Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11162


This item is only available as the following downloads:


Full Text
X

I,
*

I
. i

* *
-'?.
ANNO XiJII. NfJitfERO 5. .
PillA A CAPITAL. E l,ltBKt 0>|K E mA PAOA PORTG,
Per tres mies adianlados.,................ 6000
Pw seis dil|s Mea................... 420000
Per ame Mea.................. 24^000
Cada ensere avuJo..................... 320
,..
*-
M
SEGUNDA PEIRA 7 DE JANEIRO DE 1867/
PARA DENTRO E PORA DA PHOVI\< II.
Per tres ornes adutades..............
Por seis dios Mea......................."
Por note ditos idea................* '. '" '* '" '" \
Por aa anno idem.. .,.........
8,5750
134500
20^230
270OCO
asaanM^ia aai ipaMAffliswM) m vmwimmM m mamm mmmhn m vm& maros, suata wmemmi^
ENCARREGAOOS DA SUSCIUPCAO.
Parahyba, Sr. Amonio Alexadriao dLiui*;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva ;Aracaty ,
oSr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. Joaqun
Jos de >liveira ; Para, os Srs. Gerardo Antom.-
Alves i Filnos ; Amazonas,- o Sr. Jeronymo da
Costa; Alagas.o Sr. Franrino TaWe. ,1a Costa;
Bahia, o .Sr. Jos Mnrtins Alvos; Rio de JaDeiro,
o Sr. Jos Wbeiro Gasi>,inoh'>.
'A'KTIDa DOS K.sTAKh.TA^.
Olind, Cabo, Escsila e estages da va frrea al
Agua Prela, lodos os das.
Iguarasr e Goyauna as segon las e sextas feiras.
Santo Anio, Gravatj, Bezerros, Bonito, Caruar,
Altiobo, Garanhnns, Buique, S. liento, Iba Coo-
selh'o, Aguas Bellas Tacarat, as tergas-feiras.
Pao d-'Alho, Nazareth, Linioeiro, Brejo, Posque va,
logazeira, Flores, Villa Bella, Cabroh, Moa-Vis-
ta, Ooricury.Salgueiro e Ex, as quartas feiras
| Serinbem, Rio Pormoso, Tamandar, Una, Bar-
ruiros, Agua Preta e Jjj mente iras, as quintas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRJBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio : segundas e quintas.
Relajo: tercas e sbalos as 10 boras.
Fazenda : quintas as 10 boras.
Jufzo do commercio : segundas as tt horas.
Dito de orphos : tercas e sextas s 10 turas.
Primeira vara do civel: torgas e sexas ao meto
di.
Segunda vara do civel : qaartas e sabbachs a
i nortea tarde.
EPflfeMEtSIDES DO MEZ DE JANEIRO.
3 Loa nova as 9 h., e 38 *. da t.
13 Quar cresc. a I h., e 42 ro. da t
20 La etteia as 4 h., e 44 ra. da m.
| 27 Quarfo ming. as 11 h. e 58 m. da m.
DAS DA SEMANA.
7. Segunda. S. Luciano presb.; S. Clero iliac.
8. Terra. S. Sevftripo ab.; S. Theoplulo-diac.
0. Quarta. S. Jul 9o e Basllic*-Sua espesa iiiid.
fl. Quinta. S. Nicanor diac; S. Agathao b.
1. Sexta. S. Ilyginop.m; S. severo m.
12. Sabbado. S. Satyro tn.; S. Arcadio ra.
13. Domingo. Si. Hermillo St aecnio mm.
PREAMARDE flOJE. -
Prfmeira as-6 adras e 6 m.- da- miqtaiv-'
Segunda as 6 boras e 30 minutos (la (fflle.
PARTIDA DOS. VAPBfSCOsTEIRQS.
Para o sul at Alagoas a*4 e dtfjjjafa o norte
>i a Granja a 7 e 22 de caoVmez; para Fetnao-
donosdias 14 dos metes Janeiro, margo, mato,
julbo, setembro e aovembro.
*%p
PARTE OFFKAL
SEDE VACANTE.
O Dr. Joaquim Francisco de Faria, comraemlador
da ordem de Ch'risto, couego honorario da Impe-
rial capella, lente jubilado de theologia, deao da
sauta igreja catbedral de Olinda e. vigario capi-
tular da diocese.dePeroambuco, sede vacaoK
De conformidade coin o alvara das ultimas fa-
culdades de 14 de abril de.4781, concedido relati-
vamente aos concursos e profioslas dos beneficios
vago-, confirmado pela imperial re.-olugo de 4 de
julho de 1820 e raais Iris e orden> imperiaes ein
vigor, ponno era cjncorsa^pelo pre?ente edital as
seguintes frguezia^aftas.^t'te b^oad-j, a ^abur :
a de S. Pedro Guj#^L .,*-''ik Santo Aulonio e S.
Jjs, todas da cidadBW'teL-it ; a de Santo Aalo
da cidade da Vlcic.ria,-a de anta Mara do Rio de
S. Francisco da Boa-vista, a 'de Nossa Senbora da
Porificaso e S, Gongalo de Una, a da Nossa Se-
nhura da Concei{o de Senuhera, a de S. Louren-
c.o de Tejucupapo, a de Santo Amaro de Taqtnwi-
tinga, a de S. Jos de Iogazeira, e a de Sauta Auna
de Grvala, nesta provincia : a de Nossa Senhora
das Naves da cidade da Parahyba, a de Nosaa Se-
nliora da Gonceico da villa do Conde ou Jacoca, a
de S. Miguel da Bahia da Traigo, a de S. Jos de
Piranha, a de Nossa Senhora da Lu de Pedra
Lavrada, a de Nossa Senhora do Rosarlo da povoa-
gao de e. Joao do Rio do Peixe, a de Nossa Se-
nhora da Peuha de Taquara, e a de Nossa Senhora
das Dores d'Alaga do Monleiro, na provincia da
Parahyba : a de -ari! Anua da villa de Upauema,
a de Nossa Senhora das Gracas do Muricy, a de
No:sa Senhora Mai do Povo de Jaragua, a de Nossa
Senhora ta Craceico de Agua-Branca, e a de
Nossa Senhora da Couceigao do Liraoeiro de Ala-
goas, na provincia das Alagoas : a de Santa Aona
do Serid, a de S. Juo Baptista de Porta Alegre, a
de Nossa Senhora do O' de Papary, a de Nussa Se-
nhora das Dores do Patjx, e a de No>sa Senhora do
O' da Serra-Negra, na troviocla do Rio Grande do
Norte
Todo o reverendo sacerdote ou clrigo que quei
ra lazer oppo.-igao s igrejas cima referidas, apr-
sentele coin seus papis promptos e correuies na
furnia do esiylo, para ^er admiitnlo, fazendo t^rmo
de opposig3o dentro di> prttu de GO das, Qddos os
rao os reverendos oppositores a nove casos de mo-
ral e eonsciencia e faro urna exposico uu homi-
la do Evangelho que eu assiguar, para propor a
S. M. o Imperalor os que forem julgados inais dig-
nos na forma dos sagrados caones e concilio Tri-
denlioo.
Dado nesta cidade do Recite sob o me:i signal e
sello capitular aos 7 das do mex de Janeiro de
1867.
E eu o padre Joaquim da Assumpco, es rivao
da cmara ecclesiastica o sub-cren.
Deao Dr. Joaquim Francisco de Faria,
Vigario capilular.
Fago publico aos aspirantes ao sacerdocio e a
quem convier que Sua Santidade o Papa Po IX,
acaba de autorisar o Exm. e Rvm. Sr. oeao Dr. Joa-
quim Francisco de Farias, para naqualidade de vi-
gano capitular deste bispado, conceder demissorias
dentro do aum de lulo as alumnos da dioceseque
houverem comriletado os seus estudos e se ach.-.-
rera habilitados para ascender ao estado sacer-
dotal.
Recife, 2 de Janeiro de 1867.
Coo-go Joaquim Ferrara dos Sanios,
Secretario do bispado.
es>
EXTERI
-*
COHES!PO!VBrCIAS DO BIA3
IO DE PKH V \2HBI i o
L.I8BOA.
13 de dezemb-o de 1866.
Cootei-lhes na miu. ultima orno os gover-
nos de Portugil de Hospanha haviam solem-
aisado a maugurago da lioha frrea de Madrid
a Badajos, onde liga com a nossa de leste- at
Lisboa.
Mallos altos dignatarios alguas dos ministros
nespauhes vieram a esta corte, sendo nolavel a
recepgo que Ihes fez o ministra dos negocios es-
trangeiros o Sr. Casal Ribeiro, o qual no han-
cjaete que deu em obsequio aquelles persouageu^
pronuncicu um brinde que todas as folhas de II -
panhd e Portugal tt-m reprodosido.
Eis como a poca, folha madrilea se refere a
este discurso congratulatorio, que nao deixa de
ter bastante signifleago as actuaos circumtan-
cias:
c Brindando pelos res de He:panha e de Por-
tugal, o Sr. Casal Ribeiro disse que este brinde
reuma n'uma s horo^oagem dous nemes que
despertavam em todos os que ali se achavara reu-
nidas sentimantos de respeito e de amor; dous
uomes que sao alera d'isso dous symbolos ; sym-
bolo entre os dous soberanos de affsetuosa sym-
pathia, inspirada pelos Ugos do seu immediato
parentesco, fortificada pelo mutuo reconheciraento
das suas elevadas qualidades e ennobrecida reci-
procamente pela mais perfeda lealdade ; symbolo
entre os dens povos da allianea do direito lynas-
lico que representa a tradico sobre o throno com
o direito representado por iusliluiges parlamen-
tares.
Pedio em seguida o Sr. Casal Ribeiro licenga
para unir ao brinde dirigido aos dous altos per-
sonagens os nomes dos ministros de sua mages-
tade catholica, e saudar a nobre e generosa na-
g5o he.-pantioia, mais amiga que vismha, e mais
que amiga, inoaa. Irm&a pea origem commom
que se perde na sombra dos seclos; Irroa pela
fuodago das suas nacionalidades e pela expolsie
simultanea dos rabes, obngados a substituir a
raei la pela cruz; irma pelas faganhas marti-
mas que completaram o ennhecimento do globo
quando Colombo sabia para a America e Vasco
da Gama procarava o eannobo do Oriente ; quan-
do no oulro hemisphero Cortez e Pizario coroa-
vam de louros o klu hspanhol e a haadeira por-
tugneza fluctaava triumphante na india; na mo
gloriosa de Alfonso de Alhuquerqoe ; irraia tam-
bem na adversidade trahida mais tarde pela In-
constancia da fortuna; irma na lucia pela indepen-
dencia nacional, quando hespaohoes e portnguezes
se levantaran) em massa para arrojar do solo sagra-
do da patria os exercitos aguerridos do primelro
capito do secuto; irma enlato as fadigas dos
combates e irma ag ra nos trabalhos da paz,
eodo asseotos os earrls sobre os qaaes se des-
usa a locomotiva entre as doas capitaes, eondu-
zindo a esperanga do sea grande futuro para o
commercio, para a Indaslrla e para a agricultura
da Pennsula.
U Sr. general Calooge levaotoa-te e expressou
nos termos os mais cordeaes, o recooheclmeolo
de que se achava possuido.
O ministro dos negocios nslrangeiros de sua
magostarte calnolica fellcitou-sa ao ver expressos
sentjmentos completamente igcaes aos seus e dos
seus compatriotas, aerescentando que a sua con-
viego era que o novo caminbo de (erro contri-
buir poderosamente para unir as lides da paz
os dous povos da Pennsula, lomando mais for-
tes os sentimenl.is fralernaes entre hesPanhoes e
portuguezes.
O general Calonge lerminou brindando por
sua magestade Adelissiuia, pela familia real e pea
nobre nago, vi-inha e irma da hespanhola, as-
sim como por todos os membros que compS^m o
ministerio portoguez. .
A liuha frrea da Estremadura novamente iber-
ia, poz em communicaco nao iolerromplda Lis-
boa e S. Petersburgo, alravs de 6:303 kihraeiros
de va, a qual partindo da desorabacadura do
Tejo, termina por agora- na confluencia do Volga
e do Oka em Nyni Njwgorod, e toca em Madrid,
Paris, Bruxella-, Berlim e Varsovio.
Urna locomotiva laogada na velocidad de 54
kilmetros por horav que a esiabelecida para os
irms-currelos de Paris % Marselha, percorria em
117 oras, ou em menos de cinco das todo o
trajelo desde Lisboa ao ceniro da Russsla.
As distancias intermedias d'esta fraude arteria
sao : de Ninry aS. Petersburgo, por Mocow, 1:107
kilmetros, de S. Pefer-bu-go a Paris, 2:823 -k -
lomeiros, de Pars a Madrid 1:491, do Madrid a
Lisboa, tea
Attendendo pois a importancia desia gigantesca
va de cummunicago internacional, nao admira
ijii-i:.[) aos guvenina dos dous paizes se ttm
esforgado por celebrar contiguamente o resul-
tado dos seos estorbo?, devendo ao mesmo tempo
iofluir em taes deinonstrogSe- a idea de mais
aperlada ligago entre as duas nagoes peninsu-
lares.
Um novo aconteciraento porea, velo cortar as
maoifestag^s festivas que bepautioas portugue-
zes bavjam eito por oecasiao da abertura da li-
ulu. E' avista dos reis de Hespantu a familia
real porlugueza.
Annuoc-ada offlcialmenti as autoriJile de Ba-
dajoz a viagem de S. M. calnolica aquella provin-
cia, a ao mesmo lempo qui passana a visitar os
suberauoe de Ppiriugal, encareca se naqueila ci
dade lo inesp:rado saccossa, pois que a ultima
vez que a corte hespauhola esleve em Bidjjoz fui
em 1801, sendo cliefo do osudo Carlos IV, e seu
ministro e conselheiro o celebre Godoy, natural de
Badajo/.
Efleclivameote deram entrada em Lisboa, no
dia lia rainha de Hespanha e seu augualo espo-
zo, el-rei U. Francisco de Asslz o principe das As-
turias, e sua irma a princeza D. Maria Isabel.
Tive occasio de assisiir a' solemmdade da recep-
go, que de certo ama das mais esplendidas de
que ha raemeria neste paiz. Pena foi que um da
verdaderamente inglez nao quizease alegrar o
quadro. Por me parecer ptima qnaolo a exacli-
dao a narrativa que o Dirto de Noticias de hontem
fez desta funego, para aqu trauscrevo, com a de-
vida venia.
Suas mageslades cathalicas tinham partido de
Badajoz as 7 horas da mauhaa no dia 11.
O infante D. Augusto e os ministros de Portu-
gal imiten) chegado a Elvas as 3 horas da madru-
gada.
O ilenerario da viagem foi o seguinte :
Sabida de Madrid s 8 horas c meia da mauhaa
de 9. Paragem em Ciudad Real. Cnegada a Bada-
joz s 7 horas da tarde de 10. Pernoitaram ah.
Partida de Badajoz as 7 horas da mauhaa deil.
Cliegada ao Eulroocameoto as II horas. Aqui al-
mogo espieudido. Chegada a Lisboa as 3 horas e
10 minutos. A praga de Elvas salvou a pas-agem
do trem teal e a guarda de honra apreseotou
armas.
As 3 horas e 10 minutos parava na vasta halle
da estago principal de Lisboa o comboyo real que
conduza os reis e principes de Hespanha. Com
puuba-se o comboyj de tres carruagrns reaes, tres
de pi ni;ura classe e urna de segunda, alui das
que iranaporlavam as bagagen.-.
Estas -arruageus era todas adornadas com surap-
tuosidade e luxo.
A pruneira, dividida em tres coinptrtimenlos,
era toda estofada.
A segunda, em que vinham as pessoas reaes, era
forrada de papel aveludado csrmesiui e guarneci-
da de espelho?. *
A terceira, era forrada de azul e 'bambioellas de
seda de igual cor.
O terrapleno prximo da estagao eslava guar-
necido de masti os com galhardeb-s das cores, na-
ciooats, ponuguezase hespuhola. as paredes do
mierior'da gare estavem guarnecidas de tropheus
de oanleiras enlrelagadas, portuguezas, italianas
e hespanholas, apreseutando um forraoso quadro.
As hasteas eram presas eom ce roas de buxo. De j
cada janrlla penda urna bandeira de seda das de-1
positadas no arsenal do exerciio, e que recordara ;
as nossas lorias militares. E-i-s symbolos do nos-
so herosmo eram 64.
Na plataforma do lado norte eslavam mais de i
seiscentas cadeiras para as pessoas que foram con- !
vidadas, e que eram i as principaes familias da ca-
pital.
Do lado sul eram as salas da rcccpgo. A vas
ta sala era guarnecida de sopbs e cadeiras de
marroqoim roxo. Em seguida era a sala real, na
qual se viam sele riquissimas cadeiras de espaldar,
cinco de setim de raina^em e duas de setim azul
lavrado. Contigua a esta sala era o loucador da
raioha, vestido de riquissima morulla verde, a c5r
de lodosos repostelrose sanefas. Bellos fttoes de
camelias e buxo engrinaldavain a entrada destas
salas, sendo encimadas as portas pelos escudos de
Portugal o Italia.
No lado oeste, sobre ciriima das portas, se
viara escudos, e tropheus, com os emblemas das
tres oagSes. Deste lado se va o estrado to que
executou o hymno real hespauhol uuia l>. i de
mUMCa chegada de suas magestades <. :-i -. O
cbo ra todo tapetado e flores e verdu iittul-
samavam o ambiente. O salo da saluda ta u orna-
do defesides de flores, e o chao juucado de ver-
dura. Na fachada principal da gare se viam varios
tropheus, e ao centro as armas de Portugal, Hes-
panha e Italia. No cume da cimaiba flactuava o
pavimo porluguez, e sobre cada um dos pilares
tremulavam varios galbardeles e bandeiras.
Sua magesiade el-rei o Sr. D. Lniz aguardou os
reaes hospedes na plaUforma di gare, e alli rece-
beu a raioha D. Isabel, ajudaodo-a graciosamente
a de?cer do trem.
Quaudo o comboyo real ebegou subi aos ares
urna' gyrandola de fogueles, e em seguida den a
salva real ao castello de S. J guerra surtos o Tejo, comegando pela curveta
aartholomeii Das que eslava junto da estago Os
re i's vi j otes receberam all os pnmeiros cum-
; prmentos de alguos altos dignatarios da corte, da
cmara municipal de Lisboa, e das pessoas que ti-
ca vara as r.uas ordens.
Depois tomarara logar nos irens da casa real,
i indo o prestito na seguinte ordem : adiante o pi-
quete de lauceiro;, seguidos por seis batederes da
c sa real.
N is primeiros cinco treos biam algumas pes-
soas da comitiva.
No sexto la a infanta D. Mana Isabel, graciosa
como todas as donzellas da sua idade, vestida de
azul e branco, as cores nacionaes portuguezas, e
acompanhada da sua ala.
No stimo la o principe das A-turias, acom a-
obado do seu camarista. O principe, crlanga de
i nove anoos, muito esperto e vivaz.
No oitavo la sua magestade el-rei D. Fernando,
levando a sua direita sua magestade el re D. Fran-
cisco de Assis.
No nono ia sua magestade el re o Sr. D. Lula,
vestido de generalsimo, levando a' sna direila sua
magestade a rainha D. Isabel II, elegantemente
\ vestida como sua Ulna de azul e branco, em obse-
quio ao paiz que tem a honra de receber a sua vi-
sita.
A estribelra 1a o Sr. conde de Sania Maria. se-
guido do seu e.-tado maior. Seguase aos trens o
regiment de lanceiros da rainha, a' frente do
qual ia sua alteza o Sr. Infante D. Angosto. Fe-
rhava o prestito o regiment de cavallaria n. 4.
Seguiam-se duas carruagens, u a da casa de sua
mage>tade a imperalriz vluva, e outra da caft* da
Sra. infanta D. Isabel; eos Srs. ministros com os
seus respeclivcs crrelo?.
A tropa formava em linha a' esquerda das ras
do transito at a Ribeira Velha. A guar a de hon-
ra era freute da estagao era feita por cagadore's n.
2. Seguiam-se infantaria ns. 2 e 7, cagadores 5,
infaniaria ns. 10, Id e 18. O prestito seguio al ao
real pago de Belm por entre alas compactas de
povo que corra pressaroso a ver os reaes vista-
les. As janellas das ras do transito pompeavam
galas naturaes e artifjciaes ; era extraordinaria a
concorrenc i de damas. Ao chegar o prestito a
Belm, o regiment de artilharia que alli se acha-
va postado deu a salva re.I de 21 tiros. Eram 5
horas da tarde.
Na comitiva real vem, alm do general Narvaez
e do Sr. Calooge, o Sr. Bolda, director das obras
publicas e o Sr. conde d'Avila, ministro plenipo-
tenciario de Portugal em Madrid. Este diplmala
acumpanhado pelo Sr. Theodoro Cesar da Cunta.
Fazem tambera parle da comitiva dos res de Hes-
panha o chefe superior do palacio conde deJPueno-
rostro, o general de alabardeiros marques de San -
Hago, o coofessor da ralnba padre Clare!, o gentil
hornera conde del Pilar, o gentil bomem grande de
Hespauba, Sr'. de Rubiaoes, o ,1o medico, marquez
de S. Gregorio, um tentnte-general, um marechal de
campo e um coronel; o mordomo-mr do principe
o Sr. de NovalichbS ; a camareira-rar roarqueza
de Novaliches; tima dama a Sra. condessa de Puo-
norostro ; urna aia de su alteza ; tima agafata ;
um gentil homem de sua alteza ; duas encarrega-
das da guarda-roupa ; urna encarregada da gnar
da-roupa de suas altezas; duas megas de retrete ;
um mogo de guarda-roupa ; um ehefe e dous mo-
gos de offlcios ; tres encarregados da guarda-rou-
pa ; um cabellereiro da raioha; um offlclal de eti-
queta ; um de adminlslragao ; ura de inspecgo ;
um porteiro ; um inspector geral de ofTJciaes; um
chrouista de viagem ; um mogo de offlcios ; um
chefe das cozinhas e um chefe das reaes mesas.
S. M a rainha a Sra. D. Mara Pa, cercada de
suas damas d'honor, todas de gala, recebeu nos
seus aposentos a visita de S. M. calholica, visto nao
permittir o sen estado de saiide que 8. M. fosse a
mesa de estado.
Creio ter-lbes dito que a folha oficial anouocira
< ter se maiiogrado a gravidez de S. M. a Sra. D.
Maria Pa.
O jamar que bouve no p?go no da 11 foi (6 para
os altos diguilarios.
Houtem (12) ao tueodia recebeu S. M. catbolica
no reai pago de Belm (onde foi hospedado com
grande fausto e nolavel magnificencia) os cnmpri-
meutos do corpo diplomtico, da rrte e das ootras
ucs-uas de disiincgo que cosiumam coucorrer a
semelhames actos. O cortejo foi dos mais concor-
ridos.
A aBuencia de povo em barcos de vapor, mni-
bus e carruageos a Belem foi extraordinaria.
Depois dos cumprimentoa a S. M. calholica, pas-
saratn as tropas em continencia por diaute do real
pago de Belem, divididas em tres brigadas; urna
de cavallaria, commandada pelo general de brigada
Mal-l 11 n l i i e composta dos regimeBtos de lanceiros
da raioha cavallaria 4 ; e duas de infamara,
a primeira commandada pelo general de divisao
graduado Oliveira Miranda, composta do batalhao
de cagadore.- 2, e dos regimentos de infamara i c
7, e a segunda sob o commando do corouel Jos
Maria de Magalbes, composta do batalhao de ca-
gadores 5 e des regimentos de infamara 10, 16
e 18.
A' noile foram os reaes hospedes ao theatro de
S. Carlos. Cautou j o Fausto de Gounod. assis-
tiodo SS. MM na tribuna real. 0 theair eslava
bnlhantemeLte Iluminado por dentro e por fia.
Quando a rainha de Hespanna apparecen na tribu-
U3, a orchestra executou o hymno real hespaohol.
Este mesmo hymno, tocado por todas as bandas
marciaes, era o que se ouvia quando S. M. a rainha
de Hespauha emrou em Lisboa.
E-la noiie (13) ha um esplendido baile no pago
d'Ajuda em honra dos reis de Hespanha. As esca-
daras do palacio sao adornadas sob a intelligenle
direrpao do Sr Bambois, de magnificas estatuas de
marrnor.-, que S. M. el-rei o Sr. D. Luiz coroprou
quando fez a sua viagem ao eslrangeiro, riquissi-
mos espelhos, vistosos vasos de flores, etc.
Promette ser urna das testas mais luzidas que o
pago real portuguez lera dado nestes ltimos
tempos.
Se a sabida do baile anda poder juntar algumas
linbas fa-lo-hel. A physionomia que deve apresen-
tar .o fausto reunido de dua> cortes to briosas
como as de Portugal e Hespanha, ^presenta por
certo um carcter excepcional.
D'aqui, pois, Ibes prometi as impressdes do
snmptucso baire, poucas horas antes da partida do
Oneida.
Ha tres ou quatro das foi mandado recolber a
bordo da corveta Bartholomeu Dias o celebre es-
rriptor hespauhol D. Roque Barcia que se acba
emigrado em Portugal.por cansa dos ltimos acon-
teclmentos revolucionarios capitaneados por Pnm.
Diz se qoe o motivo da priso euVctuada pelo pro-
prio administrador do bairrn do Roco, bem como
a Se outros cavalleiros emigrados, era o ter cons-
tado polica que nao eram estranbos a um pro-
jecio de caricatura e pasquim burlesco e muito in-
conveniente, contra a rainha de Hespanha Fosse,
porm, qual fosse o motivo, o certo que alm
destas prisfjes, foram r-forgados os destacamentos
de Bascaes e de Peniche, onde se acham depsitos
de emigradas pela revolta de Prlm, prohibindo-se
expressaraente a sabida destes individuos por certo
tempo.
O discurso (brinde ) de rninhiro dos negocios es-
trangelro* no banqueta da inaugurago do carai-
nho de ferro intt-rpentnsular poneos dias ames,
que^usciwn nao leves reparos do peridico pro-
gresa isla o Portuguez.
Devo tambexn mencionar-lhe a apparigao de um
pamphleto-.f anda nao annuncado nos joroaes ) e
qoe hontem encontr! venda nos principaes li-
vreiros as Li.boa E1 am.oymo.
Iotitala^e : Corta ao Exm. Sr. Duque de Loul
por um saldado da junta do Porto. Tera apenas
20 paginas de oitsvo granie. Menciona os factos
que tacha.de erros governitivos da actual siluagao,
taes cmoo contrato de 14 de outobro, o dispendio
feilo locnstitucionalmente cora o campo de mano-
bras as planicies de Teos, a eelebre nota diplo-
mtica do Sr. Casal Rlbeim. declarando a neatrali-
dade de Portugal e suas colonias nos conflictos da
Allemapha e dos povos italianos, o silencio que o
nos o ministro dos negocios eslrangeiros guardou
acerca da allianga com o governo da Gr Brelanha,
a decs rago expressa de que o pnsament> portu-
guez era apertar intimamente a allianga enm a
Hespanha, sendo en;o o seu governo presidido por
O'Uonnell, cercado dos cadveres de duas revo-
Iug5es suffocadas e manchado pela serie de fuzi-
lamentos que se Ihes seguram. >
O sspposio soldado progressista conclue ap-
pellando para os sentimeotos patriticos do nobre
duque de Loul, amigo chefe do partido progres
slsta f m Portuual, e expoe-lhe a necessidade para
elle dnque e para o paiz, de lomar urna iniciati-
va de opposigao enrgica na prxima reuoio das
cortes, mostrando Ihe ao mesmo tempo que a nao
tomar esse partido ser perder a sua importancia
poltica pela escolha de ura ootro chefe poltico.
Taes sao em resumo as ideas apresentadas no
citado oampbleto, enjo flra parece ser o mostrar a
inconveniencia da fusao dos part los rrgenerador e
histrico.
Sera este um voto inleiramente pessoal do des-
conhecido autor d'este papel poltico T
Ser por ventura a manifestago preliminar de
fraego histrica que se fusionoa a regeoerago, e
que, desilludida j.S, langa ura brado de emancipa-
gao para n'uma bella raanhaa romper de lodo o
pacto 7
Seja como for ; diz-se em toda a parte que as
cortes, logo depois de reuniaassero dissolvidas, e
se assim tendo o gabinete terminado a ultima
sessao legislativa com tao farta maloria, claro qoe
a sciso nasceu no gremio parlamentar que ento
o apoiava aos olhos fechados.
Alguns symptomas de dissolugo vo appare-
cende, as transferencias, demlssdes e nomeagoes
do pessoal admhislr?tivo. Estes inicos de actl
vidade eleitoral dao ratao aos que afflrmam que o
paiz ser novaraente e dentro em pooco consol-
lado.
Quanto a visita df reis de Hespanha aos de Por-
tugal, o maior numero v ne>le passo um mero
tesiemunbo da realenga cortezia, pois anda ha
poucos aezesoSr. D. Luiz I, sna augusta esposa
o prncipe real, tinham ido a Madrid curaprimen-
tar SS. MM. catliolicas. -Dizem oulros que se ajus-
tara agora o casamento de S. A. o Sr. Infante D.
Augusto com a interessanie infanta de Hespanha,
a Sra. D. Maria Isabel. Alguns querera ver mais
de que isto, e persuadindo-se que vdem multo,
concluiram pdt confesar que nada poderam pre-
ver. Oulros atormentam a itnaginacao para con-
ciliar esta approxi naci cordeal das duas casas
reioautes, com a inesperada e repeotma resolugan
que o governo torn u (na ausencia das curies) de
reorgani-ar e ampliar todos os meios de defeza.
Alguns fallara nos poderosos elementos da demo-
cracia hespanhola; aqnelles oas vistas napoleni-
cas era relagao a geographia da peninsola-iberica ;
no li'.i de comas a grande maioria, vai-se apro-
veilaudo do espectaculoso das festas, povoam as
ras do transito das mageslades, commema os
totUles das fldaigas casi, luanas, admira a elegan-
cia das formosas madrileas, antipathisa cora o
mal encarado de alguns peritonageus do sequilo
real, eropenba-se por urna cadena em S. Carlos
para os ver mais de perto, nao pensa um-mo-
mento nos altos mystenos da- poltica do futu-
ro.
L.
REVISTA OiiA
Apezar de todas as precaugoes da pc-iicia, con-
lava hontem o Diarto Popular que tinha appareci-
do uoh versos satyrleos, e urna caricatura offensiva
da pessoa de sua magestadt catholica.
Em Braganga foram presos {2 sargentos, de ca-
gaderos 3, e 3 de cavallaria 7, por se descubrir que
ara os fautores de urna tentativa que os periot'j
cus nao explicara, mas que se presume ter toda a
gra vidade.
Em que sentido porm se couspir&va T
E' o que nao onvl dizer, e parece-me lora de
proposito improvisar quando parece tratarse de
to serias cousas.
Urna folha popular (de Lisboa) cuja liragem dia-
ria sobe a elevada cifra ( para nos ) de 14,800
exemplares, eomegava hornera pelas seguintes pa-
lavras :
Lisboa conta, pois, no seos annaes gloriosos'
c a visita de mais um real hospede. Anda
i punco acolhera a impratnz dos Fraocezes, os
c principes da Inglaterra, Brasil e Italia, agora re-
c cebe em festas o monarcha de Hespanha, orno
dqdco de paz e de prosperidade : -Salve, rai-
f oha. S mai de misericordia e clemencia; vida
< e esperanga do ten povo, e jamaras assim ao tu
c diadema monarchico o da virlude, que a mais
c angosta realeza da ter [a >
Toda a imprensa se tem conduzido segando os
deveres de cortezia e boa hospedagero, sej qual
for o sea modo de pensar anteriormente expresso
sobre a marcha dos negocios polticos no vlsinho
Reunio-se hontem o collego eleitoral desta cap-
tal, para eleger um membro da assembfa provin-
cial, em suti-uiiiicao ao Sr. Dr. Jos Paulino da
Cmara, fallecido em campanha.
O collego eleitoral compoz-se de 179 eleitores
presentes ; e a mesa coostiluio-se sob a presiden-
cia do Sr. leneute-coronel Feliciano Joaquim dos
Sautos, sendo secretarios os Srs. Manoel de Carva-
l.'i i Paes de Andrade e Augusto Coelho Leite; e es-
crutadores os Srs. Jos Pedro das Neves e Manoel
Raymundo Panafort.
Recebidas as sedlas, e pr&cedendo-se a respec-
tiva apuragao, dea o seguinte resultado :
Dr. Jos Eustaquio Ferreira Jacobina-93 votos.
Dr. Joo Baptista do Araaral e Mello86
Foi marcado o dia 17 do correte, para nelle
terem lugar os exames dos alumnos da Escola Nor-
mal, que deixaram de ser examinados em t-tnpo
campe tente.
Hoja comega o concurso que tera de proce"
der-se na thssooraria de fazenda pra o provlmeo"
lo de lugares vagos.
Abre-se a matricula da Escola Normal, no
dia 15 do correte.
Acham-se a concurso as diversas freguezias
vagas do bispado, entre as quaes as de S. Fre Pe-
dro Googalves, Santo Antonio e S. Jos desia cida-
de, e a de Nossa Senhora das Neves da capital da
Parahyba Para o edita! do Exm. e Rvm. Sr. vi
gario capitular, no lugar competente publicado
chamamos a atteogo dos leitores.
O escrivo dos protestos Alves de Bit to, esta
de semana, a ra do Imperador, n. 46, primeiro
andar.
Amanba as ti boras, se extrahir a 5* par-
te da lotera, a beneficio da igreja do Espirito
Santo do Caliegio (I*), sendo o maior premio
6:000*000.
Pelo Sr. Dr. subdelegado da fregaezia de S.
Jos fci pronunciado, no dia 4 do correle, Doro
tba, escrava de Maria da Cooceigo de Queiroz,
por baver ferido a Feliciano Martin; Monteiro, em
16 ao mez passado.
No da 23 do passado foi ferido gravemente,
na estago da E-cada, o allemo Charles Eduardo
Bucors; e no da 3o foi tambera ferido, no eoge-
l. nho Sapucagy, da freguezia daquell" nome o por-
tuguez Fraucisco do Monte do Nascimeoto. Foram
presos, e estao sendo processados, os autores des-
ie dous crimes.
RbpartiqSo da polica.Eftrato das partes
do dia 5 de jaoeiro de 1867.
Foram recolbidos a casa de delengo no dia 4
do correte:
A ordem do subdelegado do Recife, Acharles,
iogtez, para correcgo ; a ordem do de Saoto Ao.
tomo, Agostinbo, escravo de Joo de tal, por sus-
peto de ardar fgido ; a ordem do de S. J-.se,
Luzia Thertza de Lyra, Manoel Antonio Crrela,
Santos, por crimes de ofrensas pbysicai.-O chefe
da 2* secgo, /. g. de desquita.
Passageiro da lancha nacional Graciosa, en-
trada do Arcaty: *
Manoel Joaquim de Oliveira.
Passageiros do brigne portogoez
vmdo de Lisboa :
Monoel Ferreira Bastos, Antonio da Silva Costa
Bapista e Manoel Joo Correia.
Passageros do vapor nacional Tocantms,
sabido para o sul: Joo Baptista Pacheco, Joo
Selflstno de Sooza, alfares Tiburcio Joaquim de
Andrade, Francisco Antonio Vieira Caldas, Antouio
Ignacio da Costa, Jos Garca da Rocha, Francisco
hurlado de Oliveira, Manoel Jos Duartc e 2 Olhos.
Mariano J. da Costa,-Anua de Jess, 1 escravo do
Dr. Manoel F. Pereira, Januario Jos le Oliveira,
Julio FlgueiM (africano), R berto (dem), Joao
Muniz da Costa, Jos Gabriel de H. Pinto, Theophi-
lo Jos Pantio Figoeiredo, Antonio de Sooza Ho-
norio Jnior, Joo Gomes Jardim, capito Manoel
Joaquim Bello e 1 (litio menor. Chnstovo Gomes
P*reira, fcnacio Laureoco, Vicente Pereira. Dr.
Pocidonio de Carvalho Moreira, Hercnlaoo T. do
Espirito-Santo, Antoaio Bernardo Vieira, Jos
Martms de Alraeida, Manoel da Paixo do Nasc-
raento, Domingos Goocalvos da Silva, Jos Pereira
Vianna, Alexandre P., Salvador Leite Vedegal e 1
filtra menor, 16 recrutas para raarinha, 23 guardas
uaconaes, 24 mermas para o exercito, Joaqoim d"
Carval.io, Joo Augusto de Mendonga, Joo Fran-
cisco Ferreira da Silva Braga. Antonio Jos de
Souza, Dr. Barlholomeu T. Palha e 1 escravo.

reino, por quanto seria grande inconveniencia le- Josepha Mara da Cooceigo, Francisco Jos R -
vautar quaesquer recriminagoes mopporluoas, nes- drigu-s, Gabriel Antonli da Silva, Miguel Luiz
ta hora em que os res de He.-panha se abrigara Ferreira, Jos Gongaiyes Mala e Luiz Martina Ze-
sob os tectos bospitalelros do re de Portugal. ferino, para correcgo ; Antonio Googalves dos
CAAR* MUNICIPAL O RECIPE.
2'. SESSAO ORDINARIA EM 29 DE NOVEMBRO
E 1866.
Presidencia do Sr. I'ereira Sumes.
Presentes os Srs.: Dr. Miranda, Santos, Dr.
Villas-boas, Dr. Pitanga, Dr. Seve e Pinto, fallando
com causa os mais seohores, abrio-se a sesso e
foi lida e approvada a acta da anlecedenjg votan-
do contra a mesm? acia o Sr. Dr. Miranda semen-
t na paite em qoe relalivaraente ao sortera do
jury deixou a mesma de consignar, que ra dis-
pensado pelo presidente do dito jury, como pessoal
mente o referido presidente Ibe dissera qoe ficava
dispensado
Leo-se o seguinte
EXPEDIENTE.
Um oficio do secretario da presidencia da pro-
vincia de 24 do correte, convidando a cmara de
ordem de S. Exc. para asslstir ao acto do cortejo
que se tem de fazer no palacio do governo a efigie
de Sua Magestade o Imperador, a*s 8 horas da tar-
de de 2 de dezerabro prximo vindooro. Inlei-
rada.
Outro do engenheiro cordeador, eraittind o seu
parecer como Ibe foi ordenado, sobre o que expSe
a commisso encarregada dos negocios do mata-
douro publico, nos documentes que juntos devolve,
declara o seguinte: que concorda com o que a
mesma commisso pensa relativamente ao atier-
ro que propSe se faga na ra, que segu para a
povoagao da Cabanga na largura de trlnta palmos,
e acha bom que es3e atierro se faga, a partir do
lugar em que dita ra atravessada pela e-lrada
de ferro, e rinda no alto em que a mesraa povoa-
gao esta' assentada.
Concorda tambern com o calgamento da estrada
denominada do Matadoorc, roas pensa qoe o de-
masiada a largura de irinta palmos, como propSe
a commisso, bastando que se Ibe d a de vinte
palmos, como se faz as estradas a cargo das obras
publicas; de.-te modo prestara' convenientemente
o servigo para que deftinada e cuitara' muito
menos.
QnaDto a qualidade da obra, julga muito raro o
eaigameutct por pedras regolars, ou faceadns, bas-
tauo o de pedras Irregulares; como se esta' pra-
licando por parte da mesraa repartigo das obras
publicas na estrada de Olrada; este segundo cal-
gamento tem a vantagern de custar quasi ura tergo
do oulro.
Nao Ibe parece porm necessaria a parede laite-
ral, que a commisso prnpde para guarnecer a es-
trada pelo lado do pasente, por quanto, impedida
a entrada das aguas da mar nao pode ella ser
muito damnificada por esse lado, por falta da dita
parede, que alias custana alguns conus de res.
Concorda ainda com a idea de collocar-se urna
bomba, que facilite a extrago d'agua do pogo alli
feilo para a lavogem do estabeleciment > o systema
mais simples e mais barato de Japy, mas tam-
bern nao otfereee tantas garantas de duragao como
alguns dos oulros.
L'ma bomba do primelro systema com capacida-
de suficiente pode ser assentada no estaheleclmen-
to mediante a quantia de cem mil ris pouco mais
ou menos, conformo a exlenso da canalisago
precisa; urna bomba dos oulros systemas, sendo
boa, pode custar cerca de 30000.
Cooclumdo diz ainda o engenheiro que s de-
pois que a cmara reso'ver o que achar mais con i
forme com os interesses pblicos pode ter logar a
organisago do respectivo orgaraeuto.
Posto em dlscusso, resolveu-se a reqaerimento
do Sr. Dr. Miranda, membro da commisso encar-i
regada dos negocios do matadouro, que, se reraet-
tesse copia do parecer da commisso ao engenhei-l
ro para de conformidade com o mesmo parecer fa-
zer os orgaraentos das obras nelle indicada*; de-'
vendo a estrada ser calgada de pedras irregulares !
e ter a largara de 2o palmos; o mnro de encobo'
da mesma estrada do lado do nascente deve ser
d-jhra-lo cora dec ivio que guarnega o talude da es-
trada, e a bomba deve ser do systema de Japy;
recorameodando-se-lhe que reraetlesse taes orga
melos com a maior urgencia.
O Sr. Pinto pede licenga e retir -se.
Oulro oficio do engenheiro cordiador, informan-
do nao baver inconveniente em consentirse que
Albino Jos Feyeira da Cuoha, dobre o oto de
sua casa n. 15 da rna de Hurtas. Concederse-
Outro do mesmo, informando sobre o que no re-
quenmenlo junto pede Victorino Jos Monteiro,
di* que nada ha qne oppor a que o peticionario
lvame na casa de sna proprledade n. 36 da ra
do Sebo urna sota, como pretende, ama vez que
guarde as postaras em vigor. Conceden se a l-|
ceoga. ]
Outro do mesmo, informando sobre o que no
reqaerimento que junto devolve, representa Igna-
cio Jos de Couto, diz que nao pode ter lug r o
que elle pede, visto nao acharem-se M casas us.
44 e 16 do mesmo lado, em que se acha a qoe o
peticionario qoer reedificar, mas sim do lado op-
pos'o, sendo regular e conveniente qne as casas
do mesmo iado da ra tenham o mesmo nive-
lameoto para regulandade dos passeios, se o peti-
cionario acha baixo o oivelamento da casa p. 47,
podera' ser-lhe permetudo reedificar a casa de sna
proprledade, nlvelaodoa p'las de n. 3 e 5, que
Ihe fleam do mesmo lado, mas nunca pelas de ns.
44 e 46.Posto em discurseo, e tendo se desentido
acerca da materia, deliberoa-te mandar dar a cor-.
diago do conformidade com a qne den o enge-
nheiro para as referidas casas o?. 4i 46, qoe ha
pouco foram reconstruidas.
Outro do procurador, participando ter recebido
no da 26 do correte, as chaves da casa da ra
dos Pires, que foi desaprooriada para ser demoli-
da, espera da cmara ordens a rospeito.Posto
em discnsso, o Sr. pro-presidente propOa qoe seja
remedido o oficio do procorador a commisso de
edificagS^s, nao s para dar seu parecer acerca i
da maoeira e forma porque se deve fazer a demo-
ligo, seno tambera a venda do terreno qne fie*
de sobra.
Outro do fiscal da fregaeilado Recife, informan-
do sebre o requeriraemo de Eduardo Mootraupt,
que pede II enea para collocar um estabelecimento
de serralaelro no armazem n. 51 da praga do Cha -
fariz em Fora de Portas; declara que o lugar
Florinda ade supplicanle pretende estabelecer se mar-
cado as posturas para tal mister, tanto assim que
na casa annexa ja' existe nm outro estabelecimen-
to de igual natureza, e alm deste existem tambera
ouircs, e Isto na menciooada praga, e portanto na-
da v que se opponba a pretengo do suppliean-
teA commisso de saude.
Esta c mmisso apreseaton um parecer no sen-
tido de se poder conceder licenga a Jos francisco
Ribeiro Machado e Antonio Jos Mauricio estabele-
cerem urna pequea reflnago na casa o. 19 da
ra da Praa, vj>to que a referida casi offerece a
uecessaria accoramodagSo para este fina, e nem
esse estabelecimento deve encommodar nem pre-
judiear a saude publica. Posto em discnsso foi
approvado, e coocedeu-se a licenga.
Despacbaram-se as petigSes de Angelina Jos
dos Santos Andrade, Ignacio J is de Coulo, Jacin-
tho Jos Joo de Amonm, Joaquim Correa de
Araujo, Dr. Joaquim d'Aqaioo Fonceca (3), e le-
vaotou-se a sessao.
Eu Francisco Canuto da Boavagem, secretario,
o subscrev.-Pereira Smoes, pro-presidente, San-
tos, Dr. Miranda, Dr. Pitanga, Dr. Villas-boas.
Caixa lial do Saneo do Brasil em Per-
ambac.
BALANCETE EM 31 DE DtZEMBRU DE 1866.
Letras caucionadas.
Por ouro e prata.
Por ttulos, cora-
merciaes.....
ACTIVO.
9:659^000
2:8319060
------------------ 12:490*060
Letras a receber.
De varias proce-
dencias........ 20:346*037
Letras de concordatas.
Valor em carlelra 202:234*510
Ttulos em iqutdacao.
Por letras protes-
tadas..........-. 642:872*507
Por alcance do ex-
thesooreiro Do-
mingos Fraucis-
co Tavares..... 546:790*264 -
-----------------1,189:632*771
Contas correntes.
Banco do Brasil :
S/c 13,728:121*512
N/c 379:8905064
-------------------- 13,348:231*448
Saques da caixa matriz e filiaes.
Aceitos a dias de
vista...........
Depsitos.
Em aeges do Ban-
co do Brasil, va-
lor nominal
Em outros ttulos
e especies...
Diversos.
Saldo de varias
contas......
Cofre de emissao.
Valor ero notas
proroptas e em
preparo para a
circulagao......
Caixa.
Em moeda de ouro
nacional :
1,173:470*000
Era moeda de ouro
eslrangeiro, so-
beranos :
606:680*270 .
Prala e pequeo
valor em cobre
Notas do governo.
De 10* :
60:00)*000
De menores valo-
res :
8:340*000
Notas da caixa :
Bensde raz...
300,500 0
40:000*000
20:464*320
----------------- 60:461*320
73:848^801
470:0005000
1,780:156*270
*568
68:340*000
122:360*000
Capital.
Valor fornecido
pela caixa ma-
triz............
Emissao.
Pelas segrales ad-
digies, cuja tota-
lidade igual ao
saldo a favor do
Banco do Brasil,
em conta de re-
messa da notas,
a saber:
Valor em circola-
go.............
dem no cofre de
emsso........
dem em debito da
caixa.........
Passivo.
1,970:850*838
43:362*460
17,391:791*245

2,000:000*000

14,577:640*000
470:000*000
122:360*000
Letras a pagar.
Por saques do
Banco do Brasil
Depositadores.
Pelo valor nominal
de -200 aeges do
Banco do Bra-
sil, depositadas
pelos directores
desta caixa na
forma dos esta-
tutos ..........
Por cutres litlos
oa especies
15,170:000*U0O
300*0C0
40:000*OCO
20:696*037
DitwO.
Saldo de varias
contas.........
Diri'J en dos.
Pelos que nao tem
sido reclamados
Ganhos e perdas.
Lucros sujeitos a*
liqaidagao.....
Confu correntes simples.
Dinheiro recebido
60:696*037
29:638*173
4:434*000
880*100
125:842*933
17,391:791*245


O presidente da caixa filial,
Ignacio Joaquim de Souza Leao.
O guarda-livros da caixa filial,
Ignacio Nunes Carreta.
-
( i


r
% *a t.
--
...- ,,,.1.1, .-

V
V, .
' *-* \
f


triarlo de Perfiibc cguna felra 3 de Janeiro e iwl.
" ----------;l:.*'>-' ^*fe*iir --i-. -----------------------------
-
Communicados
fr/o-iM MMjN.


! tttue se om muita vanlagw Wpttolttwpa ttere mr*articipem para fazer effectivo o
nmna Aa inHiiratn Aa faron A mi. kul' Jn .il..n un4< j-__i:_. ..__f__i j^ tw...m
Pol recraudo nesta cidade LMMfoJoaquim de
Lima, e sollo a podido do Sr. Dr. catirlWfro das
ordens de Christo e Rosa, o lene*eeoronel Jos
Gardoso de Queiroi Fonceca.
Km Oiihda, onde mora a familia que ampara
Leoblne, correu logo de plano o seguime :
Oae o recrutttWAjfr Ara Tefto pofldb do Sr.
Hwoel Luir Vries.
Que o 9r. Dr. Qaetfot o nrtls servtcat cidad-
qoe se eofcbece, oto srfet rogar oMPsatlsfazer o
dosejos aquella ramillas da qual fae parte om me-
^o, qas pode prestar a 8 i. valtmo auxilio elet-
tovti.
Has a carta abaixo prova que LeobiffS fra re-
Par ttdo Conservador.
Como te faz eleicao I
O estado dos termos do Granito Oaricmy
merece seria altelo do overo.
A violencia das autof*ddeWHcrMfs ptfrawW-
vos, eleitdraes, toca a etcesso. Aldl d vexaae
do recrutaroento e da de*t|>acie>ar.. o servleo da
aerra, qae reca ao coirarlo>, comee* a
mpregar a perseguios* por h dos procesaos
criminaos, rinventando-so fstes irrisorios:
No Grraito j levaran a priso um eidadao
Tespeilavel o Sr. major ipaaeto Caetano por mn oro**** apedfde do mesmo Sr. Dr. (jostra, o pro
crlme fcntaziado. Desato- de o terem preso 29 P" das foi desppronuQciade. Logo depois cetro pro- daue I
cesso toe foi armado por entro suposio crime. E protector de L'obioo fleoo capacitado qao^o
Agora l eslo procesando o Sr. teoeste coronel Sr- Dr- Qoeiroi lite prestara valioso serrino, o qu
Cornclio Carlos Peixote de Alencar, e o juiz de pax Sr. Viries Tora o amor do reerntameoto Por
francisco Cordelro de Nascimento. coosepuinte Tei o Sr. Dr. Quelrot a cooqasta que
Mais um cu dous processo? forara feitos contra almejaral
oolros-- individuos, sendo nm delies o Sr. Antonio E nao o Sr. Dr. Qaeirex um horaem de recerr-
Leal, q^e fci Ovre em recurso pelojaiz de dirotto. sos ?
O Sr. Gualter Martlniaoo de Alencar Ararlpe, Poteaaol E' assim que a liga progressista qoer
indignado para ser processado, aeaba de chegar t tarar partido T
esta cidade para pedir providencias. ;
O Sr. Goarter horaem conhecido por soa mo- \ Bis a carta:
deracio, e vi'a exemplar, sendo om nobre r.arac- Capnnga 1* de Janeiro de (867.
ter. Nada porra o salva i-furia elettoral; e lllm. Sr. commendador Hanoel Lnit Vlraes
veodo-se em perjgo coa os sena, aqai rotocom GreonHado LeoWno-denl, qtre dtxmn sergnanfa
ama viagem dei8u leguas. nacional de OoJa, foi por mim lembrado ao re-
Ao propno vigariu da frcgu;ria o Sr. padre Jos rotador o capuo Tbomaz Rodrigues Pereira, por
Modssto, sacerdote de haoiios paclflco?, e residen- qQe ouvi do lente-coronel o Dr. Queiroz Ponce-
te no GraBite ha mais de 10 aonos, sempre respei- a. direr motto nal delle reorotado na secretaria
lado e estimado por seas fregoezes, procurara as da presidencia, protestando qne oio o requisita-
autoridades policiaes desacatar, de manelca qae
elle ameaeado seriamente veio ter a esta, aonde se
preseotoo a Sr. presidente da provincia.
A can, que i Imixo pnblli araus da idea do de
senfrelo das autoridades do Granito, e da pooca
seporanea para o cidadio pacifico.
No Ooncory as coosa^ nao vio por differeate
modo.
ria caso elle fosso recrolado etc. B por essa'occa-
sii-i anda presentes V. S., o Dr. Salles secretarlo,
e outros ouvi do mesmo Dr. Qneiroz, as palavras
seguintes : Sr. commendador, por causa desse
Leobino remov para, a S* compaedla o seu mano
capuo Viraes.
S. por cerra ba.o teve parte nessa pristi, por que
O vigario Francisco Pedro,-que anda de revehoer so quem para essa coacorreu Tui eu, que esiou
e punhal cinta coro ofTeBsa do carcter sacerd*
ui, qeer Impar o campo eleitorai. Tendo p>or
autoridades pellciaes um Sino, e om irmao pode
fazer todo.
Agora mesmo qoatro cidados, entre outros (TSt.
Antonio Mariohc, Oeam sob a presso de om pro-
cesso criminal por 4im invento proprio do lempo.
Felo o processo tintram sido os parentes das
victimas convidados para ama acommodafio antes
que se dsse a pronuncia.
ittamaraos as v>-ui do governo para factos
Mes: preciso quewoart'z#msi.
Sabe se mu bem, que no serto nao praiicam
essas facanhas, qaaodo de ca nao vai aoiraacao.
Carta.
Illro. e Rvm. Sr.Estando en hontem em casa
de meu primo o commaodante do destacamento
desta villa Jo a o Jos da Costa Agr, ouvi mea pri-
mo Jo.- da Costa Agr Jnior (fUho do delegado
suplente em exercim) ower; qoe nao sabia desta
villa sem que nao, cumprisse doos desejos: o i
era jogar espadilha'ee er*'tomar um desabalo
de V. Kvma., e anda bo]e eslava a espreita para
qoando V. Rvma. sabir a ra arrebeota-lo de pao
publicamente.
A visia d ste procedimento aviso a V. Rvma.
para lomar as o/cessarlas cautelas, pois qae este
precipitante com o calor do- seos superiores nao
ovida fater-ihe qualquer affroola.
De V. Rvma. ahiigo aliento respettadbr.Lou-
reBfO Justiniano da Costa Agr ftobnnho do dito I
delegado).
Granito, 27 de outubro de 1866.
(Esia reconhecida a latir e Brm.)
Justificar/}.
Temos dito, qae o actual c de Caoroe om bomem proletario ; pois lendo !
bavido de seus honrados paes atgnns bens da for-;
tona, es estragoo em vida pooco regular.
No entretanto f i a esse homem, que em 1863 ;
se fez coroni-l ci-mmandanle superior daguvrdaj
nacional de Cabrob, sem alleogao ao seo
estado de enhorna fortuna, sem atleD^o ao eu
genio violento, sem atiengb as fundadas aecnsa-
yoes de crimes, cora que carrega.
Nomeado para sustentar a liga como 6rco ferie
do vigario Francisco Pedro, davalhe a polica
secreta !00 mensaes como mel de vida. oa
yerdade nao era man, seno fosse tio profunda
immoralidade dos que davam, e do que recebia.
As conias da polica atlestam esta verda-
de. Consulte-as quem poder.
A segointe nota do proprlo punbo do coronel
Roque Carlos mostra o seu estado de fortuha ao
lempo, em que foi nomeado commaodante supe-
rior ; provando assim a assercto anteriormente
emittida, de que a ora homem em semeibanto
siluaco nao convinha cootlar cargos, de que se
servia em prejuno publico.
Nota-
Illm. Sr. compadre.Tenho felto as deligonciaF,
qne me posswel, afim de adquerir os OOJ de meu
debito, o nao produzram os meus esforcos ... Jun
to achara urna relaco dos bens, que anda me
restol... etc. eleRoque Crios A.Peixoto.
Relacao.
i Cavallo de sella (ainda nao pago)... HO^OiiO
i dito (joarto..................... 4000
1 Egoa.......................... 40I-00
30 Ovnhas......................... 60000
o Cabras.......................... iOA< 00
Sitio (comprado por 5)............. SSjftUO
transquillo por ha ver proporcionado um tao bello
recruta para o exeretto.
Creio 1er respondido a carta que me dirigi
hoje com dala de homem.
De V. S. amigo, patricio, obrieado, criado.
Thom Fernandos Madeira de Castro.
Publicares a pedido
CURA
Espante e Ad miravcl
DB CIMA CHAGA
CANCROSA E ROEDORA
xarope de todureto de ferro onit ftoil de
tolerar-se para as pessoas (Merte* mK*
lba-se muito mais bem e n3q-fflT3torja>upwu
.pa0O.
Deposito em Pernambuco, casa deP. Maw-
rr d CU, ru* Nova n. .
O oleo de igado de baoSMK) desiofectado
^Cbevrier, conserva as- ^tiidadet e pro-
priodades Mootiltecidae ao-olb de flgada de
bacalho ordiivwio ; e seo cheiro gesto
fc muito agradaveis, e a digeslao faz-sfffa-
clBwnto.
Deposito em Pernambuco, casa de P. Mau-
Mr G.r roa Nova *. *8i
A jurubeba
(90LANM PAMCCLATM DE LVNKO.)
As preparacoes pharmaceuticas da juru-
beba s3o medicamentos reconhecidamente
excellentes, e devem ser considerados como
as substancias medicioaes, tnicas edesobs-
truentes mais enrgicas fque se conhecem
e por isto cumpre que sejam empregadas
todas as vezes que se ti ver decombater fe
bres intermitientes, engorgilamentos cu obs-
trueces de figado e baco, anemias cbloro-
ze?, bydropesias, menstrnacoes deficeis e ir-
regulares, catharro da beiga.
Aquefies que desejarem faer uso dessas
preparacoes, mdicos e doentes. e nao qui-
zerem expor-se a serem Iludidos, dever5o
dirigir-se a pharmacia do abatxo assigoado-
situada na ra larga do Rosario n. 10. pro-
limo ao quartel de polica, nico deposito
que existe nesta provincia; devendo se ter
em vista que foi o abaixo assignado o pri-
meiro que submetteu essa planta a prepa-
racoes pharmaceuticas, e fez guiado por
couselhos mdicos, e sob a approvacSo
destes.
Pharmacia em a ra iarga do Rosario n.
10, junto ao quartel de polica.
Jeaqtiiui A. Pinto.
artigo rS7- do cdigo criminal do* BvmH.
Jos da Rocha Paradme.
COMMEHCIO.
ou
WLYP* m ^ARIZ.
Umary, 30 de marco de 1863.
5105U00
Rooue Carlos.
|(Esi reconhecida a letlra e firma.
Da povoage de Gamelleira nos escrevem, em
data de h( < .Vio temos tido por aqu uovidades nesla qoio-
zena. O acontec ment de maiof IWporlancia, qae
ora se presta a diverses comroemarios, a visi-
ta que ha dous das fez o nobre Itaro de Viba-
Bella ao dobilissimo marqaez de Oliu .a, no eone-
uho Antas. Os astrlogos noticiarios dividem.e
em cuujecturas a respeilo do objecto detsa vii-ila.
t Dizem uns que o uobre baro, ne podendo
vencer certas difficuldadr* eteitoraes opposlas pela
administrado da ptoviocia, recorrer ao (befe
prestigioso do partido progressista do imperio, afim
de qua por sua influencia se resolvessem as dud-
aos, e se afastassem os escrpulos.
t Duero, porm, outros que o molivoda visita
fra urna cana, que ha das o nobilissimo marqu>z
havia dirigido ao noLre barSo. a proposito das i'n-
iislenciat do Jos Antonio Lopes, em querer ser
depotado geral na.- prximas elelgSes : o qoe lem
etDlrariado bastante, ao nobre barao, a ponto de o
azer irmginar um meio nico d amanear as am-
bicies do Lopes, qae alcancar-lhe um baronato
antes das eleicSes I Mas como islo negocio que
exige esforcos superiores, preciso foi qoe o nobre
baro corresse au fitkc*i>-o das Antas, para qoe
este sem ptrda de lempo mandassa vir o barona-
to I O cerlo qte a etftreviMa eoire os dous per-
sonagens, consta que durou quetro horas, e de
p ras fechadas, paVa efitr que os gritos do baro
aos ouvidos do nwrquez iossem percebidos fra I
Nao sei qual das duas versos a verdadeira.
Entretanto, para mim coasa indubitavei qne o
oobilissimo marquez nao vive teioto a respeilo
dos negocios de sea partido. Voluntarios nao ha-
de S. Exc. mandar para a corle, como Ihe compre
qoe o /ac ; mas depolados I estes ho de ir to
dos quaotos S. Exc. qulzer, e bao de deixar de ir
todos aqueHes contra quem aceoaf.... D,m con-
servadores sei eu,.que ainda qae podes^m sahir
eleilos pelos seus recursos naiofaej tifio de Srr
goilboiioados as urnas. A coospiracao gran-
de------
Dizem tamben por aqoi, qoe anda por iofludn-
e!a do nobilsimo tbithaei, a li^ao da fregoe-
zia da Escada nao sera felta to amigavelmeote
como ero 63 ; pois que, aehando-se o Sr. Joo Flix
do. Santos, na idea de fazer-se esta elei{ao soB as
condic5j- flaqnella, isto dividida em parle-
iguaes, agora aprsenla opioio diflTereit, (tos-
trando-se oisposlo a excluir todos os conservado
res, e cd*abioarse inteiramentecoin os progrissis-
tas I Nao sei se isto tero o c-oho da verdad'e e
da exactido. Acredjt.i mesmo que o Sr JnSo
Pellt incapaz de transacoes vi'goDbo'sks, murto
principalmente tratando-s de jooccao dbs conser-
vadores cTTi os liberaes oesta prxima elei(ay, e
ser o Sr. Joo Pelu notoriamente conhecido por
em liberal sincero.
Vejarnos, por tanto, qual o seu procedimeulo.
Oque afflaoeo oque os progrussistas espalham que
o dedo do nobMissimo aarqaez anda nestas ma-
oobras, das qoaes lalvez nao saiba o Sr, Joflo Flix
aos Santos,
Urna, creada de servir residente em Pernam
buce e pertencente Ex.' Seir". Viscokdkssa
US '(Joianna, foi attaenda d'uma terrivel cha
ga morosa e roedoraou Polypo no "Nariz.
A mesma invotria o touiava todo a parto b
ferior do nariz, amentando j* listmir tanto &
parte cartilaginosa como o niesmu oso C'nrr,
Coa primeiro por apparecer sob o beico gupr
rior e parte da face, extendenio-e por tal
forma e com tal rapidez, que em pouco mea
cava traneforaiar todo o rosto n'uma enonaw
cliarga viva e asquerosa. Durante torio este
terrivel estado, todos oe recursos medicina.*
que em tace cazos se ozao finio abundante-
mente empregados, sem que do leve fizesse
parar a marcha lenta e distrnidara de tao hor
rivel enfermidade, e todos os meios e esforcos
foro baldados, e no em tanto o mal eresca ei*
qne por milagrosa fortuna da infeliz ettando
as couzas aesto ponto, se experimentou pela
vez primeira a
SALSAPARRILHA
DE BRISTOL.
O effeito produzido, quasi que instantneo
por este inestimavel remedio foi verdadeira-
mente maravilhoso sem igual; este grande
purificador do sangue e dos humores do sys
tema, immediatamente p6z um termo i mar-
sha disaatrosa e fatal da molestia, derramando
se e infiT.r&ndo-se atrav-s dos tecidos os mais
delicados do corpo, expellindo utt i nltima
propriedade ou vestigio virulento da molestia,
e dentro d'um curto espaco de tempe produzio
ama
CURA
Completa e Radical.
Este feliz quao admiravel resultado foi obtl
do penas com o simples uso
Wmm s Htica arrafa!
d'este incomparave! e inapreciavel depuratorio,
recommendamos portanto todos os Doentes
que procurem obter com o maior cuidado a
nica e verdadeira Salsaparrilha de Bristol,
nicamente preparada por
LANMAN & KEMP.
We NOTA \ORii.
na certeza de que, todas as mais preparacoet
imitativas nao valem para OBinH
A Jnrnlfeoa e o Sr. foaquim
d AI suelda Plato.
O estado de gravidade e pergo de vida om que
me aehava. ao chegar, em julho desie auno, da
provincia da Baha, bem como o em qae actual
mente me acho, perfeitamente resiabelelda a mi-
nha saode, por mais de um anoo comprimid:, por
soCfriraenlos serios, facem-me formar orna idea
precisa e edubitaval da qaanto pode a Providen-
cia Divina, manifestada pelo talento e trabalho de
curios homens predestinados a cumprirem om flm
supremo.
Soffria eo de febres intermitteotes de looga da-
la, lendo duas adiaotadas obslruec3e9, orna no li-
gado e nutra no ti&oo. O ventre de continno cres-
cido a cor extremamente pallida, e a respiracao
candada e d.flctl.
Ghegando a esta cidade, esgotados todos os re -
cursos qae snrgirsra sem aillvio a meos mlt9,
um aroigj coBduzio-me a' pharmacia do Sr. Joa-
quim de Almelda Piolo, o qual, examinando o meo
eslado, applicou-mea sua santa jurubeba, prepara-
cao que tao inspiradamente descobn : <* trooxo a
effeito, e que mais larde, de certo, far gloria ao
pai, quando o echo dos seos bons e evidentes re-
sultados passar alm, e provocar dos que solre-
rem o emprego do proficuo medicamento.
Mediaqn ouso de tres caias deplalas, e duas
garrafas de viobo en poaco maie de dous meze-,
vejo-me restitoido ti sade, radicalmente dotado,
Erisipella.
O medicamento que com mais influencia
e energa lem combatido essa terrivel en
fermidade, tem sido o xarope alcohlico de
: v-elame.
Urna escrava da mi do Sr. Francisco Fir-
mino Monteiro, pessoa bem conhecida nesta
cidade, achando-se e cama, e com as.per-
nas- bastante inchadas, e cheia de lumorts,
lomando o xarope de veame, acha-se hoje
boa, prestando servicos.
A mana do Sr. Jos Francisco Pinto, mo-
rador na roa Direita n. 51, tendo sido
accommettida do mesmo mal, acha-se tam-
bero boa.
A Sra. D. Seohorinha Umbelina dos
Santos, moradora na ra das Calcadas n.
38, achando-se atacada de erysipella as c-
xas, com quatro tumores bastante volumo-
sos, no eslado indolente, que a privava de
pr-se de p lia muito tempo, com o uso
do xarope alcohlico de veame epilulas pur-
gativas do mesmo, acha-se restabelecida, e
no uso dos medicamentos os tumores ter-
minaram pela suppuracao.
A Sra. D. Rita, moradora na ra de Santa
Rila n. 13, primeiro andar, soAVendo ao
mesmo mal ha muitos anuos, pois qne a ery-
sipella atacava amiudadamenle, depois que
tem tomado esse remedio nunca mais Ihe
deu.
Outros muitos fados desta ordeno dewo
de mencionar aqu para n3o me tornar pro-
lixo e enfadonho.
Sendo a erysipella tima moltia que sem
duvida effeito de materia gerada no corpo
como expoem algnns esenptores de medici-
na, e em consequencia da febre lancada
ni pelle, onde produz inflammac5o, e que
muitas pessoas, por nao se terem conve-
nientemente tralado, suecumbem com o
pernicioso usu de que, nos tres dias nao de-
vem usar do remedio alguno, o que faz-se
estender o mal por nao se ter a principio
combatido; por isso, pois, conveniente
que, logo que alguem se sentir atacado de
tal mal, deve provocar a transpirado toman-
do ao principio urna colherinha de cha do
xarope alcohlico de veame dissolvido em
urna chicara de infuso de flor de sabu-
gueiro queute, adocaddo-a com mais assu-
car, continuando nos tres dias nesse trata
tamento, no fim dos quaes usara' do xaro-
pe de veame na forma prescripta no recei-
tuano, tendo iodo o cuidado de se abafar,
aiitn de soar convti.ientemente, alem
AtnrAimurro.
Cera da carnauba.....arroba 64400
Cassueiras de Jacaranda, duzla 9W000
Enchameis......nm 10500
Esleirs de carnauba. urna 160
Ossos........arroba 240
Palha de carnauba molho K00
RAGA 00 recipe, 8 08 JANMf Penca de ema libra 24000
de 1867 Sapatos de raro bnfflco. par 800
hor"ue0%K^' Era ut sora-
V sorte 14*000 *r amo* J&KTfLZ A*aE^e P*nM,bB* ff
Cammo- sobre Londres 90 d/v M t/4 d. i ne'.ro.de 1?6g-"A;.B*^*- .. _____
Camfcm-sobre Paris 90 d/v HS-rs. (*rfranco. I Pa?*Zt2*^1^^Tl
nescoots de letras de k* 6 mr**iie t /, ao Gfo*ii* e k* Afirmo Rmtra.
aooo | Conforme.ttatto 8. FurlMo.
Maeedo, U llporta Seeretmrie. rlajoe infles flMtat *irp, eolrade Liverppol
____ manifestoa o seguate:
Cail" iiial ala Riir Ha Rrail em 3 cixas pbosp ^oros; a J. i. Alves.
uiM Hitdl HO DaiC* ao SU em JO nus soda ; a T. Jefleries.
remailllBf.0. 43 caixas phosphnros, 5,')fi ditas sabao, 15 gieos
Teodu-se deseocamiubado o recibo o. 167 de, looca, 230 saceos arroz, 50 toaeladas pedras de
ciucoeuu acedes do Banco do Brasil, localisadas calcamento, 77 caixas e 30 fardos tectdos de algo-
nesta calxa sob n. 4875 a 49z4 periencenles aoldo, linboe flo de dito, 31 volantes ferragens, ca-
Sr. acciooista Jos Segoodino de Gomensoro, do, tBerla, assentos para jardim, moinhos para caf,
Ooartel i de jadeirb de ft67.
*j-.*#gww>08 tttffo ironlefr..
de Misericordia do BocMe recehe vOpostas par
Rio de Janeiro, a directora faz publico a qaem la
leressar possa, que por intermedio do mesmo Ban-
co, se vai proceder a sobstituico das acc5ej cons-
tantes de dito recibo, pelas novas acedes que se es-
li dmriboindo om os accionistas.
Recife, I i de dezembro de 1866.
O guarda livros,
Ignacio Nunes Correia.
va Buraco e< Peruaotiaco.
O Novo Banco fazo 17* dividendo de ai
aeco.
por
MVO HAMO u m
0 novo banco paga o se-
gundo divideudo de 4,4 0{0
da m&ssa fallida de Joaquim
Jos Silveii-a.
ALPANDEGA.
Reodimeoio de 1 a 4 do corrate
dem do d'a 5.................
97:4034162
31:773,5297
129:176J459
MVIMENTO DA ALFANDEGA.
349
674
Volumes entrados coco fazeadas..
gneros....
Volumes sabidos coto faendas...
t gneros....
------1023
76
423
-- 499
Desearregam hoje 7 do corrente.
Sarca francezaMaunden mercadorias.
Brigue ioRlezChruttana Cartnettdem.
Bngue iukIcz Hdly Maryidem.
I*atcho itiglez Lapringidem.
Vapor inglezIronside idem.
Brigoe inglvZMenntc H H mercadorias.
Lugar pins.-ianoAlerte farinha de trigo.
Baica iugleaSaphofarinha de trigo.
Sumaca hespanholaTraviatavinhos.
Barca ttortoRuezaCrn/idoo diversos gneros.
Brlgae iofltt -Peoneercarvo.
Brigoe inglez Weltie idem.
Lutar ingleCaledoniaidem.
Baica mgleza Chaiiie-Woodidem.
Barca inglezaGlen Tcllidem.
Ban-a francezaNoi iem.
Bngue huiiaudezPrseceranccharque.
Brigur russoPiulodem.
Bngue argentino Volante idem
Paucho hauovenano oneordta idem.
Polaca prussianaCathartnadem.
Escuna bollandezaDe Vredt__idem.
PAUTA DOS V1IBQ0S DOS 0BNEB0S SUJEITOS A DIEITS
DE EXPORTACAO. SEMANA DE 7 A 12 DO MEZ DE
JANEIRO DE 1866.
Mercadorias. Unidades. Valores.
Abanos......... eeoto
Agurdente de caoa .... caada
dem restiiada ou do reino >
dem caxaca........
Idem genebra ...
dem aleool ou espirito de agua-
ardente.......
Algodao em caroco arroba
dem em rama ou em la >
Arroz com casca......
dem descascado ou pilado
Assucar mascavado ....
dem branco.......
dem refinado......
Azeite de amendoim ou mendo-
bim ........ caada
dem de coco .......
'.tu de mamona ....
Batatas alimenticias .... arroba
Bolacha ei diara, propria para
embarque .......
Idem lina........ >
Caf bom ....... i
dem escolha ou restolho.
dem torrado...... libra
Caibros........ om
Cal.......... arroba
dem branca ....
Carne secca (xarque) ...
Carneiros ....... um
de Carvao vegetal ..... arroba
etc.; a J. Pater & C.
40 barricas srlltre, 6 caixas phosphoros, 80 pe-
sos de ferro 14 foles, 6 feixes ac, 486 barras e
99 feixes ferro, 150 barriilohos chambo de mani-
' ci, 10 caixas dito em feHtt, 1 barrica estanto em
j barras, 87 volumes ferragens, moinhos para caf,
! coieleria, canos de chumbo, ferros de engommar,
correntes, pesos, folhas galvanisadas etc.; a S. P.
! Johnslon & C.
j 203 barricas corveta ; a Saunders Brothers di C.
1 calxa drogas, 6 barris oleo de liohaca ; a Bar-
; tbolomeo & C.
2 caixas eateieria, 2 ditas correntes e pregos *
' a Breoder a Brandis.
20 canas liona; a J. 0. C. Doyle.
3 ditts-camisas, 15 fardos tecidos de lioho, 50
g!gos tonca ; a ordem.
8 fardos liobo de dundeo; a Patn Nash A C
t barrica serrote.-; a lzidoro Netto & li
7 fardos tecidos de laa ; a Perreira i Matheos.
120 barricas cerveja ; a M. F. Corga.
30 barricas ceveja ; a J. M. Palmeira.
7 volumes cadeiras de fechar : a Eamburger
4C.'
28 barricas e 3 caixas ferragens, cutileria, en xa
daspte ; a Vaz & Leal.
3 caixas biscootos; a J. J. Alvesj
23 fardos tecidos de aigodao ; a Adamsoo & G.
1 fardo mantas, e tapetes; a A. Castro & C.
100 saceos arros; a Tasso Irmo.
4 caixas ferragens, 20 ditos chumbo em folba, e
50 barrilmhos oiio de monicao; a Shaw H. C.
19 caixas papel ; a N. 0. Bieber & C.
3 barricas casticat-s, vidros etc.; a Joaquim t C.
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS
GERAfiS.
Reodimento de 1 a 4 do corrate. 2:629253
dem do da 5................. 604*486
3:233*739
PKAQA DO RECIFE
S BE J vMil<< BE I99.
a'S TBES HORAS DA TARDE.
Revista semanal.
Cambios.Saccou-se sobre Londres a 24 X- **
>/2, 24 Vi d. por 1*000, sobre Pars a 385 rs. por
fr., e sobre Lisbia de 112 a 115 por ceolo de pre-
mio, sendo o valor dos saques effe.ctoidos nesta se-
mana S 40,000.
Aloodao. Vendeu-se o de Pernambuco de
primeira sorte, de 13*600 14*00 por arroba ;
o de Uacvf, po?lo a bordo, a 15*300 a ultima
venda, e o da Paiahyba, tambem posto a bordo, a
15*500.
Asrucaii.Vendeu-se o branco de 38400 a 4*500
por arroba, o somems de 3*000 a 3*100, o mav-
CaVadD purgado de 25250 a 2*500, e o dito broto
de 1*800 a 2*150 a dita.
Agurdente.Venden-se a 64*000 a pipa.
Couros Os seceos salgados vendern se de 150
a 155 rs. por libra.
Arroz.-O pilado da India vendeu-se a 3*000
a arroba, e o do Maranno a 3*200.
Azeite doce.Vendeu-se o de Lisboa a 2*700
o galio r o ilo Btreiio a 2*600 o dito.
Bacalho.Em atacado vendeu-se a I6o'O a
barrica, a relalho de 16* a 16*500 a dita ; fi-
arrendamento das cas* tw*o deparadas", a*
qoaetf aenando-se arrrndas, serio arrendadi-^
pelos precos medios a qoem se qoizer idco&vs
de conceru las :
EaMteleciiWwt* de carldade.
m Birelta 33.
2HBO Poou i. Ii#.
*4h AzeiW Pttrto n. f.
** Moe* i. 3.
vjadto Baitbn. .
KM M PhaM- 7t
ffoa dos CeeNMtf n. M.
Beccod^AbVwrn. 2.
Patrimonio dos'orphos-.'.
Roa do Burgos n. 19.
1W" (jCVMVdV H". 17*
Ra do A.-norira n. 26.
Os pretendentes para melhores escrareeii
podero dirigirse secretarla.
Secretarla da Saota Casa de Misericordia do Re-
cife, 20 de dezembro de 1866.
O escrivo interino
Pedro Rodrtgues de Souza.
De ordem do Blm. Sr. inspector da ihestnr-
ria de fazeoda de Peroaaboco, sio citados pelo
prosete os Srs. Simplicio de Sonta Lins e Ignacio
Nery da Fonceca Jnior, ftadores do fallecido n
collector do Rio Formoso Florlaoo Jos de Car va-
Ibo, para ao praso de innta das qae Ibes Sean,
marcado a contar de.-ta data, allegarem por escrirf-
to o qae (dr a bem de seo direito, prodoxtreni do-
comentos ele. a respeito do alcance de se aftax-
cado da qaaolia de 965*035 rs, a qae se tem de-
addiciooar os jaros vencidos.
Secretaria da theseararfa defatenda de Perosm-
buco 29 de dezembro de 1866. Servindo de offi-
cial maior.Maooel Jos Piolo.
De ordem do Illm. Sr. inspector dTihesoora-
ria de fazenda d'esta provincia, se faz poblfe
quem joteressar, qae no da ti do correle urea st
pagario na mesma ibesourara as pensees do meD-
l-pio ger;l dos servidores doBsiado.
Secretarla da thesouraria de fazenda 5 de jane
ro de 1867. *
Servindo de offlcial-maior
________________Carlos Joo de Sooz* Corren.'
i'erante a cmara onicipal desia cidade-
esiara' em praca dos diae'tf, 7 e 9 de Janeiro pn--
xlmo futoro, para ser arremMada por que por
menos Bter, a obra de um aterro} que partiodo d
roa Imperlsl va* ter na povtacao da CabaDg,
gggL* 1>200 P>lmos, oreada Da quaaiia de
2:592*000 ; aquellos qoe se propozerero arrema-
tar, comparecam nos iodicados dias no paco bib-
cipal, habilitados de Sanea qoe garanta a arrea-
lo, sem o que nao ser&o admillidos a Ikilar.
devendo as habiluacdes serem apreseotadas dons-
das antes na respectiva secretria, onde esta' t>
or?amento qne pode ser consaltado.
Paco da cmara municipal do Recife, If de de-
zembro de 1866.
Goslavo Jos do Reg,
Pro presidente.
Prameisco Canuto da Boa-viajen?,
________ Secretarlo.
O Illm. Sr. lospecior da thesouraria de I-
zeoda desla proviocia manda fazer publico ijdp
acha-se tambem aatorisado a veoder apohees d
2" 01 cada orna veoceodo o mesmo juro de 6 por
ceoto, conforme os annuneios anteriormente pu-
blicados.
Secretaria da Ibesonraria de fazenda de Per-
nambuco 4 de Janeiro de 1867.
Servindo de offlcial maior,
Carlos Joo de Soma Corroa.
2*500 rando em deposito 10,000 barricas.
urna
libra
>
Carvenas de sicupira
Cera de carnauba em bruto.
Idem idem em velas. .
Cha..........
Charutos .......cento
Cevados (porcos).....um
Cocos (seceos)..... cento
Colla........libra
Couros de boi, salgados. t
dem dem seecos espichados
i
um
libra
*
>
um
conservar o venire correte, que conseguir
totuando urna ou duas pilulas purgativas do
mesmo veame.
Todos olanlos suecumbem desta aoles-
tia se diz :fallecen de erysipella recolLi-
da ; ao contrario, alguns expositores pre-
sumem ser o desenvolviinenio da putrefac-
co do sanano, lanto que o lugar inflamma-
do que, enlo a sua cor era encarnada, se I dem idem verdes,
troca em lvida ou-ngra, e termina em gan- {^em !jem ^abra cortidos .
grea, e por essa razSo que conveniente D^seSos ^.....
o xarope alcohlico de veame na infusao de dem em gela on maas '. '.
flor de sabugo, para se conseguir resolver a' dem em calda......
nflammtfio, ou pelo menos terminar pela Espanadores grandes .
mped opuj. supooporaia^im a gangrena. | %*% forro de "esvai
s eneitos do xarope alcohlico de veame de navio........cento
applicado na flor de sabugo ao doente, nao Estopa nacional ....*;' arroba
S de vantagem por sua qualidade diafo- Farinha de de mandioca
S-^fpara impedi &VES**m: aroba
a putrefarcao lias molestias. Prechaes ... nm
Na erysipella nao deve o enfer-mo nos pri- Fumo em tolha, bom .' .' .' arroba
meiros tres dias usr de comidas e beb- 'dem ordinario ou restolho.
dasquepossamesquentar e inflammar o ddeem Z&Titioo'.
sangue. Gallinhas........
A comida durante esse tempe deve ser do Gomma......... arroba
reino vegetal, como sag, Untaba do Mar- Ipecacuanha (raiz).....
nhao, fo torrado bolacha, etc. sj*f em acnas...... cent0
Anda tflo-v-i epositor de medicina que [.i esWos.' '.'.'.'.'. aA
aconseIba>se que nos primeiro-tres diss de Meloumelaco...... caada
accomo;eltiuie.itos do mal, nao >e usasse de i^'lho....... arroba
medtcamenkis; o que elle repeliera sao os j^JP0?........
ungnentos unturas que obstruem ttais a Iae0m ^jang"^. .* .' .' i '. un?
tepellem do que proraovem a evacua^carj da Pedras de amolar..... urna
parte; o que cOnvm trazer o lugar ata- dem de filtrar.......
ado e bem agasalhado para ajudar a trans- \.em de rebo, ..
piracaojdefender do ar Sloa'chi^s de vac'ca, ou ^
O verdndeiro xarope de vetatte tende-se novilhos....... cento
na bolica da ra Direila n. 88, d* Jos da Praaches de amarello de dous
Rocha Prannos. costados,....... nm
Tenho recebito oartas de algranas pes- {Jjj**10
soas de ou ras provincias que rae commu- sabio
900
800
360
880
900
3*250
13*000
1*500
2*600
2*000
3*500
4*000
2*500
1*800
1*400
1*500
3*000
7*000
7*000
6*300
440
360
400
380
3*800
4*000
r&tm
3*300
320
500
2*000
3*000
13*000
4*000
660
145
260
100
380
10*000
1*000
360
520
2*000
16*000
2*000
alqueire 3*000
5*000
4*000
3*000
15*00,1
85000
105000
BfBtffl
1*000
3*000
25*000
2*508
iSiiOO
6*000
160
2*500.
3*000
6*000
3*000
900
800
1*000
160
3*800
20*000
10*000
i*oog;
i6a,
Batatas.Venderam se a 400 rs. a arroba.
Bolachinhas.Idem a 3*000 a barriquinia.
Cakb.Vendeu-se de 4*800 a 5*200 a arroba.
Cha.Idem de 1*800 a 2*300 a libra.
CEnvEJA.Idem de 5*300 a 7*000 a duzia de
garrafas.
Parinha de tbioo.A de Philadelphia e france-
za vendi-u-se de 24900o a 23*000, por barrica, a
de New-Ymk de 20*000 a 25*000; a de Baltimo-
re de 23JOO a 2i*000 ; a hespanhola a 24#, a de
Trieste de 23*000 265000 e a do Chile da 10*
* 10*500. o saoee fleando em deposito 17,000 bar-
ricas e 16,500 saceos ; seodo : 1,50*1 da primeira,
600 da segunda, 4 6nO da terceira, 2,600 daquar-
la, 6,500 da quinta, e 16,500 saceos da ultima.
Fkijao.Vendeu-se a 12*000 o sacco.
LougA.A ipglec* ordinaria vendeu-se com 340
por cento de premio sobre a factura.
Manteiga.Vendeu se a ingleza a 700 rs. a li-
bra, e a franoza a 530 rs. a dita.
Massas.Venderam-se a 8*500 a caixa.
Oleo de linhaja.Vendeu-se a 2*200 o gala.'.
Passas. dem a 4*000 a cama.
Presuntos. Venderam-se a 16*000 por arroba.
Queijos. Os llamengos .venderam-se a 2*500
cada um.
Sabao.O inglez vendeu-se a 150 rs. a libra, e
o.do Mediterrneo a 240 rs. a dita.
Toucinho. Vendeu-se o de Lisboa a 9*000
por arroba. ..
Vinagre.O de Portugal vendeu-se de 85*000 a
110* a pipa.
Vinhos.-Venderam-se os de Lisboa de 180* a
19o* a pipa, e os oe outros paizes de 165* a 185*
a dita.
Velas.As de_composicao venderam-se a 600
rs. por pacote de 6 velas.
uescohtos.O rebate de letras regulou de 7 a
10 por cento ao aono.
Fretbs.Para Liverpoolpelo algodao '/i d. a
Va d. 5 / a vela ;'/ por libra 5 % a vapor ; pelo
lastro 176 5 / 5 Pa>"a o Canal trgiez, 32/6 por
(ooelada 3 V
MGYIMENTQ DO POHTO
Santa Casa da Misericordia
do Recife,
A lilma. junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Becife maoda fazer publico que
oodia 10 do correte pelas 4 boas da tarde na sal*
desuassessSes. tero de ir a pra$a a renda das ca-
sas abaixo menciooadas para serem arretuaud>5?
por aluguel pelo tempo de "-n a tres annos.
Os preteodentes deveo uresentar earla de San-
ca on serem acompanbados de seus fiadores ub
com cartas dos mesmoes.
EstabelecimenUs e caridde.
Ra Direita.
Sobrado de 2 adares n. 8. 1:067*004;-
Rua dos Pescadores.
Casaterrean.il.......2l6*f.-:<>
Roa da Gloria.
Casa terrea n. 55.......144*000
Bna do Calabouce.
Casa terrea n. 20......192*000
Patrimonio de orphos.
Ra do Pilar.
Ra da Cadeia.
Sobrado d dous andares n. 57. 1:200*000
Madre de Deas.
Casa terrea n. 12. ......762*000
Casa terrea 94...... |68gi>o
Sitio do Forno da Cal n. 5. 150&JO
Secretaria da Santa Casa da Misericordia d*
Recife 28 de dezembro de 1856.
O escrivo interino,
Pedro Rodrigues de Scoza.
s-a*.-
AVISOS MARTIMOS
Para o Kio Grande do Sul.
O veleiro e bem cooheeido briguenaciooal Amr-
ha, pretende seguir com rouila brevidade, ten;
parte do seu carregamento engajado para o resto
que Ihe falta irata-se com os sus consign'--tarios
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, no seo
escriptono ra da Crnz o. 1.
PARA LISBOA.
Segu oestes poneos dis o brigne poriucaez
Nodo Progrvsso, por ter prompto parte do seu car-
regamento, para o restante aa caria e passagek>
ros IraU-se com Oliveira Ptvos Jorpo Santo n. 19 ou com o cap i lio pa prara.
Para o f'grto
Seguir' at o da 10 do corrente, a barca pnr-
lugueza Seguranza pi r ja' ter o seu carregameruc
promplo : para pa*sageiros, aos quaes offeree
bnns enmmodos ; tratare a roa da Madre de-
De.us o. 3, ou com o capitao.
>

urna
Navios entrados no dia 5.
Li>boa29 das, brigue portuuei Flortnda, de 223
toneladas, capuo Joaquim Augtislo de "dtfU.
equipagenr 14, carga dillerenie gneros; a
Amorliu Irmo
Australiab2 das, g;.ler> iogleza Pthna, de 720
toneladas, enfdo W. Orxard, equipagetn 26,
carga cobre la ; ao raesmo'capito. Velo re-
frescar e ;^guio para Londres.
Navios sahtdos no mesmo dta.
HavreGatera taan Amelia, capuo A. V. Le-
mlere, carga algodo.
ParahybaLogar dinainrquez Terpsickore, capi-
lo J. BanddlefT, em lastro.
MaroimBngue hanovenano Schlumpen von Lulle,
apiio Heraiaun, em lastro.
Observago.
S spendeu do iwnaro para a Baha o brigue In-
glez Otello, capitn Mac Lean, com a mesma carga
>}ue trouxo de Terra .Nova.
la-m para Londres a galera iogleza Lalla
Rookh, capuo Wilson. com a mesma carga que
trouxe de Islay (no Par).
Navios entrados no 44a 6.
New-York7 das, vpcr americano floprr, de
490 lonelaoas, equipairem 19, eapitao E. Bem-
ble, em lastro ; a ordem:Vem receber carvao
e segu (.ara Nagasaki (Japko).
Aracatv10 dias laucn* oaciooal Graciosa, oarga
laa, reestro Maooel detono de Souza; a Bariho-
Imneu Lnureoco.
ilh4 m s. mm
Segu com a maior brevidade o moilo veleirc-
patacho Jorgence para carga qne Ihe falta e pas-
sagelros para os qnaes tem bons commodos ira-
ta-se com o sea consignatario Joo do Reg Lima
a ra do Apollo n. 4.
seo restar-me do passado mais senio a recorda- nicam ter desla cidade sdo'rernettido Q met Sal.......... alqueire 400
riLr/ f27meDt0\e-hf,ie.aJda'qaelxaroPfa,dilic^O, aefBftdi* festltado Sahsaparrlha...... arroba 2**0G.
SS! fM5WL* ^o* *"* ao descrdito de minba preparacSo, cojo co- SS..... .'
ilheciojento se lera verificado depois dos ef- sola om vaqueta 1 *. *. ". *. urna
Jeitos que tees remedios apreseatava; *s- Taboas de amarello" .' '.. '. duzia
MCLARACQES.
rada pelo Sr. Joaquim de Almeida Pmio.
Slrv, pois, todo qaanto delxo dito de mais tfm
toaro, que se una a' corda esplendida qoo ja en-
flora a repulaco do Sr. Almeida Finio, e ao mes-
mo lempo de vivo e Immarcescivel protesto de ad-
mlraco e rvoonhecimento qae aos seus tafelos
presta o seu ltenlo venerador e criado agradecido
Jos Merculano Thomaz de Aqntno.
Recife, 29 de deiembro de I8S6.
--------' i ni un ji
Para n Purto
Por ja' se achar com a roaior paite do seo
carregameoto engajado, pretende sahir com toda a>
brevidade, a veleirae arai conhecida barba porio-
guwe Clundma : para o-resto da carga e passa-
geiros, para es qoaes ha ricos commodos, trata ,
a roa da Madre de Deas n 3, oa com o cae
na praca.
pitee-
DE
PAQUETES A VAPOR
at o da 7 do correte nm dos
vapores da companhia, o qual de-
pois da demora do costme se-
guir' pata os portos do norte.
Desde ja rocebera-se passagetros, o eogaja-s*
carga qae o vapor poder eondazir.a qnal dever ser
embarcada no dia q> sua cnegada; eneommendase-
diobeiro a frete at o dia da sab*da as 2 horas da.
tarde. Previne se nos Srs. passageiros que a
passagens s se rocebem aa agencia roa da Gmx
o. L, escripierio de AntoniaLaix de Oliveira A?.e-
evdo & C
Para Lisboa
0 oleo de 6gado de bacalho ferruginoso
de Chevrier, pharmaceutico em Paris, subs-
sim, pois, tetvfio a declarar ao publico qne *. diversas
no leireiro que vai .regado fia grrafa do xaTaTuba
arope, sempre foi assigoado por meu pu- Tr8Ves
arroba
quintal
. urna
Bho, e daqui em diaote, alem desta assig- liabas de boi......cerno
natura o ferei tambem no papel que cobre Vassoaras de de piassswa
a garrafa. Rogo ao mesmo publico que nK diiSSft;..... *
quando foreta assim engaados, tornera tes- vinagre. .' .' .' .' .' can'ada
Deposito especial de instruocao de cacado-
K1 res a cava"-
ik^inoo 'Tto Sft leo'Jo M"*lda **e-ot) a arrimatigol
7annn dS e.""s **"' sWida -declarados, para a ali-
m me.nuSao a cavainada rf referido deposito, o ca-
S p,t, cwn,"aoJa' abaixo asignado, em cmse-
inJkft 'luencia lte ordem superior, convida novamente
wm-1 os- l""eIe"J,,nles Cfimparecerem. com soas pro-
in.oAo' p0iitts Bu reWpMfl quartel do campo das Prlncezas
^I no^,a o <:orrei.te a^ 10 horas da ntrona.
flXXX apim de Dlanu t,D abobas.
6*40>| Mllhoemalqueires.
BOOi Prelo em libras.
temunhas, rae remettam os rtulos falsifica- Alfaudega de Pernamuco,' 5 de jaueiro de 1866. S3 S furoc garraUs.
Pretende seguir com mana brevidade o brigue?
portaguez flio Vouga, lamparte de seaearreua-
mento prompto, para o resto que Ihe falta pa,*a~
geiros, para os quaes tem exoeHenUs commodos
tratase com os seus consignatarios Antonio i.ai
de Oliveira Azevedo & C, no sea escriptorio rus
da Cruz o. 1, ou com o capillo na praca.
Para* Rio de Toar Ir o
Pretenda seguir core muita brevidade a velira-
e bem coniieulda oarca Rio de Janeiro, tem parte;
de sua carregamento promplo, para o reslo (ju
Ihe arta o escravos a freie para os quaes tem i-x-
celleotes cammodos Irata-se com os seos consig-
natarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & G_
o seo escriptorio roa da Crax o. i.
C.
^
!
i
\


-wt-
-----v
#
"

pff Tptr.
COMPAfBIA PSRNAMBUCAJA
Parahyba, ITatal, l*3o? Aracaty, Cear e
Acarac.
2rl.Ma,M!?V0,{,,l,i,*" tarde
L Mari4t fcfftou|inc ** rgana felr t fl aanelro de
1867.
objectos de!
uiM toom'
Para
Sfoe wlijfevi**!!^ o -tta do Para o
brigue brasOMro J?>r*ri>, & Santa Cruz, recebe
catfa a retj coromodbs : a tratar com Theodoro
COnstiansen, roa do Trapich Noto a. 16.
Para Lisboa,
LEILO
ve motis, loceo, vidros e icoitos
casa de familia, carro?, cavallos
com cria.
Quarta-eira 9 de Janeiro
Ha cerre1 O afate Plato.
O agente Pinto f.ra'iiia.i cm autorisacao do
Sr. Joo Galis de aro piano forte, movis e inais
objectos existentes na Casa qne servio de resi-
dencia, no corredor do Bispo n. 6 devendo come-
csr dito leilo as 10 horas em ponto.
LeiBo"
Be uu escravo de 18 amo,
^o'inheir.
O agente Pestaa far Imoreterivelmente leilo
de um escravo coiinbeiro, bom copeiro e boleeiro;
o* o capitao na praea. r j I I f\
de um mulato de 18 anuos
. Qoarta felra 9 do corrente.
O agente Pestaa legalmente autonsado vende
em leilo um escravo mulato, idade 18 aonos, sem
vicios nem achaques, bom cozinhelro, excellente
copeiro e boleeiro. Sabbado 5 do corrente, pelas
11 horas da roanhaa, no largo LE1LAO
De nma victoria com arreos para 2 cavallos, 1
cabriolet, duas rodas e arreios para um, 1 bur-
ro manso e gordo.
Qnarta-feira 9 de Janeiro.
Por intervengo do agente Pinto, no corredor do
BispoJ casa n. 6.
.sb.
MM
AS O* Of>?fHH>
Corre amanlifi;.
Acham-se venda na respectiva tbesou-
raria, roado Crespn. 15. os. iiilhetes
meios e qoartos 4a 5a parte beneficio da igreja o Espirito. Sanio do
Collegiod), sendo a extracco no lugar
e hora do costme.
Sil verlo S( mi oarticipan ao eoromerclo jo
doiveram em 31 o.- dezenibr> pfiJlmo paspado,
a socj-oade qoe tioDam na loja de ferryeas da roa
ireiii e. Bi, (icando a crgo de ambos os ocios
su* li niidici'i, e desia -l.Ma em dianle sobre a rcS-
pfn-hiii,id- ,t i c% yrii. Joaqun) Sil verlo de Sou-
za > dito -staJwli-eimenio.*.
It'cife, 3 de jaoeir le 1806.
Joo Silverlo de Sboza.
Joaqun) Silverjo de SouZl.
^m
Tfc.
Para Lisboa
Vai sabir breve o brigne portuguez Bella F-
jtetrense, capillo Carvalho, recebe carga e pasa-
ei ros, trata-se com E. R. Rabello, roa do Trapiche
n n oo com o cpitlo.
. i -i
Para Lisboa
Vai sahlr com brevkta'de otrigue JJrtuguer So-
armo, eapitao Bogiganga, recebe carga a frete,
iraa-se com K. R. Rabello, roa do Trapiche t. 44
oo com o capitao.
Ria Grande I Sal
Para o referido porto sahira' con maita brevi-
ade a barca pjnugueza Armmda, recebe aigu-
n* e,l!fa 're,e* p,ra Clue !po David Pe reir Bailar, a ra do Brnm n.'6 ou na
pra$a cerno api te do citado oa-vlo.
rara
Pretende segair com brevidade para o Indicado
porto o veleiro brizne escuna nacional Graciola
apltltj Silva Ralis; para a pouca carga que Ibe
alia (rata-sa com o resposllvo consignatario Anto-
nio de Almeida Gomes; a ra da Croa a. 23, !
andar.
O hiate Seohora dos Navegantes sabe
para Macei e Aracaty no dia 9 do corre-
te impreterivelaieote para carga trata-se no
33criBtori8 de Bartbolomea Loureoco ra
da Madre de Dos b. 2.
Kio de Janeiro.
Com a brevidadrf q o Rio de ianeiro o brigae nacional Reuorio, re-
aa carga, escravos a frete : almiar com os con-
t-ioatanus Marques, Barros Sania o. -* andar.
A'chara.5w Rerfe a bM>tx Primavera,
wnire Laoreolino Js de Pigneiredo, no dia 10 '
de dezembro prximo wssado, e nella embarcaram
---- ..--------y*.^^M 3 caixaj rontendo cada nma- um chapito para Sra I
OS premios d9 <>:000?5000 at 105(KO8e- e nm h00* P" racn^no- famiem fu ehajo pre-
r5o pagos urna boradepois da extraeeSoart'!(>d.f*':' l'ar'', homem m%9 j'undo, vieram es-
"sfntSo'r^0! "olros B^t!,S5a5S
uisiriDUigao aas ll-tas ie8 ob>ee|w -procor em ra lo $r. MantH-l Jo
As encomraendas sern guardadas somen-; da w*a WfMrfc, tii ffca oVMWit, ttsado
te at a noite da vespera da extraccio. ios M'na 0,^. ] Pilircl(t#H9r
tfie^oureiro, -'------.......- -----
filANK HOTEL Cfe^
A im M ROSIRIO m STIElft DO mv
N. 37 E4A
ENTRADA GERAL ENTRADA PARTCLAH
PROPIETARIO.
FRANCISCO GARRIDO.
0S4K10
Ha quarlse salas
Preparados com asseio,
Para aqnelles qne vir'em
A Vneta de passeio.
Tem coremodos excedentes
Para solleiros casadas,
A' lodos se prodfgallsara
Os mais sinceros cuidados.

v ""'voioiiu, ; .-, ----,,
Antonio Jos Rodrigues de Soan.A(J^ SenkoreS pfieirOS
Publiccao jurdica.
Preleccdes de Direilo Interntcional e da
Diplomacia com applicacdo e refertncia de
seus principios as leis particulares, con-
vencdes, e aos tratados drt Brasil at 1806
pelo Dr. Antonio de Vasconcelos Mene-
zes de Drnmmond, lente suoslituto da Fa-
culdade de Direito do Recite etc 2 vol in
E'KeralmfBte rnnhtcid a otilrdade no rapre-
go la* marhina^, qne um por Un aperfefroar o
irah.ilhocom a erynumla de braca.*. iNVste caso
pota, e*>i as *a^i,rt. para mrlar Holacbs, coja
Wilidalaep eonbwid* de afgnos pa^ein.s qae
deltas/ax*m Mbuormeiu le manivHlla,. obtendo-
o r^sdarto mais saisfa'c-iorii) e nerfeito..
Xa padari.-i da roa Uircila n. 8i, ha empre de-
posito rte*\ii mn.-h,,);,, ,.,n erriad-i^i? fura iodos
o- la '\.inhr>s rfi. Nii.-n-n.is nqni
Enconlra-se para lunch-
Fiambre a qualquer hora,
Tambera recebe assignanles
De comida para fra.
jjfnBBnriT
DE
ojadas, o tumbem
8o brocb. or lOOO naeos ~k pntrP/a ai9*** !,r*r,,,:'.'. fi '"" ">'* '"> direciura e da
^;m;L i P K enire8a aol'n>pria cima" ios E-i.niosni.los, sh v. b'dera por
pnmeiro volme, que constituir a pnmei- prcco w.*. barato, rom o m de se iotrodoir o
I r >('. n t,.j--i A in.il'> ii ,.i... i .
VISOS DIVERSOS
LISBOA
Vai sahlr com brevidade a
veHra barca
n.oiio conhecida e
lt.%HI.i
nr ter parte Jo c.a'r'regaroento engajado, para
nm trata-se com os consignatarios Carvalho
Si gaeira, na raa do Apollo n. 20
PORTO
Pretende sabir em poueos dias
e aova barca
a muito veleira
FELIZ I \l%6
V ir ler parte do carga prorapta para a que Ihe fal-
la irata-se com os cohsignairios Carvalho & No-
rtiei a na ra do Apollo n. 20.
Para Uta le Janeiro
Vai sabir com brivldado o brigue Mara A Af-
fre, recebe carga e escravos a frete, trata-se com
t. K. Rabello rui lo Trapiche n. 4i.
Iha de S. Miguel.
Segae com muila brevidade a barca portogueza
Pursry, capitao Augusto Borges Cabral : para o
rea da carga e passageiros lala se com o seu
- -i^oatano Jo do Kegu Lima a' ra do Apollo
s. 4.
G\MGLLE1R4
astruccao publica primaria.
Do dia 7 de janiro am iante acha-se abena a
aula publica de instFneQao primaria do povoado
de Gamelleira.
ADla de l i^eor. Pria< o/a
de eogr^phla e iils-
de f^MfisaplMi.
de Iti'-tof-ieae Potica
Jos Soares d'Aaeredo, ptofrssor d lio-
goa e litterdiura nacional no Gyrnnasio Pro-
vincial do Recife, tea aberto em sua casi,
ra Bella n 37, n cur^o especial de cada
urna das disciplinas cima meKicmadas. As
pessoas que se desejareft preparar em si-
milhantes materias para os exaftes de Mar-
co, ou as que qvjKrerefti seguir o curso do
anno lectivo, pera dirigir-s residencia
indicada.de man!.al *s 9 horas, e de
tarde a qualquer hora.
das
ra dessas obras.
A ultima deltas acompanhar um epiloao
das disposicoes da legislado patria, relati-
vas ao- direitos e deveres do estrangeiro no
Brasil, bem como aos do Brasileiro fora do
Imperio;
Assigna-se as tojas de livros das ras do
Crespo n. 2 e 9 ; do Imperador n. 13 ; da
Cruzn. 52 na de encadernacSo do caes de
1 de Novembro junto a
reconheeido melhjriinenio.
Pedido ao b )rarerci
i
O abaito asignado lendo deiado um livro de
recibnsem nma das casas commereiaas onde rom-
pa, ua.i tendo sido possivel arlia-lo, perte enea
f^cldameali a peWoa que n arhbft, e tem em eeu
prtdw, se (Knd manda-l a na larga do Rosario
n. 39, ou annunciar a sua rrsldeocfa por este
ia'io. qu o abaim assigeadn, prompto a satis-
fa?.-T ia ilrj>nr hVV^M relativo
S. BERNARDO
r qmlq'ier di-sp-ra relativo ao me>mo livro,
typograpbia rJo*IM!i+ solim manara a quem liver a hoo-
Jornal do Recife'; nos escrifrtorios das tv-'{M* (,ft e$r"hrfr- Uvm Iem s"br9 a c*p*
' nm r..t I i niln inrlitft n .tunan..a p a florada 1(1
Aloga-se
A3uas Verdes
a parta da casa n. 9 da roa
a tratar rrt m*sma.
pographias do Diario de Vcrnambuco a rua
das Cruzesn. 44. e do Cor roa do Imperador n. 79 e na loja da rua!
da Impefatriz pjqnina da rua da Aurora n. I
fr. 2, loja de |nuja.
DeDoisda pulilicacao da primeira obra
naoserao tois admittidas assignatu'-as, e
mbas ellas sWao vendidas por nvnor preco.
nethAdo CsstHho.
Ma'nji'l Jos de Par a Sfi, p ofe-s r parti-
cular d in^traccSo e1elSi(ar ,,e|r, mPihodo Cas-
lilfio, avisa aos pp d fts siomfios < ao respe-
tvp| pobfo ij'i ni ffs 7 I-Janeiro d.i correte
anno, estara son anta abrr na r'na da Prala n.
89, segundo anHar. tfs'--Hft cWno "recelie pencfoni--
las e meios ppnrinolstas, por preco razoival. Na
dita nula unthom se eSsinam as maierias s-guin-
tes: Tranee?, ltiro, geographia e miuica.
um minio qae indica o perien-e
roenmn iufra.
Villa do Cabo, 3 de }aniro de 1867.
__________SeviTioo Jisc dos Santos Aguiar.
Ama de, hite.
Ni rua da tmfMralrli n. 17 segunda andar
precisare le oira ana le leite.
Agencia de passaportes ^porUriaS.
Ciaudioo do II--. i i.un.; despachaoi de passa-
portea e p rtariaf. ra-os nirra l-ntrD e fora do
i.T)|."n.i, por r.-wninodi pr.co >; presteza : na rua
da Praia n. 47._______
Prccisa-se aiugar um preto iii inoieque liel
< eapai e saliendo cosinlt r melhor ; a rua do Ca-
liUg^' n. 7, prime'iro ani-ir, entrada pela rua ds
Larangeiras.
Na Ha da CadW do R-nf.' n. !>H, trooam-se
-fdola 'las caitas e bmeo do Br.asil com pequeo
nes"onto.
Cercas e gradeamentos de frrro para jardtns, cerrados para animaes. chiquei
ros, de todas as grossuras e mudaveis.
Porteir.is de differentes lmannos para sitios, jardn^, ct?rcados. e-c.
Precisa-se de urna ama moca, sadia e de bons
cnstumes para uma casa al ernaa, composta de 3
pessoas, que saiba cosinhar bem e tratar de uma .
creanca; rua do Hospicio, defronte do passadigo !
entre as duas vendas.
&BU5BS.
De finas
escravas.
Ss^uada-feira 7 de Janeiro a I hora da tarde.
O agente Pinto fara' leo a requerimento do
litar d menor Francisco, fllho da finada D, Jose-
fih Trtuuaoa da Annunciacto Almeida e por
despacho .o Ulna. Sr. Dr. juiz di orphaos, de duas
"-r.'av.is de nome; Vicencia e Prudencia, pe.rten-
rttites ao dito orpho. a uma hora da tarde, no
armazem da rua da Cruz n. 62, onde llavera' lei
lo de aovis.
LEILaO
d" <>rei'< de o'ir-. pata ei!'*ogas
cono s!.i \?i
1 sof, 3 consol >s e 12 cadeiras de jacarad, 1
aparador de mugoo, 1 guarda roupa, i armacao de
l/iaha, 2 armarios, 1 mesa com prensa, t burra
irova de fogo, 2 cadeiras, 1 mesa envernisada e 2
'.anuirs, nma pnlseira, i alfinete com 5 rubins e
i {jarcias, 1 par de brincos, 2 anneis, sendo i com
ferittiaata e oatro com rubira, e 12 colberes de
prala. Dm grande sorti ment de drogas e objectos
{tira botica.
HOJE.
Seuoda-feira. 7 de Janeiro (18671 as 10 boras em
pjnto o leilo de drogas, das 10 1/2 em dame o
- leilio dos movis.
O agenta Pinto fara' leilo a requerimenlo do
depositario e curador fiscal da massa fallida de
Denker & Barroso, e por mandado do lilm. Sr. Dr.
jatt especial do commercio dos movis a mais ob-
jectos cima mencionados, perteneetes a mesma
massa. e existentes do armazem da rua da Crnz n.
62. onde se eUectuara o leilo no dia cima men-
cionado, devendo comecar as 10 horas em ponto.
Na iraves do Carino n. I, veudem-se i es-
cravos, sendo uma digua engominadeira, i bonito
moleque de idade de 18 annos.
Precisa-se 'le uma ama, na travessa da rna
das Cruzes n. 14, l. andar.________
i'ublicaoa Iliteraria
Jesas Ohristo e a critiea inoierna
PELO
Beverendre patio Flix.
(da Companhia de J.-sus)
Vertido do fr^ncez pelo Dr. Pedro Aulram aa
Malla Aibuqui'ique.
Esta' a' venda na Livraria Universal, rua do l
Imperador n. 54.
Precisa-se de uma ama para o servigoinier-
no de uma casa, paga-se bom : a tratar na rua da
Cadeia do Recife o. 8, armazem.
a rua da Cadeia do
ma escrava de meia idade
var e fazer compras.
Recite u. 8, vende-se
que sabe cozinhar, la-
AMA
Na rua Njva n. 37, precisa-se de urna ama pa-
ra engommar e cosinhar para casa de ranito piu-
ca familia, sendo captiva prefe.re-se.
ua rua da S^nzala
Lavase e engomma-se
Nova n. 13, priroeiro andar.
O abaixo assigoado avisa ao respeiiavel pu-
blico que deixou de vender agurdente cm sua ta-
berna nos Qualru Cantos des'da o di Io do corren-
e. OliaJa 5 de Janeiro de 1867.
Guilherme Jos dos Santos.
LEILO
De uma tftbilia de Jacaranda, 1 secretaria
de amarello, 1 nanea de Jacaranda, 1
tocador, 1 marqueza, 1 mesa e relogios
de cima de mesa.
Por intervenco d agente Pinto.
3 i armazem n. 62 da rua da Crai.
vi^
Precisa-se te nma mnlher livre ou escrava que
seja de bons coslnmes para cosrnhar e comprar :
na casa nova da roa da Saudade largo do Hospi-
cio, com um portao no muro do quintal.
- Da-9e comida, casa e uma "pequea gratifica -
cao a um homem de idade que queira servir de
porteiro : alratar na loja de louca da rua da Ca-
deia n. 25.
Na rua do Juramento n. 4, precisase de t
ama nacional ou estrangei'ra, que saiba cosinbr
perfeitamente, para casa de homem solteiro, nao
se olha a pagar-se ma9, comtaoto que tenba as
qualidades exigidas..
ItbBelteido na cidade Jo Recife en 1862
b a prvteceSo do uwmo lontiBce frlb lk,
)ireclor-0 baeharel em matbematicas
BERMRDO PREIRA DO CaRMO JNIOR.
finir all rao ajosameiii os Msinds preparatorios, na deixara' o seu ealbeleci
muUos o^m ^ r r'ad3, TST Si ^ de J,nl"as autii' ?X*WT$
Zm Lhi-f^-i **' ^ "*** a" PMS mleressadas. qu: se
o.gnem da visitar o mesmo seo estab5lecimen.o, onde seropr* encornar,, fanco in
seu orofedcs5S|f,1mQrlDOn;~Prm,eras !e,lras d,7,d,da era duas "****. "^ da nma o
O collegia tem a sua sede nos espacjsos aditicios ns. 32 e 35 rua da Aurora.
*' a dlsposlc.io de quem os quizer ler, se achato
matricula ni5 dver*is aulas do estabeleci-
Hi$ estatutos do collegio, jueesto
igoadas as condi;oes de entrada
ment.
RUA 00 BR
38
fl-. "a_)mesrna fundicao acham-se vapores dntod.io tamaoho paraale.dao e ssucar roda^.
Damd Wtlttam Botonan,
Engenbetro.
B3B
CABELLEIRE1R0
Tem exposto a venda em ?eu estabelecimento, rua da Imperatriz n 1S pri-
taeiro andar, um grande e variado sortimento de coques de cabellos os mais modernos
"vindo pelo ultimo vapor.
lT" !

vu H i



Precisase de uma negra de idade ou de nma
negrinha, para ajudar no servico de casa, na loja
da roa da Cadeia n. 36.
Leilao
De 300 fcarricas cm bolachi has
americanas*
Terca-letra 8 d Janeiro as 10 horas em
ponto.
So armazem do Annes em frente a alfandega
Theodoro Cbristfaaseo fara' leilo por iaierveo-
$io do >yonte Pinto e por conta o risco de qoem
pertcneer de 3D0 ba ricas com bolachinhas, via-
das de New-Yo k oo brigue brasileiro Mrquez de
Sarta Cruz, e existentes no armazem do Annes
oade te effeetuara' o leilo as 10 hora am ponto
*M eoBeeqaeneia de ter o mesmo geste nm oatro
leilio as 11 horas.
LEILAO
_..
Se *5 caixa c a e fcisciitos.
Terea4eira 8 4a srrtoh.
O agente Pestaa rara' leilio de 15 caitas com
atas de bis joKos wrtidoa em om.m sais lotes, 3"
.-ira a do corrate, seras 11 hora 4 oath, oo
armay.em do Aowa. ________ t :,"r
Llalli AO
Oa casa de eaotpo com graad* sitio, no corredor
Tarca feir* de i^eiro.
O amale Pite legimente aatortsado fara* lei-
lao da caaa d>Sr. Jolm Gats.es U horas do dia 8 do cor-
rete na jaerJda^asa.
JGrrande uiznazem de tin-
tas medicamentos etc.
Rua do Imperador n, 22.
loo Pedro das Nevea (ge-
rente) tem a venda o
aeftnlnte:
Productos chiniicos e pharma-
centicos os mais empregados em
medicina.
Timas para todo o gener de pin-
"tura e para tinturara.
Productos industriaos e tintas
para flores, como botfies de llores
e modelos em gesso para imitar
frocta8 e pa-esaros cora o compe-
tente desenbo.
Productos cnimicos e industriaes
para photographia, tinlnraria, pin-
f, pyrotocoia etc.
MotMadoem grande escala e sup-
pfWo electamente de Pafis, Lon-
res, Hammirgo, Anvers Lisboa
Me e-ffereeer productos de plena
coaflanca e satisfazer qualquer en-
ctomenda a grosso trato e a reta*
Iho por preco coamodo.

v
V\tV
^5
Madama Bert, modista, tendo chegado ltimamente de Pari-, tem a houra
de participar ao respeitavet publico desta cidadn que de hoje em dlaote eila est
prompia para fezer vestidos, basquinas e ludo quanlo perlence a esta arte por nre-
fos razoaveis.
Ella tambero se encarrega de fazer, lavar e enMtar todas
chapeos pelo ultimo gosto.
as qualidades de
Achara' um lindo sortimento de enfeiles para vestidos, flores
muito bom insto.
plumas
de
CT5
5-
modas.
Recebe-se o melbor jornal que apparece para estar sempre em dia
com as
2
Novo e grande deposito de superior carvo de Oardiffna
Bahia.
Antonio Gomes dos Santos & C, roa d6 Santa Barbara n. 1, esto habilitados a supprir de
oarvo, em condicSes mais favoraveis que em outro qnalquer deposito, a toos os navios a vapor qoo
ccarem naouelle porto. A contratar nesla com Domingos AIvas Mathens..
TINTR
Guardas par* mores, platas e o'ros objectos d ferro qne se venden por
preco mdico, no armazem de Tasso Irm3os na praja do Caes de Apolf ao-p^ da ponte
pro-visoria.
em on
m mmm m gke
Na rna da Cadeia o. 83 ha para vender-se ornamento de lira) p*r Moas a** qne
tra qoalquer parte r -r- f
ASA1 :
Ornamentos de damasco braaco de M+ 32*000
> > encarnadd de if a 3i*0M
> rdxo de m a 3o^000
preto de SOS a 3ftJ)f O _,
> verde de 10* a S9J00Q //
de veHodo prelo a 18*000 /*
. aAnisU d* ho' Procori Qoe em havido destes objectos previnimos 7ao publico qbe brevo ebe-
gira de Pars nma nova rbmessa de or*namehto de todas as eflres, tclaslve orttampoos sebastos, ea-
pas de asperges, ambellas ele. '
Recebe-se toda eqalqaeor encommenda relativa ao eolio.
ao guinde s. mauricio
-^ pra
Tlna-lr,! Ilmpar e ltaatrar a vapor.
F.A,
29 Itua 7 de setembro 29
Oefrenteda fia nova do Ouvidor (Rio de Janeiro)
Oe propietarios deete estabeiecimento, o primeiro no sen genero no Brasil, por
trabalhar com as machinas mais aperfeigoadas para tingir e lustrar, de que se faz uso na
Europa, e ajudados por algoris dos melhores oBefaes de Pars e Lylo, podem assegn-
rar seus freguis una perfeifio no trabalho, aqoal senao pode cnegar pelos proces-
sos ordinarios.
Tingem, lavam, limpam e demofam com a raai r perfeiclo e brevidade qualquer
qnalidade defazendas, tiram nodoas e limpam secco sem molhar as sedas e as vestimen-
tas de senhoras e de bomens.
N
"^


kUrl* de ?e*Aamueo Segunda ielra de Janeiro de 1867.



$
Joaquim Jos Sonc1vJ
BelW" < ?
4o Minho tudos os paquetes sobre o Banco
jS, -'n Braga, e .sobre os seguales loga-
- ..o Portugal.
A saber:
Lisboa.
Porto.
, Valeoca.
Guiroares,
Cotmbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Coo Arcos de Val d* Ver,.
Viaaaa do Caslello.
Ponte do Lima..
Villa Real.
Villa-Nova de Faroellco.
Lamego.
Lagos.
____Covilhia.__________._ ___________
Precisasealogar om escravo preferindo-se
qae salba cosinhar e para o mais servido de casa
de familia: a-tratar na rna do Trapiche o. 44, le-
gando andar______________________________
Prcisa-se do ama ama de roeia idade para
casa de pooea familia : na rna da Peona n. 53 1
andej.__________________________ ^ *________
Alaga se por >S p t mez o segundo indar
da casa da roa Velh o. 43, as chaves acbam-se
era poder do morador da toja do mesmo obrado
para quero quizer ver os commodos que tem e
para tratar oa roa da Imperatriz n. 39, terceiro
andar.
MARTIMOS
CONTRA FOGO.
A companbia Indemnisadora, estabeleci-
da nesta praca, toma seguros martimos so-
bre navios e seus carregainentos, e contra
rogo em edificios, raercadorias e mobilias:
na ca do Vigario n. 4, pavimento terreo.
m
m
m
Educa $o primaria e
secundaria
Na instituieo de Jerniymo Pereira
Villar, na roa larga do rWsfW n. 25,
uo s se ensioam as materias qoe'eoos-
limero o curso regalar do primeiras le-
tras como as disciplinas preparatorias
para a facoidade de direflo; cajas au
las esta rao abenas do dia 7 do presente
ianeiro por (liante, e s:iao regidas pelos
roesmos profesores.
Maximino da Silva Guarni, compra, venda
e focit-scravos, de ambos es sexos : na roa do
padre lorianu n 71.
Brender a Brsniis & C, participam aocom
roercio desta praca que em coascgoencla da nove
contrato de soci'dade aiudim a Arma da ta essa
para de von Sohsien & C. substituindo esta no-
va firma a Miga, a principiar do Io de jineiro oe
1867 e fleando encarrepad da saa liquidaeao o
socio G. A. Brender a Braadis continua come
comro nditario e o socio P. C. von Sohsten como
gerente da nova Brma. Peroambuco 31 de de:em>
bro de 1866.
J- FERREIRA VILLELA
Photographo da Augusta Casa Imperial do Brasil
18, Ra do Cabug, 18,
Sobrado, entrada pe|o Pateo da Matriz.
Em neNhuma das pbolographias desta cidade se fazem retratos mais perfeitos
do que os que se executain nesta odc-na photographica.
Pede-se confrontaco e anaiyse entre os nossos trabalhos e os melhores que
se fazem nesta cidade.
N5o ha photogbaphia ALGMA desta cidade, que como este estabelecimento
photographico possua um to variado, escolbido e abundante sortimento de caixinbas,
quadros, molduras prtas e douradas e passe-psr-touts.
Para serem coocados os retratos chamados carices 4e visita ha doze differen-
tes modelos de cartoes mimosamente lithographados e dourados, em cartao bris'oi e em
cartao porcelana, os quaes sem alterac5o de precos, esto a escolba das pessoas que se
retrataren).
Continuadamente se recebe ua Europa remessas de ludo quanto diz respeito
photographia, e ainda o mez passado pelo vapor Guienne, e este mez pelo b-igue flet
receberam-se de Franca qaatro grandes caixes com orna bella variedade de artefactos
productos chimicos e material par,a photographia.
No mesmo estabelecimento vendem-se:
Todos os productos chimicos geralmente usados em photographia e garante-se
o estado de pureza dos mesmes;
Machinas pboiographicas, envelas de porcelana de diflerentes tamanhos e vi
dros para tirarem-se retratos;
Urna grande variedade de lindas e inleressantes vistas transparentes para
stereorcopos, e stereoscopos de madeira envernisada com lenies prismticas que se ven-
dem a 12)5000 cada um com urna duz^a de vistas transparentes.
Tambem vende-se por 5O/5O0O um apparellio compLto p3ra fazerem-se peque-
as vistas ou retratos. Ao mesmo acompanham as explicacs precisas para teu uso.
Qualquer pessoa pode fazer vistas ou retratos com esse apparelbo.
A effic'na e galera estao abertas todos os das e a todas as horas.
orneemos m um m

I* Bftji
Veblimenteiro e bordador de Paris.
23 1E1 1IO OJF^IiAfcMIft *3,
Precira-se
Alngar-se urna casinha ou um andar de sobrado
pequeo, qoem tiver annnncie._______________
O Sr. Juie Dias Martiosdeixoa de ser calxei-
ro de llanoel Jos Lopes & Irma, desde o dia'29 i
de dezembro prximo passado. da luja de miode- !
zas da ra i are-, do Rosario n. 38.
Adolpho d BriM Tavares Cordeiro, subdito j
pertuguez, retira-se tiara o Rio de Janeiro.
7- Na ra Angosta a. 59, sobrado, precia se
alogar um escravinho de 10 a 14 anuos de idade. ,
Precisase alogar um Filio sendo no hairro !
da SMedade : atratar na ra da Cada do Recife
n. 40, loja de relojoeiro.
= Alnga Sf a cusa da C'pooga a rna da Crinu.
las n. t8 ; atratar na ra da Cruz n. 50 Io andar |
Alug se urna casa em Bi-beiibe : a tratar
com J. de M. Re?n. rna do Trapiche n. 34._______
Precisase alugar urna rcrava para lodo
ser/le i d* cana d'! familia, para tratar pod^ 'ja^rn
liver dirigir-se s ru>di Trapicha n 44, segundo
andar.
Defrente da greja de S. Francisco.
Concurrencia impossivel
jnstificada pela soppres.'ao de inrermedaries, pela compra directa das materias primas, pela exe-
cu$So dos trabalhos as ufficinas da casa e pelo diminuto lucro com qne se satisfaz.
Animado pelos importantes negocios qoe faz com grande parle do mundo calholicoda Europa
resolvea o annunciante estabelecer fiiaes da casa oe Pars em diverso* paizes longinquffs que
offerecem vantagens, e veio inaugurar o primeiro estabelecimento uesia cidade, sem duvida urna
das mais adiantadas e commercian'.e da America do Sul, e que por i-s> mesmo necesslta d'um
estabelecimento qae nada deixe a desejar, qaer em relagao s precisos maleriaes e quer inlel-
lecluaes.
Os Srs. sacerdotes e demais pe?sias, qoe se digoarem visitar o estabelecimento, abi acbaro
\ sempre urna granoe variedape de todos os objectos para lereja e para o clero.
ORIVESARIA PARA GREIA.
Novos modelos de custodias e de vasos sagrados.
ALFAIAS DA IDADE MEDIA, A' LIZ 13*.
Os preces variam segando o tamanho.o peso e a forma.
TAPETARAS E ARMACOES PARA IGREJA.
Fornece toda a qna'idade de arroacoes por predas mdicos, vontade do fregaez ;
sempre oma pessoa no eslabelecimento para ir tomar as medidas uecessar-ias para completa
r cao da encomraenda.
NOVAS UMBELLAS PRIVILEGIADAS.
tendo
satis*.
Xotas do Baoeo do Brasil.
TnK-am-si na ra do Corredor do Bispo ultima
casa do quarteirao nova com pjrtao ce grade de
ferro.
Precisa-se contratar oma pessoa habilitada
em pedagoga para adjunto em ucra aula d- prj-
mejras letra1- : q-iem cstiver nestas circumstancias
donara' o san nume, idade e. residencia, na ra da
Cad-ia do Recite n. 45, para ser procurado
Estas umhellas de molas, adoptadas p r S. S. Po IX, tem por sua perfeieao, novidade
e riqueza a dupla vantagem deobrir ioteiramente o Sanlifsimo Sacramento o o padre, sera diffl-
cnltar o andar.
E-CULPTQRAS EM MARFIM E EM OSSO.
Imapens de Christos, caldeirinha, nrnxgs, quadros e lodos os objectos devotos.
Objectos em argila, simples e prateados.
J8MS
N.2D ^ N.2D
|p|^ CORAAt 1IH OlIRO. ^i^
A lojan. 2 D intitulada Coraco de Ouro na roa do Catuga, acha-se d'ora em dhine oflerecen-
do ao respeitavel publico cum especialldade as pessoas que honram a moda os objectos do ultimo gus-
to (a farls) por meaos 20 por eeuio do que em uuira qualquer parte, garantindo-ie a qualidade e a so-
lidez da obras.
O respeitavel publico avahando p dese|o qoe deve ter o proprietario de um novo eslabelecimeo-
to qoe qaer progresso^m sm negocia deve rhegar iuirxedlalamente ao cora(o de ouro a comprar
aneis com perfeitos brilbaates, esmeraldas, rudinse perola ; vprda J.-ir ;s eci agarras, modernas pek
diminuto pre?o de 10. brincos modernos de miro e coral para menroa pelo preu de 3, maracas de
prata com cabos oe marQm c madrrperola obra de moderno gosto (o ijiie o encontrarlo no corac-ao de
ouro) voltas de ouro com a competeflW crusiatia ricaiuente enfritadj pelo pequeo preco de 125, brin-
cos de um trabalho perfeito por uio mdico preco, cassoleas, iranealios, pulceiras, allhieles para re-
tratos e ontros rtodelos indo de alto gost), anei> propnos para balar cabello e Urma, dito para casa-
mento, no artieo roseta tem o Corceo de Ouro um completo a uem variado sortimento de diversos
gostos, buides para pnohos coro diamante, rubias e esmeraldas, obra esta importante ja' pelo seu va-
lor ja' por gostods desenho, brincos a forma da delicada maosloha de moca com piogeute cooteodo es-
meraldas, rubins, brilbaates, pendas, o gosto sublime, alfioete para grvala no mesmo costo, relo-
gios para senhora cravados de pedras preciosas, ditos para bornea), diversas obras de brilhantes de
noilo gosto, crusinhas de rubios, esmeraldas, perolas e brilhantes, aoeis com letras, caeoletas e
trystal e ouro descoberta para retrato (a iegleza) brincos de franja, ditos a imperatrize toda e qual-
quer joia, para secol/ocar retratos e obras de cabello, e outrjs muito ebjectos quo os pretendentes en-
nontraro no Coraro de Uuro que se conserva com toda a amabilidade aos coucorrentes deixando-
se de aqu mencionar precos de certos objectos porque (desculpem a maneira de fallar) dizendo-sa o
prego talvez algoem faca mo juizo da obra, por ser to diminuta qaotia i vista do seu valor.
Na mesroa loja compra-se, troca-se ouro, prata e pedras preciosas, e tambem recebe se concer-
t?, por menos do que em ouira oualquer parte, a dao-se obras a amostra com penbor, conservaodo-se
e Coracao de Ouro aberto at as 8 ora? da noile.
Qualquer pessoa que se diri>ir ai. Coracan de Ouro nao se podera' engaar cora a casa, pois
nota se ua saa frente um coracao ptmdo'radd pintad o de amarello, alem de oulro que se nota em um
rotulo (isto se adverte em consequeocu de terem ja' algumas pessoas engaado com outra casa.
^22!2
PARA
PREPARADOS SIMPLES,
Xarope de jurubeba
Vinho de v
Pilulas de
Tintura de >
Extracto hiydralcoolico de jurubeba.
'PARA UZO EXTERNO
, Oleo de jurubeba
Pomada de
Emplastro
UZO INTERNO:
PREPARADOS C0MP0ST0S.
Vinho jurubeba ferruginoso.
Xarope
Pilulas i
Todas as inforraajoes serio ministradas gratis, acerca dos ornatos de igreja.
Conceder-se-ha facilidad)* para os pagamentos.
Els o catbalogo do que tem a venda :
mm
Iin|ienal ins 8?hora (itiBom C selho
Ra da Aurora n. S.
No dia 7 tem lugar a abertura
das aulas d'este Instituto, que con-
tinua a receber alumnos internos,
meios-pensionistas e externos.
Na ra di Cadeia do Recife n 68 proc sa se
fallar com o Sr. capillo Vicente Ferreira Coelho
d< Silva morador em Nossa Seohora do O' de
Goianr.a.
No dia 29 de desembro findo ausen-
tou-se a preta Bonifacia crtoula, de 45 an-
nos de idade, haixa e de pescoco curto;
levou vestido de chita escura de iiuadriubos
e bastante regrista: pelo tempo de festa,
t ni de eos tumo ausentar-se pira andar ven-
dendo fructas pelos A togados, e outras por
Olinda.
Ruga-se puis s autoridades policiaes e
capites de campo, sua apprehens3o e levem
na Capunga po. to do Laccrr, casa de pon ao
verd:1, do lado direito, que ser gratifTcado.
Cartas
OsSrs Dr. Jos L-^ndro Martins Saares e F-
lix li rnvindo de Olivcira, tem cartas no escripto-
no do Forte do Matos d. 1.
U sapparecen desde o ia 4 do correoc, um
eaxorro grande da Turqua, con cauda bastante
enro-cada e t>do elle cabelludo, feicdes de urco,
graiific-se generosarn-'nte a qualquer pessoa qn>
o acbar e leva-loa roa do Padre Fliriaoo n. 15,
cssa terrea.
O abano asignado fas publico que o Sr. An-
tonio l>pes Pereira de Carvalbodeixou de se/ sen
caneiru d-d o da 5 do correte.
__________________Jos Augusto de Araujo.
Precisa se de um caixeiro que t nha pralics
de veOda : (de 12 a 14 aonos) na na da ^aota-
Cruz o 7.______________________^_^^_
(Juera precisar da uum ama p^ra casa de do
mem sidtplro ou de pooca familia dirija-se a' ra
da Cid** noa confr inte a o tobr; do de n. 13.
Preelsa- rna qoe cozohe p^'f-ilaincoie. e outra qoe erj-
loiniiif icuaim-ni", \,t* casa de peqneoa fami-
lia : a tranr a' roa do ApoHo n. 2i, siegan lo an-
dar.
- i*
* O abaixo as-ignado declara ao publ.cn e com
espenialidade ao carpo db commerc o, que cotu-
prou a t/beroa sita no pateo do Torco o. ti ao Sr.
J*d Dfas da Costa Cirdeal. livre e desembaraea-
da de qnalqar debito at esta data ; e, ge afuero
e ar.har com direito. appar*ca oo prazo de tres
dia. Reeife, 7 d- anro 4- IR'7.
1 -r dj C ot. C,.-liniara-
LCASUL4S.
Pinnas, de velado, de crina e de
gala i lustroso.
De daThasco cera cruz de ouro e
6da.
De damasco dobrado, coro diver
sos bordados em relevo na
craz.
De tecido de. prata ou de ouro.
Mera com diversos bordados ero
relevo na cruz.
i dem idem muito ricas.
De velado de seda com cruz d
ouro tino em relevo.
De i haroalote de seda bordado.
Goiliiras e da idade media.
A cor da csala-nao iuflue no
preco.
CAPAS.
De velado estofado.
De damasco
De Irado de prata e de ouro.
dem com emblemas em relevo
e ticas franjas na marga.
De velado de seda.
De tecido de prata e de ouro fioo.
DALMTICAS.
O mesmo prego das casulas.
ESTOLAS PASrORAES.
De velado estofado.
De dito de do as faces.
De damasco.
De dito de duas faces.
De tecido de prata ou de ouro.
dem dem, com emblemas em
releve, franjas e bord.dos d
torcaI.
dem idem em relevo roaito ri-
cas.
De tecido de ouro e de prata fino.
De.cha malote bordado de s la,
coro duas faces.
VE'OS DE HOMBROS.
De tecido de Lyo.
Be dito dobrado, de ooro fino.
De damasco, bordado em relevo.
dem idem, muita rico.
VE'OS PARA EXPOSICAO.
De tecido de Lyo.
De chamalote de prata com em-
blemas em relevo.
De dito dito, mmto finos.
VE'OS DE SA'IRARUS
De todos o< precos.
BA.NDEIRAS.
Da Santa Lsfboea.
De confrarias de Nosa Seohora.
Parochiaes, qualquer qae seja a
lovocacao.
Guio-s com emblemas em relevo.
A collecao varia de 35^000 a
3:000*000.
PALLIOS.
Em veludo estofado as quatro
ponas e no forro.
De tecido de Lyo, com oaro
De dito de prata e de ouro lus-
troso.
De dito dito, com quatro emble-
mas bordados em relevo.
Muito ricos, ioteiramente bor-
dados em relevo rom onrn Qao.
PANNOS MORTARIOS 379
De 15 a. 433 <
De veludo iuglez preto verda-487
deiros Sil t
De damasco dobrado de brocado. 650
Estes pannos tem doas metros de 812 <
largura e tres de comprmeme. Cruzes de altar,
ROPAS DE IGREJA. aos caslirues,
Alvas de panno de linho fioo.
c de eambraia fina,
c de panno de linho, para
meninos do coro.
< guarnecidas de rendas unas.
Corporaes de eambraia fiua.
Toalbas para commaoho e alta-
res
Guaroicdes de rendas para alvas.
Ditas para toalbas de altar, aos
metros.
Toda a qualidade da roana ga-
rantida e perfeitameote execn-
tada.
DIVERSOS OBJECTOS.
Bdlsas para tirar esraoUs.
Cordoes fiaos para alvas.
f para meniuos do coro.
Voltas, s dunas.
Cintos e cimuroes.
Sacras de altar, em cartao.
Ditas em quadros.
Marcas para missaes, cora seis
peroas, em chamalote.
Flores artificiaes, o ramo.
Estfos e todos os demais objec-
tos de igrea.
BRONZES DE IGREJA.
Castigaos para altares, prateados,
de novos modelos:
325 milmetros (I?
(14
16
pulietadas).
)
)
)
)
)
)
con espon leales
o par.
18
SO
24
30
de hl, de ricos de-
senhos.
Roquetes em p-.noo de linho sem
mangas.
< < com ditas.
Amictos
Toalbas e saoguiohos.
Tburibuios e navetas prateadas.
Caldeinnbas com bysoppe dem.
Cu>iolias ditas e douradas.
Lustres ditos e correntes fortes
para os mesuras.
Cruzes para pr.ocissio, cora ralos
ditas.
Varas, alabardas para saissos e
cadis para porteir>.
Estes objectos todos sao em co-
bre e uiio era maleriaes de
composico.
Aviso essencial para evitar qualquer erro ou ui f.
Os Srs. compradores nao devem ignorar que o ouro nao pode ser fiado nem
tecido, e que por cooseguinle os galops dos ornamentos chamados de ouro fino sao de
prata dnurada, os de ouro meio fino sao de metal dourado e os de ouro falso sSo de
cobredoorado, e como tal confundiros ttulos que se Ibes deu sempre, que s5o mera-
mente commerciaes.
Os ornamentos qne o annunciante tem venda sao o de galoes de ouro meio
finos, falsos ou de seda, t mandando vir os de ouro fino por encommeoda; e nenhum
objfict sabe de seu estabelecimento sem ser aoompaohado d'uma factura por elle rm i-
da, especificando a qualidade do objecto, para poupar-se explicacoes sempre incon-
venientes ao depois de realUad a venda.
A jnUilUBEBA.
{^ta planta boje reconbecida como o mais poderoso tnico, como um eicel-
lente desobstruente, e como tal applicadi nos engo gitamentos do ligado e baco, na
hipatites propriamente dilas, ou ainda complicadas com anazarchas. tas nflammacoes
subsequentes as febres imermiteutes ou dureza?, nos abeessos internos, nos tumores es-
pecialmente do tero e abdomen, nos tumores Rlandulosos, na anazarcha, as hydrope-
zias, erysipellas; e associada as preparaces ferruginosas ainda de grandes vantagem
as anemias, chloroses. faltas de rnenslruacao, Ieucorrneias, desamnjos atnicos do es-
tmago, debilidade orgnicas, e pobrezi de sangue etc.
O que dizemos afiirmam os mais dktinelos mdicos desta cidade, entre os quaes
podemos cita-os lllms. Srs, rs. Silva Ramos, Aquino Fonseca, Sarment. Seve, Pereir
do Carmo, Firmo Xavier, Silva etc. etc. Todos ellcs recorra cem a excellen a d'este po-
deroso medicamento sobre os demais at hoje conhecidos para todos os casos citados
tanto que todos os dias fazem d'elle applicacao.
Apreseniando aos mdicos e ao publico em geral diversos preparados da juru-
beba, tivem'S por fim generalisar mais o uso d'este vegetal, fajeado desaparecer a
repugnancia que at hoje sentiam os doentesde nsardos preparados empricos d'elie, o
mais das vezes repugnantes a tragarem-se. e qte tinoam ainda a desva tigem de nao ser
calculada a dose convenincte a ap?licar-se, o que torna mullas vezes improficuo um me-
dicamento, que podena produzir ptimos resultados.
Os nossos prepados s foram apresentadus depois de havermos convenientemente
estudado a jurubeba, fazendo as experiencias precisas para bem conhecer as propri-da-
des medicamentosas d'esta planta em suas rai/.es, folhas frutas ou bagas, e a dose con-
veniente a app icacSo, tendo alm d'isto procurado levar os nossos preparados ao maior
grao ds perfeicao possivel, para o que nao poupafflos esforos, nao nos importando o
peuco lucro que po^sames tirar
Por tanto os que se dignarem recorrer aos nossos preparadas podein ter a certeza
de que elles offerecem a garanta, de que se pode encontrar a prompta eiuTalhvel cura
de qualquer dos soffnmentos, que d^ixamos innumerados, se forem em tempo applicados,
tendo almd'ss), medico ou doente a vantagem de escolher as nossas variadas prepa-
Coes, aquella quemelbcr Ihepode convir, j pela fcil applicacao, e ji pela complicaclo
das molestias, idide, sexo, ou ainda natureza de cada individuo.
As nossas preparaces ferrugiaosas s5o feitas de forma que se tornam comple-
mente soluveis nos suecos gstricos, porque procuramos oscotnpostos deferFO-qae como
taes esi5o hoje reconbecidos.
Para aquellas que mais minuciosamente queiram conhecer as propiedades da
urubeba, esaberem a applicacao de nossos. prep irados, distribuimos gratuitamente em
nosso deposit um folbeto, onde tratamos mais extensamente d'esta planta e dos mes-
mos preparados.
Deposita gera! de lodo, os preparadas
Botica c drogara
31Ra larga do Rozario34
PH0T0GRAIII4
ARTISTIU AMERICANA
ROA DO IMPERADOR N. 38.
O proprietario d'este eslabelecimento,
que foi obrigado a pan'isar os seus trabalhos
desde o primeiro de outubro rio crtente,
com o fim de prepara-lo com gosto e aceio,
a poder apresentar em todo reunido um me-
Ihoramento digno da concurrencia do Ilus-
trado publico desta capital tem a honra
scintificar-lhe que o dito estabelecimento
acba-se prompto e reformado em ludo que
concernenle a taes roysteres, tendo para
esse fim recebido ltimamente da Europa os
Sroductos e mais objectos necessarios a po-
er dar execucao aos seus trabalhos de urna
maneira digna de toda aattencao.
JN5o queremos encher o nosso anuuncio
com essa miscellaoa do costume, em que
entram tantos nomes meiamorpheados, me-
kiphasticos, empolados e at mesm > misti-
forios ; nSo; o publico desta capital, de ha
muito assumio ao elevado grao de civilisa-
cao e sabe perleitamente conhecer essas
fanfarronadas dos passados tempos que
nada nos do que um la?o para apanbar
os incautos. ^
O nosso estabelecimtffiio de ha mu lo
conhecido come o primeiro em su s commo-
didades ; como o primeiro em lodos os seus
trabalhos ecomo o primeiro emfim, a offe-
recer todas as vantagens que se pode espe-
rar em Pernambuco da arte photographica ;
e quasi que estamos convencidos desta in-
contestavel verdade, pela grande concurren-
cia que sempre temos tido.
Por tanto annunciando a
Keabertura du pholographia 41 lisia
Americ na
RA DO IMPERADOR N 38
ficar eniendido que de hoje avante o esta-
belecimento estar aberto para o desenvolvi-
mento de lodosos seus trabalhos.
NSo classiicaremo.s, nem encommodare-
mos o publico, com essa vasta nomenclatura
de tanti s e variados systemas, emque figu-
ra urna enormi Jade de nomes esdruxulos
com que os inventores denominam urna c .1
oulra descoberta que faz em nos nicamen-
te limiaioo-ncs a dizer que trabalhandoem
todos os gneros de photographia. e pelos
precos convenientes a cada um de per si.
Certos como eslam s de que o publico,
n5o deixar de frequentar o nosso estabele-
cimento, podemos desde j afiancar que
ser servido com promptido e que ficar
satjsfeilo do nosso trabalho, encontrando ao
mesmo tempo em todos os sens empregados
a mesma delicadeza, afabiliiade e todo o
respeito e consideraco.
Ra do imperador n. 38. ______
Xarope e pasta de Seiva
DO
Pioheiro martimo
< DE
E. Lagnsse
Prepararles mui preconizada- pelos sabios mdi-
cos de Pars, cora as melberes ale boje discobertas
para a cora certa d todas as rao:estias do pello,
broocbites agudos e cliroiucos, astlirsa e aiada das
affeccoes das vas urioanas.
DKP. SITO ESPECIAL
31,Ra larga do Rosario3i
Agua mineral
ferrugisusa, acluUdu, gazuza c carbnica
DE
ORBZZ.
O uso d'agua de Or<-z2a mui particularmente
recommeudado pela escola de medicina de Paris,
para todas a- afkccoes do tubo digestivo, ingorgita-
mento das viceras ab as molestias provenientes do (raqueza orgnica, ou
pobreza de sangue.
DEPOSITO ESPECIAL
3tRui larga do Rosario3 i
Pharmacia de Bartholouseu & C.
Aliiffam-se
duas casas terreas, sitas na Capunga, rol da Ven-
tura, juuto ao porto da viuva Las.-eTe, de ns. 32 e
34, tendo cada urca cozinha tora, cacimba, estriba-
ra e quintal murado : a tratar na ra do Trapiche
d. 3.
Pede se ao Sr. riscal que tenba a boadade
de mandar retirar as pretas-gatib detras do Pas-
seio Publico.
Virgolino J de Almeida esiABfMdo cora
taberna na cidade da Victoria faz pablio que
desde o da 1* do correte mez em diante n o
vende roa s agurdenle nem era rebine e oern ero
carga.
e co-
PREVIO
de seguros mutuos sobre vida, fun luda e
adminstrala
TTE\ClO
O abaixo assignad.) compra tod* e qnalq-ier
qoanIMade de aigoflao em caroco e asoear; os ior
teresrados dirijato se ao povoado de Trorflbelas
ao largo da feira na fabrica i vapor.
Albaqaerque Silva.
Saques so^re Lisboa,
i Ka praca da Independencia n. 33, ld} de
! jarlves, compra-e ouro, prata, e pedras preciosas,
a tambera se fas qualquer obra de encommenda,
i~loe cuaiuoer concert.
D s dinhero a joros :
I dia o. 8.
nt roa da-oBew
Sttriedade portigoeza
BANCO ALLIANCA DO PORTO.
Todo o pai que desejar acautdar o futuro de seus filbosdev.e quanto antes,
azer inscrever os seus nomes na lista dos socios daPrevidentepor que, com tima
pequea qaantia que, todos os annos para all fr app I cando, tirada do fructo das suas
economas, no Om de 23 annos alcancar-lhes-ha urna fortuna, qne por nenbum outro
meio e com to pequeo desembolso poder obter.
Os exemplos praticos de outras sociedades anlogas tem mostrado que:
i-recisa se de nma ama para comprar
sinhar : a' ra do Im.erdor n. 87.
Ama.
Precisa-se de urna ama forra ou captiva para
compr r, engommar e cosinhsrpara nina pequea
familia estraugeira : na roa Nova n. SO, loja.
Aluga se casa t-rre? n. 10 e n primeiro
aodar do sob-ado n. 12 da ra do 'Arsgiy : a tra-
tar oo segood i ndir do mesmo sobrado d?s 9 ho-
ras do di as Jboras da tarde, de.-tss horas era
da te na estrada Rea, do Ma.ogi)iob Pieci
oo de urna
>a-se de urna ama para o servico inter-
cisa : na ra Direita n. '.>o\
Alogj-se a'sala comdous quuls
do andar n. 75 da r, a 'o Imperador : a
mesmo al as 9 Poras da maobaa.
do sega i-
fralar oo
Criado.
OOSUUU jagos auuualmente pdem produzir.
Por um menino de i
de i
dia a 1 anno.
a 2 annos___
a 3 ____
a 4 .....
a 15
Em 5 au-
nas.
Curtir Filh-i & C. saccam cobre Lisboa ;
:argo du Ob-i StVi n. 19 esejjptori j.
Ilfl
imlk-
Precl-v*e "e uma ama pata ca-ra de hreem
avlielre : oa roa do Codorniz n. 8.
i de 2
de 3
de 4
Por uma pessoa de (5 a 20 ann'is
de 20 a 30
> de 30 a 40 *
> de 0 a 50 >
Em 10
annos.
1.100,5
9000
860
86041
860?
8600
86001-2:7000
8600 *:7000
4:0000
3:0)00
2:9000
2:8000
2:7000
2:7000
Em 15
annos.
9: i-000
7:5000
7:tfOO0
7:1000
7:(1OO0
7:0005
7:1000
7:2000
7:5000
Em 20 an-
nos.
20:000
17:0000
16:0000
15:6000
45:5004
i5:4uO0
lo:6iX'0
16:0000
18:0000
Em 25 an-
nos.
47:0000
37:0000
35:0000
34:0000
33:3000
33:3000
34:0000
37:0000
50:0004
900013,-OOO0
Quem pretender subserever para a Previdente e deiege quaesqner esclarfcimeo-
tospode dirgir-se. em'Pernambuco ao;Srs. Manoel Joaquim Ramos eSilva, roa do Vi-
i 11 quedarSo todos Os esciar iciaestos qne .se dvsejaiem e prospectos giaiis, alna na da Craz do Recife
quem os pe 'ir.
ifeiB-iupr
' Prei.isa-s alugar um morque de II a 15 an-
oos para criado, que seja fiel e iotelll^eote; tam-
bem se compra se gradar quorendo o senhor
vende-lo : oa ra $%t o. I9..primeirj aodar.
Transferencia
O leilio do esdravo Cosloheiro anouocisd para
hoje Oca tran.fe; Ido para quarta-felr.9 do cr-
reme ao mel da, no largo do Corpo Santo ao c-
f commercial.
Piecisa-se de uma ama de Itlle : a roa da
Trincbeiras o. 17.
mmmm mmmmmm mmmm
Companbia fidelidade de seguros
maritinese terreslres
estabelecida no Rio de Janeiro.
A6RNTCS KM PBKNAaiBOCO |K
lateis Luiz de Oliveira Azevedt k C, l
competentemente aatorlsados pela di roe- J
tbria da companbia de segoroit Pidelida- IsW
de,toman segaros de navios, mercado- Mr
O rias e predios no sea escriptori roa da S
W Crui d. i. B
mmmmmmm ***+*:#*
Precisa-se de uma ami escurra, que
saiba cosinhar e engommar para ama pe-
quena famiija, perlo d'esu cidade: a Iratar
n 42, primeiro
hnihr.
M*
i niwi


L
>
Ufarlo de vera tauttro Segunda elra 7 de June!-o de lc7.
i
*


*
V
MACHINAS AMERICANAS
Terdadelras do fabricante IV. Y. Caattongin & C.
Bombos americanos para moer railht.
Na ra Nova n. 20 e 22, grande deposito
Na ra do Trapicu n ie. Admirem os precos
acham-se os seauintes deoo&itos IVo arma/em de imadas de 5a_t>
das-verdadeiras machinas americanas de todos vn'" PoromaM to
De ft. Bpniaghaas ca Nuits.
Boorgogric.
a.
os f brieantes; se en;ontra nest deposito
grande porcSo de machinas, e se vendem por
menos preco do que em outra qualquer parte,
por se receber era direitura da America; se
fornece todas as explicares necessarias ao
comprador para conservadlo das mesmas;
neste grande estabelecimealo se encontra mu-
tos artigos americanos, que muito deve agra-
dar aos agricultores que usam de taes artigos, Marcobrunner.
Cortn liuto.
Sanio Georges limo.
Cliamberlin nulo.
BlrljebourR tinto,
i Cas de Vougeollin c.
Chablis brauro.
De M. A. Woefem FraAlvrt:
llhcno.
Geiseoheimer.
Liebfraumilcti.
Coelho.
Hna de Quemado n. I
Vende-se:
MiainKM.. entestado bu a 9 pee tora
Perfumaras novas.
A anli^a loja de mindMas a ra do Queimado
b. 16, refrbeu novo surtia.euio de pe fumarias
sendo fines extractos e essencia concentrada, chci- beu uro extraurdl
rosafiradaveis para lenc.is, oein surbne, nniloco- deris e do costo
2(
vara,-.
Dit,.s ,ie U, 7*500,8$, 9,1, 10* e ll a pega cob
20 vara=.
Cambraia de lista de doas cores para vestidos
800 r.f. a vara.
Batoes de anos >ara senhora a 24300, 3 e.'idVSOO
Ditos.de arcos encarnados de 34600 e 44.
Ditos de mnreulina a 44*00.
Ditos" de arcos par meninas d 14600 e 24.
Toalhas de linho alcochoadas
a 124 a duzia.
encontrare tambera todas as coliches dede- Era <. Tneod enristren, ra 7fr\ A^^Sliil^1^ a vara
senbos sobre os quaes se aceita qualquer nma piche-novo n. ib, nico agente no norte do rasn q10 fl0 de |nn, a 3, n*J
encommenda, que coro promptid3o ser e*ecu- fH';^d.enfbrg frres' B<"*?aax enconlra-se ea Bramante de linho com'lO paluio. de largura
2V>00 a vara.
tada; i.este grande estabelecimento, encon-
tra-se em grosso e a retalho, grande.por?3o
de ferrageos, e miudezas que se vendem por prego coaimodo, pediudo-se a a%leoc3o
de todos para este estabelecimento que muito lucrarao em fazer suas compras: na
ra Nora n. 20 Carueiro Vianna.
NOVO DEPOSITO
DE
MACHINAS
PARA DESC\ROGAR ALGODO
Manoel Bento de Oliveira Braga.
53 Ra !ro!tau.53
Neste estabelecimento se encontrarlo as
verdadeiras machinas americinas chegadas ultima-
mente, as quaes sao feitas pelo mais afamado fa-
bricante da America, por isso avisa a todas as pes-
soas que precisnrem comprar, de se dirigir a este
estabelecimento que comprarao das mais perfeitas
neste genero, assim como mais barato do que em
outra qualquer parte, por isso que 3e recebe por
tonta prop-ia, bem como cannos de chumbo e moi-
Itnhos para moer milho, e grande sortimento defer-
H'agens e miudezas em grosso e a retalho.
\
^PtoWfc
fectivamente deposito dos artigos seguicte:
Si. Julien.
St. Pierre.
La-use.
Chateau I.oville.
Chateau Margaux.
Grand vin Chateau LaBtte (858.
Chateau Latine.
Haut Sauternes.
Chatean Sauternes. ~3j
Chateau Lataur Blanche.
Chateau Yquem.
Cognac em tres qualldades.
AzeMe doce. Precos de Bordeanx.
Fundido da Aurora
Dito de dito nV 9 l2 dilo a 24400.
Dito dito de 5 dito a 14300.
Dito dito de 3 1|2 ditu 800.
Aleodo entestado coro 7 1|2 ditos a 14t0.
. Retundes de (li prelo a 7*V
Bonious de di:o a 10.
Chales de dilo a 54.
Cambrala adamascada para cortinado com 20 va
ras a 134 a peca.
Lencos brancos de cambraia finos de 24, 34
34500 e 44 a doz'a.
Uazioha com llores muito fina a 400 o covado.
Dita lisa d.ta a 480 o covado.
Cambraia de linho boa de 64500 a 94 a vara.
Cambrala lisa muito fina de 54, 64, 64500, 74
* 84 a peca.
CoIjs de fustao alcochoadas brancas e de cores
64000.
A mais amiga desla provincia e rom todas as
perfeiedes em seos machinamos, oflerece a seus
numerosos fregueres por razoaveis precos suas. _
manufacturas, bem como que tem om bom pessoal i &>**[*** d<> chita davlodia'de 24400 e 24S(X.
para coro ra'pidex fazer qoalqoer concert ou ebra Lencoes de hmburgo fino de 24400 e 24600.
nova.^"? -, Ditos de bramante de om s panno a 34100
'Tarlauna de todas as cores a 800 a vara.
Morcantiqne [rreto superior a 24600 o covado.
Grosdenaple de dilo a 14800 o covad.i.
fcnfcUes hotos e ileUm gosta para
vestidos.
A Agoia Braora, ra do Qoeioiado n. 8, rtce-
iWrljaa'oto de t-nff ites me-
vesii.ids, .-fnrti< eaiSo Ot
Bii', e babisa |i;n;! <-.:,'.-ivi?, bandas < ctMrttiqaes -o.!:, de .iir-reniHf Ulgurtw., cws de>-ubo* fi
tar&bsm t.;, pez r coral e hygitniro que de m^ i (uederno e gradavei se pode actuat-
par denles, bpl .1* Jf 1 e Irancea par.i jilos, nLt? encontrar. '
satwDtttes em barras quadradas, oulros em calxi-, Tranf'lS
nh.s, e ocftros de billas iran.-farintt'S para a\ e ,,.,.. ., '""V' s-
outros roni linos e.r, ralxHUs de louc para tor- MjL\.:s*rAaca?? I>m*$> larPa e esueilas coa
lia.-gca
eos de iji\
para bauhar
ferdadtlra]
fumarias que a viMa da in.a qualidade ecomroo-;
d.dade. de precos o eomprador nao objertara'. orelJas de fitnt nim'^^UmlSSi
Meia< pretas de l&a e de laia.^r?'r,as/ari,/l,Dfe'i-r **>*.
x I Bw-os de >6-lA brai. os e pretos, largos e estrei-
l'ara naares. los.C01?.,vl(jr!H,os*
"Ditas da velludo, prelas e iti outras cores, eotu
AMA
Precisase de orna ama para coslnhar e comprar
na ma da Cadi n. 33.
ClsTDflT0RTTNA7
Aos 6:000^000.
Bilhetes earantidos.
A' RA DO CRESPO N. 23 ECASAS DO COSTME
O abaixo assignado vendeu nos seos muito feli-
zes bilhetes (arantidos da lotera que se acabou caes g l,aP'Daripe D- 2, offleina de tornen o.
Fianella ae cores a 800 o covado.
Cambraia de .lpicos branca com 8 Ii2 varas r>**
ga 44500.
Fil de liuho li.-o fleo a 800 a vara.
Dito dito coro slticos a 900 a dita^
Guardanapos de linho par#mesa#34500 a duzia.
Assim com tambem se eoft>oira um completo
sortimento de roupa feita e por mtdida.
Vende-se orna porco de caixiihos e rotulas
^de amarello, todo obra moderna : a tratar no
DE

X. 55. RA E>4> IMPERADOR M. 55.
. Os pianos desta antiga fabrica sao boje asss cuntiendo* Dar que seja necessano insistir sobre a
ica superioridade, vantugense garantas que efferecero aos compradores, qualidades estas incontesta-
veis que elles tem definitivamente conquistado sobre todos os que tem apparecido nesla praca ; pos-
naindo um teclado e maehinismo que obedecem todas as vontades e caprichos das pianistas, sem
nunca talhar, por serem fabricados de proposito, e ter-se feito ltimamente melkoramentos importan-
tssimos para o clima deste paiz ; quanto s vozes, sao melodiosas e Bauudas, e por isso muito agrada-
seis ass ouvidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blondel, de Pars, socir
correspondente de J. Vignes, era coja capital foram sempre premiados em todas as exposicSes.
No mesrao estabelecimento se achara sempre um esplendido e variado sortimento de msicas do!
elhores anteras da Eoro|ia, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo tudo vendido co
precos commodos e razoavels.
m\m de mmm
mimib o-g silfo; iSfi).
6<--Palaeeledo ce> de Apollo-i I
O director do collegio de Santo Amaro, faz publico que'" possa imeressar, que iransferio rttto
collegio para o palacete do caes do Apo h o. 61 bairro do Recite, oude contina a admiltir alumnos
internos semi-inlerns e externos.
As aulas creadas em dito collecio sao as seguate,; : instru'cao elementar, lingna latina, fran-
cesa e ingleza. rhelorica <* potica, geograpbla e historia, geornelria, phllosophia, desenh), msica vo-
cal e instrumental o riansa.
No dia 7 do coi rente mez lera'lugar a abertura da aala elementar, cuja matricula desde ja'
acha-se abena e as das demais aulas de 15 por diante.
O director,
J. F. Ribeiro de Souza.
A NACINA
Companhia geral hespanhola de seguros sobre
a vida
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
DIRECCAO GERAL
fiadrid : Rea de S. Agostinho
do extrahir a beneticio das familias dos volunta-
rios da patria, os seguales premios :
N. 2378 dous quartos. com a surte de 6:0008.
N. 462 um meio com a sorte de 5004.
N. 472 um mel com a sorte de 2004.
E o'utras monas sor-tes de 1004, 404 e 204.
Os possuidores podem vir receber seus respec-
tivos premios sem os descontos das leis ua casa
da Fortuna a' ra do Crespo n. 23.
Achura-sea venda os a a* p-.rte da 1" lotera
a beoecis da igfeja do Divino Espirito Santo do
Collegm (!), que se mtcahira' a 8 do corrente.
Pre$.
Bilbetes........ 64000
Metos........... 34000
Qartos.......... 14500
Pira as pesseas que eomprarem de 100^000
para cima.
Bilbetes.......... 54500
Uelos............ 24750
Ouartos....... 14375
Manoel Martin" Flota.
Precisa se de urna ama para casa de pooca
familia eslraneira t que san c< nsinhar e eogom-
mar cora perfelco ; na ra da Imperatriz n. 40
andar.
nn
1
t CoUegio da Conceicrio
Rua da Madre de Dos u 36 $1
Esta' abena a matricula desle collegio jfil
para as aulas segnintes : primeiras le- S
Iras, latim, franrez, inglez, geometra, 8
' geographia, rhelorica e phllosophia, re- jffi
. BAN0UE1ROS DA COMPANHIA
O Bauco de Oespaiaha
m. o
Mltua^o da campanilla etn 4 5 de Julho de 1866.
Apolices 19:700 Capital Rs. 127:1445670 ou moeda brasileira
R; 12,714:4765000
A Nacional abraca toaas s conbiuaces do seguro de supervivencia e n'ella pode
fazer-ses i^iit'iDc de m)do que em nenbum caso se perca o capital imposto nemos lu-
cros correspondentes.
Urna aaoca deposiladaaos cofres do]estado, garante a boa administraco da com
panhia. _
Os fundos da cumpanhia se inyertetn em ttulos do estado e sedepositam no ban-
o de Hespanha cm interveico do delegado do governo e doconselho admini>trativo.
A comoanhia estranha a toda a empreza ou espiculacao perigosa, e os ttulos em
que se invertem os fundos trapostos na mesma, nao correm o m^nor risco, pois est5o
garantidos pelo governo, pode-se dtzer por toda a tuca i.
Prospectos e mais infortnacoes sero prestadus n'esta provincia ra da Cadeia lo
. 52, ra da Imperatriz n.12 erea do Imperador n. 32, primeiro andar,' pelo S. D.
Nnarc< francisco de Vidal.
I
Retratos
gidas por prefessore* praticos e ja' bem
conh^cidos nesta cidade.
Calcado ^ JL Brlaquedofi
f i*ancezn^|M^ alleme
Rua Ao- ^gmMfo Rua Xov
va d. 7. g^wlily n. j.
Este estabftlecimento recebe constantemente pe
los vapores franr.e botinas para horneas, senh&ras
e menina';, lavas depelica de Jouvm brancas, pre-
tas e de o'iirasdifferentes cores, hriners de ouro
hom iu le cim -nfeites de crystal, uliiira moda
de Caris, r.aixinhas de costura com msica, visias
sellas pira quadrus. "xtractos, banhas, bengalas,
chicotes, espethn's. qnadros, molduras, esterioscopu
com grande s irtimento das mais ptitpseseas vistas,
realejos, accordions, lindas boaeca*, carrinhns,'
cabriolis para condozir crangas, eavallinhos de
andar por molas para meninos mentar e outros
muitos ob ecios fra^cezes que estao expostos a vls-
t,i dos compradoras; na loja do vapor rna Nova
o. 7.
**k m m m.M R xa
g Anuuneio
O Dr. Carolino Francisco de Lima San-
H| tos, mudou se para a rua do Imperador
m n. 73, segundo andar, oode cmtinua no
Sg exerc.lco de sua priifissao d- medico.
DI
Vende se um boi man o euma carroca coro
nma pipa, junto ou separado : tratar na rua da
Imperatriz n. 39, terceiro andar.
Vende- e
Motores americanos para doos cavallos, dilo dito
para quatro cavallos, machinas para descarocar
algodao de 14, 16,18, 20, 30, 35 e 40 sorras, prea-
cas para enlardar algodao fazendo a? saccas eom
seis, palmos de coraprimenlo, com o p so de 150
200 libras, viudas ltimamente da america; no
armazem de Henry Forster & C. no caz Pedro
D. 2, jupio ao gabinete portuguez.
Papel pintado
O mais completo e variado sortimento de papel
para forro de sala e goarnicSes, encootra-se a
venda na
Btolea le llar(holomeii & C.
34-Rua larga do Rosario--34
Kap Pauo (Jordeiro.
A toja de miudezas a' rua do Queiroado n. 16,
recebeu nova remessa de rap Paulo Cordeiro, e
continua a recebe-lo por lodos os vapores, para
que os apreciadores achem sempre boa pitada.
Tainhas de Alagoas.
Vende-se tainhas de Alagoas em brris
por preco commodo : na rua da Praia
n. 61.
VAMmi PEKNtNBlWM
glEMENTO 'DIARIO PaRA
1867
C< oWiido
Urna pagica em hranco para cada da do anno.
Kalendann.Signaes do telegrapho.Casa im-
perial. Corpo consular eslraogelro.Associacao
Lommercial Benefirente. Begnlamenio do sello.
Syiema mtrico.Servico do correio, etc......
ftecommeoda-se o presente raemoiial por cmier
noticias, exclusivamente relativas a Peroambuco,
e de summa ntilidade para os negocianles, advo
gados, eu:.
Vende-.-e pelo diminuto proco de
2#00
am easa dos edictores, a rua do Crespo n. 9
Viiiho fio Porto suprior om wia de
URi-t duzia.
Vende-se no escriptorio de Antjnio Loiz de
Oliveia Aztvtdo & C, no seu escriptorio roa da
Cruz n. 1.
padt
Ver,demse na loja d<; miuiezas a' rua do Quei
ruado n. 16. 0
lara b'ptisados.
Bonitos chapeusinhos enfeiUdos, sapatinhos de
setim e merm, bordados rtff.itados, meias de
seda, e fio d'escocia para ditos. Vendemse na lo-
ja de mlodesas a' roa do Queimado n. 16.
Bieos e rendas daSilhas.
A loja de miudesas a' rna do Queiroado n. 16,
recebeu novamente oulro sortimento daquellfs bons
e bem conhecldos bicos e rendas das iloas, cuja
forlidao, e segnrsnca de tecido, Ihes da' immen.sa
dufagao e os differeutes tins a que acertadamente'
sao appiicados azem a grande procura, e prompta
exlraccao como constantemente lem acontecido ;
assoi pois concortatn os preieudentes, qce a vi-ia
" dos precos nao objectar
da commodidade
comprar.
Graxa econmica.
t Ero caninhas, latas e bsrn?, a' loja de miodsas
a' rua do Queiroado n. 16, recebeu novo fotlimeo-
to dessa boa graxa econmica.
La para bordar.
loja de miudesas a" rua.do_ Queiroado o. 1G,
receben novo sortimento de Ia fina de bonitas col
res, e como seuipro vende a bajamente, e o sur-
limento a ronteuti do ct-mprlor.
Bolii tas caixinnas.
De madeira com enfeifes donradns, e outras de
metai para guardar jias. Vendom-se na rua do
Queimado loja de miudesas n. 10.
Uufeile e griaaldas
Na loja do miudesas a' rna do Queimado n. 16,
acharo os apreciadores do bom, um bello sorti-
mento de bonitos enfeiles para bailes, theatro* o
ca:-aroeQlos ; assim como delicadas grinaldas para
Ern dita loja os apreciadores tambem encontra-
ro bello sortiineuto de fivellas e filas cara cintos,
penies para coques, e ramios cutros objectos de
moH.
Eiitremeios' babadinhos.
Boalazenda e delicados bordados, e.-tam expos-
tos a venda na roa do Queimado, loja de Aguia
Branca n. 8.
A Aguia Branca a roa do Queiroado o. 8, tam
bem vende mu bons espartilhos
Tintaras para cabellos.
A Aguia Branca acaba de receber novo sorti-
mento das bun conhecidas tinturasChromacome,
Marques e H ilde, e ara quau'o os precos de ditas
estejam um pouco ma,ls elevados ([ior cansa de al-
teraeSo d direitos ), coro ludo nao a pequea
diflrrenca qneha de lazer dos mecos velhos; assim
cunt'ou'em os pretendentes a di'igirera-se a rua do
em i Qutimado, loja ie Aguia Branca o; 8.
0 tj ce tos d c borracha s para lato.
A Aguia Branca a' rua do Queimado d. 8, rece-
beu esse- novas bjtftns de borraoha tai a luto,
sendo altineifes, brincos, pu'ceiras, voltai de ccr-
rentes, cimentes para relopios, assim romo outro
Igual ertimenl *e obras ou vidro, uedo de nais
fifelias de mull bom gono e rilos,e todo Isso se
vende por precos rasoaveis.
I'emes e fler pra coques.
Obra de bi.in goslo, e ininraronte nova, a Acui*
Branca a' rua do Queimado n. 8, recebeu ues pe-
queos penles com urna flor de meta!, obra de no-
vidaile e multo goslo, e proprios para coques.
0:>jecU}s, E novjdade, exposias a venda na rua do Quei-
mado. loja da Agoia Branca n. 8.
Bonitos e modernos eefeites para bailes e ihea-
tros, com utas e flores, cora coques e sem elli-s.
Delicadas capellas brancas de rozas.e flor de laran-
ja para ooivas, csixos de flpr de laranja pr< prio*
nolvas, eaixos de flores finas para enfelUc os ves-1,,ara Peil05i hombres e barras dos Vestidos de no)-
lidos de ditas, e muilos outros objecios, e lodo se' va?' r
vende por precos tao rasoaveis quc c comprador' tiOqaeS fingind Caliello. .
experiente, nao se atrave a objectar a respeito. frisos e crespos, siogelos e composlos, de goras,
BabadnhOS bonl(!oS, Clllreincios ditos. I canudos e redondos, colinos com n'iet simples e
Todos de fina cambraia e delicad s bordados. de'v'Jnnbus, ornados com flores e fitas, obra nova
Vendem-se na loja de miudesas a' rua do Queima- e de **i0-
do n. 16.
Planas braucas
i na
e de e-i es.
loja de miudeas a' rua do Qnei-
Veodem-i
majo n. (6.
Franjas
Com borlas e sem ellas, para cortinados, toalhas
etc. Vendem-se na loja de miudesas a' rua do
Queimado n. 16.
Bas e bmulas fitas.
Lizas e lavradas, larga- e estrenas; vendem se
na loja do miudesas a' rua do Queimado n. 16.
Bonitos eiti'ciles para vestidos.
A laja de. miudesas a' ra do Queimado n. 16,
esta' recenteroento provida de mu bonitos eufeiles
para vestidos sendo bicos de s la tanto branco
Para sculioras e meninas.
Loques finos de madreperola e osso, todo de sn-
dalo e de sndalo cim soda, com.finos e bonitos
deseuhos.
Obras de madreperola.
Bonitos penles de madreperela mui alvo par
coques. Iludas fivellas de dita dita para cintos, de-
licados allinetes e brincos, feotes para punhos, c
bra prima.
Ade:ecos, peales e fivellas iguaes de dita, e
brseos. Fivellas e fitas para cintos, cintos ir.t!
ados, obra novissima e de goMo.
Udos eafeites Boaoloa para
tienuoras
A aguia branca tero a satisfaeao de noticiar a
sua boa fregue?ia que acaba de receber llnus en-
moda.
Trocam-se
as notas das caixas flliaes do banco do flrasil
praca da Independencia n. 2.
Gratica-se
A quera levar a' rna do Amorlm n. 41, ou a' fa-
brica de sab.io uo Affogado o escravo Ljiz, eahra,
estator* regular, rosto plotido de bexigas, falla
apressada, um pequeo gelto no canto do olho di-
reito cu esquerdo, n o cabello algnm branco.; o
qual escravo ausenloo-se no da 17 de dezembro
prximo passado, vestimto caiga nova de briui
pardo, camisa de zuane azul, e chapeo pardo de
maca, e consta que na no:te do roesrao dia ou na
segrale, elle andar no Affogado, leudo alli sido
preso em estado de embriaguez e depois sollo e
mandado para a referida fabrica, aonde todava
nao chegoti.
Casa ao llontelro
Aiotfa-SM urna casa na povoaeAo do Monteiro
coiu boo cuiiimoJos, acetada e oaulus nos fUD.
dos : a iratir na rua >i iJCresuo n. ti.
COMPRAS
Oompraiii-sc escravos
SOviuo Oiinherrae do Barros, coiuprj, venJe [e
troca elleuuvaineute esgravo de amnos us exos
e de todas as idade- : a' roa do Imperador u. 79,
ereeiro audar.
Ouro e praia.
Em obras velhas : compra-se na prxga da le
dependencio n. 22, loja de bilhetes.
Comprara-st libras sterliuas
ndependeif-L) n. 22.
na praca da
americanos em cartQes para albims.
\. 58 Rua Xova M fc*
Annunciando o novo syslema de reciratos americanos em Idminas esmalta-
das, e affirmando serem elles muito duraveis, nao pretendemos iludir os incautos ou
ignorantes, pois que reconhecemos na populado desta formosa cidade obom senso pre-
ciso para se acautelar contra os falsos annuncios e conbecitneato suffieie ite para apre-
ciar devidameole as provas ph'otographicas qua por ventura vissem em nosso estabele-
cimento, e.porque tambem-temos, e podemos oferecer provas chimicase ra0es scien-
liQcas do que bavemos alfirmado.
As lamina*, aleja de serem Uves, delgadas e flexiveis, s5o, coberlas de um
esmalte macio que as tornam iiatacaveis pelo ar ou agua, e at pelos fortes dissolventes
chimicos. Os retractos sao estampad s. sobre urna brilhanlo superficie de inissima
prata adberente por meio de utm pelbculi de eolio lio, substancia perfeitamenle prova
d'agua. Por sobre essa suporQce apjlica-se o verniz de esmalie, o que to Iranspa
rente e quasi to duro comno vidro.' Deste modo, o retracto, nao conlendo em si
materia alguma orgnica siijeita d-cotnposico, e nao sendo poroso nem absurvenle, est
ioteiramenUj livre de bumidade ou de uud.iuer outra influencia ofl'ensiva da afm^spbera.' ^- s fomance? caverna do Inferno e es Disp-
Assim pois por e ta theoria se v que os retractos offerecem provas de duracao, oque ^S'n.n! '*"* "'
tem sido etcazmeote conSrmado pela experiencia : elles duram efectivamente e nada
perdem do seu primor original.
NSO nos nocessario repetir as suas qualidades arti-ticas, pois que muitas pes-
soas das principaes familias d-sta provincia, pessoas de lina educado e goeto cultivado,
nos tem distinguido co a 6ua approvaoSo e honrado al com o seu palroc uio ; ouiras
provas seriam superfluas. Entretanto lembraremos de passagem que os pintores aotigos
nuaca seserviram de materii porosa para as suas mais bellas pinturas, porem sim de|j)0nrVamVadad7dtoias as'qaiidads."
substancias duras de supercie micia, como a poreefana e marm ; e as Bossas lami-| m__________________________
as lem iqual qualidade de superficie dura e macia.
Finalmente con darnos que'.les, que por ijuaiquer causa n5o tentiam conse-'
guido bons e exactos retractos por outros systemas, a virem experimentar o nosso; em-
pregiremos eati todi a nossa pericia e conaecimenlo ailislico aQra de 'bes agradar,
- uuiliuer qae seja o numero pedido de retractos.
tioorirlh lougli
Compra.se ouro, prata e pedras preciosas ero
obras velhas : na roa da Cadeia do Recite loja
de oanves oo arco da CoBcelc.au.
Compra se em qualquer estado, estando per-
Compra-se ama ou duas casas lerreas qoe
estejam em multo boro estado, airatar no pateo do
Terg) n. 22.____________________________
Cumpra-se om pretu de 20 a 33 aonos de
Ida ie na roa do Colovello n. 25.
i; impra-'e na rua da Cadf'a do Reeife u.
N. 52, Rua Nova N. 52,
VENDAS
Vende-se um prto de It annos, eosinheiro,
a para todo o servijii, ama pret de 40 annos, co-
slnheira ; tratar na ro do Kugo n. 9.
Wm*-^ i t.bmi da p^rl larga es ruada
gauU Ijriii a. 3; a tratar na mesma.
Machinas a vapor
de forca de 3 a cavallos.
MOTORES de 2 cavallos.
MACH AS
de acao
de serrle
para descarocar o
Algodao
Acham-se venda em casa de
Sbaw, Hawkes A C
Importadores de ferrageos.
N. 7.Rua do PelourinboN. 7.
Reeife
Pernambuco.
Velas de caranba
Vendem-se na travessa dos Gnararapes n. 7s
por detrnz do arsenal, as arrobas ou em grand =
vorcoes, sendo de 14 e 6 por libra e nos depositoe
segrales: rua da Guia n..., rua do Rangel n.
roa do Amorim n. 48,
Vndese urna taberna na rua do Socego no
Campo Verde n 49, com poucos fundo*, propria
para principianta quem qoizer dinja-se a mesma.
v
B'
3
oo
"O
so
-
SO
g
ES
S
ia
20
Ve>Jo-se urna itrea para loJo servico lano
para roa como para CI.--J, Uva, coMoba e engom-
roa, a dona vende a pirqm retira para ora :
a tratar m Bu-Vista roa da Cnqinta taberna
n. 10.
Lencos de labyriattio
Cbegaram do Ceara lindos lencos de labvrinlbq,
de ricos desenbos : a venda na roa do Crespo loja
da esquina n. 8.___________
ponr 1867.
Agence d'Abonn inrnis a toas joarnaut d'Ea-
rote. Dislribnioo gramiie de spclmcrj* et cata-
logue.
BIK DE CRKSPO N. 9
iA:r.'lrlc Fra j^j Ue.
como pretos, de diferentes larguras e cura vidri- FeUes a ltouilon obras delicadas, de conta e ulti-
Ihos, ou sera elles. I roa moda, o que ser devidamente apreciado pelas
Trancas e Raices de. seda dos ulmos postes, di- excelientissimas seohoras de bom gosto 0.< pre-
tas com vidrilhos, pretas e trancas e de differentes eos destes enfeites sao commodos e isso verificara
larguras e gestos. Fitas de velludo pretas e de quem se dirigir a rua do Queimado loja da acola
cores, com lista as relas. E assim maltas outras branca n. 8.
cousas de moda e novidade, e tudo par precos t Kaiiios le Alores ias
commodos, qoe o comprador flea sathfeito e nao r w nas .
objecla a comprar. ai re o e nao c xo ^meoW ^}do ^ft da |guI, ,,r
d .i .. #- jca e o jardim das fioas fljres artilMiaes, e alera do
lCiliiS ue IOrraClia. bom sortimento que sempre se arha eni dita loja a
De diversos lamauhos para brinquedos. Ven-1 aguia acaba de receber novas flores as quaes se
dera-se na loja de miudesas a' rua do Queiroado! conbece o rigor d'arte imitando as Dures oaluraes.
n. 16. __^____ ____ ^a 'l'J> da aguia branca a roa do Queiroado u. 8
vr _T~ i^ i i,, "" acharo os apreciadores do bom b delicado calxo de
JN0V0S DI'IQCOS (la Ultima \^n* ponj compridas ramas, .-etc., n.do do
I melbor goslo e prirretra qoalidacu..
ileias pelas para juulies.
A aguia branca a'rua do Queimado n rece-
ben iiuvo sorlimiiilo daquellas boas mei.i pretas
de laia que continuaui a ser vendidas a o'C o
par.
Visporas c (lomillos
A .".guia branca a' rna do Queimado n. 8 rece-
bou novo sortimento de vlsporas em calas de ma-
deira i; papelan com 24 e 36 candes, tendo eclre
elles a'gOOS com enana de metal para cobrir o no-
mero ; assim como dminos em caias de madtira
branc.' e euvernisada.
Bot5es grandes
e pequeuos, pret s e de outras core?.
A aguia hrauca recebeu um bello sortimeulo de
boto-s de diversas qoahdades e gostos os mais
modernos, a elles boa freguezia da aguia branca,
comparecen! a rua do Queiroado n. 8.
Cuitares Royer
ou
Anodinos electro-magnticos contra as ci-
vulsoes, e para facilitar a denticao da;
criancas. A aguia-branca na rua do Que-
mado u. 8 recebe-os por todos os vapc--
res franceses.
J esto tao conhecldos, e lano se tero espalbadc
a fama Asases prodigiosos collares Hoyer, que s
torna desnecessario dizer mais alguma censa en
abono de seus bons e e efieazes effeitos; b>sta :
leslemnnho de railhares de pessoas, qne tm vsic
e aprove/ado o feliz resultado desses lao ule,
quao necessarios cellares Royer. A quoliiana
crescida exuacciio, que vo leudo, mustia aiae
qoe numero dos prodigios se eleva como todoi
os compradores. A aguia-hranca, p^rro, de^^-
ando concorrer para um fin de lanto aproveiu-
mento, ttm feito os necessarifs pedidos, para qc
por todos os vapores fiaocezes Ihe seja reuiet*
certa quantidade de ditos collares, para assim tor-
oar-se infallivel o sortimento delies, Da loja i'
guia-branca, rua do Qu' uado n. 8.
anno de a'^oiio da Babia nroprio
para saceos de assue?r e roupa de
cscravi'S.
Vende-se oo escriptorio de Anlooio Luiz de 01'--
vi-ira Azevedo C, no sea escriptorio rua da
Cror. n. I. _______
Mathues Austin & C.
Vendem no seu armasen, rna
da Kcazata-Velha n 106
Latas com gaz de primeira quntdade.
Barricas com farinba de milho muito
nova.
Saceos grandes com fareio novo a 4$.
Barris com pregos americanos.
' Vndese um escravo de boa idado ees -
nbelro e proprio para andar embarcado do qu
terff molla pratici : na rna d Calen loja numi -
ro42.
MWllilsTElHBi-
Pira de^Ctrovar algodao
V,;nJe-se roacUnas pornambu.-ar.as para dr-^-
f .car algodao, esn^ndo ^J.^erras cada rmi, pi-i
prign de dez mil rji cjj sorra, k iua do SI
o. 7, roiVttn du CaLm. ....________
Chegaram novos brincos de ouro ds le com pe-
queos progenies de crystal e de coral, dilferentes
modelos e ultima moda fraoceza : na loja do vapor
roa Nova n. 7.
PASTA e XAROPE de HAF i ARAKA
DE a)B;i,A\;Ki:\IHK
Sin ci nnlcos psitorau pprovnio. pelos profenortt te
I Fieu\:?d it Uedicioa de l'nng, e por M _.dic*i 4m oi-
piun de l'arlt, oiqneei certllcarlo tulo k toe auperie-
ridede aobre lodoa es oulros peiloraea como sua pederoM
efcacla centra oa B0_m, arlppe, Irrltaoei s u
Affelofios do pello e da (arcante.
RACABOUT DES RABES
ir ii>:i..iwhiifr
nico alenlo apprevad pela Acidemla de Medicina ds
Parlz. Elle restahelece ta pessoas qae ar/trem do _<-
ai] e Jes Intestinos; ferulae* es criancas e as peeebas
deMlitsdas, alem aisso em rlrtude de sua propriedade aa*-
laptioa be o melbor preservativo das FtJSf amaralla e
tynholdc.
Cida Irasco i cada oalxlaha destas prepiTicJet InJe
limprt o ttUo a Jtnaa Dtlmmfrtmitr, rus Rlcheltou, 36,
em Pariz. (Fazer lerlzlo sunelo con ta falsiScacies.)
Depositarlos no ^rntsalMi: Osara BatBea'a; Isr-
da Soasa J Oka.
A venda as pharmacias de 'P. Maurer
e C.A. Caors, em Pernambuco.
: XaUOPE"depurativo
DE TASCA. RE LAHA.NJAS AMARGAS
COM IODURETU DE POTASSIO
CE
.1 I*. zLaroze.
plurmaceuitcoem Pars
Oioduretodepotassio um verdadeiro al-
trame, um depurador de nconteslavel effi-
cacia; combinado com o xarope de C3sca de
laranjas marga?, aturado sem perinbafo
alguma pelos temperamentos os mais fracos,
sem alterar as funeces do estomago. As (lo-
ses malheinaticas que elle cont*m permittem
aos mdicos de receital-o pan todas as c m-
pleices, nas affeccesescnfulusae, tuliercu-
osas, cancerosas e nos accidentes intermit-
ientes e terceiros; alm d'isso, o agente o
maispoderoso contra as doencas rhejmalicas.
D psito em todas as pharmacias e casas de
drogaras no Brasil.
Expedices, em casa de J. P. Laroze, ru
des Lions-St-Paal, 2, Paris.
A' venda na pharmacia de P. Maurer &.
C.\ rua Nova n. 18
!TOtW,mw,;U
DE LiSUAS DOTR EM SCpClASj
2S
m
Nao existe ctedicamcnio ferruspneso 1*0 noure)
ctno o Phoxphuto ie ferr ie. Ltriu; as summi-
dade i!iedir_c-s de ruando inieu -opiuaat-ae
eom soUiciiMdt! sem igual nos annaes d scieneia.
_i core- palliiar, dures ie estomago, digestSu
penoia,.__*, ctnvatetcfncius iifficeis, idadi
crtica nos senkoras, irregularidade r.o mens-
'.ruacio, pebres do sangue, ymphatismo, tt
curados Tapidamente ou modificados per este
txcellenle comporto. E' o couscrvailor por cxcel-
leDcia da sautte, e declarado superior n&* hospi-
taes e pelas acadenriaa a todos fpTi-upDo
cofibecidos, a ioiereto e o curato de ierro,
porque o nico que oMvem aos esiina^se de-
licado-, que nio provoca conslipacio, o "Bd.cc
umbem qae nio ennegrece aebeeoa os destes
Deposito nas pharmaeias de P. ?\Iaure
C e A. Caors. em Peroambuco.
Fio de algotiao da Baiii
Vende-se no escriptorio de. AotoaU r_iiz de 011-
velra AteveJo de C, bu seu escriptorio rnaida Cras
n. I.___________________________rjii
Vrnde -e i'iisameU de Imiro e qoabdade por
fe," .niroolj : ot cu: A < li. no? n *4.
VEi\0_-SK
am eahrloletdle qe>trosT*l|r# ijtjarro afalo?, era
Im m estao. um raeia M^U ntifli bV'Onrda
e pipiatat- _e Wii,^ntfa,'eolli dO :', por pi>i.o
muilo harato : na rta da IMnb; Velhs n. F.
Farelio ov.
V-nde-se. na rna do A|Killo o. s ?n scc:s sr_i-
di:i ; i {UtJQ, para acalar.



:MU|^4
P*V*




6
Diario c rernambaeo servada felra 9 de Jaaelro le 1867.

O ARMEZAM
NIO M
CANTIL
53 RA DA CA0E1A 53 .
F.ISS.4WIM) O ARCO Di COMCBIClO.
Acaba de receber e tem por bartissiraos presos
ilm de sen acostumado e muito completo sortimento
le gneros os seguintes abaixo declarados.
Queijos de Minas.
pegados pelo ultimo vapor a 1(5600 rs.
Gfomma de milho branco
americano.
melhor qoe ba para papa, pae-do-l, bolo,
aogica, crome etc., muito substancial e
ndavel a 6*0 rs. cada pcote de 1 libra.
SALMAO E LAGOSTIN
-.negado ltimamente em latas de 2 libras
'5600 rs. cada ama.
CHOCOLATE
Yancez a 500 rs. o pacote. dito hespanhol
?special, o melhor que temviudo ao merca
4o a 15280 rs.
LATAS DE LINGigAS
:om 6 libras ermeticameate fechada a
t#500, e de barril a 640 rs. a libra.
VELAS PARA CARRO
m pacotes de 8 velas a 900 rs.
VINHO DO RHENO
i verdadeiro a 25000 a garrafa.
B0RDEAUX
das mais acreditadas marcas: S. Jolien,
flaut Brion. St. Emilion e St. Esteph a 800
it. a garrafa e 8500U a duzia.
0 EXCELLENTE E AFAMADO
COLLARES
agarrafado da bem coahecida casa de De-
iaut 4 C. a 10)5000 rs a duzia.
PORTO
diversas qualidades engarrafado, inclusive o
oais fino que ha o'este genero por 800,
(5000,15200, 15*00 e!55o0 rs. a gar-
rafa.
OLD CHERRY
) mais superior do mercado a 15500 rs. a
garrafa e 155000 a duzia.
VINHO BRANCO
xcellente qualidade, de Lisboa, e proprio
para missa a 800 rs. a garrafa e 85000 rs. a
;aixa de duzia.
VERMOUTH
superior qualidade em caixas de 12 meias
MUSCATEL DE SETUBAL
o mu;to excedente vinho muscatel por 205
a caixa de duzia, e 25 a garrafa.
CHA
hysson de primeira qualidade a25OO rs.a
libra, uxim o.que ba de mais fino a 35 rs.,
alm destas ha muita3 oatras qualidades
proprias para vender a retalho, que se vende
de 15000 rs. a 25 rs. a libra.
CHA PRETO
o mais especial que tem vindo a este mer-
cado a 25600 rs. a libra.
MACAS
| estrellinhaspara sopa em caixas sortidas de
CHEGOU
AO
AME ESTABELIflMENTO
SOUZA SOARES & IRMO-
Ra Nova n. 28.
8 segurte ;
, Ultimo gosto.
Ricas flvefos para eioto3, eoqwis 4* roiroi Tinglado cabello, especial sortimento de brioeos para
oreltm, abotoadoras floas para probos e enlates, entelles, volUs, aderemos, etc., etc., e maitos oofros
ob|ectos de oslo ltimamente chegadce da Eoropa. w, -.,, r
Pcrfninsrlas
Dos mlhores e mais armados fabricante?, existe neste genero, am variado sortimento de-
batas, leos, extractos, agua de colonia, agua deoiiBca, pos de arros, etc., etc.; afflanca-se a qaali-
e porcelaB
Existe orna grande variedade de Vasos, com ricas flgoras sobre a tampa, sendo de moitos ta-
manbos e diversos precos, port relogios, port charutos, comas para jolas, etc., etc. jarros grandes para
flores, com gravaras molto Unas, e modellos muito elegante?.
Ditos de alabaster brancos, o qoe pode haver de mais delicado nesle genero, sendo Ipara o
baraUssimo prego de 45 a 12fo par.
De vi tiro
Copoteiras lapidadas para doces, ditas moldadas, copos, escarradeiras de cores, garrafas lapi-
dadas, casticaes, maoteigneiras, etc., etc., todo por precos baratos para acabar.
Bulles e eafetelras
De metal priacipe, gostos inieiramente aovos e modellos multo elefantes, sendo para olio cbi-
C3rSS.
a^hotograpliias
Magieas, am dlvertimento de mnita cnrmsidade, sendo muito proprio para renniSes de la-
Tasso Irmos
Vendero 10 wi ramea ni da
Imorimo. lo.
Licor Ano Cs Licores finos sonidos em garrafas com rolh? d<
idro e om lindos fra
Vinbo?-i;tvrrs.
SininriMs.
Cti**hr)rl.
HtiiTnii);".
Borg>rifte.
Champa W.
Maseatel.
Retao.
Bordean*.
Cognac.
013 ton.
-Paegei lagniol._______ ____________
Vapores.
Vende-se ea asa de Saonders Brothers & C.,
no largo do Corpo Santo o. 11, vapores patentes
com todo? os pertences proprios para fater Mover
tres on dnatro machinas para descarocar aigodo.
A LEGITIMA
SALSAPABHIIM
8 libras por45000rs, palbarim, macarrlO, milias ; vende-se pelo eornroodo preco de I $500 a daiia.
etc.., a AiO rs. a libra.
PREZUNTOS
os verdadeiros de Lomgo a 640 rs. a libra 9
560 inteiro.
JALEIA DE MARMEELO
em latas a 800 rs.
MOLHO INGLEZ
diversas qualidades a 720 rs. o frasco.
MOST*RDA INGLEZ A
muito nova a 800 rs o frasco.
MOSTARDA FRANCEZA
a 640 reis o frasco.
ARENQUES
em jatas a 600 rs. cada urna.
GARRAFAS
brancas para mesa superiores a 55 rs. e a
65 o par.
COPOS
diversas qualidades e tamaohos a 35 rs., 45
55 e 65 a duzia.
CAPACHOS
de cores e differentes tamanbos a 500 rs.
640 e 800 reis.
BALA'OS
diversos feitios epara compras dese 500 rs.
at 25 rs; ditos grandes proprio para roupa
de 35 a 55-
GAZ
Ditas em cartoes, ba urna grande vsrtedade de
vende-se por 3* a duzia!
Baos retrato* para Atoaos, inadros, etc.
farrafas por 125000 rs. e cada meia garra- o mais superior gu liquido em latas grandes
fa 15200 rs. |com 5 galoespor preco de 105 re.
RII4 DA CADEIB3
Borzegnlng
De bererro fraocet moiio freeo% para homem.
Wtos enfeliados para setiboras, fazenia muito bda e precos inultos eoamodos.
Machinas
Para pesar mascas, sendo de raode prestlrao, e tornase divertid pela forma de qoe s3o
pegadas e degradadas s pobres moscas ; vende-se pelo commodo preco de 12*.
Ctadiclros a gaz
- Pelo ultima navio viuda da Americ, recebemos do melh>r fabricante, am rico sortimento,
sendo da formas mnilo etogantes e gestos maito* bonitos, cores maito ssroprteda-i, etc., senlo para ci
made roea e plnrario?tros de 1,2, 3 el lores. Em vlrtude de termos ama grande poreo, ven-
demos por precos adwiraveis, e Wra qoe se encontr sineeridade, asista oda ura marcado cora o seo
diminuto preco ; a qualidade dos mes-no^ ffl,ncaraos o ser de maehini'mo maito sollido e bem feito,
aflm de dar urna brilhante luz, e nao fawr esolosao como maitos succedem.
Chamlns
Para candleiros a gaz, a 880,320 e 408 rs., em porc. faz-se grande dineren?.
az
r,^ m Pxl?,,,nt9 "o eraado, recebemos directamente de Niva-York, am carregamento, e
vendemos por menos que em outra parte, afflanga-se a qualidade.
Bacas
Grandes de ferro estaohado, proprias para banhos, vende-se por WJ.
, -5"1" ..?!,"ilex,!? am bom*rtimento de qualros para retratos, albans, cosmora'mas
ferros pa
quilharias,
precos
AR1IAZEM HE FAZESDAS
E
b mn
(KRAM11E LIQITIilA^lO
2H Largo do lerco 23.
Joaqnim SimJo dos Santos, dono deste bem sortido estabeleciment de seceos
* molhados, faz scieote ao respeitavel publico, tanto desta praca como de fora, que ve-
ham fazer suas despensas a este estabelecimento para verem a grande differenc'a qHe faz
para menos preco. caso fossem comprados em outra qualquer pane. E todo o freguez
qoe comprar de 1> 105000 para ci na ter o descont de lu% pelo prompto pagamento;
faz-se esta grande differenca por estar-se em liquidacSo.
Gaz americano a 4oo rs. a gararfa, e 95 a lata.
Caf do Hio de 1. e 2.Bsorte a 24o e 2oo rs. a libra, e a 65 -e 75 a arroba.
Queijos de diversos vapores a 254oo, 258oo e 35o',o cada um.
Phosphoros do gaz a 52oo agrosa, e em porcao se faz abatimento.
Cerveja de diversas marcas, duzia 55, 555oo, 65 e 75.
Arroz da me hor qualidade a 12o e lio rs. a libra e a 354oo e 352oo a arroba.
Papel de linbo marca viadoa 45ooo a resma, em porc5o haabtimento.
Ideal uno de marca martello a 555oo e 65 a resma.
Vinho das melhorese mais acreditadas marcas, a 257oo, 35 355oo e 45 a caada e
t 36o, 4oo. 5oo e 56o rs. a garrafa.
dem .'tranco superior qualidade a 45 a caada e a 56o a garrafa.
Cha mindinho e graudo da melhor qualidade a 25, 252oo, 25oooe 258oo a libra.
Mauteiga ingleza fina, a 15loo, 1512o e 15ooa libra, embarris ha abatimento.
dem mais baixa a 72', 8oo e 9oors. a libra, era porco ha grande abatimento.
Iemfranceza muito nova a 4o rs. a libra, e era barril ha grande differenca.
dem mais baixa a 48o, 52o, 56o e Aoo'rs. a libra, em porco ha abatimento.
Vinho do Porto engarrafado e em barril a 64o, e a 15 a'garrafa.
Alm destes gneros ha outros muitos assim como hoiachinhasdesoda a !5loo e
25 a lata, chouricas e geuebra de todas as qualidades, massas para sopa, copos a 55 a
duzia. s no Conservativo largo do Terco n. 23.
DE
OLYMPIO GONQALVES ROSA
Eua do Livramento n. 14.
O propietario deste estabeleclmento fa sciente ao respeitavel publico e aos seus amigos
rreguezes, qoe tem aoRoinnUdo a sua officioa de alfaiate, e dirigida por ura hbil mestre, se encir-
rega de razer com promptidao qualquer encomraenda, das pessoas que quizerem honrar sea estabele-
cimento por precos mais baratos.
Assim como tem um compete sorttminio de fazendas Anas (as quaes n3o sendo costume pro-
n^vliti8 l0Jas.d. L'vraroento) espsra que seus amigos efregeze o henrem com ana? presencas,
>ots vende mais barato qae outro qualquer.
^^
ba QiTOOE mn pist.
PREPARACOES PEfifiEAS-BGABICAS
APPROVABAS PK.A ACADEMIA DE KBPICWA
DE BURIN DU BUISSON
Pharmafcnli, laureado pela \aiemii de fificina le Par
6 eminente profesor Tropjsea, na ultima .,lvao de scu Tratado ie Thera-
peuua e Male.n metea, reconhece qwe os ferruginosos simples sfio mnilas
\^fJ'l Ma l,i,ra u,arJ as wicsiias que iccm |>or cansa o empabreciment
do sangue. Mim- os mnbeos dos mais Uncios attril.-jo:n esw mi o rito ausencia
n essas preparares, do mmganese, que se aclw no .anguc, como o tem recoahecido
os cmmiros os mais pontos, semprc intimamente unido COm o forro.
K pois.;.restar-scum verdadeiro servigo aos B^Hnlftm, oebamar-sesuaattencio
sobre af prepont?6rs seguimos. ,"" .*^T
dando immcHiatamentc urna agua, acidulada,
gazoza, agradavcl, substitumdo com vaataKem
e economa as aguas mineraes Terrug4nesas.
P:!,!'is e Xr:p? k Umte de ferro c de mantn ;sc
contengo pa-ticulannenlj! as molestias lymphaticas, escrofulosas, e mis cliamadas can-
tiis.is >- t;>!uM-j-,;lncc .
< Pos ferreos BiaiiMnicos
3
A1 loja de f izeadas de Augusto Porto & C.
11Ra fo Quftmado--li
A' loja de Augusto Porto & C. chegaram as melhores basquinas de seda
preta que se vendem por mdicos precos.
Vestidos de moin do c6:-es para bies e partidas.
j Ricos vestidos de Blond rom manta. e capella para noivas.
Costumes completos de casemira para hornens, fazeoda especial, sendo
f as calcase palitotsda ultima moda.
Bonets depalha da Italia parasenhoras e cha eos de phantasia para ho-
rnens.
Enxovaes e vestidos bordados para baptizados de 105000 a 305000.
Camisas inglezas para homem, peito, punhos ecolarinhos de linho supe-
rior. r
Ricas saias de liaho bordadas, baloes, espartilhos, meias 6nas, lences
bordados, camisas, camisinhas, manguitos bordad s para senhoras.
Colxas de seda, e de la e seda para camas de noivas.
Cortinados bordados para camas e janellas.
Tapetes para sof, cama e piano e pannos para cobrir mesas.
Bramante, Brillantina Miciennes ou cambraias de pafos, fozenda muito
bella para vestidos, silesias, bretanhas, e cambraias transparentes tapada e
de hnho.
Moireantique bramo e preto, sedas brancas, de cores e pretas, e gres-
denaple de todas as qualidades.
Brins de linho branco e de cores dos melhores.
Neste estabelecimento ha sempre sortimento das melhores e mais baratas.
Esteiras da ludia para for ar salas
IIRa do Qnelmado11
P0T4SSUUUSSU
Vende-se potassa da Russla muito superior e de
qua'idade a mais apropriada pira o fabrico de
assucar a preco rasoavel, no armaiem de Jos da
Sll"a Loyo C.
As agrieBlUpcs
Sannders Brothers & C. acabam de receber d*
'Liverpool vapores de for^a de 3 a icaaallos cola
todos os pertences, e mnl proprios para fazer mo-
ver machinas de descarocar aigodo, podendo cada
vapor trabalbar ate com 140 serras, tambera, ser-
vem para enfardar aigodo on para oulro qualquer
servigo em que asam trabalbar com animaos. Os
mesmos tambem tem a venda machinas america-
nas de 35 a 40 serras : os pretendentes dirijam-
se ao largo do Corpo Santo n. 11.
Loja do Gallo Vigilante
RA DO CRESPO N. 7.
Grande e variado sortimento dos numero-
sos ohjectos de apurado goslo que ultima-
mente acaba de chegar para este bem co-
nhecido estabelecimento, pos seu corres-
pondente em Pars o mais habilitado pa-
ra a escolha de taes objectos, pois os com-
pradores poderio apreciar, como sejam lin-
dissiccos enfeites de cabera com cok de
cabello, e sem elTe.
-S no vigilante ra do Crespo n, 7.
- Iafeites
Roques com cteos e de novos penteia-
dos.
Trancas pretas e de cores, e de todas as
larguras, com vidrilho e sem elle, para eu-
feite de vestidos.
Bicos de seda com vidrilho e sem elle.
Gravatinhas de velludo para senhoras.
Gravatas e mantiahas de seda para ho-
mem.
Gravatas brancas muito finas.
S no'vigilante ra do Crespo n. 7.
Volt abas para meninas.
Voltinhas para meninas.
Pulseiras para as mesmas.
Correntes para relogios fingindo cabello.
Riquissimos sintos, fivel'as'e fita- para as
mesmas e de outras muitas qualidades.
Riquissimos pentes de taataruga.
Fitas de velludo de todas"as larguras.
Lindos enfeiles para vestidos, chamados
Chrisptanne Margante.
Riquissimas llores para vestidos e para
cabeca.
Capellas con canos flor de laranja, pro-
prias para noivas.-
Meias de seda para senhoras.
Ditas para meninas.
DE 6RIST0L.
PREPIEABA WCAMEHTE POE
LAMAN & KEMP,
NOVA YORK.
Composta de substancias, gozando dsa
propriedades eminentemente depurativas a
*pprovada pelas juntase, academias de me-
Jicina; usada nos principis bospitaes, ci-
v8 militares e da marinha as Antilhas e
oo continente americano ; receitada pelos
acultativosos mais distinctos do imperio do
Brasil e da America hespanhol
CTJRA RADICALMENLE
sscropholas, rheumatismo, escorbuto, en-
ormidades venreas e mercuriaes. chagas
tigas, morphea e todas as molestias pro-
venientesd'um estado vicioso do sangue.
Emquanto existem varias imitacoes e
falsificacoos. preciso a matar cautela para
vitar os engaios,
A legitima alsa de Bristol vende-se por
CAORS & BARBOZA
JOAO DA C. BRAVO C.
Jo5o da C. Bftvo & C.
Deposito gsral em Pernamauco roa da
rui m.%1 em casa de Gart
----- "~A.'J,IUL"" "
JRUBEBa.
A jurubeba urna das substancias medi-
camentosas, que pertencem ao reino vege-
tal e pertence classe dos tnicos e des-
dWstruentes, sendo empregada com vanta-
gem contra as febres intermitientes acom-
panhadas de engorgilamento de ligado e
baco. Ella tem sido applicada com incoa-
testavel proveito Cfjfrtra a anemia oh cbloro-
se e hydropesia, catarrho da bexiga, e mes-
mo para combater a menstruacao difficil,
resultado da mesma anemia ou chlorose.
Extracto alcoolico de jurnbeba.
Emplastro idem.
Oleo idem.
Tintura idem de idem.
Xarope idem.
Vinho idem de idem.
Pilulas de extracto idem.
Deposito, pbarmacia de Pinto, roa larga
do R sario n. 10.
JURU*EBA MACHO E FEBEA'.'
Debaixo da denominacSodejurubeba
nascem nos sitios arenosos do Brasil dotis
arbustos do mesmo genero, mas nao do
mesmo spxo. Ambos creseem comlindas e
frondosas folhas, ambos produzem bagos
gramneos reunidos a' maneira de cachos de
uvas, pendentes deum pednculo curto. O
Riquissimos chapeosinhos e touquinhas Primeiro> ist0 ^. o macho, pouco menor
para meninos e meninas, mnitas e sapati-' ^ 1ue eme!,> aPeas cresc at altura
nhos de seda para os mesmos. Ide .um .hmfim. lem folhas meai.res, nao
Lindas sextinbas e bolcinhas para bracos'muit0 8,nooss. ^s recortadas, com talos
de meninas.
Meias pretas de laia.
Lindos aderecos e brincos.
Aderecos completos preprios para luto.
Lindos porl joias e port relogios de dif-
ferentes tamanbos proprios para um deli-
cado mimo.
guarnecidos de alguns espinhos.
Nasextremidades dos ramos produz peque-
as llores como que juntas em forma de um-
bella.de cor lctea misturada de azul celeste,
as qitaes representam exactamente rima es-
trella de cinco ngulos e contam de urna
10 corla, modelada e como dividida em
ruga para missa.
Aderecos de flores.
Riquissimos aderecos completos, sendo:
voltas, polseiras, brincos, alfinetes, grampo
para cabel|os; tudo i.-to feito de todas as
flores de ultima moda em Paris.
3ra vatl abas.
Tambem chegaram bonitas gravatinhas
Riquissimos livrinhos com capa de tarta- outros tants tringulos, sahindo do centro
cinco estames, ou firamenlos, de maneira
que ao tange tomar-se-hia por na flor de
borragem.
O segundo, mais alto, mais espinhoso,
tem folhas maiores, cobertas de pello pela
parte inferior, elegantemente guarnecidas
de espinhos, recortadas de um verde vivo,
i mesma flor que o macbo, porm
com flores, e com alfinetes proprias para'ma'sn,tlda-
meninas e senhoras. Arabos, em virtude do uso quotdiano da
Rosetus e brincos. medicina, sao bastante conhecidos as phar-
Riquissimos brincse rosetas inteiramente acias- E verdade, suas folhas e sueco
novida le e tudo de moito gosto. sao ^pregados para mitigar, como tempe-
crosas e lubercaiesa.
V' Irajees de lclalo de ferro e de mauganese j ^T^^S.
1. Pilulas de carboHalo krm mmm i pTlSStK
alternar estas dnas preparacSes di oa me&ores retaliados.
0 S Bnrin dn Buisaon desejando obter a adbesSo completa do publico medico a
"rreLdo.val0Ir'ie 8?M Preparacoes, prevme qae elle u pde grataitameate a sua
No Ptrnambuco, a sen agente geral, Mauraa* O*, phannacenticoe, na Nora.
E llliiimiuiiniiiii mu
vende-se na paarmncia de P. Maurer & C, ra Nova.
Tonqnlnhas.
Riquissimas touquinhas de liaho e seda,
ponto de corx ricamente enfeitados e de
muito gosto.
Fita.
Riquissimas fitas de chamalote, sendo: ver-
de e amarello, tecido na mesma fita.
Agnlbas de marflm.
Tambem chegaram as mui desejadas agu-
Ibas todas de marfiaa, para trabalhar em 15a
e sem corx.
Sextinbas.
Tambem chegaram bonitas sextinhas de
palha fina, proprias para meninas.
S no Vigilante ra do Crespo a. 7.
Espelbos.
Riquissimos espelbos grajides e bonitas
rantes, e corar as feridas e ulceras, e mui-
to favorecen! a cura dellas. Posto que as
folhas e raizes tnham um sabor amargo co-
mo a chicorea e a fumaria, todava difficil-
mente poderiam ser clasificadas entre as
drogas quentes. Sobresae principalmente
era virtude e efficacia, e mais amarga a
raiz, com particularidade a do macho, que
consta de partes mui tenues. Por certo o
"-osimento deste faz despedir a ourina retida
; e applica-se muita vez com feliz resultado
j contra as obstroccoes do figado e da prsta-
ta em lu?ar das raizes apperientes. Sua utili-
dade e excellencia s5o taes, que nios petar
doutos, mas tambem pelo povo rustico
procurada e contemplada entre os remedios
raaravilhosos.
LOJA DA FRAGATA AMAZONAS
PERFUMERA da casa oger

CREME LABIALE de sueco da IUms.
POMMA0A velours para aoutoiv a
fto.
ELIXIR ODONTOPHILE.
SA BAO dedicad* as damaa junarkaaaa.
Sabao de bott^uet d* Fraact.
Boulevart Sebastopol, 56. Is%t^x.
Das medalhas, a dfdima^i da Legin |
d'boueur a graada Wptacaa fue tem lhe
dado o publico, taeaaaourecompeuu que o*
servicoa prestados a iadnstria iBsrscws a
esta importante casa desde sos fondaca* em
a^V%
N'nm sortimeHe de anta de 500 artigas,
as penosa elegantes easeUierao os segmates:
ROSEE ou PARADIA, extracto sajarnae
para lenco.
pommada CEPMAtKUE eoatra a cal-
Tioa.
AGUA VERBENA aaia taexadsr.
S.'il?L,!S c^rndefo^-aeaT*an.
N*Q"f ?^W MYOIEMIOAS. i- deWueUoheiroos.
TINTURA VW04NALE keyeim. d de aftnea balsmica.
ROSEE OE LYt, veedadeiM agua de d* doar, caixa rica, fantasa sari.
d*
d*
d
d*
d*
d*
d*
d*
d*
d*
de lores de alces reata,
de lores priaiaairas.
de boaeast de wslaae.
de prtanos aaossa.
aursra, dedicado aos dedos car da
DE
Monteiro & Guimaraes.
N. 5 Rui di Qeeimadi o, 5.
Este importante estabelecimento prvido como se acha de tudo quanto objecto
de gosto, por quanto seus propietarios recebam de conta propria por todos os vapores
om pracedencta da Europa, objectos para graalo toilette, e osa ordinario para todas as
classes, e bem assim adornos proprios para casamwitos.
A Fragata rece ie por todos os vapores la/as"de Jova, e acaba de receber no-
vo sortimento d >s objectos seguintes:
Cortes de Monde para noivas. Resposteiros para cadeira de balanco.
Esguiao de linho fino. Rretanhas de Hnho fino.
Bramante.
Chapos de fl de seda para Sr\ Tiras bordadas.
Cbapelinhas de er pe e fita para dilta. Entremetas ditos.
Venidos brancos bordados.
Cambraia de, liaho iiao. .--..^
Froahas de dito.
Lencos dito muito finos.
Cambraia suissa com 10 palmee de largura.
C tes de oda de cores loas.
Cortes de faulard de seda,
molduras proprios" para salas ou tajas assim Tra^uzido &> latim de Pisn t Marcar ave.o
como outros de differentes tamanbos.
S no Vigilante, roa do Crespo n. 7.
Para os pais de familia:
Verdadeiros
Collares Royei*
Electro Magnticos Anodinos
Oa Collares Anodinos, para facilitar a den-
ticao das enancas contra as convulsoes
das mesmas, a estes collares nos escazado
fazer qaalquer recommeodacSo, visto a acaba de receber om Iludo e magnifico s&r
grande utilidade que tem produzido quelles tiiuento de ocolos, luuetos, binculos, do i-
pis qae os tem applicado em taes circum- timo e mais apurado gosto da Europa e oca
staocias pois nos parece que n5o haver um tas de alcance para observares e^art^o
s pal ou m3i que por este meio nao quei- martimos. .
ra pflr termo a taes soffrimentos de seas_________________
fllhinhos visto ser om mal que tanto os'
flagefia, pois a estes collares acompanha um-
Francisco Jos tiern
RA NOVA N. 2!,
Doces
Grande sortimento de doces secos e crvstnik
folheto que enslna como se deve apphcar, e dos e em calda estraDgeiros e niclona'es -
vende-se na loja do Gallo Vigilante, ra maiem di Liga m> Nova a. o.
no ar-
do Crespo
e 6fJ000.
n. 1, peta preco de 4,5000, 5&
Chapelinhas de palia da Italia.
Leqnes de madreperola fiaos.
Leques de sndalo fiaos.
Roton as d seda. ||
Rotondas de algodS>.
Basquina de grs brod.
Mias de laya para padre.
Cintas de fantasa, gosto novo.
DO ES
Grande sorlimeMo de deces seceos, erysrllsa-
dos e esa calda, estraagelros e oaeionaes : no ar-
aasenj da Uga rae No a. 60. .
..: Vvatfcic '""""
Joaquim J s Goncalves Beltro
senatorio a roa do Traptebs o. 17, prlmeiro
andar ende a precos eoamodos poussa e vinbo
dsPorto ea caias e barrls.
Vende-se vinho de Bordeant em qnartolas
barris caltas : em casa de Tlsset frres, roa do
Trapiche n. 9.
Carro ameritfaao
Vende-se om carro de 4 rodas para i e 4 Des
soas, para om e dona cavallos, com arretos ara
um cavallo, ludo em bom est.do, assim como ym
bom cabriole! de 2 rodas com arelos : a tratar
Da oficina doSr. Poirlar roa do imperador ioato
ao Gabinete Porlogaet.
- Na ra do VlBirio n. !9. vVe^ge :
Vioho Moscaie em anoreUs.
Vinhos do Porto de diversas qualidades engarrafa'
do e em barrls.
Cera em velas e erume.
Lona em pecas e fardos.
Vende-se a casa terrea n. (So" da roa Velb
trtara rna do Rosario o. 86, em frente a rni
'
. f
,
-i

_'Jfc.
S*-M



Mmh
\
I
i
>
,
r
I


diario t i ei n uuboeo Herbada felra 9 dt Janeiro de 1867.
Metas dt Dr. 1. C Ayer, ei-leate
tttMVMIfftle de Pnsytvaiia,, no*
Estadas-1'nidos.
E*!ff ** ooapoato de salsa-par-
ral ta de Ayer.
Prttortffecerefa.
osseito fHrr* seiSet.
Pilma* crthrtfcas.
0 deposito central para as provinciag
Pernambaco, Alagoas, Parahyba e Rio-
Grande do Norte de*les remedio Uto fa
voravelmente conbecidos e acolhiV, em
todas as partes da America do Sul e do
Norte, a-cha-se eta casa de Theod t hrl
ttanstv, 16 rna di Trapiche eas
Peraanbaco.
Os presos de
330 por duzia de estrado de salsa-parrilha.
270 por duzia de peitoral' de cereja.
270 pordazia de remedio para sezes.
70 por duzia de pilotas catharticas
se entendem a dluheiro Tlsta, con
o descont de r por cento em, quantidadei
de 6 a 12 duzias, e de 10 por cento ea>
quantidades superiores a 12 duzias.
ItIYAL SO SEGUNDO
Ana do Qucmado n. 49,1 o ja de
miudezas
DE
Jos Bigoumno,
Continua a queimar indo qaanto tara em sea es-
tabelecimento.
Sylabarlos rom estompas para meninos a 329 rs.
Memento da roupa de lavar a 100 rs.
Ndv.ss cartilhas para mentos a 160 rs.
Duzias de meias multo Haas para seahora a 45500.
Ditas brancas e croas para borneo) a 3* e 4*.
Agulhas franceww a balo (papel) a 60 rs.
PeoTras.de lodsa ("perjaetias) muito unas a 160 rs.
Pares de sapatos de traoga e tapete a 300.
Pecas de fitas de lia de todas as cores a 600 rs.
Grozas de botoes de porcelana prateados a 166 rs.
Ditas de ditos de madreperola multo floos i 600
rete.
Caitas com alOrreltes Irancezes a 80 rs.
Caixas de 100 envelopes moito Qnos a 600 rs-
Pares de sapatos de la para meninos a 400 rs.
Pregos francezes de todos os tamanbos (libra) 210
ris.
Resma de papel de peso tranco liso a 2*.
Frasco com superioT'rinia a 100 rs.
Grosas de pbosphoros de g-az a- 2*200
Pares de botoes de punlio multo bonitos 120
Linttas em csrro Un 200 jardas a 100.
Caixa de superior unto do sai com 30 uovellos
700 rs.
Caitas de pos de arroz muito flno a 800 rs.
Palestras de conta para meninas a 320 rs.
Talheres para meninos a 240 rs.
Caixa com superiores istas para charutos;* 20 rs
Masso com superiores grampos a 30 rs.
Grosas de pennas de ago muito Anas a 320 rs.
Bonets para meninas a f*.
Puntes com coste de metal a 400 rs.
Capachos compndos e redondos a 500 rs.t
Caitas com superior papel amisade a 600* rs.
Realejos para meninos a 10o r.
Mmta uttenc3o
AS FAZGIOAS
NA LOJA
ARMAZEM
PAYA O
Raa da Imperatriz 60
i
n, j0r_!sftrmos qtrasi no B a aono resolveram
>s tonos desie importante estabelecimento vender
Baldes baratos
Vende o Pavao.
Caegoa am grside soniuenw de baldes de ar
eos sendo amerieanos fruesioa* menorete vea-
dem-se pelo baraUasimo preso de 2*366, 34 e
3*800: na I0J1 do Pavio o* roa da lawmtriz a.
60, de Gama A Sil?a.
A 100 rs. para leto, rende
Parlo.
TestidatOT para meninas
Vendem se elegantes vestidiobos para menina,
oe lasinha moito bera enditados pelo baratlssim*
precede ttflt-, dito*-de gMf, de-seda a 3*00-
DaJ2JIJe rnj,temj_Pavio na roa da Imperita:
o 60. de Gama ir ato
Orates de merino
Tendero ee tnissisoee chales de trin lisos t
diversas cites, tendo as (Yaaias de seda a 4JO0C
tendo con as franjas de 14 a 3*300 1, ditos et
Novos vestidos Poil eOh-
vre a 16#0D0.
Va Jejo a pavo.
aMSSaSH9W"^S' B2ulto rcai bw*,w dmlSrtSlS?'-2ll!i0i,D ^eaPrarem dnaelroe' **, ditos proprlos >ara-cobr.r alrooftdes a
SrS 8 aposito qoe existe na soa 2*506 e ditos.para cobrir preseales a 2300 e 3
nhii#? pBn qw C0ITvhla raspeitavel, na toja do Pavo rna da Imperalriz n. 60,"de Ga'-
pudiico e os seas namerosos fregoews a Wrem sr ma 4 .Silva.
^m!T;e ,asfaiend3s' lamo Parias para laxo '
como de prlmeift nec-ssidade, e convidam as pes-
soas que negociara em peqoena escala que n'este
grande estabelecimeato encontrarse nm abultado
sortimento de fazendae do Iw e haoutia que se
Lm,an peios,mesmos Pre?os Que se compram nos
armazens njglezes ganando se apenas o descont
e oe no as fszeadas dSo-se amostras mediante
um peoaor, ea- masau se letar en rasa da es-
do PaSo""' liaiVas VM ^^ Poderam vif a loji.
canibralas lisas do Pavo a 30500,
45000* 4*600.
*ll *e B* ****** sonimemo- dae raelhorey
'.amoraias transpuretues, teodo 8 varae e ueia ea-
4*o00, 5*000, 6*0- e 7*00>) a peCa^ d.tas dTes-
cossia com 9 varas esda peca.-ieada awft de vara
Vfcum'a 6*600, 7*000e 8*000; ditas largas ce
palmo de largura a 1*600 e 1*296 a vw-a-, set-
OD preciso apenas 4 varas para vestidos, attemden
7-l1^ dltas para forro mait0 enceapadas
T, a P*?8 : Ba loa e srBiazefi do Pavao Da
ra da Imperalriz n. 60, se Gn fr Strva.
Pana-cao de aeitae-Tende o PavSo
Veodero^e.rice*eorilaad08 bardados e adamas-
cados proprlos para camas e janellas pelos baratos
precos de 8*, 10*000, 16, 20000 e 25*000 ; su-
perior datwsee de la- errfelisdo a imitaco de seda
S?*"" P*ra 'as a2*600 o cetado; ricas col-
vendem-se laazinbas sres proprlas para loto, Umpados moito finos a 5*500 GOOO e 7*000 d-
na, s de crpon com listas de seda 8*000, dita
00, mws ordinarios para atatoar a 2*060 e 2*500 w
Nae armawm do Pavao na roa da Imperatrii a
60, de Gama & Silva.
Sedinbas de listas a 400 rs.
.J? e lDU8seba* ae liria* propriM pan
nrfL?.P/S2 "rwr" de cUi,a 1Dlf" ^lo barau
prego de 400 re. ecovado : ea loja e arajazerij i
Pavo na roa da ImperaUim o. 60 de Gama 6
silva.
Filos bordados a 800 rs.
PavSo.
Vende se filos de Iniho branco cordados proprica
para vestidos pelo baratisskoo preco dt 800 rs.
vara : na lojae armazem do Pavo na ra da io>
peratriz n. 60 de Gama & Silva.
Pannos de linho.
Vende-se superior pannos de rtnho prepriarpar
roBes, loiMias eaerouras etc., pelos NraHssiccw
preces de 640, 760 e 800 r?.
pelo baratissimo prego de 100 re. o covedo :
lojs e armazem do Pavo roa da Isperatrz n.
4e Gama & Silva.
Crochs
Para cadeiras
Para sois
Para camas
Para presentes.
Cnegaram os roais ricos pannos-bordados a,cro-
eU6 proprms para encostos de cadeiras qoe
a vara na leja o<
.,. a val a : btamante i
ma.s lindos corlas de poil de cbvre para viudos,'. ou Cregnellas por baratos mZ L Mia f arma
rflfaeDda, D'eiramn' ^a no mercado, lenl. isa do Pavo na raato ImSria n o di S
do esta azenda bastante lostre com os mais deli- ma & Silva. iperria n. w, ,e b
ssdos imm tanto em listras como em flores" soltas I Cambraias brancas de caraba a kk'-m
e vndenle pelo baratsimo preco de 1*800 r^ZJr!.-., ,corao a o*-00.
kttdji cada corH 18 cavados, i.-to na *> S! de cort" de"Ca*S eUktM
se pele baratrssimo ereco o>- n3U ps-
(ja na toja e armazem do Pavao aa run da Imp-
bracca
zem^0 pavoM r"u"a ihWTMi7.<5tetomt^fi(> .a- *,teadas
Sllta.
Para senhoraa
Cas.iqnfahas a 20000
Vewlem-se as antis modernas saquinlras ou
baaquwas de seda prdta, mai(* bem entettadao as
raai? modernas que tm vmdo ao mercado e pelo
baratissimo preco de 20* cada urna na laja e ar-
m,ze Pavio roa a Imperatnz n. 60, de Ga-
ma & Sirva.
Afoneas Hs?s
Cberjoa^ e roais hnd serMmvnto de alpacas de
urna so cor, preprias para vestidos, e endent
por pregos em conta : Da lo^ e armazem do Pa-
vao, raa da Imperalriz. 60, Os espartilbo do Pavao.
Vendem-se orna grande e vanado sorttmento de
espartilbos dos roais heos fertos qoe tem 'viadoae-
ltMOO C^^, ***t***'1**JW* e mercado, sendo de todos os tama^hos77endendo.
a e armazem do Pavao na roa por trm prego moito razoavel
Graaue c
IIZ Gil (AZ
^ Chegou ao aotigo deposito de Henry Forster 4
C, ra do Imperador, um carregamento de gaz de
primeira qoalidade.o qual se vende ero partidas e
a relalho por meos precu do que ea> ootr* qoal
quer parte.
Algodao da Babia
retalho
Veade se em porgo e a
Crespo loja da esquioa n. 8.
na ra do
LUYAS OE JOUVIN
novamente ebegadas, frescas, e bem sortidasf-ena
loja do Vapor, ma Nova o. 7.
Rival mm segundo.
ftua do Queiiuaao a. 419.
Quer acabar em as faztiitlas abaii
wuiici nadas.
Queiram vir ver o que bom e lniraiis-simo.
Toalhas de labynntho com bico, fazenda boa >
3*300.
Carretela de Irnha com 100 jardas a 30 re.
Grvalas pretas e de coree muito tinas 500 rs.
Barataos fraocezes mut'o linos a 200 e 320 rs.
gaitas da obreies de mws muito novas a 40 rs.
Kufiadores para espartuho de curdo e lita a 6(
ris.
Carreteis de liuba ASSOMM com 400 ardas a 201
ris.
Desmas de papel almago muito bom a 2*500.
ftrasco de oleo babosa a 320 e 500 rs.
Hitos de dito higienique verde a 1*000.
Ditos dito f*lso a 800 rs.
Citos de macaear perola a 200 rs.
Sitos de banha moito fina a 200 rs.
Rutas com 12 frascos de cheiro a i* e 1*500.
Fabonetes muito finos a 60, 160, 200 e 320 re.
Ditos de bolla muito finos a 2*0 e 320 rs.
Frascos com cheiros muito Bbos a 240 e 500 re.
Caixas para rap com bonitas estampa* a WO"
Lia para bordar a mellior do mareado (libra)
7*000.
Jaitas de palitos a balo a 40 rs.
Miadas de lioh* froxa para bordar a 20 re.
Varas de cirdo para espartilbo a 20 rs
Frascos com tinta roza muito boa a 240 e 320 r>
Ditos de dita preta a melhor que ha a 320 rs.
Duzia de laceas para sobre-mesa a 4*.
Dita de dita de cabo preto cravado a 3*.
Varas de Iranja branca rarra a 2y0 rs.
Pacotas com 3 sabonetes inglezes de superior ao
lidade a 720 rs.
Lapes de creao a melhor qualidade a 20 rs.
Peales volteados para regapar cabello de menina)
a 320.
^engallas de caoaa coa villa a i*.
Frascos d macaca' oleo muito fino, a 120 rs.
Abotoaduras muito Unas para colletes a 500 rs.
Caixas de iioha do gaz preta e de cores a 808 rs.
Canoes de Noha branca e de cores a 20 rs.
Liora de rra preta snpenor a 100 re.
Cartas de alneles fraucezes com 14 nenies
120 rs.
Escovas par* falo, Meod* boa, a 500 rs.
Botoes de cores para vestidos por iodos as precoi
Ditos pretosde casaca /duzia) 120 rs.
caIIeTbmT"
Da mais nova que ha no mercado che-
gada pe o ultimo navio, vende-se ra do
Brtirn n. 66; armazem de David Ferreira
Batar, barris de 4 arrobas toda em pedra
por 3$, tolas 4e 2 ditas hermticamente fe-
chadas por 2500.
Prsantos de fiambre ja' preparados.
Serveja pellada.
vioho gellado.
Maoleuza gallada.
LiUs cum 3 lira* de lioguicas, e ligados em
molhn morcellos, vind^s nliimarnente da liba.
G ?"- de Datatas a' 700 rs. com 1 arroba.
lui o mais -barato que possivel no armazem
de Guimaref 4 C, roa da fmperatriz n. 6.
Gal d Lisboa
Chegada no ultimo navio, roais barata que ero
ouira qoalquer parte j no deposito da ra do Apol-
lo n. 8.
~Verdse r"
tnarhioas amerindas de serrotes para descarogar
algodlo na ma da Sentada Nova a. 42. '
T y^?80*-9* ^ms raobnia aova de Jacaranda a
Luiz XV, completa : tratar aa raa da Impere-
trlt armazem de marcVecrna n. 25 doSr. Remigio.
de porta.
Vendem-se no escriptorio deste DIARIO
160 rs.: raer das Crozcs n. 44.
beui surtido hriuazeiu de Belhados
Ha Nora a. 60
Sahio on nao sahio, am abliis.-imo freguezes? sahio sim ; ese demoramos lauto
em abrir a caixinba do segredo, lo i porque gostamos de sorpreza e das correctoras. Ah!
Ah! Ah! como o sahir deu no goto de muita gente de collarinho empinado ebigode re-
torcido 71 Quanta ioterpretacao lidicula e risivel soffreu onosso pobresahirll Muita
veztivemos frouxo de riso no cantinbo do nosso armazem, quando vamos que alguem se
encomoiodava com essas seis negras Fetras, que por alguns das deram umeerto ar de
mysterio a urna das columnas deste venerando Diario f E no etanto nada de mysterio-
so havia, como vedes, no.patusco taim sim; riamos a bom rir; mas nunca vimos rir
o cavalleiro da Liga porque
Serio e grave encara as cousas
Deste mundo como sao ;
Verdadeiro, fiel vive
Do eommereio a iradiccao !
a Imperatrir n. 6tT, de Gama & Silva.
As meipomenes do PavSo a 25500
Vende se superiores cortes de meipomenes, sen-
do fazeoda iraossareole e tr*fte*onrta, Kndo mal-
los padrees roaos com 7 varas e metas cada- cote
pelo baratissimo prego de 2*500 ; isto para.acabar
na loja e armazem do P^vao na ra da Imperaiiii
n. 60, de Gama 4 Silva.
Grande pechrocba ero chapeos a 500 rs.
Vende-e elrap*de pala a imHago de nwai-
ma pronria- para bameos palo bara4 smbo preco de
oO rs. cada om ; isio para acabar na loja e arma-
zem do Pavo na rna da Imperalriz n. 60, de Gama
er Silva.
Pechincha om madapoles na loja do Pavo.
Vendeai se soperiores pecas de roadapolao lino
com 24 >ardas pelo Imalissmio ptteo de 12*000,
dilas de 8*000, dita* de 7*000, ditas 6*500Pgan-
tindo se terem todas 20 varas, sendo muiio boa fa-
caeda para oe-pregos aclrr-a mencionados, qce se
een-m roais barato que em ootr qualquer parte;
ero-s na leja e armazem do Pavo na ra da Im-
peralriz n. 60, de Gama & Silva.
Pots que o saldr se moskr.m qiwl vrnde-admirar fregoetes, cerno no armazem Camisinhas para senhora a 4(060 e 5*O0Q.
da Liga se opera a mais fina liga do botn e barato. Lede e veris a verd de vinde pois ; Vendem-se Hoissimas camisinhas com mauguitos,
conQamos em que d5o tereis occasiSo de dizer que o vosso dinheiro foi mal empreado iendo 2 ** med*r,0B ie Deie P"fro rem vin-
nem o vosso bom gosto offendido. Eis freguezes e ... la vai verso. I % ^STffflWSS^a
Fariana le inllbo Imperalriz n. 60, de Gama & Silva,
ou gomma de milho branco preparado na America, vende-se 500 rs. a libra, e o cida- Corpinhos para senhorr a 5. 8& e 10#.
doque comprar dez libras vende-se-lhe-ha450. Chegaram os mais deiicao^s corpinhos desta-
BlSCOUTh INGiLEZKS braw trn> Soda Mized Pic^nic, Francy Cruckeuel. Qenn,Osoome', Gala, Arrowrote entras mtts Vl$^^ ^^^ S'%.
qualldades a f^OOO a lata com 2 e 5 libras. zeada multo superior plo terato seseo de 8*000 ;
Bflraiinhas percales Jj "ft* &TJff!**na rua da ^f*'
iVaal ST" ****** 2' 3' 5'8 braS C3da Uma e Pe'S S6gUDteS pr60S: **m'! GrandeB"phta5a em chitas.
e ^UOU. Vendo senos grande sortimento de erritas esco-
"a6 alf5res ^aatssas peles baratos preces de 320,
001 tos
lidades de pao-de-l, bolos, para champanha, bolnhos com amendoas, e ou-os morta ^.,e ^f0Y"i coa, f8 e Dure^ ele"
que se tornam enfadonho mencionar. JogKfKSZ nTfSt d.r?Slu, a 9$
MANTEIGA
Bolluho com auiudoas
grande quantidade de carles, bocetas, caixas f .eradas de chumbo, com as mais ricas qua- 36e 4(' 2send Ci m os padroes'ma's bo
lidarlfis re nan-rlfi-lrt hnlns nara chamnanha hnllnhn caiti amonrinao a nnimc wmmi*. 1ue Um "ndoao mercado com listas e Dures
manteiga ingleza, primutra qualidade a l^iiu a libra, idem ingleza boa a 1^000 a libra
800, 600 e400. dem franoesa a 640 rs. a libra.
Hoces cin calda
doces secos e em calda de todas as qualidades, em frascos, potes, caixas, etc etc.* por pre-
cos os mais razoaveis possiveis, amendoas confeitadas libra a.
cap:
cari do Rio l*sorte 240 rs a libra, 2a sortea 200rs a libra, 3* sorte a 160 rs a libra,
em arroba se far grande abatimento.
Vrnha
vinhos engarrafados de todas as qualidades, rainbn Estephania a 3#000 a garrafa, Porto
maloiia a 4500 rs. a garrafa, lagrimas do Douro a 1(3800 a garrafa, Pedro V, D. Laiz,
Maria Pia, carcoveilos, bacanaes, boeugi a l^OUO rs. a garrafa, idem chere verdadeiro,
5500 a garrafa, idem cherny cordial a 4000 a garrafa, collares e figuira ambos engar-
rafados a 500 rs. a garrafa, idem de Lisboa em pipas, barris, ancoretas e a retalho a 360
e 400 rs. a garrafa, ao^oreta com vinho tinto a 20100 a ancoreta.
Bordean*
vinho Bordeaux de todas as qualidades de 650 a 25{r000rs. a duzia, e en garrafa de
iOO rs. a.25000 rs. Wermouta a i^-500 rs. a garrafa Kenoeh dewassef a 2Ji6tQ-m. AV
symth a 24000 rs. a garrafa.
GAZ
gaz verdadeiro americano a 9,5200 a lata grande, ganmtindo-se 27 garrafas, e a 400 rs, a
garrafa. *
Cerveja Geluda
cerveja gelada era garrafas e '/* garrafas inglezase franecza.
Pincu e a I pista
painco 100 rs. a libra, alpista 160 ; pinco e alpista misturada 140 rs. a libra: em
porco se far abatimento.
C h ver de e preto.
m00, 1*^00, 2u00, 2200, 20400, 2060G, 21800, 3^000, e 30200; cha verde de
todas as qualidades, liuxiin, perola, aljfar etc.,
* > charutos d'havana.
regata britannica rO( a cabra, londres 12^ a caixa, operas, caixa 100; eoutras mui-
tas marcas que se tornam enfadonhas meuciona-las.
CHARUTOS DA BAHA.
imperiaes, exposifo, normas londrinos, guanabaras, suspiros, delicias, parisiences, ven-
cedores, guerreirps, lyricos, quem fumar saber, para os seguintes precos: i#ooo, l(55oo'
2(5looo, 25<.o, 30000, 305oo, 308oo, 40oeo, 40200, 405oo, 408oo, 50ooo, 505oo, 60ooo,
05oo, 70ooo, e 80ooo.
Vela Steariaas.
spermacete 64o re. o pacte, velas de carnauba de 6 por libra, 36o rs. de 14 em
libra, 44o rs. em porco se far abattmeoto.
GE.NEBRA uri ao ou victoria 72o rs. o frasco.
GENKBRA DE HOLLAMDA em fPaSCOS o()0 rS. 0 fl'aSCO.
CERIEJtr-T-E MSS.
cerveja bass e tenente e de todas as qualdides, as quaes se vendera o mais razoavel, como
seja 5oo 600 e 7oo rs. e em duzia faz-se-ha grande abatimento.
Arroz da ludia,
lio rs. cada libra, em porgo se far grande abatimento.
SABO E SABONETES.
sab3o branco com veras cor de roza, idem branco com veias azues, sabonetes de uma libra
cada um, sao os sabonetes mais econmicos que tem viudo ao mercado 5oo rs. a libra.
agu' e Sevadlaha.
sag' muito novo 24o rs. a libra, eevadinha muito nova 16o rs. a libra.
cevada muito nova 12o rs. a libra.
gomma nsBffcoMMAR 12ors. a libra.
CEBLAS grandes e novas 10ooo o olbo.
Latas com conservas.
latas com ervilhas portuguesas e fraucezas. latas com carnes preparadas, passarinhos gui.
zados em latas, e salame em latas.
dee de fotabo.
ba constantemente um grande depesito de doce de goiaba em cwxes de todos os tamanhos.
Copos, copas,
copos crystalisados, ditos lisos, ditos de cores, a 40ooo e 405co \ duzia. .
GARRAFAS 00 CRISTAL.
garrafas de crystal de formatos do ultimo gosto.
AMElKrS.
ameixas em latas, em bocetas e frascos.
Queijos Queijos.
queijos flamengfJsdo penaltimo vapor 20ooo, ditos do ultimo ......
Gama & Silva.,
Silezias para senhoras na loja do Pavao.
Vende se esta nova fazenda, sendo silezia ondea-
da propria para saias pelo baratrsnmo prego de
iO rs. a vara, e comprndose pega vndese a
400 rs.; isto na I ja e armazem do Pavao na roa
da Imperalriz n. 60, de Gama <& Silva. I
At. saias do Pavao
Vendem se ricas saias bordadas com 4 pannos
pelos baratissimos pregos de 6^000 e 7,&QO0,a9im
como fazenda em pega com pregas proprias para o
mesmo tim a ls200 a vara : na loja t armazem do
Pavao na rua da Imperalriz n. 60, de Gama & Silva.
Lencos de seda
Vendero se superiores lengos de seda pelo bara-
tissimo prego de Ij00 cada um, ditos de acento
brauco, patrrdes mindlnhos fazeuda muito fina a
i$600 ; ua loja e arma rem du Pavao ua rua da ho-
perairiz n. 60, de Gama & Silva.
Aloa lirado
Vende-se superior aiualbario de algodio traogado
com 8 palmos de largura a t600 a vaca, dita ada-
mascado muito superior a 15800, dito de linbo moi-
to boa fazenda a 20800 a vara, juarJananos ecoao-
micos por serem de linbo pardo a 3*000 a doaia,
ditos alvos moito boa fazenda a 40 a duzia : na
luja e a-r uafliem do Pavo aa rua da Imperatnz o.
60, de Gama & Silva.
Barages a 400 rs. na loja do Pavao
VeBde-se bonitas barefres transparentes coa pal-
nunbas, ditas lusln sas, fazenda muito boai a |*lu
barato prego de 400 rs., bonitas Issinhas de qua
drinnos e de flores a 400, 310 e 2W>t., rodo pe-
chincha na loja e armazem do Pavo aa raa da
Imperalriz n. 60, de Gama & Silva.
Sedas novas
Na loja do Pavao.
Cbegaramias mais madernas-sedas com listaas
para vestidos, sendo com as cores mais moderna
qoe tero viodo ao mercado, awirrr como grosdeaa
pies de differenles cures como sejam cor dt rosa.
mi, r*a, cor de caf, cor de lirio etc, etc. t
vendem-se por prego muito em tonta na loja t
armazem do Pavio na rua da Imperatnz n. 60, de
Gama & Silva.
Crinolinas a 30500, 40000 e 40500.
CtteRaram-para a loja do Pavo as mais moder-
nas eaiuoOnas oo batees verdadeirameate ameri-
canos, que sao os mais bem armados e mais leves
que tem vmdo, sendo cem o formato mais moder-
no qoe actualmente se osa e vendem-se pelos se-
guintes pregos: sendo com 20 arcos por 335*00,
ditos rom- 26 arcos .sor 4*000, ditos com 35 arcos
a 4500 : i.-lo s na loja e armazn do Pavo na
rua da Imperalriz n. 60 de Gama & Silva.
Sedas largas na loja do Pavio.
Chegaram as mais bonitas sedas de cores com 4
palmos de largura, sendo com as cores e desenbos
mais brilbantes que tem viudo, facilitando faaer-se
um vestido com poucos covados em attengo a lar-
gura, e vende-se pelo jarato preg ode 2*000 o co-
vado : rra roja e armazem do' Pavo na rua da Im-
pe'tric d. 60 de Gasta & Silva.
Osf.haies da parvo a 2uo e 25ao rs.
Vendem-se chales de merino estampados a i&
e 2*500 cada ata.
Ditos de merm liso a 3*500.
Ditos eslampados de crepon a 6*, 7*. s 8*000.
Ditos pretos bordados com franja de seda a 14*.
Na loja e armazem do Pavo na roa da Impera-
tnz n. 60 de Gama & Silva.
Lencos braocos t 20OO, 30000 e 40000.
Vmde-ie um aomto soiinseoto de lencas de cm-
brala branca lisos pelos baralissimos pregas de 3*,
3*000 e 4*000 a duzia : na loja e armazem do
favo na rua da Imperalriz n. 60, de Gama di
Silva.
Medina 40000
Cnegaram os mais neos cortes de vestidos trans-
parentes d'esta nova fazenda intitulada medio com
delicadas palmas e baldes de seda, sendo fazenda
propria p ra vestidos de assistir a baile ou casa-
mentes, leudo cada um corte 18covados e vendem-
se per 20*000; nicamente na laja e armazem da
Pavo na rua da Imperalriz n. 60 de G?ma &
Silva.
.. isto na loja do Pa-
vao na roa da Imperalriz n. 60, e Gama & Silva.
CirsBde p< chPncla n toalhas
para mi.
Vendem-se superiores toalbas de linho proprias
pa1n'liao pel ba,lisio nceeo de S60 rs.. ditas
a 640 rs ditas a imilagao das felpudas a 800 rs.,
dras fe padas a 1* peehincba da loja e arma-
m sJRMto na roa da Imperalriz n. 60, de Ga-
ima & Silva.
Av liisc a 8<
Chegeram os mais Itedos corteiKoVsta nova fa-
zenda, sendo transparente, tota Ums palmas, e
vende-se pelo baratissimo prego de 8* : na loja e
armazem do Pavo, rua da Imperalriz n. 60, de
Gama Silva.
Pannos e gonnnas a -i*, 4fM6 e tCOO.
Chpgaram os mais nwOJSjsai poabos eom gol-
nhas sendo de esguiao de lint rktmtare borda-
dos lanto brancos como de cores e vendem-se pelo;
baratissimos pregos de 1*. 1*280 e 1*600, por ba-
ver grande pergfro, 'grande pechrncha : na loja
e armazem do Pavo rua da Irafeatrrz n. 60, d*
Gama & Silva.
Para baptizados.
Vende-se elegantes vestuarios, bordados para
baptisados, pelos baratisimos pregos de 16*5000
20*000 e Itfesa : na ln| armarem do Pavo aa
rua da Imperalriz o. 60 de Gama dv sirva.
Babados bordados na loja do Pavao
Vendem-se babadinhos bordados com 2 varas
pelo barato prego de 1*000, enmmeios tapados e
transparentes, tendo 3 varas cada pega a 1*000: na
Ma e armazem de PavSo rra rua da Imperatriz n.
60, de bama & Silva.
Cambraias de cores
Vende se um bonito sortiroenlo de camDraias de
cores para vestidos pelos baratissimos pregos de
300 e 360 rs. o covado, oitas a voluntarios da pa
tria a 800 rs. a vara, ditas- listadas a 640 e 700 rs.
a vara ; pechincha aa lora e armazem do Pavao
na roa da Imperalriz n. 60, de Gama & Silva.
Cassa de uma cor s
Vende-se bonitas cassas de orna cor s com um
peqnenotoque de mofo pelo barati.-srmo prego de 240
rs. o covado ; para ac;ibar na loja e armazem do
Pavao na rua da Imperalriz n. 60, de Gama &
ralrizn. 6, da flama. tSiJua.
Na pra$a da Independencia
Loja de Arantes & I,j?ra.
Vender botinas pretas com lago para senhora
a 4* o par.
Pilos para menino a 3*.
Livros em branco de Ham-
burg
Vende-se na livraria. Bneldapediea de J B. de
Mello : na rua da Croz n. Si. sampUio sortimento
e por pregos muito commodos.
Escravo fgidos
Silva.
Chales de renda e retondas
Vende se um grande sortimento de chales de
renda e retondas, sendo as roais modernas que tem
vindo ?o mercado e vendem-se mais barato qne
em outra qualquer parte ; isto na loja e armazem
do Pavao na rua da Imperalriz n. 60, de Gama <$
Silva.
Betallios baratos
Vender porgo de retalhos de chita, laas, cas-
sas e-chitas pretas por prego barato : na loja a ar-
mazem do Pavao na roa da Imperalriz n. IO. de
Gama & Silva.
Calcas brancas
Vende se nm grande sortimento d caigas de
brim branco de linho trancado pelos baratissimo
pregos de 3*300, 4*500 e 3*000, assim com um
-eraDdesoTttmi'nto de palilots de panno preto frao,
sobreoasacos e saceos forrados de seda, daos de ca-
simira, sobrecasacos, saceos e fraques, jlitos do me-
rino e caigas de casimira de cor e de todas as qua-
lldades, assim como um grande sortimento de col-
Mttts de todas as fazendas vendendose tudo por
pregos muito baratos : na loja e armazem do Pa-
vao na rua da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Alpacas brilhantes a 640 rs.
Chegaram as mais iindas alpacas enfestadas com
3 e a eio palmos de largura com os mais dticade
desenos lano de floisiBha como de listiobas 86-
seoiadas as mais delicadas cores como sejam ly-
rio, fioseoto cor de carne, solferino e vendem-se
pelo baratissimo prego da 640 rs. o covado ; nu-
camente oa loja e armazem do Pavao Da rua da
Imperatriz n. 60, de Gama a Silva. *
Pechincha para a festa na loja do Pav5o.
Vestidos.
Vestidos.'
. Vestidos.
A 80000
Vendem-se nm bonito sortimento dos mais lindos
vestidos com barras de seda, irazendo os compe
tentes enfeites para o corpo, sendo nesle artigo -o
mais moderno qoe tem vlodo ao mercado, e ven-
den) se pelo baratissimo prego de 800 cada nm,
ditos de rambraia branca com barras bordadas *
5*000 e 6*000 ; na loja e armazem do Pavio na
rua da Imperatriz u. 60, de Gama & Silva.
Cortes a 80008 s o Pavo
Vendem-se es mw! lidos eortr* de cassas de
cores caro ot desnnhos mais modernos vlodo cada
um em sen papel e garantindo-se terem 7 varas ca-
da um pelo baratissimo prego de 3*000 ; na loja e
armazem do Pavo na rua da Imperalriz n. 60, de
Gama & Silva.
Casaquinhos cu vasqninas na loja do PavSo
a 2-0OO8, 3o0<()O e 350000.
Chegaram os roais neos oa moderno caeaqoi-
nhos cu vasquinas de grosdinapiespreto ricameale
enfeitados, sendo dos feltios mais modernos e ele-
gantes que ltimamente rhegaram e vendem-se pe-
los baratos pregos de 25*000, 30*030 e 38*060; na
loja e armazem do P. vu ua rua da Imperalriz o. 60,
de Gama Silva.
Para bailes a 350000.
Chegaram os mais ricos cortes de vestidos de 016
tranco primaross mente bordados e enferrMos dB
cor, sendo tambem preprios para casamentes a
vendem-se pelos baratos pregos de 35*008 nica-
mente ; na loja e armarem do Pavo na roa da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Lencos bordados a 10008 e 40600 na loja do
Pa*5o.
Vende-se bonitos \tnctabos bordados para mi
pelos baratissimos pregos da 1*000 e 1*600 cada
um Ioja e armazem do Pavao na rua da Impera-
triz n. 60, da Gama & Silva.
As vareges do PavSo.
Vende-se as mais bonitas vareges com listas da
seda a imitago de poil de cbvre pela baratissimo
prego de 809 rs. o covado : na loja armazem do
Pavao na roa da Imperatriz o. 60 de Gama
Silva.
Do engenho Varzea Grande da comarca d
Goyanna,ausntense desde 15 de agosto de 1866,
o escravo Antonia da Gonna, at, seeen, perna
multo finas, ps grandes, dedos abertos, eara.ossn-
da, pouca barba e uma cicatriz encima das sobran-
ceibas. Rogo as autoridades policlaes a captara
*elle, e aos caprtaes te campo o levem ao dito en-
genho, ou ao major Lniz Jos Pereira SiraSes, qua
sero recompensados.
Esse escravo ja' esleve ocnllo no sitio Peizinbo
aa cldade de Ohnda '
Muita attengo
Na norte de 23 de setenrbro prximo passado,
fogio do engenta lento Velbo em Santo Anto
escravo Eduardo, crioulo, que representa ter 44
anuos, bom offlcial de carploa, bem ladino e fal-
lante, falta brando e insinuante, cor fula, baizo e
espadando, perros fnas, ps limpos, dedos dos ps
curtos e qaasi e iguaes, tem falta de nm dente na
frente, sabio de palitot pardo deoruaao de fila bran-
ca, chapeo de baetasinsenla, rede, baela e fardo de
mais roupa. Ha bem de suppor que como carpina
esteja passando poT forro em qualquer parre : ro-
ga se, pois, as autoridades poltcraes desta e das ou-
iras provincias toda vigilancia, t promette-se a
qualquer que o capturar t conduzir ao referid en-
genho gneros recompensa.
llene
'& r*.L-
Ausentou-se a preta Joanna, da Angola, de ida-
de de 40 aonos pouco mais ou menos, no dia 19
dedezemnro de 1866, levou vestido encarnado e
om chales rdzo e branco com flores encarnadas
com franjas, levou um caneeo de carregar agoa
pequeo braoco e esta amassado no meio, j foi
concertado, baixa e seca d i corpo, tem oveirss
nos ps ao p dos dedos nao certifica se sao era
todos doos, -qoando falla sarapantada as vezes,
julga-se estar nosarrabaldes desta cidade ou den-
tro, prolesta-se contra qoalqarr pes*oa que a te-
nha scoutado, quem a levar a cisa de sen senhor
se ibe pasara' o seu trabalbo generosamente no
largo do Tergo d. 23.
Fogio no da 2 de Janeiro do cem-nte Kiao-
o escravo Jeronymo, crinlo, ufflcial de sapateiro,
estatura regular, cjrpo reforcado, rosto redondo,
de idade 20anno,. com urna cicatriz n'uma das
faces, levou vestido caiga de casemira sinzenta,
jaqueta de panno preto, alem de mais roupa de
seu uso que levou, supp8e-se er tomauo o lado ua
Ba Viageu, onde morava seu antigo Sfnhor;
quem o pegar .leve a rua do Crespo o. 23 a Mu-
noel Haitins Piuza, qoe se recompensa a*com ge-
nerosidade.
Pogio no dia 26 de dezembro do engenho
Bom Despacho, o escravo de nome Da iao, de
nago Costa, cora < 8 slgnaes segmnles : bstanle
alio e carpolento, cor negro vermelhc, ps curtos
e grossos, em urna das mos tem o dedo mnimo
duro qne nao fecha, pouca barba, nariz chato, ca-
bega espontad, cabellos bem carapinhos princi-
piando a calvejar : roga-seas autoridades poltciaes
e aos cap>taes de campo a appre enso e leva-lo
ao dito engenho oo a rua da adela Velha n. 42,
ao Sr. Joaqaim Lalz Vleira, que serio recorapec-
sados.

tsenco
Fogio do engenho Santos Mendos em a noote do
dia 30 de setemb'o do anno prximo passado, a
escrava Josepba, pertencenle a Laurentlno G'-mes
da Cuaba Pereira Beltrao, a qaal tem os signaes
segaintes: alta, corpulenta, cor fula, muito ladina,
crioula, disposla para qualquer servigo, ps gran-
des, tendo de htade 30 annos ; esta escrava veio
do logar denominado Carrapato da comarca de
Limoetro, para o poder do fallecido Jos Gouveia
Leitf, qro a venden ao 9r. Adellno da Costa Vil-
lar, e este ao actual senbor delta. De uma das
fgidas que tem falto, foi presa no Liroeeiro. Da-
se 100*000 a quem aprehender e levar no enge-
nho Santos Mendes, onde mora seu senhor, on na
praga do eommereio, aos Srs. Olivelra Filbos <&
C, larga do Corpo Santo n. 19 escriptorio. Pr -
testase reaponsabilisar a quem qner que a acon-
tar.
GNCtUVQ FGIDO.
No dia 24 de dezembro do anno Ando de 1866,
desapareceu da rasa da Jos Igoacio, morador e
iavrador oo engeobo Siberia da fregoesia do Cab ,
um escravo do mesmo Iavrador, o qoal escravo
ri7arna-se Manoel, cntmlo, com idade de 40 anuos
penco mais on menos, bem preto, baixo, venus
chalas, eheio do corpo, ps meio apalheudo-,
olbos bem vermelbos, qoe se soppde ter vind'>
para o Reeife, por elfe ter revelrado a om par-
ceiro que pretenda assentar prega s seguir para
a gnerra do Paraguay, qaem o apprehen-1e.r dg-
ne-se partecipar ao Sr. Beroardino Pontuai no
Reeife rua da Senzalla Nova n. 38, oo leve-o no
referido engenan qne sera* bem recompensado, o
escravo lev* nm paMot de Brelaoba anea,
uma camisa engommada, uma caiga da Gastar j*
usada-e chapeo de teeta cinzento.
No dia priiueiro de Janeiro do correnta aoso,
desaparecen o preto Antonio, cnoolo, qne repre-
senta ter 3r>atraos pooeo mais oo menos, boa altu-
ra, coran regular, faaa as iponce apnressado a ar-
rebatado, rosto redando e oros Oslla debalso do
qoeixo a qual ja' esta' fia, pooea barba, oes grao-
de e apaetados, a junta dos ps enchada, tea na
ntta direita om pedaco cortado na ponti de cima,
um pouco belcudo, dsatss d fresas a bf toa am
cima, tem s cosus com algamas marea* de chi-
c to; levou vestido calca de caeunira de qoadros
branco e preto, camisa branca,chapeo de paiha de
quadrinbos, pois, rofa-se as autoridades polleiaea e
capitaes da campo que o aprenhendaro e leveas-o
na casa do sen senhor. na roa Imperial n. 45, qne
sera' bem recompensado.
IIWI11I I


*- -v
~'
Diario de feria mbuc Segunda felrs 9 de Janeiro de 1867

-
i
ITXEMTM.
Em om estylo ope cheirava om paaeo poca, a cortejar miuha fllha; e anda mais do que Uso,
Juliano, Curioso, escreveu a Mari : abusando da verdura dos seas amios a da sua
0 seu pai om bornea brbaro. Porveotura inexperiencia, ousou captar-Ibe i affeieo t Riqae-
serei eo menos do qae elle para que me desprese? za, Dome, alta posl-jio cial, todo para ella 6
[fs,amamos no?; que mais era preciso para nos nada 1
ontrmos? Seu pai n8o gosiou do procdiineoto do Ai, Sr. duque,responden Marta, flue, jf
Casamento desigual.
(Ccncltuo)
Durante esse mez grandes acontecmentos ha-' conde de Verroanton e nao procedo coroigo-com mais animada, nb Udo lempo de examinar at-
viam modiScdo a faee poltica Franca, e fra por acert. Ai dos pas a qa*m as Honras ou s rique- lentamente o sea nobre visitador-s men Albo es-
ur-vc-kx que o eoode resolveta rr a Pars. Uta ia5 ensordecer para os clamores do amor e da culpado, al> pretend deende-Io; mas o amor
decreto da a-semblda constituios cAava do abo- natureza I um soiuieoto iovola*tar.o a a moeidade pode
Pr os tftulos a as preregativas da nobrew. O ron- Maria tinha quasi o mesmo modo de pensar, mas sarvir-lhe de descnlpa.
de esperava qne o roarqo-z, anda que phiiosopho sso nao era bastante. De mais a mais, a carta foi Utn artista 1 Pole elle jolgana qae fosse pes-
h philantropo, farta opp-ie6 come lt-, como to ter as maos do pai, que enteodea que a situarlo sivel tal alliaofa T
dos os bons fldalgos do disrttt de Auv.-rre; i ex-] era grave e que sua fllha eslava em perlgo. Encar-; Na nossa idade, Sr. dnqne, pode ser que s
ecucao de tal enorm le, e fogo qu chegou vis-1 regado eolio p>las autoridades municipaes de ar- se dem ouvidos 4 arabicao ou 4 vaidade ; na so
la do castalio vio qu.j sjbra a porta de ferro ja nao! ranjar defensores voluntarlos da patria, o primeiro nao se consulta seno o eoracio e fcilmente se
havia escudo de rr. Priraeira sorpreza.
Eolio qae i.-<>, Sr. marqoez?perguntea
ao futuro sogro, qoe encontrn perlo d'alli.
E" que, grasas a Deas e 4 assemhla, ji nao
son marqoez, men caro Vermanton.
Entao o que o senhor T
Sou slmplesmente o cidado Vaudoa ; mas,
seja marquez on nao seja, estou serapre disposto
para Ihe chamar roeu genro.
Era mais ama sorpreza, coja impresso nio se
esvaer-en logo. O conde abanoa a cabe$i, parecen-
do Ihe que estiva a sonhar. Porflm, levantado-se
de repente, disse coan aquelle ar iltivo e desdenho
so qae tinha serapre prompto par os seas iofe
riores.
Que vem c4 o senhor fallar-me anda de ca-
samento T Pois a fllha do cidado Vaadon pode
nunca ailiar-se cam a nobre familia dos condes de
Vermanton ?
O ex-roarquez entrou no castello abafado por hu-
milhaco e colera. Eocontrou Maria no salo, a
bordar ao pe de urna janella, e, entre lagrimas e
bracos, disse-lhe coin ar de paternal angustia :
Arma-te de coragem, minha fllha I Animo,
menina, animo 1
Mana olbava para elle de bocea aberla e faces
purpureadas. Depois murmuroa com viva angus-
tia no coraco :
nome que elle poz na lista toi o de Jaliano. esquece a poslcio da mnlftr amad. Seja para
Cora vontade ou sem ella, abi esta Juliano sol- j elle om jais indulgente, senhor. J foi da idade
dado I Que fez elle ? Nao sei. Canamente fez o
seu dever, foi valente, porloa-se como hroe, ex-
poz se i morte. Nio fallemos mais delle e sigamos
Mara na carrera da sua'vida.
O leuipo operou muitas ruodifleagoes no castello
de Vaudon. A revulucao ia andando sempre e em
seu curso sangrento chegava a esmagar debaixo
dos seus ps os seus fundadores. O ex-marquez
va se exposto a continuas denuncias. Toda a ple-
be ultrajada na pessoa de Juliano aecusava-o de
muito frouxo em republicanismo. Pensou elle qae,
sacrificando sua riiha affastava a tormenta de so-
brea sua cabera ; e Maria, pensando qoe sal va va
a vida de seu pai, casoo com um homem que nao
se pareca com Juliano seno pelo nasciraento e
nao se pareca com o conde de Vermanton senao
do carcter fogoso. Mas o caso que estava eotio
no dislnclo a frente do partido reinante.
Em seu genro nao acoou o cidado Vaadon ara
defensor, como cuidara- Homem fraco, mas honra-
do, pesto que dedicado a repblica, nao quera
aceitar no seu lugar o despotismo anarchico e la
fpl parar a nm calabooeo.
Ao sea lado, sobre aiguma palba, gema outro
desvenlnrado. Era o conde deVanraraton.
Ento que acontecen f
O senhor de Vermanton reliron a sua pala-
vra; renuncia 4 tua mi.
Isso verdade T-clamou a joven impruden-
te, arremessando-se-lhe ao pescogo.Pois elle nao
me quer ? Ah I loavado seja Deas I
A physiouomia do marquez revelou certo es-
panto.
Parece que folgas com esta noticia 1 Porven-
tara nao Ibe linhas amor T
Cuidei que o amava.... em tempo...bal-
buciou ella, baixando os olhosmas desde que o
ouvi irritado contra meu pai, quando ambos discu-
tiam sobre os negocios pblicos, adens conde I
?im, meu pai, foi desde enlo, creia quefoi s des-
de enlo.
Minha boa Maria 1
EMarta-correu logo ao seu doente, a quem dis-
se com o sorrlso anda nos labios e os olhos a ra-
diaren) de alegra :
Acaba de succeder urna grande desgrasa.
E contou-lbe ludo, sera entender que devia ser
circumspecla. E o doente clamou tarabemera sym-
pathico transporte:
Ab, Deus seja loavado!
Eotretauto, a doeocade Juliano, looge de ceder
ao tempo e as prescnpQoes da sciencia, prosegua
de um modo inquietador. A febre nao cessava. No
castello aodava tudo assastado. Maria, angustiada,
j nao quera apartar-se do quarto de Juliano, e nao
urdou que as suas lagrimas e os seus solutos des-
sera a coabecer a esle o amor que flzera desabro-
char e o perigo que o ameacava.
Despertando, sobresaltado pela dr, ae um som-
no profundo e lethargico, Juliano vio Mara de joe-
Ihos ao p do seu leito, coberta de lagrimas. Re-
zava.
Bem vejo, disse elle, qae lado acaboa para
ram. Mas por quem chora ? A felieldade nao era
possivel para mim neste mundo. Se eu ebegasse a
ter outra vez saude teria de....
E, nterrompendo-se de repente, exclamon :
Ah I se a morte faz a todos Iguaes, senbora,
eu vou morrer e Dio quero que ignore...
Cale-se,disse ella, pondo um dedo trmulo
sobre a bocea de Julianocale-se; sei tudo I
E entao, apertando oas isas as maos do desven-
turado, a casta, a bondosa, f**.a Maria, com um
ar quasi solemne, curvou a sua fronte sobre a do
doente, tocou com os seus labios aquellos labios
que a morte coaaecaca a esfriar e disse-lhe : Esta-
mos unidos I e perdeu os sentidos.
Mas Juliano nao tinha sido condemnado a morte
seno pelos mdicos que o tratavara e a natureza
revugou a seotenga. O restabelecimento da sua
sade, a certeza de ser amado, a oploio poltica
do pai de Mara, a partida do conde de Vermanton,
tudo para elle pareca converter-se em presagio de
venturas. Nao se realisaram, porm, to doces es-
pera ocas.
O cidado Vaudon receben mniloml as propos-
as do cidadojuliaoo. Em vo Ihe disse eat:
Nos temos os mesmos principios; pens co-
mo o sebor que todos os homens sao ignaes. O
senhor seria Indigno do nome de patriota e de ho-
mem sem preconceitos, sopor ter alguna milhares
de escudos mais do que eu, sacrifleasse a felicida-
de de sua fllha e a minha. Em nome da hamanida-
pe, em nome da razio...
E dispunha-se para estender o sen eloquenle dis-
cursar, quando, em nome da razio e da bumaai-
dade, o exmarquez o mandou por a orca fera da
porta do castello.
E' oSr. marquez?perguntoo elle au re-
cera-ebegado.Que revez ou qoe mudanza de opi
nio o traz para aqu ?
Mea amigo, quiz salvar a repblica.
E eu quiz salvar a monarchia.
O mesmo da va morrer ambos no cadafalso.
Letor, fecha os olhos sobre essa joca desastro-
sa ; deixa passar viole annos de agitacio, de glo-
rias e de infurtamos, e aeompanha-me aos maros
de Pars.
Vs n'aqaella modesta casinha, defronte d'aqael-]
le magnifico palacete, urna terna mii que escuta
os queixumes e toma parte as maguas de nm fl-
Iho anlco, sea nico amigo ? Essa boa mi Ma-
ria ; esse bom fllho doce fructo do sea desditoso
enlace. Viuva redunda a mais humilde condiejo,
vive s do trabalho de seu Albo e espera melbor
fuluro do seu talento artstico. Mas a sua situa-
Qo anda aggravada por urna louca paixo em
que ella nio toma senao a sua parte de mil. O
seu Gustavo ama a Ulna nica de um homem cuja
alta posco e cujos consieraveis haveres nao Ihe
do lugar a esperanzas.
Elevado no tempo do imperio, s pelo seu me-
recimento, aos mais altos cargo- da carrera mili-
tar, dedicado ao goveroo dos Bourbes, par de
Franca, amigo do rei, o duque de Stetio consagra-
ra todos os ioslaotes dos seas gloriosos ocios a di-
rigir a bnlbante educaQo de sua Qlha Amelia.
Gustavo, escolhido por elle para inicia-la nos se-
gredos do desenlio e da pintura, nao tardn em
conceber pela saa discipula o mais violeato amor.
Soube-o o daque e irritoa-se-lhe o orgulho. Nio
contente com fechar ao artista as suas portas, re-
solvea empregar torios os meios para desarraigar
do coraejio e Amalia um sentimento nascente que
fazia corar a sua fronte de patricio.
Pela sua parte, Maria esforcava-se por acalmar
os impetos e o coracao exaltado do mogo pintor.
Meu amigo, meu Gustavo, nao vs que pode
ter mau flm este amor insensato ? O fllho de urna
poore viava sem nome e sera dinheiro pode aspi-
rar i mao da herdeira do duque de Stetln t
Assim dizia, quando um criado do palacete Ihe
entregou urna cana. Era do duque de Slelin, que
se queixava amargamente do proceder de Gastavo,
acabando por declarar que, se o t vil seductor
de saa fllha nao fosse voluolariamente e sem de-
mora para longe. d'aqueila localidade, saberia obri-
ga-lo a Isso por meios que estavam ao seu al-
cance.
Maria, tomada de desesperarlo e de snslo, relia
a fatal raissiva, quando caracteres de escripta bem
conhecida despertaram em seu curasao urna recor-
darlo deliciosa e cruel ao mesmo tempo. Peasava
n'aquella singular coincidencia, quando entrou um
outro criado, que Ibe annunciou a visita do duque
de Stetio.
delle e de certo tambem amoa. Nesre lempo con-
saltava s a razio e as conveniencias do mundo ?
Sbito robor sabiu 4 fronte do homem podero-
so. Mas em tom Arme e decidido repetlu :
Senhor-, seu fllho ama minha fllha. Nio
podem morar no mesmo lagar. Pora eom elle
deste sitio, fra d'aqui 1
_ Ja Ihe fechou as os portas, Sr. duque;
acha q;e nio bastante 1
Mas elle anda pode ver minha fllha, pode
escrever-lbe I Quera sabe ate se j se atrevera a
tanto T tDpllo para a sua leldade, senbora, ap-
pllo para o seu concio de mil. Elle escreveu-
Ibe. Diga a verdade.
Nao posso nega-lo.
Escrevea-lbe I... mlseravel I... atreveu-se I...
Mas a carta nao chegou as maos de sua fl-
lha, Sr. daque. Teobo-a eu.
Tem na T Mostre-m'a ; exijo-o I
Aqui estdisse entao a mii de Gustavo, ti-
rando da sna-secretria nm papel dobrado.Quei-
ra sentenciar aquelle que a escreveu.
E e duqusj depois de abrir a carta apressada*
mente, leu o seguate :
< O seu pal nm brbaro. Por ventura serei
eu menos do qae elle para qae me desprese ? N<
amamos-nos; que mais era preciso para nos unir-
mos ? Seu pai nio gostoa do procedimento do
conde de Vermant >u e nao procede commigo eom
mais acert. Ai des paes a quem as honras ou as
riquezas en-urdecern para os clamores do amor e
da natureza IJuliano. >
Espantado, ergaea os olhos.
Maria I Maria a senbora I
Sou, Sr. duqae, soa ea, a quem quer privar
de um fllho qae a nica creatura de quera hoje
tenbo affeclos 1
O duque poz a mi na fronte, e flcoa por um
pouco immovel e calado. Rpidamente desfllaram
por diante delle lodos os das da soa moeidade.
Via a choca onde nascera e qoe ha va deixado
sem saudades, sem olhar para traz, pencando qae
forluna o cbaraava na cidade sita de Toucy. Mas
de repente a desgraca tinha ido desperta-lo. Ar-
ruinado e desacre i i tado, seu padrinbo fugira e el-
le nio o acompaohra. Errante, sem proBsso,
sem asylo, sera pao, ebegava a urna igreja de al-
dla; dessa igreja, vestida .de braoco, tinha sahi-
alguma sitisfacao o segaintes delalhes so-
bre Robin e sobre a arvore que tomou
sea norhe (Robiaire).
Jo5o Robin possuia, do sociedarJc com
sen irtu5o Vespasiano, um vasto jardim qu
se achava enllocado na ponta 'occidental da
Una de Notve-Dame, no lugar que hoje
oceupado pela-praca Danphine. Era nna
excelleote corapanheiro, Ilustre botnico
para sua poca, e que amava apaixonada-
mente as flores. Todos os dias, na estarlo
propicia, Maria de Medices, acompanhada
pelas damas de sua corte, e sobre todo
pela Signora Mara Campana, joven Floren-
tina de sorprehendente belleza e a mais
querida de suas favoritas, vinha pas-ar al-
gumas horas no centro da nesga de trra
aos dois irmaos.
Felizes e orgulhosos com ssas reaes vi-
sitas, Vespasiano e JoSo, principalmente
Jo5o, punham-se disposicSo do encantador
esquadrSo para fornecer-lhe as mais raras e
preciosas llores, que as nobres damas se
appressjvam de fazer desenliar pelo pintor
Vallet, e que ellas copiavam depois em bor-
dados como re fueriam a moda e o bom
tom da poca.
' Um bello dia, soube a raiuha com sorpre-
za, por intermedio de Vesposiano Robin,
que seu irmo acaba va de partir brusca-
mente para Gui, afim de procurar-se ali
plantas desconhecidas na Europa e traze-las
Paris. Por singular coincidencia, urna
das mais amaveis pessoas do sequilo da
rainha. Mana Campana, tinha igualmeute
deixado de repente Paris para, dizia ella,
vollar Florenga, seu paiz natal, onie cba-
mavam-na imperiosos deveres de fam lia.
Quatro annos depois Jlo Robin voltoo
Pars em companbia da Signora Maria
Campana que espozara na Italia, e com um
carregamento de plantas e arbastos exticos
obtidos durante urna longa la de mel na
costa de Gui. Chamava-se n'essa poca
Guiptodo o litoral africano comprehen-
dido desde o lago Vermelho, na Senegam-
bia, at o cabo Negro uo Sul do estado de
Kakonda.
Sua madeira serve para o fabrico de mo- de todas as boas cousas deste mondo. O
veis j suas fibras corticaes forneoem fila- J viajante entra em urna grande sala cauda e
tneuto&macios com os quaes fazem-se teci-1 ladi ilhada.
dos to finos qanto solidos O envolacro;
de saas sementes empregado na frica S"bre cmpridas mesas espera-o orna a-
para preparar o cOaro.e suas llores, des'i- cellente refeic5o ; todos os gratos estao
ladas e misturaJgs com aleoJ, du uta licor bre rescalJos, no n grande bm
um pouco esquecidohoje, masque as gera-,de garrafas de vinho e de emeja de to-
c5es precedentes beber com delicias. ds os Pzs-
Guy Patiri fez a honra JoSo R3bin de
o-
As carneas s5o perfeitas, os creados aioi-
Vi aitonciosos e as saas lovas de branenra
irreprebensivel. Naturalmente todo ani-
to caro, mas a estacao om oasis algias
passos das cabanas de madeira, oade faai-
moslrar-se invejoso i'elle. Conta elle que,
o director do jardim do rei, depois de velho, |
nao sabia mais fallar seno de sua mulher, .
sexagenaria, como se ella florecesse ainda
na belleza de sua moeidade;. e de saas
flores, das quaes se oceupava fastidiosamente '* to' m *> ue "-
.. ; r.un ^o \n tura com os seus animaes.
todo o di?. Assim accrescenta elle, desde
logo foi mudado o antigo proverbio : lem-, igi a u
bra-se sempre Robin de meu plantas, e
dz-se actualmente : lembra-$e sempre Ro-
bin de sua mulher e de suas lores.
Pedro Vallet, Paulo Reneauliae, e, me-
lbor aiuda, Lineo cima de lodes vingarSo
Robin da maledicencia de Guy Patiri. n cla-
mando-o um dos (andadores da Oui.aica
e um sabio por excelencia entre lodos.
.
Acerca das inundaces que acabam de ter
lugar ao noroeste de Inglaterra, escrevem
de Londres o seguinte :
As noticias das inundaces annunciam
tristes accidentes. Em muitos pontos as
habitaces, minadas pelas aguas, abateram,
e os habitantes, arrastados pela corrente,
morreram. Foi derruDado um viaducto do
caminho de ferro. Todo o valle do Cilder
foi inundado, as casas arrasadas e os habi-
tantes afogades. No distrioto de Walkefield
as aguas coiuinaaram a subir al as 3 ho-
ras da raanhaa na- noule de sabbado. Em
muitos sitios, as casas estavam cobertas de
agua, em butroS n5o se poda prestar soc-
corros, posto que a agna nao titease en -
gado aos andares superiores, por causa da
rapidez da correte que se eigolfava as
ras.
Desde \ 830 tem sido destronados qoa-
torzo principes :
i .onde Chambord (1830); residencia.
Frohsdorff, na Ao>tria.
i D. Miguel de Portugal (1832);resi-
dencia Allemanna.
3 Conde de Paris (1810), e diverso,
membros do ramo mais moco ; resideB-
cia, Inglaterra,
4 5 6 Leopoldo e Fernando da roscan?,
Francisco V de Modeoa (1859) residen-
cia, Austria.
7 Roberto de P?rma (1859),residencia
Suissa.
8 Francisco II de aples (18fi0) resi-
dencia, Roma.
9 Olhon I da Grecia (1862);residencia.
Allemanna.
10 Principe Consa (1866); residencia
Paris.
11 Daque de Angastemboarg (1866) ; -
residencia, Baviera.
12,13 Georgede Hannover, Adolobo e
Nassau,residencia, Aast ia.
14 Frederico Gmlher-nede Hesse(1866):
residencia, Stettin.
do orna menina ; ella ouvin as suas maguas e te-
ve d delle; dea Ihe um asylo, urna proflsso, re-
snscitou a sua esperanga no fuluro ; elle era po-
bre e tirou o da miseria ; quando esteve doente>
foi a soa enferraeira; devia Ihe a vida ; devia-lhe
muilo mais: nobre, rica e tortuosa, ella o amara,
a elle que era um vagabuudo, a elle que era Bino
de um aldeo. Agora ella mi e pude-lhe per-
di para seu fllho. Ha de trata-la com dnreza ?
ha de ser ingrato com todos os seos bemfeitores,
fatal para todos os qne o esumaram T
E com esta recordases o coraco do illustre
soldado aogustiava-se, longos suspiros se Ihe des
prendiam do peilo, e seos dedos, com que aind
occullava o rosto, cobriam-se de lagrimas.
Por flm deixou de querer reprimir essas lagri-
mas e esses solucos, e de repente, juntando as
maos e ajoelbando diaotd da mi de Gustavo,
disse :
Perdo para o duque de Slelin I Ele pode
ser-lhe ingrato e oflende-la, mas Juliano pede per-
do para o duque !
E depois accrescentou entre lagrimas e sor-
risos :
Mana, querida Mara, a Alba do pobre Jo-
liaoo pode aspirar a unir-se com o neto do mar-
quez de Vaudon ?
Depois de mandar o primeiro criado, reflectira
o duque que urna simples carta, mesmo nos ter-
mos mais absolutos, nao poda ter tanta antorida-
de como a sua presenca e a sna palavra. Uemais,
aqoella carta dirigida mai poda ir ter as maos
do iho. Decidiu-se com esla segnoda conside-
rarlo.
Quando elle chegou, Guslsvo, confoso e assns-
lado, desappareceu, e o general-Juque, garboso e
arrogante, fardado com todo o apparato, enirou
na modesta salinha, onde Mara, tremendo, o re-
ceben de olhos baixos e purpureada pelo medo.
Senhora,disse-lhe ellevenho sanar o que
resolve. Cusla-me affligi-la, senhora; mas nao
me obrigue a tomar amuma resoluco severa con-
tra um rapaz evado do juizo. Seu Albo atreve-se
FOLHETIM
POB ,
Jules de Saint-Flix.
SEGUNDA PARTE.
a
(Contiooacio)
Sr. Babolim, proseguio a Sra. de Sablinville,
aps nm momento de reflexo ; suppoe que a vi-
sita ao gabinete, d em resoltado algoma descober-
ta perigosa ?
O que ereio, rxinba senhora, qne o Sr. Ro-
drigues mni prudente e mu hbil. Espero qne
nada se descobra, e qae ningoem seja prejudi-
cado.
Alegrme no funda d'almaI Mas, mea querido
Sr. Babolim, onde esconde o Sr. Rodrigues os pa-
pis importantes... sabe... es Ututos e instru-
mentos qae servem para os seos trabalbos se-
rios?
Serios e lucrativos, accrescentou Babolim,
olbando para a sua Interlocutora com ardente ter-
nura. Por ezemplo, os papis que servem de mo-
delos para testamentos... .
Silencio... disse a Sra. de Sablinville, pondo
a mi na bocea de Babolim.
Onde guarda elle esses thesooros ? Ah I o
sea segredo. Eu proprio nao o sei Tem tddo de -
balxo de chave, sabe Deas aonde I Quando me d
trabalho, fecha-me tambem, e s me deixa em li-
.lerdade depois de fazer desapparecer todo... Tea)
UM POGO DE TUDO.
Traduzimos do Moneur Musir des in-
ven tions o seguinte artigo :
ACCACIA (ROBINIER.E) DO JARDIM DAS PLANTAS.
V-se ainda no jajdim das plantas, as
proximidades do edificio que encerra as
colleccoes de gedogia, urna arvore cujo
tronco, todo envolvido de chapas de ferro,
acaba emfim, depois de dois scalos e meio
de e&isiencia, de cahir de velbice.
Esta arvore a veneravel decana de todas
as accacias da Europa. E' d'eila que sahi-
ram as accacias falsas tao espalhadas hoje
pelos parques, passeios, plantaces e menno
pelas florestas.
O naturalista Joo Robin importou-a de
Goin em 1615, atravessando mil peri-
gos. Nossos leitores acolberSo talvez com
Entre essas conquistas vegetaes desconhe-
cidas da Europa acbava-se urna arvore da al-
tura de um metro apenas, mas que em pou-
co tempo devia tomar proporcoes vinte ve-
zes mais consideraveis. Suas folhas era for-
ma de azas, os cachos cor do rosas de suas
elegantes flores, que exhalavam um perfume
suave e original, fizeram-na adoptar i:n.ue
diatamente pela rainha e pela moda. Joao
dera-llie o nome de sua mulher que elle
amava mais apaixonadaraente que nunca, e
que, longe de envergonhar-se de seu casa-
mento desigual, proclamava-o com altivez, e
comprazia-se em dizer quem o quera
ouvir, e mesmo quem o nao quera, que
um bom e valente sabio valia tanto quanto o
mais orgulhoso e o mais nobre senhor.
Alguns annos mais tarde, Joo Robra,
nomeado'alborista do rei, pelo crdito de
sua Ilustre protectora, de quem Mana Cam-
pana tinha-se tomado mais que nunca favo-
rita, foi chamado s funccSes de director do
jardim das plantas, que a faculdade de medi-
cina de Paris acabava de fundar. Jo5o levou
para sua nova habitaco, a Maria Campa-
na, que tinha-se tornado urna arvore de 20
metros de altura, e urna eolteceo de mil e
trezntas plantas novas em Paris, entre as
quaes achava-se, alm deoutras, a luberoza,
importada de Provenga.
Viate e quatro annos depois elle morrea
no mesmo dia que sua querida Mina Cam-
pana, poroccasio de urna d'essas epidemias
que assolavam tao frequentemente o Paris
d'aqueila poca insalubre, hmido, sem ar,
sem calcamento, principalmente nos quar-
teiroes do jardim do rei, banhados ou an-
tes envenenados pelo Rivre, constantemen-
te cheio de immundiceis de toda a especie
Lineo, sem respeitar a doce lembranca
que se ligaba ao nome de Maria Campana,
ciiamou a pseudo-accacia Robinia, tirado do
nome do botnico que a tinha introduzido
em Franca.
A Robinia nao s urna arvore de em'
belezamento, mas tambem um dos mais
uteis vegetaes. Ella torna fecundos os lu-
gares incultos e (xa por meio de suas rai-
zas trancadas as areias e terrenos move-
dicos.
Ficaram arruinadas fabricas de sabao e
de la, e as per Jas materiaes devem ser
enormes, Era Preston, a fabrica de gaz
tinha sido inundada ea cidade estava sub-
mersaem trevas. -Em certas casas foi pre-
ciso fazer subir os animaes aos andares su-
periores pan os preservar d'urna morte
certa, e, all, sem luz, os habitantes que
nao podiam ter carvo, guardado ordina-
riamente nos andares terreos, esforcavara-
se por alimentar o fogo com tado o que
lhes cania debaixo da mo e ate com us pro
prios movis. Ainda nao se pode fazer urna
idea da extensao do sinistro.
Corre, boato em Londres, nos circuios
bem informauos, qoe, em resoltado de ama
convenco amigavel entre a Franca e o go-
verno americano, ans eredore* francezes do
Mxico sero garantidos os seas crditos.
Pergunta-sc, em Londres, se a Franca zeloa
igualmente os interesses dos credores ingl -
zes no Mxico, ou se o goterno inglez
tomou alguma iniciativa pira proteger os
credores nacionaes.
Os wagoes dos caminaos de ferro na Rus-
sia sao pequeas casas movis. Nos de
primeira classe, e em parte tambem nos de
segunda, o interior um verdadeiro sal5o,
com todos os accessorios indispensaveis e
mais algumas perguotas que dirigir-ae? Algumas
ba que me nao far...
Que perguntas sao, Sr. Babolim?
Sao perguntas que me inleressam mai parti-
cularmente.
Deveras, Sr. Babolim t exclamon a Sra. de
Sablinville.
Ao mesmo tempo voltaram a sala o commissano
e o Sr. Rodrigues. Ao contemplaren) os dons o
grugo qoe apre*eniava o ajodante paleographo
aos ps da dama,. nao poderam reprimir um sor-
riso.
Ergneu-se Babolim om tanto coofaso, mas sem
experimentar certa contrariedad a por effeito da si-
luacao. O Sr. Rodrigues, dirigindo-se a Sra. de
SaDlinville, rogou-lhe que tivesse a bondade de res
pender a duas ou tres pergunlas qae o senhor de
sejava dirlgir-lbe.
Sim, minha senbora, accrescestou o funcio-
nario. Quando viro aqui nao esp-rava ter a hon-
ra de a encontrar; mas tendo sabido o sea nome,
jolgnel que seria iuutil ir a saa casa, e que a acba-
ria bastante bondosa para me dar certas explica-
res que astea encarregado de Ihe pedir.
Parece-me isto tudo muilo extraordinario ;
mas visto qne assim preciso, estou a saa disposi
io, responder Ibe bei.
Ha de certo achar indiscreta a pergnnta ;
mas nao imporu ; obedeco ao mea mandato. Em
qoe consiste os seos baveres T
cum eftVito, singolar. Em qae coosislem os
meas baveres t Em capitaes empregados em pa-
pis do estado, e em ama grande propriedade ter-
ritorial, que herdei dos meas anlepassados.
Muito bem, minha senbora. Isses capitaes
procedem do che fe de saa familia T
Tenbo tido diversas herancas; e hei tambem
aceitado alguas donativos feitos por pessoas intei-
ramenle senhoras das suas accies.
Nao duvido, minha senhora. Nao obstante a
ultima heranca que recebeu prejadicou eslraordi-
nariamente um herdeiro toreado do testador.
Mas o tribunal reoonbeceu a validada do tes-
tamento.
Sei-o perfeilamente. E esse testamento foi
feito e assignado pelo testador, apezar de se acbar
gravemente enfermo?
Sim, senhor, um testamento olographo
Olograpbo I isso mesmo. Para um acto
de tai erdem nao se necessitam testemunhas. O
que succede as vezes baver collateraes, de mao
bnmor, que pdern em duvida o testameato, e plei-
teara baseaodo-se em engao ; ontros aucam o
testamento como acto de loucura, ou como resul-
tado de um momento de embriaguez ; ootros, em-
fim o que muito mais grave, alacam-n'o como
sendo falso.
Senhor 1 disse a Sra. de Sablinville impalli-
decendo por-efTeto de clera.
fc-stou mui longe de querer fazer aqui a me-
nor allusao. Voa dmglr-lhe agora outra per-
gunla.
Mas nao ser a ultima ? pergootou a Sra.
de Sablinville n'om tom de suprema Impertinen-
cia.
Provavlmente, minha senhora, respondeu
gravemente o coiimissano; porqae espero qae
me responda cabalmente e com iateira fran-
queza.
Queira dizer... Nao raedou nanea ao traba-
lho de mentir.
afumas das elegancias de um bom salao.
E' ornado com espelhos, aquerido por fo-
ges de porcellana, e alumiado por velas e
lampadas. Ao comprido dos lados esto en-
fileirados macios divans; o meio oceupado
por urna mesa de acaj, e janellas dobra-
das com cortinas vermelhas excluem nao tb
a desagradavel aensacao do ar russo, mas
tambem o triste aspecto de um co de in-
vern. O dia passa-se a conversar, a 1er,
a jogar cartas, dados e o domin.
Quando chega a noule, teem os viajantes
para descancarem qua>i as mesmss comuio-
didades que poderiam ter em suas casas
Por um mechanismo simples, os divans
trausformam-se em leitos. Na primeira clas-
se os wages teem alm d'isso o que se po-
de chamar segundo andar, para onde se sooe
por urna escada elegante, e onde cada nm
tem sua disposic5o leitos completos,
as vinte horas durante as quaes o viajan-
te levado pelo vapor de S. Petersbu'go a
Moscow, o trem para pelo meaos vinte ve-
zes.
As estaces s3o elegantes edificios pinta-
dos de vermelr.o, com largas fachas brancas
de redor das janellas e ao comprido da bei-
ra dos telhados. O exterior a verdadeira
imagem do aceio ; o interior o receptculo
L-se na Gazeta do Povo, de Berln :
< A reorganisaco da cavallaria prossiaua
pela formacao de novos regrmentos e aug-
mento dos artigos, elevar o sen effectivo
em tempo de paz 290 esquadres contando
57:488 homens.
t Formar-se-bSo cem esquadres e 6 270
homens mais do que o effectivo de paz an-
terior.
A cavallaria prussiana 'comprehender
ento os seguintes corpos : 10 regimentos
de couraceiros, contando 7,ii h mens :
18 regimontos de dragues com 13,356 ho-
mens ; 17 regimentos de hussards 12,5i4
homens e i y regimentos de uhlans, com
14,098 homens.
Com qae Om visita o Sr. Rodrigues ?
A pergunta nao pode ser mais ioconveniente.
Peco-lbe que teoba a bondade de respon-
der.
Pois bem, senhor commissario ; venbo algo-
mas vezes para consultar o Sr. Rodrigues acerca
dos meas interesses.
Mas o Sr. Rodrigues nao advogado, nem
tabeilio, nem procurador...
Mas urna pessoa de miaba conflaoca.
- Muito bem. Ha quinze ou azesseis mezes,
quando teve a heranca do idoso baro, ja costuma-
va vir consultar o Sr. Rodrigues acerca dos seas
interesses ?
Ja, respondeu orgulbosamente a Sra. de Sa-
blinville, recobrando a energa, com o olhar tran-
quillo e sereno do sea confidente Rodrigues.
Ora vamos, disse ento o commissario, a mi-
nha visita chegou ao seu termo. Quanto ao Sr.
Babolim, loriamos a sos ama conversago, se ea
levasse as c asas ao extremo ; mas o Sr. Babolim,
iotriocheira-se no sea papel de secretario, e snp-
ponho levara o seu escrpulo a ponto de se ne-
gar a dar-me qoalquer especie de pormenores dos
negocios desta casa. Assim, pois, minha senbora,
tenbo a honra de ihe apresentar os raeus respeitose
agradecimentos.
O commissario foi acompanbado at a escada
pelo dono da casa, a qu-m asssgurou qae estavam
guardadas as ponas. Mal sabio o commissario
volioo Rodrigues a sala. Estava paludo, tranquil-
lo, mas revelando ao mesmo tempo profunda com-
moco.
Como a Sra. de Sablinville e Babolim o Interro-
gassem com os olhos, disse elle, com voz Brme.com
quanlo um poaco velada.
Escapamos.de boa I Quasi tocou certa mola,
que Ihe abrira um caixo secreto, onae adiara
cousas mui preciosas. Tranquilizem-se; estarel
precavido, visto que Chegou a quadra das traic5es.
Pela sua pane Babolim, trate de adquirir um pou-
co de valor e deixe de admirar as da-aas ajoelbao-
do-ibes aos ps. A senbora, volta a sua suciedade,
e aos seus prazeres; mas lemore-se de que na vi-
da ha dous meios supremos de perseveran^* con-
tra o perigo : tempornea de lingua, e vista se-
gura.
E' j tempo de Informronos os leitores de quo,
gracas aos cuidados offlciosos e leal apolo do Sr.
Marctte, o marqoez. continuando a occoltar-se
sob o nome de Rousseau, trocara a sua prortssan
de jardineiro, por um lujdesio emprego em Paris.
O ordenado era modesto, mas perraitlia-lhe viver
a vida livre e altiva que to bem qnadrava ao sea
carcter. Ravmuodo tinh mil e quinh-ntos frao
eos annuaes; o nece sario para nao morrer.de fo-
me. Mas ao cabo de tantas provacj5es era tal sora-
ma urna riqueza. De qoe genero era o emprego
qne Mareotte obttvera para o marqouz ? E' e que
se precisa saber.
Raymondo ia todos os dias, do meio dia a's seis
da tarde, para casa de um desses artistas indus-
triaos, qoa em Paris se chaman peritos e vende-
dores de qaadros; proflsso Incratlva quando
exerclda por om homem que coohece melhor os
fregaezes que os quadros. O palrn de Raymon-
do era nm typj mui singular. Dotado de saftacl-
dade iofalllvel, exagerava enormemente para com-
sigo mesmo os seas coabecimeatos de pintura ; e,
No dia 16 de setembro foi inaugurado
em Gronstadt um observatorio da bossota.
o primeiro na Rus~ia e o segundo na Eu-
ropa.
Depois do nso dos navios de ferro um
observatorio deste genero particularmente
necessario para a precisao das observacces
scientilicas da influencia do magnetismo do
corpo dos navios e dos erros a que d cau-
sa esse magnetismo as bussolas de navios.
Um inglez, em um momento de foror'
malou em um hotel um criado qoe o ser-
via.
Alvorotou-se a gente da casa, chegaram
os vizinhos e a polica invadi a babitac3o
do filho de Albion.
Que doudice esta ? Tanto barulho
por urna cousa que n5o nle a pena, di se o
inglez ; metanvme o moen na conta, e aca-
bem com isso.
se em cenas occasioes tinha boa mao para adqui-
rir um bom quairo, havia entras manas em que
Ihe su' ceda engaar se de meio a meio. O Sr.
Pictor, tal era o sn onme ( nome prrdeMiiiado).
livera o bom instiocto, e bom qae Ihe faeanvs
lustra, de rec nhecer em Raymuodo o msneto
das arles e dos coobeciuientus adquirid Ae-
crescetareraos qo^ o mesmo Ryround > pinta*,
nos lempo* da sua pro*peridade, que fr-qoeaton
alguos alnliert notaveis, e que, em soturna, era a*
mesmo tempo iotelligenle e potico.
Assim, pois, era Raymondo om empregado moi
uM ao Sr. Pictor, nao s como escripturario, mas
como artista. Para ama compra, oa para urna
venda, consoltava elle sempre asna opima.; a
mais de nina vez Iho aconteca aeoaaeinar-s uai-
cameote com o sea empregado antes de concluir
um negocio.
O Sr. Pictor tinha urna habilidade inteiranale
especial, a diremos que ama fortuna qoasi eircp-
cional. Poda algumas vezes poganar-ae tu sua
compras, mas sabia multo bem achar comprado-
res, que Ibe reparassem os engaso. Qoanco lio
tinha lucros, tinha ama compensacio.
U estabeiecimento de Pictor, na rna.de Sentier,
constava de urna galena considerawl do primeiro
andar, e de nm armaiem em baixo. Rayutando
tmha a sea cargo a galera. Reeebia as visitas
dos compradores, entre os quaes se va a's vetas
exposto a ver antigos conhecldos seas; mas asas
nao o conheciam, gracas a's* toas precao-goes.
Era orna larde de marco, bisunta Cria, asnon-
ciaram a' Raymondo a visita de ama forraoja se-
nbora, que fra de carroagem, e -toe deaejats ver
alguns quadros comprados nJtimaraeoie pelos eout-
missarios peritos.
(Conlt**ar-ieJuL)
i
-

TYP. DO DIARtO-RUA DAS CRUZES N. 4i.

- iMM


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ELS7WH6XA_52RHNJ INGEST_TIME 2013-09-04T21:51:56Z PACKAGE AA00011611_11162
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES