Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11161


This item is only available as the following downloads:


Full Text


M**MlNHflMh*a


*
.....
i I \
t
'.
I
f

1
i '
!
ANNO XLM. NUMERO 4.
PARA A CAPITAL E L.UCARES 0\lE SK UfA PAA POBTE,
Por tres ves idiantados.,............. 6O00
Por seis dits idem....................' mooo
Per um ano idem.. ......,,,,,..... 24|SOOO
fid auaero a?ulso..................* 320
DIARIO
SABBADG 5 DE JANEIRO DE 1867.
PARA DENTRO .^ FOBA DA PROVINCIA.
Por reg mezee adiMUdes....... ......
Por seis ditos idea...............* # .,............
Por noie ditos idea................' \\ >...........
Por un no dem., ..... ......
c
6,5750
43(91500
20,5250
270000
|ENCARREGADOS DA SUBSCR1PCA0.
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandriao de Lima;
Nata!, o Sr. Antonio Manios da Silva; Aracaty ,
oSr. A. de Leraos Braga; Cear, o Sr. Joaqun)
Jos de "Mveira ; Para, os Srs. Gerardo Antonio
Alves Costa; Alagoas.o Sr. Francino Tavares da Cost*;
Bahia, o Sr. Jos Martins.Alves: Rio de Janeiro,
o Sr. Jos iibeirovJ3asparinho.
aaamma-Bi aat vmmmm* m lmwvww m wwm% mmn m tMM TOW3, BaT3 m,^
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olind, Cabo, Escaria e estagSes da via frrea at
A|tna Preta, lodos os das.
Igaarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Anio, Gravat?, Bezerros, Bonito, Caroar,
Aftinho, GVWluns, Buique, S. Bento, Bom Con-
selho, Aguas Bellas e Tacarat, nas tercas-feiras.
Pao d'Alho, Nazareth. Limoeiro, Breio, Pesquera,
Ingazeira, Flores, Villa Blla. Cabrob, Boa-Vis-
ta, Ooricury,Salgueiro e Ex, nas quarta feiras
Serinbero, Rio rmoso, Tamandar, Una, Bar-
reiros, Agua Preta e Pimeuteiras, nas quintas
feiras.
JiUDIE.NCIAS DOS
TRD3UNAE8 DA CAPITAL,
Tribunal do commercio: segundas e quintas.
Relacao : tercas e sbados as 10 horas.
Fazenda : quintas s 10 horas. *
Julzo do commercio : segundas as 11 horas.
Dito de orphos : tercas e sextas s 10 h iras.
Primeira varajo eivel: tercas e sextas ai
eivel
mel
quartas e sabbads a
EPHEHE8IDES DO MEZ DE JANEIRO.
Lna nova as 9 h., e 38 m. da t.
13 Quarto cresc. a 1 h., e 42 m. da t.
20 Loa cheia as i h., e 44 "m. da ro.
27 Quarto ming. as 11 h. e 55 m. da m.
DAS DA SEMANA.
31. Segunda. S. Silvestro p. m.; S. Nominando m
1. Terca, $1 Cireumcisao do Senhor.
2. Quarta. s. Isi.lorio b. m.: S. Marianno.
3. Quinta. S. Aprigio b. d Beja ; S. Antero p. m.
4. Sexta. S. Prisco presb.; S. Aquilino m.
o. Sabbado. S. Siroeo Estellita : S. Eduardo rei.
o. Domingo. Epiphania. Dia dos res magos.
PARTE OFFHM
pondendo ao officio de 17 do corrente^ hontem
recebido, ero que V. Exc, pede que informe sobre
qual das freguezias se acha cannicamente prov- metteram-se ao silencio.
da, se de' Panellas ou a de. Quipap, lenho a diier O nobre marquez, aproveitando-se dessa situacao
qne noattal affixario com data de 10 de julho de soube tirar della partido para revistar (odas as li-
18b5, entre as freguezias postas a coocurso est a j nhas.
tie Quipapa e ora a de Paoellas, o Rvd. Reoovato i Terminada a visita das fortllcagSes, passou re-
Pereira Tejo foi proposlo apresentido e collado na vista aos baialbes das e 2 div^oes de infanta-

PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 4 horas e 30 m. da tarde.
Segunda as 4 boras e 54 minutos da manha.
PARTIDA DOS VAPBES COsTEIROS.
Para o sul ate Alaguas a 14 e 30; para o norte
>( a Granja a 7 e 22 de cari?, mis; para Fernan-
do nos dias 14'.tos mere? Janeiro, marco, maio,
julb>, setemhro o covembro.
goveh\o a pnayaxciA
Expediente do dia 27 de uorembio de 1866.
N7 798.ufflclo ao general cummandante das ar-
ma*. Slrva-seJT. Exc. de informar acerca do que referida fregoezla de Qaipap, e por tanto a que ria, sendo comprimentaao ahioor todos os offlciaes
pede no incluso requerimeoto, o sentenciado tiili- se acba vaga a freguezia de Paoellas. dos mesmos.
tawP70Q0 J n?,d6 Arr0,, u JS!u V Dr" dlteg" d5 PiiciaConstandome Hontem, 20 parti S. Exc. para Coruz a revis-
n. 799.Dito ao mesrao.A V. Exc. serao apre-! P*lo Rd. paracho dos Af >gatlos que 00 lugar de-' tar o 2 corpo de exercito
mU--S,iel sarg,,oto Olympio Ferreira da Silva,' nominado Remedios daquella fregnezia se prepara i S. Exe. tem inspeccionado tndo, e consta-nos que qadrado"cot
com destino ao servico da guerra, para que forara um presepio, que tem de comegar boje a noute, e tem actudo todo na melbor regulandade nos- flteira nndln-
designados os guardas do baulhio o. 46 do muni-1 estando prohibidos taes fesleips, curopre-ma re- ""'
cipio de Agua Preta, Jos Luiz Cavaleaoii, Maooe^ correr a V. S. aioi de que.'cC.ntinuaudo a coadju-
Francisco Papagaio, Antonio Francisco Guabiro''; var-me como sempre ten feito com louvavel zelo,
faf mnanr q }!"?** ,aS ?s(U8llas corn- i ?> "'V prestado ao pan, flcou como che-
?!1..'?01? ??r. ea;*nl cessirara d^ tirotear, e re- fe coui a denominacao de intendente.
Na ordem do dia sob 0. 5 do commando em
cbefe se l o seguinte :
E attendendo as poscdas, ora occapadas pelo
inimigu, ruanita S. Exc. declarar que, salva a
hypolhese da uece-sidade de nma raals rpida
Iocomoco, ser perrhittido que os ofBciaes mon-
1 tados da arma de infantaria, conservem-se a p
durante o combate. ,
Det'rrDina,ioutrosim, S. Exc. que os corpos
de infantera.
Genuino Alves de Albuquerque, Francisco Gomes : *e digne dar as necessarias providencias para que
dos Santos, Benedicto Roberto Lopes de Oliveir e | nao teoha lugar o projectado presepio.
Ru.1 i0 Tnr,n"teo. :' 1 Difo ao vigario de Barreros.Teodo-me com-
N. 800 Dito ao r. cbefe
concedido oor portarl
que em olQcio de 10
Alves Bezerra, do cargo
delegado do dlstnclo de Alagda dos Gatos, 8 da n havendo eu acqoiescido a esta deiioerafo do
freguezia do Bonito : assira o communico a V. S. mespto Rvm. provincial, assim u commuoico a V.
para sen coohecimento, e aflm''de- n L. portugueza ult
Lorre que araantua inspeccionar S. Exc. as mu- das seccoes, a
nlcoes que esto guardadas no transporte do exer-1 a formatura e
cito; assim como que inspeccionar as ambulan-; tanto, para iss
cas vulaates, passando tambejB revista api ordem citero sens con
de marena a brigada ligeira.V. Tanto a pr.
notiwa
piuvincial dos j Foi ao exercoj, brasileiro agradavel a
cito.
a pres-
Ocando
de exer-
de; tomadas dispe
pessoa para o referido cargo.
N. 801.Dito ao mesmo.Mande V. S. alogar
urna casa na villa de Ingazeira para servir
dea, visto queojuiz municipal daqnelle termo
bacharel Vicente Jansen de Castro Albuquerque
exue a entrega da que Ibe perlence e esta' actual-
mente servjpdo de prlso, atim de mandar fazer-
Ihe os concertos de que. necessita.
N. 802 -Dito ao inspector da thesouraria de fa
zenda.-Em offlcio de 23 do correte, declam-
me o juiz municipal de Ipojuca, bachare! Francis
co Brando Cavalcanti de Albuquerque, tefcassu
mido naquella data o exercicio de juiz de dlreito
da comarca do Cabo, ha qualidade de 2o substituto
por se achar doente o 1.
N. 8u3.Dito ao mesmo.Mande V. S. pagar a
R0Q00 Maoorl da Croz Coussero, como pede no
incluso requenmento, a quantia de lOOj a que
tem direilj por haver concluido a obra, que em-
preitou, do reboco a cimento sobre os telbdos das
duas casas, que servem de deposito da plvora na
fortalea do Buraco, seguodo loformou o chefe da
repartigo das obras publicas em offlcio de 17 e
24 do correte, sob os. 450 e 484.
N. 804Dito ao mesmo.Respondendo ao offlcio
que V. S. me dirigi boutem, sob n. 767, tenbo a'
dizer qne o aotoriso sob minha responsabilidade
nos termos do decreto n. 2,884 do Io de fe^ereiro
de 1862, a mandar levar em coala ao commao-
dante superior da guarda nacional da comarca de
Cabrob, Roque Carlos de Aleocar Peixoto a quan-
tia de 3-1-3 por elle dispendida corn o abono feito
no exerciciu em llquida$o de 18S5 a 1866, de
vencimentos de fardameuto a 14 pracas do bata-
lho n. 48 de infantaria da mesma guarda nacij-
nal, designados para o servigo da guerra, poisque
segundo coosia do citado offlcio, nao exista cr-
dito para esse din.
N. 805.Dito ao mesmo.Transmiti a V S. a
folba junta em duplcala, ah'-n de que, nao haven-
do inednveniente, mande pagar a Francisco Canu-
to da Boa-Viagem, conforme solicitou o cotnman
daote superior da com.rea de Cabrob em offlcio
de 8 do correte, os v.>ncimentos relativos ao tnez
de outubro ultimo, do tenent-coramandante do
destacamento exlsiente na villa do Granito.
N 806Dito ao mesmo. Recomrorodo a V S.
que de conforroidarie cora o parecer, junto por co-
pia, do procurador flscil dessa thfsuurana, maude
abonar ao juiz .le direto Julio Btrboza de Vascon-
celos, removido da comarca do Bonito para a do
Breo na provincia do Maranho, a qunlia de
1:5005 como ajuda de casto, nos termos do oecre-
to de 2i d-i juubo de 18-50 e tablbs b eile anoe-
xas, por ser cas fazer viageos por ierra e por mar, como se v do
Incluso reguenmento.
N. 807Dito ao inspector da thesouraria pro-
vioiial. Rtslituindo a V. S o certificado que lo
anoexoao seu offlcio de houtem, sob n. 614, rela-
tivo a obra da parte da estrada de Pao d'Alho a
Nazaretn, oautonso a mandar paar ao respectivo
arrematante Joao Francisco Cavalcanti, pelas so-
bras das consignagoes da lji do orcamonto do
exercicio prximo Qad-> -< 1865 a 1866 a Impor-
tancia do mencionado certificado, conforra V. S.
iodicou no citado offlcio ou Oca assim respon-
dido.
N. 808.Dito ao chefe da repartlcao das obras
pubicas.-Transmillo a V. S. para seu conheci-
meoto e flos convenientns, copla do contrato cele-
brado em 17 do correte mez, com Andr de
Abreu Porto para a consirucco de duas pontes s 1-
bre o rio Capibaribe, eulre a povoagfto da Capuoga
e o Pico da Pauella.
N. 809.Dito ao commandanle superior do Li-
moeiro. Deferlndo o reqnenmeolo do guarda na-
cional do iiaialii.au n 21 de infantaria, Jeaquim Al-
ves Pessoa, sobre qoe versa a sua loformacao de
8 do currente, recommendo a V. S. qne o mande
dispensar do servigo da guerra para qoe foi de-
signado, at que se recorrra a classe dos casados
a que elle perlence.
N. Mi.Dito ao tenente-corpnel commandanle
do bataliio n. 46 de Agua-Preta. Dando o con-
veniente destino aos 7 uaardas, que Vmc. remet
teu para o servigo da guerra, com o seu offlcio
de hontem datado, espero do sea zelo e dedicac >
pelo servigo pajplico, que continu a empr gar os
seus esfrcs aflm de compleiar quaulo antes o
contingente que coube a es^e batalhao.
N 81 .Dito ao coraaiaudante do corpo prov
son de policaFaga Vmc. alisiar oo corpo sob
seu commando o paisan) Paulmo Jos Vt-rissimo,
que foi considerado apto para isso, em inspecgao
de sude, sexuado consta do seu offlcio de-u data
N 814.Dito cmara municipal do Reclfe.
Declaro a' cmara municipal do Recite, em res-
posta ao ge4 ufliilo de 21 do corrate, sob o. 78,
ni a t -fau do lmpu.-to de afferigo dos pesos e medi-
das do sea municipio.
N. 815.Poriaria O presidente da provio*)a
resolve exonerar a Joaquira Alves Bezerra do car-
go de 5 .-upplente do subdelegado lo di-triclo
de Alagda dos Gatos por assim o haver pedidtffem offlcio de (0 do cor-
rete. "Z^ii^
EiprAitaic do secretario do fovrao, do da 27
de nevfitfbro de 18t6.
N. 816. Offlcjo ao commaiitante superior de
Cabrot. O Exm Sr. cooseiheiro presidente da
prov.icia mauda declarar a V. S., em respusia ao
sea iifflcio de 8 do rorrete, que a"aba de rnom
menilar ao 10-p clor oa thesouraria de fazeodi
que pague a Francisco aaoto da Boa-Viagera o*
venciinontos coostantes da loUia, que em duplcala
veio anriexa ao sen itart) bl.-.iti.
N. 817.Dito ao jorrmuoiclo! do termo de lo-
jazeira. Em respo-ta ao seu offle o firmado em
16 do correte, declaro a' V. S., de ordem do-Sxm.
Sr. coBselti'-iro presidente da provlocia, que u'esla
data autonsoa-se o Dr. chele de polica a mandar
alagar urna c-sa nes>a villa, para servir de cadea,
aflm de ser-lhe entreui a que V. S. ce-lea para
semeihanie flm, visto es.ar arroiuada e oecessilar
de concert*.
livre exercicio de todas as suas ordens.
Devolvo-lhe os documentos.
Agora, algumas palavras, em relagao ao beneri-
to e intrpido general o Sr. marqoez de Caxias.
s proemiueote no exercito brasileiro
re*
3 I
,1UB, --------. ...=...., para que os faga com.'o presiigioje que gosa em todo o paz co-
do ca-1 cnegar as maos do mesmo Rvd. frei Antonio. berto das iradigoes mais ruidosas de gloria ganhas
,1 Dito ao vigario da freguezia do Ass.-Faca V. nos campos de oataiha, acostumado aos oerigo* e
, I Hvma. chegar as mos do Rvd. Elias Barbalho Be- familiansado com a guerra, o Ilustre marquez 'de
zerra, resideole oo lugar de N issa Seuhora do
Rosarlo dessa freguezia, o offlcio que tncloso I he
remeti. ,
23
Offlcio ao padre Fellppe Beniciode Resende Pin-
to Tendo eu concedido a;; Rvd. vigario do Ex
estar fra da freguezia para tratar da sua sade, e
sendo necessario prever aquella parochia de sacer-
dote que ali admioistreopasto espiritual, urge qoe
V. Rvma. para ali se dirija, e imineJiatamente
tome ciota do lugar de c arijulor pro-parocho,
cuja proviso I he remello inclusa.
Logo que tomar coma da freguezia me partici-
para para miaba iut-u u-n -i i.
- 28 -
Offlcio ao coadjutor da fregae/.ia de Seri-
nhero.Pico sciente, pelo seu offlcio de 28 do
crreme, de ler no da 24 fallecido o Rvd. paroebo
dessa freguezia Demetrio Jacome de Araajo; e
bem assim da haver sido V. Rvma. nomeado pelo
respectivo vigario forneo vigario encomraendado
dessa mesma freguezia, o que eu confirmo, espe-
rando que V. Rvma. exercera esse lugar com Telo
e dedicago.
- 29 -
Offlcio ao vigario eocoramendado da fregaeza
do Rio do Peixe.Pelo seu officio de 11 do corra-
le, fleo solate de haver V. Rvma. bmado po-se
ao da 28 de tatabro ultimo do cargo de vig
r5 eocoramendado dessa freguezia, para o qual eu
o havia nomeado.
Remetto-lhe inclusa a respectiva proviso qoe V.
Rvma. solicita, e que lera o cuidado de manjar
sellar.
31
Offlcio ao Exm. presidente da Parahyba.Tenho
a honra de aecusar recebido o exemplar da colloc-
gao das leis promulgadas pela a-.-.-mbla dessa
provincia no corrente auno, bem como o offlcio de
V. Exc. de 20 do corrate, que a companhou dito
exemplar.
Agradecendo a V. Exc. esta remessa aproveito o
ensejo para reiterar os protestos de eslima e coasi-
derago que tributo a pessoa de V. xc.
Dito ao vigario de Cimbres.Pelo sni oITlcio de
7 do prximo passsdo mez, fleo selente de haver o
Rvd. Joas Veriuiiaao Cansino de Macado, no da 7
de seiembro eoirado no exercicio do lugar de
coadjuioi dessa freguezia, para que foi comeado
pelo (loado diocesano.
__ .---------marqaez
uuias eiajRhoaiem lodigitado por todos e d^srie. o
comego da^mpaoba, para commaodar a-, forgaj
brasiieiras em ojeragoes contra o Paraguay. Co"
ohedoi do que (em a fazer, ou de mprenhender,
e demais rodeado de valentes generaes,v toado a
seu lado as notabilidades do exercito brasero,
muito de presumir que S. Exc, com a boa estrolla
que sempre o tem acompaohado nos multiplicados
combates, etn os quaes tem colhido victorias,
conclua brevemente essa luta de hoocrxara o im
pene, em a qual esto empenhadps todos es brios
da nago.
Descrever os impoilantisslmos servlgos presta-
dos pelo bravo marquez ao paiz fra repetir aqoil
lo mesmo que todos saoem.
simples leitur
das mesmas
A respeito
interesse.
Manifestam-sf no acs
eos de bexigas I mas
ramente, lisqngeiro
A noite panada houve
qaaes nao resalloa um s
m;-ra qoe houvereca de formar
a cavailaria, o lagim era quatro
seguir nesla parte a
ament adoptada, ou o
nrmente e-iabelecido, conforme
ue se acharein ; cumpriodo, por-
que os Srs. commaodantes exer-
s.
ra como a segunda providencia
o de cousideragSes, porque a
apre-enta vaatagens serias que
Qltam.
;a carapanha nao ha novidade de
Cabo, no caminho que leva ao banho, estao empa-
taudo a passagero por hi, dando alem disto lugar
a successos deploraveis, cuja reproduego curapre
Ouiros lugares sem duvida all haverao em que
Dossam ser postos os mesmos wagons, sem que
apreseotem os ioconveoieales que Acara aponta-
dos; e nao por certo em um caminho que se val
collocar estorvos ao Iraosito.
Foraos os priraeiros a criticar, qnando se
construa a ponte de Pedro II, de sua grandi ele-
vagao acuna do nivel da roa da Aurora, apresen-
nrdenanca S como C0D-seqaencia do enorme declivio que
"vstena ? eSM elev,cao rcsullava nas margens do rio, os
desastres que podiam occorrer aos carros e mni-
bus, o que infelizmente foi aiada ante-hontera con-
firmado.
Reciamarf/v^pois, novarente dis obras publicas
alguma medios que tenha por fin diminuir a ra-
pidez da subida nas embocaduras da referida pon-
te, de modo a obslar, tanto qoanlo for possivel, a
repeiigao de desgragas como as qne se deram oo
viramento do mnibus de Olinda de que h.antem
ios. Estamos convencidos que a medida por
no^sas.
Eotretanto dire que que a que tica roals prxima do mimigo. E' a
fu"deue'dPuca*2 ^""i^? Da oer 'orrido varios offlc.aes e
eodeucia em 1822 ; em 1825 na campanil
eOVERliO DO RPIDO
SEDE VACAJTjTE.
Expediente do da 22 de dezembro de 1866.
Offlcio ao Exm. presidente da provincia.-Res-
Fago publico aos aspirantes ao sacerdocio e a
quera coovier que Sua Sautidade o Papa Po IX,
acaba de auiorisar o Exm. e Rvm. Sr deo Dr. J >a-
quim Francisco de Farias, para na qualidade de vi-
gano capitular deste bispado, conceder demissorias
dentro do anuo de luto aos alumnos-da dioceseque
Oouverem completado os seus estados e se aciu-
rera habilitados para ascender ao estado sacer-
dotal.
Recife, 2 de Janeiro de 1867.
Cooego Joiqutm Penetra dos Santos,
Secretario dp bispado.
lOTAADO DAS AhiS.
Quartel general do commando das armas 4e Per-
nambuco na eidade do Recife, 1 de Janeiro
de 1867.
ORDEM DO DIA N. 303.
Achando se vago o emprego de ajudante no de-
posito dos recrutas, e cun- indo prtenche lo agora
que as exigencias do servigo do mesmo deposito
reclamara esta providencia, o brigadeiro cmman-
daote das armas nomeia o Sr. alteres Norberto
Muoiz Teix-ira Gulmares para o referido empre-
go ; e determina qae o Sr. leoente reformado do
exercito, Henrique Caroeiro de Almeida, que ha
oooco regressou a esta prov .:cia da campanha
contra o goverao da repblica do Paraguay, seja
empregado uo sobredito deposito, que tem carencia
de offlciaes para os diversos ramos do servigo a seu
cargo.
(Assignado) Henrique de Beaurepaire Rollan.
E-ta' couforrae. Emiliano Ernesto dr Mello
Tamborim, teneole ajudante de ordens im :o e
encarretado do detalhe. '
do ,iado Oriental at sua conclaso em 1828; aa
corle, na qualidade de commandante do corpo de
permaoeotes, durante a febre das revolugSes que
se acendum at a abdicago de Pedro I; em 1838,
no Rio Graode, acomoaobaodo o mioistro, enio
Kego Barros, por occasiao da revolugo ; era 1840
paciflcou a provincia do Maranho ; era 1841
as provincias de S. Pedro e Minas ; em I8i2 mar-
cbou para o sul; era 1815 concluio com a guerra
que lavrara e devastara a provmeia de S. Pedro
ao Sul; em 1831 fez a guerra do Estado Oriental,
a qual lerminou gloriosamente contriboindo em se-
guida poderosamente para a queda do dictador Ro-
sas, em Bnenos-Ayres.
ltimamente aeompanbou o imperador a Uru-
guayanoa, e hoje acba se entre no-, omo general
commaudaue deludas as forgas em operages con-
tra a Repblica do Paraguay.
Outros mullos servigos tem o nobre marquez
prestado que nao me occorre euuncia-los : Goal-
ntciMe, como o aojo das victorias, elle se aprsenla
ao uoso exercito e brevemente concluir flonrosa-
ine .te coui esta campanha. a pres mea do ra r-
quez aunouu o exercito.
Anda nao (niha fallado a respeito docapuchinbo
tr.-balvadar do aples porque agmrdava seus
servigus para aprecia-los convenientemente.
Agora, porm, que ja se tem elle feito conheci-
ao, exergo um acto de jastiga, dizeudo que bem
tem procedido, ou que seu com^oitanieuto te n
agradado gcralrnente, porque no curto espaco de-
dous mezes ja tem feito Bastante para ser reconhe
cirio colo um digoo sacerdote.
Zeloso e aciivo, alm dos relevantes servigos
prestados em favor *;os doeotes, j converteu dous
proiesiaates ao catbolicismo e no dia 25 do cor-
reute devo ter logar a ceremonia do baptismo,sen-
do padnalio de ambos o general Polvrioro, que
muiio o tem gostado das maaeiras affaveis do re-
f rido capichinbo, a quera ja coovidou para cele-
brar todos os do jiogos no quartel-geoeral oode
se vaijevaniar urna capellinha deceoie para esse
m.
icamparaeoto casos aporadi- 'JL0' r^T3p0sii'">} e a? cus,osa' e e8peTa
o estado da salubridade, ge- ?"] a "J/; f rect"ras obras Pilleas, dando o
L e devido aprego ao que deixamos dito, oceupar se-
- rauitos tretelos, dos ha Um tl0uco *'*** medida-
erimento em pragas ~" Igualmente apresenlamos aos cuidados do Sr-
director das obras publicas a nova poBte da estra-
Temhavido inltas chavas, e a cheia dos rios da de ferro dos arrahaldes, onde nos parece que
Paran'e Paraluay extraordinaria. A cauboneira ha e*a2eraCao n altura, o que sem duvida dar
Evahy hontem*entrou por un brago do arroio etn resultado tristes oceurreacias na passagera de
Estero Bellaco, e veio ter junto ao tone do Po- W8hiculos pela ra da Aurora,
treiro Pires, de ond.i fez mullos tiros sobre o Ao Sr. fiscal respectivo recommendaraos ara
acompamento inimig >, respondendo elles com duas, passeio pela ra de Hortas E' deploravel o estado
pegas ee b8. d'essa ra depiis das ultimas chavas; quantidade
inrormam nes qae os fogos dessa canhoneira fl-. de lama e aguas ptridas existe ali depositada cau-
zeram cjliriido mlmigo. | sando nauseas seus habitantes e determinando es-
Gdadigaa la-1 tragos no calcamento que ja por si oo bom.
Por portarla da presidencia, datada de hon-
tem, foi exonerado de 3* suoplente do subdelegado
da treguada de Saoto Antonio, oor achar-se na Eu-
ropa, o Sr. Fr ocisco Mamede de Aimeida ; sendo
nomeado pa-a substitu lo o Sr. capito Silvino
Gullherrae de Barros.
Repartiqao da polica.Extrato das partes
do da 4 de jaaeiro de 1867.
Foram recomidos a casa de detengo no dia 3
do correte:
A' ordem do Illra. Sr. Dr. chefe de polica, Luiz
Jos Ferreira, Joo Tavares de Almeida, Joaquim
Jo< de Sant'Anua, Lniz de Abren, Joao Francisco
Xavier da Silva, Francisco de Farias Jnnior, Ma-
noel Jos da Paixo, Joao da Coga- Ribciro, Jos
Antonio Das d* Silva, Aatooio Jos da Silva e Ma-
ooel Antoio Bezerra, para recrutas ; Joo Pedro
Soares, por tentativa de homicidio e olTensas a' re-
ligio, moral e bous costumes. A' ordem do Dr.
delegado da capital, Thomaz Carbira e James Clay,
para correcgo A' ordem do subdelegado do Re-
cife, Elias Joaquim dos Saolos, para correcgo; e
John, inglez, a* requlsigo do respectivo coosu"
Dito da Lfzardo Rjcha, para se lt)e admttir
registro a ra nomeago de calxeiro~ de Alfr lo
Heurique GarciaComo requer.
Dito de Maooel Torqualo Pereira Lobo, para
tambera Ihe ser adraittida registro a sua nomea-
go de caixeiro da compaonia de llumioagao a
gaz.Registre-se.
Com informago do Sr. desembargador fiscal:
De Antonio Gomes da Costa Leite e Joaquim
Manoel Lopes da Silva, em qne pede o registro do
sea contrato de sociedade.Regstrese.
RESOLUglO.
O Sr. deputado Miranda Leal propoz que visto a
empreza do harto de Perncmbuco nao continuar
a foroecer ecrelaria um exemplar dessa folba,
que nao se podendo por isso verificar a exacti-
do dos iribalhos desle tribuaai que all tambero
sao publicados, nao se Ihe prestasso mais as notas
dos mesmos trabalhos qae deveriam ser tSo s-
raejte enviadas ao Jornal do Recife.O Exm. Sr.
presidente submettendo dita proposta a apreciacao
do tribuaai, decidlo este com o vol do mesmo
Exm. Sr. que se continuasse na remessa,i o extra-
to do expediente a ambos > s joruaes, e qae fosse
archivada a folba prestada diariaraeute secreta-
ria pelo propietario do Jornal do Recife.Vola-
ram contra os Srs. deputados Miranda Leal e Oli-
velra. e favor os Srs. Basto e Rosa.
Nada nais havendo a tratarse, S. Exc. o Sr.
presidente encerroa a sesso s 11 horas emeia
do dia.
forma-me que hoj, pelas. 7 da maohaa, o Exm,
marquez de Caxias foi visitar a buena de mor-
leiros que dea a duzeotos passos das linhas avaa-
garias do inimigo.
Esta batera a mais pehgosa que tumos, por-
pragas que
se achara de proraptidao.
Este lance no filustre mir-jaez foi um arrojo de
valenta ou temeriJade.
Hoora ao illustre marquez; porem aconseja-
mos mais prudencia era taes visitas, perdoe nos
S. Exc.
Por esta occasiao S. Ecc. pedio ao coman ndante
da dlvisao ama relacao nominal das pragas que
portaram-se bem ao" combite renhido de 16 de
julho.
PEHNAiVSBUCO
REVISTA Oaia
Comega hoje o
; ordem do de S. Jos, M-rculana, escrava de Aueus-"
ora ; parlindo o pnmeiro trem da ra Formosa
a's 3 horas da larde.
O prego como hontem dl-semos, 200 rs. por
cada mil bragas o 1" dasse, uoica por ora, em
quinto durar o servigo provisorio.
Os pontos da parada do trem serao: ra da So-j
ledade depois da curva do Mangumho, era frente 21I
da estrada dos Afilelos, entre as casas dos Srs.1
Dr. Angosto de Obveira e Gu-mo, em trente da
ca-a do Sr. Luiz Garaes, entrada do siiio da Ja-
qneira, sah.da do Paronoeirim, entrada da Casa
Forte e Coacto.
As horas da partida sao : 5 e meia, 7 e um
quarto, 8 e ires quarios da inanha, 3 e meia, 5
e 6 e meia da tarde do Recife para o ialdeireiro
6 e meia 8 e 9 e meia du manha, 4e um quarto,
5 e tres quartns, a 7 e meia da tarde do Caldei-
reiro para o Recife.
- A thesouraria de fazenda ach se antorisada
casa dk obtenqao.Movmento do da 3 de
Janeiro de 1867. Existiam 359; entraram 17
sahiram 7; exisiem 369; a saber : nacionaes 270
mulberes 12 ; eslrangeiros 3o, raulheres 2 ; es-
era vos 43 ; escravas 7.-Total 369.
Alimentados a costa dos cofres
da
provmciaos
enfermarla do dia 4 de Janeiro
Movimeuto
de 1867.
Tiveram baixa :
Sevenoo Francesco da Costa, colite ; Bernarda Ma-
na de Senna, dores.
Tiveram alta :
Manoel Gmies da Silva, e Jos, escrava de D Ma-
ibildes.
Cemitkrio publico.Obituario do da I." de
janerc
Repblica do Paraguay, Tojoty, 21 de novemhro
de 1866.
No dia 18 doaodaote pelas II 1/2 boras da ma
ohaa chegira ao acampameoto do Io corpo do exer-
cito o Exm. Sr. mar juez de Caxias, acompaohado
do Exm. Sr. mareclial Polydoro, que o havia ido
receber em caminho.
Ao Exm. marquez precederam doas batel>res,
acompanBaorio-o loda a bnloaaie ufflcilidade da sua
comiva atraz da qual viaha um esquadro de ca-
vallara.
Hora e meia oouco mais ou anuos depois con-
correram a comprtm^ntar ao Exm. marquez loda a
otBcuiidade do exereito, excepfuaodo os das divi
suas qoe estao de garmgo aos pootos avaagados
os quaes nao podiaio abaadooar as Iiohas que guar-
davara.
Na tarde desae mesrao dia o Exm' marqaez
ac impannadp do Kxra. mareclial Polydoro foram
visitar ao general Mitre, de oode retiraodo-se foi
percorrer parte do acampamento do exercito bra-
sileiro.
So da 19 o illu-tre marquez U\ percorrer todas
as oissas firiificag5as e pontos avangados, encoa
traado tud > aa wihor disposlgo possivel. S. Exc.
atravessou tolas as oossas linhas em frente do
inimigo, e as visiiou, observan 10 com o seas pro-
pnos ulbos, com a malor calma, 3 saogue fri pos-
sivel.
For esta occasiao contase o segnioto episo-
dio :
Ao chegar S. Exc. as no3sas avangadas tirotea-
vam os Paraguayos com os oossos ; mas ouviodo
a forgas ioimigas o toque das oroetas qae aa-
nauciavam a chegada de S. Exc, desconheceodo
Acham-se em servigo na ambalaocia volante da
2* divi-o o Dr. Joaquim Cardoso Travasso, que
achava-se serviado era Corrientes e bem assim o
acadmico do 3o anuo Antonio Maooel Alves do
Reg.
Por estes tres dias teem-se oolado um pheoorae-
00 importante em relacao a conduela dos Para-
guayos e vem a ser que elles teem deixado de at-
rar em uossa gente, e quaado os nossos soldados
adrara elles pedea que nao o fagam, porque o su-
premo p r estes dias vai terminar a guerra com
um arreglo parifico. Quera acreditar aelles ?
A>-ha se servmdo tambera aa ambulancia volan-
te da 2* divisio o 2 c.rurgio Peoro Affoosi de
Carvaibo, que tem prestado boas servigos oo cam-
po aos feddos e doentes desde o comoco da campa-
oba al hoje.
- 28
O beuemerilo e illastre marquez de Caxias lera
p.ssado revista em todo o exercito era ordem de
marcha e visitado todas as differeates repartigSes
do mesmo.
Hoaiera (27) visitou a enfermara da 2- diviso
e a de ariiih.ri.i, esta a eargo do Dr. Pontes, e
aquella do Dr. Doria, seguiodo depois para a bri-
gada ligeira, e a larde contiouando a passa-la no
exercito, visto c mo consom ama tarde aa revis-
ta de urna brigada, lo mioucioso tem sido.
S. Exc. tem-e mostrado satisfeito em tudo, o
que urna gloria para seu digoo aotecessor o
marecnal Polydoro.
Esie bravo cavaileiro flcou coramandaudo o 1
corpo d > exercito ; e o valeut9 marecnal Argollo
foi co "mandar o 2" corpo, ialo sabstuui lo oo
commando da 1* diviso o brigadjiro Aadras.
U Io e 2* corpo do exercito Acarara como se
achavara at enio irganisados.
Para secretarias d* S. Exc. o Sr. marquez fo-
ram uumearios o Di H-arique Bezerra e lente-
coronel Bazilio, chefe do estado-maior o coronel
Joao de Souza Fonceca Costa, o Dr. Vllla-No^a
Machado major do estad i-maior de artilharla cura
os Drs. Heonqae Bezerra e Bazilio Nuoes Gon-
zaga, engeoniros juato ao commando em chefe
das forgas brasileiras.
O coronel Manoel Pedro Drago e o tenente co-
ronel do estado malor de animara Jos Joa juim
de Lima e Silva f.rara nomeados para servirem
no 2* corpo do exercito.
O brigadeiro Solidooio Jos Antonio Pereira do
Lago foi nomeado commanlaute da forgas do
exercito oa eidade de Corrientes, ficando encarre-
gado da commisso de inqaentos das pagadortas
o coronel Hilario Maxirniaoo Antones Gorjo.
O major de engeobeiros Dr. Francisco Doarte
iN'uoes pasou a fazer parte da commisso de en
eaheiros, flcaado os alfares Geraldipo Gomes
Paeheeo as ordeos do chefe do estad-maor e
Salasliaoo de Barros e Albuqueruue empregado
oa secretaria do commando em ettefe.
Todas estas nomeagoen r.ecaliiram em offlciaes
dlstiocios por seu mereciraeoto e Intelligencia,
presldiodo-as o interesse do servigo publico.
As repanicSis de fazenda de ambos os corpos
Tnumaz Feroandes de Noronha, Peroambuco, 40
annos, solteiro, S. Jo-, hydropesla.
a vender apolices do goverao, do valor de 2005000 Joao BaplisU Fern ira, Maranho 17 annos ReC'f-
que devem renJer o juro de 0 por ceoto ao anno. | tubrculos pulmonares
Hoje a' noite ^ Jupiad, em Oltpda, a Mana^ Peroamboco, 2 das, S. Jos.
Jos Joaquim Gongalves, Portugal, 50 annos, casa-
do, Boa-Vista, eulerile.
Pedro Gongalves de Uhveira, Pernambnco, 18 an-
nos solteiro, Boa-Vista, espasmo.
Vicente Forreira sarmos, Pernarabuco, 60 anuos,
solteiro, Santo Antonio, paralysia.
Aulooio Joaquim do Souza, Pernambuco,40 annos,
solteiro. Sauto Antonio, er>ipela.
bandeira de Nossa Seobora do Bim^ocesso,
qual sanira da igreja de S. Sebastio, do Varadou-
ro, e ira para a respectiva capella.
Amaona havera' a festa e ladainha a' noite,
terminando a festividda.parum lalo fogo de arti-
ficio. Durante a tarde tocara' ama banda de mu -
sica, em frente a' capella, solundo-se diversos ba-
ldes.
Amanhaa reaoe-se o collegio eleiioral Cesta ca- .
pital, para proceder a' eleigao de nm memoro da Mar,a hildes da t.onceigao, Pernambuco, 27 an-
assembla provincial era preeachimento da vaca i o?^''^. Boa-Vista, ttano,
deixada Desse corpo por roerte do Sr. Dr. Jos! ..uria' roa,nP"co. o mezes, S. Jos, eaterite.
Paulino da Cmara. I MarJa> Fernambuco, 5 mezes, Boa-Vista, convul-
Contamos que o prlraero distrlcto eleitoral dar '"**
um di;u substitu
do um cidado qoe v
de carcter e trato cavalheiroso, seja um verda-. "ufj' l'arnarabQco, 16 metes, escravo, Baa-Vista;
delre representante dos interesses da provincia. n a0aza|!1ca
Rufiao, Peroambuco, 8 annos, Santo Antonio, eme-
nte, escravo
o prlraero distrlcto eleitoral dar ,. t, %,
jto a'qoelle seu escolhido, elegeo-, Mar!a P^nambuco, H mezes, Boa-Vista, hepatite.
loe por soas lozes, iodepeudencia C.c.lia Peraarabuco 2 aaoos. S. Jos, coovulsdes.
Seguuda-felra 7 do corrente abre se, bem
romo todas as mais da provincia, a nova escola
publica deensino primario para o sexo ma.colino,
ltimamente creada na povoago da Passaitem da
Magdalena; e est a mesma insudada tempora-
riamente no primeiro andar da ea;a o. 29 da ra
de B rafica.
Nessa escola se ensioarao todas as materias que
coostituem a m truego eleraentar do Io e grao ;
e, pois, importa que os pais de familias e as auto-
ridades locaes tomem em consid-*ragSo os bens,
que Ihes adveem por intermedio da educ>gn que
a juveotade recebe, c assim concorram para a
prosperidade da escola, caja creago lauto reda-
ra a vara.
Mana, frica, 70 aBOos, escrava, Recife, hepatite.
Alexaadse, Peraambaco, 30 annos, escravo, Boa-
Vista, hydropicardia.
g:h(uiu\ judicukia.
Damos em seguida ama declaragio do Sr.
Mendes Cavaileiro, que traoserevemos do Jornal
do Commercio, de Lisboa, era agradeclmooto ao
uos>o araiiro o Sr. r. Joaquim Baptista-Morelra,
actual cnsul portiiet no Para.
c Em abono da verdade, e para perfeilo conhe-
clraeoto dos meus compatriotas, resi lentes nas pro-
vincias do Para e Amazona, no Iraperi 1 dci Brasil,
declaro qoe o Ulm Sr. Dr. Joaquim Baptista Mo-
reir, mal digao coosal de Portugal oa eidade do
Para.se portou patritica e honradamente na de-
feza e meas direitas e Interesses de cidadfi < por-
tueuez, por occasiao da acinlosa e tumauuaria de-
portago de que sou vctima.
Lisboa, 21 de ooverabro dfi 1866Jos Joa-
quim Meles Cavaileiro. >
Remetiramos a seguinte noticia, pedindo sua
pubcago. Garantimos a sua veracidade por ter
silo a pessoa, qae no-la eovioa, moradora aa loca-
lidade :
c Do oaco de ama catinga d
extrahlo-se o 1 aaoo de 1794 em Paje de Plores,
oa fazenda Bonito, hoje periencenie ao capito Ma-
ooel Jos da Carapo.a, um papagaio novo, qoe no
annu segaiate foi cmpralo pur D Nalhana, mora
dura oa fazenda Perdigio, cabeceiras de Pianc.
Esta deu-o a sua filha I). Maia, que o possuio at
16 de a jvembro de 1849, data do fallecimeoto do
mesmo papagaio, cootaado 55 aaoos.
c D. Nathana e D. Mara sua fllha soltelra alada
vivera o 1 mesrao logar Perdigo, buje povoacao do
B.ra Gonselbo, est com mais de 70 aooos de Ida-
de, e aquella cora perto de100, era bora estado de
do exercito acarara redozidas a urna s, sooordt-1 saude, perfeito juizo e boas disposigSes.
nada ao commaado em chefe ; oportunamente | A' auturidade a quem possa competir a pro-
Ihe direi o modo porque flcou oreanlsada. \ videncia respectiva pe.de-e por nosso intermedio,
Sel somonte que o coronel Figueiredo, que to' que fa? remover alguns wagn?, qae na villa do
TBIRIJtf %Ij DO COmniERCl
ACTA DA SESSAO ADMINISTRATIVA DE 3 Dfc,
JANIRO DE 1867.
PRESIDENCIA DO EXM. SB. DESEMBARGADOR
ANSELMO FRANCISCO PERBTTt.
As 10 boras da raaobaa, reunidos os Srs. de
>utados Bosa, Basto, Miranda LeaLe Oliveira,
preseote o Sr. desembargador fiscal, S. Exc. o Sr.
presdeme ai.riu a sesso.
Lida, foi approvada 9 acta da sesso antece-
dente.
O* Srs. depntados Rosa e Oliveira Lrestaram o
jurameoto do estylo assigoaodo os competentes
termos para'faocciouarem 00 actual qualnenoio.
Na mesma coof.irmidade foi deferido o mesmo
Juramento aos Srs. depntados supplentes Jos
Francisco de S Leito a Aotonio Jos Leal Res.
BXPBDKNTE.
Officio do Exm. Sr. con-elheiro presidente da
provincia comraunicando approvar a nomeago do
Sr. dejutarfo Rosa para servir de secretario do tri-
bunal, no corrente qoatnennio.
Offlcio do presideate e secretario da junta dos
eorretores, de 31 do mez prximo pa3sado, jun-
tando o bi.leiira commercial da semana ltima-
mente finda.
Destribuiram-se aos Srs. diputados para'serem
.0A J..J rubricados os segrales livros:Dia.io e copia
d-r de Heory Willraer.Diario de Marques, Ir-
rno & Cdem .te Maia Si Landelme.dem e
copiador de R-g> 4. Silva.
Foram preseutes os livros de prrfstos reeoohecendo-se conservar a mesma numeragao a
data do ulumo registro o livro do escrivao \lou
querque. sendo o ultimo protesto registrado pelo
a-envo Alves de Brito em 2 do corrente sob o.
1,317.
DESPACHOS.
B-queriment) de Aut 010 Domiagues de Alrael-
da Pogas, Beoio Jo- de Maclo Passos e Aatooio
de Azevlo Neves para se Ibes mandar registrar o
contrato sicial que celebraran! sob a firma de Po-
cas, Azevedo & CVista ao Sr. desembargador
fiscal.
C41UU MUNICIPAL IM) RECIFE.
\ SESSAO ORDINARIA EH 28 DE NOVEMBRO
DE 1866.
Presidencia do Sr. Pereira Simoes.
Presentes os Sr! Dr.Miranda, Saotos, Or. Villas-
bias, Dr. Ptanga, Dr. Seve e Pialo, faltaodo cem
can-a os mais senhores, abrio-se a sesso e foi lida
e approvada a acia da antecedente.
O Sr. Santos pede a palavra e procura saber se
o Sr. Dr. Miranda, que eslava sorteado para a
actual sesso do tribunal do Jury podia estar du-
rante a mesma sesso exercendo o cargo de vena-
dor, sera que tivesse sido dispeosado pelo presi-
dente daqnelle tribunal, e concluiodo a sua expo-
sigo, pedia a cmara que resolvesse esta questo.
O Sr. Dr. Mlraada pede a palavra e faz ver qoe
oo tendo conheciraeoto de existir disposigo al-
guma na lei que o privasse da accumulago dos
exercicios, parecia-lhe que legalmente poda exer-
cer as fungdes de veriador, tanto mais quanto hoje
oao fonecionava aquello tribunal.
Os Srs.Dra. Pilangae Villas-boas, tomando parte
na questo, se pronunciara a favor das razoes da-
das pelo Sr. Dr. Miranda.
O Sr. Saotos pede de njvo a palavra, e requer
qae se coasalte ao advogado acerca desla materia.
Posto a votos o requeriraento foi approvado.
O Sr. Dr. Seve pede a palavra, e apreseota con-
slderagoes com as quaes justifica a falta da seu
compareciraeoto oa sesso de 21 do corrate, visto
AM como achava-se fora do muaicipio a oegocio de sua
proflsso, e seodo estas justas a cmara julgou de
nenhum eireito a multa m qua ibeorrera o mes-
mo seuhor.
O Sr. Santos pede anda a palavra e declara qae
quaado na sesso de 14 do corrente, deu o seu pa-
recer em separado acerca da licenga pedida por
Manoel Figuerd de Fana & Fiihos. para o tras-
passo da casa o. 8, queoecupavam aa Praga da In-
dependencia, e suslentou o mesmo partcer foi por
que quandu peJiram elles o coosengo para seme-
ihanie traspas.o, ja' o haviam feito.
Leu se o seguiute
EXPEDIENTE.
Uin offlcio do Exm. presidente da provincia, de
7 do correte, solicitando da cmara em coadjuvar
de sua parte ao goveroo no desojo em que esta' de
conseguir um numeroso alistamento de voluntarios
da patria e a prompia apresentago do coaiingeote
da guarda nacional, para elevar as uossas forgas
de campanha, e aecmnolar rcennos correspoo-
dentes a graodesa e difflcaldades da impreza era
que se achara erauenbadosos brios do oome brasi-
leiro e a digmdade,do imperio, espera que a mes-
ma cmara empregara' todos os seus esfurgos atim
de que seja re.usado nesla pro'iucia semelhaute
flm.Posto em discusso, re.-olvea se que fo-sera
feilos edilaes coovidaudo ao povo para que, aoiraa-
do pur to justo motivo, se alistasse voluotario da
patria, concorreodo assim a vingar as aronias fei-
tas ao seu paiz, e que cada um dos membros da
cmara por sua parte em particular envidasse os
meios de que podesse dispar, para que desla forma
tambera cooperasse a mesma careara para salvar a
hoora e os bros de sua patria, e oeste seolido se
respradesse a S. Exc. o seu i fflcio.
Outro do mesma de 27 do crrente, declarando
a cmara, era resposta ao seu offlcio de 21 do pre-
seote moz. sob n. 78, que flea approvado por lempo
de um auno a arremaiagSo do Imposto de afferigo
de pezos e medidas deste municipio Que se flzes-
se o termo de eootraio e toenl saccadas (tras
logo queestivesse assigoada pelo fiador do arrema-
tante a tscriptura-de hypotheca dos bens offereci-
dos para garanta da arrematago.
Nesla occasiao achando-se presente o arrematan-
te, pedio a cmara para \jue ordenasse qae as le-
tras de s*u contrato nao fossem saccadas com os
prasos a veucer como era de costum, visto que
Ihe restava pouco lempo para fazer fferigo o ar-
recadar o imposto que della devia resultar, bem
como qoe espapasse o tempo em qne deviara os 8s-
caes examinar nos estabelecimentos se afengao ja'
se achava feita. A cmara enteodendo ser razoa-
vel o plido do referido arrematante, determiooa
que as letras fosem saccadas de maneira que a
primeira se vencesseem 15 de fevereiro, a segunda
00 ultimo de abril, a terceira no ultimo de julho e
a quarta 00 ultimo de setembro todo dolaturo ao-
ao de 1867, e determiooa tambera qoe os ti.-eaes
s procedessem as corridas paia veriticagio da .afe-
ngao 00 da 1* de margo viodouro em diaate.
Outro do secretario da presidencia, de 21 do cor-
rele, coovidaodo a cmara de ordem de S. Etc.
para asslsdr ao acto da disinbuicSo dos premios
da exposigo provincial, o qual tew de celebrar-se
no dia 2 de dezembro prximo viodoaro a's 11 ho-
ras da manha no palacio da presidencia. Iotei-
rada.
Urna peligia do Dr. Manoel Figueroa de Faria,
com rlispacho da prest leocia de 24 do curen e,
maodaado informar em cuja petigo, recorre o sup-
plieaote a S. Exc. do despacho que ihe fora dado
em sesso de 14 do correte, acerca da liceoca que
pedir para traspassar a casa n. 8 da Pmg da In-
dependencia. Man)ou se ouvir ao advogado a' re-
querimeoto do Sr. Santos.
Um offlcio do Dr. cuefe de polica desta provin-
cia Felloto Heonqae de Almeida, commatiendo
ler assumi ) no da 23 do corrate, o exercicio do
mesrao cargo, para o qual foi comeado por decreto
de 10 de outubro ollimo, declara que oo desem-
peobo das faocgSes do dito cargo procurara' saiis-
fazer a todas as reclamagQes da cmara, a quem
por esta occasiao offerece o^ saos servigos, e apr-
senla os seos votos do estima e perfeita concidera-
go.Que se respondesse
Outro da cmara municipal da eidade de Goyan-
na, aoeusaodo ter recebido o, em que cmara
desla eidade ibe commuoicava ter o Exm. Sr. c o-
selheiroFrancisco de Pauta daSilveirn Libo, pres-
tado juramento e lomado posse ao da 3 Je cor-
rete, do cargo de presdeme desta provocia.
loleirada.
Outro do Sr. vereador Antonio Jos Silva do
Brasil, comraunicaodo qae por causa de encera-
modo nao poda compare er a sesso, assim qae se
achasss restabelectdo corr. parecera.lutetrada.

MHBMMriMMBWMlltBBHhpMM



Oolro do eogenbeiro cordeador, informando i- Kico : born
re o que do requerlmeolo, que junto devolve i. a* cousas-
-
ran
s*v
7
-xe o virer, o mais tomar
ae Joaquim Correia de AraUiO, tz* que" o subrstio esta* aqn tapHlro. Como sabe, esse hornern
a qae He a refere silo a roa Nota n. 17, nao prow _Aj_*** tafieranca et
em as dtaiences miradas as postaras eoi vigor
por ser de construcgio antiga, mas que ne1'
emmim
inconveniente lia em conceder-S o o!"* -/l*"
pede1,sutes fcba] a elemcao do i*- .- e, mesmo
da casa visioha n. 15, e -.u*ao k altura o
apresentara' o ediflr- ^f|Stru <;ao de cornija,
lar.Conceden ..- ama bes'pe Uva mas rbgu
O Sr. p a vista da la.oroi gao.
o tolo peje llct oca e relira-se.
j Sr. pro-presidenta da cmara declara a esta
Xjue o avogado Ibe havja toniaiu.uicadu ler o l
ract-jr das postaras muoicipaes, Francisco Caroei-
ro Monte ro, contra queja se intentara acgo por
^etvo algma cousa ;' ora'' o'meu
Ye cummcda-lo. Amanhan Ibe dirSi
Seu amigoRoque Carlos.
(Est rcconbecida a laura e asignatura.)


Anda a wMMegadf 4a Ui.
No da si de dezembro prosima passado flz
publicar pnr este Diaria jma rectamaap, que dlri-
Ii au Eir. Sr. presideute no otra subdelegado da
oz, por um acto de capricho praticado por esa
autoridad* contra o rau direito de propriedade,
mandando appreheoder e depositar como bem de
ler estrellado a eticada que de Apipucas "couauz ausentes ummeucaa,Uo,' para obrigar-me a traba-
ao eogrnbo Dous Irmos, f'ra absolvido, mas que Ibus e despeas, como alte masmo asseverou, a at
elle adrogadj baria appellade da seoteoca, pelo boj* nao me consta que se dsse providencia algu-
qne c,nv,oha resolrer se devia continuar a exe ma no sentido do touiua, rectamacio, nem a res,-
cuci. Peito de outfos actos impoitnles que declinei
Resolreu-se oflBciar ao advogado que nao prose- contra o refer ao subdelegado,
guisse na mesma execucao, v sto recoabecer a ea- Como prometti voltar a carga, e por a mostra a
mar que o excesso do lo do fiscal fez cora que calva do Sr. Tnora, veoho boje cumprir a mlnba
livesse lugar sau.elhant< questo. palarra. S. Exc. reconbecer por flm a rerdade
O Sr. Dr. Miranda pede a palavra a aprejeula a do Que lenbe exporto, e jusliceiro como desti-
segciote propona : l0'r4 do cargo de suodelegado um individuo que
Ha vendo o Sr. Dr. Pitanga, na qualidade deemoutro tempofol apenas aproveitado para lns
membro da commisso de polica, orde ado que se Pector de quarteiro da ra do Queimado, e que
desse urna sepultura para enterra melo da mulher sabiodo do Recife, para casar em urna familia lin-
de um guarda l unicipal, descontndose o seu portante desla freguezia, doode ibe veio o que boje
costo n s ordenados do mesuio; succede que tm lclD> depois de casado malqaistou so com sea
rer de dar-se urna sepultura comraum, dense urna spgfO, velo nonagenario, qae lio generoso tinha
tos, e quasi impossibilidade de escr'ever. Basta to-
mar o pulso aodoeote pira que se observe soa
deficiencia de torcas; bast manda-lo andar para
seuotar maufesta difflcuidadd ; oasta abriga-l a
escrever para aue s.i raja saa quaM impossibili-
i dade, ate inesmo para a.ssy;aar seu proprto nome.
catabumba ; do que 'resutou o iioVt^ioT,~i ; "^ **r ", ^to fai qVe'o obrTga alam'r"de I fe^t V4"T* VfL ?!!S t.^8
sua costa pagar i quanna de 25000, e porgo* casa a vir para esta povorco, donde Vaho para e do exoS
nao >eja justo que soffra prejuizo.por cal a albeia; acabar os eus dias na senzaila do seu proprio
caracteres ou antas afm
iraordlnaria de aiiuoj os p*
Ihos, cora tandenca Visiei a
as coxy, que ja S3 achara em
rugosidades, eQtuQ;;ceacias e
prtas d mal, cooslituiudo um
ftj^ especi-lidada di cor, da3 es
brm, das ulceragSjs cjbartas de
OUianoaqj ; ex
sui generis, elii'
ax> as frcas geraes ; sescio ce
mais-largas ^epreisSs ir'regi^a^B
vastas ulcaracos e da dajilrujco de tacidos, etc.
T^coajeflaeacia, pnis je urna tal molestia por
As p;
beba
CtjBsila* t Prtiga!
Pelo coasutado da Portugal em Peruamboo se
Cr0S? Cdo ?s utopias medicii^"8"4esobg-
ia val diimn- ^^m mais enrgicas fque se aujiM-teem
que se ob.um,e P^ $0 cumpre que sejam epu)rega.das
de, lodas as rezes que se tiyer de cobater fe
ores intermitientes, engorgilamentos cu obs-
demais veturu e"a.tiinad-i,"q e'nio" pode deixar: tracC$e* de figado e bago, anemias chloro-
de ter mteressado todas as carnadas subjacentei a zes, bydropesias, menstruaees deflceis e ir-
peJt das neratt, iqclusive os moscuios, o syst-: regulares, calharro da bexica
ma limjjnatico, o oervo^o e talvez mesmo n n em coTsequencia, repio" da con'taQla eraoT Aqoe!,es qU6 deSeJ3'em 'aZer DS0 de8S3S
i^r^iue lera nasuda o domie, era tao asucada ida- fVeparacpes medicas e doentes, e naq api-i
de. s", estado gexal ictia-ie pxfao^aieate al
do. Eolio experimenta elle,
diBeuldade em seos movimem
fon, 1U.,., .-.,. 00 aU3s de decin>o (,^tAJSUM pamculatK DE LYNBO.) barricas farinha de trigo, o caixas papel branco, .
-""Daracoes pbarmaceuticas da iuru-'w <,itas 5 mios e lu0 flwtos de ditas paisas;' "Msc,eDte ,08AIn."PWio| 9 wso. siguile -.
rme&amentos reconocidamente [a TZ ,r A.0 5, dos porios ^ ^ o6) indusir.
"y em diante se acendera d* fttAvBtm leniieatar nc
Do Para'. orle do llMo do P.r, do Panchal, ilba da Ma-
tes, e devem ser considerados como do nc
e um estado
iliiniouigj da ener-
I caixa com 250 cbai-us
Manuel Duarle.
117 rollos com 50 arrobas e 26 libras de salsa ;
a S. P. Basto 4 ^rmajp.
1 pacota; a Amonm timaos.
1 dito: a Mauy Romageiro Pilho.4 C.
1 caixio; a Vicen g. f^m K ^| Silva,
a encapados; a Mano'el I. da Fonceca. Marys.
1 dito; a Joro Ramos.
1 caixote; a Domingos dos P. Miranda.
1 ciyxa i sacco; a Ab}lio Jps.3 X*va/es da Silva.'
an flpnr-sA a seren id* av o n^i.goe "^^ *'?"* ** ealr*5 d,e Llver-
Se ila"?'gD *C'" m*nif?,0U p
UO calas folha de flandres, 6 barricas canos
de chombo, 68 ditas cerveja, 0 latas barrilha, 300
do Chily; a Sverlno de, co',oc^/.*ob!*D>
A Ioz vermelha ^H
llumDa de ferro.
, 1 aehna do rt
tancia de 8 milka^
Ocas,
itude O. Grecs-
c>mo ja flcou dito, dirigir-se a pharmacia doabaiio assigaado-
ad; situada na ra larga do Rosario n. 10, pro-
asthenico, urna coosideravel m
gurittllemdeoduseucorposa aporrado, oc.; x,n0 ao quartel de polica, uniCO deposito fo-areiros
^,0DaQ.d?A,.?euldades f "^*& lovimen. que existe nesta provincia ; devendo se ter sSf.afe i lff!nro!!TtoZeTti!*X'
a
proponho que se Ihe rajiitu esse pagamento. { eogeuho em completo desamparo.
Paco da cmara municip l do Recife, 28 da Atienda S.xc. para este facto qae sedea no da
norembro de 1866. Dr. Joaquina Jos de Mi-,t de dezembro. O Sr. Thom mandou cercar e
randa. varejar casas, para cacar reerutas, e sendo cerca-
Posta em discu ao, o Sr. pro presidente fez so- co Manoel Victoriano, este coiren para livrr-se
bre a mevua Iga.ias consideragdes, dep is do da perseguido. Us policiaes da deligencia mette-
ram-lho enlao os eacetes. quebraram-lha a cabca,
fizeram Ibe outras coniusdes e .- assira o prende
ram deppU de muito mallraUdo, para o sollarem,
quaodo viram que o phre hornera se achava em
misero estado. is aqu como procede a polica da
Sr. Dr. Miranda pede a palarra, a sem que e.-ta 'r?gueiia da Luz, ou antes o Sr. Thjm; prati-
Ihe livesse si o concedida, como deciaron o Sr. catn-se dessas violencias; irrila-se a popnlaco
pro presidente; tm seguida principia o dito Sr. como se tem irritado; em fim, para o Sr.Thom
Dr. Miranda a r.izer que as sesses da cmara du- au na lal "era garantas, que o estorvem em seus
ravam poncj tem o, e que se o dito Sr. pro presi- j desroandos.
dei.te se achava encomm.dado, a elle comp lia feudo a seu lado um escrivo que so asslgoa
snbstitui-lo; e que havendo numero soffleiente pi- Pr B-nedicio Andr Xarier, e Do Andr
ra continuar a sesso, a mesuia continuara iob; Xaviei Vidal, como verdaderamente se chama, por
sua presidencia; o Sr. pro-presidente relira-se, e |su qua fui processado e pronunciado na cidade do
qae pede o adi-iento; todos os >eaho es ve-
reaaores, ioclu.-ive o autor da proposta, tenao con-
cordado, as.-im se dehberou.
O Sr. pr -presidente seoiindo sa encoma,odado
aonunciou a cmara que ia levantar a sesso -, e o
tendose levantado tambara" os Srs.: S utos, Dr. j Rcife por crime
Villas-Boas e Dr. Seve, nao pode continuar mais a !?e leana a'od livrado,
sessao por falta de numero. Ia bouve lamoem denaocia da Ja parante o chefe
Autes dessa occurreacla haviam sido despacha-1 de pohcla por Aotooio Gomes Mureira da Uosta,
em vista que foi o abaixo assignado o pr-
meiro que sobmetteo essa planta a prepa-
rares pbarmaceuticas,. e fez guiado por
cooselbos mdicos, e sob a approvaco
destes.
Pbermacia em a ra targa do Rosario n.
10, junto ao quartel de polica.
Jeaquiui A. Pinto.
das as seg'iiDtes peiicSes:
Albino Jos Fe:reira da Cuoba (2), Aprigio Jos
da Silva, Beoto Jos Domingues, Candido AfTooso
Moreira, Domiigos Jos da Cunha L ges, Francis-
co Jos i e Araojo. Fellppe de Saoliago Carabaoti,
Florencia Maria da Conceicao, Francisco Jos Gal-
vo, IsaDel Maria dos Passus, Joo Fiaocisco de
Mello, D. Joaquina de Parias Texeira, nacnarel
Luiz de Alboqaerque M rtins Pereira, M-nuel Jos
Carneiro, Manoel Caneiro Rodrigues Campello.
Declaro em lempo que estireram em praga os
talbos de acoogue da nbeira da freguezia de S.
Jote, que nao tlnhsm ido ;.inia arrematados, o
que foram nesta sesso por iversos.
Declaro tamb.-m que o Sr. majar Gus.ivo do Re-
g, eomujuoicou nao comparecer a ses;o, por
achar-se servindo na tessao do jury.
Eu Francisco Canato da Biaviagem, secretario
a subscrevi. Pereira Simoa pro-presidente.
Santos.Dr. Miranda.Dr. Seve.Dr. Pitanga.
Dr. Villas-Boas.Pinto.
por crime de mora na pessua de um ascravo, nao i
pode coniiauar a ser o subdelegado da Luz, a
menos que se pretenda couservar nesta freguezia ;
exposl
Pelo que, coocordando cara o juiw dos collegas j
sobre a perfeciibilidf.de iotelkcluale moral, dis-'
cordo completamente no que diz respeito ;.o estado ',
phyiic ; o ao cumprimaulo do dever, dianW da
jusiiga, como, tarabe-.n o fiierara os illatres colla
gas, que com profunda magua deelaro, que 0 Sr.
Francisco_ de Salles da CosU Mootelro, nao pode
tois continuar a exercer o offlcio do tabelio da
notas.
IDafflraio, jurando era abono da verdade do
juramauo que prestei na elevagao lo meu grao, e
com a dignidade inherente ao medie; na socieda-
de, em face da lei, aioda que seja asa mi, deshu-
mana e barbara.
Dr. Carolmo Franco tohma Santos. .^ ^.^ (|c ^^ & ^
A jnrabeua e o Sr. oaquiu an,
d'Jtltuelda Plato. Em consequencia da sua grande e vasta
O astado de gravidade u perigo Se vids em que popularijade e insta celebridade en todos
os mercados da America do Sw e das Anti-
Ihas, para o uso de cujos paizes, ella foi
exclusivamente manufacturada, ha mais de
vinte aonos; a mesma tem sido exclusiva-
mente imitada e conlrafeita neste paiz. Po-
d0Lae a|fc*0llao e de linbo ; aos consignatatlos.
80 barricas cerveja, 30 caixas conservas, 20 di- ( M
doro'Neat.o&-odSo'15 DarncisferrageB8;a hi Sft3S"
18 fardos estopa ; a Rabe Schamettau & C. ^ $$&*
de algodao e la ; a Henrique & J ^So'dhi.
M^Kdo mar e vbivel a
HB&cumsiancias aimosi
SecreUna de estado dos Mgocios da roarinba e
uiiramax 14 de ^ovwnbrp de 4866.
9 director;.
Antonio Rapaael Rodrigues Selle
A Illma. junta administrativa da Santa Casa
de Misericordia dj Rjssijfc. iwsbfi mvoH<^ par^-
a"frenJamnt "las" casas abaiio deetoradas, as^
qaaes achando-se arruinadas, sero arrendada*
pelos precos mdicos a quero se qnixer menajfcfe
de concerta las :
Esttbelecimentos de caridade.
.la Direlta n. 33.
]ioco Ponas n. 110.
n. 1.
1 caixa lecido
Azevado de C.
2 ditos e 2 barricas drogas; a P. Maurer & C.
1U0 gigos louca, 243 barricas cerveja, 1 caixa
cama de lati ; a ordm.
62 barricas louga, e 25 latas barrilhi; a Ta. Jel-
ferles.
5 fardos tecldo de linbo, 50 toneladas padra de
O oleo de flgado de baoalhio desinfectado i
deChevrier, conserva as qualidades e pro-1 carcmento" a J. Pater 4
priedadts reconhecidas ao oleo de figado de I 10 fardos fuenda de imbo; a E. a. Burle,
bacajho ordinario; o seu cneiro gostoa 2 bai ricas ferragens, 120 caixas folha de flan-
StaS0 agradaVeS' e a dgeSl5 faZ"S6 fa- i C^Srftrr^ ? l"[L^ es-
Climente. irada de ferro de 8. Francisco.
Deposito em Pernambuco, casa de P. Man-
rerdrC, ra Nova n. 18.
me achava, ao ebegar, em julh deste auno, da
de roubo, de que nao me consu provincia da B^hia, bem como o*em que actual
o Sr. Thoni, contra quera
13,333:333,2330
11,555:533X^50
5.200:0 KifiOuO
JLoadon & BrasiHaa Baak (II-
mited).
Capital do banco I5.U0O acedes
c 6 100.......................
Aceoes emiltidas 13,000 ac^oes
do c. S 100..................
Capital paco c. a* 45 por accao
BALANCO DA CAIXA FUJAL EM PERNAMBUCO,
EM 31 DE EZEMBRO DE 1866.
ACTIVO.
Letras descontadas ....
Crditos sobra diversos outros
bancos e caixas filiaes .
Caixa :
Emmoeda corrente .....
1,235:227^300
2,570:717*310
1,019:404*360
4,485:349*090
PASSIVO.
Capital fernecido pela caixa ma-
triz ........ 888:888*890
Depsitos.......2,125:75 l*32o
Crditos diversos, outros ban-
cos e caixas filiaes .... 810:708*390
mente rae acho, perfeitamente resbelecida a mi-
nha saude, por mais de um'anno fomprimid- por
suffrim.eoios serios,, fazem-me forjar urna idea
precisa a ndubitivel do quanto p&le a Providen-
cia Divina, mauifestada pelo taleuft e trabalbo de Am
canos ho-nens predestinados a enmpri-em um m Ir8m, Presentemente o artigo original foi in-
SS?."-T.***? lagB depuoircnm Sonra ao de Mires iutermittentes de. longa da- lar a distiiiciiva marca commercial dos pro-
la, leudo 'fiiic o/i i.>ni4<4..a .k.i... *x-~ w ... ai. ...
gado e oul
cido a cor
candada a d.ffleii. "',"'"v'"'j simuladas e fraudulentas composicoes. Os
Cegaodo a esta cidade. esgutados todos os re -! signaes internos de
cursos qae surgiram sem aillvio a meus
4,825:349*000
Recife, 3 de Janeiro de 18S7.
T. Simn.
accouuianb.
Commuiiicados
Partido coaservador.
Que autoridode I
O delegado de polica de Granito e comman-
dante superior de Cabrob, Roque C ros A. Pei-
xoto. .lera sido por rexes argido da factos escau-
dalosos, j de prevarica^o, e de perseguicao
aos seus inimigos.
O seu proeedimento tem sido to violente, qre o
o senado o mandou responsabilisar por fagaobas
eleitor.es; mas essa responsabllidade ainda se nao
fez e(Tactiva, ao obstante terem decurrido tres an-
uos. Assim se zoniba das ordens mais elevadas
por espirito de prnteecao e menoscabo da le I
Agora apresentamos dous factos de prevaricaco
documenlalmente provado> : d Ibes o gorerno a
devida considerado.
O primeiro facto consiste em ler recebido um
denativo ou mimo pela soltura de nm guarda na-
cional, que desobedecer ao seu capitn da compa-
nbia.
Sendo c commandanlo superior argido pelo re*
cabimento desse mimo, dirigi orna carta a' pat-
ita que o Azara, -remeitando urna minuta da res-
posta escripia do seo proprio punho.
A minuta devia ser copuda e assignada por
essa pessoa (o Sr. Alexaodre Carlos da Silra Pei-
xotn), a quera o comman rante superior pedia isso
como aiiesiad para sua defeza, julgando que nao
sendo o wimo dado pela dispensa de doos guardas
designados para o servico da guerra, poda ser
mi licitamente reeebido peta soltura de nm guarda
desobediente ao seq capitao de cempaobia.
Essa minuta aqoi val sob n. 1 ; acbando-se a
lettra devidame te reconhecida.
O segundo facto tar em sua companhia nm
criminoso, coja prlsi foi requisitada pelo chefe
de polica desta provincia (que ento era o Sr. Dr.
Abilio t T. da Silva).
Esta criminoso, coohecido pelo nome de Meslre-
Chico 00 Chico-Peireiro, mas cojo nome verda-
dero e Francisco Antonio Pimental, serve de Mna-
naense do tal escamondante superior; e, prelen-
deudo o commandanie do destacamento da villa do
Graoito prender o lal Chico-Pidrei'o, o mesmo
coramaodaote superior e delegado de polica ob-
stou a' prisao, conforme todo se v do documento
sob n. 2.
N.i.
Illm. Sr. commandanie soperior.Granito 18
de abril de 1866.Respondendo ao que V. S. de
mim exige, etc.. jurga necessario angmeniar
aqui por honra minha, e preceaendo lieeaca de V.
S., que foi verdade, qne por meo biou proprio
mimoseei i V. S. com urna cacea gorda para malo-
lotagem, um guarido, de qne soabe tinha caren-
cia para condoccao de roluotarios para a capital,
mimo elle que nao leve referencia a dispensa de
Jos Rodrigues e Florencio Barana, mas san por
que agradec a V. S. a soltura dt meu filho Louren-
co que por falta de obediencia ao capitao da rom-
anbia fra preso por 8 das, mas recorrenao a V.
S., MiNorou a prisSo, a que estara sojeito... etc.,
etc. Son como sabe da V. 8. palriok), ota padre a
amifo veneraderF.
(Esta reconhecida como lettra do coronel Roque
Carlos.)
N. 2.
Illm. Sr. coronel Roqua Carlos.-Villa de Gra-
nito 10 de ferwelro de 1866 -Visto o procedi-
mento do- mestre lieo, roa boje denunciar dalle de
ennus que eslou muiio par dtttt na provincia
do Ceara': vire esie negro aqui inchando como
bomem; elle s velo ler importancia foi aqu : a
raiao ibe dire, e qoando vier necessito que V. S.
traga alea dodinbeiro das pravas mais l'.'*000.
No mais etc., sou da V. S. amigo respeitador e
obrigadp-Tiborcio Perreira Neres (commandanie
do destacamento.)
Illm. Sr.-Para que es?. .:asas como pobre I
contrario, quem abriga a protege o< criminosos,
para os empregar como seus instrumentos na per-
seguido de teas adversarios polticos.
O r. Tom Ul que estando no exercicio da
subdeiegacia e encontrando a mulber do preso Ma-
laquias Firmino da Luz acompanhida de seu
sgro. esbarrou o cavallo e offereceu se para levar
da ancas a rapariga, dizendo para o valhotmeu
velno esta nuiatinua ea a levo. Ora urna auto-
ridade que insulta assim a honra do pobre, que
est na sua dependencia; que zomba da moral;
que abusa de seu poder para satisfazer seus depra-
vados insiinctos, uai Bagelio I
Quando dizeinos que para o Sr. Thom nao ha
lei, purque elle entende que a lei o seu arbitrio,
nao avaocamos urna falsidade. Haja vista os pro
cessos que elle tem iosraurado e julgado sera au-
diencia do promotor publico; as Bancas illegaes
que ella tem concedido, e as prisoas que tem feto
no tronco do seu eog-aho, digo, do engenio de
uue coDseuhor, e analraeute a pruieccao b;c dalosa que da aos Barbas ruivas e outros crimi-
nosos seus apaniguados. O Barba ruiva j se eva-
di dosta fregudia, logo que o denunciai como
criminoso na miuha auterior publicaco.
E evado-se porque o Sr. Tbom,* em vez da o
prender, foi avisa lo.
Recebendo elle o aviso poz-se ao fresco, e quem
sabe> se o Sr. Thom ignora para onde elle foi.
A visia da ludo isio continuara o Sr. Tnom
como subdelegado da Luz? Eatendo que nao.
Se temos um administrador jusliceiro e moral!-
sado como couflo que o Sr. conseiheiro Siiveira
Lobo, o actual subdelegado da Luz nao continuar
a abusar de seu cargo coosiiiuiodo se o suzeraoo
desta freguezia apoiado pelo Sr. Dr. Joo Severiano
que o aproveita para sustentculo de sua in-
fluencia.
O Sr. Dr. Joao Sevariaoo coala tambem comi-
go. Respailo e acato as qualidades pessoa-s do
individuo, porm estou sernore prora po para cla-
mar contra as ilegalidadas e abusos, veubam de
onde vierem. Al huje o Sr. Dr. Joo Severiano
nao mandou anda aBxar os editaes para a convo-
cado dos eleitores que tem de concorrer na pr-
xima eleicao.
Querer-e ha por ventura fazer a eleigao sem
o cumparecimeto dos ele.tores da parocbiaT Des-
de j protesto que comigo nao ho de tirar bom
parudo os estratagemas ; a conflo que a maioria
dos volantes da freguezia da Luz ha de dar ao Sr.
Tnom a justa medida do que elle vala, sabeodo
arrostraras suas bravalas.
Basta por hoja.
Povoaco da Laz, 2 de Janeiro de 1867.
eu ae retires uiermiiteotes de. longa da-1 tar a distuiciiva marca commercial dos pro-
.anVh^ Pe fcilmente ser distinguida
ira no Daeo. O reotre da continuo eres-! u j ., t .
r extremamente paluda, e* a respiraco : P.ela sua HPParencia t-xtertor desS OUlras
composicoes.
!siguaes iiilernos de perfeita genuidade s3o
muito menos fcil de engao, por quanto a
Agua de Florida de Marmy e Lanman tem
e desenvolve o aroma proprio das frescas e
flore-ceiit'S florese plantas do trpico das
aX ?'.eh?d\. Cafv^Kre- *l eU#w a SUa ella 6 posigao, ea exposigao ao ar, em lugar de
diminuir, augmenta a ddicadeza de seu fino
aroma, em lugar de prorluzir urna eraana-
Qo acre ou urna certa effluvia desagradavel
como acontece, co esses perfumes e aguas
de cneiro as quaes so preparadas e com-
postas com leos baratos e fortissimos de
essencias.
(Tenha-sepois todo o cuidado de examinar
ver que os noraesdeMURRAY lanman se
acliem inscriptos e impressos
voltoi io, letreiro ou garrafa,
falta dos mesmos, nenhuma
ra).
Vende-se as pharmacias de A. Caors &
Barbosa e J. da C. Bravo A C.
surgiram sem ailivio a meus males,
aro amigo cuuduzic-me a* pharmacia do Sr Joa-
qujra de Almeida Puito, o qual, examinando o mau
estado, applicou-me a sua saota jurub-ba, prepara-
cao que lao inspiradameute escobn 1 e irouxa a
eheito,
paiz, (|ua
sultados passar alm, e provocar dos que silTre-
rem o emprego do proficuo medicamento.
Medlaate o uso de tres caixas de pilulas, e duas
earrafas de vinho em pouco mais de dous mazas,
vejme restituido a' saud*, radicalmente curado,
sem restar-me do passado mais seno a recorda-
gu d.s penosos stfrimentos, e hi'je a idea que
paj-a logo tti das excellencias da jurubeba prepa-
rada pelo Sr. Joaquim de Almeida Hinto.
Sirva, dois, ludo quanto deixo dito de mais um
louro, que se uua a' corda esplendida que ja en-
flora a reputacao do Sr. Almeida finio, e ao mes-
rao lempo da viro a immarcescivel protesto de. ad-
mirado e recoohecirneoto que aos seus talentos
presta o seu aft-nto venerador e criado agradecido
Jos Herculano Thomaz de Aqnmo.
Recife, 29 de dezembro de 1866.
O oleo de Sgado de bacal ho ferruginoso
de Chevrier, pha. maceutico em Pars, suba-
titue se om muda vantagem as pilulas e ao
xarope de lodureto de ferro mais fcil de
tolerar-se para as pessoas delicadas asseme-
llia-se muito mais bem e nao provoca a cons-
. pacao.
Deposito em Pernambuco, casa deP. Maa-
rer 4C ra Nova n- 18.
sob cada en-
pois que na
verdadei-
rr-!mnmumK\mit itv>.;
COMMEHCW.
Luiz Elias da Silva Albu\uerque.
Publicares a pedido
Como qaer que o Liberal de 22 d* dezembro pr-
ximo passado, que s noatem me ple vir s rnaos
tratando do juizo dos faculiativos no axame me li-
co a que por ordera do governo geral (ora sobmet-
tido o Sr. Francisco de Salles da Co-ta Monteiro,
asseverasse, que o pareeer dos facultativos havia
sido desfaworavel ao mesmo Sr. Salles, dou-me
pressa em declarar, qae o centrarlo manifesiamen-
te se colhge daquelle exame, que alias o accaso
fez desapparecer da secretaria do governo. Por-
quanto, sendo tres os mdicos que o procederara
os Srs. Drs. Carolioo, Moscozo e Ramos,Feodo
vencido o primejro pelos deas ajiimos, que foram
de voto que o Sr. Salles estava em estado de exer-
cer o ifficio, claro qne se nao pode dixer, que o
parecer medico foi desfa7nrarel a aquella notario,
fc. para que mais fique conrencido o Ltorai de s.n
engao, r.ecommendo-lhe a leitora do parecer da-
do, era separado, polo Sr. Dr. Carolino. e cuja co-
pia fiel haviamos cuidadosamente guardado; sendo
que fra at escripto no reverso do papel em qqa
se acbavam eslampados os dos dous outros seus
collegas.
Eis o mencionado parecer :
Z.
Deixaodo de tratar do prembulo fue, s'cienlii-
camente fallando, deve constituir a primeira parle
do parecer medico-legal de que nos oceupamos,
passarei logo a desenvolver a segunda e terceira,
gue consistem na exposlco dos lacios e conclu-
soes.
Quanto aos factos relativos ao estado moral e
physico do Sr. Francisco de Salles da Costa Mpo-
teiro, tabellia da notas desta capital, com a davi-
da renia ao juizo dos outros dous collegas direi,
qae no que concerne ai faculdades intellecluaes e
raorae.s,sou concorde com os pareceres retro quan-
do affirmaraoiestar toda a intelligencia em com-
pleta saodade.
De feto, interrogada o doeote sobre eoazas va-
riadas, passadas, presentes e futuras, e com o es-
crpulo que a scitra- ia reqoer em taes casos, nao
pude descubrir alieracao alguraa s^nsivel na uatu
reza a harmona de sua mtellecco ; porquaoto, to-
das as faculdades que constitoam a. intelligencia
Remen cont>a a embriaguez
A sade depende do estado dos solidos, e
dos fluidos, que os conserva idneos para e
mais perfeita execuclo das funegoes vitaes; a
emquasto estas se fazein com regualridade
nos adiamos saos e robustos; porm de qual-
quer maneira que se perturbem, 6 inivitavel
o alterar-se a sade, e a inteperanca nunca
daixa de desordenar ada a economa animal.r
impedindo a digesttore laxando os ervos,
fazendo irregularo, ess secrecSes, viciando
os humores e produzindo infioitas enfermi-
dades.
O mais alto grao da prudencia humana
consjste tm regrar os nosst s appetites e
paixes, de maneira que se evitem os ex-
tremos.
Com quanta celeridade arruina a melhor
conslituigao o abuso dos licores, que embe-
bedam! Pelo que vemos com tanta frequen-
cia os devotados a embriaguez carregados de
males, correndo com passos largos para a
sepultura, e por isso commum proverbio,
que todos os ebrios morrem hydropicos.
Tudo que embebeda pe a natureza em
esta lo de excitar febre, para desembaragar-se
da pessoaba que tragara: e, qnando se repe-
tp quasi todos os dias este veneno, fcil
prever-se as consequencias, que resultara
delle. As febres da bebedice nem sempre
termjnamemum dia; acaban ardinariamen-
te n'uma inflamuiac3o do peito, do flgado, on
do bago e produzem fataes effeitos.
A bebedice de especies alcolicas quandro
se usam com excesso, debilita as enlranbas,
impede a digesto, destroe a forca dos er-
vos, e causa enfermidades paralyticas, e con-
vulsivas. Do mesmo modo esquenta e in-
flamma o sangue, destroe sua qualidade bal-
smica, e o torna intil para a circala5o e
para nutrir o corpo. Dabi procedem as
instruces. magreiras, bydropesias e-icas.
Estes s5o os caminhos ordinarios, com que
os bebados fazem sua carreira, e enfermida-
des desta casta, quando se produzem em. um
forte bebedor, rara vez admitem cura.
Alguos arcuioam sua sade bebendo mni-
to, ainda que rara vez (pelo costume) se em-
PRAA DO RECIFE, 4 DE JANEIRO
DE 1867.
A's 3 horas e meia da tarde.
Hontem.
Algodao.l'sorte 13600 por arroba.
Cambio sobra Londres 90 d/v 24 1/4 d.
Cambio .sobre Rio de Janeiro a 30 d/v 2^/
descont.
Freie de assucar para o Ranal 32/6 por tonelada e
5 % ..
Frete de algodao para Live'rpoal 1/2 d. por libra e
5 */o
Siiveira,
Presidente.
Macado,
Secretario.
Caixa filial do Banco do Brasil em
Pernambuco.
Tendo-se desencaminhado o recibo n. 167 de
cracoeota ac^S^s do Banco no Brasil, localisadas
nesta caixa sob u. 4873 a 494 pertencentes au
Sr. accionista Jos Segundino de Goraensoro, do
Rio de Janeiro, a directora faz publico a qaem lo-'
teressar possar que por intermedio do mesmo Ban-
co, se vai proceder a substituicao das aceoes cons-
tantes de dito recibo, pelas novas aceoes que se es-
tao distribuiodo com os accionistas.
Recife, H de dezembro da 1866.
O guarda livros,
Ignacio Nuaes Correia.
por
Braco tie Peroamiiuco.
O Novo Banco faz o 17* dividendo de 5
accaq.
mu mm m per-
NiMllCO.
0 novo banco paga o se-
gundo dividendo de 4,4 0[0
da massa fallida de Joaquim
Tnnx 0:1____- : *
54 taxas de ferro para assucar : a D. W. BoW'
mao & C.
4 lardos eslopa, 8 caixas e 3 fardos tecido de al-
godao ; a Bra^a Sou & C.
20 caixas biscoutos, 16 ditas e 20 fardos fazeoda
de algodao e de la e algodao : a Southall Mellors
& O.
11 fardos fazenda para saceos ; a J. O. C. Doy le.
5 caixas e 2 fardos lecido de algodao, de la e
dito e cobertores; a Lindera Weydmao k C.
2 fardos fazenda de la; a Simpson & C.
5 ditos estopas; a Adomont.
10 fardos saceos de linbo, 1 dito lecido de dito ;
a Adamson Hume Hiate nacional N. Senhora dos Navegantes, eu-
trado do Aracaiy cunsignado a Barlholomeu Lou-
rourenco, manifestuu o seguale :
60 saceos algodao, 2i9 arrobas e 23 libras; a
Vianna 118 saceos, 492 arrobas e 17 libras de dito ; a
Prente Viaana & C.
12 ditos, 52 arrobas e 25 libras de dito ; a Al-
Iredo & Matheus.
12 meios de sola; a Bslmiro Gomes de Oliveira.
9 saceos 30 arrobas e 26 libras de carnauba, 46
caixas 46 arrobas de velas de carnauba, 1 dita 35
libras de penoas de ema ; a Joo de Sa Leiio J-
nior.
100 meios desoa, 309 courinbos de cabra, 237
chapeos de palba, 3 arrobas de queijos, 112 estei-
ras de palha de carnauba, e 54 vassouras ; a Anto-
nio Aires dos Santos.
3 volumes 243 pares de coturnos; a Lino de
Farias & C.
138 meios de sola, 20molhos 500 courinhos cur-
tidas, 1 pacote 21 libras de penoas de ema, 100
saceos 437 arrobas e 30 libras de algodao ; a Go-
mes de Mallos & Irmao.
47 saceos 114 arrobas e 14 libras de algodao, 1
caixo 2 arrobas de queijos; a J dos Santos
Neves.
96 saceos 386 arrobas e 23 libras de algodao; a
L AfSiqueira.
6 saccos 23 arrobas e 6 libras de dito ; a Jos
Lopes Davin.
Brigue mglez Lapowing, entrado de New York
consignado a J. Pater & C manifestoit o seguinte
53 caixas machinas para algodao, 5 feixes vas-
somas, 100 barriquinhas bolaxiuhas, 199 feixes
arcos, 56 ditos aduellas e 79 barricas lampos, 3
temos de rodas para carros, 6 ditos, carros ; a or-
dem.
29 caixas machinas para algoo ; a Shan II.
& C.
150 caixas apaa da Florida, 20 ditas sala par-
rilba, 3 ditas tnico para cabellos, 1 dita cari(5e-s,
50 barns breu ; a Izidoro Nelio & C*.
100 caixas agua da Florida, 2 ditas touico para
cabellos, 4 barricas e I caixa candeeiros, chamices
e bocaes; a Ladislio Jo> Ferreira.
25 caixas machinas para algooova Vaz& Leal.
530 feixes de aduellas, 410 ditos de arcos, e 81
volumes lampos; a Saunde,rs Brothers C'.
4 caixas machinas para'algodo, 5 ditas bolaxi-
nbas; a Jubn-ton Comber <& ti
1 caixa e 1 volume um cabriole!, 10 barricas
pregos, 33 caixas machinas para algodao, 160 fei-
xes arcos, 1,000 caixas oleo de lerosme ; aos con-
signatarios.
1 caixa livros; a D. 1. F. N.
EiportafSo.
Escuna porluguez Ema, carregou paraT Mi-
guel :
48 barricas e 80 saceos com 721 arrobas e 17
libras de assucar branco, 18 barricas e 504 sac-
eos de dito mascavado, e 171 cascos com 6751 me
didas de mel.
Barca poriugueza Arminda, carregou para o Rio
Grande do Sul :
770 barricas e 350 saceos com 7198 arrobas e 13
libras de assucar brauco, 80 barricas com 671 ar-
robas e 26 libras de dito mascavado.
dem do da 3.
Patacho hollandez Industrie, carregou para o
Rio da Prata :
1300 barricas com 8:911 arrobas e 10 libras de
assucar branco, 300 ditos cora 1317 arrobas e 15
libras e dito maseavado.
RECEEDORIA DE RES DAS INTERNAS
GEHAtsS.
Rendimento de 1 a 3 do corrente. 1:9142547
dem do dia 4................. 714#7tl
2:6292253
" ,-rT--PT rV-^-njjrrn ui.^iiiiioiyiiwiainii
MOVIMEilTO DO PRTO
Becco do Abren b. 2.
j PatrlraiHMb ios orpnao*,-
Roa do Burgos a $.
Roa da Cacimba n. 19.
Ra do ATiorim n. 2*.
Os pretendenies para melham escUreoimeB**
podero dirigir sea secretaria.
Secretaria da 3*oU Casa de *s*rice*iKa do B*-
cife, 20 de dexembro de 1866.
0 escrivo inl^ioo
Pedro Rodrigues de Soasa.
Perante a cmara muo'cipal desti eMaaV
efiara' em praca nos dias 5, 7 e 9 de jaueiF pn>,
xiu.o futuro, para ser arrematada por que por
menos Bter, a obra de um aterro, qne partiEo 6
ra Imperial ra' ter .na povoaco da Cabanga, as
extaaaa de 1,200 palmos, oreada na soantia de
2:5924000 ; aqaelles qne se propoxarem arresia-
tar. coroparecam nos indicados dias no paco na
al pal, habilitados de Sanca que garanta a arreaw-
laqao, sem o que nao sero admitiidos a licitar,
devenido as babjlitacoes seren apresentadas c>a
dias antas na respectira secretaria, oo orcamento qne pode ser consultado.
Paco da cmara rauaicipal do Recife, 19 de -
zembro de 1866.
Gularo Jos do Reg,
* Pro presidente.
Francisco Canuto da Boa-riag*m,
Secretario,
Tribunal do cummercibr
Pela secretaria do tribunal do qommerek) df
Pernarnbaco, se taz publico, que ne.ta data bea
registrado o contrato de sociedade de Antonio Go-
mes da Costa Leite e Joaquim Manoei Lopes da
Silra, portogqezes, estabelecidos nesta cidade cotu
taberna, sobre a firma de Leile A Silva, qoe gi-
rara' por espaco de 3 annos a contar de 27 da
outnbro do prximo passado, com o capital itr
2:O90237, para o qqal entra o socio Leile eu
1:8902*37, e o socio Silva com SOOjfCOO existen-
tes nos fundos do estabelecimento social, coiidr-
me o respectivo balance
Secretaria 4 de jaueiro de 1866.
O oficial maior,
____________________Julio Gnimaraes.
O Illm. Sr. inspector da thesourarla de U-
zenda desta provincia manda fazer publico que
acha-se tambem aatorisada a vender apolices de
2' OJ cada urna vencendo o mesmo jaro drf 8 pvr
ceoto, conforme os annuncios anteriormente pu-
blicados.
Secretaria da tbescuraria. de fazenda e Per-
nambuco 4 de Janeiro de 1867.
Servindo de offlcial maior,
_________Carlos Joo de Scuza Correa.
Santa Casa da liserSoi^
do Recife,
A Illma. junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Recife manda fazer pubheo que
uo.dia 10 do correte pelas 4 boas da tarde na sai
desuassessoes. tem de ir praga a rends das ca-
sas abaixo mencionadas para serem arrematado.-,
por aluguel pelo lempo de um a tres aouo:>.
Os pretendentes deveo apresentar carta de Ban-
ca oa serem aeompanbados de seus Dadores >b
cora cartas dos mesmoes.
Elal>eieciiueRtos le carida^.
Roa Direlta.
Sobrado de 2 andares n. 8. 1:08720*,*-
Ra dos Pescadores.
Casaterrean.il.......2162000;
Ra da Gloria.
Casa terrea o. 55.......' 14.4204*
Roa do Calabonce.
Casa terrea o. 20......!S2
Patrimaine de reliaos.
Ra do Pilar.
Rui da Cadeia.
Sobrado de dous andares d. 57. !:2602C6&-
Madre de Deus.
Casa terrea n. 12. *......KS1N0
Casa terrea 94.......... leSjUCfr
Sitio do Forno da Cal n. 5. 1502060
Secretaria da Santa Casa da Misericordia te
Recife 28 de dezembro de 1836.
O escrivo iolerino,
Pedro Rodrigues de Sooaa.
AVISOS MARTIMOS
Jos Siiveira.
Rendimento
correte...
dem do da 4
do
ALFANDEGA.
da 1 a 3 do
oo. Ol940
42:3902222
97:4032162
Dumaoa, principiando pela percepgSo 'ic^ando DeDPdem, ROSlQ que nb produza effitOStao
pela voHiade, inierpoodo-se a attengo, a memoria '""N' nt0s "20 SlO meoOB perniciosos,
e o juizo, indo encootre era perfeita sanidade
com a dirTereoca apenas quapde occasionar a ida-
de de setenta annos, mas que nada tem com a de-
mencia nem com ooira qual.ia-raberrago mental.
E ii as faculdades- iotellectuaes do depte exis
Quandoos a sos se coaservam cooslaDte-
mente cheios e dilatados 5o se podem fazer
bem as digestes, nem preparar-se devida-
mente os huoipres Por isso a maior parte
1!I. '."J ""t6001* allera5. meops deslas pessoas padecem, gota, pedras, area,
apraciare, soa rarao a seu moral tambem existem chacas as nftrnaa ah>iimonn rl asniritn
mlactos ; porque o Sr. Salles conhece e le conhece,! S!5c h- a *D^W,eBh! dfl **P"l\0.
e porqne conbece e se conbepe perfeilamente nem desPrdens DVpocoodnacas e outros SymptO-
que se acha ainda no gozo de saa iotegridade ma6 Qe inrljgesiao.
moral. Portanto, por este lado nao eorre risco o A beb^djee' nao S destruidora da Saij-
nolano de perder seu emprego. Mas, infelizmente,
em meu eoteuder, ootro tanto nao saccede acerca
de seu estado pbysico : sea estado physico se op-
poe ao exercicio de seu cargo ; porque, alera das
difflculdades qoe experimeou elle oa locomocao a!,vm,salvar aos.SBUS fmulos, ruta arraigados
na marcha, ama rerdadeira astbeoia dos membros
operiores, inclusive as. raaos, o imposibilitara de
de, mas das faculdades da alma, o costume
de empebedar-se faz idiota os genios.
Assim, pois, a^s.chefes das familias con,-
MOVIMENTO DA ALFANDEGA.
Volumes entrados com faze,odas..
t i gneros...
Volumes sabidos com fatendas..
geoero8...
349
784
-----1133
121
720
-----841
eserever, com seguranza, preste, clareza e regu-
larldade. E este meu fraco parecer se deduz do
exame regular que proced. Effectirameote o pa-
ciente soffre, ba loogo lampo, de elepkantiasis dos
rabes eraambas aspereas a pos; e esta terrivel r
eofermidade, tocando ao ultimo grao de deseorol- Jot "a Rocha Paranbos.
rmenlo, deixa-se rer bem nelle pelos seguintes
ao vicie da embriaguez nao os podem livrar
pelos meios suassorios, applicando-lhe o re-
medio, que faz inteiramenle epjoar as bebi-
das que se vendenj: na botica, ou laborato-
rio pharmaceutico, na rea'Dimita n. 88, de
Deacarregam boje 5 do corrente.
Jarea francezaMauricien raercadorlas.
Brigae ioglezChnsttana Carmellidem.
Brigae olezHelly Margidem.
Vapor ioglezIronside dem.
Barca americanaHfizqrdide.m.
Patacho Ioglez LapringIdem.
Brigae IngLzMennte H -raarcadorias.
Sumaca hespanholaTrocalavanos.
Barca ingiezaSaphofariaba. de trigo.
Juagar prussianoA'erfe-fanqha de trigo.
7arca \>qTluintj.-Gralidi&versos generqs.
arca portagueza Clauainapedras.
Patacho pariUfiuw-GMrajw-idem.
Brigue ioglez -Peoneercwv.ao.
Brue. ing^lez Wetlie idem.
Lugre inglezCaledoniaidem.
Ba/ca ingiezaG/en,Te/f-idem.
Barca ingiezaCA Barca ingieza -ls&bella\den.
Barca, francezaNoi lem.
Brigoe holiadez/'/peraiiC-cbarque.
Brigne riissoPiulo-ii,aw.
Bngue argeotiao-Fotanlidem.
Patacho haqovenauu oflcordiaidem.
Polaca.prussianaCatlurma -idm.
Escao nolapdez3De Vredeidem.
ImDorts^o.
Sumaca hespanhola Traviata, entrada de Barce-
oua, coosiguada a oidero maulfestou o seguinte :
Naoios entrados no dia 4.
Arar-aty 9 das, hiate nrasileiro Ai. S. dos Na-
vegantes de 23 toneladas, cap to Manoel P. Mar-
tos, equipaeem d, carga algodao e outros g-
neros ; a Bartlioloineu Loureoco.
Terra-Nova 25 dias, brigae ioglez Othelo de
127 toneladas, capitn Manuel L-ao, equipagem
11, carga 2:362 barricas com bacalhao; a Johns-
ton Pater & C.
Navios salalos no mesmo da.
Rio de Janeiro e porios injf rraedios, vapor bra-
silero Tocflli|i5, comjmandaote o capito le-
cfente Eaija,.
Rio de Janeiro patacho suecti Genny, capito
Pater Pattersao, em lastro.
DECLABACOES.
Deposito especial de instrueco de cacado-
res a cavallo.
Nao se teodo ainda efTec.uado a arrematado
dns gneros em seguida declarados, para a ali
mentago da cavalbada do referido deposito, o ca-
pito commandapte abaixo assignado, em erase-
queocia de ordem superior, convida novamente
! os preteodeotes a comparecerem, com suas pro-
postas no referida quartel do campo das Priocezas
no da 5 do crreme as 10 horas da manha.
Cadm de plaqta em arrobas.
Mi'hoem alqueires.
Prelo em libras.
Mel le foro enp garrafas.
Quartel 2 de Janeiro de 1867.
' __________J- J- *,e Medeirps Reg, Moleiro.
De ordem d<. Illm. Sr. iospecior da fhesora-
ria de fazenda de Peroambuco, so citados pelo
presenta os Srs. Simplicio daSouza Lios o Ignacio
Nery d* Fooceca Jnior, tbtdores do fallecido ex
colector 4o %> Formoso Florlaao Jos de Carva-
Ibo, para oo praso de tnota dias qae Ihes fleam
mareado a contar de.-la data, aliegarem por escriq-
to o que fr a bem de sea direito, produzirem do-
cumentos etc. a Mspeito do alcance de seu aflan-
cad i da quantia de 9652035 rs., a que se tem de
addiciooar os uro vencidos.
Secretaria da Ihasonraria de fazenda de Pernam-
buco 29 de dezembro de 1866. Servindo de offl-
cial maior,Manad Jos Pinto.
Para o Rio Grande do Sol.
O veleiro e bem coohecido brigaeoacioaal jtow-
Ua, pretende seguir com raaita breridade, u-a.
parte do seu carregamento engajado para o resto
que Ihe falta trata-se com. os seas con*igBHtries
Antonio Luiz de Oliveira Azeredo A C, nx> seu
escripiorio ra da Cruz o. I.
' PABA LISBOA. "
Segu oestes poucos dias o brigne porluaaez
Novo Progrvsso, por ler prompto parte do seu ear-
regameoto, para o restante da carga a passageio
ros trata-se com Oliveira Filhos C, larg 0--
goroo Samo o. 19 ou com o captao ua praga.
Para o frto
Seguir' at o dia 10 do crreme, a barca por-
iugueza Seguranca por ja' ler o sen-carregamtnto,-
prompto : para passageiros, aos quaes oflereos-
boDs commodos ; traia-^e a roa da Madre de-
Dens n. 3, ou cora o captao.
HLHrfiiTllGiir
Sefue com a maior braridada o ailo vale*;,
patacho Jorgence para, carga que Ibe falla e pas-
sageiros para oa quaes lam boas commodos tra^
la-se cora o sea consignatario Joo do Reg Lia
a ra do Abollo o. 4.
Para o Hurto
Por ja* se acbar com a maior parte do ae
carregamento engajado, pretende sabir cora (oda *>
brevidade, a veleira e mai cor.hecida barba portw---
gaeze Claudma : para o resto da carga e passa-
geiros, para es quaes ha ricos commodos, trata-s>
a roa da M3dre de Deus n 3, oa com o canitic
oa praga. r .
P*0ETE,Sft MPtlB.
ateo ota 7 do crreme nato
vaporas da companhia, o oaal d-
poiM. demor do coumm en-
guica' p..i a os pactos do n#rta-
abem-se pa-sageiros, a engaia-s* s>
carga que o vapor poder conduzir,a qual dlrerser
embarcada no dia da sua.cbegadaf encommemia**
diobeiro a frete at a dia.da sabida as 1 horas' a
tarde. Previne se aos Srs. passageiros ^e U
passageas s sq recahem aa agencia roa da Cros
a. 1, escriptorio de Autooio Luiz de Ollera As
vedo ot C.
Pai Lisboa
Pretexta sagoir-coAOMUa braridade r>brtoif-
pprtuguez Rio Vtuga, ternaria da seo ea/reSa-
nteoto prompio, para o resto qne Iba falta a*9sa-
geiros, para os quaes tem ewelteotes coraioaV
*r**?fB?ora.08 seas .con.ignatarios Antonio LaijT
de Oiireira Azeredo 4 C., no sea escriptorjn, rBA
da Lrut a. 1, oa com o capito na prata.
Mi''" H MIM.

1

m ^
j
\
n
<



*MM4PBtfVaav*MMBMNnHBMMMMitm
t
I


1
Alarlo de Pcrnambvco abbadd S t Jntatlt 1867.
Para o Ri de Janeiro
rretenda seguir ora mmu brevidade a veleira
en eatUi-H, nfcj fl(1 it Janeiro, lem parle
if '/ e,frt<4'*,tW WrflntJ, para o resto que
Uta falta **[* >i a frete para os quae lem ex-
canales ommodoj irita-se om os seas cousig-
attanes Aotoai) Luijda Olivefra Azevedo <& C.
sea escnpiorio ru-i da Gr n. 1.
COltPNHlA PgrV^MBtTGANA
ctuttira par vapor.
Kra
Parahyba, Natal, abo, Aracaty, Cear 9
Atarac.
O vapor Iptjttca, Mferhiadaote Martins, segas
o tu 7 de laaeiro ptoxfrnl, a* ft* horas da tarde
para os parios indicados. Receba carga at o da
-5. Eaeoamendas, oassngiros e dinfislro a frete
al 3 h iras da lar le, do du da sahtda : escriptorlo
o Forte do Hatos .1.
Javegacid
jectos cima mencionados, pertencentes a mesma
massa. e existentes no armaz-m da roa da Cruz n.
6J. onde se effeciuara o leilo no da cima mea-
cionado, devendo comegar a* 10 hdras em ponto.
iTbtlio
De ama mobiliade Jacaranda. 1 secretaria
de amarello, 1 r.nc 1 de Jacaranda, 1
tocador, 1 raarqueza, 1 mesa e relogios
de cima de mesa.
Sepada-feira 7jal*irt.
Pw Materveoco d agente Pinto.
N> armazem n 62 da ra da Cruz.
Para
Sefae com brevidade para o wte do Para o
brlrue brasileiro Mirqnez de Santa Cruz, recebe
carita a frates comando* : a tratar com Tneodoro
Jwristiaosen. rua do Trapich > Noto 0. 16.
Para Lisboa.
Segne eia poneos das o brigae portdgaez Cons-
-oda 11, per ter prompto qaasl todo seu carrega-
naeot para o re-tante.e passageiros; trala-rse com
OHveira Pilbos & C, largo do Corpo Santi n. 19,
'.f con o capillo na praca.
.......i. i.
Para Lisboa
Va sabir breve o brigae portngoet Sella R-
-3 eiros, trata-se com E. R. Rabello, roa do Trapiche
a 4t ou com o capito.
Para Lisboa
Val sahir com brevidade o brigus porlagnet So-
berana, capit3o Bugiganga, recebe carga a frete,
trata-se cora E. R. Ruello, roa do Trapiche n. 44,
na com o capito..
Rio Grande da Sal
Para o referido porto garrir' com mofla brevi-
dade a barca ponwgoeta Armtnia, recebe algo-
a carea a frele, para o que ;pode-se tratar com
David F-reir Bailar, a ra do Brum n. 65 ou na
jjraja com o capito do citado navio.
Para
Pretende seguir com brevidade para o iodieado
tarta a veleiro nri^ua encuna nacional Graciosa
oapito Silva Ralis; para a poaca carga que Ihe
falta trata-se com o respestivo consignatario Anto-
nio da Almeida Gomes; a raa da Crn n. 23, !
aiadar. ____
O hiate SeahoFa dos Navegantes salte
para Macd e Aracaty no da 9 do corren-
te impreterivclmente para carga trata-se no
aseriptorio de Birtholomeu Loureogo, ra
da Madre de Dos n. 2.
Rio de Janeiro.
Com a brevidade que fr possivel seguir' para
o Rio de Janeiro o bngue nacional Reltsario, re-
<".ebe carga, escravos a frete : alratar com os con-
uatarios Marqaes, Barros & C. largo do Corpo
Santo u. 6-2 andar.
Leilao
De 300 barricas com bolachi has
ame ranas
Terca-.eira 8 de Janeiro as 10 horas em
ponto.
No armasen do Annes em frente a alfandega
TheoJoro Christiansen fara' ieilo por Interven-
5S0 do agente Piolo e por coota e risco de qnem
pertencer de 3dO ba ricas com bolaebinhas, viu-
das de New-Yo k no brlgue brasilero Mrquez de
Santa Cruz, e existentes no armazem do Annes
onde se eflfectuara' o leilao as 10 bora em ponto
em coBsequencia de ter o mesmo agente om outro
leilao as 11 horas.
Del
LEILAO
LISBOA
Vai sabir cora brevidade a Uiuito conhecida e
veleira barca
H4RI4
r**to trata-se com os consignatarios Carvattio A
X-gaeira, ca roa do Apollo o. 20
caia- c ai aia A?, biscoi'as.
Terca-felra 8 do corrente.
O agente Pestaa fara' leilao de 1S caixas com
latas de bis joitus sonidos em um ou mals lotes, 3'
feira 8 do corrente, pelas 11 horas da raaoha, no
armazem do Aunes.
Da casa de campo com grande sitio, no corredor
do Bispo n. 6.
Terga feira 8 de Janeiro.
O agente Pinto legalmente autorisado fara' lei-
lao da casa e sitio cima mencionado, pfopriedade
doSr. Jolra Gats. as 11 horas do dia 8 do cor-
rente na referida casa. .
Da movis, lo-jga, vidros e muitos
. casa de raraHia, carfo;, cava lio* e
com cria.
Qaarla-feira 9 de Janeiro
Ni corredor d-> Biso-> casa
ageste Plato.
O agente Pinto f.*k* Mil* aom airtorisacio do
Sr. Jotin Gatis de tfn piano fot I, movis mais
objectos existentes ui caa qi servio de resi-
dencia, no corredor do BVpijn. fl deveodo come-
Car dito leilj as 10 horas din nnnt.
LEILAO
De urna victoria om arroios para 2 cavallos, 1
caonolet, rias rodas e arreios para un. 1 bar-
ro manso e ferdo.
Quarta-feira 9 de Janeiro.
Por intervencl do agiote Piulo, ne corredor do
.' Olea n (t
Sllverio & rrmao partiolpam ao ortraerclo nos
disso veram em 31 de detembro prximo pasado,
a sociedad? no tinham na loja de ferragens da raa
Oithu n. 6o, Meando a cargo de ambos os SocIob
W llguidaco. e desta d. la em rtiante sobre a res-
ponalMHdwle o,, x socio Joaouim Silverio de Sou-
za o dito i'stnhf: f.-.iinento.
Herfe, 3 de jaoeln. de 1866.
Joo Sllverio de Sbnza.
______________ J*iuim Silverio de Souza.
lagar | ^t^^^t VS^SST
de dezembro prximo passado, e nella embarcaram '
J caixas eonteodo cada orna um chapeo para Sra.
e nm boo para men!no e tambem om chapeo pre-
tooe seta par;, hornero mis ja* uzado, vieram es-
iMobjeclos parar em rnnu ann.-ZHin o Hha do
Jardim da villa Se KfrWs quem fr dono des-
tes^bjecios procord em ra d. S,lva FWmr**, na ra da Seswivaue daido
os signies certos e pagando o anonncio Ihes sero '
entregue. |
-
Corre teres feira 8 ilr jaarfro
Acham-se "venda na respectiva Uiesou-
raria, ruado Crespn. 15, os bilhetes
meios e qnartos da 5a part da- i* lotria a
beneficio da igreja do Espirito Santo do
e bora do costume.
Os premios da 6:000^000 at lOfJOOOae
r5o pagosumahr-radepois da extraooSoat
as 3 boras da tarde, e os nutros depois da
distribuigao das lilla*
As encommendas seriSo guardadas somen-
te at a noite da vespera da extracto.
0 tbesoureiro,
Antonio Jos R'odrispes de Sou*a.
filANDE HOTEL CENTRAL
IDA LARGA DO ROSARIO RA ESTREITA DO ROSARIO
N. 37 N.-4A
ENTRADA GERAL ESTRADA PARTICULAR
PROPRIETARIO.
FRANCISCO GARRIDO.
Rodrigues
Publiccito lridica.
Prelecflesde Direito Internacional e de
Diplomacia com applicacao e refertncia de
seus principios as lets'par Hadares, con-
tentes, e aos tratados do Brasil at 1886
pelo Dr. Antonio de Vasconcellos Mene-
zes de Drnmmond, lente subsiituto da Fa-
culdade de Direito do Rpcife ele 2 vol in
8o brncb. por 103000 pagos entrega do
pnmeiro volcme, que constituir-a primei-
ra dessas obras.
A ultima dellas acompanliar um epiloco
das disposicoes da legislarlo patria, relati-
vas ao direitns e deveres do eslran,'eiro no
Brasil, bem como aos do Brasileiro fora do
Imperio;
Assigna-senas tojas delivros das ras do
Crespo n. 2 e 9 ; do Imperador n. i3 ; da
Cruzn 52 na de encadernaQHo do
Ha qnartose salas
Preparados com asseio,
Para aqoelles que virem
A Veoeza de passelo.
Tem commodos excelentes
Para solteiros casado,
A' todos se prodlgalisar
Os mals sinceros cuidados.
Encontra-se para lunch
Fiambre a qualquer hora,
Tambem recebe assignanles
De comida para f 'ra.
-
objectos de
urna vacca
6
BispoJ casa n. 6
-i i
S
*T8fr
Pi'RTO
Pretende sahir em poueos dias a muito veleira
e aova barca
FLIX I MO
*irt*r parte "uo cnd prometa para a que Ibe fal-
ta trata-se com o> cuusignaUrios Garvalbo & So-
goei a oa ruado Apollo n. 29.
Para o 31 lo de Janeiro.
Vai sahir con brevidade o bngue afana Al-
;~r.-i, recebe carJ e escravos a frete. trata-se com
. U. 8h?llo ra Jo Trapiche n. 4.
Ilha de S. Miguel
S^gae coro malla brevidade a barca portugueza
Parsry, capito Augusto Borge Gabral: para o
resto da carga e passageiros trata se com o seu
iiHgaaiano Juo do Reg Lima a' ra do Apollo
S. i.
(itmSEIRA
Instrucoao publica primaria.
Do dia 7 de Janeiro em dlante acha-se aberta a
auia publica de instrneco primaria do povoado
de Gamelleira.
Awla de Uogoa Framceza
de Cieograplaia e .lis-
tarla.
de Pbilosophfa.
de Hh'torieaePotica
Jos Soares d'Azevedo, profesor de liu-
goa e literdiura nacional no Gymnasio Pro-
vincial do Resife, teaj aberto em sua casi,
ra Bella n 37, um cur^o especial de cada
urna das disciplinas cima mencionadas. As
pessoas que se deseji em preparar em si-
milbames materias para os exames de Mar-
go, ouasque quizere a seguir o curso do
anno lecl vo, pdem diri^ir-se reidencia
indicada, de manbaa at s 9 boras, e de
tarde a qualquer bora.

I e INOvemoro junto a typographia do feter qo'Iqo'Tr despert rotativo ao me*mr li
Jovnal do Recipe ; nos escriplorios das ty- *'!a<,5cer''1 $nh[. rnaneira a quem rier a t
pographias dw Mario 4e P&nambuco a roa
dasCrt^esn. U.e do f?#- eio do Recipe i
roa do Imperador 79 e na loja da ra
da mperalm esquina da na da Aurora n.
n. 2, loja de toc-.
D*isdaj)u*ilrwc5i da primeira obra
noserao mas ailmitti'lw assigoatuas, e
mbas e'lasrtr?fo ven'liiias por mnor preco.
xt
Pree?s-e de nm moHter Mvre ou escrava iiup
seja <] Vot)* fostual6' para tOMohnr e comprar :
na casa nova da rna 'la lsile-farpi) do II- spi -
alo, emp nra nortSo ta maro dn qninial.
J..-1 Pedro da< Npvp, 4#elara ao respeitavel
publico, qoc por nao Ihe nuvir :iiii< ser gerente
dogrart- ar**pm d thitas e nr p .r i;-s, ;i ra do
Impetirliir u. S, despedio-se da -ubr-diia gerencia
em 3t d diemhru prximo passado.
Aos se nitores padeiros
E" geralmeniK oouhecida a ulilidade ni eropre-'
go das mac&lnas, qoe tem por fim aperfeicoar o1
trabalrio com a ecunomia de braos. Nestecao.l
pois, nio as machinas para cortar bolacha, cuja'I
lilidatle j fonherida de alguns padeiros que I
dellas fazcm u?o por ir.eio de maoivolla, obtendo I
o resobado nial*satisfactorio oerfeito.
Na padars da ra Dlrelta o. 84. ha sempre de-'
psito (restas m-itminiM com cerradelt,s para todos !
o ta tanhos d- ftolacba* nqni ozadax, e tambera
para aramias, e qun por Inmi em directora e de |
propria cont dos E-lados-Uoidos, se vebem dt
prego muito barato, rom o Om de ?e Inlroduzir wo
reconhecido melh'iramento.
Pedido ao C!>mmercn
O abaito .ijfoado tendo deiado um livro de
recibos em urna das casas cramerefaes onde com-
pra, nao tendo sido possivel a.-ha-lo, pede enea
reidamente a p^ssoa que o aehoo, e tnm em seo
poder, s-! dipn manda-lo a ra larga do Rosario
n. 39, ou aunonciar a sua residencia por esle
iano, nu-1 o abajxo assignado, prompto a satis-
" vro,
hoo-
a*a' de o desc hrir. O livrto lem sobre a capa
um rotulo nue indica o pertenre e a morada do
m*smo iofra.
Villa do Cabo, 3 le Janeiro de 1867.
___________SeverinnJos dos Santas A guiar.
A raa <1e hite.
N ra da lmperatriz n. 17 segundo andar
precisa-se de urna ama de leite.
WTEIIHKTO
DE
S. BERNARDO
fcabfledde s eidade do Reeife m 862
Soto a protecoo do umuio Pontlee Po IX.
D>ecl*r0 baevarel em mathematicas
BERNARDO PEREIRA DO HRMO JlfflIOR.
Att^n^ao
Chegon no vapor amriraJo-Soi<* America, urna
porc.io d< ernarioj verda c-.inhecidos ja' iwsip imperio, os qnaes se acham a
venda ao respeltave publico na rui di lmperatriz
n. 39.
Bernardo, nio teodo evitado esf.reos n
am
Preeiw.-'tn de u,n rrien-no de li a II annns de
idade e com slgama pratici de tabprna para o Po-
50 daPanella : a tratir na Wg, nn Sva n. 60.
O direcvir do intrnalo
nih ?h ,-rtJ J2? '" m^'ia f honesto qm Ihes explique os principios da re-
llgiao chri.taa. espera quu assim cootituido e em visia do excelleuie resultado une m
o^Zl1am,,MD,aDdOU,nCreSfid0nnmero<,'! '1,umD0S Faculdade Direlo Z
S ?,.' ^'"^W^tudos oraparalarios.So deixara' o s1 '.ubelS-
211,? ill:elte,ow'ta como a l.das as pea^oas mioressadas, qo se
dignen de visuar o mesmo sea es.ab3.ecim^o, onde serapre en,ouiaro thno to-
sen nror-lrraS|ffimQf"0;~Pirm.eras !t.!r,s *"*da 9m duas cla VSSSt^'JSSt ar,,hms,ic,'a,rbri e Reome,n eerar,hia-"hl-
O-coliegio tem
a sua sede nos espiemos edificios n. 35 o 34 a* ra da Aurora
..,. esUla,0S "" colleB'". qneesto a dlsposicao de quem os
consignadas as condi oes de entrada
meuto.
e matrii'.u'i ms d
(i;.er
ve.rs is
ler, ae icham
di estabeleci-
Cercr.s e rifoeamentos de ferro para jardins, cercados para animaes. chiquea-
ros, de todas as grossur-'s e mudaveis.
Porteir.-s de diferentes tamaitos para sitios, jardins, cercados, e-c.
m>imu
6f-Pdlaccted> caex de Apclld6
14

As aulas creada* em dito collegia sao as seauintej : instroccao elementar linsoa laiin frn
cale instrumental e daos.
No dia 7 do'correnb, w, ,' lugar a abertura da aula elementar, cuja matricula desde
acha-se aberta e as das oemais nulas do lo por diaote.
J
I
LEILAO
4 utn mulato de 18 anaos
HOdE.
O jenle Pestaa legalmente autorisado vende
em l'tlo om escravo mulati, idade 18 annos, sem
vicios nem acdaque.s, bom cozinhelro, excellente
JSrtro e boleeiro. Sabbalj 6 do corrente, pelas
f 1 oras da raanhia, n> largo do Corpo-Santo.
Fugio no da 2 do jsneiro do correte anno
o escrav.. Jerooymo, crioulo, ufBcial de sapateiro,
estatura regular, cjrpo reforcadu, rosto redondo,
ne idade 20 anoos, com ama cicatriz n'uma das
f.ces, levoa vestido caiga de casemira sinzenta,
jaqn-ta d> panno pretn, alem de mais roupa de
sen u^o que levoa, suppo>-se ter tomado o lado da
a >a Viagem, onde raorava seu aotigo sfnhor :
quera o pegar leve a ra do Crespo n. 23 a Ma-
uoel Martins Fiuza, qae se recompensara' com ge-
nerosidade. B
de ratudezas, perfumaras, ferragem, louca, vidros e
mnitos outros artigos existeoies nj arma'.em da
ra da Cruz n. 6i, pertencentes a massa fallida
de uencker & Barroso.
II (MIS
Q *eente Pinto em compriinento do mandado do
Illas. Sr. Dr. juiz e^p^cial do commercio. em virtu-
4e do qae requererara o depositario e curador 8s-
letlodas miudeas. perfumaras, ferragens,' touga,
ir.is e mais objectos perteacente a dita massa e'
^aislentis no armazem da ra da Cruz n. 62, as 10
fieras do dia cima dito, no referido armazem.
liELO
n : mus
Oe baralhos de carta, meias, didaes, escovas, bo-
* i tacas de 15a, b-ngalas, trancas, bandeijas.
Bacas e jarros ai cry-tal, ditas de porcelana,
apparelhos para tollete, dito para cha'; escarradei-
ras de vidro, prat is, g*ih tetros e copo.
Tmu, lacre, arela, papel e enveopos.
Francos com agua de colonia, extractos, banhas
satinoetes.
I V> UHUCIC3 sciau vtSUUIQOS
ifechduras assadairas, esporas, caodlelros, gar- dos trens nos pontos de partida.
1M8- Partota dos trens.
Empreados- trilftos ur-
banos do Hvcife a
a
Bsupe-
POBIO,
a
Ap*pucos.
Os emprezarios dos trilhos urbanos do Reeife
Aoipucos, nao t-nd-i podido por motivos
raveis concluir a via frrea at ao ulim i
e desfijando quaoto delles depender satisf^zer
oecessidade que reclama o seavico dos ditos tri-
lhos na interveuco de innmeras pessoas qne
instam por dito s.-rvlco, tem resolvido comeca-lo
provi>onamenle at a estaco do Caldereiro na
larde do da 8 do correte, a partir da ra da
Aurora.
Nao sendo possivel pela coosideravel demora
que houve na remessa dos ltimos trilhos e ou-
tros objectos p6r em andamento duas locomotivas
o servico por agora sera feito por urna somonte,
que coodusira dous carros, partindo as horas e
dos ugares indicados na taballa que vai an-
nexa.
Os bilhetes sSo vendidos pelos precos esUbele-
ctdos no contrato ( duzentos res por mil bracas I
em qoanto contiooar o servim provisorio nao ha-
ver* segunda classe, nem carrode carga.
Os pontos de parada sero :
Kua da Soildade; depuis da curva do Mangui-
nbo ; em frente da estrada dos Afll ctr-s; eutre
as casas dos .srs. irs. Augusto de Oiveira e 6u<-
mao; em frente da casa do Sr. Luiz (Jumes Ker-
reir; entrada do sitio da Jaquelra : na sabida de
Parnameinm ; entrada da Casa Forte e no Cha-
cn.
Os bilhetes serao

O director,
J. F. Ribeiro de Siuza.

.
.

vendidos pelos conductores
Hoje odejaseirv
o armazem d ra da Ci-uz o. 62.
LGILA.O
De dnm escrams.
Sajjua ia-feira 7 de Janeiro a i hora datard.
O ageou Piolo fara' Mio a reqo-runfio do
Sater d raeoor Fraoclsco, fliho da osada D Jse-
4h T-rtuuana da Aaouoeia$.o Almeida e por
^espachj 'O Illm. Sr. Or. juiz di orphaos, de daas
escravos de nonas Vicencia e Pradenea, perten-
eett? aodiw orph), a ama hora da urde, no
-armjzem da roa da Cruz n. 6, onde hivera' le
dio de ajovei.
------------------1p-;---------------------------
1
4a
Da roa Pormosa para o Caldereiro.
8 boras 30 minlos da manhaa
c 15 < ,
8 t 45 > i ,
3 30 urde
5 t ,
6 30 i ,
Do Caldereiro para.a. roa Forroosa.
6 horas 30 minutos da manhaa.
8 i ,
0

30 i *
15 > a* Urde.
45 >
30 c

ba seca.
'^SftftfSS:^
CABELLEIREiRO

Tem exposto a venda em seu estabelecimento, ra da Imperalriz n. 18, pri-
meiro andar, um grande e variado sortimento de coques de cabellos os mais modernos
viudo pelo ultimo vapor.
Coolioua-se a retaIhar trras na estrada que
tem de passar a Mrada de ferro em seguimento
da estrada que vai para o Fundao, meito bdas tr-
ras, com agua correte qne serve para banbo, os
compradores vero, algumas madeiras que serve
para casa de telha.
Na ra da Cidea do Kecite n. 8, vende-se
urna escrava de meia idade que sabe cozinhar, la-
var e fazer compras.______________________: I
Aluga-se
O segando andar do sdbrado da nm Direila n.
79, oltimamentearabado, calado e pintado, e com
bons commodos para Tamilia, a tratar na padana
n. 84.
Iustrue$to primaria.
A profesara pnblir-a da povoacao de Afogados,
abaiio assjgoada, faz sciente aos pas de familia
oue a cnatricola de sua aula acaa-se aberta do dia
7docorr-nle em diauto. Nao ooupando esforos
para cumpnr com desvelo as arduas obrigacoes do
seu cargo, eosiflar alm das materios do costume
e irabaiuos de aguihao sy-tma met ico decimal.
Afogdos, 5 de ]aoe}nn de 1866.
______________Maa Qoiho da hita.
mam fugio.
No dia 24 de dezembro do ann-i finio de 1866,
-------------- i oVsapareee da rasa.d J^s Igoacic, morador e
O abaixo.assignado tem justo e tratado cora I lavrador no engenho Slbera da fr'egnesia do Cabo,
o Sr. Domingos Qomes da Silva, a sua venda sita um escravo do mesmo lavador, o ajasl escravo
oa ra da Santa Cru? do bairro da Boa-Vista n. 5, nhama-se Manoel, crioul, cora Idade de 40 annos
e por tsso faz seiente ao corpo do commercio que pouco nais oa menos, b.-m prnto, bM9| ventas
no prazo de tres di^s apres-nte cada um de per si chatas, eheio do corpo, ps meio apajnudos,
urna conta correle do que se acbar devendo o
vendedor, cujo teicpo vencido ao abaixo assignado
senao respoosabilisa por qnalquer debitJ que ap-
pareca.
Reeife, 3 de Janeiro de 1867.
Jo.- Cyprunn de A--piar R.
TW- denir, pr4a
COBO E4tM
MU
a^adfcd
OtoP
prava de f,m, 2 cadwrVs," m^'e^f#i8T%'
arteiras, oa palista, l aiflo^e com S roblbs
4 petlas I P* de *tw**i*mm *K 1 co
bruan e muro oM faimtr, 12 *M/r* dj
eirwa. m grande sortimento de drofts-d
i> eguoda-feira. 7 d' tt(tns em ao
"o lefia.. ,Qleo Sr.J.i
i*&0-i!rfiftWls. aadM.
OaiMU PiaftJ hr" fflflfto ikt reqariiaMi dep^uanoj earador 0 Na ra do Livrameoto .4, teetea-ge 4* nr*n
ama naelonal o e.-aogejra, que alba cwttraf
neitaoMnte, para cusa de hornea sotierro, lio ,
olha a pagaf-se mais, comtaoto qae tenha as.
aTTeT exigidas..
0 "i da 2ii de dezembro q"o Vqgfnho
Gtwrdaspars arvofes; prawtas-e-eB'ros objectos da ferro que seveodem por,
precn odie*, nn }rrm*rti de Tasso IrmSos na praca do Caes de Apollo ao p da pome
provisoria.


o, o pyetavo dft tome Bimio, de
ostt, con signaes segtores : ftksnoT '
% Wl^oio,. ote euro tenojilii). pds enrU
,te^^.^^?te o dedo **,
mmmm m ighe ja.
Na ra da Cadeia n. 55 ha para vender-?e omameoms de 1grJ* t>ot"Hrnos'pfettd que em oa
tfa qoalqaer parl:
ASAkR:
y UrnaOKDtef de damasco beanbo de 244 a 32JOOO
Wijres de campa B atern Mal *.>*%' encafnaHo_de_2tta 3i*0Qa
i B. 41^ I ; rflio i tfrMf 9 tmv
- 'APrt' J w RHdrige'sraT?lente,a,o pbij:
!aSflita0d!^awitv,8*KbI^' ow ' *o*ida, MVmhts beffl c*fairiBos flrincl-
Publicioa litteraiia
Jess F'FLO
ResereiiiJo;fi (da Coir.parjfiade J-su>)
Vertido do fonce pelo Of. Pedro Auiram da
Mattft A'tmqnerqiiH.
Esta' a' venda oa Livrana Universal, ra do
Imperador o. 54.
.......li ;ll.........
Precisa-se de ama ama para o servico inter-
no de ama casa, paga-se bem : a tratar na ra da
Cadete ao R-cif o. 8, armazfim.
olhos bpm veimelbos, qae se sup(>Se ter rindo
para o Reeife, por elle ler revdlado a ura par-
eiro qtit pretenda asseniar prac.a e seguir pra
a guerra do Paraguay, quem o apflrehe,r dig-
be-se part-cipar ao'Sr. Birnardiao Poulu.l no
Reeife rua da Senzslla Nova n. 38, ou [-.vr-o no
referido eng-nhb que wra* bem recompensado, o
Bsoravo lev.-u um psietot de BYetanoa branca,
pma carnea engommada, urna caffi d Castor ja
u-ada e chapeo de baeu cioehlb

M&k
Precisa-ie de urna ama para casa de hornera
soltelro : na raa do <;olorniz a. 8.
pre [o
" verde
oe vJloio rote a
o> MI'*<*
de O* a VIO
26<000
i pobHco (jtrt brV6 tie
A vista da hoa procura aua tem habido (JBjeaObJecto nrevimows ao
or : kstss f"mT^ix. i tdvs" vfMr t ^*sm" **,Dc,o,ye **
la o mais Ou- dfiffQM Cardoao.
joJt especial do commercio dos movis
lde aperges
Recebe-se toda e qalqaeur encommenda relativa ao coito.
Foglo do eogeoho Santoijlendes em a noute do
on 30 dt seteme-o do anno prximo passado, a
escrava Josepha, perteaceole a Laorentlno Gomes
da Caoba Perelra Reltro, a "VMi tem os signaej
sAgomtes: alta, corptileata, oer fula, muito ladina,
crioula, disposta para q.iiHqaer lerliot, ps grao-
des 'odo de idade 30 aooos; esta escrava veio
do lugar d-oomioado Garrapato da comarca de
LlraeeifQ, para o poder oo fallecido Jos Gonvea
Leite, qae a venden ao Sr. Adeimo da .Costa Vil-
lar, e este ao actual awhur deila. De ama das
fagiqas jjoa tem-foilo, fui 4>raa-nu L'moeiro. Da-
nho SanWs'MendWJon'JPnWa 8eVsf*l>S>rT?dDtna
praca do commercio, aos Srs. OHveira Filhos &
C, lirgD do Corpo Santo o, 19 "srriptono. Pro-
t>(a-se responsblflsar' qnem qaer qae a afcorj*lllaT e d> jardim pra o siti) da vjava _
tar. dador Lmr, Gomes Ferrelra no M.niego.

AIWA
Na rua Nia n. 37, precia-se da urna ama pa-
ra engommar o coinhar para ras\ de muito poa-
ca f imilla, sen do captiva pr#Merse.
Lava-se e ogomma-se : na rua da S -.zala
Njva o 15, priojeiro andar.
O abaxo a-sigtrS'tH avi^ i respeitavel pu-
blico que deixou de renl-r ajiwfdenie ^m sua ta-
berna nos Quatro Caalo- desde o dia I" do corren-
e. nda 8 de Janeiro dr 18o7.
GoiHwvbw Jo dos antos.
........ *......>?-
~ 0 abaix > assignado avisa ao nesp^iuve! pa>
buco ea.i corpo di rommerfi,) ju- nuda julga a
dver uesta prag* nem lora dalla, parm se al-
gnem }*lgr sr.edF compareea com os seas
dcumedtis Oofrra* de8 R*f *1 Mar'da dala
ddste. Oiinda, ft de Janeiro de WT.
6'i'lb-rme Me dnc Santo-:
Na ua oa Cadeia do RecJ-- u. 58, trocam-so
sdalas das canas caucado BrasH enra pequeo
de.-cooUi _______
Precisa-se da um Ntor que ente
og d iJp-
1p cftmnieii-
MBMPBPM

<
/


imiimil i
7
i
*io de _esnkauia_ sabfeado & dt Janeiro de 18.7.
Joaquim Jos Goncalves
BelMo
(4 RA DO TI\PICHB V. 17 Io 4NDAP)
Sacca por todos os paquetes sobre o Banco
do Minho era Braga, e sobre os segtiiules luga-
res, em Portugal.
A saber:
Lisboa. '
Porto.
Valenca.
Gui maraes.
Coirabra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Coarte.
Arcos de Val de Vx.
Vtann.i do Castello.
Punte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famellcio.
Lamego.
Lagos.
CovilhSa. _________ ___s.
Precisasealogar uin escravo preferindo-se
que saiba cosinhar e para o roais servio de casa
de familia : a tratar na ra do Trapiche n. 44, se-
gando andar.________________________
Precisa-se de ama ama de roeia idade para
casa de ponea familia : oa roa da Peona n. 23 P
aodej.
Chegou a foja do pateo da mafii de Santo An-
tonio n.'2 rend', biqulnho, esptgnllba deonro.
Alaga se por 15 p 5 roei o segundo ndar
da casa da roa Veiha o. 43, as chaves acham-se
em poder do morador da loja do mesmo sobrado
para qaem quizer ver os commodos qoe tem e
para tratar na roa da Iroperatriz o. 39, lerceiro
andar. __________
MARTIMOS
CONTRA FOGO.
A companhia Iodemnisadora, estabeleci-
da nesta praca, toma seguros martimos so-
bre navios e seus carregamentos, e contra
logo em edificios, mercadorias e mobilias: \
oa na do Vigario n. 4, pavimento terreo.
J- FERREIRA VILLELA
Photographo da Augusta Casa Imperial do Brasil
18, fiwa do Cabug, 18,
Sobrado, entrada pelo Pateo da Matriz.
' Em nenhuma das photograpliias desta cidade se fazem retratos mais perfeitos
do que os que se executam nesta ofGc na photographica.
Pede-se a confrontaco e anaiyse entre os nossos trabalhos e os melbores que
se fazem nesta cidade.
N3o ha photographia alguma desta cidade, que como este estabelecimento
pbotographico possua um to variado, escolbido e abundante sortimento de caixinhas,
quadros, molduras pretas e douradas e passe-par-touts.
Para serem collocados os retratos chamados carines de visita ha doze diferen-
tes modelos de cartes mimosamente lithograpliados edourados, em carto briso! eem
carto porcelana, os quaes sem alterado de procos, esto a escolba das pessoas que se
relratarem.
Continuadamente se recebe a Europa remessas de ludo quanto diz respeito a
photographia, e ainda o mez passado pelo *ai or Gueme, e este mez pelo b-igue Belm
receberam-se de Franca quatro grandes caixes com orna bella variedade de artelactos
productos cbimicos e material para photograpltia.
No mesmo estabelecimento vendem-se:
Todos os productos chimicos geralmente usados em photographia e garante-se
o estado de pureza^ dos mesmos; t.
Machinas pbotographicas, amias de porcelana de diflerentes tamanos e \i-
dros para tirarem-se retratos; ,, \ ____
Urna grande variedade de lindas e nteressantes vistas transparentes para
stereo.'copos, e stereoscopos de madeira envernisada com lentes prismticas que se ven-
dem a 120000 cada um com urna duza de vistas transparentes
Tambem vende-se por 5O0OO um apparellio completo para fazerem-se peque-
as vistas ou retratos. Ao mesmo aeompanham as explicares precisas para ieu uso.
Qualquer pessoa pode fazer vistas ou retratos com esse apparelbo.
A officina e galera estao abertas todos os das e a todas as horas.
N. 2 D ^ N.2D
U^P** CORiflO HE OVROo *jfc@
A loja o. 2 D intitolada Coracao de Ouro na ra do Cabug, acha-se d'cra em diante offerecen-
do ao respeiuvel publico com especlalldade as pessoas que honrara a moda os objectos do oltimo gos-
lo (a Pars) por menos 20 por cerno do que em outra qualquer parte, garantindo-fe a qualidade e a so-
lidez das obras.
O respeiuvel publico avaliaodo o desejo que deve ter o proprieUrio de um novo estabelecimen-
to qoe quer progresso em seu negocio leve chegar inirediatamrnie ao curaca-o de ouro a comprar
aneis coro pe feitos brilhantes, esmeraldas, rubinse rerola ; verdadeiras *i garras, modernas pelt
diminuto prego de 10#, brincos [podernos de ouro e coral para menina pelo prego de 3,1, maracas de
prata com cabos de marfim e madreperola obra d* moderno gosto (o que o encootrarao oo coragio de
ooro) vollas de oarocom a competente crusintia ricamente onfeitaua pelo pequeo prego de 125, brin-
cos de um trabalho perfeito por uro mdico prego, cassoletas, traoealios, pulceiras, alftnetes para re-
tratos e outros ndelos lodo de alto Rosto, aneis proprios para botar cabello e Arma, dito para casa-
mento, no arliao roseta tem o CoreSo de Ouro um completo e bem variado sortimento de diversos
goslos, butdes para pnnhos com diamante, rubios e esmeraldas, obra esta Importante ja' pelo sea va-
lor ja' por gosto ds deseoho, brincos a forma dadolicada moslnha de moga coro piogeote conteodo es-
meraldas, rubn, brilhantes, perolas, o gosto sublime, alfioele para pravata oo mesmo gosto, relo-
gios para seohora rravados de pedras preciosas, ditos para hornera, diversas obras de brilhaotes de
noito gosto, crosiohas de rubios, esmeraldas, perolas e brilhaotes, aoeis com letras, cag .lelas de
erystal e ooro descoberta para retrato (a inglea) brincos de franja, ditos a imperatriie toda e qual-
quer joia, para secoliocar retratos e obras de cabello, e oalros muitos (Ojelos qoe os preteodeotes en-
nonlraro oo Coragao de Uuro que ste conserva com toda a amabilidade aos coocorrentes delxando-
se de aqui meociooar pregos de certos olijectos porque (desculpem a rr.aneira de fallar) dizeodo-se o
prego talvez alguem aga rao jaizo da obra, por ser to diminuta quaotia a vista do seu valor.
Na roesma loja compra-se, troca-se ouro, prata e pedras preciosas, e tambem' recebe se coocer-
tos, por meos do que em outra qualquer paite, e dio se obras a amostra cora peohor, cooservaodo-se
e Coragao de Ooro aberto at as 8 oras da ooile.
Qualquer pessoa qoe se dirigir ao Coragao de Ouro aio se podera* engaar com a casa, pois
oota se na sua frente om coragao pendurado pintado de amarello, alem de oulro que se oota em
rotlo (isio se adveite em cousequeocia de lerein ja' algumas pessoas engaoado com outra casa.
Educa$0 primaria e
secundaria
Na insliturcao de Jercoymo Pereira
Villar. Da roa larga do Rosario n. 22,
nao s se ensioam as materias qoe coos-
tilaem o curso regalar de primeiras le-
tras como as disciplinas preparatorias
para a faeu'dade de direlto; cojas au
las estaro abertas do dia 7 do presente
Janeiro por diante, e sro regidas pelos
mesmos professore?.
ORNAMOS DE IGREJA DE
J. IILUitf
Veslimenleiro e bordador de Pars.
2S RIJA- DO IMPERADOR 3,
um
^OLOMf^
Defronte da igreja de S.Francisco.
Concurrencia impossivel
justificada pela soppressao de iotermediarios, pela compra directa das materias primas, pela exe-
cuco dos trabalhos as ufflciDas da casa e pelo diminuto lucro com qoe se "*
Aoimado pelos imoortaotes negocios qoe razcom grande parle do rouodo calholico da Eorcpa
! resolveu o aonuocianle estahelecer filiaes da casa oe Pars em diversos palies loogioquos que
offerecem vaotageos, e velo ioaogarar o primeiro estabelecimeoio Desta cidade, sem dovida urna
das mais adiaDtadas e commerciane da America do Sul, e que por j=so mesrr.o oecessita dora
1 estabelecimento qoe nada deiie a desejar, quer em relagao as precisoes malertaes e quer nlel-
No dia 4 doandante mez as o horas da tarde de- lectuaes.
vero os irmaos meaarios da mesma Irmandade, Os Srs. sacerdotes e demais pessoas, qoe se
Irmandade de N, S. da Con-
ceicao dos Militares
digoarem visitar o estabelecimento, abi acbarao
^na^^wu^^'irSZ aflm'de Ira- sempre non gbande variedade de todos os'objectos para larejae para o clero.
tar de negocios da mesma.
Reclfe, 2 de jaoeiro de 1867.
O secretarlo,
Caetano da Silva._______
M.ximioo da Silva Gusmio, compra, veode
e troca'Scravos, de arabos es sexos : na ra do
padrt -'loriaoo u. 71.
Na iravessa do C*rmo d. 1, vendem-se 3
boas escravas com boas habilidades, um bonita
moleque de 18 anoos para todo servigo.________
Breoder a Brandls & C, participam aocom
mercio desta praga que em coasequeona de nove
contrato de sociedade mudara a firma da oa casa
para de von Sobsten C, sobstitaiodo esta no
va firma a sntiga, a principiar do de jaoeiro de
1867 e Ocaodo ene-rregada da sua liqaidagao o
socio G. A. Breoder a Braodis continua com:
commodiiarlo e o so'o P. C. von Sohsteo como
gereute da ova firma. Peroatnbuco 31 de dezem
bro de 1866.
ORIVESARIA PARA 1GREJA.
Novos modelos de castodias e de vasos sagrados.
ALFAIAS DA IDADE MEDIA, A" LUIZ 13.
Os pregos variam segaodo o tamaoho, o peso e a forma.
TAPECARIAS E ARMACES PARA IGRE1A.
vootade do
para
NOVAS UMBELLAS PRIVILEGIADAS.
Fornece toda a qoa'idade de armagoes, por pregos mdicos,
sempre orna pessoa oo eslabelecimeoto para ir tomar as medidas oecessanas
fagao da encommenda.
Ireguez ,
completa
; lendo
satis-
ISO
Guilherme Augusto Eodri-
gues Scte,
Paz pnblico que tomou coma da administrago
do seu casal desde o primeiro do crreme. Os
seus aquilinos e mais pessoas a qoem loteresse
este aviso, podem procurar o aonuocianle na ra
Cadao.20.
Oaoounciante compre om ever. fazendo tam-
bem publica a divida de gratidao e reconheciraeo-
to em que esta' para com os seus mu dgaos pro-
d; Fooceca, Dr. Jos Soares de Azevedo e Maooel
Ribeiro de C-irvalho, os qoaes dorante a longa au-
sencia do aouunciante Ihes preataram maitos e
mu valiosos servigos, com o maior desenteresse,
zelo e dedicagao nao vulgar.
O auounciante se compraz de dar-Ibes publica-
mente e mais urna vez, os seus sinceros agradeci-
mientos e protestos de Drofanda gratidao. Recife
3 de Janeiro de 1867. _________________
Precisase
Alogar-se urna casinha ou um andar de sobrado
peqoeoo, qoem i i ver aoouocle.
-^O^Sr. Jjo Dias Martins deixou de ser caixei-
rc de Maooel Jos Lopes & Irmo, desde o dia 29
de dezembro prnximo passado, da loja de miude-
zas da roa I arga do Rosario D. 38._____
Adolpho de Brito Tavares Cordeiro, sobdlto
perluguez, retirase para o Rio de Janeiro._____
Na ra Augusta n. 59,
alagar um escravinho de
Estas urabellas de molas, adoptadas pr S. S. Pi IX tem por sua P'fS5. *'Jfe
e riqueza a dupla vantagem de cobrir ioteirameote o Saotisimo Sacramento e o padre, sem mm
cnltar o andar. E5CULPTURAS EM MARFIM E EM OSSO.
Imageos de Christos, caldeiriohas, ernzes, qaadros e todos.os objectos devotos.
Objectos em argila, simples e prateados.
Todas as raformagSes sero mioistradas gratis, acerca dos ornatos de igreja.
Cooceder-se-ha facilidade para os pagamentos.
Els o cathalogo do qoe tem a veoda :
sobrado, precisa-se
10 a 14 annos de idade.
Roga-se ao Sr. director das obr s publicas,
na a qaem competir,-que mande coosertar a ponte
pro'isoria, a qoal tem mais de 50 travs comple
tamente podres, apooto dos cavallos de carga e de
carros quebraren) as roaos como a dias a conteceo
a om pobre matulo e outros qoe esli soffreodo,
- pena qoe Isto se d nesta cidade. U u queixoso
q<\ tambem soffre.__________________
Preclsa-se alugar om sitio sendo no bairro
da Soledad*: atratar na ra da Cada do Recife
o. 40, loja de relojoeiro.
= Alaga se a casa da Capuoga a roa das Criou.
jas n. 18 ; atraur oa ra da Crot o. 501* aoda r
Compankia indemnisadora
Teodo de ser vendidas em comprimeoto do art.
19 dos estillos da companhia de segaros marti-
mos e terrestres lodemoisadora dez de soas
arenes n. 441 a 450, sao convidados os preten-
deres a dingirem as soas proposias por interme-
dio de corretores geraes, ao escriptorio da compa-
nhia ra do Vigario o. 4 al o dia 5 de jaoeiro
prximo. Recife 26 de dezembro de 1866.
Os directores,
Joioda Siivi Regadas.
Friocisco Joaode oarros.
Miguel Jos Aives.
ICASLAS.
Dianas, de veludo, de crina e de
galio lustroso.
De damasco com cruz de ouro e
seda.
De damasco dobrado, com diver
sos bordados em relevo na
croe.
De lecido de prata oo de ooro.
dem com diversos bordados em
relevo na cruz,
dem idem muito ricas.
De velado de seda com cruz de
ouro lino em relevo.
De cbamalole de seda bordado.
Golhicas e da idade media.
A er da casla nao inQue no
prego.
CAPAS.
De veludo estofado.
De damasco
De tecido de prata e de curo,
dem com emblemas em relevo
e ricas franjas oa marga.
De velado de s la.
De lecido de prala e de ouro floo.
DALMTICAS.
O mesmo prego das caslas.
ESTOLAS PASrORAES.
De velado estofado.
De dito de doas faces.
De damasco.
De dito de duas faces.
De tecido de prata ou de ooro.
dem dem, com emblemas em
relevo, franjas e bordados de
torca).
dem idero em relevo mutto ri-
cas.
De tecido de ooro e de prata fino.
De chamalote bordado de seda,
com duas faces.
VE'OS DE HOMBROS.
De tecido de Lyo.
Be dito dobrado, de ooro fino.
De damasco, bordado em relevo.
dem idero, muite rico.
VE'OS PARA EXPOSICiO.
De tecido de Lyo.
De charaalote ae prata cora em-
blemas em relevo.
De dito dito, muito fios.
VE'OS DE SACRA ROS
De todos n pregos.
BANDEIRAS.
Da Saola Iufancia.
De ennfrarias de Nossa Senhora.
Parochiaes, qualquer que seja a
mvocagao.
Guies com emblemas em relevo.
A collegao varia de 3o$000 a
3:000*000.
PALLIOS.
Em veludo estofado as quatro
ponas e no forro.
De tecido de-Lyo, com oa'o
De dito de prata e de ouro lus-
troso.
De dito dito, com quatro emble-
mas bordados em relevo.
Muito ricos, ioteirameote bor-
dados em relevo com ooro Bao.
PANNOS MORTARIOS
De la.
De velodo loglez preto verda-,487
deiros 541
De damasco dobrado de brocado.;650
Estes paonos tem dous metros de 812
Corporaes de cambraia fina.
Toalhas para commuoho e alia-
res
Guarnicoes de rendas para alvas.
Ditas para toalbas de aliar, aos
metros.
Toda a qualidade da ronca ga-
rantida e perfeiumente execa-
lada.
DIVERSOS OBJECTOS.
Bolsas paca tirar esmols.
Cordoes Haos para alyas.
t para meninos do coro.
Vollas, as duzas.
Cintos e cintarSes.
Sacras de aliar, em carto.
Ditas em quadros.
Marcas para missaes, com seis
pernas, em chamalote.
Flores artifluiaes, o ramo.
Rslfos e todos os demais objec-
tos de igrea.
BRONZES Db IGREJA.
Castigaos para altares, prateados,
de novos modelos :
325 milmetros (12
379
433
largura e tres de comprimeoto.
ROUPAS DE IGREJA.
Alvas de panno de linbo fino,
i de cambraia fina.
< de paono de finito, para
meamos do coro.
c guarnecidas de rendas finas.
a de al, de ricos de-
sen bos.
Roquetes em pano de linho sem
mangas-
c f com ditas.
A melos.
Toalhas e saoguinbos.
14
16
18
20
2
30
poliegadas).
)-
)
: >'
b
)
Cruzes de altar, corresponleales
aos castigies, par.
Tboribulos e navetas prateadas.
Caldeiriohas com hysoppe idem.
Cu.-todias duas e duoradas.
Lustres ditos e correles fortes
para os mesmos.
Crazes para procissSo, com ralos
ditas.
Varas, alabardas para suissos e
cadis para pcrteiro.
Estes objectos todos sao em co-
bre e nao em materiaes de
composlgio.
PARA
PREPARADOS SIMPLES,
Xarope de jurubeba
Vinho de Xarope
Pilulas de Pilulas
Tintura de
Extracto hiydralcoolico de jurubeba.
PARA UZO EXTERNO
Oleo de jurubeba
Pomada de
Emplastro >
UZO INTERNO:
PREPARADOS COMPOSTOS.
Vinio jurubeba ferruyionoso.

PHOTOGRAIIU
ARTISTIU AMERICANA
RA DO IMPERADOR N. 38.
O propietario d'este estabelecimento,
que foi obrigado a paa'isar os seus trabalhos
desde o primeiro de outubro <1o corrente,
com o flm de prepara-lo com gosto e aceio,
a poder apresentar em tudo retiido um me-
Ihoramento digno da concurrencia do Ilus-
trado publico desta capital lem a honra
scientificar-lhe que o dito estabelecimento
acha-se prompto e reformado em tudo que
concernente a taes mysteres, tendo para
esse fim recebido ltimamente da Europa os
productos e mais objectos necessarios a po-
der dar execugao aos seus trabalhos de urna
maneira digna de toda a atieugao.
JN5o queremos encher o nosso annuncio
com essa miscellaoea do costume, em que
entram tantos nomes metamorpheados, me-
Uiphaslicos, empolados e at mesm > misti-
forios ; n3o; o publico desta capital, de ha
muito assumio ao elevado grao de civilisa-
cao e sabe perfeitamente conhecer essas
fanfarronadas dos passados tempos que
nada nos do que um laco para apanhar
os incautos.
O nosso estabelecimento de ha mulo
conhecido como o primeiro em su >s commo-
didades ; como o primeiro em iodos os seus
trabalhos ecomo o primeiro emfim, a offe-
recer todas as vantagens que se pode espe-
rar em Pernamboco da arte photographica ;
e quasi que estamos convencidos dcsia in-
contestavel verdade, pela grande concurren-
cia que sempre temos lido.
Por tanto annunciando a
Reabertora da photographia Artista
Americana
RA DO IMPERADOR N 38
Otar entendido que de boje avante o esta-
belecimento estar aberto para o desenvolvi-
mento de todosossens trabalhos.
Nao classificaremo.s nem encommodare-
mos o publico, com essa vasta nomenclatura
de tant> s e variados sysiemas, emque figu-
ra urna enormilade de omes esdruxulos
com que os inventores denominam urna eu
ouira descoberta que faz em nos nicamen-
te limitamo-ncs a dizer que irabaihandoem
todos os gneros de photographia. e pelos
precos convenientes a cad um de per si.
Certos como eslam s de que o publico,
nao deixar de frequentar o nosso estabele-
cimento, podemos desde j afiancar que
ser servido com promptidao e que ficar
salisfeito do nosso trabalho, encontrando ao
mesmo lempo em todos os seus empregados
a mesma delicadeza, afabilidade e todo o
respeito e considerado.
Ra do Imperador n. 38.______
Xarope e pasta de Seiva
A JURUliEBA.
Esta planta hoje reconhecida como o mais poderoso tnico, como um encl-
lente desobstruente, e como tal applicadi nos engo gitamenlos do figado e baco, as
hipalites propiamente ditas, ou ainda complicadas com anazarchas, as inflammacoes
subsequentes as febres intermitentes ou durezas, nos abeessos internos, nos tumores es-
pecialmente do tero e abdomen, nos tumores glandulosos, n anazarcha, as hydrope-
zias, erysipellas; e associada as preparafoes ferruginosas ainda de grandes vantagem
as anemias, chloroses. faltas de menstruac3o, leucorrheias, desarranjos atnicas do es-
tomago, debilidade orgnicas, e pobreza de sangue etc.
O que dizemos afiirmamos mais di-tinctos mdicos desta cidade, entre os quaes
podemos citar os lllms. Srs, Drs. Silva Ramos, Aquino Fonseca, Sarment. Se ve, Pereira
do Carmo, Firmo Xavier, Silva etc. etc. Todos elles reconh cem a excellen-ia d'este po-
deroso medicamento sobre os demais at hoje conhecidos para todos os casos citados,
tanto que lodosos dias fazem d'elle applicacjio.
Apresentando aos mdicos e ao publico em geral diversos preparados da juru-
beba, tivenv s por fim generalisar mais o uso d'este vegetal, fazendo desapparecer a
repugnancia que at hoje sentiam os doentesde usar dos preparados empricos d'elle, o
mais das vezes repugnantes a tragarem-se, e que tinbam ainda a desva tigem de nao ser
calculada a dose conveninnte a applicar-se, o que torna muitas vezes imp>oficuo um me-
dicamento, que poderta produzir ptimos resollados.
Os nossos prepados s forara apresentados depois de havermos convenientemente
estudado a jurubeba, fazendo as experiencias precisas para bem conhecer as propruda-
des medicamentosas d'esla planta em suas raizes, folhas fruas ou bagas, e a dose con-
veniente a appcacao, tendoalm d'isto procurado levar os nossos preparados ao maior
grao ds perfeicjo possivel, para o que ne pouparaos esforcos, nao nos importando o
pooco lucro que po?sames tirar
Por tanto os que se dignarem recorrer aos nossos preparados podem ter a certeza
de que elles offerecem a garanta, de que se pode encontrar a prompta e infalhvel cura
de qualquer dos soffnmentos, que dixamos innumerados, se forem em tempo applicados,
lendo alm d'isso, medico ou jloente a vantagem de escolher as nossas variadas prepa-
res, aquella que melh r Ibepode convir, j pela fcil applicico, e j pela complic^Qlo
das molestias, idade, sexo, ou ainda naturezn de cada individuo.
As nossas preparacoes ferruginosas sao feitas de forma que se tornara comple-
mente soluveis nos suecos gstricos, porque procuramos os compostos de ferro que como
taes esiSo hoje recoobecidos.
Para aquelles que mais minuciosamente queiram conhecer as propiedades da
urubeba, e saberem a applicaco de nossos prep irados, destribuimos gratuitamente em
nosso deposito um folbeto, onde tratamos mais extensamente d'esta planta e dos mes-
mos preparados.
Deposito geral de torio* os preparados
, Botica e drogara
34Ra larga do Rozario34
Aluga-se urna casa em Reberibe : a tratar
com J. de U. Reg, roa do Trapiche o. 34.*
Aviso essencial para evitar qualquer erro ou m f.
Os Srs. compradores n8o devem ignorar que o ouro nao pode ser fiado nem
tecido, c que por conseguinte os gales dos ornamentos chamados de ouro fino sao de
prata dourat/a, os de ouro no fino sao de metal dourado e os de ouro falso sao de
cobre doorado, e como tal confundir os ttulos que se Ihes dea sempre, que s5o mera-
mente commerciaes.
Os ornamentos que o annunciante tem a venda sao o de galoes de ouro meto
finos, falsos ou de seda, s mandando vir os de puro fino por encommenda; e nenhum
objecto sahe de seu estabelecimonto sem ser acompaohado d'uma factura por elle firma-
da, especificando a qualidade do objecto, para poupar-se explicacoes sempre incon-
venientes ao depois de realizada a venda.
A PREVIO
Precisase alugar orna eserava para todo
servigi de cas de familia, para tratar pode qoem
tiver dirigirse a roa do Trapiche D. 44, segaodo
andar.____________
~ Motas de Baaeo lo Brasil.
Trocam-g* na roa do Corredor do Bispo ultima
cara do quarteirao nova con porlio da grade de
iT*._________________________________
Queta precisar da ama seabora de poru pa
ra dentro, para casa de boaiem nlteiro. para en-
ftomaiar e eozinbar, dirija-se arba da Cruz o. S8,
segando ardar.
ATTENCiO
O abano assignado compra toda e qna!qur
qoaoiidade de aigodSoera caroco e assucar; os iof
teres:ados dirijamse ao povoado de Trombetas
ao largo da f>ira na fibriea vapor.
. Albaqnerqoe H\n.
Saques sol)re Lisboa,
Ollvaira Fllbos A C saccana sobre LUboa ;
largo do Corpo Santo n. 19 escriptorio.
no
Compfam-sc escravos
Silvino Guilherme de Barros, compra, vende e
troca elTectivamente escravos de ambos os sexos
edo todus a< idade- : a' ra do Imperador n. 79,
arceiro andar.
T
Xa praca da Independeaoat. 33, loja de
oorives. compra-.e ouro, prata, a pedras preciosas,
a tambem se faz qualquer obr* de encormDenia, a
fxloe uuaiqner concert.
Da-sedlcbelro a Juros: oa roa da Copear
'dia o. S.
Sociedade porlagiieza de seguros matos sobre vida,fuuladae
ailininistrala pelo
BANCO ALLIANCA DO PORTO^
Todo o pai que desejar acautelar o futuro de seos filhos dev,e quanto antes,
azor inscrever os seus nomes na lista dos. socios daProvidentepor que, com urna
pequea quantia que, todos os annos para all fdrapplicando, tirada do 'rucio das suas
economas, no fim de 25 annos alcancar-lhes-ha urna fortuna, que por nenhum oulro
meio e com to pequeo desembolso podera obter.
Os exemplos praticos de outras sociedades anlogas tem mostrado que:
10$O pagos anoualmcDte pndem produzir.
Porum
nio do
de
> de
de
de
dia a i anno.
a 2 annos...
m **
a 4 .....
a 15 .....
Em 5 ao
nos.
1:1000

>
i
i
Por urna pessoa de 15 a 20 anno
de 20 a 30 ..
> a de 30 a 40 ..
> > de 40 a 50 ..
Quorn pretender subscrever para a Providente e dciege qoaesquer esclarecimen-
tos pode dirigir-se, em Pernambuco aos Srs. Manoel Joaquim Ramos e Silva, roa do Vi
gario n II que darSo todos os esclardcimentos qoe se desejarem o prospectos gratis, i
quenl os pelir.
86 860*
860^
860
860 860#
900
Em 10
annos.
4:0000
3:0000
2:9000
2:8000
2:7000
2:7000
2:7000
*:7OO0
3:0000
Gm 15
annos.
9:-OO0
7:5000
7:2000
7:1000
7:0000
7:0000
7: (000
7r2OO0
7:5000
Em 20an-
nos.
20:0000
17:0000
10:0000
15:6000
45:5000
15:4000
15:6000
16:0000
18:00001
Em 25 an-
nos.
47:0000
37:0000
35:0000
34:0000
33:3000
33:3000
34:0000
37:0000
50:0000
DO
Plahflro martimo
DE
E. Lagasse
Prepararles mol precooisada1 pi-los sabios mdi-
cos de Pars, enm as melhores al hoja disrobertas
para a cora certa de todas as molestias do peito,
broDcbites sgtidos e cornicos, astiiina e aioda das
affecgoes das vias unoaria?.
DEP. SITO ESPECIAL
3ilina larga do Rosario31
Agua mineral
ferruginosa, acidulada, yazcza c carbnica
n K
ORK2K4.
O uso d'agoa de Or^zta 6 rooi particularmente
reeouimeodado pela escuta de medicina de Pars,
para todas as alrc^es do tubo digestivo, ingorgita-
mento das viceras abdomioes, e )teralroeote ludas
as meletlias provenieote d? (roqui-7-a orgnica, ou
pobreza de sangoe.
DEPOSITO ESPECIAL
31Ra larga do Rosario M
Pharmacia de Bartliolomen t& C.
Alugam-se
duas casas terreas, sita na Capunsa, ra da Ven-
tura, junto ao porto da viuva Lasserre, de os. 32 e
34, teodo cada ama cjzinha fora, cacimba, estriba-
ra e quintal murado : atratar na ra do Trapiche
o. 3.
Pede se ao Sr. fiscal iju: teora a onrfale
ds mandar retirar as pretas ganh deiras do Pas-
seio Publico.
Virgulion J i> de Almnida estabeleci lo com
taberna na cidade da Victoria faz puhlko* que
desde o da Io do corrente mei em dianle n o
vende ma a aguardeole nem em retalho e nem em
carga._________________________________
recisa se de urna ama para comprar e ca-
siotiar : a' ra do lmi.erdor n. 57.
Ama.
Preclsa-se de urna ama forra ou captiva para
corupr r, engommar e cosiotiarpara urna pequena
familia estraugeira : na roa Nova n. 30, loja.
Aluga se a casa terrea n. 10 "e o primeiro
andar do sob-ado u. 12 da ra do Arago : a tra-
tar no segond i aud*r do mesmo sobrado d?s 9 ho-
ras do dU as 2 horas da larde, desUs horas em
da te na estrada Rea do Manguioho.
Precisa-se de urna ama para o servico uler-
eo de urna casa : na ra Direita n. '/O.
Aluga-se a sala com dous qmrtes do segui-
do andar n. 75 da roa 1o Imperador : a tratar no
mesmo at as 9 horas da maohda.
Criado.
Preclsa-se alagar um mol'.que de 12 a tS an-
nos para criado, qoe seja riel e iotelgenle; tam-
bem te compra s agradar qoreodo o seahor
vende-lo : na roa Nova o. 19. primeiro andar.
Transferencia
O leilao do esdravo cosinheiro annunciado para
boje Oca transferido i ara qoarta-feira 9 do cor-
rate ao meio dia, no largo do Corno Santo ao c~
f commercial. ? >_________
Precisa-se de orna ama de le lie : a ra das
Trincbeiras d. 17.
Companhia fidelidade da seguros j^
maritimos e terrestres
estabelecida no Rio de Janeiro. IR
AGENTES III PERNAMBUCO jQ^
AaUait Lnii de Oliveira Azeveda U, m
competentemente antorisados peladirec- 2?
toria da companhia de segaros Pidelida- 9m
de.tomam seguro* de navios, mareado- ttf
riat predios no sen escriptorio roa da _f
__..&> ..!. .___ m
mm***** *** mmmm
Precia-se de ama ama eserava, que
saiba cosinhar e engommar para urna pe-
quena familia, perlo d'eita cidade: a tratar
m roa da Croz do Recife n. 42, primeiro
andar.
*
uI'mjm----" i*-^* -


VWttMWMMlMtMpl
.-*..i..-. mm
w
i, i. > mi
-----------,--------------
Ji
>.
r
>
>
i
.
<\*
Otarlo de jpernumbuco Sabbaio 5 de Janeiro de lbt-7.
:.<
~J#.
MACHINAS AMERICANAS
Verdadeiras do fabricante .l. ir. Canttongin & G.
Hoiahos americanos para mec- milhe.
Na ra Nova n. 20 e 22, grande deposito
das verdadeiras machinas americanas de todos
os f bricantes; se en ;ontra neste deposito
gran-ie porfo de machinas, e se vendem por
menos preco do que em outra qaalqoer parte,
por se receber cm direitora da America; se
fornece todas as explicares necessarias ao
comprador para conservarlo das mesmas;
neste grande estabelecimento se encontra mui-
tos artigos americanos, que milito deve agra-
dar aos agricultores que usam de taes artigos,
LtfgjL encontra-se tambera todas as collecces de de-
mSm *^k sennos sobre os quaes se aceita qualquer urna
^.encommenda, que coro proroptiaao ser execu-
tada; i.este grande estabelecimento, encon-
tra-se em grosso e a retalho, grande porc3n
de ferragens, e miudezas que se vendem por preco cooimodo, pedindo-se a attencao
de todos para este estabelecimento que muito lucraro em fazer suas compras: na
ra Nova n. 20 Carneiro ViaDna. .
==;^
NOVO DEPOSITO

DE
MACHINAS
PARA DESGXROCAR ALGODO
Manoel Bento de Oliveiva Braga.
53Ra DSrcTtan.53
Neste estabelecimento se encontrado as
verdadeiras machinas americanas chegadas ltima-
mente, as quaes sao feitas pelo mais afamado fa-
bricante da America, por isso avisa a todas as pes-
soas que precisarem comprar, de se dirigir a este
estabelecimenlo que comprarao das mais perfeitas
neste genero, assim como mais barato do que em
outra qualquer parte, por isso que se recebe por
conta propia, bem como cannosde chumbo e moi-
Jnb5s para moer milho, e grande sortimento de fe-
~fagens e miudezas em grosso e a retalho.
DE
Si. 55. RUI IMPERADOII S. 55.
Os pianos desta amiga fabrica sao hoja asss conhecidos para que saja necessario iosistir sobro a
ua superioridade, vantngens e garantas que offereccra aos compradores, qualidades estas incoo testa-
veis que elles tem definitivamente conquistado sobre todos os que tem apparecido nesta praga ; pos-
auiudo ura teclado e machinismo que obedecera todas as vontades c caprichos das pianistas, sem
cianea failiar, por serem fabricados de proposito, e ter-se feito ltimamente melkoramentos importan-
asimos para o clima deste paiz ; quauto s vozes, sao melodiosas e flautadas, e por isso muito agrada-
seis aos ouv'idos dos apreciadores.
Faiem-se conforme as encoramendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blondel, de Pars, socio
torrespondente de J. Vignes, em cuja capital foram sempre premiados em todas as exposic,5es.
No rnesmo estabelecimento se achara sempre um esplendido e variado sortimento de msicas dos
saibores autores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo Indo vendido uc;
oreaos commodos e raznave.is.
ROA DO BRM 38
O proprietario dcsla fabrica lembra aos propietarios de engenho que por aeeaso tiverem a
infelicidade de oerder seu; aoimaes de roda, ou de hitar agua para a moagem, qa esta' prompto a
colloear urna machina de vapir em oito dias depois da chegada das pegas no engsabo, e a garantir o
trabalho di raesma. As p?cas podem ser enodoJidas em oito carros.
Na raesma fandicao acham-se vapores de todo o tamaohj para alg)do e ssucar, rodas
d'atua, e todo o onjecto de machinismo de que se costuma precisar ; lamo.'ra formas para purgar as-
saear, arados, grade?, ele. etc.
As obra* de uncomme ida e concertos so fazem cora presteza e solidez ; o grande deposito de
p^cas e maferlaes que esta ftbrlc t.;m habilita-a esi)ecalm.;nt* para estes fins.
David William Bowmnn,
Eaaenhetie.
A NACIONAL
Gompanhia geral hespanhola de seguros sobre
a vida
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
BANQUE1ROS DA GOMPANHIA
O Banco de Slespanka
DIRECCAO GERAL
Kadrd : 5*na de S. Agoslnho
n.I
Situaco da couipankla coi 15 de jullio de 1866.
* Apolices 19:700 Capital Rs. 127:1443670 ou moeda brasileira
R; 12,714:4765000
A Nacional abraca tocias as conbinaces do seguro de supervivencia e n'ella pode
faxer-ses-i!)?<5ripcS) de mido que em nenhum caso se perca o capital imposto nemos lu-
cros correspondentes.
Urna afianca depositadajnos cofres do.'estado, garante a boa administraco da com
panhia.
Os fundos da companhia se invertem em ttulos do estado e se depositam no ban-
co de Hespanha cun interve >cao do delegado do governo do conselho administrativo.
A companhia estranuaa toda aempreza oujespiculaco perigosa,eos ttulos em
que se invertem os fundos impostos na raesma, nfu correm o menor risco, pois estao
garantidos pelo governo. pode-se alzar por toda a ric).
Prospectos e mais inforaiaces sero presta los n'esta provincia ra da Cadeia loj
. 52, ra da Imperatriz n.12 erua do Imperador n. 32, primeiro andar,' pelo S. D.
Nnarci* francisco de Vidal.
I
Retratos americanos em cartoes para alfmns.
Si. 59 Ra Sova X *.
Annnnciaodo o novo syslema de rectratos americanos em laminas esmalta-
das, e affirmando serem elles muito duraveis, nao pretendeaios illudir os incautos ou
ignorantes, pois que reconhecemos na popularlo desta formosa cidade obomsenso pre-
ciso para se acautelar contra os falsos annuncios e conhecimento sufficie ite para apre-
ciar devidamente as provas photographicas que por ventura vissem em nosso estabele-
cimento, e porque tambera temos, e podemos oflerecer provas chimicas e razoes scien-
tilicas do que bavemos aflirmado.
As laminas, alen de serem leves, delgadas e flexivei, sao coberlas de um
esmalte macio que as tornara ilatacaveis pelo ar ou agua, e at pelos fortes dissolvenles
cbiraicos. Os retractos sao eslampad i, subre urna brilhanle soperficie de inissima
praia aderente por meio de um pellicuU de olio lio, subitaucia perfeitamenle prova
d'agua. Porsobre essa superficie applica-se o verniz de esmalte, o que to transpa
rente e quasi Ufo duro como o vidro. Deste modo, o retracto, n5o conlendo em si
materia alguma orgnica sujeita d^composicio. e n3o sendo poroso nem absorvenle, est
inteiramtnte livre de humidade ou de qualquer outra influencia offensiva da atmnsphera.
Assa pois por e-ta tbeoria se v que os retractos offerecem provas de duracSd, o que
tem sido eficazmente confirmado pela experiencia : elles duram effectivamente e nada
perdem do sea primor original.
Nao nos necessario repetir as suas qualidades ar ti-ticas, pois que mudas pes-
soai das prineipaes familias d<-sta provincia, pessoas de lina educacSo e goslo cultivado,
nos tem distinguido coi a soa approvacao e honrado at com o seu patroenio ; outras.
prora serian superfinas. Eilretanto lembrareraos de pasaagem que os pintores anligos
nunca se serviram de materi i porosa para as suas mais bellas pinturas, porem sim de
substancias duras de superficie m cia, como a porvettana e omarBm ; e asnossas lami-
nas tem iqaal qoalidade de soperficie dar e raacia.
Finalmente con idamos que'les, que por qua'quer causa nlo tenbam conse-
guido bons e exactos retractos por outros systemas, a virem experimentar o nosso ; em-
pregaremo eat > toda a nossa pericia e conlecimento artislico aQm de Ibes agradar,
qmtqner q seja o numero pedido de retracto*.
oadrtti A llongb. ig
N. 52, R.ia Nova N. 52,
Na ruado Trapich n 16.
acham-se os seauintes deoositos
De 11. BfUDiugluuiseuiNuUs.
Bourgogne.
Vinho Pommard tinto.
> Cortun timo.
> Santo Georges tinto.
> CttambertiQ tinto,
f Richehourg tinto.
Clos da Vougeot tic o.
i Chablis branco.
De M. A. Wocf em Fratjeftrt:
Uheno.
Geiseoheimer.
Liebfraumilch.
Mtrcobrunner.
Em casa de Theod Christiansen, ra 3o Tr'a
piche-novo n. 16, nico agente no norte do Brasil
de lirandenburg freres, Bordea ux, encontra-se aa
eoivamente deposito dos artigos seguictes:
Sl.Julien.
St. Pierre.
Larose.
Chaleau Loville.
Chatean Margaux.
Grand vin Chaleau Lafltte m.
Chatean Latine.
Haut Sauternes.
Chatean Santernes. "-^
Chaleau Lataur Blancne.
Chatean Yquem.
Cognac em tres qualidades.
A/eite doce. Pregos de Bordeaos.__________
Funditao da Aurora
A mais amiga desta provincia e com todas as
perfeicSes em seos machinamos, oQerece a seus
numerosos fregaezes por ratoaveis precos suas
manofactaras, bem como qne tem um bom pessoal
para com rapidez fazer qaalqoer concert ou ebra
nova."
R
\MA
Precisa-se de nma ama para cosinhar e comprar
na ma da Cada n. 53.
O abaixo assiguado, m nome dos devotos
enearregadog da feria do Martyr S. Sebistiao da
i(reja do Pilar, avisa ao regpeitavil publico que oo
da 0 do correte, tera' lugar a festa do mesmo
Manyr.
Firmino Antonio da Silva.Th*sonreiro.
CASA DA FORTUNA.
Aos 6:000#000.
Bllhetes garantidos.
A'RA DO CRESPO N. 23 ECASAS DOCOSTUME
O abaixo assigoado venden nos seos muito feli-
es blhetes garantidos da lotera que se acabou
de extrahir a benertelo das familias dos volunta-
rios da patria, os seguintes premios :
N. 2378 dous quarlos com a Forte de 6:000$.
N. 462 um nieio com a son de 5005.
N. 472 um meio com a sorte de 200$.
E outras moilas sorles de 100$, 40$ e 20$.
Os possuidores podem vir receber seus respec-
tivos premios sem os descontos das leis na casa
da Fortuna a' ra do Crespo n. 23.
Acham-se a veoda os da 5* parte da 1* loteria
a beneflci > da igreja do Divino Espirito Saoto do
Collegio (l*), qne seettrahira' a 8 do crrante.
Pre^o.
Bilhetes........ 65000
Meios............ 3$000
Qoartos.......... l500
Para as pessoas que eoiopransm de 100^006
para cima.
Bilhetes.......... $300
Meios............ 2$750
Quarlos.......... 1$375
Manoel Martjns Fiuza.
Precisa se de urna ama para casa de pouca
familia e>trao;eira e que saiba <. nsinhar e eogom-
mar com perfeico ; na ra da Imperatriz n. 40
i andar. 8
P Collegio da Goncei^ao
*K:i da Madre de Dos u 36^'
Esta' aberta a matricula deste collegio fia
para as aulas sgulots : primeiras la- S
S**. tras, latim, franrez, inglez. geomelria, JB
(Sf eo?rlPhiai fhetnrica e ohilosophia, re- ^
pidas por ptofessores praticos e ja' bem L
S conhecidos nesla cidade.
Caleado
I ranee Si
Rui !Vo-
?a n. 7.
Brinqnedos
alleuies
Hua \ova
n. 9.
Este eslahelecimeuto recabe constantemente pe-
los vapores fraoeez boticas para horneas, senheras
e meninas, luvas depelicade Jouvm brancas, pre-
tas e de outras dilferentes cores, brincos de ouro
bom de lei com rnfeiles de crystal, oltirra moda
de Paris, caixinhas de costura com msica, vistas
srltas p:ra quadros, extractos, banhas, bengalas,
chicotes, espelhos, quadros, moldaras, esterioscopo
com grande sortimento das mais pittosescas vistas,
realejos, acenrdions, lindas nonecas, rarriuhos,
cahrolets para cooduzir mancas, cavallinbos de
andar por molas para meninos mootar e ontros
amitos obiectos fraacezes que estao expostos a vis-
ta dos compradores; na loja do vapor ra Nova
o. 7.
S<
i 3
Anuuncio
im
O Dr. Carolino Fraocisro de Lima San-
tos, mud-tii se para a ra do Imperador
0.73, segundo andar, onde ontioua no
exercicio de sua proGssao d-^ medico.
\m\
i
Trocam-se
as notas das caixas Oliaes do banco do Brasil ; na
praga da Independencia o. 22.
Aluga-se a paru da casa n. 92 da ra das
Aguas Verdes : a tratar na mesma.
Roga se a qu*m ti ver ooticias de ura peque-
no portuguez da 13 anuos da idade, de noroe Jos
Maooel Robalioho, olhes a cabellos caslaohos, ros-
to oval, queira dar iuformages a seu pai na ra
dos Guararapes o. 71, esse menino achava-se de
caixi'iro n i ra da Gloria ain urna taberna e coas-
ta que sahio pira fora do Recife, o mesmo seu pai
gratifleara' a quem der essa noticia.
Precisase de ama negra de idade ou de urna
negrinha, para ajadar no servico da casa, na loja
da roa rta Cadeia n. 36.____________________
Casa no Hontelro
Aiuga-se urna casa na povoaco do Mouleiro
coni boas commodos, acetada e banhos aos fao-
dos: a tratar na ra lo'Cresee u. 21.
ilettiodo Castflbo.
Ui)t\ Jos de Pana Simfies, p oNssir parti-
cular da ioslrucco elementa' pelo melhodo Cas-
tilbo, avisa aos pas de seos alomaos 0 ao respei
tavel publico que a> dia 7 de Janeiro do crreme
anno, estar sua aula aberta na ra da Prala n.
59, segundo andar, assim como recebe pendonis-
tas e meios pendonistas, por preco ratoavel. Na
dita aula tambem se enslnam as materias segua-
les : fraoeez, latim, geographia e msica.
_ Da-se comida, ca-a e urna peqoen* gratifica-
cao a um hemem de idade que quira servir de
porteiro : tratar na luja de looga da ra da Ca-
deia n. 25.
Precisa-se contratar nma pesso habilitada
em pedagoga para adjunto em orna aula d- pri-
meiras letras : quem estiver nestas clrcumstaocias
deixara' o seu aome. idade e residencia, na ra da
Cadeia do Recite n. 45, para ser procurado
1
m
8
Imperial instlalo 4* \'8Sa
Scnhora do Boai C "sellio
lina da Aurora n. 0.
No dia 7 tem lugar a abertura
das aulas d'este Instituto, que con- I
| tio.ua a receber alumnos internos, |j|
[ meios-peosionisUs e externos. &
**************
N< ra da Cadeia di R'lfen 98, proc sa-se
tallar com o Sr. capua Vuwnt F^rrera Coefho
da Siivi mirador em !>ssa Seoh>fi do O' de
Goiauua.
Agencia de passuportese porUi-ias.
Claudico do Reno Lima despachan! < de passa-
portes e pirlarias. bra-os para dentro e fora do
imperio, por commodo preco e presteza : na ra
da Praia n. 47.
Precisa-se aiogar um preto un moleque Bel
o capaz e sabeudu cosiuh r inelhor ; a ra do Ca-
buga' n. 7, primeiro andar, entrada pela ra d, s
Laiangeiras.
COMPRAS
Ouro e prata.
Em obras velhas : co*opra-se na praga da Id
dependencio n. 22. ,'oja de bilhetes.
Compram-st libras sterliuas: na praga da
ndependencia o. 22.
Compra-se ouro, prata e pedras preciosas em
obras velhas : na ra da Cadeia do Recife loja
de ourives no arco da Coecelgo.
Compra-se em qnalquer estado, estando per"
feito, os romances Caverna do Inferno e eus Di.ip-
poem, por Alexandre umas. Paga-se bem, na
ra Bella n. 22.______________^__
Compra-se ama ou doas casas terreas que
estejam em multo bom estado, atratar no pateo do
Tergo o. 22. ______________________
Compra-se om preto de 20 a 35 aonos de
Idade na ra do Cotovello o. 2o.
compra-se na ra da Cadeia do Recife n.
58, ouro amoadade da to las as qualidades.
VENDAS
man
de porta.
Vendem-se no escriptorio deste DIARIO
160 rs.: ra das Cruzes n. 4 i.
_ Vndese ura boi man: o e urna carroca com
orna pipa, junto oo separado : > tratar na ra d:
Imperatriz n. 39, tercelro aodar.
Vende- e
Motores americanos para dous cavalles, dito dito
para quatro cavallos, machioas para descarogar
algodao de 14, 16,18, 20, 30, 35 e 40 serras, preo-
gas para enfardar algodao fazendo as saccas com
seis palmos de comprimento, com o p so de 150 e
200 libras, vindas ltimamente da america; no
armazem de Heory Forsler & C. no caz P^dro
n. 2, juoto ao gabinete portuguez.
Papel pintado
O mais completo e variado sorlimento de papel
para forro de- sala e guarnigoes, enconlra-se a
venda na
Botica de Bartholomen & c.
34--Rua larga do Rosario--34
Kap Paulo Cordeiro.
A loja de miudezas a' ra do Queimado n. 16,
recebeu nova remessa de rap Paulo Cordeiro, e
continua a recebe-lo por todos os vapores, psra
que os apreciadores aehem sempre boa pitada.
Palitos do gaz" alJ800 a
groza.
Veodem-sena ra da Senzala Vetha n. 144, ar
mazem.
Tainhas de lagoas.
Vende-se tainhas de Alagoas em brris
por pre$o commodo
n. 61.
na ra da Praia
Na pra^a da Independencia
L.oja de Arantes & Lyra.
Venjem tintinas pretas com lac,o para seohora
i ($ o par.
Ditos para menino a 3$.
Livros em branco de Ham-I
burg
Vende-se na Vraria Enciclopdica de J. B. de
Mello : na ra da Cruz n. 52 completo sortimento j
e por pregos mnito commodos.
Vende-se urna porgo d<; catxilhos e rotulas
de amarello, tndo obra moderna: a tratar no!
caes do Capibaribe n. 2, offleina de tornen o.
mama* :mnHKm~
MEMENTO 'DIARIO PaRA
1867 ;
Couteado
Urna pagir.a em branco para cada dia do anno.
Kalendario.Signaes do telegrapho.Casa im-,
perial.corpo consular eslrangeiro.Associago
Commerci.il BeneUrente. Hegulamento do sello.
Systema mtrico.Servigo do correio, etc.....
rtecommeoda-se o preseuto memorial por conter i
noticias, exclusivamente relativas a Pernambuco,
e de sumroa utilidade para os negociantes, advo- i
gados, etc.
Vende-se pelo diminuto prego de
Perfumaras novas.
A antlga loja de miudezas a roa do Queimado
n. 16, recebeu novo .sorti.r.ento da perfumaras
sendo finos extractos e essencia coocentrada, chei-;
rus apiadareis para lencos, oeos siirne, pliorq-:
ou', a babosa para cabflus, banhis b cosoteliques
limbtm paia o- catielios, poz dj coral e hypicnieos '
para denles, opi.ta Ingltza a fianceza para Jltos,
sabooetes em barras quadradas, oulros em calxi-j
nh.s, e ouiros de bollas transparentes para uo, e i
oulros mui Bnns em cslxiLtus de louga para bar- :
ha, afila da colonia de supericr qualidade em fras-'
eos de inversos tami.ohos e pregos, agua ambreada !
para banliar o refrei-ar o rol<>, aj;ua flda ( da '
veradeira) tnico de Km.p, e moi as outras per-
fumaras que a vista (a bol qualidade ecommo-j
didade de pregos, o comprador nao objertara'.
Meia- pretas de laa e de iaia. i
Para padres.
Vendem-se na loja da miuJezas roa do Qoci l
mado n. 16.
Para baptisados.
Bonitos chapeusinhos eufeitados, sapatinhos de i
setim e merm, bordados e eufeitados, majal de
seda, e fio d'escocia para ditos. Vendem-se na lo-
ja de miudesas a' ra do Queimado n. 18.
Bicos e rendas dasilhas.
A loja oe miudesas a' ma do Queimado n. 16, i
reciben novamente oulro sortimento daqoelli-s bons I
e bein conhecidos bicos e rendas tas ilhas, cuja
fortido, e seguranga de tecido, Ibes da' immensa
dnracSo e os differenles Has a que acertadamente
sio applicados fazern a grande procura, e prompta
extraegao como coustanU'mer.te tem acontecido ;
assim pois concorram os preteudentes, que a vista
da commodidade dos pregos nao objectara > em
comprar.
Graxa econmica.
Em caixinhas, latas e botris, a' loja da miad-as
a' roa do Queimado a. 16, rtcebeu novo iortimeo-
to dessa boa graxa econmica.
I.a para bordar,
A loja de miudesas a' rui do Queimado n. IG,
recebeu novo sortimenlo de la lina de bonitas co-
res, c como sempre vende a baratamente, e o sor-
timento a contento do umprador.
Bonitas caixinMs.
De madeira com enfeites dmirado, e ou-iras de
metal para guardar jjias. Veodem-sena ruado
Queimado loja de miudesas o. 16.
nfeite e ^rinaltlss.
Na loja de miudesas a' ra do Queimado n. 16,
acbaro os apreciadores do bom, um bello sorti-
mento de bonitos enfeites para bailes, llieatros e
calamentos ; assim como delicadas giioaldas para
noivas, eaixos de flores, finas para enfeitar os ves-
tidos de ditas, e muitos outros ohjertis, e lodo se
vende por pregos tso rasoavei- que o comirador
experiente, nao se atrave a objectar a respeito.
Babadiahos boillos,'.'ntremcios ditos.
Todos de fina cambraia e delicad s bordados.
Vendem-se na loja de imuJasas a' ra do Queima-
do n. 16.
Planas brancas e de ces,
Vendem-se na loja de miudeas a' ra do Quei-
mado n. 16.
Franjas
Com borlas e sem ellas, para cortinados, toalbas
etc. Vendem-se na loja de miudesas a' ra do
Queimado o. 16. "
Boasc bmitas tas.
Lizas e lavrada?, larga: a estrellas; vendem se
na loja do miudesas a' rea do Queimado n. 16.
Bonitos enfeites para vestidos.
A Loja de miudesas a' ra do Queimado n. 16,
esta' recentementa provida de mu bonitos eufeiles
para vestidos, seudo bicos de sla tanto branco
como pretos, de dilferentes larguras e com vidri-
Ihos, ou sem elles.
Trangas e gales de seda dos ult'mos gostos, di-
tas com vidrilbos, pretas e brancas e de differenles
larguras e gostos. Filas de velludo pretas e de
cores, com lista as ralas. E assim muitas outras
cousas de moda e novidade, e ludo por pregos tao
commots, que o comprador fica latisfelto e nao
objecta a comprar.
Bollas de borracha.
De diversos tamanhos para brinquedo?. Ven-
dem-se na loja de miudesas a' ra do Queimado
n. 16._____________________________
Novos brincos da ultima
moda.
Chegaram novos brincos de ouro de lei com pe-
queos plngenies de crystal e de coral, differenles
modelos e ultima moda fraciceza : na loja do vapor
ra Nova n. 7.
nfeiles novos e d bom gusto paa
vestidos.
A Aguia Branca, a' ra do Queimado n. 8, rice-
beu um extraordinario forjin enlo de enfeites ru-
dwo.ia e de Rosto para vestidos, rendo galSo ae
seda de (f'-rentrs larguras, cores e de'enhos, o
que de ma s moderno e igradavtl se pode actual-
nenie encontrar.
Trancas.
Trangas brancas e pretas, largas a estrellas com
vidnlhos, pingentes e sem elles. Ditas brancas e
de cures, largas e estrenas sem vidrilbos.
Pili? mattsadas ou de desechos de cores,estrel-
las e mais larcas, proprias para vestidos de meni-
nas e sebora*.
Ditas da velludo, pretas a de outras cores, com
creihs de cores dift-reoiw, e'j>los novos, tambera
proprias para infeit-r ie.-tiaos.
Bicos de >da buoroa e pretos, largos e estrei-
los. com vidnlhos e sem tiles.
Em dita loja os apreciadores tambem encentra-
rao bello sortimr-nlo de flvellas e Mas i ara cintos,
pentes para coques, e muitos oulros objectos de
anda.
Entremeios f- babadinhos.
Boa faienda e delicados bordados, estam expos-
losa venda na roa do Queimado, loja de Aguia
Branca o. 8.
A A:uia Branca a ra do Queimado n. 8, tam-
bem vende mui bons espartilhos.
Tiotoras para cabellos.
A. Aguia Branca acaba de receber novo sorti-
mento das bem conhecidas tinturasCliromacome,
M..rq,ifs e lliilde, e com quauto os pregos de ditas
estejam um pouco mais elevados ( por causa de ai-
teragao dos direitos), com ludo uo a pequtna
dlf>ivnga que ba de taxer dos mogos velhos; assim
< uiinue'ii os pretendenle8 a diugirem se a roa do
Queimado, loja i!e Aguia Branca u. 8.
Objcclos de liorracbas para loto.
A Aguia Branca a' roa do Queimado o. 8, rece-
beu esses novos objectos de borracha jara luto,
sendo alHoeites, brincos, pu'ceias, volia* de cor-
reales, correles para relogios, assim romo cauro
igual seriimenlo de obras do vidro, lindo de r ais
firellas de mull bom po.-to e, cintos, a ludo isso se
vende por pregos rasoaveis.
I'enics f flor para ceques.
Obra He br.nigosM, e intriramenle nova, a Aguia
Brat-ca a' roa do Queimado n. 8, recebeu ucs pe-
qnenos penles com urna flor da metal, obra de no-
vidade e muilo gosto, a proprtos para coques.
Objectos de gslo.
E novidade, expostas a venda ua ra do Quei-
mado, loja da Aguia Brauca o. 8.
Bonitos e modernos enfeites para bailes e titea-
tros, com fitas e flores.com coques e sera elles.
Delicadas capellas brancas de retas e Borde laran-
ja para noivas, raixos de flor de laraoja propnos
para peitos, hombres e barras dos vestidos de noi-
vas.
Caques
2#000
oro casa dos edictores, a ma do Crespo n. 9
Viuho do Porto suprior oui caia de
. uiiit duzia.
Vende-se no escriptorio de Antonio Luix de
Oliveira Aievedo & C, oo seu escriptorio ra da
Cruz o. 1.
PASTA e XAROPE de RAFE da ARABU
BE MKliAttCiREXI'Kn
, Slo ca nicos ptturau p|iro4oi peloa prnfesions l
/ Ptcoltad de Madlclia de Franca, e por M tn-u: -i daa Boa-
pilaaa da Pariz, os quaes certificarlo tanto k sua superio-
ridade sobre indos es oulroa peltoraaa como aua poderou
efficacia contra os OeOuxew, rlpa, IrriUoOes a U
Af7clc5e do pello e da careante.
RACAHOUT DES RABES
De nELAivciatajvsBB
nico alinate asprevedo pala Academia de Medicina a
Pariz. Ella resuheleca as pesssej ana iftfrem do Bete-
Bamw e dos latejetlaoa; lerlaUea as crlaocaa a as peisoaj
deMliadas, alem aisso en Tlrtuda de sus proprledade ana-
lptica be o inelhor praserraUTo daa Fafcree ajaaralle a
typaotdo.
Cada frasco a cada catalana dutas prefirieses Uv*.
Itmprt itl'.o Arma Dilmgrtnitr, na lUchellaa, 20,
em Pariz. (Fazer aerlzlo silencio com u falsiflcacoes.
Bepoiltarlos no Peruataiwe : Osar
Carro americaao
Vende se ura carro de 4 rodas para 2 e 4 pes-
soas, para um e dous cavallos, com arreios para
um cavallo, todo em bom esudo, assim como um
bora cabriolet de 2 rodas con arreios : a tratar
la offleina doSr. Poiriar ra do Imperador junto
ao Gabinete Portuguez.
Na roa do Vigario o. 19, vende-se :
Vinho Mscate em ancorelas.
Vinhos do Porto de diversas qualidades engarrafa
do e em barris.
Cera em velas e grome.
Lona em pecas e fardos.
Vende-se a casa terrea n. 66 da ra Velha ;
atratar ua ra do Rosario n. 55, cm frente a ra
do Aragao.
Machinas a vapor
de forfa de 3 al cavallos.
MOTORES de 2 cavallos.
MACHNAS
de faco
de serrote
para descarocar o
Algodao
Acham-se venda em casa de
Shaw, Hawkes dr C.
Importadores de ferrageos.
N. 7.Ra do PelounahoN. 7.
Recife
Pernambuco.
Yelas de carantiba
Vendem se na. travesa des Guararapes n. 7s
per detraz do arsenal, as arrobas ou era grand s
aorcoes, sendo de 14 e i) por libra e ni* depositoe
seguiotes : ra da Gula i..., ra do Rangel n.
roa do Araorim n. 48.,.,
------ .. .------........ I -
Vende-se a taberna da porta larga aa ra da
ganta Cruz n. 5; a tratar na mesma.
Venda se um escravu ae boa idade cosi-
nheiro.e proprio para andar embarcado do que
tem muiia pratica : na roa di Cadeia loja nome-
ro42._____________________
Vende le oto Ube-iu o a roa d.> Socego no
Cairpo Ver fa n. 49. cora pouco fundir, propria
para piine junti, quem qaizur dinja-se a mesma.
A venda as pharmacias de P. Maurer
e G.A. Caors, em Pernambuco._______
Xa KOPETBPUhATIVO
de casca de labanjas amargas
COM IODURETO DE POTASSIO
DE
i I*. Larozc.
pharmaceutico em Paris
Oiodureodepotassio nm verdadeiro al-
terante, um depurador de incontestavel effi-
cacia; combinado com o xarope de casca de
laranjas imargas, aturado sem pertubaco
alguma pelos temperamentos os mais fracos,
sem alterar as funecoes do estomago. As do-
ses malhemalicas que elle conten permittem
aos mdicos de receital-o para todas as c m-1
pleicSes, as affeccesescnfulosas, tubercu-j
losas, cancerosas e nos accidentes intermit-'
teutes e terceiros; alm d'isso, o agente o
mais poderoso contra as doencas rheumaticas.
D-psito em todas as pharmacias e casas de
drogaras no Brasil.
Expedicoes, em casa de J. P. Laroze, ru
des Lions-Sl-Paul, 2, Paris.
A* veoda na pharmacia de P. Maurer &.
Ca, roa Nova n. 18.
PHaSPHATOBBFEJUv
[DE LERASDOUTOR EM SGIENCLS.J
INSPlXTIJI^AACAOEMlilEWRIZitc
Nao existe tiedictmcnio fenugiuoso tio notavel
como o Photphuto dadet medicacs le mundo inieiro- ia',:ii-ne
com soiliciitfc sem igual nos annacs da scieneia.
Ai cora pallidas, dores de estomago, diqtttStt
penosas, anemia, einvaleseencias dif/icis, idade
critica na* unhoras, irrtgutaridade no mens-
truaco, pobresa de sangue, lymphatmv, ti
curados rpidamente ou modificados -cor eut
excelUnie composU). V o conservador por excel-
lencia da saudc, e declarado superior nos hospi-
taes e pelas academias a todos es ferruginosas
conhecidos, a iodoreto e ao curato de ferro,
porque o nico que coavem aos estmagos de-
licados, que alo provoca conslipacao, o nico
tambem que nao ennegrece a bocea e os deniaa.
Deposito as pharmacias de P. Maure
C. e A. Caors. em Peruambuco. .
:s fnii.in.lo cabello.
Lisos e crespos, siogelns e compostos, de goro s.
canudos e redondos, coberios com let simples e
de vidrinhcs, ornadus com flores e fitas, obra nova
e de gusto.
I'ara sculioras e mcuinas.
Leques finos de madreperola e osso, todo de tan-
dalo a de saudalo cera seda, com unos e bonitos
desenbos.
Ol -i s de madreperola.
Bonitos pentes de madreperola mui alvo para
coques, lindas flvellas do dita dita para cintos, de-
licados alnnetes e brincos, botfies para puntios, c-
bra prima.
Aderecos, pentes e flvellas ignaes do dita, e
brincos. Fivellas a litas para cintos, ciulos mati-
sades, obra novissima e de goslo,
sLludos enfeites BodoUob para
senhoras
A aguia branca tem a salisfago de noticiar a
sua boa freguezia que acaba de receber lindos en-
feites a Bouoilon obras delicadas, de c na e ulti-
ma moda, o qne ser devidanienie apreciado pelas
excellentissimas senhoras de bom goslo. Os pre-
cos destes enfeites sao commodos a isso verificara
quem se dirigir a ma do Queimado loja da aguia
branca n. 8.
amamos de flores finas.
Como geialmente saludo, a loja da aguia bran-
ca o jardira das ticas flures artihciaes, e alm do
bom sorl ment que sempre se leba em dita lija a
aguia acaba de receber novas flores as quaes se
conhece o rigor d'arte imitando as flores oaluraes.
Na loja da aguia branca a ra do Queimado n. 8
acbaro os apreciadores do bom e delicado calxo de
flores com compridas ramas, i ":, etc., t;.do do
melbor gosto e pnrreira unalidadi.
JHeias pretas paca Mtthes.
A fguia branca a' ra do Queimado n 8 rece-
beu novo sortimenlo daquellas boas meu- pretas
de laia que ccntinuaui a ser vendidas a SC o
par.
V'isporas e dminos
A agoia branca a' roa do Quemado n. 8 rece-
beu novo sortimento de visporas tm caixas de. ma-
deira e papeln com 24 e 36 r.artSes, lendo entre
elles a'gcns com chapa da met.i! para cobrir o nu-
mero ; assim como dminos em caisas de madeira
branca e enveroisada.
Bot5es grandes
e pequeos, pret s ede ootias cores.
A aguia hrancu recebeu ura bello sorlimeuto ?
botOes de diversas qualidades e gostos os mais
modernos, a elles boa freguezia da aguia branca,
comparecam a roa do Queimado v. 8.
Collares Ro^er
0D
Anodinos electro-magnticos contra as cod-
vulses, e para facilitar a deoiico das
criancas. A aguia-branca na ra do Qoet-
mado n. 8 recebe-os por todos os vapo-
res francezes.
J estao to conhecidos, a tanto se ttm L.-pai.:. .
a fama desses prodigiosos collares Royer, qu s
torna desnecessario dizer mais alguma cousa es,
abono de seus bons e e etSeazes efleltos -. bsta c
tesiemunho de milbares de pessoas, qne tm nst:
e aproveirado o feliz resultado dess.es to olis,
qnao necessarios cellares Royer. A qutidiaoa .
crescida extraegao, que vo leudo, raostis aiuf
que J numero dos prodigios se eleva como td:s
os compradores. A aguia-branca, purera, dese-
ando coocorrer para um fim de tanto aproveiu
ment, ttm feito os necessaris pedidos, para qor
por todos os vapores francezes lbe seja remettida
certa quantidade de ditos collares, para assim Ici-
nar-se iufailivel o sortrmento delles, na loja d'
guia-branca, ra do Quemado n. 8.______
'anno dr. a'goio da Rahia proprio
para saceos de assuc^r e ronpa de
escravdg.
Vende-se no escriptorio de Aoloaio Luiz de 0!-
vtira Azevedo & C, no sen escriptorio ra da
Cruz n. 1.___________-_________
Mathues ustin & C.
Venden, no seu armasen, na
da Senzala-Velaa n. 406
Latas com gaz de primeira qual.dade.
Barricas com farinha de milbo muito
nova.
Saceos grandes com fardo vovo a 4^.
Barris com pregos americanos._______
Vende-se om boi, a orna carroca de 4 ro-
das em bom estado, proprio de Irahalhar na al
fandega; a tratar na e-irada de Joo de Barros
no sitio ao p do da Cscala.
Fio de algodao da Baha
Vende se no escnr.tjrio de Antn! Luii de OU-
?eir Azevedo & C, no sen escriptorio ra da Cruz
n^i:_____________________________
Vrode so enxameis de louru e qoalidade por
pre,, cjiiujdii : no c:es d.< Ramos a. 84.
Para descarocar algodao
Venderse machinas pureambaesuas para desca-
rgar algodio, eoatendo 35 serras cada orna, pe. >
prego ;de dez mil rls cada serra, a ra do S.l
o. 7, i Porto do (apiro. _______;
VENDE-SE
nm cabriolet de quatro rodas a quatro acentos, era
bmn estado, om rela calessa mnilo boa, forrada
e piulada de novo, ambos cota ain-ios, por prego
muito barato : na ra da Ponte Velha n. 8.
Fansllo doto.
v


.
Vende se, na ra do Apollo n. 4 em saceos grao-
des ; a 4,1600, para acabar.
/


r
.....i i y i.

',*"'-------
Diarlo de Pernambuem ... abbado A de Janeiro de 4867.

O ARMEZAM
MERCANTIL
53 RA DA CADEIA 53
I* **S\ YlfO O ARCO DA COHCEWAO.
_. Acaba de receber e tem por bartissiiuos precos
aim de sen aeostumado e muito completo sortimento
de gneros os se?uintes abaixo declarados.
Qaeijojs de Minas.
negados pelo ultimo vapor a 10800 rs.
Gfomiii de nrilho branco
americano.
i melbor que ha para papa, piedo-l, bolo,
MSGATEL DE SETUBAL
o mu'to excelle ite vinho muscatel por 200
a caixa de dozia e 25 a garrafa.
CHA
hysson de primeira qualidade a 20800 rs.a
libra, uxim o que ba de sais fino a 30 rs.,
alm destas ha multas outras qualidades
jaagica, creme etc., miito substancial e proprias para vender a retalho, que se vende
taudavel a 6tO rs. cadsTpacote de i libra.
SALMAO e lagostin
cnegado ultiraameote em, latas de 2 libras
(0SOO rs. cada urna.
HOCOLATE
de 1)5000rs.a 20 rs. a libra.
CHA PRETO
o mais especial que tem vindo a este mer-
cado a 20600 rs. a libra.
MACAS
CHEGOU
AO
mm ESTABELEMBENTO
DE
SOUZA SOARES & IRMO.
Eua Nova n. 28.
O seguate:
Ultimo gasto.
Ricas flviilas para cintos, coqaes da retroi ngiodo caballo, especial sortimento de brincos p*f
qrelhas, abotaaduras fins para pannos e coleta, eofeites, voltas. aderecos, etc., etc., e nrartos ratros
ob|ectos de gosto altlroaraente cbegad.s da Europa.
Perfumarlas
Dos meihores e mais afamados fabricantes, existe oeste genero, ura variado sortimento de-
bandas, leos, extractos, agoa de colonia, agua demifica, pos de arroz, etc., et.; afflanga-se a qaali-
e porcelana
-C ,s, com ricas figuras sobre a tampa, sendo de raoilos l-
mannos e diversos precos, port reteglos, port ctrarotos, conxas para joias, etc., etc.
flores, com gravuras muito Boas, e modellos mallo elegantes.
Ditos de alabasler brincos, o que pe haver de mais
baratissimo prego de 4 a J2fto par.
jarros grandes para
delicado neste genero, sendo |para o
'rancez a 3)0 rs. o pacote, dito hespanhol estrellinhaspara sopa em caixas sortidas de
peeial, o mehor que temtmdo ao merca- 81bras pOr4^000rs, palharim, macarrSo,
do a 10280 rs. I etc.. afiiO rs. a lihra
LATAS DE LINGUICAS
;om 6 libras ermeticamente fecbada a
05OO, e de barril a 640 rs. a libra.
VELAS PARA CARRO
m pacotes de 8 velas a 900 rs.
VINHO DO RHENO
! verdadeiro a 20000 a garrafa.
BORDEAUX
as raais acreditadas marcas: S. Julien,
3aut Brion St. Emilios e St. Esteph a 800
rs. agarrafa e 8000o a duzia.
O EXCELLENTE E AFAMADO
COLLARES
agarrafado da bem conhecida casi de De-
xol & C a a 10^(000 rs a duzia.
PORTO
-liversas qualidades engarrafado, inclusive o
mis fino que. ha n'este genero por 800,
0000,10200, 10-400 e!05oO rs.a gar-
rafa.
OLD CHERRY
) mais sope ior do mercado a 10500 rs. a
garrafa u 150000 a duzia.
VINHO BRANCO
oxcelienle qu iiidade, de Lisboa, e proprio
para toissa a 800 rs. a garrafae 80000 rs. a
.ixa de duzia.
VERMOUTH -
iuperior qualidade em caixas de 12" meias
larraf>s por 120JOO rs. e cada meia garra-
'a 10200 rs.
PREZNTOS
o1? verdadeiros de Lomgo a 640 rs. alibi"* 9
560 inteiro.
JALE IA DE MARMEELO
em latas a 800 rs.
M'tLHO INGLEZ
diversas qualidades a 720 rs. o frasco.
MOST^RDA 1NGLEZA
maito nova a 800 rs. o frasco.
MOSTARDA FRANCEZA
a 640 reis o frasco.
ARENQUES
em [alas a 600 rs. cada urna.
GARRAFAS
brancas para mesa superiores a 50 rs. e a
6$ o par.
COPOS
diversas qualidades e taraaohos a 30 rs., 4$
5$ e 60 a duzia.
CAPACHOS
de cores e differentes tamangos a 50 rs.
640 e 8U0 reis.
BALA OS
diversos feitios epara compras desde 500 rs.
at 20 rs; ditos grandes preprio para roupa
de 30 a 50.
GAZ
o mais superior gaz lquido em latos grandes
com 5 gales por preco de 100 rs.
De vldro
Copoteiras lapidadas para doces, ditas moldadas, copos, escarradeiras de cores, garrafas lapi-
dadas, castres, manteigueiras, etc., etc., tndo por pregos baratos para acabar.
Bailes c eafeteiras
De metal principe, gostos inleiramente novos e modellos muito elegantes, sendo para olio chi-
caras. v
Tasso Irm&os
Vendcrn no sen armazem na e
Amorim n. S8,
Licor fino Curaeao em botijas e metas botija*.
Licores fino sonidos em garrafas com rolb* i*
vldro em lindos frascos
Vlnho's-i;h>t->s.
Santrcls.
Chamiwrtit;.
Hermita^''. -
Borg'i fie-
Champagne.
Muscatel.
Reino.
Bordeaux.
Cognac.
Od Ton.
PAezeJ fepntol. ____
AGUA FLORIDA
Z>S3
MURRAY & LftNMAN
Wfts
esauaders Brothers Cj A goa florida de Murray & uanmand
no largo n> GorpoSanto o. ii, vapores patentes i omaaa como um artigo de perfume, nao
coso todos os perteoces proprios para fazer mover tem podido ser igualada pelas preparacoes
tres oa quatro machinas para descarogar algodad.
pomsiDiiujssu
Vndese potassa da Russia muito superior e de
qualidade a mais apropriada para o fabrico de
assucar a prego rasoavel, no armazem de Jos da
Silva Loyo 4 C.
Aos agncaltorcs
Sauoders Brolbers & C. acabam da receber d
I"fMtOgrapillas 'Liverpool vapores de forga de 3 a icaaallos coto
M.igicas, um divertimento de moita cunndade, sendo muito proprio para reuoioes de la- /todos os pertences,e mu proprios para fater mo-
las ; vende-se pelo conraoo prego de llo()0 a dazia. ver machinas de descarogar algodao, podendo cada
Ditas emcart5es,ba urna grnU vad*de de fines retrato? para Albao, antros, etc.;
vndese por 3 a duzia.
ra
. ; Borzrgiifns
De iezerro francez muito lre9co^, para homem.
lto enfeltados para senbor-s, atena muito boa e pregos rauitos commodos.
iWaehluas
____, p*ra Pe5a/ racis, sendo de grande prestlrao, e torna se divertida pela forma de que 3o
pegadas e degradadas .s jbbres moscas; vende-se pelo commodo prego de 12*.
Caadlelros a gaz
Pelotlum'TiaViovindi! da Am-ci, recebamos do- melhor fabricante, nm rico sortimento,
sendo de formas muito alegantes e go?tos raaitis bonitos,ores moito apropiadas, etc., seaJo paraoM
ma de mesa e pendurar, lustros e 1,2, 3 ei Inzes. Em virtade de termos urna grande portal, ro-
demos por pregos admiravew, e par* que se encontrsinnridde, tiste cada om macado cora osan
diminuto prego ; a qaalidadeos mesmis afflmgaroas o ser de onchinuun muito sollido e bera feto,
aflm de dar urna brilbaate taz, nao fazer cxolosio como moitos soccedem.
Ctaaittlas
Para candieires a gaz, a 280, 320 e 400 rs., em porga* faz-se gm-.de diffweaca.
" Cai
nj tneihir exi3l,,nte no marcado,Teertem-H directamente de Nnva-York, utn carrcgaraento, e
vendemos por menos que eos outra parte, afBanga-se a qualidade.
liadas
braaes de ferro estashado, proprias para banhos, vende-se por 12*.
ContinjManMKta etle um b>m .s-ortiraeinto de quadros pira retratos, albuns,- cosmoramas
com vistas, eneite, sapatiohes, gravata?,collerinh)s, colheres, facas caisaa preparadas cora ferros pa-
ra engommar, etri., ete.j etc.e tal) q'ianto seja teniente ao sortimento d) mixlezas, qaiaquiUiarias,
entilaras e ferragens. Ra Xova u'28.-Garante-se a commodidade nos pregos.
vapor trabalbar at com 140 serras, tambem ser
vem para enfardar algodao on para outro qualqaer
servigo em que usam trabalhar com animaes. Os,
raesmos tambera tem a venda machinas america-
nas de 35 a 40 serra3 : os pretendentes dlrljam-
e ao largo do Carpo Santo n. 11. _________
Loja do Gallo Vigilante
RA D CRESPO N. 7.
Grande e variavlo sortimento dos numero-
sos objectos de apurado gosto que ultima-
ARMAZEM 1912 FAZEiDA.$
HU DA C4DEIH3
INJECTION BROU
U>Klrulra lnlalllvrl e Prerr%allva, abtMiluUuieoto a nica i|uecur mu ueuhun aduiu.o. Vcbtte-M
bu priDcipars bocu do BUBdo. (Eligir IntcrucoM V no). (M um de exiitucu.) Par*, tu MH
i* ateelor liot, bMlerard kU|aM. III,
Vende-se na pharmacia de P. Maorer C, ra Nova.
ItAMUE I,IQCTII>A^AO

MU SlffilBML
DE
OLYMPIO GOigflLVES ROSA
Raa do Livramento n 14.
O proprietario deste estabeleciment faz sriente ao respeitavel publico e aos 9eu' amigos
rregoezes, que tem augmentado, a sua ofBcioa de aTfaiate, e dirigida por um hbil mestre, se eocar
rega de Tazer com proraptido qualaner eantrararni*, ds pessoas qae quizerem boorar sea estabele-
cimento por pregos mais baratos.
Asslra como tem um comipifito sc*(irotfto de fajeodas fiBas (s qnaes nao sendo costume pro-
curar as lojas do Livramento) espera que
Mis vende mais barato que outro qtalqu.r.
as mais custosas: conserva seu aroma, co-
mo se formasse parte da prenda a que ella
se applica.
Sua efflcacia t3o delicada, como elegan-
tes sao seus multiplicados nsos, qur seja
empregada como artigo de toucador, qur
no uso do banho, ou como suavisador da
pelle, depois que setenhi feito a barba;
i para I impar as gungivas ou aromatisar o
hlito.
D suavidad*, brilbe e elasticidade as
compleiees, depois dse haver lavado; al-
livia a irritacio de erupcoes ordinarias; faz
ilesapparecer o desagradavel aspecto dos
pannos, das sardas, do rosto, rugas e toda a
casta de ebulicoes, e d vigor e frescura a
parte onde quer que se applique. Sua efi-
ciencia e elegancia sao igualmente infalli-
veis nos casos em que seja preciso applica
la como estimulante e antisptico, nos con-
cursos e assemblas numerosas, as loca-
lidades infeccionadas, na alcova de um en-
roente acaba de chegar para este bem co- ferm0j ttSB1 como am antidoto excellen.
onecido estabeleciaento, poissencorres- |le para os desmaios causados por cansace
pondente em Pars o mais bib.Htado pa- oa suffocac3o. Preparada onicamente por
ra a eacolt de taaa objectos, po.s os com- Laoman & Km ^ York venda *
pradores poderao apreciar, como sejam lin-1 n _
da
dissi^os enfeites de cabeca com cok de
cabello, e sem elle.
So no vigilante ra do Crespo n, 7.
Enfeites
Roques com caixos e de novos penteia-
dos.
Trancas pretas e de ceres, e de todas as camen;osas, qoe pertencem ao reino vege-
larguras, com vidrilho e sem elle, para en-, lal> e pertence classe dos tnicos e des-
feite de vestidos. i obstruentes, sendo empregada com vanta-
Gaors 4 Barbosa.
Joo da C. Bravo & C.
^aposito geral em Pernamooco roa
-nz q.2 ega casa de Caros______
JUaUBEBA.
A jurubeba urna das substancias medi-
seus amigos e fregueze i o honrm com saas presengas,
\;'
A1 loja de f izend
11 Hua do
de Augusto Porto & 0.
Queimado -" 1
23 Largo do Tm 23,
Jn-iqnim Sim5o dos Santos, don') deste bem sorli.lo estibelecimento de seceos
s molhados, fa se ente ao respeitavel publico, tanlo de^ta prap como de fora, que ve-
.am fa/.er suas de pensas a e>tc estabeleciment para verana a gruade ilifferenca que faz
jara menos preco. caso fossem comprados em nutra qu^ounr pane. E.todo o freguez
fue comprar de I- OOOO para ci a ter o descont de i 0/oP^lnPrompto pagamento,
az-se esta gran !e 'liff enea por estar-se em liquidaco.
Ga-' americano a 4oo rs a gararfa, e 94 a lata.
Caf do io de 1/ e 'i.asorte a io e 2oo rs. a lihra. e a 6 e 75 a arroba.
Queijns de versos vapores a 2)54oo, 2iJ8oo e 35o o cada um.
Pho-phores do gaz a .'$oo agrosa, e em por^o se faa abalimeolo.
Cerveja de diversas mircas, duzia 5)9, 5J5oo, 65 e 7^. ^
Arroz da me \vr qualidade a 12o e lio rs. a libra e a 3#4oo e 3-2oo a arroba.
Pa-^1 de linho marca viidoa 4(5ooo a resma, em porgao haablimento.
Ide.n fin i de marca martello a S#Sno e 6)5 a resma.
Vinno das meihores e mais acreditadas marcas, a 20700., 3 303oo e 4$ a caada e
136o, 4oo *oo e 56o rs. a garrafa.
dem raneo superior qualidade a 40 a caada e a 560 a garrafa.
Cb min linho egraudo>la melhor quaiidade a 20, 202oo, 205ooe 208oo a libra.
Manteig-i ingleza fina, a 10lno, 1012o e I0iooalibra, embarris ha abatimento.
dem ais haixa a 72 ', 8oo e 9oors. a libra, era porc5o ha grande abatimento.
lem franceza muito nova a 4o rs. a libra, e em barril lia grande differenca.
dem mais baixa a 48 >, 52o, 56o e 6oo rs. a libra, emporio ha abatimento.
Vinho d. Porto engarrafado e em barril a 64o, e a 10 a garrafa.
Alm distes gneros ha oot'-os m titos assim como bolachinbas de soda a.i0ioo e
-.0 a lata, chouricas e genebra de todas as qnalidades, massas- para sopa, copos a 50 a
\iuzia, s no Conservativo largo do Terco n. 23.
A' loja de Augusto Porto & C. chegarara as meihores basqotnas de seda
preta que se veadem por mdicos precos. .
Vest'dos de moin de cores para bailW e partidas.
Ricos vestidos de Blond om manta e capelia para noivas.
Costumes completos de caemira para homens, fazeaia especial, sendo
as cagase patotsda ultima moda.
Bonets de palta da Italia para senlioras e cha -eos de phantasia para ho-
mens.
Enxovaas e vestidos bordados para baptizados de IO0OOQ a 300000.
Camisas inglezas para homem, peito, punios ecolannbos de linho supe-
rior. '
Ricas saias de linho bordadas, baloes, espartilhos, meias Anas, Iences
bordados, camisas, camisinhas, manguitos bordad s para senhoras.
Colxas de seda, e de lia e seda para .camas de noivas.
Cortinados -bordados para camas e janelias.
Tapetes para' sof, cama e piano e pannos para cobrir mesas.
Bramante, Brilhantiaa Miciennes ou cambraias de pafos, fizenda tnuito
bella para vestidos, silesias, bretanhas, e cambraias transparentes tapada e
de linho.
Moireantique bramo e preto, sedas brancas, de cores e pretas, e gres-
denaple de todas as qualidades.
Brins de linho branco e de cores dos meihores.
Neste estabelecimento ha sempre sortimento das meihores e mais baratas.
Esteiras da India para for ar salas
11 Una do Quelniado11
,. -...-;.
Bicos de seda com vidrilho e sem elle.
Gravatinhas de velludo para senhoras.
Gravatas e mantinhas de seda para ho-
mem.
Gravatas brancas muito finas.
S no vigilante ra do Crespo n. 7.
Volt;<*ha. para menia s.
Voltinhas para meninas.
Pulseiras para as mesmas.
Correntes para relogios fingindo cabello.
Riguissimos sintos, fivel'as e fita para as
mesmas e de outras muitas qualidades.
Riquissimos pentes de taataruga.
Fitas de velludo de todas as larguras.
Lindos enfeites para vestidos, chamados
hrispiannH Margante.
Riquissimas flores para vestidos e para
cabeca.
Capellas co^j canos flor de laranja, pro-
prias para noivas.
Meias de seda para senhoras.
Ditas para meninas.
Riquissimos chapeosinlios e touqninhas
para meninos e meninas, m;inhas e sapati-
DQos de seda para os mesmos.
Lindas sextinhas e bolcinhas para bracos
de meninas.
M-^as pretas de laia.
Lindos aderecos e brincos.
Aderecos completos preprins para luto.
gem contra as febres intermitientes acom-
panhadas de engorgitamento de figado e
baco. Ella tem sido applicada com incon-
tesiavel proveito contra a anemia on chloro-
se e hydrnpesia, catarrho da bexiga, e mes-
mo para combater a menstruac5o dirficil,
resultado da mesma anemia ou chlorose..
Extracto alcoolico de jurubeba.
Emplastro idem.
Oleo idem.
Tintura idem de idem.
Xarope idem.
Vinho idem de idem.
Pilulas de extracto idem.
Deposito, pharmacia de Pinto, ra larga
do R sario n 10.
JURUBEBA MACHO E FEMEA.!
Debaixi da denominacS* dejurubeba
nascem nos sitios arenosos do Brasil dous
arbustos do mesmo genero, mas nao do
rnesmo sexo- Ambos crescem com lindas e
frondosas folhas, ambos produzem bagos
gramneos reunidos a' maneira de cachos de
uvas, pendentes de um pednculo enro. O
primero, isto o macho, pouco menor
do que a femea, apenas cresce at altura
de um homem. tem folhas memres, nao
muito sinuosas, mas recortadas, com talos
guarnecidos de alguns espinhos.
as extremidades dos ramos produz peque-
Lindos port joias e port relogios de dif- j as flores como que juntas em forma de um-
ferentes tamanhos p oprios para um deli-
cado raimo.
Riquissimos livrinhos com capa de tarta-
ruga para missa.
Aderecos de Bnres.-
Riquissifaos admeos comoletos, sendo:
voltas, polseiras, brincos, alfinetes, grampo
para cabefps; tudo i-to feito de todas as'
flores de ultima moda em Paris.
Ciravatiuhas.
Tambem chegaram bonitas gravatinhas
hella.de cor ladea misturada de azul celeste,
as qaaes representam exactamente urna es-
trella de cinco anguios e consiam de tima
& corla, modelada e como dividida em
outros tantos tringulos, sahindo do centro
cinco estames, ou filamentos, de maneira
que ao longe tomar-se-hia por urna flor de
borragem.
O segundo, mais alto, mais espinhoso,
tem folhas maiores, cobertas de pello pela
parte inferior, elegantemente guarnecidas
co-n flores, e com alfinetes proprias para'(,e espinhos, recortadas de um verde vivo.
LOJA DA FRAGATA AMAZONAS
Continua a ter grande deposito de Machinas, verdadeiras americanas, para des-
3 sorras, dos meihores ejmais coohecMos f bricanies, as quaes
DE
s iido recflbida dos Bstados-fJnidos de contap-opria, so'semara"vendidas po'r pecos
mais razoaveis do que em gualaoer outra parte.
T.raiera aqo* aiPe^uizes ene ntrarSo nfi s toda^as ferragens avolsaspara
3s mesmas; como aurs?o^ memores e muito acreTualos cilindros paVa nadara
Machinas para eaf 4e diversas quahdades.
Machinas para lebulhar milho.
MaottMat para bater ovos.
Machinas para hater llhs.
Machinas para fizar parafuos de fierra a
i Monteiro & Guimares,
R. o Roa de Qat!mdo n, 5.
Este importante estabelecimento prvido como se acha de tudo quanto obiecto
de gosto, por quanto seus proprietarhs recebara de conta propria or iodos os vapores
]omprocedencia da Enripa, objetos para frailo toilette, e us> ordinario para todas as
classes, ebem assim adornos proprios para casamientos.
meninas e senhoras.
RS't>s e brlneos.
Riquissimos brincos e rosetas inteiramente
novija le e tu lo de moito gosto.
Tooqalobaa.
Riquissimas touqninhas de lioho e seda,
ponto de corx ricamente enfeitados e de '
muito gosto.
Fita.
Riquissimas fitas de chamalote, sendo: ver-
de eamarello, tecido na mesma flti.
Agiilha* de iu;i fl:n
Tambem ebegaram as mui desejadas agu-
Ibas todas de marfln, para trabalhar em la
e sem corx.
Sextlobas.
Tambem chegaram bonitas sextinhas de
p-:lha fina, proprias para meninas.
S no Vigilante ra do Crespo n. 7.
Etfpelhoa.
Riquissimos espelhos grandes e bonitas
molduras proprios para salas nu tojas assim
c mo outros de differente.- tamiiihos.
S no vigiaflte, ra do Crespo n. 7.
Para os pais de fami ia:
Verdadeiros
bollares Kovet*
Electro agnelicos Anodines
On Collares Anodinos, para facilitar a den-
ticS" das criancas contra as convolses
das mesmas. a estes collares nos escuzado '
fazer qaalquer recommendacSo, visto a'
grande utilidade que lera produzido qnelles |
pais que os tem applicido em taes ci reom-' acaba de receber nm lindo e m'a-gnifico acr-
atancos pois nos parece que n3o haver Um timento de oculos, Innetos, binocnlos, do tu-
s pal ou mi que por este meio nao craei- timo e mais apurado gosto da Europa e oeu
tendo a mesma flor que o macho, porm
raais ntida.
Ambos, em virtade do uso qnotidiano da
aedHna.sao bastante conhecidos as phar-
maeias. Em verdade, suas folhas e sueco
s3o empregados para mitigar, como tempe-
rantes, e corar as feridas e ulceras, e mui-
to favorecem a cura dellas. Posto que as
folhas e raizes tenham um sabor amargo co-
mo a chienrea e a fumaria, todava difficil-
mente poderiam ser classificadas entre as
drogas quemes. Sobresae principalmente
era virtude e efflcacia, e mais amarga a
raiz, com particnlaridade a do macho, que
consta de partes mui tenues. Por certo o
losimento deste faz despedir a ourina retida
e applica-se muita vez com feliz resultado
contra as obstruyes do figado e da prsta-
ta em lu/ar das raizes apperientes.Sua utili-
dade e excelencia sao taes, que nao s pelo?
doutos, mas tambera pelo povo rustico
procurada e contemplada entre os remedios
mar vil hosos.
Traduzido do latim de Pisn e JHrcgrave.o
Francisco jse lien
RA NOVA N. 21,
los de alcance
martimos.
lango.

SSSkSlDJGKt a t K LW t madreperola fiaos.
glWde nrecos de 10 0. i^m &.&.fon.
Ki98lfrf2oefJn,ltM}- ,, Rotonasdesfida. ..
Arados, oame! (temi, camas de ferro, desjsertadqres, helaras de'Rotondas de ateod
novo systema, e nu s artigO que pela especialidade se tornara Vecomtoenda. BasqoinS de gKod.
Mias de laya para padre. Cortes de faulard $e seda,
I Cintos de tfeoJaua, gosto ooveu
i
ve i!;
Ol W* de fogo a 10400 a groza

A Fragata receie por todos o* vapores lu^as de Joutiu, e acaba de receber no-
vo sortimento d >$ objectos seguintes:
C;tes de blonde pifa noivas. Resposleiros para cadeira de bal
Esgui5o de liobo fino.., tji ,, Bretanhas *5 Kohrfino.
Bramante. Jir,.,/
Chapeos de l de seda para Sr\ Tiras bardadas.
Chapeliohas de crpe afil para dilta. Entromios ditos.
Chapelinha de'pa*ia da Italia. Ve>udo%.arancos borlados.
Carntiraa d Ifnho fino.
Fmnha de dito.
Lencos Ho muito finos.
Cambraia suissaom W palmos de lamrf.
00 te MM!M ra por termo a taes soffnmentos de "seas
fllhiflhos visto ser um mal qae tanto os
agel a, pois a estes colhres acomoanha um
fulhetp que ensina como se deve applicar, e '
vende-se na loia do Gallo Vigilante, ra r
An rrocnn n n ^ni___.-_ -j A T Grande sorumento de doce cs ,e crMUAj-
_ 222P0 ^ P6l Pref0 de 4*000' S* dos.e em Irta e-lrangeiros ejiacloaa : Tar-
para observares e;par>>
Doc^s
e 60000.
to ;s

,I lili/
'\ Na >
j" I b -iimsni
Gr*o#e snrtfirto *)(< snccm, cmtallsa-
? km ihta, HtranffAinMA ntcoaasg : 0 r.
aaamiL'gmNn.en.

mateen da Liga roa Nova n. VVndn-se um terrefio coffi^O palmos (Je fren-
tp etiiO te fondo cm mofles arvWfedoS'botos do
Ctiarriii ,'rmado parto da pssgH <4a> *m farrea
por cooMBod pr>fo ; a tratar m padaria 4* Ga-
puoKa oa o pretenden les aniaaclem para ser pro-
carado;.
iy
V'
i------ .-~,. ,,u-----^_
, Agoace d'AhwiBt-iBrtw, a teas ^ura*x d'B*,
Wpe. Diairlbution (tramite de soei
; fcgo*.
i ratone de spcimeas el cata-
RU DE CRESPO ti. 9
Llbralrie
Jeaquim J s Goncabes Bekro
Escnpthr iru4a Trapmbe B. .priroeiro
utr vende a pretoe cqmmodos potassa e vtni
duPorto ett caixas e brtls.
- Veoie-s v|oiw ,
Praocal.eiia^<}ftMV5^era csa'
FrreM- roa


k
\
i-



r_ ^f 111MM


\
Diario de I erttstkiico -- Sabb do 3 de Janeiro de I8i 7.
j+r

-



I
'
lendisi fir. J. C. Aje?, ei-leote
da Universidad de pensylvaoia, na
Estadas-l'Aidoa.
Ur*eto campus( de aUa-par
rtlha de 4f er.
Peitoral de eereja.
Rciiiedie para aeztes.
PHuIm eathrtleM.
0 deposito oaatra-1 para as provincias
Peroamboso, Aiagoas, Parabyba e Rio-
Grande do Norte, defles remedios t5e fe-
voravelmento wmhecidos e acaihidos eai
todas as partea da Ameriea do Sul e de
Norte, acha-se em casa de Tbeod t'hr I
tlansea, 6 roa do Trapiche em
Peraanabnco.
Os presos de
335 por dozia de estracto-de salsa .parrilba.
270 por duzia de peitoral de eereja.
. 270 por duzia de remedio para sezoes.
741 por duzia de pilulas catharticas
se entendem dinhelro vista, cea
o descont de 5 por oento em qoantidade*
de 6 a 12 duzias, e de 10 por cento em
quantjdades superiores a 12 dnzias.
RIVAL SEI SEGIMO
Rna do Quclimado o. 4, loja dr
mtadezas
DE
Jos Biyouinno,
Continua a queimar tudo qoanto tem em sen es-
tabelecimento.
Syiabarlos cosa estampas para meninos a 320 rs.
Memento da roupa de lavar a 100 rs.
Nuv.ts carlbas para meninos a 160 rs.
Duzias de meias mtflto finas para seohora a 45500.
Ditas brancas e eruas para hornea a 3* e 4*.
Agalhas fraucezas a baiao (papo!) a 60 rs.
Pedras de lotisa (pequeas) muilo linas a 160 rs.
Pares de sapato* de tranga e tapete a 1*300.
Pegas de fitas de lia de todas as cores a 600 rs.
Groaas de toldes de porcelana prateados a 160 rs.
Ditas de ditos de madreperola muito Anos [ 600
ris.
Caixas com alflneites trancezes a 80 rs.
Caixas 4e 100 eavelopes moito Anos a 600 rs-
Pares de Rpalos de lia para meninos a 400 rs.
Pregos fraucezes de todos os lmannos (libra) 240
ris.
Resma Je papel de peso branco liso a 2*."
Frasco com superior tinta a 100 rs.
Grosas de ptbwspfcuro* de-gaz a 2*200
Pares de botos de punbo muito Jwuitos 130
Lindas em cartao do 200 jardas a TpO.
Caixa de superior linba do gaz com 50 novellos
700 rs.
Caisas de pos de arroc muito fino a 800 rs.
Pob-eiras de coqU para meninas a 320 rs.
Talheres para meninos a 2i0 rs.
Caixa com superiores seas para charutos^a 20 r.
Masso com superiores grampos a 30 rs.
Grosas de penBas i< hijo maiio finas a 320 rs.
Donis para meninas a 3.
Pentes com costa de metal a 400 rs.
Capachos compndos e rearados a 500 rs.1
Canas com superier papel amisade a 600 rs.
Realejos para meninas a 100 rs.

m m gaz
Che-gou ao amigo depjsito de Henry Forsler &
C, ra do Imperador, um carregamento de gaz de
primeira qiialldade,'i qnal se vende era partidas e
a retalho por meaos prego do que es> outr qual
quer parte.
Muita atten^ao
AS l AZL\ ans
NA LOJA E AKxMAZEM
BO
*s.
Ba da Iuiperatiz n. 60
DE
fiAM i ,....
Por esurmos qaasi no m do anno resolvern
os donos deste portante alabelecimento vender
snas fazendas por pregos multo itais baratos do
que costumam,fiom o Oa de apurarem dinbelro e
Baldes baratos
Vende o Pav3o.
Chegoo um grande ortimento de batftes de ar
eos sendo americanos que sao os atemores e vea-
dem-se pelo baraiisiaw prego de 2*500, 3* a
3*500: na loja do Pavao na ra da Imperaniz a., l4,rinA
0, de Gama 4 Silva. Y-m,._ t,D8les merm
A 1IG rs niipi lntf a iuu rs. para luto, YeDde O diversas cores, tendo as franjas & seda a 4*001
.. Pava. tendo com as franjas de la : iy.eKff."si5a!Dh,!: ?r?!ai PrPri" para luto tampados muito finos a 5JC00, 6^000 < 75000, di
Vestidinbos para meninas
Vendem se elegantes veMidibbus para menina,
ce la.tinha muito bem .enMta-Jos (elo baratissim
prejo de 2:80a, 4tto e f.jgmo de seda a 3JO0C-
na loja e armaiem do Pavo na ra da Imperatri;
n 60. de Ganii & Silva "
pelo baratissimo preo de 100 rs. o covado .
loja e armazem do Pavo ra da Imperatrii n.
-le Gama & Silva.
Crochs
Para cadeiras
Para sofs
Para camas
Para presentes.
Cbegaram os roais ricos pannos bordados a oro
eb proprios para eocostos de cadeiras que
veadem a 2*500 o 3*, ditos para encasto de sof
a 6*, ditos proprios tara cobrir almufadas a
na n de crpon com lisias "de sed* a 8*c 60, piis ordinarios para acabar a 2(IOO r i00 : na
loja e armazem do Pavao na roa da Imperatrlx a
60, de Gama 4 Silva.
Sedmba8 de lisias a 400 rs.
Vende se bon|tassedinbas t lisia- p-opriaspan
vtstidus com largora de chin ingi.-za r*l haratc
Pfe?o de 400 rs. o covado : na I ja c muen di
Pavo na ra da Imperanim n. 60 de Gama 6
silva.
a vara na lej? df.
f'i? PUlrera Irande deposito qoe existe na sua 2*500 e ditos para cubrir presentes a 2*500 e 3,5-
iojae armazeai. par o que contidam o respeitavel na loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60, de Ga-
?..:.c!Le i8 se.as nu.merosos freguezes a virem s* ma & ^Iva.
Novos vestidos Poil de Cli-
Chegaram pel<
vre a 16*000.
\a leja do pavo.
sorlir de b as fazendas, tanto proprias para
como de primeira necsljade, e convidara as pes-
soas que oegeelam em pequea escala que n'este
grande esubelecment enconlrarie um avuUado
sortimeoto de fazendas de Jel e phantaila que se
vender pelos mesmos precos qne se comprara no<
armaiOTs inglezes ganbando se api-oas.o flesccoto
e de tedas astazendas do-.se amostras mediante
um penbor, oxi mandara se levar em casa das ex-
cellcuiissimas familias que nao poderem vir a loja
do 'awo.
Canbralas Utas do Pavo a 3^500,
4*000 o 41500.
Vende-se um grande sortimeuio das melberes
camferaias ransparenres, tendo 8 va+as e meta ca-
lUOS9' pelos baratos pregos de 3*300, 4*000,
4*000,-8*00% 6*010* y*)0.a ff(i' ii'aa te es-
cossia com 9 varas cada peca, tendamais te Tara
de largura a 6*000. 7*000, 85000 e 10*000 ; ditas
Victoria a 0000, 7*000e 8*000 ;.tas largascom
8 palmos de largura a 1*000 e 1*280 a vara, sen-
do precisoapenas 4 varas para vestidos, atienden
on*>gura d,as para forro o30'10 encornadas
3*208 a -pea : na teja e STnwzem do PavJo na
roa da lapepatwin. fiO.de Gma Silva.
. Para cama de noivas vende o Pavo
Vendem-se ricos cortinados bordados e adamas-
cados propelw para camas e Janellas pelosbaratos
presos de 8*, 10*000, 16, 20*000 e 25*000 ; so- |
perior damasto te la entenado a -imitaco tle seda
propno para colcnas a 2*300 o covado : ricas col- _,
12*000 "Sf f -Pf toM^< Pre?ote ,10*000 e mercado, sendo te dos imiHw, vendendo-se
iz#uw. ato na l ja e armazem do Pavao na-rua por um prego muito razoavel
i Filos bordados a 00 rs.
Pavo.
i Vende se filos de liubo branco bordatet prr.pr;h
, para vestidos pelo baralissiroo preyo d- 800 r3. t-
\ vara : na loja e armazem do Paviu na ra da Im-
peratriz n. 60 d^ Gama & Silva.
Pannos de linho.
vende-se superior panooa t* lieho prr-prio para
lonfes, toalhas e seronlas etc., elos harailssioc
; preces de 640, 700 e WO rs. a a>a : bizmante d
222fteolD 10 palnios de larRora '* 0. 2*500
. !o vapor do da lo do corrate, os 2*800 a vara; um grande sortinmuto d, mborg
mats lindos cortes de poil de chvre para vstidos, oo Creguellas por baratos bmc na Ida e armv
sendo hienda inteiramente nova no mercado, ten- n> do Pavo na roa da Iisi-eairiz u o e G>
bastante lustre eom os mais deli- n" di Silva.
do esta hienda
cados gotos lanto em listras como em flores solas
e vendem-se pelo baratsimo prego de 16*000,
lendo cada corte 18 covados, isto na loja e arma-
zem do pavacMia roa da toperatrlz n.60, de Gama
A Silva.
Para seiilioras
Casat|ulahas a 0J000
Vendem-se as mais modernas casujuinhas ou
basquinas de seda prela, muito bem enfeitadas, as
mais modernas que tem vindo ao mercado e pelo
baratissimo prego de 20* cada urna i na loja e ar-
mazem do Pavo roa da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Sirva.
Alpacas lis-s
Cambraias brancas de corteo a 800.
Cnegarara as mais delicadas ca br ias Iranca
de cordao com delicadas lisias transparentes t
vendem-se pelo baratissimo prego de 8*500 a pt-
c* na loja e armazem do Pavo na ra d3 Iiedo-
Hrtrjx d. 60, de Gama A Silva.
Admirem os precos.
fltt armo/rea de ^acodas *t Santos
Coerho.
Ana do4|ueiMado ti. IO
AUodio da fiahia
Ve'jde se em porgao e a
Crespo loja da esquina n. 8.
retalho: na ra do
LUVAS
novamente chegaJas, frescas,
loja do Vapor, ra Nova n. 7.
PE JOUVIN
e bem sorlidas|:?na
Rival
sf>m gundo.
Hita do feuehnanon. ftf.
Quer acabar toia as fajeadas abis
wcacionadas.
Qaeiiam rir er que ham e baratissinw,
Toaldas de layriQtbo com bico, faaenda boa a
3*500.
Carretel? de Unba com 100 jardas a 30 rs.
Gravitas pretas e d* coree muito finas a 500 rs.
Bara|q.-is fraocezes mullo finos a OO e 320 rs.
Caixas de oireias de raassa muito novas a 40 rs.
Enfladures para esyanho de curdo e fita a 6*
ris.
Carreteis de liaba Alejandre com 460 jardas a 20c
ris.
Des mas de papel almigo muito bom a 2*500.
Drasco de oleo babosa a 320 e 600 rs.
Ditos de dito higienique verde a 1*000.
Ditos dito filso a 800 rs.
Gitos de macacar perola a 200 rs.
Sitos de banharonito Boa a 200 rs.
Raixas com 12 frascos de beirc a 1* e 1*500.
Fabonetes muito n,.s a 6Q, 160, 200 e 320 rs.
Ditos de bolla ramio finos a 240 e 320 rs.
Frascos com cheros moito fiaos a 240 e 500 rs.
Caifas para rap com bonitas estampas a 100
La para bordar a melbor do mercado (libra)
7*000.
Caixas de palitos a balao a 40 rs.
Miadas de linha frosa para bordar a 20 rs.
vara de cordao para esparlilha a 30 H.
Frascos com tmU roa muito bo.a a 2*0 e 320 V
Oitos de dita preta a melbor que ha a 320 rs.
Duzia de faccas para sobre-mesa a 4*.
Dita de dita de cabo prelo cravado a 3*.
Varas de franja braca larga a 2u0 rs.
Pacotrs com 3 sabonetas inglezes te superior ao
hqade a 720 rs.
Lapes de creao a melbor qoalidade a 20 rs.
Pentes voltalos para regacar cabello de meoinii
a 320.
Bengallas de canna com v ,!ta a 1*.
Frascos de macaca' olea muito fiao, a 120 rs.
Abotoaduras multo linas para colietes a 500 rs.
Caixas de liaba do gaz preta e decoras a 800
Canoes de lioha branca e de cores a 20 rs.
Libra de ar4a preta superior a 100 rs.
CarL*A ('e alfine,e3 fraoczes com 14 peojes
i2u rs.
Escovas par uto, fa,zenda boa, a 500 rs.
Botoes de cores para vestidos por lodos os praco.
Ditos pretos de casaca r'duzial 120 rs.
CyliDdros para padaria
Na padaria da ra Dureit
n, 84, ba sempre para vender
por oommodo prego os co
obecijos e acrediia,dos
liadns.americanos para
dara. _____________
Da mais nova que ha no mercado ebe-
gada pe'o ultimo navio, vende-se ra do
Brum n. 66, armazem de David Ferreira
Bailar, barris d 4 arr ibas toda em pedra
por o, latas de 2 ditas hermticamente f e-
chadas por 2^500. ____
Presuntos de fiambre ja' preparados.
Servcj geilada.
Vinho geJIado.
Manteiga geilada.
Latas com 3 libras de linguigas, e ligados em
raolho morcellos, viadas ltimamente da liba.
Gigos. de tttUU. a 700 ti. coja 1 arroba.
Isto o mais i *4 que possivel, no armaiem,
de Guimaree & C, roa da Imperatriz n. 6.
Cal da Lisboa,
Cbegada no nltimo navio, mais barata que em
outra qualquer parte; no deposito da ra do Apol-
lo j^___________________
Ven de-s
marbinas americanas de serrotes para descarogai
jlgodio : na rna da Senzalla Nova n. 42.
Vende-se urna mcbilia nova de Jacaranda a
Luiz XV, completa : a tratar na rna da Impera-
triz armazem de tarctoelria n. 25 doSr. Remigio.
Giauue e bem sortido armazem de mol hados
ua Nova o. 60
Sahio ou nSo sahio, am abillisrimo freguezes? sahio sim ; e se demoramos tanto
em abrir a caixinha do segredo, foi porque gostamos do sorpreza e dascoajeeluras. Ah
A! Ah 1 como o sahird deu no gto de muita gente de collarinho empinado e bigode re-
torcido?! Quanta interprctago idrcula e nsivel sofreu onosso pobre mhir?! Muita
veztivemos frouxo de riso nocantinho do nosso armazem, quando vamos qie alguem se
encomo,odava com essas seis negras letras, *jue por al^uns-das deram umeerto arde
tnyterio a urna das columnas deste venerando Diario l E ooontanto nada de mysterio-
so havia, como vedes, no patusco safar i sim; riamos a bom rir; mas nunca vimos rir
o cavalleiro da Liga porque
Serio e grave encara as censas
Deste mundo como sao ;
Verdadeiro, fiel vive
Do comitercio a Iradicco 1
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
m melpomerres do-PaVao a 26500
Vende se superiores cortes de melpomenes, sen-
j ao faz-enda traMparente e tnutto bonita, tno mni-
I ^s padroes laos cem 7 varas e meias cada orte
pelo taratissimo prego de 2*500 ; isto para acabar ffSftT? P,e'*a/at^"o pregone 560 rs ditas
a Mifa ditas a Vndese.
Madapolo enfestado Oo) a 9* a peca com 20
Lhegon o mais linaosorllwento de alpacas de i varas,
urna s cor, preprias para vestidos, e endeai.se Ditos de 7*, 7*500, Of.fi. 10* e 115 a eca cor
por pregos em conta : na loja e armazem do Pa- 20 vara "** pega u>a
vao, roa da Imperatriz n. 60, de Gama i Silva, i Cambraia de lista de daas cores para vt^dos
Os esparttlhos do Pavao. | 800 rs. a vara.
Vendem-se nrr.a grande e vanado sortimento de l!?t,oe*,de arcos Para "enhora a 2*W0, 3* ?.34OC
espartilbos dos mais bem feitos qne tem ^vindoao1 ^ os !e a""s encarnados o 3*500 h 4*.
Ditos de murgulma a 4*800. -.
Ditos de arcos para a eninas dn W00 e 2*.
o alcoebe-adasa 12*^uiia.
i>iiniociia eaa toailas. Atoalhado adamascado de algado a 2* a Tara
para tesao. Dito dito de linbc a 3 a vara.
Bramante de linbo com 10 palmos Je largura z
. isto na toja do Pa-
vao na ra da Imperatriz n. 60, do Gama & Silva.' IT A ,Dho a,coch
Grande .".-.-___--rW-ii-DlUs defeltro
Vendem-se superiores toalbas de linho proprias
na loja e armeom o" P,.vao na ra da iropera n. OO^de Gama Silva.
Grande pechincba em cbapos a 500 rs.
Vendeja cBapo&4,palba-a imltago de -maai-
W'proprios para homens pelo baratissimo prego de
oOO rs. cada o; iu0 para acabar -na loja e-arma-
zem do Pavo na ruaos imperatriz n. 0, de Gama
A Silva.
2*>00a vara.
Dito de dito de 9 1|2 Oiio l 2*400.
ditas fe pudas a 1* : pecbincha na loja e arma- Uito dito de 5 dito a 1*200.
tem do Pavao na ra da Imperatriz n. 60, de Ga- "
a $ Silva.
rv a- "- ww, u uou n ijj Oliva.
Poisqueo sakira se mostrun qual vinde admirar freguezes, como w armazem Camiskihas para enhora a 4^000 e 5*000.
da Liga se opera a mais fina liga d
confiamos
nem o vosso Dom gosio oilendio. his ireguezes
Fari&lia de nailho
ou gemma de milho branco preparado na America, vende-se 300 rs. a libra, e-o-tala-
dlo que comprar dez libras vendene-lhe-ba 450.
BiaCflGTOa INGLEZES
Soda, Mized, Pic-nic, Francy Cruckeuol, Qean, Ottboroe, Gala, Arrowrote outras muttas
qualidades a i #000 a lata com 2 e 3 libras.
iv:la\iiiiias percales
em latas de diversos tamaitos 2, 3, o, 8 ibras cada urna e polos segaintes precos: I200.
2*400 e 3*000.
filoUuiatt.H ou ameadoas
grande quantidade de artoes, bocelas, caixas f rradas de cltumbo, com as mais ricas qua-
lidades de pao-de-l, bolos, para champauua, bolknhos com amendoas, e oatros muitas
que se toraam enfadonho menejonar.
MANTEIGA
manteiga ingieza, primeira qualidade a l-;l:;o a libra, dem ingleza boa a 1*000 a libra
800, 600 e4O0. dem franueia a 640 r>. a libra.
tce ca calda
bjii'O barato. Lede e veris a verd ;de viudo pois ;
em que nao tereis occasiao de dizor qno ,o osso dinheiro foi mal smpregado,
o bom gosto offendido. Eis freguezes e.....ia vai erso.
e o^ouu ua loja e armazem do Pavao na ra da
Imperatriz s.!60. deGama &SH-va.
Corpinhos para senbor-' j 5$, U e 10,51.
Chegaram os mais delicau.s corpinhos de cam-
braia transparente, sendo ri< ve.-dem-se pelos baiatissimos pregos de 5*000, 8*
e >10*!.D0 ; ditos de grosdwaples preto, sendo fa-
zenda muUu superior pelo barato prego de 8*000 ;
isto na loja e armazem do Pavao na ra da impe-
tr2n.*0,-de Gama & Silva.
Grande pechirieba em chitas.
Vende sej)m grande sortimento de chitas escu-
ras e alegres francezas peles baratos pregos de 320,
3b0 e 4(0 rs., sendo em os nadr5es mais bonitos
que tem vindoaoniercado coro listas e flores etc..
etc.; gjrantmdo-se serem cores fichas : na loja e
armasem do.Pavo na roa dalmperalriz n 0O.de
Gama & Silva.
Silesias para senhoras na loja do Pavao.
Vende se esta aova azenda, sendo silezia ondea-
da propria para saias pelo baratissimo prego de
440 rs. a vara, e comprndose pega vende-se a
doces secos e em calda de todas as qualiJades, em irascos, potes, eaixas, etc etc.- por pfe- 4u rs.^ isto na i e armazem do Pavo i roa
A ao dine a 8->
na loja do Pavo
Ctiegeram os mai? rhrdos corte? desta nova fa-
renda, seado transparente, eom bonitas palmas, e
vende se pelo baratissieo prego de 8* : na loja e
armazem do Pavj, ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Punnos gonr.has a 10, 1,51280 e 460.
Chegaram os roais modfrnos punhos com gol!
nhas sende de esguiao de linbo ricamente bordi-
dos tantobrancos eomodecores ewDdem-se pelo
baratissimos pregos de 1*, 1*280 e 1*600, por h
ver grande porgo, -grande peebincba : na lo;t
e armazem do Pavao ra da Imperatriz n. 60, d.
Vendem se fluissurios camisinbas com uiaffguitos,' Gama s,,va-
sendo os mais modernos que Deste genero tem vin-f Para baptizados.
j ao,"]^rcs(,0emc.an.briaptlo baratissirao prego I Vende-se elegantes vestuarios bordados pan
baptisados, peh-s b
Pechtech* m maapOloefi na loja do Pavao.
Vendem se superiores pegas de madapolao Bne
com 24 jar^tet.^to fcttratowa>o prego de 12*000,
ditas de 8*000, ditas de 7*000, ditas 6*500, garam-
tindo se ttrtn. todas 20 varas, sendo muilo boa fa-
caoda para os pregos cima mencionados, que se
cee*ero mais barato que em ontra qoalquer parte;
ero-s na li |a e armazem do Pavo na ra da Im-
peratriz n. 60. deGama & Silva.
da Imperatriz n. 60,tle Gama As saias do Pav3o
Vendera se ricas' saias ordadas com 4 pannos
peles baratissimos pregos de 6*000 e 7*OC0, assiro
como faaenda em pega com pregas proprias para o
mesrao rim a la200 a vara : na loja c armarte v
Pavaona rua.da.Imperatnz n.60,de Gama & Silva.
Lencci de seda
Vendem se superiores lengos de seda pelo bara-
tissimo piego de illrOOO cada um, ditos de acento
eos 06 mais moaveis possiveis, amendoas confeitadas libra a.
CAF
caff do Rio Isorteado rs a libra, 21 sortea 200rs a libra, 3a sortea 160 rs a libra
em arroba se far grande abatim%nto.
Visho
vinhos engarrafados de todas as qualidades, rainha Estephauia a 3r9OQ0 a garrafa, Porto
malosiaa z*300 rs. a garrafa, lagrimas do Douro a 1*800 a garrafa, Pedro V, O."Luiz.
Hara Pia, carcoveilos, baeanaes, boeugi a 1*0d0 rs. a garrafa, idem cheres verdadeiro,
i5500 agarrafa, idem cherny 'ordial a f 000 .a garrafa, collares o figuira ambos engar- '^n. padVoes tpiudiuios fazed"a muito fina"a
rafadosa50Urs. a garrafa, idem de Lisboa em pipas, bams, aucoretas e a retalho a 360 *^w na N*e armazem do Pavo na ra da Im-
e 400 rs. a garrafa," an;oreU com vinho tinto a 2*400 a ancoreta.
Bordeaux
vinho Bordeaux de todas as qualidades de 65u0 a 25)5000 rs. a duzia, e en garrafa de
oOO rs. a2000 rs. Wermoatb a 1300 rs. agarrafa Ceooeh de wasser a 2^00 rs, Ab- mascado moito sopenor a"i*oX)o7ditode"iobomfli-
symth a 25000 rs. a garrafa. to.boa fazeDda a 2*800 a.vara, gnardanapos econo-
9 PA7 -micos por strem de linbo pardo a 3*000 a dozia,
... "A*" ditos alvos muito b,oa Jazenda a 4*000 a duzia; na
gaz verdadeiro americano a 9!2G0 a lata grande, aranlmdO'SO 27garraas, e a 400 rs, a Na e armazem do PavSo na rna da Imperatr n.
r*ti*siroos pregos de 15*000
20*0(10 e 25*000 : na loja e armazem do PavSo na
rna da Imperatriz n. 60 de Gama & silva.
Babados bordados na loja do Pav5o
Vendem-se babadinhus bordados com 2 varas
pelo barato prego de 1*000, entrmelos tapados e
transparentes, tendo 3 varas cada pega a 1*000: na
loja e armazem da Pavao na ra da Imperatriz n.
60, de Gama & Silva.
Cambraias de cores
Vende se um bonio sortimento de camDraias de
2?* 22? ves,idos Pelos baratsimos pregos de
300 e J60 rs. o covado, ditas a voluntarios da pa-
tria a 800 rs. a vf ra, ditas listadas a 640 e 700 rs.
a vara ; pechracha na loja e armazem do Pavao
na roa da Imperatriz n. 60, de Gama 4 Silva.
Cassa de urna cor s
Vende-se bonitas cassas de urna cor s com um
pequeo toque de mofo pelo baratsimo prego de 240
rs. o covado ; para acabar na loja e armazem do
Pavao na ra da Imperatriz n. 60, de Gama A
Silva.
Chales de renda e retondas
Vende se nm grande sortimento de chales
20 va-
3*,
e de core? a
A toa I hado
Vende-se superior atoalbado de algodao angado
oom 8 palmos de largura a 1*600 a-vara, dito ada-
garrafa.
Gerveja Gelada
ceneja gelada em garrafas e l% garrafas glezas e franecza.
Piiuc e a I pista
paioco 100 rs. a libra, alpista 160 ; prneo e alpista misturado 140 rs. a libra: em
porgo se far abatimento.
Cha verdee preto.
IfStOGO. 10500, 2JU0O, 2*200. 20400, 2d600, 2*800, 30000, e 30200; cha verdo de
todas a,s qualidades, huxim, perola, aljfar ele.,
CHAIUIFOS 'UAVANA.
rega'ia britannica 100 a caixa, lonire-. 120 a caixa, operas, caixa 10; eoutras mui-
tas marcas que se tornam enfadonhas menciona-las.
CHARUTOS DA BAHA.
imperiaes, exposic5o, normas londrn.,s, guanabaras, suspiros, delicias, parisionces, ven-
cedores, guerreiros, lyricos, quem fumar -aber, para os seguintes precos: 10ooo, 105oo'
20000, 205. o, 30oon, 305oo, 308oo, 40ooo, 402oo, 4*5oo, 408oo, 50ooo, 505oo, 60ooo,
605oo, 70000, e 8*ooo.
Velas Stearinas.
spermacete 64o rs. o pacte, velas de carnauba de 6 por libra; 36o ra. de 14 em
libra, 44o r-s. em porco se far abatimeiito.
GENEBRA ;n 5o ou victoria 72o rs, o frasco.
GENEBRA DE HOLLANDA em fraSCOS 56o TS. 0 fraSCQ.
CERVEJA -T-E BASS,
cerveja bass e tenente e de todas as qqaldiades, as quaes se vendem o mais razoavel, como
seja 5oo 6qo e 7oo rs. e em duzia faz-se-ha grande abatimento.
arroz da India.
lio rs. cada libra, emporio se far grande abatimento.
SABO E SABONETfiS.
sabSo branco com veas cor de roza, idem brauco. com veiasaaues, sabonetes de urna libra
cada um, s3o os sabonetes mais econmicos que tem vindo ao mercado 5oo rs. a libra.
Saga' e Nevadiaha.
sag' muito novo i 24o rs. a libra, cevadioha muito nova 16o rs. a libra.
cevada muito nova 12o rs, a bra.
gomma de encommar 12ors. a libra.
CEBLAS grandes e novas 10ooo o ncolho.
Latas com conservas.
latas com ervilhas portuguesas e fraacezas. latas com carnes preparadas, passarinhos gui.
zados em latas, e salame m latas.
Poce de golaba.
ha constantemente um grande deposito de doce de goiaba em caues de todos os tamaohos.
UfKM, cepos.
copos crystalisados, ditos liso, ditoa decores, a Wooo e 405oo Vou,
GARRAPAS DE CR9TAL.
garrafas de crystal de formatos, do ultimo gosto.
AMEIXAS. ,
ameixas em latas, em bocetas e frascas,
Quev Qnsijg,
queijos flamengos do penltimo vapor 20ooo, ditos do ultimo ......
60, de Gama & Silva.
Barages a 400 rs. na loja do Pavao
Vende-se bonitas barejes transparentes com pal-
minhas, ditas lustrosas, fazeuda muilo bom a pelo
barato prego de 400 rs, bonitas lasiobas de qua
drinhos e de IJores a 400, 320 e 240 rs., tudo pe-
chmcha na loja e armazem do Pavao ua ra da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Sedas novas
Na loja do Pavao.
Cbeparam as mais avernas sedas com listras
nara vestidos, sendo coro as, cores mais moderua.
que tem viudo ao mercado, assim como grosdena-
ples de azul, roxa, cor de caf, cor de lirio etc, etc. e
veodem-se por prego mu*to em conta Da teja
armazem do Pavo na ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Crinolinas a 30500, 40000 e 40500.
Chegaram para a loja do Pavo as mais moder-
nas crinolinas ou balOes verdaderamente ameri-
canos, qne sao os mais bem armados e mais leves
que tem vindo, sendo cim o foi mato mais moder-
no que actualmente se usa e vendem-se pelos se-
guimos precos: sendo com 20 arcos por 3*500,
ditos com 25 arcos por 4*000, "ditos com 35 arcos
a 4*500: isto s na loja e armazem do Pavo na
ra da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Sedas largas ua loja do Pavo.
Cbegaram as mais bonitas sedas de cores com 4
palmos de largura, sendo com as eores e desenbos
mais bnioaiites que tem viodo, facilitando fazer-se
um vestido coro pouco*ovado.s em atiengo a lar-
gura, e vende-se pelo barato preg ode 2*000 o co-
vado : na leja e arroanennOo Pavao na rna da Im-
per>triz n. 60 de Gama & Silva.
Oscales do pavo a 2ooo e 25oo rs.
Vendem-se cbales de merino estampado a 2*
e 2*500 cada nm.
Ditos de merm liso a 3*500.
Ditos estampados de crepon a 6*, 7*. e 8*000.
Ditos pretos bordados com franja de seda a 14*.
Na loja e armazem do Pavao na roa da Impera-
triz n. 60 de Gama & Silva.
Lencos brancos a 2#Ot>, 3*000 e 4*600.
Vende *a um bowte sertimwjw de lencos de cam-
braia bra/ica lisos pelos baratissimos preces de 2*,
3*000e 4*000 a duzia : tu loja e armazem do
Pavo na- roa da Imoerairiz n. 60, de Gama t
Silva.
Medina 24*000
Cbfl0HMB-a Baaiswcee certa de-vestidos trani-
parentes d'esta nova farpada intitulada medina coa
delicadas palma e botoes de seda, sendo fazenda
propria p ra vestidos de assistir a baile oo casa-
mentos, tendo cada nm corte 18 covados e vendem-
se-por S0*000-; twlMmeate na loja e armazem do
Pavao pa rna da Imperatriz o. 60 de G?ma &
Silva.
Yeuae se um grande sortimento de chales de
renda e retoodas, sendo as mais modernas que tero
vindo ao mercado e veodem-se mais barato em outra qualquer parte ; isto na loja e armazrm
do Favao na ra da Imperatriz n. 60, de Gama ol Vfl,
Retalhos baratos
Vendase porgan de reulhos de chita, las, cas-
sas e chitas pretas por prego barato : na toja e ar-
mazem do Pavao na ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Calcas brancas
Vndese um grande sortimento decaigas dp
brim branco de lirth tra'ogadn pelos baratissimos
pregos de 3*500, 4*500 e 5*000, assim coros um
grande sortimento de pahuas de panno p eto fino
sobrecasacos e saceos forrados de seda, ditos de ca
stmira, sobrecagacos, saceos e fraques, ditos de roe
rio e caigas de casimira de cor e de todas as qua-
idades, assim como nm cande soriimento de col-
leites de todas as fazendas vendendo s-e tudo or
pregos muito baratos : na loja e armazem do Pa-
vao na roa da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Alpacas brilhantes a 640 rs.
Chegaram as hk-s lindas alpacas enastadas com
3 e aeio palmos de largura com os mais de-lcado"
desenos tanto de florsiaha como de listinbas as
sentadas as mais delicadas cores como sejam ly
rio, sinsento cor ce carne, solferino e vend>m- pelo baratissimo prego de 640 rs. o covado ; uci
camente na loja e armazem do Pavo na ra da
Imperatriz n 60. de Gama 4 Silva.
Pechincba para a festa na loja do Pav5o.
Vestidos.
Vestidos..'
Vestidos.
A 8000
Vendem-se nm bonito sortimento dos mais lindos
vestidos com barras de seda, trazendo os compe
lentes enfeites para o corpo, sendo neste artigo o
mais moderno que tem vindo ao mercado, e ven-
den se pe baratissimo prego de 82000 cada nm,
ditos de ramhraia branca com barras bordadas a
5*000 p 6*000 ; na loja e armazem do Pavo na
ra da Imperatriz o. 60, deGama & Suva.
Cortes a 30(00 so o Pavo
Vendem se os mus lindos cortes de cassas de
cores ootn-os desenbos mav\ raodwaos vindo cada
um em sen papel e garaotindo-se term-7 varas ca-
da um pelo baratissimo prego de 3*000 ; na loja e
armazem do Pavo na roa da Imperatriz n. 60, de
Gama dr Silva.
Casaqtiinhos cu vasqm'nas na loja do PavSo
a 2^0000, 3(*i!00 e 350000.
Cbegaram os mais reos ou modernos naaqui-
nbos en vasquioas de grosdinaples-prelo ricameate
enfeilados, sendo dos rlling mais modernos e ele-
gantes qne ltimamente f hegaram e vendem-se pe-
lo* bacatos pregos de 25j000, 30*000 e SSiOOO", na
loja e armazem do Pavo na ra da Imperatriz b. 60,
de Gama $ Silva.
Para bailes a 35*000.
Cbegaram os mais ricos cortes de vestidos de fil
tranco primorosamente bordados e enfeilados de
or, sendo tambero propios para easawientrrs e
vendem-se pelos baratos
Dito dito de 3 1|2 dito"a 800.
Algodao infestado cora 7 1|2 ditos a 1*100.
Retundes de fil preto a 7*.
Boornus de dito a 10*.
Chuls de-dito a t*.
Cambraia adamascada para cortinado com
ras a 13* a pega.
LengAjbrancos de cambraia finos de 2*,
3*500 e 4* i duzia.
Laazmba com Horas muito fina a 400 o covado.
Dita lisa d.ta a.480 o covado.
Cambraia de-linbo tina de 6*500 a 9* a vara
Cambraia lisa muito fina de 5$, 6*, 6*500, 7*
_ 8* a pega.
Colxss de fustao alcochoadas branca*
6*000.
Coceras de chita da India de 2*400 < 2R00.
Lerces de h mbuigo fino de 2*400 e &5G0O.
Ditos de bramante de nm s panno a S* 00
Tuilaiana de todas as cores a 800 a vara
Moreaniique preto superior a 2*600 o covade
brosdenaple de dito a 1*800 o covado.
F'anella e cores a 800 o covado.
Cambraia de salpicos branca com
ga 4*500.
Fil de linbo liso fino a 800 a tara.
ito dito com salpicos a 900 a dila.
Guardanapos de linho para mesa a 3*303 a dosis
Assim com- tambem se encontra nm complete
surtimento de roupa feita e por m< dtda.
Escravos fwridos
8 1)2 varas pa
Do fngenho Varzea Grande da ((marca di
Goyaona, ausentou se desde 15 de agosto de 1866
) escravo Autonio da Cuoha, alto, secco, perna
muilo finas, pfe grardes, dedos abertos, eara ossu
da, poura barba e urna cicatriz en--ima das sobran-
celhas. Rogo as autoridades petioiaes a captura
delle, e aos capules do campo o leve ir ao dito en-
gento, ou ao major Luiz Jos Pereira Sin^oe?, qut
sero recompeosados.
Esse esetavo ja' esteve oculto no sitio Peixiouo
da cldade de Olinda.
Mnila aitenmo
Na noite de 23 de setembro prximo paMado.
fogio do engenho Bento Velbo em Sanio Anio
escravo Eduardo, crioulo, qae rrpresenl.i ter 44
bobos, bom (.fficial de carpioa, bm ladino e fal-
lante, falla brando e in-inuanle, cor fula, naixo e
espadando, pernas finas, ps limpos, dedos dos ps
cortos e quasi e iguaes, tem falta de um dente na
frente, sahio de palitot pardo debruarto de Ota bran-
ca, chapeo de baeta sinsenta, rede, baeta e fardo de
roais roopa. Ha bem de snppor que comn carpina
es-teja passando por forro em qualqu r parle : ro-
ga se, pois, as autoridades policiaes desia e das ou-
tras provincias teda vigilancia, t pn-nfeite-se a
qualquer que o capturar c conduzir ao reftridj eB-
genho gneros recompensa.
ene***
Ausentou-se a preta Joaona, da Angola, de ida-
de de 40 annos pouco mais ou menos, no da 19
dedezemoro de 1866, levou vestino encarnado e
nm chales rxe e raneo cem fl >res encarnadas
com franjas, levou um eaneeo de carregar agua
pequeo braceo e esta amassado no meio, ja foi
concertado, baixa a seca do corpo, tem coveiras
nos ps ao p dos dedos nao certifica se sao em
todos des, quando falla sarapaotada as vezes,
julga-se atoar axis arrabaldes desta cidade ou den-
tro, protestase contra qualquer pessoa que a te-
nia contado, qnem a levar a em de seu senbor
se ibe pagara' o seu trabalbo generosamente
largodo Terco o. 83.
no
FIGIO
Um escravo eom os signaos seguintes : cor ca-
bra alrenjado, altura regular, idade poueo mais
ou menos 20 a 30 annos, chsio do corpo ps apa-
Ihetados e cortos, nariz chato, feigfies trosseiras
i-abeilos comprldos e aparados, corpj Huido, a i-r
um poaro desbotada porque masca fumo, falla
grossa e baixa, sabio eom eamisa de chita encar-
nada e caiga de brim pardo, chapeo de bata pre-
ta afunilado, levoa camisas e caigas de diflVreotes
fazendas, mont?do n'nta cavallo alazo cachito
comcangaHta albardada, com saceos uo meio a
mais trem, cbama-se lonorato, morador no Cal-
deirio lugar de Garoelleira, pertonce a Itabayana
distrlto da Parabyba, seo senbor Alejandre Al-
ves Correa.
50$ de gratifieacao
No dia i* do correnre rbez, pela* 9 horas d
rasaba, perdeo-se desde a rna ^ Crnz at a igre-
jad Corpo Santo, urna puletira de ooro chala,
esma tada, tendo um lago do mesrao ouro e lies
pedras sendo urna verde no eeniro e duas pero-
las grandes jumo a mesan : qnem a tivpr achado
e quizer restituir receber a gratifleago aerraa
dita levando-a a raada Cruz a. l.arim-'iroanar-
precos de 35*000 croics-1 No dia-prioieiro de jafleiro do eorrente auno,
menti; na lo|a e armaiem do Pavaona ra da Im- desaparecen o preto Antonio, encolo, qn repre-
peratriz n. 60, de Gama & Silva. senta ter 30 annos pouco mais oo meno, boa alto-
Lencos bordados a 10OOOe 10800 na loja do M. wrpo regoiar, fairaom pooco appressado e ar
PavSo rebatido, rosto redondo e urna fistola deburxn'do
Vende-se bonitos lenclnbos' bordados para orto 2DeiI q?aHJ!' V.'.*"^0^." f*J ".s ",0"
oalos Juratitaimos nrecoa a llim (Wat n. de e P*e' J"ot ^ P*8 chada, tem na
nm^-tol aTrmnZTplf?,,! hTtL^I onm dlreilaom pedaco cortado na omit de cima,
trUu 0 deGmaASiWa ^* affl *>**> bei^o' ^tes da freme aberts em
triz n. oo, ae "**' ou^. ,em s oaatw oom algdma* romas de cM-
As vareges do PavSo. & ,e letn vestido calca de caemira de qudro8
Vende-se as mais bonitas vareges com listas de branco e preto, camisa branca,chai o de paiha de
seda a imitagao de poil de chvre pele baratissimo qoadrlnhos, pois, roga-se as autoridades policiaes e
prego de 800 rs. o covado : na loja armazem do capules de'oampoqne o aprenhendsm e levem-o
Pavao na ra da Imperairiz n. 60 de Gama & na casa do sea seabar. na rna Imperial n. 45, que
Silva. sera' bem recompensado.
MUTILADO
.


"" i"
8
Diarlo de rcrnambuco Sabbado 5 de Janeiro de 1867


I
i
i
m
LITOATORA.
casamento desigual.
Juliano nascera as nldet* ; mas, sem aiada pos-
suir os detritos da eidadc, Juliano j nao era um
aldea i. Adoptado por seu padrinho, rico nege-
<'iaule de cereaes, e por elle educado at i
r itu sdoos, tloha vivido era abastmca *&ra luxo,
<'.o trabalho sem fadigas e erabevecido oa esperan-
oa de risonhooluro; d^sconflava pomo da Pro-
videncia, o por isso J oigan qae ajoilb havia de
dorar sempre. De repeol* s;u par adoptivo, ar-
ruinado por aventu i!w emprezas, declarado era
e-lado de falleneia, f j^-iu para trras estranha*,
d .xando-o s, entredi* a si e sera ora ceitil de
seo.
Lerabrou-se Juliana da choga paterna e paz-se
ogo a camlnho.
Andando e meditando, roa; sera Inquietarse
multo, porguntava a si mesmo qua pronsso abra-
caria. A soa educacao, coinecada pelo bondoso
atoada de Toacy, nao tinha ido rnuiu longe ; sa-
bia ora pouco de lalira, suffrivelmete o fraucez e
cama va pelo livro oo coro. Por fim de cootas, po-
da ser to booi mes'.re eschola como oot.o qual-
ijuer. O coojtuercio abrialue oulra carreira ; roas,
coi quanto viveu cora sea padrinho, qjie especula-
ra sobre cereaes, pouco mais fizara do que andar
de uerdade em hsrdade assistiudo s colheitas u'a-
qoellas vitue leguas dos arrednres. Isso nao era
urna proflsso. -
Bera pesadas as coasas e consultando menos a
ua vaidade do que os seas gostos instinctivos, ao
glorioso emprego de mestre eschola ou de nego-
ciante preferira ura lugar de ajudante de jardinei-
ro ou de criado de lavoura era alguraa boa quinta.
A soa ambiguo nao ia mais longe.
A algumas leguas da sua aldeia natal, alraves-
sando a villa de Uuaine, residencia do marquez
de Vaudon, viu todos os habitantes de fato doraiu-
guelro, juntos no largo da igreja. Gelebravam-se
Od espoo-aes da nobre e bella menina Mana, fllha
nica do marquez, com o nobre conde de Ver-
i.iauton.
Nesse da, segando amigo cosame di trra, ao
Sihir da igreja, Mara, senbora soberana nos do-
minios de sea pai, tioha o direto de distribuir
ragas e favores a quem bera ibe parecesse, sem
appeliago por abuso.
Juliano tioha parado a examinar as eomprid is
alas dos pretendemos, entre Oj qaaes viaalgoos
sujeiios do seu conheciraento. Uns pediara mais
empo de arrendamiento, outros mais lempo para
o pagamento da renda, outros isengo de ura di-
reito do pasto.
t>epr,is de ter satisfeito todos os pedidos ia Ma-
ra retirar-se, quando ouviu clamores que sahiam
de nm magote de aldedes ao p della.
Olhero, Juliano I E' o Juliano, de Toncy I
Vejam como elle anda ag ra a p I-Agora, qae
j nao pode regatear-nos o trigo, qae vira elle c
faz?r ?Provavtlraeole vem pedir-nos urna es-
mola.
A' palavra asmla, Maria, qne nao tinha onvido
dislinctamente seno as altimas phrases dos cam-
pinos a respeito do pobre Juliano, mesrao sem ter
ainda descoberto com os olhos a pessoa de quem
se fallava, mandou chamar o mendigo por nm
criado e foi logo tirando da sua bolsa urna bella
moeda de ouro.
Quando Juliano, commoviuo, admirado, robori-
sado pela sarpreza, mas encantado de ve-la, che-
oo a sua presenca, Maria meltea logo oulra vez
na bolsa a moeda de onro, adiviohando immedi-
tamente pela soa boa apparencia e por aquellas
faces nedeas e coradas, que o tal Juliano nao era
ura pedintc Para dar um pretexto ao seu chamr-
raeuto, perguntou Ihe se tinha ido all para reque-
rer alguraa cousa do marquez de Vauduu, seu pai,
porque, nesse caso, poda fallar Ihe francamente,
vi-to que, pelo seu dinito de desposada, tinha eu-
'.o plenos poderes no castello e o saiir-faria o me-
Ihor que podssse, sendo rasoavel o que pedisse,
porque desejava qua os es'.ranhos, tanto como os
seus vassallos, podessem congratalar-se com a so
autondade de pouca dura.
Animado por to boas pahvras, Juliano contou-
Ihe brevemente a sua bistoiv i repetiu-lhe todo o
que a si raesmo tinha dito durante a jornada. Ou-
vludo-o fallar de jardinagem, de abegoaria, de
cultora, a inoucente menina, qae nao entenda na-
da de todo isso, nao duvidou que estivesse a fal-
lar com um mettre era botnica, horticultura e
arvoricultura. e lembrando-se de que o velho
Eloy, j ruuito quebrado pelos anuos, pedia ha
muito tempo como ura grande favor a sua refo -
ma, concedeu o seu eranrego a Juliano, fazendo
assim dous felizes ao mesmo tempo.
Foi dcssa maneira qoe Juliano acordou jardlnel-
ro-mr, inspector-intendente das tapadas e coe-
Iheira* do senhorl de Vaadon.
-Jnliano nao poda esperar que viesse nm dia em
qoe pagasse tao alta merca a joven nfarqueza ; ti-
das as soas vontades se absorviam no desejo de
provar-lhe a sua gratidio. Sa Maria achava pra-
zer em contemplar ama flor" em respirar-lhe. o
perfume, ella fazia loe essa flor Ihe apparecesse
em toda a parte. Urna tarde, andando a passear
na coutada, Mara dea am grito. Correa 1 >go a
ella Juliano. Um p da sua linda bemfeilora ti-
nha sido picado por urna silva a Joliano vja-lhe
saogoe no calcado. Tres atas de jola, adeus sil-
vas ; a nao s ellas tinham desparecido da coa
tada, mas todas as plantas que lloham espiohos.
O conde de Vermanton fnteressoo-se doveras Suspeilou Mara qae o conde tiphro eoracao frinete, quero dar-vos algumas cartas de re-
pelo accidente acontecido saa.fatura. mas Qcoa
com rancor a Juliano por a sua desapiedada mon
da. Nao pode perdoar-lhe os impolsos do reconhe-
e doro. Q conde dissera mais:
Mando-lbe dar vrate a cinco lair.es, e Acarnos
pagos. Dental?, parece me bem exquisito qae esse
cimento e queiion-se ao marquez. O marquez villo aiuda esteja no aposento que est destinado
nao Ihe disse que slm nem que nao. DeroaU, oc-' para miro. J o esbofeteel, a aqoi para nos, com
capada a cabega com as altas qoestSes polticas e ranita franqueza, apeiar de Ihe dever a vida, slnto
sociaes da ordara do lia fttava a chegar o anno vantade de tornar a apalpar Ihe a cara.
de S9J, tinha por principio delxar cada ara dos Maria comegou a aborrece lo.
seus ser vos obrar livremeole dentro dos limites j, t
das soas atlriboicSes. I No dia SfgU,D,e Cben ao castel, Draa CMU do
conde. Chamava o a Paria um negocio Importante.
commendacSo para todas as mulhres feias
do meu conhecimento. Est feita a vossa
fortuna se con3egairdes transforma-las em
flores 1...
E foi esta a vinganca do petulante sena-
dor.
isaiursimente teve Jul ano em Kara um re oso rv- j -.
H ; d ura ieioso Dizia que se demorarla s oilo das : demorn se meon ulti
d-f'iisor justo que os que sao causa da culpa um ^ ju,eun Ul"
sejm os primeiros a desclpa-la. Mas isso o ftniB(L vn, *n nWoIft ea lnon n, n,(no non. ^ das
FOLHETIM
ASBIHiSIlESATANZ
POR
Jules de Saiat-Fex.
SEGUNDA PARTE.
VIH
(Continaaco)
E' am desenlace adrairavel I exclamon a Sra.
de Sablinvie. O senhor am homem de genio,
Sr. Rodrieaes. O marqoez, o meo pezadello, dia-
do ante os tribunaes 1 Ah I que f Tluna 1 Luey no-
vamenle em poder de Armaoda I
Era quaoto a amavel Inurinha se entregava sera
reserva a um excesso de hilandade, de certo modo
justificado, pasrava o Sr. Babilira de admlracao,
n5o cessa ido de dar voltts pela sala. O Sr. Rodri-
gues permaneca tranquillo, em p, cora o coiovello
encostado pedra do fogo, a gozaudo-se da sua
obra.
No mesmo instante soo a campainha da porta.
Em seguida veie am criado aoouociar nm -uaeno
todo estillo de preto, o qiial, revestido das Insig
nas da aoioridade, pedia para fallar ao Sr. Ro-
drigues.
IX
Apenas appareceo porta da sala o foocciona-
rio annnnciado, soltou a Sra. de Sahlinviile nm
grito da espanto, e di mui tranquillo e com maia dignidade, dingio-se
ao commissario e indicoa-lha com o gesto ama ca-
deira junto da chamio. Babulim a quero o roedo
zera emmudecer, diligenciara occnltar-se por de-
que o conde nao enteodeu, e, deixando s levar
do seu genio fogoso, empregoa acerca de Mana e
j de Joliauo urna expressio to insultanie, que Ma-
' ra, suffjcada pelas lagrimas, correa a fechar-se
' em casa, chorou vontade e o sea peosamenlo fl-
xouse com gosto nos cuidados que o seu jardine-
ro ihe liberalisava desde qae fra para castello.
Passou-se algara lempo e entraram as consas no
seu andameuto ordinario. Kstava prximo o dia do
casamento. Maria relirava-se muitas vezes, para
mediur ou para 1er, para um pequeo pavilho
situado no meio da tapada, onde pa recia estar mais
a sea contento do que em outra qualquer parte do
castello.
Mas o pavilho era descoberto de todos os lados
enaquella poca de calor forte ella via-se obrigada
a fugir-lne em qaanto o sol eslava em toda a sua
forga. Juliano, consultando s a sua dedlcagao fez
urna uoiteaccudir ao sitio todos os jardiaeiros e
terraplenadores da aldeia, abriram-se covas de re-
dor do pavilho, transplantaram se para all tilias
e acacias, a no dia seguiste" Joliano deuse por bem
pago do sen trabaUrfj vendo a admirago e ale-
gra de Mara quando achou o seu querido pavilho
cercado de repente de sombra e de flores.
Toroou a murmurar o conde de Vermanton ; e
tendo seccado ao cabo de algura lempo as arvores
transplantadas, o marqusz achju muito insolente o
intendente dos seus jardios, qae nao sabia seuo
destrair.
Poi decidido ojdesvalimento de Juliano sem que a
marqueza so atrevesse dessa vez a aventurar urna
palavra em seu favor. Apparente contradicgo de
corago de mulher.quetalvez coraprelieodam mui-
to bera as meninas que esto na idade do amor.
O conde de Vermanton, encarregado de despedir
Juliano, f-lo com tal dureza que este nao pode suf-
frear expressoes de colera. O conde, irritado, des-
coraedio se a ponto de ihe baier Juliano, enfureci-
do, deitoo as mosa uraap de cavar e arremeden
ao conde. Este, recuando precipitadamente, escor-
regou e cabio era nm largo canal que alravessava
acoutada. Vai ser vingado Juliano I Mas o eoragao
bondoso move-o logo a accudir ao conde era perigo
de vida. Arremessouse ao meio das aguas rumo-
rosas; mergulhou multas vezes, mas debalde ; fe-
rido por fragmentos de rochas agudas que ouri-
cara o fundo do canal, torna a raergulhar, a o seu
saogue manifesta bem a perseverauga dos seus es-
forgos e a direcco das suas petquizas.
Por flm appaiecea superOcle da agua; com um
ino segura o conde pelo fado, e com a outn, es-
perando um barco salvador, affirra as anfractuosi-
dades do deciive. Mas a sua coragem e o seu vigor
de.-fallecem; faz debalde um derradeiro esforgo
para erapolgar ura objecto vago que parece apre-
seutar-.-e-lbe a vista ; os olhos fecham-se, os bragos
alfrouxam, nao v mais nada, nao sent mais nada
o cahe em completa anniquilago.
Quando vollou a si, achou-se em ura sitio escuro,
onde ao principio a vista, fraca e dubia, nao pode
enxergar nada. Durante aiguns tostantes julgou
que traha acordado em outro mundo. Pouco a pou-
co recobrou os espritus. Ergueodo-se a casto no
seu leiio, affasioo as cortinas a examlnou o luaar
que occupava. Eslava em ura rico a bello quario,
que conhecea ser do castello de Vaudon. Espera-
va-o anda urna sorpreza miis deliciosa. Em uro
canto, a fraca claruade de urna lampada, vio Ma-
ra, occupada com as suas criadas a preparar os
panus necessarios para o curativo de feridosl
Aqueile bom lempo de sollmenlos prolengou-
se, Cada dia Ibe liberalisava Ma-ia os mais temos
cuidados, e mais e mais se la enfeiligando Juliano
com a visia daquella que al ento nao amara se-
no por um seniimeulo de graiido.
O conde de Verroanlon, posto que uravemente
abalado pelo accidento uo canal, dava mostras de
restaoeieuer se antes de Juiano. Nao era, como
alguem poderla pensar, porque Juliano folgasse de
fater durar aquelle doce oslado de doenga com
que elle se achava to bem.
Nao precisava de fingir ; ao passo que os feri-
mentos cicatrsavam, crescia a febre. A pedido da
joven castellaa, mandou-se chamar a Auxerre cm
medico de nome. Este, mais nabil do que o stu
collega da aldeia, declarou que nao tinham nenhu-
ma gravidade as toriles externas; mas, naoccsio
em que se atirou agua do canal, Juliano achava
se de certo era ura estado de trauspirago; Duba
navido um resfriameoto ; por conseguate, desor-
oein as vas respiratorias e al mesmo no puliuu.
Eslava nisso o perigo; o doutor esperava veuc-lo.
mas nao podia marcar ura termo doenca.
Por urna bunita manba de julbo, ouvio-se o
passo rpido de nm cavallo na calgada pedragoa
que ligava a aldeia com o castello.
Completamente restabelecido, o sr. de Verman-
ton, j vigoroso e com sade, priuciotava outra vez
a'fater as suas visitas a sua bella futura; mas,
apezar das solicitages do marquez e de sua fllha,
negou se aflocadamente a ir ver -o seu salvador,
duendo qoe nao poda admittir urna divida de gra-
iido a um servo.
Qoando voitou, dirigi se logo para Oualne, pen
sando que ia l achar as cousas no estado em que
as deixra. Nao faltavain sorprezas a espera-lo.
(Contitmar-seha.)
UN POUCO DE TUDO./^
E' do Sr. 3F. a segoinle poesa :
JttiUNA
Qoando ao cicio de serenas brizas
Passa risefifa a estacSo de amores,
Fogen do peitu os martyrios negros
Deixando n'alma vicej antes flores.
E as flores vivem rescendendo aromas,
Suaves, doces, como os temos cantos
Que amena flauta languescendo traz-nos
Da note etterea no volver dos mantos.
Meu Deus 1 sea vida se passasse sempre
Entre essas flores que vicejam n'alma,
Viver de amores urna vida eterna
Seria ao peilo ter do co a calma.
Mas nao, n5o pode gozar sempre aromas
Quem negra a sorte Ihe sorrio um dia ;
Murcham-se as pet'las s florionas d'alma
Quando a desgraca Ibes bafeja fria.
Um aojo, um dia, me sorrio faceiro,
Abrio-me o peito, implantou-lhe amores,
Voltou-me as costas quando as flores d'alma
Sorrindo as auras espargiam odores.
Hoje s vivo almejando orvalhos
Que reanime meu morrer constante ;
Hoje s vivo procurando olbares
Que ao corpo tragara a su'alma errante.
E tu, deidader, por quem vivo ardendo
Em doces chamas de sublime amor,
Nem por piedade, n'um volver dos olhos,
uas-me cunforto, me furtando dr.
trai dos movis, para sa retirar como um gato.
Mas o recem-eftegado, que n'um relancear d'olhos
passra de certo raodo revista a quem se achava
na sala, e que estava re?olvido a ob>tar a que
alguem sahisse. vollou-se para Babobira e para a
Sra. de Sablioville, dizendo a Rodrigues :
Pego-loe que convide as pessoas presentas a
qae nao se renrem. Mesmo quando quizessem sa-
bir, nao conseguiran! ir at muito longe...
Estavam, pois, tomadas todas as sahldas I A
Sra. de SanlinviHe comprehendeu-o mmediau-
meote, e tomada de desesperagao, e depois de ter
batido violentamente com o p no chao, foi laogar-
se n'araa poltrona, situada n'um canto da sala.
Babollm qoe nao compreheoddra mulio bera a
siiuagio. Obstinava-se em qaerer sabir, qaando a
mao de ferro do Sr. Rodrgaos se Ihe apolou no
hombro, e o delxoa de certo modo prgalo no^o-
brado.
Deixe se estar, accrescentoa Rodrigues. Ea-
doadecea T Que razo tem para temer do Sr. com-
missario, qae nos faz a honra de vir pesboalmente
visitar-nos T
Tem razio, disse o fanecionario publico. A
minha visita toda era sen interess, e no das de-
mais pessoas qne aqui estn. Venho s ti#r-lrr':
expiinaces ,que nao duvido sero p*oviiosas
para ambas as partes: os senhores e a aoiori-
dade.
Estou s suas ordens, disse Rodngoes, imi-
lando o fanecionario ne se sentara em nma pol-
trona.
Babolim decidira-#a flear na sala. Acocren-
se, pois, n'um canap que eslava no extremo da
casa, iicculiando-se quasi inteiramenle com as bam-
binella? dajanella.
O marque de Botssy que n3o gostava dos
inglezes. nao sympathisava mais com os
photographos.
Em certa poca fez lie intimamente o ju-
ramento de nunca se sacrificar cmara
e:cura nem ao collodion.
Fugina para 500 leguas distantes se Ihe
propuzessem que se photographasse.
Um dia, com tudo, o marquez cedeu.
Apresentu-se no seu hotel um joven
photograpno que achando-se pobrissimo era
vivamente recommendado ao marquez pela
velha duqueza de P... dizia-se elle inven-
tor de um processo que permlttia photo-
graphar instantneamente.
Senhor, Ihe disse o amavel senador,
nao posso recusar cousa alguma senhora
duqueza de P... Que desejais de mim ?
, Desejava ter a honra deapontar o meu
objectivo sobre o Sr. marquez.
Consinto ; vou faltar ao meu jura-
mento. Vamos p.ra o jardim.
O artista exultava de alegra !
Seguio Mr. Boissy ao jardim, installou-se
nelle, e comecou a fazer os seus preparati-
vos. O marquez sentou se e esperou.
Pascado um quirto de hora, omalaicoava
interi rmente a photographia instantnea e
os photographos, quando duvk) dizer :
AttencSo, Sr. marquez, nao se me-
cha 1
Passaram seis minutos. O marqaez sua-
va era grossas bagas, mandava p ira o diabo
todas as viuvas e todas as duquezas do mun-
do inteiro. Finalmente o artista apreseo-
tou a sua prova I Ob terror / era o retra-
to... de urna soberba reseira da India que
se achava a um motro do marquez.
O photographo quera tirar nova prova,
mas o marquez de Boissy nao fot dessa
piniao.
Perfeito 1 disse elle simplesmente, lau-
cando os olhos para a prova cmica. Tea-
de a bondade de vir comigo ao meu gabi-
A commissJo da exposiejo universal no-
ultimamente um jury para redigir as
recompensas para os expositores
francezes.
Pouco tempo depois do seu casamento e
da sua chegada a Pars, Luiza encontrou
Helena F. que tinha sido sua companseira
decollegio. As duas amigas, depiis do
abraco de nso, conversaram familiarmeate
dos anoos da sua infancia. De confidencia
em confidencia, Helena revelou a Luiza que
trnha sido abandonada por um homem.
Sabendo que a sua amiga conhecia raelhor
do que ella os recursos do estylo epistolar
pedio-lheque escrevesse em seu nome ao
infiel afim de o converter razo. Luiza
accedeu a este pedido e julgou n5o dever
confiar o segredo da sua amiga ao marido.
' D'aqui o horrivel engao que teve um t3o
funesto resultado.
Eis aqui um resultado das ultimas cara-
pachas da Prussia : de 130 a 131:000 fami-
lias de Berln, 85:000, isto 65 por esnto,
n5o poderam pagar a collecta do mez de
julho sobre a propredade. Accresceote-se
a isto as familias isemplas d'este imposto
por causa da cifra miniraa do seu aluguer, e
far-se-ha urna idea do bem estar ac:ual dos
habitantes da capital prussiana.
Dizia-se em Paris que o re da Prus-ia
pedira o perdi do gerente e do secretar.o
da redaccSo do Memorial diplomtico coa-
demnadosa um mez di priso por offensas
para com aquelle soberano.
No dia 30 de novembro meia noute o
tbermometro centgrado do engeoheiro Du-
cray-Cbevallier, ptico, marcava zero ; no
dia Io do correte, s 6 horas da manhaa,
3 graos 3 abaixo de zero ; ao meio dia 1
grao 9 abaixo de zero.
A carta pontificia convocando todos os
bispos do mundo catholico em Roma para
as festas do dia 19 dejunho prximo, por
occasio do aoniversario secular do mar-
tyrio de S. PeJro, devia ser publicada no
dia 8 de dezembro.
Nao o Sr. Rodrigues, disse o fanecionario,
o unn'u mquillino desia casa ?
Nao pago seno o pnmeiro andar e as lojas,
responden Rodrigues.
Mas os ouiros andares nao esto alagados ?
tornou o commissario.
isso nosei. A verdade qae os andares de
cima esto Techados.
Permitta-me, Sr. Rodrigues, ama pergunta
inteirameute pessoal ; bem sabe que as nossas
fuocges...
Comprehendo perfeitamenie...
Foi por gosio ou por elfeito de razdes mais
serlas que escolneu para residir este sitio, to
afiliado do centro da cidadr, e esta casa to so-
lada ?
Fj por predilecclto pelo isolamento, disse
Rodrigues. Qaaodo quero juntar-me cora a socie-
dade de Paris, mello rae u'uma carruagem, e vou
procura ia ; cousa qua me succede cora muita fre-
quencia.
Possoe beos de fortuna ?
A Ristori excita o enthusiasmo dos ame-
ricanos, como j havia excitado o dos euro-
peus. Os seus lucros de todos os dias sao
fabulosos. Os jornaes de Nova York rele-
rem qne desde o dia 20 deseterabro at 10
de novembro, isto no espaco de sete se-
manas, ajjrande trgica realisou urna receita
de perto de i00 cornos.
O Sa'ut Public, de Lyon (Franca) pubca
o segrate:
Ha tres annos, um soldado chamado Ar-
mando S... eslava de guarnicao n'esta cida-
de. Tomou enlao relacoes amorosas com
urna mtilher de rara belleza, chamada Luiza
P... a qual correspondido ao seu aflecto.
prometteu casar com elle logo que livesse a
sua batxa.
Obtend) esta dezoito mezes depois, o
joven soldado casou com Luiza e foi depois
com ella para Paris, onde realisarara alguns
fundos que Ihes perm tliram abrir no bairro
do Templo um pequeo estanelecimento de
quinquilherias. Gracas iutelliente aclivi-
dade dos dovos esposos, o seu estabeleci-
mento prosperou e eram aponlados como o
moiie o da felicidade conjugal. Um desgra-
cado acontecimento veio destruir tudo.
Ante homem, durante a ausencia de
sua mulher, Armando S... procurou po
todos os lados urna factura de que preci>ava;
abr i uraa e lante de que ordinariamente se
servia sua esposa, e ficou confundido de
surpreza e dr, achanlo uraa corta escripia
por ella e dirigida a ura mancebo que nao
nomeava,
Esta carta, ainda por acabar cheia de ex-
pressoes amorosas, iodicava da maneira
mais evidente que tinham ex stido relacoes
intimas entre aquellos que assim se corres
pondiam. Havia mu i ios massos de cartas
semeinautes Armmdo ficou fulminado
Nio havia duvida possivel ; a letra era a de
sua mulher. Aque'la que elle idolatrava e
que pareca ama-lo, era-lta infiel I
Ononrado hornera esteve durante algum
lempo de orriveis angustias dominado pe-
las mais contrarias irresoluces. Final-
mente, seatindo-se perdidamente amoroso
de sua mulner, resoiveu sacrificir-se por
ella. Esla, quando vollou para casaachou-o
sem vida. Tinha-se enveneoado com um
acido de que se servia na sua prufissao.
Deixou um escripto annunuiando as causas
du sua funesta resoiuco e perdoando a in-
grata esposi,
Imaginar-se-ha fcilmente a dr da pobre
Luiza. Estava innocente, e um fatal qui-
pro quo foi a causa desta desgraca.
E' justo. Os meus trabadlos sao de du-i-
classes : esludos e operages matenaes. Sou mm
dado paleografa ; urna scioncia, e ao mesmo
lempo urna arte. Juatei-me a ura bomera multo
babil, eujas luzes e Ment me prestara os maiores
servigos.
E qua t-ndo custumes diversos dos seos, ae-
crescentou o funecionano, nao alterna quasi nuuca
com o senhor na sociedade, conteotando-sa com o
que chama o seu dia de sahir, para ir tomar o ar
livre do campo, oo saborear um jantar appetitoso
em alguma casa de pasto, por ejemplo, dos bou-
! levards.
Vejo, disse Rodrigues, que tem inforroagdes
mol exaclas, acerca do Sr. B bolim.
Dala, poi, que se entregava com afDoco a
trabadlos paleographlcos... E' moito louvavel esse
amor ao estodo. Tera' o Sr. Rodrigues a b.ndade
de nos moslrar o seu gabioete de trabalho ?
Com muito gosto, responden Rodrigues.
O paco de Bel i, em Portugal, veio a
cora, por compra que delle fez el-rei D.
Joo V, ao conde de Aveiras Joo da Silva
Tello de Menezes, em 4 de julho de 1726,
pela avultadissima somma, n'aqoetle tempo,
de 200,000 cruzados (moda forte) em dois
padroes de juro, um da 130,000 cruzados,
pelo que era do morgado, e* outro de
70,000 cruzados, pelo que era livre.
Gompunha-se esta propriedade de ilois
prasos foreiros ao mosteiro de Beln.-, tl-
rei D. Joo V remlo os foros, dando aos
frades um padro do juro de 260500) ris.
Destes prasos, um tinha sido dado de afo-
ramento pelo mosteiro a D. Manoel de Por-
tugal, em II de setembro de 1559, e ahi
estavam e esto as casas principaes, parte
da cerca e quinta; e o segundo aforado a
D. Jorje de Mascarenhas e sua mulher D.
Francisca de Vilhena, em 22 de julho. O
priraeiro praso ficou vinculado ao morgado
dos Cortes Reaes, instituido por Jeronymo
Corte Real, o mesmo que fez o palacio que
havia no sitio oode est o arsenal de mari-
nha, e depois tumbem veio a pertencer
cora. No anno de 1623 tomou posse da
quinta e casas D. Luiz de Portugal, succes-
sor no mesmo morgado, e vindo depois a
succeder a condessa de Aveiras, D. Joanna
Igez de Portugal, me de D. Joo da Sii^a
Tello de Menezes, na escriptura que fez.
para haver de casar com o conde Luiz da
Silva Tello, se declarou que entrava no
dote com o seu morgado dos Cortes Reaes,
de que era cabeca a propriedade de Uelm,
e com outro pra o que subrogou para o
morgado por outros bens vinculados que
possuia n?s ilh3s Terceira e de S. Jorge. A
este ultimo praso pertencia o salgado e praia
que ficavam em frente das casas, de que
fizera merc el rei D. Sebastio a D. Manoel
de Portugal, para elle e seus sucessores. O
salgado eomprehendia todo o terreno at
ra direita, que tinha de largo 10 bracas.
El-rei D. Joo V mandou fazer muitas
obras e melh>ramentos no palacio e quinta
A fachada principal composta de cinco cor-
pos, a me:>ma que exista qoando el-rei
D. Joo V adquerio a propri dade. As sa-
las frente sao boas, tudo o mais mes-
quinho. O que mgnifico, o panorama
que se descobre do jardim. D'alli se eslen-
de a vista pelas ras da Junqueira e direita
de Belem, al ao largo dos Jeronymos alon-
ga-se pelos montes d'alm do Tejo, pelo
ocano, com urna alegra, que ninguem all
entra que nao fique encantado.
Se taas centenas de contos de reis que
se dispenderam no mal situado palacio das
Necessidades se houveram e nprpgado neste
de Beim, seria urna das mais formosas vi-
vendas realengas.
A quinla, ainda no gosto antigo, tem es-
pacosas mas, onde, no pino do vero, se
respira um ar puro e fresco. Sao bellos
os nipos que esto em um dos largos da
quinta. Ura d'elles representa a caridad*
romana, ni figura de urna rapariga que
alimenta um decrepito pai preso e ma-
nietado, com o leite do seu proprio seio :
lera este distico, que indica o autorBer-
nardino Ludovici, romano, 1737.O outro
ropo representa Cleopatra expirando nos
oracos da sua aia. A inserpeo mostra que
obra de Jos Ma'zuoii, feita em Roma em
1717. O primeiro grupo realmente do
maior mareci ment.
Contiguos ao palacio' esto os quartos
chamados da Arrabida, porque ahi tinha o
conde de Avdras um hospicio para agasa-
thar os frades arraoidos. Estes, pela pieda-
de de urnas senhoras, tinham um hospicio
n'aquel e logar de Belem. Morrendo as
mesraas senhoras, perderam esse beneficio,
e a essa falta acu lio o conde de Aveiras.
fazendo-laes construir urna hospedara, na
sua particular propriedade. Acabou o hos-
picio quando a propriedade passou para a
cora, mas aquella parte do palacio sempre
se ficou chamando a Virrabida. Ainda hoje
conserva, en grande parte, a primitiva for-
ma, e se v a ermida.
Quando foram confiscados os bens do duqu
de Aveiru, parece que urna parte do terreno
que pertencia ao palacio dos duques, o qnal
f i arrasido, se cereseentou quinta de
Belm, do lado da calcada do Gal-o.
Ainda se descobrem os lugares onde
erara as jaulas para os anhnaes, que exis-
tiara no pateo da entrada, chamado por isso
Vatea dos bichos. As portas dos jaulas es-
to tapadas. Era n'outro tempo urna diver-
so dos lisbonenses, ir ver os tichos de Be-
lem.
O pa?o de Belem communica-se por nm
longo corre Jor com o do Picadeiro, que el-
rei D Jos mandou construir.
Urna memoria bem triste se liga a este
palacio. Foi a(! q e passaram os ltimos
momentos o duque de Aveiro, o marquez e
marqueza de Tavora, e o conde de Athou-
guia e os denftis reos que foram mariyrisa-
dos e morios na manh de 13 de Janeiro de
1759, pelo attentade contra a vida de el-rei
D Jos, em 3 de setembro de 1758.
No longo e estreito corredor que hoje
communica o paco com o palacio do Picadei-
ro, se diz que foi o carcere onde rstiveram
encerrados aquelles infelizes. e donde sahi-
ram para o martyno e para a morte, que
padecer^m na praca fronteira, que foi feita,
com o caes no anno de 1753.
N'esse mesmo caes embarcaran os jesu-
tas, depois do decreto que o* exlerminou
eml759: ahi embarcou a familia real para
o Rio de Janeiro em 27 de novemhro de
18U7 ; e ahi desembarcon o infante D. Mi-
guel em 22 de fevereiro de 1828, quando
veio, como regente do reino, em nome de
seu augusto irmo D. Pedro IV, e p'ometti-
do esposo de sua augusta sobrinha.
Occorreu ltimamente na diocese de Ne-
vers um facto mui raro nos annaes da me-
dicina.
Um dos no.-sris patricios, diz a Semaine
religieuse, o Dr. Bossu, assegura que os
phenome os deste genero tem surgido com
largos intervallos na Polonia, mas que sao
quasi desconhecidos em Franca. Trata-so
de certa doenca dos cabelfos e de coiro ca-
belludo.
E' sabido que em seguida grande terror,
ou urna dor moral mui violenta, pdem os
cabellos, mesmo as pessoas ainda mocas,
tornarem-se inteiramente brancos, como
suceedeu Miria Antonietta; mas que os
cabellos se tornera repentinamente verme-
Ihos ou rosos, cousa a que custa dar cr-
dito ; nao obstante o que agora suceedeu.
No dia de todos os santos, o Sr. X, paro-
dio de C na diocese de Nevers, sem
que tivesse experimentado a menor commo-
Co violenta, sera que tivesse sentido o me-
nor incommodo, foi exemplo do phenomen
a que nos referimos. O parocho tinha es
cabellos brancos; ora, logo de manh prin-
cipiaram elles, na parte inferior da cabeca,
a tornarem-se cor de sangue, bem como o
lado esquerdo da fronte; os meninos do
coro foram quem primeiro notou a mudanca;
mas ninguem quera preveni-lo da metamor-
phose que nelle e estava operando. Pelo
meio do dia, foi urna senhora viiila-lo, e so
desped -se. falln Ihe da cor que Ihe nota-
va nos cabellos e na fronte ; o parocho nao
deu attenco a tal, pensando que a alteraco
que Ihe notavam seria quando muito pro-
veniente de poeira que Ihe tivesse eai>ido
na cabeca. A' noite, seriam nove e meia,
estava completo o phenomeno; a cabeca
eslava inteiramente cor de sangue. Um dos
prenles do parocho, perguntou-lhe ento
assuslado :
Que tem? Sent alguma coisa?
Nao tenho nada, respondeu o parocho;
nao si oto o meDor incommodo.
Entretanto o seu pesar foi procurar a ir-
ma encarregada d s doentes. Quando en-
traram no quarto bearam attonitas e paludas
ante o espectculo que se Ihe deparava. O
que se achava mais sereno era o parocho o
qual pedio urna baca e la vou a cabeca; seis
bacas foram successivamente despejadas; a
agua eslava toda corada de sangue, e seis
guardanapos que Ihe serviram para se lim-
par, ficaram completamente ensanguenta-
d->s. Julgou-se prudente mandar prevenir
o medico da localidde, que ficou tao admi-
rado como os demais circunstantes. Foi
o medico preparar um remedio calmante. O
doenie, se assim se pode chamar, tomou
urna insignificante porco delle por condes-
cendencia, mas peinen em ter menos cui-
dado que quantos o rodeavam. Deitou-se e
dormio como era de cosiume.
No dia seguinle, tinham os cabellos nova
tinta; a cor avermelhada tinha desappareci-
do, e tinham elles t rnaio a cor de magni-
ficas violetas. Como negocios urg mes de
familia o chamassem longe, nao se aireveu
higo a por-se a caminho, por nao querer
aitrahir a curicsidade publica pela cor dos
cabellos e por isso fez raspar a cabeca.
Nesia occasio tem j crescido; o alto da
cabeca cor de violeta desvanecida, ou qua-
si lilas. O Sr. parocho de C que
o autor desta noticia vio, contina a passar
sera naviiade ; apenas se queixa ha dois
dias de xperimentar na cabeca um vacuo
iodecifravel.
senbora. Ne estaremos ausentes por muio
lempo.
E seguio Rodrigues que se dirigi para a perla
da slela.
Apenas o commissario e Rodrigues sahiram da
sala, levaniou se a Sra de Sablinvie, e dingio-se
para uraa puriioba que dava para o corredor, e
cummuuicava com a escada. Abno esla puria e
Iojou pelo curredor, mas ao chegar ao ra delle,
OeaiJe ioiei.lou abrir a porta que dava para a es-
c.da. Teve d vuliar para a sala com os olbos
chamuicjaue.-, e patuda da ira.
Fechaoa I luuruiuruu ella ; todas as portas
foram frenadas eau-nor.~e.ute por mo Infernal I
Miud seiihoia, diste Babuino, cruel esla
situayac ; mas nao diligenceie aggr va la "intentan-
do lugir... Bem uuvio o que disse o cummu-
Sonu,..
Que me importa o commissario, replicou er-
guenoo-se a loura beldade ; com, que direilo me
drlrm aiju t Esperam me a miona carruagem e os
meus criaoos. Quero retirar me Babolim, va bus-
car os meus criados, e se nao tem por onde sabir
A celebre Ristori viaja actualmente na
America, oode se prop8 a fazer grande
colheita de dollars, sendo acompaohada de
107 bahus e caixas em que conduz a sua
bagagem.
Depois, dlrigindo-se ao sen eompaoheiro, oceulto
- Vivo dos meus reoduneotos, e gozo-me de pe,f,s >**. accresceoton :
mu foigada mediana. Tera a chave, Babolim ? Vamos, nao se de- ebegue a orna janela que diiar TrnTthiZ*
Agora, Sr. Rodrigues, pe.co-lbe que rae ex- more. Quem o visse dira qne o qoerem snjeltar os, d.ga-ih.s qufe me acudam. Preciso sahir <|M.iI
..Ho francamente de que naiureza sio as occu-; a' tortora Tem on oo tem a chave T casa maldita, amda que nfe por meio da furr-a
paedes a que se eotrega ; por quanio sel que ei i Tenho sim, senhor, disse Babollm, tirando do as nossas auellas dao lod -
sempre. qoi maitooecupado, tamo o seohur como bolso nm- chave muilo grande. minha senbora e todas as o para ,ard'm*
o seu secretario, Sr. Baboiim, o qual ueste mo- Trat semi.re comsige esse enorme bocado de com a escada esto fechadaTn Wa -"SSn"
ment se afl-sta de mimo mais qoe pode. ferro T pe guotou o commissario. cerna dioso. rora adquir ja
- O que de lodo o ptnto inconveniente, ac QUaDde s.he deixa-a em nm cofre, do qual I Mas os senhores di;.e,n ter M orna escada
creswntou Rodrigues, e ma pde na coalisoc-de Ibe tem urna chavinha e eu outra, replicn Rodrigos, oceulta T Em casa habitada nela SV Rodrigues de-
dar desculpas, em nome do Sr. B bolim. Que quer o senhor ? Os sabios s- iod9 verdadei- ve or forCa bav*.|a Rodrigues, de
- Nao se ocr.pe com seme.oao.e cousa, repli- rS manjacus. Zl0S)S e avarflu,os
cou o commissario, coro bastante seriedaJe ; sup- 3 cur|0Sidade
plico-lhe que voltemos de prelereneia aos seus tra- Asm '.,. Mas pasemog aQ m Rlbime Q
balhO- senhor tera'a bonda(,e de flcar acompaohando esta' ~ Ata l m.nba senhora, disse Babollm bejandd
forca bavn-la.
Ha sim, roiuha senhora.
P"is brm, Babolim, varaos, sii .'.-me de gula.
Hesiia?...
a mao da Sra. de Sabliaville ; que maior ventura
pode baver que a de fugir com a senbora, a de
ser seu guia, seu protector...
- Poissim.sio ha, meu querido Babolira i mas
oo se demure...
E ambos correram para a casa, cuja porta dava
paraasalapiinupal. D.rig.am-se para o canto
onde havia com eUeito urna puriioba occu.ta por
ura repodro de dama.cu. Deram volta a' cha-
ve... a porta abri ,e;ina no corredor, meio
alumiado por luz mu. fruuxa, br.lbaram dous olbos,
e disiiDguio-se ao mesmo tempo o murno de ura
muoicipal
Esta' tudo perdid*o I exclamou a Sra. de Sa-
blioville, fogindo aterrada paraa su la.
Baboiim corren airatdtlla e recebeu-a nos bra-
cos, porque a pobre ia desmaiando. Foi preciso
colloca-la n'um sifi, e faaer-lhe aspirar um fras-
ouieho de eiber, ijue cosiuraa^a tr sempre com-
sigo. Occupado Baboiim nesies temos cuidados
aOira da sua perplexidade ; porquaoto se por um
lado a siiuaco nada tinha da tranquilizadora, offe-
recia por oniro certas indemnisaedes, qae nao dei-
xavam de ter encanto.
Emfin, a formosa dama, recobrando o uso da
palavra, Julgou dever dirigir algumas perguntas ao
eu improvisado confidente.
Sabe a causa desta inesperada visita ?
- Nao, minha seohora, mas suspeito qae fomos
alraijoados.
Por quem T Pelo viscoode, oo por aquello
biltre do principe t ,
N .da, o nosso inimigo mais perigoso. Deva
ser o marquez.
(Contmuar se ha.)
TYP. DO DIARIO-RA DAS CRUZE8 N. 4l7

i
\
MUTILADO
M
--


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EHSD2H4A7_E5S0QL INGEST_TIME 2013-09-04T23:23:33Z PACKAGE AA00011611_11161
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES