Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11073


This item is only available as the following downloads:


Full Text
i
nHiii
l(
>

-
AMO HE 1IDMEBQ 317
Pr qurfol itrt ta 10 dias 1% 1. fi ..,,..,
dem deais des i," la lias do comee e dea tro da fiarte! .
Portf a carreia aar tres nezes...... '?".,,
ttM
6aoo
75a
1 3* ti"iM
QUINTA FEIBA 20 DE SETEMBBO DE 1866
- deatrode ladiasdo 1. mea........ i9oa
Par aoi pC
Parte aa earreia por m -
a
..!
Xom
^CARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO NORTE
Parabyba, o ir. Antonio AlexaodniHi ae Lima!
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oiiveir ; Para, os Srs. Geraldo Antonio Alves &
Filos ; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO SL.
Alagoas.oSr.FranrinoTavares da Cosa; Bahia.o
Sr. Jos Martina Alves: Rio de Janeiro, o Sr. Jos
Ribeiro Gasparinbo.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escyda e estacos da ni frrea at
Agoa Preta, todos es dias.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas reirs.
Santo Anto, Grvala, Bezsrros, Bonito, Caruar,
Altinho, Garanhuns, Buique, S. Beato, Bom
Conselbo. Aguas Bellas e Tacarat, aas tarcas
eiras.
reros,
eiras.
Agua Preia Pimeoteiras, uas quintas
Serinhaem, Rio Pormoso.Tamandar, Da, Bar- Prtmaira rara do dvel: tergss t sextas ao mel
AUDIENCIAS DOS TR1BUNAES DA CAPITAL.
da.
Segunda vara do civel
hora da tarde.
quartas sabbades a
SEMANA.
Pao d'Albo, Nazareth, Lmoero, Bre/o, Pesqneira
Ingazeira, Flores, Villa Bella; Cabrob, Boa Vis-
ta, Onricury, Salgueiio e Ex, as quartas
eiras.
Tribunal do commercio : segundas e quintas.
Relacao: tercas e sbados s 10 horas.
Pazenda : quintas s 10 horas.
Joizo do commercio: segundas as 11 horas.
Dito de orpbos: tercas e sextas s 10 horas.
EPHBMERIDES DO MEZ DE SETEMBRO.
I Qnarto ming. as 9 h., 49 m. e 29 s. da t.
8 La nova as H h., 55 m. et7s. da t.
18 Qoarto crese. a 1 h.,8 m. e 59 s. da m.
14 La ebeia as 11 h., 46 m. e 24 s. da m.
17. Segunda. S. Pedro de Arbues m.
!n Ier?a- SAJos de Gnpertinof.; s. Sopnla.
19. Qoarta. S. Jaooaho b. m.; S. Nilo b. m.
20. Quinta. S. Eustaquio m.; S. Cliceriom.
li f*!3/- 0D.ss prcf's-Me,l(,io b.
22. Sabbado. S. Mauricio m.; s. Florencio presb.
23. Domiogo. S. Lino p. m.; S. Tecla v. m.
PREAMAR DE HOJE.
Prlmeira as 2 horas e 18 m. da tarde
Segunda as 1 horas e 42 minutos da manhaa.
PARTIDA DOS VAPORES COSTUtU.
.-

Para o snl at Alagoas a 14 e 30; par c aoru
at a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Vraan-
do nos dias 14 Jos mezes d* jcaro, marg?, ii;
Jnlho, setembro o novembro.
ASSTGNA-SE
noRecife, na livraria da prari da Indepndete..
ns. 8, dos propietarios Manoef Figueiroa de Fari
& Pilhos.
PARTE OFFHM
OVEaXO DO B19PADO.
Eitraeta do expediente da dicesi do dia 18 de
O Diarto do GroPar que nos da esta noticia
transmiiiida por meio de una eoriespoodencia de
Tabatinga, a qual refere o aconUcimento e mais
festejos do seguinte modo :
Na manhaa do dia 28 do julho prximo pasado 82,528 libras de pirarucu'
foram plantados na fot do arroio Sanio Antonio, 663 redes de roaquelra. .
c ra, os padrees provisorios, cora as solemnidades; 669 libras de salsa .
que em casos idnticos se pratiram. A canho: 997 rolos de tabaco .
neira Ibicuy, qua se actiava ancorada em frente 21 tartarugas
189*900
150*000
setembro de 48G6.
Offlcio ao Exm. vice presidente da provincia.
Exige V. Exc. por seu offlcio de 17 do correte,
que eu de o meu parecer sobre o objecto do reqoe- -dessa locaiidade, para onde havia ransportado os
623 libras de dita sernamby .
25 potes de manleiga......
139 vis. de objecios de historia na-
tural .......... 53:290*000
. 10:000*000
. 663*100
. 68*000
. 2004000
. 498*000
. 21*000
rmenlo, que a veneravel ordem lereelra de Nossa
Senhora do Carao d'esta cidade, dirige ao governo
de sua magestaie o Imperador no sentido de se-
rena mantidos os seus actuaes estatutos, entenlendo
a supplicante que a assembla legislativa provincial
nao os ^de alterar, sera preceder proposta da
mf ?m* veneravel ordem.
Curopre-roe dizer a V. Exc. que nao con la qne
as assemblas legislativas provinciaes d'esta dio-
cese teoham feito on reformado compromlssos de
associagdes religiosas sem proposta on reqoerimen-
to das raesmas associagdes.
Sem entrar na quesio de competir oo nao a as-
sembla provincial legislar a wspeito sema ini-
ciativa das respectivas confrarlas, direi que, se
estas nao intervirem directamente na factura dos
sens estatutos, que liguera os irmaos como pacto, e
este com forca de le entre si, lero da lotar com
muilos inconvenientes, que embaracaro certamen
te o seu governo, dificultando o Qm de sua
tu i cao.
Somma indo......... 493:724*100
Com se v, a iroportago dos chapos foi de.
membros da commisso mixta, salvou com 21 ti-
ros na occaslo de serem disparadas as bandeiras
nacionaes e do Per, basteadas jontd ao respectivo
marco. A concurrencia nao podia ser maior. O 106,221, menos do que noexercicio anterior (64 a
cominandanle desta fronteira marchou com urna |65y 27.035, pois que enio subi ella a 133,276.
guarda, O all fez as honras militares commisso A pequea diminoicao que se verihea na im-
mixta, dando, depois, tres descargas de fuzitaria, Portacao, cuio valor se calcula em res.....
para maior regos.jo. O da era o mais festivo da 617:982*427 contra rs. 400:815* do exercicio de
nacao peruana-o da proc araaeao da sua inde- 04 a 65.
pendencia ; e, por esse motivo, o Sr. Carrasco, Para se poder ajuizar do augmento da exporta-
noite, offerecen commissio nrasileira, um jamar O1, bastara lancar os olbos sobre o qnadro se-
bera servido, para o que fez decorar a casa da soa guite :_________' _____
residencia, e i lomioa-la com moito gosto. Foi a
primeira, e talve seja a ultima festanca que se
lera feito on se baja de celebrar com lana pompa
nesta fronteira, no presente seclo. Escasado
un modo vexaiono de commercio, e fra ioleira- pela nroslaco fnram iha ,nii..j ..
mwte das tarifas, os fretes que cobra pelo iraas-1 na barriga^ dasVerna" delira'Pf r?hr^*S. S
P7o"eaco?asraerrorPV AS,SrfaS em 85an,- TiSPa,s>^^"^ /uArTo.
As 4 horas da tarde.
O pulso marca cenio e viole ; contina o deli-
rio, porem brando.
cede lodo qnaoio so pode imaginar f
Os negociantes soffrem mudos; nada represenlam I
para se nao exporera a delicadezas nao difflceis de'
eocooirar-se por ofelicidade, bordo de quasi
tois os vapores que navegam o Amazonas; mas
eu, que simo os t Un los dessa condocta, que con-
'''ni 'renle as 'islas do supremo governo da
ca. e do meu paiz vou patenleando ao pu
6 horas.
Delirios passageiros, e algnraa inquletaco.
clero est reunido na residencia episcopal.
O
As 6 horas da tarde,
continua omesmo estado.
OsSr?.
conttnuam
dizer, que durante o jantar, os brindes estiveram
na altura dos assumptosIndependencia da rep-
blica visioba e amiga do imperio, e a collocagao
iBsli-, dos marcos de limites entre os dous paizes. Diver-1
sos ouiros brindes, justiOcados com previos discur-
i
3
>
3
S ^ 2!.-ni3ejnon i
9
E o que nicamente teoho a signiflcar a V. Exc. os expressivos e eloqoentes, se flzeram, especial-
sobre o objecto do rqoerimento que devolvo. mente pelos dous commissarios o Sr. Jjs da Cos-
_ 19 | ta Azevedo e D. Francisco Carrasco, que nao ces-
Offlcio ao Rvm.Sr. deo da s de Oiinda.Com sam de trocar express5?s as mais delicadas, em
a chegada de um vapor de carga, espalbou-se a in- demonstraco da harmona e perfeito aecrdo em
fausta noticia do fallecimento do Exm. diocesano que marcham no desempenho da espinhosa roisso
D. Manoet do Reg Medelros. < Oue se acham encarregados.
Tenho mandado tres portadores a repartico do A demarcaco da linha (1) qoe da foz do arroio
correio para receber a communicago offlcial : ape-jS^olo Antonio deve na direCcao do norte, stravej-
2ar d'esta diligencia, acaba de ebegar o Rvd. viga-
rio Caroillo que assvera nao ter vindo comrauni-
sar os rios Ig e Japur em frente do Apoporls,
Dm facto; o mais que resta, sem a importancia
cacao offlcial, e sim Jornaes, que ter, annuncian-'deste primeiro ponto margem esquerda do rio
do a verdade da noticia do fallecimento. O que, Amazooas, Ira sendo executado com o mesmo in-
levo ao conhecimento de V. S. Rvma. para deter-1 leresse nacional, telo e dedicago, que mnguera
P
lo
O. en
o r-
a
minar o que for conveniente.
Dito ao Exm. presidente da provincia.Lora-
munico a V. Exc. que, pela chegada de um vapor
de carga vindo do snl hoje, soube-se que no dia
sem incorrer em grave injustica, poderi escurecer
ao Sr. Jos da G su Azevedo, ebefe da commissio
brasileira, e aos seus companhelros.
As 12 da noite havia terminado o banqoete, a
O
3
#>
te
0>
>- oo os
^J Oi ^J ^J
JKlOOl
>**>
s
^J OJ '.
'O
I40 CTlt
i co O :
= o to
2
3
.17 do correte, fallecer "na cidade de Macei o: qoe tambera assiatb o nosso cnsul em Loreto, que
Exm. bispo desta diocese o Sr. D. Manoel de Me- i fra para isso convidado.
rjeiros. A justica exige, qoe eu reflra um brinde que ou |
Procurando-se a certeza desta infausta noticia da vi ao Sr. Carrasco. Esle sennor por si, e em no-
commonieaco offlcial das AUgoa*, esta nao me foi! me da coajmlsso de que chefe, agradeceu ao
enviada, e apenas entend confirmado o triste boate' Sr. Jos da Costa Azevedo, a delicada hosoilalida-1
pelos jornaes daquella provincia e neste sentido dei de qus Ibes tem prestado desde o Pa al aqui
I
SI
8
Ltoc > ico
ooatoie5j ob
o>c-sae>^5 0i
71 -J t 14 o: 30 *e X
zx -x> iO
sciencia ao Rvd. deo da cathedral de Ohuda.
INTERIOR
CORRESPONDENCIAS WO Bl.i
RIO DE PER VIBIRFCO
Para, 9 de selembro de 1866.
Nao pude, como promelti escrever-lhe hontem
pelo vapor american); re*ervei-me para boje pa-
ra Ibe remetter a presente por va do Guar, que
aa forma do costme parle a' noite.
Sorpreodido fiquei. quaoJ< li nos seus ltimos
Diarios, que ahi nao tioh un recehiilo a inioha cor-
respondencia encaromhada pdo paquete Morlh-
A'nerica ; posso afiao^ar-lhe que pessoalmenle a
fui lanzar no correio e esse paquete deu bastante
teropo a escrever-se por elle.
Nessa oecasio colligi nma esta'lstica do com-
mercio e navegacio desle porto durante o ultimo
semestre do crreme anu; talvez um d>s tra-
balhos mais importantes sobre o movimeuln mer-
cantil desta praja, que ha muito nao Ihe hei re-
medido.
Qual leria sido o destino da minha missiva ?
JSo sei, e nem agora trato disto I
Desta provincia nada ha de maior consideraeao;
tndo fezmenle marcha em pazesocego, graca- ao
espirito sensato da sua populacho e a' c nti..n-;ai
ijne todos deposiiam no actoal vice-presidente o
Exm. baro de Arary.
Ha miiiiu falla se que o novo presidente nomea-,
do, Dr. Leao Velloso, nao acceitr o encargo de _D.J._tD?0_..!
governar o Para. Indigitando-se, entretanto, ca-
iros e entre os nomes, ciu-se o do Dr. J So Silvei-
ra de Souza, visto constar ter sido traosferide pa-
ra a Baha o Dr. Ambrosio Leitao da Cunta.
Cada partido, seguodo as suas aspirares, v a
medalha conforme Ihe apraz, e isto bera natural,
mxime em proximidad- de eleicBes.
Os candidatos por aqui a' deputvco formigam ;
cada partido tem urna plelade de preteodentes e
j de descontentes, porque, sendo os lugares so
mente para tres, impossivel contentar lautas pre-
tendes I
Breva* aqui leremos como em todo o imperio o j
magno plebiscito, assim como para a contena j
ge conta a presenca nesia capital dos pretenden-
tes, qor de casa, qur de fra, qoe se acham au-
sentes.
O que lbe posso aQancar, segundo parece pelas
feicdes, dos jornaes diarios, que as eleic5es bao
de ser disputadas pelos partidos e influencias da
provincia; mas sobre o resultado nao quero ser
propheta, nem antecipar juizos ; dqoemos aqui e
em reserva acerca de negocios polticos I .
Passando a outros assu-nptos, teoho a ncticiar-
Ihe que aqui nos acharaos a bracos com urna epi-
demia de bexigas, que infelizmente tem feito al-
proteslaseu roconhecimeuto ju'gando-se assaz feliz
ler opportonidade para o revelar.
No dia 29 desse mesmo mez, como sabido, a
nossa adorada princeza imperjal fez annos. -A
Ibicuy amanbeceu embanderada em arco ; e
aoite, o Sr. Cosa Azevedo, deu' um juntar a bordo
delta, commisso peruana. O lugar de honra
neste banquete foi occopado pelo Sr. general Car-
rasco, a qaem o nosso commissario quiz dar mais
urna prova de deferencia.
Os brindes desta noite, uro p > ico mais variado
do que os da precedente, foram tambem entu-
sisticos. As 2 horas da manhaa de 30, desembar-
caran) os convivas, chelos de ccnlentamento. O
banquete esteve ptimo ; nao leve inveja dos me-
Ihores banquetes que se dio no* lugares de maio-
res recursos do que esta pobre fronteira.
u nosso commissario, o Sr. Jos da Costa, est
soffrendo bastante da soa saude ; dedica-se co u
ardor, que passa a excesso, ao servico a seu cargo.
Lo d'ahi o quebraolameoto do seu physico. E' que
[ o seu faoatisra, pelo cumprimcnU) dos deveres que
Ihe est) incumbido* inexcellvel.
A canboneira devia sahir para o rio Javary, que
j lem de ser explorado pora o levantamento da r-'s-
| pee ti va caria, visto nao existir urna que. na acta-
lidade, mereca ioleira conlianca ; mas ess navio,
de muito callado, pequea marcha, correrla gran-
de risco, se subisse esse rio agora, que a vasante
j ss aeha muito adiantada ; alm de que a saude
precaria do Sr. Jos da Costa e do Sr. Carrasco,
nao ooseote que esses chefes se exponham a urna
seraelbante viagem, arriscada e trabalhosa.Se j
tivesse chegado o vapor peraano apo, que ba bas-
pedido pelo Sr. Carrasco a com-
mandan'ia geral do departamento de Loreto, a ex-
pediro do rio Javary seria eita com menos riscos
e raorosidade, por ser esse vapor de boa mareba e
de diminuto callado, mas, por motivos que nao me
dado prescrutar, em vo aqui esperado esse
vapor. Em consequencia, o Sr. Costa Azevedo,
resolveu com o seu collega, mandar ao Javary
urna expediceo em escaleres, composla dos Srs.
Soares Pinto, Rodrigues Mirtios, membros da
dessa commisso, e-do Sr. Paz Saldan, da per-
na, com instruccoes de subir e explorar esse rio
alm do 10 grao de lattitude sul, aiim de ser per-
feltamente recoohecido o leito do rio Javary, e de-
| signada a sua margem esquerda, que, em virlude
da convenci de 23 de outubro de 1851 perlence
todo ao Per'.
E' um servigo Imporianlissiroo, e que nao sera
executado em m-mos de dous meze*, agora que o
rio pouco correnioso, as praias esto todas vis-
la, o ha grande abundancia de caga e pescado, que
auxiliara' a expedido ; mas, por outro lado, a es-
tadio nao mais favoravel, visto como, com os prl-
meiros repiquetes, manifestam-se as febres loter-
roitlentes, qoe nao deixam de ser perigosas aos
naoaclimatados.
Dos ha de proteger a Ina vontade e o zelo
desses amigos da scieocia, qoe pelo servico pobli,
co fazem abnegacao dos comraodos e gozos sociaes-
I
O.I
9
?
i
Aioda assostador o estado de S. Exc.
diico o* actos; porque-creio ser a (mprensa um Drs. Espmdola, e Baha e Polvcarno
tmi diTcoIuTa0' V0Hqa8 "t r,eCe' S6r VC' T ? ma,r cu,rti"1^ Promptldo ?ossivel ai me-
rninh. o ~ dos effeod,(,l>s- TalvM P*reqm dicalo, nao o abandonando um s intinte
radflj ha fnf,"0t,8HUra toBto aspras' ^ara erian' 2 Clero cerca sea lel,. e carldoso ajuda no qua
falerm.es TSL 2H T UBU> dra 0i ES ,PP"cCa <>* medicamentos e mais is-
luieresses e direitos sagrados do commercio devem teres do traiaroento.
"ftfc^K lea,po' ma* a,goma co/nsider?a<'- Honiem, pelas4 1|2 horas da larde repeliram-se
u icamiaba entrou nenie porto as 8 '/s horas da preces na matriz desta cidade
df>anr,!;S.e.m (razer qaasi .nenhoma cara> e s6-! De8 cor.ie os esforcos empregados com o res-
oo provavel que gaia hoje mesmo, limlto-me a tabelecimento de S. Exc Rvma
Oizer, encerrando es'la, que grande desanimo se I .L
sent aa popuiaeao destos logares pela falta de
noticias decisivas do theatroda guerra contra
o Paraguay.
Sbese que o lente coronel Batalha foi re-
ado em coronel, pelos muios merecimenlos
7 horas.
A ebre sembr a mesma: o enfermo est cal-
mo. Cessarara os delirios, conbece todos.
A mesma ebre
aoti-gpasmodico.
8 horas,
applicou-se-lhe
que tem, embora nunca prestaste o menor servico altamente.
-13 de selembro, as 6 horas da manhaa.
S. Exc. Rvma. dormio algunas horas da noute
seu sorano foi mais ou menos interrompido por
leves delirios.
At antes das 10 horas
seu estado aggravon-se
Deus o ajude.
O Icamiaba leva deste porto a carga seguinte,
procedente do Per:
Chapeos de palha 2,502; piraruc seceo 1,145
arrobas; salsa 3 Vi ditas; e alguns voluines de
objoetos de historia nacional.
Sem mais por esta vez, desejo-lhe vigorosa sau-
de, e que cedo nos d o prater de ter a derrota : grande prostacVo
completa do lio Lpez.
Do commercio desta praga do Para' nada ba de
importante; segnndo ouvi dizer os negocios da ca-
sa e Rosado 4 Moraes foram arraujados amiga-
velmente entre os crederes e restituidos estes ne-
gociantes ao seu antigo estado de transacg5es e
commercio*.
Os aavios no porto sao os seguales:
A descarga.

o
w
00 eo 0> *>. -*
bi bb -i i* x -- #*<
^i -; vt i* oj -J (Tato
sisee:: e
oo o ai to c* o |
* o
3 =>
II
'i
-J 1
io I
co ,
^J 10
E X
OS se
8-s
ex i
o '
CO I
I O! '-j O t
Ot ^C C
Si* ^J ^- ^- CC '-C -^ ID
Cft^"p-x--eoo^i^cr5
* "* -J ^ U3 ^A ^ i*
I
9
Adelaide Barca portugueza.
Jeune Adeli-Hule francez.
iltt*cao-Brigoo francez.
Los AmigosPatacho inglez.
SuzanHlate americano.
EmprezaBarca ingleza.
TiqrtBarca ingleza.
A carga.
Aiwncaescuna holsteinense.
Lu taHiato americano,
fert Remstoffr\gw brasileiro.
Iliram(larca ranceza.
MattliaHiate inglez.
Porto RicoBarca ranceza.
Ameral tfii As barcas portuguezas Ltgetra e Floi
sahiram a semana passada para Lisboa.
de Ves
DIARIO DE PERNAMBUC6.
Os custicos qne Ihe foram applicados naovisl-
caram.
Applicaram-se-lhe ontros, as coxas s H horas
da noute.
7 horas da manhaa.
O enfermo esl calmo : cessarara os delirios :
8 horas.
Os visicalorios, que bontem. as 11 horas da noi-
te foram lbe applicados as coxas, nenhora effeilo
prodoziram ; applicaram-lhe novos no mesmo
lugar.
9 boras.
Continua o estado de quietage : o pulso baixou
oito pancadas ; fol-lbe applicado um clister antl-
periodico.
9 1|2 horas.
Dorrae tranquillo ; a ebre nao cede.
11 boras.
O enfermo nao transpira : as papillas dilatam-
se : semblante mnito paludo, excitacao nervosa.
Os mdicos esiSo presentes.
11 1|2 horas,
us mdicos mudara o enfermo de apesnto, e
para um leito mais ligeiro, na principal sala da
residencia episcopal.
jO 12 horas.
Nenboma alteragao (em soffrldo.
Na venia -diversaslucluem-se alguns artigos
de grande cossomo no litoral de Loreto, dosquaes
me parece conveniente dar noticia mais detalnada.
A cerveja figura cora o valor de 14 enntos prxi-
mamente ; roupa feila, com mais de 14 contos ;
conservas alimentares, com cerca de 10 contos ;
carnes salgadas em barricas, com quasi o mesmo
valor; kerosene, com 6 cont >s; estearinas, com 6
cunto; ; cera em velas com 5 contos ; laxos e ou-
Iras obras de cobre, com cerca de 4 contos; papel
almas'O e. de peso, com mais de 4 contos, etc.
Os tecidos de algodJo constitaem a primeira ne-
ce'ssidade do litoral de Loreto. A quantidade de
jardas desses tecidos exportada no decurso do ex-
ercicio, foi como se segu :
De transito................ 32:401
De re-exporlacao.......... 471:175
Que pagaram direitos..... 26:488 X
Sommam ledas........... 826.-064 %
jardas, para cojo resultado concorreram as chitas
cora 504,718 jardas; algndao fino, com 16,910 jar-
das; madapolfles, com 77,044 jardas; rlscdos li-
sos, erm 50,525 jardas ; algodao groso liso, com
43,795 Jardas, etc. ele.
Depois dos tecidos de algodio. segoe-se a moeda
de ouro e prata, as ferragens (jrineipalmente de
Industria americana,) as manufacturas de la ; os
vinhos; as bebidas espirituosas, etc. etc.
No estreito mbito de urna caria, escripta ao
correr da peona, mal se pode entrar em detalhes
sobre um assumpto que demanda de refl-xan e co-
nhecimentos especiaes, que eu nao me acanho de
confessar, nao possul-los. Li, pois, mais ns fago,
por falta de babililaedes, e nao de vontade.
Mencionarei agora o movimento da navegagso
coromercial.
Dez embarcagSes peruanas flzeram 25 viagens,
lotando 6,525 toneladas, no commercio de expor-
tado ; e apenas urna embarcacao brasileira se oc-
cupou nesse movimento
Assim que o valor da exportagao para o de-
partamento de Loreto se divide nesta proporgo,
quanto nacionalldade da erabarcagoes.
Era navios peruanos............... 617:5014667
> brasileiros............. 48(4760
individuos por dia, lermo medio, de urna popula-
cao que deve ter esta capital de trala e cioco a
qoarenta mil habitantes.
O governo, logo que o mal comegou a i
se pela popolagio, e de aecrdo cora os medieos,
prestou a devida attengo, ncmeando para as dife-
rentes fregoezlas da capital commissarios de snc-
corros em favor da gente pobre, cojos encargos
era geral recahiram sobre pessoas eapazes ; assim
como ordenou qoe as boticas e pharmacias avias-
sera por conta dos cofres pblicos todas as reeeitas
convenientemente antorisadas e legalisadas.
Para fra da capital, islo para ontros pontos
da provincia, foram dadas as mesmas ordens, se- '* guindo para o dlstrlcto de Camet um medico'por
conta do governo.
Felizmente o mal nao tem sido de to mo ca-
rcter, como se pensava ; tm fallecido, verda-
dade, algomas pessoas; mas isto devilo ao descui-
do de se nao terem vaccioado em tempo.
Aqoi nos chegou o conde de Jasien-ki, qoe con-
seguio fazer doas reuniSes no palacio do governo,
am da se promover nesta provincia a colonisagao
polaca.
Effeclivamenle a reunio foi auxiliada com a di
recgo do Eira, vice-presideole, bispo diocesano e
muilaa outras pessoas gradas Foi nomeada orna
commisso para tratar e cuidar de semelhante
commeturoeolo, que dever sor realisado por urna
subscriogo, o cajas acc5es, de pnqueno valor, de-
ven ser passadss pela popolagao da provincia e
cora o auxilio dos differentes parochos.
O condo polaco parti ante-bontem para New-
York a realisar os compromissos m que se acba
empeobado com o transporte de colooos para as
provincias do sul.
No dia 28 e 29 de jonho ultimo flrmarain-se os
marcos qoe estaiaem a dlvisfto territorial entre
este imperio e a repblica do Pei.
governo imperi-l reconhecer tao importantes ser c peoanas
vigos, para anlmagao dos que os prestara, e esti- br*sl|Plm com"a ,utac&0 de 3 tneiadas.
Somma.... 617:9814427
occnpou 19 embar-
rilando 0,554 X toneladas, e 3
Concorreu a bandelra peruana, pois, para o to-
tal da importacao com 492.-214A280, e a brasileira
urnas victimas, especialmente em gente Bao vacci-
cada, e de-la a que mais ba soffrido a indigeole. mesmn da vida Asaim Ihas saiba o ^ m
A mortalidad, diaria dos atacados calculara al- 2J^^! ^^
guias pessoas mais competentes de cioco a seis
mulos de outras.
Voo tratar do movimenio commercial entre
rradlar-! 2 K". rJ^*!!?*^\ &*"* \ j$)* PrefaieDdo as duag parce,la8 rU
Nossa baodeira Agora as aguas peruanas como
um grao de ara no deserto-I
E, que todos os beneficios das convencoes e re-
glamelos liberaes, qoe exlstem respetto da oa-
1. vegago commercial pelas aguas 'o rio Amazonas
dorante o anno Qnaoceiro de 1865 a 1866. Per-
ddem-me os mestres da sciencia se raetto a mo
era sera alheia : eu oada entendo de flaneas, o
s as slnto qoando as miobas aisibeiras esli va-
! sias. como iofellzraeate, quasi sempre acontece.
Nio se podo dizer que nao foram (elizes as
* trausaegoes comraerciaes desse exercicio ; por-
que, segondo meus aponlamenios, sobara a rs........
1,117:506*827 os valores d. exportagao e irapor-
e essa somma comparada com a do exerci-
cio aoterior (1864.1a 1865) d orna differenca de
rs. 128-630^817 era favor deste exercicio (1865 a
1866.)
A importancia de producios peruanos oi de rs.
493:724*400, coolra 58S:060 do exercicio aote-
rior : a diuiiouigo 94:335*600, procede, princi-
palmente, da biixa ao prego dos chapeos de pa-
lha, cuja importago decresceu tambem
Dentro de to corlo espago chora a igreja per-'
narabucana o pasamento de dous bisposhofitem
pranteava a morie do Sr. D. Joo, hoje carpe a do
Sr. I). Mi noel de Medeiros, que em menos de,
um anno de regencia de-te bispado, baixa a cam-:
pa, victima de urna febre. cerebral, de que foi fe-1
coraniettido em viacei, onde fallecen s 6 horas [
menos um qoarto do dia 16 do correte.
E' urna perda immeDsa para a igreja pernam
bucana, que de novo v se na orpbaodade, e ora j
manifesla pela voz plangeote dos campanario- a
dr, que Ihe opprime a alma.
O mal que affeclou a S. Exc. Rvma., trouxe lo-
go a principio o carcter de fatal, pois a despeito
de cuidados, a despeito de quantos recursos linha
a medicina, levou-o ao tmulo depois de doze das
de alternativos siffrimenlos, que man revelaram
a grandeza daquella alma, que se preparava a as-
cender a presenca do Eterno, cercada de todas as
consolaeoes espirituaes, que a igreja liberaliza aos
seus flbos. 5 horas.
S. Exc. cahio ao golpe do archinjo da morte, Foi expressamente prohibida por todos os medi-
mas cahio entre seus Albos e no cumprimento dos; eos assistentes, a frecuencia de pessoas, a excep-
ses deveres episcopaes 1 gao dos enfermeiros, na sala ende se acba S. Exc.
Era regresso da corte, ehegara a 30 do prximo | Rvma.
passado a Macei, e ahi no prximo domiogo cele.
1 hora da tarde.
Esto sendo applicados a cabega do enfermo
pannos ensopados em agua sedativa ; mostra se
tranquillo; a ebre nao cede.
2 horas.
O mesmo estado, sem alteragao.
3 horas.
Continua a applicago d'agua sedativa ; algara
delirio, a febre nao dimioue ; molla prostrago.
4 horas.
O e.-tado do enfermo anda o mesmo, sem que
por ora seja desesperado.
O Sr. Perdigan apresentou os seus servigos ao
Rvm. Sr. arcipreste, offereceodo-se para Iratar bo-
meopaticamente ao illustre enfermo.
Achou-se conveniente, pjr ora, nao alterar-se a
marcha medicamentosa dos mdicos assistentes,
sendo que foi tomado na devida considerago o
acto de delicadeza do Sr. Perdigo.
9 boras.
O mesmo estado. Cbegaram de Alagoas o Revd.
Satyrio Barbosa e do Pilar o Revd. los Henri-
ques.
10, 11 e 12 horas.
S. Exc. Revm. esta' tranquillo, recebe sem re-
pugnancia as pogSes que se lbe applicanj. Os sa-
cerdotes, os seus enfermelros, dorante o dia e a
noite.
1 a 5 boras da tarde.
S. Exc. Revma. durante esse prazo eoBserva-se
ora mais, ora menos quieto.
Seu semblante e animador ; conversa alguns
instantes regularmente.
Os mdicos esto presentes : sao coacordes qoe
anda nao ha o menor vislumbra de derrama-
ment.
Ha um raio de esperanga.
A febre porm nao cede de 120 pancadas.
U inteliigente pharmacentico Falcao Dias, que
tem frequentado com assidoidade o illustre o enfer-
mo, eonsegoio gelar a agua para substituir a pre-
parado d'agua e vinagre q je se lbe applicava
cabega.
Foi um Importante servigo.
Acba-se entre os sacerdotes, que assistem a S.
Exc. Revma. o digno vigarlo do Pilar Jacintbo de
Meodooga, que anda mal restabelecido dos seus
graves padecimentos quiz vir tomar parte mais
prximamente das fadigas dos seus collegas.
S. Exc. Revma. passou urna grande parte da
noite tranquillo ; dormio das 9 as 10 horas al juma
cousa, depois nada absoluta mente : a' meia noite
tomn orna preparago elberisada.
As amantiecer do dia suas facnldades eslavam
pereltameole reslabelecidas em ordem a eoehecer
quasi lodos que o cercavam, e a conversar com
minio bom senso.
Estes momentos porm duraram pouco ; a's 6
boras bouve algama agitago, e aps ella delirios
cooliooados.
15 s 6 X boras.
O ventre esta' tympamco ; fez-se-:he urna appli-
cago de evacuante.
7 e 8 boras.
Cbnserva-se ao mesmo estado
p. Ha delirios.
a febre de 116
6 horas.
As applicagdes d'agua sedativa nenhnm resulta-
do por ora tem feito apparecer, para melhorar o
enfermo ; comludo os mdicos continuara a in-
dica-la, e applica la.
S. Exc. Rvma. esta' mais calmo.
brou na igreja matriz da capital, e em seguida
cbritmou. Mas tama nho era ja' o sea soffrer, que
mal pode distribuir o sacramento da conrmago a
urnas viote pessoas.
Nao obstante os seas soflmenlos tiveram inter-
misso no correr de uos dias; mas aflnal resol ve-
ram-se na morte, cuja noticia veio consternar a
esta cidade, como igualmente o fara' a toda a dio- 6 112 horas,
cese. A febre 120 pulsages. Desinqoielagao : extre-
Prelado anda novo na administrago deste bis- raidades quentes ; vista errante, tremor convolsi-
pado, nao delxa S Exc. Rvma. vasto campo para vo as pernas
ser apreciado por este lado de sua vida ; mas ah | Os mdicos eslo presentes,
revelava boas iotenges e visava borisontes dilata- j Esperemos a noite.
dos de melhorar a condigno da nossa Igreja, pela Contina o estado perigo-o de S. Exc. Rvma.
reforma do rl-ro, por meio da diffuso das luzes e Mais um hbil facultativo, que se rene aos seus
da mora.idade entre seus membros. tres distinctos collegas, empenbados na cura do
E a morte veio paraiysar esta expansSo I virtuoso prelado, o Dr, Pimentel offerecen os seus
Nesta nena que enluta a alma de todo o seu re- servigos aos seus collegas asistentes, e est com
baoho, minora os seus effeitos a esperanga de que < elles trabalbando na grande obra, obra da salvago
estara' o virtuoso bispo gozando da viso do Ora-1 do cerpo...
reverten) em favor da dandelra da repblica visi-
nha e amiga ; e isso prova altamente, a nossa boa
f, e os desejos sinceros qoe o*, os Brasileiro*,
nutrimos sobre a marcha progressiva dos raelho-
rameotos e do engrandeciraento dessa parle do Pe-
r, com que nos achamos eslreitameole ligados.
Vejme obrigado a tratar de um assumpto,
que interessa esireitamente ao cmmercio, e o fago
na esperanga de cortar um abU'O que vai arrai-
gando. Ei-lo. O contador (?) do Morona se lera ne-
gado a assignar conbeciraeoto das cargas quo re-
cebe ; isto quer dizer que foge da responsabillda-
Ets o catalogo dos productos pemanos Importa-1 de legal qoe lera. Nao posslvel tolerar esse abo-
dos em todo o exercicio .
4,960 libras de algodo..... 1.6705000
16 ares domesticas...... 16*000
485 libras de bren...... 304000
150 libras de caf cora casca. / 34*000
1)16.221 chapeos de palha. '. 424:8842000
83 paoeiros de farinha..... 3324000
1,062 libras de fio tucura. 4801000
2,397 libras de borracha Boa. 1:190*500
o. A lei brasileira como a peruana terminante
os caplties ou commandantes de navios que rece-
bem cargas, devera dar aos carregadores tantas
vas de conhecimentos passados era forma, quaotas
Ibes pedirem.
Ser a recusa do Sr. contador do Morona nasal-
da dos estravios que se verificaran de mercadorias
perteocenles ao Sr. Francisco Affonso da Silva, e
a ootro ? Pode ser.
as attribuigoes da mesa de rendas desta fron-
teira cabe cortar esse abuso, exigindo a apresenia-
gio de nma va do cada coahecimento junta ao
(I) A linha partindo da foz do Javary pelo velo
do rio Amazonas al a foz do Igarap Santo Anto-
nio, d'alli pelo corso do mesmo garap at soas manifest da mbarcago que carrrgar neste porto
vertentes, das quaes partir' ama linha na direc- Se a mesa de rendas assim proceder, o Sr. con
gao do norie atravessando os nos Ig e Japnra' a tador do Morona no continuar a commetter i
fox do Apoporis. I atusa jas est praticaodo. 8abe elle calcular
de
nipoiente.
Do Diarto das Alagos copiamos o boletim das
variagoes da doenga de S. Exc. Rvma., para com-
plemento desta noticia.
E' com o maior desprazer que communicamos
aos nossos leitores que o Exm. Sr. O. Manoel, nos-
so digno bispo, tem estado enfermo de orna febre
rebelde a' medicago al hoje empregada.
Esperavamos pelo restabelecimenlo de S Exc,
afimde dar gragas a Deus ; mas infelizmente sea
estado se tem tornado mais serio do que suppu-
oharaos. ;
Consta-nos que hoje lera' logar urna conferencia
de diversos mdicos.
O Espirito Santo os Ilumine.
Facemos constantes votos pela soa sande.
O estado grave de S. Exc. aioda contina, como
noticiamos no uosso boletim de hontera. Confiamos
na medieagao conveniente, a qne esta' snbmettido.
A conferencia teve lagar anie-hontem, fazendo
parte della os Srs. Drs. Bahia, e Polycarpo com o
Sr. Dr. Espindola, qoe o assisteote, e a pedido
do Exm. Sr. arcipreste flearam os Srs. Drs. tam-
bera lacombidos de ajudar a sea collega, e reve-
saran) entre si as boras para estar sempre um a
eabeceira do digpo prelado.
Deas qaeira coroar os esforcos de todos nos com
o restabeeciment de S. Exc, por coja saude hoo-
tem, as 4 l|2 horas da tarde, houve preces publi-
cas a% matriz desta cidade por todos os Srs. Rvds.
sacerdotes aqui residentes.
Deus as atienda, pois sao justas.
12, s 6 horas da maobaa.
S. Exc Rvma. passou urna noute atribulada ;
febre intensa, delirio terrivel, ergueodo-se mollas
vezes do leito.
As 5 horas da machia lev on deliquio, que a
todos parecen a morte ; foi absolv do pelo seu di-
rector espiritual.
Os Srs. Drs. Espindola, Babia e Polycarpo ve-
laran) a eabeceira do illustre enfermo fazendo as
applicagdes. que em easos to melindrosos aooose-
Iba a scieacia.
As 2 boras da urde.
S. Exc Rvma. a esta hora jaz em estado de com-
A popolagao esta consternada.
O illustre enfermo tem sido visitado por todos
os seas subditos, e de todas as classes.
Honiem foi o tercelro dia de preces publicas.
Mnitas familias fazem preces em suas casas.
Todos pedem a Dos pela vida preciosa do nosso
diocesaoo.
A Provideocia nos soccorra I
7 para 8 boras da aolte de 13.
Mudou se a applicago d'agua sedativa,
ag ua vinagrada.
para
8 l|2 horas.
Cabega fresca, pelle com calor normal, tenden-
cia para a algidet e para o estado comatoso.
9 boras.
Pulso 112p. vermicular : fez-se-lbe applicago
de urna pogao tnicaexcitante.
10-11-12 el do dia 14.
O mesmo estado.
2 horas.
O illustre enfermo teve ameagos de espasmos ;
durcu pouco a crlse. Prostrago.
9, 10 e 11 boras.
O mesmo estado, e sempre a mesma intensidade
de febre ; os mdicos esto presentes e conferen-
ciara.
12 horas.
0 illustre enfermo soffre muita agitago, deli-
rios ; a febre queima-lbe. Continuara as applica-
gdes sobre a cabega de pannos ensopados n'agua
gelada.
1 hora.
S. Exc. Revma. tem as faculdades completa-
mente perturbadas; delirio continuo, febre in-
tensa.
2 horas.
O mesmo estado; os mdicos esto presentes e
conferenciara com o Dr. Calheiros ; fazem-se ap-
plicagdes de evacuantes.
3 boras.
O venlre esta' lympanico demasiadamente, e nao
cede aos evacuantes.
4 e 5 horas.
Delirios; InqaietagSo, tremores nervosos.
6 horas.
A tympanile nao cede ; continuam os delirios, e
desasocego. O dia foi ierrivel 1
16 as 6 horas da manhaa.
O 4llastre enfermo passou urna noite afflictiva :
das 12 horas em diante deixou de delirar, fallan-
do ; lodo sen corno treme sem cessar, os olhos en-
covaram-se : caminha para o e-lado comateso.
O venlre, com a applicago dos evacuantes, bai-
xou ara pouco mais.
A feore sempre de 116 p.
As extremidades acquecidas.
7 horas.
Nao falla ; treme-lhe a liogua, a face indica emi-
nente estado de estupor.
Os mdicos trabalham ; o seu director espiritual
esta a soa eabeceira orando, e atiento.
Os sacerdotes o rodeiam.
necessanos
delirio e a
8 boras.
Os mdicos applicam es remedios
para combater o estado apopltico, o
tympalinites : a crise se aggrava.
9 e 10 horas
O mesmo estado.
He 12 horas.
Apexar de terem sido empregadas applicagdes
anti-pbilogisticas e repol*ivas, aogmentou-se ex-
cesivamente o calor na cabega, conservando se as
extremidades quintes; o palso se tornou mais ani-
mado, e o estado comatoso mais pronunciado.
Conferenciramos Drs. Espindrla, Babia, Pi-
mentel e Polycarpo com o Dr. Telespboro, apro-
veilando as ob3ervag5es j expendidas pelo Sr. Dr.
Calheiros : flzeram-se ao illustre enfermo applica-
gdes de novas sanguesugas atraz das orelhas, io-
sistindo-se no emprego da medicago interna para
combater o estado apopltico.
1 e 2 oras da tarde.
Depois da appiicagn das sanguesugas, sendo
interrogado o (Ilustra enfermo dea indicios de
comprehender, mas rao pode articular as pala-
vras.
Continoa muito grave o seu estado.
O mesmo estado.
3 horas.
4 horas.
O dootor em medicina Jos de Barros Accioli Pi-
mentel, quo reside em Alagas, chegou a' residen-
cia episcopal, vindo voluntariamente do ponto do
sua babliagao visitar o Illustre enfermo, e offerecer
aos seus collegas a sua valiosa coadjuvaeao : foi
ella acceita com-especial agrado, fleaodo o inlelll-
3 as 8 boras.
Continua anda o mesmo estado pengoso
lastre enfermo.
do il-
6 Iteras menos i|4.
Havendo-se aggravado consideravelmente o
lado do illustre enfermo, suceumbe
es-
O vapor Guar chegado bontem dos por tos do
norte, trunos noticias d'essa lado do imperio en-
gente facultativo, com os seas collegas assistentes, i jas datas vio a 9 do correte as do Para, a as
tomando parte no curativo do enfermo.
5 horas.
Chegou de Alagoas a visitar S. Exc. Revm. o
Revm. Sr, conego AffoMode Alboquerque Mello.
do Maraab&o, a 18 as do Cear, a 16 as do Rio
Grande do Norte, % 18 as da Parabiba, e a 25 do
passado as do Piauhy.
Amazonas.Oesta provincia nao recebemos jor-
naes, mss por cartas carias coosta-nos que nada
ha all ccorride, qne digm seja de raenso.
ara ehlister

.



m


.
larlo de Perttaubveo

Em t

hu regosijo do bom aodamenta da denrarcacao de
limiles entre o Imperio e a repblica djfl*ii.1 #<
. A este respeuo extractamos o segualo de nm
jornal: -
Benarciram w jt os limites enera o Per e o
Brasil.
i O Sr. Jos da Costa Azevedo, digno offlcial da
armada brasileira, perseverante s coneHlndor en
todos es negocios de que eaearregado peto^over-
90, aguou os pronsticos inundados dos teas im-
placaveis detractores.
c No dia era que se oncluio este trabalbo os
povos limitrophes reunirara sa em (esta de familia,
e fraternisaram-se en paz eterna.
Era ura da de tegosijo publico o dia em que
se encravavan na torra os marcos divisorios, es-
tabelecendo d'esta forma a anonade entre dons es-
tados que por vezes lioham suscitado desavengas
pela possessao de algamas brabas de terreno.
< No dia 28 e 29 de julho, conforme cartas par-
ticulares que temos a vista, o povo limitrophe reo-
n do em massa dea o amplexo fraternal, laudan-
do com festas pomposas a inaugura;! de ura por-
vir de pacificado e prosperidade.
Esta demonstrado publica -nos bastante li-
songeira, e confirma que as rivalidades mesqui-
nhas e anti-liberaes das classes menos Ilustradas
das dnas nagoes acabaram com a demarcaco de
limites.
Gerrespoodeodo as eolhusiasmo do espirito
publico o atlante d'aquella obra gigantesca pilare- Joaquim Marques Rodrigues, Saturnino Bello, Ttie
ceu um lano e opparo almogo ao commissarlo mlstocles da Silva Macje-1 Araoba e major Ignacio
peruano, convidando juntamente, para abnlhan- Jos Perrelra.
tar aquello festejo animado, patritico concilla- U Sr. conde Jjsieoski na paisagem pela capital
dor, o illustre cavalheiro o Sr. Willcens de Mal- para a provincia do Para eolendeu-se com o Em.
tos, e todas as pessoas rnais disli netas de Taba- Sr. vlce-presldonte e pessoas ouiras de importan-
tinga. I ca a respeito da colonisagao polaca; e abi deixou
Este dia memorando, registrado nos annaes agentes que o representen),
histricos da provincia do. Amazonas d ve ser res- I'iauhv.O Exm. vice presidente havla feilo a
paitado pe|o principio de consolldato universal, nome'ago dos suppleotes dos joizes muoicipaes; e
que determina dadas as contendas sobre qs inters- amigos seus tiebam Iho offerecido um copo d'agua
es mutuos, qier elles sejam de internacionalida- a 14 de agosto.
de, quer sejam commerciaes. Eslava na cbsfalura de polica interina o Sr. Dr.
c Para maior realce e perfeita seguranga dos jaiz municipal da capital Joaquim Oamasceno No-
brindes que os cavalheiros das duas oacoes amigas gaeira.
fizeram entre si, den-se a grave solemne coiucl- Fallecer o Sr. commeodador Thomaz de Aqui-
dencia de ser e dia do anniversano natalicio da ao Oioro, tbssoureiro da thesouraria ds fainada da
S convm dizer cam a'gar
uios os segomies trechos sobre a maten, u*. as
Qtilula tetra to de Netenabro de
im.

3SE
.-

fatalidades de doosjovcos, as dons amores, os amo
faci algara nota ve I.
, O fia, vtoe^sstdflot.ifl-ctuara urna reunio
dos cidadios uaais impertiles- da capital, aflra de
ontntn,#r. nos msios mais efcazea e ractssmes de os rebufados, todos os forntsiros, fljiT sjnri
satisfaaer as vistas do goveruo imperial "na acqui- j da visinha, e todas as o-phias (traes ou cor de ro-
siglo de soldados para sastentarem a honra do | sa) da presente ceara litleraria estn mnto longe
Brasil nos campos do sol. : de valer um Leonardo-Pataca. um major Vldigil,
A essa reano coropareceram raoitos cidadios juma D. Mana, um Jos Maaoel, urna Vldinba, ou
qualiflcados, e abi se comprometteram a auxiliar
as vistas da presidencia, coja realisacoe par certa
commum ao povo e o geverno, devendo ante a
santidade deste empenho confaadlrem-se os parti-
dos polrcos.
Neste proposito, pois, nomeou S. Exc. para o
alisunento de vnlnnlarios na comarca na capital
as tras commtss8*s seguales:
Coneelheiro Praocisco Jos Portado, desansfcar-
gador Miguel Joaqoim Ayres do hascimeot, coro-
nel Isidor i Jaosen Pertira, Dr. Francisco da Serra
Caroeirc, Dr. Sebastiio Jos da Silva Braga, e
tenente-coronel Jos Carlos Pereira de Castro.
Desembargada Manoel da Cerqueira Pinto, Dr.
Prederico Jos Correa, Dr. Jos da Silva Maia, Dr.
Luiz Antonio Vieira da Silva, Dr. Heractito d'Alen-
castro Pereira da Graga, Joo da Malta de Moraes
Reg, a Dionisio Alves de Carvalho.
Dr. Francisco de M-llo Coutioho de Vilhsna,
Francisco Sotero dos Reis, Luiz da Serra Piolo,
res de todos os toveosrul^x Wk^o,^^ ai,ria Francisca da Coneelgo, Pernambnflo, 20 Porto-Barca ponugM" Ermiltnda, eapito Frao-
princeza imperial.
< E>ies juramentos de santa harmona, -lo ini-
ciador de urna liberdade perduravel, conflrmage
tacita de grande estima entre don- povos que pre-
cisan) acabar com discordias insiguiQcaotes de
amor propno, livera.m no Sr. Costa Azevedo um
eloqueote delegado do goveroo.
Par.A's noticias consignadas na carta do nos-
so correspondente, quasi nada temos a adicio-
nar.
O Sr". conde polaco Jasienski fora bem recebido
na capital, e a idea da colonisagao polaco leva o
acolho, de que effectivamente credora, como ve-
rao os leliores pelo seguiote artigo de um jornal
d'aquella capital com referencia a mtena :
t A reunio havida em palacio na nolte de 3 da
correnle a convite do Sr. conde Jasleoski, da-oos
lisongeiras e.-perangas de que a colonisagao polaca
se etabelecera' na provincia.
t Cnto e untos cavalheiros concorreram ao
convite e tomando a presidencia, da reoeio o
Exm. Sr. vice-presidenle da provincia barao de
Arary, tendo a .-ua direita o Exm. Sr. bispo dio-
cesano e a' esquerds o Sr. conde
Exc. dclarou que o flm da reunlao era carar-se
dos meios da colonisagao polaca, e conceden a pa-
lav.ra aquelles que quizessem dlseorrer sobre o as-
suropto.
< Antes de todos ergueu soa voz por um bri
venerando Sr. bispo dio
provincia, cojos empregados em demonslragao de
sentimeuto por sua morte combiaaram tomar lulo
por 8 das.
A imprensa noticiando este fallecimealo dia :
Atacado por urna congesio cerei do correte as II horas da nuute, o commendador
Thomaz d'AquinsOiorio, suecumbio hontem pelas
6 e tuea horas da tarde, e sepoltoo-se Aoje
a addicio- 10 pelas da manba no cemiterio publico desta
capital, sendo levado ao seu ultimo juzigp por
numeroso concurso.
commendador Thomaz d'Aquino Ozorio, com
mandante superior .da guarda nacional desta cap
tal i! ihesoureiro da ibesourara de fazenda, era
um empregado inlelligente, honrado, cidado ho-
nesto, e prestante, bwm amigo, e meibor esposo a
pai. Conservador, firme em suas crengas, o com
meodador Ozono, gozou com todo, de geral
estima.
A presentamos a sua desojada esposa, filho e
prenles os nossos mais profundos seolimen-
tos. >
Cear.Contina sem alleracao esta provin-
Jasienski, S. cia.
A presidencia fazia no pessoal da polica, e mes-
mo em empregados da secretaria e justiga algumas
alteragdes por meio de exoneragdes; pelo que era
censurado pelo trense.
A ExposigSo provincial encerrou-se a 3 do
correte, depois de 5 dias de manifestagao dos seus
Ihante discurso o sabio e
cesano. S Exc. historiando a vida da infeliz Po- objectos. Deu se algoma concurrenciaT
ionia sob a oppresso de despotismo conquistador, A revista do mercad no dia 14 d oseguint:
iamentou o iudifferentismo das altas potencias: Cambios Houve diversas transagdes a 25.
para com essa nago de to gloriosas iradicg5es, Algodo.Entradas do 1 at 13 do correte 145
que nao era para esperar-seno secuto XIX quegira saccas; o mercado est desanimado esperando se
nos fortes elementos de liberdade. civilisagio c' peiores noticias da Inglaterra.
progresso; e, demonstrando as audictorio o espi I Couros.Firmes nos pregos quotados hoja.
rito essencialmeote ca(holico do povo polaco, e soa Caf.Vo principiar .mais regularmente as
dedicago ao irabalho aercola pedio todo o (OM- entradas e o de pnmeira qualldade esi.i procurada
resse e appoio a' eaipreza; purque, levada a effui enguanto o mal tratado s acha compradores a
to, ao mesrao tempo que com Isso erguemos um prego muito baixo.
brado a bem do prximo, importamos para .o paizj Farinha.O nosso mercado flea supprido com
ora engrandeciraento de riquezi publica e part-1 mais quairoeenlas barricas viudas de New-Voik
cular.
Em seguida o polaco Sr. Dr. Adolpfeo Kaulff
qne ha muito reside entre nos pronuncin 9 sen
discorso.
Foi nos satisfactoria a descripgao da hospiti-
lidade brasileira para com o eslr-nyeiro ; e, pas-
sando desse ponto a' lembraoga da patria, ausente,
dos solfnmentos marlyrisadores da mesma, o Sr.
KaulfT nao note deir de commover a todos.
pela habeUt
Os cambios cotavam-se.
Sobre Londres a 25.
Sobre Portugal i to nominal.
Soberanos 9A a 9200.
Bescoatos 12% 189/,,
Na costa a 8 leguas da birra de Aracaty enca-
Ibon o brigue ioglez znbella, vindo de Liverpool
com ii.-stino ao Rio da Pcms, irazendo-nm carrega-
de (azendas, feiragen, e
nao ple deir de commover a
Bem disse a idea dessa colonisagao que abre aos i ment coosideravel
seus compatriotas urna estrada.ao caminho da jeslive.
verdade.ra liberdade embora estrangeiros entre. O vapor de guerrarSAarpjftoofr segua para o
nos : I lugar do sini-tro com o vice-consul inglez, afim de
i Tambm se fez ouvir por um bello discurso o tomar as providencias necessarias a respeito do
Sr. conego liarro?o, revelando por esse modo mais carregamento.
ama vez o seu espirilo altamente religioso, humano
e patritico.
c Depois da leitura pelo Sr. Jorge Sobrinho dos
estatutos da sociedade anonyma de colonisagao po-
laca fundada na corte do imnerio e do decreto quo
os appro^ou e de ligeiras reflexoes deste e de ou-
tro sanhores, leve o Sr. conde de explicar a sua
idea e que todos acceitaram.
< O Sr. conde Jasien.-ki disse que a sociedad
que tencin organiaar nesla provincia ond pre-
tende residir, tem de ser filial a' central e goiar-se
pelos seus estatuios a exeraplo da que ltimamen-
te se fiadou em Pernambuco; mas que a sna
direcc.io na eleigo dos seus directores e emprgo
dos capiaes completamente independente .a in-
fluencia da associago central. Q-: o capital das
associagoes filiaes por acg5es Jb valor de dez n,il
ris, to somente para o preparo de terr-nos,
haliitagoes e ferramemas e alguns outros arran-
jos necessanos a pdr os colonos logo que cheguem
no exercicio da occopagao a que veem, sem cuja
certeza nao podera* condozir para a provincia os
seus cumpa iriotas.
Uoe tendo de retirar-se para New York no
prximo vapor americano afim de csnduzir para
Pernambuco cincoenla familias que ja ali o aguar-
dara, quera saber se poda levar a certeza de qu
todos esses recursos encontraran] os colonos po-
lacos a' sua chegada ao Para', certeza qne teria
com a inaugurago da sociedade filial paraense.
Depois das explicagoes do Sr. conde, eoovidou
o Exm. Sr. vlce-presidente aos cavalheiros presen-
tes a prestaron) suas assignaturas em um livroquo
se acha va sobre a masa, e os quaes s eriam os inau
garadores da sociedade filial, resolvendo-se por
ultimo que estes se tornariam a reunir boje em
seu palacio pelas 5 horas da tarde, para a elejco
da directora provisoria.
c Eis o que ss passou pooeo mais ou menos na
reunido de 3 do correte.
< Com o qne podemos considerar fundada na
provincia a sociedade de colonisagao polaca que
encuntra a sympathia de todos os nacionaes e es-
trangeiros.
t Reoniram-se em palacio na noitc de ti do ror-
rete sob a presidencia do Exm. Sr. vice-presiden
te da provincia baro de Arary, apezar da grande
cbava, nao ponros cidadios dos que comparece ;
ram na noite de 3 e Installaram a sociedade de
colonisagao polaca na provincia como filial da do
Rio de Janeiro e sob a dtrecgao dos mesmos esta-
tutos ; com a clausula porem, de nenbama io
fluencia.ter a sociedade central em relagaor ao ca-
pital e diraceao dos trabamos a caTgo desta socie-
dade filial.
Para o agenciamento de subscriptores e algn?
outros trabamos preparatorios omeon-se por es-
crntialo ama commisso on directora provisoria,
para o quo obtiveram maiorta de votos
Os Srs:
Presidente. -- Dr. Jos Tolho da Gama e
Abren ; secretariotfaqqel Rqcqoe Jqrge Ribei-
ro; dfrectoresJoo Augusto Cortea. A. Camnbell,
e Dr. Adolpho Kaulfas. ^ H '
Os mb. Dr. Abrep e Campbell Dedlram dis-
pensa dos cargoseara que foram eletos, porm, os
socios nao annqlram ao pedido, e elles se compro-
metieran) a envidar seos esforgo? para o engran-
decimento desta assosiagao, que temos intima con-
riegao ser de grandes vaotagens provincia e ao
paiz em geral.
Com relago a sua noticia publicada na Diario
do Par, publica em reciflcagaq, o mesmo Diario
a segulnio carta de pessoa qoalificadaop Amaio-
nas.
< Nao me consta qae em reupiao algama oeste
departaraenl do Per, se teaba dado morrn a
Bmsileiros; posso assegnrar-ser Inexacta a noti-
cia dada de Tabatinga, e transcripta no sea Diario
de 16 de jaohe prximo passado.
Tenho assistido a algnmas reuoloes de eaval-
leiros peroaoos, as qoaes as expiMfues, qn fe
despendem a respeito do Brasil e de seos filhos,
. ViSL 'i00*'1"8' e PJfM" fri e ami-
, nDr^Wf ***? fus. Apllela
aioreSoco^ **>**' + ** ** **
Lamenio-a como boa Brasileiro, e amigo deci-
dido do progresso do grao*) ralle amazenieose.
no qne tamben sJo ioteressad?? os Albos desta
arte do Per.
Rio-Ghandb do Nobte e Parahyba.Destas
duas provincias nada consta digno de menguo.
PEBlAMBUCO.
REVISTA iMniA
Eia circular dirigida a toaos os parochos
e superiores dos convenios desta cidado e da de
Olmla, pelo Rvm. Sr. vigarlo geral com relago
ao fallecimento de S. Exc. Rvma.
19 de setembro de 1866.-Constando pelos jor-
naes ebegados boje da provincia das Alagoas, que
o Exm. Sr. D. Manoel de Medeiros, bispo desta
diocese, de saudosa recordago, fora chamado
mansSo celeste no da 17 do correte ; dirjjo-rae a
V.Rvma., rogando-lhe que nao s celebre ama-
nhaa por alma do nosso finado prelado, como em
mep nome se sirva de fazer Igual rogativa a todos
os Rvms. sacerdotes, residentes em sua parochia, e
subordinados sua jurisdiego.
Deus guarde etc.
Era consequenca do fallecimeoto do Exm.
pispo diocesaqo, transferio a soa partida mensal o
Club Pernambucauo para quando se annunciar.
Em consequenca do fallecimeoto de S. Exc.
Rvma., fecha-se o aosso theatro por tres das, dan-
do asim o seu digno emprezario prova de seos
sentimentos de pesar pela parda do viriuso paator.
O espectculo qae devetia bonlem ter Ingar,
fie pulanlo transferido para sabbado ; e o de bo-
je para 3*/eira da prxima semana.
Contina no domiBgo prximo vindouro o
leilo dos objectos ofierlados ao hospital Portuguez.
A' noite havera ladainba na capaila do!edificio,
com pra tica anloga.
Funcciona hoje o Instituto Arcbeologco e
Geographico Pernamhucano em sessi ordinaria.
Pelo Memnon ti vamos noticias de Sergipe
com datas de 5 e de Alagoas de 17 do crtente.
Na primeira teve lugar a abertura da exposigao
no da 29 do prximo passado, encerrndose no
dia 1 do crrante; a os objectos exposlos snbiram
a mais de 200, devera seguir para a corta no Gon-
calves Uartint.
Fallecer o Sr. coronal Ignacio de Mello Pereira
Boto.
Da segunda provincia a noticia de mxima
importancia a morte do nosso prelado, da qaal em
lagar proprio damos ama exposigao.
Installouse a casa da associago eommercial de
Macei ao dia 7 com loda a solemnidad", dando-se
por essa occasio lioerdade a urna pardloha para
melhor consagrar semelhante festa.
Em seguida houve a eleigo da direcgo, dando
este resaltado :
Jaalquer oulra figura tracada por M. A. de Almel-
a rm seu romance.
Manoel Antonio de Akneida, nao (ol anda imita-
do, e Qiaguem taitn, nao teve a mecedores, nem
contincadm?. B' nico at boje no genero.
O sagrado de sea talento a sua oriKioalidade em
proseuqa de Norbei to de Sjom, Macedo, Tete eir
Souza,* outros, esta M despuvenAa oataralida-
4e do miylo, qne flucta sen esgares forgados a
sem erabarago alravs das ondul*gws da liagua-
gem popular : est na finura de observagio oom
que retrata vivo a sociedade, os costumes e os ty-
pos do periodo histrico de qie d descripgao: e
na chisto-a conciso com que satynsa, sem exagge-
rar, as cousas e as figuras canalas ou grotescas
do tempo.
Elle nao inventou, nao excogitou, nao poetlsoa :
ei urna copia. Sea livro um espelho aonde fica-
ram estampadas as figuras do lempo, com todos os
seus gestos e momos habituaes.
D'ahf a nao existencia da ora s trago, de um
s typo, qae destrua ou quebr as prooorgoes e
cores harmnicas do quadro geral. i/ah a vida,
o encanto, o valor artisiico e a originalidad do
painel.
S'eile nao encontra-se nem imvrrsses deleitara
nem reflexos extraaos. Tudo o. vo e Wrgem
porgue a miragem natural (nao a Imagiuada
arlilciosamente) dos tactos e das eousas como
eram.
&tu processo empregado por M. A. de Almeida,
alias la o simples e fcil, ao que parece, nao o
seguido pea mxima parte dos romancistas brasi-
leros da grei domname.
O que o romance 7
Nao cortamente a poesa lyrica.
E' a familia humana entre as quatro paredes so-
ciaes.
E' o hornera como elle .
O romance o drama ou a comedia.
No fondo a difleronca neahuma.
Ella s existe na forma, e as eondioSes peca-
liares a forma : o romance ama narrativa, os
factos e as pessoas apparecem pala descripgao : o
drama, solemne ou cmico, a exposigao dos mes-
mos tactos a das mesmas pessoas por malo de
orna representando ao vivo por Intermedio dos ac
lores.
Tudo islo faz do Sargento de Milicias o umeo ro
manca brasiieiro.
Podem apparecer melhor es oa tao bons, mas,
para que o sejam, nao bao de vir nem calcados
de la, nem vestidos de sol, nem cordados de es-
trella^
Uo de ser a fiel represaotago da sociedade e
da familia humana, como ella : materialona, pro-
saba, de carne e ougo, e palpavet. ,
O idai, o ponto de vista .oetico e artstico deve
ser tomado eestudado deste terreno (e nao das no-
ven.-) pelos romancistas e por todos aqoeiles qae
lizereui da sociedade huiiua o assampto de seus
esorlptes.
Assim, somente, podero elles encostrar, com
prebendar, u fazer comprehender a terdadetra
poesa.
Em qaanto nao for assim, o romance h i de ser
urna fulgurante enfiada da metaphoras, algama
cousa como um fogo de artificio, e nada mais.
Em quanlo nao for assim, o livro de M. A. de
Almeida ha de ser o mais popular eo mais impor-
tante romance brasileiro.
Vivo, M. A. de Almeida seria o realisador e pro-
pagador desta idea. Morlo, elle deixoq em sen li-
vro o bom exeraplo, oexemplo aproveitavel.
Entretanto, ao que parece, ella morrea sem ter
plena consciencia de soa importancia luterana.
Revela-o seu proprio livro.
Como romancista Almeida tem algnma cousa de
phisionomia Iliteraria da Charles Peirault, o im-
mortal narrador de historietas.
A mesma ingaouidade com que este escrev. o
seusCornospara lodos os homens e para Podas
as inteliigencias, julgando e.-crever smenle para
meninos, revela se no descuidado aliaba vo com
que aquelle compoz um livro classico, um livro
modelo, sem saber qae o era, e sem coonecer-lhe o
valor.
Ambos, sem inlaoco,. legaram em seus traba-
Ibos, as respectivas literaturas, ura admiravel es-
pcimen da simplicidade, conciso a g>to lute-
rano.
A vulgari-agiSodo romance de M A. de Almeida
nao portanto, um fado como qualquer eutro.
Tem um alcance luterano nolavel a digno de con
sidrar-se.
17 .Navios san&os no mesmo da.
Mara Fiaorlsc Alcmforado, Pernambuco, 16 an- Cabo VerdePatacho portuguez Farta, caplao Jo-
os, solt-ira, Recife ; erltonit-. t AleandrLopes- da-Rosa,em lastra.
moos, soltelro, Boa-Vista ; enterite.
fHeejM, Pernambaco, 15 mexes, Sanio Antonio ;
coirvulsoes.
Mara, Pernambuco, 5 mezas, S- Jos ; dentigo.
Lctea, Pernambuco, 10 mezes, Santo Antonio ;
oeoge-to cerebral.
Joo. Pernambuco, 2 mezas, S. Jos ; espasmo.
Erad*. Pernambuco, 11 roezes, Roa-Vista; son-
votees.
Jalte, ernambnco, 9 mezes, 8. Jos ; inflam-
mnpo.
Querini, Pernambuco, escrava, Boa-Vista ; s-
pasmo.
Sabino, Pernambuco, 35 annos, escravo, Boa-Vis-
I otpOOlOSiA-
cisco Antonio dos Santos, carga assncar.
EDITAES.
^
BS"
Publicares a pedido
fispilal portle/, de Beatficeocia
em pei-BmbHCo.
No domingo 16 do corrente, depois da
fesia que se celebrou no Hospital Portuguez
de Beoeficenc a. eiTectaoa-.se o caridoso lei-
iSo de prendas usado naquelle estabeleci-
ment: o bolo da opulencia e caridade
avultou all, na mais :otnpIela satisfacao dd
evangelho e a le divina que mandam soc-
correr a indigencia e alliviar a penuria da
miseria.
Alera do asseio o da dislineco que
n'aqudle hospital se iwtou durante todo o
acto, e que lhe ordinariamente commum,
nota-se alguma cousa de mais; isto, via-se
r*ilandecer no semblante de cada enfermo
a regosijo que briitia aos cilios da efermi-
dade, quando a mo tandosa do catolicis-
mo vaialiviar-lhe os soffrimenios.
De ^ada ura daquelles labios atacados pela
infermidade mais uujnenoa densa, como qae
se ouvia subir ao co a prece intima da des-
graca que impetra no paroxismo di mise-
ria o auxilio da divindade para aquelles que
dos festn* da opulencia nao esqueeeram os
espinhos do leilo da dr.
Fntrfttanto nem tudu s a ; anda gran-
de numero de prendas ficara a de ir e nao
foram exoaras a veoda ;no por falta de
espirito caridoso, mas porque nao sobrou
tempo para leva-la.
"Resta agora que o publico pernambucano
concorra aquelle estabeletiraento no dia
23 e proye anda urna vez at onde se esten-
deai os sentimentos altamente religiosos que
temsempre distinguido esta bella provincia.
Se benn que estrangeiros, e n3o tendo nas-
cido no abecoado trrSo do hospitaleiro
Pernambuco, comludo, conhecemos de per-
to a phlanntropia de uns para nosso irm3o
pormais de um titulo, e esperamos porisso
a concurrencia de todos aquelles, que sabem
ser nacionaes sem se esquecerem de que
sao Glhos do roaatyr de Goi^ota que se t>a-
duzio na caridade e que disse que Deus Cha-
silos sL \
No domingo 23 s 6 horas da tarde can-
tar-se-ha urna ladainba precedida de sermo,
devendo qomec.ar o leilo s 3 horas da tar-
de do mesmo da.
Cumpra cada um o seu dever, esquega-
mos o que^>oos, e como nos recommenda
o apoi'.ol, lefrbremos-eos do que podemos
vir a ser.
Um socio,
O Dr. Tristio de Alenear Ararlpe, offlcial da im-
perial orden da Rosa e juiz de dirello especial
do commercio desta cidade de Recite de Per-
nambuco, por sua mage*nde imperial e consti-
tucional o Sr. D. Pedro I(, a qoem Deas guarde
ele.
Fago saber aos qae o presente edital viren
delle noticia (iverem, que por parte de Joaquim
Manoel de Mira Weaderley, me foi dirigida a pe-
tigao do theor seguinte :
Illm. Sr. Dr. juiz de direito do commercio.Diz
Joaqoim Manoel de Mira Wanderley, qae sendo
devedor a seo casal Diogo Perrelra Pontes Anto-
nio Toeodoro Soares, da qoantia de 843*141 rete
principal de nma letra accelta pelo prlmeiro sac-
cador e pelo segundo, correndo juros de dous por
cento. ao me, acontece que achaodo-se a mesma
vencida os sopplcados nao tem pago, e porqae es-
teja prestes a expirar o praso para a precripeo,
quereodo o snppllcanle fazer interromper dita
prescripgo, vem pols reqnerer aV.'S. se digne
mandar tomar por termo seo protesto; e achando
se os supplicados em logar inceno e nao sabido
pelo supplicante, rem requerer a V. S. se digne ad-
fflltti lo a justificar a ausencia e encertea, para
que provada e julgada por senteng dita ustifica-
gjo se passe carta de edilos palo pr>so legal para
por mel delle serem os supplicados intimados do
mesmo protesto, sob pena de revrlia.
Nestes termos : pde a V. S. deferlm^nto. E.
R. M.Joaqoim Manoel de Mira Wanderley.
Na qual dei o seguinte despacho:
JiistirJqae a ausencia hoje as 11 horas da roa-
oha, e tome-se por termo o protesti,
Recife, 3 de agosto de 1866.Tristio de Alenear
Araripe.
Em virtude da qual fora a mesma petigao des-
tribuida ao.escrivo deste juiso, Manoel Mana Ro-
drigues do Nascimeoio, o qual fez lavrar o lermo
de protesto do theor seguinte :
Termo de protesto.
Aos 3 de agosto de 1866 em meu cartorio appa-
receu o snpplicaole a disse peraute mim e as ks-
temunhas infra asignadas qne reduiia a protesto
o conteudo de sua petigao retro, a qual olferecpu
?"
"Ml Jl1!!1!1 ':
assim o disae e proteslon, lavre este lerm >, no
qual depois de lido se Srmou com as ditas teste-
muohas:
Eu Secundino Eliodoro da Cunha escrevente ju-
ramentado o escravi, eu Manoel Mara Rodrigues
do iSascimento escrivao o subscrevi. Joaquim Ma-
noel de Mira Wanderley, Fraocelino Olympio Pe-
raira de Olivelra, Minervino JefTerson Pereira de
Oilveira.
E tendo o sopplicante produzido suas teslemu-
nbas selladas e preparados os autos subiram a mi-
nba conciuso e nelles dei a sentenga do theor se-
ga rnte
Hei por justificada a ausencia e mando que a ci-
tagao requerida se faga por edilos de 30 das para
o tim pedido, pagas as cusas ex-causa.
Recife, II de agosto de 1866. Tristo de Alen-
car Araripe.
Em virtude da qgal o referido escrivao fez pas-
sar o presente pelo theor do qu?l chamo, cito e hei
por intimados os sobreditos supplicados para que
comparegam neste juizo, nrlm de allegaren) o que
fr de justiga.
E para que ebegue ao conhecimento de todos
maodei passar o presente que sera' publicado pela
iuipreosa e afflxado nos lugares do costme.
Eu Manoel Mara Rodrigues do Nascmenlo, es-
crivao o snbscrevl.
Recife, 14 de agoMo de 1866.
Tristao de Alenear Araripe.
como parte do presente que Bc sendo e de como d'"m" rdag' "' vira .'.'Jf? 1LL15^C1 de ven* o sitio do Zongn
MraMK .inrM0t|e partew erws de Apipn-
cosno Wlord.BOi\1)e0, eMM ptBlweB,es
finada Mara Candida de MagaWiae, e ce vio a.
W*W^"**'"n|aHnsile para paga-
nenio de sello da fazenda legados e ventena:
Obras publiSe. ""
Pela reparligo das obras publicas 3e fax publi-
co aos proprietarios da roa do Rangel, largo e tra-
vesea da Liogoeta, qne Ihes marrado na forma
do regalamento de f7 de jvntio de 1864, expedid
para a ezecugSe dajei n fM o prazo de 30 das
a contar desta date para eonotruirero os passeos
de seas predios nao podendo na eoBslrocgo dos
ditos passeos emprenerem tefes que nao lenham
pelo menos as dimensoes j annonciadas.
Secretaria da repsrtlgae das obras publicas 13
de setembro de 1866.
______________Jo3o Joaqoim de S. Varejao.
Oostika de rompas oavfs.
O conselho promove no da 32 d corrente mez,
a vista de propostas recebidas al a's II horas da
manbaa, e sob as coDOicSes do estylo, a compra
dos seguintes objectos do material da armada:
10 barris de alcatro, 6 ditos de breo, 6 barqoi-
nha* de patente, 12 bandeiras nacionaes de X pan-
nos, 10G chapeos de oleado, 50 camisas de baia,
24 caivetes de aparar peonas, 1 pefa de cabo oe
lioho de 9 poli*gada<, 1 dita de cabo de linbo de 7
pollegadas, t dita de cabo de linbo de 6 pollega-
das, 2 ditas de cabo de linho de o pollegadas, 2
ditas de cabo de lioho de 4e tr.eia pollegadas, 3 di-
las da cabo de lioho de i pollegadas,6 dita* de cobre
linho de 3 pollegadas, 6 ditas de cabo de lioho de.
2 e meia pollegadas. 6 ditas de cabo de linho de 1
e meia pullegadas, 6 ditas de eado de linho de 1
pollega Ja, 2 arrobas de. fio de algodo, 600 folhas
de liza Boa, 30 lanteroas de patente, 120 palmos
de pedra marmore com 26 poUegadas de largura o
1 a 1 e meia de grossura, 20 duzias de pranebdes
de amarelio, sicopira ou angelim amorgoso de 40
ps (oglezes de comprmanlo a 7 pollegadas de
grossura, 4 arrobas de pregos de cobre da batel,
1 ditas de pregos ribares de cobre, 6 prumo- de
patente, 2 taros de pi ares para navio-, 1QQ re-
mos de faia de 14 ps, 4 arrobas de secante, 8 du-
zias de laboas de piulio de 1 pollegad, 8 ditas de
taboas de pinho de i e meia piJtegadas, 8 ditas
de tahuas de pinbo de 2 allegadas, 8 ditas de ta-
boas de pinho de 3 pollegadas, 8 ditas de lalwas
de costadiuho da amarado, 50 latas de tinta bran-
ca de unco, 100 travs da quakdade, i virador de
lioho de 7 pollegadas, 2
DECLRALES.
COMMERCIO.
Cotacdes ofdciaes,
PRAQA DO RECIFE, 19 DE SETEMBRO
DE 1866.
A's 3 horas e meia da tarde.
Hontem.
E' um grande impulso dado ao desenvplvimento i Cambio sobre Londres 90 d/v e 25 d.
luterano do genero, e nao como parece, um facto Dobourq,
pequenlno a sem consecuencia. Presidente.
No dia 16 do correte foram lidos na matriz Srlveira,
do (regnezia de Santo Antonio os seguioles procla- Secretario,
nvas de casamentos:
1-* denunciago.
Alexandre Jos Rogerio Filho, com Florinda
Mara da Concedo.
Ervino da Silva Caldas, com Aona Amalia do
Reg Caldas.
Jo- Mana Gongalves da Cosa, com Aogusta
Maria de Parias.
Demetrio Jos Teixeira, com Maria do Carmo
Pereira da Cruz.
Apolioarlo Liborio da Silva, com Rila M na da
Cooceigo.
Jos Maria Pereira Passos Pimentel, quer se
mostrar livre a desempedido.
Armindo Manoel da Assumpgao, com Joaquina \ P Pil.
M.iria daSoledade. Caixa lllia' *9 B3nc0 do BrS"
Noto baacn de Peraam.
baca.
O novo banco desconta letras de prazo at qua-
tro meies a 8 por cento ao anno, e de maisr prazo
a 10 por cento.
0 nevo banco le Pernambaco faz o
seguudo dividendo de viute por cenlo
das massasde Mesqui la & Nutra e Fran-
cisco Antonio Correia Gardozo.
em Pernambuco
Enralo Pinto da Costa, com Adosioda Joaquina
de Jess.
2.* denunciago.
Jos da Costa Babia, com Adelaide Lucia da
Cruz.
3.a denunciago.
Bacharel Virginio Carnelro da Cunha Albuquer-
qua, com Mana do Carmo Carnero da Cunha.
Barnardino Pacheco dos Sanies, com Josepha
Candida Romualda da Silva.
Joaqoim Jos de Uliveira, com Anna Augusta do
Fr.
Jos Dadivo dos Passos Bastos, com Maria Fran-
cisca de Almeida.
Passageiros do vapor ioglez Memnon, vindo
de Macei:
Joo P. B., Jos V. da Silva, Jos B. da Costa, J.
Gomes Vellas.
.Passageiros do vapor brasileiro Guar, viudos
dos portos do norte e que seguem np mesmo para
os portos do sul :
Jos Martms da Silva, Manoel Castaobeira, Ber-
nardino G. de Novaas, 1 reernta para a marinha,
Antonia Maria de Jess, 1 afllhada el escrava, Dr.
Jlo de C. F. Vieira e 4 escravos, Fortunato dos
S. Pr reir, D. Geuovava F. Nooes, Elvdio Lo moldo
da Silva, Candido A. P. de Carvalho, Heuriqdes
J. G. Pereira, Joaquim J. de S. Lope, Dr. Jesuioo
J. de Freitas e 1 criada, Manoel Matbias,. al'eres
Napoleo da Q. Rosa, 16 recrutas e 1 guarda na-
cional para o exercilo, 2 recrutas para a marinha,
6 escravos a' entregar, 69 guardas nacionaes des-
ignados, 27 aprendizes rnanobeiros, Jos Joaquim
de Oliveira Basjos, 2 policiaes escollando um es-
cravo, Dr. Domingos AnloniQ-A. Ribelro, 1 IUho e
2 escravos, Dr. Francl>co de P. L. dos G. Pex te e
1 criado, Rosa B. da Silva e 1 fliha, Ricardo Hoi-
deu. Clara Rosa do Amaral, Joanna Camilla Duar-
te, Carlos Ernesto de Misqmta Falco, Dr. Antonio
Lu Cavalraute (le Albuquerque, su seohora, seu
aos 13 de julho de 1866.
De ordem da directora se faz sciente aos senho-
res accionistas que o thesoureiro esl autorisado a
pagar o 33 dividendo das acgSes desta raixa a ra-
zan de 10.
O guarda livros.
Ignacio Nunes Corrcia.
Caita filial do banco do Brasil em >er-
nambneo 13 de julho de 1866,
A caixa desconta os saques de seu aceite pela
laxa de 60/0 ao anno, e sacca sobre a caixa tilia I na
Babia.
Novo Uraco de Pernamlmco.
O Novo Banco fazo 17* dividendo de 5 por
accao.
ALFANDEGA.
Rendimenlo do dia 1 a 18...... 347:3894391
dem do dia 19................ 46:244*938
393:634*329
MOVIMBNTO DA ALFANDEGA.
Volumes entrados com fazenda...
< com gneros...
Volumes saludes com fazendas...
c con gneros...
324
217
~187
545
-----732
541
Presidenta, Jos Joaqoim de Olivelra ; vice-preel-! cunhado e 2 escravos, Jos Piras Barroso, Dr. JoSo '
dente, Fortunato da Roeba Silva ; secreiario, Jos Anlpnes de Atenuar, Antonio F. da Silva, Pedro
Virginio Teixeira de Araojo; thesourelro, Francls-! Augasto H. Jorge, Jorge, Jos Barnardino Teixeira,
co de Vapcoocellos Mandonga. I Antonio dos Saotos Villaga e sua seohora, Jerony-
Directores. Manoel de Vaseoncellos Jnior, Joo mo Cabral Pereira do Amaral, H. Behrens, oadrp
de Almeida Monteiro, Antonio Ferreira Prado, An- Flix H. do Rgo, Loiz Amonio Pereira da Silva,
tonio Teixeira de Agmar. W. G. Wueherer, Rodol- Mano-I da Oveira Lima Jnior, Jos Benito Globo,
pho Finch, Jos Antonio Teixeira Pinto, Cand.do Autopio BaptlsU Delbon, Victorino Brun, Jusi Rer-
rrancisco Soares, Jos Manoel Baptista, Joio Anto- nardino de Manos Gnimares, Francisco C. da SU-
nio Pereira Lessa Joao Jos da Graga, Francisco va, Bernardo Calmo, Ernesto Augusto Paulo, Par-
pires Uaraeiro, Flix Pereira de Souza, Joa^nlm de gentino Augusto Tavares Franco, Antonio Rodri-
Azevedo Mua Antonio Francisco bella Jacintho gues da Costa, Jos Domingos C, Firmino Antonio
Jos Marques dos Saotos Carregal Domingos Jos Monteiro, Dr.Mapoel DanUsC. de Gas, Antonio
de Paria, Manoel Ferreira Goimaraes, Manoel M^r- Carioa de Almeida Albuquarque. ^^ *m-
lins de Miranda. Baro de Jaragna', Manoel Case- nEymnKnmii.vi_nh.in.*, i. <__
miro da Rocha Jnior, Valerio Jos da Graga e teS""186?^ ***
Americd Nello Firmiano de tornes. joaqQ1Da Uuh'ta Conceicio, Pernambuco, 39 an-
-O romance cuja pubiieago boje comegamos, nos, viuva, Boa-Vista ; gangrena.
do Sr. Manoel Antonio de Almeida, e ba pouco foi Manoel. Pernambuco, 3 das, Santo Antonio ; na-
dada a estampa pelo Carreit Pautistano. pamo.
E' um romance nacional, e nico no seo genero' Pedro, Pernambuco, I mezes, escravo, Boa-Vista ;
enes archivos da litteralura patria. bemorrhagia.
As memorias de um sargento de milicias urna Bernardina, Pernambaco, 30 annos, escravo, Boa
Vista ; pneumona.
Descarregara hoje 20 de'setembro.
Barca, inglezaSuaamefrjjniereadorias.
Barca franela lean Bapttstedem.
Vapor inglezAmazoniden.
Bngae inglezLen [erro.
Barca lubckensaHaydufariqha de trigo e mais
gaceros.
Patacho hespanholLaurianovieho.
Escuca bollandeza Weuielma Jacobusdiversos
gneros.
Barca nacionalSanta Maradem
Polaca haspanhola Promptadem.
RECEBEDORtA DE RENDAS LNTERNAS
GERAaS.
Rendimenlo -do dia 1 a 18...... 18:403*495
dem de dia 19................ 791*0.7
No dia 21 do correle mez, depois da audien-
cia do Illm. Sr. Dr. juiz muoicipal da 1* vara, tm
de Ir em praga, para serem arrematados por qoem
mais d'', os bens movis, penhorados a Manoel
Aives Guerra, por execugao que coDtra illa enca-
minha Antonio J s Vieira da Cunha ; a ultima
praga.
Santa Oasa da Misericordia
do Recite,
A Illm.' junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recife manda fazer publico qae
00 dia 20 do corrente pelas 4 horas da tarde na
desoassesseslera de ir a praga a renda das ca-
sas abaixo mencionadas para serem arrematados os
sens alugneres por tempo de um a tres annos.
Os pretndanlas daveo comparecer acompanha
dos de seus fiadores 00 com cartas dos mesmoes.
Eslabelecimenlos le caridade.
CPontiancos.
Casa terrea n. 110......2G4*0C0
Ra Direita.
Sobrado de 2 andares n. 8. l:067*OOL
Ra do Padre Floriano.
Casa terrea n. 47.......1865000
dem terrea n. 65....... 72*000
Travessa de S. Jos.
Casaterrean.il.......153*000
Ra dos Pescadores.
Casa terrea n. II.......216*000
Ra das Calcarla.-.
Casa terrea n. 30......174*"'00
dem o. 36.........176*OUO
Casa terrea n. 38.......I57*u0
Ra do Encantamento.
Sobrado da 2 andares e soto n. 3. 400*00<;
Ra da Moeda.
Sobrado de 2 andares e soto n. 37. 480*000
Ra da Gloria.
Casa terrea n. 55...... 144*000
Becco do Quiabo.
Casa terrea n. 55 ,.....141*000
Patrimonio de orbaos.
Ra do Sebo.
Casa terrea n. 13 ... 216*000
Ra do Pires.
Casa terrea n. 39 ......120*000
Ra do Rangel.
Casa terrea n. 56.......300*000
Roa da Guia.
Casa terrea n. 27......126*000
Rna da Lapa.
Gasa terrea n. 2.......166*000
Ra da Cacimba.
Casa terrea n. 10.......... 83*000
1 Rna do Pilar.
dem terrea 94.......... 168*000
dem n, 103............. 200)000
dem n. 105........168*000
Sitio do Forno da Cal n. 5. 150*000
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Recife 14 de setembro de 1836. '
O escrivao interino,
Pedro Rodrigues de Sonta.
da Santa Casa
Tambero do con>elho contrata por igual forma no
referido da 22 do crreme mez, o fornecimenlo de
carne sacca do Rio-Grande do Sul, e da leona para
com lelo da viveras aos navios da armada a es-
lahelreiraeMos de marinha no trimestre de ouiu-
bro a dezembro do crranle anno, a o fornecimen-
lo igualmente no mesmo trimestre aos duos navios
e e.-ubeltcimetnus, para completo tamben dude
fardamento, dos seguimos objectos:
Para aprendizes artfices.
Blnsas e caigas de algoco azul, cobertores de
la, colxas da algodo e lencos da seda preta.
Para imperiaes mariaheiros e aprendizes ditos.
Caigas e camisas de algodo azul, e lengos de
seda preta.
Para fuzileiros navaes.
Caigas de algodo azul a grvalas de couro de
lustro.
Sala das ses.soes doconselbo de compras navaes,
19 de setembro de 1866.
O secretario,
___________Alexandre Rodrigues dos Aojos.
Consu'ado He Franca em Pernambuco.
O ministro do-, negocies estrangeiros me encar-
rega da appallar para vosea caridade a para vosso
patriotismo em favor de nossa colonia algeriana,
devastada neste momento por orna Jarrivel catas-
irophe.
Urna inva.-o de gafanbotos, cuja massa tom in-
terceptado a luz do sol, acabQO por devorar as cc-
Iheitas da mullos unos. Todos os esforgos da po-
pulago edo exeicito, foram apenas suficientes pa-
ra desembragar as fonia--,a5-ci>ieruas e o enrso
das aguas desta causa n iofecgo. A devasiago
succedeu prumpiameulc; a ruina, a fume e a
morte II
Eu appello para a generosidade e homanMada
da colonia franceza de Pernambuco. Me dirijo aos
residentes eornpeuse aosBraslIeiros Para nos sao
Frapcezes que soffrem, para todos, chri?to e ho-
mens.
Supp'ico a todos que lerem estas lionas de se
preoecupar, nao de me irazer nn a rica tiBerla ;
mas sim ama qualquer. A reunio de racos esfor-
gos, valem mais que grandes sacrificios da parla
de alguns.
A sunscripgo esl abena neste consolado.
Os nomes dos donatarios serSo inscriptos as co-
lumnas deste jornal, e depoi no Monitor Univer-
sal, e assignalados assim a eslima e r< condimento
da Algeria.
________Oconsnl de Franga, Osmin .aporte.
Crrelo geral.
Pela adminislrago do crrelo desta cidade, se
[iz pub'ico que em vjnude da convengo postal
celebrada pelos governos brasileiro e francez, sero
expedidas malas para Enrnpa no dia 30 do corren-
te pelo vapor francez Guienne As carias .ero re-
cebidas at 2 horas antes da que fr marrada para
a sahida do vapor ; a o.s jornaes at 3 horas anlrs.
Adminislrago do corren de Pernambuco, tu de
setembro de 1866. O administrador, Domingos
dos Passos Miranda.
Crrelo geral.
Relago das carias segura:i viudas do norte pelo
vapor Guar, para os senhoresabaixo declarados:
Alarico Jos b01 lado, Antonio Jos de Soo7a Frei-
tas, Dr. Anioni> Vicente do Nascimento Feliosa,
Bernardo Jos da Costa Valente, Henriqueila Silva'
Ferreira Rabello (Pao o'Alho), Ignacio Benio de
Loyola, Jos Antonio Pinto Serodio, Dr. Jos Benio
da Cooba Figueindo Jnior, Jos Francisco Ribei-
ro Machado, Jos Ribairo Bastos, Jos Rodrigues de
Souza (3), padre Tranquilino Cabral de Vaseoncel-
los.
19:254*552
CONSULADO PROVINCIAL
Rendimenlo do da 1 a 18.
dem do da 10...........
46:841*819
2:388*010
49:229*820
A Illma. jonta administrativa .
de Misericordia do Recife, manda fazer publico que
no dia 20 do corrente pelas 4 horas da tardeoa sa-
la de suas sessoes se hade arrematar a qoem por
menos flzer a obra da cornija e ftagido da frente
da igreja da Misericordia em Olinda e a ladrlho de
100 palmos de comprlmento e 30 de largura do !
saio, de 70 palmos de comprmanlo e 20 de lar-
gara do 2" salo, de 65 de comprmanlo a 32 de
largura do 3 salo, da 28 de enmpnmealo e 24
de largura da sala contigua ao i* sallo, e de 133
palmes de comprlmento e 24 de largura do adro
da igreja.
Os proponentes deverSo apreseniar suas propos-
tas em cartas fachadas, e para melhores esclareci-
mentos podero drigir-se a' esta secretaria.
Secreterla da Sania Casa de Misericordia do Re-
cife, 14 de setembro de 1860.
O escrivao Interipo,
Pedro Rodrigues de Souza.
. Pela administrrgao do correio desta eidade se
faz publieo que boje (20) as 3 horas da lard fe-
char se ho as malas que o vapor Guar lem do
condozir para os portos do sul. As cartas seraoad-
mittidas a seguro at as 2 horas, e os jornaes sero
recebidos al o meio dia.
Arremata cao.
Sexta feira 21 do correte boda a audiencia da
! vara lem de ser arrematada nma casa terrea
sita a' rna Imperial n. 261, peoborada a Jos Bap-
tista Adens e sua mnlhar por execugao de Fran-
cisco da Silva Reg, que corre pelo cartorio de^es-
crivo Baptista, avallad* por 7009.
s
TCIEtTlftO
DE
O emprezario desle thealro acompanhando c-
profundo sentimento de que se acha possoida a
populagao de-la capital pelo infeliz passa nenio de
S. Exc. Rvmd.* o bispp diocesano D. Manoel de
Medejros, suspende os seus espectculos t t,x-
ta feira 21 do corrente. de commum aesordo eo
o Exm. Sr. Dr. chefe de polica.
O espectculo annunciado para hontem 19 lar
lugar
Sabbado
com o drama
O VYJO
OA
preeiostdade nacional, infelizmente apenas conhe
cfda por aquelles qne viven na Intimidada das let-
tras, entretanto qne o sea destino bibliograpbico,
natural e legitimo, a popularidade ampia e com-
plata boje, tesa una e depon, e depois, emqoaolo a
historia brasileira o&e delx.v no caminho a pesada
pagagem de snas chronieas coioiu, 89 sanias re-
liquias do tempo do re.
-16-
Maria Prxedes de Frailas, Pernambaco, 46 annos,
casada, Recife; molestia interior.
Nyrapba, Pernambuco, 12 annos, Boa-Vista ; de-
synteria.
Joio Antonio Marques, Pernambuco, 29 annos, sol-
telro, Boa-VUta; tabereales pulmonares.
MOVIMEWTO D6 PORTO
r ~ 1 1. 1 -- 1-- 1
Navis entrados n dio 10.
Portos do norte9 dias e 6 horae e do ultimo por-
to 6 bons, o vapor nacional Guan, de 999 to-
neladas, commandaote o 1* tente P. H. Duarte,
equipa gara 54, carga difiranles gneros ; a An-
tonio Luiz de Oveira Asevedo h C.
Macei16 horas, vapor inglez Menntn, de 927
toneladas, eapito David Kidd, equfpagem 38,
carga varios gneros ; a Saunders Brotberg &
C Seguto para Liverpool por Lisboa.
A Illma. junta administrativa da Santa Casa
de Misericordia do Recife manda fazer publico
qqe no da 20 do correnta palas 4 horas da,tarde
!ia sala de suas sessSes, recebe propostas par
actnra das obras qne precisa o sobrado sito i rus
Direita n. 33 pertenceute aos eslabelecisernos de
caridade.
As propostas devero-ser em cartas fechadas,
seqdo preferidas as qne melbores coodiQdes offe-
recerem.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife, 14 de setembro de 1866.
O escrivao interino
_____________Pedro Rodrigues de Souza.
Arrematac&o.
Parante o Illm. Sr. Dr. juiz de orphaos e pelo
cartorio do esenvo Guimajes Andas tres audieo-
i & Mim
m
O de qoinla-feira 10 em neneeid da JanaMn do
Sr. taante-coronal Joo Paulo Ferreira para
Terea-felra 2$ do eorretjrte.
Thealro de Santa Isabel, em 20 de setembro O
1866.
Antonio Jos Doarte Coimtra.
IfiSOS MARTIMOS
I----------------------------------- I. 'I 1^
Para o Eio de Ja
Pretende seguir con mu na bre viendo
e bem conhecido-brigue nacional Dm
tercos de sen carregamento engajado
que Iho taha e escravos a 1 rete pan o
excellentes commodos trata se com o
rios Antonio Luiz de Olivelr Axevede
sea escriptorio ru da Craz n. .
K
v 1
.1
s


JNra o Asau'
:Miy^'u 'ir ** **tcmr* t IM6.
Ojulbabotu i'unfijiM W'tirBd en paucos, dias
s*gmr para aquelle porto ; tratar-se com Tasso
rmao.pe engajiiirle Ai (
fjr ca esealm pele Maraiha.
^f"to!?V!,!*,r f m Pnct>s da superior e ve-
wpaibeie Pfrnnmbmano por tw (frauda par-
uh e*rre8araeD, prwpto. H" Q*6 'be
ana trata-se com o cou*igoaiano Joaqun Jos
Cahwa Beltro, aa ra do Vicario d. 47, !.
(KPA.%HI4 RASILlllHi
PAQUETES A VAPOR
Du< port >8 do sol esperado
ar o di 30 do cotranle o vapor
Cmwiro do Su/, coraroaadaote
, Alcuforado, o qual depois da
demura do eos turne Mgwra para
a goftWYI norte.
Desda ja reeetera-se passagero eo|aja-se a
eargaqae o vapor poder coodatir, a qaai devera'
ser embarcada no da de sua chegada, encommen-
das e dioheiro a frea at o da da saluda a i ho-
ra da tarde. Qoclara-se aos Sr. passageiroa qaa
as passagens s sa recebera aesta agencia roa da
Crut a. 1 eseriptorio de Antonio Lois da 011-
veira Ateveae & C.
Para o Rio Grande do 8ul.
Val seguir com rouiu brandado, o bes eonhe-
-io. ^a'.frjff*?n> s*Ptrtor> r*"1 reob car-
. JB ?* ,r*,'5i PJ.r* bdAifflrim IrmS.is, ra da Gru o. 3.
tas
Para o Rio Grande
do SuL
Freta-se on recebe carga a frete a escuna ha-
*fl*a>a AHa Carolina de 113 toaeladw ragle-
." :,WrW?,l(fM ^ C i I,- ttlptorio de
AntonioXult de ullveira Aievedo A (1
Rio de Janeiro.
rVafa d svgMr para e Indica do porto, com omi-
ta brevidade, a veleiro s 061 eoetieeldo brlgoe
Adelaide, por ter a maior parte de sep carrega.
nenio tratado; e para o pouro que Ihe falta tra-1
ta-sa coa o consignatario Joaqoim Jos Gouc.a Ivs '
Bartrp, roa do Virarlo a- 17, primeiro andar.
Maraniao e Para.
Segu com a posivel brevidade para os indica-
dos porto8 o brigue escuna nacional Graciota, ca-
pltao Silva Ratis; para o resto da carta que Ibe
falta, tratase com o seu consignatario Amonio de
Almeida Gomes ra ta Cruz o, 23,1. andar.
Baha.
Pretende sabir em poucos dias o veletro e bem
eoonoeido patacho Santo Antonio, pf ter a maior
parte de seu caraegamenio tralado, e para o resto
ao Ihe falta trata-se cora o consignatario Joaqoim
Jos Gooealves Belirao, o* rna do Vigario o. 17.
i. andar. _
Para o iracaty.
Pretende seguir com omita brevid'ade o palhabo-
B rracioBal Dhs Amtgit, para o resta ote da carga
qne ibe falta irata-se com os seas consignatarias
Antooio Luit Malln* da Aievedo & C.: no seu es-
efiotorio roa da Crur. n. 1, ou com o Sr. Quintal,
U'j trapiche de algodao.
ios nmmmm*
Corre amanhfi.
Acb*m-se venda bu respectiva thesou-
rara, a roa db Cfespon. 15, os bilhetes
meios equartosda 24 parte da lotera a
beneficio das familias dos voluntarios da
patria (831), sdo a eitr^rJo no lugar e
hoiS o> costUae.
Os premio da 6:0$$6a| pi U)|ooo ia-
ro pafos turca hora fltpoig da extmclo at
as 3 Boras da tarde, e os nutres depois da
distribuido das Mitas. -
As encomaeodas aerlo gaardadas ama-
le at a notle da respera da extraefo.
Servinde dettesoureiro,
__________Jos Rodrigues de Sama.
VIVA 0PITOG8ESS0.
Atteneao.
Ezerciclo de 1866 a 1867.
A-i. i^eee[* *y,a*~ft*to ordinaria.
Arfejf. ^ mm flca atrtonsado par tbformar
a tarifa das altandrgas.....
Art. 2*. As nnidades da tarifa, sobre ififran i
assentaro as laxas, sero as do sy-tsma eetrko
decretado por iei n. 1157 de J6 de joobvl; 1862.
A* publico.
Chegaram a" roa Nova n. 3JMn'da d i"' *
all devidameote alTeridas, as niadidair tantrioav,
na cooformidade eslab-lecida pelo art, S* dn dita
Iei n. 1157,e vendein-.se por dkfl|o eeaaaande; tam-
bera se vende a bem conhecMa o afcr.au do
systema mtrico por f-tj contendo as precisas eipitcacoo* e tabella para aa
repanicoes publicas seawad* o prescrlpto pela art.
2 8 3* da referida iei, a rpaJ pelo art. 3* Jjule
?^*55*elores p'Qa *^rv*Vat uBMiaT7.
1094000 de multa.
Para vigorar o i i aJah j$ |JTDp nm rasta
pouocs mexes. Nao slSS^professore do taa-
trucjHoVrtrarj, (pnblicose^ttriicaidTes^-aaTof
PubTOnrwb geral, deve-as prevenir a flm de evitar
ma prisao e nanita, oow que, *isndo as medidas
e tabellaa ti'labebfqi Ifgi..n#%tienciooada le,
desculpa nenhuma se pode allegar.
ida FEH8AS-MAI6ABICAS
AmeVAAS HU ACADIltIA E EDIClfl
DE BURIN DV BUI&SON
raanatnln, UaraW* pe AttdjgHavie Mdaa e Paria
inte profeaapr TBavuUD, na ultima edico de a Ttalaio i* Thn-
c,0|8teie no sangue, cerne o lem reconneerdd
lamente unido com o ferro.
n eu-aa prtparac6es.H mongw
0$ chimicos os mait peritos, i
r poia, prestar-seuat verdad
aobre aa preparafdaa sejuin(cs.
Ir
ferreos maiiganicos
e economa as ampias mineraes ferruginosas.
rvfco aos 8'-Mdicos, ochanar-wsua attencS.o
ando immediatamente urna jmt acidulada,
gazota, agradavel, substitumTfteom vantagem
ferruginosaa.
29 Plalas e Iiwpe de Mrete irltm e k mines rmfteiwis
SSuf?J?^.*lu ^y*?"!!? ?e 'l*dw6t6d maneanko.indicadas
pa^cularmentnas molesuas TjTaj^hacas, escrofulosas, e nu chamadiT>-
cnwa e luDercaiMW. .-.
3* Braffcs de acliiJifefrftlefflafl2an*sfl) ^^"Mpeciaimente
U 'lJ i r -*&""vm; i par, a chlerosis, a ane^.-
cjH^tlfA^^11 "*a* obft^**Io cotapleu 4* publico ajadH .
No Pernambuce, a seu agenU garal,

IP^ CORITO JIE OlIKO.
A leja o. S F) intitulada Coracj de Ouro
>>j|(|
dn ao respeilayel poM^e^'tii^Miirul^^^"^" 'LtlfJT Z""6?60-
o (a Pars) por meo* 20 por cento do oue em ootrj qtoJwS^tl*F"* d?!lL"0 ,'-
lider 6f obras. '* 'erfarantiB*>e ijualidade ta so-
0 respeltavel publico avallando o desejo qne dev 4>ro nronrfciai* h. :
te-qoe qoer Pro,reo ti seo Degoei deve enejar imrreSnSf^* ^raeaTd?"* es,a0<,fec"neQ-
aneis com perfeilos brrlhanles, esmeraldas, robins e perota : verdadeirL ^ ar comprr
d.mmoto prego de 10*. br.nci modernos e oWe ^r^S^toJ^T'^'i^ "'J'
oaml "i? CT$ ^ raarBm e midr Deposito em Pernambuco, casa d^f,Maorer 3 C, ra Nova n. 18. Ha
meralda, roblas nrilb m\ "u "i" 1Ir***"ft^W de. fowlt cuntendo es-
muitfgosto, rrusiobast rubin^Sme^ "p ^ r/ovm^^r^^ W' de
eryslal e noro deseoberta oara retrat.i fa Li,u. wtinaoieSj aneie- ttom letnw, ce leras de
tr/ro no Coracio de ufrJ"q 2 eeerv^ram\LT.*T^ ?',e^ ^'* P'**m "
rrt-

LIILOIS.
Leilo
De .100 aixa< con fgas.
iio.ii:
O agente Pesttfa fara'iHiio por conla e riso
de anas-periracer de 300 caiitas com figos dem-
barcado akbnaflMeta e sra' vandid en lotes a
vontade dos'compradores : quinta-reira 20 do cor-
rente pelas 10 boras 4a maoba no armaaetn do
Sr. Aoffes" cfefrote da alfaodega.
TUSOS DIVERSOS
~ P Sr. tenenteooronel Lmz Pranciscj de Bar"
ros Reg, db egenho Halara; quelra ter a bonda-
de de appareeer no esenptorlo da e *el!Ldl1 cid>dB. "de se loo daseja fallar^
Jalio Flgoeftra, da naodo da costa : val a Ba-
hia.__________
Perdeu-se oa madrogadaTdi^"do' crrante
umalooudeoorppm.coriiat de-cima preu na
porta do collegio de S. Vireote de Paula ro do
Hospicio : quem qizer entregar ser recompensa-
do na padaria franeeW ru da Imperatrir d. 80.
a*?* -

DB
ir-SnCNES.
^'TIW do arador m.
amestraeoiB peahor, cooservaado-se
COWTIM17A
......___1 .-.
C-It AXDE LIQIJII %f \
C3
^P#no^llJBt1Dti8a fibi(ic8e4d hoje asss eanbatdo*.
X. 66.
*afj^UH ej i>*cessario insistir sobra a
^at^^toS**6 farant'a-"?h olfcreee',b "^ w'BiTriores.-qnalidadea estas ioconteste".
vwsqoeeiies &SlZmM* enmeirtsmo ^ebedecem todas as ZuZ e eSSda 1&
MrreS^^^^ vf Tm^t,,as' '^Ji.^'3 fabr,ra como Da do Sr. Blondel, de Paris, sodd
^Sitearharmon,cose pianos ^-OTBttaBES
clara, boacheBineTbaST S o fe toi^r^b|,niS,ltr0 dar Um ,UZ brfbi,nle e
urna escova fraoceza, Um LTaiS-i^rt pan ocSft iTTO* '^^re,^ de
compreheodemlo urna s peca aU T ?!,"n a* aJU! dH v,ita e 3B s P^'05- tudo
custa 12/j e 14/J. ^ e 0b dourad9 qoe se venderatn a 250, s
i2 e 145.
K* o^Chrlr para hrnnem e se informara pelo sys-ema moderno. f
2ttJa^W,r,i? qUaS ,im,*us :i 7,' e de''f0#rd nmPs a **
' ^r**1** fin* cofa listras est0 noerro covodo 440 rs. e mais fazendas em li
.
mu
___ILi___
riluta
AP^etlogie Geogprphico
ppruamiiiicufio.
Hivur sessiio orJimna qmotafeira 20 do cor-
re, {lelas, II tjoras aa maobaa.
OBDKM DO DA.
Pareceres e relatnos de commissdes.
Votaees adiadas.
Secretaria do Instituto, (7 de setembro de 1866.
J. Soares do Aievedo,
____ _____________Secretario perpetuo.
Precisa se de urna ama para lavar t engom-
mar : na roa do Sebo n. 35:
Juliao Sampaio, subdito bespanbol retira-se
para Europa a tratar de sua sande.
Os abano assienados viova e 8lho do flnado
commendador Jos Antonio Pereira de Brito, lendo !
ae trasladar da capella do seu engenho Santa Crn
para e tomlo de soa familia no cemiteno publico
oo ttecite, os restos mortaes do mesrao Onado pre-
tendem deposita-losna igreja matri?. de Santo An- '
lo-.io desta cidade, e abi mandaren) celebrar um '
offlcio solemne no da 20 do correte, as 9 horas
oa manhaa, terceiro aooiversario de sua morte ; e I
oepois conduii-los ao cemiterio, pelo qoe os roes-1
mus atiaixo assignados convidam as pessoas de soa'
ambade, para asslstirem ao offlcie e aeempanhar
os restos mortaes al o seu eocerramento. .
b conflaodo qoe as pessoas de soa arouade nao
aenaraode comparecer a este piedoso acto de
reiiRiao e caridade cora o qoe raoito hoBrarao aos
aoaixo assigoado-, desde j se Ihes confessam eter-
namenie agradecidos.
Antonia Mara de Bnto Bastos.
Jo Anlonio d Rrilp R stne.
/.LIS^RXITS
Tinta Inlteravel
Para eacrever
de P. HAIRER k t
PEit.\AMBrt:u
. 1
Esta, tinta rwcsommetida-se pela sua o posica e fluidez como a melhor e a mais
segura de toda as tinta* at Jkjjj coxvjaci-
das. N6 atacaas peiinas de acta, d at
tres eaccaeileKitecopias, mesmo muitoe dias
depoia de ewjrever, e *'pererlvel a qual-
cjuex- ouitran tamas particularmente para
livros de cpnanlei-oio, dooumeutos efce de
o,ue se cai-eca longa conservaca.

,
ARAIAXKlf DE FIZADA
Vende-sa nalivratla franceza ra do Crespo e ra Nova n.' 18 de
iita mtmM,
DE
OLYMPIO GONQALVES ROSA
Eua do Livramento n. 14.
rrsqKm^mS
S:SKSr'q,r eC'Draen"' d3S I^WMSSS es-
corar hfttZ TlV^ZT^10 ffrlim"8io d h "as (as quaes n.lo sendo cosome pro-
m^^t^Xf^iZ ?eUS am,g0S e^^"m com sna, presenta,
pangas
presentas,
PKEPAB8.4 UOS
Grande vn-
riedade de brio-
quedos para
Mirtimeuto
escolhido de ca
gado francez. i*
t-hegaram novas botiuas tiara horaen", seohoras
e meninas, luvas depelicade Jouvio brancas, pre-
tas ede outrasdil-r-ntes eres, brioens da ooro
bom de le com enfites de cryatal, oltima moda !
de Pars, extractos, banhas, bxugalas, chicotes, es-,
pelhos. quadros, molduras, esterioscopu com (rao j
de sortimento das mais pittoseseas vistas, realejo*, I
accordions, liodas booeess, carnnhos, cabriolis'
Convite tcjHcu publica. ]]nko (lepOHtO Jk fe
em favor das doas Irmas soltaras do flnado Au-
reliano de Souza Re; ecmducftir do irem de pas-
sageiros, morto dpsastrosanuftte no destmponho
de seu servico, no encontr do trem de lastro ci.m
o oe passagelros oa curva da estrada d.. frr-
ro perto da esiagao da Ilha, no da 28 de agosto
proxim pasado a's 4 boras da tarde.
U flnado Aoreliano d Souza R^i< era n prinrl-
, pal arrio, de soas irmaas ; a soa falla repentina
j suggfno a lembranea a u>senhor de engenho, -
i nheeido e'amigo da familia Reis, do convidar pelos
Jornaes a todos os conhfftdos e minos a concor-
Portugus de Beaeficeocia.
N5o se tenrl o incluido doaiingo passa-
d) o leilo de todas as prendas offertadas a
ese pi ecaridosesiabelecimento, lera lu-
para cooduzir criaocas, eavaltjntioa de andar por!'*' CJn> sen dooativo para a forowfjao de urna
molas para meninos montar e outros muito ob- i sobscripcao; cuja importancia ser empregada na
jectos fraacezes qoe eslo expjslos a vista do-com-! compra de urna casa para a habiiara.i das irraas
pradore.; na Ioja da iap0T- roa Nova p. 7. i <* f^rnia f finado amigo Anr^i'mn.
_l j J O '*'< d subseripcao aeha-e aherlo na loia i Rarfialho no "('abo""'
AUia e mUSlCa **Sr. Joo Falque' roa do Crespo o. 4, encarrega r. *T. -
do de receber a qoaotia que e.da um IcV servido ~Z a0 "
crevar. veDlia p:ar o que t
Lydio
sor de m
nar em soa casa
Bcuimllo "ti (Jilio,
Pateo do Terco n. 12.
Grande sorilmenio de guartrtas de "todas as
qnahdades Sitas |ara mpcjuan, garrtfas graodes
e peqovB'as, ditas (.ara meninos, vasos para plan-
tar II res proprios para varandas e jardins, jarras
b Tifa-las fina?, jurnVs para 5 canecos d'agoa, po-
tes para i ||2 i-auero d'agna, resfriadelras, mu
rintrues, tem mais un grande sorlimento rt- luiiga
vidiada, ranos laniu vidraVis romo por vidrar, o
melhor que ha ueste geuere; enearrt^a se de
qii3h]uer encommenda que Ihe seja fita, a amos-
Ir. s eslo no pajeo do Terco n. 12, todo isto
vp.nlido per mines do qoeVm ouira parte.por ser
quem recebe toda a louja feila na olaria do

PHAHHAdl
DE
Purpurarlo Santiairo da Olive.ra. profs-! n "*
lwa faz publico que continua a leccio- i ;.?7.;,
na pasa n^i ma *! r.i *.*, lc raid ili
na ra da Gloria n. 46.
litar aos senhores de 'engenho e mais
-------- I pessoas de fra o meio de concarrer para osla ora
em a/r; meritoria poderao mandar suas offerla- em carta
,fechada com sobrescripto ao Sr. J.so Falque por
_______^_______ seos "
- Precisa-se'alugar um hoa co>iohelra, pre- cor5e10
jecti>s ltimamente offerecidos por dtstinc- fww^o-seeHsrava : a roa da Aurora o 70 lacoes
tas senaoras e cavalBeir.s, me' nao foram Di7e"i:00 a uroi"sobre~hvDoiheca lm' ? .porle das car,as ?r pi,g0 aqui pel Sr- Fa|-
ainda exposl >s, esiate orna valiosa e varia- ] P'edfos que se^ em bom eslado "S qu ,Be' l* qaa ageDle d0 co COTmo "," eu,rear-
dissima CollecCO de lindos mimos que B0 *r.l,.,i'."i!e a roa da Pai "6 08 acha'a* com __77 Ao,?oio Ferreira Piulo Kelira-se para rertu-
D-se 1:0004 a juros com segurailca
gar a coaGnuacSo dele trabalbo domingo .j?.propriedade: a ver rua d0 Que
23 do correte Atra de preciosos ob-
Feliciano do Regu liar res que
qap toin-u emprestado : na ra do
Padre Floriano n. H, sepuodo andar.
.iii crioulo maior da io aupos, se offerc-
!K^-r*^rpra e^^^ F* ootros ser-
des de linba frrea. **?"$; preprios de rindo, trata se na travessa
ta ra Imperial, ou ra Azul n..9.
quem tratar.
gal levando em sua coinpadhta sua irnioa Mari
ili3 de Jesu Pinto e seu sobriulio Fraocisce
m
Preparados simples.
PARA USO INTERNO.
Xarope de jurubeba.
Vinho dejur^beba.
Pilulas dejur. beba.
Tintura de jurubeba.
Extracto hydralcoolico de jurubeba.
PABA USO EXTERNO.
Oleo de jurubeba.
Pomada de jurubeba.
Emplasto de jurobeba.
IHEQ t .
Preparados cuupostos.
PARA UO INTERNO.
Vinbo de jurubeba ferruginoso.
Xarope de jurubeta ferruginoso.
Pilulas de jurubeba ferragLosas.
U\M

A JRi
teO esl
se [lOeram arrematar no primeiro leilo, j
Espera-se portantO uma numerosi cncur- yT" A'hK1""-6 doas easasna Boa-Viagem ra da Ferrelra Pinto.
rencta para assistir e ammar esta expsito' n^^oXi^TJo^SS MSS'bS ~ ^toaio FerTeifa Piai M,r7*Td de-
lestK.t, ledente a augmentar OS parcos slgalo co fundo do mesrao.e da-se na frente da. ve nesta Praca nem rora della.porm se alguem se
metOS com que se SUStentam O desherda- "** cow bon baoheire fechado icbave, aluga-se lul^ar 8ea ador farAo favor de aprsentar seas
do? da fortuna entregues a earidade deste' %? "*e pfr" aDlM *>T !8n"' Pa' S' df, t1"'0* Va, ^ RM/,, K ,!Bntt0
husntal A' noite luvera' uma Urlninha ^ hm,n* Por ,erero nMnicaco pelo interior "dar, ou na praca da Independencia* 33 que
nospitai. A notte mvera uma ladainba das mesraas : a tratar oa ra do Qoeimado quem Pn'airaente serao pagos, isto no espaeo de 8 das
catada no oratorio do mesmo hospital, volta para o Bosarlo loja o. 18B.de Uaia&Lap- POnar desta data. Recite i'i da setembro de
acabada a qaal se dignar de pregar oiIlus-'delMno- 66-
tre sacerdote que no domingo passado ian- Precisa-se "de" unTcrido
to abrilhantou o acto rerigioso commemo- rna do Trapiche n. H. **
rativo do dcimo primeiro anniveraario de *""" A
Recita AttmcaO
Precisa se alujar uma ama forra ou escrava,
ipae'^lfemnM'bem para uma familia pequea; na
| ra da Cadeia n. 52 3* andar.
hotel de Frauc,
primeiro
instailaeo-^ee* piedoso instituto:
18 de setembro.de i866. J Deseta se fallar cora urge'nda com o Sr, Fran-
lerotiyflre .Joaquim Fiuza de Otiveira, cisco.rernaodes de Paras: na roa dos Pires n
f secretario. 6, a aegocio que nao ignora.
Na rna larga do Rosario padaria o. 46, veo-
de-se un bom cyliudro ingfez mu io bom por ba-
rato preso.______
-----------
Offers
M A
.n
i
---------------------- ~ ^Jf^! "*enr 0,n*c P> alogar em Saota
^ ADa. CarVireifo, Poco ou Monteiro nu em entro
PreoaM;M de ma wimhe.r,, no largo do Orpo logar para pouca famil[a, dJrVS ?! DirSS
,n.45; na misma casa compra-se ama escrava Gosmao.
do mato._____ j ~*
sce seoma mufher qoe eqemma e cosinha
para easa de pooca familia : na roa de 8. Francis-
co n 21.
Sa*t**v4,ja*aaitro odar
Aa illra. Sr. taesawei-a das w; 'moca ou "">'^". "**t
Os ibanp asSignados ten 1o comprado o biloete ~ Aloga-se 2 casas mnito frescas cora
dos para f-miiia \
roa das Crioulas
o. 27.
ommod
intlro da lotera J83J que deve correr no da 21
do edrreote, em Pernambuco, de n. 1040, a benefi-
cio da/aminas do* voluntarios da patria, e como
se ttrta'BlfWla-^oretrido bilheie ratea pu- Na padari
ico p^lo pre8eatfe*D.|rf quenocasodesatfr^tlreriado smeote ser cado.-aa tendedeira
pago a assiga>dos as cosa- d mesmo-bllhete.
farabyba, 17 de seumbro de 1866.
Auzusto Gome^ e 811 va.
raociseo Jt- do Rosarlo Jnior. Preeisa-se de aa.eHc.il de
Preeua-se te uma ama ii leite,' pg'-s'e
bem : na ra Imperial -sobrado q*d foi do inafor
nao._________________
Affeoda-seo engeobo Caramurtl moTnl"e
commo- ] correle, distaote da Ilha orna legua e com todas
Joaquim Jos Goncalves
BeMo
(4 hu do viGARi0.it. ui0 mnn)
i Sacca por todos os piquetes sobre o Banco
|o Minti em Braga, e sobre os seguintes lugar?
les, em Portugal.
A saher:
iVbpa
- Porto.
Vatera.
v3nlmrtle?.
Coimbra.'
Chaves.
Viseo. ~
Villa do Con**.
Arcos de Val de Vez.
OKlT&i
Ponte do Lima.
Villa Real. ,
Villa-Nova de Famelic.
Lame
Capn

Atten$fco
Boga-se as autoridades policiaes a capitea de
campo. saptora do escravo Pauhno, esutura re
lar, crfoJa, eom mareas dehexiga, potrea bar-
toa.al dMcaacada, rouito caotador e cartaceiro :
fugin d Keaao Tres Irmos, provincia de Ala
gas, levando camisa e calca de algodao linio, cfrai
p"4..! de palia" |Bovo, e moa loase de cortar canna
#* escraroA l>r. Puucisco torja Buarque, al-
liiftiarfluyqio.de Atevedo.
I Swiu. caateeior i qom
. rido adEdolto oa casa
'rlllo, ra do Apolle
/estada* 'pagas de
sndalo ; aaitf
_W|Bae farer o
aflhosqoe-sera* rwampe
^JMSTllt^al ^ ffii
K.jKf m/9 ifl Kt;
stada dsK^eomeita : .trata-se no
,
dr coH^o rendeiro^
alogarjrma escravajWne saiba en-
PrecIsa-se de ama am para coslobar em
casa de pouca familia : a tratar oa ra da Catual
D. 1 A.
ireineiro para
ion ila provincia : quem so qoixer coatratar
ja-se a praca'd IodepeWencia p. 19 e 2J.
ar, (sini vidios): nniardas Cra-
', (paga-s bom ordenada)
Preetea-se de orna ama flf f ou esctWpa-
ra o servieo interno aoma casa de potoca fami-
lia mesmo para far.er algomas compras: do
Campo Verde roa do Socego n. 32.
Furto
Na madrugada de domingo 19 do correntjf ral?
' foMrvoM dos cavallos de estribarla do sobra-
$n. 2 detraote da stancM : um rortado, alto, os-
do. b(,m^p_asseiroe^sqjiipaor, com majtoi fer-
Ama de faite
iSSifWl 'W* $**1*& S' *W*. >* nos qtdll**aj*rS rts^him
segundo andar, juntoaodepos.to de|carvao, paga-se^ e ps escuros, ferrada* as, maos,0m a^ letra
L na colxa eiqoerda, trota e galfop 6*^7
Esta planta e liojo recoobecida como o mais poderoso tnico, como um mcpI
ente .lRsobstruente, e orno tal applicad* nos engo gitameaos do figdo e hm>' as
ipalitco i. .;.:ia.uninie ditas, ou ainda complicadas com auaiarchas, as inllaramWiM
subanquentea a< febres imermiteuies ou dureza*, nos abeessos internos, nos tuin>!rai aa.
pe almenic do tero e abdomen, nos tumores glanduosos,' na anazarcha, uas bnlrone
ztas, erysipellas ; e associada as preparares ferruginosas ainda de grandes vanta^m
as anemias chloroses. fltasele menstruaCao, lewcorrri^as, desamnjos atnicos do%s-
tomag, duhilidade organios, e pobreza de sangue etc.
0 que dizemos aflirmam os mais di^til^ctos mdicos desta cidade, aaVre os nuaes
podemos cu oslms. Srs, Drs. Silva Ramos, Aquino Fonseca, Sarment. Seve Pe,era
do Carmo, Firmo Xavier, Silva etc. etc. Todqs.ells reconh cem a excellen ia d;est Z-
derpso medicamento sobre os demais at hofo 'conliecidos para todos os casos cita/lo*
tarifo que todos os dias fazem d'elle apphcacia. Ma0$'
AnresefUatido aos mdicos e ao publico em geral diversos preparados da juru-
beba, livam-s por Bra (eneralisar mais o uso d'este vegetal, fazendo desapparecer a
repugnancia que ate ho;e sentiam os doeotesde osar do* preparados empricos d?elle o
mais das veies repugnantes a tragarcm-se, e que tinham anda a desva Mgem de nao ser
calculada a dose convenintite a apjdicar-se, oque loraa muitas veres impioflcu um me-
dicamenio, qoe poderta produar oulimos resultados.
Os nossos prepados s foram apresen tados depois de bavermos coaveoieoiemente
estudado a juruneba, fazendo as experiencias precisas paia bem conhecer as pronri da-
des modicarj^ntosas d'esta planta em suas raiifes, feHtas fritas on bagas, e a do^ con-
vemene a app icaeii.teodualm d'isto piocuratlb levaros" nossos DrenaraiLis ao
verume a app icaeii, teodoalm d'isto piocuraffo levaros" nossos preparados
grao d-N perfeiejo possivel, p^ra o que n5o pqupamos esforcoa, tio ao rnn
Precisa-ae
de una menino de 12 a .14. anuos que seja porlO"
gdfroo brasilelro para nm estabeleciraeoto : a
^!Wy'fW-Jrf?aoelra-o.49.
_ Ag>v
bos aodam bem em abriolei: quem os pegar os
traga ao sobredlto spbrado qoe ser geoerosatnan-
te recompensado. o [ Precisa se logar nm eacravo, nrato D pal
: depara o servioo d easa. da pe* lamilla, paga
Por ordem dos empreiarios se
iteveaw,, ifofT pW applfclrii'.'i
qohajara de saldar seoadakHos al* 38 de te tem
bro pr^imo,,p*er^p)*** *>*.qiM o nao ttoe-
rem, terao de ver as sgas cuntas edlregnes aa*ro-
ciiTitfor, e posto em exeCnco o arl. fr do regnla-
i SclentiHea ainda a roesma empreta aos Srs. coo-
*iomidores, que os reginite p podan ier abe'rtos
on fabrica do gat, aonde ha sempre pessoal promp-
li a eiamina-los com a mxima promptido, e que,
s algom for>-ooitr!do, que, o'ootras condlcoes o
naja sido, flca por isso su jeito ao artigo cima ella
db ; outro slm, por mm tfo enlanca, dever ser
cmprado o roat.ertaL. aun dtyine. os pTW0S ^
njamsobrtcarregad; rt^'lcMe tem esta m-
ptea recebido-aeelaOacB^'
rA"pblfoL
a,^ella que melh. r Ihe pode convir i p|il*< fee* fatif&o, f pela iralTJc5o
,Somo, fdas molestias, id de, sexo, oc aidrnatezde cadridmJup. ^ifu^cao
Aenosaaspre^war^es-fw-rogioosaasfofeiasderofm que se tornatu c
mente solaveis nos soecos gstricos, popqaa f rocuratflOS-TO composto* de Trro an? rL
itaests^o hoja aecoobecidos. ^icnuqueiomo
Para aqaelleB que mais minuciosamente queiram conhecer s nrooriedades da\
jurubeba, esaberem a applicafSo de nossos repaWAQiboffls ai\iOiJ^ Xm
ooese deposito um Mbalo, onde tratamos mais extensamente jftty J^^e7Z m^-
-- recna tW iratelhadofm d*v padari q*a bjm, aaadoqun tentu bom ^'^t^'-r^r^l'
leoda o irafleo de pi e bolacha : na roa larga travessa da Madre de Dens >. 16.,
Rosario o. 18.
'de 500*000 ajo-

i n !;
yoem annnacioa
w de 2 por cento ao dfcrfl mfciaiido dkijase a
pa da Pat o. 36 que a^aWryfc>qneiH taatar.
Alogam-se as casAW W^M e
iperi'l q% ffm occonAa corri ft,,
.ocatl A i.*J
Chapeos de manilha branca
Jl praca dajWepeneneia n. 24 e J6.
, Alugam.sa as c
^JW, com
a roa.do"
tvJMB JWama' ra
Mi
%asaxtr
**&
Oomingos Harilns de Barros Monteiro, despedlo
, .sen caixeiro Violorioo Lopes da Costa desde odia
i I do correle, por Immoral e estelliowurlo, como
p ova com muias pessHa? de*ta- prae/a eom qhem'
t m transaccoes commerclaes, e eom os apovra-
n entos de soa escripU.
Uma pestoa que deitalcaaear a a liberdada se^olfcreca^aja aaaa^iodo an
r otU, aonuocie para atr rocaradi,'
Por
e elles |
alquer j
lalm
Pf-aanio t
o q|e aa d
irecan*a|ar;
los sof rimemos.
tssr, medien ou
maior
rmyortando o
rreriaos noSSV picara j;s podeja ter a certea
a se pbde encontrar1 prompla e rafalhvel cura
mos inntimerado?, se forem Qariaaapo applicados
yhUgan :rte esqolher. ts oossa variadas urepa-
i
1-
> I Uia i.

DMsilf |f ral le (ado> os preiaradas
Podra e 4rmpig4a
94-Pba lafgt do Rogarto*-!

Precisaba,p?;fflgeabo P-res
ciopat oaastrae
leifo: .|oem
raait.
de u istraegeiro, qn> w-nha pral(pa fi% noriftJ
m qu.ler contratir-sa (1^8 a n pi-
t iuwaa
i^1J^vr0Ctaia jj
O baebarel Avres Gama mndoo o seu H
oscripl^M e^vfcadopwa a roa larga |
ra aa tattp, .^oarte do
Mar,
cobrado
i


Mari* df. faVBBWO |it **** *?% H4e**^dN
I 806.
A LEGITIMA
SALSAPAMILHA
CONSULTORIO EDLCO-CIRtRUICB
DO
k f\
ia
DE BRISTOL.
PREPARADA NICAMENTE POR
LAMAN k KEMP,
NOVA YOEK.
Composta de substancias, gozando das
propriedades eminentemente depurativas a
-ppi'ovada pelas juntase academias de me-
dicina ; usada|nos principaes bospitaea, ci-
vis militares e da marinha as Antilhas e
no continente americano ; receitada pelos
facultativosos mais riistinctos do imperto do
Brasil e da America bespanbol
CURA RADICALMENTE
escrophulas, rheumalismo, escorbuto, en-
ermidades venreas e mercuriaes, chagai
antigs, morpbea e todas as molestias pro-
venientt&Tum estado vicioso do sangoe.
Emquanto existem varias imitacoes e
alsifica5os, preciso a maior cautela para
evitar os engaos,
A legitima salsa de Bristol vende-se por
CAORS de BARBZA
JOlO DA C. BRAVO C.
Joo da C. Brave & C.
Deposito geral em PernamouGo rna da
Cruz n.22 em casa de Caros
"PAC SffllLE_b,ETIQUETTA COR UEROSA.
100 carlile's
PAISLEY
Os Srs. James Carlile. Sons & C, Bankend Mills,
Paisley, Scolland, leem a honra de chamar a alin-
elo dos consumidores de linha em novellos, que el-
les ohiiveram medalbas de premio das exposicSes
de Paris e Londres,por suai- expelientes lionas pa-
ra coser, e que, lodos os nove los feilus por elles,
para este mercado, tem no Bm de cada maco, urna
etiquetla branca, na anal acha-se gravado o nome
da arma em cheio, urna vista da soa fabrica, assim
como deenhos das cima mencionadas medalhas,
e que cada oovello tem umaetiquelta cor de rosa
coin o namero, e as palavras Carlile's, Paisley, e
tambem, que qualquer linha de Tambour, manda
da a este mercado, trazende oulraqualqoer etiquet
ta do que cima mencionada, nao de sua propria
fabrica.
Southall, Mello & C.,unieos agentes em Pernam-
Melior, Snnthali & C. onico agenta na Babia.
Samuel Power Johuston Compaubia
Ruada SenzalaNova n. 42.
AGENCIA DA
Fund*;5o de Low Moer.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos.
Moendas e metas moendas para engenho.
Taixas de ferro coado e batido para enge-
nbo,
Arreios d. carro para nm e doos cavallos.
Relogios de ouro patente inglez.
Arados americanos. .
Marhioaspara descarocar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
Quero preenar de urna ama para casa de pou-
ca 11ir. I a: dinja-se a ra da Al-gria n. 3.
~~^ bVrnardino da Silva Maia, declara que para
livrar equlvicos assignar-se-ha de hoje em diante
Bernardioode Azevedo Pereira Maia.
Preeisa-se de om pequeo de 10 a i2 anuos,
para raixeiro de taberRa na trave.-sa do Quetmado
D^l.___________________________________
Alugi-se
O andar terreo do sobrado n. 26 a roa do Hospi-
cio cm aconimodacdes p ra familia pooco nume-
rosa : a tratar no mtsmo sobrado.___________
Precisa-se de orna ama para rasa de fami-
lia : ra da Imperatriz n. 65, primeiro andar.
As Pilulas Catharticas
X>E A.YEB.
O pmia*t mait efeeaz at h*je coxhecido.
F.t aa piloto aio paramente r itmet, nio tendo na ana coaipo-
itfo nam mercurio nem otro
ingrediente mineral; aio inno-
ecntei para aa eriaaeaa e paaaoaa
maia delicada, ao meimo tempo
qae, compoata como ao de regl-
tae mui fortea, ao paitante l-
tes e etlaaxea para aa peaaoaa mala
robuataa.
Eataa pUulaa eatbartica purgio e porifieo todo ijitema
bui-.i.-.iio -rm mercurio.
N :.u se tem poupado trabalho nem deapaaa para lerar eataa
pilulas a um grao de perfeeao tal, que aada deixa a deatjar;
ao o multado de auao de eatudoi laborioaoa e eoaatantaa.
Pora alcatifar todas aa rantagent que resulta* de nao de eakhar-
ticos, iim-if eombinado smente aa rirtudei ettraUmmm daa
plantaa que ao empreadas na esnfeceo daa pUato. Sua
composico tal que aa cniermidadei que ertio ao alcance
de sua acoo, raraa rexe podem reaiati-laa on evad laa.
Suaa propriedadea penctrantea explorao penetrao, paritco e
dio rigor 4 toda aa partea de organismo humano i pola cerrlgem
a aua necio rielada e lar recuperar a ana vHalidade. Cma daa
oonaequeadaa deataa propriedadea t qne o date, tiNiti-tt de
d6r e debilidade phyalca, admira-ae da eneootrar, to depreasa,
ua saude e energa recuperada por meto d' aa remedio to
imples e agradarel.
Aa moleatiaa ene eato ao aoo alease aio.
Prizto de vtntrt Rkmmatitm, Dir aa eaoaoa, A Ntvraigia,
Enxaqueea, Ituftrtlo e mal ato aotaaaauM, Btmerrhoiaae,
PADEODoarros so fioado,
Ftbrt gaitro-kepatiea, Qattritt, afetetm BiMat Xaitraal,
Eryripeta, Bfdraptla, turdte, eeguira parta!, PaTalgtim.
DR. PEDRO DE ATTAHYDE
Hi:U110. PARTEIRO B PBRIOO.
h3 Ra da Gloria, casa do Futdao 3
0 Dr. Lobo Moscoso d consultas graiuitts.aos pobres todos os ds das 7 4a 4
da manho,odas- 6 e meia s 8 horas da ispite, excepto dos^dtas satiticadot. -
Phaf-macia especial Jimeopathica.
No mesmo consultorio ba sempre o raak ppropriado sortimento dfe cartein
tobos avulso8, assim como tiotun* a varias dymnamisacoes e pelos presos seguiue.
Carteiras de 12 tubos grandes. 12*9000
> de 24 tubos grandes. 180000
de 36 tubos grandes. 24,5000
> de 48 tudos grandes 303000 -
de 60 tubos grande. 35*1000
Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido qoe M ftaer, co o* remedio*
que se pedir.
Um tubo avulso on frasco de tintura de ovil onca 1(5000.
Sendo para cima de 12 custarao os precos estabelecidos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 rii.
LITROS.
A melhor obra da homeopatfaia, o Manual de Medicina Homeopathico do Dr. JarS
dous grandes volumes com diccionario............ 20|00i
Medicina domestica do Dr. Hering .f=s| .......'^SS?
Repertorio do Dr. Mello Moraes +1........a
Dieciooario de termos de medicina ,..... I0O0
Os remedios deste estabelecimento s5o por demais contiaciiiei dit^taaviti
UBto de serera novamente recommendados as peatoaa que qaiUMi. da raiiaadiM
verdadeiras, enrgicos e duradores: ha tudo do melhor que se pode desejar, globos de
verdadeiro assucar de leite, nota veis pela sua boa conservaclo, tintura dos mais acredi-
tados estabelecimento europeos, a mais exacta e acurada preparacio, e portanto a mak
orgia e certeza em aeos efieitos.)
Casa de saude para escravos.
Recebe-se escravos para tratar de qualquer enfermidade ou faxer-se-lhe qnalqaei
operaco, para o qoe o aoonncianle julga-se suficientemente habilitado.
0 Iratamento o melhor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica,
ranecionando a casa ha mais de qnatro annos, ha mnias pessoas de cujo conceito se nit
pode duvidar, qae podem ser consultados por aquellos qoe desejarem mandar sen
doentes.
Paga-se 20 por dia durante 60 dias e d'ahi em diante 10500.
As operaees serlo previamente ajustadas, se n5o se quierem sujeitar aos proco
razoaveis que costuma pedir o annunciante.
AO GRANDE S. MAURICIO
"' i n
PROCESSOS4 "l APEKFI^OIDOS
Tlcglr.[ liantaar e lastrar a vapor.
F.A,
&C
29 Ra 7 de setembro 29
Defronte da rita va de Oavidof (Ra 4a Janeiro)
Os proprietariqs deste estabelecimento, o primeiro no seo genero ao Rrasil, por
trabalbar com as machinas mais aperfeic'oadas para tiogir e lastrar, de que se faz uso na
Europa, eajudados poralgunsdos melhores offieteos de Paris e Lyio, podem assego-
rar seus freguezes urna perfeic3o no trabaiho, a qoal aenio pode saegar pelos proces-
aos ordinarios. ,.,'-,
Tingem, lavam, Umpim e demofam com a maior perfoicJo e brevidade qualquer
qualidade de fazendas, tiram nodoa e limpam secco sem molhar as sedas e as vestimen-
tas de senboras e de bomens.
_
--------.,. .
todos
lado
Ko Imnale e Kaaaal de ande do Dr. A/er, qno aa nadaUaa
dos oa aamoa para dlaaribadao gratatta, aa>cara aa naa tra-
do sobre aa dtrereaa deencaa qae eato ao aleaawe de
BUCBDIOS PTJXOajrTaM.
Aeba-ae em todaa aa Boticot e Drogarlaa do Imperio.
O Peitoral de Cereja
DE A.YE,
TAMA A rBOMPTA CCA BA
AntlA. d* Conatipacoe, Toaaoa,
osa, Brtmohito, Tiadoa primaria, TuboreaUoa
pnlannnar, todaa aa rrirdeotlo da
Peito, aaaim canto par* aliriar
Aa praparacaa do Pk. Atbb ao
drogarlaa e botica do Imperio.
Veode-se em Pernamboco:
na
BOTICA E CONSULTORIO HOMEOPATHICO
yo
DR. SABINO 0. L. PINHO.
Ra Nova n. 43 (loja de marmoreaj
A experiescla tem demonstrado com a maior evidencia que os medicamentos homeopathico*
preparados por meio do aguador dynamico sao os qoe desenvolva acQ3o mais prompta, mais segura
e mais efflcaz. .
E1 sem duvida polo coohecimento destes resultados que constantemente recebe esta botica en-
commeidas do Rio Graode do Sal, do Rio de Janeiro e da Rahia, aperar de navtr nessas provincias
mui bem sorlidas e acreditadas boticas, d'onde se poderiam talvex obter remedios mais baratos, alian-
dendo as desperas de porte.
' A segundado da accao dos medicamentos assim preparados se maniesu at mesmo qaanao os
lbulos se acbam redazidosa massa.
Boticas de 24 tnbos.....1S a 20*
de 36 tubos.....28* a 30*
> dei8tubos. .... 38* a 40*
> de 60 tubos.....48* a 50*
Caixas de medicamentos en lbulos e tinturas.
De 24 tinturas e 48 tubos. 60* a 70*
36 e GOtubos. 75* a 8J*
(i 48 e 88 tobos. 98* 100*
pfiO e 110tubos. US* a 120*
Vende-se igualmente o THESOURO HOMEOPATHICO, obra esseneialmeote popular pela claren
com que enslna a conhecer as molestias e a empregr [os remedios (2* edicio) 20*000.
O Dr. Sabino 0. L. P. d consultas todos os das uteis desde 11 horas da mantisa al 2 da tarde.
Das 2 horas em diante visita os enfermos em seos domicilios.
Em casos argentes e repentinos as consultas e visitas serio feitas a qualquer hora. ,
As consultas por escripto sero respondidas eom a maior brevidade, precedendo sempre o tem-
po necessario para maduro exame e reflexao.
gjglATra ^Ijjfri:
j Na ra do Trapiche n. 16
^acham-seohseguintes depsitos
De R. B- UBingliaasem Naife*
Bourgogne.
Vinho Poomard tinto.
> Cortn tinto.
Santo Georges tinto.
Oiiambertin tinto,
i Hlcheboerg tinto.
Clos de Vougeol trnto.
Cbablis branco.
Ik M. A. W%ef Fraatfart:
Rheno.
Geiaenneimer. HA^'
Liebfraomllch. U yf
atarcobrnnoer.________ '
Em casa de Theod Cbristianrffc, rna do Tra
pieba-novd n. 16, nico agente no naite 6o trasrl
deBrandeuburg frres, Bordeaax, etK)Hra-e el-
(eelivamente deposito dos artigo? efnrBtes:
St. Julien.
9t. Fierre.
Laruse.
Cbateau Loville.
Cbateau Marga ux.
Grand vln Cbateau Lafilte 18S8.
Chatean Latine.
Haut Sanieres. ^
Chatean Sauternes.
Cbateau LaUor Blanche.
Chatean Yqner.
Cognac em tres qnalldades.
Ateite doce. Precos de Bordean*.
A pessoa que te offereee para ama de lodo
o servico, mediante o adiantameolo da peqoena
qaantia de qoe precisa, para eompteUr na lber-
dade, achara' no pateo do Livramento n. 33, se-
gundo andar, das 4 da lardeas 8 da maobia, urna
pessoa que esta' dlsposta a fater o negocio oro-
poslo.
LOJA DA FRAGATA AMAZONAS
S. 5 Ra rfo Qaeima<1a b, 5*
Monleiro Guimaraes partecipam a todos os seus amigos e freguezes que rece-
ben! de conta propria por todos os vapores da Europa, fazendas da grande moda, e novi-
dades, para grande e pequeo toilcle, ebem assim adornos proprios (.ara casamentos; pois
seu correespondente de Paris, na esco.lia de laes mercadorias tem merecido a approvaco
das encantadoras Pernambocaoas.
Luvas de pelica do afamado Joovim.
A Fragata acaba de receber pelo vapor (ranee/. Estramadure om rico sortimento
de objetos de gosto, como seja soutemtiarquer de grs, ricamente bordados e de urna
elegancia tal que as Exmas. senboras que os tem visto, nao tem deixado de comprar;
cortes de seda para lodos os precos, fo-lard de seda em i orles de mui lindos padres,
grosdenaple de todos as cores, tazenda superior e das cores seguintes azul, claro escuro,
verde francez, branco, Havana, violeta.
Leqes de madrederola o melhor possivel.
dem de sndalo tambem novidade.
Meias de se Ja para crianc.
dem para senliora.
dem de Laya para sacerdote.
Chapeos de paha enditados para seohora.
Rotondas de seda (fazenda chique.)
Chapeos de de seda para senhora.
.Cintos o mais moderno possivel.
Cbapelinhas enfeitadas para senhora.
Cortinados bordados finos.
Colchas de fioissimo damasco de seda.
Saias Mara Pia, com barras.coloridas-
Pecas de entremeios bordados.
Tiras bordadas, com diflerenles larguras. ,
Transparentes para janellas com mui lindas paisagens.
Aderecosde cristal o mus moderno possivel.
Ricos vestuarios bordados para baptizado.
Coairos bordados pra enanca.
Enfeites para coque o m-lhor possivel.
Manguitos e gol las bordados para senhora.
Rales de arcos e mnsselina.
Toalhas bordadas de cambria de linho.
Fronhas idem idem.
Lencos idem idem.
Bramantes de linbo etc.
Club Pernambueafio.
Em consequencia da infausta noticiado
fallecimento de S. Exc. Rvmd,a o Sr. bispe
diocesano, fica transferida para quando so
annuociar a partida do correte mez.
O Sr. Arcnoo Gaadioo de Queiroi tem orna
carta viuda do Cear : na roa Nova a. 4._______
A pessoa que precisar trocar a quaolia de
2:000*em prata mediante 1 por cont dirija se a
esta typographia que se dir' quera tem.
THEATRO"
Eugenia Infante da Cmara roga a todas as pes-
soas que a honraram eom eneommendas de bilhe-
tes para o sen beneficio qae lera' lugar no da 27,
que se digneru mandar busca ios ns das 20 e 21,
tudo do correte, a' casa de na residencia ra da
Florentina n. 13.

Goncertam-se

No deposito de vidros a' roa da Imperatriz n.
19, toda a qualidade de vidrds, crysiaes, porcela-
nas, alabastros, pedras preciosas e caadioiros a
gaz, garantiudo se a perfeico e solidez e nada vi-
sivel as sidas : a roa da Imperatriz n. 19.
Polaca hespanhola rortol laa.
Precisa este navio om piloto de 1* clise para
urna viagem deste porto ao de Barcelona : ajusta-re
na roa do Trapiche n. 6.
a Precisa-se de um caixeiro para pid.ria : na
ra Direita dos Afogados o. 66 A.
Perdeu-se 113 da 17 do eerreote orna pul-
seira de ouro por ocaslo da testa das Chagas na
ordem 3* tranciscaoa : quera a acheo qoorendo
restituir dirija-se ao becco do Lobato n. 4, que se-
r genero?ament gratificado.
Fundas hemiarias"
Electro medieaes
aEoapregando-se sem b-eaxa e
nao sahlado do lagar
PARA
Ligar perfeiUateate e corar radicaloeate as
quebraduras.
Deposito, roa de Rosario larga n. 10, junto ao
quarlel de noticia, botica de Pinto & C.
m O Dr. Laetano Xavier Pereira de Brito flJJ
Z medico, contina a residir na praca da *
I Boa-Vista n. 22, onde pode ser procura- |
f do para os misteres de sua proflsso. D BJ|
* consultas todos os dias das 6 as 9 oras e
M nieia da mauhaa, presta se a ver qoal- tM
* quer doente fura desu ctdade, e continua i
I a fazer sua especialidade em partos.
Saciedade
VIDENTE
porlugueza
FABRICA \AIO^AJL A VAPOR
99 RA U MONEGO 99
Deposito principal na ana Nova n. &o loja de relojoelro.
Dolonche dono deste estabelecimento partecipa ao respeitavel publico qae tem
montado urna machina de fazer gelo, e que sua fabrica de chocolate poder funccionar
sem ioterrupcao, e para mais facilitar aos Srs. compradores de chocolate temorganisado
um servico de carro, que andar em todas as roas da cidade, os compradores poderao
chama-lo.
PREfO.
Meia libra......... 409
Urna libra.......... 809
Urna arroba........ 19*000
(ELII
As pessoas qne quizeren pelo para soir ou bailes, poderSo dar snas eneommendas
ao caixeiro da casa, oa na roa Nova n. 50 aonde tem um deposito. As pessoas mora-
doras nos arrabaldes da cidade querendo levar gelo pela maobia, poderao deixar um
caix3o na taberna juRto ao porto da fabrica, que acharo na volta suas eneommendas
promptas.
Na mesma fabrica fazem-se cadeiras franceza de todas as qualidades, e vende-se mais
barata que aquellas qae vem da Europa.
0 NOVO DESTINO
DO
^OT?!
^PHARMAC
.oeP.MAURER
RA N
23 Larga a Terca 23.
0 Sortimento completo dos melhores e mais bem escolheidos gneros perteocentes
a molhados; o propriatario deste bem conbecido armazem de molbados denominada Con-
servativo participa aos amigos do bom e barato, tanto desta praca como do mato, qoe ve-
nhJo comprar aprimeira vea para verem a grande diferenca que ha dos gneros com-
prados em outra qualquer parte, garantindo-se a superior qualidade de qualquer gene-
ro aahido deste estabelecimento.
Caf de 1.* e 2 sor te a 246 e 200 rs. a libra, e a 60 e 7<5 per arroba.
Queijos do reino de di ven os vaporea a 24200, 2000 a I 800,
Manteiga ingleza flor mandada vir por conta propria a 800, 900 e U rs. a libra,
dem franceza de 1.' qualidade a 560 e 600 rs. a libra,
SahJo amarello maca de l.\ 2.a e 3.a sorte a 240 220 e 200 rs. a libra.
Vinho de diversas marcas J A A e B A F. a 400 e 500 is. a garrafa e 3($500 acanada.
Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa e a 40500 a caada on 3)5000 a galio.
Vinho branco de snperior qualidade a 640 rs. a garrafa, e a 40 e 40500 a caada.
Bolachinha de soda de diversos gostos a 10200 e 20000 a lata.
Cha miadinhe de superior qualidade a 20700 a libra.
Ideal para negocio a 10800, 20 e 20500, a vista faz f.
Banha de parco refinada maito alva a,560 a em barril a 500 rs. a libra.
Pbaaforoa da gas a 20300 a groas e 200 rs. em maco.
Sevada muito aova a fot) re. a libra, em porcio se tara abatimento.
Frastneiraa com genabra da HoHatvda a 60000 e 540 rs. um frasco.
&rmja e rvaraaa ureas a 560 e 500 re. 6 pJOOO e 60000 dnzia.
B am destas gneros ha outros moitos assiro como: arroz, batatas, macas para
cominbos, arva doce, albos, /uno, feijo, e oatrea availaa qae eabdonhoj
de seguros muluos sobre a,>ida, fonlada t
administrada pelo
BANCO ALLIANCA DO PORTO.
Todo o pai que desejar acautelar o futuro de seus filos dev,e quanto antes,
azer nscrever os seus nomes na listados socios daP revidentepor que, com urna
pequea quantia que, todos os annos para all frafplicando, tirada do fructo das suas
economas, no fim de 25 annos alcancar-lhes-ha urna fortuna, que por nenhum outro
meio e com to pequeo desembolso poder oble-.
________Os exemplos praticos de outras sociedades anlogas tem mostrado que:
Precisa-'e de um caixeiro para ajodar outro
em urna padaria : a tratar na fabrica de padaria a
vapor na praca da Santa Cruz n.6.
J. .Hunder.
iOOgOO pagos animalmente p dem praduzir.
Por um menioo de 1 dia a 1 anno
> de 1 a 2 annos..
de 2 a 3 ...

>
de 3a i
de 4 a 15 ..
Por urna pessoa de 15 a 20 annos
> > de 20 a 30 ..
> > de 30 a 40 > ..
> > de 40 a 50 ..
Em 5 ao
nos.
1:1000 4:0000 9:<-OO0 2O:OOT0 *7:000J
9000 3:0000 7:5 00 17:0000 37:0000
8600 2:9000 7:2000 16:0000 35:0000
8600 2:8000 7:1000 15:6000 34:0000
8600 2:7000 7:COO0 15:5000 33:3000
86Q0 2:7000 7:0000 15:4000 33:3000
8600 2:7000 7:1000 15:6O'0 34:0000
8600 *:7OO0 7:2000 16:0000 37:0000
9000 3:0000 7:5000 18:0000 50:0000
Admittem-se subscripces annuaes de 80 para cima.
Quem pretender subscrever para a Previdente on desejar quaesquer esclareci-
mentos e informaces, pode dirigir-se soa direccio, no banco Allianca, estabelecido na
roa Bellomonte, ou a Jos Ferreira Moutinho. inspector geral da mesma sociedade, mo-
rador na ra da Fabrica do Tabaco n 19,. no Porto, e aos agentes do mesmo banco e
sociedade na capital e provincia, que tambem dario prospecto gratis a quem os pedir.
Achando-se de passagem nesta cidade o inspector geral da referida sociedade,
promptifica-se, durante o pouco tempo que aqu tem de demorar-se, a daros escrareci-
mentos que se Ihe pedirem, todos os dias at as 10 horas da manhia na roa da Cruz n.
1, emeasa do Illm. Sr. Antonio Luiz de Oliveira Azevedo, onde se acha hospedado.
Em 10
annos.
Em 15
annos,
Em 20 an-
nos.
Em 25 an-
nos.
Opa, paisas, cominbos,
>eria aaEi-aiaBf lat. adiaba
roa nata.


A NACIONAL
Oompanhia. geral hespankola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
Caa laaca en aliheire, depositada nos cafres da catada, garaale a baa ad
BaiiiOracaa da eaaaajiia.
BAXQUE1ROS BA COMPANHIA BmDCgiO GERAL
Baaieo de Heapamha Madrid: Bina do Prado n. i
Esta companhia Ufa pelo systema mutuo todas as eombinaedea de snpervirencia dos seg-
os sbre a vida.
Halla pode e taser a snbscripcio de maneira qae em nenhaas caso mesmo por morte do
aejurado ie perca o capital nem os juros correspondentes a eites.
Sao tto luprehendentes os resaltados qoe produiem as sociedades da iudole deA NACIO-
NAL,qne anda mesmo diminnindo ama terca parte do tnteresse produzido em recentes liqmda-
coea ecombinando- eom a mortalidade da tabella de Depareieux qae adoptada pela oonfuAkt
pera tea*calculse liquidacoes, em segurados do idade de S at anoos, amalmposic.aoannoa.
la 1004 prodoi em offeetTO metlico:
He fim do 8 annos.......1:11*1300
de 10 .......3:1411400
de US........il:QSlM
de SO........30:tM10eO
> de 18 .......80:3311*00
Nao idade menores de 3 anno o maiores de 30, os productos sio mala considera re.
rreepeetM o mai informaces serio prestadas pelo sab-director aosta provineU.
Flora ti OrH-alra, rm daCadoia n. St, oa a Boa- Vi cu ra da Imperatrli a. 1 i, esukeloc
ajen das Sr?. Itaf muado, Carlos,Leite k Irmo.
De volta de sua viagem a corte do imperio, avi-
sa aos seus anl'gos fregueres e amigos, qoe abri
a sua ofDcina de alfaiate a roa da Crua o. 24 !
andar, aonde com toda a pericia execo'a os tra-
balhos de sua arte.
Aluga-se
Urna casa em Bebenbe: a tratar com J. S. de
M. Reg, a ra do Trapicha n. 34.
Um rapaz de bom coraportarneulo offereee--e
para caix-iro de cobranca cu de assorar, daad
fiador a soa conducta; a tratar na travessa
Concordia n.61.
Paga-se 25 mensaes pelo alugeei de uma
esrrava para carregar fazendas e aOl tendo escra-
vo, podendo este dormir em casa de sea sennor :
na ra do Hospicio n. 62.
Copeiro.
na ra larga do
Precisa-se" de nm bom copeiro
Basarte n. 37, hotel Traviau.
Carvalho & N'ogoeira sacara sobre o
Porto e Lisboa : na ra do Apollo n. 20.
Na pra?a da Independencia n. 33, loja e
oarives, compra-te onro, prata, e pedras preciosas,
e tambem se fax qualquer obra de eneommenda, e
Noe oualqner concert.
Precisase de dous aroassadores : oa rna lar-
ga do Rosario n. 40.
Artistas.
Na ra Nova n. 38, precisa se de offlciaes de la-
toeiro ftldeirclro que tejatn peritos.
Precisase de orna ama para servico de ca-
sa : na roa da Sema la Vellia n. H2, 3* andar.
Avisa partante
Deseja-se saber s existe aesia prerioea o Sr.
Valerio Jos de Azevedo natural da liba de S. Jor-
ge, a negocio de muito ieterease 4e sua familia :
a fallar na rna Nova n. 6 e m Jeaejoam Jes de
Brit on annuncie aonde de ve ser procurado.
A pessoa que annunr.ia nesle Diana prariar
de pequea quantia para dar a linerdade a uma
eserava appareca na Gapunga Veltu porie do {,*<-
serr casa junto ao beccj do lado direiw poftao
verd, (iiib <> Indicara quem fax et^Q ootocio.
Erocam-se
Notas das caua> ttliaes do banco do Brasil: na
praca da Independencia n. M.
Precisase de um eaiieiro cem prattea de la
berea, que o conheci^iento de soa conducta : no
patee de Terco n. Ul.
Cozlamrlro
Precisa-te de um bom cozinbeiro ; a Uatar na
roa Nova n. 28
Preeiaa-ae Oe um caixeiro aactoasi para om
loja de calcado, e que trnka prailca do ommoo ne-
gocie : a tratar ao paleo da Rtberra de 8. Jos
n. XS.
Ao Sr. Candido Liberato de Oliveira flaciel,
detja-*e-ihe fallar na I ^laKoalBal TMmmJWntVmW BaT^BalaCf*-
Compaahia fidelidade da sat/nros U
maritimose terjvalras
saubaiacida ao Rio dajaoairo. I
acm** bm mm
latMle Laix ao aHvalM 1 I C, mt
(Mmpetentemenieantoi^aoaijaajd*. Bao*- 2
loria da companbla de aogam Ptaolida-1
^^"^"^eSSSarfr^
1 ras o predios no seo
Cn t.
***oa



<
\
71


fcfaro d* erBbur IIbU telra to de *Jeteuilro de 18
66.
.!
CSa DA FORTuUA.
Aos 6K)00j000.
lbete n\a*h^afn* ti|.
A* RA DO CRESPO N. 23 ECASAS DOCOSTMi
O abaixo assignado venden os seos amito Mi-
aes biihetes garantidos da lotera que M aeaboo
de exirahir a beneficio da coloni-a$3o polaca, os
seguioies premios; *
J*. 1970 dous quaVtos e&m a sofle de 6:0884.
" S ouiras muius sortes de 1004, 404 e 204-
Os possuldorcs codera vir reteder seos respec-
tivos premios sem os descont das leu na casa
da Forlooa a' ra do Crespo n. 23.
"Achaoi.se a vendaos da 24' parle da lotera
(83), a beneficio das ramillas dos voluntarlos da
patria, i|ue so 'extrahira' sexta-feira 21 do cor-
rate.
Preco.
Biihetes........ 63000
Meios............ 34'0O
Quartos.......... 14500
Para as pesseas 4ae eomprarem de i 00(5000
para eiraa.
Biihetes.........'. 54300
Meios............ 24700
Quartos.......... 1*375
.i.. alaoocl Martios Fiuza.
Aluga-se a loja da ra da Senzala Nova n.
15 : a tratar oesta lypograpbia.
Precisa-sede oro trabalbador na padaria da
roa do Rangel.
Precisa-se de ama ama de leite, papa-fe tem,
na ra Imperial, sobrado qua foi do major Gus-
mao.___________________ ______
Arreoda-ee om sitw nos^flogados, co bas-
tantes arvoredos de froto, nm bom viveiro, mulla
trra para plauacoes, boa casa d i venda, sfoa-
la, e ja leo U4M pequea planta de capia ; que
pretender dirija-te a roa da Praia n. 83. ____
Casa para alugar.
Mauod Loiz Viraes, alaga o segundo andar da
casa qoe foi do fallecido dezerobargador Rocha
Bastos: na roa da Aororora._______________
Aluga-se o primeiro andar do sobrado da
ra do Qoeimado o. 26, pretndeme dirijas* a
loja do mesmo, nicamente para escnptorio.
pi III' ITrrnTWT-
COMPRAS
_ UUL SiB SNIlMO
Una do Intimado 49, loja de
alndezas
i d*
Jos Bigodinho
Gonlioua a q%elmar ludo qoanto lem ern fea es-
tabeleciir.etto.
SyHbarios rom estampas-para meninos a 320 r*.
As^isten-abreviadas a 500.
Memento da roopa de lavar a 100 rs.
Cartilha da doutrina ehrislia **Bis.
;;"" cariill.as para meninos a 160 rs.
pwfas de meias multo Una* para senliora a 4N0.
Ditas brancas e eruas pata hornero a 34 e 44.
Agullias rrascezas a balio(parrl) a CO rs.
ledras de lo osa (pequea.-) muito finos a 160 rs.
Parej de sapatos de tranca e tapete a I45C0.
Pecas de fitas de laa de todas as cors a 600 rs.
(rozas de botoVsoe porcelana prateados a 160 r.-.
Graude Jjuitliioao
DE
FAZENDAS BARATAS
Ra da Iraperatrii n. 36
I. la e aru.'vzesi da Arara
Loaicnco Perda leides Gaimiues
Chitas 200 r^u-covado. -. -
Vende-se chitas linas pafafVsiidos a 200 e 14
ris i covado, coi les de l e 2J1IU lipa da Imp. rvrlt loja &. Arara n. 56.
\ladapolr:o ffancez ;i 400 a vara.
Yende-se pecas de nd*pt-rlo fraorez de 24 va-
ras a 400 rs. a vara ditas em pecas a 94600 e 10.
Ra da Imperalriz loja da Arara r. 56.
Algudaosinliu do Arara a 3.
Vende-se pecas de algndosiubo a 'SI. 44, *4,
Ouro e prata.
Em obras velhas : compra-se na praca da ln
dependencio n. 82, loja de biihetes._______
Compra-se ouru, prata e pedras p'reciot
em obras velhas: na rna da Cadea do Recife
cja de oorives no arco da Conc;ao.________
Compram-se libras sterlioas : na praca da
Independencia a. 22.
Compran) se moedas
Crespo n. 16, andar.
de 20J : na ra 4o
Compra-se
libras sterlioas : na praca da Independencia n-22
Garrafas
vazias.
Compra-se garrafas francezas e ioglezas
roa do Sebo n. 35.
LIBRAS.
Compra-se libras esterlinas : na rna da Croa n.
1, escripWTTo de Antonio Luiz Marlins de Aze-
vedo.
Compram-se diarios para embrnlho a 5J> a
arroba : na roa Direita o. 15, fabrica de cigarros.
Compra-se am escravo de meia Idade porra
robostn qoe possa prestar servlco; na roa da
Santa Cruz n. 52.
Na olana n. 13 ra do Moodego compra se
am boi para carroca.
VENDAS
_-_
Vende-se urna escrava de meia idade,
cosinbeira, 2 ditas para todo servido, ama dita co-
sinha, lava e vende por 4005, um escravo de meia
idade ; na travessa do Carmo n. I.
* ci ditos de" madrpe^ iSCToi^ ffpiVa?|>^^! Tff SX
Ca xas coro coicbelra franceus a O 60 rs.
Ouzas de clchete? de'ferro em cario a 40 rs.
Uixas eom alBneits trancezes a 80 rs.
Canas de 100 eovalopes multo Unos a 600 rs.. ~
Pares de sapatos de laa para meninos a 400 rs.
Prego franceies de lodos os.iamanl.os (libra) 240
re?.
Resma do papel de peso brano liso a 2.
Frasco com superior Una a 100 rs.
Grosa de pnospboro O* gaz a 2*200
Pares de botos de ponho mallo bonitos a 120 rs.
Llenas cm eartio de 200 jardas a 100.
Caita do superior linba do gaz com 60 novellos a
700 rs.
Cartas de pos de arroz mano fino a 800 rs.
Fuleeiras de eonta para meninas a 320 rs.
Talberes para mecaos a 240 rs.
Caita com aupeimres incas para charutos a 20 rs.
Matso com superiores grajnpos a 30 rs.
Cresas de peonas de ac mallo finas a 320 rs.
Bonets para meninas a 1 .
Peales com costa de metal a 00 rs.
Capachos compraos e redondos a 600 rs.
Cajxas com superior papel amisade a COO rs.
Realejos para meninos a 100 rs._____________
CAL D LISBOA-
da mais nova e soperior: vende-se mais barato
do que era ontra qoalqoer parle, no largo do Cor-
po Santo n. 18, escriptorio de Manuel Ignacio d
Oliveira 4 Pilno.
Sal
azater.
Vende-se o mais novo vindo dos Estados-Unidos
a 400 rs. a libra : na padaria da roa Direita no-
mero 84.
Novo sorumenio de lavas de Jouvin brancas,
creas e das mais importantes cores da acioal mo-
da do Paris, negadas pelo vapor francez de 12 do
crreme, a ellas em quanto estao frescas e sorti-
as : na loja do vapor roa Nova n. 7.
Vende-se superior vinho de Lisboa em
barris de 5, de orna nova marca -prepara-
da particularmente para o nosso clima, por
conter orna pequea quantidade de alcool'
com paladar macio e agradavel. U preco e
commodo que muito convir aos preten-
dentes, a ra da Cadeia escriptorto n. 49.
O llares
Superior e verdadeiro vinho Collares da
bem conbecida marea Dejante & C, em
caixas de 2 duzias de garrafas.
Os apreciadores desta etceltenle qualtda-
de de vinho o acharo no nico deposito a
roa da Cadeia n. '49. ____^_^___
PORTO
Vii.iio do Porto engarrafado :
boa j Hioba E-tephania garrafa 3000.
Lagrima Christy garrafa 3000.
Malvazio garrafa 2^500.
Postwein garraa 23500.
Porto engarrafado a 25. 14500, ijf, 800 e 640 2
garrafa.
Roa Nova n. 60, arrnazem da Liga.
Nova
mvencao.
No pateo de S. Pedro loja de barbelro vende-se
agoa pata renovar e tirar nodoas em chapelinas
de palha de .-enhora de prjmplo effeito e muito
econmica para os particulares, por evitar as enor-
mes despezas qoe se Ui as modistas que muilas
vetea excede ao valor dos ditos, e veude se agua
para tirar nodoas fernginosas em roupa branca.
i 1 ti ma ni o'J de Pars
Chegaram no paquete Extrrmadurt, enfeites
inulto lindos formando rokes de diversos modelos:
so se vendem na ra do Queimado o. 63, na bem
contienda loja do Beija Flor.
- Ve idem-se doos escravos om mulato claro,
tnarcineiro, idade de 30 anoos pooco mais oo me-
nos, e ouiro cabn escaro, sem oflicio, idade de 20
anoos. ambos -adis e de bom comporlamento : a
tratar na roa das Cruzes n. 11._________
SSsoO
Exi-tem alpnns barris de superior vinho do Por-
to particular (qoe se da' i provar), pelo barato
preco de 35J0O0 a ancoreta, i.-io porque o dono
qner hqodar : na roa da Cadeia n. 35, armazem
de Ferrelra i Matheoo.
Atiene do.
Vende-se a taberna da roa da Santa Cruz n. II
bem afreguezada para ierra por ser no principio
da praca do mercado da riiieira da Boa-Vista : ga-
rante-e as chaves a iradar na mesma roa n. 7.
Vende-se orna preta crinla, de 28 anuos,
com doas crias Alnas da mesma, sendo orna mola-
tioha de tres antis e ama moto-pie de met e mel.
A preta cozioha. engomma e cose chao; muito
robusta e de rxo lente conducta : a tratar na roa
do Fug n. 9. Na mesma casa na c-otra* mais que
se mostraro. ______________________
Vende-se urna casa oo Puco da Paoella|oa
roa do Rio o. 16. chao proprio, com 2 talas, 3
qnartos, coinha fora, o quintal airavessa de orna
ra a ootra o qual foi murado ha pooco, todo o
negocio se far com quem pretender : na rna do
Arago o. 8.
i'.Z GAZ
a 400 rs. a garrafa : s na Liga. __________
Bren em barricas pequeas.
Cera em velas de lodcs os lmannos.
Bogias.
Mercurio.
Na rna do Vigario p. 19, 1* andar.______'
Y'ibIio colares.
O vioho colares o mais superior de lodos os
viohos o preferivel neste paiz pela soa fresqnidao
o agradavel paladar, vende-so a 6*000 a duzia :
o armazem da Liga, roa Nova.
fi\Z GAZ GAZ
Venda de um armazem
Vende-se o armarem da ra do Brom n. 64, de
accordo eom os hvpothecarios, 6. meeiro nos oitSes
do predio junto pertencente aos Srs. Bailar A Oli-
ve ira e com fondos al o caes de Apollo e rom to-
da o travejameuto para quero quizer levantar so-
brado.__________________________ ___
Pota s^a da Kuma
a 260 rs. a libra.
mnito n>va e de uperior qaallda escriptorin de Maooel Ixnaeio de Uliveira k\ Filho,
largo do Corpa Sauto n. 19.
Graude liquidado de bis-
coutos inrf-zes
admira latas om principo Alberto a 1500, ditas
com l.oiarhinhas perolas de 2, 4,6 e 10 libras a
1*300, 29100, 3 e 54500, ditas com mixide, oval,
victoria, crirhle, craenel, lemon e nutras muitas
marcas a 1*: isto so na Liga ra No-,a n. 60.
VTende-seoualup:a-se
a casa que foi do fallecido Xisio Vieira Oielbo, no
lugar do Monteirn 1 marceo do rio Capibarihe,
com bastante t'iren e urna etcell-nte baria para
capim : a tratar na ra do Crespo loja Ua esquina
n. 8.__________________________________
pipil iik i*i;so
Branco, pautado, sjualidade superior.
Hernia 3Hft(K).
NA LIVRARIA FRANCEZA
RA DO CBKSPO H. 9.
Teimde-se barato
Chanias ara caidieires.
Cada nm a 280, 320 e 400 rs.
Gaz v jrdadeiro americano em garrafas a 440 rs.,
em lata-i de om galio a 24i0'i. de doos galdes a
44600, Candi iros americanos e soissos de todos os l-
mannos o precos.
Faz-o qualqoer conoerlo tendente a eandie ros.
Tambem e alugam lustres o arandelas a gaz e
globos a vela.
Todo por commodo prec*>, s no graude estabe-
leclmento de miudezas, qnioqoilharias o ferragens,
ma ,>ova n. 28, de Souza Soares i Irmao.
C*eg< u ao amigo deposito de Hrarv Forstrr &
C, rna do Imperador, om carregaswnto do gat de
primeira qualidade, o qual se vende em partidas e
a reuiho por menos preco do qoe en asjtrj qo>l
qner parte. .
Vende-se un bol de carroca muito manso,
novo e gordo : no aitio da viuva Villa Secca na
Estrada Nova; ______________
Aos senil res yigarjos. E
Vende-se om anel cem viMs brilkanUii, prnsrki
para sr. sacerdote, obra prima, tem orna bumu
ametista : a Praca da rodepondencla n. ti
Ai oda so vende urna morada de cata no bair-
ro da Boa Vista : qnem pretender comprar dirija-
ge a' roa larga do Rosario n. 31 segando andar,
das 10 noia > > da tarde, para tratar.
. Vende-se sm mo'eqoe pfa"do 23 annos : a
tratar a' rna do Moodego eUria n. 13 das 7 a* 10
(torta Oa Bi>lit,
Chapeos de pftdre e para se-
nlicra e meninos.
Do ultimo geMo Je Paris: as tojas do Jos Bar-
bosa o Pequeo na praca da Independencia os. 23
e 25, janto do fonlteira. ^^^
Nt araaren de fazendas baratas de
Srnlos Coelht, ra do Qieinado
B,.9.
Vende-se o segninte :
Feehlgscha.
Prcas de nu da polio fino entestado pelo baratis-
slmo preco de 94-
Vende-se na fnndlcao da Aurora lijlos in-
glezes para fornalha ffliv brlrlc-) de superior qua-
lidade e t>( r precc reimundo.
ft i
Vende-se urna erta% pela, de isade d 16
a 18 anitos. qoe roStnba. efgomms. lava o cose
ordinariamente,faiendobem Uhirintho : a tratar
m roa das Cruzw n. 1J-
" Cal ie Llnboa
da anais nova e >upe;ior : vendem por barato pro-
tp Campes SuUiubo, a run do Imperador no-
mero 28._____________________
Na ni do /ilpollo n. 2 Tn cellente vinho do Por lo engan atado, uno,
e verde puro, en caixas de urna duzia d
garrafas, a preco corjajpodo._____________
n. 56.
Arara vende as colchas a 24.
Vende-se colchas de listas para cama a 24. ditas
de damasco a 44, ditas de fosto a 64. Ra da
Imperalriz n. 56.
Madapolo da Arara a 34500.
Vende-se p 44, dias de 24 jardas a 44, 54, 64, 74, 84 e 104.
Roa da Imperalriz n. 56.
Chitas trancezes a 240.
Vende-se chitas francezas a 240. 280, 320 e 100
rs. cotaoo. Roa da Imperalriz loja da Atara
n. 56.
Lasiohas ta Arara a 200. "
Vende-se laslahas para vestidos a 200,240,320,
400 e 500 rs. o covado. Ra da Imperalriz toja
o. 56.
Arara vende cortes de calca a 14t2<>.
Vende-se cortes de calca para hornero a 141-0
e 14600, ditos de casseinna de cores com pequeo
loque d mofe a 24 e 24500. Roa da Iinp-ratriz
o- 56.
Mucambique de cores a 500.
Vende-se mucambiques de cores com palmas de
seda, para vestidos, fazenda nova a 500 rs. o cova-
do, lasiohas novas estampadas e finas a 400 e 320.
Ra da Imperalriz n. 56.
Ltncos broncos a 24-
Vende-se pecas de leuuo branco a 24, ditos de
cores a 34, ditos de lioho a 54 a duzia. Ra da
Imperalriz o. 56.
Bramante a 24500.
Vende-so bramante de Moho eom 10 palmos de
largura a 24500 e 2*6(0 a vara.-Hua da Impera-
lriz n. 56.
Arara vende a 34-
Vedde-se cortes de cassa de papel para vestido
a 34, ditos de cambraia de cores e barras a 34 o
34500, cortes de tarlalana abortos a 34 o 34500
ditos de cambraia bordada a 54- Ra da Impera-
lriz n. 56.
Arara vende fazenda para lulo a ilO.
Vende-se laasinba preta para luto a 440 e 500
rs. o cavado, ditas preus a 200 rs., ditas largas a
320 rs. cassas prelas a 320 e 360 rs. o cova to; al
paca preta a 500,640, 800 e 14 o covado. Roa da
Imperalriz n. 56.
Roupa feita nacional.
Vende-so fraques de alpaca muito fino.- a 59, di-
tos de casemlra a 94 o 104, palituts ingieres de
casemiras de cores a 14 e 164! palitots de panno
pretu a 54, 84 n 104, ditos de brim a 14 e :|f. cal-
cas escuras a 64, 74 e 84, coleles de casemira a
34<>00 e 44 e oatras muitas obras qoe se vende
muito barato para aparar dinheiro, tambem se
manda fazer qualquer obra por medida. Ruada
Imperalriz n. 56.
Arara vende os bales a 24000.
Vende-se baldes de arcos a 24, 94500,34,34500
e 44, ditos salas azuladas para senliora a 64 e 7.
Ra da Imperalriz n. 56.
Os oito mil covados de mucambique.
Vende-se roncambiques para vestido fazenda
nova com palmas de seda por ser grande porcao
so vende a 500 is. para liquidar depressa. Ra
da Imperalriz n. 56.
Os mil cortes decambraias e tarlatnas.
Vende-se cortes de cambraia com barras e cores
e tarlatanas a 34, 34500 e 44. Roa da Impera-
triz o. 56.
Os seis mil covados de la estampada a
400 rs.
Vende-se uroa'grande porco de la eslampada
para vestidus a 400 rs. s para acabar. Roa da
Imperalriz o. 56. -
Os dous mil cortes de casemira para caiga.
Vende-se cortes de casemira para calca de co-
res e preta, por ser grande porco se vende por
14500 e 54- S na foja da Arara, e ouir-s rooitas
faztndas qoe se vende por prego o mais barato
qoe possivel. Ra da Imperalriz loja da Arara
n.56._________________________________
Veo* bordados para chapees de senhoras.
Vendem-se na loja de mindezas : i roa do Quei-
mado n. 16.
IVtilrs dourados Iravessas para Birntnas.
Najoja de miudesas : a' roa do Queimado n. 16
vendem-se bonitos pentes dourados para meninas,
tendo enfeitados com aljofares e pedras.
La fina para bordar, novo e bonito sortimruio de
cores vivas.
Vende-se na loja de miudezas a' ra do Quei-
mado n. 46.
Benitas caxinhas com msica e sem ella. -
Na loja de miudezas a' ra do Queimado n. 16,
veudem-se bonitas caxinhas com msica, e sem el-
la, e todas com arranjos para costura, e por precos
tio eommodosjqae o comprador nao lera' que ezi-
lar.
Para mentara, superiores luvas eamursa amaril-
las e brancas.
Vendem-se na loja de miudezas : a' ra do Quei-
mado n. 16.
Eufriws crespo, t oulros do ultimo gasto.
A loja de miudezas, a' ra do Queimado n. 16,
receben* bonitos enfeites crespos, o qoe de roelhor
tem vindo nesse genero ; assim romo oulros mo-
dernissimos com Otas, lucos e aljofares, obra de
muito gosto proprios para bailes, thealros, nasseios
etc. os pretendentes qoe se dirigirem a' loja de
miudezas, a' roa do Queimado n. 16, gostarao de
comprar to boas obras, e por precos razoaveis.
Bom papel peqin* t ea veletes.
A loja do miudezas|a' roa do Queimado n. 16,
esta' bem prvida de papel de todas as qaalidades,
sendo: almasso, greve, liso, e paplado eom 33 li
nbas, dito de peso tambem liso e pautado, dito em
caxinhas, sendo: liso, pautado, de qoadrinhos de
cores, de beira doorada, e tarjado de preto; assim
com enrelopes proprios para esses papis : os
pretendemos qoe se dirijam a' dita loja, a' roa do
Queimado o. 16, que serio bem servidos pela boa
qaalidade de papel, e commodidade dos procos.
Superior fila encamada e chanalelada por ambos
os lados, propria para cartas de hachareis, e
a irtoaadade di Bom Canselba.
Vende-se esta soperior fita na leja do mindezas:
na roa do Qneimado n. 16.
ores c bonitos cintos para seaaoras.
Na rna do Qoeimado loja de mindezas n- 16,
vendem se novos o bonitos cintos pars senhoras,
Tuiiara iugleu para faxer as cabellas callos.
A apreciavel tintara bem conbecida por Hotld
Water, a aprociavei de L. Marques, e a apreciavel
de Cbrumarome : vendem-se na roa do Queimado,
loja de Bitadura* n. 16.
CtiUaicf Btftjer'
nu
Anodinos 'electro-magnticos contra as c< n-
vuiOes, e pati facliur a dcntirao das
criancas. A agnia-trauca na ra do 0. et-
mailo n. 8 recebe-os por todos os vapo-
res fraicezes.
e-to to conhecfdos, e tanto se tero espalbado
a farra d'.'.-es prodigiosos collares Royer, qoe se
k abono de seos boas e e effieazes elfeltos; basta o
testemimho de milhares de pessoas, que tm visto
e apn veiddo o feliz resoltado dsses lo otis,
quao necessarios cellares Royer. A quolidiana e
crescida extraccae, qoe vao tendo, m(*t.a ainda
que ; numero dos prodigios se eleva como todos
os roupradores. A agia-Aiane, p rm, dese-
ando roncorrer para um llm de lano apruveita-
wienio, um foto os necessarios pedidos, para qoe
por todos os vapores fraaeezes Ihe seja remetlida
certa quantidade de ditos collares, para assim lor-
oar-se ipfalhvel o sorlimento delles, oa loja d'a-
gnia-branca, ra do Queimado o. 8.
Elixir dentfrico e odontal-
. gico.
Peo eitifricos.
Para conservacio dos denles e genplvas, orna
das roosas que msis i oidado merece a lodos, e
sero duvida a peifeicao e cunservacao eos denles e
gengivat. Para isso se consegoir necessano o
oso do elixir e pos dentfricos qoe pela segunda
voz afibsro de chepar para a loja d'Agoia Branca.
Este elixir odontaigtee e antscorPuUeo, precioso
para todas as affec^df s da bocea. 0 emprego dia-
rio desse elixir com agoa,previne a caria dos den-
les, cora as aphtas das gengivss e rs fortifica, aca-
ba o mo hlito, e faz desapparecer o chelro desa
gradavel que deixa o charolo; as-no coma appli-
cado poro, acaba rpidamente a dor de denles O
pos servem perfeilaroente para dar aos denles a
neeessaria brancura e polidez, conservando as gen-
givas a cor rosada. O impre.-so que acompanha a
cada fiasco melhor rcieutificara ao coronador qoe
se dirigir a loja d'Aguis Uranca a ra d- Queimado
o. 8, onde se vendem om frasco do elixir e ootro
de pos i or 340OO, e separadamente, este por 15300
e aquelie por 24000
Fitas de chamalote
para a irmandade do Bom Conselno
e cartas de hachareis.
A Agola (tranca na roa do Qoeimado n. 8 rece-
ben excellente tita de chamalote propna para a ir-
mandade do Bom Cooselho e cartas de Lachareis
Bonit s pentes
dourados com pedras e aljofares para
meninas.
Vendem se na rna do Qoeimado loja d'Agoia
Branca n. 8.
Agulhas
de osso e niarfim para crochet.
Linhas pata ditas. Esies objectos cheparam de
novo para a luja d'Aguia Branca ra do Queimado
a. 8. .
Novos enfeites crespos e entras qualidades.
A loja d'Agua-Brauca receben nova poro de
enfeites crespos para coques, alguns dos quaes suo
de moldes ioteiramecte novos e agradaveis, vindo
esies coberios com fllets de vidrilhos lisos; assim
como receben ootros para o mel da caneca, en-
feitados ao ultimo gostoBooolton, e outros no
coque. Os pretendentes que se dirijam a ra do
Qoeimado loja d'Agua Branca o. 8.
Luvas de eamursa
brancas e amarellas para montara.
Vendem--e na loja d'Agoia Branca ra do Qoei-
mado n. 8.
Escovas finas
para unhas, denles, roupa, chapeos
cabellos e pentes.
A loja d'agoia Branca acaba de receber om
grande e variado sortimento do escovas finas, -ni-
do de cabos de osso, marrim, baleia e Kiadreperola
para denles e unhas, ditas com cosas de msdeira,
tiOfalo e baleia, com batios e altos relevos e algo-
mas marclietadas com madreperola e eobeilas de
velludo para roupa, chapeos e cabellos, e cuitas
uoalu 1 n'e coro cabos de madeira e modreper'la
para limpar pentes. Os drfferentes e cemmcdos
presos de todas ellas esto em relacao a snp.ro-
ridade das mesmas, e vendem-se na loja d'Aguia
Branca roa do Queimado o. 8.
Eival sem segn ]o.
Rna do Queluiaooii. S>.
Qeerucabar rom as fazendas aL; i 10
mencionadas.
Qtteiram vir ver o que boa e b; ralissimo.
Toalhas de labynniho coro bico, a2enda boa a
34500.
Carretels de linha c(m 100 jardas a 30 rs.
Grvalas prelas e de coree mnito fiuas a 500 re,.
Esrovas de cabo branco para deotes a 200 rs.
Baralbos Iraocezes mui'o Bous a 200 e 320 rs.
Caixas de lamparinas para tres roezes a 40 rs.
Caixas de obreias de roassa muito novas a 40 rs.
Eofladores para espartilbo de cordao e fila a 60
ris.
Pessas de fitas de cs estrellas com 10 varai a 320
ri?.
Ditas largas a 500, 600 e 800 rs.
Cartas de alfineites fraocezes moito soperiorrs a
100 rs.
Carretels de linha Alexandre com 400 jardas a 200
ris.
Pares de luvas de algodo de cores a 320 rs. -
Resmas de papel almaco muito bom a 24500.
Frasco cora superior agua de Colonia a 400 rs.
Ditos de oleo babosa a 320 e 500 rs.
Ditos de dito higiemque verde a 900 rs.
Ditos dito fai-o a 600 rs.
Ditos de macacar perola a 200 rs.
Ditos de banha muito fina a 200 rs.
Caixas com 12 frascos de cheiro a 14 e 14500.
Sabooetes mutto finos a 60, 160, 200 e 320 rs.
Ditos de bolla muito finos a 210 e 320 rs.
Frascos com cheiros mnito finos a 240 e 500 rs.
Caixas para rap coro bonitas estampas a 100 rs.
Laa para bordar a melhor do mercado (libr.) a
74000.
Babado do Porto da melhor qualidade a 100, 120 e
160 rs.
Pessas 14000
Caixas de palitos a haliio 40 rs.
Miadas de linha frota para bordar a- 20 rs.
Varas de c.rdo par* espar'ilho a 20 r<
Frascos rom liota idxa Bu.no boa a 210 e 320 r.
Ditos de dita preta a melhor que ha a 320 rs.
Duzia de fs, cas para sobre-mesa a 44-
Diu de dita d cabo prelo r.ravad> a 3$.
Varas de franja branca largan 2t0 rs.
machinas amerieanas de serrotes por descantear
ag. dio ; na :oa oa Sem.u Nova n. 41
aUgnsj
Deposito de pao e ces-
tas.
Hua larga do Rosario n. 36.
A cite, estabelecwoenlo acaba de chegar a 3* re-
roessa do crvenle nn,a qoal consiste em barcos
de palha paia cteancas, bercinlws para tuecas,
balaios para meninos aprender a andtr, ditos de
gesta branca e do vime de cores para cosora, di-
los para deposito de palpel rasgado dos eseripto-
rio, ditos para deposito de roopa saje, ditos de di-
versas core e formatos para todos os mysteres de
casa de familia, ditos de po para trocas s^bre al
mesa, ditos para rilnbos d canario, eondecinhas!
do varault aa lampa para encher de doeo ecro,!,
-acafl*s braacos, compridos o rodeados graduadw,
condeeas fitas o batxas gradnaaas, bandejas da!
vime para roopa engommada e flores, cesu* de ar-
co granito e peqoonas para eottpra, maracas de
pama,'grades para'pegar poreovja; e 00 ir as mni-i
tas obras de palha, gesta o vime, beas roano <*-.
tisno rn qoente pela mannia a a Urda bola-'
cha de varios tamanhos e feo, macas doces caoa-i
prehrndendo ararnu, e hiscoitos tinos para cha:
ano vende-so a preco os mais fWsTel nossi-
ve rra bem saeweer^ a protoreaa oatvlorta-
ei* Uv< OOS:u? MDigtr f hfgU.ifH,
Vende se oa praca da Independencia ns. 37 e 39,
eapellas morloarias, as mais bonitas que ttm viu-
do a este mercado, para os stimos dias e dia d
finados se botar na: catacumbas e turnlos no ce. -
niterio publico com as inseripcoes segnjnles:
A ni q pal.
A miaba mai.
A mea esposo.
A minha esposu.
A mea iho.
A minha Blha.
A oten irmao;
A minha irmaa.
A meo a miro. -
Urna lagrima.
Aroizade. ,
Saudades.
sg
Vicho fraooezmais snpeiioi qoo lem vind.i an
rcado vende-se no grande armazem a Liga 1 uo
a n. 6Jt
teeoedd

Cha
Jftinot
^r
Ddao da Bahia
VaBd^-aTaanaaCiasaa n 8 4t um.ia,
e* poica: c a rmatec.


Diarlo de PeriaHbaeo QhIbU felra to de meleevbro de 1866.
I Ttf '


O ARMAZEM
UNIAO MERCANTIL


53 RA DA CADEIA 53
P.tSS.lYDO O ARCO Di CO^CKHlO.
Tem lej do maior e mais variado sortimento de escolhido* gneros, os segua-
les directamente recebidos pelos ltimos vapores:
Queijos londrinos.
Linguicas j preparadas em latas de i libras.
i Os muilos superiores queijos do alantejo.
Presuntos para fiambre ingiezes.
Gomma de milho hranco americana.
Salmn e lagostrm em latas.
Quartos fie marmeilo.
Bolaxinhas. perolaS principe Alberto e outras qualidades, .
Vmhos os verdadeirus de Collares, Rlietio, Muscatel de Setubal e parto fino.
Queijos flamengos.
dem de Minas.
Tudo pelos mais commodos precos.
MANT8(G.\ INOLEZA de superior qualida-
de a i .8o e 4,loo rs. a libra, em barril
se faz abatiraent.
10EM FfUNCEZA a mais nova que ba no
merca la a 6*0 rs. a libra, em barris ou
meios a 600 rs.
CMk HISSON de priraeira qualidade a
.rfoo rs. a libra, almdesta ba umitas oa
tras proprias para vender a retamo, que
se ven em de 1,60o a 1,80o rs. a libra.
IDEVCPhSTO o mais espacial que tem va-
le a este mercado a ,2oo rs a libra.
IDlVf recular de l.Soo a 1,800 rs a libra.
QUEIJOS 1)0 REINO ltimamente chegados
pelu vap >r ,ioo: ditos do vapor passado
a ,00o rs.
LATVS OE CHODRig.iS com 6 libras er-
ineticame.iie fechadas, a 4,5oo, de barril
a 64o, a lira
SSTAE ASitb pira sop em caixas sortidas
de S Inris, p->r i,000 rs.
VTW) VERDE lo ve-ddeirosumo da ova,
e o mais proprio para si beber n'este
imperio, pela suiaxtraordiniriafresqui-
15') e agriiavel gosto a 6 lo rs. a gar-
rafa.
AME'XAS FftANCGZAS em frascos de i e
2 libras, a 2,8oo, e l.ioo rs. em cari-
abas muito eofeitadas com diversas estam-
pas >2,wo, ,80o, l,5oo e l,3oo, res.
SISGOITOS INGLEZES emlatis contendo
diversas qualidades a l,ooo e l,2oo rs. a
ata.
PRINCIPE ALBERTO bolachinhas as meiho-
res presentemente conhecidas a l,6oo
rs. a lata
SALAME HAMBURGUEZ chegados no ulti-
mo navio a l,6oo a libra.
PREZUNrOSverdadeiro de Lamgo, a 64o,
rs. a USra, e 56o inteiro.
TRAQUES n. 1. em caixas de 4o cartas, por
8,510 h 2o rs. cada urna.
MARMEUDA era latas de 1, 1 '/ e J li-
bras a '5oo res a libra. .
JALE\ DFMARMELLO emlatas.a 800 rs.
FRUCTAS EM CALOA pera, oecego. alper-
ce, rainba Claudia, e ginja a 64o reis
a lata. !
til iiaa
MOLHO IN1LEZ de diversas qaaWaM, a
72o r9. o frasco.
MOSARDA LNGLEZA mujlo aova, a 800,
rs. o frasco
DEM fRANCEZA a 64o rs. o frasco.
SALMO E LAGOSTIN chegado alma-
mente, em latas de 2 libras, a l,6oo. rs.
ARENQUES em latas a 64o rs. cadautta.
SARDINHAS DE tiANTES em latas e metas
a 600 e 36o r?is. .
V1NH 1 DE COLLARES o legitimo vmho
desta localidade, maito superior e sena
confeiclo alguma, a 800 rs. a garrafa.
IDFM MADURO overiadeiro do alto Dou-
roem barris de lo em pipa por 35,ooo
cada um. ,
VINHO DO PORTO de diversas qualidades
engarrafa lo, inclusive o maisfino que na
a'este genero, por 800, 1,000, l,2oo,
l.ioo e l,5oo rs. a garrafa.
FSIJAO verde e can-apata- era-latas erme-
cameote fechadas a 00 rs.
CHOCOLATE francez em pacotes de I bwa-
por 5oo rer*.
AZEITONAS das enejadas ultimanwota de
Lisbd i a 1,2bo rs. a anco****, #9w> a
gnarrafa.
CAF avado a 24o rs. a libra, e T.obo U.-
aarroba, e regular a 22oa libWs 06000*,
a arroba.
VINHO CHERRY domis ffOpetlo: do mer-
cado a l.ooo r6. agarafa, e l5",0oors.
a duzia.
MUSCATEL o verdadeiro de Setubal, a
f,8or rs. agarrafa, e2o,ooo a dalia.
VINHO BORDEAUX. das mais acreditadas
marcas, S. Emlion. SaQt Jodien Haut
Brion a 7oo e 810. rs. a garrafa, e em
caixaded VINHO BRANC 1 de Lisboa de excelente
qualidade. e proprio para missa, a 800,
rs. a garrafa, o MADEIRASECO a*,2oo a garrafa,o-12;ooo
VINHO D RUTENO superior, a 2.000 a
ffarraf*. 22,ooo rs. a duzia.
VERMOfJTH de superior qualidade em ca-
xas de 12 raeUs girrafas por 12,ooo,e
garrafas por l,2oo rs.
Groa do aplos rota a 11560,1*600, 2*. 3*, 3*500 e 4* o corado.
GorgurSO preto de superior qualidade a 2*500, 2*800, 3* e 4* o to-
va do.
Superiores moraaaques a 2*500, 2*600, 3*. 3*500. 4* e 5*000 o
covado.
Bons corees de moreantiqoe.
dem de gorgoreo adamascados.
Boas pannos e casemirts.
Sup ores alpacas, princetas, merinos e boBBbazinas.
Bons tillados pretos.
Grande variedade de chales de fil pr.eto e de guiare a 3*. 6*, 8*,
10*. 12*, de 16* a 20$, de 25* a 80* cada um.
Superiores retondas o> ftt preto e de guipare a 8*. 10*, 12* e 25*,
e de 30* a 60* cada ama.
Superiores algertenos de fil preto e 4o guipare de 12* a 25*, e de
30 a 60* eada ama.
Bons fraile* de seda preta. -
Ditos de Merino preto bordados e outrs rantas fazendas pretas que
sera eofedonhe enumer-r, na
toja n%M COMISAS
DE ANTONIO f.OftHRI* OH TASCONCELLOS A C.
BITA DO CRESPO M. 13
Muita at
Grande Hquidaco de fmulas
das eraj
PHOSPHATO DE FERRO DE LERAS
MR. KU SCIE1CI4S
INSPECTOR DA ACADEMIA DE PARS.
Nao existe medicamento ferruginoso to ootavel como o pbospbato de ferro- de
Leras; assnmraidades medicas do mundo inteiro adotaram-no cora solicitado sem igual
nosannaes dasciencia. As cores paludas, dores de estomago, digestSes penosas, ane-
ma,convile>^acas.ilffice8, idado criticadas flhoras, irregularidade na menstruaClo,
pobresa do singue, Jy.nohat'smo sSo curados rpida uenteot modificados por esieex-
cellentecornposto. f>conservalor por excelencia dasaule e declarado superior nos
hospitaes e pela^acileTiiis'a topos os ferruginosos conhecidos, ao idoreto e ao citrato
de ferro, porque e*o uipicoqe cinvem aos estmagos delicados, que niSo provoca consii-
pafo nico tamftm q%e riStfelwgrece a bocea e s denles.
Em Pars na ra da Feuillade n. 7.
A venda em casa de Maurer, e A, Caor.
PECIIXCIIA SEM IGIAL
Reos cortes de gorgurao de sed pretos adamascados para vestido cora 13 metros
ou 18 a 20 covados cada corte, laruara de ohit*froeea. Mo baratisslmo preco de 1W|
cada corte : Da toja das colmadas da- ru dtt Crespo n. ITde Antonio Correa de Vascon-
cellos & C.
Loja do Vigilante
RA DQ CRESPO N. 7.
Este estabelecimento acaba de rceber pe-
lo vapor littremaure, e de ana ptepria en-
commenda, wm compiti gorlimeoto de ob-
jectos de n paraje fato o alfa do complev
ta novidadev cobo aait:
Uittdtaa wm.
No Vigilante.
Chegaram no vapor francez de 12, um
l completo sortimento de diversos objectos
| de apurado gostb propriamente para um de-
licado mimo, e todas aquellas pessoas que
desejam concorrer com alguma offerta para
o leilo de prendas do Hospital Porluguez,
que ter lugar domingo IH do corrate po-
derSo aproveitara nrri~i^>rf!rrm esco-
lber taes oljojectos fio s visto ser para um
fim to justo, o Vigilante est resolvido a
vender por diminutos precos, que os con-
currentes flearto satisfeitos.
Emteltc
Tambem chegaram no mesmo paqaete
fateoda
de seda
e8J:
ocova-
rgaodis
s. o co-

o
pas Jei-
tos naciooaea, aa ra da bQfWaliz n. 72,
loja de GamarlM indo.
Oa atoprietariosMfctfa mfimMmuVbeWtimen-
toMtaorefolvidos'a liojnidar por tantos 20 por
eeoto, 4o que eoiloor qtil^atr parl, veiam :
Chales da renda.
Vende-se chales de randa
mo\*' 9* tendeu por lf* e t
por M# e IOO, reioatfa prta*
itto >4 M Mk da Imppnariz o. 71
Wanda pedHBcba.
Caatbraiw ? eres aunio la 1 '
io, m kHotn a Mt a Mafli
t rt^lattmm tttahet a 300, 4*t e
vado: ao a* reata taperairii a. 71
Bretanha de reto.
Ve**a-sa bre uan Je rata eoai te aras a 3*200
a aaa, ta a ka** adfrlpbo.
Grande peeriincba.
Taaa-M pecas a a%odio as a 4*, 1*800 a
caroa vaeca a 5*900 a 6* : s na ra da Impe-
ratrit ovWlWBHa'"
Quem duvidar veoba vf, onWs da
cambraia a 3*5^ d.
Grande sortinipntn do corlo eti Baia bran-
ca e de cores a 3*500 ai*, ditos borB& a seda a
4*500 e 3*, cort. s de lia a 3*. 3*30% |*. 4*300
e 5*, ditos cascoenju a 3* e 3*500: tena ra da
lDperairt a. 72-
Uaziahas a 240 rs. o covado.
Veode-se em prande sortllaalii de lazmhas
Boas a 240,280, 300, 320, 360 et rv o covado,
esli se acabando.
E' baratissime, chales a 23000.
Chales de merm estampados a 2*, 2*500 e 39
dito* Baos a 4*, 5*500 e 6* : 56 aa rala da Impe-
ratr a. 71.
Cortes de brim a l#2t.
Grande sortimento de cortes de brim a 1*280,
nquissimos afeites com o cok d cabello^ 1*400,1*000 4*800 e 2*, ditos de aaasaiira'a 2*',
>eado inteiraBB>ote novidade, nao haver **500,3*e 3*500.
senhara que vendo taes enfeites deiche de, C*1138 1*0 n o covade.
comprar, pnnc.pala.enleaquellas que tive-!fit^^^^ ^ ao?-e~240 rs'
LOJA DO S

%mfr
DB

AZEVEDO & FLORES
illl Di %DEI1 IIO EIFE Lf. 4
Nao leiam
Chapeos deso de seda aballo que valem 13 a 10.>, em porco ter abatimento
de 101 trceito.
Bal5es
do ultim > goataeml'aiis, que estreito emcitaa e hrgos etn baixo, a 33, 4,?, e 55, dam-
se para a raostra.
Sobre-casacos de pann >.
Superiores, rnie valem 2J55 a 155, s o Bdo vende por este preco, paletotssa-
co de piano fiaos .juc valem 15J a 105, tamben se ve re eal$a< de brim branco finas,
ditas parda?, ditas e casemira. colete de casemira, paletots de alpa :a branca, e muitas
oiilr.u roapas feitis que se vendem barato.
Agor< vepm os precos d. s fazend >s.
RICOi CORTES M VESTIDOS DE SEDi f
A' loja de fazendas de Augusto Porto & G. m
11Ra do Qutimado*. >M
A' loja de fazendas de Augusto Porto & C. chegaram ricos cortes de vesti-
dos de seda das mais lindas cores, 4
Camisas io^lezas paira hornera, poito,.. pnaos ecoUrrahos-de liaho sope- TJo
rior.
. Vestidos dtjfilond m-Aanta e cpela para noivas.
Finissira >s cortes de cambraia branca borrJrdos.
Cortinado* bordado* -i diversas qualidades, pira cama3"e jaoellas.
Colxas dsela, e de lili e seda paracamis, de diversis cores e lindos de-
zenh ts.
Crotn superior para colote de c un de dirersar cores a- ljft20 o cvalo.
Vestidos bwdados para baptizados de 1050J0 a 2 tltOOO
Moireantiqae bran;j preto, e gcesflenapfe branco. de core e preto dos
meiliores.
Bons panaos pretos ejizues, e sortimento de casemiras preta e de cores. ]
Malas gr-tndes e pequeas para viagens nos vapores i Kuropa
Camnrarafi de cores, ISasinnis c perciles dos gostos mais modernos.
Tapetes grandes epequeos para sof, piano e cama.
Esiiariilh s, bal5es*. saiasborladas, meias finas, camisas, camisinhas, gra-
vatinhas, e manguitos para sennora*.
Bonels, e da >os -le palha da Italia parasenhoras.
Bramante, Brilhanlioa Bretanha, silesias, esguiSo e cambraia de lioho su-
periores.
Brins d> linho branco e de cores o que ha de mais moderno.
Neste estabelecim^nto ha semre su tmenlo de camisas e ceroulas france-
zas, as meihores e mais baratas.
steirs da ladia para br ar salas
-Ra do Quelaaado11
rem de a o ilhantar com sua precenca ao
anniversario do Hospital Porluguez.
S no vigdante ra do Crespo n, 7.
VoHlahas para menina.
Rquissimas voltinhas de fitinhas entran-
Cartas e CDm cru'. proprias para meninas,
estas voltinhas tornam-se recommendaveis
por serera inleiramenle novidade.
S no vigilante ra do Crespo n. 7.
Finas tbesouras para unbas e costura.
Lindos porta ione.
Ricos port relogios de porcellana.
a 240, 200, 300, 320 e 360 rs., di-
tas percales a 400, 440 e 500 rs.: se aa ra da
Imperatriz a. 72.
Lencos a 2/1 a duzia.
Veade-sa nm eraode sortimento de leacos a 2*,
2*500, 3* e 3*500 adazia, ditos de liaba a 4*500,
5* e 6*, "tilos bordado coa bico a 4*100 e 5*,
ditos muio Boor sam 7* e 14* a daga: s Ba
raa da Imperatriz n. 72.
A 55000 a peca.
Grande sortrraenio de madapolio da S 5*500 e
6*. ditos meihores marcas a 7*, *, 500. 9*,
10*. 11* e 12*.
I3al5esa 3*000.
Vende se um (ranov lortioMOto de aalies de ar-
Modernos peales de tartaruga e a imita- co a 3*v3*500, e '>*S00, ditos de ma>-eiiaa a



Chitas para cobertas, cores fixas, a 320 rs, dam-se amostras
Laas com lindos desenhos a 320 rs. o covado.
Cambra as de cores, lindos padrSes, a 30 rs. o covado.
Chitas escuras e claras para vestidos diversos presos
Cambraia para vestidos.
Dita larga para forro de vestido.
Madapolao que vat 10$ a 75, s oBalSo vende por este preco.
Camisas nuezas superiores que valem 45, a 35000.
Quem duvidar venha ver na loja do Ualo.
Chegon novo madapoISo.
Este rnadapo!3o val r\->, porm o Balo contina a vender por 65500.
dem muito fino que val 125 a 95: quem precisar aproveite emquanto tempo
es'-i
NOVO DEPOSITO
DE
'

fe
PAI4 DESCAROCAR ALGODAG
Kento de Oliveira Braga.
3-Rna Dlretta H.-53
Neste estabeleciraentp se encontrar3o a
verdadeiras machinas americanas chegadas oltima-
menle, as quaes sao feitas pelo mais afamado fa-
bricante da America, por uso avisa a todas as pes-
soas que pre.cifirem comprar, d se dirigir a este
lestabelecimenlo que comprarSo das mais perfeltas
rtieete genero, assim como mais barato do que em
oulra qaalquer parte, por isso qoe se recebe por
conta propria, bera, como cannos de chumbo e moi-
hos para moer roilbo, e grande sortimento defei-
rens e miudezas em grosso e a retalbo.

E VIIBO
Jlo Marta Cordetro Lima, esbelecau-se. em ermszfiB'de 1(^af..,,e socledade.com Joaqaim
Tr.o-n* da Cuaba, aa raa do Imporader o. 46; epat i Atoa ite Ltm Coprm, <$ Tqoaes pedem aos
seus amigos e ao respeiiavej lublico epi gera oee, gilsnllo prctsero.de afjtma loK{a, n3o dauem
de iir ^urar o dito estataiad^oto, onde aeharo Mi expreo^do srtimto de feos apparelbos D&(t
el)A, ditos para )aotar ?|ScVftrl braoco, de r<(, .t 5* a 28*; e todo a maU qoe aectrau a Ue tmrWp%>\o, fojas/vl
A divisa deste aoto estabrtedoeai* 6 3" "1 "fc,k l- "
,-lUodefftaraw par .trnder mallo lab exa^iejpauaaJiaUi
ier r/araio. ti^mj4 Miwt ro serete -
K' o 11 \n a ruino
Junto no Arco de Santo 4 titanio.
O gerente dcsie estabelecira-ato queivtulo grangear una numerosa freguezia,
jterminado a vender sen grande sorliibento de fazendas de escolhidos gostos e su-
periores qmlklades por precos que ninguetn pode vende para sustentar seu capricho,
assim faz o Barateiro.
A t tenga o Attenco A Menean!
Chales do gaipaae a S, ditos de merino com bonitas barras a 5^(500 e
6KW|..
Lambmias brancas e de cores.
Cambraia-; brancas de 4, i>500, H, at 8;>e9 a peca.
dem de cores bonitos desenhos a 720 e 640 rs- a vara e 300 rs. o covado.
Grosdenaples pretos e morimtiques, que se rende por barato preco.
Chitas de lindos padrees para vestidos, escuras e claras
dem para o berta, adamascadas e coloridas.
Tapetes em pecas para 1*900 o covado. .
Tapetes para portas, ditos de diversos tantannos e bonitos dezenbos. Oulras mui-
tas fazendas de gosto que se torna nfadon&o mencionar. D-se amostras e manda-se o
caixeiro a qualquer casa que fer chamado. *
Para homem. All A
\ -mj calcap de oasemira, prete e de^offs a >5, 75 8* 9, e 10*^
Paletos de panno e casemira de cor a 8#,~DJ e 1t #.
dem d alpaca brancos preto-e de cores a 35oOO 4#, 8/^000.
Golletes de casemira de cor e pw 40, e 5.
Chapeos de sol dtfsflda c ra cabo de marflm obra ricj-A.UtJ
Ditos de dito dito Jwnitos cabos de 74 a *5i>---------
Corts de cazemira a 4;> mi a |j200*b covado.,
Grande aertiMito doeasemirlltle^lindo gostos para costunles, brim e outras
muitas fazendas para fezer qualquer obra, a gosto do comprador para o que tem um hbil
mestre de alfaiate.
Cbeguem a ata Jo Cneapo n: 1 loja do BaratrQ
C3o.
Albuus para retratos.
Agulhas e linhas para crochetes.
Lindos aderecos dechristal.
Aderecos completos para luto, assim co-
mo brincos O rosetas.
Meias de seda para senboras.
Ditas para meninas.
Sa patio nos de seda o de mi ri, para
baptisados.
Touquinhas o chaposinhos para dito.
Las de todas as cores para bordar.
Capell.is para noivas.
Gravatas e mantas para homem.
AlQnetes para gravatas.
Riqui>simos livrinhos para notas, sendo
tora capa de madnperola, marflm echa-
ren.
Penas de ac de todas as qualidades, do
afamado fabricante Perris.
Froco e seda frouxa para bordar.
Bengallas e chicotes de todas as qu'ilida-
des.
Dedaes de marlim e metal.
Espelhas douradoa grandes, e pequeos
ditos de columna.
Dito espectaes para as soahoras fazerem
os pentiados.
Pulseiras tanto para senhora como para
meninas.
Riqissimas fitas lavradas e lizas.
Diademas do ultimo gosto.
Ligas de seda.
Ditas de seda e de aigodSo para margui-
! tos de senhora.
; Contas e tobos de ac.
Sus jensorios de seda e de algodao.
Grande e completo sortimento de perfu-
maras finas dos fabricantes mais afamados,
assim como muitosoutros objectos que se-
ria enfadonho mencionar.
S-no Gallo Vigilante ra do Crespo n. 7.
Verdadeiros
Cellares leyer
Elcctre Magnetice
Ou Collares Anodinos, para facilitar a den-
tico das crancas e contra as convuls5es
das mesmas, a estes collares nos escuzado
fazer qualquer recommendaclo, visto a
grande aceitarlo que tem tido, o que pode-
mos provar assim como, afiancar o effeito
que elles produzeaa, porque ba muito qrs
os recebemos e continuamos a receber per
todos os paquetes da Europa ; e encontra-
rlo sempre na loja do Gallo Vigilante, raa
do Crespo n. 7.
Tasso Irm&os
Vendem ne sea armazea ra da
3* e 5*0U, dito par* asninas e 3* e ^500:
aa roa da imperairn a. 72.
s
Veodp-se
Grvalas a 500 rs.
ravatas a
nm grande sortlmeoto de ya
500, 640, 800 e I*, mantas Sa-s a 1*200e i600
s na l triz D. 72.
Amuriaa a. 15,
Licor fino Guraoae m bojas o meias botjaa.
Licores finos snrtlee em farralu eom rolbaii
Idro e em lindos fraaeos.
. -
^-A^-4-4-
LOUQ WMQS. CnVSJAES E POfiCEUNAS.
Fereira Monten^ & GuimaHlee,
Ma roa lai>a d HH,rU. aV^.^lo a ltlcader. nartholonaeu.
O-preprelartes Oeste ttoau e-graii4e arroatem de loaea panieipam ae respeiuvel publico que
em ibb armamm taata am oomplelo sotienta de loa^a e Vrrtfe'ed%4 seta rtw apparellres ara
|*oUr eaara alfoxcvhraocpa, dtaMl ricos porta licores, galoate^^, gnarai^e^ para lavaiorios, rteosMmSes PV*
Mita

JU */. -' ..t*
itteM-<^^ari4e^iPafa,U*afcridt, f^S^artt plh _orqs: capdtefres a.8*r,
m ffl|oa qqa (tatfa BJiDiaa.iam voader pala m\\s diartMio prego pos^id a di-
ilaajaie/ .. '!*:**
i rr *.
VinhosCheres.
Santernes.
Cbambertin.
Hermitage.
Bor^onhe.
Champagne.
Moscatel.
Reluo.
Bordeaux.
Cognac.
Od Ton.
PAezei lagninl.
No armazem de toKiidas
barata de Santos Onellio
Ra do <{iiclamado m. 16.
Vende-se o segninte :
Looc-'s drt p^nno de hoho pelo barattaUrro nre-
(0 de 2*200 e 2*600. -
Lengus de bramante de lioho de om panno
a 3*200.
Loberas derhfta daIadiaa2*4O0e5**0o.
Lencos de cambraia amortes para alatbeira do-
na 1*800, 2*, 2*200, 2*600 e 4*.
Baldes de arcos para meaiuas a 1*600, 2*
e 3*000. ~^
Algodao enfestado com 7 palmos de targnri
1*100 a vara.
Atoalhado de algoOSo vara 2*.
Pocm de cambraia branca de salpicoa com 8
fia varas a 4*500.
Bramante d.' linho fino cam 10 palmos V larcu-
a 2*500 a vara.
I'aono de linho com D 1|2 Mlm tSAw ra a
2*100 a vara.
Bramante de linho de ilUkiumii a 1*280 a
vara.
Bra ant.' de lioho .le ama largura a aM a vara
Toali.as de linho asolcaoadas para mofc a 12*
a dona.
Ditas elpodas a 13* a dezia.
Gaardaoapos de linho a 3*300 a doria.
Pecas de embraia par, forro a 2*600 e 2*800.
Pe^as de cambraia adamascada com 20 varas
pro, ra para cortinado a 13*.
Tarlataoa de cores a 800 rs. a vara.
Fu li>o fleo a 709 a vara.
Dito de salpico? a I* a vara.
Planeta de cores '880 rs. o covado.
Biles de arcos para senhora a 2*800, 3*
3*500.
Ditos 1e arro> encarnados a 3*500 e 4*.
e 5 palmos da largara
IpcoMo
Esleir da India -e 4
propria para forro de sala par
que em ojtra qualquer parte.
Cambraias rias de cir^j miudas a
Neste arruazem tambem se eaaootra
roo? feila e iv ro-M
a vara
grand*
PKOSPHATOdeFE ro
[de LERAS dotor em i
INSPECTOR OA ACADEMIA DE ?A. Utc
Nao existe medicamento ferrngieoso to noiavel
como o PhotpUto ie {em i Lmu; aa aummi-
dadea medicaes de mando inieira adopmram-no
eom sollicilude sem igual aos annaes da aeieneia.
As core* palliiai, dores ie eUomtgo, digestoes
penosas, anemia, eonvaleseencu dtfltfia, idade
criiiem as senhoras, irrefularidad* # mens-
lma, pobresa do sempu, lywipnatitmo. toe
curados rpidamente aa) tafetn per este
Mcelienie composto. E' o conservador por excel-
lencia da sande, e declarado auperior nos hospi-
ues e pelas aeadamias a ledos as hrrugmoso
eeahecidoa, a iooreto e aa curato \~
t o aaica que convem aos i
), aiie alo provoca eaa
tambem qna ata ennegrece al
A venda na pbarmacias de P. i
C. 'A Gaers, era Pernarebuco.
Panno de algodao da Babia, proprio
saceos de assflear e roupa de escravos ifjaj
vender Antonio Luir, de Oliveira_*j|aaH
sen escriptorio roa da Cuami
Vapores.
Vende-se em oH
no largo do Corfl
com todos osperS
tres ou quaffirinL^^H
POTA
Vende-se pota
qua idade a m
assnrar a prec>
Silva Loyo A a
NOA N.
loaba de receb r aaa liado a Ho aor-
tibieato de acaeoe, rttnetot, 1 do nJ-
timo e mais apurado (oste da m ocn-
!os de alcance para olaervacoes pra'oc
naarii^
-v*c
sopermrede
o Uhrloeoe
mmamS
Velas.
Gomes de Manos IrmAos, na raa larga do Rosa-
rio o. 24, vendem velas e cera de carnauba e gom-
ma de mandioca.
Cal virgem.
Vende-se aa roa do Trapiche armazem n. 9, a
rttais nova qoe ha do mercado, (por preco cora-
wo,
O doatalg
Deposita, pbarmac
sano n. 10.
Vende-se orna casa |
Cabral em Oliada : a iral
lado direlto qnem vai da1
S. FraacUco,
,} ta a'c
l

k

i


Di,,. .. ..***
*l*1r .'
eo <|uln(a fcira t
i

t Se te tu oro de 1866.
NOVA LOJA
ENCICLOPDICA
RUA DA EMPERATRIZ ARMAPEM DA
PORTA LARGA N. 52.
*unto a padaria franceza
DE
Paredes Porto.
Neste estabelecimento encontrar ore,
peitavel publico um variado sortimento de
fazendas francezas, inglezas, suissas e alie-
nases, que se vendero por preco commodo.
Grande armazem de fazenda e
roupa felta, rna da Imperatrlz
h. &f, armazem da porta larga
Neste eslabeleciaieato encontrara' o respejia-
vel publico um complete sortimeolo de roupas da
todas as qnalidades e preco eonmodo. como se-
jam : palelols de alpaca, de merino, da bomban
na, panno, casemira, prete e de cores, caigas de
todas as qoalidades, colletes de diversas qualida-
des e precos coromodos, chapeos prelos fracezes,
fazenda de 10 a 65, ditos de sol de alpaca e seda,
sobretodos de paaao propnos para viagem a 115,
metas croas" de boas qoalidades e presos coromo-
dos, e outras mullas fazendas e roupas feitas, que
se vendm muito barato : no armazem da porta
larga n. 52.
600 rs.
Adiuiravel pechlneha.
Camisiohas decambraias a 600 rs. para acabar :
a roa dalmperairiz n. 52, armazem da porta lar-
ga junto a padaria franceza.
Casemira
Vende-se casemira de cor a 45 o corte : na rna
da Imperalriz n. 52, junto a padaria franceza.
Bales
Vende-se bales (crinolinas} de todos os lam a
Bhos a -i e 25500 : a roa da Imperatrix n. 52-
unlo a padaria franceza.
10500
ntremelos.
Vendem-se pegas de ntremelos com 12 varas a
lf 500 : a ra da Imperalriz n. 52, porta larga.
Chiles de renda a 4#
Vendem-se chales de renda pretos, fazenda de
boa qoaiidade, a i> por ter porcao : armazem da
pona larga n. 52.
Itctoadas e bouroM.
Recebeo oltimameate am sorlimento de rotondas
e boarnos de seda e de algodo por barato preco,
sootembarqo.es de grosdeoaple, capas e manteletes
por pregos commodos : armazem da porta larga
a. 52, roa da Imperatrix.
CaMbraias lisas isas.
Grande sortimento de cambraias lisas, qoe se
venem a 3,5, 34500 e 45, dita moito fina Victo-
ria a 54 e 54500, cortes de larlatana de bonitos
gostos a 3450O e 44 : roa da Imperalriz n. 52,
jamo a padaria franceza, armazem da porta, larga.
Tiras e mirmeios bordados
Grande sortimento de tiras e ntremelos borda-
dos, pelo preco de 500 rs. a peca : roa da Impe-
ralriz o. 52,,junto a padaria franceza.
Cortes de gurguro de seda
preta.
, Vendem-se corles de gorgoro de seda preta
para vesiido com 20 covados, por barato prego :
na roa da Imperatrii n. 52, junio a padaria fran-r
ceza.
600 rs.
Cortes de calca.
Vendem-se cortes de caigas para servigo a 600
rs.: na ra da Imperalriz n. 52, jonto a* padaria
franceza.
Las de vestido.
CheBoo a loja de Parede* Porto ntn sortimento
de las para vestido a 240 o cooado.: na ra da
Imperalriz n. 52, junto a padaria franceza.
Chambres
Chegon um sortimento oe chambres para ho-
rnero a 44 e 54 : na ra da Imperalriz n. 52, loja
de Paredes Porto.
Vestidos bordados.
Chegou a ra da Imperalriz n. 52, ricos cortes
de cambraia, bordados a croch, fazenda de 204
por i 24 : na loja de Paredes Porto.
250000
Grande pechlncha
Seleeia cem 26 varas a pega, largura de 5 pal-
mos, a 254 : na ra da Imperatrlz n. 52, Paredes
Porto.
VENDE-SE
No armazem de M. I. mamo* c MI va t-rnro. rna do Vicario
a. i i, eoustaateineate, os seguate* artigo, que
rece bem por encomio en da proprla de
Machinas americanas para descarocar.algodao.
Arados idem.
Gaz em latas de cinco galOes do oais purificado que tm este mercado.
Relogios perfeitos reguladoresiiom corda para oito das.
Oleo para machinas de eoslura*.
Agulbas para asmesmas.
Breu em barricas grandes, e pequeas.
Salsa parrilha de Bristol por LaDman & Kemp,
Agua Florida.
Anacbauita de Kemp.
Tnico Oriental.
Pilulas assucaradas.
Pastilhas vermfugas.
Pilulas do doutor flrandreth.
Prompto a'ivio de Radway.
Rezolut vo renovador.
Pilulas reguladoras.
Farinba de millio.
Vende-se tambem:
Principe Real.

NA LOJA E ARMAZEM
DO
Cinwnias raucas;
Com 8 palmas de largurae
^S*mm l#'" dopavo.
Dalmot1BC?fbf,*S "transparentes leudo
palmos de largura, on doas larguras das reiinla-
Ba da Imperatriz n. 60
DE
AM4 i SILVA.
8 palmos de largura, oo duas largan
i??"! 'ace'"a '""e um vcstfdo apenaVcSm 4
I2& e 7endem-se Pelos baratsimos precos de 'do
.!^mli,-e.A*!?).**"/Ii UD'"mentena loja o Ji1.6?!?I0." 6*0C'"a.'??a irD*> M'o>a-
Teno os proprielarios desto grande estabeleci-
mento resoivido diminuir
fazendas que (era na sua
rnaxem do Pavao, ra da Imperatrlz n. 0 de 6a"
roa & silva.
Baldes baratos
Vende o Pavao.
Chegon um grande sortimento de balfies de ar
eos sendo americanos que sao os melhores e ven-
Sm? P8l b,ir*,8s"uo Prego de 24500, 34 o
^ :na |0J1 0 Pavo na rua da Imperalriz d.
> de Gama & Silva.
retaubas de rolo a 2,5800.
vendem-se pegas de bjelanha de rolo lendo 10
!oi.%e:?mtmPomdAS SECada '^olar^mo re oT^.
OIlliEAl X
1.* ijnalidade.
St. Estephe.
St. Julien.
G. Margaux.
G. l.atitte.
Medoc.
PORTO
1'fHalidade,

Vinho fino do Porto em barris de 5/, !0/ e 20/.
Superior vinho doRheno.
Vermoulh de Fratellicora.
Ritter aromtico.
Panno d'algodao da fabrica de Todos os Santos,
dem. > daConoeic5o.
Eozofre de 1.a qualidade.
Pedro V.
Mara Pia.
Princeza D. Isabel.
Vctor Emmanuel.
Duque.
[ Malvazia.
parte, com o lim deapnrare'm dintieiro e cada*voz
r1r'i8,na6r1a,<,are? aos seus """"os" fregnezes,
f,V d offerecem om grande sortimenlo de
razenaas inglezas e francezas, as qoaes vendem
EJ aUeado releho. Compromttendo se a
SSJ?r ,ev*r. VuAvnr /azoada em casa doa /re-
guezes, que nao poderem vir a loja, ou mandar as
amosim donando Icar o penhor. assim como
;.u *s Pessal8 Qe negeceiam em meeor
essaiia que nesle estabelecimealo enconlram um
graMe sortimooto, veodeodo se-fhe apenas pelo
Inh0 ^a" coa*PTim em primeira mo as fazendas
gannando-se apenas o descont, sendo a dinheiro
vista.
As granadinas
Na loja do Pavo.
Uiegaram pelo ultimo vapor da Franga as
Retifoos na loja- do Pa\e.
_ Vendern-se re Ihus de ia.ir.ha> tapas resiior-
gao por prego moito barato: na loja e arnr-zem do
Pa\ao, rua da Imperatriz o. CO, dP Gama & Silva
Chitas pretas a Irio.
Vepdem-3e saperiures ebias pretas inglezas.
no i te e covado on a 640CO a rega imdo 38toYs-
oos : sto na loja e armazem do Pavlo, rua da Im-
peralriz n. 60 de Gama di Silva.
Saias,
Saias,
v i ^a'as# *
n,J.eD^eHSe Dm bpnit0 sorlimenio das melhores e
mai modernas cambralas propriao para ^ats eo.
do com bomtas barras bordadas e rom > e '01
lo brancas como bordadas 0e cor .",.,L (1,,, L
Ser. s: vrr sa,a de ^
.11. por ?"508 moil "cavis na r. la
Kes:r"ao',uid,i^''i-'K^
Grande pechlncha
em chales a 40 na loja do Pavo.
u.J ,'se Bo,ssinjos chales de merino lisos com
franjas largas de rtiroz tendo as cSres segoinies :
encamado aznl claro, azol escuro, verde, cor de
canna solferino, majenta, brinco e rxo etc.. esta
rateada vende-se s.mpae a 04 prla sua boa quali-
dado e agora liquida se pelo baralissimo prego de
*4 por ler grane porgo : na leja e armazem do
Pavao na rua da Imperalriz a. 60. de Gama &
Silva. "
A 4r3 pecbincha em chales de renda na loja
do Pavao.
Vende-se chales de renoa p-elos tendo 4 ponas
Rem.d.es do Dr J. C. A)erTTx"-Dte
da Ullvenffc de Peusvlvania. uas
Esiidos-l sidos.
Exlraeto composlode oaUs-par-
rilba de Ayer.
Peiloraldeeereja.
Remedio para sezdes.
PHulaa cathariicas.
O dep. sito ceHtral para u provijcias :
Pernmbuco, Alagoas, Par,'l>l.a e Uto-
Orande do Noile, d&les fen<( i(s to fa-
yoravelmente conhecidos e acobid^s em
todas as panes da America do Sul e do
MU
t RUA DO QUE1MADO N. ff.
Pechmc/(am
Finas cambraias de oores de modernos gostos a 500 rs.
Pegas de cambraia branca moito fina a 54.
Craude sortimento de chitas para todos os precos.
Lengos braucos para meninos doza 24-
Coberta de chita da India a S0OOO.
Algodao irangado largo para loalhas soperior fazenda vara 14300.
Cambraia de llnho para lencos.
Fino esgnio de iinho a 14400.14600 e 14800 a vara.
Grande pechincba.
Fazenda muito encorpada para roopa de escravos e pelo baralissimo prego de 220 o covado.
m g;>0D.ru da Imperalriz n* 6o/de Gama S'gJgJ^J^ d T'apicbe em
Para mo t Os precos de
Lencos bordados 133<5 por duzia de estrado de salsa pan ilba.
. VeDde Pavao. 27 por duzia de peitoral de< eieja.
n.a .i? e.ei?enu'acaba de receber ID va- 27f5 Pr duzia de rem< di D^ra sezp*
SM" ythe p^o barotissimo prego e 14 e,se eriienaem a dlnhelio vista, & n
14WJ0 caca um : na loja e armazem do Pavao na I aesconlo de 5 por -ceiito em auantiOades
roa da Imperalriz n. 60, de Gama & Silva.
Goaida banha,
Vendem-se bonitos guarda fcanha de laberynto
propnos para encosios re radeira?, pelos brraiissi-
mos frena de 2 a 34000 rs. na loja do Pavo na
roa da Imperalriz n. 60, de Gama & Silva.
os corliades do Pavo,
Vende-se nm g:aude sorlimento dos mais neos
cortinadosbort'ados, proprks para camase ianellas
pelos barilissimos pr. eos Ce 84, J04.1C4, 204 e
raa
os padrees de lisliohas e flores, conforme se
osam uiiimamente as principaes cidades da Ena
ropa, e vendem-se polo baralissimo prego de (140
rs. a vara na loja e armazem do Pavao. na roa d-
Imperatriz o. 60, d*ama 4 Silva.
Use-bales do pavao a 2euo e 2oeo rs.
. eaei5?m"ie cha,es de merino estampados a 24
e 2#s cada am.
Uitos de merm itp a 34500.
iios estmpalos de erepon a 64, 74, e 84000.
unos pretos bordados com fraaja de sed a 144.
"'* 2 ramera do Pavo na rua da Impera-
lriz n. 60 de Gama Silva.
Para loto vende o Pav5o.
Setim da Chioa com 6 palmos de largara, fazen-
aa preta para luto, propria para vestidos e roupas
para noeoens, sendo esiancva fazenda sem lastro*
ae muuo boa qualidade, garaotindo-se nao fiear
la *?u? ,en,p0 e vende-se pelo barato prego de
z<> e z^oou o covado, assim como neste eslafeoleci-
meoto lera nm
zendas
OVf)->.r5S05,H2
2 K M c o o -i <-

<" a 3 ETt- z*-^ ~* M m" ST. ^ 5
n>3 B 5 o & 3 w 151 S
o .
MACHINAS AMERICANAS
Verdadelras do fabricante X. Y. Canttongla 4 C.
floiohos americanos para moer milho.
Na rua Nova a. 20 e 22, grande deposito
das verdadeiras machinas americanas de todos
os fabricantes; se eo;ontra neste deposito
grande, porc3o de machinas, e se vendem por
menos preco do que emoutraqaalquer parte,
por se receber em direitnra da America; se
fornece todas as explicaces necessarias ao
comprador para conservadlo das mesmas;
neste grande estabelecimento se encontra mui-
tos arligos americanos, que muito deve agra-
dar aos agricultores que nsatn de taes artgos,
encontra-se tambem todas as colleccoes de de-
senhos sobre os quaes se aoeila qualquer urna
encoramenda, que com promptd5o ser ejecu-
tada ; teste grande estabelecimento, encon-
tra-se em grosso e a retalho, gr>nde porcao
de ferrageQs, e raiudezas que se vendem por preco commodo, pedindo-se a altencSo
de todos para este estabelecimento que muito lucraro em fazer suas compras: na
rua Nova n. 20 Camelo Yianna.
tera Um grande sorlimento de todas, as fa- 4000 rs. o par, assim como pegas da cambr
ta^Iilt* C.m SejaD1 cassas echitas preue, i bordadas e adamascadas prtpnas para o mesmo
sari. ,Zr. 1 ""Pfenles, pnncezas, alpanas, Om por pregos razoaveisna leja e armazem do Pa-
saras, eic. na loia e armazem Ac Pavan n m -
DE
FAZENDA E ROUPA FE1TA
RUA NOVA M. 4.
, a.
o
.liS,f.V.'&
10 roo



ce
1
a.
B
m
a/ ? c
=2 S
* 3SP
M
t
O
18
o 3*P
a,
%
5 8"
H
iy
*5
N-i
o
c
Reg & Moura, proprietario da loja de fazendas e roupa feita, sita rua Nova
n. 2i, fazem sciente ao publico e particularmente aos seus amigos e freguezes, que
acabam de receber de sua encommenda, um perfei 10 sortimento de fazendas finas, entre
ellas casemiras de cores proprsparacostumes paun fino dos melbores fabricante*
propnos igualmente para casacas esobrecasacas e outras fazendas de variado* gostos,
as quaes vendem com vanlageai sobre outro do mesmo genero de negocio, tanto pela
modicidade d-s prtpos c< mo pela qualidade especial dos artigos que expoe a escolha de
todos aquellesquesedignarem frequentar seu estabe.ecimento.'
smesmos, continuando como sempre, escudados e robustecidos na aceitac3oe
confianca que lhes tem sido dispensada pelo respeitavel publico, no empaco de lempo em
que se acoam estabelecidos, procuiamenvi.iar todos osestorcos a seu aleante para cor-
responderem suj.cieutemenle a expecuava deste e de seus numerosos freguezes e ami-
gos, por isso, admittiram para sua oficina de alfaiate, quatro contra-mestres, funecio-
aando regularmente soba dmediata direcciodo muito hbil meslre Lauriano Jos de
Barros, o qual, activo e diligente como se ser. nao se poupa aos mais aturados cuidados,
de sua arte quando tem de salisfazer com brevidade e presteza qualquer obra de encom-
menda,
Ao contrario dos muitos que enchem as columnas do jornal com a repeticao ociosa
de annuncios em estylo sedico, nao precisamos aqu a naiureza dos artigos que possui-
mos para nao collocar a sinceridadc dos nossuv tratos no perigo imminente que resulta
dessas antecipaces sem funoameoto.
loja e armsizem do Pavao na rua
da tmperamz n. 60, de Gana & Silva.
Os espartilhos dofavao.
jfiS?? nma *rande e wiado sorlimento de
esparumos dos mais betn feitos que lem ^indo ao
mercado, sendo de todos os tamanbos, vendendo-se
por um prego moito razeavel : isio na toja.4o Pa-
vao na rua da ln,peralriz n. 60. de Gama & Silva.
Lencos forneos a t#eo) res a
duzia.
nJ?rem M- fBCs blancos azenda moilo boa
pelo baralissimo preco de 24 a duzia, Ditos com
barra de cor a 2*000 islo para acabar na Ir.ja i
ftvao na rua da Imperalriz a. 60 de Gama & Sio
3.
ftpo*"apIes pretos do Pavo.
vendem-se superiores prosdenaples pretos pelos
naratissimos precos de 14500, 14600, 14800 e 24
ot-ovado, sendo faztnda muo bea, s para ac-
Mr: naloja e arntazcrodo Pavo, rua da Impe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
Bramante de llnho do Pavo.
Vende-se superior bramante de iinho com iO
palmos de larpura, prrprios para lenges, pelos
Daratissimos pregos de 24 e 24600 a vara, assim
como panno de iinho moilo fino pelos baratissimos
pregos de 640.700 e 800 rs. a vara : na loja e ar-
mazem do Pavo, rua da Imperalriz n. 60, de Ga-
ma iV Silva
Grande pecbincha ern loalhas
para mee.
Vf ndem-se superiores loalhas de Iinho pronrias
para maopt lo baralissimo prego de 60 rs.. ditas
a 640 rs ditas a imitagao-das felpudas a 800 rs,,
duas fa pedas a 14 : pecbincha na loja e arma^
zem do Pavao na roa da Imperalriz n. CO, de Ga-
ma & bilva.
ATLANTA
Cirande novidade a OO rs.
Allanta a 200 rs.
Allanta a 200 rs.
Atlanta a 200 rs.
Chegou para a loja do Pavo r mais lindo sor-
limento desia nova fazenda, coro o titulo d allant
proprla para vestido e roupas para meninos, sen-
do esta roodernissima fazenda de la com os mais
lindos costos de quadrinbos a lislras tendo entre
ellas de cor roza e preta, cora listras e cuadros
brancos propnas para lu, o vendrm-se pelo ba-
ratsimo ptego de 200 rs. o covado unieam^nle ne
teja do Pavsp rua da Imperalriz o. 60 de Gama 4
de 6aM2 duzias, e de 10 per cento en
quanudades superiores a 12 duzias.
A8 agrifbiiores
Sannders Brothers a C. araban, de receber de
Liverpool vapores de forga de 3 a 4 raaa!!.* coro
todos os perlences,e mui propnos jara fazer roo-
ver machinas de descarogar aij,dao, pi.dendu cada
vapor trabalhar ale com 140 serras, tambem ser-
vem para enfardar alpodo on jara otthro oralqner
servigo em que nsam trabalhar erm .oinae-. 0s
roesmos tambero lem a venda macboas nerica-
nas de 35 a 40 serras : os preiendentes dirijaro-
se ao largo do Corpo Sanio a. 11.
Escravos fgidos
vao na rua da Imperalriz n 60, de Gama & Silva.
Os ca bines Vendem-se os mais bonitos cacbins de roalba de
laa com bonilos gostos, proprios para sabidas de
Iheatro e bailes etc.ele. na loja earmazem do Pa-
vo na roa da Imperalriz b. 60. de Gama & Silva.
Oifaudy ** MittO n loja doPa\o,
Vendem-se os mais finos e mais modernos orpan-
dyes de cores ion. os mais dtlieados deseohos.sen-
do fazenda de 14600 re a vara, e liquidac-se pelo
baralissimo preco de dez tosiots a vara por esta-
rem lomando um pequeo loqoe de mofo, isto na
loja e armzem do Pavo na rna da Imperalriz n.
60, de Gama & Silva.
Desappareceu no dia 20 de agosto o prelo es-
cravo de nome Vicente, idade de 40 a 43 annoz
pernas arquiadas, estatura regular, ja foi viste mi
Laebanga e com la que esta' em Olmda e inliiu-
la-se ferro : quem o pegar ou der n.iiinas eertas
na rua da Cadeia do Kecife n. ol, pnmeiro andar
sera' recompensado.
M
pelo baralissimo prefo de 500 e 640 reis. na loja e'
armazem do Pavao na roa da Imperalriz n. 60, de
Gara* & Silva.
A 100 rs. para luto, vende o
Pavo.
Vendem-se laazinha* pretas proprias para luto
pelo baralissimo prego de K 0 rs. o covado : na
loja t armazem do Pa\ao rua da Imperalriz n. 60,
ee Gama & Silva.
Algodozlnhoa ^ OO a prca.
Vende-se pegas de lgrdaosinho, tendo 20 jar-
das cada pega, sem deleito alguro, pelo baratsi-
mo prego de 24200 uu 160 rs. a vara, grande
pecincba ; na loja e armazem do Pavo a' rua .'a
Imperalriz n 60 de Gama 5 Silva.
.t ande peebtoeha em bapeds
do Chyli a 54 e f.
Veodem-se superiores chapeos do Chvli proprios
para h^n^os. sendo dos mais moderuos que lem
vindo ao mercado pelos baratissimos pregos de
54 e 64 ealguns mais baratas : na loja e arma-
zem do Pavo a ma da imperalriz o. 60, de Gama
5 Silva.
Pechi ncha

Novidade
do Vigilante rua do Crespo n, 7,
A novidade do Vigilante somenle participar a
todas as senhoras e as senboras modista* que
.iiegado um bonito sorlimento de enfeltes para
vestidos de apu ado gosUj e ioleiraroeBie novidade
e moilo apreciavel em Pars, o nome des es enfei
tes Crespienne Margante : s se vende no Vigf
Unte roa do Crespo n. 7.
Novo e grande deposito de superior carvo de Cardiffna
Babia.
Antonio Gomes dos Santos & C., raa de Santa Barbara n. I, estao habilUadoa a sopprir de
oarvao, em condig5es mais favoraveis qae em outro qaalquer deposito, a todos os navios a vapor que
' ocarem naoueiie porto. A contratar nesla com Domingos Alves Maihens..
BA2IR
E
Tesouras para encrespar ba-
bados.
Vndese tesouras de duas, tres e cinco peinas
para encrespar babados: raa do Queimado loja
de Azevedo 4 Trmo.
Vende-se urna canoa bem construida sendo
a uiadeir^.de sicupira e amareilo; nova anda por
calafetar, de lolago de 400 arrobas: os preten-
i' Mes podem dirigir-se a roa da Praia n. 40.
Cbarntos suspiros verdaaeiros a 14 a eaixa : ao
armazem da Liga rua Nova 0 60.
multo novas a 900 rf. o cento
60.
na Liga m Nova
CHPEOS DO CIIILY
a 2fi, 2^500, 31 4|, 5# e
de mais presos.
Na praga da Independencia lajas ns. 23 e 25
tonto do funileiro, Jos Barbosa o Pequeo esta
errando por dinheiro.
lilil l
Grande armazem de tin-lf
tas medicamentos etc. M
g Rua do Imperador n, 22. S
S"afolo Pedro das Hevea (ge-2
rente) tem a venda o
segalnte:
Productos chijuicos e pharma- ^
ceuticos os m medicina.
Tintas para todo o genero de pin- *
tora e para tinturara.
Productos indbslriaes e tintas
para flores, como botes de flores
e modelos em gesso para imitar
fructas e passaros com o compe-
tente desenb.0.
Productos chimicos e industriaos
para phclographia,, tinluraria, pin-
tura, pyrotecnia etc.
Montado em grande escala e sup-
prido directamente de- Pars, Lon-
dres, Hamburgo, Anvers e Lisboa
pode offerecer productos de plena
confianca e satisfazer qualquer en-
commenda a grosso trato e a reta-
| ibo e por preco commodo.
m*mm}^ WWW *!
Vende-se vinho de Bordeaox cm qnirtolas,
barris e caias ; em C9M deTisiet frres, rua do
Trapiche o. 9.
s
Para meninos e meninas
Rua do Queimado n. 69.
E' ebegado para a loja de miudezas da roa doj
Queimado n. 69, um grande sortimenlo dos mais
lindos e moderaos brloqaedos para entrelenimento
dos meninos, aolaodo-se entre elles og seguintes :
apparelho para oratorio, ditos de chumbo e porce-
lana para almogo e jantr, tambores e pandeiros,
espingardas e pistolas, rebequiohas e violinhas,
carias de presepios completos, earrinhos om ca-
vallos e figuras, ceslinhat e earrinhos de palha,
corneiiobas e pisioes de folha, booecas de porce-
lana vestidas, ditas de chora, ditas ero bergos cha-
mando papai e mamai, cavallinbos de madeira de
varios lamanos, e ouiros mu tos brinquedos que
com a' vista se pede apreciar, adveriindo-se se-
znenle que nao sera' precisp grandes quantias para
os pais de familias entrelerem seos Albos.
m***** fe mmmmmmm
IMuito nova a 800 rs.
libra.
2
Na fabrica de padaria a vapor de Joao
R Lniz & Narciso, tem para vender roassas
com gomma de milho branco muile nova
S recebida emdireitura de Mxico e cooli-
I nuam a receber por lodos os navios vin-
| dos de New York, ttm o seo Mico de-
J psito na me&ma fabrica aa praga da
Santa Cruz n. 6 e 8. __
mwm
-~ Ventfe.se nma mulata qne aate eoser, ea-
gommar. cosinhar 9 lavar: na roa Nova u. 31,
lerceiro andar.

Silva.
Vestidas feraiiciis bordados a 60O0.
Vendem-se os mais ricos cortes de larlauna e
cambraia branca com lindas barias bordada e
Irazendo todos os corles eofeils suficientes para
corpo e mangas, pelo baralissimo prego de 65000
ditos com barras de cores, tanto de seda como da
mesma cambraia a C*, 8* e I0& lodos estes corles
s3o chegados pelo ultimo vapor, e vendem-se por
estes diminutos pregos na loja e armazem do pa-.
vo, rua da Imperalriz n. 60, de Gama Silva.
Vestidos a &$.
Vendem-se bonilos corles de cambraia branca,
com barras de cores e lodos brancos, pelo baralis-
simo prego de 4J : na loja e armazem do pavo.
rua da Imperalriz n. 60, de Gama & Silva.
Tapetes.
Vendem-se ricos tpeles para sala pelo baralissi-
mo prego de 8000 e lOJOOO r na loja e armazem
do pavao, rua da Imperatriz n. 60, de Gama 4
Silva.
Casemiras pretas a 4*400
Vendem-se corles de casemira preta soperior
qualidade pelo vbaralissimo prego de4j>500, gran-
de pechincba; na loja e arroazem do Pavo na
roa da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Iladapolfioa 3d500.
Vendem-se pegu de madapolo com 13 jardas,
sendo muito 6no, pelobaraUssimo prego de 34500%
diio mnite largo e encorpado a 4J000 : na loja e
arroazem do pavao, rua da Imperalriz n. 60, de
Gama & Silva.
< ambraia da Escossia.
Vendem se as mais Anas cambraias da Escossia
todas transparentes tendo mais de vara de largura
com 9 vira* cada pega, pelos baralis8imos precos
de 64, 6J500,75, 8fi, 95 e 105, grande pechin-
cba : na loja e armazem do pavo, raa da Impe-
ralriz n. 60, de Gama & Silva.
*ai-a nolvas.
Vendem-se ricos corles de seda branca lavrada,
viudo cada na armado no seu carto, oom a com-
petente pajma e capell : na loja e armazem do
pavao, roa da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva. '
Sedas largas a 1$600.
S o pavo.
Vendem-se superiores sedas coro 4 palmos de
largura, sendo dos padr5es mais bonilos qoe lem
vlndo ao mercado, e vendem-se pelo baralissimo
preco de 15600 o covado, corte de dilas muito
bonitas com 18 coyados a 355000 : na lojae r.-.e8wi; sendo o mais moderno.e mais proprio
mazero do pavo, rua da Imperalriz n. 80, de Gama *
Q Si I Vi.
Chitas rxas a 240 rs. o covado.
Vendem-se finissimas chitas rxas do Russell,
sendo fazenda muilo encorpada e core fizas pelo
baralissimo prego de 240 rs. o covado ou :> 95000
a peca, isto por tercm um leve toque de mofo po-
rro ab'anga-sfi que logo que se lavem o mofo sola
e seria fazenda para muito mais dinheiro se.n;io
fosse esse diminuto deleito : islo na loja 9 arma-
zem do Pavao na rua da Imperalriz n. 60. de Ga-
ma & Silva.
dranadine.
Oiegaram as man bonitas las granadines com
os mais lindos padroes de lislras sendo um teci 10
lustrozo qoe parece seda o mais moderno que esle
anoo tem vindo para vestidos e vendem-se por
preco muilo barato : nicamente na loja e arma-
zem do Pavo na rua da imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
Palelis baratos.
Vendem-se palelots de panno preto boa fazenda
pelo baralissimo prego de 65. dilos sobrecasacos a
i20, caigas de casemira de cor a 65 e 7, grande
sorlimento de colletes por pregos baratos e um
grande sorlimento de todas as qualidades de roupa
lano de casemira como de brim e vendem-se mui-
to em conta na loja e armazem do Pavo na roa
da Imperalriz n. 60, ae Gama & Silva. '
Chales de renda a 4000.
Vendem-se os mais modernos chales de renda
pretos pelo barato prego de 45000 : na loja e ar-
mazem do pavo, roa da Imperatrlz n. 60, de Gama
& Silva,
Ntwa faienda para vestidos.
Gama & Silva receberam pelo ultimo vapor os
mais modernos lecidos qoe ltimamente se osam
na Europa como sejam lasinhas com os mais de
Meados padrSes lislrados com seda e sem ella, ten-
do toda esta fazenda um lastro que brilba igual-
mente como seda e vendem-se per prego muito
razoavel : na loja e armazem do Pavo na roa da
Imperalriz n. 60, de GAma 4 Silva.
Pechincaa em cortes de chita
francesas.
Vendem-se superiores cortes de ehilas francesas
sendo escoras e claras oom as cores fizas tendo
cada corle 10 a 12 covados fazeudo-ihe a coqla pe-
los bsralissiroos pregos de 280 e 320 rs. o covaSo,
para acabar : na loja e armazem do Pavo a rua
da Imperatriz n. 60, de Gama 4 Silva.
. e de no-
me Miguel, o qual tem rs sigues sef urnips : cor
fula, alio, 10a figura, cibega pequea t-c-bello che-
gado; um ba.-ianie barba e ja Ihe fallero algun
denles, per tas compridas, i-- grandes e esparra-
dos, dedos cunos e torios,em um o> p* lem urna
cicatriz de machado entre o dedo graurie,.tem mois
na mo direila urna 001ra cicatriz moito vitivel
que parle pelo meio da unha do dedo pol^gar, cujo
dedo um pcoco defeiluoso, b ludo quaolo faz com deserobirago. Pede-se pois
as autoridades policiaes e capiles de campo que
prendara o dilo ecravo e o rerot-ttaro para o hcei-
fe e entregar a Clandio Doneaox, na rna do Impe-
radur, que recompensar groen sau.fnlc, cu par?
o Sendo a seu Sr Jos Baplisla dos Santos.
Desaparecido
Continua aDsente da casa de Seo seohor desde
J de agosto do anno correnle, o escravo mulali-
oho Oe nome Kaymondo, idade 15 aonos pouco
maisc-o menos, cerpo regular, ps hem Mtos ca-
ballos caxiados aparados, levou c.imla calca e
chapeo de palha, em nma das mos lem roa ciea-
Irtz em um dos dedos, proveniente de um lalhc
de rod qne tirn parle da poota du d d..- nn^m
der noticia ou apprehend^lo leve, o a ra-a da rua
do Imperador n 3, a seu feuhor Antonio Hara
de Araiijo, sonde asnsie. ou a roa da Praia n 43
laberna de Genuino Jos da Rosa qoe grat ficara
com genero-idade.e rogase as autoridades do cen-
tro oa provincia >ai vigilancia no sobredito es
cravo.
Est fgida.
A preta criooli de norne B nedicia de 35 annos
de idade pouco mais ou menos lem os slenaes e
guiutes : e^latura baiza, psapalhetad.-s, lem nma
marca antig* de ferida em nm braco, levou vesti-
do de chiia edr de R.,sa com um babado larga e
guarnecido de iraoga prela e panno da costa usa-
do : esta prela costoma mudar o nome e diz-sj
forra, conhece iodos os arrabaldes da cidade por
onde andaasvezes: qnem pegar leve-a asen
senhor Jos Jeronymo da Silva ta rua direiu os
2 e 82, qoe spr recompensado.
Aviso polica e aoe capi-
es de carapo.
Tendo o abaixo assignado por varias vezes man-
dado oro seu escravo 'de neme Beneoicto, cabra
claro, de idade de 24 annos ponce- mais ou menos,
vender (amneos e sapatos em am laboleiro pelel
arrabaldes desla cidade al Iguaiassd. Pao d'Aliio
e Campia Grande ; e tendo sahido ero 9 do cer-
rente para vltar no dia 13 : por isso quem o troa-
xr ou lie dr noticias ser gratificado de sen
irabslbo, na rua da Senzala nova o. !.-
___________Antonio Pereira Maia.
iiales americanos a &.
Vendero-se os mais sn^ieriores bales america-
nos tndo 30 e 35 arcos coro as filas bem largas e
coro aila roda toado os arcos moilo mais consis-
tencia qoe os inglezes, sendo neste arligo o melhor
qoe lesa viado ao mercado e veedem-se pelo bara-
lissimo prego de 5? ; na loja e armazem do Pavo IescraT0 Jose- fle 20 an
na rna da Imperalriz n.' 60, de Gama A Silva. '^Mohr, corpulento,
Camisinhas para ludo na loja do Pavao.
Vende-se nm bonito sortimento de camisinhas,
manguitos, golinhas e pannos de cambraia, fil e
Aa cnlehas do pavo.
Veadem-se boalUs colchas de fusiio pelo aara-
tissiroo prego de 650OO, ditos a imilago a 35000,
e grande sorlimento de cobertores, tanto de la
como de ugodo : na loja e armazem do pavo,
rna da Imperalriz n. 60, de Gama & Silva.
Alineas de cres para vestidas.
Chegarim as mais bonitas alpacas de cores pro-
prias para vestidos, sendo lisas e toad* de loaa* s
core sais moderna qua tona viudo ao aereado, e
vendem su pelo barato prego da 640 rs. o covado,
ditas lavradas com as mesmas cores a 720 rs., di-
tas de ccento braneo com palmas de cores a 600
rs., todas elas alpacas sao mallo largas a vendem-
se por estes diminutos precos : na loja e armazem
do pivo, roa da Imperalriz a. 60, de Gama &
Silva.
Lfl
di*.,24> de juoho prximo passado fogio do
engenho Dagaa, na ribeira do Araripe, om escra-
vo, crioulo, de ame Belchior, com os signaps se-
golntes: estatura regular, recreado do cerpe,
cor prela relineta, cara larga, denles bero alvos,
sijjDbiante alegre, pernas arqueadas, mal la Minie
represen!ndo 22 25 annos de idade. Consta
que lem andado por varios lugares da cidade do
Recife, e ltimamente pela villa do Cabo. Promat-
to-se qoem apprehend-lo generosa recompensa
podendo o dito escravo ser enlregue an Dr. Fran-
cisco Joao Carneiro da Cnnha, oa no Recife ao Sr.
Jos Mana Ferrelra da Cunha. Prolesla-se contra
qualquer que o baja acoulado.
Fugto'no dia 17 do corrente o escravo de no-
roe Micacio, de oagSo, esttlura alta, idade de mifc;
de 80 annos, tero faUa de denles, levou oro bada
de folha com ronpas : qnem o pegar, leve-o a' ca-
sada rua do C Ideireiro.n k.
F'ugip do Ri>m-J4rdim, no da 29 de ago.-lo,0
escravo Jos, de 20 a annos de Irtsde, cor Toia.
estatora regohr, corpulento, com orna cicatriz as
cosas, ps grossos a apalbeUdos, consta que aa-
dou nesia praga : pede, se a's auioridade? e caii-
les de campo qoe o arehdam e lemn. a' rua do
Queimado o. 17, loja do Sr. Carlos doMedeiros, qoe
recompensar generosamente.
Fugio no dia 16 do corrate as 7 horas da
coito, o escravo Jacintho de naci Casia, eom bat-
anles talaos no tosto, esiatura tuixa, meto gro6io
do corpg, lendo as p-rnas finas, os olbos um tanto
pequeos; levoa vestido calca preta e pletol de
que lem ymdo para laclo e vende-seporprego moi-
to risoavel na loja e armazem do Pavo, rua da
Imperatriz a. 60, de Gama & Silva.
Chapeos a 800 rs.
Vende-se chapeos de palba a imitacao de mani-
lla pelo baralissimo jirego de 800 rs. cada on por i6t, chapeo de nalha velbo, pintado : quem o pe-
tar nma grande porgo, na loja e armazem de Pa- gar lev o a rna da CaiMa do Recife n. 10, qae
vio, raa da imperatrlz o. 60, de Gama di U Corplabos pretos. Fogio no da 11 para 12ds correte o catea
Vendw-ae bonitos corWnn de grosdenaiJe de nome Wwtato, de ia>de de IrioU a irlnu e
pretoa, sendo ricamenienie enfeltados, a m,: na -inco aonos pouco mais ou menos, altura e corno
^rSW-? d paVa' rna 4a 'WwalrU n.60, regalares, mal encarado e desdenUdo na frtdft
ae uan di mm. osa de tomar rap e entilla aa por forro, or aa-
Casaqnlnhas oa Tasqnlnas. dar eaioaito. Uvob caiga braBcaVcamisa da mea-
Chegaram as mais modernas casaqufnbas da roa cor, chapeo do Coile e mais alguma roana
f rotdenaple prelo, ric?mente enlejiadas, vendem- Desconfia se qoe ande pelos arrabaldes da cidade-
se por prego moito razoavel : oa toja e armazem qnem o pegar leve-o em Pora de Ponas raa da
do Pavao, roa da Impera tris w, de Gama & Pilar, reBoagao de Laiz Antonio Gongalves Pesia
* Sil -a. & c, qne ser recompensada.


I^VB^^V
^^P

Diario de Fcrnamhu
4nlni felra ie fteembro de 1866.
^


LITTERATORA
recente, aqueJie emOna vez) paralitico desde a rMurf para baixo,
e tinha em casa urna cread, que o servia ha-
Praia symbohsa o arrojo levado a lemerid i .le : a
teraeridade levada ao deliri >.
Era pnela e lioo guerreiro, tloha o piralello do
THEATM DA GUERRA. geDeri| Mlre> que do ,Uo de Monle7Ido ao Me- va ons 14 annos.
Ro dia 14 teve lugar om fact de graade impor- l eo desenrolava ama bella f de offlcio, roroada N'um be'lo da resolViU casar-se em se-
tancia : a substitoicao do commaodo em cftete do com a importante viclorla do Pavoo. gtindas nupcias com essa domestica, e como
eaerrito braseiro. po'S bem, desea dopla comparacao o norae. do njgp0(jiaraover-se,pOrtpeaparlyslotrlns-
ti Sr. marechal Osorio, que ha mezes achava-se marechal osorio sahio triurapbante, e triamphante
rtoente, cooseguindo s torca de abnegagio e (ir- no juizo unnime dos tres xerchos,
O general Flores nao fui apeado do sea pedestal
de guerreiro intrpido, mas a seu nivel acha o ma-
recbal Osorio, que no entanto excede o muito em
providencia e acert militar.
O general Mitre continuara' a ser um chefe pe-
rilo, mas sua fama acanhou-se junto a do general
roaa de animo dominar seus soffvlmento.-, aflm de
p der de lo*o que soube da cbegada do Sr. marechal Poly-
doro pedi Ihe que o viesse substituir, o-menos por
aigum lempo ; por ij;: r sidamente senta aggra-
var-se seu mal.
formou de semovente em movel. a noiva acco-
modou-o dentro de nm cesto, e fel-o coaflu-
zir egreja.
ConsUva, porm, que em virtude de ob
servacBe di commissSo director* a presi-
dencia da provincia accedera a que se per-
mitsse que i entrada dos visitantes fosse
sem retribuido alguma.
E' admiravel e rica a colltccfo de tecidos,
diz o Rio Grandense, que se tem reunido
para a exposicSo provincial.
Tecidos de algodSo e de linho Qguram ali,
mostrando o que poderia ser entre nos a
Possuoum aulhographo escripto por ella, revista e jornaes no estrangeiro, que sao
E' ejt*phrase em inglez: tenho muito tioados sustentar e defender a digni-
prarer em v. r francezes. dade e nome do paiz, p&h-s* ser canteloso,
Ella julga-se perfeitamente feliz e est e $tor em pontos daJ>s as (iuest5ei tra-
sempre muito alegre, muito risonha e | la(jas# .
Para a historia, nao ha que attender seno
A apparencla exie r5 deste urna grande Incha- Osorie que o excede em arrojo sobre o campo de
cao as nemas, mas gando a opioio de faculta-1 batalha.
livos esli interessadas as fontes da vida, e por I Nao ja' pequea a gloria que d'ahi resalta
poaco que o tratam no nao seja assiduo e esme- para e nome brasileiro; porm nao s, nern a
rado, o bravo general pode mi victima do seu malor.
adianlad 1 encummodo. Nosso exerclto, formado de recrutas, foi pelo ge-
Da part* do exercito (oi com vcrdadeira magua neral Osorio eosinado a cmbater, e combalendo
que vio separarse delle o Intrpido general que a triumphar sempre; e os voluntarios da patria,
ha 15 mezes tinha a sua frente, e a quem consa-
Ahi apeado o cesto sob o arco cruzeiro, o' industria, se em lugar de estar entregue ao
anci.So mesmo de dentro daquelle vehculo esforco individual e tsolado, fosse ampla-
recebeu por esposa a sua Joanna por cujos mente desenvolvida.
amores so apercebiam os i 4 anuos de convi-
vencia domestica; e o seu respectivo paro-
Eutre os tecidos ha urna magnica peca
de linho conlendo fazenda para calca, collete
cho em nome do co, abencoou-lhes o con- paleto, que destinada ser offerecida a
lava urna amisade e dedicado como j mais ge-
neral aigum possojo.
Husma aliados, os Onentaes e Argentinos, sen-
niara a par dos Brasileiros a separacao de am ho-
rnera a quem admiravam com eathusiasmo, e ama-
vam como se fosse seu proprio chefe.
E' asss significativa esta posico adquirida pelo
uobre marechal Osorio nos exercltos alliados, e
em relaco as forcas qae directamenle eomman-
vlava, e por si s constitue sua raals brilhante, apo-
loga mas ea quero em ligeiros traeos desechar a
bella egura desse general brasileiro nos exerritos
da allianca, mostrando asslm o qae o paiz Ihe de-
ve, e o logar que a historia nao deixar de assig-
nalar-lbe.
Na.o necessito dizer o que era o exercito brasi-
leiro quando em Montevideo o marechal Osorio to-
mou conta delle.
Composto de 6,009 horneas poaco mais ou me-
uos, sendo am terco de guarda nacional de caval-
laria, successivamente devia receber, como rece
bsu, os elementos para formar ara grande exercito
deoperaces que padesse levar a guerra ao terri-
torio inimigo, e vence-lo no centro de seas acca-
muladas recursos militares.
Era empreza magna, e poaco menos1 que Insa-
peravel na situa^ao do marechal.
Para logo tinha qae acceitar os elementos, qae
oatros escolnessem, e at certo ponto organisassera.
Tinha qae affrootar as contrariedades do solo es-
traogeiru para um trabalho desses, e a crueza da
tstaci invernosa, que j se adiantava.
General novo, e nunca ensaiado era commandos
em chefe, careca do prestigio qae o lagar exige,
e senta as duvidas que no paiz, e no proprio exer-
clto se poaiam alimentar sobre sua idoneidade para
tao alto posto.
Nao ignorava que na populacao brasileira j
mais se tinha infiltrado o espirito militar, que em
ootros povos de paisano faz em poucos mezes nm
soldado.
A tortaosidadede de nossos meios de governacao
era-lhe conhecida, e sabia bem que nada de serio e
regalar possuiaraos em admioistraco militar.
Assira, com verdadeiro desanimo aceitou o en-
cargo para qae fora desigaado. A seus amigos da
corle escrevia elle cartas expansivas, e cujo pen-
samento era este : separai de meas hombros
esta pesada cruz : excessiva para miabas forcas
que todava darei inteiras a mea paiz em um posto
mais proporcionado com ellas. >
Quaado a modestia o nobre general vio-se desat-
tendida, chegon a vez da aboegago, e o marecbal
Oorio prmciplou a obra que levar seu nome a
ni loria, e qae o gravoa j ao coracao de todos os
Brasileiros, a de formar o esercito, e gaia-lo a vie-
_ loria.
Fora pueril dizer qae os actos do nosso geoeral
em chefe liveram sempre o cuoho da infalibilldade.
Ao cooirariodeve confessar-se que alguns erros
Ihe podem ser attribuidos, sobre todo na parte ad
mioistraliva do exercito ; mas o que sao elles
quando se eoosidera o todo colossal da obra que
realisou no espago de am aono, e que nada menos
do qae istoapresentar o Brasil como a primeira
potencia militar da America do Sul ?
Nao foi s crear ama fama, foi levaota-la gran-
diosa sobre am desconceit> tradiccional.
Nao foi s em um sentido : foi no lodo ; e do
general era chefe ao ultimo voluntario, o exercito
brasileiro captivoa a admiracao de seus alliados e
a estima das popolagdes.
A individualidade do general Osorio tornou-se
asss predominante.
E'< como:
O general qae o imperio poz a frenle de sea ex-
ercito liaba am duplo paralello a sustentar, em
fcravara e iotrepidez tinha o do general Flores, be-
roe de cem combates legendarios, hornero caja es-
pada fez as vezes de um exercito em poca bem
elemento com que o grande lctico francez Du-
maurier declarava nada poder-se fazer converten-
os ra tropas aguerridas com doas mezes de ope-
raedes somente.
Taes sao os ser vicos do marecha' Osorio a sua
patria, e elles iara em carainho de tornar-se cada
da mais grandiosos, quando a doeoca vem arran-
ca lo da frente de seu exercito, na vespera talvez
de urna victoria decisiva.
A arabico de gloria pode emmadecer, mas nao
emmuJeue o patriotismo em am coracao como o dw
general usono; e apenas no vigor de seu animo,
acha conformidade ao sacrificio que a natareza hu-
maoa Ibe impe.
La' foi elle pois caminho do Rio Graade, sua
provincia natal: la' foi buscar nos braces da a-
maoie familia o allivio, os cuidados que podem
proloogai-lhe alguns das mais a existencia.
Tende dado tanta gloria asna'patria, qae leva
das suas victorias? O titulo de baro, qae bem re-
meda o iropbo de Saladino ao regressar de suas
conquistasama mortalha.
Ao meaos qae a sua patria nao Ihe reserve a
sorte de Belisario I
O general Osorio foi sempre pobre, porm o
abandono de seas nteresses em qaasi dous annos,
e o excesso de despezas a qae sua posico o obri-
gava, ihe fazem boje um estado vislnbo da mi-
seria.
Saibam o governo e o paiz para qae cumpram o
sea dever.
O dote das Ulnas do nosso primeiro bere seria
muito mais do qae urna dadiva, seria o monumenlo
da gralido nacional.
O mesmo peder moderador tem ensejo de mos-
trarse grato com o dislinclo general. Um joven
tilno delle sollre pena por iosubordlnacio militar;
perdoar o Albo recompensando o pai, oio sera' ex-
ercer em duplo a bella misso daqoelle poder T
A juslica exige qae leado sido lio explcito
sobre o mrito e servicos do marecbal Osorio, ea
iadiqae ao menos as qaalidades qae dislingaem a
sea saccessor.
tracto, e impoz-lhe o carcter do sacramento
matrimonial.
E d'alli l foi o anciSo noivo reconduiido
sua residencia, acompauhado da cara me-
tade, que durante todo o caminho Ihe prodi-
galisava mil carinhos, phrases de mel olha-
dellas de candida: meiguice, rogando a um
tempo aos conductores do cesto que n5o ba-
lanceassera muito com ele, para quo seu Ma-
nuel nao padecesse aigum desmancho na sna
saude.
Dizem-nos que os noivos vivem mu;to fe-
lizes e alegres, senda que ella cuida com todo
o affan no enxoval para o fructo de sua alli-
anca, o qual muito breve deve vir luz.
Sua Magestade o Imperador, pelo expositor,
que tambem o fabricante.
Cada corle de vestuario de padro dif-
fere te e tecido em continuado.
O temporal dos dias 14 e 15 fizera em
Porto-Alegre bastantes estragos. No novo
mercado em constracejio cahira um raio, que
felizmente nenhum damno causou. No edi-
ficio da exposicao penetrara a chuva, ava-
dando grande quantidade de productos que
ah deviam tigurar.
O marecbal Polydoro sabidamente ara de nos-
sos mais i .lustrados geoeraes, e deu prova disso no
mus alto posto da admioistraco militar, qual o
ministerio da guerra.
Por esse lad) a escolha nao poderia ser mais
acertada; mas tambem o a ontros respeitos.
Tendo feito as campanhas do sal at o posto de
major, mais de ama vez, e em logar de nii peqae
na respoosabilidade, leve occasio de mostrar ha-
biliucoes para ora dia commandar era chefe o ex-
ercito brasileiro, entre outras urna bravura serena
e um golpe de vista lucido e pieciso.
Oisciplioador severa, mas justo; eolbasiasta pe-
la gloria do exercito, dolado de ama resolugo ina-
balavel nos momentos qae reqaerem energa, era
somma, to prevideme antes da batalha, como co-
rajoso no correr della, am dos poucos geoeraes
a quera poda conSar-se o nosso primeiro exer-
cito de operaedes, em substituico do marechal 0-
sorio.
Assim neobuma apprehensao deve sentir o paiz
por urna mudaaca que alias nao era possivel evi-
tar, no commando do primeiro exercito de opera-
C58S.
O geoeral que tem hoje a sua frente ba de fazer
progredir e levar a cabo a obra gloriosa que seu
digoo antecessor foi obrigado a ceder Ihe em raeio
caminho.
UH POLCO DE TDDO.
Em um dos dias prximo passados houve
na fregueziade Gaifar portugal um casamen-
to celebre.
GOntaram-DOS assim o cas*.
Havia naquella freguezia om anciao, dos
As boas cosinheiras em Franca sao desig-
nadas com o nome de Cordons bleus e s5o
remuneradas como qualquer cosinheiro de
primeira ordem.
E' usual ouvir diier que se despedio em
qualquer casa o cosinheiro e qae se tomou
um Cordn bleu
"*a Independence Belge encontramos no
folhetim de L. Ulbach a origem deste
nome.
O commeodador de Souvr, o conde de
Olonne e ouiros fldalgos francezes davam
jantares magoifleos e eram Cordons bleus,
quer dizer, cavalleiros da ordem do Espirito
Santo, a principal ordem da Franca antiga
e que s tinha gr-cruzes.
J se v que a fita era azul.
Aconteca pois que ao sahirem destes jan-
tarem os convidados diziam
Bem se v que jantar de Cordn bleus.
Isto v de magnate e senhor.
De urna cosinheira boa dizia-se que era
digna de cosinhar em casa aristocrtica, co-
sinheira de Cordn bleu.
?>ahi veio por abreviatura dar-se as cosi-
nheiras de primeira ordem o titulo de Cor-
don bien.
Esta explicacao de Luiz Ulbach que ex-
trahida da obra : Vins la modeet cabarets
du XVII sicle, de Alberto de la Fizeliere,
editada por Pincebourde em Paris.
Nao sabemos s< o livro conten verdades
ou petas, mas o nome do editor quer dizer
em portugtiez : Pilhas mentiras.
Um dia um alugador de jumentos alugou
alguns para Ievarem urna familia a feira de
Be'em.
Etavam porta os animaculos quando
desceu a familia, entre os membros da qual
vinha um cidadao alto como um piubeiro e
gordo comoum prreo.
Alto l, senhor, bradou o dono dos
burros quando o vio erguer a perna, o se-
nhor nao monta aqui.
v- EmSo porque?
Porque eu nao alugo os meus jumen-
tos para o genero humano montar.
FOLHETm
MEMORIAS
DE
DI SIRGENT DE liUQrAS
POR
Um Brasileiro.
"A~abertura da exposicao provincial do
Rio Grande do Sul fra transferida para 26
do passado.
Estava mareado o proco de 18 de entrada
de cada visitante.
Extrahimosde um livro de Amper e so-
bre os Estados-Unidos o seguiote :
Vi Laura Brtdgeman, moca que nasceu
surda, muda, e cegou pouco depois de nas-
cer, cuja historia j conhecida na Europa,
sobre tudo pela narraco de M. Dickens.
Este viajante to, severo e to ingrato
para com a America, s admirou Laura
Brtdgeman, naturalmente porque ella nao
fallava.
Em todo caso nao ser demasiado refe-
rir de novo semelhante maravilha, que hon-
ra o paiz onde se deu.
Laura Bridgtman urna pobre creatura
separada da sociedade por urna trplice bar-
reira, condemnada a viver fora da condico
humana, e que foi reintegrada na posico
de ser intelligente e posta em communicaco
com eus semelhantes por um prodigio de
devotamento engenhoso e de paciencia.
O autor deste prodigio foi o Dr. Howe.
Passei urna tarde bem interessante com
Laura Bridgeman, a quem o Dr. e mada-
me Howe tratam como sua lilha.
Ambos conversara com ella tracando-lhe
letras na mo.
Ella adquire idea dos sons pelo tacto!
Imagine-se quo difficil foi estabelecer
urna relaco entre os signaes e os objectos,
que ella nao podia conhecer nem pela vista
nem pela audico.
Eosinoo-se-lhe em primeiro lugar dis-
tinguir pelo tacto um grupo de letras feitas
em releve, formando o nome de um objec-
to ; conseguio-se dopois, por inauditos es-
forcos, que ella podesse recomppr a pala-
vra approximando as letras separadas, ao
mesmo tempo que se Ihe fazia tocar o objec
to siguiQcado pela juocco das letras.
Depois de grande .trabalho e paciencia,
umdia chegotrem que ella comprehendeu,
por este raeio, alguma cousa ; e em segui-
da aprendeu a representar as letras pelo
alphabeto manual dos surdos e mudos, o que
conseguio com facilidade.
Desenvolvida assim sua intelligencia, ella
chegou ao ponto de poder soletrar (diga-
mos assim) um oojecto com os dedos, isto ,
por raeio do tacto, emitando em seguida
com os dedos as letras que compunham o
nome do objecto.
Por este meio ella acostumou-se a reco-
nhecer pelo tacto os signaes exudados, e
que Ihe eram tratados na mo.
Fallava-se-lhe no mo, assim como ella
responda pelo alphabeto manual : a mo
era ao mesmo tempo seu ouvido e sua lin-
gua. -
E nao tudo : Laura sabe escrever por
meio dos nossos caracteres.
nunca mostra tristezas.
Tom insiinctivamecte a extrema delicade-
za das mulheres; raeiga e doe com as pes- j
soas do seu sexo, reservada com os ho-'
osos.
E' curiosa a historia do desenvolvimenio
de sua intelligencia.
. Foi preciso dous ann >s para que compre-
hende se os adjectivos ; teve necessidade de
am tempo aiuda mais longo para apanliar o
sentido dos substantivos abstratos taes como
dureza e outros.
A idea de relaco exprimida pela prepo-
sico em ddu-le muito trabalho.
O que Ihe foi ainda mais costoso foi a
comprehenco do verbo ser, verbo este que
exprime um grao de absiracco que nao
podem cliegar as linuas dos selvagens.
A relaco entre o modo de fallar A* !. m-
ra Bridgman e o dos selvagens o .- 1 vel.
assim, ella diz dous dominaos por dus se-
manas como dizem os selvagens, e os poe-
tas com elles, tinte primaveras por vinte
annos.
Laura aprendeu a escrever com facilida-
de, e conseguio at fazer somuias e subtract
c5es de pequeas quanlidades.
Nada mais tocante de que a narraco do
modo porque ella conseguio compreliender
a idea de raaternidade e reconhecer sua
mi.
Esta eolio-ou era primeiro lugar sob es
dedos de sua filha o objectos familiares e
a sua infancia.
Ao contacto delles, manifestando por lon-
go completa indifferenca, uim remi-
niscencia vaga appareceu afinal em sua
alma; ella empallideceu, corou e langou-se
nos bracos de sua mi, banhada em lagri-
mas, e extremamente sensibilisada.
O Dr. Howe coalou-rae como consegui-
ra ella comprchender a idea da existencia
de Deus : foi como os philosophos, pela idea
de causalidade.
Ha coasas, dizia ella, qae os horneas nao
podem fazer, como por exemplo a chuva, e
que entretanto existem.
Foi suCficien'.e aimpresso produzida por
urna gotta d'agua para germinar em seu
espirito esta questo de causa, a que todo
horaem chega necessariamente, e que tem
esta nica resposta.
Deus I
a verdade,
O prc,:o governo, o poro, os partidos, o
soberano. ;'-s iiistituiroes, perdm em ser
aduladas. Weme-se, ,'uanhndb-se reservas.
Appque se o escaplo da critica e da razo
aos facts, cuidtndu-s.i nao as dores do
doente, e nem no peso das responsabilida-
des, mas s na ligo que o deve e pode sal-
var, que jnsticir com escrupulosa seve-
ridade os bomens e a poca, de alto a baixo,
e pintar tudo a 1 vivo, sem sus.o e nem re-
ceio de compromeitimentos.
Felizmente o digno escriplor brasileiro j
nos deu provas de qu' e nrr assustava,
quando tratou de personagens altamente col-
locadas, e que cima de tudo collocava o
seu dever de historiador e philosopho.
O paiz e o futuro Ihe daro mais, prose-
guido nessa mar ha, do que glorias fu-
gaces que no presente poder colher.
I w
CAPITULO I.
ORIGBII, NASClMEITO E BAPTlSADt.
Era no tempo do re.
Urna das quatro esquinas qae formara as ras do
Ouvidor e da Quitanda, coriaodo-se raninamente,
charaava-se nesse tempoO canto dos metrinhot;
e bem Ihe asseotava o nome, porque era abi o la-
gar de encontr favorito de todos os individuos des-
sa classe (que gosava enlo de nao pequea consi-
derado.)
Os meinnhos de neje nao sao mais do qae a som-
bra carieata dos meiriobas do tempo do rei; esses
erara gente lemivel e temida, respeitavel e respei.
tada ; forraavam um dos exiremos da formtdavel
eadeia jadiciaria qoe envolva todo o Rio de Janei
ro no tempo em que a demanda era entre nos ora
elemento de vida : extremo expesto eram os de-
sembargadores. Ora, os extremos se tocam, e es-
tes, tocando-ee, feebavam o elrcolo dentro do qoa|
se passavam os terrivets combates das cltaces,
provars, rasdes principaes e flnaes, e todos esses
trejeitos jodiciaes qae se chamava o processo.
D'ahi so* influencia moral.
Mas linham ainda oa.tra iaflaencia, qae iasla-
meole a qae falU aos de boje : era a inflaenci
qae deriva ,'am de saas condi?3e pbysioas.
O meinnhos de boje sio bomens como qnaes-
qaer outros; ada team de imponentes, nem no
sea gemnlante nem no sea traj, eoofondem-se
cora qoalqaer procorador, escrevente de cartorio
Os meirinbos.desse bello tempo oip, So se con-
fundiam com nioguem ; eram orlgioaes, eram ty-
pos : oosseos semblantes translazia om certo ar-
de magestade foreose, seos olhares calculados e sa-
gazes sigmBcavam chicana.
Trajavam slznda casaca preta, calcio nielas da
mesmaedr, sapato aBvelado, ao lado esqoerdo arls-
Tocratico espadiro, e nallharga direita peoduravam
um circulo branco, caja sigoiflcaco igaoramos|
e coroavam ludo isto por am grave chapeo ar-
mado.
Collocado soba importancia vantajosa destas
coodiQ5es, o meirlnbo usava e abasava de sna po-
sico.
Era lerrivel quando, ao vollar ama esquina ou
ao sabir de raanna de sua casa, o cidadao esbar-
rava com nina daquellas solemnes figuras que,
desdobrandu junio delle ama folba de papel, come-
cava a lela era lom confidencial I
Por mais que se tnes.-e nao bavia remedio em
taes circumstancias seno deixar escapar dos la-
bios o lerrivelDou-me por citado.
Niuguem sabe que siguiiica^-o fatalissima e
crael linbam estas poacas palavras! eram orna
senienca de peregrinaco eterna qae se pronuncia-
va contra si mesuio ; queriam dizer que se come-
cava ama looga e afadigoaa viagem, cojo termo
bem distante era a cana da relaco, e dorante a
qual se tinha de pagar importe de passagem em om
sem numero de poaios; o advogado, o procura-
dar, o iuquiridur, o esenvao, o jais, jaexoraveis
Cnaronies, esiavam a' porta de mo estendida, e
uingaem passava sem que Ibes vesse deixado,
nao am bolo, porm lodo o contedo de suas al-
gibeiras, e at a ultima parcella de tua paciencia.
Mas voliemos a' esquina.
Quem passasse por abi em qualquer dia til des-
sa abenQoada poca vena asseulado em assenios
baixos, enlo osados, de couro, e que se denomi-
na vamcadeiras de campanh'aum grupo mais
ou menos numeroso desea nobre gente conversan-
do pacificamente em tudo sobre qae era licita con-
versar : na vida dos fldalgos, as noticias do reino
e Das astadas policlaes do Vldlgal. -
Entre os termos qae forraavam essa eqnaco
meirinbal pregada na esquina bavia ama quanti-
dade constante, era o Leonardo-Pataca.
Cbamavam assim a urna rotunda e gordissima
persooagem de cabellos brancos e carao averme
Ibado, qae era o decano da corporacao, o mais an-
tigo dos meirfnbos qoe viviam nesse tempo.
A vejhice tinba-o tornado moleirio e pachor-
relo ; com sua vagareu atrazava o negofb das
parles : nao o procuiavam.; o Pr 'sso jamis sa-
bia da esquina ; passava alli os dias sentado na sua
caVira, com a3 perou eslendidas e o qoelxo
apolado sobre ama grossa bengala, qoe depoi dos
cineoenta era a saa InfaHvel compinbi.
O Correio Mercantil diz o seguinte :
Communica-nos pessoa competente que
o Sr. conselheiro P.^reira da Silva, tendo
terminado com mais dons volnmes a sua
Historia da fundacao do Imperio Brasileiro
at 1825, pretende suspender narraco do
periodo seguinte a de i810, para poca
mais conveniente ; mas oceupa-se desde j
e trabalba em escrever as.Memorias potin-
cas do seu tempo, isto de 4840 era di-
ante, sobre o segundo e actual imperio.
Confiamos em que o douto escriptor se
empenhar na empreza com a imparcialida-
de, independencia e liberdade, de qoe osou
a respeito do remado de D. Maria I e de
D. Jlo VI, e teremos assim verdaleirae
exacta historia qne deixe aos psteros bem
acla'reada siluaco, e as causas tiesta poca.
Que servigos prestar o Sr. Pereira da
Silva ao paiz, revelando sem d, e nem amor
ou ira, estes aconteciraentos, esta fantasma-
gora de systeraa representativo, porque te-
mos passado, e anlo tem retardado os pro-
gressos do p >iz ?
Todos tem commettido erros.
Sejam elles publicados e julgados com
justica, e nao por espirito de partido e nem
por servilismo e adulaco. Para artigos de
L-se no Jornal do Comm'ercio, de Porto-
Alegre :
Acaba de ser realisado pelo Sr. Joo
Worm, machinita allemao, residente no
districto do Coulo. um invento que vem au-
xili r eflizcazmente nossa agricultura, que
dTinha mingoa de bracos.
Ha pastantes annos a assembla provincial
sob a indicado do pre?timoso. cidadao, o
Sr. tenente-coiMnel Mariauti, enlo membro
seu, decretou um premio de oito contosde
ris a quem primeiro descobrisse urna ma-
china que'preenchesse, aas atafonas de fa-
milia a rapaco da mandioca, operaco esta
feila mo, e que consom muito lempo, e
requer grande copia de bracos.
Diversos inventos tem sido submettidos a
analyse de pe soas entendidas, mas nenhum
salisfez at hoje esta necessidade dos que se
dedicam ao planto da mandioca.
O Sr. Joo Worm, ao que uos acabara
de informar, invenlou urna machina que
substitue com toda a efficaca o emprego de
bracos n'esta operaco.
O auxilio q.ie seuelhante fado possa ter
sobre o futuro de nossa agricultura, intui-
tivo, e dispeosarase commentarios desde
que nos lembrarm pela assembla provincial.
Se esta machina, como nos informara.
preenche satisfactoriamente o fina para que
destinada, rapando, por meio de mollas
que se comprimem ou se ddatam, raizes de
todas asgrossuras. tirando-lhes at os olbo-
e tornanio-as perfeitaraente limpas, impor-
ta em cada engenho o emprego, pelo me-
nos, de mais de oio bracos.
Sr. Joo Worm apresenta-se requerer
umexarae em sua machina.
E' de presumir que o governo es lareei-
do e patritico que temos, Ihe f citite-todos
os meios que pussam contribuir para-que
elle prov a utilidade de seu invento.
Do habito qae tinha de queixar se a todo Ins-
tante de qae s pagassem por saa eitagao a mdica
quamia de 310 rs. Ihe viera o appellido que junta-
vam ao sea nome.
Saa historia lera ponca cousa de nota vel.
Fora Leonardo algibebe era Lisboa, sua patria ;
aborrecera-se porm do negocio, e viera ao Brasil-
Aqal chegando, nao se sabe por prolec?ao de quem
aleaocoan emprego de que o vemos empossado, e
qae exercia, como distemos, desde lempos remo-
los. Mas viera com elle no mesmo navio, nao sei
fazer o que, ama certa Maria da bortalica, qaio-
landena das pracas de Lisboa, saloia rochoocban-
da e bpoiloia.
O Leonardo, fazendo-se Ihe justica, nao era nes-
se tempo de sua mocidade mal apossado, e sobre-
lado era roaganao.
Ao sahlr do Tejo, estando a Mari encostada a'
borda do navio, o Leonardo fingi qae passava dis-
trtbido por junio deila, e com o ferrado sapallo
assentou Ibe ama. ralete pisadella no p direito.
A Maria, como se ja' esperasse por aquillo, sorrlo-
se como eovergoubada do gracejo, e deu-lhe tam-
bem em ar de disfarct um tremendo belisco as
costas da mo esquerda.
Era isto urna declaraco em forma, segando os
osos da trra : levaram o resto do dia de namoro
cerrado ; ao anoiiecer passoa-se a mesma sceoa de
pisadella e belisco, com a diflerenca de serem
desla vez om poaco roa s fortes ; e no dia seguinte
estavara oe doas amantes to extremosos e fami
liaros, que pareciam se-los de moitos annos.
Quando saltaram em ierra comeeea a Maria a
sentir certos enojos : forana os doas morar juntos:
1 e d*abi a om mez manifestaram-se claramente os
i effeiios da pisadella e do belisco ; sete mezes de-
' pois teve a Mana am flibo, formidavel meoioo de
qaasi tres palmos de comprido, gordo e vara elho,
cabelludo, esperneador e cborio; o qual, logo de-
pois qae nasceu, mamn daas horas seguidas sem
largar o peito.
E este nasciraeoto cortamente de tud o qae
temos dito, o que mais nos iotereasa, porque o me-
nino de qae fallamos o bere desta historia.
Chegon o da ** bapear-se o rapas : foi madri-
nha a parteira ; sobre: o padrioho houve soas da-
vidas : o LeonVdo queria que' fosse o Sr jntz;
porm leve de ceder a iosta*5a da Maria e da
comadre, que queriam qae (se o barbelro de
defrwile, que aflnal foi idoplad.
E' um grande rio aurfero da provincia de
Matto Grosso: nasce do Vertenle Septen-
trional da Cordilhein Pareis, leste dos
nascentes do Paraguay, a 13 i[ graos de
latiiude: corre por espace de OO leguas
do sul para N N. E.
Este rio engrossa-se pela margem, direila
com as aguas do no Preto, com as do Su-
midouro 30 leguas mais abaixo, e com as
do Cbacuruhe, quaado est para juntar-se
com o Joruna.
O Juruna e o .Vrinos reunido* em 9 graos
e 20 minutos forraam o rio Tapjoz, afflu-
entedo Amazonas.
J se sabe que houve nesse dia funeco : os
convidados do dono da casa, que eram lodos d'a-
lm-mar, caoiavam ao desafio, segundo seos eos
lames; os convidados da comadre, qae eram lo-
dos da ierra, dansavam o fado.
O compadre trouxe a rabeca, jue como se
sabe, o instrumento favorito da gente do officia
A principio o Leonardo quiz que a festa Uvesse
ares aristocrticos, e propoz qae se daasasse o mi-
nuete da corte. Foi acceila a idea, ainda que bou-
vesse difficuldade em eoconirarem-se pares. Afl-
nal levantaram-se orna gorda e baix matrona,
mulber de am convidado ; ama companheira des-
ta, cuja figura era a mais completa aotilhese da
saa; um collega do Leonardo, miodioho, peqoe-
nine, e com fumaoas de gaiato, e o sacrisio da
S, sujeito alio, magro, e com pretencoes de ele-
gante.
O compadre foi quem tocn o minuete na rabe
ca-, e o auibadioho, deitado no eolio da Maria,
acompanbava cada arcada com am guincho e um
(^perneo. Isto fez com que o compadre perdesse
muitas vezes o compasso, e fosse obrigado a reco-
mecar ouiras tantas.
Depois do minuete foi desappareceodo a cere-
monia, e a brincadeira afirventou, como se dizla
n'aqoelle tempo.
Chegaram ns rapazes de viola e mchele : o
Leonardo, instado pelas senhoras, decidiu-se a
romper a parte lyrica do divertimeoto. Senton-se
n'um tamborete, em om logar isolado da sala, e
tomn ama viola.
Fazia am bello effeito cmico ve-lo, era trajes
do oficio, de casaca, calgo e espadim, acorara-
nhando de om montono zum-zum as eordas do
instromeolo o garganteado de orna modioba pa-
tria.
Foi as saudades da ierra natal que elle aebou
tospiracio para o seo canto, e isto era natural a
nro bom Portoguez,' que o era elle. A modioba
era asslm :
Qaando estava em minba (erra,
Aeompanhado ou sziobo,
Cantata de noete e de da
Ao p d'uin copo de vinho I
Fot execatada com itlencio e applaudida com
emhosiasmo; fomenta qnem nao parecen dar-lhe
lodo 9 apreeo foi o pequeo, que obzequion o pal
como obzeqntra ao padrlnho, marcando Ihe o
compasso a guinchos e esperneios.
A' Mari avermelharam-se Ihe os olhos, e sos-
pirou.
O canto do Leonardo foi o derradeiro-loque de
rebate para esquentar-se a brincadeira, foi o adeus
s ceremonias.
Tudo d'ahi em diante foi borbormbo, qae de-
pressa passou gritara, e ainda mais d-pressa
algazarra, e nao foi ainda mais adame porque de
vez era quando viam-se passar atravz das rotulas
da porta e jan-lias urnas certas figuras que de-
nunciavarn que o Vidigal aodava perlo.
A festa acaboa tarde ; a madrinba foi a ultima
qae sahio, deiumlo a bengSo ao afilhado a pondo-
Ibe ao elutelro um raminbo de arruda.
PniMEIF.OS INFORTUNIOS.
Passemos por alto sobre os annos qae decorre-
ram desde o oasclmento e baplisado do nosso me-
morando, e vamos encontra-lo ja na idade de sete
annos. Digamos nicamente que dorante lodo es-
te tempo o menino nao desmenta aquillo que ao-
ooocira desde qae nasceu : atormentava a visi-
nhanca com om choro sempre em oltava alta ; era
colrico -, tinba ogensa particular madrinba, a
qaem nao poda encarar, e era estraoho al ole
poder mais.
Logo qoe pode andar e fallar, tornou-se nm fia-
cello; quebrava e rasgava todo qoe Ihe vinba
mo.
Tinha ama palxo decidida pelo chapeo armado
do Leonardo; Se este o deixava por esqoecimeolo
em aigum logar ao sea alcance, lomava o Imme-
diatameote, espanava com elle lodos os movis,
ponha-lhe deolro tudo qae encootrava, esfregava-
0 em ama parede, e acabava por varrer com elle
casa, at que a Maria, exasperada pelo qae
aquillo Ihe bavia costar aos oavidos, e talvez is
costas, Mfaoca*a-lhe das mo1 a victima infeliz.
Era, alera de traquinas, goloso ; quando nio tra
qooava, coma.
A Maria oo Ihe perdoava; Irazia-lbe bem mal-
tratada ama regio do corpo; porem elle oso se
emendava, que era tambem teimoso, e as travs*
su>as recomecavam mal acabava a dr das pal-
nudas.
Asslm chegon aos 7 anocs.
Afinal de contas a Mara sempr era saloia, o
Leonardo coroecava a arrepeod-r-se seriamente de
ludo que tinha feito por ella e cora ella.
E tioba rasao, porque, digamos depressa e sem
mais ceremonias, bavia elle desde certa tempo
concebido fundadas suspeltas de que era airai-
coadu.
Havia alguos mezes atraz iiuha notado qae am
ceno sargento passava-the muitas veses pela por-
ta, e enfhva olhares curiosos atrivez das rotulas :
urna occasio, recolheodo se, parecer Ibe qoe o
vira encostado i janella.
I-to porm passoa sem mais novidade.
Depois comecou a eslranbar que um eerto colle-
ga seu o procuras e em casa, para tratar de nego-
cios do officia, sempre em horas desenconlradas :
porm Isto tambem passoa em breve. Finalmente
acoateceu-lhe por tres 00 quatro vezes esharrar-se
junto de casa com o capiao do navio em o/ie li-
nha viudo de Lisboa, isto cansn Ihe series coi-
dados.
Um dia de roaona enlroo sem ser esperado pe-
la porta a dentro ; algoem qoe eslava na sala
abriu precipitadamente a janella, saltea por ella
para a roa, e desappareeeu.
A' vista disio Bada bavia a davidar: o pebre
horaem perdeu, como se costama dizer, as esiri-
beiras; ficoa cgo do emme.
Largoa apressado sobre ora banco nos autos
qoe tratla em baixo do braco, e endireimn para a
Mana com os punhos cerrados.
Ganadecissima t...
E a Injuria qne ia soltar era to grande qae o
enga.sgoo... e poz-se a tremer com lodo o corpo.
A Maria recuou dons passos e poz-se em gnar-
da, pois tambem pao era das qoe ie receiava com
qualquer cousa.
Tira-te la, Leonardo I
Nao chames mais pelo mea nome, oo cha-
mes... qae tranco-'e essa borca a socos...
Safo-so. d'ahi I Qoeo be manden por-se
aos namorteos comlgo a bordo T
luto exasperoo o Leonardo : a lembranca do
amor aogmeoton-lbe a dr da traicao, e o ciume
e a ratea de qoe aa acbava possoido transborda-
ran! eo sones obre a Mana, que. depois de orna
tentativa muiil de resistenet desatou a correr, a
chorar a gritar :
( CmUsnnr-w ha).
PEU.N.TYP. UE M. P. DE P. & FILHOs1856
\
-
1

r
1
ftBml


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EM1SA8GV2_MVS6QZ INGEST_TIME 2013-09-04T21:53:14Z PACKAGE AA00011611_11073
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES