratissimos preces de 20,
30000 e 40000 a duzia : na loja e armazem do
Pavo na rna da imperatriz n. 60, de Gama &
Iva.
Medina *40OOO
1 Cnegaram oa mais neos nones de vestidos trans-
parentes d'esta nova 'fazenda intitulada medina coa
delicadas palmas e botina de seda, sendo fazenda
propria p-ra vestidos de assistir a baile on casa-
matas, tendo eada om corte 18 covados e vendem-
se por 100080; nicamente aa loja e armazem do
Pavio na ra da Imperatriz n. 60 de G?ma &
8liva.
e vendem-se pelo baratissimo preco de 160000,
leudo cada corte 18 covados, isto na loja e arma-
zem do pavao na ra da Imperatriz a. 60, de Gama
a Silva.
Para senhoras
Casaqulahas a 200000
Vendem-se as mais modernas casaquinhas ou
baaqooas de seda preta, mnito bem enditadas, as
mais modernas que tem vindo ao mercado e pelo
baratissimo preco de 500 cada urna na loja e ar-
mazem do Pavio roa da hrpentriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
Alpacas lisas
roa,s 'ID(l0 cortln''>io de alpacas de
ama s cor, prrprias para vestidos, e vendem-se
por precos em conta : na loja e armazem do Pa-
vao, rna da imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os espartilhos do Pavo.
Vendem-se urna grande e variado sortimenio de
espartilhos dos mais bem feitos que tem !vindo ao
mercado, sendo de todos os tmanbos, vendendo-se
por um preco muito razoavel : isto na loja do Pa-
?ao na rna da Imperarit o. 60, de Gama & Silva.
Grande pechincba en Coalbas
para mi.
Vendem-s soperiores toalbas de Iioho proprias
p,!'mao Del baratissimo preco de 560 rs.. ditas
a 640 rs dilas a imitaco das felpudas a 800 rs.,
ditas fe podas a 10 : pechincba na loja e arma-
zem do. Pavao na rna da Imperatriz a 60, de Ga-
ma & Silva.
Anadine a 83
na loja do Pavo
Chegeram os mais liados cortes desta nova fa-
zenda, sendo traosparpnt, com bonitas palmas, e
vende-se pelo baratissimo preco de 80 : na loja e
armazem do Pavo, roa da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Pnnbos e gonnbas a 1 $, 1,5280 e i600.
Cbegaram os mais modernos pmmoa o goli-
nbas sendo de esguto do imho ricamente borda^
dos tanto brancos como de rdres e vendem-se pelos
baratissimo? precos de 10,10280 e 106O, por ha-
ver grande porco, grande pechincba : na loj
e armazem do Pavo ra da Imperatriz o. 60, di
Gama & Silva.
Para baptizados.
Vende-se elegantes vestoanus bordados par
MPtisados, per s baratsimos pregos de 15*000
200000 e 230000 : na loja e armazem do Pavao na
rna da Imperatriz n. 60 de Gama A "-Uva.
Babados bordados na loja do Pavo
Vendem-se babadrahos bordados com 2 varas
pelo barato preco de 10000, eoin-meios tapados e
transparentes, tendo 3 varas cada peca a 10000: na
loja e armazem do Pavo na ra da Imperatriz n.
60, de bama & Silva.
Cambra ias de cores
Vende se nm bonio sortimento de camoraias de
cores para vestidos pelos baratissimos precos de
300 e 360 rs. o eovado. ditas a voluntarios da pa
tria a 800 rs. a vara, ditas listadas a 640 e 700 rs.
a vara ; pechincba na loja e armazem do Pavao
na ra da Imperatriz n. 60. de Gama & Silva.
Cassa de urna cor s
Vende-se bonitas cassas de urna cor s com nm
pequeo toque de mofo pelo barati.-simo prego de 240
rs. o eovado ; para acabar na loja e armazem do
Pavo na roa da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Chales de renda e retondas
Vende se nm giande sortimenio de chales de
renda e retondas, sendo as mais modernas qoe tem
vindo ?o mercado e vendem-se mais barato que
em outra qualquer parte : isto na loja e armazem
do Pavo oa ra da Imperatr'z n. 60. de Gama &
Silva.
Retalhos baratos
Veude-se porco de retalhos de chita, lias, cas-
sas e chitas pretas por prego barato : na loj> e ar-
mazem de Pavao na ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Calcas brancas
Vende se nm grande sortimenio de caigas de
brim'braoen de linho trancado pelos baratissimos
pregos de 30500, -40500 e ."50000, assim cora-, um
grande sortiraento de palltots de panno, preto fino,
sobreeasacos e saceos forrados de seda, ditos de ca-
simira, sobrecasacos, saeeos e fraijoes, ditos de ma-
rin e caigas de casimira de cor e ae todas as qua-
lidades, assim como um grande sortimenio de col-
leites de lodas as fazendas vendendo -e tudo nnr
precos muito baratos : na loja e armazem do Pa-
vo na roa da Imperatriz d. 60, de Gama & Silva.
Alpacas brilbantes a 640 rs.-
Cbegaram as mais lindas alpacas enfestadas com
3 e n eio palmos de largura com os mais delicado"
desenhos tanto de florsinha como de listiohas as
sentadas as mais delicadas cores como sejam ly-
rio, siosento cor de carne, solferino e vendem-'e
pelo baratsimo prego de 640 rs. o eovado ; ti-
camente na loja e armazem do Pavo na, roa da
Imperatriz n 60. de Gama Silva.
Pechincba para a festa na loja do Pavo.
VesUrtos.
Vestidos.'
Vestido?.
A 86000
Vendem-se um bonito sortimenio dos mais lindos
vestidos eom barras de seda, trazendo os coime
teotes enfeites para-o curpo, sendo ueste artigo o
mais moderno qne tem vindo ao mercado, e ven-
dem se pelo baratissimo prego de 8s000 rada um,
ditos de cambraia braoca com barras bordadas a
500001 e 60000 ; na loja e armazem do Pavao na
roa da Imperatriz o. 60, de Gama & Si iva.
Cortes a 30000 s o Pavo
Vendem-se os n-ais liadas cortes de cassas de
cores com os desenbos mai- modernos vindo cada
om era sen papel e.garantindo-s* terem 7 varas ca-
da nm pelo baratissimo prego de 30000 ; na toja e
armazem do Pavo na rna da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Casaqninhos ca vasqainas na loja do Pavo
a 2o0OO, 3< >0 Cnegaram os mais ricos ou modernos cassqoi-
nhos cu vasqom.as de grosdmaples preto ricamente
enfeitados, sendo doa-'feltfos mais modernos e ele-
gantes que ltimamente cbegaram e venrt*m-s pe-
los baratos precos de 25jj000,300008 e 350000; na
loja e armazem do Pavo na ra da Imperatriz n. 60,
de Gama i Silva.
Para bailes a 350000.
Cbegaram oa mais ricos cortes de vestidos de fll
tranco primorosamente bordados e enfeitados oe
cor, senda tambera, proprios para pasamentos a
vendem-se pelos baratos pregos de 350000 o nica*
ment i; na toja e armazem do Pavo na rna da Im-
peratrit n. AO, de Gama V Silva.
de cordo coro delicadas lisias transa!entes *
vendem e pelo baratissimo prego de 80300 a pa-
ca na loja e arroazem do Pavo na ra da Imne
ratrlz n. 60, Je Gama & Silva.
Na praca da Iadepeudencia
Loja de Arantes & Lyra.
Vendem botinas pretas com lago para senhora
a i0 o par.
Ditos para menino a 30.
Livros em branco de Ham-
bur#
\ ende-se na linaria Enciclopdica de J B. de
Mello : o ra da Croa n. 52 complrto sortimenio
e por pregos muito comroodos.
jroRfflaiix
ponr 1867.
Agence d'Abonnements toos jonrnanz d'Eu-
rope. Distribulion gratuile de specimens et cata-
logues.
RU DE CRESPO N. 9
Libra Irle Franealse.
Escravos fgidos
Muita attengo
Na noite de 23 de selembro prximo passado,
fOEio do engenho Bento Veibo em Sanio a o lio
escravo Eduardo, crioulo, qne representa ter 44
annos, bom (facial de rarpioa, bem ladino e fal-
lante, falla brando e insinuante, cor fula, baixo e
espadando, pernas finas, ps limpos, dedos dos ps
curise quasi e iguaes, tem falta "e um ente na
frente, sahio de palitot pardo debruaiide Qta bran-
ca, chapeo de baa sinsenta, rede, harta e fardo de
mais r nipa. Ha bem de suppor que como carpina
"leja passando por forro em qualquer parte : re-
ga se, pols, as autoridades policiaes desla e das ca-
iras provincias toda vigilancia, t prcmeitA-se a
qualquer que o capturar e conduzir ao rtf-nd en-
genho gneros recompensa.
% llene

*F.
Anseotou-se a preta Joanna, da Angola, de ida-
de de 40 annos pouco mais ou menos, no ola 19
de desemnro de 1866, levou vestido encarnado e
om chales rozo e branco com flores eorHinadus
com franjas, levou um caneeo de carrejar igna
pequeo branco e esta amassado no meio, ja foi
concertado, baixa e seca do corno, tem eoveiras
nos ps ao p dos dedos nao certifica se sao em
i' dos dous, quando falla sarapantada as vez. s.
julga-se estar nos arrabaldes desla cidade ou den-
tro, protesta se contra qualquer pessoa que le-
nha coutado, quero a levar a cisa de sen senbor
se ibe pasara' o seu tranalho generosamente no
largo do Tergo n. 23.
Fukio no dia 26 de dezembro do engenho
Bom Despacho, o escravo de nome Da So, de-
nagao Costa, com s signaes seguintes: bastante
alto e corpulento, edr negro vermelh.;. ps cortos
e grussos.fm urna das mos tem o dedo minimo
duro que nao fecha, pouca barba, uariz chato, ca-
b-ga espontada, cabellos bem carapinhos princi-
piando a estojar : roga-seas autoridades policiaes
e ao- cap'ie* de campo a appre enso e leva-lo
a-i dito engenho ou a roa da Cadela Velha n. 42,
a i Sr. Joaqoim Luiz Vieira, que sero recompen-
sad^__________________________
zmtleiicao
Fuglo do engenho Santos Mendes em a noute do
dia 30 de sei-mb'o do aono prximo passado, a
esrrava Josepha, pertencente a Laurentino Gimes
da Cnnha Perrira Bellro, a qual tem os signaes
s-cumies : alta, corpulenta, eor fula, muito ladina,
cnoula, disposta para qoalqoer servigo, ts gran-
des, tendo de idade 30 annos; esta escrava veio
o lugar denominado Carrapato da comarca de
l.-n.oeiro, para o poder oo fallecido Jo> Gouveia
Leite, que a venden ao Sr. Adelino da Cosa Vil-
lar, e este ao actual senbor della. Do jUM as
fogidas qu tem feito, foi presa no Limeeiro. Da-
se 1000010 a quem aprehender e levar no enge-
nho Santos Mendes, onde mora seu senbor, on na
praga do commercio, aos Srs. Olivelra Filbos <&
C., largo do Curpo Santo n. 19 escriptorio. Pro-
te.-ta-se responsabtlisar a quem qoer que a acon-
tar._______________________________________
ESCRAVO il
No dia 24 de dezembro do anno nodo de 1866,
dtsapareceu da rasa de Jos Igoacio, morador e
lavrador no engenho siberia da fregoesia do Cabe,
um escravo do aesroo lavador, o qol escravo
chama-se Maooel, crioulo, com idade de 40 annos
pouco mais en menos, bem preto, baixo, ventas
chatas, eheio. do corpo, ps meio apalhelariog,
olbos bem veimelbos, que se suppde ter vindo
para o Recie, pi r elle ter revellado a om par-
ceno que pretenda assentar praga e seguir para
a guerra do Paragoay, quem o apprehendrr dig-
ne-se partecipar ao Sr. Bernardi >o Pontual no
Recite ra da Semilla Nova n. 38, ou leve-o no
referido eng-nao qae sera'bem recompensado, o
escravo lev< u nm palewt de Bretanba branca,
urna camisa eogommada, urna caiga de Castor ja
usada e chapeo de bael* ciozento.
No dia priineiro de Janeiro do crreme anno,
desaparecen o prelo Antonio, eriooln, qoe repre-
senta w 30 annos pouco mais on roeno>, boa alta-
ra, corpo regular, falla um pouco appressado e ar-
rebatado, rosto redondo e urna flstoia debaixo do
qoeixe a qual ja' esU' sia, pouca barba, ps irrsa-
de e apartados, a junta-dos ps enrha orelha direitanm pedago cortado na ponti de cima,
om pouco beigudo, deotes da frente a be nos em
cima, tem s cost.s com algnmas mareas de, chi-
e te; levou vestido caiga de cacimira de qnadros
braoeo e preto, camisa branca,chapeo de paiba de
qndrinhos, pois, nga-se as aatondaies policiaes e
Capttes de campo qoe o aprenheoriam e levem-o
na casa do-sen senhor. na rna Imperial n. 45, que
tara' bem reeorope osado.
Nb dia 29 de desembro findo "ausen-
tou-se a preta Bonifacra cnoola. de 45 an-
Lene bordados a.iJOOO-e Wm na leja do jj0S de dadej b,ixa e de pwcoco' corto;
Pavo.
Vende-se bonitos lenciabos bardados nara mi
pelos baratissimos pregos da 10000 e 10600 cada
levou estido de chita escura de qu^driobos
e bwante regrista: pelo tempo de festa.
am; loja e armazem do Pavo na roa da Impera-. tem d costme auseotar-se para andar ven-
dendo froctas pelos Afogados, e outras por
Olnda.
Roga-se pois as autoridades policiaes o
capitSw de campo, sin apurehenso e levera
na Capunga po.to do Lacerr.cattde port*
verde, do lado direito, que sor* gratificado.
trlz n. 60, de Gama Silva.
As vareges do Pavo.
Vende-se as mais bonitas vareges coa listas de
seda a imitacio da poil daebvre pelo baratissimo-
prego da 800 rs. o eovada: aa loja armaiem do
Pavao na roa da Imperatriz n. 60 da Gama &
Silva.




Diarto le reroimboc ferea felra 8 de Janeiro de 1867
* 1 5U-f:>



LITTERATORA.
UM POOCO BE TODO.
Traduzimo3 do Monteur Ulnstre dot twentiont
o reguiole:
NOVO PROPULSOR.
Alguns representantes da imprensa scieotica
ngeabMros coostruetores assistlram a urna iu-
ressauta experleocia fela qo Sena, eulre a Pon-
'j.-Il-i.-tl e a de S-Cloud, coa o a de demonstrar
*... niialLUJaO rt'llltl(>3C Ao ll/TI IK1U nmlllonr Q-
viocia tem om irmaa de oome Guilherroina, e
sendo elle cunhado de um dos empegados da
casa, este lamben canbado d'essa mesma Gui-
Ihermiaa.
e A teparticao sabdtvide-se era asa secretaria,
ama cooiadnria (doas secc.8**, don* ebefes,) car-
torio e pagadorla ; poi$ bem : cada chefe de
secgo ( nao sao prenles do inspector ) tem ama
Irraia Guilhermio; um dos doos Io escripturarios
orna comadre Gu Ibermina am dos doas 2o ditos
orna prima, qae sobrin'ba (Ja primeira Guilner-
mina, sendo aiodatrm prima do oB>.al-raaior da
secretaria, cajo olScial, irmoo de tim dos chefes
as qualidades nuticas de um novo propulsor
vea talo pelo Sr. Salmn, dv Llc. O sysiema do
ar. SjIujq consiste em sjbstitulr, tanto as rodas do seeco, o umbem de urna Gailbermioa, ana
ltenos, como as hlice*, por ama nica roda de dos dous praticantes que nao tem parentesco com
f>:rr.a especial, coilu-.ada no interior do navio, os outros emprpgados primo de ama Gailher-
i. ji barco, S. Bespa (udpe), e urna chalupa mu- mina, e o outro parate da primeira Goilner-
nidos d'este propoisor, fcram snceessiramente mioa, a qual, sendo prenla do contiouo, tem ama
restos era movimemy Irmaa que fui casada com am irmSo do perteiro
_. ... .n,,inr! cartorarioFalcara tres empregados; um ihesou-
-oi oerfeilameote verificado que este propulsor ...
rui peiumaumi i reiro, um segundo escnpturarlo e o amanuense
ao orodui vagas nem agitacio na agua atraves- '
, v ., .-,, ,n,,fanv da secretaria : nao conta porem qne tenham
:Mi a toda veloeldade, o que o torna inofensivo ,_,..,
a js barcos de canal, e as chalupas qne elle pode
racontrar, assim como aos diversos eslabelecimen<
tus que goarneoem hahitualmente as margeos dos
nos.
Noloa-se tambera qae elle oo determina movi-
meoto longitudinal nem transversal no navio,
era lao poaco essa trepidaco particular aos na
v:s de hlice, que torna mui desagradavel a
tada na poupa. A chaloapa, bem que mu estrel-
la, couservou em toda soa marcha urna estabili-
dade e borisontaldade nolaveis. Alem de todo,
a posiso d'este motor no centro do navio, pre-
mitte-iue Bjiar, deter-se, marchar para traz, em
tira azer todas as manobras necessarias com mais
laciiidade qa9 qoalqaer oatro, e foi graeas 4 esta
preciosa qualidade qae a chaloapa poude salvar,
a 17 de junho ultimo, doas borneas qae se affoga-
vara pouco a cima de Pars-
Resalta evidentemente da posicio e da forma
do propulsor, que elle est ao abrigo das tempes-
tades e da baila, qae pode ser separado, mesmo
nos pelores lempos, e qae deve fuoccionar com a
mesma regalaridade, qoalqaer qae seja o calado
(Tagua do navio.
O novo systema rene pois todas as vaotagens
da hlice e da roda lateral, sem ter algam de seas
iDcooveoientes. Ser, pois, am conslderavel pro-
gresso para a oavegaco fluvial e martima, se
ulteriores experiencias demonstraren], o qae a
theora parece Indicar, qae ene une estas van
tagens a de ama economa de comboslivel.
Ocnee da repartido de reodas d'essa pro 'fortuna a um peixe, que ha.v'u^mais de vin-
teannos, alimentara nana pecina ant'ga.
Em 1781, uramoleiro dos riedores de
Tolosa, escreveu do sea testamento :
f iQslitao para mea herdeiro universal
o Borboleta, neo jntenlo, de pello ruivo ;
desejo porm. qae prtenla a meu sobri-
nlio Guilherme para qae este o almofa^a
todos os dias com cuidado e.o deixe des-
cncar al a hra da sua motee.
A viuva de Adao Dupis deixou toda a
sua fortuna aos seas trinta e dous garios, e
iodicou minuciosamente a maneira de Ibes
preparar a comida.
Antes de morrer, lord Bokley chamou
os seus quatro caes, os qaaes se installaram
commodamente as poltronas que estavam
junto ao sea leito ; despedio-se d'elles, rece-
beu dos pobres brutos as suas derradeiras
caricias e exaiou o ultima suspiro as pa
tas dos mesmos. Ordnou, do sea
ment, que os bustos d'estes seus amigos
fossem collocados nos quatro ngulos do
sea tmulo.
3o Sea uso como alimento taita para da entre a Russia, que dsse para o lado do
corar muitas das mais rebeldes diarrheas; sul, e o imperio inglez, que sobe para o la*
c 4o E' o melhor remedio contra a dys- do do norte. Os dois adversarios j se avis-
ta m, e todas as povoaces destes paizes, ce-
dendo pressao destes dois potentados, nao
pepsia e digesto. | V
O Cuttivgteur de la Suisse omande,
sao mais do que os instrumentos de um ou
do outro.
Hoje 'a Inglaterra e a Russia & rabalem
por inlervengao desses povee; imanh5a, os
asim e certas toses inveteradas, dependen
tes urnas vezes de um padecimento de figa-
piratorias.
Al'PLICAQiO DO PRINCIPIO DA TR.ANSfERENCIA DOS
MBTABS.
Depois da commanicaco feta oltlmameote a
academia de ciencias pelo Sr. L. Foucault, o Sr.
Melsens achou urna nova applicaQo do principio
da transfereucia do onro e da prata, de qae elle
filla do segalnte modo:
t No principio de julho ultimo, fui ferido era
virtade de orna exploso de ara bailo contando
urna > lirio de iodo em accido sulpharico liqni
do ; am tratamento enrgico faz cessar a dolorosa
iaflammacao de olbos que d'ella resultou rae ; oo
(ira de aleuos dias, estava eu curado, mas fleava
sob a influencia de urna photophobia bem pronun-
ciada. Servime dos oceulos qae usam os ma
chinistas dos trens de c. minos de ferro, oculos
munidos de vidros negros, de que aioda eufra-
quecl a transpareocia pela superposicao de vidros
verdes.
t Fiz depois aso de oculos, chamados conservas,
munidos de vidros de nm azal polido, cobrlodo
t jas superficies por urna simples folha de ouro
ou de prata appiicada mecnicamente.
i Verifiquei que a lu transmittida n'essas con-
dirdVs era de orna dogura particular, principal
mote eqaand) atravessava o ouro.
< As laminas de oaro do comraercio appresen
taro i transpareocia doas coloridos distioctos : o
curo amarello deixa alravessar a lut verde ;
ouro verde do commercio (liga de oaro e prata)
transmute orna luz azulada de urna graduaco qae
pode variar com as qaalidades relativas dos me
laes qae coastitaem a liga.
t Creio que o uso de ocal -n doarados ou pra
teados podera prestar servio^ no caso de photo-
phobia ; a industria saliera fcilmente realizar o
fabrico de vidros dourados e praieados ou cobertos
por ama liga destes raelaes.
< Ki am emprego muito limitado d'estes oculos.
e no enlamo lendo a communicaco do Sr. I ni-
caull, fiquei admirado da coincidencia de minbas
ipressdes com as mais, no que diz respelto a pu
reza das cores e nitidez da viso sem fadiga al
guma. Varias pessoas que teem experimentado
esses oculos a mea pedido podram como eu
verificar, derigindo as vistas para as navens Ilu-
minadas pelo sol, que nao obstante a cor verde e
o enraquecimento relativo de Inz transmittida, os
contornos das ens eram mui nitldameui ac-
ensados, assim como as trao-formacoes por que
ellas passavam successivamenU.
< Pareceu rae que a luz transmittida pela lami-
na de oaro era mais viva que a que attravessava,
meas daplcs vidros colloridos, sendo todava mais
agradavel e menos fatigante. >
Em orna provincia ao norte da capital do im
perio, da-se o sega ote, relativamente ao norae de
Guilheraina:
FOLHETIM
ASPSIM4SHESATAN.4Z
I POR
Jules de Saint-Flix.
SEGUNDA PART.
X
(Cootiooacao)
O Sr. Pictor estava ausente. Raymundo foi re-
ceber a tal seohora ao tooo da escada. Esta esca
da era bastante escora, principalmente por estar o
tempo nublado; mas o marqaez, a quem o instioc-
to oo preseotimeoto nooea eogaoaram, coohecea
i inmediatamente a dama, qae era a Sra. de Sablio-
tille. A uluacao era delicada. Raymundo, que
se acbava bastaote disfarcado com a soissa qae
asava, havia alguas mezes e cora o cabello cortad j
reote, oo perdea p apramo; evitoa apenas fallar
demasiado alto, mas apreseotoa-se de /reote.
Chegaram a galena, a qual reeebia loa do tacto
eavidracado. A Sra. de Sablioville, sem attender
sequer oo aceron qae a recebera, foi andando re-
solotameote com a ligelrea qoe Ibe era natural, e
disse ao empregado:
Oode e-tao as laes obras primas qae Pictor
adquiri qaasi de graca T
O cicerone indicou com o gesto am dos lados da
gatera, e a dama foi coiiocar se oa frente de tres
qoadros de mediaoa altara, qae represealavam vis-
tas da llalla. Assestoa loneta e poz-sa a mirar os
qoadros enaj^tepio. ,
Rayma^BfflBrSiara-se por um iostaoie, com
Ouvir recitar os classicos latinos nos pan-
tanos dos antipodas por um selvagem cober-
to apenas com urna pelle de auimal, por
es-! certo cousa digna de admirar.
Eis o que a este respeito conta o Pasto-
ral Times da Australia :
Um viajante inglez percorria, ltima-
mente, os bosques de Gueensland. Per-
deu-se no meio do caminbo, e chegou a
ama eBcruzilhada formada por tres veredas
Por qual d'elks devo eu seguir caminho ?
perguntava a si proprio o nosso viajante,
que adiara acertado assentar-se sobre um
tronco de arvore para descansar e reflecta-
melhor, cachimbando ao mesmo tempo, o
que urna exceilente precaucSo hygienica
as florestas occeanicas.
t N'esle comeaos, ia passando um ind-
gena polynesiano, o qual caminhava a largos
passos, e estava apenas coberta de urna pel-
le de opossura presa aos bombros.
i O explorador britannico dirigi a pala-
vra a este selvagem no dialecto inglez que
fallam os preos da Australia, e perguntou-
le por qual das tres veredas devia enca-
minbar-se.
* O indgena respondeu com grande sor-
presa do viajante, com estas simples pala-
vras, pronunciadas de um modo dramtico:
t Medio tutissimus ibis. O branco ainda
nao se esquecea de todo do latim, porm
fcou tao sorprebendido que macbioalmente
repeli a sua pergunta no dialecto inglez, a
que o selvagem respondeu com empbase :
Medio tutissimus ibis, isto accres-
centou elle em escolente inglez :
Se^ui pela vereda do meio, me-
lhor caminbo.
t Dito isto, o viajante e o indgena lize-
raiu conheciniento e tomaram asseatoao la-
do um do outro; o polynesiano contou que
na sua infanc a, um abastado agricultor se
havia interessado por elle a ponto de taze-
lo entrar n'um coilegio em Sydney, capital
da Australia.
c Porm, depois de concluidos os seus
estudos, a natureza readquirira todos os
seus direitos sobre o maucebo.
Nao pode dfazer-se ao viver das cida-
des, vendeu os seas trajes da hornern civi-
lisado em troca de urna pelle de opossum e
de algunas rodes de pescar, e regressou
para o meio dos bosques.
Alli vivia feliz e tranquillo, e quando
tinha necessidade de renovar o seu deposito
de tabico, agurdente, jornaes e livros ba-
ratosobjeotos estes que aindi preza mui-
to, entrava n'um dos grandes casaes aus-
tralenses, all. .Tereca os seus servicos pa-
ra a tosquia dos carneiros por espaco de
alguns dias, depois apressava-se a regres-
sar, com o seu pequeo peculio, para o
meio aos seus companbeiros.
Lady Heoriqueta Caffart formuloa d'este
modo as suas derradeiras vontades:
< Deixo ao meo macaco, o mea querido
e eogracado Jocko, a qnantia de cem mil
francos, ao meu Gel cao Schock e ao meu
manso gato Tib urna pens5o annual de 8,000
soberanos.
< Depois da morte dos legatarios, esta
fortuna reverter a mjpha filha, Elisa Ni-
kely, que vive na maior pobreza t
Finalmente o Dr. Ghristian, decano da
faclda e de Vienoa, legou ao sea cao favo-
rito, Cyro 6,000 florins, e... a sua biblio-
theca!
Ao dfetincjiP escriptor Alexandre Damas
" fallava em ^ditica um banqueiro, conheido
testa- enlre ^ seus comPan'ie'ros Pe*a sua ' asurara.
Eu sou pelos principios de 89, dizia
o millionario.
' E ea pelos flns de 98 / replicou
Damas. C'
a
Tinha-se dito que era de absoluta neces-
sidade que os Estados da Allemanha do Sul
concordassem na transformado das espin-
gardas adoptadas nos seas exercitos, para
se poder realisar um armamento uniforme-
Ora, hoje sabe-se : Io que o rei de Wur-
temberg, depois de ter assistiio a exercicios
de tiro na Suissa, se decidi pelo modelo
suisso ; 2 que o ministro bavaro adoptou
o modelo Fedewels; 3* que no grao ducado
de Bade ser adoptado o modelo prussiano;
4o emhm que no grao ducado de Hesse ainda
nao se tomou nenhuma resoluco, mas que
de certo n3o se adoptar nenbam dos mo-
delos mencionados. E' a melbor maneira
de realisar a nnidade da Allemanha do Sal.
Decidio-se em 30 de novembro; no tri-
bunal correccional de Pars, a questao do
rei da Prussia contra o Memorial diplom-
tico. Desde pe'a manha um publico nu-
meroso escoltado se havia reanido na sala
da audiencia para assislir aos debates qoe
se esperava que fossdta maito anim^di*.
Com effeito o advogado do rei da Prassia
mostrou urna aspereza e urna energa que
autorisaram o advogado da folha franco-
austriaca a usar de represalias. O barSo
de Goltz, embaxador da Prussia, nao se
retirou em quanto durou a audiencia. So
muito tarde e depois de ouvir o advogado
imperial Lepeletier, e duas replicas, foi que
o tribunal condemnou o gereate e o redac-
tor do Diario a um mez de prizo e a 100
fra .eos de mulla. O advogado do rei da
Prassia tinha pedido ao tribunal que ex-
cluisse do processo o impressor, mas este
tambem foi multado em lOfrancos. Depois
de sahir da audiencia, o publico nao dis-
simulava a impresso que lbe causara o
discurso do advogaio da folha contra os
actos do rei da Prussia, durante a guerra
da Bohemia.
Iostaurou-se em Oresde, capital da Sa-
xonia, um processo, qae tem produzido
profunda impresso nos habitantes d'aquella
cidade. Trata-se de um crime semelbante
ao commettido em Franca, pelo medico
Gonty de la Pommerais, o qual segaron a
vida de urna mulher com quem tinha re-
laces, e depois aenvenenou para receber
a importaucia do seguro, pelo que foi gui-
lholinado.
Em Dresde o caso o seguinte :
O advogado Muller segurou em diversas
companhias a vida de sua mulher, na som-
ma total de 24:U00 thalers (!6:aOO0OO
poaco mais on menos.)
Pouco tempo depois da asignatura das
apolices a Sra. Muller, que apenas contava
o annos e gosava de boa saude, morreu
de repente.
O marido fez publicar nos jornaes, as mais
poticas man i fes taces da sua dr.
Em cooformidade com as coadices da
apolice, procedeu-se antes do enterro a urna
autopsia.
Cumpridas estas formalidades, Muller
jalgava qae estavam aplanadas todas as diffi-
caldades, porm a Companhia Germama de
Siettin nao se deixando commover pela
bem rimada magua do infeliz marido, re-
quereu dez dias depois do funeral a exha-
maco do cadver da segurada, o que lbe
foi concedido.
Procedeu-se a um exame na presenca/las
autoridadesjudicaes, eos peritos resolve-
ram que nao havia vestigios de veneno.
A companhia nao fcou satisfeila e man-
dou urna parte do estomago da defunta ao
doutor Soonenschem, afamado cimico de
Berln, para fazer orna minuciosa aoalyse ;
este perito achou vestigios de acetato de
morpbina, veneno vegetal.
O advogado Muller foi preso, intaurando-
se-lhe o competente processo.
Corra feralmente em Dresde, qae Mul-
ler n'estes ltimos tempos se tinha envol-
vido em differentes especulaco rmoosas,
achando-se em lao criticas circumstancias,
que quasi toda a somma, que elle devia re-
ceber do seguro, havia sido embargada por
seus credores. i.
Todas estas circunstancias tem excitado
a curiosidade publica, que segu com an-
ciedade as phases do processo.
Quantos animalejos acordaram urna bella
manbaa s odores de urna boa lorluna, qae
nao pediam t
Quantos herdeiros cheios de deJicacao e
esperanca se viram sapplantados por um
papagaio ou por um t-i t
Um jornal francez cita a este respeito,
alguns factos curiosos.
O conde de La Mrandile, fallecido em
Lucca no anno de 1823, legou toda a saa
qae para dar algunas ordeos a um creado. Quan-
do voltoo teve o coidado de se collocar atraz da
dama, por quanto tema qae esta o reconbe-
cesse.
E' isto mesmo, disse a Sra. de Sablioville ;
agradam me maito estas telas Creio qae me disse
querer o Sr. Pictor nove mil franc s por estes qoa-
dros?
Sim, mioba seuhora, responden Raymundo,
disfarcaodo om tanto a vos.
Sao muito caros. Nove mil francos I Mil es-
cudos cada nm I Dizem qoe o Sr. Pictor nao dea
por elles mais de quatro mil e quindenios fran-
cos t
(gnoro-o. -
Pois en sel-o perfeitameote, retorqaio a Sra.
de Sablioville sem deizar de contemplar os qoa-
dros. Tive o coidado de maodar alguem assislir
aoleilo... Mas a pessoa que la maodel deizoo-
se lograr pelo espertissimo Sr. Pictor. Por mais
qae disse ao general qae quera flear com estes
qoadros foi o mesmo qae nada. Emflm, qual i e
ultimo prego ?
Note mil francos, tornea Raymaado. '
Isso demasiado I retorquio a dama. Oloe,
desta palsagem oo gosio. As arvorea pare cem
crestadas, incendiadas. Naqoetle oatro ha muita
correcco... Sao por Om, doas telas qoe Dio va-
lora nada. Nio me agrada seoio am. Acora pa
nbado pelos outros doas dea por elle qaairo mil e
qoioheotos francos. Foi o qae o general me acoo-
selhoo. Coavm o ajaste T
Nao, miuba enhura.
Uta! repiicoa a dama, o seabor alo falla se-
b5o per mooofsytlabos T Oe qae cOr slo as saa3
palabras T
O Jornal de agricultura pratica d a
seguinte noticia :
O celebre Dr. Bennett, que fez expe-
riencias em si e em seus doentes, enume
ra-as pela forma seguinte :
c Ia Um desobstruente activo as enfer-
medades do ligado e outras molestias contra
as quaes se emprega os calomellanos, sendo
o tomate mais activo e mais innocente ;
2 Pode administrar-se em fracas d-
ses por via di analyse chymica, isto como
medicamento;
As miobas palavras sao da cor dos meas sen-
timentos, respondeu Raymuado sem disfarcar a
voz.
A Sra. de siblinville vo!toa-3e rpidamente, e
achoa-se face a face com am rosto qae inme-
diatamente coDbeeeu ; soltoo am grito e qaiz
rugir.
Ni), miaha seohora, disse Raymaado pe-
gando-lhe no braco, nio ha de sabir daqai, com
Uto mi tempo. Nio oave como a chava aceita as vi-
dragas T Condoi-me dos seas creados e dos seas ca-
vados que a esperavam a porta, e maodel dizer da
soa parte aos primeiros qae se relirassem e que
voltassem daqai a doas horas. E' o tempo ezacta
mete preciso para ajustarmos asnossas cootas. Pre.
cisamos entender-nos acerca de alguns qoadros de
bstanle valor, cajos assumptos nao sio estraabos
a vida de V. Etc. oem a miaa. Repito Iba qae
iaatil querer sahir desta galera. As portas es-
to fechadas e o doao da casa, o Sr. Pictor, nio
volta aqu boje antes dauoite. Nio diligencie lio
pouco pedir soccorro, porqoe nio o atcaocari ;
bem v qae s recebemos luz pelas vidracas do
tecto. Ah' miaba formosa seohora, ha de eonvir
que est bem armado o lago; mas ao meaos ha de
fazer-me a jastica de reeoobeeer qoe nio fot ea
quem a trouie aqu. Qual a saa oploio acerca
disto?
A este discurso falminaote nio responden a Sra.
de Sablioville seoo com gestos de terror e olhares
de susto. Paluda, tremola de clera, de medo, es-
tava prozima a desmalar, quando o marquez, cio-
gindo-a pela cintura, a levou para am dos bascos
forrados de velado, qae estavam encostados a pa-
rede da galera. A pobre raa'her, en;os trem qae Ihe fleava ao lade, Decollara o rosto com
accresceota que as decktaoftes de mnitos
praticos confirmam as assrcoes do Dr. Ben-
nett, e que o jorfai inglez Faraters Re-
gister, dfx que o tomate foi empregado,
com o rrais brhante resaltado, em direr- dois colossso encontrar-se-ho frente a frente
sdade d molestias chron'cas, taescomo a|enao vailonge o dia em tjueser asiignado
em Londres em S, Petersburgo um tratado
entre a rainba da Gr-Bretanha e o czar de
do, outras de nma molestia das vas res- todas as Russias, em que ser tracada a li-
aba onde acaba o imperio russiano para o
lado do sul, linha qae servir ao mesmo
tempo de limite ao imperio da India l para
o lado do norte.
E a Franca olha com indifferenca para
tudo isto!
Yerdade qae este assumpto interessa
mais Inglaterra do qae a Frauca; mas o
augmento do podero moscovita est Vem
longe de ser indifferente Franca. O >jec-
tar-se-ha, debalde, qu6 a conquista de hor-
das errantes, quasi selvattes, nao accresce
de modo algam a torca effectiva do imperio
do czar: os factos provam o contraro.
Ao passo qae, na India, a Inglaterra est
acampada como no primeiro dia, e qce a
obra de assimilaco dos povos conquistados
nem se qaer comecou, na Asia Central, pelo
contrari, a Russia laoca profuodas raizes.
Ha um scalo que ella se encaminha para o
alvo que tem em vista, e, medida que
avanca, deixa atraz de si subditos rnssos, fu-
turos soldados para os exercitos dos czares,
que a construeco de vas frreas tornar
dentro em pouco dsponiveis.
Ao passo que a Inglaterra encontra sem
cessar sob os seus passos os restos de povos
gloriosos, outr'ora senhores do pav, genaen-
do ainda hoje debaixo do seu jugo, taes co-
mo os afghans, os monges e os marrbatas,
a Russia, na Asia Central, s encontrou at
poca actual hordas de kirghizes ou bas-
kires de urna submisso facilima, e pode
emprehender, com plena segoranca a sua
tarefa de absorco completa; s hoje que
se acha em presenca dos povos mahometa-
uos de Rhokand e de Boakhara, susceptres
de Ihe opporem maior resistencia.
Eta differenca no modo de proceder das
duas potencias, que entre si disputan a
Asia, resultado das divergencias que apre~
sentam os seus caracteres, e as differentes
racas que encontram no seu caminbo, me-
rece ser estudada profundamente; della de-
pende talvez a posse definitiva da Asia.
Para bem comprebendermos a questo da
Asia Central, devemo-nos collocar sob o no-
vo ponto de vista, slidamente establecido
pela sciencia, a qual fixa as fronteiras dos
povos asiticos, nao as margeos do Oural,
mas do Dniepez.
A poca actual, e a historia tambem, nos
apresentam, de feito, a naco moscovita en-
tabolando fcilmente refaces com os povos
toranianos como ella, ao passo que a fata-
lidade a leva a praticar actos de represso
horrendos todas as vezes que se encontra fa-
ce a face com a raca indo-puropea; para
prova d'isso, basta citar o antigo exterminio
da repblica de Novogorod, o horroroso
martyrio da Polonia e os degredos em mas-
sa das populares caucasianas.
L as margens do Oural, pelr>contrario,
tndo corre s medidas dos desejos da Rus-
sia ; as suas conquistas sao relativamente
facis, Os chamados turcos de Tobolsk. de
Ka*an e de Astrakan cahiram em seu poder
no dia em que el a quiz e as tribus acam-
padas alm, assim que viram derrubados
os khanados, foram espontneamente a Mos-
cuw fazer a saa submisso,
Estes factos, que examinamos un'cnten-
te sob um poni de vista geral, nao passa-
ram desapercebidos ao exame aliento do go-
verao de S. Pelerburgo, o qual delies sou-
be tirar partido.
De feito, assim qae vio o seu dominio
consolidado al ao mar de Aral, soube es-
colher entre os dois res que alli desaguam
aquelle cujas margeos sao habitadas por
povoacOes perteocentes raca toraniana, o
Sir-Daria, reservando para mais tarde a
conquista do Amou-Daria e dos ferozes ha-
bitantes dos Khanados de Kbiva e Bukhara
que pertencem yaca indo-europea. Por
outro lado, a Ioglatecra, na saa marcha pa-
ra o norte, nao encontra as mesmas facili-
dades ; por toda a parte r?cas Ihe sao
bostis, e s pode" progredir por meio de
conquistas directas.
Depois que a aonexaeSo do Pnndjab col-
locou a India ingleza em contacto directo
com os afghans, a Inglaterra serve-se hbil-
mente do genio bellicoso e fantico daqoel-
les povos para faze-los marchar contra Herat
e Turkestan.
A Russia, do sea lado, encarrega a Persia
deoppor-se conq ista de Herat pelos af"
ghans, n3o consentindo ao mesmo tempo
qae esta alli se estabeleca por saa propria
conta, pelo receio de que assim se torne de-
masiado forte; e reserva para si a defesa do
Turkestan que vai encorporando nos seus
dominios, provincia por provincia.
Tal a situaco na Asia Central.
M. Watkin, presidente dos caminaos de
ferro do sudoeste de Inglaterra, parti de
Londres para Pars a Qm de obter do go-
verno francez a suppresso do exame das
bagagens na alfandega, ao menos durante a
poca da exposico universal de 1867.
Devia ter lugar ltimamente, no salo
do Grande Oriente de Franca, um concer-
t, sem precedente e coja orig nalidade de-
via excitar a admiraco geral pelos extra-
ordinarios resultados que d'elle se obteriam.
O proprio auditorio que comporia a mu-
sica e ditaria as notgf que, segundo um
rhythmoadoptado, se rraduziriam em mar--
cha, valsa, romanza, cavatina, rond, etc.
A medida que as pecas seriam compostas,
urna orcheslra executa-las-hia inmediata-
mente. Este carioso e oiginai concert
era dado gratuitamente pelo Sr. Rabo, di-
rector do Diario de Composico Musical.
No centro do continente asitico ergue-se
o giogaotesco dorso do HimaUya, cujos ci-
los, os mais elevados do globo, cobertos
de gelos eternos, somem-se por entre as nu
vens. A parte mais occidental desta serra,
aquella em que se levanta a cidade de Ka-
chemir, pode ser considerada como o centro
para onde convergem as influencias que dis-
putara o imperio da Asia. L para o lado
do Oriente, as altaras do Thibet, depois o
imperio cbinez, esteadem-se al beira do
Grande Occeano; ao meio-dia, a bandeira
da Gr-Bretanha osteota-se orgulhosa at ao
mar das Indias; ao norte, o colosso russo
avanca passo a passo atravez do Turkestan,
e j chega s fraldas do Himalaya ; l no oc-
cidente estende-se Afghanistan, Herat e a
Persia, paizes que sao disputados pela in-
fluencia ingleza, e pela iniuencia russiana ;
mais longe comecam as fronteiras do impe-
rio o toma no.
Como se v, toda esta parte da Asia, ge-
ralmente conbecida sob o nome da Asia Cen-
tral, e que est situada entre o Tbibet e a
Turqua, acba-se, para assim dizer, esmaga.
as maos e permaneca em completo mutismo. Ray-
mundo, em p na preseoca da saa ioimiga, fltava-o
com ar desdeahos} ; depois poodose a passear
pela galera, ia e voltava a passos lentos, pascando
junto da Sra. de Sablioville, mas atfectaodo nao
olhar seqaer para ella.
Ao cabo de tres on quatro minutos, continooo
Raymundo nos segniotes termos, com ^ioi coramo-
vida, mas vagarosa e acoeotaads.
Faz mal em peasar que medito aqu contra a
senhora, algam projecto violento. Traaqaillise-
se, nio Ihe toesria com a ponta de um dedo, mioba
qoerida...
Ao oovir esta ezpressio de famitiaridade, eztre-
meeu a Sra. de Sablioville, e lancoa ao marqaez
oaos de soberba.
Oh I disse este; nio se Inquiete; as nossas
respectivas posiedes acabam de se estabelecer sob
am p de igaaldade pe. falta. Westa galera fecha-
da, nesta suave entrevista torna a senhora a ser a
mulher araavei com quem ea passava em oatro
temoo algasias horas, que o mando chamarla afor-
^ tunados, e qae o sao com effeito para a creatora
qae as concede. Aqol, minha querida, tornamos
a aebar-OM aa preseoca do nosso passado, do tem-
po em qae dedicava isu viva syropathia ao sen de-
licioso marqaez, e em qae ea f.-zla a loucora de
me embriagar com os seos olbos zoes. Mas sala-
mos da poesa e entremos na prosa. E' absoluta-
mente preciso qae me faca ama couflssSo comple-
ta ; preciso que me coofesse ao meos nm crime
perpetrado em prejalz > mea. Dispenso-a do resto.
Resp oda, pois, a mioha pergunta.
Falle, disse a formosa borlaba, qne tinha os
olhos arrazados de lagrimas.
E' oo nio verdade que assasloou o bario de
Mootperrey, mea tio, depois de Ihe baver extorqui-
do um testamento em sea favor ?
Oh I mea Deas I ezclamoa aterrada a jo-
Mi IM
Em urna das magnificas lojas do boule-
vard de Sebastopol, em Pars, v-se funecio-
nar urna machina de coser qae, movida pela
electricidade, trabalra s. Collocada qual-
quer fazenda sobre o taboleiro da machina,
posponteia, borda-a e em orna palavra ma-
neja-a como a mais hbil costurera. Urna
pessoa s pode cuidar de seis machinas des-
ta especie ao mesmo tempo.
O isthmo de Darien, como os leitores ho
de estar certos, o chamado tambem istbmo
de Panam, que liga as doas Americas. J
por vezes se tem fallado no rompimento
desta lingua de terreno, e os jornaes ingle-
zes agora occopara-se muito deste objecto.
A respeito desta gigantesca empreza, vem
hoje a lome com os seguiDtes esclarecimien-
tos o Morning Vost, nm dos mais ardentes
adversarios, em tempos que j l vao, da
abertura do istbmo de Suez:
Sobre proposla do presidente Mosquera,
feta ao eongresso, acante de ser concedida
aos Srs. Dewsbury e Thomas Page e ao vice-
almirante Elliot, a feitura de um canal ma-
rtimo atravez do isthmo de Dnen.
Entre outras clausulas, os concessiona-
rios devem solicitar do governo inglez a neu-
tralidade de garante todo o territorio atraves-
sado pelo canal, ao passo que pela sua parte
os estados federaes da Colombia se obrigam
a obter igual garanta da parte da Franca,
America, Russia, Prussia, e mais poten-
cias.
O pedido da concessao baseado no
exame o mais minuc oso dos estudos preli-
minares e dos relatnos que, em differentes
pocas teem sido feilos sobre e?te importan-
tissimo negocio, nao esquecendo entre ou-
tros os trabaltios do proprio baro Humbo-
lt, do coronel Parsons, do Sr. GUbornes,
dos doutores Cullen e Mac-Darmot, do capi-
to Provost e especialmente os da compa-
nhia franceza intitulada a Sociedade civil do
Darien.
Fazendo este pedido e acceitando os exa-
mes e as discussoes scientificas ds differen-
tes projectos, os concessionarios tiveram
mais em vista conciliar interesses envolvidos
em todo este negocio, do que fazer a analy-
se critica de um projecto qualquer e toda
essa somma de documentos de qne ninguem
desconheceu a importancia, tomados n'um
s todo, offerecem urna excellenle occasilo
de decidir o caminbo que se deve tomar.
Demais, eremos nio errar, asseverando que
o tratado j est definitivamente feito.
Tambem esto enlaboladas as negociaces
para a acquisico dos terrenos que a compa-
nhia conta entregar colonisaco.
Pasme o mundo com tantos prodigios ma-
teriaes 1 Fallava agora mais esta monumen-
tal obra l
veo.
Affogou-o, oa eovooeooao t Diga, respooda.
Nem ama, nem oatra coasa, jaro-o I excla-
mou a Sra. de Sablioville, que principiava a ser
atacada de febre.
Acredito, prosegalo Raymaado, preciso, pelo
menos^aeredita-la. Agora outra pergunta.
Nio devia dirigr-me mais d* ama...
E* verdade ; mas qae qaer T A mioha se-
gaoda perganta esta:-O testamento doSr.de
Hontperrey, qae me desberdoa, e legou a senho-
ra quiobeatos mil francs, foi escrito pela sna pro-
pria mo 7
Pela sna propria mi.
Quantas horas antes de expirar T
Oatra pergunta alnaa... Vinteoatro horas
antes da sua morte.
Assim. pois, proseguio o marqoez, jara (nao
digo pela saa honra) jara por quanto Ihe mais
caro, jara pelo sea dinheiro, qae nio falso o tes-
tamento ?
Qm horror t exclamoo charando a Sra. de
Sablioville ; nio, nio falso.
Jora-o T
Juro.
Eotio repitira am dia esse juramento paran-
te o tribunal 7
O mea Deas 1 mea Deas 1 teade piedade de
mim I exclamou a desgranada ronlher querendo
levantar-se, e tornando a calr no banco.
Ah I minha qaerlda, veje que nio repetir
esse juramento n'um tribunal, porque nio terei o
trabalho de a fazer comparecer parante elle ; es-
too quasi certo disto. Sim, porqoe se o arrependi-
mento a levar a fater cooflssdes sincera;, serei ea
o primeiro a ajada-la a sahir da perigosa situaco
em que se acba. Vejamos ; diga-me a verdade
sobre as disposicoes testamentarias do idoso ba-
rio.
A Sra. de Sablioville, am tanto tranquilla pelo
tom affectupso com qoe o marqaez principiava a
fallar-lhe, ergueu os olbos innndados de lagrimas,
e accedea a dirlgi-los sem clera e sem espanto
para o seu interlocutor. Raymundo p-gou em ama
cadeira, e sentou-se dianle della. Pareca prxi-
mo o momento das revelacSes. O marqaez deli-
geocava acalmar os temores da soa formosa (ni-
miga 5 tornoo-se affectuoso, ioslouaote, diligen-
ciando reanima-la com a voz e com o olhar. Of-
ferecia auxilio eproteccao em troca de inteira fran-
queza.
A conversado proseguio assim.
Ea nao importooava com exigencias mea tio
o qual apezar das minhas faltas, nio me desberda-
ra. Assim m'o afflrmoo tres das antes de mor-
rer. Poder-meba dizer como foi qoe a meo tio
occorreu a idea de lbe deixar, a senhora, metade
dos seas naveres, e a razio porqoe a senhora nio
combated a deixar a entra parte aos nospitaes 7
Bu 1 Combater essa Ida7 Seria ama nece-
dade da minha parte.
Tem razio ; mas nio me diz em qae cir-
comslancias escreveu o Sr. de Mootperrey o sea
testamento olographo, qae anooUava o primeiro,
feito peranle o tabelliio 7
fCenlmvar-se-ha.)
Bl
/ *
i
?i

TYP. DO DIARIO-RA DAS CRUZES N. 41.
i ter?----"
^mI


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EX43WRCJW_DWXK7C INGEST_TIME 2013-09-05T00:16:00Z PACKAGE AA00011611_11163
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES